Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12852


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.

! i
AMO XLIX. NUMERO 52
PABA A CAPITAL E LEGARES OYUE SAO SE PAGA POBTE.
Por tres mezes adiantados............ 69000
l'or seis ditos idein.................. 12JJ0U0
Por um anuo idem..............fc' 2S>000
Cada numero avulso.................. 32Q
-TERCA FEIRA 4 DE MARCO DE 873.
PABA BEXTBO E FBA DA PBOVIKCIA.
Fortres mezes adiantados............' (
Por seis ditos idem...................
Por nove ditos iilem..................
Por um anno idem.
65750
13?500
2W0250
275*000
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE PARIA & FILH0S.
'.'
u
Os Srs. Gerardo Antonio Al ves & Filhos, no Para; Gonc,aIves & Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio de lemos Braga, no Aracatj ; Joo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal;
Pcreira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Bdarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emN'azareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagas; Alves &C, na Babia ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio de Janeiro.

Jos Justino
PAETE OFFICIAL
GOYFAWO H\ PROVINCIA..
Relatorio coni que o Exm. Sr. eommendador Henrique
Perera de Lucena abri a sesmo da assembla pro-
vincial, no 1. de marco de 1873.
Srs. Mentiros da Assembla Legislativa Prormcial.
Sea reuniao dos efeitus da provincia foi em lodos os lempos motivo de jubilo, hoje cir-
cutustancias especiaes fazem-iia mais alejada do qne nunca.
runfiando demasiadamente nos nossoe recursos, qoal outro lillio prodigo, imprevidrnte,
temos de tonga dala desbaratado urna grande parle do iiusso patrimonio, e gravado a outra cun
una divida consideravel, que nos da serios cuidados.
A lav.mra, nossa principal tente de riqueza, jaz amortecida falta de bracos e de outras
medidas procuas. que llie proporeioiiem o sen desenvolviuiunto.
O rommercio lutando rom mil diflinildades de iodo o genero, lauca as vistas para os
poderes pblicos, os quaes principalmente o podem libertar das teas que o prendera e e i esphera de mas o|>enico>s.
As vias de eoMiMkaieio, alm de poucas, acliam-se em geral em mi estado e deman-
dan! promptos reparos, sera os quaes achar-sc bao em breve totalmente obstruidas.
< auspicioso para a provincia, porque a vos, seus legisladores, compete mais particularmente estu-
dar e reduzr a leisos meios de rehabilitar as finaiicas, de levautar o commercio e industria agr-
cola do animo em qu< vegetara, de animar e proteger a industria fabril, de organisar oensino
do povo, e de promover, emlun, todos os outros mell.oi amentos, a que ella tem inOispulavei ios
e desde longos anuos reclama con instancia.
Pernambuco pela sua posicao especial est destinado a ser a primeira provincia do
mperio.
Grande pela sua popoiacao e extensa) territorial, importante pela sua riqueza natural e
wpographiea. rcsp.-itavel pelo valor nunca desmentido de s.-us lilhos, attraciiva pela ameuidade do
*M clima, nao foi, acreditemos, por obra do acaso, mas antes por disposicoes da Providencia, que
esta toa da cora brasileira licou assim engastada entre as mais provincias, como o ponto de
iivuo do norte e o de equilibrio do sul.
Muito j baveis feito, senbores, em prol de seus verdadeiros melboramento.-, uias torca
mfessar .me amia estamos longe de attingir a esse grao de desenvolvimento moral e materi'sl, a
que teem direito os povos hvres e civilizados.
No-meado por carta imperial de 23 de outubro do anuo passado presidente desla provincia,
onho hoje, era imprmenlo a le, ministrar-vos as informaees que se lazem precisas, para que
posees terinteirocoobednentu do estad) em que se acbam os diversos ramos do servko publico.
iniciar as medulas tendentes a roelhora-los. *
C mo vosso comprovinciano tenbo a mirar satisfago de inaugurar os VOSSOS trabalhos no
nio da paz e da tranqnillidade, que felizmente dusfroclaiiios.
Tanto quanto o tofll perinittido o curto espaco de urna administraco de tres mezes, liei
irocurado corresponder a eoofiaoca dogovorno imperial, curando tmente da.- verdadeiras neces-
idades da provincia, sem alten cao a espirito de parido, uem aSeirdes peaaoae*
.Corundo pelos abusos, onde quer que elles apparecam, ineu nico lito tem sido separar
o rao d.) trigo, arrancando pela raz essaj plantas parasytas que alii viven] agarradas ao corno
social, sem nenliiim proveito para a provincia, e so em detrimento da causa publica.
Pens que, sem quebra dos principios de una verdadeira e alto poltica, podem mili bem
veii.-ui.is as vocaeoes pronunciadas, os carai"
ser aprov
caracteres probos e honrados, em una palavra, os
unwn de boa vontade. de quem nos folian as sagradas letlras, e neste sentido tenho pautado o
UMQ procediuionlo m provmiento dos cargos tn reclamara hahilitacSes aneciae.
Na pruinncao de melhoramentos de qtiaiquer especieachar-me-heis aempre. como guarda
i rayada en frente do progrusso, executandu pressnroso os que de miin ependerem ; e serei
licito em prestar-vus lodos os esclarecinentos de que precisardes, durante o curso de vossos
trralhos. para que guiado por vossas luzes e reconbecido patriot-iao, cooperemos no engrandeei-
nto da provincia e do paiz. V
.No relatorio tm que me entregou a administraran o meu muito digno antecessor, o Exm. es-
einoargador hrancisco de Farm Lemos, encontrareis as inormaces referentes ao tem* que de-
caen da ultima sessin ate a retaha posse.
Aceitando o honroso cargo com que me distingui o governo de S. M. o Imperador, nenhu-
ma outra ambiao tenho procurado, e nein hei de procurar realisar, se nao todo o bem possivel
provincia a que devoo berco ; edar-me-' ei por pago de todas as fadigas. se no eumpriineulo
da ardua i espiuhosa tarefa. de que me acho incumbido, poder merecer o VOSSO Ilustrado
apoto.
IMtltlt vlHl*\W
tnalteravel contina, gracas a Divina Providencia, a sade de Suas Mageslades Imperiaes.
B"r>sos augustos soberanos.
A Providencia vela solicita [icios dias iina Priuceza Imperial, penhor do futuro,
a qoal no curto espaco de sua regencia, nostron que a par das virtudes de seos Ilustres |irogen-
:>'es.Jierdara-Ihes o patriotism i e acrisolado amor pelo paiz, junta a seu inclsto esposo, emento
coravao se anmham os mais nobres sentimeatoe de verdadeiro civismo, continuando a mostrai--se
digao lillio do Brasil, sua patria adoptiva.
Gosan tambera de perfeita sade Sua Alteza o Senhor Du.juc de Saxe '! seus augustos
...ios. reliquias da nossa serapre ch.iada princeza, 1). Leopoldina.
Pelo vapor Patajtmia, chegado ltimamente da Europa, tivemos u infausta noticia de haver
fajeado en Portugal, nodia C de Janeiro ultimo, Sua Magestade a Inperatriz viuva. D. Amelia.
<1u(|ueza de Hragaiica.
As virtudes da digna esposa do fundador do imperio, recoinmendain o seu nome a posteri-
dade, e o Brasil lamenta profundamente lio sensivel perda.
Por to doloroso aconteeimeoto, Sua Magestade o Imperador tomn luto rom a sua corte
por espaco de seis meses.
Em virtude do decreto 25 de najo do anuo nassado, que dissolveu a caara dos de-
"toite^t runvociju outra para o 1. de deaambro ultimo, proceden-se no da l de agosto do
anno lindo a eleicao dos eleitores para deputados, bem como a 7 de setenbro a de vereadores c
j: izes de paz.
al
tente
Do relatorio do raen digno antecessor, consta que corren regularmente o processo eleitoral
era todaa provincia, haveudo apenas em Una urna duplcala na eleicao de eleitores, e em S. Bento
r oiu Conselhll na de vereadores e juizes de paz.
Acham-sej erapossadas as novas cmaras municipaes da provincia, com excepcao das de
id e Bonito, por (eren sido annulladas as respectivas eleices da do Recf. por depender
uua approvayao do goveino geral, a cuja decisao siibmelti, visto havor-se provado judicialinenle
a traude bavida na eleicao de Afogados, a inlluir a sua votoco na dassineacao dos noves clei-
tos; e da de & liento, sobre a qul anda nao resolv.
Nao tendo algunas juntas qualificadoras se reunido na 3.* dominga de Janeiro, sob diver-
i is fundamentos, para proceder em a qualiOeacao dos votantes, marqnei-lbes novo da. ordenando
i te naodeixassom de satisfazer o preceite da le, procedendo a referida qualifica^ao nodia nova-
!. ;ite designado.
^V^WV\.V*\>S- f%l^^%%
(iracas boa ndole dos pcriiumbueauos contina a ser mantida a tranqnillidade iiulilica
na provincia,
As nossas livres nstituieoes, oderraraainent. apenar de incompleto, da insiruccao publica
pw todas as carnadas da soeie i de, a tolerancia politica. ipie nos caracleris'.ica e se demonstra
pMo exagero nao reprimido da imprensa partidaria, muito ten concorrido para um tao songeiro
i sultado. J *
Felizmente temos comprehendido que o conectivo da liberdade. est na mesma Cberdade, e
sement ella pode lazer um poro grande e venturoso.
fCoiilinuar-se-ha).
11 ::in;:.N!k do da 18 DE rcvBfiaiso de 187:.
/.' serna:.
Actos :
O presidente da provinoia. attendendo ao que
reqoereu Jos Pinto da Conha, resolve conceder
.;> para embarcar, com destino ao presidio de
Fernando de Noronba, no i. vapor que para all
seguir, os gen. ros constantes da relacao junta, as-
- i lala pe > secretario desta presidencia; nao po-
l-'ndo, porem, effectuar o desembarque dos ditos
- eros, sem que por parte do commandante da-
q MM presidio se proceda a exame, alim de se ve-
IT se ha agurdente on outra qnalqoer bebida
i",./idiosa.
Offlctos :
Ao inspector do arsenal deinariulia.En vis-
la da sua inrormacao de 17 do orrente. sob n. 546,
c.Hicodo a permissao que solicitou Jos Hvgino de
Souza Galvio, para que sen Mito Miguel de Sou-
y.a Galvio, avulso da corapanhia de artifices desse
arsenal seja tratado em casa do sjpphcante.0 loes
declaro a V. S. para sen couhecimento, e devido
li.:-.
Ao engwiheiro das obras militares.Mande
toc. sem demora proceder aos coucertos de que
preetsa o laboratorio pyrothechinico, na importan-
r-a de 5 8580, constante do orcamento annexo
ao seu ofcio de 24 de janpiro ultimo.
Aomesino. -Auteriso Vmc. a mandar effec-
luar, de conformidade com o orcamento annexo ao
sea otlicin de ttt de Janeiro ultimo, os coucertos pre
mos.no encanaraento dagua da fortaleza do Brum.
orrendo metode das despezas, visto do que Vmc.
rxnende em dito offlcio. por conu do barao do
l.ivnmento, com q*tm (admentele deveren-
t*udor. guauto a imp.jrtancia de I5000 conrtantc
da cunta, que inclusa devolv. ... a que Joaquim
Elias de Camino Moma sejnlga com direito pelos
renarOi eitos no mesn encanara nto. tenho rf-
%Jt\ ido de accordo con t parecer do ispectoi da
thesonraria de fazenda de Vi deste mes junta, por
copia, ale manda-la pagar, por quanto ditos repa-
ros nao foram aproveilado>, e tem de proceder-se
a novos.
Ao tente conmandante interino do forte de
Pao Amarello.-Pico inteirado do haver Vmcao
da 8 assuraido o cominuiib interino do forte de
Pao Amarello. curaprindo que d'ora em diante nao
se correeponda mais directamente com esta pre-
sidencia, e cora o command nte das armas.
2.' seq3o.
Portaras :
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o bacliarel Gtssiaao Itornardino dos Reis
e Silva, promotor publico da comarca do Brejo da
Madre de Deas, resolve conceder-lhe um mez de
licen'.a, com veneinvntos na forma da le, para
tratar de sua saude nesta capital.
O presidente da provincia, de conformidade
com o disposto no art. 7.afl* de decreto, n. 3,153
de 26 de abril de 186o, e a vista do offlcio do juiz
de direito da comarca de Iguarass, de 15 do cor-
registro geral de
rea, resolve designar o tabellio Lui Ferreira
Bandeira de Mello para official do registre
hypotbecas ein dita comarca.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o bacharel Joaquim Cordeiro Coelho Cin-
tra, resolve conceder-lhe exonerara do cargo de
adjunto do promotor publico da comarca do Rio
Formoso, no termo desse noir..
I O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren o bacharel Luiz de Menezes Vaseoncellos
| de Drummond, adjunto do promotor publico da co-
i marca do Rio Formoso. no termo de Serinhaem,
resobre conceder-lhe aexon '-.u. que pede do dito
cargo.
Oficios :
Ao Dr. chefe de poli ; -Para (fue polla re-
.solver sobre o podido ()< ri. lepado do tormo
de Bezerro*, OjoaoM tana a,-. ,bv para a cadeia
do mesmo termo, tenho a dizer-llie que convera
que o lito delegado faca orear as despezas para
isso necessariasp^r pessoa entendida.
Ao mesmo.Remetto a V. S. a relac.o muta,
era original, de criminosos que se achara acoitados
no termo de Cabrop.^fim do que providencie de
modo a seren elles capturados.
Ao mesmo. Tendo sido a mud inca do sar-
gento que conmiaiidav'a o destacamento "do Gibo
leita pelo respee.vo commandante para manuten-
era da disciplina, nao pode elle para all rifar,
como pede o respectivo delegado, segundo offlcio
n. 314 de H do crrente, oque lle farconstar.
Ao eomraandante superior d Recite. Decla-
ro a V. S., em i esposta ao seu offlcio n. 536 de ti
de Janeiro prximo paseado, que, de conformidade
com o disposto n.. art. 35 do decreto, n. 1,334 de
6 de abril de 1854, os offlciaes aggregados entrara
no detalhe do scrvico para fezer todo aqueUe que
competir aos de sua respectiva graduacao.
Ao commandante superior de Garanhuus.
Expeca V. S as. suas orden-*, alim de que seja dis-
solvido o destacamento da guarda nacional sob o
seu commando, existente em Assurema.
Aojuiz de direito da comarca de Iguarass
Por portara de hoje foi nraneado o tabellio Luiz
Ferreira Bandeira de Mello para ser ofncia! do re-
gistro de nypotbeeaa dessa comarca, de conformi-
dade com o disposto no art. 7." 2." do decreto
n. 3,453 de 26 de abril de 1865, e informacao de
V. S. em offlcio de 15 do crrente, couvindo que
o mesmo procure na thesouraria de fazenda os li-
vros, que segundo a lei, deve possuir, pagando
alli a respectiva importancia.
3.' seccao.
Orados :
Ao inspector da thesouraria de fazenda. At-
tendendo ao que expoz Liberato Tiburtino de Mi-
randa M,ciel, no incluso requerimento a que se
refere a sua informacao de 15 do con ente, sob n.
73 serie C, recoinmendo a V. >. que mande relva-
lo da multa em que incorreu mr mfraccAu do ar-
tigo 45 do regularaento n. 4,835, do 1.a de A
zembro de 1871, depois que tiver elle pago ns emo-
lumentos da certidao que juntou ao predito re-
querimento
Ao mesmo Transmiti a V. *. a inclusa canta
queme foi remettida pelo inspector da sade pu-
blica com offlcio de 7 de dezembro do anno pr-
ximo passado, recoininendando-llie que nos termos
de sua informadlo do li do crente,sob n. 7, serie
C, mande pagar a Antonio Rotorto & Fillins
a quant a de 36O0O, proveniente de livros pm
elles fornecidos aquella reparlicao, conforme sr
evidencia da citada conta.
Ao mesmo. -Transmiti a V. S. as inclusa
tontas que me remetteu o superintendente da es-
trada de ferro do Recite a S. Francisco cora offleio
de 15 do correte, alim de que mande pagar a
quantia 97990, proveniente de transportes el
fecundos nos trens daquella estrada, por conta do*
ministerios do imperio e da guerra, durante o mez
de Janeiro ultimo, como se v das mencionada*.
cuntas.
Ao m-siiio.Providencie V. S. no sentido de-
serera pagos vista do pret junto em duplicada,
que remellen o commandante superior de Gara?
ateas com offhrto venciinenios de urna escolta da guarda nacional,
quedo termo do Boui Conseibo vmo para esta
capital, conduzindo retratas cora deslino ao ser
vico do exercito, devendo esse pagamento ser i-lec-
tuado ao 1." sargento JoaquiuideFigueirelo Lima,
commandante da mencionada escolta.
Ao mesmo. Respundendo aoolbciode V. S..
de 14 do correte, sob n. 56, serie C, era que im-
pugna O pagamento da quantia de 8j640 despen-
dida pelo eabn Vctor Tiburtino de Oliveira com
as diarias teniacidas aos recrutas Andr Jos (lar-
doso, Fiancisco Antonio de Carvallio e Gratuliano
Jos Alexandre, vindos do termo de Tacarat
rom destino ao exercito, tenho a dizer que a re-
ferida quantia deve ser paga integralmente, pois
que o recluta Carv.dho, por ser menor, fui remo-
lido ao arsenal de niarinlia, segundo cunsla do
offlcio do Dr. chefe de |Klicia, de 30 de Janeiro ul-
timo, sob n. 217, junto por copia. Quanlo du-
plcala que solicita da conta comprobatoria dessa
despera, cunipre que nessa repartiera seja extra-
luda uina copia autheutica da mencionada sonta
para supprir essa falla, como j se tem praticaJo
em casos idnticos, ltenla a dificultado deobter-
se presentemente a meoctonada dupiieat
Ao magno. Coraninnico a V. S. para os
devidos Iras, qae nesta data Ib mandado dissolver
o destacamento da guarda naconal existente no
district o Ue Assorema.
Ao mesmo. Communico a V. S. para sen
conlieciraento e devid>>8 lins. que assumio no da
8 do cerrante o exntelo interino de eoutmsa-
dante da fortaleza de Pao Amarello o lente ho-
norario do exercito Joao Deucleciano da Silva
Paula.
Ao mesmo. Transmuto a V. S. para seu
conhecimentoe devidos lins, copia do aviso do ni-
nsterto da jnstica, de 3o de novenbro ultimo,
mandando que o desenbargador da relayiio do
Marannao, Silverio Pernandes de Araujo Jorge
tenha exercicio na desla provincia.
Ao inesnio.Delerrainando nesla data o en-
genheir encarregado das obras militares (pie laca
proceder sera demora aos concertos precisos o
vista das conta juntas que me transmittio o su-
periniendenle da esteada de ferro do Recite a S.
Frauc*co, com offlcio ue 13 do correte, mande
pagar a pi.mtia de 301 5!">'), despendida ni mes
de Janeiro cora transporte- effeetnados nos trens
da mesma estrada, por cauta da provincia, se-
gundo indicara as referidas cunts.
Ao mcsmo.tfrtenotto por copia a V. S. as
portaras de II e 14 do corrente, pelas quaes con-
tra lei cora Justino Jos de Souza Campos a Ilu-
mina ;ao a gaz e em-anamento dagua potavel da
cidade de Goyanna, alim de que mande reduzr a
termo as respectivas clausulas, como determina o
art. 41 da lei n. 963 de 23 de julho de 1870.
4* secano.
Arto:
presidente danrovincia, attendendo ao que
requereu Hermenegildo Marcelino de Miranda,
bedel dujrymnasio provincial, e tendo em vista a
informacao do inspector da thesouraria provincial,
de 8 do corrente, sob n. 57 A, resolve, nos termos
do art. 5 da lei n. 683 de 5 de Btalo da 1856, con-
ceder-lhe a gratilica<.ao por mais 30 annos de ser-
vico, a contar deta data.
Oilirios :
Au Exm. bar;i > de Santarein, presidente da
provincia do Para.Recebi e upportuiiamento farei
cncamitihar a seus destinos os ufflcios que por essa
presidencia sao dirigidos aos Exius ministros ple-
nipotenciarios do Brasil em Franca, Blgica, Roma
e ao cnsul geral em Genova.Desle modo tica res-
pondido o offlcio que V. Exc. endereruu-rne em 7
do crrenle, ao qual vieram annexos os de que se
trata.
Ao Exm. eRvm. Sr. bispo diocesano.Queira
V. Exc. Rvina. dizer o que julgar conveniente so-
bre a materia d petic4o inclusa, que ao governo
imperial eudereca a irmandade d> Santissimo Sa-
cramento da freguezia de Sanio Antonio desla cida-
de, recorrendo da sentenga que contra ella fora
pYoterida por V. Exc Rvma.
Ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Ingazeira. -Com o offlcio que Ihe dirig em 10 do
corrente, designando o dia para ter lugar a reuniao
da junta de qualilicac^o dessa fraguezia, tica res-
pondido o que Vmc. enderecou-rae a JO de Janeiro
ultimo.
Ao juiz de paz mais votado da freguezia de
Nossa Senhora da Penha de Villa Bella. -Em res-
pnsta ao sen nfflcio de 19 de Janeiro ultimo, tenho
a dizer-lhe que j se adiando appwvada a eleicao
de eleitores a que se proeedeu nessa fa-guezia em
'8 de agosto de anno lindo, deve Vmc. convocar
para a 3' dominga de abril vindouro a reuniao da
Junta de ipalilicacao de votantes da mesina fregue-
zia. curapriudo que ira respectivo processo se obser-
ven! as formalidades da lei de 19 de agosto de 1846
e. mais disposicos em vigor.
Ao Sr. Jos Antonio Pestaa, vareador da
caraira umuicipal da villa do Limoeiro.-Em res-
posta ao offlciu d Vino, de 11 do corrente,_ tenho
a dizer-lhe que, tendo sido annullada a eleicao para
vtireadores e juizes de pas dasparocuias desse mu-
Hfrrpo, compete aos do quatriennio liado o exeiti-
cio de laes cargos.
Portara :
A" cmara municipal de Villa Bfla. -Declaro
i eaunra moniei^f da ViUa BeH |ara seu co-
nliecimentu e devi.los fins, que nesta data desig
nei a 3" dominga de abril vindouro paro ter lugar
a reuniao da junta de qualiheacio do votantes da
freguezia que constilue o seu municipio, vislo
acbar-se ja apprOtada a eleijo de eleitores a que
alli >e pn.cedeu era 18 de agosto do anno p;.'sailu,
segundo se v de aviso do ministerio do imperio de
O de dezembro ultimo.
5.* seceo.
OflctOS :
Ao eflfeenbeiro chefe da repartcao das obras
publicas. Determino a Vmc. que informe sobre o
estado em que se acbam as obras da eslrada da Vic-
toria a Grvala, da qual arrematante Aulonio Se-
bastiao de Helio Reg.
Ao mesmo.Chamo a attene*o de Vmc. para
a Wsrista Diana de 14 do corrente, na parte une
ten por epigraphe passeio publico, na qual se
retere que os proprietarios dos terrenos de mari-
uha. coniprehendidns na rea destinada au passeio
publico, leuibrain-se agora de benelicia-lo para po-
derem especular com a provincia ; e recorainen-
do-lhe que informe sobre o que bouver de verda-
deiro a esse respeito.
Ao mesmo.-Acabo de expedir ao inspector
da thesouraria provincial para mandar abonar-ao
eogeoneire e con tortor da reparlicao a cargo de
vmc, que teem de seguir para o interior da pro-
vincia, a quantia do 5970U0 a que teem direito
na forma da tabella n. 4, annexa ac regulamento
laboratorio pyrotechinieo oreados na quantia de
5185S0, antorlso v. S. a mandar ell'ectuar, sob
responsabihdade desla presidencia, o. pagamento
dessa despeza, atienta a urgencia que ha dos con-
certos alludidos.
Ao mesmo. Sendo urgente a despeza a
fazer-se corn os concertos do encauamenio dagua
na fortaleza do Brum, na importancia de 412O0U.
constante do orcamento sobre que versa a sua
nfbrniacao de 13 do corrente, sob n, SO, serie C,
autorisi) V. s. a despender, sob respousablidade
desta presidencia, dita (juantia com o pagamento
de taes concertos. Ouanto impuilamia de 151.
a que Joaquim Elias Carvalho Muura se julga
com direito, proveniente dos reparos por elle feitos
no referido, encanaraento, tenho resolvido, de ac-
cordo eran a sua rilada informacao, que nao se
efteclue esse pagamento, visto como nao havendo
os referidos reparos sido aprevaHaiaa e tendo-se
de proceder a novos, deve o custo d'aquelle cor-
rer conta do mesmo euipreiteiro.
Ao inspector da thesouraria provincialEm
vasta do que expoz o engenheiru chefe da repart-
cao das obras publicas, em olliuos de 10 e lo do
crrente, sob ns. 34 e 62, recomraeudo a V. S. q .e
mande ab mar ao cngeuieiro da mesma reparlicao
Joaquim Gomes de Oliveira e Silva, a quantia'de
495<, como ajuda de cusi na forma da tabella n.
4, annexa ao regulamento de 31 de julho de lo06.
e de accordo eran o mappa das distancias orga-
nsado por aquella reparlicao, por ter de seguir
em eonnissio desde Iguarass. onde se ach, al
Flores e Cabrob, assim cuino ao conductor Fran-
cisco Americo de Arago Rabelio a de iOs. por-
que estando na cidade da Victoria tem de exa >
minar as obras dos acudes de Caruar, S. Dent e
Pesqueira.
Ao mesmo. Em vista do incluso prat em
duplcala, mande V. S. pagar a Francisco da
Costa Maia, conforme solicitou o commandante
superior do municipio do Cabo era ffleio de 'O
do corrente, os vencimentos do iVwtmmajnlQ da
guarda nacional da villa de Ipqjuca, relativos ao
mez do Janeiro ultimo.
Ao mesmo.Joforae V. s. se o contratante
da estrada da Victoria .Oavati, Antonio Sebas-
tiao de Me lo- Re?", t '.'
eado nessa repartcao
Ao mem>i. txZ.......;..
ent?
b |U:, a
a. v.
de 3i de julho de 1866, c de accordo cora o jnap-
pa de distancias organisado por essa reparlicao: e
rerommendo toe que faca esses empregadus segni-
rera aos seus deslinos dentro de tres dias, contados
da intinacio que lhes ser feita.
A" cora isso consitaria da freguezia de Pao
d'Alho. Acensan o recebidos os trabalhos do rc-
censeanento da populacho dessa freguezia, cbe-
me agradecer e louvar os serviros prestados por
Vincv, na qualidade de meinb'ros da respectiva
coinmisso; certos de que taes servi.os scro op-
portunamente levados ao conhecimento do guver-
no imperial, que nao deixar de toma-Ios na iovlda
consideradlo.
EXPEDIENTE Do SKCIlKTvniO.
' tYf(70.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de polica.De ordern do Bxm,
Sr. presidente da provincia, transmiti a V. S. o
titulo junto de nomeacao do sobdelegado do 2"
disliicto da freguezia de S. Jos, de conformidade
con a proposta de V. S., em offlcio m. 285 de 6 do
eorrenle.
Ao mesmo.-O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, manda declarar a V. S. que nesta data man-
dn dissolver o destacamento de Assurema. de con-
formidade cora o pedido de V. S. em offlcio n. 337
de 15 do corrente.
Ao commandante superior de Agua Preta.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda cora-
niunirar a V. S. que a thesouraria provincial tem
ordem para pagar a Manuel Pernandes Mascare-
nhas os vencimentos do destacamento da guarda
nacional, de que trata o seu offlcio di? 6 deste
uiez
Ao juiz de direito da comarca do Bio Formo-
so.O Exm. Sr. presidente da provincia manda
communicar a V. S.. para os devidos fins, que por
port ria de hoje foram concedidas aos hachareis
Joaquim Cordeiro Coelho Cintra e Luiz de Menezes
Vaseoncellos de Drummond, as exonerarCes que
pediram dos cargos de adjuntos do promotor pu
blico nos termos dessa comarca.
5* seccao.
Offlcios: .
A' commissio da liquidacSo das cuntas da
estrada de ferro do Recite ao S* Francisco. Tive-
ram o conveniente destino a copia da acta e bi-
lanco da liquidarn das contas dessa estrada de
fe re, relativamente ao mez de Janeiro ultimo, e
que acompanharam o offlcio; o que communico a
V. 8. de ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.
. Ao superintendente da mesma estrada S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. que expedio ordem as thesoura-
ria* geral e provincial no sentido de serem pagas
,v dpwas de *ajiie trata o seu fteto de 45 deste
me/.
Xl'EDtEHTE DO Dl.V ti Di. 1 RVKHMO DK W".
f.Vcr/ooJ
* )fla-iop
A'. geuerai eomipandante ia> uiei^ rntenno.
Constando de connunteaco da secretara de
estado dos negoios da guerra, de 2i de Janeiro ul-
timo, ter sido Horneado Avelino Perera da Cimba
para amanuense do hospital militar desta provin-
cia, em lugar do alteres Ctirispiano Buarque de
Macodo, que ja nao exorce aquelle cargo ; assim
o declaro a.v. Exc. para os devidos elteitos.
Ao juesmo. -Reslituiudo o processo de inves-
tigarn aqe se proeedeu para veri tica r os auto-
res da prisu e espancamonte praticado por uina
palnillM do 2" balalliao de inlautaria na i.oite de
21 de outubro ultimo, na pessoa de Augusto Cesar
de Figueiredo, que drnia sobre um dos dugraos
da escada da igreja matriz de S. Jos, recora-
meiido a V. S. que faca punir correcciunalmente o
Ia sargento o os dois soldados, aos quaes, segundo
o mismo processo. cabe a autora desse fado cri-
minoso.
Ae mesura. Mande V. Exc. por en liberda-
de o recruta Antonio Ferreira de Muura, que pro-
ven isenro legal.
Ao capito do porto interino. Providencie
Vine, como l'or mais conveniente, sobre o que re-
presentara diversos moradores da cidade de Goy-
auna, relativamente a um vallado, que o empresa-
rio do eaa.il, que alli esto era exec.uco, Manuel
Polycarpo Moreira de Atevedo, mandn cavar
junto ponte denominadada ra do Rio, de
modo que fieou interrompida a communica.-o
entre a inesuia cidade e o porto da Goiceico.
Ao commandante do vapor de guerra /V-
oift. Respondo ao seu offlcio de 17 do corrente,
dizendo-lbe que conserve preso bordo do navio
sob sea commando, disposteao do capito do por-
to interino, o i pra.ico 2' lente honorario da
armada Constancio da Silva Neves.
Ao director do arsenal le guerra.- Mande
Vmc foruecer em substituirn de cutios ijue, se-
gundo o termo junto, foram dados era consumo,
os utensilios couslanlos do pedido incluso sob n. 1,
os quaes estovara ao servico das guardas de pa-
lacio, da alfandega, da casa de deteneao e do li n-
pilal militar,*e bem assim concertar os menciona-
dos no pedido n. 2, perteucentes s guardas de pa-
lada, casa de deteiico, e do hospital militar.
Ao rocrutador desta eapltal. Chegando ao
meu conhecimento que Vine, tem expedido p -tru-
1U.I.S para varios pontos da ridadu, aura de faze-
rem o recrutaraento, e que estas teem recrulado
torio e direito os cidados que vio encontrando
nao, declaro Ihe que esse procetlmeul i ii re-
gular e abusivo, e que absteuia-se dora era di-
ante de dar ordena neste sentido ; ficando na in-
telligencia de qu para o servico do recrutamento
s poderrequisilar at tivs placas, e estas so po-
dero ser enipregadas era lal servico, sendo por
Vine, coinmandadas.
Ao engehbeiro das obras militares. Remet-
iendo a Vmc. as inclusos papis, que me serao
devojvidos, recoiniuondo-luc que examiue a cana-
lisaco do gaz de toJos os estabslecimenios mili-
tares, alim de verilkar se o excessivo consumo,
que'se d,' prffvem en grande parte da respectiva
eanalisacao ; cuinprindo que esse exame seja feito
rom o eugeuuoirn ou oulro einpregado habilitado
da respectiva compaubia.
2' secfa
Portarias :
O presidente. Ja provincia, a vista do offle o
do Dr. chefe de polica, n. 338Jde 17 do corrate,
resolve exonerar do cargo de delegado do tormo
de Bonito, o cidade Francisco de Barros e Silva.
O presidente da provincia, aileudeudo pro-
posta do Dr. chefe de polica, em offlcio n. 338.
de 17 do cerrante, resolve nonear para o cargo de
delegado do termo de Bonito o leueiite-eoronel Ma-
linas Ferreira de Helio.
O presidente da provincia, de conformidarlo
con O disposto no ;.!'. 13 do decreto u. 1,130 de
12 de marco de 18'j.l. resolv; mandar que ao alte-
r s da 8'companhia do bataluao u. 12 de infau-
taria da guarda nacional do municipio de Goy-
anna. Vicente Ferreira Nunes Paula, seja dada a
guia de que trata 0 dito artigo para o da pro-
vincia do Amazonas, onde actualmente reside.
Offlcios :
Ao Dr. chefe do polica.Louve V. S. ao de-
legado do I* distrelo do termo desta capital, ba-
charel Antonio Goncalves Ferreira, pelas impor-
tantes capturas dos criminosos autores do assa lo
dado a casa de Manuel Martina Fiuza, ra do
Duque de Caxias, e tamben pela de Maxcolino
Bernardo Ferreira de Araujo, um dos autores do
roubo praticado na casa n. 71, da referida ra.
Ao mesmo,Para poder satisfater a requisi-
rao do delegado do termo do Cabo, preciso se faz
que esto declaic quaes os actos de violencia o in-
disciplina platicados pelo sargento, que nessa lo-
calidade eomnandou o destacamento.
Ao mesmo.---Louve V. S. o subdclegdd.i i i
polica do distiielo de Aiariba. do termo do Cabo,
pela amortante captura de Joaquim Barbosa de
Vasconcelos, feita era flagrante delicio de furto
de c a val los.
Ao memo.Nesla data fiean dadas as eoa-
ven entes ordeus para seren renetiidos a V. S.
os tubos de pus vaccinieo, a que se refere o seu
offlcio de 17 do corrente.
Ao mesmo. Para poder ter lugar o paga-
mento di quantia de 155121 despendida neto de-
legado do termo do Brejo. cora o recruta Jos Al-
ves dos Santos, do que trata o offlcio de V. S. de
13 do crrente, sab n. 342, conven que seja re-
mettido a esta presidencia o competente pret.
Ao mesmo. Inteirado do qnan'.o V. S. rae
commiiuicou em seu offlcio n. 348 de 17 do cor-
rente, com relaco ao celebre criminoso Jesoino
Bezcrra de Menezes Batalha, tenho a dizer-lhe que
confio que as ordena dadas produzirao o desojado
efteito, sendo conveniente que expec.i circulares a
todas as autoridades da provincia, e requisicoes as
das liraitropbes, para que esse criminoso to audaz
e perverso, qual o de que se trata, nao escape
punico legal.
Ao juiz municipal de Serinhaem. -Era res-
posta ao offlcio de Vine, de 17 do eorrenle, tenho
a dizer-lhe que 'deve dar eomeco formaco da
culpa contra os indiciados no crine de introduc-
co de moeda falsa nessa comarca, vial > como a
jnstica publica se acha eonvenieot 'mente repre-
sentada com a nemeaio interina do bacharel Gas
par de Menezes Vaseoncellos de Druininoud, como
declara em seu dito offlcio.
Ao commandante do corpo de polica.-Au-
toriso o forneciineulo por conta da fazenda do tar-
damente azul praea, de que trata o seu olllcio n.
104 de 11 do rorrete.
Ao mesmo.Inteirado doquauto Vmc. la-
formou em seu offlcio de 4 do crrenle, com rela-
Qo ao ex^abo da quinta companhia do corno sob
o seu commando Jos Victmte Lins de Barros.
e adiando procedente a decisao do ronselho do iu-
vestgacao a que respondeu o mesmo cabo, devol-
vo-lhe o processo respectivo, afn do quo seja ar-
chivado.
_ Ao mesmoDeclaro a Vmc. para a exped-
cao das convenientes ordeus neste sentido, que pe-
lo corpo sob seu commando. so devem ser presta-
das ao recrutador desta captol, para o servico to
re rutamento, ate tre* pravas.
Ao mesmo. providencie Vmc. de modo a
ser reforcada com mais qnalro pra as a pairulha,
que faz a ronda di moia uolte no hamo "
V ista, como solicito o Dr. chote de poiicij
ci n. 338 de 1.1 do corrente.
Ao mesmi.--Expeta Vmc. as suas ordeus,
afim de qne rq& retirado do dostacamedt.) do Cim-
bres, e rocofuidtj pvs(\ ao rcspeetfeo quartel o sol-
dado do eofroo >,,() u s^u cirinmando, Jos Perera
da 9Bra.ffcio ester prouuAciado coms me ir-j v.o
art. *3Fdg cdigo criminal, no termo do i
da Boa-
polica em offl-
sendo o sen verdadeiro trame Patricio Luiz da
Silva.
3' seccao.
Offlcios
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Sirva-se V. S. dar suas ordens, alim de que sejam
despachados na alfandega, livre de direilosos ob-
jectos destinados secretaria ueste presidencia e
constantes do incluso conhecimento.
A o mesmo. Coiunranico a V. S. para os de-
vidos lins. que a 27 do mez prximo passado as-
sumio o bacharel Joaquim de Lima Miranda Ces-
to 0 exercicio do cargo de promotor publico da co-
ma rea de Tacarat.
= Ao mesmo.Providencie V S. para que, em
vista das folios, relacoes nominaos e prets juntos
em duplcala, sejam pagos a pessa, que para issu
se mostrar competenteni nte antorisada, contorne
solicitou o comandante superior do municipieda
Boa-Vista, era olllcio de 17 de Janeiro ultimo, o*
vencimentos relativos ao mez de novenbro do au-
no prximo pa sado, do ollleial e guardas nacio-
naos. destacados na villa de Petrolina.
Au nesmo.--Connunico a V*. S. para os de-
vidos lins. qne a 27 de Janeiro prximo passado,
assumio o bacliarel Jos Maria da Rocha Carva-
lho o exercicio do cargo de juiz municipal e
de orpbaOS dos termos de Tacarat e Floresta, pa-
ra que foi nomeado por decreto de 20 de novena -
bro ultimo.
Ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
brigadeiro commandante das armas interino, era
offlrio de 17 du corrente, sob n. 190, reeummendu
a V. S., i|ue em vista do pret junto em duplicis.
mande pagar a quantia de 01x10, proveniente ito
gratilicacio de 90 ris, que compete ao soldado d>
!> batalhaode infantaria. Jos Joaquim da Silva, a
contar de 23 de abril a 30 de jnnho do anno pro-
xuno lindo.
Ao mesmo.Verificando-sd da relaco que
V. S. me renetteu dos foreiros de lerreiu.s de na-
rinha sitos ra dAurora, e cojos fundos vao ato
a estrada de ferro de Olinda. que os de nones D.
francisca Amalia Moreira. Manoel Jos Ferreira
Machado, Christovao Starr e Jos Alves da Silva.
Guimares, incorreram na pena de cora isso, por
terem deixado de pagar os respectivos foros 'leu
tro do prazo da le, cuinpre que essa pena se faca
eltectiva, propondo-se para esse Ora anecio com-
petente, no caso de que os mencionados foreiros
nao prefiram antes abrir mo dos preditos afora-
nentos.
Ao mesmo. Inteirado de quanto V. S. ex-
poz em seu offleio de 13 do corrente. sob n. 74,
serie C, tenho a dizer em resposta, que. de nove
reeoramendo a cmara municipal desta capital,
qne mande entregar nessa thesouraria as chaves
do proprio nacional denominado Calabouoo ve-
Iho.
Ao m.'sTo. A Manoel Antonio Teixeira,
mande V. s. pagar a quantia de 5 por haver ta
padn un arrombamento feito no xadrez do hospi-
tal militar, como se veda conta junta em duplcala,
que me remetteii o engeSpeiro encarregado das
obras militares cora offlcio de 17 do corrente.
Ao nesino.Devolvoa V. S. para seren sa-
tis!' -itos ns inclusos pedidos d'' objectos destinados
ao presidio iie Fernando de Noronba. a que allu-
deo seu offlcio de 17 do corrente, sob n. 81, se-
rie C,
Ao mesmo.Beclarando-me o liwl. rigario
da freguezia de Cabrob, Antonio Jos Finnrao de
Novaos, en offlcio do primeiro. que a 3 do cor-
rente parta para esta capital, alim d: lomar as-
seno na assembla legislativa provincial, fcando
en sen lugar n respectivo coadjutor uvd. Manoel
Sacharas de Mello; assm o communico a V. S.
para sen conhecimento e fins convenientes.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Era vista da conta e relaco junta, mande V. S.
pagar ao capito Jos Firmo Perera do Lago, con-
forme soliciten o Dr. chefe de polica em olcio de
2 2.087, a quantia de IOISV'0, proveniente das dia-
rias fornecinas aos presos pobres da cadeia de Ou-
ricury, durante u me de novembro do mesOM
anuo.
Ao mesmo.Tendo sido encontradas na exe-
cu.o dos reparos da ponte do engenho Novo do
Cabo, aignmas pecas arruinadas, coja susbtituico
foi avahada en 2725, nesta data antorlso o enge-
nheiro chele da repartcao das obras publicas a
mandar oftectuar essa, substituicao; o qne com-
mnnico a V. S. para os fins convenientes.
Ao mesmoMande V. s. pagar a .Invino
Bandeira a quantia de 1:895** 00, a que se julga
com dieto, proveniente da l. preslajao. das obras
da pinte do Caxita, de que arremtanle, como se
v do certilicado annexo ao nejuso requerinenta
4.' strrtlii.
Offlcios: .
Ao vice-provedor da Sao1.;. Casa .i'1 Misericor-
dia -Auteriso a junta administrativa dt^sa Santa
Casa a defeterr a petirao de Cne'ano Correa de
(Jueiroz Monleiro, casado, proprietario do engente
Campestre, no termo da Esoada, coaseutindo que
Iba seja entregue, mediante o conipetenie i tbo
de responsabihdade, a educan,a do COllegio das
orphs Maria do< Reis, malor de 21 anuos, aiini
de lecconar as lilhas do icticionario, lima vez que
este se sujeiia a pagar animalmente referida.
educanda a quantia de 40), dando Ihe arou-
pa do uso domestico, casa o mesa, conforme de-
clara V. S.. era nnicio de 14 do corrente. sob n.
273. que assim fica respondido.
Aojuiz de paz mais votado da freguncia de
Fazenda Grande.Con o offleio que Ihe dirig ana
10 do corrente, designando dia para ter Ingai a,
reuniao da unta de qualiliraco de votantes dessa
l'regiii'zia. liea respondido o qne Vine. eudere;ou-
me com a data de tS do mez lindo.
Ao conniissario vacciaador provincial.
Renn.tta Vme. coma possivelbrevdade siguas ui-
bos|de pus vaccinieo ao delegado do termo da Ks-
cada, por intermedio do Dr. chefe de polica.
Portarlas:
A cmara municipal da cidade do Recita.
Constando do offlcio do inspector da thesouraria d fazenda. de 13 do correte, sob n. 74. serie C, qn
anida nao Ihe fora entregues as ahevas do proprkk
nacional denominado Calaboi.i> velho, nao posso
deixar de esiranhar a Hia, cmara municipal do-
Recite o su proeedimento. deixando de satisnaas*
as ordens desta presidencia de 30 de dezembro do
anuo prximo passado e 2' de Janeiro ultimo,
relativamente entrega de taes chaves, dando isto
lugar a ter sido por 3 vetes adiada a arreinatacao
daquelto predio, e asado esta a terceira vez que
encarece essa entrega. .
A' cunara municipal da villa de Serinliaeiii.
Era resaiosta ao offlcio da cmara ajiunicipal da
villa de Serinhaem, do 14 do corrente, tenho a ik-
darai-liie, que approvo a sua deliberaran, nun-
dando construir ocemitorio no terreno en qne tt-i
edificada a matriz dessa freguezia. pos o sua dis-
p.sico pelo respectivo parodio, que se obriga a
lomecer a podra necessaria, mediante tres quartos
do rendiineuto liquid > do mesmo cemterio, cuja
direc;o Icari a seu cargo, competindolhe alm
disto a noiuea.o do pessoal que or preciso e mar-
car as gralificieoes que este deve vencer.
A' cmara municipal da villa do Buique.
Declaro cmara municipal da villa do Buique em
n .posta a seu offlcio de 21 de j mero ultimo, que
verificndose estar pcnliorado pela fazenda nacio-
nal o sitio denominado Palmeirinha, onde existe o
acude que offerece vender para serventa pirtica,
Jos He.culano da Assurapcao Delgado, au con-
vm eflactuar-se a compra do memo acude.
A" mosma. Acenso a recepijao do offlcio da-
tado Ue 7 de Janeiro ultimo, em que a cmara m\t-

'

*-*_*.

te


1
,'.
fcipal nltimamente elcita para a villa d* Btrique,
aclara haver naquella data prestado Juramento e
entrado ni exereicio le suas funC-coes.
Agradecendo i mesma cmara u oltereeimcnto
que faz no citado offlcio, cabe-mo assevorar que
pm estarei prompto a coadjuva-Ia no que for
oncernente ao engrandecimento de seu munt-
C,p-?A' aunara municipal de Petfolina. -Acenso
a recepeo do offlcio datado de 10 de janetro ufci-
mo, em que a camaratnimicipal ltimamente ele-
ta para a villa de Petrolina, delara haver naquolla
datada prestado juramento e entrado no exercirto
de suas funecoes.
V'iadeeendo mesma cmara o ofTerecimeato
que lar. no citado offlcio, cbeme asseverar me
sempre estarc prompto a coadjnva-la no que fr
roaeeruente ao engrandecimento de sen muni-
cipio.
." SCCf'IO.
(?lucios:
Ao engenheiro chefe da repartirlo das obras
publicas-Concedo a autnrisaco pedida por Vmc.
em offlcio do, Io do correntc, sob n. 42, sobre qnc
formn em outro de 15, sol> n. 63, para mandar
substituir algumas pecas arruinadas,. que forana
encontradas na exoeneao dos reparos da ponte do
engenho Novo, do Cabo, cuja despeza foi avallada
em 272*000.
Ao niesmo.Cominunro a Vine, que em vis-
ta da MU informaco de 17 do frrente, sob n. 6'i,
ilencei o seguinte despacho na peteo do Exm. vis-
conde de Suassena : Concedo a licenca requerida,
coin a condu.ao de conservar o supplente os muros
de encost tro outra qualquer obra que ftcar sobre
a estrada.
A' eommlssae censitaria da fregnezia de
Goyanna. Acensando resabidos os Irabalhoa do
reeeuseamento da populacao dessa freguezia, cbe-
me agradecer e louvar os serviros prestados por
mes..na qualidade de nteiiibros'da respectiva com-
misso ; certos de (pie taes servcos sero oppor-
taaauMOlo levados ao mnherimento d > governo
imperial, que nao deixar de toma-Ios na devida
i-iwsideracao Iguaes s rommisses censuaras de
.X. S. do de Goyanna e Tejucupapo.
tartana:
- Os Sis. agentes da companliia de navegaran
brasileira matidein transportar provincia do Ma-
ranhnao. por conta do ministerio oa guerra, no va-
por ?ue se espera do sul, os cabos de esqnadra do
i" batallio de infantaria. Hellarmino Amaro da Sil-
va e I. tureoeo Gimes de S.
KM'EDIKXTE DO SKCHETAni|p.
1.' seeeo.
Ollieios :
Ao general eonnandaade das armas nt'rino.
S. Exc. ii Sr. presidente da provincia, tendo ex-
pedido as neeewarias ordena para seren transpor-
tados ao Maranho os cabos de esqnadra Bellarmi-
fio Amaro da Silva e Lonrenco Gomes de S ; as
s'm o manda coniinuniear a V. Exc. em resposta
ao seu ollicio de 17 do eorrente, sobn. 187.
Ao mesiuo. (3 Exm. Sr. presidente da pro-
vio-ia manda declarar a V. Exc. em resposta ao
seu offlcio de 17 do eorrente, sob n. lito, que a
tliesniraria de fazenda tem ordem para pagar a
quantia de 64190, constante do pret pie em du-
peata veio anexo ao citado offlcio.
- Ao engenheiro das obras militares.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, respondendo ao ofli-
rio de V. S. datado de 17 do correte, manda de-
clarar que a thesouraria de fazenda tem ordem
liara pagara Manuel Antonio Teixcira a quantia
de >:>, (Miistante do citado offloio.
S* seeem.
Ollieios :
Ao coHimandante superior do Garanlinns.
l Euu. Sr. presidente da provincia manda decla-
mar a V. S. que em data de b >ntem expedio or-
dem a thesonraria de fazenda, no sentido de seren
pagos ao 1" sargento Joaquim de Figueiredo Lima
i- rencimeatos da escolta da guarda nacional, de
que trata osen ooieio de 9 deste mez, sob n. 10.
Ao commandante superior do Cabo.- O Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. que a tbesouraria provincial foi em data de hon-
tam atttorisada a pagar os veiiciuientcs do destaca -
Beato da guarda nacional, de que trata O seu of-
icia de 10 deste mez.
4' serriiu.
ftffirio :
A' cantara municipal da villa de S. Bento.
lie ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
declaro a cmara municipal da villa de S. Bento,
liara sen eontiecimento e lins convenientes, que ao
seo oillcio de 29 de Janeiro ultimo deixou de acoin-
panhar o despacho a que elle se refere.
DESPACHOS D.V PRESIOENCI* DE i DE MARCO DE
187:1.
ChrisuanoCoutnha -Como reqtier.
Carlos Alberto Ferrares.Indeferido, em vista
< a infonnaeao na Santa Casa de Misericordia.
Pranciseo de Paula Cabral -Sim.
Pruetoose Das Alves da Silva.Informe o Sr.
inspector da thesonraria de fazenda.
Firmina Rita de Souza.D-se.
J ia iniii:: Hara de fesos.-Concedo suppliean-
ta quiuze di.is, para: provar o que allega.
Jiis Babell Padilha.Forneca-se.
O mesiuo. -I I mii.
oroesmo. -Seja fprneeido.
Yigario Joo Evangelista dos dantos Lima. In-
firme o Sr. Inspector da thesonraria provincial.
Joaquim da Silva Barbosa.Declare o suppli-
eaale o numero do terreno em que est edificada
t rasa n. XI da ra de S. Joo, e quem o possiti-
I ir do dominio til do terreno, oa junte a planta e
titulo, nos temos do decreto n. 4,105 de 22 de
fevereiro de 1868.
Hara Bezerra do Sacramento.O lilho da sup-
|ilie utte j foi posto em libertada
M.moiil Alves Pereira Chaves e outros.Junte o
signatario a proeuraeio que o antortsa,
Itosa Mar da Conceieao.Deferid, com offlcio
desta data ai vice-prove3or da Santa Casa de Mi-
sericordia.
Pedro Antonio da Silva.-Informe o Sr. cor
ni mudante do eorpo de polica.
Hachare! loao Perora Lagos Jnior.Ao I)r.
director geral interino da instrueco publica para
Neader ao supplicante na forma requerida.
Antonio Culos Soarcs de Avellar. -Encaaii-
11 -se.
Secretaria u.i presideneia de Peruanihuco, :j
>i mareo de 1873.
O porteiro,
SlU'uw Antonio lUidriijuet.
Cttmmerdo e apk Aimral
Pinto Jnior
Felippe Figueiroa
Gomes Prente
Almeida Pernantbuco
Cunha e Figaeiredo
\ ae i
A. Correia
Ifi
13
20
:
2
1
1
^ft 3" supplente* do subdelegado de Goyanninha,
|l.nilecarii Uvalcantr da Cnnlia Reg, Joao de
Calas Ribelrd Cmpos, e Francisco Rodrigues
pode
Araujo
RfiUtcruo 4e leu.
Almeida Pernantbuco 22
Guedes Gondim 12
A. Correia de Araujo 11
Ratis e Silva I
Goncalves Ferrcira l
Olympio Marques 9
Ciucinato Camboim 2
Gomes Prente 11
0 Sr. Almeio.v Pernambuco diz qne nao
aceitar o cargo de membro da coramissao de re-
daccao, n o s por j o nno passado ter se dado
un engao desagradavel quando se redigja o
mappa das loteras que cone^dia urna lotera
a beneficio da matriz de Cabrob, engao este
pelo quaf sC responsabilisa, mas tamuem pelo
seu estado do saude.
O Sh. Oi.ivciiia Foncnca diz que o engao parti
da secretaria, visto elle -e alguns collogas o terem
verificado, e nao da cominisso que organisou o
dito mappa.
O Su. Puksiubntk nomooii em lugar do Sr.. Al-
meida Pernambuco ao Sr. Gomes Prente.
Instrucrao publica.
Alvaro Ucba
Tolentiiio de Carvalho
A. Correia de Araujo
Oliveira Fonceca
Olivera Andrade
Lainenha Lins
Oon/alves Ferreira
Olympio Marques
Almeida Pernambuco
. Correia de Araujo
Barro* Wanderley
EskUUca civil r
Antorm Salgado
Gameiro
Ciucinato Camboim
Pinto Jnior
Barros Wanderley
Cunha e Figueiredo
Gomes Prente
Correia de Araujo
Arconeio
Ges Cavalcante
Jnsli'-a- civil e
Guedes Gondim
Tolontino de Carvalho
Ernesto Vieira
Ges Cavalcante
Cunha e Figueiredo
Gameiro
Oliveira Andrade
Lamenlia Lins
Pinto Jnior
Alipio Costa
Almeida Pernambuco
Vieira de Araujo
Goncalves Ferreira
Tendo dado a hora,
para a ordem do dia :
commissoes, leiiura de requerimcutos, pareceres e
indicaco's |. diseussio dos projectos ns. 91, 97
e l7,'2." -los ns. 96 e nica do n. 98, todos do
anuo passado.
REVISTA DIARIA.
AflBMttMa pmvEiM'ial.Ao meio da
de hontem abrio-se a i.' sessfto, si b a presidencia
do Exm. Sr. Dr. Joio Jos Ferreira de Aguiar,
adiando se presentes 21 senliOres deputados._
Depois de lida e approvada a acta da sessao de
abertura dos trabamos legislativos, e nao ha vendo
expediente, o Sr. presidente declara que vae pro-
eeder-se elei.ao das commissOes regunentaes.
Assim se fa e sahem eleitos :
Para a commissSo de rotutiMciio < poderes,
os Sis. :
Joo Vieira
Oe* Cavalcanti
Olympio Marques
Para a contmissao de faz-
os Srs. :
J. Correa de Aranjo
Fonceca
Mello Reg0_
Para a commisso de cantas
ciaes, os Srs:
Alipio Costa
Arconeio
Ciucinato Camboim
21 votos
12
9
6
2
1
4
/
2 (
1 t
1 .
r.cte.ttastica L
12 0
13 ))
li 1
1 >
4 B
3 >
3 J
2
1 1
2 >
criminad.
18
9 1
8
7 1
3
1
1 >
1
4
I
1 >
1
1 1
o Sr. presidente designa
continuaco da eieicao de
21 votos
|3
14
mda e orranvnto,
22 votos
18
12
e 'fapezas provin-
21
20
19
votos
i)

Para a commisso de ogretdt*ra e contmercio,
os Srs.:
Amara]
Bats
Pigueirta
Para a commisso de redaer&o
Pernambuco
Guedes Gondin
Gomes Prente
Para a commisso de
Alvaro l'cb'-a 2i votos
Tolentino 12
A. Correado Araujo 9
Para a commisso de estaliiiica, os Srs :
1(1 votos
ir,
18
rf-- le?, os Srs. :
22 votos
12
II
n--trw-/w publica, os
li votos
13 i
12
\;tvV criminal,
18 votos
!>
8 i)
P>
ASSEMBAL PROYIHAL
SESSO OBDN'ABIA, EM 3 DE MABCO DE 1873.
i' 1KSIDENCIA 1 O SR. i mi i: IR DE AC.riAR.
, meio dia feita a chamada aeaam-se pres^utes
is Srs Mello llego. Freir Gameiro, Cunha e Fi-
gneiredo, Goncalves Ferreira, Arconeio Silva, Gue
des Gnndim. Mineida Pernambuco, Tolentino de
libo, Roes r.avalcaBte, Antonio Francisco G '-
de aranjo, Vieira de Mello. Firmino de .Xe-
vaes, Oliveira Fonceca, Ferreira de Aguiar, Cinei-
ato Camboim, Joai|uiin Correia de Araujo. Oiyn-
pio Mar pies. Barros Wanderley Vieira de Araiju,
(flm<> Prente, Palippe Figuei'ra, Sarment Lins,
Pinto Jnior, Albuquerque Lacerta e Alipio Costa.
Abre-so a sessao.
C lida e topramia l Mta da anterior
onam oo da.
nroeade-M a votaaSo e sao eleitos para as MhV
renteseommsaes os ugaintes srs. ueputados:
Joifl Vieira 21 votos
Olvmpio Marques , 14
(>"- Cavalcante 15
(jomes Prente i
.t Correia de Araujo 10 >
Ciucinato Camboim
Ernesto Vieira 1
Albuquerque Lacerda 1
Tolentino de Carvalho 1 0
Pinto Jnior 1
Barros Wanderley 1
(low-alve* Ferreira 1
Fazemta i nmiunto.
J. Correia de Araujo 22
Mello Hego 12 >
Hireira Foaceca 15 "
Ahnoida Pernambueo H o
Olympio Marques 10
Barros Wauderley 1
OH ve ira Andrade \ 1
Cotia e topeta pro*rii-*:f-
Atine Costa 51
Areonrio Silva 20 .
i incinato Camboim 19
Ernesto Vieira 1
Freir Gamoiro 1
Cunha o Figneircdf * *
Batis e Silva 1
Amara) 4
firmino daNovaes 2 >
-^iSfa Ponceca 1 s
Camboim
Gameiro
A. Salgado
Para a commisso de jtutiea
os Srs.:
Quedes Gondin
Tolentino
Ges Cavalcanti
A 1 e 1/2 hora da tarde, nao havendojnais nu-
mero, o Sr. presidente levantou a sessao, dando
para ordem do dia de boje : continuaco da eiei-
cao das commissoes. leitura de requerimentos,
pareceres, projectos e hidicac,oes; !. discussao
dos projectos ns. 91, 97 e 107. 2. do de n. 96 e
nica do de n. 98, todos de I87i.
Estrada d* ferro do Revire ao S.
Franeiseo.Por acto da presidencia, de 1 do
crtente, foi nomeado o Sr. engenheiro Dr. Paulo
Jos de oliveira para exereer interinamente 0
cargo de ajudanf" de engenheiro fiscal da estrada
de ferro do Recife ao S. Franeiseo. no impedi-
mento do efectiva, que se acba com asseato na
assembla provincial.
Tliesourari provincial. Por acto,
tainbeut de 1 do crtente, da mesma presidencia,
foi nomeado ajumante interino do procurador lis-
cal da tnesnnraria provincial, o Sr. Dr. Jeronymo
Sainado de Castro Accicli entquando durar o im-
pedimento do efectivo, que est eom
assembla provincia!.
Enrola formal.-Ainda por acto de 1 do
correle, foi designado o Sr. Dr. Eteqniel Franco
de S, para substituir o director da escola or- al,
emquanto durar o seu impedimento, motivado por
se adiar com ausento na mesma assembla.
Corpo de poHeia. -Em 26 de fevereiro
foram expedidas as dnas seguintes portaras :
( O presidente da provincia, considerando que
o lente Gustavo Lustosa fitina-quina, cmnman
dante do destacamento volante do alto sertao, des-
tinado a perseguir os criminosos que em bandos
armados trazem alarmadas ae populacoes daquel-
las freguozias, nao bnsca decnipenhar essn com-
misso, portando-se mal: porq'ianto : l* sem forea
moral para os *eus subordinado, eonsente ou to-
lera que estes pelos camiohos, por onde passant,
pratiquem dopredacoes e violencias contra as pes-
soas, que procuram defender sita propriedade ;
2J at hoje nenhuma dilinencia emprelicndeit, con
servando e em ccmpleta inactividade nos logares
onde ha permanecido, passando folgada vida,
dando *ms soMaoVjs e ao publico o triste e ver-
gonhuso exttinplo da embriaguez ; 3" finalmente,
porque, tendo abandonado o destacamento, que
ora coutmanda, em Fazenda Grande, foi. acompa-
panhado de duas ord.nancas, villa do Salgueiro,
onde demorou-sc oito dias, si'tmente com o lint
de levar, como levou, urna amasia ; rcsolve de-
milti-lo, bem do servido publico, do posto de ie-
nente do corpo'de polica.
O presidente 4a provincia resolve exonerar a
bem do servico ptilico, Manoel Francisco de Pau-
la, do posto do capitn do corpo de polica, por ter
desc atado os sidos das pracas do destacamento,
que coramandava, e ter com ellas negociado.
Autoridad** polieiars.- Por portaras
da presidencia da provincia, d K e 27 de feve.
reiro :
Foram exonerados : Ginaldo Bibeiro de Olivei-
ra, liourenco Jusniano da SiKa Peixoto e Jos
de Araujo Chavos, de 1,". 2."t' 3.' supplantes do
subdelegado do V iistrlclo do Kxd; Irwod Ca
rueHo da Veiga l*essoa e Antonio ^jbeiro Camp de 2" e 3" suppteates do snfodelegaJfl do dJElricto
de Govanniaha.
Foram nemoados : 1.. e 3.' su|plenti* do
smbdelegade do 1* districfo do Bx, avene do
Araujo Albuquerque, Francisco Bon*I*e*
Alencar, Kzequie! de Araujo Alboquorqe? ;
Bdra ; siippleitte do subdelegado do l-districto
de Gamclleira, Tiimna'. Morelra de i'.arvalho ;
subdelegado do Io districto de Qnpap, Claftdiuo
Jos de Mello.
Ueriso cleltoral. -Foi expedido pre-
sidencia de Pernambuco o entinto aviso :
Ministerio dns negodes do Mtperio. Bio de
Janeiro, em 42 de fevereiro do ltJ3.-Illm. e Exm
rer.-0 governo imperial, a quem foram presentes
as acias e mais papis relativos ilei dores e juizes de paz, a de setembnliiiii" as pTroonias da Boa-Vista e
Afogados da capital dessa provmcia, e dos quaes
se verifica;
(i (Juanta fregu ia da Boa-vhta :
a i." Que leudo sido eleito um dos membrosda
mesa pela turma dos supplentes e reconhecda a
sita incapaeidade paraesse fiut^por nao estar qua-
llticado, procedeit-se a nova elcifo, rpcahindoja
votaco em un pida*fa que, contra o disposto no
artigo lo do decreto n. 1,812 de 23 de agosto de
l8oC, nao totnou assento imntendiatamente, e s
veio a faze-lo no dia segointo,nomeando os outros
memtiros da mea quem o sobstttnisse, contra o
disposlo na segunda parte do artigo 17 do citado
decreto c aviso n." 119 de 31 de nurco de 1871.
que neste caso manda tazer nova eleicio.
2.* Que na apuraco das cdulas lionve ma-
nifesta procipitacao e proterico das formalidades
'egaes, pois que nao era possivel que em nove ho-
ras de trabalho tivessem sido abertas e lidas, ulna
por nina 3,67o w-dulas, eontendo inotide nove no-
mes para vereadores e metade qnatro para juizes
de paz, e que se lavrasse, alem disso, a acta res-
peetiva, publicando-so o resultado da elcco.
Quanto parochia de'Afogados:
1. Que no da 10 deixou de ser substituido,
cuino cuinpria, o juz de paz pre idente da mesa,
que adoecera, e houve por tanto interrup.o nao
justificada dos trabalhos eleitoraes;
2.* Que, por screlhante ocx-urrencia, a tercci:
ra chamada annuncada para o tnesmodia 10 s
se realsou no dia 11, tendo comeado ao meio
dia e terminado s horas da tarde ;
.1. Que no dia 11, das 5 horas da tarde at
ultmarem-so os trabalhos (em urna hora ntaisou
menos), lavrou-se a acta, escrevendo-se os nomos
dos votantes que nao compareceram e fez se a con-
tagein e euimassamcnto de 1,6:16 cdulas;
4." Que em um s-dia (12) fez-sc a apuraco
de tolas as cdulas receidas, quer para vereado-
res, ifuer |iara juizes de paz, lavrou-se a respectiva
acta e ticaraut concluidos os trabalhos ;
">. Que do exame feto por peritos consta que
foi falsilicado o livro das actas, augmeiitaudo-sc
o numero total dos votantes, que acudiram > cha-
madas, de 802 para 818, e fazendo-se anda, para
qne, as d.versas parcellas corrcspondessem a som-
ma assim emendada, as seguintes alteracoes : de
326 para 328, no 1." districto, de 311 para 315 no
2. e de 170 para 180 no 3.
Besolveu, vista de taes vicios, annulla-las,
e mandar proceder nova eleico gmenle para
juizes de paz, por nao coastituirem os volantes das
ditas freguezias amaioriados do municipio.
a O que V. Exc. far cumprir, mandando pro-
ceder contra o autor ou autores da falsiftcacao.
Deus guarde a V. Ene.-Joao Alfredo Correia de
Oliveira.=Sr. presidele da provincia de Pernajn-
buco.
Concurso. Deixou de ter lugar hontem o
concurso para a 2' cadeira de geographia e histo-
ria do gymnasio provincial, bor nao haverero com-
parecido os examinadores nomeados para o acto.
Reuniao romiurrrial.Alguns nego-
ciantes exportadores do algudo couvidam os inte-
ressados neste ramo de negocio se reunirem em
um dos saines da Associa.io Cjinnorcial Beneti-
cente pelas 2 horas da tarde do dia 6 do eorrente,
afim de irattrejn de inelhor regtilaridade na clas-
sifieacao daquelle genero.
Urna vez (pie se procura de algnin modo memo-
rar as condiciies da exportaeo de algodo. genero
este que lo' importantemente figura as transac-
c.jes mercantis desta praca com as principaes do
sirangeiro, de esperar que todos os exportado-
res se inostrem solcitos em coadjuvar as ideas
que tenltaui por fim melhora-las.
Rev er punido.-Constou-nos que no
dia 22 do mez prximo findo o conductor ao trem
das 9 e meia horas da mate da lnha frrea ur-
bana de ApipjMQS, nsultou um passagero, provo-
cando e amecando-'O com unta arma defeza; e que,
a nao ser a prudencia do aggredido, ter-se-hia de
lamentar algum delicio de tnaior gravidade.
A sei- vurdade o exposto, de esperar que nao
fique o aggressnr sem a devida punicio.
Epaneainento. No lugar P.wsuau/y, do
lema da Eseada, Manoel da Paz cspanc.u, jio da
28 do mez findo, a Generosa' Mara da Conceieao,
com quem vivia.
Cadver. -.Nos mangues que ficain as im-
mecliaeiea do asvlo de meudicidade fui descoberto,
no I." do corronb^ um cadver que, quasi j redo-
lido a esqueleto, nao deixou, vistoria a que o su
jetuu autoridade local, ceuhecer ue.m a qualida-
de e sexo que pertencera e menos o genero de
norte que mirara.
Eaeuldade de Direito.Pela congrega-
c.io dos lentes foi distribuido e regulado e Borneo
das aulas, que ctnnecaro a funceioiiar no dia 15
do eorrente, pela forma segunto :
1.' (8M0.--1.' cadeira Dr, Figueiredo, de meio
dia 1 hora ; 2." cadeira, Dr. Paito Jnior, das 11
horas ao meio dia.
2." uhhb.-.' cadeira, Dr. Graoiliauo Baptiza,
das 9 s 10 ; 2." cadeira, Dr. Bandeira Ful, das
8s9.
3." auno.-i.1 cadeira, Dr. Drumm md. das R as
9 : 2." cadeira, Dr. Cnlho Rodrigues, das 9 s 10.
4.' amo. 1. cadeira, Dr. Pinto Pecana, das 10
s 11; 2/ cadeira, Dr. Manoel Portilla, das 9 s 10.
5." atino.I,* cadeira, conselheiro Bautista, das
8 s 9 ; 2." cadeira, Dr. Aprigio Guimarae*. das 10
s 11; 3' cadeira, Dr. Perei a do Uego, das 9 s 10.
Arrcmataecs provlneiaes. Perante
junta da thesonraria provincial v?.c praca: uo
dia 6 do eorrente, o sitio dos Remedios, que foi ad-
judicado fazenda provincial para pagamento da
divida do ex-thesoureirn das obras publicas Jos
Marcelino Alves da Fonseca, servindo de base o
preco da adjudicacao 3:73040 0; no dia (3, o ira-
posto de 60 re, por litro de agurdente consumida
na comarca de Nazareth, oreada eai 296^000 an-
nuaes.
I tupos tos munielpaes. Come:ou no
dia i. do correte opagamenlo dos seguintes im-
postas municipaes: 4OK) sobre todos 06 estabele-
cimentos de porta aberta; 2500 sobre qualquer
estabel cimento que vender espirito; 61000 por
eadu carroca ou vehculo de qnatro rodas, erapre-
gados no servico da capital: 100 rs. por palmo de
terreno dentro da cidade do Recife seus subur-
bios, ipte nao esteja edificado ou .-nlnvado, embo-
ra se conserve murado; 204 por cada casa de so-
brado na cidade do Recife que conservar varanda
ou sacada" de madeira; 60 rs. por palmo de torre
no nos povoados de Magdalena, Capunga, Chacn,
Casa Forte, Poco da Panella, t^aldeireiro, Monteiro
e Apipucos, que nao estiver murado ou cercado^
conservando-se as cercas em bom estado; 4" rs.
por palmo de terreno em toda a extensao da cida-
de. do Recife Apipucos, que nao estiver murado,
excepta ndo-se os terrenos que tiverem coreas
nativas em bom estado de conservacao; 20i"0u
porcada baixa de capim dentro da cidade ds Beci-
fe ; 204000 por cada urna machina vapor, das
qne exislirem ou forem montadas na cidade do
Recife para qnalquer mister; e, finalmente, o im-
posto de 3*000 e OJO* por cada beceteira e
maschte que vender dentro do municipio do Bo-
cife.
Soeiedade Propagadora da Ins-
trueco Publiea.A 27 do mez lindo cele
bron o conselho superior desea sondade sua 16.
sessao.
Lida e approvada a acta, tai iido o oflkio do
conselho parochial do Po^o da.Panella, commuui-
caado ter a i do dito mez sido insultada n'uma
das casas do Momeiro, a bbliotheca popular e a Asla
cola para o ae\o masculino que o dito conselho
resolveu crear; que a escola ser regida pelo Sr.
professor Anarleto PuWio oe Mora< Carvalho,
emquanto residir naquella localidade, e a MWo-
theca pelo Sr. Vicente Marques da Silva Peixoto,
sendo que-para esta conenrreram. com varias
obra importantes alguns socio e> meiobros da
cnnselhos superior e parochial"* entras pessoas
que anda nao pertencem ociedade e iraa na
mesma casa tem de celebrar o conselho as anas
sessoes as quintas-Cairas-de cada 6emaaav-*d
horas da tarde. ,
O conselho se regot^i com lio grata aotUia,
que mora que vio se tradnxindo m faoitos os
bons desejos da sooieaade. .,
OSr. conepo Lino participa de parte do con-
selho parochial "de Santo Antonio tor-se solemne-
mente installado a 15 do mea prximo passado o
curso de hbilitaco de Sras. para o magisterio, o
iue era ama necssidade, nao s para que possa
melhorar o enano, como pelo rosa lude qae se
v qual o de J' aoharem-se oartrianUdas 142
aiumnas, sendo a f eqneneia superior a 10Q
Que os p-ofessores que gratuitamente 'leerio-
nam se tem mostrado superiores a todo o elogio
pela assduidade, zelp e intesesse i|ue niostrain
. ela instituidlo e adiantamento das aliiuinas. _
O conselho sC regozija com Ul participacao,
sendo accorde no louvor de iiuesao dignos os re-
feridos professores.
Convidada a sociedade pela dos guarda livros
para a respectiva sessao anniver>aria, que teve
lugar a 1 do eorrente (marco) foram nomeados
para em commisso representa-la os Srs. Drs. Jos
Eustaquio Ferreira Jacobina, Joo Draiz Riboiro
da Cunha e professdr Flix Valois Correa.
O Sr. presidente declara ao conselho que as
segointos Exmas. Sras. fajera hoje parte da so-
ciedade :
D. Carolina Caldas Lins, I). Benemrito da Sil-
ve ira Lins, D, Albina da Silveira Lins, esposa e
fllhas do Sr. major Marcionlio da Silveira Lins
(da Eseada) e l). Henriqueta Candida Martins
(Poco da Panella).
Foi Horneada a .commisso seguinte para a fre-
guezia de Cimbres, composU don Srs.:
Dr. juiz de direito da comarca, tenente Veris-
simo Jos de Couto e Domingos Leopoldino da
Costa Mimosa.
Jury do Recife. -Pelo Exm. Sr. conselhei-
ro presidente do tribunal da relaco foi designado
o da 17 do eorrente mez para comecar a 1." sessao
do jury da comarca do Beoife.
Secretaria da presidencia. Por ter
tomado assento na assembla provincial o Sr. Dr.
Adolpho Lamenha Lins, foi pela presidencia da
provincia designado para exercer o cargo de se-
cretario do governo, em vista do art. 9* do regula-
meuto respectivo o chefe da 2' sece/io Dr. Joao
Diniz Ribeiro da Cunha.
Pusradoria da thesouraria de fa-
zenda.Pagam-se hoje as seguintes folhas: em-
pregados da visito de sade e instituto vaccinieo,
pracas de pret reformdadas, arsenal de, guerra, ca-
pitana do porto, arsenal de marmita, companhia
de artfices e inarinheiros.
Frcguezia do .Vlfogados.No do-
mingo (9 do eorrente) devo reaiisar-se a reunan
da junto de qualificaco da parochia dos Allo-
~ de
O iiiclhoilo VS.il.
Pfomc\teni'is em um dos passados imniero al-
gumas anreciacoes acerca do metliodo empregado
pelo esclarecido Sr. Dr. Ablio Cesar Borges no
seu collegio.
Urna grande parte da populacao Ilustrada des-
ta capital assistio exposico d principios feita
pelo digno chefe daquelle importante estabeTeci-
meiito de instrueco, explicaudo as gradacoespor
que o eusino all passa al o fim do curso prima-
rio, que de tres annos.
Vesse periodo do tempo as criancas principiara
por adquirir ideas geraes de artes e sciencias,
ipte mais tarde poderao formar a base de estudos
especiaes, e passam depois a aprender dettdamen-
te as materias de instrueco elementar propia-
mente dito. Assim c que, findo o aprendizado re-
gular, o menino conhece, quanto possivel, isto ,
muito mais do que est em nossos hbitos exigir:
a leitura, reci aco, grammatica, escripia dou-
trina clirist, arithmetica, systema mtrico, dese-
nho linear, historia sagrada, geographia geral,
historia e geographia especiaes do Brasil, ooaOM*
graphia, alin de noyes de sciencias naturaes, de
philosophia, canto e gymnastica.
Este plano para quem pouco estuda o crescente
alargarnento da insiruceao publica em bidos os
paizes adiantodos da Europa e Estados Unidos pa-
rece excessivo e superior as forras da infancia.
Para responder a esta objeceo tornase neces-
sario distiniiiiirmos duas hypotheses. Se todas es-
de
1>
Justa remunera9ao.Por .decreto
22 de fevereiro prximo passado o governo impe-
rial concedeu ao Sr. cap Rao Jos Pedro das Nevos
o titulo de ofBcial da imperial ordem da Bosa, se-
gundo estamos informados.
0 Sr capitao Nevos tera inquestonavelntento
prestado bons servic-os causa da ordem publica
e da seguranza da vida e propriedade do cidadao :
e, pois, a lembranca do governo imperial traduz
um justo apresa, m merecido premio ao devota*
ment do agraciado.
Nos, que j tivemos occasiao, ha algum tempo,
de recommendar ao inesmo governo os sanacos
do Sr. capitao Neves, migamos, pois, com a boa
nova, que le veio ltimamente do Bio, e que, em
certu modo, um incentivo para a pratica de taes
e tao assignalados serrinos.
Carne verde. Segundo somos informados,
ha um bM exposto venda hoje, no mercado, que
fui mordido por um cao, que, afDrmam, eslava
atacado de hvdrophobia.
Hospital Portuguez.Est de semana
o Sr. mordomo Francisco Ferreira Maia. O movi -
ment das enfermaras de 23 de fevereiro a 1 de
mareo eorrente, foi o seguinle: exislain 5i, entra-
rain 49, sahiram 10, fallecerain 8, existem 65.
Proclamas. Foram lidos no dia 2 do cor-
rente, na matriz de Santo Antonio do Recife. os se-
guintes :
Ia deniineiaeo.
Luiz Jacques Mattos Jnior,"cora Joanna Carnei-
ro Mesquita.
Flavio Jos dos Santos e Silva, cora D. Lcopolui-
najAmelia Gonzaga da Bocha.
Jos Joaquim de Frei'as Jnior, cora Iab3l Mara
de!- Almeida.
Jeronymo Joaquim Barbosa Velloso Jnior, eom
Amelia Augusto da Silva.
Maximiano Lopes Machado Jnior, com Joaquina
zana Santinha de Souza Prieto.
Mathias Jos Xavier dos Santos, com Jovita Ma-
ra das Chagas.
Jos Fernandes da Rosa, com Lutza Mana
Leite. _
2* denunciacao.
Paulo Jos Alves, com Custodia Mara de Oli-
veira. ,
Manoel Baptisto dos Santos Lobo, com senhon-
nha Emilia Ferreira.
Jos fia Bossa, com Mara de Fnmca Mon-
teiro.
Candido Augusto Maciel da Costa, com Vicencia
Baptisto da Costa Vascontellos.
Joo Antonio de Carvalho, com Feltsmina Mana
da Conceico. .
Thoiii;iz (JarreU Jnior, com Donata Prieto.
Joo Joaquini Alves de Albuquerque, eom Ar-
minia Cavalcanti de Albuquerque.
3* denunciadlo.
Joo Baptisto de Siqueira, com I.ydia de Brito
Antonio Manoel da Costa, com Isabel Mua dos
Prazeres.
Basilio Gomes Pereira, com Mana Ctnstanca
da Paixo.
Passaeiros.Sabidos para o sul no pa-
quete brasileiro Paran :
Francisco i'ampello, Antonio D. A. Fakao, Dr.
Baymando C. de Souza Bandeira, Constoncio s.
Puntual, Duarte J. D. de Carvalho, Antonio D. B.
de Vasconcellos, Dr. Lourenco B. \. de Mello, Dr.
Silvio Pelliero, sua senhora e i criado, Julio Klera,
Natathan Klein e 1 escravo, Antonio M. de \. Por-
to, Joao de S C. de Albuquerque e 1 escravo, Jos
A. F. Pinto, Francisco P. G da Silva Sobrinho e I
escravo, Constantino I. Viega Jnior. Antonio Cor-
reia Claudino Duro, Jos J. R- Sampaio, Honorato
Lefundes, Podro R. de Sampaio, 1 escravo e 1 cria-
do, lente Jos L. da Silva Milanez, 2 cadete [ve
R. da Rocha, Antonio da Costo Lima, l>. Alexandn
na do Amaral, D. Candida do Amara!, Domingos
da S;lva Cardoso. D. Senhorinha Fausta de Albu-
querque, Dr. Jos M. de A. Mello. T. H. de Albu-
querque, D. Adelaide C. de Albuquerque, J J. Vaz,
Matheus V. de Oliveira, Io cadete Pedro Wander-
ley Jacques e urna jirafa, Jos de Couto Monteiro,
D. Idalina B\ de Oliveira, Francisco Ignacio P. do
Cima, Dr. Alexandre Pereira do Carmo Jnior,
R. de Arruda Beltco, Joo Sabino de L. Pinho e
1 escravo, |B. S. dos Santos Gooveia, A. Ozanne,-
Dr. Jos B. de Figueiredo, Luiz de F. Bodrgues,
Jos Dias, Jos da Costo, D. N. de Aquino, Anto-
nio T. L. de Albuquerque, Pedro de C. Vieira, Pe-
dro de S. C. Falco, G. de O. Maia, Antonio L.
Vieira, Bavmundo F. Barbosa, Adriano R. da.Cos-
to, loo Aves de Carvalho, Dr. Antonio Joaquim
B. de Nazareth, Carlos Puchet, 2 libertos, J. A. Fal-
co, Faustino Peres, D. Luiza da Silva, 1 praca. 1
liberto, guardio Simplicio Antonio Martins, Ma-
noel G. da Rocha, Pedro N. torreia, Jayme Peix,
20 recrutas, 1 cabo, 4 pracas e 2 desertores.
Sahidos para o norte no paquete americano
Menimack..
Dr. Segisnanio Antonio Goncalves e 1 criado,
Jos Antonio Goncalves, B. Wlietman, sua senho-
ra e um menino, Francisco Dias S. da Suva.
Sahidos. pan Lisboa no brigue portngoei Da-
mido:
Joaquim Jos de Almeida Oliveira e Theophilo
do Nasciraente Ferreira.
Batanete lo Banco f esnsncr-
eial de Pernambueo em 8 le
fevereiro le 913.
ACTIVO.
Accionistas................... 4,60i:00/MKIO
Letras descontadas............. 1,4C3: M9f836
Letras a receber................ 7l:67*#790
Letras caucionadas............ 14:5604(100
Valores depositados............ 43:4545296
Despezar geracs............... 7.9613660
Despezas do installado........ 6:43930
Movis....................... 1:452*160
E-tampilhas.................. 396*600
Diversas cuntas............... 37:5434018
Caixa........................ 123:367*297
tas disciplinas tiverem de ser ensinadas pelo sys-
tema jiorque geralmenie se lecciona em nossas es-
colas e collegios, seguindo-se o methodo expositi-
vo, caminhaiido-se dos elementos jtara o todo, e
estahelecendo-se regras que mais tarde sero Jus-
tificadas, ueste caso diremos, o plano do Dr. Ani-
lla simplesmente absurdo.
Se, porm, abandonado esse systema, que s pro-
duzir benficos resultados na instrueco secun-
daria e com inuita discrifo applicado aos cursos
de adultos, escolher-se 0 caininho da natureza, ha-
bituando-se a infancia a rellectir no que v, para
coine;ar pelos sentidos a despertar e desenvolver
sua dbil intelligencia; se se agucar a euriosidade
do menoto para que elle memo provoque, expli-
cafoes satisfactorias ; se todos os movimentos das
enancas e suas pronrias faltas involuntarias forem
motivo e occasiao de lieBes moraes o esplanacdes
scientificas accoiinnodaibis capacidad1! do enten-
dimento infantil ; se habituada a memoria e a in-
telligencia a ponderayoes de assumptos embora da
vida pratica, porui que exijam alguina demora
na sua apreciafo, passar-se para o estado das
linguas e das leis que as regem; se tudo isto fr
acorapanhado de cautelas pela saude e robustez
dos meninos, entao o methodo AbiUo ser, como
o nico admissivel na instruc;o nrknara, porque
rene e desempenha os seus tres grandes tins :
a educacao moral, intellectual e phvsica da in-
fancia.
A grave preoecupaco de quantosse nao podem
esquivar evidencia das pro vas exhibidas pelos
alumnos daquelle collegio, a que se deriva do
receio de superlicialidade de conbecimentos e da
crenca de que toda aquella verbosidade K traduz
era > ciencia de vas e esteris palavras.
Respeitamos esse receio ; mas quando pensar-
se era que os professores, para realisarem tal pro-
gramuia, devein trabalhar mais do que es alum-
nos ; quando imaginar-se que sem voeiico pro-
vada e verladeira de.dicafJo nao ha vera profeso-
rado capaz de arrestar es encargos de sua pesi-
eo ; concedida a possibilidade de se reuuirem
stis condi/oes, e nao impnguada a faculdade de
adquisic o de ideas (juaesquer que sejaiti por pai-
te da infancia, urna vez qne ella as c imprehenda.
esta nova objeceo desapparecer.
A base do methodo a intuico ; o mestre su-
i stitue o livro nos printeiros lempos do ajireiidi-
zado ; as iefies sao dadas vista de bjecUe que
prendemas vistas e a attencao dos meninos: a
moral nao raro cxemplificada ; d eonheeido
parte-se para o deseonhecido ; da materia se de-
riva a existencia do espirito e do poder de Dos ;
das phrases, das palavras se tiram os cxemplos,
e exemplos escolhidos para conheclmento das re-
gras grammaticaes.
Eis o segredo, que o nao para os estudiosos.
Batanan tracadas as primeiras linhas deste ar-
tigo quando recebemos o que era seguida val trans-
cripto.
A materia importante, e para ella chamamos
a atten.o do professorado fluminense. Muito ha
a dizer a tal respeito ; por hoje dotaremos que a
seu turno o signatario do referid i artigo estabe-
leca as normas nenes da instrueco modenta ; ao
pihlicannos s segunda parte, a'emque. elle en-
contra realisados no collegio Ahilio os seus prin-
cipios, que alias sao os de todo o mundo civilisa-
do, nuereeeremos algumas ootras eomideraeoes
r dativas procedencia, utilidade e generalisaclo
do methodo.
Alamrary Lu,
principio e qnantn frnctiflea a fhstrucf o ex|>er-
raental, por assim dizer, que assim se a Iquic.
Insensivelmehte estuda o incuiliu a cada momento,
e verifica as vantag ns qne me rosulianun do Wi-
sino. Era aci;o vd demonstrado cadaitirnuos
preceitos que Ibo tem indicado o desvelo dos
mestres.
Esta explicacao iucessante de tudo quanto ve,
de quanto o rodeia, esU prora real dos conbeci-
mentos qne adquire, pondo ern constante exerci-
cio as facilidades da observacao e do raciocinio,
dispertan! e avivan progressivamente a euriosi-
dade, aliraentam c desenvolvem desejo de
aprender.
Ha abi a nn-lhor preparacao para a vida real
da sociedade. O habito de procurar descubrir a
ra'o das cousas e dos faeto-% o c< stmie de ana-
lysar quanto se Ihes nfmrcce compiehonsao no
mundo exterior, dito alma certa agdidade, certa
perspicacia que facilitam acquisieao de muitos
outros conhecimentos, encaminhandoa natur.- e
expontaneaineiite procura e descnbrimento do
que ignorara ou Ihe nao fui explicado
No quart i principio est a combinaran do pro-
gresso intellectual e desenvolvimcnto cor[Ktreo.
Este principio acha-se. em pratica as aselas
da Alleinanha, que era jtediigogia possuem ti<>
valiosa autoridade. Mas nos Estados l nidos esto
adoptado com essa amphtude que aquelb paiz
eostuma dar s boas ideas, levadas exeeucan
em assttinplos de utilidade putlica.
As Urdes das cousas ou nherls /'.son?, Ittsoni
enot/jeets, teaehing olijerh. nrstadas em todos o*
graos de instrueco, teem pur lim esu applleaefci
constante das Iheonas, dos principios das regras
aprendidas.
Este utilissimo ensino regula-se p r principies
qutsao, segundo diz o Sr. C. Ilippeau :
Edocar as faculdades pela ordem natural d
sen desenvolviinento, principiando pelos sentido-.
Nao dizer ao menino cousas que por si inesmo po-
de aprender. Indica em cada ohjecm os etra mai
simples elementos. Kxplicar as difliculdades niia
aps outra. Seguir gradual, inccssauteinente. re-
gulando-se a informaalo, nao |K'ln que o mestre
pode esclarecer, sen pido que 0 discpulo pud-
aprender. Dar cada lico applica;o certa, in-
mediata ou prxima. Desenvolver a idea, depois
a palavra, apurar a linguugem, passar do contien-
do ao deseonhecido, do esjiecial ao geral, do con-
creto ao abstracto, do simples ao coinposto, pri-
meiro a svnthese. depois aanalvse. Cingir-se.n.i
ordem do assumpto. seno da natureza. >
A inobservancia deste principio, reeoohecido e
proclamado ba muitos scalos, mas iufeiizineii>
imico ou mal pralicado, tem tido conseqtienc.i,>
fataes.
De feito crear e educar os mancebos como ~<
foram siiuplesinentc era ej^pirito, enao o conianc-
to de alma e corpo, esquecer do modo mais de
ploravel deveres de alia gravidade. Emquanto se
desenvolvem as faculdades inlellecluaes, deeabe
carpo no abalimentu das foreas, e |iela inercia m-
hahilita-se A ser um instrumento indispensavel.prc-
enchendo ntuito mal a sua obrigaco de ser o im-
mediato do entendimeiito.
Fraco, debilitado, enfermo o corpo, o que sera
a alma ? Igualmente fraca, debiliiada. enferma.
Achar-se-ba tolhida no u>o das proprias fofa-
lnntili-ar-se-lia essa instrueco to laberhisami Di
adquirida, por amor exclusivo da qual foi despie-
zado o corpo.
Todas as conveniencias aconselbant que se aden-
tran simultneamente as duas substancias comp-
lenles do humera. Deveui ser conduzidas pun
Hisxu, como dizia Plato, do inesmo modo que a
pnrelha que tira un carro.
Nao basta fortalecer a alma do mancebo, dizia
Montaigne: fortnlecam-se-lhe tambera os muse .-
los. Citmpre ipie se habitu fadiga. aspereza
dos exerccios ara prepara-lo ao soffrimento.
dr e as enfermidades.
A gymnastica do espirito que prescrevem os tres
principios que Heam mencionados, nao presuriaa
utilidade que se deriva de sita ahitar applieaeao,
se nao tivesse complemento na gymnastica do cor-
po. Sem esta, a educacao estara imperfeita, ter-
se hia desperdicado o tempo, nullogrado o trai...-
lito.
E' a edocacSo que tonto recoinmendaxa Mato
na sua Repblica, querendo que os naaceboe
creassem na alegr a e passa-tempos de sua idaot.
em exercicios em que deparassem diverlimentos
vigor, aconselhando que os nao violentassem pa -a
o esludo das sciencias das lettras.
15 de fevereiro.
J.P.
(Da Insh nenio publica da cor! >
^Coa/invfl'"-ji-/i';./
f>,373:201*017
PASSrVO.
Capital....................... <;,oo.ooo*ooo
Guma* oorrentos por dinheiro a
.joro...................... 9:6O0iOO0
Cootaacorrentes simples........ 10:000-j000
Letras por dinheiro a juros..... 5:314*970
betrasapagar................ 8:500/000
eauk...............:...... :tt*#e
Depesito da directora......... 24n00*000
Diversas artaa,............... 13C:240*023
Deseont--................ 74.05a*728
S.'E. &0. 6,371:201*017
, O guarda livros,
jr. J. Penma Pinto
COLLEGIO NOBHAL.
Mras sana in eorpon sano.
I
O verdadeiro systema jtedagogo de qu-.- den n-
de a educaeao da mocidade, como nen reaonneei-
do depois de tantos e to diuturnos teutam.s, li-
ma-se em qualro grandes principios.
A sita simples exposico demonstra a sua excel-
encia e manifesto desde logo as conquistas que
luz da experiencia tem este seculo alcancadu.
O primeiro, o predominante, que depare o me-
nino nos estudos motivos de attrac.o en v; de
causas de repugnancia; que os considere agrada-
vel occupa.o em vez de laboriosa tarefa : que o
trabalho de aprender seja araenisado pelo amor
com que o aceite om vet de ser occasiao para af-
llcco do espirito *e padecimiento physico.
Quantas consequencias de inestimavol a preco
derivarase deste principio, sabem todos os que co-
nlieceram os prolongados e tristes dias da vida es-
colar Reeonhecem que todos esses exercicios que
tanto Ibes custaram. singularmente se teriam faci-
licitado, s i as formulas severas que o* acompanha-
vain, se a fastidiosa soleninidade eom que se ta-
cutovaiu, fossein substituidas por methodo q'-.e sua-
vbasse a aspereza dos preceitos e dsse o deleite
de um gozo intellectual aridez das regras.
Tenham os estudos este attraetivo, e evitar-ae-
bo ao menino muito trabalho e umita fadiga.
Basto j que as disciplinas superiores, cuando o
eiitcndintento estiver fortalecido, tenha elle de ar-
car com as abstrae .des das sciencias, com os aus-
teros problemas, em cuja snluco tero de porfiar
todas as suas facilidades.
Na primeira idade, to mpressiwl e de tanta
influencia sobre o destino do homem, aeb' nos
.seus mestres os guias solicitos que os conduaam a
instntecao, nao por veredas alpestres, sena o por
caiuinhos planos e agradaveis, ladeados de '.'ores
refrigerados pelos hafejos de deleitosa aragera.
E' assim que so enraiza na alma o go.-to, a pai-
xao das letras e sciencias.
Habito indispensavcl existencia ser para o
homem a sua cultura na juventude, na virilida-
de, na idade madura, nos dias da velhiee. Al a
hora extrema da existencia estudar sera para
elle neiessidale principal, e Ihe acender o ardor
do entliusiasnio tudo quanto, ra gando-lhe novos.
horisontes, Ihe devasssar alguma conquisto iueJ-
lectual.
O segundo principio consiste na idea, que o fio-
nii-in instruido deve possuir conheciiHentos suf:i-
cientes para compreheuder as questoes que abran-
ge a esphera dos conhecimentos humanos.
Por muit" ardua que seja a observancia deste
principie, jiois conduz a nada menos que univor-
saudade dos conhecimentos, a sua proticabdidade
est geralmenie adraittida. A este alvo se ai
refam os esforcos dos sabios de todas as naques.
Neste seculo aspirac.ao que cada vez mais pre
domina, como demonstram os innnmeraves es-
criptos destinados a realisa-la.
Muito se ha conseguido j atara tevara cabo
esto alto commettimento. Mutlo anda est por
fazer. Muito mais ha de alcancar a persistencia
ineansavel do espirito humano.
A applieaeao desse principio nao quer .dv.or que
se torne cada hornera ura sabio universal, que
para todos franquem-se os recessos de iala
sciencia. O que se deseja, o que se tuar, dotar o eatendimenlo de ideas geraos em
todos os ramos, em modo que ncnbuu do ele
inentos da instrueco Ihe seja descoaheeidoj o nao
Ihe pareca que e^n qualquer das dirooco* a que
se encamraha o espirito humano, se onoobse um
mvsterie ahstrnso.
A difflculdade jaz no methodo da distriboican.
Por meio deste. o mancebo, antes de abracar urna
profisso, antes de encerrar-se no studo-welu-
sivo de urna esperialidade, ter arrecadade necoes
sobre a aatnreza real dos homens e das omisas.
O terceiro principio quer que a menmo desde
logo se habitu realidade das cousas, faca appli-
caeio immediato de seus conhecimentos theori-
eos, ajiroveitando para isto quaesquer oeeasiucs
que llie offeref am as oceunencia* de eada dia,
as eircumstanciis da vida o da sociedade.
. E' ac oomprchender a utilidade pratica desic
A agricultura e om iisarfiiia '
borrnelin.
No estado assnstador era que se acha a primen .
industria do paiz,a agricultura,lutando com a
falta absoluta de tres elementos es>enciaes a sua
existencia (credto. bracos e estradas) nao ser fora
de proposito que nos. na qualidade de agricul-' i
e portant. conheecdor das causas, que actuaii
sobra o systema de produeco agrcola osado -
tre nos, venhatnos do alto da imprensa chama, a
attencao dos nossos cOllega para um inelher .-
ment recenteraente introdnzida no nosso paiz,
parlicitlaritiente Beata provincia.
Consiste o inelhoraniento a que alltidinios lias
machinas e vebiculos do systema de Thompsoi..
apropriadoe ao transporte de mereaderlas em t--
tradas de rodagem. sem auxilio algum de trilbo-
podendo manobrar eran a mesma facilidade que
um carro de passeio.
Em nossa humilde opinao essas machinas devwn
concorrer poderosamente paca attenuar a falt- de
bracos de que se resente a lavoura do paiz, lego
(jue ellas (ejaffl applicndas na conduecoda emna
dos partidos para as fabricas, e notros mu;'^
mysteres da industria aercola.
Infelizmente no estado actual das nossas estradas
de rodagem, que verdadeitamente nenhuma mer1 -
ce semelhante nome, nao podem estas nanhinas
s >r applicadas no transporte dos |>roduetos para n
mercado, com o que ganharam muito os agrie,..
lores, ji pela economa de ininues empregados
neste trafego. j pelo numero de bracos, que sao
disirahidos d'< servico do camjto, em pura j><
do augmento de produeco.
Elleetiv.imente, com o pestio systema de en-
tradas irado entre nos. nao convera usar u.-
machinas Thompson, nos transportes dos genere-
de jtroduefao; o antes que as estradas nao tejara
consolidadas, alargadas e rebaisadas em nuntos
jtontos. que instantemente reclamam esset melhi-
rameatos, certu que as oacbinas Thompson na i
sero erap regadas cora vantagein paraesse fim
o que nos continuaremos' a pagar exeessiVamenur
caros os fretes era costa de animaes, e em cari k
puchados por bois, alera da grande di'. cnldadc da
encontrarinos quem quena carregar o dasmi
assucar.
Em outros paizes, mais felzes do que nos, pil-
que possuem boas estradas de rodagem, estas
machinas j teem sido e continuara ascreaipiv-
gadas nos transportes de merradorias, e teem sul~
tituido em ntutos delles os rotineiros systemas i.
ento usados. Louvamos a coragein do coiicessjn
nario do privilegio para Introdcelo dess mact.-
M8, e fazemos sinceros votos para que elle se a
compensado dos grandes sacrificios de tempo a l
dinheiro, que se tem imposto, para demonstra!
praticamente as vantagens, que a agricultura pe-O
tirar desta nova invencao.
Lamentamos, por nutro lado, que to til n< -
liiorainento nao tenha encontrado por parte di*
poderes pblicos todo n auxilio de que sao mo>-
eedores aiptelles que se dedicara ao ManaW-
ment do paiz.
Venlio.pois.pedira.iillustrado alministrador,'.
so acho dirig .do esta iiirportante provincia, OJue
se digne de lanzar as suas vistas para as estradas
de roJagem, que em um paix como o nosso, essei-
cialmente agrcola, consiituem o verdadeiro n>-
mento de augmento de producf ao. e por enn^ -
guile de renda publica.
Que S. Kxc, soneito como se tem mostrado psio
engrandecimento de sua provincia nata), Mte-
cure deste importante ramo do ^ervico publico, e
estudando por si uesino o nosso sysiema deaia*
cao actual, niande fazer os reparos e melboramen-
tos de que tanto careeem as erradas, nonneaie
na quadra invernosa que brevemente Vai comi-
se desde ja nao se poda fazor uso das machinas
as estradas, pelas ra Oes que vimos de apoftiy,
certo que ollas podwii ser utisadas com grao* <
vantagens nosengeiiho-.. que asseutam m twoio
de varzea.
Quom tem visto estas machinas trabalhanuu
aas rua-tiesta cidade, ^ue na sua Keneralida*
sao estreilas e reseutem-se do mesmo vioi *
estradas pelas suas formas abafctdas, comprerun
fcilmente que em terreno pa o e cominlc,
onmo sao gcralmente os de varzea de rhacap, t>
trabalho destos machinas ser consideraveknentc
melbor.
" De facto, e as condicofs desfavoraveis, ^taes
como as que se uo as ras des'a oidade.^a*
machinas aliu do propr) |io e d(J>njlps
wagins, arrastara unta ca'ga do 500 a UO afeoi*
era dous carros, claro que maior carga arrasta
l
i*



-

I' *
Diario tie Feftiambuco Tenja feira 4 de Maroo de 1873.
rao desde que o terreno se aunar em condignos
mais favorav'eis, como os de vanea.
Para malar etarew d'aquillo qne aeabaiMs le
dlzer, deseamos ao terreno das comparantes e
vejamos qtto vantagens resultariam para qujquer
dos nossos collegas, qne adoptasse o uso desias
machinas. ..
Umengcnho pode moer por da. temo memo,
43 carros de canna, qtie produzem 30 pies de assu-
car. ou 120 arrobas. Para fozer eliegar os k>
carros de canna rom o ieso de 2,/OJ arrobas, re-
culando 60 arrobas cada carro, ou 5 cainmhos de
carros de rawmpjr dia, sao necesariamente indis-
l\-nsavis.
"cante cam todas as pertencas
iinuJrtanJt uin em*100*
MI* inanes i 801
9 scravo* e-rrrlros a 1:400;,
19:9004000
Para sustento e<4asrvac-o desto gado preciso,
ermo medio, urna superficie de 3">2:500 bracas
cuadradas de cercad, cjw terreno, de qualida'dc
recular, e bem aprovcitdo, pode prodtuir, segn*
.-ntfis paes de a.tsuoar e mesmo mais.
lima locomotiva do Thompsou de torca de oito
cavados, cu todas as suas pnenlas o sobresa-
980*000
6:400*000
12:600*000
leales, posta aqu no porto custa
Tres wagoes pudendo transpor-
tar 84 arrobas desposo, cos-
tando cada um 960*
Direitos de expediente e mais
despesas de desembarque etc.
.pouco wais un menos
9:000*000
2:8304000
2 000*090
13:850*0; A)
As machinas importadas pelo coneessionario sao
HvrtS de direito de consumo, e pagam smente o
evpedipiitede 3 por cent sobre o valor.
O consumo desias machina- ( que |odem tam-
ben trabalhar con lentia) regula, pelo que se tem
"(servado aMi, o qne est de accordo com as in-
fottnacfles dos fabricantes, de quatro a cinco libras
ile tartn por cada hora de servico. Esta despesa
e as mais accessorjas, como sejam azeite, tinta,
estopa, etc. pcdein considerarse equivalentes as
qne se facetn com o sustento dos earreiros e dos
animaes imvssarios para produzirem um trabalho
inferior aquello que produzira o material cima
calculado.
Admittiud que os dous liomens que sao precisos
para o trabalho da locomotiva, veneam uin salario
de l:6u030), teremos:
Material 13:8504<*00
Salarle d: dous liomens 1:6094000
13:450*000
Donde se v.; qne, com um material capaz de pro-
tsdr inaior soniinad trabalho, despende osenhor
de engenho menor quantia d'aqueUa que Ibe fura
indispensavel para o systema rotineiro.
Sole*se que o io entramos em linha de cunta com
< risco que cune a parte mais valiosa do capital
umpregado no systema ordinario; que comparado
ca as desposas de consorvacao, reparos, etc. do
yslema do Thompson, dara a favor deste ultimo
tima grande vantagem.
\inda pi'lo lado dos juros de capital empregado
n'am e neutro systema, a vantagem ser a favor
da machinas.
Se relleetir-sc que muitos dos nossos collegas
demoram a pequcuas distancias das estacoes da
via terrea, e de pactes de embarque; e que com
um pequeo dispendio elles poden, apropriar os
c smtnhos ao uso das machinis, augmentarlo in-
contestavelmonte as vantagens das mac inas.com o
transporte para esses pontos das suas nierradorias.
Quanlo a. receto de incendio-, de que muitos
dos nossos collegas se acham possuidos, isso se
v mecer,- desde que Ibes lenibrannos que as
machinas em qnestaosae munidas de famegaaores,
c ii.io tivemos occasiiio de examinar por nos mes-
mos. e 000 alm disso o cinzeiio Oca encerrado
i dentro de urna caixa, que durante o trajelo pelos
partidoa de caima, se |>Je fechar. Lemhrareinos
anda que <> camiiihos dentro dos partidos podem
ser feitos com largura.
l.embraremos anda que os caminhos dentro dos
partidos podem ser feitos com largura sulllciente
para se dcixar de receiar casos de incendios.
Escrevendo estas liabas, jolgaiMS prestar um
aii! la que pequeo, a industria agri-
n ist pan, que urge saliia da rutina em
q .' tem permanecido at agora.
1.* de marco de 1873.
. Leandro Caca/cante.
servia*,
cila do
L'tlUL'P
coMMwmo
PRACA DO RECIPE ."5 DEMARCO
DE 187:.
\S 3 1/2 ROBAS DA TARDE.
C'otucdc*. officines.
daoda Parata ba 10*300 por 13 kilos posto
a bordo a frcle de 1|2 d. e 3 OO, sabbado
Curessalgados seceos 034 rs. o kilo, sabbado.
lambi libre o Rio de Janeiro 8 d|V. i 0(0 de
descont, rabbado.
Leal Sove
Pelo presidente.
A. P. de Lemos
Pelo secretario.
ALFANPEGA
;-o Itm.'n! > do dia 1 ,
dem do dia 3 .
3*:7i3*VJ0Q
57:210*205
109:9235714
Tasso InnSo 4 C. Vidres 38 caixas* S. Leit n 4
Coimhra. 4 a M. S. Parias, 31a 0*to libres. Vel-
las 30 a l'ureira da Cunta 4 Irralo.*
Exuna itigleza New Boy, viuda de Liverpool,.
eostgnada a Joknston Pater & ., manifestou:
Aduellas 43 atados a Johnson Pater 4 C.
Barbante 1 ctis* a S. P. Jolinstou. Barrilha 50
barris a Santos 4 Araujo.
Chumbo 210 barris. Dito em lencol S caixas.
Canos 42 atados. Carvao W toneladas'* 8. P.
Jobnston, 28 ordem. Cerveja 50 caixas a The*
mar Jefferies, 70 barris a Costa Amorim. Couro 1
caixa a Sha* Hukes 4 C. Cutilaria 3 caixas a S.
1\ Johnston.
Fenagem 2 caixas ordem, 10 a Shaw Huafcs
4 C, 14 a.S. P. Johnston. Ferro 705 barras. Flai-
dres o ennbetes ao mesmo.
Louca 17 a Saunders Brothers 4 C, 99 gigos *]
ordem.
Machinas 1 caixa a Shaw Huakes 4 C. i a
Johnston. Mercadorias diversas 2 caixas a
Bastos.
leo de linhaea 20 barris a Joao S. Ramos.
Ps 90 atados a S. 1. Johnston. Papel 3 caixas
a Magalhaes 4 Irmo. Pregos i barris i ordem.
Renda 1 caixa a D. T. Basto.
Trem de cozinha 102 volumes a S. P. Johns-
ton.
Vidro22 caixas a Sbaw Huakes 4 C, 3 a Joa-
qun A. Pcreira 4 C.
IS.P.
D. T.
Patacho inglez Minsie Bhuce, viudo de Terra
Voiio, cniisignado a Johnston Pater A C, mani-
festou :
Bacalliu 3,134 barricas aos consignatarios.
Patacho inglez Solmoo, viudo de Harbour Grace,
consignado a Saunders Brothers 4 C, mmtifet-
tou :
Bae-iliao 3.620 barricas aos consignatarios.
DE4PACH S DE EXPOItTACAO NO DI A 1 DE
MARCO DE 1873
Pura os partos do exterior
No vapor inglez Chrysolite, para Liverpool,
carregaram : M. Lathan 4 C. 209 saccas com
14.802 1|2 kilos de algodio.
No navio allemao Le mor, para o Canal, enr-
regaram : Keller & C. 20 saccas com 1,403 kilos
de algndo.
- Na barca franceza Gmnville, para Civer-
r>ol. carregou : T. Freres 208 saccas com 17,691
ilos de algodio.
No patacho brasileiro S. Luiz, para o Havre,
carregaram : Keller* C. 278 saccas con 17,203
kilos de algodo.
:\i galera portugueza Asia, para o i'orto,
carregou : H. J. da Costa Sobrin o 1,000 saceos
con 73,000 kilos de assucar mascavado.
Na barea portugueza Triumplio, para o Por-
to, carregou : 11. J. da Costa Sobrio lio 10 pran-
choes de aniarello.
Na barca portugueza Luzitanut, para Lis-
boa, carregou : J. dos Santos Silva 13 barris com
,I00 litros de uel.
Na barca portugueza Alexandre Hercula'no,
para Lisboa, carregaram,: Amorim Irmos 4 C.
1,500 saceos om 112,SjO kilos de assucar masca-
vado.
Na barca allem Luiz, para New-York. car-
regaram : Amorim Irmos 4 C. 3,000 saceos
com 375,000 kilos de assucar mascavado.
No brigne allemSo J. II. Espiuij, i ara New-
York. carregaram : P. Carne ro 4 C. 1,250 saceos
com 93,750 ki os de assucar mascavado.
No pitadlo brasileiro Bom Jess, para o Rio
a Prata, carregou : A. Bastos, 50 barricas com
5,9:10 kilos de assucar branco.
Vara os parios do interior
Para o Para, no navio portogiiez Ambella,
carregaram : A. O. Leile 400(2 barricas com
28,992 kilos de assucar branco ; B. Oliveira & C.
60 volumes com 2,163 ditos de dito.
Para o Aracaty. no niate brasileiro Grar.ktsi,
carregaram : G. de'Mattos Irmos 6 barris com
576 litros de inei.
Para Mamanguape, na barcada Flor de Ma-
rn, carregou : A. 6. Gomes 1 barrica com 70
kilos de assucar branco.
------O procurador fiscal da thesourana provincial o> Perminfeiien, declara os eortribain-
tes do imposto de 20 por ceuto i cargo do consulado provincial, do exerncio do 1871 1873, que
Ihes fica mareado o prazo jnproregavel de 30 dias, acontar da pnblicacie deste, a con
formidade ja le n. 8t{itrt.<53, para solicitaren! desta seres as rospettiv guias anrii de
recolherem fens dbitos, provenientes do mesmo Imposto, certos de que nao pa.|ftmdo dentro des*.-
prazo, procr-se-ha a cobranca judicialmente, fasendo publicar para isto a retseio do devedors
abaixo transcripta.
Seccao do contencioso provincial ds Pernambuco, 1* d maree de 1879.
O procurador liscal,
Cypriano Ftnehn fnedes AicOfmao.
Relacao dos devedores do imposto de vinte por oento sobre diversos, estabeieetnsntos que deixaram
de pagar sens deWtes no oxercicio de 187l- 1872.
,sil!> ]
a

4
I
!

Silr

- Para Villa da Penha, na barca; Cidudc. carregaram : J. T. Cordeiro & ricas cun 223 kilos de assucar braaco. CAPATAZIA DA ALFANDF.G. ttendimento do dia 1 dem do dia 3 . a Mstica :. 3t) bar-418^580 4544843
87354*!
VOLUMES SAIIIDOS No dia 1....... Fruncir porta no dia 3 Segunda porta..... Tercelra porta..... Trapiche Gonceicio . 7.594 222 32 167 25
/ 10,040
SER VICO MARTIMO
Alvtrc.'igas descarregadas no trapiche
da abandera no dia t
Ditas ditas no dia 3 .
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas ........
No trapiche Conceicio.....
33*
11
Desearregam boje V de mareo de 1873
'. irhO allenvloC'rt//(/Wrtfivarios eneros pan
o trapicne Conceico. para desp ichar.
igar alle.ino Alfred varios gneros para o
trapiche Conceico, para despachar.
(Urea inglesa Empresa' varos gneros para o
trapiche Conceico, para despachar.
Barca inglesa Ahcone varios gneros pora o
trapiche Conceieio, para despachar.
Rrinie inglez Mari/ baMiho ja despachado
para o trapicne Conceico.
Escuna ugle?aA>*/ merca lorias para al-
fandega.
Patacho allemaollorisontmercadorias dar al-
l'ainlega.
d-atacho inglez Minnic Brucebacallao ja des-
pachado para o trapiclie Conceigio.
lio itiliano Macgheritit varios gneros
para o trapieh" Conceii\ao, para despa-
char.
i franceza-Vigam leno-: para o trapiche
Conceicio. para despachar.
Patacho inglezSota rio lueallio j despachado
para o .ijpjsu Coneeieio.
l!lljli"l*t.;*il.
I *'.ic/io nllemao ('.thxiiina, cindo deHam'nugo.
muignodo a 'fiomu~ d>: ttjiiw FonsecaS9neces-
maiiifcstou:
Vleatrio 23 barris a P. reir da Cunta & Irmao
Agulbas 2 caixas a S l.eitao i Coimbra.
Botes 3 caixas. Roneras 1 caixa. Brinqnedos
2 caixas a Si Lsitan v Coimbra. Brinzoes i2 far-
il.w n Izidoro Bastos, s a Sa Leitlo 4 Coimura.
Cevadinha 25 garrafoes a Joao F. dos Santos J-
nior. Cognac 3 caixas a B. A. Rarboza. Cham-
piiihe JU caixas ai mesmo. Chapeo 7 caixas a
lia 4 Manta. Cadeiras 6 caixas ordem, 7 a
Leitfio 4 Coimbra. Ditas de vime 2 caixas a
tauzaeS&sYC Carro 8 toneladas-_ aos consig-
natarios. Calcados 1 caixa a Si l.eitao 4 i oira-
bra.
Drogas caixa a Ferreira 4 C Dedaes 1 caixa
i S Leitao 4 Coimhra.
Espoletas t caixa a Wdd 4 C. 1 J. R. e
i, iva.
Tita 1 caixa a Paria k irmao. Ferragem 2 cai-
xas a S Leitio 4 (timbra.:! a S. P. Johnston, 26
Farinha
Fazenda-
RECEBEDORIA DE
RAES DE
Rendimento do dia 1
dem do dia 3 .
GE
RENDAS INTERNAS
PERNAMBUCO
... 2:0053906
. 4:2884322
6:29442i8
'CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do da
dem di dia 3 ,
1
6:46747:11)
6:5384788
13:09645i8
MOViWEHTO M WRT
Marques de-Oiida n. 47.Antonio'tiiiies da Cunta e
va, loja 4 fawndas
Bom Jess u. 28.Andr Barbosa Soaro. taverna
Bispo ardinha n. 3.AnSonio ignaeio Marti, loja de mo-
bilia
Mariz e Barros u. 4. -Antonio Jos Alves, taverna
Amorim n. 17.Antonio Mata de -ouza. dita
Moeda n. 39. -Antonio Alves de Miranda Sobrinbo, arma-
zeui de gneros
Madre de Beus 1S. Antonio Feraande Velloso 4 So-
brinbo, loja de lazeudas
Imperador n. 37.Antonio Jos Pereira da Conha, arma-
zem dCilourn
Marsilio Diasi^ 141. -i) mesmo,. taverna
DomiHgos Jos- Martins it 13. Antonio Pereira dos Santos,
Jua
Imperador n. 63.-Antonio Jos dos Res, loja dehahs
Caes Vinte Dous de Novembro' n. E. o mesmo, loja de
(Mn
Imperador n. 67Atuenio Domingues Ferreira, loja de li-
vros
Duque de Carias n. 44.Antonio Oclaviana de Soza, loja
de fazendas
Dita n. 56. Antonio de Sonza Oliveira, dita
Cahug n. 2 C Antonio Domingues Lima, loja de miudezas
Victoria n. 6.--Antonio dos Santos Oliveira, loja de ferra-
gens
Dita u. 20. Almeida.4 VTanna, dita
itan. 36. Armmio 4 C, loja de chapeos
Dita n. 31 A.Adelaide Sdliapp, dita
Travessa da Matriz n. 2.Antonio Joaquim Panasco, ser-
gnein
Becco do Calabouro n. 40.Antonio Elsy Rodrigues da
S Iva, confeitaria
Viscondo de Inhadm. n. 77.Antonio JosjdeSoaza Barcel-
los, taverna
Travessa da Praia n. 7.-Andr Cordeiro Coelho Cintra.
armazem de carne
Pedro Affonso n. 28. Antonio Jacintho Cesar, dito
Dito n. 58. Antonio Jos Correia, dito
Dita n. 5 -Antonio Vasconeeflos Algonez Cabrak dito
Nova da Praia n. 26.intonio Anselmo d Souza Gualber-
to, armazem de algodio
Marsiho Dias n. 50. Antonio Pedro Gomes, loja de fazendas
Dita n. 13.- Antonio do Nasdmento Borgcs, loja de cha-
pos
Dita n. 17.Antonio Jos Marques Gomes, deposito
Dia n. 33.Antonio'Jo de Campos 41.., taverna
Marones do Ilerval n. 96i -Abel de Rocha Pereira, dita
Vidal de Negreiros n. 4.Antonio Pinto Lapa, dita
Dita n. 21. Amorim A c-ouza, dita
Nova de Sania Rit n. 37.-Antonio Dias da Silva LardeaI.
armazem de madeiras
I ita n. 43.Antonio Cesar'Marroqnim, d ta
Imperial n. H>2.-Antonio Joaquim Tertuliano de Mello, ta-
verna
Dita n. 158.Antonio da Silva Netto, dita
Dita n. 262. Antonio de Miranda Caslello-Branco, dita
Cabanga n. 74. -Antonio Mureira d Miranda, algadeira
Imperatriz n. 33. Antonio Cesario Moreira Dias, loja de
tlandres
Dita n 67. -Antonio Joaquim de Sanl'Anna, loja dejoias
Visconde de Pelotas n. 3.-Antonio Ignacio Brandao, re-
finaria
Conde da Boa-Vista n. 9.Antonio Augusto de Azevedo, ta-
verna
Dita n. 67.Antonio Gomes de Mendouea, dita
Conquista n, 1.Antonio Tavares Nogueira. dita
2* beecoda travessa do Principe n. 9. -Antonio Jos de Sou-
za Carvalho, dita
Direita n. 80.Antonio Joaquim Lopes de Carvalho, dita
Poco n. 20.-Antonio Caetano T.
H
Vigario Tenorio n. 18.Barboza 4 Primo, armasen, de g-
neros
Moeda n. 47. Bernardo Jos de Oliveira, armazem de al-
godiO
.Madre de Deus n. 32. Bernardino Alves Barboza. arma-
zem de gneros
Domingos Jos Martins n. 104Bonrgard 4 Parias,deposito
Dita n. 126.-Barboza 4 >'.., dito
Bttrio do Triumpho n. 86.Bibiano Jos dos Reis, dito
Livramenlo n. 19.-Baltasar Pinto de Gouveia. loja d>-
Cidrmlo
Pedro AUonson. 21.Bento da Silva Rosas, armazem de
carne
Dita n. 47.Beiro fe Primo, p daria
Marques do Ilerval n. 7.Belehior dos Res Gomes, arina-
zem de miudezas
Visconde Govanna n. 99.Bernardo Feruandes, padaria
I39JW0O"
33QCO
rW4CO0.
48WW8-
4800
8M
mwm
80*000
itoiW
mtsm
tl2i)400D
160080
oitieo
484000
724000
603000
MM
24*000
48J0W
IKOOOO
48*0
4000i
604000
48*r>00
I i'4UI
48JMI0O
-441.01
484000
803000
604000
28**0
33480*
194200
0*000
80*000
4O4O0O
72*000
48QOO
384MH)
24,5000
9*600
19*200
12*000
604006
60*000
60*000
59*869
48*000
l_'''U.O
O-5C00
1-04090
tCSieCO
72*060
40*000
WSflO***'
*4W
, 54400
' 3*600
I 34600
34024.
94000
48320
4*320
4*120.
7.20O
3*400
14IV00
732011
10*800
10*800
10*8011
14*40i
34409 '
4*320
64480
5*400
3*888
24*60
4*320
94WJ0
420
346U0
SiHO
44329
ln*800
4*3-0
2*100.
44320
7*200
5*400
2*592
3*024
1*728
5*400
74200'
3*c0o
6*480
432d
3?45
2*160
4864
1*728
13080
53*00
3*400
.400
4*732
44320
10*800
9*100
9*690
9*720
6*480
3*6i;%
1WJ800
654400
654490
43*600
43*600
36*624
109*000
1044440
523310
132*600
434000
174*400
87**00
130*800-
130*800-
1.10*800
174*400
65*400
52*320
78*480
654400
473088
26*160
2*340
119*00
32*30
43*600
65*400
52*321
i:W4800
32*320
26*160
52*349
874200
63*40*
31*392
36*623
20*928
65*410
87*200
43*0#U
78*480
521380
4t*8.'6
26*160.
16*464
20*928
13*l'80
6544CC
65*400
6;*400
57*532
52*329
130*8 JO
655400
101*000
117*720
783480
43*600
inglez So-
Savio entrado no dia 2 d larde.
Terra Nova29 dias, patacho inglez Min-
m>, de 186 toneladas, capito Searle,
equipagem 9, carga 3,13 barricas com
bacatho ; a Johnston Pater & C.
Navio entrado no da 3.
Habr-Grace2) Jias, patacho
lario, de 219 toneladas, capito Manoel
I.co;l. equipagem 8, carga 3,020 barricas
com bacalho : a Saunders Brothers
C
Varios saltillosiw mesmo dia.
Barbades-Brifile inglez Jura, capito
Henn Waltors, em lastro de areia.
CanalPatacho allemao Eleonore, capitn
Shrnels, carga assucar.
*S. I .L_-'
1 l%renU! Viann & C, 1 a J. A. Araujo.
tk 'rigo 528 barricas "s con si malarios,
le l 1 caixa a Keller A
Genebra 100 caixas a B. A. Barboza, 800 a Tas-,
-4 irmao eYC, .00 a Pereira Cunha 4 Irmo.
Machinas 11 a V. Proal. Miudezas! caixa a
D. T. Bastos. Mraadarks diversas 3 caixas a
..SeSjai e S ft C, 4 a D. P. WiW & C. Movis 6
miras a M. S. Paria o: 1.
Objectosde vidros 1 caixa \ M. J. M. N'eves, 2 a
31. S. Paria A C. Dito de barro I caixa a ordem,
6 a S. Lift. A Coimhra, 2 a Ferreira Monteir.,
Diui deltorracha 1 balsa ao mesmo.
Phosphoros 20 caixas i ordem, 10 a Pereira Cu-
/ilia 4 Irmao, 10 a Izidoro Bastos. Perfumaras
1" caixas a J. A: Arando, r a B. T. Bastos, 1 or-
<*-m. Pinho-16 prancU.es ao con-ignalarie. Papel
f> fardos a fi. A. Barboza, 420 a Pereira Cunha A
rrSol20i Tasso Irmo \ Pimenta 20 saceos
a*W#Rrt tunh A Irmao. Pistolas 1 caixa a S.
Lailao A Gwinlira.
Sag 23 Rarra/oe a Joao P>rreira dos Santas
Juiior. Sacca-ouvidus 1 caixa a S. Leitao A
'fShflnbra.
fliesouns 1 eaixs, a S.l/^. a Coimbra. Ton-
cas de l 1 caixa a- PanVA irmao.
Yiuho 10 barris a J. F. dos bantos, 30 caixas a
fcTAES,
Manpiez de Onda n. 40 A. -Cunha A Manta, armazem de
miudezas
Gommcrcio u. 6. Carroll A C., deposito
Bispo Sardinha 11. 6.Cunha A Irmos. dito
Madre de Bous n. 34. O mesmo, armazem de recolher
Companhia Pernarnbucana ns. 14, 16 e 18.Companhia
Pemambuctma. dito
Visconde de Itaparica n. 23.-( rauer Frey A C, armazem
de f.izuudas
Pfimeirode Man.-o n. 6.Costa Miia A C, loja de chapeos
Cabug n. 1 B.Custodio Antonio Guimaraes A C, loja
de miudezas
Baro da Victoria n. 61.-Custodio Jos Pereira, taverna
Livramento n. 10. Carne'iro Tavares A C, ioja de fa-
zendas
Visconde de Inbauma n. 26." Custodio de Pinho Porto. lo-
ja de tlandres
Pedro Allonso n. 37.-Custodio de PinhoPeixoto,dita
Imperial n. 198.-Cnpos A Martins. taverna
Dita 11. 2W.-Claudio Dubeaux. deposito
Visconde de Inhama n. 38. Candido Jos Bodrijrucs Li-
ma, loja de louca
D
Vigario Tenorio n 21.-Domingos Alves MatUe-os, arma-
zem de gneros
Travessa do Campello n. 1.-Domingos Ribeiro de Olivei-
ra, loja de tlandres
Marsilio Dias 11. 133- Dyonisio Hylario Lopes, loja de
eera
Santa Cruz 11. 74.Domingos Alves Gomes, taverna
Lima n. 2.Delsuc Hyppolito, dita
M
Maniuei de Olinda n. 9 A.-Eslevo da Cuulia Mdeiros,
arma em de miude-as
Companhia Pernarnbucana n. 24.-Eduardo Siqucirar, ar-
mazem de recolher
Pedro Affonso n, 42.Edaar Jo Marques Monteir A Filho.
armazem d caroe
Vidal de .Negreiros n. 19 Eugenio Jos Pinto, loja de
tlandres .
F .1
Barreto de Menezes 11.2.Freitas A Mtrttos, taverna
Madre de Deus 11. 8 A.Ferraz A Pereira, artnazeni o>
- 'i
40*600
0(1.5 -i-o
60*000
109*000
3*600
5*400
5*400
9*009
1:000*000 904*X
oostwo
200*000
2904000
120.4000
1205000
6'i*f00
48*000
48*000
30*000
33*600
9*000
18*000
18*000
l*800
'.3*000
65*400
lTiio;
1;090*000
K-940C0
218*090
218*000
130*800
10*890 130*800
55400
4*320
4*320
2*700
3*024
653400
52*2'i
32*3:0
32*700
36*624
Domingos Jos Martins n. 138 A.-*Ilereulano de Hollanda
CaValcante, armazem de couros
Pedro Affonso n. 61. Hemeterio Jos Velloso da Silveira,
arj azem de carne
I
Arco da Conceico n. 4.Ignacio Pedro Neves, loja de
frzenda
Payssand.-Isae Aliba, |iadaria "
Bora Jess n. 6.Jennes Ryder A C. loja de fazenda
Dila n. 8.-0 mesmo, deposito
Dita n. 8.-J. Cramer, aloiazem de fazenda
Couimereio n. 34. -Jos Joaqun da Costo Maia, arma-
zem de gneros
Largo do Corpo Santo n. 4. Joao Francisco de Carva-
lho, taverna
Dito ns. 5 e 7. Johnston Pater A C, armazem de fa-
zendas
Dito n. 9.--0 mesmo, dita
Visconde de Itaparica n. 37. O mesmo, deposito
Hidm de Soza n. I. -Jos Dias da Cunha, taverna
Yigario Tenorio n. 12.Joaquim AntonioGonca!ves de Sou-
za, dita
Dffan. 11.-Josdo RegoBorges A C, dita
Dita u. 23.-0 mesmo, deposito
Barcet Menejesa. 4.Joao Chrysostomo Goncalves Bom,
dito
Mariz e Barros u. 16.Jos de Souza Pereira, loja de cal-
cado
J^Iiavessa'da Madre do Deus a. a.Jos Joaquim Peixoto,
taverna
^ita i. 7. Jos Marcelino da Rosa, armazem de gneros
Xmo'rim n. 5.Joao Macedo do Amara!, dito
Companhia Pernarnbucana n. 30. Jesuinu dos Santos Fra-
goso, armazem de algodo
Largo da iissemblua u. 4.Jos Fraucisco do Bego Mello,
dito
Maria Cesar n. 14.-Joao Jos Mondes, loja de mobilia
Imperador n. 415. Joo Maria Cordeiro Lima, loja de
louca
Duque de Caxias n. 30.-Jayme Bate Gomes da Silva, lo-
ja de perlino.iras
Travessa das Cruzes n. 8.Jos do Reg Pacheco, ta-
verna
Cabug n. 12.-Jos Antonio de Suiza Machado, loja de
miudezas
Barfto da Victoria n. 14.Jos Francisco Moreira, loja de
fazendas
Dita u. 55. -.arome Bonamie, deposito
Dita 65. Joo Remigio de AJuuuucrque, loja de fazendas
Tiincheiras n. 1. Julio Adolpho de Souza J C, larta-
rugueiro
Larga do Rosario n, 24A.Jos Joaquim Goncalves de Bar-
ros, loja de joias
Estreitado Rosario n. 18.-Jos Joaquim da Costa Maciel,
taverna
Dita 11. 20. -Joo Pereira da Silva, loja de mobilia
Santo Amaro n. 1. Joaquim de Souza Barbosa, loja de
cigarros
Gamboa do Carino n. 12. Joo Goncalves Lucas Lisboa,
loja de mobilia
Largo do Carmo n. 39.Joaquim de Campos Liui.i, ta-
verna
Livramento u. 39.--Joaquiu Silverio de Souza, loja de
fazenda
Visconde de Inhauma n. 23.--Josephe Boudaux, loja de
chapeos
Dita n. 41.-Joaquim da Costa Andrade & C, taverna
Travessa flo Arsenal n. 13.--Jos de Souza Barreiro A C,
armazem de carne
Pedro Aliono 11. 70.-Joo Domingos Alves Moreira, dito
Dita n. 13 e l5.--Jos Bom c Silva, dito
Dito n. 17.Jos Luiz Ferreira da Costa, dito
Marcilio Das 11. 45.-J. II. de Souza, loja de fazenda
Dita n. 9i.--Jos Martins da Silva Borges, taverna
Dita n. 930 mesmo, loja de charutos
Dita 11. 70.--Joaqui:-:i Antones da Silva, taverna
Largo de S. Pedro 11.1.Joaquim da Silva Lopes, taverna
Manpiez de Ilerval n. 31.Joaquim Pinto da Rocha, arma-
zeni de inateriaes
Vidal de Negreiros n. 24.Joaquim Ribeiro de Albuquer-
que, loja de charuto
Dita n. 32.-Joaquim Felippe da Vega, deposito
Santa Cecilia 11. 27. -Joaquioi da Costa Amorim, taverna
Novado Santa Ritan. 17.-Joo Ferreira Coelho, arma*
zeni de madeira
Pescadores ns. 1 e 3. -Jos Goncalves llespanhol, padaria
Imperial n. 180. Joaquim da Silva Neto, taverna
Dito n. 182.-Jos Eugenio Ferreira Lima, padaria
Dita n. 127.-Joaquim Antonio dv Vaseoncellos, taverna
Cabui-' n. 12.Jos Francisco de Souza Lima, salgadeira
Imperaiz n. 70.-Jos Maternus de Azevedo, loja de miu-
dezas
Dita n. 13 A.Joequim Bezerra Pessoa A C, loja de fa-
zenda
Dita n. 63 A.-Jos I. de Mello,-loja de charutos
l'raca do Conde d'Eu n. 4. -Jos Alves Lima, taverna
Dita 11. 4.O mesmo. dito
Dita D. 3.Joo Jos de Magalhaes. loja de charutos
Visconde de Albuquerque 11. 54.-Jos Carpinteiro da Sil-
va, taverna
Principe n. 12 A.-Jos Correa de Brita dita
Travessa do Principe 11. 10 A.-Jos Marques de Souza
Contmh, dila
Visconde de Govanna n. 10. -Jos Dnnrto Rosa, dila
"" '~'K"\C :'- -0o d,. Mattos. dita
Dita n. 147. -Joaquim Correa do. sai,. ,,;,;,
Paulino Cmara 11. 32.Jos Domingues Pereira. dita
Tamarhteira n. 1.Jos Gomes A.
Capnnga n. 33.-Julio Cesar V. de Amorim. dita
Ventura n. 4.- Jos Rodrigues do Nascimento, dita
Pernaiiiliucana n. 14.Joaipiim Jos Dias Pereira
llellm n. 3 B. Jo^ Dativo dos Passos Bastos, dito
Direita n. 66. Justino Teixeira de Motira, padaria
S. Miguel n. 82.-Juvencio de Carvalho, taverna
Dito n. 148.Jos Marinho de Hollanda Paleto, dita
Marcilio Dias n. 71.Jos Thomaz de Aquiuo, loja de (lan-
dres .
Visconde de Inhauma n. 36.Jos Ignacio do Lspinto
Santo, dita
Seccao do contencioso provincia
60*000 5*4.0 65**00
80*000 7*200 87*200
284800 24*000 24592 25160 31*302 26*160
2004000 220*000 200*000 18*000 19*800 184009 457IIOO 2180on
200*00!) 18*000 2184000
80*000 7*200 87*
120*000 i 29*i. 00 48*0011 80*000 10*800 10*800 4*20 7*200 3l392i 87*200
8<)*009 60M.30 80*900 7*200 3*4i:0 7*200 87*200 132*6.90
4O*0l iO 3*600 43*!CO
30*000 2*700 31*700
904000 60*000 404000 8*100 5*400 3*fl0P 98*100 654400 43*600
304000 24700 3?370t>
804000 24*000 7*200 2*160 S7**)7 26*160
80*000 7*20. 87*200
190*100 BJM Mijjm
69*000 5*400 65*400
84*000 7*560 91*560
200*000 72*iOl 00*000 18*000 6*48(1 9*000 218*001 78*480 109*000
36*000 3*240 39*240
100*000 9*100 109*000
80*000 36*000 74208 .1*240 87*200 39*240
24*000 21160 26*100
40*000 3*600 43*601
48*000 44320 52*320
100*000 943 109*000
304000 60*000 2*700 5*400 32*700 63*400
60*000 69*000 180*000 tiO*noo 40*000 40*000 60*000 46500U 60*000 5*400 5*400 16*200 5fii.-ni 35600 3*6i 0 5440o U14U 5*400 63*400 65*400 196*200 65*4 60*000 54*000 65*000
33*600 40*0* Ni 39*000 3*024 3*600 2*700 36*624 4:i*00i 32*700
60*000 100*000 48*000 40*000 '10*000 24*000 5*400 9*000 4*320 3*090 3*u0 *lf.0 63*400 1004000 52*3o 4"t:M0'l 3*tlMI 2*10
60*900 5*400 f5*ii>"
80*000 80*000 61' 000 60*000 30*000 7*200 5*400 2*700 e^*90d 87*2 |:io*mh) 3257IKI
.,.000 30*000 7*200 i 700 874200 325700
20*000 30*000 48*060 26*400 36*0 0 18*410 28*800 20* 124000 1*080 1350M
405COO 3*600 UfOOO
de Pernambnco, 1" de marco de 1873.
O l'offlcial.
Horacio Walfrido Peregrino da S/Iru.
I Continai
O lllui. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial manda fitzr publico que no dia 13 do*i
crrenle, -parante a junta de fazenda da mesroa
thesouraria se ha de arrematar a quem por menos
fizer. o fornecimento de alimenufo e dieta aos
presos pobres da casa de detencao, no trimestre
de abril a jnntao prximo vrndouro, servindo de
base arreinatoco os precos das tabellas abaixo
transcriptos. -
Ahnoc,o e jantoi
Domina
Segunaa-feira
Terc.a-feira
Quarta-feira
Ouin-feira
Sexta-Mira
Sabbado
Dietas
N. 1 380
S. t 400
M. 3 640
N. I 400
N.3 VW
Sera tombem fprnecida eeias aos ditos presos
naaie-ini1 proporc&o do filmoco e na imporlan-
ciade'24 -rtls. fc
Secretaria- .da Siesourarta provincial de Per-
nmimen,"'1" de marcj de 18,73.
O olcial-maior
M. ,1, Frrrcii.
380
380
ato
360
s
805000
40*U00
60*000'
605000
U 04000
36*000
60*000
:(8*000
604000
"Jtl*
60*000
7*200
3*690
^*i00
55 '00
9*i 00
Pela surJdekgaria do districlode N. S. da'
Graca foi apprhftnido um cavailo sellado e en-
freiil* ? qnern for seu don.) ju*tilcando-e ser
eit*^*
0 subdelegado snppleote
A. J. Gonjalves Bessa.
gneros
Dito n. 3o A.Fredcrico Pinto loja de fazendas
Imperador n. 39. Francisco Maia Cortes, loja di |uuea
Duque de Caxias n. 2.-Francisco de Souza ?rtus. loja
de fazendas >f I '
Dita n 60.-Flix Pereira &* Santos, dita ,
Estreita do Rosario n. 16.Fabiano Jos do Monte; Toja de
calcado ,
Visconde de 'InJiama |n. 4. Fratesen Rfcrafc, loja de
laura
Dita n. 53. Francisco Joaquim Correia Estivos, taverna
JUrsilio Das n. 6.-Fernanies A Pereira
Dito h. 74. -Francisco de Araujo.Cesar, dita
Piiiia n. 37. Francisco Joaquim Pimeutel Poreifa, dita
Vidal de Negreiros n. 147. Francisco Jos de Campos
Pamplona, padaria
Afllictos n. .-Francisco de Lsnios"Ferreira dos Sfintos.
taverna .
Imperial h. 148.Francisco Bandeira. de Mell, taverna
Imperatriz n. 20.Paria & Lessa, loja de fazriddas, *
Conde da Boa:Vista n, 32.-Firnnno Marijfles de Susa
i'outinlio. taverna
Dita n. 65. Franrsco Gncjves Ferreira, Arta I
I'ita n. 85.-Franclsco Jos da Costa < Silva, dia
S. Goncalo n. 27. Francisco Paulido Ldpes 4 Almeida.
dfta
fe
Amorim n. .l.-Goimaraes-oVAlcoforad, armazem de g-
neros
Dita n. 49.O mesmo, dita
Imperador n. 14. Gfclraerme Jos Ferreira, taverna
Dita n. 88,G. Rifosse; deposita
Primeiro de Mareo n. 9.-6. !)'LaillKHr.4te'*e hvT0S,
Dn^ue de Caxtss n. 88 A. 8oe* \Basfcssi foja- de fa-
zendas
Pedro Altenso-n. 43-Genai^Jos* d*' tto3fc-4t*erna
Santo Hita n, 83. O mesme* retraaria
Fundicao n. 7.- Gad^oeta;Jos-Antonio Pastar.1 taverr
60*000
50*000
4SA0UO
48*600
11-0*000
:8*4tiO
48*tU)0
50*000
60*tr.'.>
60*000
48*000
6fj*000
9)600
W00t>
100*000
14*400
24*000
24*000
SO*liO
fcur>
3*240
5*400
3*240
54400
5*400
IHfi
5*400
iJJWO
4432.
4*320
9*000
3*456
4*320
44500
5|40t
5*400
4*8*
3*400
4864
*0
9*OoO
1*276
2*160
2*160
2*700
1
:i80*60
^
emca u. -Gomes A Irmo
*i.t--
48*000
40*000
3*600
8*154
54616
16*200
34*290
7*200
5*400
'&**>
4*320
:|*600
87*209
435600
6S*B00
65*400
109*000
39*240
6044OOI
394240
654400
65*400
65*100
54*500
52*:i20
52*320
109*000
41*865
5t*32
54*300
6M00
63*410
.r*3i0
63*400
10*404,
264160
109*000
15*876"
20*160
26*160
:t2*700
142*134
68*1)16
196*
414*
87|0
1304*0,
52*3!'
43*61
Faculdade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director in-
terino faco publico que a congregaran em sessao
do 1" do'corrente dislribuio e regulouo servieo
das aulas desta laculdade, que comecarao a func-
cionar no dia 15 do cnenle, pelo modo se-
guinte :
Io anuo.
1- cadeira, Dr. Figueiredo, de meio dia a 1 ho-
ra, na I' sala ; 21 cadeira, Dr. Pinto Jnior, das
11 horas ao meio dia, na 1" sala.
2o anno.
! cadeira. Dr. Graciliano Baplista, das 9 ;is 10,
na # sala ; 2* cadeira, Dr. Bandeira Filho, das
8 as 9, na 3* sala.
3- anno.
Drummond, das 8 as 9, na 4'
l1 cadeira,
sala.
2- cadeira.
na 4" sala.
1- cadeira,
2- sala.
2' cadeirs.
Dr.
Dr. Coelho Rodrigues, das 9 s 10,
4 anno.
Dr. Pinto Pessoa, das 10 as II.
na
Dr. P01 tella, das 9 as 10. na 21 sala.
5" anno.
sala.
Secretaria
3 de marco
la TaciHdade de Direito do Recife.
de 4893
O secretario,
Jos Honorio Bezerra de Menezes.

O Dr. Manuel Tertuliauo Thomaz Henriques, juiz
de direito da segunda vara desta comarca do
Recife, por Sua Magestade o Imperador, etc.
Faeb saber, que poto'Exm. presidente do tribu-
mal da reiaeu me foi communirado ter designado
o dia 17 de marco do-corrente anno, pelas 10 horas
da manha, para ter lugar a 2." sessao ordinaria do
jurv. que trabalbar em dias consecutivos ;. e ha-
vendo hoje procedido ao sorteio dos quarenta c
oito jurados, que tem de servir na mesina sessao,
em conformidada do artigo 328 do regalamonto n,
120 de 31 de Janeiro da 1842, forana sorteados e
designados os cidadaos seguintes:
Freg^uezia do Recife.
Jos Guilberine Guimaraes.
Jos Franciscoda Fonceca Galvao.
Manoel dos Santos V iliaca.
Dr. Manoel Francisco Ferreira.
Manoel Jos Goncalves dos Santos.
Frcgucsia de Santo Antonio.
Joaquim Jos do Reg Rangel.
Francisco Marcelino do Amaral-
Antonio de Souza e.Sa.
Virgilio Jos daWotta.
Jos Henriques da Silva.
Dr. Silvino avalcante de Albuquerque.
J. Sobastiao Antonio da Silva Baixa.
Joaquim Ferreira Ramos.
Luiz Cesario do Reg.
Antonio Jos Pereira de Meudaiica.
Dr. Augusto Carneiro Monteir da Mi va *antos.
de S Barreto.
ros loan de Sonza Correia.
Francisco de Paula e Silva.
Dr. Joao Francisco Teixeira.
Francisco Jos Pinto de Oliveira.
Freguezia de S. los.
Joaquim Jos Ramos
Freguezia da BOa-Vfe-ta.
Miguel Rodrigues de|Figueiredo.
Candido Thomaz Pereira Dutra.
Francisco Ignacio de Medeiros.
Dr. Jos da Silva Braga.
Augusto Pinto de Lemos.
Francisco Augusto de Araujo.
Antonio Ignacio da Silva.
Dr. Joaquim Ferreira Chaves.
Antonio Jos Moreira.
Jos Francisco Franco.
Izidro Jos Pereira.
Joaquim Goncalves Ferreira.
Augusto Ferreira de Oliveira.
Joao Gregorio do< Santos.
Joto Martins dos Ros.
Armio Pessoa de Albuquerque.
Joaquim da Costa Ribeiro.
Freguezia dos Afojsulos.
Dr. Jos Roberto de Moraes e Silva.
Dr. Jos Maria de AH-nquerqne Lima.
Antonio Lopes Rodrigues
Freguezia de MuriUca
Antonio de Carvalho Soares Brandao
Freguezia da Graca.
Felino Benicio Cavalcante de Albuquerque.
Freguezia dolaboatan.
Jos Joaquim de S h arreto.
Dr. Miguel Felippe de Souza Lei.
Freguezia de S. Louren.o.
Jos Correia Lea'.
A todos os quae. e a cada um de per si, oeu
como a todos ein geral, se convida para eompare-
cerem no primeiro andar da casa em que foi ca-
deia na sala do jury, tanto no referido dia e hora,
como nos den.ais dias seguintes, em quanto durar
a sessao, sob as penas da le, se faltareni.
E para que cnejrue a noticia todos, mandei
paaaar o presente editol, que ser lido e aOJxado
nos lugares mais publieos, e publicado pela ini-
prensa. e tombem remeiti-r iguaes aos respectivos
subdelegado para publica-lOs e mandaren Kizer
as natlfeaedes necessarias aos jurados, aos culpa-
dos e s testemunhas que se acbarem em seus di>-
trictos. ,-._.,
Cidade d Recife, 3 de marco de 1873.
En. Florencio Rodrigues de Miranda Franco, es-
crivao do jury, o esorevi.
Manoel Tertuliano Thomaz Hcnrmuc.
O capito Jos Pedro das Neves, juiz de pi mais
votado da freguezia de S. Frei Pedro Gbmrilves
da cidade do Recife. etc.
Faco saber aos senliores eleitores e supplentes
ab;uxo declarados, que tendo o Exm. presiden*"
da provincia, por oflcio ftf 12 do mez prox-inio
passado. marcado a primira dominea do moa 9-'
abril 6i p ra funceionar a junta de qnaltti-
cacao desta treguezia, convida-os para que com-
parecam no referido dia pelas 9 horas dama-
nha em o corpo dasta matriz, alim do organi-
zar a mesa que tem de qualiflcar os cidmlaos que
jutearem aptos para serem votantes de contor-
midade com as lets em vigor, ficaodo cortos os


Diario de Pernambuco Terca feira 4 de Marco de 1873.
enhores eWtores e "sapolentes qu nao compa-
roccioui, que'serio multados conforme determina
iM
Eleitorcs,
Capito Jos Pedro Lis Mere?, Pr. Antonio Go-
mes Tavarus, Jos da Silva Luyo Jnior, l'r. An-
tonio Goocalves Ferrara, Bernardo Ferrara Lou-
rearo, Fitevao Jorge Baplisia, capito de fragata
Francisco Romano Siente da Silva, Jnao Mar-
ques Correa, Antonio Jos da Costa, Manocl S-
Uaislo da Costa. Manual tfarqnes de Aeeeu Mr-
lo, Joaqinni Agripmo Furtado de Mendonea, Jos
Podro dos' Santos News, Baltliazar Jos des Res,
Jos Jeronymo de Albuquerque Maranho, Joo
Antonio da Costa Morara, Joaquim Anastacio da
Cunta, Manoel Francisco Marques, Manoel do
Jiaseimento Araujo, Joo Francisco Pardelhas, An-
tonio Rufino de Andr de Luna, padre Miguel Vici-
ra de Barros Marreea.
Supplentes.
Capitulino Goacalves Lcssa, Artonio Francisco
das Neves, Manoel Joaquim da Silva Rios, Joa-
qnim Mauricio I.ins, Pedro Jos de Siqueira,
Eduardo Duarte Rodrigues, Jos Pedro Yaz de
Oliveira, Joao Marinho de Araujo, Caetano da
Costa Moreira, Francisco Flix Goncahes, Jos
Luiz Serra Cavalcantn, Manoel Mendos da Cruz
Guimares, Antonio Cardoso Ayres, Joo Fran-
cisco de Carvalho Jnior, Jos joaquim Fernn-
des, Antonio Alves de Souza, Caetano Jos da
Fonte, Manoel Jos da* Foncera Maris, Francisco
Joao Alves, Jos Mara do liego e Albuquerque,
Marcos Francisco de Paula Res, Silvino Anto-
nio Rodrigues, Francisco Kernandes de Mello.
E para constar mandei passar o presente que
.ser atllxado nos lugares u.ais pblicos cesta fre-
quezia, e publicado pela imprensa.
Freguezia de S. Frei Podro Oonralves do Re-
cife, 3 de marco de 1873.
iu, Innoeeneto da Lmma Goyanua, escrivd o
subserevi.
O juiz de paz mais votado,
Jos Pedro das Neves.
x
p.-rte de seu carregamento, e para o restante qne
Ita, trata-se com os seos consignatarios An-
.li- \. vi. de (Mivoira A-ovcdo & C. 10 seu es-
io ra do Bom Jess n. 57, outr'ora ra
u ra.
COMPANHIA PERN'A.VIBUCIM
n
!Vi vesneilo eoNteiro a vnpor.
FEUV.VNOO li NOROSHA.
O \-ripor Contripe, cara-
mandante vilva, seguir para
o porto cima no dia lo 4o
corrente, ao meio dia.
Recebe carga at o dia 9,
encoaimcndas, passagens, e
dinheiro a frete at as 10 horas da maithft do
dia da sabida: escriptorio no Forte do Mattos
n. 11__________________________________
Rio de Janeiro.
Para o indicado porto val descarregar o brigne
nacional fialgo, podendo engajar frete o resto
da carga que ainda Ihe falta : tratar com Fran-
cisco Ribeiro Pinto Guimares, ra do Bario
ro Trinmpho n. 96. ^^^^^^^^
r^CLABACOEt
O Dr. Quintino Jos de Miranda, juiz de d-
reito da prinieira vara do civel, faz saber pelo
presente, que no da a do corrente mez, linda u
audiencia do referido dia. a qual ter lugar na
sala das audiencia, pelas li horas da manila,
tem de ir em praca para ser arrematado por
quem mais der motada do sobrado de um andar
e sotan, sob n. 131, site ra de Jfanilio Dias,
outr'ora ra Direita, com 29 i\i palmos de lar-
gura, dentro, 7."i ditos e i pollegadas de fundo,
de fra a (ora, com 2 salas, 2 quartos, em cada
ama, e na da frente mais um qua' to pequeo,
sotao rou cozinha, imi quarto amala dous w -
no telliado; em o andar terreo, una sala na
frente com duas portas para a na, outra sala da
parte de detras, rom dona quartos, sendo um em
cada sala, quintal murado, com 1-13 palmos de
fundo, tendo de largura no principio do quintal
at o canto de muro da asa do lado do sol 21)
1|2 palmos de largura, e desse canto do muro
au fundo 72 mimos e 6 pollegadas de largura,
wn olaos propros ; no quintal tem alguns ar-
voivdos de tracto, com cacimba meeira ; toda
a casa ae!ia-sc em mo estado, avallada dita me-
lado por quatro contos de ris ; penliorada dita
inetade da casa a Joaquim Valeriano de Olivei
ra Lima, Bernardina Rosa de Oliveira Lima e
Mara l'miielina de Oliveira Lima, por oxecico
de Joao Carnet ro .Machado Ros._____________
Pela thesourana provincial se faz publico
que do dia .') do corrente em diante se pagara nes-
ta repartico os vencimentns dos empregadns pro-
vinciaes relativos ao mez de fevereiro ultimo.
Secretaria da tbesourara provincial de Per-
narabueo, Io de mano de i873.
U oflicial-nr aior,
Miguel Affonso Ferreira.
Lisboa e Porto.
A galera tI.w a sahir em
poucos dias recebe carga afre-
te mais barato do que outro
qualquer navio;tem excel-
lentes accommodaijoes para
passageiros. A tratar com
Tito Livio Soares: ra do Vi-
gario n. 17, Laudar.
m tempes de podra,! ditas de amaren, camas
para e-sal, marqueades, marqueta, solas, com.o-
ios, mesas redondas, cadeiras de balauco, comino-
das, cabidos, mes* para jamar, lavatorios de mog-
no cora pedra e de Jacaranda, 1 toilet de mogno
com peora, guardas-loucas, carteiras, quadros,
candieiros gaz, espedios, camas de ferro, apara-
dices, guarda rouua, e oulros muitos objectos que
nearu patentes no acto do leilo, quarta-feira '>
do corrente mez, no armazem roa do Vlgarw u.
11, s 11 horas do dia cima dito.________
LEILAO
DE
IO
200 pares de botillas- para homens e
pares de sapatos para senhoras.
Quintm-feirm s 10 li2 horas em ponto.
O agente Pinto levar leilo, por conta e risco
de quem pertencer, urna caixa marca P P n. 85,
avarada, a bordo do vapor inglez Crysolite, na
sua ultima.viagem este porto; o leilo ser ef-
fectaado s l 1|2 horas do dia cima (rito, em
seu escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
Por
do
intervencao
criptorio, ra do Bom"Jess n. 4.1.
Pinto, em seue$-
LEILAO
DE
fazendas inglezas
cent aviarla d'a^ua saljrada
CONSTANDO DE:
mailapoles, algodes, chitas, brins (ul-
tras fazendas.
Qulnta-rvira 0 la earreute
AS11H0RASEMP0NT0.J
O agente Pinto levar a leilo, por ordem de di-
versos, por conta e risco de quem pertencer,
ditferentes fazendas inglezas, avariadas a bordo do
vapor Gassendi e outros, as quaes fazendas serio
vendidas em sea escriptorio, ra do Bom Jess n.
43, no da e hora supra. _________
da propriedade nova qlie se acha edificada
rua da l-ernbranc^a do Gomes (Santo
Amaro) que tinha de servir para Asyk)
das Gourudas, coni todos suas perten-
cas e lal qual se ada o de confonnidade
com o aninuici abano transcripto.
SEXTA-FEIRA 7 DO COMIENTE
Ao nielo da.
Por intervencao do agente Pinto.
Ba do Bom-Jesus n. 43.
Monseahor Francisco Muniz lavares, reconhe-
endo que pela sua idade j asss a vaneada, nao
morar na cidade e sobretudo nao sendo o pastor,
a quem especialmente compete por preceito divi-
no andar em busca assidua das ovelhas tresma-
Ihadas e carrega-las sobre seus hombros, nao po-
da administrar por si mesmo o asylo, que s
com o auxi k divino edicou e preparou ; e nc
tendo por fortuna encontrado quem possuido do
espirito de caridade evanglica e zlo apostlico
quizesse assumir es'e piedoso encargo, resolveu
pi'ir m leilo este edificio com tudo quanto nelle
se contera, e o producto da venda depositar im-
mediatamedte em um dos bancos desta cidade,
para depois de sua morte ser repartido em dotes
por aquellas orphs desvalidas que elle indicar
eiq seu codicilo.
Pela tbesourara provincial se faz publico,
que foi transferida para o dia 13 do corrente a
arremataro do imposto de 60 rs. per litro de
agurdente eonsummida na comarc de Xazcreih,
oreada em29(J annuaes.
Secretaria da thesourana provincial do Penan
buco, 1* de marro de 187 s.
I) official maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
ca
quem i."
legaca.
cha-se entregue suhdlegacia de Muri
borrinlio ipie tai tomado a um ladran :
i-:i dono compareea na mesma sulide-
. *r*tos, bu adiada a formaco da
ii< .nao. Tv" .. -,
\n'im ,Koaroclia dos Afogados,
n a :,ores e supplentes para
9,l"<>.....Pnh.MPh.fi horas
dos
Por motivos
junta de ana
.'-sim sao convidados os'!".':','
comparecer! no dia 9 do n.
da manh, na igreja matrihBh^nhora
Afogados. Afogados, 2 de marco de .^-j
O junde paz,
U'twx't Jwiijuim do liego e Attin,,,,,.,.,,,,,,
Correio geral
Rebfo don dos registrado elisenles
naathnluijtrafao dos corre ios tiesta pro-
vincia, para as pessoas abaixo decla-
radas :
A. Carmli, Andr Cassino Pereira, Angelo Jos
da Fonseca Ramos, Amia Isabel da Silva, l)r. An-
tonio Buarque de Gusraao, Dr. Antonio C. A.
Ijns, Antonio D. dos Santos e Silva, Antonio Jos
0. Rcis, Camarina M. dos Praxeres, Delminda Tlie
reza da Silva, Domingos Dias V. e Mello, Erato
Amonio de Souza, Felippe P. Xabueo de Araujo,
Dr. Fiel V. Torres Grangeiro, Francisco Antonio
de Dos e Costa, Francisco de P. Ro?a, Francisco
Ribeiro de 1. e Argollo, P. T. da Bocha Beto; ra,
Gaspar F. de Albuquerque, H. Jos Alves da Sil-
va, Isabel SI. da Conceicio, Julio Alvares T. de
Macedo. Ignacio fiery da Silva Lope. Dr. Joa-
quim A. i.arneiro da ".nnlia .Miranda, Joaquim
Jos de Azevedo, Joaquim Marqus da silva, i*
Amaorio d-> Outpiro', Jos Kl;as de aoora, Jos
Ferreira de Son/.a, Jos Joaquim da Cnnha, los
Lopes Davina, Dr. ) Manoel de Barros \V., Jas
P. de astro Nataieusp, Dr. Joo Antunes Correia
Lins \V., Luyo F. d Souza .Mello, Lnl/. Keller,
Leopoldo dos Santos Freir, Mara'A Vieira da
r.iili.:. w m I.!. d 'I'l ii"s Correia, lleudes &
Carvalho. Mathias C JeAr ojo Maeiel, lir. -Ma-
noel Caldas Barrel i, )r. Manoel Joaquim da Sil-
eira, v.......' Rauos>i Pimen'el, Dr. Raymnndo H.
da Silva? Sm-eriaiii! Ferreira do Souza, Theodoro
Alves i.--
Con riri'iibiico, r de uuuvo de I73.
u nearregad i do registro
A. G. da Siia lianiOf.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir para o porto cima o brigne por-
tuguez Dumo, tem parte de seu carrvgamento
engajado : para o resto que Ihe falta tr-ta-se cora
os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo & C. no seu escriptorio rua do Bom
Jeras n. 57, outr'ora da Cruz.
COMMIA
DAS
IDSSAGERIES MRITIMES.
At o dia 8 do corrente nvz e-pera-se da Eu-
ropa o vapor l'rancez Rio Grande, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condicoes, fretes e passagens, trata-e na
agencia, rua lo Commcrcio n. 9.
LEILOES.
DE
oOcaixas com 300 caixinhas com figos mui-
tos superiores, desembarcadossabbado 1
do corrente.
je
0 agente Pestaa far leilo, por conta e risco
de quem pertencer de 50 caixas com 300 caixi-
nhas com superiores figos, terca-feira 4 do cor-
rente, s 11 horas da manh, no armazem do An-
nes defronte da alfandega.
mercio, a arniaco. lazendas e mais pertencas da
loja de fazendas" da rua do Crespo n. li, perten-
cente massa Eallida de Manoel Jos Monteiro
Torres
(i leilo ter lugar na mesma loja, s 11 horas
do dia cima. '
lona e crvslaes.
ao prata
u onras
\ saber:
I'm piano forte, i mobilia de Jacaranda, candiei-
ros gaz, jarros para flores, quadros e tapetes.
ma cania para casados, 1 lavatorio, para duas
pessoas, i toilet.
Urna mesa de jantar. 1 guarda-louca, 1 appara-
dor, 1 sof, 2 congo os, i cadeiras de bracos,
1 marqoeza, 12 cadeiras, ^ apparolho para cha,
i dito para almor3, copos, clices, garrafas e
compoteiras.
I'm faqueiro de prata, 1 salva, 1 paliteiro, 12
facas e 12 garios linos.
Hoje.
Por intervencao do agente Pinto.
Noprimeiro andar do sobrado da rua da Impe
ratriz n. 80.
O leilo principiar s 10 1/2 horas em ponto.
LEILO
!lje
s 11 horas da nanii.
De urna caixa marca E A R & C. u. 12080, vin-
da pelo navio francez S. Louis, -intendo chapeos
de phantasia para menifia, e grvalas de cores
para senhoras, tud i no estado de avaria, por con-
ta e risco ile quem pertqncir': no seu escriptorio
da rna de Rom Jesu>; n. 53, priir.Wm andar.
*m* r P^
rwfcaTRO
SANTO ANTONIO.
EMPREZA-VICEHTE.
Qzinrta-feira de marco.
Importante espectculo.
1." representaco por esta co panhia, do m g-
nilico e s.;mpre bi-m aceito drama em o actos :
A graca de Deus.
ornado de msica nstrtira-'ntada e ensaiadn pido
maestro (las.
O vistuario novo e a faraeter.
Xo dia do espectculo sera piiii'i-ndo o pro-
i'amiii.-. por eitnMO.
V/SOS MARTIMOS
OHE>.4I%HI4
DE
\lVr:(.A(;S() BR1SILE1RA.
"x^_^ *v Dos portos do su'
flU'^a*^.^ i esperado at o dia
H do torrente o vapor
Par. 0 ijual depois
2 da demora do c stu-
RP me seguj para os do
Borte.
l*ara fretes e passagens, trata-se la agencia, rua
do Commereio o. 8.
i-Mil (i h g
a galera pottugueza Firm<: >, capito Justino Ro-
drigues Cardoso, vai sahir eom brevidade por ter
a maior parte de sen carregamento prompto :
para cargae pasageiros, para os quaes ton c-
?llentes cemmodas, trata-e com K. H. Rabe lo A
Para o Rio Grande do Sui
Para o porto aeima pretende seguir c.m mnita
brevidade a escuna portugoeza Chrisna, tm
w^miiM ^.% 9
DE
38saceos cometa, marn ZA.
Hoje
O agente Pestaa far leilo por eonla e risco
de quem pertencer, de 38 saceos marca Z A com
caf, vindos do Rio de Janeiro no navio Alegra,
consignados pelos Srs. Zenha Araujo Fernandos &
C, do Rio, a Antonio Francisco Corga desta pra-
ca, e sero vendidos hoje s 11 '/j horas da manh,
o armazem. do mesmo Sr Corga, largo da alfan-
dega, defronte do trapiche Conceico.
LEILAO
Loilo
DE
chapeos e fazendas francezas com avaria de
agua doce.
QIINTA-FEIRA 6 DO CORRENTE.
s 10 1]2 horas em ponto.
O agente Pinto levar a lelao, por conta e risco
de quem pertencer, differentes fazendas como se-
jam : algodes, chitas, brins, cambraias, meas,
lencos e chapeos com avaria d'agua doce, as 10
1(2 horas do dia cima dito.
Em seu escriptorio, rua do Rom Jess n. 43.
Principiar s 10 li2 horas.
LEILAO
DE
duas casas terreas rua da Poeira, freguezia
do Poco da Panella.
Qninta-feira do correte
O agente Martins far leilo, requerimento de
Manoel Duarte Rodrigues Pinto, e por mandado
do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commereio, de 2
casas novas sitas rua da Poeira, freguezia do
Poco da Panella, as quaes ainda nao tem numera-
cao, pertencentes ao referido Duarte.
O leilo tera lugar no armazem da rua do Im-
perador n. 18, s 11 horas do dia.
?
LEILAO
DE
predios e terrenos
A SARER :
O sobrado da rua da Imperatriz n. 18.
L'm dito ua rua do Vscondu de Albuquerque n.
Urna casa terrea na mesma rua n. 142.
Fina parte de 4:000 no engenho Regala.
Um terreno (o slo) na rua do Visconde de Albu-
querque, em que est edificada a casa n. ...
Um dito no alintiamento da rua da Aurora, com
100 palmos de frente, e fundo at rua de Luiz
do Reg, em que est edificada urna casa do
Sr. N. I. Lidstone.
Um dito na mesma rua, com 200 palmos de frente,
o fundo al rua de Luiz do Reg, em que tem
casa o mesmo Sr. Lidstone.
Um dito na mesma rua, com 200 palmos de fren-
te, o fundo at rua de Luiz do Reg, em que
tem casa o Sr. Joo .Martins de Barros.
Um dito na mesma rua, com 30 palmos de frente,
o fundo at rua de Luiz do i-ego, em que tem
casa o Sr. Francisco Gomes Saraiva.
Um dito em Santo Amaro das Salinas, com 100
palhios de frente, ra Campia, em que tem casa
o Sr. Joaquim Barbosa da Silveira.
Um terreno no mesmo lugar, com 100 palmos de
frente (alagado).
Sexta-fclra 9 le marco
loja de calcado
rua de Marcilio Dias n. 98 ( outr'ora rua
Direita.)
Quinta-feira 6 do corrente
A'S 11 HORAS DA MANH
O agente Pinho Borges competentemente auto-
risado, vender em leilo a referida loja, a qual
se acha sortida de calvados nacionaes e estrangei-
ros, duzias de marroquins, ditas de bezerro, sola e
todas as pertencas e mais aviamentos necessarios
para o fabrico de cah/ados ; propria para qual-
quer principiante, por se achar em boa posean e
ln'iii afreguezada.
Para qualquer informacao os Srs. pretendentes
prdem se dirigir ao escriptorio"* aterido agente
i na An B.im laaoa n .N-* primeiro anO.ii.
O ieilo ser effectuado na supradita loja.
ATTERCAO
800S000.
Fugiram do engeh Rila, h*eguez:a da Esca-
da do engenho l.age, freguezia de Ganieleira,
provincia de lV-rnanihuco, os ftscravos Mguintes:
Em das rfe Janeiro de 1M*\ p eseravo \n-el-
rao, cabra de 40 anuos de idade, pouco mais uu
menos, altura regular, secco do corpo, rosto com-
prido, desdentado, cabellos carapinlu s pouea bar-
Em dias de fevereiro de 1865, a escrava Anto-
nia, cabocla, de idade 30 annos, pouco mais ou
menos, altura regalar, cabellos de caboalo, de
bom corpo, rosto redondo, feices regulares, um
dedo de urna das mos aleijado, muito ladina ; j
esteve um anno aceitada na villa da Escada, pas-
sando por forra.
Em dias deoutubro de 1871, o escr.vo Herme-
negildo, mulato, de idade 20 anuos, pouco mais
ou menos, altura regalar, cabellos aeaboclado,
rosto redondo, sera barba, falta de um dente na
frente, grosso do corpo, pernas e ps grossos,
com marcas de ftida em urna t\:>< perna, mili-
to regrista, jugador de cartas ; a esteve no ar-
senal de marraba um auno como forro.
Em dias de abril de 1872, o eseravo Jos, ca-
boclo, de 38 annos, pouco mais ou menos al-
tura raguiar, cabellos de caboclo e estirado,
bastante barbado, olhos u u pouco aperlados,
corpo regalar, tem o braco esquerdo cortado,
gosta do beber agurdente!; natural da cida-
de (.e Sobral, na provincia do Ceai.
Roga-se s autoridaies c capites de campo a
apprehensao de ditos escravos e levarem rua
do Livramonto n. 33, em casa do Sr. Rruno
Alvaro Barbosa da Silva, ou no engenho Lage,
que serao recompensados com a quantia cima
mencionada por todos quatro.
Aluga-se
o terceiro andar do sobrado "ito na na larga
do Rosario n. i'i : a tratar na rua do Vigaiio
n.31.__________________________________
Acha-se fugi.Ui o cabra Benedicto, eom
idade de 17 annos, tem um rdho direito eg,
tem o dedo poUegar da mo direita torio, fugio
em 8 de dezembro do anno de 1872, o seu senhor
Joaquim Justino de Almeida : quem o pegar
leve-o na rna de Pedro Aflonso, atiga da Praia,
a Genuino Jos da llosa, que ser recompensa-
do ; consta que anda vendendo fructas, e foi vis-
to em Agua-Ftia de Beberihe.
Sitio
para
alusrar.
Aluga-sc um siiio na Capnnga rua das Per-
nambucanas n. 23, tendo boa ,casa de virenda,
cocheira, estribarla, arvores fructferas e agua
IKitavel: tratar ua rua da Iicperatriz n. 9, pri-
meiro andar.
Cralo.
Precsa-se de una fu** a livre on pserava, para
criado : na padaria -la rua do |{anel n. 11.
Hypotl.eia-se nina esclava para o servlco
da
de qualquer casa: quem preteoder dirija-se a rua-
Concordia n. 46, que achara com quem tratar
Nao ha mais cabellos
msm
s
11 horas.
0 agente Pinto, cumprindo o mandado do Illm.
Sr. I ir. juiz de direito privativo de orphos, em
virtude do que reijucreu o inventarame dos bens
deixados por fallecimento do major Manoel do
Nascimento da fiosta Monteiro e sua mulher, le-
var leilo s II horas do dia cima dito, em
seu escriptorio rua do Bom Jess n. 13, os pre-
dios e dominio directo dos terrenos cima descrip-
tos, pertencentes.ao casal inventariado.
Os pretendentes poderla examinar no dia 6 de
marco (despera do leilo) os sobrados da rua da
Imperatriz n. If, e rua do Visconde de Albuquer-
que n 138, os quaes estaro ao exame dos con-
currentes das 11 s 2 horas da tarde.
Urna preta. a qnem ISra ronfi'o um saqninho
de couro da Hussia. com a marca Amelia, per-
deu-o, viudo do sitio chamado Jardini R tani-
co,-em Olmda, para o Varadauro: couliona
elle urna luneta de onrocom trancclim de rabel-
Ios, dous alllnetes prctos de onr n i nyx, um par
de argolas de onyx com brilnante, uns bentinnos
com trancelim de onro. caeta de marlim com ca-
ivete, crochet, tesoura, escovas, pente de tarta-
ruga, um crucilixo de madeira e um rosario de
oliveira, um livro em francez sobre a funda co
da ordem dos jesutas, alm de outios objertns:
quem quizer restitui-los, dirija-se ao dito sitio do
jardim botannico, ou casa da Condessa da Roa-
Vista, rua da Aurora, a entenderse enm o Dr.
Joo Augusto, promettendo-se generosa recom-
ensa.
w*
tinturara japqneza. .
Se nica approvada pelas academias de
sciencias, reconliecida superior a toda que
to;n apparecido at hoje. Deposito princi-
pal rua da Cadoia do Recife, hoje Mr-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
tenias as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Escravos fgidos.
200^000.
Ausentaram-se dous esravos irmos: sendo um
de nouie Lourenyo, de idade de 26 as7 annos, es
tata regular, cheio do corpo, cor clara, cabello
estirados, rosto redondo, e sem barba, levou calca
e camisa branca, e chapeo de fellro preto; e o ou-
tro de nome Andi, da mesma estatua, mais moc>
um pouco do que o outro, tendo os mesmos sig-
naes do irmo. Forain conqiradns: Lmirenco ao
Sr. Claudino de Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, provincia da Parahyha, e Andr ao Sr.
Joo Francisco fiomes de Amida, da comarca do
Limneiro ; tendo fgido aquelle no dia 26 do cor-
rele (Janeiro) e este hoje 30 do niesino ; suppOe-se
que segniram a estrada do I.iinoeiro Serra do
Teixeira : roga-se todas as autoridades policiaes
e capites de campo que os apprehendam c os con-
duzam rua do Apollo n. 30, armazem de asqu-
ear, que se gratificar com a quantia cima.
Costureira.
Precisa-se de una senhora habilitada em cos-
turas e bordados : a tratar na rua Nova n. Si,
loja.
Criado.
-' Precisa-se de um que seja fiel : no largo da
matriz de Santo Antonio n. 2, I. andar, prefe-
re-se es-ravo.
(kinhdro.
LEILAO
De urna caixa marca SS contramarca K ('. n.
220 com merino avariado.
Quinta-felrn 6 demarceos It horas
O agente Pinto levar a leilo por autorisaco
da gerente do consulado de Fran.a, em presetica
de seu chanceller e por conta e risco de quem
pertencer, a caixa cima mencionada, avariada a
bordo do vapor inglez Stvdent, na sua ultima via-
gem a este porto ; as 11 horas do dia cima dito
no escriptorio do referido agente rua do Bom Je-
ss n. l.
Em continuaran
vender-se-ha chapeos do chile. __________
DE
diversas fazendas, um ra vallo, diversos obje-
ctos, dividas, eum terreno no lugar Pra-
to Grande (engenho Capricho)
O.UARTA-FEIRA 5 DE MAKCO
Espolio do subdito portuguez Domingos An-
tonio Fernandes.
0 agente Martins far leilo no dia 5 de marco
prximo futuro, por autorisaco do nim. Sr. Do-
mingos Mara Goncalves encarregado do consula-
do portuguez nesta' provincia, de diversas fazen-
das, nm excellenfe cava'lo, diversos movis, divi-
das e urna parte de trra no lugar Prato Grande
do engenho Capricho, do termo de Agua Preta,
comarca de Palmares ; sendo que as fazendas se
achara avahadas em 154*350, movis e o cavallo
em SOojMJOO, dividas na importancia de 2134000,
e o terreno em 1:000*000 ; todos estes objectos se
acham depositados em mo de Joaquim Jos de
Arolla.
O leilo ter higar no dia cima, no armazem
da rua do Imperador n. 48, as 11 horas.
LEILO
DE
movis, louen, viJros, crystaes, machinas
para costura de selleiro ou sapateiro, 1
serafina e 1 piano do armona.
UARTA-FKIiU 5 DO CORRENTE
V* II heras.
O agente Pestaa far leilo, por conta e risco
d; quem pertencer, de 1 mobilia de junco, 1 dita
LEILAO
DE
BONS MOVIS: mobiU
completas, >eii(li> urna randa, um> frauceza He volta,
urna de amare lo (todas -llas
com lampos de pedra marraore)
bonitos ouanias loin; mesas
ela!*tica>, acarad ore i Je mogno
- viubatioo (tendo 2 tanupes
de pedra niarmore). diversos
guardas roup i, guarda-vestido,
(tendo um espelho), oous lindes
toiletes com espelho, sendo um
de mogno ouiro dejacrai,
camas francezns de Jacaranda e
amarello, so fas e cadeiras de
volta para gabinete?, commodas,
sofas, uiarquezdes, cadriras so -
tidas, berq s para~cr:an santuario, 1 batanea dec m 1,
ni^sas para escriptorio, cartei-
ras, cadeiras de balanqi de ^i-
me, 1 forte piano francez de 3
cordas e 7(8, relogios de parede,
mesa ealgibeira, espelhos deli-
rados de diversos tamanhos,
c ystaes, objectos de ouro e pra-
ta, quadros c rn molduras dou
radas, eoutros muitt>- artigos de
uso domestico. Quinta-fem
6 de mar nh, no grande armazem da
FEIRA sEMANAL-,fi roa
do imperador n.. 16.
. Mo
DO
sobrado de dous andares n. 32, sito ra
do Imperador .
Sexta-felra f ale dimco
ao meio Engenho Monte d'Ouro
SABBADO 15 DO CORRENTE
s 19 hora.*) vm ponto
gPor mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do ciiminer-io desta cidad requerimento
dos administradores da massa fallida de Siqueira
4 Pereira, o agente Pinho Borges far leilo do
engenho denominado Monte de Ouro, sito no ter-
mo de Ipojuca desta provincia, o qual foi penlio-
rado por execuco dos ditos administradores a
viuva e herdeiros do Dr. Ignacio Nery da Fonce-
ca, adjudicados indicada massa.
Ao un-io aia em ponto, no escriptorio do referi-
do agente rua do Bom Jess n. ot (outr'ora rua
da Cruz), onde os Srs. pretendentes podem haver
as informacOes necessarias.

O Sr. Olympio Fran-
cisco de Mello tem una car-
ta nesta typographia,
Francisco Jos Cardo-
so, artista alfaiate, transferio
sua officina da rua do Baro
da Victoria n. 46 para a rua
do Mrquez de Olinda n. 34,
primeiro andar.
trZinlieira.
Precisa-se de urna para casa estrangeira; a
tratar rua do Commereio n. 38, primeiro andar.
. Conijiauliia
Santa Thereza
Sao de novo convidados os Srs. accio-
nistas, para reunirem-se em assembla geral,
no dia 13 do corrente ao meio dia, no 1.
andar do predio n. 11 rua do Vigario.
De conformidade eom o art. lo" dos estatu-
tos, a reunio ter lugar com qualquer nu-
mero de accionistas que comparecerem, e
ser lido o rotatorio e bataneo do anno pas-
sado.
Recife, 3 de fevereiro de 1873.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
Precisa-se de um bom cozinliciro para casa de
familia no Monteiro : a tratar i rua do Mrquez
de Olinda n. !'>._________________________
E' bom ler-se.
o abaixo asfianado avisa aos seus leredores
desta praca, irae lennam a bondade 'i-1 rir ,i rua
do isoinde de Inhauma (outr'ora Rangelj n. armazem de n'i !'::'. >. aflm de ajustaran suas
rentas at <> dia 00 do corrente : do contrario
Verlo seus nomos por extanao neste Diario, o serio
chamados ao juiz > competente.
Recife 1 de maro da 1873.
_________ Bj i'' atura Jos Coellw.
Precisa-se de um para copeiro e mais ser-
vicos de casa de familia, o qual soja de boa con-
ducta : na rua da Imperatriz n. 37. 1* andar.
Dellino de Azevodo Yillarn'.iea declara que
negocio algum tein com a taverna da primavera,
aonde chamado, por Dellino Villarouca, cora
urgencia ; por isso dcixa de eompareeer ao dito
lugar, e caso seja o negocio de seu Interesse, di-
rija-se ^a residencia, rua da Santa Cruz n.
Aluga-se n ptlmejro andar do sobrado da rua
do hnperador n. 38, pintado, forrado e esteira-
do, milito pjiiprin para alguina sociedade : quem
pretender dirija-se a mesma rua n. 75, loja, das
9 as 4 da tarde._________________________
VinhoBordeaux.
de boa qnalMade em quartolas; vende-se no ar-
mazem de Cnnha 4 Manta, rua do Mrquez de
Olinda n. 23.___________________________
Ausentou-se no da S de Janeiro prximo
passado, o eseravo Abel, pardo, cabellos carapi*
nhos, pernas um pouco cambitas, tem os olhos
com dilfercrca um do outro, ps um tanto grossos,
sendo secco do corpo. Quem o pegarleve-o a pra-
ca do Conde d'Eu n. 7,1- andar, que ser grati-
ficado._________________________________
Cidra champagne.
Em caixas de garrafas inteiras e meias; vende-
se no armazem de Cnnha 4 Manta, roa do Mrquez
de Olinda n. 21.__________________________
Aenco
Antonio Vives de Oliveira Braga por incommo-
dos de saude retira-se para Europa, por cuja ra-
zo vendo o seu grande estabeiecimento de mo-
lliados no Varadoui-o, em Olinda, sem duvida o
mais importante daquella localidade : quem qui-
zer, pois, um bom estabeiecimento neste' genero,
dirija-se ao mesmo, ou a Jos Joaquim Alves & C.
rua do Baro da Victoria.
rij;i
2z, ou no escriptorio de Candido Alberto Sodr
da Motta 4 C, travessa da Madre de Heos n. li.
Arrendarse um grande sitio no Jacar, es-
trada de Agua-Fria, com boa casa de pedra e cal,
muitas fructeiras e baixa par i capim : a tratar
na rua do Capibaribs n. 34, cora Ignacio Barrozo.
OITerece-se urna mulher capaz, para fazer
companhia a urna familia e prestase a costuras :
quem precisar, dirija-se Boa-Vista, rua do
Corredor do Bispo n. 9.
J
ardimm
ahile
Aviso aos proprietarios.
No rntigo cartero do tabellio Lobo, hoje exer-
cido interinamente pelo commendador Manoel
Gamillo Pires Falco, encontram-se os ttulos dos
principaes engenbos e propriedades desta provin-
cia, bem como da Parau\ba, Alagoas, Ceara e Rio
Grande do Norte, a datar do anno 1600. Os que
earecerem de eertldoes dos sobreditos ttulos, diri
jam-se ao menc onado carlorio rua do Impera-
dor n. 12.
O Julio que foi administrador dos dous restau-
rants da rua estrella do Rosario participa bella,
rapa eada, que se acha presentemente adminis-
trando o supra-dito jardim mabile, pelo que espe-
ra que seja frequentado em vista de j saber :n
quem o dito administrador.
_, Para pequea fami-
>j iia precisa-se alug r 1
ov cozmlieira e nma en-
t^ssj gommadeira, peritas e
e de boa oondocta. Paga-se bem, p eferndo-se
escravas. A Talar na rua do Encantamento n. or
primeiro andar, de (0 s i horas da tarde.
Precisa-se de urna ama para o
servio interno de urna pequ na
familia : a rua do Duque de Ca-
A M A
xias n. 34.
Precisa-se de um homem para pucha-
dor de roda, e um menino para recebodor de)
papel : n'esta typograpbia.
Precisa-se de urna ama para todo o
serrico de casa de urna s pessoa : a
tratar na rua de >. Francisco n. 30.
11.1
A
Precisa se de urna ama para co-
zinhar c comprar, agradando paga-
se i era : na rua Bella n. 23, hoje
Ilha do Carvalho.
Massa fallida de Martins &
Leopoldo
Os administradores pagam o 1* dividendo de
30 j; no seu escriptorio rua do Bom Jess
n. 49.' _______________.
Tendo-se dado muitos casos de amanhece-
rem arrumbadas as cazinhas era que se guardara
as ferramentas da eompanhia Recife Drainage, as
qnaes se acham collocadas em diversas nas dos
quatro bairros desta cidad?, levando os larapios
ferrammentas e o cano de chumbo quo all en-
contram, o gerente roga aos Srs. qne costumam
comprar taes artigos que quanlo os mesmos
lhes forcm offerecidoe, qoeirara approhcndelos e
fiarticipar no escriptorio da companhia na do
aperador n. 26 ; outro sim previne que proce-
der com todo o rigor da lei contra aquelles que
comprarera objectos ronbados companhia.
0 abaixo assignado avisa ao respeitavel pu-
blico que Manoel Antonii ie Medeiros deixou de
ser seu caixeiro desde o dia 1 de marco.
Jos Mara f+nr>Uves Vieira Guimaracs.
Casa.
Aluga-se a casa, nova em folha, cora muitos
commodos para grande familia, tem quratal mu-
rado, hanheiro, gallinneiro separado, cozinha
Eande e quarto para engommado ; o sitio tam-
ul morado, con arvorodos de Tractos : na So-
ledade, eonbecido por Camioho Novo n. Ki3, per-
to da stavo dos trbos do ferro.
Eseravo fgido,
No dia 2o de fevereiro, {fugio o eseravo Luiz,
criouk), natural de Poned-, com os signaos se-
grales : cor preta, alto, secco, rosto oval e pe-
Sueno, cabeca pequea e redonda, feicoes miu-
as, barbado, com os (lentes completos, tendo em
um dente da frente ema mancha amarella, em
unidos bracos conserva urna Cicatriz : quem o ap-
prehender leve rua do Mrquez de Olinda loja
de fa/cndas n 22, que ser reco i.pensado._____
- O- abaixo assignados, exportadores de algo-
do, convidara aos interes-odos neste ramo de ne-
gocio para se reunirem em um dos saloes da As-
sociaco Comraercial Beneficente, no dia 6 do cor-
rente s 2 horas da tarde, para tratarem de esta-
blecer maior regularid;de na classilicaco do al-
godo.
Recife, 3 .le marco do 1873.
Rabo Scluumcttau & C.
Keller & C.
Groium Neesen it C.
Mua Latbam & C!
Amor.in Irmo & C.
Adamson Howie C
Si::ipson & C
T. Jefleries & C.
Pedro M. Maury.
Pereira Carnriro & C.
Precisase de nma ama que seja boa cosi-
nheira, pre)erindo-se escrava. para casa estran-
Seira : a tratar no largo do Corpo Santo n. 15,
0 andar._____________________________
Precisa-so de una ama que se, a boa cosi-
nheira para casa de um moco eslrangeiro: a tra-
tar ni largo do Corpo Santo n. 15, 1' andar.
A 11 i precisa-se de urna ama, forra oa
li \ escrava, que sirva para todo ser-
!"l 1\ vico, em casa de paal familia
na roa de \ Franciscs n. 54.
AMA
Precisa-se de um ama que
casa de pouca familia : a tra-
tar na rua do Bario da Victoria n 44.________
A m a Precisa-se de nma que cozuihe e*%-
. V 11 id g^mmfl |win |)ara unia so pessoa : na
rua do Hangel n. 9, segundo andar.
Precisa-se de urna ama, preerindo-se mu-
lher idosa, para casa de u i a senhora : na rua de
Hortas n. 78.____________________________
\ ni n Prccia-se de urna ama para cozinhar:
.lilla trat;ir lia ma larga do Rosario n. 22,
segundo andar. __________^__
A M A
37, andar.
Precisa-se de urna para andar rom
enancas ; rua da Imperatriz n.
I!\m. Hr. Mmpo de Pernambuco
e os Rvdx*. padres do compa-
nliia cleEc**cs.
Constando ao abaixo assignado que figura como
esmolado pela caixa pia com a esmola de 101
mensaes. como tambem pelos padres da compa -
nhia de Jess com i5j, apresso-me a levar ao co-
uteciment de V. Exc. Rvma. que nunca recebi
real (nem donativo) de V. Exc. Rima, e menos
dos Rds. padres da companhia. Peco a V Exc.
e aos padres da companhia que me respondan!
pelo seu jornal Unido que ihe ticarei asss grato,
e com a sua resposta qutrerei levar a este imbus-
teiro a barra do tribunal.
S. Jos, 3 de raarijo de 1873.
Antoaio Jos dos Pantos Silvino.
Precisa-se de urna escrava para se lu-
gar para duas pessoas, pga-so bem, na rua
Direita n. 61.
Precisa-se
alngar urna serava pira servico do ca-a e ven-
der na rua : no Camiho-Kov-j roa do Conde da
Boa-Vwu n. 34. '
Ama com urgencia
Precisa-se de u > a ama para lavar e engommar :
rua do Baro da Victoria n. 28 outr'ora Nova
Precisa-se de uini ama cozinheira
uhar e fazer os mais ser-
uma casa de duas nemas,
quer-se pessoa muito asseiaia. pa-
ga-se bem : na rua do Imperador n. 75, 2* andar.
A lf A ES 2f
i\ l\I f \ v,cosde u
1 lili 11 miM-s. ae
lisa p::ra engommado
Precisase de urna e paga-se bem: no Caidei-
reiro. casa de Francisco Joaquim Ribeiro de Brito.
Engx)mmadeira .
Precisa-se de urna ama para eocommar, paga-
se bem : na rua d Ni.gnoira n. 39, sobrado.
Aliento.
O Sr. Jos Franci nhor do engenho da Palha, em Goyanua. tena a
hondade apparecer rua da Imperatriz n. W, a
negocio de seu particular interese.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro com ortica de mo-
lhados, cora a idade de 14 a 16 annos; a tratar
I na roa dos Guararapes n..*0.
!
I


Diario de Pernambuco Terca, fera i de Marco de 1873.

II
i f l
*..'
Saques
Sobre o Porto, acc.aiu Cimba Irmea & C, .
praso e vista : ra da Madra de Deus n. 34.
Ra Direita n. 120.
Aluga-se a loja doste predio, nropria para um
hoin eslabeleciinento co'utueiviaJ, cora duas fren-
las, e lera agua da cuinpannia de Bebente. Tam-
bera se fu negocio con a armacio c gaz que exis-
te na mesma : a tratar na ra do Imperador nu-
mero 81.
PIANOS E MSICAS
AMTOOTO JOS FIE AZEVEItO
Ra do Barao da Victoria n, 11, armasemf e 12 1. aniar, antiga na Nova
^

MMauamm
aomle o publico em geral encontr, hempre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Edgard Gmbaro d lines do francez, tan-
to par* fallar como escrever esta lin-
guaem pooco tempoe pormethodo mui-
to fcil
dar.
na ra da Aurora n. 41, 2. an-
Acab de abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronte i
botica Msurer, ora grande sali onde esto expostos os magnficos
MTM. A 3k US de rmaro, de PleyeL
-------- de tneia canda, do me.mo autor.
-------- de H. Henrx.
-------- da Amede Thibont.
nieo agente neta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FOES
remiados em diversas exposi;oss om 14 meialhas de onro e prata.
Sao os onicos pianos qne aqm vem da Europa, perfeitamente afina-
do, fetos com elegan ;ia e solidez.
Tambera receben grande sortimento de nnsieas pira piano, piano a
canto e ture ellas as lindas composiedes do muio ympatbico maesiro
f. sum
A SABER :
Voc me quer Walsa.
Olga Matnrka.
Ls Separacioni Para canto.
A La* elctrica, grande Walsa.
Franco Brasilero Polka.
Tomada de Vllela Galope. *
Joaninha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Mona Lyra W-I.a.
A Natalicia Pe'ka
Stcde:ite Po ka.
Ultimas pnbllea^Se
Feitas nai offleinas de msicas
do annonciante.
Emilia, polka por L Smoltz.
Circaciana, cliotch, por Smoltz.
Jardim do Campo das Prieezas,
quadrilha, por J. Poone.
Chnva de Rosas, Walsa, por H. Al
bertazzi.
ATTEKCAO
Precisa-se de urna senhora que queira ir em
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pa-sagena e mais despezas, gratillca do-
se-lhe o sea trabamo : quera estiver nestas con-
difoes dirija-se ra estrella do Rosario n 9.
Aoga-se
A casa n. 7, a Passagem da Magdalena.
COMPANHIA tfKltNAMIUCm |
Tendo >m|i ilifiiijiiin ii nu|i>'i'n !- a >-ii islas i
rae ae upresentou lioutem para o cu.hm Iutent:
do art. 24 can. ."i- dos estatutos; *an pm cn-
lormidade do disposto n art. 26, nflvauu :il
convidados ns nestuos Srs. a emnnancecr un pre-
dio ila rtin^naaia 1 hora a tarde do dia 4
de mareo prximo futuro, devendo a asseinbla
geral Bear constituida com o numero de accio-
niuitas que se acliarein prsenlos.
Recife, 24 defevereiro de 1873.
20|000.
Precisa-se alngar urna eserava que engommi;
perfeitamente bem, e faca o mais servico interno
de nma casa de peauena familia, composta de
duas pessoas, e de unia ouira que eozinhe com
perfeicao : no largo do Paraizo n. 28, 1" e 2 an-
dares.
O
A 91 filli>idade
R
:' '' -:'.;.il rin -iimiki ['ohtifise
100S
Precisa-se do urna escrava para alugar se
para duas pessoas : na ra Direita n.',61.
D'aqai emfdiante continuar a annnnelar todas as publicares qre se forera friendo as snas offleinas de mnsieas.
liriililii'iirfio.
No dia 21 de outubro, embarcou no vapor Ba-
ha, com destino a cidade de S. Salvador (pro-
vincia da Bahia) o escravo Raymnndo. que loi
remettido por scu senhor, Jos Fructuoso Das,
para criado de um seu tilho de nome Cunegun-
des, estudante naquella cidade.
&Este escravo, que mulato de 18 annos de
idade, foi entregue ao commandante do mencio-
nado vapor que seguio naquelle mez para os por-
tos do sul do imperio.
Entretanto, nao tendo o mesmo escravo che ga-
do a seu destino, e ignorando-se completamente
onde possa elle existir, gratilica-se a quem pos-
sa dar do mesmo exactas informacoes no Recife,
aos Srs. Perdigao, Oliveira 4 C., ou na cidade
do Ico ao mesmo Sr. Jos Fructuoso Dias.
Urgencia
Precisa-sede urna ama de leite, que te-
rina bom e abundante, para criar urna me-
nina recem-nascida, quer soja forra, ou es-
crava ; porm, sem ilho, paga-se bem :
nesta typographia a fallar no le andar com
O administrador, das 9 da manha s 8 horas
da noite, ou eoi Olinda no Oito do Ampa-
ro, casa grande com porto de madeira ao
lado pintado de verde.
**- .... ...^^Mi&ijtiBBSRKA
Joaquina Fortunata de .Irsus.
.^' Melquades Manoel dos
Santos Lima e seas maos,
muito agradecem s pes-
soas que se dignaran! a-
companhar os restos mor-
taes de sua muito prezada
irnia Joaquina Fortunata de Jess ; assim como
wnvidain aos ^eus parentes e amigos para assisti-
rem s missas do stimo dia, que terao lugar na
sexta-Jeira 7 do corrente, das 7 s 8 horas da
inanh, no convento de S. Francisco, por cujo fa-
vordeste j se eonfessam sumniamente gratos.
um nn iiBiiiiuwiini i !
Dr. Joto Viunna le Helio.
Pelo eterno repouso da
alma do seu amigo Dr. Joo
Vianna de Mello, fallecido
no Maranho no dia 9 de
fevereiro, manda rezar urna
missa na matriz da Boa-
Vista no dia 4 do corronte
Um amigo.
FNDICAO DO BOWMAN
N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS eohores de engpnho e antros agrical'.ores, e mpregadjrea e m
chiuismo o favor de cma visita a seu esUbeiecimentu, para verem o aovo sortimeDto
complet) que abitem; sendo todo superior em qaalidade e fortidJo; o que com a ios
pecg5o pessial pdese verificar.
ESPECIAL ATTF.NCO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDigO
Vaprese rodas d'agaa IZffJSSS^SVRS,
circumstaocias dos senbores proprietarios e para descaro^ar algodJo.
BlOOndaS d6 C3.HnO. de.lollos ostamaahos, asmelbores qae aqai
Rodas dentadas paraanimae8'agna evapor-
Taixas e ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Hachicismos
Bombas
Bom negocio.
Vende-se 25 aeches da companhia dos trilho
urbanos do Recife a Olinda : nesta typographia se
%BI\ETE
Medico-cirurwico
BA DO IMPERADOR N. 73. i ANDAR j
0 DR. NUNES DA COSTA
MEDICO OPERADOR E P.aRTEIRO.
ESPECIALIMAOES. w
Molestias e operacoes de olbos.
Cora radical e instantnea Jos ,
estreitameblos da aretra. (
Consultas: Das 7 s 10 boras ]n
da manbl. i
Chamados: A qualqner bora. i-
Fugio no dia 2.1 do correte o escravo Vitalino,
prelo, crioulo, idade 21 annng, alto e chelo do ror-
po, quando falla levanta o beico superior, ten
falu de um deule do lado de cima, m'la alguioa
cousa banzeiro, ps grossos, levou vestido calca
de riscadinho c camisa de madapoln ; ete cs-
craroj fugio em outubro do anuo prximo pas-
sado, e foi preso na estrada de Pajea de Flores ;
foi escravo de Antonia Francisca de Jess, mora-
dora era Correte*, e depois foi vendido ao capi-
o Thomax Thenorio de AIbuquer>ue Villano^,
morador em Papaeaca, o jual tem urna fazenda
em Kuiquc, de que. elle era vaqueir>; supi>oe-se
que f i acompanliado por um escravo pertencente
ao Sr. Manoel Francisco Marques, tambem preto,
crioulo, e natural da provincia do Cear : roga-se
a todas as autoridades policiaes e capitavs de cam-
po que o apprehondam e condu ain-no a ra do
Brum n. 74, armazcm de Jos Francisco Marlins
* C, que se liie dar a gratilicago acuna.
'i "'i ''. luai'b
Jo.r]iiiin Das .1 ilva .Vzevefc Lomos.
Oinsi-ulo iv.-,..: n ,, mente publicado
vende-se n^i ra l'riin. iro de Marco n. 2, livraria
Ecoiiomjca.
_____________Pice.. 2liOO.______
Cha preto e verde
Vende-se o LazAr vicioria cha prelo e verde
de muito boa qualnlade : na ra do Ilarao da
V'tniia ii. 2, luja de Aniaral, Naliueo c C.
Libras sterlinas.
Vende-se no arnfatem ile faxeAdM de Augusto
F. de Oliveira \ i;.. n-: <\ Coimnercio n. 41
OBRAS
IMfc
Coziuheira.
Precisa-se alugar urna eozinheira, forra ou
escrava, paga-se bom : a ra Nova, luja n. 11.
para mandioca e algodaoj Podeodo todos
e para serrar madeira. f ser moridos a m5o
?por agua, vapor,
de patente, garantidas........ |oo animaos.
Todas as machinas e pCas de qne M costama precisar-
as 7 horas da manh.
Jos Miguel fie l.\ rn.
D. Rosalina Pires de Lyra, D. Feliciana Pires
de Lyra, Dr. Joo Zeferino Pires do Lyra (ausen-
te), Jos Miguel de Lyra, Coriolano Pereira de
Lyra, Manoel do Carreo Pereira de Lyra, mulher
e filhos do fallecido Jos Miguel de Lyra, agrade-
cem cordialmente s pessoas que se digaram
icompanhar at o cemiterio o cadver de seu
prezado marido e pai Jos Miguel de L\ ra ; e pe-
dem a seus amigos o caridoso obsequio de assis-
tirem mssa, que pelo eterno repouso de sua al-
ma, ser celebrada naigreja do povoado dos Mon-
tes, no dia 5, s 7 horas da manh, pelo que Ihes
sero summamonte gratos.
mKfUi3- !^k**^KSWE*^2IKRHI
t'apt;lo.l,->iTo Canelo ('avalcaiite
Cunha Irmao & C; mandam celebrar urna missa
na matriz do i orpo Santo, por alma le seu amigo
o capitiio Joo Cancio Cavalcante, s 7 hora* da
manh do dia 4 do corrente, 3D. dia de seu falle-
ciniento: pedem a assistencia de todos os paren-
les e amigos do Uado.________-
Jos Hisuel de
Lyra
Pelo eterno repouso da alma de Jos Miguel de
Lyra, fallecido a 27 de fevereiro, em Una, manda
um seu amigo celebrar urna missa na igreja de
Nossa Senhora do Carmo, no dia 5 do corrente,
pelas 7 horas da raanh. Para este acto religioso,
sao convidados os amigos d'aquelle tinado, resi-
dentes na cidade.
Escravo
Ausentou-se no dia 2) do corrente o escravo por
u' rae Antonio, preto, crioalo. idade de 39 annos,
natural da provincia do Ceara, alto, tem um sig-
nal de qneimadura no braco direito, quasi junto
ao hombro, pouca barba, sem denles na fente,
tem a falla e andar descansad muito sellado
para a trente, usa de chapeo de couro e alperga-
tas, ps apalhelados, levou comsigo roupa de al-
godo da Bahia e roupa lina e um par de sapatos
le tapete ; loi escravo do >r. Jos Antonio de Fi-
vueiredo, e vendido por seu pmcurador aqu, Joo
Pedro de Mello ; suppoe-se ter ido era companhia
do escravo Vitalino pertencente aos Srs. Jos
Francisco Martins 4 C ; portanto pede-se s
autoridades policiaes e capitaes de campo a ap-
prehenso do mesmo, e condu am ra do Apol-
lo n. 10, armazem de Manoel Francisco Marques,
que se ao gnerosaraenie recompensados.
janeiro
Mi
Kagio do abaixo assignado, a tt de
do corrente anno, um mulato de nome Miguel,
cora os signaes segrales : idade 2 annos, cabel-
los pretos caxados, altura e corpo regulares,
bufando, bem filiante, e julgase esta- nesta cida-
de : roga-se a pessoa que o apprehender lva-
lo a ra larga do Rosario n. 4'i, !. andar, on a
>eu senhor em S. Bento, provincia das Alagi*,
nie sera bem gratificado.
Francisco Ignacio de Panla Madeiros.
Ptigio no dia 27 de fevereiro de 1873, a es-
crava Joanna, com os sigtiaee seguintes: preta,
fula, idade 18 annos, tamanho regnlar, poucocorpo,
'ara pequea e nm pouco comprida, tendo ama
cicatriz na te^ta e ouira na p do hombro direito,
com mos e ps um pouc-j grandes, filia atrapa-
IJiad* e aspecfo carrancudo. Qoem apprebende-la
dirija-se ao engenbo do Meio, fregaezia da Varzea;
Faz qualqusr concert de maehidismo> aPrevo ma resumido.
FormaS dfi fAlTO tem as me'bores e ma's baratas existentes no mer-
l ^u.V/aiiJ.uuilvxa,a. tarte os clieotess^ lembrando-lhes a vantagem de fazerem
suas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qualqaer necessidade pode
Ibes prestar auxilio.
Arados americanos e iQStromen!os 3gricolas-
RA DO BRUM N. 52
PASSANBO O CHAFARIZ
m
0
1001000
ft
0
0
0
0
0
0
0
0 MEDIC0-CIRURGIC0
DO
Dr. J. II. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Olinda n. 25, pri-
meiro andar.
Consulta das 7 horas s 10 da manhJ. ^
Chamad >s a qualquer hora. f3?
0$ 0-000^00 00^00
CAZA DA FORTUNA
Fugio do engenho Pontal, em Serinhaem, no dia
<^ | 7 do prximo passado, o mulato Simao, cora os
signaes seguintes : estatura regular, corto secco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descancada : quem o pegar leve-o ao
seu senbor o tenente-coronel Vicente Mendes
Wanderley no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Bernardino de Sena Pontual, na ra da Madre de
Dos n. 36, que receber a gratificeao de lOOf.
Aluga-se
O sobrado de um andar e soto, da ra de Lomas
Valentinas n. 27 : a tratar na ra Direita n. 84.
1. DE MARQO OTR'ORA no CRESPO N. 23 I (lll C0ZI1 IlUTi
AOS iU.uUU)lMMl. Precisa-se alugar urna ama que saiba co-
O abaixo assignadotem sempre exposto venda zinhar o ordinario de uma casa de pequea
s felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando familia. Aceita-se forra ou captiva; mas
os
promplamente,
i:000.
como costuma, at o premio de
Preeos.
Inteiro ....'... 2i000
Meio........124000
Quino....... euono
Manoel Martins Fiuza.
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantA3s, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
t mos metaos e podras.
Est fgido desde o dia 23 de jnho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bufar. Teto um peque-
no signal de c bellos no qneixo; e no braco di-
reito as lettras L. P. N. abe 1er, trabalha de
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmao liberto, rae traba-
Mn^Lm,,?? Claudino L>ra' ^ Mra Ihava (e pode ser que ainda trabalh'e) de m.achi
generosamente gratificado.
Aluga-se
3 andar d sobrad,) da ra do vga>ion. 5 eom
non* commsdos para familia : a trata)- no arma
?eo) da travessa do Corpo Santo n, K.
nista de vapor n'um engenho de Abreu de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e canitaee de
campo que o prendara e facam-no condizh* i rna
da matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde rece-
beo ISOjflOO.
captiva
prefere-se desta ultima condico. Trata-se
na ra do Capibaribe n. 40.
Companhia
Santa Thereza
Emissoes de acc,oes.
A companhia est autorisada a emittir tooo
aegoes de oOjOOO cada nma. As pessoas qne de-
sejarem tema-las todem entender-se com bs di-
recteres Srs. Baiio da Soledade, Joaquim Rodri-
gues Tavares de Mello e Francisco Goncalves
Netto ou com o abaixo assignado, que dar qual-
quer informaco.
Recife, 13 de Janeiro de 1873.
O gerente,
_______________Justino J. da S. Campos.
Precisa-se de um caixeiro eom algnma pra-
tica de molhados : rna- das Larangeiras n. 16.
Aluga-se o sobradinbo do largo da Penha
- & a fallar na ra das cinco ^ntas n. 31.
Attenco,
Ha urgente necessidade rfe uma pessoa qne en-
tenda de estabelecimento de molhados, o qual es-
ta collocado em uma das principies mas desta
cidade, mas que tenha algum capital para entrar
de sociedade, isto em consecuencia de seu proprle-
lario ter um outro estabelecimento onde precisa
ser mais perraatieate : qoem se achar nestas con-
dicaces dirija-se i rna do Imperador n. 8.
= Na ra do Fogo n. 26, preciaa-se alagar uma
preta para vender taboieirn.
= Aluga-se am moleque de 10 annos, proprio
para criado : na ra Direita n. 12, | andar.
= Aluga-se a casa n. 15, em Santo Amaro das
Salinas, com frente para a estrada de Olinda, toda
estucada e com 3 quartos, 2 salas, cozinka e qnin-
tal murado, os bonds passam na porta: a tratar
na casa contig-ia n. 19.
I Prensa-sed* nm criado para o servico de
casa > pooea familia, preferindo-se escravo : a
' tratar ra da Cruz, armazetn n, 20
Terceiro andar.
Alnga-se o 3* andar do sobrado da ra do Pa-
dre Floriano com 5 quartos, 2 salas, cozinha e
cambrone : a tratar na ra larga do Rosario nu-
mero 22._______
MOFINA
Est encouracado!!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquello negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu tilho se
achava nesta cidade.
150#000
No engenho Massuass, freguezia da Escada, se
dar de gratificeao a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o '. tem 9 annos,
castanho e castrado, tem a orelha direita bastante
lascada, uma estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem uma cruz ; o 2. ruco, com pintas ver-
melhas nos quartos, grande, gordo, com o Des-
coco fino, castrado, tem os quadris feridos da
cangalha, ferrado com a marcaI. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3." rudado
sanhaSSli Claro, corto grnssn, um \. >n.... eambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marea
Ono quarto direito : gratilica-se cora SOjOtO
por cada um em presenca da pessoa, em cujo po-
der for encontrado qnalqner dos ditos cavallos.
Agua Preta
Manoel Xavier de S e Albuquerqne, solicitador
proviMonado, encarrega-se de promover qualquer
cobranza amigavel ou judicial, e reside no povoa-
do dos Montes (Una).
Na fabrica de cerveja ra do Brum
se precisa de um homem para trabalhar em
uma carroca de um cavallo. Na mesma fa-
brica se compra Laranja da trra a 600
sro cento. i
Ao publico.
A Sociedade dos Talhadores previne que e
talhador que desappararcu com o dinheiro de un
boi, nao pertence ao gremio social ; dos taes
pirrnicos que diz nao precisar da mesilla-
9- Aluga-se o !. andar da casa do largo da
Matriz de Santo Antonio, onde se acha a photo-
graphia allema, pan o primeiro de julho prximo:
a entender se ovo o proprietario.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taverna e d fiador de sua conducta : a tra-
tar ra do enrona! Suassuua n. 296, de idade
de lo a 20 aunos.
Allencao.
f)r. Abiiio Cesar Borges
Sfethodo de Ahn para o en-
sillo pratico e fcil da lin-
gua anceza, traduzido
pelo
Br. Aiili, !es.;r Bailes.
Temos a s.-i-r.^'a-i de nnunciar a venda em
nossa osa mala um hvro de saman utidade
para o ensino da mueidade, que acaba de ser,
com o titulo cima, publicado na corte pelo <
tantee incansavcl prouugnador dosmelnoramen-
tos da hjstruc So narional, a Sr comuiendador
Dr. Mino Cesar Borges.
Apenas publicada, U .-v.i nova obra lalac-i.
tacao. que em luenos du i< nejes esgntoo-fle, so
na corte, a prirn i I ;,> : sendo o anlor obri-
ndo a tirar imniedalaiiieiite segonda, que, me-
Ihorada e aogment.idi< araba de sabir dos ni -
los da i pograpbia Laemmert
Berommcudaui -i... pois, com ioda a enfianra
do publico desta prjvracia, manualmente -
>rs. directores e directoras de eollegiose profes-
s ns de franeet
A obra >' prendida de am nteressante pro! g i,
emqae o autor demonstra as grandes vastago
domethodo e explica a maneira de o appLcar.
I bonito volnme, 20ti0.
Primeiro Livro de LciUira
Segando uto Uto, Braxettes
dem dito dito, I'.uis
Ter iro dil
Grammatica p .. .
Di la franceza
Discursos sobre educacio
Na ra estreita do Rosario n. S5, sobrado de
um andar, avisa-se aos Srs. armadores, que tem
a vend papel e de panno, para a quaresma e para os
sepulchros, e para os freguezes de tora da cidade,
tem sipo de flores para saias de afijos, capellas e
diademas para os mesnios ; faz com presteza toda
e qualquer encoiniiienda para fra, grozas de
folhas de rosas de todos os tamaitos e festoes,
tudo por preco muito coinmodo, ramos de llores
de cera, de papel e do panno.
Rocha, Lima & Guimaraes, curadores fiscaes
da massa fallida do finado pharmaceutico Igna-
cio Pessoa da Silva, convidam aos credores da
mesma massa, para que dentro de tres dias te-
nham a bondade de Ihes apresentar os seus ttulos
de divida afim de se poder feichar o respectivo
bataneo.
Recife, 4 de marco de 1873.
O procurador judicial,
Antonio Carlos Pereira de Burgos P. de Len
Livraria franceza.
.oo
1*000
L'iOOO
2; u
; io
Siiooo
Mo!)il
a.
Vende-se ui a 11 ibilia
perfeito estado : a tratar na
Deus n. S, I.' andar.
do jacar i
rea da Madre de
A Borboleta
Vende a queimar botinas para homem, calcado
ingez, desoa grossa a 7.
Tem am piano I m i p ra vender barato d i
nieiher fahriranie Blondel Vignes e um lustre d-
'l bicos pai a gas.
Cozinheira.
Precisa-se alugar urna negra que saiba com-
ihar : a tratar no hotel de Apipucos.
Feilop.
Vende-se aun eavaSo ru-.-o pedrea; grande,
excedente para cabriole! : para \<}r na cocheira
da rna da Roda, e a tratar na rna Direita n. 10,
Salsa-pan-iiba
Salsa-parrjJk*
Sa'a-parrilha
nova, em bom rjsi I -. e -1 excellenta qaalidade :
vende-se ra du V^arii) n, 16, eseriptorio.
Vemie-.-e ;if n,,va de Lisboa elo men -
preco do ni.-- WB "utra parle na ra de Pedro
Alfonso *
Cozinheira
Precisa-se de uma eozinheira para uma casa
estrangeira : a tratar na ra do Commercio n. 38,
1 andar.
Os abaixo assignados, scientificam ao pu-
blico e particularmente ao respeitavel corpo do
commercio desta eidade, que dissolveram amiga-
velmeote a s ciedade que nesta praca gvrava sob
a firma commercial de carvalho & Peixoto, a con-
tar de hoje; ficando todo o activo e passivo a
cargo do socio Peixoto.
Recife, 1.* de raaren de 1873.
Manoel Ribeiro de Carvalho.
Joo Baptista dos Guimaraes Peixoto.
S Novo estabelecimento j
dejoias. g
Rna do Cahuga n. 19.
2| Neste estabelecimento se encontrar "|j
3 um bonito sortimento de joias que se *
\ vendem por tal preco que animar ao **
"JJ comprador,, atiento ao vantajoso syste-
4 ma, ganhar pouco para vender mui- *.
^* to, que certamente til ao compra- *
55 dor e ao vendedor.
irt Tambera se compra ouro, prata e pe- w
*[ dras preciosas, bem como se fabrica e ?*<
|g concerta toda e qnalquer obra tendente f
*- mesma arte. ..'
Aluga-se o primeiro andar d > sobrado da
roa Direitr n. 8, com commodos, caiado e pintado
todo de novo : a tratar na loja do mesmo.
i>1sase
a quem der noticia da escrava Guilhcrmina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sa -
tos, e depois comprada ao Barao de Nazareui,
representa ter 28 annos, tem falta de denles na
frente e as mos com cicalrizes de queimadura
de gaz, secca do corpo e mnito regrista, qu* des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da roa dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
Engommadeira .
Para casa de pequea familia precisa e de uma
boa engoramadeira de conducta, quem se pagar
30*000 mensalmente, em S. Jos do Manguinho,
antes da igreja, o primeiro sitio cora gradim e
porto de ferro do lado direito.
= Precisa-se de um caixeiro com pratica da
taverna : a tratar na ra da Aurora n. 33.
Aviso
Os Srs. Meuron C, fabricantes de rap,
na ra do Tisconde deGoianna n. 157, preci-
san) de algumas mulheres para trabalhar na
sua fabrica : a quem convier, pode dirigir-so
a mesmn fabrica para tratar..
Olilair.* e criado.
No hotel de Aplpacos, preciase de um oo:i-
nheiro e de am menino para criado.
Ma ru du Impt'iailu n. 7", loj. pr-,.-;-n -
de um bom feitor e que emenda de plantaco.
prefurindo-se solteiro.
Ao commercio.
Os abaixo assignados, socios da extracta socie-
dade que gyrava sob a firma Silva & Ferrei-
ra na taverna da ra do Leao Coroado n. 1.
avisam ao res|ieilavel corpo do commercio que
nesta data dissolveram amigavelraente a socieda-
de que gyrava sobe aquella firma, licando todo o
activo e passivo ao cargo do socio Maximiano
Jos Ferreira relirando-se o socio Silva pago de
seu capital e lucros.
Pomingos G. da Silva.
Maximiano Jos Ferreira.
Aluga-se um sitio com casa para grande fa-
milia, quartos para pretos, coxeira, curral para
vaccas, com tres cacimbas de pe Ira e cal, de
agua de beber, baixa de capim e com muitos ar-
voredos de fructo : na Torre ao p de Libanio
Candido Ribeiro : a tratar na rna da Concordia
n. 32.
Crioulo Francisco
No dia 17 de Janeiro prximo passado
ausentou-se o moleque Francisco, bonita fi-
gura, de 17 annos, bons dentse ps gran-
des, ua cintura tem signaes de antigs sevi-
cias, andou algum tempo como servente
as obras da Penha, e foi negociado a pou-
co com a Sr. Maia, logista da ra do
Crespo ,eJcomo consta ter andadonas immedia-
ces de lguarass e a poucos dias foi visto
no rancho do cabocolo Sancho em Taep,
perto da mesma villa roga-se s autorida-
des e pessoas do povo a sua apprehenso e
manda-lo a ra do Imperador n. 2 que gene-
rosamente se gratificar.
"AOS 5:000^000.
Esto venda os felizes bilhetes da lotera da Ba-
hia, na casa feliz; do arco da Conceico, loja de
ourives, no Recife.
Aviso s familias.
Xa roa do l.iviaiiienti) n. i, vende-se atgodae
trareado de duas largaras, eom pouco defeito a
muj rs. a vara, fazeud sempre eostou 4*280
a vara.
Portas e janelas
Caixilhos devanada, de aman'lio em bom es*
lado, vende-se |n'i- preco comraodo : na ra do
Mrquez de Olinda n. 7.
COMPRAS.
Cobre, lato e
chumbo.
fompra-se no armazem da bola amarella, tra-
vessa da roa do Imperador._________________
Compra-se moedas de 20 francos : na ra
Nova n. 23, loja.
VENDAS.
Cambraias
Cambraia transparente a 3* a peca.
Pita Dita di cores a 26 o cdvado.
i'ita preta e salpicos brancas a 240 o covado.
Dita para forro a 2* a pe^-a.
Na roa do Crespo n. 20, na loja do Guilhorme
C. da Cnnha & C
Engenho.
Vende-se ou arrenda-se o engenho E-trelIa
d'Alva, no termo de Agua-Prota, d'agua e co-
peiro, e est montado, datante da estacao d'Agua-
Prela duas l-goas : quera o pretender dirija-se ao
mesmo engenho a tratar com o seu propri tarn.
Vendo se um balean com pedia nunnore :
a tratar na roa das Flores n. 25.
Bolinas
para senhoras, a 6,^000, na
loja do pavo.
Pereira da Silva & C receberam pelo ultimo
vapor de Europa, um elegante sortimento de bo-
tinas pretas e eom delicados enfeites decore--,
proprias para senhoras, garantndo-se serem das
mais niadernas que ha no mercado ; assim como
a boa qualdade por terem sido remettidas por
um dos memores fabricantes de Pars, e vendem-
sc pelo barato preco de 6O00 : n loja do Pa-
vo. ra da Impcratriz n. 60.______________
SE
ps de sapotis, abacates, larangeira'cravo, 8
outrosjnais pt;s de fructeiras : a tratar na Boa-
Vista, roa do Visconde de Goyaana n. 101, ou-
tr'ora Mondego.
Vende-se
lina taverna bem afregucada, propria para
principiante : os pretendentes dirijam-se ra do
Visconde de Inliauna (outr'ora ra do Rangel) n
50 1* andar, que achajo com quem tratar.
Borracha!
Borracha!
Borracha!
A' roa do V gario Tenorio n. 7 Io andar compra-
se borracha._______
Ultimo gosto.
Caderas pretas douradas e marchetadas de ma-
dreperola : nos armazens de Tasso Irmao & C,
no caes do Apollo.
Venda de terreno.
Vende-se um terreno no lugar da Estrada Nova
de Beberibe, mnito perto dos trilhos na doi'ai-
eunda, com 380 palmos de fr nte e 470 de fun-
do, com duas frentes e esquina para a ra d
Bom Conselho : a tratar no largo da Santa Cnz
n. 4, a qualquer hora.
iNovidade.
A Predilecta, roa -lo Cabug n. 1 A, acaba
de re eber pelo ultimo paquete chegado da Eu-
ropa, um bello sortimento de enrpinhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e pininos tambera bordados e de phanuia,
saias bordadas, ditas com cntremeios para hu-
ras, bonitas calcinitas de diversos tampa para meninas, ricas fachas de tuquini de cr,
que tudo vende por barato prego.____________
Vende-se
uma casa terrea nova, com grande aotao, muito
bom travejamento para sobrado, na freguezia de
S. Jos, em muito boa localidade para estabeleci-
mento, queja se acha eccupada com taverna,
ra de S. Joo, esquina para o gazometro a tra-
tar no largo dos Coelhos, cora Antonio Carnciro
da Cunba.
VENDE-SE
a armario e paos da venda e armatem d sal i
ra Vidal de Negn-iros a. 137, ontrn linp -rial,
com commodos para familia, ga;-aulo-j u casa:
tratar na mesma roa a. 151.





Diario de Pernambuco Terca feira 4 de Marco de 1873.

Fazeiidas em lqudaco
Ra da Imperatriz N.
1.
PEREIRA DA SILVA & C.
Ditos encartados.
Ditos mi*n*do Jolln*-floras Miar
Tendo o propricario dcste importante estabelecimento, grande vonUde de liquitel voltaVde prfi'alfoliTMV-feer s.
todas as fazeiidas que tem em ser, tem resolvido vende-las por presos muite raais barato do
que se ?endem em outra qualquer parte, com o fim de apurar dmheiro, raro por que con-
vida o rospUavel publico a vir sortir-se, nao s de um avultado sormento de tazendas ep
lei, como tambera de grandeisoftimento de fazendas linas ejos raais apurados gostos
H previne que,s vende a dihhero vista, pfor estar em liquidado.
OFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO-
Nests grande estabelecimento encontrar
Obras de phantasia.
roa do Dnmie di
sortimento de bo
A loja da Agnia Branca,
Caxi s n. ~>Q, recebeu ura bello
nita- madenws olirns (i1) plintafiia, afcndo :
Urie s' e eruzes pretas, com dnraflos e nedras.
Outros de n adrep rola queintada com bonitos
rnfeites de delicadas flores.
Outros le lin i dourado com pnge les de cores.
Outros encarnados e 4t borne s moMe*-.
Roseta 4e fino dtwrado esm pedras#rlct#,
Aderecos madreperola.
Dfos' apurado"? com camapheo preto. .
COM LISTlt AS DE SEDA A 800 RS.O COVADO;
O Pavo recebeu um elegante sormento o rspeitavel publico, orna bem montada offi-
dasraais lindas grenadines pretas com listras cia de alfaiate, onde se manda execntar
de seda de cor, tendo entre ellas coralistra qoalquer peca de obra, tanto para hornera,
rosa propria para luto, que vende pelo ba- como para meninos, com a maior pres-
ratissuno proco de 800 rcis o covado ; assim tesa e perfeicao assim como para qnalqter
como dita mito fina com listra encarnada, loto que de repente apparec,a, tendo na mas-
que vende a l "mimi rcis u covado. Esta ma officina om perito olucial destinado para
fazenda veio p_-lo paquoto ciiegado ultima- farda dos Ilm. Srs. offlciaes de goarda na-
nete da Europa, e liquida-se na loja do cional oa tropa de linba, sendo esta officioa
Pa*vao ruada Imperatriz n. 60. 'dirigida pelo babil artista Pedro Celestino
CANBRAIS ABERTAS PARA VESTIDOS A Soares de Carvalho.
9*000 e 109000 RS. ESPART1LH0S A 3J000.
0PatSo receben um elegante sortimento 0 Pavao tem nm grande sormento de
das mais tinas camliraias brancas, abortas e esparlilbos, tanto para sanhora como para
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- .menina, qbe vende pelo barato preco de
ratissimo precos de 0?, e 109000 rs. o 35000. Ditos mnito Anos a 45000 e 5(5000,
Outra* toditos pret s eom Mirado.
PtUceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Gramptis pret os e de-'ertres.
Hailftas tfxHoaduras de Uno donrado, e ti pe-
dras; coral ew. p^astertoA de misas.
BotSes djpuraJlos e do otitrss qualidades, para
aberturas e roarihho
Bonitos letfs.
loja da Agnia Branca^ rtft t)a corte, tendo bastante fazenda.E'pechincha,
na loja lo Pavao amada Imperatris n. 60.
LASINHAS BORDADAS A 400 RS.
O COVADO.
O Pavio recebeu um elegante sortimonto
das mas lindas lasinhas transparentes com
florzinbas bordadas, tendo de todas as cores
inclusive roxa propria para viuva, e vende
pilo baratsimo preco de 400 rs. o covado.
R' pechincbanaloja do Pavo a ra da Im-
peratriz n. 00.
IVHENADINES A 640 RS. O COVADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimonto
das mais lindas granadinos pretas com listras
brancas e de cores, sendo muito boa qnali-
dade, e vende pelo baratissimo proejo de 560
rs. o :. ido. E'pecbiucha na loja do l'a-
,;,,. a ruada Imperatrizn. 60.
COBERTASDE ITSTO ACOI.XOADVS A
4?000 RS.
O Pavo recebeu um grande sortiraento
de cobertas grandes de fustao, acolxoadas,
guara icidas com franja em volta, tendo bran-
case de todas as cores, e vende pelo baratissi-
mo precode 4:>, rs. E'pechincha na loja
do Pavo a ra da Imperatriz n. 60.
CHAPEOS PARA SENHORA A 12*000 RS.
0 l'.ivfio receben um elegante sortimonto
dosmiis modernos chapeos depalh, rica-
i los, [tara senbora, com osseus
lentes veos, e vende pelo baratissimo
preco de 129000 rs. E'pechncha na loja
lo Pavo a ruada Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS
0 Patap vende um bonito sortimento de
Isinbas listr]^ sendo dasmais modernas
que tem viudo ao cercado, polo baratissimo
de 500 e 6001. ,, oovado. E'pe-
chincha na lujado Pavo&rua ,],-, Impera-
v. n. 60. '
ILPACAS UVRADAS A 6*0 QS
0 COVADO.
.., -..- a para a loja do Pavo um elegante
ortimonto das mais bonitas alpacas de edres
' ivr: das, sendo as coros mais modernas que
vi: lo para vestido., e vende-se pelo ba-
;i:uopreco de OVO rs. o oovado. B'
ba na loja do Pavo a ruada impe-
ratriz n. (II).
Cor*:'."^ da enn>braA, altlma nn-
0 Pavo recebeu pelo ultimo vapor de
Euro] i cortes de cambraia branca com ba-
btdinbos ricamente bordados, tendo fazenda
sufficiente para vestido de qoalquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva bara-
tez.-1, tornam-se recommendaveis as senhoras
debo'mgosto. Bazar do i'avao, A ruada
Imj ratrizn. 00.
LENCOS A 2*400 A DUZIA.
O Pavo tem urna grande porco tic l-
eos brancos com barra do cor, muito bonitos
e boa quali lado, que vende por 39400 por
in le porco,
Di! io os brancos abainhados muito fi-
nos a 2>00.
Ditos chirtezos com barra de cor, muito fi-
nos a .J 5500. E' grande peofanicha, na loja
do I'avao.
2 *.vi-ras n3-?000.
O Pavo recebeu pelo .ultimo vapor, um
lo sortimento deromeiras pretas de lil
rom salpicos, com lindos enfeites nretosede
> Vres, e iremlo pelo barate prego de 3?000
cada ii i'., por ter grande porco.
Ditos toilos de seda ricamente enfeitados a
4#000.
PARA O CARNAVAL.
O Pavo tem nm grande sortimento de lo-
le tod i- as qualidades gostos, proprios
para o carnaval, tendo tambin de merino
escoss '. muito interessantas, que vende ou
alu r precos mnito barat>s, por ter gran*
'' porco.
LENCO'ESDE BRVMAVTE.
0 P I' vende len;es de bramante moi-
to grs !e3, 3en1o de ora panno s, pelo ba-
rUissimo preci madapolOrs.
Pe; s de m.d^Do'o francer. mnito fioo
5i55O0 e iWOO.
jardas mjito
sopanor a
rom 20 lardas a
T 2 i
U& W) e 7500..
Di id in^le/. fazenda mnito fina ->3000,
Wm 64590 at I0#8W.
Di: francez%setnglezs moHo fios de
Ojardas para d.lT^ren'.es preg63.
ALGODOZiNHO.
O Piv) veode por prer^o mnito barato
pifas' de a!?o1Snzinho americano mnito
bora com (8 jarlas OOf'.
Dito com 2i jardas a 4*500 e 55000
at BtSOiiO.
Dito largo marca T mnito' encornado a
6500C.
ALGODO ENPESTADO.
O Pava vende o verdadairo e superior
atgodaoztnfte de dnas larguras pan lencos,
sendo mnito encorpdo- 1500 cada var.
D*o taicado dt mas nos larffora .1 ifiiSO.
COKT? ; DE CHITAS A ijilw B 80.
0 l*-*v5o veaj coftla de chitas francezas
sao dos mais modernos que tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 BS.
CHITAS A 240 BS.
CHITAS A 240 RS.
O I'avao vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo mnito boa fazenda, codo
padr5es daros e escaros, pelo barato preco
de 240 rs. o covado, por ter om lveto-
j i de mofo : pechincba.
LIQUiDACO DE CALCAS DE CASEMirVA
0 Pavao tem nm grande sortimento de
calcas de casecnira de todas as cores eqna
lidadts, para todos os prefos, e desojando
mnito liquida-las, resolveo vende-las por
om pre?o muito em conti, para diminuir a
grande porcSo.
C.ASSAS FRAN'CEZAS.
O Pavao vende bonitas cassas francezasi'
com bonitos padrees, e de muita phantasia
pelo baratissimo preco do 240 e 280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pechincha, na loja do Pavo.
BOURNUS A163?000.
0 Pavao recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at hoje sao conhecidos, e em relaco ex-
cessiva baratera, oonvidain-se as Exmas. Sras
para as verem, para assim admirarem o que
ha de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 63W00.
0 Pavao vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
preco de 6-^000, por ser grande pechincha.
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 83000.
Ditos ditos com listas de cores a 4#000 e
53000.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de ba'oadinhosde cores a 9-3000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
O Pavo vende snporic.r hramante de al-
ijodlo tenlo 0 pilraos de largura que s
jercisa de i '/j vara para um lencol, me-
tro 15600 e a vara HfSOO.
Dito de linbo puro superior muito encor-
pado com mesma largura a vara 25400
Ditos francezas muito finos a 2oo00 e
35000.
Pe(;a de Hamburgo e panno de linho coro
0 e 30 varas, para todos os presos e
qnalidade.
Pepas de bretanlia de pnro linho, tendo
10 jardas pelos precos mais barato que se
tem visto.
Pechincha de fioissimo esgnio sncelena
;om 6 jardas 75'JOO.
Peca de finissimo ce'ena com 30 jardas
a ''fSo"!), atoalbado adamascado com 8 pal-
mos de largura a vara 25"(0.
CALCAS DE OASE.MIRA.
0 Pavo tem om grande sortimento d
alca de casemira, as?im como cortes o
oais modernos qoe tem viodo nos ltimos
i :.rins e em fazenda das mais finas e mais
aovas ao morcado, e vndese por barato
prego para apnrar dinbeiro assim' como cal-
as de bricn branco e de cores por precos
muito razuaveis para acabar.
TNICAS PRETAS.
O Pavo receben nm grande sortimento
das mais ricas tnicas de srrs preto, rica-
mente enfeitadas, e vende por preco razoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3550000 AT 605000.
0 Pavo receben nm lindo sortimento
dos mais ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com tortcs os enfei
tes necesarios, e vende pelos pregas de
355000 at 605000, nao tem vindo nada
mais rico nem mais moderno.
Casias" n, 50, receben bonft s legues d'prfeita
phantasia, pre o com dourao', e ourros oe apu-
rados gost'is ; assim como. r#cebeu ou ros de mft-
deira que se coafuud ort sndalo, e tem al-
ies lindos coloridos a 1 eatfo, e ainda assim v
de estes pelo barato p*co de 4*000 cada um.
Vasos de cfystal para tillet.
A Ufa 4a Agufa B anca, .aro* do Dumie &
Casias n. 50, r celieu bonitas garranbas de crys-
tal em par. cora raaiageni dd*adas e mui prb-
prias para-arranjos de tolet, ote,
Anneis e colares elctricos
A loja d'ajruia branca ra Duque de Caxia*
a. 30;Toerbeu-nova remessa do proveitososan-
eis e colares elctricos, e continua a recebe-lbs
nvensnlmente, pelo que sempre tari prvida de
tees objeetos,
IMademas dourados
A loja d'a?fuia branca ra Duqnfe flo Caxas n.
50, receben oovainente bonitos diademas dourados
enfeitados ecmi pp'drs e aljofart?, tiras de gos-
to e phantasia. Tambem recebes aovos grampos
pretos ou alftnetcs com flotes para a cabeca.
jeques cora bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca ra Duque le Caxia*
6. 50, receben urna pequea quantidade daqnelles
onitos leques com bouquets outros chinaos.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'aguia branca rnaDoque de Caxas
n. Sfit recebeu cold crema dos adamados fabrican-
tes Lubin.Legram Condray.
Diademas e grampos de
Pede obter em ponco lempo com o ojo do mlbor dos licoresa 'jamada
HESPER1D1NA
Farfoito annos qoe ermbecido este precioso tnico, e diflBcil achar nma peiso
qne, tendo experimentado pessoalmonte, nao faHe em seo favor, j como bom estomaca
e apetisador, tomando em calix della antes de janlar, on como facilitador di digestao
t"mndo-se depois.
ABASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, to ba nm s habitante do BRASIL (a trra
especial das laranja) qne cao conhega es propredades uedicinaes da doorada fracU.
ora bem, a
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaraid ao Bazar Universaf da roa No-
va n. 22, um sortinento de machinas para
costura, das memores qnalidades que existe
na America, das quaes moitas j sao bem
conbecidas pelos seos autores, como sejam;
Welter t' Wilsort-, Grover de Boka, Silen-
ciosas, Wed e Imperiaes e outras muitas
qoe COm vista deverao agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trila costuraras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feiglo como as mais perfeitas cosinreiras.
Garante-se a sua boa qaalidade e msina-se
a trabalhar com perfeig5o em menos de tima
ksflft os pregos-so to cammoos qne
devein agradar a*s pretndante*
em sen estado natnral tem nm posto ponco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter soas boas propredades, e ao mesmo lempo apreaenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL olo tem nada qoe invjar ai
melbores importagoes europeas de catbegoria semelbante. Estas, qnando mnito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinagao perfeita do
AGRADAVEL E SADAVEL
Para prova de que om artigo do qnal pde-se ter inteiraconfianga. por ser poro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e antorisada peda
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permitlindo sna lis re elaborado no imperio; outra
BOi PROVA
a acceitarao peral qne tem em todas as parles onde apresentada. Em 1864 estabe-
lecen se a primeira fabrica em Buenos-Ayres; em 1809 a- segonda em Montevideo; a
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inangoroo-se a fabrica qoe actualmente
irabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacitko tem boa acceitago.
tanto qne rara a casa qne considera completo seo aparador sem orna garrafa de
:
ac,o.
A loja da agnia branca, na do Duifue de
Caxias n. 50, recebeu nbvamente bonitos diade-
mas e grampos de ajo.
Bicos de seda pretos bom
flores d cores.
A loja da aguia branca, rua do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos Lieos de
seda pretos com llores de ctcs, sobresahindo Ael-
las o preto com encarnado, e todos mn proprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadine, ou medina, e outras fazendas transparen-
te. Pela commodidade dus preros ess bicos tor-
uam-se mais commodixs e pirta novidaWe de gosto,
preferiveis a quaesquer outros eefeltes:-
Yos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, rua do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, e outras a imitaran de
cr*u, e vende-as pelos baratos preros de 3,
ii e 65000. A fazenda bea e est em per.'eito
estado, pelo que contina a ter prompta extrae-
00.
Diademas e aderecos de ma-
>
drcperdla.
A loja da Agnia branca rua do Duque de
Saxias n. 30. receben, urna pequea porfi de
ademas e aereeps ae maareperola, obras de
apurado gosto.
Para o carnaTal!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Velburina de todas as core? ; s na rua Duque
de Caxias n. 60 A. loja da esquina, de Bcnto da
Silva de C.
Perfeita novidade.
Grampos com borbolctas, bezouros e gafa-
nhotos dourados c coloridos.
A loja da aguia branca, rua do Duque de
Caxias n. 50, recelieu novos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o que de certo
perfeita noviddle. A quantidade pepuena, e
por isso em breve se acabar.
Novas gollinhas ornadas com
pelucia ou arminho
A loja d'asmi.1 fcranca rua Dnqtre de Caxias
- 50, receben urna pequea quantidade de boni-
s e novas gollinhas, trabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, obras eslas de muito gosto
e inteiramente novas.
Grampos. brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, rua do Duque de
Caxias n. 50, receben novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de apo, e como sempre conti-
na a vende-los por prerjos raxoaveis.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
A i55O0, 83000 E 103000.
O Pavo tem nm grande sortimento de
cortinados para cama e janellas, que ven-
de pelo barati prego de 73500; 8-WO) e
103000 o par, tendo at por 8500O, assim
c mo colchas de damasco para camas de
ooivos, e grande sortimento de tapetes tan-
to para .4 cadeiras como para choras, pianos,
Dorias, etc., todo vende por pr.;o3 razoa-
els.
CAMBRAIAS.
O Pavao vende corles do cambraia traos-
prente propria para vestidos a 23300 e
330 0.
Pega de dita mnito fina com 10 jardas
tanto tacada como transparente a 43000,
53000 e 63000 at a mais fina que vem
> mrcalo.
CORTES DE PERCALIA COM DAS SAAS
A 43000.
O Pav3o vende booito ortra de precalia
com duas salas, sendo fazenda a rt;to
?ostoa 43000, jaechmcha.
BXPTISTAS DE GRANDE NO\aDAOE
0 Pavo vende om prinde sortimenio
das mais modero is, baptistas com lista da
cor, proprias para vestido, comascoreamabs
-~ Na padaria- alloma n>1 rua la Guia n.
5i, tem para se vender o seguinti::
rvilhas de tres dilferontesquali iades, fei-
jo branco grado, rc-polhocn barricas, Ipii-
tilhas, sevadinha (Perle), sag, ameixas,
magas e ccrejas seccas; tambem tora para
vender duas balancas grandes enm ganchos
e bracos, alguns pesos, dos rodinhnsde me-
tal para carrinho de mo, urna forma e um
forno para fazer hostias e obreias, e urna
bomba.
Lazinhas para vestido a 320
rs. o covado.
S na rua do Duque de Caxias n. 00 A. outr'o-
ra rua do Qneimado, loja da esquina, de Bento
da Silva k C.__________________________
Miho, milho. milho.
Nos armazens de Tfesao Innos c C. : rua do
Amorim e caes de Apollo. .
O homem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
O homem doente toma Hesperidina para obter
YENDE-SE
Vende-se um sitio com urna casa terrea de
pedra e cal, tendo 00 palmos de fundos, em
chaos proprio : rua da Floresta n. 2, em Olio-
da, para ver e tratar na niesina casa._______
SEGREDO ECONOMA E CELERIDADE.
Obtem-se com o uso
DA
INJECQAO SHOST
nica, hygieiiica, radical einfalliv.d na cu-
ra das gonrheas, llores brancas e luxos de
toda especie, recentes ou chronicasj e que
offerece como garantiadosalut-nsresultados
a continuada applicaQo que sempre com
maior ventegem se tem feito della nos hos-
pitaes de Pars.
L'nici deposito para o Brasil, Bartholomeu
& C, rua Larga do Rosario n. 3i.
Chegiieni ijiianlo antes!!
Lindos chapt'-os campestres, da ultima moda,
para senhora, s na rua do Duque de Caxias ni
60 A, loja da esquina, de Bento da Silva A C.
Vende-se a sitio da estrada da Cruz d Almas,
que flea entre o do Cotnmendador Tasso e o do
desembarfc.idor Doria, com-casa (Je viveeda, d ffb-
rentes arvoredos. granda baixa de capim, etc.,
dando os fundos pAra a estrada dos trilhos urba-
nos ao pe da estaco da Jaqueira : a tratar na
raa do Amorim u. 3?.
i A TI
Para piano.
Por F. Libanio Colas.
Acaba de pnhiirar-se e acha-se a venda este
lin lo galope com l'rontespicio especial e anlo-
go, composto pelo muito talentoso e simpathico
maestro Cnls.
Preco 2j000.
A* rua Nova n. 11. arma em do A7.evedo.
A LHgua Franeeza
IM3R
1:8000 rs.
Methodo rapiki e fcil de ensinar o frailen
pelti
h* MfHp Oum1 Bordes.
Livrari'a franceza.
firaumnatiea porlttgiieza
A IM barata de todas as gi-ammatiras a lio
Ir. thilio (Mar Bnrs"N
500 rs.
Lvrarm franceza.
O homem dbil toma Hesperidina p;ra obter
Nos bailes as donzellas e o mocos tomam a Hesperidina para obter boa cor i
aaiaiac.o dorante os loceos gyros da
BARROS JNIOR & C, roa do Vilano Tenorio n. 7,.fdar. recebeTsm este
grande especifico, e ven^m-no nos deposito seguinies:
Joaqoim Ferreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino CarMiro, roa do Commercio.
Marcelino Jos Goncalves da Fonie, rna da Cadea b. 2.
Autonio Gomes Pires & C, rua da Cadeia.
Antonio Gomes Pires Gomes & Irma bolel da Passigem.
BARTHOLOMEU et C*
Pharmaceuticos premiados em diversas expsicoes-
ALIZ11E51TE1
Tinta Inalteravel
Para escrever
de P. MAIRER i C*.
PERXAMBUCO
Farinha do mandioca a 3^ o
5o3i. i'oai lO'ovadbs i-ilo dimmato precoonva.s que tem vindo ao mercado sendo
de M 0 cida corte. |miitomaisrari?isd6faea9Cbira"sTraoCE!tag,
Ditas ca 13'eovdM pelo prc?o ie'e -;ja la pelo baratissimo preco Je 500 rs.
i^j cada corte. cada cavado.
sacco.
Na roa dn Madre d Dos
qnatfto i so acaba.
n. 7 ; a elh, cm
Xaro^e d'a^riao M Para
Aatigo e coneeituado mdioamento pira
cur das molestUts dos orgaos respiratorios,
tjoraophtysioa, bronehrries astbrna, ele.,
apprrcndo anda Com ptimos resultados Uo
escorbuto.
Vrid-se na 'ptarmaCia e drogara de Bar-
IholoMou- A C., rua. Larga- do -Rosario rr. 34.
i
Vende-se, um calir'iolo't amrricaa, de duu> as-
estado' t
sen", tiafto leve e en b'ortt-'estado : para
n owbera d'Sr. CerM*, i M-Ar.bspfein
Ver
ftti.
mm
Rkrf sem >*4(ii hilo.
Ghfrni asulhaApar-mrtAniBtdfnbifrtnt
Crower 4 Haber. Daiia fr- A
(111 ?
msSM
Rosa Itraiica.
ba|>iiaaloM ou
criusa--muito cli-
Claapo de sol cabo de niariim a
1?5000.
AntiiiInhrtM a I^OO.
Granadne prctu a 860 rs. o cova-
do, ultinu gosto para casaquinho e segunda
saia.
Canahrala f4ransMreute fina a
4-"?e 5006 -a pec,a, com 8 1/2 varas.
f'liHpno para
para tnenfnas pequeas
quo a 4-5000.
Cambraia de ore's, ricos gostos, a
146 rs. o covado, e mais ordinaria a 280
cavadw.
Hipo atMtUmdn a 1*800 a vara, i
muifo tino, etcm os mais lindos dese-
flttrJs".
CoIvkm para cuiiHw a 4^560, sao
eolxas que todos veodetn .i T-^OOO.
"CftAsa ffitl fina, a S^O a pe$a.
T(k) isfco muito Jrarato
porqne a Rosa Ifranea so crimpra .1 dinhe-
ro e vende .pijlo rnosruo systema. Manda-se
levar as. caas. i j
\a nw'dn Iftipftratriz n. 'M.
Esta tinta recommenda-se pela sua com-
posica e fluidez como a melhor e a mais
segura de todas as tintas at hoje conheci-
das. Nao ataca as pennas de ac, da at
tres excellentes copias, mesmo muitos dias
depois de escrever, e preferivel a qual-
quer outras tintas particularmente para
livros de commercio, documentos etc de
que se careca longa conservacad.
Vende-se na pharmacia de arer c5C.,rna Nova a. 25.
Vende* mito nipearior do fyrto charu-
tos daUatiia : Ta raa da lifcmiT Td* r>ens n. 5
l. andar.
Cadeiras oratorias com a-?en;o de palbinba
lOOOO cada una no caes do Apello, anua-
'cm d.' Tan lrmao< & C.
TASSO IRMAOS & C
Km seus armazens rua do Amorim
n. 87 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos :
Jijlos encarnados sextavas para ladrho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Fortlaml.
Cimento- Hydraulicc.
Machinas de descaro^ar algodlo.
Machinas de padaria.
Putassa da tussia em barril.
PhoKptioros de cera.
Sag em garrafoes.
Sevadmha em garrafoes.
Lentiihas em garrafoes.
Bhum da aJmaioa.
Vinho do Porto velho engarrafada.
Vinho do Porto 8uperiorj di a.
Vinho de Pordeaux, dito.
Vinho de ScheFTj'.
Vinho da Ifodeira".
Potes- cora linguns e dobradas ingieas.
Licores finos srtidos.
Cognac Ganlbier Freres.
Latas de tonemho inglcu.
Rarris com repdho^m salaioura-
BICHAS DE HAMMIRGO
As mais recentes e melhoros.
Vendem-sena pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C.,, rua Larga dosario o Bn. 3V.
Corvcj
a
A verdadeira ceneja da BaVier, marca bSn-
deira. de sop^^for (jualidade : vendis Tasso r-
meos 4 C. esi s"u arraazem da raa d"c Amorim
numera 87. ___ '____________
Po de alg.Hlao da Babia e cal de Lisboa, re-
centememe chegado : ha para vender_ no e>-
criptorio de Joaquim lo GonQalves Beltrao & Fi-
Iho. rua do Commercio n. 5.
Chmto3 defavaia
Superiores
no eseriptorio de Tasso Irmioe & C, rua do Amo-' rua Direita n. 10.
rira n. 37.
Economa
( aos paif de familia)
Lenccs de bramanf a ?008 nm
Vit alg'xio a U'iOn a
Cobertas cliita 180 tuna
Ditas cretono forradas a 34'>00 tuna
Ditas. u adamascadas forradas a 30ni),
fom'e 45000
Colcha* ile histo brancos e de cores a 3*.">00
Ditas de crochet brancas, grandes a 5*000
Co!*i-tor;i d* algttdu l20.
Ditos- na Miad.'Crpn.-l, loja de GuiHiermc^'.
da Csohn't. Cv_______________________
Vm+*micabriiaM W?lek de dnasroAs
e com ffnanvjaasntos, por preco rasoavel : para
ver na coehdirh da rfta da Roa, e a trae "na
Milho de.Mamanguape
Vend*K i** freco rnmmodo : nn fflS da Ma-
dre de Deus n. >. primeiro andar.
Taviama
Vende-sel taverna da travewa da rua das Crn-
zes %. crtr poneos fundos, prepria- r*va princi-
piante : a tratar' na me*.



I
*:;
Diaria de Pernambuco Terga feira 4t de.Marea de 1823,
7
.____
FUNDICAODE FERRO E BEORZE
FABRICA DE MACHINAS
V ra do Baro do Triuiupln (ma diBrun) ns. 100a 104
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos Srs. de engenhos e ao publico em geral, que toem recebido da Europa
grande sormento de ferragens para engenhos e para lavoura.e quaesquer outros usos
e misteresda industria agrcola, o quetudo vendom por presos razoaveis.
rOrmaS pftfa aSSUCar pintadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VlDOreS h050111865 e verticaesj bem conhecidos nesta provincia e fra della, os
r raelhores que teetn viudo a este mercado.
3l0eHaS completas de diversos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
3lGiaS mOeiKiaS para assentar em grades de madeira.
laiXaS (le ierro rje ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
KOCTaS Cl agua de diversos tamanhosi
KOQaS uentadaS de diversos tamanhos equalidades.
CoilCertOS concer'am com promptido qualquer obra ou machina, para o que teom
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EllCOmniendaS Man(^am v'r Por encommenda da Europa, qualquer rs.achinismo,
para o que se corresponden! com urna respcitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesinas.
Ra do Baro do Triumpho ns. 101, 102 e 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMO
MITA ATTENCA0.
Soares Leite & Irmaos, com loja de miudezas ra do Baro da Victoria n. 28 (ou-
tr'ora Nova) pedem muita attencao para os presos abaixo especificados:
MIUDEZAS.
Abotoaduras para cohete a 200 e 320 rs.
dem dem para punhos a 320 rs.
Talheres cabe de viado ( imitaco a 3v>000
a duzia.
dem idem cabo bramo 2 B a o$500 a du-
zia.
Caixa de liuha branca com 40 novellos a
500 rs.
dem dem de marca a 240 rs.
Mafo de lita duneta a 15000.
Coques modernos a 39500.
Resma de papel pautado liso a 29600, 3?,
39500, 49000 e 69000.
Caixa de papel amisade a 600 rs.
dem idem idem beira dourada a 800 rs.
Caixa de nvelopes forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Caixa de pennas Perry a 800 rs.
dem idem a 400 rs.
livros para notas a 320 e 400 rs.
Kedes enfeitatlas a 19300.
Tranca de caracol branca, a 400 rs. o
maco.
dem lisas a 200 rs. o maco.
Microscopios 'sem vistas) a 29000.
Duzia de pecas de conloo imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couro da Russia a
109000.
Leques para senhoras a 29000, 49000 e
79000.
Vara de tita escoseza ^larga (hoje grande
..ovidadej a 45000.
Duzia de collarinhos bor Jados para ho-
flem a 89000.
dem idem lisas a 65000.
Puzia de cachimbos p de gallinha a
25500.
dem idem de madeira com tampa a
35000.
Duzia de meias para hornera a 39, e*59
65000.
dem idem para senhorasa 49 e 79000.
Lamparillas gaz a 19000.
(Irosa de botes de osso para calca a
200 rs.
(irinaklas para casamento a 29 e 59000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 39600.
dem idem idem lisos a 29500.
Carrafa de tinta roxa extra-lina a 19000.
Pecas de lita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem de grosilenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira e char-
lte.
Mascaras baratas.
Chapos para senhoras a 8-5000. A
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19200.
dem idem kananga do Japo a 1200.
dem idem divina a 19200.
dem idem Magdalena 'novidade) a 19500.
Frasco de oleo oriza e philocome a 19000.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 19, 15500 e
29000.
Tnico oriental de Kem a 19000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez, o que ha de
melhor, 500 rs. e 15000.
Maco de sabonetes inglezes a 600 rs.
Duzia de sabonetes. de amendoa a 29500
e 39600.
dem idem com flores a 19500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
39500.
Agua de cologne, bauha em frascos e
muitas perfumaras de gosto e baratos.
QU1NQUILHARIAS
Mascaras, brinquedos para enancas, bollas de borracha, tambores, cobras de madei-
ra, etc., e muitos objectos que se tornara longo mencionar.
28 Ra (lo Baro da Victoria 28
Aralos para lanar a trra.
GflirnhfM de mo.
Camas de ferro.
Cofres ile ferro.
Cestos d'arame para fi
Fogesde ferro.
Baldes de ferro galvanisado.
Chapas de ferro galvanisado para eobrir casa
Pregos americanos.
Tachos de ferro estanhado.
Macliinas para descarocar algodo.
Machinas de cortar fumo.
Cimento.
Salitre.
Balancas, pesos e medidas.
EM CASA DE SHAW HAWKES
RA DO BOM JESS N. 4.
Adereces de bri-
Srjw lnan,e!. esmeraldas
~ \\ rubina e porcias
voltaede perolas.
AL
Obras de ouro e
prata de todas as
quadndes.
stt
%r
N.
NOVA LOJA DE JOIAS
2 ARa do CabugN. 2
DE
'BARROS A I II IIO
Achando-so completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os eeus proprwtaros feito urna importante acquisico de
joias as mais modernas rindas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel pubhco a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preoo razoavel.
Boa acqisicao.
Vode-se,piaa caga na rpa Imperial n. 240,
dopedra e cal, ora eaixjo, i>ropria-para' estabe-
lecimimto; laudo eoaha interna, tom um bom
otolal to4o murado, cero,: carimba e Batuda no
inda : *.tratar na casa' n. 836, na mesma
*ua.
Obitas e madapolo com
pouca avaria.
ritas de ffreaaJWp.e 2M),o covado, madapo-
fciofergo fino a 3*WQ0, *J, H e 3* a pe^a : na
>b dv Crespo n. 10.
Vende-se, arrendase on purreatarse, pon
I lerrasique sirv.ini para plantar canna, nina pdaria
Uita no paleo da eira no povoado dos Mentes; a
i tratar com seu proprietirlo no mesmo povoado; e
para irrformacoes, com os-Sre. Rocha tma 4 -Gui-
! maraes, ra do Bom Jese(oatr/orada;Crui) n.
! 16, on tom o'Sr. Kicomedes Mara -Freir, no
Caes do Apollo, n'esta cidade.
Terreno na cidade.
I. Vende-se nm terreno na ra.Imperial, cora
IIa palmos de frente e 540 d fondo, solo pro-
pro, atterrado, porto no fondo para descarga
de maieriaes : a tratar na asa,contiua n. 26,
ou na ra Nova, loja n. 7.
RAPE ASEA FINA
DA
IMPERIAL FABRICA
DE
M GR EIRA & C.
NA
BAHA
Moreira & C. solicitam a attencao do publico da provincia' de Pernam-
buco para o raprea Fina producto de fabrica pertcncente a filhos
do paiz, e cuja qualidade est cohhecida perfeitamente igual do verda-
deiraAra Pretacomo o fabrica a casa primitiva na Baha, tendo alm
disso a vantagem de 6er viajado.
No intuito de toynar cdnheceido devidamente apreciado o rap Ara
Fiuaos annnunciantcs acabara de autorisar seu agente em Pernambuco,
a aeccitar, mo grado, os obstculos e direitos de introdcelo, a luta da
concurrencia, acompanhando-a nos abatimentos de preco at onde for
isso compativel com suas urcas.
Os auuunciantcs esperara encontrar na nohre populacho de Per-
nambuco, o apoio que tiu jus a actividade e o^ esfor^os que ellesteem
empregado para, por assim dizer, nacionalisarem um ramo de industria
que at hoje s ao estrangejro tem aprovetado.
O deposito em Pernambuco no escriptor o do Sr. Domingos Al-
ves Matheus, <1 rua lo Vigario n. 21. As vendas sao feitas em libras
ou meias libras, vontade do comprador.
Pceo 15000 a libra, com descont de 18 % era porcao de 10 libras
para cuna.
Baha, 21 de fevereuo de 1873.
Moreira. & C.
nv
ALCATRAO BE SDYOT
UCII CONCENTRADO C TITULADO
0 Sr Guyot chegou a tirar ao akatrio a
sua acrimonia e o seu amargor insupporlaveis,
o que o torna mais soluvel. Aproveitando essa
l'eliz descoberta, elle prepara um licor con-
centrado de alcatrSo, o qual, sob um pequeo
volunte, conten urna grande proporcao de
principios activos.
O AleatrAo de tyot (Goudron de
Guyot) possue por consequencia todas as van-
tagens da agua de alean u ordinaria, sem ter
os inconvenientes. Basta deitar d'elle urna
comer de cafe n*uia eopo d'apu para obter
logo um copo de exceUenle agua de alcatrSo
sem gosto desagradavel. Cada qual pode
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
catrio quando d'ella precisa, o que offwece
economa de lempo, fnrilidade de transpone
e evita o manejo to desagradavel do alcairao.
O AlcIr*o dr. tinjmt sulistilue com
vantagem muitas tisanas mais ou menos
inertes, nos casos de defluxos, bronckites,
tosses,'Ca,UprljiOs.
O aicatrftu im fi7ot empregado como maior xito as molestias seguintes :
EM BEBIDA. Bm$ oolher de caf para vm copo d'agua q* duas colherts dt
sopa para urna garufa :
BROMCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERMITAZ
IRRITADO DE PEtTO
TOSSE CONVULSA
EO FOKENTQOES. Licor puro ou.com umpmco.d'agu:
AFFECCES DA PELLE
COMiCHOES
MOLESTIAS DO COURO CABELLUDO
E9 WJEC(J0ES. Umaparlcde licor* quatro d'agua,iiaM* tmf'umtmtt, WW>M
FLUXO& ANTtGOS OU RECENTES
CATA RRKO DA BEXIGA
O Aleatr&o de Guyot foi experimentado com umverdadeiro xito nos
pr'mpaes hospitaes de Franca, da Blgica e da $spauha. Foi reconhecido
que, para os lempos de calor, elle constitue a bebida, a mais kfg.ienica, e so-
breludo durante os lempos de epidemia. Urna intrucfooceompanhauda vidro.
Deposito gersl tm e, 14 fREBE. I, Hn Smcoh
Rh> Jvei, DoDonclicllr Che.olot, E*!tBo, Ferrelr et C*.
ttmuimco, P. Haarer et <>.
BaHA, UosKe et C-
Oco-Pno, Candido WellerMB
-Patns; Ab 1 eir I Lelvoa.
Mice. Pateo Dlaa
Posto ilewe, FranrUro Joa Bello
VERDADEIRAS
PILLAS de fiLANCARD
COM I0DURET3 OE FERRO INULTERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEMIA l)E MEfC!A -DE-PARS-,- ETC.
Possuindo as propredades do iodo e do ramio, ellas convem especialmente cas Ame- |
c5es escrofdlosas, a Tsica no principio, a. fragela de temptrgmmlo e tambem nos caaos
de Falta de cor, amenorrhea, em que necessario jieacir sobr* o sapcck seja para lbe
restituir a sua riqueza e abundancia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peri-
dico.
N. B. O knhreto de ferro Impuro ou alterado um roedicainfllto taflel,
Irritante. Comu prava de pare e aliitiilicidadr das verdadelras
Pllalaa de Blaneard, deve-se exigir r.osw) ello de arata.reae-^
tira e nossa Orina, aqui reproduziila, qae se ada na parte loferior
de um roalo verde. Beve-edesconfiar das (alti8ca(des.
Aeaaa-se eaa todaa as paarnaaeias P/iarmaceutico, rua Bonapartc, 40, Pars.
Na pharmacia Maurer rua do BarSo da Victoria n. 25.
COSTURA DE HOWE
SOARES LEIE, MOS
NICOS AGENTES
A'
Rua do liaran da Vicloria 11. 28
(As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposico de Pars, em 18C7, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
cao da Legio de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
i
A medalha de ouro na exposieao de Londres acredtala
estas machinas.
A 90S000
r.ibe-nos o dever de annunciar que a companhia das macliinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta cidade rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agencia
! geral, para em Pernambuco e mais provincias se venderem as afamadas machinas de os-
j tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfei<;ao de seu trabalho,
lempregando urna agulha mais curta com a mesma qualidade de liuha que qualquer outra,
8 pela mtroducco dos mais nperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer ao exame publico ns melhores machinas do mundo.
As vantagens clestas machinas sao as seguintes:
Primeira.0 publico sabe que ellas sao duraduuras, para slo prova incontestavel, a
cireumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d" Howe em segan-
da mo.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor friccao entre as diversas p';;as, e menos rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Formam o ponto como se fra feito mo.
Quinta.-r-Permitte que se examine o trabalho de ambos os los, o que se nao consegu
as outras.
Sexta.Fazem pont miudo em casemira, atravesaudo o fio de um outro lado,
e logo em seguida, sem modificar-se a tenso fk linba, cozem a fazenda mais
| fina.
Stima.0 compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao comegar nova costura.
Oitava.Muitas companhias do machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
i decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffrerarn
mudanzas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem coostantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje nao atiende a procura, posto que faca C00 machinas
por dia.
Cada machina acompanha livretos com instrueges em portuguez.
A 902>000 A90M)00
SOARES LEITE, IRMOS
A'
Rua do Baro da Victoria n. 28.
Lindos vestidos a 58 o corte
Superiores cortes de cassa de cor, de organdy e do lercalia cora barra e de dua-
saias, acompanbados dos competentes figurinos a 55 cada corte. Vendem na rua Pri-
meiro de Marco fantiga do Crespo) n. 13, loja das columnas de Antonio Correa de Vas-
cellos.
lijlas francezes sextavadas
De 4 .Y-4KSO a &&3000
o millteiro.
Estes tijo'o, fab'ricados de barro vernielho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilbar os pavimentos
terreos das casas, ponjuanto.jwuco mais custan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem compararlo
alguma, superiores a estes pela Iimpeza de que
sao susceptiveis. Custam alm disto menos da
decima parto dos de marmure, j reprovados, e
dos de diflerentes mosaicos, os quacs nao estao
certam^nte ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empreados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem que ha no enipn-go
testes lijlos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes anda a de serem os melno-
res e mais proprios para ladrilbar cozinhas nos
sobrados da cidade, attento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de serem assoalbadas as cozinhas todas de tijolo,
e nao s a parte junta ao fogao, no que al as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Vendem-se nos armazens de larinha de Tasso Ir:
maos A C^ no caes do Apollo.
COKST1TCO
Sl.]Uctl
Mifnai
liu
M
2. 55 B4 Sebasto
Cl,
COMO DOSE PRG;.T! -B^r
TOMAL-ASAdDEITAfl-S \
Charutos de lia\ana
He diversas marcas, receberam pelo ulti-
mo vapor
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drenarla
M
EAHIH0LUMEU 4 c.
34Rua larga do Kosarn34
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 3 da rua do Pao, na fj -
ia do Poco da Panella, com 3 M
quartos, 1 saleta, despensa, cozinha e quintal mo
rado.cujo predio acha-se concertado, caiad
: pintado de novo : a tratar com o commendad< r
Tasso.
15
Bourgard & C.
m
15
Vende-se
nm expeliente alambique todo de cobr, quas
novo, e com duas serpentinas : a tratar no enge-
nho Massangana. do cabo.
O bacalhin da dracgl, ero caira e raeiir
litas : no cat--* da AK.'ndega o. 1, :i Ot
Tasso Irmps & C ^^^^^
Vende-se e se faz todo negocio com o esti-
belecimento de un.I liados sito rua de Mareili.
Dias n. 99.
AYER.
Pcitoral de cereja
Para molestias do peito, pulmoes- c gar-
ganta, taes comodefl u xo ou tosse, crpu p,
asin*a, diphtoria, bronchites, phtysica, etc.,
etc.
SalapaiTlha de Ayer
ICsiracta compowto.
- para purilicar o sapgue e livrar do veneno
de escrfulas, syphiles em todos osaeusdiffe
, rentes e numerosos ramos.
Remedio de Ayer
Paru sexAes.
r^Goruraasfebres intermitientes, tebresre-
mitteirtes,.beliosas e toda e qualquer mo-
, lostia que tm sua origcm no desarranjo
da bilis.
Pilulas catharticas
de Ayer.
O purgante perfeito ; pde-se empreg?
por todo o effeito de um catkartico ; ou jun-
tamente com os outros remedios de Ayer.
Todas estas preparaooe i**ttmllnM-- um vt&da .wvial, \*n\o un *colto,^mesaw,udUyaso) das drogas deque sao feitas, como na sua decoro ; eterno^
--ip.^.pfjidj9,|)ro4uzir, eoosjulgamos muito superiores a todos que neste genero tem sido apreseij-
toda a confianca ern dEW tado ao povo.
Veadei^sje jeiiiocbs as f rkiqij)aes pharmacias de Pernau-
ktm> e do ipaperio.
'Paitocol '?W^weja......... i
Salsaparrilha de Ayer..J;
Remedio para wsfles,
38000 cada vidro.
Mi
,rW i
Pulas de Ayer.............. OOcada vidro.
D, (doutor em medicina) vem acompanhndos
com rotlos e envoltorios bm^qrtvoiqsz, CQW todas as instrucies e.drecQes necessarias e
orno pratoc^ko cpptrarfts fraudes traiem imprensados em bronze as cobci-tas de cada vidro
W. R. Caw.el C.
IfiWW* DOS SRS. J. C. AYER & C.
i+ikgittejai^ provinciaJ. .#' J>oyle, rua do Commercio n. 38.
^^




Mfl
Diario de Pernambuco Terca fera 4 de Marqo de 1873.
AS
GEiUL
SENADO.
SESSAO DE 10 I)t FEVERE1R0.
Viscussao do voto de gracas.
(Continuaco).
que dicta \ a dignida le de nossa pa-
tria 1 A le das gentes clara : nonhuma
afio tero, o direito de ratificar parte de-uro.
tratado, repelliudo o mais : 00 tudo un
nada. Anda ha oatros principios regula-
dores desta' materia: quando qualquer po-
tencia d exocro.o a u n tratado, essa exe-
cuco presuppe rat;!i.\vo : a repblica
Argentina deu execur,u ao pacto de allianca;
logo ra.ificou-o ein todas as suas partes.
Em terceiro lugar a le das gentes ensiuu
que, desde que tuna potencia falta a alguina
das estipularles de uin tratado, a cmtra
teiu o direito de dar esse tratado por ca-
duco.
N'enhum direito, pois, tinba a repblica
argentina de arrogar-se a supremaca de
negar-se a recouhecot una clausula do tra-
tado de allianca : desde que iSSO llie fosse
licito nao se tratava mais de potencia a po-
tencia, urna lieava dispondo da outra.
Su.i prneira , portanto, c a se-
guirte : desde que a repblica Argentina
assUu proceda, o tratado de allianca estava
roto, nao obrigava inais o Brasil sua exc-
cuco, ein rigor de direito.
Entretanto o Ilustrado plenipotenciario
brasrleiro fracou um acto de consuninia la
prudencia,o que o orador louva. deixando-o
suspenso vs-a questo pa depois ser atten-
dida. Mas por que lieava ein suspenso essa
questo, nao se segua que o Brasil renun
ciava o sen direito ; pelo contrario, reser-
vou-o ero toda a sua plenitude. E tanto a
repblica Argentina reconhece a justica
desso proeednento, que en sua nota nao
oceultou que se o Brasil de< larasse por aquel -
le facto roto o pacto de allianca, estava ein
SU direito.
Bailando o orador tambem em suspenso
essa priineira questo, passar o orador a
examinar a segunda, isto a que se refere
aos limites da repblica Argentina no
Chaco.
Muitas foraia a esse respeito as pretences
do plenipotenciario argentino o Sr. Dr.
Quintana ; mas resamem-se em tres : Ia
dar allianca urna interpretado que nao
podia ter; 2" impr ao Brasil obrigaces
que o pacto de allianca nao lbe impunlia; 3a
que o Brasil, anda que tivesse as obrigaces
que o negociador argentino lbe quera attri-
buir, renunciava na exeeugo sua irtolh-
goncia, para tornar-se instrumento cgO das
vontades do gorerno argentino.
Examinan lo o tratado de allianca e com-
binando seus arte. 10 e 17, observa que
aquello estipula o direito dos alijados exig-
an do Paraguay tratados definitivos de li-
mites, e este dispe que os alliados garanti-
i i entra si a evecuco desses trotados. ^ A
segunda parte deste ultimo artigo define
dois catas ftederi, nenbum dos quaes in-
clue a interpretace dada pelo nobre sena-
dor da Baha (o Sr. Saraiva j : o primeiro
CUSO resulta da obrigacao que o Paraguay
tam de negociar coro os alliados ajustes de-
finitivos de limites: O segundo caso podia
dar-se quando. negociados os tratados, o
Paraguay nao os quizesse depois pumprtr ou
p-ocurasse destruir suas estipulaces.
Nem possivel j}ar outra intelligencia a
esses artigos que seja digna dos alliados : o
art. 8" do tratado de allianca dispoz que os
alliados se obrigavam a respeitar a integri-
ade do territorio do Paraguay. Ora, o que
Brasil; em nenhum de seus artigos acha-se
estatuido que o Brasil v coagir o Paraguay
a aceitar estes ou aquellos ein virtude do
rt. 17 : por que naquelle pacto nao esto
indicados seno phases, que ficam depen-
dendentes de tratados celebrados de potencia
a potencia. __
Em nome de que estipulaco ira o Bra-
sil obrigar o Paraguay a aceitar estes ou
aquellos limites ? Nao pode ser apontada.
E a nda quaudo o Brasil tivesse contrahido
essa obrgaco, cutnpre nao duvidar os
principios reguladores destes essumptos.
Anda mesmo no caso de estar estipulada a
garanda, o allado de quero se exige auxi-
lio toro o direito de verificar se se deu a hy-
pothese da garanta e se seu adiado tero
por isso direito.
Entretanto o Sr. Dr. Quintana sustentou
que o Brasil nao tinba direito de entrar em
nnhura exame ; que eslava constituido ins-
trumento cgo do governo da repblica Ar-
e. respeitar
x integridade territorial de um
o di
Negra
paii seno reconhecer e quo lhe pertence
ca virtude de seus ttulos?
A repblica Argentina entenda que tinba
lireitO de levar seus limites at Babia
mas compria-lhe atteoder que o
Paraguay tlha porventura melbor direito a
territorio. Se em vista dos ttulos que
deviso) ser apresentados mostrasse que o
Chaco era parte integrante do territorio Pa-
raguay, o art. 8o do tratado de allianca
ha aos alliados a obrigaco de respei-
tar a integridade desse territorio.
Dexe-se, porm, o tratado de sua allian-
ca : sua redaeco podia ser mais clara ;
mas anda assim nao adutte outra inter-
11 laco.
Vcabada a guerra do Paraguay, o gover-
no argentino fez oceupar a Villa Occidental,
no Chaco. 0 governo paraguayo roclamou
i ntra essa oceupacio. Na resposta do m-
i istro das relaeoes exteriores da repblica
Argentina que o orador le, se reconhece que
03 limites assgnalados no tratado da allian-
ca nao sao definitivos e que os limites entre
0 Paraguay e o Brasil contra o Paraguay e
a repblica Argentina sorao os que nos tra-
tados definitivos forero estipulados.
Mas anda que o tratado de allianca fosse
nesse panto susceptivel de duvida, ella des-
.. parecera diante dos arts. 2" e 3' do ac-
cordo preliminar de paz de 20 de junho de
J 570, os quaes o orador le.
Tambem l o que o Sr. Tejedor disse na
conferencia de Bueuos-Ayres, de 17 de ja-
i.eiro de 1871, e o art. 2o do projecto do
tratado definitivo discutido era Buenos-Ay-
res. donde se v o recouhecimento de que
os tratados de limites fkavam para ser ajus-
tados com o governo do Paraguay.
Nao se podem, pois, sustentaras preltn-
., tes exageradas do Dr. Quintana, pretenden-
d impr ao Brasil obrigaces que nao tero.
Na opinio do negociador argentino, os li-
mites indicados no pacto de allianca sao de-
finitivos, o Paraguay so tem o direito de
propor modificares. Ora, que direito
. sse, s de propr sera poder sustentar,
ii un ajustar? De tal modo a repblica Ar-
gentina ficava constituida ero juiz supremo
da questo; dcixavam de estar em frente
. i, nacoos soberanas, para contrataran)
entre si.
Perguntou o nobre senador pela Babia,
.su a repblica Argentina nao o juiz exclu-
sivo, quero ? E' fcil responder. Quero
e o juiz exclusivo das questes de limites
entre a repblica Argentina e o brasil ?
E entre aquella repblica e a do Paraguay.
Quero o juiz das questes entre duas na-
ooes soberanas? Ellas nao tem superior,
sua razo, ou os meios coercitivos sero os
nicos elementos da deciso.
Era, portanto, impossivel que o Ilustrado
plenipotenciario brasileo aceitasse seme-
Ihanto interpretado, assim como foi impos-
sivel que o plenipotenciario oriental con-
cordasse com ella, nao obstante, o Dr. Quin
tana entender que seu voto isolado devia
ser predominante.
Disse que esse plenipotenciario quera im-
pr ao Brasil obrigaces que o Brasil nao
t"u pelo pacto de allianca. JTez ver
quaes oram por esse tratado, as obrigaces do
gentiua.
Nestas circumstancias que cumpria ao
nosso plenipotenciario ? Sem duvida resal-
var a dignidalodo Brasil, stsus direitos, sous
legtimos intoresses, e nunca pr-se merc
de uro governo estrangeiro. ,
Nao restava, portanto outro arbitrio se-
no tratar em separado com o Paraguay : ne-
nhum artigo do tratado de allianca o impe-
dia de tratar em separado ; pelo contrario
era expresso quo os tratados de limites se fa-
riaro ero separa lo.
0 Brasil de uro lado tinba o direito de
declarar caduco o tratado de allianca ; esse
direito estava em suspensao ; imdiamos fa-
ze-lo depende da desapprovacao da doutrina
proclamada pelo Dr. Quintan i.
Pois bem, o nosso Ilustrado plenipoten-
ciario tratou em separado ; roas respeitando
escrupulosamente o que estava accordado
as conferencias de Buenos-Ayres e todos
os direitos de noSfiOS alliados. Era o modo
mais digno que podia o nosso plenipoten-
ciario ter de desempenhar sua misso.
.0 Brasil ficou coro seus direitos e digui-
dade resalvados, e com o direito de poder
di/.er repblica Argentina : o tratado da
all anca est roto ) se queris entrar agora
em accordo, podemos repr as cousas no
estado anterior; mas se continuis a consi-
derar roto aquelle tratado, respeito a vussa
deciso.
0 governo da repblica Argentina, olvi-
dando-se de que elle que havia rompido
o pacto de allianca, formulou uro protesto ;
lao se limiten a pedir explicaces, protestou
logo.
O governo do Brasil respondeu na nota
le 22 de narco, declarando no final della
que nao era sua intenco considerar roto
o pacto de allianca, e por isso estava
prompto a entrar ero alguin accordo que
restabelecesse a harmona entre os dous aje-
vernos.
Nesse interina o nosso Ilustrado pleni-
potenciario cliogou a Buenos-Ayres, e da
entrevista que teve com o ministro das
relaeoes exteriores, resultou que este como
que acoitou um compromisso tendente
a reslabelecer a harmona e a'assegurar a
execucao das estipulaces da allianca anda
nao cumpndas.
Se o governo argentino tivesse ento
maulado ao Brasil um plenipotenciario, ter-
se-hia evitado todo o conflicto occasio-
nado pela nota de 27 de abril e o mais
que se seguio. Nao o fez, e talvez que
para sso nao concorresse pouco a atti-
tude que tomn a nossa imprensa liberal,
abrindo logo guerra aos tratados de Assunip-
cao.
Mas seguio-se a nota de 27 de abril,
concebida em termos taes que a propria
impreusa da opposico sendo ento a injuria
ao Brasil e reagio ; melbor sera que a ti-
vesse previsto e tomado outro caminho
mais consentaneo com o nosso patrio-
tismo.
as estipulares do art. 12 do tratado de al-
lianca.
Os outros artigos do record u verano em
vista satisfazer alguns iuteresses dos alliados
e regulamentar o systema das indemoisaces:
nao os analysa agora, ma coropromette-se a
responder a quaesquer objeogoes que possam
suscitar.
Sua concluso, pois, a segrate: como
negociador do accordo de 1* de novembro,
procurou resolver as queste existentes do
um modo digno e conveniente s duas na-
Ces, sem contrariar de forma alguroa a
marcha seguida pelo governo ; se seu pro-
cedhneirto merece approvago esta deve ser
dada ao governo, nein o orador aceitara
louvores que importassem injusta ao go-
verno, a quero servio lealmente e segunde
suas vistas.
Em vciievac/io ao nobre senador pela Ba-
bia responder a urna perguuta que S. Exc.
fez. 0 no'ire senador presuppoz votaco,
este facto obrga-o a motivar o voto que teiu
de dar contra tal emenda.
Anda nao susteutou no senado urna idea
que uo consulte a liberdade-do Brasil, e uo
ter duvida de votar pela eteigo directa,
quando opportunaraento se tratasse della ;
mas antes preciso ventilar urna questo
preliminar : a de constitucionalidade de tal
reforma nao prestou um juramento de ob-1 do que urna especie de prograi
servar a constituico, para trahi-la.
dir
de de imprensa, da qual ser semprej Attonlen lo a que mserindqtesta cireu- .,
um advogado, tam a lieenca; emquantoj lar as suas columnas, Delaroadeleine, ge'-sut
iver o direito de clubs polticos : pode, siro rente do jornal a Gazelle de Frunce, nao po-
temer pela licenga. | da ignorar que propagava as doutrinas e as
Os ilustres ebees da opposico tm de-. nstrucooes da Internacional ;
veres muito sagrados: na- vida governa-' Que elle scioiitemente contnbuo para o
mental, como horaens de disciplina, devein desenvolvimentodaquella swcedade, por um
lembrar-se que, chamados ao poder, nao dos moios enunciados na le de 14 de mar-
querero a impotencia da aceao pelo despres- c ^e 1872; .
Ugio do principio de autoridade... i Declara Dolainadeleine cul[>oso dodebeto
0 Sr. Zacaras :Y. Exc. d csses con- previsto nos arts. 2. e 3. da dita le, o
sethos ao seu viziuho. theor dos quaes este:
O Sr. Mrquez u S. Vkx^te :A Art. 2." Todo o fraiicez que, depois da
qual deltes? Ao Sr. Siuirob? (Bisa- promulyago da presente lu, se libar oupra-
da6.) ticar actos como filiado na assoeiaeao a nter-
rasgar ou destruir, devendo aiuxar outro
sua i'lista.
DI ACASO FELIZ.Urna pobre rapariga
tomara a desgranada o criminosa resol uc/'"
de juicidar-se ; oncaroinhou-se para o ca-
nal qjue vai desembocar no Sena, e preci-
pitou-se.
O embate do corpo na agua attrabio a at-
tenco de um operario, que ia passando
(eram oto horas da noute) ; abeirou-sc da
carlina e vio um vdto fluctOar. Nao espe-
rou por mais nada. Allivou-se de algum
fato, e lancoii-se agua, com o arrojo de um
boro nadador ; e, ajudado por outras pessoas
OSr. Zacaras :Ao Sr. Viscondede In- nacional dos trabalhadores ou n'outraqual-[q0 tamlxun acudiram, salvou a rapariga
Prmeiraniente, porero, dir que nao ere
que a eleigo directa seja uroa panacea ; nao
duvidar votar por ella, nao por esse prin-
cipio ; mas porque est convencido que se
for bem estabelecida dar menor numero de
facilidades aos abusos. Como panacea, para
restaurar nossa moralidade poltica e gerar o
patriotismo, mostrara que nada fr.
Porque razo a eleico directa nao deu
outros destinos Franca, conserva a Hespa-
nha no cabos, nao permute que Portugal
prospere ? Deve, pois, concluir, que por si
so a eleicro directa nao d a liberdade.
Para um povo positivo, moralisado, Ilus-
trado como o povo inglez, sem duvida que a
eleicao directa um grande elemento de vi-
da constitucional e liberdade. Mas, por-
ventura, basta transplantar as insttuic/es de
um paiz para outro, para que ellas at pros-
pere! ? As instituices de um povo nao sao
entidades abstractas; teero de funeeouar se-
gundo as condiooes dos diversos paizes em
que sao estabelecida*
Nos Estados-Unidos a eleicao directa, e o
governo nao ntervm. Mas veja-se o que
diz a esse respeito um escriptor distincto.
Antes, porm, de tudo, ha para o orador
a questo constitucional, e preciso que se
falle seriamente, porque esta objeceo nao
materia para sophisraas nem para subtile-
zas ; materia do consciencia, e elle jurou
alli (designa a mesa da presidencia) mau-
ter a constituico. Quem entender seu ju-
ramento por outra forma, proceda de outra
maneira.
E o que diz a constituico ? A constitui-
co diz o seguirte: Todos os cidados,
menos os poucos exceptuados, teem voto na
eleigo primaria. A eleico directa, exi-
gindo o senso, limita a massa dos votantes.
Ha, portanto, duas proposicoes diametral-
mente oppostas. A constituico diz que
constitucional tudo o que respeita aos direi-
tos individuaos o polticos dos cidados ; o
direito de votar um direito poltico, e to-
dos os que forera excluidos delle ficam pri-
vados de exerce-lo por um modo inconstitu-
cional.
0 Su. Yisconde do Rio-Branco (presi-
lente do conselho) :Regenera-se o systema
destfundo-se a constituigo.
0 Sr. Mrquez ue S. Vicente diz que o
nobre senador pela Bahia (o Sr. Saraiva) se
engaara quando disse que a eleigo directa
foi decretada em Portugal, indepeudeute da
reforma do acto addicional.
0 acto addicional de Portugal datado de
o de julbo de 1852, e a le da eleico directa
de 30 de setembro de 1852. 0 acto addi-
homerin. quer assoeiaeao, professando as mesmas dou-
0 Sr- Marqi-ez de S. Vm;emk :Elle trinas c tendo o mesmo lim, ser punido
concorda comigo esta parte. cora priso de 3 mezes a 2 annos e com a
O Sr. Zacaras- i -Pois uo. multa de 5!) a 1,000" francos. Alm disso
OSr.MaAQinfe deS. Vicente :E' pre- poderser pi-ivadode todos os seus direitos
ciso que as torcas se equilibrera para a fe- polticos, civis e de familia, enumerados no
licidade do paiz. (Muito bem. 0 orador art. 42 do cdigo penal, durante 5-anr/os
cumprirauntado.} pelo menos, o nao lois de l.
O Sr. Vieira da Silva, nao pretende oc- Art. 3." A pena de pristo poder! ser
cupar-se ueste debate- de questes adrolnis- elevada a 5 anuos, a le inulta a 2,000
trativas, loas do governo de seu paiz. As francos (3u0r000, para todos os francezes
questes de adralnstrac^o tm propriamc-n- ou cstrangeiros, que tiverem aceitado um
te o seu lugar iuvariavel, e segundo sua cargo qualquer n'alguma dessas associacoes,
opinio, a falla do throno nao mais ou que scienteineiite houvorem concorrido
roa innis- para o seu desenvolviraento, recebendo ou
ferial. prerooven lo em proveito della subscrip;es,
Ha onze annos que, naqualidade de re- j procuraudu-lhu adberentes collectivos ou
presentante da provincia do Marauho, indivi luies, j einfiro propagando suas-
teve a honra de tomar ausento na cmara'.doutriuas-, seas estatutos, suas circulares,
dos depurados, cabendo-lbe fazer parte da etc.
represeutacto nacional, quando o par-
tido conservador,, gasto lia. gerencia dos p-
blicos negocios, estava ein vespera de deixar
o poder.
Submdo de novo o partido conserva-
dor, organisou-so o gabinete 16 de julbo
e a elle segura-se o venturoso e afortu-
nado 7 de marco., a quera coube a inisso
de dividir o proprio partido de cujo seio sa-
tura.
Dissolvla a cmara para
Attendendo a que todava nos termos do
art. 5. da uiesroa le, do art. 463 do cdigo
penal, podem ser applicadas as penas de pri-
so e multa ;
Conderana Delaroadeleine um mez de
priso e na multa de 50 francos, e afora isto
as custas do proeesso.
A NORTHPLET.0 correspondjinto em
Londres da Independeme JkUje conta que
consultar \ no naufragio da Northflett morreu, relati-
ao paiz, obteve o governo, se nao urna ca
ruara unnime, ao menos ama grande roaio-
ria que recoromeiulasse pessoa do nobre
presidente do conselho.
E, perguuta o orador, o que oxprimem
as urnas ueste paiz se nao a vontade do
governo? As cmaras unnimes, seoao a
vontade do governo ? 0 triu-mpho de uro
partido, seno a vontade do governo ? Os
excessos da polica, que persegue, que
rocruta, que vexa o cidalo laborioso,
seno a vontade do governo'
-jvaroente, roaior numero de pessoas casadas
0 que cumpria ao governo do Bia-
sil ? Tomar o expediente que tomou;
contestar as inexactidoes daquella nota e
concluir como concluio, perguntando : se
aceitis uro accordo, para que essa nota que
nao era mero preparatorio, antes inconve-
niente e contradictorio 1
0 governo argentino reconsiderou a ma-
teria, e noroeou o Ilustre general Mitre seu
ministro na corte do Brasil, dirigindo-nos
o Sr. Tejedor, em 25 de Setembro, urna nota
ein termos satisfactorios.
Nao sabe como em tudo isto se possa in-
criminar a marcha do governo do Brasil.
Tendo o orador sido Borneado plenipoten-
ciario do Brasil, coube-lhe a fortuna de en-
contrar no Ilustre general Mitre, desde a
priineira conferencia, a mesina sinceridadee
boa vontade de que elle estava animado :
no foi, portanto, diflicil eutenderem-se, no
sentido do restabelecimento das boas relajos
dos dous paizes, if um p de sincera amiza-
de, como exigem os nteresses de arobos.
0 Ilustre-plenipotenciario argentinoapre-
sentou ento uro projecto, ao qual o orador
ollereceu algumas modilicaces e effectuou-
se o accordo de 19 de novembro.
Passando analyse desse documento, l
o art. l. e mostraque a redaceo era indiffe-
route ; a duvida era se o tratado de allianca
estava anda em vigor; cessou a duvida,
declarando-se que aquelle tratado continua-
va em inteiro vigor, para terem plena exe-
cugao as obrigaces reciprocas que elle esta-
iu0. Este artigo, pois, nao pode soffrer
objocgo.
Tero-se dito que o art. 2." modificou os
tratados de Assumpco. Emque? Dispe
elle que continuaro em seu inteiro vigor
esses tratados ; portanto, o que importa o
reconbeeimento desses tratados pelo governo
argentino, e tambera pelo governo oriental,
que approvou o accordo de 19 de novem-
bro.
Nossos tratados de limites o de commercio
com o Paraguay esto era inteiro vigor; on-
de esto essas inculcadas modificares? 0
tratado de paz est tambem em plena eiecu-
i;o. 0 nobre plenipotenciario brasileiro te-
ve a previso de resolver todos os factos da
allianca ; e, pois, estes nao soffreram que-
bra alguma.
0 art. 3. consagra que os alliados podem
negociar em separado, urna vez que respei-
tem as estipularles da allianca. Dest'arte,
a doutrina que*ervio de motivo de queixa
contra o Brasil ficou formando regra para
todos os alliados.
0 art. 4. garante repblica Argentina
os bous officios do Brasil, quando ella os re-
clamar.
0 art. 5. demonstra mais urna vez a som
razo do Dr. Quintana, quando negava ao
Brasil e ao Estado Oriental o direito de exa-
minar qualquer questo que surgisse entre a
donal diz no art. 4., que a nomeagao do
deputado ser feita por eleicao directa, que
todo o cidado portuguez que estiver no gozo
de seus direitos civis e polticos eleitor,
urna vez quo prove, etc.; e o art. 9. do
acto addicional diz o seguirte: uraco.
Ficam revogados e alterados os arts. 63, 64,
65, 66, 67, 68, 69 e70 da carta constitu-
cional. Ora, estes artigos reformados sao
justamente idnticos aos arts.90, 91, 92, 93,
94, 95, 96 e 97 da constituico do Brasil.
E porque nem se imita a sabedona do
-povo inglez, que por longo tempo meditou
antes de suas reformas?
A constituigo do Brasil, em seu art. 15
10, incumbe assembla geral o encargo de
velar na guarda da constituico e das leis ;
e no seu art. 173 incumbe ainda assembla
geral de examinar se a constituico poltica
do estado tem sido strctameate observada,
para prover como for justo.
A constituigo d a iniciativa cmara dos
leputados de todas as reformas.
So o Brasil tivesse urna constituico em-
perrada, que nao fosse providente e previ-
dente, que tdlhesse o progresso e os melho-
ramentos, de certo que o orador poderia
pensar de outro modo. Mas, quando ella
tem definido os altos destinos do Brasil,
quando ella concede todos os meios de
melhoramento por que essa precipitaco ?
Promova-se a reforma da constituido, e de-
pois della reformada, que pode ser objecto
de tres annos, o orador nao ter duvida de
dar o seu voto eleico directa. E pronun-
ciando-so assim, er que nao quer privar seu
paiz de qualquer beneficio.
0 nobre senador pela Babia dissera que,
quero vesse escrpulos, votasse contra are-
forma directa o o orador diz agoraque, quem
os nao tiver, que vote a favor. Se elle dis-
puzesse de rail votos, dava-os todos contra
a emenda.
0 Sr. Zacaras :E se- eu dispuzesse
de dous mil, dava-os todos a favor da
emenda.
0 Sr. Leitao da Cusha :Quem provo-
cou a emenda foi a propria falla do throno.
(Apoiados e nao apoiados.)
0 Sr. Mrquez de S. Vicente :Na falla
do throno eu nao vejo nada que se relrcone
com a eleigo directa.
0 Sr. Zacaras :E' que a falla do thro
no est redigda como o accordo de 19 de
novembro.
OSr. Mrquez de S. Vicente :-Mas V.
Exc. acbou o accordo boro.
0 Sr. Zacaras : Depois das explica-
-;oes.....
0 Sr. Mrquez de S. Vicente diz que vat
findar o seu discurso j muito extenso, con-
tra o seu costume. !
Comquanto se diga que o governo do
Brasil tem um poder incommensuravel,
eiercendo at a tyrannia, nao ha de o orador
A inlig-
nidade na imprensa, a falsidade na teste-
munha, tudo isto que abale o paiz, o
que exprime seno a vontade do go-
verno ? E os partidos, convencidos de
que este estado de cousas anda 6 suscepti-
vel de reforma, lan^a hoje suas vistas para
a reforma eleitoral.
O partido conservador, em dissiden-
cia, composto dos degenerados, na phrase de
um illustre senador, representarte do mu-
nicipio do Rio de Janeiro, quer a elei-
co directa. 0 ministerio, porm, apre-
sentando-se perante o senado, na pessoa
de seu presidente, se declarara pela eleico
indirecta, censurando o senado por ter
emittido sua opinio, e tomado a s a dian-
teira cmara dos deputados, quaudo
o senado nada mais fizera do que acom-
panhar o que seguidamente disseram as duas
ultimas fallas do throno.
0 oradar as l, commettando-as deli-
damente, e passando a confrontar a exc-
r'ibibdade dos dous processos eleitoraes
que o modi operandi do proeesso di-
recto pode ser feito por urna le ordinaria :
e alm disto, leudo o rotatorio do Sr.
ministro do imperio, pareceu-lhe que as
tendencias de S. Exc. eram para a eleicao
directa.
Nao pode deixar de lamentar o modo por
que se fazem as reformas no Brasil: o go-
verno as conserva as respectivas pastas,
apresenta-as de chofre ao parlamento, exi-
gindo de seus amigos um voto. (Apoia-
dos.) Procura-se arredar toda a discussao, o
governo aprsenla os seus projectos, e
soberanamente conclue: fallaroi, o a mi-
nha maioria votar.
0 orador faz ein seguida uraa resenha
histrica dos governos de diversas naces,
adduzindo pela leitura a appreciaco e
commeutarios de Botareis publicistas em
relaco aos diterentes systemas polti-
cos.
Analysa a inconstituciondidade da disso-
luso da cmara, como um attentado poli-
tico.
Comparaudo o mrito dos homens que
promoveram a emancipaeo poltica do
Brasil com os que Ibes tem succeddo as
altas regies do estado, diz o orador,
que torga concluir pela decadencia dos
nossos tempos.
0 Brasil tem, porm, se avantajado na
diffuso das luzes sem que este benfico
resultado se possa attribuir ao governo,
porque o impulso do progresso vem de
fra, do vapor das estradas de ferro e dos
telegraphos.
Nao pode negar que existe notayel
transformaco na physonomia da socie-
dado brasieira. Nao pode negar que o
Brasil tem caminbado muito para que os pro-
prios homens o que governam o facam esta-
cionar, mesmo apezar das peas que o gover-
no lhe pe. (Apoiados.)
Concluuido, diz que muito erobora o
nobre presidente do conselho devida o par-
tido conservador, muito erabora todos os
seus esfonjos convirjara para derrubar a
arvore da liberdade, nao conseguir ja-
mis reduzir o paiz a urz simples reba-
nho. -
Dia por dia v o orador desapparecer
as illuses de sua juventude, mas appel-
la sempre para a Providencia Divina,
acreditando cada vez raais que os ne-
gocios que se agitam neste mundo nao
sao dirigidos pelos caprichos dos homens.
(Terminando o seu discurso diversos Srs.
senadores vem felicitado.)
(Continuar-se-ha.)
que celibatarios. Do 42 homens casados,
nicamente 2 eseeparam morte; o de 42
mulheres casadas, uroa.
Os celibatarios tendo de cuidar somante
em si, foram mais lelizes: Em 208,04 eSQS-
param catastrophe, indo, por qualquer
forma, ter praia.
Das 52 creancas que estavam bordo,
apenas duas subreviverain.
A tripolaco, que era coroposta de 33 ho-
mens, perdeu 10.
Perante o tribunal superior do Alinirauta-
do inglez foi j proposta aeco contra os
proprietarios do Marillo, polos douos da ga-
era HariUfUet. A somroa pedida de.....
14:000 '.
Os tramites d'este proeesso sao o arres-
tar o navio e exigir para o levautamcuto do
resto, quaudo requerido, uroa cuco ou -
aii^a igual ao valor da reclamago.
que se chaina Eugenia, e resida no fau-
bourg Saint-Martin.
llecolbida a suicida n'uina casa, e tam-
bera o seu salvador, que havia tomado um
banbo sem disso' fazer teric,o, ah a n e
outro prestaran! os soccorros que as pessoas
de bom coraco nao sabein negar.
0 generoso operario-, j cora fato enchu-
to e conchegado cora bebidas torneas, pedio
para ver a pessoa a que salvara. Mas, ape-
nas entrou noquarto einq.ue olla repousava
sobre, urna cama, dando a nda pouco accor-
do de si, soltou involuntariamente um grito
e foi tomado de uu^deliquio. Estevo (as-
sim o nomo do rapaz) estivera para casar
com Eugenia, porm, uis rumores calum-
niosos respeito della tzeram com que as
proniessas se quebrassem-
Ao embate da dor que isto causa* Eu-
genia, segu.Hse o desvaiuaroento du razo.
0 projecto do suicidio, e a tentativa de o
executar.
A attribulada rapariga, agora volvida das
(rdidas esperanzas, vai unir-so cora o seu
numerado, celebrando o casamento perante
o inaire lio 9" dislricto de Pars.
Esto caso succedeu na DOUte de 31 de Ja-
neiro.
AS FALLENCIAS DAS SOCIEDADES Fl-
NANCEIRAS. Soterriveis os- desfalque?
que as bolsas de muitos pequeos capitalis-
tas, que baviain accuinulado algumas eco-
nomas, causaiam as taes sociedades finan-
ceiras, que ha pouco fallirara era Franca.
O roubo foi largo ; rousto mais avantaja-
do que a principio se imaginou.
Como paixo fcil arrancar confiden-
cias, pode calcular-se agora com mais cer-
teza o montante dos roubos^ que j se-orcam
em um milbo e quinhentus- rail francos, ou
duzentos e setenta coutos de ris.
INCENDIO EM WOOLWICH. Ardeu o
i-ilillicio central do graade estabelecimento
de instruyan militar era Woohvich, causan-
do pri'juizos-uiui valiosos era dinheiro e ob-
jectos, que nao ser fcil substituir como,
por exeinplo, collecges- de publica<;es pe-
ridicas.
Cousumiram-se as duas bellas salas da l-
blotheca, contendo railliares de voluraes ;
alm de outras em que fuuccionaYam as
aulas de desenlio, de topographia, a do
curso de firancez, etc.
Attribue-se o incendio aos calorficos que
criizavaiu as salas em diferentes direcces
tendo-se-lhes auginentalo o grao de calor,
commiuiicaram fugo s madeiras, e durante
a noute o logo foi lavrando braadamenie.
at que de repente irromperam ascliamraas.
0 que ha de singular nisto, e que talvez
s em Inglaterra podera succeder, que.
ero quanto as bombas trabalhavam acodada-
mente para combater o incendio que ia de-
vorando toda aquella parte do edificio, es-
tavam as salas dos outros corpo* do esta-
belecunento, socegadamente reiuiidos o>
alumnos militares, continuando nos exames
SINISTROS MARTIMOS.Dizem de Liver-
pool que iuufiagou no cabo Lezard, o na-
vio Clan AI pin?, portencente aquelle porto,
raorrendo treze pessoas da tripolaco, entre
as quaes os capites Nelsone Burnett, odes-
penseiro o cosinheiroe outras pessoas de
bordo.
0 Standard tambem noticia que em
urna das ultimas noutes, achando-se a escu-
na Sarah as alturas de Balbriggon, pedir
soccorro para trra, por se achar em perigo.
Foi logo ero seu auxilio um barco com on-
ze homens, porm este virou-sc raorrendo
todos os tripolantes exeopeo do dois dal-
las que poderam salvar-se. Quanto escu-
na despedacou-se de encontr aos rochedos.
nha.de seto homens.
O vapor inglez Bedligton, de Newcastle,
da lotaeo de 400 toneladas, carregado de
trigo, naulragou igualmente vista de Sa-
bios d'Ollone, podendo apenas salvar-se 3
pessoas das 11 de que se compunha a tri-
polaco.
ii
VARIEDADE
nS Wntr7o Paraguay, porque tejo pela liberdadeemquanto o Brasil ver gida peloconsemo gerai ua im
S^^S%OntV& de tribuna, Jnio so a Uberda- ederaces e souedades fibadas;
CONDEMNACO.Respondeu perante o
tribunal'correccional de Paris, o adminis-
trador do jornal La Gazette de France, por
haver publicado uraa circular da Interna-
cional.
0 texto da sentenija conderanatona diz
assim: -
0 tribunal attendendo a que no seu nu-
mero do 24 de dezembro ultimo, a Gazette
de France pubhcou com o titulo : umdocu-
mento da Internacional, urna circular diri-
gida pelo conselho geral da Internacional s
REMEDIO CONTRA A EMBRIAGUEZ.
A Repblica Francesa publica ero 3 do cor-
rete mea uroa lei que tero por firo reprimir
a embriaguez publica. As priucipaes ds-
posiies desta lei sao as seguiutes :
a Sao punidos coro a multa de um a 5
francos todas as pessoas que forero encontra-
das ero manifest estado de embriaguez as
ras, as estradas, as pragas, nos cafs,
as tavernas ou em outros quaesquer luga-
res pblicos.
E' applicavej a disposicao da reinciden-
cia, e se esta ti ver lugar nos ii mozes se-
guiutes segunda condemnacao, o culpado
ser remetalo ao tribunal correccional com
priso de 6 dias a um mez c mulla de 1 ( a
300 francos se a embriaguez se repetir oni
menos de um auno depois da condemnacao
do tribunal correccional, ser applicado o
mximo das penas, podendo elevar-so ao
dobro.
Toda a pessoa que for coudemuada por
embriaguez duas vezas em polica correccio-
nal, pelo segundo julgamento licar privada
do direito de votar, de ser elegivel, de ser
jurado, de excrcer empregos e funeces pu-
blicas, do porte de armas por dous annos.
Os donos de tojas de bebidas^ que ven-
derem licores alcoolicos pessoas manifesta-
mente embriagadas ou sereceberem em seus
estabelecimentos ou fornecerem bebidas
menores de 16 airaos, pagaro de multa 1 a
5 francos, salvo o erro na idadu do menor.
A reincidencia tambero punida neste caso;
nos 12 mezes depois da segunda condemna-
cao com priso de 6 dias c um mez, e mul-
ta de 16 a 300 francos ; a repetigo em mo-
nos de um anuo depois da condemnacao em
polica correccional ser punida com o m-
ximo das penas indicadas, as quaes se podo-
ro elevar ao dobro. A pessoa que for duas
vezes condemuada em polica correcional
por este delicio, pelo segundo julgamento
pode ser privada de parte dos direitos cima
mencionados, pode-lhe ser mandado fechar
o estabelecimento at um mez, ou prohibida
a venda de bebidas.
Toda a pessoa que der bebidas um
menor de 16 annos a ponto de o embriagar,
ser punido com a priso de 6 dias a um
mez e multa de 16 a 300 francos. Ser
punida a reincidencia deste delicio por um
vendedor de bebidas na forma indicada.
Toda a pessoa encontrada ero estado
de embriaguez em lugares pblicos ser con-
duzida a sua custa estaco de polica mais
prxima onde ficar at cobrar o uso da
razo.
Um exemplar desta lei deyer ser afli-
xado as maires e as salas dos cafs e
lojas de bebidas, pagar urna1 multa de a
5 francos'o dono de casa de venda de bebi-
5,000 voluines.
As perdas totaes avaliam-se em 50,00-)
libras sterliuas.
APPARENCIAS 1LI.LDEM.Ira caso re-
centemente acontecido ero Londres mostra
que a maior innocencia nao pode evitar os
vexaines que muitas vezes expem as for
mas judiciaes e de polica. Na vespera de
Natal appareceu assassinada no seu leitouraa
mulher de ra vida.
As primeiras suspeitas cahiraro sobre uro
estrangeiro, porque olla fra vista nesse dia
coro alguns. Nao bouve roubo, nao se
podia presumir iropeto de chima, e descon-
liou-so, portanto, que tivesse sido lance de
loucura e que o louco coininottesse outros
actossemelhantes. D'ahi a polica comeceu
prendorolo qnantos suppunha doudos. Em
liin os indicios mais vehementes cahiram
sobre uro allemo emigrado, e prendem-0
bordo de um navio arribado em Rain>-
gate.
Partiram para aquelle porto dous policas
aeompanhados de duas pessoas que haviara
visto a victima ero sociedade cora o suspei-
tado assassino. Todos os passageiros e equi-
pagens desfila ram por di nto dos agentes da
polica, e foi aportado como o individuo
que sebuscava um padre allemo, o Dr.
Bessel, que s guia para o Brasil com sua
mulher. Por fatal acaso, este padre tinha
eectivamente viudo Londres na vespera
do Nata!. A polica prenden o doutor ; e
como a lei nao permitte que a mulher de-
ponhaeiu fa\ur, nem contra o marido, esta
nao pode declarar, que fra Londres com
seu marido, e nem uro instante delle se
afastara, nem demonstrar que seu marido,
doentc em 'Londres, nao saldr do hotel
durante dous dias.
0 infeliz padre Hessol foi preso, e forcado
a subroetter-se ao rigoroso rgimen das ca-
deias inglesas durante 15 dias, ero quanto
se instaurava e corra o proeesso.
Emfim, a sua innocencia foi plenamente
demonstrada, c o governo inglez julgou de-
ver urna indemnisaco victima. 0 secre-
tario de Gladstone informou-o por urna car-
ta de que lhe seria paga a passagero para o
Brasil. Alm disto urna subscripto publi-
ca otertou-1 he 200 '.
SOCIEDADES DA PAZ. A sociedade dos
Amigos da Paz, estabelecida em Franca,
reunio-so para ouvir a exposico de dou-
trinas e ideas americanas, de que foi mensa-
geiro Mr. Miles, secretario da Sociedade da
Paz, dos Estados-Unidos.
Mr. Miles enviado pelos horaens mais
nolaveis de todos os partidos e religies, ne-
rante as diversas sociedades de paz existentes
na Europa, afim do com ellas se entender
sobre o modo de elaborar uroa lei internas
cional destinada a geoeralisar a adopeo de
arbitragem para resolver os conflictos entr
as naces.
d% que o np tiver, ou a pessoa que olTYPCl DIAIUO Tx v


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E16DF25LP_LJYD93 INGEST_TIME 2013-09-19T22:53:28Z PACKAGE AA00011611_12852
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES