Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12856


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
)
AMVO XLIX NUMERO 56
----------------------------------------------------------------------:----------------*-----------------------------!-------
rASA A CAPITAL E LIGAUES 0\DE JS\0 SE PAGA FORTK.
Por tres mezes adiantados................ 6JP000
Por seic ditos idejn .............. IftflOOO
Por un* tuno idem......*....,...... 24JM)00
Cada numero avulso.................. 320
*
SA
0 8 1)E MARCO DE 1873.
PARA UEXT1IO E FBA DA PBOVISCIA.
Por tros mezes adiantados................
Por seis ditos dem..................
Por nove ditos idem .-............
Por un anno dem............ ......
i
/
6V750
13WS00
2W2&0
27JP000
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIftOA DE FARIA & FILHOS.
Os Sre. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Gongalves & Pinto, no Maranh3o;
fceira d'Almeida, em Mamangua])e ; Augusto Gomes da Silva,
Antonio Ferreira de Aguiax, em
Joaquim Jos de Oliveira Filho, no Cear; Antonio d Lemos Braga, no Aracaty ;. Joo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
na Parahvba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; larmino dos Santos Bulco, em Santo Auto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Goyanna ; Francino Tavares da Costa, em Alagas; Alvet d C, na Baha ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio ;de Janeiro.
PARTE 0FHCIAI.
)
Falla com que o Exm. Sr. conimendador Hciirique
Pereira de Lucena abri a sesso da assembla r)ro^
racial, no L de marco de 1873.
(COSTIKOA^AO)
E' a saudo publica o que actualmente inais preoccupa os sabios govcrnos da Europa.
All envida-fe os maiores esl'or.os alim de diuiinuir-se os casos de enl aqueciinente da
vid;', e dasaude, que ores-eui na mesina proporcao que as populantes ein sene progressus.
O individuo fraco 011 .cenle nenliuui proveito traz a socledade, e menos ao estado.. E"
ma parasyta qne se nutre do trabaliio dos outros ; e (fiante) mator for o scu numero, mais con-
s.deraveis sera > os sacrificios da sooiedado que as sustenta.
Na scieneia medica, a observara.) e 0 exanie meditado dos fados sao a bussola do pratico:
eirrumstanoiasque pareoeni nao merecer reparo, oltereceni, no entretanto,en inuitos casos, apre-
ciacao detida, que nao |indem deixar de ter importancia real.
No intuito de tornar monos mortfero o Magollo da febre amarella, que continua a grassar
pal tripolaeoes dos navios ancorado- no porto desta cidade, com verdadeiro damno as nossas re-
lar/ies comiiierciaes, varias Hedidas se tem tomado ; e, grabas Divina Providencia e ao zelo e
cuidados do digno inspector, eoininoodador Dr. Pedro de Alhayde Lobo afoscoao, muilo tem de-
ereseido oestes uliim s lempos a roprodueeao de scmelbante mal.
Lemhra o niesino inspector conveniencia de gerom recolhidos ao Lazareto ou a illia de
.Santo Aleixo as tripolar/, s dos navios que ehegam, e substituidas por gente do paiz, ou a elle
adunada, at a llora la salla do navio ; medida que, a ser realisada, inuito concorrer para
diminuir o numero dos atacados daquea epidemia.
labora sejam os estrangeiro os mais aecoiiimettidos desse uagello, comtudo alguna easns
tem appareedo na popularan da cidade ; o que beni deixa ver que a constiluco medica em ter-
a -e recente dos mesuios elementos que no mar geraram aquella molestia.
VAHioL.vs Continua a varila a dcsenvolver-.e epidemicainente em varios povoados, vil-
la- e eidades nter ores. Depon de ter perseguido oonjuuetaineiite coin as febres intermitentes a
cidade da Victoria, appareoou em Limoeiro, Pao d'Allio e outros lugares, para onde mandei re-
medios e soccorros, de que precisavam a< pessoas indigentes
O preconoci de que anda se rsenle a nossa populacao do interior, de ser a vaccina a
propra peste das bexigas. faz com que obstinadamente se esquive ao emprego della, e disso re-
inita a peruianeneU de urna molestia Uto mortfera, e a cousequeute mortandad..' que annual-
up-nte se da
vaccina. Em quanto nao liouver empregados, aos quaes se d urna gratificaeao pecu-
maria, ou individuos que, com o titulo de vaeeinaJores, qneiram prestar gratuitamente seus ser-
vicos a humanidad.! desvalida, nao poderemos estender com proveito por todos os municipios da
provincia os bencfieioR da vaccina.
Adas.- mst aliada provisoriamente a respectiva reparticao em u-n dos corredores da igreja
da Conceieao dis Militares desta cidade, at que soja preparada una das salas do pavimento Ier-
re" do paco municipal, e para onde deve ser ella transferida.
Funcconot a iiiesma reparticao regularmente nos d.as marcados para o dito fim.
Foraiu vaeciuadas nu municipio di Benito durante o anuo all pessoas ; sendo 229 de sexo
na -culino, e 63 do fdminino, das quaes 204 livres e 128 esclavas.
Tiveram vaccina regular 32, seni resultado 39, e deixaram de ser observadas 29 ; como
ludo demonstra o mappa annexo.
Nao corresponde, a cifra dos vacciuados populacao da cidade, o que seguramente de-
vido causa cima indicada e negligencia da inaior parle dos chefes de familias.
Por ordein da presidencia, e a requisirao de outras autoridades, vai essa rejiarli^ao forne-
cmdo lyinplia vacciniea para o interior da provincia e a algunas do norte.
Pede o inspcclor de gande publica, come de absoluta necessidade, que se faca os possiveis
esforcos para obter-se no paiz o verdadeiro e (Miro cmc-po.c *u\ quantidade .-ullicicnte, alim de
despeosar-80 a passagem do pus de um individuo a outi'o, germen muitas vezes de molestias que
t arruinan) para somi.re.
LAZARETO DO PINA.
Para all mandei cerca de 80 individuos, que coinpunliam a tripolacao do vapor Eiie, da
:*riulia mcrcanti' dos Estados Unidos, consumido na noute do dia L de Janeiro ultimo por um
i.orruroso incendio nos-mares da Parahvba. .
Felizmente nao for.mi e-^ses infelizes assaltados pela febre amarcUa, neiu por alguma oulra
Os estabeleeimentos de earidade existentes na capital 'sao os que se segueni :
h si'iial fKDBO ii. Em virdude do disposto no art. 2." da lei provincial n. I0o3 de ju-
ur." do anno paseado, que autorisou a creacJo de mais dous lugares, um de medico e antro de
druntiao para esse linspilal, foiaui pelo nicii digno antecessor aceitus os offerecimentos que lize-
rnaa os Uro. Halaquias Antjlio (ion.alves e Haymundo Hendes Vianna, para servirem grotaitamen
te, o l." como eirurgiao e o 2. eodio medico ; pelo que assignaram cntralos perante a junta
i,i; lini-trativa, obligndole a servir por espaco de .1 anuos .-em dueito a reniunera;ao alguma.
Sobre a reforma, porin, dj survico medico, de qne se oceupa o artigo L da citada le,
trata a inesuia junta, por roeio de una coiuinissao de sen seto, ouvindo as opinides dos faculta-
dos esiabi'lecinientos, de dar parecer.
Havendo n i bospiUl falla de Laulieiros, de um armazeui para deposito de roupa, de urna
tala rnoituaiias de uuti'a para autopsia, e de una casa fiara deposito de lenlia, inaiidou a junta
i.l.iuislrativa lazcr taes obras, com o que despeodeu cerca de o: 0501)0.
A esse r>tabeleciuieiito foraiii doados pelo Kxm. Sr. Dr. Joaipiim Pires Machado Portelja.
,: manos e cuuliados lodos os in.str.uneutos cirurgicos que perleiiccram a seu fallecido Irmao,
'i l'raucisco Pires Machado l'orlella.
Foi igualmente doa la por jim innao da Santa Cala, grande pOTcSo de medicamento.- 6 de
vasilhaine, mandados vir da Europa, para a botica d'esse hospital, no valor de ;t:tx:0000, assim
me a quantia de 1:000a 00 e a m?.deira precisa para a reforma da armaeao da inestna botica,
e lodo o material emprogado na eonstraccao do deposito de ienha; que all se fez.
O pe.-soal do cslab lecimento couipoese de una superiora e tres irmas de earidade, um
rapallio, dous mediros, do:is rirnrgioes, um pharmaceutico, um pracante, um barbeiro, um en-
fermeiro, ireze serventes e quatro lavadeiras; e o sen movmento durante o anno prximo findo
foi o legninte:
Existan)................. 272 doentea
Entraram................. 2,182
Sahirain ................. l,t>9i curados
Moireram ... ............ i%
Existem ............... 276
CAZA DOS EXPOSTOS.
Com alguns donativos de particulares, e com a quantia de 8:0i0000, que mandou entre*
jar o Exnf. conselheiro Joao Jos de Oliveira Junqueira, actual ministro da guerra, e ento presi-
dente destt provincia, empreheudeu a junta administrativa a reconstrnecao do edificio em que
funeciona a casa dos expostos, caja planta eorcamento foram sujeitas a approvacaoda presidencia.
Pela lei de L de outubru de 1828, artigo 70. sao as cmaras mun'.cipaes obrigadas a
tuziliar as casas, onde se recebem os expostos, e al poca nao limito remota essa disposicao de
i.-, foi sempre observada.
Tratando-se hojeda reediQeaeao do edificio em que se abrigam e edneam esses mfeuzes,
tuto que autoriseis a respectiva cmara a despender urna quantia compativel com os seus
recursos para a conelusao desse po eslaoelecimento.
O pessoal empregado nesse estabelecimento consta de urna superiora, e sete innas de
earidade, una adjunta, u:n capelln da rmand.. le, que o tainheui do estabeleciniento, um
professor de msica, um regente externo, un servente e oitenta amas externas.
O movmento da casa, do 1.* de Janeiro ao ultimo de dezembro do anno passado. foi o
ftcgi inte:
Existiam.......................... 8^
Kutiaram......................... 6
Sahio............................. 1
Muren.......................... i
Existem.......................... 8t<
].; poder das amas
Existiam.......................... "7
Fi irn expostos.................... 51
.Morieran)......................... 51
Existan.......................... 80
m n'laliJade excessivo, e confrange o corapao mais empedernido..Me
de cooflar-se os expostos a amas mereenarias o peior que se poderla
O algaristno da
, i, ce que o expediente
adoptar. ...
Talvez tosse a isso preferivel, em lugar de pagar-se a oitenta inulheres como actualuienle
M Baga, promover acquisicao de vacoas de leite em numero sullicienle, com cuja sustentacio
certarente se despendera menos, do que com as taes amas, sem leite, sem earidade e contami-
nadas de molestias oceultas.
HOSPITAL DOS LAZAROS.
Nesse eslabetecimemo te:n-se efleetnado pequeos reparos; precisa, porm, de alguns
OU) os inelhorainiutos, laos como : a remoo da cosiuha para lugar mais apropriado e canahsa-
,-.io d'agua p-itavel e de gaz. .
Dero, entretanto, dizer-vos que para a sua realisaao sao precisos meios, de que nao
dispde o respectivo cofre.
O pessoal do estahelecimeuto consta de um regente, urna regente, um capellao, um medico,
dous serventes e um cosinbeiro.
O movimento do bo.pital, do |. de Janeiro ao ultimo de dezembro do anuo prximo passado,
foi o segundo: __\ .
Existiam.................. 27 enfermo
Entraram................ 17
Sahirain.................. 6
Existem..... *.......... 38
HOSPICIO D'JS ALIENADOS.
A casa a qup se recolhem os infelizes loucos, nao tem commodos para receber cincoenta
ras; enlretranto que all existem agglomeradas setenta e nove !
E' doloroso, como tive occasio de presenciar na visita que iz aquelle estabelecimento, ver
o Mado lastimoso a que estao reduzidos.
o vosso apoio para a r, alisado de urna obra, ha tanto teinpo reclamada pela candado e Civisacao
da provincia.
O pessoal deste estabelecimento o seguinte: 1 regente, 1 medico, 1 capellao, 1 porleiro,
que tambeiu sachristao da igreja da misericordia, contigua, ao hospicio, 2 entcrmeiro?, enfer-
ke
rinos
,-f
meiras, 1 barbeiro, I cosiuheiro c 1 servente. 0 movimento do htesnio estabelecimento, durante
0 anno passado, foi o seguinte :
Existiam.............. "
Entraram............ 38
Sahiram............... *{
Morreram............. 33
Existem............... ''
COLLEGIO DOS ORPHAOs.
Funeciona esse estabelecimento em casa pinico apnpriada a tal fin, e para se tornar soffri-
vel seria necessario fazer-se grandes despezas que presentemente nio comporta o seu cofre, sendo
em tal caso preferivel a sua transferencia para o sitio que o patrimonio do wesmo ostabeleciinen-
to possue no lugar Tamarineira.
Estito all empregados 1 director, 1 vice-director, 1 medico, 1 pedagogo, 1 mordomo interno
1 enfermeiro, 1 professor de 1- letras, outro de msica, i porleiro, 1 barbeiro, 1 cosinneiro, t
nieslre de funileiro e 2 serventes.
Deu-se o seguinte movimento no collegio durante o anno prximo findo.
Kxistiam............. 9W educandos
Entnintm............. '3
Saliirain.............. 9
Existem.............. M
COLLEGIO DAS ORPHS.
Foi pro'ido de gaz e agua esse estabelecimento, e precisa de outros melboramentos que sao
julgados indispentavels, como remeci das latrinas factura, de um depoiito para agua, tanques
para banlios e lavagein de roupa, os' quaes por falta de meios anda nao poderam ser rea-
lisados.
Consta o jiessoal all empregado de 1 superiora, 8 irmas de earidade, 1 director espiritual
e capellao, 1 medico, 1 mestre de msica, porleiro e 2 serventes.
0 movimento desse estabelecimento du Janeiro a dezembro do anno passado foi o seguinte.
Kxistiam........... 15o oducandas
Entraram........... xt
Sahiram............ i*
Cazaram-se......... 3
Morreram.......... 5
Existem........... 156
A ordeni, o asscioe o aprveilamento que e.U'o ao alcance do exaise mais perfunclono,
sao os resultados do zelo in ansavel da Ilustre superiora e de suas dignas companheiras.
ASYI.O I* MENDICIDADE.
Do predio comprado para o asylo sosente est aproveitado o rato do sul, do do norte desa-
bou toda a coberta, arrastaudo eomsigo algnmas paredes.
Sendo crescido o numero de mendigos, muitos dos quaes aodam ahi vagando pelas ras da
cidade,dando a mds triste copia de nosso atraso, e por nao ter o actual edificio commodos sutlt-
cientes, nem poder ser convenientemente mclliqrado, resolv, por acto de 211 de dezembro ultimo.
lancar a primeirapedia, que effectivamente tave lugar no dia 23 do imwnw mea, d segundo urna planta que j achei organisada; eencarregar a Santa Casa de Misericordia, da ai-
recao e exeeuco dessa obra importantissima, que vira servir de amparo, e ao mesmo tempo de
correicao e regeneracao de um grande numero de infelizes victimas da miseria e contaminados
pelo vicio.
Brevemente terao comee. os respectivos trabalbos e nutro esperancat de que dentro de um
anno, esteja acabado o priineiro rato. .
Concluida a obra, ou pelo menos a parle necessaria, tem de Ser mudado todo o rgimen do
estabelecimento, e dahi a necessidade de autoHsardes, desde ja, a presidencia a reformar, como en-
tender mais conveniente, o actual regulainento.
O pessoal etupreg;do no asylo eon!* do 1 director, 1 capellao, 1 medico, 1 mordomo inter-
no, 1 amanuense, 1 |orto ro, 4 guardas, l enfermeiro, I enferiueira, lavadeiras e serventes que sao
mesmo asylados e percebem pequeas gralicacies. .
Por portara de 4 .lo outubro ultimo, obteve exoueracio o amaB.uen*e, tenente honorario ao
exercilo, Jos dos I assos Queiroz, que passou a servir como adanle da fortaleza do Brnm, sendo
nomeado para o substituir, por portara da mesma data, Joao Goncalves Rodrigues Franca !>oDri-
:iho, que tomou posse no da ."i do mesmo larn. ,
1 Em geial sao mal pasosos emprjgadus deste estabelecimento,e dah vera abanaona-
rem o emprego logo que podem obter um outro meto de vida com maiores vangcns.
. O movimeuto do mencionado estabelecimento de jaueiro de embro ultimo, rol o se-
guinte : j :
Existiam............... 88 asylados
Entraram..............
Sahiram...............
Evadirn) se ...%.....
M^rrerai............. .
Existem..............
PREDIOS.
Nao satisfactorio o estado da miior parte dos p-edios que onstituem os patrimonios dos
orphaos e d )s estobelecimentos de carida le a cargo da Santa Casa, tres destes acham-se ha mili-
to lempo deshabitados por seu estado de completa ruina, sena que M possa emitrehender concer-
los ior falla de recursos.
EMPREGADOS DA SANTA CASA.
Alm dos empregados supra mencionados, tem a Santa Casa, advogado, solicitador e co-
brador tiesta cidade,solicitador e cobrador na de Oliuda, e na respectiva secretaria tem um escri-
vo, dous ofiiciaes. um amanuense e um continuo e porteiro.
Dos balanyos apresentados com o relatorio do vice-provedor. barao do Livramento, em
! de Janeiro ultimo, relativos ao exercrcio de 1871 1872. o, nsta ser a sua receita e despeza a
seguinte :
Receita. Despeza.
Estabelecimento de caridad.-.. 130:3710M ttt:202*785
Patrimonio de orphaos........ 88:6533521 81:365JMn
Asylo de orphaos............. V!:82000) 36:7315785
Com quanto presenteiuente nio baja dficit em neniium dos cofres sob a administracao da
Santa Casa, e os fornecimentos dos estabeleeimentos sejam pagos mensahnente, recea comtud
a respectiva junta que venha a indvidar se o da cari lado, por ser aquelle sobre quem p"zam
maiores despezase por isso pede que se eleve a M:08itf a subvencao que Hieda a provincia,
hem como a coucessao de alguuias loteras, afim de occorrer s despezas que de da para da
crescem pela allliiencia de enfermos. .
Lembra a necessidade da adopcio de urna medida legislativa no ornamento municipal, que
isente a Santa Casado imposto de 60"rs. sobre ps de copieiro existentes na ilha do >,.""l}^"!aj^
Tenho em mo urna proposta em que se ofierece Santa Casa de Misericordia 7.:000i
para seren applicados em beneficio do collegio das orphas e do hospital dos alienados, pelo ser-
vil o dos enterros qne boje feto porparticulares, sem nenhuui interesse para alguns dos estabe-
lecimenios pos desta cidade.
O proponenteobriga-secom fiadores a idneos pagar durante o tempo do seu contrato aquella
quantia animal ou inensal mente, como melhor con venha, e Uto sem prejuizo dos direitos que por
lei competirem a llluu. cmara municipal.
Exige o proponente um privilegio de 20 annos para taz r o servu.o dos enterros, de con-
formdade com o decreto n 813 de 1* de outubro de 1851 e respectivos reglamentos, que om-
uietteu a Santa Casa de Miscricardia do Rio de Janeiro, por t.-iupo de 5>l annos.
A concessao do serviro mortuario Santa Casa de Misericordia ser mais urna fonte e
ren la, com que ella pos go e que animalmente vao crescendo na razao do augmento da nossa populacao
Espero, pois, que tomando na devida consideracao o que vos acabo de relatar, habilitareis
aquella pia instituido, com os recursos de (pie carece, para uiclhorar a sorte de 913 infelizes con-
fiados aos seus cuidados o sobre os quaes cumpre-lhe fneessanleneate velar.
(Continuar-se-ha).
88
133
11

y*
Saldo.
6:1682C6
7.298*158
7:086*735
mead por esta presidencia para examinar o es-
tado da p.nte da Boa-Vista, e dar parecer sobre
a seguranca que ella olferece, entende que de-
vora temar-se providencias tendentes a evitar-se
desastres, porquanto achou-a em grao elevado de
deterioramento, e para isso aconselha no sentido
de acautelar e.-ses desastres, que seja inlerrom
pido o transito de vehculos pesados, taes como
bonds, carrocas (-anegadas, carros com assucar,
e bem assim de lotes de animaes, que entrara e
sahera diariamente. Entende tambera, que o tran-
sito de pessoas a p deve ser regular, e que a ag-
glomeracao de pessoas, em um momento dado,
como algnmas vezes succede, por occasio de pas-
sagem de fcatalbfes, ou guardas de honra, nao con-
vem ser permittido. A' vista disto recommendo a
V. S., que d as suas mais terminantes providen-
cias, para que se observe o que acim tica ex-
p.')StO.
Ao mesmo. -A' vista da informaco de V. S.
era offlcio n. 361 de 18 do crrente, e do general
commandante das armas interino, n. 218 de 22 do
correute, o autoriso a remover o major Antonio
Feitoza de Mello para a fortaleza do Bruin, at
que siga a cumprir a pena, a que foi conderanado
no lugar para isso marcado.
Ao mesmo.-Louve V. S o delegado do ter-
mo de Govanna. Valentiniano do Reg Barros, pelo
Srocediranto* que leve fazendo respeitar a ordem
o provincial do Carnio, que nomeou um novo
prior para o convento da dita cidade, reprimindo
os poucos individuos, que obstavam posse do
referido prior.
Ao mesmo.Transmittindo a V. S., para seu
conhecimentp, o offleto junto por copia, do juiz
de direitb dr comarca de Flores, de 11 do correte,
le recommendo que providencie em ordein a se
cidade de Govanna para averiguar a procedencia rem capturados os criminosos, que conseguiram
da reprevntcao do commerciantes daquea ci-1 evadir-se da cadeia da villa daquelle nome.
dado, que as providencias que ho-.iver do dar.. Vo commandante superior do Recite.-ete-
tenha em consideracao os direitos da empica do rindo o inrlnse retiuerimento do stAtaap aerd na-
talhaod.- utfiuaria Hvginu Pereira nos- Sanio-.
EXPEUUCTB 1)0 DA 21 UK KEVGREinO 0 1873.
P sec(do.
Oflicios:
Ao general conimandaute das armas interino.
Pode V. Exc. fazer seguir para a curte, no va-
por que se espera do norte, para o qne licam ex-
pedidas as convenientes ordens, os roefUU3 men-
cionados ua relacao nominal que veio annexa ao
seu offlcio de 21 do corrente, sob n. 209, menos
os de nomos Juvencio Jos do Carino e Marcolino
Correia de Mello, que foram postes em liberdade
por tercm provao isenrao legal.
Ao me?mo. -Expeca V. Exc. as suas ordens
para que seja rcrolhido fortaleza do Bcum o
major Antonio Feitoza de Mello, que nesta da a
autoriso o Dr. chefe de polica a fazer reinove-lo da
casa de deteiirao.
Ao mesmo.Fico inteirado pelo seu officio
de 22 do corrente, sob n. 217, de haver V. Exc.
contratado o Rvd. fre Flix da Natividade Pimen-
tel para o scrvlco da capellana da fortaleza do
Bruin. durante o impedimento do respectivo ca-
pellao, conego -Manoel da Vera Cruz, que entrou
no gozo de quatro mezes de licenca, coin sold e
etapa, concedidos pelo ministerio da guerra para
tratar de sua sade.
Ao director interino do arsenal de guerra.
Mande Vmc. entregar ao Dr. cliefe d- polica os
12 facSes de qHe trata o scu offlcio n. 363 de 21
do corrente.
Ao mesmo. Por parte do teaente-coronel
Antonio Guedes Gondim Ihe ser apresentado,
para que o aliste na companhia de aprendizes
desse arsenal o m-rior Chrispim Guedes Ferreira,
Se estiver as condicSes lgaos.
Ao capitio do porto interino.Qucira Vmc.
declarar pessa que mandou em commissao
canal, os nuaes nao devem ser contrariados.
2." s'iyo.
Oflicios .
1 Ao Dr. cuele de pol.ia.A cofiuaissao no
providencie V. 8. no .sentido de ser prestado pelo.
1* balalhao de inlantaria deste municipio um do-
cumento comprobatorio da aflegac-o feita poli .'
ferida praca, de liaver marchado para a canipa-
nlia do Paraguay, na qualidade de guarda nacio-
nal designado pelo releferido batalhao.
Ao commandante superior dos municipios de
Flores e Ingazeira. Expeca V. S. as suas ordens,
alim deque seja dispensado offi',ial, que actu-
almente comniauda o destacamento de Ingazeira,
o qnal devora ficar reduzido 8 praea>, sob o
commando de uyi inferior.
Ao juiz de direito da 1" vara civil. hm
wb.servar.cia ao aviso, do iuinisteriodajustica.de
II do corrente, informo V. S. o recurso de graca
junto, de Manoel Maximiano Rodrigo*, r.izendo
juntar copia da deci-o proferida pelo jury desta
capital, era viltude do pial foi o reo conderanado
gales por 20 annos. e o mais que faltar, na con-
formulad..- do diaposte no decreto 2.566 de 28 de
marco de 1860, e aviso circular n. 287 de 28 de
junho de 1865.
Ao juiz do direito da comarca de Hores.
Inteirado de quanto Vine expoe em seu ollicio de
I do corrente, quanto aos criminosos, que conse-
guiram evadir-se da cadeia de F.ores, tenlio a di-
zer-llie. que espero que ter providenciado de modo
a seren de novo capturados os referidos riminosos.
Ao juiz de direito de Onricury Faca \ me.
juntar ao recurso de gra;a junto, de Joao Roberto
de Sant'Anna, ejpia dos quesitos apresentados ao
conselho de julgainento, e a da respostas por este
dadas, e a minuta recommendada na circular n.
287 de 28 de junho de, 186."), informando a razio
pela qual deixou de ter segumonto a appellavao
raterposta ex-uffleto pjr esse juizo, de dita julga-
mento. .
Ao commandante do corpo de polica.I ro-
vidence Vmc. no sentido de sor punido, de con-
formdade com o regulamento do corpo, o sargen-
to Jos da Silva Guimaraes, pelo fado constante
dos officios juntos, por copia, do chefe de polica,
n. 3><8 de 21 dr. cor.mto.e do subdelegado do dis-
tricto de Grvala, de 14 deste mez.
Ao mesmo. -Em additamento ao meu omcio
de 2J do corrente, teuh) a dizei-lhe que as viole
pracas. que devem augmentar o destacamento de
Bnlune sigain sob o commando de un sargento,
ficando todo o destacamento, como naqnelle oln-
cio ordenei, sob o coniniando do tenente Joao Pi-
res Ferreira.
3. tscfe.
Oflicios :
Ao inspector da thesouraria de (aseada.-
Cominunico a V. S. para seu conheciinento, que o
acto da presidencia de 9 de Janeiro ultimo, ploro-
gando por mais um uiez o pra/.o marcado ao ter-
ceim escriptorarto da alfandoga desta provincia,
Joao Antonio da -Iva Pereira, removido para a de
Santos, na de S. Paulo, foi approva.lo, segundo
declarou-me o Exm. Sr. ministro da fazenda em
aviso de 3 deste raez.
Ao niesmo.Em cumplimento do aviso do
ministerio da agricultura, conimercio 0 obras pu-
blicas, de 30 de Janeiro lindo, remeti a V. S. o
requerimento e mais papis relativos ao pagamen-
to que requer o engeuheiro Bernardo Jos da Ca-
inar.. por servicos prestados na commissao de es-
tilos para o prlongamento da estrada de ferro do
Recite ao S. Francisco, a contar do Io de dezem-
bro de 1871 a 1 de fevereiro de 1872, afim de que
informe de mvo a respei.to dessa preten-.ao.
Ao mesmo.AlMMMft ao que expoz Es-
meraldina Francisca Pereira de Motaos, no inclu-
so requerimento, autoriso V. S. a manda-la rele-
var da multa de lOlliOOO, que lhe foi imposta pe-
lo col ector das renda< genes do municipio do Li-
moeiro, pir nao ter dado matrcula ni prazo le-
gal o menor lvro Aureliano, tiln de sua escrava
Liberata.
Ao mesmo.-Comrtmnico a", s. para es oe-
vidos lias, que a 13 do corrente deixou o bacharel
Antonio Francisco Correa de Araujo. 0 exercicio
do cargo do juiz de direito da comarca de Flores,
por ter do lomar assento na assembla provm-
eial. .
Ao mesmo. Recominendaudo a \. s.. (pie
vista da cenia junta em duplcala que me re-
mettou 0 director interino do arsenal de guerra,
com offlcio de 21 do corrente, sob n. 3til, mande
pagar a liarlholomeu Rodrigues de Mello, a quan-
tia de 601000, preveniente da conduccao de diver-
sos objedos daquelle arsenal para o quartel do 9-
balalhao de iabataria do exercilo, e vice-vorsa,
segundo se depreliende da referida conla.
Ao ine.-mo.^-ConHiranicu a V. S. para os de-
vidos ficis. que nesta data mando reduzr a um in-
terior e oito (iracas o destacamento da guarda
nacional existente em Ingazeira.
Ao mesmo. Transmiti a *. S. para os de-
vidos lis. os decretos juntos de 8 do corrente. de-
clarando ter sido removido para o lugar de pri-
ineiro tabelliao o rscrivao do civel e mais annexos
do termo de Bom Jardim, o cidadao Joaquim Mar-
tns da Cunha, e para o de segundo tabelliao ees-
crivao de orphaos do dito termo, Joaquim Pacifico
de Arruda o Mello.
Ao mesmo.Transmuto a V. s. o pret jun-
to, afim de que mande pagar os venclmentos dos
cornetas o lamberos dos eorpos da guarda nacio-
nal deste municipio, relativos aos mezes de noyem-
bro do anno prximo passado, a Janeiro ultimo,
conforme soliciten o respectivo commandante su-
perior em offlcio de 10 do corrente. sob n. 831
Ao mesiiio. Transmiti a V. S. as quinze
inelusas ordens. sendo sete di mesouro nacional.
sob ns. 23 a 29. tres do ministerio da guerra da-
tadas de6, 7 el! do correute, e cinco em dupli-
catada repart ao do ajudante general, do ns. 911
a 915.
Ao nesmo.-Em vista do pret junto em du-
plicata. qne me rometteu o commandante superior
do municipio de Olinda com ollicio de 10 do cor-
rente, mande V.S. pagaros vencimentos do corneta
do 9" baUlhao de ioranlaria daquelle municipm,
Francisca Xavier da Silva, relativos aos, mezes de
julho a dezembro do anno prximo passad >, como
se v do mencionado pret.
Ao mesmo. Transmuto a V. S. as sete in-
clusas ordens do thesouro nacional,. sob ns. 17 a
23, e bem assim um oillcio da secretaria de esta-
do dos negocios da fazenda, de 15 do corrente.
Ao inspector da thesouraria provucial.-
Transmilto a V. S. para seu conheciinento e lins
convenientes, copia do oflicio de 11 do correute,
em que o presidente do banco do Brasil, declara
j haver recebido do London i Brasilian Bank Li-
mited a qpahtia de 132:105*180, constante da le-
tra sacada por essa thesourari-, e a que se re-
fere o seu offlcio de lo de Janeiro ultimo, sob n.
29. a qual leve a applica.o indicada no t dos
citados olllcios,
Ao mesmo. Attendendo ao que expoz no
incluso requoriinente o engenheiro da reparticao
das obras publicas, Joaquim Gomes de Obveir.. e
Silva, designado para ir era commissao villa de
Flores, recommendo a V. S. que d suas ordens
no sentido de lhe serem descontados pela quinta
parte, de conformidade como art. 109 do regula
mente da reparticao a seu cargo, os tres mezes de
vencimentos que por adianlamento ahi recebeu.
4.' secrto.
Acto :
O presidente da provincia, tendu e n vista
as actas das cleiroes para vareadores e Mies de
uaz das parenlas de S. Jos do Rio Formoso e
S. Goncalo de Una, procedidas a 7 de setombro
ultimo, e a da apuraban feita pela respectiva c-
mara municipal e mais papis relativos a esta
eleieao, o attendendo a que as eleii'^es da pri-
meira parocbia e as di segunda presidida pelo
segundo juiz de paz foram pceewhkasas te mal-
dades logaes; atleiidendo por outro lado a que foi
Ilegal,.. o.gamsarao da mesa parocbial, presidida
pelo priineiro juiz de paz, porque nao era licito *
esie auar a presidencia da mesa organisada.
pelo segundo, e que lhe foi olterecida, pira ir
fazer outra eleieao, ein vista dos arts. 4.' e5.#das
inst-uccoes de z"8 de unho de 1819 ; attendendo
anda a que foi observada a lei na organisacau
d aquella mesa, installando-a o segundo juiz de
paz em ausencia do priineiro ; attendendo mai a
que na organisacao da mesa presidida pelo pri-
ineiro juiz de paz nao foram observadas as for-
malidades legaes, nao leudo ella comeco as i
horas da manha, como resain as actas; atten-
dendo tamben) a que alm de outras irregulari-
dades, consta das actas desta eleieao, por declara-
p9e* do secretario da cmara municipal, que as
copiou e do tabelliao que conerio e concertou a
copia, haver no lvro das actas entre-nhas e as-
signatura de no in.'sari icom tinta diversa, donde
se condue que ellas foram follas posteriormente
eleic.io ; attendendo finalmente a que ludo isfo
est provado por oflicio do juiz de direito da co-
marca de Rio Formoso e do subdelegado da fre-
guezia de Lna, por um proteste lavado por ta-
belliao, assignado por diversos oleitores e supplen-
tes e intimado mesa presidida pelo primeiro
juiz de paz e por una justilica'.u produzida cota
ctacao oeste, a qual assstio um seu procurador,
resolve, na conformidade do art. 118 da lei de li
de agosto do 1816'e mais disposicoes relativas eav
vigor, approvar a eleieao da parochia de S. Jos
do Rio Formoso e a da de S. Gonzalo de Una.
presidida pelo segundo juiz de na', aunullando a
presidida pelo priineiro ; expedhido se neste sen-
tido as necessarias comniuncacoes, alim de que
entrera em exercicio os cidad.ios eleitos vereade-
res e juizos de paz. Esta deli'-eracao lica depen-
dente da approvacao do aoverno imperial a cujo
conheciinento sera submetida.
Offleius:
-- Ao Exm. Sr. presidente da provincia do Ma-
ranban. eterindo o incluso requerimente du
saldado do 9. batalhao de infantaria Daniel Fer-
reira Mendos, rogo a V. Exc. se sirva de provi-
denciar no sentido de ser prestado, por quem com-
petir, um documento comprobatorio da allegaciu
feita pela referida praca do haver marchado para
a eanipanlia do Paraguay na qualidade de guarda
nacional designado do balalhao da villa de Muri-
tiba, desta provincia.
Ao conego regodor do gymnasio provincial.
-A" vista do que requereu Maria Alexandrina
Cavalcanti de Albuquerque, autoriso V. Rvma. no*
termos de sua nfonna.o de 22 do corrente, a
mandar admittir novamente nesse estabelecimento
o menor Hodolpho Cavalcanti da Silva Pessoa,
lilho da supplicante.
Ao director gcral interino da instruc^ao pu-
blica. Mande V. S. adoptar nos estabeleeimentos
e escolas publicas de instrucc.lo secundaria, para
o ensin da lingua latina, o livro de latinidade.
contondo grammatica, exerclcios e vocabularios por
John M" Clenlock, traduzido pelo Dr. Lucindo Pe-
reira dos Passos, e imcfoi apresentado pelo profes-
sor de latm Leopoldrao Antonio da Fonceca, em
officio de 23 de Janeiro ultimo, a que se refere a
sua informaco de 18 do corrente.
- Ao segundo juiz de paz da freguezia da
Gloria de Goit. Respondendo ao oflicio que
Vmc. dirigio-me em 20 de Janeiro findo, tenho a
dizer que aguardo a commtinicacao oflicial de
liaver sido approvada a eleieao de eleitores proce-
dida ltimamente nossa ireguezia, alim de poder
designar dia para ter lugar a reuuiao da resiec-
tiva junta de qcalincacao.
Ao juiz do Paz mais votado da ireguezia de
Nossa Senhora da Apresentacao do Limoeiro.
Designo a tercena dominga de abril vmdour.
para ter lugar a reuuiao da junta de qualifica;V>
de votantes dessa freguezia, visto como por avis-j
do ministerio do imperio, de 1 do correte, sob n.
132, foi-me declarado achar-se approvada a elei-
eao de eleitores ltimamente procedida na mesma
Ireguezia. convindo que Vine, observe as formali-
dades da lei de 19 de agosto de 1816, e mais dis-
posicoes a respailo em vigor.Mttat mtUawiit,
aojuis de paz mais votado da freguezia de Sanio
Amaro do Taquarotinga.
Ao juiz de lia/, mais votado da freguezia de
Vossa Senhora da mecicao de Iiamarac. De-
signo a segunda dominga de abril vindouro_ para
ter lugar a reuuiao da junta de qualincacao de
volante- dessa freguezia, una vez que, segundo
consta do aviso do ministerio do imperio, de 4
corrente, sol. n. 132, aeha-se approvada a tetelo
de eleitores a que ah so proceden em 18 de
agosto do anno passado. conviudo que Vmc
observe as iormalidades da lei de 19 .le agosto de
18i(i o mais disposicoes a n-speite ein vigor.
Portaras:
A' .amara municipal do Recite. -Transmuto
por copia a illma. cmara municipal do Recite, i-
informacdns prestadas em ollicio de 21 do corren-
te. sob ii 115, polo inspector da thesouraria de fa-
zenda e procurador fiscal respectivo, acerca do um
terreno alagado no lugar do Mangninho, que so-
licitalo pela mesma cmara para logradouro pu-
blico.
A' cmara municipal da villa delguaraaed-
Constando de aviso do ministerio do imperio de
1 do enrente, sob n. 132. haver a cmara dos Srs.
deputados approvado para a 15.a legislatura ;.
eleieao de eleitores procedida ltimamente na pa-
roenia de N. S. da Coaceicao de llamara ; Ni
o cominunico cmara municipal da villa de
Iguarass, prevenindo-a de que dosgnei a 2.' do-
minga de abrd vindouro, para ter lugar a reunan
da junta de qualilicacao de votantes daquea fre-
guezia.
A' cmara municipal do Limoeiro.Constan-
do de aviso expedido pelo ministerio do imperto
era 11 do corrente, sob n. Vi2, liaver a cmara-dos
Sis. deputados approvado para a lo.* legislatura a.-
cleicoesde eleitores ltimamente procedida as pa-
rochias de X. S. da Apresentacao do Limoeiro e San-
to Amaro de Taquarotinga ; assim o coinmunict.
cmara municipal da villa do Limoeiro, previ-
nindo-a de que desiguei a 3." dominga de abr!
vindouro, para lar luga1 a reuno das juntas uV
qnalicacao do votantes das mesillas parochias.
A' cmara municipal da cidade do Rio For-
moso. -Transmiti canina municipal da cidade
do Rio Formoso a copia indina do acto desta da-
ta, pelo qual approve nos Ierra is do art. 118 d;.
lei de 19 le agosto de 18i6, as ele'.-oes para ve
readores e juizes de paz das parochias de S. tose
desse municipio e a de S. Gonzalo de Una, presi-
dida pelo 2." juiz de paz, annllando a presidida
pelo 1", alim de ana expeca os diplomas aos cida-
dios eleitos e os juramente, para que entrera eni
exercicior de seus cargos.
5." secreto.
Oflicios :
Ao Dr. director geral interino da estatisea.
- Remeti a V. S., nos termos do art. 13 do regu-
lamento que baixou com o decreto n. 4,856 de .H
de dezembro de 1871, 13 caxoes coniendo tedi-
os elementos originaes do recenseamemo pri>cedi-
do nos municipios : do Cabo. Inojura, Pao d Alh.
Serinhaem, Buique. Tacaral e Cabrobo, e ben.
assim o relatorio circunstancia lo desse tatbalhu.
que por intermedio de V. S. tem de ser entregue
ao Exm. Sr. ministro do imperio, nos termos di
citado artigo.
Ao engenheiro chefe da reparticao das oura--
publicas. Declaro a Vmc, em resposta su in-
f n na cao n. 70, de 20 do corrente, dada a respei-
lo da preten.ao de Manoel Thomaz de Albuquer-
que Maran'iao, que a execrado da bomba da es-
trada de Pao d'Alho, junto a ponte de ferro, em
cotislruccao sobre o rio Capibaribe, no logar de-
uominad Tahyba, nao nde em rigor ser pnsi-




TFmuto de Peniambuco SabVado 8 de Margo de 1873.
*
i
1
-'
-y*.,-------------------------
toada nina lepenJrj*r"ia a mencionada prate x
porbur r mviiin que jefa lia contratada por
quem ollere, er mafs vantageas. se:ilo r'rfnr> o
arrematante da potUe, e IgualdadjMle roudi.-ocs.
Eni rista do exposto, consulte Vmc. a este, se quer
fazer a obra de que se trata, cora o abate eflore-
cido.
Ao mesmo. Opinando a commisso nomea-
da para dar parecer *-'bje o estada da ponte da
tea-Vista, da qual Vine, fez parle, que, parase
tazer por all cora segtflica o transito de pessoas
a pe, conveniente reparar-so aSjiiiis puntos de
fie assena o cal-.-ameMo,
nto da ferro, que all
e fawrm-se ontros re-
recer que apresenteu,
orea tem urgencia is
lastro de inadeira, sol
<"Oiistilidar-se o gr
existe de-ambos os I
paros mencionado.- no pa
reeoinniendo a Vmc. qae<
concertos que foram iinpfeseiatiivei-., rile indica-
dos e outros qi^plgar%jeo- igualmente noces
s:irios, afira de que esta presidencia providencie
no sentido la sua execurao.
Poruas:
Qi Srs. agentes da eompanhia de uavegaeio
l)ra5Ueir4 inandem dar transporte para a Parany-
ba, por conta do ministerio da guerra, no vapor
Huir, ao desertor da coinpannia de infantaria
d'alli, Manoel Luiz da Silva.
fts Srs. agentes da eorapankia de navegacin
brasileira niandem dar transporte para a corte,
por conta do ministerio da guerra, no vapor que
so esliera do norte, aos noratas constantes da re-
la-.-au nominal, junta por copia.
Relacao nominal dos soldados reerntas ein depo-
sito, que devora seguir para a corte no vipor
esperado do norte, lsposrai do ministerio
la guerra.
Antonio Jos Hennque. Clemente Alvcs Perei-
r, Claudino Silvestre, Felippc da Molla Gamillo,
Geraldo Pedro dos Santo-, H-nrqne Gomes de
Sennn, Joao Bajitista do Kego, Joo Vieira da Sil-
va. Joan Evangelista de Carvalho, Joao Louren o
da Sdva. Joao >:avaleaiiti de Sonta, Jos Luiz dos
Santos, Jos Vieira de Mello, Jorge Flix feloiS,
Sabino Cavakanti de Sonsa, \ cente Ferreira de
Paula, \ cente Ferreira dos Santos.
O; Sis. agentes da companhia de navega-
;ao brasieira maudem dar transporte |>ara o Ma-
ranho, no vapor iiinr. por cunta do ministerio
ila guerra, ao desertor do ;'>. batalbao de infan-
taria, Braz Manuel do Naseimentn, que foi cap-
turado tiesta provincia.
EVI'KIHK.VTK DO SRCRETAMO.'
' 1.' serpilo.
Varios :
Ao Extn. general eonnnandante das anuas.
S. Exc. o-Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. 'Exc, en rososla ao sen offieio de 19
lo rorrenfe, sflb n. 201. que nesta data se mandou
dar transporte para a corte, no vapor que se espe-
ra di norte, ao soldad i do 2. batalbao de ufan-
laria Joa Fernandos Ancheta, que foi transferido
para o 1 da inesnia anua.
Ao mesmo.Do orden de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, declaro a V. Exc, ern
re posta ao sen oilieio de do crrante, sob n.
iit, qne mista data lica expedida a cmveuiente
ordeni para o transporte ao Maranhiio ne vapor
Guare, ao desertor do ."i." batalbao de inantaria
M.-az Manoel do Xascincnto.
Ao inesnio. S. Exc o Sr. presidente da pru-
\iaeu manda declarar a V. Exc.; ein resposla ao
'*> i ollicio de ti d.i corrate, sab n. iW. que nesta
"dala lira expedida a conveniente ordem para
transporto provincia da I'arahvba, ao desertor
Mauod Luiz da Silva.
Ai director interino do arsenal de guerra.
riiuiuivr a V. S. que a thesonraria ile fazenda
tiii autorisada a pagar a iiarlholomeu Kodriguos
iie Mello a quantia de (iili'iuO. proveniente da
despesa de que trata o sen oHeio de 21 ttest
141.'.:. rafe n. M>\.
2 $'cra.
OHete:
Ao-ennimandante superior dos municipios de
Oiinda e Ignarassrt.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S.. que nesta data ex-
C'hIo urdan a tlie-miraria do fazenda, no sentido
i! seren pagos os veneitnentos do corneta do D."
batalbao de infamara desse municipio, relativos
aoa mezes de millo a ntwulro do anno prximo
pascado, conforme solicitou ein seu ollicio de 10
ile-te mez.
.>." ifIT&O.
Cfflcio :
Aos agentes da eompanhia de navegaeSo
brasileira. I Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que o vapor (luir, che-
gado boje dos portos dorul, pode seguir piraos
jo norte ainanh">, ;is horas do costume, conforme
soiiciiaram en Offlcio desla data.
D6SfaH0S .\ PIlEStOBNCIA D! G DE MARiX) DE
i:;i
Antevio Prandsco Ucbda.O supjilicante j ni
posto ein liherdade.
Adolfo Siqueira Civalcante Aprsente o jap-
peaatB thesoararfa de fazenda, o titulo de sua
iioineaci.. e prove c IHI dociinieulos exigidos por
li i a ellectividade de sen csercieio.
Antouo Augusta Ferreira Lima.Informe o Sr.
t ir da tbesonraria de fatenda.
Bacbard Jos Elysio de Carvalho Coate. -Infor-
me o Sr. inspector da Ihesouraria de fazenda.
Joa [oim da Silva Barb iza.Volte ao Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda eom a oatra peti*
rao a que osla alinde.
Joio Jos Rodrigues.Indeforido.
j.is da Silva liaiinaraes.-Informe o Sr. briga*
deiro eonimandante das armas interino.
!;is Patricio de Mendn:i;a. -Deferidoeomofflcto
senal de guerra
Hachare! Joaquim Jos deCarvalho Slqneira Va-
ij.i. O suppcante aguarde a docisio dogover-
n iiuperiai, a enlo conheew oto submetti a na
-!.. de sua petieao.
Le ivegiida Mara da Silva Cordeir. -P..-se por-
Liria, ooaoedendo trinta das de lieenca.
Ufares Manoel Tirgolino da,Souza.-Sim.
o inesm i. -Indeforido.
- vianoel Francisca doi Santos. *dem.
Majnr Marcelino Jos Lopes.Ao Sr. engenhei-
ebefe da repartieao da-- obras publicas para in
formar.
SSESBL.4 PROVINCIAL
SESSD OtlDINARlA EM 5 DE MARCO.'
1'BESroitNCIA DO SR. HH. FKRRKIttA DB AG*OI\n.
{COHCtttSnJ.
O Sr.Cunha e Figuelredo pede a pa-
lavra pela ordem, e manda mesa, depois de ter
justificado, o seguiuU' reqneriinento :
Requeiro que seja nomeada pelo presidente
da mesa, urna coramissao dejeinco niembros. para
que, revendo o relatorio da presidencia, re juza a
projectos as diversas medidas nelle inoposlate. -C.
e b if/iitircdo,
O Sr. (itiiies Prente oppoe-sc idea
da nouteacao de urna rominissiio para estadar o
relatorio do Exm. presidente da provincia, por
julga-la intil (apoiados).
Euteude (|ue todos tein obtigacio de lar cuidadosa-
mente o relatorio e propor o que Julgar convenien-
te a beiu da provincia ; a noiuoacao de una coiu-
ndsso especial para tal fim, importa nina delega-
cao de poderes que nao tem justificara.
0 Su. CoitiiF.iA de Araujj :E nuilifica ascom-
misses permanentes.
O Sr. Tiomes Prente : -E' exacto. Por estas
razos nao |H>de votar pela proposla do nobre de-
putado pelo ;i districto ; alm de que as asscin-
bli'as nao estao adstrirtas as ideas propuslas nos
relatorios.
O Sr. Cunha e Fi^ueiredo sustentan-
do o seu requerimonto, diz que quando enncehen a
ii!a de apresentar o rcqueritnento que se discute,
nao Ihe passou pela mente que elle soltresse a me-
uor opposicao : que soiuente teve em vista facili-
ta.-o trabalio e oil'erecer rasa um mothodo, ao
sen ver, econmico, de realisar coin mais presteza
o pensamento do distiueto adniiiiistiador da pro-
vincia, cujas ideas, coin poucas reservas, o orador
louva, aceita, a desoja que coma brevidade pos-
sivel sejain reduzidas leis provinciaes. E' de
opuiia ipie a provincia est em ura abysmo de
que a assemblea deve salva-la, e que para este
lim devein trabalhar todos os Srs. depulado?, ja
em conunissoes ordinarias e extraordinarias, e j
cada um de per si; mas cora todo affinco o patrio-
tismo (ap liados.)
O Su. que teve exrcllente idea. t
O .-r. Cu.nha k FaWHatM continuando, sus-
tenta (|ue o seu peawnento nao escusa os de-
mais nobr:'s deputados do estudo serio do relato-
rio e de ttnlo quanto carece a provincia, purera
sim que a coniinisso especial, por elle leuibrada,
estudb o rellicta, que entre os suus meinbros tro-
quen!-se as idase apureiu um trabalho detido e
oinveuienle aos interesses da provincia ; que eite
Iraballio ein leas diversos ramos e assumptos po-
dem Ir en projectos s respoetivaa commisaues, e
que depois sero elles anda, ou podero ser exa-
minado- por cada um dos rs. deputado*. que to-
dava nao s-o olirigadosa votar por elle, nein es-
tao adslrictos s ideas da coinniisso e antes n*
dem discutir, emendar e mesmo regeta-las.
O Sr (t08S CWALCira : Apoiado, defendeu
mnit i bem o seu reqneriinento.
Postea votos orcquerhncuto,rejetado.
Tendo dado a hora, o Sr. presidente designa pa-
ra ordein do dia : continuacio da antecedente, e
mais :" disciissao dos projectos n<. !', 8ie!)l, e 1"
discusso dos de lis. 70 e 103. todos de 1871.
Jilre Otinda .? Rcli
I da quantia a que era
{ O Se. Secretaria da presidencia de Pernambnco,
di marea do I87
" poiteiro
v., ine le.Vmi'o Rodricues
C*mnaando UiiAtTEL GEM6RAL DO OOnUM DAS ARMAS
UTERINO : Pr.RNAMBCCO, EM 7 DE MAUCO
bi- 1873.
Orde/n do da a. 708.
i iirigaduiro eonmandaote das arma. interino,
determina que os papis menaasa, trimensaes,
estraes b annuaes qne, de coaformldade com as
urde a eatabelecidas, ttu d r remeRidos pelos
Sr. oommaudantcs de eorpos e compaohias iso-
' las desta guarnicao s reparl do ajudante
ral e quartel w neral por inte,
do ronmando das arma-, duvem ser robertos com
.:ma re! a-.-i i datada -. ussigna i, espeeicativa da
uataraat dos p.pois, em cada urna das pocas
mencionadas.
0 mesmo brigadeiro faz publico para os lio?
rom .. pie u i da 18 do inez paasade se
-.-; aateu, rinde da provincia das Alagoas, o Sr.
rapite Jos Longuinb da Costa l-eire tne obte-
\t transferencia da e iiapanhla de inftntaria (te-
nadla provincia para u 9.* da mesma arma, ao
iijal se reuni. -
(Assignado) Jode Guilktrm ile Hnice.
NifraM. -Jba lyjiwio Wbriro Komi, teaente
ajndante de orden- nterin i oncarregado do de-
laHw.
SESSAO ORDINARIA EM6 DE MARP-O.
MISIDKNCIA 0(1 SR. li. FE11REIIIA DK Alil'lAR.
Ao ineio dia feita a chamada, aclum-se presen-
tes os segoiatOS -rs. deputados: Mello Reno. Frei-
r Gameiro, Albuquerque Lcenla, Arconcio Sil-
va, Pirmino de Novaes, Pelippe Figtieirda, Lamo
nba l.ius. ('i)Meal'es Fern-ira, (oes Cavalcanle,
J. Correa de Aran jo. Almeida Pernambnco, Vieira
de Araujo, A Correa de Arante, Pinto Jnior,
Ferreira de Aguiar, Alvaro Debite, Cimba Fi-
gueiiedo. (lunes Prente, Tolentino de Carvalho e
Vieira de *llo.
Abre-se a seno.
E' lila e apnrovada a acta da interior
O Su. I." Skcurtami) d conta do segumte
expeuiestk :
(inicios :
Do secretario do jroverno, rcmettendo um proje-
cto de posturas, organisado pela cmara munici-
pal da villa de Panellas.A' cominissao de exame
de posturas.
Do inesmo, remettendo copias dos actos le 11
e IV lo mez passado, contendo as bases dos con-
tratos celebrados com Justino Jos de Souza Cnm
pos p.ua a illumina-ao a gaz e encammento d'a-
gaa p ita.el na cidade de tioyanna.A' commis-
lao de legislaro.
Peti'.o:
De Francisco Bor;a de Oliveira, pedinlo 6 meses
de licenca co:n todos os venciinentos.A'eonimis-
sao da aetiedes.
E" lido, julgado ohjecto de delibcraefio e man-
dado imprimir o segante projecto :
A assemblea legislativa de Pernambnco re-
solv- :
Ar!. nico. Pienm revogados os arte. 1.* e
* da le n. 93; de l de junho de lK".
S nico. A companhia da estrada de ferro do
RopartlcEo i' seccao. Secretaria da polica di* Pernanibu.-o.
7 de marco de 1873.
N. 488. Illm. e Exm. Sr. Levo ao conoce*
ment de V. Exc.que, segundo consta das partid-
pardos recetda boje nesta repartieao, foraiuboa-
'.' ni recolbJdos casa detenvo os soguintos in-
dividuos :
A' urdem do'suadelegadn de Santo Antonio,
Bernardo, escravo do MatiocCda Silva Rios, por
disturbios-.
A' ordem do de Delm, Manoel escravo de Ma-
noel Paulo de Albuquerque, e Julia escrava de Jos j
Ffla da Cnnha Pern, p r andarrrn fgidos.
A" ordem do do o >. V.innJ Francisco -. Ar-
roda c Satjro Luiz Jos da Rocha, como iniciado
"ni crime de furto de c.ivam.
Deas guard a V. E :,-.mm. e Em. Sr. com-
Tnendador Hegriaae IVroira de Lacena, dignissj-
mo presjdQte esta pr viiicil.-Ocdie.re de iccia,
luiz ComU^ft.Qocrrz B.irrci..
*

Reeife Oiinda e lleheribo Construir a sua este-
.-ao terminal da cidade do Reeife, no local que,
do confonnidale com os arts. I." e 8.* do contrato
de 22 de julho de 18fiS, fr accordado entre ella
r o presidente da provincia.
Revogam-se as mais disposieSes em contrario.
Sala dassessoes, 3 do marco de 1873.Felipps
de b'itjttt'i'i Farin.
E1 tambeui lida e remettida eonnissao de
constitu.-ao e poderes, para dar parecer, a se-
grate ndicavo:
indicamos que a assemblea legislativa provin-
cial de Pernrtmbuco dirija assemhla geral le-
gislativa urna represntelo sobre oasegaintes
pontos, fazendo-lbe sentir o nquestionavel direito
que assiste esta provincia aos beneficios que re-
clama, mxime pela natureza dos r-.-cursos, qne
olTeroce a commanbSo brasileira, eontribuindo
grandemente para elevar o computo geral das
rendas do estado :
1. Reclamando que se marque quota no or-
namento geral do imperio, para as despezas que
actualmente faz ; provincia eom o culto publico
e a seguranza pub ca, estas sob os ttulos de tor-
va polica!, pnsdes. alimento e eonduefto de presos^
aquellas sob os ttulos de -congruas dos coadju-
tores, fabrica e gnzamonto das matrizes.
, 2 Pedindoqne seja lomado em oonsideraco
edecreta I fundos, no mesm i nreameate, para o
melhnramento do porto la cilade do Reeife, obra
altamente reclmala pelo eonmereio e agrien tu-
ra da pr vincia.
3. Pedindo igualmeii!>. que se marque quota
no dito oreaniento. pira a conslruccao de moa
lente, qne ligue o bairro de kanto Antonio ao de
s. Prei Pedro (Joncalves do Reeife, e sirva como
que de prelonganentd va de coavaunieaeaa
que a ponte de Santa Isabel estabeleceu entre os
bairros da Roa- ista e de Santo Antonio. S da
dassessoes, em 4 de marea tc'tW3. Fetippe de
F/ffueir'i Furia. J* Francisro de G6S '.junl-
ante. Lnn'nha Lhi*.J. de, Mello Reg. \lbu-
tmerqne l.arerda. -Firminode Ntete.A. Corr-a
de Araujo.E. Vieira de Mello. -Antonio (oum-
res Ferreira.Jote Marn Freir liameiro.
oar>EM do da.
1.' discusso di) projecto n. 97 do anno passa-
do, autorisando o yresidente da provincia a cin-
tratar com Abiiio-t^outinho, ou com quem mel'-o-
res vantagens otTerecr, a constr:icc..o e explora
fie de nina grande fabrica de faror papel ftesm
provincia, empregaado como materia nrima os
produetis do pait E' approtodo.
Ia discusso do projecto n. 91 do anno passado
creando na cidado deGoyanna urna escola noetur-
;ia de instraecio primaria B' aaprovade.
I." diseassao do projeeto n. 107 do anm passa-
do-, autorisando a presidencia a contratar com An-
tonio do Reg Pacheco Jnior, oa cora quera me-
Itnrcs vantagens oirerecer, a fnndaeo e explora-
oRo do urna ou mais fabricas de preparar mosaicos
e azuleis para ladrilhos. Foi rejetado.
3.' dis'-'iss.io do projecto n. 9G iio anmrpassadn,
conc-1 -ndo a Jos Ignacio d'Avla, arrematante da
obra do paco da assemblea, a tulode indemni-a-
cao I!) 0/0 do tota! do orcamento primitivo, sera
prej'iizn l'aqndlo a que tiver direito.Foi reje-
tado.
I'nica diseassao do firojeeto n. 98 do anno pas-
sado, approvando o eompnvnisso da irmandade
dS. Jos; de Riba-Mar, erecta ra igreja do ines-
ne nome de-ta sidade do Reeife. -E' approvate.
2.* discusso do projecto n. 9 da anuo passado,
aaterisando ajiresidencia -a'remover a bihliotheca
puliliea provincial do tecal em que se acha para
algum edificio quomelhor se-presto para tal-lira.
Art 1. (Entra i E'Tejeitado.
'Art.- ". (Entra)Aehai-so projfdicad.
. Art. .'{.(Bntraj K apprtHM.
Entra m em discusso e sao succossivamcnle re-
filudos os arte, 't.; O* 6% 7* e 8.".
i.* discusso do projecto n. 84 do anno cfwcedendo companhia dos srilpos urbanos do
Beberibe, dispensa do deposito
era obrigada.
Prente manda a mesa o
eQgOMite reqneftmr'H>1
> Keqiiciri'i aJiaueajo da di horas.
Sr. F-. dr* Fijrtieirda manfesta-se con-
tra o requerimento.
a Sr. -tfellfejt*
mesa o s"jainte re^rn-n
Bequeito qifrfae. o
da presideiiria copio- das
trate i la co|inf^
O Kr. na-
dia : coniimi.
cusso dos pl
II, t 86
no pastado.
e manda
Epprovado :
alado at \ir
feitas ni} con-
urbaaosde ulueli.
liara oidora ecadite, e mais 1." dis-
-W; Ps de ns. 10,
dau. la, telo* Joan-
J
nayKTA Di.vau.
XmKutHka;* tfwv*elalV-A asscuifttia
provincial hontera funecionou com SV Srs. depu-
rados.
Approvada a acta da sessao ana-rior, o Sr. i.*
secretario leu o seguirte rxaedieKb: **
Tin olUcu lo secretaria do covemo da provin-
cia, reine tendo por copla os Offlcios' de'9 de agos-
to e 10 de outubro do auno passado, em que a
cmara municipal da villa d'Agua-Prta manifesto
a necessiil.ide de coiuprar una vasa para servir
de mercado no povoarfo dos Jtofttes.A' commls-
s:io de orcamento municipal.
utro do inesmo, remetiendo os bafancos da
receita e despoza das cmaras inunicipaes de Ta-
caratrt, Floresta e' Cabrob.
Outro do mesmo, remetiendo aresolncao da
assemblea, de 5 de junho do anno passado, con-
cemente s aposentadorias e licen?as dos empre-
gados provinciaes que deixou de ser sanecio-
nada.-A' commisso de consttuicao e poderes.
Outro do mesmo, remettendo diversos projectos
de posturas, organisados pelas cmaras munici-
pal)- de AguaslleUas, Bozarros e Bom-Censclbo. -
A' coratitissao de posturas e negocios de c-
maras.
utro do mesmo, remetiendo o projecto de
posturas addicionaes 4a cmara niunicipal da.ci-
dade da Victoria.A' coiunissao ae posturas e
negocios de cmaras.
1'nia petieo de Andr de Abreu Porto, pedindo
mu privilegio para assentar na* ras desla cilia-
do que nao sao nercori idas pelos bwnds, um novo
Sistema de carrs de ferro.-A' commisso de
obras publicas
Oatra de diversos moradores da povoaeao de
Tejucupapo, pedindo a ereaco de urna cadeira
ile mstnivo priuiaria para o sexo femmino.
A* commisso de iu Outra de .Mara da Peittta Punentol de Torres
Bandeira, viuva do Dr. Antonio Rangel de Torres
Baudeira, pedindo para surera admiuides uo gym-
nasio provincial seus lilhos menores Francisco e
Manoel.A' couiiiisso de p-'ticoes.
Passaado ordem do da, contina a J." dis-
cusso do projecto n. 91 de 187l( o qual ficou
prejudcado con aapprovaeo do pr>jecto a. 67
de 1872, que autorisa o presidente da provincia
a conceder um privilegio a Andr de Abren Por-
to, para a construeeao de uiua ponte sobre o rio
Capilianbe, oii'ereculu pelo Sr. J.aquiu de Mello
Reg, c iui emenda substitutiva.
Fura tu approvados em I.' discusso os projec-
tos : n. 103 de 1871, que autorisa a construeeao
de nina ponte sobre o rio C-mc-vou ; o de n.
87 de 1872, que proroga por mais um auno o
prazo concedido a Francisco Maria Duprat, pela
le n. 752 de 1867.
Adiado ein 1." discusso o de n. 8 do anno
passado, que autorisa o presideute da provincia a
estabelocer offlcinas na casa de detenco, a re-
qneriraeuto do Sr. Joaquim Correa de Araujo,
at que a Commisso ue legislarn emitta pa-
recer.
Foi rejetado em I." discussio o de n. 70 de
1871, que eleva va cathegoi a de cidade a villa
do Cabo.
Em 2.' discusso foranl approvados os projec-
tos : n. 10 de 1872, que isenta dos direitos de ex-
portacao a- perfuiaarias fabricadas na provincia;
n. 21 do mesmo anno,' que approva o contrato cele-
brado eom Justino Jos de Souza Cam|ios, para as-
seiitamento le trilbos de ferro entre a estecao da
Boa-Vagera e o puvoado do mesmo notoe, sendo
tamb-iu approrado un requerimento do Sr. Cor-
rea de Araujo, >olicitando ioforraacoes a respeito
do ramal que pretende fazer a eompauhia do Reeife
ao S. Francisco.
Foram tambera apnro ados em S.' discu sao
alguns artigos do projecto n. 86 do anno passa-
do, que concedo privilegio a Antonio Valeatim da
Silva Barroca para estabelecer fabricas de lou^as
e vdroj, s'-ndo os outros rejeitados,
A reiuerinieiito do Sr. Oirreia de Aranjo, licou
adiado em 2.* discusso, | n. 92 tamben do anno passado, que concede a
Cnnha i Manta privilegio para montar fabricas
de curtir couros.
Filialmente entrou em nica discusso o pro-
jecto n. 6i do mesmo anno, que approva o cora-
promisso da irmandade dos Almas da matriz da
Boa-Vista desta cidade. e nao bavendo numero
para votar-se, foi levantada a sessao, designndo-
se para ordem do da : continuacio da antece-
dente* e mais 1." discusso dos projectos ns. 2,
102 e 2i de 1871 ; 77, 88, 99, 101, 103, Ule
lo de 1872 ; 2." dos de ns. 73 e 77 de 1870 o
50 c 30 de 1872, e 3.' dos ds ns. 39 de 1871 e
109 de 1872.
V.vv.x tsi. Iloiiteui por engao demos como ap-
provado em 1.a discuss. o projecto n. 92 de 1872,
em vez do do u. 97 do mesm ahno, que outrisa
0 presidente da provincia a contratar a construe-
eao e exploraran de urna fabrica de fazer papel.
<'iiira munieipal. Excluida a vota-
cao das fruguezia dos Afogados e da Boa-Vista,
cujas eleiV.os para vereadores foram annulladas
pelo governo geral, deu o resultado que abaixo
publicara ,s, pela ordem cm quevai :
1 Henete coronel Manoel Joaquim do Rogo e Al-
buquerque.
9 Ten-nte-coronol Theodoro Machado Freir Pe-
relra da Silva.
3 Dr.Bento Jos da Costa.
4 Tenente-coronel Jeronymo de Souza Leao.
Capitao-Jos Pedro das Neves.
dir do Reeife para albos trens extra.irdiaviM ipt
lereni neeessarios. ..
Sociedade eoneillaea. Hoje, s 7 M
ras da noid, deve baver ses-o solemne jesta so-
ciedadi!, para adinissAo de socios, na ra de Mar-
cilio Ufas n. 31.
Ari-eiiiataeiics provinciaes.-Perante
junta da thesouraria provincial vo praga, no
da 13 do correte.: o imposto desessena reir>or
Htro ile gurdeme consumar ra comarca de a-
tarea, errada en 290OOO annuaes ; e ofcmeci-i
ni*-uto te aliawatec.iu e dietas aos oksos pebres
da casa.de dateafuo, no triraestra de abril a ju-
nho.
Surta Casia le Miserteordbt -Xo lia
ffi do correnl, te 3 horas dttarde, coatiate a Jun-
ta admimstraBteJda Santa Casi de Miserieordb do
IVcl'e os fornecMnentos segninles, no trirassMk de
abril a junho prximo : de pao> bobcba, cb aas
sucar.no valor de'9:3CO000 ; de ornados, no
valor de 7:000000 ; e carne verde, no valor
da.......ilup.nte estapraso.
.Trien tro Santo Antoaio.Pencas ve-
jes temos visto urna erapreza dramtica de tanto
capricho na exhibicao das peas que representa,
o tanto amor ao trabalho, manifestado no estudo
des pafWfs e na boa ordem e direceo da com-
panhia.
Ja tvemos occasiiSo de elogiar estas boas qua-
ldades da empre-a do theatro Santo Autono, por
occasio de ser levado scena o apparatoso dra-
ma Naufragio da Meduza. Agora veio ella cor-
roborar a nossa oplnio cora a representacao do
drama- Grar.a de ens(|ue na quarta-feira foi
visto e. applaudido caloro-anienle por um nuuie-
roso concurso de espectadores.
JTada faltou para que o desempenho do drama
fosse completamente satisfactorio, desde o vestua-
rio todo novo e no vigjr da poca, at boa dis-
trilralcSo e cabal desempenho de todos os papis.
A actriz D. Manoella, no papel de Mara, urna das
suis corda* de gloria, estove ar: ebataddra e inspi-
rada, especialmente nos quarto o quinto actos.
Quando o desempenho dos outros persouagens
nada valesse, o que nao pode dzer-se, bastara o
trabalho artstico da eminente actria, para por si
s faaer a repulaco do drama. Hoje repeto-se
elle, e quera anda nao vio ura to importante e
completo espectculo, como o drama -Grarn
de Deas -posto un scena pela eniprezaVicente,
aproveite a occasio, tanto mais que a eomiia-
uiaia, segundo nos consta, brevemente retira-se
para aS provincias do norte.
Casa de letencao.Moviinento do dia
6 d marco de 1873 :
Existiara(presos) 347, entraram 5,sabiram 12,
existen 339.
A saber :
Naciohaes 30, mulheres 12, estrangeiros 39,
escravus i, escravas 9.Total 339.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 274.
Moviinento da enfermara do da 6 de mareo
de 1873:
Tiverara baxa:
Antonio Joaquim la Silva, contusOc.
Joaquim Alves de Almeida, febre.
Jos Ferreira da silva, vermes.
Francclina, sypbiles.
Passaseiros. Sabidos para o Porto por
Lisboa ua barca portugueza Lusitana :
D. Iloia Candida de Brito e 2 llhos menores,
Joaquim. Antoaio Teixeira, sua secbora e 3 llhos
menores, Antonio Ferreira.
tem na barca portugueza Arnbella para o
Para Fortunato Jos Soares Tavares.
THESOURARIA DE FAZENDA
6 de mareo.
Foram remettidos ao Sr. thesoureiro para serem
pagos.
(Jfllcos :
Da presidencia, mandando pagar ao superinten-
dente da estrada, de fere do Reeife a S. Francis-
co, a quantia de 974090.
Mand ndo pagar a Braca Gomes & C, a de. .
MI460.
Mandando pagar a Flavio Soncalves Lima, a de
30iO0.
Da recebeJoria, cora coma das despezas te ex-
pidiente feilas pelo porteiro no mez de fevereiro
uilimo.
Da ali'andega. com a conta e documentos das
despezas iiuda- fetas pelo porteiro no referido
mez.
Da mesma, com a relacao das despezas fetas
com o. servieo interno e externo, relativas ao dito
mez.
Da inesnia. coin as cuntas de Jos Pcreira da
Costa e Beltrao a Costa na iraportaneia de.......
385672.
Do presidente do tribunal da retacan, com a
conta das despezas miudas fetas pelo conti-
nuo daquelli tribunal, no mez di- fevereiro ul-
timo.
Da aduiinistrac.o dos correios, ineluindo as
con tas das despezas feitas coin o expediente pelo
respectivo thesoureiro no dito mes.
Foram igualmente remettidos ao Sr. pagador
para seren pago*.
Requerinentos:
De Gregorio da Silva.
De Trajano Gomes da Silva.
De Manoel Joaquim do Nascimento.
De Agr Avelno da Costa Paiva.
De Cassiano Teixeira de Mello.
De Candido Jorge Dtea,
De D. Clarinda Amalia de Mendonca.
De Antonio Vicente Ferreira.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 6 de mareo de 1873.
Serviudo de ollicial-maor,
CarUis Jvio de Souza Correa.
GOMMUNICADOS.
0 Dr. Pedro de Athayde L-jbo Mo*cozo.
7 Capitij joao da Cunha Snares Gnimaries.
8 Capitn Jos Mara Freir Gameiro.
9 Tenente Jos da Silva. Layo Jnior.
Supplentes.
1 Jos Cesado de Mello.
2 Sajar Bellannmo do Reg Barro-.
3 Major Francisco Martina Rapozo.
i Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitonga.
3 Dr. Angelo Henrques da Silva
ti Major (Jaetano Cvraco da Costa Moreira.
7 Major Antonio Bernardo Quintc/ro.
8 Major Salvador llenrique de Albuquerque.
9 Padre Anteara de Mello Albuquerque.
Vadlos.Recoinmcndaraos a atten;o da po-
lica ama tneia de moleques vadlos que trazem a
roa do Hospicio era completa roda viva de algazar-
ras infernaes
I.!;b7.o Brasileira.-Amanb.i, pelas 6 emea
horas da tard-, haver sessao extraordinaria em
assemblea gera) dessa associac'.o para tratar-se de
negocios argeates.'
Jui/.dWe r>aa le S:into Antonio
As audiencia do jiiizO'de paz da reguozia de
Santo Antonio, por conveniencia* do* serv;, pas-
saram a ter' lugar ao meo dia iny)onto das sex-
tas fei ras.
o:n ehristao. -No dia 7 do crreme fal-
lecen o Sr. Jos Joaquim da Silva Gumai-es,
subdito portuguez, deixante livres em verba tes-
tamentaria tres esnavas moijas e sadias, as uni-
cas-ipjo possuia.
Prisao. Corno n de cavallos,. foi preso pela ubdeleiacia do Poco
da Panella, SaijTO Luiz Jos da Rocha.
Heanio soeial.-A's 9 horas do dia de
amanh deve rannir-se, na ra da Intperaxriz n.
33, a assemblea geral dos meinbros da associajio
portugueza de befirencia dos empregados no com-
mercio, atim de s tratar de:negocios importantes
para a mesma.
Diario de Pernamboe.Se chegarem
hojq os vaporos brasi'lelros Par e fraacez Rio-
Grande, distribairemos amanh3 nosso namero de
seg.mda-fera.
<>>mpanhia Santa Thereza.Deve
reasar-se no da 13 do crreme a reuniao da as-
semblea geral dos acconJstas.desu eompauhia. para
a le tura da balando e relatorw do anno passado.
com 0 minero1 que coraparcceV.
C-neerti musical. Foi transftr a noole do 13 d< crreme, o cooeertxvocal e jns-
iHimentatane pfetenalam dar em Oiinda os'artn-
Us Magdalena Bruccioai, Carolina ngel, Gio-
vanni seuuri, de rendo ter elle de presente lugar
ho theatro Santo Antonio
Corrida de bol. Amanaa deve realfear-se,
ni largo lo tarroo, na eklade de Ohnda,.o diver,-
timonto oablico la corrida de Jl Por esse motivo
a eompanhia des trilbos- urbano? de Ohnda expe-
Vluikits.tntcaii la provincia.
VIII
- A administra .ao do Exm. Sr. eomnendador IJen-
rique Pereira d-; Luccna, vai progredindo de mo-
do a satisfazer aos que apreciara a justi.a destri-
buida <-om igualdade.
A despeito de urna ou outra censura, que por
ali. n balbuca, nao se pode apontar ura s fado,
que venha-dcpriniir os actos importantes, que dia-
riamente se encontram no expediente lido e ap-
plaudido pelas enrgicas providencias, que nelle se
contera.
Essas pequeninas censuras, a'gumas vezes arti-
culadas no jorml Liberal, c as que sao fetas a
rneia-voz por uin limitado grupo da descondeutes,
teem '.ido a mais solemne refntacao na imprensa
livre em bem elaborados artigos, em <>s quaes se
l a liagaagem da verdads sen o tarasio da lison-
ja ; mas assenlada em factos grandiosos e que
vio consttuudo \ gloria do administradornotavel
pela sua iUnstraCjao e pela sua moralida le sera
mancha, e que ha confundido os i|ue delle s
aguardavam actos de raucor e parcalidade abso-
luta. Precipitada injusti.-a I
?ira; basta urna simples Impecoao nos actos,
que se succcdeui na .'.liiiinistracao actual, parase
eonhecer, que elles sao pautados pelos principios de
moderaco e imparcialda-le a mais clara e defi-
nida. ,
Os males supremos que aligiam a provincia ;
esses favores' que triumphavam de encontr ao
jasto a ao honesto vio sendo nsaovidos ; e S, Exc.
que despertara snspeitas e infundados rea'ios tem
se revelado capaz de cortar os abusos, que des-
moralisain os gpvernos tinados, pela-i exigencias
partidarias a que se curvara, era urejuizo dos p-
blicos interesses.
Si attendermos para o procedimento de S. Exc.
cora relacao a companhia do gaz, cn|a illumiua-.o.
alm de nao satisfa:er as coodiedes do contrato,
temase tomado' dispendiosissiina ae altendor-
mosi para as providencias, que foram dadas e so
acham no dominio do publico a respeito da com-
panhia-Reeife Drainage; se attendermos ain a
para as constantes e reiteradas ordens, nao sopara
qus ejam dispersos e punidos os atravesad ores
3ufe) atacando os gneros nos snhurbins da cida-
, oscohdazem ao mercado, ondeos vendem por
preeos exces.-vos, s'-nao como para que desappa-
rega o rartn inel das carnes verdes, cuja venda,
por procos fabulosos, constitue una extorcan feita
a classe'pobre dasociedade; se attendermos, final-
medie, para ontros rautos actos de verdadeira
Joliea'e moralidade, que se leVm no expediente
publicado na foiha ofocial, vemos que S. Exc. vai
procedendo i modo, qae os seus actos conquis-
tara um bipir de mrito -que, a seas detractores,
catisarjierios birmentos.
' E deleito; procurandoprimovcr os melhora-
.mentos do que se resseate a provincin.vrjj. admi-
nistracAo to acertadamente Re foi confiada e para
a qual'lixa toda a. sna attemjao, envida os seus es-
foroos para corresponder a especrativa publica ;
nap se esqnece dos ustabelep.iniemos pub'icos e
pro)>orciona-lhe$ osmeios para eleva-los e faze-los
hfgar aos fins a que attingem.
Assim nomeou, por. portara de % do passado
me, urna commisso que, revendo os rcgnlaranntos
dosrt<)H(i||lDs rplo'; e das ornlitef, proponia
ias IteraSSiFijue, nelle- il'v.w,\ fazer, de acct-
do eonvas Mpjis -id.- n > ,-.r'. lid daflliH
provincial n. "t% de I! de :;i.:io de Si'i.
Queiendo dar reps/tic^i i das obras nubli'-as
um regulamento que preencba ^eus tlns, iioraoou,
por portara de II do mesnjo mez, urna comhiis-
sio de habis engenheros para estes dar os pro-
jaef^ de reformas do regulamento dessa reparti-
eao e sobre elles emttir parecer.
*Alm disso j S. Exc. noineoa nina commisso
pata rever o regulamento du.corpa do poHcia, nro-
pf os inelboraraentos necessario e supprir as
tahas de que so ressente o actual regulamento, e
sem duvda dotar as repart.-oes publicas de regu-
laneutos, que Ihedem una formula compativel
Com a boa marcha c regulardade, que devera ter
os diversos ramos do servieo publico.
Considerando^ oatra ordem de couzas vemos,
que S. Excnao indilTerente aos males, qne af-
ketauao coui iiereio e a lavvura que, indubitavel-
eate, conatituem a rk|ueza desfci llorescente pro-
vincia.
Acabando com a celebre le das halane.asjpubl-
(^as, com esse estorvo ao comuiercio, que se
vio ameaeado de mais ura grvame, tem propor-
cionado a agricultura meios para o seu progressvo
methoramento, j fiscalisando a iraporta;ao dos
productos agrcolas e j fazendo que se restaure a
aispesbjae quo garanto, na estraila de ferro do
Reeife ao S. Francisco, a exportante desses pro-
ductos, que estovara a tuerce do deleixo dos
que se suppunham irresponsaves pelos estravios e
outros quaesquer prejuizos.
Tem S. Exc. se constituido sentineHa vigilante
dos cofres pblicos to sobreearregado de despe-
zas nuteis i que, infelizmente, concorreram para
o estado que atravessamos : acaba cora as obras
dispensaveis; indlTere esses pedidos de aposenta-
doras illegacs e sen razaq de ser ; torna provi-
dentes os contratos, cntao pagados servicos polti-
cos ; sealisa com iateresse c zelo ipialquer verba
de pagamento ; supprimc esses destacamentos da
guarda nacional que, apenas nos prets, guarne-
can! varias localidades ; porm mantera a factura
das obras necessaras ede ulilidade publica; nao
posteado alcancar os iiu-lboramentos que almeja
pela nsutlicencia do lempo e a exiqnidade de re-
cursos da provincia.
Procura repellir os actos mmoraes e interesses
nconfessaveis, que tem enfraquecido os ovemos
e faz triumphar a le, lira a quera ferir.Quando
se trata do curaprineuto de dever nao tem S. Exc.
amigos o s na le e na justca procura pautar os
seus actos.
E tanto verdade que. alm de varios actos an-
nullando as eleicoes de diversas paracbas, acaba
S. Exc, por acto de 13 do prximo passado m*>z,
de annullar as eleicoes (le vereadores e jnzes de
paz das parochias de Nossa Senhora da Concecao
da villa do Linioeiro e Santo Amaro de Taqua'ri-
t'raga ; annullando taiobem, por portara de 2i
desse mez, as eleicoes que, para os mesmos oarfcos,
foram procedidas as parochias de S. Jos do Rio
Formoso e de S. Goncalo de l-na, romo se re rfi.s-
expedientes publicados nos d'iir-os ofliciaes sob ns.
47 e 51.
Esses e outros actos de S. Exc, rar ssima excep-
Io nos annaes administrativos, veem ainda urna
vez convencer, que iMije existe o imperio da lei
conculcada quando se visara interesses polticos,
que sobre ludo primaii.
Nao smente para/os inelhoramentos materiaes
da provincia, que se stendem as vistas de S. Exc;
nao smente para onerfeito eqnilbro das finan-
tas que sua preocupacao.se inauilsta,nao, a sua
ncansabldade vai alera.
Grande numero de presos viven esquecdos no
presidio de Fernando, uns aguardando o julga-
raento dos seus processos e outros a liquidaco de
suas sentcneas. para poderem gozar da liberdade
pie teem direito; entretanto decorria o tempo
sera que providencia signan fbsse dada, apesar
das consuntos representaeoes partidas desses in-
felizes ; mas S. Exc. acaba' de designar o Dr. juiz
de direito da I.' vara criminal e o Dr. promotor
publico da capital para ireni a aquello presidio,
alim de examinaren! o modo porque sao tratados
os sentenciados, quaes (lestes cumpriram as res-
pectivas penas e se algura individuo all existe
como preso, sera que conste a sentenca do jnizo
que o condemnou, e bem assm se no presidio exis-
tera guias de todos os trae all se achara ; como se
le no espediente de 14 do passado mez. publicado
no diario oficial sob o n. 43.
S. Exe. se procede de-se modo em beneficio de
um grande numero de infelizes, que alli vivem re-
clusos e recoraraenda aos funecionarios designa
dos para essa commisso, qne tornera os necessa-
rios apontamentos para propor as medidas que en-
tenderera convenientes, quer a disciplina e trate-
meato daquelles infelizes cquer a administracao
do presidio, nao consep.te, que sejam. ira qualqer
foro, demorados os procesaos dos que teem a inle-
lcidade de se tornar criminosos ; e nestas vistas
acaba de mandar, que o Dr. juiz de freito do o."
districto criminal providencie para que seja sem
demora concluida a forraacHo da culpa do grume-
te Malaquias Jos da Silva, que se acha preso, ha
qua-i nana airaos (!!) na fortaleza do Ilrani. como
indiciado no crime de furto de cavallos ; devendo
proceder nos termos da lei contra o escrivao, que
tendo os autos em seu poder nao lhes deu o devido
andamento, coino se le no expediente de 11 do pas-
sado, publicado no diario ofteia! so!) n. 42.
No proposito de appr una barrera a torrente
incessante da desmoralisac.io vai S. Exc. demittin-
do as autoridades policiac's, que nao Ihe inspirara
coniianca ; demittindo tanibem os funecionarios
pblicos, que nao cumprem cora os seus deve-
res, como provam as demssoes ha pouco dadas
a um captao e a um tenente do carpo de poli-
ca, e dos quaes falla o diario oficial sob n. iJ.
Muito teamos que dizer ainda ; mas finalizo-
nios por hoje para veteantes opportunamenle ;
entretanto pede a justica, que acouiDanhemos aos
que se erguem constantemente para bemdlzer na
imprensa a administracao do Exm. Sr. commenda-
dor Lucena, a queai mam e royanos, applaudem
diariamente ; notando-se especialmente o ollicio
do Ilustrado deo Dr. Joaquim Francisco do Faria,
eonmnaicando a S. Exc. baver a congregado do
gyinuaso provincial (em sessao de 3 do mez
pretrito, deliberado \unattmente, que Ihe fosse
c nsgnada, na respectra acta, um coto de gra-
tidaa pelo interesse e dtdicaco que ha S. K\c.
mostrado era prl do engrandecimento e [rosperi-
dade desse estabelecimento. como se fe do ofil-
cio em resposta a esse voto de louvor c publica-
do n> diaiio offici d sob n 41.
Falla bem alto o procedimento do Ilustrado che-
fe da corporacao dosente do gymuasio provincial,
o Sr. deo Dr. Faria, notavel distracto liberal e
a quem os seus correligionarios espontneamente
o elevara considerando como um dos cheles. .
Falla bem alto tambera, nao s a felieitaeao, que
a S. Exc. derigo a dstincta associacao commsr-
cial agrcola, a proposito de Ihe derigir o diploma
de socio honorario, gente como os escrJptes que,
parlindo de liberaes e conservadores honestos e
independemos, sao quasi que diariamente publica-
dos no Diario de Pernambnco e Jornal do Reeife,
cono maaifestaeio de gratide ao pr der de S.
Exc, a quem a populacao era geral ihe ergue ura
culto de respeil e admiraran pelos beneficios que
ha prestado a provincia.
Reeife, litarla-187H.
F. ..
8cacoes reetBt!
Estrada de ferro do Linioeiro.
Vai era cinco annos que un deputado sovin-
cial, conhecedor do estado da nossa agricultura.
proeurou prover a urna de suas mais viiaes ne-
ca.-silades facildade de transporte de seus pro-
ductos, apresentando o projecto de una lei, que
auterisava o governo a contratar a construeeao de
urna estrada de ferro que hgasse a capital villa
do Linioeiro. A lei foi sanecicnada e promulgada,
e, lempos depois, contratada a estrada.
Qiem rahece a importancia douma tal va Ae
communicacao, quem sabe que a estrada do Limo-
eiro a de mais movimentn' da p^vmcia, dilllcil-
mente achara uraa explcajao accitavcl para a
demora, que tem havdo, na aa constnic.ao. 0-
boatos mais contraditorio-- teem ehegado al nos.
A principio se disse que o capital necessario seria
levantado no paiz; mais tarde correunueo privile-"
go fora cedido a urna companhia inj;leza ; depiis
passou porcerto que, para a constrii&cao, .conoor-
aeriam capitaes naciohaes e esjrangeros, havendo
una administraro mixta, etc. etc. Sftbt'e orraca-
dd a mesma dvida, a mesma incerteza. DeVe-
remos concluir de tudo tes qne nao so tem em-
prcgad.i esforcos sinceros par levar, ao cabo ura
meliioramento de tal ardey.mi que um immoite-
rado desojo de lucro tem impedido ura accordo ra-
zoavel com algnma empresa estrangera ?
A nao admittir ncm um desses motivos, a que
attribuir tanta promstmacAo, e as telas palanas
e o segredo, que.enyvlve os. negocios, dessa erapre-
za ? Sabemos qne o diguo eonceasionario pode
exinirse d dar urna renrasta catego'rica *i
Dosna pergunta*, e de dizer-nos quaes as diicul-
dads, que teui earnetrailn, qnaes suas esperanzas
e recei is; mas tajj |gn corto q-,i" ao publico n;.o
se ]iodqr nt-fjjjgpl Htode pneurar saber o qne
lia acerca do uMHMpreza. que inteude
leresses de sqbdw valor aUmpoitancia.
Ser iaexequivel a erapreza com ascondfcs do
contrato actual ? Estamos convencidos que n.'.o.
c podemos allinnar que assm tambajn prusa o
concesslonaro, pois que j ronsegute alterar o
cntralo primitivo no sentido de suas reclamae .
c nao eremos que nis uicnte, de modo a. deixar subsistfntl _condi'., -.
que continham difiieuldades hisiiporsweis.
Faila-se na exigencia de tuna tratela de jur .
Nao somos in'ensos concessao de um tal Eavor,
coudanto que nao seja exagerado o capital, a que
se referir ; porque essa garanta ser apenas no-
minal. Quando mesmo a provincia, nos prioieiros
lempos, despenda algnma cousa ( o que duvi-
doso). sso nao deve ser um cmharaeo aquella
conci-sso, attendendo-se ao grande desenvolv:-
niento industrial,'que tiara a estrada de ferro do
Linioeiro, o qne tari augmentar as rendas pubtii-a*,
nielhorando o estado precario das linancas pr;>-
vincaes. E quando vemos que a provincia con-
tralle enormes.eiiiprcstunos para erguer *r.slos<
monumentes na capital, nd muito qne faca al-
gura sacrificio para dar a man a uraa de n is<
euqirezas de mais futuro.
i clisando assm, entendemos todava que ao a -
tual concessionaro nao deve ser concedida tuna
garanta de juros, porque, depois da eoneessao !
.favores, como a innova<.-o, que methoroa as ii-
d-. s do contrato primitivo, e da ultima proroga-
co para conie;o dos Irabalhos, isso jria matar a
concurrencia, indicando que o meo mais seguro
de obter a preferencia para ura contrato ser stTs-
recar condi.r-es vantajosssimas, inda que leexe-
(piiveis, iiielliorando-as depois por favores rape*
peldos.
Se o concesionario nao pode constriur a eslra!a
coin as condices do contrato, abra mo da ( m-
pn'.'.a, eque oulro mais feliz ou de mais venade
se iucumtia da larefa.
Desculpe-nos o digno concessionaro a nide fran-
queza, coU que escreveinos trata-se de lateres-
ses muito elevados e entendemos dever externar to-
do o nosso pensaiiieuto a respeito. e acred'tan t
que nao estamos sos.
Nazaretb, 28 de fevereiro de 1873-
Um agricultor.
Est plenamente provado que o redactor i!d
Jornal do Reeife, nao obstante a sua ranada la
lruo;au e relaciies cora os sacerdotes virtie i
pie actualmente enviara escrptos para o seu jor-
nal, falln verdade no que disse a uicu respe'o
na Gaketilha de o do corrente, era o que tire in-
vista coin a declaraco que era atiendan ao publi-
co, como agora, iz ueste Diario.
Beodo acensado, defeiidi-ine; sera insultar, por
nao ser o insulto de meus hbitos e educaijao, nao
procedeu assm o senhor redartor do Jornal do Re-
eife, j esperan lato e fui avisado coin antecedcO-
cia ; a lama purera, que se quiz laucar Mbte>
niin. vi da para quem soiiber usar Sella.
Faro una simples observaeao e nada mais direi.
Nunca troquel patavra com o redactor do Jornal
do Reeife, e nunca fui ao seu esrrptorio levar >o-
ticias; algura amigo nadera escreve-las ; o
ligo importancia a elogios da eazetas.
Capunga, 7 de marco de 1873.
O vigario,
Augusto Franklin tortita da Siloa.
Ao llxni. Sv. Ii". l.nr*iiM.
De dia para dia mais vai-se aggravamte iio-a-i-
tuacao, c parece-nos que estamos votados- ao te"
prezo dos poderes da provincia. Itaklos de tudo
n'uina povoaeao tan e-cassa de recursos, aesn
que nao temos ncm mesmo agora um delegado de
polica, que nos garanta a Irn piillidade desla
Ierra.
Pedimos, pois, ao E-m. Sr. Dr. Lacena, ca sste
cantinlio, suas vistas sobre a ikivoco de Tejucu-
papo, nomeando-lhe um delegado d indicia, que
nos assesnrc a iranqollidade que vai sateniari
rendo dantre nos.
W.
I'Vsiu de \<< Nfihora da io-
ledudo utt matriz lo Poco Ea
Panella.
Os eucaarregados da festa da S.-mpre Vugc i
limnaculada Senhora da Soledade, leudo obtido li-
eenja de S. Exc Rvma. para solemnisar con. a
maisr pompa o anniversario de sua excelsa pa-
droeira no da 17 do corrente, f.izem publico atottes
os liis e devotos que concorreram cora suas es-
raolas para este acto, que a festa ser feita pelo
segninte
PROGtUMMA:
No da 0 ( domingo) s 7 horas da noute sabir;i
o estandarte da mesma Senhora dobrado em urna
salva de prata, e conduzido por um aojo, acoro;-..-
nhado de msica marcial, sem cantura alguioa,
da casa da juiza onde se acha, era dreitura igre-
ja, donde saldr solemnemente carregado e acom-
panhado pela irmandade e o IV-d. vigario da ft'''
gueste at ser arvoradq em frente da igreja. MB>
forme o estylo : ao ser arvorado o mencionado es-
tandarte, subir ao ar alm de diversas gyratete-
las de fogn, um bnuquet de 36 rolantes, (ju" -
vr de anniiRciar aos liis devotos de Nossa Se-
Dbera pie o seu estandarte se acha arvorado : en
seguida ser queimado ura pequeo, mas lindo fom
de vista, no qual bavera um iiainel represen:.odo
o Sanlissmo Nome de Maria; tocara era todo a;.
bem como as nontes do setenario at o tnal da
festa a msica marcial do i.' batalbao de aronar a
de que mestre o insigne artista Francelino.
No dia segrate principiar o setenario cora ve-
aos cantados por uraa cxcellentissnia senhora que
smente por devocao se presta a este acto : 1
chesia desse dia, bem como de toda festa at floal,
ser regida pelo insigne maestro Colas ; e lindo
o acto, ser queimado um pequeo fogo de viste,
que sera repetido em todas as noutes do setenarte,
representando ein cada urna dallas os seguii!'-1
paneis; a Anntinciacu de Maria ; NascioentO <"-
Messias; a fgida para o Egypto; a adiada tte
Christo entre os doutores : o encontr dos Paseo* :
a espada de dor; .Nossa Senhora da Soledade
No dia 17, as 5 horas da manb. una salva de
i I tiro-;, ao sem da msica marcial annunciara \>-
liis devotos de Nossa Senhora da Soledade o pre-
nuncio de sua festa; percorrendo a inusi a ..-
princpaes ru;is do povoado.
As 1! horas entrara a festa, que ser solemne,
e cora a maior pompa, e aoentoar o (loria, sutura
um bouquet de 360 tiros ; no Evangelho subir a
tribuna sagrada o Rvd. padre mestre Leonardo
Joao Grego, reconhecido como um dos nosso n- -
Inores oradores sagrados; terminar a festa com
una salva de 21 tiros.
noute harer Te-Deum solemne, sendo c/iJi-
pada a tribuna sagrada pelo insigne orador o Bvd.
padre mestre Manoel Moreira da Gama ; logo qnr
lindar o Te-Deum ser arreada a bandeira-eom a
mesma solcmnidade cora que foi hasteada; ptrtxte
termo a toda festa um-lindo fogo de vista, de quv
autor o bem conhecido e acreditado artista J-.-
Alves Monteiro.
SH
(1
COMPANHIA
Phenix Pernambucana
Toma riscos martimos em mercadona*.
fretes, dinheiro a risco e fiualmmite|(le quafc-
quer natureza, em vapores, navios vela ou
barcacas, A premios muito mdicos.
RA DO COMMERCIO N. 34. -
.,!


1

I



V

CONTRA
IMPERIAL.
Bisa l C'oiuin<*r-o n. SS,
melro andar.
Age i
W. G. FENNELLV.
prt-

BANCO
COMMERCIAL
DK
PERNAMKUCO
Descorita lettras de cambio, de te mi
quaesquer ttulos pblicos.
rAWbe dinheiro em conta corrente shnpft^,


'
*
.'"Diario dePernarabueo Sobbada 8 de Maflta-de 1873.
rn conta fnnpUt OQ |uros e por let-
tras.
Ew-arro;a-se por colhlflissan di; qualquer
peracao bancanf.
O espediente principiar s 9 horas da
.'liante fiuJar s V da tardo.
Ru" do Vigario n. 1, primeiro an-
Segur j conra-fjgi
COMPANHIA
NORTHERN.
upjtal..... 2(),000:M05000
Kotfdo de reserva. 8,000:4M)05000
Agentas,
Mills Latham & C.
RIADA .CRUZ N. 3*.
SEGUROS
MARTIMOS
'CONTRA *0 FOGO.
\ companhia Indermiisadora, estabelecida
esta prara, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamnntos e contra fogu
fiu edificios, mercadorias e mobHias; na
roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Seguro eontra-fogo
SHE LIVERPOOL & EONDO.N GLOfi
InSURAK COMPN
i;'pntp*
S.UiNDERS BROTHERS & C.J
11 Co rpo Santo11
COMPANHIA ALLIAN64
?seguros niaritimos e terres-
tres estabelecida na Baha
era 15 de Janeiro era 1870.
CAPITAL* 4,000:000^000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro a
risco martimo em navio de vda e vapores
^Kira dentro e fra do imperio, assim como
contra fogo sobre predios, gneros e la-
midas.
Agente : Joaquim Jos Concalves Beltrao,
roa doCommercio n. 5, Io andar.
pracadorbciff. 7 DEMAr.r.o
DE 1873.
U 3 1/2 HORA DA TAttOK.
Cotncoe ofttciaew.
A.-'urar -bruto superior 2050 por lo kilos, hoja.
Jttfidao ile norte 9gm), 95400. 95600,
9f8S0 e iii i por 15 kilos, Iwntem.
. audaosobre Londres a 90 d|\\ 2(i 7[8 d., 27 d.
e 27 1|8 d. Dor 15, Iionloin.
M'K sobre dito a 'JO djv. 2li 7|8 d. e 27 d. pir
11000, hoje.
... jfee sobre Portugal a 90 dpr. 100 00 de
premio, boaam
SuaWk) sobre o Kio de Janeiro 8 djv. ao par,
boje.
abourcq
Presidenie.
Leal Seve
secretario.
ALFANPEGA
tteadimento do di* lat. .
lo din 7.....
!1I:H.j237.1;
60:631*512
3>2:4845247
1} searregam hf.je 8 de. marro de 1873
Migar trance Jean Ranliste(atracado na pon-
te) mercadorias para alfaadega.
E-cdna i gleza Yeicwfl -mercadorias para al-
tandega.
bogar allemo Atfred -mercadorias para all'an-
deg.i.
Kiri-i lagaa Abeone mercadorias para al-
'andega.
Pata lio allemto Cuiharina mercadorias para
alfandega.
l'.rr.'i ingleza -Empresa varios gneros para
o trapiche Coiieeico, para despachar.
Patacho rorl.iguezirto -vinlio para deposito
nos trapiches Cunlia e Barbosa.
Patteho ingletStnoriobaealho j despachado
para o trapiche Goaeekao.
i ii' i'nglez Msnwk bacallo j;i despachado
para o trapiche Conceicio.
lit-M francezaFgaro farros para o trapiche
Conceico, para despachar.
Pura o portee do interior
Tara o Rio Grande do Sul, no patacho Imf
sileiro Principe, earregou : P. A. Barres 400 bar-
ricas com 44,293 kilos de assucar branco.
Para o Rio de Jane ro, no patacho tarasUeim
C. Catharina, earregou : L. J. Margue* Sobrinho
I.SO'J saceos com Ot',000 kils de assucar dranco.
l'ara o Rio de Janeiro, no navio portugus
Almedina, earregou : A. Bastos 600 saceos om
iS.000 kilos de assucar raneo. ^
Para Santos, na barca hesparrhola Antotte-
ta, earregou : P.-M. Maurv 15 pipas c 90 barra
com i-\3"0 litros de agurdente.
Para Ahpoas, na har ca B. da Aprsenla-
cfta, earregou : J. G. B. de Aiu irim 1 barrica oom
58 kilos de assucar branco.
CAPATAZIA DA ALFANDFGA
Rendimento do dia 1 a 6 3:515713
dem do dia 7...... 767H
4;383jJW7
VOLITMES SAIIIDOS
.No dia 1 a 6 .\ .
Pnmeira porta o dia 7
Segunda porta .
TerCeira porta .
Trapiche Conceico
SERVIO MARTIMO
Ah-arcngas desearregadas no trapiche
da alfandeea no dia 1 a 6 .
Ditas ditas no dia 7......
.Varios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas........
No trapiche Conceico .....
i3A;
3TI'
1J2W
J3,287
32
43
RECEEDOlilA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBDCO
Rondimento do dia 1 a 6 13:1683786
idatn do da 7...... 2:6H/133
13:822*919
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 a 6 21:414^641
dem do dia 7...... 4:350*02
25:764*703
MOVIMEKTO o mrn
Natos entrados no di 7.
Baha21 dias, patacho francez Albertina, de 219'
toneladas, capitio Vanny Plae vis,", eqaipagem
7, em lastro ; a Angu-to Frederico de Oliveira
i C.
Buenos Avies -20 dias, patacho hollaodez Xel'u,
de 175 toneladas, capitao I. F. A. Rapp. equipa-
geni 8, em la Uatktt saludas no mesmo dia.
Porto por LisboaBarca portugueza l.uzitana,c*-
pilao Sarment, carga assucar eoutros genaros.
New-VorkBrigue allemao Hedwig, capito KeelT
caVga assucar.
ParaBarca portugueza Arabella, capillo Manool
Casemiro Pacheco, carga assucar, agurdente e
outros gneros.
miAs
Pola thesouraria provincial se faz pubhco,
que fui transferida para o dia 13 do -corrate a
arrematacao do imposto de 60 rs. por litro de
agurdente cousuminida na comarc< de Xazereth
oreada em 290* ananaes.
Secretaria da theseojraria provincial de Pornain-
buco, de marco de 1871.
O :idieial maior,
________Miguel Affonso Ferreira.
- O Iilm. Sr. inspector da tliesonr^ria pro-
vincial manda fazor publie que no iba 13 do
frrente, p-raate a junta de fazenda da mesma
thesouraria se ha de arrematar a quein |or menos
fuer, o fornecimento de alimeniacae e dieta ao<
presos pobres da casa de detenoao, no trimestre
de abril a jnnho prximo rindouro. servindo de
base ariemalaco os precos das tabellas abaixo
transcriptos.
Aloioro e jantar
Domingo
i O contador,
Byppfllo Calsianejde V. Albaqnerque Maranh'-o.
Pela mesma contadoria da cmara munici-
pal sao chamados aos dunos de diversos eslabele-
mentos de porta aborta a virem pagar os impos-
tes alrazados que se acharera a duver, beni como
os demais im|tostos do exercwio prximo fino de;
1871 12,
Contaifcria da cmara munieipal do Becife, 2?
de fevereiro de 1873.
O contador,
HypotoCassiano de V. Albuquerque Maranhao .
i KeUtal a. O1.
Pela inspecloria da iranjdega ,sa bz^pbico
qn-, 1U0 i tei (efectuado vetodt-d W irado-
r**tolllMdv-anaunciaawr *dital n.J
103 do mez prximo passado, por falta de coneui-
reiK-ia ao val
d para s ti horas dd'W do corrale, aporta.
dita rep3ftico.
'Armnzem n. 2.
17 duzias de vassonra depias flepta. ..
t6 Mtas de'mws sem cali, 4 .litas de ditas de lia-
Illa ce ?abo, BvjjUaebs por itSte Cl qt faiiam
parte da caixa mrc T.-T. A. 4 C em"irartmro,
rinda de Lisboa noTaperiifele* OA yioftVd1, erbdot
eio 19 de fterefro; e abandonadas aos direitos por
Jos*1 Joaquina Alves. *,
Alfandega de Pe namlraco, 7 de manto da
1873.
. .0 spMtor,
FWo .1, e Vtalho Mi.
ti i 111 i n i I i [
Depois qe ircbestra, di^isida pojo maestro
Marcellino uelo. tiver tofadpUffla escplluda <>u-
vertnra, subir cena pea f." vez nesle tliea-
tro'o srtto drama arjrina do-d*stincto poeta eor-
twraee Gnes itt Aamrin :
&HIGI
ou
iwmm \1KE1
SAM V CASA DA MlStUlCUJUUA L>0
RECiFK.
A hHina. junta administrativa da santa casa ida
misericordia do Recfe, manda fazer publico que
na sala d suai sessoe^Jno dia 1Stfc mareo eor-
rente, pelas 3 horas da tarde, tom de ser arrema-.
taJas a quem mais vautagens ollerecer, pelo teifl-
Persoiiageas.
GWgi, plnJ'V italiano Sr,'-Thomaz.
Angelo, seu Orno D. Bernardina.
JLiiigi D: Henriquota.
Antonio Ferragio jogador Sr.; Penante.
Marco Doria, id*!m Sr. Braga.
Principe Borgia, irmo de S.
, amidade Sr. Santos Silva,
po deum a tres anuos, as rendas dos predios em Be/lurcio. ctiada de Ferrftgio Sr. Correia.
^a%TAwSSS*EI10 DE GABIDADE ***?> ^^ de
Ra do Amorim.
Casa terrea n. 28........121*080
Rea da Gnia.
dem n. 29.........200*000
Becco da Carvalha.
dem a. 5.........280*0
Ra da Lapa.
dem n 8.........3SO*000
Roa do Pharol.
lf!*D0O
dem n. 80
Ra dos Acouguinhos.
Casa terrea n. 6..... 98*1000
Ra do Amorim.
dem n. 26......... 303*000
Ra de S. Jaree.
Sobrado n. 30......... KOJ00
vital uc Negreiros (tinco Poetas),
Casa terrea n. H2...... 340^000
PATRIMONIO DOS OltPHAOS.
Itua das Larageiras.
Casa terrean. 17.......360OX)
Ra da Madre de Dos.
Casa Deirea n. 4....... l:400O6V)(
Una da Senzala-voih.i.
Casa terrea n. r6......, *Dt)j|000
Os pretendotitesdevere apreseatar no acto da
arrematacao as suas flaneas, ou comp^recerem
acoirpanbados dos respectivos Madores, devesido
pagar alem da renda, o piemio da quantiaeci-
que for seguro o predio que contiver estab eljop
ment coiumorcial, assim como o servido da lim-
peza e presos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 1 de fevereiro de i873.
O escrivao
Padre Rodrigues de Sonza._____
Domitago 9"demarco
O drama
A gra^a de Deus
e a comedia cm 1 acto :
Os irmlii 4u iiI/Mhn e oat'pe*
li*FlrN HVre*.
A 8 lirtris;era pato.
mxm nmu
COMPANHIA PEBNAMBi CANA
DE
\avcsHc* rost-ira a vapor.
RIO FORMOSO E TAMANDAR
O vapor Paraltyva,
seguir para os por-
tos cima no dia 15
do correte, s 9 ho-
ras da noute.
Recebe carga, en-
commendas, pasenos e dinheiro a fete : es-
eriptorio no Forte do Mallos n. 12. ^^_^^
aomoio da
Em fronte ijAssociayJio i'.omin'jrcialVni'-
ficente.
O agente Pinto far leilo requerimento do Sr.
commendador Jos I'oieira da Cunlia, testamen-
leiro e inveatariaiitu desden* do ligado Antonio
Joaquim de fou;a Rifieiro. e por despacho do
Iilm. Sr. Dr. juiz da pwveloria, das apolices e
acoocs cima mencionadas, que fazem parte dos
bens deixados por aquelle finado.
O leilo ser effectuado no dia e hora acuna
ditos, em frente Associai;o Coiuinercial.
."'egunda-feira 380
Ten;a-feira 380
Quarta-feira 30
Quinta-feira 360
Sexta-feira 380
Sabbado 340
Dk tas
N. 1 380
N. 2 400
N. :: 640
N. \ 400
N. 3 \00
Ser lmbeos fornecida ccias aos ditos presos
na mesma proporco do a tinoco e na importan-
cia de 120 rls.
Secretaria da tbesourarta jirovincial de Per-
nambuco, r de marco de 1873.
O ollical-maior
JT; A, Ferreira.
Ijijj.jrlar.
9tmsbrt .i/nadi a Amorim Irmo 6 C, mmifettou
Alpiste 124 barris a Martins de Barros Filbos i
Lrroi :>') saceas a J. t Goacalves Rosas, 24 a
j. j. Azevedo, 30 a Cardoso ic Martins.
Baaha de porco 131 barris a Goncalvefe Beltrao
& l'illio, lo a Barros Jnior c C
Chai a is .'i caitas a Siwejelvee Beltrao & Filho,
1 ,i .Silva Casco, i a Lundgreea, 14 a Caoba \
it tata, 7 a U. \. Ferreira, 7 a D. A. Mathens, 2 a
Correa Braga. Cliapo 1 caixa a Burle & C Di-
:.i de sol 2 caixas a Mills Latham & C.
I.vrio 1 pipa a Mearon Metal em follia 7 caixas aos consignatarios.
V i-.-ava 130 atados a a J. J. Azevedo, 100 a J.
i Moreira.
Tapioca 10 barris a J. J. Azevedo.
f'ii/ior i :-.v!'\ma. rindo de Granja, mmifeston :
Algedao 1,271 saceas a diversos,: a Luiz Anto-
n,o de Seqneira, 131 a Jos da Silva Loyo Sobrinho.
'ouros lio a ordein. Carnauba 20 saceas or-
deiu.
Esleirs !8 luolhos ordena,
'.Vi; io :;-2 saceas a Moraes A Irmo
Milho 149 saceas ordein, 36 a Moraes t Ir-
Btlo. Mel 1 barra ordeoi.
.i ila 318 meios a J. J. Carvalho Moraes, 170 a J.
I. Davim, 52 ) a S, Leitio i Irioao, 462 a Moraes
k Irmo, Mi a G unes de Mallos k Irmao, 27
arden.
Vela de rarnaub. i 2 caixas ordem.
lF.-.PA:i S DE EXPOBTAAO XU DI \ 6 DE
MARCO DE 187:
Para o 'portbs di exterior
Na barca Ingiera Hermane, para Liverpool,
lerregaram : M. Lathaa Jt C. 1.400 saceos com
IJJjOUii '. de assucar maeavado.
Briguo liiglez Aimie M. Jour.g, para Liver-
pM. earregaram : M. Lathan C. 700 saceos
un 58,500 kilos de assucar mascavado.
Na Inn-a franc'za (r pool, earreg m : T. Freres 574 caceas com 47,293
kilos de algodio.
Na barca franceta S. Luiz, para o Havre,
srre'garam : Keller 4 C. 113 saceas co n 9,358
kili-s.de aigorlao.
Na barca br.vileica Jos,. para o Rio da
ni : A. Bastos 270 b lricas, com
10.*48 kilos de assucar branco.
, Nopataclio bespanlul Ptaifun, para o Rio
di I'rata,arre! >a : L- J- S- Goiinares 100 bar-
fica eaa 40,3W kilos de assucar mascavado. e
50(2 ditas coiu 3,l'i8 tutos de dito branco.
Noprigue nacfona! Tk'rezuiha, para o Rio
4a Vrat,canv.nraiii: Amirim Inivios & C. 310
barric.ts com 31,613 kilos de assucar branco e 90
1.:acom l0,W:i 1|2 ditos de dito iiwscavado.
No br'uj.U alie nao Hediig, para New-York,
carreearn: Amorim Irrnaos k C. 700 saceos
cm 52,S(10I Riles de a-siirar mascavado.
Na barca aerlogueza Tnnmplu, para o Por-
to, carregoa i U. J. da Costa Sobrinlio 400 sac-
eos com 30,000 kilos de assucar masravado. ,
.M gatera Dorta;;-iezaT Asia, para o Porto.
cAfr.eguu : L. J. S. 'Gaiaari'^ 500 saceos con
17J?00 kilos de assucar mascavado.
Na barcji i>ortu,'neza ^torntaLpara o Portoi
j, reflaoom : E. h. tahello \ C. 5,000 chifres.
Kagallea pjrtugue-Firmeza, para Lisboa,
"garam,: E. R. ftabell) A C. 6\4 couros sal-
V'ado com 7,728 kilos.
RECIPE DRAINAGE COMPANY.
O Htm. Sr. engenbeiro fiscal da companhia Re-
cite Drainage manda fazer publico, que tendo sido
al est data repagados, costa dessa empreza os
dainos causados nos aiiparelbos, quer por descui-
do dos moradores, quer por negligencia : d'ora cm
diante sero ditos reparos feitos do conforniidade
com os argos segu ates do regulamento de 12 de
Janeiro de 1871
Art. 13. Os propriefarioe ou locatarios das casas
em que houverem apparelhos funecionandn, par
tici|wro no escriptorio da companhia, por escripto
Jalado, qualqner interrnpeo no servieo dos mes-
mos apparelhos. meacionando a causa que a ella
Jen lugar, se for delles conhecida.
ArL 14. Se dentro das vinte e qnatro horas se-
guint^s participaran da que trata o artigo ante-
cedente, nao tirar a companhia mandado examinar
e concertar o apparelho, os proprieterios on loca-
tarios o communicaro ao engenheiro fiscal, que
providenciar pela forma do art. 13.
Art. 15 O engenheiro fiscal, logo que receber a
eonuniiiiiea.o de que trata o artigo antecedente
examinar ou far examinar per engenheiro da
companhia a interrupciio do servico do apparelho
e a causa desta.
$ 1." Se pelo exame conhecer-se que a inlerrup-
,-ao provm de negligencia da companhia ou delei-
to da obra, ser a mesma abrigada a repara-las
immediatamente. SOB pena de cagar a mulla de
10*000 e parda da> animidades em quanto durar
a intermpvau do ap.iarelho.
2. Se, Bordtt, a interrupcao provier de ne-
gligencia por parte do proprietaro ou locatario,
os reparos sero feitos por conta destes, sendo o
pagamento elfectuado do mesmo modo que as an-
nuidades, incorrendo na inulta de 10*000 se tiver
liavido proposito ua negligencia.
R'particao das obras publicas, 27 de fevereiro
de 187.'!.
O secretario,
Feliciano Rodrigues da Silva.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
FORNECIMENTO DC '2-<:000*000 ANNIAES.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise-
rk'ordia do Recife precisa contratar o forneci-
mento dos generes abaixo declarados, que leni de
consuintnir todos os estabelecimcnlos pios seu
eBlfo, no triinestre de abril a jnnho aniio. Recebe proposUs na sala de suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia 13 do crtenle.
Aletria, kilog animo.
Agoardeate, litro.
AziHle doce, idein
Arroz de Maranhao. dem.
Baealhe, kilognaamo.
Ranba de pareo, idein.
Batatas, idein
Cb Hyssoa, dem.
Caf ein grao. dem.
Cerne secca, idem.
Ceblas, cento.
Farinha de mandioca da tetra, litr i
Feijo mulatinho, dem.
Farello. sanea.
Fumo do Rio. kilogramino.
Gaz, lata.
Milho, sacca.
Manteiga franceza, kilogramnio.
Potassa, idem.
Rap, idem.
Sabao, idem.
Sal, litro.
Tapioca, kilogramnio.
Toucinho. idem.
Velas de carnauba, idirm.
Vinagre, litro.
Vinho tinto de Lisboa, idein.
Vinho branco, idein.
Velas stearinas. kilogrammo.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 6 de marco de 1873.
O escrivao,
Pedio Rodrigues de Sonza.
i.- esbirro do Santo Offlcio Sr. Rodrigues.
2.* dito idera >r. Piva.
Squitos do principe Borgia, soldados romaeos,
povo etc. etc.
A ac-; passa-se o primeiro acto, em Palermo,
na Jlleina de pintura do Chipi, gmido e ter
rer* tm lienta no. palaeie de Aak nie Pe ragio,
4. na prava de Roma ji*nlo,'PPl>as do capitolio.
5. no. gabinete pafhefr de Auto io Ferragio.
-Eaaelu 1400.
UVeemiuairao dw aoWs.
l^'TJm quadro dthlgi.
2* As dus vkgebs.
3.* 0 medico e resee.
4. A justiea dos hmeos.
'i* A joatitja de Deus.
.A empreza pr*rioe a repeitavel- publico que
o eouiepectaeulos tcrii lugar s iumttis-ei-
rasi' satinados e domingos, alevendo os >de domin-
go principiar sinapre s 6 horas eui porte pot
causa des Ilustres caixeirjs.
O Uieatro arha-sb concertado e caprichosamente
ssiadoi' tanto na sla dos espectdres, coma no
fcenarioj 'iiue tddu i>iriido | dt tevo, sendo in-
ti'iramenle novas as vistas do palacio je Ferra-
gio e prara, devidas ao hbil pincel do curioso
scenogr.ipho o Sr. Penante.
O d rama lera vestido rigorosamente, nao pou-
pando a utpreza nem desperas, nem sacrificios.
Ne 4. acto a entrada do carro triumphal irae
conduz Antonio Ferragio aos-auitolio ser exhibi-
da e .ni tula a pompa,o apparalo de accordo tein
a exigencia do autor la peta.
As pessoas que teem onconubendado bilhet's
podem manda-tos Imscar de quinta-feira em
diante.
- 8 li2 horas.
Doinit^o 9 de mareo.
Be|iresentar-se-lia o drama em o actos aoinia
aimimciauo:
(HICI
01"
0 (JUADKO DA Y1RCEM
Termnala o espectculo rom a comedia em I
acto, Bo autor dos Irmao? das Almas :
Qitem casa qver casa.
Principiar s 6 huras da tarde em |onto.
E' esperado do Rio de Janeiro a todo o
momento o brigue portuguez Lif/eirn II l
que depois com possivol brevidade seguir
para o Para por ter a maior parte da carga
prompta, e para que Ihe falta, que pecaba a
frete ommodd ; trata-se com os consignata-
rios Joaquim Jos Gon<;aJves Beltrao i\c Fi-
lho, ra do Commercio n. o._____________
CW^MIFA PKBNAMBUCANA
DE
Anvc^iiciM) roniteira vapor.
FERNASDO M SORONMA.
O vapor Coruripe. com-
mandanto ilva, seguir para
o porto cima no dia lo de
^ corrente, ao meio dia.
Recebe carga at o dia 9.
isp encommendas, passagens, e
dinheiro a five. al as 10 horas da iiianh du
dia da sabida: escriptorio no Forte do Matto?
n. 12.______________________________________
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto vai desearregar o brigue
nacional Galgo, podendo engajar frete o resto
da carga que. anda Ihe falta : tratar com Fran-
cisco Ribeiro Pinto tuimares, ra do Bailo
co Triumpho n. 96.
A contadoria da cmara municipal desta ci-
Jade scientillca aos douos de diversos estabeleci-
mentos de porta aberta, que do l demarco rin-
douro comeca a cobra nca do imposto de 4i00.
creado por le, devendo, porm, ser apresentudo
na mesma contadoria, o conhecimento do impasto
geral sobre Industria eprolisso, alim de que pro-
vea ter assim pago-o dito imposto.
Tambam sao ohamados a virem pagar o impos-
to de 2*500: sobre qiuvlquer estabelociinenta-que
vender espirito ; 64 00por cada >arroga ou volii-
culo de qualio rodas, emprimados no servico da
ripital ; O'i rie por palmo de terreno deotroda
oidade do Recife | seu> suburbios, que na > eslej
edificado ou ciutvido, embora se conserve mura-
do ; 20 jOOO por cada casa de sobrado ua cidade
do Recife, que' conservar varandas ou.sacadas de
.ma<*eira 4l)'rirpnr pal^n > de terreno uos po\na-
-l,i- de Magdalena, Caimnga, Cfinoni, Casa tvrie.
Poco da PaneUa, CaWereiro, Miinteiro e Apipu-
cos, que nao estiver murado ou qereadn, conser-
vando-se as cercas em boi estado;; tO ris por
|ialmoa1c terreno cm toda a extensSo da cidadd do
Recife a Apipue'os; que nioortiver murado, cx-
ceptuando-se os terrenos, que tverem cercas na-
tjas'em.nom estado de-conservaro ; 20*000 por
cada-'baixa di) rapim denlre da cidade do itecife ;
lOiOOO por cada nma machina a vaiior, das que
existirem oti foievtnoatajJcu aa cidade do Refife
para uualaper raister ; e analmente o imposto de
3*000 e 2(l*JO0-pdr-cada boceteira-e mscate ene
vender dentro- do, municipio do Becife.
Cntadoria-da cmara municipal do Recua,.
de fevereiro de-1873.
m
Manta cau <1a mMcricoiMn lo
Hecfc.
Fornecimento de 38:0000 ananaes.
A junta adiniui.-tiativa da santa casa da.niiseri
crdfa do Recife precisa contratar o fornecimento
de pao, bolacha, cha e assucar que honver de
consumir os estabelerimentos pios seu cargo no
trimestre de abril a junho do nrmate anuo. Re-
cebe propostas na sala das suas sessoes, pelas i
horas da larde do dia 13 do corrente.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, o demarro de i873.
O escris'ao
Pedro Rodrigues de Sonsa. -
COIMMUA
DAS
MESSAC.ERIES MARITIMES.
A*1 o dia 10 do correte mjz e-pera-so da Eu-
ropa e vapor francez Rio Grande, o <|iial depois da
demora do costume seguir para Buenos-Avies,
tocando na Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condicoes, frotes e passajieii, trata-se na
agencia, ra do Commorcio n. 9.
VISOS HrlAfilTMHOS
CO!IlA\IIl
DE
NAVECACAO BRASILEIRA.
Dos portos do sul
esperado at o dia
8 do corrente o vapor
Par, o qual depois
2 da tmara di c ^tu-
rne seguir jiara os dt
Para fretes e passagens. trata-se na agencia, ra
lo Commercio n. 8^_______________r
Para o Rio Grande do Sul
Tara .aorta cima pretende seguir cmn muita
Srevidade a e'cuna portugueza Chrislina, teni
parte de seu earregamento. e i>ara o restante que
Ihe falta, trabve com os seus consignatarios Aa-
tonio Luiz de Oliveira A evedo iV C. nu seu es-
Siiptorio ra do Bmi Jess n. 37, outr'ora ra
a Cruz. ________
C0MP?IA PKlt.NAMBLCA NA
\)K
\i\xi*titvZ f.OYANNA.
O vapor Pa'ahnba, se-
guir para o porto cima
no di.-; 12 do corrente. >
9 limas da noute. Rece-
be cargo., eneoininendas,
passageiros e dinheiro a
frete : escriptorio no For-
Para o Para
Segu em pouces dias o patacho portuguez .11/'-
chaelenre ; para earga trata-se com Fe reir de
Almeida a C, ra da Madre de Dos u. 36, ar-
mazem____________________________________
Porto por Lisboa
a barca |Mrtuguoza Alegra, capitn CarvnHio, vai
sabir com brevidade, recebe earga e pisuageiros,
Iiara os quaes tcm Ions comniodos : trata-se com
5. B. Rabellii a C... ni je commercio n. 48.
Para o Porto
Vai sabir tr.uito breve o brigue Portuguez Tri-
umpho. Recebe carga tr passageiros, a tratar cmn
Fito Lirio Soars ; roa o Vigario n. 17.
Engenho Monte d'Oro
,SABBAI)0 15 DO CORRERTE
(s 4 hran cm pont*
Por mandado do lllm. Sr. Dr. piiz de direilo es-
pecial do commercio de*ta cidad reiioerimenli
dos administradores da massa fallida de Siqneira
A Peieira, o agente Pinbo Bbrges far leilo di
engenho denominado Monte de Ouro, sito no ter-
mo de Ipojiica desta provincia, o anal foi penh<>-
i .ido Kir execuco dos ditos administradores a
riuva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da Fonce-
ca, adjudicados indicada massa.
Ao meio dia em ponto, oo ewTiptorio do referi-
do agente ra do Bem Jess n. 31 (mitrora ma
da Cruz), onde os Srs. preteadentes podeni Inrer
as informacoes necessarias.
IJUJ J
avisos DV-RSOS
O Sr. Olympio Fran-
cisco de Mello tem urna car-
ta tiesta lypographia.
.Na fabrica de cerveja ra do Brum,
se precisa de um botan para trabalbar em
urna ca roya, de um cavallo. Ha mesma fa-
brica se compra lnranju da trra a 600
rs. o cento.
J K-llx Joaqnim Ferreira de Carvalho, J
X< cinpi'tentemeute autorisado, leccionaem Sf
tai casa de stia residencia ra do i emnel JK
* Suassiina teatiga ra de Ilortas) n. 114, ^T
*S primeiras lettras, e as linguas latina o
jti Irauceza, prometiendo todo zelo e a.-si- a
J duidade a seu altrance. Lee :iona tambem 2
Q gratuitamente a meninos pjbres, mediante w
>^ um attestado do Rvn>. parodio. Q
Aos Itabifantes de S. Jos
Lembra o dono do predio ra do Marcilio
Dias n. 120. um excellente aiina/.em para mu bom
estabelecimento do billiar por ter duas frento.
ter sido asabado de novo, espacoso, agua do Bebe-
i be. e finalmente apropriado para esse negocio de
que tanto se resentem os habuantes desse impor-
tante bairro para sua distraern. Sobre oalngnel
trata-se a ruado Imperador n. 81.
Caro doutor.
Os moradores da na do Duque de Caxias, Ihe
podem que, por amor a nioraiidade publica, evite
rhegar me Ciininlne sua, vanada, como co-tuma,
S. S. deve conhecer a obrii-'a.-io ijii.' todos temos
de respeitar o publico, por onem sunne julgados.
Seu Rnle de Chnmhre, pode ser limito decente em
Traz os Monles, porm, desavado entre nos.
Attemiinos o Alveilador se au foinros ouvidos
pelo uiedN-o.
(> Belga.
LEUDES

te do Mattus
- De ordein do lllm Sr. Dr. director geral in-
terino faro constar a men) eonjier que, em ylr
lude do acto do Exm. Sr presidenle da provincia
datarlo de bontein, lica dt-s giado o dia 12 do tor-
rante, s 11 horas da man' para ter lugar nesta
repartieao o concurso da 2J edeira de geograhia e
historia do gymnasio |irovincial, vaga por falle-
cunento d.< respectivo prufessor bacharel Amonio
Bangel de Torres liandeira.
Secretaria da instniccau publira de Peruambu-
co, 5 de marco de 1873.
O sacretario,
Aurclianu A. P. du Carvallo. -
~sa?s'ta casa 1)a misericordia do
bkchi;.
Fomecimei.UO de 30:000? por anuo.
A junta administrativa da Santa Casa de Mi-
sericordia do Recife -precisa contratar o for-
necimeuto da carne verde que nouver de consu-
mir os estabelecimentos seu cargo no trimestral
de abril a junllo do corrente anno. Beceiie flrw-
postas na sala da? sua sessSes pq/a i 3 horas* dn
tarde do dia 13 do corrate.
Secretaria da, ;rUa Casa de Misericordia do
Reeife, 7 de mateo de 1873.
O escrivao,
Pdro Rodrigues de Sonta.
_____U.LI.l .,.!. I l U1 1..J-------------!
rrr
V'
COMPANHIA'PER WMBtEA.NA
1)E
Mu >MHHKT softeim a vsipor.
P.MlAHYf.V, ftAtAl.', M.vc.Vo, M(ssono', An\<:A-
TY, CEAK. MASIIAIIU ACAJlAC.' K GKASJA.
O vajior PirapaiMU
comuianlanlc Azeve-
do.seguir para os por-
tos cima no dia 13
o corrente, s 5 no
ras da tarde,
ltecebe carga at o illa '13, encommendas at o
dia 14. piussagens u dieheuo a Irele al as 2 horas
da tarde do da da sabida : escriptorio no Forte do
Mallos u. 12.
Lisboa e Porto.
A galera Asia a sahir em
poneos diasiecebecarga afre-
te mais barato o que outyo
tpalquer navio;tem exce-
lentes ac(iT^0Alacoes para
passageiros. A tratar ccm
Ti-toLivioSoares: ra do Vi-
gario n.l7r 1. andar.
DE
movis, Iraca e crystaes.
CONSTANDO DE
l'm piano forte, 1 iiiobilia de jacaramlii. cadei-
ras de balancn, tapete, escarradoiras, 1 candela-
bro, jarros com llores, castieaes e mangas, 1 re-
volver, 2 commodas de Jacaranda, 1 guarda- nu-
ca, 1 toucador, I porla-licr, 1 quartinlieira, 2
marquezas, 1 relogio e 2 quadros.
Urna mobiliade amarelo com lampos de pedra,
1 candelabro, 2 jarros, 4 castieaes e mangas, 2
espelhos, 1 relogio de parede, 3 tapetes, 2 estar-
radeiras, 1 cama franceza. 1 toitete, i guarda-
roupa, 1 lavatorio, louca. vidros. e muilos outros
objectos de casa de familii, existentes no sobra-
do da ra da Iinperatriz n. 18.
Tei*ca-feira 11 do corrente
Por intervenco io agente Pinto.
No solnmlo ta ra da lmperatriz n. 18.
{i'iiu tempe.)
O lilo prinei|iiar s 10 1/2 horas em pouto,
sendo que os arreniabintes tomai o conta de seus
lotes findo o acto do leilo e em 2i huras, visto
que tendo sido vendida dila caso, f;w-se preciso a
entrega das chaves. __________________
Leilfto
EMPB3EZ4-VICEIITE ,
Sahb;il de- muren Ip lt*.
O drama env 5 aelos:
A raca &;tous
Para que o espectculo-po^s teFmio.r antes! 4*
meia noute. Oca sbslitoida a emoAla annntM
ciada, pela sean ooroica-:
0 Sn i)5ihiif ^> fcra & s*m
desemptfihdda pe actor Piarle.
Principiar aa 8 1 r2 horas
DE
burzeguiis para senhoras
(com avariai
IJUARTA-FEIKA l DE M.U1C0
s 11 horas.
O agente Pinto levar leilo, por autorisacjio
do gerente do consulado de Franca, em presenca
de sen chanccller, c por conta e risco ide quem
pertencer, a caixa marca M F & C. n. 3,330, ava-
dada a bordo do navio francez FtonrS) na sua ul-
tima viagem a este porto, as 11 hqaas do dia ci-
ma dito.
Emseu escriptorin, ra do Bom Jess n. 43.
LEILO
DE
1 sobrado de 2 andares e tereeo, sito ra
da Ponte Velha 71.
Qanrtn-ffeira 1 i! ctM-rentc
O' agente Pestaa far leilo, por conta e risco
de quem pertencer,'4o predio db 2 andares e tor-
reo ra da Ponte Velha n. 7', Iregueiia da |o-
Vistd. edificado de pedra e caLem chaos proplii s.
cozintia fra, quintal murado com portan que da
para a ra da Alegra, cacimba, etc., os preten-
deutes podem examinar cora anteceleucia, e as
chaves acham-se em mo do agente, e o leilo le-
ra lugar no dia-quarta-feira l do corrente s II
horas da manha, no armazrm- da ra do Vigario
Thenorie n. 11.
eOMPASilU PRNAMBUaiXA
DE
\*xt>USmx M.tfeVi(Js.lSCAL,lF.NF.Wl K AllAGAJU'.
O' apoC Mandthii,
cBirpendante Jo,
seguir paja es por-
tos urina no di^ 15
di coTfente, s 5
horas da. larde.
Recabe caiga.' da 13, encommendas-al o
dia 1\, possageh*1 edinheir afretenbS as S horas
d tarefdo'd* da'ahida : escriptorio no forte
ao Mattos o.
LEILO
DE
Fazeiidas ivariadas
CONSTANDO IM2 :
madapolos, algodues, chitas, bdns, nas
e outras fazendas.
QL1ARTA-FK1RA 11 DO CORRENTE
Por intervfnfilo do agente Pinto.
Em sea escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
s 10 1|2. horas, em ponto.
Jardini niabile.
O Julio,boje administrador dtste hotel, participa
a bella rapaziada que em a sua casa se ada ludo
iraanlo preciso e eonforiawl de diversas qaalidadeR, serveje de varias marcas,
etc.. etc. Como lambeta um lindo e novo buhar
a disposico dos amantes desle" jogu Saborosa *
bem fi-ita mo de varea, desde a hora em que ac-
bar o espectculo, caf ebeirose e puro, que sera
tomado no jardim do ediliejn. ine se acba todo il-
laminado, com as eompetenPu era* e eadeiras,
emfim o Julio que espera luda a pmtorco
Como tainbem assignatiiras mensaes por mdi-
ca preoo.
Quem qnizer |etisco em conla
O lanche do melhor gnsto
Busque Jardim mahile,
Oue o Julio nao da desgasto.
Achara jantar ou ceia
De comida s e pi:ra,
E ser mais bem servid
Se f)r por assignalunt
(i caf ledas as tardes.
Ahnoco de garfa 6 faca.
Seiiuillios. vinho e cerveja.
E aos Vmingos mo de vacea.
Tndo sto com Ibnpera
E por pre'.o mnito envconta,
Mas traga o l'r.'giiez o cobres
Que o Julio ii io julga afronta.
Tamben de troces miados
E' mistar vir [irevinido.
Que do bom e do barato
Com prazer s--ra servido. ____________,
A popular flmnmense
'MM'!lH'l<0 ll* IXMil't'ioN S3-
iMlk
Preeine-se aos seabons socios desta assaeiac^w,
em seguida declarados, que imdein vir procurar
no escriptorio de Silva & Casco. ra do M.ir-
qua/.de Olinda n. til): as ay dices dos contratas
que ei'ectuaram, e qu? foram remettidas du Rui
de Janeiro pelo actual agenti inspector geral i -
qaella assoriaeo neta paeviocia, Jos Caslellit
Jnior. Bis os uomes do;-siH'i:s a que se i':
ote annuncio :
Dr. Antonio de Sonta Lea.
Dr. Felippe di Sonta I-nao Sobrinho.
Danto de Campo Aleare.
Joviniano Manta.
l)r. Luiz Felippe de Soiiza Leo.
Miguel Ferreira Pinto,
Coiimiendador Antonio dos "autos l'ontal.
t.'oronel Amlr Dias de Araujo.
Alfares Aaaarfco de-Sbineira Brito.
Uniente Antonio Loa de Mello tufijaas.
Joo da l'.nu Mactdo.
Manoel Heraclito de Albuquerque. __________
"Pr~25000~
Aluga se mna eseiava que presta-se a todos >
serviros, menos o dnrozinha ; trat>-se na n. .1
Mrquez de Olinda n. 46. 1- andar, das 10 liara
s 3 da tarde._______________________________
Casa ci alinda
Aluga-se uma casi terrea e soto com t-oinm
dos para lamina, a ra de .v liento n. 18 : a tra-
tar no Recito, ra do Bom Jess n, 16, 1" andar,
das 8 oras da manha s 4 da tarde. _________
DE
84 apolicesda divido publica.
200 acedes da caix'H filial do banco do Bra-
sil.
45 dita^ 10 ditas da companhia de seguros LtilaJa-
de publica..
uintu-frir 1 erri>e
Fugiodo engenho Acude Crandc. em Naz.i-
reth, o escravo Rufino, pretofulo, altura regular,
iis CHrtos e Ltrgos, barrigudo, com moa ricatn
na face entre O nariz eo canto da bocea, sein bar-
ba d) 26 anuos de idade, tem sido visto nota
yanga e Varzea : quem o pegar love-oaa.ttfen .
engenho, ou ra do Apdto n. 2i, que ert g--
ncrosamente recompensado.__________________
"Relogio do mn.
Canto ou frutaran) geiroao BomUn. :t da linlia da jpfdate'u. qu*
Sartio da estacao i. ra do Bnmy aate hontem ->
rr correte, s 4 horas e 15 minaf
tre a me-nia estarn e a ponte fi
um relogio de ouro com rapa, ti
te cirta de ouro antigo e una
cabello, e com s iniciaos E. a\j
noticia poder dar no eseriptortp
do Brum. ser,^eaerosameote gratifteado. O nu-
mero nao se pode dar por nao te-I tamado.
Recife, 7 de marfO.de 873.


f
Diario de Pertiambuco Sabbado 8 de Marqo de 1873.
GRANDE LIQUID ACO NOBARATEIRO
lo
BAZAR NACIONAL
lua da Imperatriz n. 72
DE
LftureufoPcrcira Mondos(iiiraaraes
CASEMIRA PRETA A 25500 O CORTE.
Vende-se eortesde casemira preta para cal-
cas de homem a 29500, 49500, 59 e 09000.
PANNO PRETO FINO A 255500.
Vende-se panno enfestado propria para
calcas e palitts a 9500, 39, *9 e 59000 o
ovado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se alpaca preta fina a 500 e G40 rs.
o covado.
CORTES DE BRIM 19500.
Vende-se cortes de brim para calcas de
homem a 19500 e 29000.
CHITAS BARATAS A 240 RS.
Vende-se chitas franceras largas, para
vestido a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado. j
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
COI.XAS DE FUSTAOA 29500.
Vende-se colxas de fusto, de cores, a
2",500 cada urna.
COBERTORES DE PELLOS A 19200.
Vende-so cobertores de pellos o papados
a 19200 e 19400.
SAJAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores a 29000
e ?500.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas proprias para
rosto a 800 rs. cada urna.
BOLSAS PARA VIAC.ENS A 39000.
Vende-se bolsas para viagens a 39, 39500
e 49000.
LEHQOS BRANCOS A 29000 A DLZIA.
Vende-se lencos brancos a 29000 a du-
Francisco Jos Cardo-
so, artista alfeiiate, tratisferio
su officina da ra do Baro
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
primeiro andar.
Vende-se chita finas para cobertas a 280 zia.
j-s. o covado. GROSDENAPLES PRETO A 19800
MISSELLNA DE CORES A 400 RS. Vende-se grosdenaples preto para vestidos,
Vende-se musselina finas, de cores para a 19800, 29, 295U0, 3?, 4?000 e 59000 o
vestidos a 400 rs. o covado.
FUSTO BRANCA) A 320 RS.
Vende-se fusto branco para vestidos a
320 rs. o covado.
CASSAS FRANCKZVS FINAS A 360 RS.
Vende-se cnssas de cores muito linas a 360
e 400 rs. o covado.
CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
Vende-se cainbraia baptista para vestidos
covado.
MADAPOLO FINO A 49000.
Vendc-se pegas do madapolo, a 49000,
45300, 5?, 69, 79000 e 89000.
ALGO0AO A 49000.
Vndense pecas de algodao bom a 49,
19500,59, e5000.
BRAMANTE A 15000
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura, para lences^ a 19<500, 29000 e
(linii|ianliia
Santa Thereza
Sao de novo convidados os Srs. accio-
nistas, para reunirem-seem assembla geral,
nodia 13 do corrente ao meio dia, no 1."
andar do predio n. 13 ra do Vigario.
De cqnformidade com o art. 16 dos estatu-
tos, reunio ter lugar com qualquer nu-
mero de accionistas que comparecerem, e
ser lido o relatorio e balando do anno pas-
sado.
Recife, 3 de fevereiro de 1873.
O gerente,
Justino J. de S, Campos.
D1NHEIRO A JUROS
Qncm pretender dar 1:000* sabr hypotheca
em rasas na Estrada Nova, |>otieo listante da ul-
tima ctar.in dos bonds, na Magdalena, dirija-se
ao dito lugar, a tratar com a vinva fio menla.
Paredes Porto c C. avisam a mtos os seus fre-
gnezes a vircn salisfa/.er seus debito* at ao lim do
corrente. do contrario obri^a-os a faxe-lo judi-
cialineuto e botar sous uoines por extenco._____
Aluga-se
o terreiro andar do sobrado sito na ra larga
do Rosario n. 14 : a tratar na rita do Vigario
n. 31. _________.__________________
Precisa-se
alugar urna escrava pura scrvi.o de ca e ven-
der na na : no Cnminho-Novo roa do Conde da
Boa-Vista n. Ai.
100S
de senhora a 400 rs. o covado.
CAMBRAIV PARA CORTINADOS A 105000.' 29400 o metro.
Vende-se pecas com 20 varas, para corti-1 ***** SJTOS Tj'
nados, a 105000, *" al"oda0 enfeStad a 90 *
CAMBRAIA VICTORIA A 39000.
Vende-se cambraia victoria a 3^, 49000
e 59000 a pega.
Cambraia transparente fina a V?, 19500,
59, 65 e 79000. No Bazar Nacional.
l.ASINHAS A 200 RS.
metro.
ROPA FEITA BARATA.
Vende-se palitts de alpaca preta a 35000,
39500. Ditos de alpaca de cores a 29500
e 35000. Ditos de brim oscuros a 19500 e
29000. Ditos de panno preto a 55, 79, 89
casemira do cores a 49
Vende-se lasinhas de cores para vestidos e 109000. Ditos.le
a 200 rs. o covado. >85000> .
SLTANASA 640 RS. t Calcas de brim de odres a 29000 e 29500.
Vende-se umafazen la de la, por nome su-1 Ditas pardas finas a 25500 o 35000. Ditas
tanas, para vestido de senhora, a 610 rs. o de casemira preta a 45, 65, 85
Furtaram
do engenho Giqui, freguezia da Escada, no dia
1 de marco, tres cavallos, 9endo um also com
urna estrella na testa, pequeo, e tem a cauda e
as dinas aparadas, e e inteiro ; outro rudado
quasi russo, castrado ; ambos magras, e sem an-
dares ; o terceiro mellado geniado, tem tres
ps brancos, urna estrella na testa, e tem as ini-
ciacs FMI.no quarto, as quaes estiio alguma cou-
sa apagadas, porra veem-se bera ; muito bom
andador de passo a meio franco, muito novo
inteiro, e tem dous redemoinhes no pescoco, um
de cada lado, e est hem gordo. Paga-se cem mil
ris a quem der noticias de ditos cavallos, e os
trouxcr ao mesmo engenho.
200$ de gratificado.
Ausentou-se desde o anno de 1871, era o mez
de setembr o cabra de nome Benedicto, de 18
anuos pouco mais ou menos, bastante ladino,
estatura alta, cheio do coreo, ps largos, cabellos
carapinhos e um pouco afogueado pelas fontes,
tem o beico de cima um pouco levantado ; es-
padaudo e tem as costas marcas de chicote,
quando fugio foi ter no engenho Riqueza do co-
ronel Joao Flix, e all tem mai e irmaes. Pede-
se a todas as autoridades e capites de campo
?|ue o pegando leve-o ao engenho Firmeza da
reguezia da Escada, que receber a gratifica-
do cima declarada.
Urgen cia
Precisa-sede urna ama de leite, que te-
nha bom e abundante, para criar urna me-
nina recem-nascida, quer seja forra, ou cs-
crava; porm, sem filho, paga-se bem
nesta typographia a fallar no le andar com
o administrador, das 9 da manh s 8 horas
da noite, Ou ecn Olinda no Oito do Ampa-
ro, casa grande com porto de madeira ao
lado pintado de verde.
i'Ovado.
ALPACAS Di: LISTAS A 440 RS.
Vende-se alpacas de listas para vestidos a
410 rs. o covado.
OLINDENS1..
Vende-se urna nova lazenda por nome
olindense, propria para vestidos a 800 rs. o
covado.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de h, em quadros a 800
rs. Chalos de merino estampado,s a 29, 3-"*,
19000 e 59000.
COBERTAS DE CHITAS A 15600.
Vende-se urna grande quantidade de co-
bertas de chita, polo borato proco de 15600
cada urna.
Von l
(T
E\N)siao ijiircsiiial
E la', muito bem, deve me ler,
reler e decorar, porque so assiin c
une Gcar sabedor, saliendo aonde
e que se pode com suayidade e
prazer lnpar a gaella, (ja se sabe
com algnma liii'.i'i o Porto, cker-
nj. madeira, cognac, cnratrouu.
hesperidina e... tout le mottd licorol)
adiar vista ; (entende-se com o
suave efieito dos suppramenciona-
dos ) apurar o elfacto. (anda eono
o dito das ditas .iitas> e analmente
adquirir o paladar estragado, (sa-
boreando raras e excitantes victua-
Ibas) e note bem com pouco di-
nbeiro (os preces sao os mais resumidos que se
pode desejar) liado nao, porque o liado faz a
sent fiear excesivamente nervosa llanto o ven-
dedor como o comprador) era menos de quatro
semanas e meia, acabando quasi sempre no lim
das cinco OT ficar o primeiro desconliado e
de casemira prea a ?, o-,;, ev e 105000.
Di'.as de casemira de cures a 6-5, 7? e 85000-
Ilitas de riscados a 15, 15500 e 25000. Co.
letes de panno o casemirajpreta a 35, 3-3500
e 19000. Golletes de casemira de cor a 29,
39 e V5000. Ditos de brim branco a 25500
e 39000. Camisas de chita finas a 19600 e
29000. Ditas brancas linas a 25, 25508,
39, e 19000. Ditas de llanella de listas a
29500, 29 e 35000.
L AZI.MAS A 400 RS.
Vende-se lzinhas linas para vestidos a
400 e 500 rs.
ESPARTILHOS A 39500.
Vende-se espartilhos para senhoras a
39500, para liquidar. No Bazar Nacional
ra da Imperatriz n. 72.

Crioulo Francisco
No dia 17 de Janeiro prximo passado
ausentou-se o muleque Francisco, bonita fi-
gura, de 17 anuos, bons denlese- ps gran-
des, na cintura tem sigues de antigs sevi-
cias, andou algum tempo como servente
oas obras da l'enha, e foi negociado a pou-
co com a Sr. Maia, logista da ra do
Crespo, clcomo consta ter andadonas immodia-
eoes de Iguarass ea poneos dias foi visto
no rancho do cabocolu Sancho em Taep,
perto da mesma villa roga-se s autorida-
des e pessoas do povo asua apprehensao e
mandado a ra do'Imperador n. 2 que gene-
rosamente.
so gratificar.
\o publico.
Sitio para alugar.
Ahiga-se um sitio na Capunga ra das Per-
nambucanas n. 23, tendo boa ca-a de vivenda,
cocheira, estribarla, mores fructiforas e agua
potavel: tratar na ra da Imperatriz n. 9, pri-
meiro andar.
1
lose Ferreira da Uro Vieira, repetidor contra
lado para o gymnasio provincial, tendo obtido <
rscisao do sen contrato em fevereiro ultimo, offe-
rece-se para leccionar em casa dos alumnos ou
em qualquer coegio, grammatca e lingua fran-
ceza (Ibeoriea c praticamentei, arithinetiea e geo-
pktvtH.......segundo eooSado e hydropico '. "ha- i metria, materias que professou por largo lempo
anto, j que < diguoulancar os seusolbosse- em algtoscollejioaem Lisboa. Para quaesquer
doctor sobre mim ?exposiSb quaresmal) mni-' n/ormacoes podem dingir-se, ao Illm. fr. Manoel
t. eonsentaneo que eu tembem os abra o l-Vlves Barbosa na ra la (.adea n. 61, mo Illm.
,(.,. q j Sr. Dr. Joao da silva Ramos, e aos Illms. trs.
1 ,v mu .^ l i f "".. ,. il n I1 1,. I
amago de meu coraro, isto vos indique
gremio embridle, deleitante, ou-
briante, refrigerante e coruscan-
te,'tonie V. S. e Exc (charo
leitor mi leitma, qoe ledo com
tanta avidez) pode ir com cer-
teza, eertos de scr**m bem servi-
do recbeiar a sua despensa de
tudo o que ha de ineluore mais
saboroao par., pasear a quares-
ma, (tempo de abslineoeias) dan-
do assim cabal desmemido aos
: eregw ib que sabe guardar
onvenientemente os sagrados
preceitos da -"anta Madre igreja.
Vindo ao
do
armazem
Campos
.1. 'S Kua lo Imperador V
Carneiro A N'ogueira, ra do Bom lesas.
Furto
Previne-se a todas as pessoas a quem forem
otTerecids dous anneis de brilhantes grande?,
que foram furtado? hoje da loja do museu de
joias ra do Cabug n. i, o favor de apprehen-
de-tos, que ; lem de se Ihes ficar i brigado, ser
recompensado.
99
. E' neste ocano do prazer onde se pode encon-
trar, alm do mais o seguinte : ovas de diversos
peixes e de bacaibo, bacalhao grande e pequeuo,
sardinhas francezas e portuguezas, peixe em la-
tas de tojas as qualidadea, (nove mil latas), ca-
maries s;ccos e todo o mais necessario para le-
var estas e entras 'guaras a ponto de satisfazer
ao mais rara e apurado paladar.
La
vai prova.
Bacalhao e pelse em lat.is
Para boa digesi o '
Faz sim senhor.
Oras fritas >' bom petiseo
Com arroz de eamarao
S sjm senhor.
O salmn e as sardinhas
Nao boa petisqueira f
E" sm senhor.
Livrar de excomnnhees
Vlnho do Porto e da Pigueira
Lina sim senhor.
K lodo reunido banquete quaresmal ?
(}ue poder ser comido som a ninguem fazer mal?
K" sim nhor.

Precisa-se de um menino, de 12 a 14 annos de
idade, forro ou captivo, para criado de urna casa
de pequea familia, com tanto quo saiba fazer
compras e entenda de servico de copeiro. A tra-
tar na ma do Capibaribe n. 40.
Quem p/ecisar d mu raixiro portugaez
para dentro e fon. da ridade.coin bastante prali
csrde molhados, dir.ja >e ra do Rangel n. 71,
^BC adiara eom mu m tratar. ,
Aviso.
Roga-se a um Sr. tenenle-coronel..........
a delicadeza de mandar pagar urna antiga eonta
que abonou a um seu protegido... no hotel
Oriente, ra Nova n. 32, sob pena de ver os no-
mes por extenso publicados etc.
Aviso.
Perdeu-se as camellas n. 2644 e 24o, da casa
de penhores da ra das Cruze, e pelo presente
previne se ao proprietario desse estabelecimento
que so entregue os objectos ao verdadeiro dono,
que lia de passar recibo.
Engenho
Arrenda-se o engenho Estrella, junto cidade
do Ri) Formoso. E' de animaos e com propor-
c,5es para 1,300 paes : os pretendentes podem di-
rigir-se ra Duque de Caxias n. 58, i andar,
quealli terao informa^oes.
CozDheira
Precisa-se de urna cozin' eir para urna casa
strangeira : a tratar na ra do Commercio n. 38,
liperial fiiirira
DE
areia fina da Bahial
DE
j| Moreira & Covnpanhki jj
t! O abaixo assignado, nico agente desa f
i fabrica, mss. ao publico que tem aberto B
i o deposito de dito rap, no seu escrip- jj
wn torio ra de Vicario n. 21, onde os |
M\ freguezes encontrarao sempre a quan- J
&S tidade que precisarem.
Recife, 29 do abril de 1872.
Domingos Alves Matheus. ;{
m
CASA DA FORTUNA.
AOS 5:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
4' ra Primeiro de Marco (outr'ora ra de
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes tres quartos n. 2l8l com 5:000#,
um inleiro n. 740 com 800i000, um inteiro n.
lili com 300J e outras sortes de 40*000 e 20JI
da lotera-que se acabou de extrahir (41.*) con-
vida aos pnssuidores a viram receber na con-
formidade do costume sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 2* parte das loteras a beneficio da matriz de
Granito (42'), que se extrahir na quarta-feira 12
do corrente mez.
PRESOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto lioOd
EM PORg.40 PE 100-5000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3300
Meio bilhete 2*730
Quarto 1*373
Manoel Marlins Fiuza
Alga-sc
A casa n. 7, Passagem da Magdalena.
Criado.
Precisa-se de um que seia Bel : no largo da
matriz de Santo Antonio n. 2, 1." andar, prefere-
se escravo.
ai m
IJII Vil VI
Os abaixo assignados declarara trae nesta data
contrahlram mutuamente urna sociedade com-
mercial sob a firma de J. R^mos & Machado,
para a continuacao dos negocios de commisso c
eonta propria que gyram desde 1. de novem
hro de 1871 sob a firma de J. Ramos, enjo ac-
tivo e passivo lea a cargo da mesma sociedade.
Recife 1." de marco de 1873.
J. Ramos.
Porfirio Machado.
VinhoBordeaux.
de boa qualidade em quartolas; vende-se no ar-
mazem de Cunha & Manta, roa do .Mrquez de
Olinda n. 23.
Cidra champagne.
Em caixas do garrafas inteiras e meias; vende-
se no armazem de Cnnha& Manta, r a do Mrquez
de Olinda n. 2!
300#000
Ansentaram-se desde o dia 30 de Janeiro do
corrente.anno dous escravos irmaos, sendo um de
nome Lourenco, de idade de 26 a 27 annos, esta-
tura regular, cheio Jo corpo. edr clara, cabello
estirado, rosto redondo e sera barba ; e o outro
de nome Andr, da mesma estatura, mais franzi-
no do corpo e mai novo, com os mesmos signaes
do irmo. sendo comprado Lourenco ao Sr l-lau-
dino de Albuquerque Mello, da comarca de Palos,
provincia da Parahyba, e Aadr ao Sr. Joao Fran-
cisco Gomes de Arruda, da comarca do Limoeiro.
Suppoe-se que seguiram a estrada do Limoeiro, a
Serra do Teixeira ou corrarca de Patos ; roga-se
a todas as autoridades policiaes e capites de cara
po que os apprebendam e levem-os ra do Apol
lo n. 30, armazom do Manear, que se gratificar
com a qu nta cima.
n
800S000.
Fugiram do engenho Rula, (reguezia da Esca-
da e do engenho Lage, freguezia de Gameleira,
provincia de Pernambuco, os escravos seguintes:
Em dias de Janeiro de 1860, o escravo Ansel-
mo, cabra de 40 annos de idade. pouco mais ou
menos, altura regular, ecco do corpo, rosto com
prido, desdentado, cabellos carapinhos pouea bar
Em dias de fevereiro de 1863,
na, cabocla, de idade 30 annos, pouco mais ou
menos, altura regular, cabellos de cabocio, de
bom corpo, rosto redondo, feicoes regulares, um
dedo de urna das r.iaos aleijado, muito ladina ; j
este\v um anno acoitada na villa da Escada, pas-
sando por forra.
Em dias deoutubro de 1871, o escravo Herme-
negildo, mulato, de idade 20 annos, pouco mais
ou menos, altura regular, cabellos acaboclados,
rosto redondo, sem barba, falta de um dente na
frente, grosso do corpo, pernas e ps grossos,
com marcas de ferida em urna das pernas, mui-
to regrsta, jogador de cartas ; j esteve no ar-
senal de marraha um anno como forro.
Em dias de abril de 1872, o escravo Jos,'ca-
bocio, de 38 annos, pouco mais ou menos, al-
tura ragular, cabellos de cabocio e estirado?,
bastante barbado, olhos u u pouco apertados,
corpo regular, lem o braco esquerdo cortado,
gosta do beber aguardcntei; natural da cida
de de Sobral, na provincia do Cear.
Rogase s autoridales e capites d campo a
apprehensao de ditos escravos o levarem ra
do Livramento n. 33, em casa do Sr. Bruno
Alvaro Barbosa da Silva, ou no engenho Lage,
que serio recompensados com a quantia cima
mencionada por todos quatro.
Precisa-se de um criado forro ou escravo,
para ajudante de cozinha : na ra da Aurora
n. 49.
(.MBI.lETE
IVIedico-cirurgtco
HA DO IMPERADOR N. 73, l ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e apmfifoa de olhos.
Cur^ radical e instantnea dos
estreiumenlos da uretra.
Consultas : Das 7 s <0 bons
da manha.
Chamados : a qualquer hora.
fe^L"--~~^-'--"~- z^^*m3
MOFINA
Est encouragado !! !
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquello negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
!im, pois S. S. se deve lerabrar que este negocio
de mais de o!to annos, e quando o Sr. seu blho se
ochava nesta cidae.
: [-. i : :. | IW
Novo estabelecimento %
de joias. $
Rua do Cahug n. Vi.
Neste estabelecimento se encontrara ['
fy um bonito sortimento de joias que se s-
^ vendem por tal pre^o que animar ao
"^comprador, atiento ao vantajoso syste- ',.
-j5 ma, ganhar pouco para vender mni- pt
H9 to, que certamente til ao compra- -
g dor e ao vendedor.
': Tambera se compra ouro, prata e pe- -
dras preciosas, bem como se fabrica c g*
^ concerta toda e qualquer obra tendente ''f.
-., mesma arte.
Fugio no dia 23 do corrento o escravo Vitalino,
preto, crioulo, idade 23 annos, alto e cheio do cor-
po, quando falla le /anta o beico superior, tem
falta de um deute do lado de cima, anda alguma
cousa baraeiro, ps grossos, levou vestido calca
de riscadinhoo camisa de madapolo ; esto es
cratoj fugio em outubro do anno prximo pas-
sado, e foi preso na estrada de Paje de Flores ;
foi escravo de Antonia Francisca do Jess, mora-
dora em Correntes, e depois foi vendido ao capi-
Uo Ihomaz Thenorio de Albuquerque Villanova,
morador em Papacara, o qual tem una fazenda
em Buique, de que elle era vaqueir.i; suppoe-se
que f. i acompanhado por um escravo pertencente
ao Sr. Manoel Francisco Marqus, tambera preto,
crioulo, e natural da provincia do Cear : rogase
todas as autoridades policiaes e capites Je cam-
po que o apprehendam e condu ain-no a rua do
Bruin n. 74, armazem de Jos Francisco Martins
& C, que se Ine dar a gratificaeo cima.______
Aluga-se o I.1 andar da casa do largo da
Matriz de Santo Antonio, onde se acha a photo-
graphia allema, par o rrimeirode julho prximo:
a entenderse com o proprietario. ___
Manoel Lourenco dos Santos, pai
e irmo, agradecem a todas as pes-
soas de sua amisade que se digna-
rain acompanharam os restos mor-
taes de sua mni chara esposa, fllha,
e irmi, D. Adelaida Franca Moa-
teiro dos Santos, e de novo convida-
as nara assistirem as niissas do setin o dia. que
ter lugar na quarta feira, 12 do corrente. na
matriz da villa da'E Manoel Jos Baptista.
Bosa Maria FenanJes Baptista,
convida aos prenles e amigos do
seu sempre lembrado esposo Ma-
noel Jos Baptista, para assisn'rem
algumas missas que por alma do
mesmo manda rezar na matriz do
Corpo Santo, segnnda-feira i" do
corrente pelas 7 I|2 horas da manh. Desde j
antecipa seus eternos agr lenmentos a todas
as pessoas que se dignr.rem comparecer.
?ig;->.
ri'
Jos Miguel de Lyra.
Um amigo de Jos Miguel
de Lyra manda dizer urna
iiiiss.i por sua alma no dia
10 do corrente, na matriz
do Poco da Panella, s 7
horas' da manh, para o
que convida aos prenlos
e amigos.
Escravos fgidos.
200^000.
s&rns-
DE
BARTHOLOME |fc C.
34RUA LAUCA DO ROSARIO34
Catalogo nicos, estimulantes o estoinacaos,
recentomei 11< i dcscobortos pelos
inetoits pliarinaccutictts e
diimicos da Europa
A SABER:
PREPARADOS DE AROl'D.Vinho ferrugi-
noso de quina, tnico estomacal, repa-
rador das forcas dos convatescentes, as
febres tj [thoidcs, as pcnlas de sangue,
etc., etc.
Xarope concentrado, com bal-
samo de toli e todos principios nutriti-
vos soluveis do extracto de carne de Lie-
big, medicamento mais poderoso para
os phtyskos, as aiTecPes catarrhaes,
etc.,etc.
Xarope de casca de laranjas
amargas, com Unios os principios nutri-
tivos soluveis ilo extracto de carne le
Licbig, o mais poderoso dos analpticos,
para os temperamentos delicados e ner-
vosos, cstomal por excellencia, etc., etc.
ANUIRN.Vinho ante-gotoso ante-rheu-
matico, como grande especifico.
FALIERF.S.Xarope ante-nervoso e inal'.e-
ravel de bromurcto de potossio, medica-
monto especial contra as affeecoes nervo-
sas e convulsivas.
SHERRY-RNA.Vinho de quina, tnico
ante-fi-bril de um gosto agradavel, supe-
rior ao Madeira, e Vcnniith.
TIIO.MMI'.RET C.KI.I7..C.ranuUis xarope,
banhos sulfo-aiidos, para 0 tratamonto
das molestias de peito, garganta e de
pelle, de um grande proveito para os or-
gaos respiratorios.
CHEVRIER.Vinho e elexir de l'.ocado, Pe-
rn, tnico de um gosto agradavel, esti-
mulante, nutritivo e estomacal; empre-
gado com grande vantagcui as ciiancas
debis, as mullieres cbloroticas, ataca-
das de llores brancas, nos velhos traeos
pela idade epelas molestias, na aton iodos
orgaos digestivos, as gastrites, gastral--
gias, etc., etc.
CARPENTILR. Vinho ferruginoso de rhui-
barbo, tnico e purgativo agradavel sem
produzir eonsiipaeoes ioin altera^oes no
estomago.
SA.VORY K .MOORES.Emulso pancreti-
ca, muito estomacal, com grande pro-
veito no tratamentoda phtjstca, podendo
ser empregado com grande vantagem,.
quando o oleo de ligado de bacaibo nao
possa ser tolerado no estomago dos doen-
tos ; sendo o nico remedio que com
y*
4M
"
: ^
J9 ::: ':: ;::I
\visa-se
a quem der noticia da escrava Guilhcrmina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sa -
tos, e oepois comprada ao Barao de Nazareth,
representa ter 23 annos, tem falta de denles na
frente e as maos com cicatrizes de quemadura
de gaz, secca do corpo e muito regrista, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da rua dos
Coelbos, que ser generosamente recompensado.
(raliliciH'ilo.
No dia 21 do outubro, embarcou no vapor Ba-
ha, com destino a cidade de S. Salvador (pro-
vincia da Bahia) o escravo Baymundo. que toi
remettido por seu senhor, Jos Fructuoso Dias,
para criado de um seu filho de nome Cunegun-
tos, estudante naquella cidade.
t Este escravo, que mulato de 18 annos de
idade, foi entregue ao commandante do mencio-
nado vapor que seguio naquelie mez para os po-
tos do sul do imperio.
E .tretanto, nao tendo o mesmo escravo ebega-
Jo a seu destino, e ignorando-sc completamente
onde possa elle existir, gratifica-so a quem pos-
sa dar do mesmo exactas informaroes no Recife.
aos Srs. Perdigao, Oliveira &. C, ou na cidade
do Ico ao mesmo Sr. Jos Fructuoso Dias.
20J000.
Frecisa-se alugar urna escrava que engomme
perfeitamentc bem, e fa^a o mais servico interno
de urna casa de pequea familia, composta de
duas pessoas, e de una outra que cozinhe com
perfeicao : no largo do Paraizo n. 28, Io e 2o an-
dares.
lOOnXHl
RES IJAMA.
BA DO DUQUE DE CAXIAS
X?>3
Os artistas lricos Magdalena Bruccioni, ('aro-
lina ngel e Giovanni Scolari, que deviam dar o
concert no grande salo da academia em Olin-
da na noute de 27 do prximo passado mez de
fevereiro, tem a honra de avisar ao Ilustrado
publico desta capital, que o mesmo concert foi
tran-ferido para a noute de quinta-feira 13 do
corrente (marco) para o THEATRO DE SANTO
ANTONIO.
llliiirii).
0 Sr. Jos Francisco de Paula Cavalcante, se-
nhor do engenho da Palha, em Goyanua, tenha a
bondade apparecer rua da Imperatriz n. 20, a
negocio de seu particular interesse.
E' bom ler-se. -
O abaixo assignado avisa, aos seus devedores
desta praca quo tenham a bondade de vir rua
do Visconde de Inhauma, outr'ora do Rangel n.
48, armazem de mrlhados, afim de ajustarem suas
conlas, at o dia 30 do corrente : do contrario
verlo seus. nomes por extenso nesto iaiio, e
serao chamados ao jui o competente.
Reeife, L* de marco de 1873.
Boaventura Jos Coelho.
Engommadeiras
Precisa sende -engommadeiras; na tinturriaa
ranceza,a fr da Imperatriz n. 55.
Exposiqo de plantas-
E. Pelorce tem a honra de participar ao respei-
tavel publico desta bella capital que acaba de
receber urna grande quantid: de de plantas de
todas as qualidadea, flores, fructas, d dhias, o-
monte de nortahee, etc. etc. : rua do Dnquo de
Caxias n. 6.
Ausentaram-se dous esravos irnios : sendo nm
de nome Lourenco, de idade de 6 a VI annos. es
tata regular, cheio do corpo. cor dar, eab Uo
estirados, rosto redondo, e sem barba, lewu calca
e camisa branca, e chapeo de feltro preto; e o ou-
tro de nome Andr, da mesma estatua, mais moco
um pouco do que o outro, tendo os mesmos sig-
naes do irmo. Foram comprados: Lourenco ao
Sr. Claudino de Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, provincia da Parahyba, e Andr ao Sr.
Joo Francisco Gomes de Arroda, da comarca do
Limoeiro ; tendo fgido aqticlle no dia 2f> do cor-
rente (Janeiro) e este hoje .10do mesmo; suppoe-se
que seguiram a estrada do Limoeiro Seria do
Teixeira: rpga-se todas as autoridades policiaes
e capites de campo que os apprehendam e oscon-
duzam rua do Apollo n. 30, armazem de assu-
car, que se gratificar com a quantia cima.
~" OITcrece^se urna mulher para andar eom
meninos : no becco das l'arreiras n. 2._____
Aluga-se a casa n. 6 na rua do Lima em
Santo Amaro das Salinas ; tratar eom faternus
Lena, na rua da iU'siaiira^o n. .'i't antiga Guia.
LCWPAm1?RlBGi
LE
Navegaco eosteiraa vapor
DIVIDENDO 8.
Esta companhia paga o seu oitavo dividendo
razio de 5 / ____________
Precisa-se de urna ama para o
servico interno de nina pequ na
'amllia : a rua do Dinpie de (a-
AMA
xias n. ..
Precisa-se de um homem para pucha-
dor de roda, e um menino para recebedor de
papel : n'esta typographia._______________
Precisa-se de urna ama para eozmbar:
tratar na rua larga do Rosario n. 2.
segundo andar.
Ama,
Ama com urgencia
Precisa-se de uo a ama para lavar e engomuur:
rua do Baro da Victoria n. 28 outr'ora Nova.
~ Piecisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na rua do Coronel Suassnna n. I, antiga
rua de'Hortas.
Precisa-se de urna ama para engommar : a
rua da Aurora n. '9.
AMA
Quem precisar alugar una
ama moa, e sem deleito eom
cria, que sabe cozihhar. lavar
e engomar, tudo c<.m perfeicao,
dirija-se a rua da Penha n. 10 2." andar que aclia-
r.i ,'nm quem tralar._____________________
P7ccisa-se de urna ama que saiba
coser em machina de costura, hem
como cortar alinhavar toda e qual-
quer obra pertencente a senhora;
quem estiver as condics dirija-se a rua do Barao
do Triu'npho n. 104 ou cidade de Olinda, casa
de Francisco Cardozo.
Ama
Precisase de urna ama paia engom-
mar, lavar e cozinhar : na rua do Cal-
dereiro n. 6. ____________
Ama para ettgoaunado
Precisa-se de urna e paga-se bem: no Caldei-
Lr-'iro, casa de Francisco Joaqnim Bibeiro de Brito.
Na rua da Imperatriz n. 1' primei-
ro andar, precisase de urna, forra ou
escrava, que cosinhe, engomme e fa<;a
mais servicoe para duas pessoas. _______
AMA
* m a l'recisa-se de urna ama pa-
A iw A racasa de pnuia f;iiiiilia:.a
tratar na rua do N gueira
n. 17.
AMA
AMAs
Preoa-se de una ama de lei-
te, forra ou escrava : na rua Ve-
lha n. 97. ____________
Precisa se do urna ama : na
rua do Coronel Suassuna, ou-
'ora de Hortas n. o.
Precisa-se de urna escrava para se alugar,
para duas pessoas, paga-se bem : na rua Diieita
n. 61.
Para pequea fami-
lia precisase alugar
urna cozinheira e urna
engommadeira, peritas
e de boas conductas, pagase bem, prefenndo-se
eseravas : a tratar na na do Encantameno n. 5,
! andar, das 10 s 4 ha as da tarde.
-- a Precisa-se de una ama co-
A II ^% zinheira para cozinhar e fa-
xs.1TM.X!m. zer os mais servicos de casa
de duas pessoas, pagase bem : na rua do Impe-
radorn. 751Mmdar._____________________
Precia-se de urna ama forra ou
escrava para casa de pouca familia,
L 3 para coiiuhar e comprar : a tratar
na rua da Imperatriz n. 84, loja.____________
- Aluga-sea casa terrea n. 10 B, da lha to
Retiro, junto a (onU; da Magdalena, com commo-
dos para familia: a tralar aa rua estrata do Ro-
sario o 17, andar, das lo as horas da tarde. | n. 32.
cllieacia facilita a digesto do oleo, fa-
zendo apparecer o appotitc e o augmen-
to da nutricio,*etc., etc.
CHANTREL.Gonfeitos de bromurcto de
potassio, grande especifico contra as af-
l'eceocs nervosas, ataques livstoricos, epi-
lepsia, tosse convulsa, coqueluche, in-
somnia, tristeza, delirio c todos os in-
commodos que tem por caHsa o erethis-
mo nervoso.
MENTE!..Granulos do suB-nitrato de Bis-
mnth. Este medicamentod'umagran-
de ellicncia contra as dianhas, choleri-
na, dysenteria gastralgia e nos casos de
digestoes difficieis e dolorosas.
L. BEF.Emulso vegetal de alcatro.
Este medicamento adminislra-ee de urna
maneira commoda e precisa. O alcatro
em sen mais perfeito estado de pureza,
vantagem quo nenhuma outra prepnra-
co de alcatro possue.
DIl.'r.ROl.A.Solueao do pyrophosphato
de ferro o soda. F.sta soluco consti-
tuc um excallente reparador das forcas,
obra sempre as pessoas que tendera
parachloro alli las) anemia fra-,
queza geral. Este preparado tem a van-
tagem de nao ter nenbum sabor.
GRIMAUD.Confeitos especficos, para cura
da incontinencia da urina, e osincommo-
dos ilas senhoras cbloroticas, etc., etc.
CHAMBADOCha tnico purgativo e depu-
rativo, possue um gosto sahoroso e um
aroma suavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaracns do es-
tomago, dos intestinos e do ligado, O
desobstruente por excedencia na cons-
tipaco do ventre e nao tem resguardo
iionhum
L BEUFCoaltar Saponine, emulso d-s-
infectante enrgico, cicatrisante das
chagas.
H FI.ONXarope unitivo e peitoral empr.^-
gado com vantagem na tosse frequente,
ealarrho chronico, coqueluche, e etc.
etc.
HENTELGranulos de phosphate de calr
medicamento til as molestias dos os-
sos, fracturas, duurheas chronicas, dia-
betes rachitismo, etc.
II0(i(iPululas de peprina aciduladas, em-
pregft-se as aflecebes astralgicas, e em
todos os casos cm que a digesto diffi-
cil ou impossivel. Com 4rande vanta-
gnm.
BLISS KEEN & ('..Extracto hydroalcooli-
co de condurango, medicamento muito
estimulante e depurativo, emprega-se.
contra a syphilis, scrofulas, rheumatis-
mo, ulceras, etc. etc.
VAUQLELl.N DESLAl IUEBSElixir de qui-
na e caf-tonino especial contra as fe-
bres nevralgicas, enxaqueca, empobreci-
mento de sangue, fraquesa geral, cores
palllidas etc etc.
DR. CftOMIERPululas anti-novralgica,
omprega-se com a maior eflicacia em to-
das as alecccs nevralgicas, nos incom-
modosda menstruaco,facilitando ofiuxo
sanguneo.
QLEBLGela de oleo de figado debaca-
lhau aromatisado, com todos os princi-
pios activos do oleo de ligado de baca-
lbau. Esta gela nao irrita o estomago,
podendo os doentes usar delle por raoui-
to sem a menor repugnancia. E' um
. grande especifico para oqjjBjso 'asso*
consump^o bronchial, tubercular, es-
crfula, debihdade geral, etc. etc.
JOHNSONEssencia de salsaparrilha ver-
. melha da Jamaica, empregada como o
nico depurativo inmediato do san-
gue.
ELIXIR ANTI-ASTHMATICOSedativo Pe-
toral, appcado com grande vantagem
no tratamento da asthma, tosse convulsa,
delluxos catharrhaes e todas as molestias
dos pulmes.
Aloga-se um sitio com casa para grande fa-
milia, quartos para pretos, coxeira, curral para
vaccas, com tres cacimbas de pedra e cal, de
agua de beber, baixa de eapim e com monos ar-
voredos de fructo": na Torre -ao p* de Liba
Candido Ribeiro : a tratar na rua da Concordia


<
i
Diario de Pernanibuco Sabbado 8 de Marco de 1873.
Associaoo portugucza de
beneficencia dos empre-
gados no commercio e in-
dustria em Pernambucp.

A1..TA MOVID/IDfi
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOSfil PE AZEVEDO
Ra do Baro da Victoria n. 11, armasen], e 12 1. anlar, antiga ra Nova
aonde o publico em geral encontr, hempre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orcbestra.
Por ordem d Sr. presidente, pela toreeira vez
convido aos Sr*. associados a se rennirem nesta
secretaria i ra da Impcratriz n. 53, andar,
no da domingo 9 do corrente pelas 6 1(2 horas
da manha, afim de se tratar em assembla ge-
ral, de negocios importantes, e interesse da mcs-
m asso<-iacio. E' aborta a sesso urna hora
depois da annunciada.
Recife, de marco de 1873.
Salvador fos Feretra Guimaracs.
Secretario.
Precisa-se
Araba de abrir no primeiro andar do sobrado n. t confronte
ootica Mmrer, nm grande saio onde eslo ezpostos os magnficos
"M. A jM %WS de annaro, de Pleyel.
-------- de meia canda, do mesmo antor.
-------- de H. Henri.
-------- de Amede Thibout.
Uoieo agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE ftUCHER FR1RES
remiados em diversas exposi;dss om 14 medalbts de onro e praia.
Sao os onicos piaoos qna aqu vem da Europa, perfeitamente ana
dos, fetos com elegan ;ia e solidez.
D'aqa emjdiante cominear a aonnociar todas as publicares qne se ferem frzndo as snas ofBcinas de msicas.
Tamhetn rpcpbeu grande 'ortimento de msicas pira piano, piano e
canio e entre ellas as liadas composicps do mallo sympatbieo maestro
F. s.t Vri*i
A SABER :
Voc me qaer Walsa.
Olga Mazurka.
La Separaciooi P*ra canto.
A Lnz elertriea, grande Wa'sa.
Franco Brasileiro Polka.
T -mala da Valleta G>lope.
Joaninha Wal?a.
A Libertadora Polka.
A Primeira e-nada Wal a.
A Mioha Lyra Walsa.
A .Natalicia P.lka
Sludei/.e Poka.
Ultima* pnbllea^e
Paitas as ofBcinas de msicas
do annanciante.
Emilia, polka por L Smolti.
Circaciaoa, chotcb, por Sroolts.
Jardim do Campo das Pricezas,
qaadrilba, por J. PoDne.
Chava de Rosas, Walsa, por H. Al-
bertazzi.
de oulciaes de funileiro : no pateo do Terco n.
139, loja. Na mesma tem um menino que quer
praticar de caixoiro, em qualquer estabeleci-
mento.
\il !li mais cabellos
tem,
tinturara japqheza.
S c nica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido at boje. Deposito princi-
pal ra da Cadeia do Recife, liojc Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas do cabellei-
reiro.
Precisa-se de trabalhaderes na renarjio da
ra Direita n. 10.
Aluga-se
Precisa-se alugar urna casa terrea, no bairro
da Boa-vista, e as ras onde passa os bonds, ou
perto, com tanto que tenha os commodos seguin-
tes ; i salas, 1 quartos, corredor ndependente,
cozinha fra e quintal murado : quem tiver para
alugar, dirija-se ao escriptorio deste Diario que
achara com quem tratar.
Boa pechincha.
Offerece-se quantia avultada a quem quizer
substituir no exercito a urna praca que e9t a con-
cluir o tempo de servieo : a tratar no qua tel da
Soiedade, que achara com quem tratar.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda e Bebente.
Devendo ter lugar, no domingo 9 de mar-
',o corrente, as corridas do boi, no patelo
Carmo, em Olinda, esta companhia expedi-
r os trens extraordinarios que a concurren-
cia exigir, alera dos trens ordinarios indica-
dos na tabella em vigor.
Escriptorio da companhia, 5 de marco
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Deodato Lniz Francisco Monteiro, morador
na villa da Escada, faz sciente ao publico e a
quem interessar possa, que d'ora avante tem aber-
to ura estabtlecimento de fazendas, de sociedade
com outro, ncara em queja se achava o annun-
riante, sita rua do Commercio da mesma villa,
e quegyrar gob a firma Deodato Monteiro & C.
4 de marco de 1873.
100000
Fugio do engenho Fontal, em Serinhaem, no da
7 do prximo passado, o mulato Siniao, com os
-ignaes seguinles : estatura regular, corioseceo,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descascada: quem o pegar leve-o ao
sea senbor o tenente-coronel Vicente Mendes
Wanderiey no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Bernardino de Sena Pontual, na ra da Madre de
Dos n. 36, que reeeber a gratilicco de 100. I
FUNDICAO DO BOWMAN
RA DO BRffl N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de pngenho e ontros agricnltores, eempregado res de m
cbiismo o favor de orna visita a seu estabelecimento, para verem o dovo soimeoto
complot) que abitem; se do todo superior em qualidade o fortido; o que com a ios
peccjSo pessoal pdese verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LtiGAR DE SA FUNDigO
Vonn^As A rnriaa i'aoria dos raais molernos systemas eem ta
V ayui. D O i uuas U *g ao, marho9 convenientes para as diversas
circumstancias dos seDhores proprietarios e para descarriar algodSo.
Moendas de caima os lamanbos' as melhores qoe aqai
Rodas dentadas paraanitnae9'agoaevapor-
Taixas di ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fundos de alambiques.
STachiismos
Bombas
COMPRAS.
Cobre, lato e
chumbo.
fompra-se no armazem da bola amarella, tra-
vessa da ra do Imperador._________
Compra-se moedas de U francos : na ra
Nova n. i, luja._____________
Compra-se pennas de ema : na ra da Moe"
da n. 19, 2o andar.
mut
nsra mandioca e algodao,]
epara;errErmdeira.
Para eozinhar.
PodeDdo todos
ser mocidos a m5o
por agaa, vapor,
de patente, garantidas........ |ou animaos.
Todas as machinas e prc,? de qne se c08toma precisar-
de macbiismo, a pre?o moi resumido.
Faz qualquer concert
I Vahm mm At\ Pn^-< tem as m'lbores e rais baratas existentes no mer-
Precisa-se alugar urna ama que saiba co- JS ULsHaa U.C ItJxl *J car|0.
zinhar o ordinario de urna casa de pequea | ii_A,mmn_ J_ a Incumbe-se de mandar vir qnalqaer macb;nismo von-
tamdia. Aceita-se forra ou captiva; mas jIO\JULULQIl\lilO ta(je M cliente*, embrando-lbes a vantagem de fazerem
prefere-se desta ultima eondiro. Trata-se suas compras por intermpdio de pessoa entendida, o qoe era qnalqaer necessidade pode
na ra do Capibar.be n. O.______________ Ibes prestar aoxJIio>
1501000
No engenho Massuassi, freguezia da Escada, se
>lar de gratificacao a quantia cima a quem ap-
prehender tres cav.illos que naquelle pngenho
foram fuados na noate do dia 29 para 30 deno-
vembro prximo pausado : o '." tem 9 annos,
astanho e castrad), tem a orelha direita bastante
ida, urna estrella na testa, e noquarto esquor-
Jo tem urna cruz ; o 2. ruco, com pintas ver-
rnelhs nos quartos, grande, gordo, c coci> fino, castrado, tem os quadris feridos da
i-angalha, ferrado com a marcaL R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3." rudado
-anhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
castrad i, pequeo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratifica-se com 50*000
Sor cada um em presenca da pessoa, em cuio po-
er for encontrado qnalquer dos ditos cavallos.
o in-tromrn'os ?grico]as.
Sociedade Bcneficente Luso
Brasileira.
Por ordem da directora desta sociedade con-
vido a todos os Srs. socios a comnarecerem
-essao de assembla gei al que ter lugar domin-
go 9 do corrente mez s 6 t|2 horas da tarde.
Secretaria da Sociedade Beneficente l-uso-Bra-
-;iira, 6 de marco de 1873.
O 1.* secretario,
Rento de .^onza Mira.
AOS 5:000$000.
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da Ba-
ha, na casa feliz j do arco da Conceic,ao, loja de
lrives, no Recife._____________
Escravo fgido
ISOftOOO de gralicacao.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos ann s,
:ndlo, e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esteve no engenho do Sr. l.ul de Catar, em
S. Lourenco da Matta, onde consta, ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bast03, negociantes desta
praca; de todos esles Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o cenliecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capites
ile campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, que reeeber a gratificacSo cima de-
clarada.
1 Advogado.
O bacharel Jos Alves Lima Jnior,
promotor publico e advogado na co-
marca de S Jos de Mipib, na pro-
vincia do Rio Grande do Norte, encar-
rega-se de qualquer cobranca, tanto
aiuig vel C'i i.o judicialmente, nao s
na dita comarca, como non termos vi-
zinhos. Quem quizer utlisar-se dos
seus servic<)s dinja-se pra:a do on-
de d'Eu ns. 4 e 8 : tratar com o Sr.
Jos Alves Lima.
Arados americanes
' RA DO BRUM N, 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Companhia
Santa Thereza
Emisses de aegoes.


A companhia est autorisada a emittir KOO
acedes de 50000 cada urna. As pessoas que de-
sejarem' tema-las i odem entender-e com os di-
rectores Srs. Barao da Soiedade, Joaquim Rodri-
gues Tavares de Mello c Francisco Goncalves
Netto ou com o abaixo assignado, que dar qual-
quer nformacSo.
Recife, 15 de Janeiro de 1873.
O gerente,
Justino J. da S. Campos.
ConciliaQo.
De ordem do Illm. Sr. presidenta convido a
todos os enhores socios e aos daquellas socieda-
des que se relacionaram com a principal, na corte
do imperio, para a sesso de admissao de so-
'5 os que deve ter lugar no sabbado 8 do corren-
te, pelas 7 horas da larde, ra de Maicillo Dias
n.|31, 1* andar.
Secretaria da Sociedade Conciliario, 3 de mar-
co de 173.
O secretario,.
Joo Martins de Andiade.
O abaixo assignado, socio da tiima coniinei-
aal Ramos < C, tendo passado urna procurarn
ao Sr. Maroei do Xascmento Rodrigues Franca,
para chamar a conriliacao ao Sr. Francisco Anto-
nio de Almeida Bastos, datada do 18 de fevereiro
deste anno, a enal d plenos poderes a mais um
procurador e dous advogados, declara que tica de
nenhum effeito dita procuraco de hoje por dian-
te. Recife 5 de marco de 18,73.
Joo Baptista Alves da Silva.
Aluga-se
b> andar di obrado da ru? do Vigario n. o com
?on* commodos para familia : a tratar no arma
em da travessa do Corpo Santo n. 25.
| CONSULTORIO
MEDICO-CIRURGICO I
1
i
&
&
CAZA DA FORTUNA
RA 1. DE MARgO OUTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20:000$000.
O abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio de
1:000*.
Presos.
Inteiro.......24J0O0
Meio........121000
Quarto....... 6i000
Manoel Martins Fiuza.
DO
Dr. J. II. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Olinda n. 25, pri-
meiro andar.
Consulta das 7 horas as 10 da manha.
Chamad is a qualquer hora.
O abaixo assignado pretendendo retirar-se
para Europa no paquete do fim do corrente mez,
deixa como procuradores de seu estabelecmeni-
to era 1* lugar, ao Srs. Bernardino Alves Fer-
reir e Joaquim Ferreira da Silva, em 2 aos
Srs. Manoel Joaquim da Costa Carvalho o Joaquim
Ferreira Diniz, e em 3' ao Sr. Manoel Jos Tinoco
de Souza. Recife 5 de marco de 1 73.
Duarte Antonio de Miranda.
'$ffl$WMS(B
Gapunga
O Sr. Antonio da Conha Soares Goimar'es
qwiira ter a bondadede v,r ma do Imperado a.
i* receber urna carta para si, a qual ^ entre-
ga em mo propria.
Gasa mobiliada.
Aluga-s o priaeiro andar do sobrado n. 48 da
ra das Trincheiras, quasi defronte da entrada
para ra estrella do Rosario, contendo duas
salas, seis q tartos, um pequeo algrete, quin-
! tal, cacimba e casa para banno com mobilia ne-
cesaria : tratar na mesma casa, com o solicita-
dor Burgos Ponce de Len.
Precisa-se de um cixeiro com alguma or-
tica de molhadus : na ra do Visconde de Goyan-
na n. 97:______________________________
Qacm precisar de um menino de 12 annos,
para praticar em loja de fazendas ou miudezas,
pode deizar uMa redaeco carta com as iniciaes
A. G.
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qualfora quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
B
Furtaram da fabrica de eerveja da ra do
Sebp n. 35, hoje de madrugada, um cavado com
os signaes seguintes : inteiro, rxo, com poucas
pintas de pedrez, baixo, grosso, peito de pomba,
casco redondos, crina cortada no lugar da coilei-
ra e cora o ferro Ka na perna direita : gratifica-
se bem a quem o .aprehender e cooduzr mes-
ma fabrica.
4 Predilecta,
no empenho de bem servir aos seus freguezes e
ao publico em geral tem procurado jrover-se do
iue ha de melhor e da ultima moda nos mrca-
los de Europa para expo-lo aqui venda, cer-
tas de que os seus artigos sero bem apreciados
pelos amantes do bom e barata ; passa a ennu
merar alguns d'entre elles, como sejam :
ALBU.NS, os mais ricos que tem viudo a este
mercado, com capas de madreperola,
tartaruga, marlini, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e voltas proprias para luto ;
assim como, um bon.to sortimento de
ditas de plaqu, obra fina e omito bem
acabada.
BOTOES para punto, o que se pode desejar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, marlim e sso.
BOLCAS de velludo, seda, palfia e chagrn, o que
ha de mais moderno e Indas.
BICOS de seda e de algodo, tanto branco como
preto, de variados desenhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola. .
CAIXINHAS para costura, muito ricas e de di-
versos formatos, com msica e sem
ella.
COQUES a imitaco, o que pode haver de mais
bonita e bom gosta.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apr-
senla um grande e lindo sortimento
capaz de satisfazer os caprichos de
qualquer seuhora por mais exigente
que seja.
PORT-BOl'QUET de madreperola, marlim e sso,
este um objecto indispeusavel s se-
nhoras do bom tom, alim do aspirar
o aroma das flores sem o mconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
re as delicadas mos.
PENTES de tartaruga, de marlim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortinieuto de perfumaras de lino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Cou-
dray, Gomes o Rapliaul, que in-
cumbido da escolha dos ai ornas mais
Iwm aceitos pela sociedade elegante
da Europa, e por tanto, acliam-se na
possibilidada de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
mensidade de artigas, alim de nao mas-
sar aos ieitores c se pedo a benevo-
lencia do respeitavel public5 em di-
rigir-se ra do abug n. 1 A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas de;tu de quin cor, o
que ha de mais bello neste genero.
VESTIME.NTOS. Ricos vestimentas para meninos,
por baratssimo preco.
FLORES. A Predilecta prima em consonar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol., a ainda que nao es-
teja bem replecta de dinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que s na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de filas de setim,
tafet, velludo, linho e de algodo, por
commodo preco.
GRAMPOS de tartaruga, mitacao de? tes, pre-
tos o te cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lacos e golinhas de bonitas cores, tara-
bem tem um bom sortimento de gra-
vatas e regatas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para ornatos de sala.
Mei s de seda, de la e de algodo, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Ricos leques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais modernos e
por barato preco.
LUVAS de pellica, de seda e de algodo, para
homem e senhora.
LIYROS para mlssa, a Predilecta apresenta es-
colha do respeitavel publico um bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, i"
velludo e chagrn, por procos mui
razoaveis.
Aos reverendissimos cone-
gos e padres.
Amaral, Nabuco C. vendem meas do seda
e laia pretas, cor de e.irmim e rxas, fivelas de
metal para sapatos : no Bazar \ ictoria n. 2, ra
do Barao da \ ictoria n. 2.
De plaque.
Amaral Nabuco & C, vendem guarnirles com-
pletas, para sen'was, cinteado 1 par de pulcei
ras, 1 par de brincos, 1 aliinete, 1 diadema o
1 flor para o cabello, tudo de tartaruga e de co-
ral, meios aderecos, medalhas e brincos de pla-
qu : na ra djp Barao la v ictoria n. 2
Yenda de terreno.
Vende-se um terreno no lugar da Estrada Nova
de Beberibe, muito perto dos trilhos, na do Car-
eunda, com 380 palmos de fr nte t 470 de fun-
do, com duas frentes o esquina para a ra do
Bom Conselho : a trat-r no largo da Santa Cruz
n. i, a qualquer hora.
Botinas
para senhoras, a 6$000,na
loja do pavo.
Pereira da Silva & C. ncebenm pelo ultimo
vapor de Europa, um elegante sortimento de bo-
tinas pretas e com delicados enfeites de cores,
proprias para senhoras, garantindo-se serem das
mais madernas que ha no mercado ; assim como
a boa qualidade por terem sido remettidas por
um dos melhores fabricantes de Paris, e vendem-
se pelo barato prego de 6000 : na loja do Pa-
vo, ra da Imperatriz n. 60.
Novidade.
A Predilecta, ra do Cahug n. 1 A, acaba
de re.eber pelo ultimo paquete ebesado da Eu-
ropa, nm bello sortimento de corpinhos de eam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambein bordados e de phaulazia,
saias bordadas, ditas com entremeios para snilio-
ras, bonitas calcinitas de diversos tampadUbos
para meninas, ricas fachas de tuquim de efir,
que tudo vende por barato preco.
Salsa-parrillia
Salsa-parrilha
Salsa-parrilha
nova, em bom estado, e de excellente qualidade :
vender rua do Vigario n. 10, escriptorio.
Vende-se vmho superior do Porto e charu-
tos da Baha : na ra da Madre de Deas n. .'i
1.* andar.
Cambraia s
Cambraia transparente a 3 a peca.
Dita dita fina suissa a 3$.
Dita da cores a 260 o eovado.
Dita preta e salpicos brancos a 2i0 o eovado.
Dita para forro a 2 a pega.
Na ra do Crespo n. 20, na loja de Guilherme
C. da Cunta & C
Vende-se
tima eserava, excellente cozinheira e lavadeira,
acostuinada qualquer servir domestico, com
urna lilha de-"lO an"os de dado: urna oulra tam-
ban muito boa cozinheira e lavadeira, todas pro-
tas, vindas do Maranho. Quem pretender com-
prar dirija-se ra da Imperatrj n. 47.

AO AKMAZM
.IjU
Ill'A DO 11 Ul.\0 DA VICTORIA
N. 7Qutr'ora NovaN. 7
Arabam de ehegaf muito boas pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notavaia e bem co-
nhecidos bbrieantes; cuno sejam : Alphonse
Blondel, Henry Her* e Pleyel Wolff a C : no
vapor rrancei, i roa do Barao da Victoria, ju-
trora Nova n. 7.
Calcado fraucez.
Botinas de luxo e poanlazla, brancas pretas e de
dilterentes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra menina*.
Sapatinhos rom salto no rigor da moda, brancos
e de ores para senhoras.
Botinas de Meiis, de Suser e de l'olak. para ho-
mens.
Sapatos do cordavio Mili.' spara bomen*.
Botinas para menino de qoalqoer tamanho.
Prraeiras e meias-perneiras tanto para borneas
como para meninos.
SasatOes de Suser para honeoa e meninos.
Sapatos de verniz rom -alto para borneas.
quididades e preoM para
>
Aos Srs. macons.
Amaral Nabuco & C. vendem insignias maco-
nicas de diversos graos.________________
Ha para vender ni quintal do sobrado da
roa dos CoHho- u. 20, tres vaccas que tiveram ha
poneos dias crias.
Vende-se por MOI nm bom &cravo em
vicios nim achaques proprto para qialquer cer-
vioo, enteiide bem de masseira : na roa das Cru.-
zes n. 39, hotel.
Eu j vi
E um lindo vestido.
urna fazenda nova transparente e mesclada
de escuro com lislras de seda de cores e cuco
palmos de largura, a 800 rs. o eovado. Temos
apenas fazenda para 6 ou 8 cortes : na ra da
Imperatriz n. 56, lo^a da
Rosa Branca.
= *rende-se urna batanea do Romao, nova rom
o competente temo de kilogrammas : a tratar na
ra da i ompanlu'a Pernambucana, armazem nu-
mero l!. t
Na ra Duque de Caxias
n. 71
Vende-se as seguintes obras de direito:
Lobao. Exeeucoes por .-enten.a.
AceOes summarias
.1/enezes.Pratica dos tombos.
<( Juizos divisorios. i
Caetano Gomes.-Manual pratic.i.
Pereira e Souza. -Liabas civs.
Mella Opera.
Parde^sus.Traite des Servitudes.
Troplong.-Dla vente.
Des Seciets.
Vanguerve.Pratica judicial.
Caetano Soares. Repertorio juridie-i.
Botinas francezas para ho-
mens7.OOO!!!
Por terem um peqneno toque de mofo, eheguem
a pechinrlia, a loja da Rosa Branca, ra da Im-
peratriz n. *>6.___________________________
Libras sterlinas.
Vende-se no armazem de fazendas de Augusto
F. de Olivira & C, ra do Commercio n. 42.
Bom negocio.
Vendo-a6 25 aeges da companhia dos trilhos
urbanos do Recife a Olinda : nesta typograpJiia se
dir.______________________________^^^
No engenho Maragi acha-se cento e tantos
burros vender-se, mansos e bravos : a tratar
com Fructuoso liias da Silva.
Vende-se
ps de sapotis, larangeira china, fructa-po,
nhas e ptanga : na Ponte de Ucha n. 10.
p-
Vende-se 2 escravos pegas, semio um mo-
lequa de 13 e una negra de 17 annos : na ra
de Pedro Affonco n. 61.
Vende-se as partes
cravadas nos engenhos, Ra-
mos, Cursahy, e Inhaman,
por presos commodos, sendo
os pagamentos vista da
escriptura e nao por lettras
de espera, qualquer senhor
pretendente dirija-se ao Sr.
Dr. Laurino de Moraes Pi-
nheiro, morador no Recife,
ou no engenho Carauba, da
freguezia de Tracunhem,
para tratar com o seu dono
Joo Marques Bacalho.
Amaral, Nabuco & C.
vendem:
Grvalas e fechus com arminho, para senho-
ras.
Complet sertimento de meia? de algodo e de
fio de Escocia, brancas e de cores para senhora,
meninas, homens e meninos.
Chapeos de sol de seda para seuhora (ti bella)
gosta inteiramente novo.
Ditos (engalla) cabo de metal, e bordados a
agulha, a Luiz XV
Chapelinas de gorgnro de seda, de cores e en
fetes de cabeca, de crep, para luto e de core,
Bonecas de usllica o de borracha de todos os ta-
j_ nhos e q-iatdades : na ra *> Barao da Vic-1 de n.nita boa qualidade : ia na do Bario
torir. n 2, Bazar Victoria. i Victoria a 2, loja de Amaral, Nabuco- 4 C
Abotinados de mtiit.i
meninos e meninas.
Sapatesvle verniz rom sola de pao propriot para
sitios, jardins e baabos, sortimento para homens
B senhoras.
Sapatos de ttpete, cawnira, cbarlot avdfcdado,
de tranca p irtugnez e francez.
Xo armazem do vap r francez, ra do Barao da
Victoria, ontr'ura Xova^n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banbas, ol s, opiata e pos den-
triflce, agua de II r de laranja, agua dr loile-
' te, divina, llorida. lavando, pos de arroz, sabo-
netas, cosmticas, u.uitus urtigos delicados em
perfun aria para presentes com fra-cos de ex-
tractos, caixinhas surtidas e garrafas de diffe-
rcates lamanhos d'agua de eologne, tudo de ri-
mejra qualidade dos bem conhecidos fabrican-
tes Piver e Coudray,
No armazem do vaoor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora NiAa n. 7.
Para viagens.
Vmto boas malas e bolsas para viagns de c -
de caminhos <\f ferro.
Estajos de viagens eom os nertenees necessai.
para barba,
\o armazem do vap ir franc .. Bruaop arao
da Victoria, outr'i ra Nirvaii .7.
Botas de montara.
.N\ vo sortimento de botas Napuleo e a Guilher-
me, peroeiras o meas (K-rneiras para horneas,
_ e meas peniriras para meninos.
No armazem do vapor fnnre ra de Baro
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
i'adeiras de balancp, de braco, de guarnieoes, so-
las, jardineiras, mesas, conversad' iras o costa-
reiras, todo sto muito bom y>v re I! rtes i
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de recn -.
No armazem do vapor francez, ruado Bario da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
rticos le liIVreiitow go(o< e
|tlinn(uxuN.
Kspelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e pava laminas.
Luvas de Joavin, de lio da Esc icia e do eamurca.
Caixinhas de costura ornndas rom msica.
Albuns e qnadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas dirs de oor < ii"..i J le garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para re gi
Brincos ^imitaro e botoes de punhos de pa
Bolsinlias e cofres de seda, de velludo e de c
olio de cores.
Novos objectos de pbantazia para cima de :.. .
ejtoiiette,
Pincencz de cores, de nr ata doorado, de aro
tartaruga.
Oculoa do aro lina e de todas as rraduacoos.
Bengalas de luxo, raima, com castes de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Chieotinhos de baleiae de militas natalidades li-
versas.
Esporas de tarracha pura sal le botas.
Ponteiras de espuma para cliarutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembaracar e pan
barba.
Ditos de marflm muito linos, para limpar eabei a.
Escoras para roupa, cabello, unbas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperola para dinheiro.
Meias para homens e para menin ,
Grvalas braiiras e de seda preta para homens e
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de domi-
n e ontros multos ditfereuies joguinhos ae-
maes e Irancezes.
Malas, b-dsas e saceos de viagein de mar e cami
ahos de ferro,
Mamadeir.ns de vidro de dar leile mui fcil aa
erianeas.
Argolinlias de marflm paca as erianeas morderom,
bom para os dentes.
Ber os de vimos pan cnibalancar erianeas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
CatTinhoa de quatro rodas para passecs de eri
ras.
Venecianas transparentes para portas e janellas.
i'everberos transparentes para endieiros de giz.
Estereoscojios c rosmoramas eom escolladas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de core9 em
vidros.
Vdros avalaos para eosmoramas.
Globos de papel de cores para lluminaeoes de
festas.
Bales acreoslaticos de papel de seda mui fcil
do subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systcmas para caf.
Espanadbres de palha e de pennas.
Tesourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua-
dros.
Quadros j promptos com paysagens e phantaz.i
Estampas avulsas de santos, paysagens e pbanta
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios "om lindas pecas.
Uealejos narmonieos ou accordions de todos os
Jamanlios, e outros muitos artigos de qumqui
lharias difliceis de mencionar se.
No armazem do vapor francez, ra do Baro
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de todo*
os brinquedos fabricados em dilTerentes parte
da Europa para entretenimento das enancas
tudo a preces mais resumidos que possivel_:
no armazem do vapor francez, ra do Baro
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
PARA PIANOS
Pannos proprios do cobrir pianos.
Cadeiras do parafuso e forro estu-
fado.
No armazem do Vapor Francez ra" do
Baro da Victoria (outr'ora Nova") n. 7.
Cesnhas para restara.
Grande sortimento de bonitos modelos
chegados ao armazem do Vapor Francez,
ra do Baro da Victoria- (outr'ora No-
vaVn. 7.
Gh preto e verde
Vede-se no bazar victoria cha preto e verde
' da
'



6
Diario de Pernambuco Sabbado S do Marco de 1873.
Fazendas
liquidadlo
Ra da Imperatriz N.
DE
PEREIR A DA SILVA & C.
Tendo o propietario deste importante estabeleciment, grande vontade de liquidar
todas as fazendas que tem em ser, tem resolvido vende-las por pregos muite mais baratos.do
que se vendem em outra qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, razopor que con-
vida o respeitavel publico a vir sortir-se, nao s de um avultado sortimento de fazendas ap
la, como tambem de grande sortimento de fazendas finas e dos mais apurados goso$.
E previno que.s vende a diriheiro vista, por estar em liquidagao. '
lOFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO-
COM LISTRAS DE SEDA A 800 RS.O COVADO Neste grande uUbelectanto encontrar*
O Pavo rocebeu um elegante sortimento o rospeitavel poblie, omaibam montada ojffi-
das mais lindas grenadines protas com listras cia de alfaiate, onde se manda exeerjar
de seda de cor, tendo entre ellas com listra qualquer peca de obra, tanto para honteui,
rea nrop para luto, que vende pelo ba- como para menino^, com a maior prpp*
ratiaauno prego de 800 ris o covado ; assim tesa e perfeicSo assim como para qoaiqaer
como dita muito fina com listra encarnada, loto quede repenteappareca, leodo na des-
que vende a 15000 ris o covado. Esta na otficina nm perito ofQcial destinado para
fazenda wio pelo paquete ebegado ultima- farda dos Ilm. Srs. ofGciaes de goardj -
mente da Europa, e liquida-se na loja do'cional ou tropa de lioba, sendo esta offleina
Pavio ra da Imperatriz n. 60. dirigida pelo hbil artista Pedro Celestino
CAMBR.US ASERTAS PARA VESTIDOS A Soares de Carvalbo.
93000 e 103000 RS. ESPARTILHOS A 3(J000.
O Pavo recebeu um elegante sortimento 0 Pavao tem um grande sortimento de
das mais linas cambra ias brancas, abertas e esoarthos, tanto para senhora como para
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- .menina, qbe vende pelo barato preco de
ratissimo preros de 93, c 103000 rs. o 3.J00O. Ditos muito finos a 43030 e 50000,
corte, tendo bastante fazonda.E'.pochincha,
m lujado Pavao a ra da Imperatris n. 60.
LASINHAS BORDADAS A 400 RS.
O COVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mas lindas lasinhas transparentes com
florzinbas bordadas, tendo de todas as cores
inclusive roxa propria para viuva, e vende
polo baratissimo prego de 400 rs. o covado.
E' pechin ha na loja do Pavo a ra da Im-
peratriz n. 60.
GRE3ADI3ES A 640 RS. O COVADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais lindas grenadines pretas com listras
brancas e de cures, sendo muito boa quali-
dade, e vende pelo baratissimo prego de 560
rs. o covado. E'pechinchana loja do l'a-
vo a ruada Imperatriz n. 60.
COBERTAS DE FUSTO ACOLXOADAS A
43000 RS.
O Pavao rocebeu um grande sortimento
de cobertas grandes de fusto, acol\oadas,
guarnecidas com franja em volta, tendo bran-
casc de todas as cores, e vende pelo baratissi-
mo prego do 4t$, rs. E' pecbinclia na loja
do Pavao a ra da Imperatriz h. 00.
CHAPEOS PARA SENHORA A 123000 RS.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
dos mais modernos chapeos de palba, rica-
mente enfeitados, para sonhora, com osseus
Ctxnoeteotes veos, e vende pelo baratissimo
prego de 199006 rs. E" pechincha na loja
do Pavo a ruada Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS
0 Pato rende um bonito sortimento de
13 inbas listradas, sendo das mais modernas
q te tem rindo ao mercado, pelo baratissimo
> de 560e 600 rs. o covado. E' pe-
( nchana loja do Pavo a ra da Impera-
? /. a. ti).
ALPACAS LAVRADAS A 640 RS.
0 COVADO.
Cbeg ni pora a loja do Pavao um elegante
tim mto das mais bonitas alpacas de cores
la radas, sendo as cores irais modernas que
: .a vio i i para vestidos, e rende-se polo ba-
issimo prego de 640 rs. o covado. E'
isha na loja do Pavo a ruada Impe-
i triz n. 00.
Corles c:> cambraia, ulllnaa ii-
vidade, a S3OOO.
O Pava;i receben pelo ultimo vapor de
Eui cortes de cambraia branca cora ha-
badinbos ricamente bordados, tendo fazenda
IBciento para vestido de qualquer modelo,
estes ti is sao es mais modernos que tem
viudo ao mercado, e pela sua eicessiva bara-
t a, 1 iiam-se recommendaveis as senooras
deboiagusto. Bazar do Pavo, ruada
Imperatriz a. 60.
LENCOS V 29400 A DLZIA.
O Pavo tem una grande porgo de len-
508 brancos com barra de cor, muito bonitos
e boa qualidade, que vende por 23400 por
t grande porgo,
Ditos todos brancos abainbados muito fi-
a 23800.
Ditos chinezes com barra de cor, muito ti-
nbe a 33300. E' grande peebincka, na loja
do Pavo.
BoiMeiraa n33000.
O Pavo receben pelo ultimo vapor, um
lindo sortimento de romeiras pretas de fil
om salpicos, com liados enfenes pretos de
1 s, e rende pelo barato prego de 33000
cada um, por ter grande porgo.
Ditos todos de seda ricamente enfeitados a
43000.
PARA O CARNAVAL
Datnataa
O Pavotomum grande sortimento de d-
minsde to las as qualidades gostos-, proprios
pera o carnaval, tendo tambem de merino
e 6sez muito interessantes, que vende ou
luga por pregos muito baral, por ter gran-
de porgo.
C0*ESftB BK FIANTE.
O Pavao rende l-nce* d bramante mui-
to grandes, jen I i devna paonn s, peio ba-
ratwsimc preco de <5';O0 cada om.
MADAPL-OES.
Pv< i :..,-ay.:o rancez mnito fino
cota O pr.i s a 5#50C e '35000.
Ditos c i -2'i jardas m aij superior a
6S00 e 7.00.
Di.o ingle fazrtoda mno fi*ia 5W00,
ft-JOO e 650ft al IBftHX).
D' s ir. i!;;"Zi'> e agieses muito fiaos de
40 jardas pira dlfarequai oreos.
ALGODOZINrfO'.
O Piv 1 ve mi.; por preco moito barato
peca* 1} algolnili) americano maito
bom zia 18 'tartas'a 4500' .
Diti coa 4 np'1 s .a 45500 e 55000
al 660.
Dito largo marca T muito encornado a
65000.
ALGODAO INFESTADO.
O Pavlo vnl n v.TJad.iiro e superior
*' '-'' '-as larj?.;ras par-a l-nges,
end en-^roado a t> (;Q cada van.
Df i-an?dn da mes a labora :i *W)
CORTES D faTAS A ty0 E im '
U Pafo wodj corivs de chitas fr^ncez;is
ta?j. raan !') ovadjs pelo dininuto orego
d? '16Vi) :< ia corte.
Dilas C', | cjvaiio-pito prega d-
2b30 cada corle.
s3o dos mais moderos qae tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
0 P)*9o vende chitas fraocezas proprias
psra vestido, sendo muito boa Uzeada, com
padroes claros e escuros, pelo barato prego
de 240 rs o covado, por ter om leve to-
Lp; de mofo : pecbincha.
L1QUIDACA0 DE CALCAS DE CASEMIRA
0 Pavo tem om grande sortimento de'
caigas de casemira de todas as cores e qaa
lidadss, para todos oj pregos, e desejaodo
muito lijuida-!as, resalveo vende-las por
nm prego muito em conta, para diminoir a
grande porg3o.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vende bonitas cassas franceeas
com bonitos padres, e de muita pbantasia
pelo baratissimo prego de 240 e 280 rs. e
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pechincha, na loja do Pavao.
BOURiNS A 163000.
O Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at boje sao conhecidos, e em relago er-
cessivabarateza, convidam-se as Exmas. Sras.
para as verem, para assim admirarem o quje
ha de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 6#000.
0 Pavo vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
prego de 63000, por ser grande pechincha.
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 83000.
Ditos ditos com listas de cores a 43000 e
5?000.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhos de cores a 93000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
O Pavo vende sopericr bramante de al-
(odio tend 6 palmos de 'lardera que s
jeicisa ud 1 '/; vara para um lengol, me-
tro 15600 e a vara 15800.
Dito de linho poro superior muito encor-
dado com a mesma largura a vara 25400
Ditos fiancezs milito Qoos a 25500 e
15000.
Peca -lf Hambargo e pama de linho com
O e 30 varas, para tudos os pregos e
qoalidade.
Pegas de bretaoha de poro linho, tendo
\Q jardas pelos pregos mais barato qae se
tem vi-to.
Pechincha de finissimo esgoio sncelena
;om i jardas a 7G0O.
Pega de finissimo telena com 30 jardas
a --j''), toalhado adamascado com 8 pal-
moa de lar^nra a vara 25'if:0.
CALCAS DE CASEMIRA.
0 Pavo tem um grande sortimento de
sica de casemira, assim como cortes 0-
mais modernos que tem vindo dos ltimos
fi^urius e em fazenda das mais tinas e mais
aovas ao mercado, e vende-ae por barato
prego para aporar dinheiro assim como cal-
as de brim hraoco e de cores por pregos
maito razoaveis para acabar.
TNICAS PRETAS.
O Pavo receben om grande sortimento
das mais ricas tnicas de grs preto, rica
mente enfeitadas, e vende por prego razoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3550000 AT 605000.
O Pavo receben nm indo sortimento
dos mais ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com todos os enfei
tes nxcessario?, e vende pelos prego* de
391000 at 605000, nao tem vindj nada
mais rico aera mais moderno.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
A ,'5500, 85000 E 10500;/.
O Pavo tem um grande aoriiment de
cortinados para cama e jaoallas, que ven-
de celo barat > prego de 75500; 85000 e
105000 o par, tendo at por 185000, assim
como colchas de damasco para camas de
noivis, e grande sortimento de tape'es tan-
to para 4caJeiras como para canaM, pianos,
nn.-tas, etc., todo vende por pregos razoa-
els.
CAMBRAIAS.
0 Pavo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 25500 e
350 0.
Pega de dita muito fina com 10 jardas
tanto taaada coano transparente a 450Q0,
iOOO e 65000 at a mais fina que vena
jo merca lo.
CORTES DE PERCALIA COM DUASSAIAS
A 45000,
O Pavo vende bonitos cortes de preealia
coa deas salas, sendo fazenda de mol,
gustos 45000,-becbJacha.
BAPT1STAS DE GRANDE NOVIDADE
O Puv3o v'unde om^ grande soptimento
das mais modera is, biptislas cemlwtade.
cor, prep.-ias pra vestido, com as cores tnajBi
novas qaa tam vindo ao mercado sando-
muito mais largas do qae as caitas fraocezaa,.
e vende pela baratissimj prego de 506 ra.
cada covado.
Obras de phunlasia.
1 A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxi s n. -"0, roclieu un bello sortimento de bo-
nitas e modernas oJr:is de jiliaiMasia, sndo :
lirinc s e eriucs pretas, cun dourados e pedras-
Outros de adrep rola queimada com bonitos
tnfeites de delicadas flores.
Outros i'e fia 1 dourado cm p nge les de oores.
Outros enramados e de boait s moldes.
RaeUs de fino dourado ouiu podras braaoai,
Adereco. di madrojwrola.
Ditos dourados com oamapheo preto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando Mhas e flores naturaes.
, Ca-soletas de inadruperola
Voltas, de grossos aljofares de cor s.
-Outras-de ditos pret s com dmiratlns.
Pulceiras de tartaruga oom dourado.
Outras pretas.
Crampn prui.ts e de cores.
. Itomtas alxt*aduras de fino dourado, r m |-
tfpue, coral ote- para abertura de camisas.
Botdes dourados e de outras quatidades, pwa
aberturas e coUariolios.
Bonitos legues.
A loja,4*- Aguia.Branca, $1 ri do Duqtm de
Caxias n, <[&, -rocobau bemt ,s Jajaes d i'i!>ita
phantasia, prc o ro* ^obrado', e outros de apu-
rados gpstos; assim.como recebeu oucwde ma-
deirai fes lindos coloridos u > estro,, e aind assijJ en-
de estes pelo-barato prego de 4000 cada,ara.
Vasos de erystal para toiet
A loja da Aguia 9 anca, a ra d. Duque de
.Caxias n. 50, r cebeu bonitas garrafiulus de crys-
tal em par -eom ruaayeQs douradas e mui pro-
prias para arranjos de toet, etc,
Aunis e colares eleotrioos
A lp> n. 50, rowbeu nova remeesa dot proveitows an-
ueis e cuUrs uletricos, e continua .recbenlos
mensalmente, pelo que sempre estar provida' de
taes objectos.
Diademas dourados
A loja tf'ajjuia tiranca na Duqne de Caxias n.
50, recebeu novaminte bonitos diademu dou^dos
e enreitados com pedras.e aljofares, obras de gos-
toe plianiasia. .Tambem recebeu novos grampos
pretos ou alfinetes com flores para a cabeca.
Leques oom bcH(uts e ou-
i tros VIGOR. S1EIE
Pede obter em pooco tempo com o o^o do nselbcr dos Iicorea1 femada
HESPER1D1NA.
Faz'oito annos qoe conbecido este precioso tnico, e diflicii acbar orna peaso
qae, tendo experimentado pessoalaieme, nao falle em sea favor, ja como bom estomaca
e apetisador, tomando em calix deila antes de jantar, un como facitador da digeatao
tomando-te depoia.
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, n5o ha nm o habitante do BRASIL (a terr
especial das laranjai) qae tao conteca aa propiedades mediemaes da donrada frocta,
era bem, a
AJoja d'.aguia branca ra Duque de Caxias
n.-flO, reoobeu urna peifena quantidade daquelles
bonitos leques com bouquets e outros ebinaaes.
OoM creme para refrescar f
ataaciar a peMe
A lojad'aguia branca a ra Duque de Casias
n. 50, recebeu oold creme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legram e Condray.
Diademas- e grapipos de
ac.
A loja da aguja branca, ra do Duque de
Caxias n. 80, recebeu novamente bonitos diade-
mas-e grampos de aro.
'BiLcoB de seda pretoe om
flores de cores.
A loja da aguia branca, ra do Ruque de
Caxias recebett, .como novidade bonitos bicos de
seda pretos oindlres decores, sobresabiado nel:
les o preto om encarnado, e todos mni proprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
aadme, ou rtedma, e utres-farendas transparc-
tes. Pela commodidade dos pre.-os esses bicos tpr-
.wra-e mais tjomrnodo.s e pela novidade de gosto,
preforweis a quaesquer ontros nfeites.
Veos ou maniinlias pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque 4e Ca-
xiasn. 80, TMebea bonitos veos ou mantinlia-
pretas de seda com flores, e outras a imitagao de
croch, e vende-as pelos baratos preros d 3,
'i e 6^000. A fazenda boa e est ero pet'oilo
estade, pelo que cootmda a ter promirta xtrac-
Diademas e aderecos de ma-
dreperola.
A loja da Aguia branca ra do Duque de
Caxias n. 50, receben urna pequea porao de
diademas e aderecos de madreperola, obras de
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Velbutlna de tudas as atoes ; s na ra Duque
de Caxias n. 6) A. loja da esquina, de Denlo da
Silva C.
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gafa-
pbotos dourados e coloridos.'
A loja da aguia branca, ra do Daque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bar-
boletas, bezouros e .gafanhotos, o que de eerto
perfeita novid por isso em breve se acabar.
Novas gollinhas ornadas com
,pelucia ou arminlio
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
- 50, recebeu urna pequea quantidade de boni-
s e novas gollinhas, trabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiran:outc novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A leja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebsu novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas domados ; assim como
novos diademas de ajo, e como sempre conti-
na a vende-los por preces razoavois.
COSTURA
CUftgaramao Bazar Universal darna No-
va n. 22, om sortimento de machinas para
costora, das melhores qualidades que existe
na America, das quaes mnitas j sao bem
-conbecidas pelos teas autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover & floka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaea e outras umitas
qne com a vista davero agradar aos com-
piladores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho qoa trinta costnreiras podem
fteer diariamente e coxom com tanta per-
feigao como as mais perfeitas costoreiras.
Garante-se a sna boa qnaiidade e ensiti i-se
a trabalhar com pereicao em menos de urna
hora, e os preces sao i2'i commodos qne
devem agradar aos pretendentea
Vende-sc o sitio da estrada da Cruz do Aunas,
Jue fica entrn o do commendador Tasso e o do
esembargador Doria, com caia de vivenda, d ffe-
rentes arvpfedos, grande haixa de capim, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilbos urba-
nos ao p da estaejio da Jaqueira : a tratar na
ra do Amctrim n. 37.
em sen estado natural tem um gosto pooco agr da ve!, e o mrito da Hesperidioa siste em reter snas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenta-ia como
EXQUISITOHCOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nSo tem nada qne ravejar i
melhores importaces europeas de catbegoria semelbanle. Estas, qoando muito, poden
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinacao perfeita do
AGRADAVEL E SAOAVEL
Para prova de que nm artigo no qoal pde-ee ter inteira confleoca. por ter puro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorisada pela
JUNTA DE HYGiENE
do Rio de Janeiro, permiltindo soa livre elaboracao no imperio; eotra
ISO\ PHOV %
a acceitac3o geral qne tem em tudas as partee onde apresentatta. Em 4(964 esiabe-
leceu-se a primeira fabrica em Bnenos-yres; em 1869 a segunda em Montevideo ; e
no dia da chegada de S. M. O IMPERADOR inangurou-se a fabrica qne actualmente
ti aba Iba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa aeeeitaco,
tanto que rara a casa que considera completo sen aparador seca orna garrafa de
N.padaria allem 11a ra da Guian.
54tem para se vender o segnint--:
rvilliasde tn>sdilFerenie> jobranco grado, repollioom barricas, !cn-
tilhas, sevadinha (Pede), sag, iinei\as,
macas e cerejas-seccas; tambem teio pata
vender duas bataneas grandes com ganchos
e bracos, alguns pesos, duas rodinhasde me-
tal para carrinho de mo, urna futira e um
forno para fazer, hostias e obreias, e urna
bomba.
Milho, milho, milho.
Nos armazens de Tasso Irmos 4 C.: ra do
Afimrim e caes de Apollo. _______
. VENDE-SE
Vnde-?e um sitio com urna casa terrea de
pedra e cal, tendo 90 palmos de fundos, em
c.bios proprio : rua da Floresta n. 2, em Olin-
da, pira ver e tratar na mesma casa._____
SEGRLT)0 ECONOMA E GELfifilDADE.
Obtem-se com o uso
DA
INJECCAO SHOST
nica, liygienica,radicaIeinfallivol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
oerece como garanta desalmares resultados
a continuada applica^o que sempre com a
maior vantagem se tom feito della nos hos-
pitaes de l'aris.
Unirr deposito para o Brasil, Bartholomeu
& C, ra Larga do Rosario n. 34.
Farinha de mandioca a S^ o
sacco.
Na ra da Madre de Dos
quanto nao se acaba.
a. 7 ; a ella, em
Xarope d'agrio do Para
Antigoe conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios!
como a phtysica, broncUites, asthma, etc.,
applicado anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu d *".., ra Larga do Rosario n. 34.
Vende-ee um cabrdet ainefieano, de dousas-
sentos, muito mva e e n baiq estado : para vr
na cocheira do Sr. Cerina, ra do Hospicio nn-
mero 16.
Rival smi sequilo.
Cheg am aguthas para machinas, de fabricante
Crower A BaKer. Duzia jor SOOiV
A
Para piano.
Por F. Libanio Colas.
Acaba de publicar-se e acba-se a venda este
lin lo galope com froiitepi-io espeeial e analo-
gi>, coiiiposlo |>el* muito talentoso e simpathico
maestro Cola.
Preco 25001.
A' na Nova 11, 11, arjuaenido Azevedo.
ili I?
VSN1AM
\ Kosa Branca.
<'liaj)t*N ilc sol cabo de marfwn a
12-^000.
\ii(jiiinliaN a lriiui).
<2i*nn.-wlin<> preta a 800 rs o ova-J
do, ultimo gosto para casaquinho e segunda
saia.
Cambraia transparente lina a
4? e 55000 a peca, com 8 1/2 varas.
Chapeos para baptisados ou
para meninas pequeas, cousa muito chi-
quo a 4U0.
C'ainliraia le ore*. neos gostos, a
4i0rs. o covado, e mais ordinaria a 280 o
covado.
Itico atoaliiaUo a l--.si!o a vara,
muito fino, c tem os mais lindos dese-
nhos.
lokiw para ramos a -"\j00, sao
colxasquc todos vundem a 7-^000.
Caasa liza fina, a 5-!?000 a pega.
Tudo isto e muito barato
porque a Rosa Branca so compra a dinhew
ro e vende pelo mesmo systenra. .Manda-se
levar nas casas.
Ye^de'-se
um terreno no becco do Es nbeiro prximo a
estrada de ferro de Olinda. com 17n [lali'noa de
frente e loo da fundo : tratar na praca da In-
dependencia n. :9.
O bomem velho toma Hesperidioa para obter
0 bomem doente toma Hesperidina parankter
P
O bomem dbil toma Hesperidina pata obter
Nos bailes as donzellas eos mogos tomam a tlesperidm. para obterbo efir
animagao durante os loncos gyros da
BARROS JNIOR C, roa do Vigano Tenorio u. 7, i" indar, receberam eau
grande especifico, e venoem-no nos depsitos seguales :
Joaquim Refreir Lobo, ra da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commerek).
.Marcelino Jos Goucalves da Fttaie, ra da Gadea a. t.
Atonio Gomes Pires & C, roa da Cadera.
Antonio Gomes Pires & C., ces 2 de Noveobro.
Gomes & IrmJo botel da Passagem.
BARTHOLOMEU etC"
Phannaceuticoa premiados em diversas exposicoes
Novo tratamento da Astkma, toue, convulsa, defluxo catarrhaet, e todas as molestias des minus
I que tem feito importantes curas, e que boje o nico acceilo {idos mettores Mdicos.
DEPOSITO GERAL, 34, ra Larga do Rosario, PERJfAJfBUCO
Cadeiras oratoria* coj fc-Muto ce palhicha
5000i ca^ uiua no caen du Apollo, arma-
ri>in de Tasso Irmao.-t & C.
TASSO IRMAOS & C.
Em seus armazens i ra do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por pregos commodos :
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
GaDOS de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimcr.to Hydraulicc.
Machinas de descarogar aifOdlo.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
I'hosphoros de cera.
Sag em garrafoes.
Sevadinha em garrafoe-.
I.eiili has em garrafoes.
lihuiii da aJmaica.
Yinho do Porto velho engarrafado.
Vinho do Porto superior, di o.
Vinho de Bordean-;, dito.
Vinho de Srherry.
Vinho da Maduira.
Potes eom linguas e dobradas inglezas.
Licores fihos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Darris com repclho em salmonra.
GERAL
Pharmacia de P: Maurer & C-
AR0PE
JPUM\
Membro da Academia de Medicina de Pariz.
Medico em chefe do Hospital de 3. Luis
ACCAO PODEROSA E 1SAI.LIVEL
etilo rnniii-t.i na cura das
MOLESTIAS DE PELLE ANTIGS
Virio do Mangue, hupigeoM. earrofnlna
' lodon h .!<-< iil. nlrs <|ii)- drprndrin
dns leves ou inveteradas
T. r.HlKLIltS A QUaLQtEK OlTnO TRATAMENTO
Ele XAIIOI'E nfio e um remi-Jiu IMnl*; t-lfe loi amro-
I va:lo |iela Arademia de Ncdieina de Plri. Alera fot,
i re>ulla_ das numerosas experienrjas friras mis HnsrMUes
de l>ari, de Londrii, ale., etc.. que rtte depuratiro o
aellior, o mais aetita t o mais ecirtomicg.
Paiu, n" 2, na Poiseoiiniere,
Pharmacia DESLADRIERS. Miccesaor de ISo riu\r
Dtpotilo em Mas as Pl armadas e casas de Drogas
mi

Charutos deHavana
SuperiorcN
no escriptorio de Tasso Irmos 4 C, ra do Amo-
rim n. 37.___ __________ ________
Milho de Mamanguape
VenJe-xe por preco commodo : na ra da Ma-
dre de Deus n. o, primeirn andar.
Aviso s familias.
Na roa do Livn\iucu!o 11. % waide-se algodao
trancado de duas larguras, com pnuco deleito *
500 s, a vara, blenda qu.' sempre Custou I #280
a vara.
Parolo.
Mobila.
- Vende-se urna :inlta de Jacaranda em
terfarto ladui : a tratar na rti da IKadre de
)atjs,,, t.' anda*. '
UimQ: go^to.
Caawas flrafcis d^nAradae e. nw^tadaf de a-
drepar^a ; nos arinaiens dp Taaset Irmo 4 ,
no caes do Apollo.
Ciiegado do Lisboa poto ultimo navio, om sac-
eos grandes e de superior quididad?,, a retalho ou
em pvrcio : na raa doOoniini-nij n. 32, sciiuii-
lu andar.

ara a quaresii,a.
Na tatema da ambOa do Carmo u. i ja na 1 '
a prirteira ve,, tjiic vt'ndo dcsle ?at)oroso pi.\e,
pW'UtapvvYt-m quu.uto q\\V:, puU -tanto "
vende a gro^so eonio a ruta^iu.,,
Cassas avadadas .
Muitc ftttns, e uadroos inteiramente ovos com-f
um pea .civ> toque jue mal se percebe, a 249 r*.
o covado, chegnem de pressa a pechin?ha na leja
da Rosa Branca, ra da Imperatriz 11. 3.
Economa
( aos pais de familia)
Lences de bramante a ?W0 um
Pito algodao u ti'iOO
Cobertas chita, 1800 urna
Ditas t cretone forradas a 35300 urna
Ditas adamascadas forradas a 3000,
aSOOe 45000
Colchas rU>- tiisto brancos e da cores a 3.500
Ditas de erooliet brancas, erandes a 50IJ0
Hobertoras de algodao a U20J
Ditos de |a escunes ,1 S^JOpO
S na ra da Crespo n. 20. loja de Guilheniie;C.
da C.nnha g C. ______^______________
Taverna
Vefidfttse a tavorna da travessn da ra das Cru
zes n, ti. com poneos fmi.l m, propria i ara princi
piante : a tratar, na mesma.
Yende-se
a Uverna da ra do Aragio n. 0> propri! para
ptmoipiante, por ter nouoos fundo : a tratar na
mesma.
Candieiras
Vendam-s ricos candjietroa para, u eurbonifo,
por barato preco : na travessa do Ouvidor n. U
<3!l_}3jMiB5>
oeVAOUELIN
Ke-Hult*das obaer\cotjs colliuUu. pulas sumiai-
dades me iirasdts iiopi'ac.\de Taris que o Xaropn
pcitoral balsmico do dtinclo illasin- professor
VAOQnti.i emprgadn cwn succesao sempre igual
para etirar -
iS IHTt.WACOt DOS BP0HCHI3S l ATTEtCOES B F.IT9
conliecldas polo nome d^
BRONGHITES AGUDAS OU CHRONICAS
ASTttUlS OPI'IOftOP, CATAKRHOS
Defluim, To< relx-Kk, Hxtinceio 4% toe.
A MASS A, pelo seu uso fncil c airr adavel sabor, um
precioso im-diramentrtpara a picoas que viajam, ou
mu ubrii/uiLis a uliu- muita, Pana, l'barmacia
VAUQUEUN-DKiLAURIi:ns, ru dt-CWry, 3!.
ieaaUea alas as Pkaraaciu caui da Irtj.
IJnic* >fKi6ttu .-KHKla so ss\m venda na
casa de P. Maurvr & ('..
Rita do liaran rfa Vii-loria n. 25.
^eneja
AjrenWeir cotit; da linwra. raarc ban-
dein, d*>Nip*.-r.w (juaiic^le : vendem Tasso Ir-
maos & C, cm su arnuaem da ra de Acorio
numar^-37. _____
Fio de alu'XlSo da Hahi.i e ral de LisMa, re-
centemenie chegado : ha ji.irn vender no es-
oriatorio de JMquiru Jo e Goiicaht* Beittao & Fi-
Iho, ra do ''ommercio n.
:,
BICHAS DE HAMBRGO
As mais remita.e.nlburesu
Veodeno,-^ oa ^^oi;wU**froajajeBiir-
tiolomeu C., ra Larga dosaxia o Hn^ti.

I
\


.
t
\\
Diario d Pernambaco Sabteado 8 vd^Mafcco de-il8#&u
FDNDIGA0 DE FERRO"
FABRICA DE MACHINAS
V roa do Bario di Triuwph (ra d>Bfuu) ns. 101)a \H
CARDOSO & IfiMAO
AVISAM aos Srs. de engenhos e ao publico em geral, queteem recebido da Europa
grande sortiaiento.de ferragens para engenhos e para lavoura, e quaesquer outros usos
e misleresda industria agrcola, o quetudo vendem por precos razoaveis.
Formas para aSSUOar pintadas e galvanisades, de diversos tamanhos.
VaDOreS hor'sonta(!S e verticaes j bem conhccidos nesta provincia e fra della, os
" melhores que teem viudo a este mercado.
JiOenaaS complotas de diversos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
MeiaS moendaS para assentarem grades demadeira.
1 ai X;iS (le ierro de ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
KOCiaS d agua e diversos tamanhos.
KOOaS aentaCiaS de diversos tamanhos cqualidades.
CoilcertOS concer,am C0IU promptido qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
EnCOmmendaS -^an(k,IT1 v'r Por encommenda da Europa, qualquor rsachinsmo,
para o que so correspondom com una respeitavel casa de Londres
e com ura dos melhores engenheiros de Inglatorra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesinas.
Ra do Baro do Triumpho us. 101, 102 e 104
FL'NDir. O DE CARDOSO & -1 R M O
MITA ATTENCAO.
i
Sones l.eite Irmaos, com loja de miudezas raa do Barao da Victoria n. 28 ou-
tr'ora Nova) pedem muita attf>n;o para os precos abaixo especificados:
MIUDEZAS.
Abotoaduras para collete a 200 e 320 rs.
dem idem para punhos a 320 rs.
Talheres cabe de viado ( mitaeao a 3-?000
a duzia.
dem idem cabo branco 2 B a 55500 a du-
zia.
Caixa de linha branca com 40 novellos a
500 rs.
dem idem de mama a 210 rs.
Mago de lita chineza a HJ000.
Coques modernos a 355500.
Resma de papel pautado liso a 29800, 39,
35500, 45000 e 69000.
Caixa de papel amisade a 600 rs.
dem idem idem beira dourada a 800 rs.
Caixa de envelopos forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Caixa de pennas Perry a 800 rs.
dem idem a 400 rs."
* ivpos para notas 320 e 400 rs.
Kedes enfeitadas a 15300.
Tranca de caracol branca, a 400 rs. o
mago.
dem lisas a 200 rs. o mago.
Microscopios 'sem vistas) a 25000;
Duzia de oegas de cordo imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couro d Russia a
109000.
Leques para sentaras a 2-T00O, 45000 e
Duzia de meias para homem a 35, e"59
65000.
dem idem para senhorasa 45 e 79000.
Lamparinas gaz a 15000.
Grosa de botoes de osso para caiga a
200 rs.
Grinaldas p:ra casamento a 25 e 55000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 39600.
dem idem idem lisos a 25500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 15000.
Pecas de fita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem degrosdenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira e ohar-
lote.
Mascaras baratas.
Chapeos para senhoras a 85000.
perfumaras.
Garrafa de agua florida verdadeira a 15200.
dem idem kananga do Japo a 1&200.
dem idem divina a 15200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco de oleo oriza e philocome a 15000.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 19, 19500 e
29000.
Tnico oriental de Kem a 15000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez, o que ha de
75000.
Vara de fita escoseza larga (boje grande melhor, 500 rs. e 19000.
novidade) a 49000. Mago de sabonetes inglezes a 600 rs.
Duzia de collarin'hos bor -ados para ho-' Duzia de sabonetes de amendoa a 25500
mem a 89000.
dem idem lisas a 69000.
Duzia de cachimbos p
29300.
dem idem de madeira
35600.
de gallinha a
coin tampa a
e 35600.
dem idem com flores a 15500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeiri a
35500.
Agua de cologne, banha em frascos e
limitas perfumaras de gosto e baratos.
COSTURA DE HOWE
SOARES LEITE, IRMAOS
NICOS AGENTES
A"
Ra do Baro da Victoria n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!

Esmeralda
Acaba de chegar a esto estabelecimento. ma importante sortimento de joias de
ouro, do melhor gosto e quahdodeique tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e piuturas linas,.adereros-emeios aderemos com pedras fi-
nas, etc., etc.
Relogios de ouro, de differentes gostos e. qualulados, para homens e senhoras, desde .o
prego de 405000 at 3005000, sendo estes ltimos de fliachinismo mais aperfeicoado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata de 169000 4O5O00.
RA DO GABUG N. 5
M01IEIRA H0AJITE&. C.
Na exposico de Pars, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
gao da Legio de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de coi-
tura.
A medalha de ouro na exposico de Londres acreditam
estas machinas.
A 90S000
A LOJA BOM PASTOR!
ECEBEU
Apparelhos de mesa de C. Christofle de Paris, fabricante de
plaqueo mais acreditado na Europa, Unto na qualidadecomo
na limpeza dos seus modelos.
Faqueros em caixa, colheres em duzia, aparelhos de cha,
bandejas de todo tamanho, galheitros, serpentinas, castigaes,
saleiras, farinheir^is.etc, etc.
Receben tambem
Grande sotimento de quadros muitos vivos, com as estam-
pas, as mais bellas vmdas nesta praga.
Recebe encommenda para o- Porto, Lyon e Paris.
Eabrica de ornamentos |mra Cibe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Pernambuco e mais provincias se vendercm as afamadas machiiias.de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeico de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra,
e pela introdueco dos mais aperfeigoados apparelhos, estamos actualmente habilita Jo s a
ofterecer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vaniagens destas machinas sao as segmntes:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestave!, a
ciccumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d^ Howe em segun-
da mi. ,
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarfanjo.
Terceira.Ha nellas menor friegao entre as diversas pegas, e menos rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Formam p ponto como se fra feito mo.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao consegu
na* outras.
Sexta.Fazera ponte miudo em casemira, atravesando o fio de um outro lado,
e logo em seguida, sem modiiiear-se a tensao da linha, cozem a fazenda mais
tina.
Stima.0 compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao comegar nova costura.
Oitava. Muitas companhias de machinas de costura, tem tido pocas de,grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudangas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
perda
Cada machina acompanha livretos com instrueges em portugus.
QUINQUILHARIAS
Mascaras; brinquedns para erraneas, bollas de borracha, tambores, cobras de madei-
ra, etc., e muitos objectos que se tomara longo mencionar.
28 Ra do Bardo da Victoria 28
Arados para lavrar a trra.
Carimbos de mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para fi
Koges de ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarogar algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Salangas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES t C,
RA DO BOM JESS N. 4.
NOVA LOJA DE JOIAS
2 ARa do
DE
CabugK 2 A
BARROS ti I Il.SlO
Aobando-se completamente reformado este estabelecimento, e
tanda os seus proprietarios feito urna importante acquisigo de
joias as mais modernas vindas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer urna visha ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
prego razonvel.
O IYXAIS FOD1ROSO
TNICO E EEBWFIJG0
1EH1AD POS LA UlOllt lf aKSKCIBAf IK MU
Hedaiha |j| J V4V Premw
Ouro. ____T3 16,000-r*
ELIXIR TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICA.\TE E REPARADOR,
Experimentada com pleno raccetto nos hospitfe, a Quima Larochs (ou Extracto complete
i* Quina) urna preparado excepcional, por ser privada do amargo da Quina. Agrada por
conseguiste as pessoas as mais intolerantes e aos paladares oseis delicados, pois nem
multo doce nem muito viscosa, sendo de urna limpidez constante. Emprega-se com muito
proveto nos casos de : gastralgia, dytpepcia, neuralgia, anemia, marasmo, cachejcia,
magreza, fastio tem causa apparente, conoaUtetncat demorada, cklorose e escrophulas.
E O ESPECiriCO DAS MOLESTIAS FEBRIS.
QUINA L4R0CHE FERRUGINOSA em parit,
Reunido todas as propiedades do Ferro el da Quina. 15, ru Drouot.
A
A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A"
Ra do Baro da Victoria n. 2 8.
Lindos veslidos a 5$ o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy c de percalia com barra o de daus
saias, acompanhados dos competentes figurines a 59 cada corte. Vendem na ra Pr-
meiro de Margo (antiga do Crespo) n. 13, loja das columnas de Antonio Correa de Vas-
cellos.
Vende-se Da pharmacia de ar er & C, roa Nova n. 2*.
^ Samuel Power Johps-
^llua do Apollo ii. 38 e 40
&!*: Fasem scieo'ie aos seos (regoeie* que leem
*3 crci'ado o . ^.^ per, mlndits r taxa ff(i (soMca de LowMoi t fate rn di A[^>lld o.
ftCrJ 3S e 40, onde eoctinnin a U| ""--010 or-
(MDepte do eripie.
FKiem seisme umbem que leen, rwto uto
rrnjceom a Dn^ic- 9+nK peto iiup;'
teiri oft?rMRf-9 \>'m i!"*f-oiar (ju(c>>ir
frachini'Oi snwwma (tariDflrt*.
P
(r/2)
O prt-prieiarios di (un4i(ao pura! fa;nm
soicnte!) aos senhores de engenbo e nsais
pessoas, qO teem estabeecid nma fimdi-
cn d Wtfo-e brui* roa do Brnm, juo-
tt> a e&incao a> bouOs, ona ainroDlario
qualquer br de qao e pronptidin.
Os mesfe rogam as"pwr.as qaeqo-'
rait qtilisar se de seas ertioos dde*
ren- BttcftmoM'ndB em csa dos Srs. Ss-
louet Power'Junuawn 4 C a ruu do ApA-
ti. 38 e 40, onde acbarao pe-?- kut 1I1
Ud com qneiii >?'ain entendtr st:
Apparelbo para fannear assotrsr, do jyswma.
WBSTON .jBNTRfiFUGAL
l'ens afeites em PnroAmoueo a fuodieao geraL
Para tratar em seo -cnpiorio a tyu do Apollo ik 38 9 4U.
s mmmmmmmm

Tijlos francezes sextavados
De 4 5-MM a 5..000
o milheiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilhar os pavimentos
terreos das casas, porquanto, pouco mais Gustan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
alguma, superiores a estes pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custam. alm disto menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados, e
os de differentes mosaicos, os qnaes nao estao
eertamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem que ha no emprego
destes tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de serem os memo-
res e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidade, attento a sua solidez e pouco
Seso, estando mais que provada a conveniencia
b serem assoalhadas as cozinhas todas de tijolo,
e nao s a parte junta ao fosao, no que at as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Vendem-se nos armazens de tarinha de Tasso Ir:
maos & C, no caes do Apollo._______________
Charutos de lia va na
De diversas marcas, receberam pelo ulti-
mo vapor.
Bourgard & C.
15 M 00 M&RQUEZ DE
Vende-se
um excellente alambique todo de cobre, quas
novo, e com duas serpentinas : a tratar no enge-
nho Massangana, do Labo.
van mismos
iMflIflM
til.
15
fc^ SA'JQE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DE
BARTHCLOME & C.
34Ra larga do Rosario34
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 5 da ra do Rio, na fregne-
>a do Poco da Panella, com 3 salas, 6
quartos, 1 saleta, despensa, cozinha e quintal mu
rado cujo predio acha-se concertado, caiado e
pintado de novo : a tratar com o commendador
Tasso.
(WOl)
0 bacalbo da Noruega, em caixas e meis
dilas : no caes da Alfandega n. i, armazem de
i Tasso Irmaos & G________________________
Vende-se cal nova de Lisboa pelo menos
preco do qae em outra parte : na ra de Pedr
Affonso n. 3.
IE
Peitoral de cereja
de Ayer.
Para molestias do peito, pulmoes e gar-
ganta, taescomodefluso ou tosee, croup,
astbma, diphteria, broncbites.phtysica.etc,
etc.
Salsaparrilha de Ayer
Estraeto eomposto.
. Para purificar o sangue e livrar do veneno
de escrfulas, sypbilesera todos os seus diffe-
rentes e numerosos ramos.
Remedio de Ayer
Para sezOes.
Contra as febres intermitientes, febres re-
mitientes, boliosas e toda e qualquer mo-
lestia que tem sua origem no desarranjo
da bilis.
Pilulas catharticas
de Ayer.

O purgante perfeito ; pde-se empregar
por todo o effeito de um cathartico ; ou jun-
tamente com os outros remedios de Ayer.
m m mi
Vende-se, arrenda se oa permuta-se, por.
trras que sirvam para plantar canoa, urna padaria
sita no pateo da feira no povoado dos Mentes; a
Acaba de chegar peto-navio Jeau Bmtista, tratr com sea proprietario no mesmo povoado; e
ova remossa de Agoa de Vichy' da feales, para informac5es, com os Srs. Rocha Lima 4 Gui-
irande Grille, Haaterlve.eleati.'B.'Hopitel, Mes- m0a,ies> ruadallom Jess(otttr'Oraa Cru2 n
.lames o Chatcldon, coi casa de Ttsset reres, *
ra 00 (.ommereio n. 9.
Gado para apiguc.
.No engco Boa-Vista, do Cabo, veode-se ga-
jpr-se em dito engenho, estaco da Ilha.
, 6, on com o Sr. Ncomedes Mara Freir, nt
Caes do Apollo, n'esia cidade.
Pedra mannore.
Da meUor qualidade e para todo genero de
abra, retalha-se por precos commodos : na ra
Madre de Deus n. 9.
Todas estas preparaces sao compostas-com um cuidado especial tanto na escetfaa (e mesmo cultivao) das drogas deque sao feitas, como na sua decoccao ; eternos
toda a confianca em dizer que offerecemos arPuMico remedios' dos mais efficazes que se pode produr, e nos julgamos muito superiores a todos que neste genero tem sido apresen-
tado ao povo.
V eiidem-sc em todas as principales pharmacias de Pernam-
bwco e do imperio.
Peitoral de cereja........V
Salsaparrirbade;A5wr....y3#^(V eada WdrO.
Remedio para sezye?..... J
N.-B.Oa-Nniedicwdeji. C. Ayw M; D. (doutor em medicina) vem acompanhados
com rotlos e envoltorios emortuoubi, oom todas as ustruc^oes e direcc,es necessarias e
como proteceSo centra-as fraudes trazem imprensados em brooze as cobertas de cada vidro
0$ nomes dos nicos agentes geraes no imperio do Brasil
H. R. Casscki Oc 1/.
AGBN.TES DOS SRS. J. C. AYER Q.
Agente des** provincia-J. ).& Dayle. ra do Commerok) n. 38.
Pilulas de Ayer..............1W>00 cada vidro.
f


IP
I
8
Diario de Peroambuco Sabbado 8 de xtcp de 1873.
DE
kmmm glul
CMARA DOS DEPITADOS.
DISCURSO PROFERIDO NA SF.SS.V0 DE 14
JANEIRO DE 1873.
(Coi.'.ituago'
Era un;i publcaclo muito recente, im-
pressa om F ranga no mu ultimo, encontra-
se o budget americano para o exfrcfcio de
1871187*2 ciin a sua gigantesca receita
a desfcza oreada para esse exercicio a m
as forfas de ierra e mar excede a toda a
receita anaua do Brasil, o eserojtn dotado
com f, 373,157 d. 30 cea marraba com
21,249,809 d. 99 e.
| nobre deputado par estas decisivas
cifras qne a desp?za da gran l< repblica
com os seus iv..-urs >s militan! exea o'm en
m'iito sdo Brasil. (Muito bem.)
Permitlir-ma-ha o Ilustre ropr --.antante
de Minas Ggracs que s em razao da estrei-
te7.a de tempe deixede m>rg!m o seu bri-
lhante discurso...
O Su. Martiniio Campos : Sou uin ad-
mirador de V. Exc. ; ougo-o como maior
prazer.
O Su. GosmAo Lobo:... para dirigir-
me de passagem ao obre deputado pelo
Rio Grande do Sul, ex-ministro da raannha
d% 1834, que d"xou hoje vazia a sua ca-
deira.
i) S'i. Martinico Campos : Tom esta I
incommodadn.
O Su. Gusmao IjOUO : Doblado senti-
mento (tara inim.
O nobre deputa lo pelo Rio Sitada do
Sul, cuja experimentada devotaco aos nego-
cios pblicos realca OS mritos de seu eleva-
do espirito (muitos apoiados, comecou por
declarar falseado o systema representativo
pelas repetidas prorogagdes das leis do or-
namento. Homein de gorerno como af-
eito s responsabilidades do poder e aos seos
peni veis encargos, o Ilustre ex-ministro
asscgurou o seu voto fe despezas de natureza
excepcional, reclamadas pidas exigencias da
honra nacional, como a todas quantas medi-
das de bem entendida previsao bouvesse
n i lo o governo no intuito de acautelar-se
contra qualquer aggressao.
)1 is quera o nobre deputado que o go-
verno deserapenhasse-se desde j da grande
divida em que est para com a representa-
do nacional, apressan lo-se a comraumear-
Ibe que oiwumstancias imprev ni las,mais ou
renos imperiosas, o baviam determinado a
lanzar no a recursos extraordinarios, nao
il i.reta los no orcamento. A cmara nao
re usara ao governo a approvaco de actos
d'- tal uaturezai nao teria seno que applau-
dir-Ihe a nobre coragem de assumir urna
to grave, mas justificada responsabilidade.
Ser muito breve a minlia resposta. A
d mtritia do nobre deputado est em perfei-
os intuitos do governo.
coube-ia tabella que acompanbou a pro-
posm-do igamelo de 18041865. Ainda
que a esta tabella falle o carcter de regra
legal, nao irunos certo que o governo a
tem invariavelmenle aceitado para regular
o uso desta importante faculdade. E' um
proceder mais que honroso para o governo
do paiz ; os nossos estadistas, tanta vez in-
justimmte apreciados merecem louvor pelo
escrpulo com que nisso se tem conduzido.
Ve se que o arbitrario nao impera em
nosso rgimen. Se militas vezes occorro
que os eruditos suppleraentares e extraor-
dinarios ferem primeira vista as inteiiges
do legislador, que o orga nento no por
loa de coutas seno urna bem entendida pre-
visao, e como to la previsao tica subordina-
da ao curso de acontocimentos que podeou
nao roalisar-se.
Ui!'3 quer que ao poder legislativocaiba
a att\ Vjigj dexar a despeza, o governo
nao poJer, som o mais grave perigo, ficar
desarmado da faculdade do supprir, em casos
imprevistos, a deficiencia dos recursos vo-
ta los. 0 trasporte de sobras nao basta,
citen lido que cada um servigo nao deva
ser volado alm do neoessario. Esta opera-
cao podara em muitos casos annullar a in-
t >nco do legislador.
Qual pode ser o reuaeo a possiveis abu-
sos que as restriego^ da lei de 1862 nao
teuliam o effeito de impedir! Qual ser o
meio de evitar que, pela abertura de crdi-
tos e transposigo de verbas, se ebegue at
a fazer do orgamento urna verdadoira letra
morta, cousa de nenhum alcance pratico na
direcgo do negocios 1
Os adversarios da> Fould o indicaran. A
sanego nica dos boi principios que oeste
assuinpto sao a aspirar,-* de todos os parti-
dos, nao pode ser seno esta : a respoo-
sabilidade ministerial.
Nao existe ella em nossos leis T Panamo-
la effectiva, organisemo-I severamente, e a*
excelloncia das nossas praticas nao ser pos-
ta em duvida. Limitada como est pela lei
de 18G2 a faculdade de abrir crditos, su-
bordinada a regras a de trauspor economas
de urnas para outras rubricando ornamento,
s do parlamento depende- tornar effectiva
a responsabilidade dos ministros e sombra
desta principio fazer do orcamento urna es-
----------------------- |, .. ,-------------
Ha verdadero perigo em ex-ageraAos prin-
cipios. O orgaraento urna prorSft> mais
ou menos fundada"; mas urna ^rorisao.
Ella cede naturalmente dimite do iraprevini-
do, diante do anormal, para qu se nao
pode xar regras.
Ueste ponto, e j o observei, julgo inata-
cavel o nosso systeraa legal. A pratica sin-
cera e conscienciosa da legislagSo que rege
a materia, evita os sabidos" inconvenientes
que podem resultar do arbitrio, anda o mais
limitado e ponderado. '
Qual porm, o svstema do nobre depu-
tado ? (Juaes sao as suas vistas, os reus pla-
nos e dcselbos sobre o modo de acudir s
necessidades- publicas com a* despezas que
ellas requerem? Se tanto o araedrontam os
crditos, se v que por ahi vamos a com-
prometiera maisnobre das nossas preroga-
tivas, se o voto parlamentar est auuullado
pela decrate0o d meios extraordinarios, co-
mo se far que, na ausencia do parlamento,
se pro veja a necessidades imprevistas no or-
namento ?
Ao homem poltico nao basta demolir; a
reconstruegu un empenbo nao menos
valioso. Tollier-se-ba de urna vez a-abertu-
re de crditos ? So desejavois outros limi-
tes alen daquellcs que estabeleceu a lei de
186-1 ".
Relieta o nobre deputado que esta, como
todas as questoes, tem- um lado pratico- que
precise- nao penlaf de vista. Pode ser
uma regra, mas nao e regra absoluta que
nenhurm despeza se fcic* alm das forr^ do
ornamento ou sem a pmvia autorisao do
poder legislativo.
Mereceram-me reparo- as considera^es-do
nobre deputado sobre o imposto. Poden* ter
ellas um grande valor doctrinario que Ibes
contesto, principalmente najvirteem que-o
nobre deputado deu a entender quo o im-
posto resulta de um contrato entre oque
paga e o que recebe; mas-sao de todo pon'
tesem applinw-ao pratica. Este lado prati-
co das questfes inuitas vezes um escokio
em que nanfragam as melhofies iutelligenciac&i
Ver a realidaile de perto-,. apalpa-la por
assim dizer para certos- espirites, urna
grande dilli>;ujitde.
O imposto im effeito^ um sacrificio^
Pequeo ou grande, nao discutamos. lsto
ten sido dito e-repetido sob tantas e to di+
tucionace na espbera de* sua aec/o, apontJH
nos anlBfde tudo os fados ci!H3' trazem p*i
turbado'o rgimen representot-vu. E cm
os factos apontem-no o remedio a-to grave
situacio.
Diga-nos a ilkistre opposito todo o seu
pensainento ; promova pelos meios a seu al-
cance a regenratelo social e poltica do paiz.
Este nao pode ser o empenbo de um so-par-
tido, porque deve ser o empenbo de todos.
(Apoiados).
A'palavra e a in-prensa sao dous grandes
meios de propaganda. To excelentemente
servida como em ambas as casas do parla-
mento, a Ilustre opposiro liberal tem anide
um grande instrumento sua disposicio :
a i mareosa.
Mas deque modo fazeis-na inopcensa o que
se pode ebamar a propegaud das vossas
ideas? A este nobre agenV do- pensaniento
st reservada em nosso svstema uroa grave
augusta nussao que a deve mantas iseuta as
pnixes.
Sinto revir-me vossai impaensa no
mesmo dia env que ella me attribiw tao in-
justamente un proceder menos benroao.
(Apoiados^.
O Sr. MAR,Ttiun Campos do- um- a^aiie.
OR. GusikVo 1-^B0 :Amo a imprensa
livre, mas como toda liberdade a-da impre-
sa teto seu natural limite no Maputo da
justicie da verdade. O duesto, a injuria,
todos estes meios- cowlemnaveis da-difamn--
eo vulgar, desbonran a mais ilustre das
causas. (Apoiados; reclamares apartes,.
O Siu Paramos-:V. Exc. fui aggredido
xnarinba, par-i .ijuizar coro profundo coiilie- Bem tei que a rcpubliea Argnto-nao uma
imer.toa^aussiosnwtivcwquedeteTinijia- potencia militar ; ante sinto con* um no-
ram a awflira dos crditos. bre desfanecimento que nenbum duvida
0 nobmdeputado lentou esto estudo : roas dos podew terrificar sobre o xito das nos-
como o fez? sas armas. -(Muitos apoiados). Porm.
Reside aqoi todo o intoresse d* quostov quanto mai* aperfei&oado fossem os ossos
Desde que por nenbum plausivel fundamento' meios de guerra, tanto menos sacrificio nos
possam ser contestadas as razoes de ordem jmporia a nova campairba. (Muito bem ).
publica a quo se nec-re o qiwdro justitieativo o sangue dos nossos bravos soldados mui-
das despezas extraordinarias, nao lia que ex- -0 ^ ojgno de ser poupado do que alguns
trahir d'abi motivo-de censura. Nem se di- j miHiai-es de contos. (Apoiados; muito
ga que cmara fina smente competindoo beml.
ilireito de reforandw despezas realisadas ;
iii'iose ilie pede i.m voto sileneroso, oMtM
lbe petle um puro veto de oonftaof
i'i/.eiam-so despexaSKJe ordem-extraordina-
ria.- O quadi o que temos debaixo dos olbos
as especifica e demonstra, justifieaudo-a*
com as necessidades que as motivaran:.
Gbegantlo a este ponto dillicil dademons-
InujftO pw cifras, vio a aaniara (pie o nobre
deputado* sentio-se gravemente emb(irt;ado.
Gomecpu por imprest-iona-lo o ife/ci< ve-
rifioado- m despeza reatedi em vista dos
$$ Io e 3" (! arl. o" da Uin. 1,836 de27 do
setombro de 1870. Este dficit que em
potar oxctile 3: jOO?, proveio de augmen-
to de vencii?utos deeretadeo por umn- das
tabeHas-annstaa ao decreto u. 4,88i de 5
de fevereiro de 1872. ,
Sempre se-euleudeu coirx> iuadiavel o*pa-
gameatode s..h(.-s, salarios>.e veneimmitesj
dequalqper nataweza. O bmctiouario pu-
blico nao poda*Afir privado* da* vantagunt
plendida verdade. (Muito bcm.;
Nem se argumenta com a- dedicarlo das versas formas, que ser.a em pura perda lis-
to harmona com
'.tilia los e nao apoiados). Consciente
da responsabilidade que tomou asi, nao a
. i n m a podena evitar um gabinete que
n p '!a primeira de suas aspiragdes a de
viver cora a immediata co-participagao do
pader legislativo. (Apoiados e nao apoia-
d s.
\o a'Milir-se a recursos extraordinarios,
c gabinete de 7 de mareo obedeccu ainadia-
veis n c s-ii lados. A cmara julgar em sua
- bo loria S3 elle andou desaconselbado ao
lar, parante cifeumstancias excepciooaes,
a attitude que lbe impunba a previsao dos
a ontecimentos.
Este julgamento da cunara nao se far
demorar. 0 governo o provocar quanto
a rtes, comoe'deseu rigorosodever. (Apoia-
d- s.
0 Su. Ministro da Guerra d um
aparte.
' 0 Sr.Gusmo Lobo : Ven? lito que os
, si 11 pul is do Ilustre representante do Rio-
Grande do Sul vo ficar per este modo tran-
quilizados.
V faculdade de abrir crditos e transpor-
tar sobras, bem como o modo pelo qual o
zovern iserrio-sp deste meio extraordinario
d". acudir deficiencia do orcamento, sus-
ctar,i:n observacoes que estao a pedir con-
veniente reparo.
Impressionado pelos possiveis perigos do
uso dessa faculdade, e nV) o menor de
pntreelles o rer-sc annnllado o voto do par-
lamento, o nobre deputado recordou as ob-
5es levanta-las DO sena lo de Franca con-
o plano de Fould, consagrado no sena-
consnlto de 31 de dezembro de 1861.
A irmos ueste caminho de contrariar na pra-
tica as intencoes manifestadas pelo parla-
mento as previsoes do orcamento, nada
mu ice ao nobre deputado mais possivelque
i i nos realisado o de que tanto se arreceia-
vam os adversarios do systeraa de Fould.
Evidentemente o nobre deputado confun-
lio situaces muito distinctas. Quando
Kould tentou e obteve sbmetter a novas re-
gras a faculdade de supprir a deficiencia los
: meios votados, os crditos extra-budgetarios
tinham attingido a um tal grao que o orga-
. ito hara perdido o seu carcter do or-
iniento. A reforma de 1852, na apparen-
cia se luctora, nao surtir os etTeitos que lhe
baviam sido attribuidos. Vira-se um minis-
. de estado abrir crditos no valor de
87,900,009 de francos, estando o parlamen-
to a funccionar.
Foi em taes rcumstancias qu6 se julgou
de bora aviso retirar ao poder executivo o
podej de abrir crditos por simples decre-
to, e outras providencias foram lembradas
de maneira a cortar por abusos que pertur-
bavam consideravalmonte as vistas do orna-
mento. Os adversados do novo svstema, e
Troplong frente dellcs, julgaram iuefficazes
os meios propostos para prover de remedio a
um mal to grave. Para que o transporte
das verbas podesse supprir s necessidades
de momento, a necessidades imprevistas, se-
ria mister que os varios servicos fossem to
ricamente dotados, que a transposicao se
fi/essepossivel.
D'outro modo os crditos supplementa-
res e extraordinarios reappareceriam sob
uma ou outra forma, e nao seria a menos
perigosa a de deixar mo dos -ministros
verbas consideraveis que, desviadas de ser-
vicos determinados, se prestassem a exigen-
cias nao previnidas no ornamento.
Como quer que se deva julgar do plano
de Fould, grato recordar que em nosso
paiz nao ba a lamentar os abusos que o emi-
nente finanpeiro propoz-se evitar. Muito de
outro modo passam-se as cousas entre nos,
bonra nesta parte a todos os .partidos e a
todas as stuocoes. (Apoiados.),
A le n. 1177 de 9 de setembro de 1872
autorisando a applicaQo de sobras de urnas
para outras rubricas do orcamento, sub-
i.ietteu a decretaco de crditos supplemen-
tures a justos limites, que sao definidos na
maiorias, de que os governos tiram em boa
parte a sua torga. Ha cima da responsa-
bilidade legal, queum governo possa evitar
um outro molo de ser da responsabilidade
qu^ nenhum governo poderillttdir: a res-
ponsabilidade moral. (Apoiados, muito
bem.;
A applicaco que tiveram os crditos abor-
tos pelo ministerio da marinba mais que
justificada .Nenbu.n Brasileiro levantar
queixas sinceras contra a previdencia com
que o honrado ministro procuruu melborar
os nossos recursos uavaes na presenta de
circumstancias grives que podiam nao ter
a amigare! e honrosa solugo que-o paiz aco-
llieu agradecido. (Apoiados.)
Por este acto nao me cabe seno louvar
ao governo. Elle fez o seu dever ; fez o
que nao smente lhe aconselhavam, mas
lhe dictavam imperiosamente as circums-
tancias. 0 governo que na perspectiva de
urna guerra externa, sedeixasse sorprender
desprovido de meios para nianter illesa a
honra nacional, seria um governo indigno
desse grande e generoso paiz que, se ama
tao profundamente a paz como a paz me-
rece ser amada, nao evitar a guerra, sem-
pre que ella se impuzer a scus destinos co-
mo uma triste e Cruel nceessidade. 'Muito
bem, muito bem.)
E" certo que se fez encommenda ed um
encouracado, de transportes, de armamen-
tos ; certo que se imprimi actividade aos
nossos arseoaes. Nao o menos que estas
encommeudas custam dinheiro, importam
despezas improductivas que, applicadas a
estradas de ferro, a outros grandes melhora-
mentos, de que o governo nao andar des-
lembrado, podiam dar-nos muitos outros re-
sultados.
Mas quando, perante a aggressao ChrUie,
o governo diligencien apparelhar-se para a
resistencia, e as fabricas europeas foram
postas em contribuirao para dotar-nos rom
alguns recursos de defeza, nao se abriram
crditos extraordinarios ?
Record que o nobre deputado, interpel-
lalo pesta casa, como honrado ministro que
euto era dos negocios da mariuha, julgou
acertado defender o acto de seu antecessor
como um acto de previdencia e de patrio-
tismo. Tratava-se da encommenda de um
encouragado, de armamento e de projectis
de guerra. Tomando pqr sua a responsa-
bilidade, disse cmara o nobre ex-minis-
tro da marraba, provtvelmeate daquelle
mesmo lugar, que se o Brasil nao estava
em condices de laucar ao mar ormidaveis
esquadras, devia ter um certo numero de
navios fortes para resistir primeira ag-
gressao.
Isto era om 1864. Boje, que a nossa es
quadra volta gloriosamente mutilada das
aguas do Paraguay (apoiados) ; hoje, que os
nossos melhores vasos de guerra esto a pe-
dir reparo, e a experiencia os proclama im-
proprios para a defeza da nossa extensa cos-
ta ; hoje, que os progressos da marinba mi-
litar nos impoem a necessidade de refazer,
quanto fr compativel com os recursos do
s porque deu alguns apartes quaidooiava dazisseo-goretu* prvacC*s-qweso oie-
onobre-deputado-pelo Rio-Grande do Sul.
0 Siu. Florencio- de Abreu :O nobre
deputadomo pode;, porcia, negar quea iu>-
prensa liberal fa/a sua propaganda eomor-
me as regras do< sy6tema representativo,
uina gloria- que nao lhe pode ser cont
tada.
O Sr. Martisi Campo* :ApoiadD
A repblica Argentina dispoe sabidamente
de mu* pequea receita. Cmo procedeu,
ontretsinto, o seu governo perante a proba-
bilidatle de uina lu*a com o Brasil ? Eu-
commeudon s fabricas europeas esicoura-
gadosvarlilbaria, projectis ; o congresso ar-
gentino- deu-se pressa- em votec os fundos
indispensaveis ao armamento do paiz
Em taes circumstancias devia o- Brasil
dOrmirsobre os seusimus graves interesses,
deixar-*- desajwrcebido descuidosamente,
esnfiante em-seu boin dimito e cm-sua -
peordade militar ?
W governo que o fizesse, seria ora gover-
no indigno'deste grande a-generoso povebra-
sileiro, que- nfi conbece partidos, nao- mer-
cadoja o pet;p de sacrificios, quando da
linii \t nacional qoe se trata. ( Muitabem.,
O nobre deputado v ern tudo isto- urna-
fargs! Ma+no-se recusar a reconhecei
que o* crditos qoestionados, que to in-
justo reparo lhe mereceraia inspiraram-se
que llie saemer lei concedirla; seria Opta- em un- nobre peusameiito-:o amer do
dosoqwe -ialaa*de crdito ordinario os-re- paZ-
.No foi umt errw de aprociai.o que os-
motivo. Foi a-mais justa e- bem entendida
pievisao, a uims louvavel iiquietac,o-per
acautellter unriinnsinente perigo. (Muito
bem

saltado da carencia de ineios.
0 Su.Sn-vtuii.v. Maivtins :Tem adiado
al opagamenta* da gratilicaco devida aos
voluutat.ios -da ^nlria.
O SR.GfS.viO'Lao: Mas-;. almdeque
um abu.-onao>!>tfk-jra OHtre.bca sabe o
nobre deputado ijne o pagrnoste de taeaj
O Su- GusmAo Lobo :Seguramente nao
,lo demorado-; nem p Je ser'seuao assin
Vudcao paolroeuto dar tonta de seu*
actos, o invern'medio em tetnpo a exten-
sao de 3ua re-^punsabilidade-.. Elle nao a
IgrahlicaQMesdepende-de uin preeesse*um tan- usfarga ;:quer oexamee a ummo luz
euti-lo.
Mas o nobre deputado foi raaislonge. Itv-
terrogou o governo se queria-o imposto para
ter urna polica, que nao policae uma magis-
tratura que nao- julga ou julga mal I
Esta pbltse consagra a mais- cruel injust*-
ca ajioiailos, A polica do imperio corre a
conta das provinciase dos seu* ainda pou*
cades recursos que tanto conviria alargare
desenvolver. Eufaria votos para que a des-
peza, que por este modo se carrega aos ce-
fres- provinciaes^fosse attribuida ao orcamen-
to geral : ella absorve grande parte das c
coitos provinciaes, em alguuias attingindo
como na provincia de Pernambuco a un
ponco menos da terc,a parte da sua renda.
Mas,.sabido que s provincias compete
prover s necessidades de sua polica, bem
ou mal entendido que esta despeza de na*
tureza provinciaJ, nao ha que censurar ao
governo pela defectiva erganisa^o deste sa-
me-do servido ; ellas fazem muito cora, o
actual systema de impostes ojie avolumam a
receita geral com prejuizo das receitas pro-
vinciaes.
Em vez de elevar injusto brado contra o
modo pelo quaias provincias acodem a> es-
ta necessidade, tratemos de estender-lhasos
recursos, de alargar-Ibes as- fontes de renda
de maneira habilitarlas para desenvolver a
viaco, derramar a instruccjto publica o pro-
mover e fomentar os seus mltiplos interes-
ses. (Apoiados.)
O paiz ouvir com estraoheza, Sr. presi-
dente, o severo juizo do nobre deputado so-
brea honradacl'asse da magistratura. (Apoia-
dos.) Esta nobre classe a cuja guarda esto
confiados os mais preciosos interesses- da so-
ciedade (apoiados), a liberdade a proprieda-
de, todos os direitos do individuo,, e que,
espalhada peda immensa superficie do impe-
rio, tanto coucorre para a firmeza e segu-
ranza de todas- as relagoes, nao merece que
no seio da representago nacional se con-
demne animadversao publica por uma
phrase to retumbante como injusta. (Apoia-
dos, muito bem.)
A magistratura brasilea honra o paiz-,
(apoiados) ; urna classe distinctissima que
a nenhuma outra cede em illustrago, em
probidade e em patriotismo. (Muito bem)
Fosse um membro da materia a exprimir
o juizo que tivemos o pezar de ouvir, e os
nobres deputados da opposiro se ergueriam
de suas cadeiras a protestarem, com as ener-
vas a que sao afleicoados, pelos merecidos
crditos a que a magistratura do Brasil con-
quisten indisputavel dimito.
Mas foi um Ilustre representante da escola
liberal que, esquecendo em um momento a
somma do sacrificios que despende o magis-
trado, deslembrando que em muitos pontos
do imperio a vida dojuiz um herosmo to-
dos os dias recomegado (apoiados), veio bo-
gar toga do magistrado brasileiro esta n-
cabida censura :vos julgais mal ou nao
imperio, o nosso empobrecido material de
guerra, pode caber censura ao gabinete 7
de margo por haver feito encommenda de
um cncouragado e alguns transportes no
momento em que que surga uma dillicul-
dade em nossas relacoes internacionaes 1
(Apoiados.)
Nao foram mais procedentes, Sr. presi-
dente, as observacoes doilluste deputado
pelo distrito do Rio Grande do Sul que dei-
xou a tribuna.
Indiscutivel como o direito que ao par-
lamento incumbe de supprimir, crear ser-
vicos, e desenvolve-los segundo o curso das
necessidades publicas e consequentemeute o
de fixar os meios, estou perfeitamente de
accordo com o nobre deputado em que esta
porventura a mais preciosa das prerogati
vas parlamentares. Antes que o ouvisse ao
lustre representante do Rio Grande do Sul,
traba aprendido de Montalembert que pela
fixago annua da despeza, o parlamento tem
o dimito de intervir no exercicio de todas as
funeges governamentaes, ainda mesmo a
declarar e fazer a guerra. (ApoiadosJ
Mas se o ornamento o grande meio que
o parlamento tom sua disposigo para in-
fluenciar de um modo decisivo na direceo
dos negocios pblicos, verdadeira sanego
do rgimen parlamentar, como alguein j o
disse, ninguem dir que a instituico dos
crditos deva ser condemnada de um modo
absoluto como oflensiva ao direito de supre-
ma fiscaiisac,o que ao parlamento compete.
julgais.
O Sr. Martixho Campos d um aparte.
0 Sr. Gusmao Lobo : O nobre deputado
pelo Rio-Grande do Sul v o paiz beira de
um abysmo, todas as praticas do systema in-
vertidas, tedas as liberdades confiscadas, e
pairando sobre estas ruinas, a omnipotencia
governamenlal a entorpecer o progresso das
instituiges, a desnatura-las, enfraquec-
las pela indebita influencia com que pertur-
ba o jogo regular do rgimen representa
tivo.
Dir-se-hia que bavemos chegado a um
tempo em que nao ha salvago possivel para
as instituiges; dir-se-hia que a sociedade
brasilea vai caminho da dissolugo, e o
grande culpado o gabinete de 7 de margo.
A paixo poltica, Sr. presidente, encarece
tudoem que toca. Nao encarece somonte ;
phantasia desgrasas, ruinas moraes e polti-
cas, e julga que por tal modo, induzindo a
opinio a descrer de tudo e de todos, lhe
presta o mais assignalado servio.
0 que vemos, entretanto, que o paiz
desenvolve-se (apoiados), e o progressivo
augmento da fortuna publica ahi est para o
attestar. Se por este lado, o do adiantamen-
to material, o paiz encaminha-se a grandes
destinos, o machnismo poltico nao soffreu
nos ulraos tempos perturbaso que o ex,-
ponha a perigo. Nenhum fado annuncia
que as instituigoes vio em decadencia. Os
costumes pblicos, tendendo a melhorar,
sao a base mais firme em que essas institui-
ges repousam.
Se a escola liberal v ameagada a organi-
sago poltica pelo rompimento do equilibrio
que deve conter cada um dos poderes consu-
me fiz entender. Nao lento arrebatar prensa liberal glorias que lhe possam com-
petir, nao-cotitest.que ella sirva tom dedica-
gao s'ideas do partido- qae a inspira- O
que eu quereria que a verdade eajusya
fossuin hivariaveliatento as suas- normas. Ne-
nhuma impreiisa pode honrar-se com o uso
da difarnugo. (Maitos apoiados).
'' O Sr.. Martinbo Cami'os d um apaste;
0 Sr. Gusm.Vo-I.obo :Fohzineiite, o nu-
bre deputado por Minas, Jistincto represen-.
tante da escola liberal, faz-mea justica a que
me julgO'Com direito.
VoZES*:Muito bem.
OSr.Gusm.Vo Lobo :Vem a ponto re-
cordar, Sr. presidente, urna-outra grave ih
justiga COiimettid pela impreasa liberal.
Acamara testemunba de que no dcs--
agradavel aconteciioeuto de-lie*item nao tc-
mei parte ainda a- menos activa (apoiados),
como nao a tomou o- honrado Sr. ministro do
imperio^ (Muitos <:oados,- Omeu illustre
amigo nao interveio de nenhwm modo no
lamentavel incidente (apoiadus, ; nem por
uma palavra, nempr um gesto traduzio o-
pensamento que impreaea- lhe attribua.
(Muitos apoiados^..
Deixando de parte este iiigrato assuinpto,
lamenta-que o nobre deputado pelo Rio-
Grande do Sul tenha deixai'* a sua cadeira.
OSu.. Florencio de Anal:Retirou-se
por um momento e para negocio urgente.
O Sr. Gusmac Lobo :Referiudo-se aos
crditos supplemeotares e ao transporte de
verba com que-o governo leve de attender
a imprevistas neeessidadesy advertio o filus-
tre deputado que pelo usc-immoderado dessa
faculdade tendanse a despresgia-li"..
Desde que taes meios de supprir defi-
ciencia do ornamento sao- autorisados pela
leij nao se dirTquc o governo lancou mo a
unvrecurso extra-legal. A maior ou menor
somma das quantias transportadas, bem
como o maior ou menor valor dos crditos,
nao modificara a origem e a natureza dessa
faculdade governamenlal.
0 Siw Martin no Campos :Quando usa
discretamente.
(Entra no.salo o Sr.Silveira .MarLins,.
O Sr. Gcsmao Lobo :Se o uso dessa fa.-
culdade foi.ou nao discreto, detwiuinado *u
nao por circumstancias excepcionaes, teee-
mos a occasio propria de o verificar. .\go-
;ra mesuro podemos fazer no que toe* s-
despezasautorisadas pelo ministerio da ma-
rinba.
V-se que nao 6 sobre principios qne a
discussao versa. L'sou. o governo di-rana
altribui^o legal. 0- que cuiBpre dear
assente se no exercicio dessa attribu,o fo-
ram ou nao consultados os iuteresses db paiz,
attendeu-se ou nao.a. reaes e imperiosas ne-
cessidades.
Pedia o governo privar-se de ta.-s. meios ?
Esld toda a questo.
Sinto que, fatigada a attengo da. cmara
(muitos nao apoiados,, seja impraticavel
examinar detidamente cada uma. das verbas
a que foram votados os meios supplementa-
res. Resultara desse aprofundado exame a
mais segura conviego de que s urna extre-
ma e inadiavel necessidade moveu o governo
a preencheraslaeunas do orgamento.
Convenbam os illustres raembros da oppo-
sigo liberal que a verdadedos orgamentos (i
uma aspirago to nossa como de seu parti-
do. (Apoiados). Deixemos as apreciagoes
vagas pelo exame severo das despezas reali-
sadas ; e examinadas uma a urna ver-se-ha
que ponderosos motivos as determinaram.
Sou dos que mais admiram ao nobre de-
putado ; mas nesta questo de crditos, que
demanda attengo paciente, espirito calmo e
desapaixonado, a palavra cabe primeira meu-
te s cifras.
Desprenda-se o nobre deputado das eleva-
vadas consideragoes a que o arrebata o seu
[desde que,Jissolvides os torpee-de- volunta
los, (lcirsterurceder a k-tdagagdes 80^
BCO a idei.iidade de psssoa com sobre o di-
reito que acadattm.couipete.
(Juasi pesso afitrmar que o gowetM) nao
ana noticia du nenhiu justa- reckiinago jp^^ 0 gabiuete-7 dfc margo
mas se sinssydesattaodia. Se o nobce de- laspirago : a de-viver co
jotado connece alguradessesnobaos catados ^^ opinio.
qiMt esteja em caso-de reclamar o-pagaauento
do-premio qye pootoj^isto tituli Ihedevi-
deyfaria um escetteate servigo om. dizer-nos
oneme. 0 goreme seria solitko-en cuui-
pr o que dever deboura do estado. (Mui-
tos- apoiados .
0 gabinete 7 demarco nao se aporta 10-
tessonlmente dassoratM maissevtras da
juti;a. Setuii ou:outro factcf-pode ser in-
vocado, envque a acejm do gowenoo* se nao
tente feito sentir com a desejaveLpntmptt-
do, nao o-levem aconta de siki res|x>nsabi-
lidtKte ; que milites vezes os interessados
ato pouco solicitos e nao seno tarde que
os Jados ebegara ao eoohecimento do go-
veitto.
( Sr. Shaeiha Martins da- un apar-
te.
O Su. Gusmo b>BO: -^uasi- todos os
voluntarios, voltando da campuba, inter-
naram-se nessuas provincias. Aos-que vie-
cara arregiinaatadot, foram peutualmnte
gagas as giatilcagoes ; muitos. outi-os, po-
cin natural que 86 nao teuliam .redamado.
(Jne culpa pude vir d'ahi ao geveruo T
Vjuaudo alguma ivclamago deixar de ser
atlendida, eu.seroi dos primeiros a clamar
pelo resgate- du urna verdadeira, divida de
honra como aquella em que est o estado
ra com .inubilissima classe dos voluuta-
kle toila pubcidade-; quer ser julgado se-
gundo as verdadeiras normas- da szstema-
representativo.
U Sr. Ministro da GCOUU :Muito
,'beni.
0 Sr. Gusmao Lobo :Agoraeomo sem-
tt-uiiuma nica
com a- opinio e
Apoiados).
A sua Riega nao- reside smente na Ilus-
tre e resoluta-maioMa que o sustenta ; reside
antes le tudo om un grande partido, rico
de tradices- e de longos servigos ao paiz.
i Muito bem.)
E' para essa-maiociae para esse partido
^jiie o gabinete 7 do margo temo direito uV
appellar.
No dia em- que as evoluges polticas as-
sagnalarem a este partido a ultima hora do
poder, elle caira araortalhado com a ma>
gloriosa inortalha de um verdadeiro parti-
do do opinio -: e essa mortalba ser a
onstituigo poltica do imperio em que st-
pede 1er em largos tragos esta honrosa di-
visa :ordem-, liberdade e progresso.
Vozes :( Muito-bem.)
JO orador cuiprimentado. por todos
ministros e por om graude numero de
Srs. deputadws..)
par
VARIEDADE
CIRCULAR DO S. Pl Y MAilGALL.
iSelo ministeti' da gcvemago se expedid
a-seguinte trculae aos govemadores da-
wovincias :
-
rios da patria (muito bem.)
As rerbes decretadas a suppair a deli-j (< Vago o throeo pe'a reauncia de b.
t-ieucia dos ^ (i el increcei-an;^ ao obr,J ,Amaaeu ,teSebov, o congresso e o sead.
deputado a.approvago quenio^tOde prestar L^j^job, em "ertes soberanas, assumi-
isdis^le 14. ^ mm todos ospoiterese protbmaram ai*-
genio...
0 Sr. Silveira Martins : Muito obn-
0 Sr. GusmAo Lobo :... veja de perto o
lado pratico das questoes, o far aos que gc-
rem a causa publica a justiga que lhes nao
pode ser recusada.
Em todos os tempos e em todos os paizes,
sob uma ou sob outra forma, usou o gover-
no da faculdade de acudir por meio de cr-
ditos s necessidades nao prevenidas no or-
Samento, se o sao de tal natureza que nao
possam sem grande inconveniente ser adia-
das.
0 meio de evitar o uso immoderado dessa
faculdade, de o conter em seus justos e razoa-
dos limites, nao consiste somente em sujeita-
la a clausulas mais ou menos providentes. 0
supremo direito de inspeeso que compete
cmara de entre todos o meio mais decisi-
vo de acautelar possiveis excesss.
, 0 Sr. Silveira Martins : Quando h-
vremeute eleita.
0 Sr. Gusmao Lobo :Basta abrir o re-
latorio do nobre ministro dos negocios da
Basta attender natureza das despezas,
que nesta parte justificara o crdito extraor-
dinario, para ajnizar que outro nao poda
ser o proceder do nobro ministro.
A verba.do $l consagrada a cous-
truccOes navaes, a reparos,, compra de-
niachinisiaos apparelhos e materias pri-
mas de incoutestavel conveniencia ao ser-
vigo das oflteraas do arsenal de marinha, e
a do t^ 1 i ;i niaiiuti.-iii.o de uma divisan na.-
val do'Paraguas, acquisigo de artilharia
apropriada a alguns dos nossos navios, na>
vegage-instructiva das corvetas Mtheron e
tiahiaiui e a outros servicos.
Nao estranho ao paiz que as relagOes
do imperio cora a repidjlica Argentina aL-a-
vessai^un um doloroso periodo de que po-
diam, previr as lamentaveis consequencias de
uma guerra externa.
Esta grave dilliculdade que o gabinete
7 de-margo leve o fortuvio de resolver com
tanta honra para a nago (muitos apoia-
dos)...
OsSrs. Sii.veii-uV Martins e Martiniio
CAMPOS :Nao apoiado.
O Sr. Gusmao Loboc.... salvaguar-
dando os legtimos interesses do imperio c
ao mesmo tempo poupando-lhe a enorme
somma de srcrrficios que as implacaveis exi-
gencias de uma guerra externa (muitos
apoiados) fazem tristemente necessarios, os-
tentava-se no horizonte das nossas relagoes
internacionaes cheia de perigos, ameaga im-
minente slutas pacificas do trabalho e ao
desenvotvimento dos nossos grandes recur-
sos. (Muito bem.)
Sem discutir este ponto de que teremos
occasio de oceupar-nos to estendidamente
como merece...
0 Sr. Silveira Martins -.Sem du-
vida.
OSr. Gusmao Lobo:... corto que o
paiz estove vespera de empenhar-se era
uma luta externa. Emquanto a diploma-
cia tinha a palavra, pedia a mais bem enten-
dida previsao que o governo se condu-
zisse de maneira a estar convenientemen-
te armado,no momento do perigo. (Apoia-
dos.)
Fazer o contrario, deixar inertes os arse-
publica.
A consolida-la e dar-lhe prestigio de-
ven agora dirigtr-sc os esforws de todas a*
autoridades que deste ministerio dependom.
Foi establecida sem sangue, sem abates,
sem a menor dterago da ordem : e sen.
disturbios convm que se sustente,, para
queacabem-de desenganar-se os que acon-
sideravaaii cumpanheira iDseparavel da-anar
chia.
i Ordem, liberdade, juetifa : tal '
lemma da repblica. Contrariar-se-hiam
os seus fins seno se respeitasse e fizesst-
respeitar o direito de todos os cidadoSy se
nao se corregissem com mo firme todos Os
abusos e nao se dobrassem ao salutar jpgr
da le todas as cabegas. Contrariar-se-ntam
amliem-senose deixasse ampia e absoluta
liberdade s mauifestaj.es do pensainento
e dai aonsciencia, se se violasse o. menor
dos direitos consignados no titulo t da
constituieo de 1869. Nao se contrariara
menos se pla fraqueza se deixasse sair fra
da rbita das leis alguns dos partidos em
que est dividida a naHio hespanhola,
Con-vm nao esquecer que a insurreigo
deixa de ser um direito desde o momento
em que universal o sutfragio, sem condi-
gnos a liberdade, e sem o limite da autori' ,
dado real a snberania do povo, toda a
idea pude ditTundir-se e realisar-se sem ne-
cessidade de appellar ao brbaro recurso,
das ai mas.
Confio em que, penetrando-se V. S
bem destas ideas, determine por ellas a sua
conducta. Por ella determinar rigorosa-
mente as suas o ministro que assigna. Hto
de se reunir cortes constituintes, que ri-
ro dar organisago o forma republicana :
nao se repetiro nos prximos comicios as
Ilegalidades de outros tempos. Nao se
commetterara j as coaeges, os desmandos,
as violencias, as fraudes que tanto falsea-
rain outras eleiges : nao ficar pelo menos
sem castigo o que as commetter. Sem una
profundo rospeito lei, seria a rupublica
mais um desengao para Os poros; e os
que compomos o poder executivo nao ha-
naes, desprovidos os nossos vasos de guerra vemos d(J defrauda-los, nem consentir que
de meios severos de ataque, adiar soluso. M jnes defraude a ultima esperanga".
dos problemas qne a guerra suscita at que
os acontecimentos viessem impor-nos a ne-
cessidade de refazer todos os servigos. ou
Madrid, 14 de fevereiro lb73.
Pi ij Margal!.
pelo menos de activados hora dos pri-1
meiros recontros ; nao era seguramente o j
meio mais aconselhado de velar pela guarda.
dos Brandes interesses do direito e da honra; J-.___, .
nactonal. (Apoiados.) | DONATIVO.-0 governo russoautorisou
0 que se quereria ? Que deixassemos a academia de medicina de S. Petersburgo
romper as hostilidades, ferr os primeiros a aceita- um donativo de 100 contos offere-
combates, sacrificar vidas, dinheiro e tem- cido pelo Sr. Lidia Rodstwena, afim de Ura-
no to digno de ser poupado na paz como dar e abrir um curso de medicina para uso
na guerra, para me ento nos apercebesse- le mulheresque o queiram frequentar.
mos da necessidade de fazer a acquisigo de .
apparelhos bellicos, de couragados, de,
transportes, de artilharia e tudo mais que |_____________________________________
os servidos de guerra demandara ? TYP. UO DIARIO RA DtjHE E.CAXJAa


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC5D7SMZU_LN1IX7 INGEST_TIME 2013-09-19T22:19:48Z PACKAGE AA00011611_12856
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES