Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12832


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
AMO XliX. MUERO 32


6&000
129000
243JOOO
320
PARA A CAPITAL E IHJGABES G\ IJE XAO SE PACA
l'or toes mozes aM^atados ......
Por ditos idem....................
fdf nuo iden ." ... .-....." .
,tda nuiueru avulso............., ,
DIARIO DE P
SARBADO 8 DE FEVEREIRO RE 1873.
<^^-^ I .1 I --^ *
PARA 1K\TI0 E FRA DA PBOVIffClA.
*or tres mezes adiafltados. t................ 6*750
Por seis ditos idem. ."...... ; t *......139500
Por note ditos idem.................. -2W240
Por um anno idem.................... 27*000
PROPEUEDADE DE MANOEL Fl GUEIP.0 A DE FARlA & FILHOS.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; Gongalves & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira&Fill.o, no Ceara; Antonio de Lemos Braga, no Aracotv ; Joo Maria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, noKatai; Jos Justino
Pereira d'Ahneida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
-( Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, em Alagas; Alves 4 C, na Bahiu ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio;de Janeiro.
PARTE OITICIAL
Caoveruo da pi-ovlucla.
EXPF.UIK.NTK DO 01 V 31 DK IMWI DE 1873.
/* secro.
Okios :
Ao cnsul de Franca. Declarando o Exm.
Sr. ministro dos negocios eslraugeiios, em aviso
de 18 do cerrente. que no da 20 de agosto deste
anuo 06898 a cxecU'.ao da cuuveuco consular ee-
lebrada entre osle Imperio e a Franca em 10 de
dezembro de 18o ', assim o comuiunieo ao Sr. E.
Duniax, enaneeUer encarregado do consulado de
Franca nesta provincia, para os lius conveniente*.
Renov ;ui Sr. E. Dmnax os protestos de minia
crteia estima e disiiuria rousideracao.
Ao cnsul da Suissa. Declarando o Exm.
Sr. ministro dos negocios estraugeiros, em aviso
de 18 do correte, que no da 20 de ag.isto deste
anno cessa a nxecueao da coiiveu/o consular ce-
lebrada entre esle Imperio e a Suissa em 2 de
Janeiro de 1861, assim o eommunico ao Sr. cnsul
da Suissa nesta provincia, para os los conve-
nientes. Renov ao nesBw Sr. cnsul os proles-
tos de ininha perfeita estima e eonsderacao --
Iguaes communica. oes foram feitas aos cnsules
da Haspaiflia, Porlugal-e Italia acerca, das conven-
5Jes celebradas com aquellas potencias em 9 de
fevereiro, i de abril e 20 de agosto de 1863.
Ao director das obras nublares. Inleirado
pelo sen olllcio de 29 do crrante de (pie a clia-
uiin do hospital militar nao susceptivel de con-
cert, e deve ser substituida, recoininendo a Viac.
que me declare eniquanlo orea essa substituir),
e se, o concert feito pela maneira que indica teta
loriga (kirai.au.
Ao capitao do Porto. Constando de aviso
do ministerio dos uegocios estraugeiros de 18 des-
te nuez, ipie teni de cessar no dia 20 de ago-lo do
corrente anno a exeeucao das convences consu-
lares, celebradas pelo Brasil com a Franca em 10
de dezembro de 186(), Suissa em 2t de Janeiro de
I861,e com allespauba, Portugal e Italia em 9
de fevereiro, 4 de abril e 20 de agosto de 1863 ;
assim o eommunico a Vine, para seu ronheci-
ment.
a." scrnl).
Portar :
presidente da provincia resobra noiueaT o
hachare! Fiel Vieira de Tonas Grangeiro para o
cargo de promotor publico da comarca de Villa-
Bella, vago por nio o haver aceitado o baeharel
Uenjamin Reares de Azevedo, lieando sem elTeito
a nomeaeao do dito baeharel Grangeiro para igual
cargo na. da Boa-Vista.
Offdos :
Ao desombargador procurador da cora, so-
berana c blenda nacional. ,-rva-sc V. Exc.
dar seu parecer robre a consulta iuclusa do juiz
substituto do juiz de direito do cominercio, quan-
10 a subsiitui.ao dos supplentes reapeciivos. de-
vokeiul < o oBJcio o consulta, que ciu original toe
envi.
Ao ebefe de polica. Envi a V. S. para
tomar ni rnusider..rito, que I he merecer, a cart
anonyma dirigida a "esta presidencia sobre varios
Criminosos existentes em diversas localidades da
provincia.
Ao juiz de direito da 2.1 vara civel. Man-
(i V. 3. proceder exame na copia autlientica da
qualificacio da paroebia de S. Bento, existente na
secretaria desil presidencia, alim de verificar se
II i est oh nao, viciada.
Ao juiz municipal do termo de S. Bento.
Proceda Vine, sem demora, um exame no livro de
qualificacio dessa freguezia, alim de verificar se
esteseacha falsificado, e seos individuos Fran-
cisco Alves M.viel, ledro Luiz de Souza Pontes,
Dionisio i s Correia, Jeaquini francisco Xavier,
Jos Pereira Leite, Jeronymo Ferreira de Moraes,
Auspicio dos Santos e Manuel da Cruz Perei-
ra. que foram vota los para vereadores e iuizes de
|)ai na elei;o presidida pelo l. juiz de paz, esli
uu. ";i qaaUncados.
, 3." secnlu.
tt presidente da provincia, resolve demitlir o
3' e-cripturario da iesourarta provincial Joao
i.. ur Cavalcanti de Albuqucrqiie por falla de lia-
bilitacoes para esse lugar, segundo consta de n-
ter ic i do respectivo inspector.
l'Jlros :
Ao inspector da Ihesouraria de azenda.
rada de quanto expoz em sua inormacu d;
lem, sob n. 9f8 serie B, relativamente %entre-
ga da quantia de 9.'i!)K) para compra de Ivms
p tais objectos destinados ao expediente docum-
in ndo superior dos municipios da Boa-Vista
12
innfc
I eury, tenho a dizer-lhe que nao bavendose
aada emprado os mencionados livro?, como se
.1 i ibende :o offleio junio por copia, a que se
refere a sua citada iaformacao, providencie V. S.
pura <|ue por conta do actual exercicio seja ea-
tregue essa quantia ao capitao quartei meitre
daqnelle coinman o sqperior ou a seu procura-
dor, segundo j foi ordenado por esta presidencia
em 0 de mao do anno prximo passado.
Ao inesmo. Communico a V. S. para o
davidos lins que por p rtaria de boje foi nomea-
cl; o baeharel Fiel Vieira de Torres Grangeiro,
promotor publico da comarca de Villa-Bella: can-
do sem effeito a nomeaeao delle para igual cargo
na da Boa-Vista.
Ao mesino. Constando de aviso do minis-
terio dos negocios estrangeiros de 18 desle moz,
que tem de cessar no dia 20 de ago?to do corren-
te anno. a execuco das convences consulares
celebradas pelo Brasil com a Franca em 10 de
(te/.enibro de 1860, Suissa em 26 de Janeiro de
1*1)1 e com a Ilespanha, Portugal e Italia em 9
de fevereiro. i de abril e 20 de agosto de 186:!;
assim o eommunico a V. S. para seu conbecimen-
to e alim de o fazer constar ao inspector da al-
fndega.
Ao mesmo.Em vista da conta junta que
remetteu o Dr. chefe de polica com offleio de
hootem. sob n. 281, mande V. S. pagar ao cabo
Vctor Tiburtino de Oliveira a quantia de 86i0,
despendida com as diarias fornecidas aos reclutas
A wr Jos Cardlo, Francisco Antonio de Carva-
llo e Gratuano Jo Alexaudre, vindos do termo
de Tacarat, com destino ao servico d) exercito.
Ao mesmo.Annuindo ao que solicitaran) os
n. 'iiibros da coinmissio censuara da freguezia de
AguavBcllas, em olflcio de 10 de dezembro prxi-
mo lindo, autoriso V. S., nos termos do artigo 9."
j i." do regulamento de 30 de dezsmbro de 1871,
a mandar pagar a quantia de lOlflOO a cada un
dos agentes reconseadores daquelU freguezia, Ma-
nuel Apolinario de Suuza Medeiros, Manoel Apoli
iiario de Souza Medeiros Filbo, Jos Antonio Pe-
r.'ira dos Bentos, Pedro Antonio de Barios. Manoel
Thoniaz de Freitas, Francisco Rodrigues da Rocha,
Jos Ramos de Vasconcelos e Jos Cypriauo Be-
zerra de Mello e bein assioi ao tenente coronel
Apolinario Florentino de Alhuquerque Maranliao
a d? 35i090, proveniente da condueco doscaix5es
contndo as listas de familia e boletins do respec-
tivo recenseamento, procedido na mesma freguezia.
Ao inspector da thesouratia provincial.Fice,
teirado de haver essa ropart.ao realisado por
:000 a compra ordena Ja pela presidencia, do
Ireno contiguo ao gymnasio provincial^pertencen-
i ao barao do Livramento, e sobre que versa o
Icio de V. S., de 23 d corrente.
Ao mesmu.-K ..,poiih:u 1. ao offlew qae V.
deia e qiarlel da cidadfl de Goyanna, mas tanibem
do accrescimo de obras na importancia de 175518o,
tenho a dizer que em 1\ de te mez, extranhei que
u ongenheiro encarregado de llscalisar taes re-
paros, interpretando mal o regulamento das obras
publicas, tivesse alterado oVrimitivo ornamento,
sem preceder autorisacao desta presidencia, c j
providencie! no sentido de que taes abusos se nao
repit un. Nao sendo, pois, o arrematante respon-
savel por semeluante falta e aquello accrescimo
de obra j esteja ellertuado, cuinpre que V.
mande pagar a supradita quantia, como iLter
nerom data de 10, e para esse lini devolvo 0 cei
tilicado que veio annexo ao seu citado olicio.
." Sflccflo.
Ollicios :
Ao director interino da Faculdade de Direito
desta capital. Remeti a V. Exc. os 2 inclusos
exeinplares impressos do rea torio'com que o Exm.
Sr. de-emhargadur Francisco de Faria Lenios, na
qualidade de presidente desta provincia, passou-
ni a respectiva administracao no dia 2o de no
v^inbro do anno prximo lincL>.
cmara municipal do Reeife.Remetto
enmara municipal do Reeife os 2 inclusos cxempla-
res impressos do rehtorio com que o Exm. Sr. des-
eiiibargailor Francisco de Faria Lomos, na qualida-
de de presidente desla provincia, passou-me a res-
pectiva administracao no dia 25 de novembro do
auno prximo lindo.
Ao presidente da cmara municipal da villa
de Itambc.Inleirado do que me coniniunica em
offleio de 11 do correle, approvo deliberar de
Vme, juramentando dous supplentes para poder a
cmara funecionar, por nao ter comparecido, sen-
do convidados, os eleitos, deve Vine, em casos
idnticos, sempre assim proco:er, como j foi de-
cidido em oflicio de 20 do corrente.
." secrlo.
Acto :
0 presidente da provin ia, attendendo ao que
requeren Celestino Diogenes Paes de Alhuquerque,
pracante da reparticao das obras publicas, resolve
conceder-lhe trila das de licen;a som venciinen-
109, para tratar Je seus negocios/ora desta cidade.
EKfiOlKXTK DO SEC1\ETAHI0.
2.- scalo.
Oficios :
Ao Dr. chefe de polica.S, Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S., que
nesta dala acaba de expe.hr ordem Ihesouraria
de fazenda no sentido de ser paga ao cabo Vctor
Tiburtino de Oliveira a quantia de que trata o seu
oflicio de hoiitem datado, sob n. 281.
Ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda aeeuSar o recchiniento do oflicio de
V. S., n. 209 de 29 do corrente, em que participa
ter n .me ido Manoel Joaquim da Silva, guarda da
casa de deteucao, em lugar de Jos Manoel de S-
queira, que o fra |Kr engao.
Ao commandaiite superior da Boa-Vista.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda com-
inunicar a V. S. que nesta data utorisou the-
souraria de fazeuda a mandar entregar ao capitao
quartef mestre* desse commando, otr a setrpwcn-
rador, a quantia de qne trata o seu oflicio de 23
de dezembro do anuo prximo passado.
Ao juiz de direito de Villa Bella.O Exm.
Sr. presidentejia provincia manda declarar a V.
S., para os dCvdos lins, que poTperuri*-de h je
foi nomeado o baeharel Fiel Vieira de Torres
Grangeiro jironiotor publico dessa comarca, fion-
d sem effeito a nomeaco para igual cargo do ba-
eharel Benjamn Soares de Azevedo.
Ao baeharel Fiel Vieira de Torres Grangei-
ro.Por esta secretaria se communica ao Sr. ba-
eharel Fiel Vieira de Torres Grangeiro, que por
portara de buje foi S. S. nomeado promotor pu-
blico da comarca de Villa Bella, lieando sem elfei-
lo a portara, que o nomeou para igual cargo na
de BoS-Vista.
3.' secoTo.
Ollicios :
Ao inspector Ja Ihesouraria provincial.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S, pan sen conhecimento e lins con-
venientes, que por rielo desla data resalveo demit-
lir o 2. escripturano dessa ibesonraria Joo Cesar
Cavalcante de Albuquerque.
Ao inesmo O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S, para os de'vidos
lin-s, que a 29 do corrente loi no neado Manoel
Joaquim da Silva, guarda da casa de d.-ten.o, em
lugar de Jos Manoel de Siqueira, que o fra por
engao.
Ao mesmo. -Tendo S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, por acto de 29 do corrente, e de con-
formidde com o artigo 12 do regulamento provin-
cial de 21 de julbo de 1868, resolvido designar o
professor. da escola normal baeharel Ayres de Al-
buquerque Gama, para servir de secretario da-
quella escola, de ordem do mesmo Exm. Sr. assim
o eommunico : V. S. para seu conhecimento.e
lins conveniente?,
4 scc'-m.
Ollicios :
Ao director da escola normal.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
para seu conhecimento.. que por acto de 29 do cor
rente, c de couformidade com o art. 12 do regula-
mento provincial de 21 do julbo de 1868, resolveu
designar o baeharel Ayres de Albuquerque Gama,
para servir de secretario desta escola.
Ao baeharel Avies de Albuquerque Gama.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S.. para seu conhecimento, que por
acto -de 29 do curente acaba de designar Y. S.
para servir de secretar da escola normal.
r>:' secrao.
Offleio: -
couunbsao censuara da freguezia de
Aguas Bellas. -De ordem de S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia cotnmonied a Yv. Ss. que nes-
ta data se ofliciou a thesouraria de fazenda, afun
de se pagar a cada um dos oito agentes recensea-
dores dessa paroebia, mencionados no oflicio de
Vv. Ss., de 16 de dezembro prximo findo, acuan-
tia de 40090, assim como a de 35J000 ao tenente
coronel Apolinario Florentino de Albuquerque
Maranho, importancia da conducho dos dous
caixoes couteudo a listas do familia c boletins do
respectivo rectii-eamenlo, conforme foi por Vv. Ss.
solicitado em oflicio de 30 de dezembro .do dito
auno.
DESPACHOS i)\ CUtMllE.NCIA DE O DE FEVEREIllO
DE 1873.
Abaixo assignadw alumno-mestres da Escola
Henrique Vicente Vianna.-CimoTequer.
Hermogenes Branlo Ferreira da Cunha. -Infor-
me o Sr. Dr. director geral interino da instruccao
publica, por cujo iutennedio devia o supphcante
re4uerer.
Irmandade de Nossa Senhora da Concei'.So da
cidade de Olinda.Feam expedidas as convenien-
tes ordens no sentido em que requer.
Jos Martiuano de Souza. -Como requer.
Joaquim Alvares dos Santos Souza.O suppli-
"cante aprsente o relatorio de sua commisso
i para, enyvi-ta delle, poder esta presidencia resol-
*v- Ver sobren materia da presente piUieao.
Jo. Luiz Bda.Informe o Sr. conego regeJordo
gymnasio provincial.
Jos, Narciso da Asuunpi.p Pires.Informe o
Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia
Baeharel Joaquim Antonio da Silveira Jnior.
Informe o Sr. conego regedor do gymnasio.
Jesuno C-nrra de Mello Brasil.-Sim, com reci-
bo, nao havenJo inconveniente.
J ao Paulo de Souza. -Rifarme o Sr. inspector
do arsenal de marinha.
Manoel Finnino Ferreira Flho.Sim.
Miguel Archanjo Fcrnandes Vianna Passe por-
tara, concedendo 30 das de licenca com o sold
na forma da Ici.
Mano'I Francis o de Hollanda CavalcanteIn-
forme o Sr. inspector do arsenal de mai inha.
Thomaz'FernanJes J Cunha.Passe portara,
concedendo a licenca requerida, com as coiidcoes
de entrar o supphcante no g -zo della no dia em
,que tiver de embarcar, e considera-la flua, logo
que regressar esta capital.
Baeharel Angelo Henriques da Silva.Entre-
gne-se, mediante recibo.
Baeharel Augusto Colho de Moraes.Passe
portara concedendo 30 das de licenca. na forma
requerida.
Antonio Francisco de Campo.Indeferdo.
Cosma Joaquina de Lima Nunes.Passe porta-
ra na forma requerida.
Francisco Pinto de Carvalho. -Informe o Rvm.
Sr. conego regedor do gymnasio provincial.
Henrique Soares de Azevedo. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquim da Multa e Silva.Passe portara na
forma requerida.
Joo Joaquim de Siqueira Varejao. Prejudi-
cado.
Juvencio Soares Villela.Dirija-se o supplcan-
te thesouraria de fiuenda.
Conego Joo Chrysostoiuo de Paiva Torres.
Informe o Sr. ins|Mjctor da thesouraria. pro-
vincial..
Jos Antonio da Silva Lemos.A peticao a que
all de o supplicante, nao foi apresentada a presi-
dencia, pelo que como confessa ter sido o nico
pretenuente, querendo se aprsenle de novo o sup
plcante ao novo cencurso.
Leopoldino Antonio da Fonceca.Restit ia, s
com recibo, e nao ha vendo inconveniente.
Manoel Xavier Carueiro da Cunha. -Informe o
Sr. '(ioftTSore'genor do gymnasio provincial.
Manoel Antonio do ?nscmeuto. -Informe o Sr.
Dr. chefe de polica.*
Neomsio Carlos Soares Villela. Dirija-se o
sripplicanle a Ihesouraria de fazenda.
HoJolpho Marcos Theophlo.-Passe portara na
forma requerida. '
Salvador Henrique d'Albuquerquc.Informe o
Sr. Dr. director interino da faculdade de direito.
Simpson & C.Em vista da informacio do ins-
pector da sade publica, nao pode ser concedida
a licenca que peden).
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 7
DIARIO DE PERNAMBUCO
RJHJFE, 8 DE FEVER .IRO DE 1873.
de fevereiro de
187o.
O porteiro,
S'illiHO Anlunio Hodriijui's.
diriio em 29 do crrente, sob u. 41, inipug-
do o pagamen!6 del-.250i727 proveniftite nao
Wm -3.' prestacao do contrato dos reparos da ca-
Normal.Opportunamente sero os supplicantes
attendidos. .
Antonio da Costa e S. Certifique nao havendo
inconveniente.
O inesino. IJeiu.
O mesmo. -dem.
Augusto Martiniano Soares Villela.Informe o
Sr. Dr. chefe de polica, declarando se para tal
c intrato preceden autorisacao e approvacao desta
presidencia.
Barttiolomeu Rodrigues de Mello. -Informe o Sr.
commandante da.- armas, ouvindo o commandante
do 9. batalhao do nfantaria, quantas viageus deu
a carrora do supplicante. -
Baeharel Cas^iano Beruardino dos Res e Silva.
Passe portara, na frma requerida.
Francisco Xavier de Souza Ramos.Informe o
ir. coronel commandante superior da guarda na-
cional da capital.
Felippe Eneas da Costa Certifique, nS) haven-
Jo inconveniente.
Baeharel Francisco da Cunha Gastello Branco
0 supplicante nao pode por ora ser attenddo. nas
se-ki-ha oppor!uia"iea}e
Re|wii*tSoito ila polica.
2.' seccao.Secretoria da polica de Pernamboco-,
7 de fevereiro de 1873. *
X. 286. Illui. e Exm. Sr Levo ao conheci-
menta.de V. Exc. qne, segundo consla das partic-
paeJOes receidas boje nota repartico, foram hon-
teni recolhidos a casa de deteneo os seguintes in-
dividuos :
A' ordem do subdelegado do Recfe, Domingos
Garca Peres, preso em flagrante por criine de fe-
rimentos ; Jos do ('.armo Bairo, requisic d >
cnsul porluguez ; e Francisco das Chagas Manso,
por disturbios.
A' ordem do de S. Jos, Mara Alexandrina,por
oflensas amoral publica.
A" ordem do do Poco, Luiz. escravo de Manoel
Gomes da Silvt-ira, por andar fgido.
Por oflicio do de 5 do corrente communicou-me
o delegado de Jaboao, que no mesmo dia fallecer
dentro do acude do eiigenho Matlo-Grosso, daquelle
districto, o individuo de nomo Jos Baptista de
Souza, conhecdo por Ferreira ; que da visloria e
mais diligencias que a lal respeito fez, verificara
ter sido a niorte o resultado de asphixia por sub-
merso, "e que nao obstante, proceder ao. inm-
rito e remetiera ao respectivo Dr. juiz de direito.
Em offleio desta data, participou-me o Dr. dele-
gado da capital, que.segundo Ihe comnmnicou o
subdelegado do Reeife, s 2 horas da tarde do mes-
mo da, Domingos Garca Peres, ferio all com urna
faca americana a Antonio de Souza Rodrigues, sen-
do logo preso o delnqlenle, e que a tal respeito
procedeu-se a competente vistoria.
Nesta data recomnienaei ao referido Dr. delega-
do, que quanto antes proceda ao inquerito
itolicial e remeta ao juizo competente, dando-me
logo sciencia da ramean..
Par oflicio de 23 de Janeiro ultimo, communi-
cou-me o delegado de Santo Anto, que no dia 6,
no lugar Chan d'Aldeia, Joaquim'Xavier Rodrigues
Cesar fura ferido com tiro de pistolla por Jos
Raymundo, que logrou evadir-se ; que proceded-
se ao inquerito policial, o qual teve logo o conve-
niente destino ; sendo que de taes diligencias- e
declarai o do propro offendido, queentretinba re-
lacoes de amijade com o offensor, nao se pude ve
rilicar se semelhante fado foi o resultado de um
crime ou casual.
Em dala de 3 do corrente communicn-me anda
o mesmo delegado, qne no dia i., Manoel Caetano
Ribeiro e Francisco Caetano Ribeiro, autores da
mortc do tenente coronel Alexandrino Martins
Correia de Barros, pratcado all em das do anno
passado, se apresentaram voluntariamente aquella
delegacia. afun de seren, recolhidos prisao e tra-
t a re u i de sua defeza
Segundo acaba de participar-me o Dr. delegado
lia capital, por offlci desta data, em vrtude de
communcaeao do subdelegado de Belem. sta ma-
drugada os ladrees cortaram e conduziram o can
no Je chumbo que deitava agua para o tanque do
si|io em qne mora o Dr. Jos Soriauo de Souza, na
estrada de Joo de Barros daquelle districto, e bem
assim que servia nodeposito da esta, ao do Rosarnho,
pertencente companhia dos trilhos urbanos* do
Reeife a Olinda, e nao obstante as diligencias em-
pregadas para decobrir-se os autores de taes factos,
e nada se tem anda conseguido, entretanto o
respectivo subdelegado contina a tal respeito
as suas diligencias, e do resultado destas, darei
sciencia a V. Exc.
Deus guarde a V. ExcUlni. e Exm. Sr. com
mendador Henrique Pereira de Lurena, dignissi-
mo presidente denla provincia.O chefe de policiat
Luiz Correia ie Quyroz Barr*$.
Noticia lo norte lo imperio.
AmanleceU honlem em nosso porto o vapor
brasileird 'Cruzeiro do Sul, trazendo datas : do
Amazonas 29 de Janeiro, do Para I, do Maranho
2, do Cenr i, do Rio Graude o e da Parahyba
6 do cutente.
AMAZONAS.
O Sr. Dr. Felippe Raulino de Souza Ucha pres-
tara juramento e entrara no exercicio do cargo de
juiz de direito da comarca de Manos.
Reprodiuein-se as correras dos indios. Es-
creveu a proposito o Diario do .iimizonus de 17 :
Um expnsso chegado bontem da freguezia de
Mouraj truuxi-lios a desoladora noticia de haver
sido assaltada por urna numero-a horda de in-
dios selvagens do Jauupery aquella freguezia no
da 12-do cerrante clara luz do dia, soito ho-
ras da manir.
c Caldudo de sorpreza sobre a pequea popu-
lacho de Moura, que descuidos nao conlava com
este acto de to grande audacia, pola toda em
debandada e precipitada fuga, nao se saliendo ain-
da ao e*rto qual o numero de viclimas que file-
rain as tlexas desses barbaros, sendo corto que
entre ellas se coniaiu.algumas creancas.
c A popularo safv'a achava-se refugiada toda
em una pequea ilha prxima d'oud; sabio o ex-
presso para esta capital,"alim de implorar soccor-
re das autoridades competentes.
Estamos renles que o Exm. Sr. presidente da
provincia nao se demorar em tomar paraaquelle
lugar as providencias necessarias, afun de que 80-
jam socorridos'os infelizes habitantes de Honra e
eapturar os criminosos para eonheccr de sua cul-
pabilidale os tribunaes competentes.
Logo que se receben enf Manos a notieia
destes atteulados, fez o presidente da provincia
aprestar urna torca de animara 3, que segu o em
duas lanchas do estado para Moma. Sr. com-
mandante das armas aconipanhou a expedieo.
Do Grato escreveram ao Comuierc:o Ao Amazo-
nas que os indios -Parentinlns assaltaram una
camVa (jue vogava pelo furo que communica en-
tre si os lagos do Re o Boi-as e assassiuaram-
llie cinco tripolantes.
PAII.
Foi removido de pr.imotor publico da> comarca
da Cachoeira para a da captol o Dr. Antonio Vi-
cente Magno.
Grasando com intensidade na capital as va-
iolas, o presidente da provincia nomeou as se-
guin'es commi>soes para os qualro dslrictos, em
que se divide a capital, afiui de cuidaren dos en-
fermos pobres, que forem accommettidos desse
mal :
{ districto.
Conego Luiz Martius de Azevedo Couto.
Dr. Jos Ferreira Cantal.
Joan Wogo Clemente Milcher.
- Sant'Anna.
Conego Sebasti > Borges de Castilho. .
Dr Antonio Emiliano de So,uza Castro.
Fortunato Alves de Souza.
TrinJade
Padre Augusto Joao Maria Culleiv.
Joo Chrysostoiuo da Matla Bacellar.
Jos M'.'jel Rodrigues.
Nazarelh
Pad ao Simplicio das Neves e Souza.
Dr. .me Pombo Brico.
Fraileo Henrique de Mattos.
(is pharmaceuticos foram autorisados a aviar,
por conta do governo, todas as receitas, em que
os facultativos declararem que sao para enfermos
pobres.
A assembla geral dos accionistas do Banco
Coiniiieivial do Para elegeu os seguinles membros
da sua directora, em substituir > dos que nao
aeeitoram os cargos: directores, Francisco Gau-
dencio da Cosa, Antonio Jos Auttines Sobrinho,
Joaquim Jos Teixeira Bastos, Joaquim Nunes de
Almeida, coininsso de contas, Manoel F. de Oli-
veira.
A alfaudega renden no mez de Janeiro.....
i00:299339.
0 cambio regulava sobre Londres 2o 1/4 a
30 I/i d. .
Leinos no Diario do Gram-Puru
i Sobre o lamentavel acoulecimcnlo, que hon-
lem (28i noticiamos, e de iiue foi victima um in-
feliz empregado da companhia dos trilhos urba-
nos, recebemos o seguinte :
i Houtem (27) a tarde, depos das horas do ser-
vico o encarregado dos trabalhos da nova eslacao
da estrada de ierro praense, depois de embarcar
a gente c.fermmenta, n'uma dos locomotivas da
companhia, com sentido de recolher-se eslacao,
collocou atravessados na plataforma da machina
alguns paos comprdos, c junto com outro empre-
gado collocou-se na mesma platafonna. Mal ti-
nha comecado a mover-se a machina quaudo os
naos atravessados encontraranr outros paos eolio-
cados fra da linha ao lado da chave do desvio
e atiraram as duas pessas da plataforma sobre a
linha defronte da locomotiva ; um salvou-se pil-
lando fra da linha e outro ficou esmagado debai
xo das rodas da locomotiva e morto instantnea
mente.
O infeliz chamava-se Dr. Guilherme Conrado
Jones, norte-americano, casado, tendo entrado ha
poneos das no -servico da companhia como um
dos ajudantes do gerente* Para, 28 de Janeiro de
1873. -John 0. Huyes.
t No domingo 2>i ao meio dia na Loj.\ Capv
Harm.-. e sob a presidencia do Del.-, do Sap.\
Giam Mestre.. reuniram-se os V.-. e de mais DD..
e OOIT.-. das Lk\ Harm.-. Firm.-. e Hum.-. Cosmop.-.
Harm.. Fralernid.., Renascenca e Aurora com
grande numero dos seus oobr.-. c mine., dispersos,
afun de resol vorem quaes as providencias legaes
que cumpre a macouaria tomar em ordem a ga-
rantir sua paz, em vista de continuadas provoca-
cSCs que contri ella e sera um motivo justificado
tem emanado de alguns prelados diocesanos.
Diversos foram os assuinptos de que se oecu-
pou a reuniao, resumindo se a final fio seguinte :
t l. Felicitar a maconaria praense pernam-
btteana joela maneira pacfica e honrosa porque
se houve por occasio do acto attentatorio do dio-
cesano, mandando eliminar os rucoj)8 das corpo-
rafSes religiosas.
2.' Nomeaco de una commisso_ que, em ra-
ce da legislacjio'do paiz e da civilisaciio do secuto,
formule dina representaco para ser levada aos
altos poderes do estado.
i Para esta coramisso foram designados os Srs.
padre Eutvchio, Dr. Samuel, capua'-tenente Quei-
rox, Dr. Assis, Manoel Cruz, Dr. Juliao e Dr.
Malcher.
3.' PuWicar-se o quadro de todas as LLj..
existentes no val/, nao so dos membros activos,
como ainda dos que tenham sido eliminados, visto
como esta eircumstancia nao lhe faz perder a qua-
lidada1*'macn.
MXRAXHO.
No Io do cwrente escreve nosso correspondente
da capital :
t No vapor que aijui deve chegar a 14 do cor-
rento, esperado o Exm. Sr. Dr. Sil vino Elvidio
Carueiro da Cunha, que vem assumir as redeas da
adijrnistraco da provincia.
Conhecedor como somos do carcter de S.
Exc > nao podemos esperar senao urna adminis-
trifSo beneftea, donde colha a provincia os mais
(clize* resallados.
recenseainenlu da provincia; e, segundo nosenns- villa alguinas leguas, e onde tem seu esiabeleci-
ta, esto pefieitamonte acabados, e foram faltos nenio de lavoura na margem esquerda, receioso
com pouco despendi dos cofres pblicos ; sao, das aggressoes destes indios em verdadeiro estado
pois. dignos de elogios tolos aquellos que tem con- selvageiu, nao obstante brinda-los sempro fue I
corrido para tal fin. visitam, pedir a S. Exc. o Sr. presidente da pro-
A se Tetara do governo tem-se tornado infa- v.ncia, licenca para ter jnnto de s, para defeza
tigavel para que a exeeucSo de semelhanle traba- sua e de su familia, una guarda de sei* hoinen.-
lho seja com toda a cxacudo, de modo a satisfa- d.j halnlho n. 30, de <|iie commandante, obri-
zer as vistas e recoiumenda-oes do governo. gando-se a pagar-lhes de seu bolss os res|>ectivo.s
Proseguem com vanlagein os trabamos da venrimentns, desojando uuic:ijneiite obicr para
coininsso central nomeada, alim de obter donali- isto pennissaO do governo para dar a este negurio
vos deslinados in-true.'b) publica, ej monta em 0 carcter 0'Beial.i
boa cifra a quantia arrecadada. piaiiiy.
Com grande vnntagem para o conunercio, ac- Achava-se administrando a provincia
ba de remeller para esta capital, o Sr. Dr. Anto-
A' S. Exc. e a sua Exilia, familia desfijamos ^es aproveita, para se reconciliaren! o oleo dw
prospera viagein. cupahyba que vendcui aos ambiciosos regaloes que
A poltica por aipai passa sem o menor inri- em troca os liabilitam com armamento e uwnirau,
dente, os grupos maniem-se arredados da impren-1 sem se iinportarem d;us terriwis eonsequencias de
sa, <|ue s desperta com a chegada dos vapores sen proceder impensado.
o sul
A eonfiaiica e adheso ao actual gabinete, nao
se faz duvidar entre nos; os proprios desconten-
tes roconheceni a sua torca e prestigio na gesto
dos negocios pblicos.
Nao nos tem assuslado a grita dos oiqiosicio-
nislas da corte, an'es estonios convencidos de qurt
d i da em dia, e de prodigio em prodigio, o mi-
nisterio actual vai confirmando ao paii que o
admira e o applaude, a effleacia e valor de seu
poder : todos lhe fazem justica, embora a guer-
ra destes ou ilaquelles gritadores, que nieu-
tem a sua origen) e postergara os seus principios,
e ludo porque" o ministerio nao pode e nao quer
t Nos ltimos dous mezos (novembro e dezem-
bro) a trilm Tyinbyra, na aWeia de Bacury assas-
sinou a tres honiens que inermes trabaihavaui em
Mas roos t; ferra a outros qne escaparam su..
lerocidade. O capitao Manoel de Abren Vallada-
res, intentando prender os facciosos, foi com urna
escolta aldeia e nao encontrou-os*alli ; na vo|i;
oi atacado por grande numero de indios, em
guerriihas, esrapando a escolta milagrosamente,
com excepcao de dous hoinens que foram morios.
cando ootraa feridos.
t Outra aldeia vi inha alacou os vaqueiros da
(atonda Livramento, da viuva e lilhos do fallecido
I.'acio Luiz Rodriguos, os ipiaes rnrrendo, apro-
sacrilicar o paiz no que elle tem de mais nobre e veitaram os indios a occasio e saquearain a dita
santo, saiisfai.o de pequeiiinas conveniencias fazenda e a incendiaran!, pelo que a vuva horro-
pessoaes. r sada abandonou a sua habitaco prxima dita
0 estado sanitario satisfactorio, a beriberi que fazenda*' pedindo soccorro s autoridades ne-
grassava com intensidade ha mais de 2 anuos, e nhuin lhe loi prestado, resolvendo-se ella a deixar
ipie roubou-nos preeioSM vidas, j se acha ipiasi
extincto, ( s um nutra caso apparoce, gravas as
pjoviden'as tomadas pelo governo. qne nao tem
poupado esforcos e despezas para fazer desappa-
recr um lio iorrivel flagello.
Ja se aeliam quasi concluidos os trabalhos do
por una vez a sua situaco, retirando seu gado,
para evitar oonseqoeneias funestas.
t Em vista de lo desesperado estado, consta-
nos que o tcueite-coronc! Manoel Mariano Ban-
deira da Gama, que reside prximo s referida!'
trinos, na margem direito do Grajah, distante da
o 1 vice-
presidente
Lemos nos jornaes da capital :
S. Exc. o Sr. Dr. Pedro Alfonso Ferreira, al-
forriou por conta da provincia, pela verba votada
p ira emaiicipaco no orcainento vigente -14 es-
caves.
No dia 12 do corrente regresson cidade da
I'arnahyba o Sr. inajor Francisco Xavier de Mi-
randa Machado, sogro do nosso amigo Dr. Agesi-
lo Pereira da Silva, o qual por suas inaneiras de-
licadas deixou nesta capital multas all'eicoes.
A i hora da noute do dia 14 do corrate, na
nto Rodrigues da Silveira, duas amustia i de se-
ringa, extrahida as mattos de sua fazenda c,m S.
Jos dos Mandes. Vem para ser'avaliada e co-
nheceu-se o son valor no mercado : nao diz, po-
rm, o Sr. Silveira quies as arvores de que as
extrado, se da seringu'eira ordinaria, ou de outra
inalqner. Se nonver abnndaneia dessas arvores,
um futuro ramo de eoounercio para esta pro-
vincia se fr bem aproyeitadu.
A' senmthaute respe o lemos no Paiz :
u Quando recebemos as amostras da borracha
(pie nos remellen o Sr. Forj Brabo, de Callas, o ra da Gloria desla cidade, foi rruelmenle espan-
anno passado, moslremo-las entre outros aos Srs. cado o Sr. Lycurgo de Paiva, por dous individuo*
Manoel Ferreira Campos i C. Estes honrados nc- desconhecdos.
gociantes, que ligam ao progresso da. provincia o A' hora too adiantada da noute, quando a-".
mais decidido interesan, inmediatamente manda- patriilhas, que rondara apenas at a mea noute,
rain pedir p-sssoa daquella cidade maior poreo jiseliavian recolbido aos quarle<, nao pode o
da gonima para ser examinada em Inglaterra, oiendido ser soccorrido de prompto ; assim nies-
cwiuo elfeclivainente foi. Agora do-nos elles co- iuo apresenlou-se na occasio um sargento de po-
pta do qtwf de Liverpool lhe deiu-os Srs. Giin*. Acia e 1WD diiuois algumas nnir: iHW>is .iiirT.
ton Sons 4 C, dando conla do resultado dos exa-, hidas pelos gritos da victima, quo fizeraui correr
mes felos as amostras enviadas, e que o se- os malfeitores, que servirain-se para a perpetra-
guinte : riw &o crime de talos de palmeira, tira/lis as.qui-
t Sobre a amostra de borracha que nos manda- as, o que inostra que somonte tinham por flm n-
ram, dizem Mancanter k C.: -lem a mesmabran- 'junar e maltratar ao offendido, que nos consta fi-
feriinentos c
icio.
dura daquella de que j ha lempos demos nfor- cara com algumas conlusoes e
ma.oes. E*to laminada a iintn;o da borracha dorados leves no corpo de dlic
fina do Para, mas muito defumada para disfarcar i ceaua'.
a sua molle qualidade. | Achava-se na capital, vindo do luliamuuv o
Perde por esse motivo no fabr eo, 29 0/0. e Exm. Sr. Dr. Gervasio Cicero de Albuquerque
comparando-a a (pialquerdas q'ualidades que ve:n Mello, presdeme nomeado para a provincia dw
ao nosso mercado, classilica-la-bemus igual s bal- Piauhy.
las da frica -African ballsi, podendo nicamente; Foramsanecionadas e publicadas as segam-
trabalhar-se com ella quando misturada cora ou- tes leis prvineiaes :
ira. Seu valor boje aqu 1/6 a 1/8 II. (20 a N. 1190 de lo' de dezembro de 1872, que raar-
22i moeda brasileiral. Carla de" C de novembro ca os limites entro as freguezias de Cachoeira e a
de 1872. de Qnixeramobim,
Em 18 do inesmo mez dizeiu-iios :
t Ainda sobre a amostra de borrraeba do Ma-
ranho. vejam Vnics. o (pie nos diz um outro con-
sumidor.
Deeoinpe-se urna parle no quarlo de seccar.
e ftca dr pois disto to macia, que impossivelem-
prega-la, a nao ser misturada cora outra.
c Pedo 30 0/0do peso, e com o actual preparo,
igual a couimum africana.
Julgamos que a brandar ou macieza pro-
dnzida por algum oleo empregado no preparo.
Tem un cheiro forte de creosote e una cor
escura antes de ser vulcanisada.
< Depos que o fica com mi cheiro e m
ci', sera duvda causada pela materia oleosa eni-
pregada na fabrca'.o do pao da borracha.
Sirvan) estas n'orniaces de guia aos murado-
res daquclles lugares, lim de anima-tos na ex-
trac.o de fao rendoso genero, base da prosperi-
dade do Para. v
Reassumio no dia 27 do pagado, o cargo de
secretario do governo o Sr. Dr. Antonio Pedro
Ferreira Lima, que se achava no gol) de liceii'.a
por motivos de sade.
Tambera acaba de chegar o Sr. Dr. Felinto
Henriques de Almeida, luiz de direito da comarca
de Alcntara, e seguo neje seu destino.
i A Impensa desta cidade tem neStes nltimos
(las se oceupado de negecios do Piauhy, conver-
tends-se assim "era verdadeiro pellourinlio da re-
putado do Exm. Sr. Dr. Pedro AITonso Ferreira,
ex-presidente daquella provincia.
i Os homens de bom senso que de perto conhe-
cera o carcter de S. Exc, lhe fazem inteira Justi-
ca nao^acrediando era Usas asserefies que sao fi-
Ihas do despeilo. Todas as considerai;oes sito
postas margein para dar-se desabafo aos resen-
timentos mdivUuaes.
S. Exc. c aecusado de ler mandado dar una
sorra de pao em um tal Lvcnrgo !
Ha aecusaoes que n|o se refutam. Expo-iaa
destraillas.
No da 30 d passaJo reunio-se a assembla
geral da companhia de illuminaco gaz. sob a
presidencia do Dr. Gentil Hornera Depois de lulo
o relatorio da directora e o parecer da comiuis-
so de cenias, procedeu-se eleclo. que deu o
seguiute resultado :
i Mesa da assembla geral.
Presidente Dr. Heraclito (Vaca
1 secretario Agostinbo Coelho Fragoso
2o dito E. Marqus-Rodrigues Jnior
i Direcloria.
Joan Bento de Barros
Dr. Gentil H. de Almeida Braga
Custodio Goncalves Belchior
Joaquim Marques Rodrigues
Dr. J. R Jauffret
a Coininsso fiscal.
Joaqniui Baptista do Prado .
Joo de Almeida Azevedo
Domingos Pereira Borges .
t Escrevera-nos da Chapada do Pjtt :
Ha tempos que os habitantes deste
termo vivera em completo sobresalto.
% votos
96 t
96 t
224 t
ioO <
122
115
112
100 <
90
90
extenso
Como se
sabe, existindo no mesmo termo numerosas tri-
bus de indios, cujo numero se nao excede igua-
la a dos chrstaos. vivem aquelles constantemente
em correras, o que constitue um verdadeiro fla-
gello que sobre nos peza.
' i Contra a nfio"nlerrompida marcha de succes-
sos desastrosos, ainda o houve urna providen-
cia, Sr. redactor, que fizesse desappa,recer 0 abo-
mnavel furor distes indios que tem por devo-
i.o praticar toda serte de atrocidades, perpe-
trando assaesinatos e roubando gado ao^ creado-
res,
f Depois que satisfazera seus oam'nados interi-
|tos, laucara mo d Va ^i, que iaeJwiaeaW orm da leu
N. I4!)l da mesma data, que transiere para a
povoacao da Gran, do termo de Sobral, a sede d-.
districto de paz da Lana ea cadoira publica d.. ,
ensino primario.
N. ii!2 da mesma dala, que eleva ca-
Ihegoria de comarca os termos Je Maranguape >
Barbalha.
N. 1183 de 20 de dezembro, que desmembra do
termo da villa da Imperad iz e aunexa ao de Par-
ctir o districto de pai do Mundahu.
N. 1494 de 20 de dezombro, que anprova o
contrato feito com o teen te-coronel beveriane
Ribeiro da Cunha e Cicero de Pontes para o ser-
vico de despejo e limpeza das habilaroes desta ci-
dade.
J li9"i da mesma data que aunexa o offiete
de escrivu do jurv ao do civel e criine do termo
de S. Joo do Principe
N. 49C da mesiiia data, que ajiprova as clau-
sulas 9', 10 e 11* do contrato da companhia da.
va frrea de Baturt. *
N. 1497 de 21 de dezembro, que crea aideira.-
de instrnecto primaria para o sexo masculino iu
cidade de S. Bernardo e para o feminino na mes-
ma cidade. e as de Maranguape, Ciato e villa de
Vanea-Alegre.
N. 1498 da niesina data, que crea eadeiras do
ensino primario para o >exo mascolino as po
voacoes de Iguana, Almofala, S. Miguel do Mar-
co, lpueiras e Riacho de Quixeramobim, e para
o feminino as de Tucunduba, Auiarraco e Ca-
noa, ficando transferida para a povoaeao de Ca-
mociin a cadeira do sexo iiiascolino do Paco Im-
perial.
Por conla dos cofres prvineiaes foram ma-
iiuiiiillidos:
Na villa do Ip 5 (^scravas.jendo un de J an-
uos, nutra de 20, outra de 2G e dua de 30, eaoV
urna pela quantia de 150*000.
Na villa de S. Bernardo foram manumitirdos
guahiient 7 escravos, 5 do sexo feminino e i do
masculino, de 20 a 6 airaos de idade, pela quantia.
de70>a000.
Peto vapor inglez Cearense chegaraui 100
tonelladasde ilhosaa pnmeira encoinmenda para*
i, via-feirea de Baturit. Nos vapores seguinte-
devem vir novas reraessas.
Durante o anrto passado sepultaram-se no
ceniiterio publico da capital 684 pessoas, sendo
adultas 305, prvula* 179homens 144, mulnere>
161, meninos 178, meninas 201.
O obituario do anno passado, da capital,
consigna os seguntes casos de longevdade :
Narcisa Perei a Gomes com 113 annos, Rosa, es-
crava do Sr. Joao Baptista da Costo Gomes com
101, filaudina Mara da Conceicio com 100, Del-
fina Mara da Conceicio 99, Maria Francisca da
Conceipao 90.
Nao indurado militas pess a? que attragiram a
,ivaneada idade de 80 annos.
A alfandega rendeu no mez de janeitv-
150:707*237.
mo GRANDE.
JStVi 5 do corrente escreve nosso correspon-
dente da capital:
t A' vista dos ltimos acontecimeiiUos, que st
tem dado no districto de Santa Cr\nz da Cachoeira
relativamente aos quatro assassinatos e diversos
feriinentos grav*, de que i lhe dei noticia em
minhas duas anteriores, resolveu S. Exc. o Sr. vie
presidente da proyjncia, requisicio do Sr. Dr
chefe de polica interino, que se passasse par;
aquello dislrictoo Dr. miz municipal de 9. Js
Luiz Antonio Perreira Souto Jnior, acompanha-
do d adjunto de prometor publico da comarca.
afim de tomarem oonheclmento desses factos, ins-
taurando se all niesmo, por assim convir aos a-
rtsses da justica, os competentes procesa o

MinttMO
-


'

I


*
de Penanibuc Sab
*>
^ t>yj-
imm|o juii foi posta urna

ry. db ojjominan lo do lenehto
SgO wrVis, para rom ella sr
A' di
forra de *J .
Francisca Cea;
auxiliar o resjMtivo ttsAawlMgado as diligencias
tendentes captura da lodosas criminosa..
Prtf acto de 28 de mez passado foi dispensado
da coi Miesao "de delegado de jmHeia da cdaje da
hnperatriz o tenente Henales Fludaliira de Car-
valho, cominandaiite do jUaeaineaio ,-JJi estacio-
nado, passando esse llteial a dcseAenliar igual
mmmisao na cidaile de Mossor. w sobstituisao
ao alferes Joao Ferreira de QlivetraM0 b'vo ur-
dem de seguir daquella cidade para a da Impera-
tro, no carcter, somet, aeoinmandante da lor-
.a publica, pois que |tara o lugar de delegada
oi noineado o cid^n Bernardo Eugenio Pe-
soto- -^ .
No distrirtu de foco I.mpn. fregtrcna.aV >.
Concalo, deu-se o tristesuccesso de haver fallecido
Jos' Joaquim Boa-Anorte, victima de uin tiro do
spingard, (|iic se desparara Casualmente, na oc-
casiao em que a desparafusava un seu cimbado
le nome Joan Fettx Nepmnuwnn.
Sobre tal occurrcncia consta que o Sr. r.
befe de polic.a mandn proceder a minuciosas
averigua-oes, alim de conhecer-se la verdade do
faci e ter lugar o nrnredimenin recoimnendado
nelo art. 19 da lei n 2,0:1:1 de 20 de sel-omino de
1871.
No dia 20 fallecen nesta .capital major M-
iruel Rodrigues Vianna, emprozaro das obras
do nosso palacete da assemWa provincial.
Era um cidafl-io (ine gozava da estipa de t >-
los: sua morte prematura foi sentida geral-
mente.
No dia I* do corrente comparecen parante i
repartico da polica Maria do tal. rnnduzindo peta
uiao urna menor de nome Maria. lilln de un pre-
so de Justica, qucxando-se de que Padre de tal,
valgo Miniar vi, olh>al de alfaiate, residente a
ra do Porto dsta capital, hasta estuprado aquel-
la infeliz ereanea.
Sem demora proredeu-se a exorne medico, e
p: elle reconliocen-se o dHloramento brbaro, que
soffrera a victima de (So descommunal concupis-
cencia.
t A infeliz dellorada representa ler de 8 a 9 an-
ilQsde id ule.
FeJizmeiite para a justica pole-se examinar o
autor desse borrivel crirae, aprcsenlando elle os
recentes fastigios do delicio.
< R' digna ie louvor a solicitude con que se
honre o ir. Dr. chele de polica interino, Jos
Ignacio Fernandas Barros, h quetn se deve a im-
mediata (trisan do criminoso.
a O facto. que tica registrado, igual ao que em
abril de 18ttt fon praticado na pessoa da menor
Auna pelo.oloberriina Jos Osono Roque Rocha,
queaiada aoje ge acha impune, zonibaudo da mo-
raidade publica.
E' assns'ador e por damais deploravel 0 esta-
do, em atoe se acha a comarca de va*9aretim%
Segundo aopiafio geral, a cansa dos desman-
des, tropelas e criraes, que all se vo dando da
p ir dia, est no modo retobante, porque proec tero
peuMt. qno, por sua posco social e olli-i.il, do-
viam Saras prieinras em se compenetrar do sena
importantes deveres de autoridade o ridado.
Os fa-tos criminosos all se reproduzein todos
os das, e os que so acaban) de dar revoltura ao
espirito mais mdifTerente s cousas publicas.
< BstM faetos dispensan t o I > e quilquer com-
nteatario, e o leitor os apreciar ua pe .a ofllcial,
E-la :
Illm. Sr.Hontom, (2G de Janeiro) as 0 lloras
di tarde, por occasiao de pretenderen! os soldados
d> destacamento tomar urna faca de ponta do po-
der de Jos Cenr, \i r ser homein turbulento e
aflato a fazer insultos, comojotem pratit'ado
nesta villa, aonteceu nio juerer Cenia entregar
a faca aos soldados.
Bstes eiitenlcrau que deviam cTectuar a to-
nida da referida laca, para oque foi mister luta-
r m e mi o wbre lito Ce ir, spffrando esta alguna
P".niios ile (','('. 'e sendo conduzido ao qnarhd
enc.intrarain, ao entrar,o Dr. Montenegro, a qnetn
Gear fedio que o valesse. Djngindo-se asteur^
a i qnartel, acompanhado d|i seus amigos Ma-
i.-l Perreiradi i^sta e Custeqio Rodrigues For-
reir Haia, c impanha los por um gran le numero
de artistas o mais pessoasdj povo. que hapoucas
\ .ras haviam sabido de urna reunio, accommet*
tereaa o quartel, lancaodo sobre os sollados as
ni riores insultos de e'nvoltn cmi as autoridades e
gtremo < 1 paiz. povo insuflado por estes ho-
rneas armados do cceles e algumas facas, agglo-
iuerou-se dentro do quartel, insultando igualmente
E neu admira que tae* ordens emanassein.de'
mu jniz, que ja anteriormente- bassia feito- preudor
em um wlol da lazcnoa (U>, Maoabas., por espaca
de 6 a.8 djas, e alm de oulrss, a Viente Ber-
n;i des da Cunha, o-rriesmo que fura portador do
offlcio, eommunicando a exoneracao do 6." sup-
Mntc da deleffncia, e me por ocrisiio do combft-
tatravalo na villa, vera a desgranada sorte de
-ir. por dPdem desse juiz, collocada em ma das
janellas da-casa da cmara, para onde se dirigiam
oj iros lispanulos pek for^a do delegado, para
ah ser. como o foi ie facto, victima de inevitaveis
forimentoa (doc. ns, 8 e II) ............./
..........,.... ......Evidehtemenle, m todo
onroeeftnenlo desse juiz, desle a poder Ilegal,
qt assumio, de procissar a individuos, qu os-
rpavaiu sua.jur1sdic5o ; ilesde o modo irregu-
lar porque proceden naformaco da rulpa contra
o ex-deleg;rdo al s ultimas consecuencias do-seus
actos, nao ha que ver senao o desmpetlo iei, o
aibitrio, a desmoralisara S seu raracter ie ma-
,jr:irwl- ni rrasf ai nonio, em lim, a toda casta
de desordena. Pora por demais longo, tatvez mes-
uio ntcrminavel, referir todas as scenas desse
drama, que por escafneo do hem sonso, terminou
aiuda por urna ridicula farra, de que adianto me
oceuparei, etc.............................
O Sr. coii'elbeiro Martins Francisco liberal,
nao pode ser suspeito ao.Sr. Dr. Costa Miranda.
I Os trechos, qua ah ficam registrados, e -14110
fazm parle do relatorio apresentado o eorpo le-
gislal.vo em 1868. vom dcsgracadamemte conipro-
var que ueste paiz ninguem se ctra^a. Sean
digam os entendidosofide estara hoje o Sr. Dr.
Costa Miranda ?
Administrando jn^tiea, no exercicio de to 110-
hres e importantes funecoes.
Nao por certo.
No iba 30 do mez passado, realisou-se ,1 inti-
drnca da thesouraria provincial da-ra Nova, em"
que funeeionavn, para um dos salees do novo pa-
lafito da assemhla.
Por ttulos do dia 1 loram nomoados o bacha
re Jos Alves de Souza Jnior, promotor publico
de S. I isi'f de Mpib, e o r. Feliciano Francisco
ai Mus, engenheiro da provincia.
c No dia embarcou para ssa cidado__ do Re-
fife, no vapor Pimpimn, chamado do Exin. Sr.
hispo, o l!vd. vgario desta freguezia Bartholomeu
da Rocha Pafondea.
O sen enmarque foi um dos mais solemnes e
eohcorrldoa, que se tem visto nesta capital.
Torios os funecionarios pblicos, desle o hxm.
Sr. vico-presidente at o mala insignificante ins-
pt e| ir .le quarleiro, todos os negociantes e ar-
tistas, todas as pessoas qualifieadas, em lim, ah
se acharam : nao se, distinguala posieoes, classes,
nein cores polticas. .
c No dia 1." de Janeiro havia de saldo na the-
souraria provincial : ^
^ Do exercicio de 1871 a 1872 08)4)1/
. Dito de 1872 a 1873 -3:i05tt85
. lleuden a alfandega em todo o mez de Janeiro
20:0(ij:iri.
PARAHYBA.
Nada occorreu digno de menclo.
fl*------;-------------------'
da pida igreja de Jess ',;hfistn. nis legitima as-, ti
W est diocese, em iv>mpMento do nosso sagra-
do d'v.-r em vrtnde fe autoridade- pisco-
pal, laiM-amiR hena ib; jUJerdieta sobre a men-i
cionada irmanliaiie e sua capella ; ewtarainos
fornialuieiite que. dita 'pena s deixar de ter
vigor com a retrac'aco, ou lliminacao daqueJIes
irnatos, que por iiijalMidade sao- liUadas a ma-
r maria. Mtkk anas
t Dada emnosaalacio episcopal fe Soledade,
cra6de fevereiroda 1873f Fm rtal, hispe
de Oiinda. # .
Fallecaaito.Deu hontem a alma ao
Creador, o aligo finpregado/'da recebedoria de
rendas geraes o Sr. Jos Jcrwfl/ino de Souza Li-
moero.
Venda de predio.-^Se dia 8 de marro
prximo vai i'fcraca, perant a thesodfaria de a-
lenda, par venda, o pronrig nacional denominado
fa 2:ti80*Wf)-
F"stividade reli{rlsa- Celehra-se
amaiilia, na, icreja.de S. Goacalo, a festa de Nos
sa Seahora ua Sade, havendo de madrugada
niissa.
Transferencia. Os oncarregados da festa
de Kossa Senhora da Cenceico, que se veaera na
igrrja do Bom-Fin, na cidade de Oiinda, resolve-
rn! transferir para segaaida-feira aoitr o fogo
de artificio.
.11 ortc {casual.No dia .0 do conrente fal-
leccu dentro do acude do engenho Matto-Grosso,
da freguezia de'Jaboato, Jos Baptista de Souza,
contiendo por Ferreira, sendo a morte pceduzida
por asjibixia por subiaerso.
Tlr. -No dia 6^0 corrente, no lugar Cham
4a Aldeia, Joaqirm Xavier Rodrigiles Cezar foi
ferido com um tiro por Jos Raymundo, que lo-
grou evadir-se. 1
Aprcsentarani-.seAo delegado do ter-
mo de Santo Anta no dia primeiro do corrente.
Manoel Caetano Kibeiro e Fi-ancisco j aetano B-
bero, autores do assassnato do tenente-coronel
Ab-xandrino Martins Correa de Barros. ,
llalvadcz. Na madrugada de hontem os
ladrees eortaram e conduziram o canno de chum-
bo que deitava agua para um tanque jlo sitio do
Dr. Jos Soriano de Souzr, na estrada de Joao de
Barros.
Tlieatro Santo Antouio. Sobe boj e
scena, pela segunda vez, o iuteressante drama A
/il/ri ib a le applaudido foi.
Annlversarl.Completa amanhi i3 annos
S. M. o sullao da Turqua.
Distancias.As distancias-entre ns capjtaes
das provincias no litoral do Para ao Hio, sao as
seguintes, liradas das olas de
um ilos paquetes do Sul.
Do Para ao Maranho........
Do Maranho ao Cear.......
Do Cear ao Rio (l. do Norte ..
Do Rio Grande do Norte a 'a-
rabyba...........-........
Da Parahyba a Pernambnco..
De Pernambuc^ a Mace-----
De Mace a Babia.........
Da Babia ao Rio............
de Fevereir.t> de 1873.


-TT-;
PS
a. guando nesta occaslto appareceu o le- ll(} |tu.KtJros jos
litVne-Coronel "
Villar, que nuil intMe eoutor a rm
dos -amotiu.dores, e sem demora retirou-se o Dr.
Wontenegtq e seus dous amigos para a rasa do Dr.
hs de dreito, a quem reqnererain hiheas-comM
n favor de Centr, o qual foi logo conduzido
preaeaea do Dr. juz de dimito, que, sem dentara
idou-o pdr em liberdade, e em seguida inter-
rogou ao cabo do destacamento e mais quatro
praeas, que tinhara feito parte da tomada da faca
Geara. Concluidos os intorrogatrios, foram per
eUe presos os cinco soldados e rem ittidos mesma
har ao juiz municipal supplente deslA termo, e"
^ni demira foram recomidos prisa i, onde se.
coaserram guardados por suardas nacionaes !
Releva declarar a V. S. que em vista do oc-
e orido aeha-se o quartel sem a menor seguranza
ra n'elle se conservarem dous presos unten-
eiwiat o um que est sendo processado, sendo que
i iqtiencitdos conservam-se aesta vula por ddi-
*>-rT)rao do Dr. juiz de direto. V. S, pois, d as
jirovidencias qae em sua alta sabedoria julgar
.'citadas, etc.-
Nao se qualiRca semclhante procedimonto.
Tem multa razo aquelles que tornam res-
pnisavel por esses desmandos ao junde direito da
oarca, Dr. Jo.ijuin Tavares da Costa Miranda.
De seu acto irrefleetido, illegal e por demais
violento, prendendo elle propro aos cinco soldados
unicos de qiii se compoe o destacamento, dizem
cutas d'alli escriptas por pessoas de criterio, po-
diam resultar serias e fataes con-equencias.
Por aflronta a tu lo quanto ha de justo, legal
-a lionesio, e a tudo quanto os horneas respeitapi
veneram, pratjcain-seem Caagoaretamaos inaio-
res escndalos a todos os respetos.
A Driso publica (cot ab m I ma la ; e tals-ez,
a esta ora, j se tenbam evadido os dous senten-
.iados e> criminoso que responda formaco
ra culpa.
E quem ser o responsavel i
Os habitantes de Canguaretama, aqiielles que
respeitam lei e moraidade, pedem de m40f
posta* ao governo imperial um remidi para tan-
tos males que sotfrem.
Nao ha um momento a esperar
o Qurem a remoQ.o desse magistrado, ou, ein
ultimo caso, a suppressao da comarca.
o Na provincia da Parahyha, onde servio o Sr.
Dr. Costa Miranda, lan;ou-se man desse meio extre
me,supprimindo-sellie a comarcada Independen
na. theatro de outras tanta; scenas de escndalo e
horror, onde o celebre pratogtmista, tudo praticava.
da lei, calcando-a aos ps, ein nome do direilo,
postergan o o, em nomo da nlem pubtic, alte-
rando-a, em nome da moral, olfcnden)o-a, em nome
da sociedade escarnecendo-a
O paiz nteiro sabe de ludo quanto capaz
esse juz arbitrario e violento.
a Anda ti idus se recordam do que a sou respeito
se acha estampado no rotatorio do Sr. conselbelro
Marliru Francisco Ribeiro de Andrada, ministr
da justica em .1868.
Nao ha quem desconheca a historia nefanda
do celebre juiz de dreito do' Patrocinio da Par-
nahiha em Minas-Gerans.
Nao ser lora de proposito que aqu mesmo
se transcrev.im algn? tpicos d'aquelle importante
documento offlcial
................ Com cffe.'to, as ao; juizes
de dreito, como autoridades crimiias. compe-
teii as alti.-ibui.Oas expresos no art 200 e seus
do regulamanto n. 12 de 31 de Janeiro de 1812 ;
. e se em nenhuma das bypoiheses ah enumeradas
est, e nm poda estar de manter a ordem pu-
blica, porque este encargo exclusivamente coui-
meitido polica, com que fundamento legal po lia
r. Costa Miranda dirigir-so villa do Patroci-
no escoltado por 110 pessoas armadas ?
o Ainda mais: diz elle que se fizera acompa
nhar d promotor pujlico, dos odleaes e justica
&e tea juizo, da for;.'t publica, e do cidados rm
jienhfidos n> garani de seus direitos e na honra
ie xuas familias.
lias, coma concilinr-se semclhante assevera
cao oom fneto do haver elle maiid.ito no dia 30
de daaemhro, aehaivlo-se na fazenda dos Maea-
bas, i leguas de distancia da villa do Patrocinio,
intimar s todo o eidadao, <|ue fosse encontrado pelos ofli-
ciaes de jusiica, para compare-;rem, perante elle,
, e o aeompauharem aquella villa.? (doc. n. 3).
%\ pois, evideni3 .qua a presanpa d'aquoHe
^jiui om yillivdoafeUri'Ciruo, hem longe de revolar
o zelo* queiMS/SayooIo e$lab>leciracnti da or-
dem publica, foi antes a serraenca de actos ante-
cioras pratteados com raanifesta violacao dns les,
rumo passo a cxpdraHP
REVISTA DIARIA.
Autoridades polieiaes.Por portaria da
presideucia da p'ovinca, de 3 e 5 do corrente:
Foi considerada de nenlium cfTeito a aomeaco
de Francisco Vicente de; Vasconcelos, e Manuel
Vilorto de Souza para i." e 3. supplentes de
subdelemdo do dislreto de Nussa Senhora das
Dores do Po;ao, do termo de Cimbres, por nao
lerem prestado juramento.
Foram eaoneradea dos lugares: de l. e
Slipptentes ilo subdelegado do 1." districto do
termo de Baique, Joaqaim Epiphanio de Mello,
e l.uiz Manoel do Siqncira; de subdelegado do
districto do Campo Verde, do termo de Barreiros,
Manuel Bernardo Vieira Cavalcante; de 2.* sup-
plente do deleg ido do termo de Nazareth, Herculauo
Bandeira do Mello.
Fora n noineados: 1 e 3.' snnplentes do subde-
legado 11 districto de Nossa Senhora das Dores do
Puco, do termo de Cimbres, Tertuliano Jos da
Silva, a Clemente da Silva Reg delegado do termo
de Ouricurv, o capitao do corpo de polica Antonio
Jbs do Andrade ; subdelegado do districto de
Abren de Una, Antonio Santiago P. de Mello; sub-
delegado do districto de Campo Verde, do termo
" s Jlachado Dutra ; 1., 2. e 3
supplentes do subdelegado do i. districto do
termo de Baique, B.-rnudii Joaqaim de Almeida,
Joaqaim Bernardo da Silva, c Rodolpbo Rlamberg
di Albiiquerquc; subdelegado, 1." 2." e 3.- sup-
p entes do districto de Tara, do termo de Iluique,
Zacaras Harbalho de Matlos, Valenco Soares v i-
lella. Antonio Vieira de Mello, Antonio Machado
Padilba: 2. supplente do subdelegado do termo de
Nazareth, Tliom Correia de Araujo; subdelegad i
da freguezia de Alagoa de Baixo ou Moxot, do
termo de Cimbres, o alferes do corpo de polica
Bellarmino Pinto de Paiva.
Institutu asrieola^-Por portaria da prc
sidenciada provincia, de ."ido corrente,foi nomea-
do Joaqaim Lopes Machado para o cargo de direc-
tor do instituto agrcola, durante o impedimento
do senador Francisco do liego Barros Barreno.
Guarda iiaeional.-I'or portara da prc
sidencia, da provincia do 3 do correrte, mandoa-Sh
daT guia de pa=sagem para o municipio do Recife,
ai alferes do servico da reserva do municipio de
Pao d'Alho, Joaquiin Martniano de 'Souza.
Tliesouiviria praviuciaL-Por portaria
da presidencia da provincia, de 4 do corrente, foi
nimeada urna eommissao, composta dos Drs. Jos
Zacaras de Carvalho, Augusto Carneiro Monteiro
da Silva Santos e Joao da Silva Ramos, para, nos
termos da lei provincial n. 276 de 7 do abril de
18ol, declarar se Domingos Soriano da Silva
aeha-se physica ou moralmente impossii litado de
eoatinaar a exercer o lugar de porleiro dathesou
riria provincial, por molestia adquirida nesse
exercicio.
Collcgin de ornlios c de orplias.
Por portaria da presidencia da provincia, de 4 do
correnle, foi nomeada urna coinmisso, composta
dos Srs. Dr. Manoel ClementinoCarneiro da Cunha,
ronego Joaquiin Francisco de Parias e Dr. Joao
Capistrano Bandeira de Mello Filho, para rever os
regulamentos dos collegios de orph s e de orpbSs,
propondo as altcrac/jus que nenes se deva fazer,
de accordo com as bases estabelecidas no artigo 6(
da lei provincial n. 5)t de 13 de maio de 1864.
Jury do Reeife.Funccionou hontem sob
a jiresdencia do Sr. desembargador Neiva
Foi submettido a julgameulo o reo Paulino Alvos
de Mondonga, pronunciado no artigo 192 do cdigo
criminal, leudo por defensor o Sr. Dr. Joao Fran-
cisco Teixeira.
O conselho compoz-se dos Srs: Dr. Pedro dAIcan-
tara dos Guimaraes Peixoto, Joo Manoel Ribeiro
do Coito, Joo Joaquiin de Siqucira Varejio, Cap-
romo em Canguaretama, c o quemis : -em nome- mVmn GonQaive3 Lessa, Joaqaim Barboza dos Res,
Jos Luiz Innocencio Poggi, Caetano Pinto de
Veras, Ilelarmno de Barros Correia, Dr. Dridoro
Ulpiano Coelho Catanho, Dr. Manoel de Siqueira
Cavalcante, JiTonymo Emiliano de Miranda Lastro,
Antonio lose Duartc.
Tendo o conselho de scn'enca negado por nove
votos que o reo fosse o autor do crime de que era
aeeusado, foi elle abso'.vido.
Foram dispensados da presente aessSo os Srs.
Manoel Francisco dos Reis, por ser pratico da nar-
ra, e Theodoro Jos Tavares, por doenl.
Igreja d l':spirito-S.nt corrente foram declaradas interdictas a igreja c a
irmandade do Espirito Santo, como inelhor se ve-
ri dos dous documentos abaixo :
Santo Antonio do Recife, 7 de fevereiro de
1873.-Illm. Sr. Por ordem de S. Esc. Rvma.
remello a V. S. por copia a senthga do interdicto
Iue o mesmo Exm. Sr. lanc-ou sobre essa irman-
de e igreja, para que Hqae V. S. inteirado, e
intimado. E devendo eu dar-lhe nstruccSes so-
bre que privilegios fieam privados, tenho a decla-
rar a V. S. que nenhuma funeco religiosa era se
peder fazer na igreja, flcando osla fechada e a ir-
mandade lica privada de Tunccon; r nos actos r Ii-
giosos, nao podendo apparecer debaixo de qualquer
pretexto, com signaes distinctivo que indiquem
corpongao religiosa, e-cando igualmente priva-
dos de sepultura ecclosiastica os que. deram cau-
sa ao interdicto; isto os que pertencam soeje-
dn.de maromea.
< Devo notar que o interdicto s diz respeito ao
espiritual, continuando a irmandade a gozar de
sua administracao temporal.
Deus guarde a V. S. 0 conego vigario, ^In'o-
n'o iiarqu t de Castilh.i. Illm? Sr. juiz da irman-
dade do Divino Espirito Santo. >
D. Fr. Vital Mara Gon;al ves d'Olveira, por mered
ile eu-, oda santa s apostlica, hispo de Oiinda,
do con fielho 4e S. Magestade o Imperador.
Religando a irmandade do Divino Espirito-
Santo do Collegio, apeza/ de nossas pateroaes a4-
moestn^es, Bxpnlsar de sea gremio algins mom-
Wos qre ufo rtberem de modo algum abjurar a
miconaria, socledade j, muitas vezes condemna-
3.000000
2:800*000
2:1565000
1:782.')40
1:7005000
I20J000
l:fH8|000
HoOjOOO
oOOOt)
296j00)
1805000
U8I87Q
I0O50O0
Iriiiaiulad do lsiiirita-Santo.A
st<
IMrih-iro.-i) vapor Cruzeiro
para :
Fi-rnaudo & Iraiio
- Jlo Jos iiodrg-.ies Mondes
Pereira Carneiro & C."
Ohveira Filho 4 C."
Barros Jnior & fj.*
Jos Velbso Soaros
Miguel Jos AlVCS
Manoel da Silva Sampaio
Manoel dos Santos Valaca
Adelaide Martins
HayiiHindo Joao dos Res
Thomaz Times
J. Das de Abren
Kspri
manha, s 10 horas do da, deve haver urna rea-
nao da mesa geral dos roaos do Espirito-Santo,
alim de ser-lhc communicada a senten;a de inter-
diceo.
C;llc;rio das Orplas.-Por deiibcracao
da junta administrativa da Santa Casa de Mi-eri-
olidia do Recife foram mandadas admittir no col-
legio das orphas, as menores seguintes, que se
aclavaui inscriptas no respectivo quadro :
Digna, lilha de Joaquina Francisca de Santelmo
Barros.
Ei minia, fdha de Joaquina Rosa dos Prazcrcs
Sou >a.
Amia, lillia de Sophia Carolina de Moraes e
Silva.
Joaquina, filha de Francisca Maria do Espirito-
Santo.
Maria, lilha de Ameba Augusta de Mello Albu-
qtierque.
Tacas sobre eseravos.E* no corrente
mez que se deve pagar, livre de multa, e imposto
sobro eseravos.
Vapores esperados.De hoje at.
nh os francezes Gan\bie, da Europa, e Mena.
do sul di imperio, brasilero Paran, dem.
Vapores a sahf r. O Cururipr a 12 p:.
Mamanguapc ; o Parahyha a 13 para Tamandar
e escalas, o Pirapama para Granja c escalas, o
Mandahu para Aracajii e escalas
Keuniao social. -Amanha, s 3 horas e
meia da tarde, deve realisarse na na da Impera
tria n. segundo andar, a assembla geral dos
meinbros da asaociafao portugueza de beneficen-
cia dos empregados no commercio e as indus-
trias, alim de se proceder eleicao de diversos
funecionarios.
Apipueos. Moradores dcste povoado nos
pedem para chamar ltenlo do fiscal respectivo
para uqi boi morto que se,acha no rio Capujarihe,-
damnificando as aguas e causando grave im-
cominndo publico,
Falta ilcsculpavel.- Deixa hoje de ser
publicada a Wustraro Pe nambitcana, etoconse
quenria do se achar gravemente enferma a filha
do emprezario; falta esta que ser remunerada
aos Srs. assignantes.
I.otcria.-A que se acha a vonda a 39
beneficio da igrejn de Nossa Senhora.da Piedade
de Santo Amaro, que correno dia 14.
Casa de detcncao.Movhnento do dia
6 de fevereiro de 1873:
Existiam (presos) 343, entraran 6, sahiram 4,
Mlcceu I, existem 344.
A saber :
Nacionaes 277, mulheres 14, cstrangeiros 44,
eseravos 51, cscravas 8.Total 344.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 278.
Movimento da enfermara do da o de fevereiro
le 1873.
Teve baixa :
Antonio Jos Correa, sarnas.
Tiveram alta :
Rento Sabino.
Manoel, cscravo de Manoel Alves da Cruz.
Pedro, escravo sentenciado. '
Falleceu:
Manoel Morcira de Souza, hypertrophia.
Passa}i;ciros.=Vindos dos portes do norte
no vapor brasilero Cruzeiro do Sul:
Joaqaim Jos Rodrigues Collares, Valeriano Ro-
drigues Collares, Manoel Machado do Paria, tenen-
te Jos Placido.Lucas Brion, sua senhora e 1 filho
menor, Dr. Pedio Alfonso Ferreira, 3 criados e i
criada Fernando AJTfonso Ferreira,_ Alfredo de
Guerra Machado, Braz Brochado, Francisco Pe-
reira Lyra, Abdon Felinto afulary Jnior, Joa-
quiin Soares Pinho, Jos Azevedo Maia, W. Muller
c 2 eseravos entregar. .
Em transito.
Lucas Evangelista Barbosa e sua senhora, Dr.
Jeronymo Laiz Ribeiro, Joaqnim Pereira da Motta,
Francisca Dolores Cataln, Adalberto Pedro H.
Castro, Dr. Antonio Aguiar Suva, Jos Pinto Ma
gadiacs, capitao Juliano JosUmorim e sua fami-
lia, brlgadeiro Manoel Estanislao Castro Cruz
sua senhora, Luiz L. Villas-Boas e sua senhora,
Mathias Vera-Cruz e sua senhora, D. Elizabeth
Greenhalg, coronel Antonio Tiburcio Souza e sua
familia, Alexandrina Marques, major Rodrigo Au-
gusto Gama Costa, Joaquim Pinto C. Gama, 23 es-
eravos, 10 pracas o 18 criados.
. CDR0NICA Jl Dlf HRIL
l'i'Miiml do coiiinicrcio.
ACTA DA SESS..0 ADMINISTRATIVA DE 30 DE
JANEIRO DE 1873.
PBESIDE.NCIA DO EX*. SR. CONSEUIE1RO AJ1SELMO
FRANCISCO .PERETTI. ~
A's 10 horas da manha, presentes 04 Srs. de-
pulados, secretario Olinto Bastos, Candido Al-
coferado. Reg Medeiros e Lopes Machado, e pre-
ente o Sr. desembargador fiscal, o Exm. Sr. cn-
selbeiro presidente abri a sessao.
Po, depois de lida, pprovada a acta da sessSe
da 23.
EXCEDIENTE.
Olico do secretario do tribunal So cetnraorcto
do-Maranhao, eommunicando ter apenas dito tri-
bunal, no decurso dos mezes de nveaibro 9 d-
zembro do Auno prximo passado, mandado ma-
eommereiante portuguez com *r-
rnv secos e melkados j#or awss-t^ reta-
mo!Para o archivo,
OIBclo d.i mesm-i secretari >v respoudelo ao
deste trilmual com dala de 9 de di'zejnbro itliiino.
Maudb-so archivar.
Ollcio aiada do mesmj secretario, com dala de
l&do corrente,emresposta an.desle u-ibuual com
o fect archiva. f
(ifilitv (letira das cotatSes ofllcaes da semana de 20 a
15 do crtenle.-O tribunal mauSouarchivar.
. Livro de registro da correspondencia offlcial re-
gularmente soriptnrado al o 11. 14.
Livros commeciaes snbmettdos rubrica.
Diario de Francisco Manoel da Silva *, dito de
Beato de Freit Gaim u-.ies, ditu de Jos Ferreira
Pinto de Menees, do de Joaduifl Lopes Machado
4 C dito de Joaquim da Costa Ramos, dito de
Gurgel do Amaral & C, dito de Joo Faraandes
Marques, dito de Beirao A Sobrinio.
Livro de registro de protestos de letras. -O do
escrivao Albuquerque attingie a 2,703 at 23
do corrente o numero dos protestos nelle registra-
dos ; e o do eserivo Alves de Brito a 2,620,
at. a data de 2"J do mesmo mez.
DKSPACHOS.
Requer m julos :
De Antonia Ferreira da Cunha Lagos, estabe-
Iccdo ra do Livramcuto, com luja de fazendas,
pediudo que -se iransllram firma de Cunha La-
gos & Magalhaes o's seus livros diario e copiador,
e declarando que o appellido-Lagosfora por
elle adoptado em 1803, em virtude de haverem ou-
tins do igual nome do snpplieansc e posterior-
mente a abertura o encerramento do seu livro
diario.Como requer.
Da Maraes & Irmao, como procuradores de
Diogo Jos de Souza e Lauriano Maria de Sou
za Lima, pedindo o registro das nomoacOes
qno juntam, pelas quaes silo seus- consli-
tuintes nomeados caixeiros de Antonio Severino
de Vasconcellos ic Irmao, da provincia do Cear.
Sejam registradas as nomeag jes, n5o estando,
porin, provado serem brasileiros, como se allega,
os caixeiros nomeados.
De Joo da Silva e Souza, pedindo que se lhe
registre a noineacao de caixero por elle conferi-
da a Antonio Jos" Qaeroz Ferreira. Registre-se
a nomeaco, nao constando ser brasilero o ca-
xeiro Borneado, seaao por declarar,ao do suppil-
cante.
De Card izo Martins & C, submeltendo a registro
o seu contrato social.Vista ao Sr. desembarga-
dor fiscal.
De Silva Pinto Ferreira A C, tamhem submet-
unia viagem dotendo a registro o seu dislrato social.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
Pe Manoel Alves Guerra c seu filho do mesmo
nome, Borneando admmislrador de seu trapiche
Guerra a Joaquim Juvencio da Silva.Diga a
secretaria.
De Genuino Jos da Rosa, com 40 annos de ida-
de, natural desla cidade e estahelecido ra de
Pedro Alfonso com casa de consignacao, pedindo
ser admittido matricula. Atiesta ein favor do
impetrante Carlos Pinto de Lemos, Demetrio Aca-
cio de Araujo Bastos e Jos Luiz de Mello -Vista
aoSr. desembargador fiscal.
De Joo Francisco Manuel e Francisco Maestra-
submettendo a registro o seu contrato social
sob a firma de Manuel & Maestrali.Vista ao Sr".
desembargador fiscal.
INFORMACOES DA SF.rnKTAHIA
Em vrtude do "despacho de 3 do cuente, c so-
bre a petico de Manoel da Silva Maia, procura-
dor bstanle de Joaquim Rodrigues da Silva.-De-
ferido, de coufurmidale eim o parecer fiscal de
9 do corrente. (Votou contra o Sr. deputado Can-
dido Alcoforado.)
Tambcm etu virtude do despacho da mesma
data, exarado na petcao de Jos Faustino Porto,
que pede ser admittido a concorrer vaga que
xiste de um dos lugares de correrores. Vista ao
Sr. desembargador nasal.
Sobre amatoria da petieao de Collares Irmos
t C, que pretenden) ser prortigado o contrato so-
cial. Ragistre-S6, na forma do decreto n. 4,394.
SVMMARIOS FX-OFFICIO CONTRA :
O corretor Luiz Amavel Dubourcij.0 tribunal
julgou improcedente o summario, condemnando,
porm, o summariado as custs ex causa.
O corretor Augusto Pinto de Lemos. dem.
O agente de leiloes Antonio de Pinho Borges.
Foi julgado improcedente o summario, sendo con-
demnado as cdstas ex-causa
AUTOS DE RF.HVRILITAQVO.
De Marianno Machado Freir. -Foi concedida a
rehabilita, ao.
De Joo de Aquino Fonceca o Joo Ferreira
dos Santos Jnior.dem.
C1M O PAhECR^FIsfAL
Petico do Uarao do Livramento, pedindo carta
de registro para o vapor Imperador. Deferido.
RKSOLtCAO.
Tendo 0 ofllcial thesoureiro apresentado
thesouraria de fazenda os papis relativos llanca
que all tem de prestar, fallando ser lavrado e as-
signado o respectivo termo, o tribunal prorogou
por 13 dias o prazo concedido para a pre-lacio da
indicada fianca.
Nada mais havendo sido submettido a despacho,
o Exm. Sr. consclheiro presidente cncerrou
sesso s 2 horas c meia da tarde.
i J;Vli.!.?
a nobre missar
una nobre missao, aratag 1
corrige com nilenondpcta 1 rorea de vontade, os
abusos d is, q ie se, desviaip da senda, que dev.-in
trilhar os funecionarios aigus da-janlian^a dos
selis bp 'i. ,
Disseuus ama verdade,' que nao p lo com van-
tagem ser contestada ;- entretanto a digna opposi-
cao, iu deflciencia do eausas, que atorisem uiua-
censnra feria e considerada, recorre aos nn-ios
matcos e conl'e^sa-se escandalisada pelo
nico faci de nao ter S. Exc. demittido o com-
mandante do corpo de polica, quoni acensara n
e contra quem nao reiteraran as accusves,
que se presume destruidas as respnstas desse
i'uuerlunario, publicadas no diario offlcial.
P* injusta c por demais injusta.a censura que
a tal respeito razem a Provincia e o Liberal, ijue
se dzem orgSo da opposicjio.
Tem S. Exc o Sr. cmrimendador Lucelia, syul-
cad) dos fados atlrbudos ao cominandante do
corno- de policia, quo sobre elles tem respondido.
VerdadiiriMs ou nao, as iuformac/os teem .-ido
submettidas consideracSo do publico e ainda nao
foram destruidas por aq'irelles que formularam o
captulo aecusatoro.
Tem S Exc. tomada em consideracao os factos
argidos ao corpo de policia e ha providenciado
de modo a convencer, que conserva o firme propo-
sito de cortar por todos os abusos onde qmr aue
se deem.
Do expediente v-se, que S. Exc. ordeiuu que
viltassem ao quartel os soldados'que, a titulo de
eamaradas, esiavam destrahdos en sonrios par-
ticulares dos otfleiaes ; m uidou recolher casa
de detencaoos dous calcetes que, en plena liber-
dade, percerriam as cuas da cidade.; obrigdu os
offlciaes a residrem as proximi la les Jo quartel
e tem expedido outras ordens, para que esse cor-
po se colloque em condicoes de precncher o Dm
que lhe de 1 a le.
Nao est ainda ihda a ultima palavra sobre o
corpo de policia e continuando, como contina, a
syndicancia com relagao a a factos alludidos, nio
tem razan a nobre opposifSo para considerar a-
ompleto o actj de S. Exc, a qnm injustamente
360' niilhas
390
260
75
70
lio
270
720
2,260
do sul irpuxc
negam a independencia precisa para resguardar a
'xer a le" que for
violada.
moraidade publica e fazer prevalece
SESSAO JUDICIARIA EM 6 DE FEVEREIRO
DE 1873.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CoNSELllEmO ANSELMO
FRANCICO PERETTI.
Secretario, Julio Gaitnaraes.
Ao meio dia declarou-se aborta a sesso", estan-
do reunidos os Srs. desembargados Silva Gui-
maraes, Res c Silva e Accioly, e os Srs. deputa-
dos Olinto Bastos, Candido Alcoforado, Reg Me-
deiros e Lopes Machado.
Lidav foi pprovada a acta da precedente sesso
JULGAMSNTOS
Juizo especial do commercio : appellantc autor
Manoel Dias dos Santbs, appellado reo Francisco
Xavier Pereira de Rrilo ; juizes, os Srs. Silva Gui-
marei, Res e Silva, Candido Alcoforado o Reg
Medeiros. -Eoi confirmada a sentenca appellada,
sendo voto vencido o Sr. desombargador Silva
Guimaraes.
Juizo especial do commercio : appellantes au-
tores Rodrigues Irmo & Guimaraes, appellados
reos Joaquim Sil verlo de Souza 4 C.; juizes os
Srs. Silva Guimaraes, Reis e Silva, Olinto Bastos,
e Reg Medeiros.
Ordenou-se urna diligencia.
Jutzo comraercial da Granja : appellante Boni-
facio Adeodato Fontanelle, appellado Joo Luiz
Pereira Brando 4 C Alou-se o julgamento a
pedido de um dos Srs. deputados, sorteado em
substituico ao Sr. S Leitao.
O Exm. Sr. conserheiro presidente permittio ao
Sr. deputado Reg Medeiros retirar-se, porque de-
claron que se achava incommodado.
Juizo especial do commercio : embargante ap-
pellante reo. Joaquim da Silva Costa, embargados
appellados autores Tasso A Irmao, em liquidaco;
juizes os Srs. Reis e Silva, Accioly, Olinto Bastos
e Lopes Machado.Foram desprezados os embar-
gos, sendo voto vencido o Sr. desembargador Ac-
elly.
Juizo commercial da Granja : embarcante ap-
pellado autor Bonifacio Adeodato Fontanelle, em-
bargado appellante reo Jos de Souza Ribeiro ;
'nizes os Srs. Accioly, Silva Guimaraes, Olinto
lastos e Lopes Machado Foram desprezados os
embargos.
A pedido dos Srs. deputados adiaram-se os jul-
gamentos dos feitos entre partes : recurrentes D.
Martinha Candida Aras e outros, recorrides os
administradores da massa fallida de Luiz da Cu-
nha Mascarenhas ; apjiellante Jos Antonio Gon-
ealves Penna, appeUados Augusto Marques Ribei-
ro & C.
O Sr. Candido Alcoforado nao apresentou os
feitos adiados a seu pedido na sesso pascada,
entre partes : appellante Manoel Nuues Parreira,
appellados Corga & Irmo ; appellantes Manoel
Ferreira Pinto e outros, appellado Jlo Fernandes
Inopes.
PASSA8KNS.
Do Sr. desembargador Sil> a Guimaries ao Sr..
desembargador Reis e Silva : appellante D. Feli-
ciana Mana Olympia. appelfedos a viuva e herdei-
ros do bachard Juvencio Alves Ribeiro da Silva.
Do Sr. desembargador Accioly ao Sr. desem-
bargador Silva Guhnaraes : appellante o barSode
Campo Verde, appellados os administradores da
massa fallida da Amorim, Fragozo, Santos 4 C.
Encerron-se a sessao urna e meia hora da
tarde.
COMMUKICADOS.
AImntruetlo da jM'oviiu-m.
VI
Ttnnae asseverado nos precedentes artigos sob
a mesma epigrabe, que S. Exc. nao paalua com
ns desmandos dos secs agentes, quaesquer que
elle sejam, e que, sabendo erguer-se altura de
Nao S. Exc. vingativo, caprichoso c precipita-
do : se o fosse, merecera a execraco publica ;
mas como procede prudentemente, e:u vez de sa-
tisfazer a espectadva da digna opposi'.-o, -frou-
xo, condescendciite c nao revela a energa c
independencia taojjpregoda por seus de[en E' ainda injusta a nobre opposico.desconhecen-
do em S. Exc. aquellos senlimentos de justica que
tanto o distnguein, c a energa o moraidade, que
finnai 11 todus os seus actos.
A isso responden) cabalmente a demiss5o do al-
dante do corpo de policia e contra quem nao exhi-
biram aecusacoes, qno nao foram sulforadas ; a
deuiissao dos repetidores do gymnaslo provincial
a exonerarn das autoridades polic'iaes negligen-
tes e prejudicaet no exercicio de seus car) se
muitas outras providencias,yue se aclia-n na cons
ciencia dos que socm se levar somonte pelos prin-
cipio* de int.eii a justica e nao invertem os aconte-
cimentos, para delles tirar pontos de censura.
De animo justicciro o cordato vai S. Exc. pro
rodando, sem que phssa traiisparecer de seus ac
tos o menor vislumbre de vinganca e persegu-
cao, que repelle o seu carcter. Demtte quande
tem provas para comprovar o seu acto ; mns de-
miltir por gosto, de deiuittir, sem provas que l'un-
damentem urna medida to momentosa e grave,
nao pode fazer S. Exc. que, apezar dessas axpro-
bac/ies, tem merecido os elogios dos seus concida-
d'ios, grecos e troyanos, com rarssimas excep-
tjoes, que o applnudciu pela attitudc franca, que
tem tomado na adminstraijo da provincia.
Cremos que a oppnslcao, illustra.la ejnsticeira,
pomo i;, nao desconhecer os nanos empregados
por S. Exc. para felicitar a provincia e livra-la
do aliyiiio a que a conduzain : esses meios ten-
dem a um lim grandioso, aproveitavel, sem duvi-
da, todos os que descriam, e rom razo, as ad-
ministracijus imparciaes o prometledorus de ga-
rantas geraes.
Os que nao teem o firmo e inabalavel proposito
de occiiltar a verda le dos factos, hio de eonvir,
que a anurmistrcao actual b.'in intencionada no
que diz respeito -, ja escolba do pessoal apto
para os cargos policiaes c j rcprcsslo o corree-
cao dos factos mais circunstanciados e graves.
As providencias promettidas por S. Exc. e das
quaes nos temos oceupado^nos irtigos passados,
nao sao va ostentico ; ellas teem apparecido e
"s> sempre repetidas quando se trata de garantir
a liberdade individual e a seguran.-a de proprieda-
de ; sao repetidas quando se faz mister cortar o
esbanjamento dos dnheiros pblicos; quando
necessario garantir o livre exercicio dos volantes
as eleicoes uue, com especie, teem- sido annul-
ladas, c quando,- emfim, se trata, de reprimir os
abusos noy parte dos que se julgam privilegiadas
e cora licenca de tudo fazef.
Se considerarmo3 o expediento de S. Exc, ve-
mos que nossa peca ofBcial, boje motivo para a
attenijo publica, se deparara providencias e re-
solaeoes, quo veem confirmar o que se tem dito
c cscripto com retacad administracao d pro-J
vieta.
De feito, cntrando-se na cspecificacao doafac-*
tos, nao faltam motivos para por em relevo a ad-
ministracao actual, que est cima das considera-
c.oes e conveniencias pessoaes, verdadeiros obsta-
culos ao livre curso dos acontecmentos.
A incansabilidade de S. Exc, o seu proceder
enrgico c imparcial, o tem feito grangear urna
granan forca de opmio e a synipatlna geral por
parte da piches mesmos, que j lhe assacaram bal-
dos no furor do despeito, mas que hoje se mos-
tram sorprendidos, confessando se injustos.
Siui, S. Exc. nao tem sahdo do terreno da lega-
lidade; os actos que se succedem no curto periodo
do seu governo, ofTcreccm provas que con vene em
nao estar elle disposto a transigir em satisfaco de
interesses iucoiifessaves e em prejuizo do hem pu-
blico, sempre conculcado.
E na verdade, S. Exc. cura ahincadamente dos
interesses vilaes da provincia ; rescinde esses con-
tratos prejudiciaes; fiscaliza as obras mais impor-
tantes e que trazem poderosos onus para os cofres
pblicos; exige a captura dos crmnosjs, que
ah vivem de publico protegidos por influencias
malficas, e exonera a3 autoridades frouxas e ne-
gligentes.
isssfl modo vae 5. Exc. exereilando a sua mis-
sao de administrador e s administrador, que sabe
collocar-se na posico condigna tle seus senti-
mentos e com satisla^o para os partidos, que o
consideran urna segura aramia das liberdades
publicas e as condicoes de beneficiar a provincia,
que j vae attingindo ao grao desojado de melho-
ramento, livrando-se dessas facetes imprudentes,
queexcitam os espiritos, anteponJo embarazos aos
actos administrativos.
E tanto verdade, que no diario official sob n.
24 do 1" do corrente mez, l-se no expediente
urna representac^io firmada por caracteres impor-
tantes da nobre opposicao e residentes no termo da
Breada, solicitando de S. Exc providencias em
ordem a serem perseguidos os ladro?s de cavallos
e os assassinos que dos engenhos Mupam e
Quiaombo, onde se achara honiisiados, nvadem a
diversos engenhos des--e termo sem que tenham
apparecido providencias por parle das respectivas
au oridades para captralos.
Essa representacao, que revela a mais decidida
confianca por parte de urna poltica, que, deixando
o silencio em que jazia, se ergue ante a presiden-
cia, esperanzosa de medidas uteis e salvadouras,
dispertou em S. Exc. o mais vivo interesse e de-
clarado empenho para livrar esses proprictarios
do perige, que correm suas vidas.
Neste sentido dirigio-se ao Dr. chefede policia, a
quem recoramendou as mais promptas c acertadas
jirovidencias," afirn de serem capturados ou pelo
menos dispersados esses malfeitores, provocadores
dar-ordem e tranquilidade publicas no importante
termo da Escada; recommendando as autoridades
locaes"que recruiem para o seryieo do exercito
ou armada os que nao tiveram isenco legal ou
nao se ac harem processados, co-wo se le no ofpcio
ie 24 de Janeiro prximo findo, publicado no dtarw
official sob o n. 26.
rtlem d'essas medidas, entendeu S. Exc. consi-
derar ainda o estado .de p?rigo, que podem cor-
reros proprietarios, qne, com as >uas assignaturas
firmram aquella representacao-, ordenando ao
commandante do corpo de policia que mandasse,
command.ir o destacamento di termo da Escada,
limitrophe aos em que esto situados aqnefles engo-
nhos, por um offlcial de confian.a o rapaz de em-
prohender e eveeutar diligencias importantes con-
tra criminosos, como se le no expediente de 24 de
Janeiro prximo -findo, publicado no diario oficial
10b n. 21.
No louvavel empenho de acabar com um grupo
do vadios, verdadeiros cavalheiros de industria,
que, mancommunados, se reunem para, por meios
fraudulentos e artificiosos, roubarem os sftrtane-
job e almocreves, obrigando-os compra de fa-
zendas ; variadas e objectos de ouro fa'siilcado, por
pr eos fabulosos, acaba S. Exc. de providenciar
em ordem a serem presos osses individuos qno,
alojados no arco de Santo Antonio e Passeio Pu-
"' 1 *
blico, iffroiilam anwralidade publica rwom
estensivain.flt niMprntea d- -los
ii.is arls. tfti e 2'i'idoeodrgo criniii "
quaes cabe o preoioeato ellie!.Ne tas vistas
>e dirigi 10 Hr. ,q,,.|-,. I,, p ,.,,., .,, ,.,: &
expediente publicado na jornal nfKrinl do 1* do-
corrente. .
Tem Sr Exc. incontmtavcl ju ao tecoiih-
ciniento dos seus concidados, aos quaes tem dis-
pensado melhoramentos, que jamis ario olvi-
dada ; alcancando do modo mais bnnrozo um
perfeito triumpho na applicacao dos mofes tenden-
tes a morasar a provincia.
E' para isso que se dirigem- todas as stras vistas ;
para isso que se esforra diariamente e nao p:ira
aniquilar o merecimento \m franco e leal, podem auxiliar as aAJmistraces
sem a dependencia que gajvansa todos as servaos.
Considerando S. Exc. de necessidade exonerar .
o conego regedor do gymnasio, o fez |>or acio de
2S do passado mez, subslituindo-o na inesina data
[Kilo conego Dr. Joaquim Francisco de Parias.
Sem entramos na apreciado da uoineacio q; te
forca ronfessar, foi estrepitosamente applaodid
n- todos os que se esquecem da poltica, para
apreciar o tlenlo a illuslraco, onde quer que
eslejain, diremos, que essa mcdiila de S. Exc, in-
conlestavemle tem alguma cauza que a orca-io-
nasse.
Se os motivos da demsso nao se acham divul-
gados, nao isso razo para que se exprobc a
reaUsacao de un acta, para a qual s. Exc, sem
duvida, foi levado por considera$es p nderosa.
0 gymaasio. uno eanstMnia ent'e as demais re-
paili'.ojs publicas, urna excepeo. teai merecido
a attenco de S. Exc. que se ha aforrada fpara
col.local-o as Condicoes exigidas em um csthc
lecmeiilo. onda se abrigain grande numero de
erianens, que precisara de una escrupulosa edi>
caeo, para-que sejam no futuro lioiiiens inorali-
saiios 1 uleis sociedailf.
N'essa magna questo do diocesano com a ma-
collara, S. Bxe. se ha revelado nimiamente pru-
dante.manifastaado um tino adiniravel, nao coare-
taudo os recursos da., populaci. qne le snppoe
oflendidae nao Bnsentmdo que seja desconside-
rado aquelle que, sobre ser a primeira autorida-
de da igreja, tem o direilo por limites ttulos a<>
respeito e consideracao publicas.
Assim, do mesmo modo ana faz seguir a cmisi-
d Tacan dos poderes do estado a represen I a<;o po-
pular, providencia para que sejam satisfeitas as
reqiiisi.-oes do Exm. hispo diocesano, fazenda en*
gar ao conheciinento do juiz de capellas os seus
recursos legaes, como se ie dos oficios pnbtfca4*4
no diario o fistol de 3 do corrente mez.
O systema eleiloral defeituoso theorica e pr ti-
camente tem levantado motivo de censuras em to-
das as partes; e convindn providenciar para qne
sejam moraiisadas as eWipiea e garantida em tola
a sua |ilenitude a liberdade do vof. que, infelir-
inente, ha sido entre nos nina ficcin, tem S. Exc.
laucado suas vita< para as eleicoes dependente
de sua approvaco.
Assim acaba, por acto de 2i do prximo pa-
sado ine?, de annullar a eleicao de vereaibii-es' e
juizes de paz, procedida no da 7 de OM da *e
tembro di anuo passado, na frepinvia de IfoSM
Senhora da Coiiceico da Vdla do-Bonito, peta
razo de que a ac a da apuraco fcita pela raspee
liva cmara municipal, cont-ni numero do vui.in-
les superior ao da qualiliracao do parochia ;
consiii.lindo tal eircuinstaiicia nullidade deprc-
hendente do art. 50 da lei de 19 de agosto de 184*,
como se le na portaria publicada no diario ofi-
cial ie l. do corrente mez.
Esse procedimonto de S. Exc nina prora con-
vincente do que temos dito e vera anda mostrar
que S. Exc nao transige com os abusos da poli-
tica.
Eis anda urna aarracao succnta oVs factos
Botareis da admini-lraco actual.
l'rge que o Exm. Sr. commendador Luceaa, a
quem a opino publica eleva todos os dias com
merecidos elogios, continu a tomar serias contal
a quem tiver de as dar, nao declinando urna l-
nha da norma de conducta encelada e que tanto
tem satisfeto a mprena da provincia. verda orgSo da opino publica,
ltecife, fevereiro 1873.
F.
fl

.

PUBUCASOES PE0I00, .
~ -. ---------------
A Provincia de 21 do Janeiro ultimo, tra-
tainb) da morte de Basilio Francisco, insina
quo importa ella um crime, um assassnato,
e que o cadver tiuia vestigios de violencia,
e ah mutiladas as partes gouitaos.
Ha inteira inexactido no que diz a Pro-
oineia. A morto de Basilio est averiguada,
foi natural. Depois de feitas as averigu-
<;oes c roconlieci lo que nao houvera um
crime, comec,aram a dizer quo Basilio fra
assassinado, indigitando-si; um autor.
O digno juiz de dreito sabendo do boato,
6 nio o querendo dosprezar, fez ir o pro-
motor a Bozerros. Estefunccionario voltou
dizendo que da vistoria feita em sua presen-
ta, nao resultou indicios de crirne. Alm
disto, fez a policia seto inqueritos, o nenhum
motivo do desconfianza oi encontrado.
Entretanto tudo se inverte hoje, paro e
lim de fazer perseguicoes polticas e conse-
guir a demisso das autoridades policiaes.
O juiz municipal estava em Bezerros por
occasiao da morte de Basilio,, o promotor
lambem j l foi, e o Dr. juiz de dreito tem
feito o seu dever, o por conseguate saberiio
proceder co.no o caso exigir.
E fique o publico cerlo do que lia de
verdade sobre o facto alludido.
O imjwciai.
O Exm. Sr. Luccna,
Quem tem acompanhado os actos do Sr. Dr. Lu-
celia, conhece que elle procura promover os me-
IhoraiHenlos da provincia.
Quem sabe como est entrhonisado o patronato
enlre ns,',coniprehendequo duBcil a administra-
c.io da justica.
As conveniencias polticas atam as nios do pre-
sidente a tal ponto, que lula com euibaracos
para arredar os parsitas, que sem merecimento?,
sustentani-se do Singue que exala das cha gas pro-
fundas do pobre povo.
O Sr. Luccna entre as conveniencias polticis a
os iiiteresse%dos administrados, tem preferido, em
parte, satsfazer a astea,
Tarda cspuhosa a do presidente, que nao so cir-
cunscreve somonte aos interesses polticos, procu-
rando satsfazer tambera as necessidades publi-
cas.
Para esse importante acto, mister tarea de' von-
tade. e cerrar osouvidos grita dos acoslumados
ao ocio, sendo instrumentos cegos, sem principios
polticos, sem ideas, sem eonsciencia, procurando
viver dos cofres pblicos sem babilila.oes: taee in-
dividuos sao os que maldizom o Sr. Lueena.
Nao timorato do tal grita .e desgostos, o Sr. Lu-
eena vae atlendcndo a-imperiosa necessidade de
bem servir aos seus comprovincianos no deserapc-
nho da commisso que se enearregou.
V por diante o Sr. Luccna, que, os que nao vi-
vera da baixeza, nao se alimcniam da oppressao do
povo, bera diro os relevantes servicos que tom-
prestado nossa provincia.
Procura o Sr. Lueena separar o joio do trigo e
isto se conhece examinando o procedimento qua
tem li lo : ha de ser dlicil, porem, elle tem j
milito conseguido.
Os iuexoraveis aecusadores de S. Exc. dizem im*
nao tem elle completado uem um trabalho, que
ROVarDB de meios medidas.
V. iijiisli.-a.
Dem sabem, que n'uraa soeiedade ande o pedaa-
tisrao, a corrupcao, o ser poltico sera nocoes de
beneficios patria o apanagio o melhor re*onv
Hienda.ao, iinpossivel que d um golpe sa ceeig
todo o desojado.
Se S. Exc. abrir urna luta com tedas, ento bau-
co lempo estar no goverao da provincia. S. Ene.
tem procurado com milito tino consorciar o basa
4o povo, com os interesses da poltica, e nesta ar-
dua ta.refa tem feito muito e muio a bem das ente-
ses desvalidas, que nunca mereceram attenco ds
sous antecessores.
Os factos fallara alto e eloquentementt a. lavar
de S. Exc.
Tocios nos sabemos o que pnlitiri rm~nasil
trraa indepeadeneia e a moral sao qualidadas
negadas.
S. Ixc. tem forca de vontade, tem indopeoanaca
eji'in inteiligeucia, e com estas qualidanev 4>*




v -
-
. V
\
sao ripreffcindveis para sai vir-se a
tica, '.em elle berto catninbo para c!
de sua jornada.
ao termv

.-Jan.
*
1
BnbMaaM


BErr**""

A
i:



'*'


io Abilio.
'Sr. l.ncea.
Os estatutos dse afamad- eslabeleci ment de
nslnif cao primaria e secundaria, silo no Rio de
Janeiro, acham-se em distribuira na Limara
Franceza, onde se prestarlo todas as informacSes
'Oxigldas pelos interesados.
CIWMttCi
(ka filial do Banco do
Brasil ni Pernanufo,
ni I!|iiilai;Hi.
l'a^a-se o 38." diviilcn lo das aeces do
Banco di* Brasil inscriptos tiesta fioct caixa
raa o de 8?000 por acedo ; ruado Mar-
que/ de Olinda u. 49.
Rerife, 30 de Janeiro de 1873.
JWVMV^Ira. o
par espabila r.
gejlro
Dtek>-4e^6rmimbuc<> Sabbado 8 Je Vefemho de 1873.
_______:________,_____________ ------------*----------^_____________________________
SEGUROS
i
ii
-FOGO
Mu a alo C'oniaiorco ii
IIM-ilM 41 lili II
Agenta.
W. G. FEXXELLY

88,
pri-
BANCO OOMIERCUL
di:
PERNAMI.UCO
Descont lettfts de cambio, de tena
quaesquef ttulos pblicos.
Recebe Jiiiheiroeinconta corrate simples,
.ni i'outa corrente^ com juros e por let-
tras.
Encarregth6fl por commisso de qualquer
operarn bancaria.
O expedienta principiar ;is 9 horas da
III uiba e lindar s V da tarde.
Utia do Vigario u. 1, primeiro an-
dar.
Banco (iiiniiurmal de
Periiaiiico.
A. di lectora do Banco Commercial de
iVmainlnien convida os Srs. accionistas a
realisar, at o da 20 fie fevereiro prximo,
uo escriptorio do Banco, ra do Vigario n.
1, primeiro andar, a terceira prestacao de
10 */o do valor de suas acedes, devendo tra-
*r as respectivas cautelas para se annotar
dita prestando.
Ueetfo, 15 de Janeiro de 1873.
Os directores,
Manoel da Silva Santos.
Henrvne Bernardes de Oliveira.
Joo da Silva Regadas.
Sepwt) wtitfAm
COMPANHIA
NORTHERN.
-..'d..... 2D, 1)00:0005000
Pun I" de resorra. 8,000:000-5000
Agentes,
Mills bilham ii C.
RUA DAjGRUZIf. 38.
Seguro nlra-fog
THE LIVERPOOL & I.O.NDON & GLOB
INSURANCE COfflPANY
Acontes
S.ti;.\l)EKS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
COMPANHU ALLIANCA
^uroa martimos c terres-
tres estabelecida na Baha
ein 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL* 4,606:0009000.
loma seguro de inereadorias e dinheiro a
riaeo :n intima em navio de vela e vapores
ii i dentro e tora do imperio, assiui coate
contra fogo sobre predios, gneros e fa-
las.
Agente : Joaquiui JosGoncalvesBeltrao,
do Commercio 11. 5, Io andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRAJO FOGO.
A companhia Indemuiudora, estabelecida
uftsU piaga, toma seguros martimos sobre
na ios e seiis carregnmentos e contra fogo
em edificios, morcadorias e mobilias ; na
riia do Viguio n. 4, pavimento terreo. -
COMPANHIA
Phenix Pernambucana-
i riscos martimos em mercadoras,
Fr >tes, dinheirq a risco a finalmente de qual-
,.." natureza, em vapores, navios vela ou
ba'vi'as, premiosmuito mdicos.
* ROA DO COMMERCIO X. 34.
PRACA 00 RECIPE 7 DE FEVEKEIRO
E 1873.
as 3 1/Ihoras dv tarde.
Colar Sos o Mi i a o*.
A o bruto americano superior i 100 por
13 kilos.
Assu< ar -bruto bom ?050 por 13 kilos.
A&suear Cinal 1600 por 13 kilos.
Algodi de 1* sorte 9$800 por 13 kilos.
Cambio sobre Londres a 90 d[v. 28 3|8 d. por
liOOrt, bonlem.
D I --obre dilo a OO'drv. 26 3|8, e d banco 26
1|4 d. por 1S; hoie.
Leal Seve
Peto presidente.
A: P. de Lemos
Pelo secretario.
ALFADEGA
andimento do dia t a 6 313 IWflW?
. i o. do. dia 7...... 48.03WW
*--------------
'Patacho Inglez
.trapiche
Bri^ue ingljr-r-ff-tttvar|D8 geros para o tra
piche Coucoico, para .despachar.
Barca tnglezaJ despa<;lwda para o caes d Apollo.
Barca franceza Wugnsti Urjnha de trigo ja
desiiaehada para caes de- Apollo.
Barca ingleza-i/craieiw-mereadorias para al-
fandega.
liHportaotto.
Guete portuguezaTtKstE7.\, vindn da l\io deJa-
*tiro, consignada a E. R. RabeUo d C. manifes-
t :
Barricas vasias 1400, 500/2 liO/i a Pereira
Carneiro & C, 260 a I.uiz Duprat.
Esleirs 97 rolos a I.uiz Antonio de Slqieira.
Farinha de mandioca 600'saccos a J. /. Oon-
falvi-s BeltrSo.
Genebra 18 frasijueiras e 11 garrafoes- aos con-
signatarios.
Sag 10 barricas a Luiz Autonio de Sinueira.
Sabao 6 caixas ao collegio S. Vicente de Paula.-
Vinho 8 pipas c vinagro ditas a* consigna-
tarios.
Vapor Cruzeiro do Sll, viudo dos pcnldf do
norte, consignad a Henn/- Foster ('.. inanifes-,
lou :
Allios 10 canastras a J. J. 'OoneJilves Belt.-ao.-
Arroz de casca 50 saceos a F. G. Bastos e S. Al-
godo 21 saccas a Tueodoro Cbrisliansen. ,
Barr as 28 volumes a J. J. Guineal vos Beltrao.
Borracha 3 caixas a Barros Jnior & ti., 1 a A. L.
Oliveira Azevedo, 3 a J. J. Gon^alves Bellrao.
Caslanhas 3 barricas a J. J.-Goncalves Beltrao.
Carnauba 63 caixas a A S. I'ontes Guimarcs.
Sola 821 meios a Keller k C.
Tapioca 30 encapados a J. J. Goncalves Bi-ltrao.
Lugar ingle: Navic.vto, rindo deCardiff, ron-
signado a J. J. Gonralres Bellro, m'inifestou :
Carvio 313 toneladas ao consignatario.
DESPACHCS DE EXPORTACAO NO DIA 6 DE
FEVEREIUO D 187
- Paro os portos do exterior
Xa barca franceza Mathien. para Liverpool,
enrregaram : T. Freres & C. 133 s.veas coni
9,926 1|2 kilos de algodao.
Xa barca in^leza Victoria TrtMwn.para Liver-
pool, carregou : P. M. Maury 413 saccas cun
28,071 1(2 kilos de : Igodilo.
Na barca iugleza Rebeca, para Liverpool,
carregou : A. Bastos 168 saccas com 12,038 kilos
de algodau.
Xa barca sueca Holland, para Liverpool,
carregaram : T. Jefferies & O 306 saccas com
27/43 kilus de algidao.
No navio portugus Amfzadei para. Liver-
pool, earregara m : T. Jefferies & C. 1 sacra com
73 kilos de algodao.
Xo brige rancez Jlystil, para o Canal, car
regaram : S. Brothers & C. 30J saceos com
22,300 kilos de assucar mises vado.
Xa barca sueca Falco, para Canal, carre-
garam : K. Schinnieltau & C. 476 saccas com
33,286 f|2 kilos de algodao.
Xo navio inglez Resuld, para o Canal, car-
ritgaram : Keller A C. 304 saccas coni21,779kilos
de algodao.
No navio francez lean Uastlt, para Marseill
carregaram: Keller A C. 50J saceos com 57,500
kilos de assucar mascavado.
Xo patacho hespanhol Saphsr, para Rio da
Prata. carregaram : P. Carneiro 4 C. 50 pipa*
com i< ii litros de agurdente.
Xa polaca hespanhola Jocen El'S't. para Bar-
cellona, cirregaram : P. Carneiro & C. 100 sa;
cas com 8,671)" kilos de algodao.
Xo navio germnico Olio Grafzn Slolbng,
para Valparaizo, carregaram : Carvalbfl a No-
gueira 813 saceos com .61,123 kilos de assucar
blanco.
Xa barca porlugueza Amelia, para Lisboa,
carregou: A. Bastos 1|3 barricas com ll kilos
de assucar hraneo.
Suspeadcraiu de Tanra Para o Maranhao, a galera pertuguew A'oca Goa
capilao Teive, com o mesmo lastro qae trouxe
do Rio de Janeiro.
Para Santos, o brigue austraco Pietro, capitao
Sotrato, carga a mesma que troaxe de Cette.
EDITAES.
===
i H

Edltal eom pra/o de 3(1 illas >. 1
Pela inspectora da alfadega de Pernambneo
se faz publico .que.achandose as mercaderas
coudas nos volumes abaixo mencionado' no caso
de sern arrematadas para consumo, nos termos
do Cap.; %' do Tit. 3." do rogulamento de 19 de
setembro de W60, os seus dueos ou consigiialarios
deverao despartralas no prazo de 30 das, sb
pena &>'., Cndo elle, seren vendidas por sua costa,
sera que Ihes fique competindo allegar contra os
euetos desta venda.
Annazem n. 7.
Marca. M A S S A, sem numero 15 Caixas,
viudas dfe Liverpool no navio inglez Witeh ef the
Teign, doscarregadas em 5 de junho de 1872 e
consignadas a Tasso Irinaos.
Alfandcga de Pemambueo, 5 de fevereiro de
1873.
O inspector,
Fubio A. e'Cunalho Res.
DECU*eets.
Sabbado 8 do torrente linda a.audienci do Sr.
Dr. juiz de dlreito da 2." vara, do civel, vai a
pWca para ser arrematada por quem^mas der a
casa terrea meia agua feita do pedra cal, em
chaos foreir.'iS, a qual fica nos fnndos da casa ter-
reada ra da Concordia n 2; dita>meia agua tem
una porta, 1 jaaolla, eom 22 palmos de largura e
40 de fundo, 1 sala, 1 alcva e mais i quartinho,
sendo a serventa da referida ineia afeua por 1
besco,.quo vai ter aoces do Capibaribe.tendo sido
avahada em 2:000t):K): vai a praca ptdw prei.o da em I acto :
adjudicacao que vem a ser por 1:6004000 e vai a p,,, .L. ,iini .11.
pracapor execuca de D. Mara Joaquina de- CMi- ?."'' nnMJIIJdl
Macos de jurnac, iaipfe#os de qnal<|uer nalu-
reza e caitas a ftfSfc-af, al 2 Iforas da 'tarde,
cartas ordinarias al 3 horas, e -estas al 3 1|2,
pagando porte duplo.
As cartas e jomaos que se dirigirem ao Ro da
Prata, pagarlo previamente, aquellas a laxa de
300 rs. por 13 gramnias ou frarco de 15 grani-
mas, e estes a de 40 r.-. poy 40 graminas oa irac-
ao de 40 graminas, na prbgressao estabelecida
as tabellas =C e D -annex* as instrueCOes do
de dezembro de 1866.
O admnistradbr interino,
Vicente Ferretra da Porciuncuf.
ia------HI......i mu i i
veira Campos, ja fallecida, boje representada |r
seu teslamenteiro JoaqliHn Manoel Fenera de
Sonza, contra ta Manoel de Siqueira e sua mu
lher. "
363 I3ii0%
- Itoearregaw boje 8 de fevereire"de 1873
} r.fue inglez Coila raereadorta para alfa-
dega.
Xa barca porlugueza Harmoni-i, para o Por-
to, carregou : L. J. S. Guimares 400 sacos eom
3^,000 kilos de assucar branco.
Na barca portogneza Leopoldina, para o
Porto, carregou f T. L. Baures 8i')0 sacro- eom
60,000 kilos de assucar mascavado.
Xa barca porlugueza Clandina, para o Pol-
io, carregou : A. O. Lete 100 saceos com 7,500
kilos de assucar mascavado:
Xa barca porhigueza Lazilaiva, pata a Ilha
de S. Miguel, carregou-: J. M. de MdeffJ 1 pao
de sicupira.
Pura os porlos do interior
Para o Rio Grande do Sul, no lii ite lra>ile-
io Rosita, carregou : A. M. Machado 1-50 barricas
eom 17,310 kilos de assucar kratteo.
Para o Rn Grande do Sul, lio brigue brasi-
leiro Pirdiitjy. carregou : F. R. P; GuiuiarStS 'i'0
barrica com 33.401 kilos de assucar branco.
Para Mam mguape, no vapor brasil ir > /'
i'ii, carregou : F. G. Bastos e S !*> barricas
com 7,193 kilos de assucar branco.
Para o Para, no brigue portnguez Adelino,
carregaram : B. Oliveira C. 4 pipas com 1,920
litros de alcool ; Barros Jnior 200 banieas com
14.737 kilos de assucar branco;.P. Viaiina & C.
60 ditas com 4,460 l[i ditos de dilu.
Para o Rio -de Janeho, no navio portuguez
Almedma, carregaram : Cunha Irmios C. 63
barris com 6,240 litros do mel.
Para Macei, na barcaca Unido da Bi fujL
carregou : J. A. C. Siqueira 3|2 barricas wui 172
kilos de assucar retinado.
CAPATAZIA DA ALFANDFA
Rendimentu do dia 1 a 6 3:400*584
dem do dia 7...... 8B6J342
166*926
VOLUMES SAHIDOS
No dia 1 a 6
Phmeira jiorta no dia 7 .
Segunda porta.....
Toreeira porta _. .
Trapiche CoDCeicao .
SER VICO MARITMO
Alvarenas descarre'gadas no Irapich
da alfadega no dia 1 a 6 .
Ditas ditas no-dia. 7......
Navios atracados no frap. da alfadega
Alvarengas i
No trapiche Coneeieao.....
6.273
102
106
376
666
7,583
i
n
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERXAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 6 3:0745152
dem do dia 7...... 1:3OA113
6:4034263
CONSULADO PROVIXCIAI.
Rendimento "do da 1 a 6 50:4!i>645
dem do dia 7...... 4:7i7593
55:1544210
MOVMNTO 00 PORTO
----------------------- >
Navios entrados no da 7.
Portos do norte7 e meio dias, vapor 1jra:.iliro
Cruzeiro do Sul, de 1,111 toneladas, cominan-
danto o capilao tenente Teive, equipageni 62,
carga differentes gneros ; a Henry Forster
&C.
Rio de Janeiro -.17 dias, galera porluguea Fir-
meza, de 432 toneladas, capitao Justino Rodri-
gues Cardozo, cquiqagem 16, carga algims g-
neros e lastro ; a E- R. RabeUo k C.
Rio do Janeiro18 dias, barca austraca 3fa C,
de "379 toneladas, capitao (Josulech, equijgom
12, em lastro ; a Borstelman i C.j
Santo*-22 dias, b^rca ingleza Lord Nelton,.dc
226 toneladas, tapltap AV. J. Blytli, equipagem
9, eln lastro : a ordem.
da 261
agem 8,
Sabbado 8 do cqrrente, finda a audiencia do
Sr. Dr. jui de direito da, 2* vara o civel, vai A
praca para ser arrematada por qnem mais der, a
casattrrea sita. rua de S. Joao, freguezia de S.
Jos :W, com porta e ianella de- frente, tora 21
palmos-de.largura e 56'de Tundo, 2 salas, 2 quar-
tos, czinha externa com 'l qtiarto contiguo a
inesma, quintal murado, cacimba meeira, ediflea-
Trb?sl^-3 dias, Yrig^ehuandez"'hlo Marga- da e,l> ha foreiro inariaha, avaliala pordous
Manoel
Con-
'rstna; de 198 toneladas, capitao A. Lornfinnglia:
efiipagem 8, carga 2.1*2 barricas esm'1 farinha
"de go.
Rlo'delilftetro 81 dla<,naiac*o;austriaeo -Mariet-
ta ti-., \\ 309 toneladas, capitao J'.aV'Gartfio,
MfOlSagem 8,em lastro ; a Eduardo FWMon,
Sahidos no mesmo dia.
Rio da PralaEscuna hollandeza Afnrtia Catha-
Ptmgxpitno I. D. Weeraetz, carga assui^ar.
. i portuguesa AUj-Mtdra Herculano -varios >fta^anit8o I. D Weeraetz, carga assui^ar.
fren o tra>>iche Omfeicto, para GaRal-*Oatca fraocuza AbeiUe cafillo Decierej
despaclur. carga assucar. ,
Pela reeebedora de rendas internas geraes
se faz p blico que neste crlente mez de feve-
reiro que se linda o praso do pagamento sein a
multa de 6 0/0, da taxa dos escravus, relativa ao
exercieio do 1872-73, depois do que ser cobrada
com a referida multa.
Reeebedoria de Pemambueo, 5 de fevereiro de
1873.
O administrador,
Manoel Garnei o de Souza Lacerda.
SANTA CASA D~mTSERTCOROIA 10 RECTfe;
A IIlina, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia, autorisada pelo Exm. Sr. presidente
da provincia, por offlco com data de 10 do corren-
le, e de eonformidade com o disposto no g 9. do
art. 32 do seu compromisos, iierniuta por apolires
da divida publica o dominio directo dos terrenos
em queslao eJiticadas as casas ababo declaradas,
tomando-se por base os preces da avaliayo.
Rua da Roda.
Ns. 2 e 16 de Galdino Aniolo Alves
Ferreira 200000
Xs. 4 e 6 d Mosteiro de S. Bento. 4004000
Xs. 8, 10 e 12 da Irraandade do-San-
tissimo Sacramento de Santo Anto-
nio 6004000
X. 18 de Bernardo. Alves Pinhero 2004000
N. 20 de Anua Thereza do Sacra-
mento 2004000
N. 24 de Manoel Joaquim KodNgnw
de Souza 2'iOiOHO
N U de Antonio Ferreira Braga 2004000
N. 28 d;i rmadade das almas da
fregnezia de" Sanio Antonio. 20040-K)
N. 30 de D. Juanna Mara dos San-
tos Mraes 200000
N. 32 do Dr. Antonio Joaquim de
Moraes e Silva 20O4OOO
N. 34 de Manoel Jos do Unaral 2004000
X. 36 de Antonio de Paiva Ferreira 2004000
N. 42 de Jeroiiyiuo Pereini Villar 3004000
N. 44 de Jo:o Pcreira liamos 300l000
N. 46 de Amonio Jos Rodrigue- de
Souza 3004000
Na. 48 e 30 dos lilhos de D. Mara
Carolina de_Biilu Cinn-iio 500*000
X' 52 dos orpliaos liihos de Francisco
Fenvifa Gomes de eneies 2004001)
N. 36 de Jos do Rogo Pacheco. 200 000
N. 11 de Manuel Farraira Braga 250400a
N. 13 de Jos Leopoldo da Silva 30040 0
X. 17 Je D. Emilia Carolina Madeira
Fenera 4004000^
X. 19 de Emiliano de Mello dos An-
jos Paula 2004000
N. 21 de Joaquim Pacheco da Silva 2004000
N. 83 de Antonio dos Sanios Vieira 8005000
X. 23 de Ignacio de Sa Lone^-Fer-
nandos 200*000
N. 27 de Flix Antonio Alves Mas
careabas 200*030
N. 31 de Miguel Joaquim da Gasta 200*000
N. 33 de Bemanlino Alves Pinlieiro 2004'00
N. 33 de Maria Francisca da Con-
eeicio e Silva 200*0000
X. 39 de herdeiros de I). Joaquina
Maria l'eieira Vianna 300-000
X. 41 de Paulo Maaques e Antonio
Francisco Macla 2005000
X. 43 de lilhos de Jos Rodrigues do
Passo 200*000
N. 47 de Marcelino Jos Goncalves
Fontes 400*000
Travessa da rua da Roda.
X. 2 de Domingos Jo? Ferreira 2004000
N. 8 de Ignacio de Loyola e*S 200*000
Rua das Larangeira
Casa terrea n. 17 3605O00
Pateo do Paraizo
1." andar n. 28 3015000
Recebe propostas em todos os das de sessao as
quiilas-feiras, at 20 de fevereiro vindouro'.
Soerctana da Sante Gasa de Misericordia do Re-
eife, 20 de Janeiro de 1873.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
- ECJFE.
Pe 1 secretaria da santa casa da misericordia
do Recife se convida aos prenles das menores
em f egnda declaradas, para que as vSo recolher
ao collegia das orplus em Olinda, visto j ter ha-
vido qrdem para seren alli' admettidas.
Digna, fllha de Joaquina Francisca de Santelmo
Barros.
Erminia, filha ae Joaquina Roca dos Prazeres
Souza.
Auna, filha de Sopliia Carolina de Moraes e
Silva.
Joaquina, filha de Francisca Maria do Espirito
Santo. '
Maria, filha de Amelia Augusta de Mello Albu-
querque.
Secretara da sauta casa da misericordia do Re-
cife 6 de fevereiro de 1873. .
escrivao
Pedro Rodrigues, de Souza,
l)e ordem do llloi. Sr. inspector da thesou-
raria de (alenda desta provincia se faz publico,
tura conhecimento de quera uteressar, que no dia
8 de marco prximo Tuturo, peante a junta da
mesma Hicsojraria, pelas 2 horas da tarde, ira
novamente prai;a para ser arrematado por venda
o propriu nacional denominado Calabouco, silo
rua do mesmo nome desta capital, servando de base
arretnalacao a quantia de 2:6804.
Secretaria' da fuesouraria d efa enda de Per
nambueo, 7 de fevereiro de 1873.
Servfndo de offlcial-maior.
Carlos Jos de Souza Correia.
TITRO
SANTO ANTONIO,
EMPREZA-Y1CENTE.
Sahbndo i dt' fevt'reiro.
Segunda represeniaiio do muito importante
drama em 3 actos :
Miui do mmm
Os prncpaes papis sao de.-ampenhados pelos
artistas Manuela Lucci e Flavio W'andock.
Terminando,o drama a orciiestra executar o
grande' galope infernal e'burlesco, de assumpto
moincntoso, composto pelo niai^stro
F. Colas
e intitulado :
Os jesiiilas trole!
com grande acompanhamento de zabumba, caixa
de-rulo, pratos, chocalhos e assovos.
Fijialisar o e*pectaculu com a liada comedia
o mol amig).
O artista Flavio desampenhar o principal pa-
pel.
Goniecar s 8 1|2 horas,
.AMANH.
Domingo 9 de fevereiro
V. H liorAM.
Terceira represenl.icao do muito applaudido
inte es -aniiinio drama em 5 actos :
Rio finmiie ito Sol
Pretende seguir coi multa brevidade |ra o
referido porto o velero palhabote Rosita,, v r ter
a maior parte da carga engajada ; e para a que
Ihe falla, trala-se com os consiKnatarios Joaquim
Jos Goncalves Bellrao & Flho, rua do Com-
mercio d K.

i*#
O novo e veleiro brigue portuguez ama.o, ca-
pilao Pedro Martins Branco, o primeiro navio
a sahir por ter j a maior parte da carga p romp-
a, tem bous rummodos para passageiros : trata-
se com E. R. RabeUo A C, rua do Colmnercio nu-
mero- 48.
COMPANHIA
DE
!f*vcgarito brasileirn.
Do da 8 em diau-
te esperado dos
portos do sul o vapor
Paran, commaiidan-
te Pamplona, < qual
depois da demora do
cosame seguir para os do norte.
Eneommendas de pequeo valor, peso, medida
e tambam dinheiro, recekem-se at I hora da tar-
de'do dia da sahda do vapor.
Para freles e passagenc, trata-se na agencia,
rua do Commercio n. 8. ,
A filha do issassino.
Segiir-se-ha pela orcheslra o grande galope
in'erual e burlesco :
Os j'esnilas Irole! -
Cora acompanhamento de zabumba, caixa de
rufo, [tratos, ehocallu* e assobios, composicao do
Maestro Colas.
Terminar o espectculo com a linda comedia
em 1 acto :
Para obsequiar o meu
amigo.
Vi proxiiiiH Mcmuiirt.
eenloe do ris, penhor
Martins Fiuza cunt
ceico.
rada qior xecico de
ra Severica Baria da
ADMINlSTRACA DOS flOWtKIOS DE PEBXAM-1
PUCO 6 DE KEVlittKIRU D (873. '
Malas v^elo v^por Cntytro ta Sul da eepapannia
brasikira.
A corresfondencia nu tem de. ser''espedida
hoje (81'pelo vapor annw u,enHfa*) para os
portos do snl, ser rwebtt^ -pela^Hrawia ck
guint' ;
u
HONRA E GLORIA.
Grande successo.
Rxtranrdiiifio bnile
De mascara c sem ella.
Nos saloes do caes do Ramos.
Hoje 8 do conrete.
Ultima inulto do Carnaval.
Ser cumprido o regalmento policial em toda
a stia plenltudc:
THEATRQ
m ~
* (VI liMADt)
| Companhia dramtica.
Sob a dircro do artista
Thontaz ^ipim-.i.
::,:;::::::::::.
Beiiificio da artista Olympia Augusta
Domingo 9 de fevereiro.
Represenlar-se-ha o iinporlante drama cu tres
actos :-
L!3*Z.
Terminar, a podido, com a cspirituo come-
dia, ornada de contiadausas :
Maneota on t>s cfrertos da
educacao.
Principiar s 8 l|2horas.
A beneficiada contar* eom a prolecco do phi-
lantrajiici pulhco escadense, pelo que aoteripa-
se em agradecer, protestaodo-lne eterna gratidao
ItfiSOS MARTIMOS.
Bahia.
Segu com mu'a bre id d' para o indi-ido
porto o veleiro biate Garibaldi : ca ga e fretc
tratar com os Si :. Tasso Irmaos 4 .'. rua do
Amorim n. 37.
COlPAiUH.4
rMKSSUiERIKS MHITOILS.
At o dia 8 do corrent iihz e pera-se da Eu-
ropa o vap ir francez Ghmbe, o qual depois da
demYa do costume seguir para Ruenos-Ayi'es,
tocando na Baha, Ro de Janeiro e Montevideo.
Para comlicoes. fretes e- ji^ssagens, trata-s na
agencia, rua do Commercio 0. 9.
Xo dia 9 do frrente mea espera-sc dos porlos
do sul a vapor francez Mendoza, rommandante
Beoigui, o qual depois da deuijra do costume se-
guir para Brdeos, tocando em Bakar (Gor>) o
Lisboa.
Para condiros, fretes e pasagens, trata-se na
agencia, rua do Commercio n^9,
Para o Ro-Grande do Sul.
Recabe carga a frete o patacho portugaea Go-
mes de Costco : trata-se com E. R. RabeUo A C.
ru do Commercis n. 48.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguipo bngue |mrtuguez DamCio, tem
parte desea carre^aaiento engajado : para o res-
to que Ihe faifa, trata-se eom s seus consignata-
rios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, no
sm esetq>torio rua do Bom Jess n. 57. outr'ora
rua da Cruz.
U.OMPA1
ATItlA rtUNAMBLaXA
DE
%iav*ga.Io eoMteii-n a vapor.
PORTO DE Pr.DR\. RIO VOJWSO"E TAMVNO.VR
O vapor Parqiujlja,
soguir para, :< por-
tes acuna no \ da' 13
'Ido corrent s 9 ho-
ras da noute,
. Recct* e?.rga, eri-
e dinlieiw, a frrte ; es-
tomiaendte,'
criptoflo ao Forte i
COMPANHIA PEUNAMBiaXA
DE
Vit ('garito eiisleira a vapor.
pAu.viiviiA, Natal, maco, mossouo', sraca-
TY, CE.VK, MAMI.VIIU', CMQO' E GRANJA.
O Vapor Pirajtama,
commandante Azeve-
do, seguir para os
portos cima no da
15'do crrente, 5
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 13, eneommendas at o
dia 14, passagens e dinheiro a frete-at as 2 taras
da tarde do dia da sabida : escriptorio no Fui le do
Mallos n. 12.___________^____________
CO.MFA.NIUA PERNAMBLCAHA
DE
Hve<'tlo cos eir a vnpur.
MACEl, ESCALAS, I'ENEDO E AllACAJl'.
vapor Man t'ili,
commaiidanle Julio,
seguir para os por-
tos cima no dia 13
do corrate, is 8
horas da tarde. .
Recebe carga at o dia 13, encolnniemlas at o
dia 14, passagens e dinheiro a frete at as 2 horas
da tarde dj dia da sabida : escriptorio no Forte
do Maltos n. 12.
COMPANHIA PERXAMBUCANA
DE
.lavi'garito rustrir a vapor.
GOYANNA.
O vapor Pia/"/'/ se-
guir para o porto cima
no dia 12 do curenle, is
9 horas da noite. Rece-
be carga, eneommendas,
pa-sageros e dinheiro a
frete : escriptorio lie For-
te sdo iMalto. 12.__________
COMPANHIA PKIINAMU7CAA~
DE
Vv i'gaeai co. MAMANGIAI'E.
O vapor Coruripe, com-
mandante i-ilva, seguir para
fe o porto cima no dia 12 do
corrent, as 5 horas da larde.
Recebe carga, enconimeinlas.
passageiros e dinheiro a fre-
te ateas 2horas da tarde do dia da sabida : es-
criptoriu no Forte do Matlos n. 12.
Para
Para o
vai cahir at o dia 8 de fevereiro r barca porta-
gueza Arabella, de 1" classe, tem tres par es da
carga prompta, e para o resto que flie falla, tra-
ta-se com Ferreira de Almeida & C, rua da Va-,
dre de Dos n. 36.
Para o indicado porto, pretende seguir eom pt li-
eos dias de demora a veleira barca portuguesa
.Voro Silencio, navio de 1." classe, capitao Ferreira.
por lar mais de dous tercos de sen carregai lento
prompto e para o resto que Ihe falta c passageiros
{para os quacs tem bonscobunodos,) Irala-se rom
os consignatarios Joaquim Goncalves Beltrao &
Filhos rua do Coinioercio n. 5.______________
Para o Rio de Janeiro.
Vai sahir com brevidade o lugar portu-
guez Almcliiu por ter a maior parte da -arga
pruinpta : trata-se com E. R. RabeUo A C. : rua
do Commercio n. 48.
Para o Aracaly em direitura sabe uestes
oito dias o bia'e nacional Mu ni Amelia, de i'
classp, capitao e pratco Francisco Thomaz d.j A
sis, j tem melado de seu carregamenlo engajado :
paca o resto tratase com seu consignatario Anto-
nio Alberto de Souza Agolar, rua do An orim
n. 60.
BILHETES CARiiKTIDOS.
.4' rua Primeiro de Morco (outr'ora rua do-
Crespo) n. 23 e atoas do costume.
O abaixo' assignado tendo- vemido nos seus fe-
lizes bilhetes tres quartos n. 103 com fcOOOjiOOO.
un meio n. 502 com 8004, Om qtiarto n. 268*
com 3004 e mitras sortes de 404 e 204 da loteri:*
(\rk se acabon de extrabir (3.*) convida aos
possuidores a virsm receber na conformidadr'
do cestume sem descont algum.
Acham-se veda os /'elires Wlhetes caranfldo-
da 2' parle das loteras a beneficio da igreja d?
Xossa Scnhora d.i Piedade de Sanio Afraro (*>.*).
que se exlrahir na sexta-fera 14 do con 11
te niez.
PKECOS.
Bilhete irtein'. 04000
leio bilhete 34O11O
Qnarto 14308
EM POKg.VODE 100-rOOOPAIi.V CIMA.
Bilhete inteiro 3o00
Meio bilhete 24730
Quarto 14375
______________ Manoel Martins Fiuza._____
Povoado' dos Montes.
Joaquim Porfirio de Araujo, competentemente/
habilitado, continua naste povoado a ivrrcr as
funccCes de seu magisterio, a a leer i- nar por ca-
sas particulares as na Serias segulnfes : granma-
tica nacional, franceza e latina, arifimnii-a, pbi-
losophia e msica. O mosin est R<|osio a ai^-
ceitar alumnos internos, que; como os exteinos,
pagarlo as nniMdadei por trimestre adiantado.
ijui-in pretender dirija-se rua da Concordia n.
46, onde o cncoiilrara desor s nove Imras da ma-
nila ate s ipiatro da tarde..
Aluga--e
o sobrado de um andar rua de -Horra' n. 30 :
a tratar na rua Duque de Ca.das n. 53.
PROGRA
LEILOES
DE
200 meios caixas com inassas e 10 dfctas
com 1000 nozas de pliisplioros de i-ei-a.
^enii:lii-l'eini tO do corroate.
O agente Pestaa faro leilao, por conta e risco
de quem pertcneer de 200 meias calxis con su-
periores massas, e 10 dttas c un 1000 grozxs de
phosphoroS de cera, o Baeninr que neste genero tem
vindo este mercado, tudo desembarcado se nana
passada, eser tudo vendido vonlade ; segunda-
R-ira lO do corrent, s 11 horas da mauhaa, na
porta do annazem do Aunes, defronte da alfadega
LEILAO
DE
movis, anaaeao, fazendas e mais- perleitces
da oassa fallida de Manoel Jos- Mdntbiro
Torres.
Terc,a-feira 11 do corrent
O agente Martins far leilao, per mandad > do
lllm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, dos mo-
es, armaeu, faiondas e mais pertem-es da loja
Je fazendas n. J4 da rua Primeiro de Marco (Mi-
tiga rua do Crespo) tudo pcrlencente iaa-sa fal-
"ida.de Manoel Jos Monteiro Torres.
A's II horas do dia v sendo: armato o fazen-
Jas na loja, e os movis no segundo andar co so-
brado n. 14, da rua do Crespo
AVISOS DVtHSOS
ExpiKtfito Proviftcrtl de Vmm-
Itoco.
Xo dia 7 do corrate s 6 horas da tarde lera
lugar no palacio da presidenc. a Ultima, rounio
ordinaria da commisso directora da exposiijio
de Pemambueo, alim de ler-se o rotatorio qne
sobre a mesma exposieao vai ser dirigido ao go-
vc*mo, e fkar-se o dia da distribuicao dos pre-
mios conferidos aos expositores.
M)8 inetnbro do jun^especial pedento asistir
reaniao,
Sala da commisso directora, 4 de fevereiro de
1873.
Buarqne de Macedo,
Secretario.
Precisa-se de um caixeiro que tea Dfaoca
de taxerna : na rua da Santa Cruz, padria da
Flor, da Amejlca n. a
lia frsia do .\owa Moabora d
Boiu .^uci'o.tNO. (ae se toera
em sua oapolla. rm a rua
ilc>a dcuouiiuarilo.
No sabbado 8 de correle ao meio- da subir
aos ares diversas garandlas de fogo,.e a msica
do 2." bata bao da guarda nacional fura ouvr
diversas pecas de seu repertorio ; norte mesmo
dia pelas 5 horas da tarde, ser trasladada, em
soleare procissao, a Virgem do Bom Successo, a
qual acha-se na igreja do Amparo ; para d'alli
ser o nduzid i para sua capilla.
Xo domingo 9 do eorrnte pelas 5 horas da ma-
nila, una salva de 21 tiros, inlermeada eom di-
versas gyrandolas de fofo, e com esumipido d:t
mesma mostea ertair,a popu-
lacao que chegado trio pomposo dia.
s 11 horas entrar a missa, sendo a orclies
tra dirigida pelo hbil professor o Sr. Meudonea,
e (is sollos serio exfCOlad > por habis artistas
tarde soitar-se-ba diversos bafea, e ama-
sica far ouvir escolhldas pe .as de seu reperto-
rio.
A noute haver ladainha, linda qus seja, sol-
tar-se-ha un lindo e variado fogo aitilicial, feitf.
Ilkl hbil artista o Sr. Leoncio, que Umt elogio
tem merecido pelo seu traba! o.
Prodramma rioso Santo Amaro, em
sua capella das Salinas.
Ao ronini'r da anror^ do da 9 do eorrenl
una salva real de 21 tilos aiinunciar aos habi-
tantes desta cidade que chegado o dia da les
la do glorioso Sanio Amaro, a qual principiar
as lo l|2 horas da niinli, sendo ora'or di.
F.vangelho o dislinclo plegador da capella impe-
rial frei Joo de Sania Thereza.
Na espera, dia e noute da fesla, noeeotari o-
insigne Rautista, o Sr. Candido (JuMbn Rodri-
gues Lima, lindas variaeoesdo sm grande rapar
torio.
No Glora cantar o solo a Exma. Sra. I. Ama-
lia Baptista, que com tanta maestria tem cantado
as noi mas.
A* tarde ser basteada a bandeira da Sen'osa
das Angustias e em seguida subir ao ar um lin-
do balo aereostalico.
uouli', linda a respectiva ladainha, prinri
piar o astenarie da Seulmri das Anoastias. A
orcliestra ser regida polo distinclo e halnl pro-
fessor Francelino Domingos de Monra Passs, qm
uao tem poupado esfercM para completa satiste-
eao dos espectadores.
Na vespera ao meio dia, a uoule e durante -
do o dia da festa, tocara a banda de msica mar-
cial do 9." batalh o de liona escolhidas pe-.-as.
Aluga-se o sobrado de um andar da na-
do Bario da Victoria 57 : a tratar na luja 4
mesmo. .
iga-se
l'in casal de escravus : a mulher jMiaia.ec-
zinlieira 6 engnmmadeira, c o marido faeellente
criado, e serve tamhem para tratar te sitio. lYe-
fere-se casa ostrangeira. Alngani-se igualmente
dous moleques bons para criados : ao Sr. Nico-
lao Tolenlino, com ja de ourives na rua dn
Cibug, se poderao dirigir os preteudeclts
COMPANHIA"
awisi
Em cumprimento do disposte no artigo 19 iii
estatutos da mesma eottpanla serio vendidas 10
de -nas aeros de ns. 261 a 270 Os pretenSeii
tes devero dirigir snas propostas, par inten.!..-
l io de correteros era'- al n dia 14 do cor
rente ao escriptorio da compan'ub.. rua do Vi-
gario ii. 4,______________________________
Manoel Fernandos da Cunta retira w para a
Europa, e dunuile sua ausencia.deixa. \ntt seto
bstanles procuradores em i.* lugar sen miau
Antonio Fernandos Ribeiro. era 2. Joaofhrnan-
des BapBta e em 3.* Joa |uim Fernandas da Casta
_
laiftool Jonqnii Novo Jltsiior.
D. Olimpia Luis de Barros Sev*
convida aos seus parentes e a -
prenles e anros do seu feniprc
chorado esposo para assisHrctii as
ussas que manda celalrar pelo
seu eterno repou;o. no dia 10 d*
c rrenle, na capella du eemitr,
pubbeo e matriz da Roa-Vista, s 8 W>14 da n ..
nha,na luatrz'dc Xossa Scnhora da Gra^a a-,
7 horas. .
/ BaCharslBsnlolps da rosta, ju de paz
da freguezia de Xossa Soujiora da <.
c
Kara o de Ammuj
Adolph*.Targiiifc Aceinl convida
a seas p.nenies e amigos t .
do sea finado amigo o Baro d-
Amaragy, a as-i-lireui MjpMMS ni>-
sas pje por sua alma manda rc-a:
na uaiilia de segnndsdelra, 9 do
crrente, na igreja do convenio. de.S Fraucisco.
\lllgil-Sf
l'ma casa terrea hoi fffopadas, sita na do Wtr
toadorab n. 22, eoiu quintal murado, cacimb
d'agoa de beber, contenta 2 salas. 4 qiurtos e c-
zinha (ora ; a tratar rua Duque do Uxias n. W>
Irmandadedo DivmxJEspiri -
to Santo.
Por deliberacao da mesa conjnacta de orden,
do os o i mo juiz convida a MIn1mx cha-
rssmos maos para reuni-i>m-se era mesa gi
domingo 9 do eorrento, pelas io horas da manlrt.
om no-so consistorio, afun de tomarein con:
mente da. senteufa do lnt rdicio dada por S. Exc
Rvma.
Consistorio da irma&dad* 7 do feveroirede 187 -
.
Rranesco -Jk-- l.ait*-
Precisase de uxna criad]
coniperfeic.ro, itara una
i "engomm
drftnul; tra-
tar rua do Cabug, ph Imptousl, coiu
nna di audiencias as qoaiia-fera*. e auduientrada pelo pateo dfctiaiiz n/W t*t*
ir o drj-ssntlWao ou feriad-, no jutecedensf. |<,u_t ^ %& por n
ILMK t


tCS

i
>

Diario d Pornambuco fribbado $- de. Fevereiro de 1

Pugiram do engenho Cien ira Tapada, froga*
ia da Estada, no motado do mtz de UeaevAro
prximo passado o escravo Rufino, de 18 a 20
anuo* de idade, cor preu, principiando lia.o de
4nm por debaixo da queixo, pequeo, |WN c
muita espiando do corpo, beic.os grossfvs pe pe-
qaatfo, olhos vivas c com urna cicatriz d um
wiee de cavallo por cima d'um e tera Taita d um-
.tente na frente; Jevoucalcase camisa de algociao
;uui e ue Ustra, urna camisa de liaieU encarnada e
.um palitot de easemira escura e consta ter seguido
para villa de Limeeiro, de onde e natural.
Jarge, no da i de laneiro do corrente anno, de
;<0 anuos de idede pouco inais ou monos, cabra.
poaea barba, Isigodc e cavaignar, cabellos ordos
e-a especie d caboclo, altura 'regular e todo ir-
ido, tem os dedos polegar e inflex da mao direita
luros d'uns trinos, cujas marcas esto bem visiveis, |
sabio preparado com irouxa dr roupa, calca e ca-
misa de algodo azul e de listras e urna camisa de
baita eaeernada. Presume-se ter feito viaflem
para villa de Ingaieira, serto de Paje de flo-
res, para onde ja ha dons anaos. fez urna fiig4a e
natural.,- roga-se pois as autoridades policiales e
capitaes 8e campo, a saa captura, que serae pene-
rosameWe recompensades.___________________
Avisase
x quem der oficia da escrava Guilhermina, que
fot do wnTn*e-coronel Fitaiann Joaquim dos San-
tos, edepste comprada ao Bario de Nararoth, re
presenta *er 2 > annos, t
frente e as maos com vtcttrizes
gaz, sacea do corpo, muito regrista, que desanpa-
receu da casa de sobrado n. 26 da ra dos Cac-
illos, <%u% scn'ii generosamente recompensado.
50#000
Notogenho Masuassii, freguetiada sclida, pe
dar de gratificacao a qitantia cima a 'inem ap-
l'Baraode'NaTar.ab, re- prehender tres cavallos que naquelle cngouho
*o falta de denles nkjwram furtados na noute do da ?J \ura 30 de no-
rizes de jwinmflura Se' vembro prximo pausado : o : Viu9 annos, e
.
CoKuiheiro.
AOS -5:000*000.
Esto venda os felize?bilhcles da lotera -Ha pro-
vincia, na casa Miz do arco a Conceieao, toja de
oarives, no Roe.*. _______I
Precisa-se de um que soja bom, paga-se bem :
no hotel da independencia, rua*do Imperador u.
32.
castanho e castrad >, tem a ordha direita hasWHe-
lascada, tuna strclla na testa, e noquarto eaquer-
do tem urna mu ; o 2" r*c,o, com pintas ver-
mellias nos quartos, grande, gordo, com o lies-
coco fino, castrado, tem *s quadris feridos da
cagalha, Terrado com a (narraI. R. do lailo
direito, c em a idade de "9 annos ;oi' rodado
snhassu daro, corto gresso, um potreo cambito,
c castrado, pequeo, e est ferrado eecn a marca
.Vlleuf.
O Sr, AiUjuo Jos Ptmlra, tenha a bondade
de appareoer na ra do Duque de Caxias n. 60
A, loja -de Beute da Silva & C, successores de
Manool Ribeiro Rastos._____ *
1
O Sr.'. ... de Araujo Cezar, favor v'r roa.
COHPANHIA
1XOS
TUMOS URBANOS
J)o
Becife Olluda c Betoribo.
No escriptoKO 8esta com-
panhia, coui|rase constante-
mente a precns razoaveis,
-solipas de otic.ica e sapu-
caia, das ambles dimen-'
ifiet : comprimento 10 pal-
mos, grossura H pollegadas,
jTdSPura i ditas. .
Gontrata-seii i abaixo asslgaado na esta-
r^eda r a da Aurora.
Estrada de w de O inda, 1* de janeiro
0 gerente interino,
Lanrv-ntino Jos de Mimnda.
Pera mator *-oEimod idade los nassageiros
que desejarem asistir aos 1 indos lugos d'ar-
ticio nas festas da Senhora dq Bun-Succes-
so e do Senlior da Roinlim, na cidade de
Olinda, no prximo domingo 9 do curente,
expedir a coinpadhia um Itera s 10 12
\iorat da noute de volta para o Recite.
O gerente interino,
I+ann'Hno Jos de Miranda.
de Sanio Amaro dafiSalinas e N. S. das
. Angustias.
As pewwis crae quiwnem alugar terrenos para
armare .Varracas duraatc os 18 dias de novenas
e fiesta*, .podero dirigir-se capella>do lugar, qe
ahi achatao cem qwan tratar. ________
Se dia 19 do rente jaocire de 187, au-
seutara-so do lugar fienominado Aiule do MaRo,
da freguezia da Gloria do Goil, a preta de iwme
Terora, altura regular, olhos mrbidos, io ter Taita do um denla superior na Trente, em cot-
scqienci- de os ler muito separaflos e scDem-h-^
mauos, solre eravos nos pea e no rosto tem miri-
tas.-sardas saliestes como bermejas ou berruga*,'
lwou vestido de chita verde, urna coberta de .hi-
ta, e duas iiilaiiuias ambas IHlias da mesma.
una de nome Rogeria, de 7 annos de idade, wr
clara, cabellos annellados, denles da frente largos, e a outra de nome Ma-
Tia, de 17mezes4 idade, meeos clara, testa sa-
liente, olhos pequeos, cabellos jrual a primeira ;
ambas sao pertencentes ao Sr. Jos Eleuter'io da
Silva. Supjwe-se ter idg em procura de um li-
llio que fui o anno passado vendido ao Sr. BarSo
de Xazareth por ter descidoipela estrada de l'o
d'Albo, c sciu dnvida ir passando por fo ra 'por
motivo dos filies : a pessoa guc a tiver em sUa
casa e me avisar, ou alguem La, ser generosamente recompensada ; para in-
foniiaces peste tv pogra|)hia.
| COOLliO |
I MEMCO-CIRIRGICO
Precisase de urna ama qtw
saiha cozlnhar pcrfcitamente e
com rar para casa de hornero
solteiro : na rila de Pedro AfTonso n. 12, sntiga
ra da Praia.
\lk
-O-notpjartb direito : gratificase om 50*000 ^ D e ^ Caxias n." 60 A' ojade Rento da
por cada um empresenri da pessoa, em cu o po-i ^w k c succesoreg (le Manod'njbeiro Bastos
der for encontrado qnalquer dos ditas cavallos. i--------------------------------------;------ Ji. :
-----=:.;-----.- f ^ _,------------15 Desappareceu na noute de, liara 20 do
- Rugi hontera, 27 do corrente,o escravo Be-1 cfITeBte fregez a, do Puco da Panelta, urna
mdhtto, malato, cahdlos carapmhw, corpo grosso, burra com os gi bafea, olhos granees c nrailn a flor do rosto, sem HHda ^^ a mao egquenla um ^^q inchada,
barba e renresetiu ter 18 a 20 amos. .. tem urna marca na sarn ia, pr veniente de um
Este mulato natural da Parhyba, tendo sido ima a achar ou del|a der nolcia
escravo do Dr. paire Mouraejsor^ste entregue exacla ser gener0Samcnte recompensad',
ao seu sobrmho padre Moura, oadiutor da fre- Eustaquio Jos das Cbagas.
gueziadorabo, para vende-lo. cerno de facto ven-----------------.-----=2 ------. Tt'r,^ "
laa-0 ao Sr Jaae Pedro de Mfl,e este a mim ha! |W senhora a,nipetentemente habilitada e
onie dias autonsada pela directora 4a insruccao publica se
Otiem "orcade-lo, poder anduzi-lo ra da offerece ensinar primeiras lettras," grammatica
matriz da Boa-Vista, casa Xi, onde ser gene-. portugueza, anthmetica, coser bordar, eoutros
rosamente recompensado. misteres de sua profissao, em algura engentio per-
------------------------------;------- to da praca : a pessoa ie quizer utilisar-se do
Cscriptorio eommereUI, de cona- ^n AfeSaiajo, dirija-se pra^a do Cande d'Eu nu-
m Pwcisa-se de una ama para
IMA engomiiiar e lavar, paga-se bem:
\ IT1 LX a tratar na Pasnagem da Magda-
lena, largo do C.liafariz, sitio com gr des de ferro
pintadas de p cto e tres coqueirus a eutra.a.
Ama de leite.
. Precisa-e de urna que tenha bom leite, e sem
filho : a tratar roa do Duque de Caxias, ou-
tr'ora Queimado n. 70. ^^_^__
Precisa-se de urna ama
para cozinhar : na ra de
Pe ro Alfonso, outr'ora da
Praia n. 3.
ATTlHdAO.
Precisa-sc de um padre de |>oa morat, que te-
[nbn os precisos dados (iara lercionar cinco meni-
nos, laRto a Imgoa nacional como francet e latim,
garantindo-se nao so I10111 ordenado, casa, algn
capcllanm de engenho, e mera* a c parochia do lugar, que lodo poder render cerca
J.; 2:0004 animal. O n-v. rundo que quizer din*
ia-se rqa da Cruz, armazi-ui n. 3, para tratar.
foitnsiU'/.a
de c-
||||l*4*n iii(!ii*>(i'iu eni
a4i<*eii4*ia iion
no coiiiinrrrio <
IVr tm calmeo.
De orden) do Sr. -presidente e a requerkmento
da directora desta associacao, convido an> Srs.
associados para >e rciinirem domingo 9 do cr-
reme, qwlas 3 e meia horas da tarde, na casa da-
gessdes, ruada Imperatriz n. 33, segundo andar,
atitn de constituidos em asseiiibl.a goral, preen-
cherem por eleico as vagas existentes na direc-
tora, e ratar-s de negocios de mteresse da mes-
illa associacao.
Reeife, JoefeveNiro 4ei873.- Salvador Jote
firrtira Gwmarftes, i.- secretario da assen Wa
gei ..I.______________________________________
0 anaxo assignade declara ao publico e espe-
cialmente ai eorpo eommereiaj deeta praca ou
(ora della, que tem justo e .contratado a anata-
v^ma sita .1 raa do Rangel n. '.if com todo o acti-
vo e passivo eora o .Sr. Francisco Rodrigues Al-
mirante, livre e desembaracada, tirando o dito
comprador para pagar sens dbitos nos venciuvn-
los, como coosla da relaco c bataneo por nos am-
bos assignados em vista da totalidade e oreamente
tqunntia conferenciada cornos eredores: as-
^im como la nnein Sea respoosavel por qualquer
debito que i i*s.i apparaeer, que nao consto da
retacid, tanl de o iread trias como de impostos
atrasados, que sao liares ao eomorador : quera so
julgar com su 1" 11 as nao eonfeiidas, appareea no
graso de Ira dias, u nao compareeeudo, nao lera
direito algum. e para maior firmeza nos assigna-
1 nos. l!"(i!" 27 Je Janeiro de lH7:t.
Fr nrisco Rodiigues Almirante.
- Beato Perreira Pimenh'l.
PHARHaGA
TORRES.
O abaixo assignado. pharmaceutieo pela facnl-
dade de medicina Ja Baha, participa ao respeila
ve! publico eaos senhores mdicos dcsta capital,
raetendo comprado a bem cnhecida pbarmacia
do tinado Torres, s ta ao pateo do Terco n. 135,
aortio-a do medicamentos novos o preparados es-
peciaes frsnce es dos memores autores, assim
como avia qualquer receita a qualquer hora do
dia ou da noute com (odapromptidao, esmero e
BBseio -''ni fazer sabstiraioSes.
Reeife 3 de l'evereiro de 1873.
Mano^i Thomai Pereira d 1 Reg.
Escravo.
Precjsa-se de urna escrava que desompenhe
a^ obrgaedes de ama de urna pequea familia :
no largo do Paraizo n. 28, sobrado.____________
Os abaixo assignados iiarticipam ao respei-
iavel edrpo do commcrci > desta praca que teem
contratado amigvclment difsolverem nesta data
a sociedad-: que tinham s ib a razao social de Cae-
tano los LeiQo 4 C., fu-ando o activo e passivo
cari. 1 do socio Manoel Antonio Pego. Reeife
31 de dezembro de 1872.
i^aetano Jos I.citSo.
Manoel Antonio Pego.
0

DO
r. J. SI. Curio
JPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Olinda n. 25, pri-
mcii'o andar. &%
Consulta das 7 horas s 10 da manli. **
9 Chamad s a qualquor hora. j3t
Ausencia.
Evadio-se o escravo Paulo,
tripolante, traja do roupa de servic de bordo,
c tem os signaes seguintes : estatura e rosto re-
gulares, cabello gramos, nariz .> boc a regula-
es edr preta, enoulo, e sem barba : rogase
a annrebeasao do mes 1 o, e conduti-lo ra da
Cruz 11. 3, aonde se gratificar.
Acba-se fgido desde o da 12 de dezem-
tro do auno prximo passado o moleque Altino,
de lo para I (i annos de idade, com os signaes
seguintes : cor fula, seco do corpo, olhos vivos,
nemas linas, mnito ladino, levou vestido calca
- camisa de algodao de listras; guppde-se elle
andar mesmo pelo Reeife, ou pelo mallo, na fre-
guezia de Ipojnca, no engenho Pinderama, onde
tem um i mo forro : loga-se a apprehcnso do
dito escravo e leva-lo em Olinda no sitio deno-
m nado Jardiin Rotan co, aos scus senhores, que
atemde gratos, rec mpensarao generosamente.
Aluga-se o pavimento terreo da casa da ra
te Vidal de N'egreiros, outr'ora Imperial n. 113,
proprio para esta elocimento, tendo um soto em
separado o quintal murado : tratar roa do
Visconde i: llapariea n. 1U armazem.
0 bacharel B. Luiz da Silveira, pode
ser procurado todos os dias utiea, das 11 ho-
ras da maulla at as 9 c mcia horas da tarde,
na raa do Imperador n. 27 !. andar, que'r
para os mistares de sua profissao de advoga-
lo, quer para os scus negocios inteiramento
particulares.
uK LIIZFKKIPPET,EIT.
Ra do 0r.o Go 1.
LSBOt.
Executa por commissao quaesquer ordens
das provincias do reino, ilhas e provincias
ultramarinas, bem come do Brasil e outros
paizes estrangeiros.
Recebe consignao gneros nacionaes,
coloniaes o do Brasil, pira serem vendidos
no reino, 011 lora' delle.
Executa ordens para compra e venda de
fundos pblicos, nacionaes e estrangeiros.
Trata da cobranca dos respectivos dividen-
dos.
I'romovem-senomcsmo escriptorios, in-
ventarios, liqudac.oe6, causas civeis, crimes
e commerciaes, appella^cs e recurso de re-
vista,
Tem os melhorcsadvflgados na capital.
Trata-se da arrecadaco de heran^as e ad-
ministraao e bens no continente do reino.
Obtcm-se documentos de qualquer dioce-
se, districto administrativo, concelho, ou fre-
guezia do reino, ilhas e provincias ultrama-
rinas.
Solicitam-so dispensas matrimomacs e
quaesquer outros breves apostlicos conce-
didos em Roma ou pela nunciatura em Lis-
boa, annullac/10 de ordens, e quaesquer ou-
tras dependencias dos tribunaas X# r.As commissoes sao reguladas pela
praxe desta praca.
Para os negocios de natuceza especial,
como causas forenses, administrnrao debens,
etc., querendo-sc, pode preceder accordo
previo conforme a natureza do negocio.
Esta casa tem correspondencias serias em
todos os pontos do reino, em Inglaterra, na
frica portugueza, em Maco 'China) reino
de Sio,-ilhas dos Acores e Cabo-Verde, e
acceita as propostas que das provincias do
imperio do Brasil lhe forem feitas por corres-
pondencia elTectiva ou eventual. Na mo-
dicidade de suas commissoes, na exactidao
de sitas contas e no crdito longamente esta-
belocido faz consistir toda a garanta de bom
acolbimento.
Para referencias em Lisboa, s casas ban-
cadas do Sr. Fortunato Chamico Jnior, e
dos Srs. PoQsecas, Santos & Vianna.
Lisboa, 13 de novembro de i-872<"
Allenc.
Quer-se alugar urna escrava para o servido ex-
terno e 4nterno de urna casa de pouca familia : a
tratar na ra do Imperador n. 1$, 2o andar.
Precisa se de urna ama para cozinhar )e
comprar : ra do Duque de Caxias n. 64, loja.
Na ra da Cruz do Kecife
n. 42, armazem, precisa-se de
urna cozihcira forra ou es"
rava, pagando-sc bem.________________
AMA
Precisa-se de urna ama forra 0:1 escrava pa-
ra cozinhar c lavar para pouca familia j na ra
roperial n. 153, refinaco. ___________________
Precisa-se de una ama livre ou
escrava, para una familia composta
duas pessoas ; a tratar ra do
Rario da Victoria n. 12, loja._____
Aviso
AMA i
AMA
gel n. 9, 2. ailar.
Precisa-se de una, que co-
zinhe e engommo para urna
s |>essoa : na ra do Ran-
Aluga-se o armazem da casa n. 18 da tra-
vs-a dos Expostos, ladrilhado de novo, e proprio
P'ra qualquer estabelecimento : a tratar com o
raiiislro da ordem terceira de S. Francisco, no
' consisto io da mesma ordem.
$ PromptidOj asseio e $
0t economia. &
Francisco Jos Cordeiro, alfaiate, par- W.
wt tkipa ao respeitavel publico pernambu- M
'5J cano, que abri a sua ofllcina na ra do S.
)0> Raro da Victoria, outr'ora ra Nova, n. Q
46. primeiro andar. Espera ser procu- Q
^ rado dos cavalheiros do bom gosto, pois X
9 encontraran trabalho pelo gosto da Euro- W
X pa, e por'precos muito menos do que em >g
K ootra parte. 2>
AtteiiC;o
Manuel & C, tendo de relirarem-se breve para a
Europa, vendem todo mobiliado, com piano, lou-
ca, crystaes, porcelana, vidros ele, o sitio de snas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
ros, travessa do Acude n. 2, com 305 palmos de
frente e mais de dous mil de fundo, todo cerca-
do, com muitas fructeiras, porto de ferro, ca-
cimba, deposito d'agua, banheiro e gaz dentro da
casa, a qual foi reedificada e tem commodos para
numerosa "familia; o lugar torna-se recommendavel
pela pureza e frescura do ar, pela sua situacao
pittoresca e agradavd c distar pouco das estacoes
da Casa amarclla, Monteiro e porta d'agua : quem
pretender, d rija-se ra Nova n. 23, ou no mes-
mo sitio.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar
e cozinhar : na ra da Imperatriz n 56
AMA
Pracisa-se de urna ama
para cozinhar : na ra do Se-
nlior Bom Jess das Creou-
las n. 11. -
Ama
Precisa-sc de una ana para cozinhar
em casa de liomein solteiro : na ra
Duque de Caxias n. 7o._______________________
*mfl Precisa-se de nina ama para cozinhar
. v IIll e comprar : na ra do Bario da Victo-
ra n. 28, outr'ora Nova. __________________
Precisa-se de urna ama para todo
o servico de casa e de fia para ama
s pessoa : a tratar na roa de S.
Francisco n. 39.
No raez de oiUimro do ana* prximo passado
fugi do engenho Ajudante da fregnezia da Eca-
da o escravo de nome Guilherme, o qual tem os
signaes sguinte : 29 annos de idde, acabocola-
do, olhos grandes, naru um pouco arquiado, ca-
bellos crespos, altura e corpo regulares, ps com-
pridos e seceos, com algumas marcas de fendas
pelas costas ; levou comsigo um cavallo castanho
rosilho, tendo no lado direito a marca F; descon-
lia-se que tenha seguido para a cidade da Par.v
hyba : roga-se s autoridades e capitaes de campo
a captura do referido escravo, que poder ser en-
tregue 110 dito engenho ao seu senhor Conidio
Pereira de Araujo, ou nesta praca ao seu cor-
respondente Firmino Correia Pessoa de Mello, a
ra do Apollo n. 55.__________________________
Escravo ftigido.
Contina fgido o escravo Luiz, que tem os se-
guintes signaes : 22 annos de idade, pouco mais
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinbos, rosto redundo, tem urna per-
na inchada e levou roupa de embarcadico.
Presume-sc que esteja no engenho Sanl'Anna, em
Santo Amaro de Jaboatao, onde tem parentes. Pe-
de-se a todas as autoridades policiaes e eapilies
de campo, que o apprehendam e o conduzam
ra do Itaro do Trinmpno, antiga do Brom, ns.
92 e.94, que sero generosamente gratificados.
. Ollerece-e le una Sia. para trhalhar cm
qualquer casa de tamilia. com machina : qncm.
nretender dirija-se a ra da Praia de Sania Bita
Nova n. 30, sobrado de 1 andar.
AMAi
Eu abaixo assignado, declaro que vendi a casa
de pasto, da roa de Mariz e Barros, n. 10; se
houver algum credor aprsente seus documentos
no prazo de tres dias contados desta data. Re-
eife, 3 de fevereiro de 1873.
Faustino Peres.
Excommimgado.
Aeab de sabir a luz e acba-se venda eta
linda polrk da actualidade, eomposico do muito
sympatliico maestro J. Poppe : ru Nova n. 11,
armazem de msicas do Azevcdo.
Aluga-se o armazem e o primeiro andar da
casa 11. 2">, da ra do Bom Jess : tratar com
Cramer Frey fr C, n. 62, da mesma na.________
Antonio Valentn) da Silva Barroca, faz pu-
iilicj que tem admittido comovsocios de sna casa
i-ommercial a seus filhos Jos Rodrigues da Silva
Barroca e Antonio Gcraldo do Bcgo Barroca, sob
a firma de. Silva Barroca & Filhos, que toma a
seu cargo a solucao de seus negocios pendentes.
Becifo, 30 de Janeiro de 1873.
Mudanca de estabelecimento
Joio da Silva Leite mudou a sua laverna e
armazem de molliados, da ra do Mrquez de
Olinda n. 10, para a de Domingos Jos Mar-
tn< n. 88 (outr'ora Senzalla Fc-lha).____________
Quem se julgar credor de Francisco da
Cunha Cardoso, tenha a bondade de apresentar
seus ttulos, no praso de 3 dias, ra do Llura-
mente n. 20, da data de bote. Reeife. 5 de feve-
reiro de 1871____________________________
J>ac|iim i. Ptivu da Fonccca,
com loja le I aseada* eia Ap-
pueo*.
Pede-se a estesenhor o favor de comparecer na
loja da Rosa Branca, ra da Imperatriz n. 56, a
negocio de seu interesse.
Caixeiro.
Lourenjo Alves Ferreira,
mscate nesta cidade.
Queira ter a bondade de vir lija da Rosa
Branca ra da Imperatriz n. 06, negocio tm-
portanfe. Emende f___________________________
lladaiuc l'amiy, inodi*(a ila-
liana.
Roga-se encarecidamente a esta senhora para
que se digne mandar concluir o negocio que tem
11a loja da roa Duque de Caxias n. 58, attendendo
- para isto o tempo deoorrido.____________
Alug
;a-se
L'm sitio na estrada de Bcberlbe, onde ltima-
mente morou o Sr. major Luiz Francisco Texeira;
lem bastantes arvores fructferas e trra para plan
tar-se; a tratar na ra do Imperador n. 54, pri-
meiro andar, das 10 horas da manila s 3 horas da
tarde.
MOFINA
Est encoura^ado 1!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
eecrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir roa Duque de Caxias n. :)6, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
reasar, pela terceira chamada tteste jornal, em
ttas de dczernbro de 1871. e desos para Janeiro,
paseen fevereiro e abril de I872,e nada rumpno;
for este motivo de novo chamado para dito
tlm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
ele mais de oito annos, e quando o Sr. seu filho se
achava nesta idade. :____________
Perdeu-se
bontem 1. do fevereiro um relogio de seniora,
juntamente com um alfinete, tudo de ouro, esde
% praca do Conde d'En, aterro de Boa-vista, pon-
te; roa do Baro da Vi teria, Cabug at a roa
4. ue Marro : quem os achar e quizer entrega-
Joj, pode-o fazer na praca do Conde d'Eu n. 9,
1.* apuar, que ser gratilicado.
Preci^o ra caixeifj; najoria da ra do Rangel:.. 9.
Precisa-se de um caixeiro pertuguez de 12 a
16 annos, com pratira de molhados : no largo da
Ribeira n. 23._________________,______________
Fugio do engenho Una, freguezia do N. S.
da Luz, comarca de Pao d'Alho, o escravo Venan-
cio, com os signaes seguintes, cabra de 20 annos
pouco mais ou menos, alto, seceo, pernas ura peu-
co cambitadas, com cicatrizes de gomma nas per-
nas, ou em urna dellas, cor um pouco paluda,
com falta de dentes na frente, tem costume de
andar com a bocea aberta, cabellos carapinho,
etc. Tem sido visto nesta cidade, vendendo agua,
no bairro da Boa-Vista, em Fra de Portas e na
Pas agem da Magdalena : pede-se s autoridades
policiaes e capitaes de campo, a captura do mes-
mo, que levando-o ao engenho Una, ou roa
do Rangel n. 7, sero recompensados.
Escravo fgido
Ausentou-se, desde o dia 2 de fevereiro deste
corrente anno, o preto de nome Benedicto, de 23
annos pouco mais ou menos, crioulo, bastante
ladino, falla mansa, cantador de modas, bom
carpina, estatura alta, espajaudo, barbado, ura
pouco tato, tendo a testa pequea, falla de dentes
na frente, ps feios, e com urna cicatriz ou mar-
ca por cima do pe esquerdo, que foi um talho de
toda largura da machado, nasceu no engenho Bu
jury de Goyanna, tendo passado ao Sr. Luiz Ca-
valcante do Albnquerque, morador na cidade de
Goyanna, onde tem mi parentes, e deste ao
Exm. Baro de Nazareth, tendo tambem pass do
muito tempo no Reeife, levou em sua companhia
om menino orphao, de 15 annos de idade, pardo
claro, bom cabello e calado, cu jo menino tutel-
lado. Pede-se a todas as autoridades e capit es de
campo queos pegando le ve-os a roa da Pen a n. 5,
ou no eiignho Fuma, da freguezia de Santo Amaro
de Jaboatao, que aera generasamente gratificado.
Livre ou escrava.
Precisa-se de urna ama para o servico de duas
pessoas : na roa do Bom Jess das Crioulas n.
35, sobrado de um s andar, sendo a escada pela
roa do alaboopo,________' ______________
Moleque;
Precisa-se alugar um molerme e 2 a 14 an-
uo : trat r-Bo, arma/em do Campos : ra do
Imperador n. 28. i *
Escravo fgido
I30J000 de gratirieacao-
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos annos,
crilo, o bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j estove no engenho do Sr. Lnl de Ciar, em
S. Lourencp da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano 4 Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
Companhia
rnV THEREZA. .... ,
gaz te-' est forro, assim tem podido escapar de ser preso,
imacoesl Pede-se todas as autoridades e eapilies
ra do Duque
OaTLl
Os senhores consumidores d'agua e
nham a bondade de dirigir as suas reclamaroes.
na fabricada dita conpanhia, das 6 horas da de campo que o pegando l.-.^-o a
nianlia s i da tarde, e fora desta hora/rom o de Caxias n. 91, loja de m.udezas do Rival sem
machinista Sr. Guilhcrmino, roa do AljubJ, esi|ui-, Segundo, que recebera a gratihcacao cima de-
na que desee paca* Bol Hora, que serao atten- lela
Precisa-se alugar urna escrava 011
ama forra, que engomme e co-
para una diminuta familia,
nao se olha a preeo, na ra do caes
de Capbaribe, casa n. 3i, com grade de ferro
na frente e porto ao lado. Na mesma casa se
dir quem precisa do una mulher de bous coa*
turnes, que nao soja mora, para fazer conipanliui
a urna, senhora, dando fiador de sua conducta,
ainda mesmo com alguma gratificado._________
Ama de leite
Na ra do Bom Jess, outr'ora na da Cruz, n.
50, 2 andar, precisa-se de una, que tenha bom
e abundante leite, paga-se bem. _________,
Terrenas.
EmBebvribea3J, 0/, 8 e l
fundos para o rio. na povearao
mucos com o Sr. MeM
Oi o palmo, com
: tratar no- do-
piros.
Aviso
Fugio da casa de seu senhor, pela manila
."5 do corrente, o escravo Henriquc, idade. l't
nos pouco mais ou menos,
do
an-
cor preta, dentes al-
AMA
Precisa-se de una para cozl-
nhar para casa de homem sol-
teiro : a tratar na ra < a Moe-
da n. 45.
didos com promptidao.
Pelo gerente,
M. W. Chapman,
Cacoleta perdida.
Perdeu-?e do cscriptorio deste Diario at a ra
iS Queimado, urna cacoleta com pedra de ambos
os lados, c em '"na "d'ellas tem urna chapa de
ouro com s inic <* M F F c dentro da
mesma cacou-u. tem u 1 retrato ; quem achou-a
Hherendo restitu. pode lirigir-sc ao referido es
criptorio, que com. nsar.
Escrava -
Precisa-se alagar urna escrava que saiha en-
gommar, etc. : na ra do Cabug n. 11, loja de
joias.
A policia.
Pede-se ao ?r. subdelegado de S. Jos que to-
me em considerado as reunides que se do em
urna casa de jugadores, cm um dos beccos perto
da igreja da Penha.
BAZAR NACIONAL
RA DA IMPERATRIZ H. 72
DE
Loiirenco Pereira Mendes Giiimaraes
VIVA O CARNAVAI
Vende-se um grande sortimento do dmi-
nos de todas as qualidades, para homens e
meninos, a prero de 2*# 35, 49, oS, 69, e
89000.
Vende-se um grande sortimento de vestua-
rios a carcter pelo barato prero de 59, 89,
109, 159, e tambem se alugam.
Vende-se um grande sortimento de masca-,
ras de massa e de rame para homens e me-
ninos por baratissimo pre^o, e outras fazen-
das proprias para vestuarios: aqu se vende
muito barato.
OLINDENSE A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda de >cda e li-
nho, por nome olindense, propria para
vestido, a 640 e 800 rs. o covado.
BAPTISTAS A 500 KS.
Vende-se urna nova fazenda por nome bau-
tistas, para vestidos, a 500 rs. o covado.
SUTA&ASA640 RS.
Vende-se urna nova fazenda de l e seda
por nome sutanas, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda lisa, por no-
me phantasia, para vestidos, a 800 o co-
vado.
FUSTO BRANCO A 330 RS.
- Vende-se fusto branco e de cores, para
vestidos de senhora, a 320 e 400 rs. o co-
vado.
. CHITAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se chitas francezas escurase claras,
a 240, 280, 320e360 rs. ochado.
BRAMANTE A 19600
"Vende-se bramante com 10 palmos oe
largura, proprio para Teneres, a 19600, e
25200 o metro.
U
GROSDENAPLES.PRETO A 29000
Vende-se grosdenaple preto a 29, 29500,
39500 e 59000 o oovado.
PANNO PRETO A 19500.
Vende-se panno preto para calcas e pali-
tots, a 19500, 29500, 39, 49, e 59000 o
covado.
CORTES DE BRIM A 19300.
Vende-se cortes de brim para calca, a
19500 e 29000.
MADAPOLO A 39000.
Vende-se pegas de madapolo, a 39000,
49500, 59, 69, e 89.
CHAPEOS DE PALHA A 39000.
Vende-se chapeos de palha, de feltro de
castor, para homens e meninos, a 29, 29500
39 e 49000.
ALGODO A 49000.
Vende-se pegas dealgodo americano, 49,'|
59, e69.
BOTINAS PARA SENHORAS A 59000
Vende-se botinas para senhora, a 59000
e 59500.
CAMBRAIAS A 39000.
Vende-se pecap-de cambraias lisas-.para
vestidos, a 39/49, e5. -
CAMISAS BRANCAS A 29000.
Yende-se caiisas brancas a 29 e 29300.
Ditas de liho a 39, 39500, 49U00 c
59000. A
PalitotsdepahTW preto a 39000, 79000 c
89000. Palitots de casemira de cores, a
49, 59, e 89.
CHALES A 800 RS.
Vende-se chales de l, com quadrose hs-
trasj a 800 rs. e 19000, ditos de merino es-
tampauos, a 29, 39500, 49 e 59-
Eoulras muitas fazendas que.se vende
sem reserva depreco, na Joja do barateiro
Bazar Nacional.Ruada Imperatriz n. 72.
AHI" i ^a rua do FoS n- **> Pre-
\/l \ cisa-se de urna ama, para coz-
l'JL l\ nhar e fazer compras.
K Dr. Francisco Borges m
S de Barros
S MEDICO
j9 Mudou sua residencia para a ra da w
jg Ponte-Vclha, sobrado n. 1, onde contina, f
S uo exercicio de sua profissao.
Cozinheii'a.
Paga-se bem a um cozinheiro ou eoznlieira,
forros ou escravos, para urna casa de familia no
Monteiro : a tratar ra do Mrquez de Olinda,
"'"CASADO OURO
Ion 5:000*000
Bilhetcs garantidos
Ruado Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
11. 63, e casa do cosame.
Achamse venda os muito feliies. bilhetcs ga-
rantidos da S.' parte das lo lirias a beneficio 1 la
igreja de S. da I'iedade de Santo Amaro, que
se extrahir no dia 11 do corrente me*.
Precos
Inteiro 6000'
Meio 3000
Quinto 55003
De lOO-OOO para mu.
Intoiro im
Meio 27-:
Quarto 1*378
Reeife, 6 de fevereiro de 1873.
Jos Joaquim da Costa Leite.
gaosionQ
vos, gengivas pretas, altura pequea, levou .'alca
e camisa de nscadmho, chapeo de palha da terra
feic5es miadas e bem ladino ; consta andar no
bairro da boa-vista, 'ou ter embarcado para a
villa do Cabo, e escravo de Francisco Romea :
quem o apprehender e leva-lo na ra da loada
n. 33, ser gratificado. ______________^_
Precisa-se de um caixeiro que tenha alguma
Ortica di1 molhados ; na ra Imperial 11. I7.
Una crioula de 18 annoa de idade, de exem-
plar comportamento. que sabe bem engomni- r,
co'er. marcar de ugulha e vestir urna senhora, de-
sojando libertar-se, procura quem queira dar o
seu valor, snjeitando ella os seus servicos |>elos
annos que convencionar, podando tambem servir
de ama de leite, pois que deu a luz ha dona me-
zcs : quem pretender annuncie a sua-morada pa-
ra ser procurad^ _________________^_
Urna estrangeira sabendo portuguez, e podendo
dar boas informacoes, desejava achar um lugar
era alguma familia que se retire para a Europa
para fazcr-llie companhia ou cuidar de meninos
tqucm quizer annuncie por este jornal.
MMLFHO BIR60S
DO IMPERAPOR
1." ANDAR.
1001000
Fugio do engenho Pontal, em Serinhaeni, no dia
7 do prximo passado, o mulato Simao, com os
signaes seguintes : estatura regular, conosecco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos e falla descancada: quem o pegar leve-o ab
seu senhor o tenente-coronel Vicente Mendos
Wanderley no dito engenho, ou no Reeife ao Sr.
Rc.rnar.lino de Sena Pontual, na ra da Madre le
Dos n. 36, que receber a gratificcao de 10fl5.
Casa.
Vende-se urna parte da casa terrea n. 10,^ila
a ra da 1 ainboa do Carmo
L ramento n. 6, loja.
a tratar na ra do
Criado
Precisa-se de'um criado
mero 33.
na na da Moeda na
Taverna eni Belem.
0 abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
publico e ao corpo do commercio, que comprou
ao Sr. Jos Dativo dos Pasaos Bastos a sua taver-
na sita estrada de Belem n. 3, denominada o
Amigo do Povo, livre c dcnembancada de todo e
qualquer onus : se alguem se julgar credor d
mesma, aprsenlo suas contas no praso de tres
dias, a contar da data deste ; e passando deste
praso, nao se attender reclamacao alguma, Re-
eife 7 de fevereiio de 1873.
Luiz Antonio de Oliveira.
CARNAVAL
Na Cha ellerie des J) mes raa do Bara > da
t'ictoria a, 16, prepaia- e qualquer costume a ca-
pricho) pro rio para o car ave!: ng.it ra-
balho neste genero j bem conhecido pelos
a ad es do carnaval portento inutl elogia-lc.
O abaixo assignado declara que comprou a
taverna sita na ra da Restauracao n. 36, antiga
ra da Guia,- livre e desembaracada de qualquer
debito, e pertencento ao Sr. Genuino Carneiro da
Cunha : se alguem se julgar com direito mes-
ma, apresente-se no pra de 3 dias, a contar da
data oWe, lindos os quaes nao fe attender a re-
clam.io alguma.
fiedle, 31 de Janeiro de 1873. j^B
.- _______Joaquim Goncalws de Andr^j
" Precisa-se alugar urna negrinha para andar
c om uma,crianca : na ru* Direita n. 8, and;x
Boi desapparecido.
Desappareceu da? maos de um escravo, na noite-
de 5 do corrente c no caminho do Mondego a Pas-
sagem, um bo% grande, laranjo lavrado de branco,
c muito manso : quem delle der noticia. exacta
ra do Imperador n. 50, 3o andar, ser recom-
pensado.____________
Sociedade Harmona Luso-
Brasileira.
De ordem do Sr. vice- presidente sb convida-
dos todos os socios a comparecerem nesta socie-
dade domingo 9 do corrente, para reunirem-se as
11 horas do dia atim de tratar-se de negocios ten-
dentes sociedade.
Sala das sessoes, 7 de fevereiro de 1873.
O secretario interino,
Alipio Teixeira. ____
O.
Aviso.
Aluga-se o segundo andar
ra do Bom Jess : a
mesmo
"


200^0.00 de gratificado.
No mez de ontubro do anno prximo passado
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nome (luillienne, o qual tem os
signaes seguintes: 23 annos.de idade, cor acabo-,
colada, cilios grandes, naris um pouco arquiado,'
cabello crespo, altura e corpo regalares, ps com-
pridos o soceos, com algumas marcas de ferida
pelas costas : levou comsigo um cavallo castanho-
rosilho, tendo no lado diireito esta marcaE.
Desconlia-se que tenha seguido para a cidade da
Parahyba. Roga-se s autoridades policiaes c ca-
pitaes de campo a captura do referido escravo,
que poder ser entregue no dito engenho ao seu
senhor, Emilio Pereira de Araujo, ou nesta pra-
ca, ao respectivo correspondente Firmino Correa
Pessoa de Mello, ra do Apollo n. 56.
Imperial faliiira I
Rape areia fina da BahiaJ|
DE
Moreirat Companhia
O abaixo assignado, nico agente dessa
t fabrica, avisa ao publico que tem aberto
o deposito de dito rap, no seu escrip-
[| torio ra do Vicario n. 21, onde os'
XJj freguezes encontrarao sempre a quan-
H tidade que precisare*!..
B Reeife, 20 de abril de 1872
Domingos Alves Matheus.
Joaquim Jos (ioncalves
Beltrao.
Ra do Coniuiercio n. S, 1. andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minbo, em Braga, o sobro os seguintes
ulgares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda.
Gu maraes.
I.amgo.
Lisboa.
Mirandella.
Mongo.
Ponte lo Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Caslello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famlicio
Villa Nova do Portimo.
Villa Real.
Vizeu.
Valenca.
Figueira.



-
i
,
'
1




mm


Biark) .de Pemambuoo Sabbado 8 do Feveroifode 1873,

*
> *
..
PIANOS E MSICAS
MTOHIO JOSfi DE AIBVED
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. andar, antiga fu Nova
aonde o pubiico em grera encontr, ]sempre o maior e mais esplendido sortimento depiauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
W i. C. AYER
Salsaparrilha de Ayer
EXTRACTO COMPOSTO
Para cura da
ESCRFULA
E todas as molestias provenientes 'ella
As erupfies
e todas as molestias da pelle; taes como :
Erysipela, pstulas, borbu-
lhas, tumores, ulceras
voAFOirnxv
ra l.0KTA.4om ti\'or\ no cru.srif N. 2-1
h% O:OtS000.
O abaixo asignado tom sempre exposto venda
os febzes biliietes do Rio do Janeiro, pagando
promptamente, como costama, at 1:000|.
' Presos.
Iritciro.......5000
Meto...... fg
Quarto....... 6i0
Manoel Martins Fni/a._______
- QuMn prevbar de amas seera ou de I.'iio,
dirija-se ao papo de 8. Podro n. 3, toja, rpie
achara com quem tratar.

YO ARMAZEM
- |D0
Acaba do -brir no primelro andar 4o sobrado o. 12- confronte i
botica Minrer, um grande si o onde estao expostos os magnficos
lf m WTfmfil
MTM.M.IM\We9 de armario, de PleyeL
-------- de meia canda to mesmo aotor.
' de H. Henrx.
-------- de Amede Thiboni.
nico agente cesta eidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FOES
Tambem rseebeu grande sortimento de msicas pira piano, piano e
lento e entre ellas as lindas composicfos do mnito sympathico maeetro
F. SAXT NI
A SABER :
Voc me quer Walsa.

>
-enriados etn diversas exposfccSss om 14 medalhas de oaro e prata.
Sao os oniros pianos qne aqni vem da Europa, perfeilamente afina-
dos, fertos com efegan;ia e solidez.
D'aqui em[diante continuar a anuuneiar todas as publicares qne se forem friendo as snas offleinas de musiee*.
Olga Mainrka.
La Separacioni Pra canto-l
A Lu elctrica, grande Walsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada deValleU Gslope.
Joaninha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Stndiente Po'ka.
i'kltiias publicares
Feitas as offlcfnas de msicas,
do nouncisnte.
Emilia, polka por I. Smcltz.
Circaciana, schotch, por Ssrooltt.
Jardim do Campo d%s Priceza?,
quadrifha, por J. Popne
Chava o Rosas, Walsa, por H. A(
bertaui.
CAUTELA!
MERN&C.
A W M A. M
P3?
cancerosas, chagas
MAMAS M VELLE
SYPfiiLIS
em toda as suas fo.vmas.
UlceracSo do, ftgado, dos rinsedo esto-
mago.
Hydrop^sia, indigestos, e ernsumma to-
dos os ,nalcs que tem sua origen na
Impureza do sangue
. mStfilU DE AYER
E' uru alternativo para a
momo no sause ,
i e para dar nova Torca e tom ao corpo j de-
I bilitado pela docnca.
\ Salsaparrilha do Dr Ayer
E' um excellente renovador
das torcas j debilitadas pela molestia.
D VIGOR
aos orgos enfraquecidos,
ESTIMULA
o systema nervoso
EXPELLE
do organismo os mos humores que provo-
cam as molestias.
A
PBNHOKBS
Natravessa da" ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro 'andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qal for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mosmetaesepedras.
no
jU-
'tea*.'..
car-
Para os influentes do
naval.
Na ma estrella do Rosario n. 15, sobrado de
um andar, llagan se vestuariosde priiicipo f> .Pia-
dos a ouro cora lodo o gosio, domin*, vestuarios
phantasia, tudo por multo barato proco, /-"y"
os ngiinns
voinler-.-':
_ phanta:
pelo gosto de quem nuizer, segundo o
que-apresentarcm, Tambem ha para
vestuarios em muito bom estado, que alugam-seipor
todo o preco, como seja a 3$, 45, o e a W.
Dminos novos e de gosto, Blas bordada- a ouro,
para santos, vestuarios para meninos eproprios
para quem qoizer vestir-se em trajo de i
Escmos fugidos
2001000
Ansenlaram-so doos escravos irmaos, Beniloun
de nomo. Lourenc,o, com 26 a 27 annos de idade.
estatura regular, cheio do corpo, **!
ESE. ~MriAi* nwlo redondo e sem barba, levou
|,r\ DO BAl'.AO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
PIANOS. d
Acabara de clisar multo bm pianos fortes e de
.-legiuites modelos, dos mais n.-lave.S e beni co-
nberidos raliricantes; como sejam Aipnon.
Bloodcl, Henry Her* e Plejel ^olIMrU
vapor trance, roa do rterio da Victoria,
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo e phaniazia, brancas pretts e do
dilferenlrs cfi-es, tanto para senhoras, como pa-
Sanatinhoa com s;Jto no rigor da moda, brancos
. e de cores para senhoras. .
Botinas de M.-li.'s -le Saaer c de Polak, para ho-
mcus.' .
Snalos de rordavo Milie sp.ua lumiens
Botnus para menino de ^'Wu-'r'amanho
Peni, ras e rocias-pernrM tanto para fontll
romo para meninos.
Sapattea de Suset para homens e meninos.
Si.atos de veniiz com salto para homens.
AbCdos de umitas qual&ades e procos pan
meninos e meninas. .,,_.
Sapatdesdevernhromsolatepao-T^nospao
tim, jaidius e bnnnos sortnento pan homens
Sapains deapotf, a L-inira. fbartot avclluda.l.s
de Sanca portujrmsz -1 Francez.
No armazem d vapor francex, a ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.^
Perfumaras.
Finos extracto--, banba?; ole, opiata e pos t
triOre, agua de 0 r do laranja, afua etoe-
te. divina. Hai-la, lavaode.posJ.' :nio/.sar,o-
Detes, eos.....ik-s, u.ui. artigos_il.-l.oad.* -in
nerfuinaria para presentes com frasfos de
fSSS,%dnba* o^^rrafas de-h. .;-
rntestiim.hoBd'aguadecr.gn^tudde|
' neira qualidade dos bem eonhecSdo M*fe -
tes Kver e Coudray, .
So armaiem do vaw rancei, a roa do Bao da
Victoria, outr'i ra Sova n. 7.
^lascaras parare carnaval.
Ornis importante sortimento que temando *e
Saraado massa, Je rame, de sefla, i
com orillos, barbas etc., a precos multo.....-
"-;adoBa,a,da
i
i .

bello's estirados, rosto redondo e
calca e camisa branca, chapeo de feltro preto.
O uutrode nomc Andr, da mesma estttura, mat
novo um pouco do mo o outro, temi os nirsinos
signaes do irmJo, sendo romprados : "W
ao Sr. Claudino d'Allmquerqnc Mello, ttc_onara i arnia7i,m u0 vapo
de Patos, da providria da Parahvba ; e More ao | ^ vctorfaL ulr
Sr. Joo Francisco Gomos de Arni.t^ llt,........
fjr
T)E
ATER
No armazem un vapor francez, a i
[lima Nova n. /.
Victoria, outraon
Paraviagens.
\-,to loas malas o bobas pan viagoM de a i
de. camlnh.'s de ferro. ___
EsminVoe^genscom os pertenees necea.
para barba.
rapor francez.. a Bruaop avuo
ovan,.
F^
fm
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PSETA, que reparen* nos botes e meios botes,
pois qiae os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e on papel da mesma er, cujo desenlio so pode
confdnilUc com o d'aquelles.

Os apreciadores qne qnizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver qne
os botes tragam o nome de MEURON & C., e a desig-
napio de REA FRITA*
Tm
\F$
(Note-se E10 GRANDE
WRIFICADOR DO SANGCE
A celebridade de que hnje goza a Salsa-
parrilha como remedio -depurativo, alternan-
te e tnico, devida aos resultados summa-
mente satisfactorios que tem acornpanhado
este
MEURON ft C.
FUNDIQO DO BOWMAN
ROA DO BRUM N. 52 '
(Passando o chafariz)
Os proprietarios desta fundido reox)mmendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa Ibes tem fornecido."
Poesuem sempre um avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de tamanho, proprios para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
e algodSo; entre os quaes algumas novidades ne6ta provincia, merecendo ser vistas.
Venden a prazo ou a dinheiro com descontla vontade do comprador.
CAUTELLA
Avisam ao publico que diversas encorrimendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das t pelo que, rogam a.exigencia.da conta impressa, para prova da procedencia do que
se lhes fornece. flP
% Outro sim, que por ah andam especuladores (a%uns empregados e obras em concertos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os taes, leoibrando-lhes, pensem se sem interesse aquella industria: e quem paga
as peitas receidas pelos ditos inculcadores.
QUESTAO DO DI A
{? pela barriga que melhor te
goverca o mundo).
Grande agitacao t... Todos fallam I___n-
tam !... escrevem f... lastimam-se !... ciao
ram... e nao eomem? nao bebem f
Eis a conTosao!!
Meditemos, pois...
Alvicaras f... Alegrai-vos, bella e heroica ei-
dade do Recife, pf vai desafiar sobre a cabe?
de cada um de voseos invictos fimos urna nuvem
prende de mgicas inspiracoeg a veracidade
deste annuncio.
Queris conseguir os fins ? empregai o meios:
apurai a vossa imaginacao, vasai na vossa intelli-
encia urna gota de ingpiracao e terei9 resolvido,
iilminado aquestao do dia,|
COMMISSOES
Fazem encommenda vontade do pedinte, mediante urna conimisso. de qualquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitacao e oostu-
me no negocio, tanto em respeito ao prec/) como a qualidade, assint fomo todc o auxilio
em montar e trabalhar com o macbinismo vindo.
Ouereis 1
Pois bem, fortificai os pulmoe, desempedi a
larynge, rgentinai a voz, adquir o dom da per-
suasao o finalmente abrac&i sem hesitacao a por-
tentosa inspirarlo que vos oflereco e tereis forjas
suficientes para discutir, convencer e,. , para sempre a magnaquestao do da.
Queris tudo isio !
Vipde ao muito preconisado armazem do Cam-
pos, ra do Imperador n. 28, e comprai certas
e especiaes victualhas, (exquisitas e excitctesi
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esqiecendo
os flnissimos e calmantes licores, lembrando-vos
dos rarissimos o delicados acepipes, (alem de eu-
tras Imuits cousinhas boas que ficam oceultas
uestes.....para despertar S enriosidade dos aman-
tes da....) veris que depois d teres saboreado
finase delicadas iguanas vos aDDarCJT
DO
DR. AYER
Pedimos ao publico em geral que tome
ESPECIAL ATTFNCAO
o
qne o nico ligitimo, e verdadadeiro d'a Sal-
saparrilha o de Ayer (note-se de Ayer)
Preparado por
DR J. C. AYER'i C.
I. B.
Cada frasco traz o scu compruente envol-
torio cora todas as direcQes iiecossarias, em
poftuguez, e na capa vem em
Letras douradas
o uome do remedio etc., as firmas dos ni-
cos agentes no Brasil
1 W.R. Gassds'd: C.
Agentes do Dr. Ayer.
Quantas e quantasdoen;as nao resultara
ca.do Limoeiro, tendOuia aqnelie no da 21
do corren te (Janeiro), o este hoje 30 do mesmo.
Suppoe-se que soguirama estrada do Limoeiro A
Serra do Teixeira. Hoga-se a lulas as antorida-
des policiaes e capitaes de o;
hendam o os conduzam
armazem de assucar, que
quantia cima.
Bulas de montariav
Hoto aorUmenU. de botas ^P."1''!1".,*,
me, MnV.raa c ;peias penirai I
ienipos.
/flner.
bonena;
? ario
ITBMUI
O abaixo assignado previne ao resp-.-itavol cor-
po do commercio d nao tzer Transtccao nenhu-
ma com urna leitra aceita pelo mesma atjaixo s-
signado em favor do Sr. Miguel Guerra., visto sor
o dito Miguel Gnerra devedor da quantm de .un
cont de ris do mesmo abaixo assignado.
___________________I. V. ftirarde.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife Caxang,
campo, que. os appre- me..lS pen i* \ r
roa do Apollo n. 30, ^ot^mazein ,, va'"'" ll* '-, ,ia
se gratificar coma' da VctoraoUtvon pJ" '.
' jlobilias de \ ^,eg
f''.n* do balanoo, de i..'.?:'0' de ^'nifoos, so.'
'jS, janliimias. mesas, ci.iVf.""3'1''''as o costa-
reiras, tudo jst mnito bom por atkM fortes a

leves, e os mais proprios movis para suIpis
gabinetes de recreios.
Xo. armazem do vapor francez, ra do Bino da
victoria, outrora JJpva n. 7.
Quinquilharias.
ArtlgM le reronto
pliuii(a/ias.
Espelbos dourados para salas o gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas
l.uvas de-Joavi. de fio da Escocia e de i nimu a
.. ixinnas de oosl ira ornada-; com msica
Albuns o quadrnhos para retratos.
i'.: ixinlias com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de le garantido.
FosJa do Ca\ai
An.......to <"<:ironto.s ic phun,-. mni bonit pan rtl
lo (orrento, [Brincos airaiitacab o botdes de piinhos de ,
o Caxang Wlsinhas e eolios desala, de v'.JIudoc do
Domingo 9
ha tren para
s 10 horas, 11 e meio
dia, e para o Recife s
[ 10,35, 12,35 e 1,33 mi-
nutos do dia, alin dos da tabella.
Escriptorio da companhia, 7 de feverciro
de 1873.
R. C. Battorbe,
Gerente.
Theatro Gymnasio Drama-
tico
Kni]if<>za r^piuca e IViinute.
Sob esta firma tom de funecionar una com-
panhia dramtica no theatro Gvmnasio Dra-
matico, cujo pessoal conta 22 artistas, compro-
mettendo-se esta empreza amontar dramas de
grande espectculo, nao ponpar despezas pan ests
hu, fazer o concert necessrio no theatro e dosem-
penliar integralmente todos os seus progranmias.
A empreza-Espiuca e Penante, promette fazer
urna nova poca theatral em l'ernambuco e para
I8S0 cinta com o generoso acolhimento e jiroteccao
'i i respeitavel publico, que tao inequvocas proras
de sympatlna lem dado aos novos emprezarios
mea
SALGUE
IMPURO?!
Neste tempo de calor, especialmente de
grande necessidade conservar o sangue
Puro e limpo
e para alcancax esse im-nao conhecemos ab-
solutamente remedio melhordo que o
Extracto
Attenc
ao
iuar e cami
aj
composto
DE
Pereira da Silva & C, proprietarios da laja do
pavao, a ra da Imperatriz n. 60, rogam a r dos
os seus devedores desta praca a virem saldar seus
dbitos at o fin do mez de fevereiro correte e
todos aquelles senhores que se acham eom sus
dbitos atrasados e nao tivercm vindo pagar du-
rante este praso, terao de ser inconimodados udi-
cialmente. '
Aviso.
% Previne-se que ninguem faca negocio com urna
lettra sacada por Francisco Xavier de Athayde e
aceita por Salustiano Leobino Callado e mais ou-
tra firma, porque existe questocs a decidir.
- Aluga-se o 1" andar do sobrado n. 47 da ra
da Imperatriz: quem o pretender encontrar as
chaves na loja do mesmo sob/ado, e se entender
com seu proprietario ra do Hospicio p. 33.
SALSAPARRILHA
1
io
COMPRAS.
Todas as numerosas molestias que cima
vio notadas, s3o .apenas fructos de urna s
arvore, (symptomas differentes da mesma
doenca,) a impureza desle fluido vital
Compra-se um carro americano de dous as-
sontos, e prorapto para trabalhar : na ra do Im-
perador n. 83, primeiro andar.
Compram-se
Diarios a oiOOO a arroba : ama Ursa do Rosa-
rio, fabrica de cigarros n. 14:
SANGUE:
HERDE1R0S BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO' O CHAFARIZIn 28
aJ.^.en_eI<[c? sP'raioo cousa inaudita) quo^--
inoseado em algum os
. ma, auunaanao a vossa imaginacao de
mos mfaaiteh que vos faro resoler em um
vos considerareis metamorphoseado f
propheta abundando a vossa imaginacao de cal-
ortos mfalliten qne vos faro resolver em um
pice o grande problema que prende to for te-
niente as vossas attenedesquestao do dia.
Dovidaes ?
N*este caso l vai
Com a
ra
barriga vasia
A cabeca arde, enfraquece, -
O corpo treme, varilla,
A razio dosappareje.
ra do Imperador !. 28
."ancai a arvore pelas raizes e l morrem
._ fruet--ta,nDcm dizemosarrancai a ar-
vore da empureza u ?ngue e l mormn os
seus numerosos fructos.
VENDAS.
Camisas francozas brancas a
nilO de cores.
os objectos de pbantazia para cima de
uleite,
Pincencz de cures, de prata domado, de a
tartaruga. F
Oenlos de aro fina e de todas as graduandos.
Bengalas de luxo. canna, com casties^e imirtim
l.e-al.is diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Chicotitthos de baleia e de muitas qualidadea di-
versas.
Esporas do tarraeha para salios de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros
Pontos de tartaruga para desembaracar e para
bailia. r
Ditos de marfim muito finos, pira Iimparca
Escovas para roupa, cabello, unhas e para '
tos.
Carteirinnas de madreperoia para dinheiro.
Meias para homens e )ar.rmenino,
Grvalas brancas e de seda prota para homen-
meninos,
Camipanhias do mola pan chamar criados, .
fo| os da gloria, de dama, de bagateas, do domi-
no e uniros inuitos diflerenies jnguinhos alie-
maos c franeczes. -r
Malas, bolsas e saceos de viagom de
nhos de ferro,
Afamadeiras de vidro de dar leite mui fcil
enancas.
ArgoiinAas do marfim para as criada mordern.
bom para os denlos. .
Boros de yimes pan onibalancar criancas.
i-estinhas de vimes para braco de meninas,
umnlios de quatro rodas para passeios de crian-
Venezianas transparentes para portas, e janellas.
Keverheros transparentes para cidieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas cjm escolhidas vis-
tas.
Lanternas
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para illurainacSes do
festas.
Balos aereoslaticos de papel de seda mui fcil
do subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesourinhas e caivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tintaros de louca branca, modelo bonito e b""i
Tiras de molduras douradas e pretas para qua*
Quadros j promptos eom pavsagens c ph?'-
Estampas avulsas de santos, pavsagens e phanta
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de vetos eomndas>pccas.
Realejos harmnicos ou accordions de-todos oa*
tamanios, e outros muitos artigos de quinqiy
triaras diflJceis de mencionarse
No armazem do vapdt francez, ra do Bara
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
/,


mgicas com ricas vistas do cores em
, tem pouca avaria.
0 ViAna s vende por metade'do scu valor ai
tondas que pode arrematar e por ^so andar
depressa que pechincha : ra larga do Rosa-
no n. 22. *
ATTEKCA0
PrecisaJse de urna senhora que queira ir em
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pasagem e mais despezas, gratificaodo-
se-lhe o seu trabalho : quem estiver nestas con-
dices dirija-se ra estreita do Rosario n. 9.
Aluga-se urna casa nova de tijolo cora com-
[modo' para grande familia, com grande terreno
cercado, na Torre perto da margern do"Capibaribe:
U tratar na ra da Imperatriz n. 74.
Camisas francezas de creto-
ne de cores a 5#.
pechincha porque se vendem a W : ra
larga do Rosario n. 22 toja do Vianna.____
Tieite
puro.
Na madrugada de dominio 9 do corrente, na
porta do hotel do Bento, estaro duas vareas tnJ-
rias. O copo a 2.Qrs.
Brinquedos para meninos.
A maior variodade que se pode desojar de tod -
os brinquedos fabricados em difiera t parte
da Ertropa para nlretenirnento *
tudo ptecos mais resum
uo armazeui do vapor fra_
da Victoria, outr'ora #ua No
Mascaras..
Mascaras.
Mase^t\
Aotbim deehogar gr ndes factm
ras eom todos os surtimenios, para ven.i
anajn^^ ret'lh i : no armazem dn va? t
ctj% roa do.taio da Victoria, outa'oraN- va i



i
6
Diario de Fernambuco Sabbado 8 ce Feveiero de 1873.


Fazerol
as
NA
liquidado
CS>
X. 60 Ra da Imperatriz N. 60
E
PEREIUA DA SILVA & C.
Tendo o proprietario deste importara estabeloc ment, grande volitada de liquidar
todas as-fazendas que tem em ser, teai resolvido vende-las por proco muite mais baratos do
que se'venrlom cm outra qualquer parto, cotn o fim de apurar dnbeiro, razio por que con-
vida o rospeitavel^publico a vir sortir-se, nio s de om avahado sortimento tle fawodsXap
M, i orno tambcmi de grande sortimento de-fazendas finas edos- ais apudosgc*te&
E previne quejs vende a dinheiro vista, por estar era liqudalo.
MODERNIS3IMAS POPELINAS
Popelinas a 1J900 e 20000 o corado.
O Pav3o recebeu cm elegante sortimento
das m lis modernas e liadas popelinas de
13 e seda, a linbo e seda qoe vendern a
10500 e ZOO o covado, tenio. padres
0M STK y* DE SEDA A H00 RS.O COVADO
O Pavo recebeu un elegante sortimento
das mais liadas greaadiues pretas com listras '
de seda de cor, tendo entro ellas com li4ra
roxa propria para loto, que vende pelo ba- lUirados modo e graadua que pareeem
rapssimo presido800 rdis ocovado ; assim propriameate seda, assim cerno das meslas
qpmo dita rutto lina com ustra encarnada, tambern tem brancas proprias para vestidos
qoe vende a 19000 i'iis o novado. Esta de noiva. j,,.
Bnda veto pele paquete chegado ultima- NOVAS SEDAS A 2#500
mente da Europa, o liquida-se na loja do O Pavao vende bonita e moderna sea
Pavao na da Imperatri/. n. 60. de ama s er, tendo de todas as cOres, coa
1 \Mim\is BERTAS l'AUA VESTIDOS. A delicadolavrores miudiohose vende a 205O[>
l)?;)0i) e 105*000 RS. 0 covado pira vender barato.
OPayio recebeu ora elegante sortimento CORTES DE SEDA A 45^000 K 50*000
las mata linas carabraias brancas, abortas e o PavSo vende bonitos 6rtes de 8eo>,:
bordad,^ par vestidos, que vende pelo ba- fazenda de muito gostj, tendo IS vadds
sime procos de 99, e 109000 rs. o cada corle e venia por 4S000
Corto, tend ibastantefazenda.E'jmcbincha,
tM leja 4b Parto aruada Imporatris n. 60.
I. ASI .MAS BORDADAS A 400 RS.
0.C0VAU0.
0 Parto rooebeu um elegante sortimento
Jas mas lindas lisiabas transparentes com
fl irzinhas bordadas, tendo de todas as cores
inclusive rosa propria para viuva, e vende
pelo baratsimo proco do 'i00 rs. o covado.
-. pecbincb^analoja do Pavao a ra da Im-
atriz u. lio.
CHKNAIUNKS.A 560 RS. O.COYADO.
Q Pavo receben um elegante sorlinxuito
' ts s,; las gronadines pretas com listrs
brancas e de coros, sendo muito boa quali-
dade, e vende pelo baratissimo prego de 560
rs. o covado. E* peehochana loja do Pa-
tio a ruada Imperatriz n. 60.
COSERAS DE PU8T.40 AfiOLXOADAS A
IPOOO US.
O Pavao recebeu-um grande sortimento
do cobertas grand s de fustio, acolxoadas,
guarno Jas comfranjaera volta, tendo bran-
cas e de todas as ores, e vende |Ho baratissi-
mo vn-,> do 4^, rs. E' pechincba na toja
do Pava i a ra da Inipi ratriz n. 60.
CHAPEOS l'AUA SENuORA A 139060 US.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
,1 lSin :- n >fl irn ischapo' >> do palba, rica-
mente enfoitad s, para senfijora, com osseus
Compe antes veos, o vende pelo baratissimo
prego d 120000 rs. E' pechineha na loja
.': i Pavo a ruada Imperatr n. 60.
| \S M0DER5AS
n i', ., vende ion bonito sortimento de
idas, sendo das raais modernas
;. ,. n vin i > ao mareado, pelo baratissimo
| ", oc 600 rs. o covado. *E" pe-
Iva na loja do Pavao a ra da Impera-
1 n. Cu.
kt.PACA.SI AVRADAS A 640
U COVADO.
iliogou para a loja do Pavo um
nenio das maisbonitas alpacas de cojres
h idas, sendo as cores raais rnodernasqoe
te i vindo para vestidos, o vende-se polo ba-
. itissimo prer j de 640 i -. i covado. E
icbii ; i na luja do Pavo a ra la npe-
izn. 60.
FAZENDA.SDB LE
CORTES DE 'ASSA3 A i|St)0K3i -00.
0 Pavo y\'- corteada casias de cores
6ja padri maito bmitos pelo barato
preco de :' n e ^OUO.
CORTES DE CUITAS A 2400 E SSO.
0 PavSo '-'t'n le corls de rbi'-as franceas
as, 'ara 10 covadoa pelo diminuto prego
de 2?'i 0 eda corte.
Dit.s com l covadis pelo praco
88) cada corte.
TECAS D8 CHITAS A Td'O.
0 Parto vend pejae di chitis fiaas
di8sim->s padfes, tsuJo 30 covados
pec,a, pelo b-nlo preco de 7OQ cadz
anta h mui.o barato.
Ditos de zO covados a 500000
Sao maito baratas em ralacSo sop-ricr
qualidada d'estss cOrtes.
OFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA^DO
PAVAO.
Nesl? grande eUabelecimento encont/air
o r'speitavel pub'ico, ama bem montada ofi-
cina de alfalate, onde se manda -eiecotar
qualquer peca de obra, taoto para homea,
orno para meninos, com a maior pre-
tesa e pereicao assim come para qnalqoerr
loto que de repente appareca, tendo na mes-
ma olcina om perito official destinado para
farda doi Ilm. Srs. ofBciaes de gvjarda na-
cin d ou tropa de linba, sendo esta offtcioa
di.- k'\ la pelo babil artista Pedro Celestino
Soares de Carvalho.
ESPART1LH03 Ai>000.
O PavSo tem um rrande sortimeolo de
ea artitbos, tanto para sanbora tomo pura
menina, qbe vendo pelo barato precq .de
A MADRESILVA.
ftailja da Independencia
.ns.38e40.
Acaba a Madresilva de receber diversos
objeotos, ooino sejnm :
Ricos aderemos de madreperola brauoos e
de cOres.
Diademas de madreperula, ditos douradosrL
ditos de massa ou b'dfalo-, ricamente, enfeita-
dos, cruzas fingiiido briljiantes, cassoletas de
plaqu com voltas1 o som ellas, imitando
euro, pul*'ir,i douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
llpabeflo, sndo borboetas, besourc* fe bija-
flores eotitras murtas-, qalidades, tudo de
muito gosto, rico sortimento de gravatinbas
de hrgos para snhora,' sendo-velludo, sarja,
setim, gaze, escossezas e do urna s cor, a-
zunda iatpiranieiite novidode.
Lindo s>rtinKnto madreperola, tartaruga, dfos dourados, com
seda e som ella, Aib deste de outras-rmti-
tas qualirlades', qc enfadOiibo1 seria mencio-
nar, tanto para seahoras corno pan me-
ninas.
Rico sortimento de -punhos e gc4Hbas
bordadas em cambraw de linbo e-ami/.ii Atas
bordadas para senhora.
Bonitas guarni^oes o dragonas para en^-
hites do. vestidos-, assim corno os muito deso-
idHS- corrJes de seda-, fazewda inteiramente
iiovida.de-Acete mercado.
Riccsortimento de careimSos com.prepa'-
ropara costura, sendo detarnpas de crystal
e db outras -umitas, qMalidades- o tamiibos,
ditas para portit-joias^ portft-exfractos, ricos
porta-relogios-, porta-harutosr porta-ciioa,
tinteiros, capti^aes, todo- sio objectos de
plaqu; proprios para presenluara- qualquer
pessoa, assim cont diversos objectos para
escriptorio, fac para cortar pnpelV earteira
US.
elegante
de
lio
cada

,"
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbtigaraaao Bazar Universal da raa No-
va d. ii, o sortimento de maclimas para
jcostura, das melnorea qualidadeaqae existe
oa America, das- qoaes modas j* s o bem
conbecidas petos aeos aotores, como sejam;
Weller Wilsonv Grover IMta-, Silen-
ciosw, Weed e Rnperiaea e ootras maitas
qne com a vista deverao agradar jos com-
pradbres.
Balas maebinas'tem a vantagsw de Iar
o trabalho que rinta costureiras- podem
fazer drertameate e-oozea com laota per-
feiQao 80tno H mais perfeitas coaioreira
Garntele a saa bo qualid^de e ensma-s*
a trabatar.com perfai^So ea mem* de orna
Pede obter em pouco Lmpo com o oso do melbor dos licoresa tramada
HESPERID1NA
Faz^oilo annos qoe eobbeddo este precioso tnico, e difficil acbar orna peasoa
que,-tendo experimentado peaoalmente, n3o falle em seu favor, ji como bom eati-maca
e apetisador, tomando Bm calix della aotes de jantar, oo como facilitador da digestio
t.maud-se depQia.
ARASE
da HESPERID1NA a LARANJA AMARGA, n5o ba um a habitante do BRASIL (a Ierra
aspecial das laraojis) qne l2o coaheca aa propiedades medicinaes da doorada frocu.
jra bem, a
ti
em sen eatado natnral tem nm gesto pooeo agradatel, o aaarrto da Heaperidiaa con-
aiste em fder snas boas proprieda^es, e ao sesmo lempo apreseata-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERID1NA como INDUSTRIA NACIONAL .o5o tem nada qoe vejar s
melhores importacoes europeas de. calbegoria aemalbante. Estas, quando maito, podem
ser costosas, porm a Hespsridina a combinae/ao perfeita lo
. AGRDAYEL E SODAVEL
Para proya de qoe om artigo no qoal pde-se ter ioterra confiao-ja. por ar p-ro
e inno<:eLte, baita i'zer-se que U)\ plenameote approvada e autarisada peia
JUNTA DE HYGIENE

rjara olas; caisw-para i^pborc^-canelas lora, e o procos s3o ao commuios qne
bordadas^ Usas, maracas para cfiun^as, si-
uetiis pa.i abrir nrinus, caitascoiittndo urna
jcTneta, um hpis- eum caivete, agijlbeiros
O dedaes, todos estes-objectoe-so demarfim,
tazan da inariramento iovidatte, assiureomo
atros moi*quesa: vista dos pretenden-
tea se poderSo mencibflar.
Vestuarios para crianzas, cSpoziihe de
seda, sapatisAos de merino e-setim, rweias
?slevem agradar aospretenderte*
MASC
LENCCBS DE BRVMANTE.
O Pavio veo-de lenoes da bramante mu.-
t0 2r. lenir, pair.o s, pelo bi-
ratissimo prec/i te i&W cada om.
MADAPOLOES.
Pecas de midiP'iiao fraceez muito fian
Som 20 jai !*S a 5#50C e 65000.
Ditos com -' jardas m-jito superior i
8|500 e 7JKJ0 '.
Di'.o ir-1 znda miii'o finia 5^000,
6.3)00 e 65800 n 1 '#000.
Di s franceiesftioleia muito fhos d<
k jardas para ifferonios procos.
ALGODiOZlfWO.
C Pavi vendo p-?i preg muito barati
pe^aa da al inho americano muito
bom com Id i*-*' 4iJ0(.
Dito com 24 jafd s a-4jJ800 e o>00[)
at 6*010.
Dito largo marca T muito encorpado a
6401)0.
ALGODAO RNFESTADl).
O Pavao voiide o verJadiiro e superior
algod.ozibo de dua> larguras para lencos;
lendo inuito en.orpdo i$ 00 cada vara.
trancado di nvs na largara !8.
CAMBRMAS.
0 PavS ven le cuites di cambr.ua trans-
paren'e propria pira vestidos a 2^500 e
3jJ0 0.
' Pe^a de dita muito fina com 10. jardas
tanto tacada cowi trausparoute a 45000,
55000 e 65000 at a mas fina que vem
ao mrcalo.
CORTES DE PERCAL!A COM DUA3SAIA
A WOO.
0 Pavao venda bonitos caites de precalia
com duas saias, sendo rateada de mu ti
2Mtoa i JOCO, Lechincha.
' BU'TISTAS DE.GRANDE NOVIDADE
O Pavo vende um grande sortimeno
d38mais m-idernis, bautistas com lista fio
cor, prcpriaspfrareJtid), comas coresma:s
novas qu-) Um vinJ) ao mercado sendo
muit-i alarrisdoqu'.ascbilas fraacezas,H
e ttoiJPpeio biratis^im preco de 800 rs.
cada cavado.
NOVS VESTIDOS A 45000.
0 Pavo recebeu um elegante sortimen-
to de no vos vestidos da cambraia ranca
codi bouitos bordados da cor, e vndemelo
barato pre?o de 45 "di um; maito b-
salo.
I
3O0O. Di tos muito finos a 45O")Oe55!0O0,
s5o doi mais moderos que tem vindo Q
aereado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS \ 240 RS.
CHITAS A 240 R3.
O IV-ilo vende chitas fraocexas proprias
psra vestido, sendo muito la fazenJa, coea
padroes claros e escaro, pelo barato pret
de 2t0 rs ocovado, por ter um fe-ve lo-
que de mol): peebiocba.
LIQUiDAQAO DE CALCAS DE CASpifMi
0 Pavao tem um grande sortimento de
,ale/!S de cssemira de todas as c6res e qoa
lidades, para todos o preces, e desejjndo
[paito lijuida-las, resolveu vndelas por
um prego muito_em cont i, para diminuir i
grande porc3o.
QASSAS IRANCEZAS.
O Pavio vende bonitas cassas francesas
com bonitos padres, e de muita phantasia
pulo baratissimo preco de 2V0 e 280 rs. o
covado, sendo azeml de muito mais dinbei-
ro, grande pee-hincha, na loja do Pav5o.
BORMS A 16^000.
O Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at boje sao conhecidos, e em relaeo ex-
cessivabaratez, convidam-so as Exmas. Sras.
para as verem, para assim admiraren! o qud
ha de mais novidade peste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 65000.
O l'avo vende cortes de cambraia branca
com listas o lavores da mesma cor, tondo fa-
zenda para um vestido, e vendo pelo barato
prero de GrOOO, por ser grande pechlcha.
Ditos muito finos com babadinhos brancos
bordados a 9000.
Ditos .ditos com listas de cores, a 4#000 e
5^000.,
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhosdfi cores a 9$00O. E' grande
pechineha na loja do Pavo.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
O Pavo veole superior bramante de al-
godlo tenJ) 6 palmos de largura que s
percisa de i */* var;1 Para om lenCo1 m8_
tro 15600 e a vara 15800.
Di'o de linbo puro superior muito eccor-j
jad) com i mesma largura a vara 25400 '
Ditos fraucetes muito finos a 25500 o
15000.
Pega de Hamburgo e pann de linao.com
O e 30 varas, para todos os presos e
^alidada.
Pe;as de hreanli; de paro linbo, tendo
10 jirdas pelos preco? mais barato que se
tem visto. .
Pecbh'-.ha. de flnissimo eagaO sncelena
jom 6 jardas 75^00.
Peca de Gnissimo celena com 30 jardas
i 355'H), atoalhado adamascado com Spal-
mos de l-.rgnra a vara 2$>C0.
C\LCAS DE CASEMIRA..
0 ?av5o tem um graqde sorlimeoto de
;lca de casemira, asskn coaSo cortes w,
isais modernos qoe tem vin-lo nos ltimos
lijorins e em fazenda das mais finas e mais
novas ao mercado, e vende-se por ,barate
preco para aporar dinbeiro assim como cal-
as de brim hranco e de cores por preces
maito razoaveis para ajabar.
TNICAS PRETAS.
0 Pav5o. rebeben om grande sortimento
tas ma9 ricas tnicas de^grs preto, rica:
mente enfeitadas, eveade.por preco ratoa
vel.
VESTIDOS BRANCOS BORDADOS DE
3850000 AT605000.
0 Pavlo receben ora lindo sortimento
.dos mais ricos cortes de cambraia branca,
ricamente borlados,- e com todos os enfei
lia necessarios, e vende pelos precos de
355000 at-605000, nao tem viudo nada
mais rico nem raais moderno.
CORTINADOS PARA CAMAS.E JANELLAS
A /5503, 85000 E 10500?.
0 PavSo lem um grande sortimento de"
cortinados para cama e janellas, que ven-
de oeio barat 1 preco de 75300; -85003 e
105000 o par, tendo at por 185Q0O, assim
como colchas de damasco para cams ,de
noivos, e grande sortimento de tapetes-Un'"
to-para 4cadeiras como para camas',piano.8
portas, etc., ludo veoda poc r^d .ratoa-
Arnaral, Xitfe& C. avisis : ra.aw:i '.-nr-
nalesca c am habitantes-d4 f-ibn, A|i|nwos,
Igo*rass, Casa-Kirie. Limovn. Aigados, frtwaa-
na, Santo Arfo?-Kazareih, Varrcn, Olimla, So-
lociooib c aos ptnais am.Hos * carnavat^afc
dftsadaed1;.ilodafi>rancased*' ci'.ro-fctu^ Jecderain um eompcto sotltiiena* de mascaras
ueseaa e UKgvoaacgaas e e core-3?.ut^ ,de ^^ ^ ^^ e a^an; pa;i qiuipw
Riao sortiiaento dt^abadores-para cvwn-
(as ligas Ja seda gura senLsfas; lensos
brancos com romagens-;-. meias de seda par*
senhoras e iii'uiia, jI de kxte Escosm,
o mclhor que-s pede dtoejar, assim cera
metas de la^.prapriasparasenhovas..
Rico sortiincuto de esoovas -conv-costas- de*
baleki, marchataidas1 de madreperola, jfum
ronpa e cabello^ e -de dras meifias quaiit-
dadasu
AGILUAS i: LUDIAS-PARA MICHINAS.
A MBdresilvat*aba de-raceber uro con*
pletoortime-utodeagulhae linln>brane*8p
de eAres e pretasfara masbinas,- Jos fabil-
[cantos Grover Bakr's, a-ism como> agolbas
de todas as qualidadese iLahas de seJa.pasw
bordare para ertwiiot, i;oas eaptikis-coQ'.
vos-esom e|lpspaa ioiva^, fil brcuco com
bonitas raniagenseeom .7 padmos de Saagura^.
fazenda especial'? s na Madresilva.
lli> aoriini ID de eros de lu au ja C1
ramas e sepas, da todos o^rfamanhc. pasas
enfeites de vesdos- de noivas.
, lcosortiniouto'dceollariubos e pambos-I
bordados e lisos, tte' linbo e algodio, para
homens, assim ceuno chapeos di- vi cora
castSo de marfil^ centros muitos asaros.
TEM A> MADRESILVA ,"
bonito sortimeuto. Je jarresv Cftajiws com:
pingeiites, gan-afaa. e copcs> para t-spritce
frascos, garrati'asde-divefsos gostos^ipro^
prias pera toilcHes, assim como acata de re-i
ceber um completo sortimento do ospelbob
de- molduras -iuradas,. d* todos. os taitacrr
1A0&, de 3 a 5>palmos. do altura e largcta
rgttlar.
A\ MAWtESlBVA j
acaba, de receber, um-.espe-oiel sortimnto^le
luvas de Jou.vin.brancas, pretas e de cCse*,
par,a homens.o senhoras, assim orno tam-
bara, para uio-mua*. e menino* do 3 MMU
vira, cima.
BO.NECAS,
Rico sor.nei>te de bonecas.de toioo. os-
tamanhos o com rosto.de-otra.
BORDADO*.
A Madresilva acaba de receber uu neo
sortimento de bordados em cambroia de li-
nho, faztnda inteirnmeuie novidadb neste
mercado,.sendo babados.e entreme-ics.
Finaliiento, a MaarsSv,. alera dos.arti-
gos que vos-faz men^ao, tem outros.mmtos
que eafadonho seria e*{moar-vos, por isso a
Madiesilva espera que vos bgneis visita-la
niais. a,miodo, a qu*l vos tiear sei^ire
grata. ^____
do Kio de Janeiro, permittindo seo livre elaborac5o db Imperio', oulr
BOA PROfA
a aceeitago geral que temem tedas as parle onde adese na z. Em l^v e.u.i--
leceo-se a primeira fabrica era Boeuos-Ayres ; em 18C- a seguDd*em Montevideo ; o
no dia docbegada de S. M. O IMPEMDOR inaogurou-s* a fabrica qce actualmente
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacfico tsm boa acceitac3o,
tar.lo que rara a casa que considera completo sen aparador aem orna garrafa de
til
0 hoEMm velho toma- Hesperidios para obter
YIGOR
O borne doente tom3 HesperidiDa para obte?

SAUDE
carcter ; e flraBJas, tranca? drtnrwla? < pwtfa-
das, saMtfiravlM^nla*. rt!^ t?5- Vender-
se n Bazar Victoria, ra MZAB VICTORIA.
' Arrcral, N'abuctuV & araban 1 de receber M
Eurojn pt'lo uIiib vajwr o se^uinle, e convkKra
s Exma?. senhoraa- a Tirem ver.
Rica* ehapeliiEi* para visiEa, d jralli.i,- Mttt.
velludo, e- seda, Rlbagares Uoatftmac, uluia..
moda.
Chapeos de palta para passefoj
Enfekwidd seda, di) ?ures e pcra-lasi, para ca-1
roca deSra-
Co^tranes d -canbraia para Sea., ciiendo t-,'
tido, cnafMio d cabrea c de st; tud da-mesma
lazenda e-deiguaes-eneile!.
Cnrtc*-de vestid* d la e sedtf, dte camliai*
bo-dado i aiulli-i. pinados t-estampados, c-de-
baplisia* de cores.
JElegaaSM uiarniedos- de cosos- pata senlwra;.
c.iiL-n.li> t; par de bnnM, 1 alnnete, i pnlccras;,
i diadema e una berttthta para cabdk).
LsqoM do niadrtiwi'oia, branro c qoeimad ooi
do rosa, laranjaet^. elcisos e Umhule.
I>equ* de iiiartijU,. lisos, boiuadus- e oiu sada^
Ijeqires de tailamga-
Letjuu* Je madeire,! 5*o etc. ^o. "
V.'iulonuse no I6:iap Victoria enaj-lo Baifo-in
Victoria, n^^__________^^___^________
Na-padaiiaalterna BJtmaa "la Guia*aw
o.i, tc--tt.para SO vviidcr o s,::Qle :
Er-vitlias ilv.-. li3.s-ilnifieiiU-: io brauaeo graiVio-, r*polhcfflibarricas^j8-
iillins, scvadinba.1 fPtorle), sg8, amiias,
niaras- o cerejas.suecas; tadiiboai tempana
viinlH-.diiai.baUuiL-iis g/andbseoni ganabais
e l !.!>s, algune-pasos, duas- sodinbasdb ma-
tal: para cairiuhvdt- niao, oaui forma a um
foruo-para fazen-hostias t-obroias, t-iunu
l.ouba.. _______________ -
Laxinhas paia Vestio ? -FIO
rs.. o colado.
S6.na ra do l>nque de CasBa n. 60>^ oatr'o-
ra ua do QoaiCMdO, loja Ja esquina, de Bent-j
da Silva & C._____________
Riial sent segiiaiu.
O bornea dbil toma Hesperidina para obter
Nos bailes as donzellas e os mocos tomam a hesperidina para oblar boa cor e
miEBscao darant3 os loucos gyros da
B:UlROS JNIOR d C, roa do Vigano Tenorio n. 7, andar, reoeberam este
grande-especifico, e vendem-no nos depsitos seguintes:
Jbaquim l-'erreira Lobo, ra da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino JOs Goncalves da Fonle, ra da Cadeia n. i.
Autonio Gomes Pires d C, roa da Cadeia. .
Antonio Gomes Pires A- C., caes 22 de Novembro.
Gomes & Irmi hotel d Passagem.
f.heg rain aguibas pait-.macinna
do tabiican'..
Crov.i-r & Baker. Duzia-|w>r 2*000.
(liegosii qftanlo aules!!
AS!00! 5^060!
Lindos chapeos, campestres, da ultim. moda,
para senhoia, s. na ra de Duque Je l!axia a.
60 .V. loja da esijuipa, de Be^o-da. Suva. c C.
VenJi--sl- o sitio da elrada da Cruz de Alinas,
que. Boa) antro o do-eonunendadar Tasso e o do
desembargador Doria, com casa de viveadn, dife-
rentes arvored&s, grande baixa de capilla, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilhus. urba-
nos ao p da estaoao da Jaque-Ira ( a tratar na
ra do A*01 i,n B- ^
Farinha de mandioca a 3$ o
SDKE) BACON
Exceltenle toueiul*.-i^glez em, latas de qnafre
Horas a, 900 rs a libra : nn armazeui de 'i pso
Irin it &.. <1, ra t?0 Aniorim i. :I7. _______
Jibrat steriiiias.
Wmln-^e no aanbMBkidfl izeuJas de Augusto
I-'. t Uveia iV t.., a na ,1o Coimneiciu n, 43.
Yendc-se o btePRMMto de Mocidae- da
fKiiezia dos Afogados. om poneos hiis, para
qoaJqaeripuiwrioiante : airakir no masuM), das fi
as 'j horas da,.wanha. a*is- *ia64a tade.
sacco.
Na ra da Madre tta Dos
quanto no se acaba.
n. 7 a ella, em
Xaropc d'agrio do Para
Antigo e concr.'ituado medicamento para
.cura das mole&ti'S dos orgos respiratorios,
como afnb4}'ioa,-rbJroncbites, asuma, etc.,
applicado fii|ida com ptimos resultados no
escorbilo.
Vendo-so na pUarmacia-e drogaiiq_do8r-
tholoraou C.,, ra Larga doJtosarirw. 3'*.
_____ ,c ______^L..t- __...

A'tMO rs.
105
tai ASI*.
MMUl EAMSIL
< >nt imhI tftO nriia*
oom urna carta de A. tk-iculano, colaborado pe*
inni distinctos tscriptores e escritoras do-Bi-a-
stl, Portugal e Hespanba.
Acaban) de abogar estes Almanaks e acham-e-
venia,, as.lKi'ari.'i> Econmica ao pe da ano
ide SaafOiAntoaiOi e> Industrial ra do Uarao da
Victoria n. 12.
Taverua para vxder.
Vende-se a la venia sila ra deJoao Ft-rnan-
dB,Vipirn. 2, muilo preppia para prinqipiante
por estar bem loealisada, nova a armado, nAo
em alcaides, toni ca-a de moraJia imlnen',cn,c>
quintal iiiurado-eoui cacimba e diyersas^rvores
de ructo.garanle-se a casa cojo um arrendai.ueu-
to n .i- seis atoaos ; vende-s mwu j.-uoros ou sem
IjHes o ao Comprador se dir o-motivo por que s
vnde : a tratar no largo da Santa Cruz n, 4. taJ
verna.
Vendem-se duzlas de carretejs de linha d ,
MA u.il.i .1 iniLiil i.o.vi. i i l.l Rt f\ .. n /I1171
do Mar
ua
euucui-c uuihs ue i.iirciejs ue
janla8 ppl" isto so.no Rival^loHeiCjIte.B. f>0 A, i
qnez de piinda _____^^
.Vende-so uui cabrindel americaao de duas
rodas, pjatado de movo ; r.ara ver na -rfjoxeira
dp.$r: iriii o. .ra i% Viie-, e a tratar na
.mi,do Fiigo nr3fi, ou^da.l'e^ha n. 4.

Borraolia.
.Vfide-se borracha raralii.us de etVsiro;.r.a ra
fie Saata Cnw n. 1.
Por precipuo
y.ede-se. una escnix'.i de idaie 3.*> aanos, sem vi-
cios, coziuia bem. lav* e engomma : a tratar na
ruado(yisconde de. (J'ya^iif, outr'ora Colovello,
n. 17. .
Bois laiansos
Vendern-se os melborcs pbssiveis para car-
ros-ou .earrora.no sitio Ipiranga, junto a sitio
do Sr^afrne ; no mestHb sitio eompra-se urna
oarroga ftva cu ik pouco -: a tratar no
meia-jitio,
BARTHOLOMEU etC"
Pharmaceuticos premiados em diversas expoaicoes
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO
..
ESPECIALIDAQE
Novo tratamento da Attkma, tosse, convulta. defluxo caWKSI^'etodas as molestias dosptUmoes,
que tem feito importantes curas, e que hoje o nico acceito pelos melhores Medios.
DEPOSITO GERAL, 34, mi Larga do Rosario, PERNAMBUCO. ,'
"
B
tiliiUis-dt- coros a 200 e 240 ris o covado.
Cambraias iniudiiibas, a 26iiso covado.
Lanziubas miudas e do listas, a 320 e 400
ruis, o covado,.
Ditos-de fil fazenda moderna, a 400 ris o
cando.
Cambraia transparente lina, a 3)M p&gp.
Dita victoria fina, a 4? a pe^a..
Diamante do i largura!, a 13000 a vara.
Casemirapretkfina a 19800ocovado.
Bruu luaneo de linbo. a 13*000 a vara.
A
Diiiliciro
20Ra do Crespo20
Col vas de cores, a 19800 i9 ea>umj.
Lencoes de bramante a 2? um.
Cobertas de chita loriadas, a 33? 3j5t)0 um
Ditas de chita sem forro,, a l?<800unia.
Cobertores de la, escurosya 2? um.
Lencos de cassa ainbanhados, a SU a dtltia.
Toalhasaicoclioadas, gramles, a 05 a tkuia.
Britn piu-dmtiaiic-Klolino, a '06e 4i0 re- o
covado.
Chales de merinl iizos e estampados, a '9-
uin.



Venliao ante^que se 'acabem!'!
Loja de Guiiherine C. fr Caita ^ C.

na*
m
Novo estabelecinieiito
Li>
de jotas.

-
IIII lo < 11 Hl^ | I.- .
I Neste esUbeleciiocnk) se enewntiai'a
&t um bonito sortimento de joias qne fe
ri-' veodem por tal preco que animara ao
comprador, atiento ao vaniaje.-o sysic- ..
4* na, ganhar pnuco para vendfv. mui-
lo, que cortamente til ao compra-
H dor e ao vendedor.
Tambem so compra ouro, prata e pv-
|W dras preciosas,-ben como se fabrica e *?j.
concerla toda e qualquer abratl^ndenle fe
'j, mesma. arte.

BICHAS DE HAMERGO
As mais recentes e molliores.
Veudem-sena pbariuacia u drogara de L'
Sholomeu &'C, ra Larga Insano o Ru. 3i.
Ceneja
A verdadi-ira eerveja da Uaviera, nare-^M-
deira, de superior quatida le : vendeu Tasso Ir-
m.ios 4 C. em seu anaazein da na d^ Amorun
numer.1^7.
Ve'nde-sc a taverna da ra do Acoiguinli w
i. 20, com poueos fundos, propria p.-iF.i princ -
ianlc, repaiaado a boa loralidade : a tratar na
ocsina.
Cadelras oratorias eom assen:o de ?-.ih nha
JOOOO cada urca do caes do Apello, arma-
i>m de-Tasso Irmios A C.
Mais
JbiDeis cleclricos.
S.
Jl iiil'tfSil
ervoso. e que a Magnolia, a ra Du ias n. 4i tem vendido porcio e que por serem I __ _^*** f
verdadeiios, muito tem aprovoilado-;J
elles an-
nerv
xkis
os nicos
pelo ultimo vapor veio nova reraessa
tes que se acabem. Na Magnolia n. 45* ra Uaque
de Caxias.___________________'________*
Fio de algodao da Baha e cal de-Lisbi)a, re-,
centemenle eb^gwlo : lia .para vender no es-
criptorio de Joaquim Jo Goncalves Beltrao & Fi-
Iho, ruajJo^Coiiinitrpio n. '5. ^
esa ijSastitias
Vende-se"'ua ptima mcaa para jantar, ingleza,
muito bem construida, e elegante e por preco ra-
Up^vel; arniazepa da ^avpasa ,d tSoruo-$<*hto u.
poHe.
MraM nMI< hHUa%dtt -
., culis.
Veotle-se n* laja di>s Srs. a Leitao, Fonceca'4
fL : roa do lwq*ie il# Caxias n. -'>.
Pernambuco.
Supei'inreg
^aaiiuiofw-de "-^jfH^- 1^*
nm n. 97. 9

i


B&rio efe .Jfernwikuio Sabbado & '4e*-FewN> de ,18331
*
;>-

Btoaeha! f
V^nde-sc J;i mrm. m) morado e
por |ire'VMinaMdJ.7t$ -roa & tonta fl** OfWVA^.
Ciobraa beldada altimo tmip.
| '.ambmias uiiudiuhaR de adres
Tarralaoas de todas as i
Setim de Hojas "ores.
(Chapos de-sol'para meninas a seahoras.
Las para vestidos de apurado gosto.
A rosa, guanea \mne ostes artigos. poc presos
muito baratos e manda taras as casas : njt ra
da Imperatriz n. S6, partidas enea nadas.
Madapolao avariado
a 31 e '000 : m. na da Imperatriz n. 8R,
da rosa braaca.
toja
Chicard
Amaral, Ivibnco & C. vendem trancas, franjas,
lantijoulas, domadas e plateadas, de todas as qa-
lidades e larguras, voltas prateadas, de tod: s as
qalidades e larguras, brincos, cabolleiras bran-
cas, talcas de meta de algdSe e de seda, capace-
tes de iassa e e metal, ate. ole, ludo quanto
c necessario pVa Caier-se nm chicar, ultimo vesi
uario, o mais moderno e bonito para uui baile
de mascara, costo francez: no bazar Vletoria,
ra do Bare da Ykteria n. f.
Cha preto e verde
Vendo-se no basar victoria cha preto e verde
de milito boa tiuahdade : na ra do Baro 4a
Vietoria n. 2, roja de Amaral, Nabueo & C.
muito barato.
Borracha para Hua a IcttOO.
Xa ra velha de Santa Rita n. 30.
Casa em Oliiida.
Vndese nma casa em 01 inda com commodos
pan familia, e muito porto dos baabos salgados :
a t atar na ra do Imperador n. ii, armazeiu de
lrogas e tintas.
Ultimo gosto.
Cadeiras pretas douradas c marcheladas de ma-
'reperola : no9 armazens de Tasso Irraao & C,
no caes do Apollo.
V
buqiM,
JMKillinHiOS
Q.
fC0M0 00SEPUR6ATJ*
I TOHM /S t> OS) TAfi S
IK.
U.tir
l rosierur
GOMO DOSE REFRESCANTE Ap
DEPURATIVA
tSP 6AUDB
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DK
BARrHOLOMEU & C.
do Rosario34
cKxtwnstm
Acaba da ser xperraeo;ado oo engtnbd Fmgszo <> appnralho para aproropUro s-
*ucar pelo sy-tema Ontiifngo.

34Ra larga
JARKOS
tm tripas e doblada de vacca ingleza a 4,8000
:da om : do irmaiem de Tasso Irmos & C,
roa do Amorim o. 37.
CIIEliOl!
O bacalhjo da .Y,u-ga, em caixas e rielas
ditas : oo caes da Alfaudeja n. 1, armazem de
Tas^o Irmaps & C._____________________
Yende-se urna casa de taipa bem co si rua-
da, cora bastantes cominodos, em Beberibe de
i aixn, no lugar do Fundito, ra da Esperan-a, tem
100 palmos de frente e 300 o tantos d: fundo, e
rende mensalincnte li000 ; tambein vende-se
urna mais pequea na estrada nova de Beberibe,
psrto da segunda estadio d'Agua-Fria, e rende
tambem meiwadneiue l' : e um terreno eom
300 palmus de f ente, na mesraa estrada de Bebe-
ribe, junto a casa cima auuunciada. Vende-se
s!es objectos por proco muito ioodi;o : a pessoa
que pretender, dirlja-se ra de JoSb Fernandos
Vieira n. 24._________________________
Ra larga da Rosario n. 22.
Mais pechinchas.
Baptis'*s, azenda mui o fina d' bonitas cores de
ItfOO a 500 rs. o covado.
Cas as muito bonitas Ce 600 rs. a 280.
Pares de botes de i laq fino para punhoi de
II aO.
Maco de pentes de alis r de i00 a 1$.
O Via na s vend i o que barato e bom, an
d m depre sa rorque o barato todos fj.mneer
Borraclia
para limas, a mclbor o mais nova do mercado a
1*000 rs. a libra : de fronte da albudega n. 4.
OLINDV
Vend-sc a taverna da rila do Amparo n. 1, em
tunda, bom afreguezada, cotn bastantes commo-
os para familia : quem pretemlc-la poda dirigir-
se mesma que achara com quem tratar.
Granadina
preta lisa e com listras de seda ; a rosa branca
vende muito halo : na ra da Imperatriz a 36,
lija de 1 p irtas c hombreiras .encarnadas.
Colchas
para camas, que valem8f, a 3 : na rosa bran-
a, ra da Imp;ratriz n. 56._____________
Madapolo avariado
largo e muito bom, que val 8J, a S? : na rosa
branca, ra .da Imperatriz n. 56._______
Um hotel venda
Dispoe-se de um hotel em cxceliente localidade
-desta cidade, bem mmitado e muito afreguezado,
por se aehar doente e ]>reeisar tralar-se dono :
quem quizer dirija-se ra larga do Rosario n.
O, que se dir com queiq se deve negociar.
TASSO IRMOS&C.
Em seus armazens .rua do -Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vciuler por preeos commodos :
Tijows encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento PorrtamL
Cimento Hydrauec.
Machinas de descarocar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Ptiosphoros de cera.
Sag em garratoes.
Sevadinha em garrafoes.
Lenti has em garrafoes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Pwrto vulho ngarraLido.
Vinho do Porto aupenor, di o.
Vinho de Bonieaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Potes com linguas c dobradas inglezaa.
Licores finos sortidos.
Cognac Gaulhiar Freres.
Latas de touciuho ipglez.
Banis com repclho eni salmotra.
e pnnhos
Obras de phantasia. |
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu um bello sortimeiito de bo-
nitas e nioiliTiias obras do phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, comdourados e podas.
Outros de n adrep rola 'queimada cun Bonitos
enfeitcs de delicadas flores..
Outros c"e fin i douradoTcom p nge les de cores.
Oulr-os encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com podras brancas,"
Aderccos d madreperola.
Ditos dourados com camapheo proto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando fidhas e flores nalnraes.
Ca soletas de madreperola
S'oltas de ^rossos aljofares de cor s.
' Otras de ditos pret s com domados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de lino dourado, com po-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Botdes dourados e de outras qalidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinhas
bordados.
A loja da Aguia Branca ra do Duque de
do Caxias n. 30, rerebeu novas gollinhas c pu-
nhos bordados, e outros enfeitados com enlremeios
e bicos ; assim eomo recebeu igualmcn e no as
guarnicoes de grvelas com franjas e laros para
os cabellos, tudo do mclbor e mais mod ros gos-
tos.
Bonitos loques.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n, 50, recobcu bonit s lequcs d perfeita
phantasia, pie o com dourados, e outros de apu-
rados gostos; assim como recebeu ou ros de ma-
deira qoe se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n i c ntro, e ainda assim ven-
de esles pelo barato preco d 45000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Banca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitas garraflnhas de crys-
taT em par eom ramagens douradas e mui pro-
prias para nrranjoa de toilft, ote,
Anneis e colares elctricos
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, reci ben nova remessa dos proveitosos an-
neis e colaros elctricos, e continua a recebe-los
mensahneute, pelo que sempre estar provida de
(aps objectos.
Diademas dourados
A loja d'aguia branca ra Duque de Taxias n.
50, reeebeu novamenlo bonitos diademas dourados
e enfeitados com ped as c aljofares, obras de gos-
to e phantasia. Tambem recebeu novos grampos
pretos ou alfinctes com flores para a cabeca.
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca na Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos leques com bouquete e outros chinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'aguia branca a. ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu cold creme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legram e Condray.
^Diademas e grampos de
ac.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos diade-
mas c grao pos de ac.
Bicos de. seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia- branca, ra do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
seda pretos com flores de cores, sobresahindo nel-
les o preto cun encarnado, e todos mui proprios
para barras e outros enfeitcs de vestidos de gra-
nadino, ou medina, e outras fazendas transparen-
tes. Pela commodidade dos pre.os esses bicos tor-
nam-sc.mai- commodo,s e pela novidade de gosto,
preferiveis a quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A Inja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, e outras a imitacao de
croch, o vende-as pelos baratos piv.-os de 3,
4| e 6J000. A fazenda boa e est cm perfeito
estado, pelo que contina a ter prorapta extrac-
Cao.
Diademas e adereces de ma-
dreperola.
A leja da Aguia branca ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu urna pequea por^o de
diademas e aderecos de madreperola, obras de
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Velbntlna de todas as eflres ; s na ra Duque
de Caxias n. 60 A, loja da esquina, de Bento da
Silva & C. i
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezowos e gfa-
nhotos dourados e coloridos.
A. loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, receben bovos grampos com bor
boletas, bezouros e gafanhotoa, o que de certa
perfeita novidade. A qumitidade pepuena, e
por isso cm breve se acabar.
0 PROCESSO
Pharntacia de P. Maurer E' mntto simpes.
I ira se a mehdura das Uxas de coer botea-se dentro de quslquer vaailha para
:oalbar.
Log qoe steja coalhado pam-se para o apparelho em partidas de 3 l/2 rrobia
ie cada vei.
Send > asim cbin e posto em ocoviinento, dentro de B m'nutos estar o uiocar
prempt-j e em estado de ser logo nenettido para ser vendido.
0 resultado
Foi fazer-se de 4 1/2 pSes de assucar il arrobaa.de somerws 1.* sorte. 0 me)
xlrab.do pelo apparelho tendo sido f m nada prejodicaJo pelo proresso que sollreo, sa
lindo me! d'en^eaho e nS > me! de Turo, prfstoo-se a aer novamente cosido, dando oo
apparelho assucar de qu-ilidade e poaco interior ao do i.' processo, dando alm disso
sesmo as (firmas ij bom resultado como sa fosse pjssado logo das taxas para aa mes-
i as, api-ovtitando-se assim mais melado d mel do qoa cora o aoligo sjstma
Sendo to evideate as vantagens producidas por aemelbante. apparelbo, o que po-
jer ser verificado pelos proprios senbores d'tugeabo, eeperam os proprielario de dito
ipparelho, depois do risco qoe correrma com semelbante experiencia, merecerem a pro-
jeceo dos Ilustrados senbores d'eo^enho.
k1 tratar com os Srs. Samuel Power Jobnslon C, i roa do Apollo ns. 38 e 40.
VERDADEIRO LE ROY
EM LIQUIDO OU PILULAS
pue de Seine, 51, PARIsI
ARHAZEH DOS LEOES
Ra Duque de Caxias n. 29.
s proprietarios deste bem montado estabelecimeDto sciqlificam ao
reapeitavel poblico desta provincia qoe m achara com om variado e completo sorti
oo6nto de movis, tanto nacionaes como estraageiros, sendo estes escolhidos por am doi
S0809 qne se acha actualmente na Earopa. O mesmo tem contractado com os melbore
fabricantes daqaelleoontinento as remessas das mais ricas mobiliaa feitas alli.
Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por Uso pedem qpe e-
nham visitar o estabelecimento, aonde oncontrarSo a re-lidade do que acabam de expr
ne se pode examinar; ricas e completas mobMias de Jacaranda, mngno, faia, carvalbo, a-
marelh, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., goarda
vestido de amarello, guarda lonca de nopt>era e de amareilo com tampo de pedra, apa
radores de dio dita, peti toilettes especialmente para, fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secreta'ia* da Jacaranda e mognocas lureiras oe mogno, san
toarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmdre e seui
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc nitos ontros artigos qne deiiaraos d(
mencionar por se]tcrnar enfadonbo
H.Tgienira. infvUivrl e preservadvn; nnlca qiie
('lU'M'iiioiitriiMippleiut'iitu. tiul'jii?. iiivUtorBituLS
158, boulovard Ma^cuta, e as pruicijiaes pliarma,
^
Em cada garrafa, vai, entre a rollia e o^iapcl zu
bue leva o men sincle, um rotulo mprrsso cm ama-
rello com mo sello sIGNORET. PARS. Encarnad!
lobre fundo negro.
Ar. B. itmeltendo-se urna leltra de S00 franco-
lobre Pars, recebe-se 725 francos Deposito principal
do legitimo Le Boy CW '
m Caza do nosso
nieo agente pelo
Rraztl a Seor de
Lacirii na Balita.
mi:bilh,\ de iio.-vka
FIGADOde BAGALHAU
FERRUGINOSO, CLARO E TRIGUEIRO
DE CIIEVRIER.
Cavalleiro de Legio de Honra. Offlcial
do Ueiljidi e Commendador da ordetn
U'lzabel a Calholica.
O oleo de Chevrler deve o sea aroma
a subtancias balsmicas que anda
lugmentoo as suas propriedades thera-
peutieas ao mesmo tempo que o toruao
igradavel ao tomarse.
O senhor Chevrier completou a au<
descuberta associando o Iodureto de ferro
ao sen oleo de gado de liacalbau. Este
oleo de ligado de bacatUiau ferru-
ginoso posue todas as propriedades do
oleo e do Ierro, de fcil digestao e
uinoa causa priso do veutre
Todas as celebridades medicas o pre
ferem s outras preparaedes ferrugino-
sas. Convem em todos os casos em que
se emprega o ferro : Tsica pulmonar.
Rronrhltes, Raealtlsino, Escrorolaw,
Emplgen, Gola, Bheumatlsmo, I>js-
pepnla, Convalecenelaa deauoradas e
l'raqueza de coBHllluirAo.
depositobm paaib: Pharm. CHEVRIER
M, Faubourg Montmartrc.
t-c CSTTW

WOLESTAS do POTO
00 D? CKRGHILi
XASOPE OE-HKPOPHOSPJlTO OE SODA
XAROPE DE HYP8PH0SPHIT0 DE CAL
PILULAS DE HP0PHO5PHITO ufrQtlIWIiiO
POSE COfrES WLAS
XAROPE DE HtPOPHOSPHITB OEFSRRO
PILULAS DE P0pi|05PHITQ,DE,#IA1tG*ilA
TO SSE.BR0NH1TI5 h STRMA
PASTILMAS PtCTOfl*fS Dfl HUMHILL '
Exigir j>ari os un**** Immmmd'ndn
o em hilot os productos a assigaitur do
IV CHURCHILL, e o letreiro cofa marca
do fabrica da,'pkataacia W*WI, *f, rm
Castvitiw PAJilS.
.i ii i i i. ,i.
MUZEO
N. "4 Ra do Qabugi N. 4
JOSEPH KHAUSE & C.
GOMES DE MATIOS, IftMAOS
Neste importante estabelecimentodeprimorosasjoias, achara o respeitavcl
publico desta capital um g?ande e variado sortimento de joias de todos os
pregos, queja existiam no Muzeo, que serflo vendidas cora grande reduca
de prego, alera dos novos obiectos recebidos directamente da Europa, que
se venderao por prero animador, bem como sejam, aderemos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas (toditos, ditos de differentes pedrarifis de
pregos; anneis de brilhantes e de esmeraldas, rubins e perolas, c de todos
mais objectos de valor, quepossam ser desojados pelo bom gosto e aprecdas
familias, que sabem dar valor a object Os proprietarios do MUZEO. DE JOIAS, convidam as familias que se
queiram prover de excellentes joias, a viren escolhe-las entre o variado
sortimento Asilas, garantindo os proprietarios que serSo sinceros para todos
que sedignarem procurar seu estabcfeciraeBto.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obra
simplesmente de ouro de lei, se vert um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se vendera preco, reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta do* donos deste ostabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisaren de qualquer objecto. de grande
ou poqueno valor, procurem o MUZEO DE JOLAS, que sero servidos com
attenijo e sinceridade. ,
9^E lgico!
A. cosinha, a dispensa, os a-
paradores e a mesa.
XABOPB tvjow. MA88A
de NAF DELANGRENIER
PARW. U, nM.AMfNm
SO Medico, do. Ha.plh^d;ywH imilla
la auiMfondada avbrr
raes e saa podna |_
Artlwnu, Orppa Tijiilas rancezes sexlavados
De 4&4MM a .5j*HM>
o iuilheira.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermellto con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilhar os pavimentos,
terreos das casas, porquanto, pouce mais usian-
,k> do que oa faltos ao paiz, sao, sem comparacao
aJgmna, superiores a estes pela liinpoia de que
sao susceptiveis. Custam alm disto menos da
dcima parte dos de marmore, j reprovaos, e
dos de dilTerentes iNoaaieos, os quaes nao estao
eertamenta &o alcance .da toda.s as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
Saes. Alm da vantagem que ha no" cniprego
estes tijorot para os pavimentos terreos casas
de camp, tem estes ainda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrilhar caahaa nos
sobrados da cidade, attento a sna solidez e pouco
peso, estando mais que provada a onveniencia
de serem assoalhadas as cozinhas todas d lijlo,
ensogo aparte junta ao losao, no que at as
ompanbiaa de seguros se devariam mterossar.
yndeoi je nos armajens de arinha (Je Tasso Jr:
maps A r,., no cag 40 ipollo.______________
'Vendo-se, arreada.^. 01^xafnnita-W,,.per-
Lsrras que sirvam para plantar canoa, urna padaria
sita no pateo da letra no povoado'rios listes i a
tratar com seu proprietaiio no mesmo-pawado.; e
paw^wfeffiaii^in m &mt Bootoiia ^ cu.
ravaes, a. ra dfl, om, Jesii>nir ora da CruzJ u.
16, ou com o Sr. Nicomedes Varia Freir, no
Caes do Apella, a'esta eidade.
SEGRDO ECONOMU CELERIDADI
Obtem-se com o uso
M
INJECQO SHOST
. nica, hjgienica, radical einfajliyal na cu-
ra das gonorneas, flores brancas fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; eque
Os moradores do Puco da Panella e seus subur- Qfferece como garanta de salutares resultados
blos necessrinamonte devem receber cm sua ca- ^,,- Bw,'r'8*" wwn^u..^w
sas algumas visitas na vespera o da da estada a continua padreeira daquella freguezia e por isso .nreciso motor vantagem se tem.fa)tO della oos hos-
que de antemao se faca una grande revolucap pitaes de Paris.
ugmenlando, sortindo e recheiando acozinhI,j linicnd'nnahn nara^ ttra.if RarthnlomPii
a dispensa, o< aparadores e a mesa (j se sabe)' ^ WPQflepqsno^ae tSrasjL,Jdri&QJpmeu
com iguarias gratas ao paladar) sem o que nao
se pode passar um da ulgazao e rugaladp.
ftaereis que principie a vos in4icar u ipeio
fcil para conseguirles o fim a que vos deveis;
propor para transformaren, augmentares,1 sortiresi
e rechelares as vossas cozinhas,' dispensas, apa-
radores e mesas 1 nada mai>.fcil,.. 1.
lineo deposito, a onde se ^cha agenda na casa de P. Maurer & C.
Ra do baro di Victoria n. 25.

Aderemos de Dri-1
lhantcs, esmeraldas!
rubins e perolas, ]
voltas de perolas.
N. 2 ARa do CabugN. 2
DE
It VIMIO* tV I II IIkt
Athando-se completamente reformado este estabelecimento, e
ttmdo os seus proprietarios feitc urna importante acquisigo de
joias as mais modernas viudas ao mercado, e de qalidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoavel.
CHAPEIERIE DES DA10ES
iO-Ra doBarao da Victoria16
A este ostabeleeimenlo acaba dechegar g'ande novidade como seja: chapelinas de palha e de
gorgurSo ricamente enfeitadas, chapeos de palha de Italia formas as mais m dems, grande surii-
mento de chapos, chapelinas para luto e tambem as muito procuradas moias cbapelinas de que
haviu tanta falta no mercado. Recebeu tambem diademas de ago e de metal dourado e grande sor-
timento de borboletas e flores de metal dourado em grampos que vende de at l o par, portanto
pedimos as Exmas senhoras que queiram visitar nosso estabelecimento que elle encontrarn muitos
objectos de gesto.
Vendo-ae urna mnita, te trinta e tantea
ranw, ceziuha. lava, engemm* e t iwte erv
So do casa ; a tratar na ra do Cctovello n. 25.
tde a ra do Imperador n. 24,
onde vires urna casa com-a fren-
te pintada de encarnado, lendo um lamplo Tien-
durado, cujo letreiro se le o segutete : eoijfei-,
taria do Campos.
Sella I... ella!.... elLa....
Ahi deve-so entrar e eneommendar para, cadal
casa o seguinte:
1 Fiambre preparado.
1 Bolo ingtez.
i Po-de-l.
1 Pudn de pao, arroz ou tapioca.
i empada de carnario ou galHuha.
4 Torta dfrfpscta.
100 pastis diversos.
1 Pena aseada no, fc)rno. ,
1 Peixe dem dom.
1 Gatheattx dra reine.
yinhos, eerv*t*; licores, fcolaefciahafc -beltobos
paraofc, ote vente saperio*, parp^iKosi atneti
xas. a- tudo mais w i-tn^mo-lmemm^W
brar.
S nella, s nella.
Na eonfenari Guttfm. a
--------!---------------i-----------------------Li__:______________


C-, wawga.do Rosario, n. 34.
AGOROADE0LR0.
ira da Impera*iw
x n. B.
Wp Acaba de reoeter. da conta propria,
m pelo ultimo vapor da Europa, Um com- ''A
W'pito sorfimebt'de objectos de prata *
A 08'wata tedotq ue um tlndo a este aier-
fSf oado, doga citwta : aderecos*e
A flla-granna, obra d apurad9,go^ifvol-
^L H?ii8n'nc0Si' ,roe'a^ salvas,' rlogio,
jft paftriiros/'colneras etc. etc., pelos pre-'
v> og maje resamfdoa<-posi-eii. i-Aspan'
conaiUm- Dolte orivnwto ^(9(MM-^
r.^e^s^y^MS^fflS: 6
k MaJjinas p^iimas.
Vi 1 I'
hmi para Imas.
i |A^tiai^d*^iriinrtuiW*d^^p^
"IfiaSf
[ m ra t. ti e no i
tonio.n. 4, por preco raioavl.
as, nmas eo(n oabili
Veade-sa ptimas, e muito:convem'eninara o ------------
fabrico das mesmas :. m ptiarmci de Frrea*' *- VfentermseJolBPiflrwas, nmas m H
A C, rna larga do lrwari n. -19, e na pi-aeH7**- dde* eOtKraai^'i^uto l*a a*o
Cond* #Bu n. 19, casa da8r/ Amonio M. M. Fer- enadira9#rateB de M aum, robusiw : naru
rena. de Heras n, K.
Samuel Power Mus-
tou & 0.
jRu* do. Apollo n.38 ^^\j^^^XV^!^
Vtum scieate aos seos frfguezea qne t#im pa*#oas, sme laam-efiabaieculQ nma fnidj-
naadda q tan deposito da machinas a va- cao da ferro isbrouze a rna do Bram, jan-
par; moenijis e taxis da muito acreditsda to a estaclo dos hafit, onda apronlarlo
' KffS'de Lowlfcwr pira roa d Apello n qnalquerobra de eocommjad com pariei-
1;Wa 40, onda eontinuam a ter o v&stao sur- yti e promptid*o.
Uoanl do ojime. Os mwmas rogam as pessoa? que quej-
Faieaa sciante tambem que team faite am ram ntilsar se de set serVicos ddeixa-
rrnjo om a fUDdicSo geral, pelo qup po- remas encompaBda?M'e oo 8r>. Sa-
dem offarecar-aa para itsantar qalqSer mnai Power fohaa C a ra* do-Apol*-
niacbioisn a meamo garanti. b o. 38 a 40, onda, barM,peoii "
tada eom quero ossam eDieadi
Aopare^o par, ^^^^^^
Dicoa ifflntas em Pernamwieo a' rapttae geni.
Psra tratar en san escriptorio a roa do Apollo o. 38 a 40.


8
'Diario de Pernambuco Sabbado 8 de Feverero de 1873.
YAMIAM
CEST TROP FORT \Perasto ostribu-
naes nespanhes acensado o Sr. D. Fran-
cisco Girn y Zoles, rediictor do peridico
El Combate, por abuso lo liberdade de inri-
prensa, leudo mus d* um processo s
COStas.
Daquclle, que j foi sentenciado., rcstiltou
litar condcmnid.em oioha>tnos e am dia
de primo maior, com s-uspouso e diruitos civis durante o mesmo .lapso do
tempo, e anda na multa du mil pesetas, til-
do isto por injurias dirig las no rei e aos mi-
nistros, i
Contina o andamento dos domis proces-
sos, por crimes anlogos.
AUigura-so-nos que seria um processo
mais simples, equiparar lugo o jorualsta t
um. assassino e mandar cortar-lbo a cabega.
Cora taes violencias nao que se susten-
tara as curdas as cabegas dos reis ou dos
imperadores.
A historia, ainda mesmo a contempor-
nea, ahi est para o attestar.
J PROFUSAO I-AUespauhaopaiz
dus cafs c das tavernas, segundo diz un
jornal de Madrid que tumos presente. To-
los dados que ltimamente publioou a direc-
rao do estatistica daquellu paiz, existan) na
pennsula 1,668 cafs o 30,052 tavernas,
oom mais 252 tertulias publicas ; era todos
estas estabelociuientos savia 2,18' mesas do
buhar.
Madrid tinba na indicada data 82 cafs e
1,52o tavernas; Barcelona, C7 dos priraei-
e
e
e
Sevlb;i, 15,
Granada, 7,
; Cdiz, 10,
ros e 529 das segundas
i82 ; Malaga, 22, e 389 ;
284; Valencia, 8t, e 11<
1 V-2 ; Almera, 5, e 238.
O Blasmo jornal accresconta :
.. Ests dados, que nos servem para de-
duzir o grao de cultura dos potos, o a sua
maior ou menor affeigo S trabalho, Dio
nos sao certainenle rauito lisongeiros.
NTATIVA DE HOMICIDIO DE IM
SlADITO ROLMANO.O tribunal das assi-
ses du Brabant (Bruxellas; reunio-se em 7
de Janeiro para julgar o reo Nissipcanon.
O processo que oceupava o tribunal tevo
sua base no fado acontecido era jullio ulti-
mo, na faubourg de Cologue ; facto que so
circumdra de peripecias romanescas, e que
por isso deu causa a variados commentarios.
Para tornar a audiencia mais interessante,
faitava o rival do reo, o artista dramtico
Joan I'anu, a quera o reo, no dizer da aecu-
sago, prelendeu malar.
O reo tora por patrono Mr. Alphonse WU-
leuaers.
O aceusado 6 um mancebo de dezenove
annos ; a sua physionomia moiga, e assaz
int -ressante. A sua apparencia e o acento
da sua voz denunciara qual a sua naturali-
dade, a Roumaua. Sua estatura media-
na. Os cabellos escuros, encrespados e mui
espessos. Apreseiita-so mui conveniente-
nioute, e cora a maior placiilcz.
Esse rapaz era fdho de um chefe de poli-
ca, o sempro se havia conduzido bom, al
que travou conhecimento com a mulber de
ura actor, a moralidade da qual estava lon-
go de nao merecer censuras.
O escrivo do tribunal, depois da forma-
gao do jury e das demais formalidades, pro-
cede leitura do Huello aecusatorio, que
tora o segrate contesto :
O procurador goral junto do tribunal
de appellago de Bruxellas, expoo que era 1 i
de dezembro de 1872, o tribunal onde se
preparam os processos julg u que devia ser
ju'gado perante as assises de Brabante o reo
Nicols Nissipcanon, nascido era Bucharesta
10 de setembro de 1853, e tonda residido
ultimameuto era Malenbeek-Saint-Jean, ae-
tualmente preso era Bruxellas, aceusado do
erimo previsto nos arts. 392, etc., do codi-
to penal.
O reo pertence a urna respoitavel fami-
lia de Galatz.
oblara do seu govemo urna lieenga de dous
anuos para seguir na
equitagao era -Ypr.es.
Achava4S6 s Jassy, e ahi mantinha
reiages culposas com a Sra. I'anu, -profes-
sora, e cujo marido actof dramtico. Foro
elle para Bruxellas, e a adultera o acompa-
nhra. Ambos so installaram em Malenbek-
Soint-Jean, ra do TolgrapbO. "Passado
um mez, ponco mais ou inenos^ em 25 de
jullio ultimo so apresentu o Sr. I'anu em
Bruxellas. Havendo tomado um quarto na
hospedara Hotel de IferHm, se 8presentou
no domicilio dos "dous amantes, a quem en-
controu eran cerca das tres horas e rtieia.
ce Esta visita deu lugar a rOcriminages
facis do adivinhar.
u Aps meia hora de conversaco, o"Sr.
Partu compellio o acensado a oscrever e as-
signar urna carta, cujotexto este :
Declaro pota minha honra e conscien-
cia, pelafelicidade de meus paise pela mi-
nha propria, que madama Mara Castin me
convidou e pagor para eu sor ura instru-
mento de vinganga contra Mr. e madama
Panu, declarando era publico que madama
I'anu era e minha amasia.
Tendo vindo na ausencia de Mr. Panu,
eu a ameacoi cora um revolwer em punlio ;
amordacei-a com urna toalha de raaos ; do-
pois cora ameagas a obriguei a subir para
um wagn ; a conduzi a Bruxellas o ahi a
deitxc. A consciencia remordendo-me por
esto facto, devo declarar I infamia que ma-
dama Castin mo fez platicar.
Pela -presente snpplico a Mr. Panu de
perdoar-mo, pois paco sempre rae arrepen-
derei de to negra acgo ; pois nicamente
por causa do madama Castin que eu fiz
estes maleficios a Mr. Panu, urdindo intrigas
contra elle, e propalando que elle me tinba
calumniado chi publico.
Assignado : .Melas .\issepeanon. >
Esta declarago fui. entregue a madama
Panu. Depois os esposos Panu retirarara-
se. Aps torera dado ura passeio pela cida-
lo, foram para o Hotel de Berlim. Ahi se
dirigi o reo e reclamou o papel que escre-
vra, o qual dizia tinba iuconsideramente
escripto c assignado. A recusa de lh'o en-
com isso o rapaz
se irritou extraordinariamente.
Resolveu ir repetir a exigencia, porm
antes disso foi comprar unvrcvolwer de seis
tiros. .Infnr.nou-se do alcance e poder da
arma, e I he dissoram que ella poda matar
ura homem.
O rapaz dirigio-se depois ao theatro ly-
rico, aonde os consortes Panu deviam pas-
sar a noite ; ecora elfeito l os encontrou,
repotiudo a sua pretengao, porm sera resul-
tado.
. Descorogoado de obter o escripto, se-
guio os consortes Panu depois do theatro at
hospedara, e pode penetrar no quarto que
ellos oceupavara no segundo andar ; estan-
do o rapaz debaixo de grande sobrexci-
ta gao.
Repeli as solicitages para que o papel
Ihe fosse restituido ; porm em vo o fez.
Determinou-se ento a por em pratica o pro-
jecto que formara de matar o marido de sua
antiga amante. Tirou o revolwer da algi-
beira do seu paletot e o metteu dentro do
chapeo que tmlia na mo.
Naquellc momento madama Panu estava
sentada no parapeito da janella ; c seu ma-
rido sentado diante dola, dando as cosas ao
reo, que se conservava dep. Foinestapo-
sigao que o reo armn o cao do revolwer,
estando este carregado, o apontou contra o
Sr. Panu, fazendo pontana cabega. Mas
como a arma fosse disparada por-mo pouco
firmo, a bala rogou [icio hombro esquerdo
e pescogo da victima, ferindo-o.
Aos gritos soltados pelos consortes Panu,
o aggressor subi para o andar superior,
deitou para o patamar a caixa dos cartuxos
que liaba na algbeira e fugio pela janella
da agua-furtada. Andou pelos telhados-at
que pode saltar para ura jardira.
Foi dobalde que o procurarara.
Os consortes Panu interrogados sobro as
causas de seraelliante acontecimeuto, occul-
tarara para evitar um escndalo o nome do
aggressor, que elles dizara nao conhecei\
No dia inmediato, porm, o reo foi des-
Wgka o curso de coberto no jardiw onde se esconder e pas-
sra a ioite, e elft eotao fe justica doc!-
^anca sobre o fado.
Conl|ei gnu formara apootaria| ca-
ga de Panu oom lotcaco' de nvrta-lo ; o i*0
oocultou a pena que tinha de ter sido pou-
E' o dettro.
Pro#ado,'prtanto, segundo a confisco do
o, que condizia cora as declaragoes dos
queixosos, a tentativa do homicidio, sobre
elle rocahia a aecusago de tentativa de ho-
micidio com preraeditagao.
A principal testemunha era o Sr. I'anu,
mas ello nao respondeu intimago. Sup-
perse que ello e sua mulher residera agora
na Valachia.
Por parto do reo, urna so testeinunha de-
pe.
0 interrogatorio de Nicols Nissipeanou
foi minucioso. 0 reo persiste em affirmar
que fra araeacadode morte por iean Panu,
o qual tinha iima navalha de barba na md,
se nao escrevesse e assignasse o papel que"!
exiga ; e desta sorle o foFmulou constran
gido pelo modo.
O infame procedimento de Panu tizora
desesperar Nicols; dizendo este que nao
tentara mala-lo de proposito deliberado,
i pian lo roclamava a entrega do tal celebr-
rimo documento.
Trocam-se mais palavras entre o juiz e o
ministerio publico de um lado, e o reo do
outro ; aquellos pretendendo convence-lo do
criiue e da pouca solidez desuas coactadas;
o reo procurando desculpar-se e atlenuar o
seu crinie.
Do depoimento da testemunhas resulta
conlirmar-se que a moralidade dos- consortes
Panu (Jeixaya muito a desejar e que os an-
tecedciles do rapaz erara encllenles.
O delegado do ministerio publico susteiXa
a accusa.go cora vehemencia e pede a con-
deranago do reo.
O patrono dofeude calorosamente o se
cliente, e iwpiora um vereidum absolu*
torio. v
Durante o discurso do advogado, o audi-
torio prorompe em demonstragoes de apelau-
so, apezar das admoestages do magistrado
que presida.
Encerrados-os debotes, o jury recolhc-se
sala das conferencias-, e pouco depois vel-
veu, trazendo os quesitos respondidos, de
forma quo o jz latig.a a sua sentenga,. man-
dando em paz o> reo.
0 publico, ao-ouvir o presidente do jury
ler as respostas- aos-quesitos, novawente ir
rompe em applausos.
0 aceusado, posto em liberdade, sahe do
tribunal rodeado' de muitos amigos seus e
de grande numero- de pessoas desconheci-
ds-, que se havinminteressado pela sorle do
reo-, era consequencia de-tercra sympathisa-
docom elle.
. 0 Sr. Maseicault redactor am Jchefo da' 0 comboio foi atacado por uns 10 homens'pagao. E entao ero os doas entrando a
Charenl, e"amigo dos Alustrados reactores a cavallo e rmalos. Nao offenderam cor^(bncar, tem que se lhes diga
poralmento os passageiros, porm, levaram
todo o dinheiro que encontraran!.
GL'ARDA-CHLVA COLLKCTOR.E" mui-
to eonwnodo o guarda-chiwa>. mas exteema-
mente imperfeitok e o Sr. Desprez inventou
ha pouco melhoramentos ootaveis. Consis-
te o-principal em. urna canalisagao circular,
que recolhe a agua da chu*av e a dirige to-
da para um s- canal de- sahida. Assim
aperfeiepado o guarda-chuwit nada jjerde
m sua elegancia^ e nao- se-torna maia-pe-
sadb.
OMNIBUS DO TRABALHADOR..Ai em-
pcoza< parisiense;.que tera esta, denorainncao,
fecnece mobilias, a pagamentos, abrindo
crditos. 0 pagament04geral hebdoiLada-
rio-do 3G0rs.
Tem grandes armajens, dispoe de naraa-
rosas offiema, e vende por mdico* pro-
bos. .
GRANDE ENERGA POLTICA.Os re-
Bublcanosda.assembla franceza nao- per-
dem tempo. em vas. discussoes, nem. om.
mesquinhas questoes pessoaes, como acon-
teceu entre nos com o partido consesvador
e monarchico. Tanto deputados como
eleitores vo j preparando-so para as.pr-
ximas eleicoes geraes, apesar da resistencia
dos eleraeutos que compoom a direita, do
parlamento.de Versaillesv nao permittir fixar
a data precisa dessas eloiges.
lia igualdad acaba de tomar a iniciativa con-
tocando diversa juntas republicanas, cujo
aesiltado proawtteser muito Satisfactorio.
Reuni em sua casa, em Auguleme os
deputudos, reJadores prncipaes, o de-
putados provinciaos e municipaes, republi-
canos, do departamento a'Charente e de-
partamentos circumvisinhos. Tratou-se al-
li, e cona/eio-sc nos meios mais conducen-
es a assegurar o triumpho das candidaturas
republicanas. Produziram-se algumas dif-
forengas de pareceres, que se igualaram de-
pois de cordiaes e sinceros discussoes. As
differentes fraegoes do partido lizerain mu-
tuas concessoes, de tal maneira que o accor-
do ficou perfeito.'
Nessa notavel junta figuraram, entro os
deputados republicanos daquella regio, o
coronel Deufert, o bizarro defensor de Bel-
fort que resisti aos prussianos at ao tra-
tado de paz ; Mestreau, o enrgico orador
da extrema esquerda ; e Fourcand, o sabio
e popular governador civil de Bordeus.
Estienerga, esta vida politica, que de-
pois de tantas calamidades- anima o p>vo
fraucez, pesor do ter sotrido vinte annos
de cesarismo degradante, mais u*na pro va
de que a Franca podersoffrer revezos-, mas
minea deisa-ra de marchar i vaigu-arda da
vilisago, logo que por um desses esfori/)s
sublimes, que- 11! sao habituaos, reassuma
o ugar que Ihc compete. '
E5ECUcOES^-N manhdodia 8", foi
exeedEado em Liverpoo o homicida Richard
Spenccr, sontenciado a morte por bwver mor-
to Elizabeth W hartn.
A as*assmada tnlia vivido cora Spcncer,
raaritalm)nte.
0 condemnado raostroa-so raftti arre-
pendido, confessava'o desejp quo tialia de
raorrer, ibos tambera^ nao oceultava o ter-
ror que lhe-causava ocadafatso.
Tambcmem Warwich foi executadov no
da 7, um caoniceiro clamado Edward tlam'-
cock, por ter matado sua- mulber,
Este homem' fdra casadb' tres vezes, e- de
todas as tres laulheres dweabo. 0 malva-
do-era loucamente ciumento; ou para alli
lhe dava a preversa ndole quondo estava
ebrio;
Dando contadestes dois homicidios lgaos
igualmente refero o Staiidcwd, qjae foi cen-
itenciado a mon-er- enforcadbno dia 28 de
ifevereiro, um tobStokes, cassassino de Mn.
Fisk.
PERiGOSDE VIAJAR 5il HESPANH-V
Jm- peridico- le Madrid expressa-se por
estas palavras:
< l-unoutavol 9 triste sfaiagao para o
mortal que tenlu-.vrue viajar.
Ha-cinco das-sahio desta.cdrte um caw-
vaeiro pela liuba-do norte, c ao chegaro
comboio a Avila*, ou poueo-autes, ra-
cebeu varias balas que feliamente nao fe-
riramiiingucjn
LM COMICIO TURBULENTO.Houve
am meeting em Derby muito tumultuoso*
0 principal orador foi Mr. Dilkc.
Ferveu a pancadaria. As janella da sa-
la foram quebradas.
A lula entre es que formavum a'reuniao
durou mais de urna hora.
Tanto Mr. Dilke como sua esposa foram
escollados at a sua morada, por grupos nu-
rosos, armados de bjngalas e caue-tou*.
C0NDEMNAC0.--0 direclor.da caixa filial
Socict da General, estabelecida era Fou-
tainebleau, subtraira com abuso de con-
fianga, e at cam falsificagoes, sociedade
da qual era empregado, cerca de 20,000
francos.
Descoberto o desfalque, fo entregue aos
tribunaes.
Agora, acaba de ser julgado o condemna-
do em cinco anuos de -prisao. 0 reu cha-
ma-se Narame..
BELhA V1AGEM.-Ira novo vapor mer-
cantil ingle?. Ihol'ut, pertencent compa-
nhia Red Oss Cinc, ac*l)a de fozer urna
lio la viagent.
Havendo sabido de Portemouth HO da 2
de dezembro chagoa a Calcutt era 7 do ja-
Pois ulna, nao se parece com o meu I
0 anno passado trabamos a casa minada de
ratos, e eu entao lembrei-me de pedir um
gato i senhora Antonia. Pois quer crr que
o meu senhor, mal vio o pobre bicho, o
agarrou pelo rabo, o ferrou com elle na pa-
rtido ronleira ? I
Ave Mara santiasiraa, que judiara I
0 outro dia entrou-nos c em casa ura
cosinho d'agua, to clarioho e to festeiro,
que at mettia invejadhar para-elle t Pois
filha, antes elle nunca n'esta casa tivesse
entrado: c o meu, apenas lhe poz a vista
em cima, atirou-lhe tamonho pontap, que
o'dcixou estatelado.
Cale-se ahi, pelo amor do Deus, visi-
nlia, que mette nao sei o que c por dentro
ouvir isso. Louvado seja Deus, que me
deu um marklinho tao bom ; poln'e, isso
sira, mas aquillo tem um coracao d'ouro !
Ai visinha, o que lhe eu invejo a
sua felicidade I Em solteira est a genteem
fervengas por se casar ; casa-se uraapessoa, ,
e ahi principia ento o purgatorio, o infer-
no em vida... Afiaingo-lhe, -visinlaa', qw
dara de boa vontade am olho da cara por
me ver solteira, ainda que tivesse de temar
a servir, que nao haviamde fazer-mo oni-
i lio aira/.da orelha, contantes de me ca-
sar. E' verdade quo sempre ha que aturar,
porque os patroes, por lira de contas, sem-
pre sao patrdes. Os senhores- resingam, por
queliu longo trajelo ; incluiido a pas^agern
j)elo canal de Suez e a demora que teve em
Madras.
Alm disto a monsfio era mu desfavora-
vel.
INCENDIO EM BAfc 10REJA.n Adra
(Granada), foi aborto mis canal, facto que
se eelebrou cora estrepido. De Jladrid foi
mandada urna comnassao especial, pora-as-
sistir inaugurago.
Nosabbado, colebrando'se solemne uuc-
go religiosa, havendo-no templo inmensa
concurrencia- pegou fogo nos cortinados-do
altar-mr. Isto produzio indczvcl confusao
poria. nao cliegou a haver mwtes ou fri-
mentosi 0 fog foi dominado.
Ao mcio dia celebrou-se a inaogxiragao it
canal, i noute houve um baife espleiu-V
do, reando graude enthuasmo.
n-iiin*,1"*1'' i---------
O-referido cavalheiro sahiu noite del pos.
FOLHKTIM
ii mum llltlttlt
PELO
VISCOHDE PONSON D TERRAH.
TEJtCEIRA PARTE
O palacio de Ssgac.
(Continuago do n. 30).
1
Tiulam deciwrid seis mezes. -
Aos ltimos e quentes dias do esto, du-
rante os quaes deixamos o baro de Nossac
tomando, era Brest, a estrada de Paris, ti-
nham succeddo os dias de outono, depois,
o invern nebuloso, e afmal, o primeiro
sopro da primavera.
ira pelo fira de margo, na noute da meia
quaresraa.
O dia tinha estado tpido e puro em Pa-
rs : grande multido de mascaras tinha
percorrido os caes e os passeios, desde pela
manh, doudejante de alegria, prodiga de
espirito, contente-de si mesma, e tendo, em
l.-.iigcha.rnps, que ento nasci, admirado
com essa ingenua admirado do parisiense,
esse povo to espirituoso e imbcil ao mes-
mo tempo, a ultima perola do orvalho, que
brilhava no primeiro rebento das arvores.
As estatuas do jardira da*Tulherias, de-
pois de terem chorado, durante quatro
mezes, a sua nudez, pareciam estorcor vo-
luptuosamente, aos beijos do sol, o seu
corpo regelado.
Ao raeio dia tinham-se apagado todos os
fogoe da cidade.
As lavadeiras de Paris tinham passeiado
pelas ras, em carro e em caleches, vestidas
como damas da corte ; tinham esse direno,
uesse dia, que era o da da sua festa.
As damas da corte tinham achado engta-
cadon disfargarem-se om lavadeiras, e em
correrem para os Porcherons, era carros
de verga, puxados por cavallos enfeitadi
de differentes cores.
S. M. Luiz XV, cognominado o Bem
Amado, era urna eriarica de doze annos, um
pouco pallido, de cabellos annellados, mitos
finas eformosas, olhos azuesbem rasgadas,
S. M. LuizIV, dizemos, nao tinha desde-
nhado juntar-se festa.
Tinba vindo de Versalhes acompanhado
pelo-senhor duque de Bourhon, primeiro
ministro ; pola senhora marqueaa de Prie,
amante do duque, e erdio a vordadeita re-
gente do reino ; pelo senhor de Villeroi,
AlfiKi ( Rioga), pela linha de Saragoga a
Ma.ktd,
.Ao-chegar a Raides receben (sera sa
berdlonde) um grave feriraeito de pedra,|
atirala ao que perece, com funda, (cando
por algum tempe'sem sentidos o cheio de
sangne. Como vinha sosinho- n'um com-
partimento de 1* ciesse, ninguemo soccor-
reu. Recobrndoos sentidos abri a por-
ta, chamou por axllio, poata nao foi ou-
vidov
Chegado o oomboio a Bardes, ahi o
curanam ochefe-da estago a^sua senhora,
com agua e vinagra,, pois nc havia ao me-
nos rnica.
Cbegou a Madrid muito doente, [jro-
vindo.isso da gravidade da Ganda, e grabas
i Davina. ProvidiH-ia nao tcr.sido raortov .
. Pode dizsr-se,. por esta.simples narra-
gcs. que vivemos-era um paiz de Mw
yem.
Assim. termina o collegai madrileo a no-
ticia.daquellc lamentavel oaso.
A. mesma. flha d noticia de ter si o rou-
badoo comboio de Andaluzia,.que tftegou a
Madrid na mnhade 11 de Janeiro.
neiro, gastamo portante 36 das e roci na- que queris que urna pessoa faca as cousa-
a vapor; a menina compromette-nos pon-
do-nos de sentinella emquanto falla ao der-
rigo; o i*emno mais velho passa-nos a mo
pela cara ; o agtfadeiro va choealhar ludo
patroa, se q.uere tirar isto ou aquillo as
compras ; pura metter o derrigo 6n> caso, d
um trabalho; mas, ftlha, deixemo-nos de
historias, isso- de ter certo o pao nosso de
eada dia, e dormir a somiio solt, sem.ratav
MM fazer seno cumptif a sua obrigago,
olhe que muito bonite l
' Tem vossemec carradas de razo, visi-
iihn';: mas quar-d sed com um hornera
como- o meu Luiz, outro- gallo nos canta-!
Triguinho sera joio !
' Aproposito db Sr. Lua, elle j se re-
eottiav ?
Boa pergunta! pois entao podia! anda
ainda a estas hora* horas por Aira de casa
um baan to poatual panam obrigacoes^
Veio ha pedaciuho, na grac,a-do senhor 1
== Pon fdha, obajages larftbem o meu
tem, e ainda por l anda,
i Que me diz, vismha I
= E' tal qual.
=* Pois a-meia noite j l-vtii~,
= De\e-rne pela amor de Deu, visinha,
AUN mesma c por dentro netmeu sei como1.
Em chegambo sabbado, sao certo os tou-
io! Faz mesmo desesperar urna pessoa I
= Mas visinha, vossemec que tera a
culpa...
f = Cale-se abi, por qpam visiaia; sab--
l 1 estou farta e refarta. de lite- pregar, e
elle- ainda pe* cima rae-sacodo o- p...
- So a visinha fizessecomo aa fafo...
== Mas senhora, nao- est arto, de ver
que-mal anoitece.no para unaa-. pessoa de
cabecear, cansada de lavar, d eozer, da co-
zinha,de lidar com essa-creaturas-que sao
o inimigo man ?
= Mas nao isso, senhora, nao- isse !
0 que a visinha deve fazer aos sabfcados...
= Crea no quo lhe digo, visinha, eu nao
posso'fazer maia-do queHfagO/ Sahbados e
domingos e todos os das-da semana lhe pre-
go os-meus scrnaes : Toma GOnta, Joo,
vara para casa mal sabires tt>. trabalho'
Toma conta, que nao estamos para borra-
heiras de taverna l. Olha ^ie est tudo
-cada vez peiort Poem-se as. ooosas pelas
nuvens Olha que os pequeos esto sem
ter que vestir Repara....
= Mas ougai.visinlia. O' qpc vosseraw^
deve fazer aos- sabbado* ...
s=J lhe dsse-que nao-poseo fazer raais
do que fago...
= O' senhora, doixe-me fallar, que nao'
son aqui nenhum panal de palha !
=Ora dgala, visinha l
[Cntimmr fp.hA-j
AS 1 ISBMf AS
Attengo, que eu principio VV agora
vossemees ouvir wma das palestras (j/t cos-
tumam ter de janella para janella la senho-
ra Izidra o a senhora Rita, duas muiheres
perfeitaoas, o muito donas do sou nariz.
Nao Bastar dar signaes nem indwacoes
acerca d'ellas, porque todos Tossemeos as
teem visto e revisto por ahi. Com esta ad-
vertenciis, e com dizerque as janellasonde
Jseassomain do para o pateo, o esto wraa
defronte da outra, Sea tudo em-pratos lim-
Meuloirinho!.Quem passa? E' orei
quevai caga Se nao fosse ai-tua dona,
seu governador, c pelo joven duque do Ri-
chelieu, coronel dos suissos, que as suas
frequentes encarceracOes na Bastilha du-
rante o reinado do defunto regente, a sua
cumplicidade na conspiraco Cllamareea
sua intimidado cora a senhora duqueza de
Maine e a sociedade de Seaux, tinham col-
locado em grande valimento desde a morte
do duque de Orleans. .
0 rei, chegado na vspero a Paris, tinha
dormido as Tulherias.
Na manh segrate tinba-so mostrado nos
passeios c na casa da" cmara, onde os se-
nhores vereadores e o preboste dos merca-
dores tinham dado um baile do dia.
Alli, tinha dansado cora as mais lindas
meninas da capital, e quando s chico ho-
ras, acabado o baile, tinha subido para
carruagem para tomar a estrada de Versa-
Ibes, tinha encontrado na sua passagem urna
multido onthusiasta e ebria do prazer, que
o tinha sau la lo com gritos frenticos de
Viva o rei
Em quanto o rei da asa va na casa da c-
mara, urna parte da corte, as damas da mo-
da, os libertinos, os jovens loucos dansa-
vam nos Porcherons e juntavam-so sem
vergonha aos estudantes da uoiversidade e
s coristas da opera a quem chamavam en-
to essas meninas.
O rei tinha sido o hroe da casa da cma-
ra, como uin simples fidalgo o era nos Por-
cherons. v
E' verdade que esse fidalgo tinha trinta
annos apenas, era bello apezar da sua fronte
pallida o da febre ardente do seu olhar ele-
gante, espirituoso at audacia, magnifico
at loucura, e que se chamava o baro
de Nossac.
0 baro de Nossac, que deixamos doen-
te e desesperado na estrada de Brest a Paris,
o baro de Nossac, quasi louco partida
da creoula, e que tinha yoltado corte para
se aturdir.
E tinha-o conseguido.
Nunca se tinha visto em Paris- nem em
Versalhes um fidalgo mais extravagante,
mais esperituosamente louco do que elle.
Havia seis mezes que s se fallava das
festas extraordinarias e esplendidas que elle
dava, das excentricidades quotidianas ao
seu espirito, dasuamaneira de viver origi-
nal e sem precedentes.
0 senhor de Nossac tinha-se tornado o
AlciBiades de Versalhes.
Urna nica eousa tinha .paracido faltar
sua gloria, um ci ao qual elle podasse
como o hroe grego cortar a cauda, pare
chamar a altenco publica.
Um dos seus amigos tinha-lh'o feito ob-
niugueui se lembravade ti.
Boas noites, senhora Izidra..
Muito boas noites, senhora Rita.
Queira desculpar, que nao a tinha visto. Vou
recolhe?-esteanurjalsho, porq.ieas noHes
esto j frcsquiuliajf.e nao v o relento f-
zer-lhe mal.
Atilinta, faz rauito bem; caide n'eSfe.
0 que essa avesinha de Deus palrou hje
todo o santo dia 1
E'. verdade, visinha, isto mesmo una
joia. Meu loiro, cokadodo rae loirinho 1.
Olhe, s de l, visinha, como ello-se espa-
neja de contento Isto desfaz-se em festas,
quamt> algucm c'-de casa se choga ao p
d'ello E' o que- lhe digo, visinha, os ani-
maesinbos, tirando a alma, sao taes quaes
como-as pessoas : tomara apego-a quem os
tratatbera.
Ai,.senhora Izidra, quantas pessoas
ha que nao fazprai outro taulo 1
C o meiL senhor inorre pelos biclws;
mal que entra em-casa, sbulo, a primea-
ra eousa ir Lgo fazer urna estinha ao pa-
tito, e-no, meto de urna, populac_ao.de phe-
nicias e de troyanas, cujas pkvsionomias
provocadoras comprometteram por mais de
urna vez a gravidade do ministro do celeste
imperio.
De repente o sol* abrio-se seb os seus
ps, o cliinez deu um grito e desappare-
ceu.
Tinha cabido no terceiro. agapo, sobre
urna pilha de colvoos.
Na manh seguinte foi grande a admira-
eao nos Porcherons quando se vio o man-
darn) dansar com urna mascara no rosto e
trajando a sua beca c>r do luar.
Depois, quando o raandarim tirou a mas-
cara, resoaram os applausos, porque se re-
conhoceu o senhor baro de Nossac !
Que ora feito do vordadoiro raanda-
rim ?
Teria ficado no torceiro algapo ?
E' 0 que ninguam soube aa certo. Com
tudo entre mas meninas da comedia^ al-
gumas ms lraguas pretendiam quo a opera
tinha uin quarto algapo que era o cama-
rim da da usa ria.
Houve urajautarde duaentos tal liares nos
Porcherons. i
Depois, acabado esso jantar, j de noute,
todos so prepararan^ para voltarom para
Versalhes ou para Paris.
Um grupo de jovens e Iradas mulheres,
todas mascaradas de fidalgos e ofliciaos se-
mi-brios e de fornecodores enriquecidos
que abafavam nos seus vestidos bordados,-
forraou-se em volta do baro.
Ento o baro chamou parte eada mu-
lher por sua vez e perguntou-lhes :
D'onde s, bella desconhecida, da
orte ou da opera ?
A'quellas que respondiam cora indigna-
cio :
Da corte 1responda elle :
Dou um baile d'aqui a oito dias ; l a
espero I
A's que coniessavam com orgulhosa hu-
mildade que pertenciam aos bastidores, dizia
elle em voz baixa :
Hoje meia noute, em minha casa,
ra de S. Luiz ; ceiar-se-ha. Sirencio !
Etutira, o mesmo aos homens.
Aquellas que tinham pertencido outr'ora
intimidada e s desregradas cotas do re-
gente, dizia :
Esta noute em minha casa.
Aos outros fallava do seu prximo bae
orno o tinha feita s damas da cdrt,.re-
commendando i todos profundo silencio.
0 que 'fez cora que apenas o senhor do
secvar, c incontinente o baro tinha jurado
cortar as-orelhas a todos os ursos do jardim
do rei.
0 que tinha exocutado com esse mara-
vilhoso.sangue fri, cora essa terrivel auda-
cia de que tinha dado pravas naBretanha,
na sua luta corpo a corpo com o javali.
Nesse dia o senhor de Nossac estaya dis-
fargado como a maior parte do seus com-
panheiros do extravagancia.
Em quanto que todos so oceupavara,. com
muitos dias de anticipagao, do seu disfarce,
o baro tinha achado o seu prompto o s
nelle tinha pensado una nica vez.
Tinha chegado havia pouco tempo urna
embaixada chiueza composta de quatro
mandarina de priroera classe, encarregada
do fferecer ao rei do Franca a araizade
do celeste imperio.
Na vespera tinha sido apresontada em
Versalhes, e recebida em audiencia pelo
rei.
0 baro assistia a ella na sua qualidade
de coronel de cavallaria.
Umdos rtandarins trajava urna boca
edr de luar que obteve um successo de louca
gargalhada em Versalhes, successo conta-
gioso que chegou a Paris e excitou os apu-
pos dos gaiatos quando a carraca do man-
darim atravessou os Campos Elysios.*
Desde ento ficou fixada a escolha do
baro. "
Decidi que teria um vestuario cor de
luar para o dia seguinte, um vestuario ab-
solutamente igual ao do mandarim.
Urna nica difficuldade se lhe apresen-
tu ; nao pode achar nenhum alfaiate que
lh'o soubesse fazer, nem nenhum mercador
que tivesse na sua toja urna tiro de estofo de
semelhante cor.
0 baro, com tudo, tinba a peito a sua
idea, quera ver na manh seguinte, nos
Porcherons um vestido edr de luar*.
Pegue na la cora os dentesdisse-
rara-lhe os seus fornecedores e com um
bocado della fazoraos-lhe o seu vestido.
0 bario daspedio os saus fornecedores e
nao desanimou.
A' noute os mandarins foram ao espect-
culo, grande opera, onda se reprasentava
ento o tido do defunto senhor Quinault.
0 mandarino. de vestido cor de luaf foi
convidado a visitar .gs bastidores; ddram-
Ihe por conductor una danaariaa oajos at-
tractivos tinham piracid^ durante a repre-
santago encofitrar o caitnnho do corajlo-do
chinez.
0 mandarim guiado pola ua hgetra
Ariadne, antrou com alia os escuras cor-nossac nha subido para a sua carruagem
redore atravz de multas florestas de car-
atiavia tomado a gaope o aminho de Pa-
rs, o silencio, fosse to admiravelraente
guardado qus as pessoas da- corte souberara
que os libertinos e essas meninas ceiavam
nessa nonto era casa do baro e qne essas
meninas e os libertinos tiveram conheci-
mento de que ello daria d'ah a oito dias
um baile do qual elles seriara oxeryidos.
II
A' rae-ia noute menos um quarto o palacio
de Nossac estava to triste, tao. solitario, co-
mo so houvesse meto secuto que nenhum
ente humano tivesse entrado s suas por-
tas.
Nenhuraa luz brilhava as janellas^ no-
nhuma carrugem estacionava nos pateos.
A ra estava deserta o silenciosa nos ar-
redoros, e os pacficos burguezes da ilhade
S. Luiz dormais pacificamente.
Urna carruagem de posta chegou, repen-
tinamente, ao galope do quatro, cavallos,
fatigados e brancas de poeira, oparou dian-
te da grade, Um homem, em trajo de jor-
nada, descou della.
Era o marquez de Simiane, quo voltava
de S,.Pelersburgo, onde tinha sido man-
dado alguns dias depois da sua volta da
Bretanha, para desempenhar urna raisso
diplomtica e secreta.
0 seu criado de quarto tocou "por tres
vezes a campainha, sem que a porta se
abrisse.
Emfim, gyrou nos seus gonzos enferruja-
dos, sem qtte nenhum ente humano, amo
ou criado, apparecesse no pateo.
A porta de entrada abrio-se tambis, mis-
teriosamente.
0 marquez sempre s, penetrou n'um
vasto vestbulo, mal Iluminado, no fundo
do qual um velho criado esperava, triste e
mudo, como urna estatua.
Oh I oh I pensou o marquezo po-
bre baro estar morto I
Que deseja o senhor marquez Iper-
guutou o criado, que o reconheceu.
Desejava ver teu amo. Nao estar
em casa?"
Est, senhor marquez.
0 criado levantou-se, e deixando diroi-
ta a escada principal, subi por urna escada
de servigo e conduzip o marquez a um pe-
queo gabinete, onde o baro medita va,
sentado ao fogo, corsea cabega entre as
mios, e coberto ainda com o seu vestido
cor de luar.
.0 gabinete nao estava mais Iluminado,
do que o vestbulo, e o marquez nao raotoujdou deoNf, e j deu neu noute.
os exquisitos desenhos do excntrico rabel (C.9ntmtar~*i-fM
de cfkambre do seu amigo.
olhar febricitante, o aspecto, abatido e trist-;
Jo baro.
Meu Deus Idisse-lho ello, esteiulen
Jo-lhe os hragosests doente ?
Ah I s tu disso o baro come
ests ?
Mas tu sofEres, ests dooatc, nao
assim ?
Eu ? oo r
E o baro foz um esorgo, sorriorso aen-
diroitou o corpo.
Meu caradisso elle passo parfeila-
mento ; estou sao de corpo e da espirito.
Ests hem certo disso t
Bella pergunta 1
E' que, na estrada do Paris, encontrei
La Vrilliro, que rae contou cousas extraor-
dinarias.
Que queres dizer ?
Era primeiro lugar, quo tinhas cor-
tado as orelhas aos ursos do rei.
E' verdade.
Depois, quo tinhas raptado urna filha
de um advogado do Chatelet, e quo a tinhas
dotado e feito desposar o teu criado de
quarto, com a condigo deque, na noute
le suas nupcias, so separarais e nunca mais
se venara.
E' ainda verdade.
Com a breca 1 nterrompeu o mar-
queztens ura singular roupo I
E' o vestido de um embaixador chi-
nez.
E o baro contou a historia do terceiro
algapo da opera.
O senhor de Simiane olhou para elle com
estupefaego ; e disse-lhe :
Ests louco. I
Nao ; mas sinto que morro, e quero
morrer alegre.
, Sontos que morras ?
Ah t sinto.
E de que
Ah disse o baro essa urna his-
toria triste e inverosmil.
Bom Ipensou o senhor de Simiane
eis a segunda edicio do castalio de Hol-
Jengrasburgo.
E accre6centou em \oi baixa :
Coraoco a arrependor-me do papel que
repraBentoi Y essa mulher mata-lo-ha I
Imagina, meu caro continuou o
bario...
Mas nesse momento, deu meia noute, e o
baro ioterromeu-se.
Conrar-te-hw isso amanha.. Esta noute
'
\
i

i





J
-i

Masoque notou foi o rosto palUdo, o.TVP DO 1/iAW RA W* PE CAJUA
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERTX4EPXO_UIDHAP INGEST_TIME 2013-09-19T22:06:41Z PACKAGE AA00011611_12832
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES