Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12898


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PW
ANNO XLIX. MIHERO 98
i
-^




PAIl.l A CAPITAL 1-1 LUGABE8 OXUE A'ftO SE PAGA POETE.
Por tres mezes adiantados................ O00
Por seis ditos iduin.................... 139000
Por um anuo i Iran................. 2l$000
Cada numero avulso.......... '...... 320
Ol'ARTA. FEIRA 30 DE ABRIL DE i 873.
'
PARA E.\TH O E FBA .DA PafviKCIA.
Por tres metes adiantados. _..............
Por seis ditos idem. .... ,......... /......
Por noie ditos idem...................
Por um anno idem..........--.,,,.

TTM
l50f
SOM50


PROPRIEDADE DE BIANOEL FIGUE1R0A DE FARIA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Autopiio Al ves & Filhos.no Para; Goncalves & Pinto, na Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Filh, no Cear; Antonio de Uu** Braga, no Aracaty ; Joo dria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Joa
|Pereira d'Alraeida, em Mamanguape ; Augusto GomesdaSilva.ua Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Auto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Altes d C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Bio de Janeiro. -
PARTE OFFICAL.
Governo u rvucia
lllm. e Exm Sr. Tenho a satlsfa-.ao de conimu-
nicar i V. Exc ijne a sociedade provisoria Philo-
tinia, J; 111 u 11 presidente Francisco da Costa
llaia, resulveu uin ibmu do ni Jo crrenla a
aobpcoposta deseo orador votara quantia de
SufOO para auxilio da udiflcaeju do asylo de
alienados, ijue V. Exc. lao den dadamanto pro-
IIHJVC.
K-sa quaatia lira desde J disposHj&e di. quera
V. Kxc. determinar, na mo do respectivo thesou-
reiro Paulo Jos Gomes.
. Den:-guarde a V. Exc. -lllm. e Exm. Sr. Dr.
lleurique Vieira de Luecua, milito digno proa-
dente dosta provincia.
Secretaria da sociedade provisoria Phlothnia, 17
de abril de 1*73. Boiaenlura ftodngutt i Amo-
ion, secretario.
k* ser.io. Secretara da presideucJ.i de Per-
nantbuco, oni 17 de abril de 1873. -Illiu. Sr. S.
Exc o Sr. presidente, da pivvinrii manda decla-
rar a V. S. para que di1 seieiicja sociedade pro-
visoria Pnilutiinia, que agraroS o oHereciineato
d.i quaiilia de OAO, com a qual deseja cone.tr-
ror a mesma sociedade para e.dili cavando asylo
dos alienados, segund i o stu ollicio de hoie data-
do, louvando-o pufease acto de Immanidade, e op-
portiinamcnle ser indicada nie.-ma sociedade a
i issa a quem deva ser entregue essa quanlia.
Di us guarde a V. S. lllm. Sr. Boaventura Ro-
drigues de Amoriin, secretario da sitccdado (re-
visora Pliilotimia
0 secretario interino. Joj Diniz llibeiio da
Ciinha.
DCSPACHOS DA PllKSIDKNOU U.l DI.V DE 6 DK AUIUI.
DK 18 3.
Aliaixo assigiudos, proprietarins, residentes na
vlla de S. Beato. -Depois de completo o sello, na
forma da lei, informe o I ir. chele de polica, ou
liado o delegado respectivo e pessoas rasuspeites.
Alcxatidre Jos da Silva. Informe o Sr. ins-
pector da tliesoiiraria de faenda.
Adolplio Apolinario de Paria. Informe o Sr.
UWec'qf da thes linaria de fazenda.
(' impanliia Sania Thereza. Informe o Sr. ins-
pector da thesourana provincial.
Casimiro Lucio dos Santos. Passe portara, na
forma requerida.
Conrado Ernestina Xavier Runos. Deferido
coin'ollicio desta data dirigido thesourana de
fazenda.
Daino Antonio da Rocha.Deferido com ollicio
de,ta dala ao ]uiz municipal de Floresta, para re-
moller a guia ao jiliz de direito da primeira vara
desta capitel.
I rm andad; do Senhor II un Jess da Via Sacra.
Deferido cora ohVio desta data ao conimandan-
te Hiperior do Recite.
Jos Polirarpo de Frailas. Informe oSr. Dr.
foz de direito da comarca de Goyanna, com ur-
gencia declarando justamente qual o numero dos
pretendentos aos o.'licios que se achara vagos.
foso Ferreira de Araujo -Informe o Sr. enge-
n'i -iro chafe da rebarttea das obras imblicas.
Jos Francisco e Fraga Deferido com offli'io
destl da'a tlies mran i de fazenda.
J s Nanoel de Souza e oufro. Informe Sr.
Dr. chefe de polica se os supplieantos eslaa defi-
nitivamente condetnnados, e qnal a pena que Ihea
i'oi imposta.
fosepha Mara da Conceicao. Informe o Sr.
Dr. j'ii de diroito das eseca<-oes cruninaes.
Jaointho Machado de Xend mea. -Come reqner.
los Ignacio de Figueiredo Informe a lllma.
ra ira mnnicipal de Limoeiro.
M-tnoel Carateante de Albnqnernue S. -Infor-
me o Sr. inspectoi la thesourana de fazenda.
Querino loaiinim Mar*era. Indeferido.
Bacharel Siironio I. dio de Oliveira Hagalhaes.
Indeferido, vista da informaeio do Sr. inspec-
tor da Ihosouraria provincial.
DI se* 4 Irmilo. Passe portara.
Socretarh da presidencia dfe Peroarabuco, 2 di
. I de 1873.
f) porteire,
Silvia i .1. Kodrignei.
w '..: IKI. til) I.DMMA.MiO SUPRIOR INTERINO HA
GUARDA NACIONAL DO MUNICIPIO DO RROIFE,
26 DE ABRIL DE 1S7:!.
Ordem do diu n. n i.
Declarando o Sr: tenente-eoronel bario de Na-
taretu, em ollicio de IJ do crrenle, nao poder as-
. uor iucoinmodos d'. saude o caminando do
'i' baalba i de inl'aiitaria, segundo Itie fui deienni-
nado em ordem do da desto coinninudo, sob u.
112, de l do corrente inez, visto estar elle ag-
gregado, e assim competir Ibe nos tennis do aviso
do ministerio da justc i de i' de setembro dn i872,
contina por esse motivo no commando do mesmo
i i ilho o Sr. eapitao Joaquim Custodio de Ol
r i i S. Esc. i Sr. c iminendador presidente da
provincia codJHido por portara de 15 do corre-
le inez, 6 niczes de licenca ao Sr. tenente-eoronel
Goininandanle do batalho do serviea da reser-
va,-Joaquim Maxiniiaii) Pereira VLinn, psra tra-
tar le -ui saiibfbra desta provincia., assim o fa-
i |i.u';Ks lio- iijiiveuintes, bem como
unaiilo interino desse batalho o
lo Manoel Jos da Silva Guian-
a ie I i
Sr. rnaj >
odilpho Jo 7o li i ral h de AhnehU,
Coronel commaudante superior interino.
i oiJini.ni'li) -las nriiins.
Q1 \:;r; ;. GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE 1'KNAMIILCO, KM 29 DE ABRIL !)E
i-J 73. V
Ordem do dia n. 7-23.
0 brig-i Iciru cominati lante das armas de-
termina que na maulla do dia l. de maio
projmo vindiuro se passi3 revista de inos-
Ira o.n seus quarteisaos batalhesde infan-
taria, depsitos -lo recrutas e companhias iso-
la-'as, pela rdein seguinte : .
As (i horas companiU leoperarios, s
G 1/2 ao 2.- batalho de infantaria, s 7
companhia de cavaliara, s 7 1/2 ao 9.
l)itallio, s 8 ao deposito de recru-
tas.
(Assignado) Mu noel daCunha V. Lins.
ConformeJos Ignacio llibeiro Roma,
iitf njudante de ordens interino eucarre-
gado do detalhe.
DiAiilO DE P3NAlwBUC0
RE^i'K, 3 I)K-A|yui, DK 1873.
Moticins do nal do imperio
Chegou hontem pela mauh o vapor inglez Bol-
trazendo datas: do Rio da Prata 17, do Rio
Grande do Sul 18, de santa Catharina 20, do Pa-
wa.19, de S Paulo 2!, do Rio de Janeiro'2i e da
Babia 27 do corrente. Eis o que dos jornaes e
cartas colbemos :
1110 DA PHATV
Escrcvem de Montevideo em 16 do cor-
rente r
E" cada dia mais triste o aspecto desta cidade,
vista do desenvolvimento da epidemia reinante.
A semana sania, cm que nos annos anteriores as
ruis regprgiUvaai de povo, pAStm pavoroso re-
levo, a solidan, o abandono da cidade dos prisa-
res. As esperancas que se fundavam na ap|iarici)
de um bom parapeiro falbaram completamente, e
sob o seu rgimen vimos a febre recrndcsrcrTT
augmentar o uumpro das victimas. Ha oito das
ello o vento predominante ; a temperatura balsn
de 7o- Fraubeint a 69a; o co lmpido e claro, o
ai secco, parecen) em conlradicrao com o esLido
sanitario, qne nao pode ser prior."
Para se compreliender bem a intensidade do
Dagcllo que nos opprime, necessario ter em vista
que a |upula.ao est reduzida a J'VKK) almas ;
.anda mais que a febre assentou seus arraiaes ern
urna zona que nio tein i.fJOO habitante.-, e que ah
ceifa diariamente de {) a lo pesso&S.
o Estes dados, applicad.is populaeao do Ro de
Janeiro, suppondo-a apenas de iOD.O.il) habitantes,
correspondem a urna mortalidade de 1,800 pessoas
por dia, cifra enorme a que nunca andignos nos
pe.oes das de nossas calamidades.
tilra observacao importante que, a propor-
c.io entre dos ataeaoi e os sulcadot desanima-
dora. Os me hores mdicos estao desorientados, e
Oi inedionres, para Iludir a opiniio publica, (|ue
esta miino prevenida e assustada, eucontram una
pbrase para diminuir a impressao que produz a
eitura do obituario. Limilam-se a declarar que
reanduceram o adain:
Um iotelllgeole niediuo bra-ileiro, o Dr. Cabral
continua a divergir de quasi todos os seus colle
gas quaut i i natureza da molestia que elle nega
sera febre amarella, classilicandoa de intoxica-
cao ptrida. Nao tenho conhecimentos para apre-
ciar esta questo scienlilica. Seus amigos apregoam
que elle j lem salvado muitos accommetldos, en-
tretanto tambera tara passado seus passaportes
para o outro mundo.
Na ra Viole e Cinco de Maic, nos ltimos
dias da semana, a enedeinia ;issanhou-se muio e
rara a casa entre as quadras dos Trila e Tres e
Cmaras, que nao teuha pago sen tributo morte.
J fallecerain Madame Ilosipiel, Madame Legairel,
ma; di bwita moca, n Sr. Real, dono do bazar
das Camelias na esquina dos Trinta e Tres, e o at-
faiate Villar. S.lo todas as pessoas mu conheci-
das dos brasiieiros que tein vivido nesta cidade.
Os estrangeiros sao os que sntfrem de prefe-
rencia italianos, franceses e hespanhoes, j?no sa
bem a que santo se eneoiiimendem para livrar-se
do mal. Agila-se a idea de lechar a alfandega at
ao lim do mes, e suspender por igual lempo todas
as opera.oes commerciaes. O moviment) j to
restricto, que esla medida nao causar grande
daino.
O espirito de caridade, que se aciiava amor-
tecido, foi reanimado em tenipo pela redaeco do
Telegr .pho Martimo. O Sr. Buela, proprietrio e
duector desta folha, que tantos servirws presta ao
oJsso gcomuiercio, te ve a feliz inspiracao de. le-
vantar o grito philantropico, que tai adiando echo
na socindaie.Honra a elle, o aos que se associam
Boa obra meritoria, tendende a suavisar muitos
males e enchuliar umitas lagrimas.
Em Buenos-Ayies, que tein seus portes com-
pletamente cerrados, a mesilla idea.generosa prin-
eipiava a produzir seus Inicios, e j d'alli se rece-
beu para soccorros pblicos a quantia de i,W)
pasos.
0 governq lem se conservado como alheio ao
que se passa, o ninguem o critica. Se fosse em
iiosso paz, onde o governo deve ser ludo, e ludo
delle se espera, que gritara nao se teria levantado
contra elle .\ asseinbla acaba de conceder-llie a
faculdade de dispender o que for preciso em bene-
licio da sade publica. Anda que os recursos do
thesouro nao sejam folgados, deve esperar-se que
esta autorisacao prod >sa salutares eleit >s.
No camp onde a populaco se agglomera de
una maneira inconveniente e perigosa, principia
0 lypho a inanilVstir-se com feia catadura. Se esta
ternvel cniV'iniidade tomar carcter mais grave,
uo sei por onde corrern os assu.-tados habitan-
tes desta capital.
ii Em quanto o estado sanitario este, consr-
valo se as quarentenas na Iha das Flores O &#
ijlo boje publica um bem pensado artigo, condem-
uaiido esta pratica ^infundada, contra a qual tam-
bera j me pronuncie na autirior corresponden-
cia.
Consta que no lazareto foi roubado o enge-
ulieuo i|ueo Sr. barao de Nlau maudou em subs-
tituicao do fallecido capito Palma, para a com-
missao de exploraco da estrada de Matto-Grosso.
S i>lo verdade mais um escndalo par acres-
centar aos muitos daquelle purgatorio.
^Esto fechada- todas as hospedaras da cidade
incfflsive a Oriental que tomn boje esta delibera-
cao, se bem que alli iienhum caso de febre se
osse.
Nada de Interesse ha a conimunicar desta re-
publica. Aqui boje > se falla na febre.
0 governo expedio um decreto, pondo a meio
sold todos os militares que nao seacham em ser-
vico activo. Esta medida como nica, lio noces-
saria e legal, ha de produzir muitos desgostos, e
provocar man fe -tacos lalvez perigosas.
Ontra medida, que me parece nao ter o cu-
ndo da reflexo, foi a que derogou a obrigac)
imposta aos chinn dores, ( carregadores das ras)
de tomarem una bcenca na polica, e usarem de
uifia chapa com o seu numero de inscripeo, o
que era urna garanta para o estraneiro que des-
embarca e Ibes entrega a sua bagagem. Hoje, que
a industria livre, e sem meio de tiscali rouhos sero mu frequentes em urna cidade co-
mo est i, cuja populaco adventicia compe-se de
gente de todas as condicoes. Este tarrico, que
eslava tao bem organisa lo, passa a anarchia para
dar urna salisfacao o liberalismo radical. A so-
ciedade soil'ivra, mas a liberdade alcancou um
tiiumpho. -
i'assa-se alguma cousa de estranho no Para-
guay. As n dicios nos chegam incompletas, e nao
nos dcixam a perceber com clareza o inovimenlo
que alli se .opera. Houve urna tentativa de revolta
abortada, dirigida por Rivrele, e este cidado,
exilado de sua patria, volta poucos dias depois
ella em companhia do general Mitre, plenipoten-
ciario argentino.
Houve una conspirafAo sur-la, e depois um
movimento armado capitaneado pelo general Ca-
barello. Combateu-se, derramou-se sangue, ven-
ceu o governo, as prisoes esto cheias de revolto-
sos, e Ji/.-se que toda esta bernarda fui obra do di-
nhelro argentino, que o cnsul argentino repre-
senlou papel importante noassumpto, e que o mo-
vimento tin a por fin radicar no Paraguay os in-
teresses do Prata 1 !
0 negocio merece attenfo. Eu limito-me a
este brado de alerta.
Ul OBAHPl Do SUl.
Na noite de 12 d.ravse na capital urna manifes-
taeao de aprcc.o ao Dr. Gaspar da Silveira Martms.
Utn grande concurso de povo, aconipanhado de
tres bandas de msica, dirigio-so casa do Dr. Sil-
veira Marlus o o saudoii por varias vezes, nao so,
f di/, urna folha do Rio-Grande, como urna gloria
do partido liberal, senao como urna gloria do paiz.
Aceinpanhado do povo que se reunir, o Dr. Sil-
veira Martins percorreu em seguida varias ras
da cilade, e recolheu-se por m sua residencia,
onde se aehavam reunidas muitas familias da ca-
pital.
Na noite do 14 realisou-se no theatro um espec-
tculo em sigoal de regosijo peta chegada do Dr.
Silveira Martins. Findo o espectculo, f)i o mes-
me donlor acompauhado pelo povo at sua casa.
No dia 19 devia ser offerecido um baile aos Drs.
Martins e Florencio de Abreu.
A cmara mnnicipal do Rio-Grande nomera
nina commissio para, de accordo com a nomeada
pela cmara do Pelotas, representar aos poderes
do estado, radicando os meios convenientes, alim
de evitar o contrabando as fronteiras da provin-
cia.
Em Pelotas, na noite de li do corrente, alguns
esclavos do major Joo Mendes de Arruda promo-
veram na prtea das Cavalhadas conflicto com a
polica. Da lula que travou-so sahirain feridos
quatro policiaes, dous levemente e dous que (pram
recolhidos ao hospital de caridade em estado de-
plora vel. Os escravos protnolores do conflicto con-
seiiuiram escapar perseguica de um destaca-
mento da guarda nacional, que compareceu, em
consequencia de cavalgarem excellentes animaes
Os ferimintos de que foram victimas os policiaes
foram pralicados com revolver, arma de que se
aehavam munidos os- turbulentos. Alguns desses
esclavos foram reconhecidos; a auloridade trata-
va do respectivo inquerito.
Tinhain-se dado osscgiiintes smstros:
O hiate S /'i Isabel, em viagem do Rio-Grande
para Santa Victoria, fra a pique na Lagda Mirim,
salvando-se a tripolaeio.
Perdera-se na ponta da illia. perto do Estreito, o
hiate Santa Mara Boa Sorte, de proprielado de
Serafim Salles, vulgo Serafim das Almas; alvou-
se tambem a tripolacao, mas perdeu-se a carga.
Finalmente, com um tufo, que apanhra na La-
ga, virara o hiate Machado II, propriedade de Joa-
quim Mendes.
Salvou-se com difilculdade c risco de vida a tri-
polaao, ignorando-seo destino do casco, que na-
turalmente fra levado pela correnteza an< aguas.
Falleceram na capital D. Mara Leopoldina de
Castro Athayde, e em PeloUis D. Luiza Chaves
Campello.
- Urna folha do Jaguariio c mta o seguinte :
No domingo 13 do corrente, Joo do Oliveira
Nunes e Jos Mara, vulgo Seis Dedos, sem motivo
algura plausivel, accoinmetteram dous crioulos e
os ferrem gravemente com punhaes. Urna das vic.
timas, depois de gravemente ferida, tendo lancado
mao folha de urna das armas homicidas, ticou
co:n os dedos decepados. Os delinquenles conse-
guiram evadir se, anda que horas depois voltas-
sem a cidade e passassem impunemente!
A luja Ilpnr e lliunanidade, estabelecida em
Pelotas, deliberara fazer distribuir, na quinta e
sexta-fra santas, a quantia existente em seus co-
fres, pelas viuvas honestas, orphlos e pobres da
quella cidade. Essa quantia, segundo o Jornal di
Commercio, andava proxim'o de um cont de ris.
Tendo os Srs. Caetano Pinto \ Irmio t H dtz-
weissiz A C, encontrado diiculda le na Europa
em obter emigrantes, uiandararn-se suspender os
trabalhos das medcoes da t-olonia Cmde d'Eu e
princeza D. Isabel.
Segundo o Jornal, de Pelotas, dentro de um mez
devia ser inaugurada e franqueada ao transito pu-
blico a linha do tratn-waij, que vai 49 porto aquel-
la cidade. E' empreiteiro desta obra o Sr. Domin-
gos Cordero.
Com dala de 21 de marco escreveram do Ca-
hy ao B"te, de S. Leopoldo :
A 16 reinou aqui um terrivel temporal que
descobrio casas e 9amniflcon >ensivelmente as
plantafes; os habitantes mais anligos nao leem
iembranca de um lo horrivel fuiaco.
Achava-se exposto curiosidade publica, na
Santa Casa de Misericordia do Porto-Alegre, o ca-
dver de um recemnaseido com 3 olhos,' 2 narizes
e 3 pernas, que fra encontrado na roda dos en-
gaitados.
Em Jaguaro iniciara-S' a formac'o de urna casa
bancaria cuja idea fra muito bem aeolhida. Os
fundadores deste estabelecment sao diversos com-
merciantes que o (zem por meio d accSes, de-
vendo ella ser dirigida por dous socios solidaria-
mente rosponsaveis dcbaixo da Bcalisaco de unn
commisso. 0 capital ser de H)0:0K)S, divididos
em 20 I acees de Si l) cada una, pdenlo, se fr
preciso, ele var-se a o -OtOODi o capital. Aehavam-
se j subscriptas 10 accSes.
L-se no Joma! d> Commercio de Pelotas:
Ha tres dias um eseravo do Sr. Jos da Costa
Batera Unten assassinar o capataz da charquea-
da do mesmo senhor. Frustados seus inalevelos
intentos, o capataz conseguio encerrar na senzala
o eseravo, e o Sr. Bezerra reclamou autoridade
competente a precisa for^a para raptura-lo.
Foi una escolta de polica, compos'.a de sar-
gento e tres pracas para essa diligencia. Dada a
re de priso ao escrevo, elle resisti de faca em
punho, c msegundo ferir gravemente o sargento e
levemente um soldado ; e quando tentaya prose-
guir em sua sanha, receben uina espadefa de um
dos soldados que o prostrou por trra. Felizmen-
te tanto o sargento como o soldado esto livres de
perige. 0 criminoso foi recolhJo cadeia ci-
vil.
.No dia 12 do passado foi brbaramente tasas-
sinado com um tiro-de revolver, o Sr. Jacob Lin-
ter!, que ia de Itaqui para Santa Maria da Bocea
do Monte. 0 autor ou autores de semel liante at-
tentado roubaram 6:000 a 7:000 que o Sr. Lau-
tert levava.
Falleceram : noRo-Granlc > septuagenario Ma-
noel Lucas de Oliveira, em Pellas as Sras. Ds.
Anna Goncalves de Campos, na idade de 50 annos,
e Leocadia Belchior da Azevedo, na de 2'); ni Ja-
guaro o anligo negociante daquella pra;a Gabriel
Antonio Machado Lagcs.
SANTA CATIlAni.XA.
- Noticia o Despertador de 8, rfob a epigraphe
Febre amarella :
O povo catharinen^e parece domnalo de ter-
ror pela noticia que tem circulado dos estragos
que essa terrivel eufermdade tein Mo no Ro de
Janeiro, e por isso vive sobresaltada. Qualquer
enfermidade que occasioue vmitos, dr de cabera
e febre, classiPicada inmediatamente -febre ama-
rella Ha dias teve-se noticia de ter esse mal ap-
parecido na freguezia do Rbero.
a S. Exc. o Sr. vce-presidcnle, sem demora, or-
denou ao Sr." commendidor Thomaz Silveira de
Souza, provedor da saii.de, fosse quelle lugar In-
formar-se a respeito de dous enfermos que all
fabeceram. segundo dzia-sc, dessa febre.
linmediatamente seguio o Sr. provedor e alli
ch gando, tratou de indagar sobre as causas das
mortes, e das indagacoes reconheceu serem as
causas mu diversas. Nao existi nem existe all,
gracas a Deus, a febre amarella.
a Sucdou-se (diz a mesma fo!hi)com um ti-
ro de espingarda, o allemo Nicolao Consrad, ca-
sado e com filhos, morador no lugar denominado
Tres Riachos municipio de S. Miguel. Para
realiazar o seu fatal desiguio, sahio oceulumente
da casa de vivenda em direccio ao enjenho de es-
premer cannas, e ah pondo a espingarda na boc-
ea, com o p a destechen; abala, atrave-saudo
o crneo, produzio morte instantnea I
u Ao estampido da arma, ac;udio a familia e o
aehon na posi-.-o que se suppoe adoptara' tiara
realizar o seu fatal intento I A cara e a eabeca
estavam em estado horrivel I Diz se que a em-
briaguez e questes de familia o levarain a prati-
car esse acto de desespero.
PARAN.
L-se uo Commerfio do Paran ;'
t' Todos os dias esto regressando do interior os
colonos qne para alli tm sido mandados pelo g-
renlo.
Nao sabemos de quem provm o mal, se do
pessoalescolhido.ou das condces da localidad."
destinada Colonisafln, faltand-lhe eslrada, que
sobre todo nos parece ser o maior otistaculo ao
desiiivolviinahti da inimigracao, e leuda o colono
de derribar bosques para o planto, em vez de
campos qne Ibes figuravam encontrar. Emquan
tu a provincia uodispoe de meios facis de cont1
munic.ie.io c*hii m pontos destinados a ues estatae-
leciinentos, de modo a tornar possivel ao colono a
venda e permuta dos seus productos ajnenlas, q
governo devia fazer escolha de terrenos na mari-
nha para tal fim, e os encontrara com certeza em
condicoes de satisfazer os seus lins, garantindo
um brilhante futuro ao inmigrante, e por sua vez
provincia
t Sem boas estradas, toda e qualquer tentativa
de colonisaca i estrangera ser infructfera, con-
correndo em parte para desacreditar esta provin-
cia, onde o luxo da vegetacao, e a riqueza do solo
e do clima prometiera abundante Masas ao culti-
vador ntelligente.
Uina carta de Lapa, dirigida a um negocian-
te da praca de Porto Alegre, refere o seguinte, que
extraamos do Constituehn l, f tilia que alli se pu-
blica :
No dia 6 de mareo suicdou-se, junto ponte
do Registro, o joven Jos Paula, lilho do baro de
I..... dessa provincia.
Jos'i Paula reto do sul com o lim de vender
urna tropa de 3,000 muas em Sofocaba, cuja
venda com effeilo realisou, ganhando com ella
26:0 Ofl.
Na madrugada do da cima indicado, depois
de carregados os cargueiros, procurou-se por Pau-
la em sua barraca, mas em lugar delle, encon-
trou-se sobra acama um bilhete em que o infeliz
declarava que, se sedemorasse muito. o fessein
procurar na encosta do mallo, que ah o en-
contraran! enforcado. Que dava este passo para
nao desgosL-ir seu padriuho cora o nao cumpli-
mento da palavraque Ihe dera, de casar com urna
moca daqui, para a qual nao tinlu a menor incli-
naran.
Ura irm'i e compraheiro de vageiu do infe-
liz moco, alienas leu o bilhete, dirigio-se a tola
pressa ao lugar Indicado o ahi o encoiitrou cora
eITcito enforcado em una redea.
t O cadver de Paula foi neste mesmo dia en-
terrado no cemiterio da villa da Palmeira Em
suas canaslras eneontrou-se era dinheiro canto e
ciucoenta cont*
S. PAULO.
Foi inaugurada \i- dia 17 com toda a solemni-.
dado a estrada de ferro de Juudiahy a ll.
O Diario de S. Paulo d a segrale noticia cr-
euinslanciada do aooutecimento :
a Realsm-se no dia 17, com (ida a pompa e
soleinnidade a inauguracao da eslrada de ferro
de Jundiahy a ll.
O trein" de inaugnracio, conduzindo o Exm.
presidentAa provincia, represe mantos de ontras
compant^K grande numero de cidados e a banda
de nuisiflRa sociedade Eulerpe Cinnuercial, par-
to da eja<;o da Luz as 7 1/2 horas da manh,
cheganW a' Jumiiahy, pouco antes das I o.
FeHa a baldoiicio, seguio at o Salto, onde
demoroU-'Se vwflf>iora espera do segundo trftm
quo da ultima cidade partir meia hora depois,
i helando ambos a lid poueo depois das 3.
t 0 edificio da estenio e-tava decralo com col-
chas, tendo na frente palanqnes com duas ordena,
em torno diversos crelos cora bandas de msica,
tudo adornado com bau leiras, llores, etC *
Os visitantes foram recebidosrom salvas e ac-
clainages frenticas, e em seguida oencoda
linha, foram proferidos os segrales dii cursos :
Do presidente da d rectora da companhia
Ituaua. relatando os obstculos q.ie superara c as
diffleuldades que vencer a respectiva'companhia,
cajos (s.'or.-o-nao se desmonten un na segunda
pilase de seus trabamos, isio o prolongainento
da linha at a cidade da Constituirn
i Do desembargador Bernardo Avelino Gavia
Peixolo.eiicitando a companhia Ituaua, em nome
da companhia Paulist., pelo brilhante xito de
seus esfoTCJS, dotando a provincia com mais esta
va de eomuiunieacao
i Do presidente "da cmara municipal, offere-
eendo, emnome dessa corporaco, o retrato a oleo
lo Dr. Jos Elias, para ser COltocado na sala da
tstacSo.
Dos Drs. Joo Tobas, Barata e conscllieiro
Marlini Francisco, anlogos ao acto.
Seguio-se um profuso lunch, franqueado ao
publico, durante o qual houve entliusiasticos brin-
des e estrepitosas acclamaces, reinando sem re o
maior enlhusiasmo.
obre a mesa romana em que servio-sc o lunch
eslava exposla uina linda tocorootiva de litas de
coco, enfeitada de flores tambem de coco e chca
du fruclas do lugar.
Durante c dia conservaram-se as jananas ue
diversas casas adornadas decidas, bandeiras e
as ras com arcos e liabas de bamb-, tambem
com bandeiras, em toda a extnsao; noute hou-
ve illuriiraaC;o de lanternas venezianas, copos de
cores, etc., em toda a cidade e especialmente uo
pateo da matriz, escrutando as diversas bandas de
msica, postadas em coretes, escomidas pecas de
seu repertorio.
t No segundo dia houve na matriz um brilhan
te Te-Dvum em aeco de iracas, rom assistencia
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, recitan
do um discurso oRvm. Fr. Eugenio de Rumilly.
A" noute houve sumptuoso baile,' cora todo o
esmero e gusto, nolaudo-se toilettes rijuissimos,
grande euthusiastn > e profuso lervieo.
A companhia Dramtica Nacional deu nos
dous das escolhidos espectculos, com graude
cencorrencia. ^
Qneiroz, e um grande fpgo de artificio, trabalhode
um distncto artista ituano.
ra o lugar de bililiothecario da faculdade de me-
dicina do Rio de Janeiro, o Dr. Jos Pinto de S.
Por decretos de 19 :
Fez-se raerc do titulo de baro da Ponte Ribei-
ro, ao conselheiro Duarte da Ponte Itlteiro, e do
de conselho ao chefe de esquadra reforinadirlten-
laiiiim Carneiro de Camilos.
Foram Horneados :
Odtod da dem da Rosa, o che'e de scele
da alfandega de Peeuanibuoo, Pedro Lopes llo-
dria'ues.
po de polica da dita provincia, Joo Pires Ferrei-
ra e o alteres do 1(> batalho de infantaria, Jero-
nymo Nunes Monteiro de Meudonca.
Foram concedidas :
A gratilc i.o extraordinaria de fdiOi aimuaes
ao conego Joaqun Caetam Pernaadas Pinhero,
professor de rhelorica e potica do imperial colle-
gio de Pedro I por contar mais de 13 airaos de
effectivo exercicio ito uiagslcrio.
As seguinte s penses:
De 1:6004 annuaes repartidamente a I). Mara
Henriqneta do Prado Caldwel e D. Mara Isabel Cal-
dwel, viuva e lilha do tenente general Jaia Frede-
rico Caldwel.
De 400 reis diarios ao soldado do 10* batalh*
de infamara Apolinario Pereira Gomes.
Revorteu 1." classe do exercito, sendo classil
cado na 3.' companhia do 3. regiment de caval-
laria ligeira, o capito aggregado inesnia arma,
Joaqnin Francisco M ireira, era vista do tormo de
inspeooio de saude a que foi subinettido em II de
fevereiro prximo passado.
Foi reformado com o respectivo sold por inte-
ro, na conformidade das disposices do S 3o do
plano que bailan com o decreto de II de dezem-
bro de 181o, o soldado do 10 batallo de infanta-
ria Leonardo da Silveira, visto atibaron imposs-
b lita l> para o Borrico do exercito en oooseqnon-
ca de. leriinenlo recebido em combate.
Por portara da mesma data foram Hornea-
dos
' m i i j ;,,,! as Inras d.i tarde, naquclle da
f* olfical da seceta.iado arsenal de guerra da suhto 0 so n.. nuainnta q;i ,inte
corte, o amanuense do PMSDM arsenal Paulo Uo- amja ~ lf^. |pral|,,.
mes Cardoso.
Amaniiensi da secretara do dilo arsenal, o
eodjnvante de escripia de 1." classe, Joaquim Zo-
zimo Ribeiro,
Por decreto de 7 do corrente foi transferida
da 2." para a 1.a classe do respectivo quadro, na
forma das disposices em vigor, o capito de mar
e guerra Aurelio Garcindo Fernandes de S.
Por portara de l!l do corrente concedeu-se
transfereuci i para o .">." retiiente de cavallaria
ligeira ao tenente do 2" corpo da raesma armada
provincia de Govaz, Fernando da Gama Lobo
d'Eca.
Por portara de 22 do corrente concedeu-sc
Iransferencias aos alfana Raymundo Pereira de
Qiieiroz a Jos Martins dos PaSBOB, esle do "i." pa-
ra o 11 batalho de infantaria e aquclle do 13*
para o 5.-.
Eis o resumo-los trabalhos da cmara dos
lep otados :
Hontem (21) logo depois da leitura do expe-
diente, appnivou um requerimento do Sr. Eufrasi i
Correia com um ajditainento do Sr. Cruz Macha-
do, mandando que seja tratado em sesso secreta
apteaUente havidy entre dous Srs. deputados.
VEm seguida nc"C!ipon*4fe do parecer da .'!. rom-
mlssiw^de inqnerite recoiihecendo diputado pela
provincia de Sania '.atliarina o Sr. T- omai Pe Iro
de Bitiencourt Cntrini, e annuliandn a eleieo dii
Sr. SebstiijO Antonio Rodriguos Braga, lcando a
diseiiss-i encerrada, depois de tereui orado os Srs. j
Braga e Moraos Reg.
Paasando entao 2." discu-sai> do art. 1.' do
projcclo que crea mais sete relames no Imperio e .
eatabolece varas providencias, lie ni esta tarabam
Becerrada, tendo orado o Sr. ministro da jnstifa.
Entrando em disciisso o art. 2.", orou o Sr. |
Menear Araripe e licoit a discussao adiada pela
hora.
Fo ain aprcs'enladas as seguinles cuieud is : I
A 2.-1 jiarte do art. 2.' 2.', seja substituida
pela seguinte :
Ao; desembargadores assim reunidos competo
o direito de regresso por ordem de antiguidade
" J'onde sahirem,
t 0 Exm. presidente da provincia hospedou-se
em casa do Sr. Dr. Jo.- Elias Pacheco Jordo
lima cousa que se fez notar nesta brilhante
solemnidade foi o enlhusiasmo nunca esmorecido,
urna completa cordialidade e harmona entre to-
dos que confraternisavain ua festa do progresso e
da intelligencia.
t Parahens aos paulistas A abertura de urna
arteria da civilisacao facto que nunca se apasa
dos annaes de um povo. Dous centros all esto
defronte : um o solo, isto a riqueza ; outro ,
o mar, isto a crculago. Un-los sempre una
erapreza grandiosa.
Em Campias falleceu o major Joaquim Xavier
de Oliveira.
0 movimento da Santa Casa de Misericordia de
Sanios desde o dia l at 15 abril foj o seguinte :
Exislia.n 8.) doenles, entrarara 3o, sahiraui 28,
falleceram II, (caramera tratamento 26.
Em Mogymrm comecou a ser publicado um
jornal denominado 0 T'ii.
MINAS liKHAKS.
As datas que temos da capitel alcancam a 16, e
de Juiz de Fra a 2 i do corrente.
Fale^era em S. Sebastio da M .tta, o cidado
Manuel Luiz Pereira Gurgel, que fora por muitos
annos subdelegado no Patrocinio de Muriab. Era
considerado o pai da pobreza
Fallecer tambera na cidade do Bonifnn o major
Antonio de Souza Moreira, na avanzada idade de
86 annos. Era chefe do partido conservador .alli.
Deixou 10 filhos, 69 nettos e 27 bisnelos.
RIO DK JANEIRO.
Por decreto de 5 do crrente foi nomcado pa-
de 2o a 10. ICO; de 10 a U, 81. mais u> 5S. 3
ignorada .'lo
I < hxalidades: domicilies 131. hoaptoes aail i la-
res 28, hospilac- .-vis 251.
S bre este estali-lica fez o mesmo Sr. prest-
, denle as se^unl 's ob-erva.es :
t Deste quadro colline-se :
I- Que a mortalidad* peral tem dumnm-to
consideravclmente, por qnant >. sendo na
quiuzena de marea a media diai ia & 88,
ne la a 18, por eonseguinte incun* Vil do qoe na-
quclla, 20 menos do qn na antee itente.
. t 2.* Qie a da fclne amarella. que anda na
ultima quinzena foi ia l!'.~ baixoii nc-ta a IO,N.
3. Que igual faci deu-se a re tras febre-, pois que, sendo naqiiclla de l"i. d.'s-en
ncsla a !l,o.
1* Que a tala aacea virtiin-s j tn. hv
vend i dias em que se nao deram ultitos por mu
causa.
- o." Fiialm 'lile que as molcs'ia- cerebro.*pi-
nbaas emitribuiram anda oam nolavcl i ontingente
para o quadro da iii-.italid.ule
Nesta ipiimcna oceorrcrain frequentes varia-
coes atmosphericas era virtnde do pi edininio 41-
ventos dos ipiadranles de SE e SO. o calor f' mui-
to menos intenso do que nos mezrs prffeaVwtes
Oscillou em geral entre 60' minimn, e 76 m.ixno
Apenas subi a !K) t>m I dia. dia II. a a im* e
80 em quatro. '
Houve oilo dia- de rliuva e-cassa, ahil<>
OSte quasi seraiire de noute, man ando o pluvi-
metro para sua totalidade 2i) milliwtro* pr ha-
ver em aliius apenas chovsco- Na houve nm
s dia de Irovoada.
Sopron diariamente para'a larde SE, mais ou
menos tresca, eacaate cm qmtro diav em o^qua^
SOpron SO., sendo era um i-nm tecles rajadas, se-
guido de luna a n me, ni dia 12, cm qne a tem-
peratura 'tibio a 90.14. como viraos, pin ArtcfT
no dia seguinte a 69,*i. onegtinteinente a me
nos 21.", cm 21 hora*. A uina almaria iuten-a
s 1 horas d.i tarde, naquclle dia snceedeu de
em diante
pie
1 O dia de in i >r moTLiiidade foi o di i i. em
qual se deram 7U fallecimentos, e u de menir
dia 10, em que apenas li mve :!
' O de maior na febre amarella foi n dia I. -*m
que h mve aui I -i 21. a de menor o< dias li e
l'i, em os qnaes apaas se deram ".
I Xas nutras febres pomas diitercneas dianas
occorreram ; sendo rerto, |>..rra, que tnn derli-
nadi progressvaiuente do dia 8 Para terminar, diremos ipie a epidemia pare-
ce ter locado a seu termo, a vista do pi-qoea nu
mero de doenles que se rceulbun asa tewpitaes. 0
dos faetoi encontrados na clin:.; urbana.
Chegaram hontem i 23 i de Santa Catharina.
prociilenles in Paraguay, abordo do kansporte
Lsafaama, os baLilhiVs a*. l-> e 16 a> tefsahria.
traaendo o pi iineiro :K12 pracas e o segundo UW.
estando nesle numero comprehendiJos os u-
olliciac*.
I A esses corjios vierain a> .impanlnnd > mais
de 200 niullieres e chancas.
< l-.ii.4tuamiio- os batalhiV-s aquarteUr ua \r-
rnacao. Jk
' ?b elci.ao, prni-edida na nlrtf, pora prean-
I chiniAito da vaga de um depilado feral, obure-
ram raaioria de votos :
Dr. Francisco Pinltciro Guimaraes lio
Dr. Dominaos de Andrade Fgueira
I Yiaconie da Sil va W
O -ambio regnlou : sobre Londres 2 a
2 1/2 d. e sobre Franca MI i'i-
! A all.mdi'a i-ndcti de l a 2-ldteNB*l
S,S38:739#SM.
HMIIV
I.enios ii i Jura I :
< Um tacto di mais alia gravi i i
severa puoeio foi anle-honlem i 2"> i pralicad
n i I] iegraphia do Cirreodn llihu.
l'm menor aprendiz daquella i.tpngr.ii1
tendo naqnelle a entrado mais larde do que cos-
luniava. ral brbaramente espancado pelo respec-
tivo administrador Guilhcnnino Doria, aaw, defow
de dar-Uie urailapalma:.. I -. in< ummo um mar-
cini4rt.fne faz(n otras pira a Ivp igrphia, de com
asiigadares nao so saroarem em quan
nao viram a criane.i c en 0 colpa h.rrivelmenle
maltratado.
A manca fugio t fui cmi a son pai M
re .cao donde sahirem. mando o red>iererein o ^P(,. (,ar um c f.,, r.r^,./ r ao me,
Dalla baja lugares Em 17 de abril de 187.1. ( ^.J^ ,,
tunha tiijiienedi Jumor.
O art. 2." seja substituido pela seguinte dispn
sico :
.. Os desemliargadorcs excedentes ao numero j fc a ,
fizado no art. I." J V, serao conservadosi em seus lS!mnSS a Cr,., de .1 licVe. r- .-.mste-am
lugares, e preeneberao as vagas que se derem na' < m | J '....... adoimstra-
respectiva relacao. Podero, porem. ser remov-.' ,, lliri .,.,., >%-
J a pedido, ,i nomeados par'a os cargos de pre-1 *XaaT|SSSS
0 e-tado da misera oatenan faa de las-
sdente e procuradores da corea, soberana, faien-
da nacional das novas relacoes. Sendo rcaiovtes
a pedido ou aceitando as nomeaedes receberSo
una ajada de custo de 2:0) a l:00O: T.
A. Araripe.
Approvou hontm (22 I o parecer da 3.*
commisso de inquerito, reconhecendo dopntedo
pela provincia de Santa Camarina o Sr. Thomaz
Pedro de Bitlencourt Cotrim, que ac' ando-se pre-
ente prestou juramento e tomou assento.
Approvou tambera o art. !. do projeclo que
croa mais noto relacoes no imperio, 8 cuja disciis-
so linha lirado encerrada.
o Consttuio-se em seguida em Masan secreta
alim de oc upar-se do parecer da commissio de
polica relativo ao incidente occorrido entre dous
de seus membros.
t Approvou hontem (23 ) diversas redaeces.
Em seguida approvou tambem. tendo orado os
Srs. ministro da justica, Campos de Medeiros 0
Alencar Araripe, e art. 2." do projeclo que crea
mais sc"te relagdes no imperio, com a seguinte
tuna, ii
Aule-lionlein i i'< a- I h ras da tarde segaw
barra fra lim brigue -em le ante nvekido a
competente visita srm olicderer a dous tiros d
plvora secca que Ihe den a loilaleza do mar e a
! um de bala da da Gamboa.
- O cambio regulava sabn Londres a
26 316. ____
A alfandega renleu de I a 26 do corrente
671 117*770.
i
Pa
ASSEMBL4 PR0YIMCI4L
emenda do Sr. Cunha Fgueiredo Jnior, substuti-1 les os seguintcs
va da 2 a parte do art. 2. 2. | Vera de Araujo,
Aos desembargadores assim removidos com rique Mamede, Lamenha Lin
pete o direito de regresso por ordem de antwju-.Ftlippe de Pigueiroe, Alva
SESSAO ORDINARIA EM 15 DE ABRIL.
ramMBCiA no su. iH.ivkira MM
Ao meio dia feili a chmala, acluun-sc pre*m-
9rs. deputadni: Bats e Stfra,
Vieira de Mello. Amaral. hVn-
Lamenha Lins, Goes Cavalcante.
aro leha, oaralv<^
Hade relacao donie sahirara, quando o requei-! Ferreira, A. Corre i d- Arante, Almeida Prr-
ram e nella bajara vagas. I nambuco, Tolenlino de Carvalh". GnedVs Gondim.
Entrou o art 3' era dscusso, que ficou adia Mello Reg. Oliveira Andrade, vigario Tito. Frer-
Lda pela hora, tendo orado o Sr. Ferrei a Vi nina. Gameim, J. Correa d- Araujo, Cunha Kigueifete.
t Foi aprcsentaJo o segrate artigo additivo Gomes Prenle, Silva Rogo c Salgado Nett.
para -ur discutido depois do projeclo : Abre-se a amala.
Artigo additivo ao projeclo n. 217 de 1873. E' lida e approvada a acia da anterior.
Sao applicaveis s nomeacoes, e assim lanibfin s 0 Sr. I" Secrftami d conla do seguate
remocoes autorsadas por esta lei, as disposices sXHEpunTs;
dus arts. 2., 3.", 4 e o-' do decreto n. 50 do 28 OfHcins :
dejunho de i830. Dr. Campos de Vedeiros. Do secretario do governo, remetiendo copiado
Occupousc depois com a 3.* discussao door- ofllco do inspector da thtsouraria provincial, iaud
(amento geral do imperio para o anno financeiro a razio porque anda nio torneem o orramante
de 1872 a 1873. Oraram os Srs. Duque-Estrada da receila para o exercicio de 1873 -71-A' qoem
Texeira e presidente docouselho, Picando a sctts- fez a requisicic.
sio addiada pela liara. Do mesmo, remetiendo copia do of co ia cama-
Lemos no Jornal do Commercio : ra municipal do Recite, solicitando a coocessi- te
a A moitalidade da cidade^do Rj de Janeiro na una quota para engir-se um tmulo, oode sejsn
quiuzena de l a 15 do cnente, segundo o boletiin depositados os restos mortaes do conde da Boa-
organsado pelo Sr. conselheiro presidente da fon- Vista.A' commissio de orpamonte provincial,
ta central de hygiene publica, foi o seguinte: Do mesmo, remeitenilo copia do onVio do ii-
t Causas de morte : Febre amarella ( 1), 162 ; rector da companhia de Bebente, prestando as as-
ditas intermitientes e remitientes, 143 ; varila, clarecimenlos pedidos com relacao mesma cam-
25; lymphatites i eryspelas), 6; bronchites e panhia.-A' quem tez a requisicao.
loeuraonias, 9 ; phtisca pulmonar, 72 ; phlegma- Do mesmo, remetiendo os batneos, or.amento
sias cerebro-espinhaes, 16 ; dysenterias, 9 ; diar- e contas das cmaras municpaas de Pao i"Ama.
rhas, 9; aftVcges do figado, 15 ; congesto ce-1 Nazarcih, Ipojuca, Agoa Prela, Barreiros, Itamb.
rcbral e apoplexias, 2d; lesoes orgnicas do cora-' Panillas, Buque, S. Bento, Petrolina, Granito e
q io, 23; ttano dos recem-nascidos, 18; convul- Salgueiro,-A' commissaj de orcamoato
ses, 18; niortos de nascimento, 34; homicidio, cipal.
2 ; ttanos, 2 ; outras causa-, 147. Sarama 730!
c Nacionalidade. Nacionaes, 371 ; estrangeiros
336; ignorada, 2>.
Coiidifao. -Livre, 668 ; escrava, 61
t Sexo.Masculino, 503 ; fominino, 2o.
/d-idw.-At 7 annos, lol; de 7 a 25, 237 ;
Do mesmo, remetiendo copia do omcio da canta-
ra municipal do Recite, expondo es motivos or
que deixou Je realisar os pagamantea afdaamaoa
uo S 4* do art. 2* da lei do ercamen nmnirifil vi-
gente.A" quera fez a requisicao.
Peticoes;
.JalL
a
*-,
O
;ijm .



___.
JWfefe Pemambuco Quaita feira 30 de Abril de 1873.

miisao de petic&i.
De FUvio Fenrfr Calan, ex-arrcmatanie das
barreas de Cattelag t Passagem, pedindo iim
abate nos precos por quanto arreraatou as referidas
fcarreiras. A commissao de orcamento provin-
cial.
Dita do haraodtfHuarelfc, reoiamando contra
a elevare dos imrriales sobr casas de compra? e
prendas de escravoa,-A' eoeJaiiBsao de orcamento
(iriivini-i.il. "
E' litio, apoiado inii Tffimir o projeeto de
le son n. 40
Requeiro que pelot canaes competentes se pera
acamara municipal desla eida.'.e a seguinte infbr-
macan : pur<(M motivo nao se teni executade a
lei provincial It. I,01V.-S. R.-Araajo. Appro-
vado.
O Sr. .1 Correa tic Araujo nao devol-
ven o sen discurso.
Requeiro que por intermedio da presidencia se
peca com' urgencia ao Dr. director geral da ns-
truecan publica informe por quantas alumnas
frequenlada a escola de instruccao primaria da
villa do Cabo, e bem assim quantas se ac am ma-
triculadas. Ralis e Silva.-Approvado.
O Sr. Vieira de Araujo (pela ordem)
requer urgencia para ser discutido o projeeto n.
16 deste anno, de que sign*K>rio e outro sen
ollcga. *
Consultada a casa oi approvada a urgencia ;
entrando o projectoem discussao, que oi approva-
do sem debate.
Kntra em discussao o parecer da commissao de
<"onsttnipao e podares, sobn a peticao dirigida
assembla provincial pela irmandade de S. Jos da
Agonia, que tinha sido ailiada por ter pedido a pa-
lavra o Sr. Almeida Pemambuco.
O Sr. Almeida Pernambuco no de-
vol ven o sen discurro.
O Sr. Til Correa no devolvou o sen Js-
euiS".
Encerrada a discussao o parecer approvado.
Entrando em 2- discussao o projecto n. 110 .deste
auno, dcixa-se de votar por falta de numero.
O Sr. presidente desigua a ordem do da e levan-
ta a sessao.
artistas al-.
Crui. S. R.
No dia 16 nao
mero
houve sesso por falta de nu-
SI-SS.YO ORDINARIA EM 17 DE ABRIL DE 1873.
rnRS!3K.Nei\ do st; dr. m:rhei\ de aouiar.
A' ineia hora da larda, fela a chimada, acliam-
*s presentes os seguales Srs. depuladas : Lame-
n!ia Lins, J. Correa no Araojo, Mella llego, Oli-
veira Andradc, Cavalcante Canibnim, Amara!, Fir-
miuo do Novaes, Figueiroa de Faria, Tito Correa,
Caedes Candil n, A. Correa de Araujo, Vieira de
Araujo, Aguiar, Marques da Silva, Tolentno de
Carvalho, Ges Cavalcante, Almeida Perntunbuco,
Gancalves Fcrreira, llenrique Mainede, Gomes P-
rente, Alvaro Ucnoa, Suva Reg e Freir Ga-
meiro.
Abre-se a s'ssao.
Sao lidas e approvadas as actas das anteriores.
O S. i." Srchkt.uU da cinta do seguiite
i:\peiiie.ntk :
inicios:
D.j secretario do governo, remettendo o qnadro
da divida passiva de exereieos lindos, liquidada
at 31 de marco Ultimo, enviado da tbesouraria
provincial A' eommissao do orcamento pro-
vincial.
Do mesmo, remettendo o rcpierimenlo no qual
peJem, Agr x C, qne se autnrise Santa Casa a
contratar com os suppl cantes a armacao das ca-
as e igrejas por nrcasian dos actos fnebres, e
bem assim o transporte para o cemitero das ca-
averes das clDco t'reguezias desta eidade e de
hefls arrabaldos.A' commissao de peticoes.
Do mesmo, remettendo as informacobs do ins-
pector da thesnuraria e administrailor do censu-
ado provincial sobre as .-asas que foram conecta-
das para pagamento dos impostos.A quem fez a
re.juisieai.
Pe-iraes : |
De Antonio Ludgcru da Silva Costa, escrivao
ile nrphos, capailas e residuos da comarca de
Santo Antao, representando contra a pretendi de
ellarmino dos Santis BulCo!|Filho, no qnal pede
que seja annexada ao do civel a provedoria de ea-
pellas e residuos da referida comarca.A' com-
inssao de justica civil.
Abaixo assignado dos continuos da secretaria
do "overa*, pealado augmento de vencimentc*.
A' i-ommissiio de ordenados.
E' lido, posto em discussao e approvado o se-
grate parecer : -
A commissao de faada e orcamento, a qaem
foi presente o requerimento do Dr. Gregorio Lip-
parani, reitor do seminario episcopal de Olinda,
em que pede que se mande pagar pelos cofres
pravmeiaes a importancia das despezas feitas com
o encanamento ragua no mesmo seminario, con-
siderando que a despeza de que trata-se deve
correr |wi is rfres genes, de parecer que seja
mdeferida a inesma peticao. Sala das commicses,
17 le abril de 1873. Armij -. J. de Mello Rajo.
F.' tamben lido, apoiado o mandado imprimir o
projecto de lei n. ti.
Sao anda lidos, ap liad is e approvados sem de-
bate os seguintes raquerimdntos :
O Sr. l.umenli > l.ins jttStulca c manda
a mesa o seguinte requeriinettto :
Requeiro que esta asjcmbla felicite por tcle-
crainma a assemhSa provincial de Alagoas, rego-
sijaudo-se com ella pela inaugura.ao da linha le-
tegraphk'a que une boje as duas provincias, im-
portantsimo melhiramento que tantas vantager.s
pmaette adminisiracio e ao cemmercio, e aos
mtaresses da popalaco em geral. S. R. -Lmiif-
Au Lihs. I'adre Tito.
Requeiro que esta asserabla determine que,
log i que teaua de ser enviada assembla geral
a representa;;io que approvon, sobre niellioramen-
tos para esta provincia, seja igualmente remettida
urna copia dessa representai;:io dcputa.ao de
Pernambuco,' servindo de intermediario o Exm.
presidente desta mesma assembla. S. R.--F/-
$ntr:t
Requeiro que pelos esnaes competentes se-
iam ministrados a esta assembla, com urgencia,
os seguintes osclareciiueutos :
l. QuanJo levo enmeco o contrato celebrado
t-m 2i de marco Je 1863 com o baro do I.ivra-
mento para o ealeanento da eidade do Recite I
1 Qniat se tem dispeudido com cssa
obra 1
3. Quantas ae.-es se teai emitido para pa-
gamento do mes-no ealcamento ?
S. R.Gomes Prente.
Anda tala e approvada a redaccao do projec-
to n. 10 deste auno.
O Sr. ,li;o Vieira de Araujo pede
dispensa de intersticio para que o projecto n. 16
de-te anno seja dado para a ordem do dia.
Consultada a casa, vota pela dispensa pedida.
OREM DO DIA.
3.* discussao do projecto n. 20 deite auno, que
tixa a forra p jiieial. E' approvado.
3.* discussao do projecto n. 27 deste anuo, que
regala a arreeadacao dos emolumentos da secreta-
ria da assembla. E' approvado.
1.* discussao do projecto n. 2i deste anno, que
regula o ensino primario e secundario da pro-
vincia.
Depois de algums observares do Sr. presiden-
te, o Sr. Tolentino de i arvallio mandou mesa o
seguale requtrimcutu :
Requeiro o adiament) da discussao por 24
horas.Tolentino de Carcallio.
Eneerrada a discussao, foi o requerimento posto
a votos e approvado.
1/ uiscussao ao projecto n. 30deste auno, que
autorra o- presidente da provincia a couceder ii-
eeaca a dous empregados.E' approvado.
OSr. Uclia Cavalcante nao devolveu
seu discurso.
i.* dwscussiio do projecto n. 32 desle anno, que
manda construir urna ponte sobre o rio Japumim.
E* approvado.
3.* discussao do projecto n. 4 deste anno, que
fogula os Jiifliles dos dislrctos de paz da eidade
da Victoria.
Vai mesa e apoiada a seguinte emenda :
GITereco como emenda o projecto n. 2Q tam-
iem deste Tmno, que scpiirme o 2. dstrieto de
PMda fregaezia do Foco da Panella.-/. Corrhde
Araujo. o
Encerrada a discussao o projecto posto a vo
ws e approvado, bem como a emenda.
0" discussao do projecto n. K) doste anno, au-
3.'
lonsafli lo o presidente da provincia a contratar a
analisacio d'agua para a eidade da Victoria. E*
provado.
!?. discussao do prnjeeto n. 2 desle anno, rae
concede ama lotera de !2>:000000 em favor do
asylo de atiesados desta eidade.
Vo a mesa, sao apoiadas o untram conjunaia-
inejMe em d?ssi i a--, seguintes emenda :
Ibiul flocessao maiiiz do Bom-Jardim. S.
II.-G nfnffs Fc-reira. Freir Gnmeiro.-Aifin-
ral.-Orines Prente. Quedes Vmdim.
Urna olera a favor das obras do collegio del
Igual em a^or da soriedade'dos
Caales denominada -Vonto Fio Santa
r-J..de Jfei'e Reg- ,
Igual favor se conceda igreja matriz de S.
Lourenco de Tejucupapo em Itamb. S. R.-
.4-rititm. Petreim. Pemfunbnco. Amtrnl. corte :
exama
exultantes : Joao Hiberno do
..... ^.--------ias do 3.* c i." auno ;
AtKftnln PfOVlrfeo GJ de Menezes e Sonza LeopoMe
Vctor Dinae-EstnHa de Figueiredo, da* doS*.
Estes ulliiijug recejieram o grao de bacliarTeifl
ciencias jurdicas e sociaes.
Sessao secreta. Escreveram-nos da
fondm. Pnrente. *
Igual favor para a igreja de Belmente em
Villa-Bella. Finmno e Novaes. s*
convento de Santo Antonio desta eidade. -Lame-
iiha Lins.
c igual favor para o'Lyceu de Artes e OlTicos.
S. R. Lamenh'i Lins.
Enserrada a discussao o projecto posto a vo-
os o approvado, bem como todas as emendas.
t." discussao do projecto n. 34 deste anno, que
crea una cadeira de instruccio primaria para o
sexo masculino no Riacho Doce. E' approvade.
i.* discussao do prolecto n. 33 desto anno, que
manda annexar freguezia da S de Olinda o en-
gento) Fragoso.
Val mesa e apoiado o seguinte requeri-
mento :
Requereinos que, sera prejuzo da l." e i.* dis
cussio, seja ouvido o prelado diocesano sobre e
materia do projecto -Mello fego.-Firmino de
Novaes.
Encerrada a discussao o projeeto posto a vo-
tos e'approvado, e bem assim o requerimento.
1.* discussao do projecto n. 36 deste anuo, que
regula os limites das fregnezias de Pao d'Alho e
G oria de Goit.
Vai mesa e apoiado o seguinte requeri-
mento :
a Requeiro que, sem prejuzo da i." e 2.' dis-
cussao, seja ouvido o prelado diocesano sobre a
materia do projecto S. R.Firmino de Noviies.
Mello Reg.
Encerrada a discussao o projecto posto a vo-
tos e approvado, bem como o requerimento. .
I." discussao do projecto n. 31 deste auno, que
autorsa o presidente da provincia a mandar
construir quatro usadeias em diversas locali-
dades.
Vai i mesa e apoiado o seguinte requeri-
mento :
Requeiro o adiamento da discussao por 24
horas. Ges Cavalcante. o
Encerrada a dscu>siio, o requerimento posto
a voto* e approvado.
3.* discussao do projecto n. 11 deste anno, q *
senta do imposto de dcima, as casas em que
funeeionarcn hospitaes. E' approvado.
3." discussiio do projecto n. 13 deste anno, que
altera os limites das lieguezia de S. Pedro Martyr
e da Capunga.
Vai mesa e apoiado o segante requeri-
mento :
t Requeiro a adiamento da discussao por 2i
horas.Borne' Prenle.
Encerrada a disc.ussio, o re piermoat > posto
a votos e approvado.
2.* d-cussao das emendas apreslitadas em 3.*
ao projeeto n. 86 de 1872, sobro fabricas de lou-
cas. San approvadas.
t' discussao do projecto n. 83 de 1872, que
torna extensiva a disposicao da lei n. 369 aos prn-
fessore< pblicos de cadeiras avulsaa.de iustrue-
ca> .secundaria. -E' rejeitado.
I. discussao do projecto n. 29 desle anuo, so-
bre estrada de rodagem e ponte de ferro.
Verificando-as nao haver numero para votar-se,
0 Sr. presidente designa a'ordem do da e levanta
a sessio.
REVISTA DIARIA.
Asseinfilea provincial. Funccionou
bontem com 23 Srs. deputados.
Approvada a acta la antecedente, o Sr. t* se-
cretario leu o segaUMe expediente :
l'm ollhio do secretario do getnsrno da previa*
ca, remetiendo a informacio podida ao director
geral da ns!ruc;ao publica, acerca da frequen iia
da escola de primeiras lettras do sexo feminmo
da villa do Cabo. -A queni faz a reiusico.
Oatru do mesmo, transmittindo por copia o offl-
eio do Exm. hispo diocesano, acerca do projecto n.
33 deste anno. A quem fez a requisiQoo.
Outro do mesmo, remettendo o requerimento
do engenhejr-o Jeronymo Luiz Ribciro e Heitor Ra-
demalker Grunevalaj em que se propoem a orga-
n sar urna companhia para construc.-ao de nina
linha de banda para a freguezia da Vanea, a par-
tir do principio da estrada do Caxang.A' com-
misfo de obras publicas.
Outro do me>mo, remetiendo informacoes as di-
rector geral da inslruccao publica, sobro as cade-
ras de primeiras lettras de Guija-ile-cima e a 4.*
de S. Fre Pedro Gonealves desta eidade.-A quem
fez a requisicao.
Urna pelicao de Joao Jos da Fonceca, saldado
do corpo de poli "ia e actualmente guarda da
casa de detenco, pedindo providencias no sentido
de ser pago da quantia do 18i raeasaea proveniente
de sua aposentadoi ia, a ipial tem deixado de
reoeber desde que foi nomeadoguarda,A' com-
missao de peticVies.
Outra de Hermenegildo Marcelinn de Miranda,
bedel do gymnasio, pedindo que na lei do orca-
mento se Ihe marque quota para o pagamento de
sua gratilica^o por mais de 30 anuos de servi-
dos.A' commissao de orcamento proVin ial.
Outra de Alexandrina Marques Mascarenhas de
Sonza, probasen da villa do Triumpho, pedindo
o pagamento de 33320, provenientes de grati'i-
cacoe^ que deixou dcreecbcr.A' commissao de
orcamento provincial.
Outra de Primo Fel -iano do Fonceca, ex-liscal
da cmara municipal do Uom Jardim, pedindo o
pagamento da quantia de 150J.A' commissao de
orcamento municipal.
Outra dos habitantes da povoatjao de Nazarelh,
termo da comarca do Cabo, pedindo a crea cao de
urna escola nectarea.A' coinmissao de nstru'--
eio publica.
Oatra do gerente da eorapantoa de illuminaeao
a gaz, protestando contra qual juer contrato ten-
dente ao mesmo lim, por julgar offensivo ao seu
dreito.A' eommissao de peticoes.
Fonua lido? e approvadcs dous pareceres da
commissao de peticoes : um sobre a peticao de
Jaeques Bonnel'ond, o qual conclue, que por oc-
casiao da discussao do projecto u. 49 ueste anno,
seja tomada em eoasideracao a referida pe\'So ;
e outro sobre a representacao do barao do Livra-
mento, concluindo no mesmo sentido, e bem as-
sim um da commissao de fazenda e orcamento,
solicitando que se peca informaeoes ao inspector
da tbesouraria provincial sobre a peticao de Joao
Evangelista da Silva.
Foi lido, julgado objecto de debcracao e man-
dado imprimir o projecto de orcamento provin-
cial para o anno nanceiro de 1873 a 1874.
Passando ordem do dia, foi approvado em ori-
meira discussAo o projecto n. 48 deste anno, que
crea urna nova freguezia annexa ao municipio de
Fanellas com um requerimento assignado pelos
Srs. Mello Rogo, \ova?s Tito e Ratis e Silva, no
qual pedern seja ouvido o Exm. hispo diocesano
sem prejuizo da prmera e segunda discussao.
Successivamente foram mais approvados : cm
segunda discussao o projecto n. 32 deste anno,
que manda construir urna "ponte sobre o rio Ja-
pumiin, cqiii um addltivo do Sr. Guedes Gondim ;
tambera em segunda o de n. 37 que autorisa o
iresidente i& provincia a pontear profossora a D.
sabel Fonceca de Quintal Ranos ; anda em se-
gunda o de n. 21 deste anno, que nanda admittir
a exame do terteiro anno do curso normal o alura-
no-mestre Manoel Mana Gesar de Mello, com tira
additvo do Sr. Giies Cavaleante, mandando tam-
bem admittir a concurso independen te de exame
de habilitaco para o magisterio publico a Ana-
cilo Fublio ile Moraes Carvalho, orando sobre a
materia os Srs. Alvar* Tcha e Goes Cavalcante.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente levantou a
?easao, designando para ordem do dia : contlnua-
co da anterior, l. discussao do projecto n. 74
do anno passado, 2.* do de n. 22 do crtente aurfo
e 3.' do de n. 39 de W7I.
Autoridades poUciaes.Por portarla
da presidencia da provincia, de 28 do corrente,
foram nomeados Jos Francisco de Souza Lima,
Jos Gorgonio Faes Barreto e Miguel Archanjo da
Cruz Muniz, l.% 2." o 3." suplentes do subdelega-
do do 2. diBlrieto de S, Jos do Recife.
Diuheiro.-O brigue inglbz Boijne, trouxe
para :
RahSchmmettan AC 60:00000
Fereira Vianna 4 C. 33:''09000
A. Hyvernal C. rj-0OOS0 0
SHva 4-Cascao tJmmO
Fernambnco Street Railway 2:<)im000
Augusto P. de Oliv'ii-a C' 1,093 e 5 D.
Para a Kuropa. Com *36 reeebitlot em
no?:io porto levon o Boyne i!4 pa.sageiros.
Festividade religiosa.-('mera ama-
nha, pela madrugada, na igreja da Santa Cruz v
de vacio de Mez de Mari:i, sondo preeedida boje a
noite por urna ladainha.
Faculdade de direlto Na eaia-feira
A ciitnardos Srs. eputades-tinha funciona-
do em se- temar cnnhechtenio do lanienlavai tacto occorrido
entre od-pulado pelo Rio de Janeiro. Francisco
Relisario SOares de S.mza e o" do Rio Grande do
Norte o Rvm. padre Jo*rMau*el do Carvalho.
Dizia-as em al;ts circulas que a cmara,
tenda mvido o relatorlj) j)'Tr(Bdo pela mesa,
abrindo dianssa i em que tomaram parte varios
oradores, resolver rolar'wna inoaao, condemnando
o acto do Sr. F. Relisario e exprmindo votos para
qu acontecimentos de igual natureza se nao r>
pitam.
tratando-*e dPIrm erma de aa*ireita partt
cula.r em que justira To pode j-aber intervencao
senao por meio de queixa do offenJido, a cmara
nao podia de outro modo manifestar o sen juisn.
A sesso secreta dftfou fftais He 3 floras. A
disensso torrera, ao que nos informan) com toda
calma e gravidade dignas de um parlamento.
Colhemos dos jornaes que o Rvm. padre Joao
Manoel de Carvalho tem sillo visitado por todos os
mefebros do gabinete, por grande numero de de-
putados e senadores e pessoas de todas as classes
e proriss3s.
Renuncia do mandato cleitoral-~
Dizeui laiiibcni cartas da corto que o Exm. Sr.
barrio de Mau renunciara o mandato de deputad*
geral, que Ihe fora confiado pela briosa provincia
do Rio Grande do Sol.
Deploramos de todo o cora-Ao somelhanto acto,
iwrquo do Sr. barao d Mau muilo deva esperar
o paz, alientos os seus talentos especaes, maxi
me no quo diz respeRo ao contmerco e lados
trias.
O procedimento do Sr. barao de Mau por
serta digno e elevado; mas, repetimo-lo, deplo
raval.
Questo religiosa.Foram bem succe
dJdus os agftravos interpostos pelas roan lades do
Sanlissimo Sacramento de Santo Antonio e Divino
Espirito Santo, da decis.io do juizo de provedorias
e capel las.
Aliaixo publicamos um dos aceordaos que nos
veio s maos:
t Aggravante, a irmandade do Sanlissimo Sa-
cramento da freguezia de Santo Antonio ; aggra-
vadi), o juizo da provedoria.
Aceordio em relacao ele. Que feito o serteio e
o devido rclatorio dos autos, e nao obstante no
presente caso a falte do termo a que allude o juiz
aggravado, dao ptovimento ao aggrevo, afim de
determinar que se de* vista parte aggravante
para contestar a notifieacan do dito juizo, manda-
da fazar pela portara de fallas, asentada em au-
diencia como se v a follia; e cusas com o de
dreito.
Recfe, 29 de abril de 1873.-Santiago, presiden-
le.S. F. de Araujo Jorge.-L. Santiago.Souza
Lefio.
Elelco.Hontem finalmente concluiram-se
os trabalhns eleitaracs para juizes de paz na fre-
guezia la Baa-\ ista, cuja apuraijao das respecti-
vas cdulas den o seguinte resultado :
Tenente-coronel Antonio Carneiro Macha-
lo Ros 227
Capitao Joao Francisco Anlunes 187
Tenente-coponel Joaqiiim Jos Silvera 182
Major Francisco Martina Raposo 164
E, porque durante o processo eleitoral se de-
ram vicios e irregularidades sulistanciaes que
anullam a eleivao, apresentaram alguns cidadaas
alli ipialificados, o protesto que publicaremos em
outro numero de nosgo i-nio.
Accidente.Hontem os dais trens da va-
terrea de Olinda, que partram s 7 horas do da
dos extremos di linha. ao entrarem na esla.o da
Encruzilhada. no mesmo instante physico, cliica-
ram-s', fazeodo os respectivos passageiros expe-
rimentar um grande alalo
Felizmente ilo choque nao resultou nenhum fe
rmenlo on contuso, o, como estragos maleraes,
apenas ti 'aram dcscom^ertados os para-choques
das duas locomotivas, ns. 1 e 3. que condu iam o<
ditos trens.
A"machina n. I desencarrilhou-se; e este des-
encarrliamento, detormihando a obstraccao da
liaba, obrigou a suspenso do tratego da Encruzi-
lhada at Olinda, suspenso que todava s durou
urna hora, visto como s 8 e 1/2 l'oi.a machina
reposta sobre os trdhos e o Irem qm do Recife
subi a 8 horas poude seguir -livre nte at
Olinda.
inquestionavelinente o accidente, as ^jndicoes
em que leve lugar, foi devido a descuido Csdeleixo
dos macbnistas quo dirigan) as locomotivas; e
por essa raza a companhia os^'de^pedio da seu
servir.
Pa*safreiro IIlastre.De passagem pelo
porto desta eidade, com destn) Europa, passou
hontem, a bord do paquete inglez Boyne, a
Exm. Sr. barao de Peneo, mu digno ministro do
Brasil em Landres.
S Exe. desceu trra e percerreu vanas ras
da eidade, sendo cumprimcnlado por maitos do
seus amigas.
Theatr Santo Antonio.Vai boje .
soona pela irimeira vez a grande pec;ajjtirlesea
do Dr. Macedo r.l tone em eaucvrso-, to enthu-
siasticamentc applaudida no gymnasio do Rio de
Janeiro, onde foi representada eiu uresenca de S.
M. o Imperador.
A peca, que urna verdadeira critied ao modo
oono sao feitas actualmcnje as eleigoes, escripia
pelo' autor do Pk-mtasma braucc. Qaando isto
o.io b:istasse jiara attrahir ao theatro grande con-
currencia, a msica escripu pelo hbil maestro
Colas, seria um motivo bstanle foi te.
Beneficio e despedida. Em beneficio
o despedida da festejada artista frauceza Mathilde
4Pbrm aforo-. reate, na matriz de Santo Antonio drfUaefr. ns sai
Joao libeire de gnintes : aaa**
K. 1" denunciur.lo.
Maocl Caetano da Costa, com Blliaria Mara
da Conceieao.
4lano3l Orgnio dos Santos, com FlavaMara de
Souza.
Jos Torres Campos de Medeiros, com Mara de
AlbuqJierqae toncalve4A.
Constaotioe de Souza Barros, eom Joaquina Ma-
rta do Santiasfcno i oracf de Jess.
Jioel|B|nardo Gdmos Sllvcrio, com Mara
Espdridianaezerra.
Francisco Pires Licate, com D. aria Joaquina
da Concelfio Patricia.
Renedieso los d'Almeida, com Mara Claudina
da ConceteoGoiues.
Gomes Bgsto Gaio de Miranda, com Ornhelina
Leonor Pinto de Miranda.
Silvestre Ribeiro d'Albuquerqua, com Mara Er-
minia Dornellas Pessoa.
f nomaf Barreto Lins de Barros, com Amelia Ca-
rolina do Reg Barros.
2* denunciacao.
Olympio Rorges, com Gulhermina Mara da
Conceieao. U
Joao MartinjFernandes, com Emilia Francisca
da Gonceicio.
Francelino Saturnino da Silva, cora gueda
liara da Conceieao.
Joao de Souza Pcreira, com Mara Ferrera
roaros.
Maaoel Bernardo Gomes Slverio, com Umbe-
lina Mara do Espirito Santo.
Francisco Correa Furtado, com Maria Senhori-
nha das Chagas Medeiros.
Thomaz Augusto Dowsley, com Estephana Was-
hiiigtiion Borges.
Antonio Cavalcanti de Albuquerque Pmcntcl,
com D. Mara Cesara Cavalcanti de Albuquerque.
Antonio Jos Gomes de OliveiraJ com Persevo-
riana Gomes de Mcndonca.
Antonio Gomes Valentn), com Cecilia Mara do
Livramento.
Jos 'Lourenco da Silva Oliveira, com Isabel
Francisca da Rosa Licio.
Antonio Ferrera da Luz, com Lourenca Paula
de Oliveira.
3* denunciacao.
Jo.io Jos da Cruz, com Guilherinina Machado
Revoredo.
Isidoro Chrspiniano Lages, com Rell.irmina Ma-
ra da Conceieao.
Lotera.A' que se acha a venda a 48.' a
beneficio da igreja do Guadclupe de Olinda, que
corre boje.
I.eilao. IIoje effectua o agente Martins s 11
horas do da, o leilao da ofilciua de marcineiro da
ra d9 Rangel n. 60.
Casa de detcneao. Movimento do dia
18 de abril de 1873:
Existiam (presas) 30, entraram 3, sahrain 4,
existen) 360.
A saber :
Nacionaes 24, mnlhcres 10, estrangeiros 39.
ascravos 49, escravas 9.Total 361.
Alimentados acusta dos cofres oublicos 290.
Movimento da enfermara do da 28 de abril
de 1873
Teve baxa :
Loureiitino Jos do .Nascimento, odontalgia.
Tiveram alta :
Mauoel Antonio Gomes.
Jos dos Anjos Paciente.
Miguel Francisco dos Anjos.
Atitoiii? Jas do Nascimento.
Poppe, haver espectculo manhi no theatro de. monares.
Santo Antonio.
O motivo e o programma desse espectculo ^o
os mais conviditvos.
Adininistraco do eorreio.Esta re-
particao arrecadou no mez de marc<) ultimo ....
7:66 7 539, sendo de :
Sellos 3:110/470
Cartas 2:589980
Premio 300
Asignaturas 1W)|000
Multas 142*800
Movimento de fundos t:612jOO Me/. Mariano.Amanha come^am na igre-
ja da Madre de Deus s festividades do costum.
Fovoado dos Montes. Comniunicam-
nos dessa localidade que, ao chegar ahi a noticia
de que Iiavia sido ella elevada a cathegoria de
villa, isto pelas cinco horas da tardo do da 27 do
mez que hoje rinda ; houve grande manifestacao
de jubilo, era que foram unnimes seus haoi-
tantes.
Um grupo de mais de quairocentas pessas cora
urna banda de msica a frente percorreram as
ras principaes do povoado ; noite illumino-se
todo elle o a snciedade Uniio Recreativa offereceu
um copo d'ngua s pessoas mais gradas do lugar,'
ergueudo nessa occasiao enthusasticos brindes
a assembla provincial, presidente da provincia e
fr. Caetano de Missina, que alli se acha encarre-
gado das obras da respectiva matriz.
Falleeiincnto.Um telegramma de Una
trauxe-nos a-noticia de haver fallecido em sen en-
genho Japarauduba, victima de urna congestao
cerebral, e aps quinze dias de padecimento, o Sr.
Miguel Alfonso Ferrera.
Moco anda, sua falta vai ser-sent ja por todos
o que aprecia vara as qualidades que o distin-
guan).
Hospital portnguez.Est de semana o
Sr mordomo Jos Peres da Cruz.
O movimento das enfermaras de 20 a 26 'jlo
corrente foi o segointe :
Existiam 51, entraram 20, sahiram 18, ladeee.-
ram 5, existen) 48.
Renetieio.A'associacao portuguezade be-
neficencia dos emprogados no commereio. e in-
dustria desta eidade, foi concedido pelos Srs, Es-
piuca A Penante, emprezarios do theatro ffymoa-
sio Dramtico, um beneficio que tevetogrsia
quinta-fet ra passada.
O theatro eslava ornado com milita elegancia,
tocando a banda marcial do corpo e polica, nos
intervallos, liadas a-variadas pecas de seu reper-
torio.
No fin) do especiaculo foi pelo Sr. Pelioo Gue-
des recitada urna poesia, que j pQjriitamc-a-na
olha de sabbaitoj sendo em seguid entregues em
nome da soeiedade aos emprezarios dous lindos
ramalhetes artificiaes com inscriptjoes em lettras
do ouro.
O espectculo correti muilo bem, havendo tima
cchente completa.
Theatro Gymnasio Israniatleo.-
Continuaojo ainda os ineommodos Je sadde.do
Sr. Penante, deixar de haver eeoeetacn. ama-
nha nes ProelamaRr-Foram lidof no dia 17 do cor-
Antonio escravo de Joaquim Gomes.
Jos, escMvo de Simo Vellio.
Antonio, oscraoo sentenciado.
Passageiros.Entrados no pagete inglez
Boyne :
William Alexander Campbell, Antonio Thomaz
de Araujo o Isidoro Tlach.
Ceutiterio publico.-Obituario do da 26
do correte :
Candida, parda, Pernainbuco, 18 motes, Recife;
entorile.
Luiza, branca, Pemambuco, 7 mezes, Boa-Vis-
ta ; enterite.
Manoel Jos Ferrera, branco, Portugal, 24 an-
uos, casado, Boa-Visto, hospital Pedro II; febre
ama relia.
Alfredo, pardo, Pemambuco, 3 mases Coa-Vis-
ta ; convulsaes.
Manoel Francisco Machado, preto^ernambuco,
38 annos, Grara; pneumona.
Manoel Francisco Izidoro, pardo, Pemambuco,
48 annos, viuvo, Boa-Vista, hospital Pedro II;
diarrhea.
Andre Felippe Poreira, pardo, Pemambuco, 28
anuos, solteiro, Recife; tubrculos pulmonares.
Antonio, pardo, Pemambuco, 6 meses, Sanio
Antonio, casa dos espostos ; deueao .
Francisca, pardo, Pernambuco, 4 mezes, S. Jo-
s ; encontrado na porta da igreja da Penha.
Vicente, branca, Pernambuco, 4 mezes, Popo;
febre nervosa.
Lucinio SaniAnna Molla, pardo Pernambuco,
13 annos, solteiro, Boa-Vista; febre perniciosa.
Francisco da Costa Bastos, branca, Portugal, 33
annos, solteiro. Boa.-Vista; tubrculos pulmona-
res.
27 -
Aursliano, pardo, Pernambuco, 11 das, Recife;
convulsoes.
Rodolpno Engdken, brauco, Alleraanha, 34 an-
uos, casado, Roa-Vista febre amarella.
Anna, preta, Pemambueo, 50 annos solicita
Boa-V|sia; tubrculos pulmonares.
Ventura, branco, Pumambuco, 4 mezes, S. Jo-
s ; convulsaes.
Donatlla Jacome, branca, Alagas, 27 annos,
solteia, Boa- Vista, hospital Pedro II; ulceras.
Manoel Jos Gomes, preto, Pernambuco, 38 an-
nos, igaora-se Boa: Vista; hepatite.
Sebastiana, preta, Pernambuco, 36 annos, sol-
teira, Boa-Vista; anazarca.
Zeferine de Lima Cavalcante, branco, Penum-
buco, 34 annos, viuvo, Boa-Vista; tubrculos pul-
Louren'go, branco, Pernambuco, 6 mezes, Santo
Antonio; espasmo.
Antonio Catando, pardo, ignora-se, 94 annos,
viuvo, Boa-Vista; affecco pulmonar.
Mara, branca, Pemambuco, igmra-se, Boa-Vis-
ta; ignora-se
Auna Francisca das Mercs, branca, Pernambu-
co, 29 annos, solleira, S. Jos ; phtysica pul-
monar.
Sabino, preto, Pemambuco, 3 annos, Boa-Vista;
injammacao nos intestinos.
Ivo, oranco, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos;
convulsoes.
- 28 -
Anna Joaquina Machado, branca, Pemambuco,
74 annos, solleira, Boa-Vista ; congestao car-
dioca.
Eduardo Ferrera Balthar, branco, Portugal, 51
annos, casado, Boa-Vi ta ; cancro na estomago.
ioaquim Pereirado Maraes, ignora-se, Pernam-
buco, 29 annos, ignora-se, militar, Boa-Visto ; ty-
pho le forma adynamica.
Joaquim, pardo, Pernambuco, 3 mezes, Boa-
Vista; fraqiieza congenita.
Maria, branca, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vis-
ta ; euterite.
Manoel Francisco de Oliveira, pardo, Pernambu-
co, 25annos, solteiro, S. Jos; bexigas.
. Luiz, pardo, Pernambuco, 16 mezes S. Jos;
bexigas.
Manee!, pardo, Pemambuco, urna hora, Boa-
Vista ; ao nascer.
Prima Maria Clara da Rocha, parda, Pernam-
buco, 18 annos, solteira, Boa-Vista; gaslro ente-
rite.
Joao, branco, Pemambuco, 8 dias, Boa-\ ista ;
.espasmo.
Ighacia Francisca de Jess Costa, branca, Per-
nambuco, 37 anuos, solteira, S. Jos; phtysica
pulmonar.
. Luiza, parda, Pemambuco, a dias, Boa-Vista;
etasmo.
Joao Cypriauo Favei/o, branco, Portugal, 45 an^
nos, casado, G
- Ubnto de'falRwcfa.
Recorrente o juizo especial do Recife, recorrido
Jos Joaquim Barbosa, 'da Silva. Juizes os 'Sr*/
desemhargadores Levaqso. Santiago, Nctva, Sou-
za Leao e Araujo larga,Improcedente.
Aggravos de peticao.
Aggravante Herciilan'o, por se curador. Juizes
os Srs. desembargadores Almeida Albuquerque,
Reguera Casia t Louren?o Santiago. Meganm
pro vi menta.
Aggravante D. Maria Augusta Passoj Brando.
Juizes os Sis. desembargadores Molla, Neiva c
Almeida Albuquerque. Sio tomaram eonheci-
mento.
Aggravante Manuel Moreira de Souza. Juizes
os Srs. desembargadores Reguera Casta, Araujo
Jorge e Souza Lea Nao tomaram con ecimento.
Aggravante a irmandade do Espirito Santo. Ju-
jes os Srs. desembargadores Souza Lean, Almeida
Albuquerque e Reguera Costa. De am provi-
meuto. |
Aggravante a irmandade do Sanlissimo Sacra-
mentn. Juizes as Srs. desembargadores Araujo
Jorge, Lourenco Santiago o Souza Leao. Deram
provimento.
Appel!ac5es civeis. *
De Alagoas.-Appellaiitc Manad Joaquim da
Silva Leao, afpellado Dr. Jos Marcio da Silva c a
fazenda Nao tomaram con'ecimento dos em-
bargos.
Do Recife. -Appellante Jos Joaquim da Costa
Maia, appeflados Marques Santos de (..Confirma-
da a sentenra.
De Alagoas,-Appellante a fazenda, appellado
Jos Joaquim de Farias Carneiro. Nao tomaram
conv ecimento.
Appellaco crime.
^ De Bananeiras. Appellante Manoel Eugenio
Carduzo, appellada a Jusiica. Improcedente.
PA9SAGRNS.
Do Sr. desembargad)!1 Lourenco Santiago ao
Sr. desembargado!- Almeida Albuq'ucrque :
Do jury da Imperatriz.Appellante o prometor,
appellada Maria Joaquina da Cenceicaa; appel-
lante a juizo, appellada Joaquim Cirreia de
Araujo.
De Villa Bella.Appcllant-' o juiza, appellada
Antonio Manoel d) Monte.
De Cabrob. Appellante Aprpio da Costa
Araujo, appellado Ernesto da Cosa Agr.
Da Telha.Appellantes Bernardo Vieira Jales c
oulro, appellada a justica.
Do juizo municipal do Macei.Appellante Joa*
Caniilo de Arauja, appellado Eleuterio Joao de
Jess.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargado!- Alotta :
Do juizo municipal do Hecife. Appellante Son
za & Guimaraes, appellado Francisco de Paula
choa Cavalcanti.
Do Sr. desemaargador Domincnes Silva ao Sr.
desembargador Reguera Costa
Do jury de Mainanguape. -Appellante Jos An-
tonio de Moura Cavalcanti, appellado Joao Casta-
o de Freitas Barras.
I) Area.Appellante Joao Pereira da Silva, ap-
pellada ajustica.
Da Misericordia. -Appellante Pedro Lopes de
Abreu, appellada a justica.
Do Sr. desembargador Reguera Cosa ao Sr.
desembargador Souza Leao:
Appella'.-oes eriines.
Appellante Luiz Elias da Silva Albuquerque, ap-
pellada a justica ; appellante o juizo, appellado
FraneiicS Barbosa da Silva ; appellante bacharel
Joaquim Guenis da SiKa Mello, apptllala ajusti-
ca ; appellante o juizo, appellado Feliciano Jos
da Silva.
Appellaco civel.
Appellante a fazen la, appellado Herinino Ac
cioh de Barros Pmentei.
Do Sr. aasemimtgai w Neiva ao Sr. desembar-
gador Araujo Jorge :
Do jury de Quxeramobim. appellante o jui-
zo. appellado Jos de Queiroz Lima.
Do Buique. A|ipellante o juiza, appellado Sim-
plicio Al ves de Souza.
De CanaragbcApjiellant o juizo, appellada
Liberata Mana d) Rosario.
Diligencia erne.
Com vista ao Sr. aasamoargador promotor da
justica :
Appellante o juizo, appellado Joao Ferrera da
Costa; appellante Josepha Mara da Conceieao, ap
pellada ajustica.
Assignou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos:
Appallaedes crimes.
Appellante o juizo, appellado Antonio Gomes de
Andrade ; appellante Joaquim Gomes Velloso, ap-
pellado Martiniano Henrique de Souza ; appellan-
tc o juizo, appellado Pedro Jos Mvnlciio dos San-
tos ; appelaute o juizo, appellada Francisco Jos
Fe'tosa; appellante Tito Carneir.i de Mello, appel-
lado Alfonso Pereira de astro ; appellante o pro-
motar, appellado Pedro Gomia da Suva ; appel-
lante o juizo, appellado Manoel Antonia do Hmc-
intrato ; appollanle a juiz. appellado Bento Cor-
rea da Silva ; appellante Joaqun Correia de,
Araujo, appellada a justica.
Appellaco eivel.
Do Reci'e.=Appcllante Elias GalvJo Carapeba,
appellado Antonio Cesara Moreira Da
DisrmBi'igXa.
Ap)ie!la'.>s civeis.
Aa Sr. desembargador Malta :
D'Agua Preta. Appellante o juizo, appellado o
pardo Manoel.
Ao Sr. desembargador Pomngues Silva
Da Parahvha.AppHlante Vicente Ferrera da
Silva, appellado Antonio Quirno de Souza.
Ao Sr. desembargador Reguera Costa :
D'Area.Appellante Antonio Prancisco de Sa
les Pessoa. appellada Tliereza Mara de Jess.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
De Olinda.Appellante Joo Goncalves Torres,
appellado Felippe Manoel deClirslu i-eal.
Ao Sr. desembargador Neiva :
Do Recife.-Appellante JoAo Martins Pautes, ap-
pellada Mara Adelina do Espirito Santo.
Ao Sr. desembargador Araujo Jorge :
De Mamanguape.-Appellante Raymuudo Fer-
rera da Costa Tavares, appellado Raymuudo Lo
pes da Costo.
Encerrou-se a sessao a 1 Lj2 hora.
THESOURARIA Di- FaZEDA
28 de abril.
Foraia>remettidas ao Sr. Iheso ireiro pan serem
pagos
OWcios : jk
Da presidencia, mandando naga. grattwJSo
aos agentes reeenseadores da !'reg;e;ia de Bezer-
ros.
iraca; molestia intestinal
i 'mu vai. i>% m SESSO DE 2? DE ABRIL UE 1873.
PMSOENCIA DO BIM. SA. (JMSBLBIIRO CAKTAN'.i
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Caelho.
As 10 boros da manha, presentes es Srs. les-
embargadores Lourenco -Santiago, Almeida Albu-
qnenpia, Motta, procurador da eora, Damingues
Sitva,Souz Leo, Neiva e Araujo Jorge, faltando o
o 8t. desembargador Doria, por estar presidiado
o jury de Pao d'Alho, abrio-se a sessn.
TOIGA1IBNTOS.
Rabeas cjirpus.
Concederam soltura ao paciente Joio Vasco Ga-
bral.
Benunciacantra o Dr.jniz de direito de Itamb,
Pelinto Henrique de Almeida. Juizes as Srs. des-
embargadores Almeida Albuquerque, Souza Leao,
Lourerroo Santiago e Aranja torge,hnprocedonte.
Da mesma, mandando pagar gratificado aos
agentes reeenseadores da freguezia de Gra
vat.
Do commando da fortaleza do Brum, remetten-
do conta do fornecimeuto d'agua feito mesma
fortaleza no mez ultimo na importancia de......
8060.
Da directora do arsenal de guerra, apresentan-
do urna conta de Antonio Rodrigues d Souza &
C, na importancia de 109*64".
Da mesma, apresontando urna outra conta do
mesmo na importancia de 80*000.
Requerimento de Francisco Joaquim de Mello
Tavares.
Secretaria da thesourara de fazenda de Per-
nambuco, 28 de abril de 1873.
O 2o escriptuYaro servindo de secretario,
Carlos Joo de Souza Correo.
".wm-jw-
UBLICMOES A PEDIDO.
RESPOSTA.
O irmo honorario da lojn Unio e Bene-
ficencia, ao vale de Mamanguape, declara
que a nica resposta quo tem dar ao de-
fensor amigo do Reneyao Joo Valenm,
o recomtnendar-lhe a leitura do artigo,
sob a assignatu-ra Z inserto no jornal
A Verdade a. 34 de 20 do corrente.
O Ir. Honorario.
Dos poucos annnncjos e declarac,oes do macona
perjuros que tem apparecido nos jornaes des-
ta capital, nenhura foi concebido em termos tao
baixo* e vis como o do Sr. Joa Vlcntim Peixoto
de Vasconcellos Flho, publicado no Diario de Per-
nambudi de 16 do corrente.
OSr Joto Valentn Peixoto de Vasconcellos
nao possae documento algum ce'm que possa pro-
var que era macn.
. K' certo quo por occasiao da installacao da leja
niao e Beneficencia, nesta eidade, eso homem
apresentou um certificado que obtivera anterior-
mente de um cavalleiro Rnoa-crn, declarando
rjne se achava iniciado c possata o? tres graos
symbolieos ; e pedio a sua regu!ariaco.
Nao se n desgosto de alguns majons, que o co-
nhecam, conseguio ser rogula risado ; mas por-1
que nnnea pagou as joias do? tres graos, nem I
achatf thrsoifreiro qne Ibc rfalsese dar em em-
flanea o conbectmealo de quiucin, nunca rare-
bcii o diploma.
TainlKMn o Sr. Joao Valcnthn naV> freqiienva a
laja ; ovitova earraitrar-se eme a tbesoiireir ou
com o seu emprrgado incuinuHto'da arreeaea*
fia.
Mais larde foi a loja informada Al que nem BBM
s das suas mensalidadcs hara sido pag, e de-
pois de esgotados es meias stianrfes |ara saldar
o seu debita, concedenda-sc esjifra sobre esfera,
foi forcoso proeaar-se centra elle as termes da
lei inacmica, fazende-se-lb<' a iatimacaa off ul
para qtar-se em 30 das, e esperanda-se aiada
mas seis mezes antes da deliberacin linal ; de sar-
ta iiue, toada comecado em selembaa do anno p.
saaees'se procedimento, sd a 14 da" corrate mea
foi deliberada a expulsan
Este farto, que ccrlamente aada tem de honro-
so para o Sr. Joae \ alenlim. tirara aceulto
mundo profano, se nao fo-*c # herlfd di com pie vcni esse senhar anum-iar pelos jor-
naes no dia 10, que se retira da lia |orque a i
canaria contraria rcligiro catMica, ap
e romana.
Se ijueria de alguma sorto encapar facto da
sua expulsan, ojtte alias Icaria alafaibi pela ^
greda maconicn, ao meaos nao ralumnasse a aua-
conaria.
Quem pode cre nAshcgada inexperiencia do
Sr. Joao Valentini, maior de triula coila anrx"
i i sua indiscreta curioidadc, sabenda qoe h*ra
iniciada irreul.iriiipnlf. lora de BBM faqa. nd"
nada podia achar que Ihe agnras-^ a rurirwidaaV'
(Juanta inexperiencia e indiscriif-.-to cmh
par um homem r. que seus parrales lein
fazer um vulto palitica. que araba ib- ser prn-
dente da cmara municipal, para ser. r. mo
prinieiro juiz de pa/, na eidade de Mamangna
pe I
Em quanto a maraara pode esperar qne a r
Jaaa Valentim pagasse o seu debito, ns st-iiti-oen-
tos religiosas desse senhar estiven-ui cm ocrgo ,
S. S. nao leve olhns para ver qne ella contrariara
a religiao calhatca, a pos tal ir i. rorrana : higa qe
foi expulsa, accendi i-sc-lhe a intHlitencia. e li-
lao coiiiieeeu pie, cama calhaii-o. tftt *, 11
da pe tancar a an i
Sempre rcbgiao encapando a viiesa e o f--
pudar das falsos crrmles.
Mas a Sr Jaaa Valeniim, com quanto nao fj
um javen lau inexp;riente can. inenli a. cam
tuda um homem de espirita Iraca e de vistas ami-
to limitadas. A declaraeao que asigix'!i e fez pn-
blicar. nao hlha de sna projina in-pir:rin.
Sr. Joia Valentim foi a victima do egorni>
de um padre, seu prente, que em nem emcousa alguma deste mundo, que *>
nhei'i-ndo os sentimenlos da honra e dignidad? *>
entre i
homem, Bata que
nulla-osjjnus sus
nirando al queei
inspirad.iyiela anta
la o da AffeMaie da
desejas de tarar servi.-os ao hispa; e.
tea algum que prest.lsse, expiaron
|iie pn
etaame
emeatc haralria-a i an-
:es nv'iios avisados ig
as prii leiriis -'-iiijinen'n-
religiao le Je>ii-Chrilo. e.
homem, ardia com tu
iH-'npaz le
mreraTH-
mate I situacanale sen primo ; mull ni-lhe
falsos bros, e. a prelext) de repn^.ilia arranc-u
Ihe aquella derlararao, que depae lia trMemenle
dnpabre de Ihe de titulo para bem merecer di esmnleada 11-
|K, emhara eaenesse le cafaro e ver;
Borneas Ik orados de sua familia, entre os quac
N apont.on respelaves Bkacow. C ffi BM ala
a aguisan das padres d* hispo.
Ah se D. Vital c ainda capaz de raCBSMM
longe de a rolher as pretensas sm'ic/>s de padres
dessa ordem, deve velas c<-m lorn-r. Se a aa
ca'.iM deca'ir, roina imito Brava ve I. a chepai
S. Exc. a achar-sc na triste sitnacao do leao i
ribunla, a prmeira patada Ihe ha le ser atiraaa
pelaspidres da ordem di primo do Sr. J-: Va
lenlim.
Mama iguape, 21 de abril de Hfl
I Da YerA-ide. i
O lirerlor dwst obra pnliln *t%
no puhlica).
Na qnereado eulre'cr inlcmica no IcrreiM- a
que o Sr. Dr. Loba Mosco-" se collocon. c
prinio, entretanto jiistilic.ir-ine peraule a m>m#<
publi'-a, dos does|.i> accu.sa.->es solire mim las-
cados, passo aqu s iccintaiiicnt a azcla, aun que O l'Speii.ivul |iill>lica aprecu*, facj JU.-L
julg'.ie | qu 'ni tafee a pecha de inepto e le BBBB-
gado da coindanhialieciie Drainape Bl a ouui
ou ao Sr. iusiM-rtor da saiide da p< n t >
Tendo a coui|unhia RcN-ifo Drainage u<*4f-
semana aoj> seus irabalhos no ti u di anno de lS),
c compromettendo-se o gaverna ceilar-lhe leraa*
nos de luai'inli.i para as estaca-*, l< l-lhe raaread
a pra;a mi ni circular na race d A|oUo, para
esucao no baiiro d i Recife, coma a cmara mu-
nicipal se oppoxcssc em 1870, (oi-lhe concediao,
depois de aiivida a mesma cambra, o terreno t|e
tic,- ao norte da arsenal de iniuiiih.i
Elll seguida requeren a Bamfaataia que BB -.al-
ta da mndanrada estadio do cae- ia A|n>ila para
a anej do Arsenal Ihe acariciar urna b-pe.>
maior no eiicanameitto, se he i-..ncedc-e eii^-m
iwii-acio, que a despeja d js malerias fe'ae-
se baino osse ftito pouc i alai da (ortala d>
Brum, e dentro do poco allegando a nioswta
campan la que em cou-a aiguan puderia fffn-
gr-uide
c'.e..
dicar asas despejo parcial, t ,
inassa d'agua que ahi existo
Maudando-me ouvir a presidencia, em dato*
o de mato, oppuz-me loniialiiianU', con.o se wi d
aflkdo, queja tai publicado naParle oflicial-.
dia 24 do corrente.
A' vista, pnis, tiesta informaran, a presidatm-
mandn ouvir a cmara municipal, a qual nu 'h;
dentro os sous niembros, os Sis. Drs. PIih...
Lobo Moscaso.
Cada.meiiibra da commissao den a sen paren i
em separada ; o Sr. Dr. Pitanga apnoii contra
lancamento das materias fecaei do bairro do a
cile, pelo isthmo de Olinda, justificando pertdU.
nienle a sua opiniao, e o Sr. Dr. Loba Meseusv
concordo u eom a prctein,'.io da companhia, victo
do quo a mesma cmara levan so ao con'
ment do presidente.
De novo mandou-uie a presidencia que en in-
tarmasse o requerimento da co.apanhia, que >a i-
nha a seu favor acamara mu-pal.
Re^onhecendo, pois, que a companhia, to*V
por si a cmara municipal, e que |>or mim 6 iu
qualidade de RseaJ do governo nada poderia ce-
seguir, appellei para os conhecimenlos profls>e>
uaes de unta commissao de hygienc publica
Esse ppelln tinha tuna raan mui plausivil
era que, quando o governo quiz em I8f.' fazer a
innovacao do contraa com Urias Luiz Caraferuo-
no, uomeou urna commissAo mixta de cngenhrifwt
e mdicos, alim de, estudada e ventilada a nuteaia.
nao s debaixo do ponto d; visto as Ingiera* pu-
blica, como do resultado de n.-vo syslema a adaa-
tar-se, c aoxilar nesse trab.dho.
Nessc sentido ped presidencia^ nomeaci-
urna commissao de hygirne puliliBK para resa)vi
a queslao, vbto me parecer de >iiffln ininurtaa-
cia, parque nao -u aiTecuria a salu|[AAi daqu-l
le bairro, como dos navios siutijVl>ei1o.
A' vista dessa miuha inonnacao, ajwesidc.i m
mandou o ivir ao Sr. inspector da salle da poi lo.
que em um estirado offlcio esb-rcaa-se para >b
nontr.:r que as materias do airro do Recife,
scudo I ui.adas dentro do porto, lavada por fia
gtande inassa d'agua, ainda qnc lutaiUl as !"ax,
e refluxo das aguas do mar, nao afleetava salu-
brdade publica I I
Nao p.p licenca a S. Exc. o Sr. presidente para
aqui iranscrever esse offlcio, pac que a Sr. inspec-
tor no seu .ultimo artigo c improtnelteu-se a apre
senta-lo ao publico.
E' digno de leitura e de um xamc apurado f
Nao attendendo a presidencia ao meu pedv a
intormaio, confermou-se com u parecer do r.
inspector da sade do porto, e cm data delM
agost de 1870, foi concedido o quo a rompa-
requeren.
Nessa causa, cerlamente fui um ino adeofao;
perdi a sejjaa.
Agora passo a apreciar se, a companhia um
essa mudanca de despejo das materias fecaes, lu-
crou on foi prejndicada.
Nao foi prejudicada, porque o encana mamo
que da sabida s mataras fecaes para o parto,
tena meiade da extenso que deraria ler,f
partisse -Jo caes do Apolio esucao das Oaco-
Pontas.
Senao fui prejudicada, tera acaso algum tajara
nessa mudanca?
E' o que passo a desenvolver, chamando espe-
cialmente para este tpico a attencia da reapetta-
vel publico.
Na innovacao do contrato, foi o pemwtro da
eidade dividido em tus bairro- o radef m 4a-
via srprovdo de um p. { binas, baas-
lias e reservatorios para agua.
As materias f -caes Jos bairros do Rere e da
Boa-Vista, depois de virem aos seus re-*pceti
iwcospor seu iiroprio peso, levciiam er ea|aai-
das pelas bombas das achinas a vapor para .
pa;o central e ahi dep-si ,m do a*v

I
I
1
I
e--
ftV
,^-ri^a^ati^r
L
r
J



Hi do m\n>Mrt imtimt*&x& M MiMsA 4e im.
*
.




lancadas id mar por ffra dos recife!. JnssanJo p#
las has 4>>gianf V*J !, J
Oca, a ymossaii uVaeran* as uurtorias feeaes,
4o baino do Recife lancadasalt'm da fortaleza do
flruavao importa urna certa 'economa dedespe-
M^a que a co.npaakia era obrigada a fazer? vis-
J*,g)luo, doveriam ai materias daquelle bairro
Mssarpela estaeao das Cinco-Ponas?
Ifio poupu cssa companhia duplo trbame de
machinas e bombas da estaeao das Cinco-Pon-
IMT
Entretanto esse tralialbo pode ser calculado de
d-a 6 huras por dia.
Tendo. porm, em vista o estrago do fflnchinis-
too, u consumo de carvao e o pessoal, podc-se
avahar de 25 a 30 mil ris por dia, ou otn lettra
redonda 10 cont de res por .armo, o que nao
xfera*j, atismlcndd-so que a machina a vapor
Pforcade tO'cavallos.
Ora, sondo o privilegio par|!W alios, e calcu-
JafaV se por meio de urna progrcs>2o por quo-
eientc aquantia atinoal de 1U contos de ris,
acoomulando un juro de o 0,0 ao anuo, que nao
ideixa de ser razoavel, fesomma dessos dei contos
.aulnualniente com es sots respectivos uros, du-
rante o lempo do privilegio, importar em nada
meaos que (jitt contos de ris I !
.; la ve-o rcspniUvol tamlico, quanto ha de vir
aoferir a eoinpanliia -Rccie Drainagedentro do
penco do sen privilegio, cmi em concessao.
. Vou agora as coneTs5osf: Ou o Sr. inspector da
ande do porto leve conseioncia, ou nao leve do
grande favor que fez companhia ; se leve con*-
ciencia, podc-se dizor que o Si-, Ur.- Ped d'Athay-
de Lobo Hoscoso, nao foi sonienie-uin advogado,
mas sim um pai; se, por.ii, nao teve consoen-
cia;deixo ao publico para que avalie se elle me-
rece o titulo d: iuopto, que to liumanamentc He
flertou.
No artigo seguinte demonstrarei que, deixaudo
nao era conveniente que semellumte concessao ti-
vesso Lugar.
Itecife, 28 de abril do 1871
JosTiburcio Vertir de Magalhats.
O Sr. Dr. Netto.
para
i) Sr. Dr. Netto nao gosta Je reticencias
aupar palavias acusadas.
Pois bem, se ja nao foi pouco ter conseguido a
ba conlissao deentrar na casa do Oiympio as
!0 horas da noute, e feito effectiva a sua pnsao.
vejamos agora em que a crcumslaucia deen-
contrar a casa apinliada de novo, que a una.voz
xudaram Almeida pode justificar o proced-
ineute do Sr. Dr. Netto.
A constituido diz quejado o cidadao tem em
sua casa um \*\\<> inct^ml e que de noute nao
se peder entrar nclle Iwao por seu coiisenli-
menio.
Ora, o Sr. Dr. Netto chegando #casa de Oiym-
pio e a encontrando apinhada de povo, que urna
voz secundnram Ahneida (inspector de quartei
rao), deven saoer que aq^lle individuo eslava
cutio victima de um crime, que praticava um
asente policial sen subalterno.
'O seu procediuiento uan p.idia ser outro senao
respetar e fazer respeitaro preeeito constitucio-
nal, que considera o asylo do cidadao inciolavel e
que ile noute nao se penetre nelle senao por seu
cunsenlimento.
Mas como procedeu ? tomando parte no crime
quo praticava o seu inspector, penetrando na ra-
sa o fitendo effeetiva a prsiio da victima de um
crime da polica !
Nao 6 sao 0 que se tein dito, nao 6 isso que 0
Sr. Netto confes a, mo grado seu ? Se confesa
sor criminoso, auxiliando o seu inspector no alten-
tado contra o asvlo inviolavel do cidadao e contra
a liberdade deste, o que pretende o Sr. Netto com
a, snas relagBes, c mi o .-cu (Invito romano, com as
suas tintnras t O bene esse ciritatis tem alguina
leiacao com as inhibas barbas ou incsino com
o attentado do Sr. Netiu f
Evpliuue-se, diga o que quer, emquanto Uco
esperando qne as autoridades superiores sailiam
cortar o mal do escndalo pela raiz.
lecifo, 28 de abril.
M. Lopes Machado.
iWWfe.-eHa.
oposito flnne, mas consl
de acin de h-.^ira 4spB
esfor.us conilnuaMos o rop
tue a cora precisa,da;vid)tdo homern. que dedl-
ca-so ao servl;o public.
Feliz aqtioHe que aln.al Consegnio-a ; Infeliz,
poreni, o quo,. ten do-a eonqu'i*tado senlio um ni
moj', anula que vago e lojgqno, anuuvia-la, porque
a sociedade- iinpiacavel em seus juizos e ormi-
navel em suas senenjas I
Se este rumor, angwenlando progiessivaraeale,
pode dosmoronar sm edifcio tao difilcilmenie cigis- Quintes pr^as estrangeiras' e nacionaes :
Bravresposta provisoria no Sr. Dr.
director ilas obras pulrtlens. {*)
Se lia ri liculo na qoestao da companhia Hecife
Draiaace, elle se ancontra todo intejro somente no
ojacio de 3 do c irrenle, dirigido ao Exm. Sr. pre-
sidente da provincia pelo Sr. Ur. Jos lilmrcie
Pereira de M igalh uw, diwt >r daa obras publicas
f pngeulii'iiM Ihcal da companhia Kecii'eDrainage:
mi, bII propriedale de S. S. c nao tem que
devolvar-me. Qaanto i generosidade que quer o
Sr. Dr. Tiburcio razer-me da eessSo da sna fra-
fieacio d>' engenhelro fl*al em eoinpensa?ao da
n;ij;u i Sos ineas vencim mi is ctm) in^p 'clor de
sade publica, perraiUa-me que Un diga que te-
sto vivido maitos anuos aqu cm Pernambnco
< .m mii i conforto, c n S. S. mesmo pode attes-
lar. eom os meus Inn.irarin de medico, e s lia
L".n pouco t uipo qne inc fui encartad i no lugar
d' inspector desaiide.
Dentis, como ignoranteam ptaysica, nunca p>
deria. determinar m ith imaticamente qaantos jacios
tagua sero precisos para as materias feces
s.i;, rem ios apparelh 13 da c impanhla Recife Drai-
nage, e quo quantidade d'agua ser neeessaria
para tornar inodoras as partes solidas qne tabre-
1. '-un no appareiho problemas estes que s po-
dem sor resolvidos pelo Sr. Dr. Tiburcio com os
eos profoad conheeiroenlos.
Em lodo caso antea qnerarei ser laxado de al-
da wropanhia Recife Drainage, do quedaste
povo c im qnem tenh 1 vivido vinte oito annos,
Jarte delle na inaior fraternidad* possrrel, nao mo
Bmbrando de pejueninos odios, que soffre senipre-
ijuem tem um pouco de mererknento.
\;. mimjsas c delicadas cxiiressoi'S que em
abundan ia se encontram no pequeo communi-
eado do Sr. Dr. Tiburcio, eque pelo eslyllo e for-
ma nao tnostram ser dausma peona qoeredigio
o cilicio monumental de 5 do corrate, nao tem
torca bastante para m arredarem da senda que
comscei a trilar, emdefea dos interesses da pro-
vincia e de seas lilhos, entre os quaea cont os
meus que mere o 11 tanto c ira 1 us ulros.
Aopinio publica, meu charo Sr., raimis
que tul 1, c se lod is a raspeitasrera, nao haveria
lagar para S. S. dirigir o seu QfBcio deB do cor-
rente, porque quaodn todos sentoni-se em perigo
d morrer asphyxiados com efedor que exaJ^m
Oftspparemos daeompanh'a, o sr. directoras
obras publicas escreve ao Exm. Sr. presidente da
provincia o que se acha estampado no Diario (le
Pernambnco de 21 do crrante.
Si vime fUre, doleniM es! primo ipse tib.
Se o Sr. Dr Tiburcio quera que nos todo* nos
P'/.ossames a chorar, nao viesse nos provocar o
n>o edm os chistosos periodos do seu offlcio.
O SsaDr. Tiburcio sabe o que dizia o erudito
padreTpes (aun qne-antea porder-um amigo
do que nina boa lembranca-S. S. nao quiz per-
deri.a boa leinbranea, e a-sim assignou o ijue
vemflri|i!> no Diario de boje.
Eurambem, a pesar de nao ser inathenialico, to-
nho djreito pleno de devolver, despresar injurias,
insultos, grosserias:-porcm faco como dizia o
< ipito a qnem o eommaoiaate diriga urna ama-
bilidade. -Isto nao comigo, com o corneta....
. Rcfocile-se o Sr. Dr. Ti'mreio no seu zelo e dig-
nidade, como cnqenheiro fiscal das ompanhias :
o publico est a ni clamando contra os apare!hos
da-Companhia Oranageos |uaes eu asseguro
mi Sr. Dr. Tiburcio-e a todo este povo de Peniam-
bueo, que nunca fnncionarao bem, se nao houvr
ama reforma ompieta nellai c nos encanamentos:
a companhia do gaz est incessantemente sendo
a limada pela exagerajao de suas con tas: todos
ns eslamos sofTrcndo, uns por um lado outros
no'pinnitos; entretanto nunca as cjmpanhias sao
' i'.padas de (musa alguma : desgranado d'aquelle
que deixa escapar de seu coraca atribulado um
queixume, urna lamentacao Ahi vem o engenhei-
ro fiscal.A companhia vae muito bem: o povo
quem o culpado de todas as faltas havidas e por
haver----- .
Feliz invencao esta dos engenheiros fucaes_. ha
de se levantar um monumento a qnem teve tao fe-
liz lembranca.
Fique corto o Sr. director das obras jmbucas quo
me cingirei o-mais que poder questao dos appa-
reilios putredlnosos da'companhia Drainage, para
o que, s nao morrer breve, temos muito tempo :
eu mesmo son quem escrevo os meus grosseiros
avMSii, os quaes, apezar de um dcsalmho, tem
merecido a attencio de muita gente, pDrque clles
trazom o'eunho da vordado e ninguem quer aoei-
le boa voniade o trabilho de qne os quer in-
^cumlir o Sr. Dr. Jos Tiourcio Pereira Magalhes.
m Dr. Lobo Mitc-M.
Iruido por algum empr igado publico, aliraudo-
lhe maidijoes merecidas ; acontece justamente o
contrario quando elle jiouco a pouco dminue e
chega desvanecer-se, porque entao eonverto-se
em sombras, que embellezam o quadro de um cor-
lo periodo da vida.
E' que ha um poder invisivel que vela pela
juslica; que esta jamis separarrseba da luz
s ve*es crepucular de sua irmo gemea, a ver-'
dado..
O publico sempie benvolo em sua generosi-
dade e sempre fascinado por est Inz da verdade
que tanto respetlo e acatamento merece o pu-
blico sempre sensalo cm sua solemne raoderacao
e tendo sempre nm grito de #r para-o infeliz e
oppresso, e um encomio grandioso para a justica,
desculpar-me-ha a franqueza de declarar-lhe o que
deu-se com quem boje appclla para a imnarciah-
dade do seu juizo, rendendo-!he a grata homena-
gera que 6 devida, e louvat comigo a leal e es
perancosa admimstraeflo lo Exm Sr. Dr. Lacena.
Empregado, havia mnit', na repartido do cor-
reio, nunca meu desassocego' foi tao grande e mi-
nha in(|iietacao to dolorosa, como no da 20 do
mez ltimamente Ando, dia em qne teve lugar o
tacto do arrombamento do cofro damesma repar-
tido com sua negra e funesta consequeneia. No
lim do dia antecedente me havia on_ retirado do;
emprego, plenamente convicto de nao haver to'
cado com mo sacrilega na arca santa de miiha
moralidade ; acompanhnranie um doce repouso
de eonsciencia e uina jnabalavol conlianca em mi-
nha tranquillidade posterior, porque naordem so-,
cal, como-na p"iysica, os fados preudem-se por1
urna ligacao neeessaria.
Entretanto s Deus sabe qn3o sinistro me foi
esse dia, em que o infausto aconteeimento, que o
publico perfeitamente conhece, occasionou a der
ploravel suspencao de um juizo para o qnal eu
rabalhara mu annos e nao poupara sacnticios
ompativeis com a minha dignidad* !
Eu era entao o lid do thesoureiro, no impedi-
mento do Sr. Dr. Luiz Antonio Pires, e o encar-.
regado do registro ; apezar do desvelo que in-
cessantemente mostroi no desempeuho do 1 meus
deveres, fui suspenso de-ambos os empregos, 110
dia 26, c esta suspensao preventiva, que Limen-
Id', teve por escopo manter a sanlidadc da lei,
que sempre acatei.
J se tmha comegado as indagaccs pohciaes;
estas continuaran!; reconheeeu-sc que cu era in
nocente e que nao havia desmentido os meus pre-
cedentes, nein quebrado a cadeia de minhas tra-
dicocs, e cm consequeneia fui reintegrado por
acto de 23 do correte, acto que honra cerlamente
a juslica e imparcialidade do-Exm. Sr. Dr. Ilmn-
que Pereira de Lucena. a quem na presente op-
portunidade pago o tributo de minha admirafo
sincera e gratdao etern.1
J que, porem, estoii nesle ponto seja-me li-
cito manifestar solemnemente meu cordeal agra-
decimento quelles amigos dedicados (jue lano
se empenharan com os meus protectores para
que lizesscm valer perante o iutelligento adminis-
trador da provincia, a juslica de minha causa,
bem como render a cada umde mens companhei-
ros de. rjparicjo um voto d) gratdao, cspeciali-
sando os nonies dosSrs. Vicente Ferreira da 1 or-
ciuncula, administrador interino do corrcio, Dr.
Lniz Antonio Pires. Ihesoureiro da mesma repar-
t ao e Joaquim Jos liaptisla meu desvelado com-
pinli.-iro, o qual traballnulao afanadamente pelo
realce de minha innocencia que en. deixarta de
cumprir um dever sagrado se nao Un transmit-
tisse meu agradecimcnlo solemne e indelevel, cuja
intensidade sobe de ponto a recordar aos compa-
nheires de reparticao essa t.lo benfica e Kmvavel
inter venco. ...
Es ahi as pilavras que cu devia ao publico
em satisfacao e aos meus amigos c protectores em
agradeobento ; mas, para que nao peiisem que
oceupei-mc immediataineiiie de minha vida de
empregado da icparticao em que contino a func-
cionar, entrego .ao dominio da publicidade .os do-
cumentos seguales, cuja leitura poco e recom-
rnendo. alim de qne saibam que apenas fui o echo
lalvez amortecido de alhcias opinioes.
Recife, 13 de abril de 1873.
^tmno Gomes da Silva Hm s.
Atiesto quo o peticionario Amaro .Gomes la
Silva Ramos, durante o tempb iue tem servida
de carteiro desla administracSo, ha cumprido per-
feitamente as suas obrigacoes, empregando sem-
pre todo o seu zelo e dedieai-ao no bom desem-
penho do servco publico.
Quanto i sin conducta quer civil, e quer mo-
ral, nada existe que o pussa deaconceUaar.
O referido verdadeiro, o que afflrmo em fe do
meu emprego. -
Correio de Pernambuco, 10 de agosto de I8b7.
Dom'ngos dos Postes wnoa.
F. i'OlIveira ^r4., na doCommorcio nJf|
% encarreg^se ijt execuglo de ordens para
embarque detpwdttck, Je todos, os raais
negocios de commisso, qnr commerciaes^
qur bancarius. ni-/
Descouta lettras, e toma dinheiros a pra-
mio, compra cambiaes, e saca vista, e a
prazo, vontade do tomador, sobre as soi
Londreo.Sobre o. limo* bak. of
londos (db responsabilidade iUknitada) e
varias firmas de .' classe.
Parlad-Sobre os Srs. jurcard a-
or & C.'P. GIL, 6 A. B14.GQE YIONAL &
C.a BANQUEIROS.
Honaburgo.Sobre os^Srs. jo.\o sciiu
6ACK HUIOS.
l.sloa.SdliroosSr, fonsf.CAS, SAN-
TOS VIANta>o8EBBTI.UrJ0t d'abreu.
Porto.-*9bbfe obJWco uii\o do por-
ro, e o Sr. joaquim pisto da f.ossbca.
Para.Sobre o banco commf.rcul do
para, e os Srs. francjsc gavoencio da eos--
TA & FILHOS.
GGMPA1HA
Phenix PerawnbiKftna
Toma riscos martimos em .mercaderas,
fretes, dinbqnw'H risoae-BalBiente'.de qual-|
quer natureiai em vapore, i|avios vela ovi
barcadas, a" prumkwmoiio'lwBicos.
RJJA DO COMMERCIO N. 34.
CONTRA -F0GO
IMPERI4L.
Ra do 4'onniiereio 11. 3S, pri*
mriro nndnr.
Afrente,
W. G. FE.NNELLY.
THE
conra-fogo
Capital.
Fundo
Seguro
LIVERPOOL & L0ND0N& GLOB
INSURANCE C01PANY
Agentes
SAUNDEllSBROTHERS C.
11Corpo Santol't
Seguro ci>ntra-fjg)
COMPANHIA
1N0RTHERN.
..... 20,000:0005000
de reserva. 8,000:080^000
Agentes,
MU* Latkam & C.
RA DA CRUZ N. 38.
em, p-^WrteMipnHl^U1
sa, Co^gnailp a P. K. .Maury, llldnifes-
ioa:
Ajnttodode 7caixas,. vinli > O pipas,
225,0, 800/10 aos c nsigtiotarios.
New-York t$A Imericano Hat lie
HarhiU, consigttdo uHahry Forster C.,'
manifestou :
Banhaidp poro-) 86*0 l*irri a Fernandes
da Costa.
Instrument s de agricultura i caisas aos
consignatarios.
Kerosene 3,18J),caiws aos mesmo?.
W^AGU S E.aU'tJOTAGAO NO DI A i l>t
Altlill. LMB Mi.
P*n os porto do eaterwr
Na barea/iiiftlcza Sen Fon, paca o Bltico,
arrogaran!: G. Necson&C. lo hrdon com 17.4i
dalos do ajgoiiu.
*Va'lre a: inglesa MaomChartt, para Liver-
pool, carregara 111 : S.' Brothers S G. 8ii wecas
com 59,.H kilos do alflUdio. Para o Canal, R.
Schmmettau & C..J,0i)0 saceos com 215,000 kilos,
de assucar nmseavado.
Na barca ingiera Hhedive, para ^ Canal,
armnaram : R.'SclimmotUw & C. !H'silPa*com
6,263 Iji kilos de algodio.
NoLrigue alkmao Pius IX, para o Canal,
carregaram : Mk Aeliftai A 9,010 kilos ,\e sacar mascauado..
Na barel aiieina IsakUi Ju nina, para o Rio
da Prata, carregaram 77. S. Loyo -> Fillio 287
barricas com 3,072 kilos de assucar branco,.
ta iiarea hrasiletta-Sntersle., para o. Rio da
Prata, carregiu ; F. R. Pint Gaimaraes tti bar-
ricas >hii I2,8o7 |S"|ii os de assucar franco e 13
ditas oomi Ijmtl t|2 ditos de dito masctvado.
Na galera portugueza>-.4M(i(tia, para o Porto,
carregim: F. R.'P. GniuiarJes 6R0 saceos com
51.000 kii.>> de assucar branco.
-No brigue [kirluguoi Bou Figueirense, para
Lisboa, carregaram : K. R. Rabel lo. 4 C. 30 barr
00111 Cl.CO liiros de mol.
Sara os porto* do inlermr.
Para o Rio de Janeiro, no brigu brasileo
Veloz, carregaram : Jo>A S, Araujo lOd saceos
com 7,500 kilos Je assucar branco.
Para Santos, no lugar brasUeirn -imdi,
earregon : A. O. Leite 1,W0 saceos e 111 58,756
kilos de a.ssucar mascavado. .
I'.irno Rio Grand do Sul, no pataclio bra-
sileiro tlaritmldi, carregou : Carvallio t Nogueira
93 barrica* oom'l",iol kikjs do assucar branco.
Para Hosnor, no ^por'brasileiro Ipojuca,
carregaram : A L. Calda* 1 trrica com 50 kilos
de assllcar branco. Para o Cear, A. C. Araujo
50|2 barrica oom 3,06ti kilos do assucar refinado :
M. A. de Lima 2 >|2 ditas com I.2SB dho* dajdito.
branco ; J. J. da Rosa 12 ditas com 706 ift ditos
de dito ; J. F. S. Basto* 30|! ditas com 1,781 ditos
de dito refinado ; Bartholomeu & C. t barril com
85 litros de alcool. Para Aoarac, A. Oveira &
(". 3 barricas com 2'JO kilos de assucar franco e
3 barris com B54 litros de cachaca.
Para Macei, na barca.a Divina Pastora.
earreg.iram : J. V. de Lima Je C. 1 caixa com 67
kilos de doce.
Para Maniangiiape, na barcaca Roa Viagem.
carregaram : B. Gomes l (.:. 2 barricas eoui 131
kilos deaesuear branco.
Para Miriu', na barcaca Flor do Jardim,
carregou : J. A. de Albuqucniuc 2 saceos com 150
kilos de aasucar brauco.
CAPATAZIA DA ALFANDFGA
Rendmiento do dia 1 a 28. lli:M*79
dem do dia 29. 725C39
Itado em !7\lc abril do 1872,'Cons^nas i W*H
Frere. M
Dita, II L -I harria os. i c i conlendJ vinlto
st'dco .Judalo Jlijulo legal 31.2 litros, ataliados
por Siidm dem idem e consignados a II Leiden.
Dita B O JO bafris ^em^o 10 com vinagre bran-
co; 6.40 com Vinagro linio, niedindo liquido, 29U.I
litros avallados por M9I850, viudos de New-York
no vapor americano South America, desearregados
em 15 de juuho de 1872 e consignados a Henry
ForsUr-A C.
DitaCAn. lii-Um barril de 5." com cognac
niedindo 38 litros, avallado por 'ioCOO, vindo de
Bordeaux no vapor frAncer Gmnde, doscarrogado
em li de man;.) de 1872 e consignado a II. Loi-
060.
Alfandega de Pernambuco, 29 de abril de
1873.
O inspector
Fabk) A. de Uarvalhalkis.
O Dr. Luiz Ferreira Maciel Pinlieiro, juta substi-
tuto do juiz especial do commemo nesla cida-
le do Re;ife ae PelTiamhwo, por Sua Mages-
lade o Imperador, -que Deus guarde, ele.
Faco saber pele presente que nos termes de
decreto n. 1695, le 15 "deiMrrt do prazo cao desle euital, reoeber este jntao pro|MKtas por
caria fechadas para a arremata por venda a
quem -mais olferecer, dos escravos seguint-"s :
Adriano, fpardo, pagem, com 25 annosde id-
*de, doente, por 800*1100.
Jos, 'Angico, com 40 annos de idade, sollero,
tXTUkil de podreiro, por |l;fO*000.
SinieSo, Anpda, com 45 annos de idade, por
800*000.
Heniamiin, erioiilo, com 2o annos de idade, por
l:2li0000. '
Ri>dol|rho, crioolo, com 25 aimos de idade, por
1*200*000.
Vrrialn, padb). com 21 annos de idade, do ser-
vic..i d encliad;*. |Wir 1:800*000.
Barlo, crioulo, com 23 annos de idade, do ser-
vieo le enehada, townle dos ps, |xir l:00u*i0O.
Jos. Angola, com 50 annos de idade, lalliador,
por -800*000.
Luiz, crioulo, com 50 annos de idade, cgo de
um ollio, do servico d! enchada, por 7060 MI.
Sevenno, Angola, com 40'anuos de idade, do
servico do enchada, por 500*000.
Os quaes escravos foram penhorados por exe-
cucao de Ignacio Luiz de Brito Taborda, pnr sen
bstanle procurador nesta cidade, contra 0 te-
uente-coronel Manoel Joaquim do Reg Albn-
querque, e se acham ditos escravos em poder do
executado, quo moradur 110 engenho Peras.
E para que chegue ao ronheriineiito de todos
mandei passar o presente, que ser publicado pela
imprensa e a'Bxado nos lugares do costume.
Cidade do Recife, 2^ de abril de IW3.
Eu, Manoel Mara Rodrigues do Nascimento,
escrivao, o subscrevi.
Lniz Ferreira Mariet Pinheirt
fNSPBCCA) M> AMCRAL Bf
M^RISHA.
Fni-sc publico que a Cotaaista de peMffM*
mioaudona (orina dcMTMMa no refulamml*
aumrxo o decreto n. !3I1 5 e evereire dr
1854 os cascos, nlacuinav c Jdtiras, a par Ja w.
mastreaeea, tlame*, amarras e aaeofas dos v-
pores Ipojuca. e Slaiylah* da compaaMa asraam
bucana de navejacii cjdra, acboai todos mm
nbjectos cm estado de podjmu f vapores eos*
nuar no servico em que se cm|iregam^ _m_
baspeceo do arsenal de nuriala de PeraasnM
co, 2:i de abril de 1873. __
Francisco Bonuiio SU|a|e da S*m
IllSlreCloi"
O abaixo assignad laoed.r da
ra de rendas, tendo de pesosder
no dia I.* de roaio em diaarte, na fresjnasa da
Boa-Vista, dos impossoe, grisI, idrtns
lissise e d cima de ina* marta.
pela ra da Aurora, InqierBtriz, largo do
em sejwimenlo; provine-se aos seaterns ho-a
tarios dos predios 4a sobrad ifafooq. poea
qne lenbam o nio, os rrapoelivia raaoos o
tratos de arrendameiitii. altos Y 4ue **'
les possa-lhcs ser Hxada a quit* dea saL
nnostaa. V _i
Recebedoria de Pernambnco, W dr abril de
1873. \
O las^adorX
Manoel Antonio MMt
enAas,
1S
indicado
deveres,
so
Ilim. Sr. Amaro Gomes da Silva Ramo. Em
respos'a sua carta tenh) a dizer-lhe, que, no
dia 111 que assunii o exercicio da tliesourana uo
correio, indagando di Ilim. Sr. administrador Al-
fonso do Reg Barros, e contador Vicente terrei-
ra da Porciuncula, qual o praticante que na lor-
ma do respectivo regulamejiW devia cnami
meu fiel, por ambos estes Srs. foi-mo
V. S. como probo e umpridor de seus
accrescentando o pri.neiro que V. S. sempre
incumbi da cobranca das contas dos asignantes
do correio que iinporlavam em avultadas quantias
e deu sempre contasSexactas. Quanto ao segundo
respondo afllruiativamenlc. Quanto ao terceiro
que o seu coinpnrtamento durante o tempo que
allega f >i exeellente. Pode fazer o uso que lhe
convier desta minha resposta.
Bseada, 19 de abril-de 1873.
Miz Antonio Pires.
Sr. Amaro Gomes da Silva Ramos.-Satisfazendo
o appelio que Vmc. faz a in'un para responder os
questos constantes da presente carta firmada a
24 dejunho prximo lindo, cumprc-me dizer-lhe
que no cumprimeulo dos deveres inherentes aos
diferentes lugares que Vnv. tem oceupado nesta
repartieio, moetron e continua a mostrar zelo,
interesse e ntelligemia, inerecendo por isso a es-
tima e conflanea de seus companhciros.
Quanto o seu comportamonto tem sido exem-
plar.
Pode fazer o uso desta minha resposta que bem
lhe aprouver.
Sempre seu compaaheiro
Vicente Ferreira da Porciuncula.
Correio, 4 de junho de 1871.
Ilim. Sr. Amaro Gims da Silva Ramos.-Res-
pondendo a carta pie se dignou dingir-me, da-
tada de 2i do correte, tenlw a dtzcr-lhe que,
durante o tempo que temos sorvido na reparticao
do correio, nunca soube de fastos que desabonem
sua conducta, bem como tem mostrado zelo, dc-
dicacao, assiduidade e bstanle desenvolvimeuto
nos differentes lugaros que tem oceupado.
O que cima (lea dito allirmarei por juramento
se preciso fr.
Pode V. S. fazer o uso que lhe convier da
presente respasta.
Junho 26 de 1871.
Seu Companheiro e obrgado,
Agnello II. de Almeida Pernambuco.
Ilim. Sr. Amaro Gomes da Silva Ramis.-Em
resposta a sua carta tenho a dizer que, nao me
considerando o mais habilitado para salisfaze-lo
em seu pedido, peco todava pormssSo para
com franqueza declarar o q ic sei e e que sinto
a seu respeito. tt
Coma empregado no correio desta cidade lera
oceupato dinerentes lugares, como o de carrteio,
praticante supranumerario o presentemente o de
official papelista interino, e em todos elles fot
sempre distinguido pelos^seus chefes, porlando-se
com muito zelo, dedicado e honradez.
Nao compreliendo que usando desta linguagem
procuro fazer urna thuriferacao a V; S,; sou muito
franco, e de minha franqueza s quero que se
deduza, que nao obstante pequeo e pobre eorao
sou, sei dar o que lhe permittido.
Pae V. S. fazer uso de minha resposta oorao
lhe cotfrier.
Recife, 28 de jaueiro de 1871.
Sou com amzadj de V. S. companheiro e amigo
Antonio Jos Ferreira.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA E0' FOGO.
A companhia Indcmnisadora.cstahelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias ; na
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
PUACA DO RECIFE 29 DE ABRIL
DE 1873.
AS 3 1/2 HOHAS DA TARDE. '
l.'otuco*s ofDciacs.
Algodao da Parahyba 10*200 por 15 kilos posto
a bordo a fete de 112 d. e 5 0|0, hontem
Oambio sobre Londres a 90 d|v. 20 d. e 26
1|8 d., 6 do banco 26 d. por 1*0 JO,
honlcm.
Cambio -sobre Pars vista 3C3 e 375 rs. o fran-
co, do banco, hontem.
Cambio sobre Lisboa vista 112 0[0 de premio.
do banco, hontem.
Cambio-sobre o Porto a 90 dlv. 106 rs. 0|0 de
premio, hontem.
Descont de letras 11 0(0 ao anno.
ijDourrq
Presidente.
lA-al eve
Secretario.
I7:594:ii8
VOLUMES SAIIIDOS
No dia I a 2......
Pnmelra porta no dia 29. .
Segunda porta.....
Terceira porta.....
Trapicho Concecao .
40,286
106
63
819
276
21,609
*
SERVICO MARTIMO
Alvarengas descarre'gadas no trapiche
da alfaml.'na no dia 1 a 28. .
ilas ditas no dia 20. .
ios atracados no irap. da alfandega
rengas ........
trapiche Conceieao.....
Edilal B. HH.
Pela inspectora da alfandega se faz [.ublico qui-
se ha de arrematar, porta desta reparticao, li-
vre de direilos, s 11 horas do dia Io d maio, a
mercadura abaixo d clarada.
Trapiche Conceieao.
Duas caixas. marca D. t C. n 220 o 221 com 82
kilos de doce em BMSSB, avariado. viadas de Lis-
boa na barca prlugueza Gratida>, entrada 110
carren'.e mez, avahadas por 54ili 12, e ahandona-
das aos direitfis por Cunda Iruiaos iV ('..
Allandcga d) Pernambuco. 28 de abril de 1873.
(I inspector,
F.ibio A. de Caryalho Reis.
O lanrador da rei-ebedoria d.>
xo assignadj, temi de procinler no '.* Je
em dianti-, na freguezia de Santo Amonio, o l
,-.-1111 111'> dos impostos, pessoal. indutri:is. jfp.
Issojs edii-inia de mo ni ula, oaonaraado y**
ra do Imperador, largo das l'rini .-.i-, 1 2J
de .Novcmhro, el<. : previne aos -**N > <* >?
ctanos dos predios da rciehdi* tirvtu'tm, pasa
que li'iiliam a 1u.n1 os ulpo oliva i <- <* o rnn
tratos de arrcndainento, ahrn oV qu- a vista ol-
poss-lhes ser lixada a iptuia lo MjbredsVa ssv
poslos.
. Recebedoria de Pernambnco, ti *o abril dr
1873.
O lanrador.
FLivio Gol, ai ve Una.
SANTA CVS.V DA MlSEKIf.ORmA JO~
itLi.irr..
A Hlma. junla administrativa, da saou rasa do
misi-ricurdia do Recife, uiauda lazer imbliro
na sala de suas sessoc-, 110 dia I de Htoit*,
horas da larde, lem de sor arn-snalads a qsjssa
mais vaulagens ofterecer. |h4o U)Hi|t> b?
tr;s anuos, rs renda-; dos pi.-Jn*
iecUradm.
ESTABEJ.ECIUEXTOS DE CARIhAnK
Itua do Si'iihor B 1111 J.~mi-.
Loja do sobrade n. 35.....
Ra dr Sania Rita.
dem n. 31.........
. Ra da Ponte-Velha.
n. 31......
Una da Gnin.
Caas terrea
dem n. 59 .
261*00"
I56jrtjj
inmi
303NI
CUBACOES,
1.3
3
130
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do da 1 a 28. 60:3254246
dem do dia 29...... 5:05529'
tiveiem lil ios aascidos
o menores de 8 amos,
tiveifin lilhos livres me-
65:38045'i0
CONSULADO PROVINCIAL
Hendimento do dia I a 28.
dem do dia 29. .
111:8784466
1:4355505
i
I
113:313^971
ALFANDEGA
ttendimenlo do dia 1 a 2S. .
dem do dia 29. ... .
I,' 64:2555395
65:3594484
1,029:6144879
tfWMNTS n iobt-
Descarregam hojo 30 de abril do 1873
Vapor inglez -Ftre Qaeen mercadorias para al-
fandega.
Barca inglezaDollg Varden mercadorias para
alfandega.
Brigue inglez-A//rfi/a varios gneros para o
trapiche Coneeiclo, para despachar.
Brigue inglez -Accidental S/ii-diversos gneros
para o trapiche Goncoicao, para despa-
char.
Barca alloma-KHla-varios gneros para o tra-
piche Concecao, para despachar.
Patacho allemao -Jnliane -.varios gneros para o
trapiche Concecao, para despachar.
Barca americanaCascotaboado j despachado
para o caes do Apollo,
Brigue ingle Jane Gosdycar uiateriaes j des-
pachados aara o trapiche Conceieao, para
conferir.
I en por tai* lo
Ro Grande do Su", patacho portuguez O/inda,
consignado a J. Monteiro da Cruz & C, manifes-
tou :
Couros seceos 50. Cebo coaao 20 barris.
Graxa em bexiga 4,113 kilos.
Xarque 123,505 kilos aos consignatarios.
Rio Grande do Sul, patacho portuguez Lice,
consignado a Luiz Duprat, manifestou :
Couros seceos 6'. '
Xarque 139,545 kilos ao consignatario.
Montevideo, brigu9 hespanho! Amabile Tereza,
consignado a P. Carneiro 4 C, manifestou:
5,450 quntaes aos consignatarios.
Rahia, hiate brasilciro G'ribaldi, consignado a
Tasso Irmao k C, manifestou :
Farinha de trigo I.10J barricas a H. Forster
&C.
Passava 100 molhos ao capitao.
Portos do norte, vapor nacional Paran, consig-
nado a Pereira Vianna & C, manifestou:
Salsa 8 rolos a M. J. Alves.
Tapioca 13 encapados a Concalves Beltro 4 Fi-
lho.
Rentos entrados no dia 29.
Rio de Janeiro e Babia5 dias, vapor in-
glez Boyne, de 2,081 toneladas comman-
danto lleeks, equipagem 122, carga diie-
rentes gneros : a Adamson Howe New-York28 dias, hiate americano lluttie
Harkell; de 130' t meladas, capitao
Young. equipagem 6, carga varios gene-
ros ; a Henry Forsler & C.
.\avios saludos no mes%o dia.
Macei Lugre inglez Amelia Wilson, ca-
pitao Watson, 0111 lastro de areia.
Ri i de Janeiro e portos entermediosVapor
brasilciro Paran, commandante Pam-
plona, carga varios gneros.
Southampton e porlos entermediosVapor
inglez Doijnc, commandantc Reeks, car-
ga a. mesma que trouxo dos portos do
sul.
Observaco.
Suspesdeu do lamaro para a Babia o pa-
tacho norueguense BaUler, capitao T. V. W.
Angel, com a mesma carga que trouxe de
Trieste.
Emancipa?! d> escravos.
Ajuaia de euianeip.u ao de escravos creada pe-
lo art. 28 do decreto a 5,135 de 13 de novcmhro
de 1872, faz "publico que est funecionando 110
paco da cmara municipal lodosos dias nteis de
9 horas da manhas 3 d.i tarde e que segando de-
cidi o Exm. Sr. presidente d.i provincia, i vista
das duvidas apreseutadas pela referida junta, si 1
obrigad s todos os senhores de escravos deste
municipio a dar no prazo de 3 mezes urna rcla-
jao em duplcala do todos. s seus ase roa, alnn
de seren classificados, declarando nrlla .1 nome,
idade, estado, profissao, apiidao para o Irabalbo
e o valor. Observndose qne a eUssileacio ser
fela por familias e individuos que na liberiaoae
por familias preferiro :
1." Os conjuges que forciu aseraVQS d.- >li*-
ferentcs senliores.
2.' Os conjuges que
livres emvirtude da le
3. Os conjuges que
BOUS de 21 anuos.
4." Os conjuges com fil os menores escravos.
5." As mais com filiios menores escravos.
6." Os conjuges sem fil os menores.
Que na MberUcAo por individuos proferirlo :
f." A mai on pai com lilhos lisves.
2. Os de 12 a 51 annos de idade, comeeando
pelos mais mocos 110 sexo feminino c pelos mais
velhos no sexo masculino.
Que na ordem da e nancipacao das familias o
inviiuos serio preferidos:
1.' Os que por s ou por oulrein ntrarem com
certa quola para a sua Ubertaclo.
2. Os mais morigerados a juizo dos senhores :
em igualdade de eondicdes asorte decidir. Qne
linahnente incorrerao la pena de prisie quelles
que de m f nao derem na classilicacao os no-
mes dos seus escravos.
Recife, 24 de abril de 1873.
Rento los da Costa,
Presidenle.
Manoel Joaquim Silveira.
Francisco Augusto de Aluleida.
nho de R v-u
da l'or-im:
SalU>aJ r.'ivi.i
ila nstii(wdii o-
De ordem do Ilim. Sr,-inspector la tbesou-
raria de fazenda desta provincia, se faz pablteo
para conhecimento de quem irtleressar, que no da
30 do corrente mez, pelas 2 horas da larde, pa-
rante a unta da mesma thesouraria, ser posto
cm hasta publica, para ser vendido a quem inaior
vantagem offerecer fazenda, o terreno pmpro
naQnnal, onde eslava edificada a casa terrea 11.
16, da rita do Xogueira desta capital
Secretaria da thesouraria de fazenda, li de
abril de 1873.
0 official maior interino
Carlos Joa de ^onza Corroa.
_No dia 30 do corrente, linda a audiencia do Ur.
juz de dir ito da 1* vara do civel, tem de ser ar
rematada urna mobilia de amarello em bom esta-
do, composta de varias pecas no vabr de 166*. a
qual val praca por execueao de D. Joaquina Ber-
nardina de Castro r
Ebohardel.
Amaro Gomes 4a Silva Baaos,
ao pnhltoo.
A boa reputacao nao o frucio do trabalho de
um dia, formada por orna serie nao interrompida
(*) Por allluencia do materia
salc o oresnte artigo.
tem deixado de
.4 RtdacsBo.
COMMERCIO
Augusta F. d Oliv&tra & C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
Triestre, patacho norueguense Balder. consig-
nado a Jobnston Pater 4 C, manifestou:
Farinha de trigo 1,986 barricas aos consignata-
rios.
DTAit.
Edital n. 120.
Pela inspectora da alfandega se faz -publico,
que nao se tendo effectuado a venda da mercadu-
ra abaixo declarada, annuncada por edital n.
lio e 117 por falta de concurrencia ao valor of-
ficial, se transiere pela 3" vez a mesma venda para
as 11 horas do dia 2 de maio vindouro porta
desta reparticao.
Armazem n. 5.
400 leques de 3so que faziam parte do conte-
do da caixa, marca O B n. 172, vinda de Liver-
pool no vapor inglez Oberon, descarregada em
18 te marco prximo passad avallados por dous
contos e abandonados aos direitos por Otto Bohres.
Alfandega de Pernambuco, 29 de abril de 1873.
O inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
Ros contra Hermn Augusto
Edital n.
Cabo^Verde, brigue braaileiro aio,
consignado a Amorim Irmao ft C, man-,
fstoa:
Sal a granel 101 moios aos consignata-
rios.
Portos do sul, vapor inglez Bojji)e,<
consignado a A. fiowe & C,
tou :
Fructas 11 caas a Jos da Silv>. Loyo
Filho.
Pela insiioctoria da aifandega se faz publico que
nao tendo sido arrematadas as mercadorias abaixo
declaradas, annunciadas leilao por edhal n. 11A,
por falta de concurrencia, so transfere a mesma
arremataco para as 11 horas do da 2 de maio vin-
douro a porta desta reparticao.
Armaaem n. 5.
Marca J I M k C. em, numero -Uina roda de
(erro fundido, simpl-s, para moinho, adaxia ou
s/jmolhantes, pesando 90 kilos, avahada por....
IdOOD, vinda no navio inglez BdUt, descarregado
em 3 de abril de 1871 e consignada a J. L. Ma-
chado 4 C. .
Di'aP. sem numero-3 potes de louc> vidrada
., vasios o quebrados sem valor, vindos no brigue
raaMifS-" *nlea *. descarreaado era 6 de apnl de |87J e
cooHSBados a Saunders Brothers c C.
Armazem a 6.
Marca T F-t*aiias vasias aem valor, vinda le
Rordcaux no vapor francs Razone, descarte-
Commisso encarregada de
examinar os apparellios
da companhia Recife-
Drainage,
Para que a commisso encarregada, pelo
Exm. Sr. presidente la provincia, Je exami-
nar se ,os apparelhos da companhia Ilecife-
Drainage, funcqonam regularmente e bem,
ou se as queixas articuladas contra estes
prtain de grande numero le particulares e
procedem de defeitos dos referidos appare-
lhos, ou do pouco cuidado que so tem em
sua applicaQo, indispensavel que todos
quelles que se queixam se dirijam com ur-
gencia e por escripto ao abaixo assignado, I
indicando as causas a que attribuem o mo
servigo que os ditos apparelhos lhes pres-
tam, afim de que possamser consideradas
suas queixas.
Recife, 26 de abril de 1873.
Dr. Joaquim ile Aqumo Foneeca.
O lancador da receburia desta provincia,
abaixo assignado, tendo de proreder ao lanija-
monto do imposto pessoal, e dos de industriare
profissoes, e da decima das corporaeoes de mao
mora, no bairro de S. Frei Pedro Goncalves, do
o 1 ce maio em diante, principiando pelas ras
do Mrquez de Olinda, Bspo Sardnha, Brrelo
de Menezes. Vigario Thonorio, dos Burgos etMod
vessa da Madre de Deus, previne aos Srs. \o*W
tarios dos predios sitos em ditas ras e travessa,
que em vrtude da lei devem apresentar os res-
pectivos reeibos e contratos de arrendamento,
afim de que, avista destes, possa o mesmo abaixo
assignado marcar a taxa, com que cada um tero
de contribuir para aquellos impostos no tuturo
exercicio de 1873 a 1874. .
Recebedoria de Pernambuco, 29 de abril de
1873' O lancador,
Manoehfrii Soaret de AnHw;
Ra da Phai"l
Casa terrea n M......
Ra do Amorim.
Sobrado de 2 ainlar.'s n. 26. ..
PATRIMONIO DOS O 1111 AOS
Ru i da S n al.-v.-ha.
Casa terrea n. 16...... Wi>nt
(I- pp'tiMidoiites ilever n ai'ie-cn'ar ik art da
nrrenia'icao as suas liancas, mi cninpasaojal
acoi itanliados do* iosjwHivu ,drv*. ovuod>
pagar stem da ronda, o preiii.n da ipuntia ei-
que for S'-guro o pri-di qn' cn...i -lab ra y
ment coiniii.Tri.il. as-ii c;n i | r\ i da los-
paca e prooos ios appareil
Sccie'ari3 da sania raa la iniseririadia di Kc-
cire. 21 de abril de 1*71
*0 f
Peino Ruh Smzm,______
Sania rasa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da santa casa is
di Recife, teordenida junia a lininwtraln i.
convidados oe p ireate* d ducaiido* dn riMrp
de or|diaos, em soguida tfc-cla: :td<, oor ff ?<"
.lino requerer a prcsioV lesa I >: rotros, vio>i
Sjoa oo podeui litis all c >nli aar cm viiiihir *
que dispoe o an. i*i lorespralita irp a !
por ja lerein altingido a idade >- \\ anaov.
Antonio Paira de MaaBsaaa Slho legMawdi
Mara Isa'.' I de Je#n
Pranciaco Goa;alves On'naai
Je Anua d i Sal tt Cava* ia*s,
Ju5 i da Gnu M'llo e M da,
da l'iol.ciiin Perr ira .V Mein
M..ii .'I T.i 'uli'ro linic.iM'-
Iho legitimo de Candila Rusa
cilla.
S.'cr.'laria is santa rasa
Recife, ISde ahiil is II
O r sen vio,
Pedro Rodrigues le = Sania Casa de Misericordia
do Rc( i c
A junta administralva de*ti Santa Cs dous terrenos qne no loa, boje Hutrie Cealn, sal H c W.
aqnclle !90 palmos c de r.ale e
de fUados al a liaiva mar
Sccrelaria da Santa Casa de MiarTiroritt *>
Recife. 7 de abril de I87J.
11 ,
Pedro i I ipirs dr Siwza.
Capatazia d'al andega.
A gerencia da empreu d obras r rapatasia
di alfandciia de.-la provin rrfwi-
lavel corpo de roiniiK'i.i .
-ar possa que a com 'ralo pina
o e ivorao nparial U alssrad i p ocdrn di aV-
sooro n.67 deSBde niar'.nidnsao : pel ! de maio prximo vindoind laxa
constantes da inesmn ondi
rias esse tempo exi na**earro
da einpreza, quer iLu< que m- fitresa reroaaBasV'.
sero cobradas d.. seguiole m ido :
1. 100 tais diai i'- [Kir t.inrlada metri.-a lc
arqueacao, sendo navio, c l"i reH -codo alvarea-
ga, lancha, barraca oo cadua ava atracad
pontea da alfandega c dos tnnk es c armasen
cusleades p'da empreza carr.^uem ou desea,
piiem : e melado dlas ta\a> n di i mu qtir e-
lando estas isnliirrsrrii atrneadas ana oanvgurm
ou di'scarregncn, salvo aste intimo cana ejn .
sso aconlccer por motivo de forc* maior a julo
do inspector da alfandega.
2.. 800 reis por tonolad i mtrica tV
(io, incluido o frele de alvar liga ou lancha pHa
carga ou descaiga de navio fuicado dentro d
porto que nao atrae.: |. ntt-*, e doMBB-
barcar toda a sua carga, sen lo nertl caso a alva-
renga cu lancha e sua conducrlo fornerida pato
eniprcza. No caso contrario pagara a diU taxa
por tonelada de mercad..ra cff.H-tivaroenle Jr*-
earregada. Esta laxa > lera excca|le nnan.b
coaven a a empresa socarragar-M do 30 _4o reis pelo embaraa ou deaeantornne
de cada volnme nao excededo a 59 kilos,
caienao deste pos., mais o res por dezena on
fraccao dj dezena excedente Je 50 kilos era ca
volurae.
Sendo, porm, bagagem oOO reis por atonar
z\t 5 kilos, e i#000 por volnme que exceder de-
kilos.
4. armazen.igem calculada e cobrada sobre a
importancia los arana) da sonajas nos trro-
do art. 13 do decreto n 4,^10 de de abril So
Do dia immeJiato da descarga at S msies na
razao de 1 por cento ao m.v
De 6 meses at um anno I Irl por cento n>
me:.
De 12 ate 18 meies 5 por cento a mes.
Do 18 at 24 meses 3 por cento ao ases.
Era todo lempo excedente a meses na ra**>
do 4 por cento ao mez.
Entende-se por dreilo de consomo os estobate-
cidosna tarifa das alfan legas inclusive aWr
augmento addlconal nos termos das deas d.
the-ouro do 26 de Janeiro do 1866 e 1 de eve-
re.ro do 1863.
Quando as mercadorias despachadas foram fana*
tas dos respectivos direitos, por coneanao '
cial e nao pela tarifa daa alfandega*, a
gem ser calculada sobre os direilos de
3ne a mereadoria doveris pagar sa ana
esta isencaq ordem do t esouro de 17 de
ro de 1863. Neste caso ficam eoonire^siilietof a
despachadas para re exporta^
Quando as mereadoria* iln>a^adaa |
suo-io forera isenUs dos direilos pela la
orazenajem ser cakplaaijlire os .direnaa rc-
, sultanas do seu valor e na 'M
-Cllensde5deNiiani^ nni-
r de 1861.
\ Ojiando ? mercndwu.
fJMn-iea-

1
<
*m$



-

*
Diario de Pernambuco Quarta feira 3fr de Abril de 187$,
irangehnu vieren sfoaapanhj das de carta (le
guia por ja haverem pago ee dir los de consumo,
a armazenagem ser calculada sobre os direitns
resoltantes de 30 por ceoto de seo respectivo va-
lor declarado na mesma .guia. Ordens de 8 de
na 10 de "1869.
Finalmente, qnando os gneros forem uacionaes,
a armaienagem ser de IrV por eento do valor
que estas tiverem na pauta semaaal e por cada
mez de demora. Ordens de 4 de agosto de 186o,
de outubro de 1867 e 24 de Janeiro de
16
*>.
Para base de tsdos estes Calcuta c robrnnca da
respectiva annazenag< ni aeirjfrm se guiar pe
lo que constar dos despachos jGitjs o proecsados
pelas partes e apresentados al andega. os quaes
devem ser presentes euipreza pelos despachan
tas logo depois de pagos e hincado no ivro da
rccerta da alfandega os direitns devidos ao Estado
nao sendo-lhe portanlo ermittido exigir das roe-s
mas partes facturas'iu qualquer outro docu-
mento, f
Quando a descarga dos volumes, era um mes-
no despacho, teuha ido feita em diflerentes da-
las se tomar par* base o calculo da araiazena-
\ gem'Hermo medio dos dias de descarga.
< jnuara em vigor as iseocoes de armazena-
gem a que se referem os reguamentos da alfan-
dega e empreta.
6.' Pela emissao de garantes de deposito, na
formada condicao oitava, um quarto do valor
das mercaduras nelle mencionadas.
6.* Pela abertura de cada um volurae 200
res.
Empreza das obras e capatazia da alfandega
de Pernambuco, 14 de abril de 1873
O gerente,
___________________Jos Joaquim Antuns.e
I
Mu.
I' ) O Illm. Sr. inspector da tuesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fa/cr publico que
tera aberto concurso para preenchimento das va-
gas de praticantes existentes na mesma thesoura-
ria, e marcado o da 9 de unho prximo vindou-
ro para terem lugar os respeciivos exames, que
versarn sobre as materias de que trata o artigo
9 do decreten. 4133 de 6 de abril de 1868, a
saber : conhecimento perfeito da grammatica e
lingua nacional, o da aritnmetica at a theoria das
proporcoes inclusivamente; devendo reunir o can-
didato ao conhecimento dessas malerias boa letlra.
Os pretendentes se devem habilitar previamente
com a exhibido de certido de ida de, na qual pro-
vem ter 18 anuos completos, e follia corrida, pela
qual se mostrem livres de toda a culpa, podendo
exhibir quaesquer outros documentos que jul-
guem a bem de suas pretencoes.
Thesouraria de fazenda de Pernambuco 26 de
abril de 1873.
0 2* escriturario serviudo de secretario
Carlos Joao de Souza C rreia.
ADMINISTRACAO DOS f.ORRKIOS DR PERNAM-
BUCO 30 DE ABRIL DE 1873
Malas pelos vajiores Giqiii e Maudahu'
d companhia pcrnambucana.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (30), pelos vapores .cima mencionados para
os portos do sul ate o Aracaj, e para os do norte
at a Granja, ser recebida pela maneira sc-
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza, e cartas a registrar, at 2, lloras da tarde,
cartas ordinarias at 3 horas, e estas at 3 1|2,
pagando porte dupin.
O administrador interino,
Vicente Ferielia da Porciuncula.
e
SANTO ANTONIO,
EMPREZA-VICENTE.
uarla-Vira .10 de abril de .875
NOVIDADE IMPORTAXTISSIMA.
Succcsso gai'itntido
!
Grande espectculo cmico lyrico
PESSO.tL DE 35 FIGURAN.
Representadlo nesta cidade da muito interes-
sante e jocosa opereta em 3 actos, original do l'r.
J. M. de Macedo :
\
\
Espirituosa eritiea ao systema cleitoral no Bra-
sil, representada pela primeira vez, no thcatro
G>mnasio do Rio de Janeiro, em presenca de
& M. 0 IMPERADOR.
Jfask'a d) maestro Colas.
composla expressamcnle nj estvlo das cancoes
populares brasileiras.
denominaces
l. acto,- O dous candidatos.
2. dito.Vermelhos e amarellos.
3. dito.-A cabala e a eleiyo I
Peisonagens.
Joao Fernanios, Juiz de paz Sr. Flavio.
AIMM90 Mendes, subdele-
cado
Manoel Gonenlves, influente
eleitoral
Bonifacio Pinto, escrivao
Baptista Fagundes, eleitor
Diniz Antonio Luiz, dito
Henrique de Souza, enge-
nheiro
Tmara.
Beraardino.
Julio.
. Mximo.
<> Menezes.
Santos.
Suva, preeura-
Emiliano.
Pinto.
Philadclpho.
Vicente.
Fiorindo.
Antonio.
N. N.
D. Joanna.
D. Manuela.
D. Olympia.
Germano da
dor
Pantaleo Caneca, votante
Guilhenne Lamego, alferes
de polica
Chrispim Pataca, actor vo-
lante
Paschoal Bailan, capanga
Um votante
Um sineiro
Anna, irma de .'oo Fernn-
des
Faustina, filha do mesmo
Felicia, viuva de um depu-
tado
Votante?, guardas nacionaes, inspectores de
quarteirao, soldados de polica etc. etc.
A scena passada n'um carato de urna das
provincias do imperio.
PECAS DE CA.NTJ.
N. 1. Aria e coro A noss.i torre famosa !
N. 2. Duetto Son namorada das minhas flo-
res I
N. 3. Caneo chula Moca esperta (mando
ama I
S. i. Aria bufa Bravo I bravo finalmente !
N. o. Romance burlesco Que dor no vzio I
N. 6. Copla Eu sou sublime engenheiro.
N. 7. Tercetto buffo segredo que eu tenho
no seo. .
N. 8. Coro final do 1. acto Viva e reviva o
godemi !
N. 9. Duetto chulo A titia anda engaada !
coitada !
N. 10. Canconeta Favonio da minha rosa.
N. 11. Tercetto 0 ciume que abrasa tneu
peito I
N. 12. Walsa burlesca Oh que gos'.o rom-
pendo alleluia I
N. 13. Romance caricato Qucm ama nao tem
socego I
N. 14. Coro final do 2." acto Algazarra 1 Pan-
cadaria I
N. 16. Recitativo : '
Pel dinbeiro o homem de juizo.
Soffre tudo sem sentir abalo,
Vende affeicoes, aluga a consciencia
E at s vezes serve de cavallo !
.N. 16. Cero da cabula Avante I avante !
N. 17. Duetto burlesco Alegres vivamos, co-
mendo e bebendo
. 18. Grande caleret, finai coplas e coro.
N. B. A msica do eateret composicao do
Sr. Manoel Joaquim Mara.
O sepuario completamente novo e caracters-
tico e foi executado pelo hbil scenograplio
LEN CHAPELIN
A peca e$t posta em scena com todo o es-
mero.
Principiar as 8 1/2 horas*
THEATRO *
SANTO ANTONIO.
EMPREZA
MACHVLDE POPPT,
R DA
JOVEN VALENTINA POPPE.
Qninta-feiru t le nal*.
Pre^r.inifut*.
,>ela orchestra urna bri-
Ihante onvenura, ser representada a interessan-
tc comedia nacional em 3 actos, toda ornada de
msica
0 PlinlasfRa Braneo *
original do Dr. J. M. do Macedo.
Os principis papis s<> desempenhadi.. pelos
artistas : Manuela Lucci, Joanna Januaria. Fl
vio e Vicente.
Nos intervallo a ore estra executar a polka
imitativa
pansarlnho e grande galope burlesco
VIVA A PANDEGA
composicoos do maestro
Julio Poppe.
No intervallo do 2. e 3.* acto, Mme. Poppe can-
tar a linda canconeta de Beanplan
Le necessaire.
Terminar o espbctaculo com a graciosa say nette
Les hlrondelles de la ru.
Ai andona' as da ra.
Principar s 8 1|2 horas.
As beneficiadas tendo de retirar-se para a
Europa, fazem por este mei as suas despedidas
ao hospitalero publico pernambucano, agr-
decendo-lhe a generosa proteeclo com que sem-
pre as distingmram.
Os bilhetes podem ser proenrados em mo das
beneficiadas ra Bella.
As l eneficiadas, em um dos in ter va los, iro aos
camarotes agradecr as Exmas familias, assim
pomo, as mesmas pdem a todas as pessoas que
receberam bilhetes que iro pessoalmente s casas
receber as exprtelas.
ventariante dos too* deixadoe pelo fUlMalmlu de
seu marido Antonio do Coute Vieiri, e por despa-
cho do Illm. Sr. Dr. juix A orphaos, di offlcina
de marcineiro ra do RaHgel n. 80, Cjuio producto
rer applieado ao pagamento de alugoen vencidos
da mesma oUleina.
A's 11 horas do dia cima, na m%raa'offl,-im.
Leilao
aVISOS MARTIMOS
O navo allemo Jaliane toma frete para a
Bahia, para onde vai sahir brevemente : a tratar
com os consignatarios Keller & C, ra do Bom
Jess n. 53.
Cotiipaiihia amerivana e hrasileira
de paquetes a u\m.
At o dia Io de maio esperado dos portos
de sul o vapor americano Ontario, comman-
dante Slocum, o qual depois da demora do cos-
lume seguir para New-York, tocando no Para
e S. Thomaz.
Para fretes e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster & C, ra do commercio n. 8
Para *
Para este porto segu com p uca demora o
velleiro brigue allemao Miranda, recebendo car-
ga a frete commodo : trata-se cora o capitao que
se enneontrar no armazem de H. Lundgren, ra
do Commercio n. 4.
Para o Porto,
Segu com a possivel brevidade o brigue por-
tuguez Juditk. Para carga e passageiros trata-
se com os consignatarios Thomaz de Aquino Fon
ceca & C. successores, ra do Vigario n. 19.
O
Rio de Janeiro
segu viagem nestes dez dias o patacho nacional
Veloz. A pouca carga que Ihe falta pode imp tra-
tada com o seu consignatario Tito Livio Soares,
ra do Vigario n. 17.
PARA'
Para o referMo porto segu com poucos dias
le demora o brigue portuguez Ligeiro III,
capitao e pratico Notare, por ter mais de dous
tercos de seu carregamento prompto, e para
o que lhe falta, que recebe a frete comino-
do : trata-se corn os consignatarios Joaquim
Uos Goncalves Beltrao & Filho, ra do
Commercio n. 5.
Bahi
a.
Para o referido porto segu com poucos dias de
demora o hiate Olnda, por ter parte da carga, e
para a pouca que lhe falta, trata se com os con-
signatarios Joaquim Jos Goncalves Beltrao A Fi-
Ihos : ra do Commercio n. 5.
Para a Bahia
o hiafe Gaaibaldi sage nestes froucos dias : para
o reste da carga trata-se com o consignatario Cus-
odie Jos Vianna, ou ra do Amorim n. 39.
Para o Porto
pretende sahir muito breve a gilera nortugueza
Nova Fama II por ter grande parte ao seu car-
regamento prompto. Recebe a carga que lhe fal-
ta a prtcos mdicos, e tambem passageiros, para
os quaes tem ptimas accommoJacOes : trata-se
cora Tito Livio Soares, ra di Vigario n. 17.
Para Lisboa
o brigue portuguez Bella Figueirense, capitao Bar-
ros Valente; este navio vai sahir dentro em pou-
cos dias, e anda pode receber alguma carga e
passageiros : trata-se com E. B. Rabello 4 C, ra
do Commercio n. 48.
Para o Rio de Janeiro
o brigue portugue Colete, de 1* classe, vai sahir
em- poneos dias por ter a maior parte da carga
engajada; para um resto da carga que ihe falta,
trata-se com E. R. Rabello & C, ra do Commer-
cio n. 48.
DE
MOVIS, LIVROS EM KRAXCEZ E DOUS MA-
CACOS, A SABER :
3 guarda-roupas, I anuario, 4 adeiras de ba-
{an.;o, t sof, 2 mesas, 3 rabides pequeas, t
lanca de jogo, 1 rarteira, 6 eadelras, 3 ps de
bab, 3 ihhIIios de palba e tre de cozinlia.
Um relogio de bronce com peanra, 1 ettager,
muitos e diflerentes livros francezes e diflerentes
estampas (lithographadas).
Nove caixas com lijlos, 2 paos grandes, 6 peda-
eos de pao, I chapa de ferro, 4 taboas, 6 grades,
t roda, 1 (tetro, 1 banco para cortar fumo, 2 ta-
boleiros, 4 camas de vente, 1 cama de ferro, W
caixas, 1 guarda-ronpa, 1 mesinba redonda e ou-
tros objecloi.
QI)1NTA-FEIRA i DE MAIO
s 10 1(2 horas eni ponto.
. Por interven^io do agente Pinto
no arAaem do bario do Livramento, caes do
Apollo. ^ ________________
LEILAO
DE
vellas, cabos, correntes e barris contendo
carne salgada.
Quinta-feira 1 de maio
as 11 horas.
O agente Pinho Bbrges vender de novo em lei-
lao por eonta e risco de quem pertencer o se-
guinte : vellas viradores, cabos de linho, moitdes,
correntes, tudo novo e em bem estado, barris
com carne salgada ; os quaes se aeham no ar-
mazem alfandegado do Exm. Sr. Barao do Livra-
mento, no caes do Apollo, onde ser effeetuado o
dito leilao, e esperado a concnrteneia dos Srs. ca-
pitles de navios. _________
bons movis
Mobilias de Jacaranda, com
ta nipos de pedr mar more, mag-
nifico guardas louqa de vinha-
ico, mesas elsticas cora 5, 6 e
7 tabo.is i!e i-obre-alente, com-
inodas de Jacaranda e amarello,
aparadores de niogno e vinhati-
co, guarda vestidos e guardas
roupa,, ^ntre elles 1 com espe-
lh', relogios de parede de dar
horas, jarros finos para flores,
candieiros a gaz, l mobllia de
amarello com btmpos deped-a,
grande quantidade le trastes
avulso-. suido: camas france-
zas de Jacaranda e amarello,
marju-zas larcas e estreitas,
ros para *cfiaiic,.is. ca kirinhas
p-nra crimo,as coinerem na me-
sa, cadeiras para escriptor; e
de piano (com rseas), cadiras
de guarniq'" de o-iTerentes irr-
driras e eitios, livros dedirc^o
e litteratura, lyele?-, fjcas e gar-
ios p ra sobremesa, crystatsdif-
Ferente8, cabi es e qu rtinhei
ras para parede, objecU>a deou-
ro e prat e inini 'ade < e obje>
tos do u o domestico.
QL'INTA-FEIRA DO MAIO.
NA
KEIKA SEMANAL
16=rua do imperador n. 16.
Arm- zenn
Saniiofo (veneide.)
Almtida- ARmwerqut. -t-
Motta (vencido)
IXminyUei a 8iha.
; ^ Auif.
3/ A fl. 4O.-Accordo m relacio etc., que
frito o relatorio do estyllo, julgam o embargante
habilitado para intervir na presente causa como
parle, e desprezam os embargos para confirma
rem como confirmam o accordao a fl. Wi, e man*
dam que se cumpra o mesmo accordao. Paga o
embargante as costas.
ltecjfe, 18 de de emftro de :869.
Santiag P.
Souza Lj't (vencido quanto ao-nao
reccliimcnto ds embargos.)
lmeida Albuquerque.
Motta. ?
Auit. ,
________ Domingiiet Silo*.
LEILAO
da casa terrea n. 6 da ra do Arago, em chaos
proprioa.
Urna dita na ra de Vidal de Negreiros n. 136
(Cinco Pontas) reedificada.
Urna dita n.- 15 na ra do Amparo em Olinda,
em ebios proprios.
Sext-foira 9 de mal*
AO ME10 DIA.
Por intervencao do agente Pinto
Em sen escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
LEILAO
DE
fazendas inglesas
AVARIADAS
constando de
madapoles, algodes e chitas.
SEXTA-FEIRA 2 DE MAIO
Por intervencao da agente Pinto, em seu es-
criptorio, ra do Bom Jess n. 43.
LEILAO
DE
6 caixas M F com papel, contendo cada cai-
xa 40 resmas.
SEGUNDA-FEIRA 5 DE MAIO
As 11 1(2 da manh
O agente Pinho Borges far leilao das referidas
caixas com papel almasso lis > e pautado, de peso
e de cores, e mais miudeza;, sendo : carriteis de
linha, chapeos para senhoras, botoes com vidri
lbos para enfeitar vestidos, trancas e franjas de
cores, armamentos, espingardas para caca, lazari-
nos e mais artigos, no seu escriptorio ra do
Bom Jess n. 53, primeiro andar. ______
^
F/ciiilas avadadas
I
Segunda-fcira 5 de maio
s 11 horas
O agente Pinho Borges far leilao das seguintes:
madapoln, cambraia para forro, brins pardos,
panno azul e mais fazendas limpas.
Em seu escriptorio, ra do Bom Jess n. 53,
primeiro andar.___________________________
Novo leilao
DO
Engenho Monte d'Ouro
TERCA-FEIRA 6 DE MAIO
Ao incio dia mu ponto.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito
especial do commercio desta ciiade, e requer-
ment dos administradores da massa fallida de
Siqueira & Pereira, o agente Pinho Burgcs far
novo leilao do engenho denominado Monte d'Ouro,
sito no termo de Ipojuca, desta provincia, o qual
foi penhorado por cxecuQao dos ditos administra-
dores viuva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da
Fonceca, adjudicado indicada massa.
Ao meio dia em ponto, no escriptorio do referi-
do agente, ra do Bom Jess n. 53, (outr'ora
Cruz), onde os rs. pretendentes podem haver as
informales nocessarias.
Leilao
LEUDES.
Recita extraordinaria em beneficio e despedida
, da artista franceza
DE
20 saceos com arroz variado
HOE
s IO horas
O agente Pestaa far leilao, por conta e risco
de quem pertencer, de JO saceos com arroz ava-
riado com agua do mar; e serao vendidos quarta-
feira 30 do corrente, as 10 horas da manh, no
armazem.do Annes.
LEILAO
DE
15 caixas com queijos flamengos
Hoje.
O agente Pestaa far leilao, por conta e risco
de quem pertencer, de 15 caixas com queijos fla-
mengos, desembarcadas hontem, e serao vendidas
em 1 oumais lotes, hoje s II horas da manh.
No armazem do Annes, defronte da alfandega.
LEILAO
DE
bancos, ferramenta, rnadeiras e mais perten-
cas da ocina de inarceneiro da ra do
Rangel n. 60.
Na loja do sobrado em que mora o Sr major Si-
mos.
O agente Martins
D. Alexandrina-
a requerimento de
nimaraes Vieira, in-
.DE
unta propriedarie importante
denominada
Sitw da Portad'Agua
SEXTA-FEIRA 2 DE MAIO.
Francisco Ignacio Pinto, competentemente auto-
risado pelos nroprietarios do sitio cima dito, e
com licenra do Illm. Sr. juiz dos orpbos, vende-
r a mesma no dia 2 de maio prximo vindouro,
ao meio dia, no seu esiriptorio, ra do Bom Jess
n. 43.
Apropriedade torna-se muito recommendavel
Sor ter diversas casas de moradia, olaria e gran-
e baixa do capiru,. e pode produzir urna renda
annual de 3,' ou ou mais.
PKOTKSTO.
Symphronio Queiroga tem procurado impedir a
venda da dita propriedade, insistindo em se julgar
com direito a urna porcSo de Ierra e ana peque-
a casa qne faz parte d'ella.
O pretendido direito de Queiroga nao existe, e
querendo elle faze-Io valer em juizo, decahio da
aco-que para isso intentou e proseguio contra
os herdeiros do tenente-coronel Florencio Jos
Carneiro Monteino
Os accordos que abaixo se transcreve, mos-
tram haver elle decahido d esta aciio :
O l.'mbstra que os herdeiros de Florencio Jos
Carneiro Monteiro foram habilitados, e com elles
proseguio a aegao intentada por Queiroga, em 16
de dezembro de 1861 a fl. 180 dos autos.
0 2.* mostra que se julgou nulla a setenca que
obtivera Queiroga e que tentara executar, julgan-
do-se nao ser competente a aeco intentada, fl. 402
23 de outubro de 866.
0 3.a m)stra que foram desprezados os embar-
5os oppostos por Queiroga e confirmado o accor-
ao a fls. 402 e 420, 18 de dezembro de 1869.
Queiroga foi condemnado as eustas.
Accordos.
1. A fl. 180.Vistos estes autos etc julgo pro-
vados os artigos de habilitado de fl. 173, atienta
certido de fl. 174 e em face dos depoimentos
de fls. 176 a 177,-e por isso, havendo os habilitan-
dos por habilitados, mando que com elles corram
os termos da preste accao. Paguem os habili-
tandos as eustas.
Recife, 16 de dezembro de 1861.
Francisco de Araujo Burros.
. A fl. 402. Accordos em relacao etc., que
proposto e discutido este feito civel entre partes,
appellantes D. Joaquina Bonifacia Pires Carneiro
Monteiro e sens Albos, appellado Symphronio
Olympio de Queiroga, julgam nulla a sentenca
exequenda, porque a aceite intentada incompe-
tente e sem applicaco especie, visto que tal
accao nao compete quelle que, estando na posse
do terreno de que outrem nao est de posse, e que
ninguem lhe contesta, quer livrar-se de urna ser-
vidao que tem esse outro comem daino de alguaa
arvore plantada em dito terreno, e condemnam o
appellado as costas.
Recife, 23 de outubro de 1S66.
Souza P.
LEILAO
DE
urna casa terrea na villa da Escada, no ter-
mo-de Santo Anto desta provincia, sita
ra da Barra, propria para qualquer
esta belec i ment.
SABBADO 10 DE MAIO
s 11 horas da manh. -,
O agente Pinho Borges competentemente auto-
risado, vender em leilao a supradita casa, no
seu escriptorio, ra do Bom Jess n. 53, primei-
ro andar, onde desde j os Srs. pretenderes podem
haver as nforraae5es e esclarecimentos.
AVISOS OVERSOS
IKSTTUTC
ARCH
MICO P
EOLOG
ERNAMBU
OE
Haver sosso ordinaria quinta-feira, i
do prximo maio^pelas 11 horas da ma-
nh.
ORDEM DIA.
i' Discusso do orcamento que hade ser-
vir de 187374.
2. Leitura de mais algutnas verbas do
testamento deJoo Fernandes Vieira, pelo
Sr. major Salvador Henrique d'Albuquer-
que.
4. Pareceres e mais trabalhos de commis-
soes
Secretaria do Instituto, 28 de abril de
1873.
* J. Soares Azevedo,
__________Secretario perpetuo.
CASA DA FflRTIA.
AOS 5:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
1' ra Primeiro de Marco (outr'ora ra de
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos sens fe-
llzes bilhetes, um inteiro n. 1701 com 5:000*, um
inteiro n. 2744 com 800*. um inteiro n 769 com
300*000, um meio n. 2084 cora 100* e outras
sortes de 40*000 e 20*000 da lotera que se ac-
bou de extrahir (47."), convida aos possuidores
a virsm receber na conformidade do costume sem
descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 3' parte das loteras a beneficio da igreja do
Guadalupe de Olinda (48*), que se extrahir na
quarta feira, 30 do corrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quafto 1*500
EM PORC,AO DE 1005O00 PARA CIMA.
. Bilhete inteiro 5*500
. Mel bilhete 2*750
Quarto 1*378
______________Manoel Martins Fiuza.
Cincinato Firmo Delcarpio Moura, retirndo-
se com ua ffeiilia para a cidade do Rio de Janei-
ro, e nao tendo tempo de se despedir de t.dos osj
seus amigos, pede por Isso desculpa e offerece os
sens bracos prestimos naquella cidade.
Recife, 29 de abril de 1873.
Terrenos bem localisado.s e
baratos.
Antonio.Jos Rodrigues de Souza, tendo
aberto cora pprovn;ao da Illm. cmara
municipal, nma ra com 80 palmos em seu
sitio de terreno proprio quasi defronte da
igreja dos Afllictos, para onle o transporto
na auniiiho de ferro 200 e 100 rs., e o
dos bonds fica muito perto ; vende aos pal-
mos, terrenos com as frentes para dita ra,
leudo cerca de 180 a 300 palmos de fundo i
a t/atar na thesouraria das loteras, com
Tristo Francisco Torres, que se acha encar-
regado.
GASA DO OUKO
\o* &:00
Bilhetes garantidos
Hua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
ti. 63, e casa do costume.
Acham se venda os mnito felLes bilhetes ga-
rantidos da 3" parte das loteras a beneficio da
igreja de Gnadclupe de Olinda, que se extrahir
no dia 30 do corrente mez.
Prece*
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*300
De 10O?O0O para cima.
Inteiro 5*500
Meio 2*780
Quarto 1*378
Recife, 22 de abril de 1873.
____________Joao Joaquim da Costa Leite.
Preciinciw.
Nao poder pessoa alguma fazer negocio com o
Sr. Jos Justino Fernandes Barros sobre os molo-
ques e muleras de nome Joio, Militao, Ermira e
Justina, sobre pena de licar sem validado dito ne-
gocio, pois gozam os mesinos Je plena liberdade,
como se prova. Recife 28 de ab I de 1873.
Barbara Bernardina Sobreira de Albuquequ
Precisa-se do 3:500* a premio de 1 0|0, dan-
do-se garanta em predios nesta praca : quem
quizer fazer este negocio dexe carta fichada nesta
tyiwgraphia com as iniciae? R. C
Vend-se
Um sitio na cidade de Olinda, alen m
ter urna boa isa do vivenda para grand*
familia, tem muitos arvorodos de fructos *
todas as qualidades, e excellonte agua e
beber ; a tratar neta typogra|4iia.
Auzentou-se da casa do seu senhor a escrava
Febronia, preta, altura e corpo regular, peitos
grandes, zarolha e picada de bexigas, ps curtos,
cabellos carapinhos, denles um tanto salientes e
iujos ; levou tres vestidos de chita novo? e um
de seda Dreta : consta que seg ie caminho de Pao
d'Alho em companhia de um crioalo forro chama
de Manoel Lopes, moco, estatura baixa e stin
barba. Quem a pegar quera leva-la ra do
Bom Jezus n. 49, armazem, ou na Ponte de Uchoa'
casa dos herdeiros Guibson, que ser bem re
compensado.
Pergunta-se.
A mesa regedora da irmandade do Sr. Bom
Jess das Dores, erecta na igreja de S. Gonzalo,
se a irma Joanna Antonia Gil, fallecida no dia 4
do corrente, nao tinha como as mais irmas di-
reito de ser sepultada em catacumba I tinha sim,
pois, como o Sr. provedor mandou que o Sr. the-
soureiro a sepultasre no chao por sua respon-
sabilidade porque ella era sem prenles, pobre
e desvallida, e por nao ter quem olhasse para
seus direitos. Mas, nao foi isto um absurdo com-
pletamente e um discredilo para a irmandade; pois
ser bom que nao se repndusam factos desta
ordem, para que nao (se oiga que a irmandade
nao tem mesa, pois a irma deu 20*000 em vida
para ter o direito de catacumba. Nao hei de ti-
rar o direito de quem o tem.
Joao da Silva Ramos, ausentando-se por al
uns mezes para Europa, deixa toa casa de sa-
e confiada aos cuidados, de Dr. Jos Zacaras de
Camino, que ser auxiliado no servico medico
pelos Drs. Cosme de S Pereira, Alexandre de
Souza Pereira do Carme e Affonso Arthur Cys-
neiro, e na parte cirurgica pelo Dr. Luciano de
Moraes Sarment.
Com esta substituto de to distinctos collegas,
os doentps alli recolhidos tudo tem a ganhar.
Os mesmos distinctos doutores se prestam a
visitar os doentes de sua clnica particular, fu-an-
do a cargo dos Drs. Zacaras e Cysneiro, sen con-
sultorio na ra )o Imperador, defronte da bo-
tica central.
Sendo forcado a resolver mnha partida para a
Europa, com a maior presteza do que tencienava,
nio me foi possivel, mo grado meu, despedir-
me das pessoas de minhas relacSes e ami ade.
por isso o heo por este meio, offereVendo-lhes meu
diminuto presumo em tudo em que Ihes pnssa alli
ser utd.
Recite, 29 de abril de 1873.
Joao da Silva Ramos.
Fu
gio
no dia 10 de margo prximo passado, do engenho
da Cruz, sito na fregiiezia da Luz, o escravo de
nome Luiz, de 20 a ?3 annos de idade, com os sig-
naes seguintes : fulo, baixo, oihos i equenos, es-
padando, ps regulares e com um dente da frente
podre ; o dito escravo levou comsigo um caval'o
russo : roga-se portanto as autoridades e capites
de campo que o apprehendam e levem ao seu se-
nhor o major Americo Carneiro da Cunha Albu-
querque no dito engenho, que se gratificar gene-
rosamente.
Pedro Carneiro de Alraeida tendo amigavel-
mente dissoltido a sociedade que tinha com o Sr.
Satyro Jos de Moraes no estabelecimento de ca-
belleireiro intitulado -Tranca Monstrosito a ra
Duque de Callas n. 28, ficando a cargo do mesmo
Sr. Satyro o activo e passivo do mencionado esta
beleeimento, vem pelo presente prevenir ao res-
peitavel publico, e com especialidade a sua nume-
rosa clientclla, que tom aberto um novo salo de
cabelleireiro ra do Barao da Victoria n. 23,
onde o encontrarlo sempre prompto para o exer-
cicio de sua profhso.
Quem precisar (de um cozinheiro para casa
de homem solteiro, dirija-se ra das Pernam-
bucanas n. 1.
Novo estabelecimento
de joias. g
Ra do Cabiig n. 18. -
O proprietario deste estabeleciniente r"
recebeu entre muitos objectos de peque- S
Si nos valores, os seguintes: rozetas e anneis
'9 de brilhautes, brincos e cazoletas, ade- *??
S recos e meos aderemos de rubins, esme *..
S radas, perolas, alfinetes para retra- m
jg tos, mi- brilhantes, rubins e perolas, *>*!
S porta-charutos muito projirios para me !^
r* sa, de delicados gostos e perfeita mo S
^ de obra, apparelhos proprios para almo- *
4a cp e jantar, para meninos levar para o B
4r collegio, tudo se vender por procos ra- K
^ zoaveis, garantindo-se todas as joias que J|
i^ deste estabelecimento saia. Tambem se "^
S fabrica e concerta qualquer objecto ten- S
9 dente a mesma arte. *
Escravo fgido
150#000
No engenho Massuass, freguezia da Iscada, se
dar de gratificaco a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro preximo passado : o '.. tem 9 annos,
sastanho c castrado, tem a orelha direita bastante
aseada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o 2." rugo, com pinlas ver-
melhas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
eoco fino, castrado, tem os quadris feridos da
cangalha, ferrado com a marca -1. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3 rudado
sanhass claro, curto grosso, ura pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
-Ono quarto direito : gratifica-se com 50*000
por cada um em presenca da pessoa, em culo po-
der for encontrado qnalquer dos ditos cavaBos.
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaese podras.
OLEOO"DELGADO DE BCALHAO
Nutrimento
MEDICINA!
f l'iepiradoe por
Latiuian A K-mp
paia tisi.ae toda
qu;!idatiU oVo-
em,as, quer t*'j*
na iraritanla, j*-
lo cu bofe.
Expreit-
reeiite escolhio
dos melhorefv
gados dos quaet
se extrahe
-leo, no banco
da Terra Nova,
purificado ch>
iniralmente,
suas
p repriedadea
conservada*
com todo o cui-
dado, em todo o
Irasco, se garan-
te perfeitameo
te puro.
Este oleo tea
sido suhmettido
a um exance
ti'.] i! o se vero, pelos chimicos de mais tale-o
ot, do governo liespanhol em Cuba,foi d-
vulgado por elle e conten
MAIOR TORCAO DIODINA
Jo que outro qualquer oleo, que elle tea
xammado
IODINO E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de figado d bacalho,
e naquelle no qual contm a maior porclo
d'esta invaluavel propriedade o unko
meio para curar todas as doencas de
G.UIGANTA, PEITO, ROFES.FIGADO,
risica, bronchites, asma, catarrbo, tosse,
resfriamentos.etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a nista.e d vigor a
todo o corpo. Nenuum outro artigo co-
ahecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e en< ommodanrto
piasi nada o estomago
HEDIC0-CIR11GIC0
Dr. J. II. Cari*
OPERADOR E PARTEIRO
Hua do Mrquez de Olinda n. 23, pri-
tff ineirn andar.
5 Consulta das 7 horas s 10 da manhl.
W Chamad is a qualquer hora.
&* 8-08*88 88*88
00OOO9O808
M. O Dr. Jh.ii Mara Seve, modic parteiro }QL
5 e operador, mudou a sua residencia para "
19t a ra do Riachuelo (Convdor d" Bi*po)
a subradu n. .">!. unde pode ser procurad)
para o exercicio de sua pndissao, das 6
as 9 horas da manh e das h da larde em
M, diante.
A88-ft 8A8888
Francisco Jos Cardo-
so, artista al faiate, transfer o
sua oicina da ra do Barao
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
primeiro andar.
Francisco AI ves Monteiro Jnior retirando- e
temporariamente para Baropa a tratar de sua an-
de, doblara que desta da'a em diante na se rs-
ponsabilisa imt debito alpuin c*ntrahidem sen
nome individual, que n;io seja rom >nlaji por es-
cripta de seu 1* procurador Joao Fernandes Bap-
tista, o que faz publico para evitar duvida; fu-
luras. Recife, 23 de abril de 187.1.
Joao Jos Manoel, sua sonhora e dajffmenr
as vo para Bnnpa, levando em sua companhia
o seu irmo Joao Francisco Manoel e nma es-
crava.
Attencio.
Quem precisar do boas amas seccas e de leite,
affiancadas, dirija-se ao pateo de S. Pedro, n, 3,
loja, que achara com quem-tratar.
A vinna de Livio deJSouza e Silva faz cen-
le ai dsvedores do estabelecimento de reflnaco
da ra da Concordia n. 32, que ai est autorisalo
para receber dos mesmos seu pai Raphael Fe -
naudes branles. Recife 29 de abril de 873.
Francisco Siinoes da Silva Mafra propoe-'*
a varrer as frentes das casas de negocio da fre-
guezia de Santo Antonio, mediante a 60 rs. dia-
rios, e responsahilisando-se pelas multas em falla
de limpeza._____________________________
Nao ha mais cabellos
braceos.
TINTURARA JAPONEZA. .
Se nica apnrovada pelas academias da
sciencias, reconnecida superior a toda que
tem apparecido at hoje. Deposito princi-
pal ra da Cadeia do Recife, hoje Mr-
quez de Olinda, n. 51, l. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro. *
^ Consnllorio medieo-eirirpw
Dr. Ferreira.
Ra larga do Rosario n. 20, (antipo
gabinete de sen pai)
Gratis ao pobres.




r
>
i
\
Divio de, Peraambuco Quarta feira 30 de Abril-de 1873.
IM
T1ULH0S URBANOS
v ^L. DO
Recife
Iujo-U
Olindii e Beberbe.
De ordem da d i recto-
". Sf
i i* coavido aos Srs. ac-
cionistas para, no di*
$0 do correte pelas 4
horas da tarde, se reu-
nirem no lugar do cos-
tume, afim de ouvirem 1er o relatorio se
mestral, de conformidade coro os estatutos
9tn vigor.
Escriptorio da companhia, 31 de abril
de 1873.
0 1.* secretario,
Laurentino Jos de Miranda.
Do dia 1 .* de makt era diante fica sup-
primido provisoriamente.
Linha de Olinda.'
A estacAo de Salgadinho.
Os trens que paravam na estaco de Be-
lem, excepto o que desee, pela raanh, de
Olinda s 7 horas, e sobe do Recife s 9 ho-
ras.
O que desee a tarde s 2 1/2 e sobe as
5 1/2 do Recife.
Ramal da Encriisilhada a Beberibe.
O trem que subia pela manh s 5.35,
e descia a Encruzilhada s 5.58. O que
suba a noute, s 9.45 e descia as 10 1/2.
Escriptorio da companhia, 23 de abril
de 1873.
0 gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Conlra-protesto.
0 atnixajissipviilo irtuiu Udo n ani;im< o e p*.
trun |HiIiIh-:h!o< iwtiur-'O ib VfiH'imkr ilr; ti-.it-
l.m, (M>Ui'li>4'irn BaiM-W-o 1'lrtH*.. I'iiiIm, ijur
juiga-so aulomadu a vender o iW >la l'oil.i d'A-
gua, vem srk-ntiticar a- quem hmver de realisar
essa compra, que nimia conserva sobre aquella
propredado o misino direito que sempre leve, e
do qual nunca r.ii expUi eowonne falsamente asegura o pr lesto.
Para desengao *e quwu qner que *eja, lanibeni
por sua parte tracscrtsve o abaixo assignado o ac-
eordo que anmillou a senlen..- pbtida em seu
favor ; e quem nao quizer ser ceg ver qu%esse
aecordao nem mes no pz em duvida e direito do
abaixo assignado, e tmente julgou incompetente
a aefio.
Aecordao em reiaco etc., que proposto e discu-
tido este feito civel entre partes, aupeliante D.
Joaquina Bonifacia Pires Carneiro Monteiro e seus
filhos, appelfado Svmphronio Olimpio de Queiroga,
julgam Bulla a seienca exequenda, porque a ac
(So intentada i iiuxmpetente $ ten applicacao a.
expecie, vuto que tal acedo nto compele a aquelle
que. estando na poste do eerreno de que outvem
nao est de poste, t que ningum Ihe contesta, qner
livrar-se de urna servidao que tem este outro como
dono de alguna atvore plantada en dito terreno,
e condennuun o appllado as custes.
Souza Presidente.
Santiago (vencido).
Almeida Albuquerque.
Motta(vencido).
Domingues da Silva*
Assis.
Sympkronio Olinpo de Queiroga.
AVISO.
Protesto.
Previne-se ao respeitavel publico; que o sobra-
do do Poco da Paneila, em que reside actualmen-
te o Sr. Dr. Serapbieo, annunciado para ser ven-
dido pelo Sr Francisco Ignario Pinto, agente de
leiles, esti sujeito a urna doacio da quanlia de
10:000a ; e o abaixo assignado protesta contra a
pessoa que comprar dita casa. Recife, 24 de abril
de 1873.
__________Gnilherme Purcell.
Resposia a protesto.
Avisa-se ao Sr. Guilherme Purcell que o sobra-
do no Poco da Paneila, em que reside actualmen-
te o Sr. Dr. Seraphico propriedade absoluta de
D. Maria Joseqha Rawlinson e nao est suieito a
doacao nenhuma ewno pode verificar elle, ou
quaiquer interessado, consultando a escriptura da
compra no cartorio do tabelliao Almeida, por
eonsequencia nem elle nem quaiquer outro, po-
de empatar a venda que a mesma senhora quer
azer do dito sobrado, por ter ella fixada a sua
residencia delictivamente na Inglaterra.
Respondendo ao contra-protesto publicado
no Diario de 26 do corrente mez, relativo a casa
do Poco, > onde presentemente est residindo o Sr
Dr. Serfico, tenno a dizer que nao conhecendo eu
o anonymo que leve a bondade de avisar-me, lim-
to-me a dizer-lhe que em tempo competente, nao
so mostrarei o que declaro em meu protesto, as-
sim como Ihe mostrarei a illegalidade da procura-
So de minha tlha Maria Josefina Robson, que
iz ter para effectuar dita venda; e llie mostrarei
mais que a dita minha lilha est em Inglaterra
provisoriamonte. Recife *6 de abril de 1873.
Guilherme | Purcell.______
Soeiedade lkatrilica Doze de
Sclciiiliro.
No dia 30 do corrente s 6 horas da tarde ba-
. ver sessao ordinaria desta soeiedade ra da
Uniao n. 23.
Ordem dos trabalhos:
Proposta, admissao de socios e nomeacao de
commissoes parciaes.
Leltura de urna menoria sobre o commercio do
Brasil de 1836 a 1811 pelo socio Dr. Silva Cou-
tinho.
Trabalhos preparatorios para a exposico agr-
cola de 2 de dezembro.
Sao convidados os socios que quizerem as-
sistir as sessoes ordinarias ; os que quizerem se
inscrever para a leitura de algum trabalho so-
bre o commercio, agricultura, instrueco publica,
industria e artes, para a seguin e sessao, deve-
rao inscrever-se at a de 30 do corrente.
Socretaria da Soeiedade Patritica, 21 de abril
de 1873.
A. Lamenha Lins,
___________1. secretario.________
Ama ivreou captiva.
Pre:sa-se para o servico de urna casa de pou-
ca familia : a tratar no ra da Aurora n. 19, an-
dar terrueo.
A Soeiedade Beneficente Luso-Brasileira, pre-
cisa contratar com quera melhores vantagens of-
ferecer um quadro ao patriarcha S. Jos, pintura
a oleo e moldura ricamente dourada, tendo ti pal-
mos de comprimento e 3 Ir2 de largura ; assim
como, as armas oortuguezas e brasileiras de igual
tamanho e moldura do quadro de S. Jos : as
pessoas que queiram se encarregar de executar
ditas obras, podero dirigir suas propostas ao esta-
belecimento do irmo presidente, da typographia
Mercantil, ra do Torres.
Secretaria da soeiedade Luso-Brasileira, 22 de
abril de 1873.
O 1.* secretario.
Bento de Son/a Mira
' Engommadeira.
Para casa de pequea familia precisa-se de urna
boa engommadeira e que entenda de costura cha,
paga-se bem : em S. Jos do Manguinho, o pri-
meiro sitio n. 2, muro cinzento, antes da igreja.
Precisa-se alugar um molcque pequeo, ou
urna negra qu tandeira : na ra do Imperador n.
16, armazem.
Terceiro andar.
Aluga-se o 3* andar ra do Padre Floriano
a tratar na ra larga do Rosario n. 22.______
tontillo DE
Est aberto um collegio na villa do Cabo, para
meninos, sob a direceo do padre Augusto Adol-
pho Soares de Kusewter, sendo as materias do
ensino: primeiras lettras, grammaliea portugueza,
tetim, francez e geographia.____________
Aluga-se
o segundo andar ra da Imperatrii n. o, com
commodos para familia: a tratar no Caf Impe-
ratriz.

REL0G10
r< l'joiiro na
ronvicr, que
iliaixn assiguado. com' rasa
na do Crestii n. 'i, avisa a queni
icndo-llie sigo apresenLiV) na sexta-feira prxima
passada, um relogio de ouro por um individuo oe
apparencias snDeitas,pedindo-lhe qne Ihe dissesse
por quanto | porque eslava disposto a vemle-lo, e 4hp parecen-
do ser o mestno relogio furtado, tomuu-o como
para o observar, o declarou ao individuo qne Ihe
parecendo furtado fosse ver p_essoa de confianca
que garantisse a venda, e nao apparecendo mais
o reterido Individuo, tem o abaixo assignado como
certo o que era suspeita sua, e a razad de pre-
venir a quem se jufgar eom dimito ao dito relogio.
______________Joao Husiavo Dutoy.______
Na chapelerie da moda, praca da Inde-
pendeneia n. H e 16, precisa-se de coatureiras.
^Via para casa de familia.
Na travewa do Duque de axias n. 3, 1* andar,
pfwi*a-*e de urna .ima livr ou .mv, para
rnxinbar nutro* M-rvieu* prpfios di eas le
lamilla. PattinM I em agr; damln. ______
O Sr. Francisco Agostinho Madeira queira ter
a bondade de vir concluir com o negocio qne se
comprometteu na ra Duque de Caxias n. 60 A,
loja de Bento da Silva C, successores de Ma-
nuel Ribeiro Bastos.
MOFINA
Est encouraqada!!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir i ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquello negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872,e nada cumprio;
a por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
de mais de oito anuos, e qnando o Sr. seu tlho se
achava nesta cidade.
y&*m&
m
i ;ibi\ete
Medico-cirurgico
1 RA DO iMPERADOH N. 73, ANDAR
0 DR. NNES DA 60STA
I) MEDICO OPERADOR E PARTEIBO.
KSPEChLI'AOES.
Molestia? e operacoes de olhoa.
Cora radical e instantnea do
eMreitamentos da uretfa.
Consultas : D^s 7 s 10 horas
da maoba.
Chamados: A qnalqoer hora.

/

AtteiiQo
O Sr. Antonio Gomes de Oliveira, caixeiro no
Passeio Publtco, (|uira ter a bondade de appare-
cer na ra Duque de Caxias n. 60 A.
.Uisa-se
Confraria do Senhor Bom Je-
ss da Via-sacra em sua
igreja da Santa Cruz.
De ordem da mesa rogedora sao convidados to-
dos os nossos irmaos confrades oara comparece-
rn em nosso consistorio em o dia 30 do cor rente,
s 6 horas da tarde, para se proceder a cleicao da
nova mesa regadora, em cumprimento do que dis-
poe o nosso compromisso.
Consistorio, 2i de abril de 1873.
O escrivao
Jos Rodopiano dos Santos.
Criado.
Precisa-sa de um criado na pharmacia de Fer-
reira & C, ra larga do Rosario n. 10^_______
a quem der noticia da escrava Guilhermina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e aepois comprada ao Bard de Nazareth,
representa ter 2o annos, tem falta de denles Ha
frente e as mos com cicatrizes de queimadura
de gaz, secca do corpo e muito regrista, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da roa dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
Criada.
Precisa-se de urna criada de meia idade, portu-
gueza, que saiba lavar e engommar bem : na ra
do Hosp'cio n. 50.
Na ra da Peona n. 4 faz-sc vestido da mo-
da de toda qualidade, a satisfaco da dona e com
presteza._______________________________,
F^cravos fgidos.
Na manh de 2 do corrente fugiram do enge-
nho Prado, da freguezia de Serinhaera, os e?cra-
vos Pera e Francisco, o primeiro foi escravo do
Sr. Manoel Quirino do Nascimento, de Pedias de
fogo, donde veio, sendo elle tlho do Serid pro-
vincia do Rio-Grande do Norte, e o segundo da
cidade de Souza, tondo sido all escravo do Sr.
Francisco Clementino Maria Pires 4Pedro tem urna
cicatriz no joelno esquerdo de um talho, preto,
de 15 para 16 annos, bem conformado, rosto oval,
oihes grandes, e -muito ladino; Francisco cabra,
de 18 annos de idade, rosto comprido, principia a
barbar i tendo aJguma suissa, de estatura re-
gular, bem feito de ps e mos.
Presnme-se que *fles tenham vindo para esta
cidade, para d'aqtii seguir ao serto. Gratificase
com generosidade a quem os prender e leva-Ios
ao dito engenho ao seu senhor Francisco Pinhei-
ro delleaezes, ou ra do Imperador n. 77, l.
andar, onde receber a gratificacao de seu tra-
balho.
IOS de gralifixacao
Fugio de casa de seu senhor, no dia 1 de abrii
xlo corrente anno, o escravo Norberto, preto fulo,
ecco do corpo e baixo, com os ps chatos e um
jkuco analhetado, olhos vivoc, rosto liso, dentes
um pouco aeangulados, pouca barba no queixo,
nariz um pouco afilado ; este escravo acha-se
nesta cidade e seus soburbios, segundo noticias
que jbteve seu senhor : roga-se, pois, as autori-
dades Doliciaes t capites de campo a apprehenso
e levem-no a eu senhor no engenho Santo Andr,
da estacad dos Prazeres, ou a Jezuino Carneiro da
Cunha, m seu escriptorio a ra da Guia n. 36,
que receberia a gratificacio de 504-
Companhia Kcrife Urainage.
Os apparelhos d'esta companhia que
foram collocados nos predios que vo abai
xo especificados, esto promptos a funecio-
nar : os seiihores propietarios ou locatarios
poretn, nao podero d'eiles fazer uso, senao
depois que receberem o carto da compa-
obia que os autorisa para isso.
Becco dos Burgos de i a 31.
Ra do Cordorniz de. 2 a 14 e de 1 a 11.
Pitado Amorim de 14 a 66.'
Travessa da Madre de Deus de 1 a 19.
Ra do Encantamento n. 2.
Travessa doC rpo Santo de 21 a -7.
Ra do Amorim de 1 a 4-3.
Travessa do Forte do Mattos n. i..
Forte do Mattos n. 2.
Ra do do Viga rio de 2 a 4.
Becco do Noronha 11 2.
Ra damoeda de 5 a ii.
Ra da Lapa de 2 a 8.
Dita do Com oiercio de 3 a 17.
Recife, 26 de abril de 1873.
O gerente interino.
R. Brotherhood.
Attenco.
O abaixo asignado pede ao Sr. Jo3o Hernanes
Pessoa o favor de vir entenderse com elle sobre
aquelle negocio que o mesmo nao ignora, sob
pena de ver por este jornal a especie do negocio
______Marco de A. Lima.
200000.
Frecisa-se alagar una escrava que engomme
perfeitamente bem, e faca o mais servioo interno
de urna casa d> pequea familia, composta de
doas pessoas, e de urna outra que cozinhe eom
perfeicao : no largo do Parazo n. 28, e 2* an-
dares.
Ama. Precisa-se de urna ama que compre e
/*JU<* eotinhe para ** at> P0*5* 'aniilia : na
ra de S. Francisco n. 54.
Precisa-se de urna ama pa-
ra pouca familia, estrangeira:
ra da Coroboa do Carmo
n. 19, primeiro andar.
AMA
Precisa-se de urna ama Hvre
\ jll \ ou eteraya, para eoxibhar : na
ru do Rangel n. 9.
Precisa-se de urna ama de leite forra ou es-
crava : na ra Direitt n. 100, loja. -
Q$ Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gommar : na ra da Aurora n. 33._______^^^
AMA
gundo.
Precisa-se de urna ama que engom-
me com perfeicao : na roa Duque de
Caxias n. 91, loja do rival sem se-
lm Precisa-se de urna para
Ana comprar ; na ra Vinte e
Maio n. 18, outr'ora ra dos Osaos.
cozinhar e
Quatro de
Precisase de urna ama oara cozinhar; na
ra Dircita n. 21, armazem do Pescador.
Ama conheira
Na ra do Imperador n. 38, 2 andar,
se de urna ama cozinheira, preferindo-se
precisa-
eserava.
Eogiiimadcira.
Engomma-se com perfeicao e por preco mdico
na ra da Saudade n: 12-__________________
O abaixo assignado declara que nesta data
tem justo e contratado a compra da casa de pas-
to e suas pertencas, sita ra de Thcm de Sou-
za, antiga da Lingueta, n. 5, pertencente at esta
data aos Srs. Manoel Benevides e. Pedro Car-
re ro, livre e desembaracada de quaiquer debito,
e se alguem se julgar credor ao mes no, queira
apresentar suas contas no prazo de tres das a
contar desta data do contrario nao se attendera
a reclamaeao de divida feita at esta data.
Recife, 19 de abril de 1873.
Antonio Gomes Coutinho.
= Precisa-se
Buarque de Lima
fallar' ao
ra do
Sr. Dr Antonio
Amorim n. 37.
Ama ou criado
No Io andar do sobrado n 26 da ra das Cru-
zas, actualmente Duque de Caxias, precisa-se de
um criado ou de urna ama. _______________
Quem quizer encarregar se de urna cobran-
za em Caraar, dando fiador a sua pessoa, dirja-
se ra do Amorim n. 37._____________
Traspassasea chive do armazem da ra
de Pedro Alfonso n 61 :t trata-se no mesmo.
CASA PORTUARIA
DE
Paulo & Mafra *
Largo do Paraizo ns. 10 e 12.
ESTA ABERTA E TEM
Armacfo e ornatos, hbitos diversos, caixoes c atades, CAR-
FUNEBRES de todas as ordens.
Cartas capellas, cera, eca e emblemas.
Incumbem-se tambem :
De enterros, aniversarios, oflicios, licencias, atestados e ca-
tacumbas ; finalmente de quaiquer exequia, com mufica, encom-
mendacAo etc. etc.

ROS
ASSIGMTURA
l'IIO
ABRIL A SETEMBRO
IM
fit^^


2:0008.
D-se 2:000 a juros de um e meio por cento
ao mez, com hypotheca em algu n predio nesta
cidade, e que esteja livre e desembarazado : quem
pretender a dita quantia, dirija-se a esta typogra-
phia a entender-se com o Ferreira.
Sahindo desta cidade para o engenho Raio
da freguezia da E-cada no principio do corante
mez a preta Marcolina, escrava da Exma. Sra.
Baroneza de Amaragy, at esta
ao referido engenho, o que faz acreditar-se que
est fgida; crioula, de 42 annos de idade. pou-
co mais ou menos, alta, corpo regular, rosto com-
prido e coberto de espinhas, sabe cozinhar e en-
gommar : quem a appreliender e entrega-la nes-
ta cidade ao Sr. Adolpho Targino Accioly, ra
Duque de Caxias n. II, 2oandar, ou ao sobredito
engenho, ser recompensado genero5amen te.
Fugio
BAZAR DA RA DIREITA
HOJE
MARCILIO DAS N. 5t
Neste estabelecimenlo encontrar o respeitavel publico o mais complot., snrtinv :...
de miudezas, chapeos, c^ado francez e artigosde luxo ; e rwbendo qwM tolos mus
artigos de propria encominenda de Furop, acha-se as condices de rctalhar maisbarj.j
do que quaiquer outro, e quem duvidar veja i
Caixeiro
Precisa-se de un manino brasileiro com 12 a 14
annos de idade, para o armazem de sal do Valdi-
vino da palvora, na ra Imperial n. 207._______
Precisa se de 5:000* a premio de 1 1|2 por
cento sybre hypolheca em casas : quem quizer
aununcie para ser procurado. _________
Caixeiro
Preeisa-se de um caixeiro : na ru do Rangel
n. 43.
a 20 de fevereiro o escravo de nome Joao, de 18
a SO annos de idade, com os signaos seguintes
data nao chegou aituna regular, secco, olhos grandes, nariz grosso,
der.fes perfeitos, rosto redondo e sem barba, ca-
bellos carapinhos, ps chatos e cheios de cravos,
bem esperto e ladino, canhto, coiinheiro, tem
bastante pratica de armazem de carne secca ; le-
vou nma bolea nova com duas camisas, sendo
urna bordada, 2 ceroulas, I camina de meia, 2 pa-
res de meias e um chapeo de palha de arroz : em
dinheiro levou 54, e mais alguma roupa perten-
cente a elle : roga-se, portanlo, s autoridades
e capites de campo que o apprehendam e levem-
no ao seu senhor, ra de Pedro Aflonso n. 7,
que seroo generosamente recompensados.______
Fugio no dia 11 do corrente a escrava An-
gela de 36 a 40 annos, de altura regular, secca
do corpo dentes limados, e urna carnosidade en-
tre os peitos, consta estar acoutada por um ne-
gro que trabalha no assucar, de nome Jos Mau-
rino, que mora n'um cortico no becco do Veras:
roga-se s autoridades pliciaes c capites de
Criado
Precisa-se de um crudo para todo servioo, livre
ou escravo : na ra Nova n. 52._____________
No escriptorio ra do Vigario n. I, 1." an-
dar, ha urna carta para ser entregu com urgen-
cia ao Sr. Manoel Francisco do Hego Barros, faz-
se o presente annuncio por ignorar-so a raor^dia
do mesmo senhor.
Cozinheiro.
1 andar, preiisa-
Na ra da Imperatriz n. 37,
se do um bom cozinheiro.
AOS 5:000#000.
Estad vendaos felizes bilhetes da lotera daBa.
hia, na casafeliz; do arco da Conceicd, loja l
ourives, no Recife. ________^_^_^^
CKIADO
Precisa-se de um para o servieo de casa : ra
do Imperador, n. 32.
Aluga-se urna escrava para cozinhar : quem
isar dirija-se ra Augusta n.
precis
188.
Vende-se urna negra perita cozinheira, en-
gommadeira, lavadeira e boa quitandeira para en-
genho, ou fora da trra, o motivo se dir ao com-
prador : na rna da Imperatriz n. 6, segn lo an-
dar.
Feitor
Precisa-se de um que seja cuidadoso e saiba
tratar de ja dim : em S. Jos do Manguinho, sitio
n. 2, cm porto e jardim de ferro.____________
Antonio Joaquim da Gama pede aos senbo
res abaixo mencionados, de entender-se com elle a
negocio de seus iuteresses :
Francelino Americo de Albuquerque Mello.
Francisco Augusto de Almeida.
Felinto do Reg Barros Pessoa.
Luiz da Veiga Pessoa.________
I
campo a appreheneo da mesma, levando-a a n
Imperatriz n. 6", primeiro andar, que ahi
da
rao
se-
recompensados.
O abaixo assignado previne a todas as pes-
soas que ficaram a dever na loja de ourives a
ra estreita do Rosario n. 10, que so com elle,
ou com seu procurador Joo Baptista Gitirana, a
quem deu poderes para cobrar amigavel ou ju-
dicialmente, se podem entender acerca de seus
dbitos, visto ter tomado conta do activo e pas-
sivo desde Janeiro prximo passado. Outro sim :
pede a seus devedores da loja do arco da Concei-
{io, que venham saldar seus dbitos at o dia 15
do pruxm#mez. scientifleando a. tod s que da-
quella data em diante promover o seu direito.
Jos da C. Oliveira e Figueiredo.
Ricos transparentes para janellas, a
10S000.
Diademas dourados de 19300, a 2C50.
Ditos de tartaruga, a 35.
Ditos debufalo, a 500 rs. e 1?500. I
Gravatas de seda para senhora, a 10300.
Parures de seda muito finos com 2 lacos.
do 39a 59.
Fivelas de raadreperola, a 19.
Vestuarios para haptisados, ricamente eo-|
festados, a 25?.
Cachos de flores muito finas, coBtendo fi
ramos, por 39-
Caixinhas com perfumaras, muito pti -
prias para mimos, de 4-?i0 a G-?.
Ricos vasos de p jrcellana com fiua ba-
aba, de 19 a 29-
Boies com dita dita, a 500 rs.
Latas grandes com dita, a 200 rs.
Voltas de veludo para pescoco, com cora-
ges de madreperola, a 500 rs.
Linha de carritel de 200 jarda?, a 800 rs.
a duzia, excellente para machina.
Dita de ditaade cores, de 100 dita, a 320 ;
rs. a duzia.
Dita do dito branca, de 60 dita, a 280 rs.!
Entremeios e babadinhos bordados, de
400 rs. a 29500 a pera.
Galoes de seda de 19200 a 29000 a
Aviso
5J
C 2.
m a
"i te

g ~9:
i *9s fi sis
i*. |{I|E
C.S5B C
AVISO
Antonio Jos Leal Reis
declara que nesta data des-
pedio o seu caixeiro Virgi-
lio Joaquim de Miranda Se-
ve, e que nao se responsabi-
lisa pelo que tenha pratica-
do, prevalecendo-se de seu
nome.
Recife, 26 de abril de
1873.
Quem tiver urna menina orpha de 8 a 10 annos
de idade, que queira da-la para fazer companhia
5 una senhora casada, appareca na ra da Pe-
nha n. 6.
Os abaixo asslgnadns, comraerciantes esta-
belecidos na cidade do Recife, vm por meio do
orgo da imprensa, protestar contra quaiquer
contrate hypotliecario ou alienatario, que preten-
der fazer D. Anna liVancisca Tavares Braga, resi-
dente na villa de Papacaca, das escravas, Joanna,
crioula, com 40 an;ios de idade, e urna mulatinha
filha da mesma escrava, de nome Clara, com 12
annos, pouco mais ou menos, visto como os abai-
xo assignados movem urna accao commercial
contra aquella enoora, e j obtiveram sentenca
favoravel do meretinsimo Dr. jaiz de direito ; sen-
do certo que os ditos eseravos se achim oceultos,
no intuito de demorar a execuco* Recife. J8 de
abril db *873.
Severino Irmaos.
Msica vocal e instrumental.
O professor Manoel Augusto de Menezes Costa,
tendo algumas horas desponiveis, recebe discpu-
los de ambos os sexos : quem precisar dirija-sc
a ra Augusta n. 187.
Fora os callos.
0 nico remedio contra os callos o em-
plastro americano e que sobre todos tem
obtido os melhores resultados, alm de alie-
nar as dores cura-os radicalmente.
nico deposito na Pharmacia America-
na, ra Duque de Caxias n. 57.
CAZA DA FORTUNA
RA 1. DE MARgO OUTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20;G00$000.
0 abarco assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio de
4:000*.
Frecos.
Inteiro.......24*000
Meto........12*000
Quarto....... 6*000
Manoel Martins Fiuza.
- Vende-se dous bonitos cachorros, grandes,
propaios para quintal ou sitio : na roa Imperial
n. *27.
No becco das Barreiras n. 8, lava-se e engom-
ma-se roupa de homem, com asseio presteza e
prego commodo.
0 NOVO MEZ DE MARA
Vovi edi^o correcta c aerescen-
tada.
Este livrinho, alem do mez de maio, seguido
da devoco do Coracio de Maria, offlcio das al-
mas do purgatorio, noticia da medaiha milagrosa,
novena de S. da Penha e da Conceicao, medi-
laco do Rosario, modo de ouvir missa e oraijoes
para confissao e commuahloj etc., encadernado,
peo commodo preco de 2/ : na'livraria dos edi-
toras, ra do Imperador n. 5'*.____________
ATTENCO.
Previne-se aos Srs. relojoeiros, ou outra quai-
quer pessoa, que nao faca negocio com um relo-
gio grande, de prata, bom regulador, de n. 2275,
o mesmo muito conhecido por ter em cima do
vidro um buraco por onde acerta-se os pontei-
ros, cujo foi roubado no dia 2i do corrente do
trapiche Angelo, de um collete que estava pen-
durado: roga-se a pessoa que aprehende-lo e le-
vado ao dito trapiche ser gratificado.
Mariano Pereira Cabra!.
Cozinheiro
No collegio de Santa Genoveva, ra do Hospi-
cio n. 68, precisa-se de um cozinheiro preferindo-
se escravo.
| CONSULTORIO
| unm /iinimw
I
*
pega.
Ditos de algodo
de 100 a -200 rs. a
de caracol a 40 rs. a
peca.
Trancas brancas
pega.
Caixinhas com 4 papis de agulhas fran-
cesas por 240 rs.
Ricas cestinhas para o braco, muito bem
enfeitadas, de 25 a 35.
Ricas golinhas com manguitos, para se-
nhoras, a 4??.
Camizinhas para senhoras, ricamente en-
feitadas, a 45500.
Casaquinhos de la para ditas, muito bo-
nitinhos, a 75500.
Collarinhos bordados para ditas de 500 rs.
a 15.
Espartilhos muito linos, a 45 e 50.
Gravatas para homem, pretas e d? cores,
a 240, 400, 500 rs. e 25500.
L para bordar, a 55500 a libra com-
pleta.
. Finissimos lequesde marfim, a 85.
Ditos dito de dito, a 55- %
Leques de sndalo, a 55.
Dit s de madeira imitando, a 25.
Ditos de papel, a 15800.
l'.~covas fim< para denles, a 400 rs.
Ditas mais inferiores, a -200 rs.
Caixas de metal muito lindas com j -
arroz, a l?\
Uinfadores linos com lagos, a tv'M).
Ditos ditos, a 2-rtfOO.
Ditos ditos sem lagos, a 1*400.
Ricos cspellins do diversos tamanhos, <' :.i
moldura dourada, modelo oval, de 3T j
ti.
Hitos dito COM mol dura envemisad's, a
25500.
Hitos lito 04M oduniiKi- '!' Jacaranda,
19500 a 0.
Infrias, .i ir.
Collarinhos de papel a 400 rs., a
Bt.
C.hap*siiili>->s de palha para seuhor.f, a
C5000.
Ditos de dita para meninas, a ftiOO.
Ditos de dita para crinngas, I 15280.
Ricos chapeos de. palha esi-ura para -
nhora.a 109000.
Ditos ditos le Italia |ara diUi, a 1 ir.
Corros de veludo |ra meniooa, &
4?M100.
Cliap.;os de pallia ingle/a para bom--..*
m.
Ditos de feltro tinos para ditos, de 3? -
.7500.
Ditos de sol de merino, muito lindos, i
cabo de metal, a 65.
Dit is de seda com cabos c pegadores Oe
iiiarliin, a 16-T
Meias cbaptdiiias para senhora a 65.
Duzia de camisas de rr'tone 'le cores :i-
xas, para liomens, a 335.
. Botinas franeczas para senhoras, a 5500.
., Ditas ditas finas enfeitadas, de cano alto,
Sapatos Charlo! coio salto e sem sato
para liomens e senhoras, de 3v a 9000.
Sapatos do Porto, de tranca, a 1-7000.
Sapatos de tapete, a 1?400.
Focos para meninos, de 25 a 29500.
Alfinetes e brincos de podra crava l- ><>o.
Ditos ditos de pcrola c filagran, a
2S000.
Passepartouts para retalos, a 500 r.
Agulhas de crochet roa cabos de m*.--
fim, a 800 rs. a caixa.
Granadiue com listras de seda, faieati
para vestidos, a 700 o covado.
Correntes de plaqut para relogios, d 25
a 35000.
da no>
i
E muitos outros artigos que s* a vista do comprador poder certifcav-M
cidade dos pregos, por quanto vende 0 BAZAR DA lili A DIRKIil N. 51.
Do
Dr. J. M. Seve
!
ii
Partelro e operador.
Ra do Mrquez de Olinda n. 56,
andar.
^ Consultes Das II horas da manna as ^
w da tarde
Aluga-se o 1 andar e sotao da casa u. 3 da
ra de Maria. Cesar, outr'ora Senialanova, as
chaves estao ni ra de Bom Jess,, taverna nu-
mero 37.
BARTHOLOMEU et C,
Pharmacetiticos premiados em diversas exposicoea
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO
ESPECIALIDADE
Novo traumeato da Attkma, tete, oonmlsa. dtftuxo tatarrhim, tedas mtietUm tt \
que tem feito importan tes caras, que e boje o nico actilo peto albora *~
- ~ OBRAi, 34, rao Larga do BMarfe, r"
..,." rara.


6
Diario de Praambtteo %arta-&a 30 t-J&m'faim:
AO ARMAZEM
|BO
I Fianriicu Ah
i para Kufopa n uti^futu, e nao pudendo
pela presteza de stia viagem espedir se (fessal-
im lite de todos os sous amigos, petie-lhes tBHfca
j por essa falta involuntaria ; o proveita .vfleca-
' siao para offereeer-ihes sen limitado prestio em
qualquer parte que o desfino o conduia. '
Mobilias de alugue
Alugam-se mobilias completas ou qualquer Iras-
to separado : nos armazens de mobilias da-flnto,
ra lo Baro da Victoria us. 57 e 58.
O baonarel Antonia V~
Cavalcante de Allwquerque
mul'er D. Jaquina de Fi_
Cavalcante de Albuquerque,
pianos fortesre de i e neta do finado brigadei
tufantes modelos, das maiaWivois e bem co- VfumJB 1"' Bernardo de Figueired
nhecidos fabricantes; como ifom : Alphonse' a* res* missas no da 5
Blondol, Henrv Hers e I'level \C< -IIT A C. : no prximo fntriro,pelas ir horas da manha, ninfea
vapor ancta/i ra do Baro dajfclpria, JU- tru de Gamellei a. trigsimo da do seu pfcaa-
- iius cjnvidain eus parale*
illus
HUA DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN.
PIANOS.
Acbame ('/regar muitc>
aneiu
Vi'
lo
o
_>
\
\_
ment, para o e d do Ilustre finado
Aluga-se o armazem, 1 e 2 anda
lirado na ra do Sonbor tfom Jess, outr'ora'ra
da Cr^aoade foi,a. casi ceinmorcial de Jame
Bayder & G>; a tratar com Luiz Amavl Ou-
bourcq, ou com o seu caixeiro Candido Gwites
Cavalcante, escriptorio por cima do banco*me-
m 32 C. '_____________________________^_
^OTOCRAPHIA AILKM -
Precisando fazer un concert urgente, a nossa
gallera Jicara fechada at sexta-feir 2 de maio
ele 1873.
Alberto Henschel & C.
C8MPRAS.
Na fabrica de cerveja ra do Rosario n.
C.co'nora-s- laranjas da trra a 610 rs o canto
Compra-se um cofre prova de fogo a>na
travessa d.i ra do Vigario n. 1.
lia;
TNBflS.
Aftencjlo
Vende-se a taverna da pTaaa do Conde
.9 : a tratar na mesma.
d"Eu
Engento
Este engenho est situado em muito bom lu-
gar, porto do porto de embanque onde carre-
gam rs vapores da companhia Pernambucana,
que levara e trazem carga de Mamanguape. Est
de fogo mnrto o seos proprietarios snjeitam-sea
venda por proco muito eommodi; e nao duvi-
dam mesmo conceder prazos por parte de sua
importancia, com-tanto que recebam outra par-
te, em dinlieiro vista : a tratar com Tasso
Irmot \ C.
Ven .e m' una casa de podra o cal, na ra
de S. Miguel n. 12.1, nos Afosados : para ver, pa
rede c meia d.i mesma, e a tratar na ra do Ca-
bug n. 2 B._
liival sera segundo.
Che? rain agnlbaa para machinas, do fabtcante
Crower & Baker. Diia por 2^000.
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo c" phantazia, braneas pretas e de
differentes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos rom salu> no rigor da moda, blancos
e de cores para senhoras.
Botinas de llenes, de Suser e de Polak, para ho-
roens.
Sapatos de cordavao Mili spara homens.
Botinas para minino de qualquer tamanho.
IVrneiras e nuias-periieiras tanto para homens
como para meninos.
Sapatt-s de SnSer para homens e meninos.
Sapatos de rerail com salto para homens.
Abotinados de umitas quididades e precos para
menir e meninas.
SapatSe de verniz com sola de pao proprios para
sitios, jardins e banhos, sortimento para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, caMjmira, charlot avelludado,
de tranca portuguez e francez.
No armazem di vapor francez, ra do Baro da
Vi.-loria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Fin os extractos, banhas, leos, opiata e pos den-
trifiee, agua de fl r de laranja, agua de toile-
te, divina, florida, lavando, pos de arroz, sabo-
netos, cosmticos, rauitoS arligos delicados em
perfumara para presentes com frascos de ex-
tractos, raixi:ihas surtidas e garrafas de diffe-
rentes tamaitos d'agtia de cologne, ludo de pri-
iner.i qualidade dos bem conhecidos fabrican-
tes l'iver e Condraj",
Ni ar.iazeu, do vaoor francez, ra do Baro da
Vieloria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
atuitu boas malas e bolsas para viagens de r
de eamiuhos le ferro.
Botas de montara.
Wovo sortimento de bolas Napoleo e a Guilher-
nie, perueiras o meias perneiras para homens,
o metas porneiras para meninos.
No arn>. -i da vapor franee ra de Baro
da Victoria oatr'ora Aova n. 7.
Mobilias de rimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de goarniQdes, so-
tas. janJineoS, mesas, conversad-iras e costa-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
le.es, e os niais proprios movis para slelas e
gal recreios.
No ai';... ui il vap ir flanee/, ra do Barrio da
Vi outr'ora Nova n. 7.
Qiiiiiquilliarias.
Artigo do I i SVe'cii4.'. goatom c
pUaiitzioa.
!' .' lirados para salas o gabinetes.
L ;_'. para senhoras e para meninas.
Lavas de Joavm, de fio da Escocia e de camurca.
Caixinhaa de costura ornadas com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
"^m'h'i.i en -i drii de aagmentar retratos,
versas ebr < de ouro Imm de lei garantido,
rrentes d pa pi muito bonitas para relogios.
ineos imil icao c botocs de pannos de plaqa
Isinhas e rofes siHla, de velludo c de couri-
... i de
vosobjucl de phantazia para cima de mesa
Jioilelte,
eenez de cores, de prata dourado, do ac
artaruga.
alus de n-o fina e de lodas as gradaacSes.
ogalas d In jo, caima, cun ea.-tr.es de* marfim
agalas di er em grande sortimento para bo-
rneo? o ni ; nos.
.jicotinhos de baleia de muitas qoalidades di-
versa-.
iras de tarraeha para saltos de botas.
Ponleira.- de ira charutos o cigarros.
Peni ; de tartaruga para desembaraear o para
bar .
ii m til i finos, para limitar cabera,
Eseo\ ; raroupa, e; helio, unha- e para den-
tes.
- de madreperola para dinieiro.
Me i lens e para meninos,
Grava br ncas e de seda preta para homens e
' i de i ola v ra cli miar criados,
a, de bagatcllas, de domi-
n imito dilTereaies joguinhos alle-
M i eos do viagem de mar e cami
nii ierro,
llaini de vidro de dar leite mu fcil as
cria
Ai Iki a marOm para as criancas morderem,
i i intes.
Bei le rimes pan en batanear criancas.
1 tinhas de vimes para braco de meninas.
il qualro rodas tara passoios de crian-
cas.
IransjKireni i para p irlas e janellas.
I rl isparc des para ejodieiros de gaz.
Este pos e cosm rama.- e t.i, itseilliidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidr -.
Vidr para cosmoramas.
"depapel de cores para illuminac/Sea de
.
Baloes a re silicos de papel de seda mol fcil
de subir.
Encerad i i nitos para conservaras mezas de
jan: r. *
Machinas de vario? sysiemas para caf.
la loros de pal ta e d peonas,
i ottrinhas e caivetes linos.
l'f vidrilh para mangas o lanternas.
Ttnteios de lo ica branca, modelo bonito e bom.
Tiras de .imadas e pretas para qua
oros.
I promjHos eom paysagens e phantazia
Estampas av ibas de santos, paysagens e plianta
. ,. Vende-se dons sobrados sitos em Afogados, no
ig,cas para divertimenlos em a- patoo da Pai 86 e 88i m quaP5 o(Terccecm gfan.
Xarope d'agrio do Para
Anfigoi- coticeituado medicamento para
*ura das molestias dos orgos respiratorios,
ooibo a phtysica, bronchiUs, sllima, etc.,
pplieatw iwk'Cm escorbuto.
Vende-se na phrraeia e diogajiaflde Bir-
tholomeu C. ra Larga do Rosario n. 384.
vros a venda
AosSrs. acadmicos
Vende-se as-se^uintes obras de diratto, historia
e litteraturaj pf conlaedps probos
Pardessus: Droit Cmmercil.
Villiaun:-Bevnluliou franc,iisc.
Louiz Blauc:Histoiro de dix anns.
Vattel :Droit des gens.
Ventura : Lo Pouvoir public.
Porters : Cours de droit oaturel.
Kluber : -Droit des gens.
Rogron : Code de conuMrca.
Nesta typographia acharao feas pbras para se-
rem vMfdidn.

BICHAS DE HAHBURGO
A iuiis rcenlos e inulhorag^
Veiidem-senapliarmaiLiedrogariadeBar-
tholomeu & C, ra Larga dosario o Rn. 34
9EGRJEDO ECONOMA E CELLRIDADE.
Obtem-so com o uso
IJECCO SHOST
nica, hjrgiciiiea,radicaleiofallivol nacu-
ra das:gunorUeas, flores brancas e fluxos de
Udrt espeeier reeoutes ou ehronicas; e que
offerecc'como garanta dnsnlutare3resultados
a continuada applica^io que sempre com a
maior vantagsi se tem feito della nos hos-
pitacslh)J?*ris.
UtiM4ep<)sito par o'Brasil, Bartholomeu
& C, ruarkarga do Rosario n. 34.
n.
Panno de algodo da Baha
da fabrica Todos os San-
tos.
Teem para vender no escriptorio Joaquina Jos
Goncalves Beltro & Filho, ra do conricreio
n. 5.
Pela
nos
L
Em seus armazens ra do Amorim
n. 37 e caes-do Apollo.n. 47,
tem,para vender^por precps Qommodos :
Ti jlos encarnados' sextavas para ladrillw.
Carros de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descantear algodo.
Machinas de nadara.
Ftassa da Rossia em barril.
PltrtspWf o' tr cera:
Sag em garrafltes.
Sevadinlia em garraloes.
Lentilhas em-narra/oes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Pnrto vjlho engarraado.
Vmho do Porto superior, di o.
Vinho de BoWejtax, dit.
Vinho de Scherry.
Vinho da Vadoira.
Potes com lingifas e dobradas taglezas.
Licores finos sorlidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Barris com repolho em salmonra____________
Formas de ferro.
Folhas de Fandres.
Vidros para vidraca.
Estanho em verguinha.
Chumbo em leneol.
Na ra do Mrquez de
Olinda n. 4, armazem de Sil-
va Barroca* & Filhos.
Mora-es & Trmao
Em seu escriptorio ra da Madre Dcus
n. 5, l. andar, tem para vender por prego
commodo :
Vinho do Porto superior engarrafado.
Cerveja Bass."
Cha verde niiudinho de superior qufili-
dado.
Vende-se feijao mnlatinho em saceos e a re-
taino por menos preeo do que era outra qualquer
paite, na ra da Praia n. 1.
Novidadc
Joaquina Simoes dos Santos tem para-vender
vinho puro de uva branca, com especial paladar
o nico vindo a este mercado, cm barris de o" e
10', armazenado no trapiche do Machado, e r. it-
taliu a .800 rs. a garrafa : no armazem co..ser-
vativo, largo do Terco n. 13.
Calfis para vender-so
Venile-?e ditas ra-as terreas, sendo
Utna na ra do Padre Noriano n 75, com
jntao r muitos eooimudos para lamllia, e
. luna dita no beieo da Lama n. 18 : quem
quizer, dirija-se a ra da Cadeiii do He'cife n. 60,
y andar. .
= Relogiode oiro patente inglez (descoberto)
do mel o: fabricante de Londres, em casa de E.
A. Delouche-tua db Mrquez de Olinda n. 49.
Relogios-americanos, grande sortimento para
mesas-e preles com columna dourada, corda
para 8 das, os mais modernos possiveis.
Na mesma casa ha grande sortimento de relo-
gios de ouro, soissos, e prata dourada, cadeias de
plaqn todos por preeo muito barato, ra do Mr-
quez-de Olindao.W, E. A. Delnuche.
Olind
a
Vende-se o sobrado de um andar e sol;lo com
frente para o pateo de S. Pedro e oitao para o pa-
teo do armo, as-memores coudicoes possiveis,
nao so para negocio, como para morada e uso de
hachos salgados : quera o pretender dir ja-se ao
Sr. Bernardlno de Sena Puntual, a ra da Madre
de Dos n. 36, escriptorio.
Libras sterlinas.
4*,a le-sa no arnmem de fazendas de Augusta
K.ide Oliveira 4 C, ra do Coinmercin n. 42.
Vende-se ou aluga-se
um pequeo sitio bem plantado, o ansa muilo
bem aonservada, com cacimba e ba:i!tero, por
proco' commodo, no lugar denonined > Fundi,
ra da Esperanea : a tratar na loja da cooqnisla,
ra doJCabng n. 0.
Cassa-3a
na
do
A 900 r. o eovailo,.iia
<'rs*|o ii. O.
Casse-lalne propria para vestidos, sendo lindos
padrees pelo diminuto preeo de 2ro rs. o covado:
na loja oc (iuiliieripe C. d Cunha & C-
A l# rs. o covado.
Las de quadros azues.
Receben a loja da America esta linda fazenda
para vestido.-, e vende por 440 rs o covado.
MadnpolSo fnnceaa jOOO rs. a peca, fino
e largo : ra do Calinga n. 10.
Farinha de mandioca.
A melhor do-mercado.
Vende J. F. S. Combra G ui na raes
Mrquez de Olinda n. 3. I. andar.
ra do
praiaieara vez nqui
iiij:ih1* tio eaf.
!.' o caf moido melhcr que se pode desojar ; e uHBUIS 'iflll p61i'::S (10
s se vende na confeituria do Campos, ra do Im-
perador n. 24.
A respeilo de aeepipes nai> precisames mais
annunciar, pois est no dominio de todos que a
eonfeitaria do Campos um verdadeiro centro do
que bom c grato ao paladar.
0
!
esgarao
Aos devotos do mez
de maio.
Na ra estreita do Rosario n. 3,*>, sobrado de um
andar, tem llores de todas as qnali lados para en-
feitcs, sendo aieos, capellas, palmas, rosas, bou-
quets. ludo por preeo muito commodo, tanto de
panno como Je cera' e de papel, qualquer encom-
menda para lora que sequeira amarlo prmnpti,
bi ida-se litas a ouro para laeos. enfeilam-se velas
para enfeitar se altares e capellas para as meni-
nas ludo proprio para o mez de maio. Na mes-
ma casa faz-Mi gorro; borlados a ouro, cliarutei-
ras lilas para noivas, ricos bnuflfets para noivas
e para bolos ; e vende-se grosas de folhas de flo-
res, sendo de papel a i a grasa.
hilara
Vende-se a padana na ra de Marcilio Dias ou-
tr'ora ra Direita n. 60 ; a tratar na mesma.
Curso milico de pedagoga
PCW
Mr. Daligault.
Destinado aos alumnos-mestres das escolas nor-
maos primaras, traduzido em portuguez, 1 vol.
em 8.-, preeo 500 i : na livraria Universal, ra
do Imperador n. 54.
Sao carnizas modernas o, finas que valem muito
mais ; tem eom c-tlfarinho e sem elle.
Serix vcnladc tildo isto .
I-'.* siin sciihor.
Vamos poil ra da Imperatriz n. 56, loja da
Bosa Branca.
Vende-se um rico presepio, proprio para r-
mete das palltinhas, com todos -eus pertences :
a ra de Horias n. 83.
A 280 rs. o covado
Ca*nbraia muito fina e de lindos padrocs a 280
rs. o covado, baratissimo : na loja do passo,
ra Io de Marco n. 7 A, amiga do Crespo.
Cassas avadadas a 240 rs.
o covado.
O Pavao vende finissunas eassas francezas de
cores com os mais delicados padroes, por terem
um pequeo toque de avaria de agua doce, pelo
barato pro .o do doze vintens o covado. peehin-
cha : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
0.
Pede obter or pouco teapo com o aso do noelbor dos coreaa iffaiada
Faz'oito annos que conbecido este precioso tnico, c diflkil acUr ana puto
qoe, tendo experimentado pessoalmente, nao falle en sea favor, j cono boto eatoma< >
e ap^Uiador, lomando nm calix della antes de jantar, oo como faci'itador 4a
tomando se dopeis.
ABASE
ds UESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ba um s habitante do BRASIL (a larri
especial das laranjas) qoe tac contusa is propriedades medicinsee da doorada ibcu.
ora bem, a
em seo estado natoral tem ora gosto poaeo agradavel, e o mrito da Hcspmdina um-
sisle em reter soas boas propriedades, e ao'mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nio tem nada qoe iovjar A
melbores importares europeas de Cilheqoria semelbante. Estai, qaaodo snoito, pode*
ser gostosas, porm a Hesperidioa a combinado perfela do
p AGRADAVL E SlflDAVEL
Para prova fe que um artigo no qoal poderse ter ioteira coorjanca, por e* pan
e innocente, basta dizer-se qe-foi plenameote approvada e aolorisada pela
MU DE HYtEK
do Rio de Janeiro, permHlindo soa livre elaboraco do imperio-; outra
BOA 1IUVA
a acceitacJo geral que tem em todas a? partes onde apreaeiUdt. Ea 984 rstilie-
iecfta-se a primeira fabrica em Boeoos-Ayres; em !86fl a seganai nr'Mortevido ; a
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaugurou-se a fabrica qoe acloaUceota
trabalba na c6rte. Em Valparaizo e em toda a coala do Pacifico ten boa acceiuco.
tanto qoe rara a casa qne considera completo seo aperador sem orna garrafa da

O bomem velho toma Hesperidina para obter
nh VIGOR
O bomem doente loma Hesperidina para oWer
i
O bomem dbil toma Hesperidina para obter


a Hesperidina par
obter boa cftr
Nos bailes as donzelias e os mocos tomara
^nimaco durante os loucos gvros da
BARROS JNIOR & C, rna do Vigario Tenorio d. 7, Pandar, receb-ram eiu
grande especifico, e ven Joaquina Ferreira Lobo, ruada Imperatriz.
Zeferino Gameiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Goncalves da Fonle, roa da Cadeia d. 5.
A'.tonio Gomes Pires & C, roa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C., caes 2i de Novembro.
r.

L'ma peoa ipio tetira-se para :ra da pro-
vincia, vende por todo preeo -un ciliriolet ame-
ricano ilo don-; aosontos, novo e muito leve : na
ra da Pcnha n. 2.'.
Fio de afgodao da Baha e cal de Lisboa, re-
entememe cliegado : ha para vender no es-
LTr*'to de Jo.Tpiim Jo (om-alves I'.'ltrao ,\, I'i-
lio, ;i ra dri ''uiiimereio n. .*i.
LIQUIDAGaO
DE J
1
Aencao.
Vende se o engenho Coelhos, da fregnezia de
Serinhiem : tratar no engenho Aratangil com
o seu proprietario ou nesta cidade com Seve-
riano de Siqueira Cavalcante.
' penos de voios eom lindas pecas.
Realc micos ou accordions de todo3 os
tanr. o oan*03 muitos artigos de quinqui
litaras diliteeis do mencionarle.
fo ; do vapor francez, ra do Barao
V ira, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de todo?
os 1 i fabricados cm differen'.es parte*
da Encopa para entretenimento das criancas
todo a procos mais resumidos qr.o 6 possivel :.
no armazem do vapor francez, ra dj Barao
da Y.clona, outr'ora ra Nova n. 7. .
{ARA PANOS
praqa
obras e trras para sfrejar
2,500 pes, vende-se-s ou
Pannos proprios de cobnr pianos. r 7
Cadeiras do parafuso e forro estu-.COlTl a Sara actual: quem
h armazem do Vapor Francez ra doPretender dj IC A <#-
Barao da Victoria (outr'ora ova) n. 7. ,p0graphia que achara COH1
'aesnhasjpara CISHW. quem tratar.
sortimento de bonitos modelos, -
FAZEND
Lttja do Passi)
A' ra Io de Marco n. ^A (an-
tiga do Crespo)
Resolvemos dar um pequeo resumo das qnali-
dades c procos de diversas mercaduras, alim de
que vista delfes possam apreciar que a l.quida-
cao de no-sas fazendas urna pura verdade.
Escolhei bem a vontade :
Chapeliuas, chapeos de palha, velludo, seda e
fil para senhoras e meninas de 3 a C.
Basquinas e casa |uinhos de seda de 95 a Sf.
Casaqulnhos e romelras de crochet pretos e
brancos de ii a 6.
Vestidos de ca nbraa branca com lindos bor-
dados a Si e 103.
Camizinhas de-cambraia branca a 300 e 6C0 rs
Manguitos e gullinhas a 2 Cintos de todas as qualidades para senhoras de
500 a U6i0.
Lencos bordados e de labvrintho de 600 a I0
Coque de I 5 a l300.
Leques de madreperola e marfim de 3J a 10.
Balao a \.
Chales a imilacao de bornus de merino preto
de 8 e 9*.
Saias de la de eamliraia de 4<, 85 e 6.
Camisas bordadas para senhora, para lodos os
presos.
Capellas de cera a 500 rs.
Redes para coques a 320 e 5C0 rs.
Cortes de cambraia a 3.
Vende-se um engenho nioen- :orte8 de ,arlatana bordados a seda de ** s'
te e corrente
4 leguas, com boas
Merino assetina lo do todas as eres, proprio
(Tara vestidos, a 300 rs. o covado : na ra do
Crespo n. 20, loja de Guilliermo C. da Cunha &
Companhia.
Cal do Rio.
Vendo Joaq.iim I". S. Combra Guimaraes: na
ra do Manpiez de Olinda n. 3, 1." indar.
feijao crioulo.
A' ra Aa Madre le I*cns n.
Vende-se feija 1 prelo, novo, j deslc
bor to rpue em pai te alguma ; a ellos
bom e barato.
Samuel Power Johns*
ton&0
do Apolio ii. 38 e 40
Fcze:
mndat
MR
-i: V-
-V--'
f]
ai scibnte aos sena fregueses q-,i!'teem
Jo o sou i '| sito e machinas a va-
por, rttosnds e t.;x?.s da muito acreitada
fabrica de LowHoor para roa do Apollo n.
3i> e 40, onde ..r..iians a ier o musnm sor-
timento d.; ecston .
Fatem stiante tamben qt.e teem feito nm
.-;, arraojo com a fnndielo jeral, pelo <:
.3
?n oi.ereccr sa para aesentar qm |ac
mabicisnio e mesmo faruti lo.
:U/il
9
Os proprieiarios da fundirn pral lM
scieni.'S aos senhores de engenho t mais
prnsoas que te.-m establecido nm lnni*i-
cao de ferro e biouzn a ra do Broin, jnn
lo a e>israo dos boads, one apcatarto i
qnalquar obra de encunmenda com perfei-

Us me-mos r. gao as pessoas qr
rnu u t i!: -i r si- de feo 'erviecs de -leisa-
WD :: B OMMdai ei.l CMI dos Srs. 5a-
;....! P ..-. J test d Si C i roa te k\ "'-
in n. ."S e 10, cade Mbsri kal ili>
taarcoi quem aassaa entsndfer-M.
Apparclho para fabricar asancar, '.
V/ESrON CBiN SAL
nicos agentes em Per- loboeo a fundido eetl.
Para tratir em seu e.-.r.,..orio.a ra do Apollo i. 33 3 40.
**"

7.
anno, mais
amigos do
ATTEWAO
des vantagens ao comprador, nao s, pela sitnaco
em que est, como pelos eommodos para grande
familia : traiar na ra de Domingos Me Mar-
tins n. 90.
Bom
engenho.
OOieina de aljaile
DA LOJA DA
i isa baiea.
Apromptam-se obras para homens e meninos,
de qualquer Emenda eom asseio e rapidez.
Roupa para luto.
Etn 24 horas estar promptu qualquer falo.
Roupa para meninos.
Fazem-sc todos os modelos .
Recebemos (igurinos de Paria todos os fins de
mez.
Xa ra da Imperatriz n. ."6.
GRANDE IJQUIDACAO NO BARAT EIRO
DO
NACIONAL
BAZAR
Ra da
Imperatriz n. 72
DE
LourciifoPereiraMeniles Guimaraes
baratissimo
distante da!, to"1"" "'""" ,ldo,, Mt0es
o covado
com listas de
Grande1
chegados ao armazem do Vapor Francez,
ra do Barao da Victoria (outr'ora No-
va) u. 7.
EnsrenhoB venda.
Aftenc,uo
Vende-se os engenhos : GanreleiQi, com safra
de dous mil pes, s tuado iw lugar denominado
Alpacas de lindas cores lisas e
sedas de 400 e 600 rs. o covado.
Grande sortimento de li para todos h precos
Crochet branco o preto covado aifcOO rs.
Fil de linho liso preto e liranco de 400 a 600
rs. a vara.
Vesluarlos do fustao branco e de eores para
meninos de 3 a 6i. *
Gravatas o mantas de 320 a U cada urna.
Chapeos de castor branco a 1$ e 8*.
Chapeos de setim e de merino preto para ho-
rnero a 3.
Collarinhos de linho lisos o bordados a 34 e-
4^ a duzia.
Peitos de linho a 600 rs.
Ditos bordados a 1200.
Cortes de velludo bortfados para colletes a {4.
Brim preto vara 4. |
4 fronhas de linho ricamente bordadas sendo 1
Basquinas e casaquinhos de seda ricamente en-
feitados e cm muito bom estado, para souhoras e
meninas a 7(10:>.
Pecliinchas.
Chapelinas e chapeos de palha, velludo e seda
para senioras c meninas, por preces baratissimos
de 2*, 3* e 4*.
Anda pechincha.
Baloes em pereto esudo para senhoras e me-
ninas a 1)5000.
Para acabar.
Riquissimos cintos com lacos e sem elle e de
gostos muilo chiques a 400 e 5' 0 rs.
Entremeios e babadinhos a 400 e 500 rs. a peca.
Saias de la para senhora, 'l J.
Estas pechinchas s se encotram na loja do
Passo, ra l.'de Mar.o n. 7 A, antiga do Crespo.
CASE.MIRA PRETA A 25300 0 CORTE.
Vende-so cortesde casemira preta para ral-
gas de homem a 2?o00, 4^300, S^ c G-^OOO.
PANNO I'HETO FINO A 29500.
Vende-se panno enfestado proprio para
caigas e palitts a 29300, 39, 49 e 39000 o
covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se alpaca preta fina a 500 e 640 rs.
o covado.
CORTES DE BRIM 19500.
Vende-se cortes do brim para caigas de
liomem a 19500 e 29000.
CHITAS BARATAS A 240 RS.
Vende-se chitas francezas largas, para
vestido a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita finas para cobertas a 280
rs. o covado.
MSSELINA DE CORES A 400 RS.
Vende-se musselina linas, de cores para
vestidos a 400 rs. o covado.
FUSTAO BRANCO A 320 RS.
Vende-se fusto branco para vestidos a
320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS FINAS A 360 RS.
Vende-se cassas de cores muito finas a 360
e 400 rs. o covado.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
Vende-se cambraia baptista para vestidos
de senhora a 400 rs. o covado.
corfs,
2? : ^ r j7r an, almerte de 4 4 5 ilR p^ cS I fe p W ^Ma**.
I se por figurinos vestidos para scngra e leSi orn safra de dous mpfts, tttntfo no dit M <> *V ."!
euina, com perfeicao. asseio, e por conimodo ,rito ,lp Ao.ia-Preta e 8 \ t-iisn ".laraA a, A
reep : na ra da Ponte-velha n. 87, 2o andar. u. .
dos dous
ar
de Agua-Preta e 8 Ieiual"oa estaco de
o pretendente a ambos, >u a qualquer um
engenhos, entenda-se com
Aluga-se urna casa em-Olinda, ra de S. dos dous" referidos engenhos, enteda-se
Francisco, para quem preciar de lomar banhos Joaquim Rodrigues Ta vares do Mello, no alijados por tirar perto do banho : qusm a pre- praca do Gdrpo 8ato n. 17, ou eom Jos Bap'.is-
t'nderdinja-se ao oitao da-5n.J5; que acar la RoclrigaesJtfarqueiJM, W povoado dos
com qu'-ui h 'ar. Montes.
e Marro q.
AfctencHo
Na rna dVMarsUio 'Dias n 30 venderse Urna bo-
nita erava, cozraha, neomma eom perfeico
moga, com urna fllha de'3landos, bonita pee^, e o
motivo da venda se dir fcomprador.
Na ra da Imperatriz n. 6,
loja ne louea de Sebastiao Marones do Nasci-
mento, vende-so em porgSes grandes ou a reta-
mo todo louea existente na mesma, por pregos
muito diminutos por ter o misino proprietario
de fazer urna viagem a Ennapa a tratar de sua
sade; prtante, todos os freguezes que precisar
de se sortir destes artigos, apresentem-se quanto
antes.
Vende-se dous terrenos em Beber ibe, no lu-
gar de Agnazinha, junto do Sr. maior Quinteiro,
um com 'JO pa!m de frente- e de fundo 800, ou-
tro com 70 de frente e de rando 900 : a traiar
roa 'de. S. Jorge n. 18, antiga ra do Pilar.
na
Vende-se
ps de parreiras de d'versas qualidades, i em
cestos proprios para mudar-se, por preeo commo- a
do, no sitio junto a entrada do encanamento, em
Parnameirim, e muito boa gomma de araruta em
porgao e a relalho : na ra Duque de Caxias, an-
tiga das Crures, n. 34.
COLXAS DE FLSTOA 2-:500.
\endc-se colxas de fustao, de
29300 cada urna.
COBERTORES DE PELLOS A 19200.
Vende-se cobertores de pellos e papados
a 19200 e l-400.
SAIAS BRANCAS A 2?'0(U
Vende-se saias brancas e de coros a 29000
e 29500.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas preprias para
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAGENS A 39000.
Vende-sc bolsas para viagens a 89, 39500
e 49000.
LENCOS BRANCOS A 29000 A DIZIA.
Vende-se lengos brancos a 29000 a du-
zia.
GROSDENAPLES PRETO A 1^800
Vende-se grosdenaples preto para vestidos,
a 19800, 29, 29500, 39, 49000 c 39000 0
covado.
MADAPOLO FINO A 49000.
Vende-se percas de madapolo, a 49000,
49500, 59, 69, 79000 c 89000.
ALGODO A 49000.
Vende-se pegas de algodo bom a 4*.
49500,59, e 69000.
ALGODO ENFESTADO A SOO RS.
Vende-se algdo enfestado a 900 rs. o
metro.
Farinha de mandioca a 34 o
s&cco.
Na ra da Madre de Dos
n.-7; a ella,
A 4$00O.
Vende-se Boraegoins para homem, -pelo bara-
tissimo proco de 4|00!> : Venha ao Rival db
Recite, a roa do Mrquez de Olinda n. 60.
As padarias. <
Vende se um ptimo cylindro americano qnasi
novo, do melhor fabricante ; assim como iivers
CEBVFJl \W\\
Narea
Z
e-sc cm casa de T.
mercio n. 46.
Marca
Jerffcries di
aa
ende-se duas obras sem uso alrum : M.
J, Direito Administrativo, i vola, TapaKelli
eito Natural, 4 vols. : no largo do Parala i
8, andar._______________^^
Bkhas de Hamburgo
l novas. na roa Direit n. 120. C, wa 4 Baro da Vieloria o. ,
- --
L^J


}
*m
Dafio-de Pernambuco Quarto feifa &0 (te AM 4e IStfS.
^

k
}

i


*


lo, para vireril sorti
e perfumarlas, por pre<;os baratiswmos7
Soares krfferVIiTrtIlosy
de um cormjlett sTlitterffo
saber:
Cax de lirha branca muito boa com 40 Caixa do pennas Pcrry, a 800 rs.
novellos, a 500 rs. dem dem, a 400 rs.
dem idera de marca, a 200 rs. Caixa de enylopes trajados de preto
Maco de itachineza, a 900 rs. oOOrs.
Duzia de pe$as de cordo imperial, a
280 rs.
dem em carritel de linha branca, a 320
rs.
dem dem carritel 200 jardas, a 1*000.
Lamparillas gaz, dando urna luz muito
boa, a 1*000.
Abotoaduras para colleta,, (sao baratas), a
200 n.
Duzia de pesas de trancas caracol branca,
a 400 rs.
dem dem lisas, a 200 rs.
Ftt de velludo de todas as cores e largu-
ras.
Iden dem de sarja idem dem.
Talbores cabe de viado (imiUg&o) a3*000
duzia.
Duzia de baralhos franceses canto doura-
do, a 35600.
dem idembeira lisa, a 2*500.
Grinaldas para casamento, a 29 e 5*000.
Garrafa de tinta roa extra-fina, a 1*000.' 500 rs. e 1*000.
Caixa de botos de osso para calca, a Maco de sabonetes inglezes
200 rs.
Coques modernos, a 39500.
Maco de trsnga lisa do cores, a 240 rs.
Espelhos-toucadores, a 29000.
Resma de papel pautado e liso, a 29600,
29800, 39500, 49000 e 69000.
Caixa de papel amisade, a 600 rs.
dem idem idem beiradourada, a 800 rs
Caixa do envelopes forrados, a 700 rs.
I.uvas do pellica com pequeo toque, a
500 rs. e 19000.
BOLLAS DE BORRACHA
Grande sortimento de bollas de borracha e calungas por baratissimo preoo,
tos objectos que so tornara longo mencionar.
28 lliiii do Bardo da Victoria 28
foques para saibores, a 29000 e 49000
dem idem de osso, a 69000 e 89000.
Indispensavcis de couro da Russia, a
109000.
livros para notas, a 320.
Redes imfeitadas, a 19300.
Duzia de eollarinhos bordados para ho-
mem, a 89000.
dem idem lisos, a 69000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadoira a 19300
dem kananga do Japao, a 14200.
dem divina, a 19000 o 19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco com tnico oriental a 19000.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a 19000.
dem idem antique muito b >m, a 400 rs.
Opiata muito boa, a 19, 19500 e 29000
o frasco.
Caixa de pos para den tes, a 200 rs.
dem idem do pos chinez, muito bom, a
muito supe-
riores, a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa, a 29500
e 39600.
dem de sabonetes doanjinho transparen-
tes, a 29200.
dem de sabonetes com flores, a 19500.
Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
mes do autor E. Cudray o Gell Frres, pro-
prias para presentes.
Sabonetes Glycerino transparentes, 19
Chapeos para senhoras e meninas.
e mui-

GIANDES NOVIflADES
Em fazendas de gosto
FNDICAO DO BOWMAN
RA DO BRUffi N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e ontros agricultores, e empregadjres de ra
cbinismo o favor de onu visita a seu estabslecimentu, para verem o novo ortiroeoto
complet) que ahi tea; aeodo todo soperior em qualidade e (ortido; o que cojn a ios
pecc3o pess al pode-se verificar. mm_-tJL
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FNDICAO
TT-~~~~ *. M^rl. /Ji^f-no dos mais molernos ystemas eem la-
Vapore5 8 rOCiaS U9agpaa maabos convenientes para as diversas
circmastancias dos senuorea proprietanos e para destrocar algodD.
w..j_ J^ .-* do todos os lamanbos, as melbares qoe qui
Moenclaa dd canna existem.
Bodas dentadas para 3Dimae9'agQa e vapor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos !#S8Kfi?l,'<'
SOmDaS d0 patente, garantidas........
Todas as maehinas w** **
de macuiuismo, a prego
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante sortimerrto de joias de
ouro, do melhor gosto e qualidade que tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lottras de diamantes e pinturas fina9, aderemos e meios aderemos com podras fl
as, etc., etc.
Relogios de ouro, de differentes gostos e qnalidados, para horneas senhoras, desde o
preco do 409000 at 3009000, sendo estes ltimos de machinismo mais aperfeiooado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata do 169000 e 409000. g
RA DO CABUGA N./
MOREIR.V DUARTE das de
s
COSTURA.
HOWE
SOARES 1EITE, IRIAOS
Podeoda todus
'ser movidos a mo
por agua, vapor,
I oh auimaes.
A'
ISict lio BarM da Yirlorian. 28
As mais simple, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposic de Taris, erd 1867, foi concedido a
Elias Howe .Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
cao da Lefio de Honra, por sojem as machinas mais per.
frutas do mundo.
AVmedalha oe ouro, conferida a Howe Juior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de
2?
cos-
t
tura.
meda\m
de ouro na expsito de Londreslkcreditam
moi resumido.
Faz qualquer eoncerto
Formas de ferro ? raelbore8 e mai3 bm,as XiileDle8.D0 mer"
EnttAmmanAac Incumbe-se de mandar vir qualquer machnismo von-
ll'ililuloUtllb. tade d08 cliente?, leaibrando-lhea a vantagem de fazerem
as compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qualquer necessidade pode
ibes prestar auxilio.
Arados americanos e'"''" !,nM'a'-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Jo awzein de Joaquiui Lopes Machado y C
S*;
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
Vnpfires locomoveis de forra de 2 a 4 eavallos.
Correias para machina?.
Pulas de diversos lamanhos.
^aquetas para cobertos de carro?.
Sola* de lastro para guarda lama.
nontis de lan^a para carro.
Chicotea para carro.
fiajes largo e ettreito para carro.
fregos com cabera do marfim, idem.
Ctbe-nos odever ileauuuiiciar .que a .iparihia das machinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta cidade ra do Baro j!a Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em l'ernambuc e mais provincias l^vendercm as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente" apreciadas pela perfeic,o de seu trabalho,
empregando urna agulha-mais curta cojn a mfcsma quahdade delirthaquequalquor outra,
e pela introdcelo dos mais aperfeicoaJ>)s pparelhos, estamos actualmente habilitados a
olterecer ao exame publico as molhores tnachinas dcipundo.
As vantagem destap'mchims sao as sGginks:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradoura^-para isto pcov'a inontesiavel, a
circunstancia de nunca terem apparecido no mercadq raacbias d Howe em segun-
da mao.
Segunda.Contem o material preciso parareparaftqalquerdcsarranjo.
Te.rceirj|rHa nellas menor fricgo entre as diversas .pe$as, e meaos rpido estrago
do quenas xfStras.
Qujrtfti-^Form'am o ponto como se fura feto nio.
QuintS.-^-Permitte que st examine o trabalho de ambos os fios, o que se nSo consegu
nasoutras.
Sexta.Fazem ponte miudo eo)rC*senira,lrava8ando o4o .-de uro A,wtro do,
e logo em seguida, sem modttaatrse a tenso da linha, cozem a fazenda mais
fina.
Stima.:0 compressr levantado com a maiorfacilidade,q.uaadose tem-de mudar
de agulha ao enmelar nova costura.
(lita va. Muilas compaas de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
iieeadencia. .Machinas outr'ora populares, sao hoje q-uasi desconJieeidas, outeas soffreram
mudancasradicaesparapoderem substituir : entretanl^companbia'das machinas dt Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mesfre em arte mechancas, tem constantemente
augmentado o,eu fabrico, e ho^e ni allende a procura, posto que faca 600 machinas
por dia.
Cada machina acompanha livretos cora iasirueges em portuguez.
A 90^>000 A 90^000
SOARES LEITE, ifflftOS
A'
Ra do Barao da Victoria n. 28
Arados para lavrar a trra.
Carrinhos de mo.
Camas do ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para (16
Fogdes de ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarocar algodSo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balangas, pesos e medidas.
BM CASA PE eHAAV HAWKES & C.
RA DO BOM JESS N. 4.
Seda pura a 1|500 o oovado.
Seda de cores de muito lindos e differentes padroes, gostes modernas pelo baralis:
mo pre0 de 1^500 ocovado, vende na ra 1. de mar^o (antiga do Crespo) n. la, loja
das Columnas de Antonio Cortea de Vasconcellos. -,, _________
Escravos.
Y.ENDE-SE
i'Ta
ma, (oab. e
Hospicio n. 8!.
boa quiundsira : na ma do
a ra Nava : a trrtar na
n. 14, fabrica de cigarros.
ra larga do Rosai
10
TTC1
Lindos vestidos a 5So corte
Superiores cortes de cassa de cor, da,organdy ed* pepcaJia comifearra e de daus
saias, acompanhados dos competentes .figurino a 5J> cada Qrte. Vendem na ra Pri-
meiro.de Marco (antiga do Crespo) n. 19, kya das columna^d "Antonio Correa de Vas-
celos.
.
-i:z2.r.:iT
Tinta Inalteravel
Para..Qscimyir '
kf.-UXtoi-f?.
'.<

PERgMIMCO
Esta tinta reeomxp?eda-a pela eua coim-
poRica e fluidez oomo a meihor -. mM
segura de todas ae ti*as t- itoj* onheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, d at
tres excellentes eopias, mesmo muitosdias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos eto de
que se careca longa conservaca.
A
< MI
Carito da Victoria n. %.
NA
LOJA E ARMAZEM DO PAVAO
N. 60 Ra da Imperatriz N. 60
PEREIRA DA SILVA & GUIMARES
Os propnetarios desto importante estabelecimento, participamfto resp desta cidade e aos seus numerosos freguezes que acabam de receber pelos ltimos tape-
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas c mais modernas fazendas e muita phantasia para vestidos de senhoras e meninos, assm como tambem um grande
sortimento das melhores fazendas de lei, que-se veudem por pretos muito em conta, t
com o lim de apurar dinheiro. /
As pessoasque negociam em pequea escala, neste estab/lecimcnto podT'io \xifr
os seus sorti.lientos, porque se Ihes ender pelos procos que ^ompram n;s casasesiran-
geras ; jAq todas as fazendas se do amostras, deixando peidnor, ou inandam-sc levar era
casa das Esmas. familias pelos caxeiros. '
Este estabelecimento est constantemente aborto -!,as 6 horas da manlia i n da uont*.
r|M\!H\r\ BlIl.NOLS A 1W5O0O.
n.-iil.1l:iEii5 I 0 pav0 re^i^u pelo ultimo vajvir I
A 1*500, 15200, 800 e 640 rs. Europa, burilos dos mais lindos patfM
0 Pavo recebeu uin brillianto frumento qUC ai boje sao conhecidos e eni nlaio i
das mais lindas !zr'-ii.1-Uincs preta com dcli- SUa excessiva barateu, onvidam-sc as
cadas listras-1^ crfcsepretas,que vende pelo Exmas. Sras. para verem o qoe ba de ma*
barata P1" -0 (j0 19500 o e-vado. Ditas lo- novidade neste artigo.
cores com listras miudinbas em urna BRAMANTES >M<\ LERCOE4.
cor a 49800-e 1*000 o covado. Ditas! o V-- criorN^i1 '*!*-
Wetas com listras de seda rosas a QQ r^r-C. B-WUf ujndo lu palTnos de laif"
fas P%'ias com usliiis brancas, azues e ver- precisa de 1 1/4 vara para ii(a k-i.'.-ol a
des a 640 rs. o c .vado. Assirn como boni- j.^joo 0 metro 011 1-5800 a varar
tas barejes de seda para vestidos comas Dito do linho fino superior i muito -.ri-
mis lindas cores a 1?000. B' pechincha, corpado, com a mesma largura a 25400 a
na loja do Pavo. vara.
POUPEUNAS A15000 E 2*000 U COVADO. Ditos francezes muito lim s a 2P5O0 *
O Pavo recebeu um elegante sortimento 35000.
As mais lindas poupelmns de seda com os
mais lindos descuhos e mais bonitas cores,
que vende a 1*600 e 25000.
SEDAS DE CORES A 2*300 RS.
0 Pavo recebeu um bonito sortimento
das mais lindas sodinhas de urna s cor com
delicados desenhoj miudinhos, que vende a
2*500 o c vado. Ditas com listrinhas, mui-
to boa fazenda a 2*000. E' pechincha, na
na loja do Pavo.
CAMBRAIS ABERTAS A 9* E 10*000
0 Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais finas cambraias brancas abertas,
bordadaspara vestido, que vende pelo barato
preQO de 9* e 10*000 o corte, tendo fazenda
bastante para vestidi. E' pechincha, na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
LZINHAS BOKDADASA 400 RS.
OCOVADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das. mais lindas l/.inlias transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusive! rocha propria.para viuva, e ven-
de pelo baratissimo preco de 400 rs. o co-
vado. E' pechincba, na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS.
0 Pavo vende um bonito sortimento de
lzinhas listradas sendo das mais modernas
que tem viudo ao mercado, pelo baratissimo
preco de 560 e 606 o rs. o covado. E* pe-
chincha, na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS LA VR A DAS A 640RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cores sendo as cores mais modernas que
tem yindo para vestidos, o vende-se pelo ba-
ratissimo preco de 640 rs. o covado. E'
pechincha, na loja do Pavo.
CASSAS FRANCEZAS A 600 E 640 RS. 0
METRO.
O Pavo recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran ezas, de cor,
com os mais bonitos desenb s mides e
grados, tendo padroes oscuros e outros que
servem para luto, e vende a 600 c 640 rs.
o metro 011 360 e 400 rs. o covado.
IAZINHAS MODERNAS COM L1STRA DE
SEDA A 640 rs. e 1*200.
0 Pavo recebeu um elegante sorlimento
de las com listras de seda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo .10 merca-
do e com as mais delicadas cores, e vendo
pelos baratos presos de 640 rs c 1*200.
Assirn como outras muito bonitas com listras
sem sor de seda, que vende a 500, 640 e 800
rs., todas efcs las sao modernsimas. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Chitas a S40, 0,3*Oc360 rs.
O Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas, que ven le pelos bara-
tos prec, s de240 e 280 rs. ocovado. Ditas
escuras fazeuda. muito superior, com novos
padroes a 320 e 360 rs. o oovado.
Ditas muito finas padroes claros em teci-
los de percales, com barrado cor arlado e
sem #a a 360 e 400 rs.
Dtas pretas com tecido de cretone, fazen-
da mnito superior a 3:0 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de cores, miudinhas, proprias para
roupa de crancas a 360 rs. o covado. E'
pechiocha, na loja do Pavo.
Baptfstas a frOO rs. o covado.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas de cores com
padroes miudinhos e grados sendo proprios
para vestidos e roupa de crianca, peh~bra-
tissimo preco de 500 rs. o covado, aflian^an-
do ser grande pechincha !
Cortes de ca.rabra.ia. ultima no-
vidade, a Jj^OO.
0 Pavo recebeu pelo, ultimo vapor de
Europa, cortes de cambraia branca com ba-
badinhos ricamente bordada, tendo faienda
sufficiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais moderaos que tem
vindo ao mercado, e pela sua exeessivaba-
retezaaornam-se recommendaveis s sho-
raswiebon gosto.
fotos com babados de cor, tendo 20 me-
tros dfrJjabad s a 9*000. E' grande pe-
chincba B6' Bazar d Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
C6RTES DE CAMBRAIA BORDADOS.
O- Pavjlo recebeu os mais ricos cortes de
eartfBrar*'branea bordados para vestido, que
vende pelo barato prec/) do20*e 30*000.
mktm DE CAMBRAIA BRANCA.
.0 Pavo receben um Hado corte de am-
braia branca com listras assetinadass que
vende-pelo ba< ato pre Ditos c im listras de.ftres, tendo 8 varas a
4* e 5*000. E'pechipeha.
ESPARTILUOS.
0 Pavo recebeu um graode sortimento
de espartilhos tanto para senhora como para
menina, que vende pelo barato pro,o de
3*000. .
. Ditos muito finos a 4* e 5*000. Sao dos
mais modernos que tem vindo ao mer-
cado.
Peras de Hamburgo o panno da linlio, tol-
do c m 20 o 30 varas "para V* 1 os os probos
e qualidadrs.
Ditas de bretanha de puro linho, tendo 30
jardas, pelos presos mais barates que se I
visto.
Pechinchas de linissimo esguii) ou sil- /a
com 6 jardas a 7Hff.
Pojas de liuissima silezia com 30jardw
a 35*000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos !e
largura a 25000 a vara.
Calcas ele oaseiiiira.
O Pavo tem um grande aaitfaMBla d-j
calcas de casemira, assirn cono cortes 0$
mais modernos que tem viudo nos ullins $
figulinos o orn fazenda, dos mais linos o
mais novos que tem viudo ao mercad* o
vende-sc por barato proco para apUfl '.--
nheiro, assirn como cairas de brim branco
de cores, por presos nunto raaoavak
LENCOS ABAWHADGS A 1*800 E 2*000.
0 Pavo vende duzias d iem.-os n,.i, -s
abaiuhados, sendo fazenda limito bo.i, p.l
barato prc<;o de 25000 a duzia.
Ditos tambin abalallados, com baira d
cor a 15800.
Dit'S grandes, fazenda milito fina,
todos brancos a 35000,
Dito de cambraia brama, senoo H [a
a3C600
MEIAS CREAS A 45 E 55000 A Dl'I
O Pavo venda duaiasdo aiaiweroaa,
glezas pelo barato preco da UPMM e :>->ii>i'.
Assirn como ditas mnito linas e muito <-
corpadosa 65000, 7COOO,8*000 e l< ?fl
e um grande surtimeiitn de uitias n
trncelas, para senhoras, que se MBI i"-r
preco muito comasodo.
MADAPOI.AO rilANCIZ a 0*000 E 7*o* .').
O Pavo vende peras le madapoln fi
cez, que semprese vendeu por mnito mts
dinheiro e liqui la-se pelo baratissimo pr^eo
65000 c 75000, por ter feito urna fMMI
comrra. E'pechincha.
AIs 0 Pavo vende pecas de alp'1 dozinbo,
muito boa fazenda, pelo barato pri-cr- : i
45 c 55000.
Dito largo muito encorpado, proprio para
toalhas e lenges a 65000 e 75000.
CAMBKAIAS.
0 Pavo vende cortes de e.imbrai
prente proprla para vestidos a 2r-*0 3
35000.
Pecas de dita mnito fina, com 10 jarda,
tapada como transparente a 45, 55 a 6*Mii
at a mais fina que vem ao mercado.
PANNOS DE CROCHET PARA CADMRAS.
O Pavo tem um grande sortimento da
pannos de crochet proprios para cadeira le
balando, para ditas de guarun.o e pina so-
f, que se vendem muito em couta.
COLXAS DE CROCHET A 6* E 85000.
O Pavo vende eolias de crochet pro, las
para cama de casal, pelo barassno pi *>
de 6* c 85000.
Ditas de fusto acolxoadas, sendo de '-
res e brancas, pelo barato pega de '<(>' 0.
E grande sortimento de ditas de damas.o,
cretone e de chita, que vende por presea
muito razoaveis.
JlORTES DE PERCALLES COM DEAS SAIAS
a 4*000.
0 Pavo vende bonitos cortes de porraitoa
com duas saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 4*000. E' pechincha na
vo ra da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A
Na loja ilo Paveo ra da Imperatm n. 00.
Perora da Silva 4 (lui'm.ires recebar
pelo ultimo vapor de Europa um ciegan..
sortimento de botinas pretas e com delicado -
enfeites decr, proprias para senhora, gareft-
tiado-se serem das mais modernas que ha
no mercado, assirn como a boa qualidalc,
por terem sido remettidas por um dos n
lhoresfabricantcs.de Paris, e vende-se pet->
barato pree.0 do 6*, na loja do Pavao.
SAIAS BORDADAS A 5?, 6$ e 8*000.
O Pavo vende saias ricamente bordada
de 4 pannos cada urna, pelos bartaseme
precos de 5*, 6* e 89000.
Ditas de um panno s e eom muita
guarnecida de pregas, pelos barato preco,
Km.2*000 e 29500.
Bitas eom guarnico do pregas fcor a-
dos a 3*300. ______
Algodao eaifestado a tl999 m
vara.
O Pavo vende algodo americano aafea-
tado e muito encorpado, proprio para
eo-
3
loja do Pa-

Iha e lences, pelo barato prec/j de 1
vara.
Dit franeez sendo trancado e
corpado, peto befatis.simo preco da
metro.
Casemiras a 5OOO aj V
O Pavo vende cortes de casimira fraoce
za, sendo fazenda muito superior que
pru se vendeu pur mais dinheiro. e.
dam-ae a 7*000 o corte.
Ditosa 6*000.

J...


8
Diario de Pernambuco Quarta feira 30 de Abril de 1873.

=
Terminarei, film. Sr., pedndo a V. %:
disculpa por nao poder satisfaier de ma-
neira alguiria, as intoncos de V. S. edo
seu governo. St a posic>) olicial que im-
merecidamente oeeupo, don aso a que V.-S.
recorresso ;i mim em prcawWe esclarec-
montos de (pie pe isa. a deficiencia de ha-
bilitaeocs f>i can-a para que licasse baldo o
intento de V. S. que confiero quantos en-
cargos pesara sobre mim o que por mais quo
me esforc, nao posso to los dar cumpri-
"ment, como e desfija. Duii.sgiiar.lo a
V. S.Illm. Sr.Jbmiugos Mara (Joiiealves-
dignissmo cnsul de Portugal, em l'ernam,
buco.0 inspector, Dr. Pedro de Athayde
Lobo Hoscoso.
IA DOS d\-pi)
l. DEPUTADO* ."'
r deputado sem
" rarmaut-la.
"E' verdade,
ainhain, quando chogar a minha vez, e com
.raro ilo Deas hei do confundir a incredu-
TADOS.
oh SERUIPE I.E-
i'JKSr.Vo KEI.I-
XCS-
do
CAM UL
DISCURSO DJ su
AMiKO BEZERRA, SOBRE A v
C10SA.
O SR. LEANDRO BEZERRA (siga
atteueo :Sr. presidente, \^im> trbu..'>
cumplir uiu sant > dever em desencargo da1
minhaeouscieueia de catholcn, apostlico ro-
mn >, dizeudo algumas palavras ein referen-
cia' questo religiosa levantada nesta casa.
. tinoco prestan lo omenagein, venerarn
mesmo, aos bispos brasileiros que viocunv
priado saa santa wb. anortlos (apoia-
- ges, injurias, o at calumnias do erro e da
iuipiedadW
Liles que nao desanmela oa sua missao
apostlica.
O Su. Tarounu de Souza : Nao ho
de desanimar.
O SA". Lea.ndro Bezerra : E quando
desanimen), lancea) snas vistas para o ang-
lico hospedo do Vaticano, essa alma, queja
sendo do co, anda vive na trra para sus-
tentar a virtudo quando eiil'raqueoa...
O Su. Pimi) DE i'AMPOS : Apoiado.
O S*Ieani>;o Bezerra -.-....upara
abater a inipie la lo quando levante sua ca-
becadeserpe venenosa !
Su. Tinto de Campos : Milito bein !
tilles que oueam oslas palavras ultimaaien-
te dirigidas ao bispo do Orloans pelo chelo
da dynastia Bourbon do Franca, o conde de
Chambord :
Rio touno, pois, sacrificios a fazor, nem
condi$6es que aceitar. Espero pomo da ha-i
bilidado dos iiom -ns, muito da justica Ja
DeUS. Ou.ui lia provaoo so torna mais
amarga, um relancear de olbos para o Va-
ticano reanima a coragem, fortifica a espe-
rance. E' na escola do augusto captivo, que
se adquire o espirito de firmase, de resigna-
rao o de paz, dessa paz aflamada a quera
querque toma a propria consciencia por
guia o Po IX por modelo.
l.llcsqueso Icmbrem deque o poder tem-
poral, se tem fruta o oxercitos nao tein urna
COUSa que tiveram sempro os apostlos da te,
e a igreja, o imperio sobre a cuiiscieuei i,
conquistado pela palavra o polo solror....
Vozes :Muito bein Muito bem !
0 Sa. Leandro Bezerra :.... e contra
estas armas de amor o martv rio quebram-
se espadas, canhees o outros fonos do logo ;
eo poder dos res o los principas estaca
semproem (rente deum texto sublime, que
veio desde S. Pedro o existe at hoje.Yo
possumus: quor aquelle Imperio, quer
este texto, sao, eternos, porque eterna a
igreja e contra ella nao polo prevalecer a
forca do mundo c nom de inferno.
() Su. PlNTO de Campos: E' verdade :
promessa deChristo, queso hade cumprir.
O Su. Leandro Bezeura :Ainda em 6
d j luciro ultimo dirigi o Santo Padre a
, irlandezes as seguintes palavras:
Dizei a todos que vos quizeram ouvir
que o vigariode Jess Christo repeto, declara
e eoulirma que teremos grandes tribulaces,
mas que nunca seremos vencidos; dizei que
8 igr< ja, se c sempro perseguida, 'mas nunca
ser subjugada; dizei e dizei bem alio, quo
esta igreja de Jess Christo durar e tara
ouvir sua voz at o ultimo momento, al
ai extremas coilvulses da natureza e do
mundo. >> '
Pi IX sabe que a solio da barca de
S. Pedro se;' batida pelas te apestados, e
sempre baiauc,ar triuinphanU! sobreas ondas
do mundo; e porque esta le eme rege a
marchados astros desdo t) secutes, nao
mais vigorosa que a lei que rege o destino da
igreja.
Vozes :Muito bem -Muito bem.
0 Su. Leandro Bezerra : Hermano,
venerando arcebispo de Friburgo em snas
tribua., oes de 18J:>, fallando sos fiis de
sua di cese dizia :E' invencivel aquello
que resiste aos homens para obedecer a Dcus
Tambem dizia S. Cypriaao: 0 bispo que
teuiemma maoo evangelho, e a cruz em
nutra, ser mortO,mas nunca vencido.
Vos, pois, principes da igreja braseira,
segui vosso destino de pregar e soffrer, iims
lambem de-vencer. Eeu vos direi como
dizia um santo prolado:0' Deusl Conti-
uai a conce ler groja dos Cyprianos, dos
Agos inlios e dos Ambrozios, pastores que
bourem sua santa missao, fazendo conbecer
que sao alies os nicos dispensadores dos
mysterbs divinos. (Apoiados.)
. Comeco tambem Sr. presidente, formu-
,i..!o 5ownae protesto contra todos que prq-
. curam estorva essos doutos o virtuosos pre-
lados da senda que Ibes tracaram a igreja
e os santos padres.
Nao admira que entre os perturbaAgres
apparoeam aquelies que perteneca ao"'par-
tido cbamado do movimentonao s6 este
como de todos os paizes..'.
0 Su. Pinto de Campos :At nisso sao
inconsequeutes ; quercm smente "liberdade
para si I
O Su. Sii.vi.iRA Martins -.Perturbado-
res sao os retrgrados.
0 Sr. Leandro Bezerra :.... essesque
procralo demolir as obras dos secutes, para
ediucarem urna cousaque chamam grandeza
do presente e maravilha do futuro....
0 Sr. Taruuinio de Bota* :E' estatua
do ps de barro I
O Sr. Silveira Martins :Peco a pala-
v;a para responder.
U Sr. Leandro Bezerra :.... esses de-
putados que pregom o liberalismo, per-
. mitta-se-me dizer, faltam ao juramento que
prestaram de mauter, primeiro que tudo, a
religlo do estado, islo a cntboco, apos-
1!i a, romana.
OSu. Silveira Martins:Nao "ha tal,
primeiro que tudo o paiz, quenaouenhum
cooveoto.
0 Sr. Pinto de-Campos -.Primeiro que
tudo a religiocatholica, apostlica, romana,
e Y. Exc. sabe que segundo disposi^o
constitucional .nao se jii
pertericer a esta religio,
. O Sr. Sieveiba M*
mas eu responder! a :
O Sr. Leandro Bkzerra. : --limis po-
dor o nobre deputado respf>ndar, pois
preceito que est escripto na carta funda-
mental do imperio.
OSu. Pinto de Campos:Hei de fallar
lan
a gr.Pi do l)>
lilade que infelizmente rai surgindo ueste
imperio da Santa Cruz. '
O Sr. Leandro Be/erra : -E de lasti-
mar que a impiedade teoha echo tao forte
nosto recinto. E cabe-me agora dizoi' que
se uJo fosse a vota<;8o desta cmara dnodo
signa! sincero de que os representantes da
nacao respeitam a religio do estado, nai
mandando imprimir m jornal que publica
os nossos trabalbos representaces tiimul-
tuaras, eu podoria censurar o silencio que
notou-se no comeco desta discusso e coin-
par-lo ao que houve em Franca no lempo
do imperio de Xapoleao III.
Naquelle tempo, guando perante o sena-
do francoz Ste. Beuf appareccu pregando a
doutrina de Ilhonan, urna voz que nunca se
faza ouvir no parlamento, como que inspi-
rada rompeu (lieia de vigor e eloquencia
pari^u'^tentar a vordadera doutrina do chris-
tanismo, '/.r.f'.ti'./i apoio de todos os se-
na Joros ; esta voz era de t.'ai.-obert, hoiuem
da espada, que dando nas-guen. s tanta glo
ra Franca, na paz defenda a re ,;go da
familia e da patria, ue exemplo"' xidifi-
':)
O que at curioso que os magoii*
divididos e rotalbados em verdadeiras fac
5oes, nao se eiiteadom a si mesinos. Tro-
cam-se doestos e injurias, e mutuamente se
expolien do circu legitimo a que cada
grupo se julga filiado.
quella provincia o primeiro a reconbeeer
prelado de Pernambuco exerce um
tilia e da patria. (Jue exemplo xidili- que o prelado de Pernambuco exerce um ui-
,t0 |l \ reito, e tambem o primeiro a declarar que
EuYu'u. lole.!'.1''''1' a esses' represen-^ defacto a igreja pemambucana passa por
i phasse de regeneratjo.
as, Siv^iresidonte, vamos ter por hypo-
tantes do partido do movimento que pregan-
do o liberalismo e a revolueao contra a
(groja, pregara ao mesmo lempo asubmersao
do estado social.
O Sr. Silveira Martins : -Os que pre-
gara a iminobilida le que pregam a sub-
verso. n
O Su. Leandro Descerra : O catholrco
Do pode pregar a iraraobilidade, porque se-
ria couirariar a doutrina de Jssus Clirislo.
0 Su. Silveira Martins :Entao pregam
o progresso do parangueijo, que andar
p na tcaz. (llihiridade.)
O Su. Leandro Bezerra :Nao pode
dizer-so que quem sustenta a doutrina do
christianismo prega a mmobilidade, quan-
do ossa doutrina trouxe a regeueraco do
mundo, dando ao bomem a verdadeira li-
bordale, o s sociedades humanas elementos
iio verdadeiro progrosso.
OSr. Pinto de Campos :Apoiado.
0 Sr. Leandro Bezerra : Entranhados
no erro, conhecendo peuco dos principios
cathulcos, esses merecem perdao, que para
ellos a I leus peco.
Mas ah Sr. presidente, o que mais de
admirar que os homens chamados do par-
t lo conservador, busquem figurar nessa
propaganda.
O Sr. Silveira'Martins :feto agora
coin o Sr. Visconde d ) Rio Branco.
O Su. Leandro Bezeura :Nao me re-
liio a nomes e nem a pessoa determi-
nada.
E admira que aquellos que se dizem do
partido constitucional deste paiz, viudo aqu
lastimar as ruinas dos templos do Senhor,
lastimar que por oude so espalham os pa-
lacios da vaidade humana nao se levantem
novos templos onde se preste cultos ao Todo
Poderoso, venham ao mesmo tempo ofl'en-
der de frente, ferir no corceo a f catholi-
ca, apostlica, romana, negando a indepen-
dencia o liberdade que a igreja deve ter,
como tem as sociedades politicas, e como
tem todos os homens : esses que batem-se
contra os republicanos pelo elemento mo-
n.iicliico, D nem-SO aos impos contra o pri-
meiro elemento da nossa sociedade.
Sr. presidente, a questao religiosa levan
tada nesta casa [telo nobre deputado pelo
Rio Grande do Sul, com dor o confesso, foi
ainda mais escandecida polas palavras djo no-
bre deputado da provincia do Paran, ex-
miuislro dos negocios estrangeros.
0 motivo desta questo urna represen-
tado apresenftda a esta cmara, se dizeudo
assiguada por diversos habitantes de Per-
nambuco.
O Su. Silveira Martins : Dizendo-se
assiguada, nao senhor ; de fado assiguada,
o o nobre deputado pode consulta-la na se-
cretaria.
O Sr. Leandro Bezer&a -.Nao neg que
esteja assiguada, mas nao sei se essas assig-
naturassiio dos pruprios.
Su. Silveira Mautins:-Ha tambem
urna representarn com assignaluras de
1,800 cidadaos desta corle.
0 Sr. Leandro Bezerra:Estas repre-
sentaces, Sr. presidente, sao attentatorias
ao justo exercicio de uifc diroito do prelado
diocesano de Pernambuco.
() Su. Silveira Martins:Nao apoiado.
O Su. Leandro Bezerra : Fehlmente
esta queslo va i mais ou menos aridecida
naquella provincia, e para tranqullidade da
cmara, para tranquillidade dos espirites ca-
tbolicos, eu lerei urna parte do relator"i9 do
digno [irosidonte de Pernambuco e alguns
periodos de una correspondencia escripta
daqueila provincia para um jornal desta
corte.
OSr. Pinto de Campos:Os pernambu^
canos tm muito boa seuso. (Apoia-
dos.)
OSr. Leandro Bezerra :Diz S. Exc. :
Acha-se frente da igreja pemambuca-
na o Exm. e Rvm. Sr. U. Fr. Vital Mara
Concalves de Oliveira, nosso virtuoso prela-
do e distincto comprovinciano.
Em virtuj^de urna portara de S. Exc.
Rvma., mandando eliminar das irmanda-
des os que se acham filiados macooaria,
so a o fundamento de ser ella condemnada
pela santa s, grande celeuma se tem levao-
tado nesta capital, e j ao governo imperial,
como assembla geral legislativa, foiihde-
recado um abaixo assignado de crescido nu-
mero de habitantes desta cidadej pediudo
providencias a respeito.
Sem pretender animar ou impedir ma-
nifeslacoes papulares, e nemto pouco coarc-
tar a independencia da igreja, teoho procu-
rado manter-me em posico concilluaora,
empregaodo todos os meios possiveis para
susteotar o equilibrio e harmona ndispen-
saveis ao estado o igreja, visto como s
marchando juntos poden) os dous poderes
soberanos cooperar para a civilisacfto, pro-
gresso e engrandeojnento das nacoes.
Melindrosa ior ce rio a questo que
ora se debate, e embarazosa a posico do
governo em setnelljante conjunctura.
.c Urna solufib que concibe todos os di-
reitosi>|tO{.',.'.ii,s imuiiinidades da igre-
ja o 9HJ HBT,[ es cija laos e dos deis,
ser, no^^^HSs c'osas, o nico meio de
pi tormo ^SP*<;o dos espirites, ede res-
tituir igreja peruambucaua, que atravess*
urna
Mas,
these que estaVpiesto nao marcha paca *>se
arrefecimentJ vamos suppr que ella con-
tina por dilate, oque plefazer a cmara
dos Srs. deputodtos. e o que poden fazor os
outros poderos pubrti;os do estado contra
o procedbneuto juste daqtaelle bispo ?
Sr. presidente, do procedante desso vir-
tuoso e doulo prelado, s adrai > m recur-
so que para a santa s. V
O Sr. Silveira Martins: S era"\mate-
na de coosciooca : a nago nao ura mu
vento.
ment substancial e outra elemento, accesso-
rio das sociedades humanas. Eu ou
JlHncero, uta tudo porteu
Bm alma e coi
dizer, beb rom o leite S90mwt^
prend nns priraeiras palavras que me
ensinou meu pai.
L nenbuin de ns.Sr. presidente, que com
leal lado pertenco ao partido constitucional
iocoutestavelmeqe urna phase de regenera-ido um dos chefes o duipie de Da
Cao, os ilias placidos e tranquillos, que por I mallogrado na esperanza de ser ro
lo largos an||Vesfructou.
Devem^pzer votos, nos os cathlicos
para que essa soJucJto aspirada pela sabe-
doria, consorciada eora a prudencia, pela-J
justica com a piedade, tanto da parte do go-
verno imperial, como da do il'ustre prela-
do, nao se faca esperar.
Diz a cofres|>ondencia : lV
Vai sen cainiuho a famosa questo
episcopo-iua cnica.
u O q:ie sonhavara com a perturbacio
da or le n publica, tem visto desmentidas as
suas apprehonsos. O povo periidoibucaao
coioprebendeu avisadameflr que nada tem
que ver cora una qoesto entre o sed
virtuoso prelado e urna assocmco particu-
lar.
Bem ou mal intencionada, a macollara
6 cousa que a poucos nteressa.
A agitaco levantada pelos macous en-
tra visivolmente em um periodo de deca-
dencia. Ella apenas existe na imprensa,
mantida o fomentada pela Verdade, orgo Portante, para que ossa grita, dizeudo- O Sr. Leandro BkzRRA :Pudera ajada
deum grupo macoriieo e. uo da inagona- seque as bullas, as p Mas ospirituaos lauca- remontar me historia inaeonica do Brasil
ra. Has soore maeonai ia europea nao podem oomecamlo de 18U1 quando abrio-se a pri-
teca r a ina.;ouaria braseira, porque osla meira lojfl sol) auspicias do Grande Oriente
.da caridide, porque esta nao teininilros lius da llhade Franca, para mostrar as diversas
seuao a pliilautropia, e porque nao tem ae- phases dessa familia brnsileira, na qual
uhum conjuucto con! a maconaria euro- levo a infolicidade de entrar em 13 de Maio
pea ? de 1822 1). Pedro do Alcntara, depos nos-
Ha alonas apartes. SO primeiro imperador, que foi elevado a
f
ca.'foi depois victima da
i la fui a macouaria
^^^^Kde tf 30 em Fra,
para recompensar o tilho 4^^HPT^ -
mas 1* anilos depois, pdPTnfluencia da
mesraa associaco, perdou Luiz Felipp-i a
orya ; a confirma o (juc emfuncio o inam-
leslo do tirando Oriento Fraucez dirigido a do Imperio, p lo tomar parle o era r-
Cremieux, membro do governo provisorio, ponsabihda le desta propaganda: rasgada a
e a resposta deste. Seria longa a enumera- folln sagrada de nossa omstituicAo social,
cao dos grandes acontecimentos europeus, as nutras se despregam e o vento revolucio-
cuja parte princi[>al coibe^ macouaria; nario ha do todas arrebatar, e perdidas,
mas para isto seria ner.essario entrar na bis- niuguom podo aginar JJa futura SOrtfl d'ste
loria do tolos os paizos o da propria igreja, gigante americano,
para o que julgo uo ter tempo. Vozes.:muito bem 1 muito bem !
S>r. presidente, agora perguutoou : a ma- 0 Sr. Leandro Bezer'ra :-rEu pudera
rar.i braseira nao estar le conformida- citar o que ilizein a Verdade, jornal luaco-
oio as doutrinas e regras da macouaria nico de Pernambuco, a Familia e PaeoMo
europea, sendo urna s familia espalhada desta corte ; ehegando um delles at a cha-
por lo lo Carnudo?. Creio que sim ; e o mar o Papa o Sultn da inlallibilidade !
nobre deputado pido Rio Gran 1" do Sul OSu. Pinto de Campos :E'urna paro-
acabou da confessa-lo. dia Note bem a cmara que o presidente da- Sr. presidente, para mostrar a seguran- (!.'. M.\ em 14 de Julho do mesmo auno,
ilo mou juizo e confirmar o que cnfos- jr son lo I.-, (luatimo/.im.-.; e quanto nao
0 SR. Leandro Bezerra :-) fundamen-
to da sociedade braseira sem questo al-
guma a religio catholica, apostlica, roma-
na e o seu chefe est cima de todos os
nossos po leras, como est cima de todos
os poleres das sociedades humanas, que
adoptara esta religio.
. 0 Sr. MAtTlNHO de Freitas :Aqu nao
se trata de questo religiosa, sim de saber
se o bispo tem o poder de estorvar o livre
exercicio de urna associaco pernaittidj pelo
estado.
0 Sr. JoAo Mendes :0 bispo uo ea-
trou oeste questo.
0 Sr. Leandro Bezehra :Sr. presideu-
te, se essas irmaudades da cidade do Recife
se suppoem offeiididas nos seus direitos, se
enlendem que o dout j prelado nao tem cora-
prebendido as bullas e coostituicesdos san-
tissimos padres, recorram caridade e o
amor do chefe supremo da igreja, mas re-
correrem aos poderes do estado que nao po-
dem fazor obrar era assurapto espiritual,
cousa que oo coioprebeodo !
O Sr. Joao Mendes:E de certo ho de
ser libeles.
0 Sr. Silveira Martins :Sao homens
que nao querem escravisar o estado
igreja'. ._______,
(Ha diversos apartes.)
0 Sr. Leandro Bezerra :Como ac
de lembrar o nobre deputado pelo Para,
mente neste sentido eu posso compreh
a representago, sto como para disp
o governo a que por si dirija-se ao sant
dre pedindo explicacoes, mas oo par
a cmara ou o goverao posean deliber
modo obrigatoro.
Em questees mais ou menos idnticas na
Italia o governo _e o parlamento decidiram
contra os bispos, mas o que succeBeu ? Os
bispos obedecendo s leis da igre, nao su-
jeitaram-se deliberazo dos podares do es-
tado embora dopois fossem presofi, desterra-
dos e perseguidos: soffrerara, mas oo ce-
deram.
0 Sr. Silveira Martlns :Mitos capi-
tularam.
0 Sr. Pinto de Campos :S ;nm.
0 Sr. Stlveira-Mattins :HeiBe cttar os
nomes.
0 Sr. Leandro Bezerra :Sr. presiden-
te, a magna questo a da macouaria.
Creio que ninguem oega que a macona-
ria europea nao tem principios orthodoxos,
creio que ninguem nega que essa associaQo
tem muitas vezes tentado, e meara o conse-
guido, anula dos estados e a perturbado
da igreja.*
A maconaria europea...
O Sr. Silveira Martins :Nao ha maco-
naria europea o sim universal.
0 Sr. Leandro Bezerra :Aceito a de-
claraco do nobre deputado. A maconaria
universal allega diversas origens, segundo
manifestos, discursos e obras de grande nu-
mero de irmos. Las querem, como Basot,
que venha de Deus, por ser autor da luz,
outros de Ado, uutros de No, outros de-
Salomo. O irmo Enoch remonta aos ao-
jos ; o irmo Ch. Loffonde Ladebat assevera
que Jess de Nazareth foi gro-mestre e
fundad jr da maconaria escoareza I
0 Sr. Pinto de Campos ;Que heresias 1
0 Sr. Leandro Bezerra :Faltam de
Hiro, que prestou madeiras para o tem-
plo de Jerusulem ; S. Joo Baptista o
patrono da ordem ; por isso todos conhe-
cem os festejos que fzom os macons no
dia deste santo, nao porque fosse o precur-
sor de Christo, mas como um dos chefes da
trmaudode ; os systemas sao diversos, como
diversos os rit s ; tem ella seus mysterios
impeoetsaveis nao s aos profanos como &
todos os macons, Jfue nao tem a perfeita
saredoria ; e para estes coioo para nos so
chega o cooheciioento dos templo! cheios
de symbolos, e da lnguagem d(5' paganismo
e naturalismo, chamando-se a Dous Supre-
mo Architecto do Uiverso, e outras. cra-
sas : ha graos de discpulo, companheiro e
ca
sou o nobre deputa lo polo Hio tirando do soffreu elle de seus irmaos!l
Sul, Cohioco por ler a constituieao maconi-] Teoho em meu poder diversos escriptos o
ca do Brasil, publicada em das do auno discursos de macons brasileiros, entre os
passado na typographia alloma de L. Win- maos um publica lo no auno macouico
ler ; diz no art. 3'1 : j 5887, que acaba assim : Macons de to lo o
A inagoiiaria urna associaco do bo-, mundo, G.*. G.-. 0 0.*. eG.\ I..-. I..-,
meus livres o ndependontes, reunidos em estabolecidas nas quatro partos do globo,
socieda le, segundo os dictamos e princi- recolbei no vosso seio, registrai nos vossos
pos un versaos da macouaria espalhada pe- livros de ouro aprofiasiode nossos pnnei-
ta suporlicio da trra. V. no 3o artigo : pios, etc.o Em seguida trata de 1). Podro
Os macons nao polein oceupar-so das I: instrumento do sua vinganca o novo
dilTerontes religios... Na sua esphora ele- M.......corra-se espesso veo sbreoslesteni-
vada dovera respoitar a le religiosa, etc. pos lutuosos em que a ingratida >, abusando
Eis a prova da universabifidade e da es-, da autori la lo, man don fechar as OH'.-, das
phera elevada em que gyra a maconaria. [MM.\ onde SO haviam rendido OS mais pu-
Agoia vou ler alguiis trechos do jornal ros votos de amor aquello que, trocando
de rtgroreiro do crrente auno, para verso fender os brenos, os ferio e desprezou I
se as uVutriis sao ou nao as raesmas da /'<-. Redemoinhaudo no polag > das paixoes, cabio
niUia \iniversal. j olio mesmo cora medonho estrondo, nao
0 Sr! Silveira Martins :De qual dos achan lo a sen lado um amigo que o conso-
lasse I A virtudo nao consonte que se ag-
La-
Orieutot este jornal ?
O Sr^ Leandro Be/.eriu :K' do
vradio. ^^
OSr. SiiVira Martins:Estamos em
p eno governV
OSr. LeaniV) Bezeura :Comeco por
ler o seguate : V^
Padres, a quarVlo ardua missao Jess
Christo conliou, ejfeontra quera proferio
to severa conderainco, pregai a palavra
do Evangelho, e dTeixai as [irotengos da cu-
ria de Roma../ Sede porfeitos pastores
christos, o um levantis a sizania entro
vossas ovelha/s porque os macons nao au-
xiliara os ia'rnios da muadlnos Boma dos
ultramontanos.
De matfuira que, Sr. presidente, preteu-
de-se pinatar uioa igreja nacional ; dizeu-
do-sey: Padres o bispos da igreja brasi-
leira/afastai-vos de Boma, pregai urna dou-
triufo aova.
/Contina o mesmo jornal ora oulro pe
modo:
Os papas j tentarm o dominio uuiver-
as armas para tamanho commetiuiontu,
V-
grave a desgrana.... desapproceu o ingrato
oppressor da M.-.
I m Sr. Deputado :Ouem foi autor deste
discurso ?
OSr. Leandro Bezeura E' um mani-
fest dirigido ao muirlo por um (f.-. M.\,
cuja memoria, sendo caraao Brasil rae obri-
ga a nao satisfazer o que deseja o nobre de-
putado.
Sr. presidente, eu pudera continuar em
diversas chaces e analvses mas para que,
quando acha-se j provado o coufessado que
a maconaria urna s era todos os paizes,
coa a mosina seita, com os inesmos symbo-
los, cora a mesma lnguagem e comas raes-
mas tendencias ?
E assim, Sr. presidsiite, os macons, ir-
mos universaos como sao, todos aeham-se
sujeitos ao mesmo juizo dos verda catholicos, o condemnaco da santa igreja
pelas palavras de seus chefes.
Nao vera ao caso referir setenta o tantas
interdieces maconaria pola autoridade
secular do diversos Estados, principes, reis
|3eu-a, a excomiiiiho. Esse raio, porm, i e Imperadores, a comocar do decreti dos
I cabio inerte ante a civilisaco do mundo, e: Estados Coraos daHoHanla era l":J.i at 20
apenas hojo roconla o plano gigantesco da de maio de 18 li, quando Vctor Manoel,
arabigo tiieocratica e a Ilimitada flaqueza' re da Sardenlia, expeli na decreto reno-
do homem ignorante. Se to somonte pela vando a prohibicao de entrada de macos
ignorancia do inundo pode a aiobigo ro-joui seu listado, sob penado prisao eoutias;
mana prevalecer, cumpre reconhecei quao je entre inutos la nbcm D. Joao V, doPortu-
murtria c a aoco da macouaria, que os- gal, em 1713.
gl-se pola cultura do entend monto hu-j E tudo pode ver quera quizer ler a obra de
i. O ullramoiilansmo bradou : odojThory sobre a chroaoloKia da Franc-Maco-
dos de diversos Estados contra a maconaria
apunas refiro os nomes de algM: os aree-
uspos de Malines, dt Dublin, de CbamWry.
y^ge, de Brttgrtt, de Tournai,
do iTaanr, de Gand, de FOrto-Luiz, di-
Malta, do Nimos, de Uval, 0> Antau e
outros, o assim o concilio provincial de
Baltimore, composto em maio de 1813, di
17 pn-lados o em maio de 1832 de 34 bispos
e dous vignrios a|KW>tolicos ; e as cartas pas-
toraos do primeiro o segundo concilio con-
duiiuo as sociedades macunicas, fundand*-
se nos decretos da Santa S. E os catho-
licos dos Estados-Luidos, paiz chamado de
mais liberdade, obedecern aos chefes da
igreja, e o goveroo nao intromeUen-e, f
meaos contesteu a execuefto das pastoree*.
O Sr. Pinto de Campos : Entretanto jpse
ao Brasil, que adoptou a religio catholica,
haquem busque perturbar juris liccio- -i
prelados.
O Sr. Leandro Bezerra :E' pH
exuberante do que a Igraja nao precisa VI
proteceodo poder tem|>ral (tara engrMHSi
cor-so, basta a liberdade < ni le|)ondeocia
Sr. presidente, e (piando por, toda apai
te cumprem-se <> decretos da Saita-8e,
sondo respeilados os netos da pro uulgtfit)
dos prelados, porque uo hade s>'-!o enttl
us ? !
Vea como objeceo o plniyt, sobre que
vou tambem fallar.
0 Sr. Pinto de Campos : C.iiiin*
que vai bein
O Su. Leandro Bezerra : Autes'll
ludo declaro que considero hertica a dou-
trina do ilacel.
O Su. Joao Mendes : Apoiado.
O Sr. Pinto de Cvmpos: Ao menos'
luna de sciiisma e alimentado jielo protestan-
tismo.
Fila outros apartes.
O Sr. Leandro Bezerra : (JuanJo
fallo assim lique entendido que seinpro
em quanto ao espiritual. Esta doutrina
contra a I i borda I ida Igreja, contra sua inde-
pendencia e quanto a sua unidado. E' con-
traria anidada porque poJer-se-lua cumprir
as leis ecclesiasticas na Inglaterra urnas, na
Franca unirs, e assim por diante conformo o
poder o querer dos principes e dos govenms
respectivos; e c ntra a independencia e
liberdade da Igreja, poique licaria sem aeco
de deliberar o fazor cumprir seus decretes
por todo orbe catholico, dependen lo a exe-
cucao da b 1a ou m volitado dos homens
E chegariamos ao absurdo de que e:n
paizos scliismaticus ou do nutras religies.
nao po leriaui entrar as daliberafei aW 1 '-
siasticas.
E, Sr. presidente, depois da dolioico do
dogma da infallibilidadodo papa, e uo sendo
mais este principe temporal, tem desappa-
recido a razo de ser desta doutrina do
dacet.
O Sr. Joo Mendes :Apoiado ; nao sei
como possa ser coatestado.
O Sr. Leandro Bezerra:Eu aqu vi-
vendo, na Bussia ou na China, na Turqua.
ou na frica, para obedecer s coaatitui-
coes- o bullas dos pontdices romanse de-
cisoes los concilios jamis indagarei se o
poder do Estado mandn ou nao curapi i
los. Os vordaleiros catholicos assim de-
vem pensar cominigo.
(Continua r-u-ha.)
nao nos servera, e mantinhamos a,nana, e obra do Amand Loutsidirea mesma
BU porque seremos fortes, o teremos, inaterja. Mas o uuo vera a proposito
iodo inundo... o rouco bramido declarar a condemnaco pelas aut ridados
n oihema da curia, que n o ecefesiasticas, por isto'que estende-se a todos
igno
o dor
de Sai
por ceMo aigreja.
Que nViiedade, Sr. presidente I Diz que
a voz da curia romana a voz de Satn !
' O Sr. T4uo.u1.Mo de Souza :Em lugar
da de Jess Christo. /
OSr. Joo Mendes:E urna gente
que s trata de caridade, que publica bote-
tins deste genero ?
os paizes. Comer por Clemente XII era
sua constituieao ln EmineiUi, veio depois
Bento XIV na constituieao Providur, em
seguida Pi Vil na constituieao Ecclesiam
a Jeu Cmistot; I.oo XII na constituieao
Qao Graciora, e Pi IX por diversas ve/es
em encvclicasvcm allocucoes e na constitui-
co ApostolicQstdia ; nolando-se que ha mais
OS&j Leandro Bezerra :E querem a confiraiacao do Pi VIH, de data de -2!
as grajo da religio, atacando de frente o de marco do t82y; e oolra de Gregorio XTI
chefe daigieja representante de Jess Cbrs- em 18U.
to na trra 14 E' doloroso (jue assim se
secreva em um estado chmalo da Santa
Cruz I
Contina no seu boletim para o estran-
geir.o o mesmj jornal olhVial do Grande
Oriente. ck'dades, assemblas, reunidas, aggregaooBS
0 Sr. Jo.lo. Mendes : -Em .quo lingua ? chamadas de F-Macons, cmi conheeidas sob
I O Sr. Leandro Beze^-.a :Agora, em nutras denominaces, e prohibimos e con-
francez: fallara a s irmos de alm mar: derruamos por nossa presento constituieao,
m L'acle d'irroflexion de l'evque de Rio] valida para to lo sempre. Convem decla-
me Janeiro gardait encor sa grossiore ora- rar que a essas palavras preceden o desenvol-
pjeinte quanJ un autre acte plus sauvago
Vou citar algumas das sagradas palavra8
de Clemente XII .-...de sciencia corla
depois do madura delibcraco de noSSO
pleno poda/ apostlico havemos concluido
o decretado condemnar e prohibir essas so-
ancore nous montre l'evque de Pernambu-
en lute eontro le peuplo trop cathojiquo as seguintes palav
cetteville l... ceci no fut pas un 'acte cacao Mnltiplicei
virnento dos motivos da condemnaco.
Permitta-se-mo ainda citar nesta tribuna
as seguintes palavras de Pi IX em sua alio-
VARIEDAD*
co
de cette villc l... ceci no fut pas un 'actecacao MnItipUce inter machinatiorma
d'irreflexioa ; non, ce fufcun acte prmdi-(25 de setembro de 18<5 e o taco para Bear
t, un coup orden de Borne, ou la polit-, patente que a pena espiritual toca fami-
que ppale jouo l'ocrRc avec les nationssous( lia maconica de todos os paizes, diz este
sou domaine deconscience,.. contre la loi]santo pontfice: E ordeiiamos sob as
civile e contre tontos les idees aecoptos, ce ; mesmas penas, j especificadas nas consli-
coup sera un mol da reveil pour ceux quituicoos de nossos predecesores,a tolos os
s'endorment devant l'invason sauvago chrisUtos de qualquer paiz, que teaham es-
[de l'Eglise dans les alfa i res de l'Etat. 1 sas sociedades como proscristas e reprova-
Alem de mais outras rauitas palavras he-, das por us.
reticas, buscam laucar o ridiculo sobre o Antes de continuar em outro sentido, devo
virtuoso paelado de Pernambuco, como se dizer que algumas das bullas citailas sao
v no seguinte periodo de referida revis-: dogmticas, nao .sendo preciso que sejam
ta: 'promulgadas pelos bispos para obrigarem
L'evque de Pernambuco, general en aos venladeiros fiis ; basta que tenham
chef de la guerre de l'Eglise contre l'huma- sido, como foram, publicadas pelos sobera-
jait bresilenne est un capucio; barbu beau nos pontfices.
jeuuehomme, au teint brun, apparenco va-' O Su. Tarquinio de Souza :E s quera
niteuse, seigneur de sa personne, et passio- nao fr catholico dexar de obedecer.
p d'avoirsa photographie reprodute ebezj (Ha outros apartes,)
tous les photographistes do Bio de Janeiro,' 0 Sr. Leandro Bezerra:Em das deste
etc.. la premire impressoo du peuple fut secute, maudando-se em Boma collecciooar
de lu arracher la bello barbe noire ; et eu- diversas bullas pontificias e publica-las para
de raestre, cavaheiros' de' Kado"sck e doicore nous no savons pas ce qu'il en de- raelhor conhecimento dos catholicos, como
Sol, prncipe Bosa Cruz; ha cerimoniai riondra. agora entre nos, levantou-se na Europa
especiaos para os funeraes, o nomenclatura Eis, Sr. presidente, a doutrina pregada grande celeuma contra as constituido de Cle-
partieutar para os banquetes e testas.
Um Sfc. Deputado :r-0 nobre deputado
est muito cert > destas cousas I >*'*
0 a>R* Leandro i jezerra :Estou cer-
to de cousas que podem chegar a um pro-
fan ; teoho Hilo em diverso autores.
Sr. presidile eu podera continuar nes-
ta doscrjpo, porm, paro para dizer
que a maoonaria foi quera produ/io a re-
volueao franceza da 1789, segundo o asse-
vera um escriptor insuspeito, Luiz Blanc,
em sua obra sobre esse acontec mea tu, gn-
pelo jornal do Grande Oriente do Brasil, mente XII o Bento XIV; o um cap.-. Mac*
cbmposto de homens nolaveis do paiz. F da Blgica chegou em solemne sesso a deli-
como ter comprehenddo a cmara, a berar que fosse archivado aquelle livro para
revoluto quo levanta-saJOntra 1 base fun- vergonha eterna dos Papa etc., sondo que
damenal de nossa sociedade. Devo dizer em principio um 1. propoz que fosse OMti-
com franqueza : a propaganda contra a mo- mado e lanzada tu cinzffs ao vento para
harcha menos prejudicial do que a pro- naodeixar memoria entre os MU.'.
jBSgauda contra a religio : sem esta nao O Su. Tar'oui.\i4j)E Souza :0 erro o 1
o tempo e de touW os
comprehendo estado ielz, pois um do hoje, de to
bem permanente e eterno ; e com aquella paizes.
de a naco soffrer choque temporal e ca- o Sr. Leandro Bezerra:Sr.
101% dooois levautar-sc ; urna ele-, dente, escuso-me de citar o juizo de
?resi-
tN.YV COTTO>'. A perversa lona Cot-
ton, deque osjornaes uiyliv.es 90 oceupa-
ram por algum lempo, relatando os crimes
de eiiveiienamento que ella perpetrara em
tros maridos e cinco lilhos, morreu ha for-
ca em Londres ha tres semanas.
Eis o rotatoria dos seus ltimos momen-
tos :
Xa vespora do suplicio, depois de um
somno que a tranquillisou alguma cousa,
tomou cha, voslio-so c chamou os sacerdo-
tes, pon lo-se a orar entro prautos. Mon-
fort, capelln da prisx, aproveitM aocea-
sio para ver se ella confessava oseos cn-
mes o Anua Colln confessou que ofloctiva-
mente tiulia propinado \curuo as pessoas da
sua familia, sem to.lavia querer declarar
que era com intenco de mata-las. Aquel-
la mal, pie tantos fillios a^sassiriajl, ropo
tia com amor n'aquellas horas sirprornas o
aome da nica lillia que d> i\ ni viva.
As oito hora> nprescniou-su."magis-
trado com ordem para que o govam
prisao lho eutregasse a condemnad
painha da prisao, cubera sa
pi'lo. faz ouvir os primen os d^^lrda
aionia, que se prolongara por de
nina luna. Anua I', tton alravessa OUkMU-
bros corredores da pn-ai com as man-
atadas, a cabeca na, o corpo embnlkado
n'um chalo escoce/, branco e proto, do qual
ileu matado aquella sua lillia o vai rodeada
dos agentes do cborilT com as suas variabas
brancas, symbolo da aulorida le. Atrar
marcha um homem alto, vestido da I
Calcraft, o ver lugo desondres. A eea-
demnada durante o ultimo mez le^n
emmagrwera muito e ia pallida coma a
morte.
Nao chegam a vintc as pessoas reunidas
no pateo da cadeia. Anua Cotton parece
ir rezando com fervor e quando chega a"
local do supplicio exclama : O co
o meu nico refugio Aproxima-se n'a-
quclle momento o verdugo, com a cabe. <
coberta por um chapeo de abas larguissi-
nias, corre um pauoo por cima do rosto di
condemnada, amarra-a e sujeta-a forca.
A desgranada, carregando sobre o peito
cora as raaos birlas, exclama 110 maior aug'
de angustia : Senhor, teude piedade da
minha alma Ainda nao tnha acabado
de proferir a ultima palavra, e ji o corpo
se balanceava no ar.
Vencido o magistrado por cninmoce
to fortes, cahio desmaiado, e o cai>ellio da
cadeia leve que encontar-se parede. Pas-
sada urna hora era o cadver enterra-te no
jardim inmediato prisao do Durharu.
INSTITUTO INDUSTRIAL. Diz o Jor-
nal do Commercio que o Sr. bispo "e
Vizeu oterecera ao instituto industrial e
coramercial de Lisboa, cincoenta amostras
de raadeiras produzidas em diversas regies
do imperio 'o Brasil. S. Exc. prometteu
completar esta preciosa collecnao mandanoV.
outras remessas qoe espora do Rio de
Janeiro.
PBKCO B'UM JOBINAL.A propriedade
da Presse, do Paris, fi vendida a Mr. De-
brousse por quaranta contos de res. Esta
Preste, tem sido vendida por diversas vea
e sempre por sorama avultada. ^.^
rea-1PYP DO DIARIO- KJA DUQUE DB CAXIAJ"



i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGGH7GOEP_12P6IZ INGEST_TIME 2013-09-19T20:44:39Z PACKAGE AA00011611_12898
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES