Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12896


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^m'^^^^t

H
l
r
AMVO XLHL MiMERO 96

PARA A CAPITAL K LUGARES ONDE NAO 8K PAGA PORTE.
Por tres mores ndiantados .........'. ,
Por seis ditos idein '..............".'.'!
Por um auno dem.............'.."*-"
*Ji*ia nuiaero avulso......... *
9000
12JMHM)
Ji000
320
D010KG0 27 DE ABRIL DE 1873.
#--------------------------------------------------------------
PARA Di:\TH E FURA A PROVINCIA.
Por tre mezes adiantarJos. .
Por seis ditos idem. ; .
Por nove ditos idem ....
Por um auno idem. > ,
.
.......-
....
*
750
1500
20W50
S79000
DE PEMMBUCO
PROPRIEDADE DE MANOEL HCElROA DE FARIA & F1LH0S

Os Srs. Gerardo Antonio Al ves Filhos, no Para; Gonfalves Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Anlnio de Lew Braga, no Aracatv ; Joo na Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jo* Justino
Peroira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba j Antonio Jos Gomes, na Villa da Futa; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antoiu'o Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Francino Tavaresda Costa, era Alagaj; khs dC, na Bahia ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio ;de Janeiro.
PAUTE OFFHM.
Miiiisti-W il Imperio.
Por carias imperiacs do 3 dj corrate foram
nalunisados :
0 snblito allemi) Culos Alberto ".entreos
subidos portugueses Joto Marrano Bastos, Ju-
quii Fernnitusde 4 n Irado Uuimarus, Jos An-
tonio la Cnnlia Braga, Jos Antonio Gomo., Jos
Brandan da Rocha o Xavier Francisco
Pur paitara iiu i lo torrente toi mineado ea"-
paUao-cantor da imperial capaila o padre Jos
Evangelista Franco.
llil!tc-i*j (]. ;i<5c i.
Fui dirigido segualo arito ao presidente
a provincia de Minas-Goraes:
Ministerio dos negocios da )nsti;a. Rio do
Jan>* o en 9 do abril de i87 i.
Illin. e Exm. Sr. -Declaro a V. Exe., em so-
lacio consulta de sen ollii-io n. 6o de 16 de
mireo uliim i, que nan competo o ordenado, na
forma du decreto n. (i7 de 2 de jal o de 1850,
aojniz de direito removido que, dentro do praxo
marcado pan entrar em exercicio na nova ao-
marca, serve o cargo de vico-presidente de pro-
vincia ; devendo liear interrumpido aquelle praxo
em mani o magistrado excreor o carg i de admi-
nistra.o.
Dens guarde a V. Exe. Mmoel Antonio
Uuartede Azetedo.
Ao presidente da provincia de Matto-Grosso
Coi dirigido o aviso seguate:
Itio de Janeiro em i.* Je abril de 1873.
Illoi. eBxm. Sr.Siibiram presenca de Sua
Magesade o Imperador os ollicios ns. ill e 43 de
27 de aposto e 21 de noveinbro do auno paseado,
rom os quaes o antecessor de V. Exc. subiuetteu,
por copia, coiisidera<;io do govern imperial, a
correspondencia linca la entre elle, o juiz de di-
lo da comarca de M.ut i-Grosso e o jai/. municipal
do termo de l'oeon. acerca da competencia do
segundo (tos ditos juizes para exercer jurisdiccio
uo termo de Villa Hara ; e beni assim n acto da
presidencia susneudondo o juiz municipal e man
daadq responsabilisa-l i pelos eriuies de desobe-
diencia e excesso do a toridade.
Consta Jos referidos papis que 'juiz municipal,
ao dcixar a vara de direito, por ter eoegado 0
proprietarie a Villa-Mara, luyanle sua residencia,
duvidoii se poda i-xcrcer jurisdiccio naquelle ter-
mo, vista do decret que o nomuou para o de
Pocon, e pedio esclareci.'nento presidencia ; mas
era seguida, considerando que o territorio de
Villa-Mara nunca estovo separado de pocon, as-
sumi all 0 exerci-io e nelle se conservoii, nao
obstante Me ordenar a presidencia que fosee re-f
dir no outro termo.
E 0 mesmo augusto senlior, tendo oavido a
ieccao dos negocios da justira do consellio do es-
tado, manda declarar a V. Exc. que o termo de
Villa Mara, por forra Ja lei e ndepeiidente de
irlo do governo, est reunido ao de Pocon,-6
porlatitu sujeito jurisdiccao do respectivo j\ii
municipai,-que, segundo as necesidades do ser-
vico publico e as ordens do presidente da provin-
cia, residir successi va mente em cada urna Jas
villa?, caberas dos mt nckmados termos, de eonfor-
niidade c.....as di-posicoes do art. 4 do decreto
n 176 de 24 de marro de i8'*:i e art. 8.', ^ 2" do
decreto a. i82ide Je novembro Je 1871.
Deusguardo a V. Exe". Munoel AhIoh-j DuarU
U t jecedo.
Ignacio Carneiro de f.acerda.-Encaminhe-se.
ioai|uim Teixeira Bastos.Deferido com otlleo
Jesta data a tlusourara provincial.
Joio Antonio Itilrigues.Sim, mediante recibo,
nao liaveodo iuconvcneiito.
Jeronymo Luis Hibeiro. -Informe o Sr. erigenlie-
N cliefe da repartjgte d ts obras publicas.
J|-e Lzaro itas Xeves. -Informe o Sr. inspector
Ja thesouraiia provincial.
Dr. Joo Ferreira da Silva. Nao pode por ora
ter lujar o que reoaer o suppacante.
J >se Djarte de Oliveira llego.-Seja transferido.
Jo.io di Silva Baims. -I'asse portara.
m miel Jos Danta* Jnior.-Concedo a lieenea
pedida, devendo a portara quese pasar declarar
que eomecar a gaza-la d> dia em que embarcar
mi rea I isa r a viagem.
Manuel Francisco de Moraes. -Informe o Sr. Dr.
lele de pdicia.
Manuel Bezerra da Silva.Inforxic o Sr. Dr.
cliefe de polica.
, Itacliarel Mareos Corroa da Cmara Tamarindo.
Passe portara concedendo alieonea pedida com
ordenado.
Paulo Gaelphe.Informe o Sr. presidente da
eomiiumi da exposieao.
di/as i CPasse pertaria.
Itomana Mara da Conceicao.(]omo requer.
Salustiano Severano Ramas.D-se, nao liaven-
uo inconveniente.
Tiburcio Valeriano BaptistaFilbo -Nada baque
deferir ptica') do sunplieaala,
Secretaria'da presidencia de Pernambuco, 26 de
abril de 1873.
O porteiro,
Silcino A. Rodrigues.
iliiiiiTi> la caerma.
Por portara Je 14 Je abril Je 1873 conee-
deu-se transferencia para o !)" batalbaode infan-
ta na ao alteres do 1" da nii-ma arma Odilon
Fi i k Iloinano.
Por portarla de 18 do crrente foram no-
me idos :
i, alferen nonoraros do exerdto Bernardino de
s.'inu Ja Trndade Grvala e Candido Borges de
Barros, este pan o lugar Je ajudante de pedagog i
to arsenal de guerra da provincia do Para o
lie para o de ajudante do director da colonia
oulitir du L'ruc, na provincia de Minas Geraes.
Por portaras Je 16 do correte:
!''oi nomead i escripturario da reparticao do
ajudan^-general o tnajor honorario e capiti
reforma lo do exereito, Manoel Joaquim de Soma,
Foi transferido para o (i" Satalhao de infanta-
ra o tente graduado Ricardo Alfredo da Costa
Ca calilo.
iJii'-li-rSo (in ugrcuWiii'u.
l'ur portara de Mi do crreme foi numeado
i' engehlieiro Alfredo Antonio Smiles dos Santos
:i pira adjunto da eommissao braxUert a-
id i de assistir expsito de Vicnna d'Aus-
tria, com o vencimeiitj mensal de 3UO>OoO
Por portara de 17 do correte foi nomeado o
Dr. Luii da Costa Ciaves Paria, adjunto com-
inssao enearregaJa Je representar o Brasil pe-
rantea exposieao universal de Vienna d'Aus-
ira, desempenhando gratuitamentem respectivas
fuaccoes.
Por lunaria de 16 do correte foi nomeado
o engenlieiro Alberto de Aquino Fonseea, para
ir na provincia de Santa (/.itliariua, com o
, .. imenlo marcado na tabella aniiexa ao decreto
u. t.M de ID do maio de |86, para os engenhei-
ronde 3' classe e transporte no mininio.
Por titulo do igual data, foi exonerado o enge-
DUeiro Gustavo Luiz Gudlierme Dodl, que se a:ba-
va an -ervi-o ueste ministerio, na provincia do Ma-
ranho.
Mi 4Hei*o lo.<* iit>Ac>M * Por decreto de 1 de marco ultimo foi o Ba-
i i de Araguaya enviado extraordinario e iniuis*
tro plenipotenciario da repblica Argentina, en-
cuieu ido le urna missao especial junto do gover-
jto paraguaj i,
Em 2') Jo mesmo mes foi o Bario de Penedo
munido dos flecessaros plenos poderes para neg-
Eiai Com o plenipotenciario de S. M. Brtanuica, o
Sr. Jorge BurAley Matiew, nina convenci que
pon'ia termo liq.iid^riio das reclamacoes de lon-
ga data existentes entre o Brasil e a Gran-Breta-
nha, para cuja soluco se estipulara a convenci
de 2 de junlio do 18-58.
Por decreto do 5 do corrento foi o dito bario,
qu%era enviado extraordinario e ministro pleni-
potenciario em dispotiibilidade, nomeado para exer-
oer aquello cargo em Londres.
rol promovido por decreto da mesma data a
secretario da legacao ein Londres o adddo a
CMSUia Ugaeio, Joao Artbur de Souza Correa.
enverno msH.'io i>a i'iiKsii)K\e.i\L>) nu u 13 De \:i.ui.
mt J8;:i.
Aiigu-to l'aier Cesar. -Passe portara Hornean-
do a supplcaute para agente fiscal dos direitos
dos gneros agrie das dcsta provincia, na cidade
do Penedo.
Amaro Gomes da Silva Ramos.-Dse.
Fielden Brothers. -Deferido com olco desta da-
ta iliesouraria d fazenda.
Dr. Felippe Nery Collaco. Informe oSr. asDec-
tor da thcsouraria provinciaL
i unmanilo las urmns.
QDARTKIi GKXKR.VI. 1)0 C.OMH.VNDO DAS ARMAS
l): l'EIV.X.VHULCO, EM 2(i DE AIUII. DE
1873.
- Ordem do dia > 722.
O brigadero commandante das armas em cum-
priinento do seo dever, visitou sem ser esperado,
no dia 2) do crrente, os quarteis dos corpos de
guarniera, do deposito de reeratas, e o hospital
militar, e no seguinte dia as fortalezas d) Brum e
Buraco.
Apraz-se em declarar, que encontrn em todos
estes estabeleimeutos militares bom arranjo e
asseio, llovido eertameate ao ncansavel zelo de
seus cheles, convencido do que se podessom elles
dispr de meios que anda Ibes fallam, esse bom
arranjo e -sseio teriam attingido perfeic.io de-
sejada, mxime o hospital militar, que por (orea
das clrcumslaneias, nao tem sido possvel satisfa-
cer as justas re.damacoes de seu director, no to-
cante aos melhorainentos que sao indspensaveis
para que u estabelecimento seja o que deve ser
na aeeepcjdo da palacra.
O mesmo brigadero faz certo guratelo que
ten Jo-so apresenlado ao Sr. capitao secretario da
inspeeeio Jos Melchiades Becerra da Silva CosU,
foi pelo Exm. Sr. brigadero inspector mandado
recolher ao 9. batalhao de infantara, o Sr. tenon-
le Jeronymo dos Sanios, que asenta esse empre-
gp uterinamente: que a presidencia concedeti
pir portara de 2:1 des'.e mez ao Sr. lente do 2.*
batalhao, Basil o Jo* de Barros, quarenta das de
lieenca para tratar de sua satide, com os venc-
mentos do art. :. 1. do decreto n. 3S79 de 3 de
Janeiro de 1*6 i : finalmente que foram desligado?
alini ileseguirem para a corte a reunireni-se aos
batalbdes 16 e 17 de infantara, os Srs. alferes
Luiz Tenes da Cimba Sandes, e honorario do exer-
eito Casimiro Jos de Oliveira Maia, que seaeha-
vam reunidos ao 2." batalhao da mesma arma.
(Assignado.) MtmH di Cnnha Wand-rley
LlMS-
Coiforme. -Jos hjmcio Ribeiro ft>Mi, lente
ajudante de ordens interino enearreg-ido dide-
lalhe.
Ilcj>arIc>To la |i>!ieia.
!.* seccao.Secretaria da polica de Pernambuco.
26 de abril de 1873.
N .... Illm. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
nento de V. Exc. que, segundo consta das partici-
pantes receidas boje nesta repartilo, nao foi
h intem recolhido casa de deteneao individuo
algiim.
Com offlcio de 21 deste mez, do delegado da Es
caita, foram recolbidas esta reparticao 20 arma?
defezas por elle appreheudidas no dislricto de sua
JUrsdiecao.
O delegado do termo le Cimbres, "por oflicin de
10 do correnle, rommunicou-me que capturara e
recolhra respectivaada, a Claudino Jos da
Cruz, por estar all pronunciado as penas do art.
192 do cdigo criminal, des le 1853.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com
mendador Henrique Peroira de Lucena. dignsi-
mo presidente desta provincia. Ochefe de polica
Luiz Crrela de Queiroz Barros.
En Lisboa varias pessoas de importancia
tem reeebiuo tunas circulares do Centro mixto re-
publicano liispiaio-potwiurz, de Madrid, que d-
zem ter sucenrsaes em vanos pontos do paiz.
A sau lao iwu>, fraternal id; e repabllc i ib-
rica. Eis aqu a carta que o coronel do estado
maor de artilheria Innocenco Jos de Souza. ca-
valheiro mullo d gn > e muito patriota reeeben
bontein pelo cor.-eio, e que o Diario P putar foi
Mitertsa lo a publicar e a declarar que se tal car-
ia nao merecos.se ao Sr. Souza o mais completo
desprez i, por ser amnynia e pela nalureza do as-
sumptoa queso refere, a tomara como um in-
sulto sua provada lealdade como cidadiio e como
soldaJo (lortuguez.
Bate ino Jo de um centro secreto fazer propa-
ganda absurdo e por isso mesmo de nenbuma
grvida le. E quando a podesse ter, contrapor-se-
I ie-ha o entranhado amor que os jiortuguezes tem
sua pVra e sua indenenJenca. Nao sendo
asslgnadas estas cartas e nao constando' que em
flespanha exista semelhante Cintro, parece que
tudo isto (diz o Populir) oh uou mystilicaco
ou una especulacao e que nao se pcrebo anda
bem o Km.
Eis a carta :
Sobes'Tipto Ecmo Sor D. Innocenco Jds
de Soma : coronel. Campo de Santa Clara, 47"*. -
Lisboa. (Ten urna estampilha hespanaola inutili-
EXTERIOR.
i >riT.j.ni,l,-m-3-i lo a l>ro I'
Pernambuco.
US MU 9 DK M.UIQO AS 12 1/2 b\ TARDE.
Hontein pelo paquete \ Ule de Rio de Janeiro da
nova companhla Francesa des Chargeurs reuns,
do Havre, manJei nina resenta de noticias, abran-
geudo os pouos dias decorridos desda as minhas
cartas enviadas a 1 do crrente pelo llliman, da
oompannia de aavegaclo do Pacifico.
Eucorraram-se bontem as cortes por cjminisao,
por ipiintoel-rei nao assistio solemnidade. Na
vespera> liavia-se prolongado a sessao noctarna
at as 6 lloras da madrugada, do que nao ha
exemplo entre nos ate agora I E atinal foi aquel-
la extraordinaria duranao de trabamos nocturnos
deviila a uns debates muito rabugentos o fura de
proposito por parte daopposicao, acerca do pro.
jeeto do contingente militar para o prximo futu-
ro auno econmico.
Hoje rene se o conselho de estado, presidido
pelo soberano para a confirmacao dos perdoes e
i'ommulacoes de penis que o ici, como chelo do
poder moderador, e no uso mais syinpathico de
suas prerogativas constituconaes, tem direito de
conceder. De maueira, segundo o estylo, appare-
ceram depois d'amauha (sexta-feira miior) os per-
does na folha olTleial.
Por telegramma reeebido hontem de madru-
gada, sabe-se que a subscrip.-ao para o novo ban-
co de Vianna do Castello foi encerrada bontem
comaquantia do 10,871:400 j, sondo subsxriplas
no Porto 8i,6'4 accoes de 101, em Vianna.....
17,503 acedes, e em Braga ,8,60o. Isto mostra a
quantidade enorme de caoital disponivel que ae-
lualinenle existe neste paiz.
De urna nota estatistca publicada hontem no
Diario do Govemo consta o seguinte a respeito do
movimento monetario e econmico de Portugal.
Em caixa nos dfferentes bancos existiam em Ja-
neiro de 1874 4,38 :109J 41 r-., e en dezembro
tinlia-se ereva.l.i essu toUma a 3,826:,oi2il4l,
o movimento dos desenlos de lettras oi em Ja-
neiro 15,090:006687 ; em dezembro de-........
15,869:44i46T Empre=timos sobre penhores,
em Janeiro 5,884:815^983, em dozembro.......
5,97:87U673 ; depsitos em Janeiro...........
9,517 A 19*438, em dezembro 12,167:9141048. O
movimento das notas dos dfferentes bancos em
circulaciio, foi- em Janeiro 2,867:1631500 e em de-
embro 3,258;979*.-
sada peh carimbo do correio. Tein a arca da
expcdicao de Madrid, em que s distingaem as
lettras MADRID. Abr. 71. Tem a marca da expe-
dic.) do correio de Lisboa 8-4-1873.
Centro Mixto Repubtiano -Hispano-Portu-
gus (Este timbre lytograplia lo em caracteres
de corpo 10; sendo a primeira liarte ni typo an-
tgo ingliz phantasiado, e a segunda no tvpo
egypco.)
Aquel que haya alguna vez lanzado los jos
sobre el mapa de Buropa, lijndolos en ese bello
territorio besado en cuasi todo su permetro por
la* olas del Occeano y del Mediterrneo, y apenas
unido al resto de Europa por la cordillera de los
Pirineos ; aquel que haya recorrido la historia de
esta hermosa pennsula ibrica, comparndola con
su actual estado de decadencia ; podra dejar de
sentirse inspirado por el deseo de ver reunidos
todos los elementos ibrico.; en una vasta y pode-
rosa nacin ?
La unin de los dos pueblos hermanos, sea
Espaa > Portugal es la idea capital de este centro
secreto, el cual viendo libre Emana del cncer
de la monarqua no puede permitir que sus her-
manos, portugueses sigan aherrojados p'.r un di-
nasta y una camarilla jesutica que empobrece y
tiraniza a esa bella porpocion de la l'eninmta
Ibrica.
a A este !in se constituyo este centro secreto
que cuenta ya con otrossuenrsileicn varios pun-
tos de PortUf-d, y en sesin de a-ioche confi-re
V. E. en iiombramieiit i de delegado 1 on ese
cuerpo, esperando que aceptandjol cargo ponga
en jueg' teda clase de rhrlios, influencias, para
hacer triunfar la santa causa de la Repblica Hie-
rica, cuvo objeto se Hie comoiinicarao en bre-
ve las iailrucitnnai op.ituna> m
_ a Ete cenjrj secretitoj* lo qtnor-i del patrio-
tismo y ''iiviinstanciis espsales qie en V. E.
concurren encarecindole tambin tome acta de
las firmas y rubricas que autorizan esta comuii-
cacion, para los efectos consiguienios.
v Salud fraternidad v R'publica Ibuica.
Madrid, 5 Je abril de 1873. El psesiJento,
R, S. y M. -El secretariojpr. M. de S.
Antes de hontem na cmara electiva, antes
de entrar na ordem do da, o deputa lo histrico
Santo- c Silva perguntou ao ministro dos ng)cos
estrangeirOS que fundamento tmliain os boatos que
se tem propalado de tentativas e planos para al-
terar a ordem publica.
O orador, com applauso d todos os deputadose
de todos os minislros, deelarou que os partidos
polticos mi tantee nao tomavam parte nessas ten-
tativas e que estavain promptos e decididos a
mantor o socego, a defender as instituici>es e mor-
rer pela independencia da patria.
Sr. Andrade Corvo (ministro dos negocios es-
trangeiros) responleu tranq ilfisanJo a cmara,
e mostrando nao haver a receiar dos boatos que
se tem espalhado. Nao obstante essa certeza
dada pelo Sr. Corvo, o Jornal da Solt re"ere-se
Bovamente as noticias publicadas no sea ultimo
numero a respeito de emissarios cstrangeiros.
Eis o que dizia o dito jornal:
Noticias re -ebidas directamente por nos, re-
ferem que os agentes viudos de llespauha, eram
quatro, d >s quaes, dous vieiam para Lisboa, e
dous ficaram no Entroncameuto, aonde vieram do
"orto conferenciar com elles nutres dous. Do En-
troncaraento parti para llespanba um dos que
vieram do l, e outro seguio para Lisboa.
Estas informacoes sao dos uossos correspon-
dentes na linha do camnho de ferro. Nao da-
mos sonso noticias recebidas de orgem segura,
e por isso a nos-a folha tem crdito e tida na
conta de iinparcial.
Chegou hontem o vapor Olbers dos portos
do Brasil.
Ha tres dias chegou o Niger do Rio de Janeiro
e butros portos, com os productos enviados pelo
Brasil exposieao universal de Vienna.
Os fundos portuguezes estao em Loudre a
40 e 40 3(i. Enr- Lisboa a 44 ceut., tendeucias
para alta.
Reina a mais perfeita tranquillidade em todo o
paiz. As noticias das Ibas e do ultramar nio of-
ferecein novidade.
A epidemia das bexigas em Lisboa foi declarada
extincta offlcialmonte. O tempo vai magnifico de
esplendida primavera. Lisboa neste momento
faz os seus preparativos para as solemnidades re-
ligiosas da semana santa. Combis a pre.os re-
dusidos transporten] graudo numero de familias
da> provincias para a capital, e desta cidade para
todos os pontos do reino. Fico por aqui, pois
tenho apenas dez minutos para dizer-lhes alguraa
cousa da nossa turbulenta visiuha, a flespanha.
no Brasil para conslrueeoes .le estradas de ferro
no paiz. iseneao de direitos de importacao para o
material o Irein rollante necessario construccao
das meemas estradas.
Igualmente ticaram encerradas em pri neira dis-
cms;io os projectos acerca do modo de discutir e
votar o orcainento do imperio, e,mandan lo admit-
lir JOM Mana Chcrmont Rodrigues matricula do
primejro anno do curso plurmaceiitico da facul-
JaJe de medicina do Rio de Janeiro.
Lontiiiu ;u jfasulijiiij |ugr a disciusao do< ar-
tigos addttiVbrTPV.sta o^'goxlrlPlobre a re-
ium **[-, ,,,,Per'o P'ra o anno linanceiro de
n u 0r;,,ai11 os Srs. presidente do conse-
h ira ,sar,' Ucando a discusso adiada tela
Foram offerecidos mais os seguiites artigos ad-
ditivos :
Ao J 12 do art. 13 dos alditvos : -Depois
iiecaixa econmica-Jiga-se -e liem assim o ex-
cesso da renda sobre a despesa do exerccio.-.4.
J. nenrtqurs.-Joao Mend-s.-Cnnha Figuelredo
Jun,or.s,mza Uiio. -Perelra Franco.'
Fica o govemo autorisado a conceder isen.ao
ue diroilos de importacao aos maieriaes destina-
tos .ni estabelecimento de tecidos de algodao que
for rumiado pelo coinmendador Antonio Valentn
da Silva Barroca, na provincia d- Pernambuco. -
oouzu Ijeao.
Ficam aludidos os direitos de imporu.ii a
que estao sujeitosos arados, as machinas e quaes-
quer outros instrumentos agrarios.
rici reduzdo a 3 |nir cento o imposto Ue
lransmis.-ao de propriedade por titulo oneroso
E o governo autorisado a applicar ao paga-
mento das passagem dos emigrantes que deseja-
rem enipregar-se em estabelecimentos ruraes no
ulna '""'^"c10 vend;l ;,s towaipuMiua e
inais 4U0:OJO. Os emigrantes assim transporta-
Uw serio distribuidos pelos estabelecimentos ru-
raes que quizerem contratar seus servicos, o nao
serao obngados a restituir o preco de suas pasea-
gens.Mnese* Prado.
proposta do govemo q-fe fixa as breas de trra ,.. ,., sl.
para o anno linanciio Je 1873-1874. r ,,.,
Approvou em seguida as emendas do senado
rma.
que a proposta do orea mente, de que
Alt 2.* S 19. DeJuza-se desl. verla a quau-
fo l.illH-1-
Slotl^S'SSSr Pn'J,,CtS d W d'3"-1 S A2! verba arcrescen-
nuios p.ir.i cada ministerio. lejm < > MIUIII
Approvou inda, em 2' discusso, o art. He ', A saber : itio ii: JtMuto
lli DE Alillll. OR 1873
Na cmara dos deputados, hontem, logo depois
da leitura do expediente, o Sr. Duque Es-
trada Teixeira, obtendo a palavra pela ordem, in-
terpellou ao Sr. ministro do imperio sobre a de-
mora que tem havido na sua decisao acerca da
Juicio municipal da corle. Depois de algumas
observacSes do Sr. ministro, o Sr. Duque-Estrada
Teixeira formulou a interpellacao sobre fponto
indicado. Tenlo, por.m, dado a' ttVa de passar-
sc ordem do dia, ticou a discusso adiada.
Approvou depois a cmara successivamente os
pareceres da primeira, segunda e terreira com-
misses do poderes, sobre as eleicees primarias de
algumas freguezias das provincias da Bahia, Ma-
lanliao e Minas-Geraes.
C mtinn mi em seguida a terecira discusso da
propostj do governo, com as emendas da coimis-
sao, Usando as furu de torra pnra o anuo de
1873 a 1874. Orou o Sr. bario de Penalva, finan-
do a discusso encerrada, sem se votar, por falta
de numero logal.
Pelo mesmo motivo tambem foi encerrada, de-
pois de algumas observaedes dos Srs. Correa e
Angelo do Amaral, a discusso das emendas do
senado proposicio que autorisa o governo a fa-
cultar.a todas as compaub'ias que se organisarsm
as follias do Campos encontramos a seguinte
minuciosa descrue,ao dos terriveis estragos de que
ja demos resumida noticia, c tusados pala endienta
do no do Coltogio, a quatro leguas de distancia
daquella cidade :
No pequeo lapso de tempo das Has 1 horas
da larde de 22 do correte, o rio do Coltogio ote-
yon suas aguas a urna altura espantosa (tnais de
oO palmos), e ao embate desse enorme volume de
aguas que desciam de suas ca*eceiias loram-se
abatendo casas, paiiiei, inoiiihos, |wntes, cercas e
todos os obstculos que eocontravam ein sua c r-
rentesa, dos maiores i|ue (ossem Dentro em pun-
co temp ticaram casas enliilhadas de arda e al-
gumas porteiras at os moiroes, os caniinlios alas-
trados e 'obstruid js por grossas maderas e faina-
das. Ubi morro prximo casa do infeliz Cons-
tancio Sieltet correu sobre a dita casa, sepultando
em -'i is i0-i i. a familia em numero de oito pes-
soa-, s;unio.st apenas sua mulher, mu tillio c
una crica. A fa nilia do Sr. Felip,nj, composla
de oito fissoas, dosappareceu. Outra do Sr. Joa-
quim Mprianu, um escravo do Sr. Dr. Peixoto e
dous mir ps de caf corridos.
Correa Ifcmbem um morro prximo ao lugar
onde reside u ir. Luiz Venancio, abatendo parte
dal sosalas, perecendo dous eeeravos e ticando
mnites contusos. Um cafezal du Sr. Falque, d
tres a quatro mil pee, desapp.ireceu levado por
u n outro d.'smoroiiameiilo.
Sobre as aguas v.dumosas do rio Coltogio,
tem-se visto pausar tluctuaudo portas, jauellas e
uniitos outros objectos que nos levam a crer que
outra serie de desastres tem succedido cima do
lugar de que nos oceupamos. Calcula-se o nu-
mero da-; victimas para mais de 36 pessoas, at
esta hora. Diz ainda una das pessoas que nos
ibruecem estas mforntaedes: impossivel deseres-
ver as proporcoes de semelhante endiente, o hor-
ror que nos inspiravam o embate e o ruido desse
v,ilu:ne Je aguas torronciaes que Jovavam (liante
de si tudo quanto se uitepunha sua passagem.
Consta-nos que os Srs. tenente-coronel Joo
Jos da Silva, eapito Francisco Sanche* da Silva,
Jos Francisco Silverio e outros fazendeiros do
baixo Collegio teem presta Jo auxilio cim os seus
esclavos, inanJando abrir camiuhos para faciltal-
as cjinoiuiiicaeoes co.n os moradores do corrego
do Brasil que muito soirreram. Para os morado-
res do alt Cdlegio 'oraui na sexia-fcira algun-
cargueirus de gneros al mentidos, tirados (idos
ara. vig.u-io Gnaraeyaba, Jos Fernandes, nran-
cisco A. da Silva e Carvalbal emre o commercio
desta cidade, que de boa vonlade annuio ao ap-
peilo daquelles senhores, porquanto constava pi;r
aqui que em cortos lugares muitos daquelles mo-
radores estavain se alimentando de ahorne e lier-
vas, pela falta a soluta do necessario.
Nos Dous Ros as aguas subiraiu una al-
lura extraordinaria e os andaimes da ponte que
ah se con.sirue por ordem da provincia foram
arrebatados, subiudo as aguasal metro c 52 cent-
metros cima do nivel marcado pelo eiigenheiro.
Muitos destrocos de casas, engenho* e muinhos
desceram por este rio, mas nada por ora sabemos
dos estragos'produzidos as fazemlas margem.
a Picamos interrompidos co.ni a linha do cor-
reio entre esta cidade e o Porto Novo do Cimba,
pois o estafeta foi por duas vezes passacein dos
Dous Ros e ah encnntrou intercptala a barca
do Sr. capitao Dulpho, nao dando passagem por
causa da muta torrentosa,
Bsereverara da freguezia de S. Sebastio de Ita-
bapoana :
Na aoite de 21 para 2 do correnle mez bou-
re nesta povoaco um temporal desfeito, Pneos
foram as essas que nao solfreram mais ou menos.
Os patachos Unido, Constantlna Feliz e C imi-
nhi, que se acliavam fundeados tora da barra,es-
capa am por poucode ser-arrojados ipraa. O pa-
tacho Caramur, j carregado o despachado para
a corte, ainda tambera all eslava tundeado por
llie ser contrario o vento ; fez-se de vela e seguio
para o norte, por terem-lhe arrebeutado as amar-
ras, e so no dia 23 appareceu, indo logo nina lan-
cha com um ferro para soccorrelo. Emlim, eram
10 nav os l'un loados fora da b ira e nenlium del-
les pode dizer-se que nao tvesse prejuizo de cor-
rente, ferro, lancha ou outra qualquer cousa. Se-
te destes navios foram rebocados para o competen-
te fundeadoro pelo vapor Uop ana, que logo se
preslou a soccorre-los, visto estarera elles com
bandeira pedindo sorcorro ; achava-se em maior
perigo o patacho Unlao por se a bar j no rolo da
praia.
a tiraras ao Altissimo I eram 1: horas do da
quando serenen o vento.
17
No dia 16 nao houve sessao na cmara tempo-
raria
segrales do orcamento aparte relativa a reeeita
geral do imperio, para o exercicio de 187.' a 1873
com os segrales aJJitivos : i
Artigo. Pica o governo autorisado para :
S 1." Reformar a secretarla de estado dos ne-
gocios di agricultura, eommeivin e obras publi-
cas, e repartieses annexas, divi lindo o respectivo
servico come for fonreniente ao- melhor o mais
prompto expediente da reparticao ; nio exceden lo
porm, em tudo o caso a despeza a 10 por cento
da que se faz actualmente.
i i." Elevar a tres em cada mes o numero
das vi igens as lin -ai do sul o norte do imperio, I
(asando para esse lim os contratos convenientes.
3.* Contratar na despender aquanta ne.-essa-
ria com a c os riuvo Je um novo mataJouro ao
lugar que entender mais aproprado, cobrando
ii'ra amortizado da despeza o imposto de 4 rs. por
libra de carne destinada ao consumo.
f 4 Remover do edificio em que e i|ue iiielboies eundieoes posea oflereeer. a mbno-
theca nacncal, podendo para|esss lim dispr por
venda ou trocarle qualquer dos predios ao ser-
vico do ministerio do imperio.-A. J. Henili/iies.
Sonsa Ledo. Cun'ii FlgueiredtJunior.Pereira
Franc i. II. Grata.*
Emenda ao s, 12 do art. 13 dos additivos :
Depois de caixa econmica, diga-see bem
a_-sim o txcesso ila renda sobre a despeza do exer-
cicio. A. J. Henrique*; Joo Mende*. Cunta
Figueiredi Jnnur. -Souza Ledo. Parir Franco,
No art. 12 | 4* n. 4, depois das palavraspor
franqua, diga-se -na forma de 665 do regula-
ra mo de 19 de'setembru de 1860.
' No mesmo artigo J 8' supprima-se a palavra
- proporcin il. .1.7. Ilenrlguei.Joilo Meniet.
H. tirar i. pereira Franco.Cunlia Figuelredo Ju-
nrr
m Artigo. Fica lamben autorisa lo o governo
no para :
S I." Alterar es regulamentos dos terrenos dia
mantillos, inelliorando a arrecadacao e liscalisac.lo
da respectiva renda ; e podendo para esse lim re-
duzir como fr mais conveniente as taxas estaba-
leciias uo J 2" do art. 23 da lei n. 15 >7 de 26 de
tetembro de 1867.
2.' Alterar as tibelli das laxas fixa* e pro-
porcionaes, fnnexas ao regulamento promulgado
pelo d cielo n. 4 346 Je 23 Je marco Je t869,
corriginJo a desigualdades, que a experiencia ba-
ja indicado, e accomniodado quanto for pnssivel a
naturtza e classe das dilferentes industrias e
profissoos importancia commercial das pravas e
lugares, e ao valor locativo do predio ou local em
que fereiii exercda-, sem que p rm seja elevado
o mximo filado as tabellas existentes.
As industrias e prolissoes que posteriormente
forera sende creadas sent incluidas em tabellas
sup,.ementares com as,taxas daquellas que mais
se Ibes asseinelliem, ou :om taxas novas, que nao
excedam ao mximo das actuaos, se as industrias
nao tivereni similares,
O art. 32 do iiiesmo regulameiito leri alterado,
afi n de limitar se, como mais justo parecer, o ara-
so dj obrgacodo eolieeiado ao pagamento do im-|
posto no caso de rccnameaio, ou transferencia do
estabelecimento, e J ecessacSo d: industria ou pro-
lisso.
3. Reformar os regulamentos do imposto pes-
soal e .transmis u de propriedade, conservando
as taxas actuaos o observando as Seguales re-
gras :
1. O mnimo valer locativo sobre que se de-
ver calcular o imposto pessoal, elevado a 360J
aas capitaes das provincias do Rio de Janeiro, S
Paulo, S. Pedro, Rabia, Pcrnanibiieo, MaranhAo e
Para, a 2403 nas ontras cidades, e a 120 DOS
butros lugares.
2* A isen.o doart. 5* n. 1 do regulamento
n. 4,032 de 28 de dezeaibro de 1867, comprehen-
de as pessoas da comitiva dos raembros do corpo
diplomtico eslrange ro, nos termos da dispo3ic.1o
do n. 2, relativa aos cnsules.
3.* Ficam isentas do imposto de transmisso
de propriedade a venda em leilo, arremataco
ou adjudicaco de bciis movis, a que se refere
I* Com u pesso J :
Nei veiicimeiitos do
director geral, o que
elle percebia pela
verba Secretaria do
otadocomo chefe
ile seceo
Com o srvente
2" Cmi o material
Impresso do relato-
ro e aunuario dos
Ir; balos estatisticus
lniprcfsoes STubas
de anadeo*, niappas
e circulares, acqui-
sic.lode lvros, ele
Ubjeclos de expedi-
ente
Dwpesas miudas e
eventiiaes
5:00,i'X)0
(iKilOilO
20:0 0001
8.00 UO 0
' 8:OO0*0tV)
1:4801000
.-fi^lirtiU
Por decreto de 9 do correnle foi antorisado o
ministro e secretario de estado dos negocios da
guerra para applicar s despezas com diversas
rubricas do exercicio de 1872 a 1873 a quantia
de 1,697:3901243, tirada das sobras verificadas
[no art. 6 da lei do orcamento do mesmo exercicio.
P.ir decreto Je 3 j ( Mrente, considera-se
justificado o caso de forra maior que orignou o
excesso do prazo. da viagem comecada pelo pa-
quete.Ce uodia Io de setembro do anuo prximo passado e
concluida a 8 de outubro d referido anno pelo
Cruzeiro do Siti.
18
A cmara dos deputa los approvou hontem" a
i n 9 do art. 3" do regulamento de 17 de abril
de 1R69.
4.* O valor do usofructo ser calculad* na
liypulhese do art. "' do regulamento, de modo
que o imposto da transmisso ueste caso seja me-
nor do ano o da nua-propriedade.
5." As doac5es ou dotes que aos noivos se fa-
cam nas escripturas ante-nupciaes, pagaro o im-
posto na razo de 0,1 0/0, Meando assim revogado
0 art. 13 da lei n. 1,836 de 27 de setembro de
1870.
4." Na disposico do art. 30 da lei n 1,3 i7
de 26 de setembro de 1867, fica compreendido o
imposto de consumo da agurdente, e a multa ce
que trata o mesmo artigo ser elevada a 10 0,0,
quando nao os impbsios nao forera pagos al ao
dia 20 de dezembro do semestre aJdieioiial do res-
pectivo exercicio.
Art. E' tambem autorisado o governo para
pagar, pelos meios votados nesta lei, a quantia de
50:186J019, proveniente uAo s da cunsgnaco
de-tinada aos alimentos de SS. AA. os Srs. D. Au-
gusto, t. Jos e D. Luiz, filos da fallecida prin-
cesa a Sra. D. Leopoldina, a contar do dia de seus
nascimentos at 30 de junlio de 1870, quanto aos
dous prmeiros, eat 30 de junho de 1872, quanto
ao ultimo ; mas tambem do augmento da que pa-
ra o mesmo lim compete ao principe o Sr. D. Fe-
lippe, lilho do S. A. a prnceza a Sra. D. Januaria,
de 12 de agosto de 1868, em que tocou maiori-
dade, at 3 J de junho de 1871.
Sala das commissoes, em 21 de marco de
1873.-4, J. Henrique*. Cunha Figuelredo Ju-
nlor.=Sou:a Ledo.Pereira Franco.H. Graca.
Joo Mendes. Araujo Ges Jnior '
Ait. 0 governo fica autorisado para comple-
tar e patrimonio de que trata o art. i* da lei n.
1,094 de 17 de outubro de 1870, com terrenos
adjacentes da provincia do Paran. A. J. Henil-
que*. -Cunha Flgueircdo Jnior.-Peifira Fran-
co. -H. Grart. Souza Ledo.
c Fica autorisado o governo para augmentar
os vencimentos ds promotores pblicos, carcorei-
ros, empregados das secretarias de polica, corpo
militar de polica e guarda urbana da corte ;
nao excedendo a despeza votada nas respectivas
rubricas tiesta lei. Cunan Figuelredo Jnior.-H.
Giara. Henrique*. Souza Leo. -Araujo Ges
Junior.>
Fica approvado o augmento de subvenco
concedido a Coneeicao A C, pela clausula. 2" do
^tr.ito approvado per decreto n. 5,200 de 11 de
ianelro do corronte anno," par o lim de ligarem a
linha lluvial de Matto-Grusso liana intermedia-
37:480*0011
. IMRm
Dr. C'impvs de Metlen*t.
Fica o governo autorisado a fazer as BSMS-
sarias reformas na adiiiini-lrario e regiment das
tlarestas da Tijuca c Pam-iras ; crear os empre-
gos que julgar convenientes, marcar-Ibes os vea-
ciiueulos a fundar e-labeb i'iiiieulos identiois na-
provincias.-Dr. Cttmftm de Medelros.
A assembla geral resolte :
Art. I." Fica approvado, para ter execuri
desde ji o regulaineiito de rorpo Je engeiiheir k
vis, promulg-ado com o Jecieto n. 4,696, de 10
de feverriro de I8"l e a tabella aniiexa, c autori-
sado o governo a fazer nelle, sem excesso de des-
pe/..i as alleracoes que finnii necesarias.
Art. 2." Revogan-se as disposicoes em coa-
trario.
Sala das eoinmissoe*. ein 27 de feverein de
1873. Angelo Thom": di Amar.il. =- Miranda
Ufio.
A Assembla geral resolve :
< Art. i.* L approvado, na paite ein que do-
pende de sauccao da assembla geral legislativa.
para le execneao de-de j., o reguaiihxto do cor-
po de enneuheiros civis, promulgado com o decre-
to n. 4.6'.M, de 16 de fevereiro de 1871.
Art. 2.' Ficam revogadas as di.|io>icoes en
contrari.-_d)r. C m.i I te ilcleinn.
Art. O ziverao garantir juro- at dez annos
s coinpaniias, que empreenderein a i-iiii-tnicc,ie
de vias lirea-, nao eseedondo de 7 ,.. Havemto
garaiilia provincial, a governo geral N limitar a
al)iaii;ar esa garaiilia. Joo Meada t AlmtMht.
Ficam i-eni h de direJtM Je hapenaijie os li-
vros ini iie-- em paisas estrangriraa per autores
lira-ileii>'-. Amata Get hmkr.M. Graci. Dr.
V-iinp | i/e Mcdeiius.
Fica o govemo autorisado a crear urna aseas*"
de.marmita na provincia de Para = / VTJAism
-/ Mafias Dr. Antonia Joaaaim Bornea Amnal.
- Fatuta de Ajotar. Siaaeira Manir.
O governo poden despender at a quantia ib*
300:000i no crtente exercicio ce a o priucioio da
obra d> levanta i.cut do rerife da parta dn capi-
tal Jo Cear, ou poden fazer as runeftsfies eesrre-
nienles a ompre/.a que se encarrilar dadila obra.
ii i" excedendo garanta de juros a o /. sobre o
lllaxiniji de |i',00-H.l)j -e e.-sa garaiilia lr lieces-
saria, bem como ealbatatali nina laxa sobre as
merradoias que enbarcaiera ou d
no dito p rio. T. ie Menear ArnriprBandeira
de Mello. Akoforaa Aramia Lima. Paulino
Xogiieira Santo* Camlnha. mlaai m* Alear.-
M. Fe iii inda* Yiciru.
Fica aborte aa govemo o crdito de 48:000*'
para exoeucio Jo decreto legislativo a. ftJ de 14
de agoste ile 1838, relativo a reeJilic ico da groja
matriz da paroehia de s. Francisca Xavier, doEn-
geno Velo. Dr. Cainaot de Mnistros -Batan
M nteiro. Cruz MachiMO. Ferreira Vinna
Fausto de Aijuinr.
Art. Sao tantos de direi os de iii|Hrtaco as
niagens em vullo cu coi Ida cen geral lisonje-
los destinados ao culto religioso. -Jo-ii Mendes de
Almeidi.=Ov. Ferreira Viunni. Cnakn Figueire-
di Junirr.^tr. lamaos de] Medeiros. Leindra
Bezerra. Fiel de Curinllr>.= Pereira Franco.= A. T. da
Amaral.
a Firain isentas Jo imposto geral as loteras con-
cedidas pelas assenihVas provmciaes para reparos
Jas igrejas pertencentes as irmandades pobres.
Dr.d. F. Monteiro. Freltas Hearlqne*.= Pereira
Franco.
O impoeto sobre eqmpagem c case das em-
baieaoSes que sabirem dos aarto das cidades ca-
pitaes das provincias do imperio, na conformidad^
do art. C98 do regiilainento annexo ao decreto n.
2,647 de 19 de setembro de 186'), ser inlcgral-
men'e ;.p|ilicado em favor dos bospitaes de mi*e-
rcordia das mesmas cidades. que os liverem, Ti-
rando nesta parte alterado o art. 14 da lei n. 1,76b
de 28 de junln de 1870.
_ Ficam isentos de qualquer mptato de mpor-
la.o os medicamentos, Tazendas e mais objeclo
uue as mesas administrativas dos estabelecimento*
ne cardade mandaren! vr da Euro|ia para o uso
dos meamos estabelecimento.*, fundados nas cida-
des capilaes do imperio ; Usando o governo pre-
viamente a quantidade dos indicados objeto*.
Paco da cmara dos depulados, 19 de marro
de 1873,=CiiN*a Figuelredo Jnior-A. T. do
Amaral.J. \V. de Mallos.=Joao Mendes. Cunha
Lc/iio.^=Dr. Antonio Joaquim Gomes dn Amaral
Manoel Fernanda Tieira.-=-Antonio F. do* Sanio*
Caiii'nhi..M'iwiW Pinhclro de Miranda O*orlo.=*
U i mi i Candido da Cunha.^Araujo Ges Jnior.
Sahilliiel de Andrad' Brga.B. de Prso/ca.=Dr.
C anpos de M*deii'o*= Frrnnnd-t de Carralho.><=
Ellas de Albnqnerqae.=Martinho de Freltas-^J A
G. Alcolorado.=Aranjo lirutque.=L. Carlos. =--Dr.
Moros* Silra.^Souza Leo.=Cruz Mach-ido.F.
de Carcalho.Tarquinio de Souza.=*Fausto da
Agular.-Cimillo Barreto.=Paula Fonreca.=Bar-
ro* Cobra.=Plnto LimaMoroetMfaThendoro
da 8lta.=J da Villa dn Barra.Ulynudo GhitXLeandra
Baurra,=Dr. .4. Teixeira t Rocha F. L. da
Gusmao Lobo.=Ferreira de Aaaiar.M. C. A. .
Lima Arnuud.=T. Alencar rariae Fe-elrm
Frnnco.=Ecragnolle Taunaa.A. S. Carneiro m
Cumha.mJooi da Silra Maia.H. Graca.Duque
Eshada Teixeira.=f. J. Cardno JniorManead
Aiihur de Hollanda Caralconte. Freltas llnri-
onet.=Ferrelra Vianna.=H. F. de Armja /.".
i, CorrtiQ.~Thm iz Coeiho.-Mello Mm.=F. t.
^
1
1
a ; le a o porto de Santa Calha-
J


Ci fi! "*
l lilil t I
-^ (M/ttiatto de Pi-nambuco Domingo 27 de Abril de 1873. Sfr" OOf 1/
'/
\
=
I

o ao p?o iia ca-
es Ilustre vii'-
ws PTfta.o?4 Jbiro.=Cr(!!i PWjm*
JQlpriirou dep) cmara om I." discussao o
projeeto que .intonsa o geverno a conceder a gra-
da cao no posto (le tenerte de infamara ao alie-
ras do 7- batalho de infinitara Joiqiuui Jos 4e
Mello.
Approvou igualmontc era l.* discussao o pro-
ieoto qne autor isa o gnyamofara concadas: ao ba,.
charol Carlos Augusto Aturan da Ihtta 0 Alhu-
querque, juiz substituto da capital ila Rabia, un
auno de lioenca erasen* veaoMcutos par tratar
de sua saude na Europa.
Entrando wn t." dtecajssi) o projeeto declaran-
do que as disposicin ata art. 3. da le de 6 do no-
vembro de I8i7 relativas a eoneessio de m-io
sold licaui extensivas s vi uvas, iiihos c mais dos
olflriaes do exorcito que fallece re nos Marapa'
nientjs liiraut as. operaees de .'tierra, era ririu
le de molestia abi adquirira e coraprovala pelos
facultativos do exordio, licou encerrala, depois
do algunas observantes dos Srs. Correta'o Escrag-
nolle Ta inas. a dj
Sob o titulo de Aggifssiib.TBl a 7WJ55 iTtrTorte,
do dia 18 :
Un acontecimeiito lamentavel, para que nao ha
na linguagura dos uoiueiis de boa educacau pata-
vras bastantemente severas de roprehensao ; acou-
tocimento sera igual na historia dos costuraos par-
lamentares ; um verd idoiro attentado, concertado
CMN oJiosa premedita ;a 1 e executado com sorpre-
za e superioridade em armas ; laucn boje a cons-
tornacao no animo da cmara, excitando a mais
justa indigna.-ii OHIra o covarde ataque dirigido
;>o Ilustre deputado pela provincia do Rio Gratule
do Norte e distincto niombro de unto elasse res-
pe'tavcl, o 'r. padre Joao Manoel di; Carvalho.
t O publico est informado da desagradare! tro-
ca de palavras que, em urna das ultimas sessSes,
otivou um offeiusivo aparte do Sr. F. Relisario.
O joven deputado do Rio de Janeiro qne, logo de-
pois do incidente que provocara, o-cupou a tri-
buna por largo espaco de tempo, pudendo cora to-
da tranquillidade oi-cutir aesmnptoS que per sua
nattrrezn doman lavara imperturbala attenrao, nao
revetou por neuh im tacto, por nenhuma palana,
por aerttiuma amcaca leahnente formulada, guar-
dar- a iitoneao criminosa de recorrer ao triste ex
poetante das viasde facto.
Correram os dias. O Sr. F. Relisario nto*tre-
va-se dia a dia na totora ; conversiva agradavel-
mente com os seas amigos, e por nenhum modo
deixava entrever 11 plano insidioso que Ihe ia no
aaiam.
tados Bomparcecrem. Nao se Ihe notava inquie-
tacio.
Espreitando 1 occasiao em que o Sr. padre
Joao Manoel so aproximara do pao.) da cmara, o
Sr. F. Belisario que o esperara de etubeseada
oseada do editicio, lan.-ou-se ao Ilustre sacerdote
com um vil instrumento, que trazia oceulto sob
as dot-ras da sobreeasaea, e antes que a victima
rotada, a desconimunal violencia podesse turnar
pesleAo e castigar a temeraria ousadia, o Sr. l".
Relisario couseguio derramar algumas gotas de
aligue do sen esiiraavel e venerando eoftoga, um
sacerdote Logo que, roltanJo a si da sorpresa,
o Sr. pa Ir Joao Manoel pode encarar di frente
0 tensor, que aproveitando-e da rantagein de
railloeacao, que tlie proporcioiiava acorvada es-
rula oaggredira ararlo, laneou-o por torra e iiu-
primio-lhe na face o sigual da desatronta.
O 'Sr. deputado Rocha Ledo, intei viudo nessa
..-.asiio, impedio ijneo Sr. paire Joao Manoel
levasse mais longe o justo desforco qno devia ao
Sr, !'. Rlis.iin qi- rrtirou-se iuiine.iiataniente c
o:n tal .precipita;:.) ipit deilOU O ehapio, e nes-
te estado tmuou um liHiury alguna passosda
.:fa do edificio.
Aompanha lo timadas ante-salas do edifi-
cio por um grande numero do amigos o Sr. padre
Ja > Manoel de l'.ai vali foi cercado por qua~i to-
d'u osseus eoHegas, recebendo com admiravel se-
retirdadeoem silencio, mostras inequivjcas do
aproco que Ihes mcreco e da inJignarai que o
felo prodozira em todos os espirito*.
- Anonas t-vo no'icia do acontecimenio, o Sr.
presidente do ccnscHio dirigi-so ao
mar a exprimir os sens pezarc
tima.
O honrado Sr. presidente, nao pxlondo des-
obrigarse em face de terminantes dlsp^sicoVs re-
gimentaes annunciar cmara o lamentare!
aconteeimento, fe-lo letim modo onveninte eas-
seguroa cumprir o sea dc?er, commettendo a in-
i|'ii;i.ao necessaria e immisso de polica.
l'or ndicacao do Sr. deputado Euphrasio Tor-
rea, licou a liado o assumpto [.ara ser tratado em
sesso secreta.
<< Pnmtrelmente se-Io-h.i amanha. A cmara
va i j ligar de un grave alternado; de um atienta-
.1' mn exemplo na vida parlamentar, e 11 que se
vio um representante da nacao esperar de embos-
cada a om sen coHega, trazer em desfarco um
instrumento ignobil e atirar-rhc golpes de sor-
preza.
Entregamos a escrupulosa aarracao do faeto
.. jui/1 do paiz.
Nao ajiintainos nen un eonimenlario 00 rao-
(uto omi qne nos sentimos sob amis desagr-
date! mpresso.
- I!) -
A cmara dos .1 ia:a los approvou -liontein sic-
russivameDle diversas eleicoes de algumasparo-
1 nas das provincia- 11 Ri Grande io Norte, Ser-
gipe c S. Paulo.
Approvou-se mais e:H -1' discussio com varias
emendas o projeeto q:u manda adrailtirJos Ma-
-ria Chermont Rodrigues a matricula do Io anno do
curso pbarmaceatico da Itacnda le <1: medicina do
Rio de Janeiro.
Approvou em una SO 'lisc.issao o prcjoctfl n.
'77 que approva a pensao concedida por decre'.o
de 2'.l de levereiro le 1872, a D. Josepni Caineiro
de Malheiros, vinva do capitao de voluntarios da
patria Jos IVr-ira Malheiros.
Approvou Rinda era 8" diseussa) eom varias
calendas o projeeto que concede doas loteras em
beneficio das obras das matrizos das paroehlas de
s. iJoncalo de Campaoba e da cidalc d; Alfenas,
na provincia de Minas -Genes.
Approvou tambera era -i' dlseossao o projeeto
dispensando por 20 anuos, do imposto da dcima, os
notoe edificios do palacio da prarado commercio,
que vai construir a Asociacao Coairaercial do Rio
de Janeiro, no terreno comprehendido pelas ras
t'nmeiro de Mareo, Visconde de Itaborafiy, Rosa-
rio e (eneral Can ira.
Approvou, finalmente, era 2 discussio o projec-
'.o son as dspnsiiyTej do ari. :' da lei de, t> de no
v-Miibio de 1827.
Occupando-o; depois a cmara com o projeeto
q. 232 de-187.1 que faz algumas coneessOes ao Ban
e-j ao Brasil, o sr. Poreira la silva mandn me-
sa a seguinte emenda: -
'< I." Aoart. 2' elimnese as palavras a ou-
:r.is provincias.
< 1" Ao 3 Io do art *diga-so O 9/9 em vez de
5 tl/i) de am triisaean.
3.* Ao f ',' do ari '! sitpiriniani-se as pata-
rras rom ontro abatimen'o igual e accrese.ente-se
ao erodor exequente Oca salro o direito de re-
q ;er ao juiz em qualquer das praas que Ihe ad-
judique os bens bypothecados paraseu pagamen-
te
i.a Em vez das palavras somma dos maio-
res lances -diga-se ao inaior lar.f>i offerecido.
Perera Oraram os Srs. Alencar Ararlne, Coel-.o de Al-
ia, Penira da Silva e los de Alenear, fieando
.. diseusslu adiada pela hora.
Hon'.em, um quarto de hora depois do uieio da,
SS. MM. Imperiacs e Altezas, acorapanliados tle
seus semanarios, chegaram ao arsenal de marinha,
onde o-: esperavam os Srs. presidente Jo coaseHiQ,
ministros da guerra, da marinha, do imperio e da
agricultura, almirantes Tamandan-, Deamare e
Waadenkoik, fjares da Laguna, deMau.dePe-
ncd.i, de Guatemy eda Gavea, ajulan'.u-gmeral,
vLseondes do Bom" Retiro e de Nitherohy, capitao
lo p3rto, vice-inspector do arsenal, desembargador
chefe do jiolicia. commandantes do eorpo policial e
de bombeiros, diversos ofliciaes da marinha e do
exercito e multas nutras pessoa* gradas.
Achava-se postarla no arsenal urna guarda de
honra composta do 1* batalh 1 de infatuarla de li-
aba.
Poneos mihuvWda&ois Ss. MM. c Altezas se-
guiram r.a galeota. iil^Wial a vapor para bordo do
paquete 'GU-nndr o,!*e csrra praxiaio da ilha das
Snxadas, sendo acamparfcados nesse trajecto pelos
Sr?. presidente do emisallio, minislros da guerra c
da marinha, almirantes Tamandar, Deamare e
Wandenkolk, baiiJes Jo Pencdo'^ di Lafuna, or
1::itros cavajbsrros di^tinctos.
trffllots .l'i viitarem todas ,v ar^ciinniodaeoes do
"Tro periaes despedirara.se. de Suas
Altezas e'fTirL. i galeota a remos para o
referido u
A' 1 hora e'i*) minu > o paquete francez levan-
to ferros e er,m/}cou sua viagem para a Earopa,
^nde S. o Sr. (.'ude d'Ea vai resubelecer-se'do
grave incouimr Jo quo-esf sotlrendo e de qu/ k *a
aorosto tao risivei" sigtiae?.
Pelo director das obras militares da corle foi dU
rgido ao Sr. ministro da guerra o seguinte offi-
ciO :
Directora das obras nrHilarcs da corte, cm 9 de
abril de 187.1.Illm. e Exm. Sr. Para dar o de-
vido cuKiprimeiiio ao aviso do V- Exc datado de
i do cosTcnte," ordenando-rae que mandasse exa-
minar o aditicio da escola militronlo funcrionam
as aulas t est esiabelecida a enf. linaria da ;
i'~tabelecimenlo. noinsoi o uiajor Carlos Frc loi.-o
de Lima, ajadaiito desta directora, para que, coad-
juvado palo inesire d. obra do eilillcio em con-
trcelo para quartel da.mesina escola, procedesse
a um miauckso exame, alim de p >der restabule-
cer a traaquiltidade dos nimos, nao so das pes-
soas que'h.ihifam naqiielle ejiUcio, como dos pro-
paraderos da imiiiuieute ruina que receiam 011 in-
culcara temer; e do olficio do mesura uiajor a]u-
dante ver V. Exc.que nenhuma razio oxi-te para
osses receios ou boatos visto que o edificio nao
apresenta boje outros defoitos alm dos que lia
inaitns anuos existan provenientes de sua na coS-
truccao; mas que pode linda durar, porque asno
perfeitos os concierto?, que (tara sua seguranca fo-
raui feitos em 1871; isto al que seja concluido o
quartel, que se est constrindo; visto qne aquel-
lo edificio temjccessariamenle de ser demolido
para ser construido de conformidade com a plan-
la e plano adoptado para aquello esUibeleciuien'.o,
o quu te ai de oceupar a mesnia superficie.
Havendojmda a razan para asseverar que, at
que seja construido esse novo edificio, pode conti-
nuar a fiinccionar o existente, opinio esta que
corroborada pelo Exm. Sr. general eoraniandante
da escola, de accordo cora quera foram feitos os
exames por V. Exc. ordenados.
Bous guarde a V. Exc. Illni. e Exm. Sr. conse-
Iheiro Jo.lo Jos de Oliveira Junqueira, ministro e
secretario de estado dos negocios da guerra.-.1-
tonw Cnrneiro Ledo, director.
- 20 -
A cmara dos deputados oceupou-se hontem
com a 2" discussao do projeeto que crea irais *3lo
rdaciies no imperio. Oraram sobre o art. 1", que
licou adiado pela h ira, os Srs. Arauj) Goos Jnior,
Alencar Araripe e Jos de Alencar.
A urdom do dia para segunda-feira 21 do cor-
rente, :
Discussao do parecer ht 3'.conimssao de in.pie-
rito acerca da eleicao de ura deputado pela pro
vincia de Santa Catharina.
Continuacao da 2a discussao do projeeto n. 267
desle anno, creando mais seto relceos no imperio
o dando outras providencias.
Omtinuacao aa3" discussio di projeeto 11. 232
des e anno, fazeodo concossdea ao Banco do Bra-
sil
Continuacao da -8' discussao n. 127 a respeito
dos olliciaes cora nissionados polo presidente da
provincia de VattoGrosso.
I" discussio do projeeto n. 297 doste anno, man-
dando levar em conta ao 1* tenante da armada An-
tonio Caimon du Pin ewikneida o tempo eni qoe
estndon na Europa e sua cusa, onstruccaj na-
val e hydraiiliea.
Discussio nica da emenda do senado ao pro-
jecio que nutorisa o govorno a .iamlai admiltir a
i'xaa'io o capilaj de arrullara iogo Femara de
Almeida.
Dujs ditas do projoctn n. 16" antorisanlo o pa-
gamento de 663#750a Caetauo de Soma Rivera e
outros, como ndemnisac? de l'i pe.as de algodao
tomadas na occasiao da reboilio d) Maranhao em
1819.
Foram a imprimir diversas 1 edaceoes.
Fase) sincor.ts viN4> pira f|ne5aa AJteza re-
cupero : saude em breve tcni|w.
DIARIO DE PEHWaMBUCO
RECtFfi, 27 DE ABIUL DE 1873.
\sifi-.-.f. to .111 ii2*ero.
Entr.'u hontem no porto delta cilade proco-
dente dos do Rio da l'rata e sul doinijierio, de sua
escala, o p.quele inglez Chimburaso, trazando da-
tas : de Blioids Ayres e Montevideo at 10, S.
Paulo at ItS, Vinas at 14, Rio de Janeiro al 20,
Espirito Sanio al 13 e Babia at 2' do corrente.
Eis o que colbeinos dos jomaos :
rao DA FBATA.
O general Mitre, enviado da repblica Argeutitti,
fora receido na Assompco com t idas as honras
militares e grandes fastas populares.
O oslado "sanitario de Montevideo era aluda o
mesmo. As iblhas nada mais roerem de impor-
tancia; temos, porem, mita arta do nosso corres-
pondente de Buenos Ayres com pormenores inte-
reasantes sobro a vida interna dos poros do Prata.
SAO l'Al'LO.
Estova definitivamente marcado 0 dia 17 do
correaij para a inauguracA do trafego da linba
forrea at Ilii.
.Na tarde de 13, diz o Diario de Santos, caiiira
ao mar um foguista do vapor Biela, o qual, apo-
car dos esforcos empregados, n,"io pudrir sel
salvo.
^ Por ordem do delegado de polica da villa du S.
Carlos do Panal fora preso Fitancisco de Siqueira
Franco, vulgo Francisco Rayinundo, que em prin-
cipio do luez de setembro do anno passado assas-
sinara a Antonio do Camargo, em lelm de Juu-
diahy, confoiino a confissio do proprio reo peran-
te a autoridade que o interrogara.
MINAS SBBAKS.
Evadiram-se no dia 3, da cadeia de S. Joao
d'EI-Rei, os gales Jos Cabritilla, Ireno, Jos Gre-
gario e Joaquim Silveno, que estavam ao servipo
da cmara municipal c sob a guarda de dous p.1i-
aanos.
Estes foram reeolbldos prisao, e o capitao Car-
los August) lUbeira Campos seguir no encalco
daquelles.
RIO DE JANEIRO.
Sao de 2) as ultimas d das do Rio do Janeiro.
Sob as rubricas Parte oficial, interior e Rc-
tiita Diaria, encontrarlo os leitores o qne de rae-
(hor acharaos nos joraaes.
o dia 18, por \olta de lie 1/2 horas da ma-
ulla, embarcara para o boido do paquete fraucez
Gitanee, da linba de Bordeaux, S. A. a princeza
imperial D. Isabel e seu augusto esposo, S, A. o
Sr. conde d'Eu, os quaes seguiram para .1 Earopa
onde vio residir por algura t'tnpo, conforme bes
foi permiuido pelo governo imperial.
No dia 20, data da sabida do paquete, devta
ter lugar, na corte, a eleicao de ura deputado
geral. -
Por decreto n. 3,26-j de 13 do crreme, fora
prorogada at o.dia 2 de maio prximo vindjuro a
presente sessao da assembla geral legislativa.
Era dala de 3 do corrento foi publicado o de-
creto n. 2,223, o qual dispoe o seguinte :
Hei por bem sanedonar e mandar que se ese-
cute a seguinte resoJuoSo da assembla geral:
Art. I." Os directores, lertes propriolarios, su-
bstitutos e oppositores das facilidades de direito e
de medecina no Imperio vencern os ordnalos e
gratitieacoes fixados na sei.'uinte tabella :
Director.....
Lente cate-
drtico....
Lento substi-
tuto ......
Lente opposi-
tor........
Ordenados.
i: 0004000
3:2005000
2:030*003
1:500*000
Gratifica-
eoes.
2:003OGJ
l:C30(X)0
1:0003X0
800*0 0
Total.
6:000*0)0
3:00)*000
2:WO*0!K)
>. mil
a reuc.ao aewetnde
o assucar, de um pensv no impost 1
ciiados dos botis, rwuuindo assiin o
do orcanieuto a 2'.H:()0) libras,
telegraraina de New-York, recebido era
a
per
sanw.Tfiinisiro e secretario de estado dos aegooios a onua arelade seia*paga por meio Ja min arrriS''1*o##iicu.aF9aiaeat.as.ias variadas noeostuM
d imperio, assim o tcnha en ten ii lo c faca em- 5o o bands do thesouro. des, o -()or este modo eentribuireui para a pros
cutnr. PrapvJarabcra a reduc.ao do mc'nde dos di
Palacio 4 .Rio de. Janeiro, era 3 de rttrij le
I871I, qui(iq:uK,o."'ul" -egundo da inJepeiWcncia
e do iiiin.'i io. .
Com a hibricit de 9ba Magestade oT Imperador.
-Joo Alfredo C ireia de Oliceira.
Eitf* iiolituas- coraniaptai J4 ul__
ao ho|ve l^Knlferaeio-algama ua po-
jaer-adi < i-amBio.
Kde tu iraiq-Sfl iieirienas-aransBccfi-'s s dir Lon-
dres a 20 !|t d. pairl b.wgrio, ealii 3|8 o 2(i l\i
d. ifciriicular, e Sobre l'Yanviaa 360 is. 1 ir franco,
tomboin papel particular.
No mercado do solH.'raftof leinou.nniitd actiri-
darte. l^- am negociad's caria de *3.00J a-9t>0,
93230, 9JK e9,5J70, ad eiro,. redomiuandi
o nliinu) iuw>.
As apohees geraes de fi 0|0 continaram a apre^
sentar firmeza de procos, sendo usgociadas a, .yi
1:033 otn pequeos lotos e a l:0w5 ora paridas
regulares. As do Hisvastm nacional
pblirerain 1:07, a dinhoiro.
N'olou-se procura regular para as accoes do
Maneo d 1 Brasil, JStoSj-r^Soqjtfa-S at a ultima
hora, cerca de TWn'ifOwa 'fiO e 2"il a di-
nhoiro. .
So nos c uistaram, alora das transaccies que-
aciraa fallamos, pequeas vendas de accoes da
Conipanhia de Seguros Inlcgrhlade a 56*, e da
Coinpauhia de Carruagcns Fluiiueoses a 208*
por accjto, a diubeiro. ,
As vondas offectuadas Imje no mercado de pro-
ductos foram regulares de caf e de assucar.
Sahirara para consumo cerca de 5,003 arrobas
de carne secca.
Ndo nos etoSton- boje fretainento alguni.
A alfa minga rendera at o dia 19 do ctirreute
1:896:28*5;9
Ksnirro-sA.Tro.
O Estandarte de 30 do passado noticia o se-
guinto :
Na noulo do 21 do corrento priucipiou o no
llapi nierim a elevar se, a ponto tal quo no dia
(-22 ja alaga va as ras desta villa, invadindo
noute do mesmo dia 22 todas as casas, escapando
da mu lacio talvez]umas oito casas por estarem
construidas era maior altura, e aquellas quo era
as collinas foram edificadas. Elevnu-se o rio a
tal ponto que algumas casas que era outras en-
Chentes nada soil'reram, de-ta vez entrn a agua
dentro das meslas pahua e meb a dous palmos;
tendo subido o rio tajvec de 40 a tt< palmos do
seu estado natural. Das elidientes que tein 1 a-
rido nes tes ltimos duzo anu s a de 1862 se
pode ter pela maior.
Os prejuizos foram inmensos: eabiraiu casas,
paredes, panadees : foram levados pela correnteza
do r. cenas, pequeins casas de palito, poetes,
atorros, pootelbies e grandes arrores. Para o
centros das matas nao licoa pora" /a pontelliao
que nao fosse arrebatado pelos nos Castell), Ca-
xlxc e Alegre, ipie sao confluentes do luporae-
rim, lieando debaixo d'agua alguns engaaos,
pais, etc. Felizmente, por emquanto, nao temos
noticia que bouresse victima alguma a lamentar.
O rio continua anda muito cheio, apesar de liaver
limito baixado das ras. .
Foram Iras dias (24, 23 c 24; de ura trabalho
usan, e aimla agara se irahalha as desobslruc-
qoes causadas pela grande endiente que nautas
prejuizos causea a todos em goral, j pelas rau-
daneas, como pelas reedilicacoes, esgotaraentos,
etc.' As ras tomarara-se ura lago, tendo era al-
guns lugares 20 palmos de altura.
No dia ti tornou o rio a devar-se, iuundando
Londres, diz que os hespanhoes aprisionaran! ura;
"- aom contsabaado em 6. Francisca-
Itelcgramii quetoto couseqoeneta*
dos icrarlos do |ar. n New-Yoik. a
estavarto escaras.
Os telegfninas recebidos de Franca dizetoi
ue ns republicanos Iriuinpbaram as eleicoes
liiunicipaea'de Nant's, Marsidlia e Arix, e que'em
Paris sahio ele 1 um repablicano e ara conserra-
dor.
O nova presidente da aisombla nacional, o
Sr. RUirot proraclteu dirigir a discussao cora a
maior imparcialidad!!; pedio auxilio do todai os
aus-cellega-, o tenniuou disendo, quo a muslo
de 1868 que a assembla tem d enmprir eonjorictamente
com o Ilustre Thiers, dar estabilidade ao'paiz, el
garantas de seguranca para o futuro.
IIHSPANHA.
A fazeta puhlicou h intem um decreto autori-
sando o ministro da guerra a comprar no estran-
goiro 30 mi! espingarda-;.
Come^am os radicaos a manifestar tendencias
radicaes muito pronunciadas.
Os conservad .res inclhiain-sc para a absten-
cio.^
Sao graves as noticias da Palencia, onde a agi-
toeab carlista so nianifeslou j. Pequeas gr-
rimas ua Casiolha Volha.
Corre o boato de ter morrido o cholo carlista
Cucala.
Era Madrid esper do o coronel Maza, :>udan-
te que foi do general.- Vai debaixo de prisao. Na
maulla de sahbado, tentn o referido coronel alte-
rar a ordem 0111 Barcelona, promovendo una nia-
nifesucao tumultuosa. Prendern! o levaraiu-n'o
presenca do general Patino varios nienibros da
junta republicana, c um coiiunaiidanlc de volun-
tarios. O govemador da prai;a mandou-o nietler
a bordo do vapor lspant>que o deixer era Ali-
cante, donde partir para Madrid no camiiilio de
ferro, sob a custodia de um oficial e de una for-
ra da guara civil.
O general Coutreras eslava para embarcar no
tepa'nt*, de sorto que cbgar a Madrid ao mes-
rao lempo que q seu ajudanle.
Como so v, in"cia-se cm Barcelona ura venta-
doiro raovimenlo de reaccao contra os desvarios
dos primeiros momentos. x
A demissao do general Contreras foi po lida pe-
los proprios correligionarios da pielle militar, a
julgar por uns documentos puhlicados pela junta
republicana dimocratici-federal da provincia.
O govorno no mesmo dia em que era preso o
coronel Vazarecebia de Barcelona o seguinte le-
legrainnia do govemador aquella cidade :
Sera novidade. Reaccao ulular na opinio.
Barcelona sausfeita. O general Calind merece
os agradeeimentos do govorno pelo tacto e firme-
za de que deu prora.
0 general Comieras parte e?ta noite para Ali-
cante. O coronel Maza embarcad > para Viloncia c
e Madrid.
A proposito dos fuziiamentos ordenados pelo
ehefe carlista Saballs, l-sc n'uma folha de Bar-
celona :
Os assassinos que dizera pelejar por Beus nao
si! coitentaram com fuziar os prisiondros, que
tinhan capitulad o sob a cundilo e proraessas de
que Ibes respdttriam as vidas, martyrisaram-os
tamboai. A-un pobre voluntario tiraram-lho os
no entanto muito menos que a enchente antecc-
denlo, tendo baixado nodia 27, mais no dia 28; olhos antes de ftizila-lo; a outros rautilarain as
devaram-se as aguas do rio extraordinariamente, extremidades com as pjtas das bayonetaj; e era
llcando as ras pela raesnia forma pouco mftis oulquaaU os infelices bauhados 110 proprit sannue,
menos como ja iiavia estado.
\s cliuvas continuara e os ros afluentes tara-
bflm continuara cheios, eo Itapemerini da nwsina
forma pelas aguas que sao trazidas pelos seus
afluentes. At boje nao ha noticia de ter havido
no Caclioeiro elidientes tan reiietidas.
Os prejuizos sao mullos, o a nao pararera as
el. uvas, recelamos una grande inunda cao, que
pode trazer muitos prtyuizos e sacrificios.
Escevem da villa de Uapemerim inesma I MM
a respeito das endientes :
Os estragos diUheia tem sido por aqu urna
ealamidade 1 Tudo est de nado As lazeudas
prximas ao Itito do rio, nem tem eominodo; para
as eriaeoes, e seus canariaes e outras plattacoes
acham-'se subraergidas ba mais de lo lias rj Sao
incalculaveis as panas.
>'o camiiiho daqui para a Rana 'j loi victi-
ma um hoincni qne desviando-sc ura podro di
aende que se acb va wherlo cora 3 a i palmos
d'aoua, resvolloii para o lado, aonde suecumbio em
nma profundidade de li i 1 palmos I
< A crreme das aguas do rio b caroso da
Barra faz tontear a quera por all pawa. Ja rirSjw
rm-sc dous e.-caleres, perecendo de um doaf
na! inheiros e salvarani-se os demds cora muil.1
dilllcnldade.. Alera da corMiiteza, o veuto_ ai
Scmpre rijo, e as ondas que moliemente sao tan-
gidas do oceeano, alli assoberbam-se jomo para
impedir a mistura da um s elemento com forma-
eoes uposlas. 'Fni cabido umitas casa*, pare-
does, etc. *
110
padecen lo horrivolinente, padiain por misoncor
corda a niorte, os carlistas rUto-se o coliriani-os.
de tootajos e insultos. Consummado o sacrificio,
do qual restavam sassento cadveres n'um chasco
de saugue, entraram os carlistas ora cntico de
vkloria, e obligaran) os demaislprisicneiros a des-
tilar por cima dos mutilados restos dos seas des-
venturados companheiros d*arnias. -
Lembr.un-se alguns bospanbes Ide que o po-
ro pjrluguez fraternise cora a idea da unio ou
federae)!!.' E'urna loucura. A ndignaco as noticias de tais atrocidades provocara Poitugal
nao se p le descrerer.
A ferocidade das guerras civis de que essa in-
feliz naci esta delacerada ha tanto toui|)o, carac-
terisam a ndole de ura poro que, por mais que
faca ou jus devnele estar scmpre rauitissimo
longe de poder jamis confundir-so comnosco.
yceu
Setal
i
Art. i. Os lentes cathedratieoa das escolas de
marinli.1, militar e central percebero os mesmos
veneiraentos dos cathedriticos das fatuidades de
direito e de medicina ; e os lepetidores das esco-
las militar e central e os oppositores da de mari-
nha, os fnesmci vn iraentos dos lentes saosiitutos
das faeuldauVs de direito.
Art. 3." Os oppositores e repetidores designados
para' serrirem como preparadores nos gabiuetes
ou em quaesquer outros 'estaJidecimentos das fa-
cuidados e escolas superiores nao tero"por este
s'ervi-.x) gratilicagijo alguraa.
Art i." Ficara elevados ua razao de 50 por ceu-
to os ordenados e gFatiik af,oes ordinarias dos pro-
fessores do coilegio de Pedro U, dos professores e.
su stitutos das aulas preparatorias -annexas s
faculdades de direito, e dos professores c profes-
soras das cdeias publicas de instrueco prima-
ria do municipio da corta sendo supprimidas as
gratificatoes, que ora pereebein, a titulo de anda
de custo para viageus, os. professores do col'egio
de Pedro i I.
Art. ". Ficam outrosm, elevados na raaSo do
30 por cen 1 os veneiraentos do seeretari.se
lAaiS enlpregados das secretarias das 'acuidades
de direil) e medicina, das escolas centra!, militar
e de marinha, c da inspectora gesalda insrueeia
primaria e secnndaria da corte.
Art. 6. .Picara revogadas as diposi?'e- em eon>
trarfo. /
'-Jo3o> Alfredc orfefa de Oliveira, do
n.utn.
Como j disseraos, as ultimas datas da Babia
s.vj de 2'i do' crrente :
Fu:\ccionava regularmente a assembla pro-
vincionai, nao se tendo felizmente produzido no
vas secnas desagradareis.
No dia 20 do corrente celebrou-se no hospi-
cio do Nossa Senhora da Piedadi; urna missa pelo
2 anniwrsario d;\ Associarao Typographiru Ba-
kitta.
Depois desse acto houve sessao magna, na qual,
depois de Hdo o relatorio, procedeu-se eleicao
dos noves faneconarios, que deu o seguinte resul-
tado :
Conselho.
rtuilhcrmini Airares da Costa Doria.
Jos Ricardo Conrado da Silva
Ibao Canelo da Silva.
Agapito Ramos do Olireira.
Jos da Suva Res.
Ladislao Jos de Mattos.
Jesuino Frnciscode Carvalho Cabrera.
Commisso de contas.
Francisco Olivieri.
Americo Jos de Castro.
Eduardo Pires da Franca.
O Sr. r. Fredtoico Lisboa poz a isposico
da soeiedadc cuje cargo est o Liceo de Artes e
Oflici s, a sua typographia, nao s para a apren-
diznge 11 dos socios e seus liliio-, eomo_ tambera
para tudo mais que a sociedade entender.
Fallecer a 20 o neirociante-Manoel J(xaquim
de Carvalho Oliveira, cujos restos martaes foram
dados sepultura a 21, no cemiterio do Campo
Santo.
Sob o titulo conflicto da forra anuida com
os atildantes do lycea publicou o Jornal da Ba-
kut, do 21, as seguimos linbas :
Hontem, por occasiao de passir pela frente do
eu urna fi rea armada commandada por um of-
do batalhio 18, ipie retirara-so da guarda de
palacio, alguns estudantes proeurarara patear o
oficial : este, deixou o seu posto, e inrestio de
espada om punho para dentro do lyeeu, accoin-
mettendo os esto lantes que correram para|o inte
rior do edificio.
Ao regressar para o quartel cora a forja,
mandn esse olficial um ca^o cora algumas prafas
armadas para tomar una rindila.
Esta nova forca procuron tentar invadir o es-
tabelecmenlo, maltratando nao s os estudantes
como a alguns professores qne proenraram apasi-
guarocenicto.
Q.10 providencias tornou o gorerno da pio-
rincia e o Sr. eommandante das armas acerca
desse procediinento, que muito donde contra a
disciplina, e
!VoCcItM da Euro|a.
Chogou hontem tambera o paquete ingles Fhf
Queen da Europa.
As datas que trouxe aieaiicara a 9 do corrente,
isto sao quatro dias anteriores as de que fo
parlador o Douro. '
Nao obstante j termos, publicado s trazidas pe-
lo Douro, damos todava as que vierara pelo Pi-
oneen, ue em certo modo servom de compleraen^
la .|;iellas.
Eis essas noticia: :
Um telegramma de Londres de 7 de abril reco-,
bido em Lisboa pelo cabo submarino, diz qne o
Sr. Glaxlslone na cmara dos comrauns respnJen-
do a .Slaplelon sobre a reclainacio da Hespanha,
contra a subscripoiio annuuciad a favor dos car-
fistas, disseque os advogados da cora cram de
opinio que as subseripfes, sendo dona volunta-
rios p.io-.(n8ttuiam acto Ilegal.
0 ministro da fazenda o Sr. Lowe, desenvol-
vcu na cmara dos eommuns o oreament 1. .
"" A valia o excedente da reeeita era 4,73 :060 li-
bras : e disse que eom esta quaufia pagara uio-
tade da indemnUa;io do Alltxmrt, e propOe que
PERNAM3C0,
REVISTA DIARIA.
t -> "tM-;t |M-(viiii'itil. Funccionou
ante-bantem eom 2*i Srs.lfeputados.
Approvada a a.-ta da antecedente, o Sr. secre-
tario leu o seguinte expediento':
Dous o'tici is do secretario do gorerno, romot
tendo por copia as inlbriiuqSes prestadas pelo
Exm. dloeenano, acerca dos projectos ns. 39 de
1881 c 37 do auno passado. -A' quera fez are
quisielo.
Oatro do meso, transmittindo a nota fornecida
pela tbesouraria provincial,' contendo esclarec*
inentos sobre o contrato celebrado cora o bario de
Livrmento, para o caleamento da cidade.A'
quera fez a requisico.
Ouirodo mr-sm-j," transmittindo copias dos actos
pelos quaes o Exm. presidente da provincia abri
olversos Crditos supplementares.A' coniraissio
de oreamento provincia
Outro do mesmo, remetiendo a resolufo da as-
sembla, a qual o Exm. presidente deixou de sane-
donar, pelos motivos nella declarados. A* com-
misso de cons'tuicSo e podores.
Outro do mesmo, remetiendo copia dos officios e
mais papis, contendo esclarec montos prestados
|pda cmara mosiiripal desta cidade, acerca da
despeza feita com o expediente da sala das au-
diencias.A' quera fez a requisico.
(Jotro do mesmo, remetiendo copias dos actos
pelos quaes resolver o Exm. presidente da pro
vineia a abril- diversos crditos suppleraeutares
para pagameno de despesas decretadas no orea-
monto. A' commisso de oreamento provin-
cial.
Outro do mesmo, remetiendo a nota fornecida
pela '. sonraria provineial, da divida activa arre-
cadada no Io semestre do corrente exercicio.A'
neto fez a requisico.
Urna peticao de Joao Evangelista da Silva,
soldado do corpo de polica, pedindo pagamento
da quaiiti de 103S950, de meio sold, que se
julga com direito, cuja quantia cshio em exerci-
cios findos.A' commisso de oreamento prorin-
cial.
Oulra de Joao de Araujo Cesar, ex-secreta-
rio da cmara municipal de Nasareth, pedindo pa-
gamento da quan a de 1:0134000, proveniente de
seus ordenados o des|iezas do expediente. -A* com-
m ss.1o de orcametitv) municipal.
Outra de Ronitialdo Aires de Oliveira e Joao
Carneiro Gomes da Silva, pedindo providencias
no sentido de ser nacionah'sado o coramerco a re-
lalho. -A' commisso de legislaco.
Passando ordem do dia, foi approvado em 2"
discssSo com algutnas emendas o projeeto n. 47
deste auno, sobre eomtianhia de gaz.
adte do paiz.
m Dominado como *i revela pjr st: generoso
pqnsatnento, mais de una vi;z e por mais Je um
acto uiauilostaJo, o poder- legislativo acollier, co-
mo merece, a represebtaco da a'ssoaibla provr'
cial de l'ernambuco.
{Kdiieni|-HOprlHiilHr.--s>o oia< w do par
lid i conservador na oortc do Itotierio iraiiM.-rOT-
m >- a agradavel ntela que se segu. PosrsrO-
obre oxemplo que a patriotieajaiura niuucpai
do municipio neutro acaba do ecl ecer a<: paiz
ncootrar imitadores entre as municipalidades do
Miperio :
A Illm.' cmara municipal re de 2ti do mez ultimo, crear no seu pco unto b-
Hioiheca popular, que proporcione a todas selas-
seso con eciraeolode livros dfis.
a A nobre iniciativa, que toma a si a Illra." c-
mara, externa um solicito-intorosse pola causa da
iuslrtiecao popular. AssodandJ-se cora i.io gene-
rosa Vspnntaneiilade h esta antate paixio do nos-
so tempo, conquistou a patritica corpora.io uro-
eusavel direito gralido de seus municipt's.
A deliberacio da Illm.* cantora pc's trazer o
Aove trazer os mais ambicionados (rudos obra
da educacao. Ella coniprclicniJeu que a forca dos
Estaos rato dependo lauto do amen dos dda-
dius, como de seu adlantanienlo iiitollectii.il e pin
entre os indos de vulgarisar a iustruci^o, do a
derramar era lio rana copia, que nao so oonsli-
tua o privilegio das classes abantadas, mas alriuja
a todos os cidados sein distinc.'o do nascinieuio
e de tortnna, precousada a funda.o de peque-
as bibliotliecas era que o cJdaMao enconUe sean
dispendio, sera trabaliio, |>or assiin dizer. a porta
de sua 1 ahitacao, o que de outro modo nao pode-
ria obter sato grando'custo.
Nao podendo ser ndilTerente a proiueltedora
nstii 1 ,e 1 1 municipal, o hmrado Sr. inimstro do
imperio asseguron a Dito.' cmara que, para a
realisaoao de seu patritico empen'io, poda contar
com o concurio e possivelcoadjuva.a) do gorer-
no imperial. >
lustrup^a pnltli4*ii Sao dignos do
raeiico os seguintes actos cora que Ilustres ci-
dados da provincia de Minas revelln o seu amor
pela aansa nohilissima da UiStrnccao puhPca.
t O Sr. Candido Ignacio Foiroira Lopes esta
preetoado ao sul do Minas o mais relevante sei vi-
co causa da iiistrucco publica. Lerabrou-se o
diligente cidadique, nao havend na inaior parte
de nossas localidades casas proprias para escola,
havia necossidade de as construir ; a neste intuito
est percorrendo as freguezias alim do, BOT meio
de una suhscripco, promover a einstruc;o de
una casa proprto para o ensioo MU caa una
deltas.
1 A subscripcao promovida na freguezia do Ro
Verde attingio em poneos momelos a l:8U0.
O importante l'azendeiro da provincia de Mi-
nas, o Sr. Joaquim Eloy Mcnd s, ao prouwverse
una subscrip.o para a tondaco de um pequeo
edificio d"snado escola publica da iVesjueaia
de sua residencia, re.-olvou concorrer para esse
nobre lira cora a quantia de 1:596*, olforocendo
gratuitamente o terreno cscol ido para a inesma
construci.'ao.
Tratando se de construir um edificio para a
escohi publica da freguezia de Larabary, otlreceu
o Sr. Dr. Antonio da Roo a Fernandos Lelo una
boa casa de uaijropriedade.
Actos de tai natureza dispeusara palavras
que.os ipialiliiiunm.
fi-cSararfn 4* pnllicada era oossa Revista de sexla-eira ultima
2-" do corrente sobre olivroReforma di casino
snperitr no imperio pelo Dr. J. Tarares lielfort,
trauscripcao de um jornal do Rio de Janeiro ;
por nos brevemente fallaremos desse livio.
Tlieutro.O espectculo annuiicia 1j para
boje no tlieatro Gyininsio Uraua'.ico d-xar.i de
ter lugar por liaver adoecido o artista c empreza-
rio Penante.
Mercado le Liver|ool. -No dia 8 do
corrente erara assiin rotados os fundos bra.leirjs:
De Mi do 80 a 88.
" De 18i).*i do 96 a 91.
De 1871 de 93 l/r a(K 1,2.
As accoes da estrada de fon o (i < Recife ao
S. Francisco eram coladas nessa data ie 17 l/t a
18 1/2 ; as de S. Paulo de 22 a 21: e a- da Babia
de 21 1/2 a ti.
Maeroblo.-Refere o Agriculi r, da Parahy-
ba do Sul era data de 17 do corrente.
Noticia o P'-.ulis'a, que as Oavoiras, termo
da cidade de Tanba fallecer no dia 27 de mar-
go, Manuel Francisco da Cunlia. na Ida le do 100
annos.
E que diria o Ilustre coliega.se soubosse que
aqui nesta cidade existe um Mathttsatoto, do nomo
Antonio Pires, que conta j que espera ainda rirer niuiti totopo ?
Armas defezns. Foram apprehonJidas 2)
p9la delegada ile poissia da Bseada as quaes Uva*
ram o convenienlo destiuo.
Messa^erlefi Nitritimes. Leino 110
Jornal do Commrrca, da corte :
a Esta eompanha acaba de alterar a inarc a
dos seus vapores para o mez de abril. <> SMtsyif,
(pie devo ter sabido de Hordos 110 uia .'< de abril.
segu directamente para o Rio da Prata, sem en-
trar no Rio de Janeiro ;o o Vapoi que dsve largar
de Brdeos no dia 20 di abril, rlcar 11 Rio de
Janeiro, sera seguir para o Rio da Piala.
City ol Itio de Janeiro.-Sobre a urti-
ma viagem deste vapor da Ra a para o Rio d
Janeiro, coinmuucam o seguinie ao lo nal do
Commerao :
O vapor City'f Rio de J m-uo, sabindo Ja
Babia, s !) horas da noite de 5 do corrente andou
cerca de 250 inilhas, e parra s 9 horas da 11 its
de segunda-feira 7, por 1 aver-se quebrado o efxe
da raaehina.- Desde ento fieou raercO Jas on-
das sem governo era direecio ; deeviou-as da fi-
nia que. percorreni os navios que seguem da Ra a
aa Rio. Durante os dias do terca-feira ate quin-
ta o vapor, levado pelas ondas, fasia-se ao alto
mar. JaMnaumaosperancarestava,ne:iide en-
contrar algum vapor da carreira da Baria ou do-
Rio, nem da linba do Rio da Prata a Europa.
, t Entretanto, cusa de esteros, eonseguio-M
forjar urna especio de argola, e obter que a ma-
china so movesse as 1 toras da tarde de 1". o
continuou-se a navegar razo de 2 e .1 muas
por hora at que, quebrando-se a dita ai gola as 8
horas e o minutos da tarde de sexta-fetra (il),
tornou o rapor ajiarar e Bear a merc Jas onda*.
Passou-se a uoite em todas as saciedades da
incerteza e no meio de grares perigos a prolon-
gacao de nma situacJo to arrisea^a ja era uto-
leravel. Nodia 12 as II/2toras da man alo-
brigou-se um ponto negro no l ri lOnti. q u
foi augmentando e aproximando :' ert vapor
Newton qne do Rio da Prata segua para a Euro-
pa. Feitos os signaos de soecorro, o .Sttcton to
mou a reboque o City of Rio de Janeiro, regres-
sando para o Rio de Janeiro, sera graves niciJen-
tes, apenas com a interrup.o quando qwtora-
vam-sc os cibos.
O commandinte Vervill do City o Rio 1 Ja-
neiro, foi incansavel e actiro ; empregou todos os
esforcos por salvar o navio e memorar a situacao
dos passageiros: intolligentc e delicado para eom
todos inspirava confianea ; por isso digno de ser
mencionado com especial estima.
r.xptoraoao de minas -i : decretos da
9 'io corrente foi concedido
A Augusto Mendos de Moura, permissao por 2
anuos |ara expbrar minas de carvo de podra era
su s (aleudas'denominadas liba do Lopes e Ta
do anno passado sobra retorma do easino, foram
approvados os arts. 2S, r, S, 1, lj e 27 com
algumas einend;;?, fieando a dlscnss.to adiada por
falta de numero para votar.
A ordem do dia para amanh alera das ma-
terias j designadas, 2' discusao dos projectos de
os. 37 e 49 deste anoo.
Representaba: ao poder legisla-
tito.A NacM, que na corte do imperiooor-
gao do partido conservador, fez preceder com o
segrate juizo a representacio rotada pela assem-
Wa legislativa de Pernambuo para sor encami-
nhada a eatnar temporaria..
Anda Dfm I A iraprensa poltica da corte co-
me'ca preoecupar-se com a sortc das deslem-
brada3 proviuda', cecupaado-sede seus rcaes in-
teresses.
A assembia iegis.ativa desta Importante pro-
vincia aoaba de votar a seguinte representacio,
qae deve ser dentro en pouco apresentada c-
mara temporaria.
1 Bateado da patritica a'sembla de Pcrnam-
buco, dando lestcraunho de seu zelo pela diccr|ta
ar.plioacao das rendas proriaciaes, descobre a in-
oonteslada necessidade de uraa ora elassifl acao
das despezas publicas, algumas'das quaes nesam
inderidamentc sobre os apoucados recursos das
provincias.
K deseavolvendo-as e dotando-as de meros
e nao tributando-as com encargos que Ibes nao
podem caber em urna boa e regular distribuirn
da despeza, que --e conseguir, habirrta la$ alar-
ga/ 0 seus servic.-/-, abastecerem-se pelos rocur-
E co iinuando a -'-diseusso do projeeto-ti. Hi tuini, aa liadeSoipeba, sitas no municipio, de
Gayr, da comarca de ValeH.;a, provincia da Ba-
hia.
A Eduardo Perlew Wilson permisso por i an-
nos para explorar jasadas de inineraes combusti-
veis nos municipios de Cayr e Itajiero, da co-
marca de Valenea, provincia da Babia
l.ieeneas e beneplaeitodoncel-la-
se brencas:
A Felippe Rozerra Monte Negro e Mara Bal
bina da Penha silva, Joaquim Jos Rodrigues da
Silva Sobrmho e Anna Adelade Leilo Maldovado,
a Joao de Loyola e Silva e Auna da Silva Toledo, a
Mareolmo Dias Testes e Anna Dmbelina da Silva
Tosles.a Maximiano do Araujo Leal c Joanna Ro-
salina de Frats, a Tnomaz Bisp da Vida Nova e
Ciara-Ignez do Espirito Santo, para impetrarem da
nundatura apostlica breves de dispensa de impe-
dimentos matriinnniaes.
A Anna Barbara do Lossio e Seilb o Mara
Vieira do Jess Milagre, para impetrarem da
inesma nunciatura breve para a cclebraco de
missa.
A Joaquim Pereira Magalhaes o Mana Rosa
de Magalhies, para impetrarem da nunciatura
apostlica breve de dispensa da impedimento ma
trinionial.
A Francisco de Pauk .Pereira e Isabel Felida
Rodrigues, para impetrarem da nunciatura apost-
lica brore da dispensa do impedimento raa'.ri:n..
nial."
Outorgnn-se beneplcito ans breves Ua nun-
ciatura apostlica que conce.icam dispensa do im-
pedimento matrimnuial a Cat los Baptista Caland
f.anrcntin.i de Carvalta Filgndras. aJoo Antcmo
de Araujo e Mara Joaquina la Otnrricio, a I
Jos dos Santos c Beata Mar Brajas a M .
Oirfeia de Paria o Matbdc Mara a Silva.
Oatorguu-sc benepfacit > ao br-nre da n
tura apostlica impotradn por Franewcn Igaae
Veiga e Mara Ihrrieta Fivlding. para dispensa oe
impeiliiuenlo inalciujiuial.
ulorgou-se beneplcito atobnoc
datura apostlica, impetrados por Antonio V
do Andrade e Virginia Mara de Andrade,
Joa.mlm Silverio da 8 Ira a llaria V1
imito Sanie, para dispon de itonedimentos
Iriinomaes.
Companhiit de aaveajav rn*-
ledwi.-Reuniram-se lioatem os accioinsl. d -
c I no Jisi' dos Heis, arrrinda de serreta re
Ranialho Ortigue o Man el l'belliartc Le
ber.
Aborta a sessao, foi apresentada pela (*om
ulliinanientc (deila e com|)ola dos Srs Jos Vi
te Tourinho, |)r. Almeida Bastos c Thoraai II
combe, a seguinte propo ta. .pie ful unnime' <
a|iprorada, com excepeo du 2* tpico da l"|'
que teve um voto contra :
1.* Quesojain ratificados pelos Sr- accioii.-
tas :
A transferencia para 0 Rio aJaSSSM I
criitorio principal das scs*'m>s da dirMMto
ninioes olliciaes dos accioiii~la> da eotoBStohia.
1 O aeeordo sd braa entra a easapasMa 1
ex-direclor gerente, reduddo escri|tui-. po:
no sartorio do lahellio Lobo era dala de 9 do -. -
rente.
O eniprcstimo contrahido pida r ima**a>> I
O juro de !l por cont ao anno. dcveinlo .1 i- I
juro ser pk seiiieslralineiile nos pnaaCtAM I
dos meces de abril c outuliro.
2.* Que a nova directora seja auloii-ada
A roiitrahir eran os aedonMas na reas '
ceiros os iiiivoseuipresliiniis. que fori-m 1.
rios quer regularidad.' ao servico, ajasr i ana
ampliaro. at a taxa iepeneepraana d' pa>
inentos cima indicados.'piulen lo. taaam
fr, garantir ns dHos euiproiiai ron o 111 at- a 1
pn.priedad s da cunpanhia.
A amarlisar os omprestiiuos foi os .1 e .....-
n'iia, do modo que Julgar mais noav toeatt.
A re'nrmar cora a prssir.'l hrevidade .
tuaes estatutos da companbia, no (|iie bSbjSJ
renionlo o .icertado. apresentand 1 opponiinaui
em nova reunan de accionistas o praSscj
(arma, alim de resolver-so sohrc a sua .1
cao.
3.' Que seja a aova direejoria inv. Mida #1
dores ampios, quer "eraos, quer esp-ciac*,
roito exigidos, para, naratosrawda densa de n
nieiiibrus. ou |i,|o procurador 011 procurad
que escolher. renreseiitar em Nova York, 01: on.'c
conver os nccinnisias da cr.nipaiihi.i ia mvnpi
brasHeira, para ma jateo 011 rara delle proceder ~>
aatoaautas rortaraaeltes pelos iinjaiim t isa
causados aos meamos accionistas pida directo ,a 1 -
resignataria ou por quem de -iiroilo, Irvj
conta da conipanhia as Bsecssarias de-p*-
zas.
i* Que se proceda a eleicao da nava dssfi
torta do ciinformidado cora o ait. dos eatot
tOS.i
Procedendo-se era seguida elcii;?... da din lo-
ria, (ilitircram maioriaoM sotos asBia. 1 ssselh*
ro Joao Jos dos li-is, las Vicente TuarMsa,
mas Hollocoinbe, baraodoS Francisco Fillioc I .
Almeida Bastes.
Musen nacional E Sr D
dislo Netto ao JOrmlda Commerti* dfi Rio
c A' iinpresiio que proluzio mtolia carta *n
ainfertoeao|i enkia de que rae tenho ha ton
socapado, sacrederam-se para que Mida una *<
se oealrsaasM ofid capar, raers e dilforcnli's hvpotheses : tatitos am hvw
de quanto disse ou acarea deste asaaaspto 1
mas que Ihe atlribuem urna pequea pal
sua importan .'a ; raras, merc de Deu-, ei '-'
desvalor, e quir t.imbeni em desabono raen
t Ojjue ex|iuzerein os proffssinaaes sobre
bHca^io qne pnVecto, o ipie nlo ro sa da I
ser 'realisar o 1111ueve, satisfar, cuido eu. ?. '-~
dteeres.
n era rae propuz annea a rir a atarean
contestar raidada que nao vejo de quo se p
se ter, era rae quero constituir jui/ da sdea
consetonefa anwfas. Se Ihe ascrevo cas Bal
porque das hypotheses em questao, uraa obser-o
que se vai irradiando com visos de una carta
rosiiuilhanca na.minio do publico ; .1 de tei Sto
do do anligo continente a pedia 1111 que se a tato
a Inscripcio a que albulo,
Pan coatestar esta s:ipp.vc-o. denonl
tro argatoaato me sirr.\ de aenhnm otro aa
me loecom mais quo da propria insciipcao. \MU
transcrem quanto n'uneate se refere;,.. a* 1.
te m>inento bavtoSMt nasfer ; o toJo da varsi
tenlio j pnrajaasl lerminade, da-lo-lui innm
lamine que meanparaecf a podra.
Em lo navios parliram de Adnfaber el
sos viajantes, era con.pan ia de praada M
de pbenici ij, seas compatriotas, que, cuno li-
so dirigimi. ao que prate a algtuna cd.iaia a.
frica Meridional, talvez a qi:e liid..in 111.", to
costa de'iiiin : nao me record agota ben m
co:n o nome de Jmlia.
|>ois de andarem dous toadaatt) M
lunares m redor da trra do Egypto (Mrtea afa--
laram-se do eommandante da exiH'.lieao (Ja cap.
toaea) e, separados de seas coinpaiilieiros, ifaaaa-
ran om numero de duas vezes ii hato tos 1
Hieres ncsia rosta desconhecda.
Quera bem atient.ir Restas patarra*. n p
der deixar de reconh-ver am foram dictadas pr
lioraeiis arreiiMjssados ao (toral hrasildro, na
inesmas condicoes em quo o fd p-i> Alraao!
Cabra!.
.1 Km vordade, a que estranhas praia-, \ 1
a esta, fora alirado um navio pie de|is d.
dear grande arto da frica, nada do ar-Yev-
i.llio as costas austro-occidentacs de Mritortti
ilricano, fosse, depois de ac,ouiado dos valo, >
0 repdliam da costa, arraslado pelas correrfH--
ocenicas O qualificatirn : hhadat, nova d
nhecida, usiid t, etc., tota tarto so par si suffietta
lepara arredar aquella hypotln se.
< Para fechar esta carta, dir-lhe-he, mas a|M3aa>
como eousa de nieu reparo, que o ad ortivo /.*
dnt lera na liugna ataida a maior aflinida-k
0 adjecli.o hliadechi, e que este ultimo rra oq.a
lilicativo do uraa tena tfMto, ou polo meaos p
di la pan a geographia primitiva : Ierra f> ama
%il const'it et cix pro sano hahrndnm no di?' !
Gaaeaimi.
lncoiii|atibilirlnde. Foi dataS a ,
sidente da provincia de S Paulo o ittaa eguil.
2.' Soceao. Ministerio d .s m-g icios 1
Rio de Janeiro em II do abril de I&7J
Illm. e Exm. Sr.Com onVio n .Vi de J .
mar..o ultinKi, V. Exc. submetteu considera?.
do gorerno nr erial o reipicrimenl", mi que .ti-
1 .hrysosto no da Silreira, partidor do term-. i
Amparo Mtsa provincia pede desistencia amt
saleta, caso haja incompalibilidale ni servir
mesmo termo com seu irmo o labdln Loop
no Augusto da Silveira Vascoacellos.
Em resposta, declaro a V. Eac que nao <
o impedimento alludido do exercico tanas d
serveutuarios; entretanto, se o piisstaa ausac
deixar seu oflicio, cumpre a V. Exc. acHtof -re-
nuncia nos torraos do decreto 11. l.ot de 5 de Ja-
neiro de 1871.
Dous guarde a V. Exc Manoel A nimio Dien-
te tle Atayoto,
Protesto d* letras.O e-cri\> Jos- *..
rtaao, Mt de semana, cartorio ond f.. a RtoNto-
ra da polica, salado lado da inar
Lotera.A* que so ada a wida i a W a
beneficio da igreja do Guaddupe de Olinda, (rae
corre no dia .10.
Casua de deteneao. Mo-ira.rata di. a
55 de abril de 1873 :
Existam (presos) 37, entraram tH.exislri
A saber :
Naciones VIO, raulheres 9, e*trangeiros 3",
escravos SO, (scravas 9.Total 317.
Alimentados a rusta dos cofre onMico* ?07
Movtmento da enfermaria do dia 1* d a**.'
de 1873
Tiverara baixa :
Marcelino, escravo de Sererino
Monteiro Leite, cephalagia.
Teve alta :
Manoel Antonio da Silva.
Paj*smsreiros.-Sahd(V no raquie iafl
Ckim'joraso:
Jos Luiz Omcalves Penna, Virior Gnerm
Joao Ramos Antonio Gome,; Pires, D Mana rVi
narda, Francisco Alves Monteiro Jnmor. JntoFa-
reir Pinto, Antonio Pinto da S.lva, loSaaar*
Drayer, Jos Frandsco Pcrdra Vianna Lnir Pran-
ciseo Pereira ^ianna, Antoni ornes da .Silva Ja-
nior. Manuel Dias da Silva Santos, Aatoatoda *
Carvalho, Francisco Canal o tas
Joapjim de Azevedo Canario, Jos
reir,-Jos Fernandas Agr e saa u_
nardo Jos da Pocha, Antonio Franetotad *
Jos Alvts de Castro Porto, Jas MssnttV
Adolpho V. Baptista, Beato Jnaqeira aa tototolr"-
Jnior, Audr Mara Ptaatore e saa taiaata, ftaa
\


I
V
1
i


: -
mb MkuU *bwhugo ff fe &rl! i1*
3

1
j
los Csta lliber*. Joan tfnfto Rodrigu*,
Antonio 4 lljri*, Wri7$ane|[ Jos deOH-
veirn M^r aio'Perena, Joaquim 10#
4c Oliveira, Jos Vieira. Antonio Pinto Bandeira,
lanoel Left-Martms, Manoel bae?, Antonio Ma-
noel de Modleos, Jos Antonio di Iva, Jos b.
. Pennn. as
Ce-miter>i> y ihHvx -Obituario do da 2o
do corren te :
?'os do Patrocinio do Rosario, par Jo Pernam-
taco; 50 auno?, casado. S ; phtysica.
Capitulino, pard, Pernambuco, ti mexetr, S. Jos;
Vctor doSooxa Rodrigues, pardo, Pernambiico,
:r. airaos, casado, Redi); astro repatite.
Julia, branca, Pernambuco, 9 mezos, Boa-Vista ;
gastro enteritis. .
.Mara Magdalena das Dores, parda, Pernambu-
Francisco fos dr> Costa, par lo, Pernambuco, Jb
annos, -asado, Boa-ViMa, hospital Pedro II; car-
cinoma do masillar superior.
Jos, pard i, Pernambuco, 3 meze?, S. Jos ; con-
vuisoes.
Francisca, escrava, preta, Pernambuco, 18 an-
Aps, solt ra, Boa-Vista ; bepatile.
Auna Felicia Guimaraes, parda, Pernambuco,
4 anuos, viuva, Graca ; hyperlrnpliia.
Ips, prole, Pernambuco, 10 mezos, Recite
.firoflcliite capilar.
HKONICA JLWIMU.*.
Tribu iml I cominero!.
ftf V A SESSAO ADMINISTRATIVA DE 24 DR
ABRIL DK 1873.
SMOneU Do KXM. S. tWflJHM ANSELMO
FRANCISCO l'BRKTTI.
As 10 lloras da manila, presentes os Srs. de-
butados, MCKtorfo Olinlo Bastos, Candido AJcofo-
radoe o Sr. supplento Pereira Reg, follando com
participacio verbal oSr. Lopes Machado, o Exin.
Sr. eonseilieiro presidente abri a sesso. ,
Foi lilla approva la a acta da IHHI de 7
j > cmale.
KXVKOIKNTE.
dulci d.i Miiservador do commercio de Maceio,
respondando ao oflick. deste tribunal de 10 de
inar;o. Mandou-se juntar aos papis de Augusto
Sangruwan.
i inicio da junta dos eorretores, rcmettendo o
botella das eoteedes officiaes da semanSdi 14 a
19 difeorrente. -l'ara'n archivo.
Jornal oiiiciai de'aa 77 a 8G.-Para o archivo.
Presentes os livras dos registros dos protestos
de letras, veiileou-so que o do esenvao Allui-
querque tinlw o ultimo protesto o n. 2,- I eni II
do rorrete, e o do esenvao Alves de Unto o n.
4,687, ein 23 tambero do correute.
Foram mandados rubricar os seguate* Uwps :
Copiador de Miguel Jos Alves, dito de Joan
C rl s Bastes de Oliveira, dito e diario de Jos o-
h igncs do Carro e Silva, dito e diario de Joa-
, m Jos da Costo Fajines Jnior, ditodaje no
de Bergc* Cos i.
DKSr-ACHOS.
Beqnerimentos :
lie Antonio Leonardo Rodrgaos, eorretor geral
desla praea ltimamente nomeado, apreaentanilo
1 nanea ja irustodt. lim de que se lho-pass.-
o I lito de sua iiomcvao para podfer entrar eni
exorcicio.Informe a secretaria.
De Augusto Ferreira de Carvalho, para se lle
entregar o attestoo que juntou a sua petlfio de
matricula, ficaudo a competente copia.Siffl nao
iiavendo inconveniente.
De Antonio Comes Pires ; C, para que se re-
gis re o aclus i emirato de ua sociedade com-
i. Tcial.Visia ;i i Sr. desembargador uscal.
De Alfredo Prisco Barbosa, cidadlo portuguei
- ido, de 33 aun a de idade, estaueleeid i aeata
cidade ra da Madre de Deus, soltMlando carta
(i matricula de commcrciante.Visto ao St des-
. irgador Uscal. ,
De Antonio Luiz Teixeira. Elias, para at-se
::, registro da nomea;ao de se i caixeiro
\ tonio Luiz Pereira Bastos, visto ter-se retirado
i estobelecimehl .-Na iorma requerida.
De Bonvcnnto Cavaleanti Buarqae de Albu-
ique. s.-,':-.i/..'i.I i o ninio despacho pi'olen-
isa tos -i' la reliabilia.ao, com odoaumen-
. Mija jiiiiei-i aos autos renucr.Juutein-sc aos
j u o mi < a ella anneso.
De Francisc de Smiza Guerra, socio da nrraa
celioo .\ ('., para dar-se-llio certido dotneor
nitral lielebrado entre o a tp lieante, Maree-
(Jone dves Azovodo o AntontoGonylvoj de
\ vedo.-D;-3o .i crtldao requerida.
I Jos Antoni) Pinto Serodio, registro da pro-
i m i oirerece.- Sun.
De Han el Rodrigo do Reg Molla, para dea-
e m nm commerciante pode reter a eoutaae
' i de nm empregade, logo qnoelle sedes-
pee i do seus servais : e no cas i aiiinriativo, quai
o pr izo. Nada lia que deferir. Assignou-se ven-
8. Ese. o sr. conselheiro presidente do tn-
nal. ,. ,,--,i
Do New London and Brasilion Rank Limited,
reeendo copia dos seas estatuto*, afim do
que possa ter lugar o sen registro, eomo foi deter-
minado por de

se estnlo em termos) na forma dodecr
i ,. i:,i tem)0 : eiitregue-w ao suplicante
loa ex llares impri ss is que pi de.
.,, nwBra i X ,v London and Brasilin Bank,
irando que, tendo marcado o dia I. 1 1 W '
'orre ito a ni i para sa insl illarao, pe le que o
i..! nnal so digne ordenar que a publicaiode
. tatutos so ellccluc c^irn prazotal qne possa
lar elle no referido dia I. dojnnlio.-
D i a er itari.i a respeito do precedente que o
inte inv ra.
Tmnarwa i
tes IiA
bargado Antoni
T
4i.IHlVWrj.llw.- *> ;
Apf-elln!es Luiz Ribeiro daCwiha 4 Sobrintids, niao.
O qur se catemte or inllutKni vi 'Uficu betn
o sabe o publicista Ax Provincia p3fa 'u1Sf7.a
a admirave ingonnidade moslrar-so el ouvi-
appeilaila I) Thereza Julia Bntclho. Juizes os
Srs. .Silva Guiuaraes, Aecioli, Candido AlcoforaJo
o Pereira llego.Foi julgado o processo irregular
de fls. a fls.
Apitonante ChristovSo Vieira Lehao de MeRn,
ipp liado Sralim Alws da Boi-lu Bastos. Jizfes
os S-* SBva GiMtiariW, Rete: e Silva, Candido Al-
coforad e Pereira Ri'go.Dejjirczfilui os em-
bargo?, j
AppelUateLuiz Hvppolito Lima, appellado Jos
Maria GoiiQalves Pereira. Juires os Srs. Res e
Suva, AcoioU, i:aadldo Aleoferado o Bastos.-
dem
Sendo proposto o julgamento dos seguales
feitos, I'.iram adiados a pedido dos Snkjnizes coia-
merciantes:
Appellantes Jos Marcelino da Rosa 4 Fimo, ap-
pellados os admiuisiraUrcs da massa fallida de
Antonio Pudro do Mello ; appellante Domingos Ro-
drigues de Andrae, por seu procurador-nesta
cidade. appellados os administradores da massa
fallida de y arques Barros k C.; appellantes Ma-
noel Ferreira Pinto c oulros, appellado Joao her-
nandes Lopes, successor de t-'ilva Maia 4 C. ; ap-
pellante Antonio Joaqum de Gauva, appeUado
Vicente Ferreira Veras.
Por nao ter comparecido o Sr. Lopes Machado,
deixou de ser proposto o feito entre partes :
Appellante Manoel Rodrigues Teixeira, appella-
ds Viuva de lenrique de Miranda Henriques, o
tutor da menor e o curador geral.
Pelo niesmo motivo se sobr'esteve no sortcio
de nm Juiz commerciante para o julgamento do
feit em CHIC sao: apppellantes o appellailos ,a
viuva o heedeiros de Manoel Goncalves da Silva,
visto seren impedidos os Srs. Gandido Aleoferado
e Pereira Reg.
PAS-VlK-NS.
Do Sr. deseniuargador.Sil a Guimaraes ao Sr.
d'-sembargador Res c Silva : appellante Bonifa-
cio Adedate Fontanelie, appellados Sengleliurst
Neph (t C.; appellhntes Rodrigues [raos 4 C.,
appellados Joaquim Silverio de Souza 4 C.
A' Una e meia hera da tarde, enccrr\i-se a
seaSn.
Wimnts, i tft f%|i'o-,
ia pela garanta que
cdigo- criniiiialj.ii-
ira por nao o termos
FBUCACOES"A FE0190.
lo a registro a reforma do seas estatu-
a pelo governo imperial.Vista ai
lie Phipn Br .;i irs C, para dar-se bisa no
; nom lacAo de sea caixirn Antoni i
co i; i ir-i ;ucs, p ir h ivi r sido oornes lo cor-
rei : geral desla pra?a.Com i pe leut
riiejJorn Christiansen, registro da proenra-
nntade H de La Roequc & Filhos, negocian-
tes lo Havre. Deferid.
11 mesm >C risthinscn, idem da proenra; lo por
passa a, c mstituindo procuradores que o re-
presentom quanto vai Europa.-I forma
compan ia do segn- martimos e torres-
. i uTidade PubliiMT. nstabelecida n
mi ::. :
tos approva
I iemb : idor fiscal.
I.NKoa.MACOKS DA SRCR8TAHIA.
Cumprin to r. orden) d iribaaaijBonsunto dodes-
d exara 11 na peticao do aju lante de porteiro
i Uc tribunal, Minoel Mana Caldas Brando.-
io. ,.
.i o.- se ordene a nnformhlade nos diver-
. do conirato social que samandou
itrar de Bastos, Oliveira & C-Procede a pre-
infonnn: \ para qne se la?a desapparecer
ifferencas ontre os dous oxemplares do c n-
SQIDiAn is :\-oir; i !
. .imario instaurado enntra o carretor geral-
i 'o de Miranda Leal Seve, conclusos com a
i i mesmo eorretor.Sejaui os auto* con-
i- c ira vista por cinco das ao eorretor
oari ido, para allegar o que Ihc fr a bem.-
0 rribiral re-olveu que, extrahjndo se opiada
defeza do suiumarao, fosso sobre ella ouvida a
i anta dos corretores.
dem dito contra o eorretor geral Henriqne
berme Stepplo conclusos com a defeza apre-
tada pela mesrnd eorretor.-Sejam os autos
miados com visa por cinco das ao eorretor
tariado, para allegar o que lhe l'.'.r a bMD, nos
tonos do art. II do decreto n. 806.-O triltnnal
resolven que, extrahindo-sc copia daderoni do
mariado, fosse sobe ella envida a junta dos
corretores.
Nada mojs liavemlo a despachar, o Exm. Sr.
eonselheiro presdante eaeerrou a sessio ao meio
dia.
O i ulnttrlT 1 lvm. i*, com-
ueiiiliMlor II. 1*. lo Ijiicona
aprcebula pel^ lrovicin.
orsiia la oiipasieit.
S III
Contumaz a opposi.ao nD seu estribilho de I uta
iucessante ao governo, nao descanta em procurar
mcios para essa lula ; nao poupa esforcos para
mostrar quao mal vao os negocios pblicos por
nao seren geridos pelo> liberaes.
A falta de fados que articulo, contra urna a-
inins'trac>, fallando de tudo, contina, a illiutro
0000815*0 na sua liller^rii e annlytirn cotisidera-
rao Bobfe o relaloo do presUentf
k grade quostiw e ter oeeaaiao de (filar, cr-
bora as suas propfsicoV sejam to snbtis que ao
menor sopro se desfacam, embora os seus argu-
mentos tenham a resistencia que lein os castelles
de carias ; eomtudo preciso allar, e se a lelici-
dade aida a nao seren cottraoitos, essas subli-
lezas arreicani'se no cepirito dus ignorantes e to-
main visos de ur.indes e graves verdades pol-
ticas. .
A festa qne la li seren para a opposirao, vi-
rou de totolo o as imponderaveis o infantis con.
sideraeoes tm de desappareeer em face da noesa
areumeutacao, que sera rute pela verdade e pelos
principios que a constiluom.
Quaes sai as bnsea do artigo I ireeiro sobre o
relatorio (Pmincht n. 56 de 25 de mareo.)
Depols de dar una rpida preleccSo, SOgond0
Chanvet, sobre a segnranea publica, o piwfiCta
da Provincia passa a mostrar a infelieidade, quer
por acios, qner p ir palavras do Sr. Dr. Lucena.
quejulga-todas as causas rcmediaveis com o lem-
po, o embora se tenlia de cruzar os' bracos c es-
perar.. .. que a vida esteja exposta ao punbal do
assassin i, a propriedade merc Ja gatna.
Censurando O Exm. Sf. Dr. Lucena por haver
di'o que urna das causas dos crimes ora o nao
nuererem ou nio podftrera na malor parte das
v / ts dar nueixas, era dep6r em juizo e nao es-
taremmuitoscrimes snjeRoa aae^io offlealaa
jusl'ra ; as-ini eo.no influir t.imhem a prolecjao
escandalosa do iojlueneias malficas a par da ti-
bieza e negligencia de muitos que exercem car-
gos policiaes, alm da ausencia dos magistrados
.lirados de suas comarcas e de certa' gnraniias.
que a reforma udiciaria alargou, muito conliecida
das pnssas ignorantes, anunam a infrmgir o co-
digo criminal sem haver una repressao dura c
immediata, corno era anteriormente.
A Provincia qne SO acre lila n.is razos cnun
ciadas por as ver escripias, passa pelo mesmo dis-
sabor quanto a nos e a outros sobre.as suas con-
lestacoes jiRlftiosat.
9iz o pubticista-criminalisla da PiOPncw, que
o Sr. Dr Lucena, que sendo magistrado devia sa-
ber a legislacao criminal, commettou um erro
crasso, grosseiro, foi ignorante ou leviano, porque
a os cidadaos podeuo dar queixa e dep&r em jiu-
zo e at sao obngados.
Se bem que o art. 37 do e-Allgo do processo cri-
minal determine quo o promotor publico dar as
quoixas, quand i a passoa for misenfvel, assina co-
mo denuncia i.i, que pode ser feito por qualquer
nomem do povo. roinludo nao tal a forra deste
artigo que evite todo o mal, porqne nao semen-
t das denuncias do pai contra filho ou viee-ver-
das 1
Todos sabem qne imiitos dos que dispoem df
certa iufluencia local, nem sempre sao aconselia-
dos pelos sae principios da jnstca e do direrto e
eU tniiitas veefti wssa inllueueia aetujndo sobre
certos factiw e pessoas e dando lugar a patroa-
nannntos imraereeklos.
E' esta una verdade que nao se deve negar, e
qne de lodos os partidos ndstneta*neBt.
A distancia da* autoridades superiores, a a-
cihdade do proteccao o de localidade e um em-
banco para a boa'jnsttoa.
E' oulra verdade iglalmcntc reconhecida, c de
todos os partidos, que as autoridades nem sem-
pro conhecidas e indicadas por pessoas que da-
vem conUece-la4 menteiii oufianv que o go-
verno deposita neflas, urnas vezes por excesso de
actividade e mitras por tibiesa.
Ora, quando o Exm. Sr. Dr. Lucena diz urna
ver hule, contessa-a, isso causa de etnsu a
A Jblgar o partido- tilxsral lela nprfcia./ao de
quinta essencia da Provincia, deve ter elle nasef-
do da cabeca d< npter, devem os seas membro
ser qs perfeitos politicus da trra.
Mas, que animo puderia. cantor um riso !
Ainda base de censura o que dn o.Exm. hr-
Dr. Lucena sobro a ausencia das magistrados
lettrados de suas comarcas, e acensado por con-
correr para csse.mal, visto conceder essas heon-
?as ; assim como, nao se deve julgar nconvo-
. niento algui, desdo que ficam os snlwti
gaes. Entretanto, teniou nao tcm o magistrado o d|-
reit) de obter liewioas, logo quo elles a pedem,
allegando sempro moestado de saude, ou neg-,
uos urgentes (jue reclamam a sua presenca, pode
o presidente ncar o que lhe concede a propria
lei ?
Se hem que a pronmpcJo seja que os substi-
tutos dos magistrados sejam-pessoas habilitadas,
romludo essa una presnmpeao toda falHVel,
por pie, que pessoas as comarcas podem subs-
tituir devidamente um magistrado lettrado Alem
le nao os haver, acontece sempre que aquelle*
que sao preferidos para esses cargos toem inte-
resses no lugar, assim como, nio podem adiar-
se em um terreno plano pelas suas opinioss poli-
ticas e dissenses pessoaes, faltando-llie o coiihe-
cimento prolissio'jal que o habilite a decidir jus-
ta e indupciideirtemcnte as quesloes em que tive-
rem de fnecionar.
A opposi^o bem conliece os motivos allegados
por S. Exc. entretanto, incansavel em amontoa-
material conibustivel da uoa guerra apparenle-
mente justa, mas realmente injusta, nao trepida,
sobre qualquer meio.
Acceita todos os dados anda subtis que pos-
saui acoiortar ese seu systomalico procoler.
Continu a argumontar a opposii.ao conforme
o tem feito al bojc/ommaraiilie-se nos sophis-
mas, que tudo sera baldado, pirque a Terdade
nunca reidera produiir a meiHira ; a opposicao
com essas questoes de palavras, so teuiTCvelado
que a admnistracao assaz moralisada, nao da
aso a accusa.oes -o qU3 para cnmprr a'sua mis-
sao ella so agarra anciosa a tudo, que possa dar-
llie urna bonita sabida. '
A opiniAn publica conhece bem o proceder di
Exm. Sr. Dr. Lucena que se tem mostrado nm
verdadeiro peniambucano,. um justo adinini-tra-
dor que s estuda o bem estar da provincia e ini-
cia as grand.-s medidas que deverao levantar a
provincia e dai-llie o lime glorioso a que por
tantos ltalos ella possne n ha de possulr.
Recife, 2! de abril de !87o\
Ipiicrali^.
em c*/afn> mi imo o Sr. c,ffl**'Hfo fi-fy^l
Lopes Nelto em 18i8,1jem como que i)esd| cssjf
(mi*vsitova as*diw, niwlniMnde, prnf,
que eramcoiB elle a^sttM rotaflo.-
Nao merece lano apreeo o ter tido iclacoes de
amizade com o Sr. Dr! Lopes Machado, para que
eu insista em provar que iHit"f"nos tamoeni h.v
rlam essas'rela.-des, at a datsde s a perfidia de
InstiKar-me *M)'a capa do Orfmpie.
Aceitando, pois. que -anieaueiite a meu irniao
(Ifpralfsats o Sr. Dr. Machado a honra de suas
retaeuW e qne estas pTrSwgnein-ntoi''* e 'i'-
{erareis ftergonto romo qtiaRficar-sc o pro-
ceder do1 Sr. Dr {Machado tentando, assassinar no
eenceito dos hoinei honestos o irmSo daquelle
epm o qual se diz o Sr. Dr. Machado enlreter re-
lacees inttmn a inalterare* ?
Nao seria tnaji liebre, iiii*; qinsoante a estas
relacoes de estAu imam, inejb Sr. Dr. Lopes
Machado se djpe af i-apil'-o df verificar se o
irniao do seu amigo intimo bavia infringido a lei,
ese por ventura o verificaste, advertisse-o em par-
ticular de semelhante falta i Cortamente. E por-
ijue nao fez ? Porque n Sf. Dr. Machlo prefero o
desatino de suas paixoes aos penUores damizade,
por mais preciosa que esta seja.
Nao obstante aqrille'urrimafKm, o Sr. Dr. Lf-
pes Mchndo pertinaz na ipaesto Olympio.
Pai demonstrar que se den urbiiri') e aune,
em vista ia le, nessa prisao, o Sr, Dr. Lopes Ma-
chado-traoscreve u seguate periodo do meu cita-
do artigo
*u ao-Mmsiirna.'ariii. 201 ditas e Btrdias'a TiS* tj
l&few *'-, oJ ditas, V) ditas e 10 barricas a M.
iEk C. Garrafes vasios 600 ao consigna-
1t^>V. "' Montetro-AC
Kolim IfllK .Pl.a & Sucee98 re,.
Lpulo t caixa'/< Fct,. ^hamniettan. Helas
Mantoiga Wcaixas *>, 1,^., ;. t|xai aos
Cheiiando a ea>^ de Olympio ....liz eifcclira a
prisao, e toinei-imi |Hihrqne elle me confessou
pertcncer-lhe.
Ah est desenliada mals outra perfidia do Sr.
Dr. Machado. Com as suas reticencias o Sr. Dr.
Machado roiiltou-me a parte esseneial do periodo,
qire assim est publicado.
Cnegando a casa de (Hgmpio, a tncomPra
apihaila me pettoas'dojMVfn, itt ""'" r i: Sr
ciitwlaiim Abneiia, K ifrvifmrtejiatn que, e
conclusao, se deparara a> palavras' que o Sr. Dr.
Machado enebertou no pnmeiro. < h'iz efecliva
a priso e tomei nm punhal ?" Olympio me con-
fesson p'rlnurr-llnL cumprindo advenir que an-
tes do primeir esnevi : '*''<> /'" "':',<'
sada pelo lidiante hnpettor (Almem) '/'"' mJez
avisar de qne h-ivia alcancado nm ajs s*tnos
deMamv.1 Jote dSarrani>*to, s li horas-d*
*ofe di dio-18 do coirtnte.
Em cujos termo, o qno mais bgeira analyse se
evidencia de minha ronfisso quo ao receber de
aviso do inspector Almoida, mi a casa de Olympio,
j a enctnlrei npinhada de pessnat m pono
que secundavam Aimetda na prisa 1 de ') ympio,
dizendo ser este um dos assaasmus do infeliz
noel Jote do sacramento, e liz electiva a
de prisao que lhe dera Almeida. .
Mus o Sr. Dr Machado, cjiforme ja o dusse.
roubou-me a parte oss.-ucial do periodo, alteran-
do-o seu malevolt caprii lio.
Bisaba mais urna peJra de toque pela qual se
pode anferir o cara-ter do Sr Dr. Machado q
audacioso escocea, o tan de publico,
caixa a S. L. k CoiaftW Mok k SueeM
moflios. Malva ftirdo a W. >?oncew j-^M 4
sores. Mercadorias diversas 1. '.Mitmes a P-
C.
Objectos de encardenatao 1 caixa 'F-.P. Ra-
mos, ditos de viraes 4 ditas a Linden VcTOtnan
4 C. Ocukw, agulhefros etc. 1 caixa a S. [/. *
.oiiabra.
Pimenta 10 saceos a M. Monteiro 4 C., 20 ao
consignatario. Papel WJ fardos a Pereira d.1 Ciu
nha A IrmSos, 389 a M. Monteiro 4 C. Potassa
50 barris ao consignatario, Phosphoro 14 caixas a
P. d! Gnnlia & Irma, 10 a M. Hdliday, 31 a fel-
trao 4 Filho, 15 ao consignatario, 10 a Goneaivos
Ferreira, 10 a M. Monteiro 4 C, 12 a S. L, A Coun-
bra. Pedra pomes 3 caixas a C. H. Carl. Prcgs
17 barris a S. L. 4 Coimbra. Perfumara 10 cai-
xas aos mesmos. Pedra de escrever i caixas
idem. Pentes 1 eaixa dem. Pelles preparadas I
caixa a P. da Cunha A Irhiio, 1 a S. L. & Cojnv
lira.
Quinquilbi ria 1 caixa a Monhard M. 4 C.
Sag 20 arrafues ao consignatario.
Tecido 2'caixas a S. Castro 4 Almeida.
Vidro 4 caixas a Duarte Campos, 8 a s. L. *
Coimbra, 3 a M. Monteiro O, 3 a F. Monteiro.
Velas stearinas 10 caixas a P. da Cunha 4 Irniao.
50 ao consigna'ario. vinlio 50 garrafes, 325 cai-
xas e iO barris a M. Monteiro 4 C.

;i verdade
non levar avante sna perfidia.
OSr. Dr. Machad) pwliiica-:i)e de arbitrario e
trimimH, na.prisao de Olympio. _
Poisneui I margem (|uestap de palavras,
aewitoO Sr. Dr. Machado a luva qpo lhe atiro a
face : venia s paginas deste Diario, esc
era em vellas 40 caixas a Prente \ launa U,
!9 a C J. Silva. 15 a Correa Moracs, 10 a Rabelio
le C, dita simoles 14 Tardos a C. J. Silva. Clca-
lo 1 caixa a Oliveira Sobrinho, 1 a Nunes Fin-
lei, convencer-ine desse arbitrio, desse carne, cel-
lo de ipie, se o contrario fizer. deixa- o-hei esgani-
car a volitado, guardando completo silencio.
' Sao fallei em partido de bem ser, conforme in-
sina o Sr. Dr. Machado : disse que me na deli-
cava a servido di partido ao-tew urm, com esnecialidade da prono-
A questao do dia.
I'.' a qoeetao das carnes verdes a questao do da,
a questao mais moinentosa.
mas nada so ha obtido.
Q
ante
Muito se lera dito ;
loando a opinio paWioa, porem, desesperava
9 argumentacao continua, obstinada doillns-
tres defensores do sup!o marchantes sujo monopolio desafiara as altenf.5es
do governo, e'a lllnstrissiraa' cantara municipal
como (jiie desanmava ante os eSsitos perigosissi-
mosda iiiexafotabilidade da hnlro da ctfeb'e liga
tifiensii-a e dnnislea ; a asscmbla provincial ii
pirando-se em elevados motivos agitada porn
iatuitos, -aborden de face a nwMtrwtta'tpkingv^ e
ei-la em via de son lar-llie os mysterios e, por as-
sim dizer, desmacara-la.
Quando tinha-so choga.lo quasi qu- a evidencia
do que faltavam a cmara municipal as necessa-
riaa energas para debellar inimigo too ser o eomu
o constituido |i?los Srs. marchantes; espanto cau-
sa que a mnnieipalidade boje externe resentimen-
t
bl
ije
ciaque me vio nascer, e qie ueste
perdi fok-ava estar de perfeita harinosa 1
Sr. Dr. chefe da polica e S. Exc. o Sr, pi-
da provincia. ..
Anda nesta parte revoltanU a peni na
Dr. Machado. n ..
Subtrahindooqualilicativo^niK o^r, di- b-
chalo transcreve simplesojente f> adverbio1 wate o
auxiliar ser, e conclue que a/o.Sr. presidente eo
Sr chefe de policia nao ptrlencem ao partid) ao
dolencia e do er-m- seto duvida o inverso de
qne tora escripto e feito publicar sontra estes ms-
U netos oavalheirds.
Se o Sr. Dr. L r
furos de direito romano, liouyera alcancail) qne a
ros.
Mea Machado tWesse alguraas I *-
. romano, houvcra aleanoad) qne a
exoressio bem ser peroi-traduz fielmente o
ase r.iritn'.s-Am inspirados legisladores, ese ao
inen is a tivesse dos iurlseonsnltos patrios, nao n 1
Mbmria uaia tal consequcncia, por 11 u.lo entiv u.
ts praxistas, o abalisado 5r, Pimenta Bueno,
[lkeriamene necemrio nao tLaae a commn-ii-
,! de, mus tim'ietaque,cuH tndichtu seja feliz
o bem ser desle Mas o Sr. Dr. Machad) nao t-m dossas tufaras
ipfe de tirio nao scvein para pintar as barbas de
11111 velho pichla.
Recife, 26 de abril de 1873.
Americo Helto dejendonca.
sa e dos eonjuges, nem d liberdade de ideas dos
membros das juas cmaras que resolto mal para
a soeiedade ; olio certamente destes casos que
,1 Sr. Dr. Lucena quer tratar c quo o eruMMMI-
lisia da Provinch segnron fofil vtrfaw,eomo um
apoto para mostrar que o Sr. Dr. Lacena tinta
claudicado em direito criminal _
Apezar da opiniSo do criminalista ua Prona-
...//todo o mundo salteas inmensas dtllicukades
que ba n'iiin processo, quer por denuncia otiicial,
quer particular, quer por queixa.
A difllcnldade que lia dse provar o crime do art
2'8, artigo o mais infring lo do cdigo, c que a
nao ser preso em flagrante o infractor, ou haver
umitas pravas, julgado o crime rrto provado ; os
furtos de cavados, meio de vida tao allament
profoseado, e que apezar de ser classlllcade pa
imposicaj da pena como crime de roubo, da-se
cootinnamettte sem que alm dos casos de An-
n adiada do objeclo, dillicillimo de
SBSSaO JUDICIARIA EM 21 DE ABRIL
DE 187.1.
RIDENtA DO EXM. SI. c.ONSBLIlEmO ANSELMO
FBMtcuco rnnETTt.
Secretario interino, ofkial Torres.
As 12 horas o 10 minutos do dia, achando-se
Ksentes o? Srs. desembargadores-Silva G.-.ima-
raes, Reis e Silva e Accioli, e os Srs. depulados
tinto Bastos, Candido Almforado e supplente
Pereira Reg, faltando o Sr. deputado Lopes Ma-
chado, o Exm. Sr. eoo.selhero presidente abri a
ao.
Fui, depois de lida, approvada a acta da sessao
de 7.
CotnpaoeQMi oSr.deserabfirgaaor Motta, e-reti-
rorj->e por nao estar presente o Sr. deputado Lo-
MachadD, com quera se devia proceder o sor-
eio pora o jnlgamento do feito ontre partes : ap?
llante Joaquim Severiano Nogueira, appallados
uso IrmSos.
ACCORDOS.
Foram assignados os que foram psofendos- na
io d 3 de corrente, nos feitos seguintes : ap-
pellantes Vendes Azeveio 4 G., ayoellados os ad-
minfstradonis da massa fallida, d* FenzandoStep^
pie da Silva.
rancia
provar.
Ora.ningoesn qnercr denunciar e;n tacs cases
ou darqm-ixa. porque reccia-se, e bem que nao
seja isto base de um processo de injuria, a vista
de encontradas opinioos sobre'ser ou nao a de-
nuncia 011 queixa, nina injarU ,1,
Ainda 1 a mais o crime previsto no capitulo 11
da seccao 7' contra a seguraflca da honra.
.Singuen! dir, 0 pelo contrario muito accusa:
do como desigual a? peas impostas aos seducto-
res, etc. ; alem da pena sor uimiamente pequea
em relacto aos crimes dos arta. 211) e 227, oceji-
re que ieulnnin reparacao resulla dessa pena.
! Esses casos que sao gravlssimo. que dizem com
o primeiro elemento da vida social, a honra e que
se tornam questoes vergonhosas o inuteis, levadas
a juizo tem nm remedio mais prompto na consum-
uiaeao do um crime, que ero taes casos considera
como a nica repara.ao possivel, a nao ser o ma-
trimonio.
A lei da re'orina judciaria, alargando mais as
garantas das pessoas qne -infringen! a lei, e por
mitro lado restringndo a arcando certas autorida-
des, tornou mais fcicil a inraccTio dessa le.
Alm disso, a summa facilidade que ha no ju-
ry'em se conceder soltura aos reos, concorre nul-
para a reprodcelo de crimes
.Nada prava, o repar da Provincia quando diz
como se pode conformar o conhecimento ampio da
reforma pelos que utentam contra a seguranca.
dito por S. Exc, quando disso uaver tanta falta de
instruccap I
Ora, e prec-o confessar ipie ha mnita subtileza
de argumentacao !
Osinteressadoe nao sabem quo garantas, tui
para commetter suis violsncias violencias que o
jurv julgar nao provadas 1
E quera njio sabe que essa instituicao um yer:
dadeiroabuso, enje resultado nao corresponde a
grandeza de sua livre institucit.
O, criminalista da Propnela prava muito Iki
f e innocencia.
Nao sabe qu? o prestigio das autoridades poli-
ciaes, as nicas qu.; estar* inmediatamente okciga-
Tlas a velar pela paz e h-aaquillidade, pela segu-
ranza publica e individual, cau. excessivamente
decaliido I
E quem contestar isso, rraem negar que a re-
forma judiciara veio quebrar a forjada auton-
dade e animar o dllelos pelas franquas que
concede aos infractores d o cdigo criminal ?
E.a propria Erovinc ia reconijeceu esse mal
s pela medida de toafto pnWfci que a assem-
>la chamen a s realisar, desesperanzada de que
o lizesse a mesma illustrissima cmara. _
De feilo, uestes nltinios lempos a iilustr.ssiuia
.amara muni'ipal, propositalmente 011 nao. tera-se
distinguido pela morosidade constrangedora que
precede s suas mais insignificantes deliberara-
'.oes.
A manera porque se ha portado ella, ja em re-
lacao a questao de que nos oceupamos, e que boje
fi'zmente pende da assembla provincial, ja com
reforeneia'a dos til fiadores de carnes verdes 0003
tinte de una pelico destes e que al para a es-
pera de una Informagao desde 10 de Janeiro ul-
timo, qii'slo esta que tem com a primeira es-
treita afflnidade ; parece-nos que naddeixa a me-
nor duvida a respeito do que. ayancamos.
Causa estraiiheza que tenha sido tao menos-
presada una peticn, cajo assumpto por Impor-
tante receben da presidencia da provinriao inais
enrgico e expressivo despacho ao ser levada ao
conheciinento da ilhutre edilhla I
A isto accresce que, como da mesma policio se
depreende, o inmediato destimeato della impar-
taria nm grande golpe desearragad 1 sobre o prejn-
dieialissimo monopolio dos Rrs. marchantes, per
fodo publico condemnado ; visto como, creada
eomo all se pedia o pede urna matricula para os
tomadores, cercada de certas garantios para tal
classe c para o publico, ao mesmo tempo que os
eollocasse independentes do jugo frreo daquello',
tirar-se-lhes-hia das rniios um dos elementos de
" Ujue se servem para opprimir o consumidor-o ta-
' Ihador escravo, e o tal ador livre. mas sem I ber-
dade de aceSo, dependente, que quas o mesmo
i|iie se rescravo.
Por assim dizer, o que queriam e qu ere 111 os
talhadores de carnes verdes a emanc.ipac.lo de
sua classe da tyranna do monopolis.idor daqnelle
genero, qualquer qno seja o carcter da que elle
se revista.
Entretanto, quando j o escravo vai ficaudo sem
nenhuma significacj) social, quando de dia em
dia vai avultando como urna monsti uosidade ; os
Srs marchantes.por iirleresscs muito intimos.fazeta
p de castello para conserva-Ios a todo o transe
em una corporagao, que como todas as oulras da
soeiedade tem.o direito de exigir o respeito e con-
sideracao devidoao hoinein livre, senbor dos seus
actos.
D'abi resulta e resultar imiila vez, que o es-
cravo, cedendo automticamente ventado abso-
luta de seu senlior ou amo, pratiqnc actos menos
bnenos, cujo dezar recaa sobre toda a corpora-
c.ao.sem que ella.entretante.ten'a para isso concor-
rido; san que ao menos possa ju-tilicar-se perante
o publico punindo o delinquentc com os meios re-
pressivos contidos nos estatutos que os regem ;
visto como aca-se elle, o tallador escravo, fora
Dil^MfHCll.
Liverpool por Lisboa, vapor iglc. Ferf <*)oeen,
consignado a Jolinsten Pater 4 C. manifeslou :
Lisboa. /
Aieite doce 50 barris de opiinto a Rabelio A C,
iiO a Goncalves Betlro 4 Filho, 5 a C. Rodrigues
lleudes. oO a F. 4 Siiccessbrcs. Mpfeta 15 barri-
cas-a J. F. Silva, 20 s iccos^ a Lima doa 20 barris a M. Rocka k C. Allio 88 canas-
tras a Goncalves Be thtfao A Filho. Azeitonas 30
ancoretos a C. Redrigjues Mendos. A lanlas 20
barris a Lima 4 Silva.
Batatas &)caixas a F. G. eS,34/2 ditos itl
Rodrigues Mcndds, 25 a Franco da Cunha, 100 a
Rabelio 4 C. Banlia de porco I3baris a Reg Lima.
Cebla 30 caixas a C. A. Barbosa, 20 a M. de
Barros Filho I',, 25 a ('.. Rodrigues Mondes, *)
a F. da Cunha, 1,00 a Rabelio 4 C., 25 a Pereira V.
ii C, 25 a A. Fl Corga, 50 a F. G. de S. Conser-
va 14 caixas a/Lima 4 Silva, Oa Guedes de Arau-
jo, ti a P. Vianna 4 C. Cevada 20 barricas a I.
ordem M. I'alineira. Carne salgada 1 barril J. *. Saatos.
Cera em vellas 40 caixas a Prente Vianna U,
29
&
d, .
coca, I a1'Arantes. Clula 1 caixa a Carvalho \ i-
Formas de gesso 3 caixas a J. D. J. Sdva.
Livroi72 caixas a Walfrcdo 4 Souza, I a Anto-
nio Guihiariies. 1 Lailhaear, 1 a J. N. de Souza. 1
a A. Bftrbosa. Lencos de seda 1 caixa a I'apoula
4 C.~ Legumes I caixa a P. A. Ferrara.
Mercurio 2 caixas a Vaz 4 Leal, 2 a D. T. Bas-
tos. Massa de tomate 30 ancorlas a Barros li-
Iho 4 C.,0 a Oliveira c l'ilhi.
Peixesilgado 21 barris a TU. A Fonceca &Suc-
cessores, 2 a P. A. Ferreira. Prata em obra 1
caixa a Lehmann Frcres, 2 a Hyvernat.
Typos 2 caixas a J. N. de Souza. Tecido 1 cu-
xa a" Oliveira Sobrinho.
Vinbo 42 pipas e 90 barris a Haberlo & C, l>,
70/5 a Oliveira 4 Filho, 5 e 1/5 a 0. Rodrigues
Mondes, 15 e 75 5 a Fonceca & Successores. 15 e
75/5 a SaunJers Biotliors & C, I a L. Machado,
O a Goncalves Bellit 4 Filho. 2) aneoretas a
Lima & liis. 2 barris a Jos Cuillierin-'., 1 dito
a C. JI Alves. Vinagre 10 barris de 5." a Oiivei-
ra 4 Filho, 2/5 a C. Rodrigues Mead -. \ ellas 2o
caixas a Oliveira 4 Fillio.
Liverpool.
Arroz 100 sacco3 a Souza Basto A ('.., 30a J. I
Lelao, ido a Oliveira Atevedo, S 1 a Guimaros 4
Alcoforado, 50 A.'F. Corga, 2"i aGoBcalves Bel-
trio 4 Filho. Absntlio l a Wild & Aguiliaa
I caixa a J. A, Arante. Artigos de Botica 2 cai-
xas a Barthoiomea 4 C., G a J. S. Ramos
Brinque le 1 eaixa a i. e S k C, l a S. (.. iin-
v.ara, 1 a II. Bit eor. Brim 1 caixa a KOuhard
M. 4 C. 1 a Cramor Fray, I a Hdla Lataam, 1
a Goncalves 4 Irinao.
BISCO >s 5 caixas a Magallivs 4 Irmio,2 I J.
Christiani. Bntfies I caixa a Otl.i 1! ibres. Burras
de l'eno 3 a M. llalliday. llarrillias 33 .barris a
Fernn les da Costa.
Cerveja SO barricas a Soma Bastos k L n>
A F Carvalho, 80 ordem, 10) a Mills Lai'nau k
C. Cha S caixas a J. J, Leitio, I a C. 4 Marlins.
10 a Fonceca 4 Successores, 2 a Monteiro Rocha
& C, l a Oliveira Azeveio, 2-i a ordem. Moa-
do l caixa a Duarte 4 Imiao, 1 a ordem, I a
Christiani. Chapeo 2 caixas a Monhard A C
Goncalves \ IrmaO, I aJ. Ciiristam, I
Jnior, '
',. 4 C i nbia. Touro I c-. a A. D. ntr, I *
Goncalves da Silva 4 Pint 1. C nfeicAo I ra*ka *
B. d Soledadc. Chapeo de sol 2 canas uhIm.
Dito de cab.'ca 1 a Otto Uobres.
Droga 1 caixa Cawrs.
Enfeites de caleva cliU ^ Lertio* Com-
bri.
Figos 4 caixas a Guedes de Aranjo. Fita I cai-
*a a Souza e S C. Ferragem t caixas a Oa
Bohres, 1 a S. S 4 C.
Joiat 1 eaixa a Hweraat, S a LshmaMi Fraras.
yV.r3 l caixa a Lahacar, 1 a UmUmot. La-
vas i dita :' Amaral .Nabuco 4 C. Laaata I ai-
xa a Hyvernat. i^P l *la a S. CastM Al-
Mercadorias diversas 3 vouiom a Vai Uell
a Sdmteiro Gregorio C 1 raTi!*m* ?5r?
4 Guimarte?, 1 a P. de MeMu <-, i a C A*wi-
da, I .1 SwHieira, 1 a Otte Bohres. MMas I a
a S. C. k Miniada. Mindesas I Martins. Mcdicamenu I caixa a Basto Oh^ni
4 C.
Objectos de escriptnrio I caixa ao BngWsk Otmk
Papel 4 caixa a Ladlirar. Pipa* I eaixa a OU<>
Bohres.
Queijo 117 caixas ordem, 93 % Goncalres Bel-
trlo 4Filrto, 18 a 1. J. Cosa, 61 Marlms d>
Barros Filhos 4 C, 6 a J. J. Alves. 40 a J. M.
da Ro;a 4 Filho, 30 a Monteiro Bocha 4 1, f
a Lebre Tasso Inius 4 C, 23 a Souza Basloi 4 C.. a
Costa Anurim ICJ S. Amar!, 17 a Ocrea
Brap, 6 a (Jomes Pires, 5$ a Ferreira CjirraHw.
Relogio I caixa a Hyvernat.
Teciis diversos 10 volnme a Cram-r Frej< I
a Adriano CiC.,1 a L. 4 Gwrraeati. ^VWen-
don V. 4 C, I a F. A Giiimarios, 5 a, Poip-B
4 C, 2 a Monhard 4 C, l a Scqmirn a (iketl
BlindWsrA^-SUJaMiday. :l '** '
Vinno I caixa aKUTliT W. T* rd m a Ro-
berto, I ao B. do Livrauento, a B iluclsr
berk, 2 a Olio.
homfoso cm-
i
sidente
diSr.
OESPACH S DE KXPOBT\:AO JW OU 15 DE
ABRIL M 1H7J.
Para os turtos do e.rtn iur
No navio italiano Dei, para Liverpool, car-
regaram : T. Jefferies 4 C. IW sacra rom 14,730
kilos de aljiodao.
. Na barca ingleza Sea Fo-m, para o Baltim.
arregaram : G. Ncesen 4 C ." farJiw com 10.W
kilos de algodao.
Na barca Bjtau Minera, para Maaireal.
camnram: II Forstrr & t:. W saceos row
110,000 kilos de assurar ransaavad >
No tingue Ingtet i'nm'iria-i Helle. para o Ri.-
da Piala, earregarain Amoriiu lrmao* A C StM'
barricas com 34,120 l|2 kilos de assu-ar branco.
.ia narca brasibira Superite, para Hio da
Prata, carree 111 : F. R. Pint G imaries fi Me-
cos ora 24,Sl0 'fl Vi os d- assurar branro e 37
ditas com 4,061 l|2 ditos de dito masravado.
Na barca portiicueza A leerla, para Pnrt.i.
rarregaram : I. A. de Sena 6 barricas rom IH.",
kilos de assurar brinco ; J. L. Kadich 10 diti-
eom 7711 ditos de dito.
Na galera portiifiieza Vo.-i F.mn parto
Porto, carregou : II. J. C. Sobrinb-i l'iO barricas
com 11,250 kilos de assurar branco c VI dilas roni
3.750 ditos de dito tnascavado.
"ara partos do inlrrior
Panto Rio Grande di -11I. M pat.vho na
cional S'iNr/t'ic.'.'s, -arr ^arain Sda 4 Cisra
100 saceos com 7.1500 kd ts i asarar 1-ranr.i
L.J. SjGohnarcs 20) barricas rom 10,60.1 l|2
dit is de dito.
Rara Druguayar.in. n> navio grimamco
Thetes, carr.-garam :'Carvalh> ,v Nognra J42|2
barricas com 1(1,0 s kilos de assurar branro .!. 1
dit i- cen 31,93/ ditos de dilo m.
Para Santo-, no locar hrasil-'im Amihi.
carregon: A. O. Leite l.'wn ->. c m 5M.75".
kilos deassnear iweenfie.
Para o Para, no navio pirlnzitn fcfarre /"
rarregaram: B. Otivelra* :. *.,i nrMai rmn
3,711 kHos dn a--ucar branoo.
Para Mossor, na b.ucivi S. J >.
rain: B.Gomes i C V barrir
assucar branro,." pipas rom 1V0 litro; .1
ra
1 caixaO cora ^7 kil de d '
CAPATAZ! A DA
Rendimonto do dia 1 .1 2-
Ideiu do da 20. .
ALFA.NDFGA
. 13:6
la Keller i C, I a Olio Boln
PRACA DO RECIPE 2o DE ABRIL
DE 1873.
AS 3 1/2 HOllAS D\ TABDK.
Con<*es ofJiciacs.
Algodao de 1" so'rte froxo 9ft00 por 15 kilos,
bontem.
Ugodao -Mediano 95100 por 15 kilos, hontom.
Mgodaoi* sorte 8^100 por 15 kilos, houtera.
,0 sobre Londres a 90 d]v. 2G \y\ por
130:0, bontem.
;;iiiourci;
Presidente.
A. B. Pinto de, Mesquta,
Pelo secretario.
ALFANDIG\
ftendimenio do dia
dem do dia 20.
1 a i>.
96i:7ioHil
i5.141*369
1,00): 835*3:10
Gregorio 4 C,
i 1
a Dttarte
[8, 2 a I
'i a Crmer Prey, 2 a Rodrijiues
Innao 4 Guimaraes. 1 a Cunha & C Chatos 3
caixas a Crainer Frev. Cobre i ennhete; a Suva
Barroca 4 Fillios. Cutilarlai 2 caixas a Silva 0|
Uves, 2 a M. Halliday, l a S. Leitlh x Coii ibra, I
a Vaz A Leal. Crdame '18 lardos a Keller 4 U,
I aP. Johnston. Cavilhas *l caixa a. mesm;.
Conserva 17 caitas a G mjalvos Beltrao ,x Filho^a
ordem. Charuto 1 caixa a Christiani. Chapeo
de sol 2 caixas a Adriano Castro i C, l a P. sil-
vi 4 Cselo,! a Alcoforado Vieira C, 1 I M Gre-
gorio 4 C, 2 ordem.
Drogas H volumes a J. Rodrigues das Untas,
\ aCaors, 16 a Barth doineu .V C.
Estopas 7 fardos a Keller 4 C
Ferragen 2 cartas U. HaHiday, 1 aos c iwg-
natarios, i a Simpson & C, 3 a Prenle Vianna 4
C 4 a S. Leito & Coimbra. (> a Shaw kw.kcs*
C' 2 a P Wild 4 C.. 2a Goncalves Ferreira, 1 a
Otto Bo res, 5 a S. P. Jo msten, 14 a J. A. Arau|o,
& C.,' 1 Bonrgard k C. 6 a Vaz & I
t :pj
VOLUaTCS SAHIDOS
Nodiala25.
Primeira pi rta n 1 du 21 .
Segunda portl.....
ira porto
Trapiche Cunceieao .
SER VICO UARITIMO
Alvarengas desearre idas i" traptel 1
,1... ai'aude-a 1. dia 1 a 5. .
Hilas ditas 110 dia M
. .; no trap. da .ilfaninf*.
Alvarengas........
So trapiche Concoicji......
:
1 .-.
ll
i.-.'
:w.7:-'.
114
m
m
da flandres 50 cunhetes a
Fclhas
Costa Ac Irmao. For-
Fi 1 40 caixas a Cu-
da aceto da lei societaria, por .isso que lhe ne-
gado o direito do associar-se.
A' visto pois do expendido, esperamos que na
prxima quarta-feira, depois de amanha, seja de
(lunhpior roodo cumplido o despacho da presi-
dencia, informando a cmara municipal sobre a
pelico dos talhadores de carnes verde9, que era
seu "poder deseanca desde o dia 10 de Janeiro do
corrente auno, ha quatro meces feitos.
O amigo dos pobres.
Si', ttr. MneliMdo.
m OSr. Dr. Netto li se avenha com o Sr.Olym-
po Jero>i/mo C'avalcaute, amigo nada mais
tem.
Assim principia o Sr. Dr. Machado o seu arti-
go era resuosta ao que dei publicklade as pa-
ginas deste Diario de 25 do eorrente abril.
Qnizera nao termiis oda-com o Sr. Dr.
Hachado, nao somente ora. re'acao a quesci
Olympio, mas qualquer oniro assumpto que me
obrigue a usar (le represalia contra nm collega, e
correligionario poltico
Mas o Sr. Dr. Machado, posto que me offereoa
aquelle nllimatnm,. nao o--desojar, desde que ainda
me arroja a desgresjvel calumnia. Kaz-so,-por-
tanto, iqdispensavl,proseguir nesta ratoi a fe
me impellio-o-.Sr. Dr. Machado.
E'oqtwpasso a.faae.
O Sr. Dr. Machado ueconhece que. eu, as3ist
Descarreuam hoje 28 de abril de 1873
Vapor nglei-F/iv Qutea -merondgrias para al-
landega e trapiche Conceicao.
Lugar france -tito Grade- (atracado) mercado-
rias para ali'andega., % .. .
Patacho inglez Prinof* carvao ja despacha-
do para o ca.es do Apollo.
Bri"iC ingle -Jane Gosd-jcar materiaes para
a. estrada de ferro de S. Francisco para
o trapiche Conceicao, para-conferir.
Brigne allemlo -Miranda -varios gneros para o
trapiche CoaceicSo. para despachar.
Briue ingle-Accidental S/./)diversos gneros
para o trapiche Conceicao, para despa-
char,
Barca allema -Ellida -varios gneros para o tra-
piche GoneefoSe, para despachar.
Patacho allcmao-Jii/dic-varios gneros paa-a o
trapidie Conceicao,. para despachar.
Brigue pormcuez C-tete lagedo ia despacha-
do, para conferir, 110 trapiche Conceicao.
Barca americana-Ca*co-taboado para o trapiche
Coneeic/io. para despachar.
AI.TEIUCVO fiA'PAUTA DOS- PHEgOS DOS CUNEROS
SUJKITOS WRKITOS DK KXVORTAi;AO, XA SKMANA
dr 28 df. AimiL 3 di: m.vio de IffifS.
Algodaoeu rama ou la 598 rs. 0 kilo.
Assiicar-mnscavado 128 rs. o kilo.
Ca vao de pedra estrangeiro, tonelada metma-
16*000. .. .
Alfan.tega de Pernambuco, 26 de abnt de
1873
O i' eanferenle -F. das Chagas Galvao.
O 2" con/rente-J. J. Henrique. -
Aiprovo.-Alfandega 26 de abril de I8TO.
o inspectw da alfcmdoga -
Fabio Alexandrino de Carvalho Beis.
RRCEBEDORIA DR
RAES DK
Rendimentu do dia 1
Idem do da 2ji. .
RFXDAS INTEILVAS GE-
PERNAMBCCO
\r.\raim
i^.nAis-

',' ','r
^^H
mas :1 a Cordoco A lrmao.
nha 4 Manta. # .
LoncaW gigosa Sannders Brothers 4 <,., 2 a
ordem. Lin a il caixa? a un'ia k Manta, I a
Goncalves Ferreira, 6 a S. P. Johnston. Luyas i
caixa a Otto Bohres. Lona 2 fardos a Ferreira
Matlieus, 2 a Sa Leirto 4 Coimbra, 4 a Goiu-alves
Beltrao & Filho>'. La 7 caixas a Prenlo \ MM
Manteiga 25 barris a Th.' A. Fonceca Snees*o-
res, 30 a Guimaraes A Alcoforado, 4 cabs a '.>
mes de Maltes A limaos, 7 a Oliveira Azovedo, 2
a Cunha k Maula, 2 a Cunha 4 Irmao, 10 a Paseo
lrmao 4 C, 2o barris a J. M. Palmeua Mostarda
7 barris a Goncalves Beltrao A Filho. Machinas
suas pertencas 11 volumes aos consignatanoj.
Mercadorias diversas 7i volumes a Mills Laman v\
C 2 aS. Castro 4 Almeida. 1 a Goncalves 1 er-
reir. 1 a Otto Bohtrs. 1 a Costa 4 lrmao, 1 a u n-
calves Beltre 4 Filho, 2 a Pereira de Mello Al
C, 3 a Vas 4 Leai, I a Simpson & C.
Objectos de esciiptorio l caixa a Euglish orean*,
dito de esgoto 91 a Drainage, dito de buha turca,
14 a de Olnda. Oteo 2 barris a ordem.
Presunto 6 caixas a Braga Son, 1 a Gon-.alve;
Beltrao 4 Filho. Pimenta 50 sacras a Feniande-i
da Cosa, 1 caixa a Goncalves Beltrao \ biluo.
Pinces para pintor 1 caixa a Simpson Je C. l ro-
gos II barris a M: rmUidny Pfumam 1 caixa
a S. Leito 4 Coimbra, I a J. A. franjo.
Rendas 1 caixa a Otto Bohres, I a Bocha k sil-
va 1 a S. Castro 4 Almeida.
Sabio 2o caixas ordem
Talheres, t caixa a Rocha k C, 2ja J. A. Arau-
Tinta 1 caixa a Rocha A C. Tecido diversos
22 votemos, a L. Machado 4 0, 2 a Goncalves
Inao; 12 a Mordiard Jt C., U a Perdigao OJiwira
uliiin
de 79 I-
a J o4m -
Navioi
Rio de Janeiro.' Babia-.", dia. vapot
qorazo, de 2.443 toneladas, camin.. '.
,| ,11 equipad-Mi 121 carr 1 .iid-u
a Wilson Rowe kG.
Liverpool por Lisboa I das, .n.ltO.
porto 18Vapor inglez F*n t*"*.
miadas, conuinn laiile 1 rlwsMeg,
23, carga f:izeud:i .-'eneros
ton Pater 4C. .
liami.uriM-iOdi.is brigue al.eu> Muamda. 4e
128 toneladas, capit*. V F.-ck, cpjHge..i J
carga dill';rentes geite.os : a Gandid. As. n
Hem
Ui,, Cranle .11 Sol H di.,-, pa'arto P**Jf
alinda, de 1*>1 toneladas c.pi'ao ***{* *u
quun de Montes, e |iiipaciii 7. carga H
robas de carne ; .1 I m |n,m M .1110,10 da '
C
Montevideo-10 dia-. bi mM Amm
reta, -le2.2 tutelada. ca;ota. J.
geni 12, c irga B,4M HTStaM de |
Carneiro 4 0.
ffaviossa nmevmom.
[.ib a-Brigne portngei //" cafiejl.
I.,oes Pinte, cargt :is West'-Iulies -l'alac .1 ain'ioeaii \rlhmr F.fj
cotila 111" di eoi lastro de ar..
Rio Grande 11 sm Barca brasil ten *m
pillo Haximiano Q. R.flnjmes 4a !>dra, r-arg
assneai e ontros genero-
Liv rp 1 ti 1 rl .s iul.T'iudios->apnr ingle am-
borazt* c tmmandanle G nlin, eaff a ssmoi
que irenw4M pr'- di-ui
\mmml
o. ifem-
1 mm ; a rere n
JO-

\m.
Iiuportucao
Uamburuo, brigue allemo BiVond, consigna-
do a Candido A. Sedr* da Motta. mamfestoo :
Ateisto 20 barricas ao consignatario, 15a M.
YrimeiroAC Agnlhas 1 caj a S, Leitoo 4
Cotemra. Atoatro, .20 liarns ao TOiis.gnatario
\rame 2 caixas a S. L. Coimbra Amostras I
(tacte a Monhard 4 C. i a M. Mouteiw 4 1.., I a
l R. e Silva. Arroz 50 saceos ao. oonsignatane.
Ralanca I caixa a. S. Le tilo A Coimbra.
Cimente 100 barri*s a M. Monteiro t C. ue-
vadiuha 30 garrafes ao consignatario. Cachiot-
bos t caixa a M. Monteiro fc C. Covada lo harjis
a Th. A. Fonceca A Successores. Cassia lft ca-
Xas ao consignatario Cadarco 1 caita a S. I^eitao
4 Coimbra. Cacado 1 caixa aor mosmos.
Drogas :l cartas a Maurer 4 C
>Fio de la 1 caixa a J. R- Silva, 4 fardos a Mo-
p'nard 4 C. Figura de estanto I caixa a S L.
Coimbra. Fita 4 caixas aos raesraps. Ferro 300
barris ao consignatario. Farinha, de trigo 50 bar-
reos a Th. A. P. A Siftoessoros. Perragem 4 cai-
eMir -
A Irmao, 2 a Bastos 4 Silva, a Silva 4 Cardo,
1 a Arruda A lrmao, 1 a Flix Caotalice, 46 a
r
ler 4 C..V Ohrell Blendas 111 a L. A.Si pieira,
15 a A. F. Oliveira A C, 10 S. Brothers A C. 4
tLeoden W. A C, 14 a llild A C.43 a Burle A C.
5 a Jafferies, 53 a Craraer Frey, 7 Oliveira Sobri-
nho, 25 a Mills Lateara 4 C, 38 a Ferreira
theus, 17 a Rodrignes Irmaos A Guimaraes 1} a
a Silva BarrocaJr. Fllhos, 23 ordem. To:Ulus
4 caixa a Ribo Scoamctoau, ...
Kc'.las 2 eaixasaanison 4 C. ferrar I caixa
a J. S. Ramos _
-Fortosda Europa, vapor ingtei Douro, con-
signado a AcHpwe t C laaoifestou
T Amostra kcAisa Duarte Irmo,
va 4 Oscao, 1 a Mills L. 4 U
RaiatAs 10-cacas a Guodo de Araujo,
oSG.* Araujo. ChaSeitai
a Ihoraaz doAquin fonceca & Successoro Ul-
l a P. da Sil-
Edital 11. 117.
Pida inspertoria da alfanitoga se lu
ipie na.i se tendo envinado a vw*
ra abaixo declarada, aMWKiada p
lio, por falla de cm-un*iia a* **
se transtere a mwna vwil. pra as It tnrao *
.Ua-29, a porto dosU roparuoj.
Arntaieiu a __
... ,1 lmum da tao me f"km paito do c.u. a
do da caixa, marra OB n. 172, viuda de bw
pool no -vapor ingle Otrmn, desrairfala>em,
18 le marco prximo f$m\i avaadw Wf*m*
onles o abandonadosaot dirwilo per OHa Mi ><
Alfandega de Penambuco, 26 de abril de
O inspector.
Fabio A. deCarraB
^i^x% wasr... irftcWvssrviSK.a
m i. pela inspectora da altondegaMjBM
se lia de arrematar, a P'n'to-desto MpefWfl
vre de direilos, s U Uer do mJtmtm
le, a mercadoria abaixo dclar.
Annaaea n. i.
Dei chapeos de palha da ItaUa e vni
raspa de pinho intestados c. avanao fw m
parte do rontedo da aixa, mm
4; viada de liverpool m wpw mfm L*-nmj,


---------------
*?
'.
Wario rinda no presente me aykdB por 60*000,
t abandonados an direilos porOlnha 4 anta.
Ailaudega do Pernambuco, i0 do abril de 1873.
O inspector,
Fabio A. de Carvalho Res'.
uECURACuES.
Capatazia d'alfandega.
A gerencia 4a empreza da* obras e cap: ,.,,-/;i
. di alfandega de la provincia Ui saber .i>.', reguei-
- tavel corpo de eouMMtnln, e qneui. ,nais interes-
ar posa que a eoodicao o.- do eu contrato com
o governo imperial foi alterada por ordeiu do the-
bouto n. 67 de 26 de marco ultimo : pelo que do
i* de maio prolimo vindouro em (liante as taxis
constantes da mesna condicto, quer das mercado-
as a esse lempo existentes mis armazens cargo
a empreza, quer das que forem recolhendo,
serio cobrada do seguate modo :
i.' J00 reis diarios por tonelada mtrica de
-arqueacao, sendo navio, 150 rois sendo alvaren-
ga, lancha, barraca ou cadoa que atracados as
pontea da alfandega e dos trapici es e armazens
custeados pela empreza carregnem ou descarre-
uem ; e raetade destas laxas nos dias em que es-
tando estas embarcar oes atracadas nao carreguem
ou oescarregaew, salvo neste ultimo caso quando
tasoi acontecer por motivo de terca maior a juizo
do inspector da alfandega.
_S.# 800 re por tonelada mtrica de arquea-
alarga ou descarga do navio fundeado dentro do
rio que nao atracar as ditas pontes, e desem-
toda a sua carga, sendo ueste caso a alva-
rengaX, lancha e sua couduecjio forneclda pela
mpri'za-VNo caso contrario pagar a
por tonela
f Ve orden do 111 n. Sr, inspector da theseu-
rarla de fazenda desta provincia, se faz P**',!.^
para coiihecimento do quom iateressar, <; :'''}'
30 do rorrcnto nicz, jkjUs 2 horas art'1uo dia
rante '-t-fada mesma ltW-Mr5, u.ac> Pf"
n>,_ da ruado .,gueira de*ta capital
v^r^UL*1 *w*ti de fazenda, li de
abril de 1873.
O nflirial maior interino
_____" Callos Jna de Souza Cnrrcia.
Tendo a tfiesouraria de fazenda, em ruin ri
ment de ordem superior, ile remetter diver-os
carxoespara.os tennns do Garanuns, Bom C.n-
selho, Buique, Villa Bella, Flores, Iugazeira, Ta-
caran!, Floresta, Boa-V.sta, Petrolina, Ourieury,
Cabrobo e Salgueiro, o Illin. Sr. inspector man-
da convidar a quem se queira encarregar dessa
remessa para comparecer nesta repartirn, em
ualquer dia e durante as horas de sea expe-
COMPANHIA PCt.YUBLCANA
nyegnyla :araa m w<
rARAHYBA, NATAL, SACO, MOSSORo'rARACA-
TY, CKAKa, MASnXri', ACARACU' E%RA!WA.
O vapor fojmca,
cominandanle Monra,
seguir para os por-
tes cima no dia 30
da corrate, s o ho-
ras da Urde.
Recebe carga at o du 2K, enrommendas, pas-
sageus e diuneiro a frete at as 2 hora* j* urde
ente, alini de tratar-se do ajuste.
Thesourari* de fazenda de Pernambuco, 25
de abril de 1873.
0 2.* escriptuxario servindo de secretario.
Carlos Joao de Souza Correa.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico que
tem aberto concurso para preenchimento das va-
gas de pratieantes existentes na mesma thesoura-
ria, e marcado o dia V de junho prximo vindou-
ro para terem lugar os respectivos exames, que
versante sobre as materias de que trata o artigo
9-do decreten, i 183 de 6 de abril de 1808, a
saber : coiihecimento perfeilo da grammatica a
lingua naciojw/,- da aritbmetica at a theoria das
- dita taxa I proporedes inclusivamente; devendo reunir o can-
je mercaiioria eiTectivanjtnt des- didate ao conhecimento dessas materias boa lettra
-carregada. Eslk tox> s -Aira execucao quando
- conven'a a empreza encarregar-se deste ser vico
3.* 40 reis pelo embarque ou desembarque
de cada voluroe nao excedendo a 50 kilos. Ex-
edendo deste peso, mais 20 reis por dezena ou
fracfo de dezena excedente de 50 kilos em cada
volunte.
Sendo, porm, bagagem" 500 reis por volume
al 5 kilos, e i 000 por volurne que exceder de 5
kilos.
4. armazenngem calculada e cobrada sobre a
importancia dos direitos de con umo nos termos
do art. 13 do decreto n 4,510 de 20 de abril de
1870, isto :
Oo dia immediate da descarga at 6 me:es na
razao de I por cento ao mez.
De 6 mezes at um anno 1 l|2 por cento ao
me :.
De 12 at 18 mezes 2 por cento ao mez.
De 18 al 24 mezes 3 por cento ao mez.
Em todo lempo excedente a ti mezes na razao
de 4 por ecnto ao mas.
Entende-se por direito de consumo os estable-
cidos na tarifa das alfandegas inclusive qualquer
augmento addicional nos termos das nrdens do
Ihesouro de 26 de Janeiro de 1866 e 3 de feve-
reiro de 186.
Quando as mercadorias despac' adas forem i-en-
tas dos respectivos direitos, por concesrao espe-
cial e nao pela tarifa las alfandegas, a armazena-
gem ser calculada sobre os direitos de consumo
que a mercadoria deveria pagar se nao gozasse
desta isencao ordem do V esouro de 27 de Janei-
ro de 1863. Neste caso ficam coniprehcndidas as
despachadas para re-exportacao ou transito.
tiuando as mercadorias despachadas para con-
_sumo forem isentas dos direitos pila tarifa, a ar-
niazcnagem ser calculada sobre os direilos re-
sultantes do seu valor e na razao de 3o por cento.
Ordens de o de outubro de 18*>9 e 27 de Janei-
ro de 1863.
Quando as mercadorias despachadas forem es-
trangeiras e vierem acompanhadas de carta de
guia por j liaverem pago os direilos de consumo,
a arniazenagem ser calculada sobre os direitos
resultantes de 30 por cento de seu respectivo va-
lor declarado na mesma guia. Ordens de 8 de
maio de 1869.
Finalmente, quando os gneros forem naclonaes,
a armazenagem ser de I[l por cento do valor
que estas tiverem na pauta semanal e por cada
mez de demora. Ordens de i de agosto de 1865,
16 de outubro de 1867 e 24 de Janeiro ds
1868.
Para base de todos osles clculos e cobranca da
respectiva armazenagem aeirpreza se guiara pe-
le que constar dos lespachos foii-s e procesados
pelas partos e apresentados al andega, os quacs
devem ser presentes empresa pelos despachan-
tes logo depois do pagos e laucados no livro da
recolta da alfandega os direitos devidos ao Estado
nao sendo-lhe portante pcrmittidn exigir das me-s
mas partes fac'.nras ou qunlquer outro docu-
mento.
Quando a descarga d^s voluntes, em um Blas-
mo despacho, lenha si(*o fcita em differentes da-
tas se tomara para base o calculo da armazena-
gem o termo medio dos dias de descarga.
Continuam em vigor as iseacSes de armazena-
gem aques' rearemos rcgnlamentos da alfan-
dega e empreza. <
t.' Pela emisiaj de garantes le deposito, na
lormada .condi;ao oitava, um quarto do valor
das mercadorias nelle mencionadas.
6. Pela abertura de cada ora volume 200
res.
Empreza das obras o capatazia da alfandega
de Pernambuco, li de abril de 1873
O gerente,
_______________Jos Joaquim Antuns.e
Os pretendentes se devem habilitar previamente
com a exhibicao de certido de idade, na qual pro-
veen ter 18 annos completos, e folha corrida, pela
qual se mostrem livres de toda a culpa, podendo
exhibir quaesquer outros documentos que jal-
guem a bem de suas pretenedes.
' Thesouraria de fazenda de Pernambuco 26 de
abril de 1873.
O 2 escripturario .servindo de secretario
_____Carlos Jo-io do Souza C rreia.
No dia 30 do corrente, linda a audiencia do Dr.
juiz de dir ilo da vara do civel, tem de ser ar
rematada urna mobilia de amarcllo em bom esta-
do, composta de varias pecas np valar de 250#, a
qual vai praca por execucao de D. Joaquina Ber-
nardina de Castro Rios contra Hermn Augusto
Ehohardel.
Santa
casa da misericordia
Santa >Casa| de Misericordia
do Recife.
A junta administrativa desta Santa Casa, afora
dous terrenos que poasue no lugar dos Arrumba-
das, luje Huirte Coelho, soh ns. 39 e 40, tendo
aquella 390 palmos e este 309 de frente e ambos
de fundos at a baixa mar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 7 de abril de 187 J.
O eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
do Recife
A junta administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Recife, autorisada pela presidencia,
e de conformidade com o 9* art. 52 do compro
nisso approvado pela lei provincial n. 531 de 9 de
[nabo de 1862, permuta por apolices da divida pu-
blica o predio de dous andares e sotap n. 37
ra da Moeda, pertencente aos estabelcimentos
decaridade, o qual se acha em mo estado.
Aceit propostas na sala das suas sessoes at o
dia i de abril prximo vindouro, e recebe na mes-
ma occa'io propostas para demolir o referido
predio e converte-lo em um armazem terreo, oVa
que devera ser levada a effeito no caso de no se
conseguir a sua permuta. '
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 19 de margo de 1873.
0 escrivlo,
_______________PedroRodrlgues de Souza.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da santa casa da misericordia
do Recie, de ordem da junta administrativa, sao
convidados os prenles dos educandos do eollegio
de orphaos, em seguida declarados, para que ve-
nham requerer a presidencia a sua entrega, visto
que nao podem mais all conthuar em virtude do
que dispoe o art. 45 do respectivo regu'amento
por j terem attingido a idade de 14 annos.
Antonio de Mondonga de Albuquerque Mar-
nho, lilho legitimo de Jeronvmo Salgado de Al-
buquerque Maranbao e Harta Candida do Albu-
querque Maranlio, j fallecidos,
Manoel Rodolpho Cordeiro l.eite, lilho legitimo
de Mara Rita Sarment do Reg.
Antonio Pedro de Alcntara, lilho legitimo de
Mari a Isabel de Jess.
Francisco Cnncalves Guimares, lilho legitimo
de Anna de Sales Cavalcante.
Joao da Cruz Mello e Maia, sobrinho de Rozen-
da Umbelina Ferreira de Mello.
Monocl Theodoro Goncalves da Porjiuncula, li-
lho legitimo de Candida Rosa Sampaio Porci'un-
cula.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 12 de abril de 1873.
O esenvio,
Pedro Rodrigues de ?ouza.
para crianzas comerem na me-
sa, adeiras para scripteirio
de piano (com rdscas), cadtiras
le guaniiqao de differentes na-
titiras e eiton, livroa de direito
e litteratura, Upetet, facas e gar-
fos pjira sobremesa, cryatat-s ferentfs, cabi ea e qu: rtinhei-
do dia da .-aluda : eseriptoro na Kor* do Mauos J ma nar m,r lo K i
a.lt ""jrwa para parea?, o ojelos deou-
ro prata e infi.ii lade c'eubjea-
toa do uto domestico.
TERCA-FEIRA 28 DO CORRENTE
NA
FEIRA 8EMANAL
16raa do Imperador n.16.
Armazem.
PAKA'
Para o referido porto segu com poucos dias
le demora o brigue portuguee Liyeiro III,
capitio e pratico Nobre, por ter mais dedoos
tercos de seu carregamento prompto, e para
o que lhe falta, que recebe a frete commo-
io: trata-se com os consignatarios Joaquim
los Goncalves Beltro Filho, A roa do
Commercio n. 5.
BaEi
demora
para a pouea que lhe
dignatarios Joai|uim Jos Goncalves Beltro k Fi-
o hiate Olmta, por ter parte da carga, e
falta, trata-se eom os con-
DE
20 saceos com arroz variado
QUARTA-FEIRA 30 DE ABRIL.
| ti. m "orHN
O agente Pestaa far leilao, por conte e risco
Para o referido porto segu com poucos dias de .* 9uem Prtencer, de JO saceos com arroz a?a
Ihos : ra do Commercio n. 5.
Para, a Baha
o hiate OaailmUi nge nestes poneos dias : para
o reste da carga trata-se com o consignatario Cus-
todie Jos Vianna, ou ra do Amorim n. 39.
Para o Porto.
pretende sahir muito breve a gdera portugueza
Nova Fama II por ter grande parte do seu car-
regamento prompto. Recebe a carga que lhe fal-
ta a pn eos mdicos, e tamben) passageiros, para
os quacs tem ptimas arconimodacoes : trata-se
com Tito Livip Soares, ra di Vigario n. 17.
Para Lisboa
o brigue portuguez Bella Figueirense, capitn Bar-
ros Valente; este navio vai sahir dentro em pou-
cos dias, e ainda pode receber alguma carga e
passageiros : trata-se com E. R. Rabello C, ra
do Commercio n. 48.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\iMcgnc4e e*(eiria m vapor.
MAMANGUAPE.
O vapor Coruripe, com-
mandante Silva, seguir para
o porto cima no dia 28 do
corrente, s 8 horas da tarde.
Recebe carga, encommen-
das, passagens, e dinheiro a
frete at as 2 horas da tarde do dia da sabida
f^seriptorio no Forte do Mattos n. 12.
riado com agua do mar e serio vendidos quarta-
aira 30 do corrente, as 10 horas da manha.no
armazem do Anues.
LEILAO
DE
bancos, ferramenta, madeiras e mais penti-
cas da ofcina de marceneiro da ra do
Rangei n. to.
Na teja do sobrado emtjue mora o Sr. major Si-
moes.
QUARTA-FEIRA 30 DO CORRENTE
O agente Martina far leudo requerimento de
D. Alexandrina de Souza Guimares Vieira, in-
ventariante dos bens deixados pelo fallecimento de
seu marido Antonio do Couto Vieira, e por despa-
cho do Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos, da offleina
de marcmeiro ra do Raagel n. 60, cujo producto
er applicado ao pagamento de alugueis vencidos
da mesma ofllcina.
A's 11 horas do dia cima, na m 2 ma o 111. na.
Protesto.
Prcvine-e ao rsoeiiavcl publico, qae
do do Puco da Parn-lia, em que reside actoaanea
te o Sr. Dr. Scraphico. .-.nminriado para mt Mu-
llido |telo Sr Francisco Igiuii.i Pinte, afoMe V
leudes, esta Mljeate a nina doario da quantia aV
loMMNti ; e o abaix-> a-si miado pri<-ta contra a
pi-ssoa que conip-.ii dilacMa. Rci'e, t A* abril
de 187H.
___________Giiiilwnii' l'urr.l_________
Kesposla ao proleso.
Vende-se
l'm sitio na cidade de Olinda, aJm de
ter urna boa casa de vivenda para grande
familia, tem muitos arvoredos de fructos de
todas as qualidades, e excellente agua de
belier ; a tratar nesta tvpographia.
m\ da fnim..
AOS 5:000^000.
BILHETES GARAIVTIOS.
i' ra Prtmetro de Margo (outr'ora ra do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sens fe-
llzes bilhetes, um inteiro n. 1701 com 5:01)04, um
inteiro n. S7 com 804, um inteiro n 76 com
fK u.lJi.12S0 BJ2??u!m, .,0* e >: "wqnenria nem eUe nem III! oolrn, po-
bou de extrahir (i7.-), convida aos possuidores; fazer do dito sobrado, por ter olla Tiiada
a virsm receber na conformidade do coslume sem' residencia dcliiiitivaiiiMitr
descont algum.
Acham-se venda os felizesakilheles garantidos
da 3' parte das loteras a beneficio da igreja do
Guadalupe de Olinda (), que se extrahira na
quarta feira, 30 do corrente mez.
PRECOS.
Rilhtte inteiro 6*000
Meio bilhete 3J000
_ Quarto 11500
X EM PORCAO DE 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 5500
Meio bilhete 2J750
Quarto 1/375
._ _______ Jf'inocf Martins Fiuza.
Avisa-se ao Sr. Guilherme Pnrcdl ojae o
do no Poco da Pane lia, em qoe rrsMt i
te o Sr. Dr. Scraphico prnpriedade
I) Mara Joseqha Kawlmson e nao r doacao nenhuma como pode eria>ar ele,
qualquer interessad consultando a estriptare 4
compra no cartorio do talHIio Alcnnda, par
consequencia nem elle
a na
na Inglaterra
c nonMacio dr
0 NOVO .MEZ DE MARA
Nova cdi\-o rorrrcla r urrrsorn-
. ,. tadn.
Este livrnho, alem do mez de mao, seguid
da devoeao do Coracio de Mara, offlcio das al-1 industria
Sociodade hlrinlia llzf k
Sdeatrt.
No da 30 do corrente s 6 horas da tarde fc~-
vera sessito ordinaria desU sociedade rea da
Uniao n. 23. 0
Ordem dos trabalhos :
ProposU, admissao de socios
commissoes parriac.
Leitnra de una memoria ubre o rmmmerrio da
Brasil ir 1896 a 1871 pete socio Dr. Silva Cao-
tinbo.
Trabalhos preparatorios para a exporir*) arr-
ela de 2 de riezrmliro.
S4o convidados os socios que qnizemn ar-
sistir a< sttssoes ordinarias ; os qw qniz-ren- m>
inscrever para a teitura 4e algiiin traala .-
bre occiminercio, agrifiiltur. uistriicco poh^
segiiin c srsio, 4e r-
t ite rorri-nt1.

(
-T. j *^ .""<*".<" uiuciu oas ai- industria e rtes nara a
nZn i RT1 TT a .n"a,ha mlan,,a' "^.ver-se at/a" M
ac do Roh, J^'h da ^^ meIdi" ^rcteria da Wnl.hl, MMh-, i I 4e
tacao do Hosano, modo de ouvir missa e orades de 1873 ^^
para confissao e eonimunbao, etc., encdcrmido,
pete commodo preco de U : na livraria dos edi-'
toros, ra do Imperador n. 5i.
CRIADO
A. I.aioi-t.lia Um,
I.* MrfT ario.
CizinlrfiN
Leilao
i
roni>\\ni\
DE
.,- w liiiwi.niu.
Portos lo sul.
At dia 28 do c rrente,
esperado dos portes do
norte o vapor Paran,
commandante Pamplona,
o imal depois da demora
do costume, seguir para
os do sul.
Para carga, encommendas, valores passagens,
trata-se no escriorio da agencia, ra do Vigario
n. 7.
Para o Rio de Janeiro
o brigue portuguc Clete, de 1' classe. vai sahir
em poucos dias por ter a maior parte da carga
engajada ; para um resto da carga que lhe falta,
trata-se com E. B. Rabello & C, rur do Gr mer-
cio n. 48.
LEILOES.
ViSOS M4BTW0S7
Kiitituciiia^HO de escravos.
A junta de etnaneipaeo de eseravos creada pe-
lo art. 28 do decreto n. 5,1 :)o de 13 de novembro
de 1872, faz publico pie est funecionando' no
paco da cmara municipal todos os dias uteis de
9 horas da manha s 3 da larde e que segundo de-
- cidio o Exm. Sr. presidente da provincia, vista
das duvidas apresentadas pela referida junta, sao
obrgad s todos os senhores de eseravos deste
municipio a dar id prazo de 3 mezes urna rela-
cao em duplcate de todos (.3 seu9 eseravos, alim
de seren classiflcados, declarando nclla o nome
idade, estado, pronssao, aptidao para o trabalho
e o valor. Observaudo-se que a daaificaeio ser
fiita por familias e individuos que na libertacao
por familias preferirlo :
!. Os conjuges que forem eseravos de dif-
ferentes senhores.
' Os conjuges que tiverem filhos naseidoa
livres em virtude dalci e menores de 8 amos.
3. Os conjuges que tiverem filos livres me-
nores de 21 annos.
i.* Os conjuges com til-os menores eseravos.
o. As mais com filnos menores eseravos.
6. Os conjuges sem fllnos menores.
Que na libertario por individuos preferirlo :
1." A mai on pai com tilhos livres.
. Os de 12 a o l annos de idade, eomeeando
pelos mais-mojos no sexo feminino e pelos mais
velhos no sexo masculino.
Quena ordem da enancipaco das familias e
indiviJuos sero preferidos :
!. Os que por si ou por outrem entrarem com
certa quota para a sua libertacAo.
t. Os mais morigerados a juizo dos senhores;
.em igualdade de condcoes a sorte decidir. Que
finalmente incorrtrao na pena de prisao aquelles
que de m fe nao derem na classilicaeao os no-
nes dos seus eseravos.
Recife, 2i de abfil de 1873.
. Bento Jos da Costa,
Presidente.
Manoel Joaquim Silveira.
Francisco Augusto de Almeida.
Real companhia de paquetes
inglezes a vapor.
>To dia 29 do corrente, espera-se dos portes do
sul, o vapor inglez Boy>. commandante F. Reeks,
o qual depois da demora de costume, seguir para
Soutliampton, tocando r.os portes de S. Vicente e
Lisboa.
Para fretes, passagens etc., trata-se na agencia,
ra do Commercio n. 40.
COMPANHIA PERNAMM'CANA
DE
.X uv <*,< l MACEI, ESCALAS, PEUEDO E AIUCAJU'.
0 vapor .Mand'ih,
commandante Julio,
seguir para os por-
tes cima no dia 30
do corrente, s 3
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 28, encommendas, di-
nheiro a frete e passagens at as 2 horas da tard
do dia da sahida : eseriptoro no Forte do Mal-
los n. 12.
LEILAO
por liquidaco.
De candieiros a gaz, sobresalientes para os mes-
mos, pendentes, arandelias, estatuas, chafarizes
de Ierro, lavatorios de ferro, caixas com appare-
jhos para viagem, venezianas, cabid.ss, fructeiras,
jarros de ferro, bengalas, campas, bandejas, pila-
res de bronzo, panos de ferro, tubos, tomeiras,
candieiros para kerosene, globos, balanzas deci-
maes, e pesos de latao.
Urna mobilia de mogno, porta-relogios, muitos
e differentes ohjectos de cima de mesa e muitos
ou ros artigos.
Urna casa de ferro com boas accommodacSes,
montada em grande torren 1, junto estacode
Sant'Anna.
Seguiida-fera 9H do corrente.
Por intervenco do agente Pinto.
No armazem da ra do Imperador n. 45.
O leilo principiar s 10 horas em Iponto por
serem muitos e differentes os lotes.
DE
4 caixas com latas com graixa e 600 libras
de manteiga franceza em latas.
SEGUNDA-FEIRA -28 DO CORRENTE.
s O horas em ponto
0 agente Pestaa far leilo das mercadorias
cima, por conta e risco de quem pertcncer, se-
gundafeira 28 do corrente, as 10 horas da ma-
nha, 110 amazem do Annes.
M\w) (hs feiios d.i fazenda.
^ Escrlvo Torres Bandeira.
bxta feira 9 de maio prximo futuro, na sala
das audiencias, peranteo Sr. Dr. juiz substitu-
to dos eilos da fazenda, s 11 horas do dia,
iro a pra;a por venda as casas ns. 20 e 22 dn
largo dos Remedios, frguezia dos Afogados, ten-
do una 40 palmos de frente, 60 ditos de fundo,
3 janeas de frente, urna porta no oilaa, 2 salas,
i quartos, quintal em aberto. um qnarto e co-
se-ira ao ido, avahada em i:V0 c a onlra 40
pilmos de frente, 45 ditos de fundo, 2 janellas
de fren'.c o urna porta avaliada cm 300a, para
pagamento das execucoes por dcimas contra Me.-
noel Antonio Ribeiro.
Recife, Sft de abril de 1873.
0 solicitador da fazenda- provincia!.
J. Firmino Correa de Araujo.
MAVEaCAO BAHIWA
Para Macelo, Pencdo, Aracaj
e l tull ti.
E' esperado at o dia $ Je maio o vapor Dantas.
Recebe carga, passageiros e dinheiro a frete pa-
ra os portos cima : a tratar com os seus agen-
tes Antonio Luiz de Olivelra Azevedo & C, ra do
Bom Jess n. 57.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
l'uvegacSo costeira a vapor.
FERNANDO DE NORONHA.
0 vapor Giaui, com-
mandante Martins, se-
guir para o porte
cima no dia 3 de
maio prximo vin-
douro ao meio dia.
" Recebe carga at o dia 2, encommendas pas-
sagens e dinheiro a frete at as'10 horas da ma-
nha do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Mattos n. 12. .
LEILAO
DE
40 caixas com queijos llamengos
SEGUNDA-FEIRA 28 DO CORRENTE
O agente Pestaa far leilao, por conta e risco
de quem pertencer, de 40 caixas com queijos lla-
mengos, desembarcadas ltimamente, e serio
vendidas em lotes a vontade, segunda-feira 28 do
corrente, s II horas da manha.
No armazem do Annes, defronte da alfandega.
DE
nina propricdtde impor(an(e
denominada
Sitio oh Portad'Agua
SEXTA-FEIRA 2 DE MAIO.
Francisco Ignacio Pinte, competentemente auto-
risado pelos nrop rietarios do sitio cima dito, e
com liecnca do Illm. Sr. juiz dos orphaos, vende-
r a mesma no dia 2 de maio prximo vindouro,
ao meio dia, no seu escriptorio, ra do Bom Jess
n. 43.
Apropriedade tornase muito recommendavel
por ter diversas casas de moradia, olaria c gran-
de baixa de capim, e pode produzir una renda
annual de 3,;.00 ou mais.
PROTESTO.
Symphronio Queiroga tem procurado impedir a
venda da dita propriedade, insistindo era se julgar
com direito a urna porciio de Ierra e urna peque-
a casa que faz parte d'ella.
O pretendido direito de Queiroga nao existe, e
querendo elle faze lo valer em juizo, decahio da
accio que para isso inlentou e proseguio contra
os herdeiros do lente-coronel Florencio Jos
Carneiro Monleiro
Os accordos que abaixo se transcre-ve, mos-
tram haver elle decahido d esta aeco :
O !.* mostra que os herdeiros de Florencio Jos
Carneiro Monteiro foram habilitados, e com elles
proseguio a accao intentada por Queiroga, em 16
de dezembro de 1861 a II. 180 dos autos.
O 2.* mostra que se julgou nulla a setenc.a que
obtivera Queiroga e (pie tentara executar, julgan-
do-sc nao ser competente a acoo intentada, fl. 402
23 de outubro de 1860.
O 3. m letra que foram desprezados os embar-
gos oppostos por Queiroga e confirmado o accor-
do a lis. 402 e 420, 18 de dezembro de 1869.
Queiroga foi condemnado as eustas.
Accorjos.
!. A fl. 180. -Vistes estes autos etc julgo pro-
vados os artigos de habilitadlo de ti. 73, atienta
certido de 11. 174 e em face dos depoimentos
de lis. 176 a 177, e por isso, havendo os habilitan-
dos por habilitados, mando que com elles corram
os termos da preste accao. Paguem os habili-
tandos as cusas.
Recife, 16 de dezembro de 1861.
Francisco de Araujo Barros.
2.* A fl. 402.Accordos em relaco etc., que
proposto e discutido este feito civel entre partes,
appellantes D. Joaquina Bonifacia Pires Carneiro
Monteiro e seus tilhos, appellado Symphronio
Olympio de Queiroga, julgam nulla a sentenca
exequenda, porque a accao intentada incompe-
tente e sem applicaco especie, visto que tal
accao nao compete quelle que, estando na posse
do terreno de que outrem nao est de pos?e, e que
ninguem lhe contesta, quer livrar-se de una ser-
vidas que tem esse outro comem damno de alguma
arvore plantada em dito terreno, e condemnam o
appellado as eustas.
Recife, 23 de outubro de 1866.
Souza P.
Santiago (vencido.)
Almeida Albuquerque.
Motta (vencido)
Df mingues da Silva.
Assis.
a ra
No eollegio de Santa OnnvrTa, rna do (*-
co n. 65, precisase de um rozinte-iro nn-leni*
se escravo.
Precisa-se de nm para o servi<-o de casa
do Imperador, n. 32.
Aluga se em Santo Amaro, ra do Lima
n. 4 e 6, duas casas, una para moradia, com
um grande soto, agua c gaz encanados, e a ou-.
ra muito pronria para refinacao ou padaria, por I No becco da Barreirai n 8
encanado : a tratar na na da Guia n. 54. preco romn^lo. '
Aviso
lava-se e engeav
asseto prstela e
BAZAR DA RA DIRE1TA
HOJE
MARCIUO DIAS N. 54

Neste cstabelecimento encontrar o respeitavel publico o mais completo sortinwnt.
de imudezas, chapeos, esleado francez e artigos de luxo ; e rccclien.lo qu.isi todos os su*
artigos de propria encommenda le Europa, acha-se as condices de retalhar mais barato
do que qualquer outro, e quem duvidar veja :
para janellas, a:
Pngalas, a 1?.
0
Rio de Janeiro
gue viagem uestes dez lias o patacho
Veloz.
se
nacional
A pouca carga qu? lhe falla pode ser tra-
tada com o seu consignatario Tito Livio Soares,
ra do Vigario n. 17.
movis
Mobilias de jacarando, com
tampos de%pedra marmore, mag-
nifico? guardas louqa de vinha-
ico, mesas elsticas com 5, 6 e
7 Uboas de^obresalentfs, com-
modas de Jacaranda e amarello,
aparadores de mogno e vinhati-
co, guarda vestidos e guardas
roupa,, entre elles 1 com espe-
Iho, relogios de parede de dar
horas, jarros fines para flores,
candieiros a gaz, 1 mobilia de
amarello com tampos depedra
grande quantidade de trastes
avulsos, sendo: canias france-
zas de Jacaranda e amarello,
marquezas largas e estreitas,
conqllos, mesa 8 fedondas. ber-
ros para 'Nqrianqa&*, cadeirinhas
3.* A fl. 420.-Accordao em relacao etc., que
feito o relatorio do eslyllo, julgam o embargante
habilitado para intervir na presente causa como
parte, e desprezam os embargos para confirma-
rera como conlirmam o accordao a fl. 402. e man-
dan] que se cumpra o mesmo accordao. Paga o
embargante as eustas.
Recife, 18 de dezembro de 1869.
Santiago P.
Souza Leo (vencido quanto ao nao
recebimento dos emba-gos.)
Almeida Albuquerque.
Motta.
Assis.
Domingues Silca.
Ricos transparentes
10*000.
Diademas dourados de 1*300, a 2*500.
Ditos de tartaruga, a 3*.
Ditos de bfalo, a 500 rs. e 1*500.
Gravatas de seda para senhora, a 1*300.
Parures de soda muito finos com 2 lacos,
de 3*a 5*.
Fivelas de madreperola, a 1*.
Vestuarios para baptisados, ricamente en-
foscados, a 25*.
Cachos de flores muito finas, contendo 6
ramos, por 3*.
Caixinhas com perfumaras, muito pro-1 2*500 a :J-".
prias para mimos, de 4*500 a 6*.
Ricos vasos de p rcellana com fniaba-
nha, de 1* a 2*.
Boies com dita dita, a 500 rs.
Latas grandes com dita, a 200 rs.
Voltas de veludo para pescoco, com cora-
ccs de madreperola, a 500 rs.
Linha de carritel de 200 jardas, a 800 rs.
a duzia, excellente para machina.
Dita de dito de cores, de 100 dita, a 320
rs. a duzia.
Dita do dito branca, de 60 dita, a 280 rs. i
Entremeios c babadinhos bordados, de
400 rs. a 2*500 a peca.
Gales de seda de 1*200 a 2600 a
pe^a.
Ditos de algodo de 100 a 200 rs. a
peca.
Trancas brancas de caracol a 40 rs. a
pega.
Caixinhas com 4 papis de agulhas fran-
cezas por 240 rs.
Ricas cestinhas para o braco, muito bem
enfeitadas, de 2* a 3*.
Ricas golinhas com manguitos, para se-
nioras, a 4*.
Camiziuhas para senhoras, ricamente en-
feitadas, a 4*500.
Casaquinhos do l para ditas, muito bo-
nitinhos, a 7*500.
Collarinhos bordados para ditas de 500 rs.
al*.
Espartilhos muito finos, a 4* e ft|.
Escovas finas para dente*, a 400 rs.
Ditas mais inferiores, a too rs.
Caixas de metal muito lindas com po* dt
arroz, a 1*.
Abafadorcs finos com lacos, a 1*50.
Ditos ditos, a 2*500.
Ditos ditos sem lacos, a 1*400.
Ricos espelhos de diversos tamaitos,
moldura dourada, modelo oval, de 39 a
12*.
Ditos dito com moldura
2*500.
Ditos dito com columnas de jacaran I .
envernisados, a
le papel a 400 rs., n .lu-
de palha para senhora;, a
paro
Collarinhos (
zia.
l.liaposinhos
0*000.
Ditos de dita para meninas, a 2*80fi
Ditos de dita para criaiua*, a I9M0.
Ricos chapeos do Ra e un
nhora, a 10*000.
Ditos ditos le Italia para dita?, a lir.
Gorros de veludo para menino-, a
4*000.
Chapos de palha ingleza para homoits,
a 3*.
Ditos de fyltro linos para ditos, <1
4*500.
Ditos de sol de merino, muito lindo-
cabo de metal, a 6*.
Ditos de seda com enhos o, r^ga lor-> .!
marlim, a 16*
Meias chapelinas para senhora a 6*.
Duzia de camisas de crx-tone de c'ires fi-
xas, para homens, a 33*.
B dinas franeczas para senhoras, a 1*500.
Ditas ditas tinas enfeitadas, de cano alto,
a 6* e 7*.
Sapatos Charlot com sallo e sem alio
para homens o senhoras, de a 3*800.
Sapatos do Porto, de tram.a, a 1*000
Sapatos de tapeto, a l-'HOO.
Focos para meninos, de 2? a 2*50''.
Allinctes e brincos de podra cravado-, a
1*500.
Gravatas para homem, pretas e de cores, Ditos ditos de perola c lilatran, a
a 240, 400, 500 rs. e 2*500. WPOOO.
L para bordar, a 5*500 a libra com-; Passepartouts para rebatos, a 500 r .
avisos DVERSOS
Manoel Mara Monteiro, pretendendo retirar-
se para Europa a tratar de sua saude, deixa como
seu procurador o capitio Jos Fernandes da Sil-
veira Dallro.
pista.
Finissimos Iequcsde marfim, a 8*.
Ditos dito do dito, a 5*.
Lequcs de sndalo, a 5*.
Dit s de madeira imitando, a 2*.
Ditos de papol, a 1*800.
Agulhas de crochet com rabos de mar-
fim, a 800 rs. a caixa.
j Granadme com lislras de soda, faz^i.'la
para vestidos, a 700 o covado.
I Correutes de plaqut para rologios, de i*
a 3*000.
da m
Precisa-se do 3:500* a premio de 1 0|0, dan-
do-se garanda em predios nesta praca : quem
quizer fazer este negocio deixe arta fechada nesta
typographia com as iniciaes R. C
SOS de gralilifn0i
Fugio de casa de seu senhor, no dia (< de abril
do corrente anno, o escravo iWberto, preto fulo,
seceo do corpo e baixo, com- os ps chatos e um
ponco apalhetados, olhos vivos, rosto liso, dentes
um pouco acangulados, pouca barba no queixo,
nariz um pouco afilado ; este escravo acha-se
nesta cidade e seus soburbios, segundo noticias
que obteve seu senhor : rogase, pois, as autori-
dades policiaes e capilaes de-campo a apprehensao
e levem-no a sen senhor ao engenho Santo Andr,
da estafio dos Prazeres, ou a Jezuino Carneiro da
.Cuuha, em seu escriptorio ra da Guia n. 36,
que receberao a gratificado de 30 j. _________
Respondendo ao contra-protesto publicado
no Diario de 26 do corrente mez, relativo a casa
do Po?o, > onde presentemente est residindo o Si*
Dr. Serfico, tenho a dzer que nio conhecendo eu
o anonymo que teve a bondade de avisar-me, limi-
tome a dizer-lhc que em lempo competente, nao
mostrarei o que declaro em meu protesto, as-
sim como lhe mostrarei a illegalidade da procura-
S5o de minha filha Mara Josefina Robson, que
iz ter para elfectuar dita Venda; e lhe mostrarei
mais que a dita minha filha est em Inglaterra
provisoriamor.te. Recife 16 de abril de 1873.
;Guilhcrnie|PiirceII.
E muitos outros artigos que so a vista do comprador poder certificar se
cidade dos precos, pir quanto vende O BAZAR DA REA DIKEITA N. 51.
HZEO DE JOIAS
-N. 4 Ra do Cabug N. 4
JOSEPH KRALTSE & C.
DE
GOMES DE MATTOS, IRltAOS
Neste importante estabeleciment, o primeiro nesse genero, cnntmna a
vender variad sortimento de joias, sendo de brilhantes, esmeraldas, perolas
e rubins, com grande redcelo de presos, porque recebemos directamente
da Europa, por todos os paquetes, lindissimo sortimento do que ka de roe-
lhor em ouro e pedrarias de valor.
Os proprietarios do ML'SEU DE JOIAS, sero constantes sempre que tive-
rem occasio de verem suas palavras confirmadas pela voz geral, de que o
ML'SEU DE JOIAS vende seus artigos a precos mui limitados.
Alm do variado sortimento de joias de alto e pequeo valor, acha-se
expsito obras de prata, de todas as qualidades, relogios lindissimos e de
acreditados autores, para homens e senhoras. Ditos do prata para todos oe
presos. Caleias e trancelins de todos os gostos, e ludo o mais que fdr de
manufactura d'ouro eu prata.
Sao avisados os senh engenhos, Idresoeazendeiros e lavradores, que to-
das as joias sabidas do ML'ZEU DE JOIASso garantidas.

i
\
\


*
m*
Diario de Pernambuco Domingo 27 de Abril de 1873.
i
r
\
-.

-
COMPANHIA
i)OS
. TRIfflOS URBANOS
DO
ReeilV aOlinda t BeiVribe.
De orlem da dirocto-
ra convido aos Srs. ac-
cionistas para, no dia
3 do corrcnle pelas 4
horas da tarde, se reu-
nirem no lugar do cos-
tume, afim de ouvirera 1er o relatorio se
mestral, de conforraidade com os estatutos
em vigor.
Escriptorio da companhia, 22 de abril
de 1873.
0 1.' secretario,
Laurentino Jos de Miranda.
Do dia 1.' de maio em diante fca sup-
prmido provisoriamente.
Linha de Olinda.
A estaco de Salgadinho.
Os trens que paravam na estadio de Be-
lem, excepto o que desee, pela manhi, de
Olinda s 7 horas, e sobe do Recife s 9 ho-
ras.
O quo desee a tarde s 3 1/2 e sobe as
5 1/2 do Recife.
Ramal da Encrusilkada a Beberibe.
. O trem que suba pela manha* s 5.35,
e descia a Encruzilhada s 5.58. O que
subia a noute, s 9.45 e descia as 10 1/2.
Escriptorio da companhia, 23 de abril
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Previne-se aos Srs. relojoeiros, ou outra qual-
quer pessoa, que nao faca negocio com um reloj-
gio grande, de prata, bom regulador, de n. 227o,
o mesmo muito conhecido por ter cm cima do
vidro um buraco por onde aeerta-se os pontei-
ros, cojo Voi roubado no dia 2i do corrente do
trapiche Angelo, de um rollte que estava pen-
durados roga-se a pessoa que aprehende-lo e le-
va-Jo *e dito trapiche ser gratificado.
Mariano Pereira Cabral.
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
raos metaesepedras.
Msica vocal e instrumental.
O professor Manoel Augusto de Menezes Costa,
tendo algumas horas desponiveis, recebe discpu-
los de ambos os sexos : quem precisar dirija-sc
a ra Augusta n. 187._______________________
Escrotos fgidos,
Na maulla de -2 do corrente fugiram do enge-
nho Prado, da freguezia de Serinhaem, os escra-
vos Poiro e Francisco, o primeiro foi escrav do
Sr. Manoel Quirino do Nascimento, de Pedras de
Fogo, donde veio, sendo elle filho do Serid pro-
vincia do Rio-Grande do Norte, e o segundo da
cidade de Souza, tondo sido all escravo do Sr.
Francisco Clementino Maria Pires ; Pedro tem urna
cicatriz no joelho-esquerdo de um talho, preto,
de lo para Ifraanos, bem conformado, rosto oval,
olhos grandes, e omito ladino; Francisco cabra,
de 18 annos de dada, rosto comprido, principia a
barbar ja tendo ajguma suissa, de estatura re-
gular, bem feito de ps o roaos.
Presume-se que elles tenham vindo para esta
cidade, para d'aqui seguir ao serto. Gratifica-se
com generosidade a quem os prender e leva-los
ao dito engenho ao tea senhor Francisco Pinhei-
ro de Menezes, ou ra do Imperador n. 77, !.
andar, onde receber a gratificacao de seu tra-
balbo.
Terrenos bem localizados e
baratos.,
Antonio Jns Hiilrigiws le Souza. tendo
abcrlo aiiu ; ji|ini\ar;Vi da lll;ir'. cmara
municipal, nina ra com 811 palmos em seu
sitio de terreno proprio quasi defronte da
igreja dos Alllklos, para onde o transporte
no caminho de ferro 200 e 100 rs., eo
dos bondii li muito porto ; ven le aos pal-
mos, torrPiins com as frentes para dita ra,
temi curca Je 180 a 300 palmos de fundo :
a tratar na thesouraria das loteras, com
Tristo Francisco Torres, que se acha encar-
regailo. ___________________
abaixo assignado previne a todas as pes-
soas que ficaram a dever na loja de ourive a
ra estreita do Rosario n. 10, que s com ello,
ou com seu procurador Joo Baptista Gitirana, a
3ucm deu poderes para cobrar amigavel ou ju-
icialmenle, ge podem entedder acerca de seus
dbitos, viato ter tomado conta do activo e pas-
sivo desde Janeiro prximo passado. Outro sira :
pede a mus duvedores da hija do arco da Concei-
co, quCTenham saldar seus dbitos at o di 15
ao prximo mez. identificando a tod s que da-
quella data ero diante promover o seu direito.
Jos da C. Oiiveira e Figueiredo
Feitor
Precisa-se de um que seja cuidadoso e saiba
tratar de ja dim : em S. Jos do Manguinho, sitio
n. com portao e jardim de ferro.
AVISO.
A Sociedade Beueficente* Luso-Brasileira, pre-
cisa contratar com quem melhores vantagens of-
ferecer um quadro do patriarcha S. Jos, pintura
a oleo e moldura ricamente donrada, tendo 6 pal-
mos de comprimento e 3 l|2 de largura ; assim
como, as armas portuguezas e brasileiras de igual
tamanho e moldura do quadro de S. Jos : as
pessoas que queiram se encarregar do executar
ditas obras, poderlo dirigir suas pfopostas ao esta-
belecimento do irmao presidente, da typographia
Mercantil, ra do Torres.
Secretaria da sociedade Luso-Brasileira, 22 de
abril de 1873.
O !. secretario.
Bento de Souza Mira
Engommadeira.
Para casa de pequea familia precisa-se de urna
boa engommadeira e que entenda de costura cha,
paga-se bem : em S. Jos do Manguinho, o pri-
meiro sitio n. 2, muro cinzento, antes da igreja.
Precisa-se alugar um moleque pequeo, ou
urna negra qu tandeira : na ra do Imperador n.
16, armazem.
Terceiro andar.
Alugaise o Pandar ra do Padre- Floriano
a tratar na ra larga do Rosario n. 22._________
COLLEGIO DE SAMO WTOMO.
Est aberto um collegio na villa do Cabo, para
meninos, sob a direccio do padre Augusto Adol-
pbo Soares de Kusewler, sendo as materias do
ensino: primeiras lettras, grammatica portugueza,
latina, francez e geograpliia.___________________
Aluga-se
o segundo andar ra da Impcratriz n. o, com
commodos para familia: a tratar no Caf Impe-
ratriz.
Confraria do Senhor Bom Je-
sus da Via-sacra em sua
igreja da Santa Cruz.
De ordem da mesa rogedora sao convidados to-
dos os nossos irmaos confrades oara comparece-
rem em nosso consistorio em o dia 30 do corrente,
s 6 horas da tarde, para se proceder a eleico da
nova mesa regedora, em cumprimento do que dis-
poe o nosso compromisso.
Consistorio, i\ de abril de 1873.
O escrivo
Jos rtodopiano dos Santos.
Fngio
Criado.
Precisa-sa de um criado na pharmacia de Fer-
reir & C. ra larga do Rosario n. 10.________
Caixeiro.
Precisa-sede um caixeiro de idade de 16a 18
anuos, e qua tenha bastante pratica de molhados :
a tratar no pateo do Terco n. 23. *
Casa.
Na ra de Vidal de Xegreiros n. 117 se dir
quem precisa de alugar inetade de urna casa de
familia para urna outra cor.iposta de i pessoas,
preferindo-se as Cinco-Pontas, ra Augusta, ou
nestas proximidades.
Vende-se dous bonitos cachorros, grandes,
proprios para quintal ou sitio : na ra Imperial
n. 127.
ida ra da Aurora h. 73, segunia-feira I i d
.abril, corrente, pelas 7 horas da manila o mu la-
mbo Bruno, de 14 .unos de idade, vestido de
j aqueta c calca de caseinira preja, camisa de ma-
dapolao, ps descalzos e sem chapeo. Tem os se-
guintes signaos: cabellos carapinhados, olhos e boc-
as^randes, vaz algum tanto rouca, andar comps-
sado movendo muito es brajos, ftijoes de algum
modo delicadas, corno e estatura regulares em
proporco com a idade. Protesta-se com todo ri-
gor da lei contra quem o tiver acoutado e recom-
pensa-se bem generosamente a quem o appre-
hender e levar casa indicada, bu ao engenho
Santo Andr, da freguezia de Una, comarca do
Rio Fokuoso.
Auentou-e de casa deede o dia 13 de no-
vembro o anuo prximo passado, a escrava de
nome Macla, com 26 annos de idade, pouco mais
ou menos, tendo os ignaes seguintes: altura re-
gular, grossa do corpo, cabellos pietos e carapi-
xihos, cara Jarga e redonda, com uns pannos
itrances na face esquerda. falta de dentes na /ren-
>-, tem em um dos bracos a forma de um coraco
,'eilo com tinta azul, ps chatos e grandes, consta
andar por Olinda intitulando-se de forra : roga-
se aw autoridades policiaes e capilee de campo,
ou mesmo qualquer pessoa qne a prender levar
ra da Imperatriz n. 13, que serao recompon'
sados.
Joa(|tim Jos Gonealves
Beltrao.
Ba do ComiMcrcio n. 5, f." andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e sobre os seguintes
ulgcres de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Baroellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda.
Guimares.
Lamgo.
Lisboa.
Mirandella.
Moncho.
Ponte de Lima.
Pono.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do|Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalico
Villa Nova do PortimSo.
Villa Real.
Vizeu.
Valeria.
Figueira.
. CASA DO 011O
Ion .VOOO-OO
Billietes garantidos
Uua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do cosame.
Acham se venda os muito feli'es bilhetes ga-
rantidos da 3* parte das Inirias a beneficio da
igreja de Guadeliv>c de (Mind.i, que se extrabir
no dia 3'1 do corr! ule ux>z.
Prcco'
Inteiro 6*000
Keio 3*000
Quarto 1*S00
De lOOrOOO para cima.
Inteiro oj.iOO
Meio 2*750
Quarto 1*375
Recife, 22 de abril de 1873.
Joo Joaqutm da Costa LeiU._
Na chapelerie da moda, praja da Inde-
pendencia n. U e 16, precisa-se de eostureiras.
D-se a quantia de 3tW* sob penhor ou ama
escrava qucozinhe : na ra de Hortas n. 86.
Deseja-se alujar urna ama para cozinliar;
na ra de Borlas n. 86, obrado de um andar.
ATTENCO
OSr. Francisco Agostinho Madeira queira ter
a bondade de vir concluir com o negocio que se
comprometteu na ra Duque de Casias n. 60 A,
loja de Bento da Silva k C, successores de Ma-
noel Bibeiro Bastos.
Ama para casa de familia.
Na travessa do Duque de axias n. 3, andar,
inrtM-isa-se de nina anta liviu ou escrara, para
Vozintu.r i; ciitriis servico-;- |ronrkw de i.-.-aMp
laiuitia. Papa-M1 Im-hi ayr: daftiin.___________
AttenQo.
0 abaixo assignado pede ao Sr. Joao^Hemijues
Pessoa o favor de vir enttndrr-se com elle sobre
aquclle negocio que o mesmo nao ignora, sob
pena de ver por este jornal a especie do negocio
_________Marcos de A. Lima.________
20JT000.
Frecisa-se alagar una escrava que engomme
rsitamente bem, e fai;a o mais servico interno
orna casa d pequea familia, composta de
duas pessoas, e de urna ontra que cozinhe eom
perfeicio : no largo do Paraizo n. 28, e an-
dares._____________________________________
Ama Precisa-se de urna ama que compre e
"JU<1' cozinhe para casa-de poca familia : na
ra de S. Francisco n. 84.
A Precisa-se de urna para casa
M M de pouca familia : no largo da
ifl \. Penha n. 1, sobrado._________
Precisa-w d urna ama para cata de ho-
mem solteiro : a tratar no Campo Verde, taver-
na n. 53.
MOFINA
Est encoura^ado!!!
Boga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se eomproraetteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, era
lins de dezeinbro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereirn e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
tim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu tuno se
achava nesta cidade._______________
Aluga-se para criado um nardinho captivo
de 13 annos, serve de copoiro, e faz todo o servico
domestico : na ra da Imneratriz n. 9. segundo
andar.
Precisa-se de urna escrava cozinheira : a
tratar na ra das Larangeiras n. 18, 1* andar,
Nov estabelecimento
de joias.

a
m
--;
B
m

4%
m
m
Ra da < alu- n. 19.
O proprietario deste estabelecimente
recebeu entre muitos objectos de peque-
nos valores, os seguintes: rozetas e anneis
de brilhantes, brincos e cacoletas, ade-
remos e meios aderecos de rubins, esme
radas, perolas, alfinetes para retra-
tos, com brilhantes, rubins e perolas,
porta-charutos muito proprios para me
sa, de delicados gostos e perfeita mo
de obra, apparelhos proprios para almo-
co e jantar, para meninos levar para o
collegio, tudo se vender por procos ra-
zoaveis, garantiado-se todas as joias que
deste estabelecimento saia. Tambem se
fabrica e concerla qualquer objecto ten-
dente a mesma arte.
*ffe-
-
m
-~-
&0r
Medico-cirurgtco
RA DO IMPERADOR N. 73, ANDAR
0 DB. NUNES DA GOSTA
MEDICO OPERAiK)R E PARTE1RO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operares de olhos.
Cera radical e instantnea dos
eEireiUmentoi da uretra.
Consultas: Das 7 s 10 toras
da matih.
Cbamados: A qnalqoer hora.
c^a?
Precisa-se de urna ama para eozn*>ar : na
ra da Penha n. 13.
Ama cozinheira
Na ra do Imperador n. 38, 2 andar, precisa-
se de urna ama cozinheira, preferindo-se escrava.
Engommadeira.
Engomma-se com perfeicio e por preco mdico
na ra da Saudade n. 12.
O abaixo assignado declara que nesta data
tem justo e contratado a compra da casa de pas-
to e suas perlencas, sita ra de Thcm de Sou-
za, antiga da langucia, n. 5, perteneenle at esta
data aos Srs. Manoel Benevides e Pedro Car-
re ro, I i vre e desembarazada de qualquer debito,
e se alguem se julgar credor ao mes no, queira
apresentar suas contas no prazo de tres dias a
contar desta data do contrario nao se attender
a reclamacao de divida feita at esta data.
Recife, 19 de abril de 1873.
Antonio Gomes Coutinho.
= Precisa-se fallar ao Sr. Dr Antonio
Bnarqne de Lima : ra do Amorim n. 37.
Ama ou criado
No 1 andar do sobrado n 26 da ra das Cru-
zes, actualmente Duque de Caxias, precisa-se de
um criado ou de urna ama.________________^_*
Quem quizer encarregar se de urna cobran-
ca em Caruar, dando fiador a sua pessoa, dirja-
se ra do Amorim n. 37.____________^__
Traspassasea chave do armazem da ra
de Pedro Affonso n. 61 r. trata-se no mesmo.
Aluga-se urna escrava que lava, cozinha,
coze e engomma bem, propria para casa de fa-
milia, por ser robusta e gozar sade : a tratar
na ra da Penha n. 2.
2:0001
D-se 2:000* a juros de um e meio por cento
ao mez, eom hypotheca cm algn predio nesta
cidade, e que esteja livre e desembarazado : quem
pretender a dita quantia, dirija-se a esta lypogra-
phia a entender-se com o Ferreira.____________
ATTENCO.
Roga-se aos Illms. Srs. socios da Propagadora
da Instrucco publica, parochla de Santo Anto-
nio do Recife de nao pagarem quantia alguma
devida de mensalidades, ou joias ao Sr Joo Gal-
dino Cavalcante de Albuquerque, ou a outra
qualquer pessoa, at segundo aviso por este Dia-
rio. Pde-so tambem as 0638039 que se dignaram
aceitar bilhetes para o beneficio' que a mesma
sociedade fez no diestro Gymnasio Dramtico, de
nao pagar ao individuo cima nomeado a impor-
tancia do seus bilhetes.
Avisa-se ao Sr. Apolonio da Roca Hollan-
da Cavalcante ou a seu corresponScnte. que tem
urna carta na ra do Cabug n. 18, sobrado.
Fgio
Advogado
O hachare! Luiz de Menezos Vasconcellos de
Dnunmond tem o seu escriptorio de advocacia
ra da Florentina n. 28, onde pode ser procurado
para qualquer mis ter da sua prolissao, das 10 s
4 horas da tarde.
Commissao enearregada de
examinar os apparelhos
da companhia Recife-
Drauttge.
Para que fi commisso enearregada, pelo
E-xtn. Sr. presidente da provincia, de exami-
nar se os apparelhos da companhia Recife-
raiuige, funecionam regularmente e bem,
ou se as qiMXU articuladas contra estes
partain de grande numero de particulares e
pxocedem de defeitos dos referidos appare-
llios, ou do pouco cuidado que se tem em
sua appjicacao, indispensavel ^ue todos
aquelles que se queixam se dirijam om ur-
gencia e por escripto ao abaixo assignado,
indicando as causas a que attribuem o mo
servigo que os ditos .apparelhos Ihes pres-
tam, afim do que possain ser consideradas
suas quejxas>
Reife, 26 de abril de 1873.
Dr. Joaquim de Aquino Fonceca.
Coii!|iau!a Recjfe Drainagc
Os apparellios d'esta companhia que
Cacara collocados nos predios que vao abai
xo especificados, esto promptos a funecio-
nar : .os senhores proprietarios ou locatarios
poretn, no podero d'elles fazer uso, seno
depois que receberem o carto da compa-
nhia que os autorisa para isso.
Becco dos Burgos de 1 a 31.
Ra lo Cordorniz dc2aiiedelall.
Dita do Amorim de 14 a 66.
Travessa da Madre de Des de 1 a 19.
Ra do Encantamento n. 2.
Traversa do Corpo Santo de 21 a 27.
Ra do Amorim de l a 43.
Travessa do Forte do Mattos n. 4.
Forte do Mattos n. 2.
Ra do do Vigario de 2 a 4.
Becco do Noronha n 2.
Ra damoeda de 5 a 41.
Ra da Lapa de 2 a 8.
Dita do Comuercio de 3a 17.
Recife, 26 de abril de 1873.
, O gerente interino.
___________________R. Bfotherhood.
Cozinheiro.
Na ra da Imperatriz n. 37, 1 andar, prensa-
se de um bom cozinheiro.
AOS 5:000)0000.
Esto vendaos felizes bilhetes da lotera daBa. [
bia, na casafaliij do arco da ConceicSr, loja!-,
(rives, no Recife
SftLSftPARRILHA OE AYER-
Prvparu Estados-Unidos.
E" o renome de que goza esta admiravel prc-
paraco proveniente das muitas e importantes cu-
ras que tem efectuado as molestias cuja origem
devida a impureza ou -vicio do sanguo mo-
Icstias da pelle, rheumatismo, molestias syphiltti-
cas, escrfulas e outras enfermidades clronicas
tem sido e actualmente sao curadas tantas vezes
com o seu emprego, que ha toda razao para acre-
ditar que esta salsaparrilha de Ayer possue pro-
priedades alterante* e depurativa- em mais alto
grao qua'que que ee outra medieacao ordinaria.
Attenco
0 Sr. Antonio Gomes de Oiiveira, caixeiro no
Pa?eio Psbltco, queira ter a bondade de appare-
cer na ra Duque de Caxias n. 60 A.
a 20 de fevereiro o eecravo de nome Joo, de 18
a 20 annos de idade, com os signaes seguintes :
altura regular, secco, olhos grandes, nariz grosso,
dentes perfeitos, rosto redondo e sem barba, ca-
bellos carapinhos, ps chatos e cheios de cravos,
bem esperto e ladino, canhto, co;inheiro, tem
bastante pratica de armazem de carne secca ; le-
vou urna bolea nova com duas camisas, sendo
urna bordada, 2 ccroulas, 1 cami-a de meia, 2 pa-
res de meias e um chapeo de palha de arroz : em
dinheiro levou oif, e mais alguma roupa perten-
cente a elle : roga-se, portanlo, s autoridades
e capitaes de campo que o apprehendam e levein-
no ao seu senhor, ra de Pedro Aflonso n. 7,
que seroo generosamente recompensados._______
De 10 palmos.
Sapot?eiros e sapoteiros, e dahi para baixo, pi-
nheiras, fructa-pfio, oiti-cor, ariticum-a-pe, aba-
cate, laranjacravo, flanbovant ou brilhante, pal-
meira imperial, roseiras de qualidade, aleorinss
iarreiras coraco da india, romeira6 e outra,
antas : na Capunga, ra da Ventura numero 20.
Fugio no dia 11 do corrente a escrava An-
gela de 36 a 40- annos, de altura regular, secca
do corpo dentes limados, e urna carnosidade en-
tr.e os peitos, consta estar acornada por um ne-
gro que trabalha no assucar, de nome Jos Mau-
rino, que mora n"um cortico no becco do Veras:
roga-se s autoridades policiaes e capitaes de
campo a apprehenco da mesma, levando-a a ra
da Imperatriz n. 6, primeiro andar, que ahi e-
riv> recompensados.__________________________
Avisa-se
a quem der noticia da escrava Guilbsrmina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sac-
tos, e aepois eomprada ao Baro de Nazareth,
representa ter 23 annos, tem falta de dentes na
frente e as mos eom cicatrizas de qu-'madura
de faz, secca do corpo e muito regrista, que des-
annareceu da casa de sobrado n. 36, da ra dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
O inventariaste dos bens deiiodos por morte
de Francisca Maria da Conceicao e seu fWio An-
tonio Francisco de Aquino Fonseca, convida os
credores para no prazo de 30 dias apresentarem
seus ttulos de crdito, ra do Coronel Suaasuna
n. 121, ou ra do Imperador n. 34.
Vicente Licinio da-Costa Campello.

fll e
11144

B S B Sua e;
2 fc-S

5,
Bill

5 2 u ? ^5 o
S st>5j
pl|!
i-**
Criada.
Precisa-se de urna criada de meia idade, portu-
gueza, que saiba laxar e engommar bem : na ra
de Hospicio n. tiO.
CASA AIORTUARIA
DE
G
Paulo & Mafia
Largo do Paraizo ns. 10 c \t
EST ABERTA E TEM
Armaco e ornatos, hbitos diversos, caixes e aUiUs, CAR-
ROS FNEBRES de todas as ordens.
Cari capcllas, cera, e<;a e emblemas.
Incumbem-sc tambem :
De enterros, anniversarios, on'uos, liccn<;*s, tteu tacumbas ; finalmente de qualquer exequia com^mufica, en<-om-
mendaco etc. etc.
ASSIGNATIRA
l'F.I-O
ABRIL A SETEMBRO
ii:
RESrAUBAN IIALIANO
Ra das Larangeiras n. 2:!.
ABRE SABBADO 26
AWWHV
Fornece comidas desde 7 lloras da manha a o li horas la Mtft.
Almocos e iantares a carta.
Assignaturas para mandar fura.
Magnifico caf a to.las as horas.
Vinhos e licores, superiores e de todas as quahda -.
Muito asseio, limpeza e agrado. Tudo a muito awdicoi pn -
AVISO.
Dos sabbadospara os domingos, estar aleito ate 11 l..ia->da noute
com variedade de comidas. *.**
Jos (tm < C.

Ama livre ou captiva. >
Precisa-se para o servico de urna casa de |'U-1
ca familia : a tratar no ra da Aurora n. 19, an
dar terrueo._______
Escravo fgido
150#000
No engenho Massnassd, freguezia da Escada, se
dar de gratificacao a quantia cima a quem ap-
prehender tres eavallos que naquelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o !. tem 9 annos,
atanho e castrado, tem a orelha direita bastante
aseada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
da tem urna cruz ;ol' ruco, com pintas ver-
metlias nos quartos, grande, gordo, com o pes-
eoe fino, castrado, tem os quadris feridos da
canjialha, ferrado coma marca-I. R.-do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3." rudado
sanhaae claro, curto grosso, um pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : grauflea-se com 50*000
por cada um em presenca da pessoa, em cuio po-
der for encontrado qnalquer dos ditos eavallos.
% Consultorio iiiedico-cirurgieo 3
H DO %
S Dr. Ferreira. M
9. Ra larga do Rosario n. 20, (antigo K
d gabinete de seu pai)
O Gratis "ao pobres.
Nao ha mais cabellos
brancos.
TINTURARA japoniza.
Se nica approvada pelas academias de
sciencias, roconhecida superior a toda que
tem apparecido at boje. Deposito princi-
pal ra da Cadeia do Recife, hoje Mr-
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.

Precisa-so de 200* ou 300f a juros com
hypotheca em escravo ou casa : quom quizer dei-
"se carta fchala coro as iniciaes A. P, P. M.
Fora os callos.
O nico remedio contra os callos o em-
plastro americano e que sobre todos tem
obtido os melhores resultados, alm de alie-
nar as dores cura-os radicalmente.
nico deposito na Pharmacia America-
na, ra Duque de Caxias n. 57.__________
CAZA DA FORTUNA
RA 1." DE MAUf;0 OUTR'ORA DO CRESPO R. 23
Aos 20:0008000.
O abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Iwro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio de
i:000.
Precos.
Inteiro.......2UO0O
Meio........12*000
Quarto....... 6MK10
Manoel Martins Fiuza.
$$$-$#*$-&*:*$&
1 CONSULTORIO 2
I MEWCO-CIRIRGICO m
m w *
Dr. J. II. Curio X
* OPERADOR E PARTEIKO
0 Ra do Mrquez de OlindA n. 25, pri- W
meiro andar. JS
^ Consulta das 7 horas s 10 da manhi.
r Chamados a qualquer hora. W
0O 009 00O&000
jet O Dr. Joo Maria Seve, medico parteiro Q>
S e operador, mudou a sua residencia para *
9 a ra do Riachuelo (Corredor do Bispo) Wt
At sobrado n. 53, onde pode ser procurado Q,
S para o exercicio de sua protissao, das 6 S
0 as 9 horas da manha e das 5 da tarde em 9
0 diante. 0
&mmm*wz 0'00
Francisco Jos Cardo-
so, artista alfaiate, transferio
sua officina da ra do Baro
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
primetro andar.
LMl-IHACAO
FAZEi^D
Deseja-se fallar a negocio de seu interesse
coro o Sr. Vicente Pereira Pinto : na ra do A-
pollo n. 8. ^___^_
Francisco Alves Monteiro Jnior retirando-se
temporariamente para Enropa a tratar de sua sau-
de, deblara que desta data em diante nao se res-
ponsabilisa por debito algum contrahido em sea
nome individual, que nio sela com ordem por es-
cripia de seu 1* procurador Jo5o Fernn des Bap-
tista, o que faz publico para evitar duvidas fu-
turas. Recife, 3 da abril de 1873.
Aluga-se o i* andar e solao da as u.. 38 da
ra de Maria Cesar, outr'ora Senzalanova, as
chaves esto na ra do Bom Jesu taverna nu-
mero 37.
L'ja h Passa
A' ra 1 deMaroon. 7 A (. -
tiga do ('respo)
R-'Svilvimos mu i:m pemtm IMH ''"..
dades e prer.is la iliver-M MM l"Ta<. w !
que vista delles iMssiin :i|Heciar qne lq
rao de uo-sas fazeudas unn pura verdatV.
Escolhei Ihiii a vontade :
Chape-linas, chap.* de p.ilha. \v|1 : 4
iilo para senhora* e iic-nina- de M a ">*
Rasipiinas e rasaiuinli"* '! vda >!* 9i a : /
Casaqumhos e nimeira* de cmcImI pr"
bnUMM 'le t a di.
VestiJos de
dad* a :i> I0J.
Camuinlia* de rambraia branca a Sffl e 1 rs
MaiiKiiit.>s e gulmilias a 2' <>. M e .110 r-
Cinlo* de todas as quali lades para juahurai a
;300a Ut.O.
Lene '* bordado* e de labyrintho d- 600 a ict
Coque de U a I >""
Leques de madreaerola e auiiuu Je .1* i
llalioa la.
Chales a imitar.! de l>ornu m.Ti- |
de 8*e-9|.
Saia* Je la de rambraia de ti. e *i.
CamiN-is bordadas paia senlior, para fcw. :s
pMBHi
Capcllas de erra a ."itWj
Hades |iaraco Corte* de rambraia
Corte de tarlat-uia
rt>.
Camhraia de cor cem lindos ividrtW n -
a 320 rs.
Alpacas de liiiila< core* li sedas de 400 e GUO rs. o corado.
Grande sortimento de l.\ para todo* os frtyi
Crochel branco e preto rovaJo a 8)0 rs.
Fil de linho liso preto e branco leM i H)
r*. a Tara.
Vestuarios de fusto branrn < g^^pres |-ara
meninos de 34 a di.
Grvalas e mantas de 330 a 11 rada mu.
Chalos Je r.ist t brinco a li e.8|.
Chapeos de etim c de marin preto para ha-
mo m a |f.
CollarinlbS de linho li;os e bcrdadus a 3J
-i a duzia.
Peitos de liulw a 600 r*.
Dito* bardados a UW
Corles de velludo bordados para roHam HJ
Brim preto vara i i.
i fronbas de liabo ricamente burlada* taad* I
grandes e 2 men res por I0|, e ontra* Mima ar-
,,''0.* por preeos baraUssunos.
i^daNea* raa I
SOOrs.
i borlados a *<
seda da ti t
+9
I ale
"-^JJgn senliora
,, -. pre*idento
geral de m>. ^ria *
lrticularmente as -*itm
ria, trabalhos de agalla e,
do seu presumo se quizer uiiiis. ,
dos Ossos, casa terrea a. So^ue
tratar.
a
Frffictf.
Nio nodera pessoa alsaa
Sr. Jos Justino hmiM
ques a malaca* de nome Joao.
Justina, sobra pana de ikar seas
gocio, pois gozam os mesaics da ptana I IjHla,
como se prova. 'Recife JS da ab I da !
Barbara Bernardina Sobrair 4a iMmfmfi,
t
------


6
Diario? de-Ptttiifolfceo' -flmimro 27 te>mf&W19te'
AO ARMAZEM
IIBO
VAPOR FRANCEZ
RA DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaU. I
PIANOS.
Acabara tic chipar muito bons pianos [ortos e de
elegantes mdelos, dos ruai$ notaveis e bem eo-
nhecidos fabricantes: como sejara : Alplionso
Bloodel, Henry Hers e PlevelWolfi & C. : no
vapor francez, ra do Barao da Victoria, ju
ir" ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo e phantazia, brancas pretas e de
dhTerentes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos com salto no rigor da moda, brincos
e de cores para senhoras.
-Botinas de Mclis, de Suser e de Polak, para ho-
roens.
Sapatos de cordavao Mili spara bomens.
Botinas para menino de qualquer tamanho.
Pcrneiras e meias-perneiras tanto para bomens
como para meninos.
Sapatoes de Suser para bomens e meninos.
Sapatos de veruiz com .-alto para bomens.
Abotinados de militas qifadades e 'presos para
meninos e meninas.
Sapatoes fle verniz com sola de pao proprios para
sitios, jardins e banbos, sortimento para homens
e seboras.
Sipatos do tapete, ca;emira, charlot avelludado,
de tranca prtuguez c francez.
No armazein do' vapor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora .Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extr. ;>.-. banhas, leos, opiata e.ps den-
trilice, i de ti r de laranja, agua de toil-
te, divi, lorida, lavando, pos de arroz, sabo-
netes, co...n in-.is, inuitos artigos delicados em
perfumara para presentes eupi frascos de ex-
tractos, caxinhas sorlidas e parraras de difi-
reme* lmannos d'agua de cologne, ludo de pri-
mi ira qualidade dos bem couueoidos fabrican-
tes Piver e Coudray,
No armazn) do vapor traucez. ra do Barao da
* Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
Muito b as malas o bolsas para viagens de r
de eam de ferro.
Botas de montara.
i.. ,, i Je lilas Xapoleao e a Guilhcr-
me, perneiras e meias perneiras para bomens,
. e meias purneiras para meninos.
No armaz n di) vapor franco ra de Barao
da v; [0ra Nova n. 7.
Mbiiias de vimes.
Cadeiras d bal; 1150, de braco, de gnaraigSea, Bo-
fas, jardineiras, niesas, eoBversadriras e costn-
reiras, tudn ist muito bom por seren fortes e
leves, e os oais proprios movis para saletas c
t':'! n vivios.
No armaz m do vapor francez, ro d Bario da
ic 1 itr'ora Nova n. 7.
Quinquflhatias.
nhantazlas.
Esjielli para salas c gabinetes.
' lloras e para meninas.
de (1 ''' Esc c 1 e de eamurca.
Caixinh: de ci tura ornadas cun msica.
Alhuns o (pi: Iririli 1 para r 'tratos.
>''- vidro 'i' ai retratos.
brn do Ici garantido.
n mniin bonitas para relogios.
triiic i> .1 iinil: lo ] annos de plaqu.
Bolslnli deseila, do velludo o de courl-
|:' .
Hotos plianlazia para cima ile mesa
'-'.
fa: Jourado, de ajo
Ocal
Ba.
Beng
mi
Olaria aiaarella
assa-se o nrronaamnto da diaria doioini-
nada-Amarella- sita no largo do hnspitl Wdro
"II11. 23,4ia qual o" enoWp fez algumai-oirs,
taes como a abobada do forno, os arcos do ctivo,
um pila e diversos conoertn.-. A mesmf otaria
tem todos os utensilios necessarios para o traba-
Ibo, cinco milbeiros de tijoli s e lelhas, 1 e barro
para 6 ou 7,000. O motivo per que se fax ests
negocio se dir aos pretndentes, os quaei so de-
vein entender com o rendeiro, na ra m Man-
gueira n. il.______________________ti i
Precisa-se de u(h eaixeiro com pratica de
na ra da Aurora
gestos
Inverna, de l* a 18 aanos
n. 33._____________________________
Francisco Alves Monteiro Jnior, tegunJo
para Europa no vapor Chimboraso, e noi|)Mando
pela presteza de suaviagem despedir se iuMOial
tnento de todos os seus amigo;, pede-Ibes jtofoalpa
por essa falla Involuntaria ; o aproveita opea-
siao para offerecer-lhes seu limitado prestio era
qualquer parte jue o destino o conduza.'
COMPRAS.
- Na fabrica de cerveja ra do Hosario n
0, eompra-se laranjas da torra a 60 rs o cgnto'
Atten(]o
irovinci.
rdJ*o
erreira
Compra-se apolices projtndaes : a qjitJjCon-
vier vender, dirija-se rilMo Vigario 11. 3, escrip-
torio de Manocl Alvos Ferreira A- C.______.
Compra se um cofre prova de figo 7 n
travessa da ra do Vigario n. i.
VENDAS.
-
Attengo
Vende-se a taverna da praca do Conde d'Eu n.
: a tratar na mesma.
Engenlio Plrici.
Este engenho est situado em muito bom I11
gar, perto do porto de embarque onde carre
gam os vapores da companliia l'ernambucana,
nuc levam e trazem carga de Mamanguape. Esta
de fogo morto c seus propietarios sujeitam-se a
venda por preco muito commodo; e nao duvi
dam mesmo conceder prazos por parte de sua
importancia, com tanto que recebam outra par-
te, em dinlieiro vista : a tratar com Tasso
T r 111 Tu. s & C.
CASA,
Vende-se um sobrado em urna boa ra
lar na ra da Imperatriz n. 8, loja.
a tra-
Vene-se una casa de pedra o cal, na ra
de S. Miguel n. 123, nos Afogados : para ver, pa
rede c meia da mesma, e a tratar na ra do Ga-
bug n. 2 B.
Rival sem segundo.
Cheg ram agulbas para machinas, do fabricante
Crower 4 Baker. Duzia por 200D.
Panno de algodo da Babia
da fabrica Todos os San-
tos.
Tecm para vender no escriptorio Joaquim Jos
Goncalves Bcltrao & Filbo, ra do comiercio
n. -"i.
E NI TERRA
- graduaooes.
toes de marQm
imento para lio-
Chic baleia c de militas (nulidades di-
versas.
E-i as I irr -ha de botas.
Po eiras di 1 -. una para charutos e cigarros.
para de mbaracar par
. para bmpar cabera,
raroupa, cabello, unhas para dwi-
t
: para dinheiro.
Meias ; para 11 niu >s,
1 e de la pn ta para horneas e
me..
an 1; ilii .' : wn; r criados,
la na, !i<' b patellas, de domi-
1 renti s joguinhos alle-
mi \ 7. -.
1 viaj
Pela |r!iiicii*a vez nigui nos
nakiuEilc* do caf.
Caf de Java.
E' o caf moido melbcr que se pode desejar ; e
s se vende na eonfeitaria do Campos, ra do Im-
perador n. 2i.
A respeito de acepipes nao precisames mais
annunoiar, pois est no dominio de todos que a
eonfeitaria do Campos um verdadeiro centro do
que bom e grato ao paladar.
. Bichas ce Ilamburgo
ebegadas ueste ultimo vapor : vende-se por proco
muito razoavel ; na pharmacia do P. Maurer &
C j ra da Barao da Victoria 11 2o.
Amarad Nabuco & C. ven-
dem as se^uintQ6^qulidades
de meias de fio de Escocia :
Brancas, abenas no peito do.p4, e bordadas a
seda, para senhora, abertas, para meninas, cruas
e de cores para hornera.
D ALGOD.VO
Brancas e de cores para meninos; meninas, ho-,
mens e senhoras.
DF LA
Decores para un nios, meninas homens e se-
nhojas.
DE SEDA
Carmesim e rOxas para padres, capells milita-
res, conegos e iispo.
No bazar Victoria, ra do Baria, da Victoria
numero 2.
Li\ ros veiwla
Aos Srs. acadmicos
Vende-se as-, sefuintes obros de dirwte, historia
e litteratura, por comniodos precos :
Pardessus:Droii^oiui^reiaX
Villiaon: -Revolution franjaise.
Lontz Bianc,:Untmre dednc ann?.
Vattel :Droitdes gens.
Ventura ;Le Pouvoir public.
Pqrters: -Cours de droit naturel.
Kluber : Droit des gens.
Rogron : Gode de comuwrco. ^
Nesta typograpnii acharo essas obras para se-
r em vendidasi *
BICHAS DE HAKIBURGO
As mais rocentes e mulhorcs.
Vendem* na pharmacia odogariadeBar-
tholomcuC, ra Larga osario o Un. 3i.
SEGREBO ECONOMA E CLLERIDADE.
Obtem-se com o uso
INJECCO* SHOST
nica, hygionica, radical ekifallivol na cu-
ra das gonorhoaj, flore brancas e fluxos de
toda especie, rocentes ou chronicas; e que
offerece como gwantia de salutares resultados
a conlyiu.ada appliuieio que sempre com a
maior vantagesi se tem feito dola nos hos
pitaes de Pars.
nico deposito para o Rrasil, Bartholomeu
dTG-, ra Larga do Uosnrio n. 34.
Casas para vender-se
Vende-se duas caas terreas, sendo
nma na ra do Padre Plorianp n 73, com
sotao o umitas eommodos para familia, e
urna dita no becco da Lama n. 18.: qu#ra
quier, dirjase a na da-Cadeia do Recite n. 60j
2o andar. ______________^__________
f eijdo o dono da loja de louca. sita ra
da Iiiipetatrk n. de retirar-se para fra do im-
perio a tritar de sua sade, vende o dito estabe-
fecimento que e acha bastante acreditado : quem
pretender queira dirigir-se mesma loja onde
achara com quem tratar.
J UllUV'Bl 1V1IV1II
Pede obter em pooco lempo com o aso do mlbor dos lieoreat tfitmri
HESPERIDJNA
Faa]oilo JCOS qoe, leudo experimente do pesaoalmente, 080 falle em seo favor, ji com boa wtfici
e apetisador, tomando om calii della aols de janiar, ou como facilitador di dajetts*
tomaodo-ie dopois.
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, Dio ba om a baLiuote do BRASIL (a Ierra
especial das laranjas) que dSo conhe?a as propriedades medicinis da dotirarla frocu.
ora bem a
Huil:) barato.
Vondo-se urna armarao com vidraca e caixdes,
pnipria para deposito do nadara ou cigarreiro :
a tratar no ra do Uarao da Victoria n 55.
Novidadc
Joaquim >imoes dos Santos tem para vender
vinbo puro de uva branca, com especial paladar,
o nico viudo a este mercado, em barris de e
10% armazenado no trapiche do Machado, e a re-
tablo a 801) rs. a garrafa : no armazem conser-
vativo, largo do Terco n. 23.
Grande casa de campo para
residencia de grande fa-
milia.
Vcnde-se o sobrado no Po-
co da Panella em que reside
acalmentc o Sr, Dr. Sera-
phioo, o qual torna-se recom-
mendavel pela sua l)oa loca-
ySSSSStn. lidade, construeco e seredi-
llid"vis" I ficado em chaos' proprios: os
l pretendentes podem desde ja
j
m de mar c cami
vi'lro d .I r l-e mui fcil ;'is

'i.
erian
crianeas morderem,
bom d mtes.
I .

par embalanjar crianza*.
para I raco de meninas.
itro rodas para passeios decrian-
1
1 mofflmas ci
11. 43.
E
las.
Linternas mgicas com ricas vistas de cores em
iiuminacos de|se entenderemeomo agente
i papel de seda mu fcil: j Hito ti l'lia (lo BOIU JCSUS
.
1 ara conservar as mezas de
r.
nas para caf.
ae de Mimas.
rii'...- e aniveles fiaos.
'i vidr para mangas e lanternas.
T .....11 clo bonito e bom.
.! iraJ dlpr ri;>- >. pitias para qua
^dros. m-.
f: : .mptosem paysagens e phantazi
: itos, paysagens e pbanta
agicas pira divertimentos om fa-
I ios som lindas pe^as
011 aecordioas de todos os
toman! e mtros muitos artigos de quuiqui
l!;i/ir Victoria.
Amaral Nabuco & C. vendein o seguinte :
Aza de mosca, fazenda propria para cobrir espe-
llios, quadros, flores, ele.
Bandejas de cliarao e do ferro envernisadas, mo-
delos novos e bonitas.
Camizo de meia para menino, de todos os lma-
nnos.
Cha preto e xerde.
Legues, de mJreperola queimada e alva, de mar-
flra, tartarirga, ete.
Rap francez e fumo inglef.
Fugoes de ferro para espirito de rinno.
Estampa de imagens e paisagens.
Revolwers de diversos tamanhos e bollas para os
mesmos.
Flores para cabellos muito perfeita e bonitas.
Cortes de vestidos de la e seda, de baptista, de
cassa pintadas e bordadas.
Camisas bordadas c arrendadas para meninas e;
seboras.
Cestos e balaios, completo sortimento para pao,
flores, fruclas, etc.
Bolsinhas para meninas, de soda, velludo, eouro e
palba.
Bnnquedo para manca, em caxinhas, bonecas de
borracha, de pellica, etc.
Albnm para 20, :', 100 e 200 retratos, capa de
couro, marfim, malreperola, madeira e metal.
Lanternas furia fogo e mgicas.
Esponjas para toillette, parabanho c para movis.
Meias e fivellas para padres.
Insignias maeonicas de diversos graos.
Binculos de maifim, tartaruga, madreperola o
metal.
Gosmorama rxim 24 vistas e diorama para .*>'>.
Steleoscopios com vistas de operas completes ;
Trovador, Roberto do Diabo, lesuitas a trote- e
oulros artigos que s com a vista.
Na ra do Victoria n. 2.
Xarope d'agrio do Para
Antigo e conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgaos respiratoric*.
como a phtysica, bronchites, astlima, etc.,
applicado anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & ('.., ra Lacga do Rosario 3i-
TASSO IRM AOS & C.
Em scus armazens rua do Amorm
n. 37 e caes do Apello n. 47,
tem para vender por presos commodos
Tijolos encarnados sextavas para ladrillio. -
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de desc;iro?ar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da l'ussia era barril.
ITiosphoros do edra.
Sag em garrafoes.
Sevad'uiba era garrafoes.
Lentilhas em garrafoes.
Rhum da linalca.
Vinho do Porto <> elho engarraade
Vinho do Porto superior,.di-o.
Vinho de Dordeaut, dito. 0
Vinho de Scheriy.
Vinho da Madeira.
Potes com linguas e dobradas nglezas.
Licores finos sonidos.
Cognac Gaulbier Frcres:
Latas de toucinho inglez.
Barris com repolho em salmoura.
= Relogios de ooro patente inglez (descoberto)
Jo niel o: fabricante de Londres, em cas de E.
A. Delouche ra do Mrquez de Olioda n. l'J.
Relogios amerioanos, graado sortimento para
mesase paredes rom columna dourada, corda
para 8 dia. os mais modernos |>ossiveis.
Na mesma casa ha grande sortimento de relo-
gios de 011ro, soissos, e prata dourada, cadeias de
plaqu U'Jos por prego muito barato, ra do Mr-
quez de Oiinda n. 49, E. A. Delonehe.
(Mnda
Vende-se o sobrado de um andar e- 3oto com
frente para o pateo de S. Pedro o oitao para o pa-
leo do larmov nas melhores condicors aosajvois,
nao s para negocio, como para moraila uso de
banbos salgados: quem o pretender dirja-sn ao
Sr. Bcrnardino de Sena Ponina!, a na da Madre
de Dos n. 36, escriptorio.
Libras sterlina>.
f K/de Oliveira & C^ ra do Commercio n. 45.
Vende-se ou aluga-se
vm pequeo sitio bem plantado, e .1 casa muil
bent coii?ervadal cca cacimba e banheiro, por
preco commodo, no lugar denominad) Fundi,
ra d;v Esperanca : a ttttar'iia k>j:i da BonqUUta,
roa tb> Cabug n. 0.
Cassa-;
a
\ 900 rM. o covado, i;t run lo
' Crespo aa. fiO.
fasse-biine propria para vestidos, sendo lindos
padroespelo diminuto prego-de 200 rs. o covado:
na loja e Guliierme C. d Cunlia & C4_______
vestida n\\\ mm
Hii do lijie de (laxias. lio
Augusto Porto receben ricos vestidos de blond
com superior-setini branco, grnaldas.0 llores bran-
cas para noivas, o que ha de mais gosto. e vende
por muito c'/iiiiiiodos prego-.
INo duvidem

iban 3 de mencionar-se.
N, a do vapor francez, ra do Barao
. otiti ri Nova n. 7.
Brinque-dos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todo?
os b:in velos fabricados em differentes parte
(la ; 1 para eritretonimento das enancas
Vcnde-se a taverna da'i'na da CadBia 11. lo, s
se vende por seu dono nao poder administrada :
tratar ra do Mrquez de nerval n. 73> aiitiga
Concordia. ^^_^_^^^
(mam tm jHMliis lio esguiio
a ;$S06!
Sao carnizas mpdernas c finas que valem muito
mais ; tem com collarinha c sem elle.
ST-vcrilade tuclo isto f
E' sita senhur.
Vamos pois ra da Iraperatriz n. 'M, loja da
Rosa Branca.
Cobas de OS a 3$
i
Cora franjas muito grandes e superiores.
Ser s na 1 ja da
liosa Branca
ludo ". nrecos mais ivsnnudus que e possivel : i_____ .
m do vapor franeex, ra do Bao 1e vende^por este preco
da Victoria, outr'ora ra -Nova n. 7.
PARA PANOS
E' sim senhor.
Ra da Imperatriz n. 56.
estu-
do
A 280 rs. o covado
I Cambraia muito fina e de lindos padrBes a 280
i rs. o covado, baratissi.no : na loja do passo,
ra i de Mareo n. 7 A, amiga do Crespo.______
, Urna pessoa que retira-se para fra da pro-
i vincia, vende por todo preco um cabriolet arae-
ricano de dous assentos, novo e muito leve : na
, ra da Ponha n. 2*i.
' Vende-se duas obras sem uso algum : M.
Macarel, Diroito Administrativo, 4 vols.' Taparell,
chegados o armazem do Aapor Francez, ^^9 Natural, 4 vols. : no largo do Paraizo n.
ra- do Uarao da \ tetona 'outr'ora No- 8, 2 andar.
11. 7. I _,_-
Pamios proprios de cobrir pianos
(iadeiras je ptrafus' e forro
fado.
>*o Brmazm do Vapor Francez ra
Barao da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
(lestiihas para costara.
Grande sortimento de bonitos modelos
Formas de ferro.
Folhas de Flandres.
Vidros para vidrae,a.
Estanlio em vefguinha.
Chumbo em lencol.
Na ra do Mrquez de
Oiinda n. 4, armazem de Sil-
va Barroca & Filhos.
6. para acal>ar
Chitas totearas c. claras a 2i0 rs. o covado.
Cintas adaosaunadas ultimo posto, poopria para
cobeita a 240 o covado : na ra do Crespo n. 20.
A 440 rs. o covado.
Las de quadros azues. .
Recebeu a !oia da America esta linda fazenda
pora vestidos, e vende por 440 rs o covado.
Maapotao Iraneez a 6XOII0 rs. a peoa, fino
o largo : ra do Cabug n. l.
Farinlia de mandioca.
A melhor do mercado.
Vende J. F: P. Colmbra Giiiniaiaes : ra do
Mrquez de Oiinda n. 3, l. andar.
Cassas ayariadas a 240 rs.
o covado,
O Pavao vonde finissinias cassas francezas de
coros com os mais delicados padrfies, por torera
um pequeo toque de avaria de agua doce, pelo
barato pre.o dti dote vintens o covado. pechin-
cha : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
0.
Vende-so mi) 'jote novo, glande, com todos
os pertences, veda, remos, lem? o forquelas : na
ra da Concordia n. 32._______________
Fio de algodao da Babia e cal de Lisboa, re-
centemente chegado : ha para vender no es-
eriptorio de Joaquim Jo Goncalves Beilrao & Fi-
lio, raa do f'ommercio n. ">.
en seo estado nalnral tem nm goato pooco agradavel, e o merilo da Heiperi.ioa con-
siste em reter soas boas propriedades, e ao mosno lempo apreaenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA, NACIONAL n*> tem nade que nvjar U
inelhores imporlacTjes europeas de calhegoria semelbante. Estas, qaaodo muito, podo
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinado perfeita do
AGRADAVEL SADAVEL
Para prova de qoa um artigo do qual pde-se ter iuteira coo&aofa, por ser por>
e iDDoceote, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorieada pola
JUNTA DE HYGSENE
do Rio de Janeiro, permittindo sua iivre elaborafo no imperio; offWa
BOA PROVA
a acceitago geral que tem em todas as parles onde apretealada. Em 18i smbo-
lecn-se a primeira fabrica em Rueoos-Ayres ; em 1869 a segtofe em Montevideo ; o
do dia da ebegada de S. M. 0 IMPERADOR iuaagoroo-se a fabrica qo acUiaiatBlo
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a eosta do Patuco tem boa aecttofio
laato que rara s easa que considera completo ara aparador esa orna garrafa de
HESPERIDINA
O bomem celho toma Hesperidioa para obter
VIGOR
O bomem doente fama Hesperidina para obter .
SAUDE
O bomem dbil toma Hesperidina para obter
'
Nos bces as doncellas e os mocos tomam a Hesperidina par; oblar bM cAr
a2ima<;ao dorante os Ioqcos g?ros da
BARRO* JNIOR de CL, roa do Vigario Tenorio fc.7 i* andar,, mcebjram 00
grsade especiSco, e vemi^m-so nos depsitos segointes :
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Imperatrii.
Zeferino Caroeiro, ra do Commercio.
Marcelino Jo Goncalves da Fonle, roa da Cadea ni.
Aotonio Gomes Pires & C, ra da Cadeta.
Antonio Gomes Pires C, caes 22 de Novenibro.
Gorr.es & .'rrno hotel da Passagem.
Samuel Po-wer Jchns-
tOTl&O.
Ilua do Apollo n.CS e
^t? mudatio o sea i

Cs propribiarios da fonJica f,e:yl faiem
SCleOtfi loa senbsres de cnpent" Jffiais
pesaoos, que tuem eslabrlociiu ocia tur.'i- '.'
c:>v A* tena e broiste a roa do Bum, |n
lo a e-uco dos kon4>, OBfle "=.>:
qna';i)i-r bv.i >!" -ac-.iniuieod cji pejrei-
c_o e prompiidio. &%
F&i*m sciente aos seos fregflfr.es que tpem
psito de maeWtni a va-
por, mofndas e laxas da muito acreditada
:.-/,;. fabrica da [/"arsjoor para ra eo Apollo n.
^^) 38 e 40, onna conimnam a ter o aiesmo sor-
lmenlo do eoMeae.
Kazem scier.w lambem qr.e team fit uro
a'rnBJo com a fcadirao geral, poio qo po-
maehinisrao a mssmo prsnti lo. j lo o. 38 e 'i, ontia Mjfetfle .
liada ...... Apn.irelh para fabricar asooear, do '
VESTliN CENTOBPOGAL
nicos tajrrues em PerBambaco a fundido geral.
Para tratar em seu escripiorio a ra do Apollo n. 3S a 10.
O me-ios rngKa as pesoas c,ae
ram OtHlstr sb da w MrvifW
ron: a- i k >i.'i ifil/* mu
i I Power lubostai 4

da djisa- fl
^ do. ~>r,. >- JB'
* ra rV> Aool-
w:*
lS^Si!
GRANDE LIGUIDACAO NO BAMTHRt
l'O
BAZAR NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
m
LoureufoPereira Mondes Guimares
Moretes d-Irmo
Em seu cscriptQrio ra da Madre Deus
n. 5, i. andar, tom para vender per preQO
commodo ;
Vinho do Porto superior engarrafado.
Cerveja Bass.
Cha verde miudiaho de superior quli
dade.
VENDE-SE
urna casa de taipa com nm terreao proprio eom
60 palmos de frente e 400 de fundo, lem. 2 fren-
tes, una para o broco do Epinheiro e outra para
a ra Nova : a tratar na ra larga do Hosario
n. 14, fabrica de cigarros.
va
-T
H*
As panai
!iiuuirt, i r novas: na ra Direita n. 120.
d.' sua amizade, o faz por nieio aesie. .------------,,---------------- .. -------------------------
Na rus la 'onlia n. 4 fa^-se vestido da rao- Vende-se um rico presepio, .proprio para ar-
da de toda laalidadc, a salisfacSo da doua e com masao^ das ^alhinbas^ coja todos soas perteBces
pre*teza.
, na ra de Hortas n. 83.
Na ra da Imperatriz n. 6,
loja ne. k>uca> de Sebastiao Marques do Nasci-
mento, vende-se em poredes gtadesou a reta-
tho todo louca existente na mesma, por precos
muito diminutos por ter o nnsmo proprietario
de fazer urna viagooi a Europa a tratar de sua
sade; portanto, todos os fiegaeies que precisar
de se sortir desies artigos, apresontem-se quanto
antes.
Vendado ejjao mulalloho ero saceos e a re-
talho por renos proco do aae em outra qualquer
paite, na ra da Prai n. 1.
Bonliuos a seda.
Amaral Nabuco _, C. receberaui da Europa
pelo uitimo vapor, meias para senhoras de (lo da
Escocia, brancas, abertas no peito do p c borda-
das a seda. C'o que se pod* cbamar novidade, e
sao da, ultima moda em.Paris : vendem no Ba-
zar Viciona, roa do Baro da Victoria n. 2.
^
Marin assetmade de tudas ;is ecres, propr'o
para vestidos, a 360 rs. o covado : na na do
Crespo n. 20, loja de Gnilherme- C: da Cunlia &
Comnanhia.
Gaf do Rio.
Vende Joaqjim F. S. Coimbra fiuimaraes: ra.
ra, do Mrquez de Olimla n.."{, f. mdar.
Feijo crioulo. .
A' rna ta Iffadre-de !>cih ii. 9.
Vcnde-se feijao prcto, novo, j deste anno, mais
bar. to que cm parte alguma ; a elles amigos do
bom e barato.
Ol'liriiii de alfaile
D.\ tOJA DA
llosa Branca.
Apromptam-se obras para homens e meninos,
de qualquer fazenda com asseio e rapidez.
baralissim
Basquinas e>*asaqumhos de seda ricamesto en-J
feiiados e em muito bom oslado, para sonboras o*
meninas a fQPQ*.
Pechinchas.
v Ghooelinas o chapos de pallyi, velludo e seda
para enfloras c meninas, por precos baratissimos
de t#, 3 e 4j.
Anda pechjneha.
. Bales em perfeito estado para senhoras e me-
ninas 1JU0.
Para acabar.
Riquissimos cintos com laqos e sem elle-e de
gostos muito chiques a 400 e -'/O r?.
Entremeios e bafcdinhosm 40t e>$O0 rs. a peca.
Saias de la paraoenliora, 1 i.
Estas peclunfWas se fe endentran na loja do
Passo, ra !. de lar<;o n. 7 A, antiga do Crespo.
.Vende-se dous escravos ne>:as, sendo urna
escrava de 17 annos e um in^|>>que de 13; na
ra de Pedro Alfonso n, 61.
CASEMIRA PRETA A 2-?500 O CORTE.
Vende-se cortssde casemira prcta paracal-
Qas de homem a 2?500, 4^500, 5|5 e 6000.
PAJ.NO PRETO FINO A 2*500.
Vende-sc panno entestado proprio para
cairas c pautte a 2*300, 32, '* o o^OOO c
covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se alpaca prcta fina a 500 e 640 n.
o. covado.
CORTES DE BRIM 1*500.
Vende-so cortes do brim para calcas de
homem a 1*500 e 2*000.
CHITAS BARATAS A 240 RS.
Vende-so chitas francezas largas, para
vestido a 240, 280, 320 o 3(50 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-so chita finas para cob'ertas a 280
rs. o covado. -
MSSELINA DE CORES A 400 RS.
Vendc-s" musselina linas, de cores para
vestidos a 400 rs. o covado.
FLSTAO-BRANCO A 320 RS.
Vcnde-se fusto bronco pura vestidos a
320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS FINAS A 3G0 RS.
Vende-se cassas de cores muito finas a 360
e 400 rs. o covado.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
Vende-so cambraia baptista para- vestidos
de senhora a 400 rs. o covado.
Vende-se
pos de parreiras de d versas quslidades, j era
cestos proprios para mudar-se, por preco commo-'
do, no sitio junto a ontrada do eneanaiiiento, em
Parnameirim, e muito boa gomma de araruta em
porcao e a retalho : na ra Duque do Caxias, an-
tiga das Crures, n. 34.
lgodao da Italiia
COI.XAS DE- FISTOA 2*300.
Vcndo-sc colxas de fustio, de cores,
2*500 cada urna.
COBERTORES DE PELLOS A 1?200.
Vcndo-sc cobertores do pellos c pap-
a 1*200 e 1*400.
SAIAS BRANCAS A 2*000.
Vendc-sc aaias brancas ede coros a 2*QC0
e 2*500.
TOALHAS A 800 M.
A'ende-setoalhas felpudas propri.is par
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAfiENS A 3*00.
Vende-sc bolsas para viagens a 3*. 3*500
e i*000.
LENCOS BRANC.OS V 2"H)00 A Dti&i.
Vende-se loncos brancos a 2*00t) a du-
zia.
GROSDENAPI.ES PRETO A 1*800
Voade-sc grosdcnaplos preto para vestido*,
a 1*300, 2*, 2*500, 3*. 4*000 e .1*000
covado.
MADAPOLO FINO A 4*000.
Vende-se pecas de madapolo, a 4*000,
4*500, 5*. 6*, 7*000 e 8*000.
ALGODO A 4*000.
Vende-se pe^as do'algodo bom i 49,
1*500, 5*. o 6*000.
ALGODO ENTESTADO A 900 RS.
Vende-so algodo enfestado a 900 rs. o
metro.
a370 avara.
Vende-se algodo da Babia, liso e proprio para
saceos : ja ra Primeiro de Margo n. 8, esquina.
A %m.
Vende-se Borzeguins para hornera, pelo bara-
tissimo proco de 4*003 : Venha ao Rival do
Reoife, ra do Mrquez de Oiinda n. 50.
Farinha de mandioca a 3| o
saeco.
Na ra da Madre de Dos n. 7 ; a 41a,
quanto nao se acaba.____________._____________
CERVEJA nm
Narca-K Marea
Vende-se em casa de T. Jerfferies & ai
do Commercio n. 46.___________________^_
Roupa para luto.
Em 24 horas estar prempto quakpicr faao.
Roupa para meninos
Fazem-se todos os modelos .
Recebemos figulinos de Pars lodo* os 004 **
mez.
Na ra da Imperatriz n, W.
iJB


a I I >
Dialio, dePeriwubnco Doiango -27 jte^iWirSile.lSjTfl..

5
i
j
i
*
\
SoaresJ.eite dfc'Irmos, pedem as Exmas familias desta cidade, para vironi sortir-se
de um completo sortimento de miudezas e perfumaras, por presos baratissimos, a
saber:
Caixa de linha-branca muito boa cora
novellos, a 400 rs.
dem idem de roarc, a 200 rs.
Maco de fila chiaazn, a 900 rs.
Duzia de pecas de cordo mi
280 rs. -
dem em carritel de liaba branca, a 320
40 Caixa de pennas Perry, a 800 rs.
dem idem, a 400 rs.
Caita de envelopes trajados de preto, a
i508rs.
, &i LequesparaVsenhoras, a 29000 e 49000
\ dem idem de (so, a 65000 e 85000.
rs.
dem idem carritel 200 jardas, a 15000.
Lamparinas gaz, dando urna luz muito
boa, a 15000.
Abotoaduras para collete (sao baratas), a
200 rs.
Duzia de pec,as do trancas caracol branca,
a 400 rs.
dem idem lisas, a 200 rs.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ras.
dem ideal de sarja idem idem.
Talheres cabe de viado imitaco) a35000 j
a duzia.
Duzia de baralhos francezes cant doura-
do, a 33600.
dem idem beira lisa, a-29500.
Orinaldas para casamento, a 29 e 59000.
Garrafa de tinta rosa extra-fina, a 19000.
Caixa de botes de osso para calja, a
200 rs.
Coques modernos, a 39500.
Maco de tranca lisa de cores,
-Espelhos-toucadores.a 29000.
Resma de papel pautado e liso,
29800, 39500, 49000 e 69000.
Caixa de papel amisade," a 600 rs.
dem idem idem beira dourada, a 800 rs
Caixa de envelopes forradost a 700 rs.
Luvas de pellica com pequeo toque, a
:>00 rs. c 19000.
lndispensaveis ie couro da Russia, a
109000.
livrospara nos, a 820.
R6des nfeitadas, a 19300.
Duzia do collarinhos bordados para ho-
mem,a89000.
dem idem lisos, a 69000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a t9300
dem kananga do Japo, a 1#200.
dem divina, j 19000 e 19200.
' dem idem Magdalena (novidade) a 13500.
Frasco com tnico oriental a 19000.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a HJ000.
dem idem antique muito b >m, a 400 rs.
Opiata muito boa, a 19, 19500 e 29000
o frasco.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
dem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Mac/> de sabonetes inglczcs muito supe-
riores, a 600 rs.
Duzia de sabontes de amendoa, a 29500
a 210 rs. .e 39C00.
dem de sabonetes de anjinho transparen-
a 29600, tes, a 29200.
| dem da sabonetes com flores, a 19500.
Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
mes do autor E. Cudray e Gell Frcres, pro-
prias para presentes.
Sabonetes Glycerino transparentes, 19
Chapeos para s( nboras e meninas.
BOLLAS DE BORRACHA
Grande sortimenlo de bollas de borracha e calungas
tos objeetos que se tornara longo mencionar.
por baratsimo preco, e mu-
28 Una do Kara lia Victoria 28
FUNDIQAO DO BOWMAN
RA DO BRUM N. 52
* (Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e ontros igricnlores, ecmpregadjr8 de m
chinismo o favor de traa visita a seu estabelecimento, para vern o tovo sortimento
comp-let) q'ia ah teta; eido tudo superior em qualidade e [ortido; o qae com a ios
peecao pess jal portease verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE S'JA FUNDICAO
Vfmnraz a rndaa A*atrito. dos mais ffl0ieraos w** la
wa.pi/lCa w luuao u agua maabos convenientes para as diversas
circomstancias dos senbores propietarios e para descarofir algodo.
Moendas de caima 2! 0StamaDb0Sa8me,owes qoe *
Sodas dentadas para Mifl,ae8'agoa e vapor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machiismos w^^.^^,
Bombas
-e para serrar udeira.
Podeodo lodos
ser nao'idos a m3o
*por aga, vapor,
de patente- garantidas..... Ion animes?.
Todas as machinas p*Md^aa * de mchiismo, i pre?'o mui
resumido.
Esmeralda
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante sortimento de joas de
ouro, do melhor gosto e qualidade que tera vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pinturas linas, aderemos e meios aderemos com pedras fi
as, etc., etc.
Helogios de ouro, de differentcs gostos e qualdades, para homens e senhoras, desde o
preco do 409000 at 3009000, sendo estes ltimos de machinismo mais aperfeicoado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes. >
Ditos de prata .lo 169000 e 40JJ000.
GRANDES NOVIMDES
Em fazendas de gosto
NA
RA DO CABUGA N.
MOREIIU DUAIITE & C.

COSTURA
HOWE
mmw
'
SOARES LEITE, IRMAOS
NICOS ENTES
A'
Ra do Bardo da Victoria 11. 28
As mais simples, as mais baratas e as memores do muudol
LOJA E ARMAZEM DO PAVAO
N. 60 Ra da Iraperatriz N. 60
DE
PEREIRA DA SILVA & GUIMARAES
Os propnetarios desto importante estabelecimento, partieipam ao n-spcitawl publica
desta cidade e aos scus numerosas freguezes que acabam de rewber polos ultimo* vapo-
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas c mais modernas la/en las de foato
e muita phantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim romo tambem um granda
sortimento das melhores fazendas de le, que se vendem p ir precos muho em cohU, a
com o fim de apurar dinbeiro.
As pessoasque negociam em pequea escala, neste utabelriln podero *er
os seus sortiaientos, porque so Ibes tender pelos pre<;os que tompram nas casas estraa-
geiras ; de todas as fazendas sedo amostras, deixando penhoi', ou mandau-se lovar em
casa das Exmas. familias pelos caxeiros.
Este estabelecimento est constantemente aborto das 6 horas BLRNOIS A 169000.
0 Pavo recel>eu pelo ultimo vapor 4e
Europa, burnoos dos mais lindos ptfjB
O Pavo recebeu um brilhanto sortimento qe at boje sio conliccidos o em .I <.o *
das mais lindas granadines preta com ileli- sua cxccssrva barateza, envidara-*- M
cadaslistrasde cor barato pre^o do 19500 o c -vado.. Ditasto- novidade neste artigo,
das de cores com listras mudinhas em urna B&AMATTCS PAIA I ."<)!'.>.
$ cor a 19200 e 19000 o covado. Ditas, OBMto-vmJpiVpMMt '
pretas com listras de suda roxas a 800 rs. Di- godo, tendo 10 palmos l
tas pretas com listras brancas, azues ever- precisa de 1 1 i vara par;,
des a 6'0 rs. o c vado. Assim como boni- |.^(ioo o metro ou 19800 a
tas barejes de se mais lindas cores a 19000. E" pecbincha, corpado, com a mesina in^-
na loja do l'avo. vara.
POUPEUNAS A19000 E 29000 O COVADO. Ditos franc-v.es muito lino.
O Pavo recebeu um elegante sortimento 3.5000.
A 19300, 19200, 800 e GiO rs.
-
iit-deal-
... O

eo en
I ?500 c
>'a exposiefio de Pars, cm 1867, foi concedido a
Elias -Ilowe- Jnior, a medalha de ouro e a c. ndecora-
eo da Legio de Ilonra, por serem es machinas mais per.
feltas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E.
Estados-Unidos por ser o inventor da
tura.
A medalha, hi%jouro na esposico de Londres ; 1 ditam
estas machinas
Howe Jnior, nos
machuia de eos-
A 9GSQ00
de Nova-
e agencia
Faz qualquer concert
1!VMmlC fo fftrrn tem as melbores" e mais baratas existntes no mer-
TfvtnmrYtrvuiTxilaa locumbe-se de mandar vir qualquer macninistno vi-
aiL Jl&IIIlcIlucia* tade dos clientes.-lembrando-lbesa vantagem de fazerem
oas compras por intermedio de pessoa entendida, e qae em qaalqaer nece^gidade pdi
hes prestar auxilio.
Arados americanos e ia,lrffie1M !g,iCD,M-
RA DO BRUM N. 52
O CHAFABIZ
\o ariiiazein de Joaquin Lapes Miado y C
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
Vapores loconroveis de forca de i a i favallos.
i^orreias para macbinag.
Polias de diversos taannos.
^aquetas para cobertos de carros.
Solas de lustro para guarda lama.
ontas de lan^a para carro.
CJiieotes para carro.
Cales largo e e*treito para carro.
l'regos com cabera de marfim, idem.
Cabe-nos o-dever de aiinuncar que a companhia das machinas de Ilowe
Vot'k, estabeleceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, um deposito
geral, para em Dernambuoo e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura do Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela jicrfcicao de seu trabalho,
empregando urna agulba mais curta com a mesma qualidade delnha que qualquer outra,
e pela introdcelo dos mais aperfeic-oados apparelkos, estamos actualmente habilitados a
offereeer ao examo,publico as uelhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as 'seguales:
Primeira.O .publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
circumstancia de nunca tereni apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mo.
Segunda.Conten o material preciso para reparar qualquer desarranjo.-
Terceira.Ha nellas menor fricro entre as diversas pecas, e menos rpido estrago
do que nas outras.
Quarta.Formam o ponto como se ra feto mo.
Quinta.Permitte que se exsmine o trabalho de ambos os fios, o qu se neo consegn
nas outras.
Sexta.Fazem ponte miudo em casemira, atwvessando o fio de um (Mitro lado,
e logo em seguida, sem modificar-se a tenso da linha; cozem a fazenda mais
fina.
Setiaia.O compressr levantado com a maior facilidade, quandose tem de mudar
de agulha ao comecar nova costura.
Oitava.Muitas companhias do machinas de costura, tem tido pocas de grandeza e
decadencia. Machina&outr'ora populares, sao boje quasi desoaahectdas, outras soflreram
mudancas radcaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje nao altende a procura, posto que faca 600 machinas
por da.
Cada machina acompanha hvretos com instruecoes-cm portuguez.
Arados para lavrar a trra,
f'arrip.hos de mao.
Camas de ferro.
Cofpes de ferro.
Cestos d'arame para D6
Fogoes'de ferro.
Balds de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tochos de ferro estanhado.
Machinas para descarlas; algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balancas, pesos o medidas.
m CASA DE &HAW HAWKES k C.
RA DO BOM 'JESS N. 4.
A
SOARES LEM, 0
A'
Ra do Baro da Victoria n. 28.
Lindos vestidos a 58 o corte
Superiores cortes de cassa de co, de'organdy e derpercalia com barra e de daus
saias, acompanhados dos competentes figurines a 69 cada corte. Vendem na ra Pri-
meiro de Marco (atttiga do Crespo) n. 18, loja das columnas de Antonio Corra de Vas-
cellos.
Seda pura a 1#500 o covado.
Seda do cores de muito lindos o differerUes padrSes, gos'.os %iodermsf pelo baratis-
mc- pre^o de 19500 o covado,- vende na ra 1. de marco (artiga do Crespo) n. 13, loja
das Columnas de An onio Correa do Vasconcellos.

JEsrravos.
VENDE-SE
Vende-se doos; sendo um mulato de 40 anuos oito casiahas ou meia-agua5 sits no cae= do oi-
uV idade, apto para qualquer ervic-o c muito fielf Dibarifee, de t^olo e cal. bera construidas^ com po-
urna escrava de 45 anuos de dada, Uva, engom- i co meeiro, que rendem 84 meltsaes e sao mutto
nu, cozinba e boa nuttandeir* : na ru.A do procuradas pela, boa looalidade : a ira Urna pra-
spicio n. SI. I ca do Corpo Santo armazcm a. 9.
.i:zi.-:ir-
Tinta Inalteratrel
Para escrever
de p. mmmi v.
PEnNAMntfo
llMi l l
Esta tinta recoinmenda-se. pela sua eom-
posioa6 e fluidez como a-molbop e*k-inais
segura de todas as tintas at hoje oonheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrver, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de conxmercio, documentos etc de
que se careca long conservaca.

4

i
das mais lindas poupelmas de seda com os
mais lindos desenhos e mais bonitas cores,
que vende a 135000 e 2?000.
SEDAS DE CORES A 2?00 RS.
O Pavo recebeu um bonito sortimento
das mais lindas sedinhas de urna s cor com
delicados desenlio; iniudinhos, que vende a
2C500 o c vado. Ditas com listrinhas, mui-
to boa,fazenda a 2*H)00. E' pecbincha, na
na loja do Pavo.
CAMBRAIS ABERTAS A 95 E 10000
O Pavo recebeu um alagante sortimento
das mais finas cambraias brancas abertas,
bordadas para vestido, que vende pelo barato
preco de 05 e 105000 o corte, tendo fazenda
bastante para vestid"). E'. pecbincha, nu loja
do Pavo ra da tmpratrix n. GO.
LZINUAS BOUDADASA 400 BS.
OCOVA1M).
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lzuhas transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusivel rocha propna para viuva, c ven-
de polo baratissimo prego de 400 rs. o co-
vado. E' pecbincha, na loja do Pavo ra
da lmpevatrz n. GO.
LAS MODERNAS.
O Pavo vende um bonito sortimento de
lzinhas listradas sendo das mais modernas
que tem vindo ao mercado, pelo baratissimo
proco de 500 e 000 o rs. o covado. E' pe-
chincha, na loja do Pavo i ra da Iiiipu-
ratriz n. 00.
ALPACAS LAVRADAS A 040RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cores sendo as cores mais modernas que
tem vindo para vestidos, c veudc-sc pelo ba-
ratissimo pre"go de C40 rs. o covado. E'
pecbincha, Da loja do Pavo.
CASSAS FRANCE/.AS A 000 E 040 RS. O
METRO.,
O Pavo recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran ezas, de cor,
cornos mais bonitos desenh s midos c
gtadMj tendo padroes oscuros e outros que
servarn para lulo, c vende a 600 e GiO rs.
0 me*W ou 360 e 400 rs. o covado.
LZ.NHAS MODERNAS COM LISTRA DE
SEDA A 640 rs. c 15200.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
de las com listras de seda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo ao merca-
do e com as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos precos de 640 rs e 15200-
Assim como outras muito bonitas com listras
sem sar de seda, que vende a 500, 640 e 800
rs., todas estas las sao modermssimas. E'
pecbincha, na loja do Pavo.
Chitas a 40, SO. 3Oc 300 rs.
O Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas, que ven le pelos bara-
gos pref s dt 240 e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, com novos
padroes a 320 e 360 rs. o covado.
Ditas muito finas padroes claros em teci-
dos de percales, com barra de cor ao lado e
sem ella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas com tecido de cretone, fazen-
da muito superior a 30 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de cores, miudiuhas, proprias para
roupa de criancas a 360 rs. o covado. E'
pechiacha, na loja do Pavo.
IIil> I a &OO rs. o covado
0 Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptislas de cores com
padroes miudnhos o grados sendo proprios
para vestidos e roupa de crianga, pelo bara-
tissimo preco de 500 rs. o covado, afliansan-
do ser grande pecbincha !
Cortes de canibraia. ultimo no-
vidade, a 95000.
O Pavo recebeu pelo ultimo vapor do
Europa-, cortes de cambraia branca com ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
suHwiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, c pela sua excessiva ba-
rateza tornam-se recommondaves s senho-
ras de bom;gosto.
Ditos com babados de cor, tendo 20 me-
tros de babad s 95000. E' grande pe-
chincha, no Bazar do'Pavo rua da Irape-
ratriz n. 60.
CORTES DE CAMBRAIA BORDADOS.
0 Patio recobeu os mais rios cortes do
oambraiabranea'bordadospara^estido, que
Vende pelo barato;preco dc-205e 305000.
1 CORTS B* CAMBRAIA BRANCA.
1 O Pavo receben n lido corte de cam-
braia branca comdistras assetinadass que
Vendepek>baiatoprogo de 65000.
. Ditos rom listras 45 c 55000. E' pecbincha.
ESPART1LHOS.
Pocas de Hamburgo e panno do .inb>, -n-
do c m 20 c 30 varas para ldusopr\js
C quididades.
lulas de hretanha de puro linlio, K-imIo 3o
jardas, pelos preros iims baratos pie
visto.
Pcchinchas do linissiino csgni 1 t-u >ibj/i.i
com 6 jardas ,1 75000.
I'et;as de liniisima silezia com IO jarla-.
a 355000.
Atoalhado adamascado com tt'|talnu>
largura a 25000 a vna.
Cairas de easnuira.
O Pavo tem um grande s- itinvut
caifas de casemira, assim como corli
mais moJerues que toui \inlo uo< ulti:
liguriuos e em fa/euda, dos mais finus i
mais novos que tem vikIo ao nivrcad >.
vande-se por barato |ni'',o jiaii apura. !.
nheirn, assim como calcas de cores, por piceos muito razareis.
LENCOS A BAIMIA DOS A I9SM I W*
O Pavo vendo duzias d; ien<;os bra..
abainhados, sendo fazoiidi muito Ito.i, p .j
barato preco de "000 a liuia.
Ditos tambein abaiuba los, com !x-i
cor a 15800.
Dil s grandes, ia'i;.u m'.iio lina. -
todos brancos a 35000,
Hito de cambraia branea,
a 35000
MEIAS fRLAS V ir I brOOt A Id/
O Pavo vende duziai '> mm
^lc7as pelo barato prwco !. 19 Assim como ditas muito linas e mu) 1
corpadosa 65000, 75000,8COIH I
e um grande sortimento de meias inajloxat a
francezas, para senboi.is. que
preco mnio commodo.
MADAPOI.VO IRANCkZ a 6?0M I W
O Pavo vende pecas de ma lapo.'ao :
ecz, que aamprc se vend u p"i muito mai
diuheiro e liquda-se p baratissimo proy>
6TO00 c 75000, por ter leito urna g.-.->rwa
CJtnpra. E'|)echiniha.
llSodAoznlio a 4^000.
0 Pavo vende [tecas le tlgo-lan/.. t,t ,
muito boa fazenda, pala barato pr.-co ir.
19 e 55000.
Dito largo muito eucorpado, pr <\ lio \.ra
toalhas c lenges a 65000 e 75000.
CAMBRAIAS.
O Pavo vende corles de eaiabraia tras-
parente propria para vestidos a 5500 a
35000.
Pecas do dita nviito fina, com 10 jarda,
tapada como transparente a 45, 5T e t9tO#S
at a mais fina que vem ao mercado.
PANNOS DE CROCHET P.l RA CADLIE' -.
O Pavo tem um grande sulin..
pannos de crochet propiios para radra da
balando, para ditas de guarnido c ]
f, que se vendem muito cm conta.
COI.XAS DE CROCHET A 65 E 85000.
O Pavo vende col vas le crochet pr1; M
para cama de 65 e 85000.
Ditas de fusto acohoadas. sendo d
res c brancas, |elo baral preco de IfiOf 0.
E grande sortimento de litas de dama
cretone e de chita, que veudc por pr-vaa
muito razoaveis.
CORTES DE PERCALLES COM DI AS SAA5
a 45000.
0 Pavo veudc bonitos cortes de per alies
com duas saias, sendo fazenda de muito fas-
to a 45OOO. E' pecbincha na loja do T'a-
vo ra da Impcratriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 55000.
Na loja do Pa\o ra da Im|tetatriz n. 60.
Pereira da Silva ttuimaraes lecvberaic
pelo ultimo vapor de Euiopa um elegante
sortimento de botinas pretas e com delicados
enfeites de cor, proprias para senbora, garan-
tindo-se serem das mais modernas que v
no mercado, assim como. a boa qaaMado,
pr terem sido remetdas fr um dos ato-
hores fabricantes de Paris, e veode-aa pala
barato preco de 65, na loja do Pavao.
SAIAS BORDADAS A 55, 60 e 89000.
O Pavo vende saias ricamente bordadas
de 4 pannos cada urna, pata
precos de 59, 65 e 85000.
Ditas de um panno so e com muita
guarnecida de pregas, pelos baratos proco,
de 25000 e 25500.
Ditas com guamicio de p'egas e borda-
dos a 35500.
Alatadao oiif-a.lad a
0 Pavo recebeu om grande sortiafRI |^atro.
de espartilhos tanto para senhora como ptl pasea*i
O Pavo vende algodo ameriaatoo
lado e muito encorpa lo, prof rio para
Iba e lences, pelo barato preco de
vara.
Dito fraocez sendo trancado e
corpado, pelo baratissimo proco de I
Na pharmacia'Maurer ra do Barao da Victoria n. i5.
menina, que vende pelo barato pro;
Ditos muito finos a 45 e 5*000. SSd dos
mais moderaos que tem vindo ao mer-
cado.
_0 Pavo tende cortes docawmara ua>-
M, sendo fazenda muito superior que -
pro aa vendeu por mais diahoiro, e bjfft-
dam-se a 79000 o corte.
Ditos a 69000,


*9
Diario de Pernambuco Domingo 27 de Abril de 1873.
r
O 1" DE ABRIL.
lia nesto imperio o inveuterado costume
de enganar-se aos tolos, e, se isto faz-se todo
o santo da, o que nao ser no couhecdo
1* de abril ? Guardam-so para este os lo-
gros mais atoleimados, as grajas mais en-
joativas.os lagos mais desusados.
Conge eslava eu de lombrar-me de tal da,
quando, logo ao sabir i ra, foz-se enoon-
trilago cornigo um divertido cidado,
do, um typo genuino do pragador de lo-
gros em da Io -.- abril. Ksta cidade as-
sini : tea, mais que rieiiluniia, pas nnsa
iiitintdade de typis os mais diversos ; lem-
brom-so dos que anda esmolam para os
santos e santas da corto do co, lembrem-se
dos cantadores do mo linhas, dos apologis-
tas do thoatro moleruo, dos capangas de
leiges, dos leilocirns do divino, dos rece-
bedores de bonds, dos cocheiros de tilbu-
rys, dos kals que assistem a todas as mis-
sas, etc., etc., etc.
V por mata-cavallos, chegue perto da
ladeira que sobe para Santa Tiiereza, espi
de longo a na do Rezendc e, so acbar gei-
to, admire tambera as do Senado, invalidas
eC tumby ; uo perca de assjst.ir.-a m es-
pectculo, que j deve ter testomunbado
eui miniatura, masque presentemente toma
prAporces assoetadoras, K" um caudaloso
empollado, soberbo rio de aguas lodosas,
acarretaudo torras, podras e hrimundiivs e
qito vai correndo, nao sei com que funes-
to destino. Ha lempos, que anda ora pro-
jecto o arrasamiento los monos do Cusidlo
de Santo Antonio, airasamonto qno traria fa-
bulosas vantagens salubrida lo publica,
segundo o parecer dos melhoros hygienistas.
Deixam-no, porte, no tinteiro o na cabera
dos ministros, deixam-no em seu primitivo
estado o de projecto o a providencia nao
donne, vai ensinando que se deve lazer,
vai gastando, como p le, os laes morros e
muit mais o de Santa Thereza. Deus
queira que a lgu aproveite. V, nao per-
ca lempo, omquantu eneontra um sinisiro
singular : um cocheiro do diligencias, ho-
rnera destimidu o alfronta lor dos elementos,
motteu-se com a gaiola a travs da corrento-
na mais negra que a do Tamisa e tem-sn
visto em boas. Esqueceu-so de sondar a
proindcza da correte aroitou as bostas,
qua desappareceram submergidas, atoln
os passageiros de tal modo, que esto ellos
sement com as canecas do fra. Dous
moloques que iam na trazeira afogaram-se
immediatamente o seus cadveres passavam
agora mosmo, botando, pela ra (le Rezen-
de entre Invalidese Silva Nanoel. V, que
i eneontra o corpo de bombeiros : as gro-
jas por engao baviam dado sigual do in-
cendio...
E sem mais domora nem indagages puz-
me a camiuo. 0e logro !.. tf que me-
recia um tratante desta ordom ?... respou-
dam... nao mereca um emprego rendonso
ou urna condecorajio por sorvions relevan-
tes prestados s tradiejoes nacionaes?...
Fosse eu governo, que bavia do ensina-lo.
Estafa tudo em o mais risonho aspecto ; os
parallepipedos to ns, to limpos, to re-
luzentes, as ras tao seccas, tao encantado-
ras, como em dias do chuva o comeen da
do Cuttete entre a de Santo Amaro e a-se-
cretaria dos estrangeiros, ou como ainda a
do Caminho Velbo de Botafogo junto de
Payssand.
E ainda apparecem possoas, que mal in-
formadas pedem ao Sr. ministro do imperio
medidas, que previnam suppostos acontec-
montos !

Felizmente a ndole deste povo sobre
modo verstil, e de incrivel promptidio os-
quece-sede todo o que ainda ha pouco re*
ceiava. Acorda elle pela manila contra-
nadissimo com as noticias que l ; assusta-
se com as unsequencias de churas torreo*
ciaes, que fizeram estragos diversos em San-
la Mara .Magdalena, Petropolis, Macah, S.
Jos do Rio Preto e etc. ; olha desconfiado
para o lempo, que nao venlia tambem tao
brutalmente acarinUa-lo e mais ainda para
muros, predios o armadilhas de cuja segu-
a iao seria responsavel ; examina-o ain-
da soffrivel obituario, lastiina-se da incuria
era que consentem estejam os esgotos; faz
tudo isso pela manh e.. tardinha mos-
ale&re. contcntissimo d
tra-so casquilho, alegre, contcntissimo de
sua vida : vem assistir procisso, analy-
sar a vestimenta dos anjinhose a physiono-
mia especial dos que de vola em punbo o
lioso
demonslrajes
rcligiao deste povo. Olliem o
da freguezia do
opa aos hombros alistaram-se em rehs
passeiol
Tenlio muito tnedo das
diarias da
que fizeram ao
Inharaa.
Vinha o pacifico sacerdote prestar soccor-
ros espirituaes a um enfermo do Eugenho
Novo. A' vista da distancia a percorrer
( urna legua ) o da sua idade avanjada,
tomou um cavallo e montado dirigio-se
quelle arrabalde. >
Foi o necessario para que quatro cora-
rles, abrasados de zelo piedoso, se revol-
tassem heroicamente, dirigissem-lhe insultos
e at o derrubassem do cavallo. Tiveram ra-
zo, muita razo os indignados, os que vi vem
de sacrificios, os que gastam horas preciosas
na leitura consoladora da Biblia I Fam-
iiarisados com esta, ignoram elles acaso que
o prop-io Christo nunca andar montado ?...
nem mesmo quand pela vez ultima entra-
ra triumphante em Jerusalem ?... Um sa-
cerdpte montado 1 I nao concordam tambem
que seja a mais eloqueute mostra de irreli-
gio, de atronta s crenjas populares ?
Tanto revolta-me o desacato irreveren-
dente dos quatro desmiolados-, quanto nao
cprnprehendo a razo do mandarem fechar
too ntecip idamente os theatros. S se
entra nessa medida o pensamento seguinte :
o que s representa na nctualidade sao com-
posijes cada qual com raaior dose de inde-
cencias, de disparates, de inverossimilhan-
cas. S se por'isso, pois acredito que o
povo anla mais diroitinho, quando gasta o
seu tempoem theatros, do que quando, por
desfastio, mette-so a parafusar no modo de
consumir o resto da noute. O parafusar
o estado mais evidente de ociosidade, e esta,
segundo rifo que envelhece, passa por ser
a rali de todos os vicios.
E realmente o que vemos com o fecha-
mento dos theatros? Sao os buhares apinha-
dos, as casas de cartas bastantes concorri-
das, um tributo muito mafor pago a esse
vicio desgrasado, o jogn. Enchem-so osj
botequins e c botis e, afora tributo muito
maior pago intemperanga, alimenta-so
muito mais a murmurado. Ras de tran-
sito vergonhoso sao mais frequentadas....
Em summa para que poetisa* e nao reflccr
sobro os factos como realmente elles sio.
tiosto em extrem de procurar saber o que
a realidade...
......do Tamisa o serio vate Minha il-
lusodesfez, com elle na vida olbei males
reaes.....
E' ainda a realidade que me diz que as
cataslrophes nao tem patria nem lugar de
prcdilocvo. N6s aqui n juslamenta lamen-
tarmos o do lia ver desabado a rnqralha do
arsenal de marinha sobro nfulizes carapi-
nas, o no entretanto o que j antes teste-
munhava l'aris ? Foi nina outra, succedi-
da na fortaleza Monte Valeriano ; tremenda
oxploso de plvora ( nao de Utas phos-
phoricas) deu cabo instantneamente de
e trila feridos. poucos ficarao ueste valle
do lagrimas. Nos aqu a justatuonto nos
consumirmos com as proesns funestas de
urna regular epidemia e a desditosa Franja
a ver-so em apur s tambem com os euthu-
siastas'd i hoinem-fcimnii do severo M. Du-
inas Fils.
Entre inuitos casos de atleutado de fran-
cezos contra a vida de suas mulberes, ne-
nbum tao original como o que leve por
scenario a roa Earteaux, Na janella de
m quarto andar estava pendura la urna
miilbor a quem o marido obrigou por
ultimo a largar o parapeito, despeinndo-
se tambem. O povo, horrorisado, vio
aquellas d is corpos pelo ar o cahiram no
solo, p
inr pessoas, que angustiando-secom o de-
sastre o mais insignificante, acham doloroso
prazer cm ler, reler, commentar noticias
que npertam o corago. Recommendo-lhes
a historia de quatro aspliixiadosa bordo-da
barca ingleza Rodertck >hn, os transes por-
que passou um triste macaco, submettido
forjada experiencia, o naufragio do paquete
Gambie o a descripefto de diversas enchen-
tes de alguns de nossos rio.
O perfeito esta lo de onservacao do ca-
dver de Antonio Rodrigues l'icbelim, em-
balsamado pelo Dr. Costa Ferraz mais nina
segura prora da excedencia do processo es-
pecial seguido por oste Ilustrado e intelli-
gi'nte medico.
Se por um lado teve elle a felicidade de
ligar seu nomo aos nomos iminortaes deJoo
('.aciano e (losilialk, embalsamando-Ihes
os cadveres, por oulro a ngratido popu-
lar salo-lhe algumas vezes ao encontr,
desconfiando do successo dos lquidos em-
progados o da iutegridade em que estariam
os cadveres por elle embalsamados.
Ghegou mesmo a espalhar-so o boato de
que o de Gottschalk se bavia putrefacto.
Mentira, mentira, desmentida por occasio
de se embarcaremos retos do autor da mor-
a da ultima esperanza e do ultimo amor :
.Nao se podia desojar melhor conservadlo ;
muitos que viram e eu tambem vi, aflirma-
mos cssa verdade, que com a recente e ou-
tras serviro para a gloria de quem os sou-
be preparar.
?
Estou solTrivelmente esquecido daquelle
interessaute dialogo entre Antonio e Gracia-
no, dialogo travad no primeiro acto do
Mercado)' de Veneza.
Abramos o theatro Shakspeare. Aqui
est elle... E'Graciano quem falla 1 Ha
bomens cuj i semblante e verdadeira agua
dormente, semprc coberta de espumas:
gunrdam calculado silencio para obterem
reputacao desabedoria.gravidade e profun-
deza ; parecem dizer-vos : sou umora-
culo ; quando abro a bocea, n3o quero que
ladre'cao algum Oh meu caro Anto-
nio I Coahogo muitos que sao considerados
sabios apenas porque nada dizem, muitos
que se fallassem, poriam om torturas os
ouvidos do prximo e seriam tratados como
loucos.
Se querem conhocer urna expressiva anti-
these desses sabios enigmticos, se querem
conhecer um hmiem cuja reputago fir-
mou-sc nas mais brilhantes mostras de ele-
vado merecimento, se querem admirar um
brasileiro distincto, incansavel, verdadoira-
iiiente til nossa patria, creiam que ahi o
landos na pessoa respeitavel do r. Ladisl >
Netto.
Ledo a carta scientifica, impressa ueste
Diario de 2 d > corrente, carta interessantis-
sima por seu importante assumpto. v
Versa sobre a copia de uns caracteres
graphicos, que o Sr. Joaquim Alves C"s-
ta diz, acbaram-seinsculpidos em umapedra
encontrada por seus esclavos em seu sitio
do Pouso Alto, perto da ParabyJja.
Sobre tao precioso documento histrico e
Ilustrado exegeta brasileiro assim se ex-
prime :
E' urna pe Ira commemorativa a de que
se trata ; o rustico monumento erguido por
alguns pbenicios da Sidonic, deportados ou
fgidos da torra patria entre os annos nono
o dcimo do reinado de Hiro. Diz ainda
mais o Sr. Ladislao Netto : esta inscripgo
urna das mais antigs e evidentemente a
mais notavel do quantas at hoje conbece-
mos daquelle heroico e Ilustre povo, a quem
parece que todosjos mares se rendoram.
Desejos o tengoes nao lhe faltam de cavar
tao profundamento no assumpto quanto sua
difficuldade e importancia exigem. Facul-
tar-lho-ho os meios de que necessita ?......
Tal vez.... talvez....
Ougo passou agora mesmo. E sao os do
criado, que tom um andar denunciante.
O que temos !
, Est ahi seu Timotlteo, que vem visi-
ta-lo. Disse-lhe que o Sr. estava cscreven-
do e mandei-o entrar para a sala do vi-
sitas.
Pois dize-lhe que j vou, que tenha
paciencia de esperar-me alguns minutas.
Apre I... esta vida to semeada de con-
trariedades", que bastante razo teve meu pai
para dizer-me umdia destes : filho, a vida
a arte de resistir. Ora bem, convm
que eu resista ao desejo' de por boje esten-
der-me ainda mais.
Duas palavras smente sobre o Sr. Tmo-
theo ; homem patusc e que tem do mais
baptisados, casamentos, anniversarios, pa-
tuscadas, visitas, etc., que as naval lias dos
barbeiros aos queixos da bumanidade.
0 Sr. Timotheo como se diz vulgar-
mente, um pao para toda obra. Conteai
com elle tanto para um pranto desfeito em
dia de enterramento ou em missa de fina-
dos, como para espalbar alegras em occa-
sies festivas. De pessoa", que t ou com
quem conyeTsou urna vez,'- guarda fiel remj-
niseencia/e pode ostar ella a certeza de que
chupa \f prximo encontr dez ou vinte
barretafs e saudagoes.
ri-j /til ddio'd !.-' um la h imaginem, -o
quon.'uTsT e'^vm quem tem mais an-
tigarelagao! K' de um olTerecimento....
J proseguir io que estou cotando...
deixera-me aquietaos mannhos, quefazera
um barulho com os taes assovios de palba,
que rae atordoam os ouvidos e baralliam as
ideas...
Oh criangas I testa de aborrecer a
gente ..
Passasso muito bem, senbor dos meus
agrados ; sou eu o Timotheo, que estou ex-
perimentando uns assovios que liz. Estas
criangas rneagarraram,' que nao ha reme-
dio... ilho que vm buscar os meus ver-
sos.
Sou forjado a parar. Vou escreve-los ;
por peccado meu os sei de cor. e o Sr. Ti-
motheo os desoja copiar em variada collec
jao de poesas, obra curiosissima ; s vista,
faz-se idea. J ost ella em mais de cin-
coanta volumes, e bem grossoa. E* urna
de suas inanias predilectas o copiar e deco-
rar versos, por sso sabe recitativos para
adormecer o prximo duranto mil e urna
noute. -Vou escrover-lhe oque me pedio
para despedi-lo quanto antes.
A MOKTK 1>E um ciuvo. .
O cravo era bonito
Matiz puro de rosa.
Mas dessa cor igual,
A' tua cor, mimosa !
Era miuhas raaos esteve,
Furtou-lhes o calor,
Mostrou-se toda a nouto
Vijos encantador.
Nao quiz cedo entregar-so
Ao somuo suiciila,
<,)e as flores todas dormom
' Apz to curta vida.
Depois... nao sei... fugio-me,
DeLxou-me a suspirar,
Em meu poder inglorio
Nao quiz so demorar.
Era vao tentei busca-lo ;
_ Aquello ingrato, o cravo,
J n'outras raaos parava,
Feliz... feliz oseravo I
*
* *
Passados sao tres dias ;
E' noute e mortuaria,
Do co chuva miuda
Se esparce solitaria.
Eu...-trema a teu lado
A cada olhar dos teus.
Dos quaes desvio a medo
A frouxido dos meus ;
Troca va, a sos coratigo,
De varo assumpto as fallas,
Soma essa fragancia
Balsmica, que exhalas ;
Seno quando... imprudente,
Do cravo a ti... falleite,
Depois.:. a mo esquerda
A tua mo de leite...
* Su mi-se... foi por baixo
Da cinta e do corpinho
Tra-lo... apresentou-o'o
Cora divinal carinho I
* *
Ao ve-lo morto, secco,
Sem mais aroma e encanto.
Dos olhos deslumhrados
Saltar-me-bia o pranto.....
Se eu mesmo nao estivesse
A iuvejar-lhe a sorte,
Se nao trocasse a vida
Por to gostosa morte 1
Morrer na tua cinta 1...
Um tmulo ter ahi...
Na candida roupagem,
cima desse tmulo
(Que bello mausoleo 1)
Teu corago orguer-se,
Osymbolo do co I...
Achar em somno eterno,
Em vez de terreo-fri,
De corpo perfumoso
Calor doce de estio I...
O que isso val.... nao podes
Imaginar, oh cravo I
Eu sei, porque te invejo,
Feliz... feliz escravol
(Diario do Rio.
LM REVERENDO FALSIFICADOR.
As correspondencios de Londres referem o
seguinte caso :
0 reverendo Vyvyan Heury Moyle
um hornera de mrito, que possue exceden-
tes relajos no mundo clerical e poltico,
sendo ao mesmo tempo raerabro de rauitas
sociedades de sabios, tal como a sociedade
real das artes, geographia, etc. Occupava
alm disso urna alta posijao no paiz, e era
muito estimado dos habitantes. Pois, ape-
zar de tudo, teve de comparecer perante o
tribunal de York, com a terrivol aecusajo
de falsificador, crime em Inglaterra punido
cora trabalhos forjados perpetuamente.
O reverendo Moyle declarou que era
culpado ; confessou sera hesitajo, que
tinha falsificado um documento do valor de
22.000 libras, discurso do advogado
da defeza foi muito curto. Pedio simples-
mente a indulgencia do tribunal, em pre-
senja dos antecedentes muito favorveis do
aecusado. O tribunal, porm, condemnou
Moyle a sete annos de trabalhos {oreados.
NOVE VEZES CASADA, SEM ENVIUVAR.
Morreu ltimamente no Oriente urna nobre
senbora, lady Ellenborough, a qual tinha
feito um extraordinario uso do casamento.
Aos trinta annos desertou do seu primeiro
marido, azendo-se roubar. pelo conde de
Schwartzenberg.
Retirou-se depois para a Italia, onde se
recasou seis vezes successivamente.
Estava com o seu stimo marido em 1848,
quando desposou em Athenas o oitavo,
que era um coronel grego. Este nao a po-
de con ter mais tempo do que os outros, por
que se apaixonou de um chele de pallika-
res, consegrando que elle fosse edificar urna
casa prximo do Preo.
L'm divorcio tinha-lhe -dado a hberdade
completa, e aproveitou-so d'olla para deixar
ao mesmo tempo o chufo dos pallikares e
coronel grego, indo entp viajar no Oriente.
No caminho do Bejlruth para Damasco, o
conductor dos seus camellos, Cheik-Abdul,
paroceu-lhe digno de ser o seu nono esposo;
Qflsou-se, pois, segundo o rito rabe, e foi
este quem ella se conservou fiel. Duran-
te toda esta successo de marid j, lady El-
lenborough sustentou em Inglaterra um
longo processo, ganhaudo-o em 1855, e
oi ello que a fez entrar na posse de urna
immensa fortuna. Morreu vuva, por isso
que o guarda dos camellos, Abdul, a pre-
cedeu no tmulo, o como nao tinha filhos
a morto vai euriquecer urna numerosa fa-
milia de sobrinhos e do so'ninluu.
FAIXECIMENTO. Falleccu na
idade de 76 annos o celebro .escriptor
Araadou Thrry. Como seu Ilustro irm**;
Agostinho Thterry. Ama leu consagrou o
seu alto espirito aos cstudos histricos, era
qae deixou trabalhos importantes. Entre
outras obras d'esto escriptor notavel a
Historia dos Gaulozos.
OS PAPES GERMNICOS.Era jornal
conservador hespanhol faz a seguinte per-
gunta, que a Politiza qualifica do inno-
cente.
rndigaria o governo o quo quo pre-
tende a Allemanha ao passar cora corto ap-
parato, o com aunuicio previo, a sua es-
quadra pelas aguas do Hespanha ?
Snppomos (pie ao ministro de estado,
tambem lio de ter-lho despertado a atten-
co as proeaujos ou receios da nago allo-
ma.
A esta perguuta rospondem os jomaos
ik> governo,
.Para quo ha de indagar o gojemo o
que pretende a Al o.nanha ? O governo
uo to timorato como o suppe o diario
conservador. Nas regios ofliciaes nao tem
a mais mnima importancia a idea de urna
intervnjo ostrangeira.
REOL'ISICOES. Nao teem numero as
requisiges do armas (po do todas as provin-
cias do Hespanha chgam capital, atim
de armar os voluntarios da repblica.
Gresca a indignago popular contra os ban-
dos Jatro facciosos o incendiarios," que pro-
tegidos pelo partido clerical e por diuheiros
dos manarchistas rancezes talara os campos
e as povoages.
O governo vai adoptar todas as medidas
enrgicas que estivorom ao sou alcance,
afilo de acabar cora urna odiosa rovolta, cu-
ja durago envergonha a face da Europa,
todos os bomens verdaderamente libo-
raes.
CONDEMNACAO A' MORTE.O tercero
conselho de guerra, dos que permanente-
mente esto funecionando ora Franga desde
que foi vencida a canipanha, atxiba de sen-
tencear morte a Flix Pyat.
Como este famoso revolucionario est
emigrado, a sentenga nao ser executada.
Os tratados de oxtradicgo excluem os Cri-
mea polticos.
Flix Pyat acusado de ler coinman lado
bandos armados ora margo, abril e maio de
1871 ; e de sorcuinplice no assassinato dos
refens, na demoligo da columna Vendme
e da casa do Mr. Thiers, dando o seu voto
aos decretos da cominuua.
O cadastro judciario do Flix Pyat co-
megou sendo condemnado a seis mezes de
priso correccional, em 18U ; depois no
intervallo de tempo que se corita do 18'!)
a 1870, foi dez vezes condemnado, ora em
pplcia correccional, ora em processo ordi-
nario.
Como se S3be todas ou quasi tolas essas
condemnagoes tiveram, mais ou menos,
origemem motivos pblicos.
E' Flix l'yat dotado de um espirito ver-
daderamente irrequieto, possuindo todos
os predicados do revoluccionario-typo.
COIDEMNACO DE INTERNACIONA-
LISTAS. A Dinamarca tambera j come-
gou a guerra internacional.
Em Copenhague foram julgados no dia -29
de margo tres chefes da Internacional.
O chamado Pi, ijr-meslre foi senten-
ciado a seis annos de trabalhos forjados ;
outro, por nomo Geloff, a cinco annos ; c o
tercero, um tal Brix, a quatro annos, tam-
bem de trabalhos forjados.
FATAL LOL'CL'RA.Era Aldershot sui-
cidou-se ura sargento de hussards, dispa-
rando contra si a davina perteucento ao
seu acampamento.
A causa deste tresloucado acto foi o ter
recebido ordera de priso, por ter dado
pancada n'un cabo de esquadra.
Eis -como factos sem gravo importancia
podem actuar no animo de qualqucr a pon-
to de faze-lo pralicar o mais reprehensivel
e desgrajado acto susceptivel/lo occorrer
mente de urna croatura.
gomas das provincias d'este imperio, e que, ,j)erj( qUe desappareceram ora pouco tem-
por sua grande somolhanja com outros es- ^ oeJondo fcilmente ao traUMOto que
Udos mrbidos commun*. foi at certo tem- \hos foi apilicado.
podesconhcida, ou mosmo passou desapor- Exstndo n'essa occasio raas de 400
cebicia dos mdicos, sendo que essa mesma prosos fra os empregados, e sendo sraen-
semebanja foi causa pira que na pronn- { aL,caij0s 10, como se v do rdatonodo
ca de Matto Gr.sso e no Paraguay, onde administrador da casa de detenjio : sendo
reinou epidem.camento, e por orma devas- esta pouco espajosa para 4W e tantos bo-
tadora, recobosse alia diversas denomina- mm JJJ encerrados em seu recin-
joes como cachex.i paludosa, anazarca, ^ os nio mjama ^ge, influ.
|>aral}s.. epidmica, etc. >ao querenido por e,ia ,,u nr oxlerior e d, ,U3t erecta ; son-
tanto dar sob ra.uha rosponsabd.dade, ura du I18U(;ieillt rrtll0vajo do ai para dis-
parecer em matona sobro que versara erid* mMr 0 torMr menS'e(lioaze$ nil}.
tao encontradas op.moos, e ton lo o mais Iuas gl>railros da onforinjade, o* quaes
lllin. Sr. Tondo-me ordenado o meu
governo que colhesso quaesquer esclarec-
montos que se tenhara obtdo do estuilo
pratico da enfermidade denominada para-
lysia beriberica, pelos quaes se possa conhe-
cer se ella de naturezadas que pori.npor-
taveis ou transmissiveis occasionam provi-
dencias quareuteuarias, tomo a Hberdade,
(*) fiado na alta intelligencia de V. S. o no
seu provado zelo pelo bem da humauidade,
de lhe rogar me informe de todas as noti-
cias e esclareciraentos que V. S. julgue-j
conveniente acerca da referida molestia e
das causas certas ou pr.jfaveis de sua appa-
rijo e actual desenvolvimento, bem como
qual a opino do V. S. a tal respeito.
Rogando o perdo devldo pelo incom-
raodo que occasiono a V. S., e-que' pelo
bem geral se justifica, ouso esperar da sua
benevolencia a acquiescencia ao meu ped-
do e pelo que ficar muito grato o governo
de Sua Magostado Fidelissima.
Aproveito esta occasio de prestar a V. S.
os protestos de meu respeito e distincta con-
sideragJo.
.Deus guarde a V. S. Consulado de Por-
tugal em Pernambuco, 25 de maio do 187
Illm. Sr. Dr. Pedro de Athayde Lobo,Mos-
coso, inspector da saude publica.Assigna-
do Domingos Mara Goncalves, cnsul de
segunda classe e chanceller eucarregado do
consulado.
Inspecjo de saude publica, em 8 de
julho de 1872.Illm. SrRecebi o ollicio
de V. S. de 25 de maio, e pela importancia
de sua materia julgo-rae com direito de es-
perar de V. S. a devida venia pela demora
que tem bavido om dar resposta aos quesi-
los por V. S. n'elle determinados. Nao mo
considero suilicienteraente habilitado para
apresentar urna opino fundada sobre a
uatureza e causas da molestia que tem rei-
nado ha alguns anuos esta parte i em al-
[*) A parte a lisonja.
ablento desojo de servir a V. S. o ao gover-
no de sua najo, que p>r to ostreitos
lagos ;ichamo-nos unidos, adoptoi o expe-
diente de colloccionar os cscriptos mais im-
portantes sobre a beriberi no Brasil, os quaes
subinettidus apreciago dos mdicos do
grande sabor o noinoada quo abundara era
Portugal, as podoro melhor orientar, e le-
va-Ios azor um juizo mais seguro sobre
a uatureza e causas d'essa enfermidade to
terrivol em seus resultados, quanto cautelo-
sa era oceultar a mancha porque ataca o
organismo, o obstinada em nao ceder s
diversas applicages, quo lhe fazem os m-
dicos, parecendo quo al boje a mudanga
de lugar o nico alvitre que so po le to-
mar para evitar urna morto corta.
Os escriptos do que fallo sao : o livrodo
l'r. J. F. da Silva lama, da Babia, que mais
detidamente so tem oceupado dessa molestia,
a these do Dr. Saraiva, quo observou-a no
Paraguay, o folhoto do Dr. Cosme de S
Peretra, d'esta cilade, qie fez parte cuoii-
goo outros mdicos, da commisso que,
pelo presidente da provincia, foi nomeada
para examina-la na casa do dotengo, o pa-
recer do Dr. Joan Mara Sove, medico da
Casa de detengo. e ollicios relativos ao mes-
rao assumpto que pu le colligir.
Como inspector de saude dei paite ao
governo que existiara na casa de detengo
individuos atacados do una molestia nao
cominiim, o pjdi-lhe quo nomeasse urna
eommissao de mdicos pira examina-la, e
dar seu tarecer sobro ella, e como veroador
da cmara municipal c meinbrodesua eom-
missao do saude, apresentei o relatorio que
junto por copia, em que enumera as causas
de uisalubridade quo existem na casa de
detengo, e era geral n'esta cidado, indican-
do as providencias que deviam do ser to-
madas para destrui-las, ou polo menos mi-
norar seus olfoitos, esquecendo-mo do fallar
de urna d'ellas, alias muito importante, a
insuficiencia da alimentajo queso d aos
presos.
Todas essas causas de inania bridada por-
sistom nao s fora como dentro da priso,
o continuara como do suppor, a produzir
seus perniciososjjffeitos, era quanto que o
beriberi desappareceu intoiraiuento da casa
de detengo, o nem ao monos individuo al-
gura tem sido atacado Botadamente. Esta
circuinstancia parece de algum valor para
aquelles quo pensara que, para o desen-
volvimento das epidemias, deve de haver
alguna causa especial atmospbenca, tollu-
riea, ou outra quo at o presente tem ficado
oceulta, e dillerente d'essas insalubridades,
conhecidas de todos, as quaes exstndo
sempre, nao podem dar explicago satisfac-
toria certa durago, e desapparecem s vezes
'[nuil i menos se espera. E posto quo nao
seja occasio opportuna de manifestar a mi-
nha opinio sobre o contagio o infocgao,
pens que me ser permittido dizor que, na
contemplago o analyse de factos do tal or-
dein, soacharo motivos plausiveis para nao
acreditar nos elTeilos d'esses mosinos quo,
no momento em quo se devora suppor em
raaior quantidade e dotados de mais ener-
ga, justamente quando seus effoitos tor-
nain-so menores o desapparecem rpida-
mente. E' esse o phenomeno que so ob-
serva geralmento nas epidemias, o sobre ell
julgo quo nao pode haver contestajao leal
Nao rao animo a entrar em questoes trans-
cendentes era que infallivelmhte ficaria ven-
cido, ao menos pelo numero dos que opi-
nara em sentido contrario ; e alm das ra-
zos de impossibilidado pessoal, nem o
espago, nem a occasio o permittem ; pe-
de-se a minba opinio sobre a uatureza,
causas e quididades de urna molestia ainda
muito pouco conhecida ; nao a posso dar
em consciencia, porque ainda ha muito que
pensar sobre ella : liixitai-rae-hei a expor
o que tenho podido alcangar ; quem poder
tire as conclusoes.
Como ia dJzendo, em 8 de maio de 1S71
apparecoram na casa do detengo, quasi a
mesmo tempo, muitos'casos de urna mo-
lestia, cujos principaes symptomas erara :
inchago edematosa, acorapanhadadd alor-
mecimento e fraqueza das extremidades
inferiores, falta de seguranga n'ellas, obri-
gando a metter urna perna pola outra no
andar, propagando-se esta inchago, vaga-
rosa ou rpidamente por todo corpo ; aperto
na regio do estomago eomo se houvesse
nina taboa comprimindo-o ; outras vezes
urna paralysia completa das extremidades
inferiores ; emfim muitos outros symptomas
do que se encontraro minuciosas descrip-
ges nos folhetosquo envo a V. S.
A falta muito notavel do desc ramento
das mucosas e dos batimentos anormaes
do corago, fazia distinguir essa molestia da
que muiio convnum n'este imperio,
principalmente fora da cidade, da qual de-
vera tor porfeito conhecimento os mdicos
de Portugal, e denominada tochnicamento
por anemia,hydroemia.'etc., e vulgarmento
porcansaco, frialda%e,amarellidao,frieza,
etc., noraes que variara conforme as loca-
lidades ; o alm disso a fraqueza paraly-
tica ou paralysia, quo nunca foi observada
na anemia, entuma razo de mais para nao
ser confundida com essa enfermidade.
senlo em raaior quantidade, e mais concen-
trados, deviam actuar com mais energa ;
parece que nao muito fra de proposito
pensar, que o beriberi nao i nem conta-
gioso, ora infeccionante : que dependo de
urna c.uisa desc inhecida, a qual n'esta pro-
vincia nao tora sido to poderosa como na
Babia o no Marauho, onde ainda agora
(no Maranho] a molestia ataca i um grau-
do numero de individuos, e su as raidee
acuna expendidas nao fossem suflirientes
para provar nossa assergo, po loriamos
accrescentar que nao consta quo na ilha de
Fernando, onde existem mais de 2 mil pes-
soas, entre coudcmiiados e individuos de
outra orlem, n-iihuin d'elles fosse atacado
do beriberi, notndose que alguns dos l-
enles que foram para all remelti los d'esta
cidade estavam to a balitado-, em sua mo-
lestia, quo nao Ibes aproveitou, como
maior parto dolles, a mudaug do ar, e suc-
cumbiram.
Os primeiros lenles que 'supponbo que
lepois de sua morte, suspeitou-sc. ou quiz-
BO altribuir que tiuhain solhido e morrido
de beriberi, foram os dous irmos, S eAI-
biKpierque, a respeito dos quaes suscitou-se
depois urna questo do eiivenenamento ;
mas tal foi a divergencia a respeito do diag-
nostico entro os mdicos que os tractaram
ou assisteiam s conferencias, quo anda boje
seria urna rematada imprudencia aventurar
um juizo sobre a molestia d'elles, principal-
mente quem nao observou-a.
Alguns doontes, depois d'esso acontoci-
mento, tenho observado e examinado, ou
era conferencias, ou por screra indicado
coma sobredores de beriberi; em alguns
pareccu-ino existir um padeciment in lu-
bitavol da ui".billa cspiuhal, ou do cerebro;
em outros, loadas anliquissiinas do corago.
j em outros lempos qualifica las como lies;
em outrot engorgilamontos cbroiiicos do fi-
gado, etc.
Creio portanto que at n'sso tomava sua
parte activa o espirito de novidade que fazia
por toda parte, adiar individuos affectado-*
de beriberi; ainda ha poneos dias exami-
uei un hornera de mais de cincoenta anuos
que desde a niocidade solbe de asthma, e
tem actualmente urna leso orgnica do co-
rago, provavchn-Nite originada d'aquella,
e que ao mais simples examo nao pode dei-
xar do ser reconbecida, c entretanto que j
por alguom foi classilicada de beriben, pos-
to que o doente nao siuta o aperto do esto-
mogo o a fraqueza paralytica, que sao con-
siderados como os mais coinuiuns sympto-
mas da molestia.
O Dr. Ignacio Alcebiades Velloio, distinc-
to medie clnico n'esta cid jde, em urna
noticia que mandn para a Gazeta Medica
do Babia, sobre o beriberi, aceita como cau-
sas provaveis de seu desenvolvimento a
einanagos provenientes das excavages pro-
funda que se tem feito nosta cidade, ha
dous ou tres anuos para collocagao de cano>
de esgoto s materias servidas das casas pela
companhia Recife Drainago, notaudo-sc que
em algumas dolas, se tem encontrado ossa-
das humanas.
Pelo pouco que rae tenho pronunciado
respeito das causas, pode-so prever que eu
nao rae conformo com a opinio do Dr.
Vello/o, bem contra minba vontade seja
dito, alientos os lagos do amisade o pareu-
teso que nos unem, forgoso por conse-
grante que ou d as razos era que me ba-
seio para nao aceitar aquella opinio.
Ha vinte e sete anuos que resido era Per-
nambuco, o durante este tempo nunca di i
xaram as ras d'esta cidade de ser excava-
das ; ponte nunca houve molestia que so
li/.esse notavel como ltimamente o beri-
beri. Em primeiro lugar foram excavadas
as ras para se enterraren! os canos que de-
veriain conduzir a agua (tolavel, de urna
distancia maior de oito milbas ; estas exca-
vages coraprehenderam toda a cidade era
diversas direeges, e foram feitas nas raes-
mas ras quasi pela Recife Drainge.
Veto a companhia de gaz de illnroinagp
que excavou mais ou menos toda a cidade,
todas as ras, todas as casas e quasi todo-
os dias excava ruas,|casas e corredores.
Depois foram larga e profundamente ex-
cavadas as ras para se fazerem os canos de
esgoto das aguas pluviaes, alira de se poder
assentar o calgameuto de parallepipedos ; a
maior extenso d'esses canos foi aclamen-
te nas ras da freguezia de 8. Jos que fie;
sotavento da casa de detengo. Por ul-
timo principiaran! os trabalhos da campa-
nilla Recife Drainage, que, com effeito tem
si.I > mais av' ilta los que os das outras, e ha
dous annos mais ou menos que corneja-
rain a apparecer os casos de boriber, nao
tantos como alguns preteudem, devendo-ic-
observar que apenas osles foram numerosos
na casa de detengo, onde actual-
mente, nao ha um s caso, nem tem mais
apparecdo; entretanto, que, como j dsse,
continuara as mesmas causas de insalubnda-
de, nao s dentr como fra da casa de de-
tengo, mencionadas em meu relatorio, e as
excavages das ras nao cessam.
Ha vinte e sete annos que percorro diaria-
mente quasi todas as ras d'esta cidade por
causa da chontella que tenho tido, e tenho
sido medico do quasi todos os hospitaes, in-
A aecuraulag do muitos individuos na j elusivo do Portuguoz, ondea clnica, como
casa de detengo, a falta do exercicio e as; no hospital militar, de molestias agudas, o
outras causas de que fajo menjo em meu; por isso devo ter observado alguma cousa.
citado relatorio, sondo d'ellas a mais nota-1 Esta cidade comejou a ser editicada de
vel a insuflicicncia da alimenta j <, foram ura lado, era urna pequea ilha que recen
motivos que actuaram sufiicientemente no' o nome de Santo Antonio; de outro no
animo dos mdicos, quo fiaeram parte da barro chamado do Recife c do outro no da
commisso, e levaram-nos a pedir instante-! Boa-Vista. Mas quem vir a planta delta era
mente ao presidente da provincia que se fi- seu principio e comparar com a de hoie,
zesso dispersar os presos,re.movendo-os para facilmeutc acreditar que quasi toda a cida-
outras prises. Era falta d'estas com suf- de tom sido edificada em terreno tomado ao
ficiento seguranga, indicou-se a Ilha de mar; nao admira portanto que em qu
Fernando, onde podoriam estar elles em parto em que se faja urna excavajao se en-
inteira Hberdade, gozando do ar puro e li- coutrem ossos, calijas o tudo quanto se
vre, b01 d'lTerente do q#e respirariam "na, man la detar s praias; sao sses e outros
casa do detenjo, eessa mudanga oiToc- objoclos que impodora o traesito das arate
tuou-se com a roa ior presteza |iossivol, en- c lo los, que so vio amontuando pouco a
barcando no dia 22 do maio 29 prosos, 7 i pouco, at que cora ura pouco mais de aterro,
no dia 4 de julho o afinal ti no dia 3 de d! para fazer urna ra do casas.
agosto do mesmo anno.
Depois da sabida d:essos doentes pareceu* (Contimiar-$$-hmJ
quo a molestia cedeu inteiramente : porem
algum tempo dopois foram ameajados al-1 J_______^_______________ .
.guus presos por leves symptomas da her- PYP 00 DIARIO- SUA DUQUE M CAXU*




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE89BJVFY_RNYJWY INGEST_TIME 2013-09-19T21:09:50Z PACKAGE AA00011611_12896
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES