Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12902


This item is only available as the following downloads:


Full Text

. .'
NUMERO 102

i *

VAItA A CAPITAL E LUGABES OSDE Jt AO SE PAGA POETE.
or tres mezes adiantados '............. 62000
SJor seis Jilos dem................. x^00
Por uro anuo dem................. awoo
Cada numero avulsofli ~................ 320
SECUNDA FEIRA 8 DE MAO DE 1873.
PJIA DEVTKO E FOBA DA PBOVIC1A.
Por tre meze adiantados.................
Por seis ditos den:
Por Dore ditos dem ,
Por um anno dem.
DE PEMA
PRQPRIEDADE DE MANOEL FIGEIROA DE FARIA & FILHOS.
* Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; Goncaive. d Tinto," no Maranhao; Joaquim Jos de Oliveira d Filho, no Ceari, Ar.tonio de Len^ Braga, no Aracatv Joao .ria Julio Chaves, no Ass; Antonio Man,* da Sil,. noN.fi, Jo* I
Perena d Almeida, em Mamat.guape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Aullo ; Domingo Jos da Costa Braga, em Itoetb;
Antonio Farreara de Aguiar, em Goyanua; Francino Tavares da Costa, em AlagM; Al ves d C., na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio jde Janeiro.
PARTE 0FF1CIAL
EXPUIK.NTK DO DA 11 Dr. MvRCI D!t87J.
1" sereno.
Olllrios :
- Ao director interino do aismal de guerra.
Mando Vine, su livor, por i disposioao do Ir.
rlwfe do polica, eomo solicita em oucio do 26
do correult: n. li'W. 4 rofiun e i pistolas, alin de
-.t-'im retnetid.H ao subdelegado do d.-tricto do
leberibe.
2.' arralo.
Offlcioa :
Ao Exm. rouseiheiro presidente da relac i.
Jucha V. Exc. nSrmar ceiya d.i requer-
manto, que remet incluso, da vuva do deseni-
bargador Antonio Bautista Gilirana ao governo do
S. M. o Imperador
Ao ur. cuele de polica.Salsfazendo ao
que V. S. soiiciti eui seus o,lirios do 8di bveroirq
pcoximo paseado e ri do eorrente, letiho a dizer-
qu a 11 daquclle i ni1/, esped orJeni llie-
iraria provincial para ser paga a i|iiantia do
234160 despendida ron os reparos ja cadeia de
Serinhaem, como lhe fui rom nunicado pelo se-
cretario dosla presidencia na ultima das referidas
datas.
Ao menino.Ha vendeja no asyl.i de mendi-
cidadu numero de rocolluJos superior ao que
poda comportar o aslaboleeimwito, recommendo
a V. S., em resposla ai sen olllcio de 2i> do cor-
renta, que providencie, alim -i- remeta mais men ligo alguui, sem so sabor
previamente so ha ou nao vaga.
Ao mesino =Logi/ que o governo imperial
remoller o pus vaccinieo que soTieilei, enviare! a
porco que pode o delegado do termo da Sacada,
no olllcio que acompanhou o de V. S. d; 27 do
eorrente.
Ao coininand.inlo superior nterioo do Re-
rife. Expeca V. S. suas ordena para une urna
guarda de honra, tirada de un dos batalhoes da
inania nacional sob o seu commando, no dia U
Se abril prximo futuro, pelas 3 Mora-' da larde.
Moja postada em frente da igreja de Nossa Se-
nhora do Rosari >, da freguezia de Santo Antonio
i.'-la eidade, aflra ile aeomuanhar at a igreja da
Nossa Senbora da Paz dos Afogados a imagem de
Sar.t'Anna, que namiella da dev ler lugar.
Ao juiz d direilo de Cimbres,A medida
que, segundo o seu offieiu de 20 do rente, to-
mn Vine, de, no impedimento do juiz municipal
d.> termo de Cimbrt s, chamar o 3.* suppleuUi para
" exercieio d'aqaetle cargo, presumilo recusar-
se o 1, nao regular, se liem justicavel; nota s
n impedimento ueste deve servir aquello, nao
sendo bastante para isto a presouipcAo.
Ao juiz municipal e de orphis de [tamb. -
Estando o faeto de haver sido avahada, no inven-
tario a que proceden easejniz > nos bens da naila
I. Alaria Tlieodora l'essoa C"sar, a crianca ose*
plia, oaseida de ventra Hvre, pendente de deci-
-.. inadmi.-sui'i ofnvista dos avisos n*. 7i de 8
de rerereiro de is:i. o i(7 de 12 do outuhro de
IS63, a ron-illa por Vme. feila em olnViodel
'.....nenie.
3/ seco'io.
Oilicios :
Ao inspector da thesouraria do fazenda.
'.' i i os fins convenientes conimnnico a V. S. que
a 12 di eorrente deison o respectivo'cargo o juiz
municipal dj termo de Cimbros, bac arel Krau-
eisco Domingues Ribeiro Viauna, ordenando o
respectiTo juiz de direitn ao 3.* supplent-; do
mesnto juiz, najor Severiano i/uneiio Pessna Ca-
valcanti, que assnmisse aqnclle exercieio.
Ao m.'smi. Mande V.
dendo-se precisar a quantia de 3:0005000 para
essa garanta.
4.' secqao.
Quicios
- Ao Exm. Sr. Dr. Manuel do Xascimento di
rooseca Galvio presidente da provincia de Ser-
gipe r.-nho a honra de acensar recobido o on
CIO de V Exc. de 8 do eorrente, em que nio eom-
mui -
P1
iuii.'im haver n'aqnella dala prestado juramento
irante a assembla legislativa provincial e lomado
posse do cargo de presidente deasa provincia. Pie
vale.o i,io Ja opportanjdade para apresentar a'V.
Exc. iis meas protestos do estima e consideraban
Ao Exm e lvm. Sr hispo diocesano.Quei-
ta \. Exc. livina. dar o seu p.nver sobre o incluso
i pnijecto n. 18 do crrante anno, que marea os li-
mites da nova freguezia de S. Jos de lngaseira,
alim de polur satisi'azer ao que resclveo a assam-
blea legislativa provincial, o consta de olllcio do
icapoelivu hseerel rio de b ije datado sob iu 19.
Ao mesmo. SirVa-se V. E c. Rvnia. deemit
tir o seu parecer sobra o incluso projeeto n 5 do
crrante anno, que manda pertenoer frefaezia
do Bonito a parto do terreno do engeuh Ca-me-vou-
sinh -, actualmente per encent a dos Montes, alim
de poder satisfazer ao que deliberou a assembla
legislativa provincial, e con.-ta de olllcio do res-
pectro I" secretario de 2! deste mez sob n..!8.
Ao Dr. director geral nterin) da instraeeio
publica. 1 ara poder satisfazer ao que deliberou a
assembla legislativa provincial, e consta do ollicio
do respectivo I" secretario de boje datado, sob n.
2 i, baja \. n. de emitlir a su.i opioiaa sobre o in-
cluso urajelo n. 10 deste auno, alterando a lei u
1031 do annopassado.
Perla ria :
A' cmara miinicipal da villa de Pao d'Alho.
Transmuto cmara municipal da villa de Pao
d Vlho o oivamenlo por copia incluso da ponte de
madoira que pretende fazer construir sobre o ria-
cho rahyba, conforme deelarou x niesma cmara
em o.'llcin de 18 de 'fevereiro ultimo, que assim
tica respondido. ,
."' teeclij.
OBcio;
Ao gerente da companhia Pernambneo
Streel Railvay.Dcterniiiiandi a l<-i provincial n.
!t:t de 25 de jolito de. 1570, no j 08 do art. I(, a
arrecadaoao do : por cont .-.ubre o valor de em-
piezas ou contractos, que foram transferidos, se
este valor for at li :toi)000, 2 por cenlo at
30.i:0o0i000, e d'ahi per diante 1/2 |wr cont ; e
sen lo a carta imperial, qno conceden antorisaco
a essa companhia para funeeionar .nesta eidade,
de 2i de uutu ro daqadlle anuo, claro que nao
leudo a mesma companhia satofeifo a disposifio
da lei, achare irregolarmente eomonada m con-
tracto que llt!- foi transferido por Domingos Mou-
lu o. como cinnmunicou o Dr. procurador Jtiscal
da Ibesoumil provincial em ollicio de o de no-
vombro ;lo auno passado, e sobre que versou a
sua iniorniaca de 8 do mesmo mez. Assim. pois,
declaro a Vme. que trato de satiafiuwr o inposto
de tiausferenria e (|ue falla a ctala lei, alim
de que possa essa coiujiaiihia funeeionar res ilar-
meiiie.
PXPEMRIfTt 1)0 8KCRBTAU0.'
2' secnlo.
Oilicios :
nquietadora a parigosa influencia da rutina, in-
contestavehnente a agricultura. Na ignorancia dus
processo aperfeijoama que a experiencia preco-
nisa e a sciencia aconselha, dase agrcola v
da em dia desperdigada urna grande parte de ac-
lividade- falta do nstruceo techinica que a hab-
lite a exigir da trra os thesouros de que ella so-
mente nao c. avara, para com o trabadlo intelli-
gente.
O pensamento manifestado pelo governo impe-
rial sobre este grave aasumpto, nos tranquillisa
ate um certo ponto. Sinceramente impressionado
como est pola naeessidade de dffundir o cnsino
piohssional, cumpre que o governo nao se demore
a laucar as basts deste largo programla.
Estas reflezdes nos sao suscitadas or um novo
acto do Sr. Ciiselheiro Gorri de Oliveira, que
pSe evidentemente nota a sua louvavel iniencao
de fundar ipstitut w destinados ao eosiao agrcola,
satdazendo por est mudo a urna das mais instan-
tes necessidades do paiz
Incumbindo a legacoes do Brazl em Pars,
Londres e Berlim que indaguem cun brevidade
das condedes com que se poden obter e contra-
tar prol'essores habilitados ueUd ramo d,: ensino,
o Sr. ministro do imperio accimta por esla pro-
videncia as profundas vistas desenvolvidas sobre a
materia no seu bem acabado relalorio.
Somos uteranieiile do aviso do nobrn r. minis-
tro. O ensino prolissional precisa evidentemente
de um tal subsidio ; nao lia sabidamente no
pac, unmonos basto para a completa realisa-
cao deste generoso pensamento. Cumpre que,
iniciando este novo rain i da educaeao publica,
o dolemos antes de tudo dan o pessoaJ docente,
dundamente habilitado. E'este o primeiro cui-
dado que a hindaeao das escolas agricolis deve
Udo e ii melhor agumento contra o systerta que L'm S. Dkpitad) : J existia veu o seu discurso.)
pasten les>o fundar o voto directo sobre a base do O Sa. G 1'aiir.nti diz que pode Inver encino i "* r'l'"*ir" hl divrr-
iT\'- I de s,,;l "a,' mThe parece corto ""me ^S1^'^^ P^ ,
Wuolquer qno f.wse o meio adoptado, nao seria o tai informaete desnecessaria, pelo nue manda ,. V C,,rp"" ,,c Aranjo (ni. devol-
menos.rave dos peri ,s retirar a urna grande mesa um requeiinienlo. ve. osen discurso i
massa de cidadaos o exercieio de um direilo. de Va i mesa, lid i e apuiado o seniinte rcune-' ,,!*r* ^u. > Fi^in-ir^i ia anda
que esta no goso interrupto de 80 anuos. I rimante tpU""'' r"'"e JP"! ci.sid.Ma.oes sobre a materia en. discus-
Em quantoa Iiilal-Jira alarga o sutrrago, eo Requero que n parecer volte a commssao de S'" -
i plia a clasies inteiras, al bem pouco lempo ordenados para dar sen parecer indenendente de "cerrM* aeaaalo. o projeete posto j*>
invadas de luda interven.ao no inechanis.no po- audiencia dodirecUr da iiotruceao publie i r ^ST0**
nica ; quaudo a prooecupacao de paizes adan- G.m's Patente.- umnona a m*
Ao Dr. chefe de polica.-0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia, em raaposta ao ollicio de V. S.
d 2'i do eorrente, maula cnmmunicar-lhe que
nesta data expedin ordem ao director do arsenal
de guerra para liie mandar forneoer, se t ver, 4
relices e i pistolas, alim de seren remettiios ao
subdelegado de Beberibe.
Ao juiz de direilo de Flores.0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda aecusar o recebi-
. .....;v- s" r;lev;;r *nton| ment do ollicio de V. S. de 19'do eorrente. part
llie fu imposta cipando ler nomeado a 17 do dito mez promotor
pnblicd interino dessa comarca o cidadao Manuel
i i collector do municipio de Ipojnca, por nio
le lado dentro do pras h-g-il mitripulaa inge- Brrelo de S e Albnquerqne.
nua Ignez, nina de unta ana oscrava, e obro que i f, Sir.,-,,,
ii a sua .informaran de ti do currante, sob n.
-rs 'u a suajnionnaca'1
'.'<: '. serie C.
Ao mesmo. -Declaro a V. S. para seu conhe-
cri-nin que, segundo olllcio do juiz de dlreito da
narca de Flores, de i'.i dn crrante, a 17 h'avia
- 11 o lineado pram itnr publr i interino daqnella
rea o cidadao Manoel Brrelo de S e Allm-
q t pte, no mppdimentn de Ignacio Ribeiro Leite,
1 imbem oficia nteri.iamente esse logar
asta tro m que, pcdmdo demissao S e
luerqnc, c lendo ressadn o impedimento de
iro Leite, entrn este de novo em exercieio.
- Ao inspector da ihesotiraria provincial.
i insmilto a V.S. para os fins convenientes a in-
clusa relacao nominal I is depntadoa que com >a-
receram sessop 4a assembla legislativa provin-
r ii i cadenta mez, a quil fui remettida secre-
alia df.sta preiderciaeo u o'll-io d> '." sc-retario
in/ rio da mema assembla, datado de boje, sob
n 21.
Ao mesmo. Atlendendo ao que expoz no
uso reqnerimento liento Antonio de Oliveira
Liberal, a que allmla sua informajao de 28 do
irrente,sob ti. i s, mande \. s. pagar ao suppli-
cinle a quantia le i'SVIll em que, segundo o
parecer da c-rntadoria dessa thesouraria, impor-
tuno aluguel da casa que na povqaeodoa Mon
le* servo de quirti'l ao respectivo destacamento,
desde 'i d'1 outuhro do auno prximo passado a
2' de fevereiro ultimo.
Ao mesmo.Pode \'. S., nos termos de sua
informarn de 2< do eorrente, sob n. 117, mandar
relevar da segunda multa, em que noorreu.
Oillcioa :
A; Dr. Joa juim Correa do, Araujo, 1 secre-
tario ila assembla legislativa provincial X. 53.
De ordoin de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, passo s maos de \. S., alim de serum presen-
es t assembla legislativa provincial, nao s o re-
qiiermiento oni que Bellarmino dos Sanies Bulco
Filho, escrivao interino do civel do termo de San*
11 Antao, pede providencias no -enlido de sor re-
tirada ilo cartorio de orphlos de mesmo termo e
annexada ao do civel provedoria de capellas e
residuos, mas tambora a copia da informaco
prestada a tal respailo em 22 do crrente pelo
juiz de direito da comarca dn mesmo nome.
Ao mesmo. -X. "i. -De ordem de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, remeti a V. S.. alim
do ser presente assembla legislativa provincial,
o incluso exemplar do Dhria de Pernambuca n.
67, de 21 do eorrente, em que se acham publica-
das (odas pecas relativas ao e.xaine procedido no
livro onde fui lavrad i o termo de innovacao do
contracto da companhia Recfe Drainage-e de
rjue tn.tao mesmo Exm. Sr. na falla com que
abri a presente sesso da referida assembla.
5" teecSo.
0 lis-ios:
Ao engenheiro chefe da repartido das obras
publicas.S Exc. o Sr. presidente da provincia
man la declarar a V. S., para seu conhecituento e
em resposta ao seu o'llco do 27 do eorrente sob
n. I3'i; que nesta data lcam expedidas as conve-
nientes ordens thesouraria provincial no sentido
de ser entregue ao thesuureiro dessa repjrtieao a
inspirar ao enverno imperial.
Prosiga o Sr. ministro do imperio na grande
obra de reconstruccao que resolutamente empre
hondeu.
Ligando o seu nome mais nina obra duravel.
o dlustre Sr. conselheiro Gorreia de Oliveira con
quistar novo titulo gratidao naciimnl.
O nosso tempo evidentemente de transforma-
cao.
Cumpre dirigir, fomentar e encimnliaro niovi-
meiito do espirito publico no momento em que elle
se revela seriamente impressonadu pela causa da
instricco.
ileiea dircctM prejiilgnila.
O discurso proferido pelo Sr. presidente do con-
seibo na memoravel sessao da cmara vitalicia de
13 le fevereiro tem todo e alcance de um verda-
dero aeonteeimento na ordem poliiia. Quaudo d
a aspiraco do paiz. nobremeiite indicado pela
talla do throno, libertar a vonlade nacional dos
tropeos que a sua legitima e.xpresso pode susci-
tar e tem suscitado a defectiva legislaco que re-
gula o processo eleiloral ;' quaudo o'pensamento
E
lados na piatica do systema representativo, resti-
tuir o diroito de voto ao matar numero de cida-
daos em estado de exerce-lo; seria opportuuo des-
bciMar um ter'o dos cidadaos activos do imperio
de um direito que a constiiuieao polili a Ibes at-
tribuio ? -
O m miimei.toso discurso do Sr. visconde do
Bio-Branco proinulgou o svslema da eeico di-
recta.
Examinando a queslao sob as suas mullplas fa-
ces, In do direito, luz da experiencia e luz
(la historia, o eminente orador e profundo publi-
cista nao deixou sem conveniente impugnar.
n-'iihuma das valiosas consideracoes produzidas
pelos defensores do novo syslema.
Honra an visconde do Ri-Rranco S. Exc. elc-
vou-se altura de um verdadeiro aposto o da ri-
gorosa doiilriua con-litucional.
Os veneraveis daracteres do partido conservador,
que nesta iiuesto seTevelam apartados das vistas]
profundas do gabinete, far-llie-liao algnm da a
justiea que o lempo nao recusa s convieees sin-
ceras.
Lamentamos, mas nao condemnamos esta dolo-
rosa divisan de espritus elevados.
A honrosa attilude dos Srs. Cotegipe e In'mm-
i im, impoe-se ao pai como um vivo padro da
sineeridade i|ue Ibes exalta o merecimento.
Esta justic-a merecem, bom direito, os elo-
qnentus defensores da nova theoria.
(acMo.)
O Sr. A. Corroa de Aranjo nao devol-
veo seu discurso.
O Sr. Gomes Prente diz que, em vista
das c.nsideraroes l'eilas pelo sen amigo e rompa-
nheirode districto, memoro da commlssio d; ins-
tru "cao publiea, pede casa que coiisinla na re-
tirada de seu reqnerimento
Consultada a casa Comete na retirada pedida.
Contina a dscisso aliada de preferencia en-
tre os projeejos ns. 24 deste auno e 'i do anuo
passado, sobre reforma do ensino.
O Sr. I clnia ( avaeante nao devolveu
0 seu discurso.
O s: presidente faz algnmas considera-
coes sobro a materia em dbcnssao.
O Si*. Oliveira Fonccca nao devi Ivon
o sen discurso.
8 ,- fofls.
8 Sr. Almeiila Pernainltiino nao de-
velveu o seu discurso.
O Sr. presidente faz diversas considera-
coes.
8 Sr. Suva Rer faz algumas considera*

-ISSEIBLfii PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 18 DE ABRIL.
Francisco Carneirt Rodrigues Campello, arrema- > quantia de fijO 0, constante do citado"offleo.
tanta dos re/aros da estrada de Muribeea, por nao .\o gerente da eompanbia penninbucana.
M.',b ;L!Lr"l('.'.l!!?* J!!,sl,.'.'-c.'.lva. .ol)ra;.d,!vond,)- P-1 De ordem de S Exc. o Sr. presidente, pode V. S.
fazer seguir para os portes do sul o vapor Manda
rem, pagar a primeira, vist > nao haver assignado
'. ierra i da arramal i; i.
Ao m'"o. Tem i nooa data determinado
que o gerente da companhia Pernamb co Street
Railway tracto qnanto uitos de satisfazer o impos-
to de transferencia, de que falla a lei provincial n.
093 de 2"> dejulho de 1870, e so'.ire que versou
sua informaco de .'!) de dezembro nliimo. sob n.
fii. assim o declaro a V. S. para seu eonheei-
niento, e aOm de que faca constar ao Dr. procura-
dor fiscal dessa tnemuraria em resposta ao seu
iiicio de 5 le u ivembro d > anno prximo Bndo.
Qnanto, porein, ao que expoe V. S. no final de
- la citada informaco, relativamente ao facto de
ni constar nessa" reparteSo a transferencia
eompanbia Recio Dralnagedi contracto para o
>%oto e limpeza desia eidade, de, que era cessio-
nirio o coimi2ndador Antonio domes Netto. res-
pondo remettendo-lhe, copia da carta imperial de
2'* de maio de 1801), que conoeJeu a respectiva au-
lorisaco, e po# ella ver V. S. que, sendo essa
transferencia anterior citada lei, nao Ihe pode ser
aoplica la aqilrllr- imposto.
Ao mesma. -Mando V. S. entregar ao the-
SMratro da repartirn das obras publicas a quan-
tia de loozOOO, importancia de exce.iso de despe-
zas feit.is para a conclusa i das obras da matriz de
Nossa Sonhora da Graca da Cipunga, como solici
tou o engenheiro chefe daqnella repartisao em of-.
Heio-de 27 do eorrente sob n. 134.
A i procurador fi-ca.1 dt fnesonraria nr
cal.-i", o r-pisia c i.isulta q-ie fez Vnm^-n
eu ofllcio de .5 do rorr-oile, sol n 7!),'se a ti laca
paraos coniractos iv.l'-brados pila presidencia c i
o Dr. Manoel Figuciroa de Paria, relativamente i
COii&lrucco e exploracao da estrada de ferr de
l'ia a J.icnipe e a.|> Hehed>r, com Joio Cardeao
de Araujo e Willinn James Llndsev, deve ser limi-
tada an valor das m illas din respectivos contrac-
to? ou se na propor>o do valor dos meamos e im-
|/ortancia das obras; ten ao a decbrar-lhe que deve
fianca ser limitada ao valor das mulfa-
liu, dossa companhia, em substituirj do Giqui,
iuc anda nao regressou do presilo de Fernando
do Xoronha ; segundo V. S. communica em offl-
eio de 28 do eorrente.
INTERIOR.
EveolnM a -i-iciilas.
Para os que fundam no ensino profissional a bem
entendida esperanca de ver sjerguido e genio in-
dustrial, do estado de abattmento em que prostrou
o espirito de ratina*, nao pode ser indilferente a so-
licita diligencia oin que o Ilustrado Sr. conselhei-
ro Jo.io Alfredo Correa de Oliveira procura e pro-
move que osle ramo de ensino sej i iniciado no
paiz, timando o lugar de honra que lhe compete,
a 13o justo titulo, no quadro da instruccao pu-
blica
Melhor e mais qualifieido servico nSo poderia
prestar eduearao popular o Sr. ministro .do im-
perio. Os variados recursos que urna natureza
opulenta est a offerecer aetividade industrial,
nao esperam seno o trahalho intelligente para
abrir os seus lliesouros ao genio da exploraco.
Nao s de bracos que precisamos. Sem per-
der de vista este importante problema da coloni-
sacSo que mo activamente tem preoecupado a sua
.tioiic i, o governo imperial deve ao ensino pro-
alo mximo desvelo v produeco debaixo
de tolas as suas formas vira otTerecer a ruis lar-
ga coiiiuaosacSi) aos sacrlllcios que este ramo da
elliVaeaii publica possa inipor ao paiz.
A resistencia da inercia a grande arma da ro-
a, para bail a de nossos hbitos de trabalho,
" ha iujt niioa erapregar : diffundir a instruc-
"^ha una industria pm que a carencia de co
(cimentes praticos tcnlia exercido em escala at

ppniao Hvre e des-
assombradamente manifestad. ; a nacas tinha o
indiscnivel direilo de esperar com impaciencia a
primeira palavra do governo sobre a grave ques-
lao da reforma cleitoral.
Nio se eximio o gabinete a fcsta grave responsa-
bihdade. Logo que opportuna ou inopportuna foi
a qnestao agitada na discusso do voto de gracas,
o Sr. presidente do conselho correu tribuna
como a um posto de honra que o seu genio nunca
desertou.
0 parlamento brasileiro raras vetes tem assisti-
do-a iriuuipho to brilhante da palavra O grande
orador que o paiz se habituou a festejar, e em
qiiom us propnos adversarios reeonhe*em nina
elevada personi'icaco do genio da tribuna, exec-
deu-se a si mesmo. Profundas conviecoes illumi-
navam-lhe o espirito; a palavra corra lhe faciL
abundante, eloquente.
E' que o Ilustre Sr. presidente do conselho lo-
cava a magna questo,dos partidos poltico-, aquel-
la ile cuja solueo depende la o em grande parle a
pratica sincera, real e escrupulosa do svstema re-
presentativo. ,
Se bem que nao estivesse a ser discutido o pro-
je lo jlo reforma eleiloral e viease incidente
queslao, propiciado momento -e offerecera ao go-
verno para annuociar as ideas capitaes da reforma
que traz meditada e Iranquill sar as Hosses, que
desde meio secnlo cxercilam o direilo du voto, so-
bre os destinos que Ibes sao reserva los no mecha-
nismo poltico.
1 pinio de raros pensadores de una e onlra das
duas escolas constitueionaos em que se divide o
paiz, o principio da eleieao directa nao bava fign
rado ate bom pouco tempo na bandera dos pap-
udos Aspiraco le alguns espritus pouco defini-
da c ainda hoje indecisa, sobre qnestoes de mxi-
mo interesse que envolve a nova theoria, ora
enrgicamente combatida na cmara vitalicia
chefe eminente de urna situaran liberal.
Por mais qno o teuliam defendido vozes tao an
torisadas como sao na escola conservadora os no-
ten Srs. baro de Cotegipe e vi-conde Je Inliomi-
rm, e na escola liberal os honrados Sis. couse-
lheiros Xabuco, Zacaras e Oclaviano. nao menos
ceno que, dependendo virtualniente de una re-
forma constitucional, e consequentemente da re-
novado do mandato temperar o do poder legisla-
tivo, o systema da eleieao directa, sem assegurar
pela nica suppresso dos graos a lvre manfesta-
gao da vonlade popular, sem possuir o segredo de
resolver de um modo exclusivo as objeccoes inhe-
rentes todos os systemas conhecidos, sem tirar
argumento de sua forma para impossibilit.ir a vio-
lencia, a corrupcao e a frande, estes irreconclaveis
inimigos da pureza de qualquer rgimen eleiloral,
expoe a graves pericos, a inconvenientes gravissi-
mos, a urna verdadeir perturbavo, cujas conse-
queacias, por multo que seja de contar da previ
sao dos partidos e do seu fino tacl*politi;o, sao. ,he canceda melhora na aposentadora que reque-
mis que temerosas.
Mais as seduce-oes do desconhecido que a con-
fianca em urna solucae radical parecem gtajar s
almas temperadas dos Ilustres propugnadles da
eleieao directa. A experiencia mal succedida de
frivolos retoques na legislacao, a amarga decepcao
de infortunadas tentativas, que o tempo deelarou
impotentes contra o vicio eleiloral, meio scculo de
esperanzas fainadas, de illusoes perdidas, dir-se-
hia que os lancam em demanda do ignorado, to
pouco confiantes como o viandante que se aventu-
ra por vereda escusa. *
Nao basta.com eileito, ter decretado a reforma
da constituirn, provocar a renovacao do raiiu
temporario do poder legislativo; dizer ao paiz;
Entre vos e o poder que faz as leis, nao haver
intermeliarios.
Graves questdes, difllclmas objeccoes, seriam
ainda impostas ao partido que reayatsse aquella
reforma.
Desde que a massa dos cidadaos fosse chamad
a intervr de um modo directo no niechanismo po-
ltico, escolhendo os seus representantes sem o con-
selho de urna classfc intermedia, seria de todo pon-
to indspensavel fixar as corfdroes d-) exercieio
d s'.o grave djrfl lo.
Xo da em que estas cond;?s fussom Buidas,
por menos elevado que pudesse ser o nivel cans-
lario, as classes excluidas deste supremo direilo
do vol terian pur sua vez defensores. A luta
dos partidos nao tardara a travarsc Oste plano
inclinado da Oapacidade eleiloral, (ue, cedo oa
tarde, ver-se-hia reduzida. Adevinha-se o resul-
tado. O sulTragio universal com o cmliecido cor-
tejo dos elementos que traz no bojo, talvez bem
n
Pni:Sll)KNC.IA DO SH. KKRitKIK \ lB AC.CIAN.
Ao njeV dia, Celta a en imada, acham-se pte
sent-js iji segnintes Srs. depntd >s : (oes Caval-
cante, Ralis e Silva, Mellii-ftego, Oliveira Andrade,
Cinciiato (iinboinvAlnieiila Pernambneo, Pinto
Junioc, Tuluulmn fie Carvalho, Vieifa de Araujo,
J. Correa de Araujo, A. Correa de Araujo, Silva
Reg, Gnedes Gondim, Agoiar, Henrique Mameile,
Kelippe Figueiroa, l'cha Cavalcanie, Ernesto Viei-
ra, Amaral, Goii.alves Ferreira, Salgado Xelto e
Tito Correa.
brese a sessao.
E' lida e approvadi a acia da anterior.
O Su. I." gECKRTAMO d conia do seguinte
unonom:
Ofiieios :
Do secretario do governo, remetiendo copia d.
parecer emillido pelo Exm bspo diocesano sobre
0 projeeto n. o deste a.ono. a' quem fez a re-
quslco.
lio mesmo, remetiendo 10 exetnplares impressos
do oreamento di: receita o desp^za confeccionado
pelo tuesouraria provincial para o exercieio prxi-
mo vindouro. A' distr un*.
Do mesmo, remetiendo copia das informnciVs
dadas pela directora da nstrueco publica sobre
o projeeto n. l!l deste auno, que altera a lei n
1,03'i do anuo passado. A' quem fez a requi-
sieso.
Do mesmo, remettendo copia do ofllcio da socie-
dado hislorico-lilteraria l'nio do Norte, em que
solcita a mpressao das biographias e obras do vi-
gario Francico Ferreira Brrelo e Fr. Joaquim do
Amor Divino Caneca. A' commisso de orea
ment provincial.
Do mesmo. remettendo copia das infonnacSen
do administrador do consulado e inspector da the-
souraria provincial sobre a prelencAo do continuo
da piello consulado. Antonio Carlos .de Lomo?
Duarte. A' quem fez.a reqniaicio.
Do mesmo, remetiendo copia das nformacSes
da thesouraria provincial sobre a importancia da
renda.cobrada peL) consulado no anno prximo
lindo, e veiicimentos que tiveram os respectivo?
empregados. A' quem fez a requisico.
Petifoes :
Do Luz Ferreira Bandera de Vello, tab'llio de
notas e escrivao do termo'de Ignarass, pedinl
que seja supprmido o lugar do escrivao compa-
nheiro. visto ter elle fallecido. A" commisso
de juslic.i civil.
De Seuastio Mondes Bandera Guimaraes, pe
dindo o pagamento de urna quantia que cabio em
exercieios lindos. A' commisso de orcamenjej
provincial. -jgfl
E' lido, apoiado e approvado o seguate pa
recer:
A commisso de fazenda e m-oamonto, quem
foi presente o reqnerimento di professora jubi-
lada Mara Coelho da Silva, em que pede nio so
sejam.juslificadas as faltas que deu de 1 de ou
tubrode 1871 a 28 de fevereiro de 1872, como se
r3es a respeito da materia em disciissio.
8-or. Vinlra lie Aran ja justifica o seu
voto e faz algumas consid.Taeoes sobre a mate-
ria em discusso.
O Sr Tolentino de Carvalho nao de-
volveu o seu discurso.
O Sr Oliveira Fonccca faz ainda al-
gumas consideracoes sobre a materia era discos-
sao.
Encerrada a discusso, proferido para a dis-
cnssao o projeeto R. 51 do anno passado.
Entrando em discusso o art ft do projoc'o n.
H\, deixou de ser votado por falta de numero.
0 Sr. presidente1,designa a ordem do dia e le-
vanta a sessao.
SESSAO ORDINARIA EM 19 DF. ABRIL.
Ao meio dia, feita a chamada, ac
*+
reu, considerando que sobr tal ssumpto deve
ser ouvda a nolire commisso de instruccao pu-
blicar de parecer que soja a ella remettida'a
mesiiaTWicao. Sala das commissoes, !'! de abril
de 1873. Araujo. J. de Mel'o Reg>. Oli-
veira Fonceca.
r% tambem lido, apoiado e mandado imprimir o
projeeto de lei, sob n. 42.
Sao lides, postes em discusso e approvados, es
seguintes requerimentos:
Requero que pelos canaes competentes se pe
cam com urgencia as iuformacoes do bspo dioce-
sano relativas ao projeeto n. o9 de 1871. Ges
Cavalcanie. -
a Requeiro que pelos eanaes competentes so pe-
ga ao inspector da thesouraria provincial que,
com urgencia, informe qual a divida activa arre-
cadada no i. semestre do ccrrenle exercieio,
acompanhando a informado de demnstraco da
procedencia da mesma divida. Araujo.
ORDEM DO DIA
Entra em discusso o parecer da commisso de
ordenados mandando ouvir o director geral da
nstruceo publica sobre a pelicao do professor
publico jubilado, Alexandre Jos Doradlas, adia-
do em urna das sessoes passadas, por ler pedido a
palavra 0 Sr Gomes Patente.
O Sr. Giimrs Prente diz q'uo I o pare-'
ce que se pude dispensar a audiencia do Dr. direc-
() Repetimos boje a publicado dos trabaliius
da a-:sc:nbla nos das 18 e 10 de abril, em conse-
quencia de lereiil ellos sido publicados rom algu-
mas ncorrecc3es devidas ao enearregado do seu
apanlianiento.
(A red Wfk*)
acnam-se presen-
tes os seguintes Srs. denotados : Ratis e Silva,
Ges Cavalcanie, Lamenha Lins, Firmino de No-
vaos, J. Correa de Araujo, Cincinato Camboim,
Tolentino de Carvalho, Pinto Jnior, Ernesto Viei-
ra, llanos Wanderley, Ahneida Pernambneo, Fer-
reira de Aguiar, Gonrlres Forre ra. Pi ippedfl Fi-
gueiioa, Heiiriq'ie Maniedo, Silva Reg, A eir do
Araujo, Olympi Marques, Albuquerque Lcenla,
Cimba e Figneiredo e Amaral.
Abre so a -:sau.
E' lida e novada a acta da antecelente.
O Su. .-ifCRBTARlo d cunta do sejQlnte
BXrlDIBHTI :
PeticSes :
O'i Joo Percha Ligo, ex-Ieuciile do corpo de
polica, pedindo que se lhe conceda aposentadora
com o sollo por Inteiro. A' commisso de peti-
ijoes,
Abaxo assignado dos moradores do quarteiro
Slio, mnniclpipio de Bezerros, representando coa.
ira a medida da cmara municipal, mandando ex-
tinguir nina fciri que naquelle quarteiro crea-
cam os habitantes do lugar para maor commodi-
dade sua.A" commisso de negocios inunici-
paes.
De Jos Lucio de AlbuqWoue Mello, pratican-
te da reparlico das obras publicas, pedindo 0 mo-
zos de lieenca para tratar de sua salido. -A' com-
misso de peiicoes.
S.lo litios, apoiados e mandados Imprimir os pro-
jerlos de lei ni \'\ a 46.
E" tambem lido, apoiado, posto em dfscussi i e
approvado o segninte parecer:
A commisso de peticoes, lendo com attenro
a Delicio de Vicente Ferreira de Paira Simes,
srvenle da reparlico das obras publicas, em qoc
pede pagamento da quantia de 3oif, proveniente
de salarios que deixou de perceber dos das santi-
ficados, div12 de dezembro de l86o 14 de agosto
de 18GS: considerando que o supiilicante com os
documentos com que inslr ;o sua pet;o, prava
exbuberaiitomente o diroito que lhe assiste, de
parecer que na lei do oreamento, na verba exer-
cieios uaos, so marque quota para o referido pa-
gamento.
Sala das commissoes, !8 de abril de 1873.-
-PiHto Jwuer. -Goncakes Ferreira.
Sao lidas, apoiadas e approvadas as redaceoes
dos pnjeclos ns II, 20 e 27 todos deste auno.
O Sr. Felippc de Figuciroa pede que
para a boa direceo do expediente sejain as emen-
das assignadas pelo Sr. secretario e numeradas
era ordem, c neste sentido mandou mesa urna
mdicacao, relirando-a depois, em vista da observa-
eo do Sr. presidente.
O,Sr. Aiiaeida Pernaiubuco (nao de-
volveu o seu discurso.)
O Sr Tolentino de Carvalho (nao de-
volaeu o seu discurso.)
8 Sr. Vieira de Araujo lembra casa
aue se; conveniente que os tachygraphos, qnan-
do nao podercm traduzir as notas, ou quando hou
verem doixado de acompanhar o orador, seja por-
que nao tenhain ouvido claramente, ou por outra
qualquer cJrcumslancia, deixem espaeo em bran-
co para essas fajtas, porque ento o ilimitado po
dora com facilidade completa-las, urna vez que co-
nhece o assumirto e se esse alvitre nio for sufB-
ciente, sua opiuio que nio se publique nada.
Ol.UKM Uo.DIA.
O Si'T Vieira de Araujo (pela ordein^
pedo urgencia para ser discutido o projeeto n. 16
deste auna,, o que lhe foi concedido.
i' discusso do projeeto n. 16 deste anno, que
manda computar o subsidio dos membros da as-
sembla provincial, segundo o padro monetario
la poca.
Emenda substitutiva ao art. 1 do projeeto :
t O subsidio de 10J diarios eslabelecidos para
os membros da assembla legislativa provincial de
Pernambuco em leis anteriores, ser computado,
segundo o padro monetario da poca enr que foi
decretada ajlei n. 4 de 30 de marco de 1833, e pago
no principio da eorrente sessao e na seguinte le-
gislatura com a dillerenca do valor da moeda.
Joclb Vieira.
Encerrada a discusso, foi o projeeto posto a
rotos e ai.proyado, bem como o substitutivo, da*
clarando us Srs. i'.un'.Te Figneircdo; Alvaro L'choa
o Lainonlia que votaran contra.
2 discusso do projeeto u. 20, offerecdn como
emenda ao projeeto n. 4 deste anno, que marca
limites para oa dslrclos de paz da eidade da Vic-
toria. Foi approvado.
3' discussio do projeeto n 25 deste auno, que
Um Hlelo do secretario do governo ila provincia
remettendo por copia o ofllcio da cmara munici-
pal desta eidade. no qual representa contra o pro-
jeeto Robre cunes verdes. A" commisso de c-
maras.
Fina peti/o de Fianoelino Olwnpio Pon-ira ilt-
Oliveira. escrivao do subdelegad > de S. Fre Pedro
Goncal es. oedindo o pagamento da quantia riV
45*900, proveniente de rustas,-A' eaanariaala dV
remenlo municipal.
Outra de Aquilino Jos de Manarla Ferreira,
professor publico de instruccao primara da povoa-
i.au do Nova Cruz, pedino um aanw do hcenea.
A' commisso de pebodea.
ulra de Alexandie Be/erra de Albnquerqne
Barros, escrivao dojurv do termo da Victoria, pe-
dindo pagamento de I80:vifl0. provenienle de cas-
las. A' commisso deorramenio niunieipai.
Foram lidos e considerados objerto de dehhera-
'.o 4 projectos,sendo um da riuiiiuisso de fazen-
da e oreamento, abrindo diversos credm Mffple-
mentares ao ornamento vidente na mportanea ii>
I i,.i:74j>236, e tres da commisso de postara c
negocios de cmaras municipaes de Agua-PreU,
Floresta e Panedae.
Passandb ordem do dia, continuou a 2.* dis-
cusso adiada do projeeto n. 81 da anno pasando.
que reforma o ensino, e sub.neltido a retalnarT.
42, foi rejeitado, licandn pir consequencia j.rt'i i -
dicadosoa arta. i:t eli. Ertrane em daHanoiu
o art. 15, foi approvado um substilulivu da com-
misso e rejeitado o arligo.
Em seguida foram mais approvados os artig<
46 e 47, licando p 48 prejudicado com a approva-
co do um siibslilulivo da commisso de inslroc-
yo publica. O arligo 49 foi approvado com tutu
emenda ; o 50 foi rejeitado c o 51, de|ois de ora-
reni OS Sra leliiia Cavalcanta e Batis c Silva, e lia-
ver este apresenlado una emenda, deixou-se oV
votar par falta de numero.
A ordem do dia para boje : contiuuaeo da an-
tecedente e 1." discusso do projeeto n". 56 des
anno.
Secretaria do Itispado. Por esta se-
cretaria expedirain-se, no mez de abril, as seguin-
tes provises:
1.Do oratorio privado, or In? aonos, a Fran-
cisco Goiii.alves Netto, residente na freguezia do
Poco da Panana.
2. De oratorio privado, por um anno, ao pa-
dre Joa o Baptista da Silva, vgaro da freguezia da.
Vanea.
Idem^r igual tempo, ao padre Damazn de As-
rompeao Pires, coadjutor da freguezia da Vanea.
4..Para expor o Santissimo Sacramento, na
Juinta-feira santa, rmandade do Senlior Bom
atoa dos Marlyrios, da freguezia de S. Jos.
5.Para exhumar os ossos do pai de Ricardo
Pereira de Sant'Anna.
De addido para a matriz de Xossa Senhora da
Concci.o de Xazirelb, a Jos Jeron\mo Pacheco.
14.-Para expor o Santissimo Sacramento, ia
festividade do Senhor Bom Jess dos Navegamos
em Goyanna, requerimento da commisso do
festejo.
Para exhumar os ossos de Corma Francolina Pi-
nboiro de Mondon.a, sou mando Antonio Jos
da Silva.
15.Para exhumar os ossos do Rvd. vigario
Agostinlio de Godoy e Vasconcellos, seu sobri-
oho Augusto Frederico dos Sanios Porto
16.-Para exhumar os ossos de Nicaoia, asen
pai Manoel Joaquim Das.
Para exhumar os ossos de Antonio Cyrillo de
Souza Dulra, seu padrnho, Rvd. Fr. Joo Bap-
tista do Espirito Santo.
18.Para exhumar os ossos da menor Mara, a
seu pai, capilo Abdias Bibiano da Cunta Salles.
Para exhumar o* ossos de Elvira Olindina da
Cunha Galvo, seu "pai Francisco Jos Galvio.
19. De vigario encommendado para a fregue-
zia de S. Lonren.o da Malta, por lempo de uaa
anno, aoRvd Francisco Annianode Suiza Aojo.
21.De coadjutor, para a freguezia de Sant'An-
na de Campo Grande, no Ro Grande do Norte,
por lempo de um anno, ao padre Amaro Theot
Castor Brasil.
22.De confessor, por tempo de nm anno, ao
padre Manoel Emygdio de Oliveira EstoHer, resi-
dente na povoaco de Palmeira de Garanhona.
Para exhumar os ossos de Januaria Carolina.
Correa \ku&, seu marido Joaquim Luir VI
25- -Jai^Mdido, para a matriz de Nutaa Seal
ra da Paz vos Afogados, por tempo de U
a Sebastio Tavares do Oliveira.
1
.-Jfc
JL

cussao adiada do pp.j,>rt,i n. BJ
ou anuo passado, que n-i.rma a inslriic.ao pii-
Idiea primaria e seeoadaria da provincia.
\ ai a mesa e apotada a aenntaai eaanak
Sil'snina-se o final do art. 14 pelo Mg ihata
Depois de approvaa pnta asaamataa a classi-
Hfacao, que fica cmimeitida ao prraiaeata da pro-
vincia, somonte por |.-i pud,-ra ser alterada.
Araujo.*
Encerrada a discusso, ajavarada o artigo.
bem romo a emenda.
Entinado em discusso o art. 15, v.io a m-ssa e
sao apoiadas as seguintes miendas :
Additivn. As alumnas mesiras que ivl.'iv ,
titulo de babilita.o pela enflata iioii.iI, fundad..
pela son lado Propagadora da instruccao publi-
ca. .V irftwx ihi ilra.
Os moneifinados nos S I, t. 3. 4 c 6 nao se-
ra admtanos inscrpcao para os concursos, sr
nao exhibiroin pr ivas de roacio para o magiste-
rio, revelada na prnttaa aatadar do anrena, du
nata 2 anuos pelo monos. Uch-i <'aralcante.
Aniujn. Tbfntina 4 Cm ro/Ao.
Ao 5* Em vez de escolas normaos, do Rio
de Janeiro e Babia-diga-se escolai aaraaaaian
imperio. -IWmJlM de Cmnilko.- l'rhot Cari/
ni ule.
Sub emenda -Em vez de dous aonos de pn-
liea diga-se -ubi anno. Padre filo
O Sr. 4. Carrea de Araujo (nao de-
volveu 0 son discurso.)
O :-r. l'elia (' aleante (nao devol\-eu
o sou discurso.)
Verificando so nao haver numero para vuUr-se.
o Sr. presidente nomela os Srs. Pinto Jnior, Ga-
mero o Ges Cavalcanto para a comiiiis-o qm-
tem de levar leis a sanceo, e levanta a sessao.
REVISTA DIARIA.
AaawauMa provincial. Funccionoii
aiile-boiueni com 24 Sis. depulados.
*>*....."i.' ueta daj^"--**-*saawapwi^'>- >"-
I* secretario leu o seguinte expMante
.


lv
.
Diyip 2*.--Para exhumar
lina do Molla Ierres.
Paulino Vieira d M ":
Parn expr o Senhor, na festividaJe da Santis
siun l.i dada, t tidade do- Peuede, provincia
das Alagis, a requefimento de Jao los de bou-
za Guerra, Juiz da referida festivhlade.
De oratorio privado, por tres'anuos, a Jos Lou-
renco da Silva, morador na freguezia de torun-
pe, a provincia da Ataapas.
29.^-Para exhumar o ossns s> Candtda Brasi
letra de rtoes TeHes. Mari* Hita Cornelias, Mana
Ivmpia do Amor Divino, Franssco .Austiberto
das hagas Cedrino e Menrinue Retalio Villas-
Boas, a rpiineriioeno da contraria do Nossa Se-
hora do Livrament desta cida.de.
Para CXpflT o S*atis-inio Sacramento, ta resta
Norte, a'iBeiiiiwto da mesa redora.
Para exhftiar os ossos de Alfredo Yheniistocles
Tavares de Yascnncellos, se.u pai Galdino The-
mistotfesTavares de Vsseoncellos.
Para expdr o Sautissimo Sacramento, na ferta
i TelJeum de Nossa Ssnhora da Luz, na igreja de
S. Jos do Riba-mar, a re|uertinento da mesa re-
dora.
De"%ario encmnmendado, para a freguezia de
"S. Miguel de taip, na provincia da Parahyha,
por tempo de wn atino, ae Rvd. bacha el Joo do
lego Moura.
Pagadoria geral.Nesta repartirlo pa-
gua schoje-as-ognintes (binas: Culto ptttflico, em-
pregados 4o recenseattent >, guarda-nacional, al-
ian oga, aposentados.
Yisinhr luco m modo Moradores da ra
da Penha se Brn queixam de uin mtnino dourto ou
mal tico aoc e-xisti! em um dos sobrnSos dessa ra,
iacomnetyftnilo nao s a visiilianr,a, romo as pes-
Mas que transitan, ] com actos indecorosas, j
oom hinvras iiiBecentes.
FaiIs'Citiicnto -No lugar denoinmado Tor-
rinlia do |. diftrictn policial do Cabo, fallecen o
italirao Jos Gktrallo.
Des lloligenrias a que pnjccqeu a autoridade, re-
eotftiecc se Hiaver o mesm fallecido de' febre
amarelia.
Missu e reatefl*. Am.inh ;is 7 horas
do lia a familia do finado lente coronel Jos La-
r.s Soares'Rap izo da Cmara manda cantar una
niissa de rquiem, na matriz da lioa-Vista, por
ratm i AVmsmo tinado, e convida para assisti-la
a todos ns parentes e amigos.
I.'tti-r:i. A que se acha a venda a 49", a
beneficio da matriz de Baneiros, i|iie corre no
dia 7.
1 ilfio. -Amairli, G do corrente, deve ter lu
gar o Icilai) de movis, Iouca, cryataes, vinhos,
a%ra< de duro e prata, conforme est annunciado
por intervengo do agente Pinto para a cava la ra
do Hospicio n. 31, em quo morn o Sr. Manuel
R. de Cnrvallio.
Oiitro. -Quaria-feira," do corrente, elfectuur
-amerite Pinto o-teHao de fazendas a vi-riadas, pa-
pcl de p'soeontras miudozas, que se-ro vendidas
-fias 10 ao meio dia. e ein eoiitinuae.io vender o
fnesino agente os predios anuunciados.
C:ts-i le itatuneao. Movitueuto do dia
:2 de tnaio de 187.1 :
Existan) ( presos ) 333, entraratn i, sfete I,
existem 335.
A saber :
[acionaes Sil, multares 8, estrangeiros 38.
asemos 8 esertvas 10.Total 355.
Aumentados a cusa dos cofres pblicos 2U*.
Movim mo dit enfermara do dia i ds maio
de 1873
TI reram alta :
Ploriano Pra* i-' Mend a.
No!iiii Maii'i'il Correia de Amorim.
Cypriaiio PrSnbfsco do Nasciniento.
Pailecoo :
Jlo Jos dos Santos, beriberi.
C^mitTi publico. Obituario do dia 2
do oriente :.
Pranciso, pardo, Pernambnco, i niezes, Boa-
Vista ; intlamarao.
Augusto AHmao Holnetretn, branco, Rnssia, H
inn-s. solteiro Boa-Vista ; febre amarelia.
Hara, parda, l'einaniliuco, l nicies, Boa-Vista;
eatrite -
Valentim, escrav i, preto, Pernambuco, 2*i an-
nos. solteiro. Orap ; ttano.
Jih, recem-Kascido, bran-:o, Pernambuco, Boa-
Vista ; ao nascer.
Francisca Mara das Chagas, preta, Pernanil;u-
co, 50 annoi, viuva, Boa-Vista ; en'erite chro-
nica.
Jo.io Alv-s i'o-t Santos, pardo Pernambuco, 20
.annus, solteiro,-(iraca ; molestia no peito.
luiro, H.ia-Viall* febre amare'na.
cSiOMilJlIlCiAJUL
TSMlll II, El KIJLtClO.
SliSSAt >H'} l)l% MAIO U 1873.
MUOBNCM UO XM. SH. CCUUBLHE1R0 CAKTA.NO
SAN TI A 00.
Secretorio /.);. Virgilio Coelkn.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-!
'jbargaores Lsnrenco Santiago, Almeida Albu-
i|uerq:ie, Molla, procurador da cora, Domingues
Silva, Doria, ftepieira Costa, Souza Leia, NeTvae
Araujo Jorge, abeio-se a sesjo.
JI.C.AMKNTi'S.
A^poUaeSes citis.
DoReeife.AnpaUantos Souza i Gaimares,,
apnellado Francisco do Paula Ucha Cavab-anli.
Kcf.irinada a scir.er,;a.
Appellante Rernardino de Leilio, appellado
Manuel Goucalves Fwreira. Nao toinaram coaiie-
cnento.
Appellaute Eu4au0 JoV; das <;iiagas e oalro,
uppeada a irmande de Nossa Senhora da Gon-
rci;ao. -Confirmadas lenteaca.
De Alagoa Nov.lAppellan'le Antonio Jos a"e
Oliveira, aunellados Braga Gomes & C. -Kel'orma-
da a sentenca.
Da Imperatriz. -Amellante Clemente Rodrigue*
do Sobral, ippellado Cassimiro de Medeiros Ca-
valcanti. Pesprezaram es embargos.
f)e Iguarass. -AjpeUante Anua Joaquina Tei-
xcira da M"tta CaralCanli, appellado Fcaacisco Ga-
ralcanti GaKao. ReforiEada a sentenea.
Ue Serinhaem. Appetlaute Jos Francwco A-
cioli Lio, appellado Feliciano Jos Ribeira.es-
presados os embargos^
D'Areia. -Acpellatile Manrel Gomes da Cuniu
Urna, appellaifc J->uto Confia Lima. Deepreza-
09 os embargw.
I)e Campia brandeAppellantes Joo do Cou-
to Silva e outros, amallados Jeronymo Jos Bar-
bosa e sutros. -Ilesprezados os embargos.
Do l.im leiru.Appellante o juizo ex-oillcio, ap-
ellado Ponciano, eacravo. -Continuada a sentenea.
De Camaragibe. -Appellaiito ioao Francisco l-
ves da silra, appellado padre Autonio Josi! Pinto.
Uesprezados os embargos.
H'Agiia Preta. Apftellantfl Pedro Gon>;alves da
ocha, appeJIadu I). I'ran sisea Feliciana l^ipe
Bastos e suas lillin*.Bjsprezaram os embargas.
Ua Parahyba. -AppeBante Joo oellieBastos,
qtpellada a bsenda nacional.De*(j)rezados os
Mnbargos.
Appellante o juizo ex-ofleio, appellada a parda
Mana. = Confirmada a senten.a.
Appellaro orime.
Do Rio Grande do Norte.Appellante o pioinu-
lor publico, appellad Jozino Peres de Oliveira.
Nullo oproeesso da boniricao em diamc
Baauncia.
De Lucio Soai-ds de, Alb'j ]u;rque, Eueta^uio e
jutros contra o r. uiz de direito Joaquim Bar-
bosa Lima. -Joiz<3s os Srs. desenilim-gadopes o-
ria, Regneira Co, Neiva c Araujo Jorge.Ji-
jjrocedente.
Recursos crjmes.
Recrreme, o juizo do direito de Ilamb. Re-
corrido Joo los*) da Roclu Pon aauco. uizes u&
Srs. desembargadore Doria, Domingues Silva,j
Souza Leao e Loureuco Saatiago.IraproeeJeiito
Reeorrente Antonio Maria Carneiro I^ao, re-
corridos Jc Rodri mes Cainuello e outros. Juizes
os Srs. desembargadores Almeida Albuuuerque,
Domingues Silva, Loarenco Santiago e Neiva.
L'eram provimeoto.
Aggravosde peticao.
Aggravaato o viscoode Ue Sjassuna, aggravado
t> juizo. Juizes os Srs. de-embargad ores Louien-
co.Saoiiago, Muta e Araujo Jorge.-Nao lomaran)
conneei meato.
P/SSAGKNS
Uo br, desembargadjr Lourenco Santiago ao
br. desembargador Almeid Albuquorque :
Do jury d.iItaiab.-AppeHaneo juizo, appei-
lados Itaymundo Pereira de Araujo e outros.
Da Imperatriz. -Appcllanto o juizo, appellado
Joao Reato, do Vasconcello*; appellante o juizo,
appellada Manoel Joaquim de Souza.
De.Sbfal. Appellantj Vicente da Gunha Be-
ierra, appellada a juslica.
' De Floresta. AppoJIante o juizo, appellado Ma-;
aiel Joaquim Montciro.
;._
=
,mnr os o-os de Dobora mbe"- Nascimenlo, apnallada a jusiica c Manuel o
rres X vn mirido o mior Luiz i da Gdsta o OlUfOS. s ^
.M,'ti, Do1alos.-App-'Ha;ito o julio, app;,,a,i0 Jo,v
:---

q-ilnvlgnaciir Jos- Sanios.-
.Do.Bouito.--AppeUant Jos Fr ncisco daS>\.:
Va.augeHada a jU55. '
Da Fortaleza App allante Jos Das >,% s|TO
Rbch-, aceitada'a jifctica.
Da Assembla.-Appellanle o jolto e Jos An-
tonio da Costa, appelld geiro e outro.
De"Maria Pereira.Apealante o juizo, appella-
dos Jos Ferreiradc Miraos e outro.
D'Agua Preta. -A*pellante Jos Francisco de
Araujo, apperlafla a justica.
Do Sr. esenihafgador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembai^sdor Doria :
Appel lacio crime.
Appellante o juizo, appellado Joaquim Correia
de Araujo.
DO-&T. desembarga Jor Doria ao Sr. deseml>ar
gador Domingues Silva :
4o juizo municipal da Laga Nova.-Vppellante
Matioel Loureuco Peroiaa, appellado Dr. Francisco
Ignacio de Souza Gouveia.
De Camaragibe. -Appellante Joaquim Jos Al-
vim, appellado Jos Cyriaco da Silva.
Da Assembla.-A[pellante Joo Mana da Sil-
va, appellados D. Mara da Anuunciacao, seus li-
llios e netos.
Do Sr. desembargalorRegueira Costa ao Sr,
desembrgate Souza Leao:
AppelU?oes crinies.
Appellante o iuizo, appellado Joao Alves Baptis-
ta ; appellante Hay mundo Gomes de Souza, appel-
lada a justca.
Do Sr. desembargador Neiva ao Sr. desembar-
gad.* Araujo Jorge :
De S. Jos do Mipib.-AppeHante Candido Mar-
lias de Castro, appeHado Jos da Costa Villar.
UiligencJa crime.
Ao Dr. carador geral :
Appellant? Antonio Josi Correia, appellada a
justiea.
Ao Sr. desembargad ir promotor da justiea :
Do Sobral.Appeliante Quilerio Flix Barbosa,
appellada a justiea.
Assignou-se da para juramento das appella-
coes en mes :
Appellante o juizo. appellado Francisco Bar-
bosa da Silva ; appellante Luiz Elias da Silva Al-
buqiterquc, appellada a Instiga; appeUaiile o jui-
zo, appellado Feliciano Jos da Silva ; appellante
bacbarci Joaquim Gtienes da Silva Mello, appella-
da a justiea; appellauajs Sabino Jos Dias e ou-
tros, amellada a juslica ; appellante o juizo, ap-
pellado Manuel Joaquim dos Sactos ; appellante
Sergio Clementino da Cimba Soto-uiaior e Albu-
querque, apgellado Benedicto da Silva e Souza ;
appellante o juizi, appellado Camillo Jos de
Souza.
Encerrou-se sessao a l hora e 3/i.
AMARA MUNICIPAL.
SESSAO E.VriUlMDINAlUA A0S9UEARRIL
DE 1873.
'mESWBNCU DJ SB. KBOO *K ALBUQUQBQfE.
Presentes os Srs. Gameiro, Neves, Loyo Juuior,
Tneodero Silva, Cuaba Guimares e Uciiio Costa,
abrio-se a sess.i, e ti lida o approTada a
acia da antecedente
Leu-se o seguiute
KXPF.DIRNrK :
m olficio do Exm. presidente da provincia,
communicand) ter odie alo ao chefe de polica no
sentido de competir cmara municipal, nos tor-
mos do g 1* do art. 1 das po-turas de 18 de iu
Uto de 1833 passar os tiluln dos bolieiros doy
bonds da compaubia l'ornambaco Street Uailway.
Inteirada. *
Outro do secretario da, assembla provincial ao
secreiario da presidencia da provincia com despa-
cho do Exm. presidente da provincia, mandando
informar. Que se informe
Outro do fiscal da freguezia de S. Frei Pedro
(onivilvos, commuuicando ter entrado para os oo-
l'res mimicipaes con a impartan ia da multa com-
mettida pela compau .a Pernambucana. Intei-
rada.
Outro do mesm i, eonflrtaando a verdadedoque
allegaram os pedrtiros Joao Marinho de Araujo e
Ant nio Ribeiro de Arau-o, os quaes pediatD o pa-
gamento de urna vistoria. -Vanlou-se pagar.
Outro do fiscal da frejuezia de S. Jos, pedindo
autorisafao para mandar pintar todos os varoes e
escapas do morcado publico. Conccdeu-se e or-
denou-se ae procurador para pagar as despezas.
Outro do fiscal da freguezia da Doa-Vista, com-
munisando o estado de ruinas era que s* ac' a a
jirtnlo.jjL.M3iiiiro Ao mgonhoiro pnra (azor o oc-
camenta.
Um requedimento de Ribeiro dt Gamito.Ao
fiscal para dizer se est no permetro.
Outro da sociedade Amor Beneficencia dos la
lliadores.A commissao do matadouro.
Um parecer da com nissiio do matad inro des'a
ci lade, nos seguintes termos :
A commissao do matadouro publico desta ci-
dade, tendo examinado o requerimcnlo da socie-
dade Amor Beneficencia dos talladores de carnes
verde, sobre que mindou o Exi> Sr. presiden-
te da provincia ouvir a esta cama do pare-
cer qua se adopte o regulamento pi isto pelo Sr.
vereaeor Dr. Moseoso, m 23 de junho de 18G9. e
que se remeta copia dalle ao Exm. Sr. presidente
da provincia.
o Paco da cmara municipal do Recite, Io de
abril de 1873.'.^UHha Guimaraes e Souza Leo.
O qite, p->m, me sausou mais a]aiirae2:)_foi
o esir'-:,.,-, na m llior harmona at aqnclla faoi-a.
,}dQ.iitfPasji^ a dar as raxo.s que tneaeva-
Vnoi a informar' contra n esgoto do hai.T.) Ua
cife ivfti isihoi) ir.'. Oiinda, alm da fortaleza, o1
Bru e deulro toiporto.
Quaudo o.go.yefno fes a innovacao do contra!,
teve om vlsta^como ponto principal, acabar com o
despejo feilo em di\-ersos pontos" do rio, am de
evitrquo as materias toca nio (icassem pos-
tas aos ralos solares sobro as praias c coras de
areia, as vasates das mares.
E' sabido por todos que as materias lancada
ao rio, vto' e deposflar no eu leilo, ou em sua:
margena, e c-pfaiaas pelas mares. A accumula
Co dossas materias deyeria certamente concor-
rer para o desenvolvimento de miasmas pestitife-
ros, ifernsejk em orta poca db auno.
DelerminaBo o contrato ojdetddo oesgito dessas
materias deva ser feitosomente por nm ponto ;
de vera ea, como engenheiro fiscal, concordar
com o pedido da cjmpanha, para a mudanca
parcial do osgoto do hamo do Recife, nio funda-
mentando a mesiriVcompanhia osea pedido, mos-
trando a necossi1aiie de tal mudanca pela incon-
veniencia que hatera de resultar com o esgoto
leilo por um mesico ponto t
A companhia nesse sentido nada fez, porque
se tentasso, seria urna mi recommendacao, tornan-
do claro o ponto objectivo de seu pedido a eco-
noma de tmblho do novo esg.to pelo poco cen-
tral das Cinco Ponas.
Eis a razo porque nforme contra semelhanie
pretendo ; e julgando a causa perdida, appcllei
para urna commissao de hygiene publica.
A presi*5iicia, vendo que "o esgoto daquellc bair-
ro, feilo dentro do porto, alociava a ssluhridade
de mesm, mandm ouvir ao Sr. Dr. inspector da
sade do porto, Lobu Moseoso.
Querendo, tuirm, o Sr. Dr. Moseoso ser cohe-
rente com a sua informaca dada com > camirista
e desojando que a sua opinito prevalecesse, tratou
de fazer una disiertaco soltre o assumpto ; e
to instruida foi ella, que determinou a presiden-
cia a resolver favoravelmente o pedido da compa-
nhia.
Agora, compare o publico osas proced ment
tao obsequioso para com a compabja, com o pos-
terior publea^io do offleio do Sr. Law. publica-
do neste Diario a !i de abril do corrente anno ; e
avalie porque metamorpb isopassou oSr. Dr. Mos-
eoso ; que quer a todo a transe trocar o titulo de
benemrito, pelo de algoz da companhia.
Deixo a aprecacao do respetavel publico para
julgar, se a minhi Imgia^e.n tem sido grosssira,
ouse tew slo convcaieai; eu.nedida, narrando
somcuteos fados taes quacs ellos sederam ; cutn-
prindo a<|u dizer <|iie devolvo a nsinuacao que
me faz or. inspector, de suppor que os meus es
eriptos pertencem a uutrem.
E' isso urna injuria, que s a lat, a quem quer
julgar os outros por si. A' falta de acensa-
cues serias, adubase a malevolencia com o ridi
culo, e juhja-se assim ter-se mareado a reputacao
d i empn'ga lo publico.
No artigo seguintc, mistrareao publico qua
cjiiio cngenlieiro fiscal da companhia Recife Drai-
aage, tenho paulado o meu eomportamento de
acord com o contrato e regulamento vigente, o
que arei, acompanhando essa exposico os do-
cumeut is ollicaes, para o que vou pedir a S. Exe.
o Sr. presidente da provincia, o favor de manda-
Ios publicar na parte olficial de-te Dinno.
Pela leitnra des-as pecas ollic.iaes que devem
merecer todo criterio, lia de ver o publico, qual a
norma de proceder que tenho tido para com a
ouipanhla Draiuage, e se tem fundamento os de-
licados eptetos, que me dedicou o Sr. inspector
da sade do pono
Hecife, 2 do maio de 1871.
Jai Tibnrrio l'errira d' itagalliiies.
,1'NGLISH
BA>'k. OP RIO HK JANEIRO
(LIMITED)
Capital do Banco em 50:0!)0
accis de e 20 cala urna
Capital realisado......
Fun 1') '. 1,000:000
300:000
120:305
RUANCO DACAIXA FILI.VL EM PERNAMBUCO,
EM 30 BE ABRIL DE 187:1
ACTIVO.
Letras descontadas.............
Kmpresiimos e contas caucionadas
Letras a receber...............
Garantas e valores depositados..
Mobilia, etc. do banco..........
Diversas
Caixa
conias.,
1,313:599*150
08:123^-20
19:501478-.
268:io9M
ll::ti8#08)
280:35i230
."179:931 iOlO
PASS1V0.
Coalas eocrentes sim-
ptoB.............. -32:'f7oi0
D>'p-sito a ffaso 10
com aviso e por le-
tras ............. 1411:365*130
Rs. 2,873:2ilSK
~-----------
Tila lo*; m caucao 8 deposito.....
Di wrsas eoiltJS................
1,83:1:811329
268:159*811)
"S5!>: 9i6710
Carnes verdes.
Rs. 2,373:2414810
S. E. A-O.
Pernambuco, 3,de maio de i87d.
F. Ji. Hloxkam, manager..
L tenderson. aicountant'
O direetor das obras publicas
ao publico,
ii
Pelo exjjfletoao meu prkneiro artigo, prove ao
reipetas-eniublieo quo n'aquella epoea o Sr. Dr.
Lobo Moseoso, nao foi soineale um advogad >, foi
um protector, foi um pai da compaobja Becife
Dranage.
Que o Sr. Dr. Moseoso teve conbeci ziento do
grande favor que fez a companhia, ttcou jiro .ado
e tirado a limpo, 4 vinia do seus prinfleiros arti-
gas, pela maneira inconveniente porque se portou,
dar^do asskn a entender que era naja o* iospeito
quo. Mava, dj que o seuapregoado zulo.
Na verdade, ness ponto o Sr. Dr. inspector da
sade, do porto, leve sobeja prova de razio para
se molestar oom o -r. gerunte da companhia, por
nao !Ue ser grato pelo gra-ide favor, .para o (jual
elle nnfcamente caaeorreu eom sua taencia
prestig*.,
Sou o primeiro a reconhecer que o Sr. geren-
te. Law, em pauco (empo, se.esuueceu da protec-
(o, que lio espon aneam^nto Iba prodigaJisou o
8r. Dr. Moseoso, e sem mais reserva, poz eni pft-
tca o adagio -o da do beneficio a vespsra da
ingratidao.
Assim, po3, o Sr. Law, djvia ser mais agencio-
so para com o protactor espontsneo da companhia
o relevar de boa vontado esses engaos de princi-
pies mu comesinhos de pbysca
Isto, posto, que culpa, tive en, p*ara que o Sr.
Dr. Moseoso em seus doestos envolvese o meu
Do Limoeiro.Appjllante Henrique Soares do'humille aome, na rede de soat invectiv.as ?
A ptiaeipk a dsrussio subtil, capciosa ; mais
tarde a amcaua disl'ar(-ala em vagos clamores, la-
usentacns lingiilamonlo lacrimadas, por fim adia*
tribe desbragada, revoltantemente insultuosa, e
que nem mewno o mais fundado desespero pode
justificar : til ha sido a defeza formulada,em ne-
me dos Srs. marchantes, ao, forzosamente preco-
nisad) direito do monopolio d^s cantes verdes.
Pelo |i em que est a questao, cumprenos ape-
nas rebator una ou entra pedrada jogada pilo i7-
lus'rc defensor daquella monstruosidade, deTomi-
uada monopolio rfrs carnes verdes, o qual, nos
paroxismos da luta a que tao mal arrometteu, j
nao conhece homeus nem soasas.
Saiba logo o tal senhor, que, quanto a nos, bra-
vatas e insultos sao meio* altamente roprovados e
soberanamente desbrotados pelo sensoertSm moder-
no em qnesT) s desla oudc outraordem qualquer.
Se o Sr. advogado, pola isQprcnsa, do mmopolio
das carnes verdes entende-se e>un. _o direito de
i iiiIestar lirremvn'e n seu pmisaiwnio neta im-
prenta, saslentandt a inviolabiliduie de iirtjtOt
sini!)s, como so v do Jornal do Recife de 2 do
corren e ; lgico como se ergulha do ser nao de-e
nem pode admittir que a outro, e;n idnticas cir-
enmstancia, seja negado esse direito. E' o que
se da comnosco a re.s|)eito daquelles por quem
pugnamos : -o* talhadorej de carnes verdes.
Devolvamos a pedrada.
Poros e que se haja feilo banca-rota, j nao di-
vemos do bom sonso, mas do sensocommum, para
vir um homem, que se diz no uso perfeito de suas
faculdades montees, cu.spir do alto da mprensa
face do urna corporacao, qualquer que seja o atra-
7.0 injellec.uaI de seus membros, urna ofensa bru-
tal, cujo quilate pode aferir-se pelo de um couce,
como esta : Alli era mtto duza de individuos,
muitos dos quaes nem assignaro proprionmie sa-
bem, que despeitados por terem os marchantes
opposto bices a que se conlinuasse a talhar car-
nes por libras em vez de k.logratnnus, a vende-
la por maiorprefo do que o estipulado, a dirigir ter-
mos indecentes, etc fizeram urna representeco
sobre bases, cuja faisidade facilmenie se poderia
verificar, com o fun de exercer vnganca, etc.
Pciis ser possivel tolerar que, quem quer que
seja esse advogado dos Srs. marchames, no intuito
de argumentar a defeza do monopolio por a melles
mantido, oue desacatar torpemente por todas as
faces urna associacao de homeus lvres, amesqui-
nhaiido-lhe o carcter sob lodos os ^pontos de vis-
la, siippondo-aapno.'i sem exhibicao da mais li-
geira prova, culpa de crme infamantes como o
furto, e alm de tudo fazendo p de castello da
ignoraucia delles, pela qual, se responsaveis podem
baver, sois vos doutor s governadores do pai/. e nao
elle-i mesmo.-, cuitados ?
Permitti que vos digamos, oh. vos que anda ti-
vestes coragem, para nao diz )f dlspudor de defen-
der o monopolio das carnes verdes : O jacto des-
aforado de vossa tilis pao foi alm do cepo do
acouguc, alli ficou sem echo perdida na inglezia da
rol que o frequenta.
Cabrjou ficou-vos na gai'gauta, o amigo dos po-
bres ficou-vos muito ao de cima da cabeca, porque
o nao conhecestes ; eu que eslou prevenido, que
sei que nesta hora corcveles rUs ultimas ener-
gas, procurarei flcar-vos nos flancos.
A colera real ou fingida de que vos deixasles apo-
derar, iullueneiada talve.i, pela remuneradlo de
vossos esforios, leva-vos, preciso que se vos diga
sempre do aby^ino dos desatinos.
Seja aqu dito de passagem so ha diuhoire que
manche a mao que o recebe o que paga a rao
que enlmela,
Defendei o direito supposto de vossos clientes,
mas nao insultis o presiieute da provincia nem
aos deputados que bombeiam a mina do monopo
lio ; que a am e outros, apezar das elevadas posi
{oes que oscoBam, deveis o respeito que a coi'le--|
zia nos mpoe i todos.
A segunda paite do artigo de Cabran desmofo-
nou-vos, porqu vos deu de eheio na (alba da ar-
madura ; nossa resposta foi principalmente ba-
nal.
A vossa argumentado, desde o principio da
questao, sempre urna, s'empre a mesm, es[ este:
fada forca de. ser repeCioa,, restando-vos somonte
o mrito la forma, que mais ou manas tendea sa-
bido variar d artigo artigo, mas por amor, de
alimentar a discusso, am de qu mais readosa se
vos torne, quepp,r,coflvicc^o i fallemos frapxfl, de
que defendis um direito atgr-ilo.
Assim menor palavra que appareca emdeaza
dos talhaderes do carnetverdes, atiraes couivosca
arena, mas por iot-'lii-idade, empuahando seul
pre a mesma espada enfej-rujad.c dentada c>m
que abrlstes o combaie.
Prelendejtesresponder ao amigadopd&r^pas
iguorando uijcni olle seia, as.-m como ignoraos
juem seja Clfbrian,lancastes allusoos vagas, insen-
siias; por qpe paradles jamis vossa pjUapn to:
r calor Bastante para cresta-Ios, visto como, d f,
vos juramos jamis virjth elles.sequer, "s fras re-
gioes de Camar gibe, que vos, ouvide bera, estori-
Usantes, guando alli arelantes e fructi/U ses.
Respoadendo, poiem, aos dislates do paranym-
pho dos Sr. marchantes, nao esqueceremos o nos-
ao fim principaf que *nda nm vez reclamarmos
pela effectrvi lade quanto ^ntes da matricula pedi-
da pelos cortadores de ca.tne verdes, corn exclti-
sao absoluta dos, escravo.
E nos parece que n argeo^ 'K* medida sobe
de pepto, quando o proprio advogado d nurebin-
tarLi, reconhecendo a ignorancia* crissa do^lAma-
doresde carnes verdes, *ous uos costnlcs^ etc.,
Keceu iinplicitamcnte a hei sslilade 'I110 ha
de reformar-se-lbcs os hbitos, instruisdo-os C
desligando-os do escravo, consttul" urna corpora-
cao ou um grupo do homeus, sa o querem, capazes
da responsabilidade de seus actos no mister de
sua prolissao ; o que de certo se'nao podo exigir
delles, no estado de apaucanenio moral e intellec
tual em que eslao actualmente.
Tal a cegueira, a"oDstiiia$o com que.se de-
de o diablico monopolio, que nem mesmo a
antia resultante daquella medida, a matrcula
a, se quer conceder ao publico e quelles po-
bres 'imens ; a todo o transe se quer o monopolio
^e querom-no tal qual elle sempre foi do baraco e
cutello, eacontrando francas ante si todas as vere-
das do abuso, com a faculdade Ilimitada, pde-se
dizer, de delinquir; isto de tyranmsar'o criador
e o consumidor, de tyranni-ar at os empregados
de que se servem na ignobl mercanca.
E baja vista, que o pedido da matricula aos ta-
Ihadores ha sido um dos pontos capilaes das quei-
xas dos Srs. marchantes.
E' que em quanto polereni ellos servir-se de es-
cravo para aquelle serfieo, tero fcilmente ao al-
cance da mi um meio prompto de obrigar o ta-
Ihador Hvre a dobrar a cerviz aos seus caprichos,
sob pena de ficar sera trabalho, e consegumtemen-
te sem pao.
Nao. O talhador nao quer cmancipar-se da fr-
rea tutela do marchante para abusar delle c do
publico, porque isto urna supposicio tao malevo
la e gratuita que com repugnancia'se repelle, ma
xime quando sabido esta que, dada essa emanci-
Eeao, o pjder compoiente regulara o seu modo
ser.
Convencam-se pois os Srs. marchantes e seu ad
vogado na imprensa, que lempos e homens sao ou
tros, e a Illma. cmara municipal lia de um dia
cumprir de urna vez o seu de ver.
Tornaremos, sempre que se faca mister.
A i ompaiihiii Draiisn^o
Pasma, se que nao revolta o espirito uue
anda se plc conservar superior s quesluincuias
em que barafusU a nissa sociedade de boje, pre-
sumpoosamenttf perdularia de bros que j Ibe fal-
tosa, o ver-se um homem s, e entretanto s-
mente fraco pela unidadeem que so acha, a ar-
car em prol de um interesse vital da provincia,
do um interesse que enteudo muito directamente
com o bem estar de todos em geral.
Qaand vemos toda a imprensa da provincia
desbaratar improficuamente sua energa em vagas
exelatnac^ea de urna poltica estafada ai influxo
do mais depravado egosmo, guardando religioso
silencio a respeito da quest), que, no momento
em que escrevemos, mais devera agitar-nos a at-
tentado ; o nosso espirito toma-se de borro/ ou de
nojo, n) sabemos ao Certo.
Referimi-nos luta renliidamente travada pelo
Sr. Dr. Lobo Mosc.iso. digno inspector da saude
publica com a pestilencial e mortfera Companhia
Dranage.
Pois que Nao estar no anmi de tolos a
peruciosdade des.-a empieza contra a qual a lei
se levanta, a opinio publicase reholla, o presi-
dente da provincia reclama, e a assembla provin-
cial indirecta mas expansivamente, protesta !
Indifferenca ou covardia, nao ha expheacao
para o silencio da imprensa e daquelles que es-
tao no caso de concorrer de. qualquer modo para
o bem commum, na conjnnctura diflicil em que
nos adiamos.
A Companhia Draiuage urna companhia in-
glesa, sabemos ; mas se reconheeemos que temos
a algibeira e a sade ameacadas pela pessima
execuo que ha dado ella ao contrat i que esla-
beleceu com a provincia, rompamos com todas
e quaesquer considerables ; discutamos nosso di-
reito altura de noisa digni lade
Nem urna voz ainda Tguou-se em favor dessa
empreza; os que alguma eonsa tem dito em seu
abono, nada significa atienta a posicao de depen-
dencia e conveniencia particular em qu; cada um
delles est para a tal empieza.
So torca que por mais urna vez discuiamo-
o respectivo contrato, a oxecugio que Ihe do,
e tudo mais quo lhe diz respeito, discutamos.
OSr. Dr. Moseoso nao est s ; Pernambuco
nao ha de curtir a vergonha de ter um grande
drelo seu defendido e zelado por um tilho da
Baha, somonte.
Conlmue entretanto o Sr. Dr. Moseoso a profligar
enrgicamente como o tem feito at boje os in-
tuitos coudemnaveis da Comnanhia Dranage, sem
lembrar-se a que pavlhao ella se abriga ; pois
em quesTes de tamanha monta nao foi nunca do
brasileiro procurar sabor a nacionalidade de quem
o vexa para o repellir.
Ouran-Sa mgue.
8?hi\, eonlra-f go
COMPANHIA
Capital.
Fundo de
reserva.
Mills
20,900'.0009e00
8,000:(O(mH)00
Agentes,
Latham C.
RA DA CRUZ N. 38.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA B0 FOGO.
A companhia Indemnisattora.estabelccids
tiesta pra^a, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorins e inubilias; na
rita do Vigario n. 4, pavimento terreo.
PllACA DO RECIFK il DE M\!0
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARUE.
. Coluroi-M otileues.
Asiicaramericano purgado ilo'J por l-' kilos,
hontem.
.ambio sobre Londres a 90 div. 15 :(ii d. por
liOJO, hontem.
Dito sobre dito a UO d(v. 2o 3[8 d., do banco.
Cambio sobre o R o de Janeiro a 8 d|v. ao par.
i/UDourcq
Presidente.
L.eal Seve
Secretario.
RESUMO SF.M.VNWI. OAS COTAgES OFFIC.IAKS
DA PRA<;.\ DO Mein, >"V SKMANA llKC.Olini-
DA DE 28 M ABUII. A I M MAIO t(K 187:1.
Assncar. Americano purgado |5
kl............ -24130
De Macei, posto a bordo, a frete de
35 e 5 por cento...... 100
Bruto baixo......... 1J8T0
Algodao. Da Parahyba (I.* serte)
posto a bordo a frete de i/ por con-
t, e 5 por cento....... t0130
Dito, dito, dito........ iOiOJ
De Macei, (refago) dito, di;o 8J.5D0
Do sertao.......... IO|3S0
Dito dito.......... 10*1
De Mamaognape, sem inspec.o. H* 10
Do Penedo......... ViJO
Couros.-Salgados verdes (kil.) Y.Ui
Cambios.Sobre Londres 2 3rl, "|s. 2(.
26 l|8, 26 l|t.
Paris, 36", 368,370 e 378.
Hamburgo, 't-'ij e 'un
Lisboa, 06, 110, 112 o/.
Porto, 106 %
Descontos de lettras, 10, II e 12 % ao ano.
ENTRADAS f. sviiidas dos i;knf.ros no
P.UZ, E A QLANTIDADK UJS VOU.MI-S
Assucar 21,661 saceos.
Algodao, 2,7i0 saccas.
Exporlacao.
Assucar, 11,603 sacaos M., c 20!) ditos b.
dem, 6i3 barricas M c 6,097 B.
Algodao, 2,080 saccas.
Couros, 2,516.
Chfres, 6,918.
Associacao Contraer.:ial Benelicene. 3 la :
de 18;'3.
J. V. Ferreira lape*,
Arcbivisla.
Plmemg O taceos, a \. S. Neves.
Rodas e suns ,Tt.-nr.,, r volum aSiiiw tow-
kes AC
Salpetm 75 litxm a S. P. Jutom. Se*i t
sapatciro I fardo, a.S. Shaw llawkes
fot-ida 3 voluroes a Braga* Son, a Jfonianl
& ( #rto 1,980, a S. P Johmton
Vidro i0 raisas a C. Moracs, laS.Hawkr
Velas 100 sai xas. ordem.
DEiPA'lb S DF. KXPOUTACAO NO 01A S DR
MAIO DE IW.
PiU'4, O.t tartos ao extn inr
No vapor ingles tiahiaua. para USfpa>4,
carregaram : Isidoro Bastos 4 C 6*1 sa*e*s esta
47,08'J 1| t kik>> de lgodao ; S. Brotheis C 77
ditas com 5,739 ditos de dito ; E. R. RaMIo C **
ditas ciin 3,96S ditos de dito.
-- Na barca francera Grande, para I *U
vrc, carregou : E. A. Burle & C 1,56*. ronf
verdes com 31,300 kilos.
Ao lirigoe li.'spanb'il /tcrin-i. para o II.
Prata. carn>garam: P. Carneiro A U 50 pipas
21,010 litros de cachan.
No brigue |Wn IfHl liilampagn, para o Bh>
da l'rata, carregaram : I!. OHveM C 90 i-l-
ricas ruin 8*12 hilos de aMSKSjT branco
Na galera ii .rtngueza Aodmta. fiara o f
carregou : M. M. Mont.iro :i8>ccas om *,*9-"> lf*
kilos ()>' algo Pin.
No brigue ...rtugiicz Bella Ffe Lisboa, earfpfw : 1 dos Santot e mI* :i \ brr
com 5,760 lti..- de niel.
9ara as portas do interior,
Para o Bio Grande do Sul, no pit.icbo
tuguez Urna, cairsaaram : 1. do mA vha
3,000 cocos il'rucU). Para Sanl.-s J S Ln) k
Filho900|2 barr-as com :2.876 kiV< iW s
branco e I00|2 ditas eoni 'i."."i dt>w ib' dito v\
cavado.
Para o Rio Grande di Mil. m
cional Salsi'pitidi ,. .ui.goii : A. O I..
ricas com 12, 17 kilm m BeasjasB)
100 ditas com il.'iiC. dit.s de da branm.
Para o Para, no navio portagaea IJgeiro Ht
carregaram : P. I arnen) 4 C. 3 pipa* com IAV
litros de alcoo1
Para Mateas, na ban-ar.i Horwiim*, es
garam : Silva \ Alves I barr I com 121 litr-
alcool.
Para Parahyba, na bafeata Suas nsafa
regou : J. Soares WeWi t barril com W litr
cachaca.
Paran Rio Grande d> Aorte. na bar'
Bella Flor, carregaram : Antero 4 M.'-qii! i t
rica rom 60 kilos de as*uear branco.
' Para Macei. nt hin-va imns/fo a> W:
carregaram : J. 4 Cwto Siqneira 3 barr
182 kilos de assucar refina lo.
aLFANDEGA
.tondimento do dia I a 2 .
dem do dia 3.....
120:2561169
50:112*388
CQMMERCIO.
- ~v?n^nmzm
Augusli F. d'Oliveira k C.
A casa commereial e bancaria de Augusto
F. d'Oliveira & C."., ra d^ Commercio n.
2, encarrega-se de execuco de ordens para
embarque de productos, e de todos os mais
negocios de commissao, quer commerciaes,
qur baucarios.
Desconta lettras, e toma dinheiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca vista, e a
prazo, vontade do tomador, sobre as se-
guiutes pregas estrangeras e naciojiacs :
luadre.Sobre o unin bank of
london (de responsabilidade Ilimitada] o
varias firmas de 1.a classe.
Paris.-Sobre os Srs. marcuard a-
or & C.aP. GIL, C A. BLACQUE VIGN'AL &
C.1 BANQOEIROS.
Haissburgo..-Sobre os Srs. joao schu
BACK & FILHOS.
Lisboa.-Sobre os Srs. fonsecas, san-
tos & VLycu, e SEBASTIO JOS d'abreu.
Portaw^Sobre o banco usiao do por-
to, e o Sr.-joaquim pinto da fonseca.
Para.Sobre o banco commercial do
para, e os Srs. francisco gaudencio da cos-
ta & Fimos.
Maraulstto.-Sobre o Sr. jos ferrei-
ra DA SILVA JNIOR-.
Ccr.Sobre os Srs. j. s. de vascon-
CELLOS SONS.
Babia.Sobre os Srs. marinhos de*.
Bio de Jasteiro. Sobre o banco in-
dustrial E MERCANTIL DO RIO DE JANEIRO, 6
0_ BANCO NACIONAL.
. SEGilflS
CONTRA-FOGO
i 70:698 Aoo:
Ba do Cosuinercio n.
iiaeiro andar.
Agent,
W. G. FEMNELLY.

3,
pri-
Segur*
THE I.IV-KKPOO
conr-fogo
LIVERPOOL LON>ON& &LOB
INSURANCE COBPANY
Agentes
SA.llfDEIlS-BROTUEES C.
lCorpo Santo11
GOWAHHU 4LLIAN(4
segeos maritimos a terres-
tr< ^atabeleoida na Bahia
em L5 a!? Janeiro em 1870.
CAPITALv4^0fl-000*000-
Toma seguro de merc'*dorias e a"^e""0
risco martimo em navio de* J/^0- e. vapores
para dentro e fra do imperio, ^s*"t* como.
contra fogo sobre predios, gen***0* e *-
zondas.
Agente : Joflqajm Josa Gonglves <r*Q,
ra drj CQmmercio n. 5, j*andar.
inMavW i
?
Oescarregam hnjs 5 de maio de 1873
Vapor inglez Fire Queen morcadorias para al-
l'andega.
Brigue i nglez Muani-x varios swmssm pan
o traDiclie Coaceicii, para despaoliar.
Brigue inglez-Accidental Star varios gneros
para o trapiche Couceicao, para de>pa-
char.
Barca allemiEllidavarios, genero* para o ira
piche Coneeicao, para despachar.
Brigue holjandoz Thvsbeck vario* gneros pan
0 trapiche Concuie/io, para itsmachir.
Barca ingleza-L'iomia bacalho despa-liadi
para o trapicho Concei;o.
Barca ingleza Cleft m familia j despachada
para n caes do Apollo.
Barca americanaCasrwtaboado j despachado
para o caes do Apollo,
Lugar inglez Beari bacalho j despachado
aara o trapiche Concei.-o.
Barca inglezaBollg Varden carvo ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Brigue infle Jane Gosdycar maleriaes ja de>-
aespaehadoi para a estrada de mra de
S. Francisco, pira ojrapiehe Coueeivo,
para conferir, c carvo de pedia j des-
pachado para o i" ponto.
Sumaca hespanholaPreciosa vinno para depo-
sito no trapiche Barbosa.
ALTERAQAD XA PAUTA DOS l'RECOS OS OSSOSRM
SUJEITOrt DIRGITOS DB HWII>TI[Tn, SA SBMANA
DB 5 A 10 K MAIO DB 187:1.
Algodaoem rama du la 633 rs. o-kilo.
Assucarmasca vado 130 rs. o kilo.
Couros-de bol verdes 136 rs. o kilo.
Carvo de pedra estrangeiro. tonelada mtrica-
1 ti000.
Alfandcga de Pernambuco, 3 de mai > d 1873
O 1* conferenteJ. Kibeiro da Cunha.
0 2 cooferenteJ. J. Henriiiue.
Approvo. Alfandega, 3 de maio de 187!.
O inspector da allandeii.i
Fiio Alesandrino de CoroaMo Si '
liuporta^tio
Hio de Janeiro, brigue nacional Victoiia, co'jslg-
nado a Pereira V. 4 C, manifastou :
Breu 2.0 barris a Fernandos da Costa. Barr
cas vasias 230 volumes a 1. Licio 4 Filln, 300 ;
Pinto Guimaraes, 290 a P. Carneiro 4 C.
Cafe 5 sacco- a.M. de Barros Filho 4 C, 130 ;
Lima Beiro, 40 a Fraga 4 Rocha, 40 a R. (ionios
Luz, 6 >a Costa Amorim 4 O, 43 a J. J. Azcvedo.
30 a Paula Ramos, 193 a J. J. da Costa, M a A
Reg Leile, 48 a Jeronymo F. Ferreira. 50 a M. D,
de Figueiredo, 150 a Magalhaes Irmao, 100 a
Rosas 4 Filho, 30 a Annes Jacome, 200 a Sadr
da Motu, 50 a J. J. Leito, 50 a a Beltro & Filho'
230 a Cunha 4 Irrao, 20 a Silva Brasil, 100 aos
consignatarios, 30 a Santos Ciimbra. Chi 1 caixa a
Beltro 4 Filho, 1 a Sanios Coimbra.
Hesperelina 10) caixas, aos consignatarios.
Fogo da China 26 amarrados a J. M. Palmeira.
23 a Fraga 4 Rocha. 13 a J. J. Asevedo, 13
Fernandes 4 Irmo, 53 a Tito Livio Soares.
Louca 1 barrica, a B do Reg Barros.
.Movis 13 volumes, a Candi lo N. Pampluu
Sebo coado 36 barris a Soares Silva 4 C, r>0 a
Oliveira Azevedo.
Tinta 1 barril a J. J. Azevedo.
Liverpool, pataclio inglez Venus, consignado
a Johnslon Pater 4 C, m nifestou :
Arroz 100 saceos a 1 S. tyeves, aduellas de ier-
ro 300>odas a S. P. Joimston, 2Q0 a Sliaw Haw-
kes 4 C Apiostra 1 pacote a Von Schoten 4 C
1 a P. Carneirn 4 C.
Biscoulos 6 caixas, a Carvalbo Martins 4 C. Bar-
ril a *5 barris a Santos 4 Araujo, 60 ordem, *
a Fernandes da,.Casta- Raria de ferro 1, a Cosu
& Soares.
Cerveja SO barris a F. de Carvalho, 50 a Maga-
lhaes A Irmo, W a J. S. Niives. Chumbo 50 bar-
ris a Shaw.fljflfkes. Canos 22 atados aos mes-
mos, 2 a Simpspn 4 C. Cofce 50 toneladas, a S. T.
Johnston. Ch(irnbp em lencol 20 caixas, a S. P.
Johnston. fhfvo 8 toneladas, ordem.
Folfa de landres 10Q,cunhctes a S. Hawkers,
80 ordem. Ferragem 1 caix a Von Schoten 4
C, 2 a J. A.- Araujo,-2l a S. P, Johnslon. Formas
de assucar 15 vojumes aos mesmos.
G nera 00 caixas, a F. de Carvalho.
L^uca lOgigosaP. da Cunha & Irmac-A*
Guiaarcs 4 Alcoforado, 30 a Antonio F. Corea
y&rca^arias diversas 3 caixas, a Moreira Ha-
lidy. V .
Oleo d Jihha;a f! bai ris,i a M. BarV Mello. (
Papel 10 cab;* a Vo.a.choao & C, 20 aXo
Machado 4 C,
es
CAPATAZIA DA ALFANDEGA Uendimcuto do lia 1 a 2 dem do dia !...... t K(KJ-, .
VOLUMES lARIDM So dia 1 a 2 Prmnrapi'rtani. dia 3 Segunda porta..... Terccira porta _. Trapiche Costreico .
SBRVICO MARTIMO
Alvarengas JMHirrisjsdaa ii" tia;ii<-he
da alfandega Bjo dia I a 2 .
Dilas ditas uo da 3 .....
Navios atracados Bfl trap. da alfandega
Alvarengas ........
No trapiche Couceicao.....
I
t
H
RECEBEDORIA E RENDAS INTERNAS Gf-
KAEA DE i'ERNAMUn.i
llendiinento do fia I a 1 i 630^*'
dem do da 3...... 3.84iA"^
o-.mn*
CONSULADO PROVINCIAL
Kendimeiito d.i fia 1 a 2 6:.18oJ^:
dem do dia 3...... :3JJir.i!
isri- t

.V'ir" entrad
Liverpool 45 dias. patacho ingk'i Yenv.t, u> W
len-ladas, capitio Thonaz Saimn-i sUtmum
equipagem 7, carga dufi-nnite gneros. a Wn-
ton Palw 4 ('..
Navios takiiot no w-inn d a.
Ilha de Fernn.lo Vapor brasileiro Giqua *
mandante Marllns. carga variiis gener-i.
Cabo FardeBarra imrtugucza Gralidno, eafw^H"
Antonio Pereira Bsfffi-s IV-i.mm.
areia.
Para-Barca franceza Fedehli, capitij Fretel, ch
lastro de areia.
Rio Grande do Su!Patacho brasileiro GotiUui..
capito, Amura, carpa assncar c outros
eros.
Liverpool Vapor Inglez Babuino, coiiiian U: >
Greffltli, carga (asacar e algodao.
Ait/o entrado no da 4. .
Grana e porlos intermedios -0 di vapor '
leiro Pirapamn, de 312 toneladas, romanada*!*
Felippe F. Ferreira, carga algodao e outr..
eros ; companhia pcrnaiuliu^io.i.
Obterraco.
Al meio dia nao houve sahida>
EEITaES
Pela recebeJoria de readas interna" ger.*
se faz publico tuc nesta,xv. ilr m
que lera de ser pago, sem mu*, n inpmlr pv
soal, relativo ao 2.* semestre do ex^rricio -
rente de 1872 a 73, depois de lindo refcr
mez, vim cobrado com a multa de 6 >)',}.
Recebedoria de /^rnatnbuco, 3 do mai" J
1873.
O adminisl -ador.
ManiH-l Carneiro de Suiza Lcenla.
O Dfl Luiz Ferreira Maciel Pinbeim. juiz Sut^
titulo do especial do commercki nesta oidale 4
Recife de Pernambuco, por S. M. a Impera W>
etc.
Face saber aos que o presente edita! virem
delle noticia tivereio, que por este juizo sab
tuto do especial do commercio, corre nos ani
de causa c materia commerrlal da execucio fe
sentenea, por mandado execulivo, de A itmio M>
teiro Ferreira e Silva, com asistencia do coom-
de sua nacao contra Silveira c\ C.
E lendo-se feito penhora ein dinhiim perter.
cente aos xeculados, existente no deposito pu-
blico, fra pelo nlidtof Joio Caelanede Abrru.
procurador do exequeute. feito o 1 quehuwaa'
d>) seguinte:
Ao I. de malo de 1873, na ridade d> Reclft
era publica audiencia que aos fritos e partes dav
o Dr. iu z substituto do especial do enromares*
Luiz Ferreira Maciel i'niheiro, nesU data pd-"-
solicitador Joo Caetano de Abreu proeuradci
do exequen e fra acu-ada a penhora Tita ero di-
nheiro dos executados Silveira 4 C, e. requer.
que fieassem a-signado-, os seis dias da lei a says
ma penhora, e dez aos rredores inrerto*. pa-
sando-se editaos, o que ouvido pelo jai/., honve a
penhora por fui la e acensados os seis dias da k
por assignados. e lamboin os dez dias aot cradv-
res incertos, c o mais por deferido, do que !-'
este, extrahido do prolocollo das audiencias a zu>
iintei a seguiute carta precateaja -'u *VM
lara Rodrigues do Nascimenlo, escrivio a es
erevi.
Em virlude do meu de-pacho oescrivio fez pa>
sar o presente edilal, pelo qual chamo, cito e bo,
por intimados os credo res incertos dos dilos exe-
cutados para que comparefam neaie ju zo, dase*1
do prazo de dez dias, afim de allegaren) o qae tos
de justiea.
Eu, Vanoei Mar Rodrigues do Kastjaua.*
escrivao o subscrevi.
Recife, 2 de maio de 1873.
Luiz Ferreira Maciel Probis*.
0 capitn Manoel Joaquim Ferreira Esteres, cava-
Iheiro da imperial ordem da Rosa e juiz de paz
do prmeiro anno desta freguezia da S. Jas >
Recife, em vmude da lei etc.
Faco saber aos que a pra-eate carta da nasos
virem ou della noticia tiverem, em eoato fnmom-
ca Jos Lene me fez por cs:ripto a peticao 4.sjMes
seguiute :
Ulm. Sr. juiz de pazFraabsoo Jas Mstr,
.mmerciante matriculado, residente aesu eMsA-
4
f
i




:iri0dMftaftitaoo ^ S^Utttto'cira &# H^'dfc'1873;
TT
"?'
I.

e eehbtfeeido, quer fa'.or rilar a Jc (tara miga veintn t lie pagar
3-Vi36t, importancia do urna lettia j vencida,
porque o supplieado hoje esteja em layar incerto
e nao sabido quer o snpplleante justificar a au-
sencia do mesmo o proceder i concillado por car-
ia de. tdictos com a pena de revoiia e cdjas. Pe-
le a V. S. deferimiMo. -E. II. M. Estaif sellado
com urna estampilla kmtilisada pela atona se-
guate :
Reeie, 7 do marco de 1873.-- Ignacio Barroso
le Mella, ]trocurador.
J5"nais id nao eontoiha em dita pelieio a|ui
copiada, a pial me sondo aprescaada dei o des-
pacho seguinte:
'Ionio reqer. Freguezia de 9. Jos do Recite,
8 de maride 1873.-Ferreira Esteves.
E mais se nao continlia em dito despacho, e em
.seguid*-proiliuio o supplieante suas teslemunhas,
sohioViue os aillos conclusos, dei o profer a
sentfenga dw ffceor seguinte :
Km visto dos dcpoimcnlos das testetnnnhas de
olhas e felhas julgo justificada a ausencia e incer-
teza do lugar da residencia do justificado Jese
i.ucas Fraileo; pelj que mando que.se passe car-
la de eTietos cora o pnzo do trinta dias, alhn de
ser o mesmo sitado para o fim declarado na peti-
c> *b fls. 2 e artas.
Fn-guezit de S. Jos do Recite, lo de marco de
1X73. Manoel Ferrara Estoves.
F, mais so nao continha em dita sentenca, aqui
copiada'ty* forjada qrtal o escriv.ro qu esta
escreveu- passon a presante carta do ediotos
cm o prazo de M dias, pela qual.seu theor se cha-
ma citado, para a lim declarado na petL.o supra
transcripta, alirn de que compareca neste juizo em
dita awrfieum depois de findo dito prazo para se
ronelar com o stipplicante sol pena de revelia.
l'etff que toda e qua!i|uer possoa, prenles, ami-
gos ou conhecidas o podero fazer sciente do que
tica t* posto.
E o perleiro respectivo affixar e publicar o
presente) htgor do disfume e publicado pela im-
Dadei* passado, nesta freguezia de S. Jos do
Kecife, aos t7 do marco de 1873.
F.u Jos Gnncalves do S, escrivo do juiz de
paz o escrevi.
Freguezia de S. Jos do Recife de 1873.
Mantel JiiMinim Ferreira Esteres
. Mi' 18
Ra do Amorim.
na,JalafihjhifiMcs 9af,t*J* Pfrfira. de
182000' i:raIlio/Jo# Rbeii* da filiMQMro*,, feto- Vi-
. Amorim. ceute D,-BtUnidio^Qr. Jo Ja^iai; df aoiiza.
Sobrado de 2 andares n. 26. 3034000 LopJda Joaquina do Sacramento, Luiz Aoausto
PATUMOKI 00 0BPHOS. Botelllo, Narciso Francisco Vidal. Manoe 0. 8e
Ra da Seos ala. vetha. j ArtreHe Perfoy Petrom Ignaeia Lage, Silvio da
Casa terrea n. 16 ....... 209*000 Svoira Ramos, Paute Louroiro L. d Albuquerqne
Os pretendentes dever o apresentar no acto da (2), Dr. Manoel Iemwio deCasquera Leite, Sew-
arrematacao as suas flaneas, ou comparocerem riano de Squeira Cavalcanf-', Manoel Joagulm
acorpanhados dos respectivos fiadores, devendo Pes, Luiz Raphael Cofvo.
pagar alem da renda, o premio da quantia eci-; Admifilstracao do crrelo de Pernambuco, 1
que for seguro o predio qne contiver estab eliop de maio de 1873.
mente eommerrial, assira como o servico da lim-
peza e presos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 21 de abril de 1873.
O escrivo
' ________Pero fodrigues de Souza,
Santa casa da misericordia
do Recife
Jas Candido de Barros Jnior
Sen indo de encarregado do registro.
AVISOS MARTIMOS
-WH-----------------'----------'---------'------------------1------------
Para
Para, este porto segne cojn p tica demora o
velleiro brigue aenio Miranda, recebendo car-
Pela secretaria da santa casa da misericordia gaa frete eommodo : trata-s com o espifio que
do Recife, de ordem da junta administrativa, sao ^ enneoMfar no arrnajem de H. Lundgren, a rua
convidados os prenles dos educandos do coMogi 0 Commereio n. 4.
de orphaos, em seguida declarados, para qne ye-, ------
nltam requerer a presidencia a sua entrega, visto,
que nio podem mais all continuar em virtude do
que dispoe o art. 4$ do respectivo rega'amento
por j terem attingido a idade de 14 anno?. i Segu eom a possivel brevidade o brigue por-
Autoflio Pedro de Alcntara, fiKw legituao de tugues Judth, Para, carga e passageiros trata-
Para Porto,
Mara Isabel de Jess.
Francisco onealves Guimaraes, llho legitimo
de Anna de Sales Cavatcante.
Joao da Cruz Mello e Maia, sobrlnho de Rozes-
da Umbelina Ferreira de MeHo. ,
Monoel Tlieodoro Goncalves da Porciuncula, ti-
Iho legitimo d Candida Rosa Sampato Prciun-
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, ? de abril d 1873-
0" escrtvSo,
Pedro Rodrigues de Fouza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A junta administrativa desta Santa Casa, afora
dons terrenos que possue no lugar dos Arromba- v{'- 7
se cotn os consignatarios Somai de Aquino Pon-
cefa & C. snecessores, ra do vigario n. 19.
\vvi;i,v;\o buasileiiu,
WRfOS btj ScffeT.
Dos portos do sul
esperado at o dia
8 dt> errete o va-
por .Para, oqtfalde-'
pois*da demora do
eos tumo seguir para
os portos do nbrte.
Para carsra, enconHrtendas, valeres e passagei-
ros, dirija-se ao escriptorio da agencia, ra do
O lllin. Sr. inspector da thesouraria provin-
<-i;il manda fazer publico que no dia lo de maio
proxino vir.douro, ral a praca para ser arrema-
tado, por quem por menos llier o fornccimenlo
e alunentacEo e dietas dos presos pobre; da casa
de detenco, no trimestre de julho a setembro do
i rente atino, servindo de base i arreinatacio
i* procos das tabellas abaixo transcriptas:
ALIMENTACAO.
Almajo e jutar.
Dominso 380
Segunda-fein 380
Terca-feira 381
juarlafcira 36!)
Qoiu-faira 380
Sextt-feir 3W
Sabbido 340
Dietas.
N. I. :() .
\ 2. un
S.3. 640
n. i. nao
N s. un
s.r Uuibem forneeido aos dit^s presos ceia,
na iOBportancia de 120 rs, em (mnto est oreado
i .boco, e na mesma proporcio.
E para constar se maodou publicar o preaente
pelo jornal.
S untara da thesouraria provincial de Pernam
buco, -27 de a>ril 'le 187 ,
O offlcial inaior,
Jf/;/.'<"/ Alfonso Ferreira.
O IIlni. Sr inspector da thesouraria pfovin
-i.il manda t.i er publico, que n>i dia 13 de maio
i, ixfcno vindouro, pente a junta da mesma
thesoarria, se ha de arremal ir quem por nie-
menos Bier fornecimento de medicamentos e
atenak precisos a enfermara da casa de deten-
cafl por lempo de un anno, a contar do 1." de
julho do corrente auno a 30' ib' jnnho de 1874 ;
servindo de base arreinatacao os procos cons-
tantes das respectivas tabellas
As pessoas q:ie se propozerem a arrematacio
.-impare.Miii na sala das sessoes da referida junta
no dia cima mencionad >. pelo m 'io da e compe-
tentemente habilitadas
K para eonstaF >e mandn publicar o presente
peto jornal
Secretaria da inesourarla pruTinoi 1 de Pernam-
Imco, 27 de abril de 1873.
O oili 'Kil-maior,
Miirael Affonso Ferreira.
dos, hoje Duir'te Coelho, soh ns. 39 e 40, tendo
aquelle 390 palmos e este 309 de frente e ambos
de fundos at a baixa mar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 7 de abril de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Capatazia d'alfandega.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende segnir eonr pon-
es demora o lindo e veleh-o lugar portngnez Jofi
Estevao, de 1* classe, por ter a maior parte da
carga engajada, e para o resto pie Ihe falta trata-
se com os consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beltro & Filho, ra do Commercio n. .
Para o Porto
Sretende sahir muito breve a g llera nortugueza
'era Fama II por ter grande parte do seu car-
a cajoa que Hit
n pMageiros, para
os qiiaes" lera ptimas accommodacoes : trata-se
com Tito Livio Soares, ra d > Vigario n. I?.
o ill;n. Sr. inspector da thesouraria previo-
mi, mamla fazer publico, que o dia I-i d'i maio
prximo vindouro, perante a junta da l'azendada
mesma thesouraria, val a pra;a, para ser arre-
matad* por quam por manos fizer a ImpnsaSo
dos trabalhos das repartieres provjnciaes (com
excoprao d >s da secretaria do g tverno ) por lem-
po de um anno, \ contar do 1* de julho prxi-
mo vind Hiro a 3 i de jnnho de 1874, servindo de
i, para licitacao o preco do 2:800.
(js pretendentes compaaecam na sala das ses-
spes da referida unta, no dia cima mencionado,
pelo neiodiae competentemente habilitados.
V. para constar se mandn publicar o presente
pelo (tunal.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
nanfbnco, 27 de abril de 1873
O llieial-maior,
Ml'u'I Alfonso Ferreira.
A gerencia da empreza das obras e capatazia
di alfandega desta provincia faz saber ao respei-
tavel corpo de commorcio, e a quem mais inters-
sar possa que a condicao o." do seu contrato eom
o governo imperial foi alurada por ordem do the-
souro n. 67 de 26 de marco ultime : pelo que do reRament0 nrompto. Recebe a caaja que lhe fal
1" de maio prximo vindouro em diante as taxas ; u a p,,^ mdicos, e tambem pMageiros,
constantes da mesma condieo, quer das mercado-
ras esse tempo existentes nos rmateos cargo
da empreza, quer das que se forem recolhendo,
serio cobradas do seguinte modo :
I __ jijo reis diarios por tonelada mtrica de
arquearan, sendo navio, e I5Q reis sendo alvaren-
ga, lancha, barcaca ou cadoa que atracados s
pontes da alfandega e dos trapicr es e armazens
custeados pela empreza carreguem ou descarre-
guem ; c melado des tas taxas nos diasem que es-
tando estas embarcacoes atracadas nao carreguem
ou desearreguem, salvo neste ultimo caso qnando
isso acontecer por motivo de foPf* maior a juizu
do inspector da alfandega.
2.o goo reis por tonelada mtrica de arquea-
do, incluido o frete de alvarenga ou lancha pela
carga ou descarga de navio fundeado dentro do
porte que nao atracar s ditas pontos, c dcsein- para l|Mrei. Peneilo.
barcar toda a sua carga, sendo neste caso a alva-
renga cu lancha c sua conduccao fornecida pela I
empreza. No caso, contrario pagar dita taxa
por tonelada de nicrcadiria efTectivamente des-
carregada. Esta taxa s lera exeeocao qnando
conven' a a empreza encarregar-se deste servico
3 o 40 reis pelo embarque ou desembarque
de cada volunte nao excedendo a SO kilos. Ex-
cedendo deste peso, mais 20 reis por dezena ou
(rcelo da dezena excedente de SO kilos em cada
volume.
Sendo, porm, bagageni 300 reis por volume
at 3 kilos, e I#000 por volume que exceder de S
kilos.
4." -armazenagem calculada e cobrada sobre a
importancia dos direilos de con umo nos tormos
do art. 13 do decreto n. 4,310 de 20 de abril de
1870, isto :
Do dia inmediato da descarga at 6 me.es na
razio de I por cento ao niez.
De 6 metes at um anno l 12 por cento ao
me;.
De 12 ote 18 mezes 2 por cento ao mez.
De 18 at 24 mezes 3 por cento ao mez.
Em todo tempo excedente- a 24 mezes na razao
de 4 por cento ao mez.
Entende-se por direito de. consumo oS cstabele-
eidos na tarifa das alfandegas inclusive qualquer
0 agente Petana/a>a Idllif de todos' 08 resto*
d louca existentes |u ai inazein cima indicado,
sendo grande porro em gigos, barricas e caixas,
e tildo aer vendido dii> (oles, paineipiando s ll
horas em ponto, no meamo armazem, onde o
Sanie espera a concurrencia dos loueiros O ven-
i, pira todos se aproveitareni.____________
do ag&ito pra er examlfiadii, n o leflo ter.l In-
ga r quarts-feir.1 7 do toireuW, s 11 horas dr
irtarma, na moama laverna._________
ehapr do Chile, de feltr do soda,
massa e outros
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE.
'or intervengo do agente Pinto.
Por occosio do leilio de fazendas
Em sen escriptorio, rua do Boin Jess n. 43.
do
arnwQo, gneros e mais perten^i da ta-
verw da praco do Conde d'Ku, n. 9.
TEIMU-FEIRA 6 DK MAIO
O agente Martins far leitao em lutos .da arma-
3j n?iert>^ J"a's .pertencas da taveraa da praca
d ttde "En n. 9, a qual se achumiito bein lo-
causada e xir it teneros
dado.
,____A's H horas do ala cima.
i-quali-
Novo leil&o
DO
mstm
BE
\.VE;\C\0 BAIIIAXA
Ariii'ii, ji'i
C ISaliia.
E' esperado at o dia 5 Je maio o vapor Dnntas.
Recebe carga, pas-ageiros e dinheiro a frete pa-
ra os portos cima : a tratar com os seus agen-
tes Antonio Lniz de Oliveira Azcvedo & C, rua do
Bom Jess n 57.
LEILAO
DE
219 toneladas de carvo de pedra.
ULINTA-FERA 8 DO MAIO
s 11 horaaein ponto.
No armazem do bario do Livramcnto, caes do
Capibarrbe.
O agente' Pmto levar a fcHSo, a rnwrimcno
deTisset Freres, por autorieaco do gerente d<>
consulado de Franca, em preseuca de seu chan-
i-eller e por conta e risco de rem perteneer, de
2iJ,600 kilos (219 toneladas) dte earvao de pedra,
desembarcado do brigue franca? Avenir, de Dun-
kenpie, e existente nos armazei do baro do l.i-
vramenlo, caes do Capibarbe, onde sera vendido
s II horas do dia acuna dito.
Leilo
Engenho Monte d'Ouro
TERCA-FEIRA 6 DEAO
4o mei* lia em mhH t or mandado Jo mm. Sr. Dr. jniz de d-atto
espeefaido comniereio desta iilad>, e reqoeri-
menio dos a Siqueira 4 Pereira, o agente Pinho Borges far
novo ledao do engenho denominado Monte d'Ouro,
sito no termo de Ipojuca, desta provincia, o qual
foi penhorado por eiseencao dos ditos administra-
dores a vmva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da
Fonceca, dnidicado indicada massa.
Ao me dia em ponto, no escriptorio do referi-
do agente, rua do Bom. Jess n. 53, (outr'ora
Criiz), onde os .-'rs. pretendentes podem haver as
informa^des uecessarias.
"LHLO
DE
nevis, boca e crystees,
um eabriolet americano de 4 roelas com ro-
bera e arreios para un e dous cavallos.
A SABER:
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda, i espe-
Iho grande, 1 candieiro a gaz, 4 castigaes e man-
gas, jarros para lloras, 2 albnns. tpeles, 1 bino-
culo.
Urna cama [raneeta, 2 guardas-vestido, 2 guar-
das-roupa, 1 tapete, 1 lavatorio, cabidos 1 ma-
china de costura, camas para meninos, 1 be reo, 1
commoda, 1 santuario e paliteiro deprata.
Urna mesa elstica, I guarda lou<;a, 2 apparado-
res, i d'tos com lampos de pedra, 2 marquezas,
12 cadeiras, auparemos para cha e janlar, garra-
fas, copos, clices, compoteiras. 1 relogio de pare-
de, mesas, caieira*, trem de cozinha, flandros, po-
tes e muitos outros objectos de casa de familia.
Terca i'eira O dt corrente.
N'a rua do Hospicio n. ai, segunda casa de
azulejo, em frente ao porteo do collegio
de S. Francisco Xavier.
0 agente Pinto aulorisado pela familia do Sr.
Manoel Riheiro de Carvalho. a qual retirou-se
para a Europa, levar a leilo os" movis e mais
objectos na casa que servio de sua re.-idencia, dells. 176 a 177, e por isso, havendo os habihtan-
DE
luir projiriedade imparfmrie
l-iioniiiia Sitio da Porta d'Agua
VARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
Francisco Ignacio Pint, competentemente auto-
risado pelos prop rietarios do sitio cima dito, e
com licooca do Htm. Sr. juiz dos orphos, vende-
r a mesma no dia 2 de maio prximo vindouro,
io rneio dia, no seu escriptorio, rua do Bom Jesns
n.43.
Apropriedade tornase muito recoiiimendavel
por ter diversas casas de muradia, otaria e gran-
de baixa de capim, e pode produzir urna renda
animal de 3,,00 ou mais.
PROTkWrt).
Symphronio Queiroga tem procurado impedir a
venda da dita propriedade, insistindo em se julgar
com direito a urna porco de Ierra e una peque-
a casa|uo faz parte delta.
O pretendido direito de Queiroga nnexsle. e
querendo ^elle faze-lo valer em juizo, decahio da
uceo que para isso intentou e proseguio cimtra
os'herdeiros do tenento-coronel Florencio Jos
Carneiro Monteiro
Os accordos que abaixo se trnseme, mos-
tram haver elle decahido desta acro :
O !.' mostra que os herdeins de Florencio Jos
Carneiro Monteiro foram habilitados, e com elles
proseguio a aceiio intentada por Queiroga, em 16
de dezembro d 1861 a fl. 180 dos autos.
O 2. mostra que se jnlgou nulla a setene a que
obtivera Queiroga e que tentara executar, jnlgan-
ao-se nao ser competente a aeco intentada, 11.402
23 de outubro de 1866.
O 3.* m MM que foram desprezados os embar-
gos oppostos por Queiroga e confirmado o aceor-
do a lis. 4o2 c 420, 18 de dezembro de 1869.
Queiroga foi condemnado as cnslaS.
Accordos.
I." A II. 180. -Vistos estes autos ote,, julgo pro-
vados os aitigos de habilitaco de 11. '73. atienta
certido de ti. 174 e em fa-e dos dopoinwotoi
CASA UH,
AOS 5:000|W)0.
BILIIETES GAUAIVTIDOS.
1' rua Primeiro de Mmrpo (outr'ora rua iff
Crespo) n. 23 $ eams iktrmiwme.
Acham-se venda oa elite* bitivut ganatidn-
da 6' parte das loterhiS a beneficio da matrh d-
Barreiros (49*), que se extraflir na <|nart* Mra.
7 do corrente mea.
PRSCS.
l'.OMto inteiro
Keiobilbote
Quarto
EM PORijAO DE 1007000 PARA CIMA*.
Bilheto mleiro Sillt
Meto bi Rete 2JM9
Quarto l#SJf
Manuel Marthu Fmz
IX
rua do Hospicio n. 54.
O leilito |riucpiar < IO liorn.
DAS
HESSAGERIES MARITIMES.
- 0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fater p iblieo que no dia lo de maio
prximo vindouro perante janla da fazenda da
Uiesma thesouraria, vai praca. para ser arrema-
tado por quem por menos fizer, o fornecimento
tos objetos precisos ao expediente das reparli-
Qdea provinc.i.ies por tempo de um anno, a con-
tar do t. de julho do eorronte anuo a 30 de ju-
nho de 187i, servalo de base arrematacio os
procos e codicei, conalantes das tabellas que
serlo presentes' nesta thesouraria, aos pretenden-
tes antes ao *ete da arrematacio.
As pessoas que >; propoterem a esta arremata-
eonlparaciin na sala das ssdes da referida
junta no Jia^aiinn mencionado, pelo meto dia, e
competentemente habilitadas.
K para eonstar se mandn publicar o presen-
i < jornal.
Secretaria 3a thisoun.ria provincial de Pernam-
-'7 de abril de 1873.
O ofllcial-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
da casa terrea n. 6 da rua do Arago. em chaos
proprios.
Urna dita na rua de Vidal de Negrciros n. 136
(Cioto Puntas) reedificada.
Urna dita n. l'i na rua do Amparo em Olinda,
em ehos proprios.
^QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
AO ME10 DIA.
Por inteiTencao do agente Unto
Em seu escriptorio, a rua do Bom Jesus n.43.
i!
At o dia 8 do corrente mez espera-so da Eu-
ropa um dos vapores desta companhia, o qual de-
pois da demora do costme seguir para Santos,
tocando na Baha c Rio de Janeiro.
Para eondicoes, passagens, frotes, ele: trata-se
na agencia, rua do i.'onimercio n. 9.
No dia 10 do corrente mez espera-se dos portos
do sul o vapor francez Mendoza, comniandaute
angmento addioional nos termos las" or'dens (tos Benigni, o qual depois da dem ira do costume, se-
the-ouro de 26 de Janeiro de 1866 e 3 de feve-| pra para Brdeos, tocando em Dakar (Coree) e
re.ro de 186* i usbCa.
Qnando as mercadorias despac adas forem sen- i Para eondicoes, frotes e passagens, trata-?c na
tas dos re-pectivos direitis, por coucesro espe- agencia, n
cial e nao pela tarifa das alfandegas, a armazeu-
gem ser calculada sobre os direitos de consumo
que a mercadoria deveria pagar se nao gozsse
desta isencao ordem do t' esouro de 27 de Janei-
ro de 1863. Neste caso Iicani_'compre! endidas as
despaefeadas para ro-oxportaijao ou transito.
Quando as mercadorias despac' adas para con-
sumo forem isentas dos direitos pela tarifa, a ar-
mazenagem ser calculada sobre os direitos re-
sultantes do seu valor e na razao ao 3) por cento.
-Ordena de 3 de outubro de 18"i9 e 27 de Janei-
ro de 1861.
Quando as mercadoias despachadas forem res-
trangeiras e vierem acompanhadas de carta de
guia por j haverem pago os direitos de consumo, I .i nha guiuzeunl
i arnuzenagem ser calculada sobre os direitos At o dia 8 do corrente mz esperado dos
resultantes de 30 por cento de seu respectivo va- portos do sul o- vapor desta companhia Palagoma,
lor declarado na mesma guia. rdeus de 8 de 0 qual seguir no mesmo dia da chegada para Lis-
mato de 1869. : boa c Liverpool.
Finalmente (piando os.gneros forem naconaes, j Para passagens e mais infonnacoes, diriiam-se
a arniazenagem ser de l\\ por cento do valor aos agentes Wilson Rovc & C.
que estas liverem na pauta semanal e por cada| 14 Rua do Commercio.-14.
mez de domora. Ordens de 4 de agosto de 186o,
>
LEILAO
DE
fazeidas inglezas
A V A Rl ADAS
constando de
madapoles, algoiloes e chitas.
OAIARTA-FE1RA 7 DE MAIO.
Por interventao do agente Pinto, em seu es-
jriptorio, rua do Bom Jesus n. 43. ________
Piieific Slcam >aviali! Gompan;
Hayal M\ Sleansers.
Uibl
\ft
CONSLI.ADO DI! PORTUGAL.
i.onvida-se aos credores do finado subdito por-
tuguoz intonio Baptista Fernandes, para apre-
lentorem suas contas neste consulado no prazo
le Oito dias para serem verilicadas e pagas.
De ordem do Illm. Sr. inspector desta thesou-
; ra se declara que, nao necessara a exhibico
de foi ha corrida pelos pretendentes aos lugares de
pratieaates desta reparlie/io, como por equivoco
se exigi no annuneio de 26 do mez prximo pas-
sado; de vendo, porcra, os mesmos apresentar do-
cumento que prora a sua boa conducta.
Thesoarria de fazenda de Pernambuco, 3 de
maio de 1873.
O 2." escripturario servindo fa secretario,
Carlos Joan de Snitzi Cerreia.
SAMA CASA DA MISERICORDIA*U
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
misericordia do Recife, manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no d a 8 de maio, pelas
horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagens offerecer, pelo tempo de um a
trjs anuos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELEt'.I VIENTOS DE CARIDADE
Rua do Cabuga.
Loja u. 1 C.......600*030
Rua da Alegra.
Gasa terrean. 7...... 370*000
Rua de Santa Thereza.
dem n. .i-........2OMA06
Rna de Hortas.
Loja do sobrado n. 41.....mjOO
Rua da Viraco.
Tasa lerre n. 9.......249*000
Rna do Padre Flo-iano
Iitom n. 43........0*000
Rua io Senhor Bom JestK.
Loja do sobrad'e n. 33.....800*000
Rua de Santa Rita.
dem n. 34.........261*000
Rua da Ponte-Vtlha.
n. 31 ...... I36*00|)
(.aas terrea Rua da Gnia. "
Jdem n. 29..........200*000
DE
urna caixa com msica. 30 resmas de papel, 1
tintero, porta-charutos, estojos para costura,
estampas, gravuras, molbadores para copiar
cartas e outros arligos.
QL'ART.A-FEIRA 7 DO CRREME
s 11 horas.
Por intervengao do agento Pinto
Rua do Bom-Jesus 11. 43.
dos por habilitados, mando que com elles corran
os termos da preste accao. Paguem os habili-
tandos as cusas.
Recite, 16 de dezembro de 1861.
Francisco de Araujo Bu ros.
2.* A fl. 402.-Accordos em relicao etc., que
proposto e discutido este felo civel entre parles,
appellantes D Joaquina Bonifacia Pires Carneiro
Monteiro e seus Albos, appellado Symphronio
Oiympto de Queiroga, julgam nulla a sentein;a
exequeuda, porque a aeco intentada iiicompc-
tente e sem applicaeo especie, visto que tal
aeco nao compete aquella que, estando na possa
do "terreno de que outrem ha 1 est de |os.-e, c que
ningnem lhe contesta, quer livrar-se de una ter*
vido que tem esse outro romeni damno deak'uma
arvore plantada em dito terreno, e condemnam o
appellado as costas.
Recife, 23 de outubro de 1866.
Souza P.
Santiago (vencido.)
Almeida Albuquerqae.
Mis (vencido)
Di mingues da Silra.
Assis.
3.' A II. I20.-Accordo em relacao etc.* que
feto o relatorio do estyllo, julgam o embargante
habilitado para intervir na pre-ente causa como
parte, e desprezam os embargos para confirma
rem como c nlirmam o accordao a B. IM, B man-
dam que se cumpra o mesmo accordao. Paga o
embargante as costas.
Recife, 8 de de embre de 1869.
Sanliag P.
Souza L-iio (vencido quanto ao nao
recebimento dos embargos.)
Almeida Albuquerqne.
Motta.
Assis.
Domimjiies Silva.
LEIAO
H RUA DO COMMERCIO -14.
LEILOES,
16 de outubro de 1867 e 24 de Janeiro de ( Ate o dia 11 do corrente esperado da Europa
1858. [o vapor Galicii, e seguir para Baha. Rio de Ja-
Para base de todos estos clculos e cobranza da neiro, etc.
respectiva armazenagem a curpreza se guiar pe-1 Para passageiros, encommeadas, etc. : a tratar
lo que ronstar dos despachos feitos e procesados com os agentes Wilson Rowe & C.
pelas partes e apresentados al andega, os quaes {
deveni ser presentes empreza pelos despachan- i
tes logo depois de pagos e laucados no iivro da
receita da alfandega os d.reitos devidos ao Estado
nao sendo-lhe portante permittido exigir das me-s
mas parles facturas ou qualquer outro docu-
mento.
Quando a descarga dos'voluntes, em um mes-
mo despacho, tenha sir'o feifa em differentes da
tas se tomar para base o calculo da armazena
geni o termo medio dos dias de descarga.
Continan! em vigor as isenerjes de armazena-
gem a que se referm os regulamentos da alfan-
dega e empreza. -
5.* Pela emissao de garantes de deposito, na
forma da condicao oitava, um quarto do valor
das mercadorias nello mencionadas.
6. Pela abertura de cada um volume 200
reis.
DE
urna caixa com brins c urna dita com pastas de
escrever, ludo com avada d'agua salgada.
0UARTA-FEIR.4 7 DO CORRENTE
6 f hora em punto.
O agente Pinto far leilo, por autorsacao do
Sr. gerente do consulado de Franca, em presenca
do seu chaceller e por conta e risco de quem per-
I tencer, de una caixa marca P MAC. n. 2373,
conleudo 30 pecas de brim, avarkido a bordo da
barca franceza Sanie Ijhlz, e urna dita marca L
riada a bordo da barea franceza Fidltt, o leilo
ser effectuado no dia e hora cima mencionados:
no escriptorio do referido agente, a rua do Bom
Jesus n. 43. _______
OGRANDE PURIFICADO DO SAWUB
Esta encllente e adlrime) mexlieuia,
preparada chima nwnera a mais s< leotift
a por Chimicos e Drogula mu 'ioutoe
d'uma mstrucco profunda, Mm) Udo wmt '
tos annos de experiencia acopar i'nma lo-
?ae laboriosa pralica.
A sua composicao nio consiete d'um sam*
pie extracto d'mn s artif; mm um,
jomposta d'extractos 'rm rmmero de r*i*
tes, herva*, cascas, e folhas. noesaindo to-
las ellas, sm virttide especia? o poder
m curar as molestias as quaes teeai sede
>n essento, no satine ou no humores ;
i estes differentes extractos vegefaes, acham-
se por urna tai forma combinadee a ponto
de conservaren em toda a su* trra, cu-
rativo especial de virtude, que cada made
per si possue. A raiz da planta de Salsa
parrilha, produzida as Hondura, a que
aos usamos nesta prepararlo, sendo a qaa-
idade que todos os mdicos mais prezam
3 estimam. Na composicSo da MIm-
parrilha de Brlslol entra maia de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
i5o encerra em si cousa algunia, qne poi-
ja por leve ser perigosa ou injuriosa
ade; e tanto n'este, como em quaei to-
los os mais respeitos. ella intoiramenle
liversa de todas essas mais preparacoes.
s quaes debaixo do nome de SalsaparT-
>ha, sao accomlicionadas ou postas em gar;
afas pequenas, sendo receitada em doses
hu diminutas d'uma colher de cha por
;ada WL Ns pelo contrario engarrfa-
nos a
SALSAPARR1RA DE BIUSTOE
m frascos grandes, e a iividimos com os consumidores, o grandt
pro\eito e vantagein alcancadn por aquelle
me acondicionam sua prepara^ emi
rafas peqttenas. Cada um ikia tascue da
lossa Nalataparrllha fe UrinAmt
wnteorn a messa quantidade i rna I porr3(-
;ontidanaquellas gnalas feqmmm,*. alem
iisso, possue ainda muito mais forra *
irtude medicinal do que aijuHa, que por
entura se possa achar couda dentro de
eeis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tanto mui natural, que aquelle, que se
tchain oceupados em prepewr 1 vender a*
mas produccoes, em garrafas pequeas
iniunn egritom contra os noetoi fras-
s grandes* prodamai lo, qno a nossa ftml-
ajiarrilha de BrUtol nao possoe a
menor virtude ; porm quao elTectivamen-
e s?o elles pofo* em silencio, qnando mdi-
tamos, ou simplesmente referimo-nos para
m essas centenares de certides e tes-
temunhos attthenlics, por nos recebido
le todas as elettes da wciedade, nos quaes
plenamente atteslam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRJLHA DE RRISTOL.
A vantagem de t'rm >- os ro>< s pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
difTerentes raizes, liervas, e plm-
as deqie se compem as nossn.: medicina,
roduzidas, que nos habilita e\er-
LEILO
DE
"jfi caixas M F com papel, contendo cada cai-
xa 40 resmas.
t
As 11 1]2 da inanli
O agente Pnho Borges far leilo das referidas
caixas com papel almasso lis e pautado, de peso
e decores, e mais miudeza',sendo : carriteis de
linha, chapeos para senioras, bot5e com vidri
Empreza das obras e capatazia da alfandega' lh.os Para cnfetar vestidos, trant-as e franjas de
de Pernambuco, li de abril de 1873
O gerente,
Jos Joaquim Antuns.e
TRIBUNAL DO COMMERCIO DE PER-
NAMBUCO.
Por esta secretaria se faz publico que na presen-
te data prestou juramento de bem exereer as
funecoes do offlco de corretor geral desta praca,
o Sr. Antonio Leonardo Bodrigues, cujo nome foi
inscripto no respectivo Iivro de matrirula, sendo-
lhe dada sua carta patente, que fica registrada.
Secretaria do tribunal- do commercio de Per-
nambuco i de maio de 1873.
O n.lirial-maior interino
Innocencio Antones de Parias Torres.
Correio geral
cores, armamentos, espingardas para caja, lazari-
nas e mais arligos, no seu escriptorio rua do
Bom Jess n. 53, primeiro andar.
2
Fazendas a variadas
HOJE
a II horas
O agente Pinito Borges far leillo das seguinte*:
, madapoln, cambraia para forre; brins pardos,
Helafo don objectos registrados existentes panno azul e mais fazondas lmea.
na adminietraco dm correios desta pro- \ fin seu escriptorio, 1
vincia, para as pessoas abaixo deca-' Pr"neiro a[;
radas : 'J^'fcj
Antonio Jos Lopes Teixeirs, Antonio Pires de |
Soula, Antonio Mariano de CM-vaHto, Albino G- 1,,,. ora nrW Ap lmiilar r> inuiuii
Meiradc Vasconcelles, Antonio Bodrigues de Al- lY FZTrl" aXSZ^^IT
buqaerque, B. Turpin, Etilvtno A. de Castro Leao,
Francisco Delfino da Siha, Franeiseo Antonio da
Silva B., Firmino T. da C. Santiago, Helena Boom
Travasso, I Jos do Sanl3s, Joao Antonio Gomes
('urmaraes, J0S0 Soares da Fonseca Velloso, Fran-
cisco de Medeiros Raposc, Goilherme V. da Ca-
de Ion ge rua do Mrquez de Olinda n.
25, outr'ora rua da Cada do Recife, ao
correr do mertelo.
DE
100 dnias te ehapss
(A V A RIA D O S.)
QimrtH-feii'H 9 le maio
s 10 t|2 horas.
O agente Pinto levar a leilo por autorisacao
de consol de Franca, em presenja de seu chancel-
ler e por eonta e risco de quem perteneer, a cai-
xa marca C A G. n. 216, avariada a bordo da
barca franceza Fidelit, na srft ultima viagem a
este porto; o leilo ser e/Tectuado s 10 t|2 ho-
ras do dia cima 'dito, no escriptorio o referido
agente, rna do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
t commodas e 2 apparadores de mogno com
iJetfeito.
Ouarta-feira 7 do corrente
A' li horas.
O agente Pinto levar a leiHo, por autorisacao
do gerente do consulado de Franca, era presenca
dt seu chanceller e por conta e risco de quem
perteneer. de 3 caixas marca M C & C. ns. otl a
|3, avarisdas a bordo da barca franceza Fidelit,
na sua ultima viagem a este porto ; o leilo ser
effectuado s II horas do di cima dito, em o es-
criftoro do referirle agente, rua do Bom Jesus
n. 3.
I 11 li.
s 11 horas em ponto
LHAft
OA
anaaco, gaz, gneros e mais utensilios existen-
ts na taveraa da rua de Harcilio Dias, ontr'ora
rua Direita.
Qarta-feira 7 do corrente.
q agente Pestaa era cnseqoencia do mandado
do Illm. Sr. Dr. Juiz de direito especial do com-
mercio, tara ledo por conta e risco de quem per-
teneer, da armacao e mais objectos cima ditos,
o quaes fazem parte da maesa faid ie Mac;*'
Mes Mendos 4 C, cujo balanco se acha, em mo
um grande predio no Poco da Panella, cm
frente rgreja, tendo 3 salas, 7 quai los,
oozinlia, um grande terraco ao lado c ou-
tro no fundo, frente murada com porto
de ferro, grande quintal com alguns ar-
voredos, sendo as duas salas da frente
assoalhadas.
Quinta-feira 8 de maio
O agente Martina far leilo do predio arima
(casa terrea) edificada a moderna, em terreno
Sroprio e d'uiii dos primeiros arrabaldes da ci-
ado.
No armazem da rua do Imperad.>r n. 48, as 11
horas do dia cima.
Para qualquer nformacio cnlendam-ie com o
agente.___________________________^_
on
;effn
LEILAO
DE
ama casa terrea na villa da Escada, no ter-
mo de Santo Anto desta provincia, sita
rua da Barra, propria para qualquer
estabelecimento.
SABBADO 10 DE MAIO
s 11 horas da manh.
O agente Pinho Borges competentemente auto-
risado, vender cm leilo a supradita casa, no
seu escriptorio, rua do Bom Jess n. 53, primei-
o andar, onde desde j os Sr. pretendentes podem
raver as informacoes e esclarecimentos.
VISOS ovERsqs
Vs empatada.
funinculosas e ulceradas, victimas de humores es-
crofulosos, que arrastais vossas inmundas pessoas
na companhia de gente meRtor, tomal a salsapar-
rUha de Ayer e purgai a corrupcao de rosso
sangue.
Bestaurai vossa saude e nao somonte gosareis
melhor existencia, porm tornareis a vossa com-
panhia mais toleravel qnelles em euja sociedade
vivis.
O Baro do Palmares, tesianienteiro de D.
Margarlda Francisca da Silva, por mars diligen-
cias que at agora ha enpregado, ainda nao pode
doscobrir quem sejam os fimos de Maria Joaqui-
na, casada com Franeiseo Jos Nogueira, aos quaes
a testadora deixou um legado da quantia de OOi,
e por isso recorre ao prsenle aununco, pelo qual
convida os ditos legatarios a que se apresentem
devldamente habilitados, podendo elle para tal lint
entender-se com o Dr. Innocencio Seraphico, no
sen escriptorio, rna estreita. do Rosario n. 23, 1
andar.____________________________
Urna aenhora competentemente habilitada,
prepdVse a ominar era qnalquer engenho, por
commodo preco ; na travessa de S. Joao n. i.
quelle conslantc ciidado e d>ullo na
minuciosa escolha: e o que ass;gura e ga-
rante uniformiilaile do exceneorit.
Em quanto que, por onin Me, nos Ol
ios poupamos nem dinheiro, nona i d
pendas; aim de alcam;annos o melhor
i nicamente o melhorde ceda um artejo
m ingridiente que entra na sua composi-
;o; pois levados e loinpenetn i
nais firme e persuasiva conii;-..;.i. f>
lemos afouumetiie di/.''i aos doi-nu-s le to-
las as nacoes, e de lodos os paizes, que na
sitlsaparrilha de Drlstol. poewes
m remedio mais ellicaz e seguro; do qm
aenhum outro, que vos tenha sido o'
iido at hoje, e o qual por certo n3o hade
aallograr vossas expectativas, na prompU
i effectiva cura das seguintes enrenuidades:
Escrfulas,
Chagas antigs,
Jlc'eras,
Feridas Ulcerosas,
Tumores
^bscessos Apostemas
Erup^oes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Tinha.
SyphilU.,ouMal Ve-
nereo
Humores Escreto-
losos,
Irregularidades Ir
Sexo
Feminino,
Nerrosidade,
Debilidade G
Febra e Malignas i
Fehre e Sexoes
Biliosas.
Lepra, febres intermitientes e rcmitlenU*
hydropesia e ictericia, etc, etc.
Ontro-sim, achar-se-ha. que para o h
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o auian-
Uuneoto da cura, grandemente promov-
i e apressurado; usando s ao mesmo
lempo das nossas mui valiosa plala*
regetaes assucaradas de Drlstol
tomadas em doses moderadas era connec-
55o ou conjunctamente com a Salsaparrflha
ellas fazem remover e expellir gimtiei
quantidades de materias morbficas e I i-
mores viciados que se desprendem e J
mente circulam esp alhados pelo svgaou.
isto causado pelo utso da Salsapamlha;
por esta forma faciliar a volta e o exerac*o
normal das operacoes fimccwoase,
1 qual preparada smente pekw ames*
Propurietaos,
__Antonio Joaquim da Gama pede aos saeae-
res abaixo mencionados de entender-se coa ele a
negocio que os mesmos sen-ores nao "
Francisco Augusto de Almeida.
Felinto do Reg Barros Pessoa.
Luiz da Vciga Pessoa._____________
Jos Rodrigues Gotte* scientiftea ao i
tavel publico e especialmente ao corno 4*
mercio, que anparecend oalro de igual
dest* data eos. diaote se asMCara
Jos Rodrigues Goaw V dlacha.
J
m



Aliarlo de FernanYuco Segunda feira 5 de Maio de 18I&
i
AO ARMAZEM
pn
VAPOR FRANCEZ
HUA DO B VRAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NofaN. 7
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais nula veis e bem co-
nhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Blondel, Heary Hers e Pteyel Wolff & C. : no
vapor francez, rua do Barao da Victoria, .tu-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de laxo e phantazia, brancas pretas e de
difteroales cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos com salto no rigor da moda, hraucos
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Suser e do Polak, para ho-
lacns.
Saaatos'de cerdavJo Mili spara homens.
Botinas para menino de qualquer tamanho.
Perneiras e meias-perneiras tauto para homens
como para meninos.
Sanatoes de Suser para omens e meninos.
Sapatos de veruiz com salto para homens.
Abotinados de mnitas qualidades e procos para
meninos e meninas.
Uapatoes de verniz com sola de pao proprios para
sitios, jardins e bauhos, sortimento para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, casemira, charlot avelludado,
de tranca prteguez e francez.
No armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extracto?, banhas, leos, opiata e pos den
tritce, agua de ti r de laranja, agua de tlle-
te, divina, florida, lavande, pos de arroz, sabo-
netes, cosmticos, muitos artigos delicados cm
perfumara para presentes coin frascos de ex-
tractos, caixinhas sortidas e garrafas de diffe-
rentes tamanhos d'agua de cologne, tudo de pri-
meira qualidade dos bem condecidos fabrican-
tes Piver e Coudray,
No armazem do noor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas malas e bolsas para viagens de
de eaminhos de ferro.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napoleo e a Guillicr-
me, perneiras e ineias perneiras para homens,
e mei.is perneiras para meninos.
No armazem do vapor frasee', rua de Barao
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
Cadeiras de balando, de braco, de guarnios, so-
faes, janlineiras, mesas, conversad' iras e costu-
reiras/tuilo isto muito bom por seren jjprtcs e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de recrcios.
No armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de tliflci'cutcs gostos e
Jtlinntazias.
os para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas. .
Laa/as de Joavin.Je lio da Escocia e de camurca.
Caixinhas de costura ornadas com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para relogios.
Brincos .imitacao e botoes de punhos de plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de couri-
nho de cores.
Novos objectos le phantazia para cima de mesa
tSefltoilette,
Pincenez de cores, de prala dourado, de ac
tartaruga.
Oculos de ac fina e de (odas as graduacoes.
Bengalas de laxo, carina, coto casues de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o monillos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades di-
versas.
Esporas de tarracha para saltos Je botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarazar e para
barba.
Ditos de marfim multo finos, pan limpar cabeca.
Escovas para roupa, cabello, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Gravatas brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de bagitellas, de domi-
n e outros muitos differenles joguinhos alle-
maes e franeezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e carai
nhos de ferro.
Mamadeira< de vidro de dar leite mui fcil s
eriancas.
Argolinhas de marfim para as eriancas morderem,
bom para os denles.
Berros de vimes pan ombalancar eriancas.
'Jestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas para passeins de crian-
cas.
Venezianas transparentes para portas e janellas.
Beverberos transparentes para c.ndieiros de gaz.
Esterescopos e coemoramas om cs,coliiidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para illumiuacoes de
festas.
Baldes aereostaticos de papel de seda mui fcil
de subir. .
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios sylernas para caf.
Espanadores de palta e de peuiias.
i'esourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom. '
Tiras de molduras douradas e pretas para qua
dros.
Quadros j promptos com paysagcns e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Bealejos pequeos de vbios com lindas pecas
Beaiejos harmnicos ou aceordions de todos os
tamanhos, e outros muitos artigos de quinquj
Iharias difflceis de mencionar-se.
No armazem do vapor francez, rua do Barao
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todo?
os brinquedos fabricados cm differentes parte*
da Europa para entretenimento das enancas
tudo a preces mais resumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, rua do Barao
da Victoria, outr'ora rua Nova n. 7.
PARA PIANOS
Pannos proprios de cobrir pianos.
Cadeiras de parafuso e forro
fado.
No armazem do Vapor Francez rua
Baro da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Cesthilias \\m costal.
Orando sortimento de bonitos modelos
<:begados ao armazem do Vapor Francez,
rua do Barao da Victoria (outr'ora No-
va) n. 7.
Consol medico
DO
Dr. Murillo.
BA DA CRUZ N. 58, 2. ANDAR.
Reeem-chegado da Europa, onde fro-
qnentou os hospitaes de Londres e Paris,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noute para objecto de sua
prolisso.
Consultas de raeio dia s 2 horas.
Gratis aos pobres.
Especialidades. Molestias da nelle, de
crianza o da niulher.
Emprega no tratamento das molestias
de sua especialidade as DucIms c banhos
o vapor, para os quaes trouxe os appa-
relhos mais modernamente empregados
na Kuropa.
Tambem npplica com grande successo
do tratamento das molestias do utert> a
I lelectricWade, pelo proces o do Dr. Tripier.i
Criado.
Precisase de um menino para criado : rua
da Alegra n. 40._______________________
Andam alerta.
Pedo-se ao Sr. Francisco de Paula Rosa, ma-
chinista da estrada de ferro de Olinda, o favor
de entender-se, na travessa de S. Jos n. 87, so-
bre a carrosa que eslava em seu poder alugada,
e que nao so os alugueis, como dita carroca at
o presente nao tem dado solueao, isto desde 95 de
Janeiro do csrrente arno.
Previne-se ao commercio que ninguem laca
negocio com urna letra de tiOOj, sacada pelos abai-
xo assignados sobre os Srs. Jos Narciso da Silva
A C, em data de 7 de abril do corrente mez, ha
cinco mezes de prazo ; esta letra com a numera-
rio 1021 foi extraviada da casa dos abaixo assig-
nados, que consideran! dita letra como milla e de
nenhu n valor. Recife, 30 Je abril de 1873.
H. Leiden 4 C.
O Dr. Ermi o Coutinho mudou o seu Q
&
K consultorio medico para upinmmwr .
9 dar da casa n. 37. rua do Mrquez de W
j& Olinda, onde contina no exercicio
sua proissao.
0 Consultas de 1 s 3 horas da tarde.
o pnmeiro an-
de
$&-*$* *& 80*
Ao commercio.
Os abaixo assignados participam ao respeitavel
publico, com especialMade ao corpo eommercal,
que tiem justo e contratado com os herdeiros do
tinado Jos Joaquim da Silva Guimaraes, o esta-
hblecimento de molhados, sito na rua de Paulino
Cmara n. II, hvre e desembarazado de qoal
quer onus.
Recife, 2 de maio de 1873.
Manoel Jos Carneiro Guimaraes.
Francisco Joc de Azevedo Braga.
Bom envendo.
Vende-se umengenho moen-
te e corrente, distante da
praca 4 leguas, com boas
obras e trras para safrejar
2,500 pes, vende-se s ou
com a safra actual: quem
pretender dirija-se a esta ty-
pographia que achara com
quem tratar.
GASA D0flUR(T
Aos 5:04>T*>00
.Bilhetes garantidos
lina do fardo da Victoria (outr'ora IS'ovaj
n. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a soite de 800 em dous
meios de n li.'l.'i. a serte de -100^000 em bilhete
inteiro de n. 489 e dous me.os de n. 1210 com a
sorte de iO'jS, alem de outr s sortes menores de
10^000 e 2OC0O da loteria que se acabou de
exlrahi (iSa ; convida aos possuidores a virem
receber, que pioniptamente terao pagos na forma
do costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vi' no seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhete5,que nao deixaro de
tirar qualquer j remio, come prova pelos mesmos
annun ios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da G* parte das loteras a beneficio da
igreja matriz de Barreiros, que se e.xtrahir no
dia 7 do mez de maio.
Inteiro 6000
Veio 3*000
Quarto 1300
De OO^OOO para cima.
Inteiro 5*500
Veio 2*750
Quarto 1*375
Recife, 30 de abril de 1873.
Joao Joaqmm da Costa IaU.
= Precisa-se de um caxeirode 12 a \\ annos
para taverna : tratar na travessa dos Martyrios
n. 8.
Os abaixo assignados fazem sciente a quem
interessar possa, que amigavelmente disolveram
a sociedade que g^rou nes praca debaixo da
firma Manoel & C., ficando encaregado do ac-
tivo e passivo o socio Joao Francisco Manoel.
Recife, I. de maio de 1873.
P. P. do I. Jos Manoel.
M. Manoel.
Joao Francisco Manoel.
AVISO
Aos pre'.endentcs compra la d'Agua* assevero que alm da aeciio que foi
annulladae cujos accord*>s tem sido transcriptos
neste Diario, anda existe por decidir duas, pro-
postas |wr mim, urna-pela primeira e outra pela
segunda vara ve! desla oidade, quem duvtdar
dirija-se aos cartorios e.vei : Perianto nao a-
meaca de atgMteira como qurem inculear, lalvez
para.Iludiraus inciuUis.
Delxo de anahsar a resposta pubBcada no
DiVirw.de hoje, n como por iwo estar arostumado a discutir no es-
tylo em que conerbwla ; devolvo ao seu aiiur ta-
llo quanto hou^f de desas a'ibvel na mosma
resposta,por parecer-me credor de mai.
Recife, 1* de maio de 1873.
Sgmphronio Otymph de Queiroga.
LIVROS NOVOS
DE
LISBOA.
Aimard. Ai guerrithas de Jurez, romance
americano, tr. de F. de Lencastre. Lisboa 1873.
4*000
K.
Almanak do Exercito para o anno de J878. -
Noticia sobre o exercito portnguez. Lisboa 1873.
8* br............ jjoOO
Beluze.Os martyres de Paria. Porto 1873.
Contador de gna. Lisboa 187T 8 br. 1*0'4)
Carta di; guia de casado*.Para que pelo cami
nho da prudencia se acert com a casa do des-
canco. Nov. edic, por C. Castello-Branco. Porto
1873. 12.......... ijoOO
Castello-Branco.O Visconde de Ouguella, perfil
biographico. Porto 1873. 12* br. '2*000
Castro.O Prodigio as sallas, manual de pres-
tidigitado, ornado de eslampas, o mais. curioso e
complete que se tem publicado neste genero. Porto
1872. 1 vol. em 12"...... 3*00w
Chardrall. O vpaixonado de Mara Antonieta,
romance, histrico. Lisboa 1872. 2 vol. em
8"............. 6*000
Coelho. qitestao do ensino. 8* br. Porto
1872............. 1*000
Cordeiro (Luciano.) Estados sobre o real cute-
nlo militar. Lisboa, 1873. 8" br. 500
Decretos promulgados pel ministerio da mari-
nha, de 11 de novembro de 1871, 16 de novem-
bro de 1872 Lisboa 1873. 8o br. 2*000
Os diffamcdores do clero calliolico. Porto 1873.
8-br.........." 1*01-0
Estatistica medica dos hospitaes do ultramar,
em 1871. Lisboa 1873. 4* br. 2*W)0
Farpas.De Janeiro e fevereiro*. 1*000
Jlercaluno [A).=Opuscutos tomo 1. Questoes
publicas. A voz do Prplieta Theativ. Egres-
$$. Caixas Econmicas, Freirs de Lorvao. Ar-
chivos ecclrsiasticos de Roma. Conferencias do
Cassino. Lisboa 1873, em 12*. 3*000
Institu (l'J Industriel de Lisbonne, notice. Lis-
boa 1873. 8 br........ 500
La Ixindelle. A Vinganca do Sargento, romance
martimo. Trad. de Pinheiro Chagas. Lisboa
1872. 3 vol. em 12*..... 10*000
Mtino Coelho Elogios acadmicos. D. Fr.
Francisco de S. Luiz. Bodrigo da Fonceca Maga-
Ihacs. Lisboa 1873, em 12* 4*000
Legislficio sobre expropriaroes. Lisboa 1872.
8 br. .'....... 1*0.0
Ligorio (5an'o Affohso.) Prcparacaa para a
morte ou considerares sobre as verdades eternas,
uteis todos os fiis e aos sacerdotes. Lisboa
1873, em 12" ......... 3*000
I'js promulgadas de 22 de marco 15 de maio
de 1872, pela cmara dosdeputados. .Lisboa 1872,
em 4o br........... 1*000
Monique. Portugal desde 18.8 a 1834. Lisboa
1872. 8'.......... 4*000
Voto Guia do Viajante em Lisboa, Cintra, Colla-
res, Mafra etc., com urna introdcelo de J. C. Ma-
chado, e um mappa de Portugal. 3* ed. Lisboa
1872. i vol era 12-...... 4*000
Oliceira Martins. Theoria do Socialismo.
Evolu^ao poltica e econmica das sociedades na
Europa. Lisboa 1873, em 12. 4*ih 0
Ptdroado (o) ultramarino agonisante. Lisboa
1873. i.-br........ 1*100
Phusionomista {) das Damas, ou arte de cane-
cer as pessoas pelas feicoes do rosto, ornado de
desenhos. Lisboa 1872, em 12. 2* Ou
l'imi'ntel (A) Do Port l Claraboia, romance.
Porto 1873. 120 br...... 2*000
Polisn '/i< Terrail. Vinganca da Baroneza.
Porto 1872, Im (2....... 3*000
Ponson du Terrail -R camble. Novo e ultimo
epi olio.==A corda doenforcado, tr. de G. de Cam-
pos. Porto 1873. 2 em 12. fiooo
Programma d'.is cadeiras di escolapolijteiMni-
ci em Lisboa. 1K7273. 8." br. >0
R-'latori'i do o nse/hu especial de veterinaria.
Lisboa 187 i. 4-br........ 1*500
Jtclatono sobre a administracCm das maltas do
Reino em 1870 1611. LisbJia 1872. 8J br. 3f'00
Rocumbole. Fdi^ao popular. Tom. 52 ; assigna-
tura perman ite....... :>oo
Tratado de commercio entre o Portugal e a
Austria, celebrado a 13 de jan iro de 1872. Lis-
boa 1873.4" br....... |000
Vidal {E. A,) Crepusculis, versos. Lisboa 1872.
8............. 4*0'0
Zaccone. Os dramas da Intern cional.- Lisboa
1872. 2 vol. 8........ 6< 00
Vasconcellvs ( A. A. T.J O celibato ecclesiastico.
retlexes carta do padre Jacintho. Lisboa 1873.
vol. em 12........ 3*000
Wisemann.-Fabioli. 2 vol. 8. ene. Porto 1872.
por............. 8*Oio
I.ivrnria l'raneeza.
SHERRY KINA
VINHO DE Ql'INQlHA HYGIENICO
PREPARADO COM OS MELHORES VINHOS DE HES-
PANHA DA FIRMA
CALVAIRAG A. G. C, DESEVILHA
K.RMItCKBuR DA SUA 1\CKSTaUK A HA1NH.V
d'hespanha.
l'Of
THOMMERET GLIS -
l'liaeiiiceutic
' t:\-INTEKISd DOS IIOSPITAKS DE VAUIS
O SHERRY-kINA o vinhoue Quinquina
que hoie preferem a maior parte dos mdi-
cos de hospitaes, dos lentes da faculdade e
dos merabros da academia de medicina.
Tem esta preferencia a sua explicado nisto
que bfferece todas as garantas que debalde
se procurara, nos productos desse genero em
que mutas vezes se sacriucam as qualida-
des TAO ESSE.NCIAES QUER DO VINHO, QUER
do quinquina (as vezes de ambos) aos lu-
cros da especulado (Ver Guia das Aguas
Mineraes. Do Dr. CONSTANTIN JAMES,
7.a edic,o.
NICO DEPOSITO '
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
BARTHOLOMEU & C.
Rua Larga o Rosario n. 34.
Msica vocal e instrumental.
O professor Manoel Augusto de Menezes Costa,
tendo algumas horas desponiveis, recebe discpu-
los de ambos os sexos : quem precisar dirija-sc
a rua Augusta n. 187.
.
Antonio da Silva Jnior vai a Europa, e dei-
xa como procuradores : 1* Dionisio Das Moreira
Leite, 2 Antonio Rento de Campos, e 3* Adolphn
Marques dos Santos.
Attenqao.
A Sra. C. P. queira ter a bondade de vir rua
do Bartholomeu pagar o engommado de um mez,
do contrario vera seu nome no Diario por extenso,
a quantia e numero da casa de sua residencia.
CHAD
da Conceicao, a rua di
No collegio da^bncei(o, rua de S. Francisco
n. 72, necessita-se de um bom criado, paga-se
bem : a tratar no dito coilegio.
Engenho.
Xrrenda-se o engenho Mearim, da freguezia do
Bonito, bom d'agua e de excellente produccao, po-
dendo safrejar de 3 a 4,000 pies de assucar, sendo
distante das. estacoes de Agua Preta ou Una ape
as tres legoas : quem pretender pode dirigir-se
a Paulo Cavalcante de Albuquerque, no engenho
Penderaca, ou nesta praca a Campos, Raposo &
C, no largo do Carmo n. 1. _________
1 vol.
digno de attencjlo,
Revolta este proceder. Conservar a casa fe-
chada estando vasia, sem pagar os alugueis des-
de agosto do anno passado, e a pobre da proprid-
taria sem a chave de sua casa e sem os alu-
gueis, vendse forcada a recorrer a justica para
o.bter seu dinheiro e chaves de sua casa. Se cora
esta publicacao nao for attendida, no flm de
tres das sahir com as iniciaes e se anda nao
produzir effeito.em seguida sahir o nome por
inteiro : o debito monta j a 320*000.
Attenco
fCo?e-se por ligurinos vestidos para senhora e
Oenina, com perfeicao, asseio, e por commodo
vreco : na rua da Ponte-velha n. 87, 2o andar.
Criado.
Preciea-se da um criado : na rua estreita do
Rosario n. 28. ____________________
Hotel Aguia d'Ouro.
Precisa se de um bom caixeiro que tenha pra-
tica deste ramo de servico : a tratar no mesmo,
rua estreita do Rosario n. Zi.________________
- Precisa-s*de um menkio brasileiro ou por-
tnguez, com pratica de taverna, e de conducta
afianzada : na rua de Pavsandu n. 33 ('..
"Til MEZ DE MARA
\dva edicao correcta e acresecu-
tarida.
Este livrinho, alem do mez de maio, seguido
da devoco do Coraeo de Mara, offlcio das al-
mas do purgatorio, noticia da medalla milagrosa,
novena de N S. da Penha e da Conceicao, medi-
tado do Rosario, modo de ouvir mise e oracoes
para confisso e communho, etc., encadernado,
pelo commodo preco de 2* : na livraria dos edi-
toras, rua do Imperador n. 54.
DIC
CrK
RIO UNIVERSAL
DE
EDUCACAO E ENSINO
TIL NOCIDA DE DE 4MROS OS SEXOS. AS MAIS HE FAMILIA. AOS
YROEESSORES. A(iS DIRECTORES K DIRECTORAS DE COLI.ECIOS, AOS
Vl.l JI.MIS QUE SE PREPARAN PARA K.\AMES.
Contendo o mais essenoial da sabedoria humana
tosa l :::::;::: ;::::::^:::::;;s:?:::::::: m :;:::t::
i 1H> eiluccAao.
Conhecimento e dirccao dos caracteres, faculdades, dofeitos, moritos e aptide.- Reb-
gto, moral, philosophia.Lgica, rhetorica, potica.Lilteratora, pedagoga, c-
vihdade, escriptores amigos e modernos.Agudezas, proverbios, maxirna, ew-
grammas, etc.
'i. 11c isli'iict-ifo primaria.
Leitura, escripta, clculos, problemas, formulas, systema mtrico, moral religiosa.
Ltngua portiigueza, orthographia usual e grammatieal, relaceo, estvlo epistolar,
homonymos, synonymos, raizes, etymologia.Methodos, disciplina, meios praticc*
de execugao.Historia universal de cada secuto, vares insignes, descobrimentos
factos assignalaveis.-Ceographia descriptiva, cidades principaes, indole'e costumo*
e productos de todos os paizes, monumentos celebres, panoramas, curiosidades de
toda a especie.Noticia das sriencias asmes, artes, misteres e proissoes, etc.
3.".(riicctte secundaria.
Linguas : portugueza, fracceza, latina, hespanhola e ingleza.Geologa, mineraloga,
botnica, zoologa.l'hysica, chimica, astronomia, mechanca.Arithmetica, alge-
bra, geometra.Industria, hygiene, desenho, agrimensura, commercio, agricul-
tura, etc.
SEGU
DICCIONARIO ETIMOLGICO DE TODAS US PALAVRAS TECHNICAS
PROVENIENTES DAS LENGUAS GRECA E LATINA
Tudo simplificado ao alcance dos alumnos epessoas mera mente disrjosa.i de, instme
cao, com elucidaedes ido proficuas aos mestres quanto proreitosas no trato itnn familia*
REDEGIDO COM A COLLABORACAO DE ESt HIPTOHES PECU.lARKS
r-e ti
,. Al, CAMV\GNE
DIRECTOR DE COI.I.EGIO
Trasladado portnguez
pon
CANILLO CASTELLO BRAXCO
E
AMPLIADO PEI.0 TR ADUCTOR NOS RTICOS DF.FICtK'STKS F.M ASSIMPTOS RKI.\TI\OS A
PORTUGAL E BRASIL.
A obra constante de 50 caderudas ser terminada no correr de 187.1.
A assgnatura razo de 900 a caderneta, divide-tg para maior farilidade m
duas series, cada urna do 23 caderudas, ou 7--300. As 10 pri-ciras cadornetas i-ntresam-
se desde j.
LIVRARiA FRNACEZA
Atiendo.
Quem precisar de boas amas seccas e de leite,
aflianadas, dirija-se ao p*teo de S. Pedro, n. :t
que achara com loja, quem tratar.
Opiisml Me mural rdij-i sa
MR.
P'R
AMBR.
RENDU.
Mpli('4i-fir urviro
RUA MPEHAUOH N. 73,1 A.\lAR|j
0 DR. NONES DA GOSTA
HBMCO OI'FRAltOR E PATTKIRO.
ESI'Et:iI.I"AiHS
Noksttat e .atfr&el ''fc o'bi*.
*-nr^ radical ^ mt-iimUaea io
TtreiDmenlo ra urnr.'.
N
<
l
Consnlt?s
(t m r I 1.
C. aui
o
D*l 7 Ss 10 r<>T*t
A ^ \visasc
AVISO.
Trocarse
a moradia de. urna casa na rn.a do Hospicio, com
quintal, agua encanada, banheiro, etc., etc., p
una em iguaes condu;des, na rua da Concordia,
Cainboa do Carmo, etc., etc., sendo perto da rua
Nova : trata se na rua do Barao da Victoria nu-
mero 3b".
100SOOO
astu-
do
Os abaixo assignado declaram ao publico e
especialmente ao corpo dn nommenMo quo dissol-
veram do dia 22 de abril do crrenlo auno a
aociedaJe entre ambos existentes, e quo gyrou
uesla praca sobre a razio 'le Joaquim Alves da
Silva k C, ficando o socirt Abreu encarregado da
MU KqniiacJo.
Joaquina Alves da Silvl
Antottij Jos "
de gratilicaco receber quera pegar e levar a
rua da Madre de Deus n. 3t. o mole^ne Elesbao.
Este moleque foi visto hontera 1. do crreme na
Itibeira pelo seu antigo senhor o Sr. Jos Rodri-
gues Pereira, que soube depois estar elle ser-
vindo como criado com o nome de Luiz a um lo-
gista na rua Direita. Promette-se- nao ser casti-
gado.
PENHORES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos raetaesepedras.
Ausentaran!-se no dia I* de Janeiro do corronte
anno, do engenho Oitoiro de Pedro, da freguezia
da Luz, comarca de Pan d'Alho, dous escravos,
marido e mullier, auibia crioulos, o escravo tem 45
annos, a escrava 15. Marcos, cor preta, cara larga,
pouca barba, altura regular, cheio do corpo, ps
grandes e largos, mos grossas, co?tuma apparecer-
Ihe cravos nos ps ; e Escolstica, baixa, cor pre-
ta, pouco corpo, faltam Ihe os dentes da frente no
queixo superior, ps pequeos e espalrnados, e tes-
ta grande.
Consta ao abaixo assignado ter sido encontrada
aescravaem fra de poitas, no.Recife. Poder
entrega-lo* a pessoa que os pegar, ao Sr Belisario
de Souza Bandcira, na rua da Penha n. 5, que
receber a gratilicaco de 200*000 ; ou ao abaixo
assignado em seu engenho.
Oiteiro de Pedro, 20 de julho de 1871
________________Joaquim (".peino Leite._______
Desdeo dia 14 do corrente at o dia 18 esta-
r na esta cao da Escada uma'grandee bonita por-
cao de burros venda.. Ha vendo lindissimas pa-
relhas para carro, de tamanhoe cores iguaes,
animaos reforcados para o servico de canwas,
cargas e almocreves: do dia 18 em diante seguir
para as immediacoes de Apipucos, onde ter al
guns das de demora. O proprietario e vendedor
convida aos Srs. de engenhos e mais pessoas bem
como ao arenle da companhia dos bonds, a sorti-
rem-se n esta oceaso; pois nao o poderlo fazer
em 187i, em razao da grande scea que lavra as
provincias da Pabia e winas, a qual nio permitte
o transito de tropas mnres em uma extencao de
16' legoas. A tropa pode-ser vista e escolhida
vontade.
Criad
a.
Tft0TOtBAPHIA AUB^
Precisando fazer um concert urgente, a nossa
gallera ficar fechada at sexta-feira 5 de maio
de 1873.
_______________Alberto Henschel A C.
Terceiro andar.
Aluga-se o .! andar rua do Padre Floriano :
a tratar na rua larga do Rosario n. jj__________
Cozinheiro.
Na rus da imperatriz n. 37, 1 andar, precisa-
se de um bom coiinheiro.
Procisa-se de uma criada de meia idade, portu-
gueza, que saiba lavar e engommar bem : na rua
do Hospicio n. 50.
Aluga-se uma escrava para o servico de
uma casa de familia : a tratar na rua 1" do Marco
n. 18, loja.__________________
(Intimidado de Nauta C'ccilia.
De ordeni do irm3 juiz, convido a todos os
nossos i^rais professores para que se reunam
em mesa geral, segunda feira 5 do corrente, po-
las 11 horas da manha, afim de tratar de nego-
gocios do interesse da mesraa irmandade.
Consistorio, 2 de maio de 1873.
secretario,
Rodolpho Mamede do Amara!.
Ao commercio
O abaixo assignado faz publico que nesta data
vendeu aos Sis. Borges Costa & C., a sua ta-
verna sita rua 24 de maio n. 15, outr'ora rua
da Cadeia, livre e desembarazad i de todo e qual-
quer onus.
Recife, 30 de abril de 1873.
__________________Francisco Ribeiro Guimaraes.
Fio de algodo da Bahia e cal de Lisboa, re-
entemente chegado : ha para vender no es-
jriptorio de Joaquina Jo* Goncalves Beltro & Fi-
ho, rua do i-ommercio n. o.
Padaiia
Vende-se a nadara na rua de Marcilio Dias ou-
tr'ora rua Direita n. 69 ; a tratar na mesma.
Fugio
Para leitura as escolas primarias.
Esta interessante obrinlia, que tao bem acolhida
foi que a l' edicao ficou logo esgotada, aclia se
reimpressa, e- venda as livrarias: Clatolea e
Universal, rua do Imperador, Econmica, a rua
1* de Marco, e Encyclopedica, rua do Mrquez de
Olinda, a 640 rs, o exemplar.
MOMA-
VaiA oimiaiimaaiIa I I I a quem der noticia da escrava f.uilhermina qne
JJjobdi cIlLUUIditylUU MI foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sar-
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello, ,os> 0ePis comprada ao Barao de .N'aiareth,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o! representa ter 23 annos, tem falta de denles n.i
favor de vir rua Duque de Caxias n. 36, con- frente e as maos coin calriM de awl"M*"
cluir aquelle negocie- ciue S. S. se comprometteu a de S^ "fj"" ao corP e m"h ^ee";,t',; 1U9 *-
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em apparoceu da casa de sobrado n. 26, da rua k>
llns de dezembro de 1871, e cleuois para aeiro.. (-"clh9- (l"e s,'ra guarosamente recompensa
passou fevereiro eabril de 1872,e nada cumprio; j ___ Frarpier>n TncA PtirHrk-
9 por este motivo de novo chamado para dito x l'l-'l'5^,-' uucv, vrtltiu-
im,poisS.S. sedeve lerabrar que este neg.cio Qn o-*50fo olfiofo franuforir*
Je mais de oito airaos, e quando o Sr. sen fi!ho se bU) TUDM* ttlltlld.lt, lldllSierHj
.chava neta cidade. ^ ^------------------------| ^ offi(?ina da rI,a (10 BafaO
Precsa-sede J^^^ cu, ,2 a .4 J****** "- ^6 paHl i TUa
annos de .dado, para o armazem de sal do VaMi- (lo MarOUCZ dcOiilldan. 34,
vino da palvora, na rua Imperial n. 2i 7. i i "
O abaixo assignado previne a todas as pes prinieil'O ailQar.
soas que fiearam a dever na loja de ourives a-------;r-------------------------------------->
Jos Irfipes Davini. leudo de seguir ama-
nlia para o norte aliui de ultimar os seus nego-
cios, deixa p<>r seus bastantes procuradores oe-
ta cidade aos Srs. Cetarias do Reg Rptala e
Antonio Alberto de Souza Aguiar.
Recife. 29 de abril de 1873.
Vende-se
Um sitio na cidade' de Olinda, am Je
ter uma boa casa de vivenda para grandu
familia, tem muitos arvoredos do fructos de
todas as quuli lados, e excollenti- agua de
beber; a tratar nestatypograpbic.
Jos Francisco do Hego, enrarregado da >-
quidacao da lirina de Jos d is Santos Neves a Ir-
mao, cujos socio sao fallecidos, convida < que H
julgarem endorsa da mesm i firma que ffi*
apresentem seus ttulos no prazo de 15 fias, con-
tados da presente dala, para o qne pod ser pro-
curado na rua do Crespo n. 17, I" andar, do mo
dia s 3 horas da lares. Reee, I* de maio de
(873;______________________________
Saoindo desta cidade- para o engenho Ra
da freguezia da E cada no principio do corran;*
mez a preta Marcotina, escrava da Exma. 8ra.
Baroneza do Amaragy, at esta data nao cbegoii
ao referidurf-npeiiho, o que faz acreditarse qu*
e>t fgida ; crioula, de 49 anno< de idade, iou-
co mais ou menos, alta, corpo reguhr, rosto eem-
rtna ooiKci Kqi am Pr'do e coberto de espiuhas, sabe rozinhar eea>-
CJUe iSaiDa Oeni CIl- gommar : quem a appreh. n.ler e entrega-la ae-
...,^v^,.^.. r .*^,__ta cidade ao Sr. Adduhn Targino Arciolv. na
gommar e fazer o mais ser- Duque de caun. itT?a.a7 o,. ****
s que ucaram a dever na loj
rua estreita do Rosario n. 10, que s oom alie,
ou cora seu procurador Joao Baptista Gltirana, a
3uem deu poderes para cobrar amigavel ou jo-
icialmente, se podem entender acerca de seus
debites, visto ter tomado conta do activo e pas-
sivo desde Janeiro prximo passado. Outro siui : i
pede a seus devedores da loja do arco da Concei- \
cao, que venham saldar seus dbitos at o dia .">
do prximo mez, scientilicando a tod s quo da- i
quella data em diante promover o seu direito. |
Jos da C. Oliveira e Figueiredo.
Cozinheiro.
Preciza-se de um, livre ou esvravo. e quese en-
carregue n tambem de comprar, para casa de 2
pessoas: a tratar no Corred r do Hispo n. 59.
Precisa-se de uma ama livre
ou escrava, para cozir.har : na
ru do Rangel n. 9.
AMA
AMA
gundo.
Precisase de uma ama que engoui-
me com perfeicao : na rua Duque de
Caxias n. 91, loja do rival sem se-
A TYI1 Precisa-se de uma ama de? idade, que
.una sejazelosa, nara andar com uma meni-
na : a tratar na rua da A legria n. 4.
Precisa-se de uma'ama para todo sarrios
de casa de pouca familia e para sabir a rua : na
rua Bella n. 39.
Precisa-se de una
AMA
gomma
vico interno de uma casa de.eneun"0' *r rccom'nsado *~"
pequea familia: no tercei-
ro andar desta typographia
pequea familia : no tercei-,S^^* || se dir.
AOS 5:000^000.
Estn vendaos felizes bilhetes da loteria da Ba I
hia, na casafeliz. do arco da Conceicao, loja I: |
ourives, no Recife.
da rua Augusta ha poucos dias o escravo de nome
Jos, cabra escuro, cabello grande, com estrada
aberta, eoin. bigod* e cavagnac, beicos grossos
com falta de dentes na frente, falla grossa e rou-
3uenha, secco do eorpo, a inda moco, eos turna an-
ar serapre asseiado, cozinheiro, tem ido visto
no bairro de S. Jos ; chama-so a attenco das au-
toridades policiaes e capites de campo para a
apprehensao do dito escravo, e leva-lo na oas-
sagem da Magdalena, passando a ponte grande, o
pnmeiro sobrado, que serlo recompensados gene-
rosamente. .
AO COMMERCIO.
Offerece-se uma pessoa que a alguns annos
chefe era uma das estaces da via-ferrea de S.
Francisco, para caixeiro de casa comroercial em
grosso. visto ter boa lettra e saber bem o portu-
guez, dando fiador sua conducta : para informa
coes dirijam-se rua do Bom Jess n. 18, l' an
dar, ou na estaco de Froxniras.
AMA
na n. 161.
Precisa-se de una
para cozinhar e engommar
para casa de pouca familia,
prefere-se estrangeira : na
rua do Visconde de Goyan-
l Sapotiseiros e sapotein*. e dahi para baixo, | nhi'iras, fructa-pao, oiti-cor, ariticuni-a-pe, aba-
___ cate, laranja cravo, ftanbovant on hrilhanfe, pal-
ama meira imperial, rosearas SS ((ualidade. alerria-*'*
Earreiras OBTasts da india, romeiras e oolia.
mtas : na Capunga, rua da Ventora numero 90.
Ao publico.
A abaixo-assignada declara que tem vendido a
Precisa se de uma ama para casa de homem! Sr. Joapim Gsrssta Vieira de Mascarcnhas o sen
hotel, da rua das I^raugeiras n. 29, livre e deseo-
bara.ado de qualquer debito que svM a|prwr.
solteiro : na rua Direita n. 8.
gundo andar.
Precisa-se de urna ama para com-
irar e cozinhar para casa de peqnena
amilia : na rua do Crespo n. 18, se-
Precisa-se de uma ama para casa de homem
solteiro : na rua Direita n. 10.
Ama
Precisa se de uma ama : na rua Di-
reita u. 61.
Precisa-se de um caixeiro para ama taver-
na : na rua Vidal de neyreiros n. 141.
te
AMA
Precisase de uma ama que
cozinhe bem : na rua do Ba-
rio da Victoria n. 28.
Ama de leite
Na rua do Bario da Victoria n 5, andar, pre-
cisa-se de uma ama de leite.
Reccife 18 de Janeiro de 1873.
Anna Tticresa da Silva.
bom fillo.
Fugio do engenho Roacica, fregiiezia de l|toiuca,
no dia 97 do passad-, o escravo Riev*n, irado m
Satyro Jos de Moraes tendo justo e contra-
tado vender nesta data seu estabelecimento de ca-
belleireiro intitulado-Tranca Monstro- sito rua
Duque de Caxias n. 28 aos Srs". Lima A Wyelm.
declara pelo i resente que o faz livre e desemba-
racado de qualquer onus.
Perdeu-se o quarto de bilhete n. 987 com
minha assgnatura, Godofredo de Abreu e Lima, e
Precisa se de 5:000# a premio de 4 lr2 por I por itso peie-se ao Sr. thesonreiro que nao pague
cento sobre hypotheca ero casas : quem quizer a ninguem senao ao propriq ^ono qualquer sorte I que d fiador de sua conducta i
aanuneie para ser procurado. J que possa sabir. J dos Afogados n 27.
Precisa se
" e um caixeiro de 13 a U annos,
na rua Direita
signaes seguimos: alto, gordo, cara larga,
pouca barba, ps grandes, tem o andar pnuco ir-
me por soffrer de cravos nos ;*, tem om dedn de
menos na mao esquerda, a qual cotnma traaer
embrulhada com a jaqneta on capoto, mppde-se
estar nos limites da freguezia do Cabo, Escada e
Santo Anuo, onde ja esleve fgido 9 annos : quem
o capturar pode entrega-lo rio Recifc, eso notorio
da rua do Bom Jess n. 5, ou no engrano Boa-
cica, que receber a gratifcatao de IOTA-
Attenco.
O abaixo assignado pede ao Sr. Joao nisniauai
Pes-oa o favor de vir entender-se com elle sebee
aquelle negocio que o mesmo Dio aera, so
pena de ver por este jornal a espeala te aeenrie*
Marcos de A. P
lanO
m
i



T-
Diaxio de Pernambuco Segunda feira 5 de Maio de 1873.

MOV1D. % 1112
PIANOS E MSICAS


ARTOXIO JOf. S1E AZEVEDO Ij
Ra do BarSo da Victoria d, 11, armasen), e 12*l.aniar, antiga ruaNova
WGO ASM&&M
'onie 9 publico em geral cncontrahempre o maior e mais esplendido sortimento de puntos de.
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado o. 11 confronta i
botica Mu;er, qcb grande saiio onde eslao expostes os magnifleos
1.4 ^ US d armario, de PleyeU
--------- de meia canda, do mesmo aotor.
--------- de H. Henrx.
de Amedee Thibont.
nico agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FOES
Miniados em diversas exposi ;6ss om I i medalbas de onro e prata.
Sao os onicos pianos qae aqoi vem da Europa, perfeHamente e tioa-
~4os, fetos com elegan :ia e solides.
Tamben receben grande sortimento de msicas pira piano, piano e
canto e entre ellas as lindas eomposicdes do moito rympatbico maestro
F. SAVM*I
A SABER :
Voo me quer Walsa.
Olga Maxuika.
L> Separacinni P.ra cauto.
A Laz elctrica, grand s wv-a.
Franco Bra-iltiro Polka.
Tomada de Vllela Galope.
Joaninha Walsa.
K Libertadora Polka.
A Priraeira espada Wal*.
A Mmha Lyra Wnlsa.
A Natalicia P^ika
Stndeote Poka.
Ultima* pufolleace
Pellas oes offlcinas de msicas
do annunciante.
Emilia, polka por I. Smolti.
Circaciaoa, tcbolcb, por Smolti.
Jardim do Campo das Priesas,
quadrilba, por J. Popne.
. Chava de Rosas, Walsa, por H Al-
btrtaiti.
D'aqai emgdiante continuar a aononciar todas as pnblfcacSes qne se forem (riendo as suas offlcinas de masieas.
A V S A.
aos comprad-res do bem conhecido e acreditado rap
REA PfiETA, que reparem nos botes e maios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, o com panel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qrizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o noma de StEIIRON & C, e a desig-
nio de REA PRETA.
Mobilias de aluguel
Alngam-se niobifia? completas ou 'jnalqner tras-
re separado : nos aromen* do mohnas do Pinto,
na lo Itaro da Victoria r\-. 57 e .'>*<.
-.. -*"' y / -' *ffai
Alteres honoario do exerci-
cito Miguel Affonso Fer-
reira.
Dr. Francisco Xaviuf Cavatcante Ferreira, seus
hlhos e genros, repassades da mais acerba dor
pela inesperada morte de seu multo presado
Iho, irmao e eunhado Miguel Affonso Ferreira,
pelo presente agradecen) a todas as pessoas que
se dignaram acompanhar seus restos mortaes ao
eemiterio do paveado dos Montes, e pedem as
pessoas o caridoso obxequio de assistirem as mis-
sas do stimo dia, quo mandam rezar, por alma
de mesmo finado, na igreja do niesmo pavoado
dos Montes as 8 horas da manha do dia 5 do cor-
rente, ,* I
Joaquimdos Santos Neves
Pelo repouso eterno de sua alma manda-so re-
!*.r nm msa na matriz do Corpo Santo, terca-
teira 6 do corrente, 7 horas da manha, e con-
vida-se aos
ti-la.
seus prente* e amigos para assis-
enentcceroiiel Jos Liicnt
* rew RitpoNu da (amaia
D. Mara Leonor Soares Raposo da
Cmara, D. Carlota Elydia Raposo
da Cmara, padre Frederico Au-
gusto Raposo da 'amara, Dr. Je-
ron \i no Americo Raposo da Cma-
ra, ausente, e Adolpho Arthur Ra
poso da Cmara, agradecem cordialmente a seus
parentes e amigos o caridoso obsequio quo Ce-
ram-lhe acompanbando os restos mortaes de seu
presado esposo e pai o tenente coronel Jos Lu-
cas Soares Raposo da Cmara a sua ultima mo-
rada e os convidara para assistir a missa de r-
quiem que por sua alma mandam cantar na ma-
triz da Boa Vista, tercafcira 6, as 7 horas da
manha._________________________________
SHM BEr^^OHI
urn prente e amigo do finado alferes
Miguel AfTonso Ferreira, manda rezar urna
missa na matriz da Boa-Vista, s 7 horas
da manh de 5Ndo corrente, e para esse fim
convida aos seus amigos e aos daquelle fi-
nado.
Candido Alfonso Moreira
Carolina Soares de Amorim Mo-
reira convida aos parentes e ami
gos do seu finado marido Candido
Affonso Moreira i ara assistirem s
missas do 2.* aniversario do seu
fallecimento, na igreja do Corpo
Santo,' as 8 horas.do dia 6 do corrente mez ; por
cojo obsequio desde j se confessa agradecida.
Aluga-se
o segundo andar e sotlo do sobrado n. 1, ra do
Visconde de Pelotas, antiga do Arago : a tratar
ra do Baro do Triumpho n. 56, refinacio.
Mudanca
Beltrao, Oliveira & C. mudaram o seu estabele
cimento de molhados do largo du Corpo Santo n.
6 par"a a ra do Commercio n. 10.
tlllg
a-se
urna casa em Santo Amaro das Salinas n. lo, com
3 quartos, 2 salas e copiar fra : quem pretender
dirija-se ao p da mesma. Adverte-se que a li-
nda dos bonds passa na porta, e quo se o inqui-
linff quizer bota-se o encanamento d'agua.
COMPRAS,
Na fabrica de cerveja ra do Rosario n
6, romira-se laranjas da trra a 640 rs o ccnto.
Compra-se um cofro prova de rogo
trHtssa da ra do Vi gario n. i.
na
TUPAS.
Attenco
Vende-se a taverna da praca do Conde d'Eu n.
9 : a tratar na mesma.
oito casinhas ou mei-aguas, sitas no caes de Ca-
piliaribe, de tijolo e cal, bem construidas, com
poco meeiro, que rendem 8i, mensaes, e s.lo mui
to procuradas pela boa localidade : a tratar na
pra^a do Corpo Santo, armazem n. 9.
MEURON ft C.
LIMA & WYELM
CaMleireiros
. A
America meridional. !
Ten de comprado o estabelecimento Tranca '
monttro que o Sr. Satyro Jos de Moraes pos-
suia ra do Du.ue de Caxias n 28, nelle aea-'
bam de fazer grandes reformas no sentido de
bem satisfazer ao respeitavel publico Bosta c.'
dade. '
O gosto e asseio com que est organisado este ,
estabeleeimenio, o capricho e presteza em seus'
trabalhos, sao a nica divisa dos novos proprieta-
ries, sendo que seus mais ardentes desejos sejam
merecer a honra da concurrencia publica, afim
1.' que poseam couvencer-se dai realidade do
(fue levam dito. \
Alm da execufo geral nos traialhos de ca-
bellos, encaregarg-se mui especialmenti dos pen-
teados de senhoras, para o que receben! por to-
dos os paquetes da Europa o jornal doseamelleirei-
ros, gue os collocam em mutuo contacto dym as
modas de Pars.
- Lima & Wyelm
CABELLEIREIROS DA AMERICt MERIDIONAL
Ra Duque de Caxias n. 28.
Siria de lastre.
Vendem Pereira da Cunha Irmaos, ra Mar-
gvtez de Olinda n. 21, em porcao e a retalho.
BICHAS DE HAMBURGO
As mais recentes e melhores.
Vendem-sena pharmacia e drogara de Bar
tholomeu C, ra Larga dosario o R/i. 34
ASSGNATURA
PELO
ABRIL A SETEMBRO
i:
Notavel escripto do Sr. Dr.
Sarment pai.
Acha-se venda as livrarias Econmica, ra l*
de Marco n. 2 e Industrial, ra do Baro da Vic-
toria n. 12, um opuscnlo dedieado aos II.*. do Bra-
sil cora o seguinte titulo :
a Antagonismo de alguns dos caones do ultimo
concilio de Boma com as leis e os principios
< constitutivos das liberdades dos brasileiros, e ne-
* cessidade de modificar as rela;5es do estado e
da Igreja.
lHMlhinfln com as mais vivas cores os horri-
veis males, que a intolerancia religiosa tem derra-
mado por todo o universo, e mostrando, quanto
absurda e funesta a existencia de religioes de es-
tado ; conelue o eximio escriptor, .propondo, a
sakstituicjlo doart. 3* da nossa constituicio, pelo
artigo correspondente da constituicao Belga.
Aos II.-. diz elle na dedicatoria, que nao ser,
nerncom meias medidas, era com violencias, qae
se hao de sanar os nossos males, mas cora a mo-
dificacao ul das leis que torne possivel a-Igreja
livra no Estado livre.
Troca-se
. Urna easa terrea na ra do Tambi, com duas
salas, dou quartos, eozinha fora e quintal com
cacimba, por outra de jguaes commodos as se-
guintejruas : da Gloria, do Rosario da Boa-Vis-
ta, do rago, da Conceieao, do Pires, da Matriz
e ra Veflya, voltando-se a quantia-que se eon-
vencionar, tontas as bemfeitorias da-casa: a tra-
tar na ra a Gloria n. 82.
Festk dos Prazeres.
Lendo hontem\a Revista Diaria, deparei com
um elogio aos tnfarregvlos da festa de Nossa Se-
nhora da Piedadeldos Montos Guararapes ; admi-
rou-me, porm, te\ os mesmos encarregados en-
commendado redaros |)ara a mesma festa, at o
presento nao /os procuraran); estranho pois tal
proceder ies elegios que se fazem aos senho-
res festoiroit
Recife, Z^Ae maio de 1873.
Maaoel Gomes Mendes.
GHEG0UAF1NAL
A EXCELLENTE E JA' MUITO COJiHEIDA
AGUA CIBCASSIAN1
nica usada por tolas- as familias reaes e no-
breza da Europa Approvada pelos mdicos mais
eminentes e por toda a imprensa estrangeira. Tor-
na os cabellos brancos sua Jantiga cor, louro,
. castanho ou preto.
>o enchovalha o faci, tira completamente a
caspa da cabepa. Na Franca, Inglaterra, Allema-
, nha e Ameriea o uso da AGUA CIRCASSIANA
| dispensa hoje todas as mitras preparaeoes e tintu-
: ras to damnosas para o cabello ; a sua applica-
i cao pode ser feita seiri a menor precaucao.
l'iivo depoaito
NA PHARMACIA CENTRAL
Ra do Imperador* n. 38.
Na ra do .Commercio n. 32, 2.
dar, entrada pela ra do Torres, vende-se
o seguinte:
Couro de lustre.
Bezerros.
Oleo de linhaca.
Cadeiras americanas.
Ditas de balance.
Ditas para crianza.
Palbinha preparada.
Gomma-aca, superior qualidade.
Folhade Fia nd res.
Vidros para vidraca.
Chumbo de municao.
Caf do Rio de Janeiro.
Manteiga ingleza.
Dita franceza.
Phosphoros de seguranza.
Veude-86 ra do Commercio n.
2. andar, entrada pela ra do
res.________^________
VENDERSE-"
urna boa easa terrrea, < m chao proprio, com 5
quartos, 2 salas, eozinha extorna, cacimba, gran-
de quintal, pl.tntado e murado, sita na ra das
Crioulas (Capunga) : tratar na ra daJFlorei-
lina|n. l.
SEGREDO ECONOMA E CEI.ERfDADE.
Obtem-se com o uso
DA
IlfJECQAO SHOST
L'ni<;a, hvgiumca, rn>li:u! < Hallivol lia ai
ra da* gonorlicis, llores brancas ; llucos de
toda especie, recentes- u clinmirfls; oque
offenx como gnfaiitittdesiluUins rustfhauof
a continuada a[i[>iicaro que setapre com s
maior vantagesi se tem feito della nos bos-
pitaes de Pars.
nico deposito para o Brasil, Bartholomeu
A C, ra Larga do Rosario n. 34.
= Relogios de o ^ro patente niglez (descobertol
do mel or fabricante de Londres, em cas de E.
A. Deioache ra do Mrquez de Olinda n. 49.
Relogios americanos, grande sortimento para
mesas e preles com columna dourada, corda
para 8 dias. os mais modernos possiveis.
Na mesma casa i a gran le sortimenU de relo-
gios de onro, suissos, e prata dourada, cadeias de
plaqu todos por proco muito barato, ra do Mr-
quez de Olinda n. 49, E. A. Dclouche._________
Olinda
Vende-se o sobrado de um andar e soUo com
frente para o pateo de S. Pedro e oito para o pa-
teo do armo, as melhores eondieoes possiveis,
nao so para negocio, como para morada e uso de
banhos salgados : quem o pretender dir ia-se ao*
Sr. Bernaruino de Sena Pontual, ra da Madre
de Dos n. 36, escriptorio.
Libras sterlinas.
fande-se no armazem de fazendas de Angust.-
K. de Oliveira 4 C, ra do Commercio n. 42.
Cassa-l
.4 90# rs. o covado. na ra do
Crespo ti. SO.
Casse-laine propria para vestidos, sendo lindos
padrees pelo diminuto preco de 2 na loja de Guilherme C. da Cunha 4 C"
Farinha de mandioca.
A melhor do mercado.
Vende J. F. s. Coimbra Guimares
Mrquez de Olinda n. 3, 1. andar.
ra do
Caf do Rio.
Vende Joaquira F. S. Coimbra Guimares: na
ra do Mrquez de Olinda n. 3, 1." andar.
Na ra da Imperatriz n. 6,
loja ne louca de Sebastio Marques do Nasci-
mento, vende-se em porgoes grandes ou a reta-
lho todo louca existente na mesma, por procos
muito diminutos por ter o m tamo proprietarin
de fazer urna viagem a Europa a tratar de sua
sade; portante, todos os fregueses que precisar
de se surtir destes artigos, apresentem-sc quanto
antes._____________________________________
Eugenho Patricio.
Este engenho est situado en) milito bono lu-
gar, perto do porto de embarque onde carra-
gam os vapores. da companhia Pernambucana,
3ue levam e tiazem carga de Mamang^nape Est
e fogo morto e seus prnpiietarios snjeitam-se a
venda por preco muito eommodo; e nao duvi-
dam mesmo conceder prazos por parte de sua
importancia, com tanto que receban) outra par-
te, em dinheiro vista : a tratar com Tasso
Irmaos 4 C.
J chegaram os maravilbosos fogos artill-
ciaes da China, para serem soltus nos saloes e jar-
dins: caixinhas com variado sortimento e a gre-
cos desde 20 at oOfi cadi caixa : no armazem
. I do caes da alfandega.
111
Vende s a taverna do pateo Carao n. 39, por
seu dono querer se retirar para fora da prov
ci, o qual offerece vantagnts ao comprador por
estar bem afreguezada e ter rwueos fundos e o
proprietario combinar com qnalqner aecordo.
Granadina bordada
de 1 -^O a 09 o covado : 4 na
Roa Branca.
que se vende granadina preta, com Hutas e flo-
res de seda decores, ricos gestos a 800 rs. o iv-
vodo.
Ser daquella que todos vendem a l*OU e
U600 o covado
E' sim senhor.
Ra da Imperatriz n. 36.
A 280 rs. o covado
Cambraia muito fina e de lindos padroes a 280
rs. o covado, baratissimo : na loja do passo,
ra Io de Margo n.17 A, amiga do Crespo.

f^ivros vendo
Aos Srs. Icadomico
'i -*m
i1i:!i''::.:i,r:;. ; >i
i'aiii.ssus : :i"ii i'- .um. i, uU
Villiaunc: l!
I.i.ni-: Bl.inc :IItdri de di mhM.
Vattal : Itajit des gen.
Ventura :-^.e Ponvoir pnblic.
Purters : Crnirs de drmt uatureL
KIuImt : Didil d.rs gens.
HogriHi: Cmle de iminerre.
Nesta lypographia ar liar o -=' "It.is para-
rem vendidas.
TASSO IRMAOS k C.
Em seus arinazons na <\o Amorim
n. 37 e otM lo Apollo n. 47,
tem para vendrr |>or precos commodos :
TjoIks encarnados sexUvos para ladrilko.
Caaos de barro para esgote.
Cimento Portland.
Cimento Hydranor.
Machinas de sMSffoaar algodao.
Machinas de iiadaria.
Potassa da Itussin -'in barril.
Phosphonts de rra
Sag em g;urafr>es.
Sevadinha em farraf>s.
Lenli lias em ^arrailes.
Illuim da aJuiaica.
Vinlio do Porto velbo engarrafmlo.
Viiiho do Porto surn-rior, di o.
Vinho do Bordeans. dito.
Viuliu de Scbeiry.
Vinho da Madeira.
Potes com lingnas e dobradas inglezas.
Licores linos mrtMns.
Cognac Gaulliiei PWws\
Latas de loucinlio ingksz.
Barris com rep llio en salmonra
LIQUIM(L\0
FAZEm
11.;.

hm
A' ra 1" deMarqon. 7 A (sa-
tn Resolvemos da nm peiiui-no reuni da*,i;n
dados e presos de diTersas awicaortaa, am
que visl.i delles possam DlfWi >r SJM a I SJt
rao de iiosas rateada.' maa para ve-dade.
Escoii'i ben i vmmi .i
Caapeaaaii, chapeos de palha, veHndn, -.-;.i
filo para seabonu e meninas de ': I i' (i.
!U a 2.-
n n-hct preto-
mi I
Basquinas e easaiubih .> > tesa 'i<-
Casaquinhos e romeiras de
brancos de 24 a I i.
Vestidos de ra ubraia braaca t
dados a i e |ii V
Cainizinhas de camliraia branca a 30^ 60:-
Maufsiii..s e gi Hffibas a > (. 2itl e .$0 rs.
Cintos de todas as quadadrs para seuli
iOO a 1 G K>.
Lencos bordados e l-- o^O a pfj
CoiJOC de l a lloOO.
Leques de madreperuls t n irfai as ''i i i"
Balso a i i.
Chales a imilacao de bornus de merino prel
do Bt e OJ.
Sala' de II de eansbraia de Vi, > s 64.
Camisas bordadas para senhura, para lodo -
procos. 0
Capellas de cera a o"^ rs.
Redes | Corlea de rantorata a 'M.
i ortos de larUtana bordados a seda de V, "4
:4-
Cambraia de cor m lindos sadress o esa >:
a 320 rs.
Alpacas de lindas cores lisas e cm listas sedas de i(K)e H'kI rs. o ewas,
Grande sortimento de l.i para todos os pr.
Crochet braaco s preso .ovado a too rs.
Fil de linliu liso preto r braaas de M.i I
rs. a vara.
Vestaarios demsda bnaes c de ssaai pan
meninos de 34 a 6 .
(iravolase mantas de 320 a li cada una.
Chapeos de castor liranco a 74 e 84
Cliapeos de em e d" merino pido para ii
mera a '.\i.
Collarinhos do Uabo H.-os e feriados a
lia iln/.ia.
PoitoS de liaho a 600 rs.
Ditos bordados a I2 Curt'- de veudo i miados para colletcs a I
Brkn prelo vara IJ.
4 Rraoaas de linbo ricamente brdalas send i .
grandes e amen res por 20 >. ontros m til > ..r
Ufospor precos baratlseimos.
4iui;o.t |>:n*a Ck-an^aw c sic-
iiina*i !* csicola.
Tende-se lind di i* '!i- vlludo, p;.liniba .
de seda ricamente enfeitados am u> o i
de Moad, proprion para srlaasai i i sajsaa de
escola, pelo Lar itissini i preco de iic.ij ca.ia
um : na loja do Passo, raa do Crespo, junte au
arco de Santo Antcuio.
I.oj lio Pacs> na I tlr Marro si.
Atten^o
Xa ra de Mar-ilio Di.is n 30 saas*at urna I
nita e-crava. eozinha, engosann eoss posten
moca, com unas filha do 3 aanos, boaita p
motivo da venda se dir ao cosafcaduf
Aos devotos do mez
de maio.
Na roa ostreia do Rosario n. SS. soarado da
andar, u n flores de to ias as quali ados para *n-
feitos, sendo ai eos. capellas, palmas, resas. Ikui-
quets, ludo |x>r pre^o milito c<>mmnd<>, tamo Je
panno romo de cera e de papel, qnalqner encom-
menda para fura que se qm ira acl aiio promptj,
bcida-se litis a onro para lacos, ciifi i'am-se velas
para enfeilar se altares ,> \i.Hli. |..,;i ,)< meni-
nas, tildo proprio para s SMS de maio. X mes.
macasa faz. -:e gorro* borlados amno, clan
ras, litas para noivas, ricos n niueis para as
e para botos : e vende-se grosas de fi Ihas d.
res, s<:i)ilo de papel a I i a grosa.
Mangabeira
Vende-se ou aluga-se um sitio com urna casa
de taipa e eacimba, perto da estafo da casa ama-
relia, tendo 10 > palmos de frente e 600 de fundo ;
parta 'atar-se ra Direila n. 2, loja de funileiro.
Vende-se as dias casas terreas ns. 13 e 13
sitas no largo da povoago de Apipucos : os pre-
tendentes dirijamse a ra Setede Setembro nu-
mero IS.
MACHINAS
DE
COSTURA
Alugctr.se
urna ama propria para euidar de crumeas e coser
a tratar o roa d 9. Jorfe n. 20.
Deseja*-
zinheira e^
se bem.
alagar dna. escravas, sendo urna co-
putra para ama secca, agradaneo, paga-
Vende-se a casa Jerrea n. V, sita na ra
da Paz : a tratar na ra do Coronel Lamenha,
outr'ora dos Prazeres, n. 12, das 4 s 6 horas da
tarde.
Vende-se urna escrava peca, engommadeira,
cozirtheira e lavadeira : quem pretender dirija-se
atraz da matriz de Santo Antonio n. 24, que se
dir quem vende.________
A
Precisa-se de um de 1 i annos de idade e que
tanha pratica de taverna : na Boa-Vista, roa do
Socego n. 31. .
A uga-se a ca a terrea da ra do Coronel
Lamenha n, 26 (outr'ora Prazeres) a tratar na
ra do Boro Jess n. 31, 1 andar
Vende-se a casa terrea n. 31, na ra de Pau-
lino Cmara, ocf.f'ora Camba do Ca mo, sendo os
chaos proprios : a t".*tar na ra da Madre de Dos
numero 20
CASA.
Colaran ao Bazar Universal da roa No
vi d. 2. am sortimento de machinas para
costara, das melhures gualidadea qae existe
na America, das quaes moitas s3o bem
Cdubocidas pelos seus autores, como sejam;
Weller dr Wilson, Grover 4- Boka, Si!n-
ciosas, Weed e linperiaes e ouras militas
que com a visti Vario agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tm a vjmtajr m fjrer
o trabalho qne trinta cosloreirs podem
fazer diariamente e czem com Uota pe -
feico como as mais perfeita costoreiraa.
Garante-se a sua boa qniiidade e ensim-se
a trabalhar com perfeicSo em menos de orna
hora, e os precos s3o Mo comm' dos
devem agradar aos pretend-Mes
qne
Eogenhos a venda.
Vende-se os sagenhos : fia>|era. rom satra
de dous mil pies, s ruado no bajar -lenorma**
Barra de l'anellas i \;..,., ,|0 rj0 hraatl S
a 4 leguas da estaca.) de l'na, rom terreno i
safrejar annualinente de i 3 mil p, i ,,;. .
tes com safra de dous mil pes, sanado no as-
tricto de Agua-Prete e 2 b'guas da -siacio de
Uba : o pretendonte a ambos, ou a qualquer uw
dos dous referidos engenhos, entenda-c eam
Joaqu.m Rodrigues lavares do Mello, no Itoese,
praca do Corpo Santo n. 17, ,in cun Jos Ba
la Marques Das, no puvoado dos Mooasa '
Xarope d'agrio doPar
Antigo e ooneeisuig me cura daa molestias dos orgos respiratork.s,
como a nhtvsica, bronchites, nshma, etc.,
pplicado anda com ptimos resultados ao
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu dt C, ra Larga do Itosariu n. Si.
Moraes Em seu escriptorio i ra da Madre Dous
n. 5, 1." andar, tem para vender por pree/j
eommodo :
Vinho do Porto superior engarrafad.
Cerveja Bass.
Cha verde mitidiiiho de superior auali-
dade.
Vende-se um sobrado em urna boa raa i tra- ..
lar na ra da ImparatrU a 8, loja. jver,
Vende-se
um sitio com urna grande casa terrea de pedra e
cal, perfeitameate nova, tendo 90 palmos de fundo
e com urna grande babta de capim, com militas
arvores de fructo : na ra da Floresta n. 9,
e tratar no mesmo sitio,
para
Olinda.
Tende-se um sobrado de um andar
do Aljube ao snhir para a roa de S. I
pretender dirija-se a tratar i roa do Gervasia
res n. 46.
tra
f
Vende-se
muito boro
to propria pTH
,A.ttencao
:*
na imperial n 42, en
^^^HlHBOdos, moi-
a tratar aa
1





Diaiio db emiail>udo -- Segunda feira i> de Muc de 1871
v

RAP.AJAFINA
DA
IMPERIAL FABRICA
MOREIRA & C.
NA
BAHA
Moreira 4 C. solicitan) a attenco do publico da provincia de Per
nambucopara o rapAREIA FINAproducto de fabriaj)erlecte a
filhos do paiz ouja qualidade est reconhecida igual a do TcrdWird
AREIA PRETAcomo o fabrica a casa primitiva na Baha, tendo
alm disso a vatrtagem de ser viajado.
N i intuito de tornar conbecido e devidamente apreciado o rap
AREIA FINAes annunciantes acabam. de aotorisar seu agente em
Pernambuco a acceitar, mo grado os obstculos e direitos da intro-
dueco, a Juta da concurrencia acompanhapdo-a nos abatimentos de
- prego at onde for sso compativel eom sas forjas.
Os annunciantes esperam encontrar na nobre populaco de Pernam-
buco o apoio que teem jus a actividade e os estorbos qoe elle teem em-
pregado para, por assim dizer, nacionalisarem um ramo de industria
que at boje s ao estrangeiro tem aproveitado.
0 deposito em Pernambuco no escriptorio do Sr, Domingo Al ves
Matheus, ra do-Vigario n. 21
As vendas sao feitas em libras ou em meias libras, a> vontede do
comprador.
Preco 13*800 a libra, com descont de 20 % em porce de 10 tibm
para cima.
Aderecos de brl-
Ihanles, esmcrnldas
rubius e perolas,
rollas de perolas.
Obras de ouro.e
prata de todas as
qualidades.
NOYA LOJA DE JOIAS
2 A-~Rua do CabugN. 2 A
' BARA9S k FILII*
chando1* completamente reforjado est estabelecmento, e
tendo os seus propietarios feio urna importante acquisicao de
joro M mtm modera tindaeao aereado, e de quididades superio-
res, e/Wffclam' o respetad paKico a* fezer urna visite t seu es-
tJWteeftiwmo-, sdhft wspreaJer e comprar urna joia de gosto* por
nteosvef.. *_
BAZAK DA RA DIREITA
HOJE
MARC1LI0 DAS N. 5(
Neste estabelecimento encontrar o reapeitavel publico o roais completo sortimento
de raiudezas, chapeos, calcado francez e artigos de luxo; e reeebendo quasi todos os seos
artigos de propria encommenda de Europj, acba-se aas condices de retalbar mais barate
do que qualquer outro, e qaem duvidar veja :
Ricos transparentes para ianellas, a
109000.
Diademas dourados de 15*300, a tOoO.
Ditos de tartaruga, a 39.
Ditos debtalo, a 500 rs. e 19800.
Gravatas de seda para seniora, a I95WT
Parures e seda muito finos com Ugos,
do3#a 59.
Frvelas de madreperola, a 135.
Vestuarios para baptisados, ricamente en-
festados, v2-59*
Bahia, 18 de abril de 1873.
Vasos de crystal para toillet.
A luja da Aguia B anca, a ra do Duque de
Carias u. 50, r cebeu bonitas garrafinhas de crvs-
ta! em par com ramagens douradas e mu pro-
pinas para arranjos de toilet, etc.
Moreira & C.
4 Predilecta,
no empenho de bem servir aos seas fregutsea e
ao publico em geral tem procurad prover-se do
K wnnic A nrJci^r, l...:~~ 1ue l,a de melhor o da ltima moda" ios nwrca-
AlineiS e COlareS eeCtriCOS dos de Europa para expo-lo aqui 1 venda, eer-
A lo,a d";iguia branca na Duque de Casias *** de 1ae os ^i3 arligos serio bem apreciados
n. 90, re,- beu nova rcmessa dos proveitosos an- pelos a,nan|es do bom e barato ; passa a eran
n i- >. colares elctricos, c continua a reeebe-los 'JV'H a,?uns d'e"tre elles, como sejam :
mensnlmento, neto que sempre estar provida de iBU-s- os raais ncos 1ue tem vind9 a e*'
taes objoclos mercado, com capas de madreperoft,
D;,>,ln^>,> ,1, ..^A^* tartaruga, marfim, velludo e-chagrn'.
ia(|eiias (lOUradOS ^i ADERECOS pretose voltas rapta para luW ;
A loia d'aguia branca i ra Duque de Caxias^ assim Cl m, um bonito sortimento d*
50, receben novamente bonitos diademas domados. (litus de plaqu, obra fina c remito benr
e enditados com pedra* e aljofares, obras de gos-: nVrx, acabada.
toephantasia. Tambera receben novos grampos "OlOfcb para punlios, o quo se pue desejar de
pretos oo alflneles com llores para a cabera. I melhor em plaqu,, tartaruga, raadw-
Lequescom bouquets e mi-lm^^a^lS^msiium
Innn t%U rx ^r 'Ia de ma's moderno e 1 ndat.
(IOS ClllliezeS. BICOS du seda e de algodao, tanto branco como
Aloja d'aguia branca ra Duque de Caxias1 ., .J!1;*. de variados desenhoa
n. 30, rejBbeu una pequea quantidade daquelles ^ASSDI.ETAs pretas de metal e de madfepe-
itosV|ues com bouquets e outros cbinezes. 'oivmm.o" a a-
ri^lJ __ o LAl\l.\H.S para costura, muilo ricas e de di-
^olcl reme para refrescare. versos rom tos, com msica esem
,, ella.
aiIaCiar a pellC COQUES a mltacao, o que pode haver de nais
. | ifd'iwaia branca ama Duque -i;; Caxias nr,ni7M.^luit0-,e bum gosl- l'l as
-od creme di afama* fabrican-, DIADEMAS, neste genero a ^edilecia apre-
rliliin Ip.n-im a Condrav seBta uin grande e lindo sortimento
Lubm, upa e Looaray. capaz de sWazer os caprichos de
JiaCemaS e grampOS Ce qaalqaer seoJiora por mais exigente
UQUIDACAO NO BARATEIRO
BAZAR NACIONAL
Rila da Imporatrz n. 72 .
DE
Loiii'eHfoPerera IIeuJes Guimares
CASEMIWA PRETA A 29500 0 CORTE.
Yede-se <:ortede casemira pneta paraeali-
cas de bomean a 29500, 4500, 59 e 69^00:
PAfSdPRETCTFIISO A 29500.
Vende-se pani-w eafestado proprio par
caigas e p*4il6ts a 29500, 39, 49 e 5*000 o-
covadO.
ALPACA PRETA A 500 R.
r endet-sealptcapretfrSna a 500 r6i0rs.
& eovado. ,
COBTES DE BRIM A 19500.
Venderse cortes de fewra para calcas de
homem a 155*00 e 2900.
CHITAS- BARATAS A 2'0 RvS.
Vende-se etwtas franeews largasr para
vestido a 240r 280, 320 o 360 rs. o colado.
CUITAS PJIU. COBERf A A 2t0 RS.
ac.
V loja da* agola branca, roa dn Duque de
, i. reeeben novamente bonitos diade-'
i.' "vaipos de i .-
Bicos de seda pretoscoTn .
flores de cores.
: i da aguia branca, ra do Duque de
, ceben, como novidade bonitos bicos de
i eom dures de cores, sobresal indo nel-
- com encarnado, e todos mui prnpnos
'. ras emttros enfeiles de vestidos de gra-(
. u medina. d tras lazendas transparea-
.;:'-. .' ] re;os esses lucos tor-
i ctfmmodo,s o pela novidade de gosto,
11 feriv i- a quaosquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xiasn. 50, receben bonitos veos ou mantonas
c im dore-, e nutras a imitacao de
rende as pelos baratos presos de 3{,
i. a razenda b a e est em per-eit
pe contina a ter prompta extrac-
Diademas e adereces de ma-
dreperola.
A loja da Aguia branca ra do Duque
Caxias n. 50, recebeu orna pequea porfo
diademas e aderemos de madreperola, obras
apurado gosto.
Ferfeita novidade.
(irampos com herblelas, hezouros
nhotos dourados c coloridos.
A loja da aguia branca, ra do D-'qne
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
las, hezouros o gafanliotos, o que de certo e
lita novid de. A quanbdade pepuena, e
aso em breve se acabar.
Novas gollinhas ornadas com
pelucia ou arminlio
\ loja d'araia branca ra Dujpie de Caxias
30 recebeu urna pequea quantidade de boni-
g e novas gollinhas, trabalho de li e seda, en-
tintadas com anninlio, obras estas de muito gosto
e nteJramerte novas.
Grampos, butncos e rozetas
dourados.
\ loia da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n 30, recebeu novamente bonitos gram-
dos brincos e rosetas dourados ; assim como
novos diademas de aro, e como sempre conti-
na a vende-los por precos razoaveis.
Caixinhas com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca ra do Dn-
que de Calis* n. 30.
Luvas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, ra Duque de Ca-
xias n. 30, recebeu novo sortimento de luvas de
que seja.
QLT-
PORT-BOUQL'ET de madrepcrola, marfim e sea,
este um objecto indispensavej as se-
nhoras do bom tom, allm do aspirar
o aroma das llores sem o inconvenien
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
rem as delicadas maos.
l'ENTES de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pro-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de pe-fumarias de fino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Con-
drav, Gosnes o IUmcl, que incum-
bido da esculla dos aromas mais bem
aceitos pela sociedade elegante da
Europa, c por tanto, acham-se ra
possibilidad- de bem servir aos aman-
tos dos perfumes.
A PREDILECTA diixa de enumerar urna un-
mensidade de arligos, alim de nao mas-
sar aos leitores e se pedo a benevo-
lencia d3, respcitavel publico eru di-
rigir-?e roa do i abng n. 1 A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato-, assim como:
FACHAS ricas e modernas de tuquim e gurguro
se la
VESTIMENTOS. Ricos vestimentos para meninos,
por baratissimo preco.
C0L7CA DE FUSTAOA 2f50f>.
Vende-se celxas- de fusto, ilo cores-,
29500 cada urna.
COBERTORES DE PELLOS A 19200.
Vende-se cobertores de pellos e papados
v 9200 e 19400.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e-de cores a 2U00
e* 93500.
TOALHAS A 80 RS.
Vende-se toa Ibas felpuda* proprias pare
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAGEKS A 39000.
Vende-sc bolsas para \ iagens a 39, 39500
e 49000.
LENCOS RUANCOS A 2500O A DLZIA.
Vende-se loncos broncos a 29000 a du-
Vende-se cbl'fmas para- eobortasa 280 zia.
rs, eovado. GR08I>ENAPLES PRETO A 19800
MUSSEL1NA DE CORE3' A 400 RS. Vend-sc grosdenaples preto para vestidos,
Vende-se masselina ftnas,. de cores para- a 19800, 29, 29500, 39, 49000 e59000 o
vestid a 400 rs. o eovado* eovado.
FSTO'BRANCO A 320 RS. MADAPOLAO FINO A 49000.
Veudo-se fusao branco para vestidos a Vende-se pecas de madapolao, a 49000,
320' rsv o eovado. 49500, 59, 69, 79000 e 89000.
CASS-AS FllANCEZAS FINA* A 360 R* ALGODAO A A9000.
Vende-se cas:-as-de cores ranito fin as a 300 Vende-se peras de algodo bom a 49,
e 400 rs. o covadov 49500,59, e 6^000.
GAMBRAIA MPTBTA A 4-00 RS. ALGODAO ENFESTADO A 900 RS.
Vende-se cambtai baptista pwa vestk'os Vende-se algodao ciifestado a 900 rs. c
dfrseabora a 400-rs. o covaov i metro.
- J~rr?
-
-

de
de
de
e gafa-
de
:-'


Estovas finas para dentes^a 400 rs.
Dw mais inMieres, a 2ff rs.
Cxas de motai nmil hnm com fbit
arroz, a 19.
Abifaderes finos com la^os, a 19500.
Dites djlo, a 29500.
Dit>s ditos sem lagos, a 19*00.
Ricos espeUws de diversos tamanhos, conr
moldura dourad, modelo oval, de 3? a
129.
Ditos dito com moldara envemisados, a
Cachos de flotes mmto finas, contendo 29500.
ramos, por 39- Ditos dito com columnas de Jacaranda, de
Caixinhas com perfumaras, muito pro- 29500 a 39".
prias para tramos, de 49500 a 9.
Ricos vasos de pircellana eom fiua ba-
nlia, de 19 a US.
Bornes com dha dita, a 500 rs.
Latas grandes com dita, a 20O rs.
Voltas de vetado para pesclo, eom cora-
Qes de madreperota, a 500 rs.
Linha de carritol de 200 jardas, a 800 rs.
dozia, excellente para machina.
Dito de dito de cores, de 100 dita, a 320
rs. a duzia.
Dita de dito branca, de 60 dita, a 280 rs.
ntremelos e babadmhos bordad*, de
400 rs. a 29500 a pera,
Gales- de seda de K9200 a 29COO a
de 100 a 200 rs.
de ca?acol a 40 rs. a1
peca.
Ditos de algodo
pea.
francas brancas
pega.
Caixinhas eom 4 papis de agulhas fran-
cezas por 240 rs.
Ricas cestinbas para o braco, muito bem
enfeitadas, de 29 a 39.
Ricas golinhos com manguito, para se-
nhoras, a 49-
Camizitihas para senhoras, ricamente en-
feitadas, a 49500,
Casaquinhos de l para ditas, muito bo-
l ilinhos, a 79500.
Collarinhos bordados para ditas de 500 rs.
a 19.
Espartilhos muito finos, a 49 e 5#.
Gravatas para hornero, pretas e de cores,
a 240, 400, 500 rs; e 29500.
La para bordar, a 59500 a libra com-
pleta. .
Finissimos lequcsde marfim, a 89.
Ditos dito de dito, a 59-
Lcq-ues de sndalo, a 59.
Bit s de madeira imitando, a 29.
Ditos de papel, a 19800.
~E muitos outros artigos que s a vista do comprador podar certificar-se
oidade dos precos, por qnanto vende O BAZAR DA REA DIKEITA N. 51.
Beagalas, a 9.
Coltarinhos de papf a V00 rs-., ff du-
zia.
C.hapesinhos de palha para senhorat,
69000.
Ditos de dita para meninas, a 29600.
Ditos-de dita para enancas, a 19280.
Ricos chapos de palha escura para se-
nhora, a 169000.
Ditos ditos de Italia para ditas, a 119.
Gorros- de vellido- para meninos, a
49000.
Chapos de palha ingkva para boatjens.
a3f.
Ditos de feltro finos para ditos, de 39 a
49500.
Ditos de sol de merino, muito lindos, com
cabo de metal, a 09.
Ditos de seda com cabos c pegadores aV
marfim, a 1*9
Meias chapeiinas- para senbora a 99.
Duzia de camisas de cretone de are* fi-
tas, para homens, a 339-
Botinas francezas pata senhoras, a 49999.
Ditas ditas linas enfeitadas, de cano alto,
a 99 e 79.
Sapatos Charlot con salto c sem salto
par bomens e senhora, de 39 a 39800.
Sapatos do Porto, de rauca, a 1-7900..
Sapatos de tapete, a-19400.
Focos para meninos, de 29 a 29500.
Alfinetes e brincos de pedra cravado, a
19500.
Ditos ditos do perola e filagran,
2999A
Passepartouts para n-tratos, a 500 rs.
Agulhas de crochet com rabos de mar-
fim, a900rs. a caixa.
Granadino com listras de seda, WWmw
para vestidos, a TOO o eovado.
Correntes de pUquet para relogios, de 2"
a 39000.
da mo4i-
Pie obter ecn poo'co lempo com o oso do Bolbor tos licore?a affBD3.lj
Fas^oilo annos qca conbecido e?te precioso tnico, e difficil acbar soa fesso
aso-, .tundo experimentado pessoalmeole, nao falle era w favor, como boa lomac
e apetisador, tomando am ca'ii della asles de jan!??, mitko fac'. t^or it mjtm*
toawado-aa depcis.
A BASE
da HBSPERIDINA a LAHANJa AMAI.GA, lo ba pm s habitante o 9RA99L (a terr.
especial i laranjas) qoe tac coubeca as p/opriedades meiMM fa v "in ou bem
FLOHES. A Predileeta" prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de imalquer bol.a ainda que nao es-
teja bem repkcta de dinheiro.
FITAS. ji beui sabido do publico que so na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de filas de setim,
tafet, velludo, linho e de algodao, por
commodo pre^o.
GIUMPOS de tartaruga, imitado destes, pre-
tos e de cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GR WAT AS de seda e de cainbraia para senhora,
lacos e golinbas de bonitas cores, tam-
bem tem mu bom sortimento de gr-
valas e regatas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para ornatos de sala.
Mei s de seda, de l e de algodo, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQL'ES. Ricos loques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais moderno e
por barato preco.
LUVAS de pellica, de seda e de algodao, para
homem e senhora.
LIVROS para missa, a Predilecta apresenta a es-
colha do respeitavel publieo um bello
sortimento destes livros com capas-de
madreperola, tartaruga, marfim, jso;
velludo c chagrn, por precos mm
razoaveis.
INovidade.
A Predilecta, roa do Cabugi n. 1 A, acaha
de re eber pelo ultimo paquete chegado da E-
ropa, um b.'llo sortimento de corpinhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantazia,
saias bordadas, dilas com entremeios para senho-
ras, bonitas .calcinitas de diversos tapadinhos
e transparentes para meninas, que tudo vende
por barato preco.
56 aRa do Mrquez de- Olincla 56 a
(autr'ortt mu da Catlcia)
LOJA DE MACHINAS *
Sondo este antigo estabelecimentO' assaz conbeeido como principal o- recommen-
dado pelos grandes deposisos e bons soiHimentos com que sempre prima em ter das
memores, mais acreditadas- e verdadeiras maciioas amcricMas para algo-
dao, desde 10 60 serras, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
mas e meluorarnentos nara perfeito. e rpido doscarocamcnlo ; tornam-se dignas do
serem vistas e apreciaras pelos Srs. agricultores-; os quaes, alm disto, enconlraro
tambem '.is :
Apurados vapoiks loomovei^ de for^a'
de 2Vs e !5Y cavallos com todos pert&ncas
precisos para trabalharan i macbihas para
pellica, pretas e de outras cores.
tolo ha nais cabellos
algodo, ou para outro qualquor mister
Macldnas para lavar roupn.
Arados americanos para varee*, o ladei-
ra.
Carros de mao pata atterro.
Tinas da mndeira*.
Baldes de dita.
Ditos de ferro ostanbado.
_ Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jurdits
Guards-comida*.
Taiwpas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazee parafuzos de forro.
Dita dila ditos de madoiras.-
Trens para cozinha.
Temos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cilindros americanos para padarias
PerteiiQas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos de diversos fabricantes para su-
llio e caf.
Debulhadores para milho.
Azaito de spermacetc para machinas
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.'
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
em sso Mlsdo natural tem nm gosto poooo agradavel, e mrito di Hefpsr^ma cob-
8st em ret3r so33 boas proprii dades, e ao mesio lempo aprestnu-la como
EXQUISITO LICOE
A HESPERID1NA como INDUSTBIA NACIONAL a5o tem Bada qne invejar U
moiboros importaces europeas de catbegoria semelhaDte. Est3s, qasndo m2;i>, podaai
ser gost03as, porm a Hesperidina a coiabinacao perfe'rta do
A6RADYEL SADAVEL
Para prova de qoe om artigo no qoal pode-se ter B'.eiracrafianza, p ser pnrt
eianooeate, basla dizer-se qoe oi pignaaente approvada e aotocioda p*l
JUMT.I OE HYQE
wmm
do fco de Janeiro,, pormiltindo sua livra el^borago r.o imperio ;
BOA PBOVJk
a aeceitacao ge/al qne-tem em todas as partes onda aprsentela. F. ?8*>4_e#tai.-e
lecen se a primeira fabrica em Bnenos-Ajres; em S69 a segenda eci KoDterido ; i
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR nsogeron-se a Mbfica irabaiha oa corle.' Em Va'paraizo e em toda a costa do P?c*Bco t3 hoa acc>*o.
tanto qne rara a casa qoe considera completo sen aparador s^ nasa gasa da
HESPEI
0 bornea velho toma Hesperidina para obter
VIGOft
0 homsm dnente toma Hesperidina para obter

)
vi
TIHTUB1BI1 J&PONEZA.
S e unicapprovada pelas academias de
scienciasf rocouheeida superior a toda que
tem apparecido at boje. Deposito princi-
pal ra da Cadeia do Recife, hoje Mr-
quez de Olinda, n. al, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellen
reiro._____________,____________"
Vende-se um rico piano forte, dos mais mo-
dernos, do autor R. Board, comprado ha seis me-
zes, e que nao tem nem um de uso, faz-e grande
diflerenca no" preco por se nao precwar delle : qs
pretenden* podem procurar na ra M Ossos n.
26, das 6 as 9 horas da manbA e 4as 3 aa 9 da
tarde.
\i baratissimo
Basquinas e casaquinhos de seda ricamente en-
feitados e em muito bom estado, para sonhoras e
meninas a 7J0O&,
Pechinchs.
GhapeUnas e chapeos de palha, velludo e seda
para sen^oras e meninas, por precos barattssimos
de U, U e U.
Ainda pechincha.
Balocs era perfeito estado para senhoras e me-
10.
Para acabar.
Riquissimos cintos com laco e sem elle e de
costos muito chiques a 400 e 1K0 rs
Entremeios e babadinhos a 400 e 50 rs. a pega.
Saias de la para senhora, t.
Estas pechinchas s se encontram na loja do
Passp, ra de Mar.o n. 7 A. aafa do&spo.
Emfm muilos. outros artigos^ fue s avista e neste estabelecimento podero Js
examinaoe*
Samuel Power Jotms-
Ra db ApoH ri. 38 e 40
ninas a t OC
Vende-se um braco de balacea Romlo ; a
ra dos Pescadores n. i.
ra
*I
?!
ITuem ECi:-Lte aos saos, fregutaa, que teem
mudado o sed deposito da machia^s a va-
por, moeoda e uxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para ra do Apollo o.
38 W), onde- tlmento do eoitume.
Fatem scisnte tarabtm qve teem ftito nm
l arraorO com a randi?ao fsral, pelo que ao
dem offerecer-se para assentar qnatquer
machioismo amaamo fanaoti-io.
ApMretlw p*raM$ar assucat, du w^..
Omcor aconte om Perawoaeo a tend4e>o geni.
Para tratar wa reo ncf^orio a roa do Apollo n. 38' s SO.
Os pruprietwtoa d tondi^a gr*l faieo.
soltiatee aos Btwre de eageafeo e mais
pesoas, qoe teem esUbelecid ama Iun4i-
mo de Ierro e brouw a roa de Urum, au-
to a- etiacao ce bnadiy. cade aprontaro
qualquer obra de 8BoMa(i toa perlei-
m e promptidao., a
Os me>mo3 rogp a3 pnsaoas que qael- jA
ram utilUar se ds eos servteos aa.ffetsa- f,
nm a? aomani?si ra ci> las srs. Ja-
ul Power lohnston 4 C. a rta do Apol-
lo 38 e 40, onde achari* peesoa habili-
tada com quem pojioj eMtffcr ia.
a.
a KosperidiM para obter boa cOr
0 bsmetn dfbil toma Hesperidina par* obter,.-'
o:
N03 bailes as donzellas e os mocos
animado dorante et lonco* gvroe d*
BARROS JNIOR & C, ro* do V'igario Teacrio n. 7, a andar, r*o>**rani eu
grande especifico, e venwra-ao nos depsitos segantes:
Joaqoim Ferretra Lobo, roa da Is peratriz.
Zeferino^Carneiro, roa do ComJTereio.
Marcelino Jos Goocalves da Ft|nle, roa a Cadeia a.
Antonio Gomes Pires de C, rs
Antonio Goows Pira A G.,
Gomes de Irmao hotel da
da Cadeia.
22 de Novesnbro,
Vende-S|
i
ps de aarreiras de d versas quarM^es, ja era
cestos proprios para mudar-se, por *re?oy eemino-
do, na sitio junto a entrada do encame uto. *>
Parnameirim, e muito boa gamma de a
porcio e a retalho : na ra Duque 4a'
Ltiga das Crnres, n. 3V.______
Rival sem segundo
Chegiram agulhas para waehiaa*, 4o
Crower & Baker. Dozia por 2*000.
Cassas avadadas a 240 re.
o eovado.
0 Pavao veis fiaissina cassas fraacea de
cotes com o waia deliftidni padres, por taren
Wa't^r^XdM* Y ,mmo cwadg. ^edS
ha :
a
Ba^ja do Pavao, A roa da Impratria a.
" Vende-se urna negra perita coilabetra, c-
trommadeira, Iavadeira e boa quitMdeJra para -
enko, ou fora da terr*v o nMt* U dlr ao eoaa-
Mdor; a* roa da injpcraarii, 6, segmto **

I


I
)
Diario dePernmLuco Segunda fe 5 de Maio di4&}3.
SaaresUrte Alrmos, pedem as Expas {amih>s desta ciqwle, para irem sorr-se
v1 comP,et? wrtimento de miudezas c perfumaras, pgr presos baratsimos, a
Saixa de linha branca muiy> J>a com, W. Csixa de pcnnaaPerry.a 800 rs
Qvellos, a ,M0 rs, dem (km, a 400 es.
dem dem Je marca, a.ffpO rs. Caisa de envelnos trajados de preto, a
Maco de fita chineza, a 900 rs. 500 rs.
Duzia de pecas de cordo imperial, a; I^ues para senhoras, a 29000 e 49000
280 rs. ,,..,. j dem idero de osso, a 69000 c 89000.
dem em carritpL de.}'* branca, a 3a0 i Indispensaveis de cour'o da Russia, i
n,
dem idem carritel 200 jardas, a 9000.
Lamparillas gaz, dando urna luz muito
boa, a 19000.
4botoaduras para collete (sao baratas), a mem, a 89000.
109000.
vrospara notas, a 320.
Redes anfoitadns, a 19300.
Duzia de collarinlits bordados
para
ho-
200 rs.
Duzia de pecas de trincas caracol branca,
n 400 rs.
dem idem lisas, a -200 es.
Fita de velludo da todas as cores e largu-
ras.
Ide n idem do sarja idem idem.
Talheres cabe de viado (imitaco) a 39000
a duzia.
Duzia de baralhos francozes cauto doura-
do, a 39600.
dem idem boira lisa, a 29500.
Gtinaldas para casamento, a 29 e 59000.
dem idem lisos, a 69000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19300
Fdem kananga do JapSo, a 1&200.
dem divina, a 19000 e 19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco com tnico oriental a 19000.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a 19000.
dem idem antique muito b >m, a 400 rs.
Opiata muito boa, a 19, 19500 e 29000
o frasco.
P.aixa de pos para dentes, a 200 rs.
dem idem de pos chinez, muito bom, a
Garrafa de tinta roxa extra-fina, a 17000. 500 rg. e 19000.
Caita de botes de osso para caiga, a jja?0 de sabonetes inglezes muito supe-
200 rs. riores, a 600 rs.
Coques modernos, a 39500. Duzia de sabonetes de amendoa, a 29500
Mago de tranca lisa de cores, a 240 rs. e 39600.
Espellios-tcucadores, a 29000. dem de sabonetes deanjinho transparen-
Rosma de papel pautado e liso, a 29600, tes, a 29200.
29800, 39500, 49000 c 69000. I dem de sabonetes com flores, a 19500.
Caixa de papel amisade, a 600 rs. Lindas e elegantes caixinbas com.perfu-
Idem idem idem beiradourada, a 800 rs. mes do autor E. Cudray e Gejl l'rres, pro-
Caixa de envelopes forrados, a 700 rs. prias para presentes.
Luvasde pellica com pequeo toque, a Sabonetes Glycerino transparentes, 19
300 rs. e 1900Q. I Chapeos para senboras e meninas.
BOLLAS DE BORRACHA
Grande sortimento de bollas de borracha c calungas por baratsimo prego,
tos objectos que se tornara longo mencionar.
28 Ruado Bardo da Victoria 28
e mu-
Esmeralda
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante sortimento de, joias de
ouro, do melhor gosto e qualidade quo tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e piuluras linas, aderecos e meios aderocos com pedras fi
as, etc., etc.
Relogios de oro, de differentes gostos e anualidades, para bomens o senhoras, desde o
prego de 409000 at 3009000, sendo estes ltimos de machinismo mais aperfeigoado pos-
siyel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata de 169000 e 409000.
RA DO CABUG t 5
MOREIRA DUARTE t C.
wj NOVIDADES
Em fazendas de gosto
LOJA E
N. 60
"DO PAVO
Ra da Imperatriz N. 60
ni.
PEREIRA DA SILVA &GUIMARES
0s propnetarios deste importante estabelecimento, participam ao respeitave! pnblim
desta cidade e aos seus numerosos freguezes que acabam de receber pelos ltimos vapo-
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
e muita phantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem um grande
sortimento das melhores fazendas de lei, que so randera por pregos muito em conta, so
com o fim de apurar dinheiro.
As pessoasque negocian) em pequea escala, neste estabelecimento poderte ftuer
os seos sortimentos, porque se Ihes vender pelos pregos que compram as casas estran-
geiras ; de todas as fazendas se do amostras, deixando penhor, ou mandam-se levar em
casa das Exmas. familias pelos caxeiros.
Este estabeTecimento est constantemente aborto das 6 horas da manh As 9 da noi
OAMDKES
COSTURA DE HOWE
FUNDICAO DO BOWMAN
RUADO BRUOI H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e ontros agricultores, empregadjres de m
ebinisrao o favor de ama visita a seu est&belecimentu, para verem o novo sortimento
oomriat) que ahi tem; seido lodo saperior em qualidade e fortidao; o qoe com a ios
peceo pesa tal pdese verificar.
ESPECIAL ATTENCO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQAO
Vnnnroa A rnriaa ri'acrna dos mais ****** yernas em ta
Vapuro9 O uuas U aguct maahos convenientes para as diversas
circumstancias dos seabores prnprietario e para descarogir algodo.
Moendas de osuna 9 *"** a8mfllh(M'e8 qoe aqoi
Rodas dentadas pa""**"'- agoa evapor-
Taixas e ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fundos de alambiques.
Maehmismos P-****** '
Bomba3
Todas as machinas
Faz qualquar concert de macbiismo> aPre0 resoa>do.
Formas de ferro
lnc3mtnendas.
e pva serrar mideira.
de patente, garantidas
Podendo todos
ser movidos a m5o
por agua, vapor,
on animaes.
e pegas de que se costuma precisar.
SOARES LEIIE, MOS
NICOS AGENTES
A'
Ra do Bardo da Victoria n. 28
As mais simples, as mais.bar.atas eas melhores do mundo!
Na exposiefio de Taris, era 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-,
go da Legio de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A. medalha de ouro na exposiefio de Londres w-reditam
estas machinas.
A
*
Nova-
agencia
t9m as melhore9 e mais baratas existentes no mer-
cado.
Iacunibe-se de mandar vir quaiquer macbnismo von-
tade dos clientes, lembr?odo anas compras por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qnalqner ne:essidade pode
mes prestar auxilio.
Arados americanos e iQglronieDl08 3ricola8-
RA DO BRUSI N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
\< anuazeiii de Joaqun. Lopes Machado v('
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
Vapores locomoveis de torca de 2 a 4 mallos.
Corres para machinas.
Polias de diversos tamanhos.
7a/juetas para cobertos de carros.
Solas de lustro para guarda lama.
fyuUs de laoca para carro.
Chicotes, para carro.
6aI5es largo e estreito para carro.'
PH'gos tom cabera de raarfim, idem.
Arados para, lavrar a trra.
Carrinhos de mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro."
Cestos d'arame para Q
Pogoes de-ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrar casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanbado.
Machinas para descarocar algodo."
Machjnas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Bataneas, pesos e medidas.
W GASA MSHAW HAAVKES & C.
ftTJA DO BOM JESS N. 4.
Sabe-nos o dever de uiinunciar que a cmpanhia das machinas de llowe d<
York, estabeleceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, um deposito e
geral, para em I'ernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeico de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesm quaUdadc deliuhaque quaiquer outra,
e pela introdcelo dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
oerecer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagem destasmachinas sao as seguales:
Primeira.0 publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Home em segun-
da mao.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualqaer desarranjo.
Terceira.^r-Ha nellas menor friego entre as diversas pecas, e menos rpido estrago
do quas outras.
Quart.--Formam o ponto como se fra Jeito i mao.
Quinta.Permute que se' examine o trabalho de ambos os flos, o qe se nao consegu
as outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atraveseando o fio de um outro lado,
e logo em seguida, sem modificar-so a tenso da linha, cozem a fazenda mais
fina.
Setima.^-0 compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao coraecar nova costura.
Oitaya.MQitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi.desconhecidas, outras soffreram
mudancasradicaesparapoderem substituir-: entretanto a cmpanhia das machinas de Howe
adoptando a opiniao de Elias" Howe, mestre em. artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto qU* faca 600 machinas
por dia.
Cada machina acontpanha livretos CQm instruc5es era port^nez.

Seda pura a 1#500 ocovado.
Sala de cores ele muito lindos e differentes padres, gostos ntod*m>s, p*lQ.barats
ao preco de i?500 ocovado, vende na ra 1. de marco (antiga do Crespo) n. 13, ioja.
das Columnas de Antonio Corroa de Vasconcellos.
Rscravos.
se dont., sendj ubi mulato de 40 ai
VENDE-SE
A 90000 A
SOARES LEITE, IRMOS
A'
Ra do Baro da Victoria n. 2 8.
Lindos vestidos a 5$ o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e de percal a, com barra e de daus
saias, acompanbados dos competentes figurinos a $9 cada corte. Vendem na ra Pr:
.meiro de Mar^o (antiga do Crespo) n. 13, loja das columnas de Antonio Correa de Vas^
cellos.
NOVIDADE Nfi TERRA
Pela primeirn ves a|ul aos
uaianicM co cufi.
Caf de Java.
K' o ca/e poido.melbcru^e se pode desejar.; e
^.se.vefl^e na co.ofcjtaria do Camgbs, ra do Im-
perador 2i. -
A resuelto de acepipes nao precisames mais ldo.taipeaWML 54.
annBaciar, pois est no dorr.ini de todos que a
onWi'taria do Campo mu verdadeiro dentro do
Uno bom e gfa.la ao palaJr. .
Panno de algodo da Baha
da fabrica Todos osSan-
tos.
Teem para vendar no escriptorio Joaquim Jos
Gon^alves Beltrao & Filho, ra do comrcercio
n. 5.
CiirsuiiraL'tlepda^ia
BI'KNOUS A 167000.
0 Pavao recebeu pelo ultimo vapor d"
A 18500, 17200, 800 e 640 rs. Europa, humos dos mais lindos costra
O Pavo recebeu um bnlhante sortimento que at hoje sao conhecidos e em ivla.io 4
das mais lindas granadinos, preta com dol- sua excessiva baraleza, convi.lam-se a*
cadas hstrasde cores cpretas, que vende pelo Exmas. Sras. pan verem o que ha d>
barato prego de 17500 o c ivado. Ditas to- novidade neste artigo,
das de cores com listras miudinhas em urna BRAMANTES PARA I.ENCOE3.
s cor a 17200 e 17000 o covado. Ditas o Paveo vende superior brao.aut di
pretascomhstnasdesedaroxasaSOOrs. Di- godao, tendo 10 palmos de largura, mi i
tas pretas com listras brancas, azucs e ver- precisa de 1 i/i vara para um la
des a 640 rs. o c vado. Assim como boni- I^SOO o metro ou 17800 a vara,
tas barajas- de seda para vestidos comas Dito .le linho fino superior e muito..
mais lindas cores a-17000. E'pechmcha, corpado, -oui a mesuia largura a rioo i
na loja do Pavo. Vara
POUPEJ.IMS A 17C00F. 27000 O COVADO. Dilos f.,uir./,s muito finos a i72<
O Pavo recebeu um elegante sortimento 37000.
das-mais lindas poupelmas de seda com os
mais lindos desenhos e mais bonitas edres,
que vende, a 17600 e 27000.
SEDAS DE CORES A 27o00 RS.
0 Pavo recebeu um bonito sortimento
POR
]Vfr. Daligault.
Destinado aos afpninos-mitres das es^ulas.nor-
maes primarlas, traduzido era. portugurz, 1 VpL
em 8.-, preco 80Bt>: na livrarla UB^veIa^,, ra
;' 'No-viade
1 Jwuroi Simies do. Santos tan fiara .vender
vuh$uro o nico vindo a e>te mercado,
10*, armazenado no trapiche d
o unko vindo a este mercado, eq oarrts d* 8* e
aniel
taino a 800 rs. a parrara : no arraazem
o Machado, e a re-
conser-
vativo, largo do Terco n. 23.
Vende-se don*, sendj ubi mulato de 40 annos unu casa de taipa com um terreno proprio com
mane, apio para qaak|ur servtfe e muito fiel, 60 palmos de frente e 400 de fundo, tem i fren-
ama escrava de 23 annos de idad. Java, engom- es, urna para o becco do Espinhelro e outra para
na, coiinaa e boa quiandeira na ra do roa fiova : a tratar na roa larga do Rosario
Bo-picio n. 81. I nt fabrica e cigarros.
AITENCO
Vende-se dous sobrados sitos em AJogades, no
pateo da Pai n. 86 e 88, os quaes offerecem gran-
des vantagens ao comprador, nao s, pela situafo
. cm que est, como pelos commodos para grande
- Vaade sa a casa da ra da Conceicao n. 23;. familia : .traiar na ra de Domingos Jos Mar-
trata-se na mesraa ra n." 31. I tins n. 90.
urna pceta boa cozinheira
sarua do Cuj n. 40.
VENDE-SE
e lavadeira
a tratar
das mais lindas sedinhas de urna s cor com
delicados desenlio; miudinhos, que vende a
27500 o c vado. Ditas com lislrinhas, mui-
to boa fazenda a 27000. E' pechincha, na
na loja do Pavo.
CAMBRA1S ABERTAS A 97 -E 107000
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais finas cambraias brancas abertas,
bordadas para vestido, que vendo pelo barato
preco de07 e 107000 o corte, tendo fazenda
bastante para vestid*). E' pechincha, na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
LAZINHAS JJORDADASA 400 RS.
O COVADO.
O Pavo receben um elegante sortimento
das mais lindas lzinhas transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusive! rocha propria para viuva, o ven-
de pelo baratissimo preco de 400 rs. o co-
vado. E' pechincha, na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS.
O Pavo vonde um bonito sortimento de
lzinhas listradas sendo das mais modernas
quo tem vindo aornercado, pelo baratissimo
preco de 560 e 600 o rs. o covado. E' pe-
chincha, na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS4.AVRADASA640RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento das mais lindas alpacas buMM
de cores sendo as cores mais modernas que
tem vindo para vestidos, e vende-se pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado. E'
pechincha, na loja do Pavo.
CAS8AS FRAflGEZAS A*600 E640RS. O
METRO.
O Mi recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran ezas, de cor,
com os mais bonitos desenh s midos e
grados, tendo padres escuros e outros que
servem para luto, e vende a 600 e 640 rs.
o metro ou 360 e 400 rs. o covado.
LZINHAS MODERNAS COM LISTR.V DE
SEDA A 640 rs. e 17200.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
de las com listras de seda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo ao merca-
do e com as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos precos de 640 rs e 17200.
Assim como outras muito bonitas com listras
sem ser de seda, que vende a 500, 640 e 800
rs., todas estas las sao modernissimas. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Chitnaa 40, HO.*Oe3ttO rs.
O Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas que ven le pelos bara-
kosp-rec, s de 240. e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, com no vos
padres a 320e 360 rs. o covado.
Ditas muit>) finas padres claros em teci-
sem ella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas com tecidode cretone, fazen-
da muito superior a 30 e 400 rs. o eo-
vado.
Ditas.de cores, miudinhas, proprias para
rena de enancas a 300 rs. o covado. E'
pechincha, na loja do Pavo.
BapttMtu u &OO rw. eovatio.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas do cores com
padres miudinh*s e grados sendo proprio
para vestidos e roupa de enanca, pela bara-
tissimo prec,o de 560 rs. o covado, afliancan-
do ser grande pechincha I
Cortes d cainliruu. ultima no-
vidade, a 94MM.
O Pavo recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, eortes de cambraia branca com ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
sufficiente para vestido de quaiquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva ba-
rateza tornam-.se recommendaveis s senho-
ras de bom gosto.
Ditos com babados de cor, tendo 20 me-
tros de babad s. a 99000. E' grande pe-
chincha, no Bazar do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
CORTES DE CAMBRAIA BORDADOS.
O Pavo recebeu os mais reos cortes de
cambraia branca bordados para vestido, que
Vende pelo barato preco do 207 e 309000.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA.
OPavo recebeu una lindo corte de cam-
braia branca com listras assenadass que
Vende pelo bai ato preoo de 6704)0.
Ditos cim listras d cores tendo 8 varas a:
49 e 59000. E' pechincha
ESfARTILHOS.
0 Pavo recebeu um grande sortimento
de espartilhos tanto para senhora como para
menina, que vende pelo barato prajo de
37000.
Ditos muito finos a 49 e 59000. Sio dos
mais moderaos que tem vindo ao mer-
cado.
Pecas do c m 20 e HO varas para lodos os pre/-,*
e qualida.l.'s.
Ditas de bretanha de puro linho, tendo 30
jardas pelos preces mais baratos quo se t> n
visto.
Pechinchas le linissiino esgw j ou sil..
com 6 jardas a "7000.
Pecas de liniisima silezia com :0j,n.;
a 357000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos '
largura a 27000 a vara.
Calcas de easeiiiii'A.
0 Pavo tem um grande sortimento .'.
calcaT do casemira, assim como cortes m
mais modernos que t.m viudo nos ullini- *
figurinos c om fazenda, dos mais W
mais no vos que tem vindo ao morcado. 1
vonde-se por barato preco para apurar '
nheiro, assim como calcas de brim branco .-
de cores, por preces muito razo; ieis.
LENCOS ABAINHADOS A 17800 E 2700.
O Pavo veude duzias de lencos hrauL -
abaiuhados, sendo fazenda muito boa,,
barato preco de 7000 a duzia.
Ditos tambern abaiuhados, om Mr* .'
cor I 17800.
Dit s graud.s, la/en la muito lina,
todos brancos a 37000,
Dito de cambraia branca, sendo em
a 37600
MEIAS CRIAS A iH I. .i-000 A
O Pavo vende duzias de meias croas,
glezas pelo barato preco Assim como ditas muito linas e muito 1
corpadosa 0-rOOO, "7000,87000 e I'
e um grande sortimento de neias iogli 1
francezas, para s^-nhoras, MN H via :
prcQO muito omniiMlo.
.MADAPOLAO FR1NCSZ a 67000 E m
O Pavo vende pecas de mada]Hil cez, que sempre se vendeu por minio m.
dinhciro.e liqoida-se pelo baratissimo fu
G7O00 e 77OOO, por ter feito nina gran >
compra. E'|m-. hincha.
Al^odilozinho a 4--^MHi>.
0 Pavo vende pecas ile algo.i/.inlio,
muito boa fazenda, |elo barato prego d*
47 e 57000.
Dito largo muito encorpado, Muprio y
toalhas e lonches a 6?O00 e 77000.
a.MBRAl.4S.
0 Pavo vende cortes de canil
parante propria para vestidos a r."0C
37000.
Pe^as de dita muito fina, com 10 jarn\
tapada como transparente a 47, 57 7000-
at a mais tina que vem ao mercado.
PANNOS DE CROCHET PARA CAbHH \<.
O Pavo tem um grande sortim i
pannos de crochet proprios para cadeira -I*
balanco, para ditas de guanuco e \u111 -
f, que se vendem muito em conta.
COLXAS DE CROCHET A 67 E 87000.
O Pavo ?ende eolias de crochet prop.
para cama de casal, pelo baratissim.
de 69 e 89000.
Ditas de fusto acohoadas, sendo d.
res e brancas, pelo barato preco de 46
E grande sortimento de ditas de damas
cretone e de chita, que vende por f
muito razoaveis.
CORTES DE PERCALLES COM DEAS MU<
a 49000.
O Pavo vende bonitos cortes de pMM
com duas saias, sendo faawda de muito ,
to a 49OOO. E' pechincha na loja I
vo ra da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 5C000.
Na hija do Pavo i ra da Imperatriz n. 00.
Pereira da Silva pelo ultimo vapor de Europa um elegai .
sortimento de botinas pretas e com delirad -
enfehVS decr, proprias para senhora, pMft-
tindo-se serem das mais modernas i|ue <
no mercado, assim como a boa qunlidale,
por terem sido remettidas por um dosn
Ihores fabricantes de Paris, e vende-se p- .
barato preco de 69, na loja do Pavao.
SAIAS BORDADAS A 59,** e 87000.
O Pavo vende saias ricamente borda.'. t<
de 4 pannos cada urna, pelos baratasiinos
precos de 19, 67 e 87000.
Ditas de um panno s e com muita roda*
guarnecida de pregas, pelos baratos prey\
de 29000 e 29500.
Ditas coro guarnicao de pragas e bor
dos a 39500.
,tl8;otlao oafentado a 1
O Pavao vende algodo amedfcno enfla-
tado e muito encorpado, proprio para I
iba e leoc*e^ pelo barata preco de 19000 1
vara.
Dhi frairez sendo (raneado e jwto en-
corpado, pelo baratissimo preco de 19290 '
metro. ____
Casenalras a e 9Z J%9).
0 Pavio vende cortes de eawmira franr^-
za, sendo fazenda muito superior que sem-
pre sa vendeu por mais dinheiro, e liqtii-
danvse a T90O0 o corte.
Ditos a 09000.


9
Diario de Pernambuco Segunda feira 5 de ao de 1873.
a-:-;..^
ASSEMBLEi GEL
CMARA. DOS DIPUTADOS.
DISCURSO DO SR. DEPUr.YDO POR PERNAMBUCO
FRANCISCO RYPHVLI. D2 MBLLO *KGO,
SOBRE A PROI'OSTA DO GOVERNO HXANDQ
AS FORCAS D '. TERRA l'ARA O EXERCICIO
DE 1873 A 1874.
(Couclusfio- )
OSr. Mello Reg :V. Eje. votou urna
autorisago tiesta natureza em 1870.
O'Sk. Duhjb-Estraiu Teixeira : Nao
era tao ampia assim.
O Sa. Mello RgtiO : -A autorisago pa-
pa reorganice o d qo.i 1ro dosc tfpvs m>-
veis, se nao era mais ampia do que esta,
era, polo menos, man imprtante.
O Sr. Escragnolle Tau.nay iA potado.
Sr. Mello Reg : -De sorte que,
'attendendo a estes precedentes, marcha
constantemente segu la pelo corpo legisla-
tivo, e ainda mais que nenhuin mal tem
resultado disto, o Ilustre deputa lo ha de
convencer-so de que foi summanionle in-
justo quando aecusou nos de pretndannos
despojar o corpo legislativo ilas suas prero-
gativas, para confeti irnos una dictadura M
governo.
E tanto mais me dolor.isa a iujustiga,
que o nobre deputado praticou pira corn-
il isco, quauto ni > graJavol a rocorJacfio
I; que na 89SS0 de i8I0 proceden elle
como nos procedemos agora. Entio per-
I ociamos ambos i maioria, e imiteoio-o
hoje Bco com a consceneU tranquilla.
O Sr. DuomE-EsTiuiiA Teixeira : Um
abuso-nlo justifica entro.
O Sr. Mello Rkgo: -Deixemos, po-
lm, isto do parte. Volto ao ponto de que
me oceupava. Dizia eu que a reluego do
corpo de engenlieiros devo ser principal-
mente nos postos superiores, e nao ao de
II tcnento, nan mesmo no de capitn ; e
para prova-lo basta-me recower dostri-
' Imicio que feralmente se tem feito dos oiii-
ciaes existentes.
Fltanos nesta discussao um documento
milito importante, um dalo multo precioso,
que muito poderia esclarecer-nos, o al-
manak militar deste anuo. Ten is, porm,
o do 1871, que comquanto nio represen-
te bem o estado actual, d urna idea do
que lia, e do que se tem feito nesse ponto.
Recorrendo-so a esse documento v-se que
existiam naquelle anuo-o talvez [existima
boje 2o oiiiciaes do corpo de enge-
nheiros em commissoes, urnas extranhas
sua arma e outras extranhas ao ministo-
terio da guerra, e alguns dellessem neiiliu-
ma commissao
O Sr. Duque-Estrada. Teixeira : I'
um ponto em que eu quera to-car.
O Sr. Escragnollk Tau.nay : O Sr. mi-
ministro da guerra cita esse grande mal
uo seu rotatorio e d razos muito bem
fundadas.
O Sr. Mello Reg :Nesse almanak
ve-se, por exemplo, um coronel de enge-
nboiros empregado em alistar pregas para o
ejercito. Ora, haver commissao mais im-
propria para um ollicial superior de arma
lotifica? Umtenente-coroneldo mesmi
corpo, commaudante da fortaleza do Brum,
em Pernambuco; outro director do arsenal de
guerra da Babia, commissao que pelo novo
regulamento, deve ser ejercida por oiiiciaes
do estado-maior de artilharia, ou do esta-
construego, etc. O governo nio pode dei-
jar de .croar adminlslragej ou directoras
de obras militares na;, provincias em que ha
maior rc-uniSo de tropas, como Amazonas,
Para, Pernambuco, Baha, Re-Grande, etc.
Cada urna dessas alramistraces nao oocu-
par menos de tres i fflciaes. Ah podero
ser empregados os tenentes com proveito
para o estado e para si, pela pratica pue
iro adquirido.
Pela autorisago que darnos ao governo
para alterar o quadro dos corpos de artilha-
ria, Bcnm em disponibilidade talvez 28 offi-
ciaes, caso estejam todos os postos preenchi-
dos.
Nao nos occorreu indicar qual o destino
que deviam ter. Nao sei se o nobre minis-
tro tena esse rospeito alguma idea, ou se
j attendeu cireiimstaucia que acabo de
notar.
Se os postos nao eslo preenchidos, e nao
houver sobra de oflciaes, talvez fosse con-
veniente reduzir o numero de segundos te-
nentes a um por companhia,- oque facilit-
is o preuuchmento dos postos de primei-
ro.. tenentes vagos no corpo do engenhoi-
ros.
Acho que o nobre ministro po lia, apro-
veitand i a occasiao pelir autorisacao para al-
terar o plano de orgaisagio dos corpos ar-
regimeuta los, no sent lo que indico.
Em lempo Je paz nao precisamos de 2
alteres e 2 sejun los tenentes por companhia.
uando se org.inisou o plano de 12 de
agosto de lS~Of tha-so acabado a guerra,
hivia gran le numero desses olficiaes subal-
ternos, e o governo teve neces colloc.i-Ios nos corpos ; por isso distribuio 2
alteres por companhia.
Agora, porm, que j se vo dan lo vagas
nesses postos, me parece que se poda
deixar de proenche-las, e volver ao systema
anteriora guerra que era de um alferes ou I presta-los com muito mais vantagem para o
2 tcnente por companhia, com o que se te- servido d > qneeu, por ejemplo, que tenho
ra urna economa nao pequea. A redue-
co nona classe seria do 270 oiiiciaes, cujos
venciraontos annualmente exeedem do.....
300:008?. Nao quero que essa quantia se-
ja dedoxida da que votamos para as dospe-
lotas, d-lo, finalmente, o Sr. %inistre d
guerra, com a autoridade que lhe d a pra-
tica do cargo que to dignamente eierce, e
desta opiniSo anda sao os meus honrados
companheir s de commissao, juizes igual-
mente competentes na materia. Ante taes
autoridades nao discuto, creio ; ponto de
f para mim.
Todava acredito tamben que se a distri-
buico do ser vico fosss melh ir, nio seria t)
sensivcl a faite de officiaes que se tem nota-
do jiesse corpo. Nem todos os oiiiciaes de
que elle so compe forain guerra, cerno
se pensa ; tenlio aqu urna relago nofj^H
extrahida do almanak do 1868, em.quose"
contam 20 desses olficiaes que nao foram
mandados ao Paraguay ; e mesmo dos que
foram man I dos, alguns nao passaram de
Montevideo e Corrientes., .Outros, em vez
de serem aproveitados nos servigos pro-
prios de sua arma, Uveram commissoes de
ongenheiro, foram dirigir hospitaes, etc
Mas, j disse que concordo no augmen-
to, e deijo ao nobre ministro a liberdale de
leva-lo al onde o pedirem as necessidades
do servico.
Quauto 2.' parte da autorisacao, que
manda eliminar do mesmo corpo os olfi-
ciaes que nio tiverem estudos completos, o
que foi pedi lo pslo nobre ministro e justi-
ficado pe > meu collega relator da commis-
s i com as disposiges da le de 6 de setem-
bro de 1850, pego a S. Exc. que atienda
bem ao que essa le chamouhabilitaces
precisase nAo seja rigoroso na execuo
desta autorisacao ; porque ocurso daquella
poca nao o curso de hoje.
O Sr. Eecrag.nolle Tau.nay : Respei-
tam-so os estudos completos.
O Sr. Mello Reg :Esta medida ra
ferir talvez a olficiaes que tm muito bons
servicos nesta arma e podem continuar a

maior de i 'calssc
A' dispusiera do ministerio das obras pu-
blicas acham-se 9 oTuiaes desse corpo, ',
i

iiaj nes e 6 capites; disposico do presi-
I -lite da provincia do Rio-Grande, o ofii
ciaes superiores, sendo 4 de engenheiros o
um do estado-maior de artilharia, um co-
rone!. Outros acham-se em servico pro-
vinc.il na Haba, Pernambuco, Amazonas,
S.luta Catharna, etc. Em que esto empre-
gados csses oiiiciaes 1 O governo deve sa-
be-lo, porque segundo os regulamentos e
urdens em vigor, ellesso obligados a remet-
ter semestralmente ao seu commaudante.,
por intermedio do presi lente da provincia,
. i latorio, dando conta das commissoes em
que se a-ham, c o presidente deve ajuntar a
esses rotatorios informac/oes acerca do modo
por que elles tem desempenhado cssas com-
missoes.
Aindamis: umraajor do corpo de en-
genheiros figura ueste almanak em disponi-
bilidade desde multo na provincia de Goyaz.
Se est oin disponibldada, deve ser man la
do recolher corte, que o seu quartel
>!e residencial
U Sr. Escragnolle Taunay :- Hoje j
se acba em eflectivo servico.
O Sr. Mello Reg :E assim por dan-
te, de modo que exstem fra de seus dcs-
nos, ouexstiam em 1871 : i coronis, 3
t.-nentes-coroneis, 8 majores e 10 capi-
tes.
Ora, nSo estando preenchidos os postos
de tenentes, e achando-se os oiiiciaes supe-
riores assim dispersos, concluo que a re-
dueco deve comecar por estes.
Sr. presidente, j que fallo no destino
que se tem dado aos olficiaes do corpo de
engenheiros, vem a proposito notar urna dis-
tribuQsn de servico, com relaco especia-
lidade de cada urna das armas, que se
acba neste almanak, e me parece muito cu-
riosa : um capitao de estado-maior de arti-
Iharia director de hospital provisorio uo
Andarahy ; um teen te do estado-maior de
21 classe, com o curso de cavallaria, com-
maudante das bateras da fortaleza de Santa-
Cruz : um capitao do estado-maior de 1*
classe, director do instituto dos cegos !
Entra o Sr. ministro da guerra.)
Folgo que chegasse o Sr. ministro da
guerra. E' urna prova de delicadeza que
S. Exc. quiz dar cmara, e que eu pela
minha parte agradece, pois, como j disse,
nao o nobre ministro obrigado a assistir a
esta 3* discussao.
Tondo eu j dado a razio porque nao con-
cordo com os meus illustres collegas de
commissao, quanto supprtko do posto
le Io tenonte no quadro do corpo de en-
genheiros, nao devo fatigar a casa repetin-
do o que disse quando S. Ejc. nao se
achava presente. Pedrei entretanto, ao no-
bre ministro quo considere bem a conve-
niencia, ou inconveniencia dessa medida,
t mdo emattenco o servico a que desti-
nado o cwpo do engenheiros e harmonisan-
do com aquelle a organisaco que tver de
lar a este. Nao tenho a pretendo de dizer
;i esse respeito o que melhor; mas persua-
do-me que o quadro do corpo pode ficar
com 60 officiaes, reduzinde-se o que ejiste :
0 coronis, 8 teneates-coroqes, 12 ma-
jores, 20 capites o 14 primiros tenentes.
Insisto na conservacao destes pelos motivos
que expuz. vSeus servicos podem ser muito
bem aproveftados, tanto aqu' na corte, co-
mo as provincias, em trabalhos de campo,
levant >mentos de plantas, tracados de obras,
zas do ministerio da guerra ; o governo po-
llera applca-la construeco de quarteis,
as provincias, que delles precisam, espe-
cialmente na do Rio-Grande, ou em outros
niel bora mentos.
Permitta-rae S. Etc, que eu toque ainda
em outro ponto, acerca do qual tenho urna
opinio que ha muito lempo snto ilecessa-
dade de externart. 0 governo tem manda-
do a-ldir o servir nos corpos do oxercito aos
chamados dlliciaes honorarios, as patentes
em que Ibes foram concedidas honras mili-
tares.
OSr'. Duque-Estrada Teixeira : Isse
grave.
O* Su. Mello Reg : Permitta-me
o nobre ministro que com a franqueza
de amigo eu lamente quo S. Ejc, que tan
lo se tem desvelado pela classe militar, e
que della tem recebido tantas pravas de
aproen e gratidio, desvirtu de alguma for-
ma os servicos que tem-lbe prestado, fazen-
do concorror- com os officiaes do ejercito,
quer na lileira, quer nos empregos que a
le manda que sejam 3jercdos por milita-
res, individuos que apenas tm honras mili-
tares, mas nao sao militares.
Eu sei que V. Exc achou o exemplo
aborto, e o corpo legislativo com o seu si-
lencio o tem sanecionado.
O Sr. Diqle-Estrada Teixeira :V.
Ejc. presta um servico com essa reclama-
gao.
O Sr. Mello Reg:Senhores, preci-
so definir o que militar entre us. Militar
o cdalao alistado no ejercito e preso s
suas bandeiras'por juramento. Se o hono-
rario nao est preso por juramento algufat,
uo tem os mesmos deveres, nem os mes-
mos droitos do militar.
Permita me ainda S. Ejlc. que eu diga
que o procelimento do governo, que alias
me iilri impressiona lo bstanlo, tornou-se
para mim ainda mais grave de|>ois que, por
portaras do ministerio da guerra, tm sido
esses honorarios nomeados vogaes de conse-
llios de guerra, o que, no meu entender,
desnatura o foro militar, que especial.
O Sr. Duque-Estrada-Teixeira : Isso
ainda mais grave.
O Sr. Mello Reg :Noentenda o no-
bre deputado que estou fazendo urna censu-
ra ; apenas emitto a minha opinio ; e creia
que desojo ser convencido de que estou em
erro. Por ora, porm, pens que pai-
sanos com honras militares nao podem ser
juizes do militar ; e at entendo que o con-
sellio supremo militar deve annullar taes
conselhos, pela incompetencia dos membros
que nelles funecionaram.
(lia um aparte.)
E' ver lade, eu j o disse. O actual Sr.
ministro da guerra achou o precedente aber-
to pelo seu antecessor, o Sr. conselheiro
Jaguarbe, meu amigo, que foi o primeiro
que chamtu esses honorarios a servido
Achoque S. Exc. tioha tanto dircitodefa-
ze-lo, como o Sr. ministro da justica para
mandar os desembargadores honorarios ser-
virem as relaeoes.
0 Sr. Cardoso Jnior :Nao foi o Sr.
Jaguarbe. .
0 Sr. Meli.oRego :Deu-lhes commis-
soes militares.
0 Sr. Cardoso Jnior :Nem isso.
O Sr. Mello Reg :Sr. presidente, eu
nao quero alongar-me sobre esta questo
que pretendo ainda suscitar nesta casa, sob
outra face.
O Sr. Cardoso Jnior Seria mais re-
gular.
OSr. Mello Reg :Acha que irre-
gular tratar deste assumpto quando se trata
de discutir a proposta das forcas de trra ?
O Sr. Cardoso Jnior :0 que eu noto
que considere abuso aquillo que n5o .
0 Sr. Mello Reg:Nao qualifique o
acto ; digo somonte que nao me-parece re-
gular : o nobre deputado sente-o to bem
como eu, porque tambem militar; o
facto fre o sentimento militar, doloroso
para a classe, offende os seus direltos.
Sr. presidente, nao quero fatigar a cma-
ra : vou resumir o que tinha ainda a dizer.
Nao sou frequentador da tribuna : 'trouxe-
me a ella a necessidade de explicar arn-
nha assignatura no parecer da commis-
sao.
Desojara fallar do c jrpo do estado-maior
de 1.a classe, mas tenho receio de manifes-
tar minha opinio, qje neste ponto talvez
nao esteja i accordo com os meus nobres
collegas.
Uouve lempo em que duvidei da conve-
niencia d sgr nugnvutadM oqiadrodesse
cor;
que
SlV
S:.
> cor.l i n > augmente,
i- ;i-.--'> eoura -. ser indispen-
fhais do que os estudos completos, p rque
tenho o curso de engeiihciro.
E devo aqu notar que o proprio minis-
tro autor daquella le, o Sr. Manuel Fehzar-
do, que melhor do que ninguem conhecia
o (im a que ella attingia, foi quem, ejecu-
tando-a, couservou esses officiaes no corpo
de estado maior de 1.a classe. E convm
nao esquecer que o Sr. Matioel Felizardo
era duplamente autorisado para conhecer
da materia, visto que era tambem lente da
antiga escola militar e pessoalmente conhe-
cia o merecimento e habilitaces desses olfi-
ciaes.
O Sr. Escragnolle Taunay :NSo foi
por essa razo.
0 S. Mello Reg :Espero que o no-
bre ministro considerar bem a conveniencia
ou a inconveniencia desta medida e a eje-
cutar com o^ criterio e prudencia que o
distinguem.
Sr. presidente, concluo ; vejo que um
dos meus Ilustrados collegas vai tomar a
palavra, e eu nao desejp privar a casa da
fortuna de ouvir opimes que possam escla-
rece-la, ao passoque lhe faco ouvir a pala-
vra de quem s pode fatiga-la e roubar tem-
po.. (Nao apoados.)
Mijitos Srs. Reputados :Fallou muito
bem.
VAMDADE
A prxima visita do 8chah a
Europa.
As naces da Asia "que durante secuAos v-
veram em um completo solamente, conser-
vando apenas as estrictas relaQes de conve-
niencia com alguns estados da Europa, por
meio dos emissarios que visitaram as suas
cortes, teera ha a'guns annos soffrido gran-
de mudanca nos seus costumes, reformando
os diversos ramos de sua administrago in-
terna, de accordo com o progresso dos eu-
ropeus e americanos, e procurando ostabe-
lecer relaces de amisade com os seus go-
vernos.
Sem citarmos mesmo o Japo, onde a
trausiccao tem sido admiravel e onde alm
di) ejercito e da marinha a propria religio,
que por militares de annos dominou aquel-
es povos, tem recebido reformas importan-
tes ; fallaremos da Persia, paiz cuja historia
melhor conhejenns desde os tempos de Xer-
jcs e onde ainda nao ha muito os europeus
nao tinham accesso, sendo por esta razo all
desconhecidos todos os mlhoramentos que
as sciencias, a arte e a industria tem recebi-
do entre os povos civilisados.
O dcsenvolvimento da poltica russa na
Asia abri caminho s relaeoes com os per-
sas, e sua tenacidade, sem duvida, se deve
o primeiro passo na mudanza que se tem
notado na Persia, ha 10 anuos a esta
parte.
Estabelecidas aselac6es com o commer-
ciorusso, a industria persa, encontrando na
ojportago de seus productos Um meio de
prosperidade, aceitou a permuta que come-
cou a introduzir no paiz todos esses mlho-
ramentos que lhe eram desconhecidos, e os
negociantes inglezes, aprovetando-se destas
boas dispos5es, augmentaran as suas re-
laeoes com aquella naco e foi ento que
comeraram as reformas.
A prxima visita do monarcha persa as
sared Diu Europa deve, pois, ser encarada
como um graude acontecimento poltico.
Nao consta que desde as mais remotas
pocas um soberano asitico visitasse as na-
ces da Europa como amigo, e com o fim de
estu lar os costumes e o progresso de seus
visinhos.
Sabida a resoluco do Schali, todos os
govefnos lhe teem feito saber, por meio de
seus embaixadores, o vivo dosejo de recebe-
rem a sua visita, e um tal acontecimento
ha de necessariamente concorrer para mais
apertar as ditas rolaQoes e collocar opovo
persa na contingencia de entrar na senda do
desenvolvimento industrial de outras na-
dos.
A presenta dos productos da industria
persa na expsito de yienna mais urna
prova da resoluco do soberano, emacceitar,
como determinada, a idea de mudar a po-
ltica at hoje seguida e de comecar um fu-
Juro de civilsafo para o seu paiz, o de
romper por urna voz com os prejuizos por
tantos seculos identificados nos costumes da-
quella naco.
0 Schah dever sabir de Teheram no prin-
cipio do mez prximo e dirigir-se-ha a En-
selli na costa meridional do mar Caspio,
onde urna esquadrilha russa o espera para o
onduzir cidade de Astrakan, porto russo
naemboadura do rio Volga ; dahi seguir
a flotillia pelo mesmo ro, desembarcan I >
lepois o soberano persa par
ininho de ferro at S. Petersb
europeus far-se-ha acompanhar do urna co- desbastar pinheiros mansos. Estar de
mitiva de 33pessoas, entre asquaesse con- joelhos a derramar una arvore nova,
tam alguns dos homeus mais eminentes lo quando ouvio m tiro por detrz de si e
seu paiz. sentio-se ferido na cabera. Levanta-se.
Figuram na sua comitiva o principe Emad Era seu filho que acabava de atirar sobre
ed-Dowl, antigo governador de Khcrman ; elle. Desgranado! exclama elle, tu me
Yahya-Khan, irmo do monarcha; Ali-Kou assassinasl Mas logo o parricida preci-
Mirza, ministro da instrueco publica ; Has- pita-se sobre elle, o espanca com a cronha
san-Ali Khan, antigo emoaixador em Pa- da espingarda, e depois, despedazada esta,
ris toma o podan do se pai, d-lhe muitos
Segundo as noticias publicadas pelas fo- golpes eno so retira seno quando o julga
Ibas persas se v\quo o itinerario do Schah morto.
de sahir de S. Petersburgo em direccao ^ Fefizmento.o velho Sevin ficou s des
Vienna, aflm de visitar a expusico, e de- niaia lo : bem quo enflaquecido pela perda
pois para Berlim ; da capital -da Prussia ir do sangue, po le arrastar-sc at sua casa
a Inglaterra, voltando depois a Paris, onde ajudado por Bazilio Pi, que cncoutrau no
dever achar-se pelos fius do mez dejulho,'caminho. A victima nao revelou o nome
partin lo dalli em direccao a Italia, onde em- do scelerado. Tema, disse elle depois,
barcar para Constantinop'a, suppondo-se quo seu filho o nao acabasse a facadas, an-
que visitar igualmente o Egyptq, | tes de ser preso. Entretanto, no dia se-
0 que mais admiravel se torna e que o guinte pela inanji, perguntando-lhe Pi,
ova destas nai;es asiticas, que foram por que velou junto do sou leiti, quem o tinha
tanto tempo o principal obstculo idea de p ferido: Queros sabe-lo ? Foi meu filho
urna reforma, agora que mais se empellita com a sua espingarda
por ella, e tanto no Japo como na Persia, I Pi sabio lo quarto commovido ejtraor-
toma grande interesse na viagem de seus so-!dinariamente por esta confidencia; contou
beran s, e a unitte com prazer a introluc- mulher de Sevin que se poz a chorar, e,
9,4o dos costumes, que sempre julgaram urna
profanacao para os seus principios.
Publicando em seguida alguns trechos do
artigo publicado pelo jornal ollicial de Te-jzer.....
heran poroccasio de ser resol vida a va- ponder
gein d sob rao i persa, podero osleitjres
do Diario apreciar quaes as disposices do
povo perra para entrar em urna nova era de
civilisaco.
Diz a folba persa :
At hoje os povos da Asa contentavam-
se com o estado de is lameuto de que faziam
depender a sua seguranza e independencia.
Deste modo evitaram travar relaeoes com os
outros paizes, nao tendo em conta as gran-
des vantagens que resultam destas recipro-
cas relages, ou, mais justamente, porque
nao estaifain no caso de as apreciar.
Estas disposices deram em resultado a
compressao da sua liberdale, especialmente
entre o nosso povo, para o deseovolvimjnto
dos recursos do paiz, no que toca ao pro-
gresso das artes, propagaeao da sciencia e
ejtenso do commercio. Por sua parte
os soberanos asiticos muito concorram pan
uianter estas disposices, prohibidas por um
preconceito de saliirem de seus estados,
a menos que nao fossem frente do seu ejer-
cito.
Os musulmanos da Asa estavam assim
condemnados a conservaremse estacionarios
a ver cumprida qualquer i dea de progres-
so ou de adiantamento.
A elevaio do nosso actual soberano ao
tfTrono p.le ser considerada como o termo
desta poca de trovas e de inaci;ao ; devido
sua iniciativa foram abortas as relaeoes
nao s com os estados vizinlios, mas com
muitos outros, cujos nomes eram ento des-
conhecidos de nosso povo.
0 nosso paiz acaba de entrar em um ca-
minho novo; o povo comeca a levantar-so
do esta lo de ontorpecimento e a iniciar-se
as artes e as sciencias que nos. vem da
Europa, com a firme inteni;o de as propa-
gar e estabelecer entre nos, al onde o per-
mittam as nossas disposices.
E' intil expor quaes os csforros que de-
manda urna tal empreza ; nao satisfeito em
travar relaeoes com os outros paizes, re-
solveu o Schah encarregar-se elle proprio
de as cultivar e servir, por assim dizer, de
agente activo dos mlhoramentos que deseja
introduzir nos seus estallos.
A ultima viagem de Sua Magestade ao
encontrando oaecusado: Es tu,diz-lhe
elle, o que deu o tiro, teu pai m'o disse.
Eis-te perdido, sabes o que te resta a fa-
0 filho contentou-so em res-
Era o quo me faltava, tendo
eu apenas 20 anuos.
Entretanto procurara elle desviar todas as
desconfi.uicas. Apenas commettid > ocrme,
toruoii s pressas para a povoaco, o ahi,
querenlo preparar um alibi, foi ver a viuva
Depas e disse-lbe que acabava de arrancar
estacas em figar todo opposto aquello em
que ocrime Uvera lugar.
Entrando depois em casa de seu pai a
quem vio com oliiar impassivcl estendido
no leito, ousou dizer-lhe: E um des-
granado o que te fez isso, e foi depois
com o maior sangue fri dar a sua denun-
cia ao muir.
Mas quando foram dcscohertos os taman-
cos o as vestes que trouxera na vespera
no loa los de sangue, quando soube que seu
pai fallara e que se vio preso, fez a con-
lissao completa.
A 21 de dezembro pedir emprestado a
Bazilio Pi urna espingarda de caga a
pretexto de ficar espera de um javali;
desmontou-a no mesmo dia e levou-a
casa de lira ferreiro para que visse se eslava
a inesma em bom estado.
A 2'v, esconden a espingarda no pequeo
malto onde seu pai ia quasi todos os dias.
No dia seguinte, 23, diz-lhe que havia
nesse matto lenlia miuda que podreca, e
que seria bom tira-la d'alli, decidiodo
assim seu pai a passar no lugar a nianh.
Derlarou quo escolhera o dia de natal
para a execiiQo do seu crime, porque sabia
que os habitantes nao vo ao matto nesse
dia. Sabio da villa quasi ao mesmo
tempo que seu pai, trocou com este algu-
inas palavras na estrada, foi depois tomar
no matto a espingarda que all esconder, e
ebegeu por meio de atalhosao lugar em que
seu pai ia trabalhar. Conservou-se ahi,
agacha lo as urzes; apontou tres vezes a
espingarda no receio, disse elle, de fa-
lh.ir e afina! fez fogo e attingio a seu
pai na nuca. E logo precipitando-se sobre
elle, o aturdi e esmagou com a cronba da
espingarda, depois com o podao. Em vo
nega elle agora ter-se servido do podao,
quando foi encontrado ensanguentado no
lugar do crimo, ao lado dos pedacos que-
brados da cronha da espingarda; e o me-
Imperio Tueco, einprehendida no intuito dico que cuidou do velho Sevin, verificou
de cumplir Uin dever marcado pela nassa
religio, teve igualmente por fim estreitar
os la<;os de amzade entre os dous -estados
musulmanos; e todos conhecem as honras
que foram prestadas ao nosso soberano por
essa occasio.
Um tal resultado devia inspirar ao Schah
o desejo de conhecer pessoalmente os sobe-
ranos da Europa edejulgar por si mesmo,
dos progressos eflectualos polos povos
d'aquelle continente ; po lera elle tambem
aproveitar a sua visita para apreciar os
diversos syslemas de governo que deram
resultados to felizes e fazer um minucioso
estudo sobre as verda leras causas da rique-
za e da prosperidade d'uquelles povos, as
quaes sao ti las entre nos mais como resul-
tado de iniaginaco de escript res. do que
como una fiel ejposico da realida le ; do
resultado do seu estudo char-se-ha o Schah
no caso de procuraros ineios que devem
ser empregados, alim de parliciparmos do
mesmo progresso.
Alm disto a viagem- do moilarcha tem
tambem um fim sagrado, qual o de visitar na
sua volta as cidades santas do Islamismo e
de fundar alli estabelecimentos pos para os
seus vassallos.
Os sbennos europeus, tendo sido mfor-
mados do de.seju.do nosso soberano, apres-
saram-se em encarregaf os seus representan-
tes aqu, de ejprimir-lhe a satisfaco que
teriam em recebel-o em seus estados.
E', portante, este um acontecimento poli-
tico, como dissomos, que abre um novo fu-
turo para as relaeoes entre aquellas duas
partes do mundo.
Sobre a viagem do Mikado, que tambem
tenciona visitar a Europa, partindo do
Japo no mezde Junho, fallaremos em ou-
tra revista.
que umitas feridas foram feitas com instru-
mento cortante.
O acensado pretende ter sido levado ao
crime pela moca Sirop, a quem elle preten-
da em casamento, que seu pai queria im-
pedir. Mas 0 desmentido formal que lhe
do os pas desta e os protestos enrgicos
do inculcada noiva, sobre a qual foram ob-
tidas as melhoros nl'orniaces, nao conseu-
tem na.admisso de urna tal allegaco.
Alm dSSO, elle proprio, no seu interroga-
torio, d urna nutra ejplicacode seu criiue.
A verdade, que ia elle ser chamado a
servico militar, que tinha muito receio de
ser obrigado a partir, o que fez o horrivel
calculo de ser iscnto so sen pai morresse;
diza militas vezes que nao seria soldado,
que tinha o meio em si, quando lhe
pediam a expacag&o desse meio, escusava-se
de da-la.
E uccessario accrescentar que este rapaz
tem urna detestavel reputaco: vado e la-
dro de caga, a 17 de maio de lS7, foi
condcinnado a um mez de pristo por crime
de roubo.
O presidente interroga o aecusado :
P. Tendes 20 annos, quando devieis
estar no sorteio !
R. Esto anuo.
P. Dzieis muito, que nao partirieis
para o ejercito!
R.Sim, senhor.
P.-Porque dzieis isso? Seria por que
tivesseis premeditado malar vosso pai?
R.N5o, senhor.
P.EntiQ porque mantinheis essa lin-
guagem? Qual era o motivo que vos dava
a certeza de nao ser soldado, so nao con-
cebestes o infernal projecto de tornar vossa
mi viuva assassinartdo vosso pai*
Nao responde. Sevin fica abatlo, bai-
xa os olhos; as forgas o trahera visivel-
mente,
P.0 crimo foi commettilo por vos
25 de dezembro. Desde quantos dias an-
tes tinheis procurado a espingarda ?
R.Nao sei.
P.De quem era essa espingarda?
R.De Bazilio Pi.
P. 0 que lhe dissestes pedindndo-a
i
)Jrgo, Onde se
encontrar com Czar e onde tenciona re-
'i. un pie de Cajias, *| ridr algumas semanas.
lo Sr. Visconti d^Ke-1 N i dosejo de estudar o-adiantatnento dos
Tribuual Marne (Melun j em Franca.
Presidencia de M. Dumas.
Audiencia de 10 de margo de 1873.
Tentativa de parricidio. Con-
demnaco d morte.
Um numero espantoso de espectadores
se comprime no recinto do tribunal.
Todas as vistas se dirigem sobre o accu- j emprestada ?
sado Sevin quando toma assento, entre dous: R.Que era para matar corvos
gendarmes, no banco dos reos. Tem 20 P.Escolhestes o dia de Natal como o
aunos, moreno, imberbe; tem a testa,mais fuvoravel aos vossos projectos; con-
curta, olhos entranhados as rbitas o es-cebestes portante antecipa lamente o pro-
condidos pelas sobrancelhas ; o todo da jocto de matar vosso pai ?
physionomia reflecte urna selvagem energa! R. -Sim, senhor.
e nstnctos baijos e crueis. Est vsvel-' O presidente Iembra ento as circums-
mente atemorisado ; nao responde seno tancias da luta sanguinolenta na qual seu
por monosyllabos e voz sumida s questes pai escapou de morrer; todas essas parti-
que lhe sao feitas; mas o arrependiraento Hilaridades sao reconhecidas pelo aecusado,
nao parece ter-lhe entrado no corago, don-que nega somente ter ferido o pai com o
de tambem parece que foi banido todo o podao.
sentmento generoso e elevado. P.Persists em negar que vos servs-
FtUx Voisin, procurador da repblica tes do podo?
deputado assembla nacional, oceupaa, R.Sim, senhor; meu pai que cabio
tribunado ministerio publico. sobre o poli".'.
Caretle, acha-se na cadeira da defesa. P. -Julgastos morto a vosso pai e por
i) escrivo leo auto de aecusago que isso nao colitirtnastes a feri-lo?
,...;,, tu.icebilu; R.-Sim, senhor,
A 2i de dezembro do 1872, dia'de natal, P. Ento, o crime foi consumado; nao
o velho Sevin, cultivador em Villierssous- pensastes seno em assegurar a vossa impu-
Cretz, fra, muniio de um podo, a um nidade pela fuga: tratando de estabelecer
pequeo matto que lhe pertencia,. a 3 kilo- em vosso favor um alibi. Entrastes rap-
metros mais ou menos da povoagSo para damente na villa, e dissestes a mulher
Depas, que vinheis de arrancar estaos de
um campo do lado opposto T
R.Sim, senh t, reconbeoo-o.
P.Quando viostes a saber da volta de
vosso pai?
R.Durante o dia, pelas 4 horas.
P. E quando tornaste a ver vosso pai,
o que lhe dissestes ?
R.Disse-lhe: Quem te poz neste as-
tado J o elle me t responden : uoi
desgragailo.
P.Vosso pai nao vos denuncinu inune-
d lata i neo te ; teve modo que nio viessti
acabalo. >'o dissestes na priso de Melun
que lastimaveis nao o ter acabado ?
R.Sim, senhor.
P. Dissestes na instrueco, que algatta
vos tinha excitado a matar vosso pai : ser
verdade ?
lt.Nao, senhor.
P.Reconheceis por conseguinte, boj-,
que coiicebesles por vos s este projecto ?
R.Sim, senhor.
1'.Por muito tempo aecusastes a rapa-
riga .Euphemia Sirop, cumo teudo-vos em-
penhado a matar vosso pai. Hj, chegai>
4 verdade, e declaris que essa rapariga, qur
vos conhecia apenas, nio interven> no cri-
me. leudes razo em proclamar a inno-
cencia dessa moca honesta que tem na com-
miiua a melhor reputaran.
Mas ento, preciso completar a vos*
confisso, e dizer aos seuliores jurados
movel que arniou vosso braco.
O aecusado nao responde.
P.Nao seria |>ara pracurar em vosso fa-
vor um caso de iscnco tornar-vo> tilla
de viuva?
R.Sim senhor 'Sensaco prolongada
do auditorio,.
Foram ou vidas as testeinuulia*.
Joto Sevin pai, 53 ai.no,. fc' a \ictinw.
Adianta-se cun a cabeca envolvida em ata-
duras.de linho : est apenas alentado d
suas horriveis (acidas; parece cominovid
e evita volver a vista para seu filho.
"A 2o de liezeinbro, disse-mo elle qu*
fosse ajuntar no matto a lenha miuda; al
mei o meu podo, eo afiei. Elle me diss.-
"Vellido, isso para hoje corta Instante."
Nao o lernei mais a ver. Quando acabei
com a lenha, fui desbastar os pinheirn-
inansos. uc/) uin tiro de espingarda, sin-
to-me ferido na rabeca; vulto-ine.e vjo un.
individuo agachado nos tojos; apnniuto-
me, e recouhego meu filho; digo-lhc: Des-
gragado 1 tu me assassinas." "Elle levan
ta-s', 8 sem dizer-me urna pal.-urj, acom-
mele-me com a espingarda. Vi o comero.
mas nao vi o fim.
Nada mais tenho a dizer, se nao que meu
lilli'i tem infelizmente a cabera um ponen
iraca."
Uurand e Tabouret, me as feridas e allirmam que as duns mais gra-
ves foram feitas com o podo; a curva des-
se instrumento se adapta evatamento s fe-
ridas.
O aecusado, interpcllado pelo presIente.
alli n na de novo nio se ter servido do podio.
Bazilio Pies "Sovin pedio-me a espin-
garda seis dias antes do crime, para pr-se
espera do javali. Vi bem que seu pe
conhecia o asssassino; acabou por dizer-mV.
fra seu filho. Sah atordoado e encontre
o filho. Disse-lhe: "E*s um desgracado:
foste tu quem deu o tiro; teu pai m'o dis-
se. Sabes agora o que te resta a fazer, va-
teafogar." Respon leu-me elle: "Noteria
animo; soffrerei as cousequencias; era o
que me faltava, tendo apenas 20 annos!"
Klzmeyer, guarda. "0 aecusado disse.
na priso de Melun, que arrependido estava
por nao tornar ao pai e nao acabado de urna
vez."
Os dspoiineutos das outras tcslemunha?
nao revelan nenhum facto novo.
Felii \oisiu, procurador da repubhc.
tema a palavra e sustenta a aecusaco; ter-
mina o seu requisitorio reclamando un.
verviliilam aflirmativo, sem circumstancia-
atteuuantes.
Carelle, defensor do Sevin, busca attrabir.
por .dgumas palavra calorosas eloqu
tes, a ni ulgeiica do jury sobreest grainl"
culpado, ao qual a educago faltou, que
nao achou na>ua familia essas noges do de-
ver, da moral, da religio, que elvame al-
ma o aju.lam a combater os indos inslinctos.
Espera le Deus, que couservou a vida di
pai, o inspirar os jurador para que ni
sacriliquem a do filho, cuja existencia m
teira dever ser consagrada expiacto s i
arrependimento.
0 presidente iv>uine os lebales. Sevin.
declarado culpa lo sem circuinstancias atto-
uuautes, condeinnado pena de morte.
0 tribunal ordena que a e\ecu.-ao le.i'.u
lugar em Melun.
.NOVO MEIO DE FAZER PAGAR DIVID.W
as vidragasde umalojade mercador, si-
tuada no boulevard Hausmann, (Paris) via-
se ha dias um grande lettreiro concebid'
nos seguintes termos: Mr. e madame**".
ra... ii..., nao pagan as suas dividas?8
manado espera Fcil concebero es-
cndalo que Bfteannuncio causn no bair-
ro habitado pelos tais devcdtres.
LAPIDi: COM.MEMORATIVA. Um em
urna ful ha hespanhola :
Desappareceu* do pateo das casas con-
sistoriaes de Cdiz a lapide de marmore em
que se achava escripta com lettras de ourv
a heroica resposta que deram nossos paes
s forcas do invasor de 11 de fevereiro de
1808 :
A cidade de Cdiz, fiel aos principios
que proclamou, nio reconhece outro re
seno o Sr. D. Fernando Vil; 11 de feve-
reiro do 1808 ; 30 de margo de 1833.
CONSERVACAO DAS FRICTAS.Em um
peridico estrngeiro encontramos a seguin-
te noticia :
O emprego do gesso cozido e redundo a
p fino d eicellentes resultados para a
conservago das fructas picadas pelos passa-
ros, Vespas e outros insectos, ou damnifica-
das por outras quaesquer causas. Deve-se
em primeiro lugar liinpar a ferida da frucU,
extrahindo toda a carne damnificada, eo-
chendo-se a cavidade do gtsst secco, ha-
ven lo o cuidado de aperla-lo, alim de ad-
herir perleitaiiiente carne da fructa. Como
0 contacto atmospherico nao poilu pene-
trar por aquelle lado, a den omposigio au
se verifica. Os fructos colhi los, cuja con-
servago queria prolongar-sc, devem cohrir-
se com urna ligeira capa de \*> de geno,
aflm de preserva-los do contacto do ar.
PYP DO DIARIO- HUA DUQUK Mi CAJUlS"
---------

A

i



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYUSURI8V_FRPPRS INGEST_TIME 2013-09-19T20:12:31Z PACKAGE AA00011611_12902
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES