Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12837


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
I
AXXO XLIX. MUERO 37
VAHA A CAPITAL E LtGAUES C\D; SAO SE PACA POBTE.
Por tren mezes adiantadcs................. 69000
Por seis ditos ideu .......... 129000
Por ura ajino Idean.....-.....'........ 349000
Cada numero avulso .................... 320
SEXTA FEIRA 14 DE FEVEitEIRO DE 1873.
PABA 1EK0 E POBA A PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados....... ,.......
Por seis ditos idcm. .
Por nove ditos idem .
Por ura anno dem.
...

.

69750
189500
J0980
279000
PR0PR1EDAE DE MANOEL F1GUE1R0 A DE FARIA & FILHOS.
----------:-----------------------------T_I------------------------: 7*fc,,---------------------------------------------------
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Fillioi, no Para; Goncalves & Pintojo Maranho; Joaquim Jos* de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio de hemos Braga, no Aracaty ; Joo Mara Julio Oa ves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penlu; ielarmmo dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emKazareth;
Antonio Ferreira de Agoiqr, em Goynuna; Franciuo Tavares da Cosa, em Alagas; Alves 4X., na Baha ; e Leite, Cerquinho & C. no Bio Jde Janeiro.
PABTE FFICIAL.
io\ i*i'uu ti provincia.
KXP81MI *TK DO DA \ DE KKVEHEIRO DE 1873.
1' scalo.
(Micos :
Ao brigadeiro commandante das anuas.
Toado approvado os contratos constantes dos ter-
mos annexo* |>>r copia ao offleio do sen anteces-
sor, de iil de dezembro ultimo, sob n. I,2i6, colobr -
dos pelo director interino do hospital militar rom
Francisco Pinto do viagalhacs e Joao Walfredo de
Meueiro* i C, para o fornecireeuto ao meslo
hospital de gneros alimenticio* e de objectos de
>e.riptnracao nocessarmsa respectiva secretaria no
trimestre de Janeiro a mareo oeste anno ; assim o
tMmmuaico a V. Exc para <>s fres conveniente.
- Ao mesmo. -A' vi>ta da inlbrmacSo do sen
i;ilecessjr, do II de Janeiro ultimo, sob u. LI3, da-
da acerca dos reqiiermeriTns'dos sol Jados Invali-
do incluidos no deposito de remitas Joaquim
i'a.cpello (te Sant'Aoiia e Juflo Jos' de Franca,
.intonso a Y- Exc. a conecder omento ao l'dos
.upplL-antes e por mn mez poruiissopara ir espe-
rar n pnvacJo da Ltr.( a dnrisSo do governo im-
perial sobre sna Inlxa'ou reforma.
Ao eorpo consular estrangoiro. IVndo os
naufragas do vapor americano Erie; llura i
ana estada no lazareto da ilha do Pina, onde fu-
raa alojados, sido i-enios da febre amarella. lem-
trou o inspector da sade do porto a providencia
da estacionaran all, como meio preventivo, os tri-
polante* dos navios existentes ueste porto e que
iian fura ni atacados desse mal e todos dos que eu-
irarem d'ora em diant.v Send) esta idea milito
aproveHavel espero que u Sr. cnsul de.....de
sua parte cmpivgai todos os seus osfnrcns, para
que os tripolantes de sua nacionalidad"', colham
as vanlagens d-sta medida, fazedo coin que ell-s
alli nermane.'am durante asna estada neste por-
Itenovo ao inesnio Sr. cnsul os protestos de
ninlia estima e dstincti consideracSo.
Ao cnsul de sua ma.-osfade liritanniea.
Itoelafo ao Sr. Richards C. Corficld. cnsul de sua
niagestade britannica, isffl resposta ao son oflicio
do I* do correnle, que nesta data reeonimeiido ao
cminandante do coriw de poli a o augmenta da
(orea existente na frguezia de S. Frei Pedro (Ion-
calves, que Acara eleva la a sote pracas, em vista
das razos expostas no citado otfleio. Ilenovo ao
mosnio Sr. cnsul 03 protestos de minha estima e
tisliacta considoraeao.
Ao inspector d> arsenal de inarinlia. Auto-
rio V S. a proceder nos termos da sua mforiiu-
mj de t'S do Janeiro prximo lindo, s.ib n. JS2I. a
regpaM d >s cotcenos de que carece o vapor fti-
iHoragilv, da companhia de reboque ; euuttanto
que d'alii nae resulte projuizo ao servico publico
e seja indemnisado o ninistoiio da maritiha das
ler.pezas que h mwrem de ser fetas
Ao capitn do porto interino. Tendo o ins-
Pv lar da NUHe do jxirto lembrado a providoncia
Se sena alojados no lazareto da ilha do Pina os
iripobntes dos navios jxistentes nest porto, que
nao foram atacados da febre amarella c os dos
iroe d'ora em diant" enlrarem, attento aos bons re-
.ultadoi colhidos da estada alli dos nufragos do
\ auor americano Erie. que foram isentos desse
,ai, nesta data oflicio aos cnsules para se esfor-
..roin, aflmde que os das suas nacionalidades
permane;am na dita ilha durante a sua demo-
ra ne-de porto. O que comniunico a Vine, para
Ma ..ciencia e ns convenientes.
-Aomesmo. -rica approvada a designacao
(i'ie, segundo eonununi -a em sen offieio de bontem
datado, uib n. i'i. fezVnic. de Cosme Jos do Pau-
la Lopes, i>ara servir lugar de guarda encarre-
l ido da-i diligencias dessa capilania. em substitui-
do de Jos Mara do Amai al, que servia dito lu-
g >;-. fallecen.
Ao inesmo. Informando-mc o Inspector
la mesonraria de faieada no offleiu de 30 de Ja-
neiro pdi imo lindo, sob n. 915, serie U. junto por
oina, qnc apear de todas as diligencias e do
i ais minucioso exame. nao foi encontrado nos
archivos daqnella repartido o livro ile taventario
do encarregado do pnaroi da barra nem vesti-
: i e achou (pie jamis hmvesse tal livro sido
at r-colliido; assim o comniunico a Vine, em
-iuc.ao aooflicio dessa capitana de :> damez pas-
-ado, sol. n l',e aOm do ue providencia em or-
dora a ser descoberto o referido livro.
a stcfiio.
(Mbcob :
Ao ;r. chefe do polica. Remeti a V. S.
em original a exposicao eircumstanciada, fea pe-
lo cigenhero fiscal da estrada de ferro do Recife
a Olida e Qebcrie, acerca do accidente que teve
lugar na noute do i" do coi rente na eneruzilhada
de Relin, alim de que proceda s neeessarias
i' eriguacoes para doscoorir a verdadeira causa
lcitt aconteciinento.
Ao juiz de direilo da comarca de Buique.
Inieirado do que expoz em seti oflicio de 20 do
mes prximo paseado, acerca da mallograda dili-
gencia, feita para a captura de varios criminosos
pelo subdelegado do districto de Alaga de Baixo,
>-. i.ito nao obstante os esforcos empregados polo
respectivo delegado, espero que essa desagrada ve"
do arsenal de marinlia a mandar foser nas res-
pectivas oUeina> os concertos, de que carece o va
por Caminujibe, (tedeneente a mesina compa-
nhia, emn unto que seja o ministerio da mari-
nlia ndemnisado das despezas provenientes do taes
concertos. O que eommunico a V. 5. para os fina
convenientes.
Ao mesmo. Depois de pago o llovido sello
pela cantara municipal do Recife, como exigi V.
S. em oflicio de 7 de de Janeiro' ultimo, devolvo-
Ihe a.planta do terreno alagado no lugar do Man-
guind, quo solicitado pela mesma cunara para
servidao publica.
Ao mesmo. Fico inieirado Je tudu quanto
V. S. expoz em sua infomunjtb de 30 de jineiro
ultimo, sob n. 922, acerca-dn terreno de marinha
n. 37i, sito em Fora de Hortiis ao, lado do rio Be-
berilio, o qual sendo concedido pOr aforamento a
Man.iel Francisco de Monta, em iM), paston o
su dominio til ao harn do F.ivrainpto, em no-
v.-mbro de 1871, preeedendi as formalidades do
estylo.
Incluso devolvo a V, S. u prqcesSO que veio an -,
nexo sua citada nfarmaeno. relativa ao mencio-
nado terreno.
Ao mesmo Vendo approvado a desiguacio
feita pelo^npito do* pitrid interino, nos^termos'do
S 8.' do arl. 7." do regnlamenlo de t9 > mato da
I8i6, de Cosme Jo- de Paula topes n a servir
o lugar 4. guarda oncBrre^iulo das diligencias
naquella capitania, em stibsnfui'.Tto de lose Mara ^'ador ih respec.tiva cmara municipal, Jbs
lo Amaral, que exenta dito logar e fallecen hon-
tem assim o coiumunieo a V. S. para o-; lins
convenientes.
Ao mesmo. Tendo, de o morondade coin
a sua informae/iu do !. do correte, oh n. 945,
serie B, apurovado os contratos constantes das co-
pias juntas, celebrados pelo director interino do
hospital militar, coin Francisco Pinto de Maga-
Ihaes e Joao Walfredo de Medeiros c para o
forneciinento ao mesmo hospital de generas ali-
menticios e objectos de oscripinra'/a<> ncecasarios
respectiva secretaria, no trimestre de Janeiro a
mareo desle anno assim "o commuaico a V. S.
para os lins convenientes.
Ao mesmo. Transmuto a V. 8. a nota
junta em duplcala alim de que mando pagar a
Joaquim da Costa Ramos a quantia de 2iO, pro-
veniente de tres duzias de cadeiras fornecidas por
elle para a decoracio do palacio desta presiden-
cia, segundo indica a mencionada eonta.
Ao mesmo. Recommeudo a S". S. que de-
termine ai procurador fiscal dessa tbesouraria,
que promova coin urgencia o juiganienle de com-
inisso dos terrenos de marinha do que trata o mea
oflleio de 17 de dezemhro do anno prximo lindo,
o quo sao destinados ao passeio publico desta c-
dade".
^ Ao inspector da ihesouraria proviaeiaL
Em vista do rertlcado annexo ao incluso reque-
rimento mande v. s. pagar a Jos Fernande? Moa-
teiro, arrematante do rebaixanienio da ladelra do
Timb a segunda preslaeio na importancia de
2:919430 >, a que tem direito em virtude de seu
c mralo, conforme se depreheude do mencionado
certificado.
Ao mewio. Mande V. S. entregar ao the-
sourero da repartieao das obras publicas a quan-
tia de 9:5o0j, consnte do pedido junto, para or-
correr ao pagamento das despezas a cargo da
mesma repartieao no coi-rente mes, como- solicita
o respectivo chefe em oflicio de hontein, sob n. II.
Ao procurador fecal da thesourarla provin-
cial. Em solucao consulta de Vine, comida
em iitncio de 20 de detembro do anuo prximo
passado, n. 193, relativamente cobranra do im-
posto de 10 /0 sobre doacfm do qualquer especie,
e de que trata o art. Ifi 20 da !ei n. 991, do 13
de junho de 18"l, lenho a dizer ipie a este res-
peito deve ser observada a decisodo pod^r judi-
ciano e nao a que foi dada p ir ir.-u antecessor
om 27 de sotemhro do anno prximo passado, por
quanto esta adversa s leis regulainenlares da
lisc. dsacao da fazenda.
Assim, pois, cunpro que Vine, de andamenlo
as execucoos intentadas por essa proenradora
contra aquellos contrbuintes quo se acharen)
faca de sua parte o que estiver ao sen alcance para
quu se collia todos os bons resultados dessa medida.
Portara :
A cmara municipal da villa de Buique. -
Accuso a recepeao do offleio de 21 de Janeiro pr-
ximo Ando, em que a cmara municipal da villa
do Buiqi", declarando constar-lhe que dePesquei-j
ra se insta pela remocSo do tenente Joao Pires
Ferreira, delegado da mesma villa, para a frgue-
zia de Alagoas de Baixo, onde se pretende a orea-
cao de urna-delegada je polica- reflresejlfa cen-
tra semelhante remocan, alientos os MMmteJ ser-
vicos que tom piost.i'lo o continua a prestar aqnel-
le offtcial nessa local!dade." Bm respostn-cbe-me
dizer que ser tmalo na devida considcraeio o
que expende a referida-cainara' nocitaifq oracio.
S.'MCldO.
Dfllcios:
. Ao engenheiro chefe da repartieao das obras
publicas. IlevolTO a Vine, a petcao do coronel
Jos Cavalcante Ferraz de Azevedo, arrematante
da obra do acude da cidaile da Victoria,. afim de
que enluta jiiizo a respeito do modo' e condlces
coin que deva ser feita a resciso qno o mesmo
reqfter; caso esteja esta presidencia resolvjd a
concede la.
, Ao mesmo.Ilavendo esia presidencia, por
portara de 5 de dezembro do anno passado, no-
n'ie.-Hto una eomnissan composta de Vmc., do
r. juiz de direito da comarca di Cabo e do ve-1
" sPali-
t V
o.v,urrcncia nao fai dcsacorocoar as autoridades
deasc termo, antes servir de 'incentivo paia que
c>xa mais actividade continueni na perseguicao en-
celada Quanto a edilieacu da cadoia, compre
que. informe se j teve principio dssa obra, ou em
que estado se acha, fazenji orear a despeza ue-
. s.aria para a suaconcluso.
Ao commandante superior do Reelle.Man-
da V. S. dar ao guarda d* 2" batalhao de infanta-
ria, Manoel Firmino Ferreira Filho, de quem tra-
t.i o seu cilicio n. 537 de 31 do mez prximo pas-
sado, guia para o inui.icipio de Oliuda, onde ac-
tualmente reside.
Ao commandante do corno de polica.Tendo
< et-SOldadO Laurentiiui Antonio de Paula Madu-
ivi.-.i declarado no auto do pergunus a que res-
poadea perantc o i r. chefe depolicia. e que acaba
1.: lerpnblleadono Diario (le l'eriio.ia'i'Vi) de boje,
pie nao obstante ter dosertado,e.onservando-se au-
sent do respectivo cerpo cerca de sote mezes. nao
soTrera castigo algum, e recebera integralmente
>, .vas vencimentos, enmpra que Vmc. sem per-
la de teinpo me informo o que ha de verdadeiro
em tal dedaracao.
Au mesmo.Bxpeea Vmc. suas ordena, pa-
ra cpie, a contar de amanhi em diaute, se apre
setis diariamente ao presidente do tribunal do ju-
ry a guarda, que ultim mandnr-se para alli
duratO as sessoes do mesmo tribunal.
Ao mesmo. Providencie ?me. de modo a
er eleva lo a sete o jiumero de pracas desse'eor-
po, que mandei por i disiiosicao do subdelegido
'da frguezia de S. Frei Pedro Goosalvesdo Reci-
te, para o, servico da polica.
:r seco.
Acto :
0 presidente da provincia deferindo o roque-
rimento de Domingos Sorano Alves di Silva, re-
sol ve nomcar umajunla medica, composta dos Drs.
Jos Zacaras de Crvalho, Augusto tarneiro Mon-
leifo da Silva-Santos e Joao d i Silva Ramos, ura
nos termos da le provincial n. 276 de. 7 de abril
de 1631, declarar se o suppllcantc est puysica ou
moralmente mposs bilitado de continuar a exer-
cer o lugar*de porteiro da tbesouraria provincial,
por molestia adquirida nesse exercieio.
Offlcios:
Ao inspector la thesouraria de f;izenda.
Attendendo ao que reituereu o gerente da compa-
uaia de reboque,. acabo de atttorfsar o Inspector
fiscal
incursos no artigo da citada le, visto como nao
faz ella distnecao das doacoes dotaes, promova
cemempenbo a cobranca d semelhante imposto
segundo as disposicoes em vigor.
i.' ucqGo.
Acto :
O presidente da provincia, tend em vista o
disposto no art. o da le n. "i'JO de 13 de uiaio de
18, resolve nomear tuna conunissao composta
do provedor da Santa Casa de Misericordia Dr.
Manoel Cltmentino Carnciro da Cimba, doconego
Joaipiim Francisco de Fardas e do Dr. Joiio Capis-
trano Bandeira de Mello Filho, para re ver. os regu-
lamentos dos collegios dos orphos orphtS, pro-
pondo as alteracoes que nelles se deva azer, de
aecordo com as bases es'tabelecidas na rilada lei.
Ollicios:
Ao r. Manoel Qementino i arneiro da Cu-
nha, provedor da Santa Casa de Misericordia.
Para dar cumplimento do disposto nn art. 66 da
lei n. 396 de 13 de m do de lf6\, resolv por acto
desta data nomear urna conunissao composta de V.
Exc, do conego Joaquim Francisco de Farias e
do Dr. Joao Capistrano Bandeira de Mello Filho,
para, de aecordo coin as bases estabelecidas na
mesina le, rever os regutamentos dos collegios dos
rennos e orphs, propondo as alteracoes que nel-
les se deva fazer. O que eommunico pira seu
conhociniento, cnviando-lhe epia das referidas
bases.Mutatis mtUandi ao Dr. Joao Capistrano
Bandeira dn Mello Filho e ao conego Joaquim
Francisco de Farias.
Ao Dr. director geral interino da iostruccao
publica. Em face do disposto nos avisos ns. 5V1
e 561 de 18 e 29 de novembro le 1162, be tu deci-
di V. S. a consulta que Ine fez o professor publi-
co da povoaeio do Capim. declarando iueompalivelj
com aquello cargo as funecoes de juiz de paz.
Fica deste modo respondido o -en oflicio de 3'J do
mez lindo, sob n. 31, eonvlndo'que V. S. d scien-
cia ao referido professor. desta minlia deliberaciio.
t Ao vce-provedor da Sania Casa de Miseri-
cordia.Attendendo ao que requereu Sil vera de
S. Jos Hraga e tendo em vista, o parecer do mor-
domo do nisz no cnllegio dos orpbaos, de quo trata
o seu offlco de 31 de, Janeiro ultimo, sob n. 210.
autoriso V. S. a mandar admittir no memo eolle-
gio o filho da supplicante. de nome Joao, ao qual
se refere a corti injue val junta para os devidos
lins.
Ao mesmo.Attendendo ao ui requereu
Jcintha Mara da ("oiicocao o leudo em vista o
parecer do inordom > de mez no coHegie dos or-
pbaos, a que se refere o seu oulco de 31 do mez
lindo, autoriso V. S. a mandar admittir no mesmo
collego, se houver vaga, o menor Manoel. de que
trata a certido inclusa.
I, Ao Dr. inspector da sade do jwi-lo.Accuso
recebdo o oulco de V. S., de hontem datado, no
qual communica (|ue a febre amarella contina a
atacar 03 tripulantes dos navio.- fundeados no por-
to c com muita feri;a quelle3 que vio chegando,
sendo 3uatr casos na cdade, lembra outrosim o expe-
ientc do irem estacionar no lazareto da ilha do
Pina todos os tripulantes dos navios que enttarem
e daquelles existentes neste porto, que nio tiverem-
soffrido tal molestia, atiento o boni resultado da
estada a li dos naufrag s do vapor americano J?rf,
os quaes nao soffreram incommodo serio durante
quasi 30 das que l e"t!ver,i:i.. Em resposta te-
nhoa dzer-Ilie que acho muiu sensata a idea de
V. S, epara que seja aprove;tada, acibodaofllciar
aos cnsules neste sentioY-, ctimfraiw) qoe V. S.
o do Rege Barreto, para examinar as obras a car-
go do engenheiro do 2. districto, Joaquim Galeno
CoUio, e dar parecer circuinstauciado a respeito
do estado de cada una dolas, aflm de que se possa
resolver sobre o que represento!i aquella eamai'a
em relacao ao rosiuo abuso ; e nio tendo at esta
data a cominisso miiueada salsfeito o que I he foi
ordenado, recommendo a Vmc. que com os do-
mis inembros da eommissiio enmpra o que doter-
minei na citada portara.
Ao mesmo.Inteirado do que expoe Vine,
em oflicio do do correnle, sob n. 12, determi-
no-the que informe quando foi construida a ponte
do engen'ji Novo do Cabo ; quantos concertos j
soffreu, qual o preco do orcamonto a que alinde e
qual o arrematante dos reparos que estao sendo
execu lados.
Ao mesmo.Mando Vine, receber no trapi-
che Dantas, e conservar nessa repartieao at que
possa ter o conveniente destino, um volurae que
alli existe, enviado pelo ministerio da agricultura.
contend o modelo da turbina de madeira, de3-
coberta em Campos.
Portara :
O Sr. gerente da companhia pernanibucana1
mande dar transporte para o presidio de Fernando
de Xoionha, por eonta dT ministerio da justica,
uo primeiro vapor que para alli seguir, a Maria
Jesuina da Conceicao, mulhor do sentenciado de
jastiea Manoel Alves do Lyra.
EXPKDIK.NTE \Xl SECHETABK).
8.' scalo.
illcios :
Ao Dr. chefe de polica. -De orden) do Exju.
Sr presidente da provincia transmiti a V. S. os
ttulos juntos de nomeacao do 2." supplente do
delegado do termo do Nazareth, do subdelegado e
supplentes do districto do Para, do termo do Bui-
que, e finalmente dos do subdelegado do l." dis-
tricto do mesmo termo, de conlbrmidadc com os
seus oflicio?, ns. 23*, 239 e 2i7 de 31 do mez pr-
ximo passado e 1. do correte.
Ao juiz de direito da l. vara civel desta ca-
pital.-S. Exc. o Sr. presidente da provincia man
da declarar a V S., em resposta ao seu oflicio de
hontem, que acaba de providenciar para quo
damanlia em diante seja apresentada no tribunal
do Jurj a guarda de que trata o citado oflicio.
4." secnw.
Olucio :
Ao Dr. Jos Zacaras de Crvalho.O Exm. Sr.
presidente da prov.ncia acaba de nomear umajun-
la medica composta de V. S. e dos Drs. Augusto
Carneiro Monteiro da Silva Santos c Joo da Silva
Ramos, para, nos termos da le provincial n. 276
de 7 de abril de 1831, declarar se Domingos So-
rano da Silva est pliysira ou moralmente impos-
sibilitado de continuar a exercer o lugar de por-
teiro da thesouraria provincial por mokstia ad-
quirida. MiUntis mu! -iuI-s aos Drs. Augusto
Carneiro Monteiro da Silva Santos e Joo da Silva
Ramos.
S.' secroo.
Olucio:
Ao engenheiro chefe da reparuclodas obras
publicas, Exm. Sr. presidente da provincia
acaba de expedir ordem ao inspector da thesoura-
ria provincial para mandar cn'regar ao thesou-
reiro dessa repartieao a quantia pedida no oflicio
de V. S., de bontem datado, sob n. 4i.
FAPEDIFjrTF. Mi DA 5 DE FEVEUE1K0DK 1873.
/* scalo.
Acto :
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu JoSo Jos de Luna Freir, guarda
do 4." armazem do almoxarifado do arsenal de
guerra, e tendo vista a informacSo do respecti-
vo director, datada de 14 de Janeiro ultimo, sod n.
339, resolve concederlhe dous mezes de licenca
com vencimentos, para tratar de sua sade.
Offlcios :
Ao brigadeiro commandante das armas in-
terino.Mande V. Exc. por em lberdade o re-
mita Jos Pedro de Oliveira, visto ter provado
isenclo legal.
- Ao director interino do arsenal de guerra.
Mande Vmc. fornecer ao commandante da for-
taleza de Tama nda ro os objectos necessaries ao
servico da mesmJ fortaleza, os quaes conslam' do
pedido junto, que me foi apresentado polo briga-
deiro commandante das armas interino com offlco
de 3 do correnle, sob n. 140.
Ao inspector do arsenal de marinha Appro-
vo a nomeacao que V. S. fez, de Antonio Carneiro
e Sotiza, para o lugar de inestre da oflicina do
ferreiros desse arsenal, vago pela exoneraco de
Antonio Reinaldo de Miranda. O que declaro a
V. S. para sed conhecimento, e em resposta ao seu
oflicio de 3 do corrente, sob n. 533.
Ao mesmo.Com as inclusas ropias do ofli-
cio do inspector da tbesouraria de fazenda, data-
do de 3 do corrente, sob n. 934, serie B, e do pa-
recer do procurador fiscal da mesma thesouraria,
respondo ao de V. S. de 18 do corrente, sob n.
516, relativamente a varia que soffreu o brigue
inglez Laura, causada pelo vapor n. 1 em servi-
co da escavacao do porto.
AO mesmo. Autoriso V. S., em vista da sua
informacao de 3 do corrente, sob n. 534, a mandar
reparar na oficina de ferroiros desse arsenal as
18 chapas de ferro da ponte denominada Sete de
Setembro, devendo o ministerio da marinha ser
indemnisado pelo da agricultura, da quantia de
3744000, em que foi oreado esse servico, inclusi-
vo os 10 por cento de que trato o aviso de 25 de
outnbro de 1838.
Ao capitao do porto, interino.-Para sua
sciencia e fins convenientes, remeti a Vmc. a co-
pia junta do avio do ministerio do imperio, de 22
de Janeiro ultimo, approvando a deliberaQao dcsla
presidencia acerca da visita da sade nos paque-
tes de Soutliainpton, Bordeaux e New York.
- Ao mesmo.Tendo nesta data aittorisado o
inspector da thesouraria de fazenda a designar um
empregado'da mesma thesouraria para fazer o ser-
vico indicado no art. 31 do regulamento de 28 de
feereiro de 1831, assim o eommunico a Vmc.
para seu conhecimento, e em resposta ao sen ofli-
cio de 3 do corrente, sob n. 26.
scalo.
Portaras :
O presidente da provincia, tendo em vista a
proposta do Dr,. diefe de polica em oflicio de 3 do
corrente, sob n.2?S8, resolve noni.iar o alteres do
corpo do polici Reliarmino l'iuto de Parra, para o
lagar vago de subdelegado da frguezia de Alaga
de Baixo, ou Maxot, do termo de Cimbros.
(I presfcNite da provincia, attemlcud ao quo
requeren Beliarmino dos Santos Bulc i. tabelho !
do judicial, eserivao di crime, civel e commereio,
o omcial interino do registro das hypotheeas do
termo de *>nto Anto, resolve concederlhe *os
mezes de Ifeenc-a, a mntap da data em que expi-
rou a que obteve ltimamente, afim do tratar de
sua sade.
Offlcfc?
Ao desembargado!- procurador da cora, fa-
zenda soberana nac.hnil. -Sirva-se V. S. de in-
terpor o seu parecer acercada duvida suscitada
pelo presidente da cmara municipal da Victoria
no offleio ictaso. que me ser restituido.
Ao r. chefe de polica. Annuindo ao que
soheitou o bripideiro Commandante das armas in-
terino em"oflWoi- Best, data, *>b n. 139, recom-
inando a Vi S. a x.iedicio de suas ordens p ira
que seja capturado o ozinlieiro paisano do hospi-
tal militar, llanoel Monteiro Salgado, que d'alli so
ausentara..
Ao mesmo. Transmuto a V. S., para sua sci-
encia o litis convenientes, copia do aviso d> minis-
terio do imperio, de 22 de Janeiro prximo findo,
apjirovando adllberacio toniuli por osla presi-
dencia, relativamente s visitas de sau.le nos pa-
quetes da Roiithampton, Bonb-aux o New-Yerk.
Ao inpsmo. Em resposta ao seu oiTicio de 3
do corrente. sob n. 257, tenho a dzer-lhe, para o
fazer enlistar an subdelegado do districto de Cruan-
gy, que corrente de ferro por elle requisitada,
|>ode ser Mta mesmo naquella leralidade, caso al-
guem qneira fazc-la por prec<) razoavol.
Ao mesmo. Reominendo a V S que fa$a
constar ao delegado de polica do 2" districto desta
capital, que tico inteirado, nao s de ha ver elle
entrado no exercieio d'aquelle cargo, seuo tam-
bem das bas disposnes de que est possuido,
em relacao puuico dos criminosos; e que deye,
entretanto, dirigir a sua correspondencia oflicial
exclusivamente a essa chefatura.
Ao mesmo.Remeti a V. S. por copia o of-
flco, que em data de 3 do do eorrenfe dirgio-ine
o engenheiro fiscal da comiiaiihia dos trilitos ur-
banos do Recife a Olinda e Bcberibe, dando parte
do accidente que teve Ingar na manha de 3 do
cora-iite, devidr, ao que parece, malevolencia de
a'guem, aflu de que providencie em ordem a des-
cubrir o autor desse attenlado, para ser punido, se-
gundo s leis.
Ao couim liante superior da guarda nacio-
nal de Olinda. Expeca V. S. as suas ordens para
que no da 9 do correte se aehe postada em frente
igreja do Senhor do Bom Fim dessa cidade,
una guarda do 9- batalhao de infamara sob seu
cumulando superior, alim do fazer as honras de-
vidas jor oco-jirtto d*. iesta que n'aquelle dia se
tenrtli celebrar na mesma igreja.
Ao juiz de direito da 2' vara civel. Addi-
lando ao met oflicio d-i 3 do corrente, transmiti
a V. S. o? inclusjs processbs das pracas do corpo
de polica, Jeremas Jos de Lima, Miguel dos Alijos
Pereira, Jos Francisco de Lima. Angelo Coriolano
da Valla e Jos Valdevino do Souza, os quaos tem
do.ser julgados em ultima iiis'ancia pola junta,
que deve reunir-se no dia 10 deste mez ao meio
dia.
Ao juiz municipal do tormo de Limoeiro.
Mande Vmc. entregar o oflicio induro para o presi-
dente da careara municipal d'esse municipio, de-
vendo essa entregafser feita por um ollicial de jus-
tii-a, o qual passar certido do dia e hora em que
ella Ice lugar
Ao coinmandante do corpo de polica. D
V'me. as suas ordens para que as pracas do desta-
camento do termq de S. Bento sejaiu substituidas
por outras tiradas do de Caruaru, as quaes de-
verAo ser rendidas por aquellas.
Ao mesmo. Pode Vmc. engajar no corpo
sob seu conmiando. visto tercm sido julgados aptos
para o servico em nspeceao da saude, os paisanos
Francisco (ionios do Nascnento o Jucuudino Cle-
mente de Albuqiicrque Mello.
3' scalo.
0 presidente da provincia, de conf niuidade
com o art. 52 do regulamento de 21 do jullio de
^68, resolve nomear para as vagas existentes na
thesouraria provincial os cidadio seguintes :Para
2" escripturario o 3" Pedro Alexandrino Machado,
para 3"* ditos o pratcante Angelo de Fojos Correia
Cesar e Antonio Ignacio de Torres Bandeira e para
pratcante Pedro Francisco de Paula Bapbsta.
Ollicios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Segundo acabam de communicar-ine jiailicnlai-
mento pessoas fidedignas, moradoras no torno do
Ouricurv. at hoje nao foram dados .anda matri-
cula os seravos e ingenuo por falla de collector
n'aquelle termo. Assim, pos, convem que V. S.
providencie a respeito, conforme o caso exigir.
Ao niosmo. -N'esta data autoriso o inspec-
tor do arsenal de marinha a mandar reparar na
respectiva ollicina de ferreiros 18 chapas de ferro
da ponte denominada Setene Setembr-, devendo o
ministerio da marinha ser indemnisado pelo J
da
agricultura da quantia de 374*000, em que foi or-
eado esse servico. incluindo os dez por cento, de
que trata o aviso de 25 de oulubro de 1838 ; o
eommunico a V. S.- para os lins coiivemen-
que
que
tes.
Ao m sino.Annuindo ao que solicitou o en-
genheiro encarregado das obras geraes, em oflicio
do 1. do corrente, autoriso V. S. a mandar pagar
ao empreitero Manoel Henrique Pereira da Silva,
a quantia de 50 >|000, em que importaran), segun-
do o respectivo ornamento, os reparos da rampa
da Praca do Conmiercio.
A'o mesmo.-Conimunicando-inc o conselbei-
ro presidenle da relacao, haver na data do i.* ds
corrente concedido trinta das do licenca, com or-
denado na forma da lei, ao bacharel Joo Alvares
Pereira de Lvra, juiz municipal e de erphaos do
termo do Brejo da Madre Dos; asskii o declaro a
V. S. para os devidos fins.
Ao mesmo. Coinmubicando-me o bacharel
Manoel Clementino Carneiro da Cunha, em offleio
de 3 do crrente', haver nesse dia reassumido o ex-
exercio das funecoes de provedor de capellas re-
siduos desta comarca ; assim o declaro a V. S. pa-
ra os fins convenientes.
Aomesmo.-Tendo nesta data approvado a
nomeacao que o inspector do arsenal de marinha
fez de Antonio Correia e Soma, para o lugar de
mestre da ollicina de ferreiros do mesmo arsenal,
em substituirlo de Antonio Reinaldo di Miranda
que foi exonerado ; assim o eommunico a V. S.
para seu eoqhecimento.
Ao mesmo.Para cumprimento do disposto
no artigo 30 do regulamento de 28 de fevereiro de
1834, autoriso a V. S. a designar um empregado
dessa repartieao para o servico indicado no artigo
31 do itado regulamento, como solicitou o capitao
do porto interino, era ofBoio de 3 do corrente, sob
n. 26.
Aomesmo.Para sua sciencia e fins conve-
nientes, remmetto a V. S. copia junta do oflicio do
ministerio do imperio, de 22 de janeiro ultimo, ap-
provando a delibeaacao desta presidencia sobre a
visita de sade nos paquetes de Soutbampton,
e BorJeaux New-Yerk. _:
Ao inspector da thesouraria provincial.Em
vista das inclusas ontas, mande V. S. pagar a
companbia de Bcberibe a quantia de 30$wO, pro-
veniente do forneciinento d'agua secretaria desta
presidencia, e a repartieao das obras publicas,
contar^ 1." de julho a 31 de dezembro prximo
lindo, segundo indicara as mencionadas contajt.
4." scalo. "v--^'
Offlcios : yV
Ao Dr. director geral interino da instruceao
publica.Inteirado de quanto expoz V. S. em of-
licio 1*. ai tofennipi puoxino lindo, sobn. 32, coin
relacao ao concurso, requerido por alguns alumnos
mestres habilitados pela escola normal, para | ro-
vintenio de cbWw* dj -oko wim nHm>, hhuu a
rwommendar-lhe que informe quaes as que se
acham vagas, cumprindo que nao sejam postas em
concurso sem a precisa autorisaeao desta presi-
dencia.
Ao inspector da sade do porto.=Remetto
por copia a V. S., para sua sciencia e lins conve-
nientes, o aviso do ministerio do imperio de 22 de
Janeiro ultime, approvando a deliberaeao d-;sta pre-
sidencia sobre a visita de sade. nos paquetes de
Soutbampton, Boudeaux e New-York.
Ao presidente da carear municipal da villa
i Limoeiro.Nao tendo Vmc. remettido c-
mara municipal da Villa do Bom Jardiin o Uto de
qualilicaco da parochia de Taquaretinga, como
era de seu dever e.lhe foi mais de nina vez detor-
minado, afim de que aquella cmara podesse pro-
ceder a apuraco da elei'.-ao de vereadoros desse
municipio, ordeno-lhe que, no prazo im|rorogavel
de cinco das, a contar do da entrega deste offleio,
sob pena de suspenso e desobediencia, faca a re-
ferida reinessa.
Aocomiuissaiio vaccinador provincial.Ilaja
Vine, ee fornecer com brevidado ao Dr. director
geral interino da instruecao publica algumas laini-
uas com lympha vacciuica.alim do serem remettiJas
ao delegado litterario do districto de Grvala, onde
est grassando a varila.
Portaras :
A' cmara municipal do Bom Jardim. Ac-
cuso recebido o oflicio da cmara municipal da
villa do Bom Jardim, de 30 do janeiio ultimo, eonv
raunicando ni) haver na sessao daipielle dia pro-
cedida apuraco da eleico de vereadoresdo mu-
nicipio do Limoeiro por lo lhe ter sido remettido
o livro da qualilicaco da parochia de Taquare-
tinga.-Em resposto tenho a declarar que, msta
data ordeno ao presidente daqnella aereara pan
fazer essa remessa, verificada a qual devora ser
procedida sem demora a referida apuraco.
5.* sr<7o.
Acto :
0 presidente da provincia, resolve nomear o
cidadao Joaquim Lopes Machado, para o cargo de
director do Instituto Agrcola, durante o impedi-
mento do Exm. senador Francisco do Rogo Barros
Barrot .
Offlcios :
'Ao engenheiro chefe da. repartirn das obras
publicas.Pessoas que teem presenciado e niere-
eem f, mo reforman) que os caleeteiros do calca-
manto desta cidade, para pouparem despezas com
a condcelo de areia, costuniam abrir nas ras que
teem de calcar, um grande buraco, donde extrahem
toda a arela precisa, enclK-ndu^o depois core lixo,
lamas, etc.
Ora, Vmc. comprehende perfeitaincnte que esse
espago oceupado pelo buraco, assim entupido, sen-
do logo calcado, tem de abater ere pouco teinpo ;
e coreo soja isto prejudicial aos interesses da pro
vincia, que tere feto e contina a fazer um enor-
me acrilicio c un um to dospendioso cali.aiiiento,
recoiniiiendo-llie que se entenda com o respectivo
empreileiro para que providencie em ordem a f-
zer cessar seuielliaute abuso.
Ao raesino. Comraunic i a Vmc. para seu
conhecimento quo nesta data, om vista da sua ih-
formacio do hontem, n. 46, defer a uretonco de
Henrique Vicente Viaiuia, que pretende sor admit-
tido platicante gratuito dessa repartieao, afim de
habiltar-se em desenlio linear.
Ao engenheiro das obras publicas geraes.
Acabo de autorisar o inspector do arsenal de ma-
rinha, a mandar reparar na ollicina de ferreiros as
18 chapas do ferro da ponte denominada -Sete de
Setembro ; como Vmc. solicitou em oflicio de
24 de Janeiro ultimo, sob n. 3.
EXI'KOIKNTE DO SKCRKTAR10.
/.' sea;tio.
Offlco :
Ao brigadeiro coinmandante das armas inte-
rino. De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia declaro a V. Exc. ere resposta ao seu offl-
eio de 3 do corrente, sob n. 140, que nesta data se
mandou fornecer ao commandante da fortaleza de
Tamandar, o pedido de objectos necesarios a
mesma fortaleza, o qual veio annexo ao citado offl-
eio.
2.' secco.
Ollicios:
Ao Dr. chefe de polica.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda transmittlr a V. S.. para
tercm o destino conveniente, os inclusos ttulos de
nomeaeoes do delegado do terreo de Ouncury,
de subdelegado do districto de Campo Verde, 3 do
termo de Barreos, do subdelegado do districto de
Abreu de Una do termo de Barreiros, e dos i- e- 3
supplentes do subdelegado do districto de >'. S. das
Dores do Pocao, do termo de Cimbres. I
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
proviuca manda transmittir a V. S.. para ter o
conveniente destino, o incluso titulo pelo qual e
nameado o alferes do corpo de polica Bellarnuno
Pinto de Paira para o lugar vago de subdelegado
de Alaga de Baixo ou Moxot, do terreo de Cim-
bres.
4.' sereno.
Offlcios : -
Ao Dr. director geral interino da instruceao
publica. 8. Exc. o Sr. presidente da provincia
reanda declarar a V. S., em resposta ao seu oflicio
do Io do corrente, sob n. 34, que nesta data oxpe-
dio ordem ao Dr. commissario vaccinador provin-
cial para fornecer-lhe as laminas cora lympha vac-
ciniea solicitadas no referido offleio, afim de seren
remettidas ao delegado litterario do districto de
Grvala, onde est grassando a varila.
A careara municipal da villa de Aguas-Bel-
la.De ordem de S. Exc. o-Sr. presidente da pro-
vincia eommunico careara municipal da villa de
Aguas-Bellas, pasa seu conhecimento, que na pr-
xima reunio da assembla legislativa provincial,
serio suSnetiidas a sua apreriaco as posturas
que rieran annexas ao offleio da mesma cmara
de 15 de Janeiro prximo lindo, que assim tica
respondido.
A' cmara municipal da cidade da Victoria.
S. Exc, o Sr. presidente oa provincia manda
communicar cmara municipal da cidade da
Victoria, ere resposta" ao seu oflicio de 29 de Ja-
neiro pioxireo ndo, que opporlunameute serao
subvenidas a consideracao da assembla legislati-
va provincial, as posturas addicionaes que vieram
annexas ao citado offleio, conforme solicitou a
mesma careara.
6.' scalo.
Oflicio:
Ao engenheiro das obras geraes. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda communicar a
V. S. que nesta dato acaba de autorisar thesou
rana de fazenda, no sentido de ser paga ao eniprei
teiro Manoel Henrique Pereira da Silva, a quantia
de que trata o seu offleio do 1* do corrente.
despachos ok presibencia de 12 de fevereiuo
de 1873.
Antonio Francisco de Campos. Informe o Sr.
general commandante da$ armas interino. .
r.yrillo Antonio da Costa. Agualde o suppu-
eante.qne baja vaga.
Francisco Pinto de Carvalbo. Deferido com
offleio desta data ao Sr. regedor do gymnasio|pro-
vfncial.
Gomes de Mallos InnJos.Como requeran
apraseataodo este ao Sr. regedor do gymnasio
provincial.
Irmandade do Senhor Bom Jess da Via-Sacra.
Informe o Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Capitao Jos Joaquim Coelho. Forneca-se.
Joan Hviiru>li.i >Ia M...-. .1 :..... **
os documentos mediante recibo.
Bacharel Joaquim Jos de Crvalho Siqueira
Varejo. Informo o Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda.
Jos Hylario Pacs Barreto. Informe o Sr. dt-
redor do arsenal de guerra.
Lino Alves de Sjuza. Informe o Sr. comman-
dante d; polica.
Bacharel Lourenco Bezerra Carneiro da Cunha.
Em vista da informacao do promotor publico
da copia rea do Pao d'Alho nada ha que deferir ao
supplicante, que deve, se entender conveniente,
recorrer as autoridades judiciarias, nicas compe-
tentes para rcsolverem sobre o caso de que se
trata.
Manoel Joaquim de Miranda e Soma. Certi-
fique.
Maria Thereza de Jess. A justilicacao nao
ttulo suilieiente para provar o dominio da suppli-
canlo, cumpre pois que junte escriptura publica
ou t lulo de igual valor.
Manoel Teixeira de Crvalho Ralalo. Cer-
tifique.
Maria Leopoldina Machado. Passo portara,
na forma requerida.
Vicente Forro ra Paiva Simos. Indeferido,
visto como a lei nao d a esta presidencia altr-
buicoes para conceder ao supplicante o" favor
que pede.' *
Joaquim da Silva Barbos. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 13
de fevereiro de 1873.
O porteiro,
Silrino Antonio Rodrigues.
RcparticAu la polica.
2.' seecao.Secretoria da polica de Pernatnbuco,
13 de fevereiro de 1873.
N. 323. Illm. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das paxtici-
paeoes rocebidas hoje nesta repartieao, foram hon-
tei reeolbidos casa de deten;ao os seguintes in-
dividuos .
A' minha ordem, Joo de Deus Rodrigues Costa,
vindo de Olinda, como criminoso de morte.
A'ordem do Dr. juiz substituto do 1.* districto
criminal, Mauoel Gomes da Silva Amorin\l'Como
indiciado em crime inafiancavel.
A'ordem do subdelegado'de Santo Antonio, Pas-
tora de tal, por disturbio.
A' ordem do de S. Jos-, Francisca escrava de
Jos Feliciano, por disturbios.
Por offleio de .*> do corrente communicou-rne o
delegado de Nazareth, que o subdelegada do dis-
tricto daquelia cidade, remollera no dia 11 de Ja-
neiro ultimo, ao respectivo Dr. juiz municipal o
inquerito policial que fizera pelo sfecto da mor-
te alli praticada na pessoa do menor Francisco",
por outro de nome Manoel.
Que, no dia 13 do corrente o mesmo subdelega-
do procedeu a inquerito policial contra Joo Vel-
lexo por haver forido levemenle a Joo SImoes dos
Prazezes. v
Que, no dia 28 tambem procedeu a inquerito po
licial contra Manoel Francisco de Lima, por haver
ferido levemente a BeUarmino Jes Marques, tend
sido o delnqueme preso em flagrante.
Que. por oflicio de 22 do supradito mez o sub-
delegado do 1." dtriclo da frguezia de Tra-
ciinhaere dajuelle termo, lhe declarara que remet-
iera ao r. juiz municipal do torreo o inquerito
policial contra Scverreo Ramos da Costa, |K)r crime
de furto de cavallos, tendo sido o delnqueme preso
em flagrante.
Com offleio desta dato, do subdelegado de Belem-
foram recolliidos a esta repartieao 2 facas e un
clavinote, alli apprehendidos.
O delegado do termo, da Escada, n >r offlco de
11 deste mez, parlicipou-mc que pelas 9 horas da
noute, pouco mais ou menos, do dia 7 do corrente,
na ra do Cox xo daquelia villa, Pedro de tal ferira
levemente com um compasso a Francisco Jos Tei-
xeira, e que havondo sido chssilicado pelos peri-
tos leve o feriiuonto, e nao qnerendo o offendido
proceder contra o seu olfeiisor. deixara de instau-
rar o respectivo inquerito policial.
Deus guarde a Y. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena. dignissi-
nio presidente desta provincia.0chefe de polica,
Luis Correia de Queiroz Barros.
DIARIO DE PEBWWIBUCO
RECIPE, 14DK FEVEREIRO DE 1873.
a'paSTOKAL 1)0 EXM. B1SPO DE OLINDA E A
CORSTITUigiO DO IMPERIO.
Em sua exteusissimapastoral, dada estam-
pa em nosso Diario de 12do corrente, S. Exc.
Rvma.,oSr. D. Vital, expondo doutrinas e
explicando factos, consagrou quasi exclusi-
vamente o IV capitulo do seu trabalho em
cotnbater ndoutrina do placet imperial, nao
excrupulisando assim ferir de face o nosso
pacto fundamental, no XIV do art. 102.
Releve-nos S. Exc. que, sahindo da ati-
tude expectante que temos guardado com
relacao questo entre a mitra e a machona-
ra, nao deixemos passar sem um protesto
aosso essa doutrina que agora se levanta
ameagadora contra a constituirlo, contra
urna salutar prerogativa do poder executivo,
prerogativa iiue tem sua razo de ser no
duplo carcter do imperantede defensor do
estado, e de padrociro, e como tal capaz de
ter inspeccao sobre os negocios ecclesiasticos.
O art. 5o do nosso pacto poltico, consa-
grando, como consagrou a religio catholica,
apostlica, romana "como religio do impe-
rio, eetatuia por esse mesmo pacto intimas
relages entre o estado e a igreja, e por isso
mesmo creou maiores nocessidades de vigi-
lancia no intuito de evitar ingerencias irv-
debitas do poder ecclesiastico no poder civiF.
0 XIV do art. 102 foi evidentemente
urna consecuencia natural, o lgica da dou-
trina do art. 5'; nem se comprehende que
deixasse aquelle de existir na constitu0o;
por que ento, dirigida por funestos impul-
sos, podia a sociedade civil brasileira ser
despdac,ada, quando'e como aprouvesse ao
poder espiritual, por meio do bullas e ou-
tras lottras apostlicas so ellas fossem apre-
goadas c tivessem for^a de lei, independen-
teniente do beneplcito do poder temporal.
' Que importa que varios Pontfices teubaiu-
auathemalisado a doulrinu do placet 1 A



Diario tte JVmiambucp Sexta -fcira 14 de Fevereiro de 1873.

iienhiun facto pqraei$p 'ais elocuente do
que a COnsagrajgfejMV9' utrin;r p.;!<> povo
brasileiro no seu p*Oo olico, na sua cons-
titui^o como estailMBuepeiiuente o livre.
Seniprc, dese tonga data," raspeitamos o
Siuamo Pontilico, cu
igrejn de Jess Clir
habituados resnoi
minados, o concil
o Ilustre diocesau
1 .. ver-se-nia com essa
alele cabida da *,,. as ttos dos ft
e estamos taaibetri1
asgembla dos fllu-
menico; mas pecde
lho digamos que as
ilelibeYacuesd'osse congresso tambem esto
sugeitasaodis[Histono^\Vdo ai t. 102 da
constituirn do nipilio, etn se pod iud'el-
h eximir peliriaetn de terem loncorridu i
essearenpago catlioticoos bispo? das cinco
paites do mundo, inclusivamente alguns pre-
lados brasileiros, com consontimeuto do go-
vernodo seu'pai/.
Se pelo facto de ali terem deliberado os
bispos brasileiros tivesscm forca de lu pan
o Brasil as deliberaces do concilio ecumni-
co, claro ipie estara aniquilla lo o princi-
pio da soberana nacional, o qual de form;
alguma delegoujitribuicoes sses Ilustres
bispos para curar seus intereSSQS n'essa
assombee.
A'oatrina do placel, que alias nada teni
de montlruosa, como a chamou o Exm Sr.
I>. Vital, nonhuma iiiversiio absurda trae
sociedado, pois que d'clla nao resulta de
modo algum, como se disse, que as ooelhas
pastorem os sem pastores, que os subditos
dictan Iris nos seas superiores, ncm que o
filho tenha direito de se fazer obedecer por
scus pai.
Essa doutrina, tal como a tem ontendido
epregonoaquimi m",-,> *-"* |'"~y
seus cottfcmlores, tem escripto luminosos pa-
receres, rouge de ser um entrave a sociedade,
, pelo contrario, urna valiosa garanta para
as suas prerogativas, para os scus direitos
prerogativas c direitos que existiam autes
pie o Divino Instituidor da religio eatholica
thesso viudo trra resgat-la do peccado
com o seu preciosissimo sangue.
De preferencia i qualquer outro escrip-
lor, citamos as convincentes palavras de
tm notavel jurisconsulto brasileiro, o qual,
comentando a roiistituico do imperio, disse
o segante, < cerca do XIV do artigo
102':
O beneplcito a permissto que conce-
de o imperante para se promulgaren) os de-
cretos dos concilios, letras a]>ostolieas, e
J.iaesquer outras constituido: ecclesiasticas.
lista prerogativa deriva-se dodireilode ins-
peoco que Ibe compete sobro os negocios
e -li'siasticos, na qualidade de padroeiro.
< Pode muito bem succeder que os de-
cretos dos concilios, letras apostlicas e mais
couslituicdes ecclesiasticas, contcnliam, de
eorotta com as suas deteruiinaioes, disposi-
tfies disciplinares, que nao so opponbo
-os interesses do estado,seno anda ao bem
d.i igrejn.
I.ogo, uao se pode contestar que ao im-
p uvate, na duplico qualidade da defensor do
estado epadroetnda igreja, compete irre-
cusavelm.'iite, em scmelhante caso, oppOr-
Sa promulgado de taes decretos, letras, etc.
Alguns espirt is pretend m ensergar
uesta disposicao um ataque independencia
da igreja, dizendo que assim como a esta
uio permitti lo conhecer com forra de au-
toridade dos actos e mandados do poder tem-
poral, assim tamben) a este nao deveser
permittido ingerir-se autorisadamente nos
actos do poder espiritual.
<( Ha nesta doutrina um manifest en-
gaso. 0 imperante, concedendo, ou ne-
gando o seu beneplcito s letras, decre-
tos e mais coiistituirOes ecclesiasticas, nao
.-Haga ou inquiro da materia religiosa que
t es actos coulem ;,cura apenas de saber
se acaso ha nelles alguma disposii.ao disci-
plinar que se opponba aos inieresses do es
tilo. De outro molo, isto se ao impe-
rante qlo fosse calo o direito de exami-
nar semelhantes constituicoes ecclesiasti-
(as, como poderia ser elle o defensor do es-
tado?
Domis, o imperante c tambem pro-
tector da igreja, e nesta qualidade, pa-
) claro que lho cabe o direito le exa-
minar as constituicoes ecclesiasticas, con-
Hendo-lhes, ou negando-lhes seu bene-
plcito.
E' rima verdad'sabida por iodos, diz
u m distinctopublicista, que es kc meus jii
oiviam unidos em sociedade civil, (amulo
'' ibilecea-se o chrisliamsmo: igualmen-
te subido t/ne o ioi do christianwmo me-
rameate espiritual, e queelie nada abso-
itametUetem cornos interestea kmporaes
ita sociedade.
Daqui pedemos tirar, ditas eortsequen-
ri-is: /.", que o estabelecimento da religido
hrtt uo podiu de mautirn iilijiuua auni-
yii/iir os direitos que derivam da nato-
. '':- t m ao imperante; 2.a, que a fjreju mo
p'idia- prejutlicar o estado. )
x Sendo isto assim, i'claro que, tendo o
estado gosado sempre do direito3e seoppra
tu lo quanto pudesse contrariar os seus inte-
resses, e podando succeder, como j ponde-
ramos, que de envolta com as constitui-
gdes ecclesiasticas apparecam algumas dis-
posicocs que se opponliam ao interosse do
estado; claro, dizemos, que se nao
p'i le contestar de forma nenhuma a necessi-
dade da concesso ou de negaca j do benepl-
cito.
Ante tao cloquentus c convincentes pala-
rras, e, ainda mais, perante o $XIV do art.
102, que, como dissemos, foium corolario
do art. o.* da constituicao do imperio, per-
initta-nos o Exm.'Sr. bispo que lhc digamos,
com profunda magon, que andou mal acon-
selhadbo seu esclarecido i^spirito, quando
deixou-se dominar pelas razoes que expenden
no citado capitulolvda sua estirada pastoral.
H(!*lras(MiuT rea lo pela k-i. O gov.'rnador-iiitoriu > a 17 l/ regular, IS 1A, a 1S i, haai 19 i/% a 1? ort%iflprovincia, por tao assignal.^aoB bencli-
Wwii^raS.
no ilia nnrca
ili partido nsteatad') jiel govenm federal ex|
dir ame-5 disso nina practaiDafSo annuiiciauJo
que esiav resolvitlo a iitopergar o ajuetainento I-
licito da legislatura da outra fac?o. 0 presidente
(Iraul. norem. inaudou declarar que nao cnvol-
ver-se-hia com essa legislatura, ncm consenteria
t'idi.a di^pauw^em,
a menos qnc olla nao ftAsse a-tfarcha'cfe gover-
no rcoontKiciilo do estajo.' A 13 do correte leve
logar a loiiugomcji dos- dous governadores. com
as i'i'remoiii.irMla le; ea rivalidad*' agordepende
da decfcio do congresso.
O ftiel do. ter o presidente despachado una
navio do gueiTa para as ilhas Havai, (Sandwich),
cujo re raorrea ha (lias setri descendentes, tem
provocado conmaentarios das imprensas dos Esta-
dos-Unide* e Inglaieria. Por muit) teni[K) esto
llepiibliea tem exerrido grande intluencia nai|uel-
las ilhas, rue, estando em. c;uiiiulio da Asia, pas-
sam por serena urna exeeliejite esucao naval: er-
se. pois, que ella pretome encorpoia-las a w
go'vcrnfi. Prevendo isto, urna folha de Londres,
(pie juina que dosta tonna a Australia flcarla
aineacada pelos Estados Unido1:, propSe que a
Gran-Bretinha se apodere das illias Fiji, para res-
tabelecer-se o equilii)ii no Pacifico.
Alguns capitalistas, entre os quaes figura Mr. C.
K. Garriaon, presidente da couipanhia de pa<|uetes
a vapor dos Estados Unidos e Brasil, formaram
nina Companhia da Ualiia Samana e fizerain
com o goveroo da Repblica de S. Domingos um
tratado pelo qual este lhcs arrenda por 99 annos
aquella bnhia e um territorioconsideravel, fazendo-
Ihes ontros favores importantes, tudo pelo preco
anmial de 390 contos.
Publi'-flu-se este mez um despacho d, go-
verno dos Estados Unidos a seu representante
em Madrid, datado de 27 de oulubro ultimo, sobre
a poltica da Hespanha em Cuba c Porto Rico.
Mr. Fish usa de linguagem decididamete ameaca-
dora. Pntesta contra a continuacao da guerra
E
de Cuba, que i tem durado quatro annos e cust:v-
do cem mil vida, u contra a aversao que o go-
verno hespanhol tcn'mostrado em executar a sua
nmnpttm u .ia on>'iniMpai\io gradual dos escravos.
Por lim, o serretario do estado assegura ao minis-
tro que se a Hespanha menosprezar este protesto,
ella pode ticar certa de una mudanca nos sen-
timentos ( na tempera do povo e governo dos Es-
dos Unido?.
Edward Stokes, aecusado de ter. ha um anno,
assassinado nest cidftde a James Fisk Jr.. foi con-
demnado forca, no segundo julgamcnto do jury
que occorreu e-te mez, e que durou onze dias.
Comecou tambem este raez o julgamente de
William M. Tweed, o principal aecusado das de-
predacoes systeiiKiticas de que a cidade de New
York tbi \ iciiina durante a. transada administra-
cao.Jay GouUl, ex-presidento da companhia da
estrada de ferro do Eiie, ijue fra demandado por
esta para restituir-lhe 18.000 contos de reis, de
que se apoderara, fez um compromisso com ella,
pelo (pial pagou-lhe quasi todoo pedido.
. Foi este mez notavel por muitos desastres.
Nesta cidade. o clrco-hyppodromo de Barniim,
o maior do paiz. queimou-se todo, consumin-
do toda a sua riquissiiua colleccao de animaos,
excepto tres, e tainhein destratado coinpletaiiienU
ama linda igreja. que llie ficava contigux Um
dos theatros. o da ." Avenida, foi tambem arra-
lado peto fogo. Um grande edificio na ra do
Centro incendiou-se todo na vespera do Natal e
consumi sote pessoas. das lo!) que nelle se acha-
vam a trabalhar em varios otlicios. No estado de
New York, um treno foi precipitado de urna ponte
ahaixo e depois incendiou-se. inorrendo entiio viu-
te passag iros e 20 tirando mais ou menos grave-
mente feridos. Na estrada de ferro de Chicago e
Indianapolis houve um encontr de trens causan-
do (raves lesoes a i pesseas. 1)>; outra colliso
no Kausas resultou a niorte de dous passageiros e
ferimantos em muitos.Na vespera ao Natal des-
ahou o as. oallio de urna igreja na Pens\Ivania :
trezontas pessoas cahiran) com elle as iojas do
edificio, ijuatorze morreado immedlataniente. -
Aleni de tudo isto. as grandes tempestades do
principio domai eaasaram freqnentes naufragios
de pequeas embarcao5es, princioalniente nas cos-
tas da nova Inglaterra".
-Eis o resumo da circular commcrcial dosSrs.
C. Ludmann & C, de New-York, em 21 de Ja-
neiro :
uro.As fluctuacdes deate metal foram mais
frequentes que de cosame, tendo variado ntreos
extremos de 1115','8 113 1/2. Contrariamente
opimao geral, o premio tornou a subir oestes das
O>taino-o hoje 113 1/4.
t Algodao. -( Livre ) Reinou pouca actividade
devido aos dias santos de Natal e do anno bom.
As entradas limitadas do lim do auno, causaram a
mpressao que a safra seria mais redunda que se
espera va, avista de que os precos tornaramse
mais firmes e tocaran) 21 1/4 c." Con) entradas
mais (raneas esta impresso desvanecen e os pre-
ces declinaran! 21 1/8 para o Nova Orleans me-
diano, com tendencia para maior baixa.As en-
tradas das quatro semanas Andas em 17 do cor-
rente, foram de 177606 fardos, elevando a lotali-
dade dos fardos recibidos desde 1-. de setembro de
1872 a 2;0,):J.*2o contra l;7O3,OO0no mesmoteoipo
no anno passado, mostrando urna dTerenea de
300,523 favor deste anno. As exporta;oes das
quatro se nanas foram de 3'iV.0iG fardos contra
20t,9o6 na inesnia poca da anuo passado. A
existencia hoje de 503,918 fardos contra 511,226
no mesmo dia do anno passado. O algodao da
classe Nova Orleans mediano cota-so hoje em
Liverpool 10 1/8 d.
Assucarcs.( Direitos 13/1 a 1 d. por libras,
l/-8U!rior,'19 JT* a *> e. por libra eai ouro
prazo de 30 a i.)4li.s.
Entrar.uii o/'iS aaecos di B:> >le Janaime
9332 saceos de Sanios, A noticia do iurenJij d
vipor Erre com t) tantos mil saceos bordo
dea mais firmeza ao mercado, alias bem sustenta-
os 'pagaos iM^jaVtinha
ni a 20 c. par earregaaafnto'
superiore. A' este* jr-'co:
s vendas am-especula^K e
com I"H'I''ik;i pan subir aiajda i
M estimadas k 72109 s
tocias de 3l4Wem Xew-
em todos o paW>* dos Estados-U
Couros ikfcoi (livres).-Os p
guintrs :
Rio Grande. -VerjH salgad^.^
Seceos, bois e vaccas
. Uois so
vaccas s) '
* ovilh*^ *
Maranhao c Pa'.Seceos salados
cios ,i ella prestados, e por outrws iftw esperam
riiierccar w zelo c actividade que citaefcfisaiu os
aefts delC Exc _-
m&v antmao, a cmara niiiiiieip d de Boa-Vista,
agradece a V. Exc. essas nobres demehstracoes de
patriotismo e caridade que tao poderosamente hao
su-
por
*ram-so
i fecha
As vendas
o asexiaf
2 saceos
s|p os se-
26 1/2.
27 8
**>.
18 c.

segundo a sua classifica^o.)
Precos. Brasileiros porgados.
a 9 c.
Baha cin sac-
ras 8
por libra.
i nji i i i.i>.ii._jii _in.,
BJSGIFE. 11 DE FEVEREIRO DE 1873.
Woticiaa da America e lo Paa*.
Aiuauheceu hontem emnossoporloo vapor ame-
ricano Meirimick,, tr.izendo datas: de New York
23 de Janeiro, do-Amazonas l e do Para 7 do
corrente.
BSTADOS UNmOS. '
Do Sooo Mundo extrahimos o seguinte Man
un noticioso.
Depois das ferias do fatal, 'eoaereseo federal
reabri snas sessSes a 6 do c irrente. Durante a
recente campan ha cleitoral, a imjircnsa aecusou
alguns membros da congresso de' terem partici-
pado em operacoes crrrupt:is..cora urna companhia
chamada ^ Crdit Mobilier of 'America. Um dos
primeiros actos da sessao actual foi a nomeao de
urna commissao de inquerito, qae era est prose-
guiudo seus trabalhos publicamente. Aopiniao
publica parece ter exonerado os membrus, impli-
cados no negocio, de qualqder inlluencia corrupta,
excepto dos, um representante doMassaehosclts a
Mitro, de New York. O jufzo do pai, porem, ain-
da se conserva de algum modo suspenso.
Ao senario foi apresendo cin projecto de
le, orgaaisando ma companhia que deve to-
mar conta dos telegraphos do pi z, sob a adtni-
Ri*tra;ao gernl do director dos corrcio. Ha moita
oppasicJk) a este projecto,
Os negocios da Luiziania nao se achat ainda [
Precos. Brasileiro purgado Pernanibtieo cm
sacras 81/1 a 9 1 1 quajro me es.
A posiejo deste genero continuou precaria de-
pois dos nossos ltimos avisos, cm consequencia
da deterniinai-ao dos refinadores de nao submet-
terse s pretnc&es dos possuidores. Os assuca-
rcs brasileiros nzeram excopgao, e nao obstante
entradas avalladas; gosaram de grande acceitaco,
endeado-se logo todos ciiegacla, a boos precos.
As entradas consistirn) cm :
4,IO'.i saceos por Ocean Belle.
a 4,O0C' Burnhndt
3,100 M. Hidley.
3,720 P/'.rllienope.
<< 5,700 6. W. HatlH.
- "5,80. i a n Dora.
5,000 Williann.
1,1(30 o Soorrchs 6!d>.
5.500 n u Jtstie.
5,600 Imogere.
a 7,400 n R'iiulolpli.
>( 3,400 n Juboatdo.
o 4,310 Kyng Foam.
3,100 A. J. Henrietln.
5,60t Slavanka.
4,50C> Jane.
Ao t ido 75,560 saceas todas de Pernamboeo,
excepc;".o do Kyng Foam, que veio da Parabyba.
As vendas foram as seguintes:
6,600 saceos por Medea a 9 3/1C.
Harriett a 9 c.
Casco a 9 1/8.
Oc. Belle a 9 1/1.
Berhm-elt a
M Ridley a 9 c.
I'arthenope a 9 1/4 c.
G. W. Hall a 9 e.
Dora a 9 c.
iVliam a 9 c.
Soorechs e OUIt. a 9 1,8.
Jessie a 8 7/8.
King Foam a 8 1/1.
Imogene a 9 c.
Arlhur Eggleso de Per-
4,000 s 0
4,2 0
ce 1,100 a M
4,t KKl
3,100
3,72 l
5,700 0
5,80(1
5,000
4,400 )>
(( oySOO 11
4,3K 0
5,000 0
(( P S. linda entrou o
nambuco.
As entradas cm Baltnore consistiram em
3.600 saceos por J. A. Cherney ( vendidos a 9 c )
c 4,100 saceos por Imperador, ambos de Pornan-.
buco.
Em Philadelphia as entradas foram de 3,100
saceos por Johamms, 4,200 saceos por Allegra,
4,200 saceos por Naiadem e 5,100 saceos por
Brtha Carrin/rifin.
Total: 16,900-saceos. As vendas foram do
3,525 sae>os por Isabel (em ser a 21 do passado)
e os quatro carregamentos cima mencionados,
todos a 9 c. par libra, dcixando o mercado sera
existencia.
A existencia em 24 do passado em New*York
era de 11,800. saocos
Entraram de Pernam-
buco......... 71,220
rahybi 1,340 75,500 '
90,360
Venderam-se .)........... 6t,Q60
u Exstjm boje em New-York
a d fialtimore
<*. o Bostn...
2V300
4,100
4^00
a

s
Total hoje nosJSstads-Unidos 32,600
verdes 12 a (3 c.
Houv ao geral mais procura para eUF geae-
nero, que era de sqfipor nesta pocaf' Os preeos
que tiiiham manife.-tado fraquezA) toruaram-sc
mais firmes c sustentam plenamente as cotaroes
cima. As entradas- foram coino segoe : por Njlt
6821 seceos e 5iK) salgados, por Electric 10071
couros seeoxM e salgados, ambos do,Kia 6|ande,.e
por llortencia 91 seceos salgados do Para. As
vendas foram as seguintes : 3670 novillios, parte
a clwgar, de 29 a 29 1/2 c. e 1510-verdes, salgados
a 15 1/1, ambos em Boston; 1656o couros seceos
parte a eliegar a 27 1/2 thdo em ouro.
t A existencia hoje do 52000 coucos da todas
V procedencias, nas quaes nao figram lenhum
dos doBio Grande. A iroport^ioUl couras u
anno passado, foi como segu :
Todas as procedencias;.
2>3i.OOO couros.
3.261.810 .
2.7o2.931
AMAZONAS.
Das follas do Aiuaznuas de que (o portador o
vapor Manos extractamos as seguintes noticias:
Sobre a oxpedi>^o Moura encouiramos o se-
guinte no Diario do Amazonas :
< Hontem de maulla etiegaram de Moura as
das lauchas, que a 16 do corrente coudjuziram
qneUe lugar a forca em conse-uieucia qa inva-
sAo dos selvagens ao Jauapery.
< Quando as lanchas chegaram Moura, no dia
18, j os Uaymiris tinham abandonado a pavoacao.
depois de saqueareni, tudo ipi.mU encontraraui e
mataran laucadas de tlexas urna innocente
civ.iH.a de 9 metes que jazia a donnjr. em una
rede, c um homem a quem flexaraui na regiio
abdominal.
f Atravessando os selvagens para as. Utas do ar
ehipelago fronteiro povoaeo de Moura,,o seu
primeiro cuidado foi coudzirem inulhcres
creancaa para o territorio ffrme d* margeui es-
querda do rio Jauapery, e os homons. em grande
numero, ficaram na ilha, naturalmeoto para atra
vessarein no dia seguinte.
O-Exm. Sr. coronel commaudant das armas
informando-se em Moura destas occurrencLas,
deu-sc pressa em seguir para o lugar em que se
sitppunha estareo) os gentkis.
Mandou bater a ilha em diversas direioes,
m s nao foi possivel encontrar os Uaymiris, sendo
achadas 11 ubs e algumas jangadas no ponto
mais prximo da ilha, para atravessar a trra fir-
me.
Destruidas estas ubs e jangadas, peja forca,
os Uaymiris que uao sao navegadores, ficaram
filiados, e consegu ntemente julgou-sc pode con-
seguir apprehnde-los.
No dia seguinte, foram com effeiU encontra-
dos, mas longe de se humilharem e reuderem, ao
contrario se apresentaram em linha de combate
com a ferocidade do tigre.
Nao houve remedio seno reagir, c vendo os
selvicolas a desvaiitagem da tlexa contra a davi-
na, puzeram-se em fuga, mas nao teudo nielo de
transporte precipitaram-se n'agua, morrendo, se
nao todos, ao menos grande numero desses seres
humanados, cujos instinctos lorozcS e perversos
tra/.em em sobresalto a povoacao do baixo rio Ne-
gro.
Urna das lanchas subi o Jauapery, encontran-
do em alguns lugares, recentes vestigios de esta-
rn) l os gentos, cujas malocas, siuppijc-se, demo-
rara ao centro da matta.
< Foram encontrados na ilha grandes molhos
de flcxas, e outros j reduzdos eiozas, remos,
arcos, adornos, c a mor parte dos objetos quo os
gentos haviam saqueado ein Moura,
Informam-nos que muito coadjuvaram a dili-
gencia os Sis. niajor Mardel e ((mente Pestaa.
O Exm. Sr. coronel Barros Falco credor
do respeito e estima de lodos, pelo acert com que
andou na delicada commissao que a son zelo e so
licitado eonfiou o Exm, Sr. Dr. presidente da pro-
vincia.
Consta-nos que o subdelegado de.Tauapessas-
sii tambem fez seguir para o Curial* una dili-
gencia que bateu os gentos por esse lado, que to-
maram.o partido de se inteiiiarein ia floresta.
Daremos mais ampia noticia .destoS aconteci-
mentos em outro numero do nosso Di'4r#.
Na t rde de'23, pelas 5 horas da tarde, pouco
mais ou menos, houve um .pequeo; incendio na
serrara vapor dos Srs. Amorim & Iruuos.
O lirado de alarma foi dado peto corpo p o-
visorio.
t O Sr. ofilcial d'estado fez logo seguir toda a
escola d'instru"cao ao mando do alferes honora-
rio Manoel Clemente Soares, que nao perdendo
tempo, foi o primeiro que chegou.
Ao lugar do incendio comparecen poneos mo-
mentos depois do alarma o Exm. Sr. presidente da
provincia, e muitos eidaduos de todas as elasses, ej
roigamos de registrar o nome do Sr. majnr Fran-
cisco Antonio Monteiro Tapaioz, que, com scus f-
Ihos e fmulos, foi incansave em prestar seus ser-
viros.
Feliimcnte este sinstro foi, pode dizer-s, sera
consequencia.
PAH
Pela presidencia da proviuca foram Hornea-
dos interinamente para o arsenal de guerra :
Para secretario O actual.escrivo do almoxari-H
fado, Joao da Guerra Passos.
Para ofilcial O actual escripturario, Joao Can-
dido Bomao de Al incida.
Para escrivo do almowifado0 actual peda-
gogo, Gamillo Antonio dos Santos.
Para fiel dem 0 actual araauuense interino.
Pedro Paulo Perdigo da Silva Noves.
Para amanuense dem O actual ajudante do
pedagogo, Marcos Antonio de Castilho.
Para amanuense do escriptorio do ajudanteO
actual escrivo interino das ollicinas, Joao Baptsta
de Souza Baha.
Para pedagogoO capito reformado do exerci-
to, Pedro Xavier Cordciro.
Para portero 0 actual apontador uterino, An-
tonio de Araujo Feneira Bastos.
Para professor de primeiras lettras O cidado
Valerio Alvos de Souza.
Lemos no Diario do Grao-Par :
A cmara municipal da villa de S. Sebastio
da Boa-Vista nomeou una commissao comuosta de
cavalheiros desta cidade para apresentar a S. Exc.
o Sr. Baro de Santarm, vice-presidente da pro-
vincia, a expressao do reconheciment com que
trem sido recebidas na(|uelle municipio as medi-
das promulgadas pelo venerando administrador da
provincia para attenuar os effeitos das desgracas
pie. tlagellam ai|uelles nossos concidados. A com-
misso endere^ou S. Exc. um officki, cuja copia
damos cm seguida, dignando-se q benemrito vice-
presidente responder-lhe que compara o seu de-
ver, de cidado e de autoridade, quando promul-
gara as medidas que determinaran) este voto de
reconheci ment,
r Segu o texto do oflicio da commissao:
Copia.Provincia do 'ara, 3 de fevereiro de
1873.-Illm. e Exm. Sr. -Coube-nos ,a honra de
sennos ese.libidos pela cmara municipal de S Se-
bastio da Boa-Vista, para dirigir a V. Exc. urna
felicitarn, em consequencia dos boas servidos que
tem prestado por mais de urna vez provincia, na
qualidade de seu vice-presidente, sarvicos estes
que muito teem concorrido para sua moralidade e
progresso.
a A cmara municipal de Boa-Vista, como orgo
fiel dos seus muoicipes, fallara um dos mais
sagrados deveres, se nest occasio desasse de
transmlttir a V. Kxe. os verdadeiros gentimeotos de
que se a cha p^ssuida, e de enumerar por sua vez
os beneficios por S. Exc. prestados provincia na
causa da humauidade, ond o ame do Baro de
Santarm j um .garante de probidade, da hon-
radez .e de merecimentos inquestionaveis,
o Os.lugares da provincia llagejlado pela.eni
Jemia reinante, seutem j o impnlso o beneficencia
do genio humanitario de V.Jx.-., traduzdo newas
ahilares medidas hyginicas e-caridosas.
<( Nos, Exm. 8r., como interpretes da cmara
municipal de Boavista, nao podemos deixar de pa-
entear tambem a Y. Ext. o profundo reconheci-
caicorri
tan!

i c
gou
dele?
dos b
da provinci
Deus gu;
de Santarm,
l>em '"""Hift'""If^'" (l(,s uabi-
Sr, 0(BeuliitHa% qje antro
de BoaA'ista. qo* a.isenearre-
oje a V. Exc, eaa quem, como
o Imperador, ratete a. floiia
taflos causa d% Iwiiiauidade e
V. Exc.-yira. e
issiino vicc-pre
Sr. Barao
te 4a pro-
vincia.Dr. JoaqiiuH Pnlr^orra e Frritas -
Frederico Carlos Rossar -Dr. .(. David V. Cana-
carro-Dr. Antonio Manoel Uoncalces Tocan'nuLr
Dr. /idilio lbnsr<$9 Q. de .\Ufanda
A* urna -hora, putteo nat oii ramos, da ma-
drugada de hontem (16), manifestou-se um inceuo
dio na casa de sobrado dos herdeiros do maj-r
Jo.iquim Victoria de Son/.a Cafcral, ao largo da
Plvora, canto da estrada de S. Jcrouymo : o in-
cendio comec-ou na talierna estabeiecid nos baixos
do mesmo sobrado, e devorou todo, o Drcdio, que
tirou reduzido a cinzas.
.( Um soldado da patrulha do Paul d'Afua cor-
reu ao quarlel de polica aquellas horas e, commu-
nicaudo o sinstro ao nfflcial de estado, foram de
promplo tomadas providenciaspara acudi-lo, to-
cando logo rebate o sin i da igreja de Santo An-
tonio, sendo este signa! repetido pouco depois por
todas as igiyjas.da capital.
Iminediatamente seguio para o lugar do sins-
tro a bomba do corpo.de polica com um piquete
de 40 pracas sob o commando do alferes Marcoh-
no Francisco de Garvalho, acompaunandu o mesmo
fiiqucte o socio gerente da serrara vapor de Coc-
ho ti C. com os seus operarios, que de prompto
se apresentaram ao quarlel ao toque de fogo, pres-
tando a.melhor coadjuvacao no traalho da exinc-
(o do incendio.
0 1(? batalho de linha tambem fez compare-
cer um piquete de iO pracas, cujos servicos muito
concorreram para acabar rpidamente o incendio.
*-# ojseateiatorlonoiiiie de maiscirru-
laco da provincia, e em avulso, para ser.distri-
btu4o naeto da dutribulfio dos premios:
Nada mais flvendo a tratar, e senda csja a
ultima il.is : n",es da conimis.-o, deram-se por
concluidos todos os seus trabalhos
Logo, qne nos or remettido, publicaremos a
rejaco dos expositores premiados.
IVistto. Em ti do mez uiuw). Seveiiuo Um-
fes da Costa, foi preso em lUgrantc, par erim de
furto de eavallos, no dislrii'to de Tracunbaem.
Outra Em data de hontem fui |iroso nesta -*i-
daile Manoel Gome= da Silva Ainorim, indiciado
m crime inafiancavel. .
Aeaiits defe/.v.Pela subdelegada de Be-
ln foram appreheiididos duas facas de punta e
lun elaviuote.
l-'oi'iniRiito. -Xa villa da Escada, as 9 horas
da uoi'te dr 7 do corrate, Pedro do tal feiro le-
vemento com um compasso a Francisco Jos Tei-
Vil'.
Ooffendido oppoz-jc arqfe#iiolica proeedesse
contra o offensor.
Sania ( :s;i le Misericordia.Exis-
tiam nos diversos estabeleciincntos cargo da San-
ta (^asa de Misericordia do Recito no dia 31 de
Janeiro lindo :
No hospital Pedro 1L enfermos
Eiyios dos mesinos*
ao hospital dos lazaros
No hospicios de alienados
No asiylode mendigos
No coHtgios dos orphios
No das orphas
Na cata dos axpestoe
Criancas em aiiiamentac>Lo
323
11
37
79
9S
96
ir6
92
78
nao ppdo galibar o predio contiguo pelas medi-
das acertadas postas era pratic:) para evitar seme-
Ihonte aconteciineuto.
h Informam-os que n servico foi perfeitamenlo
dirigido pelo eogenheiro da provincia Dr. Julio
Honorato Correa d Miranda, auxiliado pelo Sr. Dr.
Nascimento e.outras muitas pessoas do povo, que
all comparereceram.
A bomba do arsenal de marinha presiou as-
signalados servcos.
K Estiveram presentes ao acto todas as autori-
dades policiaes c o Exm. vice-presidente da pro-
vincia,
Eram 4 } horas da madrugada quando os si-
dos das igrejas deram signal de baver terminado o
fogo, cuja causa ignorada.
Aota-se. preso para averiguacoes o dono da
laiicroa, d'onde nianifestou-se. aquelle desastre,
que causn nao pequeo prejuzo.
A alfandoga rendeu de 1 a 6 do corrente
107:256*537.

PERNAMBCO.
REVISTA DIARIA,
(.muda nacional. P ir portara da pre-
sidencia, de II do Corrente, mandoo-se d>r guia
de passagem para o municipio do Rccife,/icando
aggregado do ia balalho de infantara. ao len-
le quartel-mestre do o'f de infantaria do munici-
pio do Cabo. '
Repartico das oliras [tublieas.
Por portara da presidencia da provincia, de II
do corrente, foi noincada urna commissao coiupos-
ta dos engenheiros Drs. Manoel Buarquc de Ma-
cedo, Gervazio Rodrigues Campello e Paulo Jos
de Oliveira. para examinar os projectos de. r for-
ma do regulamento da reparlic,-lo das obras pu-
blka, e sobre elles emittir pirccer.
lllumiuayao t\ gur. de ( i> anna. -
Por portara da presideucia da provincia, de II do
correte, rc-netteram-.-e thesouraria provincial
as clausulas, mediante as qnacs foi contratada
con^o Sr. Justino Jos de Souza Campos a illumi-
naco g^z da cidade de Govanna e dos seus ar-
rab'aldes.
Jury do Rcicift.Deixou hontem do func-
citmar por falta de numero suffHente de juzes de
faeto.
Conipanliia Pcrnainliuvana. =Ntr
dia 24 do corrente, 1 hora da tarde, deve rea-
lisar-se'a rcunioda asscinbla geral dos accons
tasjdesta como^nhia, para dar rumpriinento a dis-
pos^o do art. 2i do cap. o*' dos respectivos es-
ta Ui tos.
Diocese di Para. Damos cm seguida
urna carta que o Exm. e Rvm. 9t. bispo do Para,
D. Antonio de Maccdo Costa, acaba de dirigir ao
Exm. e Rvm. Sr. D. Fre Vital Mara Uoiicalves
de Oliveira:
Residencia Episcopal do Para, 7 de ferereiro
de 1873. Eftm. c Rvm Sr. bispo. Acompanho
de toda minha dma a V. Exc. na corajosa medi-
da que tomou em relaeao maconaria. E' assim
que precede um bispo catholico. Quando a seita
fulminada por tantos anathemas. levanta ufana a
rabeen, e quer impr-e igreja, intrometter-sc
na igreja, cobrindo-se com urna mascan vi de
ca*fholicismo para engaar o povo, nos bispos de-
venios sahir-lhe ao encontr, dizehdo-lhe : Fora,
nio te conheco! E' o que fez V. Exo., fez o seu
dever.
i) Deus o conforte, Sr. bispo, e o encha de suas
luzes, para que V. Exe. continu a co-obater a
bom combate, c tenha assim. o direito de recebci
a cora que lhe dar um dia o justo juiz. Nao se-
r coroado sanio o que combater com valenta.
Abra Deus os olhos a tantos cegos. que blaspbe-
mam o que ignorara Conduza o bora Pastor pa-
lea o redil tantas ovelhas tresmalhadas I
i Oremos Sr. bispo, pelos que nos persegucm e
cahunniam, e fafamos todo o ir-m aos que nos fa-
zeai mal, c o maior, o mais assignalado beneficio
qjie lhe podemos fazer dcsengana-Ios, mostran-
:o claro o lastimoso estado em que se acham, pa-
ra que se arrependara o volvaos a melhores senti-
menlos.
Actte, pois, Exm. amigo e Sr., parabens
meus e muito cordeaes, pela magnifica estra de
seu episcopado. Lance agora a sement nas la-
grimas, para depois colher nas alegras.
a Emites ibant et flebint mittentes semina sin,
venientes uutem veniente cum exalta!ione pjetan-
tes manipula sua. >
Deus guarde a V. Exc. por muitos annos co-
mo a diocese de Pernambuco e igreja toda do
Brasil bao mister. De V. Exc. servo amigo e c >!
lega obrigidissimo em Jess ( hristo. f Antonio,
bispo do Para, o
Uinheiro. 0 vapor Merrimak trouxe
para:
Pierro Vicenzo 4 C. 6:600S(XQ,
Barros Jnior 4 C. 5; 192 $000
Joaquim Jos Gongalves Bcltro 4
Filhos. 2:0nQ000
Miguel Jos Al ves. 1:403 si 90
Esse vapor levou de nossa praca 3:QjO0 0
para a do Rio de Janeiro.
Exuosico provincial.Reunio-se na
noite de 7 do corrente a coinmisso directora da
exposicao provincial.
Estiveram presentes, S. Exc. o Sr. presidente
da provincia e baro do Livramento, Dr. Manoel
do Nasciinento Portella, capito de fragata, Step-
plo da Silva e Buarqae de Maced.
Este apresenlou o relaterio que sobre a exposi-'j
cao tem de ser dirigido ao governo; e como pro-
longaste a sua leilura al depois de 9 horas, ficou
sesso adiada para o dia II do corrente.
Reunida novamente a commissao, estiveram
presentes os meamos scuhores cen excepcao do
Sr. Dr. Portilla.
0 Sr. Dr. Buarque de Macdo declarou que ha-
Via feto entrega ao Sr. baro do Livramento de
toda a quaut a que por ordera da presideucia re-
cobeu na thesouraria para as despezas da- exposi-
Total 970
Concert em Oiinda. Uuarta-feira 19.
lera lugar no salo da Academia em Oiinda, o
segundo, grande c variado concert em que toma-
rao liarte as Sras. : Bruciom, Slagdalena, Carolina
ngel e os Srs. Govanni Scolari e maestro Poppe.
0 dito concert est sob. a protccc.o da digna
sociedade Carnavalesca.
Mais tarde ser publicado o programma que
consta-nos ser o mais variado e escolhido.
Fin in-ni la salubridadc pitltlica
Autes de hontem reclamamos provnencias no
sentido de evitar os abusos que eslavam e ffltin se
dando, nao so na m carne verde retalhada nus
acougues, mas tambem no modo de ser de seme-
ntante industria. Hoje, ainda em bem da saju-
bridadfl publica desta capital, vimos reclamar mi-
tras providencias que tenham por objecto evitar
os males que trazem populaco o inveterado cos-
tume de se tancar ao rio toda a serte de entulhos
e materias recaes.
No caes do bairro da Roa-Vista, e espeeialmen
te no preconismli canal de Riachuelo, nao cessa
sementante abusiva pratca e todo muudo bem
pode avalar quanto isso nocivo salubridad
d'aquclles lugares, e em geral de toda a cidade,
concorrendo os miasmas, que de taes despejos re-
sultara, para damnificar ainda mais o j precario
estado Uygienieo do Recife.
Entretanto os Srs. fiscaes e a Ilustre munci
palidade nenhonu ingerencia pareccm querer to-
mar cm taes objectos, e o povo, massa ignara de
oontribttintes, que pague impostos para recrear-se
com as suavidades perfumosas que temos al
ludido I
enielhante estado de cousas ni pode, nein de-
ve cortamente permaueccr espera das ceblas
do Egyplo ; e, pois, para mais este objecto recla-
mamos os prndenles cuidados do zeloso admi-
nistrador da provincia, certos de que S. Exc. to
niara na considera^)que deve sera duvida me
reccr-lhe o importante assumpto da saloJbridade
publica.
I'assi'ko publico.De ha muito tem-se
dito, e ainda agora se diz, que os terrenos semi-
alagados ao uorte do gymnasio provincial esto
destinados ao futuro passeio ou jardm publico ;
a, se nao nos engaamos, ja se tem desapropriado
parte desses terrenos, que vo da ra da Aurora
at ra do Hospicio no intuito de dar seguimen-
le aquella idea.
Parece, porm, que a existencia de seiuelliante
projecto despertou ambinoes pouco escrupulosas
e diiemos mesmo pouco decentes, pois qne, se-
gundo n" informara, esto sendo aUi construidas,
a toda pressa e como qne para prevenir a poss-
bilidade de urna bda venda, diversas casinholas de
palha e de tapa, que evidentemente nao podem
ter outra mira alm da de augmentar o valor dos^
citado- terrenos, facilitando aos seus propretario;
maiores propinas do que as que poderiam tirar
dos cofres pblicos pela desapropriaco por utdi-
dade publica.
Prov ivelmente S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia ignora isso, sem o que estamos cortos de
que j loria ntervido cora alguma providencia
que pozesse os cofres publie s cuberto da ga-
nancia e da cubica. Assim, pois, danio* sciencia
S. Exc. do facto, que conheccinos por informa-
cSes fidedignas, e aguardamos as providencias
que nao poderSo se demorar.
Dcvoco ao Santo Clirislo. A des-
peito da ilerdic;o lancada sobre a igreja e ir-
mandade do Divino Epinto Santo, segundo so
determinara era mesa geral dessa irmandade, nao
foi Interrompida a devocio ao Santo Christo qne
all se venera s quintas-feiras, tendo Ing r esse
acto hontem a noit; com una alBuencia extraor-
dinaria de familias e povo.
Praca de Niew-\'ork.-No anuo decor
rido de 2i de dezembro de 1871 a 23 de dezem-
bro de 1872, e.xportou a praca de New-York paral
a de Pernambuco: 6o,36't barricas com farinha
de trigo, C12,000 galoes de kerosene, 7,374 barris
com banh i de porco, 4,621 barris com breu, e
213.'i72 ps de tabeas de praho.
C'oniarca de Garanhuns. -I '.om o tra-
zo de 60 dias, a contar de II de Janeiro ultimo,
acha-se a concurso o provimento da serventa vi-
talicia dos ofeios de primeiro tabcllio c escrivo
do civel c ma.is aunexos do termo de Gara-
nhuns.
Trilitos .urbanos de Olinda.-A par-
tir de amanhS fleam suspensos" os trens ordinarios
desta via-fei*fea, (|ue parliam s 5 horas do da,
tanto do ecife para Oiinda, como de Oiinda para
o Recife.
Fregueeia dos Afolados. Celebra-
se no domingo (16) a festa de Nossa Scnhora da
Paz, na matriz da freguezia dos Afogados, com to-
da a magnificencia, orando ao Evaugelho o Rvm.
Jos Esteves Vianna, e ao Te-Deum o Rvm. Anto-
nio de Mello o Albuquerque. A noite ser quei-
madi um lindo fogo de artificio.
Santo Amaro das Salinas.-Depois
d amanh (domingo) celebra-sc, na capclla d- San-
to Amaro das Saliuas, a festa de Nossa Senhora
das Angustias, cem o esplendor do costume, para
a qual nada tem poupado os respectivos eiicarre-
gados, oceupandj a tribuna sagrada aoEvaagelho
o Rvm Antonio do Mello o Albuquerque.
Na noite de segunda-feira queimar-se-ha um
lindo fogo de artificio.
lustituto Arehcologico e Geo^ra-
phico.Amanh s 11 horas do dia deve ter lu-
gar a sesso da assemblea geral, afim de so pro-
ceder eloic/io da mesa administs|Hiva e das cora-
ar, Dr. K-dro AfMnso Perrelurt Vthug!i!=, Ma-
nuel Miieia Itibeiio. Luiz tarlos Branda. D. A.
d Fonreca. 'Mr. Pritch.rrd. mis i ntehard, Au-
gusto- Har sinendv e sen s ibrinl.o. Alrtdo Silva,
jfcirgucrite Liiii.k. A. B. Ghcwz. H. W. Oasset*,
Manuel Magena, Deloviaa Rosa, ftao Machado,
Manoel Joaquim da Silva. Luiz, criado.
("becado de New-York :
Leopsfjl) F. da 8iK e 1 criad,-'ftao Henriiwe
Cos. 1
(asa 12 de fevereiro de I73 :
Existiam ( presos ) 380, entraram '*, saturan
7, existem 348.
A saber :
Nacionacs 227, mulberes lo, aAigeiros 44,
escravos o'i, cscravas 7.Total 3i8
Alimentados a casta-dos cofres paWieos 28t>.
Movimcnto-da enfermaria do din If doJevereiro
de 1873:
Teveram baixa :
Jos Joaquim da Paixo ; febre.
Joao Antonio dt>s Sanios ; syphile?.
Ignacio Perwira Cabra) ; gatriter .
Tii eram alta :
Josi1 Ferreira da Silva.
Amador, escravo de Ovidi) de Castro.
5S! ICACOES A PEDIDO.
cao, do que tem era seu poder o competente reci -
bo, nao tendo por sua parte feto despeza alguma
5uc dovesso ser paga. Prope igualmente iue se
sse ao Sr. Freitas, que auxliou a commissao nos
trabalhos de escripia a mesma gratificarlo que re-
ceieu por servico smelhante em 1866. Resoiveu-
se que assim so proeedesse, salvo 'se para isso
nao fosse suflcente o res tan le do crdito exis-
tente.
Em seguida resolveu a oommisso, de accordo
com S: Exc. o Sr. presidente da provincia, quo a
disinbuicao dos prem'os conferidos tenha lugar
no dia 2o da marco urna hora da tarde, no salan
Je honra do pajado do guverno, e iiue a esse ac-
to se desse a maior solemnidatle posai vei, podando
por essa occasio as pessoas presentes proferir
discursos e recitar poesas adoquadas ao assump-
to da solemnidade.
Defberou tambem a commissao quo fo-se ira-
misajes da
Socie
tru
dos pe
e approvados
:1a* F nrop
lica. ^compendios lidop
|4)).dosTwhes do curso normal
kselho director que creou di-
O Sr. tcuente-roronel iCcvnn-
dre \\ilisto I ras % lilac e Sa-
bino II. Saruiva l.cilo Braneo.
I ni facto grave e deseommunalTpor ter partido
de uni homem, que devia ser o primeiro a-res-
peitar as leis do paiz, araba do ferir-ine em mea
direito de propriedade que rae garante a cousli-
luieo.
Era novenibro de 1871 achava-me nesta cida'e,
tendo trazido comigo um escravo de meu pai,
que agradando-se esta (iraca, cntendeu fugir de
minha cotnpaiihia nas vesperas de nimba" viagen;;
razio punpie fui obligado a demorar-me na dili-
gencia de dcscobi i-lo; foram baldados os meus
estancos; fui obrigado a partir so, deixando,
porm, incumbido a captura do mesmo ao mea
aiiiiaoSr. Afibiiso Jos de Oliveira, a que) dcixej
proeuraco.
Em principio do anno seguinte (,1872) pode ter
xito as pesquisas de meu digno procurador, e
foi preso o referido escravo no Forte do Mallos,
desta cidade, por um capito de campo c por or-
dem de meu dito procurador.
Apenas vio-sc preso o tal escravo, disse que se
arhava cm casa do Sr. lenente-coronel AJexandre
Augusto Fras Villar, o que nao foi acreditado ;
mas verifirou-se porque sendo entregue .escram
no quarlel de polica desta cidade que emqnanto
se participa va ao dito meu procurador, apresen-
tou-se o Sr. teneute-rcoronel ou pessoa por elle
conimissionada, e dizendo ser dono do escrav'i,
conseguio a soltura do mesmo.
Chegjindo este facto ao meu eoiihec.imento, por
carta de meu procurador, einprehendi logo ma
viagen esta cidade. com o lim nico de tratar
deste negocio.
Cbegando aqu em dezembro do auno lindo, fui
ter cun o Sr. leneute-corouel Fras Villas do.quem
era conhecido.
Disse-me que linha soltado o escravo para bc-
ncliciar-iiie, por ser meu camarada : pois se elle
fosse para a deten.o eu tera de fazer despezas;
e nessa occasio fallou-mc para alforriar o di^i-
escravo.
Annui ao pedido do Sr. tmente coronel, o djsse-
lne que apezir de avahar o dito escravo era
LCOO, afora o prejui o que elle me tinba dado
durante o lempo que se achava ausente, c nada
me merecer dito escravo, t jdava esqucia tUoO.
e cont'iitava-me com i:200, porque era para
alfolia.
O Sr. Fi as Villar approvou muito o meu yra-
cediinento, achou muito justo c razoavel e di.-re-
nie que lluvia Halar disto ; que o preto linha
algum diiibeiro em mo d'elle e na do Dr. Leo-
nardo.,
Dias depois torno a ir ter com elle e disse-me
que nao tinba ainda-o dinheiro, que lhe parou
(pie o prcto andava mentindo, dizeudo ter diuheiru
sem o ter; mas que visto u ter de me retirar
que elle rontentava-se que se vendesse o escravo
a um seu cimbado.
Disse-lhe trae nao ti.nha duvida, mas que elle
promovesse isso ; no que ficou certo.
Mas ainda desta vez mostrou que nada lhe con-
vinba a nao ser a couliiiuacao do escravo era sua
casa da mesma forma porque se achava.
Niopodende este estado de cousas coatiuui', e
j sendo demasiada a minha demora aqu, disse-
lhe que (pieria de qualquer forma terminar esse
negocio; se elle nao quera comprar ou anUTiar
o escravo, qae me entregases, fazendo o obsequio
de o mandar por nina praca entregar-me na casa
onde me achava hospedado.
Respondeu-me que neiihuiiia duvida nha em
entregar-me o escravo, mas que nao podia man-
da-lo por seu ordenanca ; que eu recorressv a
polica, se (piizes.-e^Ievar o preto com seguranza.
Por intermedio de um amigo fui ter cem o Sr.
Dr. delegado desta cidade e expuz-lhe o facto,
qual atracando ao man desojo dignou-ss lazer urna
carta em termos muitos corteze ao Sr. teneate-
coronel, pediudo que se dignasse entregar o es-
cravo para ser entregue a um corretor.
Ainda assim negou-se entregar o escravo, di-
zendo aos soldados que eu fosse pessoalmente el-
tendor-me cos elle, o que fiz no mesmo dia; mas
apesar disto, nao se dignou apparecer-me; rcqr.v-
rendo logo no outro da judicialmente a alorria escravo, contra a qual nao tnha me opposto.
Acba-se o Sr. lente coronel boje nomcado de-
positario do csciavo, e protesta alforria-Io pac
muito menos de seu valor, dizendo que ha de
mostrar ao atrevido sertanejo para quanto presta.
Nao conseguir, porm, ntimidar-me, conti-
nuarei a sustentar o meu direito confiado na jus-
tica do paiz, c a seu lempo mostrare! ao Sr. te-
ne'nto coronel qual o crime que elle epmmetteu,
apoderando-so do escravo de meu pai contra a
ventado d'i mesmo; convindo notar que para con-
seguir esse lim, tirou a primeira vez o escravo do
deposito cm que se achava o mesmo na polica, e
depois anda do poder de dous soldados que o tor-
naraui a prender ainda como fgido ; dando nessa
occasio urna resalva ao escravo para evitar ser
novamente preso^ c lhe provarei mais so esta ou
nao obrigado a pagar os dias de servieps de es-
cravo,, que contra a vontade de sen dona conscr-
vou e conserva em sen poder.
Avalie o publico o procediinento traicoeiro que
teve o Sr. tenente coronel, e julgue se isto boni-
to para um homem de sua elevada posica
Recife, 13 do fevereiro de 1873.
Sabino B. Saraiva Lefio Castello Brar.co.
wmmn.
to curso sao
Grammatica porlugueza de Soares Barbosa (o
Compendio.)
Sellecta elassica.
Arithmetica do Dr. Collago (ultima cilicio.)
Pedagoga de Daligault.
Cathtcis.no de Montpeller, lines de caligraphia,
do Dr. Lopes Machado.
Historia sagrada do Royattinond.
A tabella horaria para as differentes aulas a
seguinte :
1* anno.
1* cadeiradas 7 s 8 horas da noite.
2- cadeira das 8 s 9 horas, s segundas, quar-
las e sabbadcs.
3 cadeiradas 8 s 9 horas, s tercas-feiras e
sabbados.
2* anuo.
1 cadeira das 7 s 8 horas da noite.
2* cadeira das 8 s 9, s segundas, quartas e
sabbados.
3a cadeiradas 8 s 9, s tercas e sextas-fei-
ras.
Secretaria do conselho parochial de Santo An-
tonio, 12 de fevereiro de 1873
J. Ferreira Vilella,
Secretario.
Lotera.A que se acha a-venda .a 39* a
beneficio da igreja de Nossa Senhora da Piedade
de Santo Amaro, a qual corre hoje.
Lcilo. Hoje effectua o agente Martn, as 11
hor.ts do dia, um leilo de movis e grande quan-
tidade do objectos de ouro, de gosto moderno, no
armazem da roa do Imperador n. 48.
Passa^ciros. -Segucm para-o sul no-vapor
americano Merr-mack :
Manoel dos Santos Villa .a, Osear Simos, Jov
quim Alves Barbosa Coelho, Luiz Correia de Avel-
PRACA DO RECIFE 13 DE FEVEREIRO
DE 1873.
AS 3 1/2 H0RA3 D.V TA!*K.
Cotacdcs olliciiien.
Algodao de i* sorte 9*850 por lo kilos.
Coiuos salgados seceos 667 rs. por kilo, hontem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 3|8 d. e M
i]2 d. por U000, hontem e hoje.
Cambio -sobre Portugal a 90 d|v. t02 OO.
Freledealgodo daqui para Liverpool 5il6 *: e
aojo.
Dubourcq
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
ALFANDEGA
Rendimento do da 1 a 12.
dem do dia 13...... .
S8O:266j00o
43:9311383
6-.19i#38K
Descarregain hoje 14 de fevereiro de 1873
Lugar francez Jean Baptiste (atracado n
ponte) mercadorias para alfaodega.
Darca ingiera Hermicne- mercadorias para ab-
fandega.
Pngualnglez Coila r- meroadorias para atfrn-
dega.
Brigue portugnez Tnvmpho vanos geoeree
para o trapiche onceieao. para despa-
char.
Brigije nguw-L:ff(iia-terree ji despachados
' para o eaes do Apollo.
Barca portaguota Alexandre Herculanomr-
eadorias para alfandega pedrs para o
trapiche Cbnceicao, para despachar.
DESPACU S DE UXPORTVCAO NO WA DK
JEVEREIRO DE 1871
Para os portes do exterior
N sumaca hesoanhola Mmiogera, para B**>




!'
i
j
r
s


i
-.
\

Diario dePemamkte Sexta fe-r H de Fevereiro (te 8l_.
_
------ -. .-.rrai
echona, rarregou r-, P. M. Maun 10 saccas eom
711 lii kilos deabod&i.
fia barca inglfczi Koderkk, para Liverpool,
earregou : E. Fentoty 2,800 saceos eooi O.oeo
kilos de assucar mascarido.
No muri iuglaz .{ivi&t'in, para o Canal, ear-
regou : H. Da La Gran} 400 saceos com 15,000
kilos da assucar masca va'o.
No navio fraucez Je-iif Batth, para Marscille,
earregaram: Kellor & ; k)) saceos com 67,500
tutos-di*untir roascax ido.
No patacho heipanhi)! Saph>, para ir Rio da
Pala, earregaram : P. Gtrneiro k C. 1!)J barrica
eom 23,283 Uto de usurar branco.
No l.rallomio Aleid,para o Rio da Pra-
U, carregou : A. Bastas 504 barricas c.mu &7L0G9
kilos de assucar brnce e 96 ditas coin il,6lii)
dito de diiouiascavado.
Na tarea poctaftioa Lusitania, para a liba
de. S. Miguel, crp.'^oii: A. M. Machado Juuior 3
barricas eom 1,8% kilos le assucar branco, 23|2
ditas rom I,n9 ditos d' dito niasravado c i sac-
eos eom 330 ditos de-c-ar ; para Listen, P. Viamn
4 fc. 40 cauros espichad s com 280 kilos.
Na barca portugueza leopoldina, para o
Porto, earregou : T. L. Soares 300 saceos coin
22,->Q) kilos de assucar branco c 333 ditos coro
23,02.*> ditos ddtt) masca vado.
Ni barca iwluguea .Soco S'lnncio, para o
Porto, carroflaraui: B. Oliveira & C. 823 saceos
com 61,875 Kilos de usurar masca vado, 2* ditos
rom 1,*75' ditos de dito branco c *W eouros sal-
gados eoaa 7,728 kilos.
Pura os portes do interior
Para oCear, no vapor brasileiro Pira-p nu,
earregaram : A. M. Machado Jnior 2 barricas
0 m 222 kilos do assucar bra-ico ; Costa C. 60(2
ditas eom 3,0!l.' ditos di dito refinado ; para o
Natal, L. P. Sautos Lima I caixa com 100 parea
de taraancos ; para Acarac, Fernn es &. Irma)
1 pipa oooi 180 litrs de agurdente
Para Vamangnapc. no vapor brasileiro Cn-
ttHjM, earregaram: Silva & Irmao 1 barril com
96 litros de aguarden!".
Para Mauunguape. na barraca Mana Isabel,
rarregar en : Feruan.les Se Ir-.ua > i .barricas cira
247 kilo de assacar branco
Para Mainanguaue, na barraca Baaviageui,
carregou ; J. L. Radien 4 barricas rom 26 kilos
ile assucar branco.
Para Maco, na barcaria 11 d>s Anjn, ear-
regaram : B. J. Parara & Ir.nio 2 birricas com
60 kilos de a-sucar brano e 1(2 pipa com 240
litros de agurdente ; para o Natal M. A. Urna 2
barricas eom 18'i Kilos de Manear branco.
Par. Aligois. M barcaca Oitima Providen-
cia, carregaran : J. M. Barros Fillios t C 2)
caitas om 2'i kilos de di>ee.
Para Alagoas, na barcaca Jacaratiwjn, car-
NgHM : B Comes 4 C. 1 barrica com 63 kilos
de assucar branco.
tara o Para, ni navio pirt'guez Arabelli,
carrogou : X. da C. Muir '00 barricas com
.'O.SOt l|i kilos do assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, no navio portiigucz
Almtdtni, earregaram : Cunha Irmios iC i'))
barns com 9,6) litros de mol.
Para o Rio Grande do Sal, no patacho bra-
sileiro Toh os Sarntes, carregaram: Amorint
iiinios C, 30 pipas com li,W litros de agua -
deate
. Para o Rio Gnmde do Sul. no patacho bra-
sil-tiro Elvira, urregarara : Amorim Innaos 4 C.
lit barrica*n <7,i67 kilos de assacar branco
i'. 300 ditas com 31,3W dios ile dito nascavalo.
C.VPATAZIA
P, tn raeto do dia 1 a
lim di) dia 13. .
)\ ALFANHF.A
li.
6:8SS673
54318 il
7:20930i
VOLUMES SABIDOS No dia i a 12. Pruneirapor.tano dia 13. Segunda porta..... Terceira porta..... Trapiche Coueeca> . 11,93o is:i 132 517 28 10,048
SEIIVI) MARITLMU
tUvartnflU descarre'g,Tl:is no trapich
da alfanieira no dia 1 a 12. .
Ditas ditas no dia 13......
Navios atracados lio trap. da alfaadega
Alvarengas.........
N > trapiche Couceicao ......
32
1
93
UKefctfEDORlA DE RENDAS LNTERNAS GE-
RAES DE PERNAMUI',0
RMidimento do dia la 12. 17:9|?*008
Llim do dia 13...... l:28093'i
lt):208^9i2
CONSULADO
Roadhnento do dia 1 a
1.1 -.o do dia 13. .
PROVINCIAL
83:729731
6:238J713
89:988'i'i
AflOViMENTO U m%T
Naoios entrados no dia 13.
Ncw-Yockjwr S. Tliomaz e Para -20 dias, sendo
o ultimo porto 5. vapor americano Verrimack,
ds 2,199 toneladas, coiii.iian lante W Wier
e|uipagem 82. carga varios gneros ; a Icnry
Korster 4 C
l'.ii) de Janeiro 17 dias. barca hespanhola Rosa v
C rm-r, de 339 toneladas, eaplrao Geraldo l'la,
(s/uipageni 13. cargo varios gneros ; or-
ilem.
JRM saliidis no mem i din.
< iviguayana ESCQDB iugleza SiUriiiivIs, capiia i
Danean, carga assucar.
Ma.selha-Barea franceza J<-;n Barth, capitao Le-
livre, carga aesitcar.
RarjelonaSumaca bespaubola Jwe Elizi, ca-
pitao Jayme Pl, carga algodao.
Rio Grande do Norte-Patacho diiiania'.|iiez le-
l ', capitio Jorgeii Uto de Jan.'iro c Uahia -Vapor americauo Merr<-
rtack, c ninaiidante W. Wier. carga parte da
i triuxe dos partos Jo norte.
EITAlS,
EDITAL N. 96.
Pola iuspectoria da alfaudena se, faz publico
t|.) s II horas da maaha do dia 13 do correo o
i |W ta desla repartir i se ha
v.-e de direitos,
de arrematar li-
uma eaisa de marca C M i. T.,
ji. 52, "cntendo 50 du;:ias de camisas de algodi i
oiipeitos de linho. a variadas, viuda do lia-re,
no vajwr inglv. Student. entrado em 30 do m.*z
!> i .aaJo, avahada por 6003. < abandonada aos
-- direitos, por Costa Maia 4 C.
A fandega do Pernainhiic, 13 de fevereiro .le
Wf3.
< i inspector,
Fabio A. de (^irvalho Reis.
ta do auno do nasniMNio de Nosso Sejtbor
Cbristo de IW3.
Ett, Agostlnho Ferreirada.SHva Azovedo, .-scri-
Tao interino, o esereri.
^^ Mantel Jjopet da Cunha jieicret.
O Or. Jos NieelaiT Tlentino de Carvalho, juiz
substituto de orphos do termo do Recife por
S. M. a quem Deus guarde etc.
P$co saber aos que o presente edital viren),
que por este jui/o se ha de arrematar por yenda,
a quem mais der. lindas tres pravas consecutivas,
os bens segiiintes:
Urna casa terrea situada no becco dos Pcccado*
Mortacs, n. 2, com 14 palmos de frento e 3!) de
fundo, porta c janclla, 2 salas. 1 quario c cozinha,
avahada (ior 1:2 Di.
Urna dita dita; tinada no becco de Joao Fran-
cisco, regnezia da Boa-Vista, n. li, com 18 pal-
mos de frente e 64 de fundo, porta e janella, 1
salas, 2 (piarlo*, qninlal, cozinha e cacimba, ava-
llada por 2:00U. '
Cujos bens vo a praca a requerimento do D.
Rosalina de Sampaio Gomes da Silva, inventariante
do casal de seu fin'do marido Casimiro Reis Go-
mas da Silva e foram incluidos em sna nwiaro e
sojeitos as dividas passivas do mesmo casal.
E para ijue chegue ao conlieciinento de todos
niandei passar o presente que ser publicado pela
impreusa e aOlxado no lugar do costme.
Dado n passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco. ios 7 de fevereiro de 1873.
E cu Hypolito Silva, escrivao, escrevi.
' Jos fiicoli'm Tolenthio de t'nrrulho.
Recife, 8 de fevereiro de 1873 Hypolito Silva.
Ao sello 300 rs. -V. S. S. ex-causa.Tolentino
di- Carvalho.____________________________
QCAIITEL DO COMUA.NO INTERINO DO l. DA-
TALHAO DE INFANTAttlA DA GUARDA NACIO-
NAL DO MUNUIPl DO RECIPE, DE FEVK-
RE1HO DE 1873.
Ordem do dia n. 28.
O capitio coinmandanto interino, determina que,
por ordem do Illm. Sr. coronel c mimaiutontc
superior, deve estar formado o hatalhao em sua
respectiva parada, n;i manli do dia 16 do rente,
as 1 horas em ponto, para exercicio e seguida-
mente em todos os domingos, e bem assim que
d ora em diante, qne as retraisicocs dos guardas
que forem recrutados serao feitas aconmanhadas
de sua f de oflicio.
Determina mais aos Srs. commandantes de eom-
panhia que com a mxima brevidade f.rnecam a
osle comman lo urna relacao daquelles guardas,
que nao se quelram prestir ao servico, e que
nenhuma isen.ao tenliam para o exercHo, islo com
a competente declarado de moradia, rom idade,
se fardado e armado.
Finalmente o mesmo cnminaudante interino, d
scienria ao hatalhao, que por portera da. presi-
dencia, de 2G de outubro do anuo prximo passado
publicada em ordem do dia do commando supe-
rior, de 31 do corrente mez, sob n. 83, foi aggregv
do ao hatalhao o Sr. alteres do hatalhao n. 22, da
provincia do Rio Grande do Norte. Jos Rento An-
tones, o qual fez sua apresenta<;ao em dezembro
prximo passado.
Antonio Jos Cordeiro Siines,
Capito coinmandant i interino.
Faculdade de Direito.
Usa
Ju-
95
goopo i*Palacio da presidencia de Pernan:-
!m >, em 11 de fevereiro de 873.
Por esta secretaria w faz pubieo o edital abaixo
t i.iiscripto, do juiz i'.unicipal e de orphaos do
t-rmo de Garanhuns, pondo co concurso a ser-
l -frtia vitaba dos < lliciosde 1.' Ltbeflo e escrivu)
I civel e mais annexi s do dita termo. Os pre-
i-N]>entes devem apresentar no praao marcado em
?tilo edital os seus reqneronentos ntruidis na
forma da lei.
O secretario iutorino/-
Aiolpho Lamenha Liiu.
Dr. Manoel.Lopes da Canlu M'aciel, juiz muni-
cipal e de onnhi'is da villa de Garanhuns, termo
e comarca yo meami nome, provincia de Por-
niBibuco, por s. M. I., que Deus guarde, etc.
Vvty) sabor aos que i preante edital virem, c
dalle witi-'ia tivereiu, Que se aeha cm ooucurio
c dala, para pruvimcnio defiHiiivo, os oficios le
1 tabelliao de notas, esorivao do civel, crime,
iifiidao e ipRas" ir*i de J8I agos ^or fallecimento do serven-
iitarn vitaheio FrantcLs-;o J*sCoi'.iehods Sintos.
O* prctenileute* devrrio no referido |irazo aprc-
elar os mus requer montos cocuetont emente
HMUrotdss, na ftinfcrniidaJi do art. ti do -ecrto 108 Arthur deS Ca.alean-- d Albugueri}'.
i 417 de 30 de anos* de.1831 combinado coui o 109'Arthur de Ronza Carvalho.
t "creto n. 4,668 de o de Janeiro de 1871. 10 Acreliano de Albuquerque f ?. para ano chegue ao qjjjjiccJnKnto de todis 111 Hazio da Silva Santiago.
imndei (*' o-wuma, ftr.'torttido e affixa'ioHll2 Bt-nto Manoel Rfbciro Carneiro Munteirn.
iys lufres-4> ictsimne c iiuMcado p-!a iin-i^liii^tloJSrniUodft^nsi'Anna Curva
fireo^. 1 Carias Arres Irfixa.
4ladn eassada ansia sobradi *ilin de -Gari- lio Oaw>-iKMnyie de Asnino.
nbaLlenaaeroinaic; do inosm jme,jirnT'i- H^Demno lsenla Silva.
<4k|k Peraambttco. ios n diae d^ z de jmfc 117 ?&W Mipn Hetto.
dos estudnnles examinados e Mpranufos
nos exaines ile linjnas em*I9ti.
Francez.
Anprovados plenamente.
i Alt Ion Felinto Millanez Jnior.
2 Abilio Leite Falcao Dias.
3 Adolpho Arcioli Wanderley.
i Adolpho Ta.-io da Costa Cime.
3 Alcides Eduardo Falcao.
6 AlTouso Jos de Olivrira Peixoto
7 Alfredo Eugenio Correia de Oliveir.i.
8 Alfredo Menna Brrelo de Barro- Batata
9 Alvaro de Assis Osorio Mondes.
10 Annibal Aurelio Falcao.
11 Antonio Raptista de Mello Peixoto Jnior.
12- Antonio do Carino Seram da Silva.
13 Antonio Luiz Araujo Maciel Sobrinho.
li Antonio Martins da Silva Pollo.
13 Alchimedes Cavalcante de Albuquerpie.
16 Casimiro Dias Vicira Jnior.
17 Eduardo l'orreik do Reg Ranos
18 Euclidcs de Aquino Fouccca.
19 Eutropo Pereira de Paria.
20 Francisco Antonio Lopes.
21 Francisco de Ranos Wander'ev.
22 Francisco Carneiro Rodrigue- uunpoHo. .
23 Francisco Ferreira de Siqucira Varojlo.
2 Kranrisco l'rancino Al ves de Ajfni I
25 Francisco HygiiiM e Souza.
26 Francisco Ignacio Pereira do Carino.
27 Francisco Paulino de Alnvid Alboqnerque.
28 Franci-co Pedro de Lima Mindello
29 Francisco Romano de Brito Basto--.
30 (tupar Jo Nascimcnto Regueira Cosa.
31 Ger uno Ferreira de Lemos Rabeltor
32 lleoriqne Augusto de Albuquerque Mili'.
33 Honrique Capitalino Pereira de Melle.
34 Honrique Domingues da Silva
33 lleraclio Colombo de Caatalice.
36 Herculano Augusto GoSbalvesda Rocha.
37 llyyino de Rastos Mello.
38 Ildefonso Augusto de Olivcjra e Asewo.
39 Ignacio de Barros Brrelo.
40 Jacintho Rios de Paula Soares.
41 Joao Alfredo de Medeiros
42 Joao Raplista Lins Wanderley.
43 Joao Baptista dos Santos.
44 Joao Capistrano R'beiro de Souza.
45 Joao Ilenriqne Viei'a da Silva.
46 Joao Lopes de >iqueira Santos
47 Joao Lins de Sorra Cavalcante
48 Jeta Taciano Carneiro de .Albuquerque.
49 Joaquim Cavalcanti de S e Albuquerque.
30 Joaquim Homein Rom Pessoa de Mel o
31 Joaquim Mauricio Wanderley
52 Joaquim Pedro Cavalcanti de Albuquerque.
53 Joaquim Pereira do llego.
54 Jos Antonio da Fonceca c Silva
53 Jos Amonio Moreira Dias Junio;
56 Jos Antonio Staiva Sobrinho.
57 Jos Angosto de Souza Amarantho.
58 Jos Candido Sampaio Miranda
59 Jos.1 Fernandes de Salle.- Jcrge
60 Jos Izidoro Martins Jnior.
61 Jos Pinto Koguvra.
62 Jos da Rocba Lima.
63 Jos Umbohno de Albuquerq.;e
ttos
64 Juvenlino Polycarpo Alves Lima
63 Lelo Amzalak.
66 Luiz Barbosa da Silva.
67 Luiz Ruarte Pereira.
68 Luiz Gonzaga de Almeida e Araujo.
69 Macario das Chagas Rocha Lossa.
70 Malaquias de Lagos Ferreira Costa
71 Manoel Espendiao Ruarte.
72 Manoel Correia de Ohveira AndiaJe.
73 Manuel Cleinenno de Oliveira Rsorel.
74 Manoel Maria Tavaics da Silva
7 Manoel Martins $nza Jnior.
76 Manoel Pinto Rrandao.
77 Mathias da Costa Barros.
78 MaximianoFrancisco IlaieisRu.,:
79 Miguel Jos de Brito Bastos.
80 Olavo Angosto de atagaHiiir-s .
81 Pedro Cavalcanteie'Almeida.. -ff
82 Pedro Nolasco dos Reis lima.-
83 Raj-mundo Fernandos de'VaPonre,.:e
84 Kodolpho de Albuquerque Araujo.
8.'i Rodulpho Horges da Siha
86 Rodulpho Marcos Theophilo.
87 Ilomulo Romano Steppie da Silva.
88 Saturaino de Aragao Ebla.
89 Tarquinio Braulio de Souza Amaranto
nior.
90 Telsphor Gomes de Araujo.
91 Theophilo Barboza da Silva
92 Thom Alves Arxa.
93 Thom Francisca Correia de Araujo
91 Themistocles Pompeu de AftWferqne Fi-
Mara'ili.io
Jnior.
gueiredo.
Xtsto Xavier da Craz.
Anprovados.
96 Adalberto Correia de S.
97 Adatberto Vaztle Carvalho.
98 Alfredo Dutra de Souza.
..99 Antonia Alves da Silva Accioli.
100 Antonio Ake:- Vilea.
01 Antonio Fraaeisco de Albuquerque
02 Antonio Francisco de Magallies o Silva.
|o3 Ant inio da Motta Sveira Kntto.
t04 Antonio ^a Trindade Antnnes Meira.
103 Argemiro Alves Ardxa.
106 AristU da Costa Lima.
107 Arthur Ociando da Silva.
108 Arth

iiS'Felippc Ner>- de Siqueira galles, i
110 Francisco Aecloji de Albunuennni
120 Francisco Alves de Souza Carx-alh.
121 FraHclsco*de Carvallio Goncalves da Rocha.
122 Francisco Baci;mo Tehteira.
12) Francisoo Jcronymo do Albuquerque Mar
nh5o.
124 Francisco Jos RabeUo Fifco.
125 Francisco da Racha Wanderley.
1 6 Franci-co de Salles Ribeiro Campos
127 Genescd. Inlles Bandeara de Helio
128 Gutlbonne Ansiaren.
120 Gustavo Aiberto de Brito.
130 Wonnrio de Olrrerra Ribmiro.r n
131 Ignacio Americo de MiMnda.
132 Ignacio Dent d'Avila Cavalcante Jnnior.
133 Ignacio Francisco Coclho e Siha.
134 lldef.inse-ljeiteFalcoDias.
133 trineo Lima-Verde.
136 Jerojiyino Carneiro dos Santos.
137 Joao Pedro lUudeira de Mello
138 Joiiquii Alves de Souza Car*lho.
139 Joauuim de Aaevedo Canitdro ale Siqueira
'arej.
140 Joaquim Juveneio do Amnral e Silva
141 Joaquim Rodezinn de Albuquerque.
142 Jos Alves v ilella.
?43 Jos Antonio Pinheiro Lessa.
144 Jos de Azevedo Maria Filho.
145 Jos de Barros Andrade Lima.
146 Jos Flix Gart-ez.
147 Jos Ferraz Daltro Jnior.
148 Jos Henriqe de Salles Abreu Filho
149 Jos Solano Carneiro da Cunha.
150 i.ibanio Milln de Aguiar.
151 LourencA Caelano de Albuquerque.
152 Luiz Jos Correia de S.
133 Manuel Antonio Pinheiro Lyra.
434 Manoel Brtliolomeu de Linia-
133 Manuel Carlos Mariuck Monteiro de Andrade.
186 Manoel Cavalcante Vioira de Viollo.
157 Manoel Clementino da Silva Pereira.'
158 Manoel Coolno Cintra Rainalho.
139 Manuel Falcao de Azevedo- f
160 Mauoel Feij de Carvalho.
161 Manoel Machado de Albuquerque Qunboim
16 i Manoel Marques da Fonceca "Mello.
11.3 Manuel Porplnrio de Oliveira Santos.
i64 Marcelino Jos Lopes Filho.
163 Pedro Hygino da nnha Souto-Maior.
166 L'crmilo de Araujo Lima.
167 Prescillo Presediano dos Passos Vianna
168 Probo da Silvali
filMIO DMMTICO
NO
CAMPO DAS PRINCEZAS.
Bm5RTrBE\T0 P1ST0IUI
Sob a direccao de
Jr KernHrdint) i'. Biiitic
Sexi-feIrM 14 le Tnvcreiro
rejr^iilacJ
BEJiEFir.rO
OE TODAS AS PASTORAS E PASTORES
OepB rraft a orchestra houv-r execntado urna
brilhaute ouvertura, subir .scena pela pemil
tima vez o lindo drama-sacro em 5 actos :
qs DOS ANJOS.
No qnal toinaiii parte todas as meninas.
Os bhet.w. no lugar do oslunie.
A* 8 1ii horas.
.tuiaTa.
Ki9 Ricardo Pen-lra de Parias Jnior.
170 Rodulpho Ferreira Nobre Palmea.
171 Sebastin Liirs Wanderley Chaves.
172 Thcodoro Decio Correia de Abreu.
173 Turiano Lins Meira de Vasconcellos.
174 Vicente Osear Duarte da Gama.
175 Victorino ToseanoBc erra.
Foram reprovados com attostados41 estudan-
tes : 9 do bacharel Antonio C. Seraphico de Assis
Carvallw, 7 do b;u"harnl Jesuino Lopes de Miran-
da, 4 de Antonio Jos de Moraes Sarment, 4 de
Francisco de Borja Oliveira, 3 do padre Silvestre
Jos da Locha Pinto, 3 de Honrique de Miranda, 2
de Frau'iseo Jos Rabello, 2 de Jos Francisco
Ribeiro de Souza, 1 do Dr. Candido Jos Casado
Lima, 1 do Dr. Joaquim de Oliveira e Souza. 1 de
Manoel Alves Vianaa, 1 do bacharel Fortunato
Raphael dos Santos Bittencourt, 1 de Daniel Al
ves de Queiroz, 1 de Frei Antonio de 5. Gamillo de
Lelhs 1 de Alomo Gom.ulves Meira de Vascon-
cellos, 1 do bacharel anoel Francisco de Barros
llego; deisaram de fazer exame. 7.
I'GUBACUB.
Magnifico drama nr*ritimo de arande* ap|
to em 1 prologo e i actos irna-io de msica,
sas, combate e manobra navaes.
O machuiamn, acenario> mais accesorios %-
tao considMijreimento laejofados.
.0 espectculo de sabbado principiar s 8 l\l
horas c o de doraiogo s 8 horas eni ponto.
r 1
fl
l
I'roposta (oni. carta mcluda). para os c m
{-certos no brigue inglez Lxaiania, entrado
neste porto no dia 5 do"crreite, seeao rece-
birias. no cii|upilu liritannico at ihio dia
na torga-feira II dotorraule.'
' A specificaejo dos- mesmos ocia-sc no
dito consulado, e pode-sever a qualqucr, dia
entro s 11 horas da manha s 4 da tarde.
Rio de Janeiro.
Para o referido porto pretende seguir com a pos-
sivel brevidade o brigue Cecilia Calhunnense, ior
ter a maior_parle de sua carga engajada, e para
a que Ihe falta e osera vos a frote tratae com
os consignatarios, Joaquim Jos i. m.-alves Bellro
A Filho, ra do Commercio n. 5.
VISOS MAfilTIMOS
Baha.
Segu coin iuni'a bre id d para o indi do
porto o veleiro hiato llaribuldi: oa ga e frote
tratar com os Srs. Tasso Irmos A t. ra do
Amorim n. 37.
Rio (raiiiic do Sul
Pretende seguir com muita brevidade para o
referido V"rto o veleiro palhabote Rosita, p r ter
a maior parte da carga cugajaila ; e para a que
Ihe falta, trata-se com os consignatarios Joai|uiin
Jos Gimc^alves Beltro & Filho, ra do Com-
mercio n. 5.
CoiimiiIimIo provincial.
No dia 24 d > corrente termina o plazo para o
reeobimeilto, sera dependencia de multa dos impos-
to? provinciaes, peitencente.s ao a ano fluanceiro de
1872-1871. e que *So abaixo declarados :
60 ris por litro de agurdente ; 1:000.3 por ga-
ranta de bilhetes de loleria ; 21 por cento sobre
estabnlecimentos de commercio em grosso e a re-
talho, fabricas de rap, depsitos, casas de drogas,
boticas botis, armazens de algodao e trapiches ;
{< por cont sobre oscriptorios. consultorios e oar-
torios ; 4 por cento sobre estabeleciinentos C.mi-
mereiaes fra da eidade, photogr:qiliias, Iwtequins,
casa.do pasto, cocheiras, cavallari'.as de aluguel.
'abrirs; 5005 por casa baucaria, einpreza anony-
ma. oti agencia ; 200-3 por casa de cambio;
2:oO pur casa de penhores ; 1:0005 por casa de
joias em grosso; i:000j por estabelecimento ou
escriptorio em que se agencie ou efTectue venda de
p dvnra ; 8U01 pur depecito de kerosene ; 1*5 por
casa que vender keruseuc a niatlio; i'0 por
casa que vender roupa feita, obras de selliro, de
marcineiria ou de.outra qualquer arte, feitas em
paiz eslrangeiro; 1085 por corretor co#nnercial
e agente de l.iles ; 200J por casa de Iransaccfles
sobre esclavos; 305 por casa de modas ; 405 por
cas; debilitar;. 305 por escravo.cmpregado cin
servido de alvarengas ou canoas de carga e descar-
ga no porto ; 15 25000 por bote ; 2JJ00 por eseravo ganhador ;
I6i00t) por carro particular de 4 rodas ; 105 por
di lo de 2 rodas ; 3 pur dito de aluguel; 235
por oriiiiilius; 40J" pe' cano fnebre ; 65 por
carrosa; 85 por cavallo de aluguel ; 2:0 05 por
joalheiro que mascatear na provincia; 201 por
matate ; 505 por tavernas que vender mindezas
ou otrog quaesquer ohjectos ; 55 por eslabelc/i-
raento caniuorcial; 2005 por depai;o de canos de
pedra; 1:3015 por casi 011 agencia de seguros
e 5 por cento sobre o eajiim vendido nn cidade do
Recife.
Consulado provincial, 10 de fevereiro de 1373.
O administrador.
A. Carneiro Maclmdo Rios.
OBRAS TUMCAS.
A connnissao encarrrgada de promover a desa-
propriagao dos terrenos de marrana comprehen-
didos no projocto dj passnio publico,- 1 na da Au-
rora, convida aos Srs. Jos Alves da Iva Guinia-
raes, Joaquim CMradio MuilMilu (hefflciros), Antov
nio Ramos, Francisca Amalia Moreira, v anoel Jos
Ferreira Machado, Jos Luiz do Reg Jos Gon-
calves-Ferreira, que apresenlaram os respectivo
ttulos de posse,a cimparo'-erem na rapartqin das
obras publicas, s 11 horas do dia 22 iin.ire'eii-
vehucnie, alira de concordarem sobre o preco da
desapropriagao.
Reparti.ao das obras publicas, 13 Je fevereiro
de 1873.
o secretario
Feliciano Rodrigues da Silva.
O administrador da recebedoria de rendas
internas geraes, faz publico, a quem convier, que
em vii lude da circular do ministerio da fazenda
de 9 de Janeiro prximo lindo, os livros especiaos
em que se devem registrar as paro.hias os nas-
cimentos e bitos dos fiios livros de inullier es-
crava, na forma do art. 8." ^ B." da lei n. 2,040 de
28 de seternbro de 1871, esto comprChcnflidea
as palavras -d.; registro de na-ciuuMilos, balis-
mos, casamento.- e bitos do art. 13 2." doro-
gulamento n. 4,50a de 9 de abril de 1870. c devem
ser sollados antes de rubricados ou conieearein a
^sfrvir, sob pena de seren revalidados nos tormos
dos arte. 23 n. 8 e3I do mesmo regnlamento ;
permittindo, entretanto, que sejam sellados com i
lava simples de tOO reis por folha marcada no ci-
tado regulamonto, sk- 31 de dezembro do crrenle
anuo, os mencionados livros, que alguns parochu
tenhan recebido ja nihrinanVti e eeme^tdo a es-
rripturarao sera o previo pagamento do sello, por
nao haverem sabido o teinpo desM obriwio ;
send<: a referida pena de rcvadacao applieada
tao soniente aos que se apresentarera depcis da-
quelle dia.
Beccbedoria de Pernambuco, 11 de fevereiro de
1873.
'anoel Carneiro de Souza I.qcrda.
Para Lisboa.
0 novo e veleiro brigue pu'tuguez Dumiao, ca-
pito Pedro Martin- HraniM. o primi-iro navio
a sabir por ter j a maior parte da carga promp-
ta, tem bnns cmnmodos para passageiros : trata-
se eom E. R. Rabello & C, ra do Commercio nu-
mero 48. ___________
-COJU'ANHIA rERNAMWiCANA
DK
\nvpj;acai) coMtelrn a vapor.
PORTO PK RIMA, RIO FORMOSO E TAM.VNUAUK
O vi|K)r 'arahijbn,
seguir para os por-
(<>s cima no dia 15
do corrente s 9 ho-
ras da norte,
Recebe carga, en-
dinheiro a fete : es-
cominendas.
eriptoro ni)
passageiros o dmlieii
Forte do Matios n. 12.
C0.\1 PA>' 111A 'EUN'AMBICANA
DE
\ PARAHYllA, NATAL, MAC.O, MOSsOlto', AltACA-
TY, CEAI1, .MANDAIU-, AC.AUACX'' E fiKANJA.
O vapor Pirapiiinn,
commandante Azeve-
do, seguir para os
portos cima no dia
15 do Brrente, s 5
horas da tarde.
Recebe carga al o dia 13, encomniendas at o
Jia 11, passagens c dinheiro a frote at as 2 horas
Ja tarde do dia da saluda : escriptorio no Forte do
Mallos n> 12.
facilic Skm \wj$& n tapauy
!)\al Sail Steawers.
i. esperado at o dia 16 do corrente o vapor
dosta companhia p.itagonia, o qual nao lera
romuuuiica^ao com a tena, desembarcando so-
ni os portos de-anas escalas.
Para toda e quulquer informara 1 podein dirigir-
se aos agentes W'ilsoii Roa/e \ C.
14-RA DO COMMEHCIO-1'i
Vm hth)
a galera portugneza Firmeza, eapitio Justino Ro-
drigues Cardoso, vai sabir com breyidade por ter
a maior parte de seu ourregamentu pronipto :
para carpa e pas-ageiros, para os qitaes tem ex-
collntes'coinuK>dos, trata-se com K. R. Rabe lo i
SL, ra do Commercio n. t8.
\m\ E NITO
Com pouea demora oeste porto dV-ve seguir
viagera a galera partugiieza A*ia, recebe carga a
fete barato c passageiros, para os quaes tem e\-
oellcntes aceommodacoee : trata-se com Tito Li-
vio Soares. ra do Vigario n. 17.__________
i
SANTO ANTONIO,
;:
Escuna portugueza Cliris-
tina
Vende-se esle navio, novo, de 1' Bisase, pre-
gado eforrado de r >bre, paga eai 13,000 arrobas:
s pretendontes podem ir examinado no ancora-
douroda carne sera I a tratar cot Antonio Luiz
de Oliveira Azevodo & C, no seu escriptorio a rua
do Rom Jetas n. 37. ontr'ora na da Cruz.
Para o Rio Grande do Sul
Para o porto cima pretende seguir com muita
brevidade a escuna portugneza Ckristina, tem
parle de seu carrcgoientn, e jKira o rstanle que
Ihe falla, tntta-w rwn os sous consignatarios An-
tonio Luiz de IMiveira ArevcJo & C no seu es-
criptorio rua do Bnu Jess n. 57, ontr'ora rua
da Crat.
Para o Aiwty 111 diroitura sabe nesles
oilo dias v hiale nacional Maria Amelia, de i"
eiassf. capitio e praoo Francisco Thomaz de As
sis.-j tem uiriide de seu carregamento engajado :
lara o r*to trala-so cora seu consignaurio Anto-
uk Albocto de Souza Aguiar, rua do Amorim
11. 60.
\viso
1
Tasso Irmioa A C, consignatarios do brigue in-
glez Airlo procedente de New-York, fazcm
sciente aos recebedores de carga que o -mesmo
conduz, de mandaren) proceder ao despacho na
alfaudega, para evitar demoras de descargas das
alvarengas, na ecrlezt de que recahiro sobre
aquelles que derem causa a t..es d -seuidos, toda i
as despezas que sobrevenham ao navio.
LEILOES.
fe
LEILAO
DE
rjrageris
para fechar facturas
Sendo: 10 barricas com 1100 enxadas, 10 cai
xoes com 20 dnzias de machados, 1 caixao rom
21 duzias de facas com cabos de pao, 10 ditas fi-
nas sortidas, 13 duzias de talheres com cabos
hrancos, fiO duzias de ditos de dillerentes qnalida-
des, diversas camas de ferro, 1 machina para sa-
pateiro ou selheiro (do autor "Wedel, 1 dita para
costura (com caixa para .cima de mesa), 1 dita
mais pequea. 1 serapluna. 4 pratos de metal
para fructas. 1 rica nava de msica, 1 quadro
com a vista da entrada do Rio de Janeiro, diver-
sas machinas de caf de n iva invencao. e outros
mullos arligos de amostra.
a b m^
s IO 113 horas
O agente Pestaa vender por conta e risco de
quem pertencer. todos os artigos cima, para fe
chamento de facturas e sen) re-erva. no dia sexta-
feira 14 do corrente, s 10 1|2 horas da manha, no
armazem da rua do Vigario n. 11.
Em continuaco, ve ider diversos movis de
urna familia que se retira para a Europa, i inobi-
lia de Jacaranda com tampos ds pedra. 1 dita de
unco, mesas e cunelos com pedra, 1 dita de ama-
relio, guarda roupa, guarda lonca, quidros, mesa-.
cadeiras, e uniros muilos objectos que se achar.io
pateutes uo acto do leilo e no niesino arinazem.
"GRANDE E VARIADO
LEILAO
-BS
O agente Pestaa far leiln, por conla e risco
de quem pertencer, de 20 caixas cora queijos ll; -
mengos e 30 ditos prato, avallados eom agua do
mar. vndos de Liverpool no vapor Slndenl. mar-
ca A LOA* C
Era consequeneia de nao ge tor podido despacha-^
rera, nao hoiive lejlo. e ter lugar boje, as 11
horas da manha. no armazem do Aunes defronle
da alfandega.
a>
MOVIS
e objectos ile 01110.
Iloje
14 locorreutt*.
Sendo: 1 forte inobilia de jacarand.i com tara
pos de pedra, 1 dita de amarello a Luiz XV com
tampos de madeia. 1 dita de faia a Luiz XV con
tampos de pedia, 1 guarda vestidos Je aoiarello, 1
mesa elstica de 4 tahuas, 1 cama franceza de
amarello, 2 aparadores de dito, cadeiras de balan-
fu de amarello, enfaldes, 1 lavatorio com podre, 2
marquezoes, 1 mesa de amarello com cabeceir.is
redondas. s
Correntoes de OUro de lei objectos de muito gos-
to, trancelius, rotas eoni cassoletas, mcios adere-
eos, brincos, alfiuctcs para retratos, ditos de ca-
mafeu, eassoitas, anneis com bril liantes, rselas,
relogios de ouro e prata, sendo todos de ouro de
lei e de gosto moderno.
O agente Martins far leilao. por conta e riseo
de quem pertencer, dos movis e objectos de ou-
ro cima mencionados, que serio vendidos ao cor-
rer do martello.
No armazem da rua do Imperador n. 48, s II
horas do dia cima.
LEIUO
DE
avarii
vinilas polos vapores iaglmeg Gladiator.
Student e 6 SABBADO 15 1)0 CORltKSTK
A'S 11 HORAS DA MANHA
5 O agente Pinho Borges far leilao das segu ri-
tes fazendas : alg do, madapoln, cobertores e
mais artigo, por conla e risco de quera perten-
cer, nn seu escriptorio, na do llora Jesusa. 83,
primeiro andar.
LEILAO
DA
armaco, generse mais pertences dti tavotx
na ii. 99 da rua de Marcilio Dias (antiza
rua piraita].
Nr^iiiMla-Vira 19 lo rorrent r*.
O agente Martins far leilo. por autiu-isae.ui,
da armacao. gneros e mais. pertences da bmi
afreguazada taverna da rua de Marcilio Dias, (a>
tga rua Direito) n. 99, sendo que a casa
cellente acommodacoes para famlia, e garanto**
ao comprador a continuaco e o aluguel rwoaval
porque est'i, '
As II horas do dia cima.
EMPREZA-VICESTE.
MablMulo l
E
( P8DHM))
Ras Rimas repraaeiltate* xtr*r(iriiaf hn
W)
' C0>rrA?iBf peuNaIcTcana
DE
\ui rgariln eoatvfh'i* m v|MMr.
MVCFl, ES0ALA9 Pt.NKUO E Af.AC.UU'.
t) vapor Manduh,
reimmandwte Julio,
sesfoiv fars os por-
tos aginia no da 13
I^-Jh
NAUFRAGIO
do crrante-, as 3
hnrnsai* larde
Berebe carga at o dia la, enewnmertlw-at n
dia 14, passagens 9 dinheiro tm*M as ff horas
da *rde dedta- dn sHWa escriptorio no Forte
do Maltosa.. 12

> "
LEILAO
da,r;ik) Brum, tmi bmnt

fVM> gratis aos conciuti.iiies a o le. lio.
O leilao principiar as 11 Bita* 0111 ini.
Em confiiuajao.
ral liuru da lardo arntlrr
mritMo imeutc :
l.'ra escaler com 4 remos (novoL
lint victoria eifr perfeito estado com arreios
para 2 cavatfes.
Um onbritlet ajuericano,(coberto, de 4 rodas n
arreis.
AVISOS OVEBSOS
INST TUTO HfilIOtfBCO E SED-
graphgd mmmi
Em observancia do artigo 27 dos resjwcti -
vos estatutos, sao convidadlos a niir-si cni
assembla geral todos os soeiu do Itistitttto,
qualquer que seja a sua cathegoria, sabba 1*
15 do corrento fovoreiro, pelas 11 luirs da
manlia, un sali lo convento do Carino, par;
se proceder eleico da mesa administrativa
e das diversas commissos'da casa, que ho
de servir nu anuo social le J87374.
Secretaria do Instituto,'12 de fevereirode>
1873.
.1. SOAItKS n'AzKLKDO,
' Secretario parpetno.
Sociedade PnxpAgadoni da
InstrucQo Publica em
Pernat n buco.
Faz-sc saber s seulioras matricula las uo curso
normal, que os compendios adoptados pela cou-
gregaejo Jos lentes e approvados pelo conselho di-
rector" qne creiiii o dit, curso, sao os seguintes :
GraniniaMca portugneza de Soares Barbosa (o
compendio).
Sellecta ckssica,
Arithinclica dn Dr. Colaco (ultima edico,',
Pedagoga de Daliganlt.
(aitliecisnio de^Moiilpeilier, lii/ies 4e caligraphia,
d> Dr. Lpes Machado,
Historia sagrada deliovauniond.
Assim como se faz tambera saber que a tabella
horaria para as dulcientes aulas a seguinte :
1 UlXtlO.
\." cadena das 7 s 8 horas da noale.
2.' cadeira-das 8 s 9 horas, M segundas, quar-
tas e sabbados. ,
:\.' cadeira das 8s 9..s tercas MrM e sab-
bades.
2." MMTX
1.a cadeira das 7 s 8 hars da notMe.
i." cadeira das 8 s '.'..s segundas, quartas e
sabbados.
3.* cadeiradas 8 s 9. s tercas e scxtas.feiras.
Secretaria do ConseJio Parochal de Smto An-
tonio, i de fevereiro de 1871,
J. Ferreira VUlela,
Secretario.
Una larga do Rosario, rua >l> l,i>ramento,
rua do Rangel, rua Dneita, PMfi da I*c-
iiba e pateo Uo Terco.
IJn moa des-as ras precisa-se ahigar una
casa terrea que leona 2 salas m frunte. anda (|ue
pequea, eu urna patpwna leja com nm andar ou
sotao para a ma, ou o 1" andar cao a-toja, por
tic- unos, panno mais ou meos, dando-se fiador
contento o proprietari sendo os pagamentos
feitos meii-ahuente : quem tiver e queira contra
lar, annuncie por este jornal a ser procurado, po-
dendo-.-e effeetuar o contrato ainda wesmo que
falte mais dias ou rueos dias, a retirada de al-
gtini iuq lint), que por este 00 a quelle motivo a
pretenda deixar._______________
Attenqao.
O- a'niixo assiguados fa/.ein M'ienle ao BObtico
B -|iecialmente aos seu< freguzes, (pie o Sr.
Jos Alexandre Biheio da Cos deixou V ser
ca'iNeiro dos tdasmos abaixo assbjnadoe desde n
dia 8 do corrente mez; por isso ragam aos seus
devedores que nao pagnem conla ale nina en-io a
elles proprto. Ker.ife 11 de l'eveieiro d> 1873.
Jos Vicente de Lima A C. .
E
scraxi
Sabio ba dias sera lieenca de seu senhor. e Dr
Pedro de Araujo Beltro, Salno. pa(e ataranta-
do, de idade 20 anuo, pouco ma s 1 u menos,
baxo, coipolento. caliiios de negro propriathen-
te, testa e olhos pequeos, vista mu to aguda ; foi
comprado nao ha nmil > temp 1 ai captlio Thoma
il 1 '.arvallto Soares llraudio, ou ao Baro di Na-
zarelh : quem o apprebender leve-o ao cugenho
Itonto Vtlho. da comarca de Santo AnUo, qun
ser recompensado ; do contrario darla noticia a
rua do Mrquez de O inda til), y andar._____
Na rua Duque de axias 11. 41 se dir quem
d algn)
cidade.
dinheiro a juros sob hyp Hiea ne-U
Com urgencia
Pivcisa-:e de ama ama que cusinhe e eofnpre
para ca>a de una s pessoil, garntese bom trat
e boa paga : 1 tratar no pateo do 1 armo n. 7, 2*
andar.___________ ______________"
Jos Pedro de Mello e seu irmo Paulino
Bezerra, de Mello Andrade e Lima, rendehros que
for.un do eugeuho boa Sorte,-sao convidados a
appareeerem na na do Mrquez de tHinda n. 4,
a negarte ihj sen interessr^_________________
Sociedade Recreativa Ilar-
monia Luzo Brasileira.
De ordem do Sr. vice-piesidente, .convido a to-
dos os socios para se reunirem nesta sociedade, du-
pa 16 do corrente. a- 9 horas da manlia. ai.i
de legalmjente constituidos em assembla cera! e
tratar de negocios que interessam socioflade.
Sala das sessoe-. 13 de levcreiro de 1873.
.Hipo Tttetra,
ecrfltaiio interino.
Joaquim A. Paiva da Fon-
ceca. .
oiu loja dr a/emlas eua .%gi-
puroau
Pede-se a Cite seuhor o favor de rompa r
na loja di rosa branca rua dadniperatrii n 86,
a negocio de san nteresse._________________
Os abaixo assignados, membros da ele Ja -
d.- ciHiun rrial que nesta praca tom^gyMO s.i.
o firma de Oliveira. Miranda fc C. ivem |
presente fazer sciente ao respeitavel eorpo d->
eommercio que a dita sociedade Toi dwolvida
amigavelmente entre si no da 31 de dezc;
tem ex-de 1872, .retiran lose o socio Oliveira, e fie
o activo passivo a cargo da nova firma, 1!
Miranda & \ieira, coustiluida pilos cut:
CO-.
l'ernambuc. 12: de fevereiro de IhT.i.
Manoel Jos da Suva tmvtn-..
Hieardo ( ordoho de Miranda.
Manoel Jwiqviini Vjeira.
*f.m i>6
_;:jMrtuguf
' Fyreifa,
Para o indieaito pai'to,-
wr Sent.-rians ednwidpos,) (rati-s**tw
ift fb^alrft -BJfr* 4."
Bm movis, rrystas, laatta, earra,
arreios e ana etunler
A SABEB ;
Uro piauno.forte, 1 inobilia de Jacaranda, tape-
tes, jardineiras, etogers e quadros.
Orna cama franreza d- Jacaranda, co?
Iravesseiro?, 1 guarda ronpa de moguo, t i
9 lavatorios, 1 mesa de costura, 3 eoonnodas e
estantes, cabides, 3 marquesas c coht6e-'j, t cama
de ferro, cadeiras e espeshns. 1 la ratono inglez.
Urna mesa clstica, 1 guarda-iouea, 2 apara lo-
res, l cadoiras. Inuca para cli e untar, caga
copos e garrafas de nao eryrtal, objectos de c^
tro piste, 4 bandejas, 1 relogio, 4 quadros, 1
guarda -eomda, me*as, trm de eosinha c maitofi
outros objectos do casa de famttia
miuta-reira O defevereSr
na I*as.-a*o da Magdalena soldado ejn frente a04
oinmandador'Tmbiei.-da SJlvaS'atkius.
li. WjfeiUnaj tO_V de-' ir Europa, le\
llaiUB j*or tatl^^yab do agaala ftnto, o o
lityeuin>mtf*Mee em ufen >do sua
_jw_ P*M*4a-MiiNJalea -tm-mtite a,
clucara do connuandador Maocl d Silva S..
, As 101/2 horas da nutebV pariir da estijao
Vviso.
1
Preci.-a-so para "lim senlior esir:n_ ico. una
tara pouca familia, pie teulia |x |in
e. que seja situada era algn do* aireb.ilde- ou to
passetn n.bond.H ou treiu de Aimpucos, Cau.
A traiar nesta f)rposaflphia:_________________
- !Teclsa-se
tragar vender leit*: lraar*_meo .lo 1
n. 139. toja. ..____
- Ato_O.Jbs Silva de Brasil e fco tose
diiesMndi,>,*or;pfcci..-. ttar-
Uis da Silva Horges. teui .1 de
averna, sita aDi-
a i|dsm s
tabel".
ll do corrente, uo .Vi;r.::n da
('o Donan.~iV ______^
Ho4el Rapha
Precisa se Me um coz'utltoiro : a
Rosurio u. 29.
*
/
^


Diario ^te Pemaatbuco Sexta fiara 14 de Fevereiro >
X
*
FHDIO DE FERRO E BRONZE
FABBICA DE MACHINAS
\ ra h Bar) (roa iiBriui) ns. lila ,M
CARDOSO IRMAO
A V ISAM aes Srs. d grande sortinieirtde fen-agens para engenhos e para lavoura,e qnaesquer otros usos
e raisteres da infitstria agrcola, o que tudo ventera por presos razoaveis.
rOTIliaS para aSSUCar pintadas e galvanizadas,'de iKersos tamanhos.
Vanares honsontaes e vertiles j bem conbecidos nesta provincia e fra (Win, es
^P methores que teem vindo a este mercado.
JMOeildaS ijempletas de diversos tamanhos, ofcra muito torta bem acabada.
MCiaS mOCIlClRS |)ara aeaentrctn grades de madeira.
laiXaS (le ierro UOdaS d agua je diversos tamanhos.
KOdaS 9lta(iaS Je diversos tamanhos oqualidades.
ClOQOertOS concertamcompromptidoquilquerobraottnachina, paraoq'ise teem
sua fabrica bem montada, com -grande e bom pessoal.
MIOOIiWImI'IS "an(^ilia v*r Por encomintnda da Europa, qualquer raacataisrnQ,
piara o que se con-espondem com urna respeitavel casa de Landres
e com um dos melhores engenueiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar sentar
ditas machinas, e se responsabilicam pelo bom trabalho das mosinas.
Ra do Barao do Triumpho ns. 101, 102 e 104
FUSDICAO DE CARDOSO & IRMO
0 abaxe*ssignado previne o-espcita ve! cor-
po do eominerco de un ttw transaccao nenhu-
nia oom uwa le tra aceita peto tesina abbcq as-
ignado-o favor (lo Sr. .Migwd -'Guerra, wr*o ser
o dito Miguel Gfierra deveder "da quantia do um
cont de ris do mesino abaixo assignade.
" V. irarde. .
mtsMk
Prnesa-se de urna eoziaieira para wiia casa
estrawuira : a tratar na roa do Cuuunercio n. 38,
1. andar.
lrMmi.lH.I.- do iutlMM a-
rawento de 8. Jaw do Be-
elfo.
9e ordem da mesa regedora cornudo m irmos
a-se rcunirem n'este eoBsisterkMio dra ti do cof-
rente as 5 horas da tarde afiin,tie n mesa geral,
tratar-se acerca da sentenoa de in*rdicro que a
iralandade acaba de sotfrex.
Consistorio da matriz de S. Jos do Recife, U
de fevereiro de 1873.
<0 escrwo interino,
Jos Pirano l'eira du Lago.
Quem preuisar 4o urna esclava coxinheira,! i mr A Precisa-se de ana
dirija-se nudo fasto Amara a. 6, i" andar. \ M \ saiba Cozinhar jierfoifc
-----------------------------; [\ LTX l_ cora rar para asa *d<
aura que
'aeiente e
para asa 'de hornean
soltero na ra de Pedro Affonso u. "2, antiga
ra da Praia.
Ama de hslie.
Precisa-se de urna que seba-bon. leite, e sera
filho: a tratar na do Buque >ie Caxias, ou-
tr'ora Queimado n. 70.
Precisa se de urna ama pora cozinhar Je
comprar : ra do Dwpie-de-Cotias n. 61, loja.
gel n. 9, andar.
rYeeisa-te -d urna, que eo-
zishc e cngnmmo para urna
s pessoa-: na ra do Ran-
tmq Precisa-se de urna ama para comprar
.1.11 til e cozinhar : na ra a Imperatriz n 5$
AMA
Precisa-se de urna ama para todo
serrieo de-casa e de fra para urna
so pessoa:: a tratar na ra de S.
Franciseo n, 39. > J
QUESFO DO DA.
AONDE EST
0 ARTISTA CABELLEIREIRO
BET
E' rea Prinieiro
m m steres de sua pnAssin.
>'o salao tem bons oflRciaes para barbear e cortar
4099, tra;as, diademas e topetes, tudo da ultima moda.
de Marco n. 7 A, primeiro andar, aonde pode ser procrado para
cabellos, penteados de senhora, co
Ra Primeiro de Maree n. 7 A, primeiro andar.
MUITA ATTENCAO.
Soares Leite 6: Irmo, com loja de miuilczas i rua do Baro da Victoria n. 28 (ou-
trVira Nova) pedem. muita attencao para os prwos abaixo especificados i
MIUDEZAS.
Ahotoaduras para collete a 200 e 320 re.
lkm idem para punios a 320 rs.
,'falheres cabe de viada imilacao a 3-^000
aduzia.
dem idem cabo branoo 2 B a o"*500 a lu-
ta.
l'aixa de linha branca eom 40 novellos a
500 rs.
dem idem de marca a 240 rs.
Mago de fita chineza a 1?000.
Taques modernos a 35500.
Resma de papel pautado liso a 2*800, .!"*,
35500, 45000 e 65000.
Cipa de papel imisade a 800 rs.
dem idem idem beiri dourada a 800 rs
Caixa de envelopes forrados a "00 rs.
dem idem de cores a 300 rs.
I Caixa do peonas Perry a 800 rs.
dem idem a iOO rs.
Livros para notas a 320 e '00 rs.
Redes enfeitadas a 15300.
Tranca de caracol branca, a 400 rs. o
maco.
dem lisas a 200 rs. o maco.
Microscopios [sera vistas) a 25000.
Duzia dc.pe$as de cordo imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couro da Russia a
105000.
Leques para seohoras a 25000, 45000 e
75000^
Vara de tita escoseza larga [hoje grande
novidade) a 45000.
Duzia de collarinhos .bor.lados para ho-
mem a 83WOO.
dem idem lisas a 65000.
Duzia de cachimbos p de gallinha a
25500.
dem
35000.
idem do maileira com tampa a
Duzia de meias para homem a 35, e|5-*
0-000.
dem idem para senhorasa 45 e 75000.
Lamparillas i gaz a 15000.
Grosa de botes de osso para caiga
200 rs.
Grinaldas para casamento a 25 e 55000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 35600.
dem idem idem lisos a 25500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 15000.
Tecas de fita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem de grosdenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira e char-
lte.
Mascaras baratas.
Chapeos para senhoras a 85000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 15200.
dem idem kauauga do Japo a H-200.
dem idem divina a 15200. 1
dem idem Magdalena (novidade) a 15500.
Frasco de oleo oriza o philocome a 15000.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 15, 15500 e
2-000.
^Tnico oriental de Kcm a 15000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem de pos chinez, o que ha de
melbor, 500 rs. e 15000.
Mago de sabonetcs inglezes a 600 rs.
Duzia de sabouetes de amendoa a 25500
e 35600.
dem idem com flores a 15500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
35500.
Agua de cologne, banha em frascos e
muitas perfumaras de gosto o baratos.
QUINQUILHARIAS
Mascaras, brinquemos para criancas, bollas de borracha, tambores, cobras de madei-
a, etc., e muitos object'os queso tornara longo menciona.
8 Una il llars lia Victoria %
PENHOEES
Na tra.vessa Ha rua-
das Cruzes 2, pri-
meiro andar, d-se
dinhehx) sobre pe-
"nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual fbr a cmantia.
Xa mesma casa
compra-se7 os mea-
mos metaesepedras.
^Uuga-se
uiua casa na" povoagso de Apipucos : a tratar com
i .Sr. Ramos, na estacjlo de Apipuws.
Escravo.
' Prccisa-scde urna tserava que desempenhe
as obrigaces de ama de univi pequea familia :
so largo do Paraizo n. 28, sobrado, r
|]|iedltl
W DE
Rape areia fina da Baha]
DE
Moreira & Companhia
O abaixo assignado, nico agente dessa
fabrica, avisa ao publico que tem aberto
o depoito de dito rap, no seu escrip-
torio ra do Vigario n. 21, onde os
freguezes encontrarao sempre a quan-
tidade que precisarem.
Recife, 29 de abril de 1872.
Domingos Alves Matheus. |
WIMS8
100^000
Fugio do engenho Pontal, em Serinhaem, no dia
7 do prximo passado, o mulato Simao, com os
signaos seguintes : estatura regular, corf o secco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descancada : quem o pegaT leve-o ao
seu senbor o tenente-coronel Vicente. Mendes
Wanderlcy no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Rernardino de Sena Pontual, na ra da Madre de
Dos n. 36, que receber a gratificcao de 100|.
Estrada de ferro do Recife a
Sao Francisco.
Pede-se ao Sr. chefe do trafego da estrada de
ferro do Recife a Sao Francisco, que d providen-
cias no sentido de melhorar o sorvico da descarga
e entreg, na estacao das (jnco Ponas, dos gene
ros viudos do interior, principalmente o assucar.
pois rara a remessa, em que nao falta um, dous
e mais saceos deste genero, sendo que em muitos
rtelles ha faltas, as vezes, consideraveis.
Atem disto, -em qualquer remessa ha saceos
j: ertencentes a outros, e, quando sobre isso se re-
flama, nao se attendido.
Nao Dode tal servil^ continuar assim, por jsso
esperamos que o Sr. chefe do trafego, examinando
o que levamos dito, nao deixar de providenciar,
Rfca Re
Joaquim Maria do Camio da Sirva Reg,Ha-
noel da Sirva Terreira, Claulno
da Silva Ferafca, flexandnina
Tbeonia 4e Olvnira, Serafina f reira Guates, Candida Francolina
da Silva Lomos, Vicsiite Fereira
liinies (au-ente ), Affooso J6 deOlivcira, Freds-
irieo Augusto de Lentos, Jocepta Alexandrina da
Suva Ferreira, Joaquim Jos 4e Abreu e Coriolano
de Abreu e Silva, agradecen do mimo d'aina
talas as pessoas que se prestanm a acompaahar
at o cemiterio pnblieo os estos snortaes de seu
presadissimo pai, irmo, cunhado e to, o escrivio
Joaquim da Silva Bego e pelo resentc convidam
a todos os parentes em peral e a todos os .amigos
do tinado se dignem comparecer a missa do 7.*
dia, que deve ser dita no dia sabbado as 7 horas
da manh em a igreja de Nossa Senhora da Saude.
daireguezia do Pogo da PaneMa.
T!
Antonio do Ooto Tieira.
D. Alexandrina de Souza Guima-
mares Vieira, Joaquim Ostergo
Vieira Guimaraes, Maria Thereza
do Espirito Santo, Candida de Sou-
za Guimaraes Ribeiro, Manoel Luiz
de Souza Guimaraes e Joao Fran-
cisco Ribeiro da Silva, viuva, filho,
sogra ccunliados do fallecido Antonio do Gouto
Vieira, agradecem cordialmente a todas as pes-
soas de sua amizade que se dignaram acompa-
nhar ao ultimo jazigo os restos mortaes do seu
sempre lembrado esposo e de modo os convida
para assislirem as missas do 7." dia que tem de
ser celebradas na 17 do correte as 6 horas da m.nha.
Um christo manda rezar urna missa de rquiem
pelo eterno repouso da alma do sempre lembrado
Bispo de saudosa memoria D. Joo da Purifica
(do Marques Perdigan, que semore soube ter em
paz o seu humilde rebanho, trszendo-o na fe e
amor da religio do Deus Padre, Filho e Espirito
Santo: c convida a todas as pessoas que cho-
ra m a falta deste pastor, a comparecerem na igre-
ja dos religiosos carmelitas, no dia lo do crreme
pelas 8 horas da manh, para assistir a este sa-
crificio._______________________________
Paga-se bem
Na ra de S. Franoiscon. 72 precisa-se de urna
ama que cozinhe o diario e engomme com per
feirao, para duas pessoas.
Attenqo
Manuel & C, tendo de retirarem-se breve para a
Europa, vendem todo mobiliado, com piano, lou-
ca, crystaes, porcelana, vidros ele, o sitio d snas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
ros, travessa do Acude n. 2, com 305 palmos de
frente ? mais de dous mil de fundo, todo cerca-
do, com militas fructeiras, j orto de ferro, ca-
cimba, deposito d'agua, banheiro e gaz dentro da
casa, a qual foi reedificada e tem commodos para
numerosa familia; o lugar torna-se rcommendavel
pela pureza c frescura do ar, pea sua situacao
pittoresca e agradavrl e distar pouco das cstacoes
da Casa amarella, Monteiro c porta d'agua : quem
pretender, d rija-se ra Nova n. 23, ou no mes
mo sitio.
tDOLPIIO BURGOS
ADVOGADO
RA DO IMPERAI10R N. 37,
1." ANDAR.
ATTEMC0
Piecisa-se de urna senhora que queira ir cin
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pa sagera e mais despezas, gratificabdo-
se-lhe "o seu trabalho : quem estiver nestas con-
dia;5es dirija-se ra estreita do Rosario n. 9.
Programma
da Testa da Excelsa Senhora
daN Angustias, que se venera
na capeila das Salinas.
Ao despontar do dia 16 do crreme urna .salva
de 2i tiros far lembrar aos habitantes da cidade
que chegado o dia designado para a Cesta da
Excelsa Senhora das Angustia, a qual ter lugar s
1 i horas do dia, sendo orador do Evangefho o
bem conhecido pregador padre Antonio de Mello
e Albuquerque.
A' tarde subir ao ar um lindo balo aereosta-
tico, feito capricho.
A' imite, ser cantada a ladainha, fin Ja a qual
soltar-se-ha diversos baldes.
Na vespera, e durante todo o da da testa tocar
a banda de msica marcial do 9." batalbo de
linha oseolhidas pecas do seu repertorio.,
a segunda ieira ser queimado um lindo fogo
de artificio feito pelo hbil artista Leoncio da Fon-
ceca. A orchestfa ser regida pelo professor
Francelino Domingos de Moura Pessoa.________
Escravo fgido
Do abaixo assignado fugio um seu escravo,
pardo, ou simi-branco, natural desta provincia,
de nonie Joao, cabellos quasi carridos, pouca bar-
ba,-de estatura regular, o qual gostava de (-arro-
gar canecos d'agua para andar vendendo, ten-
do urna verilha quebrada, o qual est fgido ha
tres mezes : quem o pegar tora 5" *0 0 de grati-
ficcao, e leve-o a seu senhor ra do Impe-
rador n, 75, de quem receber a mesma grati-
ficcao ; e protesta o abaixo assignado usar de to-
do o rigor da loi, contra quem o tiver oceulto.
______________Francisco Bautista de Almeida.
Aluga-sc um sitio perto do Reci'e, com
grande telheiro e um quarto de morada, eom
muitos arvoredos de fructo e baixa para capim
proprio para carroceiro : a tratar na travessa
do Queimado n. 3.
Ama e leite
Na ra do Bo-n Jetms, outr'ora ra da Cruz, n.
30,2" andar, preeisa-se de urna, que tenha bom
e abundante leite, paga-se bem.
AMA
Nairua do Fogo n. 11, pre-
eisa-se de urna ama, para cozi-
nhar -e fazer compras.
Preeisa-se de urna ama
par* cozinhar e comprar :
ra do Bario da Victoria
n. 28, outr'ora Nova.
Precisa-se de urna para cozi-
nhar e comprar : na ra Bella
(boje ilha do Carvalho) n. 23 ;
paga-se bem agradando
AMA
AlMA
f*recisa-se de urna ama para
comprar; ra da Cadeia n
53, armazem Uni.io Mercantil.
Terrenos.
EiivHt'bvNfie a 3j, 6, 8i e 104 e palmo, com
fundos para o rio, na povoacao : tratar nos do-
mingos em o Sr. Medeiros.
Aviso
Fugio da ea>a do seu senhor, pela manh do
* de corrente^ o escravo llearique,' idide 14 an-
alcos pouco mais ou menos, cor {treta, dentes al-
voa, gengivas pretas, altura pequea, evou calca
e camisa de risoadinlio, chapeo de palha da trra
eicoes miudas o bem ladino ; consta andar no
ibairro da boa-vista, ou ter embarcado para a
villa do Cabo, e escravo de Francisco Romer"":
quem o apprehender e leva-lo na ra da Moeda
il 33, sera gratificado.
en-
Novo estabelecimento
de joi^.'
Ra do Cabug n. I*.
Nesto estabelecimento se encontrar
um bonito sortimento de joias que se
vendem por tal preco que animar ao
comprador, ltenlo ao vantajoso syste-
ma, ganhar pouco para vender mui-
to, que cortamente til ao compra-
dor e*ao vendedor.
Tarabem se compra ouro, prata e pe-
oras preciosas, bem como se fabrica e g
concerta toda e qualquer obra tendente 9?
4*-
j* a mesma arte.
llloiicilo.
Ama
Precisa se 4e urna am a secca :
tar na ra de S. Francisco n. 44.
a tra-
A TTlfl Precisa-se de urna ama para cozinhar:
x\-lUO) na ra do Sr. Bom Jess das Creou'as
numero 13
Ama de leite
i
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite e
sem filho : na ra Duque de Caxias n. 91, loja de
miudeza< do rival sem segundo.____________
*-' Precisa-se de tima ama que seja boa cozi-
nheira, para casa de um moco estrangeiro : a
tratar no largo de Corpa Santo n. 15, primeiro
andar.
AMAS
Preeisa-se de urna ama que
ba cozinhar perfeitamente e
comprar, pagando se bem ; pa
ra casa de homem solteiro : na
riu de Pedro Affonso, outr'ora na da Praia nu-
mero 10.__________ ^____________
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, que seja forra
e nao traga filho : a tratar na loja de livros ao
p do arco de Santo Antonio ou no segundo h-
dar por cima de dita loja._______'
AMA
Precisa-se de urna ama
reita n, 61,
na ra Di-
Livre
ou escrava.
Precisa-se de urna ama para o servico de duas
pessoas : na ra do Bom Jess das Crioula n
35, sobrado de um so andar, sendo a escada pola
ra do < alabouco.
A Til a XfclimiO rio. familia v..n casa
de familia, sendo urna para cozinhar e
outra para o servico de casa :
de n. 78
na-ra da Soleda-
AMA
n. 11.
Precisa-se de urna que saiba
engommar ou cozinhar :
tratar no Corredor do Bispo
A Tt/T A Precisa-se de urna ama|para o ser-
l*-*31-**- vico de urna casa de pouca familia :
tratar ra da Cruz n. 18, 3 andar. -<->tv
AMA
Precisa-se de urna ama para coz-
i har e i-omprar : a tratar na ra da
Commercio n. 16, i andar.
AMA
Precisa-se rln urna ama para
cozinhar, comprar e engommar
para- duas pessoas : tratar
na ra de S. Francisco n. 31.
No largo do Carmo n. 7, 2" andar
se precisa de urna ama para coiinhar
e fazer compras.
AMA
! 'rerisa se de nina ama para ca-
sa de pouca familia, forra, ou
escrava : a tratar na rna da
Imperatriz n. 5i, loja.
AMA
COMPANHIA
INDEMNISADORA
Em cumprimento do disposto no artigo 19 aos
estatutos da mesma companhia sern vendidas 10
de suas acedes de ns. 261 a 270 Os pretenden-
tes devero dirigir suas propostas, por intermo-
dio de corretores eraes at <> dia 14 do cor-
rente ao escriptorio da companhia, ra do Vi-
gario n. 4, __________________
CARNAVAL
Na Chapellerie des D mes ra do Bar > da
Victoria n, 16, prepa a- e qualquor costume a ca-
pricho, pro rio para o car avel: o gd t d ra
balho neste genero j bem conhecido pelos
m ad 'es do carnaval portanto inut 1 elogia-lo.
O abaixo assignado declara quo comprou a
taverna sita na ra da' Restauraran n. 36, antiga
ra da Guia, livre c desembarazada de qualquer
debito, e pertcncente ao Sr. Genuino Carneiro da
Cunha : se alguem se julgar com direito mes-
ma, auresente-se no prazo de 3 dias, a contar da
data deste, lindos os quaes nao se attender re-
clamai.-o alguma.
Recile, 31 de Janeiro de 1873.
Joaquim Gonfatves de Andiade.
Precisa-se
alugar urna prea efcnivapara aiar com meni-
nos e cnsaboar roupa : na ra da imperatriz n.
37, primeiro andar.
Feitor
No engenho Santos Mendes. precisarse de uro
feikr poTtuguez (iu nariain.il, preferindo-se por-
tuguez, que dcsemi^nl.atniai pagase ba/n: qnetu
estiver nestas circunstancias di ija-se ao dito en-
genho.
11
scrava
Precisa-se alugar >ma escrava qne saiba en-
gommar, etc. : na ra lo Cabug n. 11, loja de
jolas._____________T ______ _
Casas foreiras. -
As c sas dos beccos, dos Peccados Mortaes n.
2 e de Joao Francisco n. 15, que vio praca
pslo juizo de orphos, a requerimento de D. Ro-
salina de Sampaio Gomes da Silva, sao foreiras
Santa Casa de Misericordia de l.oanda. O pro-
curador desta reside na ra da Cruz n. 19, pri-
meiro andar.
O Sr. Antonio Jos Ferreira, tenha a bondade
de apparecer na ra do Duque de Caxias n. 60
A, loja de Bento da Silva & C, successores de
Manoel Ribeiro Basto.
Desappareceu na noute de 19 jara 20 do
correnta?, da freg;eza do Poco da Panella, urna
burra com os sign es seguintes : castanha, car
nuda, tendo a nto esquerda um pouco iuchada,
tem urna marca na sarn la, pr veniente de um
gcrimn : quem a achar, o dola dor noticia
exacta ser generosamente recompensad'.
^________Eustaquio Jos das Chagas._____
Urna senhora competentemente habilitada c
autorisada pela directora da insiruccao publica se
offerece ensinar primeiras lettras, grammatica
portugueza. aiithmetica, coser, bordar, e outres
misteres de sua prolissao, em alguin engenho per-
to da praca : a pessoa que quizer ntilisar-se do
seu presumo, dirija-se praca do (.ande d'Eu nu-
mero 13.
Aiteiico

Pereira da Silva & C, proprietarios da loja do
pavo, ra da-Imperatriz n. 60, rngam a'tidos
os seus devedores desta praca a vi rom saldar seus
d-bitos at o fin do mez de fevereiro corrente ; e
todos aquelles sonhores que se acbam eom seus
dbitos atrasados e nao tivercm viudo pagar du-
rante este prasc, terao de ser incommodados judi-
cialmente.
AlleiiCuO.
Precisa-se de urna ama para lavar e engom-
mar, paga-se bem : a iratarna Passagem da Mag-
dalena, largo do chafanz, sitio com grades de
ferro pintadas de preto, com tres ps do coquei-
ros na entrada.
J?recisa-se de um menino, da 12 a 14 annos de
idade, forro ou captivo, p ira criado de'uma cata
de pequea familia, com tanlo que saiba fazer
compras e entenda de sereo de copelro. A tra-
iar na na do Cipiharibe n. 40._____________
Borracha a 50*000. -------------
Comprase qualquer porcSo de fcrobas de bor- >F *, se de um bomem pera MtfMr
racha, pelo preco cima, iendo de primeira qw-. (lor/de r0(,a e Bm roeniir'> pera recebedor d
JMa;e : ra do Pilar n. 27 i papel: n'esU typograpbi*.
conforme e eaeojexife.
Alguiu rtcebfdoreu
Ao publico.
O abaixo assignado vem. por meio deste annun-
cio, declarar ao respeitavei-blico e ao corpo
do commercio, que o estabelecimento de fazendas,
situado em: Apipucos, pertencente ao mesmo
abaixo assignado, e nlo a Antonio Mendes da
Fonceca Parva.
Recife, 13 de teveieiro de 1873.
Joaquim A. Paiva da Fonceca.
Amassador.
Precisa-se de um que* saiba bem deserapenhar
sen lugar, na padaria da Magdalena ao p da
ponte grande : a tratar na padaria da ra da
Imperatrit a 66.___________'_________
Omnibue para o Barro.
O proprietario da linha de omnibu partirina
oue no dominao 16 4o eerrente, dia da festivdade
No dia 5 do corrente mez ausentou-se do cn-^
gento Sapucaia de Beberibe o mulatinho Athana-
sio, raca caboclo, anda pequeo, mas bejn nu-
trido e forte, idade 14 annos, bem parecido, muito
esperto e ladino, um tanto gago, foi visto na esta-
cao da ra da Aurora, quando salta va do trem de
Beberibe, anda po tanto vagando as ras da ci-
dade, pelo que roga-se a sua captura.
Aluga-se urna casa nova de tijolo com.cajm-
modo para grande familia, com grande terreno
cercado, na Torre perto da margan do Capibaribe:
a tratar na ra da Imperatriz n. 74.
#;;@
Na ra da Imperatriz n. 47, 1* an-
dar, urna senhora tendo j grande pra-
tica do cnsino, recebe discpulas de
piano, m sica e desenho.
Quer-se alugar urna escrava para o servico ex-
terno e interno de urna casa de pouca familia : a
tratar na ra do Imperador n. 25, 2o andar.
Precisa se de um administrador pratico e de
pouca familia para ngenho distante 9 leguas da
praca ; a tratar na ra do marquez de Olinda n.
60 2." andar, ou em Olinda ra de S. Bento
n. 24.__________________________
Escravo fgido
I0S000 de graifirad.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos anws,
crilo,e bastante ladino; este preto per/cito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esteve no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourenco da Malta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano 4 Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
I'oale-se tudas as autoridades o capitacs
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, loja de mitidezas do Rival sem
Segundo, que receber a gratificac,o cima de-
clarada.____________________________
Aos Srs. de engenho
Fugio no 1* de Janeiro do corrente anuo o es-
cravo Martinho, mulato de cor alaranjada, natural
da ilha de Itamarac, altura regular, fornido do
corpo, cabellos um tanto acaboclados, com um
talho na testa entre as sobrancelhas, proveniente
de um couce que levou em pequeo, pelo que se
torna bem conhecido; tendo mais if una das ve-
rilhas, ou em ambas, cicatrizes hein viziveis de fo-
ridas em consequencia de buboes que sofl'reu.
Este escravo andou fgido mais de um anno, ten-
do sido capturado nos fins de novembro de 1872,
no lugar d'Agua-Fria, do termo de Olinda, quando
vinha do engenho Mussupinho, do termo de Igua-
rass, para um sitio em Beberibe, lugares esses
onde elle mui conhecido e costumava trabalhar
a jornal, dizendo ser forro e chamar-se Joaquim;
tanto que em Mussupinho tratado por Joaquim
Butijo. Ha toda certeza de ter este escravo con-
duzido ltimamente de trras d'aquelle engenho
urna mulhcr livre, de cor preta, chamada Josepha
(com quem dizem se ter elle casado durante o
tempo da primeira fgida) com um filho de pon-
eos mezes e um quarto magro com cangalhas e
cassuaes, tomando a direccao de Pasmado, onde a
predita Josepha tem um irmao alii morador, ho-
mem preto, conhecido por Ignacio Cabaco. A'
vista de taes predicados, pelos quaes se torna f-
cil a Captura do sobredito escravo, rogase aos
Srs. proprietarios de engenhos, que tenham em
lembranca este annunrio, dando suas ordens a
que .seja elle agarrado, por onde de presente pos-
sa andar, e condazido a esta cidade ao terceiro
andar do sobrado n. 3i da ra das Cruzes, onde
encontrarao pessa autorisada para o recebar e
bem gratificar. .
Aluga-se o sobrado e sitio que foi do
fallecido Nicolao Hartery, Ponte d'Ucna:
a tratar no escriptorio de Matlv.'us Austin
C, ra do Commercio.
a\luga-se o primeiro andar do sobrado n.
12, sito na ra de Marcilio Dias, outr'ora ru.i
I invita : quem pretender aluga-Io dirija-se ao
mesmo sobrado, no segundo andar, cu ao primei-
ro andar do sobrado n. 36. na mencionada ra.
Aluga-se
urna casa na Torre por um preco inutfo rasaavef,
com os commodos seguintes : 2 salas, 3 quartos e
cozinlia ; a tratar na ra do Marquez d Olinda
iL 66 1.' andar.
Precisase de um menino de 12 a 14 anno.
para caixeiro : na padaria da ra do Rangcl n. 9s
Aviso.
200#000 de gratificcao.
No mez de outubro do anno prximo passado
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nomo GuiHierme. o qual tem os
signaos seguintes: 23 annos do idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris um pouco arquiado,
cabello crespo, altura e corpo regulares, ps com-
pridos c seceos, com algumas marcas do ferida
pelas costas : levou coir.sigo um cavallo casanho-
rosilho, tendo no lado diireito esta naroa E.
esconlla-sc que tenha seguido para a cidade da
Parahyba. Roga-sc s autoridades policiaes e ea-
pitaes' de cam(>o a captura do referido escravo,
que poder ser entregue no dito engenho ao seu
senhor, Emilio Pereira de Araujo, ou nesta pra-
ca, ao respectivo correspondente Firmino Correa
Pe?soa do Mello, ra do Apollo n. 56.
0
0 Promptido, asseio e
economa.
Francisco Jos Cordero, alfaiate, par-
ticipa ao respeitavel publico pernambu-
cano, que abri a sua olcina na ra do
Baro da Victoria, outr'ora ra Nova, n.
encontrarao trabalho pelo gosto da Eoro>
pa, c por procos muito menos do que em
outra parte.
*
s
0
9
0
gk 46. primeiro andar. Espera ser procu-
J5 rado dos cavalheiros do bom gosto,_ pois
9.
&
0
&*000&-&*8-00&
Est fgido desde o dia 23 de jtmho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bucar. Tem um peque-
no signal de cabellos no queixo; e no braco di-
reito as lettras L. F. N. Sabe 1er, trabalha de
pedreiro, euvernisa e pinta.
Este escravo tem um irmao liberto, que traba-
lhava (e pode ser que ainda trabalho) de machi-
nista de vapor n'um engenho de Abreu de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e capitaes de
campo que o prendam e facam-no conduzir ra
da matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde rece-
bero 150/000.
ksaisQ^saiSD. ^q>3S5V3$
O Consultorio medico B
cirurgico.
Dr. Jlo Ferreira da Silva pode ser
procurado p ra o exercicio de sua pro-
opera-
antigo
do
Rosario n. 10.
Consultas das 9 ao meio dia e das 3
s 5 horas da tarde. Chamados a qual-
quer hora. Gratis aos pebres.
w, procuraao p ra o exercicio ae sua prt
O lissao em geni, o especialmente oper;
| eocs e ii olestias cirurgicas no ant
_) consultorio de seu pai, a ra larga d
Caixeiro.
Precisa-se do um caixeiro com pratica de taver-
na : a tratar na ra do Marquez do Herval nu-
mero 160.
Sociedade Beneicente Luso
Brasileira.
Sesso extraordinaria da assembla geral no
dia 15 de fevereiro s 6 lj-2 da tarde.
Por ordem do presidente e em nome da direc-
tora da mesma socio lade, sao convidados todos
os Srs, socios e candidatos approvados para as-
sistirem a sessao cima, afim de apreciarem a
representarlo que a mesma sociedade tem lie
enviar aos poderes do estado, contra a seita je-
sutica pedindo a sua expubao, segundo foi de-
liberado e approyado na ultima sessao.
A questo por doma s grave, porque nao m3
interessa aos_ consocios inacons, como a aquellos
que o nio sao, visto que a perseguicao se apre-
senta em massa, e por isso de esperar que
ninguem faltar a ella.
Recife II de fevereiro de 1873.
0 1. secretario,
Bento de Souza Mira.
Engenho
Arrenda-se o engenho Cidade de Pars, silo na
freguezia do Cabo, distante tres legoas da estacao
de Olinda, letn muito boas obras, bom d'agua e
de excellente produeco : a tratar com o proprie
tarto, ni sitio S. Fidelis, no mesmo engenho.


i
Aluga-se o 2." andar e sotao da casa n. 3t
da ra do Visconde de Itaparca, outr'ora Apollo,
com commodos para numerosa familia : a tratar
na mesma ra n. SI com o Sr. Bento de Freitas
Guimaraes.
O *r. Antonio Carlos de Almeida'qu ira por
sua bondade apparecer na roa Duque de Caxias
n. 60 A, loja de Bento da Cunha & C-, suc#esse-
reB de Manoel Ribtiro Bastos.____________
Offerece-se um homem com pratica para
todo e qualquer trabalho de compo, ou para ade
ministrador de ngenho, u sitio nos arrabald-s
desta cidade u fra delta. O mesmo se offerece
para caixeiro nesta cidade, porm tem pouca
pratica, ou ensinar primeiras letras a meninos f-
ra desta cidade : quem precisar dirija-se rna
Imperial n. 22, que achara com quem tratar.
Aluga-se
O primeiro andar do sobrado da ra
82, com bons commodos para familia
na loja do mesmo.
Direita n.
; a tratar
Sitio para alugar.
Aluga-se um sitio na Capunga ra das Per-
nambucanas n. 23, tendo boa casa de vi venda,
cocheira, estribarla, arvores fructferas e agua
potavel: tratar na ra da Imperatriz n. 9, pri-
meiro andar. *'
Attencao.
Tonu-se a quuitla de 800*000 dando-se urna
de Nossa Senhora da Conceicao, havari ometHos boa escrava, cozinneira e lavadcin, pelo juro de
pira aqnelle lugar as 7 horas da manhi e 4 da j dinheiro : pessoa que quizer fazer este ne
urde, voltandO a nwt-i epois-do fege. I co, dirija-se a ra do coronel Suassuna n
GABLETE
Medico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. ?3, ANDAR
O.DB. NNES DA COSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPEdALIHADES.
Molestias e operages de olhos.
Car radical e ioitaotaDea doi
estreitameoto di uretra.
Consultas :
da manb3
Cbamados
Das
7 is 10 horas
A qualquer hora.
Mncedade Propagadora da In*-
truecao Publica eiu Pernam-
buco.
Tendo o conselho director da parochia de Santo
Antonio do Recife de inslallar o Curso Normal
para habilitaran de senhoras no dia 15 do corren-
te pelas 7 horas da noute no edificio da escola
normal ra de Pedro Affonso, antiga da Praia,
sao convidados para lao solemne acto todos os so-
cios desta o das outras parochias, que se acharem
no Recife.
Podendo acontecer que, anexar dos bons dexejos
c deligencas do conselho, escape ou se dajsenca-
minhem os convites expedidos as differentes asso-
caedes litterarias, scientificas, e artsticas e de be-
nelictmcia que existem nesta cidade; autoridades
civis, ecclesiasticas e militares, clicfas de tepart-
<5cs, professores e professoras pblicos e particu-
lares, o mesmo conselho. director tem a honra de
convidar pel presente annuneio a cada urna den-
sas associagocs e pessoas para assistirem on faxe-
rem-se represenTar n'essc acto de grande futuro
social c poltico.
Depois da installaeo e dos discursos ofilciaes
scr.ncrmittida a palavra a aquelles socios da Pro-
pagadora, ou seus convidados que quizerem cele-
brar as vantagens do tal iustiiuicao, ou tratarem
da instrucc.io popular. .
Secretaria do conselho director da parochia e
Santo Antonio do Recife, 10 de Janeiro de 1873.
iodo Fafeiva VilMa,
secretario.
Attencao.
Aluga-se o armaze* e o primeiro andar da
casa n. da ra do Bom Jess : tratar eom
Cramer Frey A C.} n. 6i, da mesma ra.
Na roa do Aragao n. 32, contina a fazer en -
commendas tanto para casamentos como para bai-
les, como sejam : bandejas com bolinhos e coc
armaco, ditas com pastes de nata, bom bocea-
do e aletria d< ovos com armafo* boto ingle,
pio-de-l, podings semedo, penis, tombo clieio,
e empadas ; tambern se prepara prezuntos de di-
versas qualidades. Recebe se toncommandas de
bouqurts de cravos para bailes e eaaameotos,
com eaixos de gomma e figuras. Encarrega-e
Jo preparar qualqoer mesa, tude con aceto e
perieicio : quem pretender pode dirifir-se a
qualquer hora do dia que achara com quem tra-
tar.
ATTENCAO.
ToaM.-e a quantia de 5"0jOOO, dndo-se ana
boa-eserava eoeinheira e lavtdeira, pelo Juros do
diaheiro : a "pessoa que quiter ftuer ete awfocje
dirija-se ra do Coronel Suassuna n. Mi.
-
i

'

-
r



Diario dcPemambuco Sexta teira ude 'evereiro ue 1040.
/

l

MOVID^IDE
PIANOS E MSICAS

AITOHO JOSfi DE AZEVEDO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. andar, antiga ra Nora-
donde o pubtco em grai "enconara Ve*/*6 wiaor e mais esPlentltio sortlet* mptam
Pianos, msicas 6 instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Tambero receben fraude ortimento de msicas pir piano, plioo
canto e entre ellas as lindas composicdes do mailo sympatbico maestro
F. SA VMM
Acabi de abrir no primeiro andar do sobrado n. 13 confronte i
botica Maarer, ao i;rande saiao onde esli expdstos os mafnincos
M A IOlS de armar.o, de Pleyel.
- de meia canda, do truismo autor.
-------- de H. Henri.
-------- de Amede Thibont
Onico agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FOES
A SABER
Voc me quer Walsa.
Olga Mazntka.
La Separacioni P*ra eaoto.
A Lu elctrica, grande Walsa.
Illlmas pnbllea^des
remiados em diversas expsitas om 14 medalhas de onro e praia.
Sao os onieos pianos qoe aqni vem da Europa, perfeitameote afina-
dos, fetos corn ciegan:ia e solidez..
D'aqui emBdiante continuar a annnneiar todas as publicacfas que se forem frzendo as soas offlcinas de msicas.
Franco Brasilero Polka.
Tomada de Vllela G'lope.
Joaoinha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Mmha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studente Po'ks.
PeiUs as ofBcinas de mosteas
o aBnoneianle.
EmHia, polka por I. Smolti.
Circaciana, schotcb, pw Smoltt.
Jardim do Campo das Prie?za,
quadrilha, por J. Poppe.
Chuta de Rosas, Walsa, por H. Al
bertazzi.
CAUTELA!
MEURON&C.
A^MSAU*
m
COMPANHIA
l)OS'*
TIULHOS IffiBANOS
DO
naife Olinda e Beherilie.
Compra, de solipas.
No escriptorio desta com-
"panhia, comprase constante-
mente a prcoos razoaveis,
solipas de otreica e sapu-
caia, das segurles dimen-
s8es : coropriraento 10 pal-
_ mos, grossora 9 pollegadas,
grossura 4 ditas.
Contrata-se com o abaixo assiguado na esta-
cao da r> a da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
de 1873.
O gerente interino,
Laurenno Jos de Miraivla.
Suppresso dos trens das 5 horas
da maulla.
Em consecuencia da completa ausencia de
passageiros, ficam supprimidos os trens que
partiam s 5 horas da manh das esta<;oes
do Recife e de Olinda, contar de sabbado
15 do corrente em diante.
Escriptorio da companhia, 8 de fevereiro
de 1873. .
O gerente interine,
Laurentino Jos de Miranda.
PHARMACIA
TORRES.
O abaixo assignado, pliarmaceutico pela facul-
dade de medicina da Baha, participa an respeila-
vel publico e aos senhores mdicos desta capital,
3ue tendo comprado a bem conhecida pharmaeia
o finado Torres, sita ao pateo do Terco n. 135,
sorto-a de medicamentos novos c preparados es-
peciaes fraocezes dos melhores autores, assim
como avia qualquer receita a qualquer hora do
dia ou da noute com toda promptido, esmero e
asseio sem fazer subslituicocs.
Recife 5 de fevereiro de 1873.
Manoei Thomai Pereira do Rege.
MOFINA ,
Esf encouracado!!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivlo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada diste jornal, em
fina de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
flm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu fllho se
achava nesta cidade.
Moleqoe.
(I'wsa-su alujar um iik>l.

nos : a tratar no aTina em do CawjMe
Imperador n. 28.________
Camisas francv.as brancas a
.1 I i u-
a I la (lo
Avisarse
a quem der noticia da escrava uilhermina que
foi do tenente-epronel Felieuio Joaquim tus San-
Ios, e depois comprada ao Bario de Na aretti, re-
presenta ter 21 annos, tm falta de dentes na
frente e as maos eom cicatrizes de quenudura d?
gaz, secca do corpo, muito regrisia, que desippa-
receu da casa de sobrado n. 26 da ra dos Coe-
Ihot, que,ser generosamente reeomiiensadu.__
AOS 5:000|000.
Estao venda os felizes bilhecs da lotera |la Ba-
bia, na nasa felizj do arco da Conceico, leja de
ourives, no Becife.______________________*
No dia 19 do corrente Janeiro de 187.1, au-
sentara-se do lugar denominado Acude do Matto,
da freguezia da Gloria do Goit, a prdta de nome
Thereza, altura regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente superior na frente, em con-
seqnenei dos ter muito separados c serem li-
mados, soffre crvos nos ps e no rosto teni umi-
tas sardas salientes como bermejas ou berrugas,
levou vestido de chita verde, una eoberta di- chi-
ta, e duas mulatinhas ambas tildas da mesan,
urna de nome Rogeria, de 7 annos de idade. cor
clara, cabellos annelladns, os olhos mrbidos e os
dentes da frente lacgos, e a nutra de nome Ma-
rta, de 17 luezs d idade, menos clara, tesla sa-
liente, olhos pequeos, cabellos igual a primeva ;
ambas sao pertencentes ao Sr. Jos Eleuterio da
Silva. Suppoe-se ter ido em procura de un fi-
Iho que foi o anno passadn vendido ao Sr. Harao
de Nazareth por ter deseido pela estrada de Pao
d'Alho, e sem dnvida ir passando por fo ra ior
motivo dos lilhos : a pessoa que a tiver em sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer-
ta, ser generosamente recompensada ; para in-
formal.! es ueste tvpographia.
MEDICO-CIM1GIC0 *
1
*
%
nos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
FREA, devem, para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON C.
*rl
TI
Escravo fgido
Ausentou-se, desde o dia 2 de fevereiro deste
corrente anno, o preto de nome Benedicto, de 1
annos pouco mais ou menos, crioulo, bastante
ladino, falla mansa, cantador de modas, bom
carpina, estatura alta, espaJaudo, barbado, um
pouco tato, tendo a testa pequea, falta de dentes
na frente, ps feios, e com urna cicatriz ou mar-
ca por cima do pe esquerdo, que foi um talho de
toda largura do machado, nasceu no engenho Bu
jury de Goyanna, tendo passado ao Sr. Luiz Ca-
valcante de Albuquerque, morador na cidade de
Goyanna, onde tem m i e parentcs, e deste ao
Bxm. Baro de Nazareth, tendo tambem pass do
muito lempo no Recife, levou em sua companhia
um menino orphao, de 13 annos de idade, pardo
claro, bom cabello e calado, cujo menino tutel-
lado. Pede-se a todas as autoridades e capit'es de
campo queos pegando leve-os a ra da Pen a n. 5,
ou no engonho Fuma, da freguezia de Santo Amaro
JaboaUo, que ser generosamente gratificado.
Eseravos fgidos
200#0C0
Ausentaram-se dous eseravos irmos, sendo um
de nome Lourenco, com 26 a 27 annos de idade.
estatura regular, cheio do corpo, cor clara, ca-
bellos estirados, rosto redondo c sera barba, levou
calca e camisa branca, chapeo de feltro preto.
O outro de nome Andr, da mesma estatura, mais
riovo um pouco do que o outro, tendo os mesmos
srgnaes do irmo, sendo comprados : Lourenco
ao Sr. Claudino d'Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, da provideia da Parahyba ; e Andr ao
Sr. Joo Francisco Gomes de Arruda, da comar-
ca do Limoeiro, tendo fgido aquelle no dia 21
do corrente (Janeiro), o este hoje 30 do mesmo.
Suppoe-se que seguiram a estrada do Limoeiro
Serra do Teixeira. Roga-se a todas as autorida-
des pobciaes e capitaes de campo, que os appre-
hendam e os conduzam ra do Apollo p. 30,
armazem de assucar, que se gratificara com a
quautia cima.___________________________
Precisa-se de urna negrinha para andar com
urna enanca : na ra Dircita n. 8, segundo an-
dar.
Dr. J. II. Curto
OPERADOR E PARTE 1KO
Ra do Mrquez de Olinda n. 23, pri- 9t
meiro andar. &
Consulu das 7 horas s 10 da nianhi **
Chamad is a qualquer hora.
Acha-sc fgido desde o da 12 de dezom-
ro do anno prximo passado o moleque Altino,
de 15 para lo annos de idade, com os Biguaes
seguintes : cor fula, seeco do corpo, olhos vivos,
pernas finas, muito ladino, levou vestido calca
n camisa de algodo de lMras; suppoe-se elle
andar mesmo pelo Recife, ou pelo matto, na fre-
guezia de Ipojuca, no engenho Pinilerama, onde
tem um i mo forro : loga-se a apprehensao do
dito escravo c leva-lo em Olinda no sitio deno-
m nado Jardim Botan eo, aos seus senhores, que
alm de gratos, rec mpensaro generosamente.
O bacharel U. Luiz daSilveira, pode
ser procurado todos os dias uties, das 11 ho-
ras da manha at as 3 e meia horas da tarde,
na ra do Imperador n. 27 2. andar, quer
para os misteres de sua profisso de advoga-
do, quer para os seus negocios inteirtimentft
particulares.
2,? teju |>->uca avaria.
f) Viaiina s wmI- por HWfctdx dr eu valor 3*
faa-n.t is qoc (tilfl nmtufitr >' P** '" nil;ir
rkuressa que peeliimba : ra larga dj Rosa-
rio ii. ti. /. ___________
Camisas francezas de creto-
nc de cores a 55:
peclrinclia poMiq >e vende*)) a 5/ : ra
larga do Rosario n. ti toja do Vianna._______
Madapolo avafiado
a31et()00 : amada Uonmnriz n. o<\ luja
da rosa branca. _______
Chicard
Amaral, Xaliuco 4 C vendem trancas, franjas,
lauliioulas, domadas e plateadas, du todas asqua-
lidades e larguras, voltas prateadas, de todas as
qnalidades e larguras. I riiieos, cabelleiras bran-
cas, calcas de meia de aigodao c de seda, capace-
tes (Je tiassa e de metal, etc. ote, e tudo quanto
necessario para fier-M um rliicard, ultimo vest
jai io, o mais moderno e b de mascara, gosto francez: no bazar Victoria,
ra do Bario da Victoria n 2. ^^^
Fio de algodo da Bahia e cal de Lisboa, rc-
cenlemenie chegado : ha para vender no cs-
erfptorio de Joaquim Jo i GodmHm Beltro i Fi-
nio, rua do Hoi muere io u. >_____
M\
i
O uaalh?o d Soruig, em
lilas : r-o c<- da A' Ts*" Irrnifs & t
cixis e meias
i; armazem ie
Excommungado.
Acab de sabir a luz e acha-se venda e-ta
linda polck da actualidade, composico do muito
sympathico maestro J. Poipe : rua Nova n. 11,
armazem de msicas do Azevedo.____________
Escravo fugiilo,
Fugio no dia 8 do corrente, c dJseonfia-e ter
embarcado como forro e de nome trocado, em
alguma das barcadas que do dia 8 10 saliiiam
deste porto para o norte, o escravo Benedicto,
mulato alvacao, de 38 40 annos, grossura de
corpo e estatura regulares, c com urna grande
ferkia na canella esquerda. Este escravoja fugio
e passou por forro com o nomo de Manoel, na
estrada nova do Caxang, oudep.r dous mezes
estove homsiado : quem o capturar pode mnda-
lo entregar na rua da Iurperatriz ao Dr. Nabor,
ou no engenho Cunhah, dtltio Grande do Nor-
te, ao Dr. Amaro Carneiro Bezerra Cavalcante.
Rua larga da Rosario n. 22.
" Mais pecliinchas.
Baptis s, hunda mu o lina d bonitis cores de
*1*.00 a 500 rs. o covado.
Cas as iiiiiito boiritas i e 0.'0 rs. a 280.
Pares de botes de i iaj lino para punho de
I .. a 2i0.
Maco de pentes de alis r de 2i00 a U.
O Via na s vend o qoe barato e bom, anv
d ni depre sa or.iue o barato todos q.muecr
Borracha
para limas, a nieliur a mais nova do mercado
1600 rs. a libra : defroute daallandega u. i.
Colchas
para canias, que vale.mSi._a "i
ca, rua da inineratrit n. 96.
na rBN bran-
Madapolo avariado
largo e muito bom, que val 81, a 55
branca, rua da Imperatriz n. M.___
na roa
Um hotel venda
Dispfre-se de um hotel em exceliente localidade
desU cidade, bem montad.) e muito afreguezadn,
por se adiar doente e precisar tratar-se o dono :
quem quizer dirija-se rua. larga do Hbsario n.
30, que se dir com quem se deve negociar.
Mesa elstica.
Vndese nina ptima mesa para jantar, inpleza,
muito bem construida, e elegante e por preep ra-
zoavel; armazem da Travessa do Cmpo Santo n.
23.
Itl
FUNDICAO DO B.OWMAN
RUADO 8RDH I. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS. senhores de engenho e ostros agricultores, e empregadjres de ma-
obiDismo o favor de orna visita a sea estabelecimeatu, para verem o novo sortimento
cumplen qoe abiiem; seado todo superior em qaalidade e foriido; o que coma ins-
peocao pess >al pdese verificar.
ESPECIAL ATTENCiO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
UatuiTM A rnlas d'il.O'fifl. dos nMi* molerno8 w** em ta
apuro s w uuao uagun maobos convenientes para as diversas
ctrcoMftancias do seniwres proprietario e para descarocar algodo.
Moendas de canna SJS "lamaDh08' "melbores qM aqoi
Bodas dentadas *m*mym'*?'
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos
Bombas
para mandioca e algodo,]
e para serrar mideira.
Podendo lodos
ser movidos a mi
'por ago* vapor,
ie patente, garantidas........ fon animaes.
Todas as machinas p^8^06 MC0B,ama prMiM\
de macbiiiismo, a preco mui resumido.
no mer-
Fas qualquer concert
Formas de ferro ^^^'->m"#ri,to^
Vn/inmmntiilafl Iocumb-se de mandar vir qnalqoer machinismo von-
JBiIiV JlliuiUllUlaS. tade dos clientes, lembrtndo-ffees a vantagem de fazerem
ion comprai por intermedio de peisoa entendida, e que em qotyuer necessidade pode
lht prestar inxiiio.
Arados americanos e MtromeDlo **
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
QUESTA0 DO DIA
(E" pela boiga que melhor se
goverva o mundo).
Grande agitacao I... Todos fallara I.... gri-
tam I... escrevem I... lasmam-se!... cno
rara... e nio comem? nao bebem ?
Eis a confusao!!
Meditemos, pois...
Al viraras I... Alegrai-vos, bella e heroica ci-
dade do Recife, que vai desairar sobre a caneca
de cada um de vossos invictos fllhos urna nuvem
prende de mgicas inspiraefles a veracidade
deste annunck).
Queris conseguir os fins? empregai os meios :
apurai a vossa imaginadlo, vasar na vossa intelli-
cencia urna gota de inspiraco e Qlereis resolvido,
fulreinado aquestao do dia,f
O abaixo assignado deixou de sei procura-
dor do Sr. Lenidas Tito Loureiro.
Recife, 10 de fevereiro de 1873.
Jos Luiz da Costa Gomes.
Escravo fgido.
Contina fgido o escravo Luiz, que tem os se-
guintes srgnaes : li annos de idade, pouco mais
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinhos, rosto redondo, tem urna per-
na indiada e levou roupa de embarcadico.
Presume-se que esteja no engenho Sant'Anna, em
Santo Amaro de Jaboato, onde tem parentes. Pe-
de-se a todas as autoridades policiaes c capitaes
de campo, que o appreliendam e o conduzam]
rua do Bario do Trrumpho, antiga do Brum, ns.
92 e 94, que sero generosamente gratificados.
Queris ?
Pois bem, fortificar os pulmSes, desempedi a
larynge, rgentinai a voz, adquir o dom da per-
suaso e finalmente abracai sem hesitacao a por-
tentosa inspiraco que vos offereco e tereis forcas
suficientes para discutir, convencer e.. .ierrvbar,
para sempre a magnaquestao do dia.
Queris ludo islo ?
Vinde ao muito preconisado armazem do Cam-
pos, rua do Imperador n. 28, e comprai certas
e especiaes vidual has, (exquisitas e excitantes)
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquecendo
os inissimos e calmantes licores, lembrando-vos
dos rarissimos o delicados acepipes, (alem de eu-
tra'lmvitas eousinhas boas que fleam oceultas
nestes.....para despertar a curiosidad dos aman-
tes da....) veris que depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos apparecer
urna tao enrgica inspiraco (cousa inaudita) que
vos considerareis metamorphoseado em algum
propbeta, abundando a vossa imaginacao de cal-
culos infalliveii que vos farao resolver em um
pice o grande problema que prende tio forte-
mente as vossa* attencdesquestao do dia.
!
jVeMe caso l vai:
Com a barriga vasia
A caneca arde, enfraojaeee,
O coro treme, varilla,
A rano dcsajjparece.
N. ^28 rea do Imperar N. 28
Quem precisar de amas secca ou de leite,
dirija-se ao pateo de S. Pedro n. 3, loja, que
achara com quem tratar.___________________
Fugio hontem, 27 do corrente, o escravo Be-
nedicto, mulato, cabellos carapinhos, corpo grosso,
baixo, olhos grandes e muito flor do rosto, sem
barba e representa ter 18 20 annos.
Este mulato natural da Parahyba, tendo sido
escravo do Dr. padre Moura e por este entregue
ao seu sobrinho padre Moura, coadjutor da fre-
guezia do Cabo, jrara vendo-lo, como de facto ven
deu-o ao Sr. Joao Pedro de Mello, e este a mim ha
onze dias.
Quem prende-Io, poder conduzi-lo rua da
nutriz da Boa-Vista, casa n. 31, onde ser gene-
rosamente recompensado.
Perdeu-se
hontem 1. do fevereiro um relogio de senhora,
juntamente com um alinotc tudo de onro, cesde
a prafa do Conde d'Eu, aterro de Boa-vista, pon-
te, rua do Baro da Vi toria, Cabug at a rua
!." de Mareo : quem os adrar e quizer entrga-
los, podc-o fazer na prai.-a do Conde d'Eu n. 9,
1. andar, que ser gratificado.______________
Companhia pernamb ucana
de navegacao costeira
vapor.
l'elo presento sao convidados os senhores accio-
nistas desta companhia a reunircm se em assem-
blca geni no dia 2i do corrente a 1 hora da tar-
de no Io andar de seu predio n. 12, afim de cum-
prir-se o disposto no artigo 24 capitulo 8 dos es-
tatutos.
Becife, 12 de fevereiro do 1873.
Os d rectores
Paunders Brothers & C.
Keller & C.
deVAUOUELIN
Resullt das observ6es colhida? pelas siunmi-
dades medicas des hospilao^ de Pars, que o Xarope
pcitoral balsmico d distincro e Ilustre professor
Vaiqi'f.i.in empregado.com successo sempre igual
para curar :
1S IWUUOUfOES SOS BRONCHIOS E iniCfOES DO PE1T9
conliecidas polo nome de
BRONCHITES AGUOAS 00 CHRONICAS
tsTHUis, oppntssor^, cata*rhos
Defluios, Tosses ieU.'ldcs, Exncco da voz.
A M ASS A, pelo seu uso fcil o agradavel salwr, um
precioso medicamento para as pessoasque viajara, oh
sao obrigarias a [aliar muiln. Pars, Pharraaci
VAUQUELIN-DESLAUlUrRS, rua de CUry, 31.
ItfuiUta i.Us1s fhimicii asu de DrJt.
nico deposito, aoude se acha avenda
casa de P. Maurer 0.
Rua do baro da Victoria a. 2o.
Mulatinho.
Vcnde-se um mulatinho chegado do sertao, 'en-,
do 13 annos de idade e proprio para qualquer
servreo: a tratar na loja do Patio, rua da lmpt-
ralriz n. 60._____________________________
ilaiiual de contas feitas
Na linaria eneydonediea rua do lianmez de
Olinda, antiga ru da Cadeia, vndese o bem co-
nhecido e approvado manual de eonfas feitas para
o mercado de assucar, por precos muito cotn-
modos. ___
Borniclia
A I#800 a libra : na rua ireita n. li, esquiui
do bocea de S. Pedro. .
JARROS
:um tripas e debuda de
:sda um : to arrna;em
raa do Aroorim n. 37.
Vcca icfieza a 4/000
de ra-( Irai s & C,
Vcnde-se
**3
Travs
Desappareceram ou urtaram do porto da fa-
brica de fiaco e tecidos na Magdalena, tres tra-
vs de 40 palmos, na noute de 9 para 10 do cor-
rente mez: quem delles der noticia no mesmo
porto, residencia do commendador Barroca, ou na
rua do Mrquez de Olinda n. 4, soF devidamente
recompensado. :________
Fulseira de ouro perdida
Na cidade de Olinda perdeu-se urna pulseira de
menina, ent e as roas de 8. Bento,. Pac Castelha-
no, S. Pedro at Mathias Ferreira : pede-se i
pessoa que a achou o obsequio de mandar entre-
5ar na mesma ddade ao Sr. Jqstino Campos roa
e S. Bento, que ser gratificado.
Aluga-se ama boa casa terrea nos arrabal-
des, em Olinda, segunda casa do lado direito jun-
to a ponte, por preco comraodo : a tratar na rua
do i'respo junto ao arco de Santo Antoaio, loja
B. 7 A.
Aluga-se
o armazem do sobrado n. 8 da rua de S. JeSq,
proprio para negoc'o ou offlein* > marcineiro,
cara loa, etc., por Breco commodo : a tratar no
largo do Carmo n.1.___________________.
Na fabne* de eerveia a'rna do Brum, pre-
eisa-se de tfabalhadorw.
na
CAZA DA FORTXAl
RUA 1. DE MARrjO OUTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20:000$000.'
O abaixo assignado tem sentpre exposto venda
os felizes bilhetes do Bio de Janeiro, pagando
promptament, como costuma, at o premio de
PreM.
Inteiro......."24*000
Meio.....'. -12J000
Quarto....... 6000
Manoel Martins Fiuza.
COMPRAS.
Compra-se um carro americano de dous as
sentos, e prompto para trabalhar : na rua do Im-
perador n 12, primeiro andar._________
Compra-se penas de'ema
da n. 19,1* andar.
na rua da Moe-
VNDAS.
duas casas feitas d laipa e em mo, es-
tado, edificadas eui ohos proprius, r.a es-
trada do Caxang e muit prximas
povoayao, tendo o terreno 100 palmos J;
frente e tundo sullieiate para se edificar um bom
predio e sitio, por ser o mgaf um dos mais altos
da dita povoacao : a tratar'eom o commendador
Tasso.
Popelinas de seda a 800 rs. o ovado^s no
jardim das Bosas, rua da Imperatriz. n. 54 A.
Vend-se
Cera de carnauba em sae -
dre de Deus n. .'i: 1." andar,
ii.. raa da Ha-
Veada-se
Urna mnbilia de Jacaranda, em bom estado :
na rua dalmpeairiz n. i, i." andar : i tratar da
i as o horas da tarde.________________ -
Carnaval.
Naehapellerie des danies
se recebe toda e qualquer encommenda de fae-
tos para o carnaval. "O pessoal deste estaleci-
mento acha-se augmeniado, alim de que possa ha-
ver toda a pontualidade na entrega das obras.
Ba do Bario da Victoria n. 16, ______
Vendc-se urna iimbilia de Jacaranda com
tampo de pedra, muito forte e nova, assim como
mais alguns movis : a tratar na rua do Quei-
mado n. 103.__________________________ _
Vcnde-se o hotel da rua da Senzalla Velhi
n. 18, com muito Iroa^ freguezia por ter seu
propiietario
mesmo.
de tratar de sua ande : -a tratar no
E' barato
12 carreteis de linha branca por 400 rs.
3 gravatas bonitas por 11000.
j peca de. bio bom por 500 rs.
1 nisso pente ^r l4'W. ..
1 par de botos de plaqu por 240 rs.
Tor estos presos s vende o Vianna, rua larga
do Rosario n. 22. >
Bois e earrocs
Vende-se na rua Augusta n ie\ dous bois gor-
dos e duas" carrosas de quatro rodas em perfeito.
estado, e dous encerados das mesmas carrocas,
estas proprias para carregar assucar na esta^ao.
Qo/m qu'zer dirija-se casa cima indicada que
far negocio,

VENDE-SE
urna {averna no pateo da Santa Cruz n. 2 por
cau de sua saude : quem pretender appareca na
mesma.
i
Vende-e tres eseravos : sendo 1 preto de 43
annos, proprio para sitio o para todo servido
descasa, 1 preta de 22 annos, de importante fi-
gura, de^boa coiidurta, sabe engommar. cozinhar
e coser, tudo muito bem, e urna negrinha de 13,
anno?, bonita Agora e cora nrinclpk) (te habilida-'
de : na rua de Hortas a 110.
Vende-se
barato, ou troca-se por lijlo e terna um escravo
de 50 annos, possante, proprio para lio ou para
engenho : na rua da lruperatri', n. 43, i* ai
Cha preto e verde",
Vonde-so no bazar victoria cl preto e verde
de muito boa qualidade : na rua a> Bario da
Victoria n. 2, loja de Amaral, Nabuce C
i,.'.
X


"6"
Diario de Pernambuco Sexta feira 14 de Fevereiro de 1873.
x
Fazendas
,N. 60 Ra da Iniperatriz N. 60
DE
PEREIHA DA SILVA & C.
Ten-3o o proprietario deste importante estabelecimento, grande vontade de liquidar
to Jas as fazondas que tem em ser, tom resolvido vende-las por presos muito mais baratos do
que se vendara em outra qualquer. parte, c*m o iim de apurar dinheird, razio por roe con-
vida o respwtavel publico a vir sortir-se, nao s de um avnltado sortimento de fazendas.ep
ei, como tambera de granas sortimentb de fezendas finas e dos mais apurados gostos.
K previno que^s vende a dinheiro vista, por estar em liquidado.
fRF\\li,I\K jOFFICIN DE ALFAIATE NA LOJA DO
COA? USTIUS DE SEDA A 800RS.O COVADO Neste grande estabelecimento encontrar
0 Pavao recebeu um eleganto sortimento o r speitavel publico, orna bem amatada offi-
das mais lindas granadinos.pretas cora listras cia de alfaiate, onde se manda ejecutar
de seda do cor, tendo catre ellas com listra qualquer peca de obra, tanto para hotnein,
roxa propria para luto, que vende pelo ba- como para meoinos, cora a maior pres-
ratissimo prei;o de 800 ris o covado ; assim tesa e perfeicao assim como para qoalquer
como dita milito fina com hstra encarnada, lulo quede repenteappareca, teodo names-
que vende a 17000 ris o covado. Ksta ma ollieina om perito official destinado para
fazeuda voio pelo paquete c tugado ultima- farda dos I!m. Srs. ofliciaes de guarda ns-
mento da Europa, e liquida-sc na loja do ciond ou tropa de linha, sendo esta oficina
Pavo .-1 ruada Imporatriz n. GO. dirigida pelo hbil artista Pedro Celestino
C&IBRA1S IBERIAS PARA VESTIDOS A Soares de Carvalho.
97000 e 10,7000 RS. j ESPARTILH03 A 3|J0O0.
O Pavao : "!j-mi um elegante sortimento O Pav5o tem um grande soilimento de
das mais finas cambraias brancas, abortas e esoartilbos, tanto para senhora cano para
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- menina, qbe vende pelo barato preco de
ratissimo presos do 9?, c 107000 rs. o'33000. Ditos rauito finos a 430 JO e 40000,
corte, teudo bastante fazenda.E'.pochincha,< sio do i mais moderos que tem viodo ao
na loja do Pavo amada Iinperatris n. 60.
EASIMIAS BORDADAS A 400 RS.
O COVADO.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
das mas lindas lisiabas transparentes com
florzinhas bordadas, tendo de todas as coros
imdusivc roxa propria para viuva, e vende
pelo baratissimo preco de 400 rs. o covado.
E' pccnineliaiialoja do Pavao a ra da ira-
peratriz n. 00.
GRE.YUMNES A G40 RS. O COVADO. >
O PavitO recebeu um elegante sortiinenlo
das mais lindas granadinos protas com listras
bramas e do coros, sendo milito boa quali-
dado, e vende polo baratissimo preco de oGO
rs. 8 00* i lo. E' pocliiucla na loja do Pa-
vao a ruada Imperatri/. n. 00. .
COSERAS DE l'CSTUt ACOl.XOADAS A
4-OO RS.
O Pavao recebeu um grande sortimento
de cobertas grandes de fustao, acokoadas,
guarnecidas com franja om volta, tendo bran-
ease de todas as cores, e vende polo baralisM-
mo prego de i, rs. E' poehiacha na loja
do Pavao a ra da Emperatriz n. 00.
CHAPEOS PARA SE3H0RA A 125000 RS.
O Pavao recebeu um elegante sortimento
dos m lis modernos chapeos do palba, rica-
mente entenados, para senhora, com os seos
compe utos vosr e vendo pido baratissimo
proco de 129000 rs. .'peehmcba na loja
do Pavao a ruada [mperatriz n. GO.
LAS MODERNAS
O Pavo vende um bonito sortimento de
,\.iniias listeadas, sondo das mais modernas
quetcmvindu ao mercado, peidbaratissimo
;o do 5*00 e 800 rs. o covado. E'pe-
chincha na loja do Pavo a rua da Impora-
Un. 60.
ALPACAS I.AVRADAS A 040 RS.
0 COVADO.
ChegOU para a loja do Pavao um elegante
- ii lim Jntd das mais bonitas alpacas do cores
tarradas, sendo as cores mais modernas que
; mi viudo para vestidos, e unde-se polo ba-
ratissimo prego de 640 rs. O invado. E'
pechincha na loja do Pavao a ruada luipo-
ratrij n. 00.
t'arles* tle cambraia. iilai vi O Pavflo recebeu polo ultimo vapor de
Europa cortes de cambrain branca co:u ba-
bsdinhos ricamente bordados, tendo fazenda
suficiente para vestido de qualipier modelo,
estes vestidos sao os mais molemos que tem
rindo ao mercado, e peta sua excessi va bara-
i /i, toruam-sereommendavois as sonhoras
dcbomgosto. Bazar do Pavao, ; ruada
Imperatriz n. 00.
i.::v;os a 40D t dezia.
0 Pavao tem una grande
11 >r$ao de len-
6 brancos com barra de edr, muho bonitos
e boa qoalidade, que vende por'9100 por
gr .i. l.'oin'ao,
Ditos t-Tlos brancos abaiu'nados muito fi-
i 27SO0.
Ditos cbinezea com barra de cor, muito fi-
ne- a :J-.>f)'>. E' grande p bincha, na loja
do Pavao.
iio-'iieira a 3-OOO.
O Pavao recebeu pelo ultimo vapor, um
luido sortimento do romeiras pelas de fil
Sflipicos, com lindos eneites prelos o de
cores, exonde polo barato prego de 3-5000
cada irn, por fer grande porgo.
Dito, to los de seda ricamente enlejiados a
44000.
'ARA O CARNAVAL.
DoIUH*
O Pavi'Otemum grande sortimento de d-
minos >ie todas as qualidadet gostos, proprios
para o lm:) iv d, ten lo tambem do merino
escossy. muito interessaotes, que vende ou
alaga por preces muito barat is, por tor gran-
- d porgo,
LEXgO'ESDE BR IMANTE.
O '.'' ji v;nle lences da bramante mui-
t" gr- les, ?;ndo deum panno ?, pelo ba-
-;- 13 nro;i de 25*00' oada om.
MADAPiLOES.
Pecis de ra*.d-nolao francez moito Gno
coa 20 jardas a B05OC e OOO.
Ditiscm 24 jafdas maito superior a
6|S04iyQ>.
Dio rusrfe* fazenda mu-j fina 53000,
65 WX) e. 6 #30 at 1 tfOOU.
DitiS i* jr ;'Z"? e infflfZ's muito. fiaos de
i i jardia para differan s pr^^os.
ALGODOZINHO.
P^vSo veoiie por praco muito baraW
a-g.'-; ri a^ota-zmbo americano muito
bom e^r, 18 j irlas 4300*.
Dil i cuai 24 jardas a 4500 e 53000.
at 05-): i0.
Dito l?rgo marca T muito encornado a
63'X)0. "
LGODAO ENFE3TAD0.
O l'av.i vvrids n v-rJ^d-siro e 8Uprinr
algo! oji'-no (] ssn h i.',.-_fn.-orpado i 15 00 cada van.
D't di ni;\ui ia-gaia l*8i).
CORTES ur. CUITAS A ^i-Ofi t& I
0 '-fSo wii- iuiri-i .le rriitas fr*n<
S*' d? ?5i 0 c-dteorie.
Di-s com li cov,,a..i ieio preco d^
3J880 cada corte.
mercado
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS. .
CHITAS A 240 RS.
O PjvIo vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazenda, com
padroes claros o escures, pelo barato pref)
de 240 rs o covado, por ter om leve to-
quj de mofo : pechincha.
LIQUIDAgiO DE CALQXS DE CASEMIRA
O Pavao t :rn um grande soriimento -de
calcas de casemira de todas as cores e qoa
Itdades, para todos o; precia, e desejindo
mnito liiuida-las, resolveu vende-iaa por
em prego muito em conti, para diminuir a
grande poroso.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vende bonitas cassas fraHceza*
com bonitos padres, e de umita pbantasia
pelo baratissimo prego de 240 e 280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinbei-
ro, grande pechincha, na loja do Pavao.
BOURNUS A 165)000.
0 Pavao recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
al boje sao conbecidos, e m relacio ei-
cessiva baratoza, convidam-se as Esmas. Sras,
para as vercm, para assim admira rom o qne
ha do mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 69000.
O Pavao vende cortes de cambraia branca
com listas c lavoros da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
prego do 6-?000, por ser grande peobincba.
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 8?000.
Ditos ditos com listas de cores 49000 e
59000.
Ditos do cambraia branca com 20 metros
de babadinhosde cores a 99000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENTES
0 Pavi vendo sopenor bramante de I-
ST ido tendo 6 palmos de Iariur3 que s
percisa de 1 '/i vara para uai lengo!, me-
;:-o 15600 o a vara 1^800.
Dito de linho puro superior muito-encor--
oso" > com a. mosrai largara a vara 25400
Di toa franceces maito finos a 25500 e
1500.
Pega de Hamburgo e panno de linbo com
iO e 30 varas, para todos os pre{os e
quadade.
Pegas de bretaotti de paro,linho, ten lo
!J jardas pelos presos mais barato que se
em vi-to.
Pechincha de aissimo esguiSo socelena
90ID 8 jardas 75300.
Pega de fioissimo ce'.c-na com 30 jardas
i ?550, atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de hr^ura a vara 25' 'f'O.
CALCAS DE CASEMIRA.
O Pavao tem um grande sortimento ds
:alca de cas9mira, as?im como cortes o
mais modernos qne tem vinio nos ultimo'
ii;nrioi e em fazenda da3 mais finas e mai-
oovas ao mercado,.e vndese por barato
prego para apnrar dmbeiro assim como cal
as de brim braono e de c>*es por pregas
muito razoaveis para a:abar.
TNICAS PRETAS.
O PavJo recebeo om grande aortimentd
das mais ricas tnicas de grs 'preto, rica
mente enfeitadas, e venda por preco rzoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3550000 AT 605000.
O PavSo recebfu um lindo sortimento
dos mais ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com todos os enf*i
tes necessario?, e vende pelos preces d*
355000 at 605000, n3i t*m violo noda
mais rico nem mais moderno.
AUcntao!
A IADRESILVA.
Prtwja da Idop^adencia
ns. 38 e 40.
Acaba a fadresilva de recebe? diversos
objectos, como aejain > %
Ricos aderegos-de modrcperolu brancos e
de cAres.
Diademas de madrapereta, ditos dourados^
ditos de massa ou bufado, ricamente enfeita-
dos, oruzes fingindb brilhantes, cassoletas de'
plaqu com voltas e sem ellas, imitando
ouro, pulsciras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
eabelfo, smido botboletas, besouros e beija-
flores e-outnrs martas qnalidades, tudo de
muito gosto, rico sortimento de gravatinhas
do lagos para senhora, sendo velludo, sarja,
setim, ga/.e, escossezas e de urna s cor, fa-
zenda intoiramente novidade.
Lindo sortimento de leques de marlim,
madreperola, tartaruga, ditos dourados, com
soda e sem ella, alm destes de outras nui-
tas qualidades, que enfadonho seria mencio-
nar, tanto para senhoras como para me-
ninas.'
Rico sortimento de punhos c goTlin
bordadas em cambraia de linho e camizinhas
bordadas para senhoras.
Bonitas guarnigOBS ou dragonas para en-
feitos de vestidos, assim como os muito deso-
jado conloes de seda, fazenda inteiramente
novidade neste mercado.
Rico sortimento de caixinhas com prepa-
ros para costura, sendo de tarapas de crvstal
e de outras imiitas qualidades e tatnanhos,
ditas para porta-joras, porta-extractos, ricos
porta-relogios, porta-charutos, porta-cinza,
tinteiros, castHfes, tudo sao objectos de
plaqu, proprios para presentear a qaalquer
pessoa, assim como diversos objectos para
escriptorio, facas para cortar papel, carteiras
para notas, enixas para pbospboTos, caetas
bordadas clisas, maracas para criangas, si-
ntes para abrir tiranas, emxascontendo ua
caeta, um lapis e tira caivete, agulheiros
e dodaes, todos estes objectos sao de marfun,
ftzenda inteiramente novidade, assim como
outros muitos que s a vista dos pretenden-
tes so podero mencionar.
Vestuarios para, mangas, chapoztnhos de
seda, sapatinhos de merino e solim, mcias
de seda e dealgodo, brancas e de edres, tu-
do para baptisados.
Rico sortimento de babadores para crian-
g-as, ligas do seda para senhoras, k-ngos
brancos com ramageus, meias de seda para
senhoras e meninas, ditas de fio de Eseossia,
o melhor quo se pode desojar, assim como
meias de l, proprias para senhoras.
Rico sortimento de escovas com costas de
baleia, marchetadas de madreperola, para
roupa e cabello, c de outras muitas quali-
dades.
AGCLHAS E LIMAS PARA MACHIAS.
A Madresilva acaba de reeber um com-
pleto sortimento de agulhas e linhis brancas,
de cores o protas para machinas, dos fabri-
cantes Grovcr A Bakr's, assim como agulhas
de todas as qualidades e linhas de seda para
bordar e para crochet, ricas capellas com
veos e som ellos para noivas, fil branco com
bonitas ramageusemi 7 palaos do largura,
fazenda especial: s na Madresilva.
Rico sortimento de flores de laranja cm
ramas o sepas, de todos os tamanhos, paral
mfeitcs de vestidos de noivas.
Ricosorfmietito de collarinhos e punhos
bordados o lisos, de linho c algodo, para
horneas, assrui como Chapos de sol com
castao de maiim, eoutros muitos artigos.
TEM A MADRESILVA
bonito sorlimctito de jarros, castigaos com
pingentes, garrafas e copos para espiritos,
frascos, garrafinhas de diversos gostos, pro-
prias para toilettes, assim como acaba To re-
ceber um completo sortimento de espelhos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, de 3 a 9 palmos de altura c largura
C0STDR4
Qhegaram ao Bazar Universal da ra No-
va b. 22, om 'sortimento de machinas para
cosiera, das melbores qualidades que existe
na imerica, das quaes muitas j sao bem
condecidas pelos seus alstores, como sejam;
Wer & Wdson, Grover Boka, Silen-
ciens, Weed t Imperiaes e outras muitas
qae com a vista devero agradar aos com-
pradoras.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalbo que trinta costuroiras podem
fazer diariamente e cozeui com tanta per-
feigSo como as mais perfeRas cosiureiaa.
Garntele a sea boa qnalida le e ensiuvse
a trabalhar com perfeigo em menos de urna
hora, e os precos sao t> comm..dos qne
devem agradar aos pretndante*
MASCAR
Amaral, N'abuco C. avisam a ranazraila car-
navalesra e aos habitantes do Calm, Aii|iue,
fptarass, Casa-Fale. Limocfen, Afufrad", (JojSBf
na, Santo Antao, Haurgili, Vinzca, Olind.i. Mo-
torolomb e aos deSJais amantes ilo rarnaval que
reelieraiii um conpleto sortiment de mascaras
de papetio, sera, seda e rame, para qualijaer
carcter ; e fi'anps. trancas domadas e pratea-
das, cabelk'iras, lantejoulas. voltas etc. Vndan-
se ^io Dazar Victoria, ra do Barao da Victoria
n. r
B.
ji
i
V
un
iii
i
Amaral, Nabuco & C. acabam de recober da
Europa pelo ultimo vapor o seguale, e convidan)
s Exmas. senhoras a virem ver:
Ricas chapelinas para visita, de palba, feltro,
velludo c seda, a Rabagares Montpensrer, ultima
roodj.
Cli ipos de palba para passoio.
Enfcites de seda, de cores e para luto, para ca-
cera de Sra.
Costantes de cambraia para Sra., eonteudo ves
tido, ehapo de cabera e de sol, tudo da mesma
fazenda e de iguaes enieites.
Cortes de vestidos de la o. seda, de cambraia
bo dados a^ullia, pintados e estampados, c de
banti.-ias de cores.
Bagantes guarnicoes de cores para sonhora,
eonicado I par de brincos, 1 allinete, i pulceiras,
^ diadema e urna borboleta para cabello.
Leques de madreperola, branco e queimado coi
de rusa, laranja etc. ele. lisos e bordados.
Leqnos de inarfim, lisos, bordados o com seda,
Loques de tartaruga.
Leques de raadeira, sso etc. etc.
Veddeni-se do Bazar Victoria, ruajdo Carao da
Virtorian. 1 ________^^__________
^a padaria allouu'i na na da Guia n.
5i, tenl pora so vender o seguate :
Emitas de tres dmerentesqualidades, foi-
reglar.
A MADRESILVA
acaba de recober m especial sortimento de
luvas de .louvin, brancas, pretas e de cores,
para homons c senhoras, assim como tam-
bem para meninas e meninos do 3 anuos
para cima.
BG.W.AS.
Rico sortimente do bonecas de todos os
tamanhos e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba de receber um rico
sortimento de bordados em cambraia de li-
nho, frfzt'iida- inteiramente novidade neste
mercado, sendo babados e entremeios.
Finalmente, a Madresilva, alm dos arti-
gos que vos tai mengo, tem outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, porisso a
Madresilva espera que vos digneis visita-la
mais a miado, a qual vos ficar sempre
grata.
Cheguein qiianlo antes!!
A5$!l!>A!S000!8See01
Liados cliapos campestres, da ultima moda,
para senhnra, s na ra do Duque de t'a-cias n.
GO A, loja da esquina, do Bento da Silva & C.
CORTINADOS PAHA CAMAS E JANELLAS
A tfSO'), 85000 E IOJ003.
0 Pavo tem uin grande sortimento de
cortinados para cama e jaaeltas, que veo-
de oelo barat. preco de 70500; 85000 e
I-O0OOO o par, tendo at por 185090, assim
como colchas de damasco para camas de
noivos, e grande sortimeoto de tape'es tan-
to para 4cadeiras como para camas, pianos,
oortas. etc., tndesvende por precos razoa-
els,
CAMBRAIAS.
0 PavSo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 20500 e
300 0.
PCa de dita mnito fina com *0 jardas
'.anto ta.iada como transparente a 40000,
10000 e 60000 at a mais fina qae vem
o mrcalo.
CORTES DE PERCALIA COM DASSAIAS
a aooo.
0 P*v5 om duas siias, send f?enda de mu.t>
costo ?i 45000,- 6J.ecfi niqa.
BMTISTASDE GltvNDK NOVIDADE
O Piv3f) vmde um ^'a.ide 'SottlnTStj'O
d-siriiis m,)d^rnn. t>: oi-'aicom lista-fie
cor, pr ipritfpira^ i ., nomascorerm;a
tj..Q v rcado seaflq
tu a.)i;laraFd)'p i-cmastrBceras,
BV'.aia -so '{Mora.
'caa ovado/
Vende-se o sitio da estrada da Cruz de Almas,
que lica entre o do commendador Tasso e o do
desembargador Doria, com easa de: vlver.fla, d n"e-
rentes arvor^os. grande baixa de raplni, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilitos urba-
nos ao p da wtasao da Jaqueira : a tratar na
ra do Amorim n. 37.
jai) branco grdalo, repolho em barricas, len-
tmas, seviidinba lVrle",, sag, ameixas,
mai.as o corojas soccas ; tambem tem para
vender duas balam.as grandes com gaucheo
e bracos, alguns posos, duas rodinhasdo me-
tal para carrinho de.mn, urna forma c una
forno para fazer hostias, -o brelas, e una
bomba.
Laziilias para vestido a 320
rs. o covado.
S r.a ra du Doattede Casias n. 60 A, outr'o-
ra ra do Qneinudo, loja da esquina, de Bento
da Silva & (.._____________
Rival sem segundo.
Oieg ram aenllias para machinas, do fabricante
erwsr A Bakor. Duzia por 2000.
I i un\iiii
Pede obter em pouco tenajuo com o aso do melbor dos.licoresa i ramada
HESPERIDINA
Faz^eilo annos qne conbeWo este precioso tnico, e difGcil achar orna peasca
que, tendo-ejpwimenrado pwsoaliEeoe, nao falle em seu favor, j como bom eslomacj
e apelisador, tomando um cax della antes de jactar, ce como faci'itador da digest3o
t j mendos depets. <
\
da IIESPERIDINA a LARANJA MAHUA, nao ba cm s habitante do BRASIL (a trra
especial das la tanjas) que uh, conhe^a as propt edades medicinaes da doorada frocu.
era bem, a
em 8eoe8tado natnral tem om goslo pooco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter soas boas propriedades, e ao mesmo lempo apreaenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como* INDUSTRIA NACIONAL oso tem nada melhores import.ices eoropas de c<.thegoria semelhante. Estas, qoando moilo, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinarlo perfidia do
AGRADAYEL E SDDAVE
Para prova de qua om artigo no qual pde-se ter inieiraceoianca. por ser poro
a innocente, basta dizer-se que fo plenamente approvada e autorisada pela
JMTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permiltind soa livre elaboraco no imperio; ootra
1MIA PROVA
a acceitaco gera que tem em lodas as partes onde apreaentada. Bo fW>4 estaba-
lecen se a primeira fabrxa em Buecos-Ayies; era 18C9 a segunda em Montevideo; e
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaogoroo-se a fabrica que acteafeent
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceitaco,
tanto que rara a casa qne considera completo seo aparador sem ama garrafa de
MA
O homem telho loma Hesperidina para obter
VIGOR
O bomem doentc loma Hesperidina para obter

-
T
I



r
0 bomem dbil loma Hesperidina para* obter

para obter boa cor a
Jfc
Nos bailes as doozellas e os mogos tomam a Hesperidina
animacSo dorante os loncos gyros da
BARROS Jt'NlOR & C, roa do Vigano Tenorio n. 7, Io andar, receberan esta
grande especifico, e ven m-uo nos depsitos segointes :
Joaqohu l'erreira Lobo, roa da Imperalriz.
Zeferino Caroeiro, roa do Commercio.
Marcelino Jo.? Gongalves da Fonie, ra da Cadcia n. 2.
Antonio Gomes Pires & C, ra da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C, caes 2'de Novembro.
Gomes Irmo hotel da Passagem.





BARTHOLOMEU et C* .
Pharmaceuticos premiados em diversas exposicoes
P
k'JIUlUJ
KrMlettte ttinritmo Qgtoz em latas do cju.itio
luirs a 900 rs a libra : no arniazem de Tasso
Irni.ios & V,., rua do Amorini 37.
Libras sterlinas.
Vende-ae no armazcm de fajadas de AugUti
F. i'e Oiiveira & C. rua do Goftimercio n. 42.
U
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO
ESPEGIALIDADE
Novo tratamento da Asthma, tosse, convulsa, defluxo catarrhaes, e todas as molestias dos migues
que tem feito importantes curas, e que noje o nico acceito pelos nwlhores Mdicos, ^r"
DEPOSITO GERAL, 34, ni Larga do Mario, PERNAMBUCO,.
*.
Diiilieiro

Vendc-c o hotel Hecreio de Mocidade di
fnguezia dos Afogados, com piucos fundos, para
qi:;itiucr prinoi|iiai:t-- : a tratar no mesmo, das G
s 9 horas da nianha. e da* ;t ti da tarde.
Granadina
preta lisa e com listras de seda ; a rosa branra
vende multo barat): na rua da Imperatriz n. 5t,
loja de i pellas e lmmbreiras enramadas.
Faririha co Tnanflioca a 3$ o
sacco.
Na rua 4a Madre de Dos .n. 7
quanto nao se araba.
a ella, cm
Xarope d'agriao do Para
Antigoe onceitoado -medicamento para
cura das molestias dot' orgftrjs respirstorios,
como a pb^sica, bronchites, astlima, etc.,
applicado ainikt com ptimos resultados no
escorbuto.
Yende-so na pharmaciae drogfria deBhr-
tholomeu & C, rua Larga do Rosario n. Si.
A 40 rs.
Vetrtem-?e drims de 'carretel* de linha .;,; tOO
}irda,]po *im.nu,t-> preco'de 6W rs. a iazh :
UtbUm Kvat doTftec.fe n.-) A, ruh vde Jlar-
quezdeOlinda
Vende se-UTia-twalfeiiea, sita em Olinda^a
Bieca dos Quan-tf-J&iJttis n % tendo de freite
mi-pthi Mtfmtokk: n%r"-h' rud Ho
Ps*rsr.KiorfcnMt.-%t, loja.
- i!WH-----------i_^_-, _
Borracha.
VentW-se' btrraJ'b>Wtf BftS"
de Santa Cruz n. i.
Novidade carnavalesca!!!
ROTES PARA PVKAOS COM CASCAVBTS,
A' YENDA.
5l=fa3ar da rua l)ircUuZl
A eles! a elles! a ees! que tafia se aca-
bando.
0' bazar ila 'raa liroil-i. SI
q \ *mIp :
*r'.r,dbii com Kstras do seda para rostido?
TOR'700 t-, O COVADO..
As melhores raiudezas, botinas e mais oulras
qualidades de calcado frailee chapeos para se-
nhora?.
Tem um lindo sortimento
Lnvas'lrescas de Jouvin.
Perfumaras dos mais afamados fabricantes.
'Parures ou gravatinhas do ulti i o gQSto, para
senho as,
Artigos deluxo e phantasia,
Tudo por prc.;o ma s rasoavel dn que em oittra
qualqer parte.
N. 51 Dazar da ma R'nVtaN.
20Rua do
Chitas de cores a 200 c 2'i0 ris o covado.
Cambraias miudinhas, a 260 ris o covado.
Lanziubas miudas e di- listas, a 320 e 400
ris o covado,
Ditos de fil fazeuda moderna, a 400 ris o
novad*.
Cambraia transparente fina, a 3? a pera.
Rita victoria fina, a 4> a peea.
Bramante de 4 larguras, a 15G00 a vara.
Casemira preta fina a ?600 o covado.
Brim branco de hubo, a 1,7000 a vara.
Crespo20
Colxas de couvs, a 10800 4? c & urna.
Longoes de bramante a 2* um.
Cobertas do chita forradas, a 37 o 3?00 una
Ditas de chita sem fono, a 17800 una.
Cobertores du la, oscuros, a 2-7 um.
Lamrosiecam ambanhadus, a 3fs duzia.
Toallias alcocboadas, grandes, a (? a duzia,
Brim pardo trancado fino, a 400c 440 ri? o
covado.
Chales de nicrinl U/os e estampados, a i$
UllH

Yenho antes que se liaban!!
Loja de Giiiliierme k Cialia ^ C.
Caleiras oratorias um a-cu.i> es pun.uii
SOfOO caia utea no caes So Apeno, rma-
;em de Tas?o lrmios & C
Mais delles.
Aunis eledricos.
DaftjneUes sands elctricos, tao alis para o
nervoso, e-que a Magnolia, rua limpie de Ca-
lifa n. 4o tem vendido porreo I e que por seren
os nicos verdadeiros, muito tem aprovtitado ;
BICHAS DE HAMBURGO
As mais recente* o masantes.
\"endom-se na pharmncia edrOgaiia de Bar-.
tludomeu & C, rua Larga dcsario o Rn. 3.

Ce
'i-veja
A verdadeira cerveja da Bavtra, marca an-
deira. deMiperior qiialidaic wsdai latoo Ir-
nios & C. vm sen annar-m il rua *> Amoriui
es an-* uimeiM .17
pelo ultima vapor veto nova remessa : a elm m-- uui
tes que se acabem. Na Magnolia n. 45, rua Duque YenoVse a lawrna da rua dos Acou?um!i
de Caxias.
51,
Cabrwicl.
Vndese um cabriolet americano, de '
sentos, mmto leve em bonvfttado : para- er
na cocheirl" do ST.^rfMi' 1kn> do Hospicio i li-
mero 86. ''
Cerno barato/t!
i
Basquiftes de crochet e fit junto rica-
' mente enfetadBs. 4*eti-
. Chitas franela, faenda surir a-
Atoatliadp de linho puro Qom 10 pal-
TASSO IRMAOS&C
Em seus armazeus rua do Amorim
n. 37 c caes do Apollo n. 47,
tem para vender por -precos commodos
Tijolos encarnados sextavos para hdrilho.
mws de barro para esgoto.
Cimento PortlaJ
Cimento Hvdraulia.
Machinas de de'earocar algodao.
EMacliiiKis de padaria.
fe Potas da Hussia tm bar/il.
'liosphoi'j du cara.
Saga om garrafe.
Sevadinha cm garrtfoes.
Lcnti has em garrafous.
Rhura da aJmaica.
Vinho do Port) velho engarrafad).
Yinho do Porto superior, di o.
Vinho de BAMux. dit.
? Vinho de Icnlfry.
Vinho da MdUiSa. t a,
Potes com liuguas e doLradas iugiet
* >ocaJinoa soj^das. .
K ISStcuiha Imjk-
n. 30. com poucos fundo.-, prona
piante, reparando a boa localidade
mesma.
liara pciiici-
a traMr na
m;isaB,wnuni, u v^ia k?chhii... mu m iraeao'-ujW.
Yendo-se na rua" da Imperatriz, loja n.si. | Barris com ropolho em salmdv.:..
y

llilagfcsi (iliddiua.
da |>ille.
Belleza lo i***<* eMvrilH tn
Vende-se na loja. dos Sri. > Irfto. Potc*co 4
C : rua do Duijuc de Caxias n. 45.
foraiibaoo.
MI
Charutos Tic Ha vana v
ndlsfipMi) de "Hm
fm n. 37^


7"


Diario do ^duambiro Sexta. feira-M de Feveuwf^^e-1873i<<.
7
I
\
*
>
V

\
\
\
r
*'
x
CORSTfPACi'O
tamwti
VAPOR FRANCEZ
RA DO BARAO DA \ICT0MA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons ianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais nota veis e bem co-
ndecidos fabricantes; como sejam : AlpUonsc
Blondel, Hcnry Hers e PIey.,-1 Wolff A C. : no
vapor francez, .rua do Barao da Victoria, >u-
ti'ora Neva n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo e phantazia, brancas pretas e de
difforcnles cores, tanto para se nueras, como pa-
ra meninas. .
Sapatinhos com salto no rigor da moda, branoos
e de cores para sentara*.
Botinas de Melios, de Suser e de Polak, para ho-
riiens.
Sapatos de cordavao Mili spara homens.
Botinas para menino de qualque" tainanho.
Perneiras meias-perneiras tanto para liomens
como para meninos.
Sapatoes de Suser para homens o meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens".
Abotinados de muitas qualidades e preces para
meninos e meninas.
Sapates de verniz com sola de |>o proprios para
sitios, jardins e banhos, sortiraento para homens
e senhoras. .
Sapatos de topete, ea^emira, charlot avelludado,
de tranca portuguez c francez.
No armazum do vapor francez, i. ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, leos, opiata e pos den-
triliee, agua de fl> r do laranja, agua de toile-
te, divina, florida, lavande, pos de arroz, sabo-
netes, cosmticos, muitos artigo* delicado? em
perfumara para presentes com fraseos de ex-
tractos, caixinhas surtidas e garrafas de diffe-
r.-ntes taannos d'agua de cologne, ludo de pri-
meira qualidade dos bem conhecidos fabrican-
tes Piver e Coudray,
No armazem do vawr francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sortimento que tem vindo de
mascaras de massa, de rame e de seda, nariz
com oculos, barbas etc., precos muito bara-
to.- tanto em grosso como a retamo.
u armazem do vapor francez; ra do Barao d
Victoria, outra'oia Nova u. 7.
Para geos.
ktuite boas malas c bolsas para viagens da ac
de eamiahos de ferro.
Estajos de viagens com os pertences necessau.
para barba.
No armazem do vapor francez, Bruaop arao
da Victoria, outr'ora Novan .7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napnleao c a Guilher-
me, perneiras c mcias perneias para homens,
e mens perneiras para meninos.
No armazem do vapor france.', ra de Barao
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
Cadeiras de balance, de braco, ile guarmeSes, so-
f*, jardineiras,'mesas, conversad' iras e costu-
raras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de raemos.
No armazem do vapor francez, a ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigo* de dliTereiitos gostos e
plaantazas.
Espantos dourados para salas e gabinetes.
Laques para senhoras e para moninas.
Luvas de Joavin, de fio da Escocia e de camurca.
Caixinhas le costura ornadas co ai msica.
Ubuns c quadriuhos para retratos.
Caixinhas com vidro de angment.tr retratos.
Diversas obras'de ouro bom de lei garantido.
Gorrentcs de plaqu muito bonitos para relogios.
Brincos jiniitarao c botos de runhos de plaqu,
fiolsinhas e cofres de seda, de velludo-e de couri
nho de cores.
Novas objectos de phantazia para "Cima de mesa
ejoiletle,
Pineenez de cures, de prata dourado, de aeo
tartaruga.
Oculos de ac fina e de todas as graduacoes.
Bengalas da luxoj canna, com casidas de marfim
Bengalas draisas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
iieotinhos de baleia e de omitas qualidades di-
versas.
Esporas de larracha para saltos de botos.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Tentes de tartaruga para desembarazar e pan
barba.
Ditos de marfim muito linos, pira limpar caneca
Escoras para roupa, cabello, imitas e para den-
te-.
Garteirinhaa de madreparola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Grvalas brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados,
is da gloria, de dama, de bagatellas, de domi-
n e outros muitos differentes joguinhos allo-
maos e francezes.
Malas, bolsas c saceos de viagem de mar e eaini
irnos de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mui fcil s
criancas.
\rgolinhas de marfim para as criancas morderem,
bom |iara i dentes.
Bar os de vimes par embalanear crianzas,
nhas de vimes para braco de meninas.
r.arrinhos de quatro rodas par passeios de crian-
cas.
Vchezianas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes para c-ndieiros de gaz.
Esterescopos e cosmeramas otn escolhidas vis-
tas.
Linternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globo; de papel de cores para illuminacoes de
festas.
Baldas aereostaticos de papel de seda mni fcil
de subir,
encerados bonitos para conservar as mezas de
jantor.
Machinas de varios systcmas para caf.
Estaadores de palha e de pennas.
'esourinhas e caivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para m:.ngas e lantemas.
Tinteiros de louea branca, mflelo bonito bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua
dros.
Quadros j proniptos com paysagens e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objwtos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios ;om lindas pocas.
Realejos harmnicos oo acoordions de todos os
tamanhos, e outros muitos artigos de quinqui
Iharias dilSeeis de meneorar-se.
Nc armazem do vapnr frano'z. ra do Barao
Victoria, otr'ora Nova n. 5.
Brnquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de lodo
os brinquedos fabricados em differentes partes
da Europa para entretenimiento das criancas ;
tudo a pracoe mais resumidos que possivd
no armazem do vapor francez, ra do Byao
da Victoria, outr'ora ra 'ova n. 7.
iJe
HEl'XAIBMO
taN'd
34-
JMODOSEREFflESCANTE /
'<&K DEtKJfATIVA /$>
i murar "^tr saudb
DEPOSITO GERAL
Pharmacia e drogara
M
BARTHOLOMBU k C.
Ra larga do Rosario-
34
Obras de phantasia. |
A toja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxiis n. 50, recebeu um bello sortimento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, com dourados e pedras.
Outros de n adrep rola queiraada com oonitos
enfeites de delicadas flores.
Outros c'e lln< dourado cem pnge tes de cores.
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com pedras brancas,
Aderecos d madrcperola.
Ditos aourados com camapheopreto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando folhas e flores naturaes.
Ca soletas de madre|terola
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras de ditos pret s com donrados.
Pulcciras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com po-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Hotfies dourados e de outras 'qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinhas e punhos
bordados.
A teja da Aguia Branca ra do Duque de
de Caxias n. 60, recebeu novas gollinhas e pu-
nhos bordados, e outros enfeitados com entremeios
e bicos ; assim como recebeu igualmen e novas
guarnicoes de grvelas com franjas c lagos para
os cabellos, tndo do melhor e mais mod rnos gos-
tos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n, 50, recobeu bonit s leques d-perfeita
phantasia, pre'o com dourados, e outros de apu-
rados goslos; assim como recebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n c ntro, e anda assim ven-
de estes pelo barato preeo de 4J000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia B-anca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitos garrafinhas de crys-
tal em par com ramagens doufadas c mui pro-
prias para arranjos de toilet, etc,
Anneis e colares elctricos
A lo:a d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares elctricos, e contina a recebe-los
mensalmente, pelo que sempre estar provida de
taes objectos.
Diademas dourados
A loja d'aguia branca ra Duque de Taxias n.
50, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedias c aljofares, obras de gos-
to e phantasia. Tambem recebeu novos grampos
pretos ou alfinetes com flores para a cabeca.
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos loques com bouquets c outros chinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'aguia branca a rna Duque de Caxias
n. 50, recebeu cold ci eme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legram e Condray.
Diademas e grampos de
ac.
A loja da aguia branca, raa do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos diade
mas e grai pos de ac.
Bicos de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
seda pretos com flores de c.'ires, sobresahindo nel-
les o preto eom encarnado, c todes mui proprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadino, ou medina, e outras fazendas transparen-
tes. Pela commodidade dos pre;os esses bicos tor-
nam-se mai commodo,s e pela novidade de gosto,
preferiveis a quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flore?, e outras a imitacao de
croch, e vende-as pelos baratos procos de 30,
1J e 6000. A fazenda boa e est em perfeito
estado, pelo que contina a ter pronpta extraca
gao.
Diademas e- adereeos de ma-
dreperola.
A leja da Aguia branca ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu urna pequea poreiio do
diademas e adereces de nftMMperala, obras, de
apurado gosto.
Para o carnaval 1
Para o carnaval!
Para o carnaval 1
Velbutina de todas as tres ; s na na Duque
de Caxias n. 60 A, loja da esquina, de Bento da
Silva A C.
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bszouros e gafa-
nbotos dourados c coloridos.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o que de certo
perfeita novidade. A quant}dadc pepuena, e
por isso em breve se acabar.
CISSTMlFfJGO
v Acaba.fle ser experioieniado do ngenbo Fragoso o appsrelho para apromptar o
jutar pelo .y.-tema Centrifugo.

0 PROCESSO
E' mtiito simples.
Tira se a meladura da txa de cwer boiea-se dentro de qualquer \si!ha pira
combar.
Logo qne esteja coalbado paua-se-'para o appirelho em partidas de 3 1/2 arrobas
Je cada vez.
Sead) assim cheio e poitb em movimento, dentro de S m nulos estar o Mancar
prompto e em estado de ser logo retnettido para ser tendido.
0 resultado
Foi azer-se da 4 1/2 pss de assecar 21 arrobas de semenos I.4 sorle. O mel
xtrabido pelo appatelho tendo sido em nada prejodicado pelo proceeso que soflreo, sa-
aindo mel d'engenho e nS) mel de furo, prestoa se a ser novamente cosido, dando no
apparetbo assocar de qutlidade e pooco inferior ao do 1.a processo, dando alm disso
tnesmo uas formas tj bom resoltado como se los se passado logo das taxaa para as mes-
nas, aprovciUndo-se assim wai* metade do mel do qoe cora o aniigo systema.
Seudo 15o evideute,as v;ntageoa produzidas por semelbnte apparelbo, o qoe po-
ier ser verificado pelos proprioi senbores d'engeabo, esperam os proprietarios de dito
ipparelbo, depois do risco que correrma.com semelbnte experiencia, merecerem a pro-
'eccSo dos Ilustrados seobores d'engenho.
A' tratar com os Srs. Samuel Power Jobnstoo C, i rna do Apollo os. 38 e 40.
ARMAZEM DOS LEES
Rna Duque de Caxias n. 29.
0s proprietarios deste bem montado estobelecimeoto scientificam ao
respeitavel publico desta provincia qoe se acham com om variado e completo sorti
ment de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos por om doi
aosios que se acha actualmente na Europa. 0 mesmo tem contractado com os melboret
fabricantes daqueliecontinente as remessas das mais ricas, mobilias feitas all.
Na officina tem os mais habis artistas .deste genero, e por isso pedem qoe re*
uham visitarlo estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade do qne acabam de expr
no se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalbo, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, aonrello, etc., etc., goardi
vestido de amarello, goarda louca de nogi.eira e de amarello Com tampo de pedra, apa-
radores de dio dita, peti toilettes especialmente para-fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secreta' ias da Jacaranda e mognocus tureiras oe mogno, san
tnarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seo
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos qne deixamos dt
mencionar por setornar enfadonbo
BAZAR NACIONAL
RUADAIMPERATMZN.72
DK
Liiiirciici Pcreira Mcndes Guimanus
VIVA O CARNAVAL
Vende-se um grande sortimento de domi- GROSDEJAPLES PRETO A 2J0O0
nos de todas as qualidades, para homens o Vende-se grosdenaple preto a 2?, 2$500,
meninos, a preco de 2$. 3, 4??, 5?, 6*, e 39600 e 55000 ocovado.
8JJO00. PANNO PRETO A 15500.
Vende-se um grande sortimento de vestua-, Vende-se panno preto para caljas c pali-
rios a carcter pelo barato preco de 5, 89, tots, a 19500, 29500, 39, 45, e 59000 o
109, 159, e tambem se alugam. cov lo.
Venderse um grande sortimento de masca- CORTES DE RRIM A 15500.
ras de massa e de rame para homens e me-' Vende-se cortes de brim para caigo, a
nios por baratissimo preco, e outras fazen- 15500 e 25000.
MAIUPOLAO A 39000.
dasproprias para vestuarios: aqui se vende
muito barato.
OLINDENSE A 800 RS.
Vende-se uma nova fazenda de seda e li-
nho, por nome olindeiise, propria para
vestidos, a 640 e 800 rs. o covado.
RAPTISTAS A 500 RS.
Vende-se uma nova fazenda por nome hap-
tistas, para vestidos, a 500 rs. o covado.
SlTANASAOtO RS.
Vende-se uma nova fazenda de la e seda
por nome sutanas, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se uma nova fazenda lisa, por no-
me phantasia, para vestidos, a 800 o co-
vado. .
FUSTO RRANCO A 320. RS.
Vende-se fusto branco e de cores, para
vestdor de senhora, a 820 e 400 rs. o co-
vado.
(.HITAS FRANCEZAS A 240 RS.
V.jnde-se chitas franeczas escuras c claras,
a 240, <>80, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 15600
Ven largura, proprio para lenres, a 19600, e
29200 o .metro.
1HUZE0 D JOIAS
N. 4 RuadoCabugk N. 4
JOSEPII BRAUSE&.G.
DE
GOMES DE MATTOS, IRHAOS
Nesie importante estabelecimento de primorosas joias, achara o respeitavel
publico desta capital um grande e variado sortimento do ioias de todos os
precos, queja existan) no Muzco, que sero vendidas com grande reduccao
de prego, alm dos novos objectos recebidos directamente dar Europa, que
se venderao por prego animador, bem como sejam, aderemos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de diferentes pedrarias de
presos; anneis de brilhantes o de esmeraldas, rubins e perolas, e.de todos
mais objectos de valor, que possam ser desejadospelo bom gosto e apreco das
familias, que sabem dar valur a objectos de primor.
Os proprietarios do MUZEO OE JOIAS, convidam as familias que se
queiram prover de cxcellentes joias, a vircm escolhe-las entre o variado
sortimento deltas, garantindo os proprietarios que sero sinceros para todos
que se dignarem procurar seu estabelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obra
simplesmente de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se vendem prego reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisarem de qualqucr objecto de grande
ou pequeo valor, procuran o MUZEO DE JOIAS, que serfio servidos com
attengao e sinceridade.
Aderegos de bri-
lhantes, esmeraldas
ruliius e perolas,
voltas de perolas.
Vende-se pegas de mudapolao, a 39000,
45500, 55, 6, o 89.
CHAPEOS DE PALHAA2900.
Vende-se chapeos de palla, de feltro e de
castor, para homens e meninos, a 2?, 25300
35 e 45000.
AUiODO A 45000.
Vuide-sc pegas dealgodo americano, *"*,
5, e 69.
BOTINAS PARA SENHORAS A 35000
Vende-se bolinas para senhora, a 59000
e S-'liOO.
CAMBUAIAS \:i-OO.
Vende-se pegas do cambraias lisas pan
vestidos, a 39, V5, e 5?.
CAMISAS BRANCAS A 25000.
Vende-se camisas brancas a M 8 9500.
Ditas de linho a 35, 35500, 5O00 c
59000.
Palitots de panno preto a 59000, 79000 6
89000. Palitots de easemia de cores, a
49, 55, e 85.
CHLELA 800 RS.
Vende-se chales de l, com .quadros c lis-
tras, a 800 rs. e 19000, ditos de merino es-
tampados, a 29, 39500, 49 e 59.
E outras muitas fazendas que se vende
sem reserva de prego, na loja do barateiro
Bazar Nacional,Ra da Imperatriz n.
** L
Obras de ouro e
prata de todas as
qualidades.
79
H. 2 ARa do CabugN. 2
DE
B.iRROS t\ I II.IIO
Acbando-se completamente reformado este estabelecimento,
tendo os seus proprietarios feito uma importante acquisigo
joias as mais modernas viudas ao mercado, o de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer uma visita ao seu es-
tabelecimento, aftm de apreciar e comprar uma joia de gosto por
prego razoavel.
Mascaras.
V
Acabam'de chegar fjr nda (tetara da masca-
ras com lodos os sortiraento, para vendor-se em
grosso e a rolalbo : no arnia*em"do vapor fran-
cez, ra do Bario da Yctru, outr'oraNova n. 7.
Tij las franiMzes sextavados
Do i 5-tOOO a &59000
o milheiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro.vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sna barateza para ladrilhar os pavimentos
terreos das casas, porquante.jieuco mais distan-
do do que os feito* no paiz, sao, sem oomparaco
algunia, superiores a estes pela mpeza de que
sair susccpvc9. Custam alera disto menos da
dcima parte dos de marmore, j reproTados, e
dos de iifferentes mosaicos, os- quaes nao esto
cortamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
nacs. Alm da vantagem que ha no emprego
destes tijolos para es pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes atada a de serem os melho-
n e mais proprios para ladrilhar cozinbas nos
sobrados da cidade, atiento a sna solidez e pouco
Spso; estando mais que provada a conveniencia
b serem assoalhadas as cozinhas todas de lijlo,
e nao s a parte junta ao fono, no qoe at as
couipacBias de seguros se devuriam luteressar.
Vendem se nos armazens de farinha de Tasso Ir:
mjlis-* C, no caes do Apollo
- ATcnde-se, arredase) ou permuta-se, por-
tenas que sirvam para plantar canoa,uma padaria
sita no patao da din no povoado dos Hrutes.; a
tra.ar com seu proarietajio no mesmo. povoado; e
para informaoSes, com os Srs. Rocha Lima 4 Gui-
maraes, ra do Bom Jess (outr'ora da Cruz) n.
16, ou comoSr. Nicomd*'s alaria Freir, no
Caesdo Apollo, n'estacidade. ________'
Venda-sa o* dons bem conhecidos bois e
carro do finado Antonio de Azcvcdo Jnior : a
tratar na ra dos Guararapes n. 14.
SEGREBO ECONOMA" E" CELERIDADE.
Obtem-so com o uso
DA
INJECgO SHOST
nica, hygienica, radical e infallivol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e lluxos de
toda especie, reeentes ou ebronicas; e que
offerece como garantia_de salutares resultados
sas algumas visitas na vespera e dia da festa da a connuada apphcago quesempre cora
padroeira daquella freguezia e por isso preciso maior vantagem se tem feito deua nos bos-
que de anteiuo se faga uma grande revolugo pitaes de Pars.
augmentando, sortindo e recheiando a cozinha, ijuC8 deposito parao Brasil, Bartholomeu
^e-a. >' & C.,ruaLPargado Rosario n. 34.
Ultimo gosto.
Cadeiras pretas douradas e marchetadas de ma-
dreperola : nos aimazens de Tasso Irmao k C,
no caes do Apollo. ___
r
%t^. E lgico!
A cosinha, a dispensa, os a-
paradores e a mesa.
Os moradores do Poco da Panella e seus subur-
bios necessariamente devem receber em suai ca-
CHAPELEBIE DES Da
10'-Rua doBarao da Vicloria--10
A este ostabeleeimento acaba de chegar grande novidade como seja : chapelinas de palha e de
gorguro ricamente enfeitadas, chapeos de palha de Italia formas as mais modernas, grande sorii-
meuto de chapeos, chapelinas para luto e tambem as muito procuradas meias chapelinas le que
havia tanta falta no mercado. Recebeu tambem diademas de ac c de metal dourado e graude sor-
timento de borboletas e flores de metal dourado em grampos que vende de i> at 12 o par, portento
pedimos as Exmas senhoras que queiram visitar nosso estabelecimento que nelle encontraran muitos
objectos de gosto.



,9
gil
Samuel Power Johns-
ton & C.
Ra do Apollo n. 38 e 40
Fazem selente aos seus fregueies que teem
mudado o seu deposito de machinas a va-
por, moendas e taxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para ra do Apollo n.
38 a 40, onde eonunaam a ter o mesmo or-
Uooenio do costume.
Fazem sciente tambem que teem feito um
arranj com a fnndiglo geral, pelo qne po-
dem crTerecer-se para assentar qualquer
macbioismo e mesmo garant lo.
com iguanas gratas ao paladar sem o que nao
se pode passar um dia folgazao e regalada
Queris que principie a vos indicar um meip
fcil para conseguirdes o fim a que vos deveis
propor para transformares, augmentares, sortires-
e recheiares as vossas cozinhas, dispensas, apa-
radores* mesas f nada mais fac...
Ide a ra do Imperador n. 21,
onde vires uma casa com a fren-
te pintada de encarnado, tendo um lampea pen-
durado, enjo letreiro se l o segrate : Ooniei-
taria do Campos.
ella I... ella I... ella
Alii deve-se entrar e encommendar para cada,
casa o segrate:
1 Ranibre preparado.
1 Bolo inglez.
1 Pao-de-l.
1 Pudn de pao, arroz ou tapioca.
1 empada de camarao ou gallinha.
1 Torta do fructa.
100 pastis diversos.
1 Per assado no forno.
I Peixe idem dem.
1 Gatheaux d la reine.
finaos, eerwja*, liedres, bolachinhas, bol nbos
para cb, cha verde superior, pass**, t^o. ainei-
xas o todo mais que mesmo impotaml iem*
brar..
S nea, s nejla.
Na eonfeiteria do Campos.
Vende-se ou aluga-se
o sobrado n. 5 da ra do Rio, na fregue-
iadol'ooua Panella, com 3 salas, 6
quartos, 1 saleta, despensa, cozinha e quintal mu
rado. cujo predio acha-se concertado, calado e
iirtado de novo : a tratar com o commendader
sso.
Vemte-sa mn latreno no. Beow JaE*-
pinbeiro, fazenda esquina para a ra, d* S.
Joaquim, e muito prouaio da esti'ada defor-
ro de 01iod; a tratar na graga da Indepen-
dencia n. 39.
Machinas para limas.
Vend-e ptimas, e muito convenientes para o
fabrico das mesmas :' na phannada de Perrefr'
ft.C., rba larga do Rosariefl. 10, enaprafla do
Conde d'Eu n. I, casa de Sr. Antonio M. M. Fer-
reira.
Uteaeilios
Preow comm , VOTde-separacorrfeWw^.paoW^ourefioa^,
uma bacia -' ean. m pert^Mfcjm nfeitar
asuuuow, asBiu* *o. ia*os, tia moldada*
par*#Mdms, empadas, etc., etc. ; na ra do ftn-
pera.or n. 2 ________
Appareluo para fabricar assocar, do systema.
w v WESTON CENTREFDGAL
Ubicos agentes em Pernamboeo a fundigae geral.
Para tratar em sen escripiorio a ra do Apollo n. 38 o 40.
Os proprietarios da fnndigao geral faiem
scientes aos senhores de engenbo o mais ?\
pessoas, qne teem estabele.cido nma .'nndi-
go de ferro e brome a rna do Brpm, jun-
ta a e'iaco dos bondi, onde aproDtario
qoalquer obra de encommeoda com perfoi-
gao e promptidao.
Os mesmos rogam as pessoas que quei-
ram uiisar se de seus servicos de deixa-
rem as encommendas em casa dos Srs. 8a-
mudl Power Jhastdn k C. a rna do Apol-
lo n. 38 e 40,' onde acharao pessoa aabili-
tadacom quera possam entenderse.
Vende-se burrada muito nou para limas &
t$ a libra: na ra do Fogo n. Pf taverna.
TNICO E .FEBRFUGO
rasmioo roa la acabemia me ini.\i, be par
Freno
ledallia
M
Ova
auiNA
LAROCHE
DB
16,000 t*
ELUIB TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICANTE t REPARADOR,
pcrlor Inhoa xaroyea Je (alma.
I Experimentada com pleno successo nos hospitSea, kQwu Linociu (ou Extracto cetnpU t<^
d Quina) uma preparacto excepcional, por ser privada do amara da Quina. Agrada por
cenMguinte as pessoaa as mal intolerantes e aoa paladares m maja deicadoa, P"is era
multo doce nem mallo viscosa, Beodo de ama limpidez constante. Enprega-se com muitej
proveM* DOS casos de : gastralgia, dyipepcia, aevrutfia, anemia, morme, cachixim,
fmmfrmo, faiti* ttm cauta appartntt, cowaluctncu mneraat, chkrotre etcrephva.'.
B o amaneo ms molistis fsbkis.
U PARI2,
15, nchauoi.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA
BcnMo ledas as propiedades do Ferr t da Qiiiia.
Na pharmacia Mtfurer ra do Barao da \ictoria n. 26.


SQEHCIAS
RELATORIO DA INSPECTORA DA SAUDE
PlBLICl.
IXSPECCO DA SAUDK PUBLICA DE PRRNAMBUCO
KM 3 DE SETEtfkltO DE 1879.
Illm. Sr.Tendo do aprasentar um re-
latorio sobro o estado sanitario o sondo pe-
queo o tempo para elk' concedido, dexa-
rei dosta voz de eatrarJEfA cons lerag > de
alguns assumptos, alies importantes, dos
quaes tratarei mais det [amanto om outra
occasio.
Antes do fallarde qual [ ier objeto diroi que
as providencias em bem da sade publica sao
quasi sempretardas, o quando algum aappa-
rcco depais de repetidas insistencias as quaos
as vezeo o cmpregado eseousa-se de fazer rom
recoio le se tornar aborrecido. A sade publi-
ca hoje preoccupaseriamente os gafemos das
naces mais adiantadas que nos om civilisa-
gio : em prega m-si; todos os cuidados para
que o homem goze das melhores vantagens
em 3ua existencia para se tornar menos po-
zado ao estado, e como se sabe que sem ar
puro principalmente, sem bons alimentos o
sem habitares, onde o ar seja renovado
constantemente, a vida precaria, fazem-se
todos os esforcos pa'ra remover ou extinguir
08 focos de miasmas, afaslar os obstculos
queso encentrara na livre rcnov*godo ar,
o dcssecamcnto da humidade, fornocer
alimentos saos s populacoes, etc. etc.
Durante estos ltimos quatro anuos a ca-
riara municipal desta cidade fez esforcos
at ento nunca vistos vira mellioraro esta-
do sanitario desta cidade. Nao faltando no
accio das ras e remogo dos moniuros e
sterquilinios deque eoin milito afn se oc-
cupou, fez remover mais de doze mil tone-
ladas das immundicias que jaziam desde
annos im-nemoriaes encostadas aos caes que
ctreundara os bairros desta cidade, sobre os
quaes por nanita tempo se dem ira vara as ma-
terias feces, os animaes mortos, O outras ma-
terias susceptivcis de putrcfacgo e de exbala
rom cheiro incommo lo e nocivo. Tere porm
de suspender esse trabalbo de tanta utih-
dade publica, porque a deficiencia de seus
mcios nao Ihe ponnittio continuar a faze-lo :
entretanto coin a pequea despeza de cinco
a sois coritos de ris podia-sc acabar de re-
mover esses montaros, com o que muito lu-
cran" o estado sanitario e o embellezamento
da cidade.
E' de esperar que no oi-gamonto geral se
Irtarqne urna quota para se terminar to im-
pertite trabalho. l'm outro grande foco
de infecan c o chamado canal de Riachue-
lo, onde'se abre o cano do hospital militar
uo mcio de duas ras de importantes edifi-
cios, defronte de dotis collcgios de meninos
e de um quartel onde est um baialho deli-
uha. Por varias vezes tenho representado
prL'si leneia da provincia sobre a grande
conveniencia de se aterrar esse chamado
cahal que s d entrada a canoas, quando a
mar est cheia, e quando ella est va/.ia
os moradores da vizinhanra sotl'rem o
m?ior incommodo possivel por causa do
despejo que alli fazem de materias feces e
aguas podres a cada instante, as quaes ti-
cam expostas aos raios solares c acolo do
vento at que a mar cucha do novo para
as cobrir ou levar. PareSe-me que o ater-
ro desse canal que desagua no meio da ra
da Aurora e o de um grande alagado que
ha defronte do hospital Pedro II desde a
otarla do Amorim al o caos enfrente ra
da Ponte Velha, e qu ha mohos annos foi
dado a varios individuos com a condigo de
o aterrarem, e at o presente ellos nao o fi-
zeram, trariama grande vantagemde verem
na vazante as aguas da mar em urna s
direcgd at a cora ponteira parto poste-
i
rior do palacio da presidencia, c dahi sogiu-
no reunidas com as que vem do lado de
Olinda, e adquirindo juntas grande volocida-
de, contribuiran) grandemente para o apro-
tur: lamento do porto, para o qual julgo ter
concorrido a remugao dos grandes montes
de entulho que existiam nos caes do Apollo
c outros, visto como as mares grandes a
sonda marca va mais de unte ps de pro-1
t'undidade onde ha poneos annos marca va
puatorze. Assim o atorro do canal do Riachu-
elo aliu das grandes vantagens e beneficios
que traria para a sade publica, seria acom-
pasado da utilidado do iear alli urna ra
de 120 palmos de largura, que arborisada,
dara um exfolente pisseio.
fio menos importante om resultados seria
o aterro do alagado om fronte ao hospital
Pedro II, nao s por que deixaria este de es-
tar sujeito semanaces que se desprenden)
de'ssa immensa superficie durante a mar
vana, como por que a venda do terreno
dara sullicientemente para as despezas com
o aterro, que podia alm disso ser feito com
aguma economa, applicando-se-lhe o que
fosse extrahido pelas barcas do eseavaco.
Pego muito instantemente a attenco de V.
Etc. sobre este assumpto pela sua dupla
utiliiade. No meiado de dezombro do anno
passado eomegaram a apparecer alguns ca-
ses de febre amarella as tripolages dos
navios surtos no porto desta cidade. O
costumedo remetieren os doentes dos na-
vios para os diversos hospitaes que aqu ha,
d lugar a que se saiba da existencia da fe-
bre amarella depois que os doentes esto
em trra. Nao tendo esta molestia nos pr-
dromos, e mesmo no periodo de invaso,
syraptomas caractersticos que distinguan)
de qualquor Outra molestia febril, seria
muito dilficil propor urna medida que ti-
vesse por objecto vedar que os capitaes de
navio mandassem doentes della para os
hospitaes, ou que mdicos delles encarrega-
dos nao recebessem doentes, conhecend"
que eram de febre amarella : a nao serem
as consideragoes para mim de grande peso
eraui dignas de nota, em que entrarei daqui
a pouco, supponho que haveria um meio
fcil de remediar os males que rauitos en-
xergam nessa communicagao dos doentes
com a populacao da cidade, e era ter um
hospital ^empre prompto e destinado a re-
ceber os doentes dos navios, que nao pode-
riam ir para outro qualquer.
Acreditar na* transportago dos miasmas
a distancia de milhares de'leguas, na dura-
gao de sua existencia, por 50, 60 ou mais
das fra do lugar era que elles foram ge-
rados, em sua adheso s caixas, s ma-
nufacturas e qualquer outro objecto, e pen-
sar que 'a pequea distancia que ha dos
navios ou do lazareto cidade, seja suffi-
ciente para evitar sua communicagao aos ha-
bitantes della, um centrasen que nao
resiste menor refljjxo. Os hospitaes em
que sao recebidos o. doentes, esto situados
as proximidades desta cidade rodeados de
muitas casas, as quaes lhe ficara bem pr-
xima; : o transport dos doentes, a maior
parte das vezes, fei o, em carros de aluguel
que dahi a pouco vio servir para pssous
sis que nelles vio passear*, ou entram para
s cochiras sem que ninguem tonha o cui-
dado de desinfecta-los ; s vezes, porm, os
d i Mitos sio levados em escalores ou botes,
que percorrera o ro que passa pelos diffe-
rentos bairros da cidade at os hospitaes,
dos jquaes o tnais longe o portuguez q^e
fica a duas militas tal vez do porto O ca-
dveres dos que lallccem de febre amacolla
sao transpartados dahi o do hospital de c-
ndalo para o comiterio publico ou para-o
dosprotestauto3, que ambos esto situados
em Santo Amaro, bem distantes do hospital
portuguez e de Podro 11 : tambem ninguem
se lembra de mandar desinfecta^ esses ca-
dveres nem de fazer acompanha-los desin-
fectantes, sendo idubitavoi que nao s os
principios emanados durante a vida. dos
doentes, como dopoisde sua morte, sao espa-
Iha los na atmosphera, ou seja durante a
sua estada nos navios que ficam perto de
ras populosas, ou soja durante o scu tra-
jeeto por trra ou por mar, quando vo
para os hospitaes, ou seja finalmente depois
que elles morrem, o (pie seus cadveres tem
de atravessar um grande espago polo meio
de innmeras ras do casas habitadas, como
do hospital portuguez ateo nosso- cemite-
rio ou o dos inglezcs.
E haver algum dos que acreditainno prin-
cipio contagioso ou infeccioso que nao ache
sulficiento dous, tres ou quatro focos de 30
a 40 doentes diarios, os quaes laucam pre-
to, fazem dijecc,:s da mesma cor, ourinam,
suain, escarram e exhalam mias as de febre
amarella, para communica-la aos circunis-
tantes *
O que verdade que nao foram stflU-
cientes to los esses elementos mrbidos para
propagar a molestia, quer por meio do m-
tagio, quer pela sua parenta muito proxifS,
a iufacco : a cidade licou desta vez isenta
da febre amarella: raro foto iudividuo que a
leve, excepeo dos tripotantes dos navios : *
com quanto todas as vezes que se desenvol-
v a febre amarella, quer em trra, quer no
mar, tambem apparecem na cidademuitos ca-
sos de febres biliosas ou outras; desta vezisso
se nao notou. Julgo do meu dever chamar
attenco de V. Exc. sobre cssu facto que
para mim muito significativo :porque,
bem que cu nao possa, em um trabalho da
natureza deste, e para o qual se me d taiita
pressa, entrar na importante e to debatida
questao da qualidade contagiosa da febre
amarella e do outras molestias epidmicas,
nao devo deixar de passar em silencio um
facto que langa tanta luz para a questao e
abala as razoes tantas ve/.es combatidas, em
queso fundamentan) aquellos que veem por
toda a parte o phantasma do contagio e da
infeceao, e que fechando os olhos obser-
vacO de tactos bastantemente oxpressivos e
cerrando os ouvi los a tudo quanto lhes con-
tain aquellos que procuram dasprevinidos
entrar no conheciment da questao, ficam
como rochados immoveis o nsensiveis, tendo
direita o contagio e esquerda a infecgo,
c quando lhos.provam que nao existo conta-
gio, ellos gritam que existo infeceao. Parece
que chegado o tempo de elucidar-se urna
questao que nteressa tanto a humandade,
como aos governos, e a qual supponho que
hoje nao goza mais do que dos foros de urna
superstico para a maior parte dos mdicos,
que desprevenidos tratam de examinaros tac-
tos que sao suhmettidos de vez em quando
sua observaco e que nao vivem fanati-
sados por urna idea que nunca su empenha-
ram de averiguar, so era verdadeira ou
falsa.
As causas a que se quer attribuir o descn-
volvimento da febre amarella c de todas as
outras epidemias, que uestes ltimos annos,
mais que nunca, tem assolado as populagoes
de diversas partes do Brasil, principalmente
as capitaes o cidades mais populosas, exis-
tiram sempre e continan) a existir : as epi-
demias entretanto tem urna curta duraco e
desapparecorn.
Como se sabe pouco ou nada se tem feito
om beneficio da sade publica: entretanto os
populaeoes crescom e em alguns lugares es-
pantosamente, os muios de vivor dminueni c
as causas de molestia augmentara. Quando
se receia a invaso do urna epidemia pe-
se tudo em movimento para obsta-la, como
se ella entrasse da mosma forma que
exercito inimigo: quer so fazer em
tao por doeute, e a inda alli est o Dr. Gui
maraes, que n dia 28 participou. me que a
febre intermitiente tinha recrudsecido. Em
lt de setibro loram remettidas ao juiz dt
direito de to d'Alho duas ambulancias cora
remedios allopathicos e homeopathicos, que
foram por ellerequisitados, allegando que as
bexigas estavam fazendo muitos estragos as
povoac.es prximas e na villa.
Maudou-se contratar um curioso para
tratar os desvalidos e no dia 27 foram re-
mettulos ain la alguns medicamentos requi-
sitados por esse curioso. No da 20 do cor-
reute appareceram alguns casos de febre ama-
rella a bordo dos navios, entrando oito ma-
rinheiros para o Hospital Portuguez. No
da 2G foi por num visto, i ra do Imperador,
um portuguez de 18. annos, caixeiro, com
vomito preto o grande ancia, foi tratado ho-
meopathicaineute por j nao poder supportar
mais medicamento algum dos que estava to-
mando : inelhornu e acha-se fora de perigo.
No dia 28 alleceu um outro portuguez na
freguezia da Bja-Vista.
E' de suppor que a agglomeracao dos na-
vios e augmento por couseguinte de tripola-
goes estrangoiras faga augmentar o numero
de doentes, visto a intensidade de calor qoasi
ex abrupto succedida a chuvas abundantes
que fiVra do costuma se prolongaran) at o ilm
do agosto e principio deste mez.
Esta repartigo, quer por parto da sade
publica, quer por parte da do porto, acha-se
desprovida de tudo em urna polavra.
A da side publica nao tem casa o consta
do mim, sobre quera pesa um trabalho maior
do qu* a de mritos empregados reunidos e
que receben) generosos honorarios, e teuho
para coptar algum papel um escrevente coin
.'iO-31000 iJcgratificago por mez, que se eu
nao copiassea maior parte dos trabalhos elle
j a muito tempo teria abandonado o posto,
tal o pesodo'servigoe a mesquinheza door-
.denado.
um
um dia aquillo que em muitos annos so nao
conseguira com grande empenho o vontade.
Nestas occasies solemnes em que o espi-
rito atribulado dos que governam desojara
ter o poder de rollar annos atraz para fazer
o que haviam descurado, apparocemlombraii-
gas que trazem o cunhoda mais perfeita ori-
ginUdade: mdicos provectos em idade c
dotados do grande cabedal de conhecimentos
praticos c theoricos propoem medidas que
repugnara ao simples bom senso. ,
Em una ou mais dessas occasiaoes em que
todos tem medo, j se propoz como medida
salvadora mandar cobrir todiis as praias que
orlara os bairros desta cidade do Kecife de
carvo vegetal em p para absorver os ga-
zes mephiticos : baria pressa cortamente em
levantar reductos quepodessem resistir in-
vaso da epidemia: o meio que se propunha
como invenco feliz se podesse pr-se em pra-
tica, levaria'annos a ser effectuado. Nao ad-
mira que as grandes attribulages do espi-
rito appare/;a o' desvario. Dos mapps ap-
pensos qu pude obter dos mdicos encar-
regados dos diversos hospitaes, se ver que
foram nelles tratados 986 doentes, dos quaes
morreram 397 e curaram-se 589, sendo qua-
si todos os doentes de profissao maritma.
Afraesta epidemia nenhuma outra molestia
reinou nesta cidade com carcter epidmico.
Anda apparecem raramente casos de cri-
ben, cu jo diagnostico ho deixa em alguns
casos de ser contestado.
Quanto ao reconcavo, consta das diversas
participages o seguinte Em junho a c-
mara municipal de Cimbres ofliciou ao pre-
sidente da provincia pedindo remedios e au-
xilio para os desvalidos, que estavam sendo
assolados por urna epidemia de febres, cujos
symptomas nao foram descriptos : mandei
urna ambulancia com medicamentos aprp-
priados ao tratamento da Tebre amarella,
visto constar que ella tinha apparecido por
algum aquellas paragens.
Em julho a cmara de Santo Anto requi-
sitou mdicos, ambulancia e dinheiro para
acudir os seus habitantes que estavam ata-
cados de febres intermitientes de mo carc-
ter e bexigas. Foram enviados os Drs. Mi-
guel Joaquina de Castro Mascarenhas e Fran-
cisco Rodrigues Guimares, com urna ambu-
lancia, e o presidente mandou dinheiro ao
juiz de direito. No dia 27 foram requisita-
das mais seis mil pilulas de quinino e quatro
ongas desta substancia.
Nao se toado acabado ,a epidemia, foram
enviadas ainda .quatro mil pdulas e quatro
ohgas de quinino em 11 de setembro.
6 Dr. Mascarenhas retirou-se de Santo An-
V da sade do- portoconsta de uns trastes
[felhoe e est situada ew urna daspeiores-cas*
db-arseital de iKiriuha, que inuito- mais-
((onto (jue alguraas fornalhas accesas : nao
se pode estar alli uin'iiistoute; alem dissooao
tenv vista para o mar. No caso de passar a
capitana do porto para ontro edificio^ podia
ser aproveitado o torreo em que ella se
achnr para a inspecgo' da- sade d onde, com- a compra de alguns poucos
moveis-poderiamos ticar convinieiUemente a
accomiaoda'Jos, e fzer-se melhor o servigo.
E' por emquanto o que me occorro levar ao
conhecimento do V. Exc. tendo de jeilir a
sabia attengo de V. Rice:-sobrecura assumpto
to impitante como -a>dasade dospovos,
e que entre inis ainda- est to descarada.
V. Exc. iii cortamente- una servigo muito
importaute provincia etfhuiuanidade^efor-
mando estas repartigGes desde os seus insuf-
fuientes pefutaoMnlOS att'0.pessoal|queexis-
te, o qiul'rwo pode preondier os seus luga-
res por falta de habilitages. Nao teios um
barmetros nem outro qualquer instrumento
de phvsica:. nada podei aos fazer que- possa
servir, qner.-parao presente;.quer, paca o1 fu-
turo.
J tenho.fallado varias vezes sobre a exi-
guidado dbs ordenados desta repartigo etie-
nhuma providencia tesa., apparcido at
hoje.
Iteus guarde-a V. Exc. por muitos annos.
Illm. e Exm. Sr. conselheiro- Dr. Fran-
cisco de Paria hemos, presidente oista pro-
vincia.Dr. Pedro d'thmyde Lobo .Hos-
coso.
hispeeco do sade publica em 18 de ou-
tubro de 1872.Illm, Exm. Sr.As provi-
dencias que pretenden por em pratica os
cnsules das nagoes estrangeiras residentes,
nesta cidade sao todas tendentes a melhorax
o estado sanitario dos uacionaes e a tornar
monos mortfera a febre amarella, caso elfo
veiiha a tomar um carcter mais grave e
ameagador do que tem mostrado n'estes uU
tmosdias. Desde que appareceram os pri-
rneiros casos, algumas d'essas providencias
foram lembradas e reclamadas por mira em
olhcicio de 18 de Janeiro de 1871; segunda
vez em i de fevereiro de 1872 e ltimamen-
te exigidas em ofTicio reservado de... do cor-
rente. Ninguem pode melhor fazer obser-
var as medidas preventivas propostas pelos
cnsules signatarios da representaeo a V.
Exc. dirigida do que elles mesmos, nao s
porque sao os competentes pira ter aceo
mais directa sobre os subditos de sua nago,
como mais immediata inspeceo sobre o
cumprimento das ordens que por elles forem
dadas. A esta repartigo compete, princi-
palmente em occasies de epidemia, velar
sobre o estado sanitario dos navios; porem
faka-lhe a maior parte dos meios para exer-
ccr urna perfeita vigilancia e vencer as gran-
des dilficuldades que lhe oppem os hbitos
da gente do mar e os interesser commerciaes.
Sendo poucos os casos de febre amarella,
qne tem apparecido nao s a bordo, como
em torra, e portanto nao havendo motivo
para se tomarera providencias extraordina-
rias, uo as tenho requisitado pelas razes
em que me baseei no relatorio que em 30
de setembro findo enviei, por intermedio da
presiuencia ao Exm. Sr. ministro do impe-
rio, e que junto por copia. Devo por cum-
primento dasobrigages do meu cargo, levar
ao conhecimento de V. Exc. que alguns m-
dicos acreditam que a febre amarella se pro-
paga por meio de contagio ou infecgo, e por
isso julgam que se deve abrir o lazareto do
Pina e obrigar aos doentes de bordo, e quig
os da cidade, a irem para alli a serem trata-
Jos, afim de vedar que a molestia! propa-
gue 4 nfMMilacSn. F.m meu dito relatorio
em virtude da qual elles oceultam por dias
. os seas padeciraentos.
1 Segunda a gravidade de quo"as vezes so
rewjsteia febre amarella em poacas horas ao
ponto lo tornar perigosissimo o seu trans-
porte, por pequea que seja a distancia.
Tetcelra : a frequencia com que, duran-
te a epidemia, apparecem os doentes, que
tornara incessantes as viagens, o necessario
numero avultado de embarcages parasuc-
cessvos transportes.
Quarta: a distancia em que est o lazare-
to, que-torna as viagens durante'as horas
de maior calor de grande perigo para os
doentes, e muitas vezes funestas.
/IfQuinta : emliin a ausencia de una verda-
deira epidemia sao motivos que em rainha
opinio actuam para nao exigir sacrificios do
governo nem providencias extraordinarias,
senao no caso era que sejani indis-peusaveis.
Conforme j por varias vezes-tenho feito.che-
gar ao conliecimento do geverno, esta repar-
tigo tem o secretario com quatrocentos mil
ris (406W00) de gratificago *mkkiI e mais
duzentos mil rb (200-7000) por seis me,
que se Me arbilrou em compcnsac/io dos
omohnnoiitos das carta de sawfof cujo pa-
gamento se nao faz a quatro me!S-; o um
guarda con a diaria de mil duzentos o oiten-
ta ris,(ISt80) salario quejhoje rejpita um
simples varreilor de ra. E quando ura
d'est\ empregados- esft no mar, o outro
est (ja repartieo. Q'eio que coi: taes
ewprjjgado&HaO' possivel exigir delles mais
do qi|; fazemv Portanto-pora se fazer urna
inspB^cfto regular as alvarengas o outtos
sciTiigos, preeiso noinear una outro indivi-
duo para ajuvlar aquello, o como o servigo
deso a sol, julgo que noseJlbe pode marcar
um Ordenado de menos de cera mil ris met-
saes; e para se fozer a desmfecgo dos na-
vios ser preciso dar ao secretario e ao guar-
da a gratificago mensa 1 do sestela mil ris
e gen*} do escale* a que \r outras vezes
tem sido abonada.- V. Exc deliberar a
respoito como mais couvonienle-enleuder.
Julgo portanto que-se pode wiuuir a pro-
posta dos cnsules signatarios dfc- represen-
tago que 8t> enderegada a V. Ex*, esperan-
do que elles-seesforcem pare que-sejam fiel-
mente cumpridas asdisposiges nt-Hacoiitidas
17. Em casos de duvidas O de qualquer t mHar a epidemia seus accomraettimen-
urgenca uo prevista, 'os capitaes, consig- tos aos trjiolantes dos navios surtos no por-
natarios ou cnsules reclamaro immediata- tu, obrigar a desembarcar toda a tripolago
mente as providencias necessarias ao ins- apenas o navio'cliegasse, e faxer-se o servigo
pector da saude deporto.
Inspecgo da saud'e de porto, era 21 de
outubro de 1872.0 inspector, Dr. Pedn
de A'Uhnyde Lobo Mosoozo.
guc populago. Em meu dito relatorio
mostre que no principio d'est anno a febre
amarella atacou a muito mais de mil homens
do mar, os quaes foram a maior parte pensa-
dos nos diversos hospitaes- d'esta cidade e
casas particulares sem que a molestia se
cammunicas se nem mesmo aos estrangeiros
reeentemente aqui chegados. Na Parahyba
aconteceu outro tanto, e em 1870, confor-
me se v do relatorio do inspector de sade
publica da Bahia, os doentes de bordo foram
rocolhidos em una enfermara ou casa de
sade sita ra d Orden) Terceira de S.
Francisco, semque o contagio se effectuasse.
Nao de minha intengo fazer analyse e
menos censura s opinies medicas e quando
para satisfazer as exigencias delles ou ao
menos calmar as inquietagojes publicas da-
quellas originadas, seja preciso tomar quaes-
quer providencias, Jeu starei prompto| a
coadjuvar a administraco era tudo que es-
teja a meu alcance. Farei entretanto al-
gumas observagdes coro o intuito 'de mostrar
que nao cousa to simples como se pensa
o -tratamento dos doentes no lazareto; por
toda parte nos rodeiara difliculdades, sem
que urna s vantagem sja em nosso favor.
Em primeiro lugar : a repugnancia que
tem todos os doptes em ir para os hospitaes,
s- rocommoittlando-se sis-repartigt-es compe-
tentes que os- ajudem e lhes prestoni todo o
auxilio que or possivel,. afim de que em
poucos dias tudo se nao postergue ao inte-
resee individual. Junta achara V. Exc. a
retagao das providencias qjue julgo se deve
pr. em practiea para que, seudo approva-
daspor V. Exc. e aceitas pelos cnsules, se
fagan executan fielmente.
Deus guarde-a- V. Exc^Illm. Exm. Sr.
desembargador Francisco de Parias Lemas.
O'ii)spoctor, Dr. Pedro dcAtluiyde Lobo
Somcoso. ,
Reglamento ytdcve ser observado nos
nuuics ancorados neste porto de Pernain-
buco em'ua,Uo durar a febre uimrella
on o grande oalor do verda;
1l? Para nao- haver agglomeragao de na
vios dentro do arrecife e evitar os desman-
dos-das tripolages em torra, os- navios fun-
dearo no lamacao. e ahi permane<;ero at
que chegue a ocoasio de receberem carga.
2i Quando os.navios tiverem.de entrar
para dentro do. arrecife, os capitaes man-
darodeitar grande quantidade de soluto
dechlorureto de calciura ou de- acido phe-
ieo carbohto. dentro do poro e depois
lie bem lavado, o- completamente esgotado,
mandaro deitar segunda porgodo mesmo
soluto pa firar.
3. Os navios, dentro do arrecife nao de-
ivem litar oiu,lilas de mais de quatro e aos
maiores cabera, o lado de trra.; e, sempre
que for possivel, as filas serio- de navios
de igual lotago.
4.* Os navios sero ancocados desdo o
pharol at a.Cora dos Passaritihos.
5.* 0& navios que tiveremde recebercar-
regamentos de couros ou substancias quo
exhalenx mo. cheiro, ou de carregar ou;
descarregar carvo de podra, sero removir
dos para lugar onde fiquem. luchamente
solarlos dos outros.
G.* Aos capitaes compete, sob peta de
muha que lhes irnpoe o artigo 51 do icgu-
lafltent0.de 23 de Janeiro de 1801,. fazer
conservar os seus navios 110 maior estado
de faneca e aceio e tor sempre em diversos
lugares do navio, vasilhas com aguao-acido
phenico, e esgotar, sempre que haja, a agua
do poro depois de a misturar cora um so-
luto do dito acido ou de chlpruroto. de cal-
ciura.
7." Nao de vem consentir que-para bordo
levem fructas, principalmente mal sasonadas
e as de natureza indigesta, pudendo, apenas
consentir as acidas, como limos doces, la-
ranjas, limas, estando bem maduras, etc.
8." A mais restricta prohibigo deve de
haver a respoito das bebidas alcoolicas.
9. Nao se deve consentir que pessoa al-
gum de bordo durma sobre o convez.
10. As tripolages s devem trabalhar das
seis s dez horas da manh c das tros s
seis da tarde, o em caso algum o carvo
de paira deve ser descarregado pola gente
de bordo e sira pela do paiz ou au clima
habituada.
11. Deve haver a maior vigilancia para
que as tripolages nao venham trra en-
tregar-so a exeessos, consentindo apenas os
compradores ou outros em caso de necessi-
dade.
12. As tripolages nao devem fazer uso
d'agua existente a bordo seno depois do
verificado que ella se acha em perfeito esta-
do ; e nao se achaudo assim, ser immedia-
tamente langda no mar substituida por
outra depois de bem hmpos os tanques.
13. Deve haver todo o cuidado na quali-
dade dos alimentos, nao devendo mudar de
repente os a que esto acostumados, princi-
palmente para a carne fresca.
14. Logo que qualqner individuo so sinta
affectado de alquebraraento, dores pelo cor-
po, mais fortes as pernas o as cadeiras,
calafrios e dores de cabega, deve-sc-lhe ad-
ministrar urna ou mais chavenas de infuso
de flores de sabugueiro com urna colher
das de sopa de bom vinagre e agasalhar-se
bem para suar; e depois deiobtida urna
transpirago abundante, dar quatro a seis
colheres de oleo de ricino, e se com isto nao
obtiverem seu restabelecimento #recorrer a
medico. '
15. Ainda que os navios tenhara sido a
pouco fumegados e desinfectados pela repar-
tigo de saude, logo que apparega qualquer
doente a bordo, os capitaes particjparo in-
continente dita repartigo, afim de se fazer
de novo a desinfeego.
16. Os capitaes sao obrigados a dar trans-
porte de seu navio para outro aos empre-
gados ua desinfeego quando o escaler da
saude estiver oceupado na visita dos navios
barra.
Illm. Sr. Dr. inspector da saude publica.
Li com a dovida attongo o relatorio que
V. S. tem de apresentar ao governo como
inspector da saude publica da provincia, e
estou em quas tudo concorde com as opi-
nies por V. S. ah emittidas.
Considerada a hmpoza dos lugares povoa-
dos como urna coniligo iudspensavef para
a sade de seus habitantes, lembra V. S.
comrazoa remogo dos inaiores focos-de
infecgo, que temo n'esta cidade, e fago
votos para que a justa reclamago de V. S.
possa abalar a indilferenga do nosso governo
em assumpto de tanto peso.
Receio que roalisado o ponsamento d
V. S. de se aterrar o canal do Riachuelo,
nao so frustee a idea du ticar alli urna larga
ra arborisada, que seria tirai|botmo passeio,
indo-se algum particular bom- quisto da
sorte apossar-se d'esse terreno, de grande
valor, por sor aonde para edificar, em seu
proveito, e assinr me parece que con igual
beneficio para a Sflde publicarCcom1 meior
para o cmbellesaui'ento na cidaiicse poderia
completar o canal at a fundigo do Starr,
fechado por comportas, que Bvijne a' des-
coberta-do fundo do 0HQU na Mna das ma-
res, o bvrondo a idea de se fazer utn'passcio
publico no alagado jvoto da fundigo do
Starr, lhe seria isto de-grande aformosea-
nieuto.
Urna cireumstancia qe mais concorre
para a bellesa d'esta cidiale sera Runda
algurna os bragos de ros que a cortan em
ilivorsas (lirecgoi?s, e por tonto nao louvu a
idea do se alterar esse allomo cora qne a
natureza a revestio, para" o substituir por
outro menos wsonio e alegre quando a isto
se nao opponha indecliiiavel'Oecessdade:
Em quanto as- considorages expendidas
porV. S. acerea da febre amarella, coues-
tando-lhe a qu.iiilade de contagiosa pu iu^
fecciosa, e queseado que elL'seja antes d-
peudente de urna alteragao- atmospheriia
ou tollurica de durago passageira, se 11*
eoUocar no meiodos tactos d minha ob-
servago, procurar interpretados sem me
guir por ideas previamente concebidas, co-
inodevemos fazer para bem nos enearainhar-
raoft^odescobriinento da verdade, nao pos
itxar de concordar cora
da descarga e carrgamento dos navios por
pessoas do paiz.
Mas, nao pudendo tal vez realisar-se esta
ii lea por dispendiosa, cumpre que as medi-
das ajn'esentadas por V. S. se tornem urna
realidade, e que alm de tudo haja demasia-
da pesquiza, para que os cmmandantes dos
navios manden), sem porda de tempo, para
os hospitaes as pessoas que apparecerem
aocommettidas de febre amarella, que sendo
mais convenientemente tratadas, deverao es-
capar em maior numero, e por isso nao dei-
xaria de ser conveniente a nomeago de ura
medico que visitasse diariamente os navios.
Eis o que me occorro dizer de prorapto em
resposta ao officio que V. S, se dignou dffi-
gir-ioc.
O asurnpto mereca um trabalho mais dc-^
tido, Hwsfalta-me o tempo e as habilitages
para meUior desenvolv-lo, ao' sondo sensi-
vel a delcieucM com que o trotei, porque V.
S.em seu relatorio deu ao objecto o conve-
1 liento deseavolvimonto, segundo' permittem
seu talento e ilustrwgo.Deus guarde a V.
S. Recito, 9denoembro de 1874.Illm.
Sr. Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoso, D.
tnspeetor da sade puWica.Joo &Siha
Kamixs.
Illnv- Sr.Liroom ang o trabalho
por V. & elaboradb sobre a febre amarella
nesta provincia,- e 'achei itora e de accordo
cora minhos ideas.
Tanto se teul-escriptosobwai materia, q*e
apenas limi*o-me a d*er a' V^S-, como pens*
a tal respeito.
E' minha opinio que a ebre amarella'
nao molestr contagi.wa, e ieto- se verifica
peto historia da que ter. ultlrnaaiieote reina-
do entre nos.
O-appareciOfetito da febre amarell so deu
no aicoradouro; sera que foss- prwluzido
lor contagio, |>of que tere lugar emum na-
vio de longo curso, que vele de- porto nao
sospeito, o depois de funtfeado miitosdias,
sem que se dsse a existencia d. molestia
nesta cidade. J
Seu desenvolvimento se twm lintado aos
naviosysemea propagar tos- babitautes- da
trra, anda mesinoa* qu^^p elles se acharo
em contacto immeNliato, comc-se d :e-hos-
pital portuguez, par-oWe sao recomidos em
grande escala, apezar dOle encontrar in-
ilividuos nao acclimatados, 1- portantomas
condit;oe*de bem se ppestarem a transmis-
so do mal.
so deixar de concordar cora a sjpkiio emit-
tida-porY. S. A questao sobre o toategio J%febre ama-
Eis-me diante Jos tactos : a. epidemia dej^Ha tem 5,j0 to dobatada,que nao-seria-pre-
ciso nella faMar-se, mas entendo -eu querella
s tem por- fira por tropegos ao commeccio
alimentar urna industria na formaco-das
quareutenes, toda otaidesprovsite dosvia-
. diante Jos factos : a> epidemia
febre amarella que reinou n'esta cidade era
finsde 1870 a principio- do 1871nao se li-
mitou a.atacar os tripulantes dos navios
surtos em nosso purto.
Crescido numero do estrangeiros, uns-
reeentemente chegados a esta cidade, eou-
tros-n*ella residentes j ha va algum. tempo,
maa.que nao tinham soffrido dafebre ama-
rella, foram d'ella acomraettidos,.e. nao pou-
cos-fallecerara.
Muitos dos habitantes do interior da pro-
vincia que rieraah ento capital tratar d
seu* negocios, que como do observagao>
so.toaptos a contrahirem esta, molestia,
como os cstrangoirrs, pagaram.- como estes
comsiias vidas o tributo a toterrivel fl*
gello. Bom lembrado ostou deque escrevi
a varios amigos meus do interior,. pedindo-
lhesque evitasse-m vir ao Reoife era quauto
reinasse a epidemia.
Como medico do hospital Pedro II e pro-
prietario da casa de sade, onde se reeoihe-
ram varios doentes viudos de bordo de na-
vios estrangeiros, om nume/o todava me-
nor que na epidemia dos fius-.de 71 por-72,
observei que doentes que n!essos estbcle-
oimentoS estovara em tratamento do entras
molestias, focara acommetdos de febreama-
rella bem caracterisada, alguns morreram
com vomito preto.
Esta ultima oceurrencia abalou meu es-
pirito acerca do juizo que ento .forma va da
natureza nao contagiosa, da febre amarella,
mas esperei que novos- fados rae- lovassom
ou a torrtar um novo accordo, ou a persis-
tir om minha primitiva opinio..
N'a epidemia de 18.7i por 1872, as cou-
sas tomaran) ura apecto divesso. A febre
amarella lavrou com nuita maior intensi-
dade 110 ancoradou.ro ; navios houve que
porderam todos os seus tripolantes : mas
a epidemia noacommetteu na cidade Dem-
os estrangeiros, nem os nossos habitantes
do intorior, e os hospitaos todos sem oxeep-
gao, receberam muito mais crescido numero
de doentes de bordo dos navios que no anno
anterior, e nos dous hospitaos era que sou
encarregado do servigo clin ico nao se deu
ums facto do serum individuo em trata-
mento do outra molestia acommettido do
febre amarella, embora cstivessem as mes-
mas enfermarlas o em leitos vizinhos.
Na primeira epidemia a que me refer,
observou-se casos de febro amarolla por
toda a cidade, casos do doontos de outras
molestias acommetdos de febre amarella
nos hospitaes e as enfermaras om quo os
atacados d'esta peste oram tratados, por
tanto ha possibilidade do contagio ; mas na
segunda epidemia nao houve um s caso de
febre amarella nascido dentro dos hospi-
taes, tendo sido o numero dos ahi tratados
muito superior ao da primeira, logo nega-
gdo contagio.
. Em vista pois do occarrido, devo pensar
que a causa morbigena,fosse ella de que na-
tureza fosso, espalhou da primeira vez sua
acgo por toda a cidade, o foi mesmo ferir
alguns doentes nos hospitaes ; mas que da
segunda concentrou sua influencia ma'ofica
no ancoradouro, e nao atacou os residentes
na cidade.
Querendo pensar que no primeiro caso
houvo contagio, e coneluir-se d'ahi quo a
febre amarella uma molestia contagiosa,
como explicar a ausencia completa de novos
accommettidos no segundo caso em que o
numero de doentes de febro amarella tratados
nos hospitaes foi muito superior ?
Nestas condiges sou levado a considerar
a febro amarella como nao contagiosa, e jul-
ga-la dependente ou de uma alteragao atmos-
pherica ou tellurica, ou de outra qualquer
causa de durago passageira, que s appare-
ce e se desenvolve dadas certas circunstan-
cias, e reunidos certos elementos, accommet-
tendo somonte os individuos, que estiverem
aptos para receb-la.
Em quanto s medidas por V. S. aposen-
tadas, esto ellas de accordo com a mancha
por que V. S. e eu encaramos a febre ami-
rella.
A viuda dos doentes do bordo para trra
uo ser causa do desenvolvimento da febre
amarella ua cidade, como se observou aa.
passada epidemia. Converia antes, no caso
jantes, que-s sujeitos a uma pena incapaz
de remedia*- a curado-mal, aiuda quand-
reconhecido contagiosov.
Nao posso fazer publurago sobie a mate-
ria, que tem sido muito estudadv,.eque nr-
V. S. nitrito conhecida.
Aproveito a occasio de declacar-lbe m^e
abundo as ideas emittidas, que Sara servigo
ao coramercio e a esta. provincia;. Beus-
guarde. Recife, 6 dedczeinbr&id 1872.
Illm. Sr. Dr. Pedro- de Attahvde Loho
Moscoso. Dr. Prxedes Gomes de Sonsa
Pttanga-
YARIEDADE
PERIttOS DA PREKlPlTAC.\t*r-Estoain
justos para casar em Lige unt mancebo e
uma honesta e boa ispariga.
Aconteceu ter ella.de sair e accertou pas-
sar peto lugar em que se afixanii os procla-
mas do casamento,, no edificio- da amara
municipal.
A pequea teve .natural curiosilade d
ler os nomos dos que ostavasii-para realisar
um acto porque- ella tambera suspirava.
Foi leudo at que com agrada el sorpreza
depara com o nomo do seu namocado. Mas,
um instante depois, sol ta um. grito abafado,
profere urna hreve exclamago.
Aquello assombro era naturalismo. Era
lugar do noiac della e do sua filiago, etc.,
estavam outras indicagoes- mui diversas.
' Volveu para a casa o nada contou seys,
pais.
Coinsigo. guardou tamauho desgosto.
A' tarde como de costume foi visita-a. o
namorado, o qual com os mesmos modos
do costume a cuinpfnentou. Ella, porem,
repelle-o, e encarara com certa intimativa,
com ar de quera reprehende severamente.
0 rapaz nao pude perceber nem attingr
aquella traiisfoimaco, e pede-lhe explka-
ces, que lhe sao negadas.
Diz-lhoella, porm, que se rotipedouma
vez para sempre, e accrescenia, porque a
indignagao nao a doixou contei;,. algumas
apostrophes mui amargas,
namorado repele a exigencia, de lhe ser
dito o porqu de scmelhante proeediinento.
Cede ella por fin), e diz ao rapaz que a
s)ga.
Parti em direc.o cmara munio-.
pal.
Ahi consegue certifiear-so que se traUva
do casamento, do um homouyma do sou
noivo.
A reconciliago, nao tardou um momento.
A pequea oegara-se depressa sem se lem-
brar que ha mais Maria na trra.
Como os arrufos entre amantes sao mui-
tas vezes renovago de amor, parece que
aquelle momentneo enraiveciraento da me-
nina, apressou, a roalisago do consorcio.
VILISA-SE A CHINA*Est decidida
urna grave questao por forma que auxi-
lia os interesses dos estrangeiros quo teera a
tratar com 0 imperio chinez.
Um despacho de Hong-Kong, de 10 de
Janeiro, refere guc a questao das audiencias
est resolvida. Os ministros sero recebi-
dos pelo imperador na data da primeira la
chineza.
A mesma folha em que encontramos esta
mengo, accrescenta: E' uma concessao
importante. 0 imperio chinez destroe as
barreiras que o separavam da oivilisaco
europea. D'ora avante as relages diplo-
mticas nao sero orabragadas pelas difli-
culdades das minuciosidades da etiqueta
chineza. ,
EXP0SICA0DEV1ENNA DAUSTRU.
0 Sr. Antonio Moreira Rato, residente na
ra Vinte e quatro de julho n. 308, Lisboa,
manda para a exposigo um baixo relevo
representando as artes, o commercio, a in-
dustria o a agricultura. ____________
TYP DO DIARIO RVA iH'Qa DE CAA1AS.
\
'



N
--------'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPUHK4MZK_K6WLCG INGEST_TIME 2013-09-19T20:54:42Z PACKAGE AA00011611_12837
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES