Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12904


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANKO XLK. NUMERO 104
------------------------- r
PABA A CAPITAL K LUGARES O fDE KlO SE PACA PORTE.
Por tres mezes achantados................ 6$0Q0
Por seis ditos dem............,..... 139000
Por um auno dem ................ 24JN)00
Cada numero avulso ................... 330
PARTA FEIRA 7 DE MAIO DE 1873.
PARA DENTRO E FRA DA PROVINCIA.
.Por tres mezes adiantados................
Por seis dilos dem........% '.......
Por note ditos dem.................
Por um anuo dem...................
PROPRIEMDE DE MANUEL FIGUEIBOA DE FARI & FILHGS.
Os Srs. Gerardo Antonio Al ves & Fhos.no Para; Gonc.aives & Pinto, no Marauho; Joaquim Jos de Oliveira Filho, no Cear; AnUio de LelU* Braga, no Aracaty ; Joo aria Julio Chaves, no Ass; Antonia Marqu da Silva, no Jatal; Jone
Tereira d'Almeida, em Mamnguapc ; Augusto Gomes da Silva, sa Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa ta Peana; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagdas; Alvos C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio ,'de Janeiro.
PARTE OFFICAL
\

Governo la provincia
LEI t. 1083.
O baeharel Henrique Pereira de- Lucena, commendador da 111
perUT ordein da Rosa, cavalbeiro da de Clirsto, juiz de dheito i
presi lente da provincia de I'eniaubuco:
Paco saber a lodos os seus habitantes que a assembla legislati-
va provincial decretou e eu .-aiifciunoi a resolueo seguinie :
art I tica desmembrado la freguezia di- Nossa Senhora da
feiha de Villa Bella, e eonslitujndo una nova freguezia, sob a 11-
vocago deS. Jos de Belmonte, o sf.guinte territorio : Todas as
agua* de riacho lloqueirao da f zenda Carnauba (inclusive) pan
cima ; e partindo desta para o sul. pela estrada Gamelleira, at os
limites da freguezia de Panuda Grande, Comprebendidas para a
nova freguezia as banda* amclleira, S. Goncalo, Duradcira, Var-
zea, Santa Clara, Sitio do Brejo e Entre-Sena.'
Alt. i." A igreja di .S. Jos da povoaeio do Belmoute ser a
matriz da nova fregaezia.
Revogaui-se as di-posiges em contrario.
Mando, portento, a todas as autoridades a riuein o conheeiinento
< execuco da presente resuluedo pertenec- que a cumprain e fa-
gam cuiprlr ten inteiramente com nella se contera.
O secretario interino du presidencia desta provincia a faca im-
primir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernanibuc.,, 21 de abril de 1873, 52/
!a independeiicja e do imperio.
L. S. Henrique Pereira de Lacena.
Sellada e publicada a presenta resolugao nesta secretaria da
presidencia de Pernambuio, aw 24 de abril de 1873.
O secretario interino,
Joao Diniz Ribeiro di Cuulia
LEl-N. I 8fi.
O bajharel Henrique Pereira de Lucena, commendador da im-
perial ordeiu da Rusa, cavallieiro da de Christo, juiz de direito e
presidente da provincia de Pernambucn :
Paco saber a todos os seus habitantes que a assenibla legi.-la-
tva provincial decretou e eu sanecionei a resolugao seguinte :
Arl. nico. Ficam approvados os contractos celebrados em 11
e i i de fevereiro do correte auno pela presidencia da provincia
com Justino Jos de Suata Campos, para o encanamento d'agua Do-
lara e iliuininacao a gaz na cidade de Goyanua.
Revogadas as dispsigoos ein contrario.
Mand} por tanto, a todas as autoridades a quera o conhecmen-
to c execn ;ao da presente re.-olugo pertencer que a cumpram e
facam cumprir tao inteirameute como nella se conten.
O secretario interino da presidoncia desta provincia a faca im-
primir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernanibuco, 2'i de abril de 1873, Si.
da independencia e do imperio.
L. S.
hnrlque Pereira tle Lucen*
Sellada e publicada a presente resolueo ne*v secretar/a da
presidencia de Pernambuco, aos 24 de abril de 873. .
, O secretario interino,
Joao Diniz Ribeiro da Cunha.
LE N. 1087.
O baeharel Henrique Pereira de Lucena, commendador da im-
perial ordein da Rosa, cavalbeiro da de Christo, juiz de direito e pre-
sidente da provincia de Perqambuco :
Pago saber a todos os seus habitantes que a assembla legisla-
tiva provincial decretou e eu sanecionei a resolugao seguinte :
Arl. tnico. Ficam revogados os artigos l. e 2.' da lei n, 957,
de 12 de tanto) de 1870.
nico. A companh'wi da estrada de ferro do Recite a Olinda
lleberibe construir a sua estaca terminal da cidade do Recite no
local que, de confonnidade com os artigos 1 e 6.' do contracto de
22 do junho de 1838. for acordado entre ella e o presidente da pro-
vincia.
Revogam se as depositos em contrario
Mando,por tanto, a todas as autoridades a querco conhecimen-
lo e execuco da presente rsoluc"n> pertencer que a cumpram e
facam cumprir tao inteiramente como nella se conten.
0 secretario interino da presidencia desta provincia a faca im-
primir, publicar e correr.
Palaiio da presidencia de Pernambuco, 24 de abril da 1873,51*
da independencia e do imperio.
\. .N.
Henrique Pereira de Lucen-'.
Sellada e publicada a presente resolueo nesta secretaria da
presidenclli de Pernambuco, aos 24- de abril de 1873.
O secretario interino
Joiio iniz Ribeiro du Cunha.
LEI H. 5088.
O baeharel Henrique Pereira de Lucena, commendador da im-
perial ordein da Rosa, cavalbeiro da de 1 bristo. juiz de direito e
presidencia da provincia de Pernambuco :
Paco saber a lodos os seus habitantes que a assembla legisla-
tiva provincial decretou e eu sanecionei a resolu.ao seguinte :
Art. I. Pica o presidente da provincia autorisndo a conceder
um auno de licenca ao Dr. Jojio da Silva Ramos, medico do hospi-
tal Pedro II, para tratar de sua saude onde Ihe convier, deixando
o niesino Dr. um medico que o snbstittia.
Arl. 2.a Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Mando, por tanto, a todas as autoridades, a quem o conheeiinen-
to e execuco da. presente resoluto pertencer que a cumpram e
acam cumprir tao inteiramente romanilla se contera.
O secretario int rio da presidencia desta provincia a faca im-
primir, publicar e correr.
Palacio da pre.-idencia de Pernambuco 2i,de abril de 1873, WL*
da independencia e do imperio.
L. S.
Henrique Pereira de Lucena,
Sellada e publicada a presente resoluto nesta secretaria di
presidencia de Pernambuco, aos 2i de abril de 1873.
O secretario interino,
Joo Diniz Ribeiro da Cunha.
EXi'EbiF.MK do du m AuiiiL si 1873. j qu, leudo terminado suas penas, viram do daver do sentenciado de justiga dessa provincia de
'MS:o | presidio de Femando de Noronha, alim de serom nome Anselmo Nuuesdos Prazeres.
*c, : apresenlados ao Dr. chefe de polica : sao elles os Ao Exm. presidente^la provincia de S. Pali-
en presidente da provincia resolve noiiicr Pe- de nomos, Manuel Jos do .N'ascimento ( conhecido lo. Aprsente a V. Exc. por copia o auto de
lrllollBO dos Santos para servir interinamente por Manoel do Moueo) JooJAntonio dys Santos, vistura e identidade de pessoa, que o comman-
o lugar de porteiro do arsenal de mariiiha, licaudo Manoel Francisco Rodrigues, Joao Jos de Lima, danto do presidio de Fernando de Noronha man-
oxonerado dease lugar, que tainbem exercia iuleri- Goncalo Cerdeiro dos Santos, Justino Manoel da dou proceder no cadver do" sentenciado de justi-
naraente, Antonio Raposo FaL-ao, conforme detur-, Cruz, Jos Joaquim de Sant'Anna e Manoel Maria ra dessa provincia, Francisco Antonio de Borba.
.ama o aviso do ministerio da manaba de 22 de Soares. ggg Ao Exm. Dr. Venancio Jos de Oliveira Lis-
maroe prximo lindo. -Aomesmo.Para os fias convenientes inclusas boa, presidente da provincia de Minas Geraes.
Olilcius : remello a V. S. a guias dos sentencia tos dvs A V. Exc remello incluso |x>r copia o auto ae
Ao brigadelro eoramandante das armas in- 'que terminaran] as penas que cunpriam DO presi' vistura e identidade de pessoa .lo sentciado de
Vrino. -Declarandj-me o Exm. Sr. ministro da dio de Fernn Jo de Noronha, Raymundo Ferreira- justiga dessa provincia, Jos Franc.sco Pereira,
guerra em aviso de 22 de maree ultimo haver na- Bizarro croulo, ( eseravo de Henrique Guillierme fallecido a 13 lo mez prximo pausado no presi-
qudla data expedido ordena para qae ao hospital Coelho ) e Torquato Florentino de Araujo. dio de Fernando de Noronha.
militar desta provincia sejam foruecidus os instru Ao mesmo.Para os lins convenientes, re- Ao Exm. conselheiro Dr. Francisco de Paula
ncalos eirurgicM, cousUutes do pedido leito pelo mello a V.S. o incluso auto de vistoria e identidade Baptista, director interino da faculdade de direito'
4." Cirargto dj mes-no hospital, assira" o comma- de pessoa, procedida no sentenciado de juslica da desta cidade Para sua sciencia e curaprimen-
nico a >. Exc. para w fazer constar a esse facul- proribcia de Minas Geraes, Jos Francisco Pereira, to, passo s tolos de V. Exc. a copia inclusa do
tativo. fallecido a 13 do mez prximo passado no presi- aviso do ministerio do imperio de 22 de marco ul-
Ao inspector o arsenal de mariuha.-eler- dio de Fernando de Noronha. timo, relativo ao recurso interpost por Salvador
minando o Exm. Sr. mioUtroda mariuha em aviso j 3." seeco. Henrique de Albuquerque da decisao de V..Exc,
de 22 demarco ulnio que se considere de ne-; OiUcios : negando admittil-o a prestar examo de habilila-
iiluiiii effeito a nouica.au, expedida em li de feve- j Ao inspector da thesouraria de fazenda. ci alim de inscrever-se no concurso da cadeira
reiro do anno passado, de Antonio Raposo Faleo Transmuto a Y. >., para os lins convenientes, as de lingua nacional do eoilegto das arles.
para servir inteiiiMinunto o lugar da porteiro dease inclusas folhas de pagamento das gratilicacdes do Ao 1* juiz de paz do 1* districto da fregu-
arsenal, resolv por acto desta dala uoraear Pedro secretario e guarda da ns|iecco de saud-' do por- zia de Nossa Senhora da Purilicacao de S. Gonga-
Notaseo dos Sanios para servir o dito lugar, tam-, io, do viga das alvaiengas, do patro- e remado- lo de Una. Acensando a rece gao do oIBcio de
bem Interinamente. O que commonico a V. S. para resdoejcaler encarregadM da desinfeceo dos V.S. de SO de marca ultimo, fico nteirado de
teU conliecmeiito. navios, durante o mez de marco ultimo, as quaes haver uaquella data prestado juramento na quali-
Ao director interino do arsenal de guerra. me foram remettidas pelo inspector daquella ra dado de 1* juiz de paz do 1" districto da freguezia
le Vine, rornecerao deposite de recrutas, como | parlieau com offldo de h.nteai datado.
i Ao mesmo. Transmiti a v. s. as seto in-
clusas orden; do tbesouro nacional, seb ns. '60,53,
;>i, 56, 57, 58 e 67.
Ao mesmo. Comniunico a V. S., para seu
determina o aviso du ministerio da guerra de 22
ile 'narco ultimo, o fafdamciit.) constante di inclu-
sa note de 20 do mesmo mez, organisada na repar-
tido do quailel-mestre general.
Ao mesmo. Constando de odicio do com-' conhecimento, que por
mandante do presi 1 o de Fem nido de Noronha. de -zendade l'J de ni
de Nossa Senhora daPur ifieacio, de S. G)ncalo de
Una.
Ao administrador pro-paroclio do Granito e
Ex. Inleirado do quanto cx|i5e V. Rvm. cm
seu ollicio de 6 de marco ultimo, tenho a dizer-
e por aviso do ministerio da fa- Ihe que acha-se provisoriameflte encarregado do
_iareo ulti no foi approvadd a de- servico da matrcula dos escravos e dos lilhos li-
0.de marco nltuno sob n. 271, terera sido remet- Mbera;o da prosideOcia,prorogando por maia dous vres da mtiiher escrava o
hdos para esse arsenal no vapor Qefiud 231 pires meres o prazo marcado ao 3- escriturario remo- sa comarca at que e gov
de sapatos manufacturados na nffiema de sapatei-. ^q,, d'alfandeea desta provincia para a da cidade submetti esta miaba delil
re do mesmo presidio; asakn o comniunico a Vine.
para seu connociraento.
2.' tecc&o
Acto :
presidente da provncia, attendeudo ao que
requeren o juiz de direito da comarca ib; Olinda,
baeharel Dellino Augusto Cavalcante de Albuqu-r-
que. resolve conceder-Ihe 2<) das de liceuga com
11 ado na forma da lei, para tratar de sua saude
onde lite convier.
Oficios :
Ao commaodante superior da guarda nacio-
nal de (Huida o Igoaiassii". -Exneci V.S. sitas
ordena para que una guarda de honra, tirada do
batalbo da guarda nacional sob o seu com-
ma'vlo superior,, acooipanhe a imagem 1L1 Sr do.;
Martyrios, que tein da sanir em procissioda igreja
de S. Joao, da cidade de Olinda, no da 6 do cr-
reme.
Ao cmnnpndante superior de Garuara'.Iu
forme V. S., como j Ihe fol rccoinmendado em
orticio de 23 de Janeiro prximo passado, se o l-
ente eirurgio do batalbo n. 57, Franeise 1 Cor-
deiro da Fonceca, e o alteres Lnix Affon promotor publico des-
rerno imperial, a quera
deliberado, decida a res-
de Santos na de S. Paulo, Joao Antonio da Silva peto, como julgar mais conveniente.
Pereira, alim le seguir ao. seu destino, visto estar Portara :
ainda respendendo ao proeesso mandado insiau- A' cmara municipal de Olinda. Em res-
tar contra diversos empregados da mesma alten- posta ao ollicio da cmara municipal da cidade de
doga. 1 Olinda, de 27 de marco ultimo, tenho a dizer que
Ao mesmo. Tend por acto desta data fleo sciente de haver a mesma cmara no da 7
uomcado Pedro Nolasco dos Santos para servir daquelle mez realisado a srJa mudanca do edilicio
interinamente o lugar de porteiro do arsenal de em que entai funecionava para um predio alnga-
mnrnha desta provincia, em substitueo de An- do para tal fnn pela quantia annual de inO00i, e
tonio Raposo, que (lea dispensado dessa cominis- auturiso-a, como solcita, a despender pela ver-
sao ; asaim o comniunico a V S. para seu co- ba eventuaes-a quantia de 22666 em quanto
nhecimento e dircecao. j importam os alugueis de sele mezes e vinte e qua-
Ao mesmo. De eoriforniidad1' com o aviso tro das 00 correte anno financeiro ; recomraen-
junlo por copia, expedido pelo ministerio do im- dando-lhe que nd futuro ornamento "seja pedido
perio em 21 de marco ultimo, mande V. S. pagar \ assembla legislativa provincial o necessario cre-
ao padre Joo Evangelista dos Santos Lima a dito para essa despeza.
congrua que Ihe compete, na qualidade de viga- A' cmara municipal da cidade'do Rio For-
rio encommealado da nova freguezia de Nossa Se-; moso. Aecuso reeebido o oflicio da cmara mu-
nhora das Dores da villa do Triumpho, em Baixa nicipal da cidade do Rio Formoso, de 20 de margo
Verde. j uliimo, e fico inleirado de haver naquella data
V. prestado jrame
Ao mesmo. Inleirado de tudo quanto
S. expoz era sua inlormaco de 31 de margo ulti
1110, sol n. 42, serie C, acerca do pagamento que
pedem Augnst Frederico de Oliveira & C. na un
tiveram guia de pasaagera para o termo em que ,,(,rianca de 2:0iU620, proveniente dos objectos
hoie residem; e no caso negativo, se a respeito constantes da nota annexa ao incluso requerimen-
dellefl se procedea de confonnidade com o d.snos- ,_ tpn|,0 a n\Kt que o auloriso a mandar relacio-
to no decreto 11. 2,535 de ?5 le noveml.ro de 1845.! ar cs.a jy|da depois d^ satisfeila a exigencia da
ramento e tomado poss.
5." seccao.
OiUcios : ,
A' directora da Associago Commercial Be-
nelicentc. Em aviso de 18 de margo ultimo mi n
da o Exm. Sr. ministro da fazenda declarar a essa
directora que, attendendo ao que Ihe representou
- Ao commandante superior de Bosque.Acer-! eotadoria dssa thesorari, visto pertencer elii!cm onlcio n. 41, de 8 do mesmo mez, naquella da-
ca da proposta do commandante interino do hala- ao exercicio de l7t a W* afim de er p'i"a ta autorisara o inspector da thesouraria de fazen-
Ihao de nfantaria. n. 2', eapita* Thomai Ferreira (|liailj for consignado pelo thosooro nacional o! da desta provincia a mover os seus fundos dispo-
na Silva, o qual ac nnpanliou o oflicio desse com-! nece mando superior de 2 do mez prximo pascado, n. _"/\0 inspector da thesouraria provincial. 'offlcio ; e quanto tomada de cambiaes para a
45. d V. s. as rasoes por que acha-se aqnelle ea-; |.m vi,ta das relaeiSes nominacs e prets inntoa em i Europa que o goverpo alteudera aos mteresses
flitio nocomniando do batalio, como ja recom-: aonHeate, que me remetteu o conimandaiite supe- deila Pr;".a quando e quanto Ihe seja posstvel ; o
oendou este presidencia em ollieij de I!) do dito rj0'r j0s'municipios de S. liento e Caruar com 1tte communco a V me. para seu conheeiinento.
oIBcio de 27 de marco uliimo, mande V. S. pagar Ao engenheiro chefe da repartigo das obras
- Aojuiz de direito das execugoes criininaes.' a Mmeira & Braga os venclmenlos das praas da publicas.Aecuso reeebido o offlcio de \me, de
Para ds lins convenientes, inclusos rem-tloa V. S. I C|iari|a nacional destacadas na villa de Paellas, 29 do raez prximo passado, sob n. 138, em que
os autos de vistoria e identidade de pessea dos a Contar do i" de fevereiro deste anno a 12 do participa os estragos produzids pela cheia dos
sentenciados de jntiea Miguel dos Anjpsde OU-'referido mez de marco, segundo indicara aquelles, rios l'napama e Gur>au a ponto de desabar a
veira, desta provincia, Paulino (eseravo de Anto-' ,icnmfintos I ponte particular do Engenho \elh ... cujos destro-
nioda osta Pinto e Silva ), de S. Panlo, Antonio ""l"T"mesrao Communco a V S. paraos eos vieram accumular-se nos e3teios da ponte do
Jos da Silva 2., da das Alagoas, e Anselmo Nu- fin9 convenientes que nesta data approve a des-' Junqueira ; polo que se empregara immediaia-
aes dos Prazeres, da Para yba, fallecidos no pre-1 ,,eza
sidio de Fernando de Noronha. segando officio do EJJ^
ommandante respeclivo, n. 367 de 5 de margo inatera d
prximo passado.
Ao hiesrao.Para os fins convenientes, trans
ratto a V. S. o incluso auto de vistoria e identi- engen, eiro cnefe- daquella repartico
dade de pessoa, que mandn proceder o comman- 27 de mar0 uuino, sob n. 13S.
dante do presidio de Fernando de Noronha no ca- i
daver do sentenciado de justiea da provincia de S.
Paute, Fraiii'i.-c.i Aiilouiu de lliiia.
Ao mesmo.^l'ara os lins coaveaieiiles. c co-
munico 1 V." 8. que lei.xou de vir do [iresdiode
l-'ernando do Noronoa o sentenciado Wartinlta Go-
nies Vidala di-posigao* desse juizo, como detet
minou
1 convenientes que nesta data approve a aes- '""i""' k^" h-- w..F,Ci5, ,, a de 2260 fJiU pela repartico das obras mente algum pessoal para se .arredar o material
jileas com o pessoal empregado em remover o qua all se ajuntou e podena trazer tamben, o
..aterial da ponte particular do engenho Novo, I SiT11 a trabra,h ^a m0.ntU 6m
'que, tendo desabado, accumulou-se junto aos zs-lW' cl,J despeza fica approvada. Aprorei-
s" unos da de Junqueira, conrorme.declarou-me 0 ><> esta occ;us.ao para recomiiiendar-lhe que mande
" engen- eiro chee daquella repartico em ollicio de i orgar a construegao de urna ponte.no lugar da es-
tra nova, que foi arrumbada pela chela.
Ao mesmo. Informe Vmc. acerca do artigo
4.' secgSo. publicado na gazetilba do Jornal do Recife'ie lio;
Officios : jo, sob a epigraph Kwmalosa, com relaeao
- Ao Exin. presidente da provincia de S. Pan- ponte de ferro do To Una, 110 po.oado dos Mente.
I o. A V. Exc remeti por capia o auto de vis-1 Ao engenheiro fise .1 interino da estrada de
loria e tdeatidada <: pessoa procedido rio cadver, ferro do Recite ao S. Francisco.Remedo Vmc.
do seuleucado de justi.a dessa provincia, Paulino, copia do aviso de 17 de mareo uliimo, em me o
nou.a 8 do" mez prximo passado, por haver eseravo de Antonio da Costa Pinto e Silva. -1 Exm. Sr. ministro da agricultura, coinmefcio e
nocido naquelle presidio a 2 de Janeiro do cur- Mutatis mttUndis ao Exm. presidente da proyiu-; obras publicas, aecusando a recepgo do relaturio
ate anno, como se v do incluso auto de vistoria cia das Alaguas,
Amesini. Incluso por copia remetto a
Vine .ariso do u'iiiiisterio da agricultura, eom
raercie* obras piiblicis, de 17 de nureo ultim
em que* |>ede informagoes sobre a.s desjiezas qu
se toraye fazer com o augmento da estaeo das
Cinco Untas, reparos da estacio do Cabo e cons-
trnrco de armazem para mercado.-ias as esta-
voes de Frecheras e Uia ; organisando Vine, de
accordo%om o respectivo superintendente um |-o-
jecto de tarifas para substituir as actu es, qut u
engenheiro fiscal dessa estrada de ferro julga pre-
judiciaes aos nteresses da eonipanhia pela sua
uiodicidade.
KXP. DIR.NTE DO SKCRKTABIO
2.' seccao.
Offlcio* :
Atf Dr. chefe de polica. O Exm. Sr. presi-
dente d*' provincia manda acensar o recebimento
do oflicio de V. S de 31 do m z prximo lindo,
acumptojhadu de mitro, p ir copia, de 27 de" fevu
reiro ultimo, do delegarlo do termo de Ouricurv,
participando a evaso do reo Severino Jos de
Andrade da prisio daquella villa.
Ao mesmo. -O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. S. que vieram do
presidio de Fernando de Noronha, afim de Ihe se-
ren apresentados, os sentenciados de ju.-tica, Ma-
noel J. do Nascimento (conhecido por Manoel
Moneo), bao Antonio dos Santos, Manuel Francis-
co Rodrigues, Joo Jos de Lima, Gon.-alo ar-
doso dos Santos, Justino Manoel da Cruz, Jos
Joaquim de Sant'Anna e Manoel Maria Soares, por
haverem terminado as penas a que foram coudein-
nados, como consta das guia- que nesta dala sao
remettidas ao respectivo juiz.
Ao commandante superior de S. Bentoe Ca-
ruar.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que nesta data expedio ordein
a thesouraria provincial no sentido de serem pa-
gos a Mdreira & Braga os vencimentos das pragas
da guarda nacional de que trata o seu oflicio de
27 de margo ultimo.
Ao juiz de direito de Caruar. O Exm. Sr.
presidenta da provincia manda aecusar o recebi-
mento dd offlcio de V. S. de 20 do mez prximo
lindo, participando que acha-se convocada para o
da 14 do orrente a l* sessao judiciaria do jury
do termo de Caruar.
4.' seccao
Offlcio :
Ao Dr. director geral interine ua instruegao
publica. S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda communicar a V. S., para seu contiecimeii-
lo e fins convenientes, que, em vista de sua pro-
po> a de lo de Janeiro ultimo, a que se refere o
seu ofUejt de 11 de mareo lindo sob n. 72, relati-
vamente ao concurso p ra provimeutos de radei
ras vaga de iasirucgao primaria do sexo ferani-
110, resorou por acto de honlem, de eonformidade
com os ,arts. 22 e 23 da le n. 269 de li de mate
de 1855,11 ene.ir Mara Candida de Figueiredo
professotBJiuiilica da cadeira da villa de lugazei-
ra ; Matfl Isabel de Mello Moura da deTaearatu';
Waldeirdes Primitiva da Fonceca Tollos da de
Cibrobl Vicencia Alvos do Carvalho Dacia da
ciiicisjtntadeira '! povo.v-o de Afogados de In-
gaisrat; Felippa Fl iripes de Paria da de Olho
d'Agua dos Uredos Joaquina Ayres de Lima d
de Villa Bella ; Anua Ignez da" Silva Ramos da
povoac/io de S Josa de In jazeira ; Urania Nyinpha
da Silva da da Villa de Granito ; Bernardina de
Oliveira Cavalcante Machado da da villa de Sal-
guein ; Lucinda Rusnlinda de Mello da da villa de
Ouricirv ; Rila Francisco dos Aojos Chacn da
da vilUda HoaVisla e Mara Augusta da Silveira
da da villa de Petrolna.
O irusini Exm. Sr. raainla cuminuiiear-lhe que
por a*) da meara 1 data nome iu Francisca Serfi-
co de Asss Carvalho, professora publica da cadei-
ra de Nossa Senhora do O' de Mararfguape, que
achala-s vaga, segundo inforniou V. S. em oifl-
ejo ds 10 de marc ultimo.
S." seccao.
OUcio :
Ao engenheiro Joao Martins da Silva Couli-
nho.-O Exm. Sr. presidente da provincia manda
acennr o recebimento do offlcio de 87 do mez
proxino pasado, ao qual veio annexa urna copia
do rekilori 1 que V. S. dirigi ao goveruo impe-
rial, relativamente ao reconhecimeiito da ramio
por 01.de se deve prolongar a estrada de Ierro do
Recife ao S. Francisco.
MtWACmS DA PRKSIURNCIA DO DA 3 DE MAK>
Di 1873.
AntoiiioGandolli. Informe, querendo.
Baruuca do Livrainenlo e entras. Arpesentem
as suppliitntes.o titulo pelo qual lhes perteucem as
partes do-predios de que se trata, e bem assm as
que foreu casa las autorisago de seus maridos
para fazeem a transferencia que peJem.
Clemeiino Ferreira de Magalhes. -Informe o
Sr. inspotor da t'iesouraria de fazenda.
Bachael Francisco Luiz Girreia de Andrade.
Ao Sr. irspector da thesouraria de fazenda para
infoniiai-
Irmaimde de Nossa Senhora da Couceig.io da
igreja da Congregago. -Informe o Sr. inspector
da thesuraria provincial.
TeneiB Jos Rebello Padilba. Porneca-se.
Joao Bptista Texera Cavalcante. -Passe por-
tara.
Ludgeo de Salles e Oliveira.-Passe portara.
Vigari Manoel Ignacio de Lima.Passe porta-
ra conedendo a licenca pedida.
Secrelria da presidencia de Pernambuco, 5 de
inaio del873.
O porteiro,
Silrini A. Rodrigues.
(Nacao.J
Abaix assignados negociantes da villa do Boin-
Conselhi Nao podern ser considerados mascates,
snjeitoso imposto do 42 do art. i da lei do
orcames) os donos de estabelecimentos que ex-
poe lias-iras mercaduras dos inasmos dos quaes
j pagal impostes.
Alexadrina Mara BConcei.ao. Indeferido, d
visto n.u solfrer o filho da supplk-an'.e.
Bachiel Augusto Eg\ dio d? C stro Jess.Pas-
se poruja coucedeudo a prorogaro do licenca
que pee
Fram co Pinto de Magalhae3. Informe o Sr.
general ammandante das armas, ouvindo o di-
rector i hospital militar.
Frankca Maria da Conceicao.=Indeferido.
Feld Brothers. Deferido com odete desta
data di ri.I i thesouraria provincial.
Jusli Jos de ouza Campos. Lifornie o Sr.
engenh -o chefe da repartigo das obras pu-
blicas.
Luiz ancisco Vieira de Luna. Sm.
Pedr larbosa da Silva.-Informe o Sr. inspec-
tor da isouraria.de fazenda.
Secn ra da presidencia de Pernambuco, 6 dt
inaio d 873.
O porteiro,
Silcino A. Rodrigues.
ca Maria do Nascimento, Herculano Jos Iguacio
Carneiro de Menduiiea e Mara Guilheriiiinajda
Cocceigao, por disturbios e olTensas moral im-
blica.
A' ordein du subdelegado do segundo districto
de S. Jos, Martiliain Francisca de Paula a Sebas-
tiana Maria da Cunceico, por desorden!.
O Dr, delgalo da eapita por ofi-m desta data,
communieou-:ne que o subdelegado de Santo An-
tonio I e particpala quehontem pelas 10 horas da
noite o soldado da co njiaiihia de (-avallara ee li-
nha Virginio Jos da Silva, un ntad > a cavallo
completamente nniformisado e em esta to de em-
briaguez uiovocra diversos di-turbios na ra do
Fog.i e beeee do l'adr daquella freguezia, o que
chegando ao seu conhecim-uto semellianlo meta
para all se dirigir, e nao se aehaadojmals no lu-
gir o dito soldado, encim:nliira-S! para o raspic-
livo qnartel, onde j o encontrara dormir-
e finalmente que comaiunic.ira o o.corrido au
sargento que eslava di se-vieo, o qual in-
mediatamente fez recolher prisio, a disposjro
do respectivo ciiminandante do corpo, alim de ser
convenientemente punido.
Deus guarde a V. Exclm. e Exm. Sr. com-
nendador Henrique Pereira de Lucena, dignssi-
ao presidente desta provincia.O chefe de polica
'miz Crrela di Qa-iroz Burros.
Ro, 2 de abril de 1873.
A opposi.Tio liberal cuino a opposic.io conserva-
dora revelam se penetradas de mu pensamento
coinmum sobre a grande reforma do systeaia elei-
toral.
A' paite as suas naturae* dissidencias, una 6
outra externara idntica- aspirago.
1 Resultar desta apparenie conformidad- de
ideas nina eoaMcin parlamentar ?
Esta desacreditada tctica pode ter sido affaga-
da, poder ser tentada, mas levara a consequen-
cias dignas de seren apartadas.
Opnioes que se destacara em mais de um pon-
to, lendo tradiccoes c principios diferentes, pouco
habituadas a amistoso accordo, no podera mili-
tar sob a mesma bandeira para a defeza de urna
hberdade aineacada, do urna garan'ia violada, de
urna nstitnicao exposta a penga
Este conceitn judelos > de Charles Masado tem
na historia parlamentar esplendorosa coniirmaco
da experiencia.
North e Fox sentram-se allados contra Shel-
burne nessa famosa posa de 1782, que vio a paz
com a Franca e o reconheclraento dos Estados-
Unidos.
Um anno ao depois a coalico, nm momento
vctero;a, dexava o poder por urna questo ad-
niinistrativa da India
Nao lhe|valeu a maioria parlamentar. Nao Ihe
valen o ser servida pelos mais eminentes e popu-
lare! oradores da Inglaterra.
S bre os destroeos da coalico ergueu-se forte
0 governo de Pitt.
E' assira que as soalicOes, escreve um Ilustre
publicista, naturaes entre os partidos que tem
queixas coinmuiis e um fin coinmum, aparecem-
nos luz da experiencia como coiiibiiia'.ocs equi
rocas, impotentes s mais das retes e perigosas
militas oulras.
Tudo isto seria a um tempo a monstruosa al-
Iianca da opposigo liberal cora a opposigao con-
servadora.
Bpuvoca : O fin coinmum, devendo despe-
dacar a epheniera allanva. nio poderla ser ambi-
cionado por iras sem prejuizo de .nitros. Os que
mais se adiantasseni a atlingr o lira, por via de
n-gra o grupo mais nuraeroso e o mais impaciente
nio poderiam inspirar aos seus allados de oeev
siso a conflanea e a soUdariedajle que fazem a
terca dos ajuntaraentos pelitfeos, ou se ehamem
partidos ou se ehamem faceoes
Impotente: A experiencia parlamentar de
quatro meics ah est para alteeta-lo. Ora volan-
do, ora bstendo-se, os dous lados da oppoeico
lera visto mais de urna vez era prora o sen valor
e influencia. Sao serapre o invariavelmente os
meemos votos, pouco decididos, marregimentados,
mais <.....iplacentes que convencidos pela causa
que Berrera. Sao os mesmos que erara ao eome-
go da sesso; ne:n una nova adheso, nem urna
conquista, nem voto de mais.
Perigosa : Fox. e North, consequentes cora o
pensamento dacoabeio parlamentar de 1782, nao
recusaran) parllhar enlre si as responsabilidades
de um poder ephemero que un auno mais tarde
doria cair ao estrepito de una dissolncao. Dis-
tanciados com > estn por deas e principios de to-
do o ponto irrecunciliaveis, o que feriara cheles
liberaos e chefes con-orvrdores hora do aven-
toroso trump o ? Tentariam erguer sobre as
ruinas dos partidos um terceiro partido, una si-
tuarn tao iuipossvel de manter como ni|>ossivel
de definir ?
Conclumos :
lima coaligao parlamentar entre os dous lados
da opposicao seria una tentativa irulil, frivola
grandemente prejudicial causa dos partidos, una
rerdadeira monstruosidade poltica.
PERSAMBUOa
REVISTA DIARIA.
estrada de ferro
i
e idontid.id'e de pessoa, proeedido no cadver do identidade de pessoa de Antonio Jos da Silva 2*.: durante o mez de jan-iro findo, manda chamar a
dito sentencia lo. Ao Exm. presidente da proriaefe da Para- attenco do Vmc. pa'a a falta de lastro, de que se
Ao mesmo. Para os fins convenientes remet- liyba. -A V. Exc. remello por copia, o auto de resente a via permanente ; como se verifica do
el a V.S. as guias de 8 sentenciados de jiuliga, vi.-luria e identidade de pessoa procedido no ca- mesmo relator 10.
nento
particito da.polica.
.Secretaria da fnlicia de Pernafnbuco,
li de Mato de 1873.
Illm. e Exm. 5r. Levo ao conheci-
i V. Exc. que, segundo consta das parliei-1
pa<;oe rocebidas boje meta repartico, fjraui
h inte recolliidus casa' de dotengao os so-
guint ndividuos:
A', iba ordein, Diinetrin, eseravo de ioo An-
tonio Silva Pereira, a reqaeiimento 'jeote.
A' t era do subdelegado da oa-Vkta, Assembla provineial. Funcclonou
hontem com 25 Srs. depulados.
Approvada a acta da sessio antecedente, o Sr.
I* secretario leu o segrate expediente :
Um offlcio do secretario do governo da provin-
cia, remetiendo por copia o officio da cmara mu-
nicipal desta cidade, no qual declara haver mar-
cado a quantia annual de 500J ao advogado dos
presos pobres. -A' commissao do orcamento mu-
nicipal.
Urna peligao de diversos negociantes de cafnes
verdes, representando contra o projecto deferindo
a pretengao de Antonio da Costa c S. contratante
do transporte das carnes verdes, A' commissao
de legislagao.
Outra da confrjra de Nossa Senhora do Rosa-
rio do bairro de .-anto Antonio, pedindo prefe-
rencia para correr urna parle de suas loteras.
A' coininisso de orcamento provincial.
Outra da irmandide de S. Sebastiio, erecta na
igreja da villa do Bonito, pedindo preferencia para
ser extrahida urna parte de suas loteras A'
commissao, de orgamento provincial.
Outra de diversos moradores-da ra de S. Mi-
guel dos Afogado?, pedindo a collocaeao de iam-
peoes a gaz, bem como nm chafarz para o abas-
teciraento d'agua potavel quelle lugar.A' com-
missao de pelgoes.
Ontra do Dr. Felippe Nery Collago, arrema-
tante da impresso das repartigoes provinciaes,
pedindo rana indeinnisacao peto accrescimo que
houve das mesmas.-A' commissao de peligres
Foram lidos, julgados objecto de deliberacaoe
mandados imprmir dous projectos : um do Sr.
Dr. Bats e Silva, creando duas escolas de ins-
U'uccao uiaiaria pira o sexi feminino na povoa-
cio de lleberibe de B.ixo e em Itapisrama ; e
uutro da commissao de obras publicas, autorisado
o presidente da provincia a conceder cimpa-
nbia de Bebelbc um augmento de privilegio, e.n
defermento petieJo da mesma companhia.
i'assaud) ordetu do da, continuou a i* dis-
cosslo adiada do projeclo a- 44 deste auno, o
qual fie. m empalado em volar*, un da 3 de fr-
rente, e declarando o Sr. i unh;. F gnetredo *
poder lonur parte na volara... |K>r nv> lar aeat-
lido iliscussio, e iiavendo im** nmt Hto tV
Srs. deputados, cju ainda adiada a disront.
por nao haver numero para rular.
Ein seguida fui approvado .un 3- di-wu**. o
projecto o. "3 deste anno, s*4re carnes rrries.
eum duas emendas c por isso .ten<-iiiten i O Sr. Ralis e Silva, pela ortein, requwea nr-
g.-ncia para continnar a disru-"." proj^-tii.
54 do anuo passado. Entrando .un itcmto a
urgencia, oraram os Srs Totentino *> Carralh*
Ralis e Silva e Joaquim de Mello Reg, qne taea-
tieui reejMTM urgencia para ser d.<-utt projeclo de cr-dt.s sup|tleiiK-ntarr>. E rtsrer-
raw o debate foi ap|>rovada a urg.ficia sobre o
projecto n. 36 de crditos snpideraenlar.-', o qwl
foi apprr.va.ln em 2- disrussao, t disp nsa.te do
intersticio, a r.rqueriiM-nto do Sr. Mello hnga.
Continuando a 2- di projcrti.
n 54 do anuo passado, que reforma o casia .
foram approvados o artigo sultstituti>o o im dna
additvos do Sr. Alvaro I teto n, apieMaUdea aa
sesso passada a., art. 51 e os rts. 5V, M, 57.
38, 5'J, to, 6l,tt, t I, rom algunus timadas, e
rejeita.los m arta. .. t, H e 64, pa-an.lo o refe-
rido projecto 3' disrussio, sendo appr
um requeriraeate dos Sr. Ges Cavalcante e l'ehua
Civalcante, no qual pedem que o preteele r
s corainissos do inslrurcao publica e de rea>'-
C-o, alim de que ellas reunidas redijam, ao
confonne as raodilicac.V>s adoptadas, firaad-i a S*
discusso adiada at .pie o projeclo assim Ban-
dado, seja impre Foram mais ap|.rovados e*n 3* discusso o pro-
jeclo n. 13 de 18;2, que desmembra do t.-rmo de
Tacaralu', passan.ln |ra o de Floresta a Serr
Negra ; tambera era 34 o d^ n. 37 deste anuo jar
anterisa o presidente da provincia a m im--.ii pro-
toseara publica I). Isabel Fonceca de (jaiatoJ
Barros, inde|>endente d.- concurso ; e niirand
era 2- discusso o de n. 50 deste ..nao, inare e
contrato da corapanhia Recife Dr.unage, 'tensas
de aceita a segrate emenda do Sr. J ao Vieira.
verilicando-se nao haver numero para votar, le-
vaniou-se a sessao : Em vez de retifear, dr
ga-se ratificar.
A ordem do dia para hoje : eontinarao Aa
antecedente ; I* discusso do projecto a 55 faMr
anno ; 3" do de n. 56 do mesmo auno e 2" do de
n. 15 de 1872.
Publicac&o thesttral.- Acaba de sabir a
luz a s.-ena cmica O Jesuitt na garganti, inte-
ressanle e chistoso i ral.al lio Iliterario di arlar Vwk
de Lima Penaute. Agradecemos o exemplar que-
nos offereceu.
Pagadura Ir faxeaifla. Neste otario
pagam-se boje as segnintes folhas: ospital inih-
tar e quaesquer funceionari. que nao tenham re-
eebido seus venciinciitos nos das que Ihe foram
marcad..
Suicidio. -Honlem, pelas 6 horas da manh.
foi encontrado enforcido na grade da esesda do
s.,io da casa terrea n. I, sita a ra Duque de Ca-
xias, onde tem estalieleciraento de iu->lb .d .s o Sr.
Joo de Aducida (tabello, o eseravo do mesmo, df
nome Pedro, e inaior de 6'.l annos.
A polica foi s:ienle do faci e proceden de coa-
forraidade cora a lei.
Uoubo.Aiiianlieceu hontem arrumbada -
rouba.Ia na importancia de trezen'o- tantos mil
ris, punco mais ou menos, sendo era dtatoro
cento e tantos e o restante em livr >s e p*qiHww
objectos ; a linaria erjnomca, sita a ra dV
Marea, de propriedade do m-. Jos Nogneira de
Souza.
Os la.lr-s p-netrando pela esrada d-> sobrado
Juc Ihe lea snperigr, e que eslava iberia, a qnat
eita para o caes 22 de Novembro. torearan a
porta do fund) desse estab.leciin. Me que aquella
aseada corresponde, o, senh .ros d'.-llc, arr.milia-
raii) duas reiju-nas carteiras donde levaran) o que
baria.
Noticiando o facto, so temos a dizer
dia ser.
Valentn.Autos de hontem. polas 10 hora*
da noiiic. Virginio Jos da Silva, iraca da romp.v
nhia de caval'ariadelinha aqni estacionaba-, com-
pletamente umformisado, ravalgamlo seu ginete iV
campanha e inteiramanta eiiiluia...do alarm.ua
ra do Pogo eo becco do Padre, provocando dis-
turbios.
Sabedor do facto o respectivo subdelegado, para
all se dirigi immediatamente, mas nio o eneon-
trainlo j, foi-lhe no encalco e dt-par.ni rom elte
j frescamente, adormecido, em seu quartel. ao
Campo das Prinrezas: coininuni.-ando o facto i
sargento qu all eslava de servign. este o fez rero-
Iher.immediatamente prisa.), aftoi de ser devida-
mente punido.
Cnticos para o anr-z dr Maria
Pedem nos a transcripgo du -cguinl" :
Acha-se a venda na Livrara Franceza, raa
do Crespo n. 9. urna interesante obrinka com
este titulo, impressa cora nitidez e cuidado.
Tiremos j occasiao de lela e arhamos qne
ndispensavel s familias que costumam solemnisar
o mez consagrado Mi de Dees e desvelada advo-
gada dos peradnres. *
Compoe-se de unaJi.ila e escollla eoltergo
de cnticos, muit:-s dos que costumam j. ser can-
tados, c cutros inteiramente n .vos; nao meaos kH-
los e apreciaveis.
c Recommendando esta obrnha s nossas pian
Intuas, julgauos fazer um bom srrvico, pois aleas
de ser recommendavel por sua materia, pode ser
olferecida como um bom presente a tantas devota.*
da Virgem sem mancha
Hospital portnsaez. Esta de setuaaa
Sr. mordomo Lou rengo Ti. da Cnnha Oliveira. O
movimento das enfermaras de 28 de-abril 4 de
inaio, f. o seguinte : exislirm 48, entraram 15,
sah'ra-n 13, fallecern! 3, existeui 45.
Lotera.-A que se acha a venda e a 49', a
beneficio [da matriz de Barrciro, que corre
boje.
Casa de
5 de mi.. de
Existiam (
existera 323.
A saber :
Nacionaes 222, mulheres 9, strangeiros 3a,
sscravos 46, escravas 10Total 323.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 24*.
Movimento da enfermara do dia 5 de mato
de 1873.
Tere baixa :
Ignacio, eseravo de Joao Goocalves
Franga, odontalgia.
Cemitrrio publico.Obituario da da *
du crrente:
Mara, parda, Pernambuco, lidias, Boa-Vista ; t-
tano.
Pedro Jos de Mello, Pernambuco, 14
soltero, Santo Antonio, febre amarella.
Miguel Francisco de Oliveira, pardo, Peri
co, 18 annos, solteiro, Boa-Vista ; potvska pasV
monar.
Francisco, lranco, Peraatnbuco,5 asis, Pop;
beatona.
Antonio Jos de Lima, branro,
annos vluvo, Boa-Vista ; tubercatet
re?.
Jos Alexandre, pardo, Pernambuco, 36 >
vuvo, Boa-Vista, hoapital Pedro II; tubmatea
pulmoaares.
Conrad Isberg, braae*. Bus- aaaoa, *
pek.r |n
detencAo. Movimento do dia
1873 :
presos ) 318, entraram 6, sabio 1
tojro, Boa -Vista;
taita.
j-p.i.i
Mire amj-


Diaric de Pernambuco Qi^irta feira 7 de Maio de 1873.
Manee!, franco, Pernambuco,
vmitos.
3 mezes, S. Jos;
Gr,
W
Mara, brancvrerpa.mbueo, Ignorarse,
- Theod >ria HaneraU do Nascimenlo Gpyaaa,
parda, Pernaimuee ?0 annos, casada, Graca;
diarrhea.
f llBOXIf A Jli'MfilAtUt
THIBI. V4I. Iil IIKI. \f iO
SK5SO DJSf'D!, MAJO DE 1X73.
NBSIVKrfciA Do WU. SR. 00*SKT.nm* CRTAMO
Sarria-./ Dr. i7r**tt* CmrfM.
As 19 hora* d-inaati, presente? os Srs. dr-s-
mbargaorcs Louronco Sintiag., Almeida Albu-
qncrqie, M >tta, procurador da eera. Domingues
Silva, l> r, I ijta, Seiua I.e&O, Neivac
Aran? Jorge, abrio-se a sossi*.
JULUAUiSTOS.
Rabeas cor^us.
Pacientes Manoel Bertanejo e antros escravos.
Concedern ordem par* a sesso de 10 do cor-
rate.
Aggravos de peticao.
Aggravaatc Joaquim Syinphronio Alfonso de
Mello. Juises os Srs. desembargadores Dona, Sou-
za Lelo e Regueir Costa.Negaram provimento.
Aggravo c instrunienlo.
Aggravantes Azevedo & C. Juizes os Srs. des-
emhargadores^Domiaguos Silva, Doria e Regueira
Costa.Nogou-se provimento.
Recursos crimes.
Hecorrente o juizo de direito di Encada, recor-
ridos Pedro Jo-t Rczerra e outros. Juizes os Srs.
desembargad orts Souza Lea >, Lajenlo Santiago,
Regueira Costa, Almeida Aibuquerqae. Impro-
cedente.
Recrrante Dr. Menelo dos Santos Ponreci Li-
ma, recorrido o Juizo de direito de liambc. Jui-
zes os Srs. desembargadores Narra, Doria, Doroin-
gafi silva e Sea a Le-o. -Deram provimento.
Recrreme Jos Martins Leite, recorrido o juiz i
de direito da Granja. -Juizes os Srs. desembarga-
dores Domingues Nlv.i, A aujo Jorge, Souza Leao
e Doria.eu-se provimento em parte.
Revista civol,
-Recorren te a f.izenda nacional, recorrido Anto
uio Pereira de Abreu. -Annullon-se o proeesso.
Embargos reinetlidos.
Be Garanhnns. Lnibargante Jos Antonio de
Mello, embargado Francisco Ignacio da Costa. -
Desprezaram.
Appella.'oes crimes.
Appellante o promotor publico de Mamanguape,
appellado Jos Vicente Ferreira. Nao HitflM
conheciineiito.
De Dim Concclho. Appcllanle Luiz Elias da
ilva Albuqucrqiie, appcllada a justica. Annul-
Isram o jnlgamciito.
Do lionito. -App'lante o juizo, appellados Se-
verino dos Sanios Goncalves e nutro.-A novo
jury.
De Penedo. Apnellanie Joa> Mauricio da No-
va, aopellado Hermenegildo Raio.A novo jury.
Do Independencia. Appellante o juizo, appel-
lado Pedro Xavier Je Oiivcira A novo jury.
le Camaragibe. Appellante o juina, appellado
Feliciano Jos da Silva.A novo jury.
i francisco Jiarbosa da Silva.A novo jury.
Apprilaces civeis.
De Canguarelaina. ^ Appellante Francisco de
Paila Rolrigues. appellado Jos Joaquim de Me
debo-.Desamados os embargos.
De Pened.i Appellante Antonio Jos da Silva
Mandinga, appelladi Francjseo Aiiaslaeo di BOU-
2a. Confirmada a sentenea.
Da Atalaya.-Apellante Jos da Rooha l.ins
Toledo, appellado Manoel Jos de Fon tes Jnior. -
Coaiinnada a sentenea.
Do H'o Fon im. -Apiwllanle Jos Luiz Mootei-
ro de QueiiMZ, app;l a la Mara Joaquina da Con-
ceieao. -Reformada a sentenea.
DeRirreiros. -Appellante Dr. Sebastiao Antonio
Accioli, appellado Jos Xorberto Castalio BWBO.
Dosprozados os embargos.
Do Ing.i. -Appellante Franeisco de Paula Mon-
leiro, apellado Lireneo Ferreira Rorges.-Ds-
prezaram os embargos.
PASSAOKNS
Do Sr. deso;nlurgador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargado!' Doria
Do jury de Flores.Appellante o juizo, appel-
lado Manoel Jos Monteiro.
Do Sr. desembargad ir Loaremjo Santiago M
Sr. desembargador Almoid i Albuquerque :
Embargos remeltidos do juizo municipal de S.
Joao. Embargantes Lino, Procopio, Lidia e ou
tro, embargados padre Paulino Villar dos Santos
Barbosa e outros.
Do Sr. deseuibargador Domingues Silva ao Sr.
descmbai'gador Regair Costa :
Di jniz municipal de Camaragibe.Appellante
[fBMCio Alviin.da Silva, appalMo Jos: Cyriacoda
Silva.
Do Bonito. Appellante Francisco de Barros-e
Silva, appelladii Jos Ribeiro Ribas.
Do Sr. desembafgados Regueira Costa ao Sr.
desembargador Souza l^eao :.
Appelhces crimes.
Appellanles Fianeis-o Ctrivia de Mello e ou-
tro, apoell do Pedro Antonio de Lima.
Do Sr. desembargado!' Souza Leo ao Sr. des-
embargado!' N'eiva :
AppellaeJio crime.
Appellante o jtuao, appellailo Joao AI ves Baptif-
ta : appellante RaymunJo Gomes de Souza, ap-
pellada a justicA.
Do juizo tr.unieipal do Recife. -Appellante Dr.
Luiz Rodrigues Villares, appellados Yaucisco Ma-
cbado da Cunba Pe rosa e outros.
Dj Sr. deseuibargador Aratijo Jorge ao ir. des-
embargador Louren^p-Santrago :
Do jaiy do-Sobral.Ar-lellair.e o juiz), appel-
Klt'v cente Bandeita Je Mello.
De Villa Relia. Appellante o juizo, appellados
Flix Joao de Lima e outros. -
Da Telba. A apellantes Joaquim Vieira da Sil-
va e oulros, appellada a Justina,
iiiligencia crime.
Ao Sr. desembargador promotor daiusca :
' Do Recife. Appellanles Antonio Feitosi de
Mello e Oulros, appellada'; justica.
Do Buique. -Appellante Lino Jos da Silva
.lirispim, appellada a justica.
Do Bonito.-Appellante o juizo, appellado Joao
Francisco
De Carauhas Appellante Clemenlino Ferreira
Linhares, appellada 3 justica.
Assignou-se dia para julgamento das appella-
;es crimes :
Do Recife.-r-Appellan'e Jos .Hermenegildo da
Silva, appellada a jusfuja.
De Ala::oas.-Appellante Joao Pereira da Silva,
appellada a josti.a.
Do Limoeiro.Appellante (Icnrique Soares do
Nascimento, appcJlados MaiAel Gomes de Castro e
outro.
Do Sobral. -Appellante Vicente da Cimba Be-
zerra, appetluda a justica ; appellante Pedro Lo-
pes de Abreu, appella Ja a jiistira.
De Palmares. -Appellante Jos Francisco de
Araujo, appellado Manoel Ferreira Baptista.
J)e lnbamuns. Appellante o juizo, appellado
Jos Ferreira de Moura ; appellante Jo- Autonio
de Moura Cavalcanti, aptiellada a justiea.
Da Imperalriz. -Appellante o juizo,' appellado
Manoel Joaquim da Silva.
Do Bonito. -Appellante Jos Francisco da Sil-
va, appoada a justiga
De Alagoas -pnellantc o juizo, appellado Jos
Bento de Vaseoneellos.
Appellajao civel.
Do iuizo dos feitos de Alagoas. Appellante a
fazenda, appellado Hermelino A.-cioli do Barros
Pmentel.
DISTBTBUICAO.
Aggravos de peti...io
Ao Sr. desembrgalo; Domingaes Silva :
Aggravanle Antonio Henrique Rodrigue?,
^o Sr. desembargador Regueira Costa :
Aggravante Jo- Joaquim Gomes de Abreu"
Ao sr. desembargador Souza Leo :
Aggravante Francisco Al ves da Miranda Va
rejao.
Ao Sr. desembargador Neiva :
Aggravante Maigarida, por seu curador.
Ao Sr. desembargador Araujo Jorge :
Aggravante Max miao da Silva.
Ao Sr. desembargador LouroBco Santiago :
Aggravante padre Albino de CMvaiho Lcssa.
Encerrou-se sessao a i hora e I '2.
KX'KniKNTR.- rai.r.\MR!(T nmofeds |urta=ds do crreme^ renleitciido biln: n das eoiaifas Marcelino da Ros.v 4 Filbo. ap->e
mdac d> somana Av.-ii de abril a 3 do orrente. .nistrad^'esMa m?,u faltila de
i'
.arao arc.ii.vo.
Mflllft. 4k* h 'Srs., Silva Cuinirws,
Jornal offlcial de ns. 93 a 9i. -Para o archivo.' Silva, ntv 8stose Si Leito. ToS relArdBl a
t. -*r **, II
O livro da correspondencia olcial regularmente sentca.a, julganio-se procedente a aco.
eseriptnrado ato o n. (1*5. '} App'fnte Domingos Rodrigues de Andrade
Foi distribuido o livro copiador de J. Ramos & por seu procurador nesta cidade, appellados os
Tribunal de eomnierclo.
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE o DE
MAIO DE 1873.
MMIDRNCM DO Mili. SS. GONSItUISIBO AJDgKUtO
FRSHeiSC-3 PIRKTTI. .
A's 10 ttpras da manhi, presentes os Srs. de-
pniado, seeretarie Olinto Bastos, Candido Aleofb-
rado, Lopes Matbrdo c o Sr. ^upplente S Leito,
o Exm. Sr. eonselheiro presidente abri i sessao.
Foi (ida 8 appi'ova la a acta da sessao de 1
pp correle.
-SCT
RedrigiM fnnas i C apjiellados
de SoBza A C Sorteado o Sr.
Maebado pata *tr rubricado.
BWACH08.
Rcquenmento de Jos Goncahes Pimnnta, sA-'*Silvo, Cu
metiendo a registro o contrato de sociedad Imada a sei
Vista ao Sr. desembargador fisral. I Appall:
INFORMACOKS DA SRCHKT\RiA ] Joai|Uai .
Appensado peticao de E. R. Rabello it os Candido Akef.owlo otalugar^^r. Ry|o ledei
papen cooeernenles ao prdlesto de urna letra felta ros. Hefbrpiaila a sentem.a.
em 19C5 e aquo sereorio a informacao doescri- AppaMante cmbarganie BernarJini de Sena
v.io Jos Mariano. Poram passados ao Sr. S. Wandertey, appellado embargado Joao Luiz da
LeiMo, afim de examma-los. Costa Iniro.-Desprecados os embargos. .
Apresentando a petieao de Joaquim Moreira de Apnellanie Antonio Joaquim do Gouv.i, ap-
Mcndonca e outros, rom a respostado liquidante peUauo Vicente Ferreira Veras JuUas os Srs.
da firma social Casia Innaos k C, Luiz Jos la Rds e Silva, Accioli, Olinto Bastos e Candlo Al-
Cost o Sa, e a pelleta de FnnCheo Aminthas de coforado.Continn-ids a sentenea.
Gamillo Moura, carador do ausente Adobaba Appellante embargado Joaquim. Severiano No-
Apolinario deFaria.Voltc com vista a) Sr. des- gueira, appellados embargamos Tas. Irraaos.
embargador fiscal a presente peticao, com a res- limes os Srs.,_Aeck)l, Motta, Olinto B4stss e S
posta e docuineatos juntos apreseulados pelo li- Leitao.Desprezados os embargos. (O S>. Sil Lei-
qiiidanto da lirma Cosa Irmaos it C. lao volou com restriccao^
Ein observancia do despacho de I do corrente, adiajikntos.
e informando que emquanto nao forem obseiva- Sendo pelo Sr. desembargador Silva Guimaraes
das por Joaquim Pereira de Carvalbo e Damiao propasto o feito entre partes : appellante Bonifa-
Pereira dos Santos as disposi'.oes do 7. do art. o Adeodato Fontaaelli. appellados Joao Luiz
2." do decreto n. i,50o, parece nao p der ter lu- Pereira Brandao & C. Sorteado o Sr. S Leitta
gar a sua preteneao. A procuia.o junta nio d em lugar do Sr. Reg Medeiros, foi adiado o jul
poderes a Antonio Fernandes dos Santos para as-
signar por Joaquim Pereira de Carvalbo.
COM O PARKCKIl FISCAL.
Requerimealos :
De Antonio Gomes Pires & C, registro de seu
emirato. Rcgistre-sc o contrato nos termos do
decreto n. 4,394.
De Alfredo Prisco Barbosa, matricula de com
merciante. Como pede.
gamento.
Sendo ainda pelo mesmo Sr. desembargador
Silva Guimaraes apiesentadj para ser julgado o
feo entre partes : appellante supracitado Bo-
nifacio Adeodato Fontanelli, appellad.is Single-
bnrl Nepbeii & C, e procedendo-sc o sortco do
Sr. deputado Lopes Machado, foi tambern adiado.
Por nao terem sido apresentadiis em mesa o*
soguintes feit >s aliados da sessao prxima passa-
I>a c unpan'iia de seguros L'tibdade Publica, es- da, dcixaram da sur propostos :J
tabolecida nesta cidade, registro de seus estatutos,
a'.im de poder funecionar. Informe a secretaria,
declarando so eS'ao satisfeitas as considerares
legaes necessarias para ter lagar o que requer a
supplicante.
Nada mais havendo a despachar, o Exm. Sr.
eonselheiro presidente oucerrou a sessao as II
oras e 3 quartos.
SESSAO JDICIARIA EM ii DE MAIO
DE 1873.
PRESIDENCIA DO KMI. Sil. IMNSKI.IIKIU i ANSKLMO
FBANUISCO PERBTTI.
Secretario interino, o oflicitU Torres.
A' meia hora depois de ineio dia, ac'.aado-so
reunidos os Srs. desembar^adores Silva (lumia-
raes e Reis e Silva, Accioli o Molla, e os Srs. de
Datados Olinto Bastos, Candida Alcoforado Lopes
Adiado e o Sr. supplertte S Leitao, o Exm.
Sr. eonselheiro presidente ab o a sesso,
Lida, foi appi'ovada a acta da sesso prxima
passida, com declaraeao de ter o Sr. Olinto Bas-
tos fallado aquella sesso eom causa participada,
e de nio ter sido pelo seu nao cooiparecimento
que deixou de ser julg..do o feito entre parles :
appellante Domingos Rodrigues de Andrade, ap-
pellados os administradores da uiassa fallida de
Marques Barros & C.
Presentes os livros dos registros dos protestos
de letras, verificou-se que o do escrivao Albu-
querque linha o ultimo protesto o n. 2,751 em 2
do corrate, e o do escrivao Alvos de Rrito o n.
2,691, em 29 de abril prximo lindo.
Appellantcs appellados viuva e herdeiros de
Manoel Goncalves da Silva, appellanles Tasso Ir-
maos, appellado o Dr. Joo Barbaluo Ueha Ca-
valeante, curador do ausente Joaqun, da Costa
Ainorim; appellanles S Amorim k C, appellado
Salusliano Severiano Mauricio de Ilollanda.
ConlinJa sobre a mesa esperando-se a presen-
ca do Sr. desembarcad ai- Doria, que consta adiar-
se em servico do jury (ora dest cidade, os autos
i de appe!la;o cnlre partes :
Apellante a baroneza de Jaragu, appellada
1). Almirina Froes de Mendonca.
DI.STniBUIQ.VO
S. Exc. o Sr. coiisellieiio presidente fez ; se-
guidles distribuirocs :
Ao Sr. desembargador Silva GuimaraesIuizo
municipal c do cnmmercio da villa dAlagoa-Nova,
provincia da Parah ha : appellante Ivu Antonio
de Andrade, appellado Vicente Leopoldino de
Mendoncvi.
Ae Sr.Jdesembargador Reis o Silva. Juizo mu-
nicipal e do eommercio da villa do Cabo : appel-
lanles Rocha Leal k C, appellado Goncalo Alves
da Silva.
Ao Sr. desembargador Accioli.Juizo muni-
cipal e do commereio da ciaade de Mamaagua-
pe : appellante Joaiuin Eneas Civalcanti de Al-
b;]:|ii;n|uc, appellado Americo Cesar Cavalcanti
de Albuquerque.
AOGIIAVO.
O mesmo Exm. Sr. eonselheiro denegou pro-
vimenlo ao que lite fura presente no feito vindo
do juizo especial do eommercio era que sao : ag-
gravante o Dr. Malaquias Antonio Goncalves, e
aggravado Jos Francisco Bittencourt.

.

H
./. *
-n
rs

o
i
o ft

"9 As sign antes
W D B s
!
= * ^ B
ti ; r s
c
p_ t. S 2
B ?* V. b
& 'D --1 1 i?
- g
c. f
O- Assignantes 1
.*?? -
J c.
M
rs C*I
*^
a r-> C
t i!.
-i 5' * 5 a. 6
*
S
&
i
% 3 -^ As signantes

~ MI
" *- O

3 r *-" Q r- i
s- >
6) u>
V. (

& x

W
^
c*

5 t

~ 1
1

S5
erg
%
a-
o
B
o
<
p
3
P
CD 3 trf-
i < 9 P-
<-i o
f/j O rr.
IP P
u T3
a> CC \
Tf) UJ
^ O
JQ
^1 (I) o
rf^ p' _
'" 8 o
-o- OD
zc i
P
o-S <-t-
P W P
o' P P
p* O l/J
?-J H^
& p N
9 ?' p
M P* B
rr> P5
-3 O p
09 8S> p
o p
2 Assignantes c. c i* Q
1 *T 1 r-s> g Pj P S1 1
\ 1 Assignantes i* 1 R
o i f & 5. O. o 3' B
00 o
-s Assignantes O r: i 0
1 "i o. i
00 (O
Li Assignantes S 5.1
a r-> Xf i? a | a o |

O Assignantes w 0 i
* S M 1 P3 n i C/3

OD
O
P^
O
f: Cv
p Ct> B
P-P
0 W
O- g
p
p^
3
P-
J5
<
O
Cd
-
w
P
O
3
o
o.
p
ce
c

So
'1
co
ce
p^
ccCq
-. CD-
CD B*
ce 3
p ce
-C5
*
ce C
CD
P-
O LT

o
9
p>
ce
.
c-t-
p
p
I
p
O i
p
p
*
THESOlfRARIA DE PAZEXDA
6 de nuil'
Foram reuiettidos ao Sr. thesouraro para serem
pagos
onicios :
Da presidencia, mandando pagar a s agentes
receaseadores da Ircguem do Roaito a quanua de
lo!.iuu cada um.
Da mesma, idem idem a companliia da c.-trda
de ferro do Recife a S. Fraucisco, a quantia di
1U800.
T)a mesma, idem idem a Jos de Almeida de
Souza Costa a quantia de 40060).
Da mesma. idem dem as despezas foitas na im-
portancia de loOAOO proveniente dos soccorros
prestados por occasio da ultima endiente do rio
Gapibanbe.
Do arsenal de naarinha, pedindo pagamento das
despezas feitas no mez de marco pelo euferiueiro
Antonio Francisco da Costa Pernambuco, na im
portancia de 2i640.
Requerimentos:
De Manoel Figueirda de Faria s Filhos.
De Henrique Soares de Azevcdo.
Secretaria da th.isouraria de fizeada di Per-
nambuco, 6 de maio de 187).
O t" escripturario serviado de secretario,
Carlos Joao de Soazi Corre i.
PUBCACOES A P^LH>.
Estrada do Limoeiro.
Nao sou autor do artigo edictorial da Provincia
publicado hoje sob a epigrapbc Esiruda do Li-
moeiro, aem tao pouco o suggeri.
Teoho necessidade de fazer esta doclaracao, que
nada eatende com o escripto era si, que revela um
talento brilbante, para que nao se supponba que
oceupo-me hoje, sob a responsabilidadu dos meus
amigos redactores daquelle jornal, de objecto que
ha aanos discati com a miaba assigaatura, e em
que fui interessado.
-Recife, 6 de maio de 1373.
Enarque de laudo.
Jos Martins Alves da Cruz ao articulista
do Liberal de 22 de abril prximo pas-
'sado.
Recorro as pginas para declarar falsa a notcia do Liberal de 82 de
abril prximo passado, relativa a um corrector de
escravos que en castiga severamente ra do Co-
ronel Suassuna,-8e por ventura a mim se refore
ama tal notnia, riti que nao tenho esse brbaro
cosame ; ao contrario, se aiada nao perd um so
dos meus reguezes e os tenho augmentado por
que dispens' a seus escravos o melhor oidado c
tralamento a alcanjar vantagens no acto da
venda.
A Ivs da Cruz.
O inspector da sailc aopu-
hlico.
Nao ha renvdio senao andar conforme) vento.
Vou responder ao artigo do Sr. director as obras
Sublica Jos Tiburcio Pereira de MagalhSs, da.ta-
o de 28 de abril e publicado no Viariide Per-
nambuco de ."W.
O Sr. Dr. Tiburcio, conta a sua historia pm tan-
ta innocencia e sinplkidade, que nao ha inguem
que pense que ella e un acervo de i.iexatidjoes e
at de faltas que um lioraem que escrevl para o
publico nao deve commetter.
Sem prembulo.
Eis o caso : Qaando nos tomamos posa da c-
mara municipal em I8G9, eslava cedidij com-
panhia Recife Draiaage o largo das CincPonas
para ahi eslabelccerem a sua ofllcina e hlchinis
mos : se me nao engao, fez se-urna reonnacao
ao presidente da provincia, a!leganJo-se quaquel-
le largo tiuha sido concedido ao Institutolre eo-
logico, para assentar urna das quatro estalas dos
hroes pernambucanos da guerra dos Iwlpdezes,
que elle pretendi.mandar fazer.
A presidencia perguntou cmara se
assigoado termo da doajio ao instituto, e
dendo-se-lbe pela negativa, a presidencia
que a cmara designasse outro lugar par;
tua e se desee o largo das Cinco-Ponta
companbia Drainage.
Em nosso tempo que foram designadlos lu-
gares para os ontros estabelecimentos da raina-
ge, uelosabi) e circumspecto Sr. director d obras
publicas, os quaes foramto los impugnados slaca-
quer menino de escola.
Os meus rela'orios vo ser apreciados por pos-
soja erMerio e de seno cumoii(iii. c edou cer-
lAOlie nmgtva os comparar tum o celebre od-
elo do direefcr das otaras pnblleas do 5 de abril,
a que S. S. se eobre de glorias pelas proficuas
lipdes que as d-a respeito das vezes que se dve
fechar o< #aeulosos apparelhos da Recife Drai-
nage, cs.-|MRndo-se esjiecMicar por clcalos alg-
bricos a qnantidade d agua que e preciso para tor-
nar inodoras unas certas partas solidas.
Isso sim que se piule c >amar talento I
Pirca atent, scripia m-tnent.....
Quem diria que depois de tres anuos c meio, ha-
via de apparecer nes.e mando um ente com fljra-
ra'humana, que viesse perantc esto publico, cha-
mar-nie de inepto, por ser eu o autor desses dous
pareceres que vo ser dos e apreciad por al
Siiem ipie nao tenl-a a colossal intelligencia do Sr.
i toctor das el iras publica* ? Leiam todos com at-
tenco esses relatnos ou pareceres e vejam se
poje baver maior inoptidio do que a de quem me
chama de -inepto -para os ter escripto.
Delles se v que apezar das grandiosas proraes-
sas do muilo digno Sr. c immcndador Antonio Go-
mos Mk, eu sem pro desconfiei dos miraeolosos e
odonlors apparelh desta companhia, que ha de
ser nasa anda de grandes males de urna e oitra
especie para esta provincia ; delles se v que se
tazia pruflMtaa de apparelhos muilo perfetos, de
imita agua e falta total d-j cboiro ; entretanto, que
os app,irelhos silo da mais baina qualidade que
possivel imaginar, nio tem agua, e a maior parte
delles fedem a caes morios.
Ainda insistirei n'um faelo de muita importan-
cia de que j fallei, mas torno a fallar nelle : na
conferencia que entre nos houve em palacio, isto
, entre o Sr. Tiburcio, o Sr. commendador Gomes
Netto e o engenheiro da companhia, e mim o o
Sr. Assis Hocha, n Sr. Dr. Tiburcio nao teve outra
raza > para allegar senao j se Imver disentido
essa quetto pel> Diario e ter-se r-provado a id-' i
da ofertara do cano do Hecife odiante dn Brum\ e
bem assim no fundo do mar ; pedi por favor, ins-
tei, liz os maiores carinhos ao Sr. Dr. Tiburcio
para aponlar algunas das razo 'S que Ihe pare-
cessein mais proprias para comhater as que cu
offereci em apoio da minha opiniao, c o excelso
director das obras publicas, netn urna palavra II
S difia, jfoi combatido aoDiari; j fti comba-
tido no Diario, j foi combatido ao Diario....
qne talento, que prosapia 1!
E o Ilustre auditorio cansado de esperar pelas
razoes que oSr. Dr. director das obras publicas
tinha para apresenlar, retirou-se sem nada baver
pescado da llustraco do eximio director fiscal.
Diz n Sr. Dr. Tiburcio, que o meu parecer dig-
no deleitara e de um exame apurado.
Diz urna verdade : leiam-no com atteneo, e
vr-se-ha que eu ostudei a questo : nao a desen-
volv cortamente com o talento e Ir.imenso cabe-
dal de conbecinienios que o Sr. Dr Tiburcio dis
pensou no seu Mete de 5 de abril, nem nos ou-
tros seus Irabalbos de penna lia de se eonhecer
que eu apresentei as mili a* motes e justiliquei-as
como permittiram meus aeanhados conhecimen-
tos : nao insiuuei coua alguma presidencia, e,
come o Sr. Dr. director das obras publicas, tive a
rouito louvavo! modestia d nao querer combtel-
as razoes pur mira adduzidas, e apenas lizesse
como papagaio grego, q je s diz <*' e o >;, o Sr.
presijlentc adoptou o meu parecer e deferio a pro-
ieoea i da companhia nesse sentido. Porque es
mesmos coinbatentes nio vieram contestar os
meus argumentos ? Houve lgrelo nisso ? Pro-
curei oeealtar o meu humilde trabalho com medo
de que alguem o aticasse, ou teria eu recejo de
que dissessem que elle foi dado por dinheiro ou
eontemplacao ?
Ahi vai aoje luz da publiei'ladc, c atada pode
ser atacado : nao tarde, e se atada se ronhecer
que elle mais prejudicial que o das Cinco Pon
tas, tacan) ir para alli esse pense.
Ahi estao os dous pareceres meus e o do Si.
Dr. Pitonga para serem lidos por quem quizer, j
que o Sr. Dr. Tiburcio tanto os deprecien : mas
eu nao aceito a opiniao do ineoparavel enge-
nbeiio, porque julgo-osomonte apto para fazer
clculos da |uelles que vcm exarados no seu offl-
cio de 8 de abril para sua eterna memoria.
O sabio eagenbeiro tiscal da Drainage procura
mostrar que a companhia Drainage nao se deu
mal com a abertura do despejo na recife, e para
fundamentar a sua opiniao, faz o clenlo dos lucros
que a compan- ia tirou ou podia tirar com essa
mu lanea, mas nao fez ainda o dos que tirou com
a mneeoncia do Sr. Dr. Tiburcio e can-loe dizen-
do que elie foi nessa occasio advogado da com-
panhia.
E' preciso explicar as colisas de mancira que
tiquem bem claras, dislinctas e ao alcauee de to-
dos para que se c nvenrain que o nos excelso
director das obras publica? na lgica o mais dig-
no suceessor de froi Gerundio, e que a sua cien
cu, bem patente no sea ortiVio das lavagona das
partes solidas, estende-se ainda a maitos outros
|Knios ditTerentes, disciplinas em que file semprc
mosira a forea de seu succnlenlo raciocinio.
Vejamo, como discorre o rival dj Sr. Law,
ei-lo :
A presidencia manlou que o inspensr de
sade do porto ds*e o seu parecer a respeito da
abertura do e^goto adianle do lorie do Rrum,
este deu-o no sentido favoravel companhia :
logo foi o culpado de ganhar a companhia 600
ou 700 contos.
Vejamos e reverso de modal aa : O Sr. Dr. Ti-
burcio inspector das obras publicas o fiel dos
intoresses da provincia relativo s materias que
correm pela sua repartieo : O inspector de sailde
do porto apenas o fiel das materias que dizem
respeio sade ; nao tinha conhecimemo algum
dos valores dos encanamentos nem por consegua-
te das diTerencas que poderia haver em ser assim
ou de outra mima : logo ao Sr. director das obras
publicas, que devia saber e eonhecer es planos e
valores, corra rigorosa e ndocbnavel obrigaco
de prevenir ao presidente da provincia que a com-
pan ia com aquella pequea troca lucrava 60) ou
700 cantas de reis, e que par eonseguinle devia
de fazer urna iiidemnisac.lo igual nos valores dos
apparelhos e encanamentos ;e parece certo que
se o presidente soubesse desse coscorrinln, sem
duvida alguma nao consentira que a comoanhia
armasse o p auferisse Uo avultado int'eresse.
Mas o Sr. director das obras publ ca--, fiel da
administracao provincial, meiiea o viola J sacco,
c deixou a companhia par nessa opulenta mel-
gela de 701 contos de ris : logo o Sr. Dr. Ti-
burcio desde esse primen* lance foi advogado da
companhia bon e bomzinho, e nao eu, que s
tive de responder pela sade do porto : e a mim
que cabe o epttbeto de inepto ? Este Sr. Dr. Ti-
bureio muito innocente. .
Meu Juca chama antes que te cJianum....
Se o Sr. Dr. Tiburoio conheceu que eu t imava
inleresse criminoso pela companhia, devia ter im-
pugnado o meu parecer com todas as foocas dos
seus pubnoes e por inteiramente a silvo a sua res-
ponsabilidade de chefe de urna
mar municipal,como muito bem sedepret
leilura dos meus relatnos que adiante wltrans-
cripto?, mal dedozidos> verdaile, mas lae que q
Sr. Dr. Tiburcio nunca em sua vida ser (iaz d
fazer um igual, quanto mais melhor : e fr
preciso pde-se muito bem provar cotepdo-os
eom os oficios do Sr. Dr. Tiburcio.
Assim, o Sr. engenheiro das obras publij
signou na Boa-Vista a entrada da roa di
Velba e a entrada do becco dos Ferroiros p
do Capiharibe, u.n teireno ao p das ol
companhia de Apipucos; no Recife, a pjueua
praca scmi-circolar ao caes do Apollo, a pi a do
chafariz, boje denominada de D- Pedro I, que
maiso pateo interior do arsenal de m uha,
que o Sr. Dr. Tiburcio com urna ingenuidad tola
graciosa pronunha que se pedisse ao govet i fe-
ral, para se fundar a cambroaatica torre ao do
hospital l !
Attendite el videte!
Tudo isso foi'impugnado pela cmara, & o se
. reparticao em que
nao pode deixar de haver um homem oe cinfian-
ca : oSr. Dr. Tiburcio nem um palavra disso em
fayor da sua opiniao nem em favor dos cofres p-
blicos : quera cala consente : tao bom o ladro
como o consentidor : eu nada sabia desses calcu-
os de contos de ris, pequei por innocente ; o Sr.
Dr. liburcio sabia da mina e calou-se : quem o
criminoso, eu ? eu mesmo ?
Oh quanta ipeeies cerebrum non habet III
Depois que o publico tiver lido os meus dous
pareceres que nao podeai soffrer a menor compa-
raran com o colossal e memoravel offlcio do Sr. Dr
Tiburcio, muito sabio e conspicuo director das
obras publicas, "de 5 de abril do corrale auno, que
passara sem da vida para as selectas que bao de
servir de compendio no grande ouiinatorip publi-
co, concebido na prodigiosa imagiaacao do nosso
Eudes de Montreuil, do nosso Robert de Luzar
ches, do nosso Vignoli: do nosso BaRhazar Peruz-
dc di' 'i noMO Boromini, dojiosso Wren, do nosso
estas travs eram tao finas que deram malcra
para tres ou quatro e aiada -stbrou... era -abo....
6.* Que nomo deve ter um engenheiro que,
sen lo fiscal por liarle do govemo e de urna infeliz
cidade como esta, de urna companhia de asseio e
limpeza diz que os apparelhos nao estao feden lo,
quando toda a populacw) est recelosa a morrer
asphyxiada de podridlo : sebo Sr. enirenheiro.
1* Que oonie merece um fiscal que d como
boas para pigar as cantas da companhia em que
so quer receber o valor do cncanamento gem,
quando este j est incluido no costo dos appa-
relhos.
Que no:no marece um engenheiro que faz
orcamentos, cmio uns de que muito se falla, e em
que sempre faltam c Misas mtiito essenetass, c que
depois sao calculadas como imprevistas, supple-
inentares, accessorias, etc.. etc.
Eu nao quero augmentar a afljcao ao aftlicto :
taso alto aqu mas nao prom.*tti deixar de apon-
lar outras couzitas que bem mostram a aroMnaia
e Ulento do nosso director das obras publi as, a
proporcio que se for fazendo necessario.
Pe;o aos nteressados nos nossos angustiosos
SoCTrimenlos que leiam bem vezo; e com umita at-
ten^o os meus daos pareceres, e tojos os outros
que eu tenho sido abrigado a dar, qner como ve-
reador da cmara, quer como inspector de sade,
vejam se ellos p dem ser feitos por um inepto :
o comparen!-no coin o bnrdalengo offldo de ."i de
abril do corrente anno, produc-.ao do muito alto e
talentoso director das obras publicas Dr. Jos Ti-
burcio Pereira de Magalhes, por gra.a de Deus t
unnime arclamaco dos p vos.
Recife, .'J de maio de 1S73.
Dr. Lobo Mosceso
Debrne, do nosso Mansard, Perault Dibroae, cuios
conhecimentos em architectura, todos reunidos
lieam a perder de vista do Sr. Dr. Tiburcio, deci-
dir.
i.* Que iiome deve ter um eagonbeiro que
faz um jardini com pessiuia pedra deara e man-
da pinta-la a oleo, creando assim urna fonte de
renda, digo de despeza para a provincia que o vio p
nascer : dcixacJo de mandar vr cantara de Lis- B
boa que eterna e talvez custasse meaos
2. Que uome deva ter um engenheiro que faz
urna torre com a bella inlenco de escalar o-co,
e nao lhe deixa suficiente p direito para depois
ser obrigado a tapar as portas e converte las em
gretas e segurar os arcos com gatos de ferro.
3. Qae-nome deve ter um engenheiro que na
reconstrucca i de um theatro deixa tres cornijas e
duas ordens de buracos para admiracao de- um
genio phantasiador.
4,o Que no me deve ter um engenheiro que para
A commissao nomeada por esta canina para
dar seu parecer a respeito do requerimenlo da
companhia -Drainage Recife Liaiitedem que se
recusa a aceitar os pontos que por esta cmara
foram indicados para nelles edificar as casas ne-
cessarias para montar os apparelhos destinados a
condtizir as materias fecacs e aguas servidas para
fibra do arrecife quer, nobairro da Boa-Vista,noer
no de S. Frei Pedro Goncalves, v-se obrigada a
declarar a esta cmara, que grande a importan-
cia da materia para se tratar della perfunctoria-
mentl e sem preceder nm oslado profundo, do
qual podesse (iiar-se ronciusoes satisfaciorias ;
nao pudendo, porm, a c.immiiso recusar-sc de
aceita!' o encargo e nem deixar de dar-lho sabl-
ean cm piuco tempo, como se exige, passar a fa-
zer as seguintes considera^oes.
Nao Intelizraenle ag ira occasio de expender
a commissao o seu juizo a respeilo do sjstenia
ajustado no contrato com a companhiaDraina^-,
quando apenas lia a executar o conveneionalo,
e nada portante pode-se dizer a rcs|Miilo desse e
de outros systemas de limpeza das cidades, \:i-
tem estado em voga o tem sido desprezados a"seu
turno por neo nmodos c insalubres ; sendo que
na Europa se estada com muita cireumspercao,
como se ha de obier o duplo resultado de neutra-
Usar os gazes infeccionantes das materias feaaee,
e aproveila-las para estrumes, sem os inconve-
nientes do derramamento dos gazes na atinospli-'-
ra ; Halla-** apenas a commissao a declarar que
o systema de esgoto que vai ser exeoutado nesta
diado rene os dous mximos inconve-iieutes.a
nao neutralisaelo dos principios deleteiios, e o nao
aproveitament i das materias como adobo para a
torra.
A commissao passari portante a fazer urna un-
irse suixinta dos pontos sobre me versa a ques-
to, fuidameitaiido a sua opiniao, para que nao
pareea q:i sem razao se oppde ao pareear das
obras publi-as ou aos desejos da compinbia Drai-
nage.
Io ponto. Apezar de j ter esta croara por duas
vezes se recusado a concordar rom a reparto >
das ol ras publicas, que insiste em indicar a pra-
ca do Chafariz, bairro di Recife. para nelle ser col-
locado o apparelho ou mactiinisnio que tem de
impelbr as materias feca"S para o ponto centra'
das Cinco Puntas, v-se ainda nina vez a oaSMBis-
so brigada a fazer as seguintes reflexoes. para
tornar patentes as razoes em que se basa para se
oppor a semelliante proposito.
A praca do Chafariz a nica que temos no
bairro do Recife, nao muito grande, est rodea-
da de edificio?, cnlre os quaes e nao muito longe
o arsenal de marinha e sitas dependencias, inclu-
sivamente o hospital onda sao tratados os neninns
do arsenal e os niarin siras dos navios de guerra.
Nao estar muilo remeto o tempo em que se
possa ajardinar essa praca e tama-la um ponto
de recreio e conforte, onde principalmente na es-
ta .o calnnsa muita ente procurar passar al-
guns momentos da nelle, afim de go ar um ar
mais puro c livre, em vez do rarefeito e insalu-
bre, que se respira n.is casas desse bairro que
cousta em sua maior faite de ras muito estrenas
e casas baixas.
Nao pode portante a commissao, sem hilar aos
seus deveres de zelar pelo bem c sade publica,
coasentir que se colloquc n> centro de urna po-
pulado agglomerada, um foro de ineccao perma-
nente, que nao s iiieommodar inces-antenienl'1
os seus habitantes, como poier ser causa, se nao
cuociente, ao menos concomittante de qualquer mo-
lestia que se desonvolva cjm o carcter epid-
mico.
Asseguram os agentes da companhia -Draina-
ge que as machinas podem e devem funeciouar
sem sentir-se mo c: eiro das materias fecaes.
Que os apparelhos collocados as habitacO-is
nao cxhalam mo cheiro, cousa que a commis-
sao nao pretende contestar, porque sabe que exis-
tem boje apparelhos muito aperleicoados para tal
destino, e havendo agua em abundancia, esta di-
solver os gazes quo cxhalam as fezes.
Nao pode comtudo a commissao aceitar, om
a simpllcidade com que promelte a companhia
Drainage a idea de que as machinas que tem
de revolver o mixto e lanca-lo para longe, alo
exhalem pessmo e iucommoJo cheiro.
Apezar de haver grande quantidade d'acua e
parecer que as materias fecaes tem perdido todo
o fedor, a commissao deve declarar que os gazes
com quantosuspensos ou mesmo dissolvidos nagua,
nem por isso tem perdido a proprieiade de se oes-
prenderem toda a vez que se agite ou apcea a
aga i que os conten : dentis nao pode haver tal
perfeico nos mbolos das bombas, que torne ni-
possivel o escape de pequeas quantidades de ;:a
de cada vez que elles sobem ou descem ; e estas
succedendo-se a cada momento, acabar por for-
mar-so urna atmospbera infeca que se far sen-
tir grande distancia Se a commissao julga iu-
fallivel este acontecimento no principio, quando
as machinas ainda oras atliamse no mais per-
Jeito estado, quanto mais, quando ellas pelo conti-
nuo exercHo a que sao obligadas, se acharem
com os mbolos e deinais apparelhos deteriora-
dos I
E'por cansoquencia a commissao de parecer,
que se no converla a nica prar.a que temos no
bairro do Recife, em foco de infeceo permanente,
nio se conseatinlo que ahi se asseiilout as machi-
nas ou apparelhos da companhia-Drainage.
Quanto sua collocaco no aral do Bruin, Den-
sa a commissSo que os i nen ve ni antes que acaba
de apontar, nio se faro ahi sentir com tanta i:i-
tcnsdade, pea grande ventilacao quo ahi ha
sempre, pela qual soro dispersos os gazes que se
despreaderem das materias fecaes, como tambera
porque nao havendo hahitaco alguma que impida
a ac.o do vento, esta ser mais enrgica o pro-
ficua
Insiste a companhia-Drainageera querer a
praca do Chafariz e nao a praia ou aral do Kram,
allegando jue esta rica muito distante do appare-
lho central, e que no plano de sua* obras nao se
contou com esse trabado, e que por eonseguinle,
que isso lhe causa grande prejuizo ou transtorno ;
e como nao haja no bairro do Recife outro lugar
que se possa dar, sem iguaes ou maiores inconve-
nientes do que os cima mencionados passa a
commisslo a considerar o outro alvitre que fui
lembrado na conferencia que houve em presenta
do Exm. Sr. presidente da provincia, e foi seren
laneadas ao mar alm da fortaleza do Bruin as
materias fecaes rerolhidas no bairro do Recife, al-
vitre este que impugnado pela eparticao das,
obras publicas.
Entende, porm, a commissao, que nao sendo
ossivel a collocaco dos apparelhos no aral do
;rum, por lear muito difflcil o retorr.o das mate-
rias excrementicias para o apparelho central as
Cinco Pontos, que nSo havendo outro lugar que
nao possa ser concedido companhia Recife
Drainage que nao se podendo suppr raioa-cl-
meniente que o governo geral conceda parte do
arsenal de marinha para nelle se eslabelecer um
co permanente de infeccSo ao p de um hospital
e do quartel de urna companhia de aprendhes. o
nico remedio que l.a ou obrigar a companhia
a que transtorae o seu plano tratado, ou conce-
der I i e que as materias desse bairro sejam lacea-
provavstnMMi can tudas as aguas i
vidas de rasa r ntendo sabo, ridos e alr i
eiits.
E' sabido que lugo qne se nsMnrata as snate-w*
feries cun urna certa quanudad I goa, e*!a
dissnlve a miier parlados ganw, e II.i' 6ram mm
doras; ora, contundo a agua principios chtari:.-
capazes le di-oni|ior os gazes e roiiverir- f
oiiip.istos de di\rsa nalnreza, oque a'-onleeera r
que, quando as materias rnegimm ao tacar.
onde tem de ser evacuad i, j se acham m-ntra
lidos era gran le prteseos |irtari|H' iiulaejo".
porque por eTeito da aflrnidadc chiini'-a er**
carpos eui contracta eom ootros (ndrai a seeotssi-
por mutilan; .t.- e dar na rezos eom pr.ipr.. -dales inteirarnen.- diversas d- -
rrimitivos, e a ,l ia um dos a grates que mai i
rece e**as con l.inavVs, f.icilitandn o c m'raeto t*
molculas.
Ora, c inlead > as materias fecaes qnantiswdc !-
aci lo sulldric (liydr.tgenio sulfurado, snlfur^so hydrogcnio) gar. amnioniaco, earbnret ><. drw i
saes, como rarhnnalo*, pbosphali*, hydroehlorsU-'*
de natasen, cal e soda, n effectuein duplas decompos, pi.r cIMse sV*
ejnaes se desenv>!- o chloro, que r.i!,itimanV-e
c im algum <\' oitr,os coros, pro loza princi^--
inoff-nsivos, f a coin-iiissio deixa de es'endn?-**'
a tal respeit >. porque bem t m ida :ia n*edi>M
ena hygiene a arelo que. i.-m o r'd mi r.mn> puri-
ficad ir, ou ant-s como destruidor dos gizes tnp**-
ticos.
Unta das raoes qne ara rwnlu-
tw a opiniao cima emittda. ejne, s as materias fecaes ao p da barra, rilas torio a
cessarianente de entrar para port e ahiricM-n
volver seus tina mas c infeccionar t.xla a rbla-t-
Pensa a c imoiis -".i qu<- muito diflrjl IreSrylla t rrMm.
A commissio, com quanto ja tealia exporto
modo de pensar quanto a> e-tado sHi que rt.<
garo as materias feeae< ao mi-tirarem-sc era j>
agua do mar, ni) pide conlesiar que. cu ettoiw.
as materias, di vi lid is infinitamente pelo rbor
forte na mar da praia do Rrum. < taVa eingi.
de parte nnulr:ilsadas, entreo pri-i porto e ain-l^
mais subdividula-, tenh.im de >abir |ura fura i
vazante; mas quem tem lauto roer oeste phra
mino, nao pode K^nasJtasT que t das rilas tcstbata
sabida ario lado da ilha do Nogueir, por pie -
nem ha muralin qne se opponba ao tra-paso*V
fezes or cima do recife e sua dissemina;! pe'--
porto, nem ha lambem senas que levanten
tacnlos nassngenj do ar atmospberieo. i-mlral--
todos os principios defeterios que exbalam as m..
tenas fecaes, parqne ee letsnae n ennnidsrnr n*
ventos que ma^ e i umummenle reinam n'esto f i .
de, nao >abe a r i.-niissa i de adir sobre a 11
reneia entre um igual foco de InVcc ao su
ao norte d cidade. quando ambos eiles t-nb..
mesmo meio de t ansmi-sao de seus miasma*. qiVi
pela agna, quer pelo ar.
Mesm.i jissim nao faltam razes i tMssst
para provar qne ::o ha muita razan da p.iri
ilispctor das obras panslmj asfe p n-ar que :> ,.t
s poJe nasrer da iioiie e nao do sul.
E' conhecido c hu axioma em nudc-ina q :
mais prejndiral um grande fijeo de iul'eo-.V< +
que nimios pequeos e dispersos : tambera q "
se mais rccninm-nda em tein|wi de cpidrana" i
disseminaeo doa doenles para nao haver ae.-uui
lacio de mias.uis era nm lugar: pnrere p<'
tanto que mais { nivel ser o despejo de toda- :.-
materias em iim s ponto, do que a sua di
por dous ou tres \. ralos afastados. Ora, constan'*
a popularn do biirro do Recite de l.' a IA asU
almas, o que faz menos da sexta parte da popui--
cio total d'esia ridade, claro que pouco prejiii
Ioder causar o despejo de suas materias feeaes >i
norte, quando as das outras cinco sextas v.~.
lancadas em um so ponto ao sul equidi-tvi
outro. A conclusa., sera |.ii tanto de aecordori *
o principio isiabelecido no comeen d'esto partee
isto que nao se devia ter feilo i contrato se ?'
sob condic.o de nao serene laucadas as masen;.-
lecaes M mar, tao prximo i tfii.i, en lugar i m
que iiifalvelmenie ellas han de passar pai. -
ancoradouro, e era que tambera nao possiv 1
absolutam aite fallando, se pensar que las |el-
menos deixem do nc imraodar os habitante* la
cidade e de algur.s de seus suburbios.
Aconcliisao obrigala, que se se pode acre>.l<-
tar que as materias, fecaes batidas com n ssja
salgad, podem perder seas principios nocivos, i
nbum mal podem causar sen Jo lancadas em don-
punios ; e se nao podem tornarse inifTensivos \
clleito dagua salgad i. ento o mal ha de ser n.i i
sabindo todas ollas em um s lugar do que w
dous ou ires, |Kiique mais prejuaicial c i
grande f nidos.
A commissao ronclue por tanto :
!. Qne nao concorda de forma alguma em I i
eollocada a machina on o quer que neja da com-
panhia-Drainage -na praca do i bafariz : poci|-
a cmara nao pude alienar suas prpriedade<, i
que seria enllocar no centro de nina ikipiit
um foeo de ptkMdao, por.|iie embcileae romo nm
bellczar um lugar, onde existe um apparellK)
semelhante nature.'.a, ninguem o escomer pai
ponto de reereio.
t. Que insiste na rol I lesean da machio
aral do Bruin, por ser o:ule ella menos prejudi .i
e pode le nar.
3* Que se mpo-sivcl voltarem d'abi as roa e
rUnanas Cinco l'.nu.is, se permuta lanca'--
ae mar, aliante da ortaleia e longe da praia.
1 Que insiste na designaco do hrg de Sai *
Amaro, como o mais conveniente sslubridM--
publica.
5.# Finalmente, se. impossivcl fundarse o
tabelccimeuto nesse logar ento se ejuceda o ap.
tado por traz da ra dos Pires.
Paco da ranura municipal do Recito, em I
junto, de 1870. -Dr. Lol Stonc-u.
A commissao de edificacao, a qnem da presan;*
aejsMe que preMdvneta dirigi Antonio Gow -
Netto, gerente da Drainage Companv, e talaras-.-
roes qne foram ao mesmo Eira. Sr. dadas pe
engenheiro chefe da repartice das obras pub
cas, uein como as emsiderreoes a e-4e apresent. -
d is pelo engenheiro daquella companhia. cer
da rcsnluco lomada obre as localidades esc
Iludas no bairro do Recife e Roa-Vista, para
torres e -ifticinas daquella companhia ; des
de apreciar bem as considerar.>- offereeidas, n-.'
s pelo gerente e eagen eiro da companhia. cuo
pelo cngeuheiro da reparli.o das snrn publica-.
iJ de parecer que o ponto escolbido no bairro da
Boa-Vista, o terreno que tica no fundo da reside i-
cia do Dr. Jos eos Anjos, actitovri, e pe-b
ficar determinado, salvo o direito. de propnedrf-
dc ; mas, que quanto ao segundi, entende qu1 n*.-
pode ser oceupada a praca do chafariz. nica afir
possne a cmara no bairro do Recife, ainda mem-
qne eom as obras feitas podesse icar ella ele-
gante enotavel, porque em todo rase sedar-.
oiiiiaco de servdao que a cmara nio |-
!.:-:. era vi-la do art. 41 que obriga a mesma t
manl-la integralmente, |>em coran nao concurra
a commissao com dea de serem lan.adas no an-
coradouro as materia; fecaes resultantes do ba>i-
rp do Recife, nao so |iorquo poderia trazer ma -
a saiubridade publica, como porque entende q :
na.) podem ser neutralisailos pela massa d"ag.-
que tica denlrt) do recife os eifeitos que pode*
produzir estes residuos ahi Lineados, salvo s< .
comianbia podesse leva los em cano de esget.
at tr.mspor os arrecifes, e os lizesse lan^r n
largo mar. onde poderiam ser a rraslados st u
grave ineommodo daquella populacao ; ae entnn-
lo lando indispensavel que seja feito naquella fr--
guezia, lembraria o la-g do Arsenal de Manir -
nos fundos correspondentes margan da M
alli existente que fica na altura eotresnanalento -
praca do Chafariz ; onle parece haver tarrean
suwoieoto para tal edificacao. rfostoo tormes .
cmara resolver como melhor lhe pareeer. rV.
da eamara, !. de junbo de 1870-Dr Pr*xmr<
Gems de Souza Pitonga.
lnspeccaade sade do porto ero.....de aga*
ue 1870.-Illm. c Exm. Sr.-Cuprinee e despa-
cha de V-. Exc, exarado no oflkn de direetor das
i ras publicas desta cidade, em queesssuew-*
opraiao, oppondo-se a que a empresa Recife Dr; -
uage Limited faca a evaciiacao das materias
-aes do bairro de Rocife no mar lilrantr do A -
id'., tenho de informar a V. Exc qne aeno san
'andamento a opiniao do direetor das obras n;>~
cas, pelas razoes qne passo a expor a V. Bx .
'om quanto nio seja possivel, Exm. Sr, foro
r um parecer, senao depois de san toe estad.<
inteiramente bascado nos prient|des sosabstorii '
pela sciencia em. objecto de tanta importaaajn,
como seja o de qne se trata, farei per eertaMUer
ainda mais a minha opimio J emisksU ae relato
rio junto por capia, que como vereador da eamara
municipal desta cidade e por rila nauseado etn
cummissio para examinar a malaria nos requer.
memos da companhia Recife bramsge,
na sessao de 1 de un di
r JSSSSsSt
L-m



'
y


e sobredi! i parecen dta: une- se tratado nr-
1 .alu-nt' :lo fueran) eftoltaJq rtra/o *")?;? Mi
remo?3 das materas focos oesu cidade, eu opi-
nara'para que o nao consontis.se do maneira ai-
guraa une ell*WMI' ^najada/ flo mar as
proximidades dacjlade,'era um ob mis pontos,
jwrqne a.-sim iri nib so o fnronveniec
de se/-a.atino;spVra mirfs on menos viciada pelas
Mnahactjes .da*.mesmas materias, rumo tambera
o de nao seren ollas aproveitadas coiuxestrutuo;
iiia, lugo que esta enn-iicao, quanto a mim essen-
cw.'n.lo foi eslabslecida no 'orilrat, pens que
laivto mal faz ate ellas sejan despejadas ;u> norte
romo ao siil do p irto, fudando-me na opiniao de
todos os medios qoe so oceupam da hvgietie pu-
iici e nulifflMMt pe "s '"'"-s unto in tis nocivos qu mto mus consideravuii sao
lies ; c que, qtiando n\n possivel extingui-lu
ciuao no caso das epidemias o inelhor meio para
ijruvlos menos ofensivos o torna-Ios menos i n
lAnsoji, semselhaBde-'o seniire, o como obiecto
daipriineira imprtasela, a ebftarsaa dos detentes.
O director dw,obras publicas, quenecessaria
mente deve ter lido o mea sobretlito ralaiorra, pa-
iwe-ine quo eslava olirigado aales a combater as
opinies noli- apresentadas que tolas so'ftmdadas
popriiK'i|iios d,i seieneia h dyquo-a bascar a sua opiniao somonte as dis-
(Ui*$o ue.ao menos se dignasso apresentar os tpicos
a" (Joutrinas exaradas nellas, que Ihe pareceram
or-preferivals s que cniittl com toda a imparcia-
tidade.e franjue>a era diio mea relatarle.
.Ninguem mellmr que o director das obras pu-
l, km poderia demonstrar que eu laboro en) erro,
pianilo tligoj .|uo tanto mal faz a sabida das na-
t#via fec ios pelo lado do sul, on ima do Pin,
.amonlo di norte, ou fortaleza do Urum, porque,
entendido como na doolrinadas endientes e va-
antes das maros, as direerdes dos ventos, quo
priuctaluieuto reinara em ossa costa, oonlio-
rendq I*mi ., distancia relativa, em qne lica esta
rulada dos pontos cima inweados, poderia ex-
plicar satisfaL-toriamenle c pelos meios matbeinali-
ooi, que un corpo laucado fra do arrecife Je-
teante da ilha do l'uia n io. p >Je ser abarrotado
para dentrodelle, e pereorrer parte doespacodo
.ncorajnro, abi demorar-se por algiuu lempo
depois, na occasiao em quo a mar conteca a va-
sar, ser lera J > pola graqde correnteza, quo lia no
ancoradouro, e sabir pela barra do Pican, ou pela
'ulra em frente do Brum, ou ser trana desses
lugares para dentro do ancoradouro, aliidoint-
rar-se algum lampo, e na rasante ser laucado lo
ra do arrecife pela barreta do sul, ou par qual-
quer das depressd a que abi*e encontrara no ar-
recife. Poderia tarabea demonstrar que os mias-
mas exhalados das materias fecaes, laucadas fra
do arrecife, defronte da illia d > Pina, jamis po
dem vir impostar esta eidade, oa pelo menos in-
comiuodar os seas habitantes, c que isso somente
pode acontecer cora as que forera lancaJasdoron-
w do llrnin, quando a ilh-a do l'ina e a praia do
Hnim, ficam equidistantes dona cidade, salvo a
>:XftPt'!a) mathematica.
Exm. Sr., quando se tratou de pro:nrar um
meto de extinguir o habito de despejar as materias
fecaes em todos as praias e lagares da cidade, foi
alm das vantagoas qne areviriain para a %i'iJe
ti'.iblica. prineipanptepara evitare grande incom-
moJo quo causara populaoao a existencia de f-
as de iiodnd.i por toda parto, o ajuntamonto das
materias as casas em vasos de madeira, inpro-
prios para isso, que depois cram lanzadas a toda
hora defrairtG das habKa?0>s e sera cautell.i algu-
na, eomo andaaeeateoe hijo, norqio esteserripo
em goral feii>, Inbfimenlii pela classe mais des-
prezivnl dos escravo-, c com o deleheo que faz o sen
iractorislico.
A eamara municipal tem candado do fazer pos-
tupa, marcando lugares, constritindo pontos so-
ore o rio, o mosmo( aeoniMaand) a natureza dos
vasos mais proprios para so g urdarem as mate-
rias fcaos, pjrm os hbitos inveterados do pen-
co cuidado nd asscio das casas, e aquali lado da>
eseoas incumbidas de semclnante serrijo, tem
>empre se opp isto a qualquer iiielnorain-'iHo delle.
A companlra Drainage vera acabar com a
maior |iarto dos ineonrenientes quo soffre a po-
pulaeii d -'i cidade, porque ten do cillocar ap-
larelbo ijue ilevooi sor inodoros pela sua.cons-
itwcao e pela grande- qu.intidade d*a?ua, qne
no s dissolve os gaies, qu* emanam das ma-
larias fecaes, c uno porque enebendo os tubos cur-
vos, que c iastftann a primsira pwli la le desses
apparelh )<, impflde n ipio os gazes existentes no
cio prine. pal nassoin para dentro dilles e se esj
palhem telas'casas; e alm disso tenho de repe-
tir a V. Esc, que boje est conhecido na sciencia
pie tuna -.arta quantidade d'agua sumeiente
para lissolver coinplotamoato os gazas, que cun-
lm as materias fecaes. e torna-las logo inodoras,
por isso a comoaobia Recite Drainage empreg i
i agua em grande qmttidade, para lavar em
abundancia' os seos anpaxallios, e tirar o mau
clieiro das lites : ora, labiado ellas ja inodo-
ras no ocano, e misturando-so na nmenaade
de suas ae.ias, parece que grande mal nao pode-
rlo trajflfr pira o ar que se respira nosta Cidade
a cada tostante, renwado e substituido polas tor-
tol raja las di renti, que sopra di sul, e especial-
inte d' io;te. que mais para longe levar os
mesmis miasmas, pila rat&i do que o leste repre-
lenta relativaninte a esta cidade d vrtice de ura
trian'-'u' i. q ii tora p >r baso os dous pantos j ci-
tados, o Pin i o o Brum, o cortara 'iito^i continua-
o3 < is ton is tirad is de leste, para qualqoer. I is
dous ngulos, ir tsr a"outro qul |u # p nto, me-
nos a cidade do Roeife,
Mesmo, porem, qoe se nao queira fazer com-
jdea abstencao la exietenaia de principios me-
poitieos as materias, que saliera diluidas, ou
idas o.n nr.ii gran lo quantidade d'agua, anda
confo.'m^ aos principios adoptados pela (cien-
cia, que menor sen o inconveniente de dous focos
jnenores, do que o de um foco gmente, porem
naior.
Domis, calculando-se a populacao do bairro do
Uocife, forcoeo confessar que pouca 6 a gente,
que reside noute c dia nelle, e que, por conse-
gunte pequea ser tambem a ipiantidade da
TIHttrifl excroinonticias, quo lera de sabir pelo
Brum, eerto, como que o grande inoviraento,
que se observa durante as lloras dedicadas ao
commercio, de peasoas, qu nao fa;em a sua re-
sidencia ne-sc bairro.
?(ao devo deixar de notar que o director das
obras publicas, que to leloso se raostra pela by-
publica, designasse, depois de ter a cmara
iininicpal-.se opposto a isso, por amor hygiene
publica, o lugar prximo a urna dis mais frequen-
tadas e;ta5es dos trilhos de ferro de Apipucos e
Itera.prximo tambera de grande numero de babi-
laeoes, como o mais apropriado para o assenla-
ranto das machinas do bairro da Boa-Vista, e
que ainda insistisse, contra a opiniao da cmara
municipal, em apintar a nica pra.a qne tomos
no bairro do Recito para vlla sorem montados
os apparelhos diss bairro. nao dovendo tambera
deixar de lembrar a V. Em, que o director das
ooras publica^ vista das razoes i|ue apresentei
contra essa sua designacilo, se leuibrasse de indicar
parte do quintal do arsenal de marinha, junto de
.usa quarlel, de ura hospital, e de grando numero
de casas habitadas.
A' vista, p iis, das ratees que acabo de apbntar
;i alta considerarlo do V. Esa., e das que expen-
d no relatorio cmara municipal, sou dj opi-
nio que nao lia inconveniente em serem as ma-
ierias tocaos do bairro do Becito esgotadas de-
fronte ou ni ais adiante do pharl, sahindo longe
da praia e na maior profun lidaie possivel ; por-
que por ah se taz o. Buso relluxo da mar, o
director das obras publicas, era algum dos que
discutirn! esta materia pela imprensa, poder
trovar, que em frente da ilha do Pina, nao ha
lluxo e relluxo de mar, tiem possibilidade de se-
rem trazidas para dentro do ancoradouro as mi-
lorias que ah forem laucadas fra do arrecife.
Quanto a mim as razo-'', que ha a respeito de
um ponto, militara a respeito do tutro. Seria
muito-prcferivel que as materias reunidas em um
tonto fossem perfeitamente desinfectadas e pre-
paradas para servir im de adobos para as trras
uin se tendo adoptado este systema, o melhor qne
conheco, pelo ponco que alcanea minha intelli-
gencia' e o menos inconim ido e damnoso, o que
diz vai ser posto em pratitfa pela companba Re-
cife Drainage, se que ella execute todas as
obras com o esmoro e cuidado, que merece sua
ajanan.
Por lim devo tambera le librar a V. Exc. que
hoje appareae urna opiniao na .Europa em favor
do enterrainento das materias fecaes, como b mais

ithiipk M)<*
p rvyjsnnwjsn s*m
PRAg.* DO RF.UM DE M.VIO
Dt 1873. -
AS 3 1/2 HORAS DA TAJIDR,
Cottkcao ollloint's.
'Arabio sobre Londres a 90 dv. 3 i\t d. e 25
|8d. por UOiK), honteta-
Dito -sobre dito a JO djv. 2S 3|8 ~. por l>, banco
1 e particular.
Cambio -sobre o Porto a 9ad(v. 110OjGde premio
uoourcq
Presidente.
w?al Sovo
Secretario."
fa'unceC'V-e.noHls
ALFANIWGA
.tendimenio do dia I a 5 .
fden do dia 6.....
IW:5o350IG
-273*900
.2V3:8KJi'JlO
VOLUMES SAIIIDOS
No dia I a 5......
Pndiein porto no diai .
segunda porta.....
f Tercoira porta _. .
Tiapiche l'onceicao '. .
SERVIDO MARlTIMu
Alvareugas descacregadas no trapiche
da auandeea no dia A a *> .
Ditas ditas no dia o......
Vavios atracados no trap. da alfandega
Alvareugas........
\'o trapiche Gonceicao.....
Descarregain hoja 7 do uiaio de 1873
Patacho inglez Venus -mercadorias para alfan-
dega.
Palbabote americano Hatlie Hmkette-varios g-
neros para o trapiche Coneeico, para
despachar.
Sriguo hollaudez -Thosbeck varo gneros para
o trapiche Cuiiwii'io, para de/pacbar.
Barca alloma Etlidavarios gneros para p tra-
iiiulie Conceictn, para despachar.
Urigiio inglez Miranda varios gneros para
o tranighc Con;eicao, para despachar.
I.gar inglez Vea-1 bacalho despachado
para o trapiche Concejjap,
Bnrca ingletaL-tviam -baealhao j despachado
para o trapicho Gonceicao n ptjras do
cal(ainenlo j despachadas, pan o 2o
ponto.
Brigue ioglc Jane G:ml despa-hados para a estrada de ferro de
S. Francisco,Ti ira o trapiche Ginceifao,
para conferir, e carvo de pedra j dcs-
nacbado para o i" ponto.
Barca americanaCateolaboado j despachado
otra o caes do Apollo.
Barca ingleza Clefim farinha ja despachada
para o caes do Apollo.
Sumaca hespanhola Preciosa vinho ja despa-
chado para o trapiche Barbosa.
Vapor nacional Pirapama mercadorias na-
cionacs para o trapiche da conipanhia
pcrnirabucana.
frente
,eou-
ji|f Emi-
te com um
fa (J.1
e t) ^
finando it
tiano Gomes da Tone. -.
terreno d*i^br(Mo da sillo do krigadelro-Joa-
quim Bernardo de Pigaeirado, porlei.CP!Ue Lu*
Gomes, e ao sul com diversos terrenos, de^em-
brados do sitio-e.. aforados diversos -JlSIyo. 1
casa terrea oo/i 10 palmos do freBt' ?0 lfun-
dokcom dufts salas, nma na frente e oiitra no ion-
do, 6 qnartos Infernos e dous externos, eotitrha
fra e diversos terracos amurados, avahado tudo
por 5:009i, eujo tredio e sitio, vb praca por
execue.io de .Ferrira. Martina esj Jquidico
contra Andr de Abren Porto O sua aiulher, a
aera penencan dito predio e sitia E na falta de
licitantes, que cubrain o preco da avaliacao ser
feita pelo preeo da adjudicaban com o abaliuieiito
E para que ehegue ao conlicrmeiita^e todo
niaadel faier o presento adkal qne ses#rnfirixado
em lugiros do cosluiuc publicado pelos jor-
nafis.
\,lLeTffl*>'*fm'J$Wi4 fe*etcro os
setis noitids e moris, para que W caso de
minia chuva, que obrigao a transferencia, pode-
rem ser avisadas.em susji.easas,- evitando assim
as familias o in(4nnMqTeja1t|)esyio de se diri-
giera ao thearfe iffl&I Jpectaculo tran-
THEATRO
,Oa^;nto Pinto Tara leili. W uM0o C?fexoquend, po
Sr. gereitte do consulado do Kreuca, era ptesetifl
uB seu chancelor o por conta e risco de quera pef*
tgeer, de nma cfxa marca P lifj n :H
(tendo 30 pe;as de brim, avariado a bordo a
barca franceza Satilt Ijm'z, o urna dita marca L
* G n. 63i, contendo pastas para escrevw, ava-
riada a bordo da barea francea Fidlu, o leilio
s^r elfeUuadt no dia e hora cima mencionados;
no escritorio do referido agente, ra do Bom
Jesus n. 13.
I^do e nassalo nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, artj O do mez de itaio fle873
Eu, Ernesto Machado Freire Pereira d Silva,
eserivt) ,o subsejevi,
Sebastio I )espa-:hcs
xWos
dk
EXPOUTACAO NO DI A 5
"10 DE 1873.
Parlaos portas do extei tor
No vapor francez Mend sa, para Bordeaux,
carregou : M. J. Pcssoa 1 caixa cora 105 kilos de
peonas de ema.
No brigue pirtnguoz Bella Figueireiise, para
Lisboa, carregarara : E. R. Rabello < C. 300 cou-
ros salgados com 6,000 kilos.
'iira os portos do interior.
Para o Para, no navio portugus Ligeiro III,
carregou : N. C. Moreira SD02 barric; s com
15,107 kilos de assucarbranco.
Para Alagoa*, na barraca 'Bom Successo,
carregarara : Algonez A Garvalho barricas eoni
400 kilos de assucar refinado.
______^CtABACftt.
- De ordera do Illra. Sr. inspector da thesou-
raria do fazonda, so fas publico, quo no dia 21
do crtente'mez, peran|o.a justa da mesm the-
aouraria, pelas 2 oras da tard;, ser arremata-
do por quera maior vantagem oBrecer fazen-
da, O hirneeiiu'into d"5 objectos iiecessarios para
o expstlissto i secretario do onmmamio' speflor
da guarda nacional deslo municipio, e dos res-
pectivos eonsalhos do qualiliearao. 0
Thesouraria. de faaonda de remambuco, 6 ue
raaio de 1873.
0 i. escripturario, servido de secrolario,
Carlos Joo de Spuza Correa.
CO.NSLI.VDO DK PORTUGAL.
Gonvidase aos nredores do finado subdito pnr-
tuguoz .\ntonio Bautista Fernandos, pan apre-
sentarem suas coilas ueste cousulado no prazo
deoito dias pira seren verificadas e pagas.
Wala-feira 8 de m>
RojiresiUax-ie-ba jiwla prinieia vez neste tliea
|ior|uguez
tra
'"'Portante drama origijial
>r. conselbejio Mende Laal
do
De ordera o lllm. Sr. inspector desta Ihesou
r ria se declara1 que, nao 6 neeessaria a exhibir!
son-
pie, nao neeessaria a exhibicSo
de fof-a corrida pelos preteiideutes aos lasares de
praticaotes de.-ta repartigao, como por- equivoco
se exigi no annuncio de-36. do mez proxiiao pas-
sado ; deveudo, porra, os mesraos apresenitar do-
cumento que prove 3 sua boa conducta.
Thesouraria de fazonda de Peinambuco," 3 de
mato de 1873.
O i." escriturario serviudo ds secretario,
C'ii7'i.< Joo de Souzn Ccrreia.
GAPATAZIA DA
Rendimento do dia laii .
dem do dia 6 .
ALFANDEGA
. 2:743*610
. 890819
3:631*409
5,894
194
104
86
654
6,932
23
2
3
K
REGE8EDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
R.AE5 DE PERNAMBUGO
Rendimento do dia 1 a S 11:441 579
dem do dia 6...... 2:13 i/301
13:573880
CONSULADO PROVINCIAL
Kondiiiiento do dia 1 a o 17:81431%
dem do dia 6......1:6194080
8i:46]276
Navio entrado no din 6.
Bahia peto osobrollius9 dias, brigue-es-
euna nacional do guerra Tonehiro,com-
mandante capitao-tenento Pedro Nolaseo
da Fontoura Pereira da Cuiiha.
Navios takioe no mesmo dia.
BarcelonaPatacho liespanhol Ihlisario,
capito GeraldO Alsitiu, em lastro de pe-
dra.
Babia Patacho allomao Julianc, capitao
Ostmanni, carga parto da quetrouxede
.A^uerpia.
Observado.
Suspendeu dilamarao para MaceiO, o
brigue austraco Ingloslaw, capito' Pe-
dro Duiniz, com o mesmo lastro que
trouxe do Bio de Janeiro.
dem idem para Parahyba, o brigue italia-
no Domingo, capito Pasquale Oliver, com
o mesmo lastro quo trouxe de Montevi-
deo.
EDITAE1
Edital n. 121.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
Srompi alvitre jara se acabar com o mo cheiro
lellss; com enToito iocontestavel, que qualquer
lioeado de trra, que se lance sobre as materias
fecaos, nao consente que ellas exhalem os gazes
que eontem ; mas esse alvitre tem os mesmos in-
convenientes, que se procura remover por um ap-
paralho goral. Sem.que tenha pretencao slguma
sofirao eu raed i de pensar, qe eaponho a V.
Es., patoaV. Ene desculpa, se nio-nide sa-
tisnsr aintancao de \. Esc. Deaditoase a
V. Oto. r-dUn. e Eam. Sr.. desembarga! P*Fran-
isco de Assis Pereira Rocha, vice-presidonte ds
nao tendo sido arrematadas as mercaras abai-
xo declaradas, annunciadas a leilio por editan
ns. 114 e 119 por falta do concurrencia, se trans-
iere a mesma arrematacao para as 11 horas do
dia 8do correte, porta desta repartigo.
Arma:'.em n. 5.
MarcaJ LM4 G. sem numero 1 roia de fer-
ro fundido, simles, para moinho, padaria ou se-
melhantes, pesando 90 kilos, avahada por 15,
viuda no navio inglez Eilth, descarregada era 3
de abril de 1871, e comignad J. Lopes Macado
k Companhia.
Marca -F -sem numero 3 potes de louoa vidra-
da, vasios e quebrados, sem valor, viudos no bri-
gue inglez Hrbe, descarregados em 6 de abril de
1872 e consignados Saunders Brothers & C.
Armazem n. 6..
Marca -T F2 caixas vasias sera valor, vindas
de Bordeaux no vapor francez Amazone, desear-
regadas em 9 de abril de 1872 e consignadas
Tisset Frercs.
Alfandega de Pernarabuco, 6 de maio de 1873.
O inspector
Fabio A! de Carvalho Reis.
O Dr. Sebastio do Rogo Barros de LaCerda, juiz
de direito e especial do commercio da cidade do
Recifa de Pernambuoo, por S. M. Imperial, que
Deas pnarle, etc.
Fapo saber pelo presante quo no dia 21 do cor-
rente se ha de arrematar por venda, a quem
m is der era praca publica deste julzo, depois da
audiencia respectiva, o sobrado, sito ra da Ca-
cimba n. 6, da fregue/ja de S. Frei Pedro Gou-
calves, tendo na frente duas portas e urna janel-
fa, varanda de ferro no primeiro e urna janella
de saccada no seto, contendo no primeiro andar
una sala de frente, um quarto e urna sala no
fundo servindo de cozinha, e no soto urna sala
de frente e um quario, mais urna sala no fundo,
e pequea solea na em,n-na que serve de cozinha,
avalisdo em 3:0oe,KK)0.
m sitio na estrada ie oao de Barros, fregu-
SANTA CASA DA MISKlflCRDlA D
11ECIFK.
A Mima, junla administrativa da santa casa da
misericordia do Roeife, manda fazer publico ue
na sala de suas sessocs, no dia 8 de maio, pelas
horas da tarde, teim de ser arrematadas a quem
mais vantsgens olTerecer, pelo lempo de um a
Ir s anuos, is retulas dos predios m seguida
declarados.
ESTABELECI VIENTOS DE CARIDADE
Rua do l'.abuga.
boto u. i C.........CCOIO'X)
RttS da Alegra.
Gasa terrea n. 7...... 370000
Rna de Sania Tbereza.
dem n. S. !.......20T006
Rna do Bulto.
Loja do sobrado "n. 4.1.....iiljS'.OO
Rua da Viraco.
Casa terrea n. 19.......2104000
Rua do Padre Ploriano
dem n. 43........2O4OC0
Rua do Senhor Botn Jess.
Loja do sobrade n. 33.....jBOOjOOO
Rua de Santa Rita.
Idemn. 34 .. -.......26I0OO
Rua da Ponte-Velha.
n. 31......1-j600j
Caas terrea Rua da Guia.
dem n. 29......... 200000
Rua do Pharl.
Casa terrea n 80......1825000
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 26. Jlf 35OOO
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Rua da Sen;ala-ve!ha.
Casa terrea'n. 16...... 2O9J0O0
Os pretndenos de ver o apresentar no acto da
arremataQo as suas bancas, ou comparecerem
aeo-rpanbados dos respectivos dadores, devendo
pagar alen da renda, o premio da quantia cri-
que for seguro o predio que contiver esteta eop
ment commercial, assim como- o servico da lira-
peza e procos dos apparelhos.
Secretaria da santa Vasa da misericordia do Re-
cife, 21 do abril de 1873.
O escrio
_____________Pedro Rodrigues de Souz a,
< uimiiiitiilo superior.
O lllm. Sr. coronel commandante supe-
rior interino, tendo designado o dia 9 do cor-
renta mez para ter lugar nesta secretaria a
reunio da junta medica, manda convidar
aos Srs. ollii-iaos que requereram ser ins-
peccionados a comparecerem no menciona-
do dia 3 10 horas da manh.
Secretaria do conimando superior da
guarda nacional do municipio do Becife, 6
do maio de 1873-.
Correio geral
Relcelo dos objeclos registrados existentes
na administrando dos cerreios desta pro-
vincia, para as pessas itbairo decla-
radas :
Antonio Jos Lopes Teixeira, Antonio Pires de
Souza, Antonio Marinhu de Carvalho, Albino G.
Meira de Vasencellos, Antonio Rodrigues de l-
buquerque, E. Turpin, Etelvino A. de Castro Leo,
Francisco Delfino da Silva, Francisco Antonio da
Silva B.,-Firmiiio T. da C. Santiago, Helena Boum
Travasso.l Jos dos Santos, Joao Antonio Goroes
Guimares-, Jo Soares da Fonseca Velloso, Fran-
cisco de Modeiros Raposo, Guilherine V. da Gu-
nba, Jo Ganeio Gomes da 'slva, Jos Pereira de
Carvalho, Jos Ribeiro da Silva Queiroz, Jos Vi-
cente D. Brandao, Dr. Jos Joaquim de Souza,
Leopolda Joaquina do Sacramen'o, Luiz Augusto
Botelho, Nantoo Francisco Vidal Mauoel G. de
Argollo Ferro, Petronila Ignacia Lage, Silvio da
Silvcira Ramos, Paulo Loureiro L. de Albuqucrquc
(2), Dr. Manael Ignacio de Ccrqueira Leite, Sevc-
riano de Siqueira Cavalcante, Manoel Joaquim
Paes. Luiz RaghaCl Corvo.
Aurainistracao do correi
de maio de 1873.
Jas Candido de Barros Jnior
Serviudo de eacarregado do registro.-
correio de Pernambuco, 1'
i^a*^-'*: 3K
SANTO ANTONIO.
EMPREZA
Tornam parle os Srs. Braga, Silva Bastos, San-
tos Silva HenriQue lentes Correa, Thomaz, Pai-
va e as Sras. D. Olimpia, D. Bernardina e D. Fi-
tonrlla. '
Pmda o espectaeajo cora a multo applaudlda
comodfa em 1 acta, brnada de msica :
ReeoiiHi^do ki\m
Principiar s 8 I 2 horas.
Pi'epar.i-.-e paia a prxima semana o grando
e aitusratoso drana eui o actos, do Dr. Carneiro
Vilflla :
Os ma^ons e os jesutas.
Acha se venda as livrarias Frjnceza, Indus-
trial e Econmica, assim como no hilpeteiro do
tbeatro, a scena cmica do Penante :
^r:*jLJt
J'suila M MvmlA
DE
lUBa ci co:n niusiea, 3'J resmas de papel, 1
tnteiro, porta-charutos, estoios para costura*
astamjias, gravaras, molliadores para copiar
cartas a otitros arfigos.
' "
1 -
1 vises nummo
Para o Porto,
Segu cora a possivel brevidade o brigue por-
tuguez Jitdiili. Para carga e passageiros traa-
se coro osconsignatarios Thomaz de Aquiuo Fon-
cea & C. succesiores, rua d vigario 11. 19.
.OUPA^III4
DE
MlfiACAO BHASILEIRA.
POIITOS do itoniE.
Dos portos do sul
esperado at o dia
8 do correntc o va-
tor Para, o qual de-
pois da demora do
costume seguir para
os portos do norte.
Para carea, encommendas, valores e passagei-
ros, dirija-se ao escriptorio da agencia, rua do
Vigario n. 7.
Rio Grande o Sui
Para o referido porto prcbmdo seguir com pou-
ca demora o lindo e veleiru lugar porluguez Jp
Estemo, de Ia sisase, por ler a maior parte da
carga engajada, e para o resto que Ihe falta trata-
se com os consignatarios Joaquim Jos Gonc-alves
Beltrao & Filho, rua do C iiiniiercio n. 3.
Para o Porto
pretende sabir inuito breve a gllera portugueza
.Vofi Fama II por ter grande parte do seu rar-
regamenlo prompto. Recebe a carga que llie fal-
ta a pr* eos mdicos, e tambera passageiros, para
os quitos" tem ptimas flrconiniolai*oes : trata-se
com Tito Livio Soares, rua d 1 Vivario n. 17.
W\
MESSAGERIESMARITIMES.
At o dia .8 do c irrente mez usppra-se da Eu-
ropa um dos vapores desta companhia, o qual de-
pois da demora do c. stiune seguir para Santos,
tocando na Babia e Rio de Janeiro.
Para condicoes, passngens, Gretas, etc: trata-sc
na agen'iia, rua do Loininerrio 11. 9.
No dia 10 do correte mez espera-se dos porto?
do sul o*yapor francez atmdosa, commandante
Benigni, o (ual depois da dem >ra do costume, se-
guir para Bordos, locando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condicoes, fretcs e passagens, trata-se na
igen.-ia, rua lo Commercio n. 9.
Paciiic Sieam Savigalian Compan)
Bs)\al lail Sieainers.
Llnlia qunzcual
At o dia 8 do correte m*z esperado dos
portos do sul o vapor desta companhia Patagmia,
o qual seguir no mesmo dia da chegada para Lis-
boa e Liverpool.
P;
aos .
li -Ruando Commercio.14.
Paifeassagens c mais informacoes, dirijatn-se
agentes Wilson Rowe & C.
Ate o dia 11 do correte esperado da Europa
o v;i|ur*G(i/ic/', e seguir para Babia, Rio de Ja-
neiro, etc.
Para passageiros, encommendas, etc. : a tratar
com os agentes Wilson Rowe A C.
14 RUA DO COMMERCIO-14.
O
i4Pio de Janeiro
o beiguo portuguez tolete vai sabir cora brevida-
de e aiuda pode recebor algunia carga a frete :
traia-se cora E. R. Rabello 4 C, rua do Commer-
cio n. 48.
Qisaria-fteira t ale salo. *
Quarta representaeao da inuiht applaudida e in-
teressante comedia drama em 4 actos, ornada de
musica :
AS RECORDACOES.
ItA
MOCIDADE
DENOIHNACES
acto.Caf das artes.
Urna pandaj/a noolurna.
Osamores da oostureir.
1.
2.1
3.
4.' Os amigos d*outro tempo.
Toma parte toda a companhia.
Torminar o espectaoulo cooi a linda comedia
em 1 acto :
Para obsequiar 9 uteu mi.
Prifiiftiar s 8 1/2 oras.
Aviso.
A empreza pedo s pessois te. comprarem camarotes para os espectculos da
=
LEILOES.
LEIIA0
da casa terrea n. G da rua do Aragio, em chaos
proprios.
Urna dita na ru* de Vidal de Jlegreiros n. 136
(Cinco Ponas) reedificada.
Unudita n. 15 na roa do Amparo em Olinda,
em chaos proprios.
ao Mo wa.
Por nlervaocao do agente finio
Em seu escriptorio, rua do Bem Jess n. 43. -
s 11 horas.
Por interveiiQo do agente Piulo
_________Rua do Bom-Jesus n. 43.
LEILAO
azeiiilas nuezas
A V AMAD A 8
congfonilo de
mailijtoles, algodoes e chitas.
HOJE
Por intervencao do agente Pinto, era" sen es-
Tiptorio, rua do Bom Jess n. 43._______
Leilao
ICTlt.' ."
acc3o IWio
do terreno de n>>*"*""'"^f l*,,B fsse, e i|a
ningucm llie contesta, ^J w-se de na ser-
vidao .ue tem es* aatto em^0 d*aiao ff ''stT
arvore plantada c;n dilo terrea, ? coeiIrsBSUiii a
appellado as costas
Reeifc, 23 de nombro de iMf
SHza P.
Sautiog (vencido.) .
Almtida Mbiufmttqni
M'tttn (vencido)
DrminfHct da Silta.
Assu.

a*-. OJM
DE
100 diizias do rhapiis
(AVARIADOS.)
s lo t|2 horas.
O agente Pinto levara a leilo por autorisa'.io
de cnsul d<; Fran.a, em tiresenca do seu chancel-
ler e por conta e risco de quem perlencer, a cai-
xa marca C A C. n. 246, avariada a bordo da
barca francesa Fidelllf, na sua ultima viagem a
este turto; o leilao ser eil'ocluado s 10 t|2 ho-
ras do da cima 'dito, no escriptorio du referido
agente, rua do Bom Jess n. 43. "
DE
movis, louens o vjdros.
Hoje
Sendo una rica inobilia de ja.-;uand cora 12 ca-
denas de giiariiieao, 2 .lilas de bracos, 2 ditas de
balance, 2 consolos. sof e una mesa de meio de
sala, i guarda vestidos de amarillo, 1 guarda ma-
pa, 1 par de aparad ores de amareHo, 1 mesa els-
tica cora 7 tabeas, l guarda Iouq a, 12 cadeiras pa-
ra s; la de jauta1", 1 quarliiiliei.-a. 1 earaa de ferro.
1 dita de aniarello, 2 cadeiras do braeo, 1 marque-
za, 1 aparador do aniarello, enlabiado, l cama d
faja para menino, 1 candelabro com ."i lu es, 2 ser-
pentinas, 1 meio apparelho de mesa, 1 dito coa
falta de pecas, i garrafas finas, copos, clices, Lin-
ternas, coupoteiras, espellius, .1 porta-licor e ou-*
tros muitos objectos de una familia que se reti-
rou para fra da provincia.
O agente Martins far leilo de tolos os movis
cima, os quaes se achara inuilo bein conservados,
c sent vendidos pelo maior preco, no arniazem
da rua do Imperador n. '18.
A'S 11 liOltAS DA MANH
LEILAO
DE
2 connividas e 2 apparadores do inogno com
Ueffcit'i.
Quartii-feia 7 do correule
A"* 11 horas.
O agente Pinlo levar a 'leilo, por autorisa.o
do gerente do consulado de Franca, em pneeoea
de su ehanceller e por conta e risco de quem
pertencer, de 3 caixas marca M C A C. ns. 811 a
813, avenidas a bordo da barca Iraneaza Fidlit.
na sua ultima viagem a este porto : o leilo ser
ellectuado s 11 horas do dia cima dito, em o es-
criptorio do referido agente, rua do Bom Jess
L1LA9
DA
armario, gaz, gneros e mais utensilios existen-
tes na lveme da rua ie Mercilio Usa, outr'ora
rua Di re la
Quarta-foira 7 do correiite.
O agente Pestaa em consrqucneia do mandado
do lllm. Sr. Dr. juiz de direito especial do com-
mercio, far Icilao por conta e risco de quem per-
tencer, da armaran a mais objectos cima ditos,
os quaes fazeui parlo da maesa fallida de Maga-
lhes Mendes & C, eujo baanao se acha em mo
doo agento para ser examinado, e o leilo ter lu-
gar quarta-feira 7 do corren'.e, s 11 horas dr
inanbi, na mesma laverna.
li.
3/A 11. 420.-Aceordo em relacat
feilo o relatorio do estyllo, julgaaa o i
habilitado para intervir na presente canas ca
parte, e desprezaa os emiargns pr% rnnfire
rem como c dara que se euiuprs o inesiao aecordea Papa >
embargante as castas.
Beeil'e. 18 de de erabru de 186**.
Sin'i'ig i P.
Souza i>>ii (nacido ({apto ee es
recebiuietitu e\ i'iiaaifws
Almeida Albumerqiir
Molla.
Astil.
Ihminguei Silca.
LEILO
DOS
oltji'i tos existentes na i-mm onde >m.i ,
Americano a rua do Cuiuiinnio -...
que foi de Adainsui. di ('..
OliIMTA-FKIRA 8 lK sUHJ
A requerimenio de Ranlo Turo:n e por man
dado do lllm. Sr. Dr. juiz :i din-Hn c*(htuI V'
commercio, o agento Pestaa far b-ibio J> tele*
os objectos demobilia, bebidas. Lincas e vidros exis-
tentes no hotel Americano sito rua (l<>Cornnwrri<
n. 12, e tuiio s<;r venilid ventario, nit dia acim.i, "' Hra 8 do mrrrnfc*, es
II loras da man a, no inesino esl,ibHeci>imtn
"LEILAO
DE
219 t.meladM de e.irv.io de pedra.
yLl.MA-IKIRA 8IH)MA|0
asi I horas em ivHito.
No maaem do harao do l.ivnmento, raes SV
CefAsalhe
O agente I'int) lavar a Men, a requeriment
de fiseet Prres, por aot.risaei do grente
consulado de Franca, em presee de eu cian-
celler e por conta e risco de quem terlrncer. \
219,600kilos (219 toneladas) de earvin de ptn.
deeesnkarcadu do brigue franc.-z Atmr, de Dan
kerque, e exi.-tente nos amnzens do bar.to do Li-
vraraentn, caes do -i|tibaribe. onde ser vciado
s 11 horas do dia cima dito.
LEILAO
DE
hu grande predio no r\ajo da PanelU, cm
Iroiib: igreja, tendo :\ salas, 7 quartu>.
co/iiilia, un grande terrado m l.ilo uou
tro no fun lu, frente murada com portac
de forro, grande quintal com siguas ar-
voreilos, sen-lo as duas sals da frente
assoallia'Ias.
Quinta-feira 8 de maio
O agento Martins far leilio do predio *> um
(eass terreal ediiictda a miib-ini. era terma
proprio e n'uui do. primeiros ni.i.il-l-- di ri
dade.
No arueatem da rua do luiperad n. W. s II
limas do dia cima.
Para qualquer informa rao eutendam-
agente.
DE
chapos do Chile, de feltr \ de soda,
massa e outros
Hoje
Por intervencao do agente Pinto.
Por occosio do leilo de fazendas
Em seu esyiptorio. ruado Bom Jess n. 43.
da
LEILAO
DE *
urna eaixa com brins e-urna dita com .pastas
escrever, ludo com a varia d'agua salgada.
OLARTA-FEIHA f DO COilRJiPTE
1 hora esta rPonta,
de
Leilo
DE
nina proprieuade ii
leuoiu nada
Sitio da Porta d'Agvm
Hije
Francisco Ignacio Pinto, competentemente auto-
risado pelos propietarios do sitio cima dito, e
com (cenca uo lllm. Sr. juiz dos orphos, vende-
r a mesma no dia 2 de maio prximo vindouro,
ao meio dia, po seu es n.43.
A propriedade torna-se nitiito reconimendavel
Sor ter diversas casas de aeradla, olaria e gran-
e baixa de capira, e pode produzir urna renda
animal de 3,500 u mais.
proti:mto.
Symphronio Queimga tem irocurado impedir a
venda da dita propriedado, iusistindo em se julgar
com direito a nma porcito de trra e urna peque-
a casa (ue faz parle J'ella.
O pretendido direitq de Queiroga nao existe, e
quorendo elle faze-lo valer em juizo, decahio da
aeco que para isso intentou e proseguio contra
os herdei'os do tenente-coronel Florencio Jos
Carneiro Monteiro
Os accordos que abaixo se transcreve, mos-
tram haver elle-decahido desta ac;o :
0 I.*mostea que os herdoiro' do'Florencio Jos
Carneiro Monteiro forain habilitados, e com elles
proseguio a accao intentada por Queiroga, em 16
de dezembro de 1861 a fl. 180 dos autos.
O 2. mostra que se julgou milla a setene a que
obtivera Queiroga e qne tentar executar, jnlgan-
do-s nao ser competente a aeco intentada, fl. 402
23 de outubro de 1866.
0 3.' mostra que foram desprezados os embar-
Sjs oppostos por Queiroga e confirmado o accor-
So a lis. 402 e 420, fS de dezembro de 1869.
Queiroga foi condemnado as custas.
Accordos.
1." A fl^80. -Vistos estes autos etc julgo pro-
vados os. Wigos de haui|ilaco de A. i73, atienta
certida de fl. 174 e em Tace dos depoimentos
defls. 176 a 177, e por isso, havendo os habilitan-
dos iwr habilitados, mando que com elles corram
os termos da presnte aeco. Paguem os'babUi-
tndos as custas.
Roeife, 16 de deiembro de 1861.
francisco di Araujo Buito.
! A fl. 402.-Accordos em relacao etc., que
proposlo e discutido este Jeito civel entre partJ
sppellantes D Joaquina Bonifacia Pires Carneiro
fconteiro e seus fllhos, appellado Symphronio
Olympio de Queiroga, julgam. nulla a sentenca
LERAO
DK
bous movis
Si:.M0:
VIobilias deJMeWM a a Lu z
XVr, I mobiln dita preta lrratn todas c-m
tatnpos Je pedra, lindos uar
la mupa e guar.iii veslislos, nie-
..s elsticas e dTcfH s t -mi
nkot apar^tlores rom pe trn a
sem ella, cattei.-. s par trt\i-
torio, com.n !;., runas fran-
cezas de Jacaranda e amacollo,
I pio Irl de -iordas,
relogios de paro ie e cima de
mesa, looqn, cry^ta ., cadeiras
avulsas de diverso* fe tio*-\ so-
f?, cadeirus de balanco, ber-
c,os par-i criaiMj .s, objeL'U.s de
ouro e prata, relogioa i'eon.o
e pr^ta pa i nlg'beirn, ni'.ch'-
nas de co-tur1, quartinlieiras
sortiuas, cadeiras rvm rsea
para escriptor o e piano, tpalas
einfiniJade i e objetos4o uo
domestico.
Quinta Tira 8 do corrente
NA
FEIKA SEV1ANAL
16=rua do fmjierador n. IS.
Aun /en.
Leilo
DK
movis un bom estado
Seita-feira 9 do corrente
For inloneBca:;di)ij;oolf Pillo
No armazeiu da rua do Bom
Jess n. 6.
Grande e importante
DE
soveiat
SEXIA-FKIHA 9 IH> CORRENTi:
Por Htrrirnclo io mornle Piafe.
So armaxem da rua do Bnm Jess n. 6, (Re
A saber :
Um piano forte, nina encllenle inobilia aV ja*
caranda a-Luis XV, 1 mesa "de charlo. I espesa*
t cama de Jacaranda, i guarda-vestido, S rramstn-
das, I prensa de copiar, I moinho grande de err.
3 camas de ferro cora colchoes, jarros e na adres.
i-mobilia de mognn rom pedra, 1 di a de aniarel-
lo, 1 -grande e magnifico guarda lonca, revieras
do, (que beo pode servir de estante-para hvras)
t mesa redonda cora pedra, t mesa de sof, cadei-
ras de balanoo, setas, ssesas e cadeiras, e asaita
outros movis existentes ao amasa* tarta
Cruz n. 6.
0 leilio principiar a 10toras.



DtoHo dePeftambco Quarta feira 7 de-Mffo de ,1878.

LEIIAO
I ggiaoQiQs^^
DS
urna casa torrea n.a villa da Escada, no tor-
mo lo Santo Anto Jesta provincia, sita
* ra da Barra, propria. para qualquer
estabelecimento.
SABBADO 10 DE MAIO
s 11 horas Ja manlia.
O amate Pinho liorges competentemente- auto-
litado, vender em leilao a suradta casa, no
mi escriptorio, ra do Botn Iwus n. K, prmiei-
0 aatar, onde desde ji os Srs. pretendentes podem
nr as informac,oes e esciarecimentos.______
a vapor, para os quaes trouxe os appa- Q
relhos mais modernamente empregados gj
na Puropa.
novis, louca e mslacs.
objectos de electro-plate, 1 fogao de ferro, 1 car-
ro americano com i assen'os para 1 cavaMn, e
1 dito com arreos, obra de gusto e tal vez nun-
ca visto, para i ou dous carneiros.
TEftgA-FElllA 13 DE MAIO
Na ra Formse casa n. 24.
"Tm que residi o Sr. Jos Joaquim tonclves
Bastos.
^Todos es objectos em bom e perfeito estado
e conservado.
O ageute de leudes P. I. Pinto autorizado pelo
Sr. Jos Joaquim Goncalves Bastos, vender em
leilao no dia 13 do corrente, os movis e mais
-objectos existentes em casa de sua residencia,
na Pormosa n. 24.
A SABER:
Um piano forte, 1 mobilia de. Jacaranda, 1 cspe-
I
Abo oval dourado, finos jarros para llores, escarra-
rwtura.
deiras, tapetes, pannos de crochet e 1 iiiachina de
Urna cama de Jacaranda, 1 commoda e santua-
rio tambem de Jacaranda, camas para meninos,
marquesas, t llettw, magniflcos c solidos guardas-
roupa c guardas-vestidos, e cadeiras de balance.
Urna mobilia de junco preto com tampos de [le-
dra, candieiros a gaz, jarros e tapetes, 1 mezinha
de ierro c nfeites de cima de me%
tJnia mesa elstica, 1 guarda-lonca, 2 appara-
dores de armario com pcdra, i ditos com ps tor-
neados, 1 quartinheira, I sof, 12 cadeiras, 1 re-
Jocio de pared*, 1 costurara, 1 apparelho de por-
eellana para jantar, I dito para cha, copos, cali-
ees, couipoteiras, garrafas, porta:queijos e mullos
outros objectos de crystal, ganos, facas e colhe-
res de electro-plate.
Um fogao de ferro americano,-trem decozinha,
mesas'de engommados, latas de (landres, potes e
mais aecessoros de casa de familia.
O leilao principiar s 10 !|2 horas.
Desdo ja aiuga-se a referida casa, cedendo-sc
as bemfeitorias constantes de tapete, forro de ala,
candieiros a gaz e outros objectos.
^AVISOS DVERSOS '
Cavados Curiados.
Pela subdelegada de Beberibc oram deposita-
dos dous cavalli.s alazoes, que consta terem sido
urtados no rancho de Jos Fernandos, na es-
trada nova do Caxang, e pertencerein a mora-
dores do Brejo da Madre de Deus : quem se jul-
gar com direito a elles trate de reclama-los pe-
rante a mesma subdelegada.
O subddelegado,
Paos de Andrade Gouvin.
CASA DA WmL
AOS 5:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
4' rna Pnmeiro de Margo (outr'ora ra >k
Crespo' n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes billietes garantidos
da ti" parte das loteras a beneficio da matriz de
Barreiros (49*), que se estrauira na qoaria feira,
7 do corrente mez,
PRECOS.
Bilbcte Inteiro C000
HotobUhete 35000
Quarto UoO
EM POlOUl I>F. iCOCOOO l'ARA CIMA.
Bilh inl r tf500
Meio liHhete 2730
QuuIo 1537o
Monoel Martins Fiuza.
\s t'*ti|Mtu lurunculosas jyofulosos, que arrastais vossas inmundas pessoas
tu lompanhia de gente melhor, toinai a salsapar
rilha de Ayer e purgai a eorrnpeSo de vosso
-sangue.
Restaurai vossa saude e nao somente gosareis
melhor existencia, porm tornareis a vossa com-
panhia mais toleravcl ijnelles em cuja sociedado
vivis.
CiUSHltori medico
Iis M ii lio.
RA A CRUZ N. 26, .*> ANDAR.
Recem-chegado da Europa,- onde fre-
quentou os hospkaes de Londres e Pars,
pode ser procurado a qualquer Ttora do
rj dia ou da nouto para objet'to de sua
rl [nolissio.
ft tkmsuljas de meio dia s horas.
X lralis aos pobres.
j Especialidades.- Molestias da pelle, de
%t enanca e Ue mulher. .
Q Emprega no tratamento das molestias
fl de sua cspecialdade as Buenas e bankos
w. Tambera applica rom grande su'-cesso
O ho tratamento das molestias do tero a fjf
Pfdeetrieldde, pelo proces o do Dr. Trpier.Q
Andan alerta.
Pcde-se ao Sr. Pranciitco de Paula Rosa, ma-
chinista da estrada do Ierro de Olinda, o favor
de entender-se, ua travessa de S. Jos n. 27, so-
bre a carroca que estav. em seu poder alugada,
e que nao s os alugnels. como dita carroca at
o presente nao tem dado solufo, isto desde 25 de
Janeiro do csrrente aran.
O Dr. Ermi io Coutmho mudou o sen m
consultorio medico para o priraeiro an- CL
9 dar da casa n. 37, i ra do Mrquez de f
i Olinda, onde contira no exercicio de
51 sua proflsso. ^
& Consultas de 1 s 3 horas da tarde. W
Bom engenho.
Vende-seuinengenho raoen-
te e corrente, distante da
praca 4 leguas, com boas
obras e trras para safrejar
2,500 pes, vende-se s ou
com a safra actual: quem
pretender dirija-se a esta ty-
pographia que achara com
quem tratar.
" CASA DO OUR"
Ao 5:000-SNH
Bilhetes garantidos
Hua do Sanio da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do costume.
O abaixo'assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 8O0J em dous
netos de n lz3", a sorte de 300*000 em bilhete
inteiro de n. 489 e dous melos de n. 1210 com a
sorte de I00, alem de outr s sortea menores de
40000 e 20*000 da lotera que se acabou de
exlrahi (48"(; convida aos possuidores a. viran
receber, que promptamente sero pagos na forma
do costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vi no seu estabelecimento com-
prar-os muito felizes bilhetes.que nao deixaro de
tirar qualquer iranio, uno prova pelos mesmos
annun ios.
Aclimse a venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 0* parte das lolirias a beneficio oa
greja matriz de Barreiros, que se extrahir no
dia 7 do mez de maio.
Procos
Inteiro 6*000
v.'i > ;4*ooo
Quarto l*30t
De IOO;4>00 para lina.
LITROS NOVOS
DE
LISBOA.
O Baro de Palmares, testament- iro de D.
Margarida Francisca da Silva, por mais diligen-
cia* que at agora ha empregado, ainda nao pode
iMeobrlr qoea sejam os liihos je Mara Joaqui-
na, casada com Francisco Jos .Nogueira, aos quaes
a testa lora dcixou un legado da quantia de iO*,
e por isso recorre ao presente annuncio, pelo qnal
convida os ditos legatarios a que se apresentem
devidamente habilitados, podendo elle para tal tim
emender-se com o Dr. Innocencio Seraphico. no
seu eeeriptorto, ra estreita do Rosa'io n. 23, Io
andar.
l'ma seabon c imiwtentmente habilitada,
prope-se a cnsjnar <:in qualquer engenho, por
coimnodo preco : na travessa de 3. Joao n 13.
O advogado Antonio d Assumpcao Cabral
mudu sua residencia para a ra das Cruzes, so-
brado n.'2, I.' andar.
O Sr. afanoel Bernardino Vieira Cavaleanto
rogado a que niar.de, ou dirija-se ra do
Anionni n. ."17, a negoeio de mutuo interesse.
Saunders Brothers A ('. mudaram o seu
estabelecimento de lzendas, da ra do Vigario n.
i para o largo do Corpo Santo n. 11, priraeiro
.andar.
Inteiro 5*500
Veto 2*750
Qunrto 1*375
Recife, 30 de abril de 1873.
Joo Jnaquim da Costa Leite.
Amar. A guerrilhat dtjuartx, romance
americano, tr. de P. de Lencastre. Lisboa 1873.
**............. \UW
Alm**ak 4* Jixt'cilo par o un no dr 1813.
Noticia sobruo exercjjo portiajei. Lisboa 1873.
8.* br.......... 2*000
Brluze.Os martyret de Ptirif. Porto 1873.
8* kr-........... |/00'
CnU*>rdtAatta. Lisboa 1872. 8" br. 1*0 t
*- CKita di- guia dr casados.Pira que pelo rain
nho da prudencia M acert com a ra#a do des- f
caneo. .Nov. edic, por C. Castello-llrauco Porto
1873. 1^......... xjoOO
C-istello-BiaHCO.O Viscoiule de OugiteUa, perfil
biographico. Porto 1873. 12* br. 2*000
Castro. 0 Prodigio mis tallas, manual de pres-
tidigitacao, ornado de estampas, o mais curioso e
complete que se tem publicado neste genero Porto
1872. i vu|. a .1.......3j00u
ChanlraU. O upaixonado de Mara Antouieta,
romance histrico. Lisboa 1872. 2 tul em
**............ 6*000
Coelko.-A questilj do entino. 8* br. Porto
1872............. UOCO
Cordeiro (Luciano.) Estados sobre o real culle-
gio militar. Lisboa, 1873. 8* br. 500
Decretos promulgados pelo niini.terio da mari-
nha, de (1 de novembro de 1871, 16 de novem-
bro de 18/2 Lisboa 1873. 8* br. 2*000
Os di/famedores do clero catholico. Porto 1873.
8* br............ unto
Bstatistica medica dos hospitaes do ultramar,
em 1871. Lisboa 1873. .4* br. 2jCO0
farpas.De Janeiro e fevereiro. 1*000
Hercul'ino (A).=Opusculos tomo 1*. Questoes
publicas. A voz do Pripketa- Theatro. gres-
sos. Caitas Econmicas, Freirus de Lorvo. Ar-
chivas ecclesiasticos de Roma. Conferencias di
Cassiiw. Lisboa 1873, em 12*. 3*000
Institu (t) Industriel de Lisbonne, notiee. Lis-
boa 1873. 8 br. ....... |00
La Uindelle.-A Vinganca do Sargento, romance
martimo. Trad. de Pinheiro Chagas. Lisboa
1872. 3 vol. em 12 10*000
Latino Coetho Elogios acadmicos. D. Pr.
Francisco de S. Luiz. Rodrigo da Fonceca Haga-
Ihcs. Lisboa 1873, em 12 4*000
Legislaco sobre exyropriacoes. Lisboa 1872.
8" br.............. I*0i0
Ligorio (Sanio Affonso.) Preparacj para a
morte ou considerarles sobre as verdades eternas,
uteis todos os liis e aos sacerdotes. Lisboa
1873, era i*........ 3*000
Leis promulgadas de 22 de marco 15 de maio
de 1872, pela cmara dos deputados. Lisboa 1872,
em 4* br........... 1*000
Mastique. Portugal desde 18.8 a 1834. Lisboa
1872. 8'.......... 44000
iVoro Guia do Viajante em Lisboa, Cintra, Colla
res, Mafra etc., cqm urna introdcelo de J. C Ma-
diado, e um mapps de Portugal.'3* ed. Lisboa
1872. 1 vol em 12...... 4*000
Oliveira Mnitins. Theoria do S< tialismo.
Evulurao poltica e econmica das sociedades na
Europa. Lisboa 1873, em 12. 4*0t 0
Pi-aroado (o) ultramarino agonisante. Lisboa
1873. *.br........ 1*000
Physionomista (<>) das Damas, ou arte de c- nhe-
cr as pessoas pelas fec/ies do Fosto, ornado de
desenhos. Lisboa 1872, em 12. 2*'00
Pimentel (A) Do Port.. I Claraftoia, romance.
Porto 1873. 1*) br...... 2*000
Pontn du Terruil. Viayanc* da Baronesa.
Porto 1872, lin )2....... 3*000
Pouson du TerrailR camble. Novo e ultimo
epsolo.=A ctmla do enforcado, tr. de G. de Cam-
pos. Porto 1873. 2 em 12. 0*000
Programma das cadeiras di escolapolytechni-
ca em Lisboa. 187273. 8." br. h\0
Relatorii do c nselho especial de veterinaria,
Lisboa 1871. 4"br........ 1*500
Relatono sobre a administradlo das mattas do
Reino em 1870 1871. Lisboa 1872. 8- br. 3*(;O0
Rocambole.- Edjo popular. Tom. 52 ; assigna-
tura permane ite. ..,..... 5O0
Tratado de cemmercio entre o Portugal e i
Austria, celebrado a 13 de Janeiro de 1872. Lis-
boa 1873.4 br. ....... U000
Vidal (E. A,) CrepuscuLs, versos. Lisboa 1872.
8............. 4*000
Zaccone. Os dramas du nlermcional.- Lisboa
1872. 2 vol. 8........' 6*( 00
Vasconcelos ( A. A. T) O celibato ecctesiastico.
reflexdes carta do padre Jacintho. Lisboa 1873.
1 vol. em 12......... 3*000
Wisemaim.-Fabioh. 2 vol. 8." ene. Porto'1872.
por. ...... 9*0!>0
livraria Franeeza.
SHERRY K1NA
(VINHO DE Qtf5U!U HYGIEMCO
MEPARADO COM OS MELHORKS VrSHOS DE UES-
PASHA DA FIRMA
' CALVAIRAC A. G. C, DESEVILHA
'.iBNKr.KD< R 0A SCA MAC.tTADK 4 HAIMll.l
DHKSPAMU.
l'U
THOMMERET GLIS
PhMrmaoeiitic*
1 X-lNTEKMl DOS HOSPITAES DE PARS
O SHERRY-KINA o vinho de Quinquina
que hoie preferem a maior parte dos mdi-
cos de Wpitaes, dos lentes da faculdade e
dos membros da academia de medicina.
Tem esta preferencia a sua explicaran nisto
que offerece todas as garantas quo debalde
se procuram nos productos desse genero em
que MUITAS VEZES SE SACR1FICAM AS QUALIDA-
DES TAO ESSENCIAF.S QUER DO VINHO, QUER
do quinquina (as vezes de ambos) aos lu-
cros da especblacao (Ver Guia das Aguas
Mifieraes. Do Dr. CONSTANTIN JAMES,
7.* edicto.
NICO DEPOSITO
PHARMACIA E DROGARA
DE
* BARTHOLOMEU & C.
Ra Larga do Rosario n. 34.
Engenho.
Arrenda-se o engenho Mearim, da freguezia do
Bonito, bom d'agaa e de excellente produceao, po-
dendo safrejar de 3 a 4,000 pes de assucar, sendo
distante das estaQoes de Agua Preta ou Una ape
as tres legoas: ijuem pretender pode dirigir-se
a Paulo Cavalcante de Albmjuerque, no engenho
Penderaca, ou nesta praca Campos, Raposo &
C, no largo do Carmo n. 1._________^^____
Os abaixo assgnados raz-'m sciente a quem
interessar possa, qac amigavelmente dis-olveram
a soeiedade que gt wu nesta praca debaixo da
firma Manoel & C, floando encarregado do ac-
tivo e passlvo o socio Joiio Francisco Manoel.
Recife, 1." de maio de 1873.
P. P. de I. Jqp Manoel.
M. Manoel.
Joao Francisco Manoel.
Troca-se
a moradia de urna casa na ra do Hospicio, com
quintal, agua encanada, banhero, etc., etc., por
una em iguaes condic/ies, na ra da Concordia
Camba do Carmo, etc., etc., sendo perto da_ ra
Nova : trata se na ra do Baro da Victoria nu-
mero 36. ,
100S000
de gratificacao receber quem pegar e levar
rna da Madre de Deus n. 36 o moleqne Elesbao.
Este moleque fui visto hontem 1." do corrente na
Itibeira pelo seu antigo senhor o Sr. Jos Rodri-
gues l'ereira, que soube depos estar elle ser-
vindo como criado com o nome de Luiz a um lo-
gista na ra Direita. Promette-se fTTio ser casti
gado.
mm MWm m MMm
PENHORES
Na travessa da ra
dasCmzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta. e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
___'j --
Offereee-sc um homem para feitor de sitio,
com pratca de hortaliea e de iardim: a tratar
na ra do Mrquez de (linda n. SO, luja.
Aluga-se
andar tenea do sol/tado n. 59 ra do Hospie^0
. om nm salao estucado, deposito de aguado Pirata
- Jccommoda^ues para pe mena familia, por mo-
tSx arde JT "
Terrenos baratos de 3$ a
no Afflietos, e 3$ no Sal-
gadinho.
Antonio Jos Rodrigues de Souza veyde-
terrenos de seus sitios de trras proprias, aos
palmos, em a nova rna qua?i em frente a
igreia dos Afiitctos ; 0 do Salgadinho com
frente para a estrada de ferro de
Olinda e oitao para outra entrada ao lado do
mesmo sitio ; a tralar com o Sqp Tristo
Francisco Torres, naibesouraria ds lote-
rias.______________________
- Os abaixo assignados declaram ao publioo e
especialmente ao corpo do oommercio quo dissol-
veram no da 22 do abril do corrente anno a
soeiedade .entre ambos existentes, e que gyrou.
neata pra?a sobre a razio re Joaquim AItos da
Silva 4 <;., ficando o socio Alves encarregado da
*U jiquidacSo. ...
Joaquim Alves da Silva.
^ptoaio Jos dos Santos.
digno d attenejio,
Revolta este proceder. Conservar a casa fe-
chada estando vsia, sem pagar os alngueis des-
de agosto do anno passado, e a pobre da propr-
taria sem a chave de >ua casa e sem os alu-
gueis, vendo- se forrada a recorrer a justica para
obter seu dinheiro e chaves de sua casa. Se com
esta publicarlo nao for attendida, no lim de
tres das sahir com as inicaes o se ainda nao
produzir effeito.em seguida sahir o nome por
inteiro : o debito monta j a 320*000.___________
""fllUZ DE MARA
\ova cilit'iio correcta e acrescen-
tada.
Este livrinho, alem do mez de maio, seguido
da devoc,4o do Coraeao de Mara, ofllcio das al-
mas do purgatorio, noticia da mcdaiha milagrosa,
novena de N S. da Penha e da Conceico, medi-
lacjlo do Rosario, modo de ouvir mssa e ora(des
para confisso e eommunliao, etc., encadernado,
pelo commodo prec/i de ti : na livraria dos edi-
toras, ra do Imperador m 54.^___________'
^ DICCIONARIO UNIVERSAL
DE
EDCACAO E EKSIHO
TIL MOCIODE DE AMBOSlDS SEXOS. AS MAIS DE FAMILIA, km
PItOFESSORES, AOS DIRECTORES E DIRECTORAS DE CQLLECIOS, AOS
ALL.MNOS OLE SE PREPARAM PARA EX.IMES.
Contendo o mais essencial da sabedoria humana
tosa l :::::::: ;::i:::^^e';;- a:;l:ca::l su autvhq
' i.- De -lncrAa*.
Conhecimento e direcro dos caracteres, faculdades, defeitos, mritos e aptides.- ReU-
giao, moral, philosophia.Lgica, rhetorica, poetice.Litteratura., peilagofU, ei-
vilidado, esenptores antigos e modernos.Agudezas, proverbios, mximas, epi-
grammas, etc.
.O iiiNtrncco primarla.
Leitura, escripia, clculos, problemas, formulas, systema mtrico, moral religiosa.
Lingua" portugueza, ortliograpliia usual e graminatical, redacco, estylo epistolar,
homonymos, synonynios, rnizes, etymologia.Methoilos, disciplina, meius praticoa
'deexecugAo.Historia universal de cada socolo, van'ios insignes, descobrimentoa e
' factos assignalaveis. Ocographia descriptiva, cidades principaes, ndole e costune
e productos do todos os paizes, monumentos celebres, panoramas, curiosidades 4*
toda a especie.Noticia das scicncias usuads, artes, misteres e profisses, etc.
S."Insitriicrito eeumlariii.
Linguas : portugueza, fracceza, latina, hespanhola o ingleza.Geologa, mineraloga,
botnica, zoologa.Physica, chimica, astronoma, mecbanica.Arithmetica, af*-
bra, geometra.Industria, hygiene, desonho, agrimensura, commercio, agricul-
tura, etc.
DICCIN!! ETIMOLGICO DE TODAS S PALABRAS TECHNICAS
PROVENIENTES DAS LIGUA8 GRECA E LATINA
Tudp fbnplrficado ao alcance dos alumnos epessoas meramente desrjotas de instruo-
co, com elucidaedes tao proficuas aos mestres quanto proreilnsns nn trato thnimim.
REDEGIDO COM A COI.LABORACAO DE ES( RUTONES PECULIARES
POR
,. M, CAMMfiNE
DIRECTOR DE COLI.EC.IO
Trasladado portugus
POR
. GAMLLO CASTELLO BRAXCO
E
AMPLIADO PELO TR.VMT.TOR X08 RTICOS DElICIKXrKS KM ASSi:ITOS RELATIVA A
PORTIT.AL E BRASIL
A obra constante de i>0 cadernetas ser terminada no correr do 1873.
A assignatura razo de 300 rs. a cademett, divide-se para maior facilidad* ein
duas series, caJa urna do 25 cadernetas, on 7-?500. As 10 |irimeiras cadernetas entregam-
se desde j.
LIVRARIA FRMACEZA
AVISO.
Ausentarain-fe no dia de Janeiro do crrente
anuo, do engenho Oileiro de Pedro, da freguezia
da Luz, comarca de Pau d'Alho, dous escravos,
marido e mulher, anilr.s crioul.'s, o escravo tem io
amii s, a oscraVa 'o. Marcos, cor preta, cara larjia,
pouca barba, altura regular, chelo do corpo, ps
grandes e largos, raaos grossas, costuma apparecer-
Ihe cravos nos ps; o Escolstica, baixa, cor pre-
ta, pouco corpo, aitain Ihe os duntes da frente no
qneixo superior, ps pequeos e empalmado?, e tes-
ta grande.
Consta ao abaixo assignado ter sido encontrada
aescravaem lora de poitaa, no Recife^ Poder
assignado em seu engenho.
Oiteiro di Pedro, 20 de julho de 1872.
_________________Jiaquim Coclho Leite.
Uesd^o dia li do carrete at o dia 18 esta-
ri naestacao da Escada nina grande c bonita por-
Sao de burros venda. Havendo lndssimas pa-
relhas para carro, do tamanho c cores iguaes,
animaes reforjados pina o.servido de crnicas,
cargas ealmocrt ves: do dia 18 em diante seguir
para as immediacfles de Appucos, onde ter al-
guns dias de_ demora. O propietario e vendedor
convida aos Sr. de engenhos e mais pessoas bem
como ao gerente di companMa dos boni-; a sorti-
rcm-se a esta occasiAo; peis nao o poderlo fazer
em 1871, em razio da grande stjcca (|ue lavra as
pruvineias da Ealiia e vinas, a qual nao permute
o transito de tropas muars em una extencao de
16; legoas. A tropa pode ser vista e escomida
vontade.
.flOTQGBAPHIA ALt^
Precisando fazer um concert urgente, a nos-a
gilleria ficar fechada at sexla-feira 5 de maio
de 1673.
________________Alberto^Henschcl C._______
AOS 5:000#000.
Estao vendaos felizes bilhetes da lotera da H. |
hia, na casafelix, do arco da Conceigo, lojal- |
ourives, no Itecife. ______
Precisa se de {:WXi a premio de 1 l\i por
cento sobre hypolheca em casas : quem quizer
annuoeie para ser procurado.
Satyro Jos de Moraes tendo justo e contra-
tado vender nesta data seu estabelecimento de ca-
helleviro intitulado-Tranca Monstro-sito ra
Duque de Caxias n. 28 aos Prs. Lhna & Wyelm,
declara pelo i resente que o faz hvre e desemba-
razado de qualquer onus.__________
LEOO'DE_FIGADO DE BACALHAG
Niitrimento
MEDICINA!
>' Preparados poi
Lantnan Kemt
para tsica e toda
qualidantadedo-
engas, quer seja
na garganta, pei
to ou bofes.
Expressa
mente escolhid
dos melhores fi-
gados dos quaes
se extrahe
'leo, no banco
da Terra Nova
purificado chi-
micalmente, t
suas
propriedadei
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo c
frasco, se garan-
te perfeitamen
te puro.
Este oleo tem
sido submettido
a- um exame
ajuitosevero, pelos chimicos-de mais tale-c
ot, do govemo hespanhol em Cuba.foi de
vulgado por elle- e contem
MAIOR PORQAO DTOD1NA
4o que outro qualquer oleo, que elle tea
examinado
10DINO ETM PODER SALV.ADOR
Em todo o ole de figado de bacalho
i naquelle no qual contem a maior porche
d'esta invaluavel propriedade o unict
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
Tsica, bronebites, asma, catarrho, tosse
resfriamentos,etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muitt
magro que seja, clarea a uista.e d vigor s
lodo o corpo. Nenbum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tantc
nutrimento ao systema e encommodando
Tasi nada e estomago
Jos Rodrigues Gomes scientillca ao respei-
tavel pnMico e especialmente ao corpo do com-
mercio, que apparecendo outro de igual no'me,
desta data em diante se assignar
Jos Hodrifues Gomes Villacha.
D-se de .0 a 300# a juros com garanta :
nesta typographiadir-se-ha quem d, equem deve
ser procurado, 'das 10 hwas ao mel dia.
Ao commercio.
O abaixo auignado taz publico que nesta data
vendeu a sua taverna sita no pateo do Carmo n.
39, ao Sr. Manoel Duarte Rodrigues Pinto, Hvre
e desembarazado de todo e naalquer debito.
Recife, 3 de malo de 1873.
Salvador Correia de S.
Escravo fgido
Desappareceu da casa de seu senhor, no dia 1
do corrente mez, o escravo Prudencio, cabra, que
representa 59 annos de idade, c carrocero, em
cujo servlco tem estado ha mezes, secco do cor-
po, cara descarnada, muito pouca barba, e j tem
cabellos brancos, tem falta de dentes, tem os ca-
bellos como os de caboelo e um pouco corupri-
dos, como que trancados, tem offleio de caar o
lilho de Goyanna. ha mutos annos que existe
nesta capital, tendo sido escravo do Sr. Joaquim
Juvencio da Silva, muito condecido para os lados
da Soledade onde morou, costuma a "embriagar-
se 0 pede se a priso delle, e quem o apresentar
ao seu senhor o Baro de Nazareth, na Passagem
da Magdalena, ou na ra do Imperador n. 77, i
andar, ser gratificado.

Opiiseuli de moral religiiisa
MR. AMBR. RENDU.
Para leitura as eseolas primarias.
Esta interessaate obrnha, que tau bem acolhida
fui que a 1* edi<;ao ficou logo esgotada, acha se
rfimpressa, e venda as lvrarias: Classca e
Universal, rna do Imperador, Econmica, a na
! de Marco, e Encyelopedica. ra do Mrquez de
Olinda, a 640 rs, o exemplar.______________
MOMA
i (JU6I\ETE
**!
1
Est encourac,ado!!
I

V
Vledico-cirurgieo
BITA DO IMPERADOR N. 73, i AXDARf
0 DR. VUNES DA GOSTA
MEDICO OPERAPOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
M.dsliaf e aMr>r,o>i de olboa.
Cor radie! e i(i*tnt>oea Jos
e.'irtitmerdos Ct nrtr.
Consultas: Das 7 a 10 Loras
da mano!.
OtmaiJos: A q'oalqntr bora. i

A\is:t-sc
a quem der noticia da esrrava Guilhermina aue
foi
a por este motivo e de novo cnamaao para ano *" ,",^3r""" #i. JL 1
m,poisS. S. se deve lembrar que este negocio representa MT.W annos, tem falta de
de mis de oito annos, e -piando o Sr. seullho se frente "Ia0* m c,!r'I ^'l1"*
Tk.... ,~ ,n.( de caz, secca do corpo e muito rt-gnsta, q
achava nesta cidade.----------------------------------. ',,, da ^ ,,,,, f f6- ^'
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello, i
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aqnelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada desto jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 187,e nada cumprio;" 0I do '"!.....mtWlmmlm^m maV
este motivo de novo chamado para dito 2Ll?^eWl!L*LJf^* SiSS^T
|u>>imadura
qus *>-
appare<"cu da casa de soldado n. ib, aa rna ds
O abaixo assignado previne a todas as pcs- o.elhns. que s.t.i viK-nisamente recompensa^>.
soas que ficaran a dever na luja de ourives a i
ra estreita do Rosarii n. 10, que s com ello,I
ou com seu procurador Joao Baptista Gitiruna, a:
quem deu poderes para cobrar amigavel ou ju-
dicialmente, se podem entender acerca de seus,
debitse visto ter tomado conla do acvo e pas-
sivo desde Janeiro prximo passado. Outro snn :
pede a seus devedores da loja do arco da Concei-
eio, ([uc vendain saldar seus-dbitos at o ilit 18
do prximo mez snentfflcan.lo a tod s queda- (lo JlarqilCZ quella data em diante promover o seu direil >. |
Jos da C. Cliveira e Ficm-iredo.
Francisco Jos Cardo-
so, artista alfaiatc, transferio
sua officina da ra do Baro
da Victoria n. 40 para a ra
Cozinheiro.
pnmeiro
andar.
Precizasede um, livre ou esvravo, e qnese en-
carreguem tanibem de comprar, para easa de 2
pessoas : a tratar no Corred r do Hispo n. 59.
Veude-se
gundo.
I'ni sitio na cidade de Olinda, alem de
ter una boa casa de vivenda para grar*!*
familia, tem mutos arvnredos defructosde
todas as qualidadts, o 'xcellente agua d
Precisa-se de urna ama de' dade, que beber ; a tratar lo'-t.i lypogra|4iia.
Precisa-se de una ama que encor-
me com perfeifao : na ra Duque de
Caxias n. 91, loja do rival sem se-
.md ceja zelosa, para andar com una meni-
na : a tratar na ra da Alegra n. 10.
AMA
j J't^ Francisco do Repi, enrarrecado da l-
^ ..~.0.... ... ... quidato da firma de Jos dos Santo* Nev* Ir-
rreCSa-Se UC Ullia man, cujos *k*o- sao fallecidos, convida o que **
., julgarem credora' da MM firma a que Ilw
QUe Saiba Oem CU- aprsenle ensUlalMMpruedeliMa, mt>
1 n lados da presente data para o qne pode er pro-
curado na ra do Crespo n. 17, I" andar, d mem
da s 1 horas da tarde. Reei.e. | li maio de
im.____________-______________
Sahindo desta cidade par. o engenh Raz
da freguezia da E cada no principio do (urrMM
mez a preta Marcolina, escrava da Exma. *ra
Baroneza de Amaragy, at-1 esta data na > rherot
ao referido encenho. o que hi aere! tar-e qaa
o-t fgida ; rioula, de M annos de idade. po-
co mais ou menos, alta, corpo repulir. roMceom-
.' prido e coberto de espiadas, sal ro nhar e en-
E2 ZXLZXZ,Tarii>niiiar : quem a appreh-nder e ent.efa-la nes-
para casa de pouca familia,: ^ C1(1,,,l(. a Sr. x\,u Targin Ard)^y. ru*
Duque de Caxias n. 11,2-anlar, ou ao sooreMO
eiigenlio, ser recompensado generosamente.
A
gommar e fazer o mais ser-
vido interno de una casa de
pequea familia : no ercei-
ro andar desta typographia
se dir.
Precisa-s de
iiznliar e
urna ama
na n. 161.
prefere-se estranceira : na
ra do Viscor.de de Govan-
Precisa se de urna ama para cata 'le homem
solteiro : na ra Direita u. 8.______________
V ma ^a riia ^a Imperalriz n. 37, primeiro
- villl andar, precisase de una ama forra ou
escrava, que seja de boa conducta para andar e
lavar roupa de meninos.
O
&h lie 10 iialmos.
j Sapotisciros e sapoteims. c <\M ara bao. -
nheiras, fructa-po, uM Buf, ariticum-a-pe, aM-
j cate, Laranja cravo, flanliovaM ou krildanie, pa*-
Precisase de urna ama forra' meira imperial, rosciras de |iialidadc.
clsoo.
ou escrava : na ra do Impera
dor n. 17, confronte ao S. Fran-
Precisare de-uma ama que saiba cozinhar o
engommar, para casa de familia de duas pessoas:
na ra Direita n. 28, 2.' andar.
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar e comprar pin
casa Je hom solteiro : na ra
de Pedro Affonso n. 7, antiga ra da Praia.
AMA
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que tenha praiica de
roolhados e d fiador a sua conducta : na ra
larga do Rosario n. U._____________
*- Preeisa-se de um caixeiro quo tenha prati-
eade pdana : na ra dos Pescadores o. l.
MEZ DE MARA
Cnticos e hyniiios devotos
WANTICOS DIFFERENTES
reunidos em uih bonito volume encadernado.
Rs.- 21000.
O LIVRARIA FRANCEZA.
AMA
gundo andar.
Precisa-se de urna ama para com
jrar e cozinhar para casa de pequea'
familia : na rna do Crespo n. 18, se- i
Precisa-se de urna ama para casa de homem
solteiro : na ra Direita n. 10.
Ama
Alagan dpa-casas com commodos para fa-
milia, sendo urna na freguezia de Santo Antonio e
outra na Captxnf a : tratar na Capunga, ra das
Crioulas n. J. *
. Protesto
O abao assgoado protesta contra a venda do
hotel da rna das Larangeiras n. 29, por estar su-
jeto ae pagamento o' nuntia' de 292?00, im-
portancia de objectos quo fr o mesmo vendeu,
o flue pelo juizo competente, ii a haver dlta Wa'
ita ic gaem auer que o comprar. P 1ue eclara
para nao se cnamarem ignorancia.
Recife, 6 de maio de 873.
Martinlw Jos de Faria.
Ama
Precisa se de urna ama : na ra D-
reila u. 61._______^__________
Precisa-se de urna ama que
eoznhe bem : na ra do la-
rao da Victoria n. 28.
Precisa-se de urna para cozintiar, ra
do Corredor do Bispo n. II,
AMA
Earreiras corncao da india, romeiras e potra,
mtas : na Capunga, ra da Ventura numero M>.
Ao publico.
A abaixo asignada d.rl.ir,\ que lem vendido a#
Sr. Joapuim Correia Vieira de asearenhas >) *en
hotel, da na das larangeiras n. 19, livre e r**n-
bara-.-ado de qualquer debito ^e possa appareeer.
Reccife 18 de Janeiro de 1873
Amia TVresa da Suva.
# Escrava HE
F ugio do engenho Boaciea, freciiezia de Ipolnca,
no dia 27do passado, o eacravo Kstcvio, tendo <
sicnaes seguintes : alto, gordo, cara larga, mi ,
pouca barba, ps grande*, tem o andar pnace Ir-
me por soffrer de cravoa nos os, ton un dedo *
menos na mao esquerda, a qual coscunu traaet
enibrulhada com a jaqueta ou capole, upfde-M
estar nos limites da freguezia do Cabo, Ecada e
Santo AnUo, onde ja esleve fgido 'J judos : mm
o capturar p'ide entrega-lo no Recife, wirMstki
da ra do Rom Jess n. 51, ou no ewfenho Boa-
cica, que receber a gralitkaeiu de I0M.
Fugio do engenho Mamucaia, freguezia de
N. S. da Luz, no dia Io do corrente mez, o escra-
vo Luiz, preto, de 35 annos de idade, natural des-
ta provincia, o qual tem os signaes seguintes .
baixo, grosso do corpo, barbado, usando somente
de bigode, olhos un tanto u-sgos, falla grossa,
nemas Anas ; suppoe-se ter elle seguido para as
bandas de Iguarass, d'ondo foi e 6 natural : o-
ga-se, pois, a captura do mesmo escr.ivo, gratifi-
cando-se bem a quem o eouduzir ao dit engenho,
ou ao Sr. major Luiz osfS Parelra SimScs, nesta
cidade.
OSr. Joao Baptista Ferruira "leu'' bon"
dade de apparecer na ru Direita n. 7tC > H^-
ci particular.
Attenco.
O abaixo assignado pede ao Sr. Joo
Pessoa o favor de vir entender-se com i
aquelle negocio que o mesmo alo icaera, M
pena de ver por este jornal a especie M M|M)a>
Marcos de A. I
Manoel de Ponles Oomes. mMM
retira se temporariamente par
enrarregados de mis nejnos,
sencia, Mp procuradore aos Srs.
los MoreMnMMcl Fomera
cisco dos Sanios Moretra.
de
wr
I ImmPa
(


i


i
Diario de Pemambuco Quarta feira 7 de Maio de 1873.
MOVIIIt 1E
PIANOS E MSICAS
AIVTO\IO JOS! HE AZEVEDO
Ra do Barao da Victoria d. ll,armasemt e 12 1. andar, antiga ra Nova
aowle o publico em gtral encontr, hempre o maior e mais esplendido sortimento depiams de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Tambera recebeu grande sortimento de msicas para piaoo, piano t
canto e eoire ellas as lindas eomposicSes do mnilo tympathico nuestro
F. S.4XT1JVI
A SABER :
Voc me quer Walsa.
Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronte i
ootica Minrer, nos grande saiio onde esli expoMos os magnficos
KTsfltaaS
de armara, de PleyeL
de roeia canda, do mesmo aator.
de H. Henn.
I
-------- de Amede Thihont.
nieo agente nesta eldade, dos celebres
afamados
PIANOS DE ftUCHER FOES
remiadee em diversa exposi;oss om 14 medalbas de
Sao os oneos pianos qne aqni vem da Europa,
onro e prata.
perfettameote afina-
01 ga Maruik.
La Sepaneloni Para canto.l
A Las elctrica, grande Walsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada de Vllela Galope.
Joaoioha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeir* espada Wal^a.
A M-oha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studiente Po'ka.
** *V5*9* SL a .neto toda, as pnb.ic.c5e. qne se foFem frzendo na. sn.s offlcin.s de msicas.,
l lilma* pnblleacoes
Feilas as oficinas de mancas
do annonciante.
Emilia, polka por I. Smolts.
Circaciana, schotcb, por Smolit.
Jardim do Campo das Priceas,
qaadrilha, por J. Popn*.
Cbnva de Roas, Walsa, por H. Al
btrtszzi.
Precisa-se aliwar uiiu preta que scja osera-
va, p>ra o serve-o de caa" de penca familia :
trata* m ces de Capibara*) n. 1
'siYm-a de J. S** U
i'i'llnri da ine-a rrydWa, i'itfivM > ao*
imi-ius,' ex-irovedordit vlcjiruvedfaM e
iteri-is par ssstir a consulta para a mesa
regefura do 1*73 1874,-qtie tora lugar quarta-
fcjra/7 do correte as qaatro hua* da tarde.
*rcUi% I de maso .le 187-1.
O secretorio interino,
Manoel Pureira de Magalhaes Jnior.
Carolina Francisca de agames e Silva,
MM de Francisco Jos Goncalves da Silva, es-
tabeecido eom lo;a de adeos i ra da Im-
pertrii n. 78 A, participa todas as pessoas que
inham relacoes commerciaes nn estabeleci-
de seu finado marido, que vendeu eese es-
imento ao Sr. Joo Das Martins, que ficou
con todo o seu activo, responsablisando-se elle
pele respectivo passivo, do qual ttm a annun-
eiaas plena qoita-.-ao, segundo o balance ultima-
melte effectuado. A annunciante est, pois, exo-
ner-da de tudo quan'o possa dizer respe o esse
est*eleciim-nto.
fccife, 4 de maio de 1873.
ATTENCAQ.
fe abaixo assignados tendo comprado aos Srs.
Faia Lessa a armaco e mais per tencas da
sua loja sita ra da Imperatrz n. 26, fazem pu-
blio, iara quem se Julgar com dircito a mesma,
se lir> i ra do Conde da Boa-Vista n. 26, no
r> so o 3 das, a contar do dia de hoje.
itteei), 6 de maio de 1873.
V Miguel Antonio de Figueiredo.
____________Antonio Figueiredo de Olveira.
Alagase
urna a em Santo Amaro das Salinas n. 15, com
3 quaos, 5 salas e copiar fra : quem pretender
dirijae ao pe da mesma. Adverte-se que a li-
nha ds bonds passa na porta, e que se o i aqui-
lino oizer botase o encanamento d'agua.
SEGREDO ECONOMA E CFT.rfUDADE.
btem-se com o u*>
IEIECCAO* SHOST
filien, lugii-in. t, mUeilu uilalliv.d iiftdi
na das gonjeheas. Ib.res hr.tiha .- fiuutf toda espeejp, recentes uu iJironicas; e que
olTere* como garoiiadesahiten*recitado!
a criitiiniada flpjie.n.o quesumpro com a
tnaior vanUgem se tem feito dola nos hos-
pitaes de Pars.
UnicM deposito parao Brasil, Bartholomeo
4 C, ra Larga do Rosario n. 3^.
Olinda
Vndese o sobrado de um andar e sotan toga
frente para o pateo de S. Pedro e oitao para o pa-
teo do armo, as melhores condicoes possiveis,
nao s para negocio, como para morada e uso de
banhos saleados : quem o pretender tlir ia-so ao
Sr. Bernardino de Sena Pontual, i ra da Madre
de Dos n. 36, escriptorio.
CAUTELA!
MEURON & C.
A ^ M S A- 1M
m
intonio Joaquim da Gama pede aos senho-
res aaixo mencionados de enlender-se com elle a
negoo que os mesmos sen' ores nao ignorara :
Fransco Augusto de Almeida.
Felir do Reg Barro. Pessoa.
Luiza Veiga Pessoa,
COMPRAS.
-Na fabrica de cerveja ra do Rosario n
6, cnpra-se laranjas da trra a 610 rs o cento.
- Compra-se um cofre pro va de fogo
trassa da ra do Vigario n. 1.
na
Burra
Compra-se um cofre pro-
v:de fogo, quer seja novo ou
uado, comtanto que esteja
ei bom estado, na travessa
d Vigario, no Recife, n. 1,
1 andar, escriptorio.
VENDAS.
isa
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qnizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MERON & C, e a desig-
nado de REA PRTA.
?3
Attencao
mde-se a taverna da pra?a do Conde d'Eu n.
9 i tratar na mesma.
i de liislre.
ndem Pereira da Cunha Irmaos, ra Mar-
qi de Olinda n. 21, em porcao e a retalho.
BICHAS DE HAMBRGO
s mais recentes e melhores.
'endem-se na pharmacia e drogara de Bar
tlomeu & C, ra Larga dosario o Rn. 3i.
P3
MEURON & C.
LIMA & WYELM
Cabelleireiros
DA
America meridional.
Tendo comprado o estabelecimento Tranca
raonstro que o Sr. Satyro Jos de Moraes pos-
suia ra do Duque de Casias n 28, nelle ac-
bam de faier grandes reformas no sentido de
bem satisfazer ao respeitavel publico desta t
dade. ..........
O gosto e asseio com que esta organisado este
estabelecimento, o capricho e presteza em seus
trabalhos, sao a nica divisa dos novos proprieta-
ries, sendo que seus mais ardentes desejos seam
merecer a honra da concurrencia publica, afim
d
CHEGOU AFINAD
Na ra do Commercio n. 32, 2." an-
c, entrada pela ra do Torres, vende-se
ngoiote:
Couro de lustre.
Bezerros.
Oleo de linhaca.
Cadeiras americanas.
Ditas de balanco..
Ditas para criarira. .
Palhinha preparada.
Gomma-laca, superior qualidade.
Folhade Flandres.
Vidros para vidraca.
Chumbo de rnunigo.
Caf do Rio de Janeiro.
Manteiga ingleza.
Dita franceza.
Phosphoros de seguranza.
Vende-se ra do Commercio n. 32,
2. andar, entrada pela ra do Tor-
res.
que possam
levam dito.
toda mmm
Ao sexo amavel.
Venham moc;as e nao tardem
Um lii'do leque comprar,
Olhem.... que pelo prec;o de graga,
Se tardarem nao hao de encontrar.
Lm leque de marital por 3^000.
Qual a senhora que se escusar pour g ^SSSXi aen'or j/
um leque, objecto este tao ul ao seu sexo,
e alm diste por urna ridicularia ?
A EXCELLENTE E JA' MU1TO CONH1 D.V
AGUA CIRCASSIAN
nica usada por todas as familias reae im-
breza da Europa Approvada pelos medie ns
eminentes e por toda a imprensa estrangeir Ter-
na os cabellos brancos sua ..'antiga, cor, uB,
castanho ou preto.
D>o enchovalha o facto, tira completan itea
caspa da caneca. Na Branca, Inglaterra, i 2nl-
nha e America o uso da AGUA CIRCAS A V
dispensa hoje todas as outras preparacoes c|i -
couvencer-e da realidade do
que levar dito.
Alm da execucao geral nos trabalhos de ca-
bellos, encaregam-se mui especialmente dos pen-
teados de senhoras, para o que recebem por to-
dos os paquetes da Europa o jornal dos cabelleirei-
ros, que os collocam em mutuo contacto com as
modas de Paris.
Lima & Wyelm
C\BELLEIREIROS DA AMRICA MERIDIONAL
Ra Buque de Caxias n. 28.
Notavel escripto do Sr. Dr.
Sarment pai.
Acha-se venda as livrarias Econmica, ra i
de Marcon. le Industrial, ra do Baro da Vic-
toria n. l, um opsculo dedicado aos II.-. do Bra- asgm como mutos outros se encontram no
8^Tnugoldetal0gns dos caones do ultimo! -VAPOR DAS NOVIDADES.
concilio de Roma com as leis e os principios
* constitutivos das liberdades dos brasileiros, e ne-
'Ceteidade de modificar as relacoes do estado e >
da Igreja.
Desenhando com as mau vivas cores os horri-1 .^-------""" ^ j ~ ci ^
?eis males, que a intolerancia religiosa tem derra-1T), Mana -b ranCISCa e OOU-
nado Dor lodo o universo, e mostrando, quanto
za Hamos.
Lm esparlilh |i.ir 2#l(l!
Oual a que deixar de niunir-se (e por tal
preco) de *im to importante auxiliar para
a feitura de um esbelto corpinho ?
Urna facha de seda por 9$,
Qual a que n desojar possuir urna lin-
da facha de seda, e de um effeito magnifico
por to diminuta quantia ?
E qual
Finalmente a que, lendocom a devida at-
tencao este.annuncio, nao deixar escapar de
seus labios as seguintes palavras I
PARECE INCRIVEL!
Nenhuroa por certo. Todos estes artigos,
ecaucao.
I'nioo deposito
NA PHARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador n. 38
Caxciro
Precisa-se de um de *l annos de idade ole
tanha pratica de tverna : na Boa-Vista, ru o
Socego n. 31._____________^^
A'uga-se a ca a terrea da ra do Ca :l
Lamenha n. 26 (outr'ora Prazeres): a trata a
ra do Bom Jess n. 31, Io andar.
Mangabeira
Vende-se ou aluga-se um sitio com urna casa
de taipa e cacimba, peno da estacao da casa ama-
relia, tendo 10:1 palmos de frente e 600 de fundo ;
parta 'atar-sc ra Direitan. 3, loja de funilejro.
Libras sterlinas.
fflde-se no armazem de fazendas de Augusti
?. de Oliveira k C, ra du Coinmercit n. 41
Farinha de mandioca.
A melhor do mercado.
Vende J. F. S. Coimhra Guimaries : ra do
Mrquez de Olinda n. 3, 1. aHdar.____________
Caf do Rio.
Vende Joaquim F. S. Coimbra Guimaraes: na
ra do Mrquez de Olinda n. 3, i.* ndar.
V
Na ra da Imperatrz n. 6,
loja ne looca de Sebastio Marques do N aci-
ment, vende-se em porcCes grandts ou a reta-
lho todo lD'.-a existente na mesma, wr preeos
muito diminutos por ter o misino propnetario
de fazer urna viagem a Europa a tratar de sua
sade; portanto, todos os freguezes que preciar
4e se sortir destes artigos, apreseutem-se quanto
antes.______________________________
J chegaram os maravilhosos fosros artifl-
ciaes da China, para serem sollos nos saldes e jar-
dins: caixinhas com variado sortimento e a pre-
eos desde 20 at f>0 cada caixa : no armazem
n. 1 do caes da alfandega.__________________
Granadina bordada
de 1-4.00 a 800 o covado ; na
Rosa Branea.
que se vende granadina preta, com Natal e flo-
res de seda de cores, ricos guato* a 800 rs. o co-
vodo.
Ser daquella que todos vendem a 1J400 e
t600 o covado ?
E' sim senhor.
Ra da Imperatrz n. K6._________________
A 280 rs. o covado
Cambraia muito fina e de lindos padroes a 280
rs. o covado, baralissimo : na l< ja do passo,
ra de Marijo n.|7 A, amiga do Crespo.
Lyros venda
Aos Sis. icndomiffig
V i'int > ...
i! Iiitri:ii::ia. |. -r i...
|>,u.l s.us: -ii<.,i Om.ni.'i'.ial.
Villianu: IU.-..I iii.n rraiicaiso.
LtUM H!aiir:-||, Vaitel :Dmit dw geos.
Ventura :Le Poun>ir publir.
Porlers : Cours de droit naturel.
KluU-r : Droit des gut.
Rogron : Ch\c. de couimercc.
Nesta typogrnphia achara> Mas obras para -
rem tendidas.
JUACIUNAS
DE
C0STUP,
Vende-se as duas casas terreas ns. 11 e 15
sitas no largo da povoacao de Apipucos : os pre-
tendentes dirijam-se a ra Sete de Setembro nu-
mero 15. ______
Vende-se urna escrava pega, engommadeira,
cozinheira e lavadeira : quem pretender dirija-se
atraz da matriz de Santo Antonio n. 24, que se
dir quem vende.______________
_ Vende-se a casa terrea n. 31, na ra de Pau-
lino Cmara, outr'ora Cambda do Ca mo, sendo os
chaos proprios : a tratar na ra da Madre de Dos
numero 20.________
CASA.
Ra da Imperalriz n. 3.$
) por _
absurda e funesta a existencia de religioes de es-
tado : eonelue < eximio escriptor, propondo, a
suBsritueao doart. 5 da nossa conatituicao, pelo
artigo correspondente da eonstituiejo Belga.
Ao fl.-. dii elle na dedicatoria, que nao sera,
ero coro meias medidas, ero com violencias, que, --~-- ~-. Mlis pareDtes e ami-
e hao de anar os nossos wta^^J^^TS^^ti^pi *&** acom'
difieacio tl das leis, que torne poss.vel a igreja os regt0i morsta9s ^e sua prezada mai,
Jivre no Estado livre.
Antonio Francisco Areias, Jos Antonio da Sil-
va Arauio, D. Candna de Souza Ramos Areias,
D. Francelina de Souza Ramos Arauj) e Antonio
Francisco Areias Jnior, filhas, genros e neto,
Troca-se
Urna casa terrea na ra do Tambia, comfcs
salas, dous quartos, cozinha fora e quinta n
cacimba, por qutra de iguaes comraodos n 5-
gnintes ras : da Gloria, do Rosario (la Bo;
ta, do Aragao, da Conceico, do Pires, da
e ra Velha, voltando-se a quantia que se|n-
vencionar, atientas as bemfeitorias da casa:
lar na ra da Glora n. 82.
Ao commercio
O abaixo assignado faz publico que nesiua
Borges Costa A C, a s ta-
2i de maio n. 45, outr'o ua
al-
vendeu aos Srs.
verna sita ra
da Cadeia, livre e desembaracadi de todo
quer onus.
Recife, 30 de abril de 1873.
Francisco Ribeiro Guir es.
Aluga-se a casa terrea que devia serv Ja
asyla das convertidas, em Santo Amaro, na da
Lembranca do Gomes, com bastantes con os
~-ra alg >1-
caei ,
u Prezaa* mai para grande familia, e proporcoes par
a? e sogra D. Mara Francisca de Souza Hamos, rego a lritar na j^ jj0 Capltaribe,
sua ultima morada, conndando-os a assistir a com {.^(.3 Bairoso.
mista do stimo dia que mandam dizer no da 9
Deseja-M aragar doas eacravas, sendo uma <;o- do corrente, na rdem Terceira de S Franciaco,
lioheirieatra pw**KA> agradaneo,paga- pelas !^i2horaadamuihi
*eben.
Preca-se do um copeiro que -enten *
feitamente deste servico, e que de fiador '
conducta : na ra d Aurora u. 49.
Vende-se um sobrado em uma boa ra : tra-
tar na ra da Imperatrz n. 8, loja. ________
Aos Srs. acadmicas e estallantes
de preparatorios.
No armazem da ra do Imperador n.
16 vende-se por preco muito barato gran-
de quantidade de litros de direito, litera-
tura e preparatorios, sendo alguns delles no-
vos e outros com pouco uso^____________

Cbegaram ao Bazar Universa! d^ roa No-
va n. i, om sortimtM lo i machinas para
costura, das melhores qualidsdes que existe
oa America, das qnae mottaa j rio bein
conhecidan pfiog seus autores, como sejam;
Weller A W:!son, Qrwi & Bika, S-ri-
cio, Wec-3 c toperiae e outras muia
que cora viga rjeverUo agradar sos com-
pra'i ores.
tetas mac roas tem -anigem de fi7er
o trahalho que trins coatoreiraa podem
fazer diariameDie e C zem com tanta per-
feigSo comi as mai> perfeitas coslureiraa.
5ir-Dt-f a sua boa quadade e ensioa-ae
a Irabalhar com pe fei.;o em menos de am
bnr. e os preeos s8:i lo commodos que
devem agradar ao* pretendeotea.
TASSO IRMAOS&t-
bu seus arinazeits ra do Amorim
11. 37 e r.ics o AfKtllo 11. 47,
tem para vender jxir preros comnoaV. Tijolos encarnados *e xtom ptn MrikW
Catna de barro para esgoto.
Cimento Poitland.
Cimento HydrauKrc.
Machinas de laeafHT a I i odio.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia nn b*r?*.
I Imsphoros de cera.
Sago em garrafoes.
Sevadinha em futo>.
I.enti tas em guiafNa,
Rhum da aJuiaica.
Vinho do Purto \elho engarrafado
Vnho do Porto suprior, lao.
Vinho de Bordeanx, dito.
Vinho de Seherry.
Vinho da Madeira.
Potes com lingnns e dibradas M|Ihm.
Licores linos hniMim.
CofBae Gaulliiei' Fr. r rs.
Latas de tuieinho inglez.
Barris com reptil lio em talmofa______
L1QUUIAC0
^ he '
FAZENDAS
l JK d-> Mas
A' ra 1 deMar tiga do Crespo)
Resolvemos da i.m |H-i|ueno re-uno das qu-l>-
dades e praeoa que vista deil- s possam apreciar que a Iqiuda-
cup de no-sas taiBMM una pura verdade.
Esrnlli.' licni ; volitad- :
Chapelinas, chapib de pallia, velludo, sela
lili'i para senhoras e meuiia.s de .'la a (i*.
Basquinas e casa ,iiiuh.is de seda de 94 a ttt
Casaqiiinhos e mineiras de cn-ehet preto-
brancos de ii a C.
Vest.los de i a iibraia Lranra com liados bor-
dados a 5* e 101.
Caimzinhas de rambraia branca a tiOl e GC0 rs.
Manguitos e golliuhas a *<0. 940 e i*) rs.
Cintos de todas as qualdadr* para senlmras de
o'OOa 146(10.
Lencos bordados e de lahvrintho d" 6* a IC4
Coque de 14 a I .Vio
Leqnes de niadrcpemla o marfim de 34 a 104
Bal io a 14.
Chales a imitaran de bornus de merino preto
de 84 o 94-
Saa-' de l de rambraia de 44, 54 e 64
CaafalU bordadas para senhora, para t')dos o
preeos.
Capellas de cera a 500 r.
Redes para coques a :I10 e 5" 0 rs.
Cutes de i ambraia a !#.
' orles de tarl.ilana bollados a seda de i4. ~
;g.
Cambraia de cor cem lindos padroes o covo
a 320 rs.
Alpacas de linda* cores li-ns e com listas de
sedas de iOOe HM rs. o eotafc
Grande soitiment) de U para todos os preea*
Crochet biwwo a prcaa covado a 8M ra.
Fil de linho lis* preio kna de ajaj a 600
rs. a vara.
Vestuarios de fustao branco c de ores para
meninos de 34 a 6*.
Grvalas e mantas de 30 a 14 cada urna.
Chapeos de aastOf branco a 74 e 84.
Chapeos de ictim e de nniiiin prali para i0-
iiii'in a 31.
Collarinhos de linho li;0s c bardados a "i t
i j a uiua.i.
Peitos de linho a GOO rs.
Diloa bordados a 13200
Cortes do velludo bordados para collete.- a U-
Brkn preto vara 14.
4 froiihas de lindo ricamente bordadas sendo 2
grandes e 2 111er, le. p r 20-S, e outios inultos ar-
tigos por BKCaa baialissimos.
CIikjicoh pitra ci'innens e aaic-
iiiiiws de srol.
Vndese lindos chapeos de vellu'
de seda ricamente enhilados cem lita-
de bloml, proprios para oriancas a n eniaas de
escola, pelo barats.-m preco de 24 e 3 cada
um : na loja do i'asso, ra do Crespo, junto ao
arco de Santo Antonio.
Loja do Paco a ra de Maree a.
VENDE-PE
urna preta boa cozinheira e
na ra do Cuj n. 40. ____
lavadeira : a tratar
Vende-se una escrava que cozinha o diario
para uma casa, e engomma a'guma cousa : a tra-
tar na ra do Visconde de Pelotas, outr'ora do
Aragaa, n. 12. ,__________
Attencao
Na ruado Rangel n. II, vende-se uma taverna
em muito hoa localidad : a tratar na mesma.
Boa acquisiqo.
Vende se uma excellente casa terrea, sita a
Passagem da Magdalena, no lugar denominado
Ilha do Retiro, em um terreno ubrrimo, com 300
palmos de fundo, margem do precioso e pitores-
co Capibarihe, com todas as eommodidades para
uma grande familia. A casa tem na frente tres
janellas e uma porta, e um copiar rodead') de as-
ientos, muito proprio para as palestras familia-
res ; alem disto ella apresenta duas grandes salas,
i gabinete junto a da frente, 7 quartos espaeosos
e bem arej.dos, cozinha fra e um quarto a ella
contiguo, estribara, I telheiro no correr desia,
quintal meio murado com porto que d sabida
para a parte que est em aborto, um linio copiar
coberto e com uma grade de ferro ao redor*, o que
da muito realce e valor a sala de jantar. O lu-
gar nao pode ser melhor e mais saudave!, nSo s
Ejr causa do Capinaribe, que olfereie ptimos
annos, mag at por causa da frescura e amenl-
dade do clima; alem disto tem a vantagem de
fi:ar multo perto da linha dos bonds : quem pre-
tender drja-se a ra tiuque de Caxias, loja de
fazendas ii. 75, que achara com quem ratar.
Vende-se- dous es-ratos proprios para todo
e qualquer servico. e por pouco dinhelro : na
ra Pague de Caxias n. VI A. ^________
Ao commercio.
Vende-se urna taverna bem afreguezada nos
arrabaldes desta cidade, faz-se todo negocio : pa-
ra informacoes, no Arrala!, taverna nova.
Vende-se percao de sepo,
na ra Nova n. 27, loja de sellero.
soleiras o cordes
AVISO
Aos devotos do mez
de maio.
Na ra estrella lo Rosario n. 3.">, sobrado d uoa
andar, leo llores de to las as qual ades para eo-
feites, sendo aieus, capellas. palmas, rosas, bou-
quets, tudo por preco muito coaiiuodo, tanto
panno como de cera e de papel, qualquer encon:-
menda para fra qat se qu-ira aci arao proinpH.
boida-se fitas a 01110 para la.os. enfeitam-se wla
para enfeitar se altares e capellas para a meni-
nas, ludo proprio para o mez de maio. Na men-
ina casa faz-se gorros bordados a onro, eharotoi-
ia, fitas para noivas. ricos bnuqnets para noiva
e para bolos ; c vende-se grosas de folbas de
res, sendo de papel a 14 a grosa.
Engcnhos venda.
Vendc-sc os ergenhos : G.uneleira, com aira
de dous mil pies, s tuado no lugar denominado
Barra de l'anellas margem do rio Piran.y. .
a 4 leguas da estacao de ("na. rom terreno para
salrejar annualmente de 4 a o mil pies: Corrien-
tes, com safra de dous mil pies, situado no dis-
tricto de Agua-Preta c i 2 leguas da estacao de
Una : o prelendente a ambos, ou a qualquer um
dos dous referidos engenhos, entenda-se com
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, no Recife,
praca do Corpo Santo n. 17, on com Jos Bap i
ta Man mes Dias, no povoado dos MoasM.
Na taverna n. 22, ra da
Imperatriz
VENDE-SE :
Rap ama-lina a 900 rs. a libra.
Rap superior a 900 rs.
Rap area-preta a 14000.
Manteiga ingleza a 14280.
Dita franceza a 801) rs.
E outros bons objeotos procos commodos.
Queijos do sertao.
Vende-se na ra Direita n. 35 mais barato do
que em outra qualquer parte ""_;_____
- Fio de algodao da Babia e cal de Lisboa, re-
cntenteme chegado : ha para vender no es-
criptorio de Joaquhn Jo- Goncalves Beltrio & Fi-
no, ra do <>ommercio n. 5.
Vende-se a taverna da raa Direita n. 72,
somonte porque o dono nao .pode administra-U,
fas-se negocio commodO; -
Xarope d'agriao do Para
Antigoe conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgaos respiratoi ,
como a nhtysica, bronchites, asthr.a, i
applicado anda com ptimos resultado no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu <& C, ra Larga do Rosario n. ti.
Moraes & Irmao
Em seu escriptorio i ra da Madre Daaar
n. 5, l. andar, tem para vender por pr%o
commodo :
. Vinho do Porto superior engarrafado.
Cervej Bass.
Cha verde miudinho d>\ superior quSli-
dade._______.____________ __
Olinda.
Feade-se um sobrado de um andi
do Aljubo ao sahir para a ru de S.
pretender dirija-se a tratar 4 roa do
res n. 46.
a tratar na mesma.
Escravo cosinheiro
Vende-se por 1:5004 om escravo cozinheiro,
rao;* e sadio : na roa Duque da Caxias n. 56, 2*
andar.
BBBSBBsWl -
flervasio H-
Attencao
Veude-se a taverna da roa Imperial a 4S, si
muito bom local e com bastaaaas cosmnodos, moi-
to propria para principiante : a tratar na asesan.
Vinho Collares
A especisIMada do vinho GuiUre?, s s* pede
encontrar no armaasss de Jas Peran'les Lima *
C, na'ra Nova


6
Diario de Ponttnbuco Qviart* feira 7 de Maio de lafti.


PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PRABMACeaTlCO, f, RU OE LICUS SAINT-MUl, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARANJAS AMARGAS
IODUKKT* de KOTAI8IO
Olodoreto du potasaio om erdadeiro alterante, um depurador de incontsstavel efi-
cacia; combinado com o Karopo de oasoaa de laranjaa amargas, e atrale
lem perwrDaclo atauna pelos temperamentos o ma fraeoa, Sai alterar ni funeste*
do estomago. As desea mathtwiaticas par,, todas as complicacoes oas affeccoes eacrofuloaaa, tufaeitiolosaa. oanoe
rosas no* aooidentea Intermlttentes tercelrot alm i'isao, o
agente o maii poderoso contra as doeacas rheumatioas. ^
XAROPE FERRUGINOSTO
de eaaoaa do tartaja* e'qaaMla **ara/a.
C sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assiriila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as julase pastilhas en tobosos casos
em que seo preseriptos os ferrngim
XAHOPE TNICO JWTI-NERiOSO
do eaaoaa do lafoajaa amarga.
35 annos d saccewos attestao a sna effi-
eacia para corar: os doenpas nervosas,
agudas ou rhronieas, as aastritet, gastral-
gias ; e facilitar a iigeslao.
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUIMA, PYRETBRO E GAIACO
Elixir daatifrln*, para a altara e eon-
servavo dos tientes, curando as dores
causadas pela caria ou produsidas pelo
contado do calor ou do fri
M dentifnaio, com base de magnuiq
para a alvura e conservadlo dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando O
trtaro de que empede a reprodacSo.
Deposite em fiie de Janeiro, u. Chovatos; em feruambuco, P. Maarer a c*; em Mactie,
ralea Moa; em Pilota, Aatera Lela em Bakia, Da Racha; eia Porto alegre, Jas
lio em Maranhio rrrrelra C*| em Owro Preto, C. t. V. Weleraa* t rwa. R. sthmtet i emllonUtideo G. Imher>| ein Buexoi-Ayre, Etrbeaarraarrfa
VERDADEIRAS
PILULAS de BLANGARD |
COM I0DURET0 DE FERRO INALTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Possuindo as propriedades do do e do raaao, ellas convem especialmente oas Arrc-
SBes escrofulosas, a Tsica no principio, a fraqueza de temperamento e lanibem nos calos
e Falta de coa, AMEHoaanEA, em que necessario reagir sobre o sargce jeja para Ihe
restituir a sua riqueza e abundancia normaes, ou para provocare regular o seu curso peri-
dico.
N. B. O Mrete e ferro Hnparo ou alterado e um Diedieamcato Infle!,
Irritante. Con* prora te pureza e luthenliddade dai veraadelraa
rtalas ale Jlaneard, den.'-se exigir cosso pilo de prala rrac-^
tira e aoua arma, aqu reprodaziila, que se ada na parte Inferior
de um roala verde. Df ve-te desconfiar das falsinVacoes.
Acba-ae eaa Cadas a* phartnaelaa Pharmaeeulico, rua Bonapart, 10, Paril.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Banca, a rua do Duque de
Casias n. 30, r cebcu bonitas garrafiuhas de eiys-
tal em par com ramagens douradas e uiui pro-
prias para arranjos de toet, ote,
nneis e colares elctricos
A Id a d':.guia branca rua Duque de Casias
b. SO, ref' beu nova romossa dos proveitosos an-
neis e ellares elctricos, e contina a recelie-los
moiis;iliiiL'nt(, polo que sempre estar prvida do
taes objclos
Diademas domados
A Predilecto,
A loja rt'aguia branca rua Duque de Taxias n.
50, reeebcu novamente boniiis diademas dourados
c enlatados com peoras e aljofare?, obras de gos-
tje phautasia, Tainbcm receben novos grampos
pretos ou alunles jcoin llores para a cabera.
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A teja d'agaia branca rua Du|ue de Caxias
n. 50, recebeu una pequea quantiiladc daquelles
bonitos leques com bouquets o outros chinezes.
Cold reme para refrescar e
amaciar a pelle
A l":i d'aguia branca a rua Duque do Caxias
n 80, receben cold reme dos ifamados fabrican-
108 LnbB, Legran) e Oondray.'
Diademas e grampos de
ac.
A loja da apila branca, rua do Duque de
SO, recebeu novamente bonitas diade-
nas e gra pos de ac.
Bicoa de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, nu do Duque de
Caxias receben, como pnyiitd hro>!# J^j^" do
-1 eofii flores de cores, sohresanindo nel-
0 prete com encarnado, e lodos mui proprios
para bal ras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadino, ou inedina, e oulras fazendas transparea-
tes. Pela eummodida !e dos pie os es-es bicos tor-
-e iii.ii comnuido.s e pela novidade de gosto,
prefervols a quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
., ja da agola branca, rua do Duque de Ca-
li. 50, receben bonitos veos ou mantinhas
pretas de teda cota flores, e outras a imitacao de
vende as pelos baratos precos de 3,
i 5 e y estado, peto qae contina a ler prompta exlrac-
Diademas e aderecos de raa-
5
dreperola.
A loja da Aguia branca rua do Duque de
Caxias n. SO, recebeu urna pequea porao de
diademas e aderemos de madreperola, obras de
aparado rosto.
Perfeita novidade.
('.rampas com borboleUs, bezouros e gafa-
nlintos dourados e coloridos.
A loja d;i aguia branca, rua do D- que de
Casias n 50, receben novos grampos com bor-
bole'as, bezouros e gafanhotos, o que de certo
perfeila .imvid de. A quantidade pepuena, e
. ir aso era breve se acabar'.
Novas gollinhasoruadascom
pelucia ou armiuho
A loja d'agaia branca rua Duque de Caxias
- S I, re ebeo urna pequea quantidade de boni-
se novas gollinhas, trabalho de l e seda, en-
ditadas cora arminho, obras estas de muito gosto
e inteinio ente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, rua do Duque de
Caxias n. 30, recebeu novamente bonilos gram-
lirincos e rozetas dourados ; assim como
- diadema de ac, e como sempre conti-
na a "ende-Ios por precos razoaveis.
Caixinhas com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca rua do Dn-
que de i nxias n. 50.
Luvas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, rua Duque de Ca-
n. 50, receben novo sortimeoto-de lavas de
pellica, pretas o de oulras cores.
ona mais cabellos
broncos.
TINTURARA JAPONEZA.
Se uiucaapprovada polas academias de
sciencias, reconneida superior a toda que
tena apparcido at boje. Deposito princi-
pal rua da Cadeia d .Recite, hoje Mr-
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e en
todas as boticas e casas do cabellei-
r^iro.
Vende-se 1 machina de-costura, 2 ricos qua-
dros sacros, mais i ditos mais pequeos : na rua
do Seito n. i. Na mesma casa aliga-se tres es-
crayos muito bons pa'ca servicod? campo e,criado,
e precisa-se de urna r ulher epaz que lavo bem
de varrella e sabao, e engomme com perfeifSo rou--
pa de hornrn e sehora.
0 empenho de'bem servir aos seus- freguozes e
ao publico em geral tem procurada i>rovere do
aue lia de meluor e da iiltiraa moda nos merca-
dos de Europa para expo-lo aqu venda", cer-
tos de que os seus arligos sero bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
nucir algnns d'eBtre elles, como sejam :
ALUCES, os mais ricos que tem vindo a este
mercado, com capas de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo c chagrn.
ADERECOS pretos e vollas proprias para luto ;
assim ciino, um hondo sortimento de
ditos de plaqu, obra fina e muito bem
acabada.
BOTOES para pttnios, o que so podo desojar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, marlim e, sso.
BOLCAS de velludo, seda, pallia e chagrn, o que
ha de mais moderno e 1 ndas.
BICOS de seda e de algodao, tanto branco como
preto, de variados desenhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola.
CAIX1M1AS para costura, muito ricas e de di-
versos fonu .tos, cun msica e sem
ella.
COQUES a iinilaeao, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto;
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
seRta u m grande e lindo sortimento
capaz de satisfacer os caprichos de
qualquer senlwra por mais exigeute
que soja.
IPORT-BOUQUET de madreperola, marfim e sso,
este um objecto indispensavel s se-
nhoras do bom tom, alim do aspirar
o aroma das llores sera o inconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
ren! as delicadas maos.
I'ENTES de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
l'ERFCMARIAS. E' sabido do publico quo l'ro
meca sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras de fino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Cou-
dray, Gosnes o Rimel, que incum-
bido da esculla, dos aromas mais bem
aceitos pela sociedade elegante da
Europa, o por tanto, acham-se r possibilidada de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
inensidade de arligos, afim de nao inas-
sar aos lei lores e se pede a benevo-
lencia dj res,)CLivel publico em di-
rigir-se rua do i abug n. i A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:.
FACHAS ricas e modernas de tuquim e gurguro
seia
VESTIMEXTOS. Ricos vetimentos para meninos,
por baratissimo preeo.
FLORES. A Predilecta pi'ima em consers'ar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bolea ainda que nao es-
^ teja bem repcela de-dinheiro.
FITAS. E j bem sabido do publico que s na
Predilecta que podeiri encontrar nm
grande sortimento de filas de setim,
tafet, velludo, linho e de algodao, por
commodo preco.
GRAMPOS de tartaruga, imitacao destes, pre-
tos e t'e cores, o que se pode desejar
de mais moderdo e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lacos e golinhas de bonitas cures, tam-
bera, tem um bom sortimento de gr-
valas e regatas para homem.
JARROS de porcelana e de vdro muito bonitos
para ornatos de sala.
Mci s de seda, de l e de algodao, pa-
ra seuhora, meninas e homem.
LEQUES. Ricos leques de madreperola, tartaruga,
marlim e de s*o, os mais modernos e
por barato preeo.
LUVAS de pellica, de seda e de algodao, para
homem e senhora.
LIVROS para missa, a Predilecta aprsente es-
colha do respeilavel publico um bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, sso,
velludo e chagrn, por presos mui
razoaveis."
Novidade.
A Predilecta, rua do Cabugi n. i A, acaba
de re :eber pelo ultimo paquete chegado da Eur
ropa, um bello sortimento de corpinhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantaza,
saias bordadas, dilas. com ntremelos para senho-
ras, bonitas calcinhas de diverso* tepadinhos
e transparentes para meninas, que tudo vende
por barato preeo.
I baratissimo
Basquinas e casaquinhos de seda ricamente en-
lejiados e em muito bom estado, para sonhoras e
meninas "a 7/tOi).
Pechinchas. -
Chapelinas e chapaos d; palha, velluda e seda
Sara-sen horas e meninas por precos baratissimo
Q U, 3/ e 4.
Ainda pechincha.
Baldee era perfoito estade para senaoras me-
ninas a Iuo.
Para acabar.
Riquissiraos cintos com lagos e seca elle e de,
gostos muito chiques a 400 e 5^0 a.
ntremelos e babadinhos a 400 e S0&rs. i peca.
Saias de l para seabora, Ht.
;has s se oncontram na loja do.
Passo, roa !. de Maco n. 7 A, antgli tto Crespo. 1
NOVA LOJfi DE JOIAS
N". 2 ARua (o CabugN. 2 A
DE
. BARRAS it I II.lio
Achaildo-s cdmjleMmente reformado este estabelecimento, e
tendVrus'sew prtjpnetarios feiO urna' importauto acqaisivao de
jolas ai rriars* modernas vlridis tb mercado, e de qhalidaues superio-
res, convidaM aO rspeitvel ptffjfico a fafeer urrra visita aO'ea es-
labelociinetc, alim de pieear e comprar urna joia de gosto por
pesgo rrfzoavet.
NACIONAL
Rua da Inperatriz n. 72
DE
LoureucoPereir Hiendes Guimares
CA9EfRA PKETA A 25W OCORT. I COT.XAS K FlfS*FO.iW^<0.
Vnde-se cortes de casemira prcta para ci- Vende-se cobas de fustao; >i; cures,
(jas de homem a 2JJ500, 453500, 55? e 65500, 253500 cada urna.
PANNO l'ttTO FNO A 3SS00'.
Vende-se panno entestado proprio pa
calcas e palitts a m*9, 4?? e 5JJ000
covado.
ALPAA FRETA A 500'R8.
Vende-se alpaca preta fino a 500 e G40 H
o covado.
COilT-kS-DE BR1M A 15T500.
Vende-se cortes de bram para calcas d
homem a 15?5"00 e 255000.
CHITAS BARATAS-A 240 RS.
COBERTORES DE-PEI.I.OS A l?200.
Vende-se cobertores de pellos e papados
a 1*200 e 19400.
SAIAS BRANCAS' A 2?000.
Vende-se saias brancas e de cores a 2?000
e 2??500.
TOAI.1IASA800RS.
Vcnde-su toalhas felpadas proprias pare
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAGENS A 3^000.
Vende-se bolsas para viagens a 39, 39500
DA RUA DIREITA
HOJE
MARCILIO DAS N. 51
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico o mais completo sortiai
de miudezas, chapeos, espado francez artigos de luso ; e recebendo quasi todos o tm
arfigos de propria encornmenda de Europ, acba-se as condiooes d retalbar mais barato
do que qualquer outro, e quem duvdar veja :
Ricos transparentes para janellas, a
1C5000.
Diademas dourados de 1#300, a 25)500.
Ditos de tartaruga, a 39.
Ditos 'd bufolo, a 500 rs. c 19500.
Gravitas de seda para senhora, a 19300.
Parures de soda muito linos com 2 lVos,
de 39a 55).
Fivelas de madreperola, a 19.
Vestuarios para bapsados, ricamente en-
festados, a 2o#.
Cachos do flores muito fiids, contendo G
ramos, por 3?>.
Caixinhas com perfumaras, muito pro-
prias para mimos, do 4-?500 a 69.
Ricos vasos de p ircellana com fina ba-
nba, de 15? a 5>.
Boioes com dita dita, a 300 rs.
Latas grandes com dita, a 200 rs.
Voltas de vellido para pesclo, com cora-
rles de madreperola, a 500 rs.
I.inha de carritel de 200 jardas, a 800 rs.
a duzia, cxcellente para machina.
Dita de dito de cores, do 100 dita, a 320
rs. a duzia.
Dita de dito branca, de 60 dita, a 280 rs.
Entremeios o babadinhos bordados, de
400 rs. a 29500 a per^a.
Galoes de seda de 19200 a 29000 a
pecji.
Ditos de algodao de 100 a 200 rs. a
pera.
Trongas brancas
pega.
Caixinhas com
de caracol a 40 rs. a
papis de agulhas fran-
Vende-se chitas francezas largas, pare 49000.
vestido a 240, 2S01, 320 3G0 rs. o covado LENCOS RUANCOS A 29000 A DUZIA.
CUITAS PARA COSERA A 280 RS. Vende-se lencos blancos a 29000 a du-
Vende-se chita linas para cobertas a 28izia.
rs. o covado. GROSDENAPLES PRETO A 19800
MUSSELINA DE CORES A 400 RS. Vende-se grosdenaples preto para vestidos,
Vende-se musselina finas, de cores para 19800, 29, 29500, 39, 49000 e 59000 o
vestidos a 400 rs. o covado. covado.
FSTAO BRANCO A 320 RS. MADAPOLAO PIRO A 49000.
Vende-se fusto branco para vestidos Vende-se pegas de madapolo, a 49000,
320 rs. o covado. 49500, 59, G9, 79000 e 89000.
CASSAS FRANCEZAS FINAS A 360 RS ALGODAO A 49000.
Vende-se cassa6 de cores muito finas a 3G( Vende-se pegas de algodao bom a 49,
e 400 rs. o covado. 9500, 59, e 69000.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS. ALGODAO ENFESTADO A 900 RS.
Vende-se cambraia bautista para vestidos Vende-se algodao enfestado a 900 rs. o
de senhora a 400 rs. o covado. notro.
cefts por 240 rs
Ricas cestinhas para o brago, muito bem
enfeitadas, de 29 a 39.
Ricas golinhas com manguitos, para se-
nhoras, a 49.
Camizinhas para senhoras, ricamente en-
feitadas, a 49300:
Casaquinhos de la paro ditas, muito bo-
nitinhos, a 79500.
Collarinhos bordados para ditas de 500 rs.
a 19.
Espartilhos muito finos, a 49 e 5:5.
Gravatas para homem, pretas e de cores,
a 2i0, 400, 500 rs. e 29300.
L para bordar, a 59500 a libra com-
pleta.
Fiuissimos leques de marfim, a 89.
Ditos dito de dito, a 59.
Leques de sndalo, a 59. -
Dit s de madeira imitando, a 2-9.
Ditos de papel, a 1-9800.
Escovas fina* para dente, a 400 rs.
Ditas mais tttiriores, attti rs.
Caitas de mett mto rHbssMI pfede
arroz, a 19.
Abajadores finos com lagos, a 19500.
Ditos ditos, a 29500.
Hitos dit*s sem lagos, a 19400.
Ricos espdhos de diversos tamanhos, con
moldura dourada, modelo oral, de 19 a
129.
Ditos dito com moldura cnTernsados, a
29300.
Ditos dito com columnas de Jacaranda, de
29500 a 39.
Bengalas, a !#.
Collarinhos de papel a 400 rs., a du-
zia.
Chapesinhos de palha para senhoras, a
G9000.
Ditos de dita para meninas, 29800.
Ditos de dita para crianga, a IfMO.
Ricos chapeos de palha escura para se-
nhora, a 169000.
Ditos ditos Jo Italia para ditas, a 119.
Gorros de yetad*) para meninos, a
9000.
Chapos de palira mgleza para hemens.
a 89.
Ditos de follro finos para ditos, de 39 a
49500.
Ditos de sol de merm, muito lindos, com
cabo de metal, a 69.
Ditos de soda com cabos c pegadores de
marfim, a 169
Meias chapelinas para senhora a SJ9.
Duzia de camisas de cretono de cofW fi-
xas, para homens, a 339.
Botinas francesas para senhoras, a iUff.
Ditas ditas Unas ciiftitadas, de cano alto.
a 69 e 79.
Sapatos Charlot com salto o sem salto
para homens c senhora, de 39 a 39800.
Sapatos do Porto, de tranca, a 19900.
Sapatos do tapete, a 19400.
Focos para meninos, de 29 a 2-?500.
Alfinctes c brincos de podra era vados, a
19300.
Ditos ditos de perola c lilagraa, a
29000.
Passopartouts para n-lratos, a 300 r.
Agulhas de crochet com cabos de mar-
fim, a 800 rs. a caixa.
Granadino com listras de s-da, faaeada
para vestidos, a TOO o covado.
Correntes de plaqut para relogios, de 29
a 39000.
E muitos outros artigos que s a vista do comprador poder cortilicar-sc da modi-
cidade dos pregos, per quanto vende O BAZAR DA RUA DIREITA N. 51.
L. -
Tula .'

56 aRua do Mrquez k Olinda 56 a
(oulr'ora rua 5ajndciii)
LOJA DE HllCHINAS
fornj
-ido como principal e recommen-
que sempro prima em ter das
jganiento ; tornam-so dignas de
quaes, alm disto, encontrarao
Sendo este antigo estabelecimento assaz coi
dado pelos grandes depsitos e bons sortimenlos
melhores, mais acreditadas e verdadeiras machii americanas paa-a algo-
dflo, desde 10 .60 serras, e havendo em todi s tamanhos diversidades de siste-
mas e molhorarneutos para perfeito e rpido dos
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores;
tambem mais :
Apurados vapores locomoveis, de forga
i 21/ e 3Vi cavallos com todos peit#H(.as
precisos para trabalharem 4 machinas para
algodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para- varzea e ladei-
ra.
Carros de mo para atierros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos do ferro estanhado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos do madoira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guards-coraidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
de bandeijas finas.
kOrp os para arrastar madeira.
<) litros americanos para padarias.
'orinas avulsos para machinas.
'U refinado,
reusuperior.
'oiTnos de diversos fabricantes para mi-
lUe /af.
etulhadorcs para milho.
oite do sperasfleete para machinas. -
mas de ferro,
pmbas de Japy.
tas americanas,
fres de ferro patentfl
nnos do ferro esmaltado,
tos de dito estanhado.
tos do chumbo*
os de borracha,
lies para ferreiros.
.~-------, vt.VVMi i un vil i
P'le f-bter ea podco lempo com o uso do melhrr dos licoresi afinada
HESPEBDJ1NA
Pazloilo aDOOS que conherido este precioso inico, e diffic tetar nma pawo.
qoe, tendo experimentado passoalmeote, nao falle era seu avor, ja-com bon: salofasca
e apetiaadur, limando om caiix dela atea de jn.lir, en coran faci':ta>'or di tiati\U
tomado-se dopois.
Amon
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ha um s habilite do BRASIL (i terr
espacial das laranjaa) que u5c cotLe>;a as propriedades medicinits da rlooradi fracu.
ora bem, a
Trens para cozinha.
Emfim muitos outros artigos, que s au e neste estabelecimento polerao
examinados
Samuel Power Johas-
ton & C.
Rua do Apollo n. 38 e 40
Faxom scienl8*aos aeus fregnezes que leem
mudado o seu deposito de rncbinas a va-
por, mofpds e laxas da muito acreditada
fabrica de kowMour par rua do Apollo p.
38 e 40, one eontiouain a ter o msstno sor-
timento do coturae.
Farem sciente tnbem qr.e team (sito um
irrrojo com a fundilo geraj, pelo vjue pa-
dem offerecer-ji pr a.ssentar qualquer
maebiDmo e ujesmo garant lo.
em seo estado oatoral tem om gosto pouco agradavel, e o mrito da Ileaperidica coa-
sista em reter suas boas propriedades, e ao mesmo lempo a prsenla-la cooio
EXaUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL Dio lem nada qoe invejar sa
melbores importaces europeas de catheg^ria scmelhanle. Etas, qoaodo nenito, poda
ser gustosas, porm a Hesperidina a combinagao perfeita do
p AGRADAVEL E SADTEL
Para prova de que om artigo no qual pde-se ter inteira corfiaoga, por sar pon
e lnocente, basta dizer-se que loi plenamente approvada e autori.'ada pela
JUmDEHYGOE
do Rio de Janeiro, permitlindo sua Irvre eiaboraglo co imperio; ooiri
BOA P&tttVA
a acceitag3o geral que tem em tr das as partes onde apieseotada. Eso 1M4 ertabs-
leceo-se a primeira fabrica em Buetos-Arres; em 1869 a segooda em Moolasidao; s
no da da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaugnrou-se a fabrica qca KtualBaHa
Irabalha na cOrle. Em Valparaizo e e^i toda a costa do Pscifico lem boa acceircto,
tanto qoe rara a casa que considera completo seo aparador sem orna garrafa da
DINA
0 bomem velho toma Hesperidina para obter
0h VIGOR
O homem doente toma Hespendioa para obter
SACBE
O homem dbil toma Hesperidija para obter
is e os mogos tomam a Hesperidini par
Obrar6tarios da fundico g*ral azeru
sc6j|os nhore8 de engeuho e mais
pessi^Sie tetra esta.belociJo urna hindi- S*f
cap ? fro e broura a rua do Brum, jau- ?j
lo f>i*0 doi bopds, ond apronrao
qual^itra di aocoflimeod co perei- fg
CU yTo rgaoa as peaaoai qaa sei-
ram nlilj se de seus servidos de doixa-
rem u mmendaa e:a oafia do Srs. Sa-
muel ^i Joba*l>B & C a ra do Apol-
lo n. 38 0, onda acbario passea iubiii.
tada ewa n aosam eutandar s.
AppirtJaa pwa fabricar assncar, do systepaa.
WESWW CNTREf(
nicos agentes em RaraaaMco a taodici ger
Para tratar em seu escritorio a rua do Apallo^i e 40.
Nos bailes as doozellas e os mogos tomam a ffsperidini para oblar boa c6t
nimago dorante os loncos gvros da
BARROS JNIOR d- C., rua do Vigario Tenorio a. T, aaaar, raee*ria su
grande especifico, e ven^m-no nos depsitos seguiotes I
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, roa do CosMBercio.
Marcelino Josa Gongalves da Ponle, roa da Cadaia a. 1.
Antonio Gomes Pires & ti, roa da Ctfeia.
Antonio Gomas Piras i G., esas 2 da Novembro.
Gomes & Irmlo hotel da Passagem.
Vende-se
pos de Barrenas du d versas qualidadcs, j em O Pavao
cesto* proprios para mudar-se, por preco comino- ores com a mais acucados paMes.
do, no sitio junto a cnliada do encanamento, em om pequeao loone de ayaria *
Parnameirim, e muito boa gomma de aiaruta em barato preco do dows vintens .
-lorcao e a retalho : na rua Duque de Caxias, an- eha : na 'loja do Pava, roa da
ga das Crures, n. -34.
Cassas avadadas a 240 re.
o oorado.
O Pavao wh^njMiaus cauaa fnoems 4a
Rival scoi segundo.
Vende-se urna _
gommadeira, lavadeira
enJx, ou fots da tena,
| Cheg. ram^lhaspara Biacbjnat do fabricante fipdjc.; a taa da *"
Jar.
; a! Taa



Diario de >e*anibueo Quarta feh-a 'TMfeMafe de ISfr3.
7
P
Soarcs'Lfte & Irmos, pedem as Exmas familias desla cidade, para virom sortir-se
lie un completo sorttmenio ae miudeza o perfumaras, por rregos baratissiraos, a
saber:
^aixa de lihi branca muito' boa cora 40
novelos, a Q0 rs.
dem idem de marca, a 200 rs.
Macp^lo fita chineza, a 900 rs.
Duzia de pecas de corno imperial, aj
280 rs.
Idom em oarritel deliuha branca, a 320
rs.
dem idom oarritel 200 jardas, a 19000.
Lamparinas gaz, dando urna luz muito
boa, a 19000.
Ahoioaduras para collete (sao baratas), a
200 rs.
Duzia de pe^as do trancas caracol branca,
a 400 rs.
dem idem lisas, a 200 rs.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ras.
dem idem de sarja idem idem.
Talheres cabe de viado. (imitago) a35000
duzia.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do, a 35600.
dem idem beira lisa, a 29500.
Grinaldas para casamento, a 29 e 59000.
Garrafa do tinta rosa extra-fina, a 19000.
Caixa de botos do osso para calca, a
200 rs.
Coques modernos, a 39500.
Maco de transa lisa de cores, a 240 rs.
Espelhos-toucadores, a 29000.
Resma de papel pautado o liso, a 29600,
29800, 39500, 49000 e G9000.
Caixa de papel amisade, a C00 rs.
dem idem idem beiradourada, a 800 rs.
Caita de envclopcs forrados, a 700 rs.
Luvasde pellica com pequeo toque, a
500 rs. e 19000.
Caixa de pennasPerry, a 800 rs.
dem dem, a 400 rs.
Caixa de envelopes trajados de preto, a
500 rs.
Leques-para senhoras, a 29000 e 49000
dem idem de osso, a 09000 e 89000.
Indisponga veis de eouro da Russia, a
109000.
vrospara notas, 320.
Redes nnfeitadas, a 19300.
Duzia do collarinhos bor Jados para ho-
mem, a 89000.
dem idem lisos, a (59000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19300
dem kananga do Japo, a 1&200.
dem divina, a 19000 e 19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco com tnico oriental a 19000.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a 19000.
dem idem antique muito b >m, a 400 rs.
Opiata muito boa, a 19, 19500 e 29000
o frasco.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
dem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Mago de sabonetes nglezes muito supe-
riores, a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa, a 29500
e 39600.
dem do sabonetes deanjinho transparen-
tes, a 29200.-
dem de sabonetes com flores, a 19300.
Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
mes do autor E. Cudray e Gellc Frres, pro-
priss para presentes.
Sabonetes Glycerino transparentes
Chapeos para senhoras e meninas.
19
OLLAS DE BORRACHA
Grande sortimento de bollas de borracha e calungas
tos objectos que se tornaria longo mencionar.
por baratissimo preoo, e mu-
28 Ra do llanto da Victoria 28
FUNDICAO DO BOWMAN
RA DO BRffl N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS eabores de eng^nho e ontros agricultores, e em prega do res de m
tonismo o favor de orna visita a sea esUb9leciment, para verera o novo gortimento
compet i que abi lena; seado ludo superior em quaiidade e ortidSo; o que com a ios
peceo pess >al pdese verificar. .
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQO
TTonnuaa a *rrl-ao 9a VpOrOa 8 rOLldS U d.gllc4 manbo3 convenientes para as diversas
cireuawiancias dos seabores proprietarioi e para descarocir algodo.
Moendas de caima %08UmaDbos, qoe aqDi
Rodas dentadas para aDimae8-8goa e vapor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques o fundos de alambiques.
fflachinismos
Bombas
par iniodioca e algodao.j
e para errar madeira.
Podendo todos
ser molidos a mao
*por ago, vpor,
de patente, garantidas........ loa tnimaes.
Todas as machinas e petas de qoe 8e cosluffia precisar'
Faz qualquer concert *6hi<*' a^ id-
Formas de ferro g^ *"*.*-*-** no ~*
VnAnmmAnilaa lncumbe-se de mandar vir qnalqusr roaennismo von-
JEH JlaieiltlclS. U(]e dos clientes, letnbrsndo-lbes i vantagem de fazerem
uas compras por intermedio de pessoa entendida, e que era qoalquer necessidade pode
ltibs prestar auxilie.
Arados americanos
Esmeralda
Acaba de chegar a este estabeocimento um importante sortimento de joias de
ouro, ,do melhor gosto e quaiidade que tem vindo neste genero, como cassoJetas de
nix com lettras de diamantes o pinturas linas, aderecos e meios adereces com podras fi
as, etc., etc.
Relogios de ouro, de differentes gostos e qualidades, para homens e senhoras, desde o
preso de 405000 at 3005000, sendo estes ltimos de machiismo niais aperfeiroado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata de 165000 e 407000.
RA DO CABUG W. 5
MOREIRA MIARTE & C.
COSTURA
im
SOASES LEIIE, IRMAOS
A'
Ra do Sarao da Viciara n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundol
Na exposiro de Pars, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
cao da Legio de Honra,.por soiem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. lluwe Junier, nos
Atados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na expsito de Londres acreditam
estas machinas.
GRANDES NAVIDADES
Em fazendas de goso
LOJA E
N. 60
A
DO PAVO
Ra da Iraperatriz N. 60
F,
PEREIRA DA SILVA k GUIMARES
Os prop neta ros deste importante estabelecimento, participam ao respettavd y
desta cidade e aos seus numerosos freguezes que acabam de recober pelos ltimos vapo-
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas c mais modernas fazendas de gosto
e muita phantasia para vestidos de senhoras c meninos, assim como tambem um granea
sortimento das melhores fazendas de lei, que se renden por preros muito em ront, 4
com o fin de apurar dinheiro.
As pessoas que negociam em pequea escala, neste eslabeleciinciito podero fazer
os seus sorti.iientos, porque se Ibes tender pelos preros que compram as rasaseatran-
geiras ; de todas as fazendas'se do amostras, dcixando pouhor, ou inandam-se levar n
casa das Exmas. familias polos caxeiros.
Este estabelecimento est constantemente oberto das 6 horas da manhi i* 9 da noolr.
Bl HNOIS A 169000.
O I'avSo recclwu pelu ultimo vapur V
Eunipa, humos dos mais lindos gost-
O Pavo recebeu um hrilhanto sortimento que at h'jjc sao conheridos e em :rlac,o 4
das mais lindas granadines preta com deli- Sua excessiva harateza, OMHMM im
cailas listrasde crts cprctas.quc vende pelo Kxmas. Sras. p ra verem o que ha de
barato preco de 13*500 o c vad. Ditas to- novidade neste artigo,
das de edre^ com lislras miudinhas em urna BRAMANTES TARA I.F.Nr.OFv
s edr a 19200 e 17000 o (-ovado. Hitas O PavJki ronde suporiur bramant-dea-
pretas com listras deseda roxasaSOOrs. I'i- godo, tendo 10 palmos de largura, fl
tas pretas com lislras brancas, azues e ver- precisa de 1 1/i vara para um Icnrol *
des a 640 rs. o c vado. Assrm como boni- IfGU o m. 1ro ou 17800 a vara.
tas barajes de seda para vestidos comas Ditodo, linho tino superior c fc
mais lindas cores a 17000. E' pecliincha, corpa na loja do Pavo. fgg,
POUI'EIdNAS A 17600 E 27000 0 COVADO. Hitos francezes muito
A 17300, 17200, 800 e6'd)rs.
A 90S000
e instromenlos gricolas.
RA DO BRM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
h rnmrn de Joaqiiim U\m Hachado y C
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
Vapores locomoveis de forea de 2 a 4 oavallos.
Correias para machinas.
folias de diversos tamanhos.
a Solas de lustro para guarda lama.
fontas de langa para Carro.
Chicotes para carro.
Galues largo o etreito para carro.
fregos cora cabeca de marfim, idem.
Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta cidade & ra do Baro da Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Pernambuco c mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas "pela perfeico de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesma quaiidade de linha que quaiqner outra,
e pela introduego dos mats aperfeigoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
oltcrecer ao exame publico as melhores mauhinas do mundo.
As vantagem destas machinas sao as seguntes:
Primeira.0 publico sabe que ellas sao duradoucas, paca isto prova aconteslavol, a
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mao.
Segunda.Conten o material preciso para reparaxqualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor fricgo entre as diversas pegas, e menos rpido estrago
do quenas outras.
Quarto.Eormam o ponto como se fra feto rao.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os (ios, o que se neo consegu
as outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessaado o fio de um outro lado,
e logo em seguida, sem modilicer-se a teusao da linha, cozem a fazenda mais
fina.
Stima.0 compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de muda
de agulha ao comecar nova costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de costura, tra tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudanzas radicaos parapodercm substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em. artes racchanGas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje nie attende a procura, posto que faca 600 machinas
por dia.
Cada machina acompanha livretos com iustrueges em portuguez.
Acades para lavrar a trra.
Carrinhos de-mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para fi
Fogoes de ferro.
Baldes'de ferro galvanisado.
Cimpas de ierro galvanisado para cobrir casa
Prges americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarocar algodfio.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balanzas, pesos e medidas.
IM GASA DE SHAW HAWKES & C.
RA DO BOM JESCS N. 4.
Seda pura a 1#500 o covado.
Seda de cores de muito lindos e differentes padrSes, gostos modero s, pek) baratis-
rao prego de 17500 o covado, vende na ra i. de margo (antiga do Crespo) n. 13, loja
das Columnas ce Antonio Correa de Vasconcellos.
Escravos.
1
Vende-se dous, sen di um mulato de 40
4e idade, apto patjualquer servir e rauito fiel,
urna escrava de Ti airaos dt idade, lava, engom-
nia, coziDha e boa quitaudeira : na ra do
Hospicio i). 81.
VENUE-SE
anos urna casa de taipa com uro terreno proprio com
60 palmos de frente e 4('0 de fundo, tem i fren-
tas, urna para o becco. io Epinheiro e outra para
a ra Nova : a tratar na ra larga do Rosario
n. 14, fabrica de cigarros.
A 90W00 A
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
Ra do Baro da Victoria n. 28.
Lindos vestidos a 5$ o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e de percalia com barra e de daus
saias, acompanhados dos competentes figulinos a 57 cada corte. Vendem na ra Pri-
meiro de Margo fntiga do Crespo) n. 13, loja das eplumnas de-Antonio Correa de Vas-
cellos,
E 4 TERRA
Pela primeira vez aqu ao*
uuiuucN da caf.
Caf de Java.
E' o caf moido nrelhcr que se pode desejar ; e
s se vende na confeitaria do Campos, ra do Im-
perador n. 24.
A respoito de aeepipes nao precisames mais
annunciar, pciis est no di minio de todos que a
confeitaria do Gajnpo 6 um verdadeiro centro do
que bom e grato ao paladar.
Panno de algodao da Baha
da fabrica Todos os San-
toe.
Teem para vender no escriptorio Joaquim Jos
Goncalves Beltrao & "
n. 5.
Cnri plico de pedagoga
-fiOR
Mr. DaMgault.
Destinado aos alumnos-mertres das escolas nor-
maes primarias, tradmido em portuf uez, t voL
era 8.a, pffec34tK>:J na JLvraria laixerial, roa
do Impwaaor u. o.
Novidade
Joaqwm .SinrScs dn Sastos tem .paca vendar
vinho.puro de uva branca, con especial paj*"*1"
o nico vmdo a este mercado, em Darris de "
10*, armazenado no ti-apicfie de Mchalo, a a ro-
talho a 800 rs. a parrara : no armazem conser-
Filho, ra do conjaiercio. vavo, largo do Terop n. 23.
Na ra Primeira de. Marco n. 8, esquina,
de-se panno de linho do Porto, toalhas de
VENDE-SE
rintho c bordadas, guarn
danapos de dtVersM taminl
eonwnodos.
Novidade.
ven- urna boa casa trrrea, Jaby- quartos, i salas, coAinha externa, cacimba, jran-
e guar-' de quintal, ptaniado e morado, sita na ra das
os; tudo por precos' Crioulas (Capnnga) : tratar na ra da;Florea-
i tina a. 14.
O l'avao recebeu um elegante sortimento
.das mais lindas poiipehnas de seda com os
mais lindos desenhos e mais bonitas cores,
que vende a 15J600 e 25000.
SEDAS DK COKLS A 25500 RS.
0 Pavo recebeu um bonito sorlimonto
das mais lindas sedinhas do urna so cor com
detica 25500 o c vado. Ditas com listrinhas, mui-
to boa fazenda a 25000. K' pecbincba, na
na loja do Pavo.
CAMBRAIS ABERTAS A 95 E 105000
O Pavo receben um elegante sortimento
das mais finas cambraias brancas abertas,
bordadas para vestido, que vende pelo barato
pre^o de 95 e 105000 o corte, leudo fa/.enda
bastante para vestidi. E' pecbincba, na loja
do'Pavao ra da Imperatriz n. 60.
LAZLSI1AS B0R1UDASA 400 RS.
OCOVADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lzinhas transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
iclusivcl rocha propria p^ara viuva, e ven-
de pelo baratissimo prejo de 400 rs. o co-
vado. E' pechincba, na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS.
O Pavo vende um bonito sortimento de
lSzinhas listradas sendo das mais modernas
que tem viudo ao mercado, pelo baratissimo
preso de 560 e 600 o rs. o covado. E' pc-
chincha, na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS LAVRADASA 040RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cores sonrio as cores mais modernas que
tem viudo para vestidos, e vende-se pelo ba-
ratissimo preso de 610 rs. o covado. E'
pecliincha, oa loja doTavao.
CASSAS FRANCEZAS A 600 E 640 RS. 0
METRO.
O Pavo recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran czas, de cor,
com os mais bonitos desenb s midos e
grados, -tendo padroes escaros e outros que
.servempara luto, e vende a 600 c 640 rs.
o metro ou 360 c 400 rs. o covado.
LZINHAS MODERNAS COM LISTRA DE
SEDA A 640 rs. c 15200.
O Tavo recebeu um ciegan!^ sorlimonto
de las com lislras de seda ss'enada, sendo
as mais modernas que tem vindo ao merca-
do e com as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos presos de 640 rs e 15200.
Assim como outras muito bonitas com listras
sem ser de seda, que vende a 500,640 o 800
rs., todas estas las sao modernsimas. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Chitas a *40, 80,3Oe 3SO rs.
0 Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas, que vcnle pelos bara-
tos pres s de 240 c 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, com novos
padroes a 320 e 360 rs. o covado.
Ditas muit > finas padroes claros em teci-
dos de percales, com barra de cor ao lado e
sem ella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas com tecido de cretone, fazen-
da muito superior a 30 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de (res, miudinhas, proprias para
roupa de criabas a 360 rs. o covado. E'
pechincba, na loja do Pavo.
Baptistas a &OO rs. o cavado.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas de cores com
padroes miudinhos e grados sendo proprios
para vestidos e roupa de criansa, pelo bara-
tissimo preso de 500 rs. o corado, affiansan-
do ser grande pechincha !
Cortes de cambraia. ultima -
\ idade. a J $>
O Pavo recebeu vpelo ultimo vapor de
Europa, cortes de cambraia branca cora ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
suficiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sSo os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva ba-
rateza tornam-se recommendaveis s senho-
ras de bom gosto.
Ditos com babados de cor, tendo 20 me-
tros de bahad s a 95000. E* grande pe-
chincha, no Bazar do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
CORTES DE CAMBRAIA .BORDADOS.
O Pavo recebeu os mais ricos corles de
cambraia branca bordados para vestido, que
vende pelo barato preso de85 e 303000.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA.
O Pavo recebeu ra lindo corte *e cam-
buta ranea com listras assetinadass que
vende pelo batato preso de 6JO80.
Ditos c mi lialras de edres, tendo 8 was a
45 e 5JP000. E' pechincha.
ESPARTILHOS.
O Pavo recebeu um grande sortimento
de espartilbos tanto para senhora como para
menina, que vende pelo barato prego de
35000.
Ditos muito finos a 45 UUkOQO. Sao dos
mais. moderaos que tem^indo
cado.
tinos a 25500 -
35000.
Peras de Hamburgo e panno de linho,
do c m 20 e 30 varas ra lodos os pr
0 quididades.
litas de bretanha de puro linho, tii I
jarda*, pelos preros mais bar.-itus que asvawi
visto.
Perbincbas de tiitissimo esgui > ou le/ia
com (i jar.las a 75000.
Posas de liniima silesia com 30 jar
a 355000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos -
largura a 25000 a vara.
Calens de easemira.
0 Pavo tem um grande surtiiuont.
calsas de casemira, assim como c^rtr;
mais modernos que tem vindo nos ulti .
figurines e em fazenda, dos mais linos
mais novos que tom vindo ao MM
vande-se por barato preso para apurar u\
nheiro, assim romo calsas de brim branre
de cores, por presos muito razoavrs.
LENCOS ABAINIIAOS A 1M0 I 2500.
O Pavo vendo duzias de lencas brain
abainhados, sendo fazenda muito boa, f
barato prego do 25000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, com Mi
cor a 15800.
Dit s grandes, fazenda muito fiua, *:iv'
todos brancos I 35000,
Dito do cambraia branca, sendo em \>
a 35600
MEIAS CRIAS A 45 E 55000 A IH.ZI4.
0 Pavo vendo duzias rio m-ias rnias.
glozas polo barato preco de 45000 o 5501
Assim como ditas muito linas e muito o
corpadosa C5000, 7;O00,85000 o 1 T<0'.
e um gran !< sortimento de inri.is uigh-za*
francezas, para sonlioras, qu so vt nd<- p
preso muito commodo.
MADAPOI-AO HIANCEZ a 6WOO 1. 7--ix:-
0 Pavo vende peras de ma.bpolao ira:
coz, q'io sempr^s*! vendeu por mnito ni?
dinlioiro e liquida-se polo baratissimo \>n
05000 e 75000, por ter feito urna gr, , compra. E' pechincha.
%lxdlziaho m 4,8C.
O Pavo "vendo pesas de algo-lozialc .
muito boa azeixla, pelo barato pnro4
45 e 55000.
Dito largo muito encornado, proprio P3"'
toalhas e lenc,es a 65000 e 7^000.
CAMBRAIAS.
O Pavio vende cortos do nMBaol irai -
prente propria para vestidos a STSOf -
35000.
Pecas de dita muito fina, com 10 jarda,
tapada como -transparente a 45, 55 c i-5t*
at a mais lina que vem o mercad
PANNOS DE CROCHET PARA CADI IB 4
O Pavo lea um grande sortinwnt.
pannos de crochet proprios para cad**ira .
bataneo, para ditas do guambio c ftm t
f, que se vendem muito em ronta.
COLXAS DE CROCHET A 69 E 85000.
O Paveo vende eolias de crochet prop:
para cama de casal, pelo barat
de 65 e 85000. *
Ditas de fustn amhoadas, senrlo lit-
ros e brancas, pt- ato p"1? de *OOfi'.
E grande sortimeu. de ditas de dama
cretone e do chita, que venile por pi
muilo razoaveis.
CORTES DE P1J1CALLES 08 WAS Ml*
a45000. ^v^
O Pavo vende bonitos cortes do piMt *
com duas saias, sendo fazenda de n,
to a 49000. E' pechincha M toja do fa
vo ra da Imperatrii n. 60.
BOTIN.IS PARA SENHORA, A 55M.
Na loja do Pavio i ra da Imporatiiz n. 60.
Pereira da Silva d Guiaoares recoUrar
pelo ultimo vapor de Europa m clogaoi"
sortimento de bolinas pretas e com d.hcadr
enfeit* de cor, proprias para senhora, garsr.
tindo-se serem das mais modernas q-n I a
no mercado, assim como a boa quaaidaaV.
por terem sido remettidas por um dos
Ihores fabricantes de Pars, a unto te peV,
barato preso de 69, na loja do Pavio.
SAIAS BORDADAS A 59, W e 85000.
0 Pavo vende satas riramnnte bordada
presos do 59, ? WOM-
Ditas de um panno s a coan anorta rodo*
guarnecida de orogac, aolos baratos fny .
do 25000 e S5S00.
Bitas.com guamsio de pegas e borla
dos a 39500.
tmtemtmm m U
ao mer-
0 Pavio vende atajodao
udo e muito encofpado, a*Of rio para toa-
Iba e lensas, nelo barato prajo de
vara.
Dit> raneef sendo troncado e nno f-n-
corpado, pelo baratwsimo preeo
metro.
Caseaairao
0 Pavio vende cortas de cas
za, sendo azaoda omito sooerior qwx jwov
pre se vendeu por mais dinhe P-
dam-soa 79000 o corto.
Ditosa6KM).
-
un
\
Y
\


8
Diario de Pernambuco Quarta feira 7 de Maio de 1873.
*-----------------------------------------:-----
Safa Peas muito I
Depois desee outra vez pela escala baixo,
cabeaqui, cabe all; e chegado ra,
quando se abaisi era um dos tombos, v
o jannta de ccoras. ,
J tu te levantaste ? reinadio I
Pois agora, arranjt-te.
Engaara-se com m cortinas e tinha-o
deitado da huella abaixu.
Sao fostivia' taes bjmbalhotas, e at se
diz que faiem bem ao corpo. A procura
deltas se nchem os armazens, -e bem Ibes
importa agora que ao lado, porta com porta,
saltem as rol lias de cor veja fermentada ou
gole nos ropos o boek da pipa. Os ingle-
zes fizeram-uos presento dessa moeda, c
bebem-n s o violto quan lo c vein. O pi-
terciro nacional ri se dissoe vai amando o
novo ; brioso, patriota, quer-se com o
sumo)') da uva, e deixa a cevada.. para*
quom gostar.
Julio Cesar Machado.
YARIEMDE
! I '

Carina de um caipira.
CUITA XLYIl.
fCoixhuao).
Oue dr>yt (la ntrala da dca das
marrabas, mesmo no principio da rampa,
esteja una podra deslomada ha m;|is de seis
mezes, dando tero|> i .1 qn las vo a
pouco e pouco 4>nsunnMndo suf obra do
destruica) I
Que o largo de S.'- Prariclseo contino
prvalo.do pequeo jardim con que se
pretenda aformosua-Iu, logo que so erigisse
a estatua do-'Jos 15juit >. E n'iu s.'i
porque (ser tolice; mas pens assim; urna
estatua sem sea competente aformoseamento
em redor nao est complota, falta lhe al-
guma cousa.
Paiece-me, em summa, um h mem
omito calila, de casaca, collote bordado,
gravata branca, luva cor dn palh i c cheo
'.lebabados e brlluntes, mas... em fraldas
de camisa.
Falta-lbo alguma cousa, repito. Nao
achas?
Por lioj5 baste. At quint i-fira.
Teu do corago
1'klippk.
P. S.A illustrissima cmara municipal
da corte chamou propostes, para o caichi-
mente geral da cid ido. At aqu nao me-
rece seno elogios. Mas obrigou cada um
dos proponentes a entrar logo para os co-
fres muoicipses com unta quanla avultaJa,
comb llanca 1 o como lia um mea nao" so
rene 1.11,1 aceitar qualquer dolas, esto os
proponerles no desembolgo do diubeiro...
e a ver navios embanderados.
Quem i>s iiiilemnisar dos prejuizos que
esto soffren lo com esse empate de capital ?
S se for o Bacta.
Segundo poSl-scriptam.E ento? Nao
me in esqueceudo de transcrever a tal im-
portante communicago anonyma com que
fui obsequiado? Por mais que parafuze,
nao posso saber quem seja seu actor.
Alii vai :
Sr. tlaibira.
Bolo gapar-se de ser muito vend 11 roso.
-A brucibio quiz combrar um refoler de
quaJro diros bara tar-lbe capo da bello.
Mas c 111 a quesdo masnica mutei d'obi-
niao. Quero ser seucombanhejrod'annas.
Se os ba Ires esdicarem mais a corta ella
repente e endo ai dos Pispos do Rio, de
Bernampueb, da Pabia e do Bar. E l
mesmo em Roma o Baba tampem sapera
quem dom garrofas fasias para fondor.
Sacrament! Eu hoite tar bancada de
criar pixo quanlo soar a trompeta de ox-
derminio d 'S ebezuitas. .1 la fie et d la
mor, luorpleut seremos sembr unitos.
Ko tia da Batera peperomos ebuntos mui-
tos cobos de finlio do Borlo e de Cham-
bagne. Urrah I
Teu amigo do beito
X.
Quem ser;i este meu amigo, santo Deus ?
Quom ser ?
Outra voz.
Teu do corago
Felippk.
( Do Jornal do Commercio do Rio. )
jo cambaleia com modestia, encostando-es
I portas, descangaud) as esquinas, por va
daregra um delicado, vm jtrudente, unta
petsoa futa. A aun boca nao se abre sonto
para beber. Nunca urna mpfjlafra, nun-
ca um berro ou urna injuria. .Enxugar e
absorver, nada mais. Tnsitha^ora que le
conta. Nao entorna.
H1 l um desses, por o maior dos acasa
quefcm o roxo ro nutico de mais, e vai
diroitinlo (la pipa pira o Tejo atirar com-
sigo ao mar : esse sob pena do nao sor pro-
priamonte filio, escolhe sempre a occasio
para urna phantasia dessas, de forma que a
soutinolla ou um polica o vejam para o
arrancarem dos bracos hmidos da morte ;
bem bu mido j elle eslava I
No Portugal vincola reinara a esta hora
na flor da infancia o rei Torres, o re Ter-
mo e o rei Cartaxo. Nao ha revoltas que
os assustem, nem republicanos que Ibes
mellara medo. Remlem-lhes os 'sous vas-
salios um preito sem conta nem medida...
Nao diremos que sejam mona re lias genero-
sos nem inaguanimos ; porcm, pacficos,
pouco espirituosos, o aguados na nroporgo
suicieute para, nao seren ty ramios.
Esto como se quer I
Nao sao para rasgos faustosos, nem para
emprezas brabantes. NSo querem chistes
franceza, nem Cn'embourgs ; as proprias
charadas que por abi andera outra vez em
1110 la, nao Ibes servem. Sao -discretos e
portuguezoes. Tem corpo e cor o mais
preto o muhor ; em sendo como tinta de
escrever est rico. Dispensam boadoirs o
festina ; intimidaos, apouen-es, acauha-os
o brilho ilas luzes o dos crystaes; os speeclis
polticos o ceremoniosos seriara capazos...
deosfazer vollar. Querem urna azeilona,
ou urna caslanha assada para sor felizes I
lladuvida sobre a preexcellencia d taes
ASSEMBLA GEUL
soberanos. N'um.destoS ltimos dias, por
occasio do urna provasita, iam-se azedan Jo
nao os viubos... mas os provadoros.
Macario advogava pelo Torres'.
Elesbo pelo Cartaxo.
O Cartaxo carrogado...
Carregado est quom o diz I Se o Tor-
res palheto, porque tem agua.
Voc6 nao diga aleivosia I
Digo-llie o que Eu sou muito li-
quido nas inhibs cousas !
la a centenda por diante, quan lo o ta-
vernoiro disse aos dous campeos :
picamos mal, se nao me fizorem ago-
ra a razo ao Termo.
E mandou vir seis litros que se despoja-
rain logo como tcstemunho de considera-
co i>or to digno expediento de apparecer
um viuho neutro, que metteu o nome ao
acaso e pz termo questo.
Beberam, abracaranvse, e foi extrema
sua alegra. Lcttitece Bachus dator, diz
Virgilio.
A propria melancola quo vem do novo,
suave e terna, ideal. Vem ludo em es-
trollinbas, azul, dourado, vo a t a como
o de S de Miranda.
/ O viuho novo.
Por ello largars pai e mai I
Nao ha leguas que nao se andom, em cor-
rendo fama de alguma pingarolla de lei,
para ir pro va-la I
Passam-se pinhaes, rochedos, precipicios,
vai-se chova, por cima de lameiros, agora
om elevacoes e pmcaros, se Rabicha, 011
aos Terramotos, cortando como a aguia os
esplendores do espaco luz do grande ar-
dite do da, dos fachcfs paludos da nouto,
ou da idea do novo apenas, quo brilba mais
quo as estrollas e quo o sol I.ogo, pelas
ras sojas, pelos beccos da cidade, pela
porta de oseada, para os cnve.rgonhados,
roQando-se pelos muros, cozeudo-se com as
paredes, rastejando-se como a toupcira pe-
las trovas, pelas tocas...
Tudo polo noro !
Para beber, reinar, patuscar de bico e de
raaos, pairar, caliir. Alegra e facundia I
A festa das festas I 0 respirar da grandeza
pandega I
Viva o novo !
A familia da locanda d o exemplo da
actividade. Por todo os lados por onde
possa ospalhar-se a vista, ou seja no arma-
zem, ouno quintal, nao se v agora seno
o palrao, o filho do patro, a mulher do
patrio, cuidadosos, diligentes, a, appareco-
rem o a desapparocorem, em boa ordem
com'os decilitros requeridos, depondo-os no
lugar determinado, voltando logo costas para
virem llalli a um instante mais.depressa.
Os froguraes nao sao menos iufatigaveis.
(ns como tigre^ esfaimados, devoram o
potisco que acon\ganha o copo, do aos
quoixos, como pail 3ulir o mundo, e
remecbem-se todos cV .0 so nunca houvesse
sentido melhor pressar entro os denles terri-
ftto...
Que alegra-sincera a da trincadeira\
m Comer, beber : ludo neste mundo est
iu?s'. Os pobres tem asco aos ricos por-
que os ricos comem e bebem : os ricos nao
se do com os pobres, querem comer e be-
ber. E' agora, pelo tompo de vinho novo,
que se percebe bem este caso !
Alguns bebem de p, $em pelisco. Sobre
c po, copo. Julgamrso firmes sempre ; o
que carabaleia o chao. Sorriem-se com
desdein, como pode ter sorrido Galileu
quando lbe negassem o movimento da trra.
Um extravagante que levara a vida em
prazeres facis, sem se demorar nunca mais
de vinte e quatro horas com a mesma flor,
como dizern os poetas, resolveu-se de urna
vez a casar. Apresentaram-o a urna familia
burgueza, boa gente, e a monina da casa
gost u delle. Casa raro. No dia inmedia-
to s nupcias, o noivo quo nto se lembrava
j da ceremonia da vespera, vestio-se, poz
o chapeo na cabeca, acendeu um charuto,
e disse com um beijo noiva, sem se lem-
brar que era sua mulhen :
Adeus, meu amor I Ento agora at
quando ?
E' o habito. Coma pingado mesmo.
Os quo costumam queixar-se que o vinho
tem agurdente, queixam-se agora tamberrf
bohemio o ao tirar da borra ; ao sexto de-
cilitro j nao se lembraih que do novo e
dizem ao da tasca: '
Elle est picadinho 1 Est bom, mas
tora sua opinio.'de agurdente !
0 cavaco, a pill.era, sao regalos desta
quadra. Diz UilUj mxima Jo Ecesiastico :
Ha alguns que se callam e sao tidos por sa-
bios, o outros que se tornara odiosos pela
intemperanga nas paltfvras. Em tdo as-
.....quo embique e caa
Fallando por cssa praia
Da6 riquezas de Cambaya...
Perdidos no Roci,' vo dous, de braco
dado, conversando poticamente, procurar
um banco e sentar se a ver a nouto :
Uuo elle, diz um, digam l o que
disserem, ello ha co I
Ests capacitado que ha ?
Estou.
Basta.
At j o vi I
Quo rae dizes I
N'uma nouto clara, assim como esta,
nouto de la cheia, vi as raizes do arvoredo
que ha no paraizo, como te estou vendo a
ti ; e por um nortesito secco ouvi cantar os
anjos I
O chiste de maior parte das vozes, o seu
forte. L'm que mal poJe suster-se, encon-
tra o compadre :
O' compadre como vai essa bisar-
ra T
Menos mal.
E toda a respousabilidade t
Vai-se passando. Isso pelo que vejo
est sem novidado t" Olho nao caia...
Sempro bem. Nao lbe d cuidado.
Eu csou como o governo ; custa-lhe s
vozes a ter equilibrio, mas depois l vai I
Somos os dous.
Dizem as tradi^oes quo nao ha mez como
este do abrir dos tenis, para cimento da
amizade e dos bons alTectos, e que, sob pona
de ser borrachao immundo deve cada qual
considerar que so Dous o d para paz ge-
ral o nao para desorden?, e na inteuco de
que os solteirosseanimom e se cnamorem,
e de que, os casados vao para casa deitar-se
com a esposa o dormir contentos.
Vai tudo da conta o da medida das cou-
sas. Dizia um patusco celebro que nao
havia nascido para viver, mas para beber ;
ir um pouco longe : nem querer-lhe com
excesso, nem passar som elle. A autigui-
dade concedia-lhe um dia de festa no mez
de ag'isto", a a libaco do vinho novo era
em honra de Jpiter e de Venus I Scrates
nao se offendia de ver alguem com um grao
ca aza e Sneca com o prohibir-nos quo
censuremos as piteiras de Cato, quasi que
quiz fazodas passar por prendas.
Perantc o novo todos sao iguaes. Nem
ha idades, nem gerarchias. Ha at idalgos
queacompanham... sem ser ao piano. A
um tal lhe succedeu urna passagem, como
diz o povo, senbores, que riso I Eslava
a.um canto dobalcao, bebericando, do ca-
vaco com um piterero subalterno, o que
as castanheiras chamam de baiita esphera.
Travaram all urna amizade eterna. Esto
estava mais leve que o outro, e quiz por
forga acompanha-lho casa.
Ninguem leva hoje vosSelencia, seno
eu I
Que quer dizer Lsso ?
Qu ninguem hoje ha de acompanha-
lo, seno a minha pessaa I
Aonde T
Para casa. *
Para fazer o que ?
Para dormir.
Ah I Para dormir. Isso sim. E\
bom. Ento vamos por ah fra I
Vamos embora I
Pem-se a caminho. Tombo c, tombo
l. Urna danga primeiro que chegassem
habitaco do cavalbeiro, e que subissem e
entrassem, levando-o elle cm bracos. Casa
magnifica.
Viva o-luxo I diz o dcbaixa eupliera.
Quaiito pagas aqui de renda, 6 tu?
Soi c d'isso !
i.
yuo,
SENADO
DISCURSO PRONUNCIADO NA SESSAO DE li D
A MI II. PEI.O SK. SENADOR JACINTHO PAES
DE MKMIOM.'.A.
O SR. PAES DE MENDONCA :Sr. pre-
sidente, os actos arbitrarios e violentos,
posso mesmo dizer, de manfesta ausencia
do b >in senso, praticados pelo desconhecido,
quu actualmente administra a provincia das
Alagoas, obrigam-rae a pedir a palavra, co-
mo representante daquella provincia, para
sujeitar considerado do senado um ro-
queriinento.
Antes de fazo-Jo, permita-ine V. Exc. que
eu 0 justifique com algumas observacoes.
acompanha las do documentos, que julgo de
toda importancia.
Quando, Sr. prcsidenle, vi a nomeacao
de um Sr. bacharel Luiz Romulo Peros de
Moreno para administrador de minha pro-
vincia, e nunca ten lo ouvdo fallar em so-
nelhante nome, tratei de indagar quem ora
enomeado, que servicos o reconimenda-
vam, que habiltacoes tinha para o alto car-
go que ia deseinpenhar nas Alagoas.
Com muitas difliculdades encontrei quem
me informasse quem era o tal Sr. Romulo.
O Su. Zacaras :Era lr a historia ro-
mano. 1
O Su. Paes de Mend^nca :E afinal
um amigo cortificou-me que era de Vassou-
ras, onde sempre passou desaporcebido, at
que, por occasio do ultimo processo elei-
toral, havendo exhibido provas de um bom
cabo de eleiges e de ptimo companheiro
de voltarete, tinha os requisitos que. o re-
commendavam proteee,o do nobre vis-
conde de Nitheroby, que necessitava de um
instrumento para vingar-se dos meus ami-
gos da provincia das Alagoas, que no
districto se oppuzeram eleico do seu can-
didato predilecto, Dr. Manoel Sobral Pinto.
O Sr. Pompeu :Elle ento o gover-
no do paiz ?
O Sr. Paes de MENDONgA: Sendo
elle o leader do ministerio, dispondo de
grande influencia, envidou todos os esfor-
c,os para que o bacharel Romulo fosse de
presidente para as Alagoas ; e de facto, ta-
hado para as arduas emprezas, de que ti-
nha de ser encarregado palo Sr. visconde
de Nitherohy, o desconhecido foi despachado
para minha provincia.
Nao deixei, pois de ter serias apprehen-
ses sobre a administraco do Sr. Romulo,
parecendo-me que nao deixaria de ser des-
astrosa, porque alm de nao ter elle habli-
taces necessarias para as altas funeges que
ia desempenhar, accrescia que sendo protegi-
do por aquelle senador, devendo-lhe exclu-
sivamente a nomeago, converter-se-hia om
malloavel instrumento para as poquennas
vingangas, premeditadas por S. Exc.
Infelizmente, Sr. presidente, essas appre-
henses se realisaram muito antes, do que
era de esperar : bastou que o novo enviado
chegasse provincia. As leviandades, as
arbitrariedades praticadas por S. Exc, nos
primeiros momentos de sua administraco,
revelaram nao s ausencia de habilitages,
como falta do bom sonso.
Os actos que vou submetter apreciago
do senado, provaro evidencia o que aca-
bo de enunciar.
Dous ou tres dias depois que S. Exc.
chegou s Alagoas, achando-se na povoa-
cao do Bebcdouro em urna casa ou reuuio
particular (trago este facto smenle para
mostrar a estra do presidente), mandou
chamar os msicos do corpo provisorio de
guardas nacionaes, quedevidamentelicencia-
dos, tocavam em urna partida familiar da-
quello suburbio, afira de tocarera para S.
Exc. dansar na casa em que se achava. O
major Fortunato Lins de Vasconcellos, em
cuja casase dava a reunio familiar, como
capito fiscal daquelle corpo, apressou-se
em ir observar a S. Exc. que os msicos es-
tavara contratados para tocarem era outra
parte e que estando j as familias reunidas,
S. Exc. houvesse de dispensa-Ios.
O tal presidente, para ostentar poder, e
sem dar attengo a to justa' circumstancia,
mandou pelo seu ajmiente de ordons prender
os msicos; e no dia seguinte, -s 10 ho-
ras da manh, lavravaa portara de demis-
so do fiscal do corpo provisorio da capi-
tal, premiando assim a um digno alagoano,
que havia prestado recentemente muito
bous servigos no cargo de delegado de po-
lica e proenchia cora zelo as fuucges que
estava exercendo.
Ora, isso nao passou de certo, de urna
v ostentago. Semelhante facto, a que
nao ligo grande importancia, foi o prenun-
cio dos desatines em que breve ira cele-
brisar-se o Sr. Romulo. Todos os homens
honestos, que tostemunharam um acto de
tanta levandade, conservaram-se em
calculada reserva, aguardando o procedi-
mento ulterior de S. Exc. para depois jul-
garem-n'o. Pouco tardou ; elle te ve logo
ensejo para revellar a misso.
Devia proceder-se pelo 1 districo, em 2
de fevereiro prximo lindo, eleigo de um
lugar de deputedo provincial em consequen-
cia da morte do Dr. Jos Antonio de Maga-
lhes Bastos.
O partido conservador, em solemne reu-
nio, apresentou como candidato o capito
Pedro de Barros de Castro e Mello, um dos
alagoanos mais distinctos e que ceuta servi-
gos reaes nao s ao seu partido, como pro
vincii).
Mas ello tinha commettido o grave crate
de hay,er se man ti lo fiel aos seus amigos
polticos no ultimo pleito eleiloral de.2" dis-
um so voto aos candidatos do governo no
9* districto.
Os conservadores, que oo queriam dar
pretexto aS. Exc, raostrando-se excessiva-
mento razoaveis, depois de entenderem-se
com o candidato, o qual retirou a sua can-
didatura, substituiram-no^pelo Sr- Dr, Joa-
quim Ponte de Miranda, mogo distincto
por sua intelligoncia e posigo, o polos ser-
vigos foitos provincia.
O presidente fingi acquioscer a esta
candidatura, compromettendo-st a nao to-
mar a menor parte no pleito oleitoral.
Entretanto passados poneos das, commet-
teu a deslealdade de mandar a presen lar, e
fazer oFicialmonlo sustentar urna candila-
tura neva, a do Sr. Dr. Manoel Fernandos
de Araujo Jorge, muito digno lilho to Ilus-
tre Sr. dosombargaJor Silverio V. do Araujo
Jorge, nome queja tinha ante-rarmentc s lo
lembradp em opposigo caniidaturav/O
Sr. Podro de Barros. Ora, o Sr. De. Ma-
noel Fernandes um conservador circuns-
pecto o mogo muito estima velosla incon-
testavidmente no caso do representar sua pro-
vincia : mas nao tinha sido aprsenla Jo pe-
lo partido, visto a combinagfio para outro
candidato : nao se tratava, pois de ex-
clu lo.
Este-desleal procedimento poltico do Sr. Ro-
mulo contrariou so'.ire moJo os conservado-
res, que at ento envilavam lodosos esforgos
para caminharom de harmona com S. Exc,
a quem havam da lo pr-ovas de cons lora-
gao, olToreceudo-lbo franco o sincero
apoio. O resultado foi travar-so u na luta
ronhida entro o g verno e o p rlido. O
presidente poz-se em campo, langou mo
do todos os recursos, nao esqueceudo os
ameagas e corrupgo. Pela secretaria ilo
governo foram logo expedidas cartas escrip-
ias em papel com a marca do gabinete da
presidencia o assignaJa por um celebre
Joo Lopes Murliba, que Inje o director
o conselhero do presidente da provincia,
recommendando a eleigao do seu candidato,
indo dentro dessas cartas bdhetes do visita
do presidente da provincia nos seguiutes ter-
mos : O Dr. Luiz Romulo Peros do Mo-
reno pede a V. S. que venha entender-so
com elle acerca do negocio importante de
seu municipio. Essas cartas foram dis-
tribuidas por soldodos de .polica p ra dar-
Ibes mais cunho offciai:
O que digo um facto sabido o quo osla
no dominio do publico. O correspondente
liberal da provincia, que nao polo ser sus-
peito, porque nao cessou anda de estar cm
uta incan lscente com os conservadores, se
exprime pela seguinte forma, no n. 78 da
Reforma, desta corte, nos trechos quo passo
a lr.
Alagoas.Ma^ci, 27 de margo de
1873.E' chagada a occasio do dizurmos
cora franqueza e ver lade o que o actual
presidente das Alagoas. Einittindo sobre S.
Exc, um juizo, o queremos imparcial o de-
finitivo, e por esta razo imporemos silen-
cio a quaesquer paixes, polticas ou
nao.
Fazer do que se chama aqui partido con-
servador urna massa sem consistencia o sus-
ceptivel do receber qualquer forma que lhe
queira dar o governo, tal foi com certeza a
misso que o ministerio Rio Branco con-
fiou ao seu delegado. Este mesqunho pro-
gramma, em urna carta do visconde de Ni-
therohy ao Sr. Dr. Romulo, foi assim for-
mulada : Toque fog > no Jaciutho. As-
severamos o facto sera o menor receio de
contestago.
Ora, de um presidente que aceita de boa
vontade urna misso tao pouco honrosa o
que se nao devora roceiar ?
Naturalmente ludo, menos um acto de
desinteressada justiga.
trido. Isto Joi bastante para que o Sr. Ro-
Iinulo declarasse que ora muito infionvenien-
te tal candidatura, a qual deveria contrariar
o ministorij por ser o Sr. Pedro de
Barros urna das influencias que nao deram
" Um dos conservadores quo acompanba-
ram ao Sr. senador Jacinlho de Mondonga
nas ultimas e eigoos para doputados geraes,
foi o capito Pedro do Barros C stro o
Mello.
Como quer que seja, eiitendeu o Sr. ba-
ro de Ana lia quo Podro de Barros mereca
urna recompensa, o por isso, de accordo
com os amigos reunidos em sua casa, indi-
cou-o para preen;her a vaga deixa la na as-
sembla provincial pela morte do Dr. Maga-
lhaes Bast .
Urna commisso foi incumbida de com-
municar ao presidente esta candidatura quo,
sendo considerada por S. Exc. casas belli,
por lhe parecer otfensiva ao seu antecessor,
foi immediatamente retirada e pouco depois
substituida pola do Sr. Pontos do Miranda,
mathematio do lyceu da capital.
A commisso conservadora insisti muito
com S. Exc para quo declarasse quo nao
se oppunha a esta canlidutura, mas o pre-
sidente, temen lo alguma cilada, respondn
que seu dever era conservar-se neutro no
pleito eleitoral, pelo quo nonhuma declara-
go tinha que fazer.
Persistiudo, entretanto, a candidatura do
Dr. Manoel Fernandes de Araujo Jorge, que
o Sr. Dr. Romulo tinha suscitado para op-
por do capito Pedro de Barros, suspeito-
sos ficaram os amigos do senador Jaciutho de
Mendenga.
Perdida a reciproca confianga, cada qual
empregou todos os esforgos para que lhe
fosse favoravel o resultado da luta.
O Sr. Dr. Romulo interveio na ultima
eleigo, como prova o que temos dito e mais
o facto que vamos referir.
Do gabinete da presidencia foram dirigi-
das aos influentes cleitoraes do 1. districto
circulares escripias e assignadas pelo punho
do Dr. Jo Lopes de Aguiar Silva Muriti-
ba, procurador fiscal do thesouro provincial
e secretario privado do presidente, que di-
ziam, mais ou menos, o seguinte
Estou autorizado a communicar-lho
que o candidato assempla provincial
nosso amigo Dr. Manoel Fernandos de Araujo
Jorge, para quem solicito o seu auxilio e o
dos sous amigos.
A estas circulares acompanha va m cartees
le visita do presidente com estas pala-
vras :
Luiz Romulo Peres de Moreno, pede-lho
que venha quanto antes entender-se com
esta presidencia sobre negocio que muito n-
ressa ao seu municipio.
Estes cartes, indicando com certeza a ori-
gem daqullas circulares, eram, porassira
dizer, a procurago bastante que conferia
poderes sufficientes ao secretario privado
para su dizer competentemente autori-
sado.
Ninguem suspoite que baja iuvengo do
nuss.i parte; vimos urna dessas circulares
un d*Mi cartees de visita ees ah por-
que garantimos o facto.
Acha isto bonito o Sr. visconde do Rio
Branco?
Aviltar os presidentes de provincia a pon-
to de conxerte-los em capangas. eleitoraes o
*t
obriga-Ios a sacrificar victoria das urnas preceitia o wgiinento, a
os suitiiuentos de pudor, de moralidade e ^ cotnraissOes
justiga, eis ah o que tem feito e esta- laxen- ,n lac liessedia
do o ministerio do Sr. Rio Branco em bem aus deputados' ue o '
da regenerago dos costumes. jantar polico, que fui..
Corno nosso uraco Jim e migar edofirati- uin r ndo m
va.nente o actual presidente desta provincia, descripo que deHe ^ 0 j^ ^
acalora de instrur-lhe o processo. gtu, nico peridico que apote o Sr. IU-
So da 17 do correute teve lugar a abet- inulo a pruvnc)lt subvnK5oote pala *-
Uira .te assembloa provine,.;. 8. hic. leu creUls ,, |da e ^j, ^ WBP^L,.
dous tpicos" de sea relatono, >Um relativo do addidodaalfatoo^, del-^aTSL-
ao fallccimento da iuiperatr(z v.uva, o outro de nome Julio Cesa?L.>al.
sobro as finangas do thesouro provincial. Nesrt jant ^ ^ muiu$ samK ^
Ao retirar se, foi s. Exc. aqumpanbado Knm.lhtt umt cenM) Y pelo secretario privado ema.s alguns outros chofo (Io partido conservador da provSda7
representantes daprov.ucia. Dcputadohou- e||(J Mud(1 flS tnnllfHritu u^^
ve que, para nao pr.var-se da honra de en-, ,K, ^ (|(J U|Ua ,lurmmit, ,icou
grossar o sequilo do presidente, flcou tao llilivam,.nle asscnUl|0 qUt naq.dtenw,
alvorogadoque atravossou o recinto da as-,M# ^ n|o .^ arrankf maio|Hj(
semblea do chapeo na cabeca. afrontando lia ass..mbl,, esta *ria adi.da.
as va.as das galenas, quo nossa occasio ()s ,l0meng ^^ ^ |am ,9gm
mostrarain-se exceasivamente rigorosas. em soiuelliante amoaca, p.iTm caiul ha-
Aberta a assomblea provincial, scguia-se vu ^ l|l.1,ut(IM,os e ^,,,1^ j uTa
roconhecer qual o legitimo deputado. Ora, isi|U||
estando om materia os amigos do senador (.(msU ^ mm (lecUrnlonas {mUramdo
Jan,. |,o o sondo consequeutemonto corta 1 .....m ^ ,- w g ^ houy% m
derrota do candi lato do presidente, o Sr. fa|u (t Iluul,ro, primando peU *H
Dr. Romulo polio aOSMM q pow. 0itetedeputad,Hdopresileiite7.tesqu,eS
sem em arfa aftm de nao haver casa, e as-1 ,,,.,., (liflS \Min[>nc9 UJ im
c v .1 jonlro, com tantoqui! nao lizessein nunca
Nesse .u'.er.m S. Kxc teptou lodos os llmj ,,,. l6 ^ ,
meios para desfalcar a ma.or.a, inaslorain N)) l|i;l ^ ^ ^ ter ^
improlicuos os sous esforgos. Este mallo-
gro foi dovi lo, sanio iiiiicamonto, om
grande parte presein.i do Dr, Ri-nardo de
Mendonca, que conseguiu impedir a daaar*
gao dos sollados do sou irmo, acouau lo- j
Ibes com OS despojos opimos 011 um futuro
j muito prximo.
Hornillo adiado a asscmbia para I ? do id-
ilio !
I M Su. sk.naook : K' um acto injustili
cave!.
O Su. Paks ik Mk.mmi,\ :No dia 20,
reunidos ua lii diputados da opposica n
1 paco da awemblj foi bda a celebre porla-
* I ra, que motivou um protesto enrgico
' bem fin lamentado do iepuUdos preseute-
S0
Ven lo frustrados os seus clculos c
qnoren lo ceder o presidente no dia ,,. wmsU ed s ,||rfljr a hou a assomblea, ou antes, despa ho-a. I ^ m ^ tV.U.....U l- jnshga p.do acto
poniuc om limbo completa ella o sen ...c '...... ,_ ,"__;.___.
' J uo abuso 00 |m li-r, pe proccmincnlo ex ir
. ', .. ., hilante e violento do presidente da provin-
Logo depois demito o promotor de Por^}^ im,m>h) |>or I1K,i,vs fllle,s e ti,cll>.
a reunio de um poder constitu oimI.
Passo a dar coiihecimeuta ao senado
te Calvo Dr. Julio do Mendonga o o diorctor
dainstruegao publica Dr Luiz Moroira, pri-
mosilo senador Jaciutho !
Po temos agora cuncluir :
L'm presidente que aceitn como program-
la aniquile a influencia do Jaciutho do
Mendonca o para dar conta da empreita-
da faz questo do vida e morte pela eleico
de um deputado provincial, pactua com cri-
minosos de morte o d demisaoos acintosas,
algumas a pedido destes, ser un digno pro-
curador dos Srs. Parauhos e Sayo Lobato,
mis nunca urna autoridade respcitavel.
Eis ah nosso definitivo juizo sobro o Exm.
Sr. Dr. Luiz Romulo Peres de Moreno, ac-
tual presi lente desta provincia.
Nao resta, porlanto, Lvida que o presi-
dente interveio directa e udebitamente na
eleigo ; que empregou meios reprovados
para fazer triumphar a eleigo do sen candi-
dato : assim como iiicontestavcl que
elle est all comprimi as instrueges que
recebeu de seu patrono, o qual nao podia
na verdado adiar instrumento mais azado
para vingar-se dos que tiveram a ousadia de
contrariar sua soberana vontade na eleigo
quo ltimamente se proceden para depu-
tados geraes no 2.' distrhto das Ala-
goas
Si uto, Sr. presidente, que nao so acbo
presente o nobre senador, porque desejava
interpelarlo acerca da recommendago de
sua carta para que me declare do que qua-
li la le o fogo que mandou atacar-me pelo
desconhecido, que tanto tem sabido c rros-
punder sua confianga.
O escripto que eu li, de uina fonte quo
nao pode ser averbada de suspeita, porque
o correspondente liberal da provincia, ad-
versario franco e extremado que, de certo,
nao viria advogar nossa causa.
O Sr,. CansassIO di: Sinimbu' .E' in-
capaz de dizer o que nao venale.
O Sr. Paks di: Me.ndom;\ :-O nobre se-
na lor por minha provincia, que alli o dig-
no chelo do partido liberal, sabe quo nao te-
mos relago alguma com o seu partido, que
nao temos ligacoes o compromissos.
O Sa. CansansAo de Sinimbu' :E' exac-
to ; nao ha entre nos accordo algum.
O Su. Paes de Mendonca : Mas, petar
de lodos esses esforgos, a pesar de ter o pre-
sidente Romulo desodo a ameagas e cor-
rupgo, foi derrotado solemnemente na pes-
soa do seu candidato I
Esta derrota, como era de prever, cau-
sou-lho o maior desapontamonto. Possesso,
ellegritou.esbravojou, ameagou: leu gran-
.la
1873.
le numero le demissoes, sobretudo no col-
legio do Pilar.
Passada a mpresso, que lhe pro luzio o
fiasco da derrota, S. F.xc. mudou de plano,
susteve a fabrica das demissoes c assestou
suas bateras contra outro ponto. Resolveu
deparar a eleico do Dr. Miranda para sal-
var assim do naufragio o sou can lidalo.
Aguardou pois a reunio da assomblea, que
devia ser em 15 do margo: expodio para
isso circulares a todos os membros para que
bao faltassem ao comparecimento, procurou
allicia-los ou ameagarcom demissoes os que
eram empregados pblicos.
Ainda foi desta vez infeliz. A briosa
materia da distrete assembla provincial
das Alagoas, collocando-so em sou posto de
honra, soubo resistir prosso do presiden-
te. Assim, tendo-so reunido na capital 2i
deputados, 15 mantiveram suas posiges
francas c decididas em opposigo a S Exc;
dous, por ser um empregado da secretaria
lo governo, e outro cOmmandanto de poli-
ca, ficaram hdilTercntes : e o presidente
pode reunir em torno de si seto 110 mximo,
dos quaes sao empregados pblicos quatro.
Collocado om to dilfioil- posigo, decla-
rou em um dos jantares que deu em palacio
que se nao podesse obtor materia, o recur-
so que lhe reatara era adiar a assembla ;
e sendo preciso, portante, pretexto para essel
acto, era mister nao comparecem os amigos
para forrnarcm o numero legal.
Nas sosses preparatorias de 13 e 14 de
margo aprosentaram-se os deputados da
maioria, notaudo-so a ausencia dos sectarios
do presidente.
No dia 15 compareceram 21: nessa ses"
sao, a commisso de poderes apresentou o
parecer verificando os poderes do Sr. Pontes
deMirauda, do acord com o diploma que
a cmara apuradora lhe conferio. Esse pa-
recer, apozar de diwutido, nao foi votado,
porque os deputados que apoiavm o presi-
dente, insinuados por elle, retiraram-se do
recinto.
acta da malo de 20. [L(..
ACTA DA SMto DO DA 20 DK MARCO BC
Prtsidena dn Sr. (airan.
A's II horas do dia feita,a chamada,acha-
ra n-sis presentes os Srs. deputados Calvan.
Jos (ionios, l.uiz Moreira, Jos Virginio,
Vasconcellos Mondonga. Araujo, Joo Luiz,
Roteado Lopes, lobo de Mendonca, Jos
Candido, Aurelio, n Appolinario ; nao com
pareOBudo os Srs. Floriaw, luiboviro, Can-
dido Moura, Tiburcio, litara, l'aliirv, Pe-
lipp-, Tbootouio, Muriliba e Chaves.
O Sr. 1.." secretario pedio a palavTa peU
ordem o leu um ollicio do secretario da pre-
sidencia, ao qual acompaiibou a portara dr
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, da-
tada em 19 do correute, a qual adiou a pre-
stlo scsso da assembla legislativa provin-
cial para o dia 14 de julho leste anuo.
portara
O presidente da provincia, attendendo a
que at o presente nao \n> le anida funccio
nar a assembla legislativa provincial, por
nao se ter reunido numero suraciente I*
deputados, pelo que nao se proceden elei-
co da mesa, apezar de saber-se existe nrsta
capital numero superior ao indispensavel
para aquelle lim, resolve, usando la facul-
ladc quo lhe coiiferc o art. 21, $ 2.* 'lo
acto adliccional constituigo do iuq rn,
alia-la para o dia IV de julho prximo fu-
turo. I'alaci i do governo em Macelo, 19
de margo de 187.1.Luiz Romulo Per*-
de Moreno.Conforme. O oflkial mater
interino, Aurelinu II. Valentino da Costa .*
O Sr. deputado Julio de Mendonca, p^rin-
do a palavra pela ordem, leu um proteste
contra o acto do Exm. Sr. presidente por ser
elh inconstitucional e attentaturio da har-
mona o divisan dos poderes e alera de outro*
gravi'simos males que vera paira a proviic
priva a assembla legislativa provincial oV
suas legitimas atliibuigjes.
l'KOTESro.
Os membros da assembla legislativa pro-
vincial das Alagoas protestan! com o devido
respeito, contra o acto do Exm. presid
da |)ioviuca, o qual se acaba do lr, e qiw
adiou a reunio da mesma assembla para
dia li de Julho vindouro, sob o pretexto
de nao !ia\er comparecido s sess">es numen-
legal de deputados Alm le ser expresso
no 2/ do art. 21 do acto addicional, que
s pala exigencia do bem da provincia |>
tem os presiiienlos adan a assembla, decl i
ra ainda,'e tambera exprossamcnlc o aviso
n. 197 dej22 de aoril de I8G1, que s
circumstancias extraordinarias |>odem jus-
tilicar uina tal medida, que devora sempre
ser considerada como extrema. Ouan 1".
pois, nenhuma circumstancia exlraordin
sobreveio ; quando a trise porque *st pas-
sando a provincia reclama a reunio da as-
sembla o pede o concurso de suas luzes
esforgos, assim como de todos os seus filhos
para afastar os males que a amea;am, nao
por certo a falla de corapareciinento le
numero legal de deputados durante quatro
dias, quo podo justificar tal acto, que, aWm
de Ilegal, tambo-n criminoso, pois pu-
blico o notorio, que foi o mesmo Exm.
presidente, que no dia da abertura mandn
chamar do is deputados, empregados pbli-
cos, para nao poder continuar a scsso :
assim como quem afastou os deputados de
sua parcialidade para estorvar a assembla
de exorcer uina de suas legitimas atlribui-
ges na verifieago dos poderes de um de
seus membros c na escuiha de seu presi-
dente e secretario, perturbando assim a har-
mona e diviso dos poderes pblicos pro-
vinciaes. Requeremos, portante, que se
inscreva na acta de hoje o presente protesto
e que se represente ao governo imperial
contra tal acto, enviando-se copia do
mesmo.
Pago da assembla legislativa provincial
das Alagoas, 20 de margo de 1873. (As-
signado pelos deputados presentes.
V-se, pois, Sr. presidente, allegado pelo presidente da provincia para
adiar a assembla, medida extrema que nao
pode ser arbitrariamente usada, foi o facto
de durante tres dias, nao ter bavido seetao,
apesar, diz o proprio presidente, de estarem
na capital 2i deputados 1
Ora, nio hou ve sesso tres dias, soraeote
por causa da cabala do presidente.
Podia elle adiar, na circumstancia quo
fielmente expuz, a assembla ?
\o, por corto. E verda lo que o l
addicional no art. i 2/ confcre ao pro-
Tudo istose v das notas declarativas, que'sdenl0 a attribuigo de convocar exlraordi-
lerei (f) : uariamento; prorogar c adir a assemb!:.i
No dia seguinte, 10 do margo, compa-1, ,,,,^0 0 exigir bem da provin
receram 22 deputados : o presidonte da |yo- [ tallt0 qUe no deixe de havet sessao tedoa
vncia installou a assembla e leu o seu re- os annos.
lat rio. Reraudo-se elle, levou comsigo
o grupo dos seus amigos ; ficaram apenas .________|
15 membros, nao podendo ter lugar, como' PYP DO DIAIUU-
(Continuarse-ha.)
?.A- DUQUE DE GAJUAa
r
v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBQTUUYMA_TKSPAO INGEST_TIME 2013-09-19T22:59:04Z PACKAGE AA00011611_12904
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES