Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12855


This item is only available as the following downloads:


Full Text

- !-----------------------

AMO XLUL NUMERO 55

VAHA A CAPITAL E M (. IBBB 0\!>E ltO SE PAGA POktTl
*or tres mezes adiantados........... W.
*<* ditos dem ............ ; ; ; .ggj
aor ra anno dem ........ '. ofln,n
Cada numero avulso **
t\
SEXTA EEIRA 7 1)E ARCO DE 1873.
PARA DESTBO E FllA UA POVIVI*.
fcrfrtt mezes diantados. \ .........., .. ..
or seis cutos dem. .
or nove ditos dem........
Por um anno idem.

W750
3*JW0
SOMM
27*000

PROPRIEDADE DE MAKOEL FICBR01 DE FARIA & FILHOS
r------------------------------------------------------------------------------------a.___ -
1
Pereir. d Almeja, em Mamanguape ; Augusto Gomes d, SUva, n. Pranla; Antonio Jos Gomen, a Vill-dn **., Belannino dos Stos Bulcdo, Sanio Antao ; Donaos Jos Costa Braga eatWetb,
'__________________ nl0n'0 Ferre,ra ^ AgUar'm GyanM J FranCn TavaresdaC0Sta' 1,a^' Alvns 4 C, na Bnkia ; Laite, Certruiuho A C. no Riojde Jameiro.
PARTE OmCIAL
Falla
GOYE3LU.O HA PftOYIIXCIA.
que o Exm. Sr. commendador Henrique
Pereira de Lucena abri a sesso da assembla pro-
vincial, no 1." de marco de 1873.
(OORTlSUAgAo)
A mstruceao publica, mxime a primaria, que objecto da maior solicitude dos
tota os paize* vihs,d..s, nao pode flecar d merecern pSUS
Lom quanto mu.to se tenlia feito no intuito de diiUuidil-a f,-i ol***
MU anda suplentemente derramada,- ne.u tao poaco onSrt VfSSh?f
WMU possivel de beneficios. ^""> ue "louu a proauzr a maior
Mas iiio vos sirva isto de motivo para desacorocoar
, Si sr s s:;rTtor,j"j s*s *-***
i
governos
que o qui
Cumpre, pois, que se d
tiouver numero rasoave
nos povoados pequea
novo a leitura ilos bous
/i >."* t -..i- tilica lllitl
sin0?uVl!eo e"dWe,nraa0Unipr0JLT,0det "*' discu^> *
e ilas artes mais uteis vida pratica."
' discusso, amplan"
Faco votos para que seja elle este anno convertido
SMntfBe^ass;u;o:quT;-Smeoseo oS;K,',e,,' *"** "* *> vossa
udo ISSriSiX^ Pires *
satas sarS S K^??sSS3
taT*inno>mnlugl,ieto ,e,u ^nado merecedor de
Acba-se ja removida, desde t4 de novenibro ultimo a resmwn rittmt&s.__n
Exiga aquella repartido que fossem concertados
mo comprados oulros que se tornavam precisos ao >
ella boje unccionando em boa sala e devidaineute preparada
ment
da
pav-
accomo -
~Z i^T* doTS, fS
BHMUHH
de disti'ictos nao
mira levador.
E' tal,
,.,.,ct., ,,ov., ,, m.u d. urna vigihnca nsMle, T!mSfe SSda'
ou entao que se
lim nonieada, hou-
saber : 186 para
ivamente 149, interinamente
e destas acham-se pjovids sttoeti'vaawie 1 i. interinamente lt e vagas 3.

itamente, at que esta ilustre assembla iulciie neces^arin i maniit
::uS.,ia,,,reza nos ,,,esmos ^'^ "* W^tafcrSr^SSlSS
Sobre (aes pietenfoes mandn o mesino director ouvir os
noa, alim de snbmetlel-as a deliberaco desta Dresideneia
respectivos delegados littera-
HEMogoEs Cum prasos mais ou menos longos obtiveram liceneas
que e boje frepueU.a,ln por mais de 14 *g Pn>XnM ^^ u,na escola
Ll :K.V\AS, PEHMITAS K
l profesores e 2 prufessoras.
Informa o Dr. director geral interino ter a experiencia demonstrado aue as liceneas re-
distantes
embo-
..saaoMiwianos, lem traztoo nimias vezes ..convenintes ao entin visto comole n.
s^r hedacbar-sepessoa .doea, prinejpalinenle para a substituicao dt cadeiri m'i di
ldeSVeSau'ina ZmttES! H r""""8 i*SW?l*lSL
iJIcteSpri^n^^nS^^ coin tudo quem queira por tao curto es-
VgSl&qXJFJ***' tCna de faZer C'n 8 ,itul e trailsl'rte l^spezas superiores
Hm fe^rco^^aSr^m^ imPediment0 ^ -P-voS Marren.
drie-S lit-erario genera.isando-seVsse 'modo a wSeWii?f%ia^
M->J para o caso de l.cenca, quando o professor ten. de tratar de negoctos narticnlwM
rmeiMO ...sc.puxa... Pendem de decisito no coasellio director wTS^--^--
r mira o professor publ:co de Villa Bella Joaqun. Gonca.ves Ayres efi5S*>"pere"r?S
J.yra, professor publico da fregueziade .Nossa Senl.ora do 0' de Marangiiape
Foraiii ^ gados improcedentes os qne ae mandou instaurar contra os professona Valeria-
n Becerra Canjeante de Albuquerque e Jeronvmo Tlieotonio da Silva Doureiro
l-oi condemuado a |iena de suspensao pw um mez, o j.rofessor de S. Pedro de Pao dAlbo,
Manoc-l relippe do Monte.
ir .atoUn;",1Lta'rb,L,",'.,"'u'TSSfadS Fr.an^iscSlverio de Faria Jnior e Henrique Oorindo Tav-
tr'SlJ 11Z ,' "'" lla !*%*& da Vl,,tom e "V"6 d'' Sa"> Amaro de Seihiem,
c .\> d -r/l ;;".r.r''1 ,M!U;4 de "dmoes,S*" ^'""dodesatteneiosc/porque se dirigir ao res-
Tda lei r -ta ^^ "* UU1'"" d,! S*** como ncurso no arl. 96 n.
d.TJ o respfe.ivo delegado luterano, mandou o.ivu aque e sobre os fados uue ll.e sao imnuta-
d de I Barrido o cargo de collector interino e o ocio de carador de ol< P
i FiX&de ^'""'""^tode deveres, e na conformidade a ar 94 da ctoda lei foi mul-
la J > em o.)*000 o professor publico Henrique Clorindo Taylor
Chamo a vossa illustrada atteuco para esto lei, na parte relativa renressio das faltan
eeu.mtt.d.Ki.or p^essnres, v.sto ser nesse ponto deldeme e inelncaz en^<>tiVat
marcha regrilar do serv.eo. ^' inui"g uswtuiw a
Escolas e estabklkcimntos particulakes de iitraucgio puuumk -Nao houm durante
o,ano prximo fmdo, augmento de escolas particulares, 2 qu "s m'nceionar^ em numS
mnmCprr1a.ann concederam-se B ,icen?as P ber"ra de novos estobeleoimentos de
Ecol*s noctuhna PABT.cLAHES. Existm.quatro escolas nocturnas parti la a sa-
kar : na povoacao do Lagedo, em Capoeiras, S. Caofano da Raposa e Muribeca '
ii-.-iana povoac^o do Atogacbs, senuonus algam paraoscof.es prpVmciaes
AULAS DE taATlM.
Coubttuam gas as cadeirns de latim e franca de Guricury, e a. de Ivitim de Villa
Bella.
A de araahnns acha-se anda sem funecionar, porque ooalma nestt, c.d>de o reepectivo
professor Liv.pold.no Antonio da Fonceca que,, por v^
terininiiii no mez deouiubni do anuo prximo pusiad
desde 17 de agosto de 1871.
Assint das aulas de latim avulsas smente- a> da-
nou ooin quatro aiimuios de freqneneia sobre seis de
A experiencia tem mostrado que ito ha conv
pelo que opina o director geral interino pela sua su
antes creadas aulas de instrac;io prini irfa.
_ ESCOL.V ISQR
LonUnna sob a direojo do digno e'.lustrado-
mesino eorpo docente.
Insiste o director desse estabelecimento na
postos em seus anteriores relatorios.
numJSflXT?' ltinbra' C C0"' fdt0 w1*** d[te alcance e sufhVientemente de-
v, nt'Tt^l n'n kDCW'. q,Ue St> for,"e ^ a**^ ese.HaJreeu.mecdamente defeeli-
Itu,'l 'u-?. "el t uardad0 ;' rdem nat.ural da materias do cur*T nea. ikmdo-se o neees-
feeu.as obtidas, das quae uUiuia
deix i>j A- ie assuuiir o sem exerricio
de S. Jos desta cidade;. ktarrav
cia publica na. existencia ili-r^ur aiitas>
pediudo que em lugar delia sejaiu
arel AJvano Uieha Cavalcante 9 ooiui ui
das medidas e melhoramentos 'ft> pro-
..jmier
sano desenvolriinento,
de ~&!**m*Mmm "21 Wiothec* da tscola outras- obra* que lhe faltam, afitn.
oe raeiiiiar o estudo na especialidade a que desuado iquolle curso
m^ca\^^l\^mtie^^^^s'MaeTfcnitil0 ""^r* alumnos que-se
inatriculam annual.nente, e a sua locadade em que esfc situada sao otoet de varias cu.w.lo
222. ",rrL,dreC,r'2Ue t(m** '^"braudo oTivin-e de a^K todoT
^"^I011^ab^'"^* nodo a poder m^^ referida escola do lugar,
Sina fS2 d.irec,or'?ue ^ lembrando ojlvre de arrendar-Mi todo o predio onde
!sto na^.?..^^,Tto,fca^*P*terB,2lar",e> referida esCTl* ln*r- n que era
esto, para outro conipartimeino do edificio, aetuolYneitte rrapado por una inverna
rizeram-se no edificio. esnei>ialiiH>ntt> na narte nmU r..n........ ^-^
cnnPPr,rKZr.el!^^:.n,'ed/at"0,e3^^ a seeretoria, os repara e-
concerios reclamados pelo director.
Mairienlaran.-se na escola 19 alumnos, cujo resultado no fim do auno lectivo, toi
g mu.
o se--
44
14
14
*
?.
17
4
7!

1
87
1SH

No curso normal
Approvados plenamente nos tres armo>
lo curso......................
Simplesmente........................
Keprovadoi..........................
Levantaram-se do exame..............
Deixaram de requerer exame..........
Perderam o anno...................
Completoram o curso...............,,
.. Frequentaram o curso durante o anno".
M escola pratica amwxa ao estabelecimento :
Approvados plena i ente...............
Fallecido.. .....................
uci arara de fre<|uenur por diversos
motivos.........................
Frequentaram em todo o anno lectivo.,.
i. t. ,IriM- S aneiro deste ;'"no' e visU do disnea no regalamento de 21 de ju-
mo dt 1868 designa o baeliarel Ayres de Albuquerque Gama, professor daquelle estabelecimen-
to, para continuar a servir de secretario da msma escola.
a^ m ?eoc.ser de grande vante''1111'-'" o ensino publico a derogacao da lei a. 598, de 1Z-
ae maiooe 18M, na parte ein que exclue dos concursos para preenchimento das cadeiras de
insirucyao primaria as pessoas que nao liverein ttulos eonlerido pela escoto normal.
,a wme'"an,e privilegio, alm de odioso, arroda militas vocaefies, que poderiam ser ultmen-
le aproyeitaaas, d.lbcultaconsideravelmente a boa escolha do pessoal. Ser, pois, conveniente
permtttir que com os alumnos da escola concorra quem quer que se mostr habilitado, medianle-
exame. em cada umi das materias e disciplinas professoraes no curso normal, preferindo em iden-
tiade de circunstancias os que nel e tiverem obtido diploma
GYMXASIO PItOVLNTJAL,
ugymnasio provincial um des estabelecimentos qUe lera custado provincia maior
somma de sacrificios.
i traci de^ qe f0'insta,lado at ^ """fN" o***1*0* aoexifoos que mal podem ser
O curso do ensiao estobelecido no regulaiuniu. acha-se todo alterado.
fcm .-eu cometo era um estobeleeimenlo exclusivamente destinado ao ensino da instruceo
secunana ; urna verdadeira academia dejbella-ietras Jactualmonte nao passa de urna grande es-
cola de insiruccao primaria.
A causa efficiente do mal apontado, j de todos eonhecida : o coUcwo das arles, ond-
se eusuu, mas nao se estuda, e nem se agrande, 3
leclmentoinStrUCi secunaria da Provincia muito aproveitaria com a snppressao daqtielle estabe-
Effei-tivamente ou o gymnasio provincial o o colegio das artes, Sao ka me.o termo;
um dos dous deve desapparecer.
Penetrado desto necesstdade, lembrei ao governo imperial, a conveni>neia de fundir-se os
ous retendos estabelecimentos em um s. Em lugar do novo e despeudioso edificio, que se pro-
jecta construir para o collegio das artes, se auginenlana as proporcoes do gv nasio. elevando-o
ment, ja dos levados cargos que tem oceupado e exercido con honra, e mvor.'
Tenlio certeza de que com essa escolha muito lucrou o gvmnasio provincial, nao so no que
diz respe.to a ordeni e aproveitanieuto, coran tambera, e principalmente-, no que se refere eco-
noma do estabelecimento e moralidade dos alumnos.
1 ,rP0_(,a,"edlrati,' suffrcu a l^rla de um dos seus mais dignos- inerabros, o Dr. Acto-
n.o nangel dp Torres Bande.ra, professor da cadeira de geographia e historia rmnlerna. e para
subsiitui-1.) mtennamedte, nomeei, por acto de ti de dezembro ultimo, o baeliarel Manoel Perei-
ra de aioraes Pinheiro, que para esse fim olTereceii-se gratuitamente.
Segundo oj dados estatisticos apreseutados pelo ex-regedor em sen nltimo relatorio. ehe-
gou 0 numero dos alumnos matriculados no anno prximo lindo a 272; dos quacs 207 foram Mre-
nos. 14 meio-pensionistas e 51 externos; sendo o resultado dos exame* o segumte:
Approvados com distinreao as difieren-
tes aulas deste estabelecimento____ 42
Plenamente.......................... 6>
Simplesmente....................... 4 Bepmvados........................ 4,'j
Des|)cdiram-se, durante o anno, das dif
ferentes aulas................... v
Frequentaram (lerrao medio; as n.esinas
aulas.......................... 238
Mudos aesses alumnos lizeram exames de duas e tres materias professadas no pnooaio
asim como ontros deixaram de faze-lo (K)r irem presta-Ios no collegio das artes.
Precisa ser rilormado o actual regularaeuto do gvmnasio, deficiente em inultos potitos e
imperfeto om ontros.!
A receita do estabelecimento durante o anno proxini" lindo, na importancia de 6i:24ft742.
chegou |iara sastentacAo dos alumnos, nao entrando a despeza deluz e agua do ultimo trimestre.
Sendo a despeza, segundo o regulamento. autorisada e fiscalisada peto respectivo regedor,
ordi-oei H>r oiiicio de 28 de dezembro ultimo, que o regedor. por inteemedao do ecnomo. pn?s-
tasse coutas parante a thesouraria provincial, trimestralmente, da reeeita que arrecadasse e de
tudo quanto de>|iendesse.
Est quasi a concluir-se o paviHio para recreio e exercicio gvmnasHco dos collagiaes.
Por porlaria de J de Janeiro ultimo, e tomando em ronsideracao es fundamentes allegados
pelos proiessores do gvmnasio, resolv revogar o acto de meu anleeesor, de 29 de outubro do
anno prximo passado, relativamente s ferias as aulas daquelle estabelecimento, e-pela de W
de feverero deste anno anno conceder, nos termos do ar!. da le m. 083 de 5 mato.de 1866, a
gratificado a que tinha direito Hermenegildo Marcel ino de Miranda, bedel do mesme gvmnasio.
por contar man de 30 anuos de servieo.
Attemiendo ao que requereu o subdito portugus. Jos Ferreira, repetidor contratado
para o meamo estabelecimento, e teudo em vista, a inlormaco do legedor, autorisoi> a thesoura-
ria provincial a resc ndir cora elle o respectivo contrato. '
Por acto de 21 de dezembro do anuo passado nomeei o, baeliarel Benjamn) Sonnas de
Azevedo, para o lugar de repetidor interino do mesmo gvmnasio, e para mordomo.Antonio Gorreia
(ornes ile Alraeida, era 8 de Janeiro deste anno.
Por acto de 16 do dito mez, exomrei os repetidores interinos, Herminio Rodrigues
de Siqueira e Thorae Augusto da Silva Villar; e por convueucia publica. Pelino da Costa
Guedes.
Por acto de 22 de fevereiro prximo lindo, foi noraeodo repetidor d'aqu-.lle estabelecimento.
o bacharet Joaquim Antonio da Silveira Jnior
ENSINO SECUNDAR PARTCTLAH.
Existem para o sexo masculino 21 estabelecimentos e escolas parlicufcares de ensiao secun-
dario, e que foram frequentada* por 410 alumnos.
Entre esses estabelecimentos notam-se os seguiotos coWegios: Notan Senhora da Conceico.
Nossa Senhora do Bom-Conselho, S. Francisco de Paula, S. Amaro, S. itancisco Xavier. Santa
Genoveva, s>anto Affonso, S. Luiz Gonzaga, e Pi IX..
Em de/ estabelecimentos e aulas particulares para o sexo feminiuo receberam igual ins-
truceo 101 alumnas.
" Sobresaliera entre os referidos estabeJeeimentos os seguintes: do S. S. Coracao de Jess,
IfMM Senhora da Sade, aberto era Janeiro ultimo, S. Vicente de Paula, S. Jos e o do Bom-Con-
selho, era Papacara.
Fallarei mais detdamente d'essas ultimas casas de educarn.
COLLEGIO DE NOSSA SEMiOM DO BOM^CONSELHU
0 collegio de Nossa Senhora do Bom-Conselno, sito na vflla de Papacaea, dirigido jior
um misionario capuchinho, que depende da prefeitura do hospicio de Nossa Senhora da Penha.
Fundado em 1853 pelo incansavel e zeloso apostlo de Evangelho, Rvd. Fr. Caetano de
Messina. de quem esta provincia conserva as mais gratas reeordaeoos, vai esse importante estabele-
cimento. viveiro de mes de familia, fazendo no alto sertao da provincia beneficios de subido
valor.
Nelle se ensina, alm de doutrina chriat, a lr, esorever e as quatro operagoes da aritbme-
tca ; a coser, bordar, cosnhar, lavar; engonunar e todos os mais mvsteres do servieo domestico.
O collegio rt entregue regencia do sete patricias nossas, que andam de liabito e pro-
fessara a regra da ordem terceira do patriarcha S. Francisco de Assis; nao fazem votos r-olemnes,
e querendo, podern sahir com previa, lieenja do diocesano.
As meninas, que para alh entraai, sao pela maior parte pobres e desvadas, e apenas se
adinittem as de 8 a 12 annos.
Pelo regulamento fiean ellas no collegio at a idade de 21 annos, quando sabauv, u |ra
se casar, ou ser admiltidas en> casaade parenu>s, ou de pessoas'dignas e capazes.
De 1870 at esta data teem. sahido daquelle importante estabelecimeto, para mais de 70
, ni. 1.;..., uiatraid** e proraps, n . inda* w rslo casadas.
Kese mesmo perind enVaram mais do 60 nmninas desvalida*, sendo aciuahuv/.i.1 o nume-
ro dellas de 60, a samar-: 30- lie 8 a 10 annos SO de 10 a 16, e lo imn idade para cima.
s peilidos das ipae de?*jam ser all admittidas sao era crescido numero: uu* infelizmente
nao se pode ronftatar a to estos apenas m.s |>radncign de costuras, bieos, rendas e esiuolas de pouoon bemfait ores; de modo
im, ,t naor a subvenrie.* 4:0004flOI> cpie tende coneignade- na lei do oKamenSK-ha mnilo
tofia deixado de existir; aqtwlle estabelerimento tao chihto, quanto eminentemente civilisador.
Ha m> mesmo collegio rana escola gratuita, regido por urna das directoras, para a meninas
externas, sera distmecio de idme. que qoizerera frequeWa-la.
Oetnado material dw cainfii o roais triste que se possa imaginar.
O etblicm excepiuada a igreja, foi eilo de taipa, com quanto as madeiras fossem esco-
comirtas, com furto a pMnima qualidade do teni-no salitro?o corroeu-as, e fea lutrar a qn urna
xrnfc>parte/* tobnea do cohVgio desabasso, escapando as meninos nilairwaraente d seren
r>l 118 A (lil s
-incawafvel Fj Jos de Bbtogna, aetnaf eapello do collegio, acato de emprehendera
reforma radical d edificio, que deve ser todo feito de tijollo- e cal.
fm esse- fim ja foram f;*rieados mais de 70 miJfcmros de tijollos. e cortada nma boa
!>a-r.-. ay ?"ad.c",af Precisai>'>ien' (-cmo comprado quasi todo o !aboad( que -de boa qualidade;
.....-----t^-- ---"" ^-^-v ,* Vil". 1114 1
indcpeadenfemente do subsidio que animalmente coslnmaes vntar
COLLEGS DE Si VICENTL'iDE PAULA EI) S. JOS,
haodous ostobeteeimenfos difa de animarao e protnto dos poderes proviaeiaes, qne
em futuro pximvhao dreonrorrer poderosamit pura melhornr os noos costomis, educan'-
do a gera^ao que desjMinta, seguro ospreceitos de nossa sania religio -do patriotiMiio escia-
Sao elle? dirigidlis petas inuas deiaridade Sairfa Dorotba.
No pnmeiro mnis de 40 oqdias d.svalidas esciinmun alirisio. sem que a provincia coneor-
ra com um ceil se quer em beneficio deitos.
Folgo de ter esta occasiao solemne- para testemunbar a nmdu admwai-ao por esaas vir-
tuosas niulheres. verdudeiros- anjos da tena, e que oom a maior abngaco oaoim-mv inspirada
todas ellas pelo aentimento do-dever e amor- do prximo, sacrificamiwciade-, tornnisura e pos-
cao social, deixandb per onde pussain benelicios de subid valor eapfwo.-
Tive nltiiiiainentroccasiuo de apreciarlo grande aoSantameato das altroma*. quer de um.
quer de outro listabeleeiraentov Me parece que a provincia* inuito wrraria (ftstlnamto. urna pe-
quena quoto para auxilio destes oulros esubeleciraeahis partcula;*, sob coadwao de-ser nees
admittido certo numero *ue alumnas pobres.
Na provincia d Cear a respertiva assembla i^nKigna anniBlasente a wantii/de 3;O0D*
para sustentafao de-12 meninas dkisvalidas. Entri.'tanto,. o collegio das- innas de caridadfc, em fa-
vor doqual e votada aquella quantia, em lugar.-de 12, sustenta e educa 43.
Era mulla nao autorisada opinio obraries, pois. oom mais acvrto subvenrionande.esoolas
particnlares em todas as ciihules, villas e pOToacJae, desiib-que os respectivos prafessores se mos-
traasem devidamente habilitados. diMpie creando esse imineroeo protevoradooftoial, s;dvo raras
e honrosas excepcoes, acastellulU na vitaliciedade. nao so-dislmgue e aw se reremend-a wa-
ndao da provincia. m
gnanm HmrnssiowM..Aananrin^o dos Artistas MnfWnirm -vifceraes,acoja frente-se
arha como director o iligno cid'adao Jado dos Santos Fe rae ira Barros, contina a* facultar gratui-
tamente o ensino as Bagantes autos, que funcciun.am noule, e forana frenuentodas a de-primti-
ros letras sobre a matricula dfc-74 por & alumnos, a de grammatica portugueza. .sebee a-marri-
cula de .17 por JO, a de frauevz; sobre a matricula, le 13 pm 8, a de dnaalm sobre-a matricnla de
9, por 8, a de tochigrapliia sobre a matricula de 18 por 61 Total dt matriculMfcW 167. total
dos que frequentaram 111.
Por falta de alumnos deiiou oV funecionar a aula da>architectui%.. .
Twn a siK-iedadfl recehidh em teinpo a subvanfan de 3:D0800l>quivme da a provinma,
Anda nao se acba concluido, o magestoso edieio owe se esto cwistnaindo 1 rna dt-Saata
Isabel para o lyceu de artes e offirto*.
... ------r-----------------------, ^ qunes
nial chegain para o costa* da caca, capero que naonegauiis vosso eonnarso paro a conelnsaa
de urna obra que tomanlio beneficios pode trazer instruero professiimak de nossa^pcovincia
Escola hodblo.O desejo qptt nima a todos no desenvolvimento da instrucrao publica
revelou-se anda urna vez ness-' vosso acto patritico, ronvertendo eia le. a idea da'ereacab de
nma encola modelo para os alumnos de um e outro sexo, apresentada o a/iao pasando pelo rneu
muito digno antecessor, o Exm. Sr. eonsetheiro Joo Jds de-Otiveira Jlmimeira, aotual mnistr
da guerra.
Foi assentada a prineira pedea desse edificio ac terrano situadoente-a ra do Mrquez de
Herval e caes da Detenc,o, dh Cregomia de Santo-Antonio, desta ciiadu. por Sua Magestade- o
Imperador, no da 25 de inarro do anno prximo lindo, quando do voto de sua viagera
Stin Opu.
Com a concluso desse edificio, que j vai beni.adiaiflado. entrar caa provincia nogezo
das van anens de urna escol.Hiiodelo, onde a inlancm de arabus os se 1 ibi Inm de receber, em. urna
rasa dotada de todas as condicSes lrygjenies e commoda* precisas a mesma insirufco, mai<
desenvolvida e com manifesta utffraside publica.
Revista da insthic(;vo eroucj.. Sob a direccao do digno director geral interino da ins-
truceo (tublica, contina a ser publicada a Rmist da InsPrxtro PMica.
Nao se pode contestar a uWidvde de sirailliante orgiio, e para sentir-ojlk nao tenna a
provincia urna tynographia sua, onde podesse ter logar a pulilic^i.-io, seno gratnita, ao menos
pnueo onerosa, de um peridico que lo grandes vantngnna pode trazer inslrurrno pofukar.
SocihDADE i-noi-AiiAooRA da i.xsTBicgxo ei bi.ii^.-Com o fim de dmndir e auxiliar por
todos os meios ao seu alcance o ensino primario, secundario e superiai., foi tnstallaia nesta cidade.
no dia 11 de agosto do anno prximo passado. una suciedade com a donoaina.-ao de Propagadora.
da Instruirn Publica.
Accta c animada pelos, id versos offerecimenfcs-de pessoas de-ambos os sexos, habilitadas-
em diferentes discijilinas, para as ensillar gratuitani*iitv. n sociedad*- Propagadora veio provtir a
importancia e o apoio que o publico da dea civilisadora V diffundir a iaxMllllian n*a educar
do povo.
Conta essa sociedade crescido numero de socios, entre os quaes- muitas seaboras. como
facultam os inesinos estatutos.
No da 2o de fevereiro ultimo te-ve lugar no antao da Escoh. Normal a installarao de uro
curso normal gratuito para as senhoras que se uuizerem habiljttor ans materias exigidas Ms
concursos para o magisterio, e consta-me que a abectura das aulas tnv lugar com a iresenca do
mais de 80 alumnas (iitre solteiras c- casadas.
Bmi.ioTHKt;\ 'iiiLicA. Conta esseestabelecimonto3A82 volmnes.
Acham-se comprehendidas nesse numero as 26 obras de litteralura. jurisprudencia 9-histo-
ria, todas em 77 volumes, compradas jla quanlia do 8O4lJ00, tinada da verba, votada na lei do
or^aiiH'nto paovincial para o expediente e remonta de livros.
Teve de offerta 2,010 volumes. sendo 186 dbs herdeiros do Dr. Fraiiiisco Pires Machado
Portella, aos quaes agradec em nome da provincia.
Foi a bibliotheca visitada por 525 pessoas, as quaes consu.tram 535 obras, sendo de then-
logia l.'t, de jurisprudencia 72. de scencias e artes 95, de bellas letras 101 e de historia 554.
Insiste o digno bibliothecari, padre Lyno do Monte Canneo Luna, 110 pedido de quota
snfliek'nte para a confec;3o de um novo cathalogo bibttograpliico, visto comeo actual, tondo sido
iinpresso em 1854, nao pode-mai* satisfazer o fim desejado; ebem assim na ereaco de um
empregado que, servindo de pnrteiro. accuniule- as funeces de continuo, e servente daquelW
estabelecimento.
Pens que, cmquanto nao se adoptar a providencia de consertar-se aberto a bibliotheca por
algum tempo durante a noute, nao col helemos os ampios resultados que ss te\"e era vista com z
sua fundadlo.
Precisa ser reformado o-eguiainento da bibliotheca, prihcipalmenje se for ella, como dew,
franqueada noute ao publico.
OI 'BilO -i-jal tloM. ttlumno de uimImn* m k.cvos que .te rna*
triculai*ttiu as nulaH e OMtalH*tectuiculoM. de i:
trueca publien e pai^ticular-^ e as. fre<|Heata
no anuo prximo puN.sado.
ESCOLAS E^STABELELIMKNTOS.
A 1.1 UNOS XUJ-Rh:rLAUOS
Instruceo primaria.
Escolas publicas diurnas................
1 nocturnas......'........
c particulares diurnas.............
c nocturnas...........
Associacao dos Artistas, Mchameos e Libe-
1 ti'.".. .*..... .. ,
Arsenal de guerra..........................
Arsenal de marinha...................
la
i
7.934
377
981
16
74
120
135
nslrtuc^io secundara.
Gymnasio.............................
Aulas avulsas de latim....................
Escola NormaL........................
Estabelecimentos e aulas particulares.......
Arsenal de guerra........................
Arsenal do marinha......................
Associauao dos Artistas Mechanicos e Libe-
raes...............................
Collegio das artes......................
Instrucco superior.
Seminario..........
Faculdade de Direito.
5.610
143
6
71
491
19
10
93
220
1.053
51
300
351

11.044
i
=55
4.919
590
5.309
104
1*4
5.613
12.833
377
1.371
16
74
120
135
TERMO IWDIO DA, IB-
OVEKCIA

$5
15.149
1.154
1
300
5.407
186
861
16
50
120
135
-I

3.350
464
6.77
143 124
6 4
71 71
595 4M
19 19
10 10
93 61
220 174
873
51
300
351
16.657
351
7.999
3.814
110
101
3.915
8.757
186
1.325
16
5
120
135
10.589
Z24,
4.
7t
511
19
1-
l
174
984.
11.914


' -
1


fCc.HiiiMir->fJiV-



mmmmmmmmmmKm0*B**p^B0BBBB9*mmwmmmma^m

{* /f)Wto de Pemambuco Sexta feira 7 de Marco de 1873..

1/ /

*espac*cis *v piu. 1873.
Augusto Jiuut Cousseiro de Mattos. Deferido
on olHcio desta data, dirigido ao sr. inipectorda
arsenal 4c manaba.
Aogusto Arttno Soares Villela. -.Recorra o
-supphcante as autoridades judiciarias.
Sachare! Antonio Domingos Pinto.D-se, nao
bavendo inconveniente.
Bario do Livrunentn.Deferido cera oincio des-
ta .lata, d:rgd*fche*as*aria provnciaL
Tcnente-enrs|ut Deca de Aquino Fenece*.In-
forme o Sr. iaapaetor da thesouraria de fazenda.
Francisco '^Xavier de l.ima. -forme o Sr.
inspector da Huenuraria de tazenda.
Joo Paulo eSoiia.-R'NinciTa o supphcante
an Sr. insf eeiee-do arsenal de marinha, para que
oclassiliquc iWnodoa p ultr resolver sobren
pie pede.
Jos FuUoiscn ne Suiza Lafte.---Bntreguee.
Joao Jos de Souza.Indcferido.
Manota Fottx dos Santos.Indcferido.
Rofino Manoel da Cruz Ceusseiro. Informe o
Sr. engcnhftiro encarregado das obras militares.
Secretaria da presidencia de Pernaubuco,
de marro le 1873.
Oportmro,
Sffino Antonio Rodrigues.
t oimihuiko superior.
315XRTF.L DO COMMAWO SlPF.IKft* HA <\RDA
JiSXlOXAL 1>0 MUNICIPIO 1M RECIFE, 6 RE
MARO) DE 1873.
Oiilem do dia n. lf-2.
OUlm. Sr. eoront comnandanle superior Hun-
da pulilicar par que tenlia a devida execuco o
resultado da inspaeco de sade. a i|e se pro-
-wdcu no dia 27 do m liad j. ua secretaria de
nominando superior.
1.* batalho de arthaiia.
Primeiro teneUe Antonio de Pinho torges, tres
eses de licenca para seu trat.miento.
Guarda Clirisano Gozar Continho, seis mezes
de licenca para seu ta lamento.
Dito Ktnigdio Kinza de Oliveira, nao compare-
cen.
Jos Antonio Pinto Serodio. nao emupareceu.
1.* batalho de iufantaria.
Alferes porta-bandeira Manool Jas Martins das
Noves, inea|uz do serv activo.
Tenoale Jos Vidal de Negreires, nao combare
asi.
finirda Vicente Ferreira da Paixao. ncaaat do
servieo activo.
Dito Al/redo de Lema Leal Rcis, incapaz do
-sarvicu activo.
Dito Francisco Rolio da Rocha, nao compare-
cen.
Dito Diogo Marcedlo da Silva, se!* mezes de li-
cesta para seu tralanicnto.
2." batalhao de. iufantaria.
Capitn Jos Laureatino de Azevedo, uin auno
de tironea para seu tratamento.
Alferes Jos Huliiio Chinaco da Silva, incapaz
do servico activo.
Guarda Gerciito Parate de Oliveira Firmo, nao
-comparecen.
Dito Antonio Feliv Percira Jnior, incapaz |do
servico activo.
3." Ii.ii.uImi' Ac infantera.
Tenente-quartel-niestre llenri pie Hcrnardes de
Hiveira Jnior, incapaz do servico activo.
Prinniro sargento Antonio Jeronyino da Silva
Caupcllo, seis mezes de licenca para seu trata
Miento.
Hito'Joao de Oliveira Guimares, uin anuo de
iiren.a |iara seu trcitaiueHt i
8. batathau de infantera.
Aif-Tes secretario Jos Pedro dos Santos Batir
ra. nao compareceu.
Capitn Jos Fernandos da Silveira Daltm. sata
nana de lceir/a para asa tratamento.
Dito Manuel Fiod iai'd i Mentas Lias, tres mezes
de lieenea para sen trataawma.
Mamla. mais publicar para tciencia dos cornos
Mib sen eommaiidn, gne, por pnrtaria da t do ear
rusia, S. Exc. n Sr. cnmmcndador presidenta da
provincia conceden vis mezes de lieaaea para tra-
tar da seus negocias particulares lora da provin-
cia, ao Sr. alferes p >rta-handeira do 4* batalhao
ile j'itantaria Jos Antonio de S Leitao.
Hotlphit Joiio lmala le Uineid/i,
coronel ehab interino do estado-inaior.
i H'iiui!:::;! ln nrsiinw.
fT'ARTELr.KMiUAl. IKI COMMASllO DAS ARMAS
INTERINO ni. PERXAMMIOO, EM (i DE MARCO
D (873.
()nl''in 'o dia ll. 707.
'* lirigadeiro c;iininandante das anuas interino,
leudo h'ontem recebida, eom ofleio n. 10a do Sr.
teneate-eoronel eounundanle do 2 batalhao. os
papis relativos ao prximo Bndo inez de feverei-
ri, recoDhceeu pelo aupa mensa! que o aviso do
ninisierio d.i gaerra de 23 dejulho de 1860, mi
se observa no batalbao, porquaalo o modelo trans-
cripto na orden do dia do quartel general do ejer-
cito na edrte, a. 2 '3, de 31 de julho do mesmo an-
n as especialidades das diversas ca.\as do conseibo
aono nleo, o que no nappa referido se acha en-
globadamente. difflcaltaado por esta forma qoe a
n'iurticiui fecal do ministerio da guerra, possa
aiiigir o que o citado aviso leve em vista, islo ,
saber da prompto qual a ret-eita, despeza e saldo
de cada especialidade no uicz, cujas eontaa se
aclian fechadas.
As cantas de Janeiro licaram laucadas nos livros
competentes n(, nKl e fuvereira eno mappa re-
ativo a este uiez, que traz a data do Io de marco,
. i inSde apresentar a reoeita e despeza nem o sal-
do de fevereiro, visto como so dentro dos primei-
r'- dez das de mareo que se rene o conselbo
conomiro paradeliniUve ajuste de suas contas do
mez de fevereiro ultimo, do que resalta que ontan-
pa de fevereiro s deve apresentar a existencia dos
i indos e operacoes de Janeiro.
kto exposic, ii comaodante das armas interino
tl'volve o mappa alludido |wr nao estar nesta |ar-
te coherente com as disposi.es citadas, alim de
|ieo mesmo Sr. leueat-eeroael co:nmandanle
bea substituir por outro en duplicata, conforme
i modelo i|ue se encontrar na sobredila orden
i' dia n. 2(13, que devera de boje en oante, ser
atuortridu eiu todos os corpos e companhias iso-
iadas desta guarni.ao em qoe func-.'ionaiii couse-
ili >s eeon mieoe.
(Assignado) Joo GuiAeitu de Bruce.
Conforme. -Jad \gnaei fflbeiro Itouui. lenent
rijudante il' ordena interino encarrecado do de-
laihe.
ente in'jwtxto policial e j rcmt'tlipn. lt^wio jas-
pvetivo- Dr. jaft Km oHTcia de.logado de Serinhaem, qae, segundo Iho partici-
para o subdelegado do- prMtetro districte da fre-
ueaia de Gamelleira d'aquella termo, qoe no dia
23 do mez prximo passadp, Manoel Firnjino.fora
espantado le veniente 'aquelle districte por Ma-
noel Ferreira Gico e tres filaos deste, es quaes lo-'
graram evadir-se.
Qwe, no dia i, ne snpradito distrreto, por ac
casiii da corrida de cavalhadas, o c tallo en qac
se acbava menudo Vctor Pereka de tarvallip
desenibesuira, cabindo sobre au menor de Bo-
rne Mneel, qe feizmeule nada seffreu, arrenes-
seu ao cha o referide Vieter, qas tlcou levesaen-i
%s ferido na regia da cabeca.
Por ollloio de primeirodocerrcntej)articipoti-mc
o delagade de Ignarassa', que na tarde de 1> de
fevereiro fMtHHiRo lindo, na rtfwoaeM A lUva-
Cruz d'aquole tema, na ccasio em que diver
sas |iessoas se divertiam cen o entrudo, Joaquini
Jos deSonz* ferio leveaiate.coin'uiia.|icadaa
seu prnprin tio Idalino Jos de Oliveira, smd
tamben por sua vez Canda graveniente coi tro
facadas per Manoel Beringuel de Souza, que lo-
grn evadir-se, que a tal respailo eslava proce-
dendo ao respectivo tnquerito policial, e que do
resaltada deste e remessa ao juizo competente da-
ra sciencia a esta reparticao.
Deus guarde a V, ExcHlm. e Exm. Sr. ceia-
mendador Henrique Pereira de Lacena, dignissi-
mo ipresidente desta provincia Debefe de polica,
Luiz 'Coma de Qucroz Barrot.
Kcimrsrc Iu polica.
i.* aeeeio. Seentsua da polica de l'eniamhuco,
6 de mareo de 1873.
N. i8o. {l|m. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
nehro ile V. Exc. que. redundo eonsta das pain-i-
pac"i!s recebidas boje nesta repartido, foram bon-
^:u re.-.illiidos casa i!- deteiv/ui os s:,.^;ii!:!,c ii
drviduos :
A" ordem do subdelegado d*- Santo Antonia, Ma-
nfK. eseravo de Valentiatan i da Crjnha liego Bar-
na.par andar fgido.
A' ordem do subdelegado do segundo districto
da fregu a de 8. Jos, Ildefonso Come-; do Bani-
Rm, a disposioBo do Dr. juiz de direito do legan-
ala districto criminal, por crine de resistencia.
A" orden do, de Ilelm, Pedro Jos de Saut'Au-
xia, por insultos.
A ordem do da Magdalena, i!;j-iano Jos Perei-
ra. po- snspeha di ser esaravo e andar fu-ido
Por olbcio de 12 de fevereiro ultimo, conmuni-
(\.-.i-me o juiz municipal do termo de Flores, qm
foram alli capturados Cicero navajeante da Rocha
IHimiz. criminoao,de fu,-'. o roubo no terno de
Ponibal, da provincia da Raiabjn, para onde ja
havia sii11 remettido, bem como fra reconjKi a
respectiva cadeia Jos Percira de tal, preFo em
flagrante por crime de furto de gado em campo
de er leo.
Sejjun.io comuiunicou-me o delegado o Botn-
< uiseio, por aflicio de 20 do mez prximo passa-
do, no dia 17 no districto d'aquella villa, na occa
l am que uiaa escolta, de ordem do respectivo
delegado diigenciava a prisao de Antonio da
Chagas, como remita, este ferio levemente com
nnia lacada a i Manoel Benerra de Carvalho, que
lazia parte datacolla, logrando evadir-se; que
fet-se a competente vistona o prosegua nos le-
Hiais termos d inqnerito, e do resultado deste e
remessa a > juizo competente; doria sciencia ata
repartidlo.
Pf* offlcio de 23 de fevereiro prximo lindo,
partinpon-me o subdelegado doidistricto delta-
CBuma da comarca de Igaarasau', qoe, pelas 7
ras da manha dra-se alli um iconicto otre o
teneate Fraacispo Das de Albuqnorque e -preto
Jim Bellarminp .francisco-'de S>lles, de qe.re-
sasbaj ab r-jnprtabnaate ferido aun ti-eafaca-
aiasanienciondotenent, toado sidoi preso eia
flagrante o debnfueute; qa* apenas sonbedo fc-
il dirigi sfljtaiu^ar do c.infljcto, e fez o eorape-
DIARIO DE PEHNAM6UC0
BECirn, 7 DE MARCO ac 1873.
l<>cnililii l'i'ovincial.
Hontem, aa hora designada para taes actos, a
asswnbla legislativa desU proviacia ouvio lr,
apoou e enviuu commissao de coo>irtuic&o
e poderes para emittir parecer, una indicacao as-
signada por 10 Srs. deputados, redaiuaudo do po-
der legislativo geral, nao s a decrelacao de fundos
para varias despezas, que indevidamente sao feitas
pela provincia, mas taubem a coustruccao de
obras, que sao do maor interesse para a cidade
do Recifc.
A indicacao citada traduz nquestionavcljnentc
dous grandes e bellos pensamentos, que nao na-
den deixar de encontrar apoio na opiuiao publi-
ca. Sao elles : exonerar os cofres proviaciaes de
despezas pura c exclusivamente geraes, e ano-
rtar para a provincia, urna pequea parcella des-
sas tantas dezenas de mil contos de ris que Per-
nambuco est de continuo mandar para o the-
souro central, ^mn que dalli entretanto se escoum
algumas migalhas para aeren utilisadas em melUo
ramelos necessarios provincia.
Pemambuco, quer pela sua pasicao ge graphi-
ca, quer pela sua importancia poltica, quer pelo
seu desenvolvimcinto commercial e agrcola, (em
inquestionavel direilo ser olhiida,con atalanten-
to < respe i lo pelos pr>de es publiciis do estado, para
o qual ellv concorre com innmeros cabedaes.
U (pie se teui dado, porip. de cerca de 20 an-
uos para c, nao isso; e, pelo contrario, podar-
se-ha dizer com carradas de razan, que se a ten
esquecido, ao ponto de quasi s ser efla lembrada
quando se trata de eleicoes ou de pedir-lbe im-
postos de sangue de dinheiro.
Paciente e prodigiosamente libcal, no tocante
taes assumptos, tem sido seinpre esta provin-
cia: mas, torca de esuerar, caneada ja se vai
sentindo a sua paciencia, que, em todos os senti-
dos, nao conveniente levar nm extremo cruel,
que bem pode produzir desagradareis consequeu-
CilS.
Por isso, e por todas as altas razoes e multpli-
ces conveniencias, que todos salieiii, que todos
ap.-.lpain, que todos seiitem. que nao podemo
deixar de acompauhar a Ilustre c.orporacao do
legisladores provinciaes na sua manifestacao em
prol de mteresses de lodo o ponto aniantes
maior vitalidade da provincia.
No documento que temos alludido, e que em
todo caso ha de significar um voto expressivo das
queixas de Pemambuco contra a absorpcao de
quasi toda a sua seva, pede-se ao poder legislati-
vo geral que decrete fundos para as despezas que
actualmente faz esta provincia nao s com o culto
publico, sob os ttulos de coiu/iua dos coadjutores.
fabrica e ijuizameno das inatrizes, mas taubem
para as que sao feitas com a seguranca publica,
sob os ttulos de forca pAcial, pi isoes e siisleiUu
t randuccao de presos.
Tamben nclle se reclama do mesmo poder po-
ltico igual medida (decreta;ao de fundos), para o
iiiellioraiuento do porto do Kecife e para a cons-
truirn de urna ponte, que ligue a bairro de San-
to Antonio ao de S. Frei Pedro Goncalves do Re-
ene, servindo como que de prolongameuto va de
eommunicacao que a ponte de Santa Isabel, entre
'."auto Antonio e Boa-Vista, abri entre o bairro
commercial por excellencia e o interior da pro-
vincia.
As despezas que actualmente faz a provincia
com oculto publico, sobos ttulos aeima indica-
dos, sao inqucstionaveluifiite da naluruza aquel-
las que deven correr por conta do astado, e isso
mesmo j foi reconhecido pelos poderes peraes,
quando, ante as reteiradas instancias da assem-
bla provincial, dcierninou, a assamb(ea geral une
a congrua dos vigarios fossem pagas pelos eolios
do thesouro nacional.
Nao e lcito adiar por mais lempo urna deei/.ao
anloga sobre as domis ^despezas fazer com o
culto publico, porque entSo sobradas razos ter
a assembla provincial para rscar do orcainentn
de Pemambuco sjmelhantes verbas de despeza.
provocando assm uuia pequea ci se, que en todo
caeo ha-de ser salutar as circunstancias financei-
ras da provincia.
Por igual modo nao licito demorar por mais
tempo urna deeizao que tenha por effeito exonerar
os cofres provinciaes dessas avultadas despezas
que fazem com a seguranca publica sob os ttulos
mencionados na indica .ai."
O 2* do art. 11 do act > addicional apenas com-
netteu as assemblas de provincia a atribuidlo de
BIXAB, sobre infoi-macao do presidente da provin-
cia, a forra policial respectiva.
0 aviso n. 19!) de 9 de maio de 180', sobre essa
materia, declarou que as assemblas proviuciaes
s competa a Ijbucao do numero das pra;as e dos
seus veKcmentos, e nao o determinar sua* atri-
buiedes.
A doctrina desse ayiao esta de accordo eom a do
avizo de I i de abrii de 1837. no qual se declarou
que as assemblas provinciaes nao tem ingerencia
sobre o exercito ; doutrina esta tambom confirma-
da pelos avisos de 27 de marco de 1810. de 7 de
Janeiro de 4812, de 2 e 31 de maio do mesmo
anuo, e de 13 de outubrn de 1819, em que se de-
clara serem incompetentes as mesmas assemblap
para legislaren sobre assumptos que d:zeai res-
peito organisacao da forca publica.
Assim pos o que parece estahelecido que a
forca policial faz parta da forca publica, incumbida
da seguranca publica, embora o sea cara -ter es-
pacia] ; e, pois,a desueza com essa Carea deve eom
rer por conta do estado como corre toda a mais
despeza feita com a forca publica, e nao por con-
ta dos minguados recursos das provincias.
Se oulro fosse o modo de pensar do legislador
eonstituinte certamente o 2 do art 11 teria sido
dealoeado d'ahi para ser incarfido entre as vanas
atiihueoes que o art. 10 conferio as assemblas
provinciaes.
Dcnais a propria contextura do 2* do art. 11
clara quandodizftxar a,forca rwc*4',-ratribuicao
da qual logicamenti se nao pode deprehender obri-
grcao para a assembla de consignar quota para
a despeza feita com um servico que ella nao tem
atrihuicAo de regular, sewndo a doutrina dos avi-
zos citados.
No mesmo e idntico caso estao as outras despe-
zas com a manutencao das prizoes e eonduci;ao
e alimentacao dos prezos. razio poique na citada
indicacao foran esaas despezas .mencionadas como
senil- indebitamente feilas pela provincia
Todas essas despezas onerain o orcamenlo de
l'ernamhuca com .urna verba de cerca da i*ij un-
tos de r/'s, uto quase. 1/3 das rendas da pro-
yiaca ; e, peis, cmnprehenib-e Hciiinenie o nr
iatercsse.que se deveJigar questo, maxinw se
so attender que. Pernambueo. carece de curar de
oujlrns assumptos. mais vitaes para si,rtaes cano
a justruceaj publica. e a \;iac;.io. puUiea,. que,
senda de saa competencia, estio pedir Did cui-
dados que a pobreza dos cofres provinciaes obriga
Irazer addiados.
fiuanto ao segundo pensamento da indicaeqo,
np pode elle, escapar parcepao menos ac-
tip.
O melhoramenu .do porte do Recite, de que ee
falla ha irais de 50 annos, sem nada prtiduar de
bap e til, inquestionavelmente a mais urgente
c jt penosa necessidade desta provincia; e as van-
agens que de tal melhoramento hao de vr Per-
nambueo sao tantas e, por assim dizer, to palpa-
v*K qne f6ra enfadonbo enumera-las, maxin
tendo sido j tantas vezes enunciadas na im}>rensa

grande*
^
Me-
na tribuna parlamentar, esses dous
hiculos do pewsamento.
A mmunwnfaa, e, diremos mesmo, a aocetsida-
,do Uaibem. ivripile, da ponte de que tfata indica-
can, .ctlta aosvlltos de todo que so ateai en -
t'ttdar o deieiwoKinieutn commercial da provincia,
roMiade iOs*dasenvolvimento ao bairro do Reci-
fe, bairro csseucialmeate commercial e grande
imnorio de toda a exportacao dos productos agri-
colas'dajMuia ^j fff*' I
lVmajfc||Jigue;ii,4|npraadt> qiie a ponte--Seto:
de Sel-ubre -. que-aalualnaante liga as dous ba*
ros,, uor4eiqai cajtrajta, eaenn-se, etn certo mi-
do, tra*uvca(la cor4,a.linhaduiila das trilhos d
fc*d>.;.ilidi>s por certo -convirio era (MWfctl e
atropellado faz-jsc par alia o transito da veteujos e
aniinaea, que vem ao mercajpa,oiii os gneros do
inteiieri si ui contar.que, ci o impedimento da
actual e carunchosa ponte dp Boa-Vista, auguen-
tam as-dimcuidadoa-a'-airiipails, em fioniignanri-
da grande volta que ficam obligados aquelles
qumda-.Boai-Visan ingem-e ao bairro de f^t*
Pedro (i(j;alvesd#.Recie. paja roa do 'inie-
rador.
Ainla uiaik: axislindo a poale de Sania Isabel,
que liga a Boa-Vst* Santo Aptonip, fora extra-
vagante naoj-aatinuara l. circula;ao, dcscurande a construceo da ponte
em qiwsta i. que, por assim dizer, o segomonto
natural e logxo da primeira ponto, seguimento que
outr'oiaexisti, em quantq se presten ao transito a
pime d madera, que est hoje reduzida pro-
priedade particular e serve d via-dnvto para as
aguas da coinpanliia do Beberibe.
Assim, po s, tantico primeiro como o segundo
pensamento da indicacao, traduz com ffdelidade le-
gitimas aspiradles da provincia,o certamente en-
contrar.'io apoio no parlamento brasileiro, que .
que nao pode deixar de ser, amigo sincero da
unio nacional, e eonsequentemente iateressado na
prosperidade das provincias, que lae nobremente
formain o Imperio do Cruzeiro.
Logo que, depois de votada pelaassambla ire>
vincial, seja dirigida ao parlamento a representa-
cao indicada, tem Pemambuco o dever de recla-
mar de seus representantes no sote da 4* corpo-
racao poltica do paic todo o zelo e interesse que
tal causa pede, a nasa assim corre aquellos, repre-
sentantes o dever de apoiar no parlamento os jus
los rociamos da assembla provincial, mostrndo-
se assim dignos da eonlianca me souberam inspi-
rar aos seus mandantes, isto s forcas vivas a
activas da provincia.
Cumprndo ca la um o seu dever, de crer,
nos o esperamos, que os volos e annellos da pro-
vincia nao fiearo squecidos como tantas outras
vezes te;ii ficado, em manifest pr-quizo para a
sua pros|ieridade. e para o sou desenvolvimento.
REVISTA DIARU.
iii-o\iuci;il. A assembla
Itinccioiiou con 22 Srs. depu-
Asscmltla
provincialhontein
tados.
Approvada a acta da sessao anterior, o Sr. 1.*
secretario leu o segrate, expediente :
Lu offlcio do secretario do governo da provin-
cia, remetiendo por copia os actos de 11 e 14 do
mez passado, contendo as bases dos contratos ce-
lebrados cora Justino Jos de Souza Campos para
a illuminacao a gaz e encanmiento d'agua pota-
vel na cidade de GoyannaA' commissao de le-
gslacao.
Outro do mesmo, remetiendo um projecto de
postura?, confeccionado pela cmara municipal da
villa ile Pauellas.A commissao de posturas e
i.egpcios de cmaras.
Urna peii.'o de Francisco de Borja e Oiveira,
i. olficial da secretaria da assembla, pedindo 6
mezes de licenca cora seus veocimenlos para tra-
tar de sua sadeA' coiuiiiissao de polica.
Passaudo a ordem do dia, entraran suc :essiva-
menle ein l discussiio os projecfos n 91 de 1872,
que crea na cidade de Goyauna una aula noctur-
na de iustruccao primaria, e o de n. 92 do mesmo
anno, que concede a Cunta 4 Manta um privile-
gio para montar fabricas de curtir couros, e fo-
ram ambos approvados, sendo rejeitado o den.
107 do mesmo anno, que conceda a Antonio do
Reg Pacheco Jnior mu privilegio para moutar
urna fabrica de azulejo.
Era 3. discussao foi lainbem rejeitado o pro-
jecto n. 96 do mesmo amo, que ooncedia a Jos
Ignacio Avila rana nderanisacao.
Km nica discussao foi approvado o projecto de
n. 98 do mesmo anuo, approvando o coinpromisso
da irnandade de S.Jos de Riba-Mar.
Entrando em 2.a discussao os prujeet*- n. 9 de
1871, qe autorisa o presidente da provincia a re
mover a bibliotlieca publica provincial, foi appro-
vado o art. 3.", sendo rejeitados os arts. t.*, 4.,
.' u 6 e prejudicados os arts. 2.*, 7.' e 8.*.
O de n. 81 do mesmo anno ticeu adiado a re-
i|ueriiueuto do Sr. Joaquiui Mello Ri^o, at virem
da presidencia os documentos concernentes in-
novaeo do contrato da estrada de ferro de Recite
Girada e Beberibe, sendo rejeitado o requer-
ment do Sr. Gomes Prente, em que pedia o ada-
monto por 21 horas.
0 de n. 91 tamben do anne passado, que con-
cede a Jos Ignacio Avila autnrisacao para cons-
truir urna ponte na estrada do Cxang para o
Caldeirairo.
Depois de encerrada a 2.a discussao, deixou-se
de votar por falta le numero, pelo que foi levan-
tada a sessao, e dado para orden do dia: conti-
nuaeao da antecedente, e mais 1/ discussao dos
projeetos na, 8 e 87 ; i.' dos de ns. 10, 21. 67, 86
e 92, e nica do de n. 61, todos do anno passado.
Cmara temporaria.Encetamos boje,
em nossa 8.' pagina, e para elle chmanos a at
tenean dos mssos leitores, um dos bellos e impor-
tantes discursos pronunciados na cmara tempora-
ria do Hio de Janeiro pelo nosso comprovinciano
e distinelo amigo Dr. Francisco Leopoldino do
Gusinao Lobo, deputado elcito pelo 2. districto
desta provincia.
Sao geralmente conhecidos os elevados dotes
oratorios e os nota veis talentos do nosse amigo
e, [.mis. nao causou sorpreza ninguem, nesta
provincia, os triumpbos por elle conquistados na
tribuna parlamentar da corte.
Alli, porm. onde pouco echo liona encontrado
a justa nomeada do seu talento, produzio grande
e invejavel ulmiracJeo nosso comprovinciano, nao
nltstanle, em oulro tempes, ter Pernambueo en-
viado ao parlamente verdadelras notabilidades.
Como quer que seja a apreciacao desapaixoRa-
da dos bellos discursos do Dr. Leopoldino Lobo
nao podia dtixar de ser-lhe favoravel"; e-foi o que
aconteceu no Rio de Janeiro, e ha de ser o que
acontecer por toda a parte onde forem lidos es
seus discursos, verdadeiros monumentos oratorios,
quo dizam tudo o que tem de grande o talento do
Ilustre deputado.
ViI-:;h do \orte -Amanheceu hontem
em nosso porto o vaporbrasilerro Pirapama, tra-
zendo dataado Cear.at'18.de fevereiro. do Rio
Grande al 4, e da Parahyba at :> do correte.
Na a occorreu no Cear.e no Rio-Grande,
que uerafa menean.
Lemos no Jorn*l du Parahyba :
A alfandega arrecadu" no anno findo
301:058*499, divididos pela forma seguinte :
Janeiro 50:927*911
i-Fevereiro ;>i:85l 635
Marco 36,708*158
Abril *2:I183
-DWo a<779d30
Jimho 15:681 il 10
Julbo 4:30a#376
Agosto 2:684**45
Setembro 16:058*93
,Outubro : 3<:8Wd473
Novembro 10:753*1760
Dczembro 32.941*476.
o No, dia 36 do noz Mudo eiabarcau evpaquete
Guar, em companhia de sua Exma. familia, com
destino provincia do Maranbao, para cuja presi-
dencia fra acertadanente Bomovido da tleAla-
goas, o nosso digno amigo e panicio, Exni- Sr. Dr.
Siivioo tkjaw Urfiieiri .da,tetaba.
,.S. bvsci,,(irade.i suaderr oaial por nais de
anno, daraprou-HC algn tempo entre ao>, em sua
possagen para aquella provincia, continuando a
receber aqu, como merece por suas bellas quali
dados, asi mais inequiv<*oao provas.dt> apresta c
estima durante essa danorai. ** .
< Ao parto de umbarqae *' ate bordo do paflue-
te fui *!oiupau!iado nfiT.nnenpss amigo,(que.
assim aproveitaram-se da opportunidade pacai.ata
nifestar-lhc de pubiio a oonaidocaaae o amisade
que Ib" tribtala
,*! Copude,co6turae,,uma gtiad*de honra fez-
Pie as rontinencias .dovidas aa-oecasio do em-
ibftrque. *
Fazendo votos por sua prospera viagem e de
sua Exma. iamiiia. desejaiosdbe una adminis-
Iracao anillante e proficua en beHeacios impor-
tante pravineja, quws destinas Hw foram conaa-
dos, c.iTespendenda dest'arte ao alto coneeito que
Un adquirido come adniuisfrador.
L administrado do cori^4o.dpsUifrWvinci,laepios^alia4r#, San/o Antn ; tuliercnlos pul
durante o mez Je Janeiro findo, receben
Papis do servico publico
Ca us
Adtos
livros
Jornaes
Objectos registrados com valor declarado
dem sem valor
peisjo servico publico
rtas
2^20
Jornaan
Objectux^gistrados apn| valar decurndo
Ivalor
I den
1,951
. ^"^uiado, arrecajou 17i:l*2,rlivWid0SDela .-no forma apn unan seguinte: 32:l9MT
" Jaiuteo
Fevereiro 29:337*114
c Marco Abrd 24:237*297
7:531*898
Maio W -4 3:941*126
a Junbo a Julbo 9-.4IVM015 2:088*202
< Agosta 2(061*488
Setembro 6:521*548
Outubro 47:252*065
Novembro 18:301*902
Dezembro 21:274*468 .
Arremataciio. -No sabbado prximo vin-
douro, 8 do crranle, ir praca para ser arrema
tado por venda, o proprio nacioaal denominado
Calabou'.o, sito ra do mesmo nomo, da (regu-
zia de Santo Antonio desta cidade.
Pajfadoria da tbesuuraria de fa-
zenda. Pagan-se boje os vencimentos dos em-
pregados do hospital militar e dos domis funcio-
narios, que tenlian deixado de receber nos das
marcados na respectiva tabella.
Theatro. -A empreza dramtica sob a direc-
;lo dos artistas Espiuca A Penante, eslrear no
prximo sabbado, levando seena o drama Ghigi
ou o quadro da virgen.
E' de esperar que o Gymnaso dramtico, sob a
direcao de dous artistas, to justamente applau-
didos nesta provincia, attraia a attenco pu-
blica.
Vadio-s. Chama-se a attenco da polica so-
bre nina horda de vadioe e vagabundos que in-
festara a ra do Principe, con otfensa da norali-
dade.c socego publico.
Bamoncamento. Em 23 do mez ultimo,
foi no districto de Gamelleira, levemente espanca-
do Manoel Firmino, por Manoel l-'erreira Coco,
acompanhado de tres lilhes, os quaes lograram
evadir-se.
t itntlii'to e feriuientos. -Era Itapi-su-
ma, comarca de Itamarac, pelas 7 horas da ma-
na de 23 do mez ultimo, deu-se nm conflicto en-
tre o lente Francisco Das de Albuquerque e o
preto.livre Bellarmino Francisco de Salles, resul-
tando sabir o primeiro nortalmente ferido con 3
facadas e ser o segundo preso en flagrante d-
bete.
frVrimeiito. -Em 17 do corrente, na occa-
sid em que urna escolta s ordens do subdelega-
do do districto de Bom Consellio, pretenda pren-
der como recrula na villa desse nome o individuo
de nome Antonio das Cbagas. este ferio levemen-
te com urna facada a Manuel Bezerra de Caryalho,
que fazia parte da escolta, conseguindo evadir-se.
Outros. -Na povo.o da Nova i!ru', do ter-
mo de luarass, quando diversas pessoas se di
verliam ne ultimo da de entrudo, Joaquim Jos de
Souza ferio levemente cora urna facada ao seu
proprio tio dalino Jos de Oliveira, e foi |or sua
vez tambera fendo, mas gravemente por Manoel
Beringuel de Souza, que conseguio por-se a salvo
da polica.
Capturas.-Foram capturados no termo de
Flores: Cicero Cvale ante da Rocha Muniz, cri-
minoso de furto e roubo no termo do Pombal, da
provincia da Parahyba. para onde foi logo remet-
tido ; bem como Jos Pereira de tal, preso em (lo-
grante por crime de turto de gado em campo de
criacao.
Cosupanhia PernambucanaNo res-
pectivo escripturio se paga o 8." dividendo, na ra-
zan de 5 / do valor de cada accao.
Naufragio. Informam-nos qne naufragara
nos canecas de leste da barra do Aracaty, urna
das barcas inglezas que, tendo alli carregado para
o Canal, sahia para o seu destino.
Diunetro.O vapor Pirapama trotixe para :
Antonio A. da Silva Aguiar
London and Brasilian Bank
Jos Luiz Goncalves Ferreira & C
Alfredo A C.
S Leitao Je Irinns
Luiz Antonio de Siqneira
Oliveira Filhos & C.
Gomes de Mattoslrmaos
Sil va 4 Al ves
Paulina Grosjean
Tasso limaos
Dr. JnAo da Silva Ramos
Peraaniauco StrcetlRailwayInfor-
mam-nos que s 6 horas da tarde do dia o do cor-
rente encontraram-se na entreda da ponto Pudro
II, atraz do theatro Santa Izabei, os bmds a* 7 e
24, e que, por capricho dos boleeiros e conducto-
res, licaram damoredos os passageiros por cerca
de dez minutos, em quanto elles discutiam qual
delles corria o dever de esperar no desvo pelo ou-
tro. Chaamos para isso a atten:o do Sr. enge-
nheiro fiscal respectivo.
Trilhos urbanos do Caxang.Pe-
den-nos para chamar a attenco do Sr. Dr. enge-
nhoiro fiscal desta compauhia para o abusivo eos-
tumo de passarem os trens correr na Campo das
Princezas, pondo en risco a vida daquelles que
por ah transitara, iufrngindo assim o respectivo
regulamento.
Leitao. Hoje oiTectua o agente Martins. s
11 horas do dia, um lelo de movis, prata, um
annel com grande brilbante, louca e vidros, no so-
brado n. 9 da ra do Mrquez do Herval, antiga
ra do Sol.
Casa de detencao.Movimento do
ii de marco de 1873 :
Existiam (presos) 355, entraran 4,sabiran
existen 347.
A saber :
Nacionaes 230, nulhares 14, estrangeiros
escravos 49. escravas 13.Total 347.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 273.
Movimento da enfermara do dia 5 de marco
de 1873:
Ti vern alta :
Severiuo Francisco Bezerra.
Laurentino Jos do Nasoimento.
Pedro Aloxandrino dos Amos.
Passagciros.r-.Vndos da Granja c esjalas
no vapor nacional Pirapama :
Celeroo do Reg Baptista, Dr. Jos Mondes Pe-
reira de Vascoucellos. tir Antonio Frederico Ro-
drigues de Vasconccllos, Urcesino de Castro Ma-
galhes, Dr. Francisco Femandes Vicira. Dr. Fre-
derico Augusto Borges, Dr Francisso Leal de Mi-
randi, Joo de -ouza Botelho, Antonio Gui herme
da Silva, Dr. Thomaz Gomes da Silva, Alexandre
C. de Freitas, Manoel Antonio Diniz, Manoel P. L.
de Mara Gustavo, P. Brainer, Manoel Rodrigue
dos Santos, Joo Severo da Silva, Pedro Tavares,
Ismael C. D uarte Ribeiro, Sabasto Ges Noguei-
ra, Manoel Ferreira da Silva, Francisco Gemino do
Nasc i mente, Francisco Bezerra da Silva, Clementi-
no Ges Nogueira, 1 lbo e 2 escravos, Beuvenuto
Prxedes de Oliveira, Luiz Femandes. Manoel
Ribeiro, Joo Fernandos Correia, Fabio Pereira de
Oliveira e i creado, Maneel Carneiro da Cunha,
Joaquim Antonio de Carvalh), Antonio Olintho
Barbalho, Antonio Rodrigues, Dr. Jos C. Revore-
do Barros, A. Emiliano Pereira do Ugo e 1 es-
eravo, Jos Gomes Moateiro Joaior, Dr. Henrique
Soares Raposo da Cmara e 1 creado, Jaria Jos
do Oliveira e 1 fuo, Jnanna.Maria de Oliveira,
Joaquim Jo^ Barba,MoBteiro Jnior, Joo Hen-
rique da Clveira, Joaquim Ferreira Matt s. Jos
l'aiiliuo de Andrade, Manoel Joaquim.Barbosa Bi-
dn, Amaro Brrelo de tAbu perqu Maraulio,
Eloy C. de Souza e 1 creado. Manoel Pedro Men-
des do uliveira, 6 -oseravos a enlreegar, Dr. Qlave
Adelmo Carneiro da Cunha e 1 esc ra va, Antonio
.PascpaJ, Gjro Deooleeiano Ribeiro Pessoa, Jop
fleoeleciaBo Ritieiro Pessoa, Dr. Getuio .Angustp
Wr* Serrano, Dr. Joo,da Silva Pires Ferreira.
apios Mislielmore, Dr., Josnde Asevado Silva p
2 fiuaop, Antonio vDs Puto, Jos Vieira Porte.
Dr. Kru:**. ilw IcimvuIIm i:Iu,. Ar.t,.ni.. n.,iu.
12:4751000
3:000*01:0
2:971*001
1:100*000
900*000
79*508)
791*110
70030''0
600*000
500*000
464*350
110*000
dia
12.
41.
finis de rroiialbu GalHao, Antonio Pulan,
Dr,
Antonio Dias Pinte ijapior.
Cemiteriopublieu. Obituario do dia|3
do eorronte :
Juvino, pardot Posaaabuoo, 4 anuos, Santo An-
tonio ; intente.
Antonio, pardo, Pemambuco, C mezes, Santo
Antonio: ignoxa.se a .fljnlesiia.
Joo Tboihaz Jaymes, branco, Inglaterra, 80 an-
uo?, casado, Boa<*VisU; rbef*nalismo.
Antonio ios J|aa Jnior, branca, Ponug^l, 28

decreto.*O tribunal tnandou salisfazer a exigen-
cia da,presidencia, dando-lbe.parte do occorrdo a
este respeito.
OtliMo da secretarla do tribunal do commerck>
da.rapitil do imperio, roniettendo a relacao os
coininerciantes nade iitatrieuladns no ncz de de-
zembro prximo passado.Para o archivo.
Dito da mesilla secretaria, remetiendo a relacao
dos commerciantes n|riculados no mez de janei-
ra ultimo.dem.
Dito do Sr. supplenle S Leitao, declarando nao
poder comparecer por estes 30 ou 40 das, na
consequencla de acbar-se em uso de remedios.
O tribunal resol ven que se ennvidasse, afim de
unrcionar em suas vezes, o Sr. supplente irame-
dialo.
Dito da junta dos corretotes, remetiendo o
boletim das eeUcoi4 ofliciaes da semana de 21 de
fevereiro ultmio a 1 do corrente.A archivar.
Dte do aj raanle do porteiro, dirigido ao ofli-
clalmaior da secretara, communicando haver
sido sorteado para a pre-ente sessao do jury da
cidade de Olinda.Interado.
Jornal oiucal de ns. 40 a 45. Para o af^riv/.
Livro de registro da correspondencia ofll'-ial
regularmente escripturado ate o n. 31.
DESPACHOS.
Requerimentos:
De Fielden Brothers, solicitando ao tribunal
que se digne ordenar junta dos corretores a
Eassar certdo do cambio bavido nos bancos so-
re Londres em fins de dezembro prximo passa-
o, principio de Janeiro do presente anno, lim do
mesmo e principio de fevereiro.Como requemo.
Espirito hanto preta Per- De Victorino de Almeida Rabello e Jos." de Ai-
Boa-Vista, hospital meida Rabello. associadas sob a tirina socia' Ra-
raonares.
EUzar Rranca, Pemambuco, 13 mezas, S. Jos ;
interite.
Mara, parda, Pemambuco, 3 dias, Graca ; es-
pasino.
Manoel Themoteoda Paz, pardo, 12 annos, San-
to Antonio ; tubrculos pulmonares.
Cisma Damin a da Aseampco, branca, Per-
uambuco, 17 annos, soataira, S. Josi" ; varila.
Joo, pardo, Pernambnco. 5 meses, Boa-Vista ;
convulsoas.
Paulo, eseravo, preto, frica, 37 annos, solteirj,
Boa-Vista; diliriuml remans.
Um cadver encontrado nos mangues de Belm,
mandado pela polica.
-4 -
Maria Cosina dos Prazeres, preta, Pernambueo,
40 annos, solteira, boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Miguel Joaquim da I'orcjuncula, preto, Rio Gran-
de do Norte, 45 ajinas, casado, Graca ; esnagado
palo tiein de Diinda.
Eduardo, pardo, Pemambuco, 5 mezes, Santo
Antonio, casa dos expostos ; febre.
Mara, parda, Pernambueo, 3 mezes, Boa-Vista ;
convulses.
Pedro, preto, Pemambuco, 11 das, S. Jos;
espasmo.
Bernardino, branco, Pernanbuco, 1 nez. Reci-
te; convulses.
Pedro, pardo, Pemambuco, 1 anno, Graca ; den-
ticO-
Paujna Maria do
nambuco, 27 annos. solteira,
Pedro II; phtysica pulmonar.
Eugenia, parda, Pernambueo, 4 mezes, Santo
Antonio, casa dos expostos ; convulsSes.
Manoel, pardo, Pemambuco, 2 nezes, Boa-Vis-
U; convulses.
Abilio, pardo, Pernanbuco, 5 dias. S. Jos ; es-
pasmo.
Anastack) JoS da Silveira, branco, 76 annos,
viuvo, S. Jos ; interite chronica.
Francelina Josefa dos Santos, parda, Pemambu-
co, II annos, Boa-Vista ; phtysica.
Luiz de Franca Castro Rosa; pardo, Pemambu-
co, 23 annos, solt ro, Pojo; tubrculos pulmo-
nares.
.'
CIIROXICA JL'UWURM.
Tribunal do coianiercio.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 3 DE
MARCO DE 1873.
PRESIDENCIA DO E\m. SU. CONSELHEIRO ANSELMO F.
PERETTI.
A's 10 horas da manha, reunidos os Srs. depu-
tados secretario Olinto Bastos, Candido Alcofra-
do e Lopes Machado, nao tendo comparecido
o Sr. supplente S Leitao, o Exm. Sr. conse-
Iheiro presidente declarou aberta a sessao.
Foi, depois de lida, approvada a acta da sessao
de 27 de fevereiro.
P.XPEBIE.NTE.
Aviso da secretaria de estado dos negocios da
justiea, de 18 de fevereiro ultimo, decidndo que
o processo ior desobediencia e prisSo dos cofre-
teres que recusaran exhibir seus protocollos, tem
lugar, ou seja a exhib cao ordenada un virtude
de requerimento de parte oucx-ofllcio, pelos juizes
commereiaesu pelos: presidentes dos tnbuuaes do
comBiercio, aos qnaes compele em um e outro
caso proceder, nos termos do art. 357 do regula-
mento n. 137 de 25 de novembro de 1850, contra
o corretor desobediente.O tribunal interado
do que nelle se contm, nandou archivado.
Offlcio do Exm. presidente da provincia, de 26
de fevereiro nltimo, solicitando com urgencia a
copia authentica do contrato de sociedade de al-
guns cidados reunidos com o lim de talharem
carne verde, assim como que informe se para de-
cretacao do registro do indicado contrato, foram
observadas as disposices do decreto n. 2,711 de
18 de dezembro de 1860, e com especialidade a
2." parte da condicao 2.* do art. 27 do supradito
TABELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBCO DO MEZ DE FEFEREIRO. DO
CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARADO COM O DE IGUAES MEZES DOS
DOUS ANNOS LTIMOS.
bello & Inno, no estabelecimeiilo sito ra de
Joo do Reg n. 4, apresentando a registro o s*'u
contrato.Vista ao Sr. dasembargador fiscal.
Do mesno Victorino c Manoel Baptsta de Fi-
gueiredo, as-ociados sob a firma social RabeUa A
Figueiredn, tambem apresentando a registro
seu contrato ociaL Visto ao Sr. desembargad ir
fiscal.
De Antonio Ferreira de Lima e Manoel Joaqumi
Alves da Costa, tubmettendo a registro o disiralo
social que junto offerecera. Viste ao Sr. dt*in-
bargadur bseal.
De Lebre k Reis. tambem pedindo o registro
do contrato de sociedade por elle celebrado'nesta
praca. -Viste ao Sr. desembargador fiscal.
De Manoel da Silva Maia, iaualmente qffereren-
do a registro o contrato social que celebrara r< ni
A. da Coste Correia Leite, o qual foi assignado por
procurador especial com poderes necessarios,conn.'
se v da procuraco que tambera vai junja.
Vista ao Sr. desemliargador fiscal.
De Benvenuto Cavalcauti Buarque de A'bu-
querque, declarando que tendo requeuV.a su*
rehabililaeo, mandou-se juntar aos autos a qui-
taeo de credores, o que vera agora o sppplicanle
fazer, faltando apenas a dos credores Carvalho &
Zenha, cuja importancia se acba reeollud;. je de-
posito publico.-Junte-se aos autos que de*'ro
ir com vista ao Sr. desembargaJir fiscal.
De Henrique Guilhenue Stepple, declarando
que tendo prestado a testeraunha abopadoraa ^ua
fianca como prova com o docuraent junto, pede
que se ibe levante a suspeuso.Na founa re-
nda.
De Thomaz de Aquino Fonccca 4 C, suecas-"-
res, agentes da companhia-de seguros Inderarnv..-
dora, nesta cidade, im[ierrando de novo ao tribunal
que se digue saucciouar o deposite une uzvram
de 20:08W na casa bancana de Augusto Frede-
rico.de Oliveira 4 C, visto ser esta casa elftMi-
vamente bancaria.Vista ao Sr. desenbargador
fiscal.
PAPCIS .IHAIKIv
Sumnario ex-olfico contra o agente de teiles
Francisco Antonio Puntual Jiraior.=Adado.
dem dito contra o mesmo ageale, por..ter-vf
lindado sua licenca e nao ter impetrado nova
Adiado.
Nada mais havondo a despachar, o_ Exm. Sr.
conselheiro presidente cncerrou a sessao ap P ii
dia.
fwjMrfiird* 1872 1873 1871 1872 1870 1871
9ireitos de consumo..................... Dito de augmento de 1,0/. 34 O/o e 28 0/r>. Dito de dito de 30 /., 25 O/o 21 O/o....... Ditos addicionaes de 5 % y.............. xpedier.te de 5 /. dos gneros livres de di-reilos de consumo,.................... 521:033*001 137:773J9:7 3:103*309 96:129*76* MS7I8I0 99*938 8:252*750 253:010*682 170 5*000 17*600 471*OiHl 83t|#M 170000 3:761*898 47.t:83i*5(it 128:533*987 1:085*788 92:318*182 2 364 53) 4;5iO5(l!l 7:032*750 341:802*641 361*355 18*160 1:881*000 7155570 115*000 800 1:239*227 tti:89d299 t20:77i*Kt, L:(4M587 18:769*099 2 7704 (n: 10:1054724
Despacho martimo 4:74i*-',i.
Exportarlo Diretos de 13 % dopo brasil............ Ditos de 9 % Ditos de 1 % dos diamantes............... Expediente das capatazias................ In'crior Renda da typographia nacional............ 7Sfi8l
82b*"'t
Emolumentos .......................... Imposto de transmisso de propriedade, i sa-br : de 3 / da venda de embarca^o... Diki de 1 / da arrematacao de bens movis. Extraordinaria Receila eventual......................... 3i*D* :i*v/ i*ti*
Qepositos Depsitos de diversas origens............. Dizimos da provincia das Alagas.......... Dito da provincia da Parahyba............ Dito da provincia do Rio Grande do Norte. v-utribuico iara casa n.caridade......... Mo;9l9*40;i 3:599A716 10:609*981 67*655 1:793*042 1,055.974*28) 9111902 6:413*391 27:140*582 1:669*951 761:787* !l 5*4*/'> 8 .Bu*" : Iu41*<9.' 192*:? l:483*7-
1.013:989*80 1092:121*109 787:537*;:?
.\lfandega de Penumbuco, 3 de mai\'o de 1873.
Servindo de chafe da 2" Anselmo Jos Pinto de Souza.
BUCAGOES k PEPIOC
O $r. Ibr. i 'olluro na fucstao
do lia*
III
Ficara o Sr. Dr. Collaco etn sea urimeiro artigo
de mostrar quaes os poderes e direitos da igreja,
e de harmonisar ustes poderes e direitos com os
que conpeten ao estado. Occnpa-se agora da
prineira parte desta tacef, para chegar con-
cluso, como indica que o seu lira, a demonstra-
cao de suas priraeiras tueses, em seu primeiro ar-
tigo oslabelecidas, isto que a soberana e inde-
pendencia da igreja as cousas espirituaus e eter-
nas igual a soberana e independencia do estado
as cousas temporaes; que as leis e disposices
de cada urna dess sociedades, naquillo que
objecto de sua nsso, obrigara a seus respectivos
subditos, independentmeute da approvacao da
outra, a qual nao mais que enrollarlo da pri-
meira, e portante dispensava a dcmonsiraoso que
o iiie.i amigo deu-se ao trabalho de traser, assim
como a dispensava a primeira que em ibese ou
como principio ninguen se oppea ella (ao no-
nos entre nos. >
Por isto esperava que o ilustre douter vie&'e
deste jfeita .occpar-so daquella harmona, destas
duas sociedades, sempre etn conflicto, pelo ha-
bito era que estao de una invadir as attribmces
da outra.
Desde que o Dr. Collaco estabelece a saa pro-
|io-i,.o eom limitacaoa igreja soberana. m-
dependente as cousiis de sua missv,adoiine
que ne o no que nao de sua misso.
Mais anda
Admitte a hypothese, a possibilidade de la, Man-
dar, legislar no que nao c de sua misso.
Porque do contrario era esrusada a liotet..' .
e o Ilustre douter diriaa igreja soberana < >
tudo o que ordena ou ensiua.
Se o governo da igreja calholica nao po*. -1
berauo fra do que o objecte de sua misso, .ro-
o pode obrigar ueste caso sen o coosenunmni'
do governo a que pertencecada povo ?
No ontanto o mjp anigo, no lira da ranaira
parte de seu artigo pretende ter chegado, sote i"
cessidade, a dcraonsiraco de sua these assim I:-
initada por neio de argumentos incoucludentef <'.
proposifes diainelralnente oppostas laleoiwlu-
sj. 0 Sr. Dr. diz duas vezes .que : .ase-
sad d) estado evidentenente subordinada ,,%&*-
sao da igreja.
S assim poderia arranjar o Sr. douor a su
harmona enlre o estado e a igreja. quando.-mua
dizsm. c o outro nao.
Ccnfrontese a subordinacao da niissoilo eati
do misso da igreja, cora a soberana e Ande-
pendencia das duas sociedades, e diga-se.onde est
a lgica com que o Sr. doutor faz sair a segujuLt
destas propositos como concluso da primeira.
Nesse artigo do Ilustrado doutor, cheio de ideas
confusas no seu conjuncto, contrarias e errnea-.
v..,^- uceuna rouiltsas no seu coiijuucao, coiui ai i.i> v einAve..-
este ^^^"' nl1Ul'n*ade uuf, v-se que elle pre.tendendo deuumslrar iuna.cpu-
oiUusira doutor, oecun^-n d.pau4e qu i te^ demonstrado outra. Poeten* -
DS2JSS^ra,Sffl-^ -.u^nnB se'csor para isto, demonsUr a subandihX h
Por outros termos: A quesiau qn ios.uccupa,
no
Se a igreja ou nao o suberaiia as cousas
espwituats, quanto a estado: o, poraes e corporaes;
Se-as leis e disposices de cada urna desta so-
ciedades, nofji/Jtoien* se reino oo ot> misso, obrigam ou nao aos seus respectivos sub-
dito, independente da apprsvafdo ou repeovaoao
da nutra.
Nao esta a questo ; est'outra :
Se as leis e.disposices .da.igaeju, naspiillo sabr
que ha duvida so se refere a objecto de sua ms-
si sovunte, naquillo que so retere, par aos usos, praticas, costuues, leis, ipdtaii;s. de
una sockdade'Oiivil. ubngamon naoji[, appao-
va.od oslado.
(>,-r. domar m vez de oceupar-se desta ques-
to, en vez do hai mtMisur .(pwesta em litigio,
distinguir o que se eonfande, loma o trabalho de
demonstrar o que nao se contesta, e dessa-de-
monrtraeo,tra a oonelusao-do.que estw ques-
to, e qne alias est fra do principio assentado e
eonvifldo.
esforca para
estado igreja, e diz que tem donumslrado w' -
bennia o independencia da igreja iguaes as dV es-
lado das quaes nao pode alias nenhuma resultar da
Nao ''' por una lapso do pena a que o Dr. Col-
laco pea misso do oslado subordinada adaig"
ja ; por um trabalho e>for-ado en que .a i]Mi alias nao padece, anas partindo de un erro las-
timave am un boniem de tanto f^m, n'uso.pbv-
losopho tao lido de ideas to livres en matena e
govemo civiL
O estado, diz o Sr. Dr., em veMtfe>ser iaslituica iaimiga, ou sequer iniilfsrmt a igrt-
ja, astea, .no plano dman, um poderes* ,au\ -
liar d olla. oomo a faosh.
E' este, men anigo, o erro que dumo'laMnt)-
vel (con a devida venia).
O estado, Sr. Dr., nao com effeito iaimife >-
igreja ; maslhe ella indiferente, elle ttaaau-
xibar d'ella.
Pode o estado servr-se da igreja para -
dignos fins, mas nio Ibe presta auxilia #* o
fin d'lla-a salvaco das almas. *
/



^
DiaR&ie eeprilj8# -i- &rffl>fel_a 7 to Sfar^o de l8tf;
---- -ni
--a
'
ira -aerado, nonio
mina, je inaaeira
Ueste sentido
jner a .Sr. r. Cofaf i
aiguma. f I
Como que o estado auxiia'a igreja ? Diz o Sr.
Dr. Colla o :
a fi*ranWUos IndivruiJs contra todo o cbnj-
tranfioV nle*_leriov, pfa que possam livrahaen-
t erar no qtte a igreja liies eosin.-i, o praticar o
rae ea me* ordena, afim de ijue, assirn santifi-
cados, possam ir gozar d,i beinaventuranca eter-
na, a que slo destinado*.
Ni para lastimar ? Me devemos nos entre-
ftr de bracos cruzados ao -guverne do papa,
elle recetor nossos rais, imperadores on prcsi
denles ?
Oade vio o Sr. Dr i/algnm tratado do direito
paMfakj-ft!* iMfi do'nlgum-govecuo civil,
a nid.ser alguui antigo theocratico, neja ai me-
nos (mil i J a, nepi mosmo na pratica; ein que o
esMaWa:ocettpe 011 preoccnpe da eterna bema-
veiyomtifa dos individuos pie- o compoem t
A sociedade civil. Sr. Dr., como outra ,qu*l-
4* sociodajo de intoftK-i puramente muadano,
cao.por exemple, wpjalqusr sociodade commer-
rtal;-eom a dffleteiica do genero e quantidade de
iatem jes do que cada iww se oeedpa.
V.f3m.lia, rom que StiS. lio mal ueste sentido
eorauajra o estado, o pai de Emilia, sim, tem todo
0 iatresse e obrigaeao (o ehristao) de encauinhar
ao co os. individuos que a compoem, porque,
raufea^drllreate do pnvfrno do estado, o pai de
fanujia aao. receben seu pader da fajuiha, ma-
smUa naturia, c pur_vuid Deu ; iiw-que. eb>
ama e tem o dever du, amar, atoaos os seus
cnembrws.-.c'omo estes entr si.
dfeenii do estado, ertftterao -omnes pot&tns
tm~- recebe seu poder date lamente pova,
uesroa. sendo re, assirn m conaiJera. avarno
do e-tado nio ama uefihuai-dos. individuos que o
oompoem ; sim a alguns por a_*i$_o do homeni;
mas na como goverao.
Se* ifita garantir mais nu meaos os direitns
mtu^aas e os i'.ur(iUiiiM i>nr lei, fazer mai-
au menos a Micidade das indtpidi^os que eoiu-
poem e estado na terca, inesmo fora da patria.
NAi garante oa individuo* contra todo o coas-
trangimento exterior, para qxoposs'an livreinen-
tecer no que a igreja Utes entina c p:aticar o.qne
ella Ihes ortL'na ; garante siui, para que possam
ere n* qne quizerem rrer, e praticar o que a lei
civil nao prohibir.
Aicespeilo dor-crer, tetnos.que ver aioda.
(litando o estado adopta ou protege urna ou
mais religioes, nao pirque elle deseje a salva-
do dos individuos ; protege-a ou adopta-a, como
urna, aecessidade da vida social e individual,
('om* o sentintento uatriotieo, como a moral pu-
blica, coato a iastrueoao, como o pao, cujiio, a
afu*.
Vefifis algmnas vezes os orgos dos governps
inv.wac a Deus, Divina Pnividencia : mas para
a> cmnas da trra, paia as neceesidades ou dilB-
euloades da vida social, para as calamidades pu-
blica., ou para llie dar arabas.pelos benecios
que derrama sobre o pavo que representa, mas
nunca para levar as almas ao co.
Quando Lincoln decrelou uin jejnra, nao o fez
coa a aatotidade legal de presidente da Unio :
fi'-lo. cour a autoridade macal de um hornera de
bem. to' prHnelro claarjao, compenetrado doloro-
smente da maior das calamidades que soflria o
pau, peh qnal eom tanta dedica.o se sacrifmii-
*"ava,i.nla mais justa das causas.
Era um alio cousollio que.foi por todos ab^-a-
ckI ; de naneira aiguma um preceito
Ue'iuanwTa algat visa va ab bem da vida fu-
tura, *>r |u da vida uo\se.ta, o bem do es-
' 11..
lie seus principios tira o Dr. Collajo a conclu-
sio q> que quetn, nao subordina o oslado igre-
ja, mas sim a icreja ao estado, desconhece a na
iirew.cjft. duas sociedades
Sendo patento quo o Sr. Dr. nao conlieee, ou pt
niq conhece a ajilaren da sociedade civil, cabe
por tert-a sua conclusao, ja derrotada por estar
rm Cdntradicao eom o que elle tomn por prin-
cipio e cliamou conclusao. di soberana da igreja
8 da. ioboraiiia do ostaJo no iiue proprio de cada
una. '
-No entanto torna o Sr. Dr. a sua conclusao :
A erdadeira igreja, tirando de Deus a.sua
ussio, tira igualnieote delle seus direitos e saos
pojecaji. os qnaos exeice coni pieua li erdade,
-seifi jrecisar de consenso de iiiuguein. |>orque
po ua iatureza to soberana e indepeudnte as
'''''"''' ezpiritiiii:-; .juauto o estado'o e as cou-
-a> le;np;iracs e corporaes.
Portanto, nada do beneplcito.
Mja quaudo a igreja se ingero as eousas tem-
- e corporaes ?
Uhu qne a (Kflcaldade, qne queremos lr
> 3f. Dr. Goliaco solver eom a sua to contradito-
riae, iJogica d .utrina.
< lesus Cloisto, di elle, pregando a sua dou-
r-n.i hi'Juda, e os apo-tolos por todo o mundo,
po-lira;n pafa isto liconca as. autoridades cirts ?
(^uroprio Se Dr. Collacu respondo imaidiata-
iii ^-; cniisa si :
i Pj: ventura loi o pximeiro eomlemnado por
li'.um rriine contra as leis do estado, ou somonte
jen-se di/.er verdadeiro Deus, oque na opinii)
d-j ftajane contrriava a doutrina religiosa que
"II'S gfofessavain
Josa Christo pois, nio so ingorio nos negocios
-ti osudo. E' esta a questio.
B porque, Sr. I)r.. os chinezes expulsaram os
rntsainaaos portagueaes depois destesaleancarem
til g-'atde jirosolytismo pur tai livro (uopaganda
roneenjiiu por iquelle oslado ? \fw foi por sup-
porem. e eom razao, quo estei se ingeriam nos
: s do 1-sta.lo *
(J Sr. Dr. confunde duas cousas que so bem
disnctas.
A igreja tem o dreito de eosjaar, de ordenar o
que de sua inissao ; mas nao de exigir o con-
eemnaento do estado, nem a sua submissio ou
.-uUirdijiacao.
O poder, o direito, o dever da igreja, queso
ten st'ii xs.-onto no co, s tem por sanc.-o na
ierra a torea moral.
Jeh (uis: i ensi i a. orden i e mandn aos
aoni dos que outro tanto Biessem, aos povos -
> atH'ei, sera se iiuuortar, sim,con o coa-
vi umjiLi o >s goyeraus; mas sujeitando se aos
mtrtvrios que vie-som da v iijtade dVllos.
.Nin disse nem *eas ap istolos disseram obede-
a:n-nos ns povos e os guveroos, porque somos
ni o .'.1 >< d Cluasto ; mas onsraou a verAade, coa-
ve ican urimoiro, e don preeeitos religiosos e mo>
raes. Sao pregou a desobediencia aiguma insti-
tui.-i) social, a aiguma lei.
Mas olio prodisse que viri.im falsos apostlos;
1 .. a a e nao ara desle uiund 0 seu reinado, o
' -; (farap da igreja se ingere uosgovai-uos dos es-
111.. praticaiidn o sou govorno cin nomo de
;iiristo. as miores monstruosidades que so lora
l.il'ii.i ierra, o o vjgario de (liristo so sgan-
la n'uin tlirono do n-i .'
' -.ini^a, o? falsos apostlos, osjesuilas, por exem-
iio. eantra as preten.oos da igreja n> govemo do
wtawf
IV. que se -ata 1
Da maj '"aria.
A igreja djz qaa ora paaeadt) i intra ella, o de
pena d,-< exrommunhijo,
i) estado n.i i adimtne este preceito. porque
nnti que B nu isto tora, o goverao da igreja lins
resqtwajos o entranbos sua misso.
M Condes f que o estado est era erro, que o
'-i preceito i: a pura verdado, fazei como
'linvti,'K-'ffroutai o estado, progai o convenrei ao
i iro q.io eom etwln a mneonam um pec-
c.tdiX'qiifi pop esto prowito nenhuma ingerencia
.uor, ie,r govorno da igreja no goverao do es-
uda.
Kar.ei esta propaganda, quo vo aaseguro que
nenlMam^ parsegniii$n sonrereis.
Se.:tsio iv,r vi'id.ide a uf-rdes coai pooiencia e
tfxtOa>5,o esta propaganda, liaves do convencer,
porque esto po o o mais manso que coiincco, e
Hif d>s mais piedqsqs.
Mm oslar BS|e povo no eiorcicio de um direiW
hii^m diiiirio autes do imperto e oulorgodo por
iei l.ai.U- e.itii" o coosoiUido por todos os hispas o
arremjp is sera a mnima admoosiacao, e vir um
lia ihj bispo o liradar: ja, ou abjuren,bu (ora,
anana!
A.imposta, lana unrJadaa.
radades, e rnaflda
Nao pode portante- prestOTflrfa/ fechar as igre-
ja. porque, por suas leis, ofecreto pel l"' o
bipo qner fechar jw igreja?, nio r*u #
sauce.
Nao o pode anda o principalmente porque o g*
verao representa o povo, e o poto erado em favor
dos macoes, todo o povo vos deBoaedece.
Se vos nao precisaos do estado, s* para pregar'
des e ordenardes como Christo e1 os apostlos nir>
preeisaes de licenca, que vos intportaes eom a lai
do beneplcito ?
Nao estaes ah obrando, espancaado, nao obstan-
te a falta de conseatimentd T
Se podis obrar, como nao odeis pregar?
Mas comecastes por onde devieis acabar.
Levantastos todo este Juvo.couira, ys Mr actos
mais brutaes qaa imprudentes coun>podeaais mais
sep crido ?
0 que pretendis ?
Que as bullas ohriguem, einbqr. a f*AK*..do,4>a-
no plcito.
Pois obriai esto povo a quera fieste.dBiic'Wi",
Auxilio do estado nao pedis ter, qpe twin-
def endent e soberano, aun- iqre'j* $ por tanto
nao su boFtUnado.
Tanto nio subordinado, que o nao podis intri-
gar, nem excoramimga-Io. Podis lmar todo o
povo para fra da igreja. mas nao o estado que
Dia tem alma para ir para o con.
Se todo este povo so levanta contra vos, em prol
da causa maconica, se por isto as irmandades saa
lancadas para filfa da igrdja,Wra della est-ledo-
este povo.
Porque nio se fas o uieiuo em todo o Brasil e
escollieis esta proviocia ?
E' a que mais amis ou a que mais aborrecis ?
Fazei o inesmo em todo o Brasil, que nio tereis
aqui mais uiissao a.cnraprir.
V. mis nao seremos os culpados, nao sereateajUAis
os qne daremos cuntas a Deus, mad|o,pator e pe*-,
tenes, que choios do sauha lancam um rebanho ta#
maoso ra do aprisco.
Saja, porpue alguui Ua. quauda l'w I.\, qne .
arrastado pelo infernal e hypocrila espirito da,in-
dmita corapauhia sacrdegamenle chamada de Je-
tis, se desengaar do throno da terca, nossa mai,
a igeja calliolica, nos chamar a seu seio, se. an-
tes Deus nao nos aecudir de outro modo.
Fiquera iiorera todos certos, os que cuuipiram
par* nos fazei- protestantes, que nunca o seremos.
ost.; povo emiuantemente catnolico.
N'oulro oceupar-me-liei da 2." parte do artizo do
Dr. Collavo.
A/foiiso de At Afeito..
frfel,. quar iwturoza, Mi vtports, navfua vei p
barcacas, premiosmnito raodioos.
RA 00 COMMERCO N. 34.
SEGUROS
irr
meh;o antfar,
lt;t|T
NfbtlXY.
B*NCO
(MtERClAL
Tristeza e lr l-iU<-mln
pal.
a mea
N'ip : 4)i ijadft.uqr.todu.
Kjstenispo djryo-sc as irru
Quaudo ii ni- nulo t vea uno diz a ura infeliz
Que compra a malvada e.indigna sorte,
I ni infeliz como eu carpindo geino
E o alivio que tem s cora a inorto.
Vejo-me s neste rochedo ameno
Longe de todos o< amigos e. paren tes,
Seiu noticia saber de uieu pai miulia mai !
Nossc airoso bosque de inmunda gente.
Carpindo o gemendo levo os das e noutes
Chorando lagrimas eom pesar ,sern,cpnsplacaQ,,
Semtor quera me animel pois sou estraqho
Que horror meu Deus' Tende de mira corapaixo.
Sou o mais indigno vvente por meu pade'cr,
Pois deixei meus'pais e estoii.tSo'distante,
Sem v-los era abysma-los pois os amo
E eom paixao o ardor sou um filho amante.
Recife1873.
Florentino Rodrigues da Silvti.
\ i'al.i o>iciiau |Mih'. em.
algiiMM inli'i -i!l;~, le"
autoriilatle. raat om-
iiai a verilade pi-ova-
lece.
Consellteiio Bastos.
1). Ilosalina Pires de Lyia o seus filhos, ibaixo
assignados, declaran! o publico que inqxaeto o
laclo quo o Liberal do 1" de marro correulc publ
con, relativamonte a exturquirao ile ttulos de ma-
onaria, feitos pelo Rvd. vigario desta freguozia,
ao seu linado marido, Jos .Miguel de Lyra. {o nao
Miguel Jos de Lyra, como so no Liberal), falle-
cido em 27 de fevereiro prximo pissado ; por-
quanto, acliando-se o mesmo tinado peior de seus
incomino los poda repetidas vezes, que se. quera
copfessar, e, eom elTeito, na larde do 86, raandwu
cluunar o misaionario c^puchlnho. que aqui se
arha, e. por sua espontanea vonHe, disse-lke que
so quera ronfossar ; mandanpo antes disto, um
dos seus lilhos o mais am' amigo qae so achava
prosente, procurar a caria maconica, que possuia,
doclarou que ha quatro anuos nao frequuntava
aquella sociedade, e por isso entrogava aquella
carta, por sua vontade somonte, as nttes do mi-
nistro do Senhor, para que a lizesse devorar om
cliammas, e quera rereher o Santissimo Sacia-
mento.
Nao estove prosente o Rvd. vigario, o qual s
veio nossa casa Inzer o Santo Viatico.
Nao autorisamos a ninguem. para que so lem-
brasso do nomo do nosso finido marido e pai.
aran dn envenenar amfacto que tao simples o
francamente se pasapu.
Montes, 6 de marco de IS7:|.
Rusnlina Pires dt Lyra
Jos ititjuel de Lyra.
Criolano Pereirtt de Lyra.
Manoel do ('armo Pereira de Lyra.
fVsta le lilil :*iivi"i jim la Ho-
leilade na niati'ix do Poco da
l'aiwlia.
Os eucaarregados da fosta da Sempre Virgem e
liinaculad i Senliora da Suled;\do, leudo obtido li-
cen.a de S. Exc. Rvma. para solemnisar con, a
maior pompa o anniveisario de sua excelsa pa-
roeira no dia 17 dororrente, fuera publico a todos
os liois c devotos que coneorreram coui suas es-
molas |>ara este acto, que a festa ser ft> pelo
seguate
PilOGiUMMA.
Xo dia !l (domingo) s 7 horas da noute sahir
o estandarte da mesma Senhora dobrado em urna
sara do prata, o conduzido por um anjo, acompa-
nliado de msica marcial, soin cantura aiguma,
da casa da juiza onde se acha, om dreitura a igre-
ja, donde sahir solemnemente carregado e acora-
panhado pela umandade o o Rvd. vigario da fre-
gnezJa at ser arvorado om fronte da igreja, con-
formo o ostylo : ao ser arvorado o mencionado es-
tandarte, subir ao ar alera de diversas gyrando-
l.is do fogo, un bjuquet de 36 volantes, qup ser-
vir do annuBciar aos fiis derblos de Nossa Se-
nhora que o seu estandarte se acha arvorado : era
seguida ser qtioimado um payueno, mas lindo figo
de vista, no qual llavera um painel representando
o Sintissiino Nomo de Mara; tocar ein todo acto,
bem como as noutes do setenario at o final da
festa a msica marcial do i. batalho de artilbaria
de que m-stre o insigne artista Prancetinn.
No dia seguinte principiar o setenario cora ver-
sos cantados por urna excullentissima senhora que
soiaonto por devoco se presta a Qs'.e acto : a or-
ehasta desse dia, bem eamo de toda festa at final,
serji regada, pelo amane nuestro Cotas; e lindo
o acto, ser qatehnalb uio^aqueuo fugo de vista,
qno ser reperid era, todas *s noutes do setenario,
representando ein. cada urna dolas os segrales
painois : a Annunciaco de Saria ; Nasciiaento do
Messias; a fgida para g'Ey.pU>; a ac*ada de.
Christo entre n? doutores o encontr dos Pasaos :
a espada de dor; Nossa Senhora da Solodade.
No da 17. s o horas da Wanha. urna salva de
21 tiros, ao som da nrasiea niarcial annunciar aos
lieif devotos do Nossa Senhora da Soedade o pre-
nuncio de sua festa; periiorroodo a msica as
principis ras d*> povofljlo,
As 11 hora* entrar a fosta. que ser solemne
e rom a. maior pompa, e aoentoar o doria, subir
um bouquet de 36) tiros ; no Eyangelho subir a
tribuna sagxada o Rvd. padre mostr Leonardo
Jo|i Gtfega, rebiiirliecido como um di noips,"ui.-
llioros oradores sagrados ; teritwBar4 u fpsla qanj
uiiia salva d 31 tiros.
Dnsoonta lettrtvs. (le cambio, de .'toiM;
quM)quer ttulos publioqs.
fteco'be.djixheiro.era couta crrente si.mpje^,
pm coud*, Iras.
Encarrega-se por coromi^ap de qudj.tpier
operando, bnnearii.
O expediente principiar -s 9- horas, da
inaiiU o- limi-ir s 4 da tardo.
ra,: .CrvaJba 4 Nogifcira. iM saceos
^kilos de asiocar raascavadrt ;H. J, da
nJitTS^"SS!DS77 U'W8 >5Q.W3: ditos de
dlo frrampo e- m- Ate eom 45,000 dito de dite
mascafvado.
Paraos porto* io-interiar
Q Para, no navao nortognez -iriMK
": A. A. GahnarM* 1 pipa eom 4o
Para Santos, na barca, beapanholj Antonie,
* farregou : P. u. Maurv W pipas cera 5,800
litros de alcool f 30 ditas 'cora li,40 ditos de
agurdente.
Wgarara : LostaS f!. JOfcarricas edm 1,353
Kdos de assorar retlnad, 7 (
d* assucar branco.

^t^:^4^
3i(Ho*747
Rna
dar.
4o,, Vjgario n, i, primeiro ^
Seguro c^niM-lbgi)
GOMPA/NHIA:
i'i
Capital.
Fundo
a,oou:of>a>oo
de reserva. 8,QO:001POI)0
Agentes,
Milis bafham &&
fttA DAJGRUZ 88.
Y&M0S S^HQJOS
.Jadalas. J .
Pnmeira porta no >dfa/6 .
jagunda porta.....
freeira porta .
'rapiclii! tJonoijioo

li
1*9

13,i2i
.utttiim^M;.. ., .', .
S .JttOS afcacados nojtfau. da, al^adga
SoMimW1 Gonceicao
,
dem do dia 6 \ .' 1:55X4410
13:16837o
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRAJO FOGO.
V compauliia Inderaatsadora.estabolecida
uesta praca, toma seguros maritimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo,
ni edificios, mercaduras < moMias; na.
jya do Vigario n. 4, pavimento terreo.
GONSUJiADO f ROVINCIAL
RemUmento o dia (,' ^ "" 17:f354.S*t
Idenido.dia 6 ... i, 1764578,
:4 colra-liigii
Seguro
THE LIVERBOOI, & L0.W03 d GL
INSRAilCE COfflPNY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS C.S
ll^-Gorpo Saino14
C0MPAMMI4 .4LLIAHC4
maritimos e terres-
tres estabefecida na Baha
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,000:0009000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro a
risc martimo em navio de vela e vapore
para dentro e fra do-imperio, assirn oouiu
contra fojo sobro predios, gneros e l'a-
z andas.
Agente : Joaquina Jos Goncalves Beltrao,
ra do Conimercid n. 5, 1 andar.
seguros
ALFANDEGA
Rendimenlo do dia las. .
dem do dia 6.....
*S:7:iU39i
39:1184341
i3-
xuiitir a\:aiialha"7 porque ? a cs se trata A
sim ).
^-reposta e a mesma !
K ^uafldf fuchar as tgrqpf !
Me flp.jn sao,as grojas ?
Ordo ejiado on das Irmandades.
Tdaw as irihiftilades desb lcem ao uiapo.
liado o povo csi.i nn meamo entiawito!
Qnem fecha as igreja*?
KifafiWi.''-1'!" preiando,do auxilio, do bro:a
lo gaf/mio.
1 "'W ,* d* Wrb o.govsKOp. ?
(^jurpwii.m WiWgipw, nap tem een:ai-eliio.i,
ni> fniW CW .F" ai> inferno. P*ofcnre a rli-
^iao/jw e no que le ..wein, ao ^ lerreatre
da sociedade.
lindar o fyrDeum ser arreada Aibaadelra eom
iae6fa sotettWidade co que. foi lostbada. ixindo
teraja a toda fejx upa Uojd.o (ngo de. visia, de fat'
autor O Wn .cogheoido e acto^jtado arttt i*e
AWw Mwtnrp-
',.4+'.- i-M-ti/l"^!
swa
l*.-
i
CMP^HIA
Fhenix Pernambe$na
01:851*735
Desearregam boje 7 de marco de 1873
Lugar france-Jcin /top/-ste-(atracado na pon-
te) mercadorias para alfandega. a
Escuna i glea-.Vw&oj mercadorias para al-
fandega.
Barca injleza Ateone mercadorias para al-
fandega,
Patacho allomo CalJ^irinu mercadorias para,
.ilTandega.
Lugar aemao -Alfred mercadorias para alfan-
dega. __
Patacho allemaoUorisont mercadorias para al-
fandega.
Patacho portinjuezFurto-varios gneros para o
trapietie Conoeicio, para dcsp char, e
mercadorias para alfanih-ga.
Barca ingleza Empresa varias generas para
o trapiche Conceicao, para despachar.
Patacho inglez Minnla Brrebacalho j des-
pachado >ara o trapiche Cancetrtlp.
Brigue inglezManj hacalluio j despachado
para o traujeue Gouceic^io.
Patacho inglezSowrwbaealhao j despachado
para o .rajiiche Conceicao.
Patacho to$eibabft hac;i'bo j despachado
para o trapiche da companhia pernam-
bueana.
Patacho ingle/. Ftying Fmm farinlia de trigo
ja despachada para o eaes do Apollo.
Impnrtaclo.
Barca portuguesa X v.\ Fama, vinda do Rio de,
Janeiro, consignada a T>'<> Licia Swires, mam-
festou :
Barricas vasias 021 a Antonio Jos Fuado.
500 a Beltrao & Fillio.
Caf 20) saceos a Pereira Cuuha \ Inno, 200
a Aquino Fonceca successores, 100 a Monteiro
Rocha 3 C., oa Fraga 4 Rocha, 157 a J J. Cog-
ta, 23. a Barros Filho 4 C, 100 a Olivcra Azeve-
00 & C, 110 a J. J Leifc'to, 50 a .1. .1. F.-rreira.
100 a J. J. Camino Mi mes, 30 a J. J. Alves, 2-'i
a Lima Bairo, 14D ais consignatavios. 40 a M. S.
Silva, M a Soarea Amaral, lio a Fornandes da
Costa, 57 a Teixera \ Primos; 36 a Lebrel
Reis, 40 a O. C. Lages.
Ervilhas 100 aWcoa, a Oliveira 4 Filho.
Farinha 2'K) saceos, ordem. Fejo .'10 sac-
eos, a S. Amaral, Fogos da China 100 amarra-
dos ordein, 23 a Lima A Silva.
Ladnlho iOcaixas, a .1 Abren e Lima.
Mazane 30 caixas, a MonUiro Juni.n-.
Palacio inglez Mhbcadb, etnio de Terra-Xef%
<'oiii'!ii'id:' a Joknston l'ater & C, manifestn: ,
Bacalbio 2,334 barricas, nos consignatarios:
Vapor Pirapama, c/ndi) da Granja, mniti-
fmkou .
Algodo 88 laceas, a Sauadcrs Brothers k. C.
OBsPACHOS DE EXPOIT\CAO NO W* K DE
.iAU(>) DE 187!
Para os portos do exterior
Xa barca suieca Jon Sjtdbi, para o Canal,
carreiiarajn : K. Schmmeiuei *: C 6ti eaquas
AKuiU.bavoi3ti/l>tun aotemne, sendo ticen- eom 4,750 1(2 kilos de algodo.
pada a tribuna, sagrafl pMo insiga' orador Bvd; L ^palacJw,ibrasileio> $ Luiz, pa/a o Havre,
padre mestre Manoel Moreira da Gara*; toa?}'quo em-rega.ranj': We||ef 4 C150 sancas o^Sj.SVJ
Hilas.de algado.
+- No patacho uespanhol Fr.asyttta, Jianau i^\
Jda ^rata, carregou : L. I S, Gumarit-s 100 JwfTlflJ'hjis a^'p^i VJprt fle "W 1*' e i
ricis. eom. 10,448 i\% kilos de asnear U'mv.-\,. |
-r-.N'a barca brai)oira,S.JHS(L,' p;iv4 W.i*,
Muy aarregan,: A- aW/w -K 'vn-was, umii
38JJ22 kilos de assoear branco e 10 di'
1,118 foe de dilo mascavado.
Twu*r&w.mriMrnois
a
litas,, wfu,
Na galera portu
caflregaram : E. R.,,
'* 3 H) kilos do assucar
para Lisboa,
o 4 C. ilfl saetw eom
masca vado, lfO ditos eom
7,500 iliu de ttiio l*nnci). 0 feanwtuotihM caflK*-
470 dilofidt) 0*4 e t oouro satgiUl eom ,tftu,l
tkili.
',,i j. ...~-------. ...; ...t~-----------------.
Sav.iw entradas no iu 6.
Baha -11 iljas, barca lirasiler Mni'mh IV, de
lil toneJadas, capjulo Joaauim.Borges Lmha-
i'is, cquipaicm 44, carjia vario*, genens; a
Amorim Inn ,-.b C.
Rio dfl.Janetfr-Jdias, galera portufiioza iVai-a
fmna/J', de,51* toneladas, capilao Jos 'Ribeiro
anrima, MipaBein ld( carga .rios gneros ;
aTitttliiKiQSoarus.
Terra Nova31 das, pataelio portuguez Mervade,
de 149 tildadas, ^ailo W, Le, Ruff, equipa-
eafl, car^a .2.334 barricas eom bacalfiap.; a
Johhstiin Pater 4 C.
Rio Grande do Sal 30 data, patacho inglez Spring
Bird, de 17b' toneladas, capilao S. S. Xliemaz,
m|uipagejn 8, em lastro; a Hejiry Frster
4 C. Sequo p;ua S. fhoinaz.
Granja e pnripf. mtermedios k) ilris, vapor bra-
sileiro Pirapama, de 32 tnnSnlaj, capitao
nunduteAredo-ewinaaeni 23, caega ajgodaoj
e qu^ geflefos; -rnp;m|iia pernamiju-
cana.
Bahia-I2 dias, brigue hepanhol Jadit, de 136lo-
neladas, capilao angla Abril, e'quipagem lf>em
lastro; ordein.
Huntmguaper-17-h/iras, vapor brasileiro Cururi-
pe, de 222 toneladas, lapitan 1. II. da Suva, eijui-
pagem 17, carga alpodao eeoiiros; eompanhia
pe i iKiuiliiirana. %
Ob.terniou).
Nao houve saludas

tiiTAS.
Pela thcsQUfaria provincial se faz. publico,
que foi transferida para o dia 13 do torrente a
rrematacao do imposto de 60 r*. por litro de
agurdente,oonsuiniida na copiare,, de. Nazereth
pncada em 290/4 antraaes.
Secretaria ilji n'souraria proviseial de Pernam-
buco, 1* de marro de 1871,
O oifieial maior,
Miguel Affonso Ferreira.
0 Iilm. Sr. insoector da liiesouraria pro-
vincial manila tazar publico que no dia 13 do
eiuxcntc, p ranli-a junta .le fazenda da mesma
thesouraria se ha de arrematar a quem por menos
lizer, o foruecimento de alimeniacao e dieta aos
presos polires da casa de detencan, no trimestre
de ;ibril a jnulw proxiuii viniloiAro. servindo de
liase arreuiatpcao os precos das tabellas abaixo,
transcriptos.
Alinoco e jantar
Domiiiiio
."'eguBda-faira :i8u
Tena-ftra ;0
UiVirta-feira 3M)
Quidta-feira
sla-wra
doi; 203000 por cada casa de sobradp na cdade
do Hecife, que coYervar vrandjgoiTsacadas de
madeira ; 60 rispo palmo da terreno no povoa-
do> de Magdalena, Capuaga, Cbaoan, Casa Forte,
Poco da Panella, Caldeireirjo, Monteiro e Apipu-
eos, que nao estiver murado ou cercado, conseT'
vahdo-se as cercas em bom estado ; 40 ris por
palmo de terreno em toda a extensao da cidade do
ficfcife a Apipuros, que nao estiver murado,' ex-
?ptuando-se os terrenos, que tiverem cercas na-
vtis em bom estado de conservacio ; 20#000 por
rada baixa de capim dentro da cidade do Recife ;
10*000 por cada urna machina a vapor, das que
exjstiram ou.farwa inoubailas na cidade do Recite
paj-a qualquer inister;, e tlnalmenle o imposto de
.'JawOO e 20000 por cada, boceteira e mscate que
%ndor. dentro du.municipio do Recite.
Contadoria da cmara municipal do Recife, V
db fevereiro de 1873.
O contador,
RlpMI'o Cassiano de Y. Albnijierque Maranb^o.
'-^'^eJa inesaia.contadurja da cmara inunici-
,uad sao, chamados aos denos de diversos estabele-
menlosde pqrta aberla a viren pagar os impos-
tos-atrazjidos que se acharen a dever, bem como
os; demais mppsfos do eiereicio prximo findo de
4871 1872.
Contadoria da cmara municipal do Recife, 27
de, fevereiro de 1873.
1' cantador,
HvpoliloCassjpno dp V. Albuqnerque Maranhao.
OJeapitao Anadio da Rocha Accioli Lina, 2. juiz
'de paz em exercio e presidente da junta de qua-
hlicacao da freguezia do Poco da Panella, em
'virtudada Idi, qic, aA
Faro saber a tolos os eleitores esnpplentes que
Om virtude da lei regulairteular das eteicoes eor-
dqns da preaidencia, em ofticio de 14 dfcfeveiro do
corn-nte auno, convido os eleitores, e supplenles
JijsU frmiuezia, que vo abaixo designados por
se,nomes, pasa.que cmparocam na 2,'dominga
( lii de abril do corrents anuo, peias 9 horas da
manh, aiim V! organisar-se a junta qualificadora
qae lam de rqver a quaicacao antecdeme, e
qaaJlicar os novos volantes licaudoscieutes as elei-
tores e supplenles que saffrcio a multa de qua-
renta a sessenta mil reis, se nao comparecerem, e
se lendo cumjiarecido nao assignarem a respectiva
acta.
Eleitores.
Capito Jos Cosario de Mello, raajor Joao Fran-
cisco do Reg Maia, capilao Antonio da Rocha Ac-
uieli Lins, Dr. Antonio Joaquim de Moraes e Silva,
padre Vicente Maria Ferrer de Albuquerque, l-
ente Sebastio Affonso do Reg Rarros, pronrh>
lao Manoel Jos de Paiva Pinto, Dr. Jos Bernar-
do Galvo,Alcoforado, tenppte Felicissimo de Aze-
vqda ||ejfo, escrwio Jos Peres Campello de Al-
mpida, tenente Antonio Soriajio do llego Barros,
aljers JosiCesario de Holl Filho, umpre:ado pu-
Meo Joao Cesario de Mello, alferes Jos "Antonio
d Oliveira, tenenle Fahiiciiuio di Reg Barros, Dr.
Joao Tliom da Silva, alferes Antonio Lins Caldas,
tlente coronel Ernesto -Macliadn Freir Pereira
da Silva, commendador Antonio Jos Gomes do
,Ccreio, lpente coropel Sebastio Antonio do Re-
g0 Daiyus, einpregado publico Jos Felippe Nery
da Silva.
Supplentes.
Francisco de HoHanda Chacn, Jos Paulino Ri-
beiro de Mello. Francisco Cesario de Mello Reg,
Gervazio Pires. Ferreira. Julio Cesario de Mello,
Jos Antonio de Oliveira e Silva, Jos Lypriano de
Araujo, Francisco de P>ula do Re;:o Barros, Manoel
da Costa Pereira, Francisco de Paula Machado,
Joo Ignacio Ribeiro Roma, Manoel Leito Figuei-
roa, Bernardo Damiao. Ribeiro de Mello, Antonio de
Piula Ribeiro de Mello, Rozendo Maxiinano dos
Santos, Joao de Moura Araujo. Miguel Nunes de
Freitas, Jos Mara de Mello Jnior. Matliias Ke-
aver, Thoniaz Anastacio da Co-ta Proccte!, An-
onio Franeiseoo Ribeiro de Mello.
E para cons|;ir, mandei passar o prsenle, que
ser afflxado as kigaii-s mais pubiictis desta fre-
guezia e publicado pela iuiiirensa. Eu Manuel Fran-
cisco CoeJh Jnior, escrivao, que o escrevi.
Poco da Panella. 6 de marco de 1873.
-b/mi/'o da tocha .leciofi Lins.
tude do arto- db Exm. g* pkfl4e M Wovinci9.
datado de bontem, Oca JesTJadVVdSlrdo cor-
rente, as 11 lioras danrtwa, phrn lerfngar neatn
reparticio o coneuts'aii cadelr oV faograhiae
hislona do gynmaio prXMMnl,' vaga por tM-
cunento do respectivo prMmaof bacharel Antead
Rangel de Torres BanVira,
Secretaria da instmocaa pufclica de Pernambu-
co, 5 ofe marco de 1873.
O setretario,
Aurelias? J> P* d Carvalbo.
JU7X> S>St(
mdi.
Depois da audiencia n-apartra iro a praca tu
dia 7 de margo viadouro, ai 11 no'fas da manha,
os seguintes M-edtos : a casa n. 114 sita roa da
matriz da vida da Escadf, cuaAMrtfae JjpDel'
las de frente, teado ciia>oe|hr7l.|ijt palmo* dt
de 1 undi i,30 ditos de frenUyHias s^la*,um gabinete,
tres quartos, co^inha fora. quintal em aberto i.
penhorada a Thornaz Rodrigues Pereira ph b-
zenda provincial, c avahada b^ GOOHOn.
dem, n. 52 sita a ra da matriz da villa Ir
Cabo, cora 16 palmos de trente, 80 ditos de fundo,
duas saliuhas, dous pequenes qaarto coxinha in-
terna, quintal em aberOi oiu nym estado, situada
em terreno foreiro, penhoraua pela mesma fazenda
Manoel Ignacio da Silva, e aNhadaein iiMtW-
Recife, 20 de fevereiro da 1071
OaoaViltBar interio
________________ M. Fako ____
teiAftACCIS.
Sabliailo
Dietas
340
N. i :o
N. 2 40")
N. 3 640
N. 4 400
N. 3 \00
Ser tainhem fornocida ceias aos
ditos presos
do attqnge e na miiorian-
de Per-
ita mpsma proporfio
ci 1 de 120 ris.
Secretaria da ihcsourarta proviiiGial
nainlmco, I" de mare-i de 187.'!.
O olllcial-maior
M .1, Ferreira.
_RECIFE DRAINAGE COiiJPAXV.
I) IMip. Sr. engenhetro fiscal da compauhia Re-
oie Draiuage manda fazer publico, que tundo sido
ata esta data repasis, cu^la dossa empreza os
dainnos causados nos ,-ip|i;trelhos, quer por descui-
do dos mopdore- querpor nogiujeneia : d'ora em
barde serati ditos reparos feitos de confirmidade,
eom o> artigoa sag Bles do regulainento de 12 de'
Janeiro de 1872.
Ar!. 13. Os propiietarios ou locatarios das casas
em que houvereni ap;>arlhs fnrKH:ionando, par
amparad no escrijitorio da coiiipanhia. pr escr^plo
.i4a|ado, qualquer taterrupcao no servido dos rues-
nds apparelhos, ntencipnando a cadsa que a ella
leu lugar, se for deNet. cou]iecida.
Arl. 14. Se dentito das vinte e qnalro horas se-
guintes particinacfio do que trata o artigo ante-
cedente, uto tirer a'companliia mandado examinar
e cimcePtar o nppareIJio, os'pnprMariN ou foea-
ari'S o c.oniinuni'-aro ao engenheiro fiscal, que
providenciar pela forma d art. 15.
Art. 1:> O eugenheirn f>d, logo qne rcceber a
coinilUi|iH'.'*i deque tnita o artigo antecedente
cxauuar.i oufar exaiiiv;ir r eag*ulwiro da
compania a interrupcap do servieo do apparelho
a causa daatai
i l. S*^ |elo exanie epnhecer-se que aiaterrup-
.-au provm de negligencia da coiupWihia-ou defei-
[11 jla obra, ser 'inei' obriguda a repara-las
iuuiieUJBtataente, f|ib peda de agar a mulla de'
11000 e peda das ammidaaVs em quauto durar
i iierrmipo do upjpan-lbp-
! *t Se, aarm, a intei-rapro provier de ne-
i enci p ej*wwi mo feitos par cont ilosias, sendo o
[laiianHiuto "Heeituilo ilo truismo aiod que as an-
imidades, incnrrwnlii na multa de KliOOJ se tver
liafidii proposito m nujfligiuicia.
partie das obr' prttilicas, 27 de fevereiro
8eH823. "
o secteaf i^
Feticiimo lodr-rrjites a SUva.
4.Jtuala.dori d^ cmara.lilnnicipal
i^,to^enfjrira.a>i> dynos-d^ dividas #
twa mtOMWi*** .xa galera portugueA A$it
aaaaaiaiaaMiB aa aaa^ak ^\^

,
-
^ro'riina'a7,ohr:in!i-a,'dor iniiosfj 'de^iJlO",
li poi- lai, doviiB.to. porcm, ser apresentdo
,aa mesma contaxk-, fl .e^jeti^M^to da imposto
|ifjM|d sobre industria enrohssao, afttn de que pro-
wiii jler assirn paye. o. *lu imposta "
"lamliem s.4.1 cliAnudiMi h vlwin |mpr-o imrxw-
to p 25O0 sobi* (jiialquer estdJelecimento ique
venjder espirito,; .$1' (JO.pyr c^ik aii'pjyii pn-.veni-
> de quatno-'rdas, erapraaadvs no servio da
ul; 4i)o rinur ^amoidoitwwwr daaiao dai
aAeoife* fe,ui,,sbrj^os nw noratejAf
t\HH,,lditcadc.oucultiTado, erabora se
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
FORNEI.IMENTO DE2-<:OO0OOO ANNl'AES.
A junta adiainistrativa da Santa Casa de Mise*
1 ir.odia do Recife precisa contratar f> lorueci-
niento dos g^pieius abaixo declarados, que- tui de
coasummir todos os estabelecimenfis p;os seu
cargo, no trimestre dealiril ajiinho do crrente
anuo. Recebe propostas na sala de suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia 13 do conreiste.
AleU'ia, kilograiumo.
Agurdente, litro.
Azeite drice, ideni.
Arroz de Maranhao. id,-ui.
Bacalho. kilograiumo
Banha de porco. ideui.
Batatas, dem
Cha Hysson, idem.
Caf emgrao, idem.
Carne secca, idem.
Ceblas, centb.
Farinha de mandioca da trra, litr >.
Feijo mulalinho, idem.
Farello, sacca.
Fumo do Rio, kllogrammo.
Gaz, lata.
Alillio, sacca.
Manteiga franeeza. kogcamm .
Potassa, idem.
Rap, idem.
Sno. idem.
Sal, litro.
Tailim-a. kilogramnii..
Toucinho, dem.
Vela de carnauba. dem.
Vinagr, litro.
Vinho Unto de Lisboa, idem.
Vinho braueo, idem.
Velas stearuias. kilngrammo.
Stretaria ,1a Santa C-isa ila M^ericordiai do
Recite. 6 de mareo de 1873.
0 esciivo.
Pedro liodrigues de Sottzoi.
SANTO ANTONE
EMPREZA-IKEfTB.
Domingo 9 de m^rco
O drama
A (.rav;i Ip Ms
Para que o es|iectaculo nossa terminar antes da.
meia noute, fica substituida a comedia anaun-
ciad pela scena cmica :
0 Sr. Diiiiiios foro du srio
desempenbada pelo actor Flavio
As 8 bnras etn ponto,
THEATRO
Siibliail;8 il) am\ik.
Depois qae a orchestra, dirigida pelo maestro-
Marcellino Cleto, tiver tocado una eseolhida ou-
vertura, sulnr scena pela 1.* vea neste thca-
tro o alto-drama original do distuctt> poeta por-
tuguez Gomes de Amorim :
GHI&I
ou
DI l
iii
ersuna
ir italiano
[UU-;
Sr. Thornaz.
D. Bernardina.
I). Henriqueta.
l/r. Penante.
Sr. Jiragai
Sr. Santos Silva.
*r. Correia.
&i Joaquina.
Sr. Rodrigues.
-i- Paiva.
soldados rouiaeos.
publico- quo
quid las-na-
de doman-
ponto por
Jo
^Milita caoa In miMericordiu
Kocife'
Fornecimcido de 38:000 annuaes.
A unta administrativa da santa casa da iiisit-
cordfa do Recife precisa contratar o foruecimento
de, pao, bolacha, cha e assucar que houver de
consumir os estabelecimentos pos a seu cargo no
trimestre de abril a junlio do frrente -anuo. Re-
cebe propostas na sala das suas sessoes, pelas 3
horas da tarde do dia 13 do cornnie.
Secretaria da sania casa da misericordia do Re-
cife, 5 de niapjo de 1873.
O Merpro
Redro RvifriifiH'ii de Sonza.
C"rBLHO PE COMPRAS IR) AHSKN.Vf.
UE MAUINHA.
0 eonsetho no dia H d{i corrale mez. avista
jleiproposlasrefeliidas at aa 11 horas da ma:
nhS, contrata o forneriiuenfo de vveres, dietas e
out,ros i^ji-ctos de oonsUmo asa navios da armada
e eptabe edmentos de maraa no trimestre de
abil a junho prximo vindtmro, scgiiintis :
Asucar branco grosso, aaaucar branco reOn.i-
do, arroz do Maranhao, aguardent da :0^gros
azpte doce de Lisboa, aletria, ar.-mita. bolacha e
buLacliinha americana, bai alba i U pexe salgado,
batatas, caf em grao, carne ven', carne secca
do Rio Grande do Sul, caf moAlo, cha h>wson,
revadinha, carnauba em ve|as, conservas prepa-
radas, ceblas, feijao, farinha de mandioea da
(erra, galmhas, leu ha, matte, mantaiga ingleza,
m nleiga franeeza. pait, sal, lataaimaiaa, steari-
nas envTelas, staarinaa ni velas projirias para tatemas, lociaho de Lisboa, ta-
pioca, tijolo de al venar a grosso, tetho. vbho do
Lia Ma e vinagre de Lisboa.
! ala das sSaoes do consejhn de compras de
matinha de Pernambuco. ip nmrn de 1873
(k secuatario
Akpandr* RpdiiQHfis dos Anjos.
Consulado, provincial.
.4vis-s'i per ebta .r*nartitio, qae no dia 20 do
ooitente abre-se o prato para rwjupea dos dilfe-
miiife!-impostes provmciaes consignados na tei do
orr&mento vigente de ljTl-7^ ; os qivaes devem
5er:satijjR^ito. dentro de 30.dia sem dependencia
da luulb, de & \)m, em que neorrerad ps coairi-
huiiies que o aeixa.rei do fatty; utsse prazo
Imu
tyiisulado provincial, 11 janeirp-'de 1871
0 adinm/strador,
1 A. Carneifo Saciado Ros.
Aiejclo, sen
Luigi
Amonio Ferragio, ogador
Marco Doria, idem
Principe Borgia, irmao de S.
Santidade
Berlurcio. criado de Ferragio
Marino, discpulo de Gaigi
I." esbirro do Santo Ollicio
2." dilo idem
Squitos do principe Borgia,
povo etc. etc.
A ac.o passa-se o primeiro aet em Batermo,
na ollicina de pintura de '.iii,i. segundo e ter
cairo em Roma, no palacio de Aotnno Ferragio,
i. na praca de Riima iuntns portal do capitolio,
5, no gabinete particular de Auto io Ferragio.
Epocha 1400.
Denmninaco dos actos.
1." Om quadro de Ghifii
2. As duas vlrgeos.
3. O medico o o veneno.
4. A justiea dos homens
o. A jusliva de Deu-.
A eiupreza previne ao respeitavel
os seus espectculos terao lugar s
ras, sabbados e domingos, devendo os
go principiar sempre as ti horas em
causa dos Ilustres caixei;- is
0 theatro acha-se concertado a eaprielutsaniente
atsiado, tanto na sala do- espectadores, como no
scenario, que todo reparado de novo, sendo in-
t-'iramente novas as vistas do palacio Je Ferra-
gio e praca, devidas ao hbil pincel do curioso
sceuographo o Sr. Penante.
0 drama ser vestido rigonsamente, nuo pon-
pando a empreza nem dspotas, nem sacrificios.
Ne 4. acto a entrada do carro triumphal qne
con luz Antonio Ferragio ao capitolio ser exhibi-
da ciim toda a pompa e apparato de aecordo eom
a exigencia do autor da peca.
As pessoas qae teem encommendado bilbetea
podem manda-loe buscar de quuta-feira em
diante.
s xii2 nona.
Domingo 9 de marco.
Representa!--si-ha o draiqa eip o actos cima
aonunciado:
(T
em t
O
0 QlilKO Ui\ Vlftld-I
Terminar o espectculo eom a comeda a
to, do autor dos IrmSos das Alama :
Oliera casa quer cusa.
Principiar is C horas da tarde am |.oni-v
avisos t&Titor
< ttlll'ltlllt
DE
NAVEaCAO BIUS1LLIM.
norte.
Para fretes e passMeas
lo Conunercio n. 8;
l>ts portos do su
osperado at o dj.
*do orrente ovap\>r
Po:(i. o qual depoh
da deinoia do c. stu-
ivieseguiparaos d..
trala-se na. agencia, ra
J)*oidcfldo,#*m- Sr.^V-. diwtor eot n-
CAmso^iiwmrllffiiio facocoasW^wtm^'m^ tpe, wr-
fnra a Ptrtn
gnlara poitugaieza Firwi/za, capitao Justino Ro-
lrigu*s Cardo-*, vai sabir eom haevidadt por ter
.i maior parts de seu rarregarneuto prompto :
panv carga e passageiros, para os quas tem ex-
BatMates conanodos, tr.Ua-se coai t. K. 44abe lo 4
iL. ra do (pnimercio n. *8.
Para o Rio Grande do Sul
l'ara o porto cima pretende seguir coi.i muiu
Sntvidaa a escuna pnrtugaza CJtoistina, leni
liarjte de- seu carregamenio, e para o restante ij-i -
llie falta, trata-s eom os tana consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira h-cuido 4 C. no seu es-
i-ripjpfio ra do Bom *?#s n. 57, (.atr'ora ra.
da Crua.______________f_____________________
compaa pfrnamwkama
DE
Suvcsaco coailoim a vapor.
PMINAN-O !)_ NOAOKOA.
0 vaaoi' Cfwipe, eom-
mandante ilva', seguir para
o porto cima no dia lo t
con-ente, *o meio dia.
Recebe carga at o fia 0,
cneonimendas, passagens, o
*heiro a free at as 40 horAs damanhS dr>
da da ?aida; qixajporio no jRarte 4u Maltpa
*






M
Diaria- de Pemambuoo Bexta feira 7 ^..Mar^de 1873.
Rio de Janeiro.
Para o indicado porta vai desrarregar o brigue
aeional Gito. nodende cagalar trete o resto
4a uva que anda Mrc falta : tratar com Fian-
ieo RiMro Pate Uuimares, ra do Barao
4o Triumpnn tt. y._______________________

OHIPAMIA
DAS
MESSAGEMES MARITIMES.
At o dia 8 do torrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor fraocei Rio Gra*e, o qual depois 4a
demora do costme seguir para Buenos-Aves,
tocando na Bahia, Rio de Janeiro o Montevideo.
Para condtcoes, fretes e passagens, trata-e na
agencia, ra lo Commercio n. 9.
LEILAO
Para o Para
egne em poneos das o alacho portugoez Mi-
ikuUncti para carjn traU-se com Ferreira de
AlmeidaC., ruada Madre de Dos n. 36, ar-
mazem.________________________________
Porto per Lisboa
a barca portuguesa Ahgria, capitto Carvalho, vai
sahir com brevidade, recebe carga -c passageiros,
para os quaes lew bons commodos : trata-se com
eTB. Rabello A C,'rm do commercio n. 48.
Para o Porto
Vai sahir muito'breve o brigue Portuguez Trt-
vmpko, Reertbe carra e passageiros, a tratar rom
Tito Liv Soares ; Tua do Vigark) n. 17.
DE
84 apoliocs Ja divida publica.
200 acodes da caixa filial do banou do Bra-
sil.
i43 xiitns da eompanhia de Beberibe.
10 'litas da companliia da seguros Itilida-
da publica.
Quinta-feira 1* d- correnle
ao meio dia
Em frente Associaco Comraercial Bene-
fcente.
0 agente Pinto farteilito 4 requerimento do Sr.
commendador Jos Pereira da Cunha, testamen-
teiro e inventariante dos bens do tinado Antonio
Joaquim de Soma Ribeiro., e por despacho do
Illm. Sr. Dr. juiz da provedoria, das apolics e
aecoes cima meccionadas, que fazem parte dos
bens deixados -par aquelle finado.
O leilao ser ffectuado no dia e hora cima
ditos, em frente Associaco CommerciaL
LEILOES.
LEILAO
Engenho Monte d'Ouro
SABBADO 15 DO CORRENTE
s 1* horas em ponto
Por mandado do Illm. Sr. Dr. fute de direito es-
pecial lo commercio 4esta cidaV, requerimento
dos administradores da massa fallida de Siqueira
& Pereira, o agente Pmho Borges far leilao do
engenho denominado Mortte fle Ouro, sito no ter-
mo de Ipojuca dVsta provincia, o qual foi penho-
rad por execuro <1os ditos administradores a
viuva e herdeiros *\n Dr. Ignacio Nery da Fonce-
ca, adjudirados Mlicada massa.
Ao meto dia em ponto, no escriptorio do referi-
do agente ra do Bom Jess n. 53 (outr ora ra
da Cruz), onde os Srs. pretendentes podem haver
as informacoes ecessarias.
Francisco Jos Cardo-
so, artista aifaiate, transferio
sua officina da ra do Barao
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
prmeiro andar.
Compaiihia'
Santa Thereza
Sao de novo convidados os Srs. accio-
nistas, para raatiirem-se em assembla geral,
no dia 13 do torrente ao meio dia, no 1.
andar do predio n. 13 ra do Vigafio.
De contornMdade com o art. 16 dos estatu-
tos, a reonio ter lugar com qualquer nu-
mero de accionistas que comparecerem, e
ser Ude o relatorio e balanco do anno pas-
sado.
Recie, 3 de fevereiro de 1873.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
DtSHEIRO A JUROS
Quem pretender dar 1:000* sobro hypotheca
em casas na Estrada Nova, pouco dislanio da ul-
tima estaclo dos bonds, na Magdalena, dirija-se
ao dito lugar, a tratar com a vinva do Pimenta.
Alugans
o terce-jro andar do sobrado si na na larga
*> H'.aario n. II : a tratar na ra do Vigario
' Ha para alugar na ra da Concordia n. 44
ama escrava que engorrona e cozinha perfeita-
mente. |^--. _____.
Paredes Po>.. Al avisara a todos os seus fre-
gueses aviremsauauer seus dbitos at ao fun do
correte, do cntralo obriga-os a faze-lo judi-
cialmente e Violar seus nemes por erteneo.
200$ de gralifcacao.
Ansrntoo-se desde o anno de 1871, em o mez
de seteinbro o cabra de nome Benedicto, de 18
anuos pouco inais ou menos, bastante ladino,
estelara alte, cheio do corno, ps largos, cabellos
carapinhos e um pouco afogueado pelas fontes,
tem o beico de cima um pouco levantado ; es-
padaodo e tem as costas marcas de chicote,
quando fugio foi ter no engenho Riqueza do co-
ronel Joo Flix, e all tem mi e irmes. Pede-
se a todas as autoridades e capites de campo
iue o pegando leve-o ao engenho Firmeza da
regaezia da Escada, que receber a gratifica
cao cima declarada._____________________
Aeha-se fgido o cabra Benedicto, com
idade de 17 annos, tem um f>lho direito cgo,
tem o dedo pollegar da mo direito torio, fugio
em 8 de dezembro do anno de 1871, o sen senhor
Joaquim Justino de Almeida : quem o pegar
leve-o na ra de Pedro Alfonso, antiga da Praia,
a Genuino .'os da Rosa, que ser rwompcn."-
do ; consta que anda vendendo l'ructas, e fui vis-
to em_Agua-FriadeBeberbe.
Escravo fgido.
nHHACH
DE
BARTH0L0MEUkfc t
\
Tendo-se dado muitos casos de amanhece-
rem arrumbadas as cazinha em que se guardara
as ferramentas da eompanhia Recife Drainage, as
quaes se acham collocadas em diversas mas dos
qnatro bairros desta cidade, levando os Iarapios
ferrammentas e o cano de chumbo quo all en
contram, o gerente roga aos Sr*. que costumam
comprar tees artigos que quanlo os raesmos
lhes forem onerecidos, queiram approhende-los e
Carticinar no escriptorio da eompanhia ra do
mperador n. 26 ; outro sim previne que proce-
der com todo o rigor da lei contra aquelles que
comprarem objectos roubados eompanhia.
da prapridade nova que se acha edificada
i ra da Lembranoa do Gomes (Santo
Amaro) quo tinlia de servir par* syle
das Convertidas, com todas suas perten-
^ts-e tal qual seacba e de conforrnikde
com o annuncio abano transcripto.
Hoje.
Aa meio da.
Por irtervencao do agente THnto.
Kua da BoT'i-Jesiis n. 43.
MfinsealKir Francisco Hiiniz Tavanes, recenhe-
lo que pela sua idade j asss ayancada, nao
morar na -.idade e sobretudo nao sendo o pastor,
a quem especialmente tompete por preeeilo divi-
no'andartm busca assklua das ovelhas tresma-
lhadas e carVega-tes sobre seus hombros, nao po-
da administrar por si mesmo o asylo, que s
como auxilio divino editicou e preparou ; e nao
tendo por fortuna encontrado quem pessuido do
espirito !e carioade evanglica e zio-apostlico
quizesee assomir p<"ir em f.-ilo este edificio com tudo iiuanto nelle
se contm, e o producto da venda depositar im-
inediatamedte em um dos bancos Oeste cidade,
para-depois de saa morte ser n*j)artiiio em dotes
por aquellas orpha-j desvalidas que oe indicar
em seu codicilo.
LEILAO
DO
-sobrado de dous andares n. 32, sito ra
do imperador
lije
ao meio dia
Por ntervencao do agente Pinte, em seu es-
eriptorio, roa do 3om Jess n. 4J.
MISOS DORSOS
- O Sr. Olympio Fran-
cisco de Mello tem urna car-
ta nesta typogTaphia.
Crioulo Francisco
No dia 17 de Janeiro prximo passado
ausentou-se o moleque Francisco, bonita fi-
gura, de 17 anuos, bons denlese ps gran-
des, ua cintura tem signaes de antigs sevi-
cia?, andou algum tempo como servente
tas obras da Penba, e foi negociado a pou-
co cota a Sr. Maia, logista da ra do
Crespo,eJcomo consta ter andado as immedia-
ces de lgunrass e a poucos dias foi visto
no rancho do cabocolo Sancho em Taep,
porto da mesma villa roga-se s autorida-
des e pessoas do povo a sua apprehenso e
manda-lo a ra do'Imperador n. 2 que gene-
rosamente se gratificar.
"AOS 5:000|000.
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da Ba-
bia, na casa felizj do arco da Couceicao, loja de
ourives, no Recife.
Casa.
Aluga-se a casa, nova em folha, com muitos
eonunodos para grande familia, tem quintal mu-
rado, banheiro, gallinheiro separado, cozinha
grande e quarto para engommado ; o sitio tam-
bem murado, com arvorodos de fructos : na So-
ledade, conhecido por Caminho Novo n. 155, per-
to da estefo dos trilhos de ferro.____________
Precisa-se de urna ama para comprar e eo-
zinhar : na ra estrella do Rosario n. 10, segun-
do andan_______________________________
"^"Oiferece-se urna senhora para cozer toda e
qualquer costara de machina em casa de familia :
quem pretender dirija-se ra da Praia de Santa
Rita n. .10, primeiro andar.
No dia 2o de fevereiro, f fugio
edo,

o eseravo Luiz,
crioulo, natural de Penifo, "com os signaes se-
guintes : cor prete, alto, secco, rosto oval e pe-
3ueno, cabera pequea e redonda, feicdes miu-
as, barbado, com os dentes completos, tendo em
um denle da frente urna mancha aniarella, em
um dos bracos conserva nina cicatriz : quem o ap-
prehender leve ra do Mrquez de Olinda loja
de farendas n. 22, que ser reco pensado.
Precisa-se
alugar urna scrava para servi.o de ca a e ven-
der na ra : no Caminho-Novo ra do Conde da
Boa-Vista n. 31.

I00S
Urgencia
Precisa-se de urna ama de leite, que te-
nha bom e abundante, para criar urna me-
nina recem-nascida, quer seja forra, ou es-
crava; porm, sem filho, paga-se bem :
nesta typograpbia a fallar no Io andar com
o administrador, das 9 da manh s 8 horas
3a noite, ou em Olinda no Oitao do Ampa-
ro, casa grande com porto de madeira ao
lado pintado de verde.
Furtaram
do engenho Giqui, freguezia da Escada^ no dia
I de marco, tres cavallos, sendo um alsio com
urna estrella na testa, pequeo, e tem a cauda e
as dinas aparadas, e e inteiro ; outro rudado
quasi russo, castrado ; ambos magres, e sem an
dares; o terceiro mellado gemado, tem tres
ps brancos, una estrella na testa, e tem as ini-
ciaes F M L no quarto, as quaes estao alguma cou-
sa apagadas, porm veem-se bem ; muito bom
andador de passo a meio franco, muito novo
inteiro, e tem dous redemoinhos no pescoco, um
de cada lado, e est bem gordo. Paga-se cem mil
ris a quera der noticias de ditos cavallos, e os
trouxer ao mesmo engenho.________________
- Precisa-se de um moleque de 14 a 16 annos:
na ra do Barao do Triumpho n. 41, hotel Luso
Conquistado^_____________^___________
(lizinlieiro e criado.
No hotel de Apinucos, precisa-se de um cozi-
nhciru e de um menino para criado.
LEILAO
DE
predios c Icrrenos
A SABER :
<> sobrado da ra da Iniperatriz n. 18,
L"m dito na ra do Viseondi de Albuquerque n.
138.
l'ma casa terrea na mesma. ra n. 142.
Iraa parto de i:rtW! no engenho Regala.
llm terreno (o slo) aa ra do Visconde de Aibu-
querque, em que est edificada a casa n. ...
Um dito no alinkamento da ra da Aurora, com
100 palmos de frente, e fundo al ra de Luiz
do Bigo, em que est edilicada urna casado
Sr. N. I. Lidstone.
l'm dito na mesma ra, com 200 palmos de frente,
o fundo at ra de Luiz du liego, em quo tem
casa o mesmo Sr. Lidstone.
i m dito na mesma ra, com 200 palmos de fren-
te, o fundo at ra de Luiz do Reg, em que
tem ca^a o Sr. Joo Martina de Barros.
I m dito na mesma ra, com ."0 palmos de frente,
o fundo at ra de Luiz do fcejto, em que tem
casa o Sr. Francisco Gomes Saraiva.
V.s dito ?m Santo Amaro das Salinas, com 100
palmo< de frente, na Campia, em que tem casa
o Sr. toaqnlm Barbosa da Silveira.
l'm terreno no inecmo lugar, com 100 palmos de
frente .alagado.
Hoje
s 11 horas.
O agente Pinto, cuniprindo o mandado do Illm.
Sr. Dr.juiz de direito privativo de orphos, em
virtnde do que requeren o inventariante dos bens
deixados por fallecimento do majar Manoel do
Nascimento da Costa Monteiro e sua mullier, le-
var leilao .s 11 horas sea eseriptorio ra do B*ii Jess n. 4-1. os pre-
dios e doniini > direi;to dos terrenos cima descrip-
tos, pertjncenk s ao casal inventariado.
Os pretendentes podero examinar no dia 6 de
marco (v-p.'ni do leilao) os sobrado* da ra da
Imperatrir. n. 18 e ra do Visconde de Albmiuer-
tftWL t'M, os quaes estao aoesame dos con-,
enrrentos das 11.s 2 horas-da tarde.
LEILAO
DE
MOVIS
prata, lou^a, vidros, 1 cofre e, 1 annel eom
grande brilbante.
HOJE
Sendo : i raobilta de Jacaranda a Luiz XV, com
12 cadeiras de guarnirao. i dito3 de bracos, 2 de
balando, I sof e 2 eojolos com pedra, 1 excel-
lente piano de jacaiand, 1 guarda-vestidos de
amareuo, c 1 rica loilete de Jacaranda.
Urna mohilia de faia com 12 eadeiras de guar-
nico, 2 ditas de bracos, 2 coneolns com pedra e 1
sof, 1 meia commodade amareJlo com-santuario,
1 encllente cama de Jacaranda, 1 quarnheira, 1
abide, 1 cofre franeez, I sof de araarello, 2 ca-
deiras de bataneo deaaiarello, 12 cadeiras de
aia e 2 aparadores.
Um annel com grande brilbante, 1 faqueiro, 6
salvas de prata de diversos {amantaos, t apparelho
delouga parajantar, 1 dito para almoco, clices,
opos, garrafas para vinho, compaeiras, jarros,
^apaehos, tapetes e outros muitos objectos.
Ha sobrado n. 9 da ra do Mrquez do
Herval, antiga- ra do Sol.
O agente Martins far leilao por conte de urna
familia que se retira desta provincia, de todos os
movis, praia, louea, cofre annel de brjlhante e
nais objectos acuna deseriptos, que 8rao vendi-
da ao raartello.
Principiando s 11 horas do dafima.______
LEILAO '
DE
ama casa terrea (em chaos propnos) o. 292,
, ra Imperial.
Ao publico.
Jos Ferreira da Gm Vieira, repetidor contra-
tado para o gymnasio provincial, tendo obtido a
resciso do seu contrato em fevereiro ultimo, olfe-
rece-se para leccionar em casa dos alumnos ou
em qualquer collegio, grammatica e lingua fran-
ceza (theorica e praticamente), arithmetica e geo-
metra, materias que professou por largo lempo
en alguna collegios em Lisboa. Para quaesquer
informacoes podem diriir-se ao Illm. Sr. Manoel
Al ves Barbosa, na ra daCadeian. 61, ao Illm.
Sr. Dr. Jo.io da Silva Ramos, e aos Illms. Srs.
Carneiro & Xogueira, ra do Bom Jess.
Protesto.
Recie, 6 de margo de 1873. Bernab Luiz
Caldas, vendo na Revista do Diario de l'enimnbu-
ro de hoje (i do crrante, una falsa imputaran ali
feita, apressa se em protestar contra ella, tanto
mais quanto s pode attribuir semelhante imputa-
co a espirito maligno e sempre prompto para o
mal. ou a equivoco e f.lsa informacao. Felizmen-
te em justfiacao do protestante acham-se as pro-
vas e actos judiciaes, os quaes estao em man fes-
la opposicao a noticia dada na Revista Diaria ci-
ma referida.
A popular fluminense
;4sttociactto de beneficios mu-
tuos.
Previne-se aos senhores socios desta associaco,
em seguida declarados, que podem vir procurar
no escriptorio do Silva & Canelo, ra do Mar-
quaz de Olinda n. 60 ; as apolics dos contratos
que elfectuaram, e que foram remettidas do Rio
de Janeiro pelo actual agente inspector geral da-
quella associaco nesta provincia, Jos Castellao
Jnior. Eis os nomes dos socios a que se refere
este annnncio :
Dr. Antonio de Souza Leao.
Dr. Fclippo de Souza Leao Sobrinho.
Baro de Campo Alegre.
Joviniano Manta.
J)r. Luiz Felippe de Siuza Leo.
Miguel Ferreira Pinto.
Commendador Antonio dos antos Pontual.
Coronel Andr Das de Araujo.
Alteres Americo de Siqueira Brito.
Tenente Antonio Luiz de Mello Marques.
Joo da Cruz Macedo.
Maiiiel Heraclito de Albuquerque.
Engenho
Arienda-se o engenho Estrella, junio cidade
do Rio Formoso. E' de animaes e com propor
ndes para 1,300 paes : os prelendentes podem di-
rigir-se ra Duque de Caxias n. 38, 2o andar,
que all lero inlormacoes.
Por 25^000
Aluga-se urna escrava que presta-se a todos os
servieos, menos o de cozinha ; trata-se na ra do
Mrquez de Olinda n. 46, 1 andar, das 10 horas
e 3 da tarde.
Furto
Previue-sc a tedas as peseoas a quem forem
ofTerecidos dous aunis de brilhantes grandes,
que foram furtados hoje da loja do museu de
joias ra do Calinga n. 4, o favor de apnrehen-
d-los, que ; lem de se Ibes liear brigado, ser
recompensado.
Por intervenco do agente Pinto.
Em seu escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
CASA DA FORMA.
AOS 5:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' ra Primeiro de ar$o (outr'ora ra do
Crespo) n. 23 e castis do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes tres quartos n. 2i8l com 5:000|,
um inteiro n. 740 com 800000, um inteiro n.
1111 com 300* e outras sortes de iOOOO e 20*
da lotera que se acabou de extrahir (41.") con-
vida aos pussuidores a viram receber na con-
firm idade do costume sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 2* parte das loteras a beneficio da matriz de
Granito (42a), que se extr ahir na quarta-feira 12
do corrente mez.
PRECOS.
Rilhete inteiro 6J000
Meio bilhete 3*000
Quarto USO
EM PORC.lODE 1003000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro ooOO
Meio bilhete 2 730
Quarto 1*373
Manoel Martins Fiuza
O Dr. Joao Jos Pinto Jnior pode ser pro-
curado das 9 s 10 1[2 horas da manha, e de
meia hora depois de meio dia at urna hora da
larde na directora da instrueeao publica para ne-
gocios relat vos a essa repartirlo ; e para ou-
tros quaesquer negocios no seu escriptorio ra
do Imperador n. 43, I.' andar, de urna s tres
horas da tarde; e dessa hora em diante ahi ou
em casa de sua residencia, na povoacao do Mon-
teiro, freguezia do Poco da Panella.
O Sr. Manael da Costa Araujo Barros, tem
urna carta a ra do Commercio n. 3.

!
(
\
Medico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. 73. ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operaees de nibos.
Cura radical e instantnea dos
estreitamentus da uretra.
Consultas : Das 7 s (0 doras
da manh.
Cnatnados : A qualquer bora.
Acha-se fgida desde o dia 9 de Janeiro do cor-
rente anno a escrava de nome Catharina, de 22
annos de idade, pouco mais ou menos, cor fula,
estatura regular, mostra estar grvida, sem acha-
3ues, nariz alado e nao feia. Esteva na cida-
e de Nazareth, onde se achava sua senhora Ro-
sinda Francisca de Hollanda, quando fugio, dei-
xando urna cria de mais de 2 annos, de nome
Paulo. Sabo-se que dita escrava se acha oceulta
na mesma cidade de Nazareth, e des e j se pro-
testa contra quem quer que a terina oceultado :
pede-se, pois, a toda e qualquer pessea que tiver
noticia de dita escrava e a apprehender, que a
aprsente na villa do Limoeiro sua referida se-
nhora Rosinda Francisca de Hollanda, od na ci-
dade do Recife ao negocame Viriato Centeio Lo-
pes, esquina da ra larga do Rosario n. 37, que
ser generosamente recompensado.
Precisa-se alugar urna preta escrava para
o servico de urna casa de familia : a tratar
ra da Moeda n. 19, armazem.
Aluga-se
A casa n. 7, Passagem da Magdalena.
Criado.
Precisa-se de um que seia liel : no largo da
matriz de Santo Antonio n. 2, 1. andar, prefere-
se eseravo.
MOFINA
Est encouraqado !! !
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
sen vito na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada desto jornal, em
ins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oi'.o annos, e quando o Sr. seu nlho se
achava nesta cidad
ftizinheira
Precisa-se de urna eozinheir3 para urna casa
estrangeira : a tratar na ra do Commercio n. 38,
! andar.
h**M4b i-i-;-.:i..i: ;.: .!*
Novo estabelecimento :
...
:*
~.

de joias.
Ra lo Cahug u.
19.
encontrar
B-
--
"
Neste estabelecimento se encontrar *|r
1Z um bonito sortimento de joias que se *&
M vendem por tal preQo que animar ao ?
B comprador, attento ao vantajoso syste- ^
4^ ma, ganhar pouco para vender mui-
* to, que certamente til ao compra- n
""* dor e ao vendedor.
j^ Tambem se compra ouro, prata e pe- tf
X dras preciosas, bem como se fabrica e
JK concerta toda e qualquer obra tendente
i mesma arle.
3P: l:. :;::::::: :;;?:: =
Aluga-se o primeiro andar di sobrado da
ra Direitr n. 8, com commodos, caiado e pintado
todo de novo : a tratar na loja do mesmo.
p
Avisase
a quem der noticia da escrava Guilhermina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sa -
tos, e uepois comprada ao Baro de Nazareth,
representa ter 23 annos, tem falta de denles na
frente e as maos com cicatrizes de quemadura
de gaz, secca do corpo e muito regriste, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da ra dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
liralilicaro.
No dia 21 de outubro, embarcou no vapor Ba
hia, com destino a cidade de S. Salvador ("pro-
vincia da Bahia) o eseravo Raymnndo. que loi
retnettido por seu senhor, Jos Fructuoso Dias,
para criado de um seu filho de nome Cunegun-
des, estudante naquella cidade.
>Este eseravo, que mulato de 18 annos de
idade, foi entregue ao commandante do mencio-
nado vapor que seguio naquelle mez para os por-
tos do sul do imperio.
Entretanto, nao tendo o mesmo eseravo chega
do a seu destino, e ignorando-se completamente
onde possa elle existir, gratifica-se a quem pos-
sa dar do mesmo exactas informajoes no Recie.
aos Srs. Perdigao, Oliveira & C, ou na cidade
do Ico ao mesmo Sr. Jos Fructuoso Dias.
Aviso.
Roga-se a um Sr. tenente-coronel..........
a delicadeza de mandar pagar urna antiga conte
que abonou a nm seu protegido... no hotel
Oriente, ra Nova n. 52, sob pena de ver os no-
mes por extenso publicados etc.
Aviso.
Perdeu-sc as cautellas n. 2614 c 2643, da asa
de penhores da ra das Crines, e pelo presente
previne-se ao proarietario desse estabelesimento
que s entregue os bjectos ao verdadeiro dono,
que ha de passar recifH).__________^_______
Caixeiro.
Preeisa-se de um caixeiro cora pratica de mo-
Ihados, eom a idade de 14 a 16 annos; a tratar
na ra dos tluararapes n. 10._________
(0 COMMERCIO.
Os abaixo assignado declaram que neste data
contrahlram mutuamente urna sociedade com-
mercial sob a firma de J. Runos 4 Machado,
para a continuacao dos negocios de commissao e
conta propria que gyram desde 1.* de novem-
bro de 1871 sob a tirina de J. Ramos, eujo ac-
tivo e passivo fica a cargo da mesma sociedade.
Recife 1. de marco de 1873.
J. Ramos.
Porfirio Machado.
20#000.
Frecisa-se alugar urna escrava que engomme
perfeitamente bem, e faca o mais' servico interno
de urna casa de pequea familia, composta de
duas pessoas, e de una outra que cozinhe com
perfeicao : no largo do Paraizo n. 28, Io e 2* an-
dares.
/ AVO&DO \
AVRES CAMA. *
RA DO DUQUE DE CANIAS
Sitio para alugar.
Aluga-se nm sitio na Capunga ra das Per-
nambucanas n. 23, tendo boa casa de vivenda,
eocheira, estfibaria, arvores fructferas e agua
potavel: A tratar na ra da Imperatriz n. 9, pri-
meiro andar.
Na ra Velha, cava n. 113, existe para alu-
gar uina escrava perfeiw engommadeira e coai-
nheira : a pessoa que precisar, dirija-se a mes-
ma casa, que achara com yem tratar.

Vinho Bordeaux.
de bu a qualidade em quartolas; vende-se no ar-
mazem de Cunha Sl Manta, ra do Mrquez de
Olinda n. 23.____________________________
Cidra champagne.
Em calas de garrafas inteiras e meias; vende-
se no armaaemeCiuiha* Manta, ra do Mrquez
de Olinda n. 2)
para
n. 49.
Precisa-se de um criado forro ou eseravo,
ajanante
de cozinha : na ra da Aurora
Fugio no dia 23 do correte o eseravo Vitalino,
preto, crioulo, idade 23 anuos, alto e cheio do cor-
po, quando falla levanta o beico superior, tem
falta de um deute do lado de cima, anda alguma
cousa banzeiro, ps grossos, levou vestido calca
de riscadinho o camisa de madapolo ; este es-
eravo j fugio em outubro do anno prximo pas-
sado, e foi preso na estrada de Paje de Flores ;
foi eseravo de Antonia Francisca de Jess, mora-
dora em Corrente-, e depois foi vendido ao capi-
to Thomaz Thenorio de Albuquerque Villanova,
morador em Papacaca, o qual tem urna fazenda
em Hinque, de que elle era vaquero; supi>pe-se
que f i acompanhado por um eseravo pertenente
ao Sr. Manoel Francisco Marques, lambem preto,
crioulo, e natural da provincia do Cear : roga-se
todas as autoridades policaes e capites de cam-
po que o apprehendam e cnndii am-no a ra do
Brum n. 74, armazem de Jos Francisco Martins
k C. que se lhe dar a gratificaran cima.______
Aluga-se o l." andar da casa do largo da
Matriz de Santo Antonio, onde se acha a photo-
graphia allema, par* o rrimerode jullio prximo:
a entenderse co-o o propretario. ____
los Antonio Maia e An-
tonio Vasco de 'Igon: ''a-
bral, irmo e amigo, muito
agradecem s pessoas quo
se dignaran) aeompannar
os restos niortacs do seu
muito presado irmao e ami-
go, Antonio Jos Maia Jnior ; assim como con-
vidam aos mesmos e seus amigos, para assisti-
rem as missas do stimo dia, que terao lugar na
segunda-feira 10 do corrente s 7 horas da ma-
nh, na jgreja do Livramento, por eujo favor
nos julgamos eternamente gratos.
Eseravo fgido
.50$0G() de aUleacao.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trnta e tantos ann s,
cnlo, e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, odos grandes,
jesteveno engenho do Sr. Lul'de Caiar, em
S. Lourcnco da Malta, onde consta ter parentes,
foi eseravo dos Srs. Adriano A ('astro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido esrapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capites
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, que receber a gratificarlo cima de-
clarada.
Escravos fgidos.
200#000.
Auscntaram-se dous esravos irmos : sendo um
de nome Loureneo, de idade de 26 a 27 annos, es
tata regular, cheio do corpo, cor clara, cabello
estirados, rosto redendo, c sem barba, levou calca
e camisa branca, e chapeo de feltro preto ; e o ou-
tro de nome Andr, da mesma estatua, mais moco
um pouco do que o outro, tendo os mesmos sig-
naes do irmo. Foram comprados: Loureneo ao
Sr. Claudino de Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, provincia da l'arahyba, e Andr ao Sr.
Joo Francisco (Jomes de Arroda, da comarca do
Limoeiro ; tendo fgido aquelle no dia 26 do cor-
rente (Janeiro) e este hoje 30 do mesmo; suppoese
qce seguiram a estrada do Limoeiro Serra do
Teixeira: roga-se todas as autoridades polieiaes
e capites de campo que os apprehendam e os con-
duzam ra do Apollo n. 30, armazem de assu-
car, que se gratificar com a quantia cima._____
Fugio no dia 27 de fevereiro de 1873, a es-
crava J(>anna, com os signaes segrales: preta,
fula, idade 18 annos, tamanho regular, pouco corpo.
cara pequea e um pouco comprida, tendo una
cicatriz na testa e outra na p do hombro direito,
com mos e ps um pouco grandes, filia atrapa-
lhada e aspecto carrancudo. Quem apprebende-la
dirija-se ao engenho do Meio, freguezia da Varzea.
em casa de Antonio Claudino de Lyra, que ser
generosamente gratificado.________________
Ofi*erece-se uina mulher para andar com
meninos : no becco das barreirasn. 2._______
Aluga-se a casa n. 6 na ra do Lima ein
Sauto Amaro das Salinas ; tratar com Maternus
Lens, na ra da Restaurarn n. 34 antiga Guia.__
COHPANHIA PERNAMBCANA
LE
Navegaqo costeiraa vapor
DIVIDENDO 8
Esta eompanhia paga o seu oitavo dividendo
razo de 5 % ____________^_
34RL'A URO A IM) ROSARIO34
Catalogo de novos medicamentos, t-
nicos, etimulanto e ajtofnacaes,
receiiteiiieiito doscobertos[lelos
memores puarmaceuticos e
chimicos da Europa
A SABER:
PREPARADOS DE AROl'D.Vinho ferrugi-
noso de quina, tnico estomacal, repa-
rador das forjas dos convalescentes, na
febres tj phoides, as perdas de sangue,
etc., etc.
Xarope concentrado, com bal-
samo de tol e todos principios nutriti-
vos soluveisdo extracto de carne de Lie~
big, medicamento mais poderoso para
os plitysieos, mas affecccs catarrhaes,
etc., etc.
Xarope de casca de laranja
amargas, com todos os principios nutri-
tivos soluveis do extracto re carne de
Liebig, o mais poderoso dos analpticos,
para os temperamentos delicados e ner-
vosos, estoinal por excellencia, etc., etc.
ANDURAN.Vinho ante-gotoso ante-rheu-
matico, como grande especifico.
FALIERES.Xarope ante-nervoso e inalto-
ravel de bromureto de potassio, medica-
mento especial contra as affeccoes nervo-
sas e convulsivas.
SHERRY-KINA.Viho de quina, tnico
ante-febril de um oslo agradavel, supe-
rior ao Madeira, c Vermuth.
THOMMEHET GELIZ.Granulos xaropes,
banhos sulfo-acidos, para o tratamento
das molestias de peito, garganta e tie
pello, de um grande proveito para os or-
gos respiratorios.
CHEVR1ER.Vinho c elexir de Locado, P-
rou, tnico de um gosto agradavel, esti-
mulante, nutritivo e estomacal; empre-
gado com grande \aiitagem as crancas
debis, as mulheres chloroticas, ataca-
das de llores brancas, nos velhos fracos
nelaidade epelas molestias, na aton iados
orgos digestivos, as gastrites, gastral-
gias, etc., etc.
CARPENTlI.il. Vinho ferruginoso de rhui-
barbo, tnico e purgativo agradavel sem
produzir constipacoes nem alteraces no
estomaga.
SAVORY E MOORS.Emulso pancreti-
ca, muito estomacal, com grande pro-
veito no tratamentoda phtysica.podendo
ser cmpiegado com grande vantagem,
quando o oleo de figadode bacalho nao
possa ser tolerado no estomago dos doen-
tes; sendo o nico remedio que com
efficacia facilita a digesto do oleo, a-
zendo apparecer o appetite e o augmen-
to da nutricio, etc., etc.
CHANTREI.."Confeitos de bromureto de
potassio, grande especifico contra as af-
feccoes nervosas, ataques hystericos, epi-
lepsia, tosse convulsa, coqueluche, in-
somnia, tristeza, delirio e todos os in-
commodos que tem por causa o erethis-
mo nervoso.
MENTEL.Granulos de sub-nitrato de Bis-
muth. Este mi.iIiiamentod'umagran-
de efficacia contra as diarrhas, choleri-
na, dysenteria gastralgia e nos casos do
digestoes diflicieis e dolorosas.
L. BEL'F.Emulso vegetal de alcatro.
Este medicamento ailministra-se de urna
maneira comnimla e precisa. O alcatro
em seu mais perfeito estado de pureza,
vantagem que uonhuim outra prepara-
rlo de alcatro possue.
DR. CROI.A.Solucao de pyrophosphato
de ferro e soda. Esta soluco eonsti-
tuc um excaltente reparador das forcas,
obra si'inpre as pessoas que tendeo
para cliloros (cdrspalliilasj auumia fra-
queza geral. Este proparado tem a van-
AH if i Precisa-se de una ama para o
M \ servido interno de urna pequ na
xias n. 34.
iiiiila : a ra do Duque de Ca-
Precisa-se de um homem para pucha-
dor de roda, e um menino para recebedor de
papel: n'esta typographia._______________
4 TYii Precisa-se de urna ama para cozinhar:
JIldi tratar na na larga do Rosario n. 2,
segundo andar.
Ama com urgencia
Precisa-se de un- a ama para lavar e engommar:
ra do Baro da Victoria n. 28 outr'ora Nova.
Precisa-se de tuna ama cozinheira
para cozinhar e fazer os mais ser-
vicos de urna casa de duas pessoas,
quer-se pessoa muito asseiada, pa-
na ra do Imperador n. 73, 2 andar.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia : na ra de Marcilio Dias,
antiga ra Direita n. 43, Io andar.___________
Mr
ga-se bem
Ama
Pi ecisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na ra do Coronel Suassuna n. 1, antiga
ra de'Hortas.
Precisa-se de una ama para engommar
ra da Aurora n. 39.
Os artistas lyricos Magdalena Brucekrai, Caro-
lina ngel e Giovanni Scolari, que deviam dar o
concert no grande salao da academia em Olin-
da na noute de 27 do prximo passado mez de
fevereiro, tem a honra de avisar ao Ilustrado
publico desta capital, que o mesmo concert foi
transferido para a noute de quinta-t'eira 13 do
corrente (marco) para o THEATRO DE SANTO
ANTONIO.
Atiendo.
O Sr. Jos Francisco de Paula Cavakante, se-
nhor do engenho da Pal lia, em Goyanua, tenha a
bondade apparecer i ra da Imperatr: n. 20, a
negocio de seu particular interesse.
Quem precisar alugar urna
ana moa, e sem deleito cora
cria, que sabe cozinhar, lavar
e engomar, tudo com perfeicao,
dirija-se a ra do Rangel n. 10 2 andar que acha-
ra com quem tratar.______________________
Precisa-se de urna ama que saiba
coser em machina de costura, bem
como cortar alinhavar toda e qual-
quer obra perteneente a senhora;
Jaem estiver as condicos diria-se a ma do Baro
9 Trimipho n. 104 ou i cidade de Olinda, casa
de Francisco Cardozo._____________________
Precisa-se de urna ama paia engom-
mar, lavar e cozinhar : na ra do Cal-
derciro n 6.
AMA
AMA
Ama
Aai para cngiiiiiad)
Precisa-se de urna e paga-se bem: no Caldei- j
reiro, casa de Francisco Joaquim Ribeiro de Brito. i n. 32.
tagem de nao ter nenluim sabor.
GRIMAUD.Confeitos especficos, para cura
da incontinencia da urina, e os incommn-
ilos das senhoras chloroticas, etc., etc.
CHA.MBARDCha tnico purgativo e depu-
rativo, possue um gosto saboroso e um
aroma stiavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do es-
tomago, dos intestinos e do figado, o
desobstruente por excellencia na cons-
tipaco do ventre e nao tem resguardo
nenhum
L BEL'FCbaltar Saponine, emulso des-
infectante enrgico, cicatrisante das
chagas.
H FLOXarope Unitivo e peitoral empre-
gado com vantagem na tosse frequentc,
catarrho chronico, coqueluche, e etc.
etc.
MENTELGranulos de phosphate de cal,
medicamento til as molestias dos os-
sos, fracturas, diarrheas chronicas, dia-
betes rachitismo, etc.
UOCiGPululas de peprina aciduladas, em-
prega-se as affeccoes gastralgicas, e em
todos os casos em que a digesto difii-
cil oa impossivel. Com irande vanta-
gem.
BLISS KEEN & CExtracto hydroalcooli-
co de condurango, medicamento muito
estimulante e depurativo, emprega-se
contra a syphilis, scrofulas, rheumatis-
mo, ulceras, etc. etc.
VAUQUELIN DESLALRIERSElixir de qui-
na e caf-tonino especial contra as fe-
bres nevralgicas, enxaqueca, empobreci-
mento de sangue, fraquesa geral, cores
palllidas etc etc.
DR. CROMIERPululas anti-nevralgica,
omprega-se com a maior elicacia em to-
das as affeccoes nevralgicas, nos incom-
modosda menstruaco, facilitando o flux
saiiguineOj
QUERGela de oleo de figado de baca-
lhau aromatisado, com todos os princi-
pios activos do oleo de figado de baca*
lhau. Esta gela nao irrita o estomago,
podendo os doentes usar delle por moui-
to sem a menor repugnancia. E' um
grande especifico para oqjjjo 'assoj
consumpcio bronchial, tubercular, es-
crfula, debilidade geral, etc. etc.
JOHNSONEssencia de salsaparrilha ver-
melha da Jamaica, ernpregada como o
nico depurativo immediato do san-
gue.
ELIXIR ANTI-ASTUMATICOSedativo Pec-
toral, applicado com grande vantagem
no tratamento da asthma, tosse convulsa,
defluxos catharrhaes e todas as molestias
dos pulmdes.
Aluga-se um sitio com casa para grande fa-
milia, quartos para pretos, coxeira, curral par
vaecas, com tres cacimbas de pedra a cal,
agua de beber, baixa de capim e com muitos a*
voredos de fructo : na Torre ao p de Libante
Candido Ribeiro : a tratar na roa da Concordia

Cwifirj


!
( V,
r





tAW
Diario dePernambuco Sexta feira 7 de Marco de 1873.
i
^!
ALTA IOV1UADE
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOf l*E AZEVBDO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1.a aniar, antiga ra Nova
aonie o publico em gral encontra]sc**pre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos d9 msicas para banda militar
e orehestra. \i
Acaba da abrir oo primeiro andar do sobrado d. t confront
botica Miurer, uui grande saio onde eso expottos os magnficos
MTM AjM %w*9 de armario, de PleyeL
.------- de meia canda, do mesmo antor.
-------- de H. Henrz.
de Amede Thiboat.
nico agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FRHES
rtmiados em diversas exposicoss om ii medalbas de oaro e prata.
Sao os onicos pianos que aqu vem da Europa, perfeilamente aQoa-
dos, fetos com elegan ;ia e solides.
Tambero receben grande ortiment de msicas pira piano, piano e
canto e entre ella) as lindas composices do mnito sympalbico maestro
F. S1VII\I
A SABEK :
Voc me quer Wal?a.
Olga Mazuika.
La Separaciooi Para canto.
A Lar. elctrica, grande Wa!a.
Franco Brasilero Polka.
Timada da Valleta Galope.
Jnarinha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira epada Wal-a.
A Mmha Lyra W-.Im.
A Natalicia Polka
Studiente Po ka.
Ultimas publicares
Peilas as offlcinas de msicas
do annnnciante.
Emilia, polka por I. Sroolti.
Cireaciana, chotch, por Smolti.
Jardira do Campo das Prieeias,
quadrilha, por J. Popre.
Chava de Rosas, Walsa, por H. Al-
bertazzi.
D'aqui emdiacte continuar a annunciar todas as publicares qce se fortm frzendo as suas offlcinas de msicas.
GQMPINrM
DOS
' TRILHOS URBANOS
DO
Rccife Alinda e Beberibe.
Devendo ter lugar, no domingo 9 de mar-
ro corrente, as corridas do boi, no pateo do
Carmo, em Olinda, esta companliia expedi-
r os trens extraordinarios que a concurren-
cia exigir, alm dos trens ordinarios indica-
dos na tabella em vigor.
Escriptorio da companhia, 5 de marco
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Deodato Luiz Francisco Montciro. morador
na villa da Escada, faz sciente ao publico e a
quera interessar possa, que d'ora avante tem aber-
to um estabtlecimento de fazendas, de sociedade
com outro, na casa em queja se achava o annun-
eiante, sita rua do Commercio da mesma villa,
e que gyrar sob a firma Deodato Monteiro & C.
4 do marco de 1873.
100$000
Fugio do engenho Fontal, em Serinhaem, no dia
7 do prximo passado, o mulato Simao, com os
signaes seguimos : estatura regular, corro secco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descansada: quem o pegar leve-o ao
seu senbor o tenentc-coronel Vicente Mendes
Wanderley no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Bernardino de Sena Pontual, na ra da Madre de
Dos n. 36, que receber a gratiticaco de IQOj.
Para coiinhar.
Precisa-se alugar urna ama que saiba co-
zinhar o ordinario de urna casa de pequea
familia. Aceita-se forra ou captiva; mas
prefere-se desta ultima condico. Trata-se
na ra do Capibaribe n. 40.
AiENCO
WKNKHI.
Fugiram do engenho Rula, freguezia da Esca-
da e do engenho Lage, freguezia de Gameleira,
provincia de Pernambuco, os escravos seguintes:
Em dias de Janeiro de 1860, o escravo Ansel-
mo, cabra de 40 annos de idade, ponco mais ou
menos, altura regular, ecco do corpo, rosto com-
prido, desdentado, cabellos carapinhos pouca bar-
Em dias de fevereiro de 186o, a escrava Anto-
nia, cabocla, de idade 30 annos, pouco mais ou
menos, altura regular, cabellos de caboclo, de
bom corpo, rosto redondo, feicoes regulares, um
dedo de urna das roaos aleijado, muito ladina ; j
estove um anuo acuitada na villa da Escada, pas-
sando por forra.
Em dias deoutubro de 1871, o escravo Herme-
negildo, mulato, de idade 20 annos, pouco mais
ou menos, altura regalar, cabellos acaboclados,
rosto redondo, sem barba, falta de um dente na
frente, grosso do corpo, pernas e ps grossos,
com marcas de ferida em urna das pernas, mui-
to regrista, jogador de artas; j este ve no ar-
senal de marinha um anno como forro.
Em dias de abril de 1872, o escravo Jos, ca-
boclo, de 38 annos, pouco mais 00 menos, al-
tura ragular, cabellos de caboclo e estirados,
bastante barbado, olbos um pouco aperlados,
corpo regular, tem o braco esquerdo cortado,
gosta 4o beber agurdente!; natural da cida-
de e Sobral, na provincia do Cear.
Roga-se as autoridades e eapites de campo a
apprehensao de ditos escravos e levarem ra
do Livramento n. 33, em casa do Sr. Bruno
Alvaro Barbosa da Sihra, ou no enwsho Lage,
que serio recompensados com a quantia cima
mencionada por todos quatro.
50|000
No engenho Massuass, freguezia da Escada, se
dar de gratficaclo a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naqnelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o '.. tem 9 annos,
castanho e castrado, tem a orelha direita bastante
lascada, na estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o 1 ruco, com pintas ver-
meibas nos quartos, grande, gordo, om o pes-
coceo fino, castrado, tem os quadris feridos da
eanealha, ferrado com a marcaI. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3.* rudado
sannass claro, curto gresso, um pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
Ooo quarto direito : gratifica-se com 50*000
por cada um em presenca da pessoa, em cujo po-
der for encontrado qnalqaer dos ditos cavallos.
FUNDICAO DO BOWMAN
RUADO BRDM N. 52
(Passanclo o chafariz)
PEDEM AOS seabores de engenho e ootros sgricaPores, e empregadj re de m
chinismo o favor de nma visita aseu estabslecirnttu, para verem o novo aortimeoto
complot') que ah lem; sondo todo superior em qoalidade e forlidio; o que com a ins
peccao pessoal pode-se verificar. .
ESPECIAL ATTENQO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
T7AW%A/n a *,nAc*a A9atv~i<% dos mais molernos systemaseem ta-
VapOre8 O rOCiaS Crilgllfl ma-hos convenientes para as diversas
circumstancias dos senhores proprietarios e para descarriar algodao.
Moendas de caima B 08latnaahos, a9raelhores qae aqai
Rodas dentadas p*r -'*
Taixas de ferro fandido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machimsmos S^SKM^
Bombas
Podendo todos
ser movidos a mao
por agua, vapor,
de patente, garantidas........ |cu animaes.
Todas as machinas e Fe,;as ,1e qne se C08lDma precisar'
Faz qualquer concert de machiismo'apreco mai resamia-
Formas de ferro ^^***<"*** no mer-
ffi/utnninoo Incumbe-so de mandar vir qualquer macbnismo von-
^llCQmilloIludSa tade dos clientes, lembrando-lhes a vaniagem de fazerem
soas compras por intermedio de pessoa enteoda, e que em qnalqaer necessidade pode
Ibes prestar anxilio.
Arad<3S americanos e to""'m '8ri:rt'-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Companhia
Santa Thereza
Emissoes de acedes.
Associaco portuguesa beneficencia dos enipre-
gados no commercio e in-
dustria em Pernambuco.
Po| ordera ^Ib Sr prtsidenfe, pela terceira vez
convido aos Sr*. associaifcis a se n unirciii nesta
secretaria i ra da lmpcrairiz n. 53, i.' andar,
no dia domingo 9 do crrante pelas 6 ij2 horas
da manhS, aflm de se tratar em assembla ge-
ral. de necocios importantes, e interesse da mes-
m associago. E' aherta a scsso uma hora
denois da annunciada.
hecie, 6 de marco do 1873.
Salvador Jos Ferretra Guimaraes.
_________ Secretario.
Precisa-se
de ofllciaes de funileiro : no pateo do Terco n.
139, loja. Na mesma tem om menino que quer
praticar de caixoiro, em qualquer estabeleci-
ment.___________________
Precisa-se de trabajadores na refinacao da
ra Direita n. 10.
COMPRAS.
Cobre, lato e
chumbo.
f ompra-se no armazem da bola amarella, tra-
vessa da ra do Imperador._________________
Compra-se moedas de 20 francos : na ra
Nova n. 23, loja.
VNDAS.
Bom
negocio.
Vende-se 2o accSes da companhia dos trilhos
urbanos do Recife a Olinda : nesta typographia se
dir.
Cassas avariadas
Muito finas e padroes intei ramea te no vos com
um pequeo toque que mal se percebe, a 240 rs.
o covado, cheguem de pressa a pechincha na loja
da Rosa Branca, ra da Imperatriz n. 56.
No engenho Maragi acha-se cont e tantos
burros venderse, mansos e bravos : a tratar
eom Fructuoso Dias da Silva._______________
Farelo.
Chegado de Lisboa pelo ultimo navio, em sac-
eos grandes e de superior qualidade, a retalho ou
em porcao : na ra do Commercio n. 32, segn-
do andar.________________________
Candieiros
Vendem-se ricos candieiros para gaz carbnico,
por barato preco : na travessa do Ouvidor n. 12,
Para a quaresma.
I Vi \ do Pilar d'.llagas.
Na taverna da < amboa do Carmo n. 2 j nao
a primeira vez que vende dcste saboroso peixe,
por i-to aproveitem quanto antes, pois tanto se
vende a grosso como a retalho.
AGUA DE llCin.
Acaba de chegar pelo navio Am Baptista,
nova remessa de Agua de Vichy, das fontes,
Grande Grille, Hauterive, Celestins, Hopital, Mes-
dames e Chateldon, em casa de Tisset Frres,
ra do Commercio n. 9.
Vende-se
ps de sapotis, larangeira china, fructa-po, pi-
nhas e pitanga : na Ponte de Ucha n. 10.
Vende-sc 2 escravos pecas, sendo um ino-
leque de 13 e uma negra de 17 anuos : na ra
de Pedro Affonco n. 61.
A
i
A companhia est autorisada a emittir 1C00
accoes de SOOOO cada uma. As pessoas que de- .
sej'arem toma-las todem entender-se com os di- jjf
- da Soledade, Joaquim Rodri-! a
s
&
rectores Srs. Baro
gues Tavares de Mello e Francisco" Goncalves
Netto ou com o abaixo assignado, que dar qual-
quer informaco.
Recife, 15 de Janeiro de 1873.
O gerente,
Justino J. da S. Campos.
Boa pechincha.
OITerece-sc quantia avultada a quem quizer
substituir no exercito a uma praca que est a con-
cluir otempo de servido : a tratar no quaitel da
Soledade, que achara com quem tratar.________
Jaboato.
No dia 2 do corrente a irmandade do Sacra-
mento desta freguezia procedeu a eleicao da mesa
respectiva, que tem funecionar no corrente
anno, e foram eleitos os seguintes senhores :
Juiz, Zeferino Ferreira Velloso.
Secretario, Augusto Cesar da > uiiha.
Thesoureiro, padre Ignacio Francisco Cabral
Cantnil.
Procurador, Manoel Malaquias Franco.
Zelador, Francisco Martins Ferreira de Souza.
Tojnaram posse no mesmo dia.___________
Aluga-se
b3* andar dJ sobrado da rus do Vigario n. o. com
rons commodos para familia : a tratar no arma
em da travessa do Corpo Santo n. 25.
1 CONSULTORIO *
>2 MEDICO-CIRURGICO 3
do m
Dr. J. 11. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Olinda n. 25, pri-
meiro andar.
Consulta das 7 horas as 10 da manha.
Chamados a qualquer hora.
09 ^$00080 00000
CAZA DA FORTUNA
RA 1. DE MARgO OrJTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20:000$000.
0 abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
Sromptamente, como costuma, at o premio de
:000.
Presos.
Inteiro.......24*000
Meio........12*000
Quarto....... 6JO0O
Manoel Martins Fiuza.
!\;iff ha mais diMIos
TINTURARA japoneza. .
Se nica approvadn pelas acaifcmins de
soiencias, reconhecida iprior a toda qu
tem appareerdo at lioje. Deposito prnul
pal ra da Cadeia diu Recit'i;, boje Mar
quez de Olinda, n. ii, 1.
todas as boticas e
reiro.
n;l-
oje M
1 andar, o em
casas de caboUei-
Yeda de terreno.
Vende-se um terreno no hipar da Estrada Nova
de Beberibe, muito perto dos trilhos, ra do Car-
etuda, com 380 palmos de fr nle e 470 de fun-
do, com duas frentes e esquina para a rita do
Bom Conselho : a tratr no largo da Santa Cruz
n. 4, a qualquer hora.
Vende-se
Urna taverna bem afregucada, propria para
principiante : os pretendentes dirijam-se roa do
Visconde de Inhauma (autr'ora rita do (tange!) n
30 1* andar, que achajo com quem tratar.
Botinas
para senhoras, a 6|000,na
loja do pavao.
Pereira da Silva & *C. recebiram pelo ultimo
vapor de Europa, um elegante sortimeiito de bo-
tinas pretas e com delicados enfeites de cores,
proprias para senhoras, garantindo-se ^erem il,-i-
mais inadurnas que ha no merca di. ; assim como
a boa qualidade por terem sido remettidas por
um dos melhores fabricantes de Pars, e vendem-
se pelo barato preco de GiOOO : na loja do Pa-
vao, ra da Imperatriz n. 60.
Novidade.
A Predilecta, ra doCnmigi n. 1 A, araba
de reeber pelo ultimo paquete chegado da Ru-
ropa, um bello sortimento de corpinnos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantazia,
saias bordadas, ditas com entremeios para senho-
ras, bonitas calcinitas de diversos tampadilbos
para meninas, ricas fachas de tuquim de cor,
que ludo vende por barato preco.
VENDE-SE
ps de sapotis, abacates, larangeira' cravo, e
outros mais ps do fructeiras : a tratar na Boa-
Vista, ra do Visconde de Goyanna n. 101, ou-
tr'ora Mondego.
Vende-se um cavado raso pedrez, grande,
excellente para cabriolet: para ver na eocheira
da ra da Roda, e a tratar na ra Direita n. 10,
Salsa-paiTlia
Salsa-parrilha
Salsa-parrilha
nova, em bom estado, e de excellente qualidade :
vende-se rita do Vigario n. 10, escriptorio.
Vende-se vmho superior do Porto e charu-
tos da Bahia : na ra da Madre de Deits o. 5
1.* andar.
Cambraias
Cambraia transparente a 3 a peca.
Dita dita fina suissa a ai.
Dita de cores a 260 o covado.
Dita preta e salpicos brancos a 210 o covado.
Dita para forro a 2J a peca.
Na ra do Crespo n. 20, na loja de Guilherme
C. da Cunha & C.
Oonciliaco.
De ordem do Illm. Sr. presidente convido a
todos os enhores socios e aos daquellas socieda-
des que se relacionaram com a principal, na corte
do imperio, para a sesso de admissao de so-
Sos que deve ter lugar no sabbado 8 do corren-
te, pelas 7 horas da tarde, ra de Marcilio Dias
n.|'(l, I- andar.
Secretaria da Sociedade ConciliacSo, o de mar-
co de 1873.
O secretario,
Joo Martins de Andrsde.
Sociedade Beneficente Luso
Brasileira.
Por ordem da directora desta sociedade con:
>"ido a todos os Srs. socios a eomnarecerem
sessio de assemMa geial que ter logar domin-
go Ido corrente mez s 6 1S horas da Urde.
Secretoria da Sociedade Beneficente Luso-Bra-
sileira, 6 de mareo de 1871
O !. secretario,
Bento de Souza Mira.
O abaixo assignado, socio da ritma commer-
aial Hamos < C, tendo passado uma procuracao
ao Sr. Manoel do Naseimento Rodrigues Franca,
para chamar a conciliario ao Sr. Francisco Anto-
nio de Almeida Bastos, datada de 18 de fevereiro
deste auno, a nal d plenos poderes a mais um
procurador e dous advogados, declara que flea de
nenhum effeito dita procuraco de hoje por dian-
K. Recife 5 de marco de 1873.
Joao Baptista Alves da Silva.
abaixo assignado pretendendo retirar-se
para Europa no paquete do fim do corrente mez,
^Precisa-se de um ciixeiro om alguma pra- ] exa ,, preenradores de seu estabeieemeni-
tica de molhados : na ra do Visconde de Goyan-
na n. 97.
Engommadeiras
Precisa se de engommadeiras na tinturara
franceza, ra da Imperatriz a. 55.

to em Io lugar, ao Srs. Bernardino Alves Per-
reira e Joaquim Ferreira da Sihra, em 2* aos
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Fortaram da fabrica de cerveja da ra do-
Sebo n. 35, hoje de madrugada, um cavado com
os signa es seguintes : inteiro, rxo, com pouca s
. pintas de pedrez, baixo, grosso, peito de pomba,
Srs. M;uioel Joaquim da Costa Carvalho o Joaquim cascos redondos, crina cortada no lugar da coilei-
Ferreira Dmiz, e em 3 ao Sr. Manoel Jos Tinoco I ra e con o ferro Em na perna direita : gratifica-
do Souza. Recife 3 de marco de 1*73. se bem a quem o apprebender e conduzir raes-
Duarte Antonio de Miranda. I ma fabrica.
no empenho de bem servir aos seus freguezes e
ao publico em geral tem procurado prover-se do
que ha de melhor e da ultima moda nos merca-
dos de Europa para expo-lo aqui venda, cor-
tos de que os seus artigos sero bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
merar alguns d'entre elles, como sejam :
ALBU.VS, os mais ricos que tem vindo a este
mercado, com capas de madreperola,
tartai'uga, iiiartiin, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e voltas proprias para luto
assim cerno, um bonito sortimento de
ditos de plaqu, obra fina e muito bem
acabada.
BOTES pa punhos, o que se pode desejar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, uiarliiu e sso.
BOLCAS de velludo, seda, pallia e chagrn, o que
ha de mais moderno e lindas.
BICOS de seda e de algodao, unto branco como
preto, de variados desenh.is
CASULETaS pelas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXINHAS para costura, muito ricas e de di-
versos formaos, com msica e sem
ella. ,
COQUES a irailaco, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
senta um grande e lido sortimento
capaz de satisfazer os caprichos de
qualquer senhora por mais exigente
que seja.
PORT-BOUQUET de madreperola, marlim c sso,
este um objecto indispeusavel s se-
nhoras do bom toui, alim do aspirar
o aroma das flores sem o inconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
rem as delicadas maos.
PESTES" de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E" sabido do publico que a Pre
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras de lino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Cou-
dray, Gomes e Rapbael, que in-
cumbido da escolha dos aromas mais
bem aceitos pela sociedade elegante
da Europa, e por tanto, acham-se na
possibilidado de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
meosidade de artigos, aliiu de nao mas-
sar aos leitores e se pede a benevo-
lencia do respeitavel publico em di-
rigir-se ra do i abug n. 1 A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas dejtu de quin cor, o
que ha de mais bello neste genero.
VESTIMENTOS. Ricos vestimentos para meninos,
por baratsimo preco.
FLORES. A Predilecta prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bolea anda que nao es-
. teja bem repleeta de dinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que s na
Predilecta que podeo encontrar um
grande sortimento de filas de setiin,
tafet, velludo, linho e de algodao, por
commodo preco.
GRAMPOS de tartaruga, imitac.lo destes, pre-
tos e t}e cores, -o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS da seda e de cambraia para senhora,
lacos e golinhas de bonitas cores, tam-
bem tem um bom sortimento de gr-
valas e regatas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
Sira ornatos de sala,
ei s de seda, de l e de algodao, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Ricos loques de madreperola, tartaruga,
marfim e de 6so, os mais modernos e
por barato preco.
LUVAS de peluca, de seda e* de algodo, para
homem e senhora.
LIVROS para missa, a Predilecta apresenta es-
colha do respeitavel publico om bello
sortimento destes litros eom capas de
madreperola, tartaruga, marfim, *so,
velluda e chagrn, por procos mui
razoaveis.
Engenho.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Estrella
d'Alva, no termo de Agua-Preta, d'agua e co-
peiro, e est montado, distante da estacan d'Apua-
Preta dtiaslegoas : quem o pretender dirija-seao
mesmo engenho a tratar com o seu proprietario.
Vende-se um balco com pedra rnarmore :
a tratar na ra das Flores n. 25._____________
Borracha!
Borracha!
Borraelia!
A' ra do Vigario Tenorio n. 7 Io andar compra-
se borracha.
Vende-se
urna casa torrea nova, com grande soto, muito
bom travejamento para sobrado, na freguezia de
S. Jos, em muito boa localidade para estabclec-
menta, queja se acha oceupada com taverna,
ra de S. Joao, esquina para o gazometro : a tra-
tar no largo dos Coelhos, com Antonio Canieiro
da Cunha.
VENDE-SE
a armaco e paos da venda e armazem de, sal
ra Vidal de Negreiros n. 137, outr'ora Imperial,
com com modos para familia, garante-se a casa:
V tratar na mesma 'ua n. 181.
Vende-se
um terreno no becco do Es. inheiro prximo a
estrada de ferro de Olinda. com 170 palmos de
frente e 150 de fundo : tratar na praca da In-
dependencia n. 39.________^__________
Vende-se
urna escrava, excellente cozinhera e lavadera,
acostumada qualquer servico domestico, com
urna lilha de 10 an o< de idade: uma outra tam-
bem muito boa cozinheira e lavadera, todas pre-
tas, vindas do Maranho. Quem pretender com-
prar dirija-se ra d Imperatrii n. 4"._______
Eu j vi
um lindo vestido.
uma fazenda nova transparente e mesclada
de escuro com listras de seda de cores e cinco
palmos de largura, a 800 rs. o covado. Temos
apenas fazenda para 6 ou 8 cortes : na ra da
Imperatriz n. 36, loja da
Rosa Branca.
= Vende-se uma batanea de Romao, nova com
o competente temo de kilogrammas : a tratar na
ra da Companhia Pcrnambucana, armazem nu-
mero 6.
Na ra Duque de Caxias
n. 71
Vende-se as seguintes obras de direito:
Lobo. Execucoes por entenca.
Aceites sumraarias.
Jfenezes.Pratica dos tombos.
Juizos divisorios.
Caetano Gomes.Manual pratico.
Pereira e Souza. Linhas civs.
Mello. Opera.
Pardessus.Traite des Servitudes.
Troplong.-Dela vente.
a Des Seciets.
Vanguerve. Pratica judicial
Caetano Soares. Repertorio jurdico.
Gado para
acougue.
No engenho Boa-Vista, do Cabo, vende-so la-
do refeito e gordo : quem pretender pode diri-
gir-se em dito engenho, estagao da Ilha.
Botinas francezas para ho-
mens7#000!
Por terem um pepeno toque de mofo, cheguem
AO AKMAZEM
1)0
IU'.\ DO i: IRO I)\ VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
MANOS.
Acabam de rhegnr multo bons pianos fortes e de
elegaulos.....dek, dos mais nolaveis e bem'CO-
nlu.'cidos fabricantes; cuino sejam : Alphonse
llloiulel. Heury Heis e l-ioyrl W..IT a C. : no
vapor francez, roa do Barao da Victoria, w-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de laxo o phantazia, brancas pretas e de
difl'oretites cures, tanto para senhoras, como >a-
ra meninas.
.apatinhiis eom salto no rigor da moda, brancvn '
e de cores par senhoras.
Botinas de Melis, de Soaer e de Polak, para ho-
IIH'IIS.
Sapatos de cordavao Mili spara homens.
Botinas para mooino de qualquer tamanlio.
IVrneiras e meias-perueiras tanto para horneas
como para meninos.
SapatSes de Suser para homeu e meninos.
Sapatos de vend com salto para homens.
Abotinados de militas qnaUdadw e precos para
meninos e meninas.
Sapates de verniz rom sola de pao prenrios para
sitios, janlins e banbos, sortimento para horneas
e trabaras.
Sapatos de tapete, euiOiira, chailot avefiudado,
_ de i rain;: pm I ni e rntitcez.
Xo annaze-n d-i vrticylramtcs, ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Peifumrtas.
Finos extractos, banhas, leos, opiata c pos den-
trlico. agua de r de larnja, agna de toile-
te, divina, lldida, lavando, pos de arroz, salmo-
netes, cosmticos, umiti s artigos delicados em
perfumara para presentes com fraseos de ex-
tractos, caixinhas surtidas e garrafas de dife-
rentes lmannos d'agua de cologne, tudo de pri-
meira qualidade dos bem conheeSdos bbrican-
tes Piver u Coudray,
Xo armazem do vana- francez, ruado Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
Minio Imas nudas e bolsas para viagens de .''
de caminhos de or.
Estojos de viagens com os pertenees necessai. $
para barba.
No armazem do vapor francet, Brnaop arao
da Victoria, outr'ora Novan .7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Xapoieao e a GoJlber*
me, nerneiras c n cas perneiras para homens,
e metas perneiras para meninos.
Xo armazem do vapor trance', ra de Baro
da Victoria i utr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
i'adeiras de balanco, de braco, de gnamifdes, fo-
fs, jardineiras, mesas, conversad iras e co>tu-
reiras, ludo islo muito bom porserein forte! e
leves, e os mais ;. iprios movis para saletas e
gabinetes de n creio .
Xo armazem do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinqilharias.
Artigos de dllTereBtea gostos o
phaiitnxuN.
Espelhos donrados para salas e gabinetes.
Loques para senhoras e para meninas.
Lavas deJoavin, de lio da Kscocia e de camurca.
Caixinhas de costura ornadas rom msica.
Albons e qnadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de le garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para relog -.
Brincos jimitacao o botdes de punhos de pl
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de conri-
nbo de cores.
Xovos objeetos de phantazia para cima de mesa
ejioilelte, ,
Plncenez de cures, de prata dourado, de aro
tartaruga.
Oculos de ac lina e de indas as graduacSes.
Bengalas de laxo, caima, eom castdes de marfim
Bengalas diversas em grande surtim.ento para ho-
mens o meninos.
rjhicotmhos de baleia o de mnitas qualidades di-
versas.
Esporas de tarraeha para saltos de botas.
Ponleiras de espuma para charutos e cigarros.
l'entes de tartaruga para desembarazar e pan
barba.
Ditos de manlm muito tinos, para lmpar cabecx
Escovas para ronpa. eabello, unhas e para den-
tea.
Carteirinbas de madreperola para dinheiro.
Meias para bom ns e para meninos,
Grvalas brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campaneas de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de bagateflas, de dor.ii-
n e outros muitos dilerentes jogunhos alle-
mes e francezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cami
nhos de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mui fcil as
enancas.
Argolinfias de marfim para as enancas morder--i.
bom (tara os denles.
Ber.os de vimes par embabucar enancas.
Ccslinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas para passeios de erian-
Saa. .
Venezianas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes para cuidieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas vis-
tas.
Linternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsoa para cosmoramas.
Globos de pa|iel de cores para illuminacoos de
restas.
Baloes aereostatcos de papel de seda mui fac:l
de subir.
Encerados bonitos para conservar as meza? de
jantar.
Machinas de varios systcnus para caf.
Espanadores de p'alha e de penaas.
Tesourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vdrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e born.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua-
dros.
Quadros j promptos com paysagens e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zas.
Objeetos de mgica? para divortimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios com lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
taannos, e outros muitos artigos de qninqui
lharias diffices de mencionarse.
No armazem do vapor francez, ra do Baro
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maor variedade que se pode desejar de todo?
os brinquedos fabricados em dilerentes parle
da Europa para enlretenimento das criancas
tudo a precos mais resumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, ra do Barae
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
PARA PIANOS
Pannos proprios Je cobrir pianos.
Cadeiras de parafuso e forro estu-
fado.
No armazem do Vapor Francez ra do
Baro da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Os'inlias para costura.
Grande sortimento de bonitos modelos
chegados ao armazem do Vapor Francez,
ra do Baro da Victoria (outr'ora No-
va) n. 7.
Cha preto e verde
Vende-se no bazar victoria cha preto e verde
da
t pechincha aloja da Rosa Branca, ra da Im- Ido rr.uito boa qualidade : na ra do Bario
peratriz n. 56. i Victoria n. i, loja de Amara!, Nabuco k C.



-------


We de PwnambvJco Sexta feira 7 de Marco de 1873;

Fazendas em liqiida^ao
N. 60 Rua da Imperatriz N.
l<]
PERETR i DA SILVA & C.
GBX.IDHES
Tendo o proprietari deste importante estabelecimento, grande vontade de liquidar
todas as fazendas que tem em ser, tein resoivido vende-las por presos muito mais baratos do
que se vendem em outra qualquor parte, com o fim de apurar dinheiro, razio por qe con-
vida o respeitavel publico a vir sortir-se, nao s de ura avultado sortiaiento de faaendas ap,j
le, como tambera de grande sortimento de fazendas finas e dos mais- apurados'gosOs;
K previne que.s vende a dinheiro i viste, por estar em b"qu4ra lOFFICINA DE ALF1ATB NA IX)IA'DO
PAVAO.
WMLISTRiS DE SEDA A 800 RS.O COVADO! Neste grande etUbelcimento encontrar
O Fu i recebeu um elegante sortimento o r^speitavel poblico, una bem montada offi
da'si. idas grenadincs pretas com listras cia de alfaiate, onde se manda e recatar
de seda uo cor, tendo entre ellas comlistra qoaiqner peca de obra, tanto pan bomem,
rosa propria para luto, que vende polo ba-icomo para meoinOS, cota I ttaiet pres*
ratissimo preco de 800 ris o covado ; assim tesa e perfeicao assim como paratqoalqaer
como dita [imito fina com bstra encarnada, lato qne de repente appareca, tand na mes-
que vende a lflOOO ris o covado. Esta ma odicina om perito offlclal detnado para
fazenda voio pelo paquete chegado ultima- farda dos Ilm. Srs. ofliciaes de ignarda -
mente da Europa, e liquida-se na loja do cional on tropa de litiha, sendo estt offiWna
Pavo ra da luperatriz n. 60. dirigida pelo bab artista PedfO Celestino
CAMBR \S ABKRTAS PARA VESTIDOS A Soares de Carvalho.
93000 e 10J5000 RS. ESPARTILHOS A 3J0OQ.
O Pavao recebeu um elegante sortimento O Pavo tem nm grande sortimento d
das mais tinas cambraias brancas, abertas e espartilbos, tanto para senhora como pirt
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- .menina, qbe vende pelo barato preco de
ratissimo precos de 9j?, e 103000 rs. o 30000. Ditos maito fiaos a 4^030 e 50OOO,
Obras de phanlnia.
A lja h Afruia Branca, a ra 'io Duque de
Caxi s n. SO, recebeu um bello MPtftMwwo Je bo-
nitas modernas obra* de ptlanlisia, sendo :
Brinc s e cruze pretas, com dourados e pedras.
Outros de adrep rola uueimada com bonitos
fnfeitea de delicada llores. \*
Outros de fln) dourado cera p age les (Je cores.
Ontros encarnadrjs e de bonrVsjnoirjes.
reselas defino douradQ conrpeafas branca?,
Aaerecos de maarei>rora.
Dftos ddufafls com camaphb pt.
Dito encarnados.
Ditos imitando folhas e floresiiaWra'ei
Ca soletas de madreperoJa
VoIta9't'BK(ssos aljofares de* cor's.
utras de ditos* prfft s com donrados.
Pulceiras de tartaruga com douHOo.
(tiaras pretas.
Guampo* pretos de corase
Howtasabotoa4nras fe tae tounto&c a'pN
jlif44i4^e. bafea ananm e de ostras qnalidade?, para
abortaras e cojtarirrhas.
Bonitos lque&j
A toja d?' A#ata*Draaw*< *m *
Caxi as n, 50, recaben Irautt s loques a pe
phantasia, pre o euai'iurao*, t antros de apu-
rados gostos aaaiiu eon recebeu ow isa de ma*
r-telra que se confunde com o sndalo, e geni er-"
les1 liados cotorideajta fttro, e-aiiHk a*iu vn-
delos* pelo bavaM-ptecfr de ifl#0 kataiiiu
"Vfasos de crystal paraioillet.
corte, tendo bastante fazenda.E'jjechincha,
na loja do Pavo a ra da Imperatris n. 60.
LASINHAS BORDADAS A 400 RS.
0 COVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mas lindas lsinhas transparentes com
lorzinlias bordadas, tendo de todas as cores
inclusive rota propria para viuva, e vende
pelo baratsima proco de 400 rs. o covado.
E" pichincha na loja do Pavao a ra da Im-
peratriz n. 60.
GRE.NADINE9 A 640 RS. O COVADO.
0 l'avao recebeu um elegante sortimento
das mais lindas granadinos pretas com listraa
brancas e de cores, sendo multo boa quali-
dade, e vende pelo baratissimo prego de 560
rs. 0 covado. E' pechiucha na loja do Pa-
vao a ruada Imperatriz n. 60.
COBERTAS DE PUSTO ACOLXOADAS A
4^00 RS.
O Pavo receben um grande sortimento
de cobertas grandes de fusto, acolxoadas,
guarnecidas com fran ja em volta, tendo bran-
case do todas as cores, evendepelo baratissi-
mo prego de i;5., rs. E' pechincba na loja
1 i l'avao a na da Imperatriz n. 60.
CHAPEOS PARA SENTIORA A 12-5000 RS.
i) Pavao recebeu um elegante sortimento
dus mais modernos chapeos de palha, rica-
m '.; enfeitados, para seahora, com osseus
competentes vi;os, e vendo polo baratissimo
ode 129000rs. E'patkincba na loja
di l'avao a ruada Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS
0 Pavao vende um bonito sortimento de
abas listeadas, sendo das mais modernas
tem vmd ao mercado, pelo baratissimo
de 560e 600 rs. o covado. E'po-
lla na loja do -Vivan a ra da Impera-
' .i. 60.
U.PACA \ IDAS A 646 RS.
O Cm'ADO.
fon para a loja do Pavo um elegante
.-.:::: i! i das mais bonitas alpacas de cores
lavra las, senda as cOres mais modernas que
... rind i para vestidos < vende-se polo ba-
isimo proco do 640 rs. o covado. E'
> : 'i.i na loja do Pavo a ruada Impo-
'. i!. 60.
CoWes de e >'r.!9rH*;>. nma no-
vlmaMle, SrOOO.
O Pavao recebeu |>-lo ultimo vapor de
Europa cortos de-eainbraia branca com ba-
b linbos ricamente bordados, tendo fazenda
:. ente para vestido de cpialquer modelo,
ust s. rostidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado-, e peia'soaeicessivabar-
t /. i, tornam-serecomraendaveis as senhoras
': b m isto. Bazar do Pavo, na da
ratriz n. 60.
LENQCSA 9Mb00A HZIA.
O Pavo tem unta grande porc&o de len-
v> broncos com baa de cor, maito bonitos
e boa qualidade, que vende por 99460 por
;-r grandeporco,
Ditos todos brancos abainhados muito fi-
nos a 29866.
Dhos chinana com barra de cor, muito li-
no; i 39500. i-.' grande peenincka, na loja
Pavo.
KnmrSrnM a ."^OOO.
O Pavio reoebeo peio ultimo vapor, um
rito com salpicos, com lindos onfeites prctos ede
cOn s, e ven le pelo barato precn de 33)000
cada um, por ter gran le porfi.
Ditos todos le seria Ticamente eufeitadosa
' 166.
PAR 0 CARNAVAL.
< \\\: il !Ri um grande sortimento de d-
minsde I i las as quali lados gostos, proprios
iocarnaval, ten-b>tambem de merino
es-iossez muito interessaiUes, que vendo ou
alug i por procos muito barat ts, por ter gran-
I porgan.
LBN(l(Vr DE P.RvMANTE.
O P v 11 tm* Uncoe-s de bramante miji-
to grandes, tenrto do-nm Daono s, peio ba-
ra Mimo preco re iR\(\o cada om.
MHrAP;>LO!:S.
Pe?-* de m-idap'rSn francez mnito fino
rom 20 jardas a '^"OC e o\5000.
Ditos o o 24 janias mono snperior a
61500 e 7W6.
Di:o in?!e fazn1s muito finia "0O0,
65)00 e ;;";''0 at I^WO.
Di', s fi mcosea e mikaes maito fiaos de
40jardas BaradtttiMUM oreaos.
" Al-tilH>AOZ1NHO.
O PivJi venda por preco maito barato
pegas d-i llgOillozJnjio arnericaoo maito
bom enm 18 jirdas n |0CM'.
Dito com t jird-8 i 45500 e 55000
at 6u 0.
Dito largo marca T muito encorpado a
6*000.
ALGODO ENFESTADO.
O PavSo v-Ti! algodoti' tj *h dnas I trtar para lences,
sendo marte m'*i Dito tra^ido di roes-aaknmttri 1*480.
COWE-i UET^A-twu, B mS.
O PvSo v"i* enrus de chitas trincezas
fioas, rom l'J covados peio diainuto oreco
de 2V.0 oda corte. '
Ditas p.m fS 'covados pelo precj da
J880 &* eofre.
i
sao dos mais moderos qae tem vi&do ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 2*D RS
CHITAS A 240 RS.
0 Pa*3o veode chitas franceas proprias.
psra vestido, sendo maito boa azaoda, cobd
padres claros e escaros, pelo barato preco
de 2i0 rs. o covado, por ter um leve to-
qu de mofo : pechincba.
LIQUIUACAO DE CALCAS DE CASEMIRA
O Favio tem um grande sorumoolo de
calcas de casemira de todas as cores e qoa
lidadjs, para todos os pregoa, e desejando
mnito li juidi-las, resolvea vende-las por
um preco mnito em coat, para diminuir a
grande porcao.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vende bonitas cassas francozas
com bonitos padres, e de multa. phaartat
pelo baratissimo preco de 240 e 280 -rs, o
covado, sendo fazenda de muito mais:dinhei-
ro, grande pechincha, naloja.do Pavao.
RUURNS A169000.
O Pavao recebeu polo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at boje sao conhecidos, e em relacAo iex"-
cessiva baratera, convidam-se as Exmas: Sras.
para as verem, para assim admirarem o que
lia de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 69000.
0 Pavao vendo cortes de cambraia branca,
com listas o lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
proco de C-^OOO, por sergrande pechincha.
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 85000.
Ditos ditos com listas de cores a 49000 e
59000.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhosde cores a 99000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
0 Pavo vende superior bramante de al-
iindSo tend') 6 palmos de largona que s
jercisa de 1 '/i vara para um lencol, me-
tro 1(5(500 e a vara 10800.
Dito de linbo puro superior muito encor-
o;ido com a mesma largura a vana 25400
Ditos raocezas muito finos a 20500 e
30000.
Peca de Hatnbargo e panno de linbo com
20 e 30 varas, para todos os precos e
qnalidade.
Pecas de bretanha de poro linbo, tendo
30 jardas pelos precos mais barato que se
tem vi-to.
Pechincha de ficissirao esgaiSo snceleoa
com 6 jardas 70JO,
Peca de Ooiesimo ceiena com 30 jardas
a 305"O, atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de hrpora a vara 2$ itO.
CALCAS DE CASEMIRA.
O Pavo tem om graode sortimento de
calca de casemira, assim como cortes o*
mais modernos que tem vindo nos ltimos
Saurios e em fazenda das mais finas e mais
aovas ao mercado, e vende-se por barato
preco para aporar dinheiro assim como cal-
as de brim tinaco e de cores por precos
mujto razoaveis para alabar.
TNICAS PRETAS.
0 Pavo recebeu om graode sortimento
das ma9 ricas tnicas de grs preto, rica-
mente enfeitadas, e venda por preco razoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3500000 AT 600000.
0 Pavao recebeu om lindo sortimento
dos mais ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com lodos os enfei
tes nece??ario., e vende pelos precos de
350000 at 600000, nao tora vinJ) nada
mais rico era mais moderno.
A loja da Agaias anca,.. a-riw-dbJiuiiiie de
Casias n. 50,x(r*fciiaaig|rtelnias|iecrys-
taliern par cora ramagens douradas e mui pro-
prjas.oara i nneis e colares eiotrioos;
A loja tfaguhi t)AHca a rus- DttqtM d CWias
n. 60, recebeu nova remessa dos protelWsos *-'
pe* Bokm aliNaMBiy e^eaotuuareeeto-lo
iDonsnlmente, pelo qua serapre estar provida de
laas objectos.
Diademas dourados
A loja d'agui hranoa > 30) recebeu novaiucnte -bonios diademas dourado&
e erertados com-pedraseabofares,-obras de gas-
to e phantasia. Tatnbem receben novos (frampos
prttos ou alQnetes com. Dores para_a cabeca.
Leques ttos dttees.
i. A lojad'guia.briuic;i' ra Dtaque de Casias
o. 50, recelwitrtiBaa-.peqaena luaatdaJe diupielles
bonit03ieques.om bouqueti e outros chioezes.
amaciara pelle
A loja d'aguia branca a ra Duque de Caxi a
it SO,'reo*feu.eotif reme >dos afamados fa!Hca-
les Lubln, Legrara e -Condray.
Diademas e grampos de
ft^O.!
1. A lo>a d aguia-Jranca. a-ma.-dy utpie-da.
Caxiap fl. |Bbl reoeheu lAxaioente beaitoS diade-
mas e grampos- de &r*>.
Bicos b seda pretos com
flores de ctos.
A loja da ijfiiia branea, ra o Duijae de
Caxias Toeciitxi. eoimi n<>vida>' bonito bies de
seda pretos com 11 or* de cores,sobresabiodo nel-
les: o preto com.encarnado, ,e todos mui proprios
para barras e outros enfeite de vestidos di gra-
nadme, ou medfeit c ou i ras fan-ii das lrnf nvn-
tea. Pela commodidade dos pre.os esses bicos tor-.
nara^se waii ^mmodois e, pela n,ovid>de de gosto,
[ireferiveis a ^iiaesqacr o$tros'.enfeitef.
Veo ou wantitthas puetas.
A loja da aguia branca, na do Duque de Ga-
xis n. SO, recebeu bonitos yos\.ou mantinhas
pretas de seda com wnes, e entras a imitac-o de
croch, e vei l e 609 A fanonda boa e est em itViii.
estfido, pelp que contina a ter promptaejUriac-
co.
Diademas e aderemos de ma-
dreperola.
A loja da Agu manca ra do 4foqne di
C;ixjas n. ."0, recebeu urna ueri$o,.iip
diademas e adereoos de marcuecola, obras de,
apurado gusto,
J?ara o carnaval!
Para o carnaval'-!
Para o carnaval!
Velbutina de todas a* cdnpa ; so pa, ra Duque
de Caxia? n. J A, Ipia da,esquina, de. Beitu da
Silva A C.
Perfeita novidade.
Graujpos com; bopboletas, bezouros e-gala,-,
nbuto dourados o coloridos. .
A loja da aguia branoa, na di. -frique de
Caiiasi Bu SO, receaea nuvos grampos com bor-
boletas, bezoa*06 o gafanhotos, o quo do oerto
perfeita nuvid^de. A quantjdade pepuena, e
jior isso em breve se tcaljftMk
Novas gollinhas ornadas com
pelucia ou arminho
A luja d'aguia branca ra Duque de Caxias
- 50, reeebeu uma pequeaa quanttdaide de boni-
s e novas gollinhas, trabalho de l e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gesto
e inteiraiiveRle novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
Aloja ta aguia hranoa, a ra do Duque de
Caxias n. 30. receb?u aoKiifk'nte bonitos gram-
pos, brincos o mielas dourndos ; assim como
novo diademas de aro, e oon0"semjire conti-
na a vende-los por-precos raaiavcis.
MAliHINAS
COSTURi
Cbegaramao Bazar Universal da ra No-
val n. Vi, ita sWrthWoto de machinas para
bobtora, das melhores qualidades qoe existe
nai America, das quaes moitas j sao bem
conbecidas pelos seos autores, como sejam;
"vVtellerd; Wilson', GroveT ABoka, Silen-
ciosas, Wed e Imperiaes e outras mnitas
qrje com a vista deverao agradar aos com-
pradores.
Estas machinasleni a vintagem de fazer
o trabalbo qne trinta costnreiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
fiico como as mais perfeitas costureiras.
Garante-fe a sua boa qnalidade e ensioa-se
a trabalhar com perfeicSo em menos de orna
fclra. e os precos sao i3o commodos que
ddvem agradar aos pretndeme*
i
I
Pede obter em pooco lempo com o oso do melbor dos licoresa armada
HESPRID1NA
Faz^oito annos qoe cosbecido es* precioso tnico, e difficil acbar orna pesaos
qoe, tendo experimentad pses&atoerjt, n2o falle em seo favor, j como bom estomaca
e apetisador, tomando em calix delta antes de jantar, oo como facilitador da digesto
tomando-se depois.
BASE
da HESPERIWNA a LAKANJA AMAHGA, nao ba om s habitante do BRASIL (a trra
especial das laraajas) qoe to coobeca M proprredaes mediciDaes da donrada frncu,
oh bem, a
i

-- Kapadacia alloma na ra da Guia u.
Cokl> Fem para^ refrescar e< fj! fe 2T5S1SSS ii t
.tv ii-i rstvllhaede tresdillereiitesqu.ui L-ides.fei-
jbbranco grado, repolhoem barricas, lon-
em sen estado natural tem om gosto ponco agrada ve I, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter soas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL alo tem nada qne iDvqar as
melhores importares europeas de cathegoria semelbante. Estas, qoando mnito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinacSo perfeita do
AGRADAVEL E SADAVEL
Para prova de qua nm artigo no qual pde-se ter inleira coDfiataa, por ser pare
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e antorisada pela
JUNTA DE HIGIENE
do Rio de Janeiro, permittindo soa livre elaborado no Imperio; ootrs
BOA 1HOY %
e a acceitacao geral que tem em todas as parles.onda apresentada. BU <8t54 eube-
lecen-se a primeira fabrica em Buenos-Ayres; em 1869 a segooda em Montevideo; e
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inauforoo-se a fabrica qoe actualmente
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceilaco,
tanto que rara a casa qne considera completo seo aparador sem orna garrafa de,
HESPERIDINA
O bomem velho toma Hesperidina para obter
>-
tilfias, sevadinha (Perle), sa^, amenas,
nipcs e cerejas .seceas; tambeni tem para
vflnder duas balaocos grandes oom ganchos
? bracos, alguns pesos-i duasirodinbasde me-
tal para carrinho de mo, urna forma c um
fofno para fazer hostias e obreias, e urna
bomba.
Mb.o, milho, milho.
Nos armazans de Tasso Iriuios & C.: ra do
Aaiorim e caes de. Apollo. ___________
('lili----" "-----------"~-----i----------'------'----------------------------
VENDE-SE
Vuiule-.-is iui sipo ivhii ni na casa terrea de
podra e cal, tendo 90 palmos de fundos, em
clipos proprio : ra da Ploresta n. 2, em Olin-
daj psra vr e tratar na mesma casa._________
jcSJGREDO ECONOMA E CELERIDAE.
Obtem-se com o uso
DA
HIJECGO SHOST
lUnica, hygienica, radical einfallivol nacu-
.r-aidas gonorheas, frores brancas e luxos de
loda especie, recentes ou chronicas; e que
oflerece como garanta do-salutares resultados
a continuada applicacao que sempre qom a
maior vantagem se tem feito della nos hos-
pitaes de Pars,
'nico deposito para o Brasil, Bartholomeu
<<6'C, ra Larga do Rosario u. 34.
0 homem doenie toma Hesperidina para oniw
SAUDE
0 bomem dbil toma Hesperidina para oblar
SsP ^^jBrR^L^yTBBla.
Nos bailes as donzellas e os mocos tomam a pefidiua, para qbt( hoi.'j(DH
animacao dorante os loncos gyros da
WMrWh
BARROS JNIOR A C, roa do Vigario Tenorio n. 7, i" andar, receberam este
grande especifico, e venuem-no noa depsitos seguinte :
Joaquim Eerreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Goncalves da Ponle, ru da Gadea o. i,
Aotooio Gomes Pires d, C, ra da Qadeia.
Antonio Gomes Pires A C., ces 2S'de Novembro.
Gomes dr Irmo hotel da Passagem.

Por
Acaba de
linflo galope
.gp, composto
.1
i*rmk gabpe
Para piano.
F. Libanio Colas.
CORTINADUS PARA GAMAS E JANELAS
A '5500, 85000 E 100009.
0 Pavo lem um grande sortiqaento de
cortinados para cama e janellas, qne ven-
de pelo barat i prego de 75500; 85000 e
105000 o par. lendo al por 185000, assim
C"mo colchas de damasco para camas de
noivis, e grande sortimento de tape'es tan-
to para 4 Cddeiras como para cunan, pianos,
aortas, etc., ludo venda por precos razoa-
>ls.
CAMRiUiAS.
0 Pavo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 25500 e
350>O.
Peca de dita mnito fina com 10 jarda*
tanto tajada como transparente a 4500Q,
35000 e 65000 al a mais fina que v*m
jo merca lo.
OOKTES DE PERCALIV COM DUASSAIAS
A 5000.
O Pav3o vende bonitos cortes da precalia
com duas saias, sendo uzeada de mulo,
goBto a 45000, e|i>KtomAa>
B.VPTISTAS DE'GRANDE NOVIDADE
O PvJo vende um..,gran,de!tmow-
das mus moderis, bautistas om lutand
cor, proprias pira vestido, com. alcores ais
novas qoe t*ni viodo as mercado seonV
maito mais largas; do qm as chitas -francezas,
Vende-se a sitio da estrada da Gniz* de Almas,
que liea entra o do ooimuenilador Tasso e o do
desembargailor lluria. com casa do vive&da, d ffe-
rentes arv^redus, grande liaixa de capim, etc.,
dando os fumlus |>ara a estrada dos trilhus urba-
nos ao p da estaco da Jaqueiru : a tratar na
ra do Aniorim.n; 87.
publicar-se e acha-se a venda esto
com frontespjcio especia! e analo-
jielonurito talentoso e simpathiei-
Itiajestro Colas.
Preco 2J00.
A' rua Nova n. II. armaiem do Azevedo.
4 Lingiia Fraamn
pon
100 rs..
Methodo lapide e fcil de ensijur o francez
pe|o
Itr. Abuso Livrorm francem.
(iriininatira ^rlupea
A-mnis baratadle (odas as. ?r;miiiiattcas a do
Pr. VUfHo Vttsi\ Bar^CM.
i)Q0 i.
Livwria fiunceza.

STtaKSP iSS^ toSSe' CM,Wiia; ^Z^0 calarrhaes, e todat as mokstuis dos udwei.
que tem foto aportantes curas. que ojo o nico acoeito pelos melhores Mdicos. *
DEPOSITO GERAL, 34, rua Larga do Rosario, PERNAMBUCO.
R
Farinha de mandioca a 3$ o
saeoo.
Na rua da Madre de Dos n. 7
quanto sao a acaba.
a Ha, em
Xarope d'agrio do Para
Amigo e .eoncoitiiado naedjcamento para
cura das molestias dos oreaos respiratorios,
como a phtvsica, bronchltes, asthma,, etc.,
applicado anda oom ptimos respetados no
escorbuto.
Vende-se oa pharmacia e drogara de Rar-
tholomeu A. ".., rea Larga do Rosarip n. 34.
,e vende pelo Jjarqlissjm.:), pre,c de 500,ja
cada covado.
Vende-se ,um cabrjolet amcrcawiV ifc'.^ons as-
sentos,mnito leve e^n bom fstodp : ara ver
na ochaira, do Sr. Carino, k rua, do..I^nivio m-,
mero ^JJ.
Oheg raj
Crower *
w sfigiiw!,
pilhas para.imi^ri!is.do'fa)iicante
er. Duna 'pnr'^Orjl).
ma ]r>or
Mofefe;'
ii m
A Ilusii Branca.
Campeo.* le sol cabo do niaifim a
1$?000.
'An<|iii|(>4Mi a 19500.
<>]'iiuadHi- prs'S. a H00 rs. o cova-
do, ultimo gosto para casaquin!io e segunda
saia.
(amliaia transparente lina a
4J3o ajjSOOO a peca, com 8 i/2 varas.
H?lapi'pf4 parn bajitKadws ou
parameiuna^pe^juanas, opqsa, rapito cbi-
qua a i-TOOO.
tnuduaiii i- -i.iv. i-cos gostos, a
4'iiOrs. o cavado, o mais ordinaria a 280 o
coyado.
nim* ato a I la do a 1-^800 a vax/,
m^Jtp fino, etem os mais lindos deso-
nhos.
ColxnN para eainaH a i5O0, sao
no zasque hmp vondem a rOOO.
Mn.* |i*^' tiua, a WOO a ps-.a.
Pij^o ist^o 6 ipuito barato
porgue a Rosa Branca s compra adjnlui-
ro e wrtda.pfltoiniesfo sy$.tBia. Manda-se'
layar ikis casas.
Caoeira oratorias com aMieaja oe paihinha
OrfOOO cada uraa no caes f Ay. lio. arma-
zeva de Tao I roaos 4 G.
TASSOIRMAOS'&C.:
Em seus armazens rua do Amorim
D. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos :
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cnento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarocar algodSo.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera.
Safa em garraides.
Sevadinha em garraRe*.
Fientiihas em garrames.
Ithup.i da aJinaica.
V-mho do Porto vellio engarrafad).
Vinho do Porto superior, di o.
Vinho de Bordeain, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Hadar.
Potes com linguas e dobradas inglezas.
Licores finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latos de toucinhu inglez.
Barris eom cepclho em salmour.n.
Pharmacia de P. Mauror & C
MHOPE
,
PURATI
Charutos de Havana
Superiores
no escriptorio de Tas^ Irmos & C, rua do Amo-
rim n. 37.
Milho de'Mamanguape
Vende-e por preco ooiumodo : na rua da Ma-
dre 'le Deus n. ii, primeiro andar.
Economia
(aos pais Lences de bramante a ?*0P0.um
Dito" algodao (1400 a
Cuberas chita iL8Q0 urna
Ditas t cretone forradas a 31300 unja
Ditas adaiuasoadas 'forradas a 3fJ00,
35500 c 43000
Colchas de fusta brantos e ide cores a 35500
Ditas ile crochet brancas, (jnandes i 55010
Cpbertoi;as (|e ab^odAo J }?0
Ditos de 14, p^cur^ ;| ^IQOO
So na ma &.Crpsnp n, ^P,,^ia de Qpilberme;C.
da i.jrn|y< i8 C._________^________________
"I1 "--
E

t- Vende-sc urna m.^lviidu--ia:pMi Kftito.,es|ado : -a. Hi,t^ a r,ua(4* ,a|a lis n. '8, I." andar.
ratwo nato,
Oaeeicae ipr.-tas'd li lrepwala : -mos areavens .de .IWw) '*Mnao & C,
: ip-j tai*dr cftjnlb 1.
^fas fciter]jn5i.
Vnode-se ,no aemaiciii de uendas de Augusto
, a>pijv^ra| ^.a^|UfH^ll)C'Wtf'fCQ'B->l-
Aviso. >fc.femJUais.
S4."
Jlaroa idoLivTemenlo n.-fi, wwle-se fcoiJao
trancado tf Wius Urpura-. 00111 \\man -dewiio a
5O0m. '*aTa, faaada qtet?mnre'cii a vara.
iVande^e un mbridlet ingloz de duas rfldn?
e cum i|uatro asscotos,.0'>r prehiurasojivel para
ver na ftohlwiaa da m.i do linda; e a tratar na
rui Piruita n. 10.
Taveirni
Vende-so a, t:iivBnna 1 ila tcavosa da na dos Cku
zes.q.-, ciaai poui'esrfuadjs, propria jara priuci
', pnle : tnatiir oa^naesnu.
' .'i.V !','!/ ifaL.'/; --
VenacrftB
embro da Academia de Medicina de Pariz.
Medico em chefe do Hospital de S. Luiz
ACCiO PODEHOSA E MFALUVO.
'Mo cumpletu na cura das
MOLESTIAS DE PELLE ANTIGS
Vicio do ansie, impigeiM, eerofUa
fi linios oa aifUculc, <|D<- 1 arpeiMk-i!>
fia docnvoa <'iMiiiialas (jpbvUlllcaa)
letra ou ini-eteradaa
E 1EKLDES A QltLQUE'OVTRO TBATAMEMO
Este XAI10PE i;o e um remedia eprclo. elle Ijij a.ipM-
1 ailo pela Arulemit de.Medicina o> Pars. Alrm 1 r>-ulla das numerosas eper(e,urias felas nos llnspiUj
de Pars, de Loadles, etc., e',r que este dcpura,Uyo t o
melhor, u jua arti>o e o ruis ctybniico.
Pars, n* 2. rua Poissoanirp,
Pharmaci DESLARI^IRS, spccesspr Je Boi'tigm
tposilo em todas tu Pharmacias e casas tfe f^rpgas
.sSSSIISE^
deYUOELN
Resulta das o|>servacoes colinda.- pelas sujfimi-
di-.dcs me ica-.-tas liospSla-'de Parf-.q'de c Xampe
pcitoral balsmico to dstiuct, e lllus;.-.- profesor
Yauqwli.x umpregado com sucosuo sempre igual
pai'i.ciiir
AS HifLAaiilACSES BUS SROICaiOSE imCCOES M PEltO
coi 1 luje ida ptlo npie de'
RQNC1HTE6 AGUDAS OU CJIRONIUAS
AUliu-i, opi*.pit, AATMivnMCtt
Deflmus, '(>?' 1'IjWw, iit'ii.cw) da voz.
4AS6A, felaf*i uw Tqnil ea^radaaisalc*, ura
piropo ni'dicflmpiitopVaae ps}oasnija Vifra, w
a'0:'>/'iy<"iu\ a ful/iir wni'v. P,fis, l'naiuiacu
'yAtjQELriV^liLAyRt'n, rua dHry, 31.
hpMta IrV'ff^Wi^WWftt
l'-nicx-tl^Mirsiti, aoudc se aclia avsuijLi
casa de i'. Muver' jfl.
Rua du arau daVictoru d. 95.
I

Tj
A veraadeMa.c^ja xia &$. marea baa-
te
hatos &
BHiuer i
!'M'| "I ,'|
a tovernajia nra lio
r^hic'ipiHrife, por ter
nwsma. T '
propria, para
: 'a irat.ir'ai'
Fio d algodSo da BaJa dalrbj.'Lisboa,'M-
centemente i^toaaeJii : M 'ipara vender no es-
criptorio i|J(iaeai Jii4kiral\es Beltrao Fi-
BICHAS BE HAMBBGO
As mais rece^^m^rpres,
Vendem-se na rmarmaoia e anjeara de Bar-
ttohmmM., r^fe^,r^pi4 Bn. ^



/
\
/
?
Diario-de /Fernarabuco Sexta feintf;T de Margo de MftS.
v
==
m E BROBZE
FABRICA DE MACHINAS
A' ra do BarAo i Triuwph^ (ra ddlrusu) ns. 100a 104
AVIISAM os.Srg., de.engenhoseao publico em geral, que teem recebido da Europa
grande sortmento de ferragejis para engenhos e para lavoura.e quaesquer outros usos
e misares da industria agrcola, o quetudo vendem por procos razoaveis.
Formas para aSSUOar pintadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VaDOreS 'M)"sontacs e verticaesj bem conhecido6 .nesta provincia e fora della, op
* raelbores que teem vindo a este mercado.
JlOeilClaS completas de diversos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
JMCiaS moenaS para asseotarem grades de!raadeira.
laixas Oe lenO de ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
XOdaS 0. agua dedive*sostamanho6.
KOdaS entadaS de diversos tamanhos e qualidades.
ConcertOS concertam com promptido qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pesseal.
EnCOmUiendaS -Candara vir por encommendada Europa, qualquer rsachinismo,
para o que 6e correspondem com urna respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Ra do Barao do Triumpho ns. 101, 102 e 104
FUND CAO DE CARDOSO & IRMO
MUITA ATTENC0.
9
Soares Lehe A IrmSos, com lqja de miudezas ra do Baro da Victoria n. 28 'ou-
tr'ora Nova) pedem muita attenco para os precos abaiio especificados :
MIUDEZAS.
Duzia de mias para homem a 35, e5$
CK>00.
dem idem para senhorasa i e 7?000.
Lamparinas gaz a 13X)00.
Grosa de botOes de osso para caiga
200 rs.
Grinaldas para casamento a 2? e 5-TOOO.
Duzta de baralhos francezes canto doura-
do a 3S>600.
dem idem idem lisos a 25500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 19000.
Pecas de fita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem de grosdenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira e char-
lte.
Mascaras baratas.
Chapos para serthoras a-8$000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a.l200.
dem idem. kananga do Japao a 1^200.
dem idem divina a .19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
Frasco de oleo oriza e philocome a 19000.
dem idem antique a 400 rs.
Abotoaduras para collete a 200 e 320 rs.
dem idm para punhos,a,320 rs.
Talheres cabe de viado ( imitaco a 39000
a duzia.
dem idem cabo branco 2 B a 59500 a du-
zia.
Caixa de linha branca com 40 novellos a
500 re.
dem idem de marca a 240 rs.
Magode tita chinza a 19000.
Coques .modernos a 3950O.
Resma de papel pautado liso a,9800, ,39,
39500, 49000 e9D00.
Caixa depapel amisade a 600 rs.
dem idem idem boina Jourada a .800 rs.
Caixa de envelopes forrados a 700 rs.
dem idein de cores,a.500 rs.
Caixa de .pennas Perry a.80O rs.
dem idem a 400 rs.
' ivros para .notas a,320 4O0.rs.
Redas enfeitadas a 19300.
Trauma de caracol branca, a 400 rs. o
mago.
dem lisas ,a 200 rs. o maco.
Microscopios 'sem vistas) a 29000.
Duzia de eras de cordo imperial a
320 rs.
Indispcnsaveis de couro da Russia a
109000.
Leques para seuhoras a 29000, 49000 e
79000.
Vara.de fita osese larga (hoje grande
novidade] a 49000.
Duzia de collarinhos borjados para ho-
mem a 89000.
dem idem lisas a 65000.
Duzia de cachimbos pe de gallinha a
29500.
Ideen idem de madeira com tampa a
39600.
Opiata muito boa e fresca a 19, 19500 e
29000.
Tnico oriental.de Kem a 19000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez o que ha de
melhor, 506 rs. e 19006.
Maco de sabonetes inglezes a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa a 29500
e 39600.
dem idem com flores a 19500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
39500.
Agua de cologne, banha em frascos e
mmtas perfumaras de gosto e baratos.
QINQUILHARIAS
Mascaras, brinquedos para criancas, bollas de borracha, tambores, cobras de madei-
ra, etc., e muitos objoctos que se tornara longo mencionar.
28 l!ia do Har da Victoria 28
Arados paralavrar a trra.
Carrinhos de mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos, d'arame para fi
Foges de ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
Pregos americanos.
Tachos ,de forro estanhado.
Machinas para descaro^ar algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Baiancas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES RA DO BOM ESUSPC4.
Aderaros de bri-
lhants* esmeraldas '
rhins e perolas, |
voltasde jurlas.
mt0mmmM
A
Obras de ouroe
prata de todas as
qualidades.
NOTA LQJA DE JQIAS
K.
2 ARa do Cabug K 2 A
DE
* B4RKO* II IIO
Achando-se completamente reformado este estabelecimento, e
tendo 06se4fl proprietarios feito urna importante aoquisi^ao de
jias-a* mais modernas vmdas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidan ao respeitaVef publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim apreciar ecomprar urna jola de gosto por
preco razoane.
Boa acquisiee.
Vende-senmft o*"n na mn- imperial n. 940,
de \Kt e al, era eaixifc n*nria ipata estafe*
lecjmato, tenu.Gojihha interna, Pom ?uai, bom
qiHntai todo murado,'com (jafinhae ^abid
fund
a tratar na casar
W'JK
Podra marinare.
Da melhor qualidade e para todo genero de
tira, retelba-sp poi-.precpi conreados :
g* Madre de Deus n. 9.
na ra
Veas-se, arrenda se ocf pamata-se, yor
trras qa irvam para plantar carina, apad aria.'
i >iia no patee da eira no povoaqo dos Mr nte*; a
tratar com seu propriejtrio no Bjesnjo PQ^ado i e
; para.informawS, com os&rs: HdehLim3 Gf\-i
maraes, i rn *J Boro Jesus(ttt^ra da Ota*) .!
16, ou comSe. QMiwIfli afia Frejre, no
Qm-.to ApJlo,j>'gat-cidade.__________ .
Tettetr wt, cidade.
Vende-Se um terreno na ra topejial. CW.
llfl palmos e frente e $w de fuhao, m pro-
prio, atterrado, porto no funda .para escnica
de materiatw : p> tratar na casa contiena -:|(
ou na ra Nova, foja n. 7.

i

HOWE
SOARES LEIfE, IRIOS
UNIOS AGENTES
A'
Ra do llin'ii da Victoria 11. 28
Esmeralda
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante sortioiento de joias de
ouro, do melhor gesto e qualidade qee tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettrasde diamantes'o pinturas tinas, aderemos o meios aderemos com podras fi-
nas, etc., etc.
Relogios de ouro, de differentes gostos e qualidades, para homens e senhoras, desdo o
preco de 40&000 at 3009000, sendo estes urtimS'de Tnchinismomais aperfe^oado pos-
sivel c guarnecidos com diamantes.
Ditos de prata de 10-WOO e iOfOOO.
As mis simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposico de Pars, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
rlo da Legifto de Honra, por serem as machinas mais per_
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de
tura.
<:os-
A medalha de ouro na exposicao de Londres acreditam
estas machinas.
MJA DO ABUGA 51, 5
A MIARTE* G.
!
A 90S000



RECEBEU
Apparelhos de mesa,de C. Christofle do Pafi, .fabricante de
plaqueo mais acreditado ua Europa, tanto na qualidade como
na limpeza dos-seus modelos.
Faqiiejros em caixa, colkleres em duzia, apaTelhos de cb,
bandejas.de todo.tmnaoltJ^galheitairos, serpentinas, castirai^,
sal oirs, -l'ari nheiros, etc., ote.
Recebeu tambem
Grande -sotimento de qnadros muitos .vivos, com asestam-
pas, as mais bellas vindas nesta praga.
Recebe encoramenda para kj Porto, 4 Medalha
Ouro.
O MAIS F OH SOSO
TNICO E FE'BHMOO
B KSl'IH, B P%BI
Iremio

rBEBUD POI I,* CISKHIA Bl
ausNA
LAROCHC
16,000 F
eo*
ELIXIR TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICAVFK E REPARADOR,
P|wrlr M*Vtak eunreilleffilu.
Experimentada com pleno successo nos bospitaes, a Qnnu Lahoche (ou Extracto compktA
de Quina) urna preparado excepcional, por ser privada do amaigo d,vQuiaa. Agrada por
conaeguinte as pessoas as man intolerantes e aos paladares os mais delicados, pois nem
muito doce nem muito viscosa, sendo de ama limpidez cosUnte. Emprega-se com niuilo
proveto nos casos de : gastralgia, yspepria, nevralgia, anemia, marasmo, cachamos,
magma, fasiio tem causa apparente, umi>aUetn(at .enumida,.calera* t ucrofhuUts.
E 0 ESPECIFICO DAS MOLESTIAS FEBR1S.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA parii,
ncu'iodo todas as propiedades do ferro tt di Quina. 15, ru Drouot.
Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de .No.a-
ork, stabeieceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, ura deposito e agencia
geral, paca em Pernambuco e mais provincias se vendercm as afamadas machinas de ees-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesma qualidadadolinha que qualquer outra,
e pela introduego dos mais aperfei^oados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
oereeer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguintes:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavcl, a
circunstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas do. Howe em segun-
da mo.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Tereeira.Ha nellas menor fric^o entre as diversas peras, e menos rpido estrago
do qne as outras.
Quarta.Formara o ponto como se fra feito mo.
.Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os os, o que se nao cousegu
iiasoutras.
Serta.-r-Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
e "logo em* seguida, sem modificar-se a teuso da linha, cozem a fazenda mais
ifina.
Stima.0 compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
I de agulha ao comegar nova costura.
Oitava. Muitas corapanhias de machinas de costura, tm tdo pocas de grandeza e
1 decadencia. Machinas otr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudanzas radicaesparapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a qpinio de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
' augmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
: por dia.
i Cada machina acompanha livretos com instrueces em portuguez.
A 9e>000 A 90^000
SQARES LETE, IRMOS
A'
Ra do Barao da Victoria n. 28.
Vende-s na pharmacia de ar ei C. roa Nova n.5.
Samuel Power Wm**'
ton & 0.
-Ra do apollo u. 38 e 4(1
l|t;' Faem scieme.aos .seus trigueres queteei
r^5& mudado u >eu deposito de maclllDA a va*
^S.11 por, rooend?< e lavas da .milito firetfteda
Wfi} bMk de LnwKopr par roa do Apolto*,
f5@ 38 e 40, ODrte c?nnuuaro ier o.Dteomo^ori
"Sj^; iim.fnto do contorne.
Faiem seienii lambera qae leniu 'eiio o;rt
^*^ a-ranjo coro a fondicr ptbI. to n*e,!>'i
^w sir offerecer-sft p*r> MmoMr qnalooef
^'y tcachici-mo e roesmo ganntilo.
Apparelbc para fabricar assnrsr, de
WBSTON CENTKEFUGIL
Uoieos agentec^cm'Rersambaco a fnodtcao gersl.
Paca tratar em se encripwrio n ca Os proprietarios da fundicao geral taiem
ciento ao ^eoborss de engeoboemats
.pessoas, qw teem eetabelecido urna undi-
cao de ferrrt e broiie a ra do Bruto, jun-
to a lace dos'bouds, onfle aprontario '%[
qtiBlqueriobaide ewumomnda ion perfei- ^v
?o eproropiidao. 0L
,0s memo rtigam aspes'oa qtre.quei- >
r:;rb ntlllsaf'-e" de stas gerviccte de detxa-
rem a encommondas em easa dos Sr. ?*']
imoel WWer Jfl*D9|in'& 'C^airua io Ap-i-
,1" o. 3.40,Ottdfl-acbai:operena babili-
tada com iqem >uiam entendr v.
Vsteraa.
Lindos vestidos a 5$ o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e de percalia com barra e de daos
saias, acompanhados.dos competentes figurinos a 59 cada corte. Vendem na Bttft-Fri-
meiro de llardo (antiga do Crespo) n. 13, loja das columnas de Antonio Correa de Vas-
cellos.
Tjvlos franmes sextavados
De J .V-OOO a .1.1MWO
o niilheiro.
Estes trjd'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilbar os pavimentos
terreos das casas, porquanto,j)ouco mais custan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
algum, superiores a estes pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custam, alm disto menos da
dcima parle dos de marmore, j reprovados, e
dos de diferentes mosaicos, os quaes nao estao
certaraente ao alcance de todas as fortunas, e so
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem qne ha no emprego
oestes lijlos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidade, attento a sua solidez e ponco |
peso, estando mais que provada a conveniencia
de serem assoalhadas as cozinhas todas de tijolo,
e nao s a,parte junta ao fugan, no que at as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Vendem-se nos armazens de larinha de Tasse Ir:
maos & C, no caes do Apollo.
coirsTiPACAo
M
la
luunn
kWH
Charutos de llatana
pelo ulti-
De diversas marcas, receberam
mo vapor.
Bourgard & C.
15 M BB HMttUEZ BE LH
Vende-se
um excellente alambique todo de cobre, quas
nev, e com duaa serpentinas : a tratar no enge-
nto Massangana, do Lati.
" SAUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DE
BARTH0L0MEU & C.
34Ra larga do Rosario34
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 5 da ra do Rio, na fregue-
>iadoPcoda Panfila, com 3 salas, 6
quartos, 1 saleta, despensa, cozinha e quintal mu
rado, cujo predio acna-ee concertado, caiado e
pintado de novo : a tratar com o commendador
Tasso.
is
CHEGOL
0 bacalhao da Noruega, em caixa? e meis
ditas : 00 cae* da Alfandega n. 1, armazem de
1 Tasso IrmaM & C______________________
Vendo-se cal nova de Lisboa pelo meaos
preso do que em outra parte : na ra de Peda
Alfonso D. 5.
Peitoral de cereja
df Ayer.
Para molestias poto, pulmes'fl Igar*-
fanta, taescomodefluio oitlossa, cfoupv
astbma, oipbteria, broocbites,ptty4icfl,.eo,
etc.
Pata .parificar o saiig e hvrar do veneno
de oscrofuias, srpfiiUesin. todos i.s seu^ tulle-
ren tes e numerosos ramOs^
Remedio de Ayer
Para aezSes.
Contra as febres intermitientes, febresre-
raitteotes, beliosas e toda e qualquer mo-
lestia que tem sua origem no desarranjo'
L da bilis.
Pilulas catharticas
de Ayer.
O purgante' perfeito ; pde-se empregar
por todo o effeito de um cathartico ; ou jun-
tamente com os outros remedios de Ayer.
Todas estas DreDaraces sao compptta* faumwidQi} especial tanto na escoHa {e mesmo cultivafio) das drogas de me sao feitas, como na sua decoro ;
todaaconttem^dSr^Se^ se pode produrir, e vos julgamos muito superiores a todos que neste ge*** tem *
tauV> ao povo.
e temos
aproen-
Vendem-se em todas m prineipaes
i
e
pharmacias de Pernam-
imperio.
PjtbrJfl M't .,
Salsaparrilha- d air..
'tfWW'elTTWrm
Plalas d kym.............. cada vidio.
'N:"fio-i0s,Vt(bdi(t-dl3. C* :Ayttf"M ftoterTaedititiaVv8Bi'ae0iwpaba*o'
Cbtt'roitilt'^enTvfltrlW^'^W^^i >ra todas as instruccesi#*r5t*e>aew'j"'
como protecco coatra as fraudes' tratem irrpreflsadfls'em brohzeTtostbirW d'cana'waro
os Domes'dbs tbrts agentes gtfraes no imperio do Brasil
W. B. Caei *7.
AGENTES B08 SS. *. C. AH "C*
Agent teta provinciaJ. Doy le, roa do Corameroio a. 38.

.. !
/f '



'
8
Diario de Pernambuco Sexta feira 7 de Margo de 1873.
ASSEMBLEA 6ER4L
CMARA hOS REPUTADOS;
DISCURSO PROFERIDO KA SKSSiO DE 14 DE
JANEIRO DE 1873.
0 SR. GUBVO I-OBO (iloviiaeita de
attengo; profundo silencio) : Sr. pre-
sidente, o nobro deputado pja provincia do
Rio Grande do Sol que ueste momento dei-
\3 a tribuna, nao levar a mal que, expri-
milo a adnimeo que ;uo inspirara as
formas atleticjs de siia elocuencia, manifes-
t ao mesmo lempo ui.nmeuso pezar eom
que tenho observado o s,!u uicasjuHd esl'or-
go por abalar os firma los crditos da repre-
sentado nacional, desdobrando peante o
paiz um quadro pungente um que as prero-
gativas parlamentares figralo abat las, dir-
se-hiahumilhadas, na lamentavel attitudeda
raais dolorosa resignarn.
Hontem, era a m.iioria esta Ilustre
maioria que couta em sen seiu dedicagoes
experimentadas,
espintos
rrandeinente cul-
tivados, talentos promettedores, e mais que
lulo isto, eonviegoes tao robustas como sin-
cerascondemuada por una s palavra e
palavra cruel (uiuilo bem, : maioria de il-
ustres desconhecidos Como se as portas
d) parlamento nao devessem escancarar-se
senit) para lar passagom a festejadas cele-
bridades, s raras notabilidades que o paiz
eonhece, impossiveis aos mo$os, impossiveis
nova gerago que faz as esperances du
paiz (Muito bjai.) Como se os grandes
vultos de que a historia poltica tein razo
deorguhar-sc, ehegassem grandes ao par
lamento I
lloje, a cmara que nao zea as suas pre-
rogativas, as suas importantes attrihuigoes
constitueonaes ; a cmara que se curva
ao aceno voluntarioso do poder que se molda
s voliges omnipotentes do governo ; a
cmara que o governo fahricou !
E hontem como hoje, a representadlo n*
cional que, na linguage.n habitual do nobre
deputado, est e mjstra-se apeiada do emi-
nente posto que tfae compete do mecanismo
poltico, silenciosa chancellara !
Nao presente o Ilustre deputado que, na
deserida carreira em que vai arrebatado,
amonto obstculos que algum dia podem
erguer-se contra todos os partidos e offere-
eer a todos a naais diflicil das resistencias,
cssa que vem da descreiiga do paiz, doscep-
ticismo poltico, ultima expresso da deca-
dencia ile urna sooiedade I
A opposicao, Sr. presidente, como quer
que ella se chame,nao tem rnente direitos,
tem altos deveres a cumprir. K nao se-
guramente o menor de entre elles o de con-
tribuir para o jogo regular das instituires, o
do velar pela platica sincera e escrupulosa
das leis : este sendo o meio de firmar no
espirito publico a excollencia do rgimen em
que a nossa vida poltica tem a fortuna de
d *envolver-se.
(uaesslo estes fados que podem attestar
a decadencia das prerogativas parlamenta-
res Sus deveinos ao paiz toda a verdade
scO reserva, sein reticencias ; elle quer sa-
I)"-la e deve sabe-la. (Apoiados.) Porque
ts attentou O governo contra as altas at-
tribuigoes que nos oommette a constituidlo
poltica !
Governo o maioria, forara involvidos
; el i Ilustre deputado na uiesina censura. 0
governo aunulla a cmara ; a cmara resig-
narse.
Has o que tem o paiz presenciado ? Fo-
ram circumstaucias anmalas, excepcionaes
que motivuram urna uova prorogaco, pro-
rogacio provisoria, cojos eueitos nao podem
durar inuito tempo, da lei do ornamento de
18T01871. (Apoiados e nao apoiados.)
NO evitando nenliuma das graves res-
ponsabilidades que lhe incumben!, o gover-
no deu-se pressa em vir ao parlamento a so-
licitar os meios indispensaveis administra-
ra. 0 chefe do gabinete veto mais de urna
vez tribuna a dar estendidamente as ra-
ides da medida proposta, rendando por este
modo aos eleitos da naco a justa homena-
gem devida representago nacional.
O Sr. Duoue-Estraua Tkixkira d um
aparte.
O Sr. GusmAo Loro : Em se tratando
de assumptos qu cntendem coin a receita e
despeza, altamente honroso que os nobres
ministros, nao desconfessando o direito de
suprema lisealisaro que ao parlamento com-
pete, antes rendeudo a Cota elevada proro-
gativa todo o respeito de que ella credora,
oorram tribuna como a um posto de hon-
ra que nao poderiam desertar sem incorrer
na mais grave das censuras.
liste facto que abona os UOSSOS hbitos
parlamentares, e em que se pode ver distiuc-
ta urna homenagem do poder que executa ao
poder que faz as leis, cometa por ser um
protesto contra a supposta decadencia das
i. issas atlribuigocs coustitucionaes. (Apoia-
dos.)
Entretanto o nobre deputado que se ac-
clama defensor esorgado das prerogativas do
parlamento...
O Sr. Silveira Martixs : Rio disse
tal.
O Sr. GusmAo Lobo : .. interpreta o
facto de um modo deshonroso ao governo e
cmara. Em vez de louvar a nobre atti-
tude que toma o ministerio peranto a repre-
sentago nacional vem dizer-nos : Vos nao
sois maioria dedicada, resoluta, convencida;
deixastcs ao governo as responsabilidades da
discussao que todas vos cabiam. A tribu-
na ahi est vasia ou servida por algum dos
membros do poder executivo. Abdicis o
vosso papel e os vossos deveres. Votis
silenciosemente : eis ahi tudo.
E' corto, entretauto, que nenhum dos dis-
cursos da Ilustre opposicao ficou semas
honras de urna inmediata resposta.
Um Sr. Deputado : Dada palos mi-
nistros.
0 Sr. Gusmao Lobo : Ao discutir-se
a prorogaco que neste momento lei do Es-
tado, um dos mais Ilustres membros da
maioria, digno relator da commisso de res-
posta falla do throno, fez ouvir a sua au-
torisada palavra. Estavam inscriptos outros
oradores. Se nao correram tribuna, que
um distincto membro da opposicao julgou
de hora aviso nao prolongar urna discussao
que fftra desenvolvidamente sustentada du-
rante alguns dias. (Apoiados.) Ouereria
o nobre deputado que nestas circumstancias,
a ser discutida urna lei de meios que os
acontecimentos faziam inadiavel, concorresse
a maioria para alimentar desproveitoso de-
bate ?
Por mais que me reconheca obscuro e
sena stgnificaco poltica (amitos nao apoia-
dos) eis-me aqui por parte desta Ilustre
maioria que faz a forra do gabinete. Feliz
por encontrar-me pela primeira vez cora o
nobre deputado, vou ter na consideraco
que merecem muitas das aecusagoes e des- aj>rceber-se que, se grandes despezas sao I liberal, e neste em escalajnais larga, o ira-
cabidas censuras que lhe acabamos de ou- votadas muita vee sem o detido exame que posto entrou por vezes para o thesouro na-
vir. O nob deputado comece a ver que deviam motivar, Do pouco concorre paw| cional, nao por torga de urna lei deorga-
a maioria comprehende toda a extenso dos este resultado a forma da discussao adoptada
seus deveros. No longo estadio parlamen- em riossos estylos parlamentares. (Apoia-
dos).
tar que apenas se abre, ella saber desem-
penhar-se do todas as responsabilidades, qiie
sao a partilha das conviccoes profundas.
(Apoiados.) '
Em seu systema de censurar a tudoeia
todos, deixou o nobre deputado cahir urna
Ad verti o nobre deputado por Minas Ge-
raes que, se a ministerio tomasse ao serio
isto de orgaraeutos, enoquizesse converter
o provisorio em permanente, farto de vivera
vida das prologares, nao faria discutir urna
em amor s boas
a
phrase equivoca que consagra amis ac- proposta Caduca como a que regular o
bada iujustica Acamara tem sem duvida exeorcieio de 1872 a 1873. Pois que de-
em memoria o modo desattencioso com que corrido o primeiro semestre desse exercicio,
o nobre deputado julgou a bem dever refe- e naturalmente a proposta nao ser votada a
rr-se, uo intelligentissimo Sr. ministro do tempo de regular algunspOucos mezes sequer
imperio, como ss o distincto joven a quem do semestre j eomecado, cumpria ao go-
S. Etc. encontreu mvariavelmente a seu verno que presidia a* organis&co das actuaes
lado nos bancos de honra dos primeiros es- commisses o dispoe de umatrande maioria,
tudo-., o espirito severo eorganisador que reenviar a estudo a proposla que est a ser
todos cnhecamos (muitos apoiados) o ho- discutida para que, reconsiderada e posta por
mera que se formou na impreiisa, ua tribu- accordo com as novas uecessidades, nos fosse
na judiciaria, na tribunados comicios po- olerecida conjunctameote com a proposta de
polares (muitos apoiados), despendendo 1873al8."4.
gran le soniuia de actividades de applaudido Se o governo uto o fez e noofar,
talento a servico dos mais importantes di- que traz meditado un additivo para sorpren-
reitos da ordein poltica (muito bem) o par- der-nos com alguma nova prorogaco. E'
lamentar que nunca deixou desoecupada a urna ciladaque o governo concerta contra i
tribuna todas as vezes que a ella o appellida sua maioria ; o provisorio substituindo-se
o dever, nao fosse dos mais habis e com- invariavelmeute ao permanente. Estes sao
potentes para as honrosas lutas da palavra os receios, as appreheus&es do nobro deputa-
fallada I ,do
Ao exprimir-me por esto modo a respeito E' primeirameute corto, Sr. presidente,que
de um amigo ntimo, um amigo da infancia, por nenhum facto o governo revela a inten-
no obe leco tmente a impulsos da amiza- cao de manter-se fra do rgimen de urna
de, masa reclamos da justica. Quando lei de ornamento. Mostra-o, mais que mui-
outro mrito nao recommendosso ao paiz o to, a solicitude com que o governo tem pro-
Sr. ministro do imperio, a sua fecunda ad- movido a discussao da proposta que nos oc-
ministraco seria do si s urn valioso titulo' cupa.
capaz de firmar urna invejavel reputaco. Se a Ilustre opposicao,
(Muitos apoiados.) praticas constitueonaes e em homenagem
Deixo margem, Sr. presidente, o dis- principios que o sao de todas as escolas poli-
curso que a cmara ouvio ha pouco para ticas, quer de sua parte contribuir para que
oceupar-me desdo j com o que proferio em este estado de cousas, que ella chama-o pro-
urna das ultimas sesses, o nobre e infatiga- visorio, seja substituido pelo verdadeiro re-
vel deputado pela provincia de Minas-Ge- gimen que deve regular a receita e a despe
raes, to antgo como distincto parlamentar, za, tem sua disposico os meios de o
Entre outras, urna razo ha que determina obter.
esta preferencia, muitas das consideracoes Depende della em grande parte quasis
hoje expostas pelo nobre deputado pelo Rio della depende o ver apartada essa ameaca
Grande do Sul tinham sido.com urna leve que nos annunciou o Ilustre representante de
inodilicaoao de forma, trazidas discussao Minas, essa supposta trama do governo con-
pelo honrado representante de Miuas. A tra o exercicio da nossa mais importante at-
mn e a outro, pois, tocar a refutaco que tribuico constitucional,
vou offorecer-Ihes. Estamos anda em comoco dasesso, e ou-
Pareccu ao distincto liberal que o orea-; tra deve seguir-se-lhe sem ntennittencia.
ment que vai sendo discutido mais urna Sao oito mezes que ahi vem de trabalhos le-
anomalia, mas urna dessas singularidades'gislauvos, dia a dia continuados. Naoes-
queo ministerio ostenta sem plausivel justi-, pago bastantemente largo, para que possam
licaco. ser discutidas e votadas as propostas de 1872
Antes que a Ilustre opposicao tenha tira-:1873 e 18731874?
do a limpo quaes e de que natureza soj Sem prejuizo da discussao, sem abdicar o
essas singularidades, nao me dadoconhe- direito que lhe compete, eu diria melhor o
co-las. A discussao que versa neste mo- dever que lhe corre, de instaurar aprofun-
mento sobre o ornamento da marinha, dis- dado exame sobre a receita e a despeza, a
cussao ampia, sem restneces, to brilhan-' illustre opposicao pareca conspirar comnos-
temento mantida, nao pode sem a mais'co como bons amigos o systema representa-
grave injustea ser vista como urna ano-. tivo para que proposta de 18721873 j
malia. adiantada na discussao, podesse seguir-se a
Causas conhecidas do paiz, e que nao de 18731874.
viria a ponto recordar, causas muito discu-1 (Ha varios apartes).
tiilis c soberanamente julgadas pela naco I Nao; nao elimino o exame. Eu no'po-
tinliam motivado a soluro constitucional de deria pretender da illustre opposicao que vo-
22 de inaio. (Apoiados.)
O Sr. Martinho Campos :Nao apoiado.
O Sr. GosmAo Cobo :Aceitemos os fac-
tos como elles sao. Teremos pelo correr do
tasse silenciosamente a proposta. O governo
nao o quereria ; nao o quereria tambero a
maioria. (Apoiados).
Aponto fados. Em regra bastam tres
tempo sobejas occasies de estudar, tao pro- (mezes para que a proposta de um orcamento
fuuJmente como merecem, os acontec- seja examinada, discutida e votadaemam-
nientws que estao na memoria de todos. E'bas as casas do parlamento. Assim em
de una historia de hontem que se trata, o'1827, em 1828, em 1830, em 1834, em
paiz conhecc-a. (Apoiados). |l840; assim em 1853, 1857, 1859 e
Estava a ser discutida a proposta do orea-, 18C2.
ment para o exercicio de 18721873,! Eu nao pretendera ver tolbida a discus-
quando sobreveio a crise que se resolveu sao; fique isto assentado. Mas quando so
pela dissolui;o. Que culpa pode caber ao' quer sahir do que se conveio chamar o pro-
governo de enlo que o governo de hoje,; visorio, era exigir muito o exigir" da nobre
que urna dolorosa necessidade o tenha obri-1 opposicao que, abandonando o toro etnpha-
gado a nao ficar apparelhado com os meios tico dos longos discursos, contribniss para a
indispensaveis alm do Io semestre do exer-. votaco de urra proposta, cuja discussao est
cicio de 18721873 ? j adiantada ?
O Sr. Duque-Estrada Teixeira :Do-
lorosa, nao; voluntaria.
OS*. Gusmao Lobo:Os que sahem dos
acontecimentos um pouco particularisada-
mente nao recusaro ao gabinete a justica de
acreditar que se por urna prorogaco que
Disse-se que o governo tem apparelhado o
fallado additivo que prorogar a 1873
1874 a caduca proposta de 18721873.
O Sr. Martinho Campos : Apoiado.
O Sr. Gusmao Lobo :Que seja assim, o
que vem d'ahi que deva inspirar-nos receio T
se arrecadaram os mpostos e se distrbuio a. m que podem perigar as prerogativas parla-
despeza no semestre passado, e se ser ainda mentares?
por outra medida de igual natureza que se re-
gular no semestre a comeear a receita e a
despeza, este facto, cmtodo ocaso lamenta-
ba varios apartes).
Querer-se-ha que, terminado o exercicio de
18721873, fique o governo sem meios
vel, somonte podo ser com razo attribuido para 18731874 ?
a circumstancias de ordera extraordinaria, L'm Sr. Deputado :Votasse-se a propos-
que a previsto poltica nao poderia ter apar- ta para o futuro exercicio de preferencia a
tado. I esta.
Manifestada desde os primeiros dias a ses- O Sr. Gusmao Lobo :Mas porque privar-
sao legislativa de 1862, a crise afigurava-se se-hia a cmara de conhecer da proposta
ile natureza a nao poder durar muito tem- para 18721873? Nao est ella neste
po. Evidentemente, a illustre opposicao ti- mesmo momento exercitando urna importan-
nha pressa de urna solucao, qualquer que | te attribuico? Pode urna proposta ser
ella fosse. A maioria de um voto era natu- supprimida sem offensa regra constitu-
ralmente impaciente, soffrega (apoiados e J cional ?
nao apoiados), para que se resignasse a acei-1 Se illustre opposicao parece to avessa
tar discussao da proposta do orgamento, tan- aos bons principios, a medida deque nos sup-
to mais que sentia o governo habilitado com pe amearados, coopere para evita-la. Mas,
urna prorogaco que alcancava ao fim do pri-. em todo caso se um additivo fizer extensiva a
meiro semestre do exercicio de 1872 18731874 a proposta para 18721873,
1873. esta providencia nao impedir que, dispondo
A cmara e o paiz sabem, e muito justo como dispomos de largo tempo, possamos ver
que nesta occasio o record, que o governo discutidas e votadas urna e outra das pro-
fez de sua parte quanto podia para adiar urna postas.
solucao da crise poltica de 1872. Com ra-
zo ou sem ella, pois que nao este o mo-
mento de discutir um tal assumpto o gover-
no reputa va a maioria que o ameacava como
accidental e ephemera.
Discutia-se um dos ornamentos quando a
illustre opposicao julgou opportuno propor o
Dado que as duas casas do parlamento nao
possam antes do primeiro semestre do futuro
exercicio votar a proposta para 18731874,
o governo nao poderia, sem assumir urna
desnecessaria responsabilidade, deixar-se
sorprender n carencia de autorisaco legis-
lativa. Ainda ha pouco vos o aecusaveis de
adiamento. Este facto responde persuasi- n3 se ha ver habilitado ao tempo da sesso
vamente aos que possam pensar que, resol- do uUl,n0 anno Para todo futuro exercicio;
vida a crise em favor do gabinete, fosse de a80ra aecusars por urna possivel medida
seu dever apresentar-se ao parlamento para que as circumstancias podem determinar
dizer-lhe :Pois que a urna verdadeira col- c?m0 nico meio de evitar um rgimen
liso entre o poder executivo e o poderle- dictatorial. (Muitobem).
gislativo que vos queris chegar, dai-vos Todos os vossos oradores teem repetido,
pressa em conceder-nos os meios de gover- quasi P^65 mesmas palavras, que o governo
no.Ou ento :A vossa dissoluco um quer viver vida de prorogacoes.
acto resolvido; votai o orcamento com dis- J SR* Martinho Campos :E' a ver-
cusso nu sem ella. "ae-
J o disse desta tribuna quem o podia di- O Sr. Gusmao Lobo : O governo que nao
zer com inquestionada autoridade : As foge a neuhuma responsabilidade, que nao
nossas praticas parlamentares esto ainda se arreceia do mais severo exame de seus ac-
longe deste grao de perfeico. (Muito bem; tos, nao pode ter interesse em arrecadar a re-
muito bem). ceita e distribuir a despeza por leis de excep-
E attendei bem, sanhores, queem22 de cao. (Apoiados en fio apoiados).
maio sentia-se o governo habilitado com os j E as prorogaedes, que eu reconhec/) um
meios necesstrios administraco at 31 de, meio excepcional de governo, podem parecer
dezembro Era em taes circumstancias que estranhas aos Ilustres representantes da es-
o gabinete deveria appellar para urna cmara cola liberal ? E' de hoje ou de hontem que
que lhe .retirava a confianca, para a genero- o paiz tem sido regido por semelhantes aato-
sidade de adversarios, a pedir-lhe com qual- risaces legislativas? Excluem ellas o su-
querprec/)um orcamento? premo direito de fiscalisaco que ao parla-
Muito de industria, Sr. presidente, nao ment compete ?
quero deinorar-me* nesta ordem de conside-1 Vou citar-vos datas. Bem sei que podem
racoes que, alias, seriam aqui descabidas, desagradar-vos; e devem desagradar-vos.
Os que todos os dias formulam queixas con- Mas ouvi: em todos os tempos e situaves,
tra a verdade dos nossos orcamentos, deviam no dominio conservador como no dominio
monto, mas por forca de resoluces proroga-
tivas. Respondem-vos 1843, 1845, 1846,
1847, 1850, 1858, 1859, 1861, 1864,
1866.
Algumas destas datas vos devem ser de
grata ou ingrata rocordaco. (Muitos e culo-
rosos apoiados o apartes dos Srs. Silveirn
Martina e Martinho Campos). E' que os no-
bres depatados desconfessam. a responsabi-
lidade que lhes cabo, como a representantes
da escola liberal ? (Muitos apoiados).
O $a. Martinho Campos :Nao. quere-
mos nem aceitamos solidariedade com os
abusos.
O Sr. Gusmao Lobo :Ha ahi datas que
vos devem impressiouar..
O Sr. Silveira Martin's : A nos, nao.
O Sr. Gusmao Lobo :E 1844 a 1848, e
1862 a 1868 nao vos fazem impresso ? E
vos sois liberaos 1 (Apoiados, muito bem ;
cruzo-se apartes.)
Onde vai a solidariedade dos partidos ?
Liberaos que nao se sentem solidarios com
liber.iesque renegara a escolado que vieram,
ou constituem um novo partido do que
preciso exigir os ttulos ou nao se represen-
tan no parlamento se nao a si mesmos !
O vosso mandato da escola liberal; os
vossos constituidles sao liberaos, foram no
em 1862 a 1868, este periodo nao vos pode
portante ser estranho. Concluir de outro
modo, desconfessar 1862 a 1868 mentir
ao vosso mandato. [Muitos apoiados e nao
apoiados ; cruzo-se apartes.)
O Sr. Silveira Marti.ns d um aparte.
O Sr. GusmAo Lobo :Do urna mura or-
dem de consideracoes iuferio argumento o
nobre deputado para fazer sobresahir a ne-
cessidade do ser reconsiderada a proposta
que se discute. Esta providencia pode e
deve realizar, no conceito do illustre repre-
sentante de Minas, um verdadeiro progresso
no nosso systema de impostes.
Impostes lancados ao paiz em razo da
guerra, e em nome de suas crudclissirnas
exigencias, nao podem ser mantidos cont
meio regular de avolumar a receita !
Quasi posso escusarmo, Sr. presidente, a
responder a esta observaco. Ninguom me-
lhor sabe que o nobre deputado que, se os
impostes de tal natureza nao podem consti-
tuir foute ordinaria da renda, nao justo
que cessem em quanto perdurara onerosos
encargos provindos da causa extraordinaria
que os motivou. E alias muito sabido
que laboriosa como em regra a arrecada-
co do imposto, nao ha a esperar deste re-
curso proveitos to immedictos to prorapto
como ao nobre deputado parece afigurar-se.
As cifras sao decisivas. Consulte o nobre
deputado as tabella ; e por ahi verificando o
quantum do producto desses impostes de-
terminados pela guerra, convencer-se-ha plt
mente de que nao chegado o tempo de os
supprimir. E' certo que nao temos urna guer-
ra a pedir-nos insaciavel renovados recursos ;
oerto que a honra nacional sahio inmacu-
lada dessa gloriosa campanha de cinco lon-
gos annos (muito bem) ; mas nao me-
nos certo que ficaram-nos encargos de or-
dem superior, iristissimo legado do urna
victoria to caro comprada. (Muito bem.
Lembrou-nos o nobre deputado o exem-
plo da grande repblica que so assenta ma-
gestosa o norte da America como um typo
aperoicoado em cujas praticas de adminis-
traco nos deveramos inspirar.
Vede aquella organisaco robusta, disse-
nos mais ou menos o nobre depntado, como
sabe tirar-se das dilliculdades. Debellada a
mais ingente guerra civil de que o mundo
se recorda, ei-Ia que volta aos trabalhos fe-
cundos da paz s guerras do trabalho, labo-
riosa, activa emprehendedora. Vencida
rebellio, eis que os impostes da natureza
excepcional sao supprimidos ; e em paz cem
os seus vizinhos, desambiciosa de conquistas,
lcenceia os seus exercitos, dissolve-os, o re-
duz a forca militar de trra a 12,000 ho-
mensao mximo.
Ua muito que admirar, Sr. presidente,
grande repblica ; os prodigios da sua ac-
tividade sao de natureza a dispertar o mais
natural interesse de urna curiosa observaco.
Mas essa admirago deve ser couda em ra-
zoados limites.
0 Sr. Silveira Martins :Natural-
mente.
O Sr. Gusmao Lobo :Nao l que deve-
nios ir aprender que impostes determinados
pela guerra nao podera constituir a renda
ordinaria do estado. Esta nao o s miiiha
convieco...
OSr. Martinho Campos d um aparte.
0 Sr. Gusmao Lobo :... tambera a
convieco do governo como a de todos os
amigos da prosperidade do imperio que nao
quereriam amontoar a fortuna publica a tro-
co do sacrificio de industrias empobrecidas
que, em um paiz novo e to mal dotado do
recursos de arte, tanto preciso de ser ampa-
radas.
Mas por outro lado avultados como esto
os encargos do thesouro nacional, enormes
servioos de urna grande divida juntos a ne-
cessidades de toda a ordem, o paiz a recla-
mar uadiaveis raelhoramentos, ninguem
dir de animo isento paixo politica que e
tempo de retirar os impostes que a guerra
motivou. (Apoiados.)
Nao basta a honra nacional que tenlia sa-
bido victoriosa do embate das armas ; ain-
da preciso aos crditos do paiz, to excelen-
temente firmados no exterior como no inte-
rior, que se desempenhe com a mais severa
pontualidade dos seus graves compromissos:
) Apoiados.)
Diga-se ao paiz toda a verdade. A guer-
ra deixou-nos grandes encargos de que nao
poderiamos isentar-nos com a pontualidade
desejavel, se tentassemos desde j urna con-
sideravel reducQo nos impostes. As des-
pezas da guerra, calculadas at no fim do
exercicio de 1870 a 1871, elevam-se acerca
de 500 mil contos.
A redueco lembrada de passagem pelo
nobre deputado, um problema muito gra-
ve, complexo, que nao pode ser resolvido
sem o mais profundo estudo do estado fi-
nanceiro, dos seus recursos, das suas respon-
sabilidades.
0 bom senso e o patriotismo do povo bra-
sileiro nao o trazem desaconselhados sobre
os seus verdadeiros interesses. Elle ama in-
mensamente o seu paiz, faz muito sua a hon-
ra nacional para que negu ao governo os
meios indispensaveis de libertar o imperio
dos graves encargos que lhe trouxe a mais
nobre e a mais justa das causas. (Muitos
apoiados.)
Os Estados-Unidos ? Mas que exemplo
nos d aquella vigorosa organisaco ?
Todos sabem que a grande repblica foi
era quatro annos victima de urna guerra ci-
vil sem par na historia do mundo. Tala-

=
dos os campos ubrrima do
tadas as communicacoes,
grande rede de> estrada* de
forrtes do trabalho estancadas por un;sub
to reviramonto dos habites dapaz pelos hbi-
tos guerreiros, cidades itteiras reJnzidas a
fumegarrius ruinas collossaes, finanzas com-
prometti las, o crdito abalado, o papel moe-
da desapreciado a oncher a circulai;o alm
dos limites naturaos do toda emisso, dir-se-
hia urna sociodadeoni vesperade sua disso-
luco ; tal foi o preco da victoria quodevia
resgatar para a liberdade quatro milhes de
hoinens. (Muito bem, inuitobein.;
0 Sr. JtJMQUKUU ^ministro da guerra) :
E* incontestavelraonto ura distincto ora-
dor I
O Sr. GusmAo Lobo:Nao ha ajuizar dos
desastros que a guerra aecuraulara. Um
doloroso periodo do roconstrueco ia come-
car e ainda hoje, nao obstante os prodigios
de sua actividade cora razo admirados do
mundo, a unio sent" os effeitos da horrivel
catastropho.
Ella nao supprimio os impostes que a
guerra motivara logo aps a sua termina-
cao. Annos ao depois ainda os cobrava ;
e entretanto a actividade agrcola e in-
dustrial temando um vo audacioso, tra-
zia ao estado novos e imprevistos recur-
sos.
E urna vez que se quer pedir exemplo
aos Estados-LiMdos, vem de molde adver-
tir que os impostes lancados durante a guer-
ra civil e depois della mantidos, erara de
natureza a produzir um receita colossal.
Cessaodo desde 1861 o que os publicistas
americanos chamaram a idade do ouro li-
nanceira, urna verdadeira rede de mpos-
tos attingio a tedas as fortunas, ainda as
mais rao destas a todas as classes, a todas*
as prolisscs. Dessa tenga lista de impostos
citarei alguns.
0 Sr. Martinho Campos :Nao preci-
so ; sao muito couhecidos.
OSr. Gusmao Lobo:Por mais que se-
jam condecidos, nao fra de occasio re-
corda-lus. Sem fallar nos direitos alfande-
gaes elevados, do que nao carain sentados
os principaes artigos do consumo ; sem ci-
tar innmeros impostos que nao tinham acu-
dido ao inventivo genio fiscal do velho mun-
do, e que chegarara a tributar os despachos
telegraphicos e outros actos do tal natureza ;
lembrarei com a autoridade de escriptor
muito informado que no exercicio de 1860
1861 foi a propriedade irainovel tributada
em 20 milhes do dollars, o direito de suc-
cesso submettido ao imposto de9/4 5 /0;
nem os proprios ttulos da divida publica
escaparam imposico de 1 1/2 /
Os Srs. Martinho CamposeSilveira Mar-
tins :Pois um imposte muito justo.
0 Sr. GusmAo Lobo:Estes duros im-
postos, j o observei, nao cessaram inme-
diatamente com a guerra r foram gradual-
mente reduzdos na proporcao da diminu*
c.o das despezas. Us impostes decretados
em razo da guerra do Paraguay, que de
nenhum modi sao comparaveis aos que
acabo de indicar, devem elles ser brusca-
mente retirados quando os grandes encar-
gos da custosa campanha pesara cora toda
sua influencia sobre o> tliesouro nacio-
nal f
Sojain os razoaveis. Seria induzir o paiz
a ura erro deplorare) o pcrsuadir-lhe que o
estado lisongeiro das (blancas nos per-
mitte entrar desde j pela redueco dos im-
postes.
Ouvi ao Ilustre deputado pelo Rio-Gran-
de-do Sul que o imposte quer dizor um
mouto de sacrificios, a economa modes-
ta do pai de familia, urna parte do salario
do artista, a lagrima do orpho, da viuva,
que sei e? preciosos fragmentes da fortuna
particular...
la um aparte.]
Convonho. Mas nao o imposto a base
da fortuna publica ? Nao a condico do
todos os serviros ? Ha algum plano iinan-
ceuo que nao repouse sobre o imposto, mais
ou menos discretamente distribuido ? (Apoia-
dos/
Tudo isto verdade ; chegou a ser dito
um tanto eloqucntemeute. Mas nem por
so o imposto deixa de ser urna necessida-
de vital de toda a sociedade.
Os partidos em opposieao deviam ter
inalteravelmente presento as suas locubra-
OS que, ura dia podera vir a ser governo.
(Apoiados.) Elles se apercoberiam de mui-
ta responsabilidade que lhes corre, de mui-
tos deveres que esquecera (apoiados), em-
quanto nao lhes chega a voz de ser o po-
der.
0 nobre deputado por Minas lancou ;i
conta do gabinete de 7 de marco o que
elle chamou verdadeiros desastres diplom-
ticos, fructos dessa politica exterior, pre-
guicosa e descuidada, que at hoje nao che-
gou em nenhuma de suas pendencias seno
a este extremo resultadopagar e FROTES
TAR,
O que se pensar da politica diplomtica
do imperio, Sr. presidente, se estas pala-
vras ditas por um brasileiro Ilustre, profun-
do conhecedor da historia do paiz, poderem
ser lidas no estrangeiro ? E traduzoin ellas
urna triste verdade ?
Primeramente, se esta injustsima cen-
sura pode caber-nos, se tantos e taannos
sao os erros da nossa politica exterior,
justo reconhecer que ella envolve em seu
desapiedado juizo todos os nossos estadistas,
todas as administracoes que se tem revesa-
do no poder. 0 crime, pois que a pala-
vra est em voga no debate parlamentar,
nao do gabinete 7 de marco, nao tam-
bem de seu antecessor, nao da situaco
conservadora.
To grave juizo nao podia alias ser ex-
primido sem que os factos, c factos de indis-
cutivel gravidade, o viessem desde logo ro-
borar. Mas a cmara esperou baldadamente
a demonstrado. Um s erro diplomtico
nao foi tirado a limpo. (Apoiados.)
Fiou o nobre deputado de urna correspon-
dencia escripia de Londres para o nosso mais
importante orgo da imprensa o Jornal do
Commercio sem advertir que por mais e me-
lhor informado que o conceituado escriptor
deva andar nos negocios da nossa politica
externa, nao urna correspondencia um do-
cumento oflicial.
O Sr. Martinho Campos d um aparte.
O Sr. Gusmao Lobo :E sem mais exa-
me, sem indagaco mais deuda, estranhou
severamente o nobre deputado que sendo o
principio da arbitragem geralmente aceito
pelas nacOes civilisadas para solver as diffi-
culdade&da politica internacional, este meio
nos fosse recusado a proposito das antigs
reclamaooes anglo-brasileiras pelo gabinete
de Saint-James que havia pouco o reconbe-
cera formalmente perante o festejado tribu-
nal de Genobra.
No haveriam bastantes palavras de re-
.nara urna somalbaate recusa.
nnunia raZjj|PfI f* grande
rncipTO desde%pPJ^pb*lamado pel con-
gress.i de Paris, e to solemnemente aflir-
mado no tribunal de Genubra, nao pudesse
ser invocado pelo Brasil para fazer trium-
pbar o direito em suas pendencias diploma-
ticas. *
O Sw. Martinho Campos .-Apoiado.
0 Sr. Gusmao Lobo:Vai ver o nobre
deputado quanto foi injusta o descabida a
sua ceieura, como sao infundamentadas as
suas apprehonses.
OSr. Martinho Campos : Eeu folgarei
muito com isto.
0 Sr. Gusmao Lobo .Espero da leal-
dade do nobre deputado que tributando ao
gabinete de 7 do marco a justica que ee
merece, acabar por louva-lo pelos bem
conduzidos esforcos com que se houve pata
promover o definitivo ajusto dessas recla-
raaces.
Esta questo to protrahida deve muito
ao zetodo honrado ministro de estrangeiros.
A informar.> colinda pelo nobre deputado
as columnas do Jornal do Commercio,
nao tem vislumbre de fundamente-, ( Sit-
te bem.)
0 Su. Martinho Campos :Estimo mui-
to sabe-lo.
O Sr. Gusmao I-ow) : Nao verdade,
asseguro ao nobre deputado que o governo
da Gr-Brotanha tenha recusado ao do Bra-
sil a regra geralmente aceita, do arbitra-
mento. O relatorio da repartico de es-
traiijeiros registra a correspondencia ltima-
mente trocada entre os dous governos, a
proposite dessas reelaraagoes o do meio de a
liquidar. Traaquillise-se o nobre deputado,
a politica extrema do gabinete de 7 de marco
nao tem sido o nao ser descuidosa sobre
nenhum dos graves interesses do paiz
^apoiados. )
As re lamaces anglo-brasileiras vo ser
submettidas, por expresso aceordo das duas
partes interessadas, ao meio do arbitramen-
to. Este expediente est absentado, est
resolvido.
O Sr. Ministro- dos Estrangkiros :
Apoiado.
O Sr. GusmAo Lobo :Entretanto o no-
bre deputado extrahira do su|>posto facto
dessa recusa fundamento a grave censura 1
tal a nossa politica externa, dizia-nos em
tom de um triumpho, o Ilustre- opposicio-
nista, que a Gr Bretanha nos condemna a
urna excepeo odiosa, recusando-nos a ap-
phcaco de ura principio que est consagra-
do entre as naces cultas I E' sempre, e
invariavelmento a politica quo retira-se das
pendencias diplomticas pelo coahecido e
commodo systema de pagar e protestar !
O Sr. Martinho Campos E nao seria
a primeira vez.
0 Sr. Gusmao Lobo' :Referindo-se nos
armamentos que deram motivo a abertura
de crditos extraordinarios entrou o nobre
deputado por urna ordein de consideracoes
que podem reparo. Tomo a queato nos
termo em que a propoz o distincto parla-
mentan.
Esses ostentosos armamentos sao em pura
perda. Facis como sao a*communicades,
accrescentou o nobre deputado, nada nos
seria mais aconselhado do que no momento
do perigo pedir s fabricas europeas os ne-
cessawos supprimentos. E ainda urna vez
impressionado pelo que- vai ao norte da
America, apontou-nos o exemplo dos esta-
dos-Unidos que, votados aos trabalhos da
paz, gracas a urna politica desambiciosa,
em boa harmona com os seus vizinhos,
sem manter reclamaces diplomticas, li-
cenciara o seu formidavel exercito logo aps
a victoria, e reduzem o quadro das suas
forras de trra a 12,000 homens.
E' seguramente verdade, Sr. presidente,
quo os- interesses nternacionaes nao esto
oxpostos as duas Americas aos choques a
quo o velho inundse hbituou. Emquante
no antigo continente as naces se debru<;am
sobre as fronteiras, envolvidos os seus in-
tersses em urna vasta rede, os estados
americanos nao tem necessidade de paz ar-
mada como a condico imprescindivel de
evitar a guerra.
Vou at ahi era pleno accordo com o no-
bro deputado, mas esse accordo comeca a
romper-so desde que o raeu distinctissiino
collega quer fazer applicaveis ao imperio
em circumstancias pouco norraaes as re-
gras da organisaco militar dos Estados-
Unidos.
Termos de comparaco nao se buscam
arbitrariamente. 1.' sim, invejavel que os
Estados-Unidos, que no momento do perigo
podero ter um railho e duzentes mil ho-
mens para por mo do general Grant,
possam om circumstancias normaos reduzir
a 12,000 homens oquadro efecuvodoexer-
cito. Mas muito de observar que, gracas
ao adiantamento da sua industria, ao aper-
feicoamento dos metes de guerra^ extenso
de seus recurros, extrema facilidade dos
transportes, e sobretodo sua inmensa po-
pulaco, a repblica norte-americana avan-
taja-se grandemente ao Brasil as coudices
em que est de acautelar e defender os in-
teresses nacionaes. (Apoiados,.muito bem.;
Nao fallando dos armamentos, de que-
adiauto tratareis cumpre advirr que o exer-
cito brasileiro era tempo de paz pouco e-
cedente em numero de pregas- ao dos Esta-
dos-Unidos. O que ueste momento guarda
as fronteiras e defende a seguranca publica
em nossas provincias, nao exceder em
muito a 12.000 homens.
Questo de exercito, um pouco questo
de dinheiro. J que nos indica por tvpo
de organisaco militar os Estados-Unidos,
permittir o nobre deputado que copie de
boa fonte alguns dados estatisticos sobre a
despeza que custain repblica as suas
torgas de torra e de mar. Nao vou referir-
me ao periodo fatal jda guerra civil, mas a
annos auteriores." 0 seguinte quadro escla-
recer a materia :
Exercito.
27,820:163 d
13,424:075
20,821:024
15,409:767
18451848.
18491862.
1853^-1856.
18571860.
Marinha.
9,406:737
8,928:336
14,077:047
14,513:150
(Conlinuar~ae~)ui.)
YAR1EDADE
NOVO TEAR.Annuucia-se um toar de
novo systema, nota vel aperfeigoamento do
Jacquard, e destinado especialmente coin-
posigodos tecidos.
Ainda nao apparecera-n os relatnos, mas
o que se diz d'este novo tear annuncia urna
verdadeira rovolugo no methodo adoptado
para as coraposlges.
qYP DO MARIO RA D
|UE O.CAXIA




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3SNTXHKA_3X855Z INGEST_TIME 2013-09-19T22:10:05Z PACKAGE AA00011611_12855
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES