Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12846


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLIX. NUMERO 46
i i i r i i
rARA A GJPITAL E Ll CARES OXDE \lO BE PACA P*TE.
Por tres mezes adiantados .... r ... '........ 69000
Por sais ditos dem..............- 12JM)00
Por um anuo idem....... ........... 34$00(J
Oda numero avulso................. 320
TERCA FEIKA 25 DE FEVEREIRO DE 1873.
PARA IHVTHO E ERA A PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.................
Por s*! ditos idem. .-.............
Por note ditos idem.....,............
Por uno anno idem..................
697 JO
13*500
20V2&0
279QO0
DIARIO DE PEPA
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Para; Gon^alves & Pinto, no Maranhao; Joaquim Jos do Oliveira & Filho, noCear; Antonio de Lomos Braga, no Aracatv ; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Peroira d'Almoida, om Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlia; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, era Alugoas; Alves &C, na Baha ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio Jde Janeiro.
PARTE 0FHCAL.


_.
'
lliiiitltM-io lu sin-mi.
lltCRKTO N. 210o Di: DK (ICVKRKIHO DI 1873.
ll por bem succionar e mandar que se exe-
eute a seguiste resolucao da assembla geral:
Art. 1" Os oflin'aes e pravas Jo pret do exercito
perceberao os sidos lixados nas tabellas aiiuexa-s
sob iw. 1 e 2, guardadas as observaooos que ts
arompanharam.
i- o suido dos offlciaes da armada e das pia-
bas. corpa) de saude, culto e fazenda, e dos inachinistas
lica augmentado com duas ten;as partes do sold
asistente.
|f Fica autorisado o governo para igualaras
vantagens dos offlciaes do exercito as que ora per-
eeboin os da luariuha om cotomissoes anlogas,
rodutrado, com > julg.tr conveniente, as differenles
.lenoiniuacoos das mesmas vantagens.
% 3" O augmento de que traa esto art. nao po-
llera praveitar aos offlciaes que forem reformados
por irregularidadc do_ conducta ou faltas graves
entraras disciplina 'militar, na conformidad* i
i i' do art. i* da lei 11.616 de 31 de juina de 1832,
e do i 2* do art. 9- da lei n. 6i8 de 18 do agn <
Jo mesnio anuo; eoinpetindo a estes ofllciies o sol-
eto mareado nas citadas leis.
Art. 2' E' autorizado o governo para augmentar
lesde j os veoeimertlos d is emprega los do thc-
muto, ihesourarias de fa'.eu la, reeebedoriase ca-
x da ainorlisa.o, e para simplilicar o servico
distas repaitico.-s, creando e supprimindo empre-
go*, eoraojulgar conveniente, emtanlo que de taes
atteracoes, resulte redcela do pessoal ora existente
0 (fue o augmeutti nao exceda de O /., da despoja
Jas actuaos tabellas quanto as primeiras repart-
nansa ao total dadespeza do exercicio lindo quin-
to ultima.
Art. P Ficam revogadas as disposi.oes em con-
vario.
O vscondo do Rio Branco, eonselbeiro de estado,
tenider do uperi >, presidente Jo conseibo de mi -
nisfros ministro e secretario de estado ilos negocie
da fazenda e presidente do tribunal di) thesouro
aarional, assim tenba entendido e o faca exe-
eutar.
miado do Rio de Janeiro, em i de fevereiro de
"1873.81* da independencia o do imperio. -Com
.1 rubrica de S. M. o Imperad. -Viteonde do Ro
lira neo.
N. t^Tiibella iio sold doi tfciaes do ex. cito.
,\
^
Pastos
Maredial d> exercito
Tii -nte general
Marecbal de campo
ftri gadeiro
rincl
Tllente coronel
Hajir
Capuao
! ciento ou i* teuciitc
\Hii"cs ou 2" lente
Sold.
soojhwo
4O0A00O
3IK)0
voooo
2o0000
1601000
10J000
100 000
7O00
6JUU
f. 3. Tabella do sold das pr-uas de pret 4o xer
, cito.
Pravas Armas.
Artharia. Uivallara Inianlaria.
Sarjento ajudante. .Sargento quartel 1OOU 1000 1*0 0

i rtre littO uooo 1J000
i* sargento SiK) i80J 4700
dito 0 i*) ii'lOj
Sargento mandador 13*)
Fornel 63*0 33*0 tm
Cabo *m |M #iso
Anspecada * lio 140 4130
.^iddado inclusive 0
trabalhador fifi 1I0 4110
CioMado. irtifireou
conductor |19
Milre Je msica t#JM i 4230
Msico del' cla>- '
se fOOO 4300
Dito de 2' dasse SM>> 4 300
Dil de S' classe Wl .3200
Obs*roariki.
Os voluntarios perceberao, emquanto lorem pra-
eaa de pret, mais urna graticacao igual metade
..i -> lo da primeira praca 1 soldado I, segundo a
arma ein que servircin.
Os voluntariiis e recrutados qne, lido o seu
lempo de servico, continuapeui uasfileiras, com ou
.. 1 engajamento, perceberao mais urna gratidea-
eao igual ao sold da primeira p ac, tambem se-
uido a arma ein que servirem.
Os ciaras, trompetas, eeroBStas e tambores-mo-
ro* que forem mestres das respectivas bandas,
venerao o sold de 2* sargento das armas a que
pertencereiu ; no caso contrario o de cabo.
Os pifaros, tambores, cornetas, clarins c trombe-
t terao os sidos de cabos de esquadra da ros
pecflva arma.
Os espingarJeiros, c ironbeiree, serralheiros, sel-
leiros, carpinteiros de m\sp, cocheiros e ferradores
wucero o sold de soldado da respectiva arma.
Os artilices de fogo perceberao o sold de 2U sar-
gento da respectisa arma.
0 batalhao de engenheiro- perteuce arma de
ar'iliaria. '
Itto V Janeiro, em i de fevereiro de 1873 Vis-
(.fie do Rio Hranco.
que sempre se servirn os libevaM quandu no po-
der, e de que lian do sernjiro servir-se quaado a
elle voHarem. Eis o (]iic a esse respeito pondera
um eommuiiicante (Jo Jornal do Commercio, ron-
viudo notar qus oilo das quer dizer oito sessots.
A disiussao da resposta falla do tbrono du-
rou oito djns, tendo a cmara ouvido dezoilo dis-
cursos. Nove desses discursos foram de oradores
opposic.iouist.is, a saber : Kerreira Vianna ( dous
discursos ), MeaeHS frado, uijuo Esfrad Tei-
xeira. Florencio Je Abren, Jos Calmon, Brustjue,
l'ereira d- Silva e Martinno aupOS. Noce de mi-
nistros ou deput.rlos governistas, a saber : Costa
Peroira, Hocna Leo, barao de Mau, ministro de
estrangeiros (Correa), Eupbrazio Cor^a, Cameiro
da Cuaba, Tarqumio, presidente d t conselho (vis
conde do Uio-Rranco-) e Henri mes.
Tendo o requerimonto do Sr. Paulino, relativo
a recomposicao ministerial, dado lugar a um de-
bate poltico qnetom.iu pnipmco.'sque SO coslutua
ter a discus^ao do vot de gr.i'cas, podemos aJJi-
cionnr aos oradores cima apontados os seguintcs:
Paulino ( dous discursos ) e Ferreira Vianua, ora-
dores opposiciuiiistas ; liuarle de Azevcdo ( minis-
tro da jusliea ), Corroa, Junquoira ( ministro da
guerra ) e visconde do Rio-Braneo ( pTAideate do
Oonfeino). Mais tret discursos de opposuionislas
e quatro do ministros.
E' natural qne a Iteform appareca boje gri-
tando contra a rlha. Julgamos, pas, conveniente
avivar a sua memoria coins seguintcs prceleu-
tes da situacao liberal :
i." sessio de 1864. 7>m /i'hs de discussiio e
dez discursos:
Discurrs da opposicio, o.Nebias, Bretas,
Urbano, Evaristo o Feib.sa'.
Discursos do governo o da maioria, .'i:Pre-
sidente do conselbo (Zacaras), ministro do imperio
( J. Bonifacio 1, deputados Marlim Francisco, Sal-
daulia Maiinlio e Saraiva.
O Sr. Soasa Carvalho requeren o encerra-
miento.
! sessio de 1884. tm das de discusio e
sele discursos :
a Di-cursos da opposicio, 3 :Bezerra Caval-
canti, Evaristo e Godos.
Discursos Ja maioria : -Ra'isbona, Limpo de
Abren, Murtinho Campos e Chayas Lobato. Ne-
iiImihi dos iiiemOros do ministerio talln.
t O Sr. F. Utlaviaiw requereu encerraineato.
Santo do 186o; -fjua/ro diat de discusso o
deeesete discursos :
. Discursos rh npposicao. 8 :M. Campos (),
Figueiredo, SalJanlia Maiinho, J. Bonifacio, J. Li-
berato, Urbano 1 a maioria comecou a pedir votos)
e Lopes Nelto.
Discursos da maioria e governo. 9 :Ministro
jla marinha, Saraiva (3 discursos ); ministro da
justic.i, >abuco(3 discursos ) ; ministro da faien-
da, Dias de Carvalho ; ministro da agricultura,
Paula Sema ; depntad Dantas. Foi o nico de-
latado da maioria que falln.
O Sr. Tnvnres Bastos requereu o cncerrumento
dizeudo o seguime:
Os debats do voto de gxaoaa tem-,"> pJ
gado alm do que (ora inister; urge o lempo ele
k Sesso de 1866 : -Quatro dias do discursos e
qnatro discurso*.
Discursos da opposicio, 2 :Pedro Brandiio e
Ta vares Bellort.
Discursos da maioria, t: Aristides Lobo e
Horta Arauio. Nenhuui^ininistro fallou.
O Sr. fons Celso requeren, encemimento.
h Sesso de 1867. Seis duu de discusso e
quinzt' discursos :
Discursos da opposicio, 8.Gaviao Peixoto,
Becerra, Barros Piraenlel, Tavares Bastos, Fernn-
des da Cunh.i, Sayao Lobato (2 vezes ), e Bolfort
Duarle.
Discursos do governo e da maioria, 7 :Pre-
3 discursos), mi-
, Toscano do Brito,
o encerra-
da-
INTERIOR.
* '-("pimilr 11 lo Diario de
Pernaiiihiico.
BIO.IiF. 1ANRIB0.
Corte, 14 de. fecereiro de 1813.
V. Jamos em ferias parlamentaras.
Hontem deliberaram ambas as cmaras suspen-
-der os seus trabalhos por tres das, em signal d*
pezar peta noticia do ailecimento da imperalriz
viuva, a Sra. D. Amelia, a cuja memoria e excel-
sas virtudes quizo nosso parlamento pagar o de-
vele tributo de condoleca.
J se acha encerrada a discusso di) voto de gra-
Cks depois de terein ainda orado os Srs. Henrique
( relator da commssao) e presidente do conselho,
pro, c" os. Srs. Pereira da Suva, Brnsque e Marti-
u!o Campos, contra.
O primeiro desies tres nltiuMW historiou o pe-
riodo das duas ultimas ele.coes na provincia do
Ki> de Janeiro, queixou-so de que na senatorial,
em que elle fora mal siiccedido, boavesse opresi-
dente, 6 Sr. Lisboa, dadjduzentase tantas demis-
5oes de autoridades polciaes; e, condemnando o
actual systema eletoral, pronunciou-se pela elei-
clo directa, ponto em que os disidentes e liberaos
aeham se de inteiro accordo.
aespondeu-lbe o Sr. Rio Branco, mostrando que
as Ues dsrafesdss nao passaram de viite seis, con-
taado supplentes, que deixaram de prestar jura-
mento e entrar cm exercicio. Quanto a eleicao di-
recta, S. Exc. em nome do gabinete, repellio-a,
ta.ito por a ella se oppor a constituirlo, como por-
que nao lhe parece ser o systema que mai con-
ven ao paiz. Por essa oecasiao, em um magis-
tral discurso, respondou o Ilustre presidente do
conselbo a todas as accusac,es que, quer por par-
te da onposicao liberal, quer por parte da disj-
dencia, liaviam sido dirigidas ao ministerjp, send o
coustante e vivamente apoiado pela maioria, o que
vei aindamis flnnar a posiijao do gabinete p-
nate a camafa.
LevantanJo a oppos5a.)e seusorgais na moren-
ia grande celeuma porque foi encerrada a diseus-
aio, convein que se saiba, que a rolha meio de
sitente do eonselho (Zacaras)
nslro da justica ( M. Francisco
Sonza Carvalho e Bnarque.
6 Sr. Sonsa Carcilho requereu
ment.
Sessio de 1868 ; -Cinco dias do discusso
tsete discursos:
o Discursos da opposicio, 9. -Fonteiiellc. C. Ot-
loni ( 2 discursos 1. Sayao Lobato (idem 1. Leitio
da Grana, Uaeedo, Gama e Abreu, e Souza Car-
valho.
Discur.sos do governo e maioria, 8.Presiden-
te do conselho 1 Zacaras ) 3 discursos ), ministro
da agricultura : Dantas). Araujo Barros, Meira
VasoooceUos, Ratisbona e Albuqucrque Mello.
O 8r. Salustiuno Sonto requereu o [encar-
menlo.
Como se ve, durante a dominio liberal, todas
as discussoes relativas ao voto de gracas foram en-
cerradas, nenbuina durou tantos dias como a pre-
sente, e nunca foram ouvidos tantos discursos co-
mo agora.
Depois do voto de grabas continuou a discusso
do ornamento da justicn, que licou encerrada de-
pois de fallarem os Srs. Silveira Martins, que ac
cusou horrivelmeute o juz de direito de Bag, Dr.
Laceran, Duarle de Azcvedo (ministro respectivo) e
Florencio de Abren
Entrou depois em discusso o orgamento da
guerra, tendo fallado os Srs. duque estrada Tei-
xera, Junqueira e Ferreira Van ia, que aprovei-
tand o eusejo historiou e aprociou a campanha do
Paraguay, Botando os inconvenientes resultantes
do comiando em efiefo do general Mitre. O de-
bate esta interrompido e deve continuar no pri-
meiro dia de sesso. Nao promette, porem, i
inuilo longe, visto que os oradores que se fizeram
ouvir sao rcenles em se conhecer a boa gestio
que actualmente tem a pasta da guerra.
No senado dfSeute-se a resposta falla do thro-
no. Kompeu o debate o Sr. Zacliarias, como mem-
bro da cominisso, que apresentou emendas, e
procorou justificadas Por ah comecou o seu
discurso, dando precedencia ao tpico relativo
sadde publica. Passou depois as questoes finan-
coiras, as relativas aos tratados platinos e para-
guayos, c por lim poltica e eleic&o directa.
Respondeu-lhe no dia seguinte o Sr. V. de Nithc-
roy, relator da commissio,e depois o Sr. Rio Bran-
co! que nao concluio a sua resposta por ter dado
a hora.
Na sesso" seguiuto fallaram os Srs. Saraiva e
Cotegipe, iquefle tratando da poltica e ainda pe-
dindo a eleicio drecu, c este occupando.se nica-
mente dos tratados de que foi negociador. Seu
discurso foi muito apreciado.
Passados estes tres dias devem fallar outros se-
nadores, sendo provavel, que um dos primeiros
soja o Sr. lnhomerim (Torres Homeai.)
Depois ainda oceupara a tribuna o Sr. Ro
Branco.
Nao tendo nada mais de interesse a dizer-lhe
acerca do- parlamento, nao concluirei sem noticiar-
le que o repto entre os Srs. Silveira Martins e
Mau parece que vai ser decidido pelo corpo eei-
toral do 2" distrclo do Rio Grande, para o qual
ambos appellaram, fazendo cada um o seu mani-
fest. Acredita-so que o Sr. Martins tenha mais
forja do que o segundo, mormente, se, como se es-
pera, for apoiado pelo* marquez do Herval.
E a esse respeito devo chamar sua attencao so-
bre um artigo publicado no Echo do Su/, jornal da-
Juella provincia, que commentando o primeiro
iscurso do Sr. Silveira Martins, quando este fallou
na eausa da democracia da America, fez aplicacoes
muito sensatas acerca da situacao das repblicas
sul-amcricana. rrassim conclue ;
Qual a causa da democracia americana t
a A repblica.
a Sern son esta forma do governo, com insti
ces qee M
que haver maior snmma de libcrdade, mais garan-
ta, mais ordein ?
Qiie exemplo nos d a grande repblica do
Norte T
Urna tremenda revoluc.io, resultado de una
reforma altamente civlisadont e humanitaria, du-
rante anuos causn enormes prejuizos ao paiz. E
como ultimo acto desse tremendo drama, o punlial
hoiiiicida atirainlo Lincoln ao tmulo .'
I Ser essa a ordem, a garanta, a liberdade f
A reforma do elemento servil fez-se no Brasil
sem comniO'.'o, o hoje todos a aceifun como ne-
cessaria, moral e til. Entretanto, nao obstante o
Dr. Silveira Martins dizer. que nossas instftuicoos
estao corrompidas, a sociodaJe brasileira prospera,
e o cidadio ro aspira maior soinma de liberdade
do que a tem.
n Que exemplo nos tem dado a Repblica do
Mxico ?
A tragedia de Queretaro, depois revolueoes e
ultiiuanieute um estado iiideliuido.
O Peni, a B divia, o Chile em continuas p-111-
mocoes polticas, predominando sempre o punlial
e o bacamarte como meio fcil de decidir questoes
A Confederadlo Argentfha desfructa por ven-
I tura paz e tranquildade ? Os assassinatos de go-
vernadores nao se reproduzem all constantemente?
Ainda ha pouco nao estevo o estado oriental
entregue a urna lanientavel e sangreuta luta fra-
tricida ?
O proprio Paraguay, que libertamos, j acaba
de mostrar o que sao as iostituieoes republicanas.
Ser esta a causa di democracia e da Ame-
rica, de que falla o Dr. Silveira Martins '
Se assim (orea eonfessar que nossas in>
litnicoes corrompidas, que a monarchia que nos
tem dado a paz, o soeego, a ordem, o progresso,
ciyilisaco, valein muito mais do que essas dou-
trinas que os ambiciosos do poder, os oppoale-
mstas quand mmr, proclaman! em um excesso de
liuguagem.
E nao ser um exemplo do quanto ta livres
as instituiedes braseiras, a presenca do Dr. Sil-
veira Martins na cmara temporaria ?
Em ronsciencia, S. Exc. nao nega esse faci.
Quandu o paiz eslava entregue ao dominio li-
bera!; (piando liberaos e progressistas davam as
eartat, o Dr. Silveira Martins apoiado ento ferie
mente pelo partido do general Ozorio. apenas rou-
seguio empatar com o Dr. Antonio Gomes Pinieiro
Machado, candidato goyernista !
Agora o que snccedcu ?
O governo dcixou a elei.o correr livreinente,
c o general marquez do Herval, exercondo tolla a
sna inllnencia e prestigio, mandn cmara, sem
competidor por esta provincia o mesmo caiullato
que em anuos anteriores o partido liberal repellira.
Ser porque nossas msl incoes estao corrom-
pidas que o Dr. Silveira Vartins foi eleito*
< As mesinis deciainaces por S. Exc. hoje em-
pregadas j lhe serviram outrora para sua estrs
na assembla provincial no dominio protressista.
U Conde de P sistas e hoje no nartiJo.bhftril r* '"flrti'ailieo,
um represemante ao poder pessoal ; o W. v
Mendonca, proemineote chefe conservador. advo:
gava os interesses do ab.-olutismo, e so o Dr. Sil-
veira Martins, em seus arreobes de oloqneneia,
fallava com franqueza, quando pregava a revota-
nte e nos mostrava os unc&ntos da Grecia e da
Roma republicantis !
Mulutis multindis, S. Exc. procede boje de idn-
tica forma, por amor du causa da America.
Ser o marquez do Herval solidario nessas opi-
nioes ? S. Exc. titular, grande do imperio, co-
berto de condecoracoes, pensionista de um esiaJo
monarchico, ser agora francamente republicano ?
Fazemos ainda a justi.a de acreditar que a>-
snn nao aejja, porqil de otra forma o no'ire mar-
quez preferira seu honroso nomo de Manoel Luiz
Ozorio.
Sirva d exemplo aos republicanos, que Cin-
rinatus e Wasliingtoii agarravam o arado, quando
deixavain o poder, e nao er.un nom baroes, nem
marquezes.
O Dr. Silveira Martins, que se aoresenta como
o symbolo da democracia, devo lombrar-se do que
disse Thers, o Chefe da mais modejna repblica :
Se me fosse dado fazer do meu p iz o que qui-
zesse, furia delle antes ama Inglaterra que nina
America.
V S. Exc. que a liberdade nao s a causa
da liberdade e da America.
o Proseguiremos em nossa simples e dospreten-
|.cosa analvse, at cbegarinos conclusao dos
fados. '- *
RIO DU .MVIlItl
S DK KSVEBKIRO DK 1873.
Por portaras de 30 de Janeiro foram transferi-
dos : o cotnmandante da companhia de operarios
do arsenal de guerra da provincia de Pernambueo.
lente reformado do exercito, Joaquim Manoel da
Silva c S, para o lugar le ajudante da fortaleza
Jo Brum, na mesan provincia, e deste para aquello
lugar o lenle honorario do exercito Jos dos Pas-
sos Queroz,
Por portara de 3 de fevereiro foi transferido
para o V" batalhao de infantaria o alferes do lo*
Ja mesma arma, Jacntho Ignacio Godinho.
Palraeira, Santo Angelo, Cruz Alta, MoslarJas, Nos-
sa Senhora Jo Rosario, pertencente ao municipio
dr. Algrete, e S. M&e Baptista de Quaraliim, do ^
distrclo da provincia do Rio Grande do Sul.
Entrou depois om 2' discusso o projecto que ap-
prova o decreto oue concedeu a Joaquim Carneiro
de. Mendonca e a Alonso Carneiro Pestaa de
Aguiar privilegio no dez 31111 para introduzir 110
imperio a Industria de extrahir productos, como
oleo, massas e outros, do caroco do algodo. De-
pois de alguinas observacoos dos Srs. Heraclito
Graga, Angelo do Aniaral e Araujo Ges Jnior,
o Sr. Cruz Machado oujereceu um requeriinento
de adiamento at ser ouvido o ministro da agricul-
tura.
Approvou depois a cmara em una s discus-
sio, com varias emeudas, o projecto que autorisa
o governo para conceder ao juz de direito |da co-
marca de Oeiras, na provincia do Piauhy, o ha-
charel- Jos Luiz da Silva Moma, um anno de li-
renca rom seus vencimentos jwra ir Euro|>a tra-
tar de sua sadde.
Approvou mais, em 2 discusso, o projecto de-
clarando que ser contado para a antiguidade do
magistrado o tempo de -ervico prestado durante a
guerra em junta de justica militar.
Tratou depois da 3' dlscussio do projecto que
autorisa o governo para redtizir a aoiortisaio das
notas do Banco Jo Brasil em circulacao. Orou
Sr. Cunh 1 Leito, Meando a discus-ao adiada pela
llora.
Foi olTerecida a seguinte emenda substitutiva:
Art. lc S i". O governo tica autorisado para
conceder ao Baen do Brasil prorogaco do p.razo
de sna duraco por mais qnatone anno, do que
lhe est tixado, e reducco at metade da laxa ac-
tual da amortisa o de suas notas em circulacao.
na conformidade do referido prazo, c.onilanto que
o mesmo estobelecimento se eomprometta nao le-
var u> lis de 60/t) ao auno de juros pelos empresti-
m-w que adiantar lavoura e a. estender a 12 an-
uos pelo monis o prazo da amirtisacao do capital
emprestado.
S 2. Ao Banco do Brasil, aos estabeleciinentos
na de crdito real e aos crotores hypothecaries
exeenco da aeco hvhothecHria instituida pela
lei de i\ de seteubro de 18Gi sao applicaveis as
segantes dtsposioSes:
i." Os bens hy'pothecados que, sendo levados
praca pelo preco da avaliaco ou da adjudicarlo,
nao forem lcila-ios poderlo ser arrematados
quem maior lan;o olferecer, aiuda que inferior ao
valor de adjudic:u,-ao, preodendo novos editaes e
annnndos nos peridicos onle os houver, nos
iiuaes isso mesmo se declare, pena de nullidade
da arremataco.
2.-1 Ao creJor exequente lira salvo o direito
d; requerer ao juz que lhe adjudique os bens by-
potherados para sen pagamento.
3.' O prazo designado no art. da lei de 15
de setembro de 1869 para as propostas escridlas
tus praxis jndiciaes dos escravos se/ reduzido ao
mesmo prazo design;lo nas leis dos pr parar ".....<*ta Oos 1....... -'*-- **
-t-.' O licitante qne se propozer arrematar en-
slubadamente os immeveis e juntamente os scra-
vos e mais accessoros hjptneerios, ser preferi-
do em todo c*6, desde que apparecer preco igual
.10 di avilia^ai, ou ao da adjudicaco,ou a) maior
laen olTeredo.
*Art. 2. Ficam revogadas as di*po*'Co,,s ein
contraro.Pereira da Sifta.'
Continou em ultimo lugar a discusso do i>co-
jecto de nssposia falla do ihrotio. Oraran os
Srs. pre-idente do conselho c Brusque, licaudo a
discusso adiada pela hora.
Temos folbas do Rio da Pra at 30 do pasando
pelo Tig-r.
Nenbuma noli "a de interesse referen. Em
Buenos-Ayres principiara a redamar-te que a
quarentena imposta aos navios procedentes deste
[orto losse elevada a vinta ou vint e cinco oas,
com commiacio do igual pena aos portes do Pa-
raguay se all nao se adoptasse a mesan medida.
Melho'r fecharem-se do urna ves a ver se ficam
tranquillos.
- 7 -
, A cmara dos deputados approvou hontem em
urna s discusso, depois de algumas observaces
Jos Srs. Morrea e Taunav, o projecto declarando
queD. Amelia Augusta "dos Santos, viuva do i"
lente deengenheros Irene) Jos dos Santos, tem
direito ao meio sold de seu marido, apezar da
prescripeo em que incorreu.
O Sr. Campos de Medeiros oirereceu urna emen-
da, que tambem foi approvada, estendendn o mes-
mo favor a D. Mara Fausta de Miranda Compel-
i, viuva do alferes Antonio Pedro Ferreira Cam-
pello. *
Continuou depois a 3' discus-o do projecto que
autorisa o governo para reduzir a amortisacio das
notas do Banco do Brasil. Oraram os Srs. Duque
Estrada Texeira e barao de Mau, tirando a dis-
cusso adiada pela hora.
Continuou em ultimo lugar a discusso do pro-
jecto de resposta falla do throno. Oraram os
Srs. Henriqu s e Martinno Campos, licando tam-
bem esta discusso adiada pela hora.
pedio do lugar de agrimensor que exercla na co-
lonia de Canana, provincia de S. Paulo.
O Sr. Dr. chefe de |K)licia da provincia do Rio
de Janeiro recobeu hontem, da ostaco do Porto-
Novo da Cuiha, um telegramma eni que se lhe
dava a noticia de urna insurreie, 10 de escravos 110
Sumidouro de Paquequer, mas sem fados especi-
ficados.
Iiiformam-nos q*e o governo lamen immedata-
mente as necessarias providencias, fazenJo seguir
para aquella estaco nina for.a Je Ihiha e do cor-
po de polica da provincia, d fe de polica, que para all tamliem part'.
Posteriormente recebeu-se novo telegramma, em
que se dzia que os desacatos continuavaiu. Esta
expresso faz suppor que o movimento nao tenha
a gravidade de que pareca revesti-lo a primeira
noticia recebida.
9 -
A cmara dos deputados orcuix>u-se bontein em
primeiro lugar com a continuaco da discusso do
seguinte requeifmento do Sr. Florencio de Abren,
olferecido e.n sesso Je 2s de dezembro ultimo.
Requeim r inler-
medio dos ministerios da guerra e justica, infor-
niacoes sobre os seguintes [K>ntos :
1. Quando foram expedidas ordens para reu-
nios de guardas naeionaes que se esto fazendo
no Rio Grande do Sul ?
2.* Quaes os municipios da mesma provincia
escolhidos para nelles terem lugar essas reunioes.
e qual o niiineio de pracas que se mandou des-
tacar *
t 3.* Que autoridades foram enrarregadas das
reunios 1
i." Se foram tamliem expedidas ordein para
se proceJer ao recrutamento ?
v 5.' Se, a desp-ito di se adiar solvida a qnftS-
to que ameaeava ruptura das relacSet do impe-
rio com a Confederado Argentina nao foram aiu-
da cassadis aquellas ordens ?
Oraram os Srs. Florencio de Abreu, n nistro da
guerra e >ilveira Martins.
Hequerendo o autor do requerimento retira-lo,
emOrista das doelameSes do Sr. ministro da guer-
ra, nao xlde vo'.ar-so por falta de numero legal.
Continuou dejwiis a discusso das seguintes in-
terpellacoes annunciadas pelo Sr. Duque-Estrada
Texeira'em sesso de 28 de dezembro prximo
tiiul :
1.* O servico do recrutamento no municipio
neutro est sendo exclusivamente feito pela poli-
ca |ior ordem do ministerio Ja justica, 011 mr
coinmissao do ministerio da gnerra 1 Neste caso,
quaes foram os agentes recrutadores Horneados ?
2.' Qual o numero de recrutas exigido judo
ministerio da guerra e qual o distribuido a cada
freguezia?
3.* Tem sido esse servico feto com regulari-
dade sem olleusa das leis e rcgulamcntos em vi-
gor e sem vexameda populavo ?
tUtrada Texeira, lien nao a SBeUww 0u nK "
agua e cm lugar Jo nao lhe poderem prestar ser-
vico algum os reboeaddree.
Ascatraias da pratieageni Jirigiram-se mme-
diatamente para o navio, e segundo nos parece
julgamos que a tripolaco j o abandouou por es-
tar o relame a matrona. Consta-nos que nao abri
agua, mas para salvar a carga s bom tempo e por
trra.
O Rio-Crandense accrescenta estes pormeno-
res :
Hoje ao amanhecer fez o pigia da torre signal
de navio encalhado na costa, ao rumo de SE. V S.
inmediatamente seguiram para o lugar do synis-.
tro os robocadores Rio-Gratule a Protccuo, indo a.
bordo deste o Sr. inspector da praticagein, e na
mesma oecasiao seguiram para a costa o >t. pri-
meiro pralco segundo tenenle Miguel Moreira e
mais entregados desla pralicagein com o salva-
vidas.
A s 8 horas da macha rogressaratn os reboca-
dores por nao ser possivel prestar-se soccorfo ao
navio, visto estar totalmente encalhado muito prur
ximo da praia e baver muito mar.
A tripolaco o um passageifo, bem como
bagagens, foram salvos pelo salva-vidas ; o mi
mar que bavia na costa nao deu lugar a
nuar-M com o trabalho o navio abri agua e
t perdido.
Um telegramma publicado pelo CommercA
diz : *
* O capito abandonou o navio e deixou dous
horneas bordo para nao consentirem que uin.-
guem ontrasse.
O navio esta j cheio de agua e alguns volu-
mes ajiiiarecera na praia, que so julga tcreni sa-
bido pela eieotilha. O ajudante guarda-inr da
aifandega o Sr. Wamozi mandn guardas jiara r-
colherem esses votamos.
- 10 -
Carecemos alada de informaedos iiositivas a.
respeito dos successjs do Sumidouro de Paque--
quer. Chegando ao Porlo-Novo o Dr. chefe de
polica da provincia do Rio de Janeiro, olBciou ao-
governo nos seguintes termos :
t lllin. e K\m. Sr?consellieiro Duarte de Aze-
vod.Acabo de chogar estafio d > Porto-Nova,
sendo quatro e meia horas da manh o receltea
do um ollhrio do subdelegado do -uoidooro, que
diz-me alguma eousa sobre as ocrurrencias ana
deraui lugar ininlia viuda ate a jiii. pon-o adian-
to acerca do mais (jue baja a recetar.
0 que cerlo que levantaran!-se contra o
feitor, a quem assassinaraui, os escravos do urna
fazenda, o nella se acliam entrincheirados. Acre-
dito que elles nao resistirn for-.a i|ue trago--
comigo; porem em todo o caso, se ellos nao se
quzereiu entregar anUgtvelniente, estira disposto
a emprogar os muios Je que poder Jispor desde
logo para evitar que de outros pontos venha quera
os auxilie ou pelo menos torne mais ddicil qual-
quer diligencia para e >"-- ordem.
__Tuilo auni **>
fWiita a a qui cinco
,i:m......**
___:uo
cnitini sera o que Deus
Na cmara dos deputados, hontem, logo depois
da leitura do expediente, o Sr. Baro de Mau fun-
damentou e offereceu o seguinte requerimento, que
foi approvado, depois de algumas observacoes 001
Srs. Silveira Martins, Martnho Campos e Pereira
da Silva:
Requeiro que se peca ao governo copia da
quitavo que me foi passada pelo thesouro nacio-
nal aps a tennuiaco da guerra, que deu em re-
sultado a queda do dictador Rosas, bem como a
declaraco das quantias por inini rccnliidas, quer
da secretaria da polica, quer do thesouro nacio-
nal, para auxilio a Repblica Oriental do Uruguay,
antes de comecarem as hostilidades, quantias por
mitn entregues ao mesmo governo ou sua or-
dem.
Entrndose na ordem do da, continuou a lis
cu,s?io do projecto de resposta falla do.throno.
Oraram os Srs. Carneiro da Cunha, Pereira da Sil-
va e Tarquinio Amarantho; flcando a discusso
adiada pela hora
Das 16 para as 11 hojas da manh de hontem
(diz o Pkarol do Juz de Fra, em dala de i) ati-
rou-se ao Parahybuaa, da ponte da ra Ilalfeld, o
cidado francez Dsir Adolpbe Alexandre, dei-
xando sobreda mesma ponte o seu chapeo e ben-
gala, um bilhete concebido nestes termos :
J'a dt que le jour ou je ne |H)urras plus ren
taire et qu'il faudrai depenser de l'argent pour
mot avoc les remedes et les mdecras, ce jour, l
jen hnirais. Adieu tous les ams, souvenez-vous
de moi.
t Je me nomme Dsir Adolpbe Alexandre, n
Paris le' 6 septembre 1827, declar la mairie,
place Luiz XV, baptis, catholique, apostolique,
f'glisc St. Paul, St. Louis. A. Alexandre.
A cmara dos deputados approvou hontem suc-
cessivamente sem debate, os pareceres da 3* eom-
misso de poderes sobre as eleiees primarias feitas
nas parochias de S. Miguel e Almas, Forte, Nativi-
dade, Posse, Porto Imperial, Monte do Carino. Cha-
pada, S. Jos do Duro, Arraias, S. Jos do Tocan-
tras, Cavalcante e Santa Rosa, pertenceBtcs pro-
vincia de Goyaz.
Approvou em seguida, tambem sem debate, os
da referida commisso, approvando as
pareceres
viciam e corrempem por natureza^feicoes primarias das parochias 4o S. Martiaho.
Por despacho de i de fevereiro foi concedida a
Antonio Francisco da Nobrega a demisso que
pedio, do lugar do 4' escri.durario do thesouro
nacional.
Por titulo de 5 foi nomeado o collaborador da
receliedoria do Rio de Janeiro, Joio Gomes Vieira
Guimares, para o lugar de praticaute da mesma
reparteJo.
Por portara de 31 de Janeiro foi exonerado
Osear Kessel do lugar de curador dos inmigran-
tes, na agencia olllcial de colonisaco ; sendo no-
insado, por outra de igual data, para substtui-lo,
Frederico Meyer, vencendo 150* mensaes.
Por outra tambem de 4 do chrrente, foi nomea-
do Higuel Jos Colbert para o lugar de guarda dV
chafariz da inspectora geral das obras publicas
do munfeipio que se acha vago, com o vencimenlo
que lhe competir.
Por decreto a. 5,213 de 1 de Janeiro foram
elevadas 3* entrancia as comarcas da Estancia e
Laranjeras, e a 2' as de Maroim e Villa-Nova, na
provincia de Sergipe.
Picoa subsistindo a classificaco das outras co
marcas da. mesma provincia e s da Canela, La-
garto e Itabaiana de i*.
Per decreto n. 5,2itt de 1 de fevereiro foi
reunido o termo de Silves ao de Serpa, na provin-
cia do Amazonas, sob a jurisdiccio de um so juiz
municipal e do orphos. '. .
Por decreto n. 5,2tt, da mesma data, foi des-
annexado do termo de Minas Novas o de S. Joo
Baptista, na provincia de Minas -Geraes, e creado
neste um lugar de juiz municipal e de orphaos.
Por decreto n. 5,212 da mesma'data, foi
creado no termo de Misso- Velha: na provincia do
Ceara, um logar de juiz municipal eie orphos.
Foi nomeado presidente da provincia do Para-
n o bacharel Domingos Jos da Cunha Jnior.
__Por portara de 6 de fevereiro foi nomeado
Antonio Joaquim Correa de Araujo Sobrinho para
o lugar de amanuense da secretaria do arsenal de
guerra da Baha.
Pof portara de 7 de fevereiro concedeu-se
iicenca para residir na provincia de Pernambueo
ao soldado reformado Henrique da, RocnaOlivei-
ra; dovendo ser pago de seu sold e pensao pela
thesouraria de fazenda da dita provincia,
Por portara de 6 de fevereiro. concedeu-sc
a exoaeraco que Olvrapio de Oliveira Machado
Por portara de 22 de Janeiro 6 e 7 do corrate,
foram Horneados :
O alferes honorario do excr.-ito Orombo Car-
los Correa Lemos para o lugar de porteiro da in-
tendencia da guerra.
Jos Gomes da Silva para o lugar de amanuen-
se do escriptorio do ajudante do director do arse-
nal de guerra da provincia da Bahia.
O alumno do l' anno da escola central Fabio
Hostili.i de Moraes Reg para praticaute interino
do imperial observatorio astronmico.
O capito honorario do exercito Gustavo Frede-
rico Beutenmufler para recrutador na provincia
da Parahyba do Norte
O capito do 3 regiment de eavallari 1 ligeira
Frederico Soln de Sampaio Ribeiro para secreta-
rio da nspecrao dos eorpos de cavallaria e -arti-
Iharia da provincia do Ro Grande do Sul.
Reunio-se hontem a assembla geral dos accio-
nista! da companhia Transatlntica, para ouvir o
parecer da co nmissao eoearrogada do examinar
qual o alritre i|ue se Jevora adoptar relalivainen-
te ao andamento dos negocios da empieza.
A cournisso composta dos Srs. Drs. Perten se
e Ribeiro de Almeida e commeodader Pereira Soa-
res, conclu'o o seu traballio declarando :
1." Que os negocios da companhia teem sido di-
rigidos com grande zlo, com severa economa e
cora a conveniente appheacjfo de ootaveis conhe-
eioientos teclincos ;
2 Que no actual estado de cousas a liqudaco
da companhia, sobre ser desaros aos accionistas,
serta prejudicial a seus interesses ;
3.* Que da maior conveniencia para os accio-
nistas actuaos a entrada do capital, que zelosa 8
prudentemente ha de ser exigido pela directora at
maio, poca oin que chegar o primeiro < ajior ja
comprado pela directora;
4." Que. -vsla dos dados existentes, quasi
certo que, comecando a navc;aco, haver para a
empre a maior concurso dos capitaes que buscan!
applca.o ndubitavelmenfe vantajosos;
5 Que, se a despeito de taes prevsoes a liqu-
daco tornar se ento opportuua, na peior das hy-
potheses dara pequeo prejuzo, e em todo caso
muito menor do que feita agora.
O Sr. couimendador Pereira S jaros, concordando
com estas conclusoes, apresentou em separado al-
gumas consiJeracoes e os clculos era que setun-
,!;... ..... ,,a.. .1 1 ., Ai ilipaj.tnril ilfl 1MUII1.1-
dra, quaudo retirouse da directora da compa
nina.
Discutido o parecer, foi miani 1 emente appro-
vado.
A directora annuuciou urna chamada do mais
dez por cento do capital para pagamento do vapor,
cuja construc.io se est eonclundoe m Inglaterra,
e que dovendo comecar a uavegaco em abr I, che-
gar era maio prximo com iinraigrantos dos Aco-
res, da Madeira e das Canarias.
Nao podemos obter hontem informaeoes cir-
cunstanciadas a respeito do levantamento de es-
cravos ni Sumidouro de Paquequer; entretanto
todas as que temos levara a crr que o movimen-
to pouca ou nenhuma gravidade leve. Parece que
os escravos da fazenda do finado Francisco Luiz
Breira, jnlgando-se todos libertados pela ultjma
volitado de seu senhor, coitao alguns effectivamen-
te o tiiihaui sido, amotraaram-se e resolverain vir
cncorporados a esta corte reclamar contra o injus-
to captveiro em que se suppuuham retidos. To-
mando a direecao de Mago, chegou a Theresopolis
um grupo de cerca de trinta, duendo que pouco
atraz vinham outros untos. Reforem-nos ainda
que avisado pelo subdelegado de Theresopolis o
delegado de Mag j estava com forra sulTlciente
para conter os escravos
eguas
quizer.
Passo s mos de V. Exc o offlcio que achei
para V. Exc em poder do agente da estaeao.
o Quoia V. Exc. aceitar, etc. Porta-Novo, 8
de fevereiro de 1873. -Luiz de Hollada Cavai-
canti de Albuquerque.
O otlieio cima referido o seguinte :
III111. e Exm. Sr.-H >je, s 9 horas da uianhV-
Offlcici ao Exm. Sr. Dr. chefe do polica da provin-
cia peiindo providencias a respeito de urna suble-
vara de escravos do fallecido capit.10 Franci>co
Luiz Pereira, e de novo torno a pedir a V. Exc.
de mandar com a maior brcvidado urna fore*
respeitavel, nunca menos de 50 praca*, para evitar
toda a aorte Je malvadez que os escravos esto
pratieando, os quaes se acliam cntrneliehwdos na
fazenda.
Dous guardo a V. ExcFreguezia de Nossa-
Senhora da Conceieo de Pauue<|uoJ'. s 11 horas
la manh do dia 7 do fevereiro de 1873.Illm.
Exm. Sr. coiiselhoiro Duarte de Azevcdo.Jos
Joaquim dos Santos, subdelegado.
Nio nos consta que baja ulteriores inoiinacoes-
lo Sr. chefe de polica depois que este, partido do
Porto-Novo, se uternou na direceo do Suinidiiu-
ro do Paquequer. Os olllcios cima transcriptos
constliiem as primeiras participa/oes que o go-
verno recebeu em data de 7 e 8.
Est, pois, ainda por averiguar se os escravos-
dentro do entrincherainento do que falla, espera-
ran) a forea d'aqui enviada, ou se abandoiiando-o.
lomaram a estrada de Mag, segundo a noticia
particular que nos foi dada.
A cmara dos deputados approvou hontem em
3.". discusso, o projecto mandando contar para a
antiguidade do magistrado o tempo de servico
prestado durante a guerra em junta de justica mi-
litar.
Continuou depois a 3.a discusso do projecto
que autorisa o governo para reduzir a amortisa-
co das notas do Banco do Brasil em circulacao.
rou o Sr. Araujo Goes Jnior, licando a discus-
so adiada pela hora.
Foi otrerocida a seguinte emenda substitutiva :
Art. 1.* A proporco marcada no jj 1* do
art. I." da lei de 22 de agosto de 1860 para o res-
gate das uotas dos bancos de circulacao fica redu-
zda a dous e meio por cento annuaes.
o Paragrapho nico. Esta disjioico applca-
vel ao Banco do Brasil.
t Art. 2o O governo fica autorisado a prorogar
por mais 14 annos o prazo da duraco do Ban-
co do Brasil, sob a condieo de completar n
mesmo Banco o capital de sua reparticao hypo-
thecaria e emprega-lo em em restiraos lavoura,
efectuados nos tormos do art. 3 desta lei.
Art. 3. O banco do Brasil, em sua seccio
hypolhecaiia, e quaesquer outros estabelecinientos
de crdito real, nao podeio, nos omprestimos
fetos lavoura, exigir juro superior de 6 por cen-
to annuaes, nem amortisac.o maior de 3 por cento
sobre o total da divida primitiva.
a Art. 4." Fica revogada a permssio contida n
final do 2." do art. 1 da le de 12 de setembro
de 1866, c obrigado o Banco do Brasil a alienar no
prazo de seis mezes os ttulos da divida publica
que fazem parto do activo de sua secc,o hypothe-
caria.
Art. 5. No resgate de suas notas o Banco d
Brasil dar prefereucia s que restarem nas pro-
vincias de Pernambueo, Bahia, Maranhao e Para,
applicando proporciooalmente a somma destinada -
para es^e lim. *
Art. 6. Recusando o Banco do Brasil acceder
a qualquer das disposcSes dos art gos anteceden-
tes, o governo fixar a quota annual do resgate de
suas nulas no mximo do 6.* do art. da le ae
18 de setembro de 1866. fc
Art. 7. Nas execucoes de hypothecas celebra-
A .11 1 / 11 i. .\ 1 -\ 14vyv- ^^- -^ ( ,
Parece, pois, que o movimento foi solado e limi-1 das depois da promulgacao da presente ,ei ""'
tadO a urna nica fazenda, 4> all mesmo suscitado | termos da de 24 de setembro de vm, cora obi
II IIIC^III 9U3LIMUU I IUIII1U3 lid UU "** J J *
por circumstancias especkes, nao constando to belecinienlos bancarios e de crdito real, e cno
ao exequente reqiferer que nao lhe sejam adjudi-
cados os bens, pedindo- o pagamento em u.-
pouco que tivesse havido a^to de violencia da par-
te dos amotinados.
Pela urna hora da madrugada do dia primeiro
do cor ron te deu costa ao sul da barra do Rio-
Grande, proxime ao Cabeco, o brigvie francez Jeu-
ni Eduard, procedente do Havp com 58 dias de
viagem.
Eis o que a este rospe'to. da o Artista:
a Amanheceu hontem encalhado ao sul e vis
ta do estabeleciraento da lam, o brigue francez
Jeune Eduard, de procedencia do Havre, cora um
importante carregamento. "-Calcula-se perdido to-
talmente por estar encalhado em, seje palmos de
a Paragrapho nico. Neste caso contnuarao em
araca os bens com supcesstvQs ahatiinentos de W
por cento e niorvaltas de 10 das at serem arre-
mataife'.
Art. 8 Nas execm5es de immoveis Mreolas
hypotbecados com seus accessorios, na cnip'ormi-
dde d'aquella lei, as propostas de que tra o art.
1.a da lei de 1S de setembro do 1869, sed apre-,
sentadas depois da affixacao dos editan de praca,
e sua abertura ter lugar em seguida arremata.-
eodo immovel.




- t

i
**, .____ m-'-m


4.1
Hl 3
ta/JH J(! S
fiHEttnarabuco Terca feira 25 de Fevereiro de 1873.
__
s
Parafrapho nico. O arrematante deste yn
fere ars outios concurrentes na aequisicao do
*avos especicAdW ri" escriptur dedivpothacv
anda que
outra, at
renga, podcr orerecer por cscripto em ato con-
tinuo quaiitu baste pnra scr-lhe mantiia a prefe-
rencia.
Art. 9. Ficam rerogadaa
contrario. JK
10 de fevereiro de 1873. -Aria-jo 8m Ja*
-nior.
Approvou dcpfhr-t projaeto de resposta
falla do throno, fon a seguate emenda siM
tituva ao l., sendo reatada a do Sr. Jes Cal-
men :
a Com grande contentamento, sonlior. oavio a
'amara quceraiat m feral satisfactorias as condi-
roes sanitarias\dn imperio.; remiendo Divina
Providencia as devidas graeas por tao astignalado
beneficio, d'ella espira com V. M.Jmperial a ulti-
raaeau das molestias (pie ltimamente leem grns-
sado com maior iotensidado na corte c cm outras
de fos-as povoacoes.4- J- Iknriquos.Tarquir.to
B. Se $*Kza imtrantha.
Continuou em ultimo logar a discussao do or-
amento na pirte relativa despeza de mmiste-
TiO da juslica. Orou n Sr. Silveira Martins, Creando
a discussa i adiada pela hora.
Foram nfferecidas as seguales emendas:
i Art. 3" j II. A esta verba accrescente-
*e a que fr necessaria para elevar-so o im-
raero de soldados de c iria c mpanhia do
avallara a*8J a de inf.utaria a i2d
IBA esta verbaafrrescente-se oque
fr necessario :
t i." Para elevar a ti aumero de dis-
Irietos c de c mimand-.nici e os veiieiiiien-
tos destes a 120 por me*
. 2." Para a erca-.--i de. 15 lugares de
5* eommandanta e cada uin com venc-
mentes mensaes de 80j
'<.' Para elevar a 750 o numero de
guardas urbanos ees venc montos destes a
olfpor mez
Campos di Meciros.
r E' o governo autorisad > a rever as tabellas
les rencimentos d is empreados das secretaras
de 'polica, de modo pie a despeza nao exceda 40
iwir rento da que actualmente se fax.Cario
PeirotoRocha Isdo.Camilla Figuehrdo. -Si-
taeo-n Mend's.F. A. Xavier de Otilo.Canill
Birreta.
Furam remettidos eommissao de jnstica civil
*i criminal os seguintes projectos :
* A asseiuhln geral resolve :
Art. 1." No municipio neutro, c em cada pro-
vincia, haver nina rea ao com sede na respecti-
va capital.
r% I" A jurisdie.-.o di suprem tribunal de
ju-d^a compreh vi -le t >d o o territorio d) imperio ;
a di retaca i o i srrtorio di respectiva provincia,
oii da corte : a do juiz de dircito o da sna comar-
ca, supprimid >s os termos ; e a do juiz de paz o
ilo competente di-inciu.
s, 2.' t) govein i marcara o numero dos mem-
bros de cada telarlo, que se compara de 7 a lo
Mftmlianiadores.'
( S !. t)s fi'ilos cveis, depos de examinados
pelo juiz relator e pelos dous revisores na forma
actualmente, estabebxida, serio propostos e dis-
-utid.is ,;in mesa, e ju'gadof pelos de-embargado-
ces presentes, detraindoso c informe o voto da
naion'.i.
<( S i Em caso de empate, decidir o voto do
presidente do tribunal.
5. A ordem do jul,'amento dos feitos se
regnl.ir p"|.i data da apresenta;5o do prOcosso em
m sa drpois ta revino.
ti^ Na4 revistas jnlgaro liiibcm os desem-
x larsadores presentes.
i I 7" os recursos crmes vdar o juiz relator
roS os d.ms juires s irt"ados.
Art. 2* Fi'\m ab ilidos os tribuaos do coifl-
mcrco; cas causas .....nrncrciaes serio (alfadas
as rcla.-'n's com ios f -ir.is civeis.; passando as at-
trib l/oes aduiliiisti'.i'.ivas ife-ses tribunaes para os
niizes do eommerci i.
Art. .)" Para presidir o jury as comarcas es-
peetaes o govern > designara aimtialment'' um on
flia's Vsembargadore.s da respectiva retoca); c
P'la mesma fnn.i designar um' que coi-reja as
omareas do wu districto.
c Art. 4o As tur "es civeis (> rommereiaes serio
oi-lmarias e summarias. Serao summarias as de
val ir at<; 9001; 11 las :is mais serao ordinarias.
Tni S.-4.. Subsiste o Jiuyio ejecutivo da fazenda
S i as ac;i*ws ordinaria
t'i oos desuados na legislai;ao vigente ; natsrim-
maric.s, porcm. observar-se-b;io toe sucnte os ter-
inw neeessarios para a api-esentacio do pedido.
i HrtMtz A$Hbt julhd de W50.
Art. 7 A-disposioJo da 1' pacte do art. 33t do'
sua reposta seja"inferior a qualouer coJgo.dnpwvsRa -nmitial, mstabetecid i pela art.
10 porjeento sendo maior a dille- 29 l* fclei de 2) de setembro de 1571, subsi-te
como regra gcral, ficand nrejudicadas as demais
disposp.'oes docifado art. 132.
Art. 8" Rcvogam-se as disposc^Jes cm contra-
Aisposces tro. ^*rx*m-
a Pa^o da cmara dos depatados, 10 le frivorei-
ro de W73.-T. Alminar Araripe.
Por decretos de 8 da fevereiro feram nmwsa-
dus :
Inspectores daalfandega da Parahtha, provin-
cia do Piauhy, Antonio Josi'' Annalio de Irranrla.
Thesoureiro ia thesouraria do Ccar, Aristides
Pi dos Mares Guia.
Dito .jb al tondegada, mesma pTovineia,. Domin-
gos Jse Pinto Draga Jnior, em substiluicao de
.Vntonio Domingucs da Silva, qu por decreto.Ue
igual data foi demittido do reTrido lugar.
Por decretos de 8 de fevereiro fot, sen pe-
dido, dispensado o bacharel Manool "Eufrasio Car-
rea, do cargo de ebefe de polica da provincia de
Santa Catbarina.
Foram nomeados :
O jwz de diretu Miguel Calmon da Pin e Al-
meida, para o cargo de chefe'de polica da mesma
inovincia.
O juiz de direito fiesario Jos Chavantes, para
igiral cargo na provincia dt Minas-Geraes.
O bacharel Ildefonso de Andrade Mello, para o
cargo de juiz de dircito da comarca de S. Gabriel,
na provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
Ohachavel Jos Machado Pnbeiro Lima, juiz
municipal e de orplos do termo do Belhlem do
Jundiaby, na |irovincia de S. Paulo; licando seml
elfeito a sua nomeacao anterior para o termo de S
Carlos do Pinhal.
O bacharel Domingos Theoloro do Mendonca,
juiz municipal e de orphaos do termo de S. Carlee
di i Pinhal, na mesma provincia.
Foi removido, i sen pedido, o juiz municipal c
i| orphaos Francisco de Paula Habello e Silva, do
termo de Bethlem de Jundiahy, na provincia de S.
Paulo, 'para a vara municipal dos termos reuni-
dos di capital, Santo Amaro oParnahyba, na mis-
ma provincia.
Foi Moteado para a guarda nacional :
O capitao reformado Clarimundo de Moraes Ro-
go, major commamhnte da I.* seccao do batalliao
da reserva da provincia do Piauhy.
Foram reformados, pedido :
Manoel Luiz Santa rom, major ajudante. de or-
aena do commandante superior dos municipios de
Gurupa e anaexos, da provincia do Para, no pos-
to de tenente-coronel.-
Pedro Henriques Cordeiro, capitao atjgrcgado
L seccao do balbao de artilharia da provincia
do Amazonas, no posto de major.
Foi concedido melboramento de reforma no
peal de major, ao capitao reformado da provincia
de i'ernamhnco, Jos Cosario de Mello.
Foi declarado que o l. tabeliao e escrvSo das
exccu'.'es civeis e criminaos <; privativo do jury,
Horneado por decreto de ."l de julho do anno passado
para o termo do Rom Jardim, na provincia de
iYrnamhuco. ,' Joaquim Martins da Cunha e nao
loaaraifll Paifi :o de Arroda e Melb), e que o 2
tabcllii i e escrivao ib* orphaos, residuos e capel-
las, nomoado por decreto de igual data para o
iliesmo termo, Joaquim Pacfico de Arrud e
Mello, e ni i J'iaquin Martins da Cunha.
Por decreto de 31 de Janeiro foram promo-
vidos ao posto de 2." tenente da armada os se-
guintes guardas-niarnna3 :
Americo Lenidas Barbosa de Oliveira, Joao de
Andrade Leitft, Bnarle Huet Racellar Pinto Guedes,
Adolpbe Peivira l'iiibeiro, Antonio Augusto da
Costa Laeerda Jnior, Francisco Pinto Torres N|^
ves. Fre.lorico Dias de S. Aristides Speridi.io oa
Sena Braga, Antonio Alves Cmara, Ravniundo
de Mello Fnitido de Mendoaea, Carlos Vidal de
Oliveira Fivitas, e Joa'piim dos Santos Magalhaes
Jnior.
Por decretos de 3 do crreme foi transferido di
1." para a JL classe da armada, o 2.* tenente
Constante Gomes Sodr.
Foi concedida a Jos Francisco de Brito Jnior
a demssao que pedio' do posto de 2 tenente da
armada.
eontestacao e prova.
S S" as cui-as civeis, como as comnier-
aes. so as exeepeOes de meompeteaeia e suspeiejo
sa*p ndem a enrsg do proeesso: as demais exeep*
cS.'s constituirlo materia de del'eza na contesta-
ra.
Art. 8" <) aggravo smente lera lugar as de-
rdes relativas a ordem e marcha do processo, e
-era semprc no auto do mesis processo.
" S 1 Nos arrestos oatras providencias asse-
eurttorias ou preparatorias, cabera aggravo on
appHIacao devolutiva ; conforme a dedsao for so-
bre a ordem c marcha do prOeesso, ou sobre o ob-
I' 'to em qnftrtao.
2* as cansa- summarias e ordinarias a ap-
pcUaSo ser suspensiva.
3* Interp >st i a appelbe.io ser esta apresen-
UM na superior instancia no pran de la a 00
lia*, conforme ,n distancia da sede do tribunal ou
i .!z, sob pena de perempc.o d i recurso, salvos os
*a*M de torca maior espcifleados em regulamento.
Art. 6> as execupoes os embargos do exeoo
lado se eflorecern conjuntamente dentro de :< das
o y iis de acensada a penhora era audiencia, e ad-
miltidss os embargos, teri i effclto suspensivo.
Art 7' Na detengo pjssoal, determinada nos
a express is na I-i, o recurso o de habeos-
pus.
| I" A pri-r. n is caom le deposite n'vi exce-
.1 erado um anno. .alv..- ao depositante os dircites
sobre o objeet>, cu sen > |uivalcnte pelos meios ei-
vis^e se/u preterida da disposico da segunda par-
'' d. art. :l"i d-jco.Itgi -,; i.ail.
SjT Nao tTi lugar a prsio por cusas.
f Art 8 as fallencias o processo da attecada-
raeeliqnidac) correr inJependento do processo
Ia Abena a falleneia. felto o inventario e
avayado osbens. p d-.riio os credores.fazer on-
crdata com o i!:--',: ; ,m noraear administrado
para a massa l illda mu prejniro do procedimo-
tu crimina
" | ^ A concordata rehabilita o devedor fallido.
13- A fazenda n,;i ional lom privilegio em to-
,g4- Pica red-i::ido .. 15 dias o prazo do art.
129, i 5" do cdigo comtnercial, e nenhiuna refe-
rencia tem o mesm s !> ao art. 827 do citad) c-
digo.
< 5 o--' Suppiimem-se o f 3" do art. I" do mesmo,
'odjgo e demais dispssioSee deste acerca de Slhes
Art. 9* As etistas dosjuies vitalicias serio ar-
reeMadas pelo tlicsouro nacional, e era compensa-
<;o o governo"aii;iiar Sos esmosjuizes aeeres-
imo da gratii a;ao actual.
SI* A>s de? mnarpdores designados para
presidir q jury c c comarcas se dar
gratificar ." i .
Ait. 10. A- le: eeroobrignerlas trina dias
depos da sua promulga 11 as provincias loariii-
uaa, e naquellas para cijas raptaes houvereom-
muBica;_';V) a vapi r : ms demais provincias o se-
rao 4i0 dias depois da mesma promulgacan, salva
diposico especial em cmtrano.
Ari. II. Hevogam-se a^ disposicoes cm con-
traro.
* ^2'1;l ah''''" t',s doputados, 10de feverei-
ro de W73. T. Alen-ir Ara-pe,
<4 A :i-se;ui.l i garal resolve :
r Art i' Os arf. 192 c 193 do eolgo eriminal
ficam snshstlidispela seg'nmtedisposic.ao :
Mitaralcujm: penas de gales perpetaas no
grao masimo, de prisaoeora triballio por 15 eatos
no medio, e de 6 no mnimo.
Art *> Os aits. 271, 272 e 274 Jfcam snbst-'
ruidos pela seguinte dsposifio :
Se para verificac.V) de roubo ou no acto dHIe.
M committer homicidio, on se fizer qualouer of-
e^ Pbysica, ou se causir damno, o deliquente
s-wrurA alm dni ponas d i art. 269, as doi erimes
sobredttos.
*rj A pcnairj-ide estabelecida no art. 113
rra paYa os cab a seguinte : Gales perpetuas
no grao maxinn, gal*, por 20 annos no medio, e
por 10 no mnimo. '
-u, Art. 4 No art. 266 o perioJe Se concor-
Z&S&SZi S ronr"'oreM :" circumsan-
cias do incendio, ou mundaeilo
Art. .",. Pica revocarla a lei de 10 do janno de
i ia, sendo os autores dos crmies previstos no art
-la mes na lei sujeiros s peaas e^tabeleeidas no
odigo criminal.
Sena o loj is, ao menos parte dos escravos su-
blevados no Sumidouro de Paquequer vicram ef-
fectivamentc parar a Mag, sendo nesta parta
exactas as informa-ies qne tnbamos. A este
gnardar-s-h os ^^*Y^.^jj*d^ft Illm. e Exm. Sr. Os pretos escravos de Fran-
cisco I.uiz Pereira, fazendeiro no Sumidouro, que,
como tive a honra de commnnicar hontem a V.
Etc., se tinham sublevado naqnella fazenda e di-
rgiram-se para aqu, acham-se recolhdos c-
dea da cidade, se cada se pode chamar a casa
que aqui tem csse nome, sera qne olTerecesiem a
menor resistencia. Para este desfecho maito se
deve aos habitantes desta freguezia, que levanta-
ram-se como um s bomeai em defina da causa
commum. Ao 1. supplente do subdelegado Joo
de Souza Pimentel se deve a prompta communi-
cacao aquellos, e nutras medidas que foram toma-
das no sentido de tranqullisar as familias. Uto
emqnanto en parta acompanhado de um scida-
. dao pela estrada a encontrar-me com os subleva-
dos j aluciando os moradores da estrada, e j
prevenindo de forma que aquellos nao seguissem
a estrada de Guapemerim indo ter a Macac. At-
iento o ineii estado de fadiga apenas assisti ao In-
terrogatorio do capataz, (nome ou posto dado pelos
sublevados) perante o subdelegado Matoel Pereira
de Azevedo : disse que nao querendo os escravos
aceeifar adireccao de los Wail, tinham Ihe
commnnicado esta intencn : um dia, (piando nao
esperavam, foi a fazenda" cercada por muitos ho-
mens armados, e a torto e a direito foram desfe-
chando tiros sobre ellos, licando feridos tres par-
ceiros, estaudo um a espirar, e morto ra indivi-
duo velho portenceote escolta. Aproveitando
a barca que veii Irater trinta soldados, don,
como me curapre, a V. Exc. as noticias qne dsixn
consignadas. Deus guarde a V. Exc. Caes do
Porto da Piedade, 9, s 8 horas da manha de fevo-'
reirode 1873. Illntrc Exm. Sr. elude de polica
desta provincia.-O delegado de policia, Felippe
Jos da S,lca Macltifa Jmv'nr.
Para-maior seguranca foram os escravos de que
se trata aqui transferidos de Nitheroliv para esta
(orle, onde hontem de-tn entrada t9'devidamen-
te escollados.
12
A cmara dos depatados approvou hontem em
J. disciissao o projecto declarando que para o
comprimen! > da lei n. 1,748 da I3e*outubro de
ls'J rica auterisado o governo a d^spend-r, desde
ja. a quanlia de 3:li70)O0.
Approvou Jep is as emendas do senado, feitas
a broposica i de 29 de maio de 18 '8, que declara
o art. 3. Jo decreto de 20 de dezemhro de Ls30,
sobre a antiguidade dos magistrados.
Continuou depois a 3. disi*usao do
Prof.'ss,,,- e instriic^r do deposit i de apaendizes
rdhi'iros, o r;uri;"> d*i corno de e^'.a h-maior de
.' clsse, Pnniiie PaM Rihoiro.
OJiicial da surrrUria dt arsenal ile giura da
provincia la b^ina, Augusto Antonio Yjagna Ja-'
nior, qu excreta'o tngar de escrivao dasofllcnas
extincto pelo repilamento que baixou com o de-
creto o. KA>* de.4-ic (nitubwliiio.
OTicial da M^cretaria do. ar-cual-de guerra da
provincia do Para, Ait mi Joaqiqpp.ir'ij Vian-
na, escripturario flo arsenaWe guerra ia provin-
cia da Baha.
_ Por eutra-|e I* do corjpnie :
Foi no meado tenente refitnnado do exereto,
Pedro los, Alves, |iai a o lugar de encarregado do
deposito dejwvora na Iba*- SaRarara
I'or deert-ti do 8 de "feverelrji foi nomeado
Aristides Pkn^os Mares Guia, tneaonreiro da the-
souraria de Sergipe e nao da do Cear, romo por
equivoca.fiti liuuteiu publicado.
Acham-Rodetidos'nj secrebuia da guerra, por
falta de sello, os repierimentos dos segtimtestirs.:
Angelo Jorge Mondra, tenente ; Emilio Augusto
de OliveiraT ex-tenente de voluntarios: Gabriel
Rodrigues de Moraes, ex-pafro do escaler do ar-
senal de guerra ; Gtisfavo Angelo do Sacramento,
ex-vciluulario da patria ; Jos Henrique de Castro
Carvalho, 1.* cadete ; Luiz Balthazar, soldado ;
Mapoel Rento Aramia, tenente honorario.
A cunara dos deputados aprovou hontem, com
urna emenda da eommissio e outra dos Srs. Cunha
Pitruoireai) Jnior e outros, o nrcanento na parte
relativa despi-za do ministerio da justice.
Approvou depois em urna s discuasao, com va-
rias emendas, o projecto que autorisa o governo
para mandar admiltir a exame do 1' auno medico
na faculdadedo Rio de Janeiro o alumno ouvote
Jos Arihur Farm? de Amoedo Jnior.
Approvou cm seguida, tambera em urna so ds-
cusnao, e projeete bonorari.) do exereto Jos Joaquim de Macado
Costa Jnior, que em cousequencia de 'feriraento
recehido en combate ficou impossbjltado de pro-
curar meios de subsistencia.
Approvou mais, era urna nica disettssan, a
emenda approvada pelo senado pronosieao re-
lativa pena de prescripeo em ijue incorreram D.
Vicencia Maria Ferrer e sua inna, lilhas do capi-
tao Vicente Kerrer dn Silva Lisboa, alim de que
Ihesseja abonado o meisold de seu pai, visto ter
fallecilo sua mi que o percebia.
Continuou logo aps a 3" discussao do projecto
autorisando o governo a reduzir a amortisacao das
notas do Banco do Brasil em circuladlo O Sr.
Campos de Medeiros, depois de algumas observa-
c$es, olfereceu o eguinte raquerimento, que foi
approvado sera debate:
Pro|onho que o projecto com as emendas vol-
tem c-immssai de fazenda para dar seu parecer
sobre as ditas emendas.
OeeupMvae a cmara em ultirap lagar oem a 2*
discussao do orcamenlona paite relativa ao minis-
terio da guerra.
Oraran os Srs. Duqne Estrada Teixera, minis-
tro respectivo c Ferreira Viann.i, Pican lo a discus-
sao adiada pela hora.
Foi olTerecida a seguinte em.mda substitu-
tiva.
Art 0. O ministro secretario de estado dos
negocios da guerra autnrisado a despender miii
o* objectos designados nos seguintes paragraphosa
piantiade ..4...
A saber:
!. Secretaria de estado o re-
partieres annexas
S 2." Cnsclho supremo
i 3.* Pagadura das tropas
j 4.* Archivo militar, lithogivi-
pbia, etc
S 3.* lnstruccao militar
6." Arsenaes de gera e arma-
zens de artigos bellicos
7.* Corpo de salido, bospitaes,
etc.
S 8. Quadro doexereito
9. Gimmissoes militares.
10. Classes inactivas ,
11. Ajadas de custo
li. Fabricas
13. Presidios e colonias mili-
tares
S 14. Obras militares
13. Diversas despezas c ewn-
tuaes
Sala das commssoes, 12 d.; fevereiro de 1*73.
Dingo Velho. -Henriques. -Cunha Fiyueiredo Ju-
f??''--=iSfli*.sa. 1*30. Arattjo Gei Jmior. Pereira
i
2l>i:8*l000
X: 480 000
33:000 OOj
24:OI0O0O
282:27:1 300
2,741:021*400
727:6510OQ
7,744:31135323
98:503 000
.370:lo)8l7
100:0004)100
257:711497
28G:7C3330
900:000')00
CO^OOOiWI)
pracas, prendeu o autor di) fermentrf i *Wrtfo
para toueila estacao'. T
AI, era presenra do Sr. snbdelcfiMaV da Can le-
la-, 1.1. capHat arques Sobriuhoe Mlddo de es-
crivaj r> Sr. Julio Caldas, no iinpodimetto do ser-,
venuiario, Campos confessou o crime que acabava
de praticar.
Lavrou-se o termo de flagrante, afim de ser
Csmims reeoibido a prisas.
L*-
Por portaras de 13 de fevereiro foram no-
meados :
O alfercs honorario do exereto Arsenie Delcar-
p(o Velloso da-Silveira para o lugar deajadante
Ao pedagogo da companhia de apreudizes artifices
do arsenal dfj*erra da corlo.
Manoel Aqulhi> d. Faifa para oiugar de mes-
-tre de gynmatica do arsenal de goerra da provin-
cia da Baha. .
. Por portaras de 14 de fevereiro, foram no-
meados :
Salvador Jos Pereira de Ahneida. alumno pen-
sionista de pharraaca do hospital militar da corte;
adjunto do arsenal de guerra da corte, o capitao
do estado-maior de artilharia Marcos Rrcio Porti-
lho Befltes para, na rdrma dos arta. 123 e 150 do
regulamento vigente, ser encarregado do trem de
artilharia ; sendo substituido no deposito de apreu-
dizes artilheros pelo major graduado Eudoro Emi-
liano do Carvalho.
Chegando hontem de tarde do Ri< da Prata o
vapor inglez Paicil, apenas urna das malas veio
(tara torra, de modo qui smente recebemos o fi"-
tjli de Montevideo ate 9 do correte.
Tinham-se reunido alli as cmaras "em sessCcs
pruparatoras, e cada vez se tornava mais vivo o
inlcresse na prxima eleicao do presidente da re-
publiea. A quarentena p'ara as procedencias do
Itio de Janeiro foi elevada a I i dias.
De Buenos-Ayres tornam a annnnciar que Lpez
Jordn passando pela provincia de Corrientes pe-
netrara na de Entre-Rios. Tantas vezas dada e
desmentida a noticia mal poda encontrar ere lito
sem ser confirmada por dados positivos.
Telegrammas de Valparaso reforem (ue e n Co-
quinho deu- q urna grande-exploso de G40 barr*
de plvora, morrendo sete pessoas, licando militas
feridas e cahindo ou seiidu abaladas quasi todas
as casas.
Em Nova-Granada o bispo poz-se testa de urna
revolu(ao que triumphnu depois de urna batalha
em que foram vencidas as forras do governo legal.
Os revolucionarios, que tinham liJo auxilio do pre-
sidente do Equador, assenhorearam-se da capital.
No sul do Chile a safra do anno era excedente.
A inortalidade da cidade do Rio de Janeiro na
quinzona de 16 a 31 do mez prximo lindo, foi.
segundo olioletim organisado pelo Sr. conselheiro
Dr. Jos Pereira Reg, presidente da junta central
de hygiene publica, a seguinte :
Causas de mirle. Fcbre auurella G27 ; ditas
intermittantes e remitte nes 86 ; varila, 77 ;
phtysica pulmonar, 89 ; bronchites e pneumonas,
24 : phlegmasiascerebroespinhacs, 2<; lyiuphati-
tes (erysipelas), 4 ; diarrha, 1 'i ; dysenterias,
4 ; outrs phlogmasias do apiiarelbo digestivo, SI ;
aflec;fies uo ligado, 15 ; congestivo pulmonar", 4 ;
dita cerebral e apoplexia, 29 ; lesoes orgnicas do
eoracio, 2> ; ttanos dos recem-nascidos, 6; cqn-
vulsoes, 29 ; morios de nast'.iraeato, 30; ?ar.mipo.
6 ; tubrculos niesentericos, 19; homicidio, 1 ;
desastre, 1; eutras causas, 68 -somm.% 1,238.
Nacionalidades.Naconacs, 514 ; estrangeros,
721; ignorada, 3.
Condicao. -Liare, 1,151; eserava, 80; igno-
rada, 3.
Sexo. Masculino, 937 ; feminiun, 301.
Idades.-At 7 annos, 242; de 7 a 25, .408 ; de
25 a 40, 346, de 40 a 53 148 ; de mais de 3^ 62 ;
ignorada, 32.
ijtcalid'ie.Em domicilios, 703 ; era hospitaa*
militares, 11 ; em bospitaes vis, 524.
Sobre esta cstatistica faz o Sr. presidente da jun-
ta de hygiene as seguintes observacoes ;
Destes algarismos collige-se que a varila de
clmou bastante neste periodo, regulan lo a media
diaria da inortalidade a ella devida menos de 3o/.;
Sne, pelo contrario, a febre amarella auginentou
e modo sensivel, aproximando-se a media diaria
da mortadade por ella determinada de 42%.
sendo semprc mais notaveis seus estragos em tr-
ra do que no mar.
O calor durante esta quinzona manteve se era
graos muito elevados at o dia 28, oscillando as
projecto
que autorisa o governo a rertnzir a amortisanae
das notas do Banco do Rrasil, cm circula'ao. Orou
o Sr. Pereira da Silva, cando a discussao adiada
pela hora.
Foi offerecida ao projecto a seguinte emenda
adibtiva :
Artigo. P.la> traasaeefles bypotheesujas resul-
tantes de emprestnos fens pelo Raneo solire hy-
potheca de estabelecimeit-.s ruraes anteriores
data desta lei, nao peder o Banco earregar juro
maior de 6 %. devendo conceder aos devedores
que a exigirem o prazo de doze amos correspon-
dentes amortisagad annual de igual laxa.
Arligo. O Banco devera v.r soapre enj em-
prestimos a lavoara sobre hypoiheea de estbela-
cmtentos ruraes quantia nunca inferior a 2d:000J
Cunha Ztttao. Betvtto fa Unu. i\lllfi0i
Medeiros. '
Continuou em ultimo lugar .1 discussao do or-
camsiito para o exereicio de 1872 a 1873, na parte
relativa despeza do ministerio da"jiistica. Ora
ram os Srs. ministro respectivo c Florencio
Abren, fieando a dicusso encerrada.
Por decretos de 8 de fevereiro foram nomea-
dos :
Commendadores da ordem da Rosa: Mathas
Bernardino Alexaudre, em atteneo aos rolevames
servieos prestados insirucc.io publica na provin-
eip do Rio de Janeiro ; e o capitao Vicente le Pau-
la Oliveira Villas-Boas, por jguaes servieos presta-
dos 111 provincia de Peruaurflueo, c pel in a huinanidade.
Cavalleiros : o capitio do Io regiment de ca-
vallaria lgeira Francisco Servlo de Oliveira Por-
to, em attencio aos relevantes ervicos 1 restados
na guerra contra o govern j do Paraguay; o capi
lao da guarda nacional do municipio de. Cantagal-
lo, na provincia do Rio de Janeiro, Manoel Correia
de Albuquerque, pelos servieos prestados em rea
(o a dita guerra, e Antonio Ferreira de Lara Fer-
nandos, por iguaes servieos e pelos prestados ao
estado.
Por decreto n. 3,223 de i de fevereiro te
desannexado do terme do Ro Pardo da -
cruzilbada, na provincia de S. Pedro do Rio Gran-
dedo Sul, c creado neste, reunid. .10 da S. Jaiio
Baptisia da Camaquam, um lugar de juiz munici-
pal e de orphaos.
Por Secreto n. 2,099 de 1 do fevereiro sanecio-
nou-se c mandou-se executar a resolufo da assem-
blagcral, determinando que a provincia de Sergi-
pe se limitara cora a das Alagoas pelo rio S. Fran-
cisco at a sua foz no ocano, sendo os limites ec-
clesastcos os mesmos que os chis, nudiante ac-
conlo com a Santa S(!.
Fez-se mere,"' da raedalha de [.' ciagse, designada
no art. I. das instruccoes a que se refere o decre-
to n. 1,579 de 14 de marco de 1833, ao imperial
raarinheiro del.' classe Pedro Chavs, em tten-
eao dedicacao nao eoinmum pela Jiumanidade
que mostrou, salvando no dia 4 de dezembro do
anno prximo (indo, com risco da propria vida, a
do 2." marinheiro Antonio Bernardino Gomes, que
so precipitara uo porto do Sallo, rio Uruguay.
Foram concedidas as seguintes penjoes :
Do 425000 iiiensaes ao tenente de voluntarios da
patria Flavio de Abreu Fialho.
De6)0 ris diarios ao sargento do 11." bala-
Ibao de inlanlaria Vicente Ferreira do ascimento.
Ie 500 ris, tambera diario^ ao ex-cabo de es-
(|uadra do extincto 2." corpo de volun'.arios d;. pa-
tria Thoniaz Ferreira de Aquino.
De igual quantia ao anjpecada do referido ba-
talbio Francisco Heuto das Cbag.is, o qual, beo
como todos os precedentes, ficou impossibilitado de
procurar os meios de subsistencia, em consequen-
cia de ferimento recebdo em combate.
Foram naturalisados os subditos portuguezes
Eduardo Alfredo Teixera, Jos Man.o# Arza e
Fernando Antonio da Silva.
mximas observadas entre 83 e 94" subindo de
90* em varios dias. ,
..dt uoule, sobretudo, era as vezes inu(ip...^ci,
excedendo em militas de 8J*, mxime havenJu
ealmaria.
Neste periodo deram-sc quatro dias de trovoa-
da de NO, sendo cm um delles acompanbada de
venlo impetuoso, fortes descargas elctricas e chu-
va torrencial, indicando o pluvimetro 64 milii-
metros.
Do dia 28, porm, em diante s condic."ies mu-
daram ; a um calor abraaalor de 90, nesse dia,
e ameaca de trovoada de N.quo 110 dia antece-
dente se manifestara com for;a no mesmo rumo,
mas sem chuva, saecedea de sbito, das 4 horas
da tarde em diante, sueste forte com rajadas se-
guido de chuva torreociaL noute, marcando o
pluvimetro 52 millmetros.
Durante estes ltimos quatro dias chuveu ora
com forja, ora pouco, conservando-se a tempera-
tura sompre alta, nao baixou nunca de 75 O
pluvimetro ndicou para a totalidade das chovas
anidas neste periodo 114 millimetros, quando no
outro indicou apeius 75 millimetros.
Esta mudanca as eOBdioes ntmosphericas
rtio produzio alteraQao sensivel no estado sanitario,
por quanto nem decresceu a inortalidade, era o
numero de doentes recolhdos aos bospitaes.
O dia em que a inortalidade geral attingio a
urna cifra mais elevada foi o dia 28, no qual che-
gou a 93 .
de
pro%h*o
tio^ees aetos-de
i-2
Foi offerecida 3 -segrate emenda ao artigo
w Artigo. Ficam augiucntat' is os ven*imentos
dos oiDciaes e guardas urbanos da corte na pro-
por.'e de SO /0 sobre aeos actuaes vensimeuios,
licando suppiimi o o'cacado que trimesfraloiei.tc
se forneae aos ditos guaftafi.
ala das sessoes, era\ de fevereico de"1873.
- Frrderico Augusto Xavlr ie Brillo. -Joo Me*-
des de Alnuidn. Ttandri Btztirc. Campos de
Medeiros.
Por deere:c* de 8 d: fevereiro foi concedida
ao 2 cirurgiao dorforpo de saudo do exerciio Dr.
leao Roma o Pedro Mariot a dem'ssao que pedio
do servico do mesnid xctcio.
Foi reformado cora o resivectivo. sold por iatei-
rp, na conforraidade dasv'di3poscoes do3*.do
plano qne baixou com o'decreto de 11 de dezem-
bro de 83I, o soldado do 8.* balalhao de'infanta-
ra, Miguel Xavier da Paixo, visto acbar.so ira-
pbssibiiitado para o servifo do exercito cm cons-
queneia de ferimento recibido enl combate.
O Grande Oriente Unido, do Brasil, era sessao de
hontem, resolveu auxiliar a epmmiesao central por-
tugueza de soccorros, com l:5l)0, e bem assim
com os servfus pessoaes^as enJeraiarias os;nem
bros dessa corporacio qup oxetcom'a urofcwio
medica.
Registra rao i eom satisaeo
pilantropia.
- 14 -
Por nortinas de 12 de Bvereir foram uomoa-
rfjfe;
. O aleros.honorario do exercito Chn Jos Ava-
Imo para o Inga.- de amanuense da secretaria de
arsenal de guerra da provincia da Para
AuguUo Eugenio da Silva Santiago para o de
porteiro da secretaria da intendencia da Kerra.
DjjMO DE PEgjMBjjDB
RECIFE, 24 DE FEVEREIRO OE 1873.
\nisoia* do sul do imperio.
. Recebemos hontem pelo vapor brasilero Guar,
'ornaos e cartas : do Rio de Janeiro at lt>, da
labia at 21 e das Alagoas at 23 do corrate.
Alm do que damos sob as rubricas"Porte Ofi-
cial e Interior, encontramos mais o que segu.
RIO DA MATA.
Em 30 de Janeiro escrevem de Buenos Ayres :
Em varias das nimbas carias anteriores fiz
notar a influencia official que exerciam as elei
edes das provincias dous ministros do gabinete do
Sr. Sarmiento, ambos candidatos futura presi-
dencia. Esto procedimento, tolerado pelo Sr. pre-
sidente da repblica, nao podia dcixar de produ-
zir seus fructos perniciosos: or luje j temos
urna provincia completamente revolucionada, s
cidadaos armados uns contra os outros, e o san-
gue argentino derramado em maior gloria das
pretmicoe ministeriaes.
As noticias viadas de San-Juan, c transmtl-
das por telegramma pelo Sr. Igarzabal, deputado
ao congresso nacional, revestem-se de tal carc-
ter de gravidade, que nao tardaro as reclama-
edes de interyencao. Segundo a opiniao do Sr.
Igarzabal, opiniao compartida por inuia gente, a
revelucao de San-Juan esta ntiniameute ligada
coma quostao pie idencial.
(f Dous candidatos se dsputavam era San-Juan
a influencia official : um era o Dr. Tejedor, mi-
nistro dos negocios estrangeros do Sr. Sarmiento,
e o outro 0 r. Dr. Avolaneda, ministro do cilio. O
governador constituido, o. Sr. Rales, trabalhava
pela candidatura do Dr. Tejedor, emquamo os re-
volucionarios, partidarios do Dr. Avellaneda, tra-
ba! ha vam cm proveito deste.
Perganta-se agora que ir o Sr. Sarmiento
se o governador despojado dos seus direitns vier
reclamar a intervencao do governo nacional para
ser reintegrado no .seu posto ?
W*ai(WN|Mi* "**> ykr*hr?
que com 'lata no 27 do crrente veio WMendoza
sobre'os sMccBSsdh dd Sah-Jdan :
Oonilrmam-se as nollckis receidos da pro-
vincia, de ^an-Juan. .Estando censida a legisla-
tura paraaapprovar as etpifoes, rebentoq urna re-
volucao capitaneada pelo major Gomes, que su-
blevou a guarda principal c com cita atacou as
gulas.
Foi mono o capitao Agueiro e cahiram feri-
is os majores Carrisso e Mendos no seu miarte! ;
assim como alguns guias mais. Gonies trina-
nbou e a assembla^dssolveuse.
Houvo gritos de -morra Bates! Varejaram
se varias casas em busca de membros do gover-
no derribado. Ha angustia euHoda a populaeao.
At a"pi o telegramma; ^fbsar da gravidade
do caso, estas uotieias apenas mereceram coneide-
racao as secedes secundarias dos jornaes ;
vgrdade que as sacoOes princpaes tni aclual-
mente .demasiado que fazer cora a questao do
jury de imprensa, na aecusacao intentada pelo Dr.
Adolpho Alsrna, vce-presidente da repblica e
candidato futura nresidencia, contra o Dr. Bil-
bao, redactor da Repblica, por causa de um ar-
tigo em que este ultimo aprecon actos adminis-
trativos do primeiro quando desempenhava o car-
go de governador da provincia de Bnenos-Ayre9,
artigo era (pie o Dr. Alsina se julga injuriado e
calumniado.
O redactor da Repblica, antes que o as-
sumpto tivesse ebegado ao jury, publicou cora
toda a lealdade os documentos relativos a una rc-
presentaco contra o juiz ue paz do Monte, assig-
nada por grande numero de habitantes daquea
puvoacao, representacao que o Dr. Alsina, eolio
governador, nao atteudeu, porque o juiz fie paz
acensado trabalhava segundo as ideas polticas do
governo.
a A RepMira trouxe este iucdente falla para
fulminar em geral a corrupcao que das regidos
altas se inocula ni povo, dzendo quede seme-
Ihanles fados se devia deduzir (pie cortos gover-
nos toleravam abusos porque estes Ibes erara ju-
gos cora elencos hitas a seu gosto.
Em toda esta apreciacao nao poa haver
nada de injurioso, e muito' menos calumnioso,
porque a verdade licou bem estabeiecida peia re-
presentacao de grande numero de cidadaos, des-
attendida pelo Sr. governador, cujo governo fui
notoriamente o mais exagerado ni i ilervencao
eleitoral.
Mas o Sr. Dr. Alsina, que, em sua nova quab-
dade de candidado presidencia, faria qualipier
sacrificio para arranjar oecasics de por em evi-
dencia a sua Besada, anda qne fasse* ior mcio do
escndalo, deu um salto de contente eom esta pu
blic'i'.'o, e poz C)o e lena em 111 ovimcnto, para
arrastar o redactor da Bepublica parante o tri-
bunal do jury de imprensa.
O Dr. Bilbao, que nao tem nada de bronco
pcrcebeu-lhe a manha. e aborto o jury procuren
na sua defeza provar que este tribunal era in-
eompelente para julgar na materia, visto que o
art. 2.* da lei sobre o jurv de mprensa declara
nao seren abusivos da liberdade da imprensa os
escriptos ana denunciara actos de funecionaros no
(xercicio de suas funecoes : qne alm disso o Sr.
Dr. Alsina, antes de apresentar-.se ao jury.'de-
veria ter pedido a .sua demssao do cargo de
vice-presdente da repblica ; pirque, segundo a
constituico, s o cengresso poda ouvir aecusa-
coes em que eslava envolvido um funecionario de
tao alta hierarchia.
Mas o Sr. Bilbao, apesar de toda a agudeza
do seu espirito e do anoto legitimo que buscou na
mesma lei, nao tinha calculado que a sua posro
era muito excepcional ; que j sua qualidade
de exlrangeiro era bastante para fazer de rana
aecusaejo, formulada contra um funecionario
deste paiz, um verdadeiro crime. e que, alm disto,
as tricas eleitoraes semprc haviam de servir para
alguraa cousa ao Sr. Dr. Alsina, e assim o jury,
edraposto de cinco cidadaos o um juiz, declarou,
apezar da opposicao de dous dos seus membros,
(pie tinha lugar a aecusacAo do artigo em ques-
tao.
Chegados a este ponto, os dous membros
divergentes, penetrados do espirito da le, derla-
raram-se incompetentes para tomar conbecimenlo
da aecusacao c retiraram-se do tribunal.
Pretendeu ento o juiz completar o tribunal
com dous supplcntes, contra o que protestou o
r. Bilbao como contrario lei, que declara que
os mesmos jurados que reconheceram haver ra>
tivos para a aecusacao julguem da mesma, e ap-
pellou para o superior tribunal contra a decisao
do juiz.
Neste ponte fiearam as cousas. Os jornaes
*fJ,f "> deste assumpt".. e, segando a sua
cor poltica, conunentaram a lei. o procedimento
to tribunal, as virtudes e os deleitosdo aecusador
c do acensado.
a Tem-se cscripto volumes sobreveste incidente,
mas o triste resumo de ludo vein a ser que neste
beiinlitopa! a lei nao obliga pelo que nella est
cscripto, senao pelo que fu renta quelles que
esta o collocados assiiz vaniajosamente, para tore-
la com facilidade.
Entretanto lia- escndalos de tal jaez, que o
juiz mais complceme n'io tem remedio seno de
clarar qne desta vez, pelo menos, a lei ser le.
Assim asntoee cora o processo escandaloso do
juiz Dr. Agrelo.
Tm-se amontoado tantas denuncias de pre-
varicacio contra este funecionario, que o jola do
crime, que est inslitunVln o processo, se tem
visto na necessidade de redamar do senado da
provincia e da conven.ao o levantamento dos
foros do reo, para poder proceder criminalmente
contra elle. J se acha preso oniro escrivao com-
plicado em roubos de testamentarias de conve-
niencia com o Dr. Agrelo, e nao tardar muito
que tereciro siga o mesmo eaminho.
Tem-se provado com documentos que o juiz
acensado era socio do seu escrivao; mas parece
que s participava dos lucros, porque em mo-
mentos de apuros deixava costas do socio a
tarefa de arranjar o dinheiro necessario pira en-
cobrr as fraudes.
e Assim tinham rosnado n'uma testamenta-ia
de 100,000 pesos quasi a sua totalidade, o qnan
do o representante dos menores requercu os
juros a que durante o anno devia ter vencido o
deposito que elle julgava estar no banco, o es-
crivao teve de por em movimento co e trra para
arranjar 7,080 pesos, que elle eatregou ao recla-
mante, persuadindo-o que eram os juros pagos
pelo banco.
Citei esta pequea amostra para que <> veja
quao bem anda desenipenhada a jnstiri aqu.
Mas se por acaso o juiz acensado chegasse a ser
eondemnado, entio que veramos cousa impr-
tame. O Dr. Agrelo seria o moderno Sansao, o
tribunal, o tornillo eos ratees seus cellcgas os Phi-
listos.
,'rui1' ro qleUoslravaa can-
.d da cwg iititeiouvidn da culejra
Mas o que sao, as cousas ,1 ,, em que
tudd perece inPsni .<; c inhfld de ferro Nodo-
minga passado HyeMm |,VMr ,K ensate na pr'aia
Para fazer entrar urna pequea variedad 11
tas agitaces dos ltimos dias tvemos um casi
k Scen.vs de singular discordia terio de darse
Ha mais Je um anuo Manoel Jeronyrao de Sea&sjna Oxa Basada, em que, apezar do seu nomo a-
Campos resida como eiupjegado ao consultorio gueiro, nem tudo 6 cor de rosa.
do r. i'oruno Das dos Saatos, mofador ra O ministro Tejedor, eom o seu fiel sattellite, o
Sete de Setembro n. li, andar.
llontoin, as 2 1/2. horas da tarde, uouve urna al-
tercae(, entre o 't. P.irfirio e Garapos ; de repen-
te este, interromnendo a discussao, desean rapida-<
mente a eseadi, o, dirlgindo pateiro Wzjnho, all apoderou-se de urna faca. Ar-
mado cara Wla, volteu para 4 aobraio e pistou-sc
no patamar.
Poucos raomeulos depois o Dr. Porfirio sahindo.
de tens aposentos em companiia do um ladivid
seu collega da guerra e marinha, empregara'm
tolas as suas tercas para apniar a intervencao.
O Dr. Avellaneda com o sou intimo, o minis-
tro do interior, tarto esforcos gigantescos para
combate-la Que attitude tomar o Sr. Sarmiento
junto com o seu autmata predilecto, o Sr. mi-
nistro da fazenda ?
< Mais fcil seria prefixar o bom tempo e
a chuya para dez annos seguidos, que formar
ura juiao sobre a decisao que o Sr. Sarmieo-
^ te poder tomar n'um assumpto qnaluuer, por
para a ra Urapos chamlo,-o eroquanto aaqel- qiw a-excentricidade que regula todos neus
le descia, aggredio o dout:tf e com..aaca,/aQS! actos podVria desorientar a mais ferrerlotrica.
uo,
chegava ao patamar, com inten.ao de dirigir-s
um fcriinenio grave na raao esquerda.
Apezar de ferdo* o Dr..Porfirio daseeu a esoaia
oerseguido por fcimpos, que aida empunbava a
la*!a.
Ao chegarem ra, ondo ja se reunir povo o
sargento da 5. estac5o, que comparecer com d'uas
<( Maso que desde j se pode afflrmar que
estas influencias ministeriaes as eleefies do.inte-
rior chegam a um ponto tao escandallo, que na ,
futara renaio do congresso o gabinete Sarmieo-j gueirs, o congresso sobre a indi a cao dogover-
te diBcitaiinte escapara a um voto de censura, se] ao, eoncedeii um premio de 10:00 <* ao afortuna
nao houver complicaco mais pesada. I do joven ariilueiro, cujas elocubracSes tinham pre-
es-
_ caso de
febre amarella em Montevideo, que lanera um sof-
frivel pnico no soio de^ta capital.
O Sr. Dr. Alguerriche, um dos mdicos da
municipalidade, proclamo,! que ura medico ebega-
do de Montevideo Ih3 tinha conlessado'que nao
era s un, mas rauitos casos, e que s um medico
de Montevideo tinha em tratamento uns de trinta
doentes de febre amarella, e qne este terrivel fla-
gello imperava em mais de tres mil legoas do lito-
ral, desdo Pernambnco at Montevideo.
No primeiro momento n&o se fallava e.n ntf
da menos do que em fechar o porto para todas as
procedencias do Brasil e impor as quarentena
m is rigorosas s procedencias de Montevideo.
Mas felizmente o tal Sr. Dr. Alguerriche foi des-
mentido proniptamente pelo nico medico que ti-
nha chegado de Montevideo, e alm disto todos os
telegrammas diclararara que o nico caso havdo
tinha ficado solado, e que o estado sanitario nao
podia ser mais favoravel.
Cera isto a corporaco medica da municipali-
dade nao teve remedio senao cessar de ver as cou-
sas com reflexo amarrila, o os pobres navios que
sahem doi nossos portes escaparan! a triste serte
de encentraran este aqii feohado.
Menos feliz foi o canbao Garay, que no domin-
go ultimo pasan desta para melhor. Mas pro-,
ciso que eu explique prime:r o que era as cou- J
sas desta vida o tal canbao Garay.
Esta peca de artilharia que tomou o nofuede'
sen autor, como compete aos b ms Citaos de paja
honrados, traba sido gerado na mesma atmosphe-
ra bellieesa, de que um pouco mais tarde devia
brotar a celebre nota de 27 de abril e a compra
dos monitores a quo uestes momentos se est pro-
eedendo na Europa.
Esti canbao era urna gloria argentina, que ti--
nlia o ouvido na culatea, e este ouvido era desu-
ado a receber a cauda da carga, podendo ser es-
ta indistinctaraenle de bala ou de ognete de con-
greve.
Mnito ae promettia desta iuveneie do Sr. ca-
pitao Garay, o erare outr s cousas sobretudo a
destruicao de balalhoes brasileiros e da nossa e-
quadra inteir, e em virtude destas promessas fa-
do uiagesK.su Ha. da Prau, provavehnente para
ver ate que ponto alcancariain os projectis da fa-
milia dos cmelas.
. Emana uto aos logete* nao Hferam grande
ceremonia para sabir; mas quando rbegou a vez
da hala, esta parecen mostrar testafranzida. pro-
vavelmenlc por causa do appeudi.e.
Os que assistiram ao ensao, nada de bom au-
gurando da caladura da bala, pozeram em mov-
moalo as nemas pata gozar o espectculo de mato
loage ; o bem andarain, pon pie ao dar o tiro, o.
ramio Garay... rebenton.
rao r.siiMiR do sul.
AHcaneam a 2 do conente as dalas.
No dia :il do passado houvera urna grande reu-
nio dos principaes negociantes da capital, cujo
Ini era formar urna assoeaco, que se eiicarregut
de abrir mercado para a compra da herva-inaie
de cima da Serra. Deslocando da fronteira; para
onde al agora se tem dirigido, mu lo iniporlaiile
ramo de exp;rtacao, e encaminhado para o dito
mercado os respectivos coininerciantes, pretnde-
se auxiliar a extraern dos contrabandos na fron-
teira. Nossa reuuiao foi assignada valiosa omina
para formaran do capital da empresa.
Do relatoio annual, apresentado pela d rectora
da companhia de desobstrnecao oa iz do S. Gon-
calo, na ddade-de Pelotas, extranos o seguinte :
No dia 3 do crlente mez de Janeiro perfex.
o primeiro anno dos Irabalbos da abertura da bar-
ra pelo enpenheiro Sr. James A. Smilb, quena
obstante os dias (pie perdeu por causa do naufra-
gio de 11111 cairegaineiitodecarvao, e por cmicerlos
era pecas do machiiiismo e 411ebrar-.se muitos bal-
das apezar de sua solidez, em consecuencia de
nina cunada de saibro quasi petrificado encontra-
do no canal, cumpli o sen contrato dando tralia-
llio feito maior do que a terca parle, por isso que
lera tres annos para verificar o. trabalho da exca-
vaeao da barra, salvo forca maior.
Pelos planos se conhece que toda a extenc'io-
do canal a abrir de 2.6o! metros por '*) bracas
de largara ; lando a extraWr J83,4f8 metros c-
bicos ; eslava excavado no dia 13 do corren te na
extensao de 1,110 metros, a ijuantidade de i:ti,919
metros cbicos : oontiona o trabalho com frlicida-
de por estar o machnismo perfeito. e terem cl>e-
gado a Inglaterra niAas pecas miadas de ferro.
A excavacao era completa na extensad de 501
metros, tendo 16 palmos de profundidade as aguas
mnimas: e em mais 600 metros lera a profundida-
de de 14 1/2 palmos, que elevan ao fundo mar-
cado em tempo competente, mis o liui do engt--
nhcro rortiouar a abrir na dita profundidade
para facilitar a navega.yao, j que nao foi possivi I
a abrir um canal de |>cquena largura, por baixa-
rem as aguas e nao poderem navegar os btetes.B
Haviam fallecido : na cidade da Canipanba.. a-
24 do passado, o oronel Antonio Castao l'ereira:
110 Rio Crande. o capit m Manoel I.uiz Carduzo Gui-
mares, natural do Rio de Janeiro, e ha nimio t'"m-
po domiciliado alli: e o rx-ctpito do llrigue Marta
Thereza, Francisco Xavier Gomes Ornellas.
I.-se no Jornal do commercio de Pe itas :
Cliegarain-nos noticias de una tentativa de as.
sassinato, bavida no municipio fie Cangussd. A vte-
tima chaina-se Sidiastian Riacioni, italiano, cani-
panfaetro de Vicente Torre. Gistuniava sortir-H-
em casa dos Sis Vicente \ igano t Irmo, desta
praca.
0 infeliz mscate, que nessa oecasiao ia s. fot
atacado"na estrada por dous nialleitores, um dof
qoaes, aira) do pao, Ihe desfechou um tiro, que
errou. Avan.ando'os doos sobre elle, em densa
da propria vida Iiiton valorosamente, ronseguindr.
ferir um e fazer fugr o outro.
Sebastiahi Riacioni, apenar de bastante mitra-
lado, pm'e lrrastar-se at casa dos Srs. Antonio
Labriola & C, as iniuiediacoes daipielle lugar,
onde recebeu generoso acolhiniento e os recuc"-
de que careca para curar seus ferimentos.
O assassno 011 saltea lor, cujo nome ainda n#
sabemos, segundo eremos, foi tambera recolhido a
casa dos Srs. I.abriola & C. e acbava-sc' cm perigo
de vida. As autoridades de Cangussn e o respec-
tivo cnsul italiano j devem ter sciencia do farto
por communcaco di) Sr. Labriola. Dos gneros
que trazia o pobre mscate, nao houve prejuizn
algura.
Estes pormenores foranl conunuuicados pelos
referidos >rs. I.abriola A ('.. aos estimaveis e prc^-
tativos comraercantes dcsla praca Srs. Gentibai V
Cordeiro.
A ultima hora sonbemos que Briacioui e o sal-
teador ferdo acham-se rectdhidos cadea de Can-
gussn.
fUUKA. _
Refere o Commercio da Paran, folha do Para-
nagua, sob a epgraphe-Ffbre amarella:
Esta terrivel epidemia da qual tanto se arre-
celava a popula;o desta cidade veio visitar noss.
porto, conduzida pelo brgue hollandez Goorajt pro-
cedente do Rio de Janeiro no da 27 do pag'n.
EsUembarcacio, apezar de nao ter demonstrada
nenliuuia desconfianza de molestia a bordo no acta
da visita, por se terem apresentado ao porlal toda
a tnpolaco e passageiros, foi todava, era virtud.-
das ordens do Sr. Dr. inspeCtor.de saude do porta
declarada em observacad.
o .No da seguinte, tendo-se dirigido dita em-
barcacae o escaler da visita de saude, afim de sa-
ber se bavia alguraa no,idade, decaivn o capitao
que a sua senbora tinha manifestado symptom.is
da febre, e que portante requera a presenca de
um medico. Reeebendo esaa communcaco, o Sr.
Dr. inspector de saude tratou ininiediatanicntefle
irigir-se a bordo, apear de hora avancada do da
o que, porein, nao pide realizai cm raz'.o da
lorie trovoada que solneveio, acbaudo-se a enbar-
ca.o a bastante distancia do ancoradouro ), o que
lez no dia segrate de manha. depois de haver lo-
mado todas as'medidas para o caso muito prova-
vel de que a enferma eslivesse alTectada de febre
amarella.
Alli chegando, S. S. reconheceu que no ti
tinha engaado era suas previsdea, pois nao s en-
controu gravemente enferma a sen hora do capitao
a qual ralleceu momentos depois, como tambara
nina menina filba deste. c tres marinbeiros.
Conduzdos iramediataracnte para o lazarete
da liba das Cobras, onde foi enterrado r, cadver,
cuidou o Sr. Dr. inspector de saude, auxiliado pelo
br. Carlos Christ llausen, palrao do escaler de
polica, de proporcionar toda a possivel commodi-
oade aos enfermos, medicndoos energicauenit.
permaneceudo alli at o dia seguinte, e conli--
nuando successivaiuente a visitar ao estabelcei-
menlo tanto quanto Ihe pornittem os deveres ue
o prendera na cidade, da qual elle o nico me-
dieo actualmente.
Dos quatro onfermos quo entraram para o L-
zareto falleceu ao segurrlo da a tunado Goureyl,
interessante menina de 1;> annos ; dous se achara
era estado bastante grave, e um em eonvabs-
cenca. O lazareto aclia-se convenientemente pr-
vido do necessario, e a ilba completamente solada,
nao sendo peruiittido ingresso nella senio spe-
so.is que alli vo a servico.
( Tem-se tomado as ,nas enrgicas medidas,
ni) SO 1 ra rea, ao hygiene da cidade, cuno as
embarcacoes procedentes do Rio, as quacs licim
de observacad na liba das Cobras, inclusive os va-
pores, a cujos .passageiros de transito vedade o
desembarqire, fieando os deste porto sugeitos js
regras cstabelecidas pe. regulamento sanitario.
( Temos f na Providencia Divina que o mal se
na> propagar, nxliando-nos a temperatura, que
uestes momios das se tem conservado fresca
' Tinham havdo grandes trovoadas em Horre
tes, onde cahiram muitos raios, que, felizmanie,
nenhuma vicimia lzeram.
Um telegramma euviado para Paranagu com-
muiucava que em consequencia de grande n-
chente, o ro Tubaro (oa Laguna) sutara *> a 30
paunis acuna do seu nivel, destniindo-inahd
mt-tade da safra de milito e occasionaudo a monte
de muitos animaos.
-Na no a te de 21 rebentara a barra do Camictx
e descoufiava-se-que causara avultados dainos
Em Mondes algara-se, nn noute.de 17'do ftsr
sado, um empregado da casa cummeroial de Jos
Antonio Malbeiros, de nome Joo da Suva Aronca.
MATTO GnOSSO.
As dalas recebidas alcan^am a 29 do passaato :
No dia 25 elTectuai a-se o acto solemae do juva-
iHent) e. uosse do Sr. general Dr. Jos da afirandi.
da Silva "Res do cargo do presidente e commaat.
dantc das armas da provincia.
As demais noticias sao de inlcresse tacaos
MIMAS GKHARS.
Cbegam a 12 do correte as nlinnas dataa.
tora capturado pelo capital* Caitos AugMte
Ribairo Campos, commandante d 1 dastaoaatanl&tta
eidade de S. Joo d'EI-Rei, auxiliado petas paisa*
aos Lucas Antonio Ruarte, RaphaH Caputo, Carlas
Alterlo da Molla e Marcoiino Jos, o celebre' cri-
minoso de morte, de nome Cesario, mente malou Joao Raptista de Moraes no traar
denominado S. Joo Raptista.
~ No termo de Pitanguy tambera se dora a li-
tnri de J.we Candido de.tal, autor do asaasstMk
de Pedro de Abreu, perpetrado ha muitos annos:

i
#


1

!*)

i


I

-m-m
M


rrj.'U'
flfirib de Perftrabtico Terca fir* 25 de Feverr de MI
3
I
+>
->
.
no aiitrl.
S. Joo;
nado o fazo

/< WriaVQe
le jinirfo i
i t* do RibW^^^B rbarn* erueitfoaie ak^ssi-
jmuaido Omos do Momos
peioS'seu*e*cravos Manoe! e Pedro, qoc se eva-
tiram, depo de torein-so apoderado das chaves
das gaveta por -meio de ameaiSis foi tas sua se-
dhora, eroubadoodinheiro nenas encontrado e
mnitos outros objecto*.
Pelo Dr. abofo de polica interinoforam expo-
didas terminantes ordens para a captla dos do-
buquentes, o recu;nuieiida..oes ao delega lo para
- syiidicar do fado e proceder a minucias-) iuijiti-
rito.
L