Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12884


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLIX. NUERO 84
v
PAR A CAPITAL B HG.1BE8 OXItE Kl SE PASA POSTE.
?
., S
1
\
Por tres meces adiantados
Por seis ditos idein
Por un atino dem -
Cada uautero avulso .
69000
129000
2*9000
320
DOHXeiO 13 DE ABRIL DE 1873.
PABA IIK\THO E FR.V DA PBOVISCIA.
^TV
Pop tres mezes adiantados.
Por seis ditos dem. .
Por aove ditos idem .
Por um amio idem. .
9750
199500
209250
279000
DE PERNA
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA & FILHOS.

Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filhos, no Para; Gonijalves Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio de Leiuv* Braga, no Aracatv ; Joo %>aa Julio Chaves, no Assii; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jote i
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, ua Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Franciuo Tavares da Costa, em Alagas; Alves C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho C. no Rio de Janeiro.
PARTE GFFICIAL
Ciovcruo la proviacia
Exm. Sr.Cirdiahnente desejo cooperar com a
virtuosa vi)otade de V. Exc, ent contribuir com o
mea fnieo eonfinirute de inaterfaes a aixo decla-
rado*, para a euiucacn do asylo do3 alienados la
nossa provincia, por ser o usno dever como chris-
'tina e mu dos mais sublimes da huinanidade.
Conscio estira que estabeleciuenio desta ordem
- verdadeiro templo da rhrisianilade, assim nos
fui revelado, a primeira virtude evanglica apre-
sada pelo martyr dnGolgotha. qnand disso Deas
carita; est, e em S. Paulo na lJ E. a cap. 1J v. 'i. Carita-; paleos est, caritas non mu-
l.ilur.
!us|iir .do V. Exc. desta excelsa doutrina, da pro-
videncia divina recelier a recompensa e da bu-
manidade a gralido. Oxal i|uu o governo geral
conserve delegados iguaes as provincias de nos-
sa patria com idntica ideas em assumptos como
o>so e entros humanitarios. Poda V. Exc dspr
de 10 travs e 1) eaibr*s, junio estacan de
Cuyainbuca para a construccao do edificio cima
ueuciooiido. Digne-se V. Kxc. cominunieaMn i
jii occasiu oppoi'luna, pata fazer esta entrega a
pessa competente. Digne-se tarobem V Kxc.
aceitar os ineus sinceros protestos de estima e
coiisideraco
De V. Exc. inulto atteul > respeitidor e criado.
1) mingos Morttni i- l! // s imeiro. Eugenhu
SiUo do Mein, i) de marco de 18":!.
Gabinete da presidencia da provincia de t'cr-
nambucu, em -i de abril du 1873.
!;-:.. Sr. Domingos Mariius de Barros Monteiro.
E.n resposla caita de V. S. de i > de marco
ultimo, teuho a di/.er-liie que, aceitando e agrade-
ceud'J o seu Ouereeimento de Vi travs e igual nu-
mero de caibros para a construccao do asylo de
alienados, o louvo por este acto que demonstra os
seus mmenlos humanitarios.
De V. S. attencioso criado obrigado, lenriqne
J'errh-i de Lucrna.
:t.' seccao.-Palacio da presidencia de Pernam-
buco, en 22 de fevereiro de 1873. -Informe v. s.
coma setem portad j o collecfor da villa do Cabo.
I -. Paulo do Reg Itarreto, no tocante ao cum-
plimento ilos seas deveres
Deas guarde a V. S.-th*rique Pereira de La-
cen i.Sr. inspector da thesouraria provincial.
N. 8:>. -Ilbu. e Exm. Sr. Em observancia da
urdem reservada de V. Exc de 2i do Borrante,
4-:.:i.reine informar a V. Exc, que oeollectir
di Cabo, Jo< Paulo do llego Raneo, durante o
teuijw que teuho exer.'ido o lugar de inspector
desia thesouraria, nonliuma falta corameitou, nem
ido consta que alguem se leona queixado de.seu
pn '> limento noexereicio do sen emprego.
Acha-se em (lia com a entrega da renda, cuja
tvl:'aira est a seu cargo, e tem prestada t das
.... : .. e in'as
Estas cuntas estn examinadas e approvadas
peta cinta ; c com promptido tem elle raeolliido
i'- pequeos saldos verificad js por esse exain* a
(avur da [azeuda
actualmente ''si suspenso porterem os *eus
(adores reiteradas vezes exigido a sua exonera-
:.i'. e na> ter eile prestad i u iva tian;a. nos pr.i-
cot que Ihe foram concedidos, pela diffleukade
queeiicontrou em obter as certidoes, com que
tem de provar a idoneidade e desembaraco de
sea- novos fiadores, principalmente as que depen-
dein da thesouraria da fazenda geral, cuja demo-
ra e devida a oslar em obra essa reparticao.
i mi- guarda a V. ExcThesouraria provin-
cial de Pernambuco. 8 de fevereiro de 187J. -
Un,, i' Ex n. Sr. commendador Herique Pereira
du Lucen;:, digno presidente desta provincia.
O inspector / PeoV.i da Suca.
Informando estaseccau acerca do offlcio retro,
tetn a dizer que o coctur do Cabo, Jo Paulo
do Reg Brrelo, prostou contas da arrecadaco
por eile leita at o exerciciode 1871 a I87i pro-
x.u: i passad >. e que foram ellas approvadas pela
junta desta thesouraria, assim como j recomen o
l. semestre da arrecaila-;lo di correteexereicio.
C si.'.'.cao da contadura provincial de Pernam-
buco, 2o de fevereiro de t>7:t.-o 1. escriptuta-
i., lien-iodo dechefe Jos Perfile Ser.
Hefiru-me iuforun.ae da seccao, acrescentan-
do smente quep.tr deliberadlo da junta desta
thesouraria de 3 d>- jaiMiro prximo passaaio, foi
uispenso do exereicio do sen emprego ocollecior
de que se traa, visto terem os respectivos fiado-
re- requerido a desonera.-o da Banca prestada,
o ainda se acha elle suspenso por nao se ter ulti-
m.ido o processo da que a tem de substituir. Te-
nho assim cumpridoo despacho de V. S.
Coiitadoria provincial de Pernambuco. 27 de
fevereiro de I87a\ cantador Antonio Ca dos j
de Quesoz Ftmsecu.
gares, foi sempre porque o terreno ou edificacies
j existentes o obrigar.iin a isio. E' o que teuho
a expora Vv. Ss.
Deus guarde a Vv. Ss. -Hecife, 7 de mareo de
187."t.llltus Sis. presidente e vereadores da c-
mara municipal.0 engenlieiro Jx.ao l.tiiz Yictor
Ueutier.
Illms. Srs.Cuinarindo a ordem d Vv. Ss. que
manda que eu informe sobre o oftlcio do ExiB.
presidente da provinci i, de ti do crrante, em que
chama a atteneo da lima, cmara municipal do
Hecife .para o artigo publicado na Revisli Diarii,
sobre a epigraphe urgeiite'fieresstdade, relativo ao
artigo projento doproloogmonto da ruado Uuijue
de axias at o Campo das Princezas, e lembra o
Exm presidente inesma cmara a conveniencia
de providenciar de iii deapropriacao do terreno em que se esta nonos-
truinJo o Hospital da ordem terceira de S. Fran-
cisco nao venha esta cantara a despender maior
qitantia.
Cabe-ine repetir o que j Uve a honra de dizer
a Vv. Ss. no meu oflicio de C correte sobre o
mosmo aiwamnto, Pela planta da cidade, a ra
irojectada, parte do largo do Paraizo. e vai em
linda recta desembocar no Campo das Princezas, e
nao c come o suppde, e o indica a Revista empro-
ongamento rua do Duque de Caxias.
Tenho ds ajuntar, que a dita planta que pre-
sentemente serve de guia, para os arru.imenios .-
alinhamenUM do bairro de Santo Aulonio, foi re-
vista e organisala pelos Drs. Gervasio Rodrigues
Cimpello e Felippe Nery Cnllao, e approvada pelo
presidente daprovincia Bao de Villa Bella, em li
de junlio de 1807
A diroeco da ra projectada, conforme, a mar-
ca mencionada planta fui sem duvida preferida
lembrada em prolongamento a ra Duque de Ca-
xias, por exigir muito monos desapropriao'ies. e
alm disto forma unta liulia recta e cortar o
quarteiro em duas partes qnasi iguaes. E" o que
tenlio a honra de expor a Vv. Ss.
Den* suard- a Vv. Ss. -Reoife, 8 de mani de
1873.Illms. Sis. presidente e vereadores da c-
mara municipal__0 ongenheiro, Judo Lniz Yictiv
Ueutier.
N 146. Pernfmbuco Repartida das obras
pnblicas, em i de abril de t87:. tiltil, e Exm.
S .Informando, como determina o ollicio de V.
Exc. de i ilo crrante, acercado artigo publicado
na l' ize'ilh do J'rinl \*r:fe. dapielle dia
sob eaigrapbe K&r md A' >, cumire-ine dizer a V.
Exc, que leinli sida a obra da ponte de ferro de
lina arrematada por Hanoel Pedro Evangelista em
21 de maio prximo passado, e determinando a 3."
clausula que elle recebera a primeira |irestacio
trinta das depois da assignatura do contrato, em
i-*i d julho deu esta reparticao certificado para
lo:AoliO, importaOf
contraante
dio de Fernando de Noronha, o Sr. tenente I versa), poique parti para u estrangeiro, mas as
iwnorario do exercilo Mignel Joaquim do Reg corridas proseguirn, constituindo-se ja urna so-
ciedade de rapazes, e tratando de estabelecer pre-
I Joaqun
Barros Jnior, e nomeado "para o substituir no re-
ferido em prego o >r. alferes tambem honorario,
Antonio Francisco Gitirana.
3." Que no dia { ueste mez, regressou do pre-
sidio de Fernando, onde exerceu o lugar de major
da praga, o Sr. major graduado do 2o batalhio de
infantaria Jos Libanit) de Souza.
(Assignado) Joiio GuiUternte de Bruce.
Conforme. -Jos Ignacio Rilteiro Roma, tenente
ijudante de ordens interino encarregado do
detalbe.
PEU-
X. 17.Paco da cmara municipal do Recife, I!)
de mareo de 1873.itlin. e Exm. Sr.-A cmara-
municipal, tomando na devida consideracao a re-
commendacao que V. Exc. digoou-se fazer acerca
Ao artig) publicado na Reoisi i Ditria sob a epi-
graphe Urgente necesx/dade, cousultou ao seu enr
geineiro, com cuja exposicio tem a honra de dar
a V. Exc. tolos os esclarecimientos sobra aquelle
assumpto, e por ella ver V. Exc. que a cmara
pela exignidade de seus recursos, nao pode eui-
prciiender tal melborameoto.
Deu guarde a V. Exc. -llhn. e Exm Sr. Dr.
Henriqne Pereira de Lucent, presidente da pro-
vincia. Manuel Joaquim d> Rigo e Albuquerque
presidente. -Jos.! Pedro das Nenes. Dr, Pedro de
All ii/de l.ibo VofCOt. Theodoro Hachado Fie i re
Pereira du Sitva.-Jo> da Cunta Sjares Quinta-
''"'''
Illms. Srs.Tendo o Divio de Permmbuco de
iiouteii; na sua Revista Duina chamado a alten-
cao das autoridades competentes sobre a oppor-
tunidade que se aprsenla de satisfazer urna ur-
gente neces.-idade publica, desapropnando urna
parte do amigo hospital da ordem 3* de S. Frau
cisco, afim de realisar-se o velbo projecto do pro-
longamento da rita Duque de Caxias at o Cam-
po das Princezas.
E na mesma RtastU no artigo A' quem competir
a pedido reclama contra o modo irregular com
que se tem procedido de certo lempo pan c a
respeito da cordeaco da estrada de Joo de Bar-
ros, onde predominando alusivamente o capricho
ou interesses dos que teem all edificado, apr-
nsenla boje a estrada um aspecto desagradavel,
quebrada por curvas disformes, reentrancias e
saliencias que nao tem urna expltcaeo que as
justifique
Cumpre-me dizer em quanto ao artigo que
na planta approvada, a ra projectada parte do
Campo das Princezas, e vai sahir no pateo do Pa-
raizo, emo como se suppde em prolongamento
ra Duque de Caxias ; e por este motivo quan-
do a ordem Terceira requereu para^nelificar as
suas casas, da ra de S. Francisco, nao se negou.
E sobre o segundo artigo, sou a dizer a Vv.
Ss. que as eoraeaedes para as edificacoes que
tenho dado na estrada de Joao de Bar os, tem
sido sempre de eonformidade cora a respectiva
planta, approvada, e nao me permittido fazer
utra forma, sem duvida nenhuma as estradas
ou ras era linha rectas e extensas sao muito bo-
nitas, e aformosea urna cidade, porem nao se pode
nxecutar sempre o que bom. Quando en?e"
nheiro que projeetou os armamentos dessas es-
tradas raarcou ngulos em curva, em certos lu
ep
pagamento d i quantia de
cia da dita prestacao-
D vo ainda disor a V. Exc. que o
tem grande quantidade de tijodo.s e peiras para
os moros de encost e pilares; assim nomo tambera
me consta j ter mandado para a Buropa a en-
commenda da ferragem. ___,
0 prazo para conclasao d.-ssa obra, sendo 18
mezes, deve exfirar em 2 de novembro vindouro.
E" quanto tenho a duer a V. Exc. Dens guar-
de a V. ExcUlna, e Exm. *r. Dr. Henrique Pe-
reira de Lucena, presidente da provincia.O en-
genheiro chele, Jos Tiburcm Pereira de Maga-
lliae*.
DESPACHOS DA phksidencia dk 8 DE abril de
1873.
Ani mi Freir de Carvalho. Informe o Sr.
inspector da thesouraria pnvincial.
Joaquim da Silva Barbosa.-O supplicante junte
a planta do terreno.
Jeronvmo Thoolonio da SiivaLoureiro.-D-se.
Jos Felicio de Souza Guedes. Informe o Sr.
conselheiro presidente do tribunal do commercio.
Joaquim Jos de Carvalho Siqueira Varejio.
Entregue-se, mediante recibo, nao ha vendo incon-
veniente.
Coronel Jos Mara Ildefonso Jacome da Voiga
PessOa e Mello.Forneca-se.
Mills Latoam 4 C. Informe o Sr. capito do
porto interino.
Manoel Francisco de Carvalho dos Santos.In-
forme o Sr. Dr. chele de polica.
Manoel Ferreira Esovar.Forneca-se.
Mara Jos da Fonceca. Deferido ciin olDcio
desta data, thesouraria de fazenda
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga.-Enca-
minhe se.
Saunders Brothers i CInforme o Sr. capitao
do porto interino.
Segismundo da Costa e Mello.-Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
-
Tenente-coronel Alexandre Augusto de Fras
Villar. Forneca-se,
Christovao de Barros Gomes Porto. Passe-se
portara coucedendo a liee&ea pedida com ordena-
do na forma da lei
Tenente-coronel Decio do Aquino Fonceca.
De-se. I
Pdre Francisco Anianno de Souza Araujo.
Informe o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Dr. Flix Moreno Brando.-Indeferido.
Guilhermina Mara.Indeferido.
Irmandade do Santissimo Sacramento da fre-
guezia do Recife. -Ficam expedidas as convenien-
tes ordens ao coinmandante superior deste mu-
nicipio.
Irmandade da ordem terceira de S. Francisco da
cidade de Olinda. Deferido com officio ao cora-
mandante superior da guarda nacional de Olinda.
Irmandade do Senher do Bomfira da cidade de
Olinda. dem.
Joaquim Soares de Pinho.Informe o Sr. com-
mandanle superior da guara nacional do Re-
cife.
Jos Penadas Monteiro. -Conceda-se a pro-
rogacao que pede.
Jos Vieira de Mello.Indeferido.
Tenente Jos Rebello Padilha.-Fornec.ase.
Jos Candido de Barros Jnior. -Passe portara,
concedendo a exonerarlo pedida.
Manoel da Rocha Ferraz de Azevedo.-Informe
o Sr. commandante superior da guarda nacional
do municipio de Santo Anto.
Mara Leopoldina Machado.Passe portara com
ordenado.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 12 de
abril de 1873.
O porteiro,
Sihino A. Rodrigues.
QUAKTEb DO COM MAN DO DAS ARMAS DE
NAMBUCO, 9 DE ABRIL DE (873.
Ordem do dia n. To.
Tendo chegado esta manha a esta capital o Exm.
Sr. brigadeiro Manoel da Cunha Wanderley Lius,
nomeado pata coinmandante das armas efectivo
desta provincia, commando que por niim in-
terinamente era exeraido ; e haveudo o mesmo
Exm. Sr. general Wanderley prestado o seu ju-
ramento para aquelle tira : acabo de Ihe pas-
sar o commando, e felicito tiuarnico por tal
nomea-.'o ; cu iprindo-me agradecer aquelles
Srs. olliciaes da mesma e euinregados deste quar-
tel general, que cumprirain o seu dever.
Faro os devidos eolgios ao Sr tenente-coronel
Francisco Camello Pessda de Lcenla, secretario
deste coininando, pela lealdade e efilcaz coadjuva-
pao que prestou-me era to ardua trela daraatd
os dous mezes e meo que eslive no referido exer-
eicio
O Sr. tenente honorario do exercito Jos Pedro
da Silva Sonto, que antes de eu assunur o com-
mando interino das armas, fazia parte da inspec-
i;o dos eorpos a meo cargo como ajudante de
ordens de pessa, reverte para a inspecr.o dos
corpas da guarnicao desta provincia naquella qua-
lidade.
AssignadoJoo Guilherme de Bruce.
ConformeJote l'naci tito tonu,,
tenonto ajudante de ordens iaterino oucatTc-
gado du illnliie.
Ordem do dia a. 716.
Havendo |>or bem o governo de S. M. o Impera-
dor por decreto de 22 de fevereiro ultimo, remo-
ver-me do commando das armas da provincia do
Para para idntico cargo nesta provincia, a tendo
nesta data assumido o commando tregue pelo Exm. Sr. brigadeiro Joao Guilherme
de Bruce, que interinamente o exercia, assim o
fa o publico guarnicao |iara os fins convenientes.
Necesitando da eoadjavacao dos Srs. eemman-
dantes de eorpos, de fortalezas, cheles de esta;oi's
militares, c em geral de ineus companheiros arar-
ma, solicito-a, certo de que me ser prestada da
maneira a man ellicaz.
Contiuuam em vigor as ordens do meu digno
antecessor coucerneutes ao servico, at que a ex-
periencia mostr a necessidade de modifica-las ou
revoga-las, segundo as exigencias do mesmo sor-
vii;o. 4, ,
Passa a servir d meu ajudante de ordens de
pessa o Sr. tenente do 9 batalhio de infantaria
Francisco Antonio de S Itarreto Jnior.
(Assignado). Manoel da Cuate Wamleiieij
Lins.
Conforme.Jo.sc Inacio Rbeiro Roma, tenente
ajudante de ordens interino encarregado do de-
talbe.
- 12 -
Ordem do din n. 117.
O brigadeiro commandante das armas faz pu-
blico, para que surta devido elTeito, que o Exm.
Sr. brigadeiro Joo Guilherme de Bruce, deixan-
do no da 9 do crrante, o interino commando das
armas desta provincia, assumira no mesmo dia
as funeces de inspector das tropas desta L'iiarni-
cao, para que fura nomeado por aviso do ministe-
rio da guerra de I i de outubro do anno passado,
conforme eemmonieou a este quartel-geaeral em
ollicio de 8 do cado da.
Em virtude do mencionado aviso, tem o mes-
mo Exm. Sr. de principiar a nspeccao pelo 9
batalhao de infantaria, o qual. segundo o disposto
no art. 7 do regulanento de 20 de marco de
18o7 Dea sua disposicao para os lins indicados
no mesmo resulamento.
E pois que a tropa de linha ora existente nes-
ta provincia insullieiente para o servico da guar-
nicao e extraordinario a que est suieita, o 9*
batalhao continuar a ser detalbado pelo quartel-
general, salvas as molilicacijes que forem recla-
madas para o bom desempenho da inspeeijao on
quando for preciso o compare cimento de todas as
pracas do batalhao ou de parte dellas.
Compe o estado-maior da inspeccao o Sr._ te-
nenie honorario do exercito Jos Pedro da Silva
Souto na qualidade de ajudante de ordens. e do
Sr. tenente do 9o batalhao Jeronymo gnacia dos
Santos na de secretario interino.
O mesmo brigadeiro coinmandante das armas
declara que segundo constou de offlco da repar-
ticao do ajudante general datado de 31 de
marco ultimo, sob o n. 4,812, foi nomeado por
portara do ministerio da guerra de 28 do citado
mez para o lugar de major da praca do presidio
de Fernando o Sr. capito honorario Manoel Lou-
renco da Silva.
Declara igualmente que approvou o engaja-
nieuta que a 8 do correute contrahio para servir
por mais seis annos, percebendo por sobre os
venciraentos que por lei lhe competrem, o pre-
mio de 4004, o cabo de esquadra da 7* companhia
do 2' batalhao da m>sm arma Vicente Ferreira
de Lima.
(Assignado.) 31 noel da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme. Jos Ignicio Ribeiro Erna, tenente
ajudante de ordens interino encarregado do de-
talhe.
EXTERIOR.
< 'ominando das armas.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
INTERINO DE PERNAMBUCO, EM 9 DE ABRIL
DE 1873.
Ordem do dia n. 714.
0 brigadeiro commandante das armas interino
faz pubhco para sciencia da guarnicao e devido
e.Teit i:
1 Que por aviso do ministerio da guerra de
31 de mar.;o prximo (indo, foi prorogada por tri-
la das a licenca concedida pela presidencia desta
provincia ao Sr coronel do corpo de estado-maior
de segunda classe Antonio Gomes Leal para ir
corte tratar de negocio de seu particular inte-
resse.
1* Que por acto da presidencia, de 3 do corren-
te, foi.exonerado do lugar de secretario do presi-
Correspondoucia do Diario de
Pernanibuco.
LISBOA, DK ABRIL DK 1873.
A mnha ultima foi pelo Mendoza a 24 de marco
Ando.
Poucas novidades. 0 paiz contina a gozar da
mais inalteravel tranquilldade. As cortes vo ser
proruga.las at o dia 17 do crrante. Cotnecaram
hoje as sessoes nocturnas.
Votaram-se hontera na cmara dos deputados
varios pareceres das emendas ao orcamento.
Ainda desta vez escaparam os subsidios aos thea-
tros I y ricos de Lisboa e Porto. Sao a telenda car-
thago de alguns deputados bisonhos que julgam
lisongear os seus circuios com estaj miserias de
ostentosa sovinice provinciana.
Domingo que vera a ultima recita em S. Car-
los. Para o anno ser outra a empreza. A razio
social Ferreira & C. Ponho isto entre as noti-
cias princpaes, porque, numa trra que vai a
tona^do invejavel socego publico,as colisas thea-
traes* liguram na primeira plana cm todas as con-
verwc5e>.
A rapaziada fina e entre fina de Lisboa toraou
o gosto s corridas. Mais de 200 trens estiveram
domingo no Campo Grande. Houve saltoj e cor-
ridas e premios. O marquez de Castello Melhor
presidio pela ultima vez, nesta primavera, di-
raios de eneber o olho. Para as primeiras, o pre-
mio grande ser um soberbo cavallo da mais apu-
rada raca d'xlter.
Ha dous das houve em Lisboa una reauio de
puros ropublicanos em casa de um sujeito muito
conhecido anr suas ideas ultra-democraticas. Es-
tiveram inai, de tu pessoas. Fallou-se muito. dis-
ursou-se cora a mais acrisolada dnvocao nivella-
dora, e assentou-se, creio, na fundaco d'um pe-
ridico republicano em Lisboa. Di/.-se que vai ap-
parecer outro iij Port i, e ainda outro em Coim-
bra. A' reuniu de Lisboa, diz-se que foram pre-
sentes alguns sargentos do exercito. Dous ou tres
boma de estado que tinham sido convidados,
faltaram.
Espalhou-se cora vizos de certeza que a nos-
sa corveta Uitjkihme* J5"'s vai quanto antes,
estaciouar as aguas do Para, alim de garantir a
seguranza dos nossos concidados alli residentes,
em caso de novos conllictos,
0 viee-ahniante Antonio Sergio de Souza,
ex-govornador de Macu e ajudante de campo de
I-mi o Sr. D. Luiz I, vai conlrahir segundas nup-
cias com urna sua sobrinha.
Veio publicada no diario do governo an'es
de honteiik a lei approvando para ser rati'icado
pelo putar xcutivo, o tratado de extradieco de
criminosos, celebrado entre Portugal e o Brasil,
e assignado pelos respectivos p tnipotenciarios no
Kio de Janeiro em 10 de bajaba de 1872.
Tambem foi publicada na folh.i o.'licial a le
approvando para ser ratificada pelo poder execu-
tivo a declaracVi addieioaal convocaco de ex-
tradieco entre Portugal e a Franca, assignada em
Paril. pphM raspedivus plenipotenciarios em :10 de
dezembro i! 1872.
\ polica de Lisboa tem deitado a mo a
ai.'iius individuos que ilizeni -QT emigrados frau-
cezes, e so descoulia teinmi leilo parte do g>-
venia da eommuna de ominosa memoria..:
Esta soluto ao e.xaino do parlamento um
projecto ile foi ifo instrucelo primaria, que impoe
as irmandades e eoafranas religiosas urna taxa
para o auxilio dan escolas de iu>iruc;o prima-
ria fn-inr-mn fiinlar tn uas parochias.
Houve una insubordinarlo em Timor ; deu
o govemador as profldencins que o caso pedia.
Nao touioii aquelle centlicto um aspecto gravs-
simo.
Xo lbrelo eaj frente de Belem, sobre o
Tejo, falleced de fobre amarella um dos passagei-
ros viudos ba poueo do Brasil no paquete J"/'in
Eldr. Eslava mudo d.iente outro viudo no pa-
quete Li/l-ij.
Tem-se lomado todas as medidas de precaucao.
- Preces se tem l'eto m varias igrejas de Lis-
boa e das provnoos prineipaJniente no Minti,
para que a Divina Misericordia se digne alastar
o llagello quelcm divinado os nossos compatriotas
nesse imperial e tanto aitlige e persegue tanibem
os proprios qVasileros.
Foram loirvadas por Sua Magestade em um do-
cumento olBcial publicado no Diario do govern i
as pessoas que consliluem a associaeao de bene-
li-euci puiiu^ue/a noHi do Janeiro e bem as-
sim todas as mais que te cooperado lo cari'a-
tivamente para minorar os sotrrimentos das victi-
mas d > llagello que alii tem grassado com lo es-
pantosa intensidade.
Os legistas da roa do Ouro (do 2" quarlei-
raol indj do Rosario em Lisboa, qiiotisarain-se
para pagaran a un hornea que lijes guarde os
seus eslabeleciraentos desde a meia noute at s
ti horas da manha. E' um cheque na polica,
pois apesar de todos os seus esfOTQOB de vigilan-
cia, os raloiieiros andam desaforados e fazem das
suas qnasi todas as noutes.
Projecta-se (andar em Vanna do Castello
um banco coinai-rjial com o capital de 100 con-
tos de ris. dividido em accoes de 1004.
Houve no domingo passad) a sesso solemne
da real associaco dos architectos para inaugu-
rar o retrato do fallecido socio fundador o Sr.
Jos da Costa Sequeira, prolessor da academia
das bellas arles.
Nao faltaram discursos, damas, flores e anima-
cao as ruinas gothicas da mitiga igreja do Carino,
onde se faz a sesso.
Contina a espalhar-sc que o accordo com a
compankja dos caraiuhos du ferro do norte mor-
rena anual as commssoes de fazenda e obras pu-
blicas.
Annunciava-se hontem que, em compensarn,
seria pelo governo apresenlada una proposta de
lei regulando as faJIencias das companhias de ca-
innhos de ferro, de modo que as liabas nao nos-
tasa ser peuhoradas pelos credores d'ellas
Este arbitrio pode, porventura, ser causa de
reclamacoes diplomticas, mas nao custa um ceitil
ao thesouro.
Um jornal francs diz que a commissSo encar-
regada de examinar a questo anglo-portugueza,
submettida arbitragem de Mr. Thiers, compos-
ta dos Srs. Renouard, procurador geral do tribu-
nal de cassation ; almirante Juren de la Gravie-
re ; Baudin, antigo ministro em Haya ; Desprez,
director dos negocios polticos e Chateaurenard.
Do espolio do Sr. Heliodoro Toro Mazte, secre-
tario da legaco do Chile no Per, que ha pouco
falleceu era Lisboa no hotel Central, tomou conta
o cnsul chileno nesta corte, o Sr. Antonio Joa-
quim de Oliveira, respeitavel negociante da nossa
praca.
No meado de abril regressara a Pernambu-
co, a tomar conta do seu lugar de cnsul dj Portu-
gal, o Sr. Oaudiuo de Araujo Guimares.
A maconaria portugueza tem tomada muito
em consideradlo a |terseguieao e invectivas assa-
nhadas que os ma?.ons portuguezes teem soffrido
na capital do Para, e, segundo ouvi dizer, ir
agora pela mala deste paquete urna bem elabora-
da mensagem do Grande Oriente Luzitano Unido
aos nossos compatriotas, bem como aos outros
grandes-orientaes do Brasil.
Tambera eonsta que por iniciativa de varas
lojas maconics, foi redigida urna outra mensa-
gem pelo Grande Oriente, com relario ao conflic-
to que h uve entre o Kvm. bspo de Pernambuco
e as confrarias ou rmandades a que pertenciam
diversos membros da maconaria brasilera.
Estes fados, segundo me informara e corre ca
fra no publico profano, teem dado lugar a enr-
gicos e vigorosos protestos nos gremios mcem-
eos dos ritos escossez e franeez.
Como do dominio publico, est na aleada do
correspondente dar noticia deste movimento.
A commissao parlamentar, qual esa alfecto
o projeeto sobre a explorarlo das ostreras no Al-
garve, cujo parecer vai ser apresentando, appro-
va o contrato, depois de ter examinado todas as
reclamacoes e opinides em confrario.
a Os temporaes do presente invern teem feito
enormes estragos era todas as provincias do conti-
nente de Portugal. A famosa malta do Bussaco,
nstavel tanto respeitos, tem soffrido bastantes
damnos, teem sido derrubados cedros e c rvalhos
dos mais corpulentos; assim como muros numa
grande exlensao.
Foi desceber.o, por um notavel medico por-
tuense o Sr. Moutinho, ura remedio tendente a evi-
tar a trantn*sao da syphilis,. llagello que desde
teeoJoa lem sido um los maiores tormentos da bu-
manidaibi-
t O Ilustre medico suieitou-se nrova scionti-
fica no hospital de Santo Antonio, do Porto, peran-
te mimbras da classe medica, obteudo os melho-
res resultados. m Lisboa requeren ao governo a
soBieacjg ri mm wuuhs vi ueraata qjui &-
zesse urna prova olBcial do seu descobrimento.
Fonwn, ordenados os astados de duas liabas
forreas du Beira. lima bifurcando na linha de
leste, prximo da Barquinha, dirigindo-se para Al-
meida (Beira-baixa) por Thomaz. Miranda do ls>
vo. Lotiza e Celorico, e outra bifurcando naquella
mesma linha, prximo a branles, dirgindo-se
pelo Monfortinho at a fronleira hespanbola. O
engenheiro encarregado do primitivo projecto o
Sr Souza Brandan, e o encarregado do segundo o
*T Almeida.
Alguns estndantes que Ireqaentam a nniversi-
dade de Coimbra, assignaram una representacao,
pedimlo a iiHidanca da capa e batina por um ou-
tro uniforme que possam usar em toda a parte do j
reino outros, p Tin, e estes em maior numero, re-
presentan] era sentido contrario, querendo a con ,
servacao do que existe actualmente.
Os estaantes dos liceos nacionaees de varios
distrktos iln reino, teem pedido e obtido dj gover-1
no a Beenea de trajarem capa e batina !
N'uma reaniao de conselho de ministros proxi- i
ma. i apresentada una proposta para que se;a '
nouieada urna commissao ile astrnomos, alim de
prepararan os instrumentos de todos os trabadlos
neeessarios para a observacau das passagein do
planeta Venus sobre o sol. que se deve realisar e:ii
I87i. A academia pede !):t>> l/HKW para Lies tra-
hlitos, e indica dous observadores para irem a
Maso fazer as devidas observacoes, os Srs. Oom e
Brite Capullo.
RiMinio-se a commissao de deputados mcumbid.i
da reforma constitucional, e disse qaa nao era op-
portoao reformar a carta j por causa das circum-
atoslas actuaos da Earjpa, j porqnesendia
opno do actual presidenta do conselho de minis-
tros, nao poder faser-se tal reforma se nao por
accordo com todos os partidos, os respectivos i-be-
fes nao mostravam grande orapenho en se levar
esde j avante um tal trabalho. Os jornaes da
Euriqvi receberam esta coininanicaco dos seus
correspondente> em Lisboa, e parece que lhe de-
raip importancia por ser mais ama garanta de
tranquillidade ueste paiz na actualidade.
No da 21 do correute pelas 7 horas da manha,
encalhou no Cabe folio, foz do Doiiro p.TXimo a
pedia chmala Folgamauada, o vapor francos
Constnnlin, procedente do Havre com fazendas
consignadas casa Magalbes Jnior, do Porto.
Como o mar eslava bonanzoso, pode salvar-se o
na-io com toda a carga, que eslava avahada numa
qoanua superitr 100:(kX)jIi.ii.
A crvela rte guerra portugueza Dimim i*
Palmeila, que est (alendo estacan era Sfacio, indo
ni viageiu de Siugapura para aquella cidade, en-
ealboa n'um banco de arela, a 16 mlhas da costa
de Saigon, conhecido pela desiguacao do Brito e
ou le ja se lee:u perdido muitos navios. O com-
mandnte do navio, o capito tenente, Thomaz de
Villa .Nova Ferrari, valente offlcial de marinha,
suppoz que o navio se perda, a perdenJo o animo
alirou-se ao mar, onde leve a niorte que volunta-
riamente procuroa. Como que para censura da*
quede acto Je irrellexo quiz a Providencia que a
corveta desencaliasse, apezar de muito arruinada.
Julgo t r Ibes j dado esta triste noticia, que por
outras coinmunica.'es posterioras se connna in-
felizmente !
E:n breve vai sor entregue circulacao pu-
blica o eaminha de forro pelo systema Larmanjat,
de Lisboa para Cintra. Cbegaram, vindas de In-
glaterra, duas locomotivas, oito carruagens a nove
wagons.
(i Tambera o camnho de Lisboa ao Lumiar pelo
mesmo systema vai ontregar-se exploracSo. As
neomotivas, em vez de apitarem tocaran sinetas
de aviso, com o que nao tao fcil espantar as
cavalgaduras que passam.
0 parecer da commissao de guerra lixando
o contingente militar deste anno, estabelece que
levem eessar desdi j.i as remissoes de recrutas a
dinheira. que luicoes de bomens por homens O respectivo mi-
nistro vai apresentar ainda na actual sesso um
projeMo de le sobre tal assumpto.
Foi receida por sua magostada a rainha no
paco da Ajada a co:nmissao directora da socieda-
de de beneficencia italiana, para pedir-lhe a sua
proteecao e apresentar-lhe os estatutos. A com-
missao era composta de cinco membros, entre os
qtiaes se contava n ministro italiano em Portugal,
o marquez de Oldoini.
t As operaras da fabrica de liaco portuense
constituiram-se em grre, por causa de entende-
r que mereciam mais iiuih gratiBcacao por ser
o numero de horas de trabalho, actualmente
maior do que no invern. Toniarainse as medi-
das que o caso requera, visto que algumas mais
exaltadas pretendiam desfeitear as que fossem tra-
balhar. Como a direceo prometteu que seria re-
solvida a pretenda o como fosse de jusliea. volta-
ram todas para os engenhos na melhor ordem.
Na sesso da I.* classe da academia real das
sciencias de Lisboa, do dia 27 do prximo findo
mez, o Dr. Bocage, acadmico da referida sesso.
expoz as viagons e excurs'.'s scientlicas do na-
turalista portuguez Anchieta na frica occidental,
as quaes sendo milito importantes ieem custado
quantias mnimas em eomparaco das que se lesea
gasto cora trabalhos desta ordem feitos por es-
trangeiros.
duque Calila Luz, irmo do imperador da Austria,
cora a princvza Mara de Braganca, alba de D.
Miguel, da>Portugal.
Parti para Hespanha o desenhista e carica
turista portugus Raphael Brdalo Pinheiro, por
ter sido contratado pelo pro|riitario da Ilustra
rao nuileza. para de-enbar as seeuas e episodios
das lutas dos carlistas, e outros assumpt s intr-
ressantes.
O Kvm. patriareha de Lisboa prohibi qne a
seuhoras ranteni as igrejas p. iMvasiao da se-
mana santa; tambem nao cnsente qne se couV
qnein os misos do Senbor nos templos onde es-
tiver exposto o santo sepulchro, nem imagen* na
capella mor ipiando houver Sacramento exposto
As irmaniladis andam alllictas e desgostosa* rom
estes rigores e algumas e.-to resnlvidas a (echar
as igrejas durante a semana santa.
INTERIOR.
t Foram agraciados com a commenda da ordem
militar de Nossa Senhora da Conceicao de Villa
Vcosa, os subditos brasileiros os Srs. Francisco
Pililo de Mello e Carlos Manoel Ferreira da Veiga.
t Ura dos comniissarios do governo portuguez
na exposico de Vienna d'Austria o baro de
Santos, secretario da legaco portugueza em Pars,
o companhia das aguas de Lisboa, foi presen-
te o relatorio la commissao fiscal. Tem sido im-
portantissimos os resultados obtidos por tal eom-
panhia, no pequeo periodo comprehenddo desde
a sua installacao at hoje. S o cu-to da agua
vendida no presente anno, foi superior ao do anno
passado em 7:0 K)4, aproximadamente. O aug-
mento de consumidores foi de 1.713. Est prxi-
mo o periodo em que a companhia ha de comee r
a usufruir o exclusivo da venda da agua, nos ter-
mjs da lei.
t Em breve estaro concluidas as modincacoes
as eonvencoes postaes entre Lisboa, Pars e
Londres. Para o conseguimento de tao uteis tra-
tados partir brevemente para Londres e depois
para Pars, o conselheiro director garal dos cr-
relos o Sr. Eduardo Lessa. Era breve ser mo-
dilicada a legslac,o postal portugueza, passando
a taxa mnima de urna carta simples a ser de 20
res, era vez de 25 ris, como actualmente .
t Sahio luz um novo jornal poltico intitulado
A Patrii. Propaga os principias polticos do
jornal A Sarao, autiga folha tegitimista de Lisboa,
o Houve um concert ara casa do Sr. Glincks,
ministro da Russia em Portugal. Esteve concor-
ridissrao e muito brilhante.
t As cempanhia dos caminhos de ferro, ligadas,
vo estabelecer carreiras a precos reduzidos, para
as pessoas que quizerom visitar a exposicio de
Vienna. Segundo as tabellas ltimamente apre-
sentada?, o preco de Lisboa a Vienna, em 2." clas-
se, ida e volta de (30*000.
a Cbegaram de Madrid 21 emigrados hespa-
nhes, sendo 13 militares e 8 paisanos. Depois
de um procesjo breve foram os militares postos
em libertiade. .
Houve um descarrillamento no comboyo ae
mercaduras da liaba forrea do Sul e Sueste. Teve
logar perlo da eslac> da Molla a 6 legoas de
Lisboa. A machina e tres wagons, caram des-
truidos e o fogueiro morreu. salundo para a linna.
t Anauaoa-w nwxiflw casamanto Oo arctu-
Hio. 7 de marro dr 1*93.
OS SUS. B\R\l) l)F. MAI \ V. SII.VKIRA MARTH>
IKIIANTK I SF.f.INDO DlSTr.ll.TO DO BJBB
I.UWDF. DO SOL.
Ginhecese o curioso episodio parlamentar que
levou os dous illustres representantes do iwssjin
distrcto de S. Pedro do Hio Grande do Snl a ssM*
citarera aoeleitorado a coulirmaco dos mindat -
que servem com honra na cmara lesnentarto.
Os primeiros discursos do Sr. Silveira Martin-
tinhain deixado transpareear um certo i|.-s;ip,..',..
turma do governo adoptada pela constituirn po-
litica.
O amor das sonoridades audaciosa-, a paixo d<>
elfeito. pareciam arrebatar o sen aventun.so es-
pirito muito alm das jnsUa aspiracaVs i i partido
constitucional de que representante.
Foseen estas ou uo fossem as ftMvieeies oV
Sr. Silveira Martins. os babituaes arremettunento*
de sna Uncoagem as tinham dHsasln natrevo
Confundindo a cansada librrdade i......titncjonai
com a causa da diunocraca e a da America, coa
deiniiar. lo cun mpUcavel severidade a tradic'.-io
dos vrllios partidos, naos-' libando ao passado pni
n'iiliiiiu laco, despedae.inlo tuda a snMariesMa
com a historiados partidos cmstitiicionaes ; o JB-
putado riograndensp revehra-e anteso homeiu
de s mesmo que o hoineiii de seu partido, antes
ura idialista da poltica que o .'mandatario de urna
escola organisada sob a bandei.a constilucional.
Tal era pelo menos a niprevs.io levada a un
grande numero de espiritos pelas opinioes e con-
cedo, do Sr. Silveira Martin-.
Ao euvez de Thiers que se bou vera de recons-
tituir a sua patria, fundara una Inglaterra e na
a America, o >r. Silveira Martin* i recomporii
ao niohie americano, shagada que fosas a rez d<*
reconstruir o edificio poltico.
Nao desJarcando as suas preferencias pelo typ
que jalas ser O do novo mundo, o infatigavel li-
dador da tribuna julgara pertinente^ tr.mqnifi-ai
os sus commitlente* cora a declaracao de aceitar
com a monarchia um facto coMuimiudo, aan
dogma proclamado pela constituirn swllfca, unu
solneao aceita pela grande maioria da anata,
Nao temi perdido as esperanca- do ver funda-
do sob a forma monarchia o rgimen di lberda-
de, .i Sr. Silveira nao considera a monarchia um
perigo para a sua patria.
Antes que o ardente demorraU hoavesse por
esta formal declaracao enunciado todo a sea petl-
samentO sobre esta questo fundamental, nao fil-
tava quera S Exc. aitribuisse decidido pendo!
para a forma republicana.
.v-t.'.s eircuinstancias campria i eada asa du*
representantes do partido liberal definirla p-ran
te o paiz de maneira fazer conhecidas as sua-
convircSes.
Nomeadamente ao Sr. baro da Maua corra n
dever indeclinavel de vir a Iribuna.
Desde anooi arredailo da vida poltica, a sua
attitude no parlamento precisava ser explicada.
A eseolbaeom que o honrara e segando district
do Hio Grande do Sul fra um rasgo de rara e-
pontaneidade ; o Ilustra Sr. baro de Maua fr i
sorprendido em Londres pela consulta eansigos.
Nao foi sem hesitacan, sera .1 troca ain\-to-a
declara'.'.'s coiilidenciaes. que o independente ri"-
grandese deliberou-se a apresentar a seu non*-
ao suffragio de seus concidados.
Filiado por suas eonvccoes i e-cola liberal. % n
da no desenvolviiiiento pratico da todas as lilier
dades a condcodo arogresae social e eeaaaaast i
do paiz, o Sr- baro de Maua nunca railitara na
poltica activa, nunca se collocara aa lado do po-
lticos ardentes pira |>or-se ao servico de ideas
exageradas.
A vida dos gabinetes foi sempre para o ilhiMre
representante do trabalho nina questo de ordem
secundaria. Sem ser indilforente as ev.duc.V-
politicas, o Sr. baro de Maua vio s.-mpre na li-
bertad* urna aspiracSo compativel com qualqwr
governo moralsado e moralisador.
O seu ncontesUdo amor pelo livre desenvolv-
ment das forcas nacionaes, determmando-o a col-
locar-se desdi os primeiros p:t*sos da vida publi-
ca entre os sinceros amigos da liberdade, nao >>
vinculou nunca aos grupos ambiciosos, intoleran-
tes, que sao o cortejo obrigado dos partidos po-
litii-i.-.
Como quer que o governo se chamasse, qu*\-
quer qne fosse a sua procedencia, o Sr. Maua
prestar-lhe-hia o seu voto desde que esse gover-
no realisasse com sinceridade os votos nacionaes.
cima das conveniencias partidarias que o es-
pinto de seita tanta vez antepoe aos legitimo* re-
clamos da razio publica, eslo alto* interesses
que um liberal desinteressado e desambicioso d>
poder pude defender e sustentar sem trahir aos
seus coinmittentes.
Estes interesses, pairando em urna regio supe-
rior a dos partidos, permittem a um liberal que.
sera desertar a bandeira de seu partido, prest>
apoio aos seus naturaes adversarios.
Nem anmalo o facto.
A historia poltica do paiz nos offereceria raajs
de um exemplo d'esta honrada conducta, se a nao
dictasse e bom cnso cm circunstancias dada*
Ao ser discutida na cmara vitalicia a asepiista
que devia converter-se no grande acto de *
setembro, illustres chefes liberaes prestaraa-aie
os seus votos e o seu concursa, uns com resine
coes e outros sem ellas. Quem se visara n in-
ferir deste facto um svmptoma de decadew-i *>*
partidos! Quem poderia suspeilar os eminentes
chefes liberaes de haverera mentido a f tfe sua
crencas? ^
Desde que as ideas nao podem ser vistas como
o patrimonio de um partido, e nenhum de* que
dsputam o governo da sociedaae nenio a eeea
trabalho de transformacio e renovacao que ora
aparta ora aproxima as fronteinu poltica, r^1
mais explicavel do que ver realsada por ora
tido urna reonna que os seus adversarios
ram.
A historia da Inglaterra, ba mais de 190 anno*.
' nos melle ao rosto esta verdad* Rustras apa-
, reinadas por liberaes tem sMa consagradas ?
acto pelo partido conservador eroasnta whigs
tem sido vistos a servirera aos torys, quando este*
se anproximam das vistas daqaaBaa
' No Brasil vimos illustres conservadores, apiri-
tos tao rijamente temperados, enano os Srs. Zahora,
Zacaras, Paranagu, approximarem-se doj
raes darem-lhes as inis a constituir
\
^.
T
~L4-
t


____
?
i'h1/&la%Uo tic Pemaiubaco Domingo 13 de Abril de 1873.
//'
destrocis* do yaitiso Histrico ma partido mm,
rejnwrwido e revsjmtdo.
_0^ue l'.ntostMJftciis lUistrestcm sido li<-t,
naoi poderia sor estaaahao a honrado Sr. har
lo Man, anda quando o ciirso das ideas o podes-
se fazer franspor a roituraes fronteiras do par-
tido n que milita .desde Inngn dar.
Nao o fez, porm, o Ilustre brasilero.
__ Do meio de mas bnituaes preoecupacoes, S.
Exc. observara con o!his filos no futuro engran-
dec mcutn do pai a serie de aeontcimentos rea-
lisado soh o gabinete 7 do Marco.
Profundas reformas tinlam. sido postas por acto,
;i estavam acentuadamente promettldas pelo pro-
gramla, ministerial.
Importantes inelam amentos na cuen mrale
material estavam em via da excenco.
A renda marica ascenda.
Os titulona divida .utin:::un a cousideravr!
airmoza no exrerior rom* no interior.
Noves serviros eram dotados conveniente-
raente.
Apar Imperttirlinda no interior nao era a fili-
cida por nenhum alalo n?.s relacoe.* exteriores.
<* rdatories presentes no poder legislativo es-
favam atiestar os solcitos esforros da gabinete
por dotar o paiz de medidas ad'i-qnadas ao sen
orSenvnrimentn.
S ne era a idade de uro que sorda cono
por encanto dos uncs embarazos qne, nos hgar.1
a ultima -guerra, .-ra um verdadeiro neriodo de
labor, de activdade. o ,ue esta .-a a correr.
Espirito pnitieo. longamente afleito ao estado
das necesidades do pai, o Sr. bario de Man
smo nio poder recnsar n sen apoio ao gabinete
de Marco, por tantos ttulos erodor da grafe'dio
publica.
A ob polilica inlaio por sua ve*, para
este honrado proceder.
U< ultimo* lanos'Snham dado ao poder o apoio
de cmaras unnimes. ob > gatiiiiele 7 de Marco
todas as fminirVs tr.liain rho no parlamento.
O prooesso eleitoral corre:-1 em sua provincia
sombra de legitimas influencia* e a salvo de
ioOncneia govcrnamer.lal.
Nenliuin arto, rrnhnma providencia trndnziria
da pacte do gabinete a mlonro de lanzar na ha
lauca eleitoral do Rio Grande. <1. S:il o valor de
sen prestigio.
Em ta-'s circismsi.mri.is, era licito a um liberal
nao crear embancaos a nin gabine] que, retinin-
as inais desojada! enndiecoe* de vtali.lade.
clava oin son passadoa mais valiosa Ganga de sen
tutor i.
Ti'iido a nohre rnragem de sna* conviecoes,
uims nreoeenuanu doengrandermi.eito do paiz qne
la oscHacn di* partid t, nao duvidnii o boma lo
Sr. barao de Mau assegurar do alto da tribuna
ao gabinete 7 de V.':17o mn apoio resli inpido em
ratoados limites.
Desde ipie o gabinete na 1 sati.-ze-sc em snas
pr.iinetlidas reformas as lista* exigencias da upi-
nJo liberal, o Ilustre rio-gran tense tomara a
attitn te qae hie ii**e traeada petas rircainnstan-
fia*.
Esta declarara:) expressamenki arecntnada nelo
lloara lo -r. baru .1 Man, edcixava adlecado na
atlnra !.i i: is wvit.i iaipareialidade
Vonhum liomeni de be-n nmleria snsp!tar de
desli-aldade esie bone-'tisj-iuio proceder.
JE
nvree do manejo dos cJul* e da vita*
sos'!" diligentes einlssurios.
A-sj o epHM m Sr. Silve r-i. Mantas tem -*4e
licito, sem i|iielirantamcnt raes, cobrir de merecidos applausos n ilHMi&tvei
adrainistracao d"S .negocios da gnerra. eomian ai
w!o e intellii/eRcia t\n Sr cousolheiro loan Jos
de Olireira lunqneira, ao Sr. Bario de laoi nio
poda ser contestado o direito de prestar retric.Uj
adhesao aos actos do gabinete.
<) severo Sr. Barao de Man nao seria alias o
primerro bomem natavel a acorrer no desagrado d
seus commitcnles.
Burke levo a nobre eoragem de resistir ao olei-
toraU de Bristol, nppondose a ((lie o verdadbifo
;i!vtostaiiU:"ini se deshonraste por actos de injus-
tilieavil oppressaa contra os cail.olicos.
Mant've, entretanto a sna honrada eadeim en-
tre osc-.iiimuns atA que mn 17Hi) recuso;i.*e o
alerto 1 a do a rreHeao.
Macaulay, enviado ao parlamento por una eir-
cinis'riprao do partido n/iig, nao duvidou tomar
paito activa na adopco do 6/7/ de sir Robcrt l'eel,
que conceda subsidios aos cllcgios eatlioliros
fundados em Maynooth,
Kie responden, e*erm Louis Chiala, de mu
modo tao altivo laeonico, ao grande numero de
coniinittentes, que em carta colleetiva o amea-
i-nvam de relirar-lhe os suffragios da eleijao im-
inediata, que a sua candidatura de 18w nao pdda
vi'i par.
0 illastro antnr da \ttor di fofflatern, qne
nm ilistineto crMeo cliamoii o La Bryre dos his-
toriadores, nao julgou dever abandonar a cadei-
ra que hourava com a sua imparcialidade para
com o sen proprio partido,
Qnando em I88 sir Kobert Peel incorreu na
censura da t'niverside de Oxford, por se haver
manifestado no pnriamnoto cmlra a sna doutrina
olive a einaniMpacao dos culioeos, n.-lo deixon
vasia a novel cadeira que no anuo i i mediato
devia ser deferida sr It ilierte inglis.
Se a manifestaran do eleiterado rio-prandi-nse
pndesse
im6dio.Jtrgo obrieara s Srtanos i presUrnw jUTiV. partido
'i-nte de conservar, iutac-ta par* sumpre. smU'
O'iaii ade omito r.oa e.otn.....ommum los bo-
ioi|urcialidade rno
limavei rirttidc
C'"r todas
entre os
as honras d?
llOIliellS poli-
determina
stres ''
distrieto do
man*
M-na
tUVIi.
!'ai-s forata <. circnnHtandas que
raut repto laucado ao ^r. barao de Man pelo
Sr Silveia .lartiny.
Ti! foi a en a a levada pelos dona i!
lutados peraKte o leil irado do i.-
lio Grande do Sol
Que nSr. Sirroira Martn*ira sea mmlnii
ji.-..'i o litieral, (sp^ndeude na .':-.a de seus in-
t'vessi.s tan;,; (aliUilo cuuo dtxiicacao, eis o que
ll"l 1 '' :"i-.
I'od" s. Fxc t"r-s.' apartado em mais de >tn
pinto da doa'hua acea pelos ckefes liberaes.
s.::o pu d'alii deva concluir contra a boa f
romqaeS. Exc se dtsempeulw do seu man
dito
Pi'ide do ntesino mudo o Sr. barao de Mau des-
t ar das iii-ase da lin;;;iir..eio do sen com atltleiro
&' distt'icti), suii qae a <&a leal.lade ai partido
iV o elegen sedeva ulgar cotnpronicttjd.1.
'V)edeci'R io s su.is onvircos, laz S. Exe.
Unto qfunto dew.
< mandatt legislativo t.lo obliga o mandatario
a c informar to inteiramente com os dos setis
conuiittentes as sitas idi as e sentimentos, qne
Seta abdicara s'i razio perante a dos seus rnr.s-
tninVs. Be nntm inedo as leis perderiam
grande parte da l'or.a ; ellxs liemandariam para
sna exeenclo que a routado popular se raanifes-
tasse n nspeitii de cada tuna.
Esta libertado d>s pensamente c de aeeio ga-
rantida ;iik i:,lilat.nii- do DOVil pelo ns>0 sys-
tenia uw principio fundamental da crtlcm pV-i
lira.
Qnalqnerqueseja, pnis,a manifesU7odo elei-
' lori -graud-nse, onaesquer qne tenham sido
os meiu e:npreg.'idos para ;: provocar, nao rom
p*irtam a* ri'issas prnticas parlamentares que
o"..! 11 r contendores lenha de deisar vasia a
sua eaiieir;,.
Tatnbem a Honorio Hennetto Carneiro Lean re-
tiroii 1 elertora'lo a sna -i.ntiauca, e o Ilustre es-
tadista que atedia devia fazer a uduiiraeAo e o
rgulho 1 .,.: nao ainiidonou o nisto de honra
i".e a vori'.: 'e |K>pular, liv emente manifestada,
Hie houvera anteriormen^ commettido.
Em nosso systema elei'.iral nao usa::: alias os
rteitores de atn direito proprio. E!U o recenem
por delega^ao como por delegacaj o transmiUem.
Desde que o eleitor escolheu o mandatario do
" 1, desetopeohou-se do sen maniato. A sua
Mih rania expira ahi : n.to pede ir alm sem per-
t'.-bar ditv'itos qij,! nao sao seos, nue reeeberam
T-,r ddegaeo e cojo exereicin es!.-, virtualmente
- ;. irdinado a prec.-itos ea regra' invariaveis.
O precedente seria, alm de inconstitucional e
subversivo da ordem das delea;oes, de funestis-
K:no alcance poltico.
U'.ie. pariainentir se recusara em urna oreasi
r.ii a p'ov car a approvacn de sea conduel
Quem sera o juiz da oportnr.idade mi inopor-
tnnidade da consulta T
Qae homein do ronra hesitara amanta
f-nbmetter-se a a esta impoltica pro va 7
DaW. quantas pertarbacSes poJeriam i
var-su 1
\' qne perigos poderia Bear exiost; a repre-
sentac lo naeiona ?
A faculdade da dissolu^ao nao seria mais o
npanagjo do favor qae a lei fundamental eoHoeou
na cnpula social corno n supremo regulador da
larmonia dos poderes polticos.
ExrTnsdes em massa, por distrietos, por pro-
vincias, poderiam quebrantar e:n uti momento a
forea da mais ligima maioria.
Nao urna qnestio de bonra pessoal .1 que se
debate entre os doas deputados ro-grandenses.
Ho ama qnestio de maisoamenw inffrieneia
M distrieto a que est travado entre es dous il-
Jaln s liberaes.
envolver nina implcita ou explieita dn--
appr.ivaeao conducta parlamentar do Sr. Ba-
rao de Man, elle poderia repetir aseloquentes pa-
labras que o reilor de Sferton escrevera l'eel em
!8?!t ;
Tenho urna profunda consolacao para a mi-
nlia derro'a na inalialavel eonvieoo de que a
soifro por ter ciimpri lo mu dever publico, saeri-
flcano aos interesses leaes do paiz as preoenpar
cues de natureza pessoal.
B Suca.
DIARIO DE PERMJMBUCO
RECIFE, 13 DE ABRIL DE 1873.
i
A IIEFOAA ELEITORAL.
c.>n-.iit''c--iu.
Opo-'-' le;;;:!.\l>r caastitninto ri^rel
; Mi-mas para as rttfirmis que u lempo acoOs
Hie fosstm feito<.
Assm, pois, sendo o direito de votar e ser vota-
do cujineiitentente politico^endo o poder eleitq-
co quo, se a nrfirma euMoraltove feiinsfiiemar n
ve suTe,|r "'d'esseB ^ons^tu'ioitii. guar-
i,i la' a- firm-di{idi;slcri^B cnnii'disje-
111 h, na mesma r^ K como explica;- > asSolainPBto ,i k d 'iisore
da ei-icio directa sem reroriM eonstitueional.
senio c mo um .'irdiIMBuerfia, *eiiao e uno una
arma d^opposn.o ilaewla ao ministerio 1
Sob o poato -dft v4Br da-#W^i;ittieionalidade
da medida cortamente foram mais eousequentes
o.vpii adefenderati ojiiuando pel*prsAia reforma
do.urt !)0; mv, aimla assim.-.ferain estes, bom
com aque.'liM, incun-icqueni*; .1 illogicos, pr pon-
do esse meio como efRcaznaTa -rorrigir os vicios,
prevenir os abusos, e arreo-
(It ,|e sobre a-nleicio, tal como acpreoois* a le
actual.
conservador em tomar a
rableos.
leneiJ m ne-
*) Sr. liatho-n.'-llardy ;iritfmia cmara ds
nsque Invivessc o g.-.verno > nf>nnars
* que a Inglaterra desapprnva os prinrpins
^u qoaei o tribunal arbl'rl de Ceucbra bi-
a sua decisio. 0 Sr.-Gitborue-Hardy docla-
que os prin'.ipios estabeleeidos pelo tratado de
Yaslington tornaram impussivel a luimleuco
la neiitriiddu.
O sr.\)rstr responden qmiolra'ado de Was-
hingtoa _Bt>tihrla si-uao.i luglatena na America
W,1r,.*n* termina u-ineae o ministra qne i ^ t de-ca^nmlade csMI qat aWH a
fiXigearia nao tmlia o nmat!, por ue ..sse miui.teri.. da agrioiltnr-, Or <7 d-i marco
k nao foi co;iimuijead>> s 011 iras po-
E* urna questao eoastitncioaal a que se venii-
laperaaitf o eleitorad rio-grandense. Elle nao
leni o direito de praeunciar-se por um <>u entro
do- coatendores.
cima do ekeitorado est o povo, est a nacao.
A soberaaia lim'adaesgotai-sec:im o exercieiu
los dretos que Iheto innerantes.
O eleitorado rio-grandense nao qnerer incor-
i'er no vicio de Unios us poderes : o ue |>roctirar
ampliar a sua -.-plica de iccao.
Ou elle se lmite s j conhe<;idas maitifesta-
Ses uie nao nvolvem nem traduzem a iuten-^o
A? retirar ao hunrao Sr. Barao de Mau a cen-
ttanea que Ihe merecen, cu leve, a sua iutelerau-
<":a a decretar urna odiosa exciusao, nao deve o
iastre reprcsetaute do paiz deixar noecupada
a sua cadeira.
0 desaliado da naeo nao se pertence ; nao po-
de moldar a sna sonjarta i".sprares do amor
proprio.
E', sim, o homem d ir uas eonvicsea, mas de-
velas aopa.ix.
<>s termos habis rom q:;e foram redignlas ai-
wmas dessas ma.iifesVicoes. to poiO|os.-iroeiite
"inuiiciadas pela Rrf r:n 1, deixam bem claro qne,
xeoonhecendo 110 Sr, Silveira Martins o zekj e in-
telligencia eom qne se tem haviJo na defesa dos
ririncipios libera'^, o eleorado rio-grandense nao
Interrompe ewtian -a que lhe merecou e merece
o *r. Barao de Maua.
A questi formulada perante o eiei'.orado nao
foi pos-a na crie! alternativa de nm sm ou de um
nso intleivel. Nao se lhe pergaatou si, manten-
do a om deeus representantes a coafliBea n.!-
nca, impcMamente a retirava a ontro
Equeeemos o trabalho laioriosamente exercida
e*rttra a-ifitmia influencia do Sr. Bario de Mau
ne segnndo distrieto (ki Rio-Grande doSul a ten-
tativa matlograda-dn-obter do brioso ebjitorado
ama firmal reprevaeo ao proeeder o Mapire
rio-grandense para recordarmos simplesmente q*ie
- orna unir do parlamento, espontsneamente of-
.vJTwda e'seertBnente aeeuj, nao pode-thsr
Pe todas as qoestoes que podem oeeupar e pre-
oecapar a alleneao publica de um paiz determina-
do, e presentemente prcoecupam a do Brasil, a
reforma eleitoral e, por sem duvida, a mais grave,
a de maor vulto, e a de mais serias conseqacncias,
por ssii que a ella se acham ligados os mais cha-
ros interesses que o eldadlo nade dedicar-so, p >r
isso que ella implica de ordinario nina notvd
evnlu-.'iio poltica, que todos sao chamados, quan-
do sel;,iia de regatar o exercieiu direitos polticos do cidado.
D'alii conclne se fcil e intuitivamente que se-
melbante qnestao deve ser mu estadada, mu dis-
entida, mui pensada, antes de ser resolvid nifste
mi uaijuelle sentido, de firma qne o mterosse
ger.il nao seja sacrificado aos anhelos do menor
numero, alim de que (.s eliefes do partido se nio
r.rvorem em orculos pennaentes da sybilla popu-
lar, o por (al meio Unpoukatn a sua vontade sobre
a volitad' da naei.
De i;;, inuilo, "corto, e o'esse maito se contam
largos annns, a opiniao polilica brasileira tem |ffo-
clamado a uccessidaile de reformara Ici eleitoral,
i; soh isse |hinto de vista parece pelo menos que
todos os partidos se aciiam de accordo, embora di*
virjam us meios praticos de reaisar essa aspira-
cao, que chantaremos nacional.
Que a le eleitoral actna 6 boa em si mesm .
anda ningurin pode contestar com vantagem e so-
l los fundamentos, o mesmo, porem, nao aeome-
ce no que diz mspeito sua execueio, visto como
sao todos accordes em Keonheeer que, na ortica,
tem ella produzido inos resaltados, por fira los
vicios e abnoss que se presta, mxime pe.a gran-
de latitudc e prestigio de que dspoe o poder
Assignalado assm geralmenie o mal, parece que
o remedio se acha implicitamenl* indicado, e,
menos que se nao quera ser inconsequente e Il-
gico, deve esse remedio !i:vlar- causas dos vicios e abusos, e cercear tanto
quanto tor posslvel a aecao do governo, de forma
i deixar toda a lberdade de ae.ao ao cidado.
Alguna espiritos, porin. rebeldes lgica, e. por
ndole o naturas*, nconsequentes, notrepidarn
em distender o crculo das soas vistas e aspira; s,
e por isso sa-i fatalmente levados ao papel de or-
culos da sybilla popular, e, como Lies, qnerera vi-
rar ife /(/.e.i rombl' o systema eleitoral trenado
no nosse pacto poltico, duendo francammle qne o
paiz quer a eleco directa !
Foi o que acooteceu na cmara vitalicia, por
occasSo do voto grasas ; foi o qne testemuuhoa
o paiz n'esse brilliante certamem, liavioo entre dis-
tinctos senadores, por oecasiao dos debates sobre a
respasta ao discurso da cora, discurso que. todov
sabero, c um transumpto do progreoma ininist-
rial.
A falla com que S. M. o Imperador abri a ses-
s;io da asscmblra ueral em 21 de dezembro do au-
no passado nao fez mais do que consignar, n'mn
de seus trechos, 11111:1 vi rda le que eslava na con-
sciencia de todos, isto a necessidade de retormar
a le eletnial, de lumia eseoimar o sea proeesso
de vicios e abasos, e anda de fnna garantir
a lberdade do voto nos commicios eJeitoraes.
Alli estava, pois, bem claro n pensamento do ga-
binete Rio Braneo, que era, que nao pula deixar
de ser urna homenagem rendida s manifestaodbs
da opiniao publica, que sao, que devetn formar a
lei nos governos representativos.
Manifest o pensamento do governo, sabiam cr-
tamente as npposedes do senadi ao que se deviaui
attr, e, pois, nao foi para saber se o governo pre-
fera a tJeico directa OU a indirecta que o Sr. Za-
caras olfere-eu a sna celebre emenda, consignan-
do a primeira destas ideas.
A emenda em qnestao foi certamente um ardil
de guerra empregado contra o gabinete : nem
Hiito a nos pensar diversamente, em face do ca-
rcter conservador do senado, e perante a conve-
niencia, o, diremos mesmo, iterante a necessidade
de ser urna tal refirma iniciada na cmara tem-
poraria, que o elemento democrtico da n issa
fnna de governo mixto.
Encarada assm a questan, o senado nao se
deixou vencer pela eiaquencia tribunicia dos de-
fensores da idea, pelos suspetos orculos da sy-
bylla popular, e a emenda cabio, como alias pedia
o c.irncter conservador do mesmo senado.
Nao caliram nem podam cahir, potm, a.s dou-
ti inas apre^'Dadas peles seus defensores; e ellas
ah estilo de pe, para seren apreciadas, e medita-
das pelo paiz, que um da, de vemos espera-lo, pe-
dir enntas esses proplietas dos seus designios,
das snas esperanzas, dos seus tentameas em prol
da eleico directa.
E.m lguns dos Ilustres senadores, que se mau-
festaram, esses tentamens foram ao ponto de leva-
Ios apregoar que a eleico directa poda ser de-
cretada independentemente de reforma constitucio-
nal I
Vejarnos se tiuliam, se teem razio esses senado-
res :
Depois de, no art. 10, declarar quaes os-pode-
res polticos reconhecidos por ella, diz a nossa
eonstituieao, no art. IS-: T4os estes ptdeivs "
imper'ni do frasil sao deleqa O'ahi resulta mauifestaiuete que o poder eleito-
ral sem duvida nenhuma o primeiro e mais im-
portante poder poltico, do qual derivara todos os
outms: e consequentmente que o direito de votar
e ser votado o maior direito poltico inherente ao
cidado.
No art. 178 disse ainda a eonstitui'.o : s
consirtiirional o que diz rrepeit aos imites e ar
Irib (fie re.ipeeiivas dos poderes polilicos e a DIRFIT9S POLTICO* E LIOIVDUAKS DOS CIDADOS \
lat o tem as fonrnndades referida*, p/u leahlawas
ordinaria.
Ainda mais: prescreveu a mesma constituieap
no art 9 que t nomencZes dos deputido* e se-
nad ees ees memoras dos ctuelkr,s traes de
pr vieta, substituidos depois pelo putados
ftrevtaciai>s, f-stem feit s por eUieies indirecat.
I^iffA fa^il a "AnlnoftA i-.iIaIa^ a:~~
totcum flsa I',ui'0|iM.
Sexta-feira, por volts das : l/J horas da tarde,
tnndeou no porto desla eidadej procedmie dos da
Eur 1 ia, da sua linba, o paquete inglez Illimnii.
da Imha do Pacific, semlo porta dar de noticias
que por via de Lisboa, aleaitcam ao iba l.'do
correle.
Dos jornaes e cartas que recebemos, eis o qne
podemos eblbw:
re SUCA.
A assamMt nac nal approvM a praponta para
a sospensM de seus trabalhos desde 6 de a Dril
at I! de uni.
Va i-se tratar da oleicilo da commissao perma-
nente.
- A commissao encarregada de examinsr a
questii-ianglo-iortugueza, submettitla arbitra-
gctn da Sr. Thiers, composta dos Srs. Henouard,
procurador geral do tribunal de-rassaco ; almi-
rante Junen de la Gravire: Baudin, antigo mi-
nistro em Haya. BtMfmt, director des neg'icios po-
lticos e Qiateatirenarde.
O governo Irancez delerminou que em todos
08 limites accesjiveis 'e em cada desliladeiro dos
Pyrineus, se formen c.itni-anhias movis de infan-
taria e cavallaria, as qnaes |iercorrerao incessan-
(emente O paiz. detendo qualquer pessoa suspeita,
e revistando todos os velumes que se tratar de in-
trodiizir em HwqmnlHt
- Pili distribuido aos membms da assenibla
nacional, o proierto ilc urcainento ,|;, reeeila e
despera para i87V. Asde|iezas sao oreadas eai
2.3I mi Hules, em vez de 2,i7i milhees como em
1873 : as reeditas e:n 8,52 milhocs- e que d um
excedente de 3 miluon*
O augmento de Lt8 mtlnbes na despezas pde-
se deeoinpor deste modo divid publica, e dota-
coes 81 milhdes ; guerra 3'.l milhoes; despex.as
gsraes 18 milhoes.
- A heroica cdade da Ver.lum que est desti-
nada a ser sacrilicada at final, e que ha de de ser
a ultima pollegada de terreno da Fran*a, pisada
pelos prussianos, fui a primeira a enviar urna men-
sagenj ao presidente com um grito de iecouhci-
mento..........
IJeclaraino-vos. que acharemos no nomo pa-
triotismo a abnegarn necessaria para supoortar
at aos ltimos das w encargos da oceupaco es-
trangeira.
T.-es san os nossos sentimentos.
8e Verdura deve ainda durante dous mezes
ser o penbor da ultima pagamento, nao nos quei-
xaremos |ior isso.
E' unu homenagem feita pelos nnssos vence-
dores, defeza que Verdura Ibes oppoz.
O tratado com a Allemanha foi unnimemen-
te apjii ivado pela asseinbia nacional, que votou
lima moca, declarando que o presidente da rep-
blica. /'( me.rreerA da patria.
A assemid.i nacional rejeitou por motivos pol-
ticos, o pedido e um crdito de com mil arnacos,
destinado as despezas de viagera e mantrten;o de
dgnns Operarios que deviam ser mandados ftx-
posicao iui'Miiaeiimal ne Vieuna.
I)isse-se na assembla nue estas (astas iu'erna-
eionaes da industria, foram o fundanjento da liga
internacional dos operarios; que tantos cuidados
e reo nos esta danU/5 soredade estabelecda.
- Ja t. roiinou na assembla a discusso rela-
tiva :io' requerimente do princtie Napoleio acerca
da sua impulsan do territorio franeqt.
O elatoiio da comiossa<> eensolava inilirecdi-
munle o governo.
A assembla approvou por 3i7 votos contra
-.' i. .. ordem do dia pura e simples.
shssa.
(is dadnos do eansao de (en:bra foram cha-
mad is a votar sobro as leis coiwitucionaes adop-
t i-las pelo comellio e relativas ao clero, c que sao
um pnsso, segundo a opiniao dos lburacs, para a
separacao da igreja e do estado.
Apezar das proclamaeoes d i partido ultra-ca-
thoco que aconselnavai a abstenco, as leis fi
rata adoptadas por 9213 votos ^contra 151, have.n-
do ti,70'l absteaeiies.
Ni) foi em parle alguma perturbado o socego.
)s raaires dos cautes catl'olco.-,vso formar uina
liga destinada a prever, por meio de subscripces,
a-necessdaJes do cubo catholico orthodoxo as
Comarcas onde elle venha a tallar.
O governo oe Berne fez comparecer perante
tribunal competente 97 curas que tinhaia declarado
nao ter em nenhuma conta as ordens do poder
ehil em negocios ecclesiistic;is.
A primeira couferenca do padre Jacintno
em Genebra foi mosto concorrida. Foram distri-
buidos mais do tres mil blhetes de admissao.
O grande conselho de New-Chatel adoptou,
em primeira leitura, um projeeto de lei tendeHte.
eeparaca.1 da igreja e do estado.
iz-se que os governo eantonaes pertcncen-
tes a diocese de Balo vao intentar urna arcan civil
contra monsennor Lacbat para reclamar um lega-
11 considerase, de que elle se apropriou indevida-
mente.
ITALIA.
Na cmara dos deputados italiana est-se dis-
catindn urna proposta dp Sr. Nicotera para au-
mento o exorcito. O Sa. Sella Oupoe-se para nao
aggravar as despezas do thesouro com mais cin-
Cjenta milbdfts, pois nao pode abandonar o seu
projeeto de equilibrar o orcameuto, e est con ven
cido de que o paiz nao pode ser sobrecarregado
por novos i ni pastos.
^ A cama; a deu raza ae governo contra o Sr.
N'icotera Appreven por 160 votos, contra 100
111:1a ordem do da manife^ando a confianca de
que o governo sabe prover s necessidades da
deteza nacional.
0 Sr. Lanza respondeudo ao Sr. N'ieotera de-
monstro,! que nao ha via desaccordo entre os
membros do gabmeta,-e ileclarou que nao podia
aceitar nenbnma proposta que mplicasse um con-
vite ao governo para-se oceupar dos armamentos,
o que seria urna censara immerecida.
A cmara apurovou tambera a lei relativa
eireuraseripea omilitar territorial.
Poi ambemapprovada a eonvenco cora a
compantiia aagio^nKditerraaea, para isslabeleci-
ineniode uin.*alxtelegraphico entre Brindizi e
o Egvnto.
- O Sr. Sella apreseutta na cmara dos depur
tados as coatas idMaBaMat do anno de 1871 a si-
tua;;w do Aesouro em7; oorcaaiento defini-
tivo para 173, e o orcamento provave para 187i.
Esto aprcM-uta um defieU de 107 milhoes.
1 ministro declaran que nao recorra ao crdito
e eonvidou a cmara, a que evitasse o mais poss-
vcl novas desunzan 41 se nao poderiam fazer, sem
tancar noves.uppesioa.
A Vocc dt a Vtrita, diz que o Santo Padre
nomeou motisannoelBBnc%pairiar*ha,de Jerusa-
lera ; uonsenhor LeaillMax, bispo-de Careassone ;
monsennor Ubauvnspn de Mende ; man-enhor
Tarimaz, b.spo nTareojUise ; alm-dist preco-
nkson tres titspo* oa pata.* lata, bci para a Ame-
rica, e nm itup rtu*. ^mtiddmm*. ~
0 cardeai areebispo 1 de Vejteza den ordem
para e cantar na 7*Utnm na eathedral no dia
oque ainda
tencias. O Sr. Forsler dase fr/t vreferira pedir
a ui!rjBaqniisui;-!;(;ii-enovotiu!pios aquel-
le* que foram adoot^ilos.
Accrescenjou que era ikiiico digno da pronun-
ciar um juiso tal com 10 formulara o Sr. Ilardy a
respeilodos arbitros a quem .paiz bou ve po<- bem
agradecer.
Os Srs. (laJstone e Disraeli apoi*ram estas pa-
lavras e a mocao foi retinan.
- Houve em Londres um meeting muito nume-
roso, presidido por Mr. Vernon Harcoui t. menibro
do pai lamento, contra o imposto da renda. Esta-
vara presentes milita* meinbr..s do parlamento :
O meefing decidi que leudo este imposto
sido cread temporariamente, havia ebegada a
oecasiao de o ezer cessar ; que para isto era pre-
ciso diminuir as despezas publicas.
O presidente nssegnftJa que o or.-amento que
va ser presente a cmara uo principio de abril,
apresentava um excedente de reedita.
0 Tim*< diz tambera que ha um excedente de
receita ; pois estas sao calculadas om 76 milhdes
de libras sterlinas e as dspotas prjvaveis em 71
milhoes.
Ksto quas termina.las as grves mnieiras
na Inglaterra. Oimecaram j a accenSer-se os
altos-fiimo* na -Gallen do Sal; poneos san j os
operarioa obstinados.
Parti para a ilhtde S. Domingos um navio de
gnerra inglez, para pedir satisfaca |Hr ain insul-
to feto .10 cnsul itulez pelas autoridades domi-
nicanas.
Hor ordem daqnellas autoridades havia siJo vio-
lado o domicilio do cnsul inglez em S. Domingos,
e presas tre< pessoas aeentadas de so terem optos-
lo venda da haba de Samana eompaauia ame-
ricana.
niXAMAI'.C.A.
0 folkslhing dinamarquez votou a nova lei
monetaria comnium aus tres e-tados sean lina vos.
0 lanilsthing de Copenhague tambera lavora-
vel a esta reforma ; e provxvel qae o stotthiug
nomeguez se decida agora a anprovar to ntil re-
forma, depois da approvaco da Suecia e da Di-
namarca.
AIXRMAXUA.
O conselho federal allemo approvou a proposta
da suppresso do imposto sobre o sal, mas lia o
projeetn de substituir este imposto por um imposta
sobre n tabaco.
Este proj"cto encentra oppos;o, principalmente
nos estad is do sul. onde a cultura do tabaco cons-
titu! una das riquezas agrcolas. Julga-se que o
iuipo.-1 ser votado nina vez que o tabaco ind-
a irriLirao
ario sera.unu dleguda Ja dnsm.irc.ada.
Veanle, capital general deValencia, foi nonea-
iln para o imkim eargo era Barcelona, ,-.n sulisti-
tulcao- lo geiitral Coutreras que fui exonerado.
Em Pars ia estabelecer-s umi agenciatelegra-
graphica carlista, recebeadj noticias da fronteira
hespanboia.
A Catalunha vai ser declrala u:a ciado de si-
lio. E;n Barcelona ^vda vez maior
contra os carlistas.
A guerra civil vai-sc tornando tao feroz como
era l*.'li. Foi necessaro tomar precaucoes muito
enrgicas para evitar que as grejas fossem in-eii-
diadas e que se atteutasse oon'.ra a vi.ia e proprie-
dado dos elerigos.
ContinotM em varios pontos a liquidadlo so-
cial Em Calzada os socialistas eslavam repartn-
do as trras e comraettendb excessos e tropelas.
0 juiz de Bajar acudi a te.npj de por cBbro
quelles ddales.
Os aiaotina loi fugram em presenca da autori-
dade.
O general Hidalgo nao aceitn o governo geral
das Uanaras.
Desmeiilc-se a demisso do goverhador de Ma-
drid.
0 general de msrinha P. Miguel '.olio, presea-
lena o musen de sciencias naturaes de Madrid com
varios objeclos preciosos, eoUneeionados na sua
viagem pelo sul da America. Figura entra siles
una randa.le seetitilica de grande valor: 11.11a
calcedonia transparente chamada enhidre*, por
contor no sea interior ama certa quantidade de
lquido. Foruia-sc, segundo diz o iliusti'e dse 1-
bridor n'um aillueiite do Uruguay, sujas aguas
levara pelo qae se v, em dissolacao. a sica pla-
Unosa temperatura n pressao ordinaria : lactn
ignorad 1 ou p-meo canbecido pelos bom vis- da
scienra. O cousellio de professores do dito mu-
sen, resolveu significar o grande apreco em que
leve u presente.
0 cabecilha Velasco resolvea mandar comrais-
sarios s povoa^es da lscaya, alim do cobrarem
o imposto de guerra. Ea) Donato apreseatoa-se
ultimainente um post.'io com a corresp mdente
intimaeao de pagamento; porm voltou sem enu-
seguir o ti: 11 a que se propuuba. No mesmo da
ontro coininissaro tuve o arrojo de reclamar a
eontrihnisio mnnieipalidade de Bilbao. Foi en-
I) preso, sem que ble servisse de oseado os :i
por nenio de multa cora te foi amentado o moni-
cipio, se nao entregasse immediatameute a parle
|m:Io que parece
Logo, fcil aconclqsao: a'elevan directa
uo pode ser decretada sem a reeama do an: 99,
e.na conformidadedos arts. 174, 175, 176 e 177 da
onstitaico do i perlo.
Logo, anda: a decretacao da eleico directa,
sem essa reforma, urna idea revolueeionaria, e,
por sua propna natureza, excntrica da ndole es-
sencalmente conservadora do sedado.
Felizmente j rao Jonge es tempes em que Ly-
dos annos da Viaor;*Ianol e cenvidou para esse
tr-ti tetilla i? .entonidm A a^*: *
se fease
acto tedas as autoridaw caris.
Hm Koc.ia censum-se-este- fasto como
orna revoa contra 1* erte. puntifiria.
- abreve qo 8u*^antadaddirfgio secie-
dade dos catlicos aUemaes, ineiiftM< vigerosameaia o*Mt*m lat injiutas qne se pro-
-malgam rustra a igreja.
Esta si l naca astae tonentavel, diz S. Santi-
dado, devera ser afiessaie para desvanecer essa
iliusan ieti -tavel segnode a qual o poder civil ser
rift a ten?- de todo duyMo.a
' lATnaas
Lord GramtaWansnclosdl cmara, dos lords
que o gabinete Gladslone raaasamir o poder
0 duque do Aitbeuend, aotsreu a recusa do
gena seja protegido por um direito differencial con-
tra o tabaco estrangeiro.
A cmara dos deputados de Berlim depois de
ter votado as leis ant-clericaes do ministro Falle,
reservn a discusso de mnitos ontros projectos de
lei sobre a mesma materia para depois das ferias
da Pasehoa.
Este? projectos destinados a proteger a lberda-
de religiosa, garantida pela coustjfuicao, sao os
segumos:
I." Urna le supprimindo o padroado das igre-
jas;
i." lima lei sobre o casamento civil o registro da
eslado civil ;
3" Urna lei sobre a eonstituico das coinrauni-
kades religiosas;
I.* Urna le abolindo o carcter religi iso dos ce-
miterios.
Estas leis importantes, darn,
lugar a animadissmos debates.
Os ecclesiasiiro* catholicos enea negados do
enante religioso nos estabeleeimentos de instrueca
superior do ducado de PiMen, foram intimados a
obedecer s ordens do governo, on s nstrnecoes
do arcebspo n>i que diz respeit-i ao abandeno da
liugua polaca no ensino. N'o naso de recusaren!
obediencia ao governo sero domittidos.
Diz a Gazela .Vocc;t alienta, que o clero
catholico allemo tencona res pon ler a supprosso
da cap o servieo especial junto dos militares.
AI.STIlO-mjNCBIA.
Est quasi reslalelecdo 0 celebre orador e es-
tadista Francisco Deak : o general Benedeck adia-
se porom gravemente doente.
Na Hungra cala vez se pronuncia mais.a crise
ministerial. F.lli-se dadeini;sodo presidente do
eometho o Sr, Sdavy aecrescenta-se que tinha
rel.-e-oes eom a crise a prxima ebegada do conde
Andrassy a l'estli.
Um depatado hnogaro mterpellon o ministro
da fazenda sobre as causas que naotivaram n esta-
belecimento de um banco de descont na Hun-
gra; pedia molidas enrgicas. Quer que o go-
verno e o parlamento hngaros ameacetn denun-
ciar o tratado de commereio e de alfandega, e
masillo recnsar a quota parte da Hungra as des-
pena e dividas eonimuns com a Austria.
O8r. Deakdissoqne eramister esporar ares-
posta do ministro da fazenda que estava ausente:
e que noemtantn seria bom absterem-se por agora
de qualquer ameaca.
TURQUA.
0 general Ignatiew assignon um protocollo
concedendo aos rasaos o direito de adquirirem
bens de raiz na Turqua.
Este protocollo concede aos estrangeiros certas
regalas que nao erara autorisadas pelo protocollo
assignado em 1866, pelas nutras potencias que po-
derao agora prevaleeer-se das ronces>oes f-tas
Bussia pela clausula 4e terem direito ao que fur
concedido nac-io imis favorecida.
Di/.oui de Jerusalem que houve nm serio con-
flicto entre orthodoxos e latinos em Bethlem. Ds
orthodoxos queixavam-so da violaran dos seus di-
reitos.
0 patriareba latino de Jerusalem dirigi ao era-
baixador Craneal nm relatoro para justificar a
conducta do el ro seu subordinado. Este tinha
enllocado no templo urna ta|>essara cuntendo ins-
cripcoo* latinas.
0 patriareba freg julgou ver as nscri[M;oes
latinas tima offensa contra a greja grega.
O texto do protesto qae este patriareba dirigi
Sublime Porta, o seguinte :
Nos protestamos formalmente contra as vio-
lacoes commettdas pelo clero latino, que te
a apoia no direit 1 do ma|s forte, e pi^a aos ps os
a direitos seculares da nacao grega sobre a gruta
onde uasceu Jess-Cbristo, era Bethlem. Pedi-
a mos ao goverou de S. A. que nio permitta esta
u iiiquidade contra a nayio. Assignado, l'roco-
pio. ))
KUSSIV.
0 Invalido russo annuncia que os preparativos
para a expedirs de Kliiva, estm se terminando uo
Caucaso, em Oremburgo e noTurkestm.
Tres columnas, operando um movimento con-
vergentf, partiram no dia 15 sobre as fnnteiras
de Khva, aonde deve chegar aos primeiros dias
de maio.
Einissarios do Kliiva procuraram sublevar a po-
pulacao dos Khirgiz, provocando-a a negar aos
russos o pagamento do tributo ; assm como qnaes-
quer socarros. A maior parte dos Khirgiz ficou
porm fiel, e pedio a proteccao dos russos.
O Joyd de Pesth publica um despacho de Odes-
sa, segundo o qaal as noticias receidas da Asa
Central sao muitodesfavoraveis parea Hussa, em
cujas fronteiras nm exereito de 40 mil homens de
espalhado o pnico at
eom que fura colloctado.
Falla-se eom insistencia no einbarqnn frito e:n
Marselba. abordo do navio Le Ciutoaliar R**c, de
um carrega aos defensores de I). Garios ni Catalunlia.
N'iun jornal carlista ileLyon l-se o seguinte:
M llocebereiiK.s as snbscripcdes que nos sejam
offerecidas para os carlistas, e as transmittire-
t mos a couimissio d-' cala i.irmacS 1 j fall im >s ;
1 porin nao ser publicada lita alguma dnssnbs-
eriptores.
A liaba receben o ex-rei de Hespanha de modo
a faz-lo esquecur das amarguras qne sotfrcn im
throtio e ao dcsc r delle. A saa aatiga patria
abro-lbe os bra;os c 1 ti elTuso : est de novo ('-
nenie general, ciliada 1 italiano c com os seus di-
reitos de principe de salgue.
Vi.rilicju se nos Estados de ?anto IziJro a reii-
no internacionalista i,..; estava previamente ao
imnriada Foi bastan'.'- concerrida, pronuncian-
do se iscursos e im bastan! i ixagero. As princi-
liaes resuliicdes tomadas foram, exigir do governo
o direito .o trabalho, e excita-o ao fomento de
obras importantes.
u presidente Figueras chegon no dia 21 prxi-
mo lindo mez de mar^o Ma Irid, p-'das 8 e meia
iioras da uoie. Naestaco esperavam-n'o os mi-
ni-tros e grande numero dos seus amigos polticos.
D'alli se dirigi casa, onde Concorrcral depois
alguus dos seus campatiheiros uo ministerio, per-
inanecendo algum lempo reunidos, ainda que sem
carcter orarial. Asinhnr>s danoe obse-ptia-
ram n presdeme rom unta serenata ungi-lial-
meaie executada oela bi Imite banda do regi-
ment d'artilbana de posi:
As faccoes carlistas de Granada, Catahinha e
Vascongada, teem sido completamente batidas e
desarmadas. Naquella uliima provincia em Gui-
pusoada, os babitan:-. mistrain se resolvidosa
arinai-se para recliacar o bandoieirismo das par-
tidas carlistas. Km Oo ha j mus de 7-t volun-
tarios, e augmenta tambem o numera em Logas-
pa, Atann e nutras povoaces.
A assembla approvou di tuitivamente, copio j
Ibes dase na unuiia ultima, por unauimidade e
sem discusso, o projeeto abnbndo a escravatura
em Porto Bico. O art. ', diz que os scravos go-
zarlo da lberdade ajienas cinco annos depois da
sua eiuancipaeio. Dcu-se ons vivas., Hespanha,
repblica o patria e a toda a sna Htegndado,
A sessao foi suspensa pir meia hora, alim de c sa-
binar a nomoaci da commissao permanente. Por
esta oecasiao todos ,.. panidos demonstraram su-
bido patriotismo. Acclainacfies unisonas roben-
laram de todos os lados; decidindo-se eommemo-
rar com urna inser) .o de marmore ama tal
uoite.
O governo frar.ee: a*aba de reconheeer de fado
a repblica hespauhola, pedindo o e.reqn itttr ao
governo de Madrid para um no-.-o cnsul em Bil-
bao.
0 ministra da gnerra est sammanwnte einpe-
nhado em restituir a disi ipna ao exercitj. En-
vin ao general Hidalgo ama ordem por via do
telegrapbo, para que proceda segundo o rigor da
ordenanca. Vo ser nomi ado generaes de presti-
gio para certas eouMnandns, sendo Zlabola para <^a-
talun ia.
A coiamna Guerra alcancoa as altares de Bs-
b.il (Catalunba), as farcoos Quito e Casagal, ha-
lendo-as e dispersando-as; bavendo-lbes cansado
qnatro morios o bastantes feridos.
U coronel Vega alcanvon, com a columna do
seu commando, as forras carlistas era numero de
2,001) homens que oecupavam as altura< de Sania
Lucia e S. Hippolito, espera de um eomboyr que
se diriga a Cenanglell, o do qual pensavam apo-
derar-se eoouadas em sna snpwioridade numri-
ca. Mas atacadas com e maior denodo, foram des-
alojadas depois de cinco horas de fogo, calculan
do-se as perdas em ciis de M feridos e vinte e
tantos mortos.
O ministro dos negocios estrangeiros, disse era
assembla geral que, nao se tratando seriamente
de e.-tabelecer a ordem o disciplinar o exercto,
noiiieando-se auloridade de valor proprio, se reti-
rara do gabinete, roinpendo todes os compro-
missos.
Actva-se o armamento de bataaes de volun-
tarios.
Apezar de se ter fallado eom insistencia na sa-
bida de Castellar e Acostado ministerio, pela atti-
tude de Figueras, julga-se completamente infun-
dados taes boatos.
A comimsso permanente coinecou as suas ses-
soes.
Bipoll foi toma la pelea carlistas, fazendoSO sol-
dados prisioneiros empregando petrleo para os
obligar a render-se.
POBTCOAL.
As noticias deste paiz constara da nossa enrres-
pondenci-i de Lisboa, inserta .>b a rubrica Ex-
terior.
tropas de Khva, tinha
cidade de Oremburgo.
O despacho ascrescenta que em toda a Asa Cen-
tral estao sendo fanatisadas as populacoes em no-
me da guerra santa contra a Bussia.
Parece, porm, quo ha exagero neslas noticias:
o Khan de Khiva prepara-se effeetivamente para
tomar a nffensiva ; maso seu exerei oattingeurna
cifra muito inferior qnella.
Dreera de S Petersburgo que se inauguraran
naquella cidade as conferencias militares seb a
presidencia do imperador da Russia. A delibera-
cao sobre a opportunidade de estabeleeer o serv,
00 militar obrigatorio nio comecar antes do fin
do mez m marco.
/ A bnperatriz e o grao-dnque Yladimir estto
em Italia.
Continua a dar-se como resolvido o casa*
ment do principe Arthur de Inglaterra com a gr.
dnqueza Maria da Rassa. '
Hespanha.
A cerca deste paiz eis o que c*ereve nosso cor-
respondente de Lisboa:
Os federaos andam inquietos ; cemtudo corren
tranquilla a manifestacao que teve lugar a 29 de
marco em Madrid. A mamfdsiacao das mulberes
fei mallograda. Apenas amas t-i eompaiveeram.
A coimnissio do meeting dos federaos dirigise ao.
ministre do interior pedindodbe a domisao das preeochm os fias para que foram destinado?.
mumipaltadjs de onam menarebica. Respon- ] AluVUniontus iiMUsMi<-Psr acto de
REVISTA DIARIA.
Assembla praviueal. Hontem nao
bouve sessao por falta de numero ; a ordem dr/
diapara ainaiiha a-mesaa anteriormente pu-
bl nada.
Diario de Persianafrueo. Damos boje
a nessa follia de amanha, em eunseqoencia de ler
ebegado na sexia-feira uiuii.a.o paquete lili man.,
da loilia do Pacifico, procedente dos portosda Eu-
ropa.
Arsenal de inarinha. Por acto da pre-
sidencia, de tdo corrente, foi noraeado PedrD No-
lasco des Santos para porteiro interino do arsenal
de marrana, sendo exonerado do raescio lugar
Antonio Rapozo Falcad-
Fernando de \oranha.-Por acto da;
raesiaa presidencia de 3 do corralo, fui exonera-
do seu pedido do cargo do secretario do presi-
dio de Fernando o lente honorario de exercto
Miguel Joaqum do Reg Barros, sendo nomeado
para substitu lo o aleres honorario Antonio.
Francisco Ptreira Citirana.
Recite Dralnage.Por neto do referido
dia 3, foi nomeada urna commissao, composta do
commendador Dr. Joaqum de Aqnioo Fonceca,
Dr. Symphronio Cesar Cooanho c engenbeires
Manoel Buarque deMacodo, Pnnle-Josde OHvei-
ra e G. O. Mann. para examinar o apparelhos da
companhia Reeife Drarmtoe, que u acham actual
mente fanecionando, tendo env vista o respectivo
ontrato. e verificar e esses mismos apparelhos
ivrm b
. -le IK75.
fura; e;tincts os aldejanicntos de indios di
Mimad*.* /.'*. en IU lie 9. U.ytrl..' l ;.--..
etit*e 1 pr^viaoii. i- bem ..-
se que fn-seiiiiQiilidJ* e demarcailo--
vos terrenos efii totes de ttfri) bracas quadra-
das, |iara o lim le "erem distribuidas p ;.t rami-
has de inilHis nelhs residentes, ra*petadoj >is di-
reitos dos exaldeialos, e sendo div.di 11 o r-s!;.,:
to om loi -^ de !0.000 bracas qaadi a-'a-, para c-
rtm vfudidos em hasta publica-
Ter;i> dt- I^narnsscL i'or p icaria rlc
Silo corrate f.i ileclarmlo qne os sup.nenti- 1
juiz municipal do termo de kaarasMi ;rvam ro-
mo upplentes do sulislitnlo do jai' de diieiio res-
pectivo tirando todava novos ntiilos e pnstamb
juramento no prazo da lei.
Ksi-u>las priNiiirlaN. Por act 1 Umkni
de o. fui no'iieada una commi senhores : Joaa Felippe de Mello. SanariM Bruicie
Jos de Araojo, Man >el Tertuliano fravaaiea a>
Anuda, bariiarel Austerliaon liom-a de Cantre,
Justino da Motu Silvera, ilogoberio lUrboaa di
Silva e Manoel d'As~u'iipeao Santia^ci, para O ka
ile prnriiov ri-in subscripces e donativos um pre
da edifica o de casas para estila* primarias na
livgiiezia de Sant Anua d lio o jardim.
aUspr-si.-Por acto de 7 foi dispensado <
Sr. I. O. M.mn, si-u pulido, de mensbro da enra-
tissao nomeada para examin r os apparrlboa 0.1
companhia A rife Drai*nge, sen.lo ongado rara
substitu-lo o Sr. Dr. elipue Ser>' C-dl.i-o.
Lieenea. rw acto de h U ,,-,.i',ia amn
lcen -a. ;u venc montos, por tres m-z <, para
tratar de sua sadefra da pro vinca, ao raatader
do correio do Amazonas.ndilidoai. ibvtt provincia.
Viente Tlntnat Pires de r'gueiredi ('amarga
Gnnrd.i n-iron-.l Pdrncto d- '.1 m B-
ceudaa demtesio que pe lio .los Pendido d*
llanos innior, do posto de tenente .|.j ;j' Inrtalaai
de infantaria dn municipio in RfrMI.
Por acto da m na data foi n majado o sr
p'':'.;o Ap'li'itino Gomes da -uva. alfer ntltaa
rio do batalhao 11. :ii do mnnirialo de Tactratn.
DiHe^ado.Por arto tamben de o, Paaa-
nieado o ridadao Paulino Pires Kalco. dafaaBD
d termo do Rabo.
aaaatail militar.-Por arto de 1* t nv
nirado. soh prnpostt do director do b i-i t 1 nrn-
lar, los Carasireda Silva para o lugar de esrri-
vo do mesmo hospital.
Pan o Besan hospital, r na mesma dita
foram Borneados pelo respective direit e-, aam-
do Alves do Lima, porteiro e liei dos fardam-nl
1 i Figiieira Con lo, dispeas 'iro e c wwpiadm
Hnbstitnis^Mi e nwt.-ts !fa tbesnare-
ria de fazenla se proco le salstitairao das notas
de cincoenta mil res, da quarta esiampa araen,
c iiue-i:di r-n.is aviffrer odi>scontn saaasala>
dez p ir rento, no !. dejanHrn de IHT4.
Santa Cusa de .>!ist-ri-or;M:: do
Rerife. Perante a junta administrativa Va
corporaco viu preca, nadia !7 do "uinuf -
p ir a Tora mente, os dous terr.u ns. :;. ,' -
tos no povoadn de bmurte Cnrlho foutr'em ir-
romba Iom, leudo e-t.- :ii;;i palmo de fr-T.Je e
aqnelle i,, ambos proprios pare edincacfc r
por venda, o predio dedoas andar- e -
d7 da ma da Honda, pertenreatc ao patrimonio a>
jirid; le, o qual se acha i-in man estad...
Le de 'H de SVtemliro Deve ren
nir-se uo ilia M docnrrentr as d horas da manba,
no pac da cmara municipal d>. RrrttV, a ja: d
classilieadora dos escravus qae possam -er li-
bertados e;n vitado do art. 3S do regatasacaSB
apprnvadn pelo decreto n. R.I33 de 13 il novrm-
bro de IH7 para a execuen da W s. ?.0i d
s de setembro de 1871. alim de .lar cova mi >-
seus trabalhos,
Transenpcs\o.Chamamos a attencSn A
n isso leitores para o profundo artifin que. iafe a
ninrire Internar, deixamos tr.-,n-cii|t> oj,, o*
jornal A.1 -.(. ssim ie'a sua materia romn pa-
la valala erudicci de que d copia, lie r ?:
lid e meditado.
Por caria particubrde nm amigo, sahoams q*
elle da festejada penna do nosso elegante e
lista, o Kniii. Sr. Dr.Gusino Lobo, a aaem
tribuem na corte, como < de reata.
Occupa-se esse hetn tlibrada artigo coin a
que-fi 1 d preferencia suscitada, pnate o ci>r|a>
eleitoral do Bw Grande do Sul. entre os depjia-
dos barao de Mauae Sdveira Martins ; < nelb*
encara a questm em seus veiaaVaros terasaa *
zendo resaltar do sen mesmo objecto a verdadet-
ra doutrina constitucional.
A' es-e proposito tambem encontrara na c-r-
respoadencia de Londres |ra o /uraal n Cmu-
ttuteiodo Itio de Janeiro, alguma- liabas, ajai pe
dein interessar ao lenr, eqaajaqai tiaasrrvveasof
alim deque bem se avahe do qne sie cana? -
amigos .lo Sr. Silveira Martins. qn s nao pej
de denegrir em Londres a reputara do Pr. iitu'
i!. Mau. caracr cima de taes 11.achica.-f 1
sumpre respeitado dentro e lora do iniaerio.
Eis o trecho da citada correspondencia, qn< *
acha publicada no Jornal dv Ciaam'i d- ; de.
corrente :
> Appareeon ao IVmes de 1 de marre om *>-
gramma Keuter di Rio de Janeiro, que mni! 1 a-
sizanamente lora recusado por ootres Idea- iba-
r;;.s, e nit.'iido um t'rosseiro ataque ao I ...
Mau, no proposito de prejndira lo no c 1.
dos 11yic7.es ; mas a este resanan a manir-!.. -
proprie-dade do meio empregado foi par' para e
seu mallogre. Muita anajapia. diz o lahnjrata>
ma, causn a sbita defcese poMira do bal 1
Mana, que f.ira eleto pelos liberaes do Pi Oran-
de. Os jornaes opposicionislas atlribuim a ds-"--
cao a motivos iiiconfessaveis.
Beuter foi infeliz na escolha do seu anals Sb
Ro de Janeiro, porque invectivas dcata 0"det" nw
sao a especie de noticias que precisamos da (San-
tal brasileira.
< Nos partidos politices do Bread, nunca se *k
esperar de um houieni dedicado ao progresso ma-
terial do imperio, como u baro de Mau, p~'*
que liberal as snas vistas poltica", aae Strrrl
que os inliiess.s nacionaes, que tmnou a p^tr. .1
meros luis polticos.
A nos parece que sua especial misso na c-
mara dos depotadoa promover as grandes of"..,
mblcas de que depende o futuro do Bra-il. eansm
quem esliver no podar, ainda com risco de faK
inpula.oes, assim que. nao pude elle prMjif
maior servieo ae seu paiz do que evhibu suas "ne-
tas na tonca era que um gabinete conservador
vai segurado urna poli'ca liberal cima do Blval
ordinario das que-ioes partidarias. Nao dr es-
perar qae assim proeedeaaa perca aaaake eava-
Iheiro a condaaea da sua provincia natal, atier.
dendo-se a quanto tem ella a ganhar na preseni
sessao da ass-mbl.-a geral. De prneaJaT ame-
Ibanle nao fallara exemplos na cmara dos rom-;
muns de Inglaterra, mas ninguem unda as leal
brou de o attrbuir a motivos bveaJaaasNs.
Rt-foran: da guarda naeinnnl. *
pToaoata que u govenio imperial subinelteu a con-
siderarn da asseaaMea geral, na cmara tempo-
raria, consignando a reforma da lei que regula a
guarda nacional, a requerimento do Sr. deputaer.
Campes de Medeiros, foi remettida nma omites-
sao especial da referida cmara, para sobre ana
emlir pararer. Sao membros des-a comrr.N**
os Srs. deputados : Conselhero Carreta, t'snz Ma-
chado, (jusmao Lobo. Cardozo Jnior e eoov-
lheiro Jos de Alencar.
Consta-nos que, sem perda de lampa, ia o p>w
verno apresentar outras propostas de reformas,qur
eslo .>ludadas, con-ideraco da mesraa cmara.
\t: rente, por volta de S horas da larde, as vn-
nhacas da freguezia da Luz, um pobre ahnocrrre,
qpe segua tranquil lamen te o seu c.iminh foi
assaltado por um individuo desconliecrtfo,- qae
pretenda roubado. Nao consegrando este Pri-
mo o seu intento, ferio o inleliz almocreve rma
urna caceada e urna facada.
A autoridade policial procedeu nos ternr- da
lei.
Prisa voluntarla.No da 3 do cor-
rrnte apre-enton-se volunta'iamente ao subdelo
gado do I* distrieto de Gameflelra, HamH fte
Barros Wanderley, qno se acha pronrnciade "na
respectivo jnko municipal pelo erime de enil->sar>
de moeda falsa
Lata e ferimento. No dia V tan be,i da
corrente, no povoadn dos Montes, do termo *,
Agaa-Prer, varias malher* travaram nma lula,
na qual tentn envclver se o offleial de j\rBoa
Joao Bodripnes, com o toovarel miento de apak
guar os aarmas exaltados. Foi infeliz, porm, m
seu intento, porque sahio-lbe ao encontr rVaa-
bisro Honorte. o qnal lhe deu urna racetada qne**
prostrou. O delnqueme foi preso, e a aatoridadi
prosegue nos termos da lei.
Dcsabamento-No dia II do correnta,
c-rra das 3 horas da madrnfrada, d* do predio n. t07 da ra Imperial, da fregaos*
de S. Jos**, ficaodo gravemente feridos Manoel a>
Paula Correa o Vicente Deas e Silva, feaidtutSi
no dilo predio:
ivNHiaframr-nto Anda no dia II doear
rente, por voha das 11 horas da node, foi esma-
gado por ama reda, movida i vapor e
1
'
i


-

Di
Temsmbaco Domin-o 13 S A-bhTde 18TR'
at

o fabBMtt ib golo, m fitiniigai le C. Sfcirr A C
un preti-do nomo M.iuool, que uesse m.st
oceiajsaa. i*i i-- i tu 1 t pxi i iiiliiiiiai rn
u> J>M*'U e proceden na fosma 4a le.
Prnso cih (la^rantr. Assiin ai
Joafluim Anlonij I.u:
cavailos. Deve-se a
IWa lanella.
eieilml Pafrlotion A 'de Se-
(eiitbro -AmanhS, 14 do corrente, haverJ se_s
sio ordinaria desla sociedade. rua da Uniu
a. M.
Cnjar-poirc.Pelo Sr. Hsral de S. Jas
f mandado lancar ai) rio 82 e i/2 kilogramuios
de. carne* verdes eai tal estado de putrefaceao
o re* de boi de que ella fo tirada fosse igual-
oieule tdjtilisado.
BAttxrlti^tlc-. Coniniujiiram-iios o se-
S*e:..
- Ajlaahoriteiii, sexta feiM d* f^il.ao. por vnlta
de 7 .higas da inanlia, foraut" despertados os mora-
re* dtbecc) do Brrelo de Menezes (outr'ora da
CaeihiQ, na freguezia de S. Pr Pedro Goncal-
ves dw Her fe, pelos gros^estrideotes de uinain-
luiiz Manca, de 8 anuas de rtd;id, a qual sendo
scraa. era brbaramente aculada pelo sen se-
ua-#r..-alb morador.
Xao foi essa, porm, a primera vez que isso
si dea ; o tan fre.'iaeiilemmile se reieteiii esses
actoafife rejuintada mallade o estupidez, que ro-
fainJJElho ae dighem intervir no assumplu. pedin-
<> pipa sua Uniste a atton.'o da aulo.-fdade eom-
petelite, de torna a cesar esse iuartyrio- da nisc-
rs.crianea.
Mnnto sepulehro.Na quinta-feira santa,
bonvo tamben exposieao do Sanli-simo Sacra-
Ment, na igreja da Codceiejao dos Militares.
Ka Igreja do Pan isa, a I en deste acto, que alli
oetlbra a irmandade di Misericordia, expo/. air-
naadade das Cha as os sete Passos do Senhor, na
r*a*etiva sachristia.
W. .los.- do ?lini^iiiiiho Nesla igreja
celebra rain-so- alguns a ."los da semana santa, prin-
ctptsad i de mtinas, na quinta-feira.
Pregou sobre a Paix.io dn Senhor, o l'.vm. co-
neg Lino dn Monte Camello Lusa.
8p do Olindra.Nao obstante o temno in-
vi-.uu>.!, ii arlo da sagracao do oleo, na S de
aMinda, un da di quinta-eira .-aula, oi assazcoo-
corridn e imponente.
Assistiram-no 32 presbytoros revestidos de casil-
las, inclusive IU conegu* e 11 diconos com as
respectivas dalmticas e dou mestres de ceremo-
nias.
S. Exc. Rvii. pmtilicou, e distribuio a eoinmu-
nliao aos sacerdotes, seminaristas e grande nume-
ro do fiis.
Instituto Histrico < PJiilosophi-
M*.-Uoje ha sesead ordinaria desta sociedade.
mlem do dia : l" parte, eontinuacao da antece-
dente ; 2% ileseiiv.ilvime.iilo da tbese do Sr F Co-
dn-i'ira -qual o fundamento da socifdmle citU 1
Hrpnbiii-ii do Paraguay No praso
de trhita das, a contar de 3 do rente, devem
toda* M subditos paraguayos, residentes neta
provincia, comparecer no fespectivn consulado,
rua da Compannia Pernambaeaoa n. C, afim de
in CiIm>> riitiiiial. O governo acejtou e
iM.iud ni agraccer ao deaembargador Tristio de
Ahurar Anripe o ofrerecinicnto que fez para
consolidar as disprsicSes legislativas e regula-
Motares cunee mentes ao processo crimina], de-
veudo esse trabalho tirar prompto DO praso de
mu auno.
l,-.tri:.A que se acba venda a 4ti.a, a
beaeflflte da isrej.i da Casa Forte, qae corre no
da I'i do aarrente.
Lreilai).Hoje (14) eflec daoTagente Pinto, na
Suleda le, caa de residencia do Sr. Carlos Buxton,
o leilao de movis, louea, crystaes e obras de pla-
ta; do Porto, conforme est annunciado na colum-
na do.s leiloes.
Casa dv deteneno. Movlmenlc do dia
ti de abril de 1873:
Existan) (presos) 333, saliiram ,existem -KO.
A saber :
Naeionaes i\%, mnftmres 11, estranfreiros 38,
est-ravos 5, eseravas I .Total 35(1.
AUoientados acusta dos cofres Dobliees 9.
kovimonto la enfermarla do di^ !l de abril
dd wra.
'i jve baix.i :
J.-.e Vctor da G., febre.
leve alta :
J--.se Victorino de Barros.
Pmsagelraa.Vfados do Aracaid epoitoa
-medios no vapor brasileiro.W mi !i :
criado, urna escravaeom urna cria, Basilio Mutou,
a Clairr.
Viudos d? Mamangnape no vapor Cururipr.
1 To da Koclia Karia. Agelino F. Silva Gusmao,
Aanao Antonio Fernandos, Manoci da Costa Luna
e I criado, Antonio Jos Per-ira d i I.ago, Antonio
J. A. Maranho e 1 criado, Jos Rodrigues de Fi-
;." -re lo. Francisco Antonio da Silva, M. C. Lou-
r '.'i, Joan Silvino de Almeida, Viciorinu Toscauo
de Brito,
-Seguirarn para os portes do sul no vapor Cru-
il i SmJ :
Francisco I!. Accioli, Francisco Jos DuartC.Com-
loindador Antonio P. Caldas. Uanoel Cotrin J:i-
nior, l.uiz A.. I.ios, Jos Gonealves Torres, I). Ma-
, i ;. Dos, Man i I Joaquim Teixeira, Liiiz F. da
Canecifio, 1). i isalina L. da Concei'.-o, J. M. da
AaMimpcao, lente Joo C. F. Aronea, Joaquim
I', da Silva. Dr. Odilon I!, de Oveira. Giaccme
i rada, Koiino Gomes, J. II Trindade, 1 moleque e
t criado, Gustavo Gonpalves, Fabio Bfno, umsol-
dadd naval, un imperial marinnetro e 2 recrutas,
Francisco A de Medeiros, H. J. Bessa, Hernardino
H. Lelo, Antonio V. Fernandes, 7 recrutas e3es-
iravoe a entregar.
Seguiram para os portos do norte no vapor
Ixasiliro Par-1",- :
li. Bessa S filhos e una escrava, Antonio B. S.
!^bo: Antonio S. Gusmao Filho, Jos F. Machado
i aiave. Jos das Heves, Manoel Joaquim Cor-
roia, Eloy C. da Silva, Dr. J. C. Peres de Lyra, e 1
criado.Dr. Jtaquim <;. C. Cintra, Dr. Ad'onso J. M.
Oeha e I gscravo, D. Bufmzioa H. Lima, I filho e
i rriados, Dr. Flix M, Brandao. sua seii'nnra e 1
bino, Antonio s. Pimenla, Antonio Ferreira, Fran-
co Teixeira, Jos Mara Moreira, 5 eseravos a en-
irosar.
Entrados da Europa no vapor inglez Iilima-
ni :
Antonio D mrado de Azevedo, Jos Domingos
dos Saalos, Antonio Domingos dos Santos, Ignacio
FernaadeB Torres, Paulo Jos da Costa e Silva.
Cemiterio >uoliwo. Obituario do dia 7
do corrente :
Antonio, pardo, Pernambuco, 6 annos, Boa-Vis-
ta anazarea.
Bonifacio, preto, frica, 8;l annos, solteiro, Ba-
Vi>ta, Hospital Pedro II; paralysia.
Kartha, parda, Pernambuco, 14 mezes, Santo
Antonio, casa dos exposlos.; denles.
Manoel Oveira, pardo, Vernamtmco, -ii annos,
Matro, Hospital Pedro II, Boa-Vista ; tubrculos
polmoaares.
Jo*! Espinelle, branco, Italia, 19 annos, soltei-
ro. Boa-Vista ; febre ainarella.
Migael, escravo, preto, Pernambuco, 13 annos,
.sd.'eiro, Boa-Vista ; tubrculos puimonari's.
loto, pardo, Pernambuco, 8 das. Recite ; con-
vtiJsoes.
Vicente Ferrei.a Pessoa, branco, Pernambuco,
(io aicos, viuvo, Boa-Vista ; gastro enterite chro-
niaa. '. -
Antoio da Costa, preto, frica, 40 annos, casa-
Jj. Recife'; molestia orgnica do corayao.
-Miguel Antonio Porfirio Nazareth, branco, Por-
ugal. 3o annos, solteiro, Santo Antonio ; cancro
;ia liusua.
- 8
Uilbina, branca, Pernambuco, 8 dias, Boa-Vis-
ta : espasmo.
Manoel Barboza de Vasconcellos, branco, Per-
Aambueo, 25 annos, solteiro, Santo Antonio ; fe-
be amarella.
Minoel. branco, Pernambuco, 2 mezss, Boa-Vis"-
ta; aatharro sultoeante.
Manoel Maria de Jess, pardo, Pernambuco, 40
aaoos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; ane-
mia.
Mara, preta, Pernambuco, 20 dias, S. Jos ; con-
vulsies.
l?naeio Jos de Freitas, pardo, Rio de Peixe, SO
anuos, casado. Boa-Vista, hospital Pedro II ; pneu-
iiwaia,
Upiphania, parda, Pernambuco. 7 aoaos, S. Jo-
si" Uwijiav
Jo, jwto, Pernambueo, 5 mezes, S. Jos ; con-
vtBm
9
B0 Hornem Nicolao, branco, Italia, 42 annos,
cacado, Rteife ; enterite.
Anna francisca, branea, Rio de Grande do Sul,
22-anuos, sotteira, Gra^a ; phtysiea pulmonar.
Lhiza, escrava, parda, Pernambuco, 25 annos,
casada, Santo Antonio ; epilepcia.
rabel, branca, Pernambnco, 4 mezes, Santo An-
tonio ; convahes.
Jwo Beuvenuto. pelo, Pernambuco 3
Vhivo. Boa-V sta, ujspiui :jedroU pblj'si
Jos Hara, branr >, Portugal, 2> ann'is, soltei-
ro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; febre ama-
relia. : '
Guilhovmina, parda,-'Pernambuco, 6 anaos,-Re-
cife ; febre tvphyca.
- 10
Antonio Flix da Silva, pardo, Pernamlmeo, 30
ados, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; tobre
amarella. .
Ilraz. branco, Baba, 18 annos, solteiro, Boa-
Vista, hospital Pedro II; lW)re amarella.
Fortunato Joaqiiim Maia. pardo, Pernambuco, 7
annos, Boa-vista, hospital Pedro II ; varila*.
Luz de Fran ;a de Souza, pardo, Pernamlueo,
8 annoj, Boa-Vista ; bexigas.
Manoel, pardo, l'enumjbuco, 9 mezes, Bo* Vista;
febre interittente.
Jos'Maria.d*Ann'i!io|ai-ao. mandado pila1 po-
lica.
Francisco, branco, Fernambuco, 13 annoa,'Boa-
Vista ; anemia.
GaetaniMlos Saatos, pardo, Pornambuco,'33an-
tof,-sobeir, Roa-Visia ; phtysiea pulmonar.
ThoHHw Alves Magalnaes, militar, li >a-vista ;
ferimeutos
Caudido, branco, Pernambuco, 9 mezes, S. Jo-
s ; couvulses.
Vicente, preto, escravo, Pernambuco, 70-annos,
solteim, Boa-'ist,i; ascite.
Marianna do Rosario, preta, frica, 78 annos,
solteira. Boa Vista ; rongestao cerebral.
Dacio, branco, Pernambuco, 3 mezes, Boa-VisU;
marasmo.
Ricardo, preto, Pernambiiro, Roa-Vista ; ao
aascer. .
iBUCJWOK .4 PED1D3.
Lu rriiuc jtuuir.
Qualquer quo si-ja a fundamento d* noticia qne
com a epigraphe cima deu a Provincia de 8 do
corrente, e a que se mere o cuuimunicaJo ano
nvHio do Diiirit de 10, parece que nao pode ser
attendido o desojo qu3 mostra e autor do com- Joao Martins Nogueira de Souza.
monteado, e n-.it* a elle nao fallam meios. para o l
esclarecimeto que espera.
Quando o secretario da presidencia em
esteja actualmente procurando meios de th*as mais
aia vantageui do-oatado iJM dousas, pelo que
nao o censuramos.
Em flm, parav^ne o- publico ajuize da 6"i fi
com que iiestff-wgeckK procedem os prtfudicaiot,
bastar, at' nJBBSaefmate ooasideracao. Diem
aquellos que,- pwtedendo urna sondagem, uo
canal, verificaran cr d tfiau-o palmos.a maier
profundidade d'agua, sendo qu por Isso as bav--
ca.a-.-A'dci b'elkidtit, Dous de Dezembro e S.
J' da hacia. Entretanto, quem souber que qualquer
barcaca valla nao demanda mais do que tres pal-
mos dagua, Jicara, aam duvnla. reeonhe-endo e
podendo ajoizar das inten.oes e ton vontade da-
quelles Srs. ajrjauMto, da eiayrezg e do empre-
an do <90rTCiaT-a.
Nao ptoseguremos, porque jnfg^-oos disaeces-,
ario poreni ajjui repetiremos o.que ja dLssemos
em o nuas prhueiro escrlpto, nueo canal de St)y-
anna aitfda, nao et'acabado e que a sua comple-
ta terminacao so pode ser exigida daqui a dous
annos e meio.
felvicao dN devotoi o -Ifevotas
|m* tooaa le ioirfvjtn- a. Kx.eaI-
h Mentiora dmm Au^iittiii* que
Me venera uta eapellu te San-
to Auiai-o las ftUaliuas, no auno
de 1**4.
Juiz por eleic.ii.
0 Illm. Sr. Jos Raymnndo 'da-,*ativi.lade Sal-
danlia.
Juila por Hei-ao.
A Exina. Sra. D. Mediana Silvia de Noronlia Sei-
xas, esposa do. Illm. Sr. Jos de Sei.xa.s.
Juizes por d :vocio
O Ilhns. -Srs.:
Felippe Xery Gon^alves Ferreira Manuel Hoberui de Garualbo Guimai>.
Eustaquio Amonio Gomes.
Julio Cesar Cavalcante de Albuquerque.
Epiphanio CarvaJbo da Costa.
Jos Bento Autunes
Franciseo de Paula Amoriin.
Joaquim Das dos Santos.
Antonio Maria Margues Ferreira Juuior.
cm
primelo a portara desta." prestou infonnacdH
sobre una argoico do Lber /, referente ao f:u-.lo,
objecto da noticia da Provincia, renortou-se ao
oflicio que aoteriormcnle ha>1a dirigido a presi-
dencia em data de 28 de Janeiro, como se ve da
dita informadlo publicada na Parle Official do
Diario de 20 "de fevereiro.
E' visto, pois, que quelle funecionario nao
cabe trazer ao publico o que em oflleio eommn-
nicou ao presidente,
Se ha quem interesse tenba em conhecer o
modo porque o.fado foi referido, procure obter
certidao do dito officio, o por elle conhecer* se
houve ou nao alBrmacao com relacio a autora,
ou smente simples exposigao-do fncto.
devocao.
Canal de Govanna.
Voltamos anda impresea, e voltaremos sempre
que entendonnos preciso re-ponder quaesquer
pablicacoes que temi por objeetoo canal Je Gov-
anna, exprimirem antes uri vontade e desejo de
invectivar, do que proposito do discutir e de tra-
zer ao publico a expressia da verdade. O artigo
Orinado pelos commerriuntiis prejudic -dos, e pu-
blicados no Jornal de lterife de 9 do corrente, nao
poda passar sem observa.oes reclamadas pela m
f de quem o escreveu.
Bssa poblcacao continua aresoatir-se das mes-
mas inexaetidoes que deslustraran) a primara
que tivemos de respon ler por este Diario, '.ani-
bem em 9 deste inez; e por isso entendemos ser
de nosso dever e mesmo de nosao biteresse, tirar
limpo esse negocio, que a m vontade de algu-
nas poucas pessoas daquella cidade teem procu-
rado alterar o desfigurar, afim de ooosguceni
desacreditar e prejudicar a empreza, o por esta
forma, lan^arem o disfavor e o odioso aabe o res-
pectivo emprezario.
Se bem podemos apanhar > verdadeiro pensa-
niento dos eommeretantes prejuilirndtscoai a
publicacao do artigo a que respondemos, nao pan-
sanios errar quando supponios que tiveram elles
por Jim, nao so levantar urna censura immereflda
contra o Exm. presidente da provincia, como im-
prestar ao emprezario om carcter violento e vin-
uativo, para asim torna-lo responsavel por incon-
venientes qae s resultam da propria naturaza e
execiifo da empreza.
Para poder fundamentar a sua censura, nio tre-
piden o articulista em sacrificar a verdade, nina
\ri que da mentira llie proviesse unn sombra de
razao. Assiin, diz elle, que, depon de haverem
os couiine reanles de Goyamia enderezado ao Sr
presidente una representarlo centra o proceder
caprichoso da emprezario, S. Exc. em visita aquel-
la cidade, jiureceu ocluir-fe c de, por quanto mandan immedl ament rxam-nar
as obra* d>> canal. Se ela historia, assiin con-
tada, aproveita ao fim que leve em vista o arti-
culista, todava, preciso dizer-se ao publico que
tal historia tem por bate o deaprezo da ventada.
0 Exm. Sr. Ir. Lucena estove na cidade de
Govanna ala de Janeiro do corrente anuo, onde
foi com outras pessoas, segundo ouvimos dizer.pas-
aar algumas horas com o seu disticto amigo, o
Exm. baio de Goyanna ; entretanto que a repre-
SQtttatjao aludida, leudo ido as mios de s. Exc. em
da do mez de fevereiro, s ento foi que, no in-
tuito de fazer Justina quem a tivesse, S. Exc.
mandou averiguar a verdade e conhecer do es-
tado das colisas, leudo essas averiimaces como re-
sultado o seren desantlendidas as exigeucias dos
taes representantes. E, pois, nao teodo o Exm,
^r. Lucena mandado obstruir o canal e sobrestar
na continuaco das obras, inde iue.e por onse-
quencia, nd grtmgra>a S. Exc. ttulos que reo m-
uk'ndem a sua iidminstiuro.
O emprezario do canal 'de Goyanna, represen-
tando contra o procedimen'.o dos commercmnlvs
prejudicad s que, conforme- ronfessafn, manda-
ran fazer urna estrada para o Toco, afnn de, ahi
estabelecerem um porto de embarque, nzou chim
direito que ll:e nao pode ser Contestado, e S. Exc
prudente e cauteloso, como soe ser, mandou infor-
mar a sua representado, para poder entao delibe-
rar, com conheciiuento de causa.
Essa represimtaco. bem l.nge de suppor no
emprezario um carcter violento e richso, deixa
ver que toda a sua confianca est posta na auto-
ridade e ns Mas legaes, nao podendo, por isso,
consentir qpe, impunemente, os pretensos preju-
dicados o colloquem fora do beuolicio que llie con-
fere o art. l'J de seu contr;ito, pelo qual prohi-
bido quem quer que seja abrir outro canal e fa-
zer mclhoramentos no rio. Por tanto, para nue
tamanba pressa, tanta quoixa e tanto azedume ?
Aguardemos a decalo de S. Exc. que, sem duvida
ser pautada pelos principios de justica e nao ar-
rancada pela prsalo do temor que parece quere-
rem iucutir-Ibes os taes commereiantes prejudi-
aul'S. I
E' sempre, e sempre, o desprezo da verdade a
base cm que estes firmam suas asseveragoes : as-
siin, nao exitao elles em avancar que o emprezario
tirn a nica Communicaro que havia para,
porto da Conceigar.
Essa communicacao que fezse sempre pela ponte
do governo, que ainda se aclia servindo, tornou-se
asnalmente, mais diffteil em razao das chovas e
cheias, que tem tornado o caminho quasi inlran-
sitavel; porem que culpa ou que responsabilidadu
pode caber ao emprezario do canal por esse facto
alheio sua vontade e para o qual em nada con-
correu ?...
A razo e o bom sonso responderlo nenhuma-
mas a m voalade dos suppostos prejudicados en-
centra sempre um maio (bom ou mo pouco im-
porta ) sombra do qual psssa attibuir-lhe a pa-
ternidade de tae3 embaracos, sem so lembrarem os
seus desairelos que no intuito do .guerrearen a
empreza. j haviam enderecado a cmara munici-
pal de Goyanna urna peticao, nedindo licenca para
construlrem urna pontesobre o ranal, pretextando
o mao estado do caminho para o porto da CoBcei-
cao, em razao do invern !
Agora pergimtamcsquando que fallarai)
verdade esses prejudicados ? quando representan-
do ao presidente da provincia, disseram que a
GoneeicAo ~ unleo porto de embar'qae que ex^
iste ni cidade de Goyanna, ou quando, dirigindo-
se cmara municipal, sobeitaram licenca para
construir urna ponto sobre o canal ?
E' verdade qne nina communicacao foi cortada
pera aberturi do canal, como necessidade inde-
elinavel; mas essa commumeacao loi vendida
empreza ( se que quem a venden tinha direito
liara faze-lo ) a Francisco de Paula Cab.ral, que,
sem ser autorisado por le ou direito algum,
cobra va un pedagio ou inposto sobre todos os g-
neros que alli passavam. Por tanto, se da suflres-
M Manoel F. de Parias.
Jui-as por
As Exilias. Sras :
D. Julia Cleineni.ina dos Santo;, lilUa do Sr. Ma-
aoel Jos dos Santos.
D. Pastora Tlieodorica dos Santos, lillia do mes-
mo Sr. Santos.
D. Idalina Aquilina Muller, filha do Sr. Eduardo
Muller.
D. Rita Maria dos S.uitos, filha do Sr. Francisco
Fracisco Vicente dos Santos.
D. Idalina Francisca dos Santos, fiHia do mesmo
Sr. Vicente dos Santos.
D. llercillia de Albuquerque Autran, filha do Sr.
Dr. Pedro de Albuquerque Antran.
D. Isubi-I de Araujo Saldanha, lilha do Sr. Jos
Raymundo daatividade Saldanha.
D. Rita Re/erra Cmlcante, filtra do Sr. coronel
Agosnlio Bezern da Silva Cavalcante.
D. Leopoldina Rosa da Malla.
D. Daria Antones Ferreira, filha do Sr. Francisco
Antunes Ferreira.
Juizes prolectores.
Os Illms. Srs. :
Dr. Tibnrcio Hilario da Silva lavares.
Vicente Ferreira de Albuquerque Nascimento.
Joao Victorino Moras Filho.
Francisco Hamos.
Filomeno Arminio dos Guimaraes Peixoto.
los Marques Ferreira.
Manoel Jos Marques Bacalbo.
Rvm. padre Antonio de Mello e Albuquerque.
Laurenco kibeiro da Gunha o Oveira.
Manoel Jos de Miranda.
Jos Ta vares Pinheiro.
Laurenco Gaspar Bastos.
Francisco Moreira da Costa.
Dr. l.auriudo de Moraes Plnheiro.
Francisco Jos da Silva Braga.
Juizas protectoras.
As Exroas. Sras. :
D. Maria Anana Oa Matta, filha do Sr. Joao Pedro
Jess da Matta.
D. Mara Anlonilta da Matta, filha 00 mesmo Sr.
Joao Pudro Jess da Matta.
D. Evangetma de Vaaroncellos, filha do Sr. Anto-
nio Joaquim de Vasconcellos.
D. Constanpa Zeforina de Oveira, filha doSr. Joao
Francisco de Oveira.
D. Joaquina Marcelina da Silva Guimaraes, filha
do Sr. Jos Joaqun da 8da Guima raes.
D. Emilia de Albuquerque Velloso, espo. adoSr.
Dr. Francisco Lina de Albuquerque Velloso.
D. Mara da ConceicSo Teixeira Lopes, esposa do
Sr. Adolpho Teixeira Lopes.
D. Rita Theresa Alves dos Santos, esposa do Sr.
Franeiseo > cente dos Santos.
D. Pastora Tlieodorca dos Santos, esposa do Sr.
Manoel Jos dos Santos.
D. Maria de Brito Cordura.
D. babel Carolina da Veiga, esposa do Sr. Ma-
noel Luz da Veiga.
D. Anna Emilia Guimaraes Coelho, esposa do :>r.
Felino P. Ferreira Coelho.
D Maria Magdalena da Silva Guimaraes.
ti. Julia Augusta da Ciinlia G-.iiniares, lilha do
Sr. Dr. Julio Augusto Guimaraes.
D. Virginia Casa-.Nova Aguiar, esposa do Sr. ca-
pitin Alvaro Aguiar.
Escrivao por eleicao.
O Illm Sr. Evaristo Ferreira Pinto Gomes.
Baervi por eleicao.
A Exma. Sra. D. Amalia Endona de Medeiros.
Escrivao por devocao.
0 Illm. Sr. Jos Pinto da Silva.
Escriv por devocio.
A Exma. Sra. D. Isabel Teixeira Lopes, filha do Sr.
Ludgero Teixeira Lopes.
Thesoureiro.
0 Illm. Sr. Francisco Antunes Ferreira.
Procurador geral.
O Illm. Sr. Jos de Araujo Saldanha.
Encarrcgados da festa.
Os Illms. Srs.:
Manoel Roberto de Carvalho Guimaraes.
Felippe Xery Gonealves Ferreira Costa.
Julio Cesar Cavalcante de Albuquerque.
Eustaquio Antonio Gomes.
Epiphauio Carvalho da Costa.
Alvaro Alfonso de Oveira.
Joo Baptista Moreira Jnior.
Amonio EIm'-u Antones Ferreira.
Manoel Torquato de Araujo Saldanha.
Joo Baptista Moreira.
Aland-ga de Paraambu/o, H da abril de
*
I eonferenteF
Appraso. -Alrndaf*-f,dY,atril d.^ 1873.
o iuspector da l(andt*ga
Ftio Amindrim ir Ctwillw Be.
InanortucSo.
Vapor /iioouu/.Mauouii;, viudo di Aracij,
consignad i a companhia Pernam'mzamt, mani-
fest : -
Algodio40i saccas ordem, 3i a J. M. Sauza,
6 a Rocha Lima A C, i5 aP. Carneire 4 C- As-
surar t29 saceos os mesmos. Arroz de casca
lix saceos, crdunw
Feji U8uccos*Mignwi'J. Alves.
Mamaitauaf* tjpor n-tcitmJl Cuauai, numi-
fettnu :
Algodao 8i sacaasa; Adriano Castro A C, 23U
a SnonSH Bfothcr A C/MAa H.fagraago.
Guur.os flU a Momea a'anao,
Sania, tmareanaaionml lAianu*, camfifnudo *
P M M Barricas vtzias 0) Pipas dits-180. ditas di-
tas no.fi lOt) ao cieifiieiwurio.
Cat 97 .-accos -asdein.
thute.oidr >. eseu.ut aiitni lAxxt Ia.v, C0tM>0-
nad.it u Am.-riw.imiw k. C, wnifeUoa :
Cooros SO, xarqo MJ quintaos aos consigna-
larios.
Pntack*.kts^takfl ttf,, vindode fnems-Ayres,
c msignadi a P. Carneirq *t C..,.imnifest u :
Xarqcte'3,0Mlquintaes aos consignatarios.
pEjPA:H S DE EXPOITAAO MO DIA 9 DE.
ABRIL DE 1873.
Para os parios do ixlerior
No Vapor inglez Li Place, para Liverpool,
carregaram: A. Hbwle 4 C. 318 saccas com
17,117 l|i kilos de algodi); T Jelene & C 3*i
dita4 cuui.a,t:i.') ditos de dito.
No ava italiano t)ei, para Liverpool, car-
cegaran..: T. Jeferies & C. Lotl saceos com
il,.' o Lil i de assuear maseavadu.
Na barca inglez Khedire, para Liverpool,
carregaram : R. Sehmmettau A C. 133 saccas com
10,203 kilos de- algodao.
No briguo inglez Syrtna, para o Canal, car-
reg-ran: R. Schinrnettau C 1,00 saceos com
73,0 -0 kilos de assucar maseavado
Na barca (ranee a Jeisn Baptista, para o
Havre, rarregoa : T. Fieros 402 saccas com
12,830 1|2 kilos d* algodao,
No navio bs|wuliol Felippe, para o Rio da
Prata, carregou : J. B. Mureipa 1,000 cocos (fructa)
No bL.gue liespauliV. Juliio. para o Hio da
Prata, earreou : l 1- S. Guimaraes 200|2 liarr
ricas com 3,21?! Kilos de assucar branco e 100
dita com li',77l) ditos de dito ma-cavado.
No brigne francez lapido, para o Rio da
Prata, carregou : A. ttastos 100 barricas com
12,7(i8 kilos de assucar miscavado e 100 ditas
com lli'iO d*is de dito branco.
Na barca portugueza Tnumpho, para o Porto,
earrednram : B. Oliveira & C. 30 sacas com
3,748 kilos de algodao ; H. J. da C. Sobrinho iU
ditas ei.ni l,0IS ditos de dito e t barricas com
157 dito* de assucar hrauco ; D. P. Marques I
caixa com 20 kilos de done
Na barca portugueza Alegra, para o Parto,
ea-regaram : E. R. Rabello A C. 300 saceos com
22.501 kilos de assucar maseavado ; J. L. Radicb
l barrica com 33 ditos do dito refinado.
"ara os portos do interior
Para o Rio Grande do Sul, no Ligar nllemao
Alfred, carregaram : Carvalho & Nogueira 23i
tarricas com 21,889 1|2 kilos de assucar branco e
281 ditas com 2i,906 diUis de dito maseavado : J.
R. Forreira 30 barricas e 5|2 ditas com D,l3 l|2
ditos de dito branco.
Kara o Rio de Janeiro, na barca portugueza
.(. Henriqne, carregaram: J. S. Loyo & Filho
1,300 saceos rom 187,300 kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Norte, no hiate brasi-
lero D'Os te Guie, carregaram : Gomes de .Mallos
Inoaos 1 caixa com 29 Kilos de doce e 12 cascos
com 1,92') litros de agurdenle; M. H. C. Monle
Negro I barrica con; K kilos de assucar branco
Para o Arseaty no hiate nacional Olinda,
carregou : M. A. Senna 20|2 barricas cora 1,975
kilos de assucar bSanco.
Para Villa da Penba, na barcaca JszsOa Ci-
iade, carregaram: J. A. de Albuquerque 1 bar-
rica com (12 Kihis de assucar branco; A. G. Pires
A C. 2 caixas com 10) pares de tamancos.
Para Villa de Touims.na barcaca Tres mios,
carregaram Pocas & C. 2 pipas com ttO litros
de agurdente.
Tara Aagoas. na barcada Bom Successo,
carregaram : Teixeira (t Primo 2 barricas com
120 kilos de assucar reunido.
Para Alagoas, na barcada FbMs ''" Penh-,
carregou : J. A. C. Siq-.ieira 2 barricas com 183
kilos da assucar refinado.
GAPATAZIA DA ALFANDF.GA
Rendimento do dia I a 9 6:033i882
dem do dia 12...... 721-5333
da Silva, equipager f, Carga alaodao e outros
gneros ; a coiupaulila pcrnambuciua
Aracajii e portos intermedios -4 dias, vapor bra-
sileiro Mandah, de 222 toneladas, commandan-
te Julio Gomes da Silva, equipagen 17, carga
algodao eoutros gneros; a companhia pemau-
bacmia.
LlverjKiol e portos ialermedi ^s 16 dias, sendo do
uliinio porto 10, vapor inglez Itlemiaia de 2,379
toneladas, commandante Barnard B. Turne,
eqiiipageiii li.l, carga differeiues gneros; a
Wilaon Rows A C.
Bueos-Ayres -46 dias, patacho inglez Unrij Kd-
Mnd de i83 toneladas, capilaoNethertoii. wjui-
pagem 7, em lastro; a Pereira ameiro & C.
OzeroaqQL
au bonve sabida.
Nada sonido na da t'J.
Valpataizo e portos intermedios Vapor inglez II-
lemania, commandante Turner, com a mesuia
car^a que Iruuxe dr Europa.
Observado.
Nao bouvu entradas.
KITAES.
d Dr. Joao Auguatp do Reg Barros, sapplente .
substituto do jizo de direito privativo de or-
phaos e ausentes da cidade do Recife e seu tor-
no, por Sua Magestade o Imperador que Deus
guarde etc.
Fa*.io saber aos que este viren, que o bacharel
fenecencio Seraphico de Assis arvalbo, tutor do
menor, fimo do-tenente coronel Feliciano Joaqun
dos Sanios, re<|uereu-mo para vender em basta
publica dme mizo os escravos perlencentes a seu
tutelado, vs quaes aad : Antonia, preta crioula,
Qiulbdr de Estevo, de 33 anuos de idade, sadia,
doservico ikmiestici, 800300;'. Neroniana, preta
crioula de 33 anuos de idade, sadia. do servico do-
mestico, 60o 000 eraldo, mualo, de 14 anuos
de idade, sadio fflbo de Herculana, 8t0(XXi ; Ger-
niano, mulato, de Pannos de idade, lilbo dercu-
lana, 330400. i.
K, pois qne, anuuindo a semelliante preten.o,
poto presente e firmado no que dispae o droreto
1603 de 5 de seteuibro de 18o9, convindo a todos
quanto quizerem laucar sobre os mencionadus es-
cravos, a apresentarem-nie suas propostas, estam-
pilladas, no praso de trinta dias a contar de boje.
Os pretendentes querendo poden ver os esclavos
na travessa do Veras n. 8 da freguezia da Boa-
vista. E para constar nandei passar o prsenle
que ser allixado nos lugares docostume e pub
sado pela imprensa.Dado e passadosob ineu signal
e sello ou valha sem sello ex-causa. Cidade do
Becife de Peruaiubuco li demari-ode 18)3- Eu
Florian Corroa de Brito, escri'o, o tiz oscre-
vrer e subscrevo-
Joao Augusto do Reg Barras.
Pela mspeetsrta da alfandega se faz public, que
achaudo-se as metcadorias contidas nos volumes
abaixo mencionados, no caso de seren arremata-
das para consumo, nos termos do cap 6* do tit.
3 do regnlamonto de 19 de setembro de 1861, os
seus il un i- ou consignatarios dverao despacha-
las no prazo de 30 das, sob pena de, finio elle,
seren vendidas por sua conta, sem que Ibes fique
coinptindo allegar contra os elfeitos desta venda.
Marra A F C 101 caixas com genebra, na. l'l
e 11 2, viudas de Ilaiuburgo no navio aflemao Re-
public, entrado lu 3 de fevereiro de 1872, e con-
signadas Antonio Ferreira de Carv;.lho.
Alfandega de Pernambuco, 3 de abril de 1873.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Res.
_S L* Se pelo ex.-une eocheaor-se que a interrap-
ao provni de negligencia da companliii ou di'loi-
lo ila obra, ser a inesma obrigada a n-poraos**-
iDeiiejiaLuRente, sob pana de i.agar a uiulia to
li'-iOOO e perda das annuidades em quaato durar
a iiiterrupcav do apcarellio.
S i." Se, porm, a inlerrupcio provier de me-
gligencia |or parle do propitotino ou locjatario,
os reparos serao folios por conta destes, aaail o
pagamento olfectuado do m -smo modo a as aa-
ouidades, incorrendo na mulla do I OJUDO ae tiver
bavido proposito ua negligencia.
Reparticao das obras publicas 27 de fovanaro
de 1873.
O secretario,
Feliciano itvitwfueii Silva.
Kditnl n. ff9.
Pela inspect.ria da al/andega'sc f^z mbiieodM
.se ha de arrematar, livrps de dircitos, p rt
desta reparticao as libaras.do da ti
n-nte, cinco barris no con vinho, uiedindo liquido Wt-r
Hados por 23'iMJ, e >(^relieedidi
horas do dia 21 do mez pr.ixim lindo |
mandante dos guardas Deorliian Santos, furriel IteaUi de NMiaa Mtranjg
noel Tavare- de Andraile.
AHandega de Pemalmni 9 de abril do
DtMfeetaf
Fabio A. de GartJUo Beis.
I 73.

r.ECLARACWI

COMMtBClO.
algum mal, queixerrr-se daquelle Sr., que, talvez.
PRAGA DO RECIFE 12 DE ABRIL
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
<'ota<'l** o!iicisuN.
Cambio sobre Lisboa a 90 div. WO 0(0 de pre-
mio.
Descont -de letras 12 0)0 ao anno.
Uuourcq
Presidente.
ia'I Seve
8ecretano.
6:7375217
VOLUMES SAHIDOS
No dia 1 a 9 .
Prirneirapcrtano dia 12 .
Segunda porta.....
Tereeira pona .
Trapiche Couceicao .
SKKVICO MARTIMO
Alvarengas descarregailas no trapiche
da alfandega no dia 1 a 9 .
Odas Sitas no dia 12 .
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas .......
No trapiche Conceicao.....
13,262
149
73
510
7
14,740
i i
2
i
48
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 9 6:032J831
dem do dia 12...... 1:4894630
17:5.24181
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 a 9 48-.64240SO
dem do dia 12...... 8:1284943
56:7714923
Emilio Xavier Sobrara de Mello, inspec-
tor da thesouraria de buceada de Pernam-
buco etc. etc.
1'ani saber aos que o prsenle edita) vi-
nal que, em virtude da circular do tribu-
nal do ihesouro, n. 8, de 10 do nurfjo pr-
ximo lindo, a contar desta data, substiUieni-
senesta thesouraria todos os dias uteis, des-
de s 9 horas da manha as :l befes da tarde,
as notas do mesino thesour-o, de o0,)000,
da ^'.estampa, s quaes serao trocadas por
valor equivalente at 31 de dezembro do
corrente anuo, comerando do Io de Janeiro
de 1874 em diante, o descont luensal o
suceessivo de 10 opO, no valor das notas
que nao tiverem sido substituidas at aquel-
lo dito dia :ii de dezembro, do corrente
anuo, at ticarem sem valor algum.
Thesouraria de uzeada de Pernambuco,
!) de abril do 1873.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
Snnlu rusa das iHMarricorttiu le
ItM-iTf.
PREDIOS VENDA
A junta administrativa da Sima (.-;' li 1*m-
rieordia do Recife, coiupteniei:.>: -lUirina,
leva pela ultima vez pra<;a de vmida. al o dia 17
de abril perante mesma >niiia. oa Mea le
suas sessdes, os predios >4guwtfts, t.Miuiiidwper
base os fSfjas ja ot'.ereeidos :
Largo da Lampina
Meia agua de n. 5 ....... ttWiOl
Rua de S Ji>r>>'.
Casa terrea n. 92 e a de .' dos Guara-
rapes .........3 3 0*0
Sobrado de um andar n. 30 2:iAiJ Dito nei-agua......500*000
Rua de Antonio BoBtdfMa,
MeLa agua n. 2....... 6i'V> I
Rua da Restanracu.
Sobrado n. 37...... MHtfs)
Rua do Amparo (Oliuda;
Casa terrea n. 29.......I:t:80i00tl
Bicc;i de S. Pedro.
Gasa torrea n. 8.......I: F..rte, do Mallos.
Melado do sobrado de tres andares u.
13 por.........5 OtiOOO
Becco do Abren.
A 3' parto do sobrado n. 1 2665Gft>
lina da Soledad*.
Gasa terrea n. 72.......700*000
Becco do Teixeira.
Gasa terrea n. 5......250*4*)
Largo das Unen Peata*.
Terreno.........IM0I
Rua da Am'.ubdc**.
Terreno........ V'OjO M
Secretara da Sania Casa da Miser.--.. lia le
Recife, 2'J de marco de 1873.
O escrtvan,
Pedro Rodrigues ile ieMe.
Santa Casa de MitscricuriS
A jimia administrativa dota Santa Casa, afora
dous terruos que pns dos, boje Huirte Coeio, so:, n-. '''> e if, leudo
a(|neUe :t!K) paluiM e este '-'M de frente e anlxis
de fundos al a baixa mar
Seereiaria da Santa Casa de Misciicurdia G.
Recife, 7 de abril de 187 i.
(I --i i'-iii,
Podr i i: Iri. 11 Suiza.
le
ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 'a 9 .
dem do dia 12.....
374:8135621
53:651*3%
428:477*517
Descarregan h>i 14 de abril de 1873
Barca francezaFidelite (atracada) nercadorias
para alfandega.
Vapor inglez-L Placenercadorias para alfan-
dega.
ii-igue inglez Mond mercadorias para alfan-
dega.
Barca inglezaDolly Vardennercadorias para
alfandega.
riguefrancez Tgphes nercadorias para al-
fandega.
Patacho inglez Princess ferro despachado
para o caes do Apollo.
Tapor nacional Cwnrtpe gneros naoionaes
, para o trapicho da companhia pernaai-
bucana.
Vapor nacional Mandah gneros nacinnaes
fiara o trapiche da companhia pcrnaiu-
nu-ana.
Batccho nacional Veloz mercadorias nacionaes
pai-a o trapiche Angelo.
Lugar inglez Amelia mercadorias nacionaes'
liara o traiikhe da companhia.
ALTER.KO0 NA PAUTA DOS 1'HKCOS DOS 0SNM10S
SUIEITOS DIREITOS DE eXPOBTAIJO, K SiMIANA
D* IDE X 19 DE ABRS DK 1873.
Algodaoem rama ou H 83 rs. a'kilo.
Assiicarmaseavado 129 rs. o kilo,
sao dessacommunicacau proveio aos prejudic idos- Carvao fie pedra estrangeiro, tonelada mtrica-.
16*000.
MQV1MENT0 00 POBTO
VfWio entrado no dia 9.
Rio de Janeiro 26 dias. transporte nacional Rio-
Negro, iwmmandante segundo teneute Tiiomaz
Augusto Dowsley.
Navios entrados no dia 10.
tlha de S. Jorge -30 dias, hia-.e americano Fran-
ees Allyn, de 107 toneladas, Cap to Rcmert H.
Glass, f|nipagjm 27, carga pelles de lobo ; ao
mesmo capito. Veio refrescar e seguio para
New-London.
Montevideo-41 dias, escuna aliena Ai A Ha,
,de 70 toneladas, capjtAo L. Shwart, equipagem
5, carga 963 quintaos Je carne; Amorim Ir-
mao A.C.
Renos-A\res -34dias, patacho hespanhol Sol, de
190 toneladas, capitao Marle*, equipagem 11,
carga 3,000 iteiro .k. C.
Navios stiJiUiox no mtuno dia.
Portos-d Sl -Vapor brasilalro Crus* r* do Sul,
conmandante capitao tenente Toires; carga
differentes gneros.
Liverpool Barca italiana Kepler eaplto I. Romaai,
carga a Igodo.
Porto CabelloPatacho hespanhol Pnjero del Ras-
trillo, capitao H. sampuan, em lastro.
aaal -Lugre altemao Beethowen, capitao Lans-
chau, carga assucar. ,. ,
Rio.daPrala-Patacho alleno 'Cecilia, cnpjtao.H
G. Damm. sarga assucar. .
anal -Patacho inglez Jestt, capitao Vf". H. Kidd,
carga assucar.
Borin iera-Trra-No.va).-B>igiie inglez Qrean,
capiUa Charles Leigh, em lastro.
OMrstvedo,
Suspen-leu <1 lana/a o para, Macei a barca iu-.
gleza m'ego, eapiuo Hairioii com q mosno
lastro que-treme do Rio de Janeiro
Nattios tnlradps no da JJ.:
Jfamanguape -13 notas, vapor nacional Cururipe,
de 222 toneladas,' commanaate Jos llenrique
De ordem do Illm. Sr. Dr. director geral in-
terino, fai;o publico para conheeiiiioiits do pro es-
sor de primeiras lettias da cadeira da povoaco de
Vicencia, llenrique Clorindo Taylor, a portara
abaixo publicada, pela qual foi-lbe marcado o pra-
zo de 13 das, na forma declarada na mesma por-
tara, afn de responder a aecusacao que llie fei-
ta por ter abandonado sua cadeira se n licenca.
Secretaria da instrnecao publica de Peruam-
b'jco, 29 de nafCO de 18*73.
O secrelaro,
Aureliano A. P. de Cnrrallta.
Portara a que se refere o edilal cima.
Directora geral da instruecao publica de Per-
nambuco, 26 do marco de 1873.
H director geral intrin-i da instruecao publica
leudo em visla a delberacao do eottsefno direc.or
que em sessiio de 6 do enrente, decidi que base
o prafassor publico de instruecao primaria da ca
de ra da povooeao de Viceucia, Heurique Clorindo
Taylor, sujeito ao processo disciplinar na ferina
d s arls. 105 e 106 da lei n. 369 de 14 de maio de
183. por se achar incurso no art. 96 n. 1 da ci-
tada le, continuando (ora do exereicie de sua ca-
dera sem licenca, resolve ouvir o mesmo profes-
sor, que dever apresentar a sua defeza no prazo
de 13 ilias. a contar di dia em que for publicada
no Jornal Oficial aprsente podara, visto nao i
conbecda a residencia do mesmo professor, que
iiao BSti na sede de sua cadeira. O director pe-
ral uterino, Dr. Joao Jos Pinto Junior. -* onfor-
me.O secretario, Aureliano A. P. de Carvalho.
De ordem do Ilim. Sr. Dr. director geral In-
terine, faco publico para conhecimento do prof.s-
snr de inslruegao primaria da cadeira da Villa do
Hrejo, padre Jos Procopio Pereira aportara abai-
xo publicada pela qual loi-llie mareado o prazo de
13i dias, |na forma declarada na mesma portara,
alim de responder a aecusacao que llie feita por
ter abandonado sua cadeira sem licenca.
Secretaria da instruecao publica de Pernambuco,
31 de mari;o de 1873.
O secretario,
Aureliano A. P. de Carralhi
Portara a que se refere o aiitul cima.
Directora geral da instruecao publica de Per-
nambuco, 15 de aues de 1873.-0 director ge-
ral interino da instruecao publica, tendo en vs'a
a deliberacao do consdho director, que, em sestee
de 6 do corrente, decidi que fosse o professor pu-
blico de instruecao primaria da cadeira da villa
do Brejo, padre Jos Procopio Pereira sujeiio a
processo disciplinar, na forma dos artigos io3 e
106 da lei n. 369 de 14 de maio de 1853, por se
achar incurso no artigo 96 n. 1 da mesma le,
abandonando novamente sua cadeira sem licenca,
resolve ouvir o respectivo professor, que dever
apresentar a sua d-feza no prazo de quinze dias.
a contar do d'a em que for publicada no jornal
ofDcial a presente portara,, visto nao ser sabido o
logar onde presentemente se acha o mesmo pro-
fessor.
( Assignado ). O director geral interino, Dr.
Joao Jos Pinto Junior. Conforme. O secretario
Aureliano A. P. de Carvalho. ___________
RECIPE DRALVAGE COMPA.NY.
O Illm. Sr. engenheiro fiscal da companhia lie-
si fe Drainage manda fazer publico, que tendo sido
'at esia data repaados, cusa dessa empreza os
damnos causados nos apparefhos, quer por descui-
do dos moradores, quer por negligencia : dora em
diante serao ditos reparos feitos de conformidade
com os artigos sega utos do regulaiuenlo de 12 de
Janeiro de 1872.
Art. 13. Os proprietarios ou locatarios das casas
em que houverem apparelbos fuiceiouanilo, par
ticiparao no. escriptorio da companhia, por esc iplo
datado, qnm|uer intorrupao no .servico dos nos-
nos apparclhoi, mencionando a causa que a ella
deu lugar, se for. dalles eonbecida.
Art. 14. So dentro das vinto e quatio horas se-
guintes particioacao da qse trata o artigo aute-
ceikule, nao tiver a oompanlua mandado examinar
e concertar o apparelho, os proprietarios i>u loca-
tarios acommuniearo ao. engenheiro liseal,.que
providenciar pola lo^ma da art, 13.
, Art. 13 0 engnaeim fiscal, lugo que receber a
."oinmunica^io de que trata o artigo aotecedente
L*auii*iar ou far exaninar ,per engqnlwiro da
companhia a ipternjpcao, davaerviQi dp apparelho
- Seceso 2.'Secretaria da p:- i! ..*a
Pernambueo, ein 7 de abril de lr>7.l.
Por esta secretaria se fez o:.i li -.-. d- r lloran-
d-de cun o SMIte noai-t. I. j :.- u-i decn-H :i.
4,66'*, de 3 de Janeiro de itt71, que f.*mn mhH-
das as peticoes dos eidadaos nliuixo dvdfnrius,
pedindo o provmenlo na venti. vi: dieta 4w .>."-
icios de 1." tal.elnao e s-i.... dj c.\..ie, civel. ra-
pellas e resido s do tenn.. de itarantiuns. Tenen-
te Flix Athanazio de illa Nma, aleres Jo
Faustino Hsriofao Falc:".o, alfens A^'.stinho Fe-
reira da Silva Axevedo, Jc. Mariubu de RoManda
Falco.
0 sicretariii Interinn,
Joao Diniz IVbeio di i'.uria.
Sa/ita casa da Misericordia
do Recife
A junta administra! va da santa casa da mise-
ricordia do Recite, autorisada pela preMdaana,
e de conforinidad.' com > { s art Si do enmm
maso approvado pela le provincial n. 531 de *.i de
junlio de 1862, permuta por apodera da divida pa-
lluca o predio de duis andares e Man n. -7
ruada Mo-da, periencente aos estakelriuiealDS
decaridade. o qual se ai ha em nao estad*.
Aceita propoetas na sala das roas --'es al o
dia 3 de abril prximo vindoiuu, ersrehe M
na occa-iao propostas para den 4ir o referid i
predio e conveiie-lo en um srmazem terreo, obra
que dever ser levada a effeitu no raso de nao M
conseguir a sua permuta.
Seereiaria da santa easa da bmsitcoi Ua la
Recite, 19 de marco lie 1873.
O e-c-; .
PeilroRo.lri'.'iies de Soma.
Hospital militar de Peniam-
n
bu(
o.
Contrata-se novamente.o f raiv;-i.:it. .' Ir.vagen
e concert de roanas d uso dn duentes de ne*-
mo hospital, no tnmeslre de abni a juana do r>r-
rente anno.
As pessoas qae Isso se qnizerem pp.|h vera-' apresentar anas propostas eih rar'a fen .i
na serrettria doestabeerimento no d.a li i
rente asJIO hojas da nianlia.
Secretaria, 8 de abril de !H7:l.
o escrivao.
Jote Canviro Morir! ,/.; Si.'ri.
m\m
1)0
BEB^lUBE
Tcrca-feira 13 ilo correntfl mez, ;-li>
12 horas do dia, dever reirnir-fe a aJnii..
traco desta companhia, alim de li.iver ;
balho d'adinioistracio, devendo ter lapt mu
respectivo eacripiorio rua dn Gebug n. 10.
0 secratarM,
Jos H. i. de Mniezes.
Consulado de la republica
del Paraguay en Pernatn-
buco. J
De eonformidade con las instrucciones bierno de la repblica, invito a todos loo lOamm
de la nacin paragua.a, residentes im esta pro-
vincia, a comparecer en e-te consulado en el
termino de 39 das, c Diados de la f.clia, *m de
insereber mis nombras en ei libro de n-gistn.
Consulado de l repblica del Paraguay Calle
de la Compaa Pernanliu.-ana n. 6 Pernambuco, 3 de abril ik; 873.
J. Ramo*
Cnsul,
- Tendo recebido'em data de 7 do-i
offleiu do Exm. presidente da provinia, dt 'i
andante mez, no qual n- rec .nuneuda que
que a junta que tem de claquear o
One possam ser libertad, s cui Vi-inde di
do regulaincuto approvado pelo decreto n. ^Pi-
de 13 de novembro do anna passado para a <
cucao da lei n. %iM de Spro de 1871.
e devendo a junta reunir-ee n* prteaira i
do corrente inez, nao podo ter ugar a reueun ;.
me ter ebegado postehoriiiedVKB:ii1t(iipaca presidenc.a, e por esta rano cam%> poli nres-
fe aos inioressados a coHiparecereaa no Ja i
deste nesmu mea, ao paco do caara i
onde se dever rmnm a mesma Jnnn>-peee4l
horas da nenha aln de prieeipiar i a ene tro-
halos, fiecifr, 9 de abril de 17X -Manoel ua-
quim do Reg e Albuquerque, fNaidsata da.
junta.
,


Diario dePernambuco Domingo 13 de Abril Te 1873.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIPE.,
IVla secretaria da sania casa da misericordia
Hec'fe sao convidadas as amas a quem orara
onnados ex postos para criar, que o dia I i do
corrente, pelas 9 horas do dia, no alio do ato*
elecuuento, o Sr. thesoareiro far pagamento do
triwestre decorrido de Janeiro marco lindo, quel-
8 que comparecerem conduzindo os referidos
expestos.
Eka nomo da junta administrativa desta santa
'asa convido a tod"s os senhorsimnrdomos sup-
lientes e irmaos para assistirem a inis.-a solemne
to, a qual deve ter lugar na igreja de N. S. do
Paraizo, pelas 10 horas do dia 10 do corrente.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife 7 de abril de 1873.
O escrivio,
______ Pedro Rodrigues de Soma.
Santa casa da misericordia
do Recife
Pela secretaria da santa casa da misericordia
do lUeife, de ordem da junta administrativa, sao
convidados os prenles dos educandos do collegio
de orphaos, em seguida declarados, para que ve-
obam requerer a presidencia a sua entrega, visto
que nao podem mais all contiiuar em virtude do
que dispoe o art. 45 do respectivo regu'amento
*>or j terem attingido a idade de 14 annos.
Antonio de Mendoza de Jllbuquerque Mara-
nhao, flho legitimo de Jeronymo Salgado de Al-
buquerque Maranhao e Mara Candida do Albu-
querque Maranhao, j fallecidos,
Manoel Rodolpho Cordeiro Leite, filho legitimo
le Maria Rita Sarniento do Ropo.
Antonio Pedro de Alcntara, filho legitimo de
Maria Isabel de Jess.
Francisco (ioncalves Guimaraes, lilho legitimo
de Anna de Sales Cavalcante.
Joao da Cruz Mello e Maia, obrinho de Rozen-
la Umbelina Ferreira de Mello.
Monoel Theodoro Goncalves i!a Pomuneula, fi-
lho legitimo de Candida Rosa Sampaio Porciun-
ula.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 12 de abril de 1873.
O escrtvao,
Pedro Rodrigues de ?ouza.
COMPANHIA FER3AMBUCANA
DE
Xavcsaco costteiraa vapor.
RIO FORMOSO E TAMANDAR
O vapor Parahyba, com-
mandante Pedro Nolasco,
seguir para cima no dia -15 do cor-
rente, s 9 horas da nou-
te. Recebe carga, encom-
inendas, passageiros e di-
nheiro a Trete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 11
Segu para Macan at 12 do correte impre-
teriveimeirte o bein couhecido late Dernt le (un,
de muito boa marcha e muito non* commodos
para passageiros : quem no *nesmo quizer caire-
gar ou ir de passagem, dirija-se ao escriptorio de
Rartholomeu Lourenco, ra da Madre de Dos
numero 2.
LEILOES.
Subdelegada da Magdalena
Acha-se depjsitado por esta subdelegada, um
novilho : quem se julgar com direito a elle apre-
sento-se, que provando legahnente Ihc ser entre-
gue.
Subdelegada da Magdalena, 9 de abril de 1873.
Jos Flesbao Rorges Ucha.
LEILO
um
AVISOS MARTIMOS.
Para Lisboa.
Recebe carga a (rete o bem couhecido brigue
portuguez Luc l. vai seguir com toda a brevi-
dade por ter a maior parte engajada, e para pas-
sageiros trata-se com os consignatarios T. d'Aqui
no Fonceca fr C. Successores, ra do Vigario
n. 91.
Para o Rio Grande do Su l
pretende seguir com umita brevidade o patacho
nacional Swstpuedet, tem parte de sen carrega.
ment contratada ; para o restante que lhe falta,
trata-se com os seus consignatarios Antonio Lniz
de Oliveira Azevedo i C, no sen escriptorio ra
do Rom lesas n. 57, oatr ora ra da Cruz.
Para Maco
Para o porto cima pretende seguir com muita
brevidade opalhabotenacional Joven Arthur, re-
be carga a frete barato : a Iraiar com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C, no cu escriptorio ra do Rom Jess n. 57,
eutr'ora ra da Cruz.
Para a Babia
hiato Gaaibaldi sage oestes poucos dias : para
' reste da carga trata-se rom o consignatario Cus-
todie JosVianna: ou a ra do A:iunii n. 39.
Bal
na.
Para o referido porto segu com poneos dias di
demora o hiate Olnda, por ter pane da carga, e
para a p mea que lhe falta, trata se com os son-
dignatarios Juaquim Jos Gonralves Beltro Fi-
.!'..- a ra di Cmumen-io n. ."i.
i'
Paraorcierid ip irt segu com poucos dias
de demora o. brigue portuguez Ligeiro III,
i:; ito o pratico Nobre, por ter mais dedous
lerdos de seu irreg monto prompto, e para
o que lhe falta, que a-cebe a frete commo-
o : trata-se com os consignatarios Joaquim
Jos (ioncalves Beitroo iV Fho, ra do
Commercio n. o.
KcierpaI. itrasil A Eli ver EMatc
Aiteamers.
LIVERPOOL
Em poucos di,.- sahira para Liverpool (havendo
Mifflciente-- passatreiros, tocando em Lisboa) o va-
por Laplnce siack, passageiros [ ] a 3* classe.
Trata-se com os agentes Saunders Brothers &
C Larg do Corito Santo b. 11._______
COMl'ANHIA FER.NAMBL'CANA
DE
Qlini :<'o <*o<(era a vapor.
fMACF.I, ESCALAS, PENEDO E ARACAJU'.
O vapor G(/mVi,com-
mandante Martins, se-
guir para os portos
acuna no dia i'i do
corrente as J! horas da
tarde.
Recebe carga at o dia 12, encommeadas at
o dia li, passagens e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde do dia da fallida : escriptorio no
Forte ao Mattos n. 12.
COMPASHIA PERNAMBl CANA
DE
\av('sH(A(i coste ra a vapor.
TARAHYBA, NATAL, MACO, MOSSORO', ARACA-
VI, CEARA, MANDAHT'', ACiRACU' E GRANJA.
O vapor Pirapama,
eommandante Azevedo
seguir para os por-
tos cima no dia i'i
do corrente, s 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga at o dia 12, encommendas, at
t> dia 14, pas-agens. c. dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio no For-
te do Mattos n. 12.
Para o Porto.
Seguir com toda a brevidade a galera portu-
ueza Audacia |kir ter ina'or parle da carga promp-
ta. Para o resto e passageiros, para o que tem os
melhores commodos, trata-se com os consigna-
tarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. successo-
tue, raa do Vigario n. 19, ou com o capitao, na
praea.
DE
sobeado na ra de Marcilio Dias, ou-
t'ora ra Direita n. 94.
SEGUNDA-FURA 14 DO CORRENTE
Ao mcio dia cm ponto.
Em seu escriptorio, ra do Rom Jess n. 53.
0 geme Pinho Rorges competeitemente auto-
risado pelo Sr. Antonio Maria da Silva, adminis-
trador dos bens de sua mulher, e de coimr.um ac-
cordo com os mais herdeims, vender o predio
cima mencionado, o qual de um andar e soto,
andar tem salas de visita e de jatar de bom ta-
maito, 2 quartos regulares, e o soto cozinha etc.
etc., o andar terreo proprio para moradia, com
un bom quintal e carimba ; os pretendentes des-
de j sao convidados para examina-lo, e sobre os
mais esclare'imcntos com o mencionado agente,
no seu escriptorio ra do Rom Jess, outr'ora
Cruz, n. 53.
Importante e sortido
LEILO
DE
movis, Idiiij'i e cfjslaes,
prata do porto, objectos de electro pate, vi-
nhos e livros ingleses.
SEGUNDA-FEIRA 14 DO CORRENTE.
.la'ra da Koledade. casa dees-
quina n. 33. eoiu grude de fer-
i-o. Junto <-sta;a da Sole-
dnde.
Amvatt J. ("arlos Bnxton, tendo de retirar-se
para Rio de Janeiro, levar a leitlo, por inter-
vencao do agente Pinto, os movis, machinas, rrys:
taes e mais objectos abaixo especificados existen-
tes en, casa de sua residencia, ra da Soledade
n. 23.
A saber:
Um magnifico piano do afamado fabricante
Charles Cadhy, de Londres, 1 cadeira para o mes-
mo, 1 mobilia de Jacaranda, quadros com linas
gravuras, I relogio de parede, jarros para flores,
escarradeiras e tapetes.
Una cama (raneen, colchao e cortinados, 1 toi-
lette, commoda de Jacaranda, i lavatorio cum pe-
dra, .! guardas-roupa, 1 sanctuario (obra de gos-
to), casti^aes de metal com mangas e 1 estojo.
Urna mesa elstica para 24 pessoas, 1 guarda-
lnea, l aparador grande, I dito pequeo, 1 sof,
li cadeiras, 1 qnartinheira, 1 apparelho para cha,
1 dito para jantar, copos, clices, garrafas e com-
poteiras de lino crystraL
Um apparelho de elec'.ro-plate para cha (lino), 1
faqueiro completo, 2 bandejas tambem de elctro-
plale, 1 porta cognac, 1 licoreiro, Iructeiras, 2
casticaes e outros objectos de prata.
Una espingarda inglesa de 2 canos colatra, I
dita raiada e pertenvas, 1 rede. 1 machina elc-
trica, 1 dita de costura (|ier:eit I, I dita de lim-
itar facas, 1 dita para caf, I Ibgao de ierro, 1
g ::n le lote trein de cozinha, (landres, (tracas, po-
los e muitos ontros objectos, 1 cachorro de Terra
Nova, um gato grande, ingle?, passaros e papa-
gaios.
Assim i".litio lina hagatella e suas perte.ncas.
O Cc>i(a Os concurrentes encontraran passagem commo-
da. qui'-r no trent, pnis ca porto da estacan da
Soledade, qr nos bonds, devendo saltarem no
paleo da igreja da Soledade.
DE
um magnifico piano. I mobilia de Jacaranda, con-
tando 18 cadeiras de guarniere, i de braco*, 2
concollos, i jardineira e 1 so, 1 dita ame'rica-
na (madeira pretal contendo 1 sof, 1 jardinei-
ra, i concollos, 12 cadeiras de guarnicao e 2
_ de bataneo.
lima mobilia pequea pa;-a criancas, 1 cama para
casal, 1 columna de vistas, cadeiras avulsas.
ditas para meninos, ditas para pianos, espregui-
cadeiras. I machina de costuras de acreditado
fabricante, 1 mesa elstica, camas de ferro,
eommodas. taixas com instrumentos cirurgicos,
1 machina elctrica, mesas de amarello, ditas
de pinito, t silhao inglez, jarros, liguras de jas-
pe e muitos outros artigos, tudo em perfeito es-
tado.
TF.RCA-FE1RA l.'i DO CORRENTE
s 11 horas.
0 agente Pinho Rorges levar a leiiao os movis
e mais artigos cima especilicados, por ordem de
urna familia que se retira para fra da provincia.
js qnaes serio transportados para o primeiro an-
dar do predio n. 6, ra do bom Jess, onde se-
r effectuado o k'ilao no dia cima.
LEILO
DE
No dia 15 do corrente, s 11 horas da manr,
;e far leilo, por intervencao do agente Martins,
de diversas jolas modernas, ditas de brilhante, es-
meraldas e perolas, dadas em penhor travessa
da ra das Cruzes n. 2, por se haver vencido os
prazos das transacc,oes sob n. das cautellas, 1828,
1840,1851 1893. 1894, 1897, 1918, 1932, 1957,
1985, 2021, 2027, 2032, 2036, 2044, 2045, 2084.
2085,2092,2095,2101,2108, 21<'9, 2111,2417,
2138,2146,2147,2154,2164, 2167, 2168, 2177,
2188, 2194, 2233, 2247, 2275, 285, 2290, 409, a
420 a, 498 a, 438 a, 504 a, 505 a, 398 a, 262 b,
306 b, 331 b, 275 b, 390 b, 419 b, 465 b, 469 b,
474 b, 493 b, f.01 b, 522 b, 523 b, 525 b, 540 b,
546 b, 550 b, 557 b, 560 b, 573 b, 582 b, 588 b,
605 b, 606 b, 607 b, 610 b, 629 b, 643 b.
Os resgates e reformas, pagando os respectivos
premios podero ser feitos at o bater do rnartello.
Grande e variado
1 mesa de cabeeeira, 1 mesa de ferro imitacio
de diario, 3 lancas e cortinados, 1 reposteiro de
*eda, 1 commoda, 1 sof, tapete oleado e esleirs
forro das salas e quartos.
Um lustre de crystal, i mesa elstica para 24
pessoas, 24 cadeiras de mogno, I gnardas-louca
envidracado?, S aparadores com lampos de pedra,
2 mesas cem pedra para trinchar, 2 aparadores
torneados, 2 quartinheiras, 2 relttgtos dourados, 7
quadros dourados rom finas gravaras, % lancas e
cortinados, porcelana para cha e jantar, 5 duzias
de chicaras e pires.
Objectos de lino erytal.
Garrafas, fructeiras, porta queijos, compoteiras,
copos, clices e saletras.
Objectos de electm-plate.
Urna rica fructeira com 3 urden-, 4 ditas com
pratos de crystal, 2 resfriadeiras de champagne,
1 eesta para pao, escova e bandeja, salvas, des-
cancos para facas, letreiros para garrafas, eolbe-
res, garios e porta-licor.
Objectos de prata.
Um apparelho para cha, 1 goarnicao para toMet
te, 4 casticaes e 1 palmatoria, 1 vaso para punch
1 faqueiro dobrado, garios, facas, colheres, trin
chantes, salvas, copos, 1 cesta para pao e 1 pali
teiro.
Urna mobilia de ferro para jardim, 24 globos de
ridro cortado para illuminacao, 4 espelhos doura
dos, i lanterna mgica e 4 ettagers.
Carros ecavallos.
Um cop, 1 victoria franeeza, i carro america-
no, (novo) 1 cavalio preto para sella, 1 dito mella-
do para cabriole!, 1 parelha de cavallos rosilhos
pretos, 1 dita nidada e ( dita russa.
TERUA-FE1RA 22 DE ABRIL.
No primeiro andar e pavimento terreo do
sobrado da ra da Aurora n. 63.
Joo Cavalcante de Albuquerque, tendo de fazer
urna viagem Europa, levar a leiiao por inter-
vencao do agente Pinto, os movis, crystaes, objec-
tos de electro-platc, obras de prata, e mais objec-
tos cima mencionados, existentes em casa de sua
residencia, montada apenas ka um anno, ra
da Aurora n. 63.
0 leiiao principiar s 10 horas em ponto por
seren muitos e diiTerentes os lotes, constantes do
cathalogo em poder do niesmo agente, sendo que
os pretendentes pederao examinar o bom esta-
do e apurado gosto dos referidos objectos na ves
pera e dia do leilo.
avisos DVf BSOS
CASA DA F0RTU1.
AOS 5:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' ra Primeiro de Marco (outr'ora ra do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 4* parte das loteras a beneficio da igreja da
Casa Forte (46'), que se extrahir na terra-feira,
15 do corrente mez.
PP.ECOS.
Bilhete inteiro 6000
Mcio bilhete 3000
' Quarto 1*500
EM PORQ.iODE 100?M)00PARA CIMA.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto l*37o
Manoel Martins Fiuza.
Vou 1er
Exposio quaresnial
E faz muito bem, deve me 1er,
rder e decorar, pon|uc so assim e
que licar sabedor, sabendo aonde
que se pode com Miavidade e
prazer limpar a guella, (j se sabe
com algunta pinga do Porto, cher-
ry, madeira, cognac, /hrantroune,
hrsperidina e... tou le mond licorol)
achara vista ; (entende-se com -3
nave eileito dos suppramenciona-
dos ) apurar o olfacto, (anda cora
o dito das ditas ditas) e nalmente
adquirir o paladar estragado, (sa-
boreando raras e excitantes victua-
lhas) e note^ bem com pouco di-
nheiro (os procos sao os mais resumidos que se
pude desejar) liado nat, porque o fiado faz a
cente liear excessivamente nervosa (tanto o ven-
dedor comti o comprador) '':n menos de quairo
-emanas e meia, acabando quasi sempre no fut
das cinco lor licar o primeiro desconflado e
phti/sico e o segundo confiad > e n\;d-opico I Por-
lanlo, j que se dignou lancar os seus olho* se-
ductores sobre mim {exposieao iiaaresmal) mui-
t-j consentaneo que eu tambem mis abra o
amago de meu cora<\"to, i>ti- vos indique o
gremio tmbrianttydetedante, me-
oriante, refrigeran!" e .: rascan-
te, aonde V. S. e Exc. (charo
eitor ou leitora, que lde corn
tanta avidez) pode ir com cer-
'/;., eertos de serem bem servi-
do recheiar a sua desp'-nsa de
lud'i o que ha de melbore :naN
saboroso para passar a qoares-
rna, (tempo de abstinencias) dan-
do assim cabal desmentido aos
hereges d- tjuo sabe guardar
convenientemente os sagrados
preceitos da Sania Madre igreja.
Viudo ao aiinazem
Campos
\. 'iS Un do Imperador \. '1%
E' neste oceanii do prazer onde trar, alm do mais o seguinte : ovas de diversos
peixes e de bacallto, bacalho grande e pequeo,
sardinhas francezas e portuguesas, peixe em la-
tas de todas as qualidades, (nove mil latas), ca-
maroes seceos e todo o mais necessario para le-
var estas e outras guaras a ponte de satisfazer
lo mais rara e apurado paladar.
La
do
vai prova.
Bacalho e peixc em latas
Far boa digestao ?
Faz sini senbor.
Ovas fritas bom pettsro
Com arroz de camaro ?
E' sim senbor.
O salmn e as sardinhas
>'o boa petisqueira Y
E' sim senhf r.
Livrar de excomunhoes
Vinho do Porto e da Figueira
Livra sim senhor.
E tudo reunido banquete quaresmal ?
Que podera ser comido sem a ninguem fazer mal?
E' sim nhor.
AO ARMAZEM
|BO
VAPOR FRANCEZ
KUA DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notaveis e bem co-
nhecidos fabricantes; como sejam : Alphonse
Blondel, Henry Hers e Pleyel WolfT & C : no
vapor francez, ra do Baro da Victeria, ou-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo e phantazia, brancas pretas e de
diiTerentes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos com salto no rigor da moda, brancos
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Suser e de Polak, para ho-
rnera.
Sapalos de cordayao Mili spara homens.
Botinas para menino de qualquer tamanno.
Perneiras e meias-perneiras tanto para homens
como para meninos.
Sapatoes de Suser para homens e meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens.
Abotinados de muitas qualidades e precos para
meninos e meninas.
Sapatoes de verniz com sola de pao prepries para
sitios, jardins e banhos, sortimento para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, caemira, charlot aveudado,
de tranga portuguez e francez.
No armazem do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, leos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toile-
te, divina, florida, lavande, pos de arroz, -aho-
ndes, cosmticos, muitos artigos delicados era
perfumara para presentes com frascos de ex-
tractos, caixinhas sortidas e garrafas de diffe-
rentes lmannos d'agua de cologne, tudo de pri-
meira qualidade dos bem conhecidos fabrican-
tes Piver e Coudray,
No armazem do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas malas e bolsas para viagens de n
de caminhos de ferro.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napoleao e a Guilher-
me, perneiras e meias-perneiras para homens,
e mcias perneiras para meninos.
No armazem do vapor ffancer, ra de Baro
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
Cadeiras de balanco, de brac/t, de guarnuoes, so-
fs, jardineiras, mesas, conversaderas e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e os mais" proprios movis para saletas e
gabinetes de recreios.
No armazem do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
de diiTerentes gostos e
phantazias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Joavin, de fio da Escocia e de camurca.
Caixinhas de costura ornadas com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retrato*.
Diversas obras de ouro bom de lei garaattdo.
Correntes de plaqu muito bonitas para relogios.
Brincos jimitaco e botoes de punlios de plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de eonri-
nho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
cjtoilette,
Pincenez de cores, de prata dourado, de ac.o
tartaruga.
OcoJos de ac lina e de todas as graduacoes.
Bengalas de luxo, canna, com castoes de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Chieotinhos de baleia e de muitas nualidaoes di-
versas.
Esporas de larracha para saltos de bota?.
Ponleiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarazar e pan
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar aboca.
fcscovas para roupa, cabello, enhas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperola para dinheira
hteias para homens e para meninos,
Grvalas brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados,
iogos da gloria, de dama, de bagatellas, de omi-
n e outros muitos diiTerentes joguinhos alle-
maes e francezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cami
nhos de ferro.
Artigos

Al o da 15 do corr-enie esperado de Ncw-
-Tork por 8. Thomaz Para, o vapor americano
Ontano, commandaole Slocua, o qnal depois da
memora do costume. seguir paraos p,rtos do sul.
?ara pasagens, frotes, etc. trata-se na agen-
ca,xna do Oinmerrio n. 8.
DE
bous movis, finos crystaes, objectos de
electro-plate, prata do Porto, carros e
cavallos.
Um piano forte do afamado fabricante Kertz, 1
mobilia de Jacaranda a Luiz XV, 1 cadeira para
pianno, 1 jardineira, 2 devaDs, 4 grandes espelhos
dourados, 1 dito oval, finos jarros e vasos para flo-
res, 6 sanefas escultadas e cortinados, tapetes avel-
!udados, escarradeiras e 4 almofadas bordadas.
Urna mobilia estn/ada, 1 secretaria, muitos e
fftrentes quadros com finas gravuras, 1 lustre
de crystal com 4 bicos, outros de dous bicos e pe-
dentes paragaz.
Dous guardas roupa com espelhos, i guarda
vestido, i toilette, 1 lavatorio, 1 guarnico de por-
celana de svre, 2 espelhos dourados, 4 capHeis, 4
jarros, % ricos quadros a oleo, 6 porta-joias, mesas
de ferro com marmore, i logo de xadrez, 1 relo-
gio de mesa, tapetes de pelle de carneiro.
Urna cama franeeza de Jacaranda, 1 aguia, 1 ri-
so cortinado de fil bordado, 1 sof de Jacaranda'
Sociedade patritica doze
de setembro
Segunda-leira 14 do crreme, s 6 horas da
tarde, havera sessao ordinaria desta sociedade
ra da Unio n. 23.
ORDEM DOS TRABALHOS.
Eleic^o dos secretarios e tbesoureiro, e posse da
nova directo, leitura de memorias sobre instruc-
cao publica, agricultura, commercio, industria e
ontros.
Trabalhos preparatorios para a exposicao agri
cola de 2 de dezembro rindouro.
Secretaria da sociedade patritica doze de se
tembro, 9 de abril de 873.
Luiz G. da Silva,
1* secretario.
Os abaixo assignados, membros da socieda-
de qne tinham na prensa do caes do Ramos n *,
que gyrava sob a firma Brito; Freir & C, decla-
ram ae respeitavel publico, que desde o ultima de
marfo prximo paseado foi amigavelmente dissal-
vida a dita sociedade, pelo qne passon ella a en-
trar em liquidarn, correndo o activo e passivo
por conta de todos os socios, e sendo encarregado
da esma liquidacao o socio Bernardino Pereira
de Bri, Recife, II de abril de 1873.
Bernardino Perelra de Brito.
Jlo Finnino de Revorcde Freir
Jos Ribeiro de Brito.

Mamadeiras de vidro de dar leite mui fcil as
criancas.
Argolinhas de marfim para as enancas morderem,
bom para os denles.
Barcos de rimes para embalancar criancas.
Cestinnas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas para passeios de man-
cas.
Venezianas transparentes para portas e janelas.
Reverberos transparentes para cuidieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para iluminacoes de
festas.
Bales aereostaticos de papel de seda mui fcil
de subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
Espanadores de palha' e de pennas.
Tesourinhas e caivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua
dros,
Quadros ja promptos com paysagens e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios com lindas pechas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
taannos, e outros muitos artigos de qumqui
Iharias dHceis de mencionar-se.
No armazem do vapor francez, ra do Baro
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todof
os brinquedos fabricados em differentes parte*
da Europa para entretenimento das enancas
tudo a precos mais resumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, ra do Baro
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
PARA PIANOS
Pannos proprios de cobrir pianos.
Cadeiras de parafuso e forro estu-
fado.
No armazem do Vapor Francez ra do
Baro da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Cestinhas para costura.
Grande sortimento de bonitos modelos
chegados ao armazem do Vapor Francez,
ra do Baro da Victoria (outr'ora No-
va) n. 7.
CASA
.1111A
DE
Paulo & Mafra
Largo do Paraizo ns. {0 o 12.
IBZE0 DE JOIAS
N. 4 Ra do Cabujr. N. 4
JOSEPH
T
&c.
~g^g^r~v .rts g>i^*i
DE
GOMES DE MATTOS, IRMAOS
Neste importante estabelecimento, o primeint nesse genero, coutiiiia a
vender variade sortimento de joias, sendo de brilhantes, esmeraMas, perola
e rubins, com grande reduc^o de precos, porque receb<:nios direttantcnte
da Europa, por todos os paquetes, lindissimo sortimento do que ha de me-
lhor em ouro e pedrarias de valor.
Os proprietarios do MUSEU HE JOIAS, sero constantes sempre que tive-
rem occasio de verem suas palavras confirmadas pela vn/. geni, de que o
MUSEU DE JOIAS vende seus artigos a precos mui limitados.
Alm do variado sortimento de joias de alto e pequeo valor, acba-se i
exposicao obras de prata, de todas as qualidades, relogios lindissimos e de
acreditados autores, para homens e senhoras. Ditos le prata para todos os
precos. Ca'leias o trancelins de todos os gostos, e tudo o mais que fr de
manufactura d'ouro ou prata.
Sao avisados os senhores de engenhrs, fa/endein s e lavradores, que to-
das as joias sahidas do M17.EU DE JOIAS sao garantidas.
-^: v--a- .

Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Perdeo-se a cautel a de n. 619 B, previne-se
ae Sr. da casa de penhores que nao entregue o
bjerto a pessoa nenbuma que a dita apresentar,
e sim ao p oprio dono que ibe passara o respec-
tivo recibo da entrega do obiecto mencionado.
Recife, 18 de abril de 1871 _____________
Caixeso.
Precisa-se de um menino para caixeiro : na
padaria da ra do Rangel n 9. |
OGRANDE PURIFIC\DOR DO SANGUE i
Esta e.xcellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientifi
:a por Chinucos e Droguistas mui doutos e
i'uma instrueco profunda, tendo tido mui-
;os annos de experiencia ao par d'uma Ion-
?a e laboriosa pratica.
A sua composiglo nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
romposta d'extractos d'um numero de rai-
ies,\hervas, cascas, e folhas. possuindo to-
las ellas, sua virtude especial ou poder
sm curar as molestias as quaes teem sede
do essento, no sangue ou nos humores;
i estes differeEes extractos vegetaes, acham-
;e por urna tal forma combinados ponte
ie conservaren! em toda a sua forfa, o cu-
rativo especial de virtude, que cada umde
per si possue. A raiz da planta de Salsa-
barrilha, produzida as Honduras, a que
nos osamos nesta preparaco, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composicao da Malsa-
parrllha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
sao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi to-
los os mais respeitos, ella inteiramente I
versa de todas essas mais preparaces,
=is quaes debaixo do nome de Salsaparr-
iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
3iui diminutns d'uma colher de cha por
iada vez. Nos pelo contrario engarrfa-
nos a
SALSAPABJUBA DE BRISTOL
em frascos grandes, e assim por este modo,
vidimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcangado por aquelles
^ue acondicionam sua preparago em?'
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
aossa Salsaparrllha de Bristol
xtnteem a messa quantidade igual porfao
:ontida naquellas garrafas pequeas, e alm
lisso, possue ainda muito mais forca e
irtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
eeis garrafas de pequeo tamanho. Por-
Utnto mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produeges, em garrafas pequeas,
nurmurem e gritem contra os nossos fras-
^>s grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparrllha de Bristol nao possue a
menor virtude; porm qu5o effectivamen-
le sao elles postos em silencio, quando indi-
jamos, eu simpiesmente referimo-nos para
oom essas centenares de certides e tes-
lemunhos authenticos, por nos recehidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPABBILHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas.
s3o produzidas, que nos habilita exer-
:er aqnelle constante cuidado e disvello ns
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excedencia.
Em quanto que, por outro lado, nos n3o
aos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de akancarmos o melhor
a nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridier.te que entra na sua composi-
(3o; pois levados e compenetrados 11
nais firme e persuasiva confianca; qoe po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naedes. e de todos os paizes, qoe na
Salsaparrllha de Bristol. possuem
om remedio mais efficaz e seguro; do que
aenhum outro, que vos tenha sido offere-
;ido at boje, e o qual por certo nao hade
tnallograr vossas expectativas, na prompu
e eflectiva cura das seguintes enfermidadesr
Escrfulas. Tinha.
Ohagas antigs, Sypbilis,ooMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades ils
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Ge ral.
Febra e Malignas t
Febre e SezSes
Biliosas,
Tumores
\bscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermittentes e remittenles,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o boa
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apuntadas o adiar>
lamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesmo
lempo das nossas inui valiosa punas
vegetaes assnearadas de Bristol,
tomados em doses moderadas em connec-
;5o ou conjuntamente atm a Salsaparrilha;
ellas faxen remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam esp alhados pelo systeroa,
isto causado pelo utso da Salsaparrilha ; 6
por esta forma faciliar a vulta e o exer.-.': io
normal das operafes fum cionaes,
V qual prepararla smente pelos OMeoa
Pnir:nci:i'is
2 ? -. p
= 5
ZSl
S n
a s a' & s" **
_---= = = ?;.. ^
>

45

flts
lia*
pS B-z
T J* P 7. 7
E !... ; i.; j::i
> i % t-*
31* !
1JS8 _
!S
i.
5 -*
Aovo estaoelecimento C
de joias. k
Ba lo < 'hIus;m n. 19. ~
";! O pntprietario de>te estalwlecimente
..-. reeebeu entre muitos objectos de penie-
TT- us valores, os seguintes: roietas e anneis
""'' do brilhante*, brincse racnletas, ade- ***"
.... rovos e melns aderegos de rubins, es me T^.
9 radas, penilas. altinetes para retra- 9$>
3f ,os. com brilhantes, rubins e perolas,
Tg, porta-charutos muito pro|irios para me ZZ
:- sa, de delicados postos e perfeiu mao S
~" de obra, apparelhos proprios para almo- j
..:. co e jantar, para meninos levar para o Z
^' collegio, tudo se vender jtor precos ra- *
?^ roaveis, garantiodo-se todas as joias que ^Z
!_. deste estabelecimenio saia. Tambem se ~
tt* fabrica e concerta qualquer objerto ten- **
jP dente a mesma arte.
wmunii nmmwmm
Athanazo.
Em 30 de marco findo fupio do engrano Vcr-
mellio, em Rio Fonnoso, o esi-ravo Aihanazio, que
podera ser rcconlte^do pelos seguintes sigues :
altura regular, grosso, rosto redondo e rom mar-
cas de bexigas, ps bem feitos ; aasenloo-se re-
tido com camisa de madapolao e caira de krim
pardo. Ropa-so a todas as autoridades e rapitic
de campo a captura deste. e recompensa-s bn
a quem o conduzir ao lllm. Sr. Pedro Alexa*
drino da Costa Lins, no referido engenho, ou
la praca a Cunta Irmlos A C.
t '
Os abaixo assignados declarara ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do eem-
mercio, que renderam ao Sr. Francisco Torres 4a
Costa a taverna qee possuia na travessa do Urra-
meto n *, a qual gyrava sob a firma de Sita *
Leite, ficando todo o activo a cargo do socio An-
tonio da Silva Jnior. Recife, 12 de abril de IH73.
Antr.nio da Silva Jnior.
_________Dionizio Dias Moreira Leite
Feitor
Para triiar de um pequeo sitie, precia-st >
um feitor a tratar no hotel de Apipuet*.
I


Diario de Pernambuco Domingo 13 de Abril" de 1873.
I
Salsaparrilha Ayer.
As pessoas .le utoa lUTURKZA KSCRO-
FLLOSA ou quo Hnrenlo ti satiguw o
VICIO SYPHILITICO devem toma-la con
tiernamente.
Jos Cantoso da
retira-s* para Europa :
Silva, subdko portuguez,
a tratar de sua saude.
SP** Sentido!
Viva a lelia,
Vira o nraier;
Viva a barriga,!
Viva o comer I
Se eu for ao armazem do Campos e levar
Dinheiro de macons, que nao sao santos;
Trarei: presunto?, paios e salames,
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 Ra do Imperador.
Trarei mais : cerveja, bitter, vinhos e licor
Que deleita, ambriaga e causa encantos;
Chocolate, cha, caf, mate trarei,
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 Ra do Imperador.
Trarei, oh I sim, fique sabedor,
Ovas, fiambres e toucinho de Santos,
Doces trarei, queijos e biscoutes,
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 Ra do Imperador,
rrare sardinhas e peixe a meu sobor ;
Camares e conservas que excita tantos;
Trarei ervilhas, marmelada e fructas,
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 -Ra do Imperador.
Trarei gelas, leite e manteirga flor,
Que so seus eheiros causaro espantos ;
Passas trarei, nozes e araendoas.
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 -Ra do Imperador.
Trarei de todo... Acreditai leitor,
Que encherei dos meus armarios os cantos:
E de passar bem tenho j certeza,
Se eu for ao armazem do Campos.
N. 28 Ra do Imperador.
Salsa parrilha Ayer.
*
.' um AI.TKUANTE enrgico oedicaz
para Irbelmr a inaiur part: las JlOl.KSTlAS
CrKONICAS.
Aviso
Os Srs. Meuron C, fabricantes na ra do Viscomle deUoiauna n. 157, preci-
sam de algumas mulheres para trabalhar na
sua fabrica : a quera convier, pode dirigir-se
a mesma fabrica para tratar.
Salsaparrilha Aye.r
As MOLESTIAS DA l'EJ.LE: ERYSI-"
I'KI.AS, KRiaHjES, DAKTllKOS, HER-
PES, EM IMG EH8, etc., podem ser fcilmente
curadas por meio della.
CKIADO
Avisa-se
a quera der noticia da escrava Guilhermina que
foi do tenente-eoronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e aepois comprada ao Barao de Nazareth,
representa ter 25 annos, tem falta de denles na
frente e as maos com cicatrizes de qummadura
de gax, secca do corno e muito regrista, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da ra dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
Terceiro andar.
Aluga-se o 3* andar roa do Padre Floriano :
a tratar na roa larga do Rosario n. 22._______
Cobetteireiro
Precisa-se de offlciaes de barbeiro c cabellei-
reiro : na roa da Cadeia do Recife n. 51, pri-
meiro andar.
Fugio do patee de S. Pedro a parda Ale-
jandrina, de idade 30 annos, tem os signaes se-
guimos: cabellos crespos e curtos, dentes li-
mados um signal negro sobre o beico, tem cicatri-
zes de gommas na perna direita e duas as cadei-
ras, que estio abertas, tem sido vista em diversas
cocheiras em pagodes com boleeiros ; a pessoa que
a pegar leve a casa de Xica caheada, que ser bem
recompensada.
AVIZO
Aozentou-sc de meu sitio do Arraial, onde resi-
do, o meu escravo de nome Adolpho, preto, mo-
co, olhos pardos, bem conhecido no Recife e nos
arrabaldes, marciaeiro, traja roupa de servico,
calca de estoupa e camisa de algodosinho nova,
mas tem roupa boa Tem pai livre e j velho, ca-
sado, de nome Francisco, morador na Torre, onde
muito conhecido, e na Estrada Nova onde deve
andar o tilho, ou trabalhando em alguma ofllcina
ou casa, intitula-se de livre e as vezes anda calca-
do ; este negro commetteu faltas. Rogo a polica
e a qualquer pessoa que o prender, entrega-lo
a polica parallogo ser recolhdo a cadeia: de qual-
quer trabalho recompensaren
Recife 16' de abril de 1873.
_______________Marcelino Jos Lope?.
Ao commercio.
Um rapaz brasileiro offerece-se ao emprego de
commercio, tendo as habilitacoes de partidas do-
bradas e um pouco de francez e desenho ; quem
precisar annuncie ou deixe carta fechada nesta tv-
pographia, com as iniciaes E. P. B. A. V.
Perguulas inothsivas.
Pergunta-se ao presidente da Illma. Cmara do
Cabo, se permittido a um camarista, que juiz
de paz, estar no exercicio simultaneo de ambos
os cargos.
Saciedade Beneficente Luso
Brasileira.
Em comprinunento s ordens doirmo presiden-
tedesta sociedade convido a todos os Srs. socios
aira de comparecerem sesso de assembla ge-
ral que ter lunar as 7 horas da noute de 17 do
crreme mez : a sesso e convocada para a lei-
tura dos novos estatutos. Sao igualmente convi-
dados os candidatos.
Sala das sessoes, 14 de abril de 1873.
__________________Bento de Souza Mira.
Pernambuco Street Railway
&C.
iohn F. W'hitman, gerente interino da compa-
iihia, tendo de entregar a gerencia ao Sr. Gusta-
vo A. Sehmdt, representante da directora, pede
a quem quer que seja, que se jtilgar credr da
oompanhia, qne aprsentequanto ans sua c.tn-j
U no escriptorio ra .lo Barao d-. Triunipho,
estaco.
Recife, 14 de abril de 1873.
A todos!
Frederico Pinto & C. com loja de f-zendas roa
do Mrquez de Olinda n. 40, pedem a todos os
seus freguezes de dbitos amigos o obsequio de
virem satisfaze-los no improrogavel prazo de
oito das, certos de que, lindo este prazo, em-
pregaro o meio judicial que Ibes faculta as leis
do paiz.
Recife, 7 de abril de 1873.
Aluga-se urna escrava que lava, cozinha,
coze e engomma bem, propria para casa de fa-
milia, por ser robusta e gozar saude : a tratar
na roa da Penha a. 2.______________________
Traspassa-se a chave do armazem de car-
ne ra da Praia (Pedro Alfonso) n. 61, poden-
do servir para outro qualquer estabelecimento,
sendo de accordo com o proprietario : trata-se
no mesmo armazem.
Precisa-se alugar urna escrava que seja boa
cozinheira e engommadeira, paga-se bem : quem
a tiver dirija-se .a ra do Bom Jess a. 55, es-
criptorio.
Sitio
Aluga-se um sitio todo murado, tendo ca>a para
fanulia,cacimba com excedente agua, dous tan-
ques para banhos, muito fresco e perla da estaco
do caminho de ferro, nos Alegados, ra de S.
Miguel n. 105 A ; a tratar na ra da Impcratriz
na Boa-\ ista, subelecimento n. 8.
Esplendida casa
Aluga-se a ptima casa, ltimamente acabada,
com muito posto e grandes accommodacSes, agua,
*az e grande sitio, roa do Bom Successo em
Olinda : a tratar no armazem n. 25 da travesea do
Corpo Santo.
I 1I1JHVCU.
6s abaixo assignados fazem sciente ao corpo do
'mmerek) que nesta data compraram oos Srs.
Jos Rodrigues da Silva & C, a sua taverna sita
no pateo do Paraizo n. 30, livre e desembaracada
do qualquer onus: quem se julgar com direito a
mesma queira se apresentar no prazo de tres das
a. contar desta data.
Recife, 12 de abril de 1873.
^_______Antonio Joaquim de S 4 C
Aluga-se urna escravinha de 12 annos de
idade, propria para carregar crianzas : na roa do
Imperador n. 50, 3*andar.
Na ra Direita n. 29, 2* andar, aluga-se
ama sorava propria para todo o servico domes-
tico.
Rap areia fina da Bahia ||
Moreira & CompanJm
O abaixo assignado, nico agente dessa
fabrica, avisa ao publico que tem aberto
o deposit de dito rap, no seu escrip-
torio ra do Vigario n. 21, onde os
freguezes encontraro sempre a quan-
tidade que precisarem.
Recife, 29 de abril de 1872.
Domingos Atoes Matheus.
Na ra do Hospicio n. 33 deseja-se
fallar com o Sr. Jos Maria Goncalves Fer-
reira, que estava hospedado, haum mez, no
hotel de Caxang, e, quando j nao esteja
aqui, saber quem seu correspondente nes-
ta cidade.
y gumn njij oiiiiM
&.t bnete I
VIedico-cirurgico
BA DO IMPERADORN. 73, ANDAR
0 DR. NUNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PAP.TEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestia! e operarles de olbos.
Cara radical e instantnea dos
estreitamentos da uretra.
Consoltas : Das 7 s 10 boras
da manba.
Caarnarios : qnalqoer hora.
Sitio para alugar.
Alaga-se o sitio dos berdeiros do finado Santo?
Coelho, com casa bastante grande, tendo 3 salas,
dez quartos, todo murado, com muitos arvoredos,
tanques para banho e gallinhciro : a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 62.
Desde o dia I i do crreme at o dia 18 es-
tar m estaco da Escada urna grande c bonita
porco de burros, venda. Havendo lindissimas
parclhas para carros, detatnanros e cures iguaes.
Animaos reforeados para o servico de carrosa e
cargas de almocreves. Do dia 8 em diante se-
guir para as immediacoes de Apipueos, onde
ter alguns das de demora. O proprietario e ven-
dedor convida aos senhores de engenhos e mais
Sessoas, bem como ao gerente da companha dos
tmds a sortirem-se nesta occasio ; pois nao po-
dero fazer ca 187 em razo ilagrande secca que
lavra r.as provincias da Baha e Mraas, a qual
nao per.mitte o transito de tropas muars em urna
extenso de 160 leguas. A tropa pode ser vista
e esci.lhida vontade.
Miguel Antonio Porfirio \uzu-
rethe
Montei.o & Bibeiro profunda-
mente ni agoados pelofallecimemo
de sea amigo Miguel Antonio Por-
firio Xazarethe, confessam a sua
gratido s pessoas que a seu con-
vite, se dignaram acompanhar os
restos mortaes daquelle seu amigo
ao seu ultimo jasigo, e especialmente ao Sr. Jos
Tavares Carrero, que assistio aos ltimos mo-
mentos do finado ; ao mesmo tempo rogara a seus
amigos e do finado, o acto caridoso de assistirem
a missa do stimo dia, que tem lugar segunda-
teira li do corrente, na igreja de S. Francisco,
pelas 7 horas da manli.
Joaquim Jos Goncalves
Beltro.
Roa do Commercio n. 6, 1. andar.'
Sacca por todo* os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e obre vs seguintes
ulgares de Portugal:
Amarante.
- Arco de Val de Vez.
Baroellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda.
G-uimares.
Lamgo.
Lisboa.
Mirandella.
Monfio.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna dofCastello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portimo.
Villa- Real.
acadmico Francisco tarja
Oliveira.
Os empregados da secretaria da
assembla legislativa provincial
mandam celebrar minas e memen-
to pelo repouso eterno de seu pre-
sado companheiro Francisco de
Borja e Oliveira, no dia 15 do cor-
rente, trigsimo do eu passamento
na igreja de S. Francisco desta cidade, pelas 7 1|2
horas dainanha ; e para assistir os referidos actos
religiosos, convidara aos parentes e amigos do U-
lustre finapo.________________________
Antonia Pereira dos Praze-
res Porto.
Flix Pereira da Silva, Maria Fe-
licia de Araujo e Silva, Guilher-
me Francisco Paredes Porto, Ma-
ria Bita Barbosa Perto, feridos do
mais doloroso sentimento, pelo pas-
samento de sua sempre lembrada
irm e araada Antonia Pereira
dos Prazeres Porto, fallecida na cidade de Lis-
boa, no dia 28 de marro prximo passado, con-
vidara aos sens parentes e amigos para assistirem
a algumas mi-sas que mandam rezar na igreja
matriz da Boa-Vista, pelas 7- heras da manba
do dia 18 do corrente, e desde i se onfessam
agradecidos por este acto" de religiio e caridade.
.Va ra do Crespo n. 7, loja do Gallo vigi-
lante, precisa-se de urna ama paia coziuhar; pre-
fcre-se escrava. ,
Precisa-se de uni para o servico de casa : ra
do Imperador, n. 32.
Escravo fgido.
Acha-se outra vez fgido o escravo Antonio
crionlo, idade 22 annos, cor preta. cabellos cara-
p nhados, rosto comprido, olhos flor do rosto
e aman los em virtude do vicio da embriguez a
nie se entrega. Boga-se a todas as autoridades
poliches e capitaes de campo que o apprehendam
e conduzam a casa de seu senhor Miguel Jos de
Almeida Pernambuco ra do Barao de S. Bor-
ja, antiga ra do Sebo n. 28.
Escravo fgido
150f000
No engenho Massuassd, freguexia da Escada, se
dar de gratificacao a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o i,* tem 9 annos,
castanho e castrado, tem a orelha direita bastante
aseada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o 2. ruco, com pintas ver-
melhas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coc/) fino, castrado, tem os quadris feridos da
canea! ba, ferrado coma marca-I. R.-do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3.a rodado
sanhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratifica-se com 50*000
por cada um em presenca da pessoa, em cujo po-
der for encontrado qnalquerpe ditos cavallos.
GASA DO OUKO
Aos 5:OOOSOOO
Bilhetes garantidos
Ra do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do costumt,
O abaixo assignado acaba de vender os seus
muito felizes bilhetes a sorte de 5:000* em dous
meios de n. li'30, a sorte de 800* em bilhete in-
teiro ro de a. 2714, e quatro" quartos de n. 69 com a
sorle de )00, alem de outro sortes menores de
40* e 20* da lotera que se acabou de extrahi
(4o*>; convida aos pessuidores a virem receber,
que promptamentc sero pagos na forma do
costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vk no seu estabelecimento com-
pr r os muito felizes bilhetes,que nao deixaro de
tirar qualquer t remio, como prova pelos mesmos
unan ios.
' Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 4* parte das loteras a beneficio da
igreja da Casa Forte, que se extrahir no dia 4
do corrente mez.
Presos'
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto *5003
De 1003000 para na.
Inteiro 5*500
Meio 2*750
Quarto 1*373
Recire,29 de marco de 1873.
_____ Joao Joaquim da Costa Leit.
Claixeiro.
OTerece-se para ser caixeiro de qualquer esta-
belecimento, um menino de 14 a lo aunos: a
tratar ra de Marcilio Das n. 76.
, Carros fnebres e de
passeio
O abaixo asignado participa ao respeitavel pu-
blico que se acha na ra da Paz n. 13 com co-
cheira, onde o encontraro preparado e prooi|to
para qualquer ent-iramcnto ; outro sim participa
tambem que existe na mesna coeneira carros pa-
ra passeio e acnmpanhamento de enterres ; espe-
rando, pois, a concurreucia publica nao duvida o
abaixo assignado asseverar que o acharao dispos-
to a encarregar-se de qualquer servico e por com-
modos procos.
Manoel Cabra! Borges.
Cozinheiro.
Na raa da Impcratriz n. 37, I." andar, precisa-
se de um bom coLnlieiro.
AOS 5:000^000.
Esto vendaos felizes bilhetes da lotera
hia, na -asafeliz, di arco da Concei<;aio,
oorves, do Hecife.
daBa.
loja la
Francisco Jos Cardo-
so, artista alfaiate, transferio
sua officina da ra do Barao
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
primeiro andar.
Fugio do engenho Jundi, da comarca de Naca-
reth, no da 4 de marco, o preto crioulo de nome
Hemeterio, cora os signaes seguintes : 24 annos
de dade, nabo, cheio do corpo, tem falta de um
dente do lado de cima, pouca barba, umbegudo e
levou catea de riscado azul e camisa de algodo
branco : quem o pegar leve-o ao seu senhor o
tenente Antonio Rbeiro de Moura no dito euge-
nhe, ou a Joaquim Ca-valcnlte de Albuquerque
Mello no sitio do Forte reguezia da Varzea, que
ser generosamente recompensado. O dito escravo
foi encontrado em Caxargae supoe-se ter chegado
ao Becife.
Fugio
a 20 de fevereiro o escravo de nome Joo, de 18
a ;0 annos de idade, com os signaes seguintes :
altura regular, secco, olhos grandes, nariz grosso,
dentes pe'rfeitos, rosto redondo e sem iarba, ca-
bellos carapinhos, ps chatos e cheios de cravos,
bem esperto e ladino, canhoto, coinheiro, tem
bastante pratica de armazem de carne secca ; le-
vou urna bolea nova com duas camisas, sendo
urna bordada, 2 ceroulas, 1 cami-a de meia, 2 pa-
res de meias e um chapeo de pama de arroz : em
dinheiro levou 54*, e mais alguma roupa perten-
cente a elle : roga-se, perianto, s autoridades
e capitaes de campo que o apprehendam e levem-
no ao seu senhor, ra de Pedro Aflonso n. 7,
que seroo generosamente recompensados.
Engenho
Arrenda-se o engenho Estrella, junto cidade
do Rio Formoso. E' de animaes e com.'propor-
coes para 1,500 paes : os pretendentes podem di-
rigir-se ra Duque de Caxias n. 58, 2 andar,
quealli terao informac/Ses.
Salsaparrilha Ayer.
Sua ellicacin torna-se espwinlmente
nntavcl nos ..sosde UHKI.'MATIS.UO, ptlr
oque um remedio segurissimo.
Ama para casa de familia.
Na travessa do Duque He axias n. 3, 1* andar,
precisa-se de urna ama livre ou escrava, para
co/.nliar e outros servico prourios de casa de
familia. Paga-se bem agradando.________
Ama Precisase de urna ama para casa de
"1<* pequea familia : na roa do Coronel
Lamenha n. i7.
Precisa-se de urna ama para
cozinhar : a roa do Barao da
Victoria n. 22.____________
Precisa se de urna ama para
andar com enancas : a roa do
Bario da Victoria n. 22.
Ama Na rua B,la' noJe Ilha io Carvalno>
w precisa-se de urna para cozinhar e com-
prar n. 23.
mNa roa da Cruz, hoje Bom Jess n. 9
2* andar, precisa-se de urna ama para
cozinhar e outra para eragommar,
AMA
Precisa-se de nma ama para
servico interno, para casa de
_ pouca familia : roa da Sol
dade n. 58.
AMA P"*'*3-8* de nma ama de leite, c pag
' T*^1- ga-se bem : a traUr na roa Duque de
Caxias n. 35 2 andar.
AMA
O Sr. Francisco Agostinho Aadeira queira ter
a bondade de vir concluir com o negocio que se
comprometteu na rua Duque de Caxias n. 60 A,
loja de Bento da Silva 4 C, successores de Ma-
noel Ribeiro Bastos.
Precisa-se de urna ama perita co-
sinheira para casa de homem soltei-
ro : tratar rua do Livramento n. 6.
Escravo fgido
No dia 5 do cerrme fugio desta cidade o mo-
lequc Gaudencio, de 13 annos de idade, fnlo,
tem nariz chato, dentes alvos e perfeitos, vesta
calta de algod&o de listra e camisa de madapolo,
sahio sem chapeo, levando um embrulbo contendo
urna calca braaca e urna camisa roga-se a qnem
o apprehender o obsequio de enva-lo rua da
Santa Cruz n. 4, ou ao engenho Horisonte (de Rio
fformoso), que ser generosamente gratificado.
Cozinheiro
Precisase de um cozinheiro para cozinhar e
comprar : na roa Primeiro de Marco, esquina
B. 8.
Arria Oflerece-se urna raulher de boa con-
'tT~. ducta.para ser ama de urna casa, sem
sahir a rua, prefere casa de homem solteiro :
tratar na rua Velha de Santa Bita n. 49.
Ama de leite
Precisa-se de urna sem filhos, forra ou escrava
e que o teuha bom e abundante: no 3* andar desta
typographia. ___________________
- Aluga se urna ama que cozinhe bem e en-
gomrne para casa de um homem solteiro : na rua
doFogon. 18, andar.
AMA
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar bem: rua do
Barao da Victoria n. 28.
Precisa-se de duas amas, sendo urna para
enfiommar e outra para cozinhar : na roa da Pe-
BU. n. 23.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
l-_ i^hi /OM (-*)**. BWV HiMHM
Cozinheiro ou eopeiro
Quem precisar de um porluguez, dirija-se a
rua estreita do Rosario n. 9.
ATTEHCAO
Comina-se a fornecer almoco e Jamar para
fra por prego commodo e coci'promptido : na
rua estreita. do Rosario n. 35, 1, andar, casi de
familia.
f f
MOFINA
Est encoura^ado!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivto na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir rua Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comproraetteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio:
e por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este necocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu filho se
acha va nesta cidade.
Urna verdadeira neces-
sidade.
As eonstpaoes apparecem cora muita facibaa-
de, com especialidade neste tempo de verao.
As tosses, bronchites e defluxoes sao tao fre-
quentes, que um remedio bo:n, commodo e ellicaz
nao s muito til como torna-sc una verdadei-
ra necessidade.
Haver algum medicamento oestes casos que
posea ser tomado com seguranza e com a certeza
de se colher bons resultados e que nao seja urna
dessas panaceas universaes que promeltein curar
todas as enfermidades debaixo do sol ? Ha, sim.
Ha um remed", que logo as p'imeiras dses
mostra sua efllcacia e eflectivameute pode curar
tudo o que tosse ou constipacao, com una cer-
teza inyariavcl.
Preparado por um medico scientifico, de gran-
de illustracio, approvado pela escola e junta me-
dica, receitado actualmente pelos principaes facul-
tativos e receramendado por todas as pessoas que
tm usado deste remedio, o peit ral de cereja de
Ayer, effectivamente offerece um meio simples,
porm seguro, de combater as diversas molestias
da garganta e des pulmoes.
O abaixo assignado declara a quem interes-
ar e especialmente ao commercio desta praca,
que nesta data tem justo e contratada a compra
la taverna sita rua de Santo Amaro n. 2, a qual
se julga livre e desembaracada de qualquer onus;
se, porera, alguem se julgar com qualquer direito
a mesma, aprsente-se no prazo de tres dias, lindo
os quaes nao se responsabilisar o comprador por
qnakfuer que seja o direito que se venba de alle-
gar. Itecife. 9 de abril de 1873.
Domingos M. Gomes
Salsaparrilha Ayer.
Aluga-se ou vende-se o sobrado de dous
andares n. 144 sito rua do Coronel Suassuna, o
qual fica junto a igreja dos Martyrios, e edificado
em terreno proprio, tem quintal murado e portao
para a rua do Caldeireiro : s pretendentes dri-
jam-se i rua Sete de Setembro n. 15.
Escravos fgidos,
Na manhl de 2 do corrente fugiram do enge-
nho Prado, da freguezia de Serinnaem, es escra-
vos Pedro e Francisco, o primeiro foi escravo do
Sr. Manoel Quirino do Nascimento, de Pedras de
Fogo, donde veio, sendo elle filho do Serid pro-
vincia do Rio-Grande do Norte, e o segundo da
cidade de Souza, tondo sido all escrav.i do Sr.
Francisco Clementno Maria Pires ; Pedro tem nma
cicatriz no joelho esqnerdo de um talho, preto,
de 15 para 16 annos, bem conformado, rosto oval,
olhos grandes, e muito ladino; Francisco cabra,
de 18 annos de idade, rosto comprido, principia a
barbar i tendo alguma suissa, de estatura re-
gular, bem feito de ps e raaos.
Presume-se que efls tenham vindo para esta
cidade, para d aqui seguir ao serto. Gratifica-se
com generosklade a quem os prender e leva-Ios
ao dito engenho ao seu senhor Francisco Pinhei-
ro de Menezes, ou i roa do Imperador n. 77,1.
andar, onde recebera a gratificacao de seu tra-
balho.
Caixeiro
Para seceos e molhados preeisa-se de um para
villa da Escada, jrae tenha alguma pratica : a
fratar do largo do Tero n. 23.
A!N!l.\ OL'Ko <>i;slailr;ii>titc ri'cfitn'!;
^1 Salsaparrilha Ayer.
As SF..NHOIUS
firantraM nelia um
pdiKi,. ,,is* usaJa ^k!i.>s,i .,. . pode applica-lli; aiu n'.leii.lo ficui s ilis- '" - pode apphi
trucres.
Ensino particular
Salvaiur Hejirique de Alliuquerque, presu-se a
ensnar por casas e collegios particulares, ne*ta
cidade e seus suburbios, todas as materias do en-
sino elementar a alumnos de um e outra sexo.
Ensna e prepara as senhoras que se quizerein
habilitar para os concursos s cadeiras de ins-
trcelo primara ; e todas as tardes e-n sua c: sa
pode leccionar aos esludantes de preparatorios
que precisarem de habilitar-se para o exame de
portuguez.
Tambem ensina geometra e ari hmetca com
todo o desenvolvimento e pplica(des.
Os senhores que se quizerem utilsar do seu
presumo, podem procralo no largo do Paraizo
n. 8, 2 andar, de manli at as 9, e de tarde das
4 horas em diante.
A mesa regedara da rmaiidade de N. S. da
Conceicao dos Militares tendo de celebrar na res-
pectiva igreja o acto do ranlo Sepulcbro, convida
a todos os irmaos a compareccrein hoje pilas 11
horas da manh, afim de .assistirem a missa e
mais ceremonias desse acto. Recife, lo de abril
de 1873.
O secretario,
Jos Francisco de Sales Baviera
Attenco
Deseja-se fallar com o Sr. Jos da Silva Peixoto
a negocio : rra rua estreita do Bosario u. 13.
Attenco
O Sr. Antonio Gomes de Oliveira, caixeiro no
Passeio Publico, queira ter a bondade de appare-
cer na rua Duque de Caxias n. 60 A.
Sitio no Arraial
Aluga-se um excellente sitio com casa nova,
moderna construccao, com eommodos para fami-
lia, dista um minuto da estacAo da casa amarella :
a tratar na rua l" de Mareo n. 16, Io andar, u
no mesmo sitio.
Jos Ferreira Pinto, tendo de fazer urna via-
gem a Europa, julga nada dever a pessoa alguma,
porm, se alguem se julgar seu credor, queira
apresentar suas contas no prazo de 8 dias no es-
criptorio dos Srs. Luiz Goncalves da Silva 4 Pin-
to, rua do Mrquez de Olinda n. 39.
Precsa-se de um caixeiro : na roa do Hos-
picio n. 61.
i CONSULTORIO |
I MEDIC0-CIRIJRGIC0 %
ia do 'r,
Dr. J. II. Curio ~
3 OPERADOR E PARTKIRO g
%k Rua do Mrquez de Olinda n. 2o, pri- >
/% meiro andar. >^
Consulta das 7 horas s 10 da manh.
9 Chamados a qualquer hora. >w
Fora os callos.
O nico remedio contra os callos o em-
plastro americano e que sobre todos tem
obtido os melhores resultados, altn de alie-
nar as dores cura-os radicalmente.
nico deposito na rharmacia America-
na, rua Duque de Caxias n. 57.
Attenco.
O abaixo assignado pede ao Sr. Joao Henri |ues
Pessoa o favor de vir enter.der-se com elle sobre
aquelle negocio (pie o mesmo nao ignora, sob
pena de ver por este jornal a especie do negocia
Marcos de A. Um:..
20#000.
Frecisa-se alugar urna escrava trae engomme
perfeitamentc bem, e faca o mais servico interno
de urna casa de pequea familia, composta de
duas pessoas, e de unia outra que cozmbe com
perfeieao : no largo do Paraizo n. 28, I" e 2' an-
dares.
$GP* De 10 luimos.
Sapotiseiros e sapotiros, e dahi para baxo. pi-
nheiras, freeta-pao, oiti-cor, ariticum-a-p, aba-
cate, laranja-cravo, flanbovant ou brilhante, pal-
meira imperial, roseii-:. d.- qualidade, aleennss
parreiras, eoracio da india, romeiras e outra,
lanas : na Capunga, roa da Ventura numero u.
Aluga-se
una casa em Santo Amaro das Salinas n. l.', era
3 quartos, 2 salas e copiar fr: quera pretender
dirija-se ao p da mesma. Adverte-se que a li-
nlia dos bonds passa na porta c que se "o raqui-
lino qtiizer bota-se o encanamento d'agna.
Aluga-se urna casa terrea com solio, na
rua das Graeas, na rapunga, com bastante cora-
modos : pessoa que quizer pode entender-se
com o tenente-coronel Francisco Carueiro, ou na
estrada da Ponte de Ueha, com o Sr. Jos de
Mattos.
C0KFRA8.
Chambo
Compra-se chumbo velho e estanlio, empeque-
nas e grandes porcoes : a rua Nova loja n. li, do
Azevedo.
Na fabriea de cerveja a rua do Rosario n.
6, compra-se laranjas da trra a 610 rs o cento .
Compra-se urna negrinha de l a 12 an-
nos : na rua do Bom Jess n. "7, outr'ora rua
da Cruz, no escriptorio de Antonio Luiz de ii-
veira Azevedo a C.
que iijsm ijt
nial._________________________
Chegou mais inauapolao ba-
rato para a Rosa Branca.
E' madapolo francez in:iito lin i, pocas do 20
varas, que ratea Mi. a l"sa Branca qne.ima a
74 ; tem :> palmos de largura Temos Jambei
urna peipiena poni de peras para i e ", Uun-
bem boa fazeuda.
Cortes de casemira a "itlOO
Vestido e chapn para baptisado por 1!.
Isto s na Rosa Branca, rua da impcratriz
n. 1,6.
Isto
sim.
Grosdenaples preto cora 5
palmos de largura a 5#!
V. na Rosa Branca que M vende esta Pechin-
ch.i, a rua da Iinpcratnz i. ."i6.
Chape
mas
a seda trancada a 12|000!!
Sao chapeos (pie si-mpre se venderam pi>r l6i,
..jas a Rosa Branca nekm a i ti. E' grande pe-
cliiucha na rua da ImperalrfB n. 56.
Lenc,os para meninos al|a
duzia
Na rua da Impcratriz n. ."iti, loja da Rosa Bran<-a
Cassas miudinhas a 320 rs.
E' fazomla boa e bonios padn'ies, e muito l.a-
rato ; na loja da Rosa Branca, rua da Iinperatru
ii. M.
ATTEXCVO
Vende se urna moliilia de iaea.-aiid.i macica. I
cama Irman, tudo obra muito l-oa, um piano i
armario, e outros mu los tras! et avaBM awni
como tambe vende-se a olcina, e garant.....a
casa, tudo por amen eanoMtfa : a tratar aa raa
estreita do Rosario n. 27.
\i\m;m.
Vende-se nma arela ptima ana^aanaaMnij la-
<*e de 18 anuos, e um \ iano '. > bun estado : ..
tratar na rua do Barao da Vjct ria n. 69.
Kilo lia mais cabellos
iiraiicos.
. ITURi JAPONEZA. .
Se nicaapprovada pelas acaihmias le
scieacias, rcconbeckla superior a toda que
tem apparecklo at hoje. Depostl i -i1.
pal A rua da Cadeia do Recite, tanja Mr-
quez de Olinda, d.51, 1." andar, e am
todas as botica e casas de nabatlei-
retro.
Cassas arariadas a 240 rs.
o covado.
O I'avo vende Bnissimas ra> cores cora os mais delicados p.tdroes, por lerfni
um pequeo loque de arara de agua doce,
barato preco do doze vintens o covado. E
cha : na loja do Pav3 i rua da I
6".
Compra-se urna carraca propria para boi,
ou mesmo cavallo : quem tiver e quizer vender
dirija-se rua do Mrquez de Ouda n. .*i mesma casa tambem se precisa de um feitor que
entenda de plantacoes.
VENDAS.
Na rua Imperial n. 127, tem 2 cachorros
grandes para vender, sendo proprios para quintal
ou sitio.
\< armazem de Joaquim Lopes
Machado C.
Travessa do Corpo Santo
N. 25.
Vapores locomoveis de forcae 2 a 4 cavallos.
Correias para machinas.
Polias de diversos tamaito?
Vaquetas para cobertos de carros.
Solas de lustra para gaarda lama
Ponas de lanc para carro.
Chicotes para carro.
Galoes largo e estreito para carro.
Pregos com cabeca de marfira, dem.
Terrenos.
Vende-se no sitio viveiro do Mnniz, sendo 7f0
palmos de frente coro 128 de fundos. Dirgir-se
rua das Plores n. 3. x
Vende-se tres csnas | |n ..-.
cada urna com I sal i iu frente e uuti
lar, i quarto bom,. izinlia (ra, r m ... i
quintal com algnns arvoreJ -. pi
do, que rende e pode r"!il" i: ;>
mais : a tratar Bataipnnaa, i u ib .. ira, ..
ligo porto do Laeerre n i. __
Culeca do m gosl.
Vende-se um. ralerj
ciuv.i ii ; -1 *
- que : ida 11 '-t i ,..
alguin. estando iitco i '
todo o esmero, forrad i seda a miri va
da, propria para qualquer pesson -t pai
particular ; qnem apn ndi i irij .-
Bom Jess, tutrora Cruz n. 15, que achara .
qnem tratar.
Casa a venda.
Vende-se a casa terrea cora liona cot i I
rua de Matiiias l-Vm ira. u. ':. era OHada a trat i
S rua do Cabuga n. I a de lra, 'i n>> n '.
a. I'i.'dro Novo -i11 Olinda, c n i ia > Conca
Feijlo crioulo.
Y rua la llaifrr Vende-se icijo preto, novo, ja denle ana i
bar to qae em parle alguua : a ees amigo:
bom e barato.
Grande liquidacao na loja
do Passo. rua Primeii )
de Marro (outr'ora Crespo
n. 7 A.)
Os proprietarios hojp. deste i-nportanti<-
tabetecntento tendo de orefoimar. vemlem ik:
todo preco as fazendas n dio existeatea, anan -
jam: popelinas de iindissiuias cores para vwliaV.
alpaca, ponle-^bovn a las de padn'n- a
Meadas, chapellinas de pallia e de iil de aaia,
chapeos, gorros para Srsa, c menina-
uhosde seda.diti s crocln't,r.>incira<. boruixix, ci.-
les de seda, ditos ae touqnim. ricas camisas pa;^
senhoras, balos, suas de i, cortes de eanabraias,
ditos de tailatana bordadjs, ditos de la. riqui: -
mas toalhas de cambraia de liithu bordadas lan-
o no centr > o emblema brasileo ou pafMflM
Btmbas, |lencos bordados, cidlerinhos e pm.i. -
de linlio para liomens, aravata* de seda para i
nhnras, homens e meninos, cauusinhas, gidliubat
e iiianguitos, vestuarios para baptisados. ditos de
cures para meninos e meninas, jaquetinbas de u
proprias para o invern, taina pratas, ditas de
cnts, chapeos de sol para homens e senhoras.
cintos de seda, C0QM8 e (uros i,mitos artigos
seria eufadonho mencionar, e qne se vonlem por
todo preco, veuhara com dinheiro trae conbecaro
a realidade.
Loja do Passo a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Vana-aa um negro de 36 annos de dad'
possante e ce boa conducta e q-iatro eserrw
um cabra de 18 annos de muit > bonita Hgi a
sadio, do servico decasa ; urna negrota de 15 an-
nos propria para moeamba de casa de familia x-r
ser recolhida e de boa conducta ; urna itegruv i
de 13 anu s rauito espertinha e j faz algum Mr*
vito de casa ; urna negra cozinheira e eogomro--
deira, com duas Hlhas urna de <0 annos da ilt
e outra de 8 annos rua de Hortas n. I IO.
Li
da
vros a ven
Aos Srs. acadmicos
Vende-se as seguintes obras de direito, h*ti,
e litteratura, por conuuodos precos :
Pardessus:Droit Commercia).
Villiaun: -Berolntion francalse.
Louiz Blanc :llistoire de dix anns.
Vattel : Droit des gens.
Ventura :l^e Pouvoir publie
Portera : -Cours de droit natnret.
Klulier if-Droit de gens.
Bogron : Cade deTommerce.
Nesta h-potrapaia acharao essaa obras
rem vendidas. ^^^^^
- Vende-se ua> maleque crioul coa I
de idade, boa figura, proprk para "criada, an-
peiro ou para qualquer servico : qnem pretender
dirija-se a casa n. 52 da rua do Itoapicio. da* *
m 6 horas da tarde.

_-w ?*


i
Diario de Pernambuco Domingo 13 de Abrir de 1873.
FNDIQO DO BOWMAN
RUADO BRM I. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS saobores de engaito e outros agricaltores, eem prega dores de m
chiaismo o favor de una visita a seu est;4)aleciak>ot, para veretn o Iiqvo sorlicaento
comiilet que abi tem; sevlo todo superior em qnalidade e lorlidie; o qog cam a ios
peccSo peasoal pode-se verificar. >
ESPECIAL ATTENCAOAO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQO
VftfinrAft A rnlie H'co*no do3 mais a*oleruus y*temas aop ta
VapOre3Q TOUdS a aga nanos convenientes pwa.asdlwraas
circomstancias dos senhores propietarios e para desGaroCr algodBo.
HffOfr'IldQ.S (\*l P^VITl^L ^ l0l*0S os ,amanQ03' as moloores qoe aqu
existem.
para mimaos, agua e vapor.
Bodas dentadas
Taifas de ferro fandido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fandos de alambiques.
Uackinismoo
"Bombas
para mandioca e algodao, I Podendo, todos
ep^ra serrar madeira. Fser movidos a aSo
/por agaa, vapor,
de patente, garantidas........ |ou aninaaes.
Todas as machinas e pecas de qae 8e C89toala precisar-
Fas qaalquor concert de maohismo' aPre* mai re8amid0-
"I?'ii,ittQtt o fjUlTA lein as memorea e m3'* baratas existentes no mer-
l?TfA'mmO!i(ii Inciimbe-se de mandar vir qnalquer mach'nismo von-
nutnufflvJl J-d3 lajt) dos clientes, leaibrando-lbes a vaniagende fazerpm
anas compras por intermedio de pessoa enteudida, e qoe em qnalqaer noce dada pode
Ibes prestar auxilio
Aradcs americanos eiastrDmen,O98griC0lM-
RA DO BRUM N. 52
passando' o chafariz
50
w
u^
aRa (lo Mrquez de Olinda 56 a
(oulr'ora ra da Cudria)
A DE MACHINAS
Sondo este antigo estubelecimentD assaz condecido como principal e rccommen-
'. pelos grandes depsitos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das
;''. mais acreditadas e verdadeiras machiuus americanas para ulgo-
i.":>. desde 10 is e melhorameutos para perfaito e rpido dcscarocamento ; tornam-se dignas de
serem vista e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qu.ies, alm disto, encontraro
tambcm mais :
Salsaparrilha Ayer.
NAO HA NOTICIA de otros remedios
que tantos otiu grandes beneficios hajam
i'eito aos doenles as ditTerentcs partea d
mundo._______________^_^__
Vasos de crystal para toillet.
loja da Aguia B anca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r ceben bonitas garrallnhas de crys-
tal em par com ranwgens deliradas e'mar pro-'
prias para arranjos de toilat, uto, |
Atinis e colaies elctricos
A loja d'aguia Uranra rua I)m|iit' de. Callas
n, 50, recrea nuva reracssa dos provanos agi-
nis e colares electrieos, e.continua a recebe-Mu
jnensalraente, polo >|ui swupre estar provid de
itaes objeetos. t
Diademas dourados
A Ioj d'aguaaranca ra Dwjuo oV fulas a.
B0, recebeu nuvaraeate banioa diademas doaraos
e enfeitados eom pedras e aljofares, obra do gua-
to e phantasia. Tambera, receben no vos grampos
pretos ou altlaetes cora nares para a caneca.
Leques com bouquets e tros chinezes.
A loja d'otrnia branca i rita Duque d Caxias
Apralos VAPOi'.KS LOGOMOVEIS, deforma
de -2l _> e '_> cavallos com todos porteabas
precisos liara trabalharem machinas para
algo lio, ou para outro qualquer mister.
Mari
unas para lavar roupa.
ralos americanos para varzea e ladea-
ra.
Carros fie mo para atierros.
Tinas do madfiras.
Balites de Ditos de ferro estanhado.
Ditos rom vlvula para lavatorios.
Ditos de madji.a para compras.
ijarJis.
Apparelhos para i
Guar !s comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarracbas para fazer parafuzos
Dita dita ditos de madeiras.
de forro.
Tornos de baudeijas linas.
Correntes para arrastar madeira.
C\ lindros americanos para padarias.
l'ertencas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Brea superior.
Moinhos de diversos fabricantes para mi-
lho c caf.
Debulbadores para milho.
Azeite de spermocete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japv.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Camos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Trens para coziuba.
Einfim muitos outros artigos, que s avista e ueste estabelecimento poderao
examinados.
Vende-se o sitio existente na travessa
dos-Remedios, freguezia dos Afogados, n.
21, boje beeco da travesssa dos Remedios ti.
1$ era cfaio proprio): quera o pretender en-
tenda-se com o seu proprietario na ra de
S. Francisco tiesta oidade n. 10, como quera
vai para a ra Bella.
Aos Srs. de engenho.
Devendo-si- mandar para o Rio de Janeiro o
saldo dos uteneios pru venientes da refina^o do
Monteiro. engaja so o senliures de engenho de
aproveitor esta aeaasiao para comprar barato
DleDCilios de primoira qnalidade, fabricados pelos
melhurea aut'ros.de Paria.
1. una mai-hina de Vacuuml de cobre com
odas as pt'rtencas.
2." ijuatro filtros grandes.
3." tres caldoiras para coziohar, a vapor, com
fundo doblado.
Isto
que
barato.
SO" O VIAXXA A' RIJA LARGA DO ROSARIO
NUMERO 21
12 carriteis de liaba por 400 rs.
3 grvalas pretas e de cores por 1.
1 bonito onfeite para senhora por U.
1 masso de pentes por i.
I peij-a de bico por 500 rs.
1 par de focos para senhora por i.
1 dito de dito de duraque para homem por 2J.
1 par de borzeguim francez para dito por S.
t peca de medapolo muito lino por 5f.
1 corte de casemira por 3.
I cobertor por 14200.
1 par de burzeguins para senhora por M.
i balo para senhora por 15.
Chitas a 2U0 e 240
n. 50, recebeu urna pequea tuantidade-4- ^
bonitos laques com bouquets e outnnhiteaei. : '
Gold creme para refrescar e'
amaeiar & pee
A lojad'aguia branca a rnaDuquo de Caxias
n. 50, recebeu od crema -dos a/amados- fabrican-
tes Lubin, Cegran e Copdtay.
Diaienias e grampos de
aqo.
A loja da Aftia bravea, i na. do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novamento bonitos diade-
mas e grai pos de ajo.
Bicos de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
seda pretos eom flores de cores, sobresahindo nel-
les o preto com encarnado, e todos mui^aroprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadino, ou inedina, e nutras fazendas transparen-
tes. Pela comniodidado dos pre.os esses bicos tor-
ham-se mai' commodo.s e pela novidade de gosto,
preferiveUa quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque* de Ca
xiaa n. 80, recebeu bonitos vos oa mantinhas
pretas de seda com flores, e ostras a imitacao de
croch, e vende-as pelos baratos pree.os de 3,
4* e OOO. A fazenda boa e est em perfeito
oslado, pelo que contina a ter prompta extrac-
qao.
Diademas e aderecos de ma-
>
dreperola.
A loja da Aguia branra ra do Duque de
Caxias n. 50, rerebeu urna pequea porrao de
diademas e aderemos de madreperola, obras de
apurado gosto.
Perfeita novidade.
Grampos com borbolctas, bezouros e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, ra do D.quo de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com her-
blelas, bezouros e gaanhotos, o que da cei to
perfeita novid de. A quanhdade pepuena, e
por isso em breve se acabar.
Novas gollinhas ornadas com
pelucia on arminho
A loja d'aguia branca ra Dmine de Caxias
- 50, recebeu urna pequea quantidade de boni-
s e novas gollinhas, trabalho de la e seda, en-
neitadas com amniuho, obras estas de muito gosto
e inteiramente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
Aloja da aguia branca, ruado Duque de
Caxias n. 50, recehea uovatnente bonitos -rain
pos, brincos e rozetas dourados ; assim cuino
novos diademas de ac, e como sempre coafl-
na a venda-Ios por procos razoaveis.
Caixinkas com pos dourados
e prateados, para eabelloe.
Vende-se na loja da Aguia Rranca ra do l)n-
ue de Caxias n. 50.
iUvas de pellica pretas c de
outras cores.
A laja da Aguia Branca, ra Duque de Ca-
xias n. 50. recebeu novo sortiniento de luvas de
pellica, pretas e de outras cores.
Xarope d'agrio do Para
Antigo e coiiceiuado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios,
como a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicado anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C, ra Larga do Bosario n. 34.
SEt^)t> tt;o."SUMlA h CIJ-KIDADE.
'OW>iinrs> com o uso
M
IHJECCO SHOST
. ^^Ijaica, liy,gieuica, radical einfailixal .ua. cu-
irai.ila&.gonurhi-a.s, llores brancas e limos de
toda espeeie,-'njeentH* ou> chrwnkas; e que
offereci; como garanta desahitares resultados
a contiiHiida pplii:j;ao^ue sempre com a
maior vaiittjgoi sfelein/eto della nos hos-
jpitaes dfl Pars.
nico deposito para o Brasil, Bartholomee
jd'G-, runCargado Bosario n. 3.
* fECBSfflA. *
Salsaparrilha Ayer.
Todas as enfermidades derivadas de
VICIO ou 1MPL1U2A DO SA.NGIE sao cu-
radas por ella. '
BICHAS DE HAIHBURGO
As mais recentes e memores.
Vendem-sc na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C, ra Larga dosario o Bn. 34.
Pede obter em pooco tempo com o oso do melhor dos licoreaa ainada
HESPERIDINA
Faz^oito ancos qae conbecido este precioso tnico, A difficl acbsr urna peaaoa
que, lando experimentado pesaoalmeole, Dio falle em seo favor, j como bom eatomaca
apetisador, tomando om calix della irrte* de jantar, oo coao facilitador da digest*
tomando-se depoia.
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ha om s tabHaote do BRASIL (a torra
especial das laraojas) qoe nio conbeca aa .propriedaes uedicutaea4a doorad* -frocta.
ora bem, a
Rival sera segundo.
Cheg'ram agtilhas para machinas, do fabii
Ciovver A Haker. Duzia por iOOO.
Lequ,s
Amaral, Nabato simo a elegante sortimento de leques de madrepe-
rola branca lavrada para noivss, queimada para
passeio, bailo?, etc. etc., de tartaruga lisos e lavra-
dos, de raariim lisos a larrados com seda, de
osso usos e lavrados e eom seda de todas as cures,
de sndalo bordadas a lantijolilas. a para meni-
nas : vende-so ao bazar victoria, ra do Barao da
Victoria n. 2. .
a 200 e 240 rs., madapolao a 900 e
.ita com serpentina de cobre, com 0 j SlS'oS^ ue #ZJ?Z
k o i t"i4.'j.- a o -i o 'ade do preco.
o. duas turbinas d<- Cail & C.
. duas caldeiras a vapor, de 7 metros de
comprimeuto, cada urna com 2 aiiuentadores.
7. una machina a vapor de 8 cavallos de
oro, da oliicina de C. Slarr & C.
8. urna machina para rafor assucar.
9." ifiou formas de urna arrolia e niela.
10. Quatro caldeiras para estufas.
11. um inontejus.
12. 12 r.Mnos, 30 torneiras de cobre e por-
cio grande de canes de cobre vindos. de Pars,
de diversos diamemetros.
CbamaniH sobre tudo a attencao para as tur-
binas, que ambas sero mais baratas do que urna
s das inglcza :. a tratar na ra do Sobo n. 35,
hoje Bario de S. Borja.
S'. B.-Os senhoes que desejarera parte mai*r,
podo so dar prazo para pgame-to.
Rap.
Ka venda u. 22 ra da Imperatriz
VEi)E-SE
1 libra de rap dea rea lina por 900 rs.
1 libra de rap superi r a^r 900 rs.
1 libra de rap ara preta por i-3000,
Bordadas a seda
Amaral, Nabuco 4 C. receberam da Europa
pelo ultimo vapor meias para senhora, de lio de
Escocia, brancas, abertas no peito do pe, e borda-
das a seda, o que se pode chajnar novidade, e
sao da ultima moda em Pars : vendem no bazar
victoria, ra do Baro da Victoria n 2.
MEIAS
Farinha de mandioca a 3$ o
Na ra
qnanto nao se acaba.
sacco.
da Madre de Dos n. 7 ; a Ua, em
Amaral, Nabuco & C. ven-
dem as seguintes qualidades
de meias de fio de Escocia:
Brancas, abertas no peito do p, e bordadas a
seda, para senhora, abertas, para meninas, cruas
e de cores para homem.
DE ALGODO.
Brancas e de cores para meninos, meninas, ho-
mens e senhoras.
DE LA
De cores para mininos, meninas horneas e se--
nhoras.
DE SEDA
Carmezim e rdxas para padres, capellis milita-
res, conegos e bispo.
No bazar Victoria, ra do Bario da Victoria
numero 1
TASS0IRMA0S4C.
Em seus armazens roa do Amorm
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por procos commodos :
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cirapnto Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarocar algodo.
Machinas de padaria,
Potassa da llussia era barril.
Phosphoros de cera.
Sag em garrafoes.
Sevadinha m parrafee.
Lentilhas em garrades.
Bhum da aJmaiea.
Vinho do Porto velho engarrafado. *
Vinho do Porto superior, di o.
Vinho de bordeaos, dito.
Vinho de Scherry.
Vmho da "adeira.
Potes coi., linguas e dobradas inglezas.
Licores finos sonidos. 4
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Barris com ropolbo em salmoura *
l'\lt\ \ (3 \lll Sll\ g
'<9 RiquissiiiEis basquinas e casni|uinhns Q
M de grosdenaples e g irgurio ricamente ffi
3" enfritadps e de muito gosto para Sras., ?S
9 a 12!, i5,18 e 20 ; mnitu barato. *
S Na ra do Crespo n. 10. q
Ainda fazendas baratas na
loja da America.
Brilhantina branca com flores assetinadas a 400
js. o catado, grande pecliincha.
Madapolao om pouco sujo a :i-S e 6 a peja.
Algade marca T largo a 5()0u a pe^a.
Adtreiu o preco!
Chales pretos de mirin bordados a retroz :
sao f randes e de boa qnalidade a 8.. um.
Grosdenaples de seda pura a 23*00 e 2J8O0
rs. o covado.
T tralo
Colxas grandes com lindas barras re cre>, a
4j500 para acabar : na ra do Calinga n. 10.
Casas para vender-se
Vende-se duas rasas terreas, sendo
urna na ra do Padre Floriano u 73. eom
sotao e muitos comniiMlos para familia, e
nina dita no buceo da Lama n. 48 : quem
quizer. dirija-se a ra da Cadaia do Bwite n. 60,
2o andar.
A Preililecla,
no empenlio de bem servir aos seus freguezes
ao publico em geral tem procurado prover-se do
que lia de uiellior e da ultima moda nos merca-
dos de Europa para cxpo-lo aqu venda, cer-
ros de que os seus artigos scriio bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
inerar alguns d'enlre elles, como sejain :
ALBOS, os mai ricos que tem vindo a este
mercado, com capas de madreperola,
tartaruga, marin, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e voltas proprias para luto ;
assim como, um bonito sortimento de
ditos de plaqu, obra lina e muito bem
- acabada.
BOTOES para pnaos, o que se pode desejar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, niarliui e osso.
BOLCAS de velludo, seda, pallia e chagrn, o que
ha de mais moderno e Indas.
BICOS de seda e de algodao, lauto branco como
preto, de variados desenbos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXIM1AS para costura, muito ricas e de di-
versos orin tos, eom msica o seui
ella.
COQUES a imilarao, o que pode liaver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, nesle genero a Predilecta apre-
se ta um grande e lindo sortimento
capaz de satisfazer os caprichos de
qualquer seulioia por mais exigente
que seja.
PORT-BOQUET de Budmpereta. niailim e sso,
este un obje*.-o indispensavel as se-
nlioras do bom tom, alim do aspirar
o aroma das llores sem o inconvenien-
te de iodoarein as luvas, ou mancha-
ran as delicad.as maos.
PENTES de tartaruga, de raartlm e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PEBFUMABiAS. E' sabido do puhUoo (jue a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumadas ue lino
ador dos mais afamados fabricantes,
Lubjii, l'iver, sociedade hygienica, Con-
dra Comes e Raphai.l, que in-
cumbido da esculla dos aromas mais
bem aceilos pela sociedade elegante
da Europa, e por tanto, acham-se na
possibilidadd de bum servir aos aman-
tes dos perfumee.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna ini-
mensidade de artigos, afun de nao mas-
sar aos leitoies e se pedo a benevo-
lencia do respeitavel publico em di-
rigir-se roa do i abtig n. 1 A, pa-
ra convcncei-se aode pode comprar
o que bom 6 barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas de tu de quiu cor, o
que lia de mais bello ueste genero.
VESTIMENTOS. Ricos vestimentas para meninos,
por baratsimo prefO.
FLORES. A Predilecta prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol.a ainda que nao es-
toja be;n repLcta de dinheiro.
FITAS. j bem sabido do publico que s na
Pretleela que poem encontrar um
grande sortimento de lilas de setiui,
tafei, velludo, linho e de algodao, por
eunimodo preco.
GRAMPOS de tartaruga, imitacao destes, pre-
tos e ('e cores, o que se podo desejar
de mais moderno o bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lacos e golinhas de bonitas cores, tam
bem tem um bom sortimento de gra
valas e retratas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para rnalos de sala.
Mei s du seda, de la e de algodao, pa-
ra senhora meninas e homem.
LEQUES. Ricos leques de madreperola, tartaruga,
marfim e do sso, os mais modernos e
por barato preco.
LUVAS de pellica, de seda e de algodao, para
homem e sonhora.
LIVROS para missa, a Predilecta aprsenla es-
colha do respeitavel publico um bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola. tartaruga, marfim, sso,
velludo e chagrn, por precos mui
razoaveis.
em seo estado natural tem om gosto ponco agradsvel, e o memo da Hexpendina M
sirte em reler soas boas propriedades, eo mesmo tenpo apretenta-la como
EXQUISITO LIGCrE
A HESPERIDINA orno INDUSTRIA NACIONAL nao ton nada qne nvjar *
melbores importaces europeas de catheguria sem ser gostosas, porm a Hesperdna a combiuagao perfeita do
AGRDAVEL E SADA7EL
Para prova de qoe om artigo no qual pde-se ter inieira confianca, por ut ptrt
e innocente, basta dizer-se que foi plenameote approvada aukiriaada paia
JUNTA DE HYGIENE
dr> Rio de Janeiro, permittndo sna Ihre elaaoracSo no imperio ; outr
MML FROTA
a acceitacao geral que teaiwn loVMl parta tdo aDretmMada. Em iHt.i esubo-
teceo se a primeira fabrica em Boenos-Ayras; effl 486 a segonda em Montevideo ; t
uo da da ebegada de S. SI. O IMPERADOR inangorou-se a. fabrica qce aciualmenu
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Parifico tem boa acceacio,
Unto qne rara a casa qoe considera completo seo aparador sem ama gartif de
mmmm
O bomem velho toma Hesperdna para obter
0 bomem doente toma Hesperdna para obter
O bomem dbil toma Hesperdna para obter
Nos bailes as donzePas e os mocos tomam a Hesperdna para obter boa cor
animacao dorante os loncos gyros da
BARROS JNIOR & C, roa do ViRano Tenorio n. 7, 1* andar, rec-beram sata
grande especifico, e vea-iem-no nos d.^positos seguintes:
Joaquina l'errera Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino Carnero, ra do Commereio.
Marcelino Jo6 Goncalves da Fonle, roa da Uadea a. 1.
Antonio Gomes Pires dr C, ra da Cadeia.
Antonio Gomes Pires oVC, caes 22 de Novembro.
Gomes de Irmo bottl da p^ssagem.
% Samuel Power Jolms-
m ton & U.
S^Rua
do
i
i
40
:^N
Apollo ii. ao e
Putea .-cente aoa seus Iregaata* que team
mudado o seu deposito d macein a v-
por, mofndas o laxas da mano :..-r"JitaJa
fabrica da LowMoor para roa do Apollo n.
38 a 10, onde sontinuara a ter o mesmo s..>r-
umeniD do eoscnnit).
>*'*i Paaem soanw tambem .,a leoia teitu um
r-T*- arrain ''"'" H fandijo gura!, pato qo po-
'-^-y dem nflflrecHr->t [>ara asnenur
'^ o)achioi>rno
m
CLF
f> pr
.-;ieut''s

- mermo itaran lo.
qua!>]uur
U U aVlifiiV UUilUj &
'.ari' s 1a fnniii,-:.> j."ral f.-.;-m Z?*-
Tt^bon ? t (gwnba e mais v
l).-v, jaa-jfiVwrtbeie<-i ; ama :usdi-
. brew > ra do Brnm, jua-
^^B^BPBbw bi.ods,
dlMW't co pfimp'ida'i.
i> int"ii)<>,< myita as ponoM "" |W -
r:i:u nt!l-r 1* -ei\\* ?er-'t;o> r datU-
rn;ri i- i ru : .ii-'::.. ni c-...- ('.cu Ir. Sa-
muel Pow*r Jihu^i'.n & ; a ra do Apol-
lo n. 38 e 18, iom ruoiii-
I lada i'.iini l|da jmn.n raienJar-s*.
Apparelbo ^ar^ fabricar assurir, ao fystMw.
vyj

WES
lmeos ayonuti tm P?rnami)U'-
Para crai^r ;;i ua Rgeripturiu
ON CENTP.EPIJH ,:.
~ tUOdlCSn (:Til.
. na do Aoollii a. 4t).

GRANDE L1IDAG0 NO BAMTE1R0
IX)
BAZAR NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
DE
Loareiico Pereira Meiides Gnimares
Formas de ferro. *
Folhas de Flandres.
Vidros para yira^a.
Estanhe em vergamha.
Chumbo emlencol.
Na ra do Mrquez' de
Olinda n. ,iu?mazem de Sit-
ia Barroca & JiThos. ., .
Novidade.
A Predilecta, na do Cafaug* n. 1 A, acaba
de rebeber pelo ultimo paquete- cheRade da Eu-
ropa, um bello sortimento de oorpiobos de cam-
raa bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantr.iia,
safas bordadas, ditas com ntremelos para senho-
ras, bonitas calcinitas de diversos tampadilhos
para meninas, ricas faehas de tuquini de edr,
;> tudo vende por barato prero.
aSEMIRA PRETA A 2?500 O CORTE.
Vende-se cortesde casemira preta para cal-
cas de homem a 29300, 49500, 59 e 69000.
PANNO PllKTO FINO A 29500.
Vende-se panno etifestado proprio para
calcas e palitts a 29500, 39, 49 e 59000 o
covndo.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se alpaca preta fina a 500 o 640 rs.
o covado.
CORTES DE BRI.M 19500.
Vende-se cortes de brim para calcas de
homem a 19500 e 29000.
CHITAS BARATAS A 240 RS.
Vende-se chitas 'rancezas largas, para
vestido a 240, -280, 320 e 300 rs. o covado.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita linas para cobertas a 280
rs. o covado.
MUSSELINA DE CORES A 400 RS.
Vende-se musselina linas, de cores para
vestidos a 400 rs. o covado.
FSTAO BRANCO A 320 RS.
Vende-se fusto branco para vestidos a
320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS FINAS A 360 RS.
Vende-se cassas de cores muito fines a 3G0
e 400 rs. o covado.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
Vende-se cambraia baptista para vestidos
de senhora a 400 rs. o covado.
COEiAS DE FLOTADA 2?500.
Vende-se coltas de fusto, de cores,
29500 cada urna.
COBERTORES DE PELLOS A 1J400.
Veiidi'-s cobertores de pellos e papados
a 19200 e 19400.
SALAS BRAMAS A 29000.
Vende-so saias brancas e de cures a 29600
e 29500.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toallias felpudas proprias pan
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAC.ENS A 39000.
Vende-se bolsas para viagens a 3T, 31 Ut
e 49000.
UENQOS BRANCOSA29000 A UTZIA.
Vende-se lencos braucos a 29000 a du-
zia.
GROSDENAPLES PRETO A 19800
Vende-se grosdetiaples preto para vestidos,
a 19800, 29, 29500, 39, 19000 c 59O00 o
covado.
MADAPOLAO FINO A 49000.
Vende-se pecas de madapolao. a 49000,
49500, 59, 69, 79000 e 89000.
ALGjODO A 49000.
Vende-se tecas de algodb l>om a 49,
49500, 59, e 69000.
ALGODAO ENTESTADO A 900 RS.
Vende-se algodao entestado a 900 re. o
I metro.
r
A' praca da Independencia n. i, chegou novo
remessa do mu to acreditado r-p Pinceza Ro-
cha, gass grosso, fino e amarellino, Paulo Cor-
Oeiro viajado e commum, princeza da Baha fino,
mio grosso e rolo, Meuron ara-preta e supe-
rior, rolo francez e princeza de l.istma vende-
era porejio e a retalao por precos muito resumi-
dos.
Vende-se feijao jnnlatinuii em saceos e a re-
talbo por menos preco do qdeem oatra qualquer
paite, na ra da Praia n. i.
Para tingir iustautaneamen-
te a barba e o cabello
ATTENCAO.
Vndese um excclleute sitio em lieberifee de
baixo, junlo_ a esta.ao do Fundi, mural aa
j frente e porlo de ferro, com nina bonita aam e
: pedia e cal. tendo 4 quartos, 2 salas e eaaiaaa
A UOOO o fraseo, em porco, 3 frascosloOO Kr"f 'T 3S0,Pa,mo* ,le rEen5e e *r* ***?*?'
Ai-i r\ i. p t V *auu*,sando de mata, com cxccllente cacimba *B afaa
uquou jJuarte irmao de beber assii" coinu ur'' oiiIr" cwmmi*
CabellMreiros, na ra da Imperatriz n 8 nri- P*linoS de rren ,e meMn" '"^"j1*^?
..-------m f*uii n. o., pn- MqUena casa de ta pa : quem pretender dir
ra de PeJro Affonso, antiga na da Praia,
mero 37.
mero andar.
Vende-se
Farinha de mandioea.
A melhor do merrado.
ter urna boa casa de vivencia P^ndo ^ VjB^t.G^m'; k**
todas as qualidades, e eicelfente "agim de t^'tStSt^SSStoT^'mS
bfeber; a tratar nesta typographia. ., na,rua Urga do Rosario, venda n..
Um sitio na cidaile de Olinda, alm do'
la para grande
familia, tem muitos arvoredos defructos de
/
I


Diario de Bernarabuco Domiiigo 13 de Abvll de 1873.

*
"
|
i
FABRICA Or MACHINAS"
A' m do iliirdD di Trioplio (ra A\\m) ns. 100a 104
CARDOSO l IRMO
AV1SAM aos Srs. de engenhos e ao publico em gcnal, que tcem recebido da Europa
grande sortimento de ferragens para engenhos e para lavoura.e quaesquer outros usos
e Clisteres da industria agrcola, o que tudo vendem por precos razoaveis.
'OPIliaS para aSSUCar pintadas egalvanisadas, de diversos taraanhos.
VlDOreS horisontaes e verticacs j bem conhecidos nesta provincia e fra dclla, os
" melhores que teem vindo a este mercado.
J\iOendaS completas de diversos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
MelftS mOendaS para assentar cm grades de madeira.
laixaS (le ierro de ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
RodaS U agua de diversos tamanhos.
lOdaS aeiltadaS de diversos tamanhos equalidades.
OoilcertOS concerlam com promptidao qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOnimeildaS ^an^am v'r Por encommenda da Europa, qualquer r> achinismo,
para o que se correspondem com urna respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores cngenheiros de Inglaterra; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsubilisam pelo bom trabalho das mesinas.
Ra do Baro do Triumpho ns. 101, 102 e 104
F N D I f, A O DE CARDOSO 1RM6
MIUDEZAS.
Soares l.citc & Irmos, com loja de miudezas e.perfumarias ra do Baro da Vic
loria n. 28, podcm muita attencao para os precos abaixo especilicados, a saber:
Sapatos de tapate para homens esenhoras
a 12200.
Aliotoaduras para collete a 200 e 320 rs.
dem i T,il!i,'rescabcde viado (imitaco) a3*>000
a diizia.
Caixa de linha branca oom 40 novellos a
500 rs.
Mena dem de marca a 240 rs.
Maco de lita chiueza a 1^000.
PERFUMARLAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 15200.
Idm dem kananga do Japo a L$300.
dem i.lem divina a 15000 e 15200.
dem dem Magdalena (novidade) a 15500.
Garrafa com agua de colonia a 500 rs.,
15000, 2-?000, 4-^000 e 75000.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
35500.
Duzia de saboneUsJde amendoa a 25500
e 35C00.
MIUDEZAS,
T.ivros ihira notas a 320 e 400 rs.
Redes nfoitadas a 15400.
Resma de papel pautado e liso a 25C00,
25800, 35500, 45000 e 65000.
Caixa de papel amisade a G00 rs.
dem dem dem beira dourada a 800 rs.
Caixa de envelopes forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Caixa de pennas Perry a 800 rs.
dem idem a 400 rs.
PERFUMARAS.
Sabonetes de anjinho transparentes a
25200.
Duzia de sabonetes com flores a 15500.
SahonetesCilvcerim transparentes 15000.
Lindas c elegantes caixinhas de madeira
Esmerald
o fiasco.
MIUDEZAS.
Macos de trancas de caracol branca, a
400 rs.
dem idem lisas a 200 rs.
Duzia le ecas de cordo imperial
S20 rs.
Cuzia de cachimbos pe de gallinha
45500.
dem dem de madeira com tampa
35600.
dem com tnico oriental de kemp a 15000 com perfumaras do autor E. Cudray proprias
para presentes, assim como de palha e pape-
lo.
MODAS E MIUDEZAS.
Indispensavois ie couro da Russia para
| senhoras a 105000.
a i Leques para senhoras a 25000, 45000 e
i 75000.
a Vara de fita escoseza larga (novidade) a
i 45000.
a Lamparinas gaz a 15000.
Groza de botes de osso para calca a
Duzia ile collarinhos bordados para bo- 200 rs.
mem a 85000.
Mem idem lisos a 65000.
PERFUMARAS.
Frasco de oleo Oiza verdadeiro a 15000.
Idem idem antique muito b un a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 15, 15500 e
35000.
Caixa de pus para dentes a 200 rs.
Grinaldas para casamento a 25 e 55000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 35600.
dem idem beira lisas a 25500.
Garrafa de tinta mxa extra-tina a 15000.
Pecas de lita de velludo de todas as cores,
dem idem de sarja de todas as cores
' e larguras.
dem idem de pos chinez, muito bom, a Sapatos de tranca, tapete, casimira e char-
500 rs. e 15000. lote.
Maro de sabonetes inglezes muito supe-. Chapeos para senhoras e meninas,
riores a 600 rs. i Luvas de pellica muito frescas a 25500.
de moldura dourada de todos os tamanhos, tocadores de quadro, caixa e zii;co, e muitas
miudezas que seria longo mencionar.
28 Rna do Baro da Victoria 28
Arados para lavrar a trra.
Carrinhos de nio.
T-amas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para fi
Fogoes de ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarocar algodao.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balancas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES & C,
RA DO BOM JESU6 N. 4.
Aderen de bri-
lhantes, esmeraldas
rnbins e perolas,
voltasde perolas.
t~.-x-.i_i0
Obras de ouro e
prata de todas as
qualidades.
N0A LOJA DE JOIAS
N. 2 ARa do Cabug& 2 A
DE
BARROS Ck I EE IIO
Achando-^e completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisicao de
joias as mais modernas vindas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidara ao respeitavel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e-comprar urna joia de gosto por
proco razcave.
Libras sterlinas.
f-fic-se no armaiem de fazmdas de Augusto
F. de Oliweira? & C, a ra do Commercion. 42.
Fio de atondao~dTllama e calaLSb, re-
teclemente chegado : ha para vender no es-
criptorio de Joaijoim Jo Goncalves Beltrao 2 Fi-
Ifao. ra do (emnwrcio n. 5.
Vende-se
nina casa terrea nova, com duasaala*, tres triar-
los, corintia, externa, quintal morado e cacimba:
na ra de S. Joo n. 77 : a traUt.no arauuem
s. 07, ra Nova de Santa Rita.
Panno de algodo da Baha
da fabrica Todos os San-
tos.
Teem para vender no escriptonc Joaquim Jos
Goncalves Beltrao & Filho, roa do commercio
|n. S.__________________________________
Por 45se urna pre-
ta de 40 annos, cozinba 9 uva bem, nao tem vi-
cios aJguur Uuira escrava do 46 anuos, bonita
figura por 8t)df. sao Uratibsimii, na roa do Hur-
tas, tavernas. 41.
a
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante sortimento de joias de
ouro, do melhor gosto e qualidade que tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pinturas linas, aderwcos e meios aderecos com podras fi-
nas, etc., etc.
Relogios de ouro, de differ.entes gestos e qualidedes, para: homens e senhoras, desde o
preco de 40700 at 300-7000, sendo estes ltimos de machinismo luats aperfeicoado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata de 16-?0t)0 e 405000.
UA DO CAHUG N. 6
M0RERA UARTE& C.
1A LOJA BOM PASTOR 1
MECEBEU p
Apparclhos de mesa de C. Christofle de Paris, fabricante de ^-,3^
plaqueo mais acreditado na Europa, tanto na qualidade como a."A '
na riqueza dos seus modelos.
Eaqueiros em caixa, colheres em duzia, aparelhos de cha,
bandejas de todo tamanho, gallieiteiros, serpentinas, castigaos,
saleiras, farinheiros.ctc, etc.
Recebeu tambem
Grande sotimento de quadros muitos ricos, com as estam-
pas, as mais bellas vindas nesta praca.
Recebe encommenda para o Porto, I.yon e Paris.
Ealita denrRainfutdsparaigi'ejas, e iaiagens
Fazendas em HquidaQo
GREM1MMS
K 60 Ra da Imperatriz N. 60
DE
PEREIRA DA SILVA & C.
Tendo o proprietario deste importante estabelecimento, grande vontade de liquidar
todas as fazendas que tem em ser, tem resol vido vende-las por precos tnuite mais baratos do
que se vendem era oatra qualquer parte, com o lim de apurar dinheiro, razio por que con-
vida o respeitavel publico a vir sortir-se, nao s de um avultado sortimento de fazendas ap
lei, como tambem de grande ortimento de fazendas finas e dos mais apurados gostos.
E previne que s vende a dinheiro i vista, por estar cm liquidaco.
lOFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO-
COM LISTRAS DE SEDA A 800 RS.0 C0YAD0 ( Neste grande e-t^elecimeoto eD.-noirara
0 Pavo recebeu um elegante sortimento o r-so-it-^fi pubat. un bem flotada HB-
das mais lindas grenadioes pretas com listras cia de alfaialf, on<>e m n^anl necwar
de seda de cor, tendo entro ellas comli rota propria para luto, que vende pelo ba- como para meninos, coto a uwor prei-
ratissimo preco de 800 ris o covado ; assim tesa e nerfeiclo assim como pira qoakfMr
como dita muito fina com hstra encarnada, lato qoede repente anparera, tendo -
que vende a 1SH)00 ris o covado. Esta ma ofcina om perito'cfficiaI destinad pra
fazenda veio pelo paquete chegado ultima- farla dos Ilm. Srs. 'fficiaea d gi'ird De-
mente da Europa, e liquida-se na loja do ciood oo tropa de linha. wr.do rsla oflRriM
Pavo ra da Imperatriz n. 60. dnicida p-lo hbil zniMa Pedro Cele-;tL3
CAMBRAIS ABKRTAS PARA VESTIDOS A Soares de ti*****
9>000 e 105000 RS. i ESPAKTILH!).> A 35000.
0 Pavo recebeu um elegante sortimento O P\h> l?tn utn ijran* MrHpeato dd
das mais finas ca.nluaias brancis, ahertas e esiartiloo, tanto tan scnb'.ira ewm para
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- roecina, ql> vend.. pe lo ba-ajo preco
ratissimo precos de 9?, e 105000 rs. o 35U0O. Diiism.iilo Im > M0 .ti t S|j(.',
corte, tendo bastante fazenda.E'.pechincha, sao do-. i mojara o/k- tem \ido a
na loja do Pavao ama da lmperatris n. 60. mercado
LASINHAS BORDADAS A 400 RS.
O COVADO.
O Pavo recebeu u;n
das mas lindas lsinhas transparentes com
elegante sortimento
CHiT.VS A flO RS.
CHITAS iiO RS.
CHITAS A IM I.>.
0 P^vSii venle cbitM raaraSM ; >t>ris
(lorzinbas bordadas, tendo de todas as cores' pS-* venido, ma4 uiuiti. b la u la. (.>
inclusive rosa propria para viuva, e vende [ padres ebro h caca o. ..-o aaraM pnf
pelo baratissimo preoo de 400 rs. o covado. | de 210 rs a cvala, por itr um tm i*-
E' pechincha na loja do Pavo a ra da Im- qU.. d mofi: pi*cfcita)f.
peratriz n. 60. LIQUIDABA') DE CALQ^S DE C\SE.MIKA
C.RENADI.NES A GiO RS.
0 Pavao recebeu um elegante
0 COVADO.
sortimento
O Pov.i i.iii un ^raf;Je xori'iiifiito %
Satca de ci.-eunra 'le todas as c es toa-
das mais lindas grenadines pretas com listras hd^des, para Uhmm o. ,.rc e laMajaBta
hrancas e de cores, sendo muito boa quali-lmui^ li^uidi-las, resoiveu aalMH por
dade, e vende pelo baratissimo preco de 5G0 m preco icalo em watt, para diminuir a
COSTURA DE HOWE
bis wiras
IE, IRMAOS
Ra do Baro da Victoria n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
?a exposico de Paris, era 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
cao da Legio de. Honra, por secan as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de euro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na exposico de Londres acreditaba
estas machinas.
^JT^>.>352g^v i i=
A 90S000
Cabe-nos o derer de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta cidade ra do Battao da'Victorra n. 28, um deposito e agencia
geral, para om Pernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeico de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesma qualidade do linha que qualquer outra,
e pela introdueco dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer .ao exame publico as melhores machinas do mundo.
^5 vantagens destas maMias sao as seguintes:
Primeira.0 publico sabe que ellas sao- duradoirras,.para isto prora iucontestavel, a
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mo.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranco.
Terceira.Ha nellas menor nceo entre asidiversas pecas, e meos rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Formam o ponto como 6era feito mo.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao consegu
as outras.
Sexta.Fazem ponte miudo eracasemira,a1ave6and, o i* urna outro lado,
e logo era seguida, sem raodificar-se a tensa da liaba,, coaem a fazenda mais
fina.
Stima.0 compressr levantado com majar facilidade, qoaiulo se tem de mudar
de agulha ao coraacar nova costura.
Oitaya. Muitas companmas de machinas de-costura, tem tido*pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao haje^uasidescoaheeidas, outras soffreram
mudancas radicaes parapoderem substituir : entretantoa companhia das. m*chiuas de Howe
adoptando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes nwchanioas, tem constantemente
augmentado o.seu fabrico, e boje ne attende- a.procura^ posto.que fejfa 600 machinas
por dia.
Cada machina acompauhalivretos com instroeges em portuguez.
Ra do Barao ^Tlctaria,, el 2:8.
Lindos vestidos a 5$o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e de peroaiia eem barra e de daus
saias, acompanhados dos competentes figurinos a cada corte. Vendem na rua^fri-
meiro de Marco (antiga do Crespo) n. 18, leja das cekimnas de Antonio Correa do Vas-
cellos. <
rs. o covado. E'pechincha na loja do Pa-
vo a ruada Imperatriz n. 60.
COBERTAS DE FUSTO ACOLXOADAS A
43000 RS.
0 Pavo recebeu um grande sortimento
de cobertas grandes de fusto, acolxoadas,
guarnecidas com franja em voha, tendo bran-
cas e de todas as cores, e vende pelo baratissi-
mo preco de 45, rs. E' pechincha na loja
lo Pavo a ra da Imperatriz n. 00.
Cortes de cAmbraiu. uhinaa no-
vidade, a 7?OO0.
O Pavo recebeu pelo ultimo vapor de
Europa cortes de cambraia branca com ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
suficiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva bara-
teza, tornam-se recommendaveis as senhoras
de bom gosto. Bazar do Pavo, ra da
Emperatriz n. 60.
LENCOS A 23*400 A DUZIA.
O Pavo tem urna grando porco de len-
cos brancos com barra de cor, muito bonitos
e boa qualidade, que vende por 2400 por
ter grande porco,
Ditos todos brancos abainhados muito fi-
nos a 2J?800.
Ditos chinezos com barra de cor, muito fi-
nos a 39500. E' grande pechincka, na loja
do Pari.
LENQO'I'SDE BR\MANTE.
O Pavao vende lences de br?mante mni-
le grandes, sendo de um panno s, pelo ua-
rausimo preco de 24400 cada om.
MADAPOLES.
Pejas de madapol.-i francez muito fino
:e>ro 0 jardas a 5o5(X. e t;000.
Ditos cem 24 jardas omito superior a
500 e 74B6U
Dito inglez fazeoda rnnito 6na 5J0O0,
55000 e 65500 at i (,5000.
Ditos francezes e inglezes omito fiaos de
W> ardas para difirenos precos.
ALGOD0ZINH0.
O Pavo vende por preco omito barato
p$as de algodozinbn americano moito
oom com 18 jardas 40OCK'.
Dito com 24 jardas a 45500 e 5,5000
t 6*000.
Dito largo marca T muito encornado a
000.
ALGODO ENFESTAD0.
0 Pavo vende o verdadeiro e superior
ilgodoziobo de daas largaras para lences,
iea3o muito encorpado l|f*06 cada vara.
Dito trancado da mesma largnra 1 CORTES DE CHITAS A 2,5400 E 23880.
0 Pavo vende cortes de rhitas francezas
inas, com 10 covados pelo diminnto prego
ie 2,5iC0 cada corte.
Ditas com 12 covados pelo preco de
M880 cada corte.
PARA A QUARESMA.
Tunieas.
0 Pavo recebeu as mais modernas tni-
cas de sedapreta, ricamente enfeitadas, que
vende a 40?j e 60JJ00 cada urna.
CASAQUINHOS.
Modernos casaquinhosde grosdenaplejpro-
to muito bem enfeitados, a 163W00 e
20?000.
VEOS.
Ricos veos de seda preta, sendo bastante
grandes, a 103J000 cada um.
GROSPRETO.
Grosdenaples muito encorpado com 5
palmos de largura, a 65000 o covado.
Dho com 4 palmos muito encorpado a
45800 o covado.
Dito com largula regular, a 49000 o co
vado.
Dito dito a 15600, 25000, 2580O e 35000
o covado.
Tudo isto pecbmcha na loja do Pavo
ra da Imperatriz n. 60.
ALPACAS LAVRADAS A 640 RS.
0 COVADO.
Chegou para a loja do Pavao um elegante
surtimeoto das mais bonitas alpacas de cores
avradas, sendo as coras mais modernas tetm vindo para vestidos, e veade-6e pelo ba-
ratissimo preoo de 640 rs, o covado. E'
pechincha na loja do Pavo.a ruada Impe-
ratriz n. 60,
LAS MODERNAS
0 Pavo vende um bonito sortimento de
lsinhas listradas, sendo da* mais modernas
que tem vindo ao meroado, pelo baratissimo
preco de 560 e 600 rs. o covado. E' pe-
chincha na loja do PajtftAf & Impera-
irk'n, 06.
grande porcia.
CASSAS FRASCEZAi.
O Pavo vende bonitas cassas franceas
com bonitos padres, e de muita phantasu
pelo baratissimo preco de 240 c 280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito m.usdiiihi-
ro, grande pechincha, na loja du Pavo.
BOLR.NL'S A 16C000.
0 Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournusdos mais lindos gusto> que
at hoje sao conhecidos, e em relaro i ei-
cessivabarateza,convdam-se as Exmas. Sras.
para as verem, para assim admirarem o que
ha de mais novidade msie artigo.
CORTES DE CAMBRA!A A 65000.
0 Pavao vende cortes de com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
preco de 65000, por aer grande pcchinetia.
Ditos muito fin-'s com babadinhos brancos
bordados a 85000.
Ditos ditos com listas de cores a 450 ,'0 e
55000.
Ditos de cambraia branca com 20 netrot
debabadinhosde cnssa 95J00. E" gra:.de
pechincha na loja do Pavo.
BKAMtNTLS KA KA LENOO'ES.
0 Pavo vende superior hraaMi <' godo tendj 0 p. Irnos de lfaTi que s
percisa de 1 '/i vara para um lencoi, me-
tro Ii5600 e a vara 1i5MO0.
Dito de linho puro sepener muito n ar-
pado com a mesma largura a vara iiiOO.
Ditos francezes muito finos a 2&30J e
30000.
Peca de HaawWfgo e panno da linho coa
20 e 30 varas, para latfai os preces a
qaalidade.
Pecas de bretanha de pr.rn lUih >. te^iO
30 j'rdas pelos precos mais tralo JM M
tem vito.
Pechincha de fir.issimo esg;io su. .u:a
com 6 jardas i 7,5 00
Peca de finissimo ceUna com 10 jardal
a 2&&X), atoalhado adamasca^',) c : lp -
mes de largura a vara 2 < t)
C\LCASDE CASEMlia.
0 Pavo tem um graue aortamaM 9
calca de casemira, assim come cort t os
mais modernos que tem vindo nos BiUso
flnrins e em fazenda das mis finas ii
novas ao mercado, e vende se por bartM
preco para apurar dioneiro assim eoaj
as de bnm branco e de cr-s por 4
tntiito razoaveis para aunar.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANfiLL S
A <'500, 8(5000 E 10*00 .
0 Pavo tem um grande sortmiento 4
cortinados para cama e jaotllas, q>>r *et-
depeio barati preco de 76500; 8^*0 V e
105000 o par, tendo al por 185000. ;-.a
cmo colchas de daau>co para caoi* e
noivus, e graude sortimento de tapc'c tac-
to para icadeiras como para ornas, pianos
portas, etc., indo vende por precos raioa-
els.
CAMBRA1AS.
O Pavio vende cortes de cambraia :: as-
paren te propria para vestidos a 25500 e
350 0.
Pe^a de dita moito fina com 10 jardas
tanto tapada como transparente a 45000,
55000 e 65000 at a mais fina que vea
ao mercado.
Botinas
para senhoras, a 64000, na
loja do pavao.
Pereira da Sirva & C. rooebenan pelo ultimo
vapor de Europa, um elegante ortteato 4e bo-
tinas pretas o cora delicados eaNtas da eflires,
proprias para senhoras, garantindo-aj ja 4a<
mais maderaas qne ha no mercado ; miai ombo
a boa qualidade por taran sido rrailtlai pur
um dos melhores fabricantes de Paria, e vendem
se pelo barato preco de 6*000 : na toja do !--
vio, ra da imperatriz n. 00.
CHAPEOS PARA SENHORA A 19XM RS.
0 Pavo recebeu um elegante sortnento
dos mais modernos chapeos de pala, rica-
mente enfeitados, para senhora, oom os asas
omoetentes veos, e vende pelo baratissiav.
preco de 125POOO rs. E' pacbisteha na leja
lo Pavio a ruada Imperatnzn^M'.
0 Pavo recebeu pelo atino vapor, am
lindo sortimento de romeiras pretas w fi
com salpicos, com lindos onfoitos presos t a
cores, e vende pelo barato preoo ie >N#t
cada um, por ter gnnde por^ao.
Ditos todos de seda ricamente eonHaios a
49000.
-^ i


8
Diario de Pernambuco Domingo 13 de Abril de 1873.
jubispsmcia.
i
7
COPIA. Julzado le lireito da
comarca do Crato.
Continuago.
Recurso ex-officio. Missao Velha. Vis-
tos estes autos etc. Tomo conliecimento
do recurso ex-officio. interposto peta juiz
da culpa, para o fin de considerar ao reo
.los Joaquim Galva >, um dos autores da
morte do infeliz Domingos Guodes do Es-
pirito-Santo, incurso as penas do art, 193
do CoJ. Cr. e mais as penas do dito art.
combinarlo com o art. 34 do mesilla Cod.,
pelo tiro que disparou e:n Manoel Paulo de
Mourae por isso o sujeito prisoe livramcn
to, bom como consideroaosreos Paulino Ben-
to Galvao, Franklin Galvao Joaquim Rodri-
gues Ronzan e Antonio Rodrigues, cmpli-
ces em ditos enmes, e como taes incursos
duplicadamente as penas do art. 193,
combinado com o art. 35 do j menciona-
do Cod. e os sujeito priso e livramaato.
Attendendo que, alm desses crini s fo-
rano forillos gravemente Antonio Temoiheo
e O referid Manuel Paulo de Moma, que,
alm do tiro, solfreu dous outros fermen-
tos gra vos, considero ausj ditus reos Pau-
lino Bi'iito Galvao, Franklin Galva Joa-
'iuim Rodrigues Bonzo e Antoui > Rodri-
-tu !>s autores tt Cmplices recprocos uestes
crim "s* os Pron,,nc' incursos as penas do
art 20 "'' "^" ''' como autores, e, como
comolicb nas l)C'n'ls':'" mesmo art. combinado
com J art .'''''" ^''!l' l't"' ')LMn ;,ss'in conside-
ro o ru Jos Joaquim Galrio, cumplices em
taes feamente* Moqueo pr.-nuucio mais
incurso duplica, lj.'m:"1" nas Peaas do *rt-
205 com o art. 3. -Ia mencionados, ea to-
dos obligo so paga.m 'nt?(las custas- ^l!a'1-
to aos demais reos os,,, 8f culpa, pas-
sande o escrivo airar ,,c favor
dos que estao presos, r*. '""'"dando OS
reos que ficam pronunciados, na P"S4o em
que se aeham, lanzndoos no."ne*oetoaos,
os considerad js criminosos no r.0' ('os ''lH"
pados ; sendo que ordeno sejaui 'XpedldoS
mandados, em duplicata, para a pru. a" os
reos, que nao estiverem recolbi-dos r. Varificando-se destes autos que as prisas
Jos reos oram procedidas sem as formali-
dades legaes, que o sappleute
do delegado
quisitoria se constar achar-se elle em ou
termo. Crato, 11 de maio de 1873.
Recurso ev-officio. Crato. Visto estes
autos, etc. Nao cabendo ao promotor publi-
co denunciar, por crime de ferimentos leves,
nao tendo o deli.iquente sido preso em
flagraute, e meno* queixar-se por parte do
offendido, quando este escravo, como
succode no presente caso, por isso que, ai
senbor confere a lei o direito de usar da
faculdade concedida palo art. 72 do Cod.
Proc. Cr., pelo que nao devia ter sido
cceita a denuncia a fl. Tomando, pois,
conliecimento do recurso ex-officio, confir-
mo o despacho roe trrido, que julgou impro-
cedente o presente summario, pagas as cus-
tas pela cmara municipal. Crato, 13 de
maio de 1872.
Recurso ex-officio. Crato. Vistos estes
autos, etc. Verificado como se aclia destes
autos pelos dep imentos das testemuiihas,
fura a r Maria Chauna autora dos ferimen-
t >s con.-,: tntes do auto de corpo de delicio,
Caitos na ,iessoa da offoudida Miuervina de
Oliveira Santa, e que tos ferimentos causa-
ram na mesma offendida grave incommodo
de saule e inhabilitagao do servido por mais
de um mez, examede sanidede a II. ; con-
firme o despacho recarrido, pelo qual foi
dita r Maria Chauna, considerada incursa
nas penas do art. 203 do Cod. Cr. e sujeita
prisa i e livramento : para o que devia
o juiz da culpa ter ordenad a expedicao
do competente mandado em duplicata;
pois o recurso ex-officio nao suspende a
priso decretada no despacho recorrido;
2* pt. t art. 17 da lein, 2033 de 20 de
setembro de 1871 e 2' art. 55 do l)ec.
n. 4,8-2i de -li. de novombro da mesmo
anuo.
O escrivo lanceo uome da r no rol
Jos culpados, pagas pela mesina as custas,
Crato, 13 de maio
do termo da culpa e;n excrcicio, Joo
.Marinho Falco, proceden contra lei expre-
sa, instaurando culpa em crime commum,
visto quanto dispon a lei n. 2033 Je 2) de
setembro do anuo passado, publicada nesta
comarca a -1 de Janeiro, sendo que nos
juramentos dos corpos le delicto a il. e
II., ordenou fossem os mesmos entre-
gues ;is paites, nao constando desso pro-
cesso fossem taes autos procedid s, que na
ex-officio, cabendo :io oso a ntorvenco do
promotor publico, ao (pial eumpria denun-
ciar dos factOS criminosos, constantes dos
nos autos e dar queixa pelos outros
criuius, venicada a iraposslbilidade legal de
os offendidos nao poderem por si mesmos
pro-nover a punirn de seus '(Tensores.
^iado, portante, ao escrivo lo feito que,
extrahiii'lo copia dos autos de corpos de de-
lictodcil. e fl. m'os aprsente, bem com)
certifiquen! quem requeren ditos autos de
: i is de delictos, por ordem de quem fo-
ram re libidos a caduia os reos qualificados
afl. e II., se para isso foram expedidos OS
competentes manda ios em duplicata ; e,
no casi sffirmativo, porque n&e f i junto a
este procesin exemplarde cada manda-
do. Constando deste processo que o r i
Antonio-i aquim Galv pronunciado pe"
desi ichn recorrido, e menor de 21 anuos,
auto de quolificac- a fl., sem que houvesse
sido a companhado de curador, mando ao
juiz da culpa que e que lora o mesmo
processado em virtude da denuncia a
fl. a reinstaure contra dito Antonio
Joaquim, dando previamente cur.idor
ao mesmo, atim de poder ser proces-
sado, como um dos autores da morte de
Domingos Guedcs, e cmplice da tentativa
de homicidio contra Manuel Paulo e dos te
rimemos graves que sofferam os offendidoi,
dito Manoel Paulo e Antonio Themoteo, o
em que a condemno.
de 187-2.
Recurso ev-officio. Missao Velha. Visz
tos estes autos, etc. Tomo conliecimento
do presente recurso, para considerar os reos
Paulino Garrea de Araujo, Francisco Gon-
galvcs Cavalcante e Absalo Goncalves Ca-
bleante, incursos nas penas do art. 111,
combinado com u art. 3i ambos do Cod.
Cr., porque no dia 2i de man0 deste an-
ii' se reunirarn com outros, em numero
supcri'.r a vinte pessoas, parte das quaes
armada?, para o fim de privarem do exen i-
cio de seoemprega ai delegado dy termo
de .Missao Velha, O alferes Joaquim Ribeiro
de Menezes, nomeado competentemente :
manifestando dit s reos, por actos exterio-
res e principio de cxeeuyo, que nao te ve
effeito por circumstaucsas imlependentes de
suas vootades, era (sse o lim que elles
leodiam ;, o que como dito fica, nao feva-
ram a effeito, pelo que reformo o despacho
recorrido.
F. ooDstandu destes autos pe Joaquim
Goncalves Cavalcante, Manoel Roberto Gar-
rea e Alderardo IJaptista Pureiru tomarao
parte igual e activa nos factos criminosos,
praticados pelos referidos reos, acerca do
que depozeram precisamente ajMS todas
as testemuobas, os pronuncio incurso nas-
penas do art. 111, combinado son o 84r
cima citados, e a todos considero sujuitos a-
priso e livramento ; pagas as cuelas pelos-
mesmos reos, a que os condemno-.
O escrivo lance o nome dos reos no rol
dos culpados, eordeno sejam expedidos os
competentes mandados de priso em du-
plicata, e com a nocessaria reserva, atim de
que nao fique burlada a aeco da. justica
lio inslitamente aggravada. Cratc, 13 de
moia de 872.
2!). recurso de habeas-corpus ; paciente
Andrelino Jos de barros. Vistos estes au-
tos dos quaes consta haver sido o paciente
preso, porach'ar-se indiciado em crime ina-
liancavel no termo do Triumpho, segundo noel Alexandre Go*^alves e outros ; crimes
consta da copia do ollicio do subdelegado- art. 201 e 205 do. Cod Cr. No da 1 de
da Baixa Verde a II, datado de 8 de- outu- fevereiro deste anuo* foi.espancado bariwmv
brodoanno passado, quando aiuda nao mente, enurna das ras desta cidade, um
rid<
e bem
culpa contra Antonio Jos, pelo facto de ha-
ver o mesmo dado tiros nas estradas e em
um cao de certa mulher, o que consta da
parte do inspector de quarteiro, de Santa
Thereza, sem caber no caso procedimento
criminal ex-officio; pelo que nao podia o
denunciado, no carcter de autoridade po-
licial, ordenar a instauraco da culpa e for-
mar esta contra Vntonio Jos ; por quanto
j estava em execuco n'esta comarca, desde
o dia 21 de Janeiro, a lei n. 2,033 de 20 de
setembro do anno passado e o respectivo Heg.
sendo que s poderia o denunciado formar
culpa ex-offici a a Antonio Jos, se este ti-
vesse sido preso em flagrante delicto, 1*
item art. 10 do cit. Reg., nomeandoadjuncto
do promotor, para assistir aos termos do
processo, 8 art. 1 da lei cit. e isto de-
pois de terminado o prazo fixado no 5."
art. 15 da mesma lei.
Km vista pois do exposto e mais quanto
consta destes autos, considero ao reo Joo
Marinho Falco, incurso nas penas do art.
100 do Cod. Cr. e o sujeito a livramento;
pagas as custas pelo mesmo reo, a que con-
demno. 0 escrivo em obediencia ao dis-
posto no art. 401 do Reg. ii. 120 de 31 de
Janeiro de 1842, d vista dos autos ao pro-
motor, pare este offerecer o libello, em a
primero audiencia que possa ter lugar no
termo da culpa. Crato, 28 de maio da
1872.
A ppetlafo : juizo de paz do Crato; ap-
pellante, Pedro Francisco de Mattos; appel-
lada, Victoria Maria de Jess. Vistos estes
autos, etc. Confirmo a sentenca appelbda
por ser conforme a direito ; por quanto das"
proprias deelaraces do reo appellante, se
evidencia que nao era de sua propriedade o
boi em questo ; pague o appellante as cus-
tas accrescidas a que o condemno. Crato,
1 de junho de 1872. '
Recurso e.vofiicio : vecorrente o juiz mu-
nicipal do Crato; recorrido Ray mundo Laba-
tout e Sebastiao Labatoui ; cr. art, 201 do
CoJ. Cr. Vistos estes autos dos quaes nao
consta, por quafcmer inodoyestar a otfendida
nas condiroes de uo poder por si ou seu ma-
rido promover a punigo dos- querellados, e
nao tendo sido cumplido o disposto a art.
142 do Cod Proc, Cr,; annullo o pnseole
processo, para o qoe tomo coiilieciineirto- do
recurso cv-olcio, iuterposto do-despaclio d^
fl. pagas as custas pelos cofres da muuiciya-
lidade, a (pie os coudfemno. (Wescrivo tire
do presente processo o> auto de corpo de de-
licto a ti. e w entregue ao promotor publivo
iitterino para que, verificando este,, nao po-^
der o marido da offendida promover a pu-
uicao dos delinquei.tesr oque est estatuido-
no art. 73 do cit. Cod.
Deixo de notar as deiuais irregalaridades-
eucontradas ueste processo, por ba*tar a in-
fracc;o do referido art. 142, paca tornar
nullo todo o precessado, Crato, 1 de ju-
nho de 1872.
Sentenga: procer, ev-officio; reo David
Caetano Macielr crime de furto de animaes
vaceum. Visto estes autoft^etc. Verifica-
do como est ueste autos, pelos depoimentos
das testeiminhas,. haver o o David Caetano
Maciel, tirado para si, contra avoatadede
Joaquim Pedroso Benibemvalguns animaes
vaceum a este pertencentes- e existentes na
sena do Araripe-,. considerada campo de
crearlo; condemno dito -ro-a dous annos
cinco ineaese cincodias de priso simples e
na multa de 12 lr2.por cento, do valor dos
animaes birlados, grao medio do art. 257
do Cod Cr. e mais nas cusas; sendo que a
pena decretada ser cumplida na odeia
desta cidade. O escrivo recomend o reo
na priso em que se acha e-lance o-nome
do mesmo no rol dos culpados, o que-certi-
ficar nestes autos. Crato, 3 de junho de
1872.
Recurs ex-ofici: Crato ; recorrido*. Ma-
que ser cumprwo c >ra urgencia,
assim o mais que tica ordenado. Crato, 16
de maio de 1S72.
Recurso ex-officio, Rarbalha. Tomo
conliecimento do recurso ex-officio, para o
fim de considerar ao reo Theodosio Facun-
do i.essa, incurso nas penas do art. 205 do
Cod. Cr. rol':rmando assim o despacho re-
corrido que o considerava incurso nas pe-
Mas do art. 20G ; pois dos autos o que cons-
ta que a offendida Carolina Maria da Con-
eleico, foi brbaramente espancada pelo
reo,' nao obstante s (Trer ella de desarran-
jos mentaes. Foi portanto, sem motivo a
pronuncia ao reo no art. 200, como est
requerido na denuncia a fl. (o que, no ca-
so d'este artigo, nao cabia e sim queixa por
parte de pessoa miseravel j e na promogo
afl., entretanto que nada foi requerido
no intuito de verificar-se a natureza dos
ferimentos feitos na offendida, que foi
espancada com chicote e ccete, alm de
pancadas com as inaos, achando-se ella nas
condiroes referidas pela primeira tes.emu-
nha, que depoe ter ouvido ao proprio reo
as declaragoes constantes de seu depoimen-
to. yuem espanca a urna infeliz mulher,
que tera as faculdades intellectuaes em des-
arranjo, por cert) que, assim procedendo,
ser levado a isso, por outro qualquer
motivomenos o de causar dor phisica com
o fim nico de injuria-la.
O escrivo lance o nome do reo no rol
dos culpados, e soja expedido mandado em
duplicata, para a sua captura se estiver
dentro do termo, e, no caso contrario, carta
precatoria requisitoria; paga as custas pelo
reo a que o condemno.
E' beso para estranhar que este processo
comecado em setembro do anno passado
(1871 j levasse oloDgo prazo de sete mezes
para ser terminada, tendo subido minha
concluso, pela primeira vez, no dia 29 de
abril, e pela segunda, nesta data, depois de
satisfeitas certas diligencias por mim ordena-
das, como exame de sanidade, etc. Crato,
11 de maio de 1873.
Recurso ex-ofkio. Barbalha. Vistos es-
tes .autos etc. Confirmo o despacho recor-
rido, pelo qual foi considerado incurso nas
penas do art. 205 d) Cod. Cr. o reo Ray-
mundo Paulo dos Santos, pelo ferimento
constante do auto de corpo de delicto afl.,
que soffreu o offendido Francisco Alves
Araujo, facto que teve lugar na noite de
sexta-feira da semana santa do presente an-
no; e bem assim, condemno o mesmo reo o
pagamento da custas.
O escrivo lance o nome do reo no rol
dos culpados, e cumpra o despacho recor-
rido quanto expedicao de mandado, em
estava em execuco a lei n. 2,033 de 20 de
setembro do anno passado e tinham os
subdelegados iurisdiogio para formarem
culpa aos indiciados em criines communs,
pelo que eram elles considerados autorida-
des competentes, o que d a essa requisico,
feita n'aquella poca, o caracler legal que
faltara mesma, se por ventura fosse feita
depois da publicaco da referidalei, por isso,
pois, neg provimento ao presente recurso e
mais porque tendo o impetrante allegado ha-
ver sido solt o anno passado, em virtude
de provimento a recurso igual, intentado
perante este juizo, succede que isso nao
exacto, pois nao s do auto de perguntas a
II. consta ser esta a primeira vez que o im-
petrante foi recomido a cadeia desta cidade,
como tambem esta a primeira vez qoese me
apresenta o paciento, cujo primeiro nome
igual ao de um outro individuo (Andrelino
Antonio Alves, que no di?. 11 de margo do
anno passado (1871) foi posto em liberda-
de, em virtude de alvar d'este juizo, con-
cedido em recurso semelhante.
Cumpre anda notar que o documento a
fl. nada prova em favor do impetrante;
porque os cscrives que fallaram a sua folha,
com ou sem crimes, pertencem ao termo da
Misericordia, quando o crime de homicidio
se diz commettido na villa do Triumpho e
os ferimentos no de Pianc; porque dos
roes de culpados dos cartorios do termo da
Misericordia, nao podia isso constar, accres-
cendo que somente um dos esenves refere
o nome do impetrante Andrelino Jos de
Barros, e os demais, bem como o alvar,
referem-se a Abilio Jos de Barros, irmo do
j dito impetrante, sendo aquelle e nao este
que requereu folha corrida, qual fallaram
os esenves do termo da Misericordia: pa-
gas as custas pelo impetrante, em que o
condemno. Crato, 27 de maio de 1872.
30. recurso de habeas corpus : paciente
Joo Pedro. Vistos estes autos, etc. Dou
provimento ao presente recurso, nterposto
pelo impetrante Antonio Pereira de Souza, a
favor do paciente Joo Pedro, que est sof-
frendo priso Ilegal, em vista dos documen-
tos de folha e bem assim do documento a
folha ; pelo que mando ao escrivo passe
alvar de soltura, em favor do paciente:
recorro deste meu despacho para o superior
tribunal da relago. 0 escrivo extraa des-
tes autos o original de fl. e o substitua por
urna publica forma, para o que apresentar
este processo ao respectivo tabellio; feito o
que me aprsente o documento, afim de ser
providenciado como no caso couber. Crato,
31 de maio de 1872.
Processo de responsabidade : denunci-
ante-, o promotor publico interino, denun-
ciado Joo Marinho Falco, supplente do de-
legado do termo de Missao Velha ; cr. art.
160 do Cod. Cr. Vistos etesautos etc. Da
tura da denuiria afl. e mais pecas que a
duplicata, para a priso do dito reo, se esti-finstruem, verificare que o denunciado orde-
ver dentro do termo, ou carta preeal ra ro-Wa pelo despacho afl. instauraco da
eidado que soffreu gravemente em sua
saude e por parte da autoridade nenliuma
'providencia!
O orgo da Justina publica uada requereu;
entretanto que a populacao pacifica estrerne-
ecu recelosa de novos espancamentos,. sendo
que essa oceurreocia criminosa tornoui-se
inmediatamente- notoria nesta cidade.
Dos autos de corpos de delicto a fl e As.
consta foram os mesmos procedidos e- c.in-
clusos n'aquelle dia e julgados a 2-3r cinco
das depois dos (actos criminosos. Ignora
se, porque dos autos nao consta, era. poder
de quem estlveram ditos autos de corpos de
delicto, desde o da 23 de fevereirov at o
dia 18 de marco, data em que o actual de-
legado os remetteu ao venador Manoel Joa-
quim Tavares, em exercicio do. cargo de juiz
municipal deste termo, que os conservou
em seu poder at o dia 1*' de abril,, quando
os remetteu ao promotor publico, que no
dia 4, apresentou a denuncia, sem na mes-
ma precisar quaes os autores dos ferimentos
constantes de taes autos, mencionando ape-
nas e incompletamente o nome de um delles.
Foi, afinal, depois de eincoenta e tres dias
de demora, designado o d:a 11 de abril,
para a instaurado do presente processo,.
sendo inqueridas tres testemunhas e no dia
15 quatro; ficando parado o presente pro-
cesso no cartorio do escrivo, desde esse
dia at o dia 18 do mez passado, trina e
tres dias, quando foi concluso ao actual
supplente do juiz municipal que, a 21, de-
terminou novas citaQes, como se v de seu
despacho a fl.
Do exposto verifica-se que, por parte de
quasi todos os funecionarios que ofliciaram
neste processo, houve completo esquecimen-
to de deveres, sem que da parto do promo-
tor publico, bacharel Prxedes Theodulo da
Silva, partisse urna palavra, se quer, no sen-
tido de ser punido promptamente um crime
que foi praticado com a mais iuqualificavel
ostentado, sendo que tornam-se notaveis as
suas declaragoes de achar-se satisfeito com os
depoimentos das testemunhas, sem da maioria
dos mesmos depoimentos constar cousa algu-
ma que pudesse servir aos interesses da jus-
ticia, to ostentosamente despresados neste
processo
Sem base, pois, para urna deciso justa,
dou provimento ao recurso para julgar im-
procedente o presente processo, reformando
o despacho recorrido e ordeno ao escrivo
que, extrahindo do mesmo os autos de corpos
de delicto, os entregue ao promotor publico
interino, para este quanto antes, apresentar
denuncia contra os espancadores dos offen-
didos ; pagas as custas pelo cofre da muni-
cipalidadc. Crato, 4 de junho de 1872
Auto de arrematago: julgo nulla a ar-
rematarlo constante do apto a fl, por no
haver sido guardado o disposto no nrt. 1.
da lei n. 1,005 de 15 de setembro de 4869,
que prohibi a venda de escravos debaixo
de pregara e em expsito publica e creou a
apresentac,o de propostas, que os juizes re-
cebero dos arrematantes, por espaco de
trinta dias, o que ser annunciado por editaos
na forma do disposto no mencionado art. Io,
sendo tudo quanto foi praticado, contra a
expressa disposico da lei. Crato, 13 de
junbo de 1872.
Inventario : inventariada, Henriqueta
Augusta Teixeira. Visto (pie a dtribuico
dos bens foi feita com a devida e recomen-
dada iguXIdado de lireito, a julgo por sen-
tenca, para os effeitos legaes; pagas as cos-
tas proporcionahnente pelos interessados.
Crato, 13 de junho de 1872.
Jiutiftcactio : justificante, Antoiva Maria
da ConceiQo. Julgo por sentenca odedusi-
do na peticoa II. para os lins de direito;
pagas as custas pela justificante. Crato, 14
dejunho de 1872.
Inventario dos bens do finado Thom
Pereira de Cazaes. Vistos estes autos de in-
ventario dos bens pertencentes ao casal do
finado T. P. de Cazaes, dos quaes se verifica
haver sido procedida a partilha entre a viuva
meieira inventarame e herdeiros maiores e
menores, a qual foi feita na conformidade do
despacho de deliberado a II; julgo dita par-
tilha por sentenga para os tinsde direito; pa-
gas as custas, unta motado pela meieira e a
piltra pro rata petos demais. herdeiros, sendo
doado tutor aos- menores. Crato, 17 de
junho de 1872.
Inventario dos bens\h> craal de Roldrifio
de S Ikirreto. Julgo por sentenca a parti-
lha dos bens perteneeotee ao casal do in-
ventariarte, procedida entre'si e seas lilhos
menores, por estar conforme ao despacho
de deliberaeo a 11. ; pagas as costas e.o
una motado pelo mesm-j nwentariante e
n'outra petos menores, Crato, 17 de junho
de 1872,
Recurso e&oflicio; Crato: recorridos
Ira* do tal r Inanias de tal; cr. art. 201
do Cod. Cr. Vistos estes-autos de formaeao
de culpa contoa-os reos ttraz e Anaaias, por
hu>verem, este-mandado -aquello espancado
ao oflendido Boymundu Pedro de Oliveira,
ooosoffreu os ferimentos constantes-do cu-
po ite delicio ;* IV. confinan o despaeho ro-
corrlo. no qual foram ditos reos (uronun-
ciado incursos uas penas do art. 201 do
Cod. Cr. o primeiro como mandante e o se-
gundo como mandatario de loes ferimentos;
pagas cusas pelos memos reos. O escri-
vo lance os iioines dos reos no rol de cul-
pados, o que certificar nestos autos como
he cuiapre e teuho recoiii.vt 18 de joho de 1872.
5iti*.t"p(io : recesantes, Surtos, Caminha
A Irmos. Cumprindo-me dbpr aos aiti-
gos de sespeico a tb tratare em primeiro-
logar das irregularidades que s#notam ues-
tes autos, e em seguida,, da iiproceflein-'o
da maten*d.-s mesmos artigi.-. E' urna.
condigo indispeneavef, -pava poder ter
lugar a a>gui;o da suspeii,aor prova da
respectiva cauco, w^ue falta instes autos;-,
pois tal se nao-pode eonsideraro documen-
to a fl. pasado pelo escrivo interino do-I
jury do teirao desta ciado, po#-quanto est-
determina na pt. nnu do art-69 do Reg.
expedido para a eveci'ro da I-. II. 2033
d 20 de setembro de- lT 1.
Nao tendo sido a cau^to recouda ao cn-
fre da cmara munici>al desta cidade, por
nao estar junto a estes- autos couheciincnto
passado pelo procurador da mesma corpo-
raco, conluso qi;e os suspeitantes nao
realisaram oss;t condigno, sem a- qual nao
podiam elles usar do .presento remedio de
direito, chamado suspeiro. E. sendo le-
gra de direito que quanto feito- contra o
preeeituado n.a lei, ntfc temionsequencia,
verificado fita qae os autos contm vicio
imperavel. Sendo o escrivo do-jury estra-
nho ao feito,.fa!taiido-ibe a capacidade legal,,
para aceitar sawjdes, nao pode o a G ser aceito como neo poder.ia se-lo um
recibo dos raeosantes, cto-qualjconstasse que
ficava em seu. poder o q/tantunt-i cauco.
.Nao existindo nos autos- conhecimenio do
procurador da cmara, devia etv. ter julgado
a suspeiro pCr nao poeta e considerar-me
capaz para tomar conlieciuieult) do feito a
que alludem. os recusantes ; deixei, porem,
de faze-lo, poitme lenco por eostume faci-
litar s partes os meios de que careeem
para se trauquilisarem acerca de meas jul-
gados, quando isso nao-temo- fimconherido
do protelar as questes.
Anda observo que segunde a Ord. !iv. 3
til. -U% 3*prohibido6r suspeigo a dgum
jugador, m nao em causa declarada que
penda em juno ; o que se nao d como se
verifica da certido que faco juntar edo con-
teudo do-qual consta que nao pende uo jui-
:o de direito d'esta comarca feito algum,
no-qual sejam partes os recusantes. Nao
ser fra'de propositolembrr queklesSes autos-
nao consta sejam os recusantes represeutantes
da firma social Santos, Caminha cfc Irinos,
se tal firma existe e funeciona legalmente,
e, no caso contrario, por si ou como repre-
sentantes de outros- com poderes pora isso.
Nad disto consta destes amos, salvo se co-
rno tal podem ser consideradas as declara-
goes contidas nas procurares a fl. e fl. o
que oo em direito admittide. Do con-
teudo das procuracoes dos recusantes veri-
fica-se que estes conferiram ao advogado,
que offereceu osartigos de 11., poderes para
me averbarem de suspeito, ficando entre-
tanto om silencio quaes os motivos que
dada essa falta, ficaram a arbitrio do advo-
gade constituido. Os recusantes que sa-
biam das condicoes em que me achava,
para o seu contendor, tinham rigoroso de-
ver de nas procurares, em que constitui-
ram advogado, declararen! especificada e
precisamente quaes os motivos porque se
resolvio recusar-me, e nao deixarem taes
motivos oceultos e dependentes da escoiba
do advogado que, na especie, apenas o
agente legal e necessario para isso.
Na Ord. liv, 3.tit. 21 4., que a
sede da materia, l-se que quando alguma
das partes tiver suspeico a julgador, de-
ve-lhe logo intentar por palavra na audien-
cia, declarando a causa, porque o entende
recusar, etc.; isto a parte vem logo com
a sua intenco firmada, e manifesta imme-
diatamente quaes os motivos. Do exposto
deduzo que nao tendo os recusantes decla-
rado no corpo das procurages as causas da
recusa, esta est sem motivo, nao obstante a
materia dos artigos de fl., que nao podem
fazer obra ; pois sendo as causas das sus-
peictjes pessoaes, entre partes e julgador,
nao pode a declaraco dessas cousas ser dei-
xada a arbitrio de um terceiro, que apenas
apparce em juizo para exercer o seu officio.
Alm dos poderes especiaes cenferidos pelos
recusantes a seu advogado, tornava-se ne-
cessario para que podesse eiercer o manda-
to, foss:>m precisados os m tivos da sus-
peigo; nao s em vista do deduzido, como
porque sendo diversos os motivos, e nao
cabendo, no caso, a escolUa antes d'este. do
que d'aquelle, aos proprios recusantes as duas petiedes foram apresentadas ao)mse-
cumpria fazer semelhante declaraco. Dous mo tempo em juizo.
sao os motivos constantes dos krtigos a fl.; E como quer.as licencas, para tal fim de-
intimo amigo do contendor dos recusantes vam ser provadas por Alvar, meio nico
e interessado na causa entretanto que da legal e que ha sido admittklo neste juizo,
certido se verifica que os motivos da sus- como pratica que seguida em outros jui-
peico eram ser n depoente amigo intimo zos e nos tribunaes : tomo conhocimento
le Pialho e immediatamente interessado na do presente recurso para o fim de julgar
decalo da causa. Se o intrnate que se me nullo o presente processo, j por esta falta
attnbue no art. 3." fosse dedueco da ma- insanavel e j por outra* ; pagas as custas
teria do 2., a recusaeao teria um nico mo- pelo queixoso, em que o condemno.
tivo ; mas como distinctoe independente, A conta das custas dos autos s dever
dous sao os motivos da suspeico como dito ser feita a final e nao no andamento do pro
fica, com os quaes pasto a oceupar-me. cesso, o que dar lugar a urna e maia coch
V exprsalo intimo amigo indica que en- tas, em projuizo das partes, sendo que inde-
tre mim e Miguel Jos Fialho existem rea- pendente de contagem poder ter rugar o
goes taes e to estreitas, que tornaram-se pagamento das mesmas, como estabeleee o
em intimidado. Declaro-o, sem escrpulo, j art. jh do regulamento respectivo,
que as miiihas relagoes com o contendor dos' Crato, M de junho de 1872.
recusantes resumem-se no fallar-mo-nos | Inventario s Barbeiha. Vistos etles
quando nos encontramos e nessa troca de autos de inventario do* bens pertencentes ae
relagoes que entreten as pessoas que vive casal do tinado Miguel CoaM Sain|mio, m
em urna mesma e pequea looalidade, prinv- j qaes M verifica haver salo MM a par -
' .
cipalmente quando ellas sabem fazerein-se
respeitar. Nao frequento a Miguel Jos; Fia-
lho, entre a sua e a mint familia nao hou-
ve e nem ha relagoes; sua prolisso nao a
minha, seus hbitos-nao podem ser Ment
casaos meas, nao possuindo elle qualidades
que o colloquem fura do cominum dos ho-
mens uteis a socidauV^ e sem educagao litte-
raria : em taes condigoes, pergnnto eu :
alguem se achou que podesse embaragar a
distrtbtticjto da justini por parte di um
Entretanto, por domis direi
magistrado ?
|U<
sena antes curial receiar Migue' Jos
Fialho da justiga de meu julgantento, dado
caso dissor em relago ao feito que nao
existe n'uste juizo : porque BOU amigo do Dr.
Antonio Ferreira dos Santos Caminha, meu
eompanbesro no curso de- sciencias- sociaes e
inridicas, n Academia de Olindaa. K se
entre nos mto-sedeu correspondencia epis-
tolar de entlo para c ; (piando nos- encon-
li-imos, o quo ha sccedidn- urna ou outra
vcv-, dispensaino-nOS as cordialidades, que
taes relagoes nutorisam. Nos condigoes de
Miguel Jos Fialho, est para contigo a
graudo maioria da pnpulago d'esta carner-
ea, e, isto nao obstante, nao-me inhibe de
cumprir os dev-eres ile meu cargo, embora
espenosos.
.Nio foi por eerto creado 3$se remedio de
direito suspeicjto ao julgador como
meio ordinario para autorisor prevengoes
desvantajosas a qualquer magistrado sim
para garantir dicenos, cuja perda seriairre-
paravel se, porveutura nao fostt usado esse
remedio qpe, no caso presente; s indica
um calento, cujo-fim me nao- dad > pers-
cnitai-,.e'ilbora seje esta a tercira suspwgo,
pie me-foi argido em poucos-dias.
Seosegundo motivo fosse-deduego do
primeiso, deixaria de depdr ao terceiro ar-
tigo, por se eomprehender no quanto acebo
le exper ; mas como o nao ^direi que
urna calumnia e accrescento que Umho
um onico interesse pronuneiadissimo que
confesso oqualocumprimento de tneus
deveres,.noque capricho, procurando .-.ppli-
car a lei sem atteuder a motivos estranhos
justiga.
Passerei coneideragoes de ordem diffe-
reute que, isso nao obstante, interessam a
questo vertente : vou oceupaeme coa. as
tesleinunbas.
1.' Balduino (lomes de Mattos trmo
de J. '- de Mallos, que me argtio suspeico
em dous feitos, um dos quaes pende aimla
de deciso, e, alm disto, lio da mulher
do susjseitante Alexandre Ferreira Caminha.
2.a Jos V. A. Lima, a quem naoco-
nhegOs oque i>io obstante, me informaram,
lizeram-no assjgnar e publicar algumae dia-
tribes contra ntimii, em certo peridico da ca-
pital, declarando-u'cssa publicago, era so-
cio na estabelecimento coinmercial de- J. ti.
de Mattos.
:!. Pedro Dantas Barrete, j foi solt,
por mim, oni ii-curso de babeas corpus e
me eonsta estar na dapeodeneia.de J. G. de
Mattos e na casa leste estove depositada ev-
trajudicialmente-, por tempesta senluM-a com
quem casara elle Dantas, quu foi testemu-
nha em outra. snspeiglo, urna das contra
minaargidas- pelo mesmo J. G. Mattos.
l,e Felismino Marques Peixoio, cons-
ta-me pie declara J. U. Mattos ) nico
amigo que tcm. nesta cidade,. datando essa
araisade do tempo em que na casa de.!. G.
Mattos f.i depositada extajudicialmente a
mulher com quem casado o mesmo Fe-
lismino, que servio de rtestemunlia em urna
das suspeigoes argidas contra mim por di-
to G.
5.a Antonio Joaquim Tavares de Mel-
lo eracaixeiro de J. G. Mattos, quando da-
do a rol ; ignorando, porm, se linda
tal.
6.a Simplicio Crrela de Araujo, nao
conhecido nesta cidade, segundo me infor-
mam e m consta que a pessoa indicada
chama-se Simplicio Correia Lima Accioly,
socio actual, conhecido- e cunhado de J. G.
Mattos.
Requeiro a bem dos interesses da verda-
de, que sao os da justiga, sejam pegunta-
das as testemunhas acerca de seus defeitos
jurdicos, que acabo de apontar, j que nao
dado ao recusado fazer perguntas s teste-
munhas e anda menos contesta-las.
Declaro que recebi este processo no dia 15
do conente, depois das cinco horas da tar-
de e que hoje o entrego na agencia do cor-
reio desta cidade, como consta do documen-
to do registro em meu poder.
Crato, 18 do junho de 1872.
Recurso ex-ofjieio : Crato. Vistos es-
tes autos dos quaes nao est provada a exis-
tencia de um facto criminoso, dou provi-
mento ao recurso para reformar o despacho
de pronuncia a fl., que carece de fundamen-
to ; pois o que deposeram as testemunhas,
foi que gados do querellado Jos Dias Gui-
mares, estragaram, sem dizer quando, la-
vouras do queixoso Joo Ferreira de An-
drade, sem que da parte daquelle houvesse
um acto demonstrativo de intengo crimino-
sa, e sim que os gados do mesmo querella-
tilha entre a viuva Josepki Maria de Jess,
meieira e inventariante seus filhu* meno-
res Mguel e Joaquim, a qual partilha foi
feita na conformidade lo fespaidio l dcli
bcrago julgo dita partillw por seixtenga.
.;wa os lius le tireito, pagro as custas, urna
Dtetade pela meieira e a oufra pelos iwno
res repart.lamenie, sendo dado tutor aos
dtUS referidos m*nores.
Crato, 26 de junlb de 1874.
TTERATIIA.
(mili'. dfum I iipr<*.
do costumvam ser vigiados, no pastoradoro, scisme, por mais que medite <
por seus fmulos, sendo que poder ser o nica creatura cordad
querellado considerado civilmente responsa-
CAMA XLIV.
Mam Chico.
Qat*somos uns v^nladeiros u;'uvti<. i-
SO pie nao padec- duvida.
Htenlos assim, e assim htvantoe>na mor-
rer. com o favor de Detis, meu tonsurado
irmao-, K', pelo menos, a opnii- que le-
dos formam, e eu tambem, a nosso-respailo
m.ica-
queamot st; nao o que ftil ou meo.
O \yvm nunca, ou to raras vetes, que
vale o mesmo que MIMO.
Seguimos par xissu rom fidelidole ca-
nina tolos os rapriih s-iiiasrulinos, (inini-
nos e neutros las moda parisienses.
Nem pede ser por outro motivo env ve-
mos andando por essas mas tantos homens
madunw,.* ate j cheirando a past'a* ,
com ares-de eapidinhos de vinte aunes.
Nem pode ser to ponen jmr mitre moti-
vo que deparamos com seithoras lo idade.
que serian nspeitablisf.itnas matronas, s-
nao trHixessem sobre si tantos arrebique*
pueris, tant is gomflements mentirosos tan-
to vig> i\a emprestimo, 'anta juventude de
arriliago.
Realmente :enrubeceeo labios e es po-
mos das fa;is, ennegrecer os supn.ijilios.
estufar o que o peso des anuos abaten ha
muto, mascarar-se com p de arroi, aehi-
nhos feitos com cabellos de lefuntos crespos
(cuidado com a phrase : os cabellos que
sao crespos ; os defuntos poleni ser lisos],
entalar o estomago entre raeia dual le bar-
bas de baleia hi de flexiveis laminas fe ai.o,
equililwar-se sobre uns esguios sdtos le-sa-
patos i-or.-meio palmo de altura, descer o
corpinlio do vestido at qivisi o nivel do s
da sai, levantar a barra, desta at um- pini-
co cima dos tornozelos,. j to avoln
pelas enlre-hats e mais pestes figurados da
contrad-anra da vida, etc., etc., etc., sm
mom'Hi's que o veiMor dos anuos atknua,
mas que encontram na-seuilidade as mais
aggravanan iirumstaiv;ies, as mais isrficu-
saveis provas le culpabilidaile.
?io acbas?
0 que d-se com a mais de filhas easa-
deirat, d-se tambis com os pais de li-
lhos.... queja nao maudam m quiuh>
ao gario.
E" por isso que enclu-:m as ras a atalh-.m
os theatros certos velbas pintalegret^s, que
caliam sapatostelescopios (1), que entiam
calcas iusbnhas como espartilhos le dama-,
a rodaques que deisam mostra a parte
fundamental lo corpo que tingem o jello
j arrugado, que ravalgam no nariz um pin-
o oez de vidros azulad s, e lepois rohrcm
todo-este monumento de parvoice com. urna
capola de castor branco, faci'iraiin-ute in h-
noda sonre orelha esquorda.
E esses macacos velhos-de ambos i s sexos
estas, gralhas, que assim se (-ubrera com a#
peonas dos pavees da jrimavera da vida,
lio de querer ser acatados por todos, e res-
petados pelos seivs descendentes. Pois nao
Instes, meus bonsquinh Chi, mano vigario Onde vim u parar,
com a breca Fui indo, indo, indo... eso
agora que vejo que estou to looge do
meu destino como um telegrainma tres dias
dejvois de ser expedido.
Nada. Isto assim nao vai bem.
Voltemos pois atrs, e procuremos reatar
o fio da idea. 0//ia atea itWe qut aaia !
Diz:a eu na minha que somos uns verda-
deros macacos, mas que infelizmente nao
macaqueamos seuo o que ftil ou meo, e
apontei com urna prova disso a mana que
tem aqu a gente de seguir risca as modas
inventadas para um clima onde as estagoes
sao to outras o to desencontradas das
nossas.
Seeu quizesse, mas nao quero, poderia
adduzir ainda urna infinidade de factos, por
demais eloquentes, para provar a propbsi-
go que enunciei, taes como as macaqui-
ces polticas, theatraes, religiosas, financei-
ras, niumcipaes, medicas, jornasticas, bi-
bliogaaphicas... que sei eu 1
Porem tenho tal pressa da entrar na se-
gunda parte deste assumpto o que se refere
a mo macaquearmos seno o que ftil ou
mo), que dou de mo a tudo mais, tusso
de leve, passo o tengo pelo rosto, engulo
um pouco de saliva (prevengoes oratorias
indisponsaveis), e comego :
Por mais que parafuse, por mais que
leudamente,
respeita-
vel familia, nao posso eomprehender por-
vel pelos prejuizos, que possam ser liquida- que nos empenhamos tanto em imitar as
dos e nunca criminalmente, pagas as custas frandulagens dos estrangeiros, como einnlo
pelo queixoso, em que o condemno.
Crato, 26 de junho de 1872.
Recurso ex-offxcio : Crato. Vistos estes de duras provages
fazer caso algum do que elles tm de bom,
e s conseguirlo depois de muitos secutes
Acharaos o pratinho feito e nio o come-
mos : grandicissimos patetas I
E' o que acontece com muitas rousas.
autos em que sao queixosos, Jos Dias Gui-
mares e querellado Joo Ferreira de An-
drade, dos mesmos autos se verifica que
tendo o queixoso requerido a 5 do corrente entre as quaes se acna o casamento civil
permisso para dar queixa por procurador, (Continuar~te-ha.)
por despacho do juiz recorrente de 6, I he ____________________________
tora concedida semelhante permisso, en re-
tanto que a petigo de queixa a fl. est da- ^ i Telescpicos por pue fazem ver i
tada de 5, data anterior a da concesso, ob- estrellas ao meio dia.
jecto do despacho existente na petigo a fl., i______________________________-------.
embora despachada a 6, o que denota que TYP DO DIARIO- A DUQUK DE CAJLUa
----------^-

i
LlB
^r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWCH5PYZO_33IBF4 INGEST_TIME 2013-09-19T21:30:23Z PACKAGE AA00011611_12884
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES