Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12862


This item is only available as the following downloads:


Full Text
; '
Ai\i\0 XLIX. MJ1ER0 62

1W11A A CAPITAL E LIGARES ONDE SAO SE PAGA PORTE.'
Por tres mezes adiantados ........ +........ 6$Q00
Por seis ditos dem.................. 125000
Por um anho 'dem ................ 34$0(H)
Cada numero valso ............ .'. I 320 m-
SABBAO lo DE MARCO DE 1873.
PARA UESTBO E FRA DA PROVIStIA.
Por trei mezes adiantados...................
Por seis ditos idem...................
Por nove ditos dem l...............
' "Par um nnn ilum '''''
j-or uro anno dem. r .......
...
6*750
139500
20^250
*T5000
k



PROPRIEDADE DE MANOEL FIGtEIROA DE FARA & FILHOS.


,
i
Os Srs. Gerardo Antonio Al ves & Filhos, no Para; Goncalves Pinto, no Maranhio;'' Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio de Leu BrStyr, no Aracaty ; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parah) ba j Antonio Jo$ Gomas, na Villa ua IJenha; Belarmio dos Santos Bulco, em Santo Antao ; Domingos Jos da Costa Braga, em Nazareth;
... ii *!j
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costfl
-*-
["Alvos C, na Baha; e Leite, Cerquinho & C. no Rio jde Janeiro.
m-___I_____


PARTE OFFICIAL
imi>\ .-no iS.i proi iiria.
EteKDISNTK DO DU 27 DR KKV.HEIH0 K 1873.
1.' secado.
Oflicios :
Au genoral cou.imaiid.into da* armas interino
Coinmunico ;i V. Kxo. para os litis convenien-
tes, que uo dia l de marco prximo vindouro, ao
toeio da, seguir para'o presidio de Fernando de
N(Cotilla um dos vaporea da companhia periiam-
bucana.
Ao mesmo. Srvase V. Ex*, de expedir as
coavenientes ordens, para que no di* I." domaren
vindouro, a nieio dia. se aclie postado em frente
do edicio, em (pie fuuccinna a assembla legisla-
tiva provincial, un) batalhao de linb, aliui de la-
ler as lio 11 ras devidas por occasio da abertun d:i
eessiu ordinal ia da iiusnu assembla, providen-
ciando ao roesut) lempo no sentido de dar a for-
laleza do Brun a salva de eslylo a 1 hora da tar-
de daquelle di i.
Ao inspector il<> arsenal de marinha. De-
vota orequerneutn de Joao Paulo di Soasa, so-
bre que versa a sua intoruuje du 7 do corrente,
-., nos tormos do pa-
recer junto por copia da contadura de azeuda,
declare a abase a que perteucu o supplicante co-
mo operario.
Ao captao do porto. Chamo a allenejio
de Vmc. sobre a rep-esentaco junta por copia
do commandante interino do 9." batalhao de in-
fantaria Ja guarda nacional do municipio de (Uni-
da, que foi Ira/.ida a esta presidencia em ollieio de
SI do corrente au respectivo ommandaiiie supe-
rior, am de que providencie no sentido de evita-
rem-se os abusos a que alluJc o dito comiuandan-
le iulcrmo
\o director do arsenal de guerra. Coni-
uMMCO a Vine, para os lins convenientes, que no
dia 10 de marco prximo vindouro, ao meio dia,
seguir para o presidio de Fernando, de A'oronha
um dos vapores da companliia pemambucaua.
Au conselho de compras do arsenal de guer-
ra. Autoriso o consajho de cuiipras do arsenal
de guerra a promover a acquisicao dos objeclos
precisos para a coinpanhia de menores e oiliciua
de 3." classe, constantes do pedido junto, sub n.
*2.
.' tfCCUO.
Actos :
0 presidenta da provincia, vista do oflleiu
do Dr. cliele de polica, n. i 18 do ia do crreme,
resolve exonerar dos cargos de I.", i" e 3.* sup-
pleutos i subdelegado do I." districto do termo
do Ex, os cidadaos Girnaldo Riboiro de liveir
Castre, Lourenco Justiniano da Silva Peixolo e Joo
de Araujo Chaves.
O presidente da provincia, de conformidade
OOfli a proposta do Dr. chefe de polica, em odlcio
n. 418 de t'i do corrente, resolve nomear para os
cargos do 1.*, 3." o 3. suplentes do subdelegado
do l. districto do termo do Exii, os cidadl)s se-
guimos, na orJeui de sua collocarao : lente Ju-
veucio de Araujo Albuquenpie, Francisco Benevi-
de do Alenear e Ezequel de Araujo Albuquer-
que.
O presidi-nte da provincia, de accordo com
a piuposla do Dr. chele de. polica, em ofMcio n.
420 de t' do corrente, resolve nomear para os
cargos de I.*, .* e 3. supplentes do subdelegado
de l'.oyaiininlia, do termo de Goyanna, os ciJa-
d UM seguinles. na orddll) de .-ua collocarao : ca-
pito LeodejMiio Cavalcaute da Cunha riego, Joan
de Caldas Ribero Campos, e Francisco RodrigiMS
Coura.
. 0 presidente da provincia, vista do ollieio
do Dr. cllefe de polica, n 420 de -o do enrente,
resolve exonerar dos cargos d>' ." e 3.* s.ipplentes
do subdelegado I i districto de Goyannin >a,do ter-
DM de Goyanna. por nao lerem prestado juramen-
to, os cidadaos Manoel Camello da Veiga Pessoa
c Antonio Riheiro Campos.
Offlcios .
Ao Dr. chefe de polica. Coinmunico -V.
S. para os fas convenientes, que no dia I i de
marco prximo1 vindouro, ao meio dia, seguir
para o presidio de Fernando de Noronha, um dos
vapores da coinpanhia l'ernambiicana Igual
mutalis muandis ao juiz de dreto das execu-
coes.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recfr. Chamo a atteucao de V. S. sobre
a representaco junta por copia, do major coin-
tna&Oli&te interino do 9." balalh de infanlaria da
guarda nacional do municipio de Olinda, aliui de
providenciar de modo a cessarera os abusos, a que
allude o dito coiuinamlanle interino.
Ao mesmo. Seja dispensada do servico ac-
ti\ > da guarda nacional, emqnanlo frequeiitar a
e-ola nocturna da (reguezia de Santo Antonio, o
suarda do i." batalhiu de infantaria Joo Pedro
dos Santos.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Goyanna. Devolvo a V. S. a proposta
' i. que vei i annexa a S'-n ollieio de lo do cor-
i, para que seja rectilicada na parle relativa
a vaga de aleles, que pelo accesso de Jos Fran-
ci o Cordeiro deAJbuijuer<|ue tem de liaver na 3."
companhia, e nao na i.', como di', a proposta,
omittindo-sc a indicacao relativa ae preenchi-
moato de alteres da 0.a eompanhia, porquanto nao
ha tal vaga, Visto constar da matricula existente
na secretaria ler lirado a respectiva patente, 4
de julho ultimo, o aeres nomeado JoventinoCe-
zar de Albuiuerque Mello.
3." Sr-i i
Acto
O presidente da provincia, aUendendo ao
que requereu-Js Xavier Cameiro de Barros
Gampello, ?.' esennturario do consulado provin-
cial, resolve ronceder-lhe 40 das de lcenca com
o-s respecUros vencimentoe.
Oflicios :
Ao inspector da Ibesoararia de fazendn. -
Iloinmanteo a V. S. para os devidos lins, que a 2(i
do corrente deixui o bacliarel Antonio Domingos
Cinto Jnior, o exercicio do cargo de promotor
publico da comarca de Pao d'Alho, por ter de to-
rnar assento ua assemblea provincial.
j Aoinesmo. Respofldendo consulta de V.
.S. Comida em n'liciode honlein, sob n. 148, serie
O, acerca da duvida em que se acba o inspector
d'alfaudega, relativamente ao modo por quede-
ver ser substituido nos impedimentos repenlinos
c pouco duradouros, tenho a dizer que no caso
vertente estou de accordo com o parecer que a
este respeito einittio o contador dessa tlicsouraria
o vcio annexo ao seu cilado offlcio.
A designacSo feila pela presidencia nao tem ca-
rcter permanente, (ssa com o desepparecimeuto
d) impedimento que a motivou. '
Essa desgnago que nio 6 urna nomeacio in-
terina est sujriila praxe seguida em casos an-
logos, referentes aos demais empregados.
Devolvo os papis a que se refere o mesmo of-
lie 10.
Ao mesmo. Tendo nesta data autorisado o
corvselho de compras do arsenal de guerra a pro-
mover a acquisn.o dol otijectos precisos para a
companhia de menores e jncina ue 3." elasse do
meaM arsenal, e constantes dos |edidos juntos
rxir copia, sob ns. fi2 c 63, assiin o eommunico a
V. P. para sen conheriinetlto.
Ao mesmo. Cinmittico a V. S. p.i
fias convemenlfcs, que nn dia 10 Je- marco prxi-
mo vindouro, ao meiu din, seguir para o presidio
de Fernando de N..ronha. unidos vapores da com-
pauhia periiambucana.
i Ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista das relacoes nominaes e prets junios etu
dupiieata, que me renulleu o commandante sue-
rior dos municipios de Boin Consellio, Garauhuns
a Buique, com offlcio de 18 de Janeiro iiIihm,
sob. .!, mande V. s. pagar i ijuem so apMat-
tur para isso habilitado, os venciinenlos do desta-
oameut da guarda nacional estacionado na po-
voa.ao da Podra, relativos aos uiezes de novem-
bro e dezeinbro do anuo prximo passado.
Ao mesmo.Attendendo ao que expoz o l-
enle coronel coinuiaiidanie do )r|io de polica,
em oiticio de i do corrente, sob n. U8, autoriso
V.S. a mandar abonar a um sargento e vinte pra-
cas daquelli! corpo, que vo augmentar o destaca-
mento ile Buique, dous mezes de sold, contar
do I.* de margo vinlourn, e bem assiin os veaci-
mentos e sold, correspondentes ao niez de abril, a
um official e 16 pracas all existentes.
Ao mcMBO. Anuuiudo ao que salicitou o te-
nenle-coionel commandante do corpo de pjlicia.
em ollh-io de 2 i do corrente, sob n. 126, recom-
menilo a V. S. que mande adiantar os vencimentos
dos destaca i ueulos daquelle corpo existentes no
interior da provincia^ e abaixo mencionados : sen-
do 2 mezes a um oflicial em commisso na Gloria
de Goita, 8 pracas em Bonito, 6 ditas em Tinba-
ba, i l em Bezerros, i ollidal e 40 pracas em
Goyanna, I olcial o 8 pracas em Grvala, t otU-
cial o l-'i pracas em Iiainlj.', 12 pravas em l.i-
inoeiro, 2 oftleiaes e 13 pr.ic.as em Masareth, 3 me-
zes a t olcial e 12 pracas em S. Rento, 4 ditos a
I olhcial e 21 pracas em Flores, 't oflicial e 2
pa .as em Floresta, l (llieial e 20 pracas em Gra-
nito, 1 offleiai e 3U pravas em Ourcury, l oflicial
e lo pracas em Tacarat, l pracas em Cabrob,
1 olliciafe 6 pracas em Villa-Bella; I oflicial e 10
pracas em Salgueiro, i oflicial em commisso em
Aguas-Bellas, tudo a contar do i.* de mareo >iu-
douro.
4' snrio.
UITlcios :
Ao Exm. e Rvm. Sr. bispo diocesano.-De-
vendo ter lugar no dia i." de marco prximo vin-
douro, 1 hora da tarde, a abertura da sesso or-
dinaria do corrente auno da assembla provincial,
assiino coinmunico a V. Exc. Rvma., afim de que
se sirva de providenciar no sentido de celebrar-se
na igreja matriz da freguezia de Santo Antonio
desla ei lade, hora do costume, a missa votiva do
Divino Espirito Sanio.
Ao Dr. director geral interino da instruceo
publica. Designo os Drs. Felippe Nery Gollaco e
nnocencio Seraphco de Assis Carvaluo para ser-
rein de examinadores no concurso da 2.' esderra
e geographia e historia do gymnasio provincial,
que devera ter lugar nessa reparli.ao era 3 de
marco prximo futuro, s II horas da manh, Q-
cando assiin respondido o ollieio de V. S., u> 18 do
crranlo, sob n. 46.
Ao conselheiro Francisco de Paula Raplista,
director interino da faeuldade de direito do Recife.
Teudo desguadj o Dr. lunocencio Seraphco de
As-is Carvalho, lente do curso annexo a essa. fa-
euldade para servir de examinador no concurso
que se va proceder, em 3 de marco vindouro,
perante a directora geral da instrucaao publica,
para preeuehimento da cadeira de geographia e
historia do gymnasio provincial, assiin o enmmu
nico a V. Exc. para seu couhecmeulo' e devidos
lins.
Ao conego regedor Jo gymnasio provincial.
- Cominunico a V. Rvma., para seu conhecti.ento
9 lins convenientes, que nesta data designo o Dr.
Felippe Nery Collaeo para servir de examinador
no concur.so' que se vai proceder em 3 de marco
vindouro, perante a directora geral da iustiuce;io
publica, para preenchhneiito da cadeira de geo-
rapuia e historia desse islabclcciuiculo.
Portarlas:
A" cmara municipal do Recife. evendo
ter lugar no dia 1,' de marco prximo vindouro,
una hora da tarde, a abertura da seso ordina-
ria do corrente anno da assembla legislativa pro-
vincial, reeouimeudo illustrissiii.a cmara muni-
cipal desta cidade que mande preparar a igreja
matriz de Santo Antonio, am de nella celebrarse
a mi.'sa votiva do Divino Espirito Santo, hora do
estylo.
A' cmara municipal da villa de Agua-Preta.
Pelo offlcio que, tm 8 do corrente, me dirigi a
cunara municipal ltimamente eleila para a villa
de Agua-Preta, liquei inteirado de achar-se a mes-
ma cmara iio exercicio de suas ruuc(des, desde o
dia 31 de Janeiro prximo (indo.
5." seecao.
Oflicios:
Ao engenheiro chefe da repartilo das obras
publicas.Vande Vmc. com toda urgencia collo-
car nas extremidades da ponte da Boa-Vista, que
ameaca ruina, fortes anteparos de raadera, que
impecan o transito de vehculos, anmaes e gru-
pos ile pesados ; ha vendo apenas pequeas aber-
turas que dem passagen a urna s pessoa de
cada vez.
Ao mesmo.Providencie Vine, no sentido de
seren prestados ao Dr. inspector da sade publica
os esclareciiienlos podidos em offlcio de 2o do
corrente, junto por copia, relativamente cqlloca-
i.o dos apparelhos da empieza Recife DiaiiiMje.
A' commisso censuara da freguezia de
[tamb. -Acensando recebidoa os trabalhos do re-
censeaiuento da populacao dessa freguezia, cbe-
me agradecer e lomar os servidos prestados por
Vnics-, na qualidade de inenibros da respectiva
i-oiiiiui-.-o ; cerlos de ijue taes servidos sero
importunamente levados ao conhecimento do go-
verno imperial, que nao deixar de tonia-l 9 na
devida e-.nsider.tean.Igual coinmisso eeiiMta
ria da l'icgueiiti de S. 4 cente.
Ao gerente da companhia pemambucaua.
Expeca Vine, suas ordena para que nm dos vapo-
res dessa companhia esteja prompto para seguir
com destnj ao presidio de Fernando de Noronha
no dia 10 de marco prximo vindouro, ao meio dia.
Portaras :
Os Srs. agentes da companhia de navegacao
brasileira manden) dar transporte para a corte por
oonta do ministerio da guerra, no vapor que se es-
pera do norte, ao tenente Jos Lourenco da Silva
tfilanez e ao 2' cadete 2o sargento Ivo Rodrigues
sidente da provihcialdeclaroa V. Exc., em respos-1 a\-l*(|da compaahla de aprendizes artilires dese
ta ao seupflico de i do crreme, sob n. 228, i)h f"i4 sobre que versaa sui infonnac4o de 26
uostn data se expede a conveniente ordem para o
transporte at a corle, no vapor que' se espera do
norte, ao soldado desari V de'i* hstalho de arU-
lliaria a p, Thomaz de'A piuo. que foi capturado
nesta provincia.
Afttsffis.
Offlcios :
Ao Dr. chele de poieia. S. Exc. o"Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
a thesouraria- provincial' tein rdem para pagar a
Antonio Uoiningucs de Almeida Pocas, a quantia
de que trata o seu offlcio de 22 deste mez, sob
n. 399.
Ao uiesnw,O, jExiU. Sr, presidente da pw
rela manda declarar a V. 5. qu ficam expedi-
das as convenientes ordens no sentido de que tra-
ta o seu offlcio n. 421 de 2"i do corrente, auanto
collocacao de anteparos nas extremidades da
ponte da Boa Vista, para impedir o transito de an-
maes, vehculos e grujios de pessoas pela in>:sma
ponte, que ameaca ruina,
Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia transmiti a V- S. os ttulos
juntos de nomcaco do subdelegado do primeiro
districto de Quipap, e do primeiro supplenle do
primeiro districto de Gnyanuurha, de c mfor.ni-
dade com as propostas de V^ S., em offlcios de 13
do corrente.
Ao mesmo de ordem do Exm. Sr. presidente
la provincia transmuto a V. S. os ttulos juntos
de nomear .lo do primeiro supplente do subdelega-
do do districto de Santa gueda, do termo da.Cim-
bres, e dos primeiro, segundo e terceiro ditos dos
subdelegados do districto do Goyanunha, e do pri-
e2E?lc> s**0 n- S'iSi "uloriso V. S. a conceder
9 *uflWkte a Ijcenea que fel para trutar-se
no seio de sua familia, nesta cidade, da molestia
que e*a solTrenJo.
'ifo mesmo. Para cumplimento do aviso
circular do ministerio da makihha, de 8 do c ir-
rentenle, remetla-me V. S., com a possivel brevi-
dide, pura ser transmiltida aquella secretar a de
stadojina reanlo dos alumnos que nesta provin-
cia frecuentara e eslbeleci:))en(o8 de inslruccao,
dependente de mesmo ministerio, com declaraco
da loealldale de taes estabelecimenlos.
Ai cqifio do porto interino.Mande Vmc.
pOr em liberdade, vislo ter provado isencao legal,
o recroia Alfonso Rezetra Cavalcante.
Ae mesmo. -Poda Vine, fazer seguir para a
Corte no vapor Paran, para o qe Acara expedi-
das as.contenientes ordens, os roe rutas menciona-
dos na relacao que veit* annexa ao seu offlcio desla
data, seb n. 45, menos o de uome Allo.iso Bezer-
ra Cavalcante, que dever aer posto em lber-
dado.
. *' A director interino do arsenal de guerra. --
file Vmc, conforme solicita em seu oiBcio de 26
ilo corrente, sob n. 188, mandar condnzir para o
qiiartel do i bataMte de infantera, os 83 volu-
mes qwo vieram d3 erte no vapor Guar, conteu-
do farAunento para o referido batalhio, devend >
presentar a couta da despeza que fizer com nata
conduceio, afina de ser paga pela tltcsooraria de
fazenda.
A conseibo de compras de marinha. Ap-
provo o contrato ijue, segundo "o termo- annexo
por copia ao sen offlcio de 17 do corrente, eele-
meirodo termo do Ex'5, de couformidle com as .bnu oconselho de flonpras ik marinha era 22
propostas de V. S., em offlcio de 23 deste mez. Me janci
la Bocha, ambos do 2" batalhao de infantaria, os
quaes vao para a escola do tiro no Campo Grande,
como foi- determinado em aviso daquelle ministe-
rio, de 25 de Janeiro ultimo.
Os Sis. agentes da companhia de navega(2o
brasileira mandem dar transporte para a curte, por
cunta do ministerio da guerra.no vaporque se es-
pera do norte, ao desertor.do 4 batalhao de art-
Ihara a p, Thomaz de Aquino, que foi capturado
nesta provine!i
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar transporte para a provincia do Rio
Grande do Norte, a r, do primeiro vapor que se-
guir |iara aquello destino, por conta do minisierio
da marinha, familia do captao do porto da mes-
illa provincia, composta de sua senhora e tres
filhos.
EXPEDIENTE 1)0 SECRETARIO.
/.' seccu.
Offlcios :
Ao general commandante das armas. .S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. Exc, em resposia ao seu offlcio de 23 do cor-
rente, sob n. 2i9. que ficam expedidas as conve-
|Kcnles ordena, paran transpoile at a c'.rle. nn
v.qi >r que se espera do or e, do tenente Jos f -
reneo da Silva Mil mez. o d i 2' cadete 2" sargento
Joan Rodrigue* da Rocha, ambos do 2" betalbio de
infantaria.
Ao mwiio. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sob ns. 417, 418 e 420.
Ao coronel commandante superior de Olinda
e Iguarassd. -0 Exm. 8r. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que form dadas as pro-
videncias necesarias, no sentido de cessarem os
abusos, a que al lo d o commandante interino do
batalhao n. 9 de infantaria da guarda nacional de
Olinda, a que se refere o offlcio de V. S., de Jl do
corrente.
Ao commandante superior de Garanhuns -
8. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S., que a thesouraria provincial foi au-
torisada a pagar a quem se apre^entar rouqieten-
teniente habilitado, os vencimentos do destaca-
mento da guarda nacional, de que trata o seu of*
(icio de 18 de Janeiro ltimo, sob n. 3.
Ao promotor pblico de Ourcury. -O Exm.
Sr. presidente manda declarar a V. S., em respos-
ta ao seu offlcio ce 10 do corrente, qne ficam ex-
pedidas as convenientes ordens, no sentido de ser
preso o criminoso, de que trata o ditoofflrk).
Aobacharel Livino Lopes de Barro* O Silva.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
ensar o recebimento do offlcio de V. S. de '0 do mez
prximo passade, em que participa ter assufndo
a juri^die*o do cargo de juiz do direito da comar-
ca de Cabrob, no impedimento do effectlvo.
Aobacharel Miguel dos Anjos Rarros. O
Exm Sr presidente da provincia manda acensar
o recebimento do offlcio de V. S., de 13 do corren-
te, em que participa ter nessa dala assumido a ju
risdiccao da vara de direito da comarca de Flores,
nn impedimento do elfectivo e do primeiro subs-
tituto.
Ao bacliarel Antonio Domingos Pinto Jnior.
O Ex.n. Sr. presidente da provincia manda ac-
ensar o recebimento do offlcio de V S., de 26 do
corrente, em que participa ter ne*sa dala dejado
o exercicio do cargo de promotor publico da co-
marca de Pao d'Alho, por ler de tomar asentona
assembla legislativa provincial.
Ao commandante do corpo de polica. O
Kxm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que nesta data expedio ordem thesoura-
ria provincial, ao sentido de seren feitos os_ abo-
nos, de que tratam os sena offlcios de 24 e 25 des-
te mez, sob ns. 126 c 128.
4 scalo.
Ao Dr. Miguel Jos de Almeida Pernambuco,
1 secretario da asscurbla legislativa provincial.
-N. 1.S Exc. o Sr. presidente da provincia, a
cujo conhecimento levei o offlcio que V. S. me di-
rigi nesta data, sob n. i, manda declarar-lhe pa-
ra fazer constar assembla legislativa provincial,
que no da da marco prximo viudouro, a una
hora da larde, comparecer no paco da mesma as-
sembla, afim de proceder a leiura do seu re-
latorio.
Ao Dr. director geral interino da inslruccao
publica. O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S.,em resposta ao seu oflicio n.
47 de 18 do corrente, qne nesta data se nandou
dispensar do servico activo da guarda nacional,
cmquanto frequeutar a escola nocturna da fregue-
zia de Santo Antonio, o guarda do 1* batalhao,
Joo Pedro dos Santos, de quem traa o seu dito
offlcio.
EXPEDIENTE DO DIA 28 DE KEVKREinO D 1873.
1.' secano.
Acto :
O presidente da provincia, tendo em vista o
ierran annexo ao o'flcio do inspector do arsenal
de marinha, de 26 do corrente, sob n. 554, do qual
consla ter Manoel Joaquim da Costa prestado exa-
mo na conformidade do art. 3o do regulamento que
baixou com o decreto n. 1,324 de 5 de feveietfo
de 1834, e sido approvado para 3" machinistafle
barcos a vapor, determina que pela secretaria da
presidencia se passe ao examinado a competente
carta de hahililacao, como dispoe o art. 3' das
instruceoes annex'as ao decreto n. 2.600 de 2 de
junho de 1860.
Offlcios :
Ao brigadeiro commandante das armas in-
terino.Mande V. Exc. pr em lber Jade, visto ter
provado isen.ao legal, o recruta Cradd.) A'eixo
Cavalcante de Miranda.
Ao mesmo. Sobr'esteja V. Exc. na remessa
para a corte do recruta Vicente Ferreira de Pau-
la, que por despacho desta data coucedo-lhe quin-
ze das de prazo para provar iseneao legal, que diz
ter em seu favor.
Ao mesmo. ransmitto o incluso processo
assiin o com nunico a V. S. para os devidos ef-
feitos.
Ao mesmo. Communic i V. S. para os de-
vidos lins, que por ollieio de 26 d i c iiTenle decla-
ren o promotor publico da connrea de Palmares,
bacharel Ernesto \ ieira de Mello e Silva vir para
esta capital lomar assento na assembla provincial,
defecando por es*j motivo de reassnmir o exerci-
cio, que p ir inconunodos de sade deixii i a l do
corren'e.
Ao niesino. -Transmiti a V. S. para sen co-
nhecimento e fins conveniente^ copia d l aviso do
ministerio da justica, d; 15 do c.orronte, approvan-
do a decisio dessa thesouraria, relativamente ao
pagamento da gratificaco d > offlclal escrioturario
da secretaria no tribunal do cominercio, Diname-
rlco Augusto do Reg Ring!, durante o tempo de
interrupeo do sen exercicio por motivos de mo-
l.'Stia.
Ao mesmo.Communico a V. S para os de-
vidos lins, qne a 21 deste mez reasumi o baclia-
rel Pergantino Saraiva de Araujo Galva, o exer-
cicio do cargo de juiz munieipil e de orphiosdo
termo de Nazareth, passan lo logo a exercer a ju-
iis lie .io da vara de direito. por nao ter anda to-
mado posse o juiz elfectivo.
Ao mesmo.Remello a V. S. para os lins
convenientes, os quatro inclusos ttulos meneando
agentes do correio em Inga-zeira, Ouricury, Altinho :
e estaejio de Agua Preta nesta provincia.
Ao inspector da Ihesouraria provincial.Em
vista da relacao nnniai piel juntos, em dupl-
cala, mande V. S. pagar os vencimentos da* praeas
da guarda nacional destacadas na villa de Sen-
conveniente destino os ttulos de nomeacio oV
agentes di correio desta provincia, constantes di
retacad qne acompanhou o offlcio do V. S., de 17
do corrente, sob n. i)3.
Ao administrador interino do correio.Pelo
sea offlcio de hontem, sob n. 44. liquei rateiralo
de haver se realisado no dia 21 do corrente, o
concurso para preehchimento da vaga deprari-
eante dessa repartir), e de terem sido jolgad.^
inhabilitados os dous candidatos que se apreaer-
tai-am ; pelo que ter Vmc. de marcar outro d:a
para novo concurso.
Portaras

0< Srs. agentes da companhia de navegar .
brasileira mandem dar trsnspprte para a cTnle,
por conta do ministerio da guerra, no vapor F'trn
i, o capitilo do 2." regiment de cavaJaria ligei-
ra, Jos Melchiades Bezerra da Silva Costa, qne
vao rennir-se ao sen corpo.
Os Srs. agentes da companhia de navegac3
brasileira mandem dar transporte para a corte, por
conta do ministerio da marinha, no vapor Parntwi
aos reralas Conrado Paulino de Araujo, Joo
Francisco Pereir.i. Jos Ferreira Estacio, Manoel
Gom;s dos Santos. Cecilio Rodrigues Pinheiro, Jo-
s Joaquim Rodrguei da Silva e Manoel Rodrigues
da Silva.
K\Pf DIENTE DO SECRETAHIO.
/.' seceo
Offlcio :
Ao inspector do arsenal de marinha. S. Exc
o Sr. presidente da provincia, tendo resolvido qu
se passasse a Manoel Joaquim da Gista carta de 3
machinista de barcos a vapor, visto ter sido appro-
vado em exame, segundo consta do termo ann>*-
do conselho de gerra do soldado do 2o batalhao
de infantaria, Florencio Luiz Pereira, afim de que
V. Exc, em cumpriment& do aviso do ministerio
da guer a, do 21 do orienta, mande verificar qual
o verdadero nome do reo e fazer a necessaria
rectlicato, porquanto na cerlidi de assentamen-
to, junta ao mesma processo, est elle com o nome
de Florencio Luiz da Silva.
Ao mesmo.-Transmiti a V. Exc, para ser.en-
tregue ao soldado do 2o batalhao de infantaria, Pe-
dro Simoes da Silva, o incluso documento que me
foi remedido pela presidencia da proviacia do Rio
de Janeiro, em satisfagan ao que pedio aquella
praga no requermento quo veio annexo ao offl-
cio de seu antesessor, n. 46 de 11 de Janeiro pr-
ximo lindo.
Ao Sr. Domingos Mara Goncalves, cnsul in-
terino de Sua Magestade Fidelissma. Transmiti
ao Sr. Domingos Mara Goncalves, cnsul interino
de Sua Magestade Fidelissma, para seu conheci-
mento e fins convenientes, copia do offlcio do Rvd.
vigiria da freguezia da villa do Cabo, participando
terem ali fallecido os subditos portuguezes Anna
Dias I.amero, Eleuterio Dias Cameiro e Joo da
C isla Carvalho. Renov a? mesrai Sf cnsul in-
terino os protestos de mJnba estima ? c >n>iders-
cao
Ao inspector do arsenal de marinha. Dele-
rindo o reqnorimjnto de Mraoel Piulo dos Santos.
Janeiro anterior com Jes Suares do AmarjI.
para o ornerimenlo de cimento I'ort'nd as obras
q perto, por tempo do 3 mezes.
Ao inspector de arsenal de marinha. -Man-
de V. S., kigo: qne este receber, tollocar junto
rampa do paee de.s Princezas, umi lancha, afim
de omiduzir para a agencia da companhia de na-
vegacao brasileira, 15 caixAes, conten*) elementos
originaos do recenseamento, os quaes tem de se-
guir para a corte.
3.* seecao.
Actos:
O presidente da provincia, a vista do oflicio
du Dr. chefe de polica, n. 4 de 26 do corren-
te, resolve conceder ao capitio Manoel Felippe
Paz de Lnin, a exoneraran que pedio do cargo
de- subdelegado do districto de Capoeras, d* ter-
mo do Bonito.
O presdante da provincia, de conformidade
cora a profHtsta do Dr. ehefe de polica, em offlcio
n. 417 de 16 deste'm*,: resolve sumirimr o *
districto de subdelegado da freguezia de "Alajoa de
Haixo, do termo de Cimbres, denominado Cope-
tv, passando o seu territorio a pertemier ao 1*, que
licar sendo nico.
Oftlcios :
Ao Dr. cllefe de polica.Afim de ser satis-
feito o pedido do Exm Sr. prememe d i>rhyb,
em offlcio de 22 deste mez, recommende V. S. as
autoridades peliciaes da Victoria, Ciruar, Naza-
reth, Limoeiro, Bom-Jardm e Broto, que presten)
auxilio a Nilo Ks de Carvalho, arrematante do
imposto de M0O0 sobre cabera de gado, saludo
dessa provincia, afim de poder elle effectuar a ce-
branca do dito imposto.
Ao mesmo.Pelo general commandante das
armas interino ser mandado aprsenla* nessa
repartieo, como acabo de determinar, o recruta
Ci unlmo Alexandre Trigueiro, alim de que V. S.
faca reraetter ao subdelegado do di tncto de
Timbaba, para contra e'le proceder na forma da
le, visto achar-se indiciado em chine de furto de
cavallos, segundo declara aquella antoridade no
offlcio annexo por copia ao de V. S., n. 377 de 20
de,-le mez.
Ao mesmo.A' vista do offlcio do juiz mu-
nicipal de .Serinhem, de 14 do corrente, recom-
iiitiiU a V. S. que sem demora envi a dito juiz,
que se acha era Gamcl Ieira, o inquerito a que
procedeu sobre a falsificaco de bilhetes da va
frrea do Recife a S. Francisco, praticado pelo
empregado da dita e-trada, Francisco de Paula
Cordeiro Cintra.
Ao promotor pnblico interino de Ourcury.
A medida por Vmc. lembrada era seu offlcio de
11 do corrente, nao pode ter lugar, visla do dis
posto no ari. 2o do decreto n. 4,824 de 22 de no-
voinbrode 1871, por isso que nao se deu a ini-
possibildade por tres vezes successivas verificada,
de serem julgados os r"s nesse termo, eonvindo
que essa promotoria e o juizo empregnem os
raeios legaes a seu alcance, afim de impedir que
hajam on surtam effeito as absolv-oes por patro-
nato qne recea.
3.' sec^o.
Offlcios : ,..,-,
Ao presidente encardado da hquidacao da
eaixa filial do banco do Brasil, nesta capital. Sir-
vaso V.S. de expedir suas ordeas, para que nes-
se estabeleeimento seja devidaiueute examinada a
inclusa nota de 2J, que para esse fin mo foi re-
mettida pelo Exm. presidente da provincia do
Cear, coin offlcio de 10 do corrente, sob n. 4, c
me ser devolvida com o -esultado desse exarn1*.
Ao inspector da thesouraria de fazenda
Communico a V. S. para os devidos fins, qua a 2i
deste mu. deixou o bacliarel Cincinalo Alves Ca-
valcante Cainboiin, o exercicio do cargo de juiz
subsliiulo do juiz de direito da 2.a vara civel da
comarca de Pao d'Alho, por ter de tomar asseuto
na assembla provincial.
Ao mesmo. -Communico a V. S., para os
devidos fins que, segundo aviso do ministerio da
justica, de 20 deste mez, foi nessa data solicita lo
do da fazenda a expedicao de convenientes or-
dens, afim de ser habilitada essa thesouraria com
a quanla de 400, alm da de 100 de que trata
o aviso de 9 do Janeiro ultimo, importancia em
ipie foi arbitrada a ajuda de custo para o trans-
porte do bacnarel Pergentine Saraiva de Araujo
Galvio, juiz municipal do termo d* Nazareth.
Ao mesmo. -Transmiti a V. S. as 13 inclu-
sas ordens, sendo 12 do Ihesouro nacional, s>b ns.
30 a 41 e 1 do ministerio da guerra, datada de 18
deste mez.
Ao mesmo.-Expela V. S. suas ordens, alim
de que por essa thesouraria se ajuste contas e
passo guia de soccorrimento ao capitio do 2o re
gimente de cavallara ligeirs, Jos Melchiades Re-
zerra da Silva Costa, que segu para a corle no
vap>r Paran.
Ao mesmo. -Transmit a V. S., para seu
conhecimento e fins convenientes, o incluso requ*-
rimento, em que o capitn do 2" regiment de ca-
vallara ligeira. Jos Melchiades Bezerra da Silva
Costa, p-de para consignar sua familia, que
deixa nesta provincia, o sido de sua patente.
Ao mesmo. -Envi a V. S. para os devidos
fins, as patentes untas, de nomeaco do tenente
coronel Luiz de Albuquerque Maranhao para co-
ronel ommandante superior da guarda nacional
do municipio de Pao d'Alho, e do captao Joaquim
Francisco de Souza Leao, para raaj .r comman-
dante do 6* esquadro de cavallara da do Cabo.
Ao mesmo. -Tendo nesta date, de accordo
com o parecer da contadora dessa ihesouraria, a
que se refere V. S. em sua informar de 26 do
c oyente, sob n. 152, serie f, approvado o contrato
celebrado pelo ciHelho d- compras de marinha
com Jos Soare do Amara! para o rornecimento
- por tempo de tres mezes de cimento Porlland, para
, as obras lo porto, a proco de 750 ri* a arroba;
nhiem concernentcs ao mez de Janeiro ultimo,
conforme solici'ou o respectivo commandante supe- Xl) pnr ^J., o'seu offlcio re 26 do corrento, sol.
rior.eiu oflicio de l* do.corren'e. n ;;i, asm rt maula communcar a V. S. para.
Ao mesmo.Annuindo ao que soliciiou te- Sl>|l eonhecimonto.
nenie coronel rommandanle do corpo de nolica, j. seccilo.
em offlcio de hontem, sob n. 133, aut -riso V. S. a An pr. P|iefe ,|t 5^^ _o Exm. Sr. pref-
inan
d
andar abonar a 1 offleiai Jaquelte corpo, 1 mez (|lin,e jn provincia manda declarar a V. S., que fi-
1 vencimentos, e tnOOO como ajuda da custo de ,..,, 0xplidas as convenientes ordens. no sentid.
ida e volta a Cruangy, e bem assim i datas de sol- dl, nnfn pOS,.1:j gpMjjJo do subdelegado d'.
do a 10 pracis que com elle vao destacar naquella 2o districto da freguezia d S. Jos, as dnas pratyi*
localdade, a cmlar do l de mareo vindouro ;(1e mu, ,rata 0 Sta o!flp0 ^ jjg ,je 26 do cr-
Ao mesmo. Ex peca V. S. suas ordens, afim ronte
de que sejan) fornecidos ao corpo de polica, nove 1 Ao mfismo _o Exm. Sr. presidente da pro
livros em braneo de 2tK) fothas cada um, de papel vilira inauj;i declarar a V. S., para os devdo-
llollanda paulado, com capa encourada, para serem ns ,jue .,or porlarU de boje foi exonerado, a seu
distribuidos pelas companhias do mesmo corpo,! atSt, do cargo de subdelegado do districto le-
para o lancamento das relacoes de mostra. I Capee ras, do termo de Bonito, o captao Manoel
- Ao mesmo.-Communico a V. S. para seu (Kelppe Paz de Luna, de quem trata o offlcio oV
V. S., n. 428 de 26 do corrente.
conhecimento eflns convenientes, que, de conformi-'
dada com o disposto no art. 3" j 8' do regulaments
de 24 de mimbro de 1867, designo nesta data o
bacharel Ezeqniel Franco de S para exercer inte-
rinamente as- funecoes ue director da escoto nor-
mal, duraute o impedimento do effeclivo director,
que tem de tomar assento na assembla pro-
vincial.
4.' seco o.
Acto:
O presidente da provincia resnlve, de confor-
n'..ntode24 deontu'orodoanno de 1867, designar
o bacharel Ez>quiel Franco de S para exercer
interinamente o lugar do director da esc da normal,
durante o impedimento do respectivo director,
que te n de tomar assento na assembla legislativa
provincial.
Oflteos: .
Ao Exm. Sr. presidente do Rio de Janeiro.-
Deferindo o incluso requermento do soldado do 9'
batalhao de infamara, Lourenco Jos Ferreira, rogo
a V. Exc. n sua- intervenccSo no sentido de ser
prestado, por qOenyompetir, um documento au-
thentico e comprobatorio da allegaeo feita pela re-
ferida praea, de haver marchado dessa pravincia
para a guerra d> Paraguay em noveinbro de 18W>
na qualidade de' volunitarb da patria.
Ao Exm. e Rvm. Sr. hispo da provincia do
Para.Tenho a honra do acensar a reeep-ao do
ollieio de V. Exc. Rvm., de 13 do corrente, oltere-
cendo-me um exemplar de um hvro intitulado
Resumo da Historia Bblica, mandado publicar por
V. Exc. Rvma. para a instruccao da' moriJade.
Agradecendo a V. txc. Rvma. a otferta, t:nho a
seieutilicar-lhe que nesta dala mando-0 enviar ao
conse'.bo director da inslruccao publi;a, no pro-
posito de admillir o referido livro para o lim a que
destinado. Opp irtunamente darei a V. Exc.
Rvma. conhecimento do seu parecer, que nao pode
deixar de ser favoravel, attento o reconhecido t-
lenlo e superior illustraeao do seu eximio autor._
Ao Dr. director geral interino da instruccao
publica, sirva-se V. S. de ouvir o conselho direc-
tor para dar o seu parecer sobre o livro intitulado
Historia Bblica que a este aeompanha e devera
ser-:11c devolvido. ...
Ao mesmo. -Devi Ivo a V. S., de conformi-
dade com oque preceita o art. 13 das nstruccoes
de 11 de junho de 1859, as provas escripias dos
candidatos que se submetleram ao concurso ha-
vido em 22 de agosto do anno passado, para o pro-
vimento de caleiras de 1" lettras.
Ao conego regedor do gymnasio provincial.
-Communico a V. Rvma. que nesta data despa-
che! urna policio de Antoni 1 Ferreira Ballhar, man-
dando apresentar a V. Rvma. o seu rtnao de nome
Abilio Ferreira Balthar, afim de ser verificado,
pelas marcas existentes nos bracos se elle esta
vaccinado c admitti-te cerno alumno ral -rao, se
chegar a esta conviecao.
Ao mesmo.-Communico a V. Revnia. par-
os lins convenientes, que nesta data deliro t po-
ticao de Joaquim Gon-.-alo Chaves Filho, conceden-
do que seja niatriculado como alumno interno
nesse estabeleeimento, seu filho menor de 10 an-
uos, Arthur Espiridao de Carvalho Chaves, sendo
elle obrigado a opportnnamente apresentar a cer-
tidlo de idade do dito seu filho.
Portaras:
A' cmara municipal da villa de Ipojuea-
Em resposta ao offlcio da cmara municipal de
Ipojuca, de 24 do corrente, tenho a declarar que
approvo aarrematoclo dosimpostoa a qne nene
se refere, e autoriso a quintar os procos los de
500 rs. por cabe;a de gado vaecum e o de 120
rs. por carga de legumes vendidos na fera como
solcita, afim de serem levados novamente praca.
A' cmara municipal doLiraoeiro. Era res-
posta ao oflicio da cmara municipal do Limoeiro,
de 12 do corrente, consultando sobre as providen-
cias a lancar mi relativas proposta de Jos Ce-
sar de Mello Falcio Filho, para eslabelecer nas
feras bataneas e pesos pelo syatema mtrico deci-
mal, medanle um privilegio por 4 anuos, e a co-
bran a de 500 rs. de aluguel por cada urna, en-
tregando, depois do prazo, 3o bataneas 8 pesos do
dito svstema mesma cmara, tenho a dizer que
o objcto de proposta de que trata, nao materia
para privilegio, c so fosso, assembla provincia!
e nao a esta presidencia, competa resolver.
5.* 05f40
Acto: ,
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Ce;ilian) Maraede Alves Ferreira, con-
ductor das obras publicas, re-olve conceder-lhe
30 dias de lcenca cora ordenado, para tratar de
sua sade.
Offlcios :
Ao director geral interino da eslatstica na
corte.Devolvo a V. S., em satisfacao do queso-
liiitou essa directora em offlcio de 10 de agosto do
anno passado, sob n. 711, osquadros que a elle
vieram annexos para serem preonchwos pelas
mesa* parochiaes desla provincia com os nomes
dos chladios que tossem eleitos jnue? de paz do
tetual quatrenno. -
Ao director geral dos correioa.Tivcram o
Ao commandante superior do Cabo.O Exm
Sr. presidente da provincia manda declarar .1 V.
S. para os devidos lins. que foi nesta data manda-
da para a thesouraria de fazenda anortarte im-
perial de nomeaco do captao Joaquim Francis-
co de Souza Lean, para major commandante do
6." esquadro de cavallara da guarda nacional
deste municipio.
Ao coronel Luiz de Albuquerque Maranhio.
Por esta secretaria communico ao Sr. corone/
l.iit/. lo rtUtiq iiinnp U....., -.. 11.-..-1U *Li.
se remetten para a thesouraria de fazenda a pa-
tente imperial que o nomeou commandinte supe-
rior da guarda nacional do municipio de Nazareth.
Ao Commandante do corpo de polica.o
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., que foram expedidas as conveniente or-
dena no sentida de Serem fornecidos os nove li-
vros por V. S. pedidos em seu offlcio n. 130-de
26 do crrente.
Ao mesmo. O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communcar a V. S.. une nesta da-
la autorisou ihesouraria provincial a fazer o
abonos deque trata o se) offlcio de hontem, sob
u. 133.
k.1 teccao.
Offlci 1:
Ao director geral interino da inslruccao pu-
blica.-S. Exc. o Sr. presdeme da provincia manda
roiumuuicar a V. S., para seu conhecimento e liu-
convenientes que. tendo de tomar parte nos traba-
lhos da assembla legislativa provincial o bacharel
Alvaro Barbalho Uchoa, director da escola normal.
reaolveu 9 mesmo Exm. Sr., por acto desta data.
designar o bacharel Ezeqniel Franco de Sa para
exercer interinamente semelhant cargo, em vista
do disposte no regulamento de 24 de oulubro d.-
1867.
5." sereno.
Offlcio: .
Aos agentes d 1 companhia de navegacao orr-
sileira.OExm Sr. presidente da provincia mar.
da acensar o recebimento do offlcio de Vs. Ss. des-
la data, em que particip 111 que o vapor Paran,
begado boje dos pollos do norte, seguir para o
do sul amauli, as o horas da tarde.
DESECHOS DA PRESIDENCIA DE 13 DE MARCO Di
187a
Augusto Frederieo de Oliveira & C.' Infonn-
o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Bacharel Austerlano Correia de CrastoNa--
tem lugar o que requer o snpplirante, poniuant-
ao supplcanle somenle cabe o ordnalo de jui/
municipal e a gratilica.o de juiz de direito.
Francisco Jos Arrea Guimaraee -Deferido con.
offlcio desta data ao Sr. comiiupidante aupen
deste municipio.
'Frederieo Augusto Velluzo da Slvera Er.tr.-
gue-se.
Francisco Affonso Ferreira-Sun.
Henriquo Francisco de Mello Entregese, me-
diante recibo e nao havendo Inconveniente.
Jos Gomes Soares d'Almeida Passe portara.
Bacharel Joao da Cosa Ribero Machado-Como
requer. devendo no prazo de Irnta dias apposti u
o titulo.
Jos Candido da Filva Braga Informe oSr.
inspector da thesouraria pr vncial.
Jos Cameiro Maciel da Silva'nforme o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Manoel Virgolino de Souza -Eneammhe se.
Manoel Lourenco de Mattos. Informe o Sr. en-
genheiro chefe da reparlieao das obras publicas.
Mara Augusta da Silvera.Indoferido.
Manoel Thomaz dos santos.-Informe o Sr. Ins-
pector do aneas! de marinha.
Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso. lotorn '
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Bacharel Pergentino Saraiva de Araujo Galva
- Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda. ,
Rufino Manoel da Cruz Cousseiro. Informe
Sr. engenheiro das obras militares.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 14
de marco de 1873.
O porleiro.
SUn'no -t. RotliitjMs.
DIARIO DE PEHWaWIBUCO
RECIFE, lo DE MARCO DE 1873.
loticias la America do liorte <-
do Para.
Hontem, s 10 horas da manha, fundeou n) la-
maro o vapor Sonth America, trasendo tornaes de
New-York at 22 e do Amazona? at tt de feve-
reiro, e do Para at 9 do corrente. Eso que delle*
colhemos.
KSTADOS-L'MDOS.
No dia 4 do crreme deven) ter sido en.
radns os trabalhos do parlamente americano.
A medida mais importante votada durante .
me de fevereiro, fui a que acaba com o privilegio
da franqua postal, de que at agora teem gozado



T
wm~
}

i i(i ;:i (^/IMhUb de Pernambuco -~ Sableado 15 da Marc^, de 1873.

*
*w membros do coagresso e as chefes das ropwti-
inies publicas. KjiywtMo tempo esta medida lora
rejetada : agir, ppir^ti, passou por' 112 cintra
18 votos da cmara des representantes. A lei-en-
trar em vigor iioml l.'-de jalao prximo.
A cimnissio de jKtica da cmara apresen-
Mu com son parecer um projecto providenciando
sobre a distribuirn dos 15 milhdcs e mcio que,
pila sentcnc do Uibujrfdclfenebria.'a (Van-Bre-
tau'ii deve pagar ao.s^pidinrtkiid* Eateude a
oomniissao qiu- o pafaarnlo.' -feitol ao gwpernn e
aio a chitados, e mu* pr c*naj|u|ite o^overi
tein o dircito de dfcwiilo eeaw 'he parecer
i istioa e at pode r*ar-as sofra da quautia reci-
bida.' Em coneltisjaa rorafatSfas julg.t que qe
roclainantes do indevajsacao por :r:-.< dos corsa-
rios ttgleze< douqn riaflatrer aea tnhunies orina-
rios para liavefee salataofi.), nao a commissab
que o presidenl^Crant^a;c*fi)iiuMiiJmKim- se no-
measse.
Durante quasi todo o mez continuaram em ses-
sio as eominisses que o congresso mineara para
prifcederein um inquerito as aceusa-roes de mal-
v.-r*ae4o de. mtiuUnj cu-s em iygy.iQg drw o j;n-
1i indias Crdit Mobilier, e da estrada de ferro do
aeilico. A principal commisso ja concluir o
mqui-rilo e omstava que em poneos das ia apre-
sentar sea rnlaterio, mostrando (fue algans repre-
sentantes ou se deixaram corromper ou obra-
ram imprudentemente, e propondo a expulsad de
dous membros da ranura. A opiaiao publica,
potasa, alo se musir satisfeito cim esse boato,
pote, conviccio geral que se alguem deve ser ex-
pulso, os dous individuos iudigitados dovcn sabir
ae3dl|ianll!IIM de mals tres ou quatro.
.No pnu.-ipio do mez veio 4 luz da publicida-
eumeaso extraordinario de corrupjao otllcial.
O-seuador peto -Kaosas, Mr. S. C l'oraeroy aspira-
va urna reeleican ao eongrosso pela legislatura
di sen Estado; mas, luyendo grande opposicao
contra elle, resolver gastar muitn dinheiro para
conseguida. Un de seus adversarios da legislatu-
ra, o senador York, sabendo que, elle eslava com-
prando votosy offereceu-se a vender o seu por urna
i mi na que afina) se asseatau em 8,0)0 dollars.
No dia om que a togi-Iatura so reuni para proce-
der ;i eloicao, Mr. iurk levantou-se, referi todos
os pormenores da trnsatelo e puchiu do boira da
oibrecasac um m ico contendo as mesmas notas
que lito dera Mr. Pomeroy, -rinaco que mandn
levar racsn, da presidencial 0 discurso e o acto
de Mr. York produzirara inmensa sonsacad nasos-
sito mixto di legislatura, e o resaltado foi urna
inc perada e completa derrota de Mr. Pomeroy, o
qual domis a mais foi logo prono pelo soborno.
- -o ilo depois solt sob llanca. A nica explicaco
que, d o cx-scuador que foi victima de urna
onspi/ncao.
O resultado do ^ligamento do Mr. Twoed.
ex-inspector geral das obras publicas do New-
York, oi um dcsarrrd do jury. Sete jnrados
achara ii-n'o roo ; mas ora necessario una decisio
unnime.
- A divida publica contina a augmentar. v!sta
a modificaba da poltica finaneeira do secretario
do thosouro.
O euugresso recusou-se auxiliar a compa-
a! a douavegacao da Australia.
A coiniuissio do justica da cmara propz
a igi acatar os ordenados do presidente, ministros
de e t id >, juizes di.supreino tribunal e membros
i > r inggtwo.
K.illecenm nesse mez o professor C M. Man-
ry. um distiiieto geographo malbematieo, autor de
ni litas obras importantes, entre ellas una sobro o
.-i-na*.oiias o^i cx.-govcni.idor da l'onsylvania, J.
\V. <;oary, ane so havia dias entregara esse cargo
a S-vi suecos sor.
Dam >s em soguilla alfiins extractos do hole-
l i eu nmorci'-'l dos Sr.-. '.. .adin nn 4 C, do N'\v
York, em 21 de evurelrn :
..- Onfo. As lluctu;u;oes doste metal contiima-
'.. n i-oin.i p'-lo passado e conserva urna firmeza
^< te nao era do esperar. O typo varion ntreos
i'Xtremps de H2 S\S lli 7[8. Colamo-lo hoje
a tttl#.
u .Ujudiin (Lfvre). A balxa mencion.ida em
ii is n >'ajkiivle at il 7|8. Com avisos do iuactivida-
de n is morcados inglez'-s, o mercado afrouxou e
precos declinaran) novament-. at 21 t[2. As
entradas francas que tivemos ltimamente do in-
terior e o estado intpnsnavel de nossas mas e es-
tradas de ferro, contribuirn! accuinulacao das
existencias, porm desapparecendo estas anBcnl-
.' 11 lo sappdr que o mercado se tornar no-
vainento liruie e activo. As entradas das quatro
semanas rindas em 14 do corrente, foram de-----
198^82 fardos, elevando a totalid.nle. ilo= hiAg
rmUl-o fardos cintra t.091,196 nn mesmo tempo do anno
passad, A existencia boje do 963,068 contra
560,939 fardos rio mesmo dia no auno passado. As
< iportaeoes las piatro semanas foram de 3rt4,684
mtra 211,953 lardos na mesma poca do anno
passado. Oalgodao da classe Xcw Orleans nie-
iliau Tota-so lioje em Liverpool a 1*0 l|B d.
AtSHfarts. (Diroitos I 3|1 a i e. por libra.
segundo asna rlassilirafo).
ii Pro.os BrasUeiros piugados:
Baha em sacros 7 f\i a 8 l[l o. por libra, pra-
/ < do l mezes.
Petnatflbuco em sarcos h a 8 3|1 c. por libra,
pfzo de 4 mezes.
o m reado continua mnito desanimado o todo
i favor dos coinpi adores que QMMtram muito [toa
>, disposic i a entrar no luorcado.
As entradas c msistinim em 2,590 saccas por
Ir/iiir Bggtesip, i.'.KKi por G-'o l.udwiy, 5,600 por
Vury, 4,7:0 por SemeuJwu, 4,2'U por Amelia
ir /-, todos de Pornamlmeo. c do 3,i2o por J.
I Gilleptie da Baha, ao todo 25,075 saceos.
As vendas dos de Pernambuco foram as se-1
- ates:
2,."f>0 saceos por Arthur Etjgles a 8 7|S.
1,900 ditos por eo l.wliriy a 8 3|4.
h 5,000 ditos por Mary, pr c >nta de refinado*
re -.
'i.700 ditos por s. June a s -!|8.
1,2 0 ditos por .1. Wihon a 8 I[8.
3,'ino ditos por Am. Heiuiella a t c.
ii 3,100 ditos por Jabotilaa a 9 c.
o 3,000 di'os por SfocaiM de 7 1)2 a 8 7|8.
n ',."';>'! tJi;os por J'ine a 9 c.
7.'.' 0 ditos par Rnttdolpk de 8 l|2 a 8 7|8.
Nao bouve entrada alguma em BalUmore. o
oTogamenlj do Imperader foi vendido i 8'J|I0.
A unir entrada em i'hiladelphid foi a do OH-
i de PiTnanibueo com 8,8U0 sainos, melado dos
jpjaes alcancaram 8 3(1 e o resto 9 c.
n Em B iston cbepcii o Florence de Pornambueo
om 2,600, que ainda icaai por vender. Veiuij-
r.invse i,'J i saceos por Julii Malee a 8 c.
Aeluin-se actualmente, em llamptoii Roads,
-.le rand l orden* o Ikruiren ruin .fi:tiO saceos e
i Solnaitnumt com 1,10!) sae os, amiios de Per-
A existencia em 21 do paseado, en
' lew-Y irk era d.', saceos M Hhegaram npis de Per-
nambuco S 1,930
hagaraw dopois da Balua 3,135 2-i,075
i9,37i
> k] :..::- |. !im para 04 .
imo 49.375'
Deixando a existencia :
Em New-York No. i
!,W0 saceos-
E-a ll.unpton Roads 10,00')
T''..l) boje dos Estados-I ji'd's 12,0-)
Gnft *ln Hio e Simios, (livre) ordenado J7 '
,. 17 3j'. Boui t!) 'i' a l;)'.,.-Oaro.
a Regular is 'J a 18 f. Sapwior 19 -| a
2H c Ouro.
As entradas KmiMrMMe a 17,770 saceos do
i. Rio. J,'i' de Bantos. o mercado com.ervou>
0 muito firme durante o mez, porem as transac-
cjoas foram limitadas por falta de BOrtimento. (te
presos das classes superiores cowrvam-se os Mea-
rnos que os de nossa ultima revota, porem os das
rliiwol ordinarias e regulares sobiram de V c-
Uta consequencia de sua cscassez. A sabida an-
tecipada deste vapor nao jiermittc saber qual ser
o effeito das noticias que o vapor esperado deve
inrer, o cu-ta a crer que os nossos /weens j to
adotpssam subir anda mais. ;V vendas de
in soestimadu em 18,939 saceos em New-York, e
2.9.6 nos outros pontos, formandj urna existencia
tota) nos Estados-Unidas do 4,1,8*5 saceos.
C W!.-QivresA. Os presos sao os se-
(ninfos:
i- Rio (rande. Veriles salgados 18
Secco*, bois e raccas 27
k bois v 27
vacca 50 27 J|*.
<< novillias 29 c.
" Maranhao Para Silgados 17 a 18 c.
~ Ver Jes 12 a 13 c,
< A procura^ para este gnero nao carrespondeii
us esperancas dos possnirores e nao obstante as
enrranns terem^idn mni'o iriftiicrs s don annes
antmore?, MinotiHtica -cridade, por enf mo-
tivo es precos deelinar.im de l\* a 'i" do ponto
mais etevndo qe lirmfr sV^slfj*. As- wAtMtkfmV! antorfeando o presidente da prorinria
*

do mez foram as seguintcs : 60.) couros de Pa.r
na!i>Da por C. W. CTir,i;, 12,588 \lo Rio Orahtfc
par \k1rg4retk-1 :' N'ew-Yorkc 11,941 por Pepita
o II. Vlii por .Mrt/.a/ aUertfiH ambos a,Boston viudos
do Rio Crande. As vendas consistiram ciii&O
cotiroS d Parnahyb'a a "22 c. de 2,300 eours sec
eos do Rio Grande a 27 | e de 2,193 ditos d
novilhos a 29 c. Km Itoston vendoram-vr 7.47
couros seceos a 87 3i', 3,100 coums seceos de boi%
a 26 '1 e 1,168 conros de novilhos a 29 ty. mdft
em ouro. A existencia hoje de 98,606 as procedencias, uos quaes Kguraui 8,351 seccar
do Rio Grande. Na mesma poca em 187 a ex(s-
toncia era de 31,8 K) e em 1871 de 117,5o)) eouros
de Mdas as procedencias.
Jacai-and. (livre). Babia 2 'i* a P0^!
libra. Rio 5 a 8 c.
(J5Braram somonte I70.^>edacas por J. J. Gil:
Irpsie da Babia.
As vendas consistiram em.156rnedacosdo diH'i"
que regularan por 8 a 8 'i* c, eue 79o pedartdo
da Babia de 3 a 5 c. O nn-sso mercado se^afha
|ini|;i Imxii snpnriili o us procos cciili""! vorecer os compradores. As existencias sao hoje
estimadas em 2,56 pedacos do da Bahia e* 3,116
do do Rio de Janeiro.
AMASONJuS.
Seguir o Dr. chefe de polica, acnmnanhado
de torca militar, para Manes, afini de syitdinar.o>.
bro o attentado de que ia sendo victima o vigario
da freguezia.
O presidente da provincia nomeou una com-
n.issuo, composta do commandante Nuno Alves
Perelra de Moflo Cardeso e tcnente-coronc 1 Maxi-
miano de Paula Ribeiro, para lewar a elfeito a
consirnc'.ao do hospital da caridade. J subia a
ll:9863)0 a somma da subscripcao promovida
para esse fun.
O Coiihhcico do Am pirinea )res sobre o naufragio do luate norte-aiue-
ricann 89t Spruy:
a Pelo Jaimt y, vindo do Madeira, tivemos co-
nhoeiincnto que, depois de atracado junto as cai'
loeiras Santo Antonio, o hiate norte-americano
Silcer Spray, que rarregana o vapor Mamor, da
companhia da estrada de ierro MadeiraMamr,
submorgio-so em consequeacia da rpida vasante
do rio.
t E' possivel que coma vasante futura sepos-
n salvar o oerregamento, e que a companhia Rao
solfra total prejuizo.
Em sou regresso o Jatnury encontrou perto
de Exalt ^o o grande vapor Aluri. da companbia
do Amazonas.
Este navio carregava material para a compa-
nhia da estrada de ferro.
No dia 7 de fevereiro havia na thesouraria
provincial um saldo de 73:834^814, do qual a
quantia do 31:176223 snjeita a diversos paga-
mentos.
Eis a demonstraran do saldo
der a Antonio Jtw % Azevedo privilegia Jar *
annos part fundar neltn cidade nina ofllriqa A* irtf-
priiir-e ^TioMinisikas nacionaes e estrieras.
3*.disoia*au do projecto 11. 102 de 1871, atlto-
Msan'dd t> WeMrTnte da provincia a nortear o pro-
' ^ssor jubilado Joiio Izidro GoncaWes da Criu para
0 falquwradejwrff instripioi n#inria^>B\ pw|'
vado.i JB| / 1 .
hroj^Wn. 1 de 1871, trans-
groja doleos Stnhttrado Am-
ws Gamr -a sfc4i fregippzia de
<
e apnrovado o SQguinte jeqoeri-
aianwato dadbeiissao, at qae
Em dinheiro... 31:3074712
Em let m..... 41:0164132
Apolices do (o
veriHi....... 100.000
Joias......... 860O)
Em mao de res-
ponsavois.... 25* A pagar..
73:8315814
3l:176225
39:3Ji84619
Cliegr.i a Manos o Sr. Joio Barbosa Ro-
dngues, autor daloonograpbia das onchidoas do
Brasil-.
Reprossra o vapor Gnqjar da companhia
lluvial do Alto Amazooas de boa viagem de explo-
radlo do rio Jurua, com a prova da aavegabilida-
do do rio por barcos de vapor.
I ios annoxos do roblono do administrador
da rosebadoria provincial de Manaos, extrahiiuo.s
o seguinte resumo da receita srreeadada durante
o primoiro .semestre do exercicio corrente de 1872
a 1873 :
Lei n. 214 de 27 de maio de 1872. Arti-
go 12
Exporta;io.......
Interior.........
Extraordinaria ......
108:8014865
r:185814
1924742
121:5404421
c
Rcndimento do primeiro semos-
tre do exercicio de 1871 a
1872......... 92:1114817
Sxeesso no primeiro semestre
do de 1872 a 1873. 32:4j8004
l'endimento dos tres por cont
addicionaes para a compa-
nhia......... 29:3614891
l'AB.
0 vapor brasileiro Guard sabio do porto do Bo-
lra pan o nossq, pelas escalas, no dia 7 do cor-
rente
J se achara desencalhado o vapor Joao Au-
i/nstn, dos baixos do Paran em Teilr.
Segundo o recenseaniento ultiinamente pro-
cedidos tein : a freguezia de Santarcm 1211 fami-
lias com 87ii9 habitantes, sendo 4265 honiens, e
4484 inulliorcs, 85i9 brasileiros" o 231 cstrangei-
ros; c. a cidade de Braganca 1672 familias" com
10'. 15 habitantes, son Jo 5 67 homens e 5518 mu-
lleres, 10807 brasiloiros o (8 estrangeiros.
No vapor Arury seguir para Manms .1 coin-
missao brasileira nomenda para inspeccionar a
eonstruccao da via-ferroa do Madeira e Mamor,
o para demarcar os terrenos devolutos na margem
do Madeira.
kemos no Dtdrif do Gram-l'nr :
Segundo informacoes que podemos obter, a
autoridade policial do districto de A\cara acaba
de prestar um bom servioo, capturando cinco ne-
gros fgidos na Iba Cerrada, mais couhecida por
ha Rosa, entre o Arapary e a ilba das Oirs,
poneas mUlias distante o porto desta cidade.
Cnegada ao eeabeamiento d'aquella autorida-
de a denuncia desse germen de niocambo, orga-
nisou esta urna pequea forea de guardas nacio-
naes e |iela tarde de um dos ltimos dias desta
semana baten a ilba at esbarrar com os negros,
que uessa ocoasi.io se achavam oceupados em co-
brir um rancho de palhas.
A' intimacao da forca para cntregarcm-sc,
meponderam com dous tiros, o que obrigou a for-
ga a atirar tamben, feriado don* negros, nm as
aspaduas e o outne no baixo ventre, sondo este fe-
rimento considerado grave.
Rendidos pela forc,i, depois da pequeua re-
sistencia, foram capturados quantos all estavam,
menos nm que poudo escapar-so, protegido pela
oscirido da mito, que sorprenden essa lili
geiioi.i.
t Osesemvos oaptorados, qu-jj se acham re-
'.olhidos e.idoia de S. Jos, sao os seguinV's :
Anselmo, Boavcntura, rsula o urna lilha me-
nor, do tonento-eoronel Barata e Lucia Mara da
Conceicoo, do tenente-coronel Raunundo Ribei-
ro. 1
Segundar/eir a tarde fundeon em nosso por-
to o magnifico vapor ingiez Duke of Ediabtugh,
pivcedeute do Santo Antonio ao ri Madeira, don
do troaxe una exeshVnie viagem.
0 Duke of Edinhnrgh sabio de Santo Antonio
as oito horas da noite de (7 de fevereiro, e che-
gatdo ao nosso porto s quatro ho-as da tarde de
21, gastn na viagem seis dias e vinte horas.
11 Esse vapor foi o que conduzio emigrantes
hespanhes para a via frrea do Madeira Mamn*.
I*- .^embarcando em Santo Antonio os passageiros
descarregando a carga, suspendeu para o no-so
porto, c'mo j o distemos, s oito horas da noite
de 17 deste mez. A una hora da madrugada de
18 tocou no Jr.mary, em cujo porli demorn-se 7
horas. A's oito horas da manM suspendeu. e pern-
eo depois passou pelo vapor Jen Augusto, da
companhia lluvial paraense. Vinte e nove horas
depois, isto una hora da tarde de ii), tocou
om Exaltarlo, onde demorn -se alguin tempo a
roceber lerilia. Neste dia eieonlroa o vapor For-
taleza, .10 p das Barreiras de Tpana. A's qua-
iii horas da tarde de 19, levanlou Ierro c che-
gnu a Serpa s 2 horas da tarde de 2|1. gastando
na viagem de Santo Antonio a Serpa 56 horas.
G Duke of EdhibrQh passou pelo jarmete a
vapor Manos da Amazon StCam Navigatioii
Company limitd no dia 21 pela costa de Obidos,
encoutrou em Santarem nm vapor cujo nnme tro
pondo verificar.
O eambio regulava sobre Londres 26 3ii a
27 d.
acn
X

.!. disu
tindo ia
* aro d'A|a
ajellasj
fem
meato :
seja imvido* prelalo ifioeesano.*-j|f/<
L USraWieloL4Ar considcracocs.
4Vms ** *J faz a!
cssetojiWiliAico* ieu r#nuMnje|i,,
ErKTiTada a discu***), 1 seffof ime*
Ajlos, e. reieiudo^ium-Cuu) o projocm, _
I." di se 11 sin do projecto n. 77 do auno passado,
sentando do impost 116 da#inii|^i cmx no fcn
ciona o hospital ihglez.rol rejenadoT
Sr. unes Patento pede que-te Ale-
claro na arty4 que elle votou a favor do pro-
jecto, ,.
1." disciissito do projecto n. 88 do anno passado,
auturisaudo. o pri'klu*e i.dn .provinaia. t mandar
admiitir no gymnasio provincial, o menor Manoel,
lilho de Monoel P. da Costa Mooteiro, como alum-
no gratuito.Foi rejeitado.
1.a discussio uoprojecio n. 101 o anno pasea-
do, Auturisaudo o presidente da pmvieia 4-n*au-
dar ailuiittir no gymuasio provincial, comameio
pensionista, a lledalo Cestoe Villela WsSatikis.
Foi rejeitaeV).
1.* discusso do projecto n. 103 do anuo pasa-
do, concodeiido a Jame* Williaiu uui privilegio
para fabrioar assucar. por sn iwvj systejna.hoi
ajiprovado.
1.* discusso do..projecto a. lio do jumo passa-
do, coiicedendo meJnura^de voncimentos a profes-
sora U Joaana, Justina de Siqneira Varejo.- Foi
rejeitado.
nica discusso do projecto n. IH de 1872, sobre
posturas da cunara municipul lio Buique. Foi
approvado. ,
2.a discusso do pn^ectoin. 77 do 1870, autori-
sando o contrato do encanaatcnlo d.'agiu para a
i-1 dado do Rio ForukiMi. 1 .
Entrando em discussio o art. !.?, vai i mesa
poiada a seguinte emenda :
a Em voz de 50 diga-se nao exeeder ue 30
aimos. '-F de Figueiroa. n
Encerrada a discusso, approvada a emenda.
Eimaui em discusso o sao appserados sexarts.
3.* e 4".
Passaudo-se ao ari &, o<8r. Oliveira Fouceca
faz algunas obstr-vacoc relativas i-co de
impiistos 1 iHUMicJpoes consignados projvcto, por
Iho parecer que essa isen^io deve depeoder da
iniciativa da amara.
Enceirad;i a discussio, approvato o artigo.
Entran successivamente em discusso e sao ap-
lirovados sem debato oart&; 6.?, 7.,iVk Hf 10.*
11.' 11% 13-ve 14..
1.* discusso do projecto n. 77 da 1870, regulan-
do-a oobrauea do nipos o de horancas, legados e
duacoes, ,
Dola de vo(ar-s< por falta de numero legal do
Srs. deputados.
O Sr. presidente designa para a orden 1 do dia:
i'ontnuac,io da antecedente e mais 2.* discussio
dos projectos s. 9 e 103 (Je 1871 ; dos de ns. 39
e'58dol872; 3." do dq*. 47 de 1872 ; li" do*
de ns. 24 de 1872, e 74 e 75 do 1873, e levanta a
sssao.
_____
SESSAO ORDINARIA EM 11 DE MARCO.
pruisiDEseu 00 sb. 011. hlivbiha ammudi-:.
(CohcIhmoIo <0./
.. 1 VOgDUI.BO Di*. .
2. dibeussae do projecto 14 ,77 4 1870, refalan-
do ,1 rubrauca do impo-to de herancas, togados 0-
doacoes.
Mai' mesa, apoiadne pofto om dieaosso o
seguate piojento.substitutivo :
: Ait. I.* Fu adoptada para,regular9. cobrau-
ca do imposto do sello de herancas, logados e doa-
ces, a Uioella auuexa ao decreto n. 1,3.'k> do 17 de
abril deilSOV, e o mesmo dooreto na parte relati-
va a esse imposto.
ArU 2.* O imposto 6 devido de quaesquer bens
situados e possuidos na provincia, sejam beus de
raiz. movoi, ooaiuau(e{|, dividas, ttulos, apolices
da divida publica e provincial e aocoeg de cumpa-
ubias, salvo as exeepcoes feius por lei provincial.
Art 3." Continuam em vigor a lei provincial
Anwto
tes-i sei
Lamen ha
T
roa
Costa, G
(ai 11I1 a e
SESSAO ORDINARIA EM lTJE MARCO.
rRESIDK.NCI* DO SR. DR. FERREIRA DE A GUIAR.
tita a chamada, acham-se ^reson-
Srs. depDiados : Arcoucio Silva,
Goncalves Ferreira, Freir Oa-
o de Carvslho, Vielra de Araujo,
'aria, J. 'CorTaide Araujo, Alisto
Prente, Guedes Gondim, Ai na ral,
redo, Oliveira Andrads, A. Correa
de Araujo' Pfreira de. AaViiar, Mello Reg, Flr-
mino de Nomes e I'into Jnior.
Abr-se a sessio.
K' lida apecuvada a vrli 4a astetior.
O Sr. 1.a Secretario d conta do seguinte
, BXi-EBIEMTe :
Oficias:
Do soerartTio do governo, refrtetfendo copias
dj. actos, de 20 deugosla e 24 de outubro da.
anno passado, approvaado provisoriamente diver-
sos artfgos de posturas addleionaes da cmara
as ants da matriz da Boa-VistfcbelxWWftfesIs^Bnfbpa -A AfWrlfe'em;fevereiro,
v'ot'trysbipor falta de numere.
O Sr. presidente designa pira Wifem do dia :
continn*r>o da antecedente, eniafs^l discusso
do prefecto n. 1 deste anno, e levanton a sesso.
munclpai da cidade da Victoria.A' commisso
de pasturas do eamaras.
Do mesmo, remetiendo o projecto de posturas
addicionaes. e copia doofiteio de 17de fevereiro
do anno passado, expendondo as necessidades da
camarasjaiuiiicipal da vilia'd-Agoa-Preta.-A" eom-
missio ne orcamento municipal.
Peticao:
Abaixn assignado dos moradores da fregnozia
do Muribeca, no lugares Corete, Piedade, Venda
Grapde, Candeias ele., pedindo que seja feila a
estrada autotisada pela le 11. 892.A" cmnmissao
de orcamento- provincial.
W Np. J. de Hllo Rogo faz coosideracoes
no seatiflo de ser fra de tenro a discusso de
preferencia.
(Continuar-se-ha.)
i
REVISTA DIARIA.
Assemhlu provincial.Nao funecio-
nou hontem por falta de numero legal de Srs. de-
putados.
Autoridades pollciaes- Por portaras
da presidencia da provincia de 7 do corrente,
foram exonerados, a s.uu pelido, Zeferino Aure-
bao de Figueirdo Mello, de supplente do
subdelegado de i.- districto da Escada, e Fran-
cisco Cavalcantc de Albuqucrqne L ns, del.* sup-
plente do dalegado do termo da Escada.
Municipio de S. liento. Em 7 do cor-
reate foi expedida a segainte portara:
O presdante da provincia, tejido em vista as
actas das t leicoes para vercadores e juizes de paz,
procedida a 6 de otrtubro do anno lindo na fre-
guezia de s. Rom Jess dos Afflictos da villa de S.
ento.e a da apuracao foita pela respectiva cmara
e mais papis relativos : atienden lo a que na
leicao presidida pelo primeiro juiz de paz foram
nienciouadas as 3 chamadas em una s acta, vio
se lavraudo a especial da 3.*, como detcrnuua ex-
pressamaute o art 49 da lei d 19 de agosto de
1846, c por cuja falta foram auuulla los eleicoes
llenKeas peles arts. ns. 13,118 e 149 de PSdeja-
ieiro de rSO, 31 de mareo o 3 de maio de 1871;
rE
MAMBUGft
ASSE183LSA P3DYINCIAL
SESSO ORDINARIA EM 10 DE MARCO.
PBESIDBNH \ D3 SR. DR. FPRRE1RA DB AOCIAR.
(Concluso do n. 69)
ordm no Drl
i* discusso do projecto n. 109 do anno pjisa-
n 32) art. 44 para elfectuar-sa a cobranza em di-
nheiro, e as que nao foreni expresamente revo-
gadas por esta.
Ilevogadas as disposieoes em. contrario.Pcr-
uambuco Jnior. Padre Ctutlnt e Figueirdo.--
Jttgo Yieira de Araujo.J. de Helio Bego.
O.Sr. \. l'erHiiuihnco expende varias
considerables em susteutacao da emenda que
apre>si'i)la.
Sr. \ i <-ira de Ara jo : Sr. presiden-
te : eu sou autor do projecto que se di>cute, e que
tonde a regular a arrecadaco do imposto de sel-
lo de herancas c legados.
Aprcsentei-o ein 1870, e disse enlo, justifican-
do a sua materia, o seguinte (l):
Nao.se pode considerar no mesmo caso paca
marcar igual favor da lei a heranca deixada a um
prente e a doacao foita a um estranho ; dimiouir,
porm, a taxa da heranfa, qaando se tratar de
transmissoes entre prenles, seria prejudicar essa.
leuda da provincia, sem razio ulansivel minorar
ou tornar mais leve um onus para o contribuinto
que j a elle est acostumado, porque conta satis-
razd-lo. '
Mas.desde que se estabeleeer urna escala para
os diversos graos de parentesco em que se acha-
re m os obrigados a pagar esse imposto, gravan-
do-se estes tanto mais quauto maiw or a distancia
entre o ansinissor e o herdeiro, tor-so-ha conse-
guido que a renda em vez de decrescer augmente
vanlajos;imente sem grvame- para os conlribuiu
tes, e pelo coutrario muito suavemente para os
(jne forem parehtos mais cliog dos do trans-
missor.
a Alm disto, se a renda geral tende a augmen-
tar |iela alteracao dessa taxa com relaco a impos-
to goraes classicados como imposte de trens-
mi-sao e com a dos do sello de heranca peculiar
ao municipio neutro ; porque nao adoptaremos
nos urna lei que regular melhor tal imposto e nos
trar inmenso proveito pelo creseimento da
renda ?
Eu deixo de expor agora as ra?oes em que me
tundei para .1 presen lar o projecto, porqne ellas j
foram mni bom apreciadas e desenvolvidas pelo
notare deputado quo acaba de sentar-se.
No ppijeeto autorisouse o presidente da pro-
vincia a organisar um regulamento do imposto ;
o substitutivo agora apresentado, porm, manda
cobrara imposto pelas leis j estabelecidas, de ac-
eordo com o decreto geral n. 4,333, regulando a
tabella annexa ao decreto do inestno imposto, que
sem duvida muito equitativa Bode at mesmo
o substitutivo sor approvado em, do projecto,
anda mais porqne elle trato de considerar como
divida pubiiea o sello de logados e heraoas,
qnando osles tivoreui por objecto acedes da divi-
da publica, visto como a lei geral quando descri-
niinou as reniLis considerando provincial talim-
posi.i, nao faz distiuccio alguma a esse rospeito,
como bem opinon o n>bre deputado que sustonton
o substitutivo. Por isto, tendo.assignado o ines-
m.1 substitutivo, yotarei por elto. Seto-me t vol-
tarei de novo a tribuna, se a islo alguem me abri-
gar, impugnando o substitutivo.
\ a mesa q apoiaiJo o seguinle reaneri-
mento:
aMendendoinaB a que nao foram mencionades, to-
dos os votantes, que nao comparcreraui, o que ve-
riflea-sc cqmparapdo-se o numio dos compareci-
dos e nao comparecidos cora o total da qulifica-
cao, contra o que determina, o art. 40 da lei j ci-
tada P aviso de 24, de outubro de 1857 e 27 de se-
tembro de l8o9 ; attendendo anda a que nao foi
mant{d,i nest ele{ao a liberdade do voto, como
est provado por nm protesto assignado |ior um
crescido huuihio de elcitores c supplentes, o, qual
foi lavudb em jioU do tahelliao Lcmos o trans
oriplo as actas da elcicao presidida pelo 3.'iuiz
de paz, por um abaiso .assignado de 73 Qidadnos
da uaroenia e por uma justificacao julgad* por
senteuca, em que se declara, por accordo do pri-
meiro juiz de pa'.e e delgalo de polica, ter sido
de vespera cercada a matriz, conservando-te a for-
ca. io dja seguinte para impedir quo onlrassem
Helia os da parcialidade, npposta sendo tambem
imsladbs piquetes as estradas para lizer voltar os
votantes que os nao acompanhassem, o que foi cor-
roburado por officias daqucllcs funccioiiarios, no-
ticiando esses factos, dando porem como motivo os
boatos de disturbios, que corriam e rnelo de evi-
tar que os volantes eutrassem armados na villa,
sendo que para isto, alera do destacamento sua
disnosicao, foi requisitado parte do da villa de Pa-
iiaUas, n foram chamados 30 paisanos como auxi-
liares, o que declarou o referido delegado no sen
oflicio ; attendendo, por outro lado, a que na elci-
cao presidida polo 3. juiz de paz deu-se tambem
a nulliilade de nao conibiiiaieiii as cdulas roce-
bidas c o numero dos votantes nao comparecidos
com o total da qaalilicaoao ; attendendo linaliueii
le a quo, alemdisto, ha toda prcsumpciio de havor
sido falsilicada ,a respectiva quahlicac'io, o queja
nao e-t ferificado por nao ter ainda sido apre-
sentado em juizo o competente livro para sobre el-
I proceder-se ao esame ordenado por esta presi-
dencia, o que mais vem corroborar a presumpeao
alludida ; resolve, do conformidade com o artigo
llilda lei cima referida, aviso n. 3i0 de i9 do
novembro do i8l c mais disiiosi^iesrelativas om
vignr, annullaras mencionadas eleicoes, expedin-
do-se as necessarias cummunica^ues, alim de que
conliouem em exercicio dos cargos de vereadores
e juizes de paz do municipio e districto.- respecti-
vos os do qnatrienhio lindo.
_ Esta delibera; o tica dependente da approva-
cao do goveruo imperial, a- cujo conliecimentj
ser submettida.
Guarda nacional.Por portara da pre-
sidencia da provincia, de 6 do corrente, mandou-
|.se aggregar ao 2 balalho do iufantaria, do mu-
nicipio do Rocife, o lente qnarlel-mestro do l.
jialalho da capital da provincia da Parahyba,
Frcderico Ulysses de .\Jmeida e Abuquenjue.
.lu/. do eoinniercio. Por |iortaa da
Jipresidoncia da provincia, de 6 do corrento, foram
nemeados l. e 2 o supplentes do juiz substituto da
vara docominercio desta capital os hachareis Fran-
cisco de Assis I'eroira Rocha c Manoel Joaquim
Francisco de Moura. visto nao terem tirado titulo
ikm prestado juramento os bachareii Francisco
Augusto da Costa o Ciarlos Augusto Vaz de Oli-
veira.
Anniversario.Competou hontem 5l an-
uos S. M. a Imperatriz. Por esse motivo esliveram
embandeiradas as estacos publicas, dando a for-
taleza do Urum salvas s' horas da inanh, 1 e 6
da tarde.
IMario de Pernambuco.?e cliegarem
hoje os vapores, bra-ileiro Guar, e ingiez Cur-
co, distribuiremos amanha nosso numero do segun-
da-fui ra.
Vapores esperadosSao esperados de
hojlHt amanha os vapores, brasileiro Guara, do
Para pelos portes do norte do imperio, e ingiez
Curco, de Liverpool e Lisboa.
Vasporcs a saJiir.Devem sabir : boje os
vapores Pirapamn c. Muiulaliu, esto para Aracaj
e' escalas, e aquelle para a Granja e escalas, e o
Parahyba para Rio Formoso e Tamandar ; cora
brevidade, para a Bahia por Macei, Penedo, Ara-
caj c Estancia, o Dantas.
Arrematacoes provinciacs. Foram
transferidas : para o dia 2) do corrente, aarro-
mataco do sitio dos Remedios, adjudicado fazen-
da por 3:730ii 00 e para o dia 27, as arremata-
cCes do fomecimento de alimentaeao e dietas aos
presos pobres da casa de deten^o, no trimestre
de abril a jniio ; e o imposto de B') reismOr litro
de agurdente consumida na enmarca de Nazareth
oreado em 290900 por anuo."V .
Reunio de irmandade.Amanh.l,
9 horas do dia, deve
horas. J Coera de Araujo.
Encerrada a discusso, o requeriuiento pc^io
a votos e approvado.
t.' discusso do projecto n. 20 do anno passa-
do, autorisandn o presidente 1!,-. provincia a con-
tratar com Joaquim Alves dos Santos Soirza a il-
luminac.ao a ga das cidades do Coyanna e'fio
Formoso.
r. Ge Cavoleanti prle que o Sr.
presidente consulto a rasa para v"r se a mesma
na' rciiratfa de-umd emenda que
Portuga
por trimestre
instrueco publica
Brasil."
- Assigna-se-aSiSOO
feanceza.
EVfWa) harmona, -lia
noute, sesso dessa sociedade,
n. 8.
"Fregirexia de S. Fre
i geologa ne
rm livraria
ije, s 7 horas da
ra do Jardim
Pedro 1 ion-
no exercicio de
fre Augusto
alves.-Domingo (9; entrou
Coadjuctor dessa fregnezia o Rvm.
a Inmaculada Coneeleio Alves.
I Instituto histrico e piiloaiopliieo.
>-Reunir-se-ha amanbl esta sociedade em sesso
preparatoria, na ra do Visconde de Inhama
IVavlo aeonlrado -A escuna portugue-
sa Aguia fallou, na lat S. 4' e long. O de Green-
wich. com a galera, amerieana tuchannam, que
ia de CardilT para Hong-Kong. Tudo ia bem
borda.
O Brasil.Com este titulo publica-sc actual-
mente em Lisb&a, nm jornal, que tein por Um prin-
dual BBntnpt a causa dos portugueses domicilia-
dos neste imperi .
Dizendo-se que redigido pelo fr. Antonio de
Castilho e qae conta como seus collaboradares a
Camillo Castello Branco, Pinheiro ('.hagas e ontms
cscriptores, que constituem no secuto a pleiade
littoraria de Portugal; o Bhiul dispensa qualquor
elogio mais.
De alguas nnmeros que recebemos desse jornal
temos a dizer que s Ihe notamos uma falta, o ser
hebdomadario ; porque daquillo que se deve ler
diariamente.
. Idea, estyln, forma e cssencia, tudo elevado
naquelle jornal.
Recommendando-t) a consideraco dos brasilei-
ros, temos cumplido am dever e excrcido um d-
reito.
Fallecmento. -Deu hontem a almajo
Creador, apus tongos annos e antigos padecimen-
tos,o Sr, los Francisco Pinto ; um dos mais ve-
nto e acreditados cirurgioes desta cidade. Sc'i.
cadver foi hontem sepultado 110 cemiterio pu-
blico.
Theatro de Manto Antonio. Em
presenca d'uma platea, comjilelamente cheia foi
exhibida na quinta feira a importante comedia de
Pauto de Kock A Cijaua de Pars. O nome do
autor lalvez concorresse para a ausencia do bello
sexo, j de tonga data tao esquivo ao theatro. E'
para lamentar que este nao seja ainda entre nos
um ponto de reunido familiar, uma assembla da
melhor sociedade. Todava esperamos l chegar
e nossa convieco que nina ctunpanhia, morall-
sada e bem dirigida como a do theatro do Santo
Antonio, conseguir fcilmente restabelecer o gos-
to. estragado por aquellos qae lizeram da arte
dramtica um jogo de disparates.
Como dissemos ein nossa noticia de quarta feira,
a Cigaua de Pars, uma comedia de magnifico
elfeito ; bem urdida, de lances sorprendentes,
dialog 1 ligeiro e fcil, accn abundante e semprc
eresrente, mialiiunte verdadeira e tiel na concep-
i;io dos variados typos que aprsenla.
A comedia de Paulo de Kockuio uma ficcau,
uma realidada; nao uma eroacao do espirito,
uma copia de costumes feita por mao de mestre.
Na sociedade de onde o fecundo romancista foi
procurar a chaga para cicatriza-la, collocou tam-
bem Dunias lilho o seu ideal de Margarida Can-
il, ier. e quis fazer escola, \ibrande-nos a sensibi-
liiladc oom parases engenhosamente preparadas.
Helizmeiite para o socego do lar domestico a febre
do delirio passou e Margajida (i ou sondo o que
era d'antcs a Doma das Camelias. Paulo de Kock
fui mais feliz, e em nossa opiniao, comprehendeu
unihor as necessidades e os dereres da arte dra-
mtica. .Nao pseparou lagrimas de occasiAo, nem
leve a prelcucao de reformar as crencas sociaes.
Reuni os per>nii;iL'ons d'uma olasse da sociedade
parisiense, deu-IIies vida e movimento e deixou-os
discripQ.ioda ordom natural dos acontecimentos.
E' assim que vemos no desenlace a sociedade des-
aggravada com a punico de madame Stuart e seas
cumplir?, o amor maternal surgindu no mcio
d'aquelle qnadro de miserias d'abna com o mais
sublime exempto de abnegaco da tia Ti uchot, e
llnatmente o grandioso precedo da comedia :
ridendo castignt mores, 00 typo esdruxulo, porm
verdadeira, de Montrkdirard o estancieiro.
A pees foi posta em scena pela empreza Vicente
com aceto o atluxo, e o desempenho corren bem,
cuno ora de esperar; a aio ser algumas pequeas
fallas no Hinvimento geral, o qae alias natural
n'uma primeira representofio.
Hoje ha repeticao desta excellente comedia dra-
ma, e vaiicMiamos-llio uma grande concurroncia.
A Cigaua de Paris um 1 d'aquellas pecas que
uierecem e devem ser vista? mais*Tuma'voz; ha
nolla ditos engrapados, ha muilos epygrammas e
muita intriga que eseapam primeira vista. Mon-
tada como est a poca, entendemos que deve
attrahir ao Santo Antonio, todos os amigos das re-
presentamos dramticas. Anda bem para a em-
presa Vicente, que mnito merece pelos esforeos
que emprega para agradar.
Registro geritl das livpotliecas.
Muda-se hoje da ra Duque do Caxias n. 48, para
a ra do Imperador n. 37, primeiro artdar, para
onde se devem dirigir as partes, de segunda-feira
17 do corrente, em diante.
(iinii dos Azncrins. Bssa directora d
ain.inlia, patos horas da larde, a posse nova
directora eleita, e para esse tim convida so a to-
dos os socios ; a reuniao tora lugar na caverna.
Prisao. Em Cimbres cniseguio-sc alinal,
capturar o criminoso tenente Joao Alves de Siqnei-
ra Ferraz, eonhecido por Joo Vclho, pronunciado
em crtme de roubo no termo de Ingazcira e no de
moeda falsa no termo de Cimbres.
Conflicto efcrimento.-No lugar dono
minadoSalobrodo termo de Floros, deu-sc em
23 do mez ultimo, um conflicto entre nm Joaquim
de tal e Jezuino Carito, do quai resnltou licar
aquello ferido, evadlndo-se este.
Lotera.A' que se acha venda a 43* a
beneficio da matriz de Serinhaem, a qual corre
no dia 2'X
Casa de detencao. Movimento do dia
13 de marco de 1873 :
Existiam (presos) 339, eirtraram 4. sahiram 4.
existem 339.
A saber :
Nacionaes 227, malhore? 1'.. estrangeiros II,
haver reunio da assembla
geral da confrana de S. Chrlspim e 8. Chrispiniano,
Requeiro o adiamento da lscussao pr 24 nfim de se deliberar sobre a circolaindo Extn. dio-
A alfandeg renden no rntez de fevereiro... apresent'm a estoproicto. i
1-7:l073 o de 1 a 8 do corrente....... Coir.-nltnda a e^i,' ansentr na retirada tfi1
7o:9.'iO6o|,. mc'rna cnienda.
:lJpaqu
111 Jos G. Beltro
Pe'rir Vianna C.
B Lelt*6 A lnn!iy>
Barros Jnior C
f.* discusso do projecto n. 80 do Simo pftssT-
do, utorisarido o presidente'da'pmviiicia amati-
jdar admittirno gimnasio cont alumnos internos
os menores Joao e Joo, o primeiro filho de Sim'
pliciano Cefecfnn dos Santoa e Silva, e o se;"
gundo fdho do Falix Cavlcant de: Alhliquerque.
Foi rejeitado.
Unir d'?ctis ao do projecto n.-6i do annn pas
fado,, approvando o compromisso da irniandade
cesano, do 28 de dezembro do anno passado.
Corrida de boi. -^eve haver amanhs, no
largo diCarnlo da cidaae do OlinJa, corrida de
boi bravo. Por esse uiotivrja companhia dos tri-
litos urbanos de Oltnda expedir para alR os freos
extraordinarios que forem necessarios.
Vapor llantas. Segu hoje para a Ba-
'hia pelas escalas, tirando mala no correio.
Dinheiro. vapor Seutfi-Americi troaxe
para :
i,ehman frros 10:000^000
:i:0OOS0ft0
2:0(l03nr
j-oooidoo
1:072400'
Encerrada airlcnsso; ^'prrijtb posto a vo- -
tes e rejeitado, asirn eonfe tod.is Ss emendas a' De nossa pracn levow esse vapor :
dlle annexas,;aprefentads arttjo pnsiiado. Para a Bahia 10:40000fl
a o RIO de Janeiro lOOOuOaO'*
NoV HVnndn.Peto vapor Hoxith-AiHeiica,
acaba de chlgar o n. 29. Entre as estampas no
Um-se : os retrata de D. Amaden ex-rei di Hes-
pnnh, c do MercatcV, celebro geographo, os qna-
dtos sobre .1 vida dos Botocudos no Brasil, a pe-
nitenciaria de fluremberg, osfestins do PaUo e do
Eafthsar; 0 texto versa sobre o estabetecimento
da repblica em Hesp.mha, o retrospocto das no-
esclavos 34. cscravas 6.Total 339.
Alimentados a casta dos cofres pblicos 27i.
Movimento da enfermara do dia 13 de mareo
de 1873:
Teve baixa :
Jos Bornardino de Bessa Leal, ferime ntos.
Passaffciros.Vindos do' portos do norte
no rfaquete americano South America :
Herculano M. de Souza, Francisco M. de Souza,
Antonio A. de Almeida, B. A. de M. Bittoncourt,
Clementino Jos Lisboa e 1 criado.
Sabidos para os portos do sol no mesmo pa-
quete :
Dr. Rufino Augusto de Almeida, sua senhora e
I Hlha, Dr. Julio Augusto da Cunha Guimarcs,
capito Manoel da Silva, Dr. Manoel liotelho de
M. Guerra, Joao de M. Vieira da Cunha, Wiiliam
Hughes, Frederico Mery.
Saludos para o Aracaty o hiate brasileiro
Graciosa :
Dr. Fabio Alexandrino dos Reis Silva, Joaquina
Mana de Jess e Antonio Gomes da Silva.
Cemiterio publico.Obituario do dia 12
do corrente :
Augusto de Mello Soares, branco, Portugal, 22
annos, solteiro, Boa-Vista; febre biliosa.
v.inoel, bran.ro. Pernambuco, H mezes, S. Jos;
convulsdes.
Antonio, branco, Pernambuco, 18 mezes, S Jos;
tubrculos mezeujtorio.
Manoel, branco, Pernambuco, 10 horas, S. Jos ;
espasmo.
Jos Bento do Souza. branco, Portugal, 32 an-
uos, solteiro, Boa-Vista ; abeosso no ligado.
Manoel Vieira de Sonza, branco, Pemanbuco,
8annos, Santo Antonio; febre amirella.
Clarinda Pastora do Espirito Santo, branca, Per
nambnro, -SO annos, vi uva, S. Jos ; sarampo.
Mana do O, pn'ta, Macei, 02 annos, soltoira,
Bija-Vista ; entorile chronica.
Jos Macario, preto, Pernambuco, 70 annos, sol-
teiro, Ba-Vista ; amolocimento cerebral.
Joao, pardo, Pernambuco, 9 meses, Boa-Vista;
dentico.
'- 13 -
Jos Mathias, branco, Italia, 20 annos, solteiro,
Boa-Vista ; febre amarclia.
Guijhermino, pardo, Pernambuco. 20 mezes, S.
Jos; varila.
Joaquim Ribeiro Gomes, branco, Portugal, 19
airrios, solteiro, Boa-Vista ; febre amarclia.
Thereza Christina Mara de Jess, preta, Para-
hvha. SO annos, solterra, BSa-Vista ; meninroml-
dit.
Maria Eduarda Ferreira Maia, branca, Pernam-
buco, 24 annos, solteir.i, Santo Antonio : phtysica
pulmonar.
Mara, parda, Pernambuco, 4 anuos, 8 Jos;
diarrha.
Pedro, eneravo, prcto, Pcrnarobaeo, 45 annns,
solteiro, Santo Antonio; marasmo.
C.1.TMM liTNltIfAL
l."SESSA<) OUPINARl.V A06 12 DE FEVEREI-
110 D 1873,
PnKSIE.SCU DO SB. AMKlUo.
Presentes os Srs. Dr. Pitonga, Bogo e Altu-
querque, Cost Moreira, e Dr. Moscosp, abno-sc a
scssao.'efoi lidieaiprovada nada da antece-
dente.
Leu-se o seguinte
KXI'KMBltTK :
Um oflicio do Exm. Sr. presidente da provincia,
declarando cmara om resposta ao sen olucio
de 22 de janelfc ultimo, que o art. 18 do lit. 7 das
posturas municipaes de 30 de junho de 1849 esto
em pleno vtgor, e que aos proprietarios corre a
obrigacao de conservar os passeios de snas casas,
ordenando portante, que neste sentido so provi-
dencie alim de que pelos respectivos fiscaes seja
lielmeiite observada a postura referida. Que se
responda de conformidade com o que dispoe a
postura.
Onlro do mesmo, remcltcwda-dows eaeraptare
impressos do relator0^ com que o Exm "Sr. des-
embargador Francisco de Faria Lomos, na qua-
lidadc do presidente desta provincia passou a res-
pectiva administra;Jo ao actual administrador.
Ao archivo.
Outro do mesmo, recommendando cmara
dos v.liante- da freguezia de Santo Amaro de Ja-
boatao, afim de que a qualifica'/ao dos votantes
da freguezia nao deixe de ter lugar na 4* domiof
de mareo prximo viudoiuo, o estranbando nao
terem sido rcmettidos ein to upo competente, como
era de sou do ver. Quo .se icsponda dando os
rrotivos, por que n.io foram rcmettidos os livrea
om tempo competente.
Outro do mes 1 o, recommendando a cmara
toda vigilancia por intermedio de seus" liscaes na
verificacio da afericao dos pesos nos armazeos
de algodao, do caes do Ramos e Forte do Mallos,
por suspeitir-se qne sao frequentemente viciados.
Que se recommende aos liseaes.
Una peticao da sociedade Amor a Benelicencia
dos Talliadores, eom de-pacho do Expi. presidente
da provincia mandando informar.-A commisso
de matadouro.
Outro de Anton'o Jos de Almeida Claoho,
com despacho do mesmo Exm. presidente da pro-
vim ia, mandando informar.Que se |informe de
accordo com o parecer da commisso de edifica-
cao.
Uma informaejio do ongenheiro chefe da repar-
tido das obras publicas, com despacho do Exm.
presidente da provincia, mamlando^informar.-Que
se Informe.
Din oflicio do juiz de paz da frogaezia
de Santo Antonio, propondo, de conformida-
de com e art. 14 do cdigo do processo, a Joa-
quim da Silva Reg, para o lugar do eseriv.io de
sou juizo.Que se passe o respectivo titulo.
Outro do mesmo, communicando achar-se em
exoreicio por impedimento do mais votado.In-
teirado.
Outro do Bario de Tocantis, communicaudo tor
sido entregue ao lliesuttro nacional no 1 do car-
rente mez, a quantia de 50:000*. por cont do
emprestimo de 300:0001, contrahido por esta c-
mara municipal. Ao procurador.
- l'm parecer do advogado da cmara, favoravel
peticao de Paulino Herculano de Figuoiredo.
Mandu-se pagar.
Outro do engenheiro cordca'or, favoravel pe-
ticao de Galdino Antonio Alves Ferreira.Conee-
du-se, assignando termo de obrigari.
Uma pctic.ao de Ceciliano Aipes de Mello. V
commisso de polica.
Outra de Jovino Bandoira.Ao fiscal.
Outra do Luiz Freir de Andrade.Aolfiscal.
Outra de D. Maria Nazareth do Miranda e seus
4 liios. Ao contador.
Dous pareceres da commisso de edifica'; ao, nos
seguintes termos!
1." O terreno que quer Jos Jacome Tasso cer-
car, parece de servidao publica, peto menos i>
prolongamento de urna ra, no entanto o mes-
mo terreno que diz Joo da Cunha Reto ser o
que d sabida sua propriedade, pelo que a
commisso de pireeer que o peticionario jnnton
titirlo de posse, para qua seja decedida a iwestao
com acert.
Paco da cmara menicipal do Reeife, 10 do
fevereiro de 1873.-Dr. Prxedes Gomes de Souza
Pitonga.-Jos Maria FaHre Grmeire-.n-Appm-
vado.
2." A cmara municipal do Beeife receben bem
e dovi.hinente os foros da casa 11. 13 da ra do
Padre Xobrega, oulr'ora do Alecriin, que era f"-
reira cmara de Olinda, por que em visto do
aviso de 27 de junho de 1863, sob n. 283, e vigo-
rado pelo parecer do cnnsellio de esta 'o de 8 ito
marn do 187, que seja de marinha o terreno que
fa.-a'parte'dos que foram doados pelos donatarios
da capitana de Olinda, estando situado no muni-
cipio do Reeife, cou-lhe pertenrendo porque,
sendo os bens dados pelo governador da capitana
para patrimonio do municipio de Olinda. que en-
tao couipiohondia os habitantes do territorio, de
que depois se sanaron para formar a cidaito 'do
Reeife, ou segundo a carta de doacao das asas
que elle dito governador tinha dado a esta villa,
e moradores o povoadoros. nao podinm estes bens
deixar de se partilhar entre os dous mnnfalpsos,
quando destacndose parte de Olinda, formou-ce
o do Recito.
Portanto, em vista disto, de parecer a com-
misso que se informe presidencia que bem se
hoiivo o proprietario pagando os foros careara
co Rocife; e que nao piule ser obrigado a um
duplo pagamento, e que quando a camarade (Min-
daeuteiida o contrario, deve propor a desta cidade
aceao de reivindicaco dos dneitos*arrecadadiw,
para que pola assembla provincial, em vista do
Tilo art. 1* do acto addicional 4" e 3o do mes-
mo art., o S 4* do art. II que regula a materia.
nao si seja descriminada a posse detaes bens,
eotuo a qnein compete sua administraoao.A c-
mara resolver como entender.
Paco da cmara municipal do Reeife, 12 de
fevereiro de 1873. Dr. Prxedes Gomes de Sou-
za Pitonga. Jos Maria Freir Gameiro.Appro-
vado.
l'm roquerimento do Sr. veeador Moscoso, lam-
bem nos seguintes termos :
Requoiro que os fiscaes informom (mantos
exames sanitarios teeni feito em snas ftenealas,
e qoantas tetra deixado de fazer por falta de eorr:-
pareciment do medico.
Paco da cmara municipal do Reeife, 12 de
fevereiro de lfl?3. Dr. Lobo Moscoso.Appro-
vado.
Despaeharam-se as petiooes de Antonio Nones
da Silva, D. Antonia babel de Canto, Alban Pa-
terson, Angelo Ifenriquo da Silva, Braga 4 Pimen-
tcl, Bernardo Femaudes A C, Bernardino Dnartc
Campos \ C, Flix Jos Felicio, Francisco Jos
da Silva Araujo, Francisco Albino de Souza Pinto,
Ferreira & Mathcns, Francisco Odilon Tavares
Lima. Francisco Antonio do Miran la, Franctscc
Jos da Costa Ribeiro, Francisco Correia aos San-
tos ei-utro, Gal lino Antonio Ferreira Alves, Ig-
nacio Jos Cabial, Jos Joaquim da Costa Braga
(2), Joiio Fernandos Lopes, Joaquim Soria No
guoira, Joao Gomes da Cruz, los Jacome Tasso.
oao Balbino llamos, Ju.io da Cumia Soares G01-
mares, Joao Baptista Nogueira, Joao Baptisto dtx
Moraes, Joaquim Ferreira do Brito, Jos Gonalve*
di (Iruz, Joquim Jos da Cosa Fajozes, Joo Joa-
Sim Alves, Jos da Silva Azevedo, Luiz Jos dn
sta Amorim, Lourenco Jos de Figueirdo. Lo*
Cabral de Medciros, Lino Marcelino Dial, Luu
Ednardo de liollanda. Marcelino Anisberto Lopes,
Manoel Jo> Martins das Noves, Mclilina dos San-
tos Jorge, Miguel Jos da Costa, Manoel Antonio
dos Santos, Manoel Martiniano Leite. Manoel Sua*
res da Fonceca, Norborto Nuues, Paule Gueipfje,
Prospero 4 Legube, Paulino Herculano de Fignei-
relo, Ricardo Bastos, a vcneravel ordom terceira
do S. Fraucisco do Recifo, Viriato Scnteio i*pm
Vicente Antonio do Espirito Santo e Viccnto Fer
reir da Silva, e levantou-sc a sesso.
Eu, Lourenco Bezcrra Carnciro da Cunha, seetw-
tario, snbscrcvi.
Dr. Pedro de Athiyde Lobo Moscoso, pro-presl*
dente Dr. Prxedes Gomes de Smiza Pitonga.
Manoel Joaquim do Reg e Attiuquerque.~Cae-
tuno Cyriaco l Costa Moreira. Dr. S1M0 Tur-
quinto Villas-Boas.
I i
2.a SESSO ORDINARIA AOS
DE 1873.
PRKSIDKNC1A DO SR. DB. MOSi.oao.
Presentes t.s Srs. Dr. PHanga, Reg
querqne, Cost Moreira Di\ Villas Boas,
FEVERH

e Alllti-
ahrio^c
aorfc
a sessSo e foi lida e appnivda a acto da
dente.
Leu se o segttinte
FXPF.DfFTNTH :
1 Um inicio do E\iu. presidente da provincia,
ch,imahi!o a atten.o desta cmara para o que 1
acha publicado na Revista do Dianide Pernam-
etgnaob a epigraphc-Carnes Verdes.-Ao mr-
dfro e aos fiscaes para tontarrm providencias.
O'.;:ro da cmara municipal da villa de Cabro'"1
ecusando a rccepcjto n offlcio deta ranura,
HBIL !
0
,


r
i


Diiio d* B^rn^hbuca S.:ft*lwdo 15 d&MBLtq&i d 1873.
cm que couiniunja a pus*erd> actual adminis-
trador. Inti'irda.'
S
."ETCTET!
-Tmv: s w,-
-------I-IIMM !
Out ni do seoeetatf o do cap lio do porto, con
ranitaudo entrar-ea* ejercicio do cargo na falta
de capitao. latetrada.
Oulto do reerutndor desta eidade, rommumcan-
do a sua nemca ;5o, e pedisdo que a cmara Ihe
nnrrracos limites da mesuv,caade. Ao cnge-
ataero para imitar. y
Outro do protatador Ja cmara, accusando ter
reeebdo do arsenal de marinba mus caixoes cotn
diversos objeelos em mao estado, e parte delles
completamente inutilrsados.Que faca um rea-
torio mluneiosj, deftapando qrtaes os objeCfos que
rocebou e quaeaos una estay cm ">o estado.
Outro do me*w,;MWainente demolan das
iaaeUas de arcadas d* cabrado n. 6 da ruada
.Livramentn, pertenceote a Joao Evangelista de S.
A*, ad rogado.
lutro do mesmo, communicando que o forue-
eederdas r.ideiras pac cleicfes, deda ou que
ostava Ando o sohutntg, e pedindo que o as-
olareca em queaa. iereinandar cadeiras. Qao
se annuncie parirquarfa Rifa, e se declaro o da
em que de ve mandar a cadeiras.
U/o par ecr Jo contador, acerca da fian..! qae
Sfstou o cajiito Joj Jos da Cruz. Que seja
amado para prestar novo fiador.
Oatrd do invino, acerca da peti-;i Rodrigues de Miranda Franco.Ao advogado.
Ontro do Husmo, acerca da puli-lo doD. Mara
Iai.fW.1 de Miranda, viuva de Joaquim Jos de
Miranda eses filhos.-Mandou-se pagar.
Outro do engenheiro cordeador, sobre a pctcJo
d obrlgae.o.
l>m o/flej'o Jo delegado de policii do 2. dis'
. tricto da capital, coiumiuicaudo haver entrado
enj exereieio do,cargo.Iafeirada.
Outro do fiscal da freguezia de S. fre Pedro
Ooncalves, coiniuituicando ter sido Joaquim Col-
arei multado, e se conformando com a multa, 0
entrando com Alia para os cofres, por iseo deixou
da remetter cmara o respectivo termo. Que
se oflWe, declarando que elle obrgado a remetter
o ter.no.
O.itr do fiscal da rreguezia de S. Jos, rcniet-
teudo un recibo do solicitador desta cmara de
um termo de infraccao lavradd contra lovino
Bandeira no da 10 do corrate -Interada.
Una peticao de Fr aoeisco Jorge de Souza. Ao
jisca!.
Um parecer da comimseo de saude, nos se-
uintes termos :
u A casa em que pretendo Firmno Alves Quin-
tal restabeleccr urna retinara esta entre ama
fundieio e ama saboaria o tcni urna cha min mais
elevada que esta, a q*al eolloeada perle do
Ja.lo Un caes do Apollo.
Pelas p loras, naqoella localidad* mo se pode
mais esl ili.l.'cer fundices, retinaras, etc. Julga
.i eomniiss.Vo quose pode conceda;faftlicenea que
pede o supplieante assignando termo em que se
obrique a remover a reUnria d'alli, logo que as
dus entre a-s (|u es liea, se removam ou so ac-
bem por qiulquer forma.
Paco da cmara municipal do Hecife, 11 de
evereiro do 1878. Dr. Lobo Moseoso e Dr. Pi-
taaga. -Apprvado.
Outro da eoiumisao de polica, nos seguinles
termos:
A commjssao de polica, a quera fo prsenle
o rrqucruicnto de Cecilio Lopes de Mello, juina
que sedeve feser o uaaVaf por 12>J000 sema-
Bies o qual ser eletadn a itfuOuO no caso que
aaiconheca queo supplicaut', tazando os llovidos
breos, nao poder preeneber as vistas da c-
mara.
(( Paco da canr.ua municipal do Reeife, 14 de
f evereiro de 1873 -Dr. Lobo Moscoso e r. Pitan-
ga. i Approvado, e fo'contratado por I3-
BftuS requenmentos do Sr. veivador I.otio Mos-
coso. nos seguinles termos :
Ileqiiwfti que se ordene jo fiscal de S. Jos.
j i'iriii ik PenumMe^ a respeito de carnes
verdes.
a Paco da cauara uvuiicipiU do Reeife, li de fc-
rei eiro de 1873. Dr. Lob) Moscoso
a i* Requeiro que o* t*ca*s nformem o que
tew reeoUudo de imposto sobre carneiros e por-
c..
'Pac.0 da cmara municipal do Rerk, 1+ de
Aauaiiv de l^"3. Dr. Lobo Moscoso. a Ap-
prewados.
I'pspichar.im-se as petgoes de Jos Alves de
Miranda Varejo. Jos Francisco Alves Quintal,
. .Mara de Xaiarelli Miranda, Miguel Jos Ro-
drigues Braga) Mara Josefina Rarbosa da Silva, e
i'vaut'HiS'' a <>-s-ao
Kti. Lonrnco Bezem Carneiro da GoMha, se-
cr 'i.u'io, suliseievi.
Hr. Pedro il'iite.U'iikicI Joaqun do Reg Atttuerque.
AuqaIh te*r*que di Siha. Aimio Iternurdo
OkuUsv, -Dr. SUeit Turquino ViWa&Beas.
por um Sr f^^iKmjit^l^onhecido nes'x M;
dude, nj^rque pjr falta de rfiaMella, apparece"
scnipre cncarregando-se de defende .causas pA-,
rfida e odiosas e taja tiM o citado artigo, novos
iimstos subi^curtes verdii^^em que 9i*cidadio
Petante depois df muito barulbar a nosaa cohs-
tituyo, acata da lam nlar qnen carne ^ provincia do Ceani (eousa que nibguem fljbe), 0
vjida por mil res o kilo, e que os seus'rconstp-
tuinntes nao possaru aqu fazeru mesmo! Ohf
bem cabida admiracaor!!
O Sr. que sabe sempre a mesma cantilena
Juando tem de dar luz alguma cousa a respeito
e seus constituintes, esjiiuo9l-'desta vez da
velha historia nuda de err; como se houvesie
"!n-gacw de entrar. di deeosso com o poro
da rtiHini em kngiugemdinioaiatica.
Mas, eotreianto, me sentndo arranhado pHo
tal artigo, venbo dizer algnina cousa ao publico,
para que fique saliendo oiqae h cotn rektcw ao
meu contrato do lranaare dus cttrmt verdea, njo-
mportando-me que o Sr. e os seus "oonsti*
tnintes, anda flquem saliendo.
li de marco de 1873.
. l/i/i Coibi e S.
Scccio 4.'Palacio do governo uo Pornambuco,
em 7 de novembro de 1872.
O presidente da1''provincia, attendendo o que
requereu Antenia da Cosa e S, contratante do.
transporte das carnes verdes, e mfoinuacao da
enmara municipal do Rccif, de 6" A frrente
temi em vista a intransitabildade daraa impe-
rial, e nao ter a dita cmara confeccionado as
jiosturns |wra oorigar por par* dos marcJumies o
ciimpiimeuto do scu coutaato, resol ve inlerroMiper
a exerufio do mesino contrato, at que sejam con-
feccionmlAs-as postnras'^illutMtts, eMia- Arfa rqaJ
Imperial transito regula aas vehlcato.'Braticisao
de Fara l.eaius. Sucretaria da presciencia d
Pernambuco, 7 de nox'e.nkro deJS7i O/jeere-
oo(feef-
d OeUs,,etir|MaiWo lia- tMta
..") de sua tmssab.
Parque., tenf rWesos Qiristo definido a \P"
sao,'-o'mea remo nao dcste immau,-aia
pesar^d que o de Cesar, ni i>o1ft dwti Bj
lfmitar-se o desempenho dessa imssao.
Com Elle ni sd il o-^nyian slAiU'flin9
S. S.'po'comAconuiao" do eercicio "do ndar fla
A Igreja, pos, eslanoo' sdjeltLa stt condlc*),-
est iujeita a sua coasofuoteia qo-) a tneeeesi-
dade do beneplcito.
Em segundo lugar, Sr. Dr^ lesus Cltrist mah-i
dou a seus apttM]oa ernina/a todos os povos ie
apaseentar suHToMaiklle mesmo eusinoU.
Todos elles .forain ,tiMs mujjas yezes ppr falstn
Lajtfslolos.*rrr3jto^ peips
povos, cmo.p;l prohbiram'de' prifcat'.'fyort sso'os-IHgellaram.
I-lis ah i proiAinio. .
O |MBtdiordeae*odaoerafU; porqBB**-coiri*(i
mus obedecer a Oam, corttofcaraiii ai-eeSinar.
, Porque cisaaprukikirajs '
Porque entendiam que aqueUaaidnBUinaaiat
tentivam c3HWa'*afflHB"'J5o>."c'i5ll3as no stadtJ es
%*%*, ita H N^ *** < ***
majBan(o fia> eat (uzer o guveroo onlrmar
a bullaondemoatoru, nao pode ella obrigar em
ponsciencia os fiis ; porque se elle3 sao subditos
da igreja, o sao lambeta du g irrnft#%staA). Se
a igreja tem dado mtihas i'i^#njiwt deJhscifi-
nanca, nao tem o fiel, clddo de um est:uU,ouro
maiode *e^recv#r, *e nao este.----------
O moior absnroo, \vr*tn, *$. S.^eisirr\im'
oMi' oWconstlmiciopoWHIWa ronfl/thad em um
estado e oto em outro, sendo assiA os fiis cida-
dios de un stade abrigados a erar ittam dogma
ou aa*oa ordem ae discipiin/ elwlcidatpos de
ouko cmeW.dwafljBeWdqia ytfc^j i
* te am abnwlo. al do principio estabele-
cido pelopropjkj StOn:pUoa/pai.tt'eileaaem
as consw|uencias d'onde 3: S: tira-essir absurdo.
Mas isto 9Htnt*vfm,\i urna incalieren-
-Nao lenha ingerencia-alguma o listado Ja ifel-
laavawtasoa M
''^isacaaWaell'ii
tabelecdas, confcU^ifen^ '. as corpora;*$e##irflgi
Que (izeram CrUto* os aportlos ? .impuaerap( ra os sett* dearete..-am Ihe japrotiver", fallar
dito
creda? pr.^aram a .desitUcd^naiaf aoj Dek- Ms ois,,iaupeaaertiuMpenM, eelleajobedkc^m o Natal, a Olwew* 4 C. l dita com l ditos de
oliedeceram eHes, eoiiscios da santidad; de tv~
msso. Nena impuieram aerenca,. IUeraw((>:
convencer, Jkcramstt ref pela p^lavr* camJh-'|m?.^na-inandando'cxoolsar os raaijoo da' gtejis,
casavef tncdad. 5o pregaran a" naeote; Ifwqb'e sendo desobedecido por. (odas aKKmamii-
dkwcia ao^govornos, nom diretamenta -aHHa &*, nlo'terja.dlMth Jte/6(l|ia3S9 as igcejas. e te-
guma contra algtHHi' le w eof^ltuieo de algutn ra elle de sabir.' se assini fisse elle uzaria da
estado. tuehla arnida'l|M*at'lU#/e a palabra manja,
Faef'0 mesmo, vos 'WtrOsrj' ttiajatrnto dio ion, a da>iJesawCMrt). "
tais de una vez ; pregar'cWtrn a^?onWla-,Jrji)a*d>*lpl9l*lM;BalW -qOe o/Sr.-.Wsp^ vom
mais
inostrai que Hao ooai fertu nat inat |>ara as com toda essa arrogancia, na4iirtnto,Jem vetde
Hkuas qns i quareni salvar ; qae-o K./wnm)goneria,
bora em erre quando, negaado o seila>eajtlioit. Pfupag c n*r.v a. lei de estado, de ci* Braco pre
tario Ritas F. do AIlHKfnerqoe, iaHtisaada mnaJ bpHas ijue a coirtenminn, petpa. jm esa tende eso ixkle esperar o ciiiajriiilfem' da sua
estaaiailba de aous mil ris. Mis 6R392. Pagou i'o'ndemjiaf5o c mita ugeroucia da igreja no es- otdetw ao? fiis.
de emolumentos seis mil quinoenlos e noventa e t-ido. Mostrai como nao ha tal ingerencia. Coi- Por istO'dejjBHc.'tea jdous ris. Silvioo Hodrignes. W*mi. \* j tra tfnrf praflea, rnte, eirtttbta; ttmdermiada, te i
. i Mas nao* podis pregar conlga o direito 35 ef- sido sempre tolerada por todos os bispos, o que
( Sv. Dr. ColLco> un HHf,t(tlf> ta,1') ,le J;i ":| '* ^ l'fi'ilp^i'ip aos'fpre- lenndado dirett HMMnMiOM; seod.) autorisn-
1 tos daigraja'; poi^of iio/ ilnSiJintado COfltfS da pela lei do'estado. ajM< a tal'coademnoelo
iv adei do estado, arigteja pregar a mofla, filtra para outros fias que nao para-lar euca.
urna precaugio iao n^cosjiaaia.doeUa'liq couCa li, K^cafica, aaso^r..bs seni o ineaor pjepa.-
segunao artigo o, tvisUes da mesma igreja,^uiHu o proprat K fOjaema menor. gfiJiuoi^iCy '
. .. Collao) reconlitce uie,a rei ^uode ser emBari- oa, e-Uaae, que pefece.mBu
Para demonstrar a sus segunda prooosi.ao, isto .M excccic(> j7)3 ^yres. loso que lo .lado.deaUda do
Vamos a segunda parte
Sr Dr. Collado.
do
se
Estrada de ferro do Reeife
01indaeBeberi.be.
Mliaii lili DA CAIXA KM KESI'MO D.V QOMPA-
nn \r-i< TRILITOS rr.BVNOs no ukc.ifk \
OI.l.MiA, l'.f.I.VriVAMKVrE AO MK/. DK FEVB-
Rl ii;d i': IS73.
Entradas.
Sald do me', .le Janeiro prximo
p.i-sa.lo 4.W3J463
Baceita:
Abetes 14:36400rt
Assignaturas 3:W3fl0
Carga >3i;i
Ripressos 755000 18:7375150
Oeposit.-. ,]' e-nprega-lts, recebi-
dw par.mm-Mi' de lia-i/a liO'100
33:U0X6I3
Saludas.
Perito 4:i8l)i.39o
Ordenad > 3:70.1*791
Bipeza- Jivetsaa; material,vallas.
coke, ordena-lo ilo engeeliero
ii-cal. gaz, %'u.i, ate. 4:3i8s297
<-ini* atrazdis o.398*ilo
nrreoos eoutros pi-oprios da com-
paabia IstHtfMO
Depsitos -l a empregadas 275*000
Amaro de llairjs Correa, para di-
reitos 7JU030
Saldo que paia nova conta :3:3'8*175
23:i00*f)13
Baeriptorio da eowpaadiia de irilhos urbanos, 14
le marco de l7-i.
O t'iwhourciro,
Jos F. dov Sniilos Porto.
f
m

o

-^ -*-! -vi O B n >
*-
t" t" 191 zc
14* MS O
8 '
t
r
g
o
o
ap
, que a igreja exerec os seua poderes- independei
teniente do estadi>, na* cousas, de nfla, mis.s.io, o
Sr. Dr. Collaro conieji c irajiarando as falsas iv;re
jas com a verdadeira, de tan modo ipi nianifestil
a confusao em que lasora,. nawid.i aiaila de nilo
conkecer u unta reza iu sociedad* ckii.
As falsas igrijjas, no jpeasar. de meu Uuslroiami-
go, se tem sujeitado intervenga do estado, pefci
convic.io em que estao de i|ue na* tendo nenUuoi
podT divino, na* peiem reclamar p >r si mesmas
nenhum poder uum noukuuidireito,; mas agrejn
cattiolica, consca de sua missi.., Ibe confiada por
seu Divino fundador, nfto esM n'xie caso, e pol-
ista non tem deixndo de protestar contra esta in-
tervencao, condemnania-a, batan attentatoria de
sua soberana e independencia.
Em iiriineiro lu"ai. n% seu|ini. .f;iUa,.jgreja '
asa ou seliilmalie iljie estej$ na cmriqflt de que
mliitem nenhum i vugsihf dtfna. Todas fellas. ao
contrario, cada urna se tem em conta da verdadeira,.
a assm todas ellas se ereem com a inissao divink
de levar as almas ao co. De seu principio nao
pode, pois, o Dr. Collaeo concluir cousa alguma.
B por isso nem am toda a parte as falsas grojas-
(parece-me) estao siijcitas ao estado.
Mas a iutervencao do estado na igreja, ou a nt-
cessariu, tanto a negativa, quando se oppe a
seus decretos para prevenir ou vedar a invasao
desta, como a positiva quando a protege, ou a in-
debita, quando se ingere na igreja noque em cou-
sa alguma diz respeito ao bem do estado, e tomani-
no por pretexto para o Um de quem o governa ;
em tolo o caso a iutervencao do estado na igreja
nao tem por fim concorrer para a misso da igre-
ja, < mi i do precedente arti" j vimos.
Portanto, nao por ser a caiholicaa verdadeira
igreja, por ter convccao de sua misis celestial,
nao por ato que estara livre da intervencao do
estado, pois que as falsa) tambem tem essa ena-
vic.ao ; nao anda porque sua mssaoseja divi-
na que o estado interven nella, ora altrapassande
a espliera do rjue da mssao dolfe, ora dentro
dama espliera, fazendo a igreja conter-se nos jus.
tos limites de sua missio.
Uue embargam os protestos da igreja contra a
justa intiTveneao do estado, se ella propria que
tantas proras tem dado de ambicio e desregrada
e escandalosa ambcao as cousas do estado T
As patarras de dous pontfices c as do autor que
o Sr. Dr. Collaeo traz para autorisar sua idea,
recebero a nsma respostat e nao obstante esta j
ter licadt) no primeiro artigo com que Ibe respon-
d, Ilustre doutor tira esta conclusao, como uiaa
siiuima dallas :
Sim : se a igreja receben de Deus os seus
poderes, se estes poderes Ibe foram dados para
que ella po>sa desempenhar a mBsao de que fo
encarregada, segue-sa de inda a najessidade que
mmilkmpi>k ter o direto deeutbaraga-la no exer-
eieio desses poderes cmqnunto se limitar ao des-
empenlio de sita inissao. O contrario seria admit-
tir direito contra direto o que 6 absurdo.
E quando, meu charo-amigo, a igreja '7o se
limitar, ao desempenho de sua misso e, exceden-
do-a. entrar na mssao do estad)J
A conseqiiencia de seus proprios^irincipios
Neste caso alguem pude t ;r o direito de emba-
ragir a igreja no exereieio desse poderes.
Nao ha aqui para onde fugir; argumento com
as anas proprias palavras; diz S. S.:
Nnguem pode ter o direto de embarazar a
igreja no exereieio dos poderes recebidos por ella
de Deus, en qnant* ella sj limita ao desempenho
de'sua inisso.'
Logo, quando ella nao se limita ao desempenho
de sin misso, pode ser embarazada no exereieio
desses poderes.
Eis aqu, pois, nao s pela neeessidade, pelo d-
roito do estado, como pelo destino para que foram
dados taes poderes igreja, o estado com b direito
de embarazar seu exereieio.
A igreja, porm, nunca ou em caso algum dir
que n lo se limita ao desempeiio ik sua misso,
mesmo quando o exceda invadindo a misso do
estado.
Lego,a o estalo comjietente para dizer quando
a igreja invade o qu; V- da sua misso, visto qUe
ootra autoridade na ha eatro- a igreja e o es-
tado.
Logo, nmliurn decreto da igreja pode ter execu-
gao sem o consentimeuto do estado, (embora algu-
mas Vetee tcito.)
Logo, o beneplcito necessaro, um direito.
. Obyecta, porem, o Dr.:
S; tudo quanto pela s apostlica se aslabeleoe
para o governo da igreja, nao devesse ter forea
sem.a confirinaco do poder secular, onde e-taria
asna auili momia, que seria de sua unidade. ile
sua calbidcidade
Pdese dizer verdulero soberano.aqulle
que ad pnde ordenar qns tenhn forens sem que
seja eonlirmado por outro f
Desta orle seria au poder secular e nao ao ef-
ciesiastco que a obedoncia sera devida, mesmo
as cousas espirituaes e eternas.
' Responda 4 proprio Sr. Dr. Colla.-o, (digo eu
agora) a estas objeegoes, visto que, como-en, petisa
elle qae a igreja soberana, catholica, anthonomf*
cae urna; fisto que elle proprio quem estabe-
1 ce-que
Ninguera poo ter o (raHo do embararar a
igreja n-i exerciciii dos poderes recobidos por ella'
do Deas, emanante rila se Umita ao desempenho de
na nfssn.n
A conclusao.- doste prineip.io, como vimos.ha
pouco, a necessiiade do benetiacjlo. Se islo pa-
rece emcowlnidiogfte.ooai a souerania, anlhonomia
e'e. ila igreja, responda o i Ilustre Dr. sua pro-
priaoojfcqTio jwsta a si mesmo-.
i: lai'elVoho o Si. Dr plisando qu.- vem apon-
tar i;i o- .patenteo absurda resultante do feenc-
>pUitov (*qHaldecarrcd*seu proprio ptiDcipio)
cncarrega-se de responder a si mesmo, disfizondo,
semonen?r, suas obj.rc;5e8.(mie serduzcma
Quando se reflecte, diz elle, que essa depea-
dneia nao seria para com u;a s estado, mas para
com todosi rathoRcos, serrrSmaticns e- gentios.io
dWmrtfo' Salta aos-olho,'porque n5o se-TOd coa
Wja?.- noi teiifeaa neiihuma
imlf- prAcaui ellas i ell
S/a*'ReB,-e agrejafliela-,
33,065 kiloi do< t+v in'rit*.
So brigue nacional Ofnda, para o Ro da
Prala, carregaram : A. Pastos 141 barrica* com
'17,0$Mos deassucar mascavado ; H. B. Ol-
veira Jnior 300 voluntes com 33,6J2 ditos de
dito .branco.
". ."Va barca portuguoza Mexindre leraano,
para Lisbca, carregaram : P. Vianna C. 300
saceos com 22,500 kilos de assmrar branco ; Amo-
rim Irmos 4 C 100 ditos com 7,308 ditos de dito e
200 ditos com 15,000 ditos de dito mascavado ;
I.uiz Duprat IOS couros salgados com 1,296 kilos.
a galera portugueza .iv-'-i. para l^sboa,
carregaram-J.A. Martado &.<'. 49 pu.s de i|u-
ry ; T. de AfKmAeea ft-Suceissore*- 100 sarcos
com 7,500 li las i\ asurar mascavado e 50 ditos
com 3,75) oWs^WaraocA
a barca portugoteza Alegra, para o Porto,
ca regoa : A. Soares da Cunta 50 Larris com
7^p0 Jitros de inel. ,
Para os f orlos do interior
Para o uear, no vaoor nacional Pirapama,
carregaram : J. J. liosa 32 barricas com 2,118 i|2
kilos de assuear branco ; Costa A C. 3) ditas
am 1,696 dilot d dita; A. C. Ai.mj. 30 ditas
com 1,829 ditas de dito refiuado Cau-pinteiro F.
& Sobrinho i" ditas com 2,400 ditos de dito ; para
> seni o meoor prepa-
yCWinAi m.iW ampan-
i umrorgiiliSso upten-
iiiie ii miniotrode Jess CUns-
Imit* ao deiempenli Je sua Lssq.7 l"- unnv'ig.ui iIm Cordeir. Vacilpo..
Se a greja tem o direito o dever.de apaseentar Para que esta saulia, este donoapuf rbanho uiiiveisaL para lt.var .as .almas, ao c, mais a ira infernal do quo a calm eidestial; para
o vari io tem o jireitu e dever.de i-urw do estado1 qilirtido iSM contra .vdrsjwsro d tienejilcto t
a garantir-Iba a pi'iz, a orde.'u a felki lade ra Se a reja mesma tem lado tantos escndalo-o*
ra.. ^ taoMTi'.pary .Nao pois se pondo eiut coaflicto a reja, cot esse seu procedfcfj qa&aade*ta ]tapa,\*B!qpet 11-
o estado, que exerce a sua soberana; nao* iul. cwkcoui aJUtcrdada dthtxotiler-se-d-> e^mfattk
pondo contra a lei do estado, convjmcejido.ot- *>< mtssm J
que o estad o proprio povo, o governo o rnr-> Se ,\ greja MatiQjn rpoio Lie f.'i'-il, til fanM
,Seitao djfecftitoou le.do.e^ijrtjfi^ode. seLalta- lo bello, sublaj|k!a%lfitmieiaan pao nem podra,
radoou.de|^gdo.palax'iju-i/^.,dapovo. ohedfe^itraaMd-kUM-aegautOjiwnfflaciio, sem
0 estada e soberano .pela -Jei-e .nefa veuula a. coiiilWeJrfJtrWMr^i^*.^ propgaB-
igreja pela palavra c pela aiioyao-moral., un du da, para convencer aesolieis, iustamente descon-
vida l'utui'a. _- ; liad-s *"" JiL Jj*1f 'V"'r'l, .fT govern; di
Hiii.,i|UHihl- o* ih^,eMetrtfl-dtptado>eo ^erdade do.decreto.d"aVgrejai Si pureza daas
da igri^a estao em'pbosigao, prddente, sable, intenso**;' e at' o aluda mais suKme, dis-
justo que a igrejHo,*| d; wia de excomunhe, crificib e-do ttiaiftvW, qoH*0 fltfs embargarem a
lan.ando logo^iara fofa d seu seio o povq pdr balavra neste terrea*, so tem estes nieoe su-
qu*' se sujetar a Idi ite estado-, poique a cte, blimos, jtor* pte'tn*Hf4ri manimo celesta ?!
justa ? I S torna este mefo maisi*rnpeit, em desprezo
Se o pdvocre injusta lei ou vontadda rjn~mi ilMfjaiiitti it ani fil.i mi ri hil i rli i|ii j i |ii a im
ogoverna-,1 qnaudo So em contrario ao deoreloda
igreja, o povo'd*eobe4oce, o o governo ao'lai
remedio se nao serteRar-9e. M*5 se o novo crlV
mwptalia le ou vontade; o deverda igreja "mos-
trar-Ihe o seu erro.-' is
S assm, Sr. Dr. Collaeo, pedem ambas estas s-
cedadas-ser toHerana De outro modo, penronla-f
vos eu agora : ,
Se o que fokse fe**' "pido estado'paro o seu ga-
ver no oo livesse- forra vabr porque < opposlo-(
. pa a o r\c,iraeii, II. Olvera & C. '> biirris
com 480 ltro de mil; wa Granja, 1. A. M,
Vianna 5 ditos com WW ditos de agurdente.
Para Macei, ns va)r nacional Mandihu',
carregooi: A. (. Pires lli-latas com 32 kilos de
doce.
Para o Rio Grande do Sul, no patacho bra-
silea Principe, carregaram : Amorim Irmos &
C. 4 caixas com- 169 kilos de doce e 4 voluntes
friKfctf. i
l'ara o K..) cii-.nul.- do Sul, na escuna alte-
rna Shruiomt, aarregaram : Amorim huaos & C
9:10 barricas com 99,575 kilos de assuear branco e
100 ditas imiu 11.323 ditos de dito mascavado.
- Paja .Santas, na barca lieopanUola Antonie-
la, carAzoa : J- i*. C. Ayres 5 pipas com 2,400
litros do agurdenle.
Para o Itio Grande do Sul, no brigue brasi
MeoSalao, carregaram : Silva A Casco i'O
barriquinhas com W0bi kilos de assuear branco.
Pira Maco, no ttiatc Iwasileiro ti, dos An-
/os, carroqoa>L A Albuqnen|ue I pipi com 481
litros de agurdeme; Lapa Primos 100 caixas
com 73 kilos de doce.
- Para Alagos, na barcada Vernica da tilo-
ria. carregou ; J. li. C. Lages 4 barricas com 306
kos de nssucar refinado.
Para-AIngoas, na barcafa Glortm Feliz, car
Tegaratn: Braga (JoraBS- 4 C. 1 caxa. com 32 kilos
dedoei
I -Para Aguamar, aa baratea Dous Amigos,
carregaram : Miranda a Vieira 3 barris com 288
litros de agurdenles i barrica com 63 kilos de
assuear retinado.
Para Villa pa Penlia, na bartaca Unig, car-
regou, : J. S. Kadich 1 barrica com 6' kilos de
assuear braaco.
GECLARaCOES.
UMIMSTKAU.W DOS (XWBKl DE Ptn.NA.l-
BUO) iSDIiMAJKO 08^873
Malas pelos vaiwres Mtinduju' Pirapama,
(i. rompnnliia pemamburaita.
A correspondencia que tem de ser expedid*
boje (15), pelos va|>orcs cima mencionados |nm
os pollos do sul aj o Aracai, e para os do uurt.-
at* a Granja, ser roeobida pela inaaoira
nuiute :
Macos de joraaes, impn>BBOsdo qanMqucr natu-
reza, cartas a registrar, at t horas da tard.-.
cartas ordinarias at 3 Loras, e ests al 3 1|2,
pagando porte duplo.
adwmiatradorjrUirino,
Vjcente Ferreira da Porciij
iuncul i
Tiiiivnio

SANTO ANTONIO.
EBPREZA--YICEBTC.
Importaste tiovidade
Hule
s.ihbuilo 15dc saiarf*.
.-W"'
n
CAPATAZIA
Rendimenlo do da 1- a
dem de dia 14. .
DA ALFANDEGA
13
8:0S1J5
7605847
ao decreto Ua igreja, o4(3 ajt;uia a sua aatotwma,
a sua soberana-f
Se a igreja nunca tivesse dado causa a desepa-
fiar-se de sua ingeeencia no astado, oonca.o povo
lana ea-o da ilK|miai^ da tienepbu-.ltft ti iltiedc^e-
ria sempro nossaia:d cointBimi. e-nein essa d-
posi-'o ha verla mas-desd i|' a-ign-.a tem ila-
do tantos motivos* quasi constantes de descontian
ca, nao |se pode, exigir iuie se obedeca a seas
decretos sem exaro-; e Ha faze-lo indklz ainda -
niaior siispeha de mf.
No entanto o Sr. -Dr. Collado passa a mostrar pr
tibsnrdos das comequencias qOe rCsrrrramda, do-
trfna dos que snstentam a rfcessidade fl oene
plaeito p-irn abrigar aas fiis.
Sapoonhauos, diz ol!". que p-r certas r*:r.<
polticas os govenus de todos os esUi catliolicos
nao admirtamacousUluii.'o que estabalocua iufu-
libilkluJo do paju.
Nenhum fiel seria obligado a ciar qgBa, e assiiu
seria sem etfeilo a c ni-tilul.au.
Suppoiihnwos amila, conima a Sr. Dr., que uns
estados c.itholicos conredessent o seu beneplcito au
dogma da infelibdade e outros nao. Segmrse-hia
que em uns pazas os catholicos seriam obligados
a erer na.iufalibildade do papa e que n'tres nao
s nao seriam olirgados a crer, eome mo pmhriam
crer nella.
Kis qui os absurdos.
As vossas consequenaas, Sr. Dr, sao ^antasia
das-, e oom ellas os voseos absurdos.
Nao pode le alguma do tstado obripar a nao
crer, quando ella protege e garaute t > cien-
fas.
Donde tira pois o Sr. Dr. que o estado posea
impedir de crer-se-em cousa alguma !
Como que a lei do estado, qae so tem ac-io
no externo, pode prohibir que se croa, quaudo
alias entra nos, coinodevia str em toda a parte, to-
das as creneas sao garantidas e permittid.v?
Se o Su Dr. se refere a manfeslago da crenja,
nem assim pode concluir da falta do bentplcito
a qualipiei- bulla pontificia, pioliibico de crer-se-
nella. Poda esta falta desenrigar os fiis, do .le-
oreto da igreja quando possa supp-ir-se que ela
wo se limita o desempenho de sua inissao ; mas
nao pode a falta do beneplcito obriipu- impedir
que qualquer se julgue obrgado.
A lei Oo nosso estado que a da que se trata,
diz que o governo pode conceder ou tugar o be-
neplcito a)sdecretos dos clacillos e letras apos-
tlicas, etc.
procedem os que assim as, sust-ntam ; de que
nao a sua murarte zelar a pureza, a mudado da
fe. **u.s -te dividir a igreja e piaaiar o setiiswa.
Nao o conseguir*, teuho a esta fe.
* A/fama sU-iAlleuoturque Mella.
OOMMEBCIO.
PRACA DO tiECIFR 14 DE M-UICO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDK. '.
i.'otiioOex ottleiaca.
Assuear.-4e Macei 2*250 im* t* kilos,, po.-io a
bordo a [reo ik 20| sem capty liont^ui.
Asucar~ americano boin ilOO^ir 13 kilos.
Assuear -Canal 1^600. pyr i* kUos.
Algdo o* ParaUvJja I- sor-te, 10*000 e 10*100
por 1 j kiLrs posto a Ludo a frale de
1(2 d.e .Oi.
Assuear de l> sorte- 9*300 por 15 kilos.
Cambio sobre Londres a 9(d|VS27 1|8 d. por
#4 iiuuoni.
Dito sobre dito a m ftf'. 27 27 d, p>r lHOft
uabourcq
Preeidente.
Lea* Ser
Cuu man
ALFANDEGA
Rendimento do dia i a 13. .
dem do dia 1 ......
esfcMtfssp
54:703*46
676.1)700i8
simplesieutecrr
c PUiUUii^SJES I IMflE.
iun&bveird&b
Hoi'onrrariao'' W^tgmlt Meeif de. lenH
inx (f>> montono rnanio-*firiiiio artigo aaaignadb
8.8i450
VOLUMES SAHIDOS
No dia i a 11...... 40,922
Pnmeira porta no dia 4' . 113
Segunda porta..... 71
Terceira porta..... 373
Trapiche Concaicao . 1111
42,5S2
SEItVIC MABITIM
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfaudega.no da la 13. .
Ditas ditas ni> dia 14. .
Xavos atracados no trap. da aandega
Alvarengas........
Ho trapicho Goncciejh.....
^
79
GE-
HBCEBEDHIA DE RENDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBtlCO
Hendimente dodia I a 13. 30:304 5%3
dem do dia 14...... 4-.4724709
31:776*772
As 8 l| horas.
da multo bem aceita coinedia-drania em ''> aofjs,
de grande espectculo :
ciganaIe pars
iio qual toma parte um pessoalde 39 liguras, des-
empenh'andn a parte da cigana a actriz
Hanurlu I.Mi-.-i.
I.* icto.-lO da de Santa Perpetua.
2.* A e;isa, dj 3* A'cirteira ronbada.
4.' A iiili da cigana.
5* A'venturelra e o agente de poficia.


Duihii^o lt; 4- niarnt.
As 8 Ion- .-i; [HOilO.
Tercaira e ultima repre*H*aao
cn;\xv iig PRis.
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da I a 13.
dem do dia 14. .
62:1014017
3:0U4D02
63:U2*0i9
MOViMENTG 00 POBTQ
Dascarregam liloje ,l de.margo de 1873
Vapor nglez 0<;a))i marcadorias para alfan-
doga.
Pitacho inglez Princessmercadorias para al-
fandega.
Escuita i glezaiV>ir&o/ -mercadorias para al-
fandega.
Barca iftgleza Abeone mercadorias para al-
fandeea e farros j despachados jiara o
trapicTre fiOneeicao, para conferir
Palacha alternan -Cecilia farcllo j despachado
para o trapiche Guerra.
Barca franeeza Vigaro ferros j despachados
para o caes de Santa Isabel.
Lugar alternan Alfred ferros j despachados.
para o trapiche Conecieao, para conferir.

Iiii)>ttrlk^no
NoW'lLerla wmor americano sontii
AMKltlCA, ronyHado fl fenri'/ue Forster
& C, iu iniftstv* !
Aduelas 11 volumes a Theoiloro Clirie-
tiansen.
Brim d'lgorlo 5 caivas ordem.
, Milko l,p.ft saceos a Pexuarobuoo Street
iftailwny.
Vassouras 1 caka a mesma compa-
tlMa.
Pir.
>IercaKorias diversas 1 oaixa a Lailhaca
: C, 1 a H. rVrteliard, la Hatoello & G.,
la Wilsou R lore.
Navios entrados no dia li.
New-Ymk por S. TUoniaz e Para -20 das, vapor
americano South America, de 2100 toneladas,
comiuandanto Carpnter, equipagem 7fi, carga
varios gneros; a Ileni y Forster & C.
Rio-Grande do Sul-33 das, hiato brasileo Ole*-
da, de 127 toneladas, capitn Trajano T. de
Moura. equipagem 8, carga 62.0 arrobas da car-
ne ; a Joaquim Jos Gon.a'ves Beltro.
Lisboa -33 dias, escuua portugueza Aguia, de 140
toneladas, capilo Pedro Augusto da Fonceca,
equipigein 9, carga, differentas geueros; a E.
R. liabe.Uo & C.
i\o de Janeiro-26 das, brigue inglez Vallan, de
249 toneladas, capitao Thumas Cux, equipagem
8, em lastro; a Lidstune Robilliard C. Se-
guio para Macei
Mavios aullidos no mesmo din.
Aracaly=lliate brasileiro Grmiosa, capitao Ma-
nool Joaquim da Silveia, carga varios gene-
ros.
Portos do Sul -Vapor americano South Mmrioa,
commau.lante Carpnter, carga parte da que
troiixe dos portos do norte
Sabbado 15 RepTcsentAr-sa-ha o aentimantal drama em 4
actos, ornado de uroeifa da composico do mae.-
tro Noronba.:
OTIUAIBOBEL
Este drama extrahido do romance (V M;. -.
torio.-, de Pars.
Terminar o espectculo cora aapplaudid c-:-
media era I acto .
fttiein casa ma casa.
Priocipiar as-8 1\2 horas
Domingo 16 do corrento
.Vn t* boram tln turde.
Representar-se-ha o cjnhecdo drama oal 4 a -
tos :
HONRA e'clQFUA.
O |r,tp.-l de 2 sera de-empeuliado |wlo arfe- '
o Sr. Tlioinnz Esiduca.
O scenario todo novo e o drama mont.vl
rigorosamente eapricho.
Terminar o espectculo com a come.Ka em I
aeto :
0 diabo araz da {Mirla
0 papel do criado ser feito pelo artista P-
name.
. Ai le da igreja que manda
oom a saiic.-o moral, nao se
naquella disposica da constituido poltica do'e-
tkdo, se nao tem ontro alcance pelo qual a greja.
reca da mao do estado.
, O estado nao pode permittir simplesniente quo
se crea, ou obligar que se crea, nem obrganai
n crer, como conclue o Sr. Dr., parque o estaco
nao tem fogueiras da inquscao.
Mas, se oara ter ellte a i-trigacao dessa crea-
ga, a igrejaJem #a pratcar algum .irlo no e^tai|>,
carecendo Jb" bnjeo dt> estad i, necessaro o san
beneplaeitn ; |iorqfae niog'uom pod ser livre, sen-
do obrgado a pratcar algum acto- contra o seu
sentimento'; cnlo cm lugar de livre, fornar-sb- WorticvtMo, consignado a tarnctrq (S .>0-
hia instrumento de ootrom.
Aasim, sn umpak catiolieo os templos chrip-
tos sao do aaardoj se o b>*|>o nmndar' fincar 46ra
de um ou mais destes templos as irmaudades por-
que m) ereem nesse dogma, e-ellas resMfeei,
nao pode pedlrio gnvom^ <(ae feett uto ort-suf
porta, porque, ko tendo elle approvado o dogmti,
nao | Nio [Mo o-gOverno-pormittlr crer njem mahd.1T,'
nem |robibr qne se c/eia ou nao crew ; mas n\o
pode tambem o governo ser eonsrraoaWo a obraV.
A igreja, delinindo o dogma da infallibilidade o
papa, visivelujente se limita ao desempeo de sua
misiio.
Se a igreja", jjojs. sobeaana em quanto s2 l-
mi' i ao desemperna) aidadedp-berieplaeito para obrigar ao, liis, pof'
gue ire Ha naestao quando a igreft4eTnmil saa*
Uiies, m.'iJPl quando niosoHffi.ta
- SiiimoHhSmos, iwrw,- tofo goverrn) tle-lwa ud'
ma fe, diga-: ^ '
. -dpgjma da inautllidade do jiJaj,contra- i' KkiTos-'de'isSuEar rnaicaVailOr
ciliar esta dcptjndencia. com oHe, docttP onnas-' fcavigados e crer, porque o governo, com o
gentes, menos cqmO ^Raty'dVes meas,dirigidis
por Jess Chri'st ao* apostlos e co:n o qm\d
wrmpt*-nVaa^lW'diriqi a-S: IVflro.
' K.dafci eoncln:
- -, lOiroi fnndador iljulflTPj;r.na |i9na..di\-iiiny
ou Elle nodissc estas ^i-as.oir-falsa aidanti
Ata dos- que ffcem as BT$ c disposiCSe* da -.re
depend-mes do l/oiiplaj-ilo pai-a o'Urpr.os -liis
, 15' com sto que digo que o Dr. Collaeo desf
assuas o|jec(oesopnaslas,0Tis .si mesmo. .
Sim, porque, em primeiro lugar para goih-J^I-
aoristo nao tem appUcaeAo amteUe- prine|pio fin<-
tado b Sr. Dr.. ssto (; qpe
' Nlngoemjjod ter o direito. *a embaracar ia1
greja no etferceio dds- pesS fCflJIdes
neste estado.
Neste tf-iso eoosequencia que os Cois nao
Patacho allsmo rn&Tis, vindo de
ivido, comjrn
giicira,, maajfestou:
Faiiulu do tri> 1,575 sacqas-aos coriig-
nat.trios.
Hete brarilevro- omda, vind do
Itin OrajXde- (lo-fttK toitsifrftadt) a llonralvt*
iIetl#o&ffiue-, matiifttbu ;
, Cotia 47-.
' Xnnffu!r3,3tM- arrobas a*s consignaU-
Hbs.

.
'i 'Natf'ltpr, para Liverpool,
ram^rnm.: Btaga Sbn C: *$M).Saceos
opi
fio pa *8o estado Y nao veio de uni cdcio.^coi'^ ^-Kaebirc* MgMM'Ift'Mto*, pora tvcrporj^
plente, mas de nm arraflji, uuucafjaiS, nuasor- Hmia^iUHt-'. -P.Oartieifo C
Sreza, (orno.meio. para cmgaj; ao fionW temporiil 5,418 kilos de algodao.
i papa, e assim nao sftlluptuuwagf(Jl^w,desei-r ? -**NaMKiro apsiriaoa Mora 0., pare Livet-
penjio M Sua missl, e portaalu vm admitlijo fool,'cajYegariifr: RetsJWniiha &4* .100 sacras.
go de velar no bem da cidade, tem mais razo
conhecer do qne o cidadur
Uno pesia- nto -a -ig#t-iat, adhNM
A pj'opaganda. ConvniHor as oe#*.flttfi 0;W-1
ivei0/Se ousaaa,quJi>dfuhoHe1*att)iislraagi40
t, [aaMaVru dMaugaf,.*,a*,*dt)0r*tw
PA#4Rdeoo S'v Di. GoIW>. (k,|gB|i 4>*6ifji-
mi. dfet.qe o.alisunio <-.- i^inUtiMU^^itr^t ._
padaic\uui^le aamdmnaaoM:mafo|MM>ia **
do o ultimd tmimO* 'm*imwri#, a o arfa
jeimitli'la.
Ah nao esttlinali; Wairdo. Est a qu(
nao est.i, larmn o-.abaunio.
tao.
'' A isla j tenho anteipadme^eBpondMr>nii|-
par 1 tas veiesconvenca a igreja.dOHjneeom sta'ecn
n
gara i n : R
0,1100 Kib
frv No brgu
regaram.: G. No
*os de klBwao.
."Na barca frawa
fia;
y*
:lr.V
>farial,-eir-
,000 saccoat oei
maRtmdo.
'SWr/para o Haitico,_.oa|;
tn^ja.sacjv^ coin *
EDITAO.
O Dr. Alfredo-Monso Ferreira, juiz municipal e
de ornteosdo termo da Escuda comsrea do
mesiBO nome da provincia de Pernainbuco, por
Sua Mage^le o Imperador, que Deus guardo
etc
Faoo saber que pelo presente edilal de Tinte das
de prego e tres de prae* tem de ser arrematado
ai (juem mais der e maior Unce offerecer. no
da "i do abril deste anuo crrante auno, as 11 ho-
ras da manfla na sala publica da. ca das audi-
ncias'O-arreiirlmeatolrieiialdo engenho de fazer
ossucar Tris Biac.is, desta termo avahado om..
aaMMQMl adHaaan constanie da reapdedvA ava-
liaca em puder e cartorie do esenvo interino de
orpbios' qie este escreveu, aqnal de theor se-
guinto: 15 logo no mesmo dia, mez e anno retro
declarado, naste engenlto, Tres Bracos do termo da
Eseada, comarca do mesmo nome rti |Wovinria fe
lernambiioo, em casa da residencia de Di Anna
de Siqueira Cavateanle consenhora e rendeira do
mesma engentan, presento o juiz nuinicipal e de
orpltos Dr. Alfredo AITonso Ferreira, comigo es-
crVo in cran de seu cargo aaMxo assgnado.
ah comparecern! os louvado, escolhdos e no
la IVat, caVglfain ^*i3Mm'1rtiaos
daru ooTrtosfluirdfeotos mil reis, p >i- coda anh,
ijue vema ser a quanta dsete mitos e qiinhcit-
tos mil rfta, no espaen de tres unos. E esti
av-liacao que ajusLras conscieueas enieii.lem de-
ver dar sem dolu neuk malicia,
E-para iasUr maudou o ju lavrar o presente
tefjiiu que assigaou rom os peritos. En Tiloma/
.Bpdrigues Peeira^pscrivao uterino o escrivi. Al-
fredo Aftiwo FiiTBuu.=Autonio Jorge Guana.
Francisco Cavaicaute de Allmquerquc. E assim
serao ditos arrendameutos do referido engoulio
a rematado por mam.mais der e iiir lance oiTe-
rcer no dia e hora cima indicados, e para dito
Om previne-sa ana- prplendentes que comparacam
tiabiliudos na forma da lei. Dado e ; assado nesla
villa daEscada aos H, das do mea de marco de
i- Luiz, para o Havre,
[trrtgartair^o4o4r1..l6rfacca coa 19^16
*il08-de.lgodfo., -
para o R rj' #> <& eausSie^va urna cstaropilha do valor de
'com-data o
da Prata, eaifgf'ain '*ndHhV Irmos S C. l(Wfo r#., InujiM3 f frm4. da %
a> 0*pas, TOi)lhasoJiaritslc(ain'J>'li aSafifcaile/ -lOt la*Wcao eowiU^IWi kikw iU ,0 fds Btdftiaweo da*}*J*IM "a^r,u *^ar>^sav4slMP4a*lHtli coaadUdW- Kan-da. eeira,-AHiwlo Ariso.-EBrreira- Esta confej,,^
d.H.^flMnoo ;-r>o*ai4xaK,0D> maoflrat M Mawwigiiial amanal m roportu ib dou f Vil-
Uji uaall aW>aaWi'Wi'riaiia|'i aun n Rafe i ilaA lalnafi ti *" ""*-r*,u kt% esecivao
Prata, carregou : A. Bastos 2fcVWarriao* oom inierino. TUomax Rodriga*iPafwaj
.la Iv-caila aos 11 di..
18Wf: ^EdTSoinaX-Ilodriffttes l'rerra, scrivo in-
terino -escfeTt. Ao scflo :V) rs. ou valha sem
.visos mmmm
Pai*a o Para
Segu em poneos das o patacho portnguoi .'.'
cltiiclenrr paia carga trata-se coa Ferairade
Almaida 4 C, ra da Madre de Dos n. 'ti. ai-
mazem.
(mima
MESSAr,ERIESM\RITniES.
At 0 dia 2;l do rorrento ow* espera-so iks |mii.i
do sul a vapor IVancei tiumkim, commandan"
Borg.o ipiahdaitaas ila demira-do co-tume, se-
guir para Brdeos, turando em Dakar (Goiv.-i
Li-ba.
Para amuicoes. fn-tes e passagens, trata-se ni
agencia, ra do Coniinercio n. 9.
l'ai'ii o JU -4ar,ih4 Para o porto cima segu o brigue uaco-i '
Providencia, que recebe ainla alguma carga i
frete, devendo em poneos das ser expedido
ter a maior parte de sen carregamento engajan.
A' tratar no eseriptorio de silva k Cascan, rua
do Mrquez de Olinda n. 6 Bisro luariliuo.
O brifm.- inglez l.utitimiu precisa oV cerca
cinco contos doris para pagar as despenasfat-
las neste porto com os reparos da arara que el!'-
soflrou cm viagoiu pain a> D invo prafejnd sa-
bir empoucos djas para ojjual. easpr..'--
tas, em cartas fechadas >eai racebjaas n* e--
criptorio dos cvmdignatarios Adamsou ll-)wie a
rua do Commercio n. 10, ate ai ineio dia de I -i
ca-fejra 18 do crrente.
ft Lionnc & Horisontc *
9 Tendo da sabir com umita brevidale W
estes dous na vios, o como t^ntiam IraaiJo Jfe
di cargas ordem, ca cooaignatatioa y
9. Kcller & (', |d-m -*> re hedores de &
)g vr ao seu eseriptorio mencionar seus a
^ nomos, alim de ppderem roceber -os fre- ^
CO.MPAXHIA PERNAMBl'CAJA
DE
A uvr^wclo toj.teirn n vaapwr.
MAHANGVM+.
Segu para o porto cima
um dos vapores da rompanlr i
l^iiambucam na dia 17 d.
corrent.-, as'Mbrasda larde.
Recebe carga, cncojiimen-
das. passagoiros dBlieir-i i
frote ate ns 2 horas da ttrde dodiV-da sahida
fcF|dono no Forte de MUtM jl 12i
< -----
Porto por Lisboa
a barca portugiieza Alegiia. eapitaCarvaJho, i
lahir com bri-vidada, recebe carga -pdeaagoiros.
araoa quaes tem boas comraodos : trata-se com
fe7ft.labeilo & C, rui do commecrto.a. 48i




Diario de Pernamb_c<> Sabbado 15 fade Sleam Navigiliin Cumpaiiy
Royal Uail Sleamers.
At o dia 16 do rorrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor d_U eompanhia Cuzco.
Recebe passageiros, dinheiro a frete, etc., par
o sul e portas do Pacifico da saa escala.
O primeiro vapor para a Europa ser o Chim-
tara-, aiit dovera .bagar aqu t 23 de abril
prximo, e dahi ciu diaule toca para a Europa mu
vapor da comparla todas as -quincenas.
Para loda e qaalouer ipa+mar i podem dirigir-
le aos agentes wilson Rowe C.
LEILAO
DE
5 caixas com 500 latas com ervilbas e_
manteiga.*
SEGIJNDA-IF.UU 17 00 CORREN!-.,
0 agente Postana far leSo, por conta e rieeo
de quem pertencer, de 5 caixas com 1S00 latas ervilhas em manteiga, 94 quaes serao vendida* ra
1 on nmis Mies, no da segunda fcira 17 do cor-
rento. As 11 '/i hrs dx manha, na porta do arm-J
retrt do Annes, di'froTrte da alfandega.
LEILAO
v
roMrAiiiA ?
DE i
/
IHUSIMRI.
Do dia l m diante
esperado dos portas do
jjorte o vapor fin un.
rommandante Teixeira, o
qual depoisda demorado
costante seguir para os
r______________, dp sul.
Para fretes o passngens, trata-se na agencia,
roa do Couimercio n. 8.
Lisboa e Porto.
A galera Asia a sahir em
poucos dias recebe carga a fre-
te mais barato do que outro
qaalquer navio ;tem excel-
lentes accommodaeoes para
passageiros. A tratar com
Tito LiviSoares: na do Vi-
gario n. 17, 1. andar.
o Porto
Para
Vai sahir muito breve o brigue Portuguez Tri-
umpho. Recebe carga c passageiros, a tratar com
Tito Livio Soarest rija do Vigario n. 17.
-. '----------\-------------------------------------
PARA'
E' esperado do Rio momento o brigue portuguez Ligeiro III
que depois cora possivel brevidade seguir
para o Para por ter a maior parte da carga
pronipta, e para que lhc falta, quo recebe a
frete commodo : trata-se com os consignata-
rios Joaquim Jos Goncalves Beltro S, Fi-
lho, ra do Commcrcio n. 5.
cerca de-SOj O e 5j5 cora vinho figueiwr
SEGUNDA-FEIRA 17 DO COMIENTE.
_0 agente Pestaa far leflito, por conu e risco
de quem pertencer. de 30 barris de 1".* e 5 ditos
de 5. com vinho dafigneira, para Techar cont
de Yenda, os qnaes serilo vendidos em
mais lotes, no dia segunda feira 17 do corrente, as
11 /i horas da manna, no largo da alfandega, junta
do armazem do Annes. _____
Ama para engontitiao
Precisa-se-de urna e paga-* bem: 1 CaMei-
reiro, casa de Praaoiseo Joaqmm Ribefre de tirito.
AMA
h.17.
,sc de una ama puL8
ra tasa" de penca' feuitfti: il j
.,Wftil, rn do N gueira; A
~*i*- *"'-a*W;* t^rm dii,u_a:_tia
BqWeaus, o.
Irti
pa ra (Xizinjia^e^ ara^afo- WBpwWH.
1, ippnctaa-**''de nm ama di*
teta (date, 1 para t#tmbxr e fa-
.r o ate 9erTie4e-nfn casa
4* fbvt* familia r na rea da
Cadela Novay Owe_}_> n. 15.
I-irr-. r1<
11 de leite ;* w
Precisa-se de1 upa anta, qu teaha bora leite,
prefe-se vre : a tratar na ra Nava de Santa Rita
Precisa-ie
FVawsisco Jos8 Cardo-
so, artista alfaiate, 'transferio
Jsua officina da ra do Barao
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de (Mindan. 34,
pritneiro andar.
-<
LEILAO
DE
fazendas inglezas
Parte de difforentes volumes avadados a
bordo do vapor inglez Gasseud, na su
ulima viagem a este porto.
TERCA-FEIRA 18 DO CORRENTE
s 10 11-2 horas em ponto.
Por interveneao e no escriptorio do agente "Pin-
ta, ra do Bom Jess n. 43. _____________
,AO
DE
nm variado sortimento de mercadorias, miudezas
e mais artigos abaix declarados, existentes no
armazem da ra do Imperador n. 43, por liqui-
dagao e sem reserva de procos, e em lotes a
vontade dos compradores.
A SABER :
Um cscolhido sortimento de lustres las (para gaz), de vidro, porcelana e brome, can*
deeiros para kerosene, mangas de vidro, camas de
ferro e chumbo, clialarizes, lavatarios, barmetros,
thermometros, machinas de costara, sobre slenles
e agulhas, campanhias para portas, transparentes,
enfeites para salas, estantes para chapeos, esta-
tuas c tnuitus outros artigos de gosto, que etar5o
patentes ao exame dos cuweurrentes no dia
QUARTA-FEIRA519 DO CORRENTE
O agente Pinto, autorisadojp|elos liquidatarios
da e*a de W. H. Chapman, levar a leilao a ar-
macid e mercadorias existentes no armazem da
ra do Imperador ir."43, em lotes a vontade dos
compradores.
Em continuacao
Tnnsfcrir-se-ha o arrendamento do referido ar-
mazem pelo tempo que taita (3 annos e o mezes)
a quem offerecer maior vantagem.
O lcilo principiar s 10 horas do dia cima,
A r-recisa-te de uuu anta para
II A c*sa de pouoa Xaaflilia : ra do
1T1 /\iikpera4urjt.4.7.

AMA
fteetss-ce' t ama a a para
casa de horneas soheiros, para
eomprar e wWhar : a ra. 4o
Duque de Cania* a. 73, toja. ; -' *" /
Ama Pr*eisa--e de urna ama para andar
cxiiiai ,;<,) Bma meniua dejres mezes : a bra-
tar na ra da laperatriz n, 1T, t* andar.
>'a ra do M sa-se de ara aau que saiba en-
gominar e lava/, paga-se bem agr
daado.
Precisi-se de urna ama para
cozinhar; aa roa 4a Aurora n.
7. '
Preeisa-se de urna aiaa que saiba cozinhar
e engommar : na ra do Duque de Caxias u. ,
!; andar. ; ._____
AMA
Precwa-se 4e ama ama pare o servioo *-
mestico : aa ra de afarsilio Dias n. 10, entrada
pela roa da Pe aba.
Qoem quizer se encarregar de
coxinhar para urna pequea fa-
milia, na cdade de Olinda ; dhi-
j-se ahi ra de S. Rento n. 30, ou no Recife
roa da Cadeia n. 40,1* andar, que achara com
qnem tratar, garantindo-s epagar generosamente.
Dsc cinco cantas de res a juros, em predio,
na ra de Hortas n. 118.__________________
D-se seiscentos mil res, ero penhor de ama
escrava na ra de Hortas a. Ut.
0009 *-)

Aluga-se
A cafa, a. 3.A Passa^a da Magdalena.


:3iti para alugar.
Aluga-se um nambacaaas n. ti, tendo boa casa de vi venda,
codifica, estribarla, arveres fructiferas e agua
ptitavei: tratar na ra da Imperatriz n. 9, pr-
nnir andar. i
AYRES GAMA.
niA no di-qi:E de caxias
.V. V.
Engenho
Arrenda-se o ensenbo Estrella, junto ridae
A Ri) Formoso. E' de aaimaes e com propor-
roes para l,"00paes : ospwenViites podem di-
iyir-se ra Daiaae de Caxias n. 38, 2* andar,
quealli terao formacoes.
~ Aluga-se nm sitio|com casa para grande fa-
milia, quarto* para preto, coxeira, curral para
?Becas, com tres cacimbas de pedra e cal, de
agua de beber, baiza de eapim e com mnitos ar-
voredos de fructo : na Torre ao p de Libanio
Candido Ribeiro : a tratar na ra da Concordia
a. 32.
20#000.
ft-ecisa-se alugaf ama eterna que engemme
Serfeitamente bem, e feca o mais servico interno
e tima casa de pequea familia, composta de
ato pessoas, e de urna nutra que cozinhe com
perfdco : no largo do Paraizo n. 88, l'e an-
aares. .
Trabalhador.
Preei*-
irga du I
,-se de um com pratica de botica: a
larga do Rosario n. 34.
Preeisa-se alagar urna eserava para o ser-
vico de casa e vender aa roa : na roa do Hos-
picio a. 3. ____________
AJuga se urna boa otaria para obras finas,
na Boa-Vista : tratar no Mondego n. 43.
*
0

Ti
MKMCIH lili RCICO
Rio de Janeiro.
Para o indicado porta vai descarregar o brigue
nacional Galgo, podendo engajar frete o resto
da carga que anda llie [alta : tratar com Fran-
cisco Ribeiro Pinto Guimaraes, ra do Barao
do Triumpho n. 96._______________________
VAPOR DANTAS
A sahir com brevi-
dadepara Rabia pelos
portos de Maci, Pc-
nedo, Aracaju', Estan-
cia. Recebe carga, pas-
sageiros por conta do
fretador los Maria Goncalves Perera. para os ii>
dicados portos : a tratar com o cnminandante a
bordo ou com Francisco Goncalves Torres: na
roa do Marqaei de Olinda n. t.
CO.MPANHIA PERNAMBiJCANA
DE
Natv^u^a cmirlra it vapor.
PARAHYBA, NATAL, MACO, MOSSORO', ARACA-
TY, CEAR, MANDAIIU', ACARACL"' E GRANJA.
0 vapor Pirapama.
rommandante A/yw-
do, to cima no dia lo
do corrente, s o ho
ras da tarde.
Recebe carga atiu) dia 13, enrommendas ateo
dia 14, passagens e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde do da da sabida : escriptorio no Forte do
Maltas n. 12.
Para o lii Grande do Sul.
Para o porta cima segu o brigue nacional Pro-
eueio, que recebe anda alguma carga frete,
devendo em poucos da* ser expedido por ter a
maior parte do sea earregament engajado : a
tratar no escriptorio Je Silva & Casco ra do
Mrquez de Olinda n. 60.
Para o Rio Grande do Sul
Para o porto cima pretende seguir com umita
brevidade a escuna portugueza Ckritttna, tem
fiarte de seu carregamenta, e para o restante que
be falta, trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira A'evedo & C. no seu es-
criptorio na do Bom Jesns n. 57, outr'ora ra
la Cruz.
IEIL0ES.
LEILAO
SKGINDA-FKIR.A 17 DE MARCO.
as 11 lioras.
Por mandado do Illn. Sr. Dr. juiz do coninier-
i lo, o agente Pmbo Borges levar a leilao as fa-
zendas per Mientes a Estevo Candido da Silva,
constando de chita, cambraia, alpaca preto, la de
cores, brins, castores, chapeos altos para homens,
casimiras em corte, e mais alguns retalhos de di-
versas fazendas ; em sea escriptorio ra do
Bom Jess n. 53, primeiro andar.
BA
casa de ferro forrada de feltro e bem fresca, com
8 quartos, inclusive o do soto, construida pe-
lo celebre engenheiro Sr. Eaw Elont, e situado
em terreno foreiro, com 100 palmos de frente, e
400 de fundo, e lugar mui saudavel, perto do
rio e junto da estado de Saul'Anna.
QUARTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
Ao meloda.
No armazem da ra do Imperador n. 45.
Por interveneao lo agente Pinto.
Os pretendentes podero examinar a planta
existente no armazem cima dito, entendendo-se
com o r. W. H. Chapman, ou com o agente en
carregado da venda
GRANDE E VARIADO
DE
BceHentes movis, boa loutja e linos crys
taes.
Um piano forte de Blondel & Wignes, 1 estante
para msicas, 1 cadeira para o mesmo, I mobilia
(massica) de Jacaranda, 1 riiesa de sof, quadros,
jarros para llores, 2 ricos candieiros a gaz, de
rrystal, 2 figuras de brenze, 4 easticaes e mangas,
3 iancas o cortinados, tapetes, escarradeiras e es-
leir forro da sala.
Urna toylete de Jacaranda, J lavatorio com pedra,
1 mesa de jogo, 1 mesa redonda de charao, 1 ca-
nia com colxao de mola, 2 guardas-roupa, 2
guardas-vestidos, I espelho e 2 camas de ferro.
Um secretaria de mogno, 1 estante, diversos h-
vros, 1 mappa, 1 globo geographico, 1 machina
de costura (perfeita), 1 mesa com jogo xadrez,
I taboa c peoras (jogo de gamSo), cabides, 2 ve-
nezianas, 1 tintriro com campa
Urna mesa elstica, 1 guarda-louea, 1 aparador
armario. 1 quartinheira, 1 relogio, 1 sof, 24 ca-
deiras, 2 lavatorios, 1 quadro dourado, com flores
de cera, 1 apparellio para jantar, 1 dito para cha,
compoteiras, garrafas, copos, clices, porta-garra-
fas, bandejas, cobertas de rame, objectos de
electro-plate, bancos para jardim, vasos para fi-
res, escadas de abrir, mesa e taboas de engom-
mar, mesas e trem de cozinha, e outros objectos
de casa de familia.
Quintn-feii-. 99 do corrente
No primeiro andar do sobrado da ra Impe-
ratriz n. 12
, Jos Henrique Trindade, tendo de fazer urna
viagem ao Rio de Janeiro, levar a leilao por in-
terveneao do agente Pinto, os movis e mais objec-
tos existentes em casa de sua residencia, primei-
ro andar do sobrado da ra da Imperatriz n. 12,
onde se ctTcctuar o leilao no dia 27 do corrente.
O leilao prin ripiar s 10 1,'2 horas em ponto.
DE
50 barris com aleatrao.
SEGUNDA-FEIRA 17 DO CORRENTE.
Ao meio dia ena ponto.
O agente Pestaa far leilao, por conta e risco
de quem pertenec-, de 30 barris cim alcatro, os
quaes se acbam patentes ao exame na porta da
guarda-mora da alfandega, e serio vendidos sem
reaerva, no dia segunda-feira 17 do corrente, ao
_iek> da, na porta do Annes defronte da alfande-
ga. Adverle-e aos Srs. compradores que se de-
vwn informar primeiro do estado dos barris.
LEILAO
DE
M arrobas de figos em caixas de 8 e 4 li-
bras.
SEGUNDA-FEIRA 17 DE MARCO.
O agente Pestaa far leilao, por conta e risco
de quem pertencer, de 30 arrobas de figos, os
quaes serio vendidos em 1 ou mais lotes, no dia
segunda-feira 17 do corrente, s 11 horas da ma-
nba, no armazem do Annes, defronte d'alfandega.
DE
lljS, 4|10 e 4 duzias de garrafas de vinho
tinto, para fechar contas.
Segunda-feira 19 do eorrente.
O agent Pesua far leilao, por conta e risco
,*a quem pertencer, dos barris com vinho tito
cima mencionados, e serio vendidos em 1 ou
mais lotea, no da segunda feira 17 do corrate s
i horas da manh, no armazem do Annes, de-
ronto da alfandega
II
DO
Engenho Monte d'Ouro
SARBADO 22 DO CORRENTE
s 19 horas ena ponto
Por mandado do Illm. Sr. Dr. Juiz de direilo es-
pecial do commer -io desta cidad-, requerimento
dos administradores da massa fallida de Siqueira
A Pereira, o agente Pinho Borges far leilao do
engenho denominado Monte de Ouro, sito no ter-
mo de Ipojuca d'esta provincia, o qual foi penho-
rado por execucao dos ditos administradores a
viuva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da Fonce-
a, adjudicados indicada massa.
Ao meio dia em ponto, no escriptorio do referi-
do agente ra do Bora iesua n. 53 (outr'ora ra
ia Cruz), onde os Srs. pretendentes podem haver
as informacoes necessarias.
1
m
*
*
DO
Dr. J. M. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Oiindi n. 25, pri
meiro andar.
Consulla das 7 bora s 10 da manhi.
. Chamados a qualquer hora. ,, ,* WL
Aluga-se
um sobrado em Ponte de Uchoa, cem commodos
para grande familia, tendo gaz, agua, e todo for-
rado a papel : quem pretender uirija-se ao cal
imperatriz. .________________ .
Escada.
0 Sr. Jos Alfonso de Azevedo Campos, com
botica na villa da Esc di, qoelra virou mandar
rua do Imperador n. 28 a negocio de seu inte-
resse.
Fugio do engenho AQbdc Gfande, em Naza-
retb, o escravo Ralino, preto fulo, ahora regular,
p? curtos e largos, barrigudo, com urna cicatriz
na face entre o nariz e o canto da bocea, sem bar-
ba, de 26 annos de- idade, tem sido visto no Ca-
xang e Vaf zea : quem o pegar leve-o ao referido
engenho, on rua do Apolla n. 2S, que ser ge-
nerosamente recompensado. M|~
Aluga-se
Precisase alugar urna casa terrea, no bairro
da Boa-vista, e as mas onde passa os bonds, ou
perto, com tanto que tenha os commodos seguin-
tes : 2 ala<, i quarto*, corrodor independentc,
cozinha fra e quintal murado : quem tiver para
alugar, dirija-se ao escriptorio deste Diario que
achara com quem tratar.
1 Advogado.
0 bachafel Jos Alves Lima Juner,
promotor puWico e advogado na co-
Sfc marca' de S Jos de Mipib, na pro-
f> vinci do Rio Grande do Norte, encar-
S, regase de qualquer cobranza, tinto
' mig vel como judicialmente, nao s
Bna dita comarca, como nos termos vi-
zinhos. Quem quizer nt!lisar-se dos
jk, seus servicos dirija-se praa do Con-
B de d'Eu ns. i e 8 : tratar com o Sr.
r- Jas Alves Lima.


Tisset Frrea, consignatarios da barca frn-
ceza han Baptiste, procedente do Havre, rogam
ao recebeior de 75 barricas com farinha, de satis-
fazer 0 frete das mesmas.
Sociedade Beneficente Luso-
Brasileira.
Pela segunda vez o Sr. presidente convida aos
Srs. Socios a reunirem-se em .esso de assem-
bla geral, domingo 16 do corrente s II horas
da manh, teuJo-se de tratar de negocios que
affecta aos intresses da sociedade. de esperar
o cemparecimento de todos.
Secretaria da Sooiedade BenePiaente Lnso-Bra-
sileira, 14 de marco de 1873.
O 1." fecretario,
Bento de Souza Mira.
Na rua do Crespo n. 7, toja do Gallo vigi-
lante, precisa-se de urna ama para cozinhar: pre-
fere-se eserava.
- Fugio no dia 4 de fevereiro prximo passado,
o preto crioulo de nome Lourenco, de idade trinta
e cinco annos, baixo, magro, oRios prande?, sera
barba, pernas ari|uiadi, andar vagaroso; quem o
apprebenier e levar rua da Uniao n. 41, ou in-
dicar onde sa acha o referido escravo, ser grati-
licado._________________________________
Asooia^Ao l'ortu^ucza de Be-
nefleencta dos empreados no
conanaereio e industria ena
Pernamhiice.
Pela quarta vez, e ordem do Sr. vice-presidente
convido aos senhores associados, a dignarem-se
comparecer nesta secretaria rua da Imperatriz
no da 16 do corrente, pelas 6 e mcia horas da
manh, atini de constituida a asscmbla geral, se
tratar de negocios importantes, e de interesses
para esta as^ociaeao. Espero senhores associados,
me dispensario convida-los mais urna entra ver,
obstando assim as despezas que sohrecarregam es-
ta associacao. E' aberta a sessao nma hora depois
da marcada.
Recife, 13 de marco de 1873.
S. Jos Ferreira Guimaraes,
Secretario. .
Cozinheiro
Precisa-se de um co nheiro qne seja de boa
conducta : na rua da Imperatriz n. 37, 1 andar.
Precisa-se do um caixeiro de 10 a 12 annos
de idade, para taverna, e d fiador sua conduc-
ta : no pateo do Terco n. 82.
ATTEKQAO.
Un pessoa com alguma pratica de fazer risca-
dos, raappas, pautados, etc., dispde do seu presti-
mo, e encarregase de qualquer traba Ih o, das 11
1 bora da tarde, e das o horas da tarde em
diante : na rua da Ponte-velha n. 87, 2 andar,
onde (leve ser procurado, on podero deixar carta
fechada nesta typographia co n as iniciaes R. R.
jmaiuna iili
30o#oeo
Ansentaram-se desde o dia 3p de Janeiro do
crtente anuo dous escravos irraios, sendo um de
nome Lourenco, de idade de 26 a 27 annos, esta-
tura regular, cheio do corpo. cor clara, cabello
estirado, rosto redondo e sem barba ; e o outro
de nome Andr, da mesma estatura, mais franzi-
no do corpo e inai novo, com os raesmos signaes
do irmao. sendo comprado Lourenco ao Sr. Clau-
dino de Albuquerque Mello, da comarca do Palos,
provincia da Parahyba, e Andr ao Sr. Joo Fran-
cisco Gomes de Amula, da comarca do Limoeiro.
Suppoe-se que seguirn) a estrada do Limoeiro, a
Serra do Teixeira ou comarca de Patos ; roga-se
a todas as autoridades policiaes e capitAes de cam-
po que os apprebendam e levem-os a rua do Apol-
lo n. 30, armazn] de assucar, que se gratificar
com a qu- nt a cima.
Companhia Recife Drainage
A eompanhia avisa aos senhores proprietarios
eaos moradores das casas, abaixo declaradas,
que podem faier uso dos apparollios que foram
enllocados as suas moradias, logo que para isso
receberera o competente cartio.
Rua Duque de Caxias ns. 89 121.
Rua do Rangel ns. 1 7.
Thesouraria geral.
0 gerente,
Henry Law.
100S
AVISOS DVERSOS
Cofraria de S. Orispim e
S. Crspiniano
De ordem do irmao pro vedo r sao novamente
convidados os irmios desta cofraria a compa-
recerem em nosso consistorio as 9 horas da ma-
nh de 16 do corrente, afim de em mesa geral
decidir-se a respeito da circular do Exm. dio-
cesano, visto nao se ter decidido a 2 do corrente
por nao |ter comparecido numero legal para
esse fim convocado.
Consistorio no Carmo do Recife, 1S de mareo
de 1873.
O secretario,
_______ *o Qumtino Lopes.
~Furtaram do sobrado da roa da' Larangei-
ras n. 18, urna dentadura intoira e tambera um
binculo : quem der noticia aera recompensado
na rua de Pedro Affonso, outr'ora roa da Pn*
n. 51, ou na dita rua das Larangeiras.
Qfl'erece-se ura rapaz braaileiro, de 18 a 10
annos de idade, com prava de tarerna e pada-
ria tanto para a prac,a ou fora dalia, dando co-
nhecimento de sua conducta : a tratar na roa da
Camba do Carmo n. 3.
Fugio no dia 23 do corrente o escravo Vitalino,
preto, crioulo, idade 25 annos. alto e cheio do cor-
po, qundo falla le 'anta o beipo superior, tem
falta de um dente do lado de cima, anda alguma
cousa banieiro, ps grossos, levou vestido calca
de riscadinho a camisa de madapolao ; este es-
cravo j fugio em outubro do anno prximo pas-
sado, e foi preso na estrada de Pajea de Flores ;
foi escravo de Antonia Francisca de Josas, mora-
dora em Correntes, e depois foi tendido ao capi-
tao Thomaz Thenorio de Albuquerque Villanova,
morador em Papacara, o qual tem urna fazenda
em Buique, de que elle era vaqueiro ; suppde-ae
que f i acompanhado por um escravo pertencenle
ao Sr. Manoel Francisco Marques, tambem preto,
crioulo, e natural da provincia do Ceari : roga-se
todas as autoridades policiaes e capitaes de cam-
o que o apprebendam e condu'am-no a rua do
rum n. 74, armazem de Jos Francisco Martins
A C, qne se ltie dar a gratificacao cima.
150^000
No engenho Massuassd, freguezia da Escada, se
dar de gratificacao a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 34 de no-
vembro prximo passado : o i> tem 9 annos,
castanho e castrado, tem a oreiha direita bastante
lascada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o ruco, com piafas ver-
melbas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coco fino, castrado, tem os qaadris leridos da
cangallia, ferrado com a marcaI. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; b 3. rudado
sanhass claro, curto grosso, nm poneo eambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
- Ono quarto direito : gratificase com 50*000
or cada um em presenca da pessoa, em cafo po
r for encontrado qnalquer dos ditos cavaBoa.
Na travessa do Queimado 1 a )- preci-
sa-se de nm caixeiro que tenha bastante pratica
de molhados.
^ Manoel EnedinoRe-
% go Valenea.
MEDJCD
Canaboa do Carato
N. 91.
Cam de campo.
En Sam'Auna, freguezia do ,toco da Paaella,
bk para alugar urna boa cata, com tres salaa, 2
guarios, cozinha a grande quintal, a est titna-
proxima a estaco do caniiaho de ferro. Os
da .
pretondentea deveaa entaoaer-te com o xhafe
metma estacia.
da
Urgencia
Precisa-sede urna ama de leite, quo te-
nha bom e abundante, para criar urna me-
nina recem-nascida, quer soja forra, ou es-
erava; porm, sem filbo, paga-se bem
nesta typographia a fallar no 1" andar com
o administrador, das 9 da manh s 8 horas
da noite, ou em Olinda no Oito do Ampa-
ro, casa grande com porto de madeira ao
lado pintado de verde.
GABINETE
M ed i co ci r u rg co
RUA DO IMPERADOR N. 73, ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
DEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIA LI DA OFS.
Molestias e operarles de olhos.
Cara radical e inslaotanea dos
estreiUmentos da uretra.
Consultas : Das 7 as (0 boras
da manba.
Chamados : A qnalqner Hora.
MOFINA
Est encouracado!!!
oga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira d> Mello,
-i rao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir rua Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de olio annos, e guando o Sr. seu nlho se
acha va nesta cidads.
R
escri
m
-4
''!
m
m
Xovo estabelecimento
de joias.
Rua do Cabugn. 19.
Neste estabelecimento s encontrar
ura bonito sortimento de joiaa que se
vendem for tal preco que animar ao
comprador atiento ao vantajoeo syste-
raa, ganhar poned para vender mui-
to, que certamente til ao compra-
dor e ao vendedor. r
Tambem se cojnpra ouro, prata e pe- S
dras preciosas, bem como se fabrica e W
concerta toda e qualquer obra tendente S
mesma arte. S>
Afisa-sc
a quem der noticia da eserava Guilhermina que
foi do tenente-coronei Feliciano Joaquim dos Sa -
tea, e oepois comprada ao Barao de Nazareth,
representa ter 98 annos, tem falta de denles na
frente e as maca com cicatrize* de quenadura
de gaz, seeea do corpo e muito regrista, qn dea-
appareceu da casa de sobrado n. 96, da rua dos
Cot nos, qne aera generosamente reeompenaado.
fiOiinheiw.
Preosa-se de nm opiinbeir i muito bom : a tra-
uma roa da Cruz,, n 48.
Precisa-se de nm menino, de 12 a 14 annos de
idade, forro ou captivo, para criado de urna casa
de pequea familia, com tanto que saiba fazer
:ompras e entend de servico de copeiro. A tra-
tar na rua do Capibaribe n. 40.
0 OLEO DE F1GAD0 DE BACALHA
Nutrimento
MEDICINA!
f Preparados por
Lanman & Kemr;
para tsica e td
qualidanta dedo-
eneas, qtier seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a
mente escolhidr
dos melhores i
gados dos quaes
se extrae c
nleo, no baa
da Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen
te "puro.
Este oleo tea
sido submeUitV
a um exame
-uitosevero, pelos chimicos de mais tale-r
ot.'do governo hespanhol em Cuba.foi de
vulgado por elle e contem
MAIOR PORCAO D'IODINA
io que outro qualquer oleo, que elle tea
examinado
IODINO E'UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho
B naquelle no qual contm a maior porcc
d'esta invaluavel propriedade o unicc
meio para curar todas as doen^as de
G.\RGANTA, PEITO, B0FES,FIGAD0,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse
resfriamentos.etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muiu
magro que seja, clarea a uista.e d vigor z
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
Qhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodande
juasi nada e estomago
As pessoas cuja organisacSo tem side
iestruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
CMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda e Beheribe.
Devendo ter lugar n*
domigo, 16 do corrente,
urna corrida de" boi no
pateo do Carmo, em
Olinda, esta eompanhia
expedir os trens extraor-
narios que a concurrencia exigir deque
a mesma cempanhia puder dispor, alm dos
trens ordinariosindicados na tabella em vi-
gor. '
Escriptorio da eompanhia, 12 de marco
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda
O Sr. Olympio Fran-
cisco de Mello tem urna car-
ta nesta typographia.
23*000
Quantcse paga p ir ;iuw cozinlietra ou cozinhei-
ro para iiiii.i ca de i ae*_i>s, jwd'erindo-se es-
clavo: a tratar no Corredor do iispo n. .'i.
Nazareth
O Sr. coronel Jos Francisco Lopes Lima quei-
ra ter a bondade de vir on mandar na do Im-
perador n. 28, a negocio de seu particular mte-
resse.
50$
Continua ausente da casa do abaixo assignado,
desde 15 de novembro de 1872, a preta Mara, de
3o n 'io aniioi, n-itural da Baha, tendo os signaes
seguales : baixa, ma^ra, tr fula, andar faceir,
falla baixo, cara cemprlda, nariz afilado, b_ca
regular, denles perfeltos. faltando-lhe um de nm
dos lados de cima, e malfejta de raaos e ps, tan-
do o p e a perna esquerda mais grossa do que
a direita, usa do trunfa na cabeca, levou de casa
urna outra de larlaiana verde, rosetas de ouro,
saia de cambraia, com listras de cor e chale novo
de merino estampado com assento azul, foi com
prada ao 6r. Zumba Chaves por intermedio do
corretor Santos, tendo sido antes eserava de urna
preta da Costa. Pede-se a todas as autoridades
policiaes e capitaes de camp >, ou a qualquer pes-
soa que a apprehender, levar rua da Aurora n.
169, que To recompensados com a quantia ci-
ma. Outro sim declara que desde j protesta de
haver os servicos da mesma eserava, da pessoa
que a tiver oceulta.
Joio Athanasio !l"lelho.

Furto

Previne-se a todas as pessoas a quem forera
offerecidos dous anneis de brilhantes grandes,
que foram furtados hoje da loja do musen de
joias rua do Cabug n. V, o favor de apprehen-
de-los, que leni de se Ihes Arar brigado, ser
recompensado.
Casa mobiliada.
Ahiga-s- o primeiro andar do sobrado n. i8 da
rua das Trinrheiras, quasi defronte da entrada
para rua e-treita do Rosario, contendo duas
salas, seis quartos, um pequeo algrele, quin-
tal, cacimba e casa para banho com mobilia ne-
cessaria : tratar na mesma casa, com o solicita-
dor Burgos Punc de Len.
Na fabrica de cerveja rua do Brum,
se precisa de um hoincm para trabalhar em
urna carroca, de um cavallo. Na mesma ta-
brica so compra laranja da trra a 800
rs. o cento.
Aluga-se
o tereciro andar do sobrado sito na rua larga
do I Rosario n. it : a tratar na rua do Vigano
n. 31.

200S000
de gratificacao!
Fugio no dia 2-1 do maio do anno passado, da
fregueiia de Alaga de Baixo, donde natural,
o escravo Damiiio, condecido por Matheus, cabra,
ida le de 32 annos, bem feito, muito cort, o hos
pequeos, pouca barba; presume-se andar para
as bandas da cidade de (oyann.i, negociando com
iniuduzas.
Ksti' escravo, bom cnziuheiroe bem conhecido
porque foi crrelo e la aio do vigario Uacalho.
Quem o apprehender e leva-lo em Santo Amara
das Salinas, rua de Lua do Reg n. 25, ou na
mencionada freguezia. seu respectivo vigario,
rereber a quantia cima declarada.
Uo abaixo assignado
Contina a andar fgida a eserava Severina.des-
de o anno de 18ti8 ; qualquer senbor capilo de
campo, apprehendedrr de esclavos fgidos, ou
mesmo algum senbor particular, pode pegar a
eserava Severina. apprelipndendo tudo que com
Ha adiar ou livor depositado em algum lugar
que resila, cora toda a eantella e preveneao. Se fi-
elmente mejentregar rtcober i quantia de 2004;
tambem pero a qualquer autoridade civil ou po-
licial a captura da mesma, nao admittinda no-
nliuma evasiva, ,nu estrategia que se Ihe apreseu-
tar, seja qual for. Os signaes da eserava sao os
seguintes : crioula bem preta, pode ter 30 annos
pouco maiz ou men' s, estatura regular, othos
hraneos, naris chato e curto, beiros grossos, den-
tes alvos e limados, de ambos queixaes, tem sig-
nal feito com agulha no braco, e bastante ladina,
faz renda, lahyrintho coze e engomma ; j tem
andado fgida e pe nome mudado.
Villa do jardi'f, 27 de f Awiro de 1873.
Manoel Alves de Farias.
A popular fluminense
.\>*o<-ia/a< do heacflcios mu-
tuom.
Previne-se aos senhores socios desta associacio,
em seguida declarados, que podem vir procurar
no escriptorio de Silva k Cascao, rua do Mar
quaz de Olinda n. 60 ; as apolices dos contratos
que elTectuaram, e que foram remettidas do Rio
de Janeiro pelo actual agente inspector geral da-
quella associago nesta provincia, Jos Castellao
Jnior. Eis os nomes dos socios a que se refera
este annuncio :
Dr. Antonio de Souza Leao.
Dr. Felippe de Souza Leo Sobrinho.
BarSo de Campo Alegre.
Joviniano Manta.
Dr. Lniz Felippe de Souza Leao.
Miguel Ferreira Pinto.
Commcndador Antonio dos 5antos Pontual.
Coronel Andr Dias de Arauio.
Alfercs Americo de Siqueira Brito.
Tenente Antonio Luiz de Mello Marques.
Joao da Cruz Macedo.
Manoel Heraclito de Albuquerque.__________-
Na villa da Escada
vende se por 1:6i OJ duas moradas de casas naa
melhores ras, rendem mensalmente 3i4 : para
inforraacao, na mesma villa com o Sr. Joio Paes
do Nascimento, e no Recife, no largo do Terco
n. 23, com Simao dos Santos. ________ '

Antonio Martins rampanho tendo de se re-
tirar para Enropa a tratar de sua saude.deixa por
seus bastantes procuradores : em 1* lagar seu
socio o Sr. Antonio Goncalves Guimaraes, em 2*
o Sr. Manoel da Costa Cordeiro Lima e em 3o o
Sr. Joaquim Jos Gomes. Recife 8 de marco de
1873._________________________________
Na sua da Madre de Dos n, 3, precisa se de
um criado e criada para todo o servioo. _____
=- Precisa-se de um caixeiro de 12 a 13 annos
de idade, com pratica de taverna, e que d fiador
de sua conducta : em Santo Amaro, travessa do
Costa n.*. ____________________________
Caixeiro.
Precisa-se de um com pratica de molhados para
um es belecimanto desta ordem, que d fiadora
sna Conducta : a tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 12, andar. ______ ,
CAZA DA FORTUNA
RUA l.'BB MARCO OUTR'ORA DO CRESPO R. 23
Aos 20:009$000.
0 abaixo assignado tem sempre exposto venda
-os felizea bifhetes do Rio de Janeiro, pagando
proinptamente, como costuma, at o premio de
4:000*. ,
Prccoa.
. 4nteiro.......14*000
"Meio........12*000
Quarto ....... 6*000
_______Manoel Martina Fiara.______
AOS 5:000#000.
Estao i vendaos felizes bilhetes da lotera da Ba-l
hia, na casafeliz] do arco da Conceico, loja dej
ouriYes, no Recife. ___________.
Precisase de urna cozinheira para duas pet-
acas, de uma criada para, arrumaco de salas,
quartos e roaparia. e d'um criado para coupei-
ro e mais servicos de casa: na rua de S. Frari-
daco n. 72.________________________i
Na travessa do Duque de CaTiaa na. 1 e 3
tchara o r> apeitavpl publico conttantemente gran-
de sorliraento d$,d*ce de goiaba fino. -
Jos da Silva OUveira avisa ae resptavel cor-
po do commerek) que m 31 de demmbro pr-
ximo passado, dissolveu amigavelmenle a socte-
dade em qne fazia parte como socio de industria,
laeu caixeiro Jos Ferreira Braga, a qual gyrava
na .cidade de Gpyanna, sob a razo deJo. da
Silva Oliveira A C.
Recife, 13 de marco de 1873 _
Baixa de- capini.
Aluga-se o_ reade-arama grande baixa de
capioa, ao p da estacan Parnameirim : a tratar
ipeador a, 7, andar.



r>>-
Datib de PsHMuntoico Sabbado 15 de Morojo de 187*.
5
'S
1.111JII
(sai ob oto o ta
I
he Ii : A a ,uMa<>j oaoittiq e
0
b t-.
/

.w-^'
\
1AN0S I PSICAS
OffIO JTOSI HE IKEVB1IO
PffctHa ti, 11, armasm, e 12 1. andar, antiga roa Nova
aomle o publico em gtral encontr, hempre o maior e mais esplendido sortirqtnto depauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra. n iiJ
Acaba de abrir no primelre andar de sobrada u. 12 canfreale % Tambera receben grande sortimento de nu'leas ptrVpliA>fj
botica Maarer, ara grande salto onde cilio expotos os afam'eoa
PUYOS de

I i I
armaro, le Plevel.
--------- de meia canda, do raerao autor.
--------- de H. Henri.
m.W\ mil J I I W* f-
--------- de Amede Thiboot
nico afate esta cidade, dos celebre afamados

PIANOS DE AUCHER FRSRES
J 6. u
Tambera receben grande soTtfroento de muleas pira pa*; piano t
canto e entre ellas as lindas eomposieftes do mallo jympatbleo maestro
F. SA*TI!fI
A SABER ;
Voe me qner Wals*.
Olga Maiu;k.a.
La Separacioni Para cante.
A Lu eleetrica, grande Wa'?a.
'miados era diversas exposi-.Bss om 14 medafnas de onro e prata.
Sao os onicos pianos qae mqai Tan* da Enrona, perfeMaoMnte aftna-
dos, fetoe cora elevan ya solides.
D'sqol emdiaote continuar* a mondar odas as poblieaces mt* s forem friendo as snas omeinas de mnsitas.
Franco Brastlero
Tomada de Vllela
Joaninha
A Libertadora
A Primeira espada
A M'nha Lvra
A Natalicia
Studieate
Polka."
Galope.
Walsa.
Polka.
Walfi.
Walsa.
Polka
Poka.
Ultimas pufcllea^de
Peitas as oficinas de,, m
do fnnnnciante.
Emilia, polka por 1. Smlti.
Circaciana, jchotcb, por Smottz.
Jardicn do Campo das Prteetaf.
quadrllb, por I. Popne.
Chava de Rosa, Walsa, por H. Al
bertaixi.

-------
FUNDIDO DO BOWMAN
RA DO BRUH N. 52
(Passan&o o chafariz)

PEDEM AOS senbores de engenho e ontros agricultores, empre gaderes dem
cfaioismo o favor de orna visita a seo esta-belecimentu, para verem o iiovo sortimento
comptetique abi tem; sendo fado soperior em qaalidade e fertidaVo; o qae com a ios
pecoso pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCOAO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQAQ
VannrfiR A rflft* d'aO'na dos mais molernos systemaa eem ta
Vapurrja O lUUtto U agua maohos conveniente* paras diversss
circamstaacias dos senhores proprietario e para descaroejr algodao.
Moendas de canna 2! 8 lamanb09'as me,b0"* qoe aqH'
Bodas dentadas w**>>*a'*"*<
Taixas le ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fondos de alambiques.
1Waa>Tliniemna para mandioca e algodioj Pudendo todos
iuaUIllUloIIIUS e para serrar roadeira. f ser movidos a mi
PflTTihflft lpor agaa* **">
iiuiuuao de patente, garantidas........ fon aoimaes.
Todas as machinas *'m*w***9v**
Fazqualquer concert de machismo'apreco mai reSmide*
1?Armoa rio fWrt tem as melbores e mais baratas existentes no mer-
^tiflinirtinn/oo Incombe-se de mandar vir qnalquer machinismo vob-
JLIlt JIlIUtIldclb. tade ^os clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerec
snas compras por intermedio de peasoa entendida, e qoe em qualquer necessidade pode
Ibes prestar auxilio.
Arados americanos e **** a,iM!a!-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ


Botinas
------------
Pinos extractos, banhas, leos, opiata e pos. dea-
triflee, agua de fl r de laranja, agua de toil-
te, divina, florida, lavande, pos de arroz, sabo-
netes, cosmticos, muitos artigos delicados em
' perfumara para presentes com fraseos de et-
9 tracto*, caixinhas sortidas e garrafas de diffe-
I; rentes tamashos d'agua de oiogae, rudo de pri-
meira qualidade dos btm conhecidos fabrican-
tes Piver e Oradray,
'M
para senhoras, a
loja do pavao.
Pereira da Silva 4 C. receberam pelo ultimo
vapor de Europa, um elegante wtimento de bo-
tinas pretas e cem delicados enfeites de cores,
proprias para senhoras, garantindo-se serem das
mais inadernas que ha no mercado ; assim como
a boa qualidade por terem sido remettidas por
ura dos melhores fabricantes de Pris, e vendem-
se pelo barato preco de 6,1000 : n loja do Pa-
vao, ra da lraperatriz n. 60.
Novidade.
A Predilecta, roa do Cabogi n. 1 A, acaba
de receber pele ultimo paquete chegado da Eu-
ropa, um beMo sortimento de corpinhos de cam-
braia bordados para serfhoras e meninas, goii-
nhas e punhes tambem bordados e de phantazia,
saias bordadas, ditas com entremeios para senho-
ras, bonitas alcinhas de diversos tampadilhos
para meninas, ricas fachas de tuquim de c*r,
que tudo vende por barato preco.
Vende-se
urna eserava, excellaite eojlnlieira e lavadeira,
acostumada a qualquer servico domestioo. com
urna filha de 10 anoos de idade: urna outr tam-
bem muito boa cozinheira e lavadeira, todas pre-
tas, vindas-do Maranha. Quem pretender com-
prar dirija-se na da Imperatrii n. 47.________
= Vende-se urna batanea de Momio, nova cem
o competente terno de kilogrammas : a tratar na
ra da f.'ompanhia Pernambucana, armazem au-
mero 6.
Na na Duque de Casias
n. 71
Vende-se as segumtes obras de direito:
Lobao.- ExecucSes por fentenca.
Aecjdes summaras.
.Venezes.Pratica dos tombos.
uizos divisorios.
Caetano Gomes.Manual pratico.
Pereira e Souza.-Linhas civis.
Mello.-Opera.
PardesstH.Traite des Servitudes.
Troplong.--De la vente.
Des Seciets.
Vanguerve.Pratica judicial.
Caetano Sares.'- Repertorio jurdico. ^^^
Na rita de Santa Thereza
uvas rdxas, deiboa qualidade.
n. 28, "vndense
llMAZEil
N. 7-Outi?omitaft t
PIANOS

Acabam de ebegar muilo bons planos fortes e de
elegantes modelos, dos mala notaVeis e besa co-
nhecidos" fabricantes; como sejam : Alphonse
Bktndel, Henry Hers Pteyel WoUT 4 C : no
vapor francez, ra do Bario da Victoria, q-
troraNoyan.7. (b
Calcado franeez. U,
Botinas de luxo e pbantazla, brancas pretas e He <>m> ^ined' contra <* ea<" (
differentes ares, Unte para, tenhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos com salto no rigor da moda, brancos-
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Suser e de Polak, para ho-
mens.
Sapatos de cordavJo Mili spara homens.
Botinas para menino de qualquer tamanho.
Perneiras e meias-pernelras tanto para homens
como para meninos. ;
Sapates de Suser para homens e meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens.
Abotinados de multas qualdades e preces para
meninos e meninas.
Sapates de verniz com sota de pao proprios para
sitios, jardins ,e banbos, Mrtimento para, bometts
e seohoras.
Sapatos de tapete, casemira, charlot avetludade,
de tranca prtuguez e franeex.
So armazem do vapor francezr ra do Bario da
' Victoria, outr'ora Nova n. 7.
,
?iipi'ii riijAtlli'iV
ido?;ooo
'
7 d l'riixiiiiu '|i.iss.i"l f> n:il;i4 SkVi, nilll n-
tigoatti s giiiuluii : f-Lita:i rij;ubr. e.n- n -.;.
cor alaraiijada, barba serrada, cal-:i-i i-;ir.i|ii-
nhrts e falla iltspan.aila: quem ijptnr lov.-n no
*eu seiilmr iti!iieitti:-<:oroiK.'l Vicente Me::i|e>
Wanderley mi -1H i #n^enh
BernarJiao iie Selia P. ntti
Deosn. 3f>, que rijceqer
7
mi ii-i r.iM-ifu :;o ?r.
na ra da Ifadru de
graliccao de 100.
Para cozinliar.

Pr#cisa- zinhar o prdjnano de urna rasa de pequea
familra., Accita-so fbrra ou captiva ; mas
prefer-so fiesta ultima cotidicae. Trata-se
na ra do Capibaribe ti. 40.'
Fora os callos.
plastro americano e que sobre todos tein
obtido os molhores resultados, alm de alie
nar as (fores cura-os radicalmente
nico deposito na Pharmacia America-
Tft, rna'Duque de Caxias n. 57.
~ Pde-se attencao.
No segundo andar do sobrado da ra do t'a-
bug, ero casa de familia, fornece-se comida para
fra, isseio e pri.niplidao.________________
Aluga-se
o sobrad) de um andar cora bastantes enmmodos
em muito boa ra, acha-se pintado e caiado de
novo, pagando o pretendenle as desnezas : a tra-
tar no Forte do Mallos n. 7, aruiazem do algo-
dio.
MU WMPBAS.
Cobre, lato e
chumbo.
dS A
S
MEURQN & C
% W S A Hl
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PKETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qu os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
conftmdir com o d'aquees.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
FRETA, deyem para nao serem engaados ver que
os botes trgfn o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA FRETA.
No armazem do vapor francez. ra do Bario da
Victoria, outr'ora Novan. 7. flj
Paraviagens.
VutO'boas malas e bolias para' viagensi^r
de caminhos de ferro. .
Botas de montria.
Pfovo sortimento de botas i Napoleio e a Gnllher-
me, perneiras e meias perneiras para homens,
meias perneiras para meninos.
Nf armazem do vapor france, ra de Bario
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilks de vimes.
Cadeiras de bataneo, de braco, de guarmc.ies, s-
fas, jardineiras, mesas, conversad' iras e costn-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e os mais proprios motis para saletas e
gabinetes de recreios.
No armazem do vapor francez, fia do Bario da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de di Aeren es gostos
Jahantazia*.
os para salas e gabinetes.
Loques para senhoras e para meninas.
Luvas d Joavta, de o da Escocia e de camurca.
Caixinhas de costura ornadas com msica.
Albnns e quadrinhos para retrates.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de onro bom de lei garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para relogios.
Brincos limttacao e botos de pininos de plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de couri-
nho de cores.
Notos objetes de phantazia para cima de mesa
e{J toilette,
Pincenet de cores, de prata dourado, e ac
tartaruga.
Oculos de ac fina, e de todas as graduaooes.
Bengalas de luxo, canna, com castes de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Chieotinhos de baleia e de muitas qualidades di-
versas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembaracar e para
barba.
Ditos de marfim muito toos, para limpar eabeca.
Escovas para roupa, cabello, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperela para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Grvalas -brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campanoias de mola para chamar -criados,
Jugos da gloria, de dama, de bagatellas, de domi-
n e outros muitos differentes joguinho6 alie-
mies -e francezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cami
nhos de /erro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mui fcil as
criancas.
Argolinhas de marfim para as enancas morderem,
bom para os denles.
Ber< os de vimes para embalancar crianzas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinbos de quatro rodas para passeios de crian
cas.
Venezianas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes para cindieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas eom escull idas vis
tas.
Lanternas mgicas com rieas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para illuminacSes de
fes tas.
Balos aereostaxicos de papel de seda mui fcil
de subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
Estaadores de {taina e de pennae.
'esouTiBhag e caivetes tinos.
Tapetes com vidrimos para mangas e lanternas.
Tinviros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua
dros.
Quadros j promptos com paysagens e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
lias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
flealcios pequeos de vetos eom lindas pecas.
Realejos harmnicos on aecordions de todos os
tamanho, e outros muitos artigos de quinquv
lharias diffieeis de mencionar se.
No armazem do vapor francez, ra do Bao
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior tariedade que se pode desojar de todo!
os brilqudos fabricados em diferentes parte*
da Europa para enlretenlmenJo das enancas
tudo a precos mais resumidos que possive!
no armazem do vapor francez, ra do Bario
da Victoria, outr'ora raa Nova n. 7.
PARA PIANOS
pir*.
Comprase no armazem da bola amarclla, tra-
vessa da rna do Imperador.___________________
Compra-se moedas de 20 francos : na ra
Novaia. 13, loja.'
Compra-se permas de ema
a n. t9, i" andar.
na ra da-aioe'
Compra-se urna mobdiade Jacaranda em se-
gunda mi, na ra de Hurtas n. III
111,1 J.l. B
VrNDAS.
Bom negoci.
Vi ii !i'--i> "i'.', .-r-,"!* o i ,', |i.iii|i:i deis tlilhofl
liriaii s ili" ':' i O ii: la : ne.-!:i'lip',j.,r.'ip :ia so
il
mo-
ia
Wo.1.'-Si' i :-:...; ;-.e.:>, Sllldu Ulll II
le,|lie ile l.'l o ii:ii:i m (. r.i de l* anuos : na r
de Pedro AFoiKo n. ll. _______ _
"TSHATO
Para acabar.
CanAraias lisas de tod.n as cores a 2iO ris o
cavado^,
Ditas pretas c^m salpico?, propria para luto,
a 2lH> ris o cvedo.
Leo.os de es^Aiiao a 't a dii/.ia.
Ditos de cassa branca abalubados a ii a duzia
Alnaca preta mcsrlaa de braceo, propria para
iiiUi, a tu ris o 'ovado.
Merino furia cores propiio para vestido e roupa
para meninos, a Vi O ris o covado.
Meias finas para meninos a i.4 a duzia.
Na ra do Crespo n. 20, loja de Guilliennc C.
da Cnnha & C.
Aos Srs. maqons.
Amara!. Nabueo & C. venden insignias mas-
nicas de diversos sino*.
E' pecLincba
Chapeos pretos para NaMfe a d 125' 00 a 7SDf0,
su o Vianna, rna larna >lj IIosario.___________
Fariiilia de mandioca.
Vende-sc faiinha eusseadad superior qualidade
ea puro coiiiniodo : a tratar-se no eseripl n i
de Silva & Casco, ra do Mar juez do (ilinda
"". BARATO
O Vianna ra do Rosario
n. 22.
12 carriteis do linli branca 400
3 grvalas l00O
1 par de butffcs de plaque! 40
Baloes para soiilunas a 15000
Itorzejiuius para senhoras a 14000
Focos para senhoi a a 2O00
Borzeguins 8e coi.lavan rom botesao
ao lado, e'bezerro, para hoinein de
12000a 8*000
Cobertores a lO.'/
Vende-se por 900fi um bom escravo em
vicios niu aehaque-, jiroprio para qualquer cer-
vical, entende bem de masseira : na ra das Cru-
zes n 39, hotel.____________________________
Chegou
nova remosta de hesporedina: no armazem d
Tasso limaos & C. : ra do Amurim n. 37.
Panno de algodo da Baha
da fabrica Todos os San-
tos.
Teem para vender no escriptorio Joaquim Jos
Goncalves Beltrao & Filho, ra do coma ereio
n. K
forro estu-
do
Pannos proprios ote cobrir
Cadeiras '3e parafuso e
fado.
No armazem do Vapor Francez ra
Baro da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Cestinhas para eoslara.
Grande sortimento de bonitos modelos
chegados ao armazem do Vapor Francez,.
ra do Bardo da Victoria (outr'ora No-I
a na da Imperatriz n. 60,
loja. >{
Daaeja-se fallar com o Sr. Antonio Joaqpim de
Figoeiredo.
Aluga-se o !. andar do sobrado a 47 da ra
da Imperatriz, quem o pretender encontrar as
chavas na loja do mesmo sobrado, se entender
com sen protristarto 4 ra do Hospicio n. 33..
Fil de seda
na loja da
triz n. 36.
i 19000 o covado
Rosa Branca : na ra da Impera-
YEKDE-SE
a casa torrea n. 43 da ra Vidal de Nogrciros,
outr'ora pateo do Terco : a tratar na ra do Ba
rao da Victoria n. 61.
Fazendas baratas
NA
l.oj da America
Brilliantina branca cun llores asselinadas a
400 rs.
Atoalhado de duas larguras e com lindos de-
senhos a 14300.
Panno alvo trancado de duas larguras para toa-
Ihas de mesa a I400.
Chales de merino com listras de seda a 34 um
Meias muito finas para senbora, de 124 a 84 a
duzia. "^
Colchas grandes com barras de cores de 73000
54000.
Ditas ditas adamascadas a 44300 urna.
Caitas finas de 400 300 rs. o covdo
Chapeos de seda eom c bo de canna a 84 um.
E outras muitas fazendas, (odas por precos mu
dicos : na 1 ua do Cabug n. 10. ________
. Boa pechincha.
Vende-se um excedente sitio em Beberibe de
baixo, junto a estacao do Fundo, murado na
frente, com portao de ferro, com urna bonta casa
nova de pJra e cal, leudo 4 quartos, 2 salas, so-
to e coznha fra, tendo 330 palmos de frente e
4,800 de fundo, sendo de mata, com urna excel-
lente cacimba com agua de beber : quem preten
der dirija-sc ra de Pedro Alfonso, antiga ra
da rraia 11. 37, que achara com quem tratar.
Vende-se a taverua sita ra do Rangel n.
8, sendo armacao, pertences e os gneros que
o pretndeme quizer : a tratar na mesma, ou na
pJBfia ra n. 45.
Obras de direito por metade de seu valor
vende-se na casa de leudes do Sr. Martins, ra
do Imperador n. 48. __^_
Agora malei-os.
Botinas para genhora a $!
Sao de laco e belota e esto em perfeilo estado.
Quem precisar venha depressa.
Madapolo fino sujo as pon-
tas a 5$.
Pecas de 20 varas nao ha nada mais barato.
"I
de fazendas sem avana.
O Vianna, ra larga do Rosario n. 22, vai ii-
uidar as fazendas que arroni.itou, por isso apro-
veiteni :
Ma apolao finoe 94 a 64.
Dito lino de 74 a 54.
Dito fino de 64 a 44.
Chitas claras de 440 a 280 rs.
Dita escura de MO a 200.
Cobertores de 24 a 1*209^
Cambraias linos de 610 a i80 rs.
Camisas finas para sonltora, de 8 a |.
Corles de easeniira a 34-
Hal IV; is de algodifl largo a 54000.
DilM dito a 44
Brim transado lino a 14-
Dito mullo largo a 1 -3-
Hiscadinlio muito bonito de 440 a 280 rs.
Chapeos de enpa alta, da mola de 124 a 84.
Dito para meninos a 1430 '
Basquinas de "ja 34.
E mais algumas fazendas que vende por meta-
de do preco para liquidar, como sejam :
CALCADO FRAHCEZ.
Borzeguins de bezerro para bomcm, de \il a
84OOO.
Ditos de cordavao com botOOS ao lado, de '.i
a '.14(100.
Borzeguins de cano alto, para senbora, de
74 a 43300.
Dito de dito baixo de 63 a Vi.
Focos ou sapatos abotinados, pretos, para s-
nhora, de 44 a 23.
Macos d pentes de alisar, de, 23 a 13
Botos para punhos, muilo bonitos, de 14 a 340
Duzias de carriteis de, linha branca a 100.
Chitas de listras a 280 rs.
sao finas e muilo lindos padriies.
preciso notar
Se a Rosa Branca nao exagera a qualidade das
ondas que anouncia, e por isso pode-se acre-
ditar quando ella disser que sao boas : na ra da
Imperatriz n. 56, loja da IIusa Branca._________
Arroz com casca.
Vende-se saceos com arroz de casca por 54300,
saho mis barato do que comprado no Recife :
na ra do Baro de S. Borja, amigo do Sebo n.
27, venda. ____________^_________
Vende-se urna vitella : no sitio do Arraial,
de Marcellino Jos Lopes.______________
Vende-se um grande sitio denominado l'ei-
xinho, que fica entre Olinda e Beberibe, mar-
gem do rio, com excedente casa para grande fa-
milia, por ter boas acommodaces, trras pro-
prias, muitos arvoredos de fruclo, com grande
mangabeiral, baixa para capim e hortalice, ter
reuos para plantacdes, matto para lenha e carvito,
e outras bemfeitorias que so com a vista. Pro-
pino para algum senhor qae estoja em engenho
equeira retirarse paraperto da praca : a tra-
tar em Olinda, ra da Bica de S. Pedro Martyr
n. 6, a qualquer ora do (ha.
Milho de Mamanguape
Vende-se por pre^o commodo : na ra da Ma-
dre de Dens ii. 5, priuieiro andar.___________^_
TRHED1LECTA
Bneontrar-se-ba um bello sortimento de linas
de pellica muito frescas, para meninas, ahogadas
pelo ultimo vapor que veio da Europa : rna do
Cabug n. 1 A.___________________________
Vende-sc dous engenhos perto do Recife, am-
bos (Tagua, c montad is : a tratar com o Sr. Ber-
uardino de Miranda Albuquerqna no engenho Pi-
tangueira. cm S. I.ourenco.
Cassas de cor a 200 ris o
covado
na ra da Imperatriz n. 56, nova loja daP.i.:a
Branca.____________________________________
Grande
DEPOSITO M FUMO
No armazem de Candido Alberto Sodr da Mol-
la ft C, Iravossa da Madre de Deus n. 14, ha a
venda fumo em latas inteiras e moias latas, dos
melhores fabricantes do Rio de Janeiro, Teixeira
Pinto A Portilla, Antonio Martins de Siqueira k
C, Lisaur Schimidt & C. o Torres Araujo ;
assim como em rolos, de outros muitos fabricantes
acreditados.
Cassas avadadas a 240 rs.
o covado.
O Pavao vendo finissimas eassas francezas de
cores com os mais delicados jiadrocs, por teiem
um pequeo toque de avaria de agua doce, pela
barato preco do doze vintens o covado. pechin-
cha : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
60_______________________________________
Botinas de merino.
CANNO ALTO PARA SENHORAS
A' OTOOO ris.
urna pequea porcia, choguem^ de pressa.
Focos para meninos,
A' aVNfcOO e *-~00
Estes prcros. para acabar.
Na loja da Rusa Branca, ra da Imperatriz
n. 56.
0 pescador.
Vende-se
um terreno no neceo do Kspinheiro, prximo a
estrada de ferro de Olinda, eom 170 palmos de
frente e 150 de fundo: a tratar na praca daln>
dependencia n. 3. ___________
(landiriKks.
Vende-se ricos rastres e eandielros de crys-
tal para' gaz carbnico, por barato preco para
acabar : na ra do Ouvidor n. IX, loja.
Vende-se superior cravo da India a 560 rs. a
Hbra ou 142-0 o kilo : na ra de Marsilio Das n.
21, antiga ra Dircita.
Vende-so o sobrado de um andar sito ra
de Marsilio Dias n. 94,pertencente aos berdeiros
do finado Manoel Luiz Pereira : a tratar eom An-
tonto Maria da Silva rna da Moeda n. 19.
FoiiIi inica.
Chegou o melhor cha preto, ponta branca (pah),
quo ha muilo lempo n.to vinha a este mercado ,
vende-se a retadlo, na loja de livro n. 11 da ra
estreila de Rosario, de Gcraldo Henrique de Mira,
como tambem cha hysson muilb bom, peroia
dem, e preto ptimo, por precos commodos.
Vende-se nm carro de i rodas em bom es-
udo e dous cavados : na ra da Paz n. 18.
VENDE-SE
pos de laranjas de uaibigo, da china, fructa-po,
limas de umbigo, da Persia, abacates, limao do-
ce, flgueiras e outras frncteiras ; no caminho No-
vo, travessa do Padre Inglez, casa amarella n. 7.
Na mesma prosfea-se de alagar urna eserava que
sirva para engoznar e lavar.


-
$t


T
6
Diario d P^ojwnbuco. Sabbado 15 de Mar0 de 1873.
rsc
Fazendas em liquidaco
'
N*. 60 Ra da Imperatriz, N. &0
DE urnn JIM
PEUEIRA DA SILVA & 42.
Tendo o propietario deste importante estabeleoimento, grande von.ta.do de liquidar
*>ifas as fazendas que tem em ser, tem resolvido vende-las por precos muito mais baratos do
t se vendom em ou tra qualquer parte, com o fim de apurar dinueiro, razao por que co-
d orespoitavel publico a vir sortir-se, nao s de um avuUado sortimento defaaenjlasop
no tambera de grande sortimento de faiendas-oas a dos mais apu^do** gs|D3
E previne que^s vende a dinheiro vista, por estariem liejujdagio.
MiVfIMjUN j OFFICINA DE ALFAIATE NA, LQJA D^^bwarl
GXSUSfaUS DE SEDA A 800 RS.O COVADO Neste grande estabelecimtnto encontrar*
O Pavao roccbeu um elegante sortimento 'o respeitavel poblico, oma,.bem mosUda offl-
disroais lindas granadinos pretas com listras cia da alfaiate, onde 86 manda .Pxecntaf
afewla de cor, tendo entre ellas com listra qaalqaer peca da obra, tanto para homeu
irw;tp.>;)ria para luto, que vende pelo ba- como para meniDos, com a njaior pte
TtLimo proco de 800 res o covado ; assim tesa e perfeicJo aasitn como par qoalqnt
aoraodt- muito fina com bstra encarnada, lato quede repenteappareca, teodo Di'4ne*Jj
qoovendea 1-?000 ruis o covado. Esta ma oficina om perito ofBcial dettioede^atra
fiuanda veio pelo paquete cbegado ultima- [arda dos Ilm. Srs. officiaes de* guardan-
Obras de plumlasia.
A loja da Aguia I3ran#a,
Caxi s n. 30, recaban, um bello
nitas moileriMf al* di
Brinc i e '
Outros'ae'
enfeites de delicadas
rna do Duque die
rtimento de bo-
a, sendo':
nidos e pedra.
da- oom bonitqs
e|" d
,Tjaeojn oburjao.
dras, coral etc. para, abertura de afrsasr
Botoesj

?t^>WrNSldades,
fleques,
jJrancA, ru.' fla-pale.
' "SteflUe 3\peifeila
te o, coarafflr&fi.' p untaos Be'w-
; assim romo receben T>u"ro d rai-
uKqw .ojsasiaio^-e leptel-
ie.de
tardadas para vestidos, que vonde pelo ha-
latsmo presos de 93>, e 105000 rs. o
corte, lenflobastantefazcnda.E"1pech'incha,
as legado Pavao a ra da Imperatris n. 60.
LSINllAS BORDADAS A 400 BS.
O COVADO.
O Pavao receben um legante sortimento
das mas lindas lisiaba* transparentes com
tarantas buriladas, tendo de todas as cores
.isive roxa propria para viuva, e vende
pelo baratissimo prego de 400 rs. o covado.
V" pechinchanaloja do Pavao a ra da Im-
perteiiz n. 60.
GRENADINES V 640 RS. 0 COVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
tomis lindas grenadines pretas com listras
,-as e de cores, sendo muito boa quali-
daV, e vehdepelo baratissimo prego de 5G0
rs. o cov ido. E' pecliincha na loja do Pa-
vao a ruada Imperatriz n. 60.
OBBERTASDE FUSTAO ACOLXOADAS A
45000 RS.
O Pavao recebeu um grande sortimento
a* roberas grandes de i'usto, acolxoadas,
fjrarnecidas com franja om volta, tendo bran-
a^e de todas as cores, c vende pelo baratissi-
mopreco de 4)5, rs. E'pechincba na loja
do Pavo a na da Im|)oratriz n. 60.
tPOS PARA SENHORA A 125000 RS.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
imais modernoschapeos de palba, ried-
itaUados, para senbora, com osseus
coraoetentes veos, e vende pelo baratissimo
j >1 t :T")00 rs. K* pochineha na loja
jj- Pavao a rua-da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS
0 Pava i vende nra bonito sortimento de
|>mhas listradas, sendo das mais modernas
q : n viudo ao mercado, pelo baratissimo
. de SCO e 600 rs. o covado. E' pe-
1 i ii toja do Pavao a ra da Impera-
--.- a. 60.
ALPACAS-LAVmMS A 640 RS.
O COVADO.
f. -._' 11 para a loja do l'avo um elegante
,r.. > das mais bonitas alpacas de cores
. .alo as coros mais modernas que
vind |i'iia vestidos, e vende-se pelo ba-
.-:", .ni |in;ro de 640 rs. o covado. E'
i ,ii loja do Pavo a ra da Impe-
r n. 60.
*. ortes <3*.^ cambraA, ultima no-
viilaile. 9500.
O Pavao recebeu pelo ultimo vapor de
i.i cortos de cambraia branca com ba-
inh ts ricamente bordados, tendo fazeuda
... ieote aca vestido de qualquer modelo,
ates vestidos sao os mais modernos que tem
i merca lo, e pela sna etcessivd bara-
tas, tornanvse rocommendaveis as senhoras
; Bazar do l'avao, ra da
Imperatriz n. oo.
LENCOS A -25.00 A 1)17.1 A.
O Pavao tem una grande porcao de len-
brancos com barra de cor,, muilo bonitos
. i qualidade, que vende por 2-?i00 por
i ^randbporojio,
Ditos to los brancos abainhados muito fi-
v*>a ^SOO.
Ditio cbinezos com barra de cor, muito fi-
tm a 85500. E' grande pecbincka, no loja
f: Pavo.
:* MiiMrn* n3-Of>.
(> Pavao recebeu pelo ultimo vapor, um
h> sortimento de romeiras pretas de fil
Wta saTpcOB, com limlos enfeites prctos ede
afires, e vende pelo barato prego de 35000
la um, por ter grande porgao.
Dit'-.-, todos de scla ricamente enfeitados a
ifOOO.
l'Al!\ O CARNAVAL.
O Pav.lotcm um grande sortimento de d-
i I todas as qualidades gostos, propriqs
J5". o carnaval, ten lo tambem de merino
I muito interessanlcs, quo vende ou
-- .. por iregos nratto barat >s, por ter grad-
ee ,v>reao.
LENICES DE BlVMANTE.
O Pavo vende lenges de bramaste mni-
t? grandes, 6endo denm panno s', pelo baf-
l3BUima prego ile 2M00xad om.
MADAPOLOES.
Pegns de midaDolSo francez moito fino
eco 20 jardas a 5,5500 e G5000.
Ditos com 21 jardas maiio soperior a
330 e 700 \
Dito in'gre?. fizendl mni'.o fina 55O0O,
^)00 e 63500 al IDtflOO.
Ditos francete e iiVglejMt rrt'iito fiaos de
iOjsrdas para differeotes pregos.
ALGOD0ZINH0.
O Pav3o vende pnr prego maito barato
Ep.s de alftodozinbo americano moito
n com 18 jardas i 4.JOOO.
Dito com 24 jardos a 45500 e 5,5000
atSOOO.
Dito largo marca T moito eowrpado a
tiooo:
ALC0D0 ENFE5TAD0.
PavJo vende c verdudairo' e soperior
Cxlas' n, 5*
estes p^$tty$^,jgiwm?m;:
ule
S&fef*-
U 11 IM I I UU\I II
Pode obter em poaeo ttffcMlm o nao do melbor dos licorea afamada
ERIDINA
sos decrjst^|>ara;.tofllei
a loja'aa;A^ttc!BlAiirt;: a^np Vl>tii&.de
ae?!te da Europa", eliquida-se na loja do ciooal on tropa de liaba, sendo esta ofBcin)jig^ pi- com rttm'gfeiS^S3^ e w PT*
fr.iv.r i rna da Imperatriz n. 60. dirigida pelo hbil artista Pedro Celestino
CAMBKU5 ABERTAS PARA VESTIDOS A Soares de Carvalbo.
95000 e 105000 BS. I ESPARTILHOS A3i5000.
O l'avao recebeu ara elegante sortimento O PaVSo tem nm grande sortfmerto :id(B
4bir;is linas cambraias brancas, abortas e espartilhos, tanto para aenhora como pala
qbe vende pelo barato prW"^de
rh cin p*n cun i tin.*i5T,iitf uwui *\
ppas flju-a arE^ai^Sfde tojlet,".C,'
Aunois colares -elctricos i
n.
i
menina, ,
3|000. Ditos maito finos a 45030 e 5*00^,
sao dos mais moderos qne-tem- -rindo a
mercado.
CHITAS A 249 MS
CHITAS A S4D"RS.
CHPMS A 240 R
O Pj3o vende bitas fraaoeaas propri
psra vestWo, seaW mo jt4lzeBda,
padr5as claros e escaros, pelo baralq w
de 240 rs. o covado, por ter um leve lo
qua de mofo : pechincba.
LIQUIDAQO DE CALCAS/J)E GASEMH^
0 Pavo tem om graBdeawtimeolo qe
caigas de casemira de todas as cores a
lidadas, para todos o precos, e desejabdo
mnito liqoida-las, resolven vende-lea"pdr
om preco moito em eonta, par fllmiaoir
grande porco. |
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavao vende bonitas cassas fraacezas
com bonitos padrtes, e de muita phwttasa
pelo baratissimo pre^o de 240' e 2W*s.' lo
covado, sendo fazenda de muito maisdinbei^'
ro, grande pechincba, na loja do Pavo.
BOURNUS A16000.
O Pavo recebeu pelo ultimo paqotttt'daf
Europa, bournusdos mais lindos gostos ue
at boje sao conbecidos, e em relatjo' ex-
cessivabarateza, convidam-se as Exmas. Srafe.
para as verem, para assim admirarem o qttrl
ha de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 6*000.-
O Pavao vende cortes de cambraia brtfrtear
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
preco de 65000, por ser grande pechinch.
Ditos muito finos com babadinhos braacos
bordados a 85000.
Ditos ditoscom listas de cores a 4*000 e
55000.
'Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhosde cores a 9*000. E' grande
pechincba na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LEtlGXVES.
O Pavo vende soperior bramante de ai-
godio tendo 6 palmos de largora que si
percisa de 1 '/* vara para om lencol, me-
tro lfiOO e a vara 10800.
Dito de linho paro superior moito encor-
padn com a mesma largara a vara 24400.
Ditos fraacezes maito finos a 2*500 e
3^000.
Pe-.-i de Hambnrgo e panno de linho com
0 e 30 varas, para todos os precos e
qoalidade.
Pecas de brstanba de poro linh, tendo
30 jardas pelos precos mais barato qoe se
tem vi>to.
Pechincba de fioissimo esgoiSo sacelena
om 6 jardas 70OO.
Per;a de fioissimo celena com 30 jardas*
a 'h'M), itoalhado adamascado com 8 pal-
mes de largara a vara i 23CO.
CALQAS DE CASEMIRA.
O l'avao tem nm grande sortimento de
calca de casemira, assim como cortes os
mais modernos qoe tem vndo nos ltimos
Sgnrios e em fazenda das mais finas e mais
novas1 ao mercado, e vndese por barato
preco para aparar dinbeiro assim como cal-
as de briCB hraaco e de edres por precos
maito razoaveis para ajabar.
TNICAS PRETAS.
" O Pavao recebea ora grande gortimenlo
das mais ricas tnicas de grs pr. to, rica-
mente enfitadas, e vend'pdr pfeco razoi-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3530000 AT 605000.
0 Pavo recebea nra lindo sortimento
dos mais ricos cortes d cambraia branca,
ricamente bordados, e com todos os enfej
tes necessarios, e vende' pelos pregos die
350000 at 600000, nao tem' vindo nada
mais rico nem mais moderno.
d'aguia, branfta. ra jDuqn fie'.Casia*
, .ieneir'no)[a:;rlas8a Sos prov.efto'os aa-
iuh* fticoiares. ef^Ctrjcbs, e :eontja a rctebeTlas
nTws.Mmeh!ff, pelQ. qu se^pr estar' provida. 4e
taes objectos. ,'
Diff4mttff'delirados
A loja'd'a^aiajaraaw 3 W Dnae" *? CnJfls t.
50, recalen,poViunente bwiiWs iT(a*demiis4o>n:acliJs
e'gnfpitados conyaedras e aljofares; obras Qxi.got-
Vepnantjsi;---flmwta,rec^b.'''novos grampas
j^(aifliwt?som flores pa a catwca.
Loques com bxuquet e^ uf-
tros chioekesj
Alji""'uTa branca. tai Duone de 'taiiis
n. 50, recebeu urna pqnn- qua^iaade' fiaqaells
bonitos It'.yei coiw WLWpiWe oatros chinezes.|
CoW^'Oreme *para ^pefresear e
amaciar a pplle
d'agnia.bckaca^^ j[qa D^quo de Canias
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, nm sortimtnto de machinas para
costora, das melhores qnalidadeaqne existe
na America, das quaes moitas j sao bem
cMleeMai'pelet sea atores, come eejam;
Weller A Wilson, Grover & Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e ontras mnitas
qne com a vista deverao agradar aos com
ptadores.
Estas machinas tem a vantagm de azer
o trabalho que trinta costoreiras podem
faer diariamente e cozem com tanta per-
feico como as mais perftas costureiras.
Garante-se a sna boa qoedade e ensina-se
i IrTSalrTrcom^eTelgarrBniBreTins de ama
hora, e oe,ppec>)$ sii i.i ceromodos qoe'
devem a|fJarfiavpieten4fcnies _______
-r-,-fia^aidaria allem na roa da Guia n.
I #4;',{en-'para se vender o segnin^':
Ervilhasde-Vesdalari'iiWi.iiu;'!i i.-id.'s, fci-
jp branco grade, repollio em barricas, le-
tilhas, sevadnba (Perle'j, saga, ameixas,
mat;is e cereja* seecas; tambt'in -tem para
vender daas ba4aw}s- gramiles rom ganchos
ebrai;os; aJgtpjs pesos; doras rodinhasde-me-
Ul para carrinliO de ma, urna, forma e um
fortdiparti'fazen'bestias, e brelas, e urna
bomba.
Fai'oito aDoos qoe conbecidOteste precioso tnico, e dimcil acbar ama penoi
qoe tendo experimentado peetoalmentp, nao falle em sen favor, j como bom estomaca
e apetisador, tomando om calix delta antes de jantar, oo como facilitador da digeatk
tomando-ae depoia. -
A DST VU#
da I1ESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao,ba om s babiUote do BRASIL (a trra
especial das-iafanjas) qoe nifi-coooca aa pcopraedades medicioaes da doorada frocta,
ojalera, I
MGA
A' MCT 'AfPWItftDA
AOlM UE FLORIDA,
fll IMAY li\M
He o mais-deficadoiemimoso ao mes
agodozinho de doas largoras par* leces,.
kso maito eieorpado 1^00 oadj'var'.
Dt-) traoado daisesna-laraere 108O.
CORTEA DS HltA^ A UWbt 24880.
O Pavb'vferfde'cOrtes de rbitaa francezas
qm, com 10 coVados pelo diniiwto preco
#; 2I0 cad'a cort.
Ditas com 12 covado pelo prego da
2g&0 cada corte.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELAS
A ;05O,8dOouE 10000.'.
O l'avao tem um grande sortimento d
cortinados para cama e janellas, que ven>-
de pelo barat > preco de 70800; 80000 e
100000 o par, lendo at por 180000, atsint
como colchas de damasco para camas de
noivos, e grande sortimento de tapetes tan!
to para icadetfs como para camas.^ianosl
portas, etc., tildo vende por precos razoa*
els.
CAMBRAIAS.
0 Pavao venia cortea da cam*jraia trans-
parente propria para vestidos a 20500 e
3*030.
Peca de dita muito fina cora 10' jardas
tanto tapada como transparente a 4J0lX),
50000 e 6*000 at a ma* Boa que ved
jo mercado;
CORTES DE PERCALU COM DUASSAUSl
O Pavlo vend bonitoj cartas de precall
com duas satas, wnde faenda de mbbi
gostoa 400O, jpecbiwiha,
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O PavSo vend tira- ttfahJa' sttmeio
das mais moderna, bapu4a con mn
cor, proprias pira vestido, cott as corekvaie
novas que tem viodo ao mercado sendo
miito rniij largasdTqne as chitas francezas,
o vende pelo baratiastmo pre?b de WB'ts.
cada covado.
juviniwin'coid cremeesafa'
tmftflv.cg3ni'e cnbdray.
Disbdcttnag e gra'mpos'de
ra^Q-'
A-loja da aguia branca, ra do Duque de
.Caxias n,"*!. reflteu nvamHt bonios diade-
mas e grampo? wjw.
BG0e"'de^ seda pretos eomi
ftares'decoe,
A loja da agUia" Branca, rna do Dilqne d
Caxias reoobA&y r seda prets'conrflores dJcores', sebresahindo ndl-
Imt pnto cmiMietcanlot e todos mi propri. -
para barras e, gRHm aitajIWinde vestidos de gra-
nadine, omaediuaj-e. nutras fatwdat iFatupanm-
tes. Pi'l.t coninuxlidade d>) pro.;os w*a~ l>ci lor-
oam-sf mais xuarod^s a peta -nividadc e.goeto,
prefurivisa ijua^aet-outro* oafuiti^s.
Tos oti TnffntinhaspEete.
A loja A^ a+.'ia braara> ra doAuqtk d.. (v
xia&ji 50, recobou^bonitos voj-Du-uiami^f 'I q temooomais estavl de todos os per
'"iS e er^rn eovtu-no seu.maior auge
de exoeUeftoayo propri'aroma das verda-
deire8 flore, piando anda na sua flores;
encia'e fWgancianattiral. Como ummeio
jeguro e rpido allivio contra as dores de
;abeca, nenmidatle, enbilidade, desmaios,
flaths, assim.come dddtra todas as formas
ordinarias enteca-s decid hystericos; de
5umma eflicaci e n50 tem outro queo
iguale. Igiainifime, quando destemperads
com agua, torna-se.um. dontifrkio o mai
agradavel eexcellente, dando aos dentes,
aquella alvurae aperolada appaiencia tao
altamente apreciada e desojada pelas Se
o horas.
orno um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excediente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
riara roda los dentes e das gengivas:
lomando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada, (panto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo n5o tem igual: e a sua supe
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
oa-se um meio mui xcellente, para fazei
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotuejis, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Qnando se queira Servir delta como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer uro
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feicoe do bello sexo; devera-
se asal-a n'um estado de diHuico, destem-,
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura om toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com.
monicar as feicoes trigueiras e paludas
ama pelle macia e d'uina transparente al
vra, dando-lhe urna linda cor de rosa
pai um tal iim, ella leva a palma a tedo>
os perfumes que se teem inventado al&ho-
je, e existe em plena soberana sem rival
Bem entendido tudo isto se refere nica
a Ha, em mente a Agua e Flohida oe Murrat 6
Lanman.
Ab imitaces que se tem feito na Franca
AV^nanba, assim como em ontras partes
Jbfinteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tante recommenda-se mui especialmente
is senhoras, que tenham toda a precauc5c
9 edidado, de quando comprarera, estejan:
s que compram.
crocit, c veade-a pelos baratas -nroooi de &#;
ij e 6/000. A fazenda boa est em aerelto
estado, pelo, que ontiaa a ter pKonipta axtt'afc-
cao.
DiadeTms1 e' adereco de ma^
drcperola.
A loja i.-i Aguia. brauca na do Duque
Caxias n. 50, recebeu una pequt^w pqr diademas e adereeos de ^tdreperoia, obras
apurado posto.
Petfcte^ofidAdc.
Grainpos comborbolelas, beaouros e gafh-
nbotos dourados e coloridos:
' A leja-da aguia branrs, ra do D-jqne de
Oaiia a. 5, rtctbett non* grampos com bar-
boletas, bezouros e gafanhoto?. o que de crto
perfita nnvidide. A quantidafle pepueila,
por isso em breve se 'acabar.
Novas golliiihas ornadaaeom
. pelucia ou armialio
A ljffd'a^nifl branca ra Tjftqae de Caxins
- 5X1, recebeu urna peipiena qantidade de boni
s e novas gbIHnhas, tribalho fle la e seda, en-
neitadas com arminlio, obras estas de maito gosto
e irrteiramente novas.
GJradaipos, bnneos-e rozetas
I dodirados.
A foja da aguia branca, ruado Duque de
Caxias n. 50, receben novamente bonitos gram
pos, brincos e rozetas dourados ; assiin como
noros diademas de ac, e como serapre conti-
na a vendc-los por prejos razoaveis.
Vender o sitio da estrada d Cruz de Almas,
3ue fica. entre o do couimendador Tasso e o dn
esembrgnd* Doria, com esrue vivenda, d fTe-
rentes arvoredos, grande baixa de caplm, et.,
daad os'ftirtdfts -para a fesfrada dos triltos urba-
nos ao p da estacao da Jaqueira : i tratar naJ
ra do Amormi-n. 3f.'
Farinlia de mandioca a 3$ o
Seeeo.
Na ra Ai Madre de Dos
qiuiito au so acalia.
n. 7
Xarpe dltgiao dPr
Antigo e cOflceirtdo medicamento paita;
cura das molestias dos qrgos respiratorios,1
como A plivsMk, broaelMteSj. nsthma> ete.,
appbcado aina com ptimos resultados no
escorbuto.
Venderse na pharmaeia e drogara dBar-
tholomeu & C., ra jL/trga rio Qsa^ip.a^ 34j.


1 Vende-* un> datointex ajntrtMft ** as-
eirtos, maia> tova-* aqa*>ei*aifl': para ver
na cocheiea doflio^Oartno;ifU9 do"flb^ictd nuw
mero jj'i'-t i / n
em sen estado natcral tem nm^oato-ponco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter saas boas propriedade, e ao mesmo lempo apreaenU-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA comoNDMSWHA' NACIONAL eee'Wm-Mda .-que iirvejari
melbores imporlace europeas de cathegoria semelbanle. Estas, qnando moito, poden
ser gostoeas, porm a HeaperMina a combinacSo perfeita do
AGRADAVEL E SAUBJffEL
Para prova de que om artigo no qaal pda-se terioteira cennaaca, por aar pprc
e innocente, basta dizer-se qoe foi plenamente approvada e autorizada pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permitlndo sna livre elabora***) no imperw; otitw
BOA ]|BA1A>
a acceitagao geral que tem em toda* ai partea oaie* apreeeatad. Bn -1804 estaba-
lecen se a primeira fabrica em Buerios-Ayres; em-1801) a segunda em Montevideo ; e
oo dia da ebegada de S. M. O IMPEHADOll inaoguroo-se a fabrica qoe aosalmente
trabalba na corle. Em Valparaso e em toda a costa da Pacibco tem boa acceitaco.
tanto qne rara a caaa qoe considera .completo sea aparador sea orna garrafa de
HESPERI8IP4
O bomem telho toma Hesperidina para oblar
VIGOR,
dfeajnpMDbter*
atoe:
0 bomem dbil toma Hesperidina para obter
Nos bailes as doozellas e os mocos tomam ai Hesperidina para
animaco durante os loacos gyros da
BARROS JNIOR 4 C, roa d'e-Vigario THoro n,7, 1* andar, recebaraeate
grande especifico, e venoem-DO nos depsitos seguintea :
Joaquim Perreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferioo Cameiro, roa do Commercio.
Marcelino Jos Gongalves da Ponte, roa da Cadeia a. 2.



0 homem doente toma He



obter boa r


Antonio Gomes Pires & C, roa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C, caes.22 de Novembro.
Gomes-cWrmao hotel da Passagem.


Samuel Power Jojm
ton & 0.
x?
j\ Fait>m scieale aos seus fregueie quu teem
^S* mudado o sen deposita do micnhii a v,i-
pS.'J por, moendas e laxas da Diuin ierMlttaa
.;". fabrica de LowMoor para ra do Apollo n.
^'^j 38 e 40, onda eonimoaai a ter o mesmo jor
^^ tiuieuio dp eostuine.
ViT.ew s-i--ni nmAem que teem fetto um
arranjn t-oni a fuf.dicio geral, palo nttp po-
dem oOorqeaf -> para a9.-teni*r qualquer
tna"hini S
//-)
m
m
wmm m.
i 0.4 pr-.prieaHos di UD>lico geral latam
.cieale aoj seebut^s d-i eoB*nho e mais -5a.
P"-..iM'. qne teem eslabelecido nina lundi- j
eao deferroa-brenia .rna:dO Brutn, jan ^F
a e-lacio dos bonds,- onle apaontarlo 'J
qaalqaer obra dt> eocommeoda com perfei- '-"**
Qo e promii.ui.iu. 'Tt
# iiw*iimi r>>|tam as pess^a qan qa^i- ji^
r^in dHIsxt ph Ar fus senreo* d dema-
rero < aaaomift'RDSs era casa dos Srs. Sa-
muel Powxf Ji'wn .Vi; amado Apol-
lo n. 38 h 40. m Ib achara peeoa babili-
!idi com qiimu ^-aiii t-'ainrier-#n.
Apparein pan fatiricar Sa'ttf, Mo fvnemaj
WESTON IIKWRlStnWIJ
aico.'1 a^euie.-i en: Pernsini>U"-.i a fnuilic-io iir-ral.
Paraitat'.r -:u ?en ^crprntin-ctm do A.u;u n. 38ra 40.
E^p ECONOMA E CELERIDADE.
Oatm-se- com o uso
DA
INJECCO SH9ST
nica-, h^^aiaa, radical o iufallivol na cu-
ra das goaorheas, flores brancas e fluxosde
todaaesaacie; recent ou ebronioas; e que
bflKaece como garanta desalmares resultados
a oeatinuada applicago que sempre com a
nsaior vantagem se tem feito della nos hos-
Chegiram agullias para machinas, do fabricaele 'pitaek de Pacis.
ffrower & Baker, pux* m 2-*!)- TJ&co dopaaito para o FrasiP, Bartholomeu
\{( )hllift. < Caj ra Larga do Rosario n. 3i.
peiweSl5W^.
Daain: 5, avMbrr i
TV
-
-'------------
Gadeiras oratorlaj cfltn a"D'.o dapalbicria
50A0OI) cada urna ni aa do Apello, amar
icm de T; TASSO IBfM
Em seus armazens ra do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por procos c&mmodos :
Tijolos encarnados sextaves para ladrilho..
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento llydraulir..
Machinas de descarocar algodao.
Machinas de padaria.
Putassa da Rnssia em barril.
I hoephoros de cera.
Sagd em garrafoes.
Sevadinha em garrafoes.
Lentiihas em garrafoes.
Uliiiiii da aJmaica.
Vinlio do Porto velho engarrafado.
Vijiho do Porto superior, di o.
Vaho de Bordeaur, dito.
Vinlio d 8eiT\'.
Vinbo da afadeira'.
Potas c-.im linguas e dobradas inglezas.
Ltrores finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Barris com repclho em snlmoura._____
Depsitos pra agna
Pequeos e excellentes lanques de ferro galva-
nisado, i>ara 4, 6 e 8 baldes d agua, ha para ven-
der por presos rasaavttis : a tratar na ra d
' Imperador n. 45.
Ce
rvea
eJ
Ciaruto3 delavana
Sluperiorca
no escriptorio de Tase Irmiio t C, ra do Amo-
rim n. 37.

oima<
(aos paisde familia)
---U----IWllljft T't.'rM f"1---^d"'<^^llt^
UlU8a0vg0iSfc0i
Cadciras pretas douradas e marchetaitts de *
droBWOla : qes arniafiis df Tjsir trmllO 3T- C
Libras, carlinas.
mmarmaMm.dafa/qtaaa di ,
veira & C, a ra do CommeroiO'ai-aa\;
^yA-ae,n/armai^Ada^fK
for M| 'por urgente noceVisidade, \-*adese
cravo preto de 40 annos, robusto, outro
-taitbam |>ra*o de 40 |nos. bonita ligara
de lt?tSs n. 96, na incsnia casa lia diver-
ira vos para vender-se. _____________
Vende-se
JJm sitio e duas casas
A (Jasa terrea n. 42. pita na do Visconde de
Sfcjiatna (antiga ra do Coiovello); a casa n. 42
ia*nesmi ra, com grand'* sitio, mumdj c
BWt** de flrro nafrante Bwrr^wl?draar ^
m,i ra di CambOa d-Cirmo; a tr
^^Kraaaanta>A a^aXlkaV
tratar*
Lenges dc'bramanlc a f JIOOb um
Dito' u ateodao l#i< "
Cbbertas chira t00 una-
Hitas t cretone forradas a 3j Ditas a adamascadas forradas a 3*000,
3J500,e 400O
Colrhas de fustao brancos e de en*ai3j50O-
Ditas de crochet branca?*, grandes^siCO
Cobertoras de algodao a t20)
Ditos de l escuros a 2*000
* na rtia-dd Creep n:20; loja de (uilhe da Cunlia & C.
A verdadeira cervaja da Ravlra, marca ban-
doira, de superior qoalidade : vendem Tasso fr-
uaos & C. era seu aiasaaem da ra do Amor ib
immerj37. ____ *
Fio de algodao da Baha e cal de Lisboa, re-
centemente rfcegada : ha para vender no es-
criptoriu de Jo4quiin.Jo* Goncalves Beltlao & Fi-
Iho, rna do Qbiiimareio n. 5.
BICHAS DE HAMBURGO
As mais recentes e melhores.
Vendem-se na pharmaeia e drogara de B;i r-
tholomeu & C, ra Larga dosaro o-.Kn. 3.
VENDE-SE

Vende-se um sitio com urna casa terrea d
pedra e cal, tendo 90 palmos de fuadoa, fin
chaos proprio : rna da Floresta n. 2. em (Mia-
da, para ver e tratar na mesma casa.
Taverna
Vende-se a taverna da travessa da ruardas Cru
aw n, 6, com poneos fundos, propria i aaa prin-i
piante : a tratar na mesma.
--------------
Aos reverendissimos codo-
gos e padres.
Amaral, Nabuco & C. vendem meiatodemi
e laia pretas, cor de carmim e roxas, llcdas de
metal para snalos : e-jjazar > ictoria n. 2, ru
do Rarao da Victoria n. 2.
De ]aqti.
f JtV J
AaiaRil .Naburo C. veiukn Kuaincfc6-eoni-
pIotas, par sanhoraa, onti-iulo 1 par da polc-i
fs, t par de brincus. 1 allini-te, I ilfeaema
ttor^iari o caMIo, ludoide tartaenga a de cu-
rar, raeos adereeos, medairtas c brineoa^e pla-
(jjn : najua do Haro da yfytria n. 2. f
Arma'Qao
Vende-se una armacao ik amarello, eaia*>ai;a-
Hl, na ra do Dara> da Vfttria n. 5t : ?fc f**a.i
na mesma.
------------
Vende se a torea parte de ama grando e baa
casa, bem acabada, terrea, sita na ra Augusta n.
92, hoje Coronel Suassuna n. 272 : quem qurer
ceroptar dirjase ra do fieaher Bem afsajt ir
20,"2,*andna,;enlen#r-ae cna'peB0 qa>R
acha atitoriaada a eifectuar a. venda. Aiwrteao
aa compradirjue as outas mas ualt peateft-
cem ao Sr. Themoieo Pinto Leal, pessoa muito
capaz.
tos
aV
- Vatele natoaapartor da-'PaViaaa-
' difama : m* hm
4^tMtral,. ^m&
t v#adeii :.
G(ai-aas e fechus com arniinho, pa
Completo seTlimfnto do nicias de nlp>diVe '
fio de Escocia, brancas e de efires para KiaW
meninas, homens e meninos. _,,.
Chapeos de sol de seda para senhora (Ubetu
gosto inteiramente novo
Ditos (benga|la) cabo
agulha, a Lui XV,
Chapelinas de
0-
I-
de metal, e
Ifo de seda


ii &m*t*^^r<
.'i"v m
"r*
*mr>
Diario-de Perntbi^o'-i- Bfo W^M/m^'lSni^

m
... .t>
ICA DE MACHINAS
k Triuwphi (nm (I Buii ) m. I0<> a MH
IRMAO
AVISAM'aqs Srs. de-engenhos e aopubljeoem geral, queteem recebido da Europa
grande sortimento-defewagens para engenhos e para lavoura,e quaesquer outros usos
e listerosda industria agrcola, o quitado vendem por precos razoaveis.
rOmiaS'para aSSUCaj* pinadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VaD0r6S norisontafis e verticaes j bem conhecidos neeta provincia e fra della, os
*> melhores joue teem vindo a este mercado.
>10 3ieiaS inOOnQaS paca assentar em grades de Biadeira; >
I iiixas (le T61T0 de ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
KOOftS Cl aglia de diversos tamanhos.
lOClaS dentadas de diversos tamanhos equald*des.
CoCertOS concerl*m com proimpdo qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com gcande e bom pessoal.
EllCOmmendaS M*n('a,n W porencommendada Europa, qualquer rxachinismo,
para o que se correspondeai com urna respeitavel casa de Londres
e com um dos mclhores ogciiheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabisam pelo bom trabalho das mesmas.
Ra do Barato-do Triumpho ns. 101, 102 e 104
F U .N D I C I O DE CARDOSO & IRMO
MITA ATTENCAO.
i
Soares Leite & Irmos, com loja de miudews ra do Baro da Victoria n.
tr'ora Nova) peilem muiu atteqco para os presos abaixo especificados :
MIDE^S.
Abotoadu ras para eoHete a200 330 rs.
dem idem para pnaos a 930-rs.
Talhercs cabe de viado {i nitacSo a 39000
adozia.
dem dem cabo braneo 2 B a 59300 a du-
rid.
no vellos-a
Caixa de linha branca com 40
500 rs.
dem idem de marca a 240 rs.
Maco de fita chineza a'11*000.
Coques modernos a 339500.
Resma de papel pautado liso a 29800, 3??,
39500; 49000 e 69000.
Caixa de papel amisade a 600 rs.
dem idem idem beira domada a 800 rs.
Caixa de envclopcs forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Caixa* de pennas Perry a 800 rs.
dem dem a 400 rs.
Livros pera notas a 820 400 rs.
Redes enfeitadas a 19300.
Trsaca de caracol branca,. a 400 rs. o
niac,o.
dem lisas a 200 rs. o ma^o.
Microscopios (sem viitas) a 29000.
Duzia de'pecas de cordo imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couto da Russia a
109000.
Leques para senhoras a 29000, 49000 e
79000.
Vara de fita escoseza 'larga (hoje grande
novidade) a 49000.
Duzia de collarinhos borlados para ho-
mem a 89000.
dem idem lisas a 69000.
Duzia de cachimbos p de gallinha a
-29500.
dem idem de madeira com tampa a
39600.
28 (ou-
e[59
Duzia de meias para homem a 39,
69000.
dem idem para senhoras a 49 e 79000.
Lamparinas gaz a 19000.
Grosa de botes de osso para calca
200 rs.
Grinaldas para casamento a 29 e 59000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 39600.
. dem idem dem lisos a 29500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 19000.
Per,as de fita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem de grosdenaple, idem.
Sapatos de trauca, tapete, casemira e char-
lte.
Mascaras baratas.
Chapeos para senhoras a 89000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeiraa 19200.
dem.idem,' manga do Japo a l200.
dem idem divina a 19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco de oleo oriza e philocome a 19000.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 19, 19500 e
29000.
Tnico oriental de Kem a 19000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez, o que hade
melhor, 500 rs. e 19000.
Maco de sabonetes inglezes a 600 re.
Duzia de sabonetes de amendoa a 2950O
e 39600.
dem idem com flores a 19500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
89500.
Agua de cologne, banha em frascos e
muitas perfumaras de gosto e baratos.
Acaba de bogar a este estabelecimento um importante sortimento de joias de.
ouro, do melhor gosto e qualidade que tem vindo-este-genero, oomo cassoetas de
nix com lettrasde diamantes e pinturas tinas, adereces ^meios aderemos compeiras fi
nas,-etc., etc.
Relogios de ouro, de differentes gostos -qaairdades, para hoeaens 'seahorasj desde o
pre?o de 409000 at 3009000^ sendo estes ltimos de machinismo mais aperfeic/adopos-
sivele guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata do 169000 o 409000.
do <:aih;<;a m, 5
QUINQUILHARIAS
Mascaras, brinquodos para crianzas, bollas de,borracha, tambores, cobras de madei-
ra, etc., e amitos objectos que se tornara longo mencionar.
28 Rii do liaran da Victoria 28
Ir
Arados para lavrar a trra.
Carrinhos de mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para fl
Foges de ferro.
Baldes de ferro-galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarocar algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre. <
Belancas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES & C.
RA DO BOM JESS N. 4.
JOIAS
N.
2 ARa do CabugN. 2 A
DE *
It \EtIIOS t E'II.SIO
Achando-se completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisico de
joias as mais modernas vrrdas ao mercado, e de q'ualdades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer urna visita ao sen es-
tabelecimento, afim de apreciar e eomprar urna joia de gosto por
preco razoavl.
Vende-se a lina de calcado illa a
, 1H0 Das n. 98, propria para prr^
prHeirtent*s dirljam-sd a rna do B<
>ia, que achara com tpem tratar.
-J Ve*de-'s*, arjflnda se ou permato-se, pov
trras qne sirva rapara plantar canna, urna padaria
.sita no pateo da feira ao povodi> dos-M< ntea a
tratar eom seu(proprietario,nome3mo povoado-; e
para itfrrha^es, Cora os'Sr.'ftocTi Lima 4'Gui-
marles,' i'rna flo BoTn Jss(outr'oral*ilCraz) n.
t6, oa eori* n 8r. Nieotnedes Marta Freir, ho
Caes xio Apello, n'esta cidade.
Gasaas at%iadas
Muilo tinas .e Badroe ateiramente novos com
me pequeo toqui; que mal se percebe, a 240 xsy
ovado, oheguer a pressa a pechiocha na .fclH obra
Rosa Branca, ra da Iiiiperatriz n. 36.
JiECKBKl

Apparelhos de mesa de CChristofle de Pars, fabricantde
plaqueo mais acreditado na.Kuropa, tanto na ijoaUJadecumu
na riqueza dos seus modelos.
l'ai (uei rus em caixa, col liares em duzia, a^acelhes de cha,
bandejas de to.lo tamauho, gallieittros,.-er^ntiiia?, eastigaes,
saleica$, farinheiw, etc., etc.
Receben tanibem
'Brande sotimento de quadros muitos ricos, com, as estam-
pas,, as mais bellas vndas pestajpraga.
Recebe encommenda para o Porto, Lvon eTaris.
h\\m\ lciniiiciilts |iarn rpjas. c \m%m
c
DE'


kJ
fiO
MIS IWtl
SOARES LEIE, IRfflOS
ti



HiiatlollaniolaVii'loriaii. 28
i
A.S mais simples, as maisbaratas e aselhores do mundo!
Na esposicao" de Pars, em v1867, foi concedido a
tlias Howe Jnior, a medalh de ouro e a condecora-
do da Legio deiHnnxa, por serem as.muchnas-mais-per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. aoRaJanor, noa
Estados-Unidos, por.ser o.inventor da machina de eos-
tura.
A medalha de ouro na ejposic.o de Londres acredltam
estas machinas.
A. 9.0W00
.
Cbe-nos o dever de annunciar que a cmpanhia das machinas de Howe de Novar
York, estaheleceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, Um deposito e agencia
geral, para em Pernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicSo de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta corn a mesma qualidade de^inh' que qualquer outra,
e pela introducto dos mais aperfeic,oados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagemdestas machinas sao as s&gmntes:
Primeira.O publico sabe que ellas sao daradouras, para istoprova incontestavel,
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d^ Kowe em segun-
da mao.
Segunda.Contem o material preciso para'reparar qoaiquer desTranjo.
Terceira.Ha ncllas menor frcelo entre as diversas pecas, e-menos'rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Foraam o ponto como se fraifeito mo.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho d-ttrtibo'OS'fios, o qnesenoconsegu
as outras.
Sexta.Pazem ponto miudo em casemira, atnrvessanftrr e logo em seguida, sem modificar-se a tensdo da "Tinhaj coaem B' i'fazenda mais
fina.
Stima.O compressr levantado com a maior facilidade, quando se'.ten ido mudar
de agulha ao comerar nova costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas dcdstura; Wm tkle poeas deigrandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, saVbej quastdeseBhcJdas, outrassoffwram
mudanzas radicaes paf apoderem substituir : entretanto a companhia das machinas-de Howb
adoptando a opinit de Elias Howe, mestrtLm a*tes rntecharcBs-, lem constaqteraante
augmentado o seu fabrico, e hoje naoattend,a,prt>c,--pdSte-'<(ae ,h$ <60 maehinafe
por dia.
Cada machina acompanha lmtos1 com itetwcc^es' em1 'pertugtMk.
i
Ra do ^r-o da Victoria n. 28,
i
1.1 i i- ...ni...........i. *-----nwft^nl n jIi wi^mm: "' '*"
GRANDE LIODACAO NO BARATEIRO
lio
NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
DE
Loiii'eiii'ohM'i'ia Mondes(iiimaraes
CASEMIRA PRETA A 25500 O CORTE. I C0LXA6 DE FUSTAO A 2?3u0.
Tende-se cortesde easemira preta paracul- Vende-se eolias de fusto, de cores, a
cas de homm a 29500, 4^500, 5 e 69000. 29500 cada urna.
PANNO PRETO FIBO A 29500.
Vende-se panno enfestado proprio
para
calcas palitts a 29500, 39, 49 e 59000 o a 19200 e 19400.
eovado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se arpaca preta fina a 500 c 640 rs.
o eovado.
CORTES DE BRIM AJ500.
Vende-se cortes de brim para calcas de
homem a 19500 e 29000.
CHITAS BARATAS A 240 RS.
Vende-se chitas francezas largas, para
vestido a 240, 280, 320 e 360 rs. o eovado.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita finas para cobertas a 280
rs. o eovado.
MUSSELLNA DE CORES A 400 RS.
Vende-se musselina finas, de cores para
vestidos a 400 rs. o eovado.
FUSTAO BRANCO A 320 RS.
Vende-se fusto braneo para vestidos a
820 rs. o eovado.
CASSAS FRANCEZAS FINAS A 360 RS.
Vende-se cassas de cores muito finas a 360
e 400 rs. o eovado.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
Vende-se cambraia baptista para vestidos
de senhora a 400 rs. o eovado.
COBERTORES DE PELLOS A 19*00.
Vende-so cobertores de pellos o papadas
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores a 3000
e 29500.
TOAI.HAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas proprias para,
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAGENS A 39000.
Vende-se bolsas para viagens a 39, 39509
e 49000.
I.KN<;OS BRANCOS A 19000 A D12IA.
Vende-se lencos brancos a 2-rO00 a da-
zia.
GROSDENAPLES PRETO A i^uO
Vende-se grosdenaples preto para vestidos,
a 19800, 29, 29500, 39, 43O00 e 55000 a
eovado.
MADAPOLO FINO A 49000.
Vende-so pecas de inadapolo, a MPOOf,
49OO, 5?, 69, 79000 e 89000.
ALGODO A 49000.
Vende-se pecas de algodo bom a ?,
49500, 59, e tfcJOOO.
ALGODO ENFESTADO A 900 RS.
Vende-se algodo eidestado a 900 rs. a
metro.
RAPE REA FINA
DA
IMPERIAL FABRICA
DE
MORE1RA & C.
NA
KA IIIA

Moreira & C. solicitam a attencao do publico da provincia de Pernam-
buco para o rapArca Finaproducto de fabrica pertencente a lilhos
do paiz, e cuja qualidade est conhecida peri'eitamente igual do verda-
derorea Pretacomo o fabrica a casa primitiva na Babia, tendo alera
disso a vantagem de ser viajado.
No intuito de tornar conheceido devidamenteapreciado 0 rap- Afea
Finaos annnunciantes acabam de autorisar seu agente em Pernambui o,
a acceitax, mo grado, os obstculos o direitos de introdcelo, a hita da
concurrencia, acompanhando-a nos abatimentos de preeo at onde for
isso compativel com suas torcas.
Os annunciantes esperam encontrar na nobre populacho de Per-
nambueo, o apoio que tero jus a actividade e os estbreos que ellestcem
empregado para, por assim dizer, nacionalisarem um ramo de industria
que at hoje s ao estrangeiro tom aproveitado.
O deposito em Pernambuco no escnptor.o-" do Sr. Domingos Al-
ves Matheus, ra do Vigario n. 21. As vendas sao feitas em libras
ou meias libras, vontade do comprador.
Preco 19000 a libra, com descont de 18 em porcao de lQJibras
para cima.
Babia, 21 de fevereirode 1873.
Moreira & C.
WHP

k.'*
Nra mannore.
Da ruejhor (joalidade e para todo genero-de
retalha-se por precos comnuKlo* : na na
^ Madre de Deus" n. 9.
Superiores cortes de cassa de cor, d''drga'(Iy de percalia cofirbarVa e de daus
na
saias, acompanhados-dos competentes figurinos a 59 cada corte. Tiidem
naeiro de Mar^o (antig do Crespo) n. 13, loja das columnas, do Antonia Correa de Vas-
eellos.
MZEO DE JOIAS
N. 4 Ra do Cahug N. 4
JOSEP1I KRAIISE cV .
DE
GOMES DE MATTOS, IRMAOS
Neste importante estabelecimento, o primeiro nesse genero, contina a
vender variado sortimento de joias, sendo de bri!liantes, esmeraldas, porolas
e rubios, com grande reduccao de pregos, porque recebemos directamente
da Europa, por todos os paquetes, lindissimo sortimento do que ha de me-
lhor em ouro e pedradas do valor.
Os proprietarios do MUSEU DE JOIAS, sero constantes sempre quo tive-
rem occasio do verem suas palavras confirmadas pela voz geral, de que o
MUSEU DE JOIAS vende seus artigos a precos mui limitados.
Alm do variado sortimento de joias de alto e pequeo valor, acha-se
exposicao obras de prata, de todas as qualidades, relogios lindissimos e i.e
acreditados autores, para homens e senhoras. Ditos de prata para todos t s
precos. Ca leias e trancelins de todos os gostos, o tudo o mais que lor oe
manufactura d'ouro ou prata.
Sao avisados os senhores de engenhos, fazendeiros e lavradores, que to-
das as joias sabidas do Ml'ZEU DE JOIAS sao garantidas.
Tijolos francezes sextavados
De l-OOO a &&9000
milheiro.
Bales tijo'o?, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua baraleza para ladrilhar os pavimentos
terreos das casas, port|uanto, poco mais cuitan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
algnnw, superiores a estes pela timpeza de que
sao suscepttveis. Cusiam, alm disto menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados,_e
dos de differentes mosaicos, os quaes nao estao
certamente ao alcance de todas as fortunas, e s
g3o empreados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vanlagem que ha no empreo
destes tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de serem os melho-
res e mais proprios.para ladrilhar corintias nos
obrados a cidade, attento a su solide* o pouco
peso, estando maw que provada a conveniencia
B>|-serem.-asso4thadas as coziahas toda de jolo,
eaaos a parte junta ao'roaao, no qne at as
companhias flb sagurw se deveriam interessar.
Vmlem^e -nos armazens d*> tanniia de Taso Ir:
oos 4 Kf ao cas do Apollo.
"tartos BvaiversasBBroas, receberam pelo ulti-
mo vapor.
Boorgard'4 C.
5 "RU& 00 MARUEZ DE QLWBA 15
CONSTIPACiO
lauqicfl
u
lili
tlllt
^rPl/fAmS ^
S 55 B^ Sebastopol ti
PUR SATIVA Q
(n-
tlfclfff
I OI.KIW


&AUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drizarla
DE
BARTHOLOMF-U & f-
34Ra larga do Rosario34
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 5 da ra do Rio, na fregut-
liadoWcoda Panlla, com 3 alas, *
quartos, i saleta, despensa, cozinba e quintal mu
rad, enjo predio acb-se concertado, calado e
pintado de novo : a tratar com o comajendad.*
Tasso.
n
0 'bacalhJu da Noruela, eua Mus e meit*
ditas : iwcart da A'fcndega.n. t, armMim a
Tasso Irroaes h C


Aiaruta verdadeira
Contina a vender-sc na tmwsa da ra das Vcnde-sc cal nova do Li*oa P^-^gg
Cruzes n. 4, e ra do Vigario n. *, pelo prce de preco do que. om outra parte na ra ae r*v*
BOirs. a fibra, em paoote. AfTonso n. 5-


\
8
-
Diario de Pernambuco Sabbado 15. de Mftfeo de 1873.
ASSEMBLSA GES4L
SENVDO.
IHSCUSSAO O VOTO DEGRAC-VS.
(ConclsSo) i i '
E' o orador naturalmente refractario a
reformas, sobAtudo fe:n materia- do legisla-
cao eleitoral; entretanto para esta acji.i b :-
se milito solida, at Ha pftTOmlr ralM lo
throno ; ah est a conuco de que os la-
mentaveis abusos que* tero, pertqrhado e vi-
ciado" o procer ol-.toral riascoui principal-
mente do estado dos nossos costumes poli-
ticos.
Era, porm, mas exacto que o discur-
so da cora dissesse francamente que o
msior culpado do estado critico em que nos
acharaos c o proprio governo.
(Ha muitos apartes.)
Nao so reeria agora especialmente ao mi-
nisterio actual ; mas ontidade govorno.
Os nubres senadores com seus apartes que
o obrigam a exhibir provas do que acaba
de dizer, tiradas de actos do ministerio
actual.
Para provar que o govorno o primeiro
infractor das leis, o como tal o maior cul-
pa iu do estado de nossos -costumos polti-
cos, cita diversos factos. Por exemplo, a
nomearn do Sr. Lzaro de Lima, ollicial
alias muito digno, para fiscal das compa-
nhias de vapores subvencinalas, con-
tra a disposiro do decreto n. 5,058 de I i
.le agosto de 1872 que vedou a nomoaco
de officiaes generaos pertoncentes 1.a
elasse da armada, para esse lugar. De
SOrte qaa foi o mesmo ministerio que
decretou aquella restriegan quem a infrin-
gi.
Outro fado a annullago, ba pouco
feita, da patento do teuente-coronol eom-
mandanto do batalho da guarda nacional
de Villa Bella, na provincia do Amazonas ;
tinha sido promovido ba poucos mezes a
tencnle-eoronel commandante desse batalho
o major que o estava commandanlo havia
muito lempo e que prestara grandes servi-
ros por occasio da guerra do Paraguay.
Sem que em cousa alguma desmerecesse da
confianca que inspirava quando um presi-
dente c nservador o propoz para aquclle
commando, em attencao a seus bous e
valiosos serviros, foi a patente de te-
nente-coronel cassada o declarada sem ef-
feito.
Porque ? Porque, diz-se, nao o allirma o
orador que, quando 0 presidente da pro-
vincia passotl por Villa Bella, recoinmen-
dou aquello cidado os candidatos do go-
vemo, ao que elle logo respondeu que nao
podia sustentar semelhantes candidaturas.
Corre a eleico, os candidatos do govemo
uo tiveram votos oni Villa-Bella, e a pa-
tente do commandante do batalho foi an-
nullada.
l'odia citar outros cxemplos da veraci-
dado da proposigo que avangou, quando
dizia que o govemo o maior infractor
dss leis.
Disse-se que o senado nao deve votar
pela emenda relativa elego directa, por-
que a occasi i nao propria, que mais
razoavel espr que venba a reforma eleito-
ral. Nao duvidaria esperar, se estivesse
convencido de que tal reforma havia de vir
ao senado; como, porm, est convencido
de que ella c nao vem, nao quer dentar de
manifestar dosde j seu voto a favor da
emenda.
Nem se pode sustentar que a emenda
extempornea; e se o quera levantou a
questo foi a tillado tnrono, quando deu
a entender que a nossa legislado eleitoral
s precisa de retoques, e nao de urna re-
forma radical.
Ten lo justificado o voto que tenciona dar
a estas duas emendas do nobre senador
pela Babia, passar agora a oceupar-se com
algumas 'considerares concernentes poli-
tica do gabinete.
Em sua opiniao a administrarlo deve ser
superior poltica : olhar de cima para
baixo c nunca tomar-se instrumento de par-
tidos.
Em que estado acha-seaadministracode
nossas provincias Basta recordar que o
Para, temi ha 5 ou t annos fiuaugas to
llorcscentes que pode reunir cm um banco
800:0005 a ganbar juros, acha-se boje com
ama divida fandadano valor de 1,800:000-5;
tudo isto devido anarchia administrati-
va era que j teve occasio de fallar, quan-
do ha poucos dias justilicou um requeri-
mento.
Essa anarchia chogou a tal ponto, que
um empregado demittido pelo governo ge-
ral com muito m nota, foi logo nomeado
para um emprego provincial e dentro de um
anuo aposentado com pingue ordenado.
Outro empregado foi demittido pelo ac-
tual Sr. ministro da fazenda, e communi-
cada a demisso ao presidente da provin-
cia ; apezar disso foi aproveitado para subs-
tituir aquello outro aposentado.
Anda apostar outro fado. Nao repro-
ducir agora asquoixas que tra suscitado
a reforma judiciaria, nem enumerar os
embaraces: quasi nveuciveis que sua exe-
cugo encentra ; mas fallou, em outra
occasio, no oficio de um ebefo de polica,
sobre este assumpto, e promotteu trazo-lo
ao conhecimento do senado.
O presidente de urna provincia de pri-
meira ordera chamou a attongo do chefe
de polica para os attentados que se succe-
diam na capital amiudadamente. A pri-
meira observagao que este caso suscita que
materias desta "ordem nao sao objectos de
otficio; o presidente entendeu-se com o
chefe de polica; mas ainda que a com-
municaco se fizesse oflicialmente, nao de-
va ser publicada na imprensa.
A outra observagao rocaho sobre a pro-
posta do Chefe de polica tambem publicar
da nos jornaes oflicialmente. V-se dessa
resposta, que, na opiniao do chefe de po-
lica, a reforma judiciaria veio trazer enfra-,
queciraento do principio da autoridade e
enervar a aeco da polica. (L o officio.)
E' de estranhar que assim se pronuncie
contra urna lei do paiz urna da autoridades
incumbidas de executa-la. Pois bera este
chefe de polica foi agora mesmo condeco-
rado com um officialato da .ordem da
Rosa.
Mas esta medalha tem seu reverso. Nem
todos os chefes de polica julgam de tal sor-
te a reforma judiciaria; alguns ha, que,
pelo contrario, acreditan que aquella le os
habilita a fazer cousas para que at aqui
nao estavam autorisados. Afim de demons-
trar esta opkiiao l o orador urna ordem
mandando prender um subdito hespanhol
por suspeitas. Antes da reforma nenhuma
autoridade con iderava-se habilitada para
mandar prender alguem porsuspeita.
Nao ha muito tempo que os jmeos da
corto deram publicidide a urna ordem do
presdele du pro? inci. do' Rip de .aodiro
mandando procedor a urna pr/s&aj ejep^-
iregar a forrea st; fosse preciso; o resultado
i a inorte do indiciado pela escolta incum-
bido do prenjjlo. Entretanto amia nao
vio publicada''pjrovienci^algtma } fespei-
to deste facteu I i i a.\ i l
Como este; poderla citar muitos outros
fados para-prove a verdado da proposito
qde avangou.
Occuftar-se-lia aora da .poltica, e ir
foijte lilis pr0xjjaa|d(tf *M $U sfcajos
presenciando, isto a'dissolugo da c-
mara dos deputados. Tratando/djcstaque6-
to, disse o Sr. y'iseoude de Nilhrojyr que
os cousorvadqres dssidentcs, despeitodos
por terein perdido! ctimpauhMlo elemen-
to servil em 1874. Jttclararum-se ora 187-2
contra o ministorlo quo olcanfra aquella
victoria.
Os factos depem centra esta apreciado
do nobre senador o mostrara qao olla jp-
funda la e injusta.
Em 1871 votaram eontra a lci dp ele-
mento servil 35 deput.idos. (L os nomes)
Destesos primeiros 28 .votaram. pin 1872
contra o gabinete, na questo de conlianea
que se levantou ; um liaba vindo para o se-
nado (o Sr. Conde do Baependy); tres oc-
tavara na provincia de Minas-Ceraes ; o os
dous ltimos (osSrs. Augusto de Oliveir.i e
Bario da Villa da Barra votaram cora o go-
vemo.
Ora os votos contra o governo foram en-
to 50; donde sabiram ento os 22 que
ciesceram 1 E' claro quo nao sabir.un dos
que em 1871 votaram contra a le do ele-
mento servil: portento nao foi o despeto dos
vencidos em 1871 que trouxe o revz do
ministerio om 1872.
Os votos quo em 1872 completavain
aquel les 50 foram 7 que nao ostiveram pre-
sentes em 1871, 3 doputados novos, c 12
dos que haviam vetado com o governo na
lei de emancipaco : ao todo 22 votos que
uo se tnham pronunciado contra na ques-
to dooleraento servil, e que foram infensos
ao gabinete em 1872.
Aqui est a estatistica mostrando inexora-
velmente que nao teve o menor fundamento
a proposieao avancada pelo nobre sonador
do Hio de Janeiro: nao foi o despeto do
resultado de 1871 que*trouxe o fado de
1872.
Outra proposieao do nobre senador igual-
mente infundada foi que na sa circular os
dissidentesqualilicama ledo emancipaco
nos ten nos os mais duros, chegando atea
chama-la um roubo contra a propriedade.
Isto n5o exacto, o que prova com a
circular.
Depois de ler a circular a que nlludira o
nobre senador pela provincia do Rio de Ja-
neiro, cm cuja opiniao importava qualifi-
car o projeeto de emancipaco do elemento
servil eia um roubo propriedade, o ora-
Idor perguntou ao senado se de tal docu-
mento se pode deduzir semelhante qualifi-
cago ?
A circular nao contem essa expresso, e
preciso que o nobre senador pela provin-
cia do Rio de Janeiro, reconsiderando a
proposito que avanzara contra os honrados
conservadores da cmara dos deputados,
rcconhet;a a manifesta injustica de um pro-
cedimonto que lhes irrogou. Quanto ao
nobre presidente do conselho, limita-se a
fazer uin pedido.
S. Exc. qualificando a opposico que o
orador e seus collegas do senado e deputa-
dos fi'zem ao govemo, por motivos que jul-
gam muito procedentes, deve designar a
posi^o que Ibes cabe na poltica do paiz ;
e se o orador e aquellos que o acompanham
nao sao conservadores nem liberaes, nem
republicanos, desejariam saber qual o papel
que o nobre presidente do conselho lhes as-
sidente do conseibo fizesse desse assumpto
ama questo de ^lfianja, mas nao agora,
orque o senado rjfcinode influir to iinme- Hunos, ees s pedem conselhos razo, in-
atamentesobr
orno a camar
ompetente, e
ao trouxer^
ratera.
Declar
a o aberts
lindo to le
cha do ministe/ii vowmdo a historia de outr/ povos ; e sero
utados, nicoJ|ar
. 00100
quando o ^bverno
osta so^re-eesa
uncanse fran-
diroca, assu-
Minio se persuada
roa arma de op>o-
reprosen-
ara
rta
Ja
peante o pa
lguom, que vaTisl
ii;o, pedelicenQa para recordar ao^^dQ
tguinas palavras, que, na sesso de aloe
junho de 1862, ha cercajjyjfl annos. prp-
uncar.i a respeito desta malefia.
| Feita a leitura dor-
ara quo nao se podi
taeo geuuna seno q%ando osjlleitores dei-
tassem de sor designa*tiaat fffno poder das
facgs e das mesas soberanas ; quando
ossem iulepundapUs, f a^lefcaa indirecto
fue o Brasil possujpn o|nOiiaas defeN
tuosa e desacre J^ada j coiklue a> fc cohe-
rencia ora que ctnnuAm a ettaV 4uas opi*
nies a respeito da elego dirocta. .
Nao o acompanham, porm,Q 4esnec.-
mento e a veleidade de demoler si Mitre
residente do conselho do proposito em
que est.
- Vem lavrar um protesto coutra a obstina-
do com que S. Exc. resiste a mu dos mais
vivissimos reclamos do paiz.
I O Sr. Fhueika de Mello : Ainda nao
o vi pronunciado.
O Su. Zacaras i A mesa nao d
apartes.
O Su. Nnes Go.ncalves prouuncia-se
pela eleijo directa", porgue s ella pode
tornar lina realidade a sjsteoa represen-
tativo. (Apoiados.) Pronuncia-so pola elei-
cao directa, porque, se pao urna panacea
como tem dito, sem fundamento, polo me-
nos um remedio muito elicaz para curar
urna das graves molostidas do paiz. (Apoia-
dos.)
O Sr. Fil'eira de Mello : Ainda nao
vi.
-----------:----------rr-----------------------
de conhecer de antemo os. effetos das re-
gras por elle estabelecidas, Quanto aoshu-
os brasileiros os primeiros adoptar a eleigo
direta ? ^ao est ella qoasi gecelmente es-
talwlecia poojodas as nago* que se regern
pelo- sjjtema representativo ? Quaes os
gwmJes-cataclismos que. toem^gobrevindo
peJapraficadsto systema na Inglaterra, na
cana, narBelgica," em Vortugal, em ou-
tros paizesjT Em relai;o. eleijao directa,
tirio quaiito vier nao ple %ixar do ser
bom, p irque o que o Brasil pqtie, nao pode
terp^jory (Apoiados).
" -O deaeonheci lo pata o nobre presidente
^\4p conselho a impossibilidade do conhecer
discurso jaSyiamente o resultado do appello s urnas.
Priva a um grande numero de ci la daos do
ih>eito de votar, de direhos adquiridos. Mas
j se tem dito que os-djreits .adquiridos s
podem ser objecto de respeito por parte da
lei, quando ojies produzem factos consum-
iadus.
" 0 diroito de votar no natural, um di-
reito poltico que se exerce silb condieoes da
loi, e s pdcsf conferido pelo acto da qua-
yticaco... f.\
OSR.'/llESIDF.NrK 1)0 Co.NMOLHO : l'ela
constituirao do imperio.
O So. NBHKS Go.NgALVES... no ciJado
activo, sobre quera exerce a verilicaco des-
sas cundiroes pola qualiiicaco. E quando
todos sabora que a qualilicai;o apenas tem a
durai;o de um anno, fcil ver de que for-
ca i este argumento.
Continuando o orador a refutar os outros
pontos enumerados, demora-so na demons-
traeo da exequbildado da oleico directa,
demoBstrailo os meios de seobteressa re-
forma sooralfectar o proceito. constitucional.
Aprecia os benficos resultados que a eleico
directa tem obtido nos paizos da Europa regi-
do pelo S)6tema parlamentar; e depois do
largas consideraQoes anda sobre a materia,
conclue dizendo, que no dia em que tivrihos
magistrados iudependontes, no da em quo a
magistratura for o antemural das liberdades
que so ajoelhava sob as naves silenciorf Tudo era singeloe cude^ n'aflujolle edifi-
sas entliia-so do f, o perguntava' tifa0ff S |Qonii>|of archflciOi j -
do Curisto se a aurora da rudenpcia nio tiho de certd tbnsurfdb os primoro de sua
brharta de novo; se a lu da liberdade nitf pliantasra no a^uedyc* de Segoria on na
faiscaria da sua cora de espinhos, se os com-. cathedral de Colonia. Nenhuma rendilha-
tnentadores o intorpretos (to- Evangallio se- fnt dulioidJ ; le/npre a verldade da linha
riam nicamente o pddrei ^ .cOnMliQ, os rtetai serpre granito spero e negro, n-
bspos de montWrte e capacete de forro, os .florado apenas pjr algumas paritarias.
: erdotes pantagriielce* das abbadis se-| iha poofc dfutn s ared lisjava o^pasteHo
loriaos c os mongos .ascetas dos conventos I com 'a trra firme no mais estreito do lago.
das serranas. f / (J lA agoa romarejava Uns jndfioidos queixu-
A cathedral S)oina da dOd|uaro, e mol nhJ plataj. A.lgns sjguoiros peii-
i... publicas, nesse da o Brasil ter conquistado
0 6t. Zacaras : A mesa nao pode todss as vantagoiis das ri6tituif;cs que o re-
ir .m.-irl,. iffp.m.
(lar apartes.
0 Sr. Ficueira de Mello : 0 Sr. Za-
carias agora o presidente do senado
Sa,. Zacaras : A mesa hio d apar-
tes ; o regiment prohibe.
0 Su. Ficueira de Mello : Nao ha isso
no regiment.
0 Sr. Nu.xbs Goncalves pronuncia-se
ainda pela eleigo directa, porque assenta
na base larga do eleitorado numeroso, que
vai s urnas por um direito proprio emana-
do da constituco, e vo nesse nesse eleito-
rado acanhado, que nao tem outra razo de
ser seno os abusos da qualiucac.au das me-
sas parochiacs. Pronuncia-se, finalmente,
a Javor da eleico directa, porque ella tende
a neutralizar a interferencia indebita do go-
verno no pleito eleitoral ; porque vai couo-
car os partidos no mesmo p de igualdade
para que possam disputar o predominio de
suas ideas na alta direccjlo do Estado.
(Apoiados.)
E' certo que o partido liberal a inscreveu
no seu programma, mas tambem certo
que ella tem irradiado por toda a parte onde
j se tem constituido ; e nao faltara ver-
dado se dissesse que o proprio ministerio
aceitara essa reforma.
Recorda-se de ter ouvido ao nobre pre-
sidente do conselho, que elle nio teria du-
vida em aceitar a eleico directa, porque
reconhecia que ramenos complicadaede
mais fcil exocuftSe. (Apoiados, muito
bem.)
Nao ser o orador que se encarregue de
vir frazer no senado a historia do que se
chama eleico indirecta ; que venba expr
em toda a sua nudez os abusos, as fraudes
os escndalos, que estao na conscienoia
publica que todos os dias se revolta ; que
tem sido denunciados pela imprensa em to-
dos os ngulos do imperio ; que se acham
assignalados as pec,as officiaes mais solem-
nes, e pode-se mesmo dizer, que constituem
o assumpto quasi obrigatorio de todas as
fallas do throno.
Vai apenas pedir emprestadas as muito
judiciosas e sensatas observares que fez o
Jornal do Commercio no retrospedo pol-
tico de 1872, folha que lhe parece nao ser
suspeita ao nobre presidente do conselho.
Um Sr. Senador i 0 nome de quem
assignou esse artigo ?
O Sr. us es Gonqalves : Jornal do
Commercio. Folha que nio pode deixar de
ser entendida como o primeiro orgo poli-
tico, pela maneira circumspecta, pela gra-
vidade com que se pronuncia em todas as
questes.
OSr. Ficueira de Mello : Poltica do
Jornal do Commercio...
0 Sr. Nu.nes Goncalves passando aos
documentos officiaes, v que S. Exc. como
que se prestou a homologar essa sen tenga
lavrada pelo Jornal do Commercio, que
nao se constituio executor della, dando um
golpe mortal sobre o systema de eleiQo in-
directa. Pede licenca para transcrever essas
momoraveis palavras.
O orador reproduzindo em seguida as pa-
lavras do Sr. ministro.do imperio, quees-
tigraatisam os vicios desse systema eleitoral,
diz que isso nao urna triste palinodia, o
que, propria face do paiz, escrevora mas
urna vez urna autoridade.
Os Sns. Saraiva e LeitAo da Cunha :
Nao quero reforma nenhuma.
0 Sr. Nnes Goncalves :Est persua-
dido de que nao passa de mero artificio, para
mystificar a opiniao do paiz, que tem fome
e sede de Justina.
E quaes sao as combinaedes em que se as-
sentam o plano da nova reforma ? 0 que o
orador v a to decantada representaco
das minoras.
A proposito, lembra-se do seguinte dito de
Thiers, apreciando a poltica de Napoleo III
Nao nos resta mais um s erro a com-
metter E, parodiando-o, dir o orador :
Nao nos resta mais um escndalo a pre-
senciar. (Apoiados).
Tudo se tem feito, desde os maiores abu-
sos na eleico primaria at s depurages na
cmara dos deputados, para se dar assento a
Ilustres desconbeeidos, na parase de um
disuado representante da uaco.
Os nicos argumentos que se teera addu-
zido contra o systema eleitoral directo, redu-
zem-se aos seguintes:
1.* Que ella conduz ao desconhecido. 2.
Que priva a um grande numero de cidados
do direito de votar. 3.* Que a eleico di-
recta nao tem sido efficaz na Inglaterra e em
outros paizes. 4." Que eUa crea um corpo
corruptivel. 5." Que inconstitucional.
Quanto ao desconhecido, o que seno
tudo o quo ainda pertence ao futuro ? S
gem
Asorte das emendas do nobre senador
pela Babia est decretada, bao de cahir for-
c da questo de gabinete proposta ao sena-
do pelo nobre presidente do conselho.
O Sr. Leitao da Cumia :Mas bao do ter
urna bella votago.
O Sr. Zacaras :0 triumpho moral.
0 Sr. Nnes Goncalves diz que, em to-
do o caso, ser urna conquista feita. Tem
muita confianza no poderoso influxo da opi-
niao publica, para esperar que ella afinal ha
de sahir victoriosa.
Quando a pedra rolar da montanha, nao
valero obstculos sua queda, que desvia-
da ganhar mais impulso no declive, e ento,
ai daquelles que tiveram a imprudencia de
se collocarem adianto : sero esmagados.
(Muito bem. Muito bera).
IJTTERATRA.
Oh
A nuvem.
! como o co est lindo

sgnala.
Sao conservadores degenerados, dissiden-
tes.
Mas, porque ? Porque uo podem con-
cordar com as vistas administrativas de S.
Exc. ? Desse caso dir o orador e aquelles
quepensa.n com elle a respeito dos nego-
cios pblicos c das questes polticas do paiz
na adualidade, que para contnaarem a ser
conservadores uo precisara nem precisa-
rn de licenca de S. Exc. : bao de ser con-
servadores como entendercm que devem
s-lo.
Descjava entrar agora nos negocios pro-
vinciaes, ver-se frente a frente com o nobre
presidente do conselho a respeito dos nego-
cios da sua provincia e provocar explicarles
que seriara muito nocessarias ao bom anda-
mento dos negocios da provincia do Para ;
est, porm, muito fatgalo, e nao ba cousa
que o orador mais tema do que fatigar ao
senado : estondera-se raais do que pretenda
no que tem dito. Promette, porm, em
occasio opportuna (quando se discutir os
orcamentos) voltar questo e ento sub-
metter ao nobre presidente do conselho
as considerages que entender convenientes
em relago aos negocios provincaes do
Para.
Conclundo, diz, que o nobre senador
pela provincia do Rio Grande do Norte ao
terminar seu discurso, dissera, que fazia
votos para que o governo se sahisse das
dilliculdades aduaes,
0 orador far tambem um voto de natu-
reza idntica, mas divergindo na applicago:
faz votos, nao para que o governo se saia
das dilliculdades aduaes, mas para que se
saia dessas dilliculdades o partido conserva-
dora que pertence. (Apoiados.) Esse partido
de gloriosas recordagoes, que j foi o sym-
bolo da ordem, e o sustentculo das insti-
tuigos nacionaes, parece agora condemnado
a ser um syrabolo de desorden, ou antes o
instrumento com quo se quer rebaixar, se-
no aniquilar essas iustituges. Tem con-
cluido. (Muito bem.)
0 Sr. Nunes Goncalves : Vai tratar
especialmente de urna emenda ao projeeto de
resposta falla do throno, que se destaca
dasoutras ; refere-se que conclue pedindo
a reforma do processo eleitoral, e a respeito
da qual tem de manifestar-se de um modo
positivo e explicativo, pronunciando-se como
fizera o nobre senador pela provincia do Rio
Grande do Norte ; e uo o detendo no cum-
prmento desse dever a censura que foi irro-
gada pelo nobra presidente do conselho.
E se alguma censura pode ser cabida ues-
te debate, nao ao orador nem aos que com
elle sustentara a emenda que ella rellue,
mas vai directamente ao governo e especial-
mente ao nobre presidente do conseibo, que
sem mais detido exame da materia, deu-se
pressaem vir tribuna declarar perempto-
rias e categricamente que rejeitava a elei-
go directa, (apoiados), sem atteuder que
ira collocar seus amigos no senado em urna
coaego moral.
Comprehende o orador que o nobre pre-_ Deus, o Supremo legislador do universo, p-
Trajado d'ouro e de azul !
Como oscula- a flor sorrndo
Lnguida r.ragem do sul !...
Eis passa a nuvem saudosa
Levando n'aza mimosa
O orvalho dos prautos seus,
Dos mares as santas dores,
Querondo haurir os fulgores
Dessa luz quo chamam Deus.
Quem sabe fallar das magnos
Que a nuvem ousa oceultar ?
Que diz o rumor das fragoas
Que alero ouvio-se estalar ?..
Mas do universo a alma accesa,
Perdida em sua grandeza,
Pensa e medita tambem ;
Pelos sussurros das maltas,
Ao murmurar das cascatas,
As noutes aprender vem ;
Rompe um protesto de lavas
A crtera dos vulces,
Dir-se-hiam do abysmo as clavas
Voando s constellages :
Encontrara nessa voragem,
Sublime em sua passagera,
O heroisrao do cndor,
Que busca o mysterio fundo,
Que vela face do mundo
A numera com seu pallr.
Aquelle athleta as azas
Carrega enorme escarceo
Dos Andes o genio em brazas
Blasfemando para o co :
Tudo que l as montanhas
Sent crescer as entranhas
Mais um impeto voraz,
Para gastar o segredo,
Que a flor evita com medo,
Que a tempestado nao traz.
Sim ; pois, que o raio nao mostr
Se certo que tudo v,
as chagas d'arvore que prostra
A solido nada l :
Assm as aguias se arrojam
As alturas que despojara
De alguma cousa de l,
Ou seja um som, um perfume,
Algum suspiro, um queixume...
Quem sabe o que nao ser I
Mas o que importa se almas
Tem cos c nuvens tambera ?
Dos peitos as noutes calmas
Refulgem astros alm :
E' grande ver esse drama
Que mais,cresce e se derrama
Se o corago maior,
E depois, a natureza
Mostrando a mesma belleza,
Nio saber qual melhor.
Novembrode 1872.
Sylvio da S. Ramos.
O phauliiMiun do lago.
A historia da idade media l-se ainda per-
feitamente as ruinas dos casteUos e nos
claustros sombros das cathedraes.
A luta e a meditagio 1 0 castello symbo-
lisa a forga, a imagem conjuncta do os-
era vo e do senhor; cimeOteu-se com o san-
gue dos miseraveis e opulentou-se com as
alegras dos lidalgos ; encheu-so de crimes
e do festas : cada jahella ogival era um olho
de Caim a espreitar a Providencia. A cathe-
dral prepara va o espirito para o resgate. 0
qastello o poema do egosmo. 0 castello
tura os subterrneos ; incoinmoda-o a luz :
cathedral tora as Hechas -r adora o sol que
as doura.
[ A cathedral inspiradora e inspirada. De-
iaxo das suas abobadas Vendilhadas est a
cisterna da arte. A architectura fez as cathe-
draes, como a natureza animal fez o mas-
todonte, como a natureza vegetal fez a -
Eieira da India. Os homens passam as
as caravanas ou as suas hostes bolucas, as
igracoes suecolein-sc, as ragas destiem-so
isando-se mutuamente as ossadas, mas os
c,ollossos permanecem. A cathedral eter-
na, porque representa o supremo esforgoda
intelligencia artstica. Embora mutilada,
erabora em destroros como os templos de
Palmra, ella dir nos seus podacos de mar-
more roseteados a exuberancia da imagina-
cao qne a concebeu, como o dente do ele-
phante primitivo fez com que os naturalistas
recompozessem os seres gigantescos da idade
de podra.
A cathedral tora o coro, tem as litanias
cantadas na voz fresca das mulboros, tem o
murmurio das orages piedosas ; o castello
tem os alaridos de guerra, os gemidos dos
encancerados, o sem ronco dos gonzos e das
cadeias e o estridor das cornetas de SBCaJ
Coinpletam-se as duas conslrucges ; arabas
sao duas sombras, a sombra do bello o a
sombra do terrivol ; sao os dous cantos ex-
tremos da comeda dantesca : o inferno e o
pafaizo.
No etanto o castello tambem tinha as
suas alvoradas, o seu regurgitar de luz, o seu
dia de banquete, as suas flores brotando
mysteriosamonto por entre as seteiras, as
suas alegra^ caracteristicas. 0 burguez o o
servo viara l dentro o despotismo vestido de
sedas rogagantes e coberto de pedrarias;
tremiam oante do Senhor como diante do
carrasco ; meditavam a vinganca e amassa-
vam em colora o corago dos filhos, mas ao
mesmo tempo o trovador suspirava lngui-
damente debaixo dos baleos, em noites per-
fumadas, o annunciava a igualdade por meio
das leis universaes do amor.
Por vezes, no silencio lgubre quo reinava
nos valles dominados pelo castello, ouvia-se
um som plangente, que se prolongava horas
e horas, tendo por nica resposta os chos
medonhos das grutas. Era o clarim dos
combatentes quechamavam os seus coinpa-
nheiros, mas elles tnham perdido a batalha
e jaziam pisados debaixo dos coreis indmi-
tos do inimigo. E o som do clarim ia esmo-
recendo, e o castello perdia-se as sombras
da noite, e os ros murmuravam tenebrosos,
e as ramaras psalmodoavam, e os lobis-ho-
mens corriam tresloucados no seu fadario,
soltando uns uivos despedagadores, e s os
insectos nao se apavoravam das trevas.
Outras vezes ouvia-se a msica doida, os
ruidos do prazer, as poesias dos jograes, as
melodiosas palavras das lidalgas, a liiigua-
gem su-pirosa da mocdade dourada. Era
o Senhor que voltava da Palestina e trazia
um pqnbado de torra do sepulchro de Chris-
to. Tilintavara as espadas c fascavam os
olhos. Estava estendida a mesa e os vinbos
purpureavam as tacas. Era raio de luar illu-
mnava o seio das princezas de quinzo annos.
Respirava-se a felicidade e desfolhava-se a
mos cheias a alegra sobre a cabega altiva
dos pageos louros.
No meio desse drama de volupias, um
nico porsonagem tinha a consciencia do es-
pectculo, que representava, e ao qual assis-
tia ao mesmo tempo. Era o bobo, o ano,
que tinha para cada risada um sarcasmo,
quo aliava a salyra chocarreira, que nao cho-
rava, mas que morda com as suas palavras,
que lamba os pratos como o cao, mas que
apontava para a testa dos lidalgos, como
quem denuncia um criminoso.
E todava o castello tinha o quer que fosse
do palacio encantado ; era urna vivenda de
fadas na encosta da montanha. 0 povo das
charnecas va aquelle fulgor l em.cima como
se fra um incendio miraculoso, e enchia-se
de profunda tristeza, porque luz daquelles
concertos avultava mais sinistra a miseria das
suas cabanas. As paredes do castello erara
negras, mas oceultavam como o slex a luz.
As cabanas nem sequer tinham fogo no lar,
porque para obter a lenha era necessario ser-
ise ladro, porque tudo o que a natureza
creara era do senhor feudal, o o pobre s
devia ter obediencia cega, os bragos para o
trabalho, e a intelligencia para a bestiliadade
obediente.
Em competencia aos saraos dos nobres, o
povo tinha os seus sabbatbs, as suas noites de
regozijo infernal, na floresta negra, beira
dos grandes rochedos cobertos de musgo. A
orgia democrtica o a orgia do proletario 1
a choreia dos sylphos e a dansa das bruxas !
a bacchanal d'uma sociedade, quo se havia
de perder as ruinas dos castellos, e os mis-
terios d'uma sociedade, que tinha esbogados
no seu espirito os lineamentos do progresso,
semelhanga das imagens gravadas nos
ossos das renas pelos contemporneos do
urso das cavernas l 0 servo, o desherdado
da fortuna, o escravo, o para, tinha o ins-
tindo da sua grandeza ; sabia que havia de
formar o moderno mundo social, assim como
os foraminiferos, os infinitamente pequeos
da entomologa, tinham formado as monta-
nhas. A escada de Jacob um symbolo das
classes, que tiveram beira do bergo a ma-
drasta cm vez de mi. O miseravel subi
ao pice da pyramide : o seu olhar domina-
r absoluto !
II
0 castello de *** era urna pequea ilba
grantica convertida em fortaleza. Circum-
dava-o um lago, cujas margens eram abas-
tecidas de florestas, que se estendiam a per-
der de vista. A floresta era triste, uns pi-
nheiraes bravios, mas o lago era risonho ;
aguas transparentes e azuladas, onde se des-
enhavam as torres melanclicamente. 0
castello tinha a natureza selvtica da flores-
ta. Ein noites de tempestade, era um de-
monio coroado de raios.
Nao se sabia quem o havia edificado.
Corria a lenda do que um dia appfecera
como por encanto cima da superficie das
aguas. Fra o proprio rochedo que se al-
teara, modelando, per urna forga mysterio-
sa, as barbacis, as ameias, as torres. Era
urna obra anonymn, diablica: como Tjue
tinha os^alicerces em commumeago com o
inferno.
diarn'n'aqiiefle sitio e ugmentavam cora a
sua ramaria os murmurios pa age utos.
Amigamente, o lagedoda ponte estropea-
va sob as patas dos coreis que inarchavam
para as algaras ou para as inonJerias. Na
actualidade, eram Caros os peo es-que a atra-
vessavam. O que fra urna especie de co-
vil de ferasconvertera-se n'um simulacro" de
Thehaida. Nao se ouvia o bater dos espa-
das nos sombros corre lotes, e as ^fgas
jaziam enferrujadas o sala d'armas.J
Enviu vara o serhor do castello. Tinha
vinte e cinco annos a flor quo lhe arranca-
rara do seu dorido peito. Era urna esplen-
dida mulher com tolos os encantos da mo-
cdade, que nem a mortc fizera empallidecer.
Herrera, quando as suas pomas se prepara-^
vam para a segunda matemidade. -Nao qui/.
o destino que deixasse urna irinsinha pe-
querrucha que tanto idolatrava. Como ella
se doia quando avultava a seus olhos mo-
ribundos o quadro da rosea orphandade, o
quadro do ludo infantil l
O bario tinha triata o tres annos. Fra
audacioso, d'uma temeridade brilbanto.
Conquistara o sorriso das omitieres om todos
Os torneos, Era d'uma valenta adorayel,
inteto de guerrerO e de poeta, disperdiga-
der do aledos, repartind o amor da mes-
ma maneira que reparta golpee no mais ar-
dente do combate.
Depois da inorte da mulher, su cabega
era urna especie de sepulchro povoado de
phantasmas. Todas as recordagoes da mo-
cdade passa vam de quando a quando por
diante do sou espirito inquieto, como um
ocano dourado, mas depressa a tempesta-
de surga medonha e as ondas rutilantes des-
ciam ao abysmo depois de se torera despe-
dagado nos rochedos da saudade. De que
lhe serviam as tradiges de um passado
venturoso, se a felicidade se nao podia re-
produzir no seu futnro, se o sol qua lhe -
nha coberto de esplendores o ooragq.se ha-
via apagado para nunca mais resurgir, se a
voz barmoniosa que o embalara se tinha
perdido n'um mundo completamente igno-
to? Poda-se dizer que tinha igualmeut-
morrido. Nao era a estatua dador, era a
estatua do esquocimento.
E todava a natureza nao lhe fra tau
madrasta. Era um ingrato I Quaotos ah
ha que vivem ricos na pobrreza de um s
affecto I .Quantas mes vem em volta u>
s a uoute perpetua e se rejubilam no olhar
de urna creancinha, nico despojo do nau-
fragio que tudo lhes roubou ?
E elle tinha calor que lhe podia dar alma
nova sob as cortinas assetlnadat de uia
bergo 1 0 anjo da consolago era um aojo
de tristeza. A filbinha ia crescendo, cho-
rava de encontr ao seu rosto raacillento e
procurava acaricia-lo com as mosinhas cor
de rosa. 0 velhoelle envelhecia de hora
para hora dir-se-hia ter medo da infancia.
Passava dia e noute junto ao bergo, mas
nao sabia chegar aos labios o vaso da con-
solago. Era una arvore que tivesse o ca-
lor na raz sem o poder espalbar pelo tronco
e pelas ramarias.
Definhava-se aquella existencia to com-
batida de magoas e dentro era breve nio se-
ria raais que o torro que so esboroa na
mi de quem o aporta. Elle senta perfei-
tamonte o cahir dos ltimos graos na am-
pulheta da vida, e como que convidava a
inorte com um sorriso de esperanga. la
descor ao mesmo sepulchro da esposa, con-
vertido em leito d'amores; ia gosar o noi-
vado mysterioso dos morios. Era para
saborearse a dor dos ltimos momen-
tos 1
Chegara o dia fatal. Havia um antigo
criado da casa, Fernando, o escudeiro, em
quem o fidalgo depositava a mxima con-
fianga. Nao era servo, era amigo, era ir-
mo. Maiidou-o chamar na hora extrema
e fallou-lhe desta maneira :
Fernando, entrego-t'a, como quem de-
posita o mais precioso thasouro na mo do
raais precioso amigo. E' um encargo pe-
sado, bera sei; contrado o meu nome urna
grande divida de gratido para comtigo, mas
bem deves conhecer quanto se estima a con-
lianea dos fidalgos da rainha raga. Que te
posso eu legar seno a tutella de minha li-
Iha.
Acaricia-a tu que es bondoso e ten?,
um corago preparado para as grandes afilie-
ges. Como so tratara os lyrios? Pergun-
ta escusada... Tu sers toda a sua fami-
lia para ella, tu s! E's a providencia que
a guarda. Se as serpentes se lhe enrosca-
rem debaixo dos ps, tu sabes como se afo-
gara as serpentes,
Ha na nossa familia urna reliquia reli -
giosamente phantastica, que se transmute
de mi a fillia, que nem que fra o noss>
brazo. E' urna cruz negra pendente de
um lio de perolas. A minha av contava-
me repetidas vezes, quando ainda era
creanfa, as noites do invern, a lendi
dessa cruz negra e eu entrelembro-me que
tinha medo. Deque? Nao sei bem.
Ella est ahi guardada n'esse armario,
n'um cofresinho de madreperola. D-meo
cofre, que te quero ensinar a abrir a chave
de segredo. Vs ? Ahi tens a chave. Quan-
do Elisa completar doze annos, langar-lh'a-
has ao pescogo. E' essa a idade fatdica.
Recommenda a minha filha, mas recom-
menda-lh'o ardentemente, que nunca a
deixe perder, que nunca a deixe cahir. 0
dia era que isso acontecesse seria um dia de
luto. Tu ests certo do que succedeu a
Beatriz no da em.que ostavamos sombra
dos laranjaes, respirando os perfu^tes da
primavera. Quizapanhar urna flor, rgueu
o brago mas no-a alcangava. Saltou gra-
ciosamente; os ramos estremecern!, um
d'elles rogou levemente pelo eolio, pren-
doiTse*he na gargantilha e a cruz negra
cahio sobre a herva. Tu sabes q resto.
O fidalgo cahira desfallecido. O cofre
resvalara-lhe das mos glidas. As arterias
quasi que nio batiam. D'ah a algum tem-
po entrava no castello a clerozia de um
mostoiro prximo e ouvia-se o psalmodear
montono do canto gregoriano. Elisa, a fi-
lha do ba diaem qneio paiemmudecera de vez. Que in-
vejavel anniversario I Fernando, como lho
tiuli3 recommendado o fidalgo, prepava-se
para ser a providencia d'aquelle anjo.
(Continuar-9-ha.]
Tf. DO DIARIO RA DU||UE Dfc laaia*
'



V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9OODTJ5F_K99DLY INGEST_TIME 2013-09-19T19:59:44Z PACKAGE AA00011611_12862
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES