Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12834


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AXXO XLIX. MUERO 34
f
t
t
.
i
PARA A CAPITAL E'IAGABES OlffDE SAO SE PAGA PORTE.
Por tres metes adiantados *C ..*..... '. ....... 6*000
Por seis ditos idem.................... 123*000
Por.un anno idem...............' 24&000
Cada uutnero avulso ..........'.....?.', 320
DIARIO
i------------------.
TERCA FEIRA 11 DE FEVEREIRO DE 1833
PARA DENTRO E I OBI
Por tres mezes adiantados. .......
Por seis ditos idem. .' *
Por do ve ditos idem .........
Por um anuo idem. .........
VA PROVINCIA.
N
6*750
139500
20*250
27JP000
PROPRIEDADE DE MANOEL FICEIROA DE FARIA & F1LH0S.
Os Srs. Geranio Antonio Alvos & Pulios, no Para; Connives & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Fflho, no Cear; Antonia de Lemos Braga, no Aracaty ; Joo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahjba ; Antonio Jos Gomes, na tHa da ftnha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazaretii;
"V Antonio Ferreira de Aguiar.em Go^ann; Francino Tarares da Costa, em Alagoafc Alus & C, na Bahia ; e Leite, Cerquiuho & C. no Rio,'de Janeiro.
PARTE OmCIAL
Covcruo la provincia.
KX1-EDIEME UO DIA 1" lili I EVhllF.llUi DE 1873.
p MtgO.
Offlcios :
Ao coronel commandante das armas.Man-
de V. s. por em Kberdaue o recrata Manoel An-
b qo de Aran jo. v-do ler provado iseneao legal.
Ao mesa.Sna-se V. S. de providenciar
para que seja diariamente posta disposieo do
caoitao rcerutador desta capital, Manuel Qaadino
de Oiiveira e Cruz, una praca. de Ia lnha.
Ao inspector J.> arsenal de mariii'-a.Vara
'inprimeiito do aviso circular do ministerio da
marraba, de 11 do jan -iro prximo lindo, remeta
\' S. OMO destino aniella secretarla de estado al
i lia 2S do corrate mez, os esdareciineatos para
organisacao do relaiorio, que tem de ser pre-
sentado asssembla goral legislativa na I'sesgan
i iste anuo. Igual ao capitao do porto.
_ \(, cttpitSo do porto.Respondo ao.seu oili-
cio de 31 de Janeiro nitrato, sol n. ii, dizcndo-
I!d que faca ssprir para a edite no prximo va-
os retratas de marrara que deixaram do em-
barcar no (Har, com aquello destino, em razio
dos motivos expostos em dito oflicio.
Ao tenentc-coroncl Deeio de Aquino ronce-
c.i.-Pdoseu olllcijde 30 de Janeiro ultimo, sob
n. 10, fico inteirado de haver Vmc. na mesina la-
la asaumido a direeeao da capitana do porto, na
.p.alidade de sen secretario, em consecuencia da
retirada liara a norte do capital Ignacio Joaquim da Fonceca, qae foi exonerado
desse cargo.
Au director interino do arsenal de guerra. -
Declarando jeEsm. 8r. ministro da guerra em vi-
do de 13 de dezembro prximo lindo, que na data
de 16 de setembro anterior j sc_expeda, ordens
ao director do arsenal da corte para mandar for-
neeer ao 14 batalbSa de nfantaria o fardamento,
jiodido pelo respectivo eommandantei aasim o
communico a Vine, em soluea ao ollicio dessa
directora,de 3 de outubro do anuo piando, sob
n. 237.
ao engenheiro encarregado das obras min-
iares.Tendo por acto desta data noineado una
ommisso de cngenlieiro-, comporta de Vmc, do
befe da reparlicao das obras publicas, do enge-
nheiro Joao Martins di Silva Coutinho e dos Drs.
Manoel Branque do. Macedo e Panto Jos deOli-
v.,: i, para proceder a um rigoroso flxame sobre
o>o!Tcitos da pressi e do poder lloininante, tan-
to da illuiuinaija i publica desta eMade, com i da
particdlar, no sentido ik evitar-se inaior consumo
aes particulares sem diininnicao de intensidade da
illomina^a pulilica, Qeando deste modo habilita-
da esta presidencia a providencial a respeito com
v. i'dadeiro coiibccimciito de ca.;-a. assim o cotn-
manico a Vmc, e*|ierando de sen zelo pelo serv-
ijo publico, que niu se recusar ao desempenho
di isa incumbencia.
8 secfo.
Portaras : --., ,
O presdeme da provincia, de conformidade
c .m a proposta do I)r. chefe de polieia, em ofll-
cioi n. 1,001 bis, de i de outubro dix.amio pas-
v; lo, 208 de i) do mez (indo, resolv nanear
para 08 Ingaroj d Io, i1 e 3 suplientes do sub-
delegado do districto de Oravat, do termo de Be-
zerros, os eidadaosseguintes, naordemde sua col-
|..-a,-Iu: alleies Amonio Kstevau da Silva Cruvel-
l de Mello, Antonio Gomes de Mello, Antonio Pal
d Silva Lin.loro.
O presidente da i rovmca, a'.tendeiido ao que
( luereu Lonrenco Kodrigues Becerra, praca do
.upo de polica, resolve conceder-lhe uai mez
do ucenea com veaaimentos, na forma da le, para
r Villa Bolla ver sua familia.
O presidente da provincia, attemlendo ao que
r-quereu o bacharel Joaquim Gnedes Correa jlon-
dim, promotor publico da comarca de Itambe, re
s-ilva eooeeder-llie um me/. Je lieenea com orde-
n .. i.L> me convier. .
o presidente da provincia, avista dos omeos
do Dr. ebefe de polica, ns., 1,601 bis, de i de
uulubro do anuo prximo pasado e 208 de 2!) do
iik /. lindo, resolve exonerar dos cargos de 1", 2'
e ''" Mipplentes do subdelegado do districto de
Hrivat, do termo de Bezerros. os cidadaos Pauli-
no Teixeira de Carvalho, Calistro Teixeira de
Carvalbo e Manoel Baptfsta das Nevef,
O.Iicos : .
Ao Dr. chufo de polica. Envo a V. S. o
nfuco Junto ora original do engeauo liscal da va
terrea do Recife S. Francisco, de 31 do mez fin-
d i, pie devolver, aliin de que proceda a um in-
qnerito minucioso Robre o tacto de que elle trata,
para que seja punido, nos termos da le, o autor
di [abineacao dos dezoote blhetes inclusos.
Ao juiz dos feilos.-Envo a V. S. o proces-
so junto de juigameidud soldado do corpo de po-
lieia, Miguel dos Aojos l'ereiii, alm de ser s.ib-
muttido junta, que deve reunr-se C do cor-
''a,e- -.T
Ao jip/. de direito de C.iruaru.Informe V.
S., cota urgencia, se foi responsabilisado, como
ordenoq esta presduncia, a 2o de abril de 1871, o
.\-juiz muuicpal supplentede S. Denlo, Luiz Pau-
lino Hollanda Valenca, pilas irregularidades pro-
cedidas na arreeadapao do espolio do finado por-
niguez Faustino Siinoes Ferreira, e no caso afllr-
mativo, qual o resultado do processo, ou estado
era que so aeha.
Ao juiz municipal de S. Beulo. Versando a
e.eislta de Vmc em offlciodeW de dezembro
sobre easo oeeurrente.ilevcessc
oiu a le e prin
asanmido .o exereieio de capitao do porto, era con-
sequencia" de ratfrada para a-oirt do capitao de
ni ir a guerra. lanacio Joaquim da Fonceca, qo
foi exonerado d nquee cargo, por decreto i 12
de dezembro prximo lindo ; asgiin 0 declaro a V.
S. para os lilis convenientes..-
Ao mesin. IVans nirt > a V. S. a folba e
prets jimios cin diplieala que me remettou o co-
ronel ceavnandaute das armas interino, cjm ofllcio
de boje, sob n. l'H, atim de. que. man le pagar os
veiii-imi'iitos dos olllciaes. pra;as e calcetas, era-
pregadas no deposito de recrutis, sendo os dos offl
ciaes e calcetas coiicurneiites ao mez de Janeiro ul-
timo, e os das praefla segunda juinzuna do mes-
ino mez.
Ao mesmo.Attemlendo ao que oxpoz to in-
cluso renuerunento o baobarel Jos Antonio Cor-
reia da Silva. atorisoY. S.. nos termos di decreto
n. 2.881 i|o i" de tevereih) de 18I2. a mandar pa-
gar sob a rosponsabili lade da presidencia a quan
ta de l:D.K)i. atre como ajuda de casto foi arbi-
trada ao supplicanle por aviso do ministerio da
iisliea, de l' ilu Janeiro lindo, na qualidade de
ebefe de polica nonieado para a provincia do'Rio
Grande do Norte.
Ao mesmo. lievolvendo a )'. ?., acompa-
nhado de o ipia d iiilonnacio do Dr. chele do po-
lica o pret em duplicata que veio annexo ao sen
oflcio de 2i de Janeiro ultinw, *>!> n. 817. serio B.
e relativo as diarias alunadas a varios recrutas,
viudos do termo Me Cimbres, tenbo a dizer ein res-
posta ao citado offleio. que mande pagar a iiiijior-
tancia de taes diarias, positqae, os rcerntadores
snwnt i sao obrigado pelas de-pezfis feitas com os
recrutifs que aio as.-cotarem praca, quando pro
cedein por ni i f;; ou incuria em Verificar se ao re-
crutado assiste ou nu a sencao legal, mas nunca
se esta sobreven, d.-p.iis do acto da prisao. ou
quando somonte a me licina pode descobr la.
Ao mesmo. Reeonunendo a V. S. que avista
da coala e tnappa junios, que me remetten o Dr.
chefe de polica, eom ollicio de 30 de Janeiro ul-
timo, soii n. I", mande pagar a quanta de :i:ti'i80.
despendida pelo delegado do termo de Tacaratu'
com as diarias Eorneeidas aos tres recrulas viudos
d'aquelle tenn >. sendo que 0 priineiro e tercero
tiveraiu destino para o servieo- do exercto, e o se-
gundo por ser menor para companhia de apren-
dizus marnheiros. segundo se deprehende da ines-
ma e ma e uiappa.
Ao mesmo. Allendendo s r.izoes expostas
por Manoel Jos Corris, no recurso, sobre que
mfbnnou V. 8. em offleio de hontem, sob n. s:t6,
serie I!, resolv relcva-loda mulla de HH), que Hu
foi imposta pelo administrador da recebedoria desta
pn
prdximo panudo,
liizo decid-lo de conformidade com a lei c prin-
cipios de direito, nao cabendo a esta presidencia
i .;-liie tnstrueeSes a respeito, e apenas dedarar-
Iho. que o cnsul pormguez nesta provincia tein
ciencia da moite do portuguez SimiTes, e do mo
do porque foi arrccailado o espolio.
Ao promotor publico de Cimbres.-Em vis-
ta do quo expoz Vine, em ollicio de 22 do mez
prximo passado, nesta data mando destacar em
MoXOt um ollieial e doze pracas do corpo de po-
li i, esperando que com essa for?a possam ser
perseguidos e capturados os criminosos, i que al-
inde o dito offleio. Quanto ;t)S presos existentes
nacadeia de Cimbres, podem ser remettidos para
esta capital, aquellcs que estiverom condemnados
j tenas graves, sendo que opportunamente se tra-
tar de inell:orar dita cadeia, de modo a ficar em
rondicoes hvgionicas. -
' Ao promotor publico de C.aruar. -Informe
Vmc, com urgencia, se essa promotoria cumprio
.i ordemi que lie foi expedida por esta presiden-
cia a 25 de abril de 1871, quanto a proceder de
conformidade com.a lei contra o ex-supplente do
juiz municipal de 8. Bento Luiz Paulino de Hol-
landa Valenca, pelas irregularidades commettidas
ha arrecadacao do! bens do portuguez Faustino
SmiSes Ferreira ; no caso aflirmativo, qual o es-
tado ou resultado do proeesso, e no negativo, as
razoes pelas quacs nio foi ciiinprida dita arreca*
Ao comtnaudanle do cerpo de pouc a..an-
de Vine, deitacar em Moxol, na comarca de ijm-
bresj unioffleiU e doze pravas do corpo sob o sen
con:mamo, disposieo das respectivas autoxida-
1 .. polieiaes de'disiricto.
3* tec Oficios: .
Ao inspector da thesvjrSna de azenua.
:M.municando-ine o secre;ario da capitana do
porto, Decio de Aquino Foneeoa, em offleio de 3>
il. jiueii'u ult'iaw, :Jb u. 1% haver u'aquella data| Poruas
roviica, por nao ter dado matricula o lempo
naicado pila lei. a menor livre Eugenia, nasida
em :t de agosto do anuo passado, lilba* de sua es-
crava Andr/.a : o que declaro a V. S. para os fins
convenientes.
Ao mesmo.Coiiiiiiunieo a V. S. para os de-
vidos fins, que a I!1 do mez passado reasumi o
hacnard Miguel dos Anjos Barros o exerccio do
cargo de Juiz municipal e de orpbaos do termo de
bigazeira.
Ao mesmo. -CommuiCO a V. S. para os dc-
vidos fina, que a I' do mez prximo passado as-
suinio o 1* supplente do juiz municipal do tenyo
de Bom Jardim. Jos Francisco Cordeiro de Ar-
nula, o exerccio deste cargo, por ter oelfeclivo
passado a exercer a jurisdic.-o do Juiz de direito
da comarca.
Ao inspector da Ibesouraria provincial.
Fique V. 9. na inleliigeiicia de que os alumnos
pensionistas do gymnaslo provincial, que s;io all
admiitidos gratuitamente, qner por forcea de lels es-
peciaes, qner pelo art. 131 da de n. 309 de l'i de
Dalo de 1855, deven) ser sustentados pela renda
do estabeleciinenlo. coneorrendo os cofres provin-
ciaes, smente miando esta for insuffleiente, e isto
mesmo em favor nnieamante dos comprchenddos
na disposieo do artigo da lei citada.
.-o mesmo.A" Marcelino Jos de Lima man-
de V. S pagar a ipiantia de IS-SODO, proveniente
iloaluggel vencid...... semestre de jullio a dezem-
bro do anuo proxino passado, da casa que serve
de quartel ao destacamento da villa de wossa Se-
nhora do O', do lermo de I|Mijuca, como se v da
cunta junta en> duplicara, que me remetteu o Dr.
chefe de polica] .com offleio de 30 de Janeiro ulti-
mo, sob n. 218.
Ao mesmo.Providencie V. 3. no sentido de
ser paga a Jofio Francisco Antones & Iiniaos a
quaiilia de 6364180, despendida com b sustento
dos presos pobres da cadeia do termo do Brejo,
durante os mezes de setembro a dezembro do anno
passado, segundo ,-e evidencia da eonta e relaeao
juntas, que me remetteu o Dr. chefe de polica
eom offleio de :0 de Janeiro ultimo, sob n.
216.
Ao mesmo.A. capitao Dorindo da Cunta
Lima mande V. S. pagar a quanta de 22880,
em que importou a despea (bita durante os mezes
de outubro a dezembro de anuo prximo lindo.
eom o sustento dos presos pobres da cadeia do
termo de Buique, e para esse flm remetto-lhc a re-
laeao e conla que vieran) annexas ao officio do
Dr. ebefe de polica, de 30 de Janeiro ultimo, sob
n.21o.
Ao mesmo.Em vista da relaeao c pret jun-
tos em duplcala, que me remetteu o commaudan-
le superior dos municipios de S. Bento e GaruarU,
eom officio de 23 de Janeiro ultimo, mande V. S.
pagar a Morera 4 Braga os venfimentos do des
tacamente da guarda nacional existente na villa de
Panchas, correspondentes ao mez de dezembro do
anno find.i.
4' teegSo.
Offlcios: >
Ao Exm. Sr. hispo diocesano.Scentc de
quanto expoz V. Esc. Rvma. em ollicio de 30 do
un/, lindo com rclacfio posse da mesa regedora
da contraria de fosea Senhora da Soledade, desta
cdade, eabe-me dzer-lhe que nesta data dei co-
nhecmeiHo ao juiz provedor de capellas, da mate-
ria do citado ollici.., atim de resolver como enten-
der de direito.
Ao regedor do ^ynmasio provincial.Nesta
data delermnei ao inspector da thesourara pro-
vincial que os alumnos pensionistas ah admttdos
gratuitamente, quer em virtude de leis especaes,
que por breado art. 131 da lei 369 de 14 de
oaid de 1855, devetn s -r sustenUidos pela renda
do estalMdecimento, ecncorrendo os cofres provin-
ciaes, somonte quando esta for insifflciente, o isto
mesmo em favor nicamente dos comprehendidos
na dsposiciio do art. de lei citado. O que cora-
munico a V. S. para sua intell-gencia.
Ao juiz de paz mais votado do 1 districto
de Sanio Antonio de Traciuihaem.Bespondendo
ao officio de Vmc, de 13 de Janeiro ultimo, no qual
declara ter suspendido, em observancia do aviso
de H de novembro do anno flndo, os editaos de
convocacao aos eleitores e supplentes da legislatu-
ra passada, para a reuniao da junta qualificadora,
afim de convidar os novos para o da que esta pre-
sidencia designar, tenho" a dzer que fica designado
a 3' dominga de marco para esse fim, cumprmdo
que fac.a nova convocacao com o prazo legal,
observadas as de mais formalidades.
Ao l" juiz d paz do Io districto da freguezia
de Itamarac.Inteirado por seu offleio jle 28 de
janero findo, dos motivos pelos quaes nao reuni
a junta qualificadora dessa freguezia na dominga
por lei designad; tenbo a recommendar-Ihe que
nao proceda dita reuniao em quanto nao ltae cons-
tar offlcialmento ter 3ido approvada a eleifio de
A* cmara'muuicpal de Salguero.-Declare
cmara municipal ib vjlla posta ao seu offleio de 15 Ao Janeiro lindo, que
npportunanienle se tratar Jeflotar essa localidad?
com urna cadeia etn couftigoes desejaveis de segu-
ran..i e salubridade, attoufo o oslado de ruina mu
que se aclia y casa que ora serve de cadeia na
inesina villa, como se evidencia do citado ollicio.
A' cmara municipal uc' Floresta.Para po-
der resolver sobre a arrematacao dos ini|ostos de
que trata a cmara municipal da villa de Floresta
em offleio de Ii do mez lindo,, faz-so mister que a
mesma cmara me remeta com a mxima brevi-
dade uina nota escripia com lottras intelligiveis dos
piceos porque ..rain arrematados os referidas ia-
postos no ultimo triennio.
5J secro.
Acto :
O presidente da provincia, tomando em cn-
sidera^o o qno expoz o engeuliero chefe da re-
partirn das obras publicas em officio de hontem
datado, sob n. 39, relativamente ao exame que por
ordeno desta presidencia fez na illnminacao des-a
cdade, c considerando indispensavel remediar os
inconvenientes pdr elle apoiitados em seu citado of-
ficio, de modo a que dita illuionacio seja nesta
provincia, tanto para os estabelecimet.los pblicos,
cont particulares, o que e.n todus os paizes
onde ella empregada, isto a mais ba-
rata ; resolve nomear nina commissao de enge-
nheiros, composta do-referido chefe, dos Drs. Joao'
Martins da Silva Coutinho, Manoel Buarquc de
Macado, Paulo Jos1 de Oliveira e do encarregado
das obras militares, para proceder a um rigoroso
exame sobre os .effitos da pressilo e do poder Ilu-
minante, tanto da illummacao publica, como da
particular, no sentido de cviar-se inaior consumo
aos particulares sem diminuicao da intensidade da
Iluminarte publica, atim de que posea esta pre-
sidencia providenciar com verdzwfro conhecimento
de causa.
lli ;fos :
Ao engenbero chefe da reparti;ao|das obras
publicas.lomanJo em considerar-te tudo quanto
Vmc. expende em seu oflicio de 31 do moz lindo,'
e convindo remediar os inconveniente^ que nclle
aponta, de modo que a illuminacao a gaz seja ues
ta provincia, tanto para os estabelecimentos p-
blicos, como para os particulares, o que 6 em todos
os paizes onde empregada, isto a mais barata,
tenho a dizer-lhe em resposta ao seu citado officio,
que resolv nesta data nomear urna commissao de
engenheins, composta de Vmc, dos Drs. J.>ao
Martins da Silva Coutinho, Manoel Buarquc de
Macedo, Paulo Jos de Oliveira e do encar-
rega'do das obras militares, para proceder aos exa-
mes que julgar anda necessarios a esclarecer a
materia e poder esta presidencia providenciar coin
verdadeiroconhecimento de causa.
Ao engenheiro Jote Martins Ha Silva Coat-
ulio.Teudo por acto desto data nomeado urna
eoinniissao de engenbeiros, composta de V. S.,
do chefe da reparlicao das obras publicas c dos
Drs., Manoel Buarque de Macede, Paulo Jos
de Oliveira e o encarregado das obras militares,
para proceder a um rigoroso exame subte os efTei-,
tos da pressao e do poder llluminante, tanto da Il-
luminacao publica desta cdade, como da particu-
lar, no sentido deeytar-se maor consumo aos par-
tic'jJares, sem dimimiic,.io da inteaisadeda ilhmi-
nai-ao publica, ficando ileste modo habilitada "esta
presidencia a providenciar a respeito com verda-
deiro conbecmento de causa, assim o communico
a V. S., esperando de seu zelo pelo servco publico
mendador Dr Henrque Pereira de Luceua, dignis-
siinoj^esidente da provincia, inspector Dr. Pe-
(tro de' Alhoijil'- I.<>lioMo*coso.
Palacio da presidencia de Pernambiico, 4 de t'e-
vereiW de !":{. Accuso recebdo o ofticio de V.
S, de hontem datado, no qual commnnica que a
febre amarella contina a atacar os tripulantes dos
navios' tundeados no porto, e com umita forca
qncNes que vao chegamlo, sendo qu nos lilis do
mepassado deram-se tres ou quatro casos na ci-
da4e; lembra outmsiin o expedient > de ruin esta-
cionar no lazareto da ilha do Pina tolos os trpo-
lartes dos navios i|ue entraren! e daquelles exis-
tentes ueste |H)i"tu que nao tiverein solfrido tal mo-
lestja, aliento o bom resultado da estada all dos
nSTauos do vapor americano Ene, os quaes nte
solTr?raiii ncotiiinodo s.rio durante quasl 30 das
le la estiveram.
'taTuspusta, tenho a dizer-lbc quo aclio omito
sedala a idea de V. S., e pasa que seja aproveta-
daj aealm de ofliciar -aos cnsules ueste sentido,
cumpriinl. que V. S. faca de sua parle o que esti-
ver ai) sr>ii alcance para que se colham todos os
bas resultados dessa medida.
mente para casamentes de orphas, como sueca- Malvadez.No da 9 do correute meia
deu com a mulbor do supplicante, mdefiro por noite, no lugar B, da freguezia dos Afogados.
isso o que requer o mesmo supplicante. a (Vas 0 en, ,,ue Jormiam dentro de sua casa
Claudina Mara da Conceicao. -Concedo lo das Jug Ferreira e um seu filbo de menor idade.
de prazo. Ernesto Gomes da Silva, que na vespera dissera
Esmeraldina Francisca Pereira de Moracs.-In- pIcteuder incendiar dita casa, realsou essa asser-
forme o Sr. inspector da thesourara de fazenda. ,.iU1) ni0 ,-onseguindo seu malvado intento, por
Francisco Mantillo de Mello. Sim. teriu acudido aquellas infelizes algumas pessoas
Francisco de Albuquerque de Hollanda Caval- ,me estavam prximas, sob as ordens do respecliv.
canti.-Djrija se o supplicante thesourara de inspector de quarteirao, conseguindo prender
lazenda. i em flagrante ao dito Ernesto.
Fredcrico Velloso da Silveira.Encaminhe-se. I ineendio.No domingo (9) s 3 horas da
Felippe Meuna Calado da Fonceca.Encaini- iarje> descobrindo-se lavrar fogo dentro do ar-
Beservado. -Promotoria publica de Cimbres, 22
dejaaero de 1873. -Ilhn. e Exm. Sr. Ac uso a
recepcao de tres offlcios de V. Exc, datados de
13 dedezembr. ultimo, aos quaes smente agora
me Aennssivel responder pela grande alUuencia de
trienios de que tenho estado sobrecarregado, e
quasi todos relativos ao assuinpto sobre que ver-
saran os offlcios de V. Exc
Cora relaeao existencia dos individuos Manoel
CWni e Pedro Lopes uo lugar Jeritae e Tapujo
i\ freguezia de Moxot, exacto que all estao
cercados de outros celebres criminosos, Com") se-
j;im, Joaquim Marques de Azevedo, irmao de Ma-
nuel Chico, o iorliiguez David e os que sio por V.
Exc. apuntados em UTO dos tres offlcios referidos,
sendo que, reunidos, formam um grupo terrvel;
consttiiindo-se o terror de toda a pipulaco ho-
nesto daquelles lugares, clles'atacam a proprieda-
de, honra e vida de seus semelhantcs com o inaior
cynismo do homem degenerado.
De acord com o Ilhn. Sr. Dr. juiz de direito da
comarca, Dr. juiz municipal, delegado, subdelega-
do d) !. districto, tenho feito quanto me possivel
a bem dos interesses da justiea, promovendo por
todos os meos possiveis a persegucao dos crimi-
nosos desta comarca, nao podendo deixar de fa er
clisar ao conhecimento de V. Exc. o valiosissiiuo
auxilio que tenho encontrado da parte do meu dig-
no subdelegado do 1. districto Monoel Vicente
Ferreira Canuto, cujo zlo, actividade e dedicacao
pelo servieo publico o toruam merecedor da csli-
nto e considera;.io do governo I
Apczar pozem, de ludo isto a justiea publica
nao teiu podido Iriumphar, tries os obstculos que se
Ihe antolham em sua marcha ; e para que V. Exc.
possa ter urna idea exacta do modo porque isso
succede, direi a V. Exc nue Manoel Francisco de
Sinuera. vulgo Manoel Chico, Joaquim Marques,
irjtao dai|uelle, com todo o seu grupo, gozun de
dina proteo .te escandalosa nesta comarca, de pes-
soas, ( potentadas) que deveriam ser as primeiras
a'auxiliarem a justiea, alm de que cercados ellos
do prestigio da familia, tornam-se outras tantas po-
tu>",ias a que a justjca, sem recursos, como nos
sivefcede, nao pJe resistir !
Sem recursos, digo-o, porque n"o ser com cito
ou dez pracas de polica que aqu destacara, que
aera mesmo serven era podem em leguranca
guardar a cadeia, que ha de a polica fazer perse-
gucao tenaz e forte contra um gruo de crimino-
sos como o que acabo de referir a \. Exc.
Felizmente. V. Exc, que" sem duvida niopoder*
ignorar a marcha d03 negocios pblicos nos cen-
tros da provincia, as difflculdades, C mi que se lula,
podara remediar com mu bona resu tajos, os ma-
les que nos afflgcm.
0 destacamento volante, que V. Exc. ndica, lle-
vamos laucar mo, anda auxilio algum nos tem
prestado, e nem mesmo o poder faz-lo com bous
resultados, pelo seu carcter.
Antes de concluir, quero pedir providencias a V.
Exc. no sentido de ser reconstruida a cadeia desta
villa, que sobre estar em condiroes pessiias de sc-
guranca, sao aterradoras as hygienicas assim
que logo que nella entra qualquer individuo, no
Km de alguns dias, aproxima-se da sepultura e
alm disto aeha-se ella com vnte e Cmtos presos
que nao poilcm ser remettidos para essa cdade,
pela razo de nte haver aulorisa.ao do poder com-
planle para satisfazer a thesourara as despezas
necessarias c;m a conduc.ao- delles; c conseguin-
temente nao podercm as autoridades daqui se so-
brecarregarem com despezas que Ihe nao ste sa-
tsfeitas, como tem succeddo por mais de urna vez.
para o que reclamo tambera a attencao de V. Exc
Com relaeao iiioeda falsa fabricada e introdu-
zda na circulacao, j se est procedendo a sum
maro contra seus autores quepareccm serPedro
Lopes, os portugtiezes Roberto de tal, David, Joa-
qun! Marques de Azevedo, Manoel Chico e Joo
. Velho, contra os quaes j requer pronuncia e po-
no sentido de Ser posta disposieo de V. S. ama sao, alm de mais alguns, contra os quaes proceue-
nhe-se.
llenrique Jos Alves da Silva. Informe o Sr.
conego regedor do gynmasio provincial.
Isabel Francisca dos Santos.lndeferdo, em
vista da infonuacao do provedor da Santa Casa de
Misericordia.
Joaquina Mara da Conceicao Souto.Deferido,
quanto ao menor Manoel, com officio desta data
ao proveilor da Santa Casa de Misericordia ; mie-
lo quan
do da idade legal.
Joao Hyppolito de Mera Lima.A pretenco do
suplicante urna dessas exigencias, que nao tem
razaodeser. Pedia 3:8831 de indemnisacn por
urna estrada que foi encampana, depois de ter ob-
tido varias prorogacoes, de ter sido relevado do
pagamento de multas, em que ncorreu, de ler
consignado indeuinisacio para augmento de des-
pezas nao justificadas,' pertencentes a outros l-
eos da mesma estrada, colisa que nao pode del-
Viimiiiislr.'wo do eorreio. Ne mez
de Janeiro anecadou 0:873^61)5, sendo dfrjj
maz.....de algodo, de Rodolpho Xavier da Fon-
ceca, sito no Forte do Mallos, fez o subdelegado da
freguezia de Sao Fre Pedro Gonealves abrir as
portas do estabeleciinenlo, cujas chaves se achavam
em poder de Manes 4 Duarte, no predio conU-
guo, ah encontrando ardemlo una sacca de algo-
dio, que fez retirar para a ra, desappareceudo
assim o perigo.
Rvvulta a bordo.A's 6 horas e meia da
ferido quanto ao menor Antonio, por ler exced- tarde de domingo, dtartUS tripulantes do vapor
Panihybd, pertenconle companhia pernambu-
cana, revollaram-se bordo e lentaram assassinar
alguns companneirus e a Maiutel Ferreira- da
Silva, que ah fazia as vezas do coininandante ;
constando sso ao Sr. inspector de quarteirao Jos
Pedro dos Santos Aerea, jara alli.se dirigi,
achando j tranquillos os nimos
Matriz, de Santo Antonio.- Np con-
sistorio desta igreja acha-se exposta assignatura-
dos irmaos respectivos, a representa ci que, contra
xar de causar grande pasmo, principalmente se 0 ;icl a uxm. e RTBt m,,COsano, tai ser dirigida
se liver em ronsiderac/io que o supplicanle s se ao governo impera"
leinbrou de fazer seinelhante exijiencia, depois de
decorridos dez longos annos, quando difllclliina,
m m"u> m|>o.'oe..| inda e dualquer verifica.vo
respeilo. Em vista, pois, uo exposto, uA* ..
que requer.
Capitao Joao Duarte da Silva. Remettido ao
Sr. conego regedor do gynmasio provincial para
attender ao supplicanle, i'om a clausula de exhi-
bir opportuiiameiile a certid'io de dade do menor
de que se trata.
Major Jos Thoinaz Pires Machado Portella.
Nao tem lugar o que requer, em vista da infor-
maco.
O mesmo. -Nao tem lugar o que requer.
Joo Florentino Cavalcanti de Albuquerque Ju
nior.Informe o Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
Jos Rufino da Silva.-Concedo oilo das.
Joo Francisco da Costa Campos.Deferido com
oflicio desta data thesourara de fazenda.
Mathias Bezerra de Barros.Deferido com offi-
cio desta data thesourara de fazenda.
Vicente Alves Ferreira. Informe o Sr. general
coiniuandante das armas, providenciando desde
logo para que este reci uta nao siga para a corte.
O mesmo.Concedo oto dias.
Secretaria da presidencia de Ternambuco, 10
de fevereiro de 1873.
0 portero,
Siliino Antonio Rodrigues.

po nao se recusar ao desempenho d :sta Incum-
bencia. -Mutats nuttandi aos demais memoras
da commissao.
Ao gerente da empresa da illuminacao a gaz
desta cidade. Remetto-lhe copiado officio que nes-
ta data dirijo ao eogMheiro chefe da reparlicao
das obras publicas,,fiscal dessa companhia, afim
de que lenna Vmc. conhecimento da deliberaco
que acabo de tomar a respeito da illuminacio des-
la cdade; cujo servieo corre por essa empreza. e
sobre o que ver ou o seu offleio de 28 da Janeiro ul-
timo, que fica assim respondido.
Aos agentes da companhia de navegacao" a
vapor do Pacfico. Deem Vmcs. suas ordens afim
de. que as m las dos vapores dessa companhia, se-
jaui entregues com p-oinptido na barca de viga
ao empregado da adninistraco dos ooreios, que
all se apresentar por occasio da chegada dos re-
feridos vapores, segando solictou-me o chefe da-
quella reparlicao em oflicio de 31 do mez prximo
passado, sob 2fi.
Ao administrador interino dos crrelos.F-
cam expedidas as necessarias ordens no sentido de
seren entregues a um empregado des cao, no ponto indicado per Vmc, as malas que
os vap, -es da companhia de navegado a vapor do
Pacific) rooxerempara esta capital, como soiicilou
em seu otUcio de hontem, sob n. 26.
RZnUttMtl DO SBC.tETARIO.
\ 1' seccao.
Offlcios \
Ao eawUorecrutrador desta capital. S. Exc.
o Sr. pre jte da provincia tendo providenciado
Sellos 3:055jl8u
C.....J 3:616*51
Assignantes 'kV&\Ajv
Agencias 59341b.-.
Mullas - -SU3d
Premios 124300
Muvinieuli.s de fundos 6054100
Captura de desertor. Pelo Sr. subde-
legado da freguezia de S. Jos foi preso, meia
hora da madrugada de domingo, o celebre deser- *
tor d '.). baUtlhao de infantaria^de linha Ceciliano
Gonealves Gamboa.
Cantora distlneta.-Na semana passada
ouviinos, por duas vezes, cantar a Sra. Carolina
ngel, prima dona soprano Jiespanhola, agradan-
do-nos sua voz fresca e segura, par de conheci-
mento profunda, nao s da arte dramtica, como
da grande scenca musical, sebrehido na grande
caval ina de Roiite e-Julieta, e na canconeta hes-
pimhola.
Consta-nos, que, accedendo ao pedido de* al-
guns verdadeiros apreciadores do mrito, a Sra.
Carolina ngel se far anda ouvir tuna vez.
koram appreliendidos.Pel subdele-
gado do districto de Ararla, termo do Cabo, f-
ram apprebendidos dous cavallos, um rudado apa-
rcado, que parece ser de cangalna, e o outro cas-,
tauho escuro, de meio, ambos interos, suppondo-
se com bona fundamentos seren elles furtados .
quera se julgar com direito. deve procurar o res-
pectivo subdelegado o Sr. Jos Francisco de Arru- -
da Falcu, no seu engente) Silera.
Hospital portuguez. Est de semana o.
Sr inordonio Manoel Francisco Pontes.
O iiii.vimento das enfermaras de 2 a 8 do te-
verejro, foi o seguinle :
Existan duentes 50, entraram W, sabiram t.
fa'leceram 7 existem 55.
Sociedade propagadora da ios
truceao publica. O conselbo director da
paroeha de Santo Amonio do Recite, na sua ulti-
ma sessao ordinaria em i do correte, determincu
que as aulas do curso normal para senlioras em
lugar de comucar as G horas da tarde, como se
Chava detenninado no programma de estudos,
comecem as 7 horas^ ,
Achando-se designado e da 15 do corrente, as /
horas da noite, para abertura do mesmo curso;
devem as-sennoras matriculadas comparecer nesse
Cooiiutimo ilas nriuas.
QUABTEL GEBIUL 1>U CO.MM\M)0 DAS ARMAS
INTKHI.NO 1)1: PERAMBUCO, 8 DE FEVEREIRO
DE 1873.
Qrdein do cita u. TOO.
O brigadeiro cunimaiiilaiitu das armas in-
terino, determina que a contar do da 1.*
deste mez, em que se apcpsentou da Hornea
<[ue gozava nesta provincia o Sr. capitao do
i." regiment de lavallatia ligeira Jos Mel-
enudos Bezerra da Silva Costa, continu ad-
dido companhia de cavallaria desta pro-
vinciii, sendo considerddo empregado no
qiiartel-geueral. *
Assigoadofoiio Guilherm de Bruce.
ConformeJos (naci Hibei'ro liorna,
tenente ajudante de ordens interino encane- I da abara indicada, podendo ir acorapanhadas das
gado do detalhe. I pessoas de suas familia, que quizerem assistir ao

eleitores da fuesma fregtipzia, em cuja oceasiSo
esta presidencia designara doto da pa-a tal
fim.
praca de 1.a linha para empregar-se no expediente
a seu cargo ; assim Ih'o manda communicar em
resposta ao sea oflicio de hontem datado.
2.* seciao.
Officio :
A Dr. chefe de polieia.O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V. S. que
nesta data se expedio ordem para destacar em Mo-
xot, termo de Cimbres, 1 offlcial e 12 pracas do
corpo de polieia.
4' uceo.
Oflicio :
Ao inspector da thesourara provincial.Com-
munico a V. S., de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia, que a 29 do mez prximo passado,
pelo Dr. chefe de polica foi nomeado Jos Fran-
cisco deAlmeda Dara para o lugar de guara da
casa de deten^o, era substituico Jos Ayres de
Almeida, que falleceu.
Inspec;ao da saode publica de Pernambuco, em
3 de fevereiro de 1873. -Illm. e Exm. Sr. -A febre
amarella contina a atacar os tripolantes dos na-
vios fundeados no porto desta cidade e principal-
mente daquelles que por ultimo vo chegando.
Nos ltimos das do mez passado apresentaram-
se tambera 3 ou i casos na cidade, e de suppr,
pela experiencia dos annos anteriores, que a mo
lestia continu com alternativas de mais ou de me-
nos, quando appareeem algumas chuvas at que o
invern mude completamente o estado atmosphe-
rico. v
O facto ltimamente observado com os nufragos
do vapor Ee, que por ordem de V. Exc, de tydo
mez passado, foram recolliidos ao lazareto do Pina,
e all se conservaram at o dia t do corrente, era
que einbarcaram para a America, -bastantemente
significativo para que-se nao o perca de vista, e se
continuo por em pratica respeito dos tripolan-
tes dos navios qoc forem chegndj: facto que
esM's 80 hoiuens all permanecern! durante perto
de 30 (dias e nonhum delles soffren incommodo
algum serio. Por consegrante, se V. Exc. julgar
digna do apreco a minha proposta, dar as conve-
nientes ordena para que sejam obrigados k es-
tacionar no lazareto at o da de sua partida todos
os tripolantes dos navios que entrarem, assim como
os dos existentes ha mais terapo, e que anda nao
tiverein soffrido a .febre amarella, ordenando as
mais providencias que forem necessarias para que
os individuos allie conservem em boa ordem e
nao se entr^gijem excessos do qualquer qnaHda-
deque seja.
Iteus guarde a Y.Exc-lUm, Ejh* Sr. cora-
re!, com o resultado de algumas diligencias que
tenho promovido.
Smente, pois. Exm. Sr., um destacamento forle,
commandado por um offlcial qui^.ccumulasse o
cargo de delegado, poderla rcmediaT e concorrer
mullo para a boa administracio da justiea nesta
comarca tao dflkil de severa applicago da lei: e
o que tenho a informar a V. Exc, esperando que
se dignar providenciar no sentido de nimbas re-
clainacoes.
Aprsenlo a V. Exc. mcus protestos de'alta esti-
ma e muita consideracao.Deus guarde a V. Exc.
Ilhn. e Exm. Sr. Dr. Henrque Pereira de Luce-
ua, dignissiuio presidente da provincia de Pernam-
buco. -O promotor publico, Joaquim Francisco de
Barros Brrelo.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE 8 DE FEVERElItO
DE 1873.
Antonio da Silva Araujo. -Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Alcxandrina de Lima e.Albuquerque.-Informe
o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Andr Dias de Araujo.-Nao tem lugar a resti-
tuiente pedida.
Major Antonio Feitosa de Mello.Informe o Sr.
Dr. chefe de polica, mandando inspeccionar o sup-
plicante e declarando a pena a que foi elle con-
demnado. ,
Antonio Gomes Seuua Passe portara, na ter-
ina requerida. .
Antonio Fraucisco Campos.Concedo oito das.
' Antonio Carlos de Pinbo Borges.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Aula Maria da Conceicao.Informe o Sr. prove-
dor da Santa Casa de Misericordia.
Antonio Jorge Guerra.Deferido cora oflicio
desta data thesouraria de .fazenda,
Abaixo assignados, membros de urna sociedade
de carnes-verdesOs suplicantes sero opor-
tunamente attendidos. ,
Larlos Alberto Ferrares.Tendo a le n. 596- de
13 de mate de 1864 auiorisado a presidencia a re-
formar o regulaiueute de 2 du junho de 18w na
parte relativa ans dotes, concedoiido-os smente
a aquellas orphs.que se dlstinguisscm pela sua
couducta e appRcaco, e tendo a Santa -Casa de
Misericordia, com aunuencia desta presidencia
suspendido a execucao da art. 15 do regulamento
citado logo anos a promulgacao da*le, de modo
que todas as erphis que se teera casado poste-
riormente naqtielie estebelecimento apenas teei
receido <* eaxonal a legados destinatl spi
QUARTEL GENERAL DO DOMMAXDO DAS ARMAS
IXTEIUXO DE l'EKNAMlltr.O, KM 10 DE FEVE-
REIRO DE 1873.
Ordem do dia n. 701.
0 brigadeiro commandante das armas in-
terino, observando por si mesmo que a lei
das continencias nao observada convenien-
temente na guaraiqao desta provincia, tem
por dever recommendar aos Srs. comman-
dantes de corpos e companha isolailas, a
rrnais restricta observancia do que a tal res-
peito se acha determinado no aviso do minis-
terio da guerra, de 30 de mao de 1859, pu-
blicado na ordem do dia da repartico do
ajudante general de 6 de junho do mesmo
anno, sob o n. 132, esperando que esta sua
recommendacao, produzir o desejado etleito
da parte dos mesmos Srs. commandantes,
que por si e por seus ofciaes, devem em-
pregar todos os seus esforcos para que as dis-
posieoes do citado aviso sejam urna reali-
dade.
(Assignado) Joo Guilherm de Bruce.
Conforme. -Jos Ignacio Ribeteo Roma, tenente
ajudante de ordens interino encarregado do de-
talhe.
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA.
Arsenal de guerra. Por portara fo
presiflencia da provincia, de 7 do corrente, foi
nomeada urna commissao, composta- do Exm. Sr.
brigadeiro commandante das armas, do director
interino do arsenal de guerra, do inspector do ar-
senal de marinha, do engenheiro das obra milita-
res e do engenheiro civil Dr. Joao Martins da
Silva Coutinho, afim d escolher um local e pro-
ceder ao orcamente e plano do novo edificio que,
em viste da importancia da provincia, possa servir
para o arsenal de guerra.
Autoridades polieiaes. Por portaras
da presidencia da provincia, de 7 do corronte,
foram exonerados, a seu pedido, de subdelegado do
districto de Goyanninha, du termo de Govauna,
Luiz Francisco de Alhuquerque; e nomeado para
o substituir o 1. supplente Vicente Ferreira Be-,
zerra dos Santos. i ...
Jury do Recife.Foi hontem submettido
julgamento o reo Miguel Primo dos Anjo>\pro-
nunciado no art, 193 do cdigo criminal o acTusa-
do no art. 193, teudo por seu defensor o Sr. advo-
gado Romualdo Alves de Oliveira. -
O conselho de julgamento compoz-se dos Srs..
Dr. Joaquim Francisco de Mirauda, Caetano Pinto
de Veras, Joaquim Bar boza dos Res, Dr. Joao Vi-
flatite da SWa Gusta, Francisco Antonio de Assis
Hp, Bellarmino de Barros Correia, Antonio Jos
Duarte, Antonio Jos Ribeiro de Moraes, Dr. Bento
Borges da Fonceca, Florencio Domngues da. Silva,
Francisco Jos Jayme Galvio e Dr. Candido Ca-
sado Lima.
O reo fo condemnado a 6 annos de prisao com
trabalho, grp mnimo do art. 193.
acto da nstallacao do mesmo curso.
Via Terrea do Caxanjc. Ante-hon-
tein, a note, n'um carro de segunda classe de um
dos Vens dessa va frrea, que descia para o
Kecife, travouse renhida hita entre varios passa-
geros, ha vendo forte jogo de cacetadas e focadas.
Varios passageiros, amedrantados pelos lutadores.
sallaran) do trem. estando elle em movimento.
CoBsta-aos que honveraat varios ferimentos, sendo
que um gravssimo na pessoa de um hornera de
cor escura, o qual fot transportado ao Recife no .
nias lastimoso estado. O seu matador conhecido,
e evadio-se apenas ressoou ao-seu* ouvidos a voz
de prisao, dada por-una pessoa do povo. Toda a
occiirrencia leve lugar entre o povoado do Caxan-
g e o lugar Peflra Molle.
Missa.Amanha. sNi horas e meia, lera lugar
a missa e o oflicio fnebre na igreja do Corpo Santo
por alma do professor Innpccncio Smoltz ; sao
convidados todas as suas dscipulas e amigos. -
Curso normal para senlioras. A'
matricula para esla escola, creada pelo conselho
parochalde Santo Antonio, tem concorrido at o
presente as seguintes senhoras, com as quaes
chega ao numero de 56 matriculadas: Carolina
Innocencia Pereira de Oliveira, casada; Leopoldina
da Costa Pereira, soltelra; Vulpiana Philadelpha.
Alves Archa, solteira ; Mana do Livramento No-
nato, soltera; Francisca de Farias Dures, srtt-
tera Amelia Joaquina Nerv da Fonceca, soltelra;
Firraina Philonlra de Oliveira Cruz, casada; Plu-
loniena Guilbermina da Silva Sanipayo, solteira ;
nainerica Balbina da Silva Sampaio, solteira;
Le milla de Jess da Silva Sampaio, solteira ; Phi-
loinena doi Santos Silva, solteira ; Deolinda dos
Res Fonceca, viuva;. Maria dos Res da Fonceca,
solteira; Maria d Bom-Parto Marques, solteira ;
Izabel Maria de Macedo Cavbante, casada; Am-
brosna Josephina Cavalcante. Marques, casada;
Candida Lenidas Forjaz de Lacerda, solteira;
Lauriana Rosa .de Souza Rbero, soltera; Mara
rsula Forjaz, solteira; Porcia Marques da Silva,
solteira; Maria Cavalcante de Albuquerque Mello,
solteira ; Joseplia Encdina da Silva, solteira; Kran-
celina~Maria Ferreira Atunes, solteira ; Maria do
Carmo Garrido, soltera; Tertuliana Amelia Fer-
reira da Luz, casada; Laurinda Thomazia do Es-
pirito Santo, solteira; Maria Leopoldina Pires Fer-
reira, solteira ; Audipha Maria Franca, solteira ;
Luza Joaquina Franca, solteira; Francisca de
Salles Trevas, solteira ; Rufina Maria da Concei-
cao Lima, casada ; Leocadia Julia de Castro, sol-
teira ; Juventiua Caruero Montero, solteira ; -
Lydia de Carvalbo Lima, solteira ; Virginia Maria
da Conreicao, solteira; Cmbelina Francisca Fer-
reira de Oliveira, casada; Be]Lrmina Francisca
Lobo, viuva; Maria Hossanna i'acneco, solteira;
Emilia Maria Anlunes, casada; Olympia Uaudma.
de Mello, solteira. ,
Casa de dte n9&o.Movimento do di
9 do fevereiro de 1873. n .,_.
Existiam (presos ) 3ii, entraram 9, sahm !,
existen) 360. ,
A saber :
Naeionaes 128, mtillieres 14, estrapgeiros 48,
escravos 60, escravas 10Total 360.
Alimentados a cusa dos catres pblicos 283.
Movimento da enfermara do da 9 de feveroiro>
de 1873 ;
Teveram baixa'.
Josepha Mara da ConceicSo, anemia.
AnfSaio do Monte Cabra!, asthma
Manoel Autouio da Silva Jnior, fertdw c>mu-*j

(
^
i
L 1 k 1


Qiayio do Perjiambuco Tertja feira 11 de Fevereiro.de 1873.
rrr-r-
I*oterta.A nt*e se aefcv. a vena. iH1 ,
toacneio da greja le Nossa Sonhora da Piedado
de Santo Amaro, *.ual corrs-no a li.do.*oii
reate.
Esta tistlea postal. -A administnc o do
corrcio expedw no. dia 9 do correntex malas para
a Enron., cvntmm eas 3291 cartas com 36 li por-
tes, 628 jornaes cent 972 pones, 2 amostras com
4 portes, e S
V> porte*, sen lo para
9 portes.
i
93
-flrafcwifl.
292 (torios.
226 .
43 -
1333 rtas
279 jornaes
PorHfnl.
1897 bprl '*.
18$
68 portes.
16
-
Itati*.
)3 carian com
16 jornaes -
2 seguros
Outros nan.es,
160 cartas com 818 portes.
97 jornaes li9
i seguro 1
Passagcit-os. VIiJds do sul Re vapor
ten/fosa : '
Bruno Mltele de Paolo, Baldo Padilla, Francis-
ca Domingos da Silva, Francisco de Paula iv>-
soa c I criado, Antonio Cerqtieira Carneiro da
Cuaha, Celsol Ragalhas, Antevio Pacheco de Oli-
veira, Meda Valleso.
Saludos para' a Europa, no vapor (ranees
Xmdo-a '.
Ignacio Pereira do Valle, capnchinho Mariano
da Santa Vittn, Archangelo Bademiri >. CclanoGui-
wppe Antonio, C. Sabella, Antonio Sabella, Mi-
Miele Sabella, Manoel Soares, Manocl Soaroi Ne-
v?, Antonio S tares Neres, Mariano do Amaral.
Antonio Leiteda Silva, Devir Masson.
Yindos no vapor Cnruripe :
Francisco Duarle das Neves, Joto Bapli-ta T,
Salvador Atlianazio, N'avala da Silva Ferreira do
Lncena, Camillo da Silva T., D. Atolla Herculana,
I menor c 1 criada, Lenidas Carneiro Monteiro,
Joao Slrino de Almeida, Joo Jas do Vasconcel-
os, Francisco Jos de Campos Pamplona, Avelino
de Aranjo Bczerra, Francisco Antonio da Silva.
I eser.tv,! o i escrava a entregar.
Sahidos para Liverpool, na barca portugueza
imismlc :
Clemente de Sonza Paz, Manoel de Souza Paz..
Estanislao Mendonca.
JBLICACOES A PEDIDO.
fixIriH'fo da wrwMtto em S9 le ja|cii*o ultimo.
O Sr. Pompen.Sr. presidente, levant-
lo nao para combater o projeclo em si. mas pa-
ra 'azer um reparo e urna reclama can contra ana
o.nissai (|ue me parece urna in justica elamo-
nm.
Trata se de augmentar os venCttmotOS de una
iasse de-fiuiccionarios, que, como todas as do
Brasil, est mal remunerada. Desde (ta a moe-
da depreeiou-se, os troneros .principalmente ali-
menticios, subiram de pre.-o, os venciinentos dos
div.-rsos funcionarios sao mp ., nenies parlona sustenlacao. Nao vejo razao
'para que, tratando-se de elevar os venctlentos
d>s lettc- catliedraticos das facilidades de di re-
*) c medicina, se omittisse .; dasse dos profes-
- >res dos collegios de preparatorio-; annexos a
sis acuidades, que se acliam n.is ni?sin*>s eon-
V ou poiores do que os lentes das fornida-
Sr. presidenta, desde que foram crea las .esjas
acuidades o f iran lambein os collegios de prepa-
\i R.-T.
Sumir, i
Pompen Cansancio de Sitimbig**
hta\i
raterios annexos s mesuras ;"a sort' da
dasse
a lw
do que
s venc-

i lentes cathedraticos test acompanhad
lentes de preiaratorios, com a difieren
ses teem percobido semprc ni'ade n
aentos daadles.
Km 1827, quanJ i se crearam as fcaldades i i-
rldiras, crearamse tamben] os collegios de artas,
das (acuidades l:200 e os de prpparat'iries
Bal 18.">V, pela deere;, n. itn6 de i> de abril
eo den. 1780 de-setc;nbro, os lentes cathedrati-
r is passaram a ter de ordenado 2:0003 e de gra-
tifteaejia 1:200J c os professores de preparatorios
paBsaram aterl:00')i e 600i de giatilicacao:
ranpre metade. Nao aprecio afora a razao dessa
lesigualdade, que pode ser fundada: qneroso-
nente consignar o facto da reanlo.
On, tratattdo-se agora de elevar a ma s SO por
reato es veflemeatos dos lentes das (acaldad**,
(fuepassamater :i:200j de ordenado e l:600i
de yri'.niicae.lo, ajusto me os prolessores dos
-collegios annexos a essas facilidades tambera W-
hani venciineiitos coiTOspoBdcates, isto ', meta-
Jo que percebein ou v.io perceber os lentes
itliedi-ali'is. para guardar-s a mesma pr-por-
-V) at boje observada.
IHsse ha poueo que os (cates das fatuidades
por sna alia categora, pelo ensato superior a que
ce dedieam, devia u ter mais elevados teacimen-
(OS. En nao contesto em ltese esta propostoio,
isto entenJo que o lente do urna scieneia, c tino
a medicina, como o diroilo, suppoosc ter milita ca-
paeidade, rnuito estado ; mas nem porisso o len-
lea preparatorios, de pbilosopbia. derbetoroa
on de linguas deve ter menos conliecimentos, es-
iido assidno c applicaco na materia de sen cn-
siiio. auc llie roima todo o lom;>o e activid ij". 16
i wt desempenhar bem o seu magisterio.
Accre-ce, Sr. presidiante, que os lentes catbe-
Iraiicos de medicina, e de direito teem vantagens
iperioni qii'1 nao BSem os lentes de preparato-
qu.T loa collegios annexos a essas fneulda
des. quer do collegio de Pedro II, porque, quanto
oais crdito ^osar um lente de medicina, tanto
ais extensa clnica elle ter e. por eoaseqaeRcia,
maisvant.i geni pecuniaria perceber. O mesmo
i Miitec com o lente de direito. que snppoe-se ser
nem provecto na seicneia Joridiea; cpianto
ms rdito tiver, mais seu escriptorio de advo-
H-o Un' render. Agora o contrario acontece
'in os professop's de preparatorios; j nobre
dar pela Baha denitnstrou que os do collegio
'le Pedro II nao podem ensinar, nem as materias
que professain, nem aquella* de que teem conlie-
i.:i uto e de que podem ser examinadores. O
"sn i snecede con os professores dos collegios
innexos s faculdades de direito, que sao prohibi-
dos de ensinar particularmente as materias que
nrafasant
Asim, me parece justo qne os^rencimentos dos
.irofessoces dos collegios de preparatorios annex' s
s faculdades devam ser proporcionadamente
icualados aos que vao perceber os lentes cathe
draticos. Nem era decente qne se dissesse que
enes lentes de preparatorios, por nao terern no
./ lamento algum representante, foram esaaed-
dos (apotades), e qne os de direito e medicina,
por terem representante no parlamento foram
inmediatamente attendidos. En nao direi isto;
qncro suppr que o pensamentj do augmento de
ordenado foi dilado sol) o sentimiento de ama jns-
ta rctribiii';o de que sao merecedores esses func-
denari s; mas para evitar que se possa ver ues-
te proeedimento urna desiguiddade, um sentimeu-
to egostico, a que senado inscientemente se po
Jeria associar, justo cstender o favor aos pro-
res dw ditos collegios, tem como aos mais
MfagaH das respectivas secretarias.
l'oitanto, para aue desapn irera qualquer ida
le nvnos justica da parte (loco'-pftlegi'laHvo, ss-
sociando-se a este peawunentn, ollereco mha e-
nenda para augmentar os vencimemos dos pro-
essores dos collegios anne os s faculdades, na
mesma-proporcJodc 50 por cento era me sao
\ugiuontad ts os voneimeirtos dea respectivos len-
tes eatbodratit os das facilidades de direito e me-
cierna, bem como os dos empreados das secreta-
rias das f.teuldades de direito e -medicina. O
senado em sna sabedoria reso'ver como e-
der.
A emenda e a seguinte Qj :
Bthiuq adiittm.
Os veneimentos dos prof"sores' da? anlas
preparatorias aaoexas s faculdades jurdicas de
S. Panto e do Recite scrJo elevados na. mesma
nroporcao ene os dos lentes das facilidades
Na mesma xptecao sern, tambera elevados oh
veneimentos dos secretarios e mais empreados
das ditas faculdades e de medidna.
8. H. T. Pt>nip*u.Cahs(n$o de Binhnbu'. -'
.vwara.Suues Gonravs.
Foi lid, pojada e posta em discusso oninn-
tamente a segninte
Emendi additira.
h ve icimontoa yreparatori. t annexas ir draldadei* jnnd cas de
S. Paulo e diRedfe serio ele/ados na mesma
prjporco que, os dos lentes d *. faenfdade*.
m umim reacio setao tambera elevadoa-ni-
>encimtnt,s dos seretario mus empreM*
dan diue fatuidades e de medicina.
O Sr. hispo e o cabido, jnl^adc* no
pretorio do Jornal do WeciTe.
Tanlou, porta appareceu a replica do ttlmtre
collaborador do- Jofncl. do ketife, que pre-
tende desmoronar o nosso artiga,,publicado nol
Dir/e de Praa/nfwoo do l. do cqd^dJo.
At hoje Id, liesitamos se deviaMOi ou nao res-
ponder ao illustrt eonteodor, visto que elle nada
se; nem ao menos de leve, de modo a abalar o
osos argumentos, limitando-se a confessar que
nao aos compreliendra.
II nem poderia o dont* cotlabor'ador dar-nos
ademada resjtosla, quando o proprio a confessar
nSo no 1dr eomprebendido; mas apezar disto
SHppoe -nos em confasao, elle que, sem refutar a
aoiaa opiniao, apoiada no direito. e nos doiitorcs,
fferda responder ao que nao comprehendeu
Nao ignoramos a differenca que ha entre conse-
Iho e consenso do cabido aos actos do bispo, e
tanto conhecemos essa'dllferenc*, que indlcamo-
la no nosso artigo,, como se pode verificar das ri-
taei'es que all fizemos.
Se est no nosso artigo a citacan do capitulo 3."
De fonsnetudine in sexto que cmoda E a nos-
cilvr, c resa o seguate : O costumj que allega o
bispo de nao In ouvido o cabido para punir os ex-
cessos dos seus subditos, nao se deve reprovar,
por'uanto po est o bispo obrgado a isto :
Citamos em o nosso artigo o-canonista Luiz En-
gel livro 3. titulo X n. 5, cujas palavras sao as
regalles : lntroduzir-?e costume ou prescrlpfJo
de. as mais das vezes os hispas proeederem vali-
daiuente, sem o conselho ou consenso do cabido, e
allega em prova o capitulo Ka noscilur, que j
reproduzims. Consuetndine, diz Engol, vel pies-
criplion passim introductum esse ul in pler iffiM
casibus, tme ivnsilio, bel coiishiso Capitule Epis-
ropi proceder caleant etc.
V. o que nos diz o illustre contendor sobre a ci-
tacao que fizemos do distncto jurista Zollinger
Atara 3. tiluTo X n. 138) d'onde se v que, poden-
do o consenso do cabido ser ou nao pedido, liaven-
do at costume de o nao pedir, com maioria do
razao se tornar dispensavel o simples conselho.
pela regra sabida de que queni pode o mais, pode
o menos.
E para que citou-nos o Mustie collaborrdor o
gallicano Berardo, rollando-lite os appellidos de
sabio e distncto ?
_0 que diz o vosso Berardo. Sr. collaborador,
nao nos fere, e imando mesmo opinasse elle di-
V'i ament dos outres canonistas, sera o caso de
dizer-se : urna andnrinha s nao faz redo.
Diz o nosso contendor, e alarma ser falso que o
cabido concordarse posteriormente com o Si: bispo,
mas convm observar que o argumento de ter
o cabido annuido ao acto episcopal, nos o adduzi-
I mos liypotbcticamcnte, no caso de ser precisa a
audiencia do cabido : anda mesmo, dissemos nos,
que devesse U-r o nosso diocesano o consenso do
cabido, j o tem plenamente manifestado.
0 Sr. bispo no cumpriinento.de leis geraes da
ifn*eja cuja execucao a elle so incumbe, jamis
devena recorrer ao cabido. Cremos que nem Be-
rardo em algum outro da turba gallieaaa preten-
d;u algiima vez que as leis emanadas da santa s,
para a igreja universal liouvesse de ser discutida'
e placitaae pelo cabido I
Lcia o nosso contendor os autores Josephislas,
Frebonianos, e em una palavr.i. f'dhee todos
jajfienaino, .iuo ao o magna paren* da sucia rer
fausta, et quot quotstmt ejutiem /arfuris. o an-
da asna* nao encontrada no desptico intento de
taes senbores a louca pretenco de sulmrdinar
as Iris geraes da igreja ao pluceat dos cabidos.
Dizeis, Sr. adragatlo do cabido, que tondes facto
res et non rerba, mas nao respondestes aos he-
los que indicamos dos bispos do Brasil, em cojo
numero e.-to compreben.lidos os dous ltimos
predee ssores do actual prelado, os quaes prati-
earaui com elle sem ouvir o cabido.
Ciiisultai outro.- canonistas, como Reitfenstucl,
e dize-nos se o ca*o de inlerdicto est entre os
qiie precisani do conselho do cabido.
Insisliti, em vossa coafnsio de censura latee sen-
tentt'P e ferenda sententitr, mas parece-nos que
nao oxaminasles a questao, pois se o tivesseis le-
to. v>'riiis a vossa plena confusa*.
Aguardamos os vossos esdarecimentos sobre
esl' ponto, o cutio daremos a nesposta quo fr de
mister.
Piquemos anu por boje, bastanda o pouco que
acabamos Je dizer para aioslrar que o uosso arii-
go n o iffrea a mnima lesao na replica de que
agora nos oecupamos, e assim podemos devolver
a quem mais compita o leyere rt non intelligere,
que nos foi applie.ido.
Alm das eonsideradies feitas aqu sobre o ar-
tigo de eollabora^'o, o que resta a notar se nao
a-s invectivas e vilipendios atirados s
vincia,emhora resunid, todava com|4eto e la-
m nasa.
A medida realatnada |wr 5. Exc, de princi-
pa1 ai^nce refore-se a ec cwnQ^vd
com as ranvcnji'Ofas devidas; porcm wi' ord"m
a salvar a provincia do dolieit de
oncrada.
A asssmbla tem -correspondido espectativa
de S.Jxc.,-jmi iomento corUndij algumas des-
pesas, coigcfk'llniraMo as Mair-as du provin-
cia; ao iuMMo tempe 4*1 e liecMta contra artiK"s
de rereita/taja exi^mpa hatjp merecido lno
rosa coirie4avo dentra e forana provincia. T?
foi o imposto sobre porlacfc de gados floi
incontestardmente afugentarli, os compradores
os quaes em pocas regularte"1 frequentavanl' os
mercados da provincia em basca de gado de*x-
portap.
Outra medida de inicuo alcance foi a da re-
cusa de moratorias, to commiinn em outros tem-
pos, comedidas em favor dos arrematantes de di-
zimos.
Felizmente sempre merecern da respectiva
euirunisso intera contestaeao toda c- qualquer
pretendi n'aquelle sentido.
E', porm para lastimar-se que n ciroumslan-
cias anonnaes, como os aelsaes?- fnuitos dos Sre.
duputados tenham em to punca consideracao o
mandato de que se acham revestidos, a ponto de
nao comparecerem, nem se quer, para a instaUacao
dos trabalhos! ..
Por occasio da organisac.io da chapa,^parece-
rain tantos^ e alguns tao'pretenciosos, canuidato,
que parece nina praga, depois desprezam.os seus
diplomas, que consideran! apenas como nieto de
provar o sea prestig o poltico.
Govano da provincia. -Nao obstante a crise
poltica que acabamos de atravessar, contina S.
Kxc. a dirigir os negocios pblicos com todo o cri-
terio e crcuinspeccao, sem ter em liabas de con-
ta, injustas arguic.Oes que llie lizeram, no calor da
accad, quando o espirito poltico supfta os mais no-
bres sentimeiitos.
-A opposicao sem discrepar dos seus principios,
c reagiado sempre contra o dominio actual_ dos
seus adversarios, nao desconbece a moderaeo e
economa do governo do Exm. Sr Pedro Afumso e
sobretudo a ausencia de perseguido, que em ou-
tra pocas ex-ierimenlai-am, depo'is de pleitos me-
nos renliidos.
Nessas condignos concebe-se a existencia de um
governo regular e de una opposi.-o moralisada,
gyrando cada um na rbita de suas attribu'icics e
respeitando-se mutuamente.
Polica. Diversos espancamontos e ferimentos
se lem reproduzido, por effeito da bonhomia das
autoridades policres, uas quaes, por certo, j nao
confia a populacao.
Uai delicio qualquer tem sempre como conse-
quencia urna vindicta por falta depunicao da par-
te de quem competa.
Os espancanieiitos leves, os furtos, os palavroes
e insultos nao merecen) punit^ao. O cidjlo li-
vre como o pensamenbi, gracas a condescendencia
da polica.
Tltesourarias. A geral esf na espnha..- J
me va parecendo isto una espcculacao lo gover.-
no, em proveito das prescripcoes.
A provincial leve refresco ; pagou aos seus ere-
dores na provincia, e conserva alguma soouna.
Contte ci. -Em nada,nioditicou de quauto lbe
disse na minha ultima inissiva.
Por boje termino aqu
H preiunr aos seas jarisdicefonaass de scordhan-
itlentados foi, senao desacatado, talvc, quo
dctrespcitado....
. Mas. tivemos summo prazer de vermes que, os
que s acha. radlviduos (pie assim procuraram fio torpemente
offender S. Exc, hveram urna resposla prompta
e elUcaz. O correctivo aos desmandos da polica
de Botn Conselho, np se Icz Jsoprar I E jauuU
' uosftaiKditar*
fi'cano periodo
fntipejkdisso podemmiosiMl
Exft, Airante o narlo, perm
I sua adtiiiiistra'-ao, pntcuroa
1 proeedimento pelas regra I
ito.
cao/pntcaronjpDmare-paular o
justo o do ho-
aen
do 11
lipen'lios alnados sobre o Exm.
8r. bisno e a nossa humilde pessoa ?
Pois Bem, o que nos dirigido nao nos impor-
ta, mas lamentamos que a veneranda pessoa do
prelado soja exposta a taes desacatos, e parodian-
lo o nosso contendor, diremos : o aceitamos
tiitcBfsoesdebaxo deste ponto de vista (de. invec-
tivas e vilipendios contra o prelado) maneje quem
tuizer e smher rom taes thmu, nos as repelli-
Piauliv.
Tkirezina, 26[de nmhnbro de 18T2.
ft*. redactor.Os acontecimentos de odos .
das desviam-mc do programina qne eotuigaei na,
minha- primeira naissiva, na qu'al assumi a trela
de sea correspondente.
Hntem o pleito eleitoral oceupra o lugar
de honra no men noticiario ; hoje eccupar-me-
hei em primeiro lugar com o apparecimento de
imi novo jornal intitulado A Provine a do Pan-
liy. sabido dos prelos da typographia do Amigo
(to Coro, mas tendo como redactores djis inlivi-
dnos em quem bem cabo o verse do poeta man-
tuauo :Arabo drenles ttate arcades ambo
isto ambos despeitads, ambos desoecupados e
eareeedoree de nomo e impuiacao.
A Provincia do Pauhy 'onovo afilela das
uVat da poca, o sennclla vigilante dos di-
i;'/on do cidadii\ o correctivo dos poderes cons-
tituid'is ;- finalmente a pedra i: toque das vir
tudes e vicia* da misera socieilade jiiauhyense ; e
na frase eloquente dos seus dcsinteirssados redac-
tores A Provincia do Piultg a provincia do
Piauhy-sic -dizem elles. (a)
A sociedade therezinense, porem, j descrentc
dessas promessas bombsticas, desse amor pa-
trio nunca damos conhocido, investiga e pro-
cura a baste a que se prendera esses chorees
que servirn) de palma dos marlyres ; encontra-o.
analisa-o e reeonheee o tronco do despeito enrai-
zado no solo agreso das conveniencias egosticas,
alimentados por estlidas prcteneSes, elabora-
dos em ausencia da luz da. razio e da intell-
gencia.
__ O programma, assim tao bem o artigo de fundo,
sao dous especimens darte; aquelle resente-se
da ausencia de formula, este distingue-so pela
multiplicidade de pensamentos, que se contra-
dizem e so coufundem dando em resultado o abs-
tracto, como o -0 as operajdesdos equivalentes
algbricos. -
Afora S,, nada mais se nota da redaeeio
que nao sejam nonveniencas de todo jaez, m
verdadeira anlithese eom algumas frazes de or-
den), intcllegiveis, consignadas no mimoso pro-
gramma.
A descompostura, o insulto, o desrepeito
1" auctoridae da provincia, e sobretudo a licen-
ciosidad? da imprensa, ubetuiram a critica "sen-
sata, o respeito a sociedade, aos preceitos consti-
tucionaes, e finalmente, marearam o'caracterstico
da tribuna universal II...
O jornal A Provincia do Pianhy, que nao tem
um redactor ostensivo, est, em verdade, as
ondieoes de assim proceder, e o proprio Sr.
Clemeitfino que l com todo enlhusiasmo algnns
Mthographos que diz ser de propria lavra, soffre,
nio oblante, dos maidizchtes contestaeao quan
io a artera, sob fundamentos que descoHiicco.
B1 certo, porem, que jamis passou elle por
escriptor; mas como os desaranos de todo o jor-
nal eondizem perfeitaraento com os salpicos de
peana ainda mal aparada para loo altos commet-
t-nenmt, faz-me crer qne o edictor do jornal 11
do* if'Mww redactores.
Como qaer qne seja o 1- n. e o j forata di-
'ibnidos, sendo aqudle gratis. Km consrtjoencia
da acertaco qne teve, pe a novidade e prece,-
erttentlen yiUmtn piMpriotado ediceor que
popula(.10 sensata o a saa congnere rendiara-me
os ippiausos;petetraefdicttami>see desranecido
eantraCa na empr>)za.
t aqu a novidade, agora passarei ao que mais
bcc de-e interessar.
Assenbla *r>. .t^ provinebes ji eomejaTam Os seos traftalbos,
nde \ installario no da t do errente.com to-
d is as formalidades do e.'tyfo.
Orefttterio com qnaJ expoz S. Bxe. 0 Sr.
"sdro ABobso r\ rreira, o estado gerat d>pro-
Q.lando j suppunha esta inissiva as proximi-
dades da banca do typographo, a eucontrei na ga-
veta, tendo ficado por esqueoimento, pelo que
aproveito-a para transni ttir-llie dous acontecimen-
tos importantes em beneficio do conimercio e da
m randadaSao elbs:
lionmuniracao ttrtcta.' S. E>:c. o Sr. Pedro
Ati'uiiso acaba de contratar cora o nosso compro-
vinciano Dr. Silvio Pelieo, representante da coin-
panha pernambucana. a eommunicacto directa,
entre aquella capital o porto da Ariiarracao, do
3nal se serve esta provincia para barcos a vapor
aquella conipanhia.
Ficou estipulado no contrato 2 viagens meuJaes.
com o subsiio de 300 por cada viagem.
Este niellioramento reclamado em todos os lem-
pos pelos mais vitaos interesses do ommercio foi
simplesmeiiie objeclo de conversa dos antecesso-
res de S. Exc. e jamis passou de pro]ect0 em 1.*
dscusso 11,1 assembla provincial.
0 referido contrato que foi s ibmetti lo a appra-
vacao docorpo legislativo. serai>provado; visto
como sao de 1." intuidlo as suas vantagelis, p.lo
que passou por unanimidade na I.* discussSo.
Se outros beneficios nao hoavease (eito S. Exc,
bastarla este, para dar lbe um lugar 'le distrecao
entre os administradores desta provincia, qi e por
certo Ihe ser eternamente grata.
Presumo que todo o commercio do Piauhy so
dirigir para Pernambuco, se nle levarom a efleito
s Mtrada do forro proj. etada entro Caxias e Th-
rezina. < .
O jornal .1 Provincia to PiauAy.-O prler
deste peridico que no 2,- rt feli;itou-se pelo bom
acolhimento que mereceu o distribuido gratis,
acaba de perder to doce HosSa, que nao deixou
a fortuna durar milito.
Com a publcalo do 3." u., que em verdade
sabio euvolto em una atmosphera mcphitica, ficu
o Sr. Clementino desapontado eom o devolvmeno
que fizeram de sen jornal, sem que houvesse nisso
urna sombra poltica se quer.
Grecos' e Royanos, estrangeiro e nacionaes,
*ein uistinecao de seso ou idade reprovaram a ln-
guagem inmunda, desrespeitosa da sociedade e
bons ostumes, que affrenta, para desaffrontar-se
da demissao bem merecida que receben.
O referido jornal, cajo none nio repetirci em
honra a esta-provincia, dcscra ao nivel domis
torpe pasquim.
Revolvim ascinzas do pa, para ferr ao filho que
soberanamente despreza os seus aoommetlmentos
desvairados.
O Sr. Clementino deve estar hoje corrido de ver
gonha, e convencido de que os ho'nens honestos
e sensatos de lodos os maUzes polticos no daro
jmai3 guarida ao seu pasquim.
Mire-se no proeedimento dos dous distinctos ci-
dadaos, Ur. Constantino Moura c eoronel Araujo
Costa, liberaes de todos os tempos, adversarios na-
turaes de S. Exc, e reconhecer a reprovaco n
limine da linguagem e (beorias do sea desconcei-
tuado jornal.
Se respeita o bergo era que casceu, risque do
frontespicio de seu jornal o no*ae dosta provincia
aue se acba degradado, cnvolvcndo ou serviodo
de motivo a taes desvarios.
Por Jioje basta. ()
() Prt/3-do Maranho-n. 134 de 21 de de
icrnbro.
opoeeni pratica mu s4 que. o tornasae
indigno da estima e coiideTaelo pubBcas ; nao
arre lou-teum pice se quer da senda de seas
deveres: lstribuio. com a mxima peesivel im-
parcialidade, justira Mein quer gasse necessltado, sem alstlncco ne e/>r poltica.
E, em apoio do que vimos de dizer, appellamos
para lodos os bomens hom'stos do ambos os ere*
dos polticos que abi esli beni-dtzerem da fe-
liz acquisicaoquc Ihes fez o governo imperial, do-
tando-os de um magistrado conspicuo c de carc-
ter illibado teda prova..
Nao profedmo lees proposicoes em sentido de
prestar survico S. Exc. nao ; nutrimos a firme
convierao, de que os seus crditos ja como polti-
co, e j como particular, estao firmados desde ton-
ga data e asss reconhecidos por aquelles que d-
rgeni os altos destinos do paiz ; e nao era em
Bom t"onseuio que S. Exc. virla os solicitar I...
Nos desejamos ardeutemente, assim como o
Aguas-bellenses que S. Exc, logo quo se restabelc-
ca de seuslocommodos -de Mude, digne-se de
rcassuinir o txerccio do cargo que to honrosa-
mente oceupa", par^ que se conveneam de urna vez
jwr todas, que hoje felizmente o imperio da le
nao una licco e sm una realidadc.
Ao passo que assim pomos em relevo Ilustra-
da adminislracaO de S. Exc o Sr. Dr. Joao Vieira
de Araujo, outro tanto nao podemos fazer da do
bacharcl Jos Chinaco do Espirito Santo, juiz de
direito interino da comarca.
O facto que se deu ltimamente em Bom Conse-
lho, no din 21'do corrente, e que eucheu de terror
toda a populacao, prova evidentemente o nenhum
respeito que liga 8, S. liberdade individual do
cidado, boje to bellamente garantida pela no-
vissima re'orma jiidlciaria.
Narrando o facto tal qual como^se passou, snb-
metemos ao grande jury da opiniao publica, a sua
apreciaro.
Ades, porm, de entrarmos na sua, exposirao,
preciso declarar que o Sr. Jos Chinaco libe-
ral esforenrado, e a scena se passo*) entre S. S. e
os liberaes de Bom Conselho! !
Por incommodos de sade, nao podendo o Sr.
majorLacerda, escrivo daijuelle auditorio, pres-
tar os seus servidos na sessao do jury 'do da 20
do crrente, pedio ao Sr. Pedro Pierre N. Barrete
(2> secretario do directorio do partido liberal) que
como escrivo ad ho% fosse em seu lugar servir
era dita sessio at o dia subsequente (21), que as-
sumiria o exercicio de seu cargo. De feito, o Sr.
Brrelo accedeu ao convite do Sr. major Lacerda,
daHdo logo que se findou a sessao por terminado
o seu i'omprjinisso. Entretanto adiando- se este
moco em casa do seu compadre e correligionario
o Sr. advogado Lourenco de Carvalbo de Araujo
Ipiranga, foi sorprehendido pelo chamado inoppor-
tdno do Sr. juiz de direito interino, ordenando, quo
sem perda de terapo, fos e casa de sua residen-
cia. A este chamado respondeu o sri Brrelo i)ue
a sua misso do dia anterior, como escrivio ad
hoc, esta va linda, e que por- tanto deixava de obe-
decer a ordem que acabava de receber do olllcial
de justica. Note-se que o nomeado nao liona re-
cebid a portara de sua nomeaco, nem tao pou-
co avia prestado o respectivo juramento !.......
S. S., porm, mal avisado, expdio incontinente
mandado de prisao contra o Sr. Brrelo, de cuja
imprudencia por parte da primeira autoridade da
comarca, ia resultando graves cousequencias.
0 Sr. Lourenco Ipiranga, pretexto de ser a
ordem Ilegal, nao consentid que o oflicial do jus-
tica e a torca publica o conduzisse preso, 6 na ver-
dade pencamos com o Sr. Ipiranga que nina tal
prisao era por demais attenlatoria da liberdade in-
dividual do cidado.
Logo depois da scena que referimos, a popula-
cao estupefacta, observou que do quartel de polica
desda marche-marche c de bayoneta calada todo
o destacamento, requisco do juiz de direito in-
terino, afim de mandar escalar as portas (segundo
foi publico e notorio) da casa do Sr. Ipiranga c fa-
zer effeetiva a prisao ordenada.
Alguns jurados e diversos outros cidadaos de
ambos os credos polticos, tendo eonhecunento do
.occorrdo, dirigiram-se em numero assas elevado
casa do Sr. Ipiranga uo sentido de impcdireni a
invaso que ameacava commetter essa autori-
dade.
Era una conllagracao geral no Bom Conseluo,
.-.i to cffectuns-e scinelbanle p'nso, islo havera
umitas vidas preciosas de cidadaos respeitaveis a
lamentar.
Felizmente, porm, o juiz de direito interino ve
rificando a sem razao de seu acto e conhecendo
verdadoiramente o terrivel c asombroso desenTace
dessa queslao, sustou incontinente todo o proeedi-
mento bellcoso,4'unlentando-se nicamente com o
dar ao Sr. Brrelo a sua demissao, assignanda es-
te posteriormente o juramento!!!,....
Temos plena convieco que nessa tena nio se
pode ser juiz com taes niordomos I!....
27 de Janeiro de 1873.
0 novo sertanejo.
Collegio Abilio.
Os estatutos des:e afamado ostaboleeiuiento de
instrac.ao primaria e secundaria, sito no Rio de
Janeiro, acbam-se em distriboico na Uvraria
Franceza, onde se prestaro todas as informacees
exigidas pelos interessados.
I do Banco do
n Pornanibuco,
em lii|iiilaclo.
l'aga-fle o 38.* dividendo das ac^es do
Banco do Brasil inscriptas tiesta extinct oaixa
razao de 8-"?000 por acc,ao ; i ra do Mr-
quez de~01inda o. 49.
Recife, 30 de janeiro-de 1873.
SEliROS
CONTRA -FOliO
lliui lo Coimiiercio n.
nieiro aullar.
3H.
pri-
Agente, .
\V. 6. FKNNELI.Y.
Banco Cominercial k
1
A dwectoria do Banco Commorcia] de
Pernambuco convida *os Sis. accionistas a
rcalisor, at o dia 20 de fevereiro prximo,
no escrijdorio do Banco, ra do Vigario n.
1, primeiro-antlar, a tercuira preslacao de
10 % do valor de-suas aojOcs, devenido tra-
zcr as respoctivas cautelas para se anuotar
dita prestac,-io.
Recife, 15 de Janeiro de 1873.
Os directores,
Manoel da Silva Santos.
Bmrique Bernarde* de Oliveira.
Joao da Silca Reqa4

Seguro cunlra-f ig >
COMPHIA
NORTHERN.
Capital.....
Fundo do reserva.
20,000:000-000
.8,000:000T000
Agentes,
MilU Latham C.
RA DA CRUZ N. 38.
Segupo enlra-fago
THE LIVERPOOL LONDON GLOB
INSURANCE C0MPANT
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Santo11
COMMERCIO.
COMPANHIA ALLIANCA
-uros martimos o terres-
tres estabelccida na Bahia
em 15 d Janeiro em 1870.
Toma seguro
(a) 1'.' aro Terdadrtro eeearneo a prevncia.
CiMiiHrra le Bota* ('ikselho.
0 sol ness.i regio parece ser mais abrazador
do que em qualquer outra parte do orbe! O ca-
lor liorrivel de que se soffre ha 3 longos mezes,
faz-nos receiar, e com bem fondadas razoes, que
a epidemia de febre amarcila ou de qualquer ou-
tro carcter maligno, esteja prestes bater-nos
porta..
Nao somos da escola de Hyppocrate, por isso
nao garantimos o prognostico ; mas, o que certo
que se copiosas chvas nao eahirem brevemene
sobre este slo, seremos inevitavelmente victimas,
senao da epidemia, ao menos do calor I Nunca
esperimentamos, ainda raesmo na cidade do Beci-
fe, calor igual ao que ora aqu se soffreJ Dos
se amercie da sorte dos habitantes desta'localida-
de, c especialmente d aquelles que nao se acham
ainda aclimatados.
A 6 do mez de novembra pretrito o Exm. Sr.
Dr. Joao Vieira de Araujo, digno juiz de direito
desta comarca, soguio viagem para a capital, la-
yando era sua conipanhia a Exm* conserte.
At ha poneos das ignoravamos qnaes as cansas
que demoveram S. Ene. a emprehender nma via-
gem tSo rpida, ananto reloz ; entretanto, agora
que temos ciencia dessas cansas, seja-nos per
miudo emttir a nossa opnio respeito, sem pro-
curar olendennos a snsceptibtlidade de quem
que- que seja : pois nao senao oossa missao dar
luz dapubliddade e conseguintomentecensnnrmoe
o abjecto proeedimento deste oa daqneile individuo
que milite as ftlelras de nm partido poltico qual-
quer, por isso mesmo qne estamos adstrirtoa a
essas futas de alda pelas circumslancias excep-
cionaes em qne nos acham w collocndos, teda vi
como simples observador rmprcial, julgamos nao
estar inhibidos de estit-matwar os actos de verda-
deiro canibalismo, de quem <*oer qne traba In-
cuusideradamente procurado por en} prica, con-
tra S. Exc, na qualidao de primeira autoridadfc
da comarca. Eis os betos :
A polica de Bom Cwrtefto, denda-Mo a seu ta-
lante continoar na pratica aHoalva WartofcmMllSr,
regulares e attent*,torios da sejjuran.a tadividua l^*
do tidadio,jjxpedlracontra o samosto ci-imi
Leodegario (Tomes Patriota urna dirigen, ia
qual sem pwceier as formlidade l g^es, nem
fiaver a minima rcsftWncla, jognndo rfoe infom)i]
resultou ser aqnelle indTidtto baraarameutL aa-
sassnanoll,.
Exc., porni, qnerendo vttdear d imperio da,
Augusto F. d'Oliveira & C.
A casa commercial e bancaria deAugusto
F. d'Oliveira f..3., ra do Commercio n.
42, encarrega-se de execuco dcordens para
embarque de productos, e de tod*s os mais
negocios de comrrisso, quer cofnmerciaos,
qur bancarios. P
_Desconta lettras, e loma dinlieilDs a pre-
mio, compra cambiaes, e-saca vista, e a
prazo, vontade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacionaes :
l.ontii'4-s.Sobre o unin bank of
london (de respoiisabilidade illimitada) e
varias firmai de 1.a clas.se.
Pars.Sobre os Srs. makcuard an-
DR C*P. GIL, e A. BL.VCQUE V1GNAL d*
C." BANQUEIROS.
Ilumliur o.S >l i os Srs. JOAO SCHU
BACK & FILHOS.
Lisboa.Sobre os Srs. fo.nsecas, san-
tos & VIANNA, 0 SEBASTIAO JOS D'ABREU.
Parta.Sobre o banco uniao do por-
to, e o Sr. joaquim pinto da fonseca.
Para.-Sobre o banco commercial do
para, e os Srs. FRANCISCO gadencio da cos-
ta & FILHOS.
Maranhaa.Sobre o Sr. jos ferrei-
ra DA SILVA JNIOR.
Ceara.Sobre os Srs. j. s. de vascon-
CELLOS & SONS.
Babia.Sobre os Srs. marinhos c*.
Bio de Janeiro.Sobre o junco in-
dustrial E MERCANTIL DO RIO DE JANEIRO, e
O BANCO NACIONAL.
CAPITAL V,000:000--000.
Je mercadorias e dioheiro a
risco martimo em navio de vela c vapores
para dentro e lora do imperio, assirn como
contra fogo sobre predios, gneros e fa-
zendas.
Agento : Joaquim Jos Gongalvos Bollrfio,
ra do Commercio n. 5, Io andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA E0 FOGO.
A companliia Iudemtusadora,eslaboleodu
nesta praca, loma seguros martimos sobre
navios e seus cafregamentos e contra logo
em edificios, mercadorias c mobSias; na
ruado Vigario n. pavimento terreo.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana
Toma riscos martimos em mercadorias,
frotes, diiiheito a risco e finalmente de qual-
quer nalureza, em vapores, navios vela ru
baroacas, A premios muko mdico*.
RA DO COMMERCIO N. 34.
PRACA DO RECIFE 10 DE FEVEREIRO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TAT;.
Cotacdes ofHciaes.
Alfodao'de Macei 1-irte llaOOO ror ISkikn
sem capa 1*2 d.
Dito de dito dita lOjoOOc lOjiOO por 15 kilos 7**
d. e 5 00, sabbado.
Apolicf5-da divida publica de 6 OrO ao p-.r.
Cambio-sobre Londres a 90 dv. 6 3*8 e Ifl l]f,
* e do banco *6 l|i d, sabbado.
Dubourcq
Presidente
Leal Seve
Secretanc.
Bastas 4 C. Ca(Ihiria3caixas a Car-
1 >'' I a DJ\ WifcJ. Christol i cai-
!) DnnrtK Ai |a n. LR.diert.
n^s- 17 r-Mxatl Rirtholomu & ('.., I r-
caixas I i S
ncirii
xa? a
I)n;
dem! a F. M.' lva.
Essencia I. caixa a T.M. Silva. Envelonps 1 ca.\;'
a J. Castro & Almeida. 10 a Amara! & Motta.
Ferro balido I caixa a M Rerne, i a Ferreira
(JHfjiares it C.
Instrumento* de mrisica 1 eaixa a H. J. Ro-
ben.
Uvros 1 eaixa a Lailliacar h C. Louca 3 cai-
xas a J. S. Nefes.
Man.-a ?-*> larris e 2.' aeos ditos ordem,
109, oO 1/2 a A. P. Corpa. !0, 30 1/2 a J. GencaK
ves Beltrao. 45, 4.' 1/f a Jubnston l'ater \ C, l'OO,
130 i/2 a A. L. Oliveira Aaeredo, 100, 150 1/2 a
Sodr da Motta, 20.20 1/2 A B. I.eitao, 50. 30 1/2
a i. Bastos. 40. 60 i/i a Costa Amorim, 13o, Lia
1/2 ao consignatario. Medicamento 7 voluntes a
Maurcr. "> a M. S, Paria A C 7 a Caors, 3 a Cn-
nha & Manta. Movis 2 caixa a Domingos Pinto.
4 a Monhard Mettlef & C, 5 a Lopes Machado!
Mussulina 4 eaixas a l'eiwa de Melle A C. Mer-
cadorias diversas \ a Linden Wevdman A C. i a IV.
reir Sfenes & C. la J. P. Arantes, 1 a Castro 4
Almeida, i a l'aria & Irmio. Marmrea caixa a
D. Pinto.
Perfumara 1 a D. T. Bastos, 1 a Goncalves Fer-
reira, i a Castre 4 Almeida, 8 a Prente Vianna 4
C. 10 a Yaz Jnior & C. 2 a Xctlo Campos, i a S
Leitao 4 Coimbra, i a I'. S. Cascao \ C, 1 ao con-
sijnatario, i :i J. S. Nevea,
Papel 2 eaixas a I. 1). Almeida 4 C, 29a Sed.
da Motta, 0 a Bastos Oliveira 4 C, 5 a Vr. Jonir
4 C, 13 a'Parent'! Vianna 4 C. Dito de enjbru-
llio 100 fardos a Ahes Lebre. Dito dr. tigarro 3
caixa a J. M. Palmeira. Pucelana 1 caixa a Cosa
4 Irmao, I a Monhard 4 C, 2 a M. Vasconoellos,
2 a J. T. .MonlWro 4 C. Perolas 1 caixa a S Lei-
tao 4 Coimbra. Piano 3 a A. J. Azevedo.
Oljjectns diversos i caixa a Duarte 4 Irmac
I a E. Pellore, i a Caors, 27 ordem. 3 a Munhaid
4 C. 1 a I. S 4 C Ocre-7 barris a Caors.
Plantas niedicinaes i caixa a A. Barbosa, 3 a
E. Pellore.
Qulnquilltaria 1 eajxa, a II. J. Rol-ert. Queijos
GO eaixas, aos consignatarios.
Sardnlias 30 eaixas a S. Bastos 4 C, Sal. J.
da Costa.. ,
Tecido ii ca xa r a Linden Wevdman 4 C, la
Duarle 4 lrmio.3 a Keller 4 C, i a Mondes Aze-
ve lo 4 C, ii a Burle 4 C.
Vidros 1 caixa a Castro 4 Almeida, 1 a Yaz
Jiinior A r.., 4 a Pereira Irmo, 1 a Maurer 4 C.
3 a R. F. Siqueira, 8 a S. astos 4 C, 6 a Cunta
4 Manta. '! a Prente Vianna.
Vapor Paran rindo dos portos do sul, mani-
fest* :
Cigarros 30 barricas a J. S. Repo Borges, 6 a J.
J. C. Horaes. Cera em velas 5 eaixas, ordem
Fuirio 3o roles a A. L. Oliveira Azevedo, 30
rolos, 12-'i latas e UO/2 ditos a odre da Motta.
Ii eaixas, 'to paeotes, 75 latas, 40 rolos a J. M.
Palmeira, 8 eaixas a Bourgard 4 C, 3 aB. Res.
Dito picado 9 eaixas. a Cunlia 4 Manta. Feijic
10 saceos a Horeira Monteiro 4 C, 10 a J. J. Aie-
vedo.
(arralas vasias 2 barricas, a Barlholomeu 4 '..
Livros 2 eaixas. a W'alfredo 4 Souza.
Massas 6 eaixas, a S. Bastos 4 C.
Panno 1 fardo, a Lnyo a Filho.
Queijos 30 eaixas, a P rente Vianna 4 C.
Hiate brasihiro Graciosa, rindo do 'Araeaty,
consignado a Bartholomru lourenco. manifest* :
Alodao 18 saecasa Gomes- de Mattos 4 TrniSo,
3 a S Leitao 4 IrmaO, 36 ordem.
Carnauba 80 barricas a J. Clemente Ribciro,
a Gomes de Mattos 4 Irmao.
Gomma 67 saceos, a J. B. Oliveira. Mforoes
100, a Lasso Irmao 4 C. Milho 34 saceos, a J. C
Ribeiro,
Palha de carnauba 609^molhos, a Panlale.i>
4 Irmao.
Ripas do carnauba 100, a Tasso Irmao 4 C.
Sola 7-*>; 2, a Gomes de Mattos 4 Icono. Sal i'
alqaeiros, & ordem.
Lugar imgkz Lkandrh, viudo de Terra Nova, '
consignado o Mv iltni Pater fe C, munifesUu :
Bacalbio
i.::
barricas, aos consignatarios.
Vapor nacional CiTRoam, cindo de Mamanywt-
pe manifestoa :
Algod.io "un saccas, a Saunders Brolhers 4 C,
Couros 32<> a Morae* 4 Irmo.
Milho 306 saceos a Saunders Brothers 4 C.; 20o
a Moraes 4 Irmao. .
CAPATAZIA DA ALFA.NDF.GA Rendimentodo dia i a S 1:8894774 dem do dia 10...... 1844476 5:0li-!:**
VOUMES SAHIDOS No dia 1 a 8 .- Primeira porta M dia 10. Segunda porta..... Terccira porta ... Trapiche Coneeicjfa) . 113 130 111 34-';
0,*fl-7
SERV1CO MARTIMO
ftrfarej)ga8 deacarregadaa no trapiclie
da aifandega no oalas.. .
Ditas ditas no dia 10.-.....
Navios atracados no trap. da aifandega
Alvarengas. '........
Xo trapiche Coneeicio -. .
tf
27
RECLbEDiJltlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia i a 8 7:968l9:;.
dem do dia 10...... 4:873Jb7
12:542itKM
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia I a 8
dem do dia 10. ,
61:147**!*
8:971*707
70:li9*.['2l
WGV'iMENT 00 P.0RT.
ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 a 8 .
dem do dia 10.....
12:0885254
70:941*348

483:029^002,
BANCO COMMERCIAL
DE
PERNAMBUCO
Deaconta lettras quaesquer ttulos publjcos.
Retbediheiroem,conta corrento simples,
em conta corrente com juros o por le*-
Iwcarroga-se por commisso de qualcruor
opeta^So bancaria. '
0 ^pdipnte. nrincpira As 9 horas da
manh e nadar s 4 da tarde.
Ra do Vigario n. 1, prijaeiro. an-
dar. '-- -.
Descarregam hoje 11 de fevereiro de 1873
Barca portugueza Alexandre Herculano mer-
cadorias para alfaudega e-pedras para o
trapiche Conccicao, para despachar.
3ngue inglez Coila mercadorias para aifan-
dega.
Lugar francezJean Baptiste-mercadorias pare
aifandega.
Barca ingleza -Hennicne mercadorias para ai-
fandega.
Patacho inglez Airla varios gneros para o
trapiche ConceigSo, para despachar.
Brigue inglez -Luzitania- ferros j despachados
para o eaes do Apollo.
Brigue hollandez- tlula Margarethafarinha de
trigo j despachada para o caes do Apollo
Barca franceza Augustm farinha de. trigo j
despachada para o caes do Apoll.
Importa^ao.
Barca francesa *oo baptista, vieda do Ha-
vre, consignada a E. A. Burle C. manifestoa
Agua de Vichy 8 eaixas ordem, dita mineral
1 caixa aos consignatarios, 5 a Bartholomeu 4 C.
Acido 2 eaixas a Caors, 1 a Maurcr 4 C. lAvaiadc
10 barris a F. M. Silva. Ocre, 7 Karris a Caors. Al-
finetes i caixa a S LeitO 4 Coimbra, 2 a Gon-
calves Ferreira.: Ammoniaco 1 caixa a Bartholomeu
4 C, 1 a M. S. Fara 4 U. Artigo de Pds 1 cai-
xa a Barroso de Mello.
Batatas 20O paneiros a Th Chrisliansen, 200 a
Lima 4 Res, 100 a 1. J. Cardoso, 100 a J. J. Aze-
vedo, 200 a Alvts Lebre.
Conserva 6 eaixas a VI G;ncalves Behro. Cal-
cadoi 5 eaixas a J. P. Arantes, 4a Fana & Innin,
1 a E A.-Medeiros, i a Mendos A'-ved. ? a Vaz
Jnior 4 C. Chapeo 3 eaixas a Mertdes Aaevedn,
2 a Pereh-a -do Mello 4 C, 1 a Cnnha Maula.
Couros 2 eaixasP.da Cunha 4 Irmao, 2 a Ca-
nha 4 Manta. Chales 1 caixa a Mepdes Azevedo
4 C. Camisas 6 eaixas a Meaquita 4 Cardow Ca-
deiras I caixa a OUo Bobers. Cartas de jogar 2
Navios entrados no dia iO.
Mamanguapel horas, vapor brasileiro
Curaripe, de 22*2 toneladas, capito Jos^
Henrique da Silva, equipagera. 17, carpa
algodao c outros gneros ; companhia
Pernambucana.
'ij Havre50 dias, lugre ratscez Jean Bapii*-
te, de 182 toneladas,, capito Triboul,
10, carga varios gneros; a
equipagem
Burle C.
Navios sahiii no mesmo dia.
LiverpoolBarca portugueza A mixade, capi-
to Mello, carga assucar.
ValparaizoPatacho allemo Otto Grafza
Slolberg, capito Il^Vessmann,' carga as-
sucar.
CanalBrigue francez Myrtil, capito Myr-
t Aubin, carga assucar.
ObservacSo.
Suspcnderam do lamaro para Queeiiston,
o patacho inglez Florence, capito Uohfflfes
com a mesma carga quo trouxe da Babia.
dem idem para Barbades, barca ingle*.*
Bina, capito W, Iones, com o mesmo las-
tro que trouxe do Rio de Janeiro.
dem-idem para o Rio Grande do Norte,
patacho austraco Marictta G.^ capito G*V-
vain, com o mesmo lastro qne trouxe do lu,
de Janeiro.
Idetn idem para a tahia, logre iapjtez
Laander, capito Da ves,-com a raosma carga
que Irouie do Terra Nova.
tDITAfS.
Pela secretaria da cmara muateiial ca
cidade se faz publico que a mesma cmara prin-
cipia a saa -'limeira ses>ao ordin ra 4eeU aam>
em o dia 40 do corrente.
Socretaria da cmara munieipal i tLncMt d
feveoiro de 1b73.
O secretario
i i.ouronco B. carnoirv da Cmb.
1
n

/



j




*s
.
J


Diario de Fmmmlmco -h Tera feira 11 de Fovercr de 1873l
y-
_^_
------O procurador fiscal da fhesouraria p,*oyncial de" Pernambuco, declara aos contribuinte-
dcw impostes de aecmia, 4 por MBro c GO rs. por litro do agunrdentca cargo da collectoria do
MMtbc, do oxoreicio do (871 1872, que u lien mareado o prazo do 30 dias, a contar da publi-
04940 deste, na conformidade da le n. 891, arl. 53 para solicitarem desta seccao as respectivas guias,
aflni Je recolberom seos dbitos provenientes dos masnios impostos, cortos-de que nao pagando dentro
deste praso, proceder-so-ha, a cobranza judicialmente, fazendo publicas para isto 'a relacao dos
(levadores abaixo transcripta. *.
Soccao do contencioso provincial de Pernambuco, 31 de Janeiro de 873.
O procurador fiscal.
-__ Cmriano Fenelon GueHes Aleo!'orado.
AHULADO O. DEVEDORES DA COIJ.ECTQBJA PROVINCIAL DE ITAMB DO EXEUC1CIO
PIND DE 1871 A 1873. %
Pairas le Fogo. .
% i
- 2 "o
a
* I
l-
S
i
Ra de S. Paulo..Manoei Goneah
Oliveira
Dita.Felisherto Bererra Chaves
Dita;.-francisco Kirmino deSant'Anna
Dita.Francisco Antonio Barboza
Dit.1.Joaquim Jos da Costa
Dita. Francisco.Muniz, procurado]' de
orphaos
Dita.-Felippa de tal
Dita.Mana Francisca Barboza
Dita.Joca de Nazaretb
Dita.Fi'lisbelio Ferreira 'Chaves
Commercio c1 outras.-Jos Bernardo
de Carvalho
Kaa da Concicao.Franc sea Mara da
Concicao
Dita.J(M|uim Manoei do Reg
Dita.-Policiano Pereira
Kua da Baixinha. Jos Ignacio dv
Mello
DitaGregorio Jos Estanislao Fer-
rcira
Dita Archanja Mafia do Espirito-
Santo
Dit..-Jos Dourado Cavalcante
Dita. Manoei Severino llamos
Dita.Francisco Jos do Nascimcn'.o
Dita. Candida, de Boa-Vista
Dita Joaquim Dias da Silva
Dita. Lodtodm Pereira de Amorim
Dita.Manoei Barboza
DHa, Gailbenne
Dita Jos Baptista da Silva
Dita.-Joao Camello do Nascimentr
Boceo de Gojamia.Joaquim Fia -
co Dias Montenegro
Dita Margarida Mara do Espirito
Santo
Boa da Cobra.Jos Cesar Carnciro
de Miranda
Dita.Vicente da Costa Hamos, pro-
curador
Dita. Francisco Tlieofano Julio de
Mara
Dita.Francisca Mara da Qnaeeicjta
Dita. efedro Celestino Dantas, proca-
ndor
Dita.Mara Baio
Dita. -Hygino Ferreira da Silva
Ditaribelina Tbcodora Pessoa Cesar
Dita. Joaquina Maria da Conceica<
Dita. Francisco de Archanjo
Dita.Joo Rodrigues de Souza
Dita. Manool I.o|r;s
Dita.Gregorio Manoei Baptista
Dita.(regozio Jos Baptista
Dita.Folisinino Pereira da Cunta
Dita. -Margarida Firniina da Goneeieao
Dita. Florencia Maria do Espirito-
Santo
Dtta.Manoei Francisco do Nasciment.
Dita. Antonio Miguel Francise Ai-
ves
Dita.Antonio Ferreira d 1 Poncec::
J_)ita. Juao Jnaquini da Bocha Pott-
dao
Dita.Christovao Goncalves Suena
' Ra dos Curris. Itrauliuo Epaoii-
i)ondas Correia Bastos
Bita.Manoei Ferreira da Silva
Beeo do Cajoeiro. -Bellarmina Mi r
da Concicao
Ba do Cajueiro. Mari:. Candid; de
Mello
Ra do Cominercio. Ismael Candido
da Cruz Gouveia
Hita.Jos Baptista Magalhes
Bscco de Gcryanna.Manoei de Fn
Barboza CorJeiro
'i nhaMarroel Antonio Florentino
das Chagas
poroaco de Cauuiutoge. Francisco
C)Clho Mitniz
Wito.-Tertuliana Maria di Conceifo
Ma.-Joa Joaquim de Albuqueroue
debita
Mil lilil dn Reg Monte i ro
Dita.Feliciano Dias de Anoto
Dita. Antonio Joaquim Xavier Bor-
BeE ,
Dita. Frauciseo Justino <-ornes
Dita.Jos Florentino
Pita. -Viuvado Jos Joaquim da Con-
ceie/10
DiU.Liberalizo Jos de Carvalho
Dita.Avelino Pereira da Silva <_.cal-
cante
1. oioeiro.Manoei Dominj/uos Dias de
Queiroz
Dito. Ilenrique Fatifti) Cavalcante
de Albuiiuerqtte
pfjvoac-So de Cruangy. Antonio de
Menezes Sorcs Bandeira de
Mello
lu do Commercio.Antonio de Luna
Dita -Vicente de Aranjo Pinheiro
Dita.Antonio Ferreira di Silva
Dita -1vo Antonio de Andrado Luna
Dita.Jos Luiz Baptista
Dita.Carlos de Araujo Pinbeiru
Dita-;Francscj de 1 aula e Silva
Dita.'Jos Bernardo da Silva
Din.Manoei Felip;ie do Monte
Dita. Manoei Antonio da Ro:.',,;
Uchoa
Mea. A odre Vieira Barboza 6er-
deiro
Dita.Joanua Ferreira Fe loza
lit*.Joao CaTidido de Mello Lima
Dita MaateJ llibeiro
Dit1Esteva Gomes di Silva
Dita.Justino Quaresma da I..
Dita.Francisco Jos A'ves
Dita. Estevo da Molla Sirveir;
DHa.Manoei Vicente de Bant'Aona
Hit.-..Manoei Xavier de Andrad-:
Dita.Jos Ignacio da Silva
DUaMaria de Monra C<>ii,ij
Dita.Francisco de Paula Pires
I
I

I

34160
3**40
3lj;40
2,5160
'jWO
32iO
4 320
4i500
3<1*40
6i480
IM0
3*240
3*240
3.1*40
6^480
6^480
700
t480
5^160
3si240
3*240
2-1160
3240
2*160
2*160
4*320
4*320
32*400
2*160
um
3*240
3*240
."50O
4*320
3240
4i.:i0
3240
3*160
2*700
4*320
13*240
:>*400
2*700
3*240
2*160
3 240
2i,160
2;>700
2*160
wa
2J560
2r>lll)
3^160
3/.240
i*-|20
I
*064 4128
*0)7 *194
*097 *KH
*06i *IS
*162 *:i
4097 4194
4139 4248
4134 4208
*o7 m
mi nm
4WH
2*8X0
840i'i
34400
7n
:*ii(hi
:t*t>.H>
lt,20o
81.640
10*800
6;i48t>
54*00
4,5320
105800
34340
34240
54400
*097
4097
4097
4194
*194
4061
*194
064
}0!I7
1097
i'Hi
4097
4064
3064
4129
*129
-M'72
064
4102
4097
4097
4162
4129
1069
41*9
4097
4004
.1081
4129
*97
4102
081
5097
4064
4097
4064
4081
4064
4097
4064
4004
4064
4097
4129
4360
^170
4240
4162
*486
4259
4324
4194
4162
4129
4334
4097
4097
4162
41M
4194
4194
4388
4388
4163
4388
4128
4194
4184
4128
4194
4128
4128
4238
4258
1*944
4128
4324
3194
4194
4324
4258
4194
4258
4194
4128
4162
42."*
4194
4324
4162
4194
4128
4194
4128
4IC2
4128-
4194
4128
4128
4128
4194
42.*
1720
4352
4480
4324
4972
4518
4648
3388
3324
is
*648
4194
4194
3*4
:43W
2*4(>i
3000
44Hi.ni 4240 3480
3400o
3072
4162
3324
X
Boa da Feira.Paulo Jo->- Sai
Dito.Francisco Gomes
Dito.Joao Lopes de Mandonca
Dita.=Antouio Jos de Franca
J'ii do Rio. Manoei Antonio da
Franca
Cruangy e Tmbauba. Joao Bapiuta
Chaves
Raa do Rio.Jos JoaunilU ikis .Noves
DHa. Eugenia Maria di GOBMeSQ
Dita.Joao Jos de Albu pierquc
l**a. Francisco Vieira de Mello
Ra da FeiraHoza de Luna Freir
Dita da Cana-brava.Marcolino Gomes
da Silva
Orla.Beilarinino Pereira de Lyra
iHtaBenigao Tavares Pomo* de Vas-
con cellos
Kua- da Mutamba.Jos miz du CunUa
Cwnbe.Manoei Machado da Rocha
Cuan do Olho dAgua. Franciaeo do
Barros Pessoa
-Dita. Ilenrique Luiz da Silva
Ote.Tranquilino vieira de Melo
Monte Alegre.- Antonio Jos de Farias
Cari.'.-Joai Bantitta d" Arajijo
"lo. -Francisco de Paul.i Tavares
Vicente.Francisco Jos Lopes de Al-
bur]Ufiri|ae
Mua-da Feira.Jesepha Firaina Goedes
de Vasconcellos
l.Joaquim Correia Al ves Camello
Sha.lam Guedea AJee/otado
Kfe. -Joao Eraneisco de Mom.
JM Feliciano Rodrigues de Souza
Ca u pus
.Fcaucisw Ignacio de Jitoujxi
.Jos Pereira de: C oes SoLiinlio
.-Joio Pereira Guedes de Araujo
-Dmingoa^emes de Soua Bastos
|63-480
ti.489
16*200
35*40
44320
34240
44320
2.|7u0
15,1800
5440(1
8 24160
5*400
] .'i.Si (i
Poroarao de
34240
3;iS40
54409
2 {TOO
l*i>
(TraMyy;
4194
4194
4641
4097
4129
4097
4129
081
486
4162
4064
162
J162
4097
4097
4162
4081
4388
388
15282
4194
#194
3258
3162
397*
3324
3128
4324
4324
4194
4194
3324
162
2,5160
174380
54400
24160
34700
3 240
4064 4128
14*00
146W
24000
1*690,
34090

:;*uoo
346O
44*00
3*60
4517
4161
4064
4081
4097
iOiS
4156
*168
*I2C
5156
4060
1*034
4324
4128
16*
4194
3096
4312
4336
4332
4312
31*0
:i4340 l**" 3*000
& da Feira.Luiz Rbciro
r Jtattfi Vieira da Guana
Leandro d;Sva Jfcrrwos
P&coa
3/
54400
51400
6^,480
8/,640
i 4310
. nw* :t|t00,
4108 4216
3090 4100
4090 4150
4036 180 072 3300
3*28 4456
4331 4463
4097 4M4
4139 4*51) 43 4518
4163 4324
162 4324
5342 48H4
8 43H8 4II6
4129 258
M S Vicente
3f62
4463-1
4139
4324
4d*4
&
2535*
34531
3*531
2*352
5*886
34531
44707
43902
34531
74062
14397 2*794 .50*831
34531
3*521
3*531
7*062
74062
24943
7*6*
2435 i
34531
34531
2433*
33531
2*35*
23352
4471.7
44707
353316
2.5352
54886
3*531
39-131
84686
4*707
3*531
4*707
3-5531
23352
2*943
4*707
34531
3*886
23943
33331
2*352
3*531
34351
24943
24352
34531
23252
2 352
2*332
3*533
4707.
13*080
6*480
8*720
58886
176658
9-5417
113772
73062
55886
43707
113772
35531
33351
5*886
83720
23610
53886
,Dita. Tibnrtioo Guedes de Vascon
cellos .IJ
Dita.Joio Camello Pessoa '
Dita.Antonio Jorge Guerra Jnior
Dita. Jos Tavares de Albuquerquo
Mello
Dita. Manoei Luiz do Egypto
Dita. Andr Luiz do Egypto
DitaMaria Marques
Dita r-Crescencio Jos de Vasconcellos
DitaFrancisco ,de Mendonoa Araujo
Lima
Dita.Martinuo Alyes Camello
Dita.Joaquim Guedes de Araujo Pe-
reira
jjita.Maria .Magdalena da Silva Pe-
droca
Dita.=Manoel Bernardo de Mendonca
Dito.Pedro Goncalves de Araujo Co-
no! a no
Dita.Manool Barbosa de. Moudonca
Dita. Bosenda Florinda de Araujo
Dita.Pedro Bzerra de Oliveira Bel-
trao
Dita.Jos Rodrigues de Souza Camrjo.s
Massaranduba.Miguel Archanjo Fr*re
Monto Alegre.Jos Lourcnco da Fon-
ceca Pinlm
nica.Jos Marinho dos Santos
Xiela.Jos Francisco da Silva
Kgados Joao Aiuerico de Albriuerque
Piuenta.-Manoei Goncalves de Araujo
Pereira
Sociedadc. Joaqnim Jos de Santa
Anna
Tmbauba. Ra da Feira.Monocl_ Go-
mes Cavalcanti (pelos orlihabs
Dita.- Germana Romanada Graca
Djta.Jos Galazancio de Souza
Dita. Joanna Martins do Sacramento
8,4640 4259 4318 93417
10*800 3324 4648 114772
123960 44*00 748i-: 4706 1*412 27*678
108800 43*4 648 114772
33240 13097 &194 ::5531
3334O 4097 4194 33531
53400 162 4324 54881
10.5800 4324 4648 115772
395430 1*213 33486 43/149
8*640 4*59 4518 9*417
17J5280 1?W0 6900 I 47W 14492 27JU8
74062
75062
234323
34511
43707
34531
44707
2*943
175338
35886
23352
54H86
|886
3353a
33531
4886
2*943
2*332
18831
5*886
2*352
35945
3*531
13744
3*668
6*140
44578
35668
23180
34924
35270
3*270
18308
I540
10*384
84333
34531
4*707
944*7
5X886
54880
123**0
7*962
944".* 4,
Mm
5*88,1
54680
44W
34240
3*600
34340
84H'0
24700
24700
44320
74*00.
24000
34400
24000
21000
2*400
2*000
21400
23OOO
24400
24400
24400
244H0
2*400
244(0
34400
2*800
--
i
3*000
\
34000
34000
34600
44800
44200
3*600
6*000
6*000
3*600
34OOO
43200
i9T
I
4087
4081
4080.
4081
4279
m
4150
4060
4162
4168
4216
41414
4t4
32ro
.4194
4161
Jlflfi
4t63
4338
Ba da Feii'a.Martins Leonoldo
Dita.Luiz da Silva Pereira
Dito,Joaquim Gomes Cavalcanti
Dita.-Ignacio Joai|uim doLivrainenlo
Dito. Manool Jos da Silva
Ra do Rosario.Bellarmino de Souza
Soares
Dita!-Joao Baptista da Silva
Hita.Valdevlno Gomes da Silva
Ra do Certo -Antonio Lefte Bastos
Dita.Apolinario Jos de Oliveira
Dita.Paulo Jos da Sirva
Ba do Bio.Jeronyino Jos Alves
Dita.Candida Maria da Concicao
Dita. Umbelino Jos de Santa Anua
Dita.Senborinha Bezerra de Lacerda
Dita.JoSo Pereira
Dita.Rosa de tal
Dita. Jo's Gomes de Souza Couti-
110
Dita.-Ricarda de Hollarida Cavalcante
Dita. Francisco de Paula Cavalcante
Dita. -I'anliiiii Deod.1to*dc llollanda
Ba do Comlterio. -Vicente Ferreira de
Lima
Dita.-Jos Flix da Silva
Ra da Feira.-Francisco Borges Gon-
calves de Mello
Dita.Belarinmo Pereira da Silva
Dita.-Luiz Ferreira de Lima
Dito. Daniel Pereira de Jess
Ra de Manoei Thomuz.-Antonio Ma-
noei Cavalcante
Ba da Feira.Jeronyraa Maria d'Al-
buqnfirqnc
Trama.Jos Joaquim Bernardo
4*320
104800
434200
IO48OO
Povoacdo de Timbuub".
174640
214600
124960
74860.
204520
5*400
8*640
3*240
53400
18*360
23160
24160
25160
23160
3*240
2*160
10*890
174380
5*400
10*800
8*640
1*3:0
24160
44800 65000
14*400
4*800
2*40.)
35840
5*760
43800
33900
6*000
45800-
3*00!)
3198
4108
4252
4523
4180
4162
4198
4072
4084
4tS9
4334
13*90
44*4
4589
4648
488
4231
615
4162
4*59
4097
3466
4347
3064

4064
4097
3064
43*4
*517
316*
4324
4359
51*9
4064
4432
5248
5072
3223
144
4300
4130
4331
4336
3432
41*0
4396
3216
4504
4504
4360
3324
4396
144
4s68
4238
3648
2*392
4648
13058
14296
4776
4462
.13230
4324
4518
4 '94
593*
15094
31*8
3**8
5128
5128
5194
3128
f48
14034
33*4
4648
5518
3258
4138
4864
5496
3144
3440
3.3531
84531
33D34
33531
34943
34943
2*043
10*157
74848
1*616
5*450
24180
54886
64104
7*848
2
7 5194
3*924
9.3156
9*156
68540
5*886
7*194
3*616
3*052
4J707
11*772
473988
114672
193*20
33*544
14*124
8*233
223365
5*886
9*417-
35531
175598
2050OI
23332
2-5352
243K2
23352
31534
4332
115773
18*831.
3*8S6
11*772
93417
4*707
2*352
15*696
103344
2616
85109
No qual tomam parte todas as meninas.
Os fcillietes podis ser preciir.idos no escrip-
torio do iheatro.
A 8 ii3 Loras.
MITRO
SANTO ANTONIO,
EMPREZA-YICENTE.
Quarta-feira 12 de feverciro.
1.* representa;*), por esta companhia, do gran-
de e aparatoso drama do costumes militares :
OU
E
THEATRO
SANTO ANTONIO,
QUARTV-FKIR.V 13 DO COllHKNTI..
GRANDE
5332 4701 123816
4144
5108
5*88
5216
5*232
33924
Seccao do contencioso provincial de Poraambuco. 31 de Janeiro de 1873.
O Donicial,
Horacio W'dlfiido.-Pereyrino da Stha.
Edital.
Pela adniinistracao dos crrelos desta provin-
cia, se faz pnbiico'qne, no dia 17 de fevereiro do
corrente anno, ter lugnr.na reeiana reparticao o
conc .rso pant'o provimi-irto da vaga fie pi atican-
te, do conformidade como 1."do rt. 2" do rc-
giilainento a <|ue se refere o decreto n. 4743 de
23 dejunliode 1871. c arl. 38 do reguLiiiiento
appruvado pelo decreto n. 3443 de 12 fle-abril de
1865.
Os candidatos devero presentar, at o dia 16
do dito mez, follia corrida e cortido de idade.
O concurso constara de oxerciciode caligraphia,
ortorrnpliia, arilhmeticiwefemcntar. comprelien-
dendo o uso do systcma mtrico e norcs fc*eics
de geo-raphia.
O conhecimento das linguas estrangeiras dar
direito a preferencia.
Correia de Pernaintoaca, 32 de Janeiro de 1873.
O administrador interino,
Vicente Ferreira da Porciumula.
I'iillal com irnxo V. S.N
Pela inspectora da alfandega de Pernambuco
s faz publico que, achandi>-se asmereadorias con-
tidas nos voluntes abaixo ineueirmados no caso de
seren arrematadas -para consumo, nos teimos de
cap. 6o do lit. 3" do regula me uto de 19 desetembro
de 1860, os sens donos on consignatarios deverao
d0Bnohs-4M no prazo de 30 dias, sob pena de.
rindo elle, seren vendidas por sua conta, sem quo
lhes fique coni|>etindo allegar contra os effeilos
dcsla venda :
Amumn n. 3.
Marca J semnnmero.Um fardinho, vindo do
Porto na barca portuguesa Seonrunra. descarre-
gado ein 22 de dezembro k^ 1869, igora-se a con-
signaran.
dem A L R n. 21.Urna caixa vinda de Liver-
pool no patacho inglez 3f. .li, descarregada em
5 de maio de 1870, consignada a Antonio Lopes
Rodrigues.
dem n. 102.Urna dita viuda de Hamhurgo no
patacho norte- lleniaa Jitliiurfi.
7 de jnllto de 1870, consignada a A. Lopes Ro-
drigues.
dem MBMcM S, n. 10.
de ilaiiil.ii-ign no patacho norle-allciiiao Atlantic,
descarregada ni 20 de julho de 1870, e consignada
a Maturinj Barroso de Mello.
dem A L H, n. 329.Urna dito vinda de Hau-
burgo na escuna norte-allemio 6'eory, descarre-
gada em 4 de agosto de 1870, e consignada a A.
Lopes Rodrigues.
dem diamante M I P, n. 18. Um fardo vindo*
de Liverpool no vapor inglez Pascal, descanvgado
em 26 de agosto de 1870, consignado a Magantes
Irmao.
dem J A A 4 G, n. 1. Urna caixa vinda de
Lisboa no patacho portuguez Principio, descar-
regada em 18 de outubro de 1870, e consignada a
Joaquim Antonio de Araujo 4 C
dem J M C L, n. 384.Urna barrica vinda do
Havre na barca ranceza Jeau liaptiste, descarre-
gada em 6 de novembro de -WO,.* consignada a
C. M. Bernet.
dem S. B, sem numero.Um volume vindo de
Liverpool no vapor inglez (Hind, descarregado em
5 de fevereiro de 1871, e consignado a Saunders
Brothers & C
Sem marca, sdm numero.Dezesete pesos viu-
dos de Liverpool na barca ingleza Flyng Seua\ das-
earregados em 7 de marco, ignora-se a consiga
nacao.
Marea F 9 e D H, n. 363. -Um fardo vindo de
Liverpool no vapor inglez Chrysolite, descarrega-
do em 32 de malo de 1871, ignora-se a constg-
naf.5o.
dem idem, n. 262.Um dito, idejn, dem,, idem.
dem idem, n. 263.-m dito, idem, idem, idem.
dem A & C, sem numero. Urna caixa vinda
do Porto no brigne porlnguez Vhlo, dascarregndi
em6dejunbode 1871, ignorase a cansignaeo.
IdemEE,n. 15.297. Urna cnixa vinda de Li-
verpool no vapor inglez Talismn, descarregada
era 22 de junlio de 1861, e consignada .a Johnston
Pater & C,
dem G H"L, n. 8.Una dita, vinda do Ltverj
pool no vapor inglez Taliim n, descarregada ert
7 de dezembro de 1871, e consignada a J. 11. dd
Bastos.
dem E T & C. e P, n. 100.-Urna dita vinda da
Liverpool no vapor inglez ten Qneen, descarre-
gada em 8 de-fevoreiro de 1872< e cjnsifnada a l.
dem S k C D e P, u. 2,274.-Um fardo vinda
de Liverpool no vapor inglez Cruzador,
dem diamante II L-"L C B, n. 83. Una dita
idem idem, consignada a H. Legar.
dem idem. n. 81. -Urna dita idem idem dem.
idem Mein, n. 85 Una dita idem idem idem.
Idem Y S B M, n 1:659. Una caixa vinda de
Liverpool no vapor inglez Gladiator, descarregada
em 3 de abril de 1872. cuiisigiuiila a Antonio V.
da S. Barraca.
Iflem idem. n. 1,998.Urna dita viuda de Liver-
pool no vapor'inglez Stuietit, descarregada em 8
de abril'de 1872. consignada a A. V. daS. Barroca.
dem VSBB, n. 1,551.Urna dito idem d>mi
idem.
Idom idem. n. 1,552 Urna dita dem idem
idem.
dem M C P, n. 44. Urna dita viuda de Liver-
pool no vapor inglez Studtnt, descarregada em 10
de abril de 1873, consignada a Silva & Cardoso.
dem diamante B-4.3, n. liji. Una dita vinda
de Liverpool so vapor inglez Zembra, descari"i:e:i-
da *n 13 de maio de 1872 e consignada a Bastos
& va.
^ andega de Penininbuco. 25 de Janeiro de
48/
Fabio A. Caroajlio Reis.
.------------- i
Dr. Jos Nicolu Toleiilino de Carvalho, juiz
substituto de orpilaos do termo do Becife por
S. M. aquem Deus guarde etc.
Faco saber aos que o prsenle edital vlroni,
que por este jui o se ba de arrematar por venda,
a micm mais der, Iludas tres prcas consecutivas.
os bens segmntes:
v Urna casa terrea situada no beoco dos Pecoados
\ Lies, n. 2, com 14 palmos de frente e 39 de
fundo, porta e janella, 2 salas, 1 quarto e cozinha,
avallada por l:*'J03.
i Urna dita dita, situada no beceo de JoSo Fran-
cisco, freguezia da Boa-Vista, n. 15,COM 18 pal-
. mos de frente c l>4 de fundo, porta e jauella, *
! salas, 2 quailos. quintal, cozinha e cacimba, ava-
dada por 2:0003.
i Cujos bens vao a praca a requerimento de D.
I Rosalma de. Sampftw Gomos da Silva, iiiveiitariante
I do casal de scu fundo marido Casimiro Beis_Go-
d 'Jcrri"" i mjs ^'l e ^"ram incluidos em sua meiacao e
jeitos as dividas passivasdo mosino casal.
E para que chegue au- eonliccimeuio de todos
,-. mandei passar o presente que ser publicado pela
Y,. -.. "... "i." imprensa e afflxado no Wtrr do cftstnmo.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 7 de fevereiro do 1873.
E cu Hypolito Silva, escrivao, eserevi.
Jos Micolu Tolentinode Carvalho.
Recife. 8 dp-fovereir de 1873.Hypolito Silva.
Ao sello 30D>.-V.-S. S. es-ctrsa'.Tolentino
o
uU?,AC0E8.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
paria de fazenda desta provincia se faz publico,
rara conhecimento de quem interessar, que no dia
8 de marco prximo futnro, perante a junta da
mesma thesmiraria, pelas 2 horas da tarde, ir
novamente prar^a I>ara ser arrematado por venda
o proprio nacional denominado Calaboucp. sito
ra do mesmo nomo desta capital, ser vindo de base
arrematacao a quantia de 2:Q804-
Secrateria. da thesouraria. d efa enda de Per-
nambueo, 7 de fevereiro de 1873.
Servioude oScial-maior.
Carlos Jos de Smizd Correr. ,
mi
DO
BEBERIBE
Quinta feica 13 do corrente mez, pelas
l horas da maiiha, ha reunio da direoto-
fi*desta (nropanl>ia : o queterd lugar no
respcciivb nscriptori na do Cttimgd n '
0 secretario,
Jos H. H. YoraleiiisInikMil-il
Ltn beneficio do clarinetista Eustachio Pe-
reir Heboiicas, com assistencia do
Kxm. Sr. presidente da provincia.
I'ru^raiii, ta :
1.' parte.
!. Ouvertura, executada pelos seHhore pro-
fessores da orchestra.
3. Souunir da Norma, do maestro E. Cavallini,
exeeutadtr pelo beneficiado,
3." .1 memoria dos morios, composicao do feste-
jado niaotro Poppo, contada pela 'Sra. D. M.
Poppe.
i.4 Aria do Guarauy, composicao do maestro
C. Gomes, executada pelo M\ Scolari. prneiro
baixo profundo absoluto.
5." Aria de Ernani, cantada pela prima-dona
absoluta a Sra. Bruccioni.
6.* Canto Grrgo do maestro E. Uavallini, execu-
tadona clarincta, pelo beneliciado.
2.' parte.
1." Ouvertura pelos seuhores profess res da or-
chestra.
2.* tuer-eia Dorijia, scena e romanza, cantada
pela Sra. Bruccioni.
3." Ernani, aria do,Silva, cantada pelo Sr. Sco-
lari.
4.".Pbanlasia brilhante, executada no ophiclci-
dc, pelo Sr. Jansen.
o." Plianlana da opora 17 Trocatore, executada
no saxophone pelo Sr. Antonio Martins.
6." marin Fallero, duelo cantado pela Sra.
Bruccioni e Scolari
7. e ultimo. // IHijoletto phantasia com va-
riacoes, composta pelo professor L. F dos Santos,
executada na clarincta pelo beneliciado.
Oj acompanhaincntos de pianos ser feltoe
pele festejado maestro Poppe, e a orchestra ser
regida pelo insigue maestro Colas.
O beneficiado espera milito da gencrosidade do
povo pernambucauo, quem desde j se confes-
sa grato pela sua coiicurreiii'ia.
O beneliciado no intcrvallo da primeira |iara a
segunda parte do espectculo, ira cumprimentar
aos convidados que se acharem em os camarotes.
Principiar s 8 i|2 horas da noute.
O beneficiado desdo j aprsenla aos dignos ar-
tistas que generosa mente se dignaram auxilii-lo
em seu beneficio, os seus protestos de eterna
gratido.
4V.S0S 8\UeiTltV50S
Bahia.
Segu com mui'a bre id d- para o indi d.
porto o veleiro hiaie (aribali : ca ga e Irete
tratar com os Srs. Tasso Irmos & t. ra do
Amorim u. 37.
Para o Rio-Grande do Sul.
freeebe carga a frete o patacho portngaez Go-
mes de Catiro : trata-se com E. B. Babello i i
ra do Commercio n. 48.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir o br gue portuguoz Davina, ten]
parte de seu carregamento engajado : para o res-
to que Ihe talla, trata-se com os seus consignaU
ros Antonio Luiz de Oliveira Azevedo it C, no
seu escriptorio ra do Bum Jess n. 57. ouU 'ora
ra da l.ruz.
Rio Grande do Sul
Pretende seguir com muta brevidade para o
referido porto o veleiro palhabote llosita, p r ter
a maior parle da carga engajada ; e para a que
llie falta, trato-se com os consignatarios Joaqun
Jos Goncalves Beltro & Filbo, roa do Com-
mercio n s.
Para Lisboa.
O viovo e veleiro lirigue portuguez Damiao, ca-
pito Pedro Martins Branco, o prinu iro navio
a sabir por ter j a maior parte da carga promp-
ta, tem b se com E. R. Babello i G., ra do Commercio nu-
mero 48.
CO.MPA MIIA PERJaiBUCANA
DE
\iucs;iii'iio costelrn a vapor.
GOVANN.V.
Ovajior Va'aliaba, se-
uiiira para o porto cima
no dia 12 do corrente. e
9 horas da noite. Roc-
he carga, encummendas,
passageiros e dinheiro a
inte : escriptoro no For-
te s*> nMatto. 12.
COMPAM1IA l'KHNAMBl CANA
DK
\iv^vil<> MNMn a vapor..
PORTO 1>E PEDRA, RIO FORMOSO E TAMANDAR
O vapor Parakybtt,
seguir pira os por-
tes cima no dia 15
do corrate s 9 ho-
ras da noute,
Recebe carga, ~en-
commendas, passageiros e dinheiro a frete : es-
criptoro no Forte do Mallos n. 12.__________^__
COMPANHIA PERNAMBL'CANA
DE
4Hicsaeiio coMtcira a vapor.
MAMANGUAPE.
O va|Kir Coruriye, com-
mandante .-ilva, seguir pai
o pirto cima no dia 13 do
corrente, s 5 horas da tarde.
Recebe carga, oncommendas.
passageiros e dinheiro a fre-
te at as 2 horas da tarde do dia da sabida: es-
criptorio no Forte do Mattos n. 12. ^___^^_
Para o Para
vai cahir at o dia 8 de fevereiro a barca portu-
guesa Arubella, de 1" ciaste, tem tres partes da
carga prompta, c para o resto que fue falta, tra-
ta-se com Ferreira de Almeida & C, ra da Ma-
dre de Dos n. 36.
Para o indicado porto, pretende seguir c.m pr l-
eos dias de demora a veleira barea pni-tiigueza
Novo Silencio, navio de 1." classe, capitn Ferreira.
por ter mais de dous lercos de seu carregameBto
proinpto e para o resto que llio falto e passageiro>
( para os ipiaes tem bous comniodos,) trala-se com
os consignatarios Joaquim Goncalves Beltro Sl
Filhos 'rna do Commercio n. 5.'______________
Para o Rio de Janeiro.
Vai sabir com brevidade o legar portu-
guez Almedina por ter a maior paite da carga,
prompta : trata-se com E. II. Babello A C. : ra
do Commercio n. 48.
Para o Aracaty em difcitiira sitie uestes,
oito dias o hiato nacional Marn .'.melia, del'
elas>e, capiUo e pralico Francisco Tiiumaz do As-
sis, j lea niet.de .le sen EarregaiDelo engajado :
para o resto trala-se com son consignaiario Anto-
nio Alberto de Souza Aguiar, ra do Amorim
n. 60.
int ikib
LUZITANIA
Proposta 'em carta fechada] para os cin-
certos no brigne inglez Lweitania, entraih
neste porto no dia 5 do crvente, soro rece-
bidas un consulado britannico abV mcio ola
na tena-lcira 11 do-torroiiti'.
A espeeificar/io dos mesmos ai;ba-se w>
dito consulado, e pode-so ver a qii.ilquor, dia
entro s II huras da manh s 4 ila tarde.
LE1L0ES
as aiariailas
BOJE
ii agente Pinho Borges Sfa leillo, jior conta e
risco de quem perlencer, de Wlpa e outras fazei-
das, e diversas caixas com pajuil almaco com to
que de arara, viudas na barca franceza &im>
totrif) no seu esiTipioiio, roa doltom Jess n. W,
pe a 11 horas da manila.
. LEILAO
M
movis, ormacSo, fazendas c mais- p<*rtenee>
da tnassa fallida de Manool los MoMet>
Torres.
O agente Martins far IcilAo, por mandado il<>
lllm. Sr. Dr. juiz especial do commerciu, dos mo-
vis, armaco, (atondas e mais pertenee 4a \a
de fazendas n. 14 da i ua l'rimeiro de Marco (;-
tiga ra do Crespo) tndo pertencente ,i ina-sa fal-
lida de Manoei Jos Montiru Ierres.
A's II horas do lia, sendo : armacao e tan-
das na loja, e os movis no segundo andar do ><-
prado i. 14. da roa do Crespo.
LEILAO
DK
ferrageiis
QCARTA-FEIRA 12 D0C0RRE8M
O agente Pestaa far leilao de diversas ferru-
gen", no estado em que se acham, no dia cima,
as 10 1|2 horas da inanlia. e por conta e risco nV
quem perleucer, no ariiiazem allandcgado do-ba-
rao do l.ivramento, no caes d Apollo.
LEILAO
16.
ri
V
w
NO-
Recita extraordinaria.
vereinTde l^Cco'nsigST CAMPO DAS PRINCEMS-
Aranjo C. ^^ Jo OcrllnrtHil* Hurroo
< dem C TCe B & C, n. S.'SoO.-ma oitw vind
tro aiyvttftfrn nxt tnictti
gada
I II. T ,fi, u. i,to..-um,
vernool no vapor francez Gladiator 4^Bm~uaM
em 33te mareo de 1872 con(Bn,|rft a
Silva, Barraca^
dem .em, n. i,7U.-pj^Ui|M-HtfM.
de ttO lucias caixas com loupas sortichk*?
40 caivas com 1,001) ja-ozas de phosr Iuh
xjs de cera, todo vindo de Marselho m
barca francesa Mura Celina, cntradi
neste porto em dezembro de lB7
OuInU-feira l > do correnTe
O agente Pestana far 1. il-> das mercaclci i.. -
acuna, por conta e risco de quem pertencer, li-
dia cima dito, s 10 horas da manila, na porta
doarmazeni do Aunes._______________________
LtKILtJLO
DE
20 caixas marca A. L O. A. di. C- coro
queijos llameiijos, 50 ditas da mesiiM
marca com qneijoS- pratos avariados I
agua do inar, viudas de Liverpool ao va-
por SlitdenL
Quinta-feira-13 de fev-reiro
O agente Pestaa far- leil io. por conta e risen
de quem jiertencer. dos gneros cima mencio-
nados, que serao vendidas no dia quinta-urna 1-
do eoirote, s 10 e meia limas da niiK.hi,
arniazem do Annes, defronte da alfandffta.

Leilao
DE
marroquitn. 200: ditos dn
c 55 chapos de feltro e
.. ZS^BBMMMSVr
GOMPANU1A Pi;ilNA.\lBLCA.\A
DF.
\ineneao ronteir* a vapor
PAUAHYBA, NATiL, MAGO, itOSSORO', ARACA-
TY, CEAR, MA.NDAHU', ACttACU.' E GUAMA.
0 vapor Pirapama,
eoMunaudante Ateve-
ilo, seguir para os
portos cima no dia
15 do corrente, s 5
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 13, encommemlas at o
dia 14. passagens e dinlieiro a frete al as 2 lluras
da tarde do (fia da sabida : escriplorio iki Porte do
.MUMs tu 13.
COMPAIIHIA PBMAMBUCiNA.
DE
iinV^^a^ikstieiris.a !;.
MA*CE1, BSCAIAS KNEDO E ARACAJU'.
I I O vapor J/flttJnW,
eommandante Jnl>,
seguir* para os por-
tos- cima, ao dia 1
.do correte* u*i 5
liori^s da tarde.
Beeei easgu aj^, odia ^omv'niuied:,*^!,.
30 duzias de
meias linas
laa.
(JLLNTA-FKLRA 13 DE i EVKREIHO
&.10 1|2 horas.
O agfliite l'int> levar leilao. por autorisa,;*'
do gerente do consulado de Franca, em presene,
de seu chancefler, e por coma e risco de quem
pprlencer, de -1 caixas BrS t<": n. 8i com chap^,-
t V n 123 com 200 duzias de meias, c R B n
210 cuia 30 duzias de marrvquim. tods coui va
ria d'agua salgada. O leilao ser ettectuadi
10 1|2 horas, do dia cima men-inado, no escrq
torio do reifeEidb agente.
'


LEILAO
d li, 'paBflWt5nhaf ^*H*t as 3 bares.' i dzia* deseas con 16 de pao, 10 ditas *
DE
fazendas avariadats
francezas c ihglezas
QILNTA-FE1RA 13 DK IKYERKllK
A" IO huras.
Pt>r intervencao do agenta Pinto.
Km seu escrlf torio ra do Bom Jesa? B- Vi
LEILAO
DE
feTag'us
parajechaafaetnres
Sendo : 10 barricas coJt^O emadas
ke-com 20 duzias do.ji^HB^
llHsl



Diario de Pemambuco Terca feira 11 de Pevereif de 1873.

de, diversas camas de ferro, 1 machina para sa-
pateiro ou selheiro (do autor Wedcl, i dita para
costara (com caixa para cimr. do mesa), 1 dita
mais pequea, 1 seraphina, l pratos de metal
para fructas, 1 rica caixa do msica, I quadro
eom a vista da entrada do Rio de J;meiro, diver-
jas machinas de caf do n iva iiiveneo, e outros
mukos artigos de amostra.
SEXTA-FEfKA .DO COMIENTE.
sl)l|l horas
O agente Pestaa vender por corta e risco de
chmenlo de facturas e sem reserva, no da sexta-
feira 11 do correrte, s 10 l|i horas da manh, no
armazem da ra lo Vigano n. i i.
Em continuacao, ve idera diversos movis de
urna familia que se retira para a Europa, 1 moni-
lia de Jacaranda com tampos de pedra, 1 dita de
junco, mesas e canelos com pedra, 1 dita de ama-
rello, guarda roupa, guarda louca, tundras, mesas,
cadeiras, e outros muitos objectos que se achanto
patentes no acto do leilao e no mesmo armazem.
AVISOS DVESOS
, Precis-sc de ura caixeiro rae tenha ortica
de taverna: na ra da Santa Cruz, padaria da
Flor da America n. 3.
acbarel liento Jos da ( osla, juiz de paz
da freguezia de Nossa Senhora da Graca da Ca-
punga da audiencias as quai tas feiras, e quando
fbr o dia santificado ou feri:.do, no antecedente.
Na ra da Ponte-Velha n. 6 precisa-se lu-
jrar un menino de 8 at 12 annos, livre ou e*cra-
vo para os pequeos servieos domsticos.
Quem precisar de urna escrava cozinheira,
dirija-se ra de Santo Amaro n. 6, 2- andar.
Atajpi-se
Una casa terrea nos Afogados, sita ra do Mo-
tocolomlH) n. 22, com qwintal murado, cacimba
Pagua de beber,eontendo salas, i analtos c eo-
zinha fora ; a tratar na Duque de Caxias n. 86
luja.______________________________________
CASA DI FORTii
AOS 5:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seusfe-
lizes bilhetcs tres .puntos n. 103 com .':0000l)0
um meio n. 502 com 800, un quarto n. 2o82
'com 300* c outras sorles de 40 e 20 da lotera
me se acabou de extrahir (3.') convida aos
possuidores a viram receber na confornudade
?lo costume sem descont alguiii.
Acnam-se venda os feliz.es bilhetcs garantidos
da i' parte das loteras a beneficio da igreja de
Nossa Senhora da l'iedadc de Sanio Amar-) (39.*),
que se estraliir na sexla-1'eira ii do corren*
temez.
PRECOS.
Rilhete inteiro ti 000
- Meio Mnete 3 000
Quarto U50O
EM POR?.\ODE 1005000 PARA CIMA.
Bhete inteiro 5o00
Meio bilhete WgO
Quarto 1337o
Manoel Mnrtins Fiuzn.
Para oftrte
a galera portugueza Firmeza, eapitio Justino Ro-
drigues Cardoso, vai sabir com nrevidade por ter
a maior parte de scu carregamento prom[)to
para earga e passageiros, para os quaes tem ex-
pelientes eommodos, trata-se com
C, ra do Commercio n. 18.
nJNDlQAO DE FERRO E BRONZE
FABRICA DE MACHINAS
V ra do Bario 4 Triuinpho (ra do Brua.) ns. lOlhi M
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos Srs. de engenhos e ao publico em geral, que teem recebido da Europa
gratide sortjmento do ferragens para engenhos e para lavoura, e quaesquer outros usos
e misteresda industria agrcola, o quetudo vendem por presos razoaveis.
Formas para aSSUCar pintadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VorkorPS horisontaes e verticaesj'bem conhecidos nesta provincia e fra della, os
' d,PulCB melhores que teem vindo a este mercado.
MOendaS completas de diversos tamanhos, obra muito forte e bem acabada.
MciaS mOeildaS para assentarem grades de madeira.
Ta,xaS de ferro do ferro fundido e batido, de diversos tamanhos.
R()daS d'agUa de diversos tamanhos.
HodaS dentadas de diversos tamanhos equalidades.
PoTlOOrtOS concerlam com promptido qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
T^VlPOTTiiiiendiS Mindam vir por encommenda da Europa, qualquer rxachinismo,
^ para o que se correspondem corr .urna respeKavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas,/ c se responsabilisam pelo bom trabalhrxdas mesmas.
Ra do Baro do Triumpho ns. 101, 102 e
FU.NDICO DE CARDOSO & IRMO
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar perfeftamente e
com rar para casa de hoinen
solteiro : na ra de Pedro Alfonso n. 12, .ntiga
ra da Praia.___________________
Precisa-se de urna ama para
engommar e lavar, paga-sc bem:
a tratar na Passagem da Magda-
lena, largo do Chafariz, sitio com grades de ferro
pintadas de p eto e tres coqueiros a entra a.
AMA
AMA
vr
Rabe lo &
Livio de Nouzn c Nil* ii
D. Silvina Fernandes de Souza
convida aos seus parentes c amigos
e aos do scu semprc chorado espo-
so para assistircm as missas que
manda celebrar pelo scu eterno rc-
pouso, no dia sexia-feira lo, as t
horas da man .5, na igreja do Cor-
po Santo. Aproveita a occasiao para agradecer
a todas as pessoas que assistiram os ltimos suf-
iragios que se Ihe lizern.
104
Ama de leite.
Precisa-se de urna que tenha.bom leite, e sem
filho : a tratar ra do Duque de Caxias, ou-
tr'ora Queimado n. 70.
Precisa se
comprar
de urna ama para
ra do Duque de Caxias
cozinhar Je
n. til, loja.
Na ra da Cruz do Recife
n. 42, armazem, precisa-se da
nma cozinheira forra ou es-
rava, pagando-se bem.______________________
AMA
AMA
Precisa-se de ama ama livre ou
escrava, para urna familia composta
de duas pessoas; a tratar ra do
Rarito da Victoria n. 12, loja._____
Terrenos.
Em Rebvribe a 3, 6|, 8J e 104 o palmo, com
fundos para o rio, na povoacao : tratar nos do-
mingos com o Sr. Medeiros.'___________ .
Aviso ,
Fugio da casa de scu senhor, pela manila do
5 do correrte, o escravo Henrique, idado lian-
nos pouco mais ou menos, cr preta, denles al-
vos, gengiyas pretas, altura pequea, levou calca
e camisa de riscadinho, chapen de palha da trra
feicoes miudas e bcra ladino ; consta andar no
bairro da boa-vista, ou ter embarcado para a
villa do Cabo, e escravo de Francisco Romeu :
quem o apprchender e leva-lo na ra da Moeda
n. 33, sera gratificado.___________^^
AMA
gel n. 9, 2." andar.
Precisa-se de urna, que eo-
zinbe e engomme para urna
so pessoa : na ra do Han-
A mo Precisa-se de urna ama para comprar
AJlldi e cozinhar : na ra da Imperatriz n 5t
AMA i
Precisa-se de urna ama para todo
servico de casa e de fra para urna
so pessoa : a tratar na na de S.
Francisco n, 39.
Ama de leite
Na ra do Ro-n Jess, outr'ora ra da Cruz, n.
30,2 andar, precisa-se de urna, que tenha bom
e abundante leite, paga-se bem.
QUESTO DO DIA.
AONDE EST
0 ARTISTA CABELIMEIRO
BELPECH.
E' na ra Primeiro de Marco n. 7 A, primeiro andar, aonde pode ser proenrado para
os riisteres de sna prolissao.
No salao tem bons officiaes para barbear e cortar cabellos, penteados de senhoras, co-
ques, trancas, diademas e topetes, tudo da ultima moda.
Ra Primeiro de Marqe n. 7 A, primeiro andar.
MUTA ATTENCAO.
Soares Leite & Irmos, com loja de miudezas ra do Baro da Victoria n. 28 'ou-
tr'ora Nova pedan muita attencao para os presos abaixo especificados :
MIUDEZAS.
Precisa-se de urna para cozi-
n M A n*,ar Para casa t'e nomem sm*
da n. 4o.
teiro : a tratar na ra j_a Moe-
AMA
Na ra do Fogo n. 12
cisa-se de urna ama, para
nhar e fazer compras.
Urna crioula de 18 annos de idade, de exem-
plar comportamento, que sabe bem engommar,
cozer, marcar de agulha e vestir urna senhora, de-
sejando libertar-se, procura quem queira dar o
seu valor, sujeitando ella os seus servicos pelos
annos que convencional-, podendo tambem servir
de ama de leite, pois que dea a luz ha dous me-
zes : quem pretender annuneie a sua morada pa-
ra ser procurado. ______
Precisa-se
alugar nma pela escrava para andar com meni-
nos e cnsaboar roupa : na ra da'lmperatriz n.
37, primeiro andar._________________ -,
Feitor
No engenho Santos Mondes, precisa-se de Uin
feit-r portuguez ou nacioinl, prcr.-rindu-si por-
togiiez, que dcsempenhiiiiil" paga-se bem : quem
estiver nestas circumstancias di ija-se ao dito eft-
gcnlio.______________
Engoinma-se com
so ta Patria n. 12.
perteicao : roa do Pas-
wpre-
cozi-
Ama deleile
Precisa-se de urna ama de leite que tenha bom
e abundante leite, paga-se bem : na ra Duque
de Caxias, outr'ora Queimado n. 90, -
Attencao.
L'ma cstrangeira safando portuguez, e podendo
dar boas informacoes, desejava adiar um lugar
em alguma familia que se retire para a Europa
para fazer-lhe companhia ou cuidar de meninos
quem quizer annuneie por este jornal.
fri :: xr:;:ii:':f i::; j .' ...,;. ;j M
Novo estabelecimento &
W?
ir
1*. m-
Neste estabelecimento se encontrar ^
um bonito sortimento de joias que se ra-
vendem por tal pi'eco que animar ao gg;
comprador, atiento ao vartajoso syste- ^
ma, ganhar pouco para vender mui- <^j-
^> to, que certainente til ao compra- B
jk dor e ao vendedor. %.
^ Tambem se compra ouro, prata e |>e- <&
*g das preciosas, bem como se fabrica e j
S concerta toda e quabjuer obra tendente j|r
4* mesma arte. S
Iflffff!.: : ; &
Attencao.
O abaixo assignado pede a todos os seus deve*
dores que queiram comparecer para pagarcm seus
dbitos, no praso de oilo dias, alias yerao seus
nornes por extenso neste Diario. Reife 3 de fe-
vereiro de 1873.
'____________Paulo Guimares.
Offere-se urna ama para cozinhar em casa
de familia : na ra da Concordia, porto nu-
mcro 80.______________________^___^
Escrava
Precisa-se alugar urna escrava que saiba e-
ommar, etc. : na ra do Cabug n. 11, loja de
joias. ^_
de joias.
llu lo Cabug n.
Ama
Precisa-se urna, parda ou branca, que
saiba cozinhar e que d boas abona^oes:
no largo da matriz de Santo Antonio n. 2, se-
gundo andar.____________________________
, Precisarse de urna ama
3 para cozihhar e comprar :
jl ra do Raro da Victoria
^4 n. 28, outr'ora Nova.
Precisase de urna para cozi-
\ ii \ nliar comprar : na ra Relia
[\ 1T1 /l (hoje liba do Carvalho) n. 23 ;
paga -se bem agradando.______________________
Precisa-se de urna ama para
comprar ; ra da Cadeia n.
53, armazem Unio Mercantil.
AllOlll'lO.
,0 Sr. Antrnio Jo
de apparecer na ra
A, loja de Rento da
Manoel Ribeiro Rasto
Ferreira, tenha a bondade
do Duque de Caxias n. 60
Silva 4 C, successores de
AUei^o.
A'MA
Ama
Precisa se de urna am i secca :
tar na ra de S. Francisco n. 44.
a tra-
Ama
tft
O abaixo assignado previne ao respeitavel. cor-
po do commercio de nao fazei transaccao nnhu-
jna com urna le ta aceita pelo mesma abaixo as-
signado em favor do Sr. Miguel Guerra, visto ser
o dito Miguel Guerra devedoi da quantia de um
cont de ris do mesmo ahaixo assignado.
I. V. Girarde.
Aluga-se o segundo ailar do predio n. 26,
ra do Rom Jess : a tratar no armazem do
mesmo.____________________________________
ATTENCAO
O passageiro do vapor Paran, chegado do
Hio de^Janeiro no dia 8 do corrente, e que
por engao levou em sua bagagem urna mal-
la franceza com arcos de ferro, e tendo de
um lado o letreiror. Borges, Cearc do
outroCearsmente, queira ter abondade
de entrega-la na agencia, iua do Commercio
n. 8,1." andar.
Instrucco primaria.
O abaixo assignado professnr particular de ins-
trucc) primaria competentemente provisionado,
acha-se em continuacao de su magisterio diur-
no, ra Direita dos Afogalos casa n. 5, e na
mesma recebe gratis adultos, das 7 as 9 horas la
no i te.
Povoacao da freguezia de Nossa Senhora da Paz
dos Afogados. 10 de fevereiro de 1873.
.1/d noel Flix Alves da Cruz.
Matriz de Santo Antonio
De ordem do Sr. juiz convido aos nossos cha-
tjsiuos irmaos para prestarein suas assignaturas
;io recurso que por parte desta veueravel liman-
ilade vai ser presente ao Exm. Sr. conselheiro mi-
nistro do imperio, pcdindo-lhe para que seja re-
parada a sentenca definitiva que proferto o-Exm.
Sr. Bispo desta diocese contra a mama. Para
isso estar nosso consistorio aberto ds 10 horas
da manha at as o da tarde.
Consistorio da veneravel irmandade do SS. Sa-
cramento i a matriz de Santo Antonio do Recife 11
de fevereiro de 1873.
O escrivo,
Jos-Rufino Climaco da Silva.
Abotoaduras para collete a 200 e 320 re.
dem idein^ para punhos a 320 rs.
'.fallieres cabe de viado f imitaco a 3000
a duzia.
dem idem cabo branco 2 B a 5&500 a du-
zia.
Caixa de linha branca com iO novellos a
500 rs.
dem idem de marca a 240 rs.
Maco de fita chinan a 15000.
Coques modernos a 35500.
Resma de papel pautado liso a 25800, 35,
35500, 45000 e 65000.
Caixa de papel amisade a 600 rs.
dem idem idem beira dourada a 800 rs
Caixa de envelopes forrados a 700 rs.
dem idem de cores a 500 rs.
Caixa de pennas Perry a 800 rs.
dem idem a 400 rs.
litros para notas a 320 e 400 rs.
Hedes enfeitadas a 15300.
Tranca- de caracol branca, a 400 rs. o
mago.
dem lisas a 200 rs. o maco.
Microscopios 'sem vistas) a 25000.
Duzia de pecas de cordita imperial a
320 rs.
Indispensaveis de couro da Russia a
105000.
Leques para senhoras a 25000, 45000 e
75000.
Vara de lita escoseza
novidade) a 45000.
Duzia de collarinhos bor Jados para ho-
mem a 85000.
dem idem lisas a 65000.
Duzia de cachimbos pe de gallinha a
larga (hoje grande
25500.
dem
35'iOO.
idem de madeira com tampa a
Duzia de meias para homem a 39?, 55 e
65000.
dem idem para senhoras a 45 e 75000.
Lamparillas gaz a 15000.
Grosa de botoes de osso para calca a
200 rs.
Grinaldas para casamento a 25 e 55000.
Duzia de baralhos francezes canto doura-
do a 35600.
dem idem idem lisos a 25500.
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 5000.
Pecas de fita de velludo de todas as cores
e larguras.
dem idem de grosdenaple, idem.
Sapatos de tranca, tapete, casemira e char-
lte. '
Mascaras baratas.
Chapeos para senhoras a 85000.
PERFUMARAS.
Garrafa de agua florida verdadeira a 1
Idem idem kananga do Japo a 1
dem idem divina a 15200.
dem idem Magdalena (nvidade) a 1
Frasco de oleo oriza e philocome a lT^OO.
dem idem antique a 400 rs.
Opiata muito boa e fresca a 15, 15500 e
25000.
Tnico oriental de Kem a 15000 o frasco.
Caixa de pos para dentes a 200 rs.
dem idem do pos chinez, o que hafde
melhor, 500 rs. e 15000.
Maco de sabonetes inglezes a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa a 25500
e 35600.
dem idem com flores a 15500.
Frasco com Salsaparrilha verdadeira a
35500.
Agua de cologne, banha em frascos e
muitas perfumarias de gosto e baratos.
00.
$00.
numero
Precisa-se de urna ama para cozinhar:
na ra do Sr. Bom Jess das Creoulas
13 _____________________________
Ama de leite
Precisa-se de urna ama que tenha bom leite e
sem filho : na ra Duque de Caxias n. 91, loja de
miudeza- do rival sem segundo.
COMPANHIA
INDEMNISADORA
Em cumplimento do disposto no artigo 19 aos
estatutos da mesma companhia sero vendidas 10
de suas aceces de ns. %U a 27a Os pretenden-
tes devero dirigir se.^'proposUs, por intermo-
dio de corretores geraes at o dia 14 do cor-
rente ao escriptorio da companhia, ra do Vi-
gario n. 4,___________________^______
Casa.
Vende-sc urna parte da casa terrea
ra da amboa do Carmo : a tratar
Li ira ment n. 6, loja.
n. 10, sita
na ra do
Taverna em Belem.
O abaixo assignado faz scienle ao respeitavel
publico e ao corpo do commercio, que comprou
ao Sr. Jos Dativo dos Passos Rastos a sua taver-
na sita estrada de Relem n. 3, denominada o
Amigo do Povo, livre e desembarazada de todo e
qualquer onus : se alguem se julgar credor d <
mesma, aprsente suas cortas no praso de tres
dias, a contar da data deste ; e passando deste
praso, nao se attender reclamacao alguma. Re-
cife 7 de fevereiio de 1873.
Luiz Antonio de Oliveira.
QUINQUILHARIAS
Mascaras, brinquedos para enancas, bollas de borracha," tambores, cobras de madei-
ra, etc., e muitos objectos queso tornara longo mencionar.
28 Ra do llarao da Victoria 28
Botica.
i; iniii' tu
Prtcisa-se de una cozinheira para urna casa
.urangeira : a tratar na ra do Commercio n. 38,
i* andar. __________________
Cakeiro.
Prec'sa-se de um caixeiro para taverna que sai-
ba desempenhar seu lugar : na ra dos Quatro
Cantos n. 3, em Olinda.
Attencao.
Na casa do Sr. Francisco Luii do Carmo Ribei-
ro* morador na estrada velha de Santo Amaro das
Salinas n. 2, exite urna vacca que enlrou em
ieu q intal : quem for seu dono pode vir buscar
une dando os signaes della, ser entregue, pagan-
do a degpeza do annuncio e da dita vacca.
i Fngio do engenho Una, freguezia de Nossa
Senhora da Luz, comarca de, .Pao d'Alho, o es-
cravo Venancio rom os signaes seguintes : cabra,
de 20 annos pouco mais ou menos, alto, secce,
cenias um pouco cambitadas com cicatrizes de
tiomnia as pernas, ou em urna dellas, cor um
pouco p.illida, com falta de (ientes na frente, tero
costume de andar com a bocea aberla, rabellos
carapinh:, etc. etc. Tem sido visto n'esta cida-
de vendendo agua, no bairro d Roa-Vista, em
Fora de Portas e na Passagem da Magdalena : pe-
4te-se as autoridades pojiclae+e capiaes de cam-
po a captura do mesmo, que lev.indo-o ao enge-
obo Una ou ra do -Rangel n. 7, sero recora-,
pensados._______ '
Precisa-se nacional on estrangeira, e que tenha alguma edn-
cacio, para cuidar de uns meninos '. a tratar no
jyifi oriente, ra larga do Roiario n. 37.
Na pharmacia americana ra do Duque de
Caxias n. 57, precisa-se de um offlcial com pra-
Uca._______________________________________
~D. Candida Isabel dos Santos Alves, tendo de
fazer urna viagem provincia do Para, deixa en-
carregado de seus negocios, o Sr. Jos Ricardo de
Faria. .__________________________________
l'erdeu-se um embrulho eontendo cento e
quarenta e Unto mil ris, em urna nota de 100/
e o resto em miudo, envolto-' em urna corta pa-
ga, passada pelos Srs. Azevcdo & Maia, e isto
desde o largo do Collegio at o pateo da Pcnha,
passando pelas ras do Queimado, Livramento,
Penha, Recco do mesmo nome, rua Direita, becco
do Cirigado, dito da Carvalha, Abobada da Penha
e pateo da mesma : a pessoa que tiver adiado e
quizer restituir dirija-se ao pateo da Penha n. 19,
que sera gratificada generosamente, por ser a
pessoa que perdeu nimiamente falta de mcios.
Consultorio medico 9
6 cirurgico. A
g& Dr. Joao Ferreira da Silva pode ser
procurado para o exercicio de sua pro- (v
lissao em geral, e especialmente opera-
_l goes e molestias cirurgicas no artigo
consultorio de seu pai, a rua larga do
Rosario n. 20.
Consultas das 9 ao meio dia e das 3
as 5 horas da tarde. Chamados a qual-
quer hora. Gratis aos pobres.
_S3S_QiS!OQTCS5i3
Attencao.
Rjga-se ao Sr. Tristo Jacome de Araujo o
favor de vir a rua do Imperador n. 54, 3.* andar,
a negocio de seu particular interesse.__________
CAZA DA FORTUNA
RUA 1. DE MARCO OUTR'ORA DO CRESPO N. 23
Aos 20:0008000.
O abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetcs do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio de
4:000*.
Precos.
Inteiro.......24*000
Meio........12*000
Quarto ....... 6*000
Manoel Martins Fiuza.
CARNAVAL
Na Chapellerie des D mes rua do Rarai da
Victoria n, 16, prepa- a- e qualquer costume a ca-
pricho, pro rio para o cari-avel: 0.450 t> d> ra-
balho neste genero j bm conhecido pelos
ao^ad -es do carnaval portanto inut 1 elogia-lo.
O abaixo assignado declara que comprou a
taverna sita na rua da Restauracao n. 36, artiga
rua da Guia, livre e desembaracada de qualquer
debito, e pertencente ao Sr. Genuino Carneiro da
Cunha : se alguem se julgar com direito mes-
ma, apresente-se no prazo de 3 dias, a contar da
data deste, lindos os quaes nao se attender re-
clamacao alguma.
Recife, 31 de Janeiro de 1873.
, Jaquim Gonfaloes de Andrade.
- Precisa-se de um criado para
Monteiro : a tratar na ma Nova n. 7.
um sitio no
Precisa-se de urna ama para lavar e engom-
mar, paga-se bem : a iratar na Passagem da Mag-
dalena, largo do chafariz, sitio com grades de
ferro pintadas de preto, com tres ps de coquei-
ros na entrada______________
Atiendo.
Umhome' recenteaiente chegado da Europa,
entendido e approvado em veterinaria, e de pos-
se de conhecimentos de ferrador, ofTerec-se i al-
gwii senhor de enfenho, que se queira utiMsar
dos seus servicos. Para tratar, acha-se elle resi-
dimlo no hotel Popular da rua do Bram n. 68,
onde pode ser procurado.
Attencjio
Manuel & C, tendo de retirarem-se breve para a
Europa, vendem todo mobiliado, com piano, lou-
ca, crystaes, porcelana, vidros ele, o sitio de snas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
ros, travessa do Acude n. 2, com 305 palmos de
frente e mais de dous mil de fundo, todo cerca-
! do, com muitas ructeiras, portao de forro, ca-
cimba, deposito d'agna, banheiro e gaz dentro da
casa, a qual foi reedificada e tem eommodos para
' numerosa familia; o lugar torna-se recommendavel
pela pureza e frescura do.ar, pela sua situaco
pittoresca e agradavel e distar pouco das estaepes
i da Casa amarella, Monteiro e porta d'agua : quem
j pretender, d rija-se rua Nova n. 23, ou no mes-
mo sitio.
Promptido, asseio e *
S economa. m
$ Francisco Jos Cordeiro, alfaiate, par- W
mt ticipa ao respeitavel publico peniambu-
m cano, que abri a sua oficina na ma do S
Barao da Victoria, outr'ora rua Nova, n. w
46. primeiro andar. Espera ser procu- Wk
rado dos cavalheiros da bom gosto, pois S
encontrarlo trabalbo pelo gosto da Eoro- 9
pa, e por precos muito menos do que em ftf
outra parte. cj
A polica.
Pede-ie ao Sr. subdelegado de S. Jos que to-
me em considerto as renmoes que se do em
nma casa de jogadores, em um dos beccos perto
da igreja da Pruna.
AVISO.
No dia 3 do corrente mez ausentou-so do en-
genho Ginipapo, termo de Olinda, o escravo Joio
Roto, de nacSo Angola, altura e cerp" regulares,
ps chatos, falta de alguns dentes, barba serrada,
bem preta, rendido de urna verilha, costuma ir
para o Recife, onde j tem sido preso : roga-se a
quem apprchender. de leva-lo ao mesmo engenho
ao seu senhor. __________
No dia 5 do corrente mez ausentou-se do en-
genho Sapuoaia de Reberib o mulatinho Athana-
sio, raca caboclo, ainda pequeo, mas bem nu-
trido e forte, idade 14 annos, bem parecido, muito
esperto e ladino, um tanto gago, foi visto na esta-
cao da rua da Aurora, quando saltava do trern de
Beberibe, anda po< tanto vagando as ras da ci-
dade, pelo que roga-se a sua captura._______^^
Aluga-se nma casa nova de lijlo com coin-
raodo para grande familia, com grande terreno
cercado, na Torre perto da margem do Capibaribe:
a tratar na rua da Imperatriz n. 74.____________
Carta.
Na rua do Crespo n. -4. relojoaria, na urna car-
ta para entregar ao Dr. Durval de Manazos Fraga.
Na rua da Imperatriz n. 47, i an-
dar, urna senhora tendo j grande pra- -'
tica do ensino, recebe discipulas de
piano, m sica e desenho.
I tica oo ensino, receoe aiscipuias ae 4b
9/ piano, m sica e desenho. 'SP'
Aluga-se o 1 andar e sotio da casa n. 34
da rua do Visconde de Itaparica, outr'ora Apollo,
com eommodos para numerosa familia : a tratar
na mesma rua n. 51 com o Sr. Bento de Freitas
Guimarles. ___________
A casa particular da rua da roda n. 21 se
enearrega de cozinhar e engommar para aquellas
pessoas que a qnoiram disto incumbi-la, com assaio
e limpesa.,__________^^___
O Sr.....de Araujo Cazar, favor vr rua
do Duque de Caxias 11. 60 A loja de Bento da
Silva & C, successores de Manoel Ribeiro Bastos
appareceu na non te de 19 para 20 do
da fregaez a do Puco da Panella, una
Desa
conente,
burra com os sign es seguintes : castanlia, car
nuda, tendo a mo esquerda um pouco indiada,
tem urna marca na sarn ia, pr veniente de um
gerimu : quem a adiar, o-i della der noticia
exacta ser generosamente recompensad-.
Eustaquio Jos das Chagas.______
Urna senhora competentemente habilitada e
autorisada pela directaria da instrucco publica se
offerecc ensinar primeiras lettras, grammatica
portugueza, arithmetica, coser, bordar, e outros
misteres de sua proflssao, em alguin engenho per-
to da pcaca : a pessoa que quizer utilisar-se do
seu prestimo, dirija-se praca do Cande d'Eu nu-
mero 13.
CASA DO OURO
4o 5:00O?OOO
. Bilhetes garantidos
Haa do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do costume.
Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 2' parte das loteras a beneficio da
igreja de N. S. da l'iedadc de Santo Amaro, que
se extrahir no dia 14 do corrente me-.
I'rcoow
Inteiro <0O0
Meio 3*000
Quarto UMM
De 1009000 para ma.
Inteiro MK_!
Meio 2i":i0
Quarto 1*375
Recife; 6 de fevereiro de 1873.
Jos Jotu/nim da Cosa Leite.
uiomio BIKGOS
AD70&ADQ
DO IMPERAPOR
1. ANDAB.
1001000
Fugio do engenho Portal, em Serinhaem, no dia
7 do prximo passado, o mulato Simio, com os
signaes seguintes : estatura regular, cor[ o secco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descaneada: quem o pegar leve-o ao
seu senbor o tenente-coronel Vicente Mendes
Wanderley no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Rernardinb de Sena Pontual, na rua da Madre do
Dos n. 36, que receber a gratificco de 100*.
Eu abaixo assignado, declaro que vendi a casa
de pasto, da rua de Mariz e Pairos, n. 10; se
houver algum credor aprsente seus documentos
no prazo de tres dias contados desta data. Re-
cife, 3 de fevereiro de 1873.
______________Faustino Peres._______
Criada
Precisa se de urna que cozinhe e engomme com
perfeico, para casa de tres pessoas : rua da
Unio n. 67, confronte ao muro do gymnasio.
Theatro Gymnasio Drama-
tico
KmprezaENpiuca e Penante.
Sob esta firma tem de funecionar urna com-
panhia dramtica no theatro Gymnasio Dra-
mtico, cujo pessoal corta 22 artistas, compro-
mettendo-se esta empieza a montar dramas de
grande espectculo, nao poupar despezas para este
fim, fazer a concert necossrio no theatro e desem-
penhar integralmente todos os seus programnaas.
A empreza Espiuca e Penante, promeitc, fazer
urna nova poca theatral em Pemambuco e para
isso corta com o generoso acolhimento e protercao
do respeitavel publico, que to inequvocas provas
de sympathia tem dado aos novos emprezarios.
Aluga-se o Io andar do sobrado n. 47 da rua
da Imperatriz; quem o pretender encontrar as
chaves na loja do mesmo sobrado, o se entender
com seu proprietario rua do Hospicio n. 33.
O abaixo assignado, credor de Jos Dativo dos
Passos Bastos, estabelecido com venda na estrada
de Belm ou Campo Grande, previne que nin-
guem faca negocio com este estabelecimento sem
que seja pago da quantia de 184*000, importancia
de bolacha que lhe forneceu ; do contrario quem
compiar ficar respoiisavel pela referida quan-
tia.
Recife, 8 de fevereiro de 1873.
Manoel Rodrigues Percira.
Attencao
Pereira da Silva & C, proprietarios da loja do
pavo, rua da Imperatriz n. 60, rogam a l dos
os seus devedores desta praca a virem saldar seus
dbitos at o fim do mes de fevereiro corrente ; e
todos aquelles senhores que se acham eom seus
dbitos atrasados e nao tiverem vindo pagar du-
rante este praso, tero de ser incommodados judi-
cialmente.
Aviso

Aluga-se o armazem da casa n. 18 da tra-
ves=a dos Expostos, ladrilhado do novo, e proprio
para qualquer^stabelecimento : a tratar com o
ministro da ordem terceira de S. Francisco, no
consisto io da mesma ordem.
\lten0o.
Quer-se alugar urna escrava para o servido ex-
terno e interno de urna casa de pouca faniila : a
tratar na rua do Imperador n. 25, 2 andar.
Cacoleta perdida.
Perdeu-se do escriptorio deste Diario at a rua
do Queimado, urna cacoleta com pedra de ambos
os lados, e em urna d'ellas tem urna chapa de
ouro com as iniciaos M F F e dentro da
mesma cacoleta tem um retrato ; qnem achou-a
querendo restituir, pode dirigir-se ao referido es
criptorio, que compensar.___________________
Precisa-se de um administrador ortico e de
pouca familia para 1 ngenho distante 9 leguas da
praca ; a tratar na rua do marquez do Olinda n.
60 '2.' andar, ou em Olinda rua de S. Rento
n. 24._______________
Para hotel.
Precisa-se de um copeiro e um criado para to-
do servico : a rua Nova n. 52.
Escravo fgido
i:08000 de graliHcaco.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trirta e tantos ann^s,
crilo, e bastarte ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j estove no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourencp da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joanuim Goncalves Rastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pode-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a rua do Duque
de Caxias n. 91, lofa de miudezas do Rival sem
Segundo, que receber a graficacao cima de-
clarada. ______.
No mez de outubro do anno prximo passado
fugio do engenho Ajudantc da freguezia da Esca-
da o escravo de nome Guilherme, o qual tem os
signaes seguintes : 29 annos de idade, acabocofci-
do, olhos grandes, nari? um pouco arquiado, ca-
bellos crespos, altura c corpo regulares, ps com-
pridos e seceos, com algumas marcas de feridas
pelas costas ; levou coinsigo um cavallo castanho
rosilho, tendo no lado direito a marca K; descon-
lia-se que tenha seguido para a cidade da Para-
hyba : roga-se as autoridades e capites de campo
a captura do referido escravo, que poder ser en-
tregue no dito engenho ao seu senhor Conidio
Pereira de Araujo, 011 nesta praca ao seu cor-
respondente Firmino Correia Pessoa de Mello,
rua do Apollo n. 65.________________________
Escravo fgido.
Contina fgido o escravo Luiz, que tem os se-
guintes signaes : 22 annos de idade, pouco mais
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinhos, rosto redondo, tem urna per-
na inchada e levou roupa de embarcadico.
Presume-se que esteja o engenho Sant'Anna, cm
Santo Amaro de Jaboatao, onde tem parentes. Pe-
de-se a todas as autoridades policiacs e capites
de campo, nue o apprehendam e o conduzam
rua do Barao do Triunipho, artiga do Brum, ns.
92 e 94, que serio generosamente gratificados.
Aviso.
200#000 degratificac,o.
No mez de outubro do anno prximo passado
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nome Guilherme, o qual tem os
signaes seguintes : 23 annos de idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris um pouco arquiado,
cabello crespo, altura e corpo regulares, ps com-
pridos e seceos, com algumas marcas de ferida
pelas costas : levou consigo um cavallo castanho-
rosilho, tendo no lado diireito esta marcaE.
Desconha-sc que tenha seguido para a cidade da
Parahyba. Roga-se as autoridades policiaes, e .ca-
pites de campo a captura do referido escravo,
que poder ser entregue no dito engenho ao seu
sentios Emilio Pereira de Araujo, ou nesta pra-
ca, ao respectivo correspondente Firmino Cona
Pessoa de Mello, rua do Apollo n. 66.
GABINETE
Medico-cirurgico
RUA DO IMPERADOR N. 73, 1* ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operarles de olhos.
Cora radicl e instantnea dos
estreitamentos da uretra.
Gonsoltas :
da raanh?.
Chamados
Das 7 s 10 horas
A qualquer bort. /
)
l
c
J
X


r



Est fgido desde o dia 23 de jnnho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bucar. Tem um peque-
no signal de cabellos no qiieixo ;*e no braco di-
roito as lettras -L. F. N. Sabe ler, trabalha do
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmao liberto, que traba-
Ihava (e pode ser quo ainda trabalhe) de machi
ni-ta de vapor n'um engenho de Abren
Una- ... ^
Pedese as autoridades policiaes e capites ae
campo que o prondam e facam-no condurir rua
da matriz da Roa-Vista, casa n. 33, onde rece-
bero 150J000.
Quem precisar de amas secca on de leite,
dirija-se ao pateo de S. Pedro n. 3; loja, que
achara com quem tratar.
Precisa-se
IDeum caixeiro de 14 I>"6 annos que tenha
pratiea de taverna : i ma da Santa Croa n. 74.
Imperial fabrica
DE
Rap areia fina da Bahiaj
DE
Moreira & Companha
O abaixo assignado, nico agente dessa
fabrica, avisa ao publico que tem aberto
o deposito de dito rap, no seu escrip-
torio rua de Vigario n. 21, onde os
freguezes encontrarlo sempre a quan-
tidade que precisaren).
Recife, 29 de abril de 1879.
. Domingos Alves Malbeus.
T"


k



"'"""

=
Diado de Pernanibuco Terca feira ir de Fevereiro de 1873.
__:_________m.
35:
y
r


o
V
PIANOS E MSICAS
AOTOXIO JOSfl DE AZEVEIIO
Ra do Balito da Victoria n. 11, armasem, e 12 1. andar, antiga ra Nova
aonde o publico em geral encontr, }sempre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
COMPANHIA
nos
TRILHOS URBANOS
DO
Renfr Oiinda e Boherihe.
Compra do solipas.
No escriptorio desta com-
panhia, comprase constante-
mente a precos razoaveis,
solipas de o ticica e sapu-
c.iia, das seguintes Junen-
s5es : compnmento 10 pal-
_ mos, grossura 9 pollogadas,
ditas.
se com o abaixo assiguado na esta-
da Aurora,
de ferro de Oiinda, 23 de Janeiro
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
grossura 4
Contrata-
cao da n a
Estrada
de 1873.
Moleque.
Pivcjsa-so ahitar un Huloque n I i lian-
nos : a tr.tt r no arma em do Campos : ra do
imperador n. 28. -
Avisa-se
a quera der noticia da escrava Guilhennina, que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaqun) dos San-
j-tos, e depois comprada ao BarSo de Na areth, ro-
presenta ter 21 annos, tm falta de denles na
frente e as miios com. cicatrizes de queimadura d-
gaz, secea do corpo, muito regrsta, que desapna-
receu da casa de sobrado n, 20 da ra dos Coo-
lhos, que ser generosamente recompensado.
- AOS 5:000|000.
Estilo venda os felizes bilhefes da lotera |la Ha-
ba, na casa feliz] do arco da Concecao, loja de
ourives, no Recife.
Acaba de abrir no prioeiro andar do sobrado d. 12 confronte i
botica Mtorer, om grando saio onde esli exportes os magnficos
MrmA^fcOSI de armario, de PleyeL
de meia canda, do mesmo actor.
-------- df H. Henri.
dd Amede Thibont.
Onico agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FRSRES
re miados em diversas exposi;6ss om 14 medalbas de ouro e prata.
Sao os onicos pianos qne aqni vem da Europa, perfeitameote afina-
dos, fetos com eiegan ;ia 4 solidez.
9 U
Tambera receben grande sortimento de msicas pira piano, piano e
canto e entre ellas as lindas composiedes do muito sympatbico maestro
F. sivn\i
A SABER :
Voc me qner Walsa.
Olga Mazur ka.
L Separacionl Pira canto.
A Luz elctrica, grande Walsa.
Ultimas pubkieates
Franco Brasileiro Polka.
Tomada da Valleta Galope.
Joanioha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Stadente Po'ka.
-Feitas as offleinas de msicas
do snnoneiante.
Emilia, polka por I. Smoltz.
Cireaeiana, tebotcb, por Smoltz.
Jardim do Campo das Pricezas,
quadrilba, por J. Popne.
Cbuva de Rosas, Walsa, por H. Al
bertazzi.
Para maior commodidade dos passageiros
que desejarem assistir aos lindos fogos d'ar-
tificio as festas da Senhora do Bom-Succcs-
so e do Senhor do Bomfirn, na cidade de
Oiinda, no prximo domingo 9 do corrente,
expedir a companhia um trem s 10 1/2
horas da noute de volta para o Recife.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Suppressao dos livns das S horas
da manila.
Em consequencia da completa ansencia de
passageiros, cam supprimidos os trens que
partiam s 5 horas da manh das estacos
do Recife e de Oiinda, contar do sabbado
15 do corrente em diante.
Escriptorio da companhia, 8 de fevereiro
de 1873.
O gerente interine,
Laurentino Jos de Miranda.
D'aqui emfldiante continuar a annnneiar tedas as publicares que se forem friendo as soas offleinas de mnsieas.

CAUTELA!
MEURON&C.
^IA1I
Wl
m
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qu os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo deseho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON ft C.
m
K
FNDICiO DOBOWMAN
RDA DO BRUH N. 52
(Passando o chafariz)
Os proprietarios desta fundiclo recommendam-se aos Srs. agricultores pela hoa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa lhes tem fornecido.
Possuem sempre um avultado deposito de raachinismo e implementos em toda a va-
riedade de tamaito, proprios para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
t algodo; entro os quaes algumas novidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Veudem a prazo .*
CAUTELLA
Avisara ao publico qut^ljversas encomraendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das! pelo que, rogam a_exigencia da corita impressa, para prova da procedencia do que
se Ibes fornece. MI
Outro sira, que por ah and*m especuladores (alguns empregados e obras em concertos,
etc.,f a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os taes, lembrando-lhes, p as peitas recebidas pelos ditos incubadores.
COMMISSOES

Fazeni encommenda vontade do petinte, mediante urna commisso. de qualquer
raachinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua hab'itaco e oostu-
me no negocio, tanto em respeito ao proco jjflBt a qualidade, assira como todo o auxilio
sai Brorrtayirtfabaihr' corr o mchnTismo vindo.
HERDE1R0S BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
RA DO BRUH N. 52
PASSANDO O CHAFABIZ
QESTlO 00 DA
(E" pela barriga que melhor e
goverta o mundo).
Grande agitacao I... Todos fallam L-... -gri-
tamt... escrevem I... Iastiroam-e !... cno
ram... e nao comem? nao bebem ?
Eis a coiiiiso!!
Meditemos, pois...
Alvicaras 1... Alegrai-vos, bella e heroica i*
dade do Recife, que vai desabar sobre a caneca
de cada um de vossos invictos fllhos urna nuveni
prende de mgicas inspiracoes a veracidade
deste annuncio.
Queris conseguir os fins ? empregai os meios :
apurai a vossa imaginacio, vasai na vossa inteili-
gencia urna gota de inspiracao e _tereie revolvido,
fulminado aquesto do dia$
Queris
Pois bem, fortifteai os pulmoes, desempedi a
larynge, rgeatinai a voz, adquir o dom da per-
suasao e finalmente abracai sem hesitacao a por-
tentosa inspiracao que vos offereeo e tereis forcas
suficientes para discutir, convencer e.. .demar,
para sempre a magnaquesto do dia.
Olieras todo islo \
Vinde ao muito preconisado armazera do Cam
pos, ra do Imperador n. 8, e comprai certas
e especaos vietnalhas, (exquisitas e excitantes) 4
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquecendo
os finissimos e calmantes licores,* lembrando-vos
dos rarissimos o delicados acepipes, (alem de eu-
tras (muitas cousinhas boas que ficam oceultas
nestes.....para despertar a curiosidade dos aman-
tes da....) e veris qae depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos. apparecer
um tSo enrgica inspiracao cousa inaudita) que
vos considerareis metamorpnoseado em algum
propheta, abundando a vossa imaginaca de cal-
culos infaUiveis que vos farao resolver em um
pice o grande problema que prende tio forte-
mente as vossas attetic3e8-]ue&tao do dia.
Dovidaes 1
N*esle caso l yai:
Com a barriga vasia
* A caneca arde, enfraqtjece,
O come treme, tacla,
_^ A raaao dcsapparece.
N. 28 roa do Imnerader N. 28
PHARMACIA
TORRES.
O abaixo assignado, pharmaceutico pela facul-
dade de medicina da Baha, participa ao respeita-
vel publico e aos senhores mdicos desta capital,
Se tendo comprado a bem conhecida pharmacia
finado Torres, sita ao pateo do Ter sortio-a de medicamentos novos e preparados es-
peciaes francezes dos melhores autores, assim
como avia qualquer receita a qualquer hora do
dia qu da noute com toda promptido, esmero e
asseio sem fazer substituices.
Recife 5 de fevereiro de 1873.
^^^^^ Manoet Tbomaz Pereira do Reg.
Escravo.
Precisa-se de urna escrava que desempenhe
as obrgaedes de ama de urna pequea familia :
no largo do Paraizo n. 28, sobrado.
LourenQo lves Ferreira,
mscate nesta cidade.
Queira ter a bondade de vir loja da Rosa
Branca ra da Imperatriz n. 56, negocio im-
portante. Entende ?
HaduiBc I'aunv. mudistu Ita-
lia iim.
Roga-se encarecidamente a esta senhora para
que se digne mandar concluir o negocio que tem
na loja da ra Duque de Caxias n. 08, attendendo
para isto o tmpo decorrido.
MOFINA
Est, encoura^ado !! !
Roga-so ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquello negocio que S. S. se compromeUeu a
reafsar, pela terceira chamada deste jornal, em
"lile dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passpu i fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
flm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
le mais de oito annos, e quando o Sr. seu ulho se
achava nesta cidade.
Perdeu-se
hontem l. do fevereiro um relogio de senhora,
juntamente com un alfinete tudo de ouro, desde
a praca do Conde d'Eu, aterro de Boa-vista, pon-
te^ ra do Bario da Vi toria, Cabug at a ra
!. de Marro : quem os achar e quizer entrga-
le f ode-o fazer na praca do Conde d'u n. 9,
1. andar, que ser gratificado.
ATTENCM)
Precisa-se de urna senhora que queira ir em
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pa sagem e mais despezas, gratficando-
se-lhe o seu trabalho : quem esliver fiestas con-
difes dirija-se ra estreita do Rosario n. 9.
de Santo Amaro das Salinas e N. S. das
Angustias.
As pessoas que quizerem alugar terrenos para
armare:) barracas durante os 18 dias de novenas
e festas, podero dirigr-se capilla do lugar, que
ahi acuario com.quem tratar.
- No dia 19 do corrente Janeiro de 18"'.), au-
sentara-se do lugar denominado Acude do Matto,
da fregueza da Glora do (Joit, a preta de nomi
Thereza, altura regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente superior na frente, em con-
sequenci< de os ter muito separados o serem li-
mados, soffre cravos nos ps e no rosto tem mui-
tas sardas salientes como bermejas ou berrugas,
levou vestido de chita verde, urna eoberta de chi-
ta, e duas mulalinhas ambas lilhas da mesma
urna de nome Rogeria, de 7 annos do dade, cr
clara, cabellos annellados, os olhos mrbidos e os
dentes da frente largos, e a outra de nome Ma-
ra, de 17 mezes d- dade, menos clara, testa sa-
liente, olhos pequeos, cabellos igual a primeira ;
ambas sao pertncentes ao Sr. Jse Eleutcrio da
Silva. Suppde-se ter ido em procura de um li-
Ibo que foi o anno passado vendido ao Sr. Bario
de Nazareth por ter descido pela estrada de Pao
d'Albo, e sem dnvida ir passando por fo ra por
motivo dos fllhos : a pessoa que a tver em sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer-
ta, ser generosamente recompensada ; para n-
formaces neste typographia.
| CONSULTORIO |
j HEDIGO-CIRUKGICO I
& i" &
Dr. J. M. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Qr, Ra do Mrquez de Oiinda n. 23, pri- Qk
t% meiro andar. >%
X Consulta das 7 horas s 10 da manhi. SJ
W Chamados a qualquer hora. w
Camisas Vuucezs braocas a
2$ tem pi>uca a varia.-
O Viaiina S'i renda por inetade do seu valor as
fazondas (pie pode irromatar e por tao andar
depressa cjuc ])ecbinrha : ra larga do Rosa-
rio n. 22._______________________________
Camisas raneczas de creto-
ue de cores a 5$.
perliinoha parque se vendem a Si : ra
larga do Rosario n. ii loja do Vianna._________
Vemle-se i:> pipas cotu rel cm barris
promptos a embarque : no eaea dd Ramos n. 42,
Cainbraias bordadas ultimo gosto.
Cambiaias miiidinhas de cores.
Tai latinas de todas as cores.
Selni de liadas cotes!
Chapeos de sol para meninas e senlioras. /
Las para vestidos de apurado gosto.
A rosa branca vende e-tes artigos por precos
iiiuit' baratos e manda levar as casas : na ra
daJinperalriz n. 36, (virtadas enea nadas.
Madapolo avariado
a-lciflOO : na na da Imperatriz n. fi, loja
da rosa branca.
A
usencia.
Evadio-se o escravo Paulo,
tripolante, traja'do roupa de servieo de bordo,
e tem os sgnaes seguintes : estatura e rosto re-
gulares, cabello* grenhos, nariz e boc a regula-
res cor preta, cnoulo, e sem barba : rogare
a apprehensio do mesrro, e conduz-lo ra da
Cruz a. 3, aonde se gratificar.
Acha-se fgido desde o dia 12 de dezem-
1ro do anno prximo passado o moloque Altioo,
de 13 para 16 annos de idade, com os sgnaes
seguintes : cor fula, secco do corpo, olhos vivos,
pernas finas, muito ladino, levou vestido calca
e camisa de algodao de listras; snppoe-se elle
andar mesmo pelo Recife, ou pelo mallo, na fre-
gueza de Ipojuca, no engenho Pindcrama, onde
tem um i'mo forro : tnga-sc a apprehensao do
dito escravo e leva-lo ein Oiinda no sitio deno-
to nado Jardim Botan co, aos seus senhores, que
alm de gratos, rec mpensarao generosamente.
O bacharel D. Luiz daSilvcira, podo
ser procurado todos os dias uties, das 11 ho-
ras da manh at as 3 c meia horas da tarde,
na ra do Imperador n. 27 2. andar, quer
para os misteres de sua profisso de advoga-
do, quer para os seus negocios inleirainejite
particulares.
Escravo fgido
Aosentou-se, desde o dia 2 de fevereiro deste
corrente anno, o preto de nome Benedicto, de 23
annos pouco mais ou menos, cnoulo, bastante
ladino, falla mansa, cantador de modas, bom
carpios, estatura alta, espalaudo, barbado, um
pouco tato, tendo a testa pequea, falla de dentes
na frente, ps feios, e com urna cicatriz ou mar-
ca por cima do p esquerde, que foi um taino de
toda largura do machado, nasceu no engenho Bu
jury de Goyanna, tendo passado ao Sr. Luiz Ca-
valcante de Albuquerque, morador na cidade de
Goyanna, onde tem mi e parentes, e deste ao
Exm. Baro de Nazareth, tendo tambero pass do
muito tempo no Recife, levou em sua companhia
um menino orpho, de 13 annos de idade, pardo
claro, bom cabello e calado, cujo menino tutel-
lado. Pede-se a todas as autoridades e capities de
campo queos pegando leve-os a ra da Pen"a n. 5,
ou no eiignho Furna, da freguezia de Santo Amaro
de Jaboatao, que ser generosamente gratificado.
Livre ou escrava.
Precisa-se de urna ama para o servieo de duas
pessoas : na ra do Bom Jess das Crioulas n
35, sobrado de- um s andar, sendo a escada pela
ra do ralabouco. _______ '
Cozinheiro.
Precisa-se de um que seja bom, paga-se bem :
no hotel da independencia, ra do Imperador n.
i*.
Escmos fgidos
200#00
Ausentaram-se dous escravos irmios, sendo um
de nome Lourenco. com 26 a 27 annos de idade,
estatura regular, che do corpo, cor clara, ca-
bellos estirados, ros redondo e sera barba, levou
calca e camisa branca, chapeo de feltro preto.
O outro de nome Andre, da mesma estatura, mais
novo um pouco do que o outro, tendo os meamos
signaes do irmo, sendo comprados : Lourenco
ao Sr. Clandino d'Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, da provideia da Parahyba ; e Andr ao
Sr. Joao Francisco Gomes de Amida, da comar-
ca do Limoeiro, tendo fgido aquello no dia 21
do corrente (Janeiro), o este hoje 30 do mesmo.
Suppoe-se que seguiram a estrada do Limoeiro
Serra do Teixera. Roga-se a todas as autorida-
des pohciaes e capities de campo, que os appre-
hendam e os conduzam ra do Apollo n. 30,
armazem de assucar, que se gratificar coma
quantia acuna.
Excommungado.
Acab de sabir a luz o acha-se venda esta
linda polck da actualdade, coniposieo do multo
sympatbico maestro J. Poppe : ra Nova n. 11,
armazem de msicas do Azevedo.____________
Aluga-se o armazem e o primeiro andar da
casa n. 20, da ra do Bom Jess : tratar com
Cramer Frey 4 C, n. 62, da mesma ra.
Caixeiro.
Precisa-se de um caixeiro portuguez de 12 a
16 annos, com pratica de molhados : no largo da
Ribeira n. 23.
Fugio do engenho Una, fregueza do N. S.
da Luz, comarca de Pao d'Alho, o escravo Venan
ci, com os signaes seguintes, cabra de 20 annos
pouco mais ou menos, alto, secco, pernas um pou-
co cambitadas, com cicatrizes de omina as per-
nas, ou em una dellas, cor um pouco paluda,
com falta de dentes na frente, tem costume de
andar com a bocea aberta, cabellos earapinhos,
etc. Tem sido visto nesta cidade, vendendo agua,
no bairro da Boa-Vista, em Fra de Portas c na
Pas agem da Magdalena : pede-se s autoridades
policiaes e capities de campo, a captura do mes-
mo, que levando-o ao engenho Una, ou roa
do Rangel n. 7, sero recompensados.
PENHORES
Natravessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Para os influentes do car-
naval.
Na ra estreita do Rosario n. 35, sobrado de
um andar, alugam-se vestuarios de principe, borda-
dos a ouro com todo o gos, dminos, vestuarios
phantasia, tudo por muito barato preco. Faz-se
pelo gosto de quem quizer, segundo os figurins
que apresentarem, Tambera ha para venderse
vestuarios em muito bom estado, que alugam-se por
todo o preco, como seja a 3J, 4J, o# e a 204.
Dminos novos e de gosto, fitas bordadas a ouro,
para santos, vestuarios para meninos e proprios
para quem quizer vestir-se em trajo de mulher.
Precisa-se de um caixeiro que tenha bastan-
te pratica de molhados e algoma de nadara, para
um estbelecimento fra desta praca, e que abo-
ne a sua conducto : a tratar na ra estreita do
Rosario n. 57.
a T ,aoaixo assignado deixa de ser procurador
do Sr, Lenidas Tito Loureiro. Recife 10 de fe-
vereiro de 1873.
Jos Soares da Casta Gomes,
, Aluga-se
nma cusa na Torre por um proco muito rasoavel,
com os commodos seguintes : 2 salas, 3 quartos e
cozinha; a tratar na ra do Mrquez de Oiinda
n. 66 2 andar.
COMPRAS.
Compra-se um carro americano de dous as-
sernos, e prompto para trabalhar: na ra do Im-
perador n. 21, primeiro andar.
Compram-se
Diarios a 5*000 a arroba : na ra Larga do Rosa-
rio, fabrica de cigarros a. 14.
Oiifurtl
Amaral, {fabuco C. vendem trancas, franjas,
laniiiotilas, douradas e praleadas, de todas'as qua-
ldailes e larguras, volias plateadas, de todas as
qmlidades e larguras, brincos, eabeHeiras bran-
cas, calcas de meia de algodao e de seda, capace-
tes de niassa e de metal, etc. ote., e tudo quan;o
iicccssaiio pora fazer-se um chican!, ultimo vel
llano, o mais moderno e bonito para um baile
de mascara, gosto francez : no bazar Victoria,
ra do Bario da Vi-r-'iia n 2.
Clui preto c verde
Vende-se NO baitt victoria cha preto e verde
de muito boa qualidade : na ra do liarn da
Victoria n. i, loja de Amaral, Nabuco l C.
iKQI
0 ba.aibo i iNnrufga, em cixs e mtas
ditas : to caes da Alfandpga n. I, armazem Ce
Tas'. Irmes & 0.
Ra larga da Rosario n. 22.
Mais pechinchas.
Baptis s, l'azenda mu o fina d bonitas coroi da
lf!0 a 300 r. o eoyado.
tya as muito bonitas re'JO rs. a 280.
Pares de botes de | Inq lino para punlioj de
IS a 240.
Maco de pentes de als r de 'iOO a l.
O Via na s vend u que barato e bom, an-
d m depre sa : uruie o barato todos q.mueer
Na padaria allera na roa *la Guia d.
54 tem para se vender o seguate, ervilhiis
ile tres dilVerentes qualidades, feijo branco
graodo, repolho em barricas, lentilhas, se-
vadinha (Ferie,] sug, ameivas mames e
srejas seceos, tambem tena para vender
duas balau^as grandes com gnenos e bromos,
ul-'iins pesos, duas rodinnas de metal para
earrinho de ino, urna forma e um forno
para fazer hostias e obreas, e urna bomba.
borracha
para limas, a melhor e mais nova do me mi a
15600 rs. a libra : deiV.'iite da alfandega .t. 4.
Colchas
para camas, que valem8. a S : na rosa bran-
ca, ra (la Imperatriz n. '6.________________
Madapolo avaiiado
largo e muito bom, que val 8|, a i : na na
branca, ra da Imperatriz n. S6._____________
m hotel venda
Dspoe-?c de um hotel em excelente localidade
desta cidade, bem montado e muito afreguezado,
por se bar doente e precisar tratar-se o dono :
quem quizer dirija-se a rea larga do Rosario a.
30, que se dir com quem se deve negociar.
Fio de algodo da Baha e cal de Lisboa, rc-
eentemenle chegado : ha para vender_ no es-
criptorio de Joaquim Jo Gon^alves Beltrao & F-
Iho, ra do Commercio n. K
Mesa elstica.
Vende-se urna ptima mesa para jantar, inglea,
muito bem construida, e elegante e por preco ra-
loavel; armazem da Travessa do Corpo Santo n.
r..
VENDE-SE;
a muito afreguezada taverra e ar,nazem de sal n.
137 da ra Vidd de .Negreros, outr'ora Imperial,
propra i ara qualquer principiante, por Jer pou-
eos fundos c Com commodos para familia.
Mulatinho.
Veade-M um mulatinho chegado do sertao, 'en-,
do 15 annos de idade e proprio para qualquer
servieo: a tratar na loja do Pavio, ra da Impe-
ratriz n. 60.
Como i barato !!!
Basqunes de crochet e fil preto rica-
mente enfeitados de setim a 4^m0
Chitas francezas, fazenda superior a 240
Atoalhado de lnho puro com 10 pal-
mes de largura, a vara
Vndese na ra da Imperatriz, loja n,.
Vende-se um terreno no Beeco do Es-
pinheiro, fa/ondo esquina para a ra de S.
Joaquim, e muito prximo da estrada de fer-
ro de Oiinda ; a tratar na praga da Indepea-
dencia n. 39^________________________^^
Manual de contas feitas
Na liviaria eneyclopedica ra do Mrquez de
Oiinda. antiga ra da Cadeia. vende-se o bem co-
nhecido e approvado manual de contas feitas para
o mercado de assucar, por precos muito com-
modos.
Borracha
A 1<5< 0 a libra : na ra Direita n. 14, esquina
do becci de S. Pedro.
Borrad
la
Vende-se borracha muito nova para limas a
ti a libra: na ra do Fogo n. 20, taverna.
Vende-se a 4 o palmo de terreno, com 3C0
de fundo, na estrada nova de Beberibe : quem
pretender algum, dirija-se ra de Joao Fernan-
des Vieira n. 24.
0 bazar da ra Direila n. ol
Vende :
Granadme com listras de seda rara vestidos
POR 700 Rs, O GOVADO. .
As melhores miudezas, botinas e mais outras
qualidades de calcado francs, chapeos para se-
nhoras.
Tfim um lindo sortimento
Luvas frescas de Jouvin.
Perfumaras dos mais afamados- fabricantes.
Parares ou gravatinhas do ultiTo gosto, para
senho'as,
Aigos de luxo e phantasia,
Tudo por preco ma s rasoavel do qu* em ostra
qualquer parte.
N. 51Bazar da ra DirietaN. 51.
Novidade carnavalesca!!!
BOTOES PARA PNHOS COM CASCA VEIS,
A" VENDA.
Si=Bazar da ra Direita^^Ki
X elles f a elles I a ellos I que esli se aca-
bando.
L
1





6
m

Diario de Pernambuco Terqa feira 11 de Fevereiro de 1873.
____
Fazendas oin liquidaco
N. 60 Ra da Imperatriz N. 60
di:
PEREIUA DA SILYA & C.
Ten lo o proprietario dcste importante estabelocimento, grande vontade de liquidar
tolas as fa/.enlas qno tem em ser, tem resolvido vende-las por precos muite mais baratos do
que se vendem em outra qualquer parte, com o fun de apurar dinheiro, razio por que con-
vida o respeitavel publico a vir sortir-se, nao s da um avultado sortimento de fazendas op
lei, como tambera de grande sortimento de fazendas tinas e dos mais apurados gostos.
K previne quejs vende a dinheiro vista, por estar em liquidaco.
umwns
MODERNSIMAS POPELINAS
Popelinas a 40500 e 20000 o covado;
1.031 LISTRASDESEDAA8D0RS.OCOVAB0 o Pavao receben ora elegante sortimento
O Pavao rocebeu um elegante sortimento t das mais modernas e lindas popelinas de
>lts mus lindas grenadines pretas com listas 13 e seda, e linbo e seda que vendem a
e seda da cor, temi entro ellas com listra 10500 e 2 roa propria para luto, que vendo pelo ba- listados m uJo e graados que parecem
ratssimo prego do 800 ris o covado ; assim propriameate seda, assim como das mesmas
tomo dita muito fina com hstra encarnada, timbem tem brancas proprias para vestidos
que vende a 19000 ris o covado. Esta de noiva.
Imada veio p"lo paquete che-gado ultima-' NOVAS SEDAS A 20500
monte da Europa, e liquida-se na loja do 0 Pavao vende bonita e moderna seda
Pavao roa da Imperatriz n. 60. I de urna s cor, teodo de todas as cores, com
i. \MBK vis ASERTAS PARA VESTIDOS A delicado lavrores miudmhose vende a 20500
09000 e 10?000 RS. o covado para vender barato.
O Pavao rocebou um elegante sortimonto CORTES DE SEDA A 450000 E 500000.
das mais Unas cambraias brancas, abertas e O Pavo vende benitos cortes de seda,
bordadas para vestidos, que vende pelo ba- fazenda de muito gosto, tendo** 18 covados
ratssimo pronos do 9?, 3 10^000 rs. o cada corte o vende por 455000
corte, tendo bastante fazenda.E'jwchincha, I Ditos de 20 covados a 500000
ns loja do Pavao amada Imperatris n. 60. S5o raoito baratasen! relacSo superior
LASI.M1 AS BORDADAS A 400 RS. I qualidade d'estes cortes.
OCOVADO.
O Pavao reeebeu um elegante sortimonto
das mas lindas lsinhas transparentes com
florzinhas bordadas, tendo de todas as cores
inclusivo roxa propria para viuva, e vendo
pelo baratissimo prego de 400 rs. o covado.
K' pcchinclianaloja do Pavao a ra da Im-
peratriz n. (0.
GRENAMNES V 640 RS. O COVADO.
O Pavao rocebeu um elegante sortimonto
das mais lindas grenadines pretas com listas
brancas e de coros, sendo muito boa quafi-
dade, e vende pelo baratissimo preep de 560
rs. o covado. E'pechincba na loja do Pa-
vao a ruada Imperatrizn. 60.
COBERTAS DE FSTO ACOLXOADAS A
4*000 RS,
O Pavo reeebeu um grande sortimento
de cobertas grandes de fustn, acolxoadas,
guarnecidas com franja em volta, tendo bran-
case de I idas as coros, e vende polo baratissi-
mo prego do 4,->, rs. E' pecbiuclia na loja
do Pavo a ra da Imperatriz n. 60.
CHAPEOS PARA SENIiORA A 12*000 RS.
O Pavao recebou um elegante sortimento
tnais modernos chapeos de pallia, rica-
mente eufeitadus, para senhora, com osseus
**
OFFICINA DE ALFAIATB NA LOJA DO
PAVAO.
N-'Sla grande estabelecimento encontrar
o respeitavel poblico, ama bem montada ofi-
cina de alfaiate, onde se manda execotar
qnaiquer pega de obra, tanto para homein,
como para meninos, com a maior prw-
tesa e perfeicao assim como para qoalqner
lulo que de repente apparega, tendo na mes-
ma ollicina um perito oficial destinado para
farda dos lim. Srs. ofiiciaes de guarda na-
cioml ou tropa de linba, sendo esta oficina
dirigida pelo babil artista Pedro "Celestino
Soa;-es de Carvalbo.
ESPARTILHOS A 30000.
0 Pavao tem um grande sortimento de
espartiihos, aato para senbora como para
menina, qbe vende pelo barato proco de
35000. Ditos mnito finos a 40030 e 50000,
So do3 mais moderos qae tem viudo ao
mercado.
CHITAS A 210 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
O Pa*5o vende cbitas francesas proprias
psra vestido, sendo muito boa lazenda, com
padres claros e escuros, ptlo barato prego
compe sutes veos, vende pelo baratissimo de 240 rs. o covado, por ter um lvelo-
pre<.o de 12?000 rs. E'pechincba na loja que de mofo: pechincba.
Pavo a ruada Imperatriz n. 00.
LAS MODERNAS
O Pavo vend; um bunio soitinienlo do
listeadas, sendo das mais modernas
LIQU1DAQAO DE CALCAS DE CASEMIRA
O Pavao tem um grande sortimento de
nalgas de casemira de todas as cores e qua
lidades, para lodos os pregos, e desojando
etcmvindo oo mercado, pelo baratissimo" nni to liquida-las, resolvea vende-las ppr
> de 560 e 600 rs. o covado. 1" pe-
inchana toja do Pavo a ra da Impera-
I i u. (>l).
ALPACAS LA VIUDAS Auto RS.
O (".OVADO.
QhegOU para a loja do Pavo um elegante
i n ti ment das mais bonitas alpacas de coros
radas, sendo as coros mais modernas que
.a viudo para vestidos, e \onde-se pelo ba-
ratissimo preca de 040 rs. o covado. E'
pochtncha no loja do Pavo a ruada hnpe-
catrizn. 00.
FZZNDA3 BE LE
CORTES DE ASSAS A 20500 E 30300.
O Pavo vende cortes de. cassas do cora--,
com padres muito bonitos pelo barato
preco de 24500 e 30000.
CORTES l) CHITAS A 20400 E 24S80.
0 Pavo venda cortes do chitas francezas
ana*, cosa 10 covados pelo diminuto prego
i ^ : i) cdi corte.
Dit=ts com 12 covados pelo prego da
24880 cada corte.
PECAS D!2 CHITAS A 70200.
O Pava o vende p^gas de cbitts finas, lin
(Tntalos p: oes, tendo 30 covados cadn
pega, polo b rato pegc de 70200 cada
urna muito barato.
LENCO'S DE RR VMANTE.
O Pavo vende lenges de bramante mui-
to grandes, eodo deum panno s, pelo ba-
ratissimo prego de 20400 cada om.
MADAPOLOES.
Peg's de mid*onlio francez muito fino
cem 20 jard'S a 505OG e 60000.
D.t s c- iV( 2i jardas moito snperior a
o-JSOO e 7000 .
Dio ingle; fzenda moito una 50000,
C0)O p OoOO at 1. ^J< .
Dit franeeznseinglez-s muito fiaos de
'; jardas para dilT-jren'es pregos.
ALGODOZiNHO.
O Pavo vende por prucj muito barato
pepas da alaodi nioho americano mnito
bono com 18 jarlas 4000o.
Dito com 24 jardas a 40500 e 50000
al 60O.O.
Dito largo marca T mnito encornado a
80000.
ALGODO ENFESTADO.
O Pavao vende o verdadero e superior
tlgodaoiinho de duaslargiras para lenges,
K ido muito rnorpado 10 'OXy cada vara.
Dito trancado da mesm.'t largura 1080.
CAMBRAIAS.
O Pa'-5o venle Corles de cambraia trans-
parente pfopria pjra vestidos a 20500 e
300 0.
P<-gs de dita muito fioa com 10 jardas
tanto ta >ada como transparente a 40000,
54000 e 60000 at a mais fina que veoj
ao mrcalo.
CORTES DE PERCALIA COM DUAS SAIAS
A 40OO.
O Pavao vende bonitos cjrtes de precali*
com dnas saias, sendo fazenda de rau.t .>
gostn 40000, jaecbincba.
RAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pavjo vnde um grande sortimeoio
das mais modarms, baptistai com fista de
COr, pri'prias ptravejdo, cpm as cores mais
no'Wi que t'.m viadj ao marcado sendo
mnito maU largas do qaa as cbitas francezas.
vale pelo baratisstmo prego de 500rs.
cada cavado.
NOYtlS. VESTIDOS A 40000.
O P v.o rocebeu um olegpDte aofUmo-
t> u nevos voiMlos de cambraia branca
cm bonitos bordados de cor, e vende pelo
biaato.prdM<\*4 cada um. muito ba-
rato.
E' grande
uu prego muito em cont.i, para diminuir a
grande porc3o.
CASSAS FRANCEZAS.
O l'avo vende bonitas cassas francezas
com bonitos padres, e de umita phaniasia
pelo baratissimo prego de 240 e 280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pecbincba, na loja do Pavo.
BOURNL'S A 16-5000.
0 Pavo reeebeu pelo ultimo paquete da
Europa, buumus dos mais lindos gostos que
at boje sao conhecidos, e era rela$o ex-
cessivabaratcza,convidam-se as Exmas. Sras.
para as vorem, para assim admirarem o que
lia do mais novidado neste artigo.
COR TES DE CAMBRAIA A 65000.
0 Pavo vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende polo barato
prego do 6-5000, por ser grande pechincba.
liitos muito linos com babadinhos broncos
bordados a 85000.
Ditos ditos com listas de cores a 4-500Oe
55000.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhosde cores a 95000.
pechincba na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
O P.jvSo vende superior bramante de al-
jodo lando 6 palmos de largura que s
per;isa de 1 */* vara para um lengol, me-
tro 10600 e a vara 10800.
Dito-de linho poro soperior muito encor-
pado com a mesma largura a vara 20400
Ditos francezas muito finos a 20500 e
10000.
pega de Hamburgo e panno de Qbo com
20 e 30 varas, pan todos os pregos e
qualidade.
Pegas de bretaaba de puro linho, tendo
K) jirdas pelos pregos mais barato qae se
em vi.-to.
Pechin-.h de fioissimo esguio sacalena
com 6 jardas 70'JOO.
Pega de finissimo celena com 30 jardas
i 305^0, toalhado adamascado com 8 pal-
mo de largura a vara 20ufO.
CALQAS DE CASEMIRA.
O Pavo lem um graade sortimento de
ilga de casimira, assim como cortas o
mais modernos qae tem vindo nos ltimos
fi^nrins e em fazenda das mais finas mai*
aovas ao mercado, e vndese por barato
prego para apurar dinheiro assim como cal-
as de brim brinco e de cores por pregos
mato razuaveis para a:abar.
TNICAS PRETAS.
O Pavao receben om grande sortimento
das mais ricas tnicas de grs preto, rica-
mente enfeitadas, e vende por prego razoa-
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3500000 AT 600000.
O Pava.) receben om lindo sortimento
dos ricamente borlados, e com todos os enfei
tes necessario.% e vende pelos pregos de
350000 at 600000, n5) tem vido nada
mais rico nem mais moderno.
CORTINADOS PARA C4MAS EJANELLAS
A /05OO, 80000 E 100080.
O Pavjj tem um grande sorliojeflto de
cortinados para cama e jinglas, que ven-
de oelo barat prego de 70300; 800D e
100000 o par, lendo at por 180000, assim
como eolebas de damasco para camas de
noiv-is, e grande sortimento de taps'ds tin-
to p3ra 4 cadeiras como para c^nas. pianos,
portas, etc., to*> vede por pregos razoa-
els,
Allencao!!!
A MADRESILVA.
Prft^a da Iadependencia
ns.38e40;
Acaba a IBadresilva do receber diversos
objectos, como sejam :
Ricos aderegos de madrepcrola brancos o
de cores.
Diademas de madrenerola, dhos dourads,
ditos de massa ou bfalo, ricamente enfela-
dos, cruzes fingindo brilbantes, cassoletas de
plaqu com voltas e som ellas, imitando
ouro, pulscirns durdas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
cabell, sondo botfcoletas, besouros e bija-
flores e Otras multas qualidades, tudo ae
muito gosto, rico sortimento de gravatinhas
de lagos para senhora, sendo velludo, sarja,
setim, gaze, escossezas e d ma s cor, fa-
zenda inteiramonte novidade.
Lindo surtimeritO de loques de marfim,
madreperola, tartaruga, ditos dourados, Com
seda e sem ella, alm destes de outras irtui-
tas qualidades, que enfadohho seria mencio-
nar, tanto para senhoras como para me-
ninas.
Rico sortimento de punhos e gollinbas
bordadas em cambraia do linho e camizinhas
bordadas para senhoras.
Bonitas guamiges ou dragonas para en-
feitos de vestidos, assim como os muito deso-
jados cordes de seda, fazenda ntoiramente
novidade -neste mercado.
Rico sortimento do eaixinbas com presa-
ros para costura, sendo detampas de crystal
e de outras muitas qualidades o tamannos,
ditas para porta-joias, porta-extractos, ricos
porta-relogios, portaMharutos, porta-cinza,
tinteiros, castigues, todo sao objectos de
plaqu, proprios-j>ara presentear a qualquer
pessoa, assim nomo diversos objectos para
escriptoiQ^ faca6 para cortar papel, carteiras
para notas, cainas psraphosphoros, caetas
bordadaclisas, maracas para criaugas, si-
netes para abrir tirinas, caixascontendo urna
caeta, um lapis e um caivete, agulheiros
e dedaes, .todos estes objectos sao de marfim,
fazeuda.inteiramonto novidade, .assiia como
nutres mutos que s a vista- dos pretenden-
tes sepederO'meneionflr.
Vestuarios para criaugas, chapozinhos de
seda, sapatinbos -de.jueriu e setim, meias
desiae dealgodo,branease de cores, tu-
do para baptisados.
Rico sortimento de babadores para enan-
cas, ligas do seda para senhoras, lengos
brancos com ramagons, meias de seda para
senhoras-e meninas, ditas de fio de Escossia,
o inelhor que se ..pode desojar, assiin como
meias de l, proprias. p;ira senhoras.
Rico sortimento de escovas com costas de
fcaleia, marchetadas de madreperola, para
roupa e cabello, e de outras muitas quoli-
AOtlfAS E LINIIAS PARA MACHPttS.
A Madresilva acaba de reoeber um cojii-
pleto. sortimento deaguRias e buhos brancas,
de cures e pretas para niachiivus, .dos fabri-
cantes Grovcr & Bakr's, assim, como agulhas
de todas as qualidadese.Iinhas. de seda para
bordar e para crochet, ritas empellas com
veos e sem ellos para noivos, fdbranco com
bonitas ramagens e com 1 palmos de largura,
fazemla especial: s na Madresilva.
.fti'cQ SQi^imento de llores de larauja.em
ramas e sepas, (]e todos os tamanbos, para
afeites de vestidos de noivas.
Rico sortimonto de collarinhos e punhos
bordados e lisos, do linho calgodio, *"$o
homejiis, assim como chapos de sol com
castao de marfim, eoutros amitos artigas.
TEM A MADRESILVA
bonito sortimento db jarros,, castigaos com
pingentes, garrafas e copos para espiritos,
frascos, garralinhasde diversos gostos, pro-
prias para toilottcs, assim como acaba de re
ceber um completo sortimento de espelhos
de molduras douradas, de todos os tama-
itos, de 3 a 9 paunos de altura o trWta
regular.
A MADRESILVA
acaba de rocpbpr um especial sortimento de
luvas de Jouvin, brancas, lletas e de cores,
para hftP^ns o senh/ras, assim como tam-
>em para meniuas e meninos de 3 anuos
para cima.
BO.NECAS.
Rico sortimento de nonecas de todos o
taannos c com.rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba de receber um rico
sortimento de bordados em cambraia de li-
nho, fazenda inteiramente novidade neste
mercado, sendo babados e entremeios.
Finalmente, a Madresilva, alm dos artir
gos que vos faz mengo, tem outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, por isso a
Madresilva espera que vos dignis visita-la
mais a miado, a qual vos Acara senipre
grata.
Pode obler em ponco lempo com o nso do melhor dos licoresa aflamad!
Cliegiieni quanlo aillos!!
A SSO00! 8S000! S$090!
Liados. chiipos campestres, da ultima moda.
para senhora, s na ra do Duque de (axias n.
60 A, loja da esquan, de Bento da Silva & C.
Vende-se o sitio da estrada, da Cruz de Almas,
nue lica ..entre o do commendador Tas-ai o o do
desembargador Doria, oomoasa de vivenda, d fie
rentes arvoredos, grande baixa de cap'un, etc.,
dndoos fundos para a etrada dos trilitos urba-
nos ao p da esiagao da Jaqueira : a tratar na
ra do Amorim n. 37.
Farinha de mandiocA a3| o
saeco.
Na ra da Madre de Dos n. 7 ; a ella, em
quanto nao se acaba.
Xarope d?agrio doPai
Antigo e conceituado imedteamento para
cuta das motestias dos orgios respiratorros,
como a phtysi.ca, bronchites, asthma, etc.,
applicado a inda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vene-se na pharmacia .drogara de Iter
thcdomwj ($ C.^rua Larga do "Rosario n. 34.
A 040 rs,
Vendam-se djnzla,.e'C4rretei de linha o S00
jardas ^lo.^wwfiu^ pr^o 4e.6W rs. a duna
islo s no Rival do Recite n. 50 A, ras do "Mar
que '
yn4rseuin eaUrioUrt' mmomo da-m
ro^as,, pintada d* wv ; nava, ver oa. roxeirai
do Sf. 'Fjfini rus-da rinos a U-alar na
roa d Fogo n. 80, ou da Pen^a n. 4.
Forradla.
Vende-se borrarba para limas da caeire: na ra'
deSuti*(ruin. L
MACHINAS
DE
COSTURA
Chegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, om sortimento de machinas para
costara, das melbores qualidades que existe
oa America, das quaes muitas j s3o bem
conbecidas pelos seps autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover di Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
qne com a vista devero agradar aos com
pradores.
Batas machinas tem a vantagem de faer
o trabalho que trinta edttnrelras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feigao como as mais perfeitas cosiureiras.
Garante-se a sua boa qnalidade e ensina-se
a trabalhar com perfeigao e.n menos de ima
aora, e os procos sio tio commodos qoe
devem agradar aos pretendemos
HESPERIDINA

Faz'oito anoos que cenbecido este precioso tnico, e difficil acbar orna pessc
qoe, tendo experimentado pessoalmenl?, n3o falle em sea favor, j como bom estomaca
e apetisador, tomando am calix della antes de jantar, on como faci'itador da digest
e apet
tomando-se depois.
ABASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, n5o ba nm s habitante do BRASIL (a tem
especial das laranjas) qne r_5c conhega as propriedades medicinaes da donrada frocta.
ora bem, a
em seu estado natural tem nm gosto ponco agradavel, e o mrito da Hesperidina
siste em reter saas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nao tem.nada qne vejar
melbores importagoes enropas de cathegoria semelbante. Estas, quando muito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinagSo perfeita do
AGRADAVEL E SADAVEL
Para prova de qua um artigo no qoal pde-se ter inteira confianga, por ser poro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorizada pela
MASCARAS.
Amaral, Nabuco G. aVisam a rapazeada car-
navalesca e aos habitantes do Cabo. Apipucos,
Iguarass, Casa-Forte. Lknoeini.Afogiidns, (iu\an-
iu, Sanio Anto. Nazaltlb, Vanea, 01 inda, Mo-
tocolondi c aos demais amantes do carnaval que
receberain um completo sorlimento ile mascaras
de papelo, sera, seda e rame, para qualquer
carcter ; e franjas, trancas douradas e piratea-
das, abelleiras, lanfejoul.is. voltas etc. Vnden-
se no Bazar Victoria, ra do Barao da Victoria
BAZAR VICTORIA.
Amaral, Nabuco & C. acabam de receber da
Europa pelo ultimo vapor o seguate, e convidara
as Exmas. senhoras a virem ver:
Rieas chapelinas para visita, de palha, Miro.
velludo e seda, a Rabagares Montpensier, ultima
moda.
Chapeos de palha para passoio.
Enfeites de seda, de cores c para luto, para cu-
oe^a de Sra.
Costumes de cambraia para Sra., contendo ves-
tyio, chapeo de cabera e de sol, tudo da mesma
fuenda e de iguaes enfeites.
Orles de vestidos de la e seda, de cambraia
bo dados agulha, pintados c estampados, c de
baptisias de cures.
Elegantes guarnicoes de cores para senhora,
contundo i par de brincos, 1 alfinete, i pulceiras,
1 diadema e una borboleta para cabello.
Leques de madrepcrola, branco e queimado cor
de rosa, laranja etc. etc. liso e bordados.
Leques de luartiin. lisos, bordadus e com seda,
laques de tartaruga.
Loques de madeUa, sso etc. etc.
Vendeni-se uo Bazar Victoria, ruajlo Barao da
Victoria n. 2.
Ta padaria alloma na ra da Guia n.
54, tem para se vender o segujut* :
rvilhas de tres difbneiitesqualidades, ei-
jobranco gran lu, repolboem barricas, len-
tillias, sevalinha 'l'crle, sagt'i, ameisas,
atacas e ccrejas seccas; tambera tem para
vender duas ixiUtin.as grande* com gandos
e bracos, alguns jmsos, duas rodinbasde me-
tal para carrinhode mi, unn forma e um
foruo para fazer hostias e obesias, c urna
bomba.
Xzinhas para vestido a 320
rs. o covado.
S Ba ra do Duque de Caxias n. 60 A. ouli 'o-
ra ra do Queimado, loja da esquina, de Bento
da Silva & C. _____________
Rival sem segundo.
Cheg rain apian para machinas, do fabricante
Cower & Baker. Dnzia por 2000.
T"
B
n
)1
T

t.Lriv; ix j i
Ex'-clleBte Vmcinli > inglez em latas de quatni
libias a 900 rs a libra : no armazem de Tasso
binaos 4 C, ra do Amonio n. :". _______
Libms stoi4iiias.
Vende-se no arrmzgm de fazendas de Anemia
F. de Oliveira fc C... na do Commeicio n. 't
Vendc-s o hotel Recreto de Mocjdade da
frguezia dos Atpgados, com poneos fundos, para
qualquer principiarfle : a tratar no mesmo, das 6
s 9 hora- da manha, e das 3 as G da tarde.
KNtnm e bhasii:
i 'iMitcfi 190 ai>t^M
com una carta de A. Horouliino. eolaboradn por
mui disnctos escriptores e escrqiteras do Bra-
sil, Portugal e Hespanha.
Acabam de chegar estes Altnanaks c acham-se
vend.a as livrarias Eeou- unica, ao p do arca
de Santo Antonio, e Industrial ra do Barao da
Victoria u. 12.
---------- ,, ,------1---------------------------<*z.--------------
Tvema. para vender.
Vende-se a taverna, sita ra de JoSo Fernn-,
des Vieira n. 2i,. muito propria para principiante
par estar bom lorasada. ova a arraagao, nJo
tem alcaides, tem ca?a de moradia independente,
3uintaJ murado com cacimba e diversas arroras
e fructo, garantc-se a.casa com um arrendamen-
to par seis aaaos; vejrfie-se com gneros ousem
CHe,
ven
veraa.
fc o ao comprador se dir o motivo'.por que se
io : a tratar no largo da-Santa Cruz n. *. fa-
i
.i
Vende-se a^avema prrnvtlSiMIparo n. !, em
Olinda, bem afreguezada, cora bastantes comino-
dos para familia : quem preteridla ptle dirigir
e mesma que.achar cora quem tratar.___
(jrraHftdMia
preta lisa e com' listras de serta ; a rosa branca
viodt muito barato; na f ua da Imprvalriz n. 5o,
loja de i portas c bj^Mcas encarnadas.
------------------
HYGIENE
do Rio de Janeiro, permittindo sua livre elaborado no imperio; outra
BOA PROVA
a acceitaco geral que tem em todas as partes onde apresentada. Em 1864 estabe-
leceu-se a primeira fabrica em Buenos-Ayres; em 1869 a segunda em Montevideo; e
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaoguroo-se a fabrica qco acloilmente
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceitaco.
tanto qae rara a casa qae considera completo sea aparador sem orna garrafa de

IIIIVIIIzI
O bomem velho toma Hesperidiaa para obler
VIGOR
0 bomem doente toma Hesperidina para obter


0 bomem dbil loma Hesperidina para obter
FORCA
Nos bailes as donzellas e os mocos tomam a Hesperidina para obter boa cor e
aoimaejo durante os loucos gyros da
ansa.
BARROS JNIOR & C, i roa do Vigario Tenorio n. 7, Io andar, receberam eat
grande especifico, e vendem-no nos depsitos seguinles:
Joaquim Ferreira Lobo, ra da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Gon^alves da Foflie, roa da Cadeia n. i.
Aotonio Gomes Pires cV C, roa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C, caes 22 de Novembro.
Gomes & Irmau hotel da l'assagem.
BARTHOLOMEU et C,a
Pharmacuticos premiados em diversas expsicoes
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMTICO ^
ESPECIALIDADE
Novo tratamento da Asthma, tosse, convulsa, defluxo catarrhaes, e tedas as molestias dos puknges
que tem feito importantes curas, e que hoje o nico acceito pelos melbores Mdicos. '"""--
DEPOSITO GERAL, 34, ra Larga do Rosario, PERNAMBUCO.



Cbitas de cores a 200 e 240 ris o covado.
Cambraias miudinhas, a 260 ris o covado.
Lnuziubas nudas e de listas, a 320 e 400
ris o covado,
Ditos de fil fazenda moderna, a 400 ris o
covado.
Cambraia transparente lina, a 3? a peca.
Rita victoria fina, o, 45? a peca.
Bramante de 4 larguras, a 1-5600 a vara.
Cftsemira preta fina a 1-7600 o covado.
Dinheiro
20Ra do Crespo20

Colxas decores, a l,?800 49 c 5-? urna.
Lcneoes de bramante a -2?uin.
Cobertas de chita forradas, a 3J e 3c00 um.i
Ritas de chita sem forro, a 19800 urna.
Cobertores de la, escuros, a 2-"?1 um.
Lencos de cjssa ambantiados, a 2? a duzia.
Toalbas alcocboadas, grandes, a -"1 a dnzL*.
Brim pardo trancado lino, a 400e i41 ris o
covado.
Chales de mcrinl lizos e estampados, a i*
um.
Brim branco de linho, a 15000 a vara.
Yenho antes que se acabis!!
Loja de Guilherne t da Cunlia ^ C.
Caleiras oratorias eoo ajenio oe ? oi-ui.a
105000 cali uro no eaes do ApcJlo, arraa-
ven de Taso lrmaos je C_________________
Mais deiles.
Anneis elctricas.
Daquelles anneis elctricos, to uleis para o
nervoso, e que a Magnolia, rua Duque de Ca-
xias n. 45 tem vendido porcTto e que por seren
os nicos veradeiros, muito tom aproveHado ;
pJo ultimo vapor veio nova remessa : elles an-
tes que se acabem. Na Magnolia n. 45, rua Duque
de Caxias.
TASSO' IRMAOS & C.
Em seus armazens rua do Amorim
n. 37 c caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos eormnodes :
Tijolos encarnados sextavos para ladrillio.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydnytri'iec.
Machinas d dewwrocar afodo.
f'MMbas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Thosplioros de cera.
Sag em garrafoes.
Sevadinha em garrftfte*.
Lentihas em garrtrtlw.
Hluim da aJmaica.
Vinhu do Pocio vtBw engarrafiid.'
Vinho do Porto superior, di o.
Vinho de : Vinho de Scl|erT.
Vinho da Va.lt**..
Potes com lingtfts-t dobraJ.T? inle;a's.
Licores finos sortidos.
jrftolhr mm.
i iBuctho rnjlez.
TOfliTfpcrno em sainiDura.
BICHAS DE MMBRG)
As mais recentas e melbores.
Vendem-scna pbnrmacia edrogaria4eBc~-
tholomou & C, rua T.ai-^a dosafio o Un. 84.
Ccrveji
A vcrdleira c -veja da liaviera, marca ban-
deira. de raperio P'-aliilade : vendein Tasso lr-
bhkis A C. em sr HBMM do rua de Amoriin
uume-r-) 3".
Vende-se a taverna da rua .** AconguiSriiti
n. 20, com poneos fundos, prtinria jura, iprin'ci-
plante, reparando a boa locafidade : a tratar ua
mcsmfc
Wbffm nitiite.
< l>iii m ptuMH. mmmdtm tr- uuMicb*
Ja (tcJIo.
Belleza lo rosto e brilho da
VMlose-i Mi oers* P I.eito. Funccca V
C : rua do Duque de Caxias n. 45.
Penurtuco.
y
a mm
CKarutos del
ivana
o essfi
ritnn,"



Muio de Pexnanibuco Ter^a eka 11 de feviexeka d 187 &

~

i
i
AC*0
IJjUA DO BARAO DA VICTORIA
'_Outr'ora NovaN. 7
PIANOS.
Acabam do chegar milito bons pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notaveis e bem co-
aecido-; fabricantes; como sejam : Alphonse
Wondel. Henry Hers e Pleyel WolfT A G. : no
vapor francez, ra do Bario da Victoria, m-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Bolinas de luxo e phantazi., brancas pretas e de
di tintes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas
Sapaiinbos com salto no rigor da moda, brancos
je cores para senhoras
uto Helios, de Suser e de- Polak, para ho-
Sapaws de cordavao Mili fpara homens.
liotinas pai'a ilumino de qtnlquer tamanho.
Penfetras e meias-perneir.u tanto para horneas
Como para meninos.
Sapatdes de Suser'para homens e meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens.
Abotinados de militas qualidades e precos para
meninos e meninas.
Sapatoes de verniz com sola de pao proprios para
sitios, jardins e bauhos, sortiinento para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, eaemira, -charlot avclludado,
de tranca prtupuez e francez.
No armazem do vapor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, ole, opiata e pos den-
ttilic.'. agua de ti r de laranja, agua de toile-
te, divina, .florida, lavande, pos. de arroz, sabo
netes, cosmticos, muitos artigos delicados em
perfumara para presentas com frascos de ex-
tractos, caxinhas sortidas e garrafas de diff1-
rentes tamaitos d'agua de cologne, tudo de ii-
meira qualidade dos bem condecidos fabrican-
tes Piver c Coudray,
No armazem do vaoor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sortimento que tem vindo de
mascaras de massa, de rame e de seda; nal iz
eom oculos, barbas etc., precos muito bara-
tos tanto iin grosso como a retlho.
Na armazem do vapor francez, ra do Barao di
Victoria, outra'oia Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas malas e bolsas para viagens de ir pr
de caminhos de ferro.
Estojos de viagens com os pertences necessau.
para barba.
No armazem do vapor fraicez, Bruaop arao
da Victoria, outr'ora Novan .7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napoleao e a Guilher-
me, peroeiras c mcias perneiras para homens,
e meias perneiras para meninas.
No armazem do vapor frailee1, ra de Barao
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
Carieiras de balanco, de braco, de guarnieres, so-
las, jardineiras, mesas, coa versad iras e costu-
raras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e os mais proprios movis para saletas c
gabinetes de recreios.
No armazem do vapor francez. ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
4rtigos le JiOereiites gostos c
Iiliaiitu? ius.
os para salas e gabinetes.
Loques para senhoras e para meninas.
Lavas de Joavn, de lio da Escocia e de ramurea.
Caixinhas tle costura ornad is com msica.
Uaos e ojuadriohos para relalos.
Caxinhas eom vidro de augmentar retratos.
Diversa* obras de coro boni de lei garantido.
CoiTtntes de plaqu muito bonitas para relogios.
Brincos liuiitacTto e botoes de punhos do. plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de couri-
nho de cores.
Noves objeetos de phantaziu para cima de mesa
ojioilette,
Pincenez de adres, de pratn dourado, de ac
tartanicra.
Oculos de ac lina, e de todas as graduacocs.
Bengala? de Inxoj carina, cotn castSes de marflm
Bengala-1 diversas em gramle sortimento para ho-
mens o meninos,
f.hicotnhos de bahia e de muitas qualidades di-
versas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartarnga para desembarazar e para
barba.
Ditos de marflm nmito finos, pira limpar cabeca.
Escovas para roana, cabello, unhas e para dea-
tes.
Carteirinhas de mailreperola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Grvalas brancas o do seda preta para homens e
meninos,
Gampanhias de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de domi-
n e outros muitos diferentes jogunhos alle-
mes e franeezes.
Malas, bolsas e saceos de viagoin de mar e cami
nhos de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mu fcil as
crianzas.
Argolinhas d.> marflm para as crianzas morderem,
bom para os dentes.
Bar os de vimes pan embalancar crianzas.
Cestinhas de vimes para lirado de meninas.
Carrinhos de quatro rodas para passeios 4c crian-
cas.
Venezianas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes para cundieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas cim escolhidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmeramas.
Globos de papel de cores para illuminacSes de
festas.
Baloes aereoslatieos de papel de seda mui fcil
de subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jan lar.
Machinas de varios systemas para caf.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vidriltios para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Ticas de molduras douradas e pretas para qua
dros.
Quadros j promptos com paysagens o phantazi
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objectos de mgicas para divertnnenlos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios eom lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
tamauhos, e outros raiitos artigos de qninmi
lharias (hfflcoig de mencionarse.
No- armazem do vapor rancez, roa do Barao
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedofi para meninos.
K inaior variedade que m pode desecar do lodo?
06 brhMjuedos fabricados em dlfferentes partes
da Europa para eniretenimento das crianzas ;
tudo a precos mais r sumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, ra do Biro
da Victoria, outr'ora lualova n. 7.
RireimATisHos
!lfnl|tii
In-
irtilw
i tmtnm "" ''Nmii^yHf SAUDE
DEPOSITO GERAL
' KA
Pharmachi e drogara
DE
BARTHOLOMEU & f.
34Ra larga do Rosario34
CISNTHIFUCM
Acaba de ser experimentado do engenho Fragozo oTpparelho fwr.*aprompUr,o ai
iucar pelo sy-terca Crntriiugo,
O
para
Olii'as de |iii;uilasi;i.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxiss n. 50, recebeu um bello sortimento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, com dourados e pedras.
Outros de n adrep rola queimada com bonitos
enfeites de delicadas flores.
Outros c"c fln i dourado cem p nge les de cores.
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com pedras brancas, [
Aderccos d niadrepcrola.
Ditos dourados com camapheo preto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando folhas e flores naturaes.
Ca soletas de madreperola
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras de ditos pret s com donrados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Granipos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com po-
dras, coral etc. para abertura'de eamisas.
Botoes dourados c de oulras qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinlias
bordados.
punhos
A loja da Aguia Branca ra do Duque de
dt Caxias n. 50, recebeu novas gollinhas e pu-
n os bordados, e outros enfeitados com entremeios
e bicos ; assim como recebeu igualmen e novas
gnarniedes de grvelas com franjas e lacos para
os cabellos/ludo do melhor e mais mod rnos gos-
tos.
Bonitos loques.
A loja da Aguia Branca, a ra do Duque de
Caxias n, 50, recobeu bonit s leques d perfeita
poantasia, pie o com dourado?, e outros de ap-
ralos gostos; assiin como recebeu ou ros de ma-
doira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n c ntro, e ainda assim ven-
d estes pelo barato preco de 4000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Banca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitas garraflnhas de crys-
tal em par com ramagens douradas e mui pro-
prias para arranjos de toilet, ote,
Anneis e colares elctricos
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares elctricos, e continua a recebe-los
mensalmenle, pelo que sempre estar provida de
tacs objectos.
Diademas dourados,
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias n.
30, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedras c aljofares, obras de gos-
to e phaulasia. Tambem recebeu novos grampos
pretos ou allinetes com flores para a cabeca.
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos leques com bouquets e outros chinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'aguia branca a ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu cold ceme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legram e Condray.
Diademas e grampos de
ac,o.
A loja da aguia branca, a
Caxias n. 50, receben novan
mas c graspos de ac.
Bicos de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, rna do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
seda pretos com llores de cores, sobresabindo nel-
les o preto com encarnado, e todos mui proprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadino, ou medina, e outras fazendas transparen-
tes. Pela commodidade dos presos esses bicos tor-
nam-se na i comir.odo,s e pela novidade de gosto,
preferiveis a quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, c outras a imitac,ao de
croch, e vende-as pelos baratos procos do 33,
4 -i e 6000. A fazeuda boa e est em permito
estado, pelo que contina a ter prompta extrac-
to.
Diademas e aderecos de ma-
dreperola.
A loja da Aguia branca roa do Duque de
Caxias n. 50, recebeu urna pequea poro de
diademas e adereces de madrepOr Jla, obras do
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Velbutina de todas as cores; s na roa Duque
de Caxias n. 60 A, loja da esquina, de Bento da
Silva A C.
Perfeita novidade.
Orampos com borboletas, bezouros e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, roa do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
boletas, bezonros c gafanhotos, o que de eerte
perfeita novidade. A quantjdade pepuena, e
por isso em breve se acabar.
E* mnito simp'es.
Tira se a melidara das taxas de coser, botea-se dentro de qualqaer vasilha
ooalbar.
. Logo que esteja coalhado passa-se para o apparelho em partidas de 3 1/2 arrobas
de cada vez.
Seodi asim che io e poiio em movimento, dantro de 5 minutos estar o assncar
prompto e em estado de ser logo remettido para ser vendido.
0 resultado
Foi fazer-se de 4 t/ pies de assecar 2( arrobas de somenos i.* sorte. O mel
ixtrabido pelo apparelho tendo sido em nada prejodica Jo pelo processo que soffreo, sa-
bindo mel d'engenbo e na > mel de faro, prestoa se a ser novamente cosido, dando no
apparelho assocar de qualidade e poseo inferior ao do i." processo, dando alm disso
mesmo as formas tai bom resoltado como se fosse passadu lago das laxas pera as mos-
cas, aproveilaado-8e assim. mais melado do mel do qoe com o antigo systema.
Sendo tao evidente as vantagens produzidas por semelbaote apparelho, o qoe pe-
der ser verificado pelos proprios senbores d'engeoho, esperam os proprietarios do dito
ipparelho, depois do cisco que correr com semelb.an.te experiencia, merecerem a pro-
'.ecro dos Ilustrados senbores d'engenbo.
A' tratar com os Srs. Samuel l'o-ver Jobnston & C, i roa do Apolh ns. 38 e 40.
roa do Duque de
bonitos diade-
ARMAZEM DOS LEOES
Ra Duque de Caxias n. 29.
Os proprietarios deste bem montado estabelecimento scientificam ao
i-espeitavel publico desta provincia que se acbam com um variado e completo sert
ment de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos por um doi
sosios que se acba actualmente na Europa. 0 mesmo tem contractado com os melboret
fabricantes daquelleconlinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem que ve*.
nham visitar o estabelecimento, aonde oncpntrarao a resudado do que acabam de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobias de Jacaranda, mogno, faia, carvalbo, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., goarda
vestido de amarello, guarda louca de nogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de Jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias da Jacaranda a mognoous tureiras ae mogno, san.
tuarios, thears para bordar, berros, lavatorios com espelho, de pedra marmore e sena
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos que deixamoi dt
mencionar por se^icrnar enfadonbo
IZE0 DE JOIAS
N. 4 Ra do Cabug N. 4
*JOSEPH KRAUSE&C.
GOMES DE MTTOS, IRMAOS
ffeso importante estabelecimento do primorosas joias, achara o respeitavel
publico desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
preces, queja existiam no Muzeo, que sero vendidas com grande reduegu
de preco, alm dos novos objectos recebidos directamente da Europa, que
se vendero por preco animador, bem como sejam, aderecos de brilbantes,
pulseiras de ditos, broches e r,osetas de precos; aunis de brilhantes e de es 'das, rubins e perolas, e de todos
mais objectos de valor, que possam sei ,udospeIo bom gosto e apreco das
familias, que sabem dar valor a objectos de primor.
Os proprietarios do MUZEO DE JOIAS, convidara as familias que se
queiram prover de excellentes joias, a vireto escolhe-las entre o variado
sortimento dellas, garantindo os proprietarios que sero sinceros para todos
que sedignarem procurar seu estabelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obea
simplemente de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de-
prata primorosamente trabalhadas, que tambera se vendem pceco reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores couhecjdos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisarem de qualqucr objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MUZEO DE JOIAS, que sero servidos com
attengao e sinecridde.
$k~ ^ lgico!
A cosinlia, a dispensa, os a-
Wasraras.
Mascaras.
Acabam'ileehegar cr ndes facturas de maca-
ra com todos os sortm eota% para vendnr-so em
gMMD a a' ialhr: nc anr-aiem ito vapor Iran-
ch, ra do Bario da Victoria, outr'oraNova n. 7,
Tij alas franeezes sextavados
De 4.V-OOO a 5.V-000
o milkeiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vcraelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para iadrilhar os pavimentos
trreos das casas, porquanto,jwuco mais distan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
olguma, superiores a estos pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custam alm disto menos da
decima parte dos de inarmore, j reprovados, e
dos de differentes mosaicos, os quaes nao estao
certamente ao alcance de todas as imanas, e s
sao empreados o proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem que ba no emprrgo
destes tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de pcrem os mcHio-
ros e mais proprios para Iadrilhar cozinhas nos
sobrados da cidkde, attento a sua solidez e pouco
peso, estando mai quo provada a couveBienca
de serem assoalbadas as cozinhas toda1- denljolo,
e nao so a parte junta ao opao, no que at as
cornpanhias de Mguros se deveriam mteressar.
Vendem se nos armacens de fannha de Tasso Ir:
maos H., no caes do Apollo__________.
Vende-se, arreuda se qb pernmto-se, por-
trras que sirvam para planta canoa, omapadaria
sita no pateo da feira no povoauo dos M>. ntos; a
tratar com seu prnprietario.no mesmo povoado; e
para inCormacoes, com oi'Srs. Rocha Lima & Gui-
inaraes, ra do Bom Jess (outr'ora da fjruz) n.
6, ou eomoSr. Nicomcdes JHaria Frdr, no
Caes do Apollo, n'*4a dad. ,
~ Vende-so o? doijs bem conhecldos bois e
carros do finado Antonio de Aeeveio Jnior : a
tratar na ra dos Guararapes" n. 14.
ECOXMIX^E "CELERIDAD
Obtem-se com o uso
DA
INJECgAO SHOST
nica, hygienica, radical e nfallivol nacu-
paradoreS e a mesa. radasgonorlteas, flores br>uicas efjujtos de
r toda especie, recentes ou chronicas; e que
hs^^r^mL^S.SSr0 seus ^^ fQr<:ce como garanta desalutares resultados
bios necessariamente devem roceber em sua ca- ,. ,
sas algumas visitas na veepera o dia da festa da a continuada apphcaco que sempre com a
padroeira daquella fitjguezia e por isso preciso maior vantagem se tem feto della nos hos-
que de antemao se fa^a una gi-ande revolucao pitaes de Paris.
augmentando, sortindo e recheiando a cozinlia,
a dispensa, o aparadores e mesa (j se sabe,
com iguarias gratas ao paladar) sem o que nao
se pode passar um dia folgazo e regalado.
Queris que principie a vos ncar um mei
fcil para conseguirdes fim a que vos deveis
propor para transformares, augmentares, sornres'
e rechciares as vossas cozinhas, dispensan, apa-
/tadores a uiesas ? nata mais- fcil...
t
B.AZAB
_______NAllIONAL
RUADAI1BPEMTRIZN.72
DE
Lonrenp Pereira Mendcs Giiimares
VIVA O CARNAVAL
Vende-so um grande sortimento de domi-' GItOSDENAPLES PRETO A 2-^00
nos de todas as qualidades, para homens Vcnde-se grosdenaple preto a 2-?, 2^500,
meninos, a preco de i#, 3??, W, 55?, 6?, e 3-*500 e 55?000 ocovado.
83000. PANNO PRETO A 19800.
Vende-se um grande sortimento de vestua- Vende-se panno preto para calcas o pali-
rios a carcter pelo barato preco de 59, 8?, tots, a 1?300, 20500, 39, 19, i
105, 15J5, tambem se alugam.
Vende-se um grande sortimento de masca-
ras le massa e de rame para homens e me-
ninos por baratissimo precn, e outras fazen-
das proprias para vestuarios: aqui se vende
muito barato.
OLODENSE A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda de seda c li-
nho, por nomo olindense, propria para
vestidos, a 640 e 800 rs. o covado.
R.VPTISTAS A 500 RS.
Vende-se urna nova fazenda por nonic bap-
tistas, para vestidos, a 500 rs. o covado.
SUTANAS A 610 RS.
Vende-se urna nova fazenda de la e seda
por nomo sutanas, para vestidos de senho-
ras c meninas, a 040 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda lisa, por no-
me phaotasia, para vestidos, a 800 o co-
vado.
FISTAO BRANCO A 320 RS.
Vende-se fusto branco e de cores, para
vestidos desenhora, a 320 e OO re. o co-
vado.
(HITAS FRANCEZAS A 20 RS.
\eude-se chitas francezas escuras e claras,
a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A i^OOO
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura, proprio para lencfas, a 19600,'e
29200 o metro.
1 *1SLh, '1JU" ''iSLC* f9k
Aderecos de bri-
lhantes, esmeraldas
rubins e perolas,
voltas de perolas.
covado.
CORTES DK BRIM A I9800-.
Vende-se corles de brim para calc, a
19800 6 2900.0,
MADAPOLAO A 35000.
Vende-se pecas de madapolao, a 39000,
49500, 59, 09, o 89.
chapeos di: palha a 29000.
Vende-se chapeos de palha, do feltro c
cast'tr, para honiens e meninos, a 2*, 29506
39 e '9000.
AI.GODO -A 49000.
Vende-se pecis dealgodio americano,
59, e 09.
BOTINAS PARA SENHORAS A 59000
Vende-se botinas pura senhora, a 59000.
e 59800.
CAMBRAIAS A 39000.
Vondo-so pejas de eambraias lisas pai
tesdos, a 39, 19, e89.
CAMISAS BRANCAS A 29000.
Vende-se camisas brancas a 29 e 29500.
Ditas de linho a 39, 39800, 4900 e
5-000.
Palitotsde panno preto a 89000, 7r()"
89000. Pahtots 'I" casemira'de coros, a
49, 59, o 89.
CHALES A 800 RS.
Vende-se chales de la, com quat -;e lis-
tras, a 800 rs. e 19000, ditos de merino es-
tampados, a 29, 39500, 49 e 59-
E outras murtas fazendas que se vende
sem reserva depreco, na loja do barateiro
Bazar Nacional.Ruada lmperatriz n. 72.
Obras de ouro e a
prata de todas as
qualidades.
N. 2 ARa
i
Ide a ra do Imperador n. 24,-
onde vires urna casa com a fren-
te pintada de encarnado, tendo um hunpeao pen-
doleado, cujo letreiro se-l o segainte : -*:Confei-
taria do Campo.
eUal... ella!... alia....
Ahi de ve-se entrar e encomuiendar para eada
casa o seguinte:
1 Pianibre preparado.
1 Bolo inglez.
i Po-de-l.
i Pudin de pao, arroz ou taptea.
1 empada de carflro otr gtnKnha.
1 Torta de fruett. |
ICO pastis diversos.
i Per asiado ao forno.
1 Peixc idem idem.
1 Gatheamt d la reine.
Vinhos, cerv^a^, licores, bolachinhas, botnfeM
para cha, cha verde superior, itewrs IfQS- aaaei-
xas c tudo mais que mesmo. imposaml Sem-
brar.
S nella, s nella.
Na confeitaria do Campos. ,
Unicu deposito para o Brasil, Barthoiomeu
& C, ra Larga da Rosarjo n. 34. ____'
CARNAVAL!
Borracha |>ara linas.
Venue-e borracha de primeira qualidadfl para
limas de cheiro, nos seguinteS lugares : na phr-
macia Central ra do Imperador n. 38, na l*-
ma vox a. Si e no pateo a motriz de Santo An-
tonio 4 por prggp razyel
Veaeawe ao weraf8, nas om tiabili-
d*4es e outFas sem aUasvdeUa 32 annos, bem
como dous pretos de 40 anhos, xxjbustos
de Heras n. 96.
na ra
Casa em oOknda.
Vende-se urna casa em #imdfl cem commodos
para familia, amuitopetto dos banhos sajgados '.
a t atar na rna d imperador n."K, armazffl" de
droga e tiattt*. '
CabugN. 2
DE
BARHOS A ril.H
Achando-s completamente reformado este estabelecimento, c
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisicao de
joias as mais modernas viudas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer una visita ao seu es-
.tabelecimento, afim de apreciar c comprar urna joia de gosto por
proco razoavcl.
CHAPE1ERIE DES
16Ra doltaro da Yieloria-16
A este ostabelecimento acaba de chegar grande novidade como eja : chapelinas de palha e de
gorgurao ricamente enfeitadas, chapos de palha de Italia formas as mais modernas, grande sorii-
meuto de chapeos, chapelinas para luto e tambem as muito procuradas meias chapelinas de que
havia tanta falta no mercado. Recebeu tambem diademas de ajo e de metal dourado e grande sor-
timento de borboletas e flores de metal dourado em grampos que vende de i at 12* o par, porlanto
pedimos as Exmas senhoras que queiram visitar nosso estabelecimento que uellc encontiarao mulls
objecin de. gosto.

.KltocO gpsto.
Cao>irfts#r^s.A>uta4s.*m'chead
;.^,{arm*ew de Tasso I
'
1.
wJ tripas e'di;bra1 da v#ec iogl_ 4*000
sda om : do armazem de Taso Irmlos k C,
ra io Aroorin n. 87
"Machinas, para limas.
Vende-se ptimas,' e muito convenientes para o
fabrico das mismas : na ptiarmacia de' Perreira -
AC, ra larga d'Rastrrio n. 10, c na praca do __
Gande d'Kun '), casa de Sr. Antonio M. TFcr- Borracha para liuiaM al^OOO.
reu-'a.' I Na rta velha de Santa'Rita n. 80.
muito barato.
Samuel Power Johns-
ton&C.
[Ra do Apollo n. 38 e 40
Fzem aeienta aos seos freguetes que teem
mudado o seu deposito de machinas a va-
por, moenats e taxas da muito acreditada
fabrica de LowHoor para ra do Apollo o.
38 e 40, onde eonunuam a ter o mesmo sor-
timento do costme.
Faxen sfiienie tambem que team feilo om
[arraojo oom a fundicao geral, pelo une fo-
dem offereeer-sa para assentar qualquer
machmi?oo e mesmj garant lo.
Apparelho para aricar f^gjff^^
nicos agentes em PernaniDiico a fundido geral.
Para tratar em seu escnpiorio a roa do Apollo n. 38 40.
Os proprietarios da fodigao geral fattin
scientes aoa senhoras de engenbo e mais
pessoas, qoe teem eslabelecido orna Inndi-
cao de ferro e brome a ra do Bruna, jus-
to a e.tacio 3s bond9, onde aprootario rq
qualqaer obra de encommenda com perfei- '"
(o e promptidio.
Os mesmos rogam as pessoas qua quei-
ram ntilisai se de seos servicos de deixa-
rem as eneommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Pi wer Johaston & C a ra do Apol-
n n. 30 e 40, ande acbarao pensoa habrii-
:ada com queui possam eaieodar-sa.







8
*n

TABIEJ^K
Diario de Peraambuco Jer^t feira 11 de Fevereiro de 1875.
-ae:
AS i 1*1 \ II **
(Concluso)
0 que vossemece. lleve fazer adasabba-
dos que eu fa^o : ir a oiliciua hora ilo
pagamento e>recebo? fresquinho a loria la
.semana. O'fillia, dos beifl sabemos O que
oshomens sao por boas aquellas que tc-
nham; se a gente nao lhes -pucha a riea,
mal receben a fihril jmitMMe quatro ms
caberas, e em beb rom alguns decilitros, e
emcasUuilias assadas, e na jogatina gastara
metade do que a nullijf cst esperando,
adita, sabe Deus como, e depois nos
que nos vemos nos apuros, porque elles'que-
rem-n'o ah todos os dias, e nao se importara
saber donde ella venha. E depois, fillia, os
jomaos sao pequeos e as necesridades ile
urna casa sao grandes ; e mais as compras da
manha, e inais o carvoriro, o mais o agua-
deiro, e mais o tendeii o, o inais as lmhas, e
a^ agulhas, e os cigarros, e urna gottinha de
vez om quando, porque simal, quera traba-
Iba e nao vai s tavenias, nao lia de beber
sempre agua... Olhe, elle gasta-se sem se
sentir, e s vezes urna quebra-caboea para
poupar cinco ris... Ora. j v vossemece .os
milagros que urna pesoa pode fazer com
tres tostos que o meu Luiz.ganha...
Ai, sen hora, seisgauha omeu, caqui
nos-lem, elle s com oque traz em cima de
si, eu descalca de pe' o perua, e os pequeos
quasi como sua mi os poz no inundo. E
depois o tendeiro e o carvoeiro e nao sei
quantos nais, naodeixam aha>porta; por-
que, lilha, que bao de os homens fazer, se
ha uin secuto que nao veoni real ? E para
remate da funeco, nein nina noite sequer
nos deitamos eni paz e graca do Senhor. De
modo que me vou pondo mesiiio un grvelo
porque nem como, nemdurmo, nem socgo.
E' p que lhe digo, vizinha, podia fazer-se um
romance de tudo o que me succede I
-----Mas lilha-, porque nao faz o que lhe
digo ? Porque nao vai para a oflicina no
dia do pagamento?
Sabe l o que est duendo, senhora 1
C o meu ento, que para isso de boa ca-
tadura Era capaz de mj dar turnanbo
poutap que me arrebeutasse !
= Ave Mara I Pois hacia de bater na
senhora ?
Ai, lilha, bein se conhece que niio
sabe da inissa metade I Faz amanh oito
dias que elle rrte deixou o corpo mais negro
do que csse vestido !...
Deus nos acuda Jess, que homem
tio> mau E nao ha urna costa d'Africa....
Vamos, senhora visinha, mais deva-
gar, que meu marido nao rotibou nada
ninguem Yeii in taboca, la isso tem, e
deita-se arrastar por outros desaliados;
raas homem de betn s dircitas, isso .
Cale-se, cale-se pilas chagas de Chris-
to, que preciso ser uina papa-assorda pa-
ra o defender anda Ai visinha, se ver-
dade, como os coufessoros dizom, que no
psato ondeS. Miguel pesa as almas se poem
as lagrimas que urna pessoa derrama n'esta
vida, quanto temos ganho para com Deus,
nos as mulneres dos pobres 1
E' verdade, senhora hidra, e especial-
mente as que nao demos com um homem
comooseu.
Rebentam de alegra as lagrimas a senho-
ra Izidra, e enxuga-se com un pedaeo do
a-.eiital. Nao teudu a sen lado o marido
nem os filhos para desaffogar nelles a sua
ternura e a sua felicid ule, acaricia com a
mo o papagaio, c exclama :
Bcmdito seja o senhor, que tanto
ventura me deu sem cu a merecer O meu
Lilia, senhora Rila, vale quanto pesa,
f.lle nao entende de papis; mas vem-lhe
l do coraco o ser bom, e devoras ; por-
que eu estou pelo dito dclle os homens e
as mulheres casam-se para supportarem jun-
tos os pezares deste mondo, (pie sao carga
muita pesada para um s ; e o homem, que
< mais ferie, tem de metter hombros, do
lado donde mais pesa a carga, e alm disto,
amparan mulher quando varilla, o dar-lhe
a mao quando tai. Um dia fomos ao campo
meu marido, meus filhos e eu, c vai seno
quando, lilha, um sugito muito engravata-
porquo' nlo. O
met Luiz, que nao pode ver fazer mal a
urna mosca, e que todo ellesepo urna pl-
vora om vendo tal causa, acode logo com o
mou pequenito pela mo, e diz ao tal su-
grito:
Meu senhor, queira perdoar, masdiga-
me: acha que seria cobarda que vosseme-
ce ou eu prncipiassem a esbofetear este pe-
quenito
Est claro.que serii, rosponde o ho-
mem.
.Pois fique o senhor sabendo, disse o
meu, que to codarde bater n'uma mu-
lher como bater n'uma ereanea, porque as
mulheres sao cranlas crescidas, e Deus
creou os homens.para amparar as cranlas e
nao para as maltratar.
Ai lilha, eu eslava que um suorse me i a
e outro vinha, cuidando que o homem fosse
s ao cabo ; mas imagine vossemece como
todos ficaramos quando o vemos estender a
mao ao meu senhor, com as lagrimas a sal-
tarem-lhe dos olhos e a dizer :
Tem o senhor muita razo. e a lico
jjue me den nao a esquecerei em toda a
vida.
A menina, que v isto, estende a mao ao
homem, como que perdoando-lhe; vao-se
por all fra de braco dado mais alegres que
urnas paschoas, e nos ficamos como na glo-
ria. Olhe, visinha, se nao estivesse all
gente, tinha comido o meu l.uiz aos bei-
jos!
A senhora Rita desata a chorar, excla-
mando :
Ai, senhora visinha, senhora visinha !
Muito pouco juzo temos nos, a maior parte
das mulheres I Queremos aos homens pela
cara, c nao pela boa alma !
.. Ora adeus, visinha, vossemece nao tem
culpa do que lhe succede. Essas cousas,
Deus que as faz, e cada qual ha de
armar-so de paciencia, que mais tempassado
o sol no Algarve. Mas, voltando vacca fra,
o que eu faeo aos sabxados ir tardiuha
para a oflieina, assim como quem nao quer
a cousa, para sabir ao encontr do meu
l.uiz, e viniKis juntos para casa, porque
mosmo por elle ser mais bom que o bom
melo, e preciso evitar que o distrahiain
quatro inlctrefes, porque como o ou-
tro que diz, a occasio faz o ladro.
Isso nao,- ir buscar o dinheiro da mao
do mostr, isso nunca o far hidra Mar-
lns, que seria envergonhar o meu l.uiz,
e a mulher honra ha do dar ao marido, que
nao tirar-lh'a. Pois visinha, vimos ambos
para casa a ver as lojas, e d'este feitio nao
chega ospalifada a feria da semana, porque,
lilha, o meu l.uiz ludo cobica para sua mu-
lher e para sens filhos.
Olha, queras que compremos esta
bella para o Sevenano ?
Nao, queja outro dia lhe fiz uina de
panno, que pulla at ao tecto.
Mulher, csse lene/) da cabera est to-
do esboracado ; queros que eu compre um
d'aquelles, tao bonitos ?
Filho,deixa-te de lencos, que este an-
da est quasi novo.
Vamos l, sua golozinha, coimas ago-
ra uns pastellinhos d'aquelles ?
Nao, filho, nao ; n'esta casa fazein
nial os pastis.
Olha que agulheiros tao engranados
esto acola. Espera, que vou comprar um
para a Eniiliuha.
_ pcixa l isso, homem, eu lhe darei
um dos meus, que s*o melhores.
Queros entrar n'este botequim a to-
mar um copo de qualquer cousa ?
-.= Nao, Albo, nao tenho vontade de be-
ber cousa nenhuma.
m
j donde
HB*Vft. aude ir
sempre remendadinbos e limpos como o sol
de Deus. Depois vio" todos missa ; d'ahi
preparamos um pedaeo de carne assada ou
urna gallinba cozida, e vamos come-la para o
campo, oumo havemos de fazeramaam, se
Deus quizer, e como fizemos ha orto dias.
Ai, filha, est o campo to bonito, que at
faz inveja nao morar l sempre I 0 que os
meus traquinas se fartaram de correr 1 O
que o pai brincou com elles, coitado, todo
baboso pelosseus queridos filhinhos 1... M
grabas que o meu Luiz disse! tem cada
lembran^a O que elle fez rir coin a graca
que Deus lhe den, anda que me .estej mal-
dze-lo, una bous senhores que estavam
nossa lharga O que ou mesmo ri e saltei e
prinquc n'aquelte campo Ai filha, a gente
havia de ter vergonha de louquear assim
n'esta idade, queja nao sou nenhuma creau-
Ca ; mas que se lhe ha de fazer, filha I Quan-
do o contentamento nos brinca no corpo,
temos nos de brincar tambem. Ao, cahir do
sol compramos laranjas aos pequeos, o meu
Luiz e mais eu agarramo-nos pelo braco
como uns namorados e tomamos o caminho
de Madrid, os pequenitos a atirarem laranjas
por all fra, e omeu Luiz e eua oantar-
mos mais alegres do que urnas paseboas flo-
ridas.
Isso sim, senhora hidra, isso a felici-
dado, e o mais sao historias Isso viver
como Deus manda, o nao como nos vive-
mos ,
Filha, o que diz o meu homem : bas-
tantes pezares e trabalhos d Deus no mun-
do, sem que urna pessoa os augmente com
fainos e doudices. O homem e a mulher nao
se casaui para augmentar as penas, easam-se
para as diminuir. Pois, o senhores, ha um
apuro qualquer ? Fagamos por sabir d'elle
em paze graga de Deus, fazendo cada qual o
que pudor da sua parte. Mas filha, com
todas estas palvices, nwais de meia noute, e
eu estou aqui tagarelando que nem um papa-
gaio, sem me lembrar que amanh domingo,
tenhodeioadrugarparaavranjarafatnfliamiu-
da. Veja, visinha, veja como este animalsi-
nho de Deus- est contente 1 Meu loirinho I
Olhe como se desfaz em festas I E' o que eu
lhe dizia ainda agora, filha-,osaiiimaesiubos,
fra a alma, sao como as pessoas.
Ai nao, senhora hidra-1 Os animaessi-
nhos tomam apego Vjuem os trata bemr e
nem todas as pessoas fazeni isso' I
Luiz diz il cama com entonaco caii>-
nhosa.
Izidra Que ests fazendo ao relento-,
filha ? V se te-constipas !
Ah vou, querido espozinho, ahi vou I
Ta -nao sabes estar sem miro !' Ai, filho, s
mais tontinho
Joo bate porta da ra soltando cada piv-
lavradM, que fez tremer as carnes, e swa
mulher, a Sra. Rita, responde-lhe ;
Eu vou j abrir 1
Abrir-te vou eu de meio^a meio, mas-
a cabera I V se te avias,,roinha esta... rai-
nha aquella...
O Antonio dos versos, que se vossemecs
nao o conhecem, um pobre ceg que ve al-
guma cousa, ajoelha-se no seu triste apo-
sento depois de ter ouvido a palestra das
suas visinhas- e esclama comas lagrimas nos
olhos :
Oh 1 santo archanjo Miguel I Sim, sim,
deita na balanca dos .descargos s lagrimas
de dr da mulher do pobre-, brutal e mau, e
deita tambem no mesmo prato as lagrimas
d'alegria da mulher do pobre, delicado e
bom I
(Jornal do Comm'rcio de Lisboa.)
i al na<
------
E assim vou levando para casa o meu
Luiz ; mas sabe oque fazemos antes de su-
bir ? Compramos meio kilo de carne de
porco, o emquaiito eu a frijo c d'um corto
modo, que d'uma pessoa comer at os de-
dos, vai o pequeo buscar urna garrafa de
vinho c criamos como uns principes. E por
isto que os meus ptquenitos toda a semana
levam perguntaudo : mi, quando sab-
bado ? mai, quando domingo ? No domiii-
o levantamo-nos todos muito cedo, prepa-
am-seomeu l.uiz e os pequeos... Galas
FOLHETIM
-iVlIIdl
KLO
VISCONDE POSSON DU TERRAIL.
TERCEIRA PARTE
O |inlnt*o de ossac.
CContinuaco do n. 32).
IV
O senhor de Nossac j nao era o homem
de ha pouco, o louco doentc e opprimido,
de olhar triste, e voz vagarosa e lgubre...
Era um fidalgo de elegante presenta,
com o sorriso nos labios, o olhar brilhan-
, te, a palavra breve e espirituosa, o gesto
rpido e gracioso.
Despio o seu vestido de mandarim c ap-
pareceu aos olhos de seus hospedes, vestido
com um rico gibo cor de ce:eja, com la-
ros azues, do meias d(! seda escarate, ca-
misa de fina renda, empaado, com urna
mo no bolso do seu gibo e a outra no
punho de urna pequea espada de corte,
passada ao tiracollo.
E' encantadormurmuraran as mu-
lheres.
A' mesa I disse o baro alegre-
mente.
Apezar dos fnebres ornatos da salae
dos esqueletos que nella oceupavam o lu-
gar de- candelabros, foi essa urna alegre
festa, urna orgia elegante e aristocrtica, co-
mo a wgencia s as tinha sabido fazer, e
cu jo SOgredo se perdeu, com. os ltimos
companheiros do duqu3 de Orleans.
Os manjares e os vinhos desappareciam
como por encanto.
Ao passo que as faces dos convivas se ru-
berisavam, as palavras tornavam-se mais
vivas, mais ligeiras, mais espirituosamente
libertinas.
P_or murtas vezes, s viran os convivas
a ponto de apagarem as luzos e de inunda-
rom os candelabros esqueletos com as gar-
rafas que ainda estavam cheias. As mu-
lheres desmascararam-se, excepto urna
unica.
Bella mascara disse-lhe o baro
moitra-nos o teu fresco rosto.
Sou paluda-*-disc com frieza a mes-
cara.
Ora!...
O brilho das Iuzs faz-me mal.
Por que s I bella nwscara insis-
riram muitos homens,juntando-so ao bato.
Se assim o quizeremdisse a mascara
cora SOCOgOretirar-me-hei.
Ilum !pensou o baro estou tra-
hido. E' urna mulher da corte, que se
introduzio entre estas meninas.
Baro exclamou de repente o mar-
quezquanto te custa a tua ceia.
Pergunta-o ao meu mordomo.
Baro, arruinas-te.
Isso importa-me pouco.
Tens razo.
Porque ?
Porque d'aqui a dous dias, quer te-
lillas cem mil francos de renda, quer tres
milhes de dividas, nao sers mais rico nem
mais pobre.
Como ?
Lcmbras-te d um paragrapho do tes-
Umento de tua mulher.
De qual ?
Daquelle que te obriga a tornares-te
a casar antes de possados dous annos, para
conservares a tua fortuna ?
E' justo, nem nisso pensava. Pois
bm I esse prazo...
Expira depois de amanh, baro. S
tens vinte e quatro horas para procurares
mulher.
Nao quero casar-me.
Ora 1 e porque ?
Porque amo minha mnlher disse o
baro.
As mulheres desataram a rir.
Os mortos sao excluidos da questo
murmurou a mulher mascarada.
, Julgas sso, bella mascara?
Sem duvida.
F triste, barodisse o marquez
triste o yer-seuma fortuna como a tua Yoltar
para um sogro imbcil e para sobrinhos
desconhecidos.
E' verdade.
Eu, no teu lugar, preferira casar-
me, fosse com quem fosse, eat...
Tens razo ; tenho desejos de procu-
rar mulher immediatamente. Estarei mor-
to dentro em oito dias, e farei, morrendo,
feliz urna mulher.
Muito bem.
Quem quer casar comigo ? *
As mulheres olharam urnas para as ou-
tras, depois, exclamaram todas ao mesmo
terapo:
Eu I eu I eu I
Nao estamos na Turqua murmu-
rou o baropermittam-rae que faga um
oscolha. Vamos, senhoras, mostrem-so
oscolberei a mais formosa !
ASSEMBLEA GERAl
CMARA DOS DEPUTADOS.
StSSAO EM 30 DE JANEIRO.
(Continuac^o)
Emquanto perdurar o actual gabinetet os
conservadores desta cmara nao podem se-
guir caminho unidos sob a mesma dirccQo,
ainda que desejem todos viver nos mesmos
arraiaes e sob a mesma bandeira. Entre i
e outros so interpe o ministerio, que a
vic^o, a honra poltica e o pundonor m
permittifflpoiar e no quaTTfto podemos
confiar. Como ha de realisar importantes
reformas um gabinete que oncontra em seu
proprio partido vigorosa opposic^o ?
Encontra ainda a oppsiijo daquelle ban-
co (apogUndo para a direita), que, se conta
simiente-seis a sete votos, a forija delles' nao
est somonte no carcter, nos talentos e na
illustraco; mas no partido liberal, cuja idea
representara.
Tem ainda o ministerio diante de si o par-
tido radical, de qtiem elle o principal au-
xiliar, a quem d vida com sua poltica,
com os seus actos condemnaveis, para quem
recruta todos os dias novos proselytos, as
fileiras liberaos e as do .proprio partido con-
servador.
Nao para descuidar esse adversario de
que ha dias fez to pouca conta o nobre mi-
nistro da agricultura, porque entre os adep-
tos da opinio extrema vejo muitos caracte-
res bons e sinceros que, desengaados de tu-
do, para ella se voltam.
Nao elle para desprezar, porque j tem
alguma disciplina, procura organisar-sc e j
apresenta 23 orgos de publicidade na im-
prensa do imperio.
O Su. Ministro d.v Jus-tica -.Vv. Excs.
que do corpo a ello.
O Sr. Pereir.v da Silva:E' o minis-
terio com a sua poltica o com seus actos.
O Sr. Fehreir.v Vianna : -Que digan os
lavradores de Campias.
(Ha outros apartes ).
Sr. Paulino de Souza sAssignado
apenas o perigo para ser a teropo conjurado,
dando-se ^jsfayao s aspiracOes da naco.
Nesta snSaco, Sr. presidente, qual ser
o apoio quepde encontrar o irmnsterio pa-
ra realisar as reformas necessarias-?
A recomposigo, tornando o ministerio
permanente, podia com o andar do tempo
firmar a separaco, a desunio (S- partido
conservador.
O nobre ministro da justica, fez-nos um
epigramimvpendente, viudo dizer que a re-
con>|iosi(;o do ministerio representa a unio
do partido conserva O Sr. Ministro da Jis=hca :O pensa-
mento da opinio conservadora revelado pe-
la maioria desta casa.
O Sr.. Ferreir v Vianna :E a do se-
nado?
- OSu Pereira m. Silva :O annorras-
sado invocava-se- o senado contra a caraare
dos deputodos ; agora o senado nao vale
nada.
O Su. Paulino de Souza : Nao compre-
hendo as palavras do nobre ministro da
justicia, nem ellas toen sentido. Como ^i-
zer-se que- a maioria desta casa representa a
unio d' partido conservador T
O Sr. Ministri'DA. Justii;a -.Opinio.
O' Sr. (liSMAO Lobo ( para o orador ) :-
V. Exc. eslava uia pouco distaste, nao ouxio
'bem as palvrs do orador.
O.Sr. P.un.isoSE Souza:Ouvi o nobce
ministro dizer imio. Como,, porm, S.
Etc. contesta, nao irei por diante.
A recomposicodb ministerio tende a for-
mular a sciso no seio do partido.
O Sr. Ministro-da Justina :Nao apoia-
do. V. Exc. quem tem a responsabilida-
de de- nao estar unido o partido conserva1
dor.
0>Sr. Gusmao>Lobo : Todtta responsa-
bilidade.
OSr. Paui.iboideSouza:Aereditaominis
teo que cbnvo-partido por elle dividido que
teta autoridade moral sufliciente para faaer
passar e executar as reformas tendo contra
si urna fraeco importante do. partido con'-
servador, o partido liberal e opinies extre-
mas em noticia !
Senhores as reformas precisam sobretudb
do apoio da opinio e este oo podem "dar
sano partidos unidos e compactos. (Apoia-
dos.)
A divisao do partido conservador em
o grave inconveniente de eufraquecer um
dos partidos constitucionaes,. aquelles que
melhores servicos 'pode prestar nesta occa-
sio.
Em um paiz como este que nao tem clas-
ses com interesaos definidos, em que ha na
;ociedade tantos riemeutos instareis pdem
homens polticos que se presara, por amor
ao poder,ncrmcar^Dustt' dos
constitucionaes
o nobre presidente do conselho eumprir
73esta feita a sua palavra, sado -os nobres
Seo elevado pensamento que preside i Jeputados representantes do part^brliberal.
pulitica do Brasil podesse estar o plano de o Sr. Silveira Martin -.Noi nha sus-
aniquilar os partidos constitucionaes, so- t0 ; nao ello quem d o poder. .1 liso) S.
bre as ruinas delles o que se pedera edifi- esc. nao dispe disto, o chM secre-
car! Que ponto de apoio, na falta delles,! taria.
poderia ter o governo 7 q R. Paulino de SOza:E d
Disse ha pouco em aparte o nobre ministro n0 j^ja somente para perpetuar-se
da justica que da parte da opposic,o con- 'ostreito, pelo qual o papel dos part
serradora que esta o embarazo unio Brasil consiste era empunhar om delfc
do partido. 'leg0 emquanto o outro flagellado. I
O Sr. Dt!QUf>EsTRADA Teixeiia :E' um' Adversario franco e leal dos nobr
estribilho j muito gasto, tados, declaro-Ihes que hei de fazer t
O Su. Pu'lino de Soi-za : Senhores, nao que e9sa ntenQo manifestada pelo
ha um homem de bro, nao ha um homem 'actual gabinete'nao surta o desejado efe
sensato que nos indique outra posigo; j So o partido liberal receber o poder d|H
nao ser aem que nos achamos. f Apoia-',]0 n|)rt, vsconde do Rio Branco ser
dos.) camente com a sua responsabdidade e eom
O Sr. Duque-Estrada TcatlU :-E0 protesto meu o mais formal. Nao posso,
principalmente depois da recomposi$o un jr. presidente, ver extinguir es! estril si-
dever sagrado. j tuaco conservadora sem que fique na SOr
0 Sr. Paulino de Souza : O constante (cedade brasileira algtfm monumento- legis-
menospreso da prerogativa parlamentar as iauv0 qUe attestc 0 ^,3^ w\0 c esforr^ pela
violencias que soffreu a hberdade da tribu- causa ua berdade politicada naco.
naem 1871, acontecimentos recentes que Pec.o, por tanto, aos nobres ministro* qw
esto na memoria de todos, nos determina- i,os tragain sera demora as annunciadas1 e
raro esta Opposic>o emquanto durar o ac- sempre adiadas reformas.-
A mulher mascarada, s, nao tinha fal-
lado, e conservava sempre a sua mascara.
Abaixo a mascara, senhora Idisse-
lhe o baro.
Senhor respondeu ella, em voz
irnica, se quer casar comigo, desposar-
me-ha com a minha mascara; seno...
nao 1
E atravz dessa mesma mascara, brilhou
um olhar ardente.
Seja assim 1 disse o baro ser
minha mulher ; comsigo que caso.
Obrigadodisse ella.
E estendeu-lhe a mo. O baro, ao to-
car nessa mo, estremeceu, sem poder ex-
plicar essa sensaQo.
Apezar da reputaeo de excentricidade do
baro, os seus convivas nao poderam do-,
minar um movimento de admirado.
Como 1exclamaram algumas vozes
pois elle escolhe a mulher mascarada ? !
Porque nao ?
Se ella fr feia ? '
Um olhar mais brilhante do que um
relmpago sahioda mascara da desconhe-
cida ; em quauto que ella encolhia os hom-
bros e deixava passar urna risada secca e
zombeteira atravz dos seus brancos den-
tes.
Com um olhar e dentes semelbantes
murmurou philosophicamente o baro
nenhuma mulher feia,
Bem dito, barorespondeu o domi-
n. Quando assignamos o nosso contrato?
Amanh mesmo.
E' tempoaccrescentou Simiane.
Smentedisse o senhor de Nossac
como bom que ao menos, travemos
conhecimento, peco-lhe um favor, senhora.
Falle, baro. j
Conceder-me-ha, depois d ceia, urna
entrevista de urna bora.
Seja assim, bario.
Nesse caso, acabemos deceiar.
O fim da ceia foi alegre, brilhante de es-
pirito e de chistosos ditos. /
As mulheres passaram do rosado ao en-
carnado, o champagne chamou-lhes aos
olhos esse magnetismo provocador que elle
s possue ; a conversa foi-s cada vez tor-
nando mais livre. \
Para o fim, as luzes corrern grande pe-
Fezmente, o senhor de Nossac, excla-
mou : y
Senhoras, nao se squecam de que
me caso amanh, e que^ por consequencia
tdal gabinete. ( Apoiados. j
Quando a maioria do anno passado aqui
se pronunciou contra o ministerio de 7 de
mareo llovamos contar cora um dos dous
seguintes efeitos :
Ou firmava-se o precedente da influencia
parlamentar na organisaco e vida dos mi-
nisterios ; ,
Ou rasgava-se por urna vez o veo, jd to
raro e escasso, que ainda eneobria a alguns
incrdulos o falseamcnto do systema con>ti-
tucionul do Brasil.
Era todo o caso adiantava-se a causa cons-
titucional, e nao hesitamos.
O decreto de 22 de majo do 1872 lirniou
a nossa posieao, impoz nossa honra o de-
ver de fazermos tu lo pela nobre causa da
Uberdadfi parlamentar.
O Sr. Feureiua Vanna E outros Sekiio-
res fApoiado.
O Sv. Paulino de Souza :E' a olla que
consagramos 0 melhor de nossos esfoocos e
de nossa activiilade poRtica.
O Sr. Presidente ,Torno a leinbta ao
nobre doputado que est. Cera da ordena. Es-
t na ordera do dia o voto de gracas era que
tem todo o cabimento essa discusso. Ago-
ra o que se trata do saber quaes os factos
que occasionaram a recomposi^o ministeri-
al. Se ou permittir que o noOre deputadb
prosiga nos assuraptos qun tem suscitado,
hei de permittir que os outros oradores o fa-
cam, e teremos que^i discusso do voto de
gracas ficar completamente deslocada.
O Sr. Paulino de Souz* :Obedecendc-a
V. Lx., vou terminar, embora sacrifique a
parte da apqdicaco do meu, discurso. Pre-
ciso, porm, concluir o meu pensamento.
O fado de, sob a influencia deste ministe-
rio, setorredarem da cmara dos deputados
conservadores distnctos, esperanzas e susten-
tculos do partido, como Andradc Figueira>
Costa Pinto, Pinto Moreira, Silva Nunes, Per-
digo Malheiro, Mello e Mattos, Evaristo,
Souza Reis e outros ; o facto da inversao jiOr
ditica e de tantas tropelas em differentes pro-
vincias do imperio, entro as quaes a que re-
prerento, seria sufliciente para aecusarmos o
ministerio de faftar com a lealdade devida ao
seu partido
O Sr. Ministro da Justioa :Logo qual-
quer recomposico ministerial era inditreren-
te dissidencia. Esta declarago pro va
muito. (Nao apoiados). |
O Sr. Paulino de Souza : A recompo-
sico, Sr. presidente, teve por tira astabele-
cer definitivamente a sciso 110 partido con-
servador (apoiados) ; ir-lhe esgotando is for-
jas, abatendo-o, at que afina! se alhgue
fraqueza e a desordera no seio do partid
conservador para entregar-se o poder ao par-
tido liberal. Ha poucos dias oSr. [(residen-
te do conselho declarou no senado que em
niaio de 1872 teria entregado o poder ao
partido liberal para dar-so por elle a disso-
lucao da cmara.
Esta deeuracio nuitosignificativa e re-
vela o plano de que a recomposico parte
muito importante e preparatoria
o meu palacio de ve estar deserto antes do
dia.
Bom 1 disso um libertina ahite-
mos Nossac a pregar moral.
Em seu proveitoaerroscentou urna
dansarina.
Lembra-me urna idea musmurou
urna voz.
Vejamos !
Se valtassemos aos Porcherons ?
Bravo I bravo 1
Os convivas levantaram-se com barulho ;
as janellas foram abertas, para darem al-
gum ar o para oxpulsarera as fumacas do
champagne.
Homeus e mulheres nao pouparam ao
baro os seus finos epigrammas e sarcasti-
cas predicles.
Vamos!disse o baro agora par-
tara ou fiquem, io os demoro nem os ex-
pulso ; mas, restituara-mo a minha hberda-
de quero conversar com minha mulher.
Partamos I-bradaram os homens.
E essa multido elegre, varillante, dis-
persou-se em tumulto, pelas escadas e pelos
corredores soltando estrepitosas gargalha-
das.
Ento, o baro offereceu a mo ao domi-
n, e disse-lhe em voz triste e grave que
contrastava singularmente com a alegra fic-
ticia da noute :
Venha, senhora I
A sala a que o baro conduzio o domi-
n, estav forrada de velludo azul, mobi-
liada de carvalho, com grandes e pesados,
candelabros dourados, espelhos do Veneza
da mais alta dimenso, e eobria-lhe o soa-
lbo um tapete sabido das manufacturas dos
Gobelins, representando urna scena das
Aventuras de Telemaco.
Essa sala era severa, sem ser fria ; o cora-
co nao se contrahia nella; respirava-so
at vontade, mas a alma nao se dilata va.
Um poeta poderia achar nella, materia
para meditacAo ; um amante estremecera,
vendo-se nella.
O domin foi sem duvida acommettido
por esse pensamento, porque disse ao bar-
rao :
Esta sala bem triste.
Julga isso ?
Deceno... para urna conversa.... de
amor...
O baro franzio o sobr'olho.
Quem lhe diz murmurou elle que
lhe quero fallar de amor ?
O domin estremeceu.
Oh I disse elle commovido.
Mas o baro reflectio, porque lhe pegu
Discutindo-as, verificaremos te suas ideas-
de retoques na lei de eleir,es- e outras que
tem apregoado sao as que satisfazem as a*'
piraces do partido conservador.
Se a causa da berdade parlamentar sue-
cumbir por esta vez, sem desar della, espe-
rarei melhores tempos em que anual bao de
iriumphar os nobres governistas com o sre-
teina que adoptaram e faz a sua gloria j
Se com a justica rnctiiiar-se a nosso fa^Hf,
a opinio do parlaim^ito, como o* nOSMN
sao pelas deas e nao p^las posii;oos, pode O
ohefo do gabinete artual entregar com o-Bfl-
der a seu suceessor a taboa de proscrip^Ocs-
em que sejain os priineiros os nossos nemes.
E' do outros e nao de mira o de meus afiai--
gos que se pode dizer o que Salustio dkse
dos ambicioso*romanos omtmpnbl'tcixh
timulantes, pro-sua quisque polenlia ce&-
tanl.
A nossa nica ambicio que a esta situa-
;o conservadora caiba a gloria ile pelo me-
nos tentar mais um esforco a. bom da reah-
dade do systema representativo do Brasil.
'Muito-bem. Muito-bm).
O Sr-. J<;.nui:eir v- (ministro la guerra)
diz que o nobre doputado polo Uto d ro devia julgar procedentes as explwtjoe
que foram dadas pelo nobre ministro da
justica e pelo honrado deputad representan-
te do Paran, que proficientemente gerio a
pasta de negocios estrangeiros : mas que S.
Exc, Ionge de dar declaraces daquelle
o peso a que ellas teem direito, votou -i-
buna, duvidandoque a recomposico ministe-
rial tivesse o. cunho, o carcter, que o honra-
do ministro da Justina- asscverou-a-'cmara
que tiiiliHin.
Cora tal intuito o nobre deputadb pefc
Bio de Janeiro procurou fazer urna analyso
dos dous- distinctos cavalheiros, que acaban
de entrar para o gabinete ; e depois encetou
em orden dc-consideragocs geraes-sobre po-
ltica para demonstrar que o actual gabinete
trabe a causa conservadora, que -o germen
da desunio e da descardano sen-deste par-
tido, o que os ministros sao incapazes de fa-
zer as reformas que o.paiz exige.
Esta discusso nao podia ficar adiada pepa
mister qju! a resposta viesse prompta.e deci-
siva. (Apoiados).
A cmara, assim como o pab, ooiiImco os
dous i-avalheiios que acabara de entrar para
o gabinete. As exceptes aposentadas, pelo
honrado deputado contra a cwiveniencia. da
entrada do distincto visconde de Caravellas
nao tem a procedencia que S. Exc. lhequiz
emprestar ; o facto de havar este distincto e
antigo servidor do Estado manifestado-no se-
nado, no auno ile 1871, um*. opiniao.ibvor-
sa na forma sobre a questo do elemento
servil, com quanto S. Exc. so tivesse mostra-
do emancipador dos mais adiantados, nu
pode de nenhuma maneira trazer a excepeo
queo nobre deputado qu?pestabriecer.
(Conttuuar-s^ha). .
na mo e o conduzio silenciosamente ex-
tremidade da sala, abri urna porta ein-
troduzio-o n'ura pequeo gabinete forrado
de branco e de ouro, impregnado de urna
tepida atmosphera, carregada do delicados
perfumes, e alujniado pela baga claridade
de urna lampada, veneziana, de vidrosmul-
ti cores.
O baro fez sentar o domin nos coxins
do sof, depois em vez de se sentar aO p
delle, encostou-se ao fogo e paroccu me-
ditar por um momento,
O domin examinava-o attentamente e
tomava no sof essa posigo de voluptuoso
abandono da mulher que sahe que for-
mosa.
Senhora disse emfim o barodig-
nar-se-ha ouvir-me ?
O domin entr'abrio preguiQosamente os
seus labios o deixou cahir d'elles um ado-
ravelSer longo ?
Naodisse elle duas palavras s-
mente.
O dominencostou a face sua bella mo
e respondeu :
Ouco-o.
Senhora proseguio o baro sou
muito rico boje, d'aqui a dous di as, se nao
casar comsigo...
Estar arruinado, nao assim ?
Simdisse o baro, por um signal -
caso, pois, aos olhos do mundo, em geral
e dos nossos convivas om particular, para
conservar a minha fortuna. Nao sei se
rica, se pertence nobreza ou burguezia,
i corte ou opera.
Que lhe importa ?
Absoltamente n ada. Tem a peito ser
amada ?
Masdisse o domin, em voz irnica
porque nao ?
E' que isso impossivel l
Devoras T
' Amo outra.
Muito bem 1 nesse caso, baro, renun-
ciemos ao nosso casamento.
Que loucura I j '
Nao Sou talvez t rica como o
baro. Quero amor c nao oro.
Um amargo sorriso cotrahie os labios do
bario.
Cr" que eu possa amar ?murmurou
elle.
Ouso espera-lo.
Engana-se cruelmente, senhora. En-
gana-se, tambem, suppondo que caso com-
sigo par conservar a minha fortuna.
, Ora!
Os mortos de nada tem preciso.
Ento, est morto T
Se-Io-hei d'aqui a oito dias.
O domin fez um gesto do espanto e quasi
de terror.
Est louco murmurou elle.
Estire, mas, morro de perfrih*
juizo.
Porque e de que morre ?
De um mal sem romedio.
^ Qual essomal?
Amo urna mulher morta.
Um estremecimento mais visivel anda
percorrou o corpo do domin.
Ouc,apreseguio o baro sinto ex-
tinguir-se a minha vida, o meu ultimo sus-
piro, a minha ultima hora aproximam-se ;
morro, sorrindo-me, o meu sorriso enve-
nenado...
Mas vou confiar-lhe o meu segredo ; sari
a nica pessoa que o conhecer, e talvez <1>
urna lagrima ao meu tmulo.
O domin escutava-o com attengo.
Ainda ha pouco continuou o baro
que eu nao pensava era arrancar a minha
fortuna a collateraos vidos, e quo s me
dedican odio e desprezo. Acommetteu-me
um pensamento, o de semear alguma felici-
dade no meu caminho, ou de quom afelici-
dade tinha fgido... Offereci a- minha mi
a urna desconhecida ; nao recusar urna
saudade minha memoria...
O baro parou e pareceu esperar urna
resposta...
O domin ficou silencioso.
O senhor de Nossac proseguio r
Amo urna morta ha dous annos ; essa
morta minha mulher.
O domin oncolheu os hombros.
Na Allemanha, encontrei urna joven
que se pareca com ella, e amei essa joven;
na Bretanha, vi urna creoula que se lheas-
semelhava igualmente, e amei essa creoula.
Mas na joven e na creoula, s amava
minha mulher.
Deveras Idisse o domin, em voz
irnica.
Pela minha honra, senhora I
Sabe baro, que a sua mulher foi in-
feliz ?
Em que, senhora ?
Em que s a amou depois d e morta.
O baro soltou um grito surdo.
E' falso Idisse elle.
Ora i
Amei-a no dia em que a vi!
(Conntwr-i-Ao).
XX? DO DIARIO r- HUA DUQUE DE

I-
f
V

, }

.
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK12A3PHS_U23AEM INGEST_TIME 2013-09-19T23:21:09Z PACKAGE AA00011611_12834
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES