Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12854


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL1X. NUMERO 5d
'
i
PAJLA. A CAPITAL E LlCABES (M'DE KlO SE PAGA POETE.
'Par tres .mezes achantados................ JOOO
;Pr seis dita dem..............'. 120000
Pr um amia idem ^J................ 24JK>00
Cada uuwqm avulso ................. 320
UI\TA FEIM 6 DE MARCO DE 1873.
^Umma i i^w i i i-........ *'^M"" ......' '"
PARA UVTIKI E FR A 1 A PROVINCIA.
Por tres mezes adinntados...............
Por seis ditos idem...................
Por nove ditos idem..................
Por um anno idem...................
t*T0
1WM
209250
27*000
PR0PRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA & FILHOS.
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahvba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; lelarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavaresda Costa, em Alagos; Alves d C, na Babia ; e Leite, Cerquinho & C. no Biode Janeiro.
>-. >
PARTE OFFICIAL
UOV1-.1WO B\ V&OYIXCIiV.
Falla com que o Exm. Sr. commendador Henrique
Pereira de Lucena abri a sesso da assembla pro-
vincial, no 1. de marco de 1873.
, (<:oXti>a<;.\o;
Segundo a ultima nforma/io conta o corpo de polica 745 pravas, faltaudo apenas 55 para
0 numero que marra a le.
A mor parle dessa forra se arha destarada ou em deligenca, de modo que diminuto o
numero de prac.s existentes a capital.
E ontra cousa nao pode deixar de dar-sc, porquanto no estado em que se acha a provincia,
camentos e terca policial, tivesse o corpo o dujilo das pracas, que anda assim Dio seria bem
.atisfeito o servico publico.
TenlH) hincado estimular as diversa' autoridades policiaes cumprirem as obrigacoes sen
cargo cotn o* recursos das localidades, mas seja qual lor a causa a experiencia vai demonstrando
me so rom terca publica .i sua disposicao potiem fazer alguma cousa.
E' es-a a razio de existirem destacamentos da guarda nacional alm dos de polica.
Varias accnsaroi'S tanta feitas ao corpo, e como me rumpra, senipre que dellas tve co-
necimento, exigia informa .oes ao respectivo cominatidaiite, e tratava de providenciar como
cnava cmvenieiite, em ordem a fazer cessar varios abusos, j um tatito arraigados.
Entend conveniente nomear, a 21 de dezembro ultimo, uina eominisso composta do
desembargddnr Silvero Fernando de Araujo Jorge, Drs. Manoel Tberluliano Thomaz Henrique,
\i de Mema Vaseoueellos de Drummond et-jnentes-coroneis Francisco Carneiro Machado
Ros Jnior e Francisco Camello Peseta de Lacerda, para indicar as alteracoes e reformas a esla-
Mecer no etnai regu lamento do corpo.
Consta-me que o trabalho incumbido a essa cominisso se acha adiantado oa quasi prompto,
Ciimprehendendo at um formulario a seguir-se nos conselhos de julgamento e das juntas em
lima instancia.
No pessoal do corpo derum-se as seguinles alteraeoes:
A 30 ile dezembro ultimo conceili ao lenle da |. coinpanhia, Felicsimo de Azevedo
WlIIo a demissao que pedio do dito posto, e para o substituir noinee a 16 de Janeiro o tenente
agregado Jos Carlos Vital.
A 2 de Janeiro exonerei o tenente ajudante Miguel Nones de Freilas, e para o substituir
BOtneei o alferes aggregado Amador de Araujo Psate.
"*W\ % ^\**,\^\ *%%%*
Tendo sido nomeado, por portera do ministerio da guerra de 14 de oiitubro do anuo pas-
tado, inspector dos corpas existentes neste provincia, o brigadeiro Joao Guilberme de Bruce,
assumio, no dia 1 de fevereiro ultimo, o commando das armas interino, seguudo foi determinado
[ior aviso do mesmo ministerio de 5 de novembro daipielle anno, e que eslava sendo exercido pelo
coronel de estado malar de i." classe Jos Mara Ildefonso Jacome da Veiga Possoa e Mello, oficial
encanecido no serviieo publico, e em quem sempre encontrei leal coadjuvaciio.
A torca de liuli.. aqu esteeetonada a seguinte : dous balalboes, i." e 9." de infantaria,
<. com 475 pracas e aquelle com 49; as compaiilia.s de cavallaria cun 56 pracas e a de ope-
rarios militares com 51 ditas, e o deposito de reclutas com 140, prefazendo toda a torca o
numero de 1:212.
Estes batallies. alm do servico da guarnirn desta cidade, dio os destacamentos do forte
Jo Huraco 8 presidio de Fernando de .Noronba.
Durante inmba admiuistraco eotranm para o respectivo deposito 69 reclutas, destes em-
nmram para a corte 25, asssentaram praca nos ba'alhoes de buba da guarniro 5, foram soltos
por incapacidad).1 plnsca 15 e jwr haverem prov;ulo isenro legal 14, falleceu i e existem sem
lestino 9.
Contina o brigadeiro honorario do exercito, Francisco Joaquim Pereira Lobo, na direccao
Jo.hospital militar, oue funeciona em edificio proprio, rito ra dos Pires.
Nao obstante o fim pira que forcbnstruiuo, resente-se de muitos defeitos, algnns dellcs
cr'Miedla veis como seja o ter frente para o poente.
Nao tendo baixado as instruccSes, de que trata o art. 351 do regulameoto approvado pelo
le reto n. 5:118 de 19 de oulubro do anno prximo lindo, reorganisando os arsenaes do imperio,
oelna a ser esse cstabelecimento regido pelo regulamentoto de 21 de fevereiro de 1832, que o
raou e deu-lbe organisaeo.
Em observancia ao aviso do ministerio da guerra de 19 de novembro do anno passado,
rdenei ao engenlieiro das obras militares que, de accordo com a respectiva directora, apresen-
-* o plano e divamente das que tem defazer-se no quarlel dos educaudos para dar-lhe mais
Implas accommoilacdcs e colloca-lo em mclhores condicoes Ingiencas.
0 pessoal emprendo o seguinte :
1 director, 1 ajudante, 1 almoxarife, 1 escrivao, 1 escripturario, 1 escrivao das ollicinas,
1 uuanuense, I fiel, l apuntador, 1 porteiro, 1 ajudante deste e t> guardas de rmaseos.
Por ter seguido para a corte, alini de tomar assento na cmara temporaria, como deputado
bi esta provincia, o inajor de engenheiros, bacbarel Francisco iaphael de Mello Reg, director
-e arsenal passou esse lugar a ser exercido interinamente pelo seu ajudante. capitao Tburcio
rari da Silva lavares.
Contina frente dase arseual o capitao de fragata. Francisco Romano Slepple da Silva,
que |ielo seu salo, am r e dedicaco ao servico publico, muito tem sabido dstugur-se no desem-
nenho do cargo que fio merecidamente lhe foi confiado.
' ni as dragas dado maior incremento excavaoao; mas estas nao podem por si sos con-
'-^uir o melhorameiito do porto: e, pois, outros meos sao necessarios. devendo de prompto ser
.>. ses em aecao e subordinados certo e bem trucado plano.
A profundidade do |wrto que foi verlieada pela sondagem n;is ullmas mares d'aguas vivas,
c devida .i excava;o teila pelas dragas, bem como expontauea remocao das arelas ; a
* -iiinte:
Barra Grande.
Baixa-mar............... 9 ps.
Preamar.................. 15
Barreta.
Baixa-mar................ 9
Preamar.................. 15 i
Hunco prximo ao pharol.
Baixa-mar................. lo1,:*
Preamar.................. 22 "
Junio ao caes do arsenal.
Preamar..........,....... 7 t
iVoi qnadros das canjas e descargas.
Baixa-mar................. 20
Preamar.................. 28
Existe a companha de aprendizes marinheiros no quartel que outr'ora oceuparam os
i.v'ndizes artifrtes menores: sao elles em numero de 80, dos quaes 21 seguirlo brevemente para
i corte, aflu de recoiher-se ao quartel geral do corpo, por se acharem as condicoes do
i >ulamento.
A companha de artfices consla de 4 aprendaos e 35 avulsos que desaquartelaram, logo
qU3 chegarem idade maior.
Apresentam as aulas do arsenal algum adiantamento, sendo a de prmeiras letras requen-
Ufla por 49 alumuos, e entre esses smente 9 externos, e por 80 a de primeiras letras da companha
de aprendizes marinheiros.
Frequcntiuam 10 a de geometra applcada, mechanica e dezenho de machinas. De todos
Ses alumnos apresentaram aproveitamento reconbejido no exame feito em dezembro ultimo os
guiles:
21 da aula de primeiras letras do arsenal, inclusive um aprendiz externo, 4 da aula de
: ii.lri.i applicaJa, mechanica e dezenho de machinas, e 29 da aula da companhia de aprendizes
marinheiros.
As ollicinas que ora funeconam sao : de carputeiros, calafates, machinas, ferreiros, cara-
is e do apparellio e vteme; a primera en Jf7 operarios, a segunda com 18, atercelracom
II, a quarla com li, a quinta com 25 e a sexta com 6.
Este pessoal o completo, de conformidade cu.n a novissiina tabella, mandada observar
pelo deereto n. 5,163 de 4 de dezembro ultimo.
Contina a estar paral) sada a construcc,ao da corveta de guerra, visto ter o governo imperial
i?" resolver acerca do desmancho della, por faltar-lhe as propriedades ou condicoes exigidas,
*?undo os inelhoramentos descolarlos, ou ser convertida em canhoneira de 2.' ordem, cu o
livitre, segundo pensa o respectivo inspector era seu relatorio, trar a conveniencia de aprovei-
la; -*e a grande despeza feita com essa construccao.
Por decreto de 12 de dezembro ultimo foi exonerado do cargo de capitao do porto desta
provincia, o capitao de mar e guerra Ignacio Joaquim da Fonceea, que seguio para a corle no dia
.'W Janeiro.
Nao tendo anda o governo imperial dado substituto, assumio o respectivo secretario te-
neiile-coronel Dedo de Aquino Fonceea, o exercicio desse cargo na forma da lei.
Por esta repartido corre a liscalisacio do servico da praticagem da barra, e nella emprega
o r?*pectvo chefe toda a vigilancia.
As dragas continuara a funecionar com mais ou menos regnlaridade.
Os resultados, porm, at hoje obtidos sao insignificantes, e nao corresponden) as despezas
qve > tem feito.
Em minha humilde opimao nunca esse to desejado melhoramento chegar ao seu termo,
unda que elle sejam empregadas vmte oU mais dragas, se por ventura se nao tratar de outras
I ras complementares.
Tildo quanto se tem feito c se esta fazendo ser em pura penla.
E o trbalho de Penelope. faz-se e desfaz-se. e tudu isto porque tratamos d.* leKniir os ef-
f*os. sem primeiramente procuramos destruir as causas.
O memora ment do porto deve ser a questo magna de Pernambuco.
Anda urna vez cumpre que solicUeis dos altos poderes do estado, a resoluio dessa qjies-
tio com a mxima possivei breridade.
t
Basta de adiamentos e de tao mortificadora espera I
feria muito conveniente que as municipalidades e os cidadins era todas as cidades, villas e
povoacoes da provincia, se dirgissem no mesmo sentido s cmaras legislativas, e em particular
aos nossos representantes.
Nao dt-veis. senhores, olhar com indifierentismo para um assumpto de tanta importan-
cia, como este, e do qual depende esencialmente a prosperidade e engraudeciranuto da pro-
vincia.
Pela minha parte hei de auxiliar-vos era ludo quanto de mira depender.
6*8 VIS tVlttlk:
Acha-se frente da igreja pernambucana o Exm. e Rvin. Sr. D. Fr. Vital Mara Goncal-
ves de Oliveira, no-so virtuoso prelado e distincto comprovinciano.
Em virtude de una portara de S. Exc. Rvma., mandando eliminar das rr.andade* os
que se acham libados ma.onaria, sob o fundamento de ser ella condemnada pela Santa S,
grande celeuma se tem levantado nesta capital, e j ao governo imperial, como a asseinbla oeral
"egslati>a. foi enderezado um abaixo assignado de crescido numero de habitantes desta cidade,
pedindo providencias a respeito.
Sem pretender animar ou impedir manifesta-.oes populares, c nem lio pouco ooarclar a
independencia da igreja, tenho procurado manter-me em posicao conciliadora, empregando todos
os meios possi veis para sustentar o equilibrio e harmona innispeusaveis ao esta lo e igreja,
visto como so marchando juntos podem os dous poderes soberanos cooperar para a civlisacao,
progresso e engrandecimento das nacSes.
Meliudrosa |>or certo a questao que ora se debate e embarazosa a posico do governo
em semelhantc conjunctura.
l'ma solucao que consilie todos os direitos, prerogativas e immunidades da igreja e do es-
tado, dos cidadaos e dos fiis, sera, no estado das cousas, o nico meio de por terraa a agitacao
dos espirilos, e de restituir igreja pernambucana, que atravessa iiicontestavelmente urna phase
de regeneracao, osdias placidos e tranquillos, que por tao largos annos desfructou.
Devemos fazer votos, nos os catholicos, para que essa solueao inspirada pela sabedoria,
consorciada rom a prudencia, pela justifa cora a piedade, tanto da parte do governo imperial,
como da do Ilustre prelado, nao se faca esperar.
Existem nesta provincia 72 freguezias, das quaes 46 sao regidas por vgarios collados e
as 26 restantes por encomraendados.
Em geral o estado das matrizes nao bom, a da freguezia da Escada, apenas tem capella
mor, sendo a nave do templo um telheiro indecente.
Nao pas>a de urna pequea capella a igreja onde se celebrara os actos religiosos
na freguezia dos Montes, que anda nao tem matriz.
O Rvd. Fr. Venancio Mana F'errara; dominado de grande zelo apostlico, trata de reme-
diar esta falta tao sensivel, dando cerneen a edificaran de um templo de vastas proporcoes.
A igreja parochial de S. Pedro JMartyr de* Olinda, templo antigo e de convenientes
dimensoes, ha mais de trinta anuos esti em obras, e creio nue se nao mareardes de pre-
ferencia urna quota sufficiente para sua cnnclusao, tal vez jamis ella tenha lugar.
Opina o Exm. diocesano que se marque na lei do orcamento. urna verba para ser distribui-
da por elle beneficio daquellas matrizes, que estiverem as circunistancias de ser cora proferta*
ca reparada.
Reclama Contra a inconveniencia que geralraente se d em alguns retalhamentos de fre-
guezias, pois que, adopiando-se este lystema, em grande parle bascad.) em considera cues polti-
cas, fica o prelado diocesano era serios embarazos era consequencia da falta de padres, que re-
unam todas as qualidades e predicados caractersticos de cura d'alinas
Orde.ns rklic.iosas.-Existem nesta provincia as do Carino, S. Francisco e S. Bento, lastra
como um hospicio de Rvds. padres eapurhinhos, alguns padres de S. Francisco Xavier, uceupados
no ensino da rnocidade e na pregaco da divina palavra, e igualmente os Rvds. padres Laxan-
tes incumbidos da cura espiritual das enfermaras do hospital Pedro II, tendo tambera a sua di-
rerfio espiritual as innas de caridade, oceupadas nos estabelecimentos pios, e bem assira as de
Santa Dorotha. applicadas ao exercicio do magisterio das meninas no seu collegio. onde
viven.
Tem a provincia cinco reeolhm?ntos demulhpres, que s.lo : a de Nossa Senhora da Gloria no
bairro da Boa-Vista desta cidade, o de Nossa Senhora da GoneeicAQ da cidade de Olinda : o do
Gorario de JpsUs.na villa de Iguarass,o de Nossa Senhora da Soledade'na cidade de lioyauna,
e o de Nossa Senhora do Bom onselho, na poviia^ao de Papacaca.
A oecuparSo das reeolhidas O oOlcio divino quotidiano, havendo neste ultiuu recolbi-
mento ensmo interno.
Lembra o Exm. diocesano a conveniencia de ser extensivo aos outros recolhimeulos o en-
sino modo a poderem as meninas pobres obter os cjulieciiunlos necessarios ao sou sexo.
(Conttnuar-st-ha).
KXPTOrrm- ntn +\ de m-nnMo ur. ISTX. Transmillo a V. S. a inclusa conta que me Ti re-
/. iecrio. mettida pelo cnmmandante do corpo de polica
Officio : cora offlcio de 25 de Janeiro ultimo, sob B 57. a
Ao general couuuaodanle das armas.Man- que se refere sua infonna;ao de 19 do correte,
de V. Exc. por em bridado o recrula Marcelino n. 70, afim de que mande pagar a Antonio da
Correa de Mello, visto ter provadj senca legal. Fonceea e Silva, a quanta de 9:709*0 K), prove-
: ttcrio. niente de fardamenlos que forueceu aquelle corno,
Portaras : era virtude de seu contrato, conforme se drpre-
O presidente da provincia, attendendo ao que hende da mencionada conta.
requeren o alferes da 4.- couipanhi.-i do corpo de Ao mesmo Em vista do pret junto em du-
polica. Pergentim de Miranda Piraentel, e vista plicata, que meremetleu o rommandante superior
000 attestados- mdicos que provam sua molestia, interino ao municipio do Limociru, eoui offlcio de
resolve conceder-lbe um mei de licenca com ven- 5 do correle, mande V. S. pagar a Jos Mara
cimentes na forma da lei, para tratar de sua sade Ferreira da Cunha, os vencunentos do destara-
fura desta cidade. ment da guarda nacional da villa de Bom-Jardim,
O presidente da provincia, vista do officio correspondentes ao raez de Janeiro ultimo.
do Dr. chefe de polica, n. 281 de 6 do corrente, Ao mesmo. Attendendo ao qne expoz Ma-
resolve exonerar Luiz R.iideira de Mello, do lu- noel Joaq'm de Miranda e Souza no incluso re-
gar de 3." suputante do subdelegado do 2." distric- querimento a que alinde sua informacao de 19 do
to de Una, o termo do Rio Formoso, atiente corrente. sol) n 71, autoriso V. S. a mandar pa-
o proeedimento que tere por occasio da prisao de gar ao sunpUcante pela verba eventuaes, visto
um criminoso. achar se esgotada a consignarao di ^ 2" do art.
OlDcios : 3. da lei do orcamento vigente, a quanlia de----
Ao Dr. chele de policaNao pode ser con- 306S00'. proveniente da encadernaeo da cor-
cedido o passe qne pede o juiz municipal do termo respondenca offlcial de diversas autoridades rom
de Serinhaem, segundo oflirio de V. S., n. 369 de esta presidencia no anno de 1869.
19 do corrente, que fica assini respondido. |NAo raesmo. lia vendo o Ihesoureiro da re-
Ao mesmo. Com o offlcio junto por copia, particao das obras publicas, segundo declarou-me
do inspector da thesouraria de fazenda, n 94 de o respectivo engeniieiro chefe, em offlcio de 19 do
19 do corrente. n spondo ao de V. S.. n. 120 de 17 corrente. sob n. 66. pago com dnliem de oulras
de Janeiro ultimo, quanto ao pedido que faz relati- ufas nnantte de .'MlflOA'.HIU. oroveuiente c
vaihente ao asselo e expediente des:
Ao commaiidante su|erior d
mmico a V. S. para seu conhecimento e em res- Pe igual quantia, afim de que possa prestar as
. >.. n. izo ue i/ coi rente, son n. m. pago com umuein u.- nm
Jo que faz relati- verbas a quantia de 3:000'.M)0N proveuiente de
ssareparticao. despezas feitas com o jardira do Campo das Prn-
lo Recife. Com-' cezas, recotnmendo a V. S. que mande entregar-
posta ao seu officio de 17 do corrente, sob n. 530,
que nesta data mandei por era lberdade o guarda
nacional do 1. batalbin de infantaria Marcolino
Correa de Mello, qne foi recrutado para o servico
do exercito.
Ao juiz provedor de capellas. Reraetto por
competentes rentas
4' seccao.
Offlcio:
- Ao Exm. e Rvm. Sr. hispo diocesano. Ac-
enso recebido o offlcio de de V. Exc. Rvm., desta
data, relativamente nova violceo do interdicto
copia a V S. o offlcio que nesta data me dirigi o lancado sobre a igreja do Espirito Santo, e em
Exm. e Rvm. hispo diocesano, relativamente resposta cabe-rae dizer que ofliciei ao juiz de ca-
igreja do Espirito Santo, afim de que seja tomado pellas remetiendo a copia do citado offlcio para
na consideracao que merecer, providenciando como providenciar como no caso couber.
Portara :
A' cmara municipal da cidade do Rio ror-
moso.Declaro a cmara municipal da cidade do
Rio Formoso, que, segundo informou o nspectorda
dever a Meich.ades de Paulino, proveniente de tbesouraria de fazenda em offlcio de 20 do corrente,
266 pares de botinas que forneceram a esse cor- sob n. 102, serie C, a demora da remessa dos cai-
po, a razao de 5*500 cada par, como se v da con- i xoes, coatendo padroes de pesos e medidas do
ta que veio anuexa ao seu offlcio de 6 do corrente,! systeina mtrico decimal, destinados a es>a ca-
no caso couber.
Ao coinmandante do corpo de polica. -Para
que possa a thesouraria provincial effectuar o pa-
gamento da quantia de 1:463<0G0, que se esta a
sob n. 92, faz-se preciso que Vine, remella aquel
la repartirlo, conforme solicita o respectivo inspec-
tor, copia do contrato celebrado para esse fin com
aquelles fornecedores.
Ao mesmo. Pode Vmc. engajar no corpo
sob seu commando, sendo idneo, o paisano Jos
Ferreira do? Santos, de quem trata o seu offlcio n.
119 de 20 do corrente.
'.1 seccao.
3fflcios :
Ao inspector da thesouraria do fazenda.
Communico a V. S. para os devdos lins, que a W
do mez prximo passado assumio o i. supplente
do juiz Municipal e de orphaos, Jos Francisco Lo-
pes Lima, o exercicio do carao de juiz de direito
da comarca de Nazareth, no impedimento do effec-
tivo e do juiz municipal.
Ao mesmo.Recomraendo a V. S. que, vis-
ta da inclusa conta em duplicata que me remetteu
0 director interino do arsenal de guerra, com offl-
cio de 19 do corrente, sob n. 36', mande pagar a
Juanta do 2i 6*100, proveniente do gaz consumi-
o nos mezes de outubro dezembro do anno pr-
ximo lindo, com a illuminacao da companhia dos
menores daquelle arsenal, como se v da mencio-
nada conta.
Ao mesme. Sirva-se V. S. de dar suas or-
dena afim de ser despachado na alfandega, livre
de direitos e entregue ao porteiro da secretaria
desta presidencia, Silvino Antonio Rodrigues, o
volume constante do conhecimento junh, contendo
objectos destinados as expediente da mesma se-
cretaria.
Ao mesmo. Communico a v. s. para os de-
vidos fins, que a 30 de Janeiro-ultimo, assumio o 3.
supplente Feliciano Jos (te Mello, o exercicio dn
cargo d
mpedinienlj effectivo e por ter o i. supplente
pasante a MMreor a jurisdicc&o da vara de di1
reito.
1 Ao iasfortor te tnesourarte provincia). J
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que a thesouraria provincial tem ordem
para pagar a Jos Alaria Ferreira da Cunha os
venciinentos do destacamento da guarda nicional,
de que trata o seu offlcio de 5 do corrente.
Ao coinraaiidanle do corpo de polica.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
mar a V. S. que neste data foi a thesouraria pro-
vincial aulorisada a pagar a Antonio da Fonce-
ea e Silva, a quanta de que trata o seu offlcio de
25 de Janeiro ultimo, sob n. 57.
5' seccao.
Offlcio:
Ao engenheiro chefe da repartilo das obras
publicasO Exm. Sr. presidente da provincia man-
da 00 miiuicar a V. S. que nesta data ordenou
thesouraria provincial a entrega da quantia de
3:000* ao Ihesoureiro dessa reprtalo, para o fim
alteado era seu offlcio n. 66 de 19 do corrente.
EXI'hIK.NTK 1)0 WA 22 DK KKVKHEIRO M 1873.
1.' seccao.
Offlcio:
Ao general cnmmandante das armas. ---
Mande Y. Exc. por em liberdade o recruta Joo
Baptista Macel Reg, visto ter sido jnlgldo in-
capaz do servico do exercito, como conste do ter-
mo de inspec.o annexo ao seu offlcio de 14 do
corrente, sob n. 181.
Ao mesmo.Mande v. Exc por em liber-
dade o recruta Jovino Jos do Canon, visto ter
pro vado isencao legal.
Ao mesmo.Mande Y. Fxc. por em lberda-
de, visto ter provado iseneao legal, o recruta Tran-
quilino Manuel Soari-s.
Ao raesmo.Deferindo nesta data o reque-
rmente que veio annexo ao seu offlcio de 21 do
corrente, sob n. 203, do soldado invalido do ex-
tincto H. corpo de voluntarios da patria Luiz de
Franca Gonzaga, concedo a permssio por elle
solicitada para ir esperar na villa do Cabo pela
decisao do governo imperial sobre sua baila
ou reforma, obrigando-se a comparecer mensal-
mente as revistes de mostra nesta cidade ; o que
declaro a V. Exc. para seu conhecimento e dev-
dos lins.
Ao capitao do porto interino.Mande Vmc.
|ior em lberdade o matriculado Jos Francisco
que acha-se preso para recruta da armada, visto
ter isencao legal, como provou com o documento
junto, que Vmc, Ibe entregar.
2.' seccao.
Actos:
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o rapito Jos Antonio Pinto, do 7.* ba-
lalho da guarda nacional do servico da reserva
do muuinpio d'ltirada, resolve, que lhe seja dada
a guia de que trate o art. 45 do decreto n. 1.130
de 12 de marco de 1853, para o Recife, onde
reside.
O presidente da provincia, a vista do offl-
cio do Dr chefe de (Milicia, n. 402 de ii do cor-
rente, resolve exonerar, bem do servico pnhlicu,
do cargo de I.' sunplente do subdelegado do di--
tricte da ilha das Flores, do termo do Bonito, o
cidadao Francisco Velloso da Silveira.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de polica. Envo a Y. S. em
original as informaees juntas, prestadas pelo ma-
jor rommandante do batalhao n. 54. Augusto
Duprat, cora relaco urna requisico que lhe foi
leita pelo delegado do termo do Cabo, de que traa
O seu offlcio n. 283 de 6 do corrente.
Ao mesmo Por falla de forra sufficiente nao
pode ser, por ora, attendido o pedido de um des-
tacamento, que faz o delegado de Cruangy, e do
qual trata V. S. era seu offlcio n. 382 de 20 do
corrente.
Ao commandante superior de Olinda e Igua-
rass. Mande V. S. dar ao capitao Jos Antonio
niara, foi devida sahida do vapor, que traba de
seguir para ahi onde j dever-m ler chegado.
5." redo.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da repartieao das obras
publicas.-Communico a Vmc. para os fins con-
venientes, que neste data, em vista de sua infor-
macao de 19 do corrente, sob n. 67, lancei o se-
guinte daspacbo na peticao de Bellrao Bast da
Silva : Como requer ; obrigando-se o supplicante
a assignar o respectivo termo de responabilidade
na repartieao das obras publicas.
Portara:
Os Srs. agentes da companhia de navegarao
brasileira inaadem dar transporte para a corte,
por conta do ministerio da guerra, no vapor qne
se espera do norte, ao soldado Joao Fernande-
Ancheta, que foi tranferido para o 1." batelbao
de infantaria em substuicao do anspeeada Amo-
nio Ribeiro Severiano, que passou deste para o 2.
da mesma arma.
EXPKDIKNTK DO SECRETARIO.
1S secado.
Oficio:
Ao general commandante das armas. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
rar a V. Exc, em resposta ao sen offlcio de 11 do
corrente, sob n. 168, que nesta data solicite do
Exm. Sr. ministro da guerra a renovacao de suas
ordens no sentido de ser quanto antes remettido
da corte o fardamento destinado ao 2. batalhao
de infantaria.
Ao director interino do arsenal de guerra.
O Exm Sr. presidente da provincia manda com;
municar a T. S. que nesta data expedio ordem
thrsonrari* de fazenda no sentido de ser paga a
nVrpetn de qye traa o c:i offlcio ite 19 deste mez,
sob n. '36f>.
9." secfo.
Offlctos
A edmnaudante superior do Lmweiro.O
pita
Pinto, do 7. batalhao da guarda nacional do ser-
rico da reserva do municipio de Olinda para o
deste capital, a guia de que trata o art 45.do de-
creto n. 1130 de 12 de marro de 1,853.
Ao commandante superior de Garanhuns.
Cummunicii a V. S.. para seu conhecimento, que
o pagamento dos venciinentos das 25 pracas da
guarda nacional, requistadas pelo delegado de po-
lica do termo de Buiqtie aocapito commandante
interino do batelhfw de infantaria n. 30, deixo
de mandar eilectuar porque nao houve autorisa.ao
para esse lin desla presidencia, e mesmo porque
nao foram observadas as formalidades prescriptas
no art. 25 do decreto n. 1,354 de 6 di? Abril de
1*41, conforme declarou-me em seu offlcio de 10
do correte, sob. n. 12.
- Ao juiz de direito interino do Buique. -In-
teirado do que Vmc. me comniunica em seu offlcio
de 11 do corrente, cun relacao ao brbaro assas-
sinato de Jos Manoel Dinz, e tentativa de inorte
e grave ferimenlo de Antonio Barboza Cavbanle,
lhe recoiniiiendo, que providencie em ordem a se-
ren processados e capturados os deliuquentes. -E
vista do que expoe era seu lito offlcio, do estado
dessa comarca, faco para ahi seguir 20 pracas do
corpo de polica e" um offlcial, para augmentar o
destacamento dessa Villa, o qual Acara sob o com-
mando do tenente Joo Pires Ferreira, esperindo
que, como proraette, fique a localidale desassom-
brada dos criminosos, que a infest m.
Ao juiz municipal do Buique.-Inteirado de
quauto Vmc. rae informa em seu offlcio de 10 do
corrente, quanto ao assassmato commettido na
pessoa de Jos Manoel Diniz, e a tentativa do mor-
te de Antonio Barboza Cavalcante, tenho a dizer-
Ihe, que nesta date mando augmentar o destaca-
mento dessa Villa, com 20 pracas e 1 offlcial do
corpo de polica, ticando todo destacamento sob o
commando do tenente Joao Pires Ferreira Espero
que com essa forca possam ser perseguidos e cap-
turados os criminosos, que infestam essa comarca,
ficando ella desassombrada.
Ao commandante do corpo de polica.Faca
Vmc. augmentar com 20 pracas e 1 offlcial dessa
corpo o destacamento de Buique, o qual dever
(bar son o commando do tenente Joao Pires Fer-
reira.
8.' skcmo.
Acto:
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Antonio de Barros Reg, collector das
rendas geraes no municipio de Caruar, e tendo
em viste o que a esse respeito informou o inspec-
tor da thesouraria de fazenda, em offlcio de 18 do
corrente, sob n. 85, serie C, resolve prorogar por
60 dias a licenea que lhe foi concedida por esta
presidencia, a 26 de julho do auno prximo findo,
para tratar de seus negocios nesta capital, visto
nao ter o supplicante podido anda conclu los.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Expeca V. S. suas ordens no sentido de ser indem-
nisado pelo ministerio da agricultura ao da mari-
nha, da quantia de 332*200, proveniente dos re-
paros feitos no arsenal de marinha. em 18 chapas
de ferro da ponte Sete de Setembro, e para esse
fim remetio-lhe a inclusa conta em duplicata que
veio annexa ao oficio do inspector daquelle arse
nal, de 20 do corrente, sob n. 551.
Ao mesmo. -Communico a V. S. para os de
vidos fins, que a 21 do corrente entrou o juiz de
de direito da comarca do Buique, bacharel Benia
miu Pinto de Nogueira, no gozo da brenca que lhe
foi concedida pelo governo imperial, a 31 do mez
findo.
Ao mesmo.Tomando em consideracao o que
expoz no incluso requerimento, Decio de Aquino
Fonceea, autoriso V.S. a manJar pagar-lhe a gra-
tifica ao a que se- Ulga com direito por achar-se
na quadade de seo secretario exerc indo interina-
mente o lugar dte capitao do P'rto capilal, a
contar de 3J-de-Janeiro ultimo
Ao mesmo.Communico a V. S. para os de-
vdos lins, que a 13 do corrente deuou o bacba-
rel Jos Francisco Ges Cavalcante o exercici
do cargo de juiz municipal e de urphaos do termo
do Bonito, afim de vir tomar assento na assembtea.
provineial.
Ao mesmo. Communico a V. S. para os de-
vdos fins, que a 16 do corrente foi nomeado pete
jniz de direito respectivo, o bacharel Gaspar de
Menezes Vasconcellos Drummond, promotor pu-
blico interino da comarca de Rio Formoso.
Ao mesmo.- A' viste da conta junte que me
remetteu o Dr. chefe de polica, com offlcio de 20
do corrente, sob n. 378, mande V. S. pagar aos
negociantes Brasa Gomes 4 C, a quantia de ...
Itl460, despendida pelo delegado do termo de Pa-
pacara, com o sustento dos tres recrutas Sabino
Cavalcante da Costa, Joao Cavalcante de Souza e
Manoel Anuncio da Luz, viudos daquelle termo,
com destino ao servico do exc cito, sendo que o
ultimo foi posto em lberdade pelo mesmo chefe,
por ter provado iseneao legal.
Ao mesmo. Em vista do incluso recibe,
mande V. S. pairar a Flavio Goncalves Lima, para
isso indicado pelo Dr. chefe de polica, em oficio
de 20 do corrente, sob n. 384, somente a quantia
de 30*000, em que importa a raetade do alugu.il
de 6 mezea vencidos era dezembro do anno prxi-
mo passado. da casa que na villa de Petrolina ser-
ve de cadeia e bem assim de quartel ao respecti-
vo destacamento, certo de que o restante deve ser
satsfeito tela thesouraria provincial a quem neste
data se offlea a respeito. Para supprir a falte que
se d da duplcala do mencionado recibo, cumprt-
que nessa thesouraria seja tirada delle uina eepi*
authentca, como se ha praticado era casos idn-
ticos.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Em vista de sua infonnaejio de bontein, sob n. 75.
autoriso V. S., nos termos do art. 107 do regula-
mente dessa thesouraria, a mandar adiantar ao
conductor da reparlicao dos obras publicas, Fran-
cisco Americo de Aragao Rabello, como pedo wf
incluso requerimento, dous mezes de seus venci-
inentos, visto ter de seguir em commissao ao
interior da provincia, devendo nbservar-se neste
parte o art. M9 do mesmo repulamento.
Ao mesmo. Ao capit Antonio Corma
Maia mando V. S.. pagar conforme solicteu o Dr.
chefe de polica em offlcio de 20 do corrente, sob
n. 375, a quantia de 48i, proveniente do aluguel
de 6 mezes vencidos em dezembro do anno pr-
ximo paasad da casa que no distrcto do Peres
serve de quartel 80 respectivo destacamento.
Ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
Dr. chefe de polica em offlcio de 6 do corrente.
sob n. 2>, a que se refere sua informacao debon-
tem, n. 73, autoriso V. S. a mandar adiantar ao
delegado do termo do Bonito, por intermedio do
thesoureiro da repartieao da polica, a quantia dV
200, |>ara oerorrer as despezas com o sustente
dos presos pobres da cadeia daquelle termo, de-
vendo o mencionado delegado prestar oportuna-
mente nessa thesouraria as conqieteutes contas.
Ao mesmo.-Em vista do incluso recib que
me remetteu o Dr. chefe de polica com oficio de
20 do frrente, sob n. 384,- mande V. S. pagar *
Flavio Goncalves Lima, smente a quanlia de 30*.
em que importa metade do aluguel de 6 meze
veucidos em dezembro do anno prximo passado.
da casa que na vll.t de Petrolina serve de cadeia,
e bem assim de quartel ao respectivo destaca-
mento, certo de qne o restante deve ser satsfeito
pela thesouraria de fazenda. a quera neste date-
se offleia a respeito.
Ao cessionario dos impostes provinciaes da
villa do Granito. -Com o parecer junto por copia.
d< inspector da thesouraria provincial, de 20 do
correute sob n. 72. respondo sua consulte co-
uda em ollco de 14 de Janeiro uliimo. acerca
da eobranea dos impostes provinetees desse mu-
nicipio, dos, quaes Vmc. cesionario.
i.' seccao.
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao pie
requereu o bacbarel Joaquim Antonio da Silveira
Jnior, e teado em viste a informacao do conego
regedor do gvmnasio provincial, de hontem da-
tada, resolve omea-lo para o lugar de repetidor
interino do mesmo cstabelecimento.
Oficios :
Ao Exm. Sr. rice-presidente da provincia Jo
Ro Grande do Norte. Com o offlcio que V. Exc
dirigio-me em 10 do corrente, recebi dous ejem-
plares do relatorio com que no dia 11 de jiinbo do
anno prximo findo 0 Exin. Dr. Delfino Augusto
Cavalcante de Albuquerque passou a administra-
ran dessa provincia ao 4* vice-presdente Dr. Je-
ronymo Cabral Rapozo da Cmara.
Ao presidente da cmara municipal da ci-
dade da Victora.-Ein resposta ao offlcio de Tat
de 22 de Janeiro ultimo, tenho a dizer que a rn-
compalbiiidade no exercicio simulUineo dos car-
gos de vereador e supplente de juiz municipal,
manfesta, segundo o aviso de 16 de outubro do
anno lindo, nao sedando contradiccao entre a-dou-
trina deste e a do de 5 de julho do mesmo anno,
porquan'o o faeto de estar sempre o supplente em-
exercicio em virtude de suas atir buicoes, nao B-
pede que elle o deixe para assumr o de vereador.
Quanto ultima parte de seu offlcio. se os sut-
pleutes de que se trate, podem formar culpas
decretar prisio, sem qne o uiz elTectivo esteja-
impedido ou fora do exercicio. est resolvida pea
afirmativa nos arts 4 e 12 | 2 da lei da reforma
judicaria e art. 6 4 do decreto n. 4,824 de 22 a*
novembro do anno prximo passado.
A Jos Cavalcante Ferraz de Azevedo, va-
reador da cmara municipal da cidade da Victo-
ria.-Em resposta ao offlcio de Vmc., de 2 do cor-
rente, tenho a dizer que a incompatbilidade entre
o exercicio simultaneo dos cargos de vereador o
supplente do juiz munic pal, declarada pelo aviso
de 16 de outubro ultimo, refere-se ao supplente,
quer este exerca as suas attribuicoes no distneto
de sua jurisdieco, quer quando se arhe no exer-
cicio da juri-diccao plena da vara municipal, como
claro dos termos genricos do citado aviso.
5.* seccao
Actos:
O presidente da provincia, attendendo i
que expoz o bario de Buiquf. director geral in-
terino dos indios, em offlcio de 11 do corrente,
resolve exonerar o director parcial da aWeia de
Ipanema, da freguezia de Aguas-Bellas, Adriao.
Correia de Araujo.
O presidente da provincia, attendendo ao qu
expoz o barao de Buique, directar geral intermo
dos indios, em offlcio de II do corrente, resorro
nomear o cidadao Flix Alves Machado para nw-
cer o cargo de director parcial da aldea de ipa-
nema, da freguezia de Aguas-Bellas.
Oficios : ,
Ao barao de Buique.-Por acto desta data,
resolv exonerar o actual director parcial dos in-
dios da aldea de Ipanema, da fregu ia de Aguas-
Bellas, Adrio Rodrigues de Araujo, e nomear
para exercer esse cargo o cidadao Flix Alvea
Ma hado, em vista do que V. S. expoe em omVio
de 11 do corrente ; o qne lhe communico para, o*
fins convenientes.
A' dreccao da Associaco Comm8reialBe
nefleente. Acenso recebido o "oficio del> do cor-
rete, com o qual essa dreccao remetteu a esta
presidencia urna representara*) de alguns eom-
merciantes da cidade de Goyanna, sobre o reste
belecimento da communicarao d mesma cidade
com o porto da Concedi ; e em resposta cbe-
me dizer que j hava determinado ao capitao da>
porto interino o devido exime por p*>*a batelr-




I
t j,- !<| t n\\ii *i*l$cle Pernambuco Qumta feira 6 de Marco do 1873. 1 itf'.ttM'/ .; l/'.ft///

*a*a, afioi de se cojihccer se sao prajrjdanjttif a\
reclama^ 1 reitas, o aguardo o resulto dessa
--oramissae po Wafr-cr a respeito.....
Ao gereii|#jpreia da illuminacao a caz
desta cidade.-^ ^Kio junto por copia, do 6a-
rheiro chele*'Vtwarti^io das obras publicas,
17 do corrotiV* n. 63, ver Vine, que a
commissao noneada para proceder a mu rigoroso
ame sobre os etfejfoiula presso e do'poder.il-
jre% ti'iu em vista cumnrir
puado, disiriliuindo Justina e
'unto do infundadas as sus-
nc. dos ofiioios ultimaiacn-
esideacu, pretende attribuir
brido ooiu oIBcw desta data ^ >yt>ynari* pw*vi*f
luminaute d'essa
o que Ihe foi de
equidade ; e q
paitas de in fe,
te dirigidos a
mes na cora
EXPE!
Oficio :
Ao in
xm. Sr. p
E DO 8ECRKTARI0.
secuto.
Gima* Prente
arr.yf.'WaTiaor,''""
I.cgslae.o.
arsenal de iiurinha. O
... provincia manda declarar
a V. S. que Resta data expedio ordein thesonra-
fia de fazenda uo sentido de ser efTectuada a in-
lemnisacao, de que trata o seu oficio de 20 deste
raez, sob n. *5i. .
2.* secano.
Oficios :
Ao Dr. chefe de polica.O Exm. sr. presi-
dente da provincia manda cotnmumear a V. S.,
que nesta data excedi ordem thesouraria geral
provincial, uo sentido de sern pagas as despe-
zas de que tratum os seus oficios de 20 deste
-Hez, sob n*. 375 e 378.
Ae mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S., quo uesta data ex-
pedio ordein thesouraria geral e provincial no
sentido de ser pagar a Fia vio Goncalves Lima
a despoza de que trata o seu oficio de 20 deste
mez, sob n. 381.
Ao mesiuo.-O Exua. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S., jue a thesouraria
provincial foi uesta data auUirisada a eltectuar,
jjor hitermdio do thesoureiro dessa reparlicao, o
.uUantaiiieiito de que 'trata o seu oficio de 6 deste
-niifz, sob u. 280.
- Ao iuesmw,-0 Exm. Sr.. presidente da pro-
vincia manda comraunicar a V. S. para os dev-
dos lins, que por.portara de hont -m foi exonera
do Lino ?andeira de Melle do cargo de .V sup-
fdente do subdelegado do 2." districto de tina, do
termo do Ro-Foruinso.
- Ao juiz de dreito de Rio-Forinoso.-De or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia aeeuso
a recepro do dfflr.io de V. S, de 13 do crrente,
coiuimmirajtdo as occurpcncias que nessa comar
ca so teeiN dado com rrlacao au proeseso que se
teni de instaurar contra es indiciados no crime de
introdcelo de sedulas falsas, e a nomeacao do
hachare! Gaspar de Menezes Vasconcellos de
Drummond, para servir de promotor nd boc no
uksiiio processe, ficando assim respondido o sou
oficio.
- Ao coninandame superior de Santo Anuo.
O Exm. Sr. presdante da provincia manda de-
clarar a V. 5 que a 20 do eorrentc foi expedida
a conveniente ordeui ao r. chafe de polica, uo
sentido de-ser reenlbidn ao hospital Pedro II, para
Uie ser xtrahida a hala que receben quando des-
tacado, o .guarda fos Eloy do Nascimento, de
me trata o seu oficio de I (i deste nez.
- Ao hachare! Benjamn Piulo Noguera, jut
de direito provincia manda acensar o recefnentu do ollicio
de \r. S., 4; 21 do enrente, m ipie participa en-
trar no gozo da liceiica que llic foi cmccdiiia
pelo geaanio imperial a 31 demez prximo pas-
sado.
- Ao juiz de direito de Tuearat.O Exm
Sr. presidente da provincia manda aecusar o re-
cbimoiHo do oficio de V. S, de 27 de Janeiro
prximo passado, em que participa ter nessa data
deferido juramento aos hachareis Jos Mafia da
Hucha Carvallo e Joaijuim de l.una Mir.is.da
Couto,a este do cargo de promotor publico dessa
comarca, eaqmHIo do de juiz municipal e de or-
phaos dos ferreos de Tac.-ir.a -e Floresta.
- Ao mesiuo.-O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarara V.S.. QUofiCOU inteirado
P'- seu oficio de do crrente, de ter sido con-
vocada para o da a prueba sasao jii.liria.ria do jury do terme de
Tacaratn.
Ao baebarl Jos Franaisco de (oes Caval-
canti0 Exm. Sr. presidente iL-i provincia manda
acrusar o .pecebjtneat* do oficio de V. S., de 13
I > cerrente, ni que partiojpa ter nessa data dei-
xade o exercicio fo ca/g de juiz iniinici|>r.l do
termo dO'Bouilo, a Ora de tomar assento na Msem-
bla provincial.
- Ao hachare! (aspar de Mcnezes Vasconeel-
los de ruinmond. Exm Sr. presiden!'.; da
proviaeia manda acensar o recebimenlo do oficio
de V. S era que participa tor sido a 1G do cor-
rente noineado promotw pubU-o interino iki co-
fiiarra do Rio-Formoso, tendo antes, a 13. sido
iutiitir no processo instaurado por crtme de in-
l:>doec.o de moeda falsa a M'hastiao Santiago
iXamos e entras.
- A Jo*'; Francisco Lopes Lima. O Exm. sr.
presidente da provia.-h man la acensar o recebi-
meilto do eficio .le V. S., de 29 do me/, prximo
passado, eni que participa ter nessa data, remo
1." supplon'e do juiz municipal, assumido a ju-
risdiccao d cargo de juiz de cireitoda comarca
de Xazareth, no impedimento do effectrvo e do juiz
giunicrpal.
A Feliciano Jse de Mello.-O Exm. Sr. pre-
: lente da provincia manda acensar o reeebimen-
i do oficio de V. S_ de 30 de Janeiro prximo
pasado, participando ter, como.3. snpplente, as-
sumido a jurisdiceao do cargo de juiz municipal e
de orphaos do termo de Nazareth.
DESPAOM DA PttEStnE.VCIA DE 2 HE JUBQO DE
1873.
Antonio Corroa Gomes de Almeida. Informe o
(viu Sr. cooego regedor do gymuasio provincial, se
Ha neojtveaiente era eoaceder ao o ac une reqoer.
\'ouso lezerra CaTalcaate. G snppliaahte j
fi mandado jwr em berdade *! do mez prxi-
ma lindo.
Tenente-eoronel Antonie Francisco de Sonta Ma-
palhaes. Furinv/a-so.
Beato Airtuues de Olivera Libera!.- Informe 0
Sr. Dr. diefe de polica.
Omina .v Mana.Informe a fr. inspector'da the-
souraria provincial
Prancisco Cordeiro da Foaeeca.Inlorme o Sr.
oamaadaate superior da guaada naeioiaj do rou-
lucipio de Caruaru'.
Captao Irineu Januario de Oliveira. Ao Sr.
wspector da thesouraria de fazenda para attend?r
i' snpplicante, nos termos d i parecw do p
rador fiscal interino, a que alinde o si;; oficio n.
427 de 2i- do ruez prximo lindo.
Joan los da FonceatEntregue-se, mediante
reeibo.
Coronel Jos alaria Ildefonso Jacome da Veiga
Tssoa o Mello.-Fotiie,;-se.
Tenente Joo Deocccio da Silva Paula.Forne-
;a-s.v
Luiz Antonio Cordeiro. -Informe o Sr. comman-
otate superior c!a gnarda nac.mal do municipio
de Carnar.
M mra i CDeferido d )ta dj:::. di-
rigido a i i 'souraii; :1a.
Haaoel Atbiao Beterra. Informe o Sr. :-
tor da thesouraria de fazenda.
Maria Isabel de (iveira Maciel.-Informe o Sr.
inspector do arsenal de markiha
Manuel (Jomes da Silveira. Informe o Sr. ine-
jwetor da thesouraria provincial.
Mauoel Loureneo de Mattos,Entregue--'.
Symphronio esar Coutinho.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Tenente-coHtnel Seotstiao Jos Bazilio Pyrrho.
Pomeea-se.
Antinjo de Az'vedoMaia.Informe o Sr. InepeC;
lor ila thesouraria de fazenda.
Aiexandrlna de Lima e Albiiquerque.Inde-
f>do.
Conipanhia Santa Thereza.Deferido cora oficio
desta datii, thesouraria provincial.
Claudno Alexandrc Trigneiro.Entreg:ie-se.
Florencio Rodrigues de Miranda.Eiicaminh.'-
f.
FVanctscaAma lia Morciraa otitras.-Sej.im entre-
gues oppertnnameute s supplicantes os titatos a
iue alludcm
Bacliarel Gaspar de Vasoucellos Menzes i\e
Brumniond.-Sun.
Hermegenes Braulio Ferreira da Cunha--Passe
portara concedendo a licenca pedida, devendo
deixar ^upplcantc pe-soa idnea que o substitua
yira a,r>prova.ao do delegado jiltorario.
Josj Rabello Paduna.-Forneca-se,
Jos Rbeiro da Cuulia.Passe portara, conce-
dendo a iioon^a pedida.
i Teuenle-coronel Joaqaim Cavalcanti de 4lbu-
querqne..Bello. Fornect se.
Joio da Cruz Sanios .Jnior. Inifoferido.
, Jovino Bandeira.Concedo proroaacan por tres
metes, .
Jos^Vmiio de Albuqueriiue Pedrosa.-Pas.se
portaraj^Wa do estylo. ,
Conego oa Chrisostorao de PavaTorres.-De-
J.oaqiiim Coailves Ayrps.-.-Passc portaria. con-,
cedendo o praso improrogavel de 1S das.
Lino Machado Lias. Enoa'niinlie-se.
Manoef Roberto de Carvalho Guimaraes. Sejii W..fjSrlliad!li
tomado opportunamenti; em consideracao o que AJrart IJcMo
requer o snpplicante.
Noberlo Alvos de Lima.-Em vistadp pare
do Dr. procararlor Ibeal, tto pode let por ora
gar o me retnier o stlpplleante.
Prei Pedro da Puritcaelo Paz e Paira.Informe
o Sr.Dr. director geral interino da instruccao pu-
blica.
Pergentino de Miranda Pimentel.-Deferido com
oficio desta data, ao respectivo commandante.
Ulyses Irmios,Passe portaria
Secretaria da presidencia de Pernambuco, o
ie marco de 1873.
^^ "0 porteir, -*-"
St'ii'ine Antonio Rodrigues.
ecat
'i
irme
0U-
i oiiimunl alma nrmuM.
QUARTEL GENERAL DO COHMANDO DAS. ARMAS
DE PERNAMBUCO, 5 DE MARCO DE 1873.
Ordem do dia n. 106.
0( brigadeiro commandante das armas interino,
em vista da comraunicacao que lhe foi feita pela
presidencia desta provincia em oficio de 3 do
corrente datado, referente ao do Sr. inspector da
thesouraria de fazenda, de liaver o Sr. tenente co-
ronel commandante do 2.* batalhao de infantaria
dexado de comparecer sem causa participada
revista de mo;tra a que se procedeu nesse bata-
lhao no dia I. deste raez, e nao tendo o meante
Sr. tenente coronel dado parte de doentc, em cujo
caso teria de ser substituido, nao pode dcixar
passar desapereebida esta falta, pela restric'a obri-
gacao era que estio. mediante as disposicoes da
resolneao de i3 de marco de 1781, eomraunicada
em aviso de 3') de jtinho do mesmo anno, os Srs.
com mandantes de corpos e respectivos ofiriacs
de se acharem pre-cntes a taes revistas, das quaes
se no podem eximir sem legitimo impedimento.
O cxemplo que acaba do dar-se. pode ser per-
nicioso em relacao aos oficiaos e pracas de pret do
corpo, pelo que o commandante das armas inte-
rino espera que o referido Sr. tenente coronel
commandante trate de evitar no futuro a repro-
duci.o de swnelhante abuso.
(Assignado) Joo Guitherme de Bruce.
Conforme. -Jos Ignacio Ribeiro Roma, tenente
ajudante
taflie.
de ordens interino rnoarregade do de-
ASSEMBLSi PROVINCIAL
SESSO ORDINARIA EM o IE MARGO DE
187:L
PniSIDOCU DO SR. DR. AfilIlAB.
Ao meio dia, feita a chamada, acham-se presen-
tes os seguiites Srs. deputados : Freir Gamero,
Mi-lio Reg. Almeda Pernambuco, Pinto Jnior.
Arconeio Silva. Ges Cavalotmte, Finuino de No-
vaos. Gonvalves Ferreira, Felipiie de Figiioiroa,
Joo'Vieira', Oliveira Fonceca, Alliiiqtierque Lacr-
ela, Quedes Gondim, Lamenha Lins, Barros Wiu-
derley, A. Correa de Aranje, Cineinato Camboim,
Ferreira de Aguiar, Oliveira Andrade, Gomes P-
rente, i'unha e Figueiredo, J. Correa de Araujo e
Vieira de Mello.
Abro-sO a sessio.
EVI'KIEJiT
Oficios :
Do presidente do conselhe de ministros, agrade-
cendo. em nome do governo imperial, o eficaz
concurso desta assembla, atiin de que a lui de 28
de setembra de l87l traba exeeueao nesta provin-
cia, conforme o peaauBMto do legislador geral.
Receido com agrado e manda-se archivar.
Do secretario do governo, remetiendo copia do
aviso n. 5.107 de 28 de novembro do auno passado.
em que o Exm. Sr. ministro do imperio chama a
atteneao do Exm. Sr. presidente da provincia para
a conveniencia desta IImambes decretar urna con-
tribu cao annual em favor dos institutos dos meni-
nos oegos e dos surdos-mudos, fundados na corle.
A' commissao de instruccao publica.
Do inesmo, remetiendo duas colleccSes, sendo
urna das leis geraes e a outra das decisoes do go-
verno. relativas ao anno de 1871. -Archve-se.
Do inesmo, remettenio um exemplar impresso
da falla, com que sua magestade o imperador abri
a 1." sesiSo da 15.a legislatura da assembla geral.
Archive-so.
Do mesmo, remetiendo o teto de 11 de novem-
bro prximo lindo, por copia, prorogando por mus
quatro tunos o contrato, celebrado em 16 de Jumo
de 1868, entre a presidencia e o Barao do Livra-
inento. para o calcamento da cidade.A' coiumis-
sao de obras publicas.
Do mesmo, remettendo 16 exempUrdi impressos
do relatorio com que o Exm. Sr. desemhargador
Francisco de Paria Lemos passou a ndmmistracao
desta provincia.A' distribuir
Do mesmo. reni'-ttendo as resolucoes de 15, 26
e 27 de maio do anuo passado, que nao forain con-
vencionailas pelos fundamentos aellas declarados.
*' eomtnissSo de constituicao e poderes.
Do mesmo, transmittindo os inclusos originaos
das resolucoes de ns. 1.027 a 1,049 e de ns. 1,0'il
a 1.073. saaocioaadas uo auno prximo [i.'.ssado.
Deixando, porem. de remetter o exemplar da re-
solacio n. I,03fJ. por ter sido presente ao Exm. Sr.
presidente da provincia um s exemplar.Arclii-
fou-ee
Do mesmo. dizendo que o Exm. Sr. presidente
da provincia tica sciente do resultado da eleicao
a que se procedeu para a organisaco da mesa.=
Inteirada. arehivo-se.
OSDEM DO DIA
O SIL G0E8 CAVALCANTEr(pela ordem.)r Sr.
presidente fui eleito memliro de nina eommissao
desta casa, da commissao de justica civil_ e crimi-
nal, e tendo motivos que, me forcam a nao poder
funecionar na mesma commissao. eu pecji a V.
Exc. (ue consulte a casa se me concede dispensa
desta commissao.
Consulta.ia a casa concede a dispensa pedida
Continua aeleicao'das eommissocs.
Negociot ecclesiasticos.
Finiiiiio de Novaos
Cuuha e FiguAiredo
Lamenha Lins
0 iveira Fonceca
Aimeida Pernambuco
Vigano Tito
Felippe Figueiroa
A Gurreia da Araujo
Aibuquerque Lacerda
Exumes epotturu, rejpeteiUafSes e
aunara municipan.
Ernesto Vieira
Pinta Jnior
Olympo Marques
Gomes Prente
Cincioato Camboim
Gameiro
Ornamento mtnictpu'.
Ges Cav;;loante
Aibuquerque Lacerda
Oliveira Andrade
A. Crrela de Araujo
Cincmalo Camboim
Gomes Prenle
Arconeio Silva
Gamero
Luienba Litis
Felippe Figueiia
J. Corroa de Araujo
Mello Reg
Erneto Vieira
Sumie anot-a.
Ciacinato Camboi:n
Freir Gameiro
Mello Rogo
Araaral
Arconeio Silva
Lamenha Los
Aimeida Pernambuco
Oliveira Fonceca
Pinto Jnior
Tolentno de Carvalho
Gongalves Ferreira
Alvaro cha
Albupicrque Lacerda
Mamede
Jao Vieira
Gomes Prente
Cincnato Gamboim
MellQjeg
ErnesFVH
Gnalter
Oliveira
Olymrfio
Cunha F,
Novaefi
Oliveira
OS
ro per
I
*
rad*
ideite
t a|dilas
telo, atm.de escollieraej
Ha parw da cOrmRaWi
Procedido o sorteio, foi escolhido o Sr.
rea fc Arfljjo.
Ordenado!.
Aibuquerque Lacerda
A. Correia de Araujo
Ernesto Vieira ^
Arconeio Silva
A i na ral
Cunha e Figneredo
Alvaro Ucha
Olymplo Marques
ianiboini
Joao Vieira
Pinto Jnior
Goacalvos Ferreira
Oiiiogo Novaes
Barros Wanderley
Olivera Fonceca
fbrcrt pociml.
Goncalves Ferreira
Aimeida Pernambaco
Vieira de Araujo
Oliveira Fonceca
Lamenha Lins
Tolentino de Carvalho
ainlia e Figueiredo
Aibuquerque Lacerda
Barros Wanderley
Pinto Jnior
Arconeio Silva
A. Corria de Araujo
1 l>mpio Marques
Gameiro
Goos Cavalcanti
dos frades Irmciscanos atrt*t Mft^nati> igna deatteacao de se aprekeStSr, urna vez mjrina Frites de Mendon.a. dUh, tu. ^.^i w
... ~. _.- wtfaaaajaj ...
Do Sr. desembargados SiUa Gumaries ao Sr.
desembargadur Res e Silv* : ap(tellai)les Fer-
reira i Martina; appellado Andr de Abrou
Porto.
AGORA VOS.
Juizo espeasKio commeraro : aggravaaH Jos
de Souza UBreirv & C, aggi avado Jos Uves
da Silva. J
O Exra.ll coaselh'iro pr-sidente dea prov-
meuto.
ial do
rigoes d(
Crilt
coaaolliero ptcsiJente nao tomou
A. Cor-
ito poucas sito as rua#MMHas ou rectas
ns ou tros me ainda qUMujtv esse mesmo'
Lt, lembrairav a dificiiraaw'tfie embataca'
oompleta execucao delle, iamertura da parte
eomprebendida pelo quartel da companhla de ca-
vallaria, tejnos Umb
ento,
icoes do
o qu
Pesappa
dao ; sen pi
ade que mai
a de
em c
,quan
edificio,
aler hi,.
ordem 3" de S. Francisco, nao ser de eertooauej
10

I
S
i
I
1
I
I
1
1
17
15
lt
5
4
*
t





i)

i;
i

>
(Continuar-se-hii.)
Pinto Jnior
Barros Wanderley
Goncalves Ferreira
Gomes Prente
Cincnato Camboim
Aharo Ucha
Lamenha Lins
Arrancio Silva
Aibuquerque Lacerda
Freir Gameiro
A. Correia de Araujo
MJeSa*.
20 votos
18 a
, 8 a
6 ii
:',
o > i>
*
2
ti
/(.Vi". lis di
20
10 u
15 ii

/
1 ii
1
13 i)
14 D
11 a
7 a
1
3
3 ii
u
1
1 11
1 II
l II
1 II
li votos
11
,7 '
> 1
4
4 1
i
. 1)
S
1
1
1 *
1
1 i
i t
1
17 1 1
i;;
12
6
1 ,
1
l
1 i
1
, 1
i 9
REVISTA DIARIA.
>
Assembla provincial.A assembla
hontom lunecionon eoiMM Srs. deputados.
Approvadas as actas dasesso de 3 e da reu--
niao de 4 do corrente, o Sr. secretario leu o se-
grale expediente:
Bal oficio do Exm. Sr.- viseonde do Rio-Bran-
co. eommunicando que foi presente a S. M. I. o
oficio da assembla, no qual congratula-se com o
governo impeperial pela lei de 28 de setombro de
1871, e agradecendo em nome do mesmo governo
a apreeiac.io benvola manifestada pela assembla.
Rueobiuo com agrado.Archive-se.
Ouiro do secretario do governo da provincia,
remettendo as resolucoes da assembla de ns.
1,027 1.059 e de ns. 1,051 a 1,07.1 sancckraadas
o uno passado.Archive-se.
Outro do mesmo. declarando que fica o Exm.
presidente da provincia sciente da eleico que se
procedeu para organisacao da mesa da assembla.
Inteirada.
nutro do mesmo, remettendo as resolucSes da
assembla de 25, 26 e 27 de maiodo anno passa-
do, que nao foram sanecionadas. A' commissao
de constituicao e poderes.
Outro do mesmo, remettendo i6 exemplares do
rotatorio com que o Exm. Sr. desemhargador
Francisco de Faria Lomos passou a adniinistraiio
desta provincia ao actual presidente. A' distri-
buir.
Outro do mesmo, remettendo por copia o acto
ila presidencia, prorogando por mais quatro anuos
o contrati.' celebrado com o barao do Lvramenlo.
para o ligamento desta cidade. -A' commissao de
obras publicas.
Outro do mesmo, transmittindo lini exemplar
da falla, com que Sua Magestade o Imperador
abri a pi uncir sessao da 15* legislatura da as-
sembla geral. Archive-se.
Outro do inesmo, remettendo urna colleccao das
leis geraes, e outra das decisoes do governo, rela-
tivas ao anno de 1871. Archive-se.
Outro do mesmo, transmittindo por copia o avi-
so n. .".207 de 28 de novembro do anno passado.
A' commissao de instruccao publica.
Urna peticao do Joaquim Gancalves Ayres, pro-
fesor de Villa-Bella, pedindo quo lhe sja comi-
do para sua jubilacao o lempo qu* servio ila pne-
feitura de Flores, na qualidade amaBuense)
A' commissao de instruccao publica.
Passando or Jem do da, continda a eleijao
das commisSuM e sao eletos os seguinles senno-
res:
Ji$gteit ecclesa*\icot
Conego Firmino de Novaes, padre Cunha Figuei-
redo e Lamenha Lms.
Postaras e negocios de cmaras.
Ernesto Vieira, Pinto Jnior e Olympo Mar-
ques.
Orr.ameno ntthjcipat,
Ges Cavbante, Lacerda e Oliveira Andrade.
Sailc publica.
Cinciaato Camboim, Gameiro Jnior e Joaquim
Mello Reg.
Peticics.
Pinto Jnior, Wanderley e Goncalves Fer-
reira.
Legislar&o.
Gomes Prente, Joo Vieira e Game ro.
OrdeiuuUs.
Lacerda, A Correia e Ernesto Vieira.
horca policial.
Goncalves Ferreira, Pernambuco Filhe e Jeito
Vieira.
Nao havendo mais numero, o Sr. presidente le-
vantou a sessao s 2 horas da tarde, dando para
ordem do dia de hoje : continaacao da anterior,
primeira dscussao dos projectos ns. 70 e 103 e
segunda dos de ns. 0, 8i e 91 todos de 1871.
\ riii rs:ii-iis. E'.hoje o da revolucao
de Pernambuco no anuo de 1817.
Faz lije 40 annos e rei de Wurtemberg.
Amanha conipletaiii-se 6a annos que a fa-
milia real portugueza chegou ao Rio de Janeiro.
Urgente necessidade. Ha poucos
dias chamamos, d'aqui mesmo, a atteneao da au-
toridade competente sobre a opporlunidade que se
nos aprsenla de satisfazermos urna urgente neces
sidade publica, desapropiando urna parte do an
tipo hospital da ordem terceira de S. Francisco,
atim de realisar-si; o velho projecto do prolonga-
mento da ra Duque de Casias at o Campo dos
Princezas.
A importancia dn;ue!Ie melhoramento publico
e a faeilidade de elfoctua-lo, que ora se nos offe-
rece, por occasiao da reconstruccao a que all pro-
cedem. parecen nos estar de ta! modo reconheci-
do por todos, que entendemos bastante relembrar
a questao, para que desta vez tivesse ella a dse-
jada olui.ao, em virtude de medidas que em tal
sentido, era do suppor, se toinassem.
Vemos, porm, que assim nao acontece, pois a
ninguem intci-rsaou a nossa lembranca, e em vez
deserem demolidas a- paredes do antigo edificio,
vao-sc abiindo unas e fechando outras portas :
notndose ora todo otrabalho um eerto aeoda-
damento, como que para evitar que se promova
esse grande melhoramento, ou pelo menas, que se
perca o ensijo em que elle muito menos chstaria
a provincia.
E' penoso reednhecer que o interesse, que Inspi-
ra a posse de urna pequea 'nesga de trra sobren
puje urna, como aqulla, rao palpitante fonvenienj
cia publica.
Nos pizes em que certa ordem de melhoramenj
tos pblicos, como este de que se trata, constitue
urna das serias preoccupa.oes da autoridado, na
se faz mister que- a Imprensa- a estimule ao des
empento dos encargos commettdos acs seus cui
dados; entre nos, porm, nao obstante o jornalis
mo delles se oecupar raro sua palavra deixa d
ser muda.
Entretanto, estamos convictos de que esse mef
Ihoramento da cidade se realisar mais tarde ei.
mais cedo ; cumprindo( 'porm, observar que, oc
rao sempre nos ha succedido em negocios dess >
genero, nos custar entao dez vetas mais do qu i
nos cu-taria actualnienle, quando ha a paga
um podaco de torras- e velhas conttruccCes de p-
que:;o valor ; e alo grandes, im orlantes e ue-
vas obras como as que se ai esto levantando.
Respondei.do a urna objeeCao que particular-
mente se tem opposto ao nosso primeiro artigo,
cabe-nos dizer que bem sabemos que nao pode
deixar de ser tortuoso o protongamento daquella
ra aparte comprebeadida pelo terreno que
disputamos, em virtude da differenca de plano em
'que se acham o edificio da ordem Z* para o do
ooaamercio : afgravante
li'aliDs, aggravado Jos
moa hora da tarde
erra pois multo ronvemente que^pelo menos,
se aprovettasse a accasiio mais opportuna que a
actuad paraa 4fsapro[iriaco daquella parte do
dito edilicfo e que por olla se abrisse o prolonga-
mento da ra Duque de Caxias, at onde fosse
posslvel ; pois quinto sfbeHunt do qutrwl j/ara
comoleta-lo, seria sso depois questao de facilima
Pazaduria da thesouraria de fa*
aemam;Realisam* mije o pagamento das se-
guiatea folbas : |tensionisias, navios da armada.
Festividatte rellgloaa.Como melhor
se ver de um a pedido que vai publicado na sc-
elo competente, os enearregados da festa de Nossa
Senhora da Soledade, que se venera na groja ma-
triz do Po>o da Panella, etTectuorao a deste anno
com o maior esplendor.
A contar da noute de 9, em que ser arvorado
0 estandarte da mesm excelsa Senhora at o dia
de sua festa, 17, tude do correte, todo o pavoado
do Poco da Panella exubertr de galas e manifes-
tacoes'de amor virgem Santissima da Soledade.
E' de esperar a maior concurrencia de fiis, nao
s festa, como ao exereio do setenario, em que
tarubem se observar a mesma opulencia do culto
Rainha do cu.
A quem competir.Pedeui-nos que recla-
memos contra o modo irregular com que se tem
procedido de certo terapo para c a respailo da
cordearao da estrada do Joio de Barros, oude pre-
dominando abusivamente o capricho ou mteresses
dos que teem all edificado, aprsenla hoje aostra-
da um aspecto desagradavel, quebrada por curvas
disformes, reentrancias e saiiencias, que nao teem
urna explicacao que as justifique.
Bora ser que e$se aosso appello aproveite es-
trada de Joao de Barros.
Ja parece pilheria.Anda hontera fo-
ram mandados deitar ao ro, 67 kilos do carne
verdo apodrocida, que pretendiam vender popu-
la'.io. Varao-nos logo resguando ; tacamos logo
as nossas coatas e preparemo-nos. for lim havo-
raos de come-la sempre e.....morrermos Assim
Esimagament.-Xa altura de Belem foi
ante-honfein, entre as 8 e 9 horas da noute, com -
pletamento esmagado por um trem da linha frrea
de Olinda um individuo de nome Miguel Joaquim
da I'orciuncula, quo segundb a parte da polica, em
estado de embriaguez se achava deitado sobre o
triliio.s- da inha
Tentativa de aasassinato.-Na noute
de 11 do mez prximo fuido o capitao Antonio
Pinto Correia, na occasiao em que segua da po-
voacao de Corrente do termo do Garanhuns, para
0 sitio Boa-sorte, foi forido por uin tiro que le
desfecharam de emboscada.
Por tal crime acham-se presos Jos Mara dos
Santos como mandatario e Mana Francisca Calla-
do, como mandante.
Outra. -.Na povoaeao de Caxang, Barnab
Luiz Caldas, tontou assassinar sua propra inulher
em 2 do correte mez, desfechando-lb.fi um tiro
de espingarda, o qual, felizmente, nao alcancou
O denqueute foi preso em flagrante.
I'rlsoes. Pela delegtcia do Cabo_foram
presos e recolhidos respectiva cadeia, Joao Fir-
mino dos Santos Fragoso e Manoel Antonio Das,
autores do espancamento afli soffrido por Flix
Rodrigues do Espirito Santo, de cujo facto j nos
oceuparaos.
Lotera.-A' que se acha venda a i2" a
beneficio da matriz do Granito, que corre no
dia 12.
Leiles. Hoje (6) deve ter lugar o leil^o
de fazendas e calcados avariados, conforme est
annunciado para as 10 1/2 horas da manha no es-
criptorio do agente Pinto.
Hoje tamban eflectua o agente Martins o
leilo de duas casas terreas sitas na ra da Poei-
ra.freguezia do Poco da Panella ; as 11 horas do
dia no armazem n. i8 da ra do Imperador
Amanha vender o mesmo agente differentcs
terrenos e predios entre os quaes encontra-se nm
sobrado novo, edificado em chitos prnprios na ra
do Imjierador, o qual d nm bom rendiniento an-
nual.
Casa de detencao.Movmento do dis
1 de marco de 187:1 :
Existiam ( presos) 334, entraram 16, sahram 10,
existem 338.
A sabor :
Nacionaes 231, mulheres 14, estrangeiros 48,
escravos 82, escravas ti.Total 355.
Alimentados acusta dos cofres pblicos 271.
Movmento da enfermara do dia de marco
de 1873 :
Teve baixa :
Laurentiiio Jos do Nasemento. (ndgestSo).
Tiveram alta :
Manoel dos Santos Jnior.
Galdino Apolonio Pereira.
Joao Coolho Jos de Souza.
Domingos Gouveia Pires.
Joao (escravo de Rbeiro Guimaraes).
Hospital Pedro II. -O movmento doste
estabelecimento de 21 de feverero ao dia 2 de
margo foi oseguinte : existiam li?, entraram '.'i,
sahiram 31, falleceram 4, existem H2, sendo :
M homens e 89 mulheres.
Advertencia,
Foram visitadas as enfermaras nortes das as 8,
8, 8, 7 1/2, 7. pelo Dr. Ramos ; as 12 1/2.
2, 12, 12, 12, 12 I/i, pelo Or. Sarniento ; as
lf, 8 1/2, 9, 9.9, pelo Dr. Malaquias ; as 8 1/2,
9, 9, 9, 9, pelo r. Vianna.
Fallecidos.
Jonhn Petterson ; febre amarella.
Manoel Sehastiao do RhseimentO; varilas con-
fluentes.
Catharina ; diarrha.
Manoel Lopes de Carvalho ; bextgts.
Emiliano Jos de MeHo ; bexigas contluontes.
Francisca ; infeceo pnrulenta.
Felicia ; tubrculos pulmonares.
Joo de Souza ; bexigas confluentes.
Aniceto Antonio ; interite ulcerosa,
i.uilhermina Mara da Coneeico ; diarrha.
Antonio Anacido Castro ; febre amarella.
Juizo
Francisco
Goncalves
O Ex;
conhecim'
Encerroii-O a sessao i
menos um quaTto.
Urtri BA.IiL OF Klo ni; JANEIRO
iv**"* 'umn.it
Capital do Banco em 50r
acres de e 20 cada uma 1,000:000
Capital realisado...... 500:000
Fundo de reserva...... 120:505
BALANCG DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EM 28 DE FEVERERO DE 1873.
ACTIVO.
Letras descontadas............. 1,104:171 900
Eiuprestmos e cuntas caucionadas 233:569 080
Letras receber............... 2G:0O637 Garantas e valores depositados.. 315:619*251
Mobilia, etc. do banco........... 10:744*620
Diversas contas............... 248:7184120
Caixa......................... 281:970*310
Rs. 2,420:7994620
.vssivo.
Costas correntes sim-
ples..............
Deposito prazo lixo
com aviso e por le-
tras .............
292:639425o

1,482:877*190
Ttulos em caneao e deposito.....
Diversas contas................
1.743:5364440
315:6193220
189:643*900
virfo pe-
aBaaB^ha v
As horas ija taiili; do refecida dia app,ire ora tndifiduHai'avao, dzeiilo chamar-se Auto
no Al ves dflBH^i, *r i*sthbe1ecido na ra d<>
Mrquez de alinda a Ai, e dhigindo-se ao admi-
nistrador do cemiterio publico pedio-lhe que man-
dasseinhuma^tJr?queno djLuW> que elle no dia
seflpte maamK os daJnmflBnecessaruis.
0 teipieiiQ defuntiiS inmip|do no domingo
as 4 m>ras : chegou aVJaSmiierii publico ao m-n>-
dh e o Sr. Antonio AHft da Sihm cumprio a pro-
messa feita ao administrador.
Bis o facto. e profoctios a qajem quer que fo-
se o informante da gatetilia do Jo, no/ do Recite
a vlr contest-W sob sea asslgji|ura e resper.-a-
blidade. |
Rs. 2,420:799 620
S. E. 4 O.
Pernambuco, 3 de mareo de 1873.
F. B. Btoxham, raanager.
/.. nenil'rson. accountant.
9U9LICAC0ES PEfIO
CHKOMCA JUIIKUIU.
Tribuanl do commercio.
SESSAO JUDICIARIA EM 3 DE MARCO
DE 1873.
PRESIDENCIA DO EXM. SB. CONSBLHEinO ANSELMO
FKANCICO PERKTTl.
Secretario, Julio Gaimaraes.
Ao meio dia declarou-se aborta a scsso, estan-
do reunidos os Srs. desembargadores Silva Gui-
maraes, Res e Silva e Accioli, e os Srs. deputa-
dos Olinlo Bastos, Candido Alcoforado e Lopes
Machado.
Lda, foi approvada a acia da precedente Basol.
Foi apresentado o oGiciu do 1. do presente
mez, do Sr. dcpntado supplente Jos Francisco S
Leilao, eommunicando nao poder, nestes 30 ou 40
dias, lomar parte nos trabadlos deste tribunal,
por se adiar em uso de remedios. E o Exm. Sr.
conselheiro presidente declaro* que, na sessao
administrativa de hoje, se convidou o Sr. Joo
Pereira Reg para tomar assento no tribunal, du-
rante o impedimento do Sr. deputado Antonio
Ignacio do Reg Medeiins e dos deputados sup-
plenles Jos Francisco de S Leitao e Joaquim
Mauricio Gonvalves Rosa.
0 escrivo Aibuquerque regislrou o ultimo pro-
testo de letlra a 25 do mez passado, ob o n
1,719 ; e o escrivo Alves de Brilo a l\do pre-
sente mez, sob o n. 2,643.
AC00RDA0S ASStGNAltOS.
Appellante Rabe Sc.hmnietiau a. C, appellado
Joo i ereir Moutinho ; appellante Domingos
Pinto de FreiUs, appellado Antonio Ferruira
Braga ,
JULGXMEMTOS.
Juizo especial do commercio appellante autor
Joo do Reg Lima, appetlados reos Barbosa & C.:
juizes os Srs. Silva Guimaraes, Accioli, Candido
Alcoforado e Lopes Machado. Foi confirmada t
senten^a appollada.
0 Sr. Omito Bastos apresentou o Jeito adiado a
seu pedido na sessao passada, entre partes : ap
negocios doprccifdio do Fcrnaa-
do de \sfsiiht*.
Promettemos voltar imprensa munido com docu-
mentos authentie,is para provar outros faetso desas-
sisados praticados |telo actual coiuraandante da
quella malfadada ilha, Antonio de Campos Mello.so-
bre quem pesam bastantes responsabilidades; e,
com qunto cstejamos bem munidos, com tudo nos
aguardamos para a volla do transpurle que para
all seguir, como coslunie e mesmo porque os
factos j publicados, sao mais que sufcieutes para
nao escapar a perspicacia do Exm. Sr. presidente
da provincia, que pravavelmente lia de querer
perscrutar a verdade, e chamar a contas aquelle
commandante, que desgragadainente enlendeu, ser
aquella ilha fazenda sua, ou seu feudo, onde so-
berbo e impvido se considera sem responsabelida-
de, esquecendo o que diz o sabio a vinganra Di-
vina anda atraz do soberbo para o castigar se-
quitur superbus nitor a teryu Dos. Pedimos por-
tanto ao mesmo Exm. Sr. presidente, se sirva at-
tciider o seguinte:
Quando questionaram o tenente-eoronel Campos
Mello como ex major dapraeaTrajano Alipio Car-
valho Meiidonca, este fez presente de sua defeza
em folhotos, a diversas pessoas naquella ilha ; do
que tendo ciencia o commandante, com o maior
cynismo os fez procurar, prometiendo castigar a
quem os tivesse, e nao entregasse ; pelo que orde-
nou rospondesse a todas as revistas, e tizesse o
servico da polica nocturna rondante a Joo da
Costa Jnior ( comnuudador i hornera octogenario
3ue all sempre se conservou merecedor da estima
os commandantes, nao s por sua idado avanca-
da, como pela exemplar conducta que sempre des-
envolveu ; tal era o desejo de vinganra daquelle
Mero moderno, que nem ao monos sabe reopeitar
a velbice, e so apraz em dzer nos seus excessos
orgicos sou protegido do Duque da Caxias, e o
Rio-Branco nao me mudara ; represente quem
quizer ; o chavao quando Baccho demina ; e o
major da praca J lhe responleu una vez, irado,
Duquo de Caxias iiam o eonhece.e Rio Blanco nem
sabe se V. S. vivo ... .o isto por ha ver o velho
recebido um dos taes folhetos : os presos Santa
Auna, Marcolino e Mam"! Pereira da (,osta, que
vieram jarar a verdade era favor do ex major da
jirafa, regressaram dous ; o 1. ao chogar foi logo
castigado ; o 2." por asseverar o r. Marciano. : lo
poder soffrer castigo de chibataiias, com amagros*
sa corrente ao p, e acompanhado por um cabo,
foi mndalo iudar podras de un para outro lado.
e o 3o quem sabe o que espera, por isso quo. quan-
do chega o vapor, aqualle commandante sempre
porgunta veio o Mauoel Pereira ? agarra-sc
com os santos todos da corle dos Cot, e da trra,
para l nao ir, eai quanto estiver o sanhdo Cam-
ilos Mello. Assim, Exm. Sr. presidente, qual ser
o sentenciado que ter o arrojo de dizer a menor
palavr em abono da verdade 7 qual o paisano all
residente, e mesmo empregado, querer expor-se
as violencias de um devoto dos bacchantes, e das
erytanas aguas serpentina?, que necessitando all
vvorem, uns com onerosa familia, e outro?
bastante velhos, que tendo este atrevraiento,
nao fosse mmediaiamente retirado a pedido, e tal-
vez all mesmo fulminado t As estacas seriam no-
vamente platandas para uns.e a perseguieao infre-
ne para outros.
Da sabia o justiceira administraste de V. Exc.
partir sem duvda as bem acertadas medidas, para
couhecer da veracidade dos factos pa Ducados nos
Diarios de 21 e 23 do ja.icio prximo tindo.
Voltar a Fernando, o cora noves Wtoa recor-
rer presidencia o
Filko de um tic* fustigados,
O illusti'C hir. Dr. l'Vlippc !%srj-
follueo e o beiteplacto t\o%
govei'iioN <*%'Im.
O Ilustre Dr. Felippe Nery Couaeo, com seu
comniunicado para o Diario de Pernambuco, sobre
o beneplcito dos governoscivis, tem brilhado com
sua intellgcicia e sua peana de onro.
Nao era para esperar que o Sr. Dr. Collaco nao
desse resposta, por mais uma vez, aos algiizes da
igreja, e de nosso joven pastor, que. felizmente, s
tem sido notado por gente que nao sabe para
onde lica o carainho da verdade, c querem fallar
como leigos em materia tao prima.
Continu Sr. Dr. a brilhar em seus communca-
dos, que ter como guia um anjo divino.
J nao a primeira voz que o Ilustre Dr. falla
em materia de relgo, tao claramente qu nao
deixa a duvidar a verdade ao mais descreme.
Parece que V. S. acompanhou e navio Jess
Christo.
A questao difcil, mas. esperamos cootiados
na alta Ilustradlo de essa couirauna de leigos o que a verdade, ja que
a nimba fraca cabeca nao tem forca suficiente
para isso.
Deus o guie no caminho que percorre.
Recife, o de mar.'o de 1R73.
Um filko da iiireja cai.hohca.
H6 itewrte palc.
Sim, s neste paiz tem a imprensa dcscidp tan-
to, nos Estados-Unidos a imprensa seria ttin sa-
cerdocio, alli procura-se a verdade para informa-
la ao publico, aqu, porm, a mentira e o incrivol
para desvairar o publico o !rva-to a formar um
juizo falso, importando poueo aos calumniadores
que dito juizo prejudque as alheias reputados.
Admira-nos summarhonte que pretendehdo o
Jornal do Recife o foro de jornal serlo e sensato,
admitisse era sua irazetilha de hoje -B de maco
a inverosimel noticia sob a epigraplieSO neste
paizsem attender que ella nao poda absoluta-
mente ser verdica e basta ter um pouo de sonso
(iara repelr como falsa e calumniosa dita noti-
cia.
Vamos narrar o facto, e o publico julgue se me-
roce fe a gazuliiba do Jemal 4 Recife.
Domingo, 2 do corrente, ao mcio-dia, chegou ao
cemiterio publico um pequeo detunto conduzido
por seis meninos, quando j se haviam retirado
os empregados e serventes, a excepj-io do portei-
r, a quem um dos meninos apresentou a licena
parochial, e como aquelle declaraste ao menino
que faltava o visto da polica e o acouselhasse que
o fosse buscar, cando seus cornpanheiros com o
Gonstando-ine que a mim se attrlbue a amona '
de ura artigo inserto no Jornal do Recife de 4 do
corrente, com referencia ao exereicio do Sr. Dr.
Oliveira Andrade.juiz substituto de capellas ; pro-
testo contra scmelhante versao, asseverando (uc
fui eomplotamente estranlto aqoelle uianejo.
E assira provoco a quem quer que se julgue
cora direito a me considerar o autor do referido
artigo e exhibir prova disto.
Recife, 8 de marco de 1873.
Dario Cavalcante do Reg Albiu/uergue
Contra-protesto.
Por Jess (.hristo Nosso Senhor e a Santa Se
Apostlica, contra-protestamos e profe-to dirigido pela seta maromea ao poder geral legis-
lativo contra o Virtuoso Rispo de Pernambuco,
aiini de nao pasar impune uo mundo catholico o
acorvo de blaspheuiias e heresias que encerra esse
papel satnico e incendiario.
Concebe-se, se de razio, que o opprimido in-
justamente tenha direito a haver o que lhe foi ti-
rado por violencia. E realmente a violencia _rm
exereicio bxarcerba duplamente n o|>primt**i.
quando sendo obra do poder publico elle suruo
aos reclamos da victima jnlgada ncijatitamenie.
Por outro lado, a repararn da violencia, em ro-
presate ao bppressor, faz com que o nppriniid
torne, nao smplesmente, ao estado primitivo;
mss a outro mais lisougeiro e superior : tal e a
fundo o elTcito que produz no opprimido a repa-
raco da violencia pela justica (e da justiru pe-
la 'lei.)
O mesmo nao acontece, quando se repara o (pie
se devia negar, e se nega o que se devia reparar,
porque entao a obra da iniquidade nao prod;:r.
urna siaijilce exaicorba<;o no opprimido; hia
um horror iso effeito para o deixar perdido na
esperauca (pela t e na f pela carhltde.)
Nao c trata de punir um reo que, sguml > c
direito dovo ser ouvido com sua defeza ; htB ia
execucao de uma condemnatora pontificia, <^>'
urna ou umitas bullas dos sumaos sacerdotes, vi-
garios do Christo nosso redemptor, por crime 6g-
gravado contra a sua santa relgo.
Nao se trata de culpa leve, nem de urna .
pa que levanta cslellos de traquinaran con:
ordom domestica da familia, om direito ofrlcios da tolerancia ; mas de inulos reos convic-
tos com as armas do crime em punho disputando
o sagrado altar de Sequn reproduzido at no/e em
Jess Christo. a custa de moeda de sangue r 'sa-
crificios de tantos niartyres de sua igreja.
Nao se trata de por um torpedo de carne oor-
rompida, nem deceparos impos por cabe'a ; por-
que dizom as escripturasnilo quero a marte 'iia
impos ; mas que os impos se concertam...
Nao se trata de salvar ao pai, quando j se j...
possa quebrar o anol tenebroso qne o cio'gC .''
fundo do abysmo eterno ; mas ao menos sfvtm-
so os flhos, e sobre ludo os pequennos_ aa'
ser entregue o bastao do movmento cvrrP*r
ligioso no dia fatal em que havonios de voltar ao
seio da natureza ; porque dos poqueninos o rei-
no do eco, segundo Jess hristo.
Nao se trata de romper a uuidade da f de qwi.
pela f niorrer em Jess Christo nosso divino pts-
tor, pois elle dissequem por mim perder a n>a
alma, ganha-la-ha era man pai que est no co
porquanto sou o lira da lei para jiutifkar a tmi
que cror ; porque esta escripto, que ninguem co-
n'nece o lilho senao o pai, nem alguoni conhec i
pai seno o filho o a quem o lilho quizer revel:.
Assim, nio se trata smente de preparar o cu
po ou o que de Cesar ; mas principalment' >
espirito ou o que de Deus : porquanto, de n:
servir o corpo, se o espirito o abandonar.
Nao se trata de arredar o altar dos justos e'pe-
cadores, fechando-se ou interdzendo-se uma.oii
mais igrejas; mas de castigar os impos e acaute-
lar os justos no caminho da salvaro, cujo fm.al-
tingera por actos proprios de penitencia, ou pi;r
dispensa dos pastores ministros de Dees.
Nao se trata de abusos do poder pastoral, coma
dizem os impios de m f qne rolam obsecadi
na harona ; mas de fazer valer as altas attrihm-
ces dos pastores em suas diocesos : porquan"
sao estes os competentes para ordenarem eteram
obedecidos pelas mansas o velhas que deixem
exereicio do culto externo, emquanti arrebaiiltaw
as ariscas que vvein falazmente espantadas V
aprisco por nlfagos de Salanaz !
Assim lica ao alcance dos fiis, que a iatorme-
co das grejas laucadas pelo nosso virtuoso >. i--
loso pastor, s se entende com os excommuner
dos peilreros livres, quo a todo o transo strwi
privados de entrar na casa de Dous, eniquani"
persistirem no erro e contra olles pesar a exeom-
mnnhad dos santos padres, e nao com os liis q/ie
em tes'.emunho do obediencia o amor a dividad'
se eurvarem ao annel pastoral de seu primaz.
Entretanto, nao se traa do apenar o aprisco sa-
grado, nem do laucar ferrnlhosa suas portas, pr.-
vando-se a justos e peecadores do exereicio da
publica penitencia, como dizem os exeommonga-
dos; mas de expellir os demonios do corpo dis-
tes e aguardar aqnellcs do tao imraundo coa-
tacto !
E entao da que se trata alm disto f Vamos di-
ze-lo por dever religioso aos que vivera cngann.v
dns as falsas theorias desse p amaldicoado, mi*
se arroja a por diques a marcha da igreja de Je-
sus Christo. violando os seus decretos e estrerae-
cendo os si-us fundamentos apregoando c prete--
tando falsa caridade. ,
Sio tratamos do poder temporal, nico qne fi-
djvldanieiite poda chocarse com o espiritual, pa-
ra atinal chogarem a um acc Tdo sem perder re-
da um delles a autouomia decorosa do:ua legiti-
ma procedencia.
Tratamos de prevenir os fiis e preparados e n
Jess Christo. contra um pugilo de excommung-
dos, tanto mais abomioavel e repeliente, qnanti i
uma associaco que so prendo Duicamento a um
juramento irrito e tenebroso contra a lei divina *
humana.
Mostr esto pgil lo amaldicoadn d'onde vem r
para onde vai. ou negu, se nao lera por guia uma
tenebrosa o pavorosa illuso, por obra de Sata-
naz, como qualquer condemnado quo, eugr.^s;
a sua milicia no fuudo do abvsmo ardente I
Nao ? Sim Porque nao ha le, rescripto ou
qualquer outro papel cora forra de lei dos impe-
rantes civis da igreja que, permita a ma.onarw .
por consequencia um principio do d sordera, nm
foco de heresias e bl isphomias cora carcter e BBjp -
Ihan a do verdadeiro malfeitor lan;.ado por sata-
nal no seio da sociedade civil e religiosa, pai;;
flagellar e porverter as almas apou:adas, desviuo-
do-as do cammho da salvaco.
Digam os fiis em ba consciencia, se WratK
em seus dias, tao vilipendiada, encarnecida e ai -
rastada a santa religio de Jess Crislo Nos?.,
Senhor 1 Nao eertamente.
Mas viram seus olhos ser violado brnacaoiojKe
pelos pcdrciim lirres da torra da Santa Cruz, em
presenca de meninos e familias, o interdicto da
igreja do Espirito Santo precedendo annuncios as
gazetas a o inslito e impo procedimento, pie
alis se tem repetido ora presenca do braco seeu-
!ar !
Virara por estes raesraos impos, ser fulmina-
do o propro dognia da virgindade de nossa mi
Maria Santissima t E o que mais ? !
Gente que tinha horror a igreja e que nunca
resou em sua vida, agora a laia de 6ro ile rumo
nas&a a fazor tercas t guarios na igreja p< Iluta nos
domingos e quintas foiras com a mais vivaioiau-
cao de m f ; e para mais clareza da m Te a
contumacia no erro, verica-se:
. 1. Nao haverera procurado se reconciliar com
a igreja, drigindo supplicas a seus chtes, int>-
trando-lhes obediencia evanglica e pedndoln'-
ausolvicao de sou erro.
2. Por serem contumazesno erro por actos ex-
teriores, violando os interdictos por mais de uma
vez, leudo earouseiliando a leitura do livros, pa
pois escriptos, e doutrinas prohibidas eapreaaa-
monte pelos chefes da igreja.
3. Terem recorrido a um poder meempeletm.
tentando por actos externos tirar do Den o-que <
de Deus, para dar, a Cesar o qne nn de Ces*r.
4.' Falttrem rom caridade evanglica a si, com-
metteudo e-cndalos por maio de njuriat, ealtii-
nias e dcamaooes contra o prximo e compre-
metiendo os fraoos do povo no seu erro.
5/ Assoalharem a noeessjdtle da deaobeaot
cia aos poderos ligitimos, sopnismando as leis e ti





^SW-io'dePtfttibutO'' Qttttf kfc&% cripta* ^aiboyces no.que ka de mais sagrado e
caridoso em Jess iHsto nosso rcdemptafef
*> Taado.rce infido bera on mal, nto'flttrda-
reui taeis-io. antes conlinuarem a arraetar pelo
eoetaif recoios e autoridades da igreja, como se
tal Mirto sao estivesse pendente ; o que prova 4
cebMU coafianca que tcein no que fazem e no, ,a
qutflHjaeiham.
^ ^^Jo anderero por este carainho tenebroso;
Kiio aein attendidos em cousa alguma por
lira poder da trra eniquanto nao abandooa-
rro ou nio se reconciliaren! com a igreja ;
pais, est escripia que, contra esti ai prevalece-
r* as ,tt(ii do inferno,
i* Auun mais, que de terunos em tempos. os
f" lSJ ptotrWU* urotiUikip lodos os metas eoin-
etter e acstrtyir a nceessidade da existencia
febjea dos dous soberauus poderes que, se-
p,as es.-ripturas funiiam uuias familia re-
;eida por Deus, pelo altar c pela tribuna se-
cular.
Finalnente militas eousas deviam ir neste con
ira-proteste ; mas corra como e>t: entretanto
JembramosA to-Jes e a bem, de todos a seguiute
passageiH :.. '
* Coiuduas ayde levanta o hamem das oou-
*as a trra; a sabor com a siuiplieidade e eom
a pureza.
A sieaplicidade ha de, estar no affocto, e a pu-
reza no. eeracao : a simplioidade pije'a inteiicao
t temos concluido.
Jterife; 26 de feverei'ro de 1873.
T.
ia & C,
*>i4 IV \h SrenWa lia Su-
leiaile un uitilriz do Poco da
l*nelH.
Os earaarregados da festa da Sempre Virgem e
Jmaiarujada Senliora da Sotedade, tendo obtido li-
eeara de S. Exc. Hrma. para solemnisar com a
maior pompa o aimiversario de sua excelsa pa-
Jroeira no dia 17 do correnle, fazeni publico a todos
sfleis e devotos que coneorrerain com suas es-
meras para este acto, que i festa ser feita pelo
mfawie
PROIJRAMMA
No dia 9 (domingo) as 7 horas da noute sahic
o estandarte la inesma Seuhora dobrado. em u'-aia
salva de prata, e eomluzido por um anjo, acompa-
aliado de msica marcial, sem cantona algma,
4a casa da juiza onde se acba, em direitara a Igre-
ja, donde saldr solemnemente carregado e acom-
panuado pela rmandade e o Rvd. vigario da fie-
aruezla ate ser arvorado em frente da igreja, con-
forme o estylo : ao ser arvorado o meneiouado es-
tandarte, subir ao ar alm de diversas gyrando-
laa de fogo, um bouquet de 36 volantes, que ser-
vir de aanunclar aos fiis devotos de ossa Se-
nhora que o seu estandarte se aeha arvorado : em
sesuid ser queimado um pequeo, mas lindo figo
de vista, no qual liaver um painel representando
o Sautissimo N'ome de Mara; tocar im todo acto,
bem como as noutes do setenario at o final da
fasta a msica marcial do 1.* batalho de artilharia
de que mestre o insigne artista Francelino.
?fo dia seguinte principiar o setenario com ver-
sos cantados por urna excclumtissima senliora que
dmente por devoco se presta a este acto : a or-
rhesta de*se dia, bem cuno de toda festa at6 final,
ftr.regida pelo insigue maestro Colas; e finda
arto, ser queimado um pequeo fogo de vista,
que sera repelido em todas as noutes desetenarioj
presentaodo em ca lijintis: a Aniuinciaifau de Maria ; Nascimento do
Medias; a fgida para o Egypto; a acliada de
<:hrislo entre os doutores ; o encontr d.jp Passos;
a espada de dor; >*ossa Senliora da S dedade,
Xo d;a 17, as 5 horas da manha, urna salva de
2* tiros, ao sem da msica marcial annunciar aos
devotos de Xossa Senhora da Soledade o pre-
oniicn. de sua festa; percorrendo a msica as
priacipaes ras do povoalo.
Vs 11 horas entrar a festa, que ser solenuu
rom a maior nompa, e aoentoar o Gloria, subir
uj Douqnet de 360 tiros; 110 Evangelho subir a
Uiauaa sagrada o Hvd. padre mesire Leonardo
Joao Greg 1, leonhecido como um dos nossos me-
fcores oradores sagrados: tenninar a festa com
mua salva de,21 tiros.
-noute haver Te-Drmn solemne, sendo orcu-
patta a tribuna sagrada pido Insigne orador o Rvd.
adre mesire Manuel Moretn da Gama; logo que
lindar o Te-Datm seni arreada a bandeira com a
niesnia sohmnidade com que foi basteada, pondo
Termo a toda testa um lido fogo de Vista, de que
e tutor o bem conhecido 0 acreditado artista Jos
ftlves Monteiro.
H,u K.fc. Jpdpjiqs. Camlas 2 caixa:
shaw Cramer, 2 a J. 'Ramos, 1 a Mouhard
L. Ulcados 2 caixas a Vaz 4 Leal, r a Kell
. a,Prt0 & BlLStos' :> a s A. Aranj, 1 a J.
L. Machado 1 a M. Bernel, 1 a Pereira de Melle,
i a 5>. b. Silva. Chapeo 1 caixa a A. Damnyer. 6
a Arnnnio 4 Moreira, 6 a Keller 4 C, 3 a'J. S
k ^ .' Chrialiani. 1 a N. Hernel, i Mo-
ntiard 4 L,i Costa Maja. Chrystaes 1 cajxa a
b. C. Medeiros, 2 a J. A. Pereira 4 C. Capsula*
3 caixas, a L. Gontalves Ferreira.
Drogas 7 caixas a Bartbolomeu 4 C, 1 aCaors,
12 a Maurer 4 C.
Envelopei 1 caixa a Vaz Jautor 4 C-, 11
J. v i>eves. Espelhos 2 caixa^ a Bastos Oliveia
3
ler Ibes flea marcado o prazo imuroregpvel de 30 das, a
formidade da le n. m\, art. 53, para' socitarcm desta
recolberem seus debitas proyenientes "
prazo, proceder-se-ha a cojjrnga
abaiso transcripto.'
Sec?aq do centencioso provincial de Peraambuco, \ d mareo de 1873.'
. que
contar da publicac/to deste, na con
seccao as resjicfivas guias, aflm de
lientos do mesmo iM**' cefv>s de que nao pagando dentro deste
p judicialmente, razeirdo publicar para istb a rlaeao dds devetfres
Relacao dos devedores do imposto de vinte por cento sobre diversos estabetecimeatos que deixaram
de paga seus dbitos no oxercicio de 1871 a 1872.
Ferragem 3 caixas, a Vw Sdiosten & C. Fari-
nha /5 barricas, ordem. '
Manteiga lOObarris e 10/2 ditos a A. F..Cor-
ga, 15 e 15/2 o 10 caixas a J. J., 2 a Neves,. 25,e
3o/2 ditos u Magalhaes 4 Irmao,438 aaOOra as
consignatarios, 25 e 25# a T. de A.Fonceca 4
C. successores, 25 e 25/2- a Duprat, 50 a B. Oli-
veira 4 C., 15 e M/ a J. J. Alves, 13 e 30/2 a
Guedesv 4 AlcoIbraJo, 10 e 10/2 a J. S. 'Neves,
37 caixs a Mills Latliam 4 C, 25 a Tli. Cliris-
tiausen, 100 e 130^ a Oliveira Azefjdo. Movis
2 caixas a S. e S 4 C, 2 a Carneiro,4 Nogueira,,
6 a Tasto Irrao 4 C, 2 a J.'S. Xeves, 1 a Barros
Guar Repir. Macas 5 caixas a S. e S 4 C, 6
a Adriano 4 Castro. Miudezas 1 caixa a Ramos
Peixoto A C, 1 a S.,Leito 4 Coimhru, 3 a D- P.
Wild, 1 a Cunoa 4 Manta, i a Barros Guar Re.-.'
pir, 3 a M. Das, 3 a J. M. Neves, i a Bastos 4
Sijw, 1 a Monliard Metller A C., 3 a Tasso 4, Ir-
mao, 4 a rarente Vianna 4 C. Machina 1, a Mo-
nhard & C. Medicamentos 2 caixas a J. S. Ra-
mos, .1 a M. Koberl, 6 a Bartbolomeu 4 C. Mer-
caderas diversas 2 caixas a S. o S 4 C.,
I a Monteiro Gregorio 4 C., 1 a Lopes Machado.
Obiectos diversos 17 volumes a J. L. Uoneal-
ves Ferreira, 8 a Vaz 4 Leal, o a Vaz Silva, 4 a
Lailbacar, 2 a Cunha 4 Manta, 8 ordem, 8 a
Duarte (.ampos, 4 a S. S. Silva, 5 a Prente Vian-
na 4 C. Ocre 4 rarris a J. ?. Ramos, 30 a F. M.
Silva. Objcctos chiraicos 3 a F. M. Silva, 3 a
a rito 4 Saldanha. Objectos diversos I, a B.
Oliveira 4 C.
Piano 1 a H. J. Roben, 4 a V. Preale, 2 a Voge-
ley. Papel 40 caixas aos consignatarios, 22 a P.
Bastos, 7 a Prente Vianna & C, 5 a D. T. Bastos,
13 a Costa 4 Irmao, 10 a Tasso & C. Po eelana
1 caixa a J. P. Moutinbo, 3 a F. M. Silva, 1 a
OttBohies, 1 a Caors. Pennas 1 caixa a M. 1.
Fonceca 4 C. Perfumara 6 caixas a Prente
Vianna 4 C, 2 a A. Carvalho, 4 a Carvalho *
Gumaraes. Ps de banco 1 caixa, a Goncalvcs
Fontes.
Quinquilbaria 1 caixa a Prente Vianna 4 C, 1
a S. e S 4 C, la Lemos Guereneau, 10 a Otto
Bohres.
Tecidos 5 volumes a Mouhard 4 G, 3 a Car-
neiro 4 Nogueira, 4 a Rabe Schmmettau, 4 a Lin-
den Weydman 4 C. 10 a Keller C 2 a J. Al-
meida 4 C, 12 a Carneiro 4 Nogueira.
Yidros 3 caixas a Caors, 3 a J. M. Silva, 4 a
Bartbolomeu 4 C. 12 a Pereira 4 Irmao. Velas
10i) caixas a M. D. Rodrigues, 50 a Th. Caris-
tiansen. Vinho 30 caixas ordem, 3 a Mills
Latham 4 C-

.O^*
lllljiljl!
10J
1-Jl
2
1
Marqucz.de Oliada 1. m\. -Uiz da Silva Antupes, arnu-
zem,de..miud^za8
tarreto de }leuezcs n?. 10 e 12Linden Weydmann, arma-
' ze.n:5e geperos TP-.5JVH
Pu/iue de CaXias n..3z. Luiz de Freitas Yaufura, pa-
pila n 31. Luir os da Silva, Iota dc.mobilia
Brao da Vi-torta n. 8. L^rra 4 Vianna,: loja de cal-
. fado
Traypssa do,Anepal;n. l.-Leopoldino Carneiro de Souza
Rangl, armazenv de afgo'ilao
Ped^p. AjTod n. 7. -Ladislao Toebttoo Cavalcapte deAl-
'baqfnBrque, rirtzerri de 'crtte
Mrquez de Ofinda n.'M.Lenidas Telles de Menetes, loja
de ferragens
Coronel Suassunarf.lLniz Antonio dos Santos Pereira,
taverna
Mrquez do Herval n. 94. Lopes 4 Olivei ra, dita,
luaperatriz n. 72. -Luiz Pereira Mende* Guimarijes, loja de
fazeodas
Riachuelo n. 47.Lucas Antonio Evangelista, taranta
Etcuna ingleza Flyko Foob, vinda de New-
York, consignada a Henry Forsler 4 C, mii/-
festoa :
Farinba de trigo 1,813 barricas, aos consigna-
tarios.
1 Jornal do IWife do honb-m noticiando em
sua GazetiUui um tacto, que diz, se deu entre o
.-niidciegado lo segundo districto desta freguezia
f una miiliier a respeito de un menino fallecido
em una ea>a da estrada de Be!iu, diz que muo
Cin4mi a essa mulher alcanear de mim a lecenga
precisa para o cnt'errnmpnlo'ratis; nao verdade,
nnru'.i honre d miaba parte a menor difflculdadc
em conceder taes lecen.-a-, nao s para enterros.
MojDO para qna qner ontro acto religioso, como
n.-torio e bastante conhecido, nesti fieguezia. e
ramios querendo podem dize-lo Smente em at-'
leoeiQ ao publico taco tata decJaracao, porque
-;:oido o odio que o redactor do Jornal do llec'fe
vota a to.lo sacerdote e a 'ido o que diz respeito
reUfo catliolica.
Capanga, 5 de mar. o de 1873.
O vigario, Augusto FranUin Moreira da Silca.
DESPACH S DE EXPOKTAGAO NO DIA 4 DE
MARCO DE 1873
Pant os portal do exterior
Na barca franceza Gr-mcille, para Liver-
pooL carregou : T. Freres 310 saccas com 26.428
l] kilos de algod.lo.
Na barca sueca Jon Sjodin, para o Canal,
carregaram : R. Schmmettau 4 C. 146 saccas
com 13,188 kilos de algodao.
."(o patacho brasileiro 5. Luiz, para o Havre,
carregaram : Keller 4 C. 107 saccas eo a 7,S88
kilos de alcudito.
No pitacho brasileiro Bom Jess, para o Rio
da Prata, carregon : A. Bastos, 6 barricas com
673 kilos de asstiear branco.
No patacho hespanhd Fras^tiln, para o Rio
da Prata, carregou : L. J. S. Guimares 200 bar-
ricas cora 21,076 1(2 kilos de assucar niascavado.
Na barca portugueza Luzitama, para Lis-
boa, carregaram : P. Vianna 4 C. 59 couros sec-
eos com 413 kilos.
Ra galera portugueza Asia, para o Porto,
carregou : H. J. da Costa Sobrinbo 16 prauehocs
de amarello.
Para os partos do interior
Para o Pai, no navio portaguez Aribeltn,
Sr^irm :, ? 0Hv"ra c- 380 barricas comlniu a. 13!.-Ma7ahae74 io^depMito
&8MM86,
PltACA DO REClfE S DE MARCO
DE 1873.
AS 3 1/2 HDB.U DA.TAHUK.
CoiftcSes ofnciaes.
..xiio.in da Faraatta'i* sorte 10^300 por 15
kilus usto a bordo a frete de Ii2 d. e 5
OtO.
Londres a 90 d[v. 27 d. oor li.
Portugal a 90 d|v. IOO 0|0 de
CaiAlo sobre
'-mu sobre
premia
iuboun
Cll
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA
n >ndimenta do dia 1 a 4 .
)<:i! do dia 5.....
174:8055384
77:99010
252:7315394
1 carregam boje 6 de marco de 1873
l-ig.ir frailenJmn tiiptnte-{MMfrlo na pon-
to) mercadera^ para alfaudrga.
iirviia i gletaNewbog mercadorias para al-
ian lega.
/'.lUci.o insle/.Solarh lr.calho j despachado
para o irapiche Cmceicao.
Brigue ingiezMary baca I bao j disimcliado
para o irapmne GomHjico.
; rho inglez JliB.V'flr'w-Wallio j des-
paehado pan o trapicha Cooceicio.
ttre.i francezaF/>froferros para o trapiche
Conceicio, para despachar.
ir MenioAlfred -:ncrczhm^ para alfanj-
dega e nanos gneros para o trapiche
Gonceir-iio, para despachar. .
"Jtu-,-< inglez 1 -E.ap esa mcrcadorias para al-
f.tiidega.
BarcAJp?leza Abeone mereadorias para al-
randega.
' :i.Mk alle.iH) -Ca'harina varios gneros
pao trapiche Conceicao, pira despa-
char, e farinha de trigo j despachada
para o caps d > Apello.
1'juron Di.-iugu-zParto -variosfeneros para o
tr.aiie ie C;tnt':h;*o, para- desp ichar.
Patacho inglez -Isabel b.icalho j despachado
Para o trapiche da -companhia pernam-
tiuc.Aua.
IiupurlHCito.
tt*< ,1 fr,aneeza Jan Ba-tists, cuda do lia-
r.re.ctinspvid'i a Ttssrt Freres, manifestou ;
Acido '6 barris a Ferrira Maia 4 u, 2 a Brito
Jt^^anha. Agua mineraf, 80 caixas. aos con-
s4B3tario,s, 8 a Barlholoineu i C. Alvaiade 10
i>rris a C^ors, 10 a Brito 4 Saklanha. Argn 4
rajaa a Mi lieruel, 1 a D. J. Ferreira Jnior. Api
ofdio 1 a S. e S 4 C, 1 a Antonio J. Axevedo, 1
1 H.-ilobert.
batatas 2 10 paneiros a A. A. Lebre, 300 a J. J
todnguet Ifi. aCarjfczo,'.-WO a J i. AzevedoJ
I caixa, a Tu. l.ristiansati.
Jw-' a Amara! 4' Motla. 45 a J. S.
lujento 2 i) barricas, aos coiisignata-
J caixas a Lemos 4 Guerineau, 1
tt. Rabe Sctimneltan, 3 a le-.
a Menom-Atevedo. Couros 2'
'rfe^nnljp-Jl M. Bernel, 4 a
t"afl.f,"R(fljert. Gaitas d..(
C ^MatHnv7'aParente Viaa-
"3,752 kilos de'assucar branco e 20 barriquinhas
com 600 ditosde dito refinado ; M. J. Al ves 30
ditas com 2,221 ditos de dito branco.
Para o Rio de Janeiro, no navio portuguez
A/medina. carregou : J. S. Silva Cunha 91 sac-
eos com 0.825 kilos de assucar Wraneo e 9 ditos
com 175 ditos de dito maseavado.
Para Villa da Penba, na barraca Mistica
Cidade, carregaram : J. T. mdieh 6 barricas com
410 kilos de assucar refinado; B. Oliveira 4 C.
1 barril cora 19 litros do agurdente.
OAPATAZIA DA AFANDEGA
Rendimento do dia 1 a 4 1:682251
dem do dia 5.......559*702
2.2il953
VOLUMES SAHIDOS
No dia 1 4......
Pnmcira porta no dia 5 .
Segunda porta.....
Terceira porta.....
Trapiche Conceicao .
SERVICO MARTIMO
Alvareugas descarregadas no trapiche
da altandega no dia 1 a 4
itas ditas no dia 5 .
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas ........
No trapiche Conceicao.....
10,778
185
207
488
165
11,821
17
23
GE-
RECEEDOBIA DE REXDAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 4 10:207417
dem do dia 5...... 1:408959
H:616376
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 1 .a 4
dem ilo dia 5 .
li:32863ti
2:!l05.i955
17:23o*59i
Bom Jess n. 41.Mximo Jos de Andrade, loja de cal-
vado
1 '.ominercio n. 20. r Manoel Marques de Abreu Porto, ar-
niaiein de seeros
Amorim n. 7.Manee! Aves Ferr ira, dito
Moeda n. 13. -Manoel Ferreira Pontes, deposito
Una 11.15.-0 mesmo, dito
Madre de Dens n. 9. Martins 4 Leopoldo, loja de tazen-
das
Visconde de Itaparica n. 6.Manoel Jos Pereira, te-
verna
Passagem do Chaco. Minervino SeA-eriaue Goncalves,
dita
Imperador n. i i.Marques 4 C, confeitaria
Caes 22 de Novembro n. 36. O mesmo, dita
Praca de Pedro II n. 2.Marcos de Almeida Lima, loja de
bah
Vidal de Negreirosn. 11.O mesmo, taverna
Primeiro de Marco n. 2o.-Manoel ias XaviOf, loja de fa-
ltadas
Duinie de Caxias n 60 A. -Manoel Ribeiro Bastos, dita
Barao da Victoria n. 45.-Manoel Moreira de Soma,loja
de chapeos
Estreila do Rosario n. H. -Manoel Ferreira Caraciro loja
de mobilia
Largo do Carino n. 9. Manoel Jos Luis Ribeiro, ta-
verna
Livramcnto n. 38. -Mello Carneiro 4 C, dita ,
Cabug 11. 5.Moreira Doarle 4 C., luja de jbi.ts
Livramento n. 27.Miguel Archanjo Fraterno, loja de
sellins
Dita n. li. -Manoel Francisco Pocas, loja de calcado
Dita n. 13.O mesmo. dita
Travesse do Arsenal n. 7.Mathias Jorge de Souza, arma-
zem de carne
Pedro Alfonso n. 12. -Manoel Joaquim de Souza Ramos,
dito
Dita n. 2 Nova da Praia n. 30.Martins 4 Souza, armazem do al-.
godao
Marsilio luas n. 58.Machado 4 Silva, loja lie cigarras
Dita 11. 1.M. F. de Figueiredo, loia de calcado
Dita n. 5.Manoel Deus da Costa, loja de cigarros
Dita n. 73.Miguel Bernardo Quiuteiro, loja de calcado
Coronel Suassuua 11.15. -.Vlauoel Martins de Moura 4 C loja
de joias
Palma n. 4. -Manoel Maria Gomes da Silva 4C, taverna
Mrquez do Herval n. 135 Manoel. Al ves Gomes, dita
Vidil do Negreiros n. 68. -Manoel do Nascimento e Silva,
dita
Nova de Santa Rita n. 19 A.Manoel Jos Pereira Lima,
armazem de recolher
Imperial n. 7. Manoel Joaquim Ferreira Esteves. arma-
zem de couros
Travessa do Gusmo.O mesin. i.salgadeiro
Imperial n. 15'. lanoel Antonio Francisco, taverna
Dita n. 81. -Manoel Albino Bezerra, dita
Dita n. 113. Mauoel de Paula Cavalcunte, dita
Navios entrados no dia 6.
Havre39 dia, barca franceza Jean Baptiste> de
358 toneladas, capitn Dugurre, equipagem 14,
carga varios gneros ; a Tisset Frere.
New-York -42 dias, escuna ingleza, Flying Foam,
de 159 toneladas, capito Gertley, equipagem 8.
carga 1^13 barricas com arinlia de trigo, e
outros gneros ; a Henry For-ter C.
Babia -11 das brigue hespanhol Restaurador, de
165 toneladas, capitao Evaristo Roses, equipa-
geni 11, em lastra ; a Pereira Carneiro a C.
Navio sonidos no mesmo dia.
Km da. Prata patacho brasileiro bom Jess, capit
to Costa, Carga ajsucar.
Rio Grande do Stilpatacho brasileiro Profr*
dade, capitao Matos, carga assucar.
New.YorkBrigue allemio /. H. Eppenp, capitao
fcjBulow, carga assarar.
Rio Grande do .Nr|e -Lugre inglez Constante
WJlton. capitao Robertson ; em lastro.
Observa rii o.
O bricue insrtez que snhln hoatem para Barba-;
does foi o tktrin e nio Mtry, como sanio por ea^
gaao.
a-9
SITIBL
Pela 'thesouraria proviaria se faz pabliro,
ae fei transferiJi para o dia 13 flo corren* a
rreinatiio de imposto de 60 rs. por litro de
guar'detiw.:cohStmaidti'a *Mimr*< de Tiaarath
errada eni 29l#anhtta(e.
See/etarta da thesouraria provea! de Pernam^
baco/f^e-marco de 1871.
O oAeial maior,.
Mignel Alfonso ftrteira. 1
Dita n. 140. -Manoel Francisco de Souza Lima, taverna
Cabanga n. 72. Maaoel de eanlo Alheauerque, salgadeira
Imperatri'. n. 22.-Martins 4 Iraiao, taverna
Dita n. 50 A.Manoel Alves de Carvalhe, loja de joias
Dita 11. 74.Manuel Rodrigues de Almeida, loja de miu-
dezas
Dita n. 63. -Manuel Alves de Macedo, dita
Pateo da Santa Cruz n. 2. Manoel Florencio de Souza.
Pinto, taverna
Ponte Velha n. 77. Manoel Goncalves Ferreira, dita
Conde da Boa Vista n. 75. Manoel Ferreira Ceelho, dita
Socego n, 53. -Manoel Pedro de Oliveira, dita
Direua n..Manuel Gonc. Ivs Ribeiro. dita
M
Traveasaa.de Joan do Barros n. 2.Nicolao Tolentino do
Sacramento
O
Mrquez de Olinda n. 7.Oliveira 4 C. loja de chapeos
Dita n. 9. -O mesmo, loja de miudezas
Bario da Victoria n. 24. -Oliveira 4 Carvalho
P
Mrquez de Olinda n. o, APereira Maia 4 C, loja de
miu ezas
Pedro Alfonso n. 22 A.Patricio Ignacio da Silva, arma-
zem d?- carne
s\ Joo n. 19.Pedro Jos de Freitas, taverna
Nova de Santa Rita n. 13.Paulo Jos Gomes 4 C, arma-
zem de madoiras
Dita n. 13.O mesmo. dito
Imperatrizn. 48.-Paulo Fernandez de Mello Guimares.
loja de fazendas
Dita n. 3.-Paulo Guelph, loja de ornamentos
K
Mrquez de Olinda a. 52. -r\oberto Leghsbon, armazem de
fazendas '
Vigario Tenorio n. 22. -Rodrigues 4 Irmo, armazem de
gneros
Imperador n. 16.Rodrigues 4 'uah,confeitaria
Ditan. 3.Rodrigues 4 Adum, armazem de miudeus
Caes z2 de Novembro 11. 34. Rodrigues 4 Freitas, ta-
verna
Visconde de Inhauma n. 2. Ra\muudu Pereira de Siqnei-
ra. hija de cigarros
Pedro Alfonso 11 32. Rodrigues Guimares 4 C, arma-
zem de carne
Imperador n. l 6.Ricardo Moreira 4 C taverna
Imperatriz n. 06.-Ray mundo "Honorio da Silva. Iota do
mobilias
S
Mrquez de Olinda n. 1.-Silva 4 Cardozo, armazem de
miudezas
Domingos Jos Martins n. 54. Schaffletin 4 C, loja.
de (astadas
Bom Jess 11. 42. -O mesiqo, dito
Maria Cesar n. 16.-Souza 4 Almeida, loja de flandres
Duque de Caxias o. 45 S Leito, Fonca 4 C., anna-
zem de miuJezas
Dita u. 6!. -Santos Ponles 4 ,C, loja de flandres
Independencia ns. 38 o 40. Severianu Bandeira de
loja de chapeos
Largado Rosario n. 31. -Saatos < Araujo, taverq>
Camba do Carino n. 2. -Siqneira 4 Irmao. dita
Marsilio Dias n. 7^fSa*w> Jos Bezerra CavalraBj'1,
dita
D|ta n. 117. -Sanios Mello, rota de miudezas
Praca do Conde iru n. 18.Sirva A Bata?, tav
Barao de S. Borja n. 23^*ikhio'Juveneio. luja
dres
Mello,
na
de flaif-
Amorim n. 45. Tinouco 4 Viiejla, armazam,de g<
Moeda n. 45.-0 idesmo,'dupositl|
Pedro Alfonso n. 26 A.Theotonio Flix de
zem de carne
Mrquez do Herval n.s 1,3 e 5.Urbano Vicente
armazem de materiaes
aeros
arma-
, Wi 1
yertrotra^
armo-
Largo do Corpo Santo n. 1,Visconde de Sua*un*,
zem de recolher
Vigario Tenorio n. 16. -Vaz 4 Lea! ditq.df.roiuduaas.
Cabug n. 14. Valentira do Valle Lolm, dte de k atad*
Travessa do Pocinho n. 7.Vicente Ese ,jdi S Wa. Ta-
verna
Larsa do Rosario n. 35. -Veriato Swnteio- Lo dsjjlle*
psito *S'
Dito dito n. 37.-O mesmo. taveran-
Esi|uina do dito n. 8.O mesmo, deposito,,
Dita dito n. 21.Vieente Moreira da Sil i, loja'de mo-
bilias
Largo da Praceta n U.Vicente Ferreira da- Aibu ijii^fttt*
Nascimento, aruoaam de> rndira-
:Wtou
M* OOO
48/000
mm$
110*000
80*fl0(?
**oot>
60*000
48*(KX)
40040"0
MOOO
30*000
80*000
4u*tB0
6000
0*opo
60*000
*>M>
18*800
0^)00
48^.0
lO 48*O0
120 O
140?OO0
2001000
^6|C0d
*fm
120*000
luojuoo
40*000
H^IK II
605000
ao*ot.o
1QO*<100
30*000
80400(1
4040011
24*000
285*0
48O00
40iOO
2800
36*0.0
30' 00
lOdfiOOO
40*000
30*00-1
--'.*i:ni
i8*800
28*800
80*000 '
40*000
36*IHHI
8 i*00-l
' 20*000
72*000
900l>0
60*000
84-JOO
36*oi m
48*00d
14*40
1214000
72*V
100*010
I40*0H0
80*900
60*000
28800
72*000
10 -4000
80*000
120*000
80*000
60*000
2004QIO
4^*000
160*000
10*0T)0
156*600
55*200
604000
60*001
\
24700
10*800
4*320
M
14*10'
9,*000
7*200
7*200.
54400
4>^*J
9*000
2*160
2*700 32*700
7*200
3*600
5*400
5*400
5*4tl0
2*700
2*592
-5*400
4*320
5*400
4*320
10*8; K)
124000
18*000
8*640
5*4'>0
10*800
9*n0
3*600
5*400
5*400
5*400
9*000
2300
71200
3*600
2*160
2*591
4*320
34600
2*592
3*t40
2*700
9*000
3*600
2*700
2*160
ttm
2*59
7*200
3*6-10
34240
7*201
1*800
6*480
8*100
5*400
7*500
3*24-)
4*320
1*896
6*480
9*000
12*600
7*200
5*400
2*592
6*480
9*000
7*200
10*800
(404000 U4600
7*200
5*400
18*000
4*320
14*400
9*000
13*554
4*968
5*4 -o
tt
5*\00

5* 2*700
1 49180
200*060
!**'on
80*eo
2***0)
mam-
12**IK*>
LflJOTI
*P00
i8*mo
104*
7200
6*40,
tltitt
4*0>l
31*700
I '
130*800
52*320
43*600
4*400
109*000
87*200
87*200
65*400
52*320
109*000
60*Oti-
IM
Cabanga b. 54.-Virginio Horacio de Frfilas, salgadeiro
Visconde de Itaparica a. 26.-Wdlins Wogelin armazem
de algodo 40
Imperador n. 45.W. Chapman, deposito 12*
Seccao do contencioso provincial de Pernambuco, 1 de marco de 1873.
O l'offlcial,
Horacio Walfrido Peregrino da Sth*.
36*000
10*8 >0
6.5MOJ'
436400W
13048U*
Olllm. Sr. inspector da thosouraria pro-
vincial manda fazer publico que no dia 13 do
correte, perantc a junta de fazenda da inesma
thesourara se ha de arrematar a juem por menos
fizer, 'fdrncimento de alimemacao e dieta aos
presos pobres da casa de detencio, no trimestre
de abril a junho preximo vindouro, servindo de
base arrematacao os procos das tabellas abaixo
transcriptos.
da Silva, Severiano Ferreira de Souza, Theodom
Alves Pacheco.
Correio de Pernambuco, ly de marco de 1873.
0 enccrgado do registro
(A. G. da Silva Ramos.
-.'.'
H
AlUH^fl
Domingo
.Negunfla-feira
Ter-feir
Quarta-feira
Quiata-feira
Sexta-feu-a
Sabbado
e juntar
:wo
380
3S0
340
Dietas
87*200
43*600
304S00.
65*400
324700
31*392
117*720
117*720
130*800
ISflJtiuO
218*000
104*640
65*4/X)
1)0*800
109*lX)
43*600
130*800
65*400
109*000
2*700
87*200
i 3*600
26*160
31*392
52*320
43*100
31*392
39*240
32*700
109*000
76*300
26*160
31*392
31*392
87*to
43*600
39*210
.874200
21*800
78*480
98*100
65*400
91*560
39*240
52*32)
15*296
N. 1 380
N. i 400
N. 3 640
N. 4 400
M>5 VOO
Ser tambem forhecida ceias aos ditos presos
na inesma proporcao do almoco e na importan-
cia de 120 ris.
Secretaria da thesourarta provincial de Per-
nambuco, 1* de maroo de 1873.
O oQlcial-maior
M. A, Ferreira.
hf;CLARAC8El
10*800 130*300
187*480
152*800
87*200
63*400
31*320
187*480
87*200
i:48O0
36-JUi>)' :*400 392*400
40*000 60*00! 80*000 3*6'!0 5*400 73200 43*600 65*40) 87*200
140*000 12*60) 152*60f
36*000 ', 3*240 39*240
use 5*400 1*512 65*400 18*312
O llm. Sr. inspector da thosouraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. br. pre-
sidente da provincia de 12 de outubro do auno
prximo lindo, manda fazer publico que no dia
6 de marco prximo vindouro, perante a junta
da fazenda da inesma thesouraria se ha de arre-
mata a quem mais der o sitio dos Remedios que
foi adjudicado a fazenda provincial, para paga-
mento da divida do ex-thesoureiro da reparticao
das obras publicas Jos Marcellino Alves da Fon-
ceca, servindo de base a esta arrematacao a quan-
ti* de 3:750*OoO, porquanto foi adjudicado.
E para constar se maudou publicar o presen-
te pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
aambuco, 22 de fevereiro de 1873.
O offlcial-maior,
_________________Miguel Alfonso Ferreira.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
FORXECIMENTO DE 28:000*000 ANN'IUES.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o forneci-
mento dos gneros abaixo declarados, que tm de
consuminir todos os estabelecimentos pos seu
cargo, no trimestre db abril a junho do corrente
auno. Recebe propostas na sala de suas sessSes
pelas 3 horas da tarde do dia 13 do corrente.-
Aletria. kilogramnio.
Agurdenle, litro.
Azeile doce, idera.
Arroz de Maranbao, idem.
Bacalho. kilogrammo.
Banha de porco. dem.
Batatas, idem ,
Cha Hysson, idem.
Caf em grao. idem.
Carne secca, idem.
Olilas, cimto.
Farinha de mandioca da trra, litro.
Feijo mulatiuho, idem.
Farello, sacca.
Fupio do Rio, fcilograumo.
Gaz, lata.
Milho, sacca.
Manteiga franceza, kilogrammo.
Potassa, idem.
Rap, dem.
Sabao. idem.
Sal, litro.
Tapioca, kilogrammo.
Toucinho, idem.
Velas1 de carnauba, idem.
Vinagre, litro.
Vinho tiuto de Lisboa, idem.,
Vinho branco, idem.
Velas stearinas, kilogrammo.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 6 de marco de 1873.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
Sania rusa la aMiwci'icordin lo
Recife.
Foruecimento de 38:000-? aiinuaes.
A junta administrativa da santa casa da miseri-
cordia do Recife precisa contratar o fornecimento
de pao, bolacha, cha e assucar que houver de
consumir os estabelecimentos pies seu cargo no
trimestre de abril a junho do corrente anuo. Re-
cebe propostas na sala das suas sessoes. pelas 3
horas da /arde do dia 13 do corrente.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 5 de marro de 1873.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
WkW
SANTO ANTONIO.
EMPRESA-VICENTE.
Nabba O drama em 8 actos :
A gra^a de Deys
Terminar o espectculo cora a primeira repre-
sentacao da comedia em 1 acto :
Par cans! de u;n ntyarisum
na qual a actriz Joanna Januara d" e papel da velha Dorotha Marmi-taila.
Principiar as 8 1|2 hora*
Domingo 9 de limito
O Drama
A (iraca de Deus
e a comedia em 1 acto :
Os rmiToM la* nluian e o*
dreiroM livew.
As 8 horas em ponto.
4VIS05 MARTIMOS.
COUPAXIIIA
DE
\AVECAC\0 BRA8LEIM.
Dos portos do sul
esperado at o dia
8 do corrente o vapor
Para, o qual depois
da demora do c stu-
Ine seguir liara os do
norte.
Para fretes e passageus, Irata-se na agenrta, ra
lo Commercio n. 8.__________________
Para .Purto
a galera portugueza Firmeza, capitn Justino Ho-
irigues Lardoso, val sabir com brevidade \mt ter
a maior parte de sen cariegaioento prompto .
para carga e pas>ageiros, para os quaes tein ex-
cellentes eommodos, trata-e com E. H. Rabe lo &
C, ni a do Commercio n. %%. __________
Para o Rio Grande do Sul
Para o porto cima pretende seguir com rnnita
brevidade a escuna portugueza Christiua, teni
parte de seu carregamentu, e para o restante que
Un- ralla, trata-se com os seus consignatarios An-
tonio Luiz de Oliveira A-eved i< C. no >en es-
eriptorio na do Bom Jess n. 57, outr'ora ra
da Cruz'.
_COMPAMIIA PKttS'AlBtT.ANA
DE
!\avesueAo 4*o. FERNANDO lK MlUO.MIA.
O vapor Constipe, com-
iiiaiid.inlo Iva, seguir pan
o p'i;ii cima no dia lo do
corrente, ao ineio dia.
Recebe carga at o dia 'J.
eiicommi'iidas, passagens. e
ateas lli limas (la maaha' do
ewriplorio no Forte do Mattos
lmiieiro a frele
dia da sabida:
n. 12.
15UM0
87-3200
83i00
52*320
17iiil\;
1091MJ
16iloi
604168
63*i00
65OO
31'j^'t
6o440t)
3QS000 2*709 32*70$
S60M
fiO*(.(K)
171)51(0
3#70i)

. 26*160
252*880
65J40d
w*jei
CONSR.HO l>K COMPRAS DO AHSENAL
DE MARINHA.
O conseibo no dia 12 do corrente mez. avista
de propostas recebidas at as 11 horas da ma-
nila, contrata o fornecimenfo de vveres, dietas e
outros objeclos de consumo aos navios da armada
e estabeecimentos de marinha no trimestre de
abril a junho prximo vindouro, segnintes
Assucjr branco grosso, assucar branco relina-
do, arroz do Maranho, agurdente de O graos.
azeite doce de Lisboa, aletria, araruta. bolacha e
bolachinha americana, bacalho ou peixe salgado,
batatas, caf em grao, carne ver'e, carne secca
do Rio Grande do Sul, caf moide, cha hysson,
cevadinha, carnauba em velas, conservas prepa-
radas, relilas, feijao, farinha d mandioca da
torra, gahnhas, lenha, matte, manteiga ingleza.
m nteipa francs, pao, sal, sabAo massa, steari-
nas em velas, staarinas em velas de 8 em libra,
proprias pira lantemas, toucinho de Lisboa, ta-
pioca, tijolo de a I venar a grosso, telha, vinho de
Lisboa e vinagre de Lisboa.
Sata das sessdes do conselho de compras de
marinha de Pernambuco, \ de marco de 1873.
O secretario
Alexandre Rodiigues dos Anjos.
Consulado provincial.
Avisa-se por esta reparticao, que no dia 20 do
correte abre-se o praso para recepcao dos dilfe-
reiitep impostas proviaciaes consignados na lei do
orcanUnti vlgenW db 1*72 7:i ; os quaes deven
ser satisfeilo- uentro de 3i' das sem dependencia
da multa de 6 Om, em que incorTerao os contri-
buintes, que o deixarem de fazer nesse praao
legal.
Consulado provincial, 11 Janeiro de 1873.
O administrador,
A. Carneiro Machado Ros.
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto vai desearregar o briguc
nacional Galgo, podendo ungnjar irete o reshi
da cara que anda Ibe falta : a tratar com Fran-
cisco Ribeiro Pinto Guimares, ra do Bario
di i Triumpho n. !)(>. (
I Jshoa e Porto.
A galera Asia a sahir em
poucos dias recebe carga afre-
te rnais barato do que outro
qyalquer navio ;tem excel-
lentes accommodacoes para
passageiros. A tratar com
Tito Livio Soases: ra do Vi-
gario n. 17, Laudar.

MESSAGERIES MARITIW;s.
At o dia 8 do corrente injz e-pei(>se da Ku-
ropa o vapor francez Rio Grande, o qual depois da
demora do costume seguir pan ltu?nos-Ayres.
tocaniio na Rabia, Rio de Janeiro e loiiteviJ.n.
Para condicoes, freles e pa>s.igens, tnita- c fa.
agencia, ra do Coininereio n. 9.
Maranho e Para
Segu em piucos dias p patacho portuguez Mi-
ckaelence ; para carga trata-se com Pe reir d-
Almeida & C, ra da Madre de Doos n. :iii. ar-
mazem. ______________________________
Porto por Lisboa
'a barca portugueza Alegra, capitao Carvalho. vai
sabir com brevidade, recebe carga o aanagajaos,
para os quaes tein bons eommodos : trata-se com
E. R. Rabello & C, ra do eoinmorcio n. A8.
Correio geral
Hetapo dos objectos registrados existentes
na admlnislrafdo dos cerreios desta pro~
vincia, para as -pessoas abaixo dccla-
l-adae :
A. Carmll. Amlr Cassine Pereira, Angelo Jos
da Konseca Ramos, Aiwa Isabel da Silva, lir. An-
tonio Huarqae du Gusniao, Dr. Antonio C. A.
Lins. Antonio D. dos Santos e Silva, Antonio Jos*
C Res, Catbarina M. dofc Prazere.', Delminda TheT
reza da Silva,-Domingos 'Dios V. e Mello, ralo
Antonio.de Souza, Felippo P. Nabuco de Araujo,
Dr. Fiel V. Torres Grangeiro, Francisco Antonio
de Peos e Costa, Francisco de P. Ro?a, Francisco
Ribeiro de P. e Argollo, F. T. da Rocha Rezerra,
Gaspar F.-de-Albuquarque, H. Jos Alves da Sil-
va, Isabel' M.Vd**anre|eo, Jiihp Alvares T. de
Macedo, Ignacio "Nery ira Silva Lopes, Dr. Joa-
fjnim A arnelre da Cama Miranda, Joaquim
Jos de Asevedo, Joaqun Marqn-rt da Silva, J se
Amando do Outeiro, Jos Elias de Moura, Jo"
Ferreira de Souza, Jo? Joaquim da Cunha, Jos
Lopes Davim, Dr. Jos Maaoel de Jarros W.. Josd
P. de Itastao >'ata!ense, Dr.Joo Aniunes Correa
Lins W., Luijo F. dn Sou*a Mello, Luiz Kollor,
Leopoldo dos Santos Freir, Mara A. Vieira d.
Cunha, Manoel J. do Medai*# Correia, Mendes &
Carvalho. MathiML noel Caldas Barato, 1)^ Mahbei Joaquim da Sil-
veira, Mao4 Rn>sp PawoM 'Dr- Raiutaado U.
H1L0ES.
f)E
50 duzias ileborzeguius pora senliora -coi -
a varia.)
"-! K
O lo -orreiHe
as 11 horas.
O agente Pinto levar a Icilo. a requirintii"
de Meniles Azevedo, &C, pw aufori^eMLjdage-
rente do consulado do'Franca, em >re4Bt*i Jar
seu chanceller, e por conta e risco de niieai ppr-
tencer, urna caixa marca M A & C. n. S.MD, ava-
riada a bordo do navio francez Fitfmv, na na
ultima viagem a este porto, em seu escriptori.
ra do Bom Jeausn.43. L \
LEILO
DE
200 pares do botinas para honaeq. 130
pares de sapatos para seuhtwas,
HOJE
s 10 Jj-2 horas em ponto.
O agente Pinto levar i leilSo, per cunta e risc*
de quem pertencer, urna cjik marea P P n. 85,
a variada, a bordo do--vapor mfitmfry.^ntr, nx
sua ultima viagem a ettd forto; PwU seta, et-
:


'

~f -
*
Diario de Fenambuco Quinta feira 6 de Marco de 1873.
eetuado as A l|2 hora do dia aeima dito, om
sen escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
Leudo
DE
fazendas inglesas
com varia Tagua salgada
CONSTANDO DE : "
_iadapoles, algodes chitas, brins e ou-
tras fazendas.
Hoje
A'S i i HORASEM PONTO.\
O agente Pinto levar a teilo, por ordcm de di-
versos, e por eontt nsco de quem pertencer,
dierentes fazendas ingtezas, avariadas a bordo do
vapor Gassendi e oulros, as quaes fazendas serio
vendidas em seu escriporio, ra do Cun Jess n.
43, o da e hora supra.
c*ndo qne pela sua idade j asss Avanzad*, *! ___ Vrartrsm Jos6 Oirdo-
morar na cidade e mnretudo uto-mido o paftm-J ----- riMlttl.u t/uac \_/aiuy-
a quem especialmente compete porprecefto *W- ^n orf<.f-i fllfflate trLTlsfprio
poandar em busca rita as oveltias troSma- oO, aTiUSUi I liada* e carrega4as sobre seas twmbfos, nao pe-
dia administrar por si mesuro o asyto, "que *
con o auxi io divino ed8ieoa e ptrcparou; e nao
tcndo por fortuna encontrado quem possnide do
espirito de caridade evanglica e zio apostlico
quizessc assumir este piedoso encargo, resolvou
por em leilo este edificio com tudo ijuanto neHe
su contera, e o producto da venda depositar ira-
mcdiaumcdte eia um dos bancos desta cidade,
para dcpnis de sua mofle ser repartido em dotes
por aquellas orphas desvalidas que elle indicar
em seu codicilo.
Leilao
sua officina da ra do Barao
da Victoria n. 46 para a ra
do Mrquez de Olinda n. 34,
primeiro andar.__________
DIRHEIRQ A JUROS
Quera preteadordar 1:000* sobre hypoieca
em casas na Estrada Nova, pouco distante da ul-
tima establo dos bonds, na Magdalena, dirija-se
ao dito lugar, a tratar com a viuva do Pinenta.
Ha para alugar na ra
urna eserava que engomma
mente.
da Concordia n. 46
e cozinha perfeita-
0E
chapeos e azenas francesas com a varia de
agua doce.
QUINTA-FEIRA 6 DO CORRENTE.
s 10 lyl horas m ponto.
O agente Pinte levar a leilao, por conta*e risco
de quem pertencer, differentes fazendas como se-
jam : algodes, chitas, brins, cambraias, meias,
lencos e chapees com -vana d'agua doce, as 10
tj2 horas do dea cima dito.
Em sen escriptorio, ia do Bom Jess n. 43.
ft-incipiar s 10 1(2 horas.
LEILO
DE
do Poco da Panelle.
Hoje
O rente Martins Tara leilio, irequerimento de
Manuel Duarte Rodrigues Pinto, e por mandado
4o film. Sr. Dr. juiz especial do commercio, de 2
asas novas sitas- ra da Poeira, freguezia do
Poco da Panella, as quaes anda nao tein numera-
rio, pertencentes ao referido lfuarte.
O leilao tera lugar no armazem '
perador n. 48, s ti horas do dia.
?
da ra do Im-
LEILAO
DO
sobrado de dous andares n. 32, sito ra
do Imperador
Sexta-felra de marco
ao meio dia
Por ntervencao do agente Pinte, em seu es-
criplorio, na do Bom Jess n. 43.
LEILAO
DE
predios e terrenos
A SABER :
O sobrado da ra da Imperatriz n. 18.
Um dito na ra do Visconde de Albuquerque n.
138.
Urna casa terrea na mesma rita n. 142.
Urna parte de 4:0005 no engenho Regala.
Um terreno (o slo) na ra do Visconde de Albu-
querque, em que est edificada a casa n. ...
Um dito no alinhamento da ra da Aurora, com
100 palmos de frente, e fundo at ra de Luiz
do Reg, em que est edificada urna casa do
Sr. I. Lidstone.
Um dito na mesma na, com 200 palmos de frente,
o fundo at ra de Luiz do Reg, em que tem
casa o mesmo Sr. Lidstone.
Um dito na mesma rua, com 200 palmos de fren-
te, o fundo at rua de Luiz do Reg, em que
tom casa o Sr. Joo Martins de Rarros.
Um dito na mesma rua, com 50 palmos de frente,
o fundo at rua de Luiz do hego, em que tem
casa o Sr. Francisco Gomes Saraiya.
Um dito em Santo Amaro das Salinas, com 100
palmos de frente, ra Campia, em que tem casa
o Sr. Joaquim Barbosa da Silvcira.
Om terreno no mesmo lugar, com 100 palmos de
frente (alagado).
Nexta-fcira J le marco
loja de calcado
A rua de Marcilio Das a. 98 ( outr'ora rua
Direita.)
Quinta-feira 6 do corrente
AS 11 HORAS DAMAMIA
O agente Pinho Borges -competentemente auto-
rizado, vender em leilao a referida loja, a qual
se acha sortidade calcados nacionaes e estraag i-
ros, duziasde marroquins, ditas de becerro, sola e
todas as pertencas e mais aviamentos necessarios
para o fabrico Je calcados ; propria para qual-
quer principiante, por M achar em boa posico e
Im'iii afreguezada.
Para qualquer informacao os Srs. pretendemos
podem se dirigir ao escrip'torio do referido agente
a rua do Bom Jess n. 53, primeiro andar.
O leilo ser eifectuado na supradita loja.
Companhia
Santa Thereza
Sao de novo convidados os Srs. accio-
nistas, para reunirem-se em assembla geral,
no dia 13 do corrente ao meio dia, no 1.
andar do predio n. 13 rua do Vigario.
De conformidade com o art. 16 dos estatu-
tos, a reunio ter lugar com qualquer nu-
mero de accionistas que comparecerem, e
ser lido o relatorio e balanco do anno pas-
sado.
Recite, 3 de fevereiro de 1873.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
Tendo-se dado milito* casos de amanhece-
rem arrombadas as cazinhas em que se guardara
as ferramentas da companhia Recife Drainage, as
quaes se acham enllocadas em diversas ras dos
Sjuatro bairros desta cidade, levando os larapios
errammentas e o cano de chumbo quo all en-
contrara, o gerente roga aos Srs. que costumam
comprar taes artigos que quanlo os mesmos
Ihes forem offerecidos, queiram approhende-los e
rarticipar no escriptorio da companhia rua do
mperador n. 26 ; outro sira previne que proce-
der com todo o rigor da lei contra aquelles que
compraren! objectos roubados companhia.
IMerme-M par criado de h'imem snlteiro
oh de WNiea familia um parle do bita couducta :
na nu am Mrquez do Herval u. 126. _____
Aluga-se
terreiro Andar do sobrado sito na rua larga
n. 44 : a tratar na rua do Vigario
do Rosario
n.3l.
AVISO.
Paredes Porto k C. avisam a todos os seus fre-
guezes a virem satisfazer seus dbitos at ao fim do
corrente, do contrario obriga-os a faze-lo judi-
cialmente e botar seus nomes por extenco.
200$ de gralieaciio.
Ausenton-se desde o anno de 1871, em o mez
de setembro o cabra de nome Benedicto, de 18
annos pouco mais ou menos, bastante ladino,
estatura alta, cheio do corpo, ps largos, cabellos
carapinhos e um pouco afogueado pelas fontes,
tem o beico de cima um pouco levantado ; es-
padaudo e tem as costas marcas de chicote,
quando fugio foi ter no engenho Riqueza do co-
ronel Joao Flix, e all tem mi e irmi*s. Pede-
se a todas as autoridades e capitaes de campo
?ue o pegando leve-o ao engenho Firmeza da
reguezia da Escada, que raeeber a gratifica-
cao cima declarada._____________________
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na rua estreita do Rosario n. 10, segun-
do andar.
^ Acha-se fgido o cabra Benedicto, com
idade de 17 anno?, tem um f.lho drreito eg|,
tem o dedo poltegar da mao dtreiti torio, fugio
em 8 de dezembro do anno de 1871, o seu senbor
Joaquim Justino de Almeida : qiwtn o pegar
leve-o na rua de Pedro Affonso, antiga da Praia,
a Genuino Jos da Rosa, que wr n'cumnensa-
ild ; consta que anda vendendo fructas, e foi vis-
to em Agua-Fria de Beberibe.
Sitio pava alugar.
Alnga-se ara sitio n i Capunga rua das Per-
nambucanas 23, lando boa casa de vivenda,
etteheira, estrinarla, arvores frnctiferas e agua
potavel: tratar na rua da IiKperatriz n. 9, pri-
meiro amlar._________.___________.
(lo/Jnlieiro.
Casa.
Aluga-se a casa, nova em folha, com muitos
eommodos para grande familia, tem quintal mu-
rado, banheiro, gallinheiro separado, cozinha
grande e quarto para engommado ; o sitio tam-
bera murado, com arvorodos de fructos : na So-
ledade, conhecido por Caminho Novo n. 153, per-
to da estaco dos trilhos de ferro.
s
11 horas.
LEILAO
le una oaixa marca SS contramarca K ('. n.
2-20 com merino avariado.
ie.
Hoj<
O agente Pinto levar a leilo por autorisaeo
de seu el'aiieoller e por conta e risco de t;ueiu
pertencer, a caixa tima mencionada, avariada a
bordo do vapor inglez Student, na sua Ultima via-
gao a este porto ; as 11 horas do dia cima dito
no escriptorio do relerido agente rua do Bom Je-
ss n. 4:i.
Em oontinnac-aO
vender-se-ha chapeas do chile.
BE
20 canastras com cerca do 1,000 resteas de
alnas nauito novos.
O agente Pestaa laca leilo, por conta e risco
de quem pertencer, de cerca de 1,000 resteas de
albos milito novos, desembarcados jiontem, e se-
rao vendidos s 11 horas damanhadequinta-fci
ra 6 do corrente, na porta do armazem do Aunes
LEILAO
DE
BONS MOVIS: mobila>
completas, .sendo urna de Jaca-
randa, um frauceza fie \oita,
urna rom taaipos de pedra martnore)
K)nitos guardas-lou<;-s, mesas
elsticas, aparadores ^emoorto
?* vitihatico (tendo 2 tampes
de pedra martnore), diversos
guardas roup;t, guarda-vestid,
(tendo um espelh >j, oous lindos
toiletas oom espelho, sendo um
demosfiio nuro dejacarai,
camas frun-cezas de Jacaranda e
hmarche, sofs e cadeiras del
a olla para gabinetes, com modas,
sofas, marquezdes, cadeiras so -
tidas. her; para crianzas, 1
santuario, 1 halaiwja dec mal,
mesas para escriptorio, cartei-
ras, cadeiras de balanco de Ti-
me, 1 forte piano francez de 3
cordas e 7(8, relogios de parede,
snesa e algibeira, espelhos dou-
rados de diversos lmannos,
rysiaes, objectos de ouro e pra-
is^ quadros com molduras dou
-radas, eoutros muitos artigos de
uso domestico. Quinta-fein
6 de marco, s 11 horas da ma-
nhft, no grande armazem da
FEIRA SEMANAL-,fi rua
do Imperador n. 16.
O agente Pinto, cumprindo o mandado do lllm.
Sr. Dr.juiz de direito privativo de orphios, em
virtude do que requereu o inventariante dos bens
deixados (M)r fallocimento do major Manoel do
Naseimentii da Cosa Montciro e sua mulher, le-
vara leilao s ll horas do dia cima dito, em
seu escriptorio rua do Bom Jess n. 43, os pre-
dios e dominio directo dos terrenos cima descrip-
tos, pertencentes ao casal inventariado.
Os pretendentes poderao examinar no dia 6 de
marco (vespera do leilo) os sobrados da rua da
Imperatriz n. 1S, e rua do Visconde de Albuquer-
que n. 138, os quaes estarao aoexame dos con-
ciirrentos das 11 s i horas da tarde._________
LEILO
DE
MOTIS
prata,
oin;a, vidros, 1 cofre e 1 annel com
grande brilhante.
Ne\(a-l'eii-u 1 do corrente
Sendo : 1 mobilia de Jacaranda a Luiz XV, com
12 cadeiras de juaruu-o, 2 ditas de bracos 2 de
bataneo, 1 sof e2 cocolos com pedra, 1 excel-
lente piano de Jacaranda, 1 guarda-vestidos de
amarello, e l rica toilete de Jacaranda.
Urna mobilia de l'aia com \i eadoiraa de guar-
ni(;.io. 2 ditas i!(; bragos, 2 concolos com pedra e 1
soi.i, 1 meia eommoda de amarello com santuario,
1 excellente cama de Jacaranda, I quartinheira, 1
cabide, 1 cofre francez, i sof ile amarello, 2 ca-
deiras de bataneo de amarello, 12 cadeiras de
faia e 2 aparadores.
Um annel com grande brilhante, 1 faqueiro, 6
sa vas de prata dedivarsos tamanhos, t appareiho
de Iones |iara janlar, 1 dito para almoco, clices,
copos, garrafas |>ara vinho, compoteiras, jarros,
capachos, tapetes e outros muitos objectos.
No sobrado u. 9 da rua do Mrquez do
Herval, antiga rita do Sol.
O agente Martins fara leilo por conla de urna
familia que se retira desta provincia, de todos os
movis, piala, louca, cofre annel de brilbante e
mais objectos cima"descriptos, que sero vendi-
dos ao martello.
Principindoos 11 horas do dia cima.
LEILAO
DE
urna casa terrea (em chaos proprios) n. 202,
rua Imperial.
Nexla-feira 1 do corrente.
I'or intervenco do agente Pinto.
Em seu escriptorio, rua do Bom Jess n. 43.
Furtaram
do engenho Giqui. freguezia da Escada, no dia
1 de marco, tres cavados, sendo um also com
urna estrella na testa, pequeo, e tem a cauda e
as dinas aparadas, e inteiro ; outro rudado
quasi russo, castrado ; ambos magres, e sera an
dares ; o terceiro mellado gemado, tem tres
ps braneos, urna estrella na testa, e tem as ini
ciaes F M L no quarto, as quaes esto alguma cou-
sa apagadas, pnrin vem-se bem ; muito bom
andador de passo a meio franco, muito novo
inteiro, e tem dous redemoinhos no pescoco, um
de cada lado, e est bem gordo. Paga-se cem mil
ris a quera der noticias de ditos cavados, e os
trouxcr ao mesmo engenho.
- Precisa-e de um moleque de 14 a 16 annos:
na rua do Baro do Triumpho n. 41, hotel Luso
Conquistado.________________^^^^^
Oiterece-se urna senhora para cozer toda e
qualquer costura de machina em casa de familia :
5nem pretender dirija-se rua da Praia de Santa
ita n. 30, primeiro andar._________________
Urgencia
Precisa-se de urna ama de leite, que te-
nha bom e abundante, para criar urna me-
nina recem-nascida, quer seja forra, ou es~
crava; porm, sem tilho, paga-se bem :
nesta typographia a fallar no le andar com
o administrador, das 9 da manh s 8 horas
da noite, ou em Olinda no Oitao do Ampa-
ro, casa grande com porto de madeira ao
lado pintado de verde.
GABINETE
Yledico-cirurgico
RUA DO IMPERADOR N. 73, f ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIR0.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operares de olhos.
Cura radie; I e iuslaDtaoea dos
e$treiUmeril<>8 da uretra.
Consultas: Das "s'horas
da roanu?.
Chamados : A qualqoer bora.
Precisa-se de um bom cozinlieiro para casa de
familia no Monteiro : a tratar rua do Mrquez
de Olinda a. 35.________________________
t Offerece-se urna mulher capaz, para lser
companhia a urna familia e prestase a costuras :
Sjem precisar, dirija-se a BoaVisla, rua do
orredor do Bispo n. 9.
Escrav lugiilo.
No dia 23 de fevereiro, [fugio o escravo Luiz,
crioulo, natural de Pened.', com os signaes se-
grales : cor preta, alto, secco, roslo oval e pe-
queo, cabera pequea e redonda, feicoet miu-
aas, barbado', com os denles completos, tendo em
um dente da frente urna mancha amarella, em
um dos bracos conserva urna cicatriz : quemo ap-
prehender leve rua do Mrquez de Olinda loja
de fazendas n. 22, que ser reco n pensado.
0 abaixo assignados, exportadores, de algo-
dio, convidam aos interessados neste ramo de ne-
gocio para se reunirem em um dus saldes da As-
sociaco Commercial Bencliccnte, no dia 6 do cor-
rente s 2 horas da tarde, para trataran 'de esta-
belecer maior regularidade na classilicaco do al-
godio.
Recife, 3 de marco de 1873.
Rabo Schmniettau C.
Keller & C.
Gromm Neesen & C.
Mills Lathaui & C
Amorim Irmo & C.
Adamson Howie & C.
Simpson & C.
T. Jefferics & C.
Pedro M. Maury.
Pereira Carneiro & C.
Criado.
Precisa-se de nmn |*-sm.i livre ou eserava, para
criado : na padaiia :a rua do Rangel n. 9.
En^ommadeira
Para casa de pequea familia precisase de urna
bAa engonimadeira de conducta, quem se pagara
30C0O mcnsahnente, era S. Jos do Mangumho,
antes da igreja, o primeiro sitio com graaim e
portao de ferro do lado direito.
= Precisa-se de um caixeiro cora pratica de
taverna : a tralar na rua da Aurora n. 33.______
Vinho Bordeaux.
de boa qnalidade em quartolas; vende-se no ar-
mazem de Cunha & Manta, rua do Mrquez c-
Olinda n. 23._____________________________
Cidra champagne.
Em caixas de garrafas inteiras e meias; vende-
se no armazem de Cunha k Manta, ra do Mrquez
de Olinda n. 23___________________________
Precisa-se de urna ama para o
servico interno de urna pequ na
familia : a rua do Duque de Ca-
Engenho Monte d'Ouro
SABBADO V6 DO CORRENTE
m I 'i horas em ponto
Por mandado do iHm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta cidad requerimento
dos administradores da massa fallida de Siqueira
k Pereira, o agente Piano Borges far leilo do
engenho denominado Monte de Ouro, sito no ter-
mo de Ipojuca d'esta provincia, o qual foi penho-
rado por escciieao dos ditos administradores a
viuva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da Fonce-
a, adjudicados indicada massa.
Ao meio dia em ponto, o escriptorio do referi-
do agente rua do Bom Jess n. '> i (outr'ora rua
da Cruz), onde os Srs. pretendentes podem ha ver
asiuformacoes necessarias.
AVISOS OVERSOS
O Sr. Olympio Fran-
cisco de Mello tem urna car-
ta aesta typographia.
LEILAO
dapropi-iedade nova que se acha edificada
ruada Lembran^a do Gomes (Santo
Amaro) que tinha de servir para Asylo
das Convertidas, com todas suas perten-
cas e tal qual se acha e de conformidade
. com o annuncio abaixo transcripto.
SEXTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
Ao nielo dia.
Por intervengo do agente Pinto.
Rua do Boro-Jess n. 43.
aiseibor Praocigeo Muniz Tavares, reconhe-
Crioulo Francisco
No dia 17 de Janeiro prosimo passado
ausentou-se o moleque Francisco, bonita fi-
gura, de 17 annos, bons dentese ps gran-
des, ua cintura tem signaes de antigs sevi-
cias, andou algum tempo como servente
as obras da Penha, e foi negociado a pou-
co com a Sr. Maia, logista da rua do
Crespo,e|como consta ter andado as immedia-
coes de lguarass e a poneos dias foi visto
no rancho do cabocolo Sancho em Taep,
perto da mesma villa roga-se s autorida-
des e pessoas do povo a sua apprehenso e
manda-lo a rua do Imperador n. 2 que gene-
rosamente se gratificar.
AOS 5:000#000.
Esto venda os felizes bilhetes da lotera da Ba-
bia, na casa feliz, do arco da Conceico, loja de
ourives, no Recife.
Cozinheiri) e criado.
No hotel de Apipucos, precisa-se de um cozi-
nheiro de um menino para criado.
Aluga-se
A eacs n. 1, Passagera da Magdalena
CASA DA tfORTiA.
AOS 5:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
.4' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes tres quartos n. 2i8l com 5:0005,
um inteiro n. 740 com 8003000, um inteiro n.
11 ti com 3005 e outras sortes de i05000 e 20*
da lotera que se acabou de extrahir (41.") con-
vida aos pussuidores a virara receber na con-
formidade do costume sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 2* parte das loteras a beneficio da matriz de
Granito (42"), que se extrahir na ter<;a-feira 12
do corrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6000
Meio bil hete 3 000
Quarto 1*509
em poruj.lo BE 1005000 para cima.
Bilhete inteiro 55500
Meio bilhete 25750
Quarto 15375
Manoel Martins Fiuza
O Dr. Joao Jos Pinto Jnior pode ser pro-
curado das 9 s 10 1|2 horas da manh, e de
meia hora depois de meio dia at urna hora da
tarde na directora da instruo/ao publica paia ne-
gocios relat vos a essa repartic,o ; c para ou-
tros quaesqner negocios no seu escriptorio rua
do Imperador n. 45, 1. andar, de urna s tres
horas da tarde; e dessa hora em diante ah ou
em casa de sua residencia, na povoacao do Mon-
teiro, freguezia do Poco da Panella.
O Sr7 Manad da Costa Araujo Barros, tem
urna carta a rua do tloinmercio n. ._________
lIgAO
Acha-se lugida desde o dia 9 de Janeiro rente anno a eserava de nome Camarina, de 22
annos de idade, pouco mais ou menos, cor fula,
estatura regular, mostra estar grvida, sem acha-
ques, nariz afilado e nao feia. Estava na cida-
de de Nazareth, onde se achava sua senJwra Ro-
sinda Francisca de Hollanda, quando fugio, dei-
xainli) urna cria do mais de 2 annos, de noiue
Paulo. Sahe-se que dita eserava se acha oceulta
na mesma cidade de Nazareth, e des e j se pro-
testa contra quem quer que a tenha occultado :
pede-se, pois, a toda e qualquer pessoa que tiver
noticia de dita eserava e a apprehender, que a
aprsente na villa do Limoeiro sua referida se-
nhora Rosinda Francisca de Hollanda, ou na ci-J
dade do Recife ao negociante Viriato Centeio Lo-
pes, esquina da rua larga do Rosario n. 37, que
ser generosamente recompensado.
CASA DO OURO
Aos 5:000-000
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63. e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 10 5 era quatro
quartos de n. 2650, alem do outr s sortes meno-
res de 405 -"S da lotera que se acabou de ex-
jr.ni (41*); convida ao? possuidores a virem re-
ceber, que prompt mente erao pagos na forma
do costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vi no seu estabelecimento com
pr r os muito felizes bilhetes, que nao deixar de
tirar qualquer remio, como prova pelos mesmos
annun ios.
Acham se venda os muito feli'es bilhetes ga-
rantidos da 2' parte das loteras a beneficio da
igreia matriz de Granito, que se extrahir no dia
12 do corrente raez.
Prccoa
Inteiro 6*000
Meio 34000
Quarto 55003
De iOO-OOO para m.
Inteiro 55600
Meio 25750
Quarto 15375
Recife, 4 de marco de 1873.
JoSo Joaquim da Costa Leite.
AMA
xias n. 54.
Precisa-se de um homem para pucha-
dor de roda, e um menino para recebedor de
papel: n'esta typographia. ^^_^___^
AMA
Precisase de urna ama para todo o
servico de casa de urna s pessoa ; a
tratar na rua de S. Francisco n. 39.
Precisa-se
alugar urna eserava para servico de ca-a e ven-
der na rua : no Caminho-Novo rua do Conde da
Boa-Vist n. 34. .
Aviso.
M0F1NA
Est encourac.ado !!!
Roga-se ao lllm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir rua Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, era
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
lim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
Je mais de oito annos, e quando o Sr. seu nlho se
achava nesta cidade.
Rocha, Lima & Guimaraes, curadores flseacs
da massa fallida do finado pliannaceutico Igna-
cio Pessoa da Silva, convidam aos credores da
mesma massa, para que dentro de tres dias te-
nham a bondade de Ihes apresentar os seus ttulos
de divida afira de se poder leichar o respectivo
balanco. ,
Recife, 4 de marco de 1873.
0 procurador judicial,
Antonio Carlos Pereira de Burgos P. de Len
AMA^
Precisa se de nina
znhar e comprar, a
se i em : na na Bella
liba do Garvalbo.
ama para eo-
railando paga-
n. 23, boje
AMA
AMA
precsa-se de una ama. forra ra
eserava, que sirva para todo ser-
vico, em casa do pooea familia
na rua de S. Franciscs n. 54. __________
Precisa-se de nina ama que
saiba cngominar e lavar, para
casa de pouea familia : a tra-
tar na rua do Bario da Victoria n 44._________
i __ Precisa-se de urna que enzinhe e en-
- villa gomme bem para urna s pessoa : na
rua do Bangd n. 9. segundo andar.___________
\ mi Precisa-se de nina ama para eozrhar:
^Vllldi itar na rua larga do Rosario n. 22,
segundo andar._______________________w
Cozinheira
.-.
Precisa-se de urna eozinheira para urna casa
jstrangeira : a tratar na rua do Commercio n. 38,
1 andar.
5 Novo estabelecimento
de joias.
Rua do i 'ululan n. lt.
~H, Neste estabelecimento se encontrar
* um bonito sortimento de joias que se
:' vendem por tal pre?o que animar ao H comprador, atiento ao vantajoso syste- ^
^, ma, ganhar pouco para vender mui- S
*& to, que cerlamente til ?o compra- Wr
2 dor e ao vendedor. fi
-, Tambem se compra ouro, prata e pe- te
S dras preciosas, bem como se fabrica e
2 concerta toda e qualquer obra tendente T
-trj mesma arte.
jP*%ff|h:&j -^\ U:^WV-1'--
Aluga-se o primeiro andar d> sobrado da
rua Direitr n. 8, com eommodos, caiado e pintado
todo de novo : a tratar na loja do mesmo.
Vvisa-se
a quem der noticia da eserava Guilhennina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sa -
tos, e aepois comprada ao Barao de Nazareth,
representa ter 25 annos, tem falta de denles na
frente e as maos com cicatrizes de quemadura
de gaz, secca do corpo e muito regrista, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da rua dos
Coelhos. que ser generosamente recompensado.
Cozinheira.
Precisa-se alagar urna negra que saiba coii
nhar : a tratar no hotel de Ap pucos. _____
Gratificado.
COMPANHIA PEHNAMBUCAM
DE
\nvegaco coateira a vapor.
Tendo sra diminuto o numero de accionistas
que se apresentou hontem para o cumplimento
do art. 24 cap. 5.* dos estatutos ; sio, era con-
tormidade do disposto n. art. 26, novament
convidados os mesmos Sr. a comparecer no pre-
dio da companhia 1 bora da tarde do dia 4
de marco prximo futuro, devendo a assembla
geral ficar constituida com o numero de aeeio-
muitas que se acharem presentes.
Recife, 24 defevereiro de 1873._________
Precisa-se alugar urna preta eserava para I
o servico de urna casa de familia : a tratar |
rua da Maeda n l, armazem.
No dia 21 de outubro, embarcou no vapor Ba
m, com destino a cidade de S. Salvador (pro-
vincia da Bahia) o escravo Raymundo. que toi
ruraettido por seu senhor, Jos Fructuoso Dias,
para criado de um seu filho de nome Cunegun-
des, estudante naqnella cidade.
&Esle escravo, que mulato de 18 annos de
idade, foi entregue ao commandante do mencio-
nado vapor que seguio naquelle mez para os por-
tos do sul do imperio.
Entretanto, nao tendo o mesmo escravo cntga-
do a sen destino, e ignorando-se completamente
onde possa elle existir, gratifua-sc a quem pos-
a dar do mesmo exactas informacoes no Recife.
aos Srs. Perdigo, Oliveira k C, ou na cidade
do Ico ao mesmo Sr. Jos Fructuoso Dias.
Na rua Velha, casa n. 113, existe para alu-
gar urna eserava perfeita engommadeira e cozi-
nheira : a pessoa que precisar, dirija-se a mes-
ma casa, que achara com quem tratar.
Joaquim Jos Gon calves
Beltrao.
Rua do Commercio n. S, 1." andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e sobre os seguintes
ulgares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Baroellos. '
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda. .
Guimaraes.
Lamgo.
Lisbda.
Mirandella.
MoncAo.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Castello. <
100S
Fugio no dia 23 do corrente o escravo Vital ino,
preto, crioulo, idade 25 annos, alto e cheio do cor-
po, quando falla le 'anta o beico superior, tem
falta de um deute do lado de cima, anda alguma
cousa bameiro, ps grossos, levou vestido calca
de riscadraho o camisa de madapolo ; este es-
cravo j fugio em outubro do anno prximo pas-
sado, e foi preso na estrada de Paje de Flores ;
foi escravo de Antonia Francisca de Jess, mora-
dora era Corrente*, e depois foi vendido ao capi-
to Thomaz Thenorio de Albuquerque Villanova,
morador em Papacaca, o qual tem urna fazenda
em Buique, de que elle era vaqueiro ; suppoe-sc
que f i acompanhado por um escravo pertencente
ao Sr. Manoel Francisco Marques, tambem preto,
crioulo, e natural da provincia do Cear : roga-se
todas as autoridades policiaes e capitaes de cam-
po que o apprehendam e condu am-no a rua do
Brum n. 74, armazem de Jos Francisco Martins
k C, que se li Cozinheira.
Precisa-se alugar urna cozinheira, forra ou
eserava, paga-se bem : a rua Nova, loja n. 11.
Prer
a rua
Ama com urgencia
ecisa-se de u-i n ama para lavare engomuiar:
a do aifio da Victoria n. 28 outr'ora Nova.
Precisa-se de urna ama cozinheirr
para cozinbar e fazer os mais ser-
vicos de urna casa de duas pessoas,
A quer-se pessoa muito asseiada, pa-
: na rua do Imperador n. 75, 2o andar.
ga se bem
AM\
Impe
Precisase de urna ama para casa
de rapa7.es solleiros : na ru > larga do
Rosario" n. 32
Precisa-se de urna ama para casado
pouca familia : na rua de Marcilio Dias,
Ama
antiga rua Direita n. 43. Io andar.
Piectsa-se de urna ama para comprar e co-
zinbar : na rua do Coronel Suassuna n. 1, antiga
rua de Hortas._______
Aluga-se o 1.* andar da casa do largo da
Matriz de Santo Antonio, onde se acha a photo-
graphia allemi, par* o primeiro de jullio prximo:
a entender se co'n o proprielario.__________
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taverna e d fiador de sua conducta : a ta-
tar rua do coronel Suassuna n. 296, de idade
de 15 a 20 annos.
Ao coniinerciu.
Os abaixo assignados, socios da extracta socie-
dade que gyrava sob a firma Silva & Ferrei-
ra- na taverna da rua do Leo l.oroado n. ?,
avisam ao respeitavel corpo do commercio que
nesta data dissolveram amipvelmente a socieda-
de que gyrava sobe aquella nrma, licando todo o
activo e passivo ao cargo do socio Maximiano
Jos Ferreira retirando-se o socio Silva pago de
seu capital c lucros.
Domingos G. da Silva.
.Maximiano Jos Ferreira.
g
los Antonio Maia e An-
tonio Vasco de *lgon< Ca-
bral, irmo e amigo, muito
agradeccm s pessoas que
se dignaram acompanhar
os restos mortaes do seu
muito presado irmao e ami-
Antonio Jos Maia Jnior ; assim como con-
vidam aos mesmos e seus amigos, para assisti-
rem as missas do stimo dia, que tero lugar na
segunda-feira 10 do corrente s 7 horas da ma-
nh, na .igreja do Livramento, por eujo favor
nos julgamos eternamente gratos.____________
Escravo fgido
lOSOOl de gralicacao.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos ann s,
crilo,e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esteve no engenho do Sr. Lnl de Caiara, em
S. Lourenco da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a rua do Duque
de Caxias n. 91, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, que recebera a gratilicacao cima de-
clarada.
Escravos fgidos.
200#000.
Ausentaram-se dous esravos irmos : sendo um
de nome Lourenco, de idade de 26 a 17 annos, es
tata regular, ebeio do corpo, cor dar, cabello
estirados, rosto redendo, e sem barba, levou caiga
e camisa branca, e chapeo de eltro preto; e o ou-
tro de nome Andr, da mesma estatua, mais moco
um pouco do que o outro, tendo os mesmos sig-
naes do irmao. Foram comprados: Lourenco ao
Sr. Claudino de Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, provincia da Parahyba, e Andr ao Sr.
Joan Francisco Romes de Amida, da comarca do
Limoeiro ; tendo fngido aquelle no dia 26 do cor-
rente (Janeiro) e este hoje 30 do mesmo; suppde-se
?ue seguiram a estrada do Lfmoeiro Sem do
eixeira: roga-se todas as autoridades policiaes
e capitaes de campo que os apprehendam e ou coa-
duzam rua do Apollo n. 30, armazem de assu-
car, que se gratificar com a qnanlia cima.
Precisa-se de urna ama para engomuiar : a
rua da Aurora n. 59._______
km para npmrii
Preeisa-se de urna e paga-se bem: no Caldoi-
rriro, casa de Francisco Joaquim Ribeiro de Brito.
10.
O Sr. Jos Francisco de Paula Cavalcante, se-
nhor do engenho da Palha, em Goyanua, tenha a
bondade apparecer rua da Imperatriz n. 20, a
negocio de seu particular interesse.___________
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro cora pratica de mo-
Ihados, com a idade de ti a 16 annos; a tratar
na rua dos tluararapes n. 10.
Aluga-se uin sitio com casa para grande fa-
milia, quartos para pretos. coxeira, curral para
vaccas, com tres cacimbas de pedra e cal, de
agua de beber, baixa de eapim e rom muitos ax-
voredos de fruclo : na Torre ao | de Libanio
Candido EUbeiro : a tratar na roa da Concordia
n. 32.
20#0U0.
Frerisa-se alugar urna eserava que engomme
perfeitamente bem, e faca o mais servico interno
de una casa de pequea familia, composta de
duas pessoas, e de urna nutra que Vozinhe com
perfeieao : no largo do Paraizo n. 28, 1" e 2 an-
dares. __________________________
Attenco,
Ha urgente necessidade <>e una pessoa que en-
feuda de estabelecimento de molhados, o qual es-
la collocado em urna das principaes mas desta
cidade, mas que tenha algum capital para entrar
de sociedade, isto em consequencia de seu propie-
tario ter um ontro estabelecimento onde precisa
ser mais permanente : quem se achar nestas tn-
diccoes dirija-se i rua do Imperador n. 8.
= Na rua do Fogo n. 26, precisa-se alugar urna,
preta para vender taboleiro. _______________
= Alnga-se a casa n. 15, em Santo Amaro das
Salinas, com frente para a estrada de Olinda, toda
estocada e com 3 quartos, 2 salas, cozinha e quin-
tal murado, os bonds passain na porta : a tratar
na casa contigua n. 19.
.IYRES GAMA.
RUA DO DIQUE DE CAXIAS
N. 9.
Precisa-se de um criado forro ou escravo,
para ajudante de cozinha : na rua da Aurora
n. 49.____________________
Os artistas lyricos Magdalena Bruccioni, Cara-
lina ngel e Giovanni Scolari, que deyam dar o
concert no grande sali da academia em Olin-
da na noute de 27 do prximo passado mez de
fevereiro, tem a honra de avisar ao Ilustrado
publico desta capital, que o mesmo concert foi
tran>ferido para a noute de quinta-feira 13 do
corrente (marej.) para o THEATRO DE SANTO
ANTONIO.
Criado.
Precisa-se de uin que seia
niatriz de Santo Antonio n. 2,
se escravo.
fiel : a largo da
1. andar, prefere-
Fugio no dia 27 de fevereiro de 1873, a es-
erava Joanna, eom os signaes seguintes: preta,
fula, idade 18 annos, tamanno regular, pouco corpo,
cara pequea e um pouco comprida, tendd urna
cicatriz na testa e outra na pa do hombro direito,
com mios e ps nm pouco grandes, Ma atrapa-
Ihada e aspecto carrancudo. Quem apprebende-la
dirija-se ao engenho do Meio, freguezia da Vanea,
emeasa de Antnio Claudino de Lyra, que ser
generosamente gratificado.
Fugio do abaixo assignado, a 6 de Janeiro
do corrente anno, um mulato de nome Miguel,
com os signaes seguintes : idade 21 annos, cabel-
los pretos caxados, altura e corpo regulares,
bucando, bem filiante, e julgase esta nesta cida-
de': roga-se a pessea que o apprehender lva-
lo a nu larga do Rosario n. 4i, i. andar, oa a
seu senhor m S. Bento, provincia das Alagas,
que sera bem gratificado. ,.____.
Francisco Ignacio de Paula Maoeiros.
Precisa-se de um menino, le 12 a f4 annos de
idade, forro oa capMvo, para criadfc de urna aa
le pequea famimmconi tanto qj& saiba nMt
compras e entenda de seitlqo de coffiw- *tra"
rar na na do Capibaribe n. 40.



WiMHBIMHIMHWMkaMHBBMav*
t^"

}
Diario de Peraambuco Quinta feira 6 de Marco de 1873.
^1
r9
1 i i H f


ALTA MOAIDADE
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOSfi I1E AZBVEllO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 !. aniar, antiga ra Nova
Associaeo portuguext, de
Dennceniia dos entre-
gados no coramereio e in-
dustria em Pernambuco.
Por ordem de Sr. iiresidcntu, pela terceira i
convido ios Sr. ssdi-iaiUi.N a su leenireru nesta
secretaria? rua da iwpcralric n. 53, 1 andar,
do da domingo 9 do crrante pelas 6 1|J horas
da manh, afim de se tratar em assembla ge-
ral. de negocios importantes, e interesse da mes-
n asso iaco. E' aberta a sessao urna hora
depois da annunciada.
Recife, 6 de marco de 1873.
Salvador Jos Ferrotia Cumiarlos.
Secretario.
'ni lia inais cabellos
.
THTRArlIA JAPOKEZ.
So e nica approvada pelas acarf'.ini.is de
sciencias, rccoiihecida superior a toda que
tem apparecido at hoje. Deposito princi-
pa! ra da Cadeia do Recife, boje Mar-
que/, de OHnda, a. 51, i." andar, e em
todas as boticas e casas de cabeJlei-
reiro.
aonie o publico em geral encontr, Isempre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de mnsicas para banda militar
e orchestra.
Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado o. 12 confronte i
Dotica Mnrer, no grande saiao onde esli expoftos os magnficos
mrm. A i^l ^Jr de armario, de Pleyel.
-------- de meia canda, do mesmo aotor.
-------- de H. Henri.
de Amede Thibont
Unieo agente nesu eidade, dos oelebre afamados
PIANOS DE flUCHER FR^RES
re miado* em diversas exposi;oss om i i medalbas de onro e prata.
Sao os onicos pianos que aqai vem da Europa, perfeitamente aua-
4o?, fetos com e legan ;ia e solidez.
Tambero receben grande sortimento de mnsieas pira piano, piano e
canto e eoire ellas as lindas eomposicfc do mnito sympatbieo maestro
f. sivri\i
A SABER :
Ultima* publleaces
Feitas as oficinas de msicas
do a nn nucante.
Emilia, polka por I. Sroolti.
Circaciana, choteb, por Smoltz.
Jardim do Campo das Pricezas,
qoadrilba, por J. Ponoe.
Chava de Rosa, Walsa, por H. Al-
bertatzi.
Voc rae quer Walsa.
Olga Mar.nrka.
La Separacin) Para canto.
A Luz elctrica, grand i Waisa.
Frnco Brasileiro Polka.
T. mada de Vllela O-'lope.
Jcaninha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Mmha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studiente Po'ka.
D'aqui emfdiaDte continuar a annnneiar todas as publicares rne se forem friendo as suas officioas de mnsicas.
COMPAKHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife OHnda e Beheribe.
Devendo ter lugar, no domingo 9 de mar-
;0 corrente, as corridas do boi, no pateo do
Carmo, em Olinda, esta companhia expedi-
r os trens extraordinarios que a concurren-
cia exigir, alm dos trens ordinarios indica-
dos na tabella em vigor.
Escriptorio da companhia, 5 de marco
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda
Deodato Luiz Francisco Monteiro. mordor
na villa da Escada, faz sciente ao publico e a
quem inleressar possa, que d'ora avante tem aber-
lo um estabtleciment de fazendas, de sociedade
com outro, na casa em que j se achava o annu n-
eiante, sita rua do Commercio da mesma villa,
e que gyrar sol) a firma Deodato Monteiro k C.
4 de marco de 1873.
100#000
Fugio do engenho Fontal, em Serinhem, no dia
7 do prximo passado, o mulato Simao, com os
signaos seguintes : estatura regular, con o secco,
cor alara njada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descaneada : quem o pegar leve-o ao
seu senbor o tenente-coronel Vicente Mendes
Wanderley no dito engenho, ou no Recife ao Sr. |
Bernardino de Sena Pontual, na ra da Madre de
Heos n. 36, que receber a gratificgo de 100*.
Aluga-se
O sobrado de um andar e sotao, da ra de Lomas
Valentinas n. 27 : a tratar na ra Direita n. 84.
Para cozinhar.
Precisa-se alugar urna ama que saiba co-
zinhar o ordinario de urna casa de pequea
familia. Aceita-so forra ou captiva; mas
prefere-se desta ultima cndilo. Trata-se
na ra do Capibaribe n. 40.
Est fgido desde o dia 23 de jnnho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bugar. Tem um peque-
no signal de cabellos no queixo; e no braco di-,
reito as lettras -L. F. N. Sabe 1er, trabalha de
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmo liberto, que traba-
Ihava (e pode ser que ainda trabalhe) de machi-
ni3ta de vapor n'um engenho de Abreu de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e capites de
''ampo que o prendam e facam-no conduzir ra
da matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde rece-
hero loOjOOO.
FUNDICO DO BOWMAN
RA DO BRDH N. 82
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenho e outros agricultores, e empregado rea de m
chinismo o favor de rma visita a sea estab lecimtiiij, para verem o iipvo sortimeoto
completj qoe ahitera; teado todo superior em qualidade e (ortnlao; o que com a ios
peceo pessoal pdese verificar.
ESPECIAL ATTEXQO AO NUMERO E LUGAR DE SA FUNDICO
Unnnroa a rnd na fi'flcrnfl. dos m3is moJernos yernas eem ta-
V apures o lUliaS U agua maobos convenientes para as diversas
circumstancias dos senbores proprietarios e para descarocar algodSo.
Moendas de canna 2 os tamah08'a8 raelhores qoe lqai
Rodas dentadas v*''^*^
Taizas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fnndos de alambiques.
rVTupliirtemnc para mandioca e algodao.j Podendo todos
iu.ai/Iillil91IiUo eparaeerrarmdeira. I ser moridos a mo
Pnmhie Pr aga vaPr-
jjv/iut/ao de patente, garantidas........ |ou aoncaes.
Todas as machinas e pecas de que 8e C0S,Dma precisar-
Faz qualqner concert de machiismo' aPre?0 "*
T7f*i>a rio CS*1*A tem as meltiores e ma baratas existentes no mer-
l?Ti#r\tnmorirlo o Incumbe-se de mandar vir qaalqaer machinismo von-
Eilll/0IllII16nila>9. tade dos clientes, lembrando-lhes a vaotagem de fazerem
suas compras por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qaalqaer necessidade pode
Ibes pre.-tar anxiiio.
Arados americanos e in"":,s !eriC'as-
RA DO BRUM N. 52
O CHAFARIZ
ATTENGO
800S000.
Fugiram do engenho Rola, freguezia da Eca-
provincia de Pernambuco, os escravos seguintes:
Em dias de Janeiro de 186, o escravo Ansel-
mo, cabra de 40 annos de idade, pouco mais ou
menos, altura regular, secco do corpo, rosto com-
prido, desdentado, cabellos carapinhos pouca bar-
ba.
Em dias de fevereiro de 1865, a escrava Anto-
nia, cabocla, de idade 30 annos, pouco mais ou I
menos, altura regular, cabellos de caboclo, de
bom corpo, rosto redondo, feicpes regulares, um
dedo de urna das r.aos aleijado, muito ladina ; j
estove um anno acoitada na villa da Escada, pas-
sando por forra.
Em das deoutubro de 1871, o escravo Herme-
negildo, mulato, de idade 20 annos, pouco mais
ou menos, altura regular, cabellos acaboclados,
rosto redondo, sem barba, falta de um dente na
trente, grosso do corpo, pernas e ps grosos,
com marcas de ferida em urna das pernas, mui-
to regrista, jogador de cartas ; j esteve no ar-
senal de mannha um anno como forro.
Em dias de abril de 1872, o escravo Jos, ca-
boclo, de 38 annos, pouco mais ou menos al-
tura ragular, cabellos de caboclo e estirado*,
bastante barbado, olhos n n pouco apenados,
orpo regular, tem o braco esquerdo cortado,
gosta do beber aguardentol; natural da eida-
de ce Sobral, na provincia d Cear.
Roga-se s autoridades e capites de campo a
apprehensao de ditos escravos e levarem ra
do Livramento n. 33, em casa do Sr. Bruno
Alvaro Barbosa da Silva, ou no engenho Lage,
que serio recompensados com a quantia cima
mencionada por todos quatro.
, 150,8000
No engenho Massuass, freguezia da Escada, se
dar de gratifleacao a quana acuna a quem ap-
prehender trea carallos qoe naqnelle engenho
foram fnrtados na nouto do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o '. tem 9 annos,
rastanho e castradi, tem a orelha direita bastante
laeeada, urna estrella na testa, e noquarto esquer-
do tem ama cruz o ruco, com pintas ver-
menas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coo> la, 6 castrado, tem os quadris feridos da
eangalha, ferrado com a marea-I. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3. rodado
sanhassd claro, curto grosso, um pouco cambito,
castra A\ pequeo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratlflcase com S0#000
por cada um em presenta da pessoa, em enjo po-
der for encontrado qnalqner dos ditos eavallos.
Companhia
Santa Thereza
Emissoes de accoes.
A companhia est autorisada a emittir 1000
acedes de 50000 cada urna. As pessoas que de-
sejarem toma-las rodem entender-se com os di-
rectores Srs. Barao da Soledade, Joaquim Rodri-
gues Tavares de Mello e Francisco Goncalves
Netto ou com o abaixo assignado, que dar qual-
quer informaco.
Recife, lo de Janeiro de 1873.
O gerente,
______Justino J. da S. Campos.
Boa pechincha.
Offerece-se quantia avultada a quem quizer
substituir no exercito a urna praca que est a con-
cluir o tempo de servico : a tratar no quaitel da
Soledade, que achara com quem tratar.________
Aluga-se
b3s andar d? sobrado da ru? do Vigario n. 3 com
7ons commodos para familia : a tratar no arma
em da travessa do Corpo Santo n. 23.
&**-& -***
| CONSULTORIO *
I IIKMMKIRI IK.ICO m
DO
Dr. J. M. Curio
g OPERADOR E PARTEIRO
%k R,ia ^ Mrquez de Olinda n. 25, pri- mc meiro andar. )C
2 Consulta das 7 horas s 10 da manhi. g^
9 Chamad is a qualqner hora. 9
* -^000 000*0
CAZA DA FORTUNA
I
Jaboato.
No dia 2 do corrente a irmandade _do Sacra-
mento desta freguezia procedeu a eleico da mesa
respectiva, que tem de funecionar no corrente
anno. e foram eleitos os seguintes senhores :
Juiz, Zeferino Ferreira Vellosa
Secreurio, Augusto Cesar da i unha.
Thesoureiro, padre Ignacio Francisco Cabral
Cantnil.
Procurador, Manoel Malaquias Franco.
Zelador, Francisco Martins Ferreira de Souza.
Tomaram posse uo mesmo dia.
Conciliacao.
De ordem do Illm. Sr. presidente convido a
todos os enhores socios e aos daqnellas socieda-
des que se relacionaran! com a principal, na corte
do imperio (Benedictinos), para a sessao de ad-
missao de socios que deve er logar no sabbado 8
do corrate, pelas 7 horas da larde, ra de Mar-
cilio Dias n. 1, 1* andar.
Secretaria da Sociedade Conciliacao, 5 de mar-
co de 173.
O secretario,
^________Joo Martins de Andrsde.
O abaixo assignado, socio da ni ma contmer-
aial Ramos C, toado passado urna procuracao
ao Sr. Manoel do Nascimento Rodrigues Franca,
para chamar a conciliacio ao Sr. Francisco Anto-
nio de Almeida Bastos, datada de 18 de fevereiro
deste anno, a ual d plenos poderes a mais um
procurador e dous advogados, declara que tica de
senhum effeito dita procuracao de boje por dian-
to. Recife S de marco de 1873.
_____________Joao Baptista Alves da Silva.
O abaixo assignado pretendendo retirar-se
para Europa no paquete do flm do corrento mez,
deixa como procuradores de seu estabeieemeni-
to em 1* lugar, ao Srs. Bernardino Alves Fer-
reira e Joaquim Ferreira da Sirva, em 2* aos
Srs. Manoel Joaquim da Costa Carvalho e Joaquim
Perreira Diniz, e em 3 ao Sr. Manoel Jos Tinoco
q Souza. Recife 5 d marco de W3.
Duarto Antonio de Miranda.
AQ COMMERCIO.
Os abaixo assignados declaram que nesta data
contrahiram mutuamente urna sociedade com-
mercial sob a firma de J. Ramos 4 Machado,
para a continuaco dos negocios de commisso e
conta propria ue gyram desde i. de novem-
bro de 1871 sob a firma de J. Ramos, cojo ac-
tivo epassivo fica a cargo da mesma sociedade.
Recife !. de marco de 1873.
i. Ramos.
Porfirio Machado.
RA 1. HE MARgO OTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20:0008000.
O abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio de
4:000*.
Precos.
Inteiro.......2i*000
M.'io........12IO0O
Quarto....... 6*000
Manoel Martins Fiuza.
PENHORES
Natravessa dama
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qualfora quantia.
Na mesma easa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Furtaram da fabrica de cerveja da ra do
Sebo n. 35, boje de madrugada, nm cavallo com
os signaos seguintes : inteiro, ro.;o, com poucas
pintas de pedrea, bailo, grosso, peito de pomba,
casco* redondos, erma eortada no lugar da coilei-
ra e com o ferro Em na perna *r>ita : gratifica-
se bera a qnem o apcreiiender e conduzir a mes-
ma fabrica.
Sociedade Beneficente Luso
Brasileira.
Por ordem da directora desta sociedade con-
vido a todos os Srs. socios a comparecerem
sessao de assembla geial que ter lugar domin-
go 9 do corrente mez s 6 i|2 horas da tarde.
Secretaria da sociedade Beneficente Luso-Bra-
sileira, 6 de marco de 1873.
O.* secretario,
Bento de Souza Mira.
Precisa-se de um caixeiro com alguma pra-
tica de molhados : na ra do Visconde de Goyan-
na n. 97.
COMPRAS.
Cobre, lato e
chumbo.
f ompra-se no armazem da bola amarella, tra-
vessa da roa do Imperador. ______
Compra-se moedas de 20 francos : a roa
Nova n. 23, loja.
VENDAS.
Bom negocio.
Vende-se 25 acedes da companhia dos tiilhos
urbanos do Recife a Olinda : nesta typographia se
dir.
Gado para acongiie.
No engenho Boa-Vista, do Cabo, vende-se ga-
do refeito e gordo : quem pretender pode diri-
gir-se em dito engenho, estaco da llha._______
MA DE Vlh.
Acaba de chegar pelo navio Jenn Baptista,
nova remessa de Agua de Vichy, das fontes,
Grande Grille, Hauterive, Celestina, Hopital, Mes-
dames e Chateldon, em casa de Tisset Frres,
ra do Commercio n. 9.
Vende-se
ps de sapotis, larangeira china, fructa-po, pi<
nhas e pitanga : na Ponte de Uchoa n. 10.
Vende-se 2 escravos Beata, sendo um ino-
leque de 13 e urna negra de 17 annos : na ra
de Pedro Affonco n. 61.
A Predilecta,
no empenho de bem servir aos seus freguezes e
ao publico em geral tem procurado prover-se do
r! ha de melhor e da ultima moda nos merca-
de Europa para expo-lo aqu venda, cor-
tos de que os seus artigos sero bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
inorar alguns d'entre elles, como sejam :
ALBUaS, os mais ricos que tem viudo a esto
mercado, com capas de madreperola,
tartaruga, uiarluu, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e voltas proprias para luto ;
assim eoao, um hon.to sortimento de
ditos de plaqu, obra lina e muito bem
acabada.
BOTES para pininos, o que se pode desejar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, uiarluu e sso.
BOLCAS de velludo, seda, palfia e chagrn, o ;iue
ha de mais moderno e I odas.
BICOS de seda e de algodo, tanto branco como
pretn, de variados despnhos
CASSULETaS piulas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXINHAS para costura, muito ricas e de di-
versos form.tos, com msica e sem
ella.
COQUES a imitaran, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
seata um grande e lindo sortimento
capaz de satisfacer os caprichos de
qualquer seu hura por mais exigente
que seja
PORT-BOUQUET de madreperola, marfim e sso,
este um objecto indispeusavel s sc-
nhoras do bom tom, afim do aspirar
o aroma das flores sem o inconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou manena-
rem as delicadas mies.
PENTES de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras ue fino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Cou-
dray, Gomes e Raphel, que in-
cumbido da escolha dos aromas mais
bem aceitos pela sociedade elegaute
da Europa, e por tanto, acham-se na
possibihdada de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
mensidade de artigos, afim de nao mas-
sar aos leitores e se pede a benevo-
lencia do respeitavel publico em di-
rigir-se ra do abug n. 1 A, pa-
ra convencerse aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas dejtu de quin cor, o
que ha de mais bello neste genero.
VESTIMENTOS. Ricos vestimentos para meninos,
por baratissimo prece.
FLORES. A Predilecta prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bolea ainda que nao es-
teja bem replecta de dinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que so na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de fila de setm,
tafet, velludo, linho e de algodo, por
comjnodo proco. .
GRAMPOS de tartaruga, imitacao destes, pre-
tos e t?e eores, o que se pode dtsejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lagos e golinhas de bonitas cores, tam-
bem tem um bom sortimento de gr-
valas e regatas para homeni.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
Kra ornatos de sala
i s de seda, de l e de algodo, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Ricos toques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais modernos e
por barato prego.
LUVAS de pellica, de seda e de algodo, para
homem e senhora
LIVROS para mise, a Predilecta aprsenla es-
colha do respeitavel publico um bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, 6 so.
velludo e chagrn, por preco mu
rasoaveis.
Venda de terreno.
Vende-se um terreno no lugar da Estrada Nova
de Beberlbe, muito perto dos trilho, ra do Car-
cunda, com 380 palmos de fr nte e 470 de fun-
do, com duas frentes e esquina para a ra do
Bom Conselho : a tratjr no largo da Santa Cruz
n. 4, a qualquer hora.
Vende-se
Urna (averna bem atrege ada, propria para
principiante : os pretondentes dirijani-se ra do
Visconde de Inhauma (outr'ora ra do Itangel) u
50 andar, que achajao com quem tratar. '
Foges econmicos.
Nova qualidade de fogoes para coznhar, os
quaes contm em s tornos para assados e caldeiras
para agua, de diversos lmannos, pelo que se tor-
nan) recommendados pela sua boa qualidade e
economa ; assim como os j ronheeidos tomos
francezes, fogareirws para amentar ferros com
milita brevidade, guarda comida e ferros para al -
faiate e chapeleiros : todo na ra do Barao da
Victoria n. 39 (outr'ora ra Nova) loja de ferragen
de Souza e Guimares.


AO AIMAZEM
BO
mas
para senhoras, a 6^000, na
loja do pavao.
Pereira da Silva & C. ruceberam pelo ultimo
vapor de Europa, um etogante sortimento de bo-
tinas pretas e com delicados enfeites do eores,
proprias para senhoras, garantndo-se seren das
mais madernas que ha no mercado ; assim como
a boa qualidade por terem sido remettidas par
um dos melhores fabricantes de Paris, e venden)-
se pelo barato preco de 6000 : n loja do Pa-
ria, ra da Imperatriz n. 60.
Novidade.
A Predilecta, ra do Cabofi n. 1 A, acaba
de re eber pelo ultimo paquete chegado da Eu-
ropa, nm bello sortimento de corpinhos do cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantazia,
salas bordadas, ditas com entremeios para senho-
ras, bonitas calcinitas de diversos tampadilhos
para meninas, ricas fachas de tuquim de cor,
que tudo vende por barato preco.
VENDE-SE
ps de sapotis, abacates, larangeira cravo, e
outros mais ps de fructeiras : a tratar na Boa-
Vista, ra do Visconde de Goyanna n. 101, ou-
tr'ora Mondcgo.
Vende-e um cavallo ruco pedrez, grande,
excellente para cabriolet : para ver na cochiira
da ra da Roda, c a tratar na rua Din-ita n. K,
Salsa-parriha
Salsa-parrilha
Salsa-parrilha
nova, em bom estado, e de excellente qualidade :
vende-se rua do Vigario n. 16, escriptorio.
Vende-se vmho superior do l'orlo e cliaru-
tos da Baha : na rua da Madre de Daus n. 5
1* andar.
Cambraias
Cambraia transparente a 3 a peca.
Dita dita fina sussa a o i.
Dita ds coros a 260 o covado.
Pita preta e salpicos brancos a iO o covado.
Dita para forro a |J a pega.
Na rua do Crespo n. 20, na loja de Guilherme
C da Cunta & C.
Engenho.
Vende-se ou arrenda-se o engenho Estrella
d'Alva, no termo de Agua-Pela. d'agua e co-
peiro, c est montado, distante da estaefio d'Agttt-
Prela duaslegoas : quefll o pretender diiija-se ao
mesmo engenho a tratar com o seu proprmtario.
Vende-se um balco com pedra marmore :
a tratar na rua das Flores n. 2o.
Borracha!
Borracha!
Borracha!
A' rua do Vigario Tenorio n. 7 Io andar compra-
se borracha.
Vende-se
urna casa terrea nova, com grande sotao, muito
bom travejamento para sobrado, na freguezia de
S. Jos, em muito boa localidade para estabeleci-
mento, queja se acha oceupada com taverna,
rua de S. Joao, esquina para o gazometro : a tra-
tar no largo dos Coelhos, com Antonio Carneiro
da Cunha.
VENDE-SE
a armago e paos da venda e armazem de sal
rua Vidal de Negreiros n. 137, outr'ora Imperial,
com commodos para familia, garante-se a casa:
e tratar na mesma ma n. 181.
Vende-se
um terreno no becco do Es.inheiro prximo a
estrada de ferro de Olinda. com 170 palmos de
frente e 150 de fundo : tratar na praca da In-
dependencia n. 39.__________________^__
Vende-se
urna escrava, excellente cozinheira e lavadeira,
acostumada a qualquer servgo domestico, com
urna filha de 10 anuos de idade: urna outra tam-
bem muito boa cozinheira e lavadeira, todas pre-
tas, vindas do Maranho. Quem pretender com-
prar drja-se rua da Impcratrii n. 47.
Eu j vi
E um lindo vestido.
urna fazenda nova transparente e inesclada
de escuro com listras de seda de cores e cinco
palmos de largura, a 800 rs. o covado. Temos
apenas fazenda para 6 ou 8 cortes : na rua da
Imperatriz n. 56, loja da___________________
Rosa Branca.
= Vende-se urna balanca de Romo, nova com
o competente temo de kilogrammas : a tratar na
roa da Companhia Pernambucana, armazem nu-
mero 6.
Na rua Duque de Caxias
n. 71
Vende-se as seguintes obras de direito:
Lobo. Execugoes por enteufa.
Accoes su minaras
Jenexea.-Pratica dos tombos.
Juizos divisorios.
Caetano Gomes.-Manual prati.
P*reira e Souza. Linhas civis.
Helio. Opera
Pardessus.Traite des Servitudes.
Tloaiong.-De la vente.
Des Seciet?.
Vanguerve.Pratica judicial.
Caetano Soares. Repertorio jurdico.
1,1 A DO BVHAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
PANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notaveis e bem co-
ndecidos fabricantes; como sejam : Alphonse
Blundpl, Henry Hers e Pleyel WollT A C. : ao
vapor francez, ruado Dar. da Victoria, ja-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Bolinas do luxo e phantazia, brancas pretas e de
diffciviitos core*, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas.
apatiulios com salto no rigor da moda, brancos
e de cores para senhoras.
Botinas de Melles, de Soser e de Polak, para bo-
rnea*
Snalos de eordavao Mili.- spara homens.
Bolinas para menino de qualquer tantalio.
Prroeiraa e meias-perneiras tanto para homens
como para meninos.
Sapatdes de Boser para homens e meninos.
Sapatos de veruiz com salto para homens.
Abotinados de limitas quaudades e precos para
meninos e meninas.
Sapatocs de vernb rom sota >le pao proprioi para
sitios, jardins u tianhos, sortimento para honv OS
e senhoras.
Sapalnsde tapete, caiemira, eharlot aveUadado,
de tranca portuguez e rrancez.
No armazem di vapor francez, roa do Barao Ja
Victoria, oQtr'era Nova n. 7.
Peifumarias.
Pinos exmelos, bardias, leos, opiata e pos den*
trtffce, agua de 11 i ae Inranja, agua de toile-
te, divina, ilorida, lavande, pos de arroz, saho-
nteS| eosiiicticos,' minios aitigos delicados em
perfumara para prsenles cmn irascos de ex-
tractos, eaixinhas sortidas e garrafas de diTo-
n ntes tamanhos d'agua de cologne, tudo de pri-
meira qualidade dos bem ronheeidos fabrican-
_ tes l'ivci e Coadraj,
No armazem do vavor rrancez, rua do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Para viagens.
Mnito boas malas e bolsas para viagens de r
'de caminhos de Ierro.
Estojos de viagens com o* perteuces necessai. j
para barba.
No armazem do vapor fran<"cz, Brnaop arao
da Victoria, ontr'i ra Novan .7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napuleao e a Guilher-
me, penetras e meias peraeiras para hom :os,
_ e metas pemeiras para meninos.
No armazem do vapor Irance*, rua de Barao
da Victoria outr'ora Nova o. 7.
Mobilias de vimes.
'.'adeiras de balanco, de braco, de guarnnjdes, 80-
i.is, jaitlineiras, mesas, conversad' iras e co>t%
reiras, tudu lata muito bom porsereio fortej
leves, e os mais proprios movis para saleta-
gabueles de recreios.
No armazem do vapor francez, rua do Barfw .U
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigo.** ilc dinVr*ti(<*M >'ts(4ti e
ItCiaiitazias.
os para salas e gabinetes.
Leijues para scnboriu e para meninas.
Lavas de Joavin, de fio da Escocia e de camur'.'a.
Caixinhas de costara ornadas com msica.
Mliims e qnadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de le garantidoj
Correntes de plaqu muito bonitas para relogii -.
Brincos jimitarao e botes de punhos de plaqu.
Bolsinhas e cofre- d" seda, de velludo e de coi i -
nho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
ejloiletle,
Pincene/. de eres, de prata donrado, de ac
tartaruga
Oculos de ac tina e de todas as gradoaeSes.
Bengalas de luxo, caima, com castes de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Clii,otnho> de blea e de militas quali lade- ..-
versas.
Esporas de torracha para saltos de botas.
I'oiiteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarazar e para
barba.
Hitos de marfim muito tinos, para limpar cabega.
Escovas para ronpa, cabello, nabas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Grvalas brancas e de seda preta para homens i
meninos,
Canipanliias de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de hagatellas, de domi-
in e outros amitos dilTerenles joguiuhos alie-
maes e francezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cani
nhos de ferro,
Mamaderas de vidro de dar leite moj fcil ^
eriancas.
Argolinfias de marfim >ara as eriancas morder '.
bom para os denles.
Ber. os de vimet par embalaugar eriancas.
Cestnhas de vimes para braco de meninas.
Carrinlios de quatro rodas para passeios de o a
cas.
Vehezian.is transparentes para portas e janellas.
Reverberos tnafloareates para cmlieiros de g^i.
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas vis-
tas.
Laniernas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para illuminacoes de
festas.
Balos aereostaticos de papel de seda mui fcil
de subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
Jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
empastadores de |ialha e de pennas.
i'esourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras domadas e pretas para qua-
dros.
Quadros j promptos com paysagcns e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Bcalejos pequeos de vetos com lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
tamanhos, e outros mutos artigos de qmnqui
lharias difflceis de mencionar se.
No armazem do vapor francez, rua do Baro
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de lodc*
os brinquedos fabricados em dilTerenles parte
da Europa para entretenimento das eriancas ;
tudo a precos mais resumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, rua do Barao
da Victoria, outr'ora rua Nova n. 7.
PARA PIANOS
Pannos proprios de cobrir pianos.
Cadeiras de parafuso e forro estu-
fado.
No armazem do Vapor Francez rua do
Baro da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Osiinhas para costura.
Grande sortimento de bonitos modelos
chegaios ao armazem do Vapor Francez,
rua do Baro da Victoria (outr'ora No-
va) n. 7.
Cha preto e verde
Vende-se no bazar victoria cha preto e verde
de muito boa qualidade : na rua do Baro da
Victoria n. i, toja de Amara!, iNabuco 4 C
I 3
ft c!



6
Diario de Rernambuco Quinta feira 6 de Marc,o de 1873.
Fazendas em liquidado

NA
Ra da Imperatriz N. 60
ii:
PEREIRA DA
&C.
Tendo o proprietario doste importante estabelecimento, grande vontade de liquidar
tobs as fazendas que tem em ser, tem resolvido vende-las por pregos muite mais baratos do
f9! veudem ena outra qualquer parte, com o fim de apurar dinheiro, raro por que coa-
*! rrspsitavel publico a vir sortir-se, nos de um avultado sortimeato de fazendas ap
lmo tambera de graude sortimento de fazendas finas e dos mais apurados gostos
jepvine que^s vende a dinheixo vista,, por estar era liquidado.
ffin\IM\FS lOFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
C&tfUSTRASDESEDAA800RS.OCOyADO Neste graDde estabelecimento encontrar
O Pava, recebea um elegante sortimento o rospeitavel publico, orna bem montada ofk
4asnv.-1 las granadinas pretas com listras cioa de alfaiate, onde se manda executar
fescdade ct)r, ten lo entro ellas comlistra qoalqoer peca de obra, tuto para homeu,
ota propria para luto, que vende pelo ba- como para meninos, com a matar pres-
Mwm proco de 800 rcis o covado ; assim tesa e perfeicao assim como, para qoalqnw
esMlita muito fina com listra encarnada, lulo quede repenteapparecj, tendo namei-
ne-vende a 19000 ris o covado. Esta ma oficina nm perito official destinado* para
ferari yeto pelo paquete chegado ultima- farda dos Una. Srs. officiaes de goarda di*
Matada Kuropa, e liquida-se na loja do cional oo tropa de liaba, setdo esta oflicina
Finar na da Imperatriz n. 6). dirigida pelo babil artista Pedro Celestino
S&ttBu.VlS ABEIITAS iAtA VESTIDOS'A Soares de Carvalbo.
>?000 e 10JP000 RS. ESPARTILHOS A 3,J0O0.
Pavao recebeu um elegante sortimento 0 Pavao tem om grande sortimento de
* mais linas cambraias brancas, abortas e esoartilhos, tanto para senhora como pira
bardadas para vestidos, que vende pelo ba- .menina, qbe vende pelo barato preco de
rjessimo procos do 9J, e 109000 rs. o -3J00O. Ditos moito finos a 4*030 e 50000,
rte, tendobastantefazenda.E',pechincha,
M logado Pavo a na da Imperatris n. 60.
LASINOAS BORDADAS A 400 RS.
O COVADO.
Pavao receben um elegante sortimento
x> aaas lindas lasinlias transparentes com
tomabas bordadas, tendo de todas as cores
inelasive roa propria para viuva, e vendo
petobaratissimo preca de 400 rs. o covado.
E pechincha na lqji do Pavo a ra da Im-
peratriz n. O).
&RENADL1ES A 640 RS. O COVADO.
Pavao recebeu um elegante sortimento
JMWMs liadas grenadines pretas com listras
... K e de cures, sondo muito boa quali-
*&.-, e vende pelo baratissimo preco de 560
R5l aovado. E' peehineba na loja do l'a-
-4o s ruada Imperatriz n. 60.
BBERT t DE FUSTAO AC0LX0AD.VS A
440M US.
Pavao recebeu um grande sortimento
4 roberas grandes de fustao, acolxoadas,
gawnecidas com franja em volta, tendo bran-
tase to todas as cores, e vende pelo baratissi-
mfr proco de >, rs. E' peehineba na loja
4N Pavo a ra da Imperatriz n. 60.
{APEOS PIRA SENHORA A 12J-000 RS.
Pavao recebeu um elegante sortimento
haioais modernos chapos do palha, rica-
euf tados, para senhora, com os seas
- intcs veos, e vendo pelo baratissimo
jad 123000 rs. E' peehineba na loja
1 Piavao a ruada Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS
Pava" vende um bonito sortimento de
bas listradas, sendo das mais modernas
sera vindo ao mercado, pelo baratissimo
do 560 e 300 rs. o corado. E'pe-
ba na loja do Pavo a ra da Impera-
- 6 >.
V.LPACASUVRADAS A 640 RS.
0 ('.OVADO.
Iiegou para a luja do Pavo um elegante
;. i das mais bonitas alpacas de cores
idas, srtdo as edres mais modernas que
-. viii ,':> |>ara vostidos, a vende-se i ilo ba-
to preoo de 640 rs. o covado. E'
ta loja do Pavo a ra da Impe-
l. 60,
-....; le arala, nUiatuiao-
viilade, a ?r090.
Pavo recebeu p(4o ultimo vapor de
?_-> cortes de cambraia branca com ba-
-.'. ricamente bordados, tendo fazenda
ctutto -ara vestido de qualqjer mo lelo,
tflTS Vi ilidos sao os raais mo Ionios que tem
*wio ao mercado, o pela suaexcessiva bara-
te*.:, fc i- recoanmeailavis as sonhoras
om-'gusto. Bazar do Pavo, ra da
1 :.-: 0. 60.
LENCOS A 2400 A DUZIA.
O Pavita tem urna grande porcao de len-
rancos com hara de cor, muito bonitos
?qualidade, que vende por 2-3100 por
randeporco,
os lo losbraaeos abainhados muito fi-
r 300.
osebinezes com barra de cor, muito fl-
us 395Q0. E' grande pechincka, na loja
Pavo.
!KuiMraM al^OOO.
I> Pavo recebeu pelo ultimo vapor, um
Haigortimento de ronreiras tretas d fil
&m salpicos, com liadosenfeiles pelos ede
toes, e ven le pelo barato preQO de 3^000
tarfa om, \r>v ter grande porcao.
Ditos to los Je seda ricamente enfeitados a
000.
PARA 0 CARNAVAL.
Ii)a-a4
O Pavitoternura grande sortimento de d-
I las a&.qualuLdes gostos, proprios
peso carnaval, ten.lo tambera de merino
ras muito ialaraasantes, que vende ou
alaga por precns muito baratjs, por ter grau-
rpOTQO.
LENGO*B5Dg BRvMANTE.
O PavSu rende IoObj dd braaifrate nioi-
>) oda, iulj ileuiu PMHkO s, pelo ba-
rais3>mo preco de 5:00 cada om.
MADAPOLOiS.
Pe?'.'! de tnjdapiitSn francez mnito fino
&ffi i;'i ;.: i s a Ih55Q e 6000.
Ditis ii janlas m ;iio superior a
QftMO e 7tf00'.
Dt.o ir.-'e-, fiawoda mui'o fina 55000,
OOe u'"00 at it(5J0jf
Dit s fisncHzeae iagUes muito fiaos de
40 jardas para dtffaraniM oregos.
ALGOlW!Zi!NHO.
fl^favi vca,por prep-i. muito barato
pe$s de aliodSuattbo americano moito
feam &>tu 18 jardas 4MKH\
Dtl> rom t jard s i 4500 e 57W00
Dito largo marca T muito encornado a
000.
ALGOOOENFESTAD.
v Pavn vende u uvfiti#ft e |oparor
**''' i "* dus lir^oras para lenc-is,
aod> notto tmotyi&t i 1$ 06 cada-vara.
D> t-aiiode f1 wnhh r, i>mfltl
eo'.7'>-. i:: cimv\s-.\ aiioo g imw.
O P-avji -.!- uort-wj Sai-i. -i ii i.) Mwdaa ul dijo+at oreeo
Dius c d l C'jv.dO pelo pr;c> d
SO cid a corte.
sao dos mais moderaos qae tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
O ''So vende chitas francesas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazenda. com
padres claros e escuro, pelo barato preco
de 240 rs o covado, por ter om leva to-
que de mofo : peehineba.
LIQUIDAQO DE CALQAS.DE CASEMIRA
0 Pavo tem nm grande oriimeato de
calcas de casemira do todas as crea e qna
lidadjs, para todos os preets, e desejando
OQuiti i mida-las, resolveo vendedas por
um preco muito em conta, para diminuir a
grande porcao.
CASSAS FRANCEZAS.
0 Pavo vende bonitas cassas fraacezas
com bonitos padroes, e de multa pbantasia
pelo baratissimo preco de 240 e 280 rs. o.
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande peehineba, na loja do Pavo.
BOURNLS A 169000.
0 Pavao recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at hoje sao conhecidos, e em relacSo ea-
cessiva barateza, convidam-se as Esmas. Sras.
para as verem, para assim adrnjrarem o que
ha de, mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A3000.
0 Pavo vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma c6r, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
preco de 6?000, por sor grande pechincha
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 85000.
Ditos ditos com listas de cores a 45JOOO e
53009.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinbosde cores a 93000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENQO'ES.
0 Pavio vende sopericr bramante de al-
,' idio te) 6 palmos de lardera que s
parcisa na i '/i vara, para um lengolv me-
tro 10600 e a vara i (800.
Dito de linho paro superior muito encor-
wdn com a meseta largura a vara 25400
Ditos Irancezes muito finos a 2&>00 e
:?;500H.
Peta de Hambnrgo e panno de linho com
20 e 30 varas, para tudos os precos e
qaaKdade.
Pecjs de bretanha de poro liobo, tendo
YO jarda; pelos presos mais barato qoe se
tea vi to.
Pechincha de fiaissimo esgoio sncelena
'.om (5 jardas I-SjOO.
Peca de fiaissimo telena com 30 jardas
a 3$5'M), atoalhado adamascado com 8 pal-,
naos de largura a vara 2#000.
CALCAS DE CASEMIRA.
O Pavao tem uta graode sortimeoto de
calca de casemira, assim como cortes os
mais modernos qoe tem vindo nos ltimos
liaras e em fazenda das mais finas e mais
aovas ao mercado, e vndese por barat*
preco para aperar dinheiro assim como cal-
as de brioi branco e de cores por prsps
ment razoavtis para aabar.
Obras de phantasia.
A loja da Apni.i Rranca, ra do Duqne ie
axi s a 30, recebeu um bello sortiiuenlu de bo-
nitas e modernas obras de phanusia, senfl\i :
Briac s e eruzes prelas, -cun di*urd(B e pedras.
Outros de n adrep rola queimada com bonitos
enlUtea de delicadas flores.
Ootros t'e nn i douraHo cm p nge tes de cores.
Outros encarnados e de feonfl s moMes.
Roletas de fino donrado com pedraj brancas,:
Aderew de raadr*perola.
Ditos douraA)? com eamaplieo prelo.
DMeaeneanndot.
Ditos imitando fulhas e Iteres naturaes.
Ca-soletas de madreperola
Vakas >de gressos Wjofares fle'^or s.
Outras de -utos pret s com donrados.
Palceira? de tartaruga cun dburajio.
Outraa priitas.
(rampos pretose de: cures.
jtonuaiabwtaafturas de {too dourado, c a pe-
dras, jotal, etc. para alertara de camisas.
tofas awiiiifce e 'le outrs quaJidadcs, para
abortaras e collaririhos.
Bonitos leque.
A loja di A guia Branca, a ra do Duqne de
Casias n, 50, receben bomt s leqnes. 4 neri&la
phantasia. pre o com dourado'. e outrs ae*apa-
rados gostus; assjm romo recebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem e|-
les. liados coloridos n > c ro,. a amda, assim wn-
de-eses |k> barato pre^o de 44eW-fad-nm.
Vasos de crystal$>ara toillet
, A -leja M -Aguia *B luiea, a ru* 4oDuque de
CaiUa..*IO, v selteu bonilas garraflabaj, tal-ampar com ramagims douradas e mu pro-
prias .para arraajos de toilet, etc,
Aunis e colares elctricos
A loixi.anui. branca ma Duque de Caxia-
n. 50.ncrbau mtva.reatessa dos proveitosos au-
nis e colares elctricos, e eontniua.a recebe-los
mensajente, pujo que sempre estar providaide
taes objectos.
Diademas domados
A loja d'aguia branca roa Duque de Caxias a.
50, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedras e aljofares, obras de gos-
to c phantasia. Taiabem recebeu nevos grampos
pretos ou alOnetes cam floras para, a,cabca.
TNICAS PRETAS.
0 P.ivo recebeu um grande sortimento
das mais ricas tnicas de gfs preto, rica-
mente enfeitadas, e venda pjr preQO razoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3550000 AT 603000.
0 Pavao recebeu um lindo sortimento
dos mais ricos corles de cambraia braoca,
ricamente bordados, e com todos os enfei
les necesarios, e vende pelos prec-is de
350000 ata 005000, nao tem viado nada
mais rico era, mais moderno.
Leques- cera bouqnets e ou-
tras. chineaBs,
A luja, d'ajaia: branca ra Duque do Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonUos. leques.com bou^uets e outros chinezes.
Cold creme para refrescare
amaciar a pelle
A loja d'agnia-branca roa Dwme de axias
n. 50, recebeu cold creme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legran e Condray.
Diademas e grampos de
aoo.
A laja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 80, recebeu novamente bonitos diade-
mas e grampos de ac.
Rwo&de soda..pretas ct>m
flores de cores.
A loja da aguia. branca, rna do Duque de
Caxias recebeu, eomo novidade bonitos bicos de
seda pretos com flores de cores, sobresabindo nel-
les o preto com rencaraado, e todos nwi proprios
para barras e outros enfeiles de vestidos de gra-
nadme, ou medina, e mitras fatendas transparen-
tes. Pela commodidade. dos preyos esses bieo tor-
pam-se mais conmodo.s e pela novidade de gosto,
prefer veis a quaesquer outros onfei tes.
Veos ou mantinhas pretas.
A-loja da-aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, reoabeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, e outras a imitaran de
croch, e vende-as polos baratos presos de 3,
45 e 65OOO. A fazenda boa e est em per.'eito
estado, pelo que centinna a ter prompta extrae-
cao.
Diademas e adrecos de ma-
dreperola.
A loja da Aguia branca ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu ma pequen porao de
diademas e .-ulereos da-madrefierola, obras de
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Veibutina de todas as crtres ; s na ra Duque
de Caxias n. 60 A. loja da esquina, de Bento da
Silva & C.
Prfeita novidade.
Grampos com borboletns, bezouros e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, ra do Di:quu. de
Caxias n. 50, recebeu 1 novos .grampos com bor-
bolelas, bezouros e gafanhotos, o que de certo
prfeita Rovul por isso cm breve se acabar.
Novas gollinhas ornadas com
pelucia ou arminho
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
- 30, recebeu urna peqnena quantidade de boni-,
s e novas gollinhas, trabalho do l e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiraniente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.

MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va o. 22, am sortimento de machinas para
costara, das melhore qaalidades qoe existe
na America, das quaes umitas j sao bem
conbticidas pelos seos autores, como sejam;
Weller d Wilson, Grover 4 Boka, Silea-
cioaas, Wae e Imperiaes e outras muitas
que com a vista deverao agradar aos com-
pra dorea.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalbo que trinta costnreiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feigo como as mais perfeilas cosmreiras.
Garante-se a sna boa q;ia'!a-lo e ensmn-se
a trabalbar com perfeic3o em menos de nma
bora. e os precos sao fin commodos qoe
devam agradar aos pretendrnte-s
>u pailuria allem 11a roa da Guia n.
S4, tem para se vender o.-seguinti-:
Kivilhaade tresdiffurentesqjialiihides, foi-
jo branco grado, ropolboem barricas, lea-
tilhas, sevadinha (Perle), sag, ameixas.
ma^s e curejas seccas; tambem tem jiara
vender duas.balancas grandes com gandos
e bracos, alguns pesos, duas rodinbas de me-
tal para carrinho de mo, urna forma e um
forno para fazer hostias e obroias, e urna
bomba.______________________________
Milho, milho, milho.
Nos araiazens de Tasso Jrmaos 4 C.: ra do
Anjorlni e caes do Apollo.
YENDE-SE
Vende-se um sitio com urna casa terrea de
pedra e cal, tendo 90 palmos de fundos, em
chaos proprio : ra da Floresta n. 2, om Olin-
da, para ver e tratar na mesma casa.
SEGREDO ECONOMA E CELERIDADE.
Obtem-se com o uso
DA
iHjEcgo sbost
nica, bygionica, radical einfallivol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offerece como garanta de salutares resultados
a continuada applicac,ao que sempre com a
maior vantagem se tem fcito della nos bos-
pitaes de Pars.
U-uicu deposito para o Brasil, Bartholomeu
& C, ra Larga do Rosario n. 31.
Pede obter em pouco tempe com o aso do melbor dos licoresa animada
HESPERIDINA
Faz'oito annos que i conbecid este precioso tnico, e difcil achar ama peiso
qae, tendo experimentado pessoalrnete, nao falle em seo favor, j como bom estomaca
e apetisador, tomando em clix della antes de jaotar, oo como facilitador da digest
tumaado-ae depois.
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nio ha om s habitante do BRASIL (a trra
especial das laranjas) que Lc conbeca as propnjedades medicinaes da doarada frocu,
ora bem, a
.

em sen estado natnral tem um gosto ponco agradavel, e o mrito da Hesperidica con-
siste em reter saaa boas propiedades, e ao mesoio lempo apresenta-la como
EXQUISIT LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nio tea, nada .qae ib vejar ai
melbores importacoes europeas de catbegoria semelhante. Estas, quando moito, poden
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinacao prfeita do
GRADAVEL E SADAVEL
Para prova da que um artigo do qual pde-se ter iuteira coofiaaca, por ser pare
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorisada pela
JUNTA OE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permittindo sna livre elaboracSo do imperio; ootra
BOA. PBWCA
e a acceitaco geral que tem em ti.das as p res onde apreaentada. En tt esiabe-
leceu se a primeira fabrica em Buenos-Ayres ;'em 18t9 a seggoda em,MoDtevideo; a
no dia da ebegada de S. M. 0 IMPERADOR inaogorou-se a fabrica qoe actualmente
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa accetla$fe.
tanto qne rara a casa qae considera completo seo aparador sem nma garrafa, de
IIESMir
O bomem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
0 bomem doente toma Hesperidina para obter
SAUM.
O homem dbil toma Heep^ridina para obter
Nos bailes as donzelias e os mocos tomam a tauapeaidiaa.. para, obter boa J* 1
aaimaco dorante os loucosgvros da
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigano Tenorio n. 7, Io aadar, receberam esta
grande especifico, e veno^m-no nos depsitos seguintea :
Joaquim Ferreira Lobo, rna da Imperatriz.
Zpferino Carneiro, roa do Commercio.
Marcelino Jo? Goncalves da Fonle, ra da Cadea ,n. *.
Antonio Gomes Pires A C, ra da Cadeia.
Antonio Gomes Pires 4 C, ces 2 de-Nevembro.
Gomes & IrmSo hotel da Passagem.
-s

I-

\
JEMIS A T!
Para piano.
Por F. Libo ni o Colas.
Acaba di! publirar-se e aclu-sc a venda este
lin-lo galope cum trontespicio especia! e anlo-
go, composto iwlo muito talentoso e sinipalhico
maestro Colas.
Meco 20(V>.
A' ra Nova n. II. anoa-eni do Azevedo.
m.....*
BARTHOLOMEU -etCu
Phannaceuticos premiados era di ver sus exposi^oes
No?o tratamento da Asthma, tosse, convulsa, defluxo catarrhaes, e todat as molestias dos pulmn
que tem feto importantes curas, e que 6 boje o nico aconta pelos melbores Midios;
DEPOSITO GERAL, 34, ra Larga do Rosario, PERNAMBUCO.
A loja.da agtiia branca, ruado Duque de
Casias n.. 50, receb'au novamente bonitos gram-
pos, nrmco9 e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de ac, e como sempre conti-
miaaven.de-1 os por procos razoaveis.
A Lingua Fraih'pza
POR
0000 rs.
Mothodo rpido e f:n*il de ensinar o francez
[icio
Dr. Abilio Cenar lioi*^ei.
Livraria france?M.
(iraniHialira potiiguoza
A mais Iwrata de tdas as gramraatiras a do
Ur. lbiiu 4 V>uia Bordos.
500 rs.
Livrarm-francezu.
jmswRsmt
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. NAURER & C.
PEKNAlBlT.O
CORTINADJS PARA CAMAS E JANELLAS
A /.IOO, 85000 E tOtfQOi/.
O Pavo tem um grande sorti mentn de
cortinados para caaja e j^nellas, qte. ven-
de pelo barat preco de 74500; 800J e
10(5000 o par. tendo at por 185000. assim
como colchas de-dam^co para camas de
noivis, e gnnde sortimento de tape'es tan-
to para 4cdeiras como para mas^ianos,
portas, etc., todo vende por prefos razoa-
vels.
CAMBRAIAS.
0 Pavjj veade corlas,de,.caaabrata tras-
parente propria para vestidos a-2*500 e
350 )0.
Peca de dita moito fina com 10 jardas
tanto tacada como traaspareota a,4&)QQ,
15000.65000 at-a,mais fina que vea
30 merca lo.
COUTES OE PERCAUA COM DUAS S.\MS
A 451)00.
O PavSo vend9 bo/iitoflcortes da precalia
com duas sajas,. sendu,*eaa, a mu.tJ
gosto a 450OO,. j>ecb,;na.
BAPTISTAS DE GRANOE NOVIDADE
O Pava,) vende -um- grande sprtimemo
das mais mod,irn., baptitas cWBy^^de
cor, proprias pmreaMojcoia*-ooriis
novas qae tm viado ao marcavlo aqdo
maiti mais largSdoqB.eas cartas frencreas,
e venie pelo baratissimo, pr^o^ oqprs.
cada cavado.
Vende-se o sitio da estrada da Cruz, de Almas,
que flea entre o do commendador Tasso e o do
desembargador.Drtria, com casa do vvenda, d ffe-
rentes arvon-dos, grande baixa de capim, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilhos urba-
nos aop da estacan da Jaqueirai a tratar na
ra do Amorim n. 37.
Farinha de mandioca a 3$ o
8acco.
Na rqa da Madre -da Dos il, 7 ; a elh, em
quanto nao so acaba.
m m i?
VKiNHAM
k Rosa ranca.
Chap* alo
12?00.
so! nabo de mar fim a
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as peanas de ac, d at
tres excellentes cqpias, mesmo xnuitos dias
depois de escrever, e pre'erivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa conservaca.




/
Vende-se na pharmacia de oreiiC.roa Neva n. 25.
Csileiras oratorias com usaou de yalhmha
Mlieen cada uro no caej.do Apollo. ariia-
tpm ViHjuiilias a l?oO.
Xarqpe d'agriao do Para
Antigoo conceiuiado medicamento para
cura das molestias dos orgos rpspiraforios,
como a pbtysica, bxpncbitcs, asthma, te,
applicado aiadkt, com ptimos resaltados no
escorbuto.
Vende-se na phanaaeia e drogara de Barr
tholomeadc C, ra Larga dofts^irion. 3i.
Vende-se uin'caarlet awiican'i de osas-
sentos, muito lov e. u ^ )*nk estuKi : para ver
na.cucheira do Sf, Cwim',..v.raa da Ua>n(U>nVr
mero 86.
Rrt sein scgtnultav
_p.ir.-i ,!imctn,a^do fabiicanU
Cheg|;raro agulhasnar;
Rrewr Raki-r. Diuia
BfcWlfe..
Vende-so una jii^iapUa^-d. afar.nd em
rfeito esiado : a tnatar ,ua, rtu>da iH;*dxo d
u n. 5, 1.* amlar.
'Ufte, gasto
'!Qadaira.s;pretas Amradas o'tafehmdas de mi-
*aerola : ana' avmH2*es d',H^Q frmao 4 C,
Decaes,*) Apolk).
i.--f
Caraa1liie preta ;i 800 rs o cova-
do, ultimo gosto- para casaquinho e segunda
saia.
Cambraia transparente fina a
43>c 55000 a pc;a, com 8 \i varas.
<.'huf> |ra 3;ij) para muinaspaqvaa^, euusa, muito chi-
qiw a V*HW.
t'nmbi'Miu dci>eN, ritos gnstes, a
4Wrs. ocova^lc, emais ordinaria a 280 o
cavado.
Bift.u muito fino, tem os mais lindos dese-
*as.
Clv. pnra cmiiiis a 4f50(), sao
cqlsasqe nfosvemlem a 79KM).
*aiMJi.JiaH.lHia, a^lH^* pep.
TdJ^to, 6 muito, barato
pqrque a Rosa Branca s compra dinhei-
ro e venda polo metumfSTStema. Manda-se
.levar^ca^s. '
iiiM^ilM^p^in/ n;.ii.
Jyihms striiuas.
enduiisa no annazem ilitazmidas 4e Aucusui
R, dei^lireia^* ;.. aij-aado,Coujinrcit)-n42.
Aviso &iamilA&
Na na do Llvramento n. 1, vend-Me al^ndao
trancado d'Buat'lai*ilra<. fob ponen defeito a
500 rs. a vara,
a n*a.
MfeMi
1
cr.Mou 15280
TASSO MAOS i C.
Em seus armazens ra do Amorim
n. 37 e caes do Apoll ti. 47,
tem para vender por precos commodos :
Tijolos encarnados sextavas .para ladriiho.
Caaos de Itarro para esgato.
(amento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarocar aJoaa.
Mcliinas de nadara.
Potassa da Russi em barril.
I'hosphoros de cera.
Sag em garrafScs.
Sevadinha eni fiarrafoes.
Leabas erp carra,f5es.
Rlium da aJmaica.
Vjnho do PrU velho engarrafado.
Vhifi do Perto superior, Vinho de Bordeayx, dito.
Vinho do Scherrv.
Vinho da. Al a dc-ira".
Potes iuim li agua* e-donradas iagiezas.
UHM IdM *iriiilivs.
Cotia: fintbiflTBwiw.
I -as (tofemfiulio iil'Ii.'^.
Barris eonire(ioltrtmi-sitniuiir.-i.
BICHAS DE HAMBUBGO
As mais recentes o nielhores.
Vendm-se na pharmacia e drogara de Bn--
tladorneutRC, ruk larga dosario .0 llji. 34.
Ccrveja
A ve rilado ira cerveja da avjera. marca ban-
deira, dfl|i!li>rquaaiale : toMdaoi tasso Ir-
m;ios.4 C. e >u armaaeni da ru <5 HantrO
IIUIIUT-i 3.7._______________
Fio de algodo da B^hia e cal de Lisboa, re-
centemente iliegado : h jira vender no es-
rrip^rio do Jonffmm Jo 'Gonfiflve Beltrab 4 Pi-
lilo, rna do ''oinmcrc^ n. 5.
,-
K
Chanitps de Havajua.
Siipcrioref
no escripWrift'de'Risw Inaabs 4 d, ra do Amo-
rim.n. 37: ...
Milho de Mamaugu^pe
Tm3('-se"p^rj)reco comnvxlo : 'na r.ia'da ta-
dre deDeuSv^l/t^rimdro.andf.
(^.ofepftisdefw^)
Dito .( al}rodao lVfltl
(abortas chita Ditas t vtVUipe ftirvfis a 3*000 urna
Ditas nBtrtAMrtdasTloiTadas a 3'Wt,
^ ftSsft'lMajta ;^ofl^a3jilt)
Dlo6.ta |l|f|4fi*'**i S %W*W*/CWW*n% .^-i4i;GttiHftrMWK.
wpntw uiir^nt^ioaM'iB^r-d**!!* ii)i.
* tmiquw *w<*^|tt^ptgttsa*i ^rdtaru
v#r na fclr*)d ivfti At-'Ro4a.'!#i "
ri Bfc-eitil nJ -*.'
rrac=




T
-^---
Diario *ie Ternambuco Qutltii feira WWIKijo Je 18?

7
FNDpO DE FERRO
FABRICA DE MACHINAS
V ra do Baro do Trimiipliii (na ihlnni) lis. JOila 104
CARDOSO <$: IEMiO
, AVISAM aos Srs. de engenhos e ao publico em geral, que teem recebido da Europa
grande 6ortento,de ferragens para engenhos e para lavoura, e quaesquer outros usos
e misteresda industria agrcola, o quetudo vendem por preoos razoaveis.
Formas para aSSUCar pintadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VaDOreS horisontaes evertjcaesj bem conbecidos nesta provincia e l'ra della, os
" raelhores que teem vindo a este mercado.
MoendaS completas de diwrsos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
MeiaS mOenaS para assentaram grades de madeira.
laixaS e ierro de ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
Rodas d agua de diversos tamanhos.
KodaS dentadas de diversos tamanbosequalidades.
CoCertOS concertam com promptido qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EriCOmmeildaS ^'an(^am v'r Por encommenda da Europa, qualquor rachinismo,
para o que se correspondem com urna respeitavcl casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Ra do Baro do Triumpho ns. 101, 102 e 104
F INDICA O DE CARDOSO & IRMO
MUITA ATTECO
5
Soares Leite & Irmos, com loja de miudezas ra do Baro da Victoria n. 28 (ou-
tr'ora Nova) pedem muita attenco para os presos abai\o especificados:
MIUDEZAS.
Abotoaduraspara collete a 200 e 320 rs.
dem idem para punhcs a 320 rs.
Talheres cabe de viado ( mitacao a 3*000
a duzia.
dem idem cabo brnco 2 B a 55500 a du-
zia.
Caixa de linha branca com 40 novellos a
500 rs.
dem dem de marca a 210 rs.
Maco de fita chineza a 15000.
Coques modernos a 35500.
Resma de papel pautado liso a 2!?800, 339,
35500, 45000 e 65000.
Caixa de papel amisade a 600 rs.
dem idem idem beira dourada a 800 rs.
Caixa de euvelopes forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Csixa de pennas Perry a 800 rs.
dem idem a 00 rs.
Liwros pora notas a 320 e 400 rs.
Kedes enfeitadas a 15300.
Tranca de caracol branca, a 400 rs. o
maco.
Idem lisas a 200 rs. o maco.
Microscopios ;sem vistas) a 25000.
Duzia de peijas de cordo imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couro da Russia a
105000.
Loques para senhoras a 25000, 45000 e
75000.
Vara de fita escoseza larga (hoje grande
r.ovidade) a 45000.
Duzia de collarinhos bor lados para ho-
nem a 85000.
dem idem lisas a 65000.
Duzia de cachimbos p da gallinha a
25500.
Mam idem de madeira com tampa
35000-
Duzia de meias para homem a 35, e'55
65000.
Idern idem para senhoras a 4v'e 75000.
Lamparinas gaz a 15000.
Grosa de botos de osso para caira a
200 rs.
Grinaldas para casamento a 25 e 55000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 35600.
dem idem idem lisos a 25500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 15000.
Pecas de fita de velludo de todas as cores

.
DE
COSTURA DE HOWE
NA
SOASES LEITE, IRMOS
NICOS AGENTES
A'
Ra do Bardo da Victoria n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Moreira C. solicitam a attencO' do publico da provincia de Pernam-
buco para o rapAra Finaproducto de fabrica pertancante a.filhos
do paiz, e cuja qualidade est conhecida perlWtamentu igual do verda-
deroAra Pretacomo o fabrica a casa petmitiva na Babia, tendo alm
disso a vantagem de ser viajado.
No intuito de tornar conheceido devidataente-apreciadQ o rap Ara
Finaosanununciantes ocabam de autorisar seuageute em Pecnambuco,
a acceitar, mo grado, os obstculos e diDeitosdeintroduocio.a luta da
concurrencia, acompauhando-a nos batimentos de proco at onde for
isso compativel com suas torras.
Os uuunciaqtes esperara encontrar na uobre populando de Per-
nambuco, o apoio que tm jus a actividade eos esfoiQos que ellesteem
empregado para, por assim dizer, aacioualisarera um ramo de industria
que at hoje s ao estrangeiro tora aproveitado.
0 deposito em Pernambuco uo$oriptoro do 8r. Domingos Al-
ves Matheus, rua do Vigario n. 11. As vendas sao feitas em libras
ou meias libras, vontade do comprador.
Preco 15000 a libra, com descont de 18 0 em ponjao.de 10 libras
para cima.
Baha, 21 de everero de 1873.
Moreimdk O.
Na expsito de Paris, cm 1807, foi concedido *
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecax*-
qJo da Legio de Honra, por serem as machinas rasper_
feitas do mundo. ,
A medalha de ouro, conferida a
Estados-Unidos por ser o inventor
tura.
A medalha de ouro na expsito de Londres acreofista
estas machinas.
E. Howe Jnior, sms
da machina de
A 90000
. i
Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Ham-
i York, estabeleceu nesta cidade rua do Baro da Victoria n. 28, um deposito e agtxn*
larguras.
dem idem de grosdenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira c char-
lte.
Mascaras baratas.
Chapeos para senhoras a 85000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 15200.
dem idem kauanga do Japo a 1^200.
dem idem divina a 15200.
dem idem Magdalena (novidade) a 15500.
Frasco de oleo oriza e philocome a 15000.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 15, lv500 e
25000.
Tnico oriental de Kem a 15000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez, o que ha de
melhor, 500 rs. e 15000.
Maco de sabonetes inglezes a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa a 25500
e 35600.
dem idem com flores a 15500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
I 35300.
Ag la de cologne, banha em frascos e
Lmuitas perfumaras de gosto e baratos.
QUINQUILHARIAS
M.Kcaras, brinquedos para crianzas, bollas de borracha, tambores, cobras de madei-
ra, efc., e muitos objeetos que se tornara longo mencionar.
28 Rua do Baro da Vidoiia 28
Arados para labrar a trra.
Carrinhos de mo.
Camas de ferro.
Cofres de ferro.
Cestos d'arame para fi
Koges de ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
l'regos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Machinas para descarocar algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balanzas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES RUA DO BOM JESLSN. 4.
Obras de ouro e
pi ata de todas as
qualidades.
,smera
para em Pernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinase!
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de scu ira!. I _
I empregaudo urna agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualqui-r ota.
1 e pela introducijo dos mais aperfeic-oados apparelhos, estamos actualmente liailiu*ii a
olferecer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagem destas machinas sao as seguintcs:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova inrontesta-*. <
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d- Howe
da mo.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Tercena.Ha nellas menor fnecao entre as diversas pesas, e menos rpido do que as outras.
Quarta.Formam o ponto como se frafeito mo.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao cgs^b
ua-s outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um oulro !ar,
e logo em seguida, sem modificar-se a tenso da linha, cozem a lazenda tajst
fina.
Stima.0 compressr levantado com a maior fcilidade, quando se ten de tablar
de agulha ao coi negar nova costura.
Oitava. Muitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de gratulase
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soflrenn
mudangas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de SV-mc
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em artes mechauicas, tem constanteoMHli
augmentado oseu fabrico, e hoje nao atiende a procura, posto que faca 600 m^iijas
por dia.
Cada machina acompanha livretos com instrueces em portuguez.
A 9^000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMOS
A"
Rua do Baro da Victoria n. 28.
Acaba de chegar a este estabelecimento um importaste sortiroento de joias de
ouro, do melhor gosto e qualidade quo tem vindo nesta genero, como cassoletas do
nix com lettras de diamantes e pinturas finas, aoMfM e meios "aderecos com pedras fi
as, etc., etc.
Relogios de ouro, do differentes gostos e qualidades, para homens e senhoras, desde o
prego de 405000 at 3005000, sendo estes ltimos de machinismo mais aperfeicoado pos-
sivel e guarnecidos com diamantes.
Hitos de prata de 165000 e 405000.
RUA DO CABUOA Bf.
MOREIRA DUARTE.& C.

Aderecos de bri-
Ihante?, esmeraldas
rubias e perolas,
voltas de perolas.
racf-rjaC^g
A^Sffl^S
mm LOJA BE JOIAS
N. 2 ARua do CabugN. 2 A
DE
IC %IIHOS rt E M IIO
Acbando-se completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os sens proprietarios feito urna importante aequisicao de
joias as mais modernas vindas ao meneado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitaVel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de goslo por
prego razoavel.
Boa acquisi^.
V^e'se Bm* c rua ImperfeJ n. 0,
de ;para e cal, em caix, propria para sabe-
lecimento, tendo coziaba. interna, coin ttol bom
utatalto* murado, ff, <^cimt e sHldano'
funa< ; a traa! n easa n, w*; na mesan
rua.
A LOJA BOM PASTOR
UECEBEV
Apparelhos de mesa do C. Christofle do Paris, fabricante de
plaqu o mais acreditado na Europa, tanto na qualidade como
na limpeza dos seus modelos.
Faqueiros em caixa, oolheres em duzia, aparelhos de che,
bandejas de todo tamanho, galheiteiros, serpentinas, castigaes,
saleiras, fariuheiros.etc., ote.
Recebeu tambem
Grande sotimento de quadros muitos vivos, com as estam-
pas, as mais bellas vindas nesta praca.
Recebe encommenda para o forto, Lyon e Paris.
L'ilii'ica ((niiinieis para grojas, c ima^ns
Lindos vestidos a 5S o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e de percalia com barra e de dates
saias, acompanhados dos competentes figurinos a 55 cada corte. Vendem na rua I1-
meiro de Margo antiga do Crespo) n. 13, loja das columnas de Antonio Correa de Vas-
cellos.
Tijiliis francezes sextvate
De 455000 a .i.VOOO
o niilhciro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrillar os pavimentos
terrees das casas, pori4uanto,_pouco mais custan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
alguma, superiores a estes pela limpeza de que
sao suscepUveis. Custam alm disto menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados, e
dos de differentes mosaicos, os quacs nao estao
certamen te ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem que ha no emprego
destes tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes anda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrillar cozinhas nos
sobrados da cidade, atiento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de serem assoalhadas as cozinhas todas de lijlo,
e nao s a parte junta ao fogao, no que ate as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Venaem-se nos armazens de tarinha de Tasso Ir:
maos & C, no caes do Apollo.
Charutos de 11 a va na
De diversas marcas, receberam pelo ulti-
mo vapor.
Bourgard & C.
15 HU DO MRQUEZ PE 15
CO!TtPACAO
PUjBl
34
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmaeia e drogara
D8
BARTHGLOME & C.
-Rua larga do Kosario-
-34
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 5 da rua do Rio, na fregne-
>ia do Poco da Panel la, com 3 alas, 6
| qu.irtos. i saleta, despensa, cozinba e quintal ma .
rado cojo predio aoha-se concertado, caiad
pintado de novo : a tratar com o cominenJjOiT
Tasso.
ClIliOlJ
Vende-se
um cxcellente alambiijue todo de cobre, quas
novo, e com duas serpentinas : a tratar no enge-
nho Massangana, do cabo.
O bacalhio da Noruega, em cixas e netas
ditas : no cae da Ailaodega n. 1, aim2Cgt *
I Ta?o Irma<-s & C
- Vende-se cal nova de Li>boa pelo meaos
preso do que em outra parte : na rua de Pedr
Affonso n. 5.
UEI
AYER.
Sakaparrilha de Ayer
H\trnvta ittmpmsU:
l"ara purificar o saoguo olivrar do veneno
de escrfulas, sjphiles'eni todos os seus diffe-
rentes e numerosos ramos.
Remedio de Ayer
Para aezJKes.
Contra as febres intermittentes, febres re-
mitientes, beliosas e toda e qualquer mo-
lestia que tem sua origem no desarranjo
da bilis.
m
Pilulas catharticas
de Ayer.
0 purgante perfeito ; pde-se empregar
por todo o effeito de um cathartico ; ou jun-
tamente1 com os outros remedios de Ayer.
Peitoral de cereja
de Ayer.
Para molestias do porto, pulmoes o gar-
ganta, taes comodefloxo ou tosse, croup,
asthma, dfpbteria, bronchites, phtysica, etc.,1
etc. i
Todas esta? preparacoes sao- compostas com um cuidado^ especial tanto na escoha (e mesmo'cultivaQSo) das drogas deque s feitas, como na sua decoeco -, etema
toda a confian? em dizer que otTerecemos ao publico remedios dos mais efficazes quo 's pode produzir, e nos julgamos muito superiores a todos que noste genero tem sido aprese-
tado ao povo.
Veri4em-se em tolas sfrincipaes pharmacias de Pernam-

Vende-se, arrenda se oa prmota'-se, pon
trras que nrvam para plantar canna,ama pntf ia
sita no pato da. feira no potoadd do Mentes; a
tratar com san propretaro nanmmv paveado; e
', para informacoes, com os Srs. -Rocha Lima 4 Gui-
maraes, rua do Bom JetiiHloTO{oraWtraVii
i6,ou- com o Sr. iNcenwW'Maria' ?reire,-tw
Caes-dd) Apollo, n'esu idade.
Peda marmwe.
Da melfior cpuMate e (Jara todo enero de
obra, .retaNia-se por pfefos en*iKlo? : n& rBj
a. Madre de Deus n. 9.
Tetreno na cidade.
Wende-se un terreno .aa ma .Imperial, etoi
l! pannos J frente-e 50 d rtmdo, solo pro-
prid. atterrado, -porto 'no fnndo para descarga
de piateriaes : a tratar na casatimttgna n :J6,
ou na rua Nova, loja n. 7.

1
PBM$m
o edo imperio.
,B>raL ^afcapnrrlha de Ajer....|flfO0 cada yidro.
' ifmmti.....) __ M
Remedio

.
Pilulas de Ayer;.............TOOOcada vidro.
'*} # tf.u-^s rJembdio de J. C tyliPM i (AutOf emt(lieka> vem ac*mpanbh
cora rotulse envoltorios em i^tiYCEl,'eortt't6das-as; irretrBc^^Wiiroce^imeswirwfl e
comoprot95o contra as fraudes trazem imprensados em bronzonas coberteodO'cada,idro
oV boins* dos nicos, agenes geraesno imperio do Brasil
W. n. CasMb .
AGENTES DOS SRSi J. C. VE* d C.
Agent desta provinciaJ. C.O' Doyle, rua do Commercio n. 88.
i
H i C''

*



8
n
Diario de Pernambuco Quinta feira 6 de Marco de 1873.
ASSEMBLEA GER.IL
SENADO.
SESSAO DE 10 % KKVERElRO.
Discussao do voto de grapas.
(Contluso).
Estar, portante contiendas as reformas
judiciarae eleitoral, cesta nao p'le sub-
sistir vista do fatal a m possuiwt* do Sr.
presidente do conselho, que aii.iia nao sen-
do tio fatal cono o do.Papa, j desacoro-
gor o orarlor.
O Sr. Saraiva :0,que vale que o mi-
nisterio durar pouiu '. i.apo.
O Sr. Mrquez de S. \u:>:te :Tem
muita estabidade.
O Sr. Saraivx: Qual estabilida lo.
V. Exc. ver que elle nao atravessa a ses-
sao.
O Sr. Nabw.o diz que as reformas sao il-
luiidas, porque sao chamados a e :ecuta-las
aquelles que as hostihsam, e fallan lo de re-
t'oruias, o ora lor ailu le s reformas profun-
das. A ronsequenci' de;stsinverses nao
poderem inspirar contianga ao povo : o re-
ormador ou ta de concober de (Mis, ou lia
de sacrificar a reforma, que nao poder ter
o prestigio que convein a urna lei nova. E
desda que o partido conservador tomar a
Inurleira do partido liberal, o partido libe-
ral, para manter o antagonismo, ir at o
extremo.
O exemplo que o orador invoca o de
un reconstitucional a quem em 18(>4 o go-
verno propozum programma liberal, e res-
poudcii-lhc que se era preciso fazer essa re-
forma liberal, eotao chamassem o partido
que tivesse a misso de azc-la porque trava-
la a porlia da bandeira liberal contra os li-
beraes, a quem a entregaran elles depois ?
E o rei era lgico, tinha razo, porque desde
que um partido toma a bandeira do
outro, ou oxerce pressn sobre o outro,
coinmette urna falta grave em suas conse-
q'iencias.
O ora lor rea rda a maueira porque na In-
glaterra foram rosolvidas importantes refor-
mas, sem quebra da dignida le dos partidos :
e em relago ao Brasil, pergunta por.juc
nao fui eucarregadoo partido liberal da re-
forma do elemento servil ? Porque nao es-
lava organisado ? Mas se notiuia os meios
de aceta, tinha a imprensa. E se o partido
liberal i-ao est as con liges de exercer o
poder, p le-se ento dizer que a monarehia
est em psrigo 'apenados,, porque nao tem
liberdade, porque ha da submetter-se e su-
bordtaar-se ao nico partido que existe
(apoiaios) ; e a monarehia ter de licar em
vii-a-is da repblica.
O orador levado a crerque, com effeito,
o partido liberal est hincado fra. Falla
com essa franqueza porque nao aspira
ao poden-, tem razes para nao exer-
ce-lo.
0 nobre presidente do conseibo, fazen-
do a reforma do elemento servil, devia cahir
para onde se inclinara, mas, ao contrario,
insisti em continuar no poder.
A dissidencia de 1872 foi urna divisao que
i, liorna ao seu partido.
' Diz en anda que essa maioria da cmara
dos deputados nao manifestara principios
que pu lessem constitui-la governo: estra-
nha o orador semelhante proposigo, porque
se essa maioria dissideate era conservadora,
qiK'Outros principios poderia apresentar?
o itra b indeira poderia arvorar? (Apoia-
I
Picara ella imposibilitada pela lei de 28
de setembro 1 Mas essa lei j pertencia
historia, e qualquer que fosse o partido que
assumisseao poder tinha o de ver de cxceu-
ta-ia.
O orador adduz ainda nutras considera-
ra is sobre este assumpto, econclue duende
que o que eonvm una politica larga e an-
tes a reforma com o desconhecido, do que a
revolugo com o conhecido. 'Muitos apoia-
dos.)
Vola pela emenda. 'Muito bem.)
O orador cumplimentado.)
O SR. JOBIM mais de una vez tem vis-
to passar no senado, sem discussao, o voto
de gragas.Ea emsua opinio.o caso de acon-
tecer agora o inesuio. Nao sabe qual a van-
tagem que o paz pode colher de debates
prematuros e vaos a respeito de urna ques
to gravissima, e sobre a qual nao convinha
precipitar juizo em occasio to impropria.
O resaltado desta impaciencia ser que den-
t: i em pouco, e como por acuite milbares
di? represeotaces bao de vir do interior do
paz, s porque o governo cabio em dizer
s?u pmsamento relativamente reforma da
n sa lei eleitoral.
.Nao apaixado de controversias politicas,
c nao teria pedido a palavra, se nao obser-
varse que a situago das mais graves e
melindrosas que tem presenciado. Dir,
pois, seu modo de pensar quanto causa
principal de nossos males.
Um philosopho da antiguidade, Scrates,
fundn a seita dos peripatticos, que tinha
por principio o nosce te ipsum, principio
que elle nao applicava aos individuos, mas
socied de, para que ella tratasse, estudasse
e procurasse conhecer-se.
Outro philosopho, Protagoras, rival da-
quelle, eusinava que o homem a medida
de todas as cousas em tanto que sao e em
tanto que nao sao, o que levou Scrates a
dizer-lhe que elle tinha envenenado a moci-
dado de Athenas. Daqui conclue que em
urna sociedade bem constituida a educago
a questo cssencial.
O que se deve ponsar da origem principal
de nossos males? E' preciso attender a
mais de urna circumstanca : Io influen-
cia do clima ; 2 influencia da educago e
dos costumes ; 3o influencia da relgio.
A influencia do clima incontestavel
para rcconhece-la basta olhar para os paizes
situados entre os trpicos, em nenhum dos
quaes tem podido sustentar-se o rgimen
liberal. Qual a razio deste facto ? E' que
nesses paizes predomina a forga da imagina-
do sobre a razo, e extrema a irritabili-
dade nervosa : dous elementos impedem o
desenvolvimento do rgimen liberal.
Ha tamben a influencia dos costumes.
A, este respeito j se deu urna controversia
Jiotavel entre dous de nossos homeus de
Estado. O Sr. Bernardo Pereira de Vascon-
cellos, que penda para a doutrina de Pro-
tagoras, sustentava que nao ha bem absolu-
to ; o Sr. Alves Branco, abragava antes as
ideas de Scrates, e sustentava que havia
bem absoluto, por quanto Deus, pelo rae-
nos, um bem absoluto.
O que vemos entre nos T O governo tem
um poder immenso sobre o corpo legislativo.
Apresenta-se urna proposta se o governo
insiste nella, questo vencida ; se nao se
esterna nada passa. Olhe-se para esse ce-
n, torio de proposites que abi existem
araontoadas, e ver-se-ha a eiactidao desta
proposico. Logo no nosso paiz nao ha
bem absoluto ; a vontade do governo que
decide.
Ora, estabelega-se a eleigo directa ein
taes con lines, que valor ter ella 7 Ha de
ser o que o governo quizer. Se esta a ver-
dade ; se aioda questo, se a eleigo di-
recta pode sor feita sem reforma da consti-
tugo t so a decidir-so nestes termos ainda
se tem du proceder a urna eleigo com po-
deres especiae, qual a vantagem da estar-se
por esta forma a antecipar tres ou quatro
annos sobre um assumpto to grave ? Nao
pode lobrgar vantagem nenhume nisto.
Disse que o clima tem a influencia de fa-
zer prolomiuar ainaginago e a excessiva
irritabilidade nervosa sobre as facujdades
intellectuaes. Attenda-so ao que se passa
nos paizes iutortropicaes, e compare-se com o
que \ai pelo norte da Europa. All nao ha
gove.iio que se anime a praticar nenhum at-
teutado contra a razo o a justiga ; o prin-
cipio legal domina e rege tudo No meio-
dia, a extraordinaria forca da imaginagoe
grande irrit ibilidade norvosa, tem um poder
inmenso, eg-ra quasi sempre a anarebia,
fructo de tal uxaltago. De tudo isso re-
sulta quo abi os honens bons assustam-se,
e antes querem um leao que os devore, que
um milho de ratinhos que os roam.
Era taes paizes nao pode, pois, prospe-
rar a democracia ; se assim nao fra, se
ella ahi podosse deseovolver-se, havia de
dar em resultado os estragos que fazem as
nuvons de gafanbotos as seras por onde
[)assam.
A forca de imaginaco anda produz outro
mal, fazendo com que se inveutem cousas
que nao tem o menor fundamento, entes in-
teiramante maginaveis.
Urna dessas invenges o partido ulico I
Como possvel que exista partido ulico
em um paiz onde o chefe do Estado nao diz
aos que o cercara nem meia palavra sobre
poltica ? Ondo est esse partido ulico,
essa invencao, visto que o chefe do Estado
nao se enteude seno con o governo a res-
peito dos negocios pblicos ? Ainda nao vio
invengo mais ridicula.
E" bem semelhante a essa outra invengo,
tambein immensamente ridiculao rei reina
mas nao governaE' um trocadilho insup-
portavel, e que foi inventado em Franca
pelo Sr. de Narhonne, antes de lhe darem
urna embaixada que ambiciona va; assim
que a npanhou tudo mudou ; desde logo o
rei reipa va e governa va. O que reinar se
nao govemar? Entretanto esses trocadi-
Ihos correm o mundo, fazem fortuna, acham
sympathias no povo. Donde ven tudo isto?
Da forra de imaginaco, que d para taes
invencAs.
Ainda ha outra invengo do mesmo jaez :
a historia do governo pessoal. Na Ingla-
terra houve governo pessoal, e nenhum rei
mais o exereeu do que JYgo III ; mas al-
guem procurou all por isso desprestigiar a
monarehia ? nao. Tudo quanto ellos que-
ran era ter um bom governo, era obrigar
o governo a proceder bem; mas ninguem so-
lapou a monarehia, ninguem tratou do a
desprestigiar.
Entre nos o qne se ve? Ataca-se tudo,
nao se respeita cousa alguma ; e por que ?
porque nao ha principios, toda a questo
est no olhe-toi de id, que je m'y metle :
aqu nao se trata de outra cousa.
E' por isso que nada se consegue. Sa-
liera uns e entram outros, mas os que veem
sao a mesma cousa. Estamos no caso doque
um velho militar dizia da la nova : Cha-
mam-lhe la nova cada vez que se mostra ;
mas sempre a mesma la, nao tem nada
de novo.
Para bem apreciar o que somos, basta
attender marcha que temos seguido, retro-
ceder um pouco aos tempos passados. E
vem aqui a proposito observar a differenca
que. vai entre a Inglaterra e a Franca : disse
o nobre senador pela Bahia que a Inglaterra
evita as revoluee.; dando em tempo as re-
formas ; que a Franca aguarda o j tarde.
E' um engao ; a differenca nao vem dahi,
mas de entra causa. A franca rompeu com
todo seu passado ; a Inglaterra, nao. Por-
gue ? porque a Franca nao paiz do norte ;
a nago franceza dominada das ideas dos
paizes intertropicaes, deixa-se arrastarpela
fosse igreja nao dira isso. %
O Sr. Jouim ainda a respeito de religiao
dir que urna religiao em que a autoridade
tem o poder de dispensar tudo, nao pode
concorrer para a moralidad* d povo.
A indifferenga corroe tudo. fenhura caso
se faz entre nos do rgimen legal. O que!

para assentar praga ; nao ser'o remedio da
espevtativa, na regenerago de costumes po-
lticos, apontado pelo governo, que ha de
melhorar o estado do paiz, porque o reme-
dio salutar cortar pela raz quando o mal
profundo. (Apoiadosj.
Que remedio applicar o governo para que
estamos presenciando f Modifica-se He raa- os subdelegados nao mandem cercar asigre-
neira perigosa nossa legisiago, sem quo isso jas excluir em.massa os votantes? Para
cause a menor iinprejso, que sous delegados nao mandem dispersar
destruir
Daqui tem resultado dos deputados ? Ouo remedio applicar o
odiosidades contra o chefe da nago, as quaes governo, para que so nao reproduza a fraude
preciso remediar. Nao possvel que as inaudita da subtraego impune de actas
preciso remeriiar. nao potsivel que as inauaiia ua suDiracgao impune ue acias e au-
cousas continuem como vo. Ou acabe-se tbenticas das eleigoes da secretaria do gover-
com a pena de morte; ou respeite-se a lei. no da provincia ?
Anossa inconstancia difficulta o rgimen Sabe que urna lei de reforma eleitoral p-
legal. de restabelecer inais ou menos a moralidade
Pelos motivos que j disse veio a abdica- do processo e systema de eleigo, mas qui-
go. dque tivemos depois? Urna regen- zera o orador, antes de tudo, o restabeleci-
cia permanente, que nao teve nada de pir- mente da moralidade da administrago.
manente ; no lim de dous annos achava-se Passando a outra ordem de consideragoes,
gasta e desappareceu. pergunta o orador ao nobre presidente do
Reformou-se a constituigo e passmos conselho, que ten alfectado no senado tanto
regencia de um s. Estavamos em pltma respeito pela constitugo, quando se trata da
repblica. O regente era um homem ho- eleigo directa, qual o motivo porque dis-
nesto o severo ; nao pode, porm sustentar- solveu a cmara dos deputados no auno
se, pirque negaram-lhe at pao e agua; passado?
vio-se obrigado a retirar-se, co leudo o iu-. Qualquer que seja o sentido poltico que
gar a um dos que lhe faziam guerra. Mas esse procedunente tenha dado ao 3o do
este tambem nao se pode sustentar dous art. 101 da constituicao, que couere cora
annos. Foram desinquietar um menino a prorogativa de dissolver cmara, quando
queestava fazendoseus estudos e acabaran obem do estado o exigir, fradeduvidaque
com a regencia. O resultado foi favoravel ; at hoje essa prerogativa nao tem sido exerci-
mas nao monos certo que com tal instabi- da seno ne caso de mudanga de urna situa-
imaginaco.
Nao devemos perder de vista nosso passa-
do, nossa historia.
No comeco de nossa vida nacional tive-
raos a fortuna de contar cora um grande
principe que nos tornou suavo a indepen-
dencia, e fez- nos o grande beneficio de con-
servar ligado este todo que chama Brasil.
Entretanto que guerra soffreu I que in-
sultos nao lhe foram dirigidos Tinha sem
duvida defeitos ; era homem ; porm nao
mereca ser tratado como foi.
O resultado foi desgostar-se ; e vendo na
Europa abalado o throno desua filha, ou
ella privada de sua cora, oi-se embora.
Mas retirou-se porque quiz. Porque razo,
pois, veio outro nobre senador pela Baha
dizer quo o povo o mandou embora ? Nao
exacto ; o povo nao disse tal; elle retirou-
se porque muito bem o quiz.
Tambem houve quem dissesse que foram
as cmaras que o obrigaram a ir-se embora.
Isso outra historia. Como podia ser as-
sim, se as cmaras estavam fechadas desde
novembro, e a abdcago foi em abril ?
Aqui esto os effeitos da imaginago.
O que entre nos a liberdade de impren-
sa ? A imprensa um pelourinho ; sua
tendencia constante enxovalhar e desgos-
tar a todos; porque ? pela forga da imagina-
gao. Vejam se l no norte da Europa ha
imprensa que se parega com a nossa.
O resultado de toda esta forga de imagi-
naco que andamos sempre arrastados por
illuses.
Disse ha pouco que a relgio tambem n-
flue nos costumes de um povo. E' urna
verdade que tambem noadmitte cont.sta-
go. Porque foi que o povo inglez mostrou
tanto ardor em mudar de relgio ? Porque
na nossa relgio a autoridade tudo. Esta
forga contraria ao rgimen liberal. Oque
vemos entre nos ? Em que que a nossa
religiao melhora os costumes do nosso povo?
(Reclaraages dos Srs. Zacaras, Rodri-
gues Silva e outros senadores que inter-
rompem o orador.)
O Sr. Ppresideme pede ao nobre sena-
dor que veja como se refere religiao do
Estado. (Apoiados.)
O Sr. Jobim tem se exprimido com toda a
moderago; nao tem dito muita cousa que
sabe e que poderia dizer.
Entre nos nao ha religiao ; o que ha sio
ceremonias religiosas; mas relgio, nao.
O que colheaqui o povo que vai igreja ?
ouve porventura a palavra dos sacerdotes,
como ouveem Franga? Nao, os parochos
nada pregam, nada ensinam.
O Sr. Zxcrias : Se o nobre senador
ldade nada se pode conseguir de grande.
Muito mais tem que dizer ; mas parece
ipie nao est agradando. E, pois, vai tratar
de outro assumpto, e concluir j.
Ha pouco tempo fez um requerimento,
que o senado se dignou de approvar, para
saber-se do governo qual a origem da epi-
demia que nos est lagellando, e tornndo-
se to m-rasa que at seria de bom accordo
mudar a capital para o interior do paiz.
Veio a resposta do governo, ouvido o con-
selho da hygiene publica. Na opmio desse
conselho a febre desenvolveu-se porque ha
muito tempo existe entre nos com o carc-
ter de espordica.
Come acredita na transmisso da febre
amarella, nao d valor a esta dea de casos
espordicos. A observago mostra, e assim
o pensa\a o an ligo chefe da junta de hygiene
o conselheiro Paula Candido, que as inva-
ses da febre amarella tem sido sempre
oriundas de navios que no-la trouxeram.
O orador apresenta diversas consideragoes
em apoio da opini&o que professa, isto ,
para mostrar que a febre amarella trans-
missivel ou contagiosa; lamentando, por
isso, que longe de acroditar-se que ella exis-
te sempre entre nos com o carcter espor-
dico, nao se trate com cuidado, desde que
apparece um caso, de ir logo examinar qual
a origem.
Nao sabe porque razo nao havemos de
ter lazaretos propriamente ditos. Desde
que a molestia transmissivel, os lazaretos
sao indispensaveis.
Estabeleceu-se o hospital chamado de
Santa Isabel. Mas onde ? na Jurujuba, lu-
gar em que nem ha agua para beber ; all
morre-se at sede.
O Sr. Presidente do Conselho : J
tem agua em abundancia.
O Sr. Jobim diz que ento, tollitur ques-
tio. Mas nao descobre porque razo nao
se ha de escolher urna ilha para um lazereto
quando sabe-se que a infecgo nao se esten-
de a mais de 300 tuezas, como nos ensina a
experiencia dos Americanos, que nestas
materias sao bons mestres.
Nao pode continuar por mais tempo ; por
ssp tem terminado.
O SR. POMPEU lamenta que o nobre
presidente do conselho ache que a ultima
eleigo fosse a mais livre.
Parece, porm, que a Divina Providencia,
irritada pela insinceridade com que se falla
ao paiz, nos quiz castigar com essa epidemia
terrivel que vai dizimando a populago ; e
nao obstante essa epidemia que assola o Rio
de Janeiro, e outras que vo reinando as
provincias, teima-se em dizer quo satisfac-
torio, o estado sanitario do Brasil.
O Sr. JaguaRIbe :Esta apreciago pa-
rece filha da melancola do nobre senador.
0 Sr. Pompeu diz que se continuar esta
farga ou esta mentira eleitoral, nao ser mais
possvel que a opinio em opposigo ao go-
verno se aprsente ainda peranto as urnas; e
ento o paiz ter dito a ultima palavra, por-
que para receiar que o povo, por mais cr-
dulo que tenha sido, queira continuar a vi-
ver sob o dominio da mentira.
Que importa que a razo do calor e hu-
midade, a acgo do clima e a fertilidade do
solo, ajudados pelo trabalho e esforgos de
um povo m continua elaborago, tenha fei-
to abortar a revolugo, mantenha as fontes
de producto augmentando a renda publica,
se (o que triste e vergonhoso confessar) a
vida do agricultor, a existencia do fazendei-
ro, correm perigo ? Que importa seja um
facto demonstrado pelas tabellas do thesou-
ro, que a receta tenha augmentado, se tam-
bem um facto demonstrado o crescimento
da divida publica? Se estes pesados impos-
tes langados ao povo as circunstancias
dificeis da guerra, e que j deviam ter ces-
sado, contmuam ainda a esmagar o povo ?
Que importa que as rendas do estado cres-
gam, se este suor do povo mal applicado,
e at mesmo sem autorisago de seus repre-
sentantes no parlamento ?
Ha certos males que nao resultam somon-
te do deleito das leis, como tambem de seus
autores ; e contra a falta de moralidade em
acgo, o ministerio nao apresenta remedio,
contentando-se em dizer que se deve appellar
para o tempo, essa entidade vaga e indefini-
da, que ha de reformar os costumes, sem
gao e:n que o governo se ache de todo incom-
pativel com a maioria da cmara.
Mas quem nao vio no anno passado, com
sorpreza, mais urna prova da decadencia do
rgimen parlamentar no acto da dissolugo ?
E de que se tratava ? Essa cmara havia to-
mado alguma resolugo contraria salvago
de interesses pblicos ?
Nao, sonhores, exclama o orador, era
urna simples questo domestica ; a cmara
dos Srs. deputados se havia dividido em
dous grupos, e um delles nao queria reco-
nhecer no presidente do conselho o chefe do
partido conservador. E, se em una circum-
stanca dada, a maioria da cmara dos depu-
tados devesse ser tomada na maior conside-
rago, era nesta, porque essa cmara subse-
quente dissolvida en 18G8, fura procla-
mada pelo governo como o grande concilio
da razo nacional.
Mas apenas o papa desse concilio percebeu
que elle a descrendo de sua infalliblidade,
foi logo dissolvendo-o, e declarando que o
Espirito-Santo nao o nspirava mais, e sin o
erro de Satanaz. (Apoiados,.
0 nobre presidente do conselho j tinha
recorrido ameaga, como medida de terror.
Todo o senado e toda a cidade do Rio de
Janeiro saben da famosa reunio que tivera
lugar na secretaria da agricultura, composta
de deputados e senadores, onde o nobre pre-
sidente do conselho expoz que, se o governo
fosse forgado a retirar-se, era muito possivel,
muito provavel, que cahisse as mos dos
liberaes.
Falla o orador na t/xistencia de dous po-
deres supremos, sendo um delles o poder os-
tensivo pelos actos que se publicara no Dia-
rio Oficial, e o outro um poder oceulto.
E l est a cmara outra vez dividida em
dous grupos : um anotando o governo, e
outro hostilisando-o. E' muito provavel
que un desses grupos embarace a pequea
maioria do outro. 0 que far o governo
outra vez em face desta cmara impossvel ?
Retirar-se-ba, para que seus adversarios to-
rnera posse das rdeas da administrago ?
Nao o acredita o orador, porque esses illus^
tres degenerados j foram apontados no se-
nado como impossiveis, porque einbaraga-
ram a execugo da le do elemento servil ;
nem ser possivel a hypothese de serem cha-
mados os liberaes, porque se elles nao subi-
rn ao poder o anno passado, em melhores
circumstaucas, nao o aceitarlo agora.
Dissolver outra vez a cmara? Ento
chegar a vez do governo exclamar com o
hero de Waterloo: Horre, mas nao se
rende.
Passando eleigo directa, diz o orador
que desde que a cora, perante o parlamen-
to, dissera que condemuava o systema actual
de eleigo, que nao produz mais a verdade, e
chamou a attengo do poder legislativo para
a reforma eleitoral, era dever do senado,
como um dos membros desse poder, como
alto conselheiro da cora, dizer-lhe lealmeu-
te sua opinio, e isso o que elle faz com a
emenda era discussao.
0 orador nao aceita a objecgo de ser vio-
lada a constitugo com a eleigo directa, ar-
gumentando cornos precedentes que j teem
sido enumerados da tribuna.
Demonstra com raciocinios da propria
constitugo, que a eleigo directa nao an-
tagnica a seus preceitos.
Mas, exclama, admittido o escrpulo cons-
titucional, quanto ao art. 90, uro poder
ser reformado este artigo ? A constitugo,
que foi dada ao Brasil, para seu bem, ha de
embaraga-lo na execugo de urna asprago
do Brasil intro? ei
0 Sr. Jaguaribe :Nao embaraga, quan-
do marca os tramites para a sua reforma.
0 Sr. Pompeu diz que nao ella o Alce-
rio, para que nao possara ser alteradas as
suas palavras.
Descreve o orador os beneficios que se an-
tolham com essa reforma.
E preciso confessar, diz S. Exc, que esta
panacea, na expresso do nobre senador pelo
Cear, ou nao panacea, a aspirago geral
do paiz.
OSr. Figueira de Mello :Nao a conhe-
go. Nao vi ainda esse thermometro de co-
nhecer a opinio publica.
O Sr. Pompeu diz que tem comsigo um
projecto do Sr. deputado Pereira da Silva,
po de que o nhra-mouarcbismo tem sido
fatal.
Pode haver urna entidade que rena todos
esses poderes de reinar e govemar ? Esses
poderes co-existindo como um direito poli-
tico dara o poder discricionario, e no esta-
do das cousas patrias a cora nohieia e de-
mitte livremente os ministros, mas quando e
como o reclama o parlamento. A nao ser
assim, a cora teria todo o poder soberano, o
que seria urna dogeiieragao do systema re-
presentativo.
Fazendo justiga plena aos nobres senti-
mentos da pessoa irresponsavel, acredita o
orador quo a cora quem mais doseja o
restabelecimento desse systema, e por isso
3ue mais de una vez faz depender da ver-
ade da eleigo essa forma de governo. (A-
poiados).
Quanto existencia do partido republica-
no, que o nobre senador pelo Rio de Janei-
ro chamaralibertnagera, se prova no
Brasil o excesso de liberdade, por certo quo
a Franga no primeiro e segundo imperio de-
via dar cxemplos de liberdade, porque du-
rante os dous Napolees nunca deixou de
existir um partido republicano.
E j que o nobre senador pelo Rio de Ja-
neiro trouxera discussao, juntamente com
a pessoa do Imperador, o partido republica-
no, seja licito ao orador perguntar, qwl o
motivo, j nao dir da existencia desse par-
tido, mas de sua dilfuso ?
E' certo que antes mesmo do imperio, j
iiaviam apparecido era Minas, era 1780, e ao
norte do Brasil, era 1817, ideas republica-
nas. Dir-se-ha que era una inanifestago
da independencia, porque nao havia outro
modo de encara-la seno pela repblica. Mas
a revolugo chamada do Equador, f o re-
sultado da dissolugo da. constituinte ; foi
um protesto dos Carvalhos, em Pernambuco,
dos Alencares e do outros homens contra o
acto atiuntatorio da soberana nacional.
lia quera escrevesso, e [dirigiudo-se ao Sr.
presidente do senado) V. Exc. sabe, que se
a revolugo do Equador foi inallograda. to-
dava obslou a que o imperio tivesse licado
to absoluto como era de receiar. Essas
ideas republicanas desapparecerain em 1831
e 183i, depois do acto addicional; nao falla
da revolugo do Sabino, nem da do Rio-
Grande do Sul.
Mas porque a idea republicana, encubada
at 1808, reappareceu, e encarnou-se en
um partido que hoje se estende a quasi todo
o imperio, possuindo, como orgo dessas
ideas, viute ou maisjornaes?
OSr.. Figueira de Mello : A Repbli-
ca appareceu em 1801.
O Sr. Vieiha da Silva d um aparte.
O Sr. Figueira de Mello :. No Rio-
Grande nem pode sustentar urna typogra-
phia.
O Sr. Pompeu diz que ella tem reappare-
cido, em consequencia das decepges e
desengaos de muitos cidadosde um e ou-
tro partido, que entendem, bem ou mal,
que nao ha mais que esperar...
0 Sr. Figueira de Mello :E a sua opi-
nio qual e ?
O Sr. pompeu (com forga : Nao tenho
q,ue dar satisl'agoes : nao tenho obrigago
de manifesta-la a V. Exc.
[0 Sr. pies de nte luitye a cajnpainha
Troco-se outros apartes,)
O orador passa a expender sua opinio
era relago aos negocios exteriores, quanto
ao convenio celebrado a respeito da ques-
to argentina, em 10 de novembro de 1872,
approvando-o plenamente, como urna satis-
fagao que o governo do Brasil devia dar de
sua palavra e honra empeiihadas para com
seus vizinhos.
Futra os detalbes das negoeiages.
E concluindo com a questo eleitoral no
Cear, de que se oceupra onobue senador o
Sr. Jaguaribe, hesita em empeubar-se no
repto que S. Exc. lhe lngara ; nao faltar,
porm, opportuuidade para responder.
Vota peas emendas do Ilustre uiembro
divergente da comraisso de resposta falla
do throno.
que ao manos (na expresso do nobre sena- optando pela eleigo directa, um outro apre-
dor pelo Rio-Grande do Norte) precise esse sentado pelo Sr. Paulino de Souza ; achan-
tempo. E antes que alguem dissesse que a ;do-se os Srs. Fernandes da Cunha e Chns-
corrupgo desee do alto, j era conhecida' tiano Ottoni entre seus signatarios ; isto ,
essa verdade. homens que pertencem aos tres partidos po-
No acha o orador que com este remedio licos; diversos escriptos por occasio dessa
de que falla o nobre ministro do imperio, se discussao travada em Pernambuco, onde fi-
ha de melhorar o estado de cousas do Bra- guram os notnes dos Drs. Sarment e Ban-
sil. Se ao menos houvesse bastante illus- deira de Mello; um outro projecto do Sr.
tragio no paiz, bastante civismo e habito de Paulino de Souza, com um parecer muito
resistencia no povo, ainda bem; mas as luminoso dado no anno passado pelo nobre
condiges actuaes, quando a autoridade sa- ministro do imperio, o Sr. Joo Alfredo Cor-
crifica os deveres de justica, para tudo fazer rea de Oliveira, que da opinio do orador,
impunemente; quando se v um subdelega- de cujo parecer faz a leitura.
do de Pernambuco mandar violentamente J Via o orador, pela pnmeira vez, trazer-se
amarrar e surrar um infeliz, abrir-lbe mea- telada discussao a pessoa irresponsavel que,
mo a sepultura, porque teve a ousadia de ir digna como do respeito da assembla geral,
queixar-se ao chefe de policia de suas violen- est inteiramente fra dos debates do paria-
cas ; quandi um outro subdelegado da Ca- ment (apoiados); arada que fosse trazida
choeira torna a prender ura outro infeliz, por excesso de zelo monarchico da tempera
desptica e caprichosamente; quando ainda do nobre senador pelo Rio de Janeiro, ora>
um delegado de Sobral resiste i ordem de nariamente o excesso de zelo prejudica tan-
habeas-corput, e remette a victima capital, to, que a historia offerece mais de um exem-
VAfilEDAUE
AVISO AOS CRTICOS.9 tribunal Com-
DQjOO Pleas, de Londres, no dia 10 de feve-
reiro, julgou urna causa de perdas e dam-
noi- por critica litteraria injusta.
0 celebre romancista Carlos Read com-
poz ltimamente urna comedia intitulada
Shilli SImIUj, representada no mez de abril
do anuo passado no theatro Gaiety. O jor-
nal Montiiuj Adcertiser, analysando a pega,
censurou-a por ter alguraas passagens inde-
centes. O author, julgando inmerecida
tal censura e eiitendendo que d'ella lhe po-
diam resultar graves prejuisos, intentou
acgo de perdas e damnos contra os redac-
tores do Mornini/ Advertiser, e estes foram
coodemnados arbitrando o jury 200 libras
de indemnisago.
CONDEMNAgO DE LM BIBLIOTECA-
RIO.Em 1849 fallou-so muito em Franga
do processo de Libri, sabio estrangeiro,
membro do instituto e inspector geral das
bibliotbecas, conhecido de homens eruditos
de todas as_ nages, e em correspondencia
com elles. Libri, aproveitando-se dos pri-
vilegios dos seus cargos, e da sua reputago
litteraria, visitava as bibliothecas e archivos
de toda a Franga encerrava-se nos gabine-
tes das inteiros, e exarainava os lvrose
manuscriptos mais raros, e dos quaes tirava
as folhas e gravuras que lhe convinham, e
subtraia pouco a pouco a obras de maior
valor, vendendo tudo por bom prego nos
mercados estrangeiros.
A malversago foi descoberta, e Libri foi
preso ; mas pode escapar-se e fugio para
Inglaterra, sendo.condemnado revela a
20 annos de priso.
ltimamente aconteceu um caso idntico
com Mr. Harmand, hbliothecario da biblio-
theca de Troves desde 1842, e que conta
hoje 68 anuos de idade.
Em 186G, Dufey Robert, livreiro em
Troyes annunciou e poz venda urna pre-
ciosa collecgo de livros de valor e raros,
pubpcandoum catalogo to erudito, que
denunciava ter sido feito por quem tinha
vastos conhecimentos litterarios e bibliogra-
phicos.
A circumstanca de ter at ento Dufey
exercido um commercio multo limitado, e
de se ter dado pela falu de muitas obras da
bibliotheca publica, fez suspeitar que havia
algum empregado infiel.
A guerra com & Allemanha suspendeu as
investigages, que se haviam comecado. Fe-
la a paz, o furto continuou, sendo desco-
berto pelo porteiro da bibliotheca o qual
declarou que o livreiro Dufey tinha longas
conferencias com Harmand, e que de casa
d'este levava muitos voluraes.
Procedeu-sc i um exarae, afiharam-se
muitos Bfros com fetlws rasgadas, estam-
pas tirad, manuscriptos com pessagens
substituidas, e capas de obras com textas de
outras edice, que existiam anteriormente
na bibliotheca,
Cateulou-se a prejuizo em 100:000 fran-
cos nao se podeiwo saber com certeza a
verba.
Instaurou-se processo no tribunal de Aube,
contra Harmand, por furto e alsificago de
escriptos.
. Harmand negou a hnputago que lhe
era feita.
Propostes 190 quesito ao jury, este deu
por. provado smente o furto, eom circums-
tancias attenuantes.
Hannad foi condenraado a 4 annos du
priso.
LADRES ATREVIDOS.Em Anvers fo-
ram presos dous ladrees quo lm tempos
erara procurados pela policia belga, como
implicados no reubo de sessente mil franros,
foito ao banco nacionulde Auver.
Na occasio da captura, ou para melhor
dizer, antes de poder ser realisada, feriram
gravemente dous agentes de policia e um
mancebo de vinte e quatro anuos- que, com
outras pessoas, ram em perseguigo dos la-
drees, levando estes revolveres carregados-
com que, j depois de ter feito os ferimentos,
ameagavam e punhamem respeito os seus
perseguidores, posto que nao levassem en-
to as armas coi todas as cargas.
Os taes meninos cbamam-se Rilllard e
Devoos; sao ambos dotados de proporge
hercleas ; e contessarara que faziam parte
de urna quadrilha,
Quando um dos. ladrees dsparava o- re-
wolver sobre um dos agentes de polica, a
bala foi bater na cara de un pobre cochei
ro que, sentado na almofuda, seguia com o
seu tren, sem se ntrometter na contenda.
AMNISTA AOS DELICTOS DTMPRE.NSl
E AOS INPLICADOS AS INSIRUEICES
REPUBLICANAS.0 governo hespanhol
apresentou assembla nacional um pro-
jecto de amnista, precedido do seguinu;
prembulo :
A repblica abre urna nova era na vida
da nossa patria. E' de esperar que, acaban-
do a opposigo entre o poder e o povo, e
nnando-se o definitivo consorcio da demo-
cracia com a liberdade, se consolide a or-
den publica pela regularidade do progreso
sob o imperio da lei : ideal que s na rep-
blica pode cumprir-se, porque s nella se
identitica o poder do sobenano com os direi-
tos do homem.
m Hoje inaugura-se este venturoso rgi-
men ; mas para conseguir o seu aiianga-
mento, necessario que as classes popula-
res adquiram a conviego de que, para ra-
dicar nellas capitalmente a forga legal e le-
gitima de um estado democrtico, as mais
transcendentes reformas politicas e so-
ciaes podem e deveni cumprir-se no seio
da paz, segundo o criterio da justiga e pelo
ministerio do sagrado voto da conscien-
cia humana. Assim acabaro as san-
guinolentas lutas que a opposigo entre
a liberdade e a ordem tem provocado dentro
do rgimen antigo ; nem transgressoes te-
gaes da parte do povo sero necessarias para
melhorar a sua condigo, nem da parte do
poder se ter que suspender a acgo
da l para salvar a equidade do di-
reito.
Entretanto estes venturosos tempos
chegaui, justo e obrigado, e interessa
honra e dignidade das cortes hespanholas,
que nao soffram o rigor da le escripia os
que, invocando o nomc da repblica, c, se
con impaciencia, com nobre generosidade,
couibaieraui pelo seu triumpho. Conside-
rago por outra parte merecida, dado o
carcter geral e constante das insurreige*
republicanas, nunca manchadas com as
crueldades e os crimes que os fanticos de
outras parcialidades polticas teem commet-
tido, corno se quizessem perturbar com o
odio os puros sentinientos humanos que
devera inspirar a esta gerago democrtica.
0 governo da repblica deplora por
isso nao poder estender a esses partidos,
pela tenaz perverso com que atropellam
todo o respeito divino e temporal, este pro-
jecto de amnista, cuja primeira condigo
a submisso lei e ao estado.
Outra classe de delictos ha, para u?
quaes felizmente nao preciso fazer excep-
<;o alguma : os de imprensa, cuja nature-
za permitte estender a todos elles os bene-
lieios desta lei; sendo de esperar com este
motivo que a imprensa de todos os partiuV
tempere o seu espirito na justiga e mantenha
sempre na sua palavra o respeito e a digni-
dade.
Fundado nestas consideragoes, o podt!
executivo tem a honra de submetter ap-
provago das cortes hespanholas o adjunte
projecto de le.
Madrid, 14 de feveceiro de 1873.
O presidente do poder executivo, A's/onw/a'o
Figueras.O ministro dos estrangeiros,
Emilio Caslelur. O ministro de graga e
justiga, Mcoldo Salmern y Along.O
ministro da guerra, Fernando Fernandez
de Cordova.O ministro da marinha, Jos
Mara de Beranger.O ministro da fazen-
da, Jos Echegaray.O ministro da go-
vernago, Francisco Pij e Maryall.O mi-
nistro do fomento, Manoel Becerra.0
ministro do ultramar, Francisco Salmern
y Alonso.
Art. 1. Concede-se amnista, sem ex-
cepgo de classe nem de foro, s pessoas
que tenham sido processadas por terem to-
mado parte as insurreiges republicanas
ou por occasio das manifestages contra o
recrutamento : devendo os trbunaes de jus-
tiga, ao applicar esta amnista, estende-la
a todas as incidencias e consequencias
dos factos que deram logar kao procedi-
mento.
Art. 2. Concede-se igualmente amnis-
ta para todos os delictos comraettidos por
meio da imprensa.
Art. 3. Sobreestar-se-ba desde logo, e
sem custas nos processos pendentes relativos
aos delictos amnistiados nos dois artigos
precedentes ; e as pessoas detidas ou presas
em consequencia dos mesmos, ou que se
acbam solrendo pena, serio postas imme-
diatamente em liberdade pelas autoridades
ou trbunaes respectivos.
Madrid, 1* de fevereiro de 1873.Ed
tanisldo Figueras.
OS SUICIDIOS.Os suicidios por immer-
so no Tamisa tem-se tornado tao frequen-
tes, que ji se estabeleceu urna casa merma-
ra junto desse ponto, e a real soejedade hu-
manitaria mandou sua custa eoUocar um
barco salva-vidas naquelle ponto do rio.
TYP DO DIARIO RA D^K DE.CAXU
%



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENN679Q9Q_DUCYPC INGEST_TIME 2013-09-19T20:12:53Z PACKAGE AA00011611_12854
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES