Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12831


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*
m
7

AX\0 XL1X. NUMERO 31
PAMA A CAPITAL E IA CABES OSDE llO SE PACA POSTE.
Por tres mezes adiantados.......... W000
Por seis ditor Mein .' T '."........... 100
Per um anno dem.................*. 2WJ000
ada numero avulso.................. 320

SEXTA FEIRA 7 DE FEVEREUtO DE 1873.
-------------------- ..
, PARA VIRTI EBA DA PMO V I\ 11 A.
Por fres tnets adiantados..... ...........
l'or seis ditos dem..................' %
Por nove ditos dem..................
Por um anno d?ra. ...............'...
DIARIO DE PEMAMBUCO.
PROPRIEMDE DE MANOEL FIGEIRO DE FAMA & FILHOS.
O
Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; ,Goncnlves & Pinto, no Maranho;* Joaquim Jos de Oliveira & Fillio, no Cear;'latouio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joo Mara Julio Chaves.no Ass; Antonio Marques da Silva, no Hatal; Jos Justino
*Penha; Belarmno dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino TavaresdaCosta, em Alaf
dP<
Alves C, na Baha ; e Lete, Ccrquinho & C. no Rio Jde Janeiro.
PARTE OmCIAL
Ciovcriio la provincia.
N. 193.Pernambuco.-Seeeio do contencioso
da thesouraria provincial, 20 do' dozembro de
. 1871lllni. e Exin. Sr. -Na iiitorprotaeo das luis
que derrotara impostos, tenho procurado dar-Ibes
,iateliigeno.ia e sentido que estove na mente do
legisla lt>r.
Se estabeleeem cxceiicoes, tenho, cuino direito,
restringido-as aos casos especificados eomo taxati-
vos, segundo a regra d i|U6 as leis Ciscaos, assim
romo as penaos, devora sor entendidas -itrkti
htri$. j.
Quaado a decretarn dos impostes demanda in-
terpretacio, tenho tambera pedido a authentica
aone.nbla, que algumas vetes tem sido dada,
pira regalar a cobranza que me incumbe.
Atete) desde que a> leis do orcamento crearan)
il posto de doacao similar dodataxa de heran.as
i-gados, para ser oubrado nos meamos en** em
que o ora aquello, visto que por meto dola os
doadores osquivavam e ponpavan seos herdeiros
ao pagamento, a que oram obrigados pela traus-
inilsio dos beus pela herauoa, oque era lesivo
aos iuteresses da fazenda, suseitoii-se a duvida
sobre ser ou nao o imposto devido pelo dote eons-
tituido pelo marido ou niulherpacto anto-nup-
aateom O tiin de evitar a eomniunlio.
Entendan) os dotadores seren isentos desse im-
lH>sto, visto que semelliante pacto era a ce-so de
900 direito meiaeo que Ibes asseguravatn s
te pela rnmmmiho, na ausencia do dito parto
ante-nupcial, do que raleram nao ser propria-
.eiite urna doaoo.
Bntendia eu, porcni. que os termos genricos
da lei doacoes de qualquer especie exeluiam
semelhante "nterpetrai o ; porquanto a doaen
era o genero comprehensivo do qualquer doin a
ululo gratuito ; o desde que se renunciava a corn-
il unhao, o doto era, o nao poda deixar de sor
doacao, o doacao privilegiada, que sentara os
nein doados dos onus e encargos da sooedade
conjugal, toruando-os inalienavois, de accordo
cora inuitos jurisconsultos, que tratavam dosia
outoria
Gstabelecida assim a controversia, julguej ne-
eeisaria a interpretado autbentica, o a ped as-
Niibta no meu relatoro de 1871.
A assemblra contimiou a votar a loi pela mes-
tna forma anterior, empreando as inesmas ex-
ppsssoes absolutas o estabelecendo outras excep-
c Infer d'alli que a iutelligoucia por mim dada
era a verdadeira, e continuou-se a cobrar o im-
poste pelos dotes, como anteriormente.
Algn.- contrbuintes pagaran] o imposto no acto
da coostituicao, voluntariamente; outros discu-
tirn) o sen direito pelos canaes competentes, op-
l:ud' embargos as execucoes que Ibes promov,
outros, linalitwnte, recorreram thesouraria
para haver a restituirn.
Entre os unimos fot Antonio Loito de Magalhes
Hastos. que pagando o imposto por exigencia du
colector de Palmares, pedio sua restituicao
thesouraria, que a ordenou por seu despacho em
junta.
\vignand u:b que V. Exc, ver da copia junta, sob n. I, nv
r.-c. rri dola para o antecessor de V. Exc, que
coui:nnou dita decisao, firmando assim a excepcao;
nio .-ende licito depois dola cobrar mala o im -
po*te los casos semelhantes.
Oeeorre, porm. que, tendo-se promovido a exe-
eucio para a cobranca de dito imposto contra
Alfonso da Cruz Muniz, fosso julgado ser ello do-
>i i por sentenca do Ilustre e integerrimo Dr.
juiz dos folios da fazenda, copia n. e tondo a
parte appellado dessa decisao para o supremo tri-
bunal da retacao, acaba esse tribunal de conlir-
nar dita sentenca, que firma interpretarlo diver-
sa. *opia n. i.
Parerendo-me que aos tribunaes que propria-
i, ente compete d cilir "om taes casos e linnar a
jurisprudencia e doutrina, applcando a loi aos
casos uceurrentes ; o sendo n meemo lempo obr-
gadi. :> obedecer a decisao dada pelo antecessor
de v\ Exc. em sentido contrario ao julgado, deci-
ii que tornoii inexequivel o imposto no? casos
aemetnantes, vonbo rogar a V. Exc. queira necla-
rar-me : 1.* so deixa o imposto de continuar a
tei ureeadadn ou nio. l'sodevo proseguir na
>cnco o> julgado, lazendo eflectiva aeobranca
acerca desse contribuinte.
Porquanto, S6 por um lado a decisao administra-
tiva regula a cobrauca, visto que por ella leon
Orinada a excencao, e nlo mai< devo ser arreca-
diJ. o imposto em casossemelhantes, sendo eon-
equencia neeessaria a restituicao do ja arreeada
i por entro, me obriga o Julgado a proseguir
na exeeucao mentada contra Affonso da Cruz
Muniz, c outras que j cstao em andamento por
rontas remeuidas paraiuixo.
Em taes cireumstancias. para regular BMO pro-
eeiimento. proceda decisao de V. Exc, que por
- i solicito; visto que nao posso cobrar legal-
n. lu um imposto que V. Exc. declarou nao ser
devide, e ao mesmo lempo proseguir na cobranza
dos que ja esli sendo ajuizados.
Aguardo a saba decisao do V. Exc. para cum-
pr -1, e regular o meu proeedimento.
leus guarde a V. Exc.Illm. e Exm. Sr. Dr.
Benrlque l'ereira de Lucena, dignissimo presiden-
te da provincia.- O procurador fiscal, Cypriano
frntlM Gnedet Akeforad.
\ tlios.iurariaem sessao d.' sua junta havida em
H Je agosto doferio o supplicante. Esse defer-
D n lo importa restituir-se lhe a importancia de.
2 )'">'0O, que pagou na collecloria de>Palmares
peio dote que allega ter constituido sua (posa.
n Sacal da collecloria informou nos termos que V.
K C. ver dos papis juntos, e com sua inforina-
co iiitconformei, assignando vencido na decisao
da unta que importa, quanto a mim, prejuizo
renda, oda anal recorr para V. Exc. nos ler-
m>s4o art. 7 do regulamento do 21 de julho
de 1868
\ le do orcamento provincial n. 99i, dispoc o
segujnte, art. 16 iO, sello do berancas e legados
le por rento sobre doa'.o de qualquer especie,
eteeptnadas as inferiores de 20IU000, e as que
orinfeitas para emaneipacao dos escravos. Essa
dispo-ieo rejietida do outras anteriores pelo
DMsmo theor desdo a do n. at hojo. Para per-
feamente precisar o sentido dessa dispftsicio e se
nelta eomprobendiam-se os dotes que excluindo a
communhao, visto o cara- ter de pactos ante-nup-
ciaes que tenham tacs contratos, exeluiam a pura
lirdade, que era a eondicio interbutal, ped no
mea relatorio de 1870, que se flrmasse a nter-
pr^laco da le, visto como no rigor da lettra da
le, e no lato da palavra doacao se comprehen-
rtia o dote que nio era- ndianlamento de legitima,
IVito por prenles fra do segundo grao e eslra-
nho aonde era o esposo, sendo esta a especie do
genero de que tratava a mesma le as palavras
doacoes de qualquer especie, Continuando,
\i-iii, as leis posteriores a usar das inesmas ex-
pcesses, visto te-la approvada, e portante que
a ntenfAo do legislador era comprehender o dote
como especie do genero doacao. Dura lex Md lex,
e nao licite distinguir aonde a lei nao dis-
tingw.
lio rae proponho a contestar qa^ jure consti-
/tiMife o doto substitutivo de roinmunhao, direito
restricto em lugar do lato, dev"asonYer est impo-
siao, uao direi que a excep;ao se a houvesse dei-
xasse do ser fundada pon natureza do pacto e do
accordo com os principios de direito, visto que o
pacto exclue a liberdade e pelo mas que j pon-
lerei, uuis nao tendo sido ella feita nao licito fa-
zo-la, sen o obedecer aos terotos positivos da lei.
Sendo esse imposto cobravol no municipio da cor-
to, sob a denominaran do doacoes nter vicos a pa-
gavel como diz Perdigao Malhoiro, em seu sup-
plemento do.Manual dos Foitos 342 pelo acqui-
rente ou beneficiado, a semelhanca dos legados
Arg. da lei de .'!() de novoinbro de 1811, decreto n.
'i,:t.'-> do ISIl rt. 8", dudaron o aviso do 30 de
outubro e de i* de novembro de 1889, que elle de-
vi ser pago antes da eserptiira, transcrevendo-se
nesta o conheciincnto, o do mesmo modo esl or-
denado quanto a sua arrecadacao nesta pro in-
ca, do que resulta tambein all "nao haver excep-
cao alguma.
tuinpro-ine anda ponderar que aqu nao ha
propriainente dote, visto como, a clausula rever-
siva do linal da eseriptura lhe tira osso carcter
para firmar a doacao propriainente dita. E por
ultimo advirto que o imposto loi voluntariamente
pago polo supplicante so.a reclamaeao nein protes-
to alguiii, o que em tal caso nao pcrinitlido a
restitnico dolle, sean nos mesnios casos em que
se roslitiio o de siza pela forma preceituada nq
decreto de 19 de abril do 1869, art... *... que
simples compilacio de logislacao autiga em
vigor para a fazonda provincial.
Entendo por isto que o tabellio procedou regu-
larmente, Cobrando o imposto no acto da eserip-
tura, que a lei expressa e nao adiuitte disane-
cio, o que portento nao ha lugar restituicao po-
dida. Estando assm a decisao da junta nos ter-
mos do art. 7" do regulamento citado, recorro pelo
presente a V. Exc, para que decida afina) como
lhe parecer justo Conforme. O ajudante do pro-
curador fiscal, Peniambuco Filho.
Nos embargos de fl. 10 allegan) os embargantes
Affonso da Cruz Muniz e sua mul'ner D. Benigna
Marques Muniz, nao doverom fazenda provincial
a quantia que esta exige de 1:300*000, importan-
cia do imposto da doagao que, om 31 do janero
de 1838, fez o embargante a sua niulher, no valor
de 13:000*000, como tudo consta do documento
exhibido pola ombargada a fl. 3.
Fuudam-se os embargantes : 1* em que o con-
trato, quo celebraram entro si antes d seu casa;
monto, nao doacao; 2* em que se doacao esl
milla, porque nao foi insinuada, como determina a
lei ; 3* em que nao pudendo realsar-se se nao de^
pos da inerte do doador, s > nesso teinpo poder
ser cubado o imposto ora exigido. Por parte da
fazenda provindial sustenta o seu procurador a
improcedencia dos embargos: 1* porque o dote
loito pelo embargante doacao para o efloito da lei,
e esta comprohendido na disposicao que estabelece
o imposto sobre as doacoes ; 2' porque, naos<)pdo,
ne:n pudendo sor esse doto canta mortit, para a
doadora passavam desdo logo o dominio o pjsse
dos respectivos bens, e esto o ofleito jurdico do
dote ; 3" porque a nullidade |X>r falta de insina-
'><>. nao pode ser allegada, para o efteitojde sen-
tar do pagamento do imposto se nao depois que
hoorer sentenca em aeeao propria paseada ou jul
gado.
Gi.nliyiadas as razoes pro e contra, vo-se que
os embargos nao procedein : 1* porque" da pro-
pria eseriptura dotal de fl. 11, consta que o doto de
que se trata urna verdadeira doacao nter vicos
cujos principaos effeitos jurdicos sao : a trans-
missao do dominio dotada, c a rrovocabilidade
do acto, Cocino da Hocha $ 731, effeitos que es-
tao bem expressos naquella eseriptura, ondate
se encontrara mitras disposeoes para o lempo
da marte; 2* porque em virtuae do eiioito da Ir-
rovoeabilidado, o dote subsiste valido entro as
partes contratantes emquanto nao autiullado pe-
les meios lgaos ; 3* porque as laxas, direitos e
impostosiiscaes sao devidos desde a celebraco dos
contratos sobro que ell-.'s recahein, sejain ou nao
validos, porque nao da competencia dosempre-
Sados Gsaes COnhecer da validado ou nullidade
o taes contratos e dos respectivos ttulos, ord. de
30 de ju bo do 18tJ8 ; i- porque essa nullidade s
pode ser altendida, para o elfeto de eximir da
obrgaco o contribuinte, quando decretada por
sentenca passada ou julgado em juizo contradie-
lorio, e em aer o regular, ord. de 8 de novembro
de 1838 e de 29 de agosto de 1833, nein mesmo
pode produzir esse elleito a sentenca sobre em-
bargos, ord. de 29 do deiembro de 1813. Por-
tante, nao leudo OS embargantes allegado e pro-
vado materia que os sent da responsabilidade
exigida, condeinno-os na quantia pedida e as
costas. Recife, 7 de feverciro do 1872.Joaquim
Goucalves Lima.
Acrordo om rclaeo, ele, Que confiriiiam a
sentenca appeilada por seus [undamenlos prov|
dos autos o paguem os appellantes as costas. Re-
cite, 10 de (Miembro de 1872.Santiago, presi-
dente.S. Santiago. Almeida e Albuquerqne
Doria.
Eis o theor da sentenca c accordao nos autos
do appellacSo de Affonso da Cruz Muniz e sua
niulher, e appeilada a fazonda provincial.Reci-
fe, 2) do dozembro deJI872.Subscrevoe assigno,
Luiz Augusto Cof-lho Cintra. .
Companliia dos trilitos urbanos do Recifea Oliu-
da.Rerife, 3 de fevereiro de 1873. Illm. Sr.
Cominunico a V. S. que, em conseqnencia de se
(lar um desencarrilhamento hoje no trera que saldo
as 3 horas da inanh da estacan da Aurora, deixou
de sabir o tren) das 6 horas, e por sso foi suppri-
mida a viagem dessa hora. Ainda essa vez raoli-
vou esse accidente encontrar-se a agulha do desvio
da ostaco da ra do Principe, onde se deu o acci-
dente, co com o calco arrancado e collocado in-
tencionalmente ao lado opposto. Empregarei todos
os racios a ver se descubro o autor do tamaita mal-
vadeza.Deus go-rde a V. S.Illm. Sr. Dr, Folip-
|ie de Figuciroa Karia, dignissimo engenheiro fiscal
ila estrada de forro de Olinda e BelMarbe.-O ge.
rente interino, laurentino Jos de Miranda.
t. 7.Estrada de ferro do Recite a Olinda o Rebe-
ribe.Escriptorio fiscal, 2 de fevereiro de 1873.
11 m. e Exra. Sr.Em cumprimento do disposto na i'
parte do artigo 60 da regulamento de 11 de outu-
bro de 1872, vonho informar a V. Exc. acerca
de mais um triste c por ventura terrvel accidente,
havido nesta estrada de ferro, liontcm por volta das
8 horas da noute.
Suba para Ohuda o trem que do Recito parte as
7 1/2 horas da noute, quando, ao entrar no cru-
zamento de trlhos existente no lugar donoininado
< Encruzilhada de Uelem >, a machina n. 5 que
rebocava esso trem desencarrlhou, e, impellida
pela velocidade adquirida e constrangida pi'la re-
sistencia sem duvida de algum corpo eslranho pos-
to sobre os trlhos, deu un quaro de volta, e vi-
rando a frente para tiste, reeebeu de lado o impul-
so dos carros que arrastava, cuja presso nessa
falsa posirao o.brigou-a a cahir sobre o seu lado es-
querdo, ficando com as auatro rodas suspensas,
c inteiraraonte atravessada na estrada, de forma a
impelir o transito, nao so pela linha principal e
pelo respectivo desvio, mas tambera pelo ramal de
Beberibe.
Em sua queda essa machina arrastou um carro
de passageiros de l1 elasse, que a ella se achava
immediatamente ligado, e que, levantado pelo gato
e por um dos para choques posteriores do motor,
cahio tanibem sobre o lado esquerdo, mas com
tamanha desventura que pelas suas janellas
penetraram os toros de coqueiro que no lugar for-
mavam a cerra de um sitio.
Nenhum dos outros carros do trem soffreu
cousa alguma, e apenas os seus passageiros. que
eram rauitos, experimentarain um grande choque
e o consequente susto.
O carr de 2.* elasse, de que acuna falle, ficou
bstente estragado, e da machina n. 3 apenas par
trani-se os tirantes ou forquilhas de uraa das
molas de susiwnso, e raachucou-se o envoltorio
exterior do cylindro esquordo do propulsao.
U machinista e o foguista, nao obstante o cho-
que e a queda da locomotiva, nada sofreram; o
que a meu ver, constitue um verdadeiro milagro;
e dos passageiros do carro em questao, era nume-
ro de cerca de 40, apenas ficaram 3 feridos e um
bastante contuso ; o (rae ainJa revela a intervert-
co da Providencia Divina nusse desastre, quo
pelas suas cireumstancias, podia ter'produzdo as
mais fataes consequeucas.
Dos foridos, cujos iioines nao pudo colher, nein
to pouco saber das re-idencas, um reeebeu um
pequeo taino a fronte, o outro um talho no joc-
hi, e finalmente o tereciro alguus arrauhoos na
pello das faces, segundo rao inforraaram os direc-
tores da companhia, Dr. Estevo Cavaleante do
Albuquorque e inajor Laurontino Jos de Miranda,
que lizeram essa uarraco a diversas pessoas.
O coutuso foi o cidad'io Joao Francisco Regs da
Luz, ni Mador no lugar Campo Grande, o qual,
indo a saltar do carro no momento era que este
canta, llcou comprimido entro o dito carro e un
dos toros de coqueiro que inencionei, rocebendo
assim uraa grande pressao sobro a caixa tieraxica
e braco esquerdo, que por esso mesan facto lca-
ratn contundidos c extremamente doridos.
Fui hoje casa desse individuo no Campo Gran-
de, e ouvi-lhe a narracAo do que levo dito ; e bem
assim inforinei-rae do scu estado, que nao inspira
cuidados, segundo me declarou o Dr. Estevo, que
o est tratando cora a sua assistencia medica.
O accidente, como cima disse, leve lugar por
volta das 8 horas da noute, mas somonte tive no-
ticia delle s 10 horas e meia, em que me foram
prevenir por parte da companhia. Imraediala-
raente dirigi-me ostaco da ra da Aurora,
e alii chegando, e depois de esperar cerca do 3
quartos de hora pelo ultimo trem de passageiros,
segu para a Encruzilhada, indo em minha com-
panhia o Dr. Estevo
Nesse lugar encontrei o major Lauroutino, ge-
rente interino daempreza, e grande numero de tra-
bajadores com os precisos apparclhos e utensilios
e bem assim achei a machina e o carro as posi-
roes j descriptas. Pozerao-nos todos em actividad*,
e logo que foi reposto o carro sobre os trlhos, vol-
teraos as attencos para a machina, cuja reposico
na linha era mais diftlcl.
Conservei-me na Encruzilliada at 3 e racia
hora> da manh, e quando de l voltei deixei a
machina reposta sobre as rodas e quas em posi-
co de entrar nos trilnos, como enectivamente
acontecen, cerca de meia hora depois.
A's 4 e meia horas da inanha eslava a linha
inteiramente livre, desimpedida e reparada, de
forma que o servico dos treus foi restabelecido
completamentejiassandoseni nenhum estrave todos
os trens de boje, desde o de 5 horas, que o pri-
meiro da tabella.
Tendo ticado a machina como disse, atravessa-
da na estrada, iraposstvet bi uue por alU tnmtie
lassem os trens, asim como f impossivel guar-1
dar a regularidade do servico dos mesraos trens.
Entretanto nao ficou interrumpido o trafego de
passageiros, que foi feito siuraltanea e convenieu-
lemente por tres trens entre a Encruzilhada e os
extremo* da linha e do ramal, at que ficou des-
impedida a linha, como cima declarei.
Examiue com todo o cuidado, nao s hontem,
como hoje, polas 11 horas do dia, o lugar do ac-
cidente, o loito da va forrea, c iuterroguei o viga
enearrogado Mas agulbas da Encruzilhada, vanos
ompregados da Companhia e outras pessoas que
all encontrei ; e em resultado daquelle examo e
das infonnacoes que colli, coiifirmadas depois
pelo contuso Joo Francisco Regs da Luz, ge-
rou-so-me a conycco de que nenliunia culpa
cabe, nem ao machinista o foguista, nein ao rele-
rido vigia.
Se o desencarrilhamento, como se me disse a
principio, se tivesse dado por culpa de uraa falsa
manobra das agulhas ou porque alguma destas,.
estivesso mal fechada e detoruiiiiasse o choque
las rodas da machina contra urna de suas pontn,
sem duvida oslara machucada ou pelo menos pr-
ranhada. Nada disso, porm, observe! as agu-
lhas, e pelo contraro s encontrei vestigiosfcla-
ros dos rebordos das rodas na ponta de acC- do
cruzamente das liuhas (pointe de rourj, muito ci-
ma da agulha, presumida motora do accidente.
Estes vestigios, juntos violencia do accidente,
patente pelos seus resultados inateriaes e combi-
nados com as informaoocs que rae deraui alguns
passageiros, entre os quaes o major Cintra, no
sentido de que bou ve forte resalto ua machina
e era todo o trem, e o consequente choque, foram
que me geraram a ronvicrao de que algum corpo
estranho e duro, tal como ferro, pedra ou madei-
ra, loi posto por algum malvado no referido cru-
zaniento de linhas entre a ponta de ac (pointe de
cour) e os ps de cabra (pattes de livre) que guar-
necem ntornamente os trilitos nos cruzameutos
da linha.
A noite era escura, o lugar ermo, e o viga,
achando-se na agulha inferior, quera do lugar
do accidente, nao pJe ver o autor, se que o
houve, como creio, desse crime.
O machinista, por seu lado, nao podo distinguir
o corpo cstramio posto na linha, e consequente-
mente nenhuma culpa teve no accidente.
Alm disso releva ponderar que lauto elle como
o vigia referido sao empregados amigos, e dos me-
mores da empreza, que sempre se distinguan!
pelo seu zelo, segundo me inforraaram, nao svis
directores cima monc~/nados, como algumas pes-
soas que os conhecem, como por oxeraplo um Sr.
Fabio, morador na Encruzilhada.
Era conclusao, repito que, a meu vr, houve
um culpado, um autor do accidente ; quera elle
foi, porm, eis o que rae impossivel dzer, e
creio mesmo que ser impossivel a polica desco-
bri-lo, attontas as condicoes em que se deu o cri-
me, como tenho referido.
Se, entretanto, das novas pesquizas a que vea
proceder, resultar alguma luz que aclare esse
mysteno, dar-rae-hei pressa em lever ao conheci-
inento do V. Exc, ahra de que V. Exc. se digne
ordenar o que raelhor parecer .ao seu Ilustrado
espirito. Deus guarde a V. ExcIllm. e Exra.
Sr. commendador Henriquc Pereira de Lucena,
dignissimo presidente da provincia.Felippe de
Figueira Furia, engenheiro fiscal.
N. 8.Estrada de ferro do Recife Olinda e
Beberibe. -Escriptorio fiscal, 3 de fevereiro de
1873.Illm, e Exm. Sr.Tenho a honra do re-
metter a V. Exc p incluso oflkio em original do
Sr. gerente interino desta estrada de ferro, no qual
me dado ennhecimente de um desencarrilha-
mento havido hoje, pouco depois das 5 horas da
manh, no trem que do Recife parte para Olinda
cssa hora, provindo elle de mais um acto de mal-
vadez praticado por ignota mo.
E' realmente lamentavel, e eu deploro de todo
coracao, que u'uma torra que quer ter foros de
civilisada, se esteja a praticar taes crimes, sem
ao menos deixarera enxarcias para a punco.
Pelo menos a mira escapa o meio de fiuer eflec-
tiva qualquer pena, visto como nao sei como hei
de procurar o delquente.
O desencarrilhamento em questao, graoas ao
co, nenhum outro mal produzio, alm da suppres-
sao do trem das 6 horas ; mas isto para ama
via-ferrea nao pouco. Dens guarde a V. Exc
Illm. e Exra. Sr. commendador Henriqno Pe-
reira de Luc.oiia, dignissimo presidente da pro-
vincia -Felippe le Figueira Faria. engenheiro
fiscal.
Qll**T
i omiimmlo iIhm urinas.
TKL GENERAL DO COXXAIK) HAS ARMAS
TERI.NO DE PER.NAMBCO, (> DE FEVEREIRO
1873.
Orden d*i dia n. 6W.
ObrigadeirocoiiHiiandiiite das armas interino,
no intuito de acautelar oceurroncias desagrada-
veis por ter no da 4 do corrento achado armado
com um caivete de mola o soldado seu ordenan-
ca da companhia do cavalUria Manuel Joaquim
do Nascimento, que o fez prender correcional-
inente, determina aos Srs. coramaudantes de
conos e companhias soladas, quo tenham a
raaior vigilancia para quo os seus subordinados
nao andera armados com facas de ponta, punhaes,
caivetes de mola, e outros instrumentos perfu-
rantes o contantes. Neste sentido Ibes passar
em occasioes incerlas, inclusive aos presos, o farao
proceder a conselho peroraptoro e castigar seve-
ramente toda aquella praca, que fr encontrada
cora armas defezas, dando iminediatamente parto
ao quartel general.
O estado paga e arma o soldado para defender o
Baz, para raanter a ordera e a tranquillidade pit-
uca, para vellar na sogiuanoa pessoid.
E' cora o armamento que se lhe fornece, que
deve comparecer nos actos do servico, e nao com
aquelle de que so serve o sicario para accominetter
o seu semelhante e tirar-lhe a existencia.
A raisso do soldado proficua o nebro, ao pas-
so que a do sicario sobre ser repugnante e infamo,
attentatoria da dgnidade do hoinem c da socie-
dade.
O mesmo brgadoro determina igualmente, que
a presente ordera soja lda as companhias nina
vez por semana, para que a sua disposicao cale no
espirito de todos.
(Assgnado) Jo<7o Gmlherme de Bruce.
Conforme. -Jos Ignacio Ribeteo Romt, tenente
ajudante de ordens interino encarregado do de-
lalbe.
H.-parlino d polica.
J.' seceo.Secrexar* da policia de Pernambuco,
4 de Ibjrereiro de 1873.
N. 277. Illm. e Exm. Sr. Levo ao eonheci-
raento do V. Exc que, segundo consta das partici-
paeocs rocebidas hoje nesta repartico, foram hiin-
tem recolhidos casa de detcncao os seguntes in-
dividuos :
A' ordera do subdelegado do Hecife, Mana Ig-
naca de Jess Costa e Maria Felippa da Concoi-
cao, por olfonsas moral publica.
A' ordem do de Santo Antonio, Candida, es-
crava de Manoel Joaqnini Pereira Jnior, a re-
querimento deste.
A'ordera.do de S. Jos, Manoel Braz Odonco
Pestaa, como alienado.
A' ordem do do Peres, Rita Francisca da Con-
ceico e Joaquina Maria da Conceiro, per olfonsas
moral publica. ,
-JSni data de !5 de Janeiro ultimo, eommunicon-
e o delegado de Paneilas, que no da i fra cap-
turada no 3. districto de Quipap, daquelle termo.
Mara Roza, all pronunciada como incursa as pe-
nas do art. 20,3 do cdigo criminal.
Por officio de t) do dito raez de janero, parti-
cppu-nie o delegado do Ex, quo pelas 3 horas da
tari.o do dia 13, no sitio Pedra barrada, daquelle
torino, seis leguas distante da villa. -Jos Manuel
Foifeira Lima, estando no servico de um acude
em. frente sua residencia, os individuos de nonios
Antonio Barboza Viviano, Rayinundo de tal, Flix
Pereira e um outro desconhecdo. moradores no
sitio Ba.cios, do mes IM termo, e dizendo-lhes jjuc se
rctirassem d'alli,' pois que aquello lugar nao ora
de cacadas, teve em resposta bastantes imprope-
rios, era eonsequencia do quo, o repellindo Ferreira
Lima somolhaui's insultos, os referidos individuos
desfeicbaram-lhe quatro tiros, dos quaes Lima es-
capou milagrosamente, evadndo-se os delinquen-
tes ; que sovek) a ter sciencia deste tacto por
queixa verbal doolfenddo, e a tal rospoto lratfta
de proceder nos termos da loi.
Nesta date ivcomineiulei a aquello delegado que
quanto antes procedesse ao respectivo inquerite
policial, e o reraettesse ao respectivo Dr. juz muni-
cipal, communcando-nie logo dita remessa.
Segundo communicouyiie o delegado do Rom
Conselho, por officio de 29 do snpradito mee de
Janeiro, pelas G horas da manha Jdo dia 27. no lu-
gar Taquary do mesmo termo, Luiz, escravo do ea-
DtUtO Podro Theotonio do S Cavaleante assass-
nou com um golpe de fouce a urna sua pareeira
de neme Helena, logrando evadir-so, nao obstante
as diligencias empregadas para captura-la; proce-
deu-se ao competente inquerto.o qual foi logo re-
mettdo ao respectivo Dr. juiz municipal.
O delegado de Iguarass. porticipou-me ainda
por offieio datado tambera de 26 de Janeiro ultimo,
que pelo subdelegado do districto de Itapssuma
fra j remettido ao do districto de Tracunhaem,
do termo de Nazareth, o corp > de dolido a uue
proceder na pessoa de Joaquim Bezerra de Mello.
de quem Iratei om minha parte diaria sob n. 87. de
13 de Janeiro ultimo.
Era data do 26 tambera do mez de Janeiro, com-
muncou-se o delegapo de Iguarass quo, segundo
lhe participara o subdelegado do districto de Ita-
pssuina, daquelle termo, no dia 22, em tenas do
engonho Mussupnho do referido districto, Manuel
Felippe Santiago, all morador, depois de espancar
o ferr com urna faca de |ionta sua propria mu 'er
desfeichou nesta um tiro de espingarda.do qual llcou
felizmente illesa; em conseipiencia do que e re-
celando a offondida ser infallivolmenle victima de
seu marido, pelo estado de desespero"em que este se
ada va, sahio de casa em procura de soccorro o
delnqueme contrariado por nao haver comple-
tado o seu perverso intento, carregou de novo a
espfhgar Ja e dirgio-se casa do inspector de quar-
teiro do lugar, e ah chegando, depois de insultar
ao mesmo inspector, tentou doscarrogar contra es-
te a espingarda, o que felizmente nao pode con-
seguir por haver sido nessa occasio desarmado e
preso pelo aggredido. Em consequoneia de seme-
lhante facto procededeu-se ao respectivo inquerlo
policial, o qual foi logo remettido ao juiz compe-
tente.
Com officio desta data, o delegad. do Cabo re-
metteu a esta repatcao 4 armas dofeas, por
elle apprehandidas no districto de sua jurisdicfto.
Por offlco tainbem deste data couiiiiunicou-rae
e subdelegado dTAfogados, que hontem, pelas 7
horas da tarde, chegando ao seu conucciinento que
acabava de dar-se um assassinato junto ao Moto-
colomb, naquclle districto, se dirigi inmediata-
mente ao lugar, e alli chegando, encontrara inorto o
menor Joo Secundino de Almeida, filho de Joo
Anastacio de Almeida e prximo ao morto urna da-
vina descarregada ; que das indagai-es a que
proceder sobre o facto verificara que o autor fra
o menor Joo Luiz eponioceuo, filho do Jos Ra-
mos Chaves, nao podendo, porem. precisar se
o facto fora .resultado do un crime ou casual em
consequenda da muita amsade que existia entre
ambos, sendo que havia poucos momentos tinhaui
sido visto juntos, de volta de urna cacada; que Joo
-Luiz, apenas se deu semelhante acontecimento, poz-
st em fuga ; que a tal respeito tratara de fazer o
competente inquerito policial afim de remette-lo ao
respectivo Dr. juiz de direito; e logo que effectuasse
a remesa me desse sciencia. Finalmente.cumper de-
clarar a V. Exc. que o espancamento praticado por
Feliciano Diniz, de que tralei era miaba parte dia-
ria de hontem, foi feito na pessoa do proto Benja-
inin, escravo de Sabino Odlon Rodrigues Sette e
nao ua icssoa deste. como por engao de redac'.o
foi mencionado n mesma parto.
Deus guardo a V. Exc-Um. e Exm. Sr. com-
mendador Ilennque Pereira de Lucena. dignissi-
mo presidente deste provincia. Ochefo de policia,
Luiz Correia de Queiroz Barros.
--------------------X-----------------------------
na do 109:229^616, cifra realmem> significativa,
da importancia deste ramo oufoote da aossa ren-
da, o ao mesmo tem|io indicadora A progressV>
da respectiva cultura.
(juanto ao algodo, tem produzid a quantia
de 10:4714273, denuncia esmorec meato na pro
duccao; o que para sentirse, visto ser a entra
fonte valiosa da receita provincial, que oeste par-
te devo resentirse de taes eletos no rorrente an-
uo linanceii
DIARIO DE PERNAMBUCO IZy*v*$ t --y0* nn** uoxe 0
RECIFE, 7 DE FEVEREIRO DE 1873.
Vttirin* lo norte lo imperio.
Ainanheceu hontem era noeso porto o va|xir bra-
iloro Pirapnmi, trazendo datas : do Cear ti de
Janeiro, do Rio-Grande 4 o da Parahyba 5do coi-
rento.
ckviu.
Foram Romeados pela presidencia da provin-
cia : director geral interino da instrun-o publica,
o Rvra. Dr. Justino Doininguos da Silva ; bibliolhe-
cario publico, o Dr. Hoivulano de Arante Salles.
* Foram sanecionadas e publicadas as segura
les leis da assombla provincial: n. 1487 de 14 do
dozembro ultimo, approvando o contrato feito com
Cicero de Puntes e Manuel do Nascimento [inha-
les para a construeco do una via-fein-a econ-
mica entre o Acaracu o o Ip ; e n. 1488 de 16 de
dozembro, approvando o contrato celebrado com
Joo Brigido dos Santos, Dr. Antonio Manoel do
Meileiros e Alfredo Arena, para a collocaco de
trlhos urbanos as ras da cidade do Aracaly.
Falleceram : na capital, o antgo coraraer-
cianto Joaquim Berlm ; e em Hatnrit, o pharma-
coutico Joaquim Rodrigues Pinto.
A alandega da Fortaleza rendeu no anno de
1872 o segrate :
Janeiro 209:227702
Fevereiro 12'i:37!iaf>7
Marco !00:18U48
Abril i38:3M*480
Maio 132:138*843
Junho 146:378*982
Julho 132:652*991
Agosto 246:418*386
Setembro 186:113*270
Outubro 224:301*833
Novembro 248:073*639
Dezembro iM4:714*i7i
2,073:286*461
RIO OIU.NOK.
Nada occorreu, que mereca ineneo.
l'AKMIIIIV.
Lomos no Jornal:
t A administraco do correio desta provincia
durante o mez lindo reeebeu :
Papis do servico publico 308
Carlas 825
Auto 1
Jomaos 1,023
Ohjectos registrados cora valor declarados 11
dem sem valor 71
2,241
Exportou:
Papis do servico publico 493
Cartas 786
Jomaos 889
Objoctos regislrados com valor declaradas 27
dem sem valor 7d
2.273
Durante o auno findo reeebeu :
Papis do servico publico 3.430
Cartas II.6J7
Autos 6
Enconunendas 4
Livros o outros impross s 120
Jomaos 28,766
Ojelos registrados com valor declarados 109
dem sem valor 1,357
45,399
Exportou :
Papis do servico publico C.609
Cartas 10,071
Aillos 2
Encoramendas 3
Livras'e outros niprosso; 170
Jornoes 20,074
Objecjos registrados com valor declarados 22
dem sem valor 1,473
39.246
t'EENAMBUCO,
! Oliveira Filhos & C.
Monteiro Jnior & Fernandes M
Monteirn, Gregorio & C. 2:000*00(1
Jos da Silva Loyo 4 Filho- 1:729*260
Barros, Mondes & C. 1:685*470
Pereira da i unha 4 Irmos l:566*00ii
Joaquim Jos Goncalves Beltrao 4
Fdho. 200*000
S;ini Amaro il:*s SitliMos.Domin-
go (9) celobra-se, na capella dessa denominadlo, a
testa do Santo Amaro, rom bxlo o brilhantismo e
magnificencia, occupujtdo a tribuna sagrada an
Evangelho o Rvra. Fre Joo de Santa Thereza, e
entoando ura dos solos do Gloria a Exraa. Sra. D.
Amelia Baptista.
A' tarde ser basteado o estandarte de Nossa
Souhora das Angustias, coraecando a noite oeete-
nario respectivo.
oll da junta administrativa da Santa Cas i de- Miseri-
cordia do Recife, datada de hontem, foi exunerado.
seu pe lid.i. do enlenueiro e ajudante do peda-
gogo do collegio dos orphos, ttellcroplionte Can-
dido do Castro Chaves, e foi noraeado para o subs-
tituir Agostinho Soares de Santa Clara.
Jury ili lti>i-ir<-.')ei\oii hontera de funce
donar |>or s toreui comparecido trinta e ura juizes
de facto.
Frr^urzia los .\rii^nlo.s.H.(, ,U 7
horas da noite, ser basteado o estandarte de Nos-
sa Senhora da Paz, cora toda a solemnidade, co-
mecando era sequida as respectivas novenas, na-
quaes sern cntoados versos por diversas sonhoras.
que obsequiosa e devotamente se prestem sso.
Cidade de Olinda.Achando-se conclui-
das internamente as obras da capella de Nossa Se-
nhora do Bom-Siiccesso, na ra desse nome,
na cidade de Olinda, os encarregados da mesma
capella resolvern) celebrar domingo (9) a festa
da padroeiri, cora aquello esplendor e magnificen-
cia do costume.
No sabbado larde ser trasladada, em solemne
procissio, a iraageni de Nossa Souhora do Bom-
Successo, da igroja do Amparo para a capella res-
pectiva, |edindo os encarregados o o>|>erando que
as diversas contrarias e rmandades mandem nes-
sa occasio repisar os sinos de suas igrojas.
Coiteerlo.Reallsa-se hoje noite, ao gran-
de salo do palacete do pequeo seminrio na ei-
dado de Olinda. o concert vocal e instrnnental
dado pelo Sr Giovanni Scolari, era seu beneficio,
cora o uxilio dos artistas Sras; Magdalena Bruc-
cioni, Adle Poppe e Carolina ngel, e Srs. J. Pop-
pe, Jansen. Martins Vianna, Mondonca e I,uizGon-
zaga.
0 prograumia do concert o segrate
l.1 parte.
. Variarnos para ophicleide de Gasp r Kum-
mer, maestro allemo, executadas pelo Sr. Jan-
sen.
t Cavatina da opara Enxtni (VerJil, cuitad i
pelo Sr. (iiovanui Scolari. ___,"--------'
Romance canta lo pcl^^nr"Adele Poppe.
Variaees para clapftietta, sobre motivos
lelo Sr.
di
Martiiu-
opera Snffo (l'acuiii. executadas
vianna.
Cavatina da opera Mactetk (Verdi), canuda
pela Sra. Brucioni,
Romance da opera D. Carlos t Verdi i, canladi
pelo Sr. Giovanni Scolari.
Variaeocs para saxfono, sobre motivos da
opera Trovador (Verdi),executadas pelo Sr. Mar-
tins Vianna.
i.' parte.
(Gounoud), SUtlda
cantada
REVISTA DIARIA.
Titivsoiiraria provint-ial.-Por porta-
ra da presidencia da provincia, de 5 do eorrente,
foram nonwados para a thesouraria provincial:
segundo escriplurarioro lercero Pedro Alexandr-
no Machado ; tercairos ditos, o praticante Angelo
de Fojos Correa Ce'are Antonio Ignacio de Torres
Uandera; praticante, Pedro Francisco de Paula
Baptista.
i i ma persiste.Hontem pelas 4 horas
da tarde foi pelo respectivo vigario intimada ir-
mandade da matriz do SS. Sacramento de S. Jos
a interdicta') que por ordera de S. Exc. Rvm. lhe
fora agora intimada.
Captura.Pela subdelegada do 3." districto
de Quipap foi presa Maria Rosa, alli pronunciada
as penas do arl. 205 do cdigo criminal.
Tiros. -No dia 19 do paseado, pelas 3 horas
da tarde, estando cacando os individuos Antonio
Barbosa Viviano, Itaymundo de tal, Flix Pereira,
e um outro desconhecido, moradores no sitio Bal*
xiot, do termo do Ex. foram advertidos por Jos
Manoel Ferreira Lima, que trabalhavanum acude,
defronte de sua casa, de que nao era aquello lugar
proprio cacada ; declaradlo que irritou quelles
individuos, a ponto de lhe desfecharem quatro ti-
ros, dos quaes livrou-se felizmente.
Assassinato. -No !uar Taquary, do termo
do Rom Conselho, no dia 27 de Janeiro, Luiz, escra-
vo de Pedro Theriorio de S Cavaleante, assassinou
agolpes de fouce sua pareeira Helena, pondo-sc
em seguida em fuga.
Outro ussassinato. As 7 horas da nou-
te de 5 do correnle, no lugar Motocoloinb, da fre-
guezia dos Af igados, o menor Joo Luiz Ncpomu-
ceno, lilho de Jos Ramos Chaves, assassinou cin
um liro de davina ao menor Joo Secundino de
Almeida, filho de Joo Anastacio de Almeida, nao
se podendo verificar se fra o resultado de um
crime ou casual, em eonsequencia de existir mui-
ta amizade reciproca entre os dous menores, tendo
sido vistes juntos a brincar poucos momentos an-
tes do assassinato.
Turbulento. -Era trras do engenho MtftH
pinho, do districto de Itapisuma, no dia 22 de ja
neiro, Manoel Felippe Santiago, depois de espancar
e forir cora urna faca de ponta sua propria mu
lher desfechou nesta um tiro de espingarda, quo
ellaT>ode evitar, pondo-se era- fuga. Vendo elle
baldados es seus intentos, dirigio-se casa do ins
pector de quarleiro da localidade, e tentou contra
elle doscarrogar urna espingarda, o que felizmente
nao couseguio, por ter sido deasrmado.
Itenila provineial.-Xo mez de Janeiro
ultimo, na arrecaVao dos impostes provinciaes,
effectuada pelo consulado provincial, a verba dos, beneficio da igrejn de Nossa Senhora a* lieana
direitos sobre o assucar exportado produzio a som- de Santo Amaro, que oorroao a U.



t Serenada da opera Faust
pelo Sr. Giovanni Scolari.
Cavatina da opera Ernini iVci'dil,
pela Sra. Magdalena Brucioni.
Cavatina da opera inna Bofena (Donzelli),
para ophicleide do maestro Camus, execulada pe-
io Sr. Jansen.
Cavatina da opera Julieta Romen, cantada,
pela Sra. Carolina ngel, que gentilmente se
presta.
Do da opera Marino F'i///>nnl)ouzzetti), exe-
cutado pela Sra. Magdalena Brucioni e o Sr. Gio-
vanni Scolari.
Romance cantado pola Sra. Adele Poppe.
t Tercotto de ophicleide. intitulado a Restaura-
ro ile Pernambuco, do maestro Pedro Baptista.
exeeulado pelos Srs. Jansen, Mondonca e LuU
Conzaga.
E sem duvida digno de aproco esse concert,
especialmente pelos lindos trechos musicaes qu
ah sern e vomitados, e petos artistas ipie nelle to-
iiiain parto.
Aquellas pessoas que di'M-jarein assistir es;
testa, devora procurar bilhetes na porta do edifi-
cio, os quaes eustam apenas 2*ooo.
Logo que terminar o ospeclaculo, haver tretu
para o Recife.
Caxang.Realisa-se no domingo (9); n.
povoacao deCaxang, a festa do respectivo pa-
padroeiro S. Francisco de Paula, com todo o es-
plendor do costume. oceupando a tribuna sagrada
tanto ao Evangelho como ao Te-Deum o Rvm. pa-
dre (ama. e queimaiido-se um lindofogode anui-
do na noite de segunda-feira.
Arsenal le guerra de Pernatnbu-
co-Acerca deste cstabeledmento diz o relatorio
do ministerio da guerra:
Assim como o arsenal da provincia do Para.
tamben) o edificio ora quo funeciona o do Pernain
buco nao fe n as proporcoes necessarias ao seu
desenvolvimento. Coavena desde j remover se
melhantc inconveiiionle, se a isto nao se oppuzes
sem as inesmas razoes que actuam era relac.
aos domis arsenaes que a respeito de accomme-
dacoes esto as inesmas comhcoes deste. Toda -
va o governo ir pouco a pouco attendendo, den
tro da verba que fr decretada, aoi melhoramen
tos mais urgentes.
Nao se adiando bem alojada a companhia de
aprendizes menores deste arsenal, nao so por fal-
la de espaco, como tambera pela insalubridade do
respectivo quartel, que, pouco arejado e hmido.
prejudial sade dos menores, o governo auto-
risou por aviso de 19 de novembro ultimo, pre-
sidencia da provincia a mandar organisar o piano
e orcamento dos augmentos que convenha fazer-
se no edificio do arsenal, de modo que propercio
ne melhores e mais ampias accominodacdea aos
educ*ndos, urna vez que o local se preste- a tac
augmentos; sondo que, no caso contrario, convi -
r obter-se por aluguel ou compra algum edificio
as vizinhancas do arsenal comasqecessraiai p""
poredes para quartel, ou antes construirse um
expresamente para este mister, segundo o plae
e orcamento que fr organisado.
120 menores contm a companhia de apren-
dizes artfices, 49 pracas a de operarios militares
e tanto aquellos como estas exercilanvsu com
aproveitamento nos trabalhos das differoates ofli-
cinas, segundo as suas vocacoes e desenvorfimen-
11 physco.
Lotera.- A que se ac.ha a vonda
i



*
Diario de Pemambuco Se*a feira 7 de I&vereiro de 1&73.
<1e e
r
ao.^Moviinet fo lia
ntrarara 6, sahiram 6,
Casa
ti de
Esist
cxistem 343.
A saber : .
injilferes IV, estrangeiros 43,
escravos 5' X. Total 343.
Alimentados acusta dos cofres pblicos 280.
o ila en formarla Jo da 3 te fe veratro
de 1873.
Teve babea
Oerothca, esmva, de I), latir ; rheumatism i.
Tiveram alta:
Galdiao liernanle da Srlva.
Guillrorme Xarther.
Antonio do Monto Cabivl
Smao Lhi Carnero.
PassmffWlfos.Vinlos da Granj i no vapor
nacional P/rSjRma '.-.-,
Gaillierinc Carn.;iro da Cunha, Antonio Urnet-
-r da Cunha, 6 escravos c 1 criado, Antonio Pe-
1ro de Srnua Soares, Jos Joaquim de Souza, 1
caiwiro e t-escravo, Mai\ol II. de Almeda Pa-
rM Joao Ftaaeisno de Mello, Cicero M. da Aprc-
sentara >, Man.rf Pinto de Andrade, Dcocleciano
R. de Menczes, Guilli rie l'ereira de Azevedo,
lilao, 2 menores o 1 escrava, Agsstinho Martins
Moreira,saa scnhoia o l escrava, Sergio Ferreira
Camiuha, Anelo de Souza Chaves, Joao Gurgel,
\ntonio Pi Machado, los Montero Vasques e sua
seuhora, Francisco Jos Oas, Mai'ia de Medeiros,
Manoel.. de Oliveira, Rita Mara Pereira da Sil-
va, Sebastian Jos Le le, Hvd. vigario Bartholomcn
la KaekmVagumks. Manoel Felippe a>-Slva, Juo
Siqucra F., Leocadia c/ i limos, Manoel
Ignacio 8c Castro, Elov C. fle Sou-a, sua senliora
el escrava, FaErirtirGomos de Albuquerque Ha-
ranhan, Amaro B. Albuquerque Baranhao, Ma-
noel Mtrtins de Vasroncellos Lias, Manoel de Bar-
ros Cavalcanti, D. Ferina Julia da Veiga Pessoa,
Feliciano Pereira Lima Ta\ ares. Jos Lucas Alva-
res lanior, Manoel Joaquim Teixeira de Meara,
rapftSo Jos Avdino de S. Jaci|ues, J. Ignacio Pe-
reira e 1 oscravo, Antonio Manoel Xavier Bitten-
court e 1 menino. Joao Duarte da Silva, 1 lillio e
l sibrinho, Dr. Octaviano Cabra! Uaftozo da C-
mara, Miguel Soares Rapuzo da (amara, Luiz Bar-
bosa Vontoiro, Jos Alvos Vieira de Araujo e 2
menores, Jos de Lima Penante, Aureliano Gal-
vi. Beodato Jos da Silva, francisco Jos Comes.
Paulino Sonlioiinlio da Silva Jnior, Agiiello Lo-
pes Pero ra e sua irnt, Francisco Alves de Arau-
jo, Cantillo Nrtto, Joaquim Carvalho Xetto, Luiz
4o FranA e I criado, l/.idro Alves Eerreira da
Silva, J ao.Stiurt Frau.a, loio Ferreira Passos da
Silva e 1 criado, i escravos a entregar.
CflftOMCA JllWIARIJL
Trilimial lo conaiiaercio.
ACTA DA SESS >'> ADMINISTRATIVA DE 83 DE
JANEIRO UE 1873.
MPftlBSNCU DO EXW. S'l. CO.VSEl.llKIRO ANSELMO
FIlANCISO.) l'ERF.TTI.
A's 10 horas, ila manila, presentes os Srs. de-
parados, secretario Olate Bastos Candido AI-
euforado, llego Medeiros e topes Machado, e nao
toado comparecido o Sr. desembargador liscal,
nr motivo justo verbalmente participado, o Exm.
m-. eonselheiro presidente abri a sessiio.
Foi, depois de li la, approvada a acta da sessiio
de 16.
BXPKBIENTB.
Offletd da junta dos corretoret, enviando o
oleiim das ctacoes-onTciae da senanad 13 a
!8 do correnle. -0 tribunal mandn archivar.
Oficio da mesilla junta. e:n rososla ao do tri-
bnnal eora dala de 1*5, a resmlto lo levautamento
da stupeoslo do eorrolor 'eorge Patchett.Para
a archivo.
Odieio d3 ?r. sndente S l.eito, cm resposia
do que Ihc foi dirigidj i):io Em. Sr. conselneiro
presidente do tribunal.-O tribuna! Ileou intel-
rado.
Portara da presidencia que noraeia -cetario
I -;te tribunal o S:\ deprttado loaquint Oliuto
Bastos,-Mand .--' tvgstrar, temi o Sr. se-
er lirio nomeado presi id i o juramento do estyl i
t nssignado o termo respectivo, que fui subscrip-
to pelo Sr. d'miado indido Alcoforado conn
ucrettrio a..
Jornal ofllcial de u. i a II.-Para o archivo.
Ijivro do registro da eorrcspondenela oftlclal re
flarmente ascriptnra h aV' o n. 10
Livro de registro de protestos de letras.O do
scrivao AJbuquerque conUada coa o mesmb nu-
io r e data dseripla na aeta da sessao de li*>, e
o do escrivao Alvos de Brit atUngio ao n. 2,610
at a data de 21 do correnle.
Livros submettidos i rubricaForain distri-
baidoi os que se seguein : Contador dfl Rabo
Scbmmetlau 4 C, diario e-copiailor de Francisco
Camello da Fonceca, dem de Antonio Vicente de
Magalhes, dem de Amaral & Motta, diario de
Francisco Pereira de Mendoiici. dito de P.ivira
da Cunha Irmaos, dii > de Sobasio Marauea do
Nasojmento, copia lor de Joaquim PeHgpe da Go*-
'ta7- %T.amento ao caes^fr-JJrum n. 2.
DESPACHOS.
Requerimentos : \^
Bfl Antonio de Moura Roli:n>submettendo a re-
gistro a nomeaco que s 'i con-iitututc Joao Bap-
Us! i Bezcrra ll'' enviara, na qual a tirinaViu-
v.4 Salgado Souza tC. conierio-lhe o larg de
aixeiro de sua casa comiueivial. i>)mo reo :"".
nj tendoso provado, com > -e allegou, ser brasi-
leiro o eaixeiro nomeado.
De Alheiro. Oliveira & ''.. apresentando para
!'-. s ser registrado o seu distrato social, -Visu
ai Sr. desembargador li De Pedro Maurer i C. apresentando para <
menso fim a nomeaco qnederan a Dellino Mar*
rins de Araujo. para eaixeiro despachante de sua
nhinnaeia sita ra do Baro da vldoria. Como
resnemn, nao tendo, ponmi oc sunplieantes pro-
vado ser bracileiro. como dizcut, o calxolro no-
meado.
Do Barao do Livraniento, armador do vapor
o-asileiro Intprrtubr, solicitando carta de -
tro,Vista ao Sr. deseml argador liscal.
De Francisco de Asis Gonealves Peona e los
Mara de S<>uz.i e Silva, ren>erendo o registro do
distrato que em Iriplicata apresentam da firma
Jos llana de Souza 'v C.Vista ao Sr. desem-
bargador liscal.
De Antonio Vicente de Magalhae e Vicente
Augusto do Magalhle*. da cidade da Parabyba
.ifferecendo a registro o distrato social da lirma
\ntonio Vicente de Magalhes C. -Vista ao Sr.
deembargador fiscal.
De Jos Fau-tino Port, prepos'o do corretor
geral Pedro Jos Pinto, concorrendo vaga que
txlsto de um lugar de corretor.Vi^ta secreta-
ria sobre o prazn.
De Francisco Xunes de Paula, submettendo a
registro a nomeaco de seu eaixeiro Manoel Aolo-
iik Franco.Como rwpier o supplicante, que nao



oa-MiLdkfAo>.'
io Machado Freir. -Adk lo. por ivto I v
'de mn
pro^rcso da provincia quo nos vio fMj.r .elfino Lins C.1:calcante Pesaj
r: dsembarador liscal.
tic Joao de A Santos Junior.ldem._
Summario ex offlcio contra ;
Os edrretores Ltiii AmvprOubourcq, Augusto
Pinto de Lemos e agente de Mides Antonio de Pi-
nhe Borges.Adiada, era eonsequenci*.' de nte
ter comparecido o Sr. desembargador fiscal, que
foi convidado.pira asisur os juramentos.
Wem contra a armadora do hiato Matafomc, B.
Vicencia Espinla de *endonca.-Remnain-sees
ar'tigos a quem coayetir, para qwc responda a
siunmariada oti algoem por ella, na termo do 5
das.
O. Sr, doputado Candido Alcoforado apresentou
a segn'mle proposttb que foi unnimemente appro-
vada :
Proponho qwe cm nomo do tribunal se olllcie
ao Sr. deputado suppteoie Jos Francisco S Lei-
tao, agradecendo-lhe a boa vorttade que semiire
mo;irou no enmprimento -c seus deverei, sua
seria attonco4os negocios que se trataram. pro-
cerando-os deridir sempre com justica e dircito
durante o tempo que exerceu o lugar de deputa-
4o no imitcdiincntn do hosso presttmoso collega
o Sr. oiinmendador Antonio Gomes Miranda
Ubi.
Nada ntius havendo sido snbmettido a despacho,
o Exm. Sr. conselbeiro preideiOe encerrou a
sesso s 2 horas da tarde-
re^
8CAC0ES A PEPIOC
|i|ue abcn lo que na concurrencia
URgocios que reupain a htten-'
I.
i, que n;
*-:!- o
yrovou, mas apenas declaren ser br*
ca'rxeiro de qnem se frota. '
De Sannders Brothers & 0., para se Ibes dar
certido quaes sio os o-jios que eomfRem l so-
bredita tirina,Na forma requerida.
Dos mesmoft. para se Ihes dar outra igual cr-
-tidlo.Sim.
Da Vicen'.e Alves Maia, siibuielt'Oido a registro
a nomeaco de seus eaixeiros Joaquim Deodato
Martins e Antonio B. zorra de Menezes. Regis-
iretn-so as nomeaciles, nao estando provado serem
brasileiros, cnno se idega, ngados.
Oe Moreira llalliday C, pedindo que se Ihes
transiira o livro diario que servio firma ey.tinc-
ta em liquidaco de Isidoro Bastos succedi ra a firma suppjicante.Como requenm.
[O Sr. Onto Bastos naj tomn parte na votacau,
endo o despacho lancado pelo Sr. Gandid-) 'Al-
MMAdo.)
COM O PARECES FISCAL.
De_ Candido Jese da Silva Goimaries, pedindo
matricula de comaierciante.Deferido.
De Francisco Jos da Silva Guimares. idem.
dem.
De Alfredo Martins de Barros, demComo
pede o supplicante, o qual como publico e no-
torio casa de seus bens.
Da companhia de segures Indemnisadora, esta-
belecida na cidade do Porto do reino de Portugal,
era que pede o registro dos respectivos estatutos
e do deereto imperial que perrrtittio-lho estabele-
cer urna agencia nesta cidado.Proeedo o pare-
cer flscal, votando cohlra o Sr. Candido Alcofo-
rado.
De Manoel da Silva Maia, procurador de Joa-
qnim Rodrigues da Silva, requerendo baixa no
registro da patacho nacional Anrelian-J.".-^Diga a
seesMana, declarando so ja verificou-se caso
idntico ao da presento petic^o.
De Antonio Pereira Martins e Manoel Maria Go-J
a da Silva Canha, registro de sen contrato o-
Registre -se na' forma do decret a. 4.3S4.
Be Manuel Fraqeiseo da Cunha, Antonio Lo.-
lnoo < Collar. e Jos Loumnco Collares, eon-
trato de prorgaoao de soeiedaV lefonr-e a se-
cretarla.
l'Iior rxiiia. 9 de Janeiro ilo 1*3:1
Ojuizo que emittio a Impremn de 31 do pas-
sado, sobre a administra.!) do Exm. Sr. Dr. Pedro
Alfonso, depois de removido desta para a provin-
cia de Santa Catharina, peeca em inais de um
pono por injusto e apaixomdo.
Nunca os partidos dispularain com mais liber-
dade o iriumpho das urnas do que na procedente
eleiro, e a conan<;a e franqueza com que todos
procedern! na enunciaeio do voto a pedra de
toque da imparcialidade do^overno, dando g;uan-
lias a todos os interesses e as|iiracoes.
Coube o iriumpho s verdadeiras maiorias :
resultando quo todos os partidos, em que ent o
achou-se dividida a provincia, aiiresentaraiu nos
collegios elcitoraes um certo numero de votos na
razio das forras de cada um, o que urna prova
eloquonte da liberdade de accao que lodos tive-
rara, c urna considerar*) favoravel ao procedi-
meiilo das autoridades incumbidas de mauter a
orden.
Os partidos, porem, que nunca se coufessam
vencidos Icgalincute, pretexlando motivos que. ju~-
tiquem sua derrota, raro quo nao rio busca-
Ios ua uteiferencia indebita da autoridade : es-
Iribilho constante e sedi'.'O, porem muito em moda
as occasjdea de eloic.ao.
E' assiin que o partido liberal desta pro\ imia.
nao podeudo fazer vingar a sua volitado por Ihe
faltar todos os elementos eleitoraes na maioria das
freguezias, pretendo agora dosfar.ar a sua fra:
queja e impopularidades atlribuimlo sua derrota
violencias por parte da aojpridade, e particular-
mente io prestigio e inlluciicia da presidencia,
aceitando nmn chafa coufcpioHada pelo averno
ooutervador composta Je mames iesc4kecjdos ua
paiz, '/'('i/ prestou o mais eoido apoto, nao
poupawfa mei'is pura a con seca rao do sen Irium-
pho.
Se a Imprenta dissesse que a chapa conserva-
dura fura cotnposta de nonies desconhecidos na
provincia, teria assiin algum valor a sua as- t-
cui, porque nao teria explicaciio que a provincia
nao conlucesse aquellos quo pretenda eleger sem
i evelar-se grande compressao c violencia: ina-
lados os candidatos conservadores s:lo de grande
lueroeimente e reconliecida influencia, o nao no*
parece cundilo de elegibilidade o stsr o individuo
embeejd'j ei todo o .imperio, sendo a elcujao por
provincia.
E quaes foram as notabilidades do paiz adopta-
das pelo partido liberal na confeccao de sua chapa?
Era prinieiro lugar nao nos consta que esse
partido houvessje formulado chapa, pretendendo
apenas pescar as aguas larvas pela dissidenci.i
que appareceu do partido conservador,tal era o
reeoiihecimento de sua fraque a ; mas provavei
que nos indique o nome no Sr. Dr. Doria, que se
torna mais saliente ntreos seus votados por j
ler sido presidente de provincia. .Veste caso Ihe
responderemos que o procedimento do partido
conservador foi mu to mais diguo, escolhendo li-
vremente no seio do partido tres correligionarios
distinctos que Ihe pareceram mereceoores dos
seus suffragios ; porque o facto simples de ter sido
um individuo presidente de provincia, nao ti-
tulo sullieente una eleicAo.
Has quaes foram os meios que nao poupou t
Exm. Sr. Dr. Pedro AITouso, pan dar tnumpno
chapa conservadora ?
Seria conveniente que a Imprensa articularse
tactos para que as suas assercoes nao tomem
carcter de aecusaedes vagase banaes.
Fazendo juslica em alguns pontos aos principi -
da reclidao e imparcialidade que dislingaeni os
actos de S. Exc, nao qiiiz a Imprenta fazer-'.hc
jo.sti.a inteira, (nem a ella tinha djreito um adver-
sario poltico no loro suspeto de sua consejencia.
c Ktra demasiada a que Iho concedeu) e entii'i falln
de duplcalas e processos por nao terom o* eu?
adeptos se curvado vontade do governo.
Pis n.io foram os liberaos, que sem eiemeotoe
sufllcientes lancarara mao do recurso das dopli-
catas em loda a provincia para siinularem torca
Vigor fu d'aqui, como da crte Ihe foi deter-
minado, e desta capitel lecoinmeiidado pelo-seu
directorio :' !
De que meios por ventura disponltam para fa-
nreoL eleicdes regulares, se porderanMias em
noasi todas as freguezias na passaila lula de 1808?
V-se portante, que foram etlee e nao os conser-
vadores que iveram necessidade desse recurso
Ilegitimo dos partidos fraeos e pouro morasados.
Mas quaes 'orara esses processos por motivos
eleitoraes ? So nos reconlamos de um na vilir.
das Barras, em que smentc os conservadores-so
achara envolvidos; e como naturalmente nao h;.
de ser desse de que falla a Imprensa, permita
que nao aceitemos a sua censura por ser ella gra-
tuita, inteiramciKe infundada e artificiosa para
fazr impressao fra da provincia, qnando sao
elles que tendo a maior parte dos juizes de direito
no -eio ilo seu partido, desde muito levantara pro-
cesa )s e perseguicoes contra os pacficos conser
vadores,-contando com a coadjuvtcao insensata
d'esses magistrados, que, salvas poucas e honro-
sas excepedes, se vao conduzindo nmito inconve-
nienteniente nesta provincia.
Penas estas poucas consideracoes em reiacSo
ao artigo editorial da Imprensa a que alldiraoe,
justo (pie digamos tambem alguma cou!a sobro
uoi estirado artigo do Sr. Honorio Prente-, da-
lado de 26 do referido mez, que se le no jornal -
Piocinc'a da Pitiulnj
Insiste o Sr. Prenles historiando profusam:n'.o
a hiHora de informacao pretencio do seu digno
rain, nao Unto por eslo ; mas por ver prejudi-
cados inwnleslavelutente os interesses do estado a
ipu liga, de preferencia, a maior importancia, re-
fere o modo como pretenden o lugar de director
dos educandos artfices, e se esforca empenhada-
m-ii'e por provar que S. Exc. pretenden cerrora-
pe-lo. para obter o sen voto como vereador na
quesuo d'acnra^ao das authentcas dos collegios
eleitoraes da provincia; invocando em favor de
sua pretencao o testemunho do Si*, capitai) Fcr-
nanuo F'reire.
Nao pretendemos para nos os louros que por
ventura possa colher o Sr. Parentes ne sa porfia-
da luta oe demoustracao e prova de corrupcao,
e repellimos a idea aventada por S. S., j.porq".e
fazemns do carcter de S. Exc. o mais elevado
conceito, e sabemos que procedeu em todo esse
negocio com inteira imparcialidade, como porque
julgamos essa questao offensiva dignidade do
mesmo Sr. Parentes, que retirando-se de palacio
depois da conversacao a que allude, promettendo
que voltaria posteriorm-nte, quando entilo emii-
tiria o sen jniz sobre se onsiderou offendido por S. Exc.
A dedueco trar-se do que fica exposto, dei-
xa margem serias reflexdes, e se nao tizessemos
justica ao carcter do dito Sr. Prenles para acre-
ditar ipie procede antes demasiadameote apai-
xonado, a ponto de nao reflectar sobre a otfena
que faz sua propria dignidade. acredite que a
annlys* desse negocio ser-lhe-hia inteiramente
prejudicial.
O artigo que nos enviou o Sr. capilao Fernando
Freir sobre o seu testemunho invocado pelo Sr.
Parentes, o qnal publicamos em outra parte deste
ioinal,. ]rova coududentemente que S. S. se a ha
baldo do razio, e calumnia as boae-intenefies do
honrado Sr. Dr. Pedro Aflonso.
juanto ao zelo pelos interesses do estado, que
S. S. considera inotnitvtavelmente prejudicados
pela demora da infornuco, quo devia dar a pre-
sidencia sobre a pretencao do seu irroio, nos (he
agradeemot crdialrae'nte como gualmento inte-
c*-> *a presidciwia,"que es resolve secundo, a
inpjtlancia-e urgcri* *c p*a "",. os '! **" ir"
mao uiio deveui ter preforenria somonte pofq*o
sin do seu Tnn5o; a-isim como que S. Exc
bastante cavalhero e generoso para prjudicar
negocias do sereeiro poc mirtivo a que inteira-
nionle e?traihe;-sc lastivos neuvessem para as-
siin proceder; pois s agora foixpie se soube que
o Sr. Paroot se-achava tao agaetado.
Nao contestamos inte S. S. prelendesse o lugar
de director des educandos. aconselhado por seas
amigos; mas attribuimoe com bous fundamentos
o seu proeedimento bruscamente desattencioso e
injusto para citm a presidencia ao facto de lve-
lo pretendido e nao te-lo alcaneado;.e o sunelo
que diz ter guardado sobre esse negocio, longe de
justifica-lo, e a prova mais convincente do sea des-
peito, pois una paixo comprimida sempre mais
violenta e perigosa as suas erupces.
\ (Wo+iaukif).
GratidA*.
Os homens extraordinariamenle uteis, mereceni
ser conocidos de todo o mundo.
MaiUs vezes, poi*m, sao bem pouco cenhecidos,
j porque se envolve em sua modestia, j porque
a oveja e indefierenea ralam seus grandes feitos.
Na rl*sse desses homens ulilissimos, est o Dr.
Charle* Williams Brwne, cidado inglez, boje re
dente na cidade de"Caruard.
N:lo o mcu louvor que accresccntar a repu-
Uc5o que elle j tcm adqueri lo ; mas re(|oer a
grtidao que eu do alto da imprensa Ihe manifest
prazer e u reconhecimento que me possuein, por
ter elle salvo com a maior habilidado, de urna ter-
rivel molestia, a minba mulhcr.
Soffria esta de um cancro do peito. Bem triste
e a marginada Ihe ia a vida, e cu a olhava cheio
de dr ; porque havia solfrer muito. Morador em
lugar nao mu distante da cidade de Carnard, ou-
vi fallar acerca do Dr. Brownc como medico ex-
cellcnte. Tinha, e ainda tenho, medo dos mdi-
cos : entretanto, o desojo de*cr minha muiber 1;
vre da terrvel enfermidale que a persegua,'deci-
dio-ine a coniluzi-la para dita i idade, o a confia-
la aos cuidados mdicos do Dr. Brownc.
Este coin a maior delicadeza, sem ajadaute, na
presen;a d<> Rvd. vigario da fregaezja, dos Drs.
juizes do direito, municipal e o promotor publico,
do Sr. capitao Miguel Archanjo e mais urnas trin-
ta pessoas do lugar, applicou chloroformio mi-
nha mulher, e do peilo Ihe extrado um terrvel
cancro, com a maior agilidade e pericia.
Nao sao passados muitos das, depois dessa ope-
ra.ao, e j se acha restabelecida minha senhora,
a qual, assim como eu, agradece ao seu distiocto
medico, nao si'i o bem que Ihc fez, livrando-a de
una molestia terrvel, mas tambem a delicadeza
e hiunanidade com que a tcm tratado.
Caruani, 30 de Janeiro de 1873.
Mtaro Xavier de Qmena.
Si '* reilurlon
PAB.MIYBA.
do Diario de Pemumbnco.
*\~
O
Bogo-lhes o obsequio de declarar, em homenagem
verdade, so s.iu bu o aator da correspondencia
desta provincia para seu importante Diario, im-
prossa era id de Janeiro finio; e, bem assim, se,
por qualquer mo lo, lh> s consta que eu seja ce-
parlieipaMe de scmelhante escripto.
Paralaba, t Ai fevereiro de 1073.
" Joao Hodolpho Gomes.
A
de
na
Commendador Bellarmino do I
k los Mari.-e.io de Albu
Airtonia loaquim Machado.
Tenenfc Leonel Augusto Ferro".
Thcsonreiro.
0 Blm. Sr. Jos Domingos do Canno e Silva.
O vigario,
^r-wmf J Collegio bio.
0 estfelos des e afamad) estaliolocmento de
instruc.ao primaria e secundaria, >ito no Rio de
Janeiro, ahain-se em distribuidlo na Urraria
Francezt}, onde se prestarlo todas as informacoes
exigidas petes iuteressados.
COMMEBCIO.
Caha filial ilnllanni do
Brasil em IVriiaiiiliiicu.
em lii|iiiilacio.
Paga-sc o 38.* dividendo das ac^oes do
Banco do Brasil inscriptas nesta extinct caixa
razo de 8?000 por ac^ao ; ra do Mr-
quez de Olinda n. 49.
Recife, 30 de Janeiro de 1873.
SEGUROS
CONTRA -F0G0
Ra ilo i .....inercia n.
uiciro ailar.
Agente,
W. G. FEN'NEI.LY.

33,
|H--
BANCO
C0MMERC1AL
DE
PERNAMBUCO
Descorita lettras de cambio, de tetra
quaesquer ttulos pblicos.
Recebe diuheiro cm cont correntc simples,
em cont correntc com juros e por let-
tras.
Encarrega-se por commisso de qualquer
operacao bancaria.
O expediente principiar s 9 horas da
manh e findar s i da tarde.
Ra do Vigario n. 1, primeiro an-
dar.
ual Seye
Pelo secretario.
ALFANDEOA
Rendimento do da 1 a j 268:3835510
dem do da 6. .".;,. 46:733*037
3l5:liOJ.r)47
Eleico.
I;* devotos que l ile festejan
a Hi'iil'ina ilow Remedios nr
un ii ? de 1393.
Juiz por eleicu.
0 lilm. Sr. "iiiiiiendador Manoel da Silva Santos.
Juza por elei.-ao.
A Exma. Sra. D. Candida Boza de Moraes Barros,
esposa do l'lm. Sr. coraraendador Bellarmino do
Bego Barros.
Juizes por devocao.
11 IHin. Sr.:
"andido Alberto Sodr da Motta.
Mano-d Joao de Araorim.
Juizas por devocao.
As Exm?". Sras. :
A esposa do Illui. Sr. Theodoro Christiansen, D.
Pnaneisea de Souza Leio Christiansen.
D. Arminda, e-posa do Illm. Sr. Dr. Cgsme de S;i
Pereiiv.
Mordemos
Os Illras Srs.:
Libanio Candido Ribeiro.
Domingos Antunes Villaca.
Major Deltino Lins Cavalcante Pess-ja. *
Tenente Leonel Augusto Ferreira.
Firmino Pereira da Cunha.
0 Exm. Burati de Nazareth.
1 Jipito loaquim Custodio Duarte de Azevedo.
Manoel Ignacio d'Avilla.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Josephina. esposa do Illm. Sr. Joi Ca
Albuquerque.
A esposa do Illm. Sr. Tliomaz de Aqulno
de Brito. _
D. Adelaidc, fdha da Exma. Sra. D. Umbelna do
Bego Machado.
ls. Mathilde Pereira da Cunha, filha do-Illra. Ss.
ommendad ir Jos Pereira da Cunha.
D. Franei Alves Alhuquerque. .
A esposa d) Qlm. Sr. Lvio de Souza e Silva. /
A esposa do Illm. Sr. capitao Jos Pereira da Cunfta
Jnior.
A esposa do Idm. Sr. capilao Joaquim Mauricio
(oncalves Roza.
K-criviies por devocao.
Os nims. Srs.:
Ifanol Joaquim Ramos Ja Silva Jnior.
Antonio Alves da Fonceca.
Escrivas por devocao
A Exma. Sra. I). Hila, esp sa do Illm. Sr. capitao
Jos Marcelino Alves da Fonceca.
A Exilia, esposa do Illm. Sr. capilao Manoel Anto-
nio Gonealves.
Juizes protectores.
Os Olas. Srs.:
Joao Pereira da Cunha.
Dr. Felippe de Figuera Faria.
Antonio Joaquim Machado.
Bento Joaquim Gomes.
Antonio Valentm da Silva Barroca.
os Moreira da Silva.
Joaquim Francisco do Espirito Santo.
Henrique Bernardo de Oliveira.
Francisco Ferreira Ballhar.
D. P. Wild.
Joao Christiaui.
Jos Monteiro de Siqqeira.
Manoel Jos Monteiro Torres.
Capitao Joaquim Jos Franco.
Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment.
Antonio Botelho Pinto de Mesqnta.
Tenent(f-coronc Francisco Carnetro Machado Ros
iuuior.
Capitao Jo* Mariano de Albuquerque.
Tenente Lydio Mariano de Albuquerque.
Tenente Ignacio de Souza Leao.
Juizas protectoras.
As Exma-. Sras.:
D. Mara, esposa do Illm. Sr. Francisco do Livra
ment Gomes.
D. Maria da Nativdade de Assis Gomes.
D. Amelia, esposa do Illm. Sr. Jos de Azevedo
Andrade.
D. Paulina, esposa do Illm. Sr. Odorico Raposo da
Cmara.
D. Francisca Amelia de Albuquerque.
D. Joanna, esposa do Illm. Sr. cotnmehdador Albi-
bino Jos da Silva.
A Exma. esposa do Illm. Sr. Jo3 Marcelino da
Roza.
D. Maria, esposa do Blm. Sr. Jos Burle.
D. Josephina, esposa do Illm. Sr. Manoel Ignacio
d'Avilla.
D. Mara do Carmo de Souza C*rnero Villa.
A esposa do Sr. t)r. Jos Joaquim Alves de Albu-
(juerqe.
D. Antonia, filha do Illm, Sr. lente Antonio Me-
nlles de Gnsmao.
A esposa do Illm. Sr. Jos Mun de Souzj.
A esposa do Illm. Sr. Jerohymo de Hollanda Ca-
valcante.
A esposa do.Illm. Sr. Jos Elesbo Borges Ucha
D. Maria Auta'de Jess Cmapllo.
D. l&alina, esposa do Illm. Sr Virgilio Jos da
Motta.
A esposa do Sr. tenente Francisco Gonealves da
Luz.
D, Albertina, til ha do Sr. coininendador Bellarmi-
no d Regp Barros.'
D. Joaquina Candida de Luna.
Cemtmssfto da testa.
Os. illms. Srs. :
<> Nenbnma parte temoar. WpdbelptoGe-
nte as missivas noticiosas -dn preriacia da- Para-
KRedaccao.
Banco Commerdal de
i;
A directora do Banco Commercial de
Perrrambuco convida os Srs. accionistas a
realisar, at o din 20 de fevereiro prximo,
no escriptorio do Bauco, ra do Vigario n.
1, primeiro andar, a terceira prestarlo de
10 /o do valor de suas accocs, devendo tra-
zer as respectivas cautelas para se annotar
dita prestcAO.
Recife, 15 de Janeiro de 1873.
Os directores,
Manoel da Silva Santos.
Henrique Bernardes do Oliveira.
lodo da. Silva Regadas.
Seguro eonlra-fogft
COMPANHIA
NORTHERN.
.... 20,000:0000000
de reserva. 8,000:0009000
Agentes,
Capital.
Fundo
Desearregam hqie 7 de fevereiro do 1873
Vapor nacional Maiolah gneros nacionaes
Eara o trapiche da companhia pernam-
ucana.
Vapor nacional Pirapumn gneros nacionaes
para o trapiche da companhia. peraam-
bucana. -
Barca inglea -Herma-mei-'-adorias para al-
fandega.
3ngue nglez Coila mercaderas para alfan-
dega.
Brigne inglezHe raidvarios gneros para o tra-
piche Conceieao, para despachar.
Patacho inglez Aivola varios gneros para o
trapiche Conceieao, para despachar.
Barca portugueza Alejandre Herculanovarios
gneros para o trapiche Conceieao, para
despachar.
Patacho inglez Sly Bools farinha de trigo j
despachada para o caes do Apollo.
Barca ingleza Jamie Albctfarinha de trigo j
despachada para o 6MI do Apollo.
ImnortneAo.
Vapor nacional mAPAHA, v'nuto de Granja,
consignado a tmtpankia /' rnambucana, mani-
festn :
Algodo 30 sacras a Joao l'ereira Moutinho, 8
a S Leto 4 Irnio, Itia II. S. de Araujo Mello.
Couro 2i8 a J. B. Oliveira, 09 a Oliveira A Fi-
lho, 161 a J. J. Costa Maia. Coartadlos 12 molhos
ordem. Carnauba 6 caixas a Moraes & Irmao,
G ordem.
Esleirs 26 rolos ordem, 51 a J. Lope, Davim.
Milho 51 saceos a Dcodalo J. da Silva.
Ovas 1 caixa a Alfredo K. de Oliveira.
Sola 1B86 meios a Maraes & Irmao, 2149 a S
Le tao & Irmao, 276 a J. J. Costa Maia, 131 a J. J.
Carvalho Moraes, 560 a J. Lopes Davim, 80 a J.
Ramos, 108i ordem, 10 a Loa Gonealves da Sil-
va & Pinto, 120 a Gon.alves & Irmo.
Escuna portugueza Chbistina, vienta do Rio
Grande do Sul, untitmad o K Siha Maia. ma-
n'festn :
Conros 67.
Graixa 2,923 kilos.
Linguas 46 barris.
Xarque 134,631 kilos ao coflwgnaUHio.
DESPACHOS DE BXPORTAGAO NO DI \ 9 DE
FEVEREIRO DE 1873
Para os parios do exterior
Na barca sueca HoUand, para Liverpool,
carregaram : E. R. Rabelk) A C 342 saccas com
22,78$ kilos de algodo.
Na barca franceza ItathuH. para Liverpool,
carregaram : T. Freres \ C 3/ saccas com 3,193
1(2 kilos de algodo.
Na barca ingleza fibta; para Liverpool,
carregou : A. Bastos 356 saceos com 23,386 kilos
de algodo.
No brigue ingle/, jlsm -i!, para o Canal,
carregou : H. De La Grange ,400 saceos com
180,000 kilos de assucar macavado.
N'a barca francea Aoeu para o Canal,
carregou : H. De La Grange 200 saceos com
15,000 kilos de assucar maseatado.
Na barca portitgnela 'laudraa, para o Por-
to, carregou : M. M. Monbiro 61 saccas com
6,134 l|2 kilos de algodo.
a barca poriagu'va No :o Silencio, carre-
garam : B. Oliveira & C- f.?09 saceos cem 127.300
kilos de assucar maseavituo, H00 ditos com 22,500
ditos 3e dito braneo e 12 pranohSee de ama re lo.
Na barca portugueza Amella, para o Porto,
carregou : H. B. de Oliveiri lanior 8 barriquinhas
com 371 kilos de assucar braneo.
Na polaca hespanhola / e i Etita, paraBar-
eellona, carregaram : P. arneiro A C. 200 sae
cas com 15,357 kilo* de a'.godao.
No brigue brasileiro Vntoria, para o Rio da
Pr ta, carregou : A. de 0. Leitc 250 liarricas com
16,379 kilos de assucar braneo.
= No navio alletuf>o Mma. para o Ro da Pra-
ta, carregou : A. Bastos 212 barricas com 26,665
kilos de assucar braneo,
No navio hcspanhoi kifejado, para Bar-
cellona, carregaram : B. Oliveira & C 14 saccas
com 997 kilos de algodo.
Para os portas o interior
Para MaranhJo. no vapor brasileiro Parai,
carregou : C. A. Bibeir 100 'arrisas com 7,408
kilos de assucar braneo.
Para o Rio Grande do Fu no brigue brasi-
leiro Adelino, carregaram : P Vianna & C. 395
barriquinhas com j9tf}(*kilos de vwncar braneo:
Carpinteiro ASobrohe 15 ditas com 1,783 1]2
coiupeiiud'i aUe.aar contra
Armazem n. 6.
Marca A n e A F. I'ma caixa n i
da de Southamptou no vapor inglez Xei*, descar-
regada em 26 de fevereiro de 1872 e consignada
a A. Bozard.
dem ti A e H L. lmbarril n. 134, viudo
de Bordeau x no vapor (rana Girowle, descarre-
tfado em 11 do marco de niesmo anno e consigna-
do a II. l.oiden.
dem T F.-Uma caixa sem numero, vtnda de
Bordeaux no vapor francez Sintlh, descarregada,
em 13 do marco do mesmo auno e consignada a
Tisset Frres.
dem dem.Urna dita, dem, dem, dem.
Wem E R Maia. Urna dita sem numero, v.ada
de Bordeaux n vapor francez Amazone, descar-
regada em 9 de abril do mesmo anno, e consigna-
da ordem.
dem II LUm barril n. 1 dem idem, consig-
nado a H. Leiden.
dem idem.Um dito n. 2, idem, idem, idea.
dem A B lima caixa n 58, idem, idem, Igoo-
ra-se a consiliario.
dem B 0Dez barris sem nmeros, viikzs de
New-York, no vapor americano Soulh Amenca,
d'escarregados em 15 de junho do mesmo aOM e
consignados a Henry Forster k C.
dem idemDez ditos, idem. dem, idem.
Alfaudcga de l'ernanibuco, 3 de fevereiro de
1873. .
O inspector,
____________Fabio A. de Carvalho Reis_
Killtal com pra/.o ilc :i litis X. C-
Pela inspectora da alfandega de Pernaml
se faz publico que achandose as mercaderas
contidas nos volumes ahaixo mencionado i no casa
de seren arrematadas para eonsumo, nos termos
do Ca, ti." do Tt. 3." do rcgulaniento de 1 de
selembro de 1860, os seus donos oti consgnala! ios
devero despaidia-las no prazo de 30 dias, sol)
pena de, findo elle, si'iein vendida- por sua culta,
sem que Ihes liqne conipetindo allegar contra es
eflitos desta venda.
Armazem n. 7.
Marca M A S S A, sem numero. lo lanas,
vindas de Liverpool no navio inglez W'itrJi uf the
Tciyn, descarregada* em 5 de junho de 1872 e
consignadas a Tasso Irmaos.
Alfandega de Purnambuco, 5 de fcvefeir de
1873.
O inspector,
Fabio A. ile Carvalho Re*.
Mills Littham (fe C.
ISECUBACOES.
SANTA C4SA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Pi-cilioM venda.
A junta admiiiislrativa da santa casa de uii*e-
rcordia do Recife, aulorsada pela i residentia e
de conlormidade Com o se.u co'.npromi>so, leva
praca de venda, na sala das suas sesses, pelas 3
horas da t udo ilo da 6 do crrente, os seguintes
predios, tomando por base as qoantias offerecUs.
iQOOO
RA DA CRUZ N. 38.
THE
LIVERPOOL
a
coiilra-fogo I
& I.ONDON& GLOB
INSURANCE COHPANY
%aciit'.
SVLDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
COMPANHIA ALLAHQA
seguros martimos e ton'cs-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL i,0O0:0O0--?OOO.
Toma seguro de.mercadorias c dinheiro a
risco martimo em navio do vola e vapores
para dentro e fra do imperio, assim como
contra ogo sobre predios, gneros e i'a-
zendas.
Agente : Joaquim Jos Gonealves Boltro,
ra do Commercio n. 3, Io andar.
SEGUROS
IIIITIIKIS
CONTRA E0 FOGO.
A companhia Indemnisadora,estabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias; ua
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana
Toma riscos martimos em mercadorias,
fretes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
quer natureza, em vapores, navios vela ou
bareacas, premios muito mdicos.
RA DO COMMERCIO N. 84.
PRACA DO RECIFE 6 DE FEYEREIRO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TAHDE.
Cotnyc ofliciaeM.
Assncarmascavado purgado t#400 por 15 kilos,
hoitera
Assucarbruto bom itffiQ por 15 kilos, hontem.
Algodo de sorte 9800 por 15 kilos.
Cambio sobre Londres a 90 dv. J6 IA d. e K
' 3(8, e do banco 16 l|4 d. por 14000, hon-
tem.
Dito-Mbre dito a 90 d(v. 26 1(4, it 3|8 o S6 1{2,
e do banco 16 i|4 por U, Me.
Cambio 'jinftre Par a 90 d[v. 386 rs. por france,
honten.
Cambiosobre Portugal a 90 djv. JOi OjO, hontem.
Dito sobre dito a90 d|v. 101 e W3 OfO.
Dito-sobse dito a 8 i|v. 106 OjO. .
Dito-sobre dilo avista 107 0)0.
Cambio-sobre Hamborgo a 90 d[V. 444 rs. por
R.M.
Fretede algodJo daqui para Liverpool 3j8 e S OfO
rpinteiro ii-f
ditos de do.
Para1 o Rio Oanle do Ful, no bi ate brasilei-
ro Roska, carregou : L. Dnpia: 200 barriquinhas
com 18,319 kilos de as- irar braneo.
Para o llio Grande do Sul, no brigue brasi-
leiro Amelia, carregaram : Carvalho & Xogueira
17o saceos com 13.12o' kilos deassoeal braneo e
e 12.>" dit s com 9,:)7.'i d'es ic dito mascavado.
At- Para o Rio Grande do Sul, na patacho bra-
sileiro Torfoi os Btmtos, carregou: M. J. Silva
2.001) cocos (fructa).
Para uruguavaiia, no navio ingle Siher-
lad.' carregaram : Carvalho A Nogueira 293
barricas com 30.348 kilos de assnear braneo.
Para Mamanguape na barcaca Dianna, car-
regou : J. D. Cunha Lages 182 barricas com
I,i37 kilos de assucar ret.nado.
Para Maco, na barcaca Riachuetlo, carre-
garam : A. Oliveira r. S barricas rom IIC
kilos de assucar retinado
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimento do da 1 a
Wem do da 6 .
2:39t670
1:003*914
3:4O0.S8
VOLUMEt- 9AHD08
No da 1 a 5
Primeira porta no dian .
Segunda porta.....
Terceira porta ,.
Trapiche Conceieao .
SERVICO MARITmO
Alvarengas descarregadas no trapicha
da alfandega no dia 1 a 5 .
Ditas ditas no dia 6
Navios atracados no trap da alfandega
Alvarengas.....
No trapiche Conceieao.....
4.70K
177
197
290
904
6,273
91
RECLBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 4:116^133
Jdem do dia 6...... 958*019
5:071*1.1*
Mei-agua do largo da Campia n. 3
Casa terreo da roa de S. Jorge n.
92. e a casa terrea da ra dos
sGuararapos n. So 3.KJCWO
Casa terrea da ra da Matriz da
Boa-Vis a n. 5. :000jiW>
dem da ra da Gloria, boje V-con-
de de Albuquerque, n. til 2:0 fi#w
ik'i-agua da ra de Antonio Henri-
ques n. 26 lt'J#uOO
Sobrado n. 57 da ra da Guia, boje
Reslauraco 3:000*(*K>
Secretaria da santa casa de misericordia do Ht-
cfe, 1" de fevereiro de 1873.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soma.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIIEJ
A Illma. junta administrativa da Santa Tasa de
Misericordia, autoriaada ielo Exm. Sr. preside oto
da provincia, por ofllcio com data de 10 do corren-
le, e de conformidad^ com o disposto no 9.* do
art. 52 do seu compromissos, permuta por apolices
da divida publica o dominio directo dos terrenos
em questao edificadas as casas abaiso deelaraUas,
tomando-se por base os precos da avaliacae.
Ra da Roda.
Xs. e 16 de Galdino Antolio Alves
Ferreira 200#W60
Xs. 4 e 6 do Mosteiro de S. Bento, 400JJWO
Xs. 8, 10 e 12 da Irmamladedo San-
tissimo Sacramento de Santo Anto-
nio MOanno
N. 1 de Bernardo Alves Pnheiru OOO***
N. 20 de Anna Tlierez'a do Sacra-
mento *00|00
N. 24 de Manoel Joaquim Rodrigue
de Souza MfMO
N 26 de Antonio Ferreira Rraga SOOfMO
N. 28 da irmandade das almas da
freguezia de Santo Antonio. OOjSOCO
N. :i0 de D. Joanna Maria das San-
tos Moraes OOi'XW
X. 31 do Dr. Antonio Joaquim de
Moraes e Silva iflOlW
X. 34 de Manoel Jos do Amaral 200*1)00
N. 36 de Antonio de Paiva Ferreira 200**)
X. 42 de Jeronvmo Pereira Villar 300fipl)
X. 14 de Joao Pereira Ramos MPM
X. 46 de Antonio Jos Rodrigues de
Souza .100*000
Ns. 48 e 50 dos lilhos de D. Maria
Carolina de Brito Carneim 500**
X- 52 dos orpbaos Uibos de Francisco
Ferreira (omesde Menezes 20t>#MW
X. 56 de Jos.; do Reto Pacheco. 00*(*H
X. II de Manoel Ferreira Braga 25O*W00
X. 15 de Jos Leopoldo da Silva 3O0*:
X. 17 de D. Emilia Carolina Madeiri
Ferreira 400*000
X. 19 do Emiliano de Mello dos An-
ios Paula 200/t*)
X. 21 de Joaquim Pacheco da Silva 200*t)J)
X. 23 de Antonio dos SantOfl Vieira 200*W*)
X. 25 de Ignacio de S Lopes Fer-
nandes 900*6*0
X. 27 de Flix Antonio Alves Mas-
carenhas 00*060
X. 31 de Miguel Joaquim da Cesta 200*660
X. 33 de Rernardino Alves Piulieiro (MpafO
X. 38 de Maria' Francisca da Con-
ceieao e Silva
X. 39 de herdeiros de D. Joaquina
Maria Pereira Vianna
X; 41 de Paulo Maaques e Antonio
Fraucsco Macota
X. 43 de lilhos de Jos.; Rodrigues do
200*t<00
300/600
200*HK>
200*f.rt)
4061MHK)
-00t* 200#60
30#0h0
304#060
C0NSUI.AD0 PROVINCIAL
Rendimento do dia la
dem do dia 6 ,
44:652*058
3:784*587
50:436*645
MOVHMIENTO IB POBTO.
JVar-HM lirados to dla'.
Granja e portos intermedios U dias, vapor bra-
sileiro Pirapama, de 312 toneladas, comman-
dante Azevedo, euipagem 30, carga varios g-
neros ; companhia Peinambucana.
Rio de Janeiro18 das, sumaca hespinhola Fras-
queta, de 271 toneladas, capilao Feliciano Ber-
trn, equipageia 11, eoi lastro ; ritan.
JVaiio sahido no mesm&dia.
S. ThomazPatacho dinamarqnez Sarah AM-
brele, capitao Redgney, em lastro -le-areia.
EDITAES.
Passo
X. 47 de Marcelino Jos Gonealves
Fontes
Travessa da ra da Roda.
X. 2 de Demingos Jo Forreira
N. 8 de Ignacio de Loyola e S
Ra das Larangeira
Casa terrea d. 17
Pateo do Paraizo
1. andar n. 38
Recebe propostas em todos os dias e sessaoww
quintas-feim, at 20 de fevereiro viadouro
SocreUna da Sanie Casa do Misericordiam )-
eh'e, 20 de Janeiro de 1873.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soma
S4STA CASA DA" MISERICORDIA PO
RECIPE.
Pel secretara da sania casa da misericordia
do Recife se convida aos prenles das meaeres
em seguida declaradas, para que as vao rewttei
ao collegio das arpis em Olinda, visto ja-lar aa-
vdo ordem para serem- all admettidas.
Digna, Clha de Joaquina Francisca de Sanitliau
Barros.
Erminia, filha de Joaquina Roca dos Praaeni
Souza.
Anna, filha de Sophia Carolina de Moraes e
Silva. .
Joaquina, filha do Francisca Maria do Eapriio
Maria, filha de Amelia Augusta de Mello AJW-
querque. ,->**.
Secretaria da sania casa da misericordia do tte-
cife 6 de fevereiro de 1873.
O escrivao
Pedro Rodrioms. de omu.
Hital com prazo de 34 di**..I*. 08
Pela inspectora da alfandega de Pernambnro
9e faz publico, que acbanVe as mercadorias
contidas nos volumes abano mencionados no caso
de serem arrematadas para consumo, nos termos
do Cap. 8. do TU. 3.0 do regulamento de 19 de
selembro de 1860, os seus donos ou consignatario
deverao despacha-la no prazo de 30 das, sob pena
Sabbado-8 do correnle, Anda a audimei* 6o
Sr. Dr. jale de direito da 2* vara do eivcl, va; .
praca par* ser arrematada por quem nnrtWfcfry*
casa terrea sila roa de S. Joao, freMa1a Jos n. 33, com porta ianella de frente-, ouaPSJt
palmos de largura e 56 de funde, salas, t^Mt-
tos, cozinha 'externa com 1 quarto ooaMv a
mesma, ouinul murado, cacimba mecira, etHic
da em cha foreiro inarinha, avallada prdW"
centos de ris, penhorada por exeouoae 4e" W$tmnA
Martins Piwa contra Severiana Maria da -
ceijao.

I





.







Qifoh (Je-P^U^ibucQ tteji& & 7 do Fevefclfo ile 1873.
"" -__ I ___!__i___-
$
-:**->-
Jor fiscal da thesiiraria pronncial de Pernau-ibueo. declara 3A tofribuuites
Jim nii|>o>H^*|bflfcl,4, $.=* por cento o 20*000 sobre mscate^ careo da coUecotfa do ltio
Forinoso. Aflata
cacap deste, na con
aflu (le recolherem'seus
daste. praso, proced*or-se-ha a cobranca judicialmente, faiendo 'publicar para isto'a'relaco dos
>res abaixo transcripta.
Seccao do conleucioso provincial de Pernambuco, 5 de fevereiro do 1873. -
O procurador fiscal,
Cypriane Fenelon Guedes Alcoforadu.
DECiM DORIO FORMOSO
ty:, v i). ';iAi;ua Joaquina de Gouveia, 1 e 2-
semestre
Queda ii. 32. Mclchior Mondes da AssuiuDcao,
dem
Una n 3i. -O niesmo, idem
fra'vessa do Ki ) n. i O aiesmo, dem
Dita u l.-Omcsmo, ideui
jAta ti. 0. -O mesmo, idem
Dita n. 8. ine-ino, Idem
Dita n. 10. O mesmo, idom
I.kI.-ira n. 23. -Joaquim Luiz da Silva
.lnta ii. 27.llerdoiros do Joaquim Concia ios Reis,
idem
C numeren n. 3. -Antonio Gomes de Maeeo, idetn
Hita n. 15.Manel Jos de Oliveira, idem
S Jos u. 42. -Jos Pedro da Silva, idem
Dita ri. 33.Antonio dos Santos Vital, idem
Mercado n. 20.Manoel Jos de Oliveira, idem
Rl* n. 12.Hcrdeiros.de Beruardino Teixeira Bar-
ros, idem
Aterro n. t.Maria Isabel Lins, idea:

7tm>
1
iitp
700
4#32 1*.* 1400
4*320 . 4129 *i00
14080 4032 ioo
1*080 *.2 S100
1*080 -1(>2 *100
1*080 i()32 100
1*080 032 *100
3*240 008 300
4*320 120 100
13*120 *453 1*401
8J648 *20<) 1800
41320 *2til> 500
86i0 800
9^001) 270 *834

848fl
4 819
4*849
I*21|
12I
212
*|12
4212
*638
4*4449
324
400
097
102
300
oOO
44849
94700
10*104
3*637
606
DEVEDORES DO IMPOSTO DE 4 0/0 DO RIO FORMOSO.
Bolla n. 4*.Licoiio Luiz de Carvallio, 1" e 2- se-
mestre 2880 #086
Du n. 32. Manoel Groorio do Nascimento 3*400 072
Dita u. 63 Tito Augusto de Leo. idem 2*880 086
Bfrita n. 32. Joaquim Teixeira Lima, idem 1MW) 053
Mercado n. 22. -Anua Joaquina da Enoaniaeao, suc-
oossor Jos Antonio de Miranda, dem 4*800 144
lula n. 5. -Amaro Alves de Araujo, idem 1*920 40S7
Manoel los de Oliveira 6000 4180
42t6
5222
266
133
444
177
5.%
3*2.12
2*694
3*2o2
1*616
5388
2*154
6*736
DEVEDOR DO IMPOSTO DE 204 POlt CADA PESSOA QUE MSCATEAR NO RIO FORMOSO.
Franrjsco Coelho Goncalves 2000 600 1*851 22*454
ejercicio de 1872-73, dopois do que" sera- c*ri*t
cun a referida malla.
Recebedoria de Pernambuco, 5 de fevereiro de
1873.
O administrador,
__________Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
CORREIO .GKRAL.
Relacao dos objectos registrados existentes na ad-
ministracao djo obrrejo desta cidado, para as
possoas abaixo mencionadas.
Antera Augusto de Abren, Andr C- Pereira,
Ani;elo J. da Fouseca Ramo?, Abilio de Suma Cou.-
linlio, Antonio de Arjo Santos, Antonio lartins
4a Silva, Celso de Magalhos, Doli Ltfio, Emi-
lio de Moraes Ferreira, Eusebio- da Cunha B,
Francisco de Paula Jtoga, fajippe Pereira N. de
Araujo, F. T. da Rbcua" Beierfa, Guilhermina do
Siqueira j Silva, Geuv^uni ChIucuu, Gustavo G.
Ro (rai d Siil
Pretende segu.-'r eom mulla" brevidade para o
referido porto o veil^o palliabote Ros4a< P r tor
a maior parte da car*"engajada ; e para ? 1ue
IUe falta, trata-se com 0 consignatarios Joaqoi-,'.'
Jos Goncalves Beltrao 4 Filho, a na do Com-
mercio n *
CS9
DEVEDORES DO IMPOSTO DA DECIMA URBANA DA VILLA DE SERINHAEM.
1! i .ion. 20.SjVerino Marques de Araujo, l e
2o semestre
Di'j ii. 86.Joao Damasceno do Barros, idem
Dita n. 44.Padre Joao Gualberto de Araujo. idem
Dita n. 54.Bita Gorliudes do Mello, idem
Dita ii 3.Joao da Rocha de Lavor, idem
Dita n. 5.O mosmo. idom
Dita n. 9.Sevorino Marques do Araujo. idem -
Dilan. 23.-Maria Accioli Lins. idem
Dita n. 27.Hennes Jacome de Aiujo,. idem
Dita n. 49.Joao Ferreira da Foncee-a, idem
Dito n. 85. -Luiza de Franca da ConceicM Camai-
go, idem
Cinta u. 8.Maria Joaquina, idcni
Dita n. 1.Luiza de Franca da Cmcei-io Camargo.
idem
Diu ii. 19.Jos Guedes Foiroira. idem
ravessa de Cima u. 1 Hordeiros d'. Francisco
uedes Ferreira, idem
Dila n. 5Sealim Corroa de Araujo, ide::
Livramento n. % Francisco Ribeirc d; Souza,
idem
lu i 'i 17. -Juao Rodrigues do Arauio. idom
2I60
3240
3440(1
24160
3240
34240
3240
8*640
340O
4*320
6480
2*160
5*400
3*240
4*320
3*240
4*320
4*320
5064
4097
162
004
4097
4097
097
4239
162
129
*194
064
4162
5097
4129
4097
A<
129
4200
300
300
200
300
300
300
300
400
4600
4200
4308
4300
400
300
400
.4400
3*424
3 637
6|06|
2i24
34637
34637
3*637
9*699
6*062
4 849
7*274
2*424
6406 i
3*637
44849
3*637
44849
4849
DEVEDOR DO IMPOSTO DE 4 0/0 DA VILLA DE SERINHAEM. *
i: isari n. 54.Piteextalo A\rts do Mello VeJbso 960 028
1*076
DEVEDORES DO IMPOSTO DE 8 0/0 DA VILLA DE SERINHAEM.
1.i-..;j n 71 -Joao Allouso Reguein. 6*720 4201 622
Dita n. 13Joao Pessua da Gama 5*760 162 533
7*343
6*495
DEVEDORES DO IMPOSTO DE 5 0/0 O> BENS DE RA/.
Btigeoho Lbaoa.Rondeira D. Oivtupia dfl S Albu-
nnerqae 200*003
E igeaho Jardim.Rondoira D. Crsni.. Carneiro da
Cimba 100*000 JiOOO DJji70 U|*270
DE CORPOKACii DE MAO MORA.
18*340 2244540
6 OOO
DEVEDORES DO IMPOSTO DE DCIMA URBANA DA
Connaercio n. 11.Francisco Marques da Poucera,
1 e 2" semestre 10800
Dita 13.-0 mesmo, idem 10j800
Dl:i ii 13.Joao Jos de Souza. id 5*400
da Feira u. 6.Antonio D)iningu'. da .\lmeida
Pocas, idom 104800
Di;* ii. 16.Manoel Rodrigues da Silva, idom 8*640
Dito n. 21. Callos Lenidas de Hcgo Barro?.
idem 10*800
Dito u. 84.0 mesmo, idem 10*8 0
Dito u. 1*.Candida Maria da Coneci$o, idem 5*40Q
*, Ugue n. 15. Ludgero do Paula Meira Lima,
idem 5*400
Dita ii. 4. Francisco de Paula Urbano, idem 5*400
Dita ii. 10. Joso Podro Velloso da Silvoirr. idom 13*500
Dita n. 16. -Francisco Bapti U, \<\>"' 10*800
Papacaea n. 20.Joanna Maria da Exaltado, idom 7*560
U-; i n. 22. A inesma, idem 7*360
Dita :. 24.-A mesma, idem 7*569
VILLA DE GAMELLEIRA.
ii. -10. Flix Cavalcanto de Albaqoerque.
idem
v...i. 34. -Im Ignacio da Silva, idem
Dila n. I. Flix Cavalcaiit'- de Albuqoerquc,
idom
Dti ::. 5.O momio, idom
: ; t ;. n. 40. Amonio Domingos do Aimeida Po-
cas, idem
A j. i n. 6. Jeronymo Uarreiros Rangel, idem
Dita 20. -Manoel Antouo Pereira, idem
[tita n. 28. Jos Francisco da Fraga, idom
Dita n 32 A. -Francisco Pereira Da*, idem
!' -ia n. 2.Jos Pedro Velloso da Silvoira.
idem
Di i ii. 6. -Qnorino Antonio da Fonceci, idem
Dili ii. 8Carlos Lenidas do Reg Barros, idem
t>ita n. 16 A. Joio Pereira, idom
I);:, ii 18.-Jos Podro Velloso da Siivoir.i. idem
b:i.. ii. 1.-Jos de Mallos llangel. idem
Dita n. 3. -o mesmo, idem
ni.' ii. 5.-0 mesmo, idom
-.'.; n. 7.O iiieiiiit, idom
Dila n. II.Antonio Augusto Macielj i-m
Dita o. 13.-0 mesmo, idem
Dita ii. 13.o mesmo, dem
i-O n. 17.-Viuva do Carneiro. ide.
pila ii. 23.Antonio Augusto Maciel, idem
I),:,. Ii. 25.o mesmo, idem
i; i n. 89.Jeronymo Barreiro Rangel, idem
Dil i il. 31 Hila Activa da PorifieafAO, idom
7*560
4*320
4*320
4*320
8*640
10*800
10*800
5*100
' 5*400
13*500
6448o
34240
12*960
84640
5*400
5*400
5*400
5*400
54400
54400
-34400
6*480
54400
10*800
6.S480
324
4324
1168
4324
259
4324
.532'!
163
163
162
405
1324
6226
422'i
4226
4129
129
*i2'>
259
4324
324
4162
4162
4403
259
194
097
338
239
162
4162
162
162
162
#162
4162
4194
4162-
4324
4192
l*O0i
14001
#500
14001
OO
14001
1*001
500
5C0
300
13">1
1*001
7U0
700
4700
700
4400
4400
4400
14001
1001
500
500
14251
800
600
300
14201
800
500
' 1500
500
500
500
500
4500
600
500
1*001
600
124125
124125
64062
12*125
9*6J9
124125
124125
6*062
6*062
6*062
15*156
12*125
8*486
8*486
8*486
8*486
4*849
4;849
44849
9*699
12*125
12*124
6*062
0*062
15*165
9*699
7*274
3*637
14 *55'.l
94699
64062
6*062
6*062
6*062
6*062
6*052
6*062
7*274
6*062
12*123
7*274
DEVEDORES DO IMPOSTO DE 4 0/0 DA VILLA DE GAMELLEIRA.
C ercio n. 19.Ludgero de Pajjla Meira Lima
Pateo da Feira n. 22. Jos de So;:z;; e Silva
. .o n 22.Francisco Marques da Koiiccia. I
e 2" semestre
; -t;i n. t\ o.:ieiiiio Antofiiu da Ponceea,
idom
4 #860
44320
7468i
3*80
144
*I30
#130
Uo
#444
400
*7U
33.5
3*388
4*850
84621
4*310
DEVEDORES DO IMPOSTO DE DCIMA DO POVOADO DE
S'j i da Fi'ir;i n. 2-Maroolino Gomes. Io 2o sc-
pjere 2* 16o
D .4. Henriqoe Loiz Barreto, idem 4*320
Dita -i. 6. -G lillicriue Jo.- do Souza. idem 3*240
Bit i i. 16.-Ib'iirique Luiz Brrelo, idem 5*400
4;ita ii. 18.Joao Zeferiuo, idem 2*160
Dita n. 80.Henriqoe Loiz Barreto, [deui ; .T*240
Dita n. 1. -O mesmo, idem 124960
Dil i n. 3. Paulino Pendra do Oliveira. idem 4*310
i-.', n. 9. -1 oronel Jos Pedro Vtllosc'da Silveira.
idm 6*400
{'.<. .i-ivio ii. 2.-Joao Pouceda, idem 3*240
Dita n. 8." Manoel Gomas Noguoira, idom 3*310
Dila n. 22. Coronel Jos Pedro Velloso da- Silveira,
idom 5*406-
Ditan. 1.Joaquim de Sant'Annna. idem 3*240
Dila :i. 3. -Andiade k Maia, idem 3*240
Dita II. 7.Manoel Francisco Barcellos.. idem 4*320
Dita o.'9.Jos Lucio Bezcrra, ilem 3*240
Dita !i. 17. -Manoel Gome* de Vergueiro. idem 4*320
1>- i :i. l9.-Aexacdrino Jos t^aelano, idem 4*320
Bita o. 23. -Manoel Leite Cavalcante, idem 4*326
Pita ;i 25 Ignacia Maria da Conceicao. idem 5*400
S. JOS DA EXTREMA.
064 200
129 400
4097 300
4102 500
064 *200
4'97 #300
4388 1*201
4129 4400
168
097
4097
162
#097
#097
412)
097
4129
4129
#129
4162
4500
*300
300
#500
*30J
#300
#400
#300
4400
#400
24424
44849
3*617
6*062
2*424
3*637
14*349
4*849
6>62
3*637
3*637
6*062
3*637
3*637
44849
34637
44849
4*849
4*849
6062
._ ey.
Joaquim G. Vioira Guiuiar.ios, Joaquim Marques
da Silva, i. M. de B. Oliveira Lima, J. de Oliveira
e Souza, Jos C. CarriHio de Vaseoncellos, Josa
Demiogues da Silva, Jos L. da Cuna Alcanfor,
Jos Privat, Js Rodrigues Sette, Joanna do R. de
Jesns, Joao Jos Rodrigues, Lniza F. de gouza
Mello, Lniza de Franca de Yas*oneellos, Lnii
Keller, Miguel A. Pereira de Souza, Miguel Ber-
nardo, Manoel F. do Rege Barrps, M. O. de Car-
valbo Pjh|o, M. Per ira dos Santos, Manoel R. Pi-
mente!, Nabor C Be erra Cavalcante, Pedro C de
A. Leito F., Policarpo X. R*mos, Rosalinda M.
da Goncei;aq, R. Honorio (Ja Silva, Severiano Fer-
reira de Soua, Thomac A. Espiuca, Tertuliano J.
da Silva Lobo.
Admmistraco do eorrio de Pernambuco, 4* de
fevereiro de 1873. rTT-
O'encarregado de regisn-o,
Amaro G. da S. Ramos.
THEATRO
1.1'MMKIO DMMATIdO
so
DEVEDORES DO IMPOSTO DE 4 0/0 DO TOVOADO DE
Commereo n. 16.Joaquim Buarque de Vcrdoza 3*840
lu- n. 25.Ignacia Maria da Conceicao 2*400
S. JOS DA EXTREMA.
*U5 #333 4*310
072 *222 2*694
CAMPO DAS PRINCEZAS.
DIVtllTIMEMO PASTORI!
Nt'vla-irira 9 le IVci-eiro."
Depois que a orcheslra bou ver executado una
brilhante ouvertura, representar se-ha os 3." e 4.
actos do drama :
OS ,D0US 4NJQS.
Seguindo-se a represeutacao do vaOueville pas-
Par^ o Rio de Janeiro.
Eoatende seguir neites oito dias o brigue na-
conal Itahel ; para o resto da carga que Ibr
lita trata se com os eus e nsignatarios Antonio
Luiz e.QJiv ira Ai ved n s escfiptorio, ra
do Rom Jtsm n. 57 ( utr'ora ra da Cruz).
8 caixas com biscoutos fraucezes, contendo
cada urna caixa maisou menos 100 mas-
aos. -
- HJE
O agen'f Pinlio Borges far leilap das mercao-'
rias cima, e mals umi calxa com chocolate
ecrca de 200 libras; no seu escfpierio, ra do Bom
Jess o. 53, primeiro andar, pelas 11 horas da
manlia.
PROGffi
m o POHTO
pretende seguir uestes quatro dias a barca portu-
5aera Anwlia, podendo ainda rocT^ber alguin resto
e carga a frete mdico : a tratar na ra do Vi-
gario n. 1, 1' andar, escriptorio de Beltrao Olivei-
ra 4 C.
Seguii
toril em 2 actos
Os billieles, no lugar do costume.
\s 8 1j2 horas.
thTtm
SANTO ANTONIO.
EMPREZ4 VICENTE..
SuMmiiIo .S de fevereiro.
USegunda representarlo do muito imporlaute
drama em o actos :
A FILMA DO ASSASSI\0
Os principacs papis sao desenipeuhados pelos
artistas'Manuela Luocl e Flavio W.indcok.
Terminando o drama a orcheslra executar o
grande galope infernal e burlesco, de assumpto
inomciitoso, composto pelo maestro
F. Colas
e intitulado :
Os jesiiilas Irole!
com grande aconipanliaiuento de labiunba, caisa
do rufo, pratos, chocalhos e assovios.
Finalisar o espectculo com a linda comedia
em 1 acto :
\tm obsequiar o ihtu amig..
' O artista Flavio desempenhai o principal pa-
pel.
Comecar s 8 1|2 horas.
< OMI'WIIIX
DE
BMSILEIRl.
Dos portos do norte
sjieradp at o dia
7 do coi rente o vapor
Cruzeiro do ul, com.-
mandnte T e i v o, o
qual depois da demo-
ra do e stume. seguir para os do sul.
p EnconiiiiRiulas de pequeo valor, peso, medida
6 talnhem dinheirq, recebe-se at i hora da tarde
do dia da sabida do vapor.
Pata,(retes e passagens, trata-se na agencia, ra
do Cprnuiereio n. 8.___________________________
Para Lisboa.
O novo e veleiro brigue portugoez Damiao, ca-
pitao Pedro Marlins Brauco, o priuu iro navio
a sabir por lev j a maior parte da carga promp-
ta, tem bons commodos para passageiros : trata-
se rom E. R. Rabello & C, ra do Commercio nu-
mero 48.
LEILO.
COMPANHIA
DE
^aiOnHco lna^ilc-iiii.
Do dia 8 em diaq -
te esperado dos
I Mirtos do sul o vapor
Paran- coininandan-
te Pamplona, o qual
depois da demora do
costume seguir para os do norte.
Encoinmands de pequeo valor, peso, medida
e tambam dinheiro, recebein-se at 1 hora da tar-
de do dia da sabida do vapor.
Para fretes e passagens, trata-se na agencia,
ra do Commercio n. 8.
COMPASIUA l'KUNAMBICASA
DE
lMvegacto t'oslcira a vapor.
I'AUAIIMIA, SATAI.. MAC.VO, MOSSOHO', AKACA-
TY, C.tAK, JiANDA.Hi:*, AOAKAC.U' E GRANJA.
O Vtpor PirapaiiHi.
rommandante Azevi'-
do, seguir para os
portes cima no dia
13 do correte, s 5
horas da tarde.
Recebe carga at o da 13, eneonimeodas at o
dia 14, passagens edinheiro a fete at as 2 horas
da tard do da da saluda : escriplprio no Forte do
Mattos o. 12.
COMPANHIA
l'KKSAMBl'CANA
DK
s
CompTuihia dramtica.
Sob a diroc. o do artista
Tliomaz Spiuea.
mm sumo.
Beneficio da artista Olynipia Augusta
Domingo 9 de fe-ereiro.
Represeular-se-ha o importante drama en tres
actos :
LUIZ,
Terminar, a pedido, eom a espirituosa come-
dia, ornada de cootiadansas :
Maricota ou os effeitos da
eduGaqo.
Principiar s 8 l|2horas.
A beneficiada coota com a protocejio do plii-
lantrapico publico encdense, pelo que aoteripa-
sfj* em agradecer, protesta do-lhe eterna gratulan
AVISOS martimos
pahia.
Sogue com mui'a lue id d i para o indi do
porto o veleiro hiato Garibaldi : ca gao frote
tratar com os Sis. Tasso Irmaos A C. ra do
Amorim n. 37.
..o do rontencioso provincial de Pernambuco. j' de fevereiro de 1873.
O fofficial.
Horacio Walfrido Vcrapino da Sdva.
DAS
MESSAGERIES HAMTIHES.
At o dia 8 do crrenle ioz e-pera-se da Eu-
ropa o vapor francez Cambie, o qual depois fla
demora do costume seguir para Bueiios-A> res,
tocando na Babia, Rio de Janeiro c Montevideo-
Para condicfies, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9.
o dia 9 do corrente mez espera-se dos portos
do sul a vapor francez Mendoza, eommandante
Bonigni, o qoal depois da demora do costume se-
guir para Brdeos, tocando era Dakar (Gureej'
Lisboa.
Para coudicwcs, /retes e pas-a^en, trata-se ha
agencia, ra do Coroincroio n. 9^
la i'ft-ai;A costeii'a a vapoi*.
MACKIO, ESCALAS, PENEDO E AHACAJl,'.
O Vtpor Mandiih,
cominaudante Julio,
seguir para os pol-
los cima no dia lo
do corrente, s .'i
horas da tarde,
eeebe carga at o dia 13, eocommendas at o
iia^Ji, passagens e dinheiro a froto al as 2 horas
da lirde -do dia da sabida : escriptorio no Forte
Maltes o. 12.__________________________
COMPANHIA PLUNAMBlCAiNA
DE
imcgiini euMtei'a a apoi*.
GOYANNA.
O vapor Vwahijba, se-
guir para o porto cima
no dia 12 do corrente, >
!t horas da noite. Bcce-
be carga, eneommendas,
pasageiros e dinheiro a
trete : escriptorio no For-
do Mallos n.
COMPANHIA PF.KNAMBH A>'A
DE
H'avegaei costeira a vapor.
P'OfTO DE.PEDKA, HIO 1 OI1HOSO E TAJIANDARK
O vapor Parahyba,
seguir para os por-
tos cima no dia 15
do corrcnlo s 9 ho-
ras da noute,
Recebe carga, en-
eommendas. pas-ageiros e dinheiro a frote : es-
criptorio no Forte do Mallos n. 12
COMPANHIA PKRNAMBUCA.NA ~
DE
.1'avegaeito eoslelra a vapoi*.
* MAMAN!'.lAPi:.
O vapor Coruripe, coni-
inandante silva, seguir para
o pirlo cima no dia 12 do
corrente, s 5 horas da tardo.
s Recebe carga, eneommendas,
pafisageivos e dinheiro a fre-
te at as 2 horas da tarde do dia d.i sabida : es-
prijitorio no Forte do Matto> n. 12.__________
Para
vai caniral odia 8 de
gneza Arabella, de I"
0
Para
fevereiro a barca portu-
clas-e tem tros partes da
oarga prompla, e para o resto que fue falta, tra-
ta-se com Ferreira de Almcida.dc C, ra da Va-
dle de Dos n. 36.
Para o indicado porto, pretende seguir com pi u
os dias de demora a velona barca p.rtugiieza.
A'oro Silencio, navio do l." classe. capitao Fereira,
por ter mais de dous tejaos de seu carrogamonlo
prompto e para o resto que lhe falla e passageiros
(para os quaos tem bous commodos,) tratase com
os consignatarios Joaquim Goncalves Beltrao &.
Filos ra do Commercio n. S.
Pam o Rio de Janeiro.
Vai sabir com brevitfede o lugar portu-
ez Almedina por ter a maior parte da carga
irompta : trata-se com E. R. Rabello & C : roa
Commercio n. 48. '
Para o Aracaty em direitura sane aesies
oito dias o hiate nacional Mat ia Amelia, de 1'
classe, capitao e pratico Francisco Tliomaz de As
sis. j tem metado de s.ou carVegamerao engajado :
para o rosto trata-se com sen consignatario Anto-
nio Alberto de Soasa Aauiar, rna do Amorim
.00.
DE
una caixa cosa 3i' duzias do bciyallas, 56
duzias de dneotes, o 12 duzias de lequo>
de osso e sndalo.
Lina dita com 9 l|12 duzias de camisas de
flanella e 60 duzias de collarinhos.
Urna dita com 100 pares desapatos de tran-
sa para homens e seinWas (com avaria
(tagua salgada).
II
s 10 1(2 horas em ponto.
O senle Pinto aulorisado pelo Sr. gerente do
consulado de franca, levara aleilao em proseara
de seu chaoceller, e pos coota c risco de qucn
pertencer, duas caixas, tcodo moa a marea S C 4
A n. 32, e outra dita marca J L M A C. o. 78, am-
bas avalladas abordo do vapor francez Nemioza ;
e mais urna caixa marca J L M & C. n. 10O, ava-
riada bordo do vapor inglez Gnssendi ; o leilao
sera effectuado no (fia e hora cima ditos, no
escriptorio do referido agente, ra do Bom Jess
u. 43. ______
LEILO
DE
.210 caixas com sabao inglez, 10 ditas com
mlho d to, e cerca de 40 queijos suissos.
oje
O agente Pestaa far leilo de 210 caixas com
sabo inglez, 10 caixas com inolho inglez, e cerca
de 40 queijos suissos, e ludo ser vendido para
fechar facturas, no dia cima sexta-feira 7 do cor-
-rehle s 11 horas da maonA, noarmazem do An-
nes, defronte da alfandega.
Ia leMla to \o*, 4-dk*ra d
lliun SaeeeMio, pie te venrra
em aia capella, m rm
lo*su ili-iioniiiiarao.
No sabbado 8 de corrente ao meio dia Fufcir
aos ares diversas gyrandolas de fogo, e a musir
de 2.a bata bao da guarda nacional far oaiii
diversas pecas de seu repertorio ; neste reeano
:'i;i pelas 5 horas da larde-, ser trasladada, em
solemoc procisso, a Virgem do Bom* Sueeesso,' a
qual acba-se na igreja do Amparo : para i'alli
ser c ouluzida para sua rapella.
No domingo 9 do eorrenl pelas ."> horas da ma-
ulla, urna salva de 21 fiw, intermeada com di-
versas gyrandolas de fofo, e ce estampido ia
mesma mnsica o 2.* batalbao, disjiertar a pnu*
lacao que cliegado lo pomposo dia.
As 11 horas entrar a missa, sendo a o dies-
tra dirigida pelo hbil professor o 9r. Moudonfa.
e os sollos serao executados |wr habis artiste?
A tarde soltar-se-lia diversos baMes, e a M-
sica far ouvir cscolhidas iie.as de seu reperto-
rio. I
ooule liavor ladaiuba, Onda qns seja, sol-
tar-se-ha um lindo e variado fogo artificial, ftlo
pelo hbil artista o Sr. Leoncio, que tanto 'cfa*o
tem merecido pelo seu trabal 0.
Prograoinia da festa do Glo-
Santo Amaro, em
LEILO
'malezas
DE
fizondas francezas e
(A VARIADAS)
HOJE
AS 10 1 [2 HORAS
Por intervencao du agente Hato.
Em sen escriptorio, ra do Bom Jess n 43.
DE
Urna caixa com chapos, duas ditas com
ferragem e miudezas, duas dila com ron-
bilia, todas com avaria d'agua salgada.
mi d^*\B k
A m IO hi*aN e meia lo lia.
O agente Pinto levar a leilo por autorisacio
do Sr. gerente do epttSUlado de Franca, oni pro-
senra do seu chanceller e por cunta c risco de
quein pertcqcer de duas caixas. mana F V G ns.
78 e 83 e duas dita, marca P e ns. 3,219 e 3,:(07,
todas araadas, bordo da barca trncela San
Louiz, rinda do llano, e mais urna dita marca C
4 M n.108. avariada, liordo do vapor inglez Jn-
ri*. O loilao sera eectuailo no dia cima dilo. no
escriptorio do referid. agente, roa do Bom Jess
n. 48.
DE
27 caixas e 7!) meias com batatas.
Hqje
O agente Pestaa (ara loilao, por coota e risco
de quem pertencer, de 27 eaikas e 79 meias com
batatas, boje, s 11 horas da manir!, no iinazein
do Aunes defronte da alfandega.
Sexta-feira 7 do corrate
O agente Piulio Borges far loilao de 3 caixas
com manteiga ingloza milito boa, contendo cada
caixa 3 boioes, no seu escriptorio, ra do Bom
Jess n. 53, primeiro andar, s II 1 [2 horas da
manila.
HVSQSDVEBSOS
E\|>8s<;i> Prddidal k tawp-
llH'i>.
iiiuiiiu, anu ut ii-i -.-- v i".'^"" 'i'"-
mesnia xposielo vai ser dirigido ao go-
lixar-se o dia da distribuicao is pre-
.\o dia 7 do crrante s horas da larde ter
lugar no palacio da p'resideocie. a ultima remiiao
ordinaria da commissao directora da ex|osico
de l'ernainUico, alim de ler:se o relatorio que
sobre a
verno, e
mos conferidos aos expositores.
Osmembros do jury especial poderlo assistir
reuniao,
Sala da conimissao directora. 4 de fevereiro de
1873. ,
Buarque de Macedo,
' Secretario.
jpjplkuej-.
LE1L0ES
v.ouado b do corrente linda a audiencia do Sr. adjudicacao me vera a er por 1:603AQ0Q e vai a
Dr. juiz dedircito da 2." vara, do civel, vai a praca por cxecuai'de D. Maria Joaquina de 0|i-
para ser arrematada por quem mas der a vvira Campos, j tallecida, boje representada por
rasa terrea meia agua feita de pedia e cal, em son testamenteiro Juaauin Manoel Ferreira de
foroiiis, a qual tica nos fundos da casa ter- Souza, contra Jgiao Manuel do Siqueira c sua mp-
reaa ra da Concordia n.'lj dita tneia agua tom llic-r.
urna porta, 1 j'moa, com 22 pajinos de lai'gura e ________^____________________________,________
40de funda, 1 saja, 1 alcva e mais 1 quartinlio, P- rendas internas geracs
aendi) a serventa a ie/erija meia agua por 1 >k fa ) blico qoj i. -.looorrento mez de feve-
r Vo que se linda praso do pagamento sem a
iiiulia'deO/t. d-' tM escravos, relativa aq
besen, que vai wr ao caes Uc I .ten4u sido
em 2:001)^000: vai apraca pele p're. da
Para o Rio~Graa LEILAO
Recidie carga a rete o" patacho por
iiii:t de Castro : U'ala-so'cwin E. Jl. ~
ra d,o Commorcin n. 48._______
eV

Para o Porto
Seguir at sa,qTiauo 8 o"'creni-, e recebe
oda aiguina cjra e paf-jaoiiMs : a-.J/atar com
'.uuka Irma.os A C-. ra da Madre m fiflfs If
j3i,ou cora o capilla.
DE
madapoles, algodes, chitas, chapeos, ca-
misas Tleflanetla, collarinhos, cabecadas
para cavallos, meias, tezouras, machinas
para caf, rot)Wes c outro obi.xo6, (com
avaria).
HOJE
s fO 1*2 hQas em ponto.
Por iaitorvenrao lo a^eQte
Pinto
cm seu estertorio, ra do Bom -u \xM
m IA FORTIVt
AOS 5:000^000.
BILHETES GrULlXTIUOS.
.4' ra Primeiro de Murro (oufr'ora raa do
Crespo) n. 23 casas do cestume.
O-abaixo assignado tendo vendido nos seus fo-
lizes bilhetes tres quartos n. 103 com 5:0OO5Ol(.
um meio. u. 502 cid 800*. uro quarto n 2682
com 300* e ou-as sortcs de 40 e 20J! da toterfa
que se acabou d* extrahir (31*.") convida aos
possnidores a rirein receber na confirmidade
do costume. sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 2- parte das loteras a beneficio da igreja de
Nossa S!iihora da Piedade do Santo Amaro (39.*).
que se extrahir na sexla-feira 14 do corren-
te mez.
pngos.
Biihete nteiro GOOO -
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
EM P0RQA0 HE 100*000 PAIIA CIMA.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
Manoel Martins Fiuza.
Povomlo dos Montes.
Joaquim Porfirio de Aranj-, competentemente
habilitado, contina neste povoado a exercer as
funccSes de seu magisterio, e a leceionar por ca-
sas particujares as fuaterjas seguales : gramma-
tica nacional, franceza e latina, arithmetica, phi-
losophia e mnsrca. O mesmo est disposto a ac-
ceitar alumnos internos, que, como os externos,
pagaran as mensadades por trimestre adiaatado.
Quem pretender dirija-so ra da Concordia n.
6( onde o encontrar desde s novo horas da ni"
ulia at s quatro da tarde______________
Aluga-^e
o sobrado de um andar ra 'ue jiortes n '30 ;
a tratar na rita Duque de Cr^-^ K^
- Jtoi*arelBea^jj?^dTti*a. Mo'.i &?*&
da freguezia (J,- .Vossa Senhora d. v Ac A-, Ca-
i indo
roso
sua capella das Saliu;i-.
Ao romper da aurora di dia P Ho onvule,
una salva real de 21 tiros annunoiar aos habi-
tantes desla cidado que o cbejaija o iba ili fes
ta do glorioso Santo Amaro, a tpri.ti iiar
as 10 1|2 huras da manha, sondo orador do
Evangelho o dwtineto pregador da capdla impe-
rial frei Joao de Santa Thereza.
Na vspera, dia e noute da tosa, -\enMnr o
insigne flautista, o Sr. Candido (juiitiiio B idri-
gues Lima, lindas varlorOes do sou grande reper-
torio. m
No Gloria cuitara o solo a Exma. Sra. B Auir-
lia Baptista, que com tanta maestra tein cantad*
as normas.
.V tarde ser basteada a bandeira da Se* ora
das Angustias o 0111 seguida subir ao ar um1 Ilu-
do balao aeroostalieo.
noute, linda a res|>ectiva lalainha, princi-
piar o setenario da Senhora' da Angustias. A
orcheslra ser regida pelo dislrncto e hbil pro-
fessor Francolino Domingos do Moma Pesen, qa
nao tem poupado esforcos para entapela satisfa-
go dos espectadores.
Na vespera ao meio dia, a noute e durante to-
do o dia da festa, tocar a buida V iimsioa mar-
cial do 9." batalb o de linda cscolitidas peras.
Aluga-se o sobrado de um ailar da ra
do Bara ua Victoria .. 57 : a Irarar na loja o>
mesmo. ____
Remedios do Dr. J. i. Ayer -
pkitouai. ni: CEREJA
PARA CLItAll
CiAII(.lVl.t.
pi:itu
1; vi i.iim;.
Taes comolosse.icatharrho, aslluna, an-
dina, (lelluxos, bronebites, constipaj6e> e
rouquido.
O peitoral Je enroja o remedio que luje-
esl dando tao bons resultados na curadas
molestias cima.
Em gosto ('
muito agrailau-1
e
faz-so muito simplesmepte.
O mclhor meio de determinar
A lise
propria para a nature/a de cada pessoa de
o dar ao principio em pequeas porr-ese ir
augmentando al causar nauseas que sepodi-
cotisiderar o extremo: onto cDiitinuar-se-
!ia com dses um tanto menores.
Dire^'H-s para us).
PARA IMA TOSSK. -Toma-so urna dse
cegular duas ou tres vezes por dia, augmen-
tando gradualmente at proiluzir nauseas.
PARA BROMCH1T16.Toma-se poque-
nas, porem repetidas dses.
PARA ASTHMA.Toma-se dses frajcas
porem repetidas, durante e depois do paro-
xismo.
PARA DEFLUXOS.Toma-se urna dse
furto de manha e outra a noite, a da noite
sendo*maior.
PARA ROl.'yriH.Toma-se repetida-
mente algumas, muito pei|ueuas, doses.
Na ptlivsica o fjaitorn! de Cereja degran-
de uliliade, allivia e conforta de urna ma-
m-ira ailmiravel. Para o-tratamento desta
molestia, leam-se as instructjtTes* queanejn-
panliam os frascos do peitoral.
TABELLA. OS DOSES.
Para un hoiiieui, '<> ate i<> pingos
una niidlier, 30 at 60
pessoas de 1 i, annos, 20 at 40 pingos;
Para una enanca de 1 auno, pingos.
3 10
<( ti 1 ii
PRECOS
3$000cada vidro. 309000 por duzia.
] 'cade-s
Em casa de tollosas principacs- bolita*,,
pliarinacias etc. do imperio.
Cada vidro vcn-co.n envoltorio e rotiih-
com todas as djreei.es uecessarias em portu-
gue/, com os Domes dos agentes geraes iu>
Brasil.
_______________II A. Cu.*el& &. CS
Aluga->e
Um casal de escravos : amulber optin...
zinheira e engommadeira, e u marido i cxcilloii.'-
criado, e serve taiubcm paca tratar Ce-sitio. lHe-
fere-se casa estrangeira. Alugam-so igu;|!inUi-
dous moleques bons para criados : ao Sr. Bbo-
l;.o Tolenlino, eom loja de ourives na toa d Cabug, se pderae dirigir os pretendenies._____
COMPANHIA
1
v^
punga di audiencias nas.,ca?-- -J!'
anlecedente. i-h'ja-
Em cuinprimento 0,0 disposto no artigo 19 o--*
estatuios da mesma compasbia sern vendidas :<
de suas aceoes de ns. 261 a 270 Os preWefc*-
tes devero dirigir suas projiostai, por infen>>-
dio do corretoros {eraos at 11 dia l'i do cor-
rente ao escriptorio da companhia, ra do Vi-
gario n. 4,_________________; __
Manoel Fernandes da Costa retirase para, a
Europa, o durante sua ausencia deba por seus
bastantes procuradores em 1.* logar seu vam
Antonio Fernandes lliboiro. em t" Jo|o Fen>;,.
des Baptista e em :i. Joaquim Fernandos d^ 0^1,.
Han01-I JoA<]iilm S^Vr*? -Jnior.
D. Olimpia "^fc Barro Seve
convida -^ ^^ uarcnles e
l'-?r("'Jios e amigos do sou .sempre
inorado esposo para assistire
jaP'-^ missas que manda eelebrar pelo
^J| sou eterno rec>*uso, no dia 10 ov
--i mt c rrente, na capella do semitori-
.mblico e matriz da Roa-Vista, as 8 horas 'la ma
nh, e na matriz de Nossa Senhora da Gi^ca a>
7 horas.
Tma casa terrea hu Afogadt*, HW *jfc
toeolombo n-22.com qmna mtartofa cO
d'agua do beber, contendo sal-.A.eiuarli
zinha fora ; a tratar i ra Dtt.un .-? *
U
C 41
\




-
Diario de FetnambucQ Sexta feira 7 ele Fevereiro de 1873.

ATTENCO
Pastnim'do engcnlin Cseh'Hra Tapada, fregu-
ria da Escada, no melado do mez de deaembro
prximo passado o escravo Rufino, de 18 *>
.unios ile idade, cor prWa, principiando bu..o le
barba por debaixo do queixo, pequeo, eeeB c
rauito espigado do corpo, beieos grossos, pes pe-
quero?, olhos vivos e com urna cicatriz a um
coica de cavallo por ciina d'um e tem falta d un
dente na frente; ievoucalcase camisa de algoil.au
-uid e de listra, urna camisa de waieta encarnada e
m palilot de asentir escura e consta ter seguido
vara villa de Limueiro, de ode e natural.
Jorge, no dia 6 de (aneiru do correte anno, de
30 anuos de idade pouco mais ou meaos, cabra,
pouca barba, bigode e cavaignac, cabellos preos
> a especie de cafeecle, altura regular c todo for-
nido, tem os dedos polegar c ndex da mito direita
duros d'uns tainos, cajas mareas estao bem visiveis,
sahio preparado coni trouxa de roupa, calida e ca-
misa de algodao azul e de listras e urna camisa de
baita encarnada. Presume-se ter feito viagem
para villa de Imasetra, ser Uto de Paje de Ho-
ras," para onde j ha dous annos, fez urna fgida e
> natural; roga-se pois as autoridades polica e
capitacs de canti, a sua captura, que serio gene-
rosamente recompensados.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recifc Miuda e Bekribe.
Compra do solipas. .
No esenptorio desta com-
panhia, comprase constante-
mente a precos razoaveis,
solipas de oticica e sapu-
caia, das seguintes dhnen-
1 soes : comprimento 10 pal-
mos, grossura 9 pollegadas,
grossura i ditas.
Contrata-se com o abaixo assiguado na esta-
o da r. a da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
Avisa-se '
a quein der noticia da escrava Guilhermina, quo
(oi do tcnente-coroncl Feliciano Joaquim dos San-
tos, rtepois comprada ao BarSo de Na freth, re-
presenta ter 2S annos, tan falta de dentes na
fente e as mos com cicatrizes de queimadura de
gaz,secca do corpo, muito regiista, que desarma-
receu da casa de sobrado n. 26 da ra dos Coe-
IIios, (uie ser ^llorosamente rcconipeiisado.
AOS 5:000#00G.
Estad venda os felizes bilheles da lotera da pro-
vincia, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourives, no Recife.
Collego S. Sekstfk
de Santo Amaro das Salinas e N. S. das
Angustias.
As pessoas que quizerem alugar terrenos para
armare r. barracas durante os 18 das de novenas
o testas, poderao dirigir-so capella do lugar, que
.ilii acbarao com.quem tratar.
tiiu lo HriMii n. 3S.
'Manoela Augusta de Mc-ndonca Mello llego, au-
torizada pola directora da lnstraec.io publica tem
a dislincta honra de coiiiinunicar ao respeitavel
pubiieo que tem aberto na ra di Brum n. 73 o
Collego s. Scbastiao destinado educar do meni-
nas ; sendo as materias do ensino as seguintes :
primeiras lettra?, grammatica portugueza com seu
desenvolvimento, letura dos Evangelhos e nocoes
geraes de aritlimetica dessenvolvida, francez, in-
glez, dezenho, msica applicada plano, igual-
mente ensina-se tambem todos os trabalhos de cos-
turas e bordados, inclusive o bordado a ouro e flo-
res. A directora alem do esforco que eraprega por
si, auxiliada por professoras e professores para
isso'contratados, garantindo lodavia cuidado e zelo
peias alumnas que Ihc forem confiada".'
Cozinheiro.
Procisa-sc de um que seja bom, paga-se bem :
no hotel da independencia, roa do Imperador n.
LIMES DE FRANCEZ
Edyard Gmbaro d lices de francez, tanto pa-
ra fallar como escrever esta lingoa em pouco tem-
po e por methodo multo fcil : na ra da Aurora
n. 41, 2 andar. ^^^^^
Alientan.
O Sr. Antonio Jos Ferreira, tenha a bondade
de apparecer na ra do Duque de Caxias n. 60
A, loja de Bento da Silva 4 C, successores de
Manoel Bibeiro Basto*.
4MA
Preeisa-se de urna ama para o
servico de casa de pouca fa-
milia : a tratar na ra da Cruz
n. 18,
3.' andar.
AMA
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar perfeiimnentc e
com rar para casa da hornero
sohelro : na ra de Pedro AiTunso n. 12,- ntiga
ra da Praia. _________________
^ tTt T~ Precisa-se de urna ama para
j\ M A engommar e lavar, paga-se bem:
V IT1 l\ a tratar na Passagem da Magda-
lena, largo do Chafariz, sitio com grades de ferro
pintadas de p cto e tres coqueiros a entra i a.
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Para maior commodidado dos passageiros
que desejarem assistir aos lindos fogos d'ar-
tificio nas festas da Senhora d so e do Senhor do Bomlim, na cidade de
Olinda, no prximo domingo 9 do corrente,
expedir a companhia um trem s 10
horas da noute de volta para o Recife.
O gerente interino,
Laurentuw Jos de Mirando.
i/8
%so<*iartto Portuguesa le He-
nefieeeia do eiupreals
no eoiiiiuereio o iu IVi-iiainliiico.
De ordem do Sr. presidente e a rcquerimcnlo
da directora desta assoeiaco, convido aos Srs.
associados para se reutiircm domingo 9 do cor
rente, pelas 3 e nieia horas da tarde, na casa da-
sessoes, ra da Imperatriz n. 53, segundo andar,
aim de constituidos em assembla geral, preen-
cherem por eleico as vagas existentes na direc-
tora, e tratar-se de negocio de mteresse da ms-
ala associaco.
Beeife, o oe fevereiro de 1873. Salvador Jos
Ferreira Guiuurae.i, i." secretario da assenibla
geral. _____________
No dia 19 do corrente Janeiro de 1873, au-
sentara-sc do lugar denominado Acude do Matto,
da freguezia da Gloria do Goit, a preta de nome
Thereza, altura regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente superior na frente, em cen-
sequenci- de os ter muito sepaados e serera li-
mados, soffre cravos nos pes e no rosto tem mul-
tas sardas salientes como bertuejas ou berrugas,
Ievou vestido de chita -verde, urna coherta de chi-
ta, e duas mulatinhas ambas filhas da mesma,
urna de nome Rogeria, de 7 annos de idade, cor
clara, cabellos annellados, os olhos mrbidos e os
dentes da frente largos, e a outra de nome Ma-
ra, de 17 mezes d idade, menos clara, testa sa-
liente, olhos pequeos, cabellos igual a primeira ;
ambas sao pertencentes ao Sr. Jos Eleuterio da
Silva. Suppe-se ter ido em procura de um fi-
lho que foi o anno passado vendido ao Sr. Bario
de Nazareth por ter descido pela estrada de Pao
d'Alho, e sem dnvida ir passando por fo ra por
motivo dos filhos : a pessoa que a tiver em sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer-
ta, sera generosamente recompensada ; para in-
formaedes neste tyiwgraphia.
* CONSULTORIO i
MEDICO-CIRlJRGICO
DO m
Dr. J. U. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ba do Mrquez de Olinda n. 25, pri- [
meiro andar. )*X
Consulta das 7 horas s 10 da manha.
Chamados a quah(uer hora.
Um hotel venda.
Dispoe-sc de um hotel em excellente localidade
nesta cidade, bem monlade'o muito afreguezado,
por se aehar, doente e precisar tratar-se o dono :
cpicm quizar dirija-se ra larga do Bosario n. 30
que se dir com quem negociar._______________
150^000
Noengenho Massuassd, fceguezia da Escada, se
dar de gratficacao a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos qne naquelle engenho
foram furtados na nouto do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o tem 9 annos,
castanho e castradi, tem a orelha direita bastante
lascada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o 2." meo, com pintas verr
melhas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coco fino, castrado, tem os quadris feridos da
cangalba, ferrado com a marcaI. R. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3." rodado
sjnhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
-Ono quarto direito : gratiflea-se com SOiOOl
por cada um em presenta da pessoa, em culo po-
der for encontrado qnalquer dos ditos cavaMos.
Fugio hontem, 27 do corrente, o escravo Be-
nedicto, mulato, cabellos carantonas, corpo grosso,
baixo, olhos grandes e mnito flor do rosto, sem
barba e representa ter 18 20 annos.
Este mulato natural da Parahyba, tendo sido
escravo do Dr. padre Moura e por este entregue
ao seu sobriimo padre Moura, coad
guezia do Cabo, para vende-io, como
deu-o ao Sr. Joo Pedro de Mello, e este a mim ha
onze dias.
Quem prende-lo, poder conduzi-lo ra da
matriz da Boa-Vista, casa n. 3', onde ser gene-
rosamente recompensado. ______________^
Atlene.
*
*
&
.0 Sr.....de Araujo Cezar, favor v'r -rua
do D que de Caxias n. 60 A loja de Bento da
Silva & C, successores de Manoel Ribeiro Bastos
Criado.
Ama de leite.
Prcisa-se de uma que tenha bom leite, e sem
filbo : a tratar ra do Duque de Caxias, ou-
tr'ora Queimado n. 70. _______
Precisa-se de uma ama
para cozinhar : na ra de
Pe ro Aflonso, outr'ora da
Praia n. 3.
Criada
Precisa se de uma que cozinhe e engomme com
perfeicao, para casa de tres pessoas : ra da
Uniao n. 67, confronte ao muro do gymnasio.
i.
0 abis i assiguado declara ao publico e espe-
cialmente n i corno eommercial desta praea ou
fon dola, que tem justo o contratado a suato-
verna sita ra do Rangel n. 3, com todo o acti-
vo a passivo com o Sr. Francisco Rodrigues Al-
mirante, livre e desembaraeada, Picando o dito
comprador para pagar seus dbitos nos vencunen-
. como constada relacSoe balanco por nos am-
i os assigna>los em vista da totalidade e orcamento
da quantia r mfere iciada com os crodores ; as-
sim.eomo tambem ,;ca responsavel por qnalquer
debito gue >< Ksa ippareeer, que nao conste da
n cao, tanto de mercaduras como de impostas
atrasado?, qu lo livres ao eoinnrador : qnm se
j ilgar cora suas c mtas nao conferidas, appareca no
praso de tre* dias, e nao comnarecendo, nao ter
direito algum. e para maior firmeza nos assigna-
mos. R"'-i'- >', [|. Janeiro de 1873.
. Fr :;-co Rodrigues Almirante,
mto Ferreira Pimentel.
Ausencia.
Evadiorse o escravo Paulo,
tripolanle, traja do roupa de servico de bordo,
e tem os signaes seguintes : estatura e rosto re-
gulares, cabello- prenlios, nariz e boc a regula-
res cor preta, crioulo, e sem barba : roga-se
a apprehenso do mes i o, e conduzi-lo ra da
Cruz n. 3, aonde se gratificar. _______ '
Attenco.
Na roa do Imperador n. 28, armaiem do Cam-
pos, precisa-se de um homcm capaz de tomar con-
ta de uma casa particular e ser nico despencei-
ro. dando Piador a sua conducta, paga-se bem.
Escravo fgido
.oOSOOO de gratificado.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos annos,
crilo,e bastante ladino; este preto pereito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esleve no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourenco da Malta, onde consta ter prenles,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecen, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, loja de iniudezas do Rival sem
Segundo, que receber a gratificado cima de-
elarada.__________________________________
Joaquim Martinho da Cruz Correia, tendo
de retirar-se para Europa, declara que nada de-
ve nesta praea, nem em outra qualqicr, e ppde
aquelles rs.' que ainda lhe devem a obzequio
de Ihe pagarem._________ __________^i________
Moleque
Precisa-se akigar um moleque
nos : trat r no armaem do
imperador n. 28.
No Collegio Sant Genoveva, ra do Hospi-
cio n. 65, precisa-se de um criado que seja livre
ou escravo.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife S. Francisco.
AVISO.
Tendo o governo imperial approvado a propos-
ta da directora desta estrada de ferro sobre a
concessao de passagens gratuitas aos que cdifl-
carem casas prximas as estacues de Boa-Via-
te entregue gcnij Pra-^res, Ilha e Cabo, resolveu que as re-
liutor da fre- feTl s passagens sejam concedidas sob as seguin-
de facto ven- tes condicoes.
I. As casas sero construidas de eonformi-
dade com um plano, orcamento ou qualquer -B-
pecifleacao approvada pelo superintendente da
estradade ferro.
2/ As casas de um valor de 4:0(011 dao direi-
to a concessao de uma passagni de primeira
classe peloespaco de 10 annos ; s de 3 000 a
uma passagem de segunda class* por igual pe-
riodo e as de 2:000 a umi de terceira classe,
idem.
3/ Poderao usar das passagens concedidas o
proprietario emquanto morar no predio construi-
do, ou o inquilino. O proprietario, porm, so
poder lazer transferencia da dita passagem uma
eo vez dentro do anno, dtvendo disso dar scien-
cia ao superintendente da estrada de ferro.
i.1 Estas condiffles vigoraro dentro de um an-
no devendo ser revistas em Janeiro de cada auno
a come?ar de 1874 para serem alteradas se for
cooveni'ente, mas sera prejuizo das concessoes j
feitas.
"As pessoas que quizerem se utilisar desta con-
cessao podein desde ja apresentar ao abaixo as-
signado os planos das casas que pretenderem
construir.
Villa do Cabo, 30 de Janeiro de 1873.
G. O. MANN,
Superintendente.
Precisa se de uma ama para cozinhar Je
comprar : ra do Duque de Caxias n. 64, loja.
Precisa-se de uma ama boa cozi-
nheira para casa de pouca familia :
na ra do Brum n. 84, 1* andar.
ATTErCAO.
Precisa-se de um padre d boa moral, que te-
nha os precisos dalos para leccinnar cinco.me/ii-
nos, tanto a lingiia nacional como /rancei elatiw,
garantindn-se nao s lioni ordenado, casa, alguinS
capellana de engenho, e mesmo a coadjutora da
paroehia do lagar, que tudo poder ronder cerca
de 1:0004 annual. O reverendo gue.quier dh-
ja-se ruada Cruz, armazein n. 38, para traur.
Aviso
AMA
Precisa-se de duas amas, sendo
ama para cozinhar e cutra para en-
gommar : na roa Direita n. 10.
Yantagem
Precisa-se de uma ama de leite e outra secca,
para acompanhar uma familia ao centro desta
provincia, por pouco tempo ; faz-se vantagem a
quem se qui er prestar a estes servicos : procure
na ra dos Quarteis n. 16, 2o andar.
Precisa-se de uma ama es-
crava que co inhe e engom-
me para uma casa de duas
pessoas : na ra do Commercio n. 14, 2" andar
das 10 s 3 horas da tarde.
AMA
Ama de leite
Precisa-se de uma ama da leite sem tilho, com
bom e abudante leite, para uma casa estrangeira,
paga-se bem agradando : na ra do Bom Jess n.
43, taverna. ________________
Ha ra da Cruz do Recife
n. 42, armazem, precisa-se de
urna coziohera forra ou es-
rava, pagando-se bem._________^______
No mez de outubro do anno prximo passadtf
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da o escravo de nome Guilherme, a qual tem os
signaes seguintes : 29 annos de idade, acabocola-
do, olhos grandes, narlt um pouco arquiado, ca-
bellos crespos, altura e corpo regulares, pes com-
pridos e seceos, com algumas marcas de fenuas
pelas costas ; Ievou comsigo om cavallo castanno
roslho, tendo no lado direito a marca F ; ^s001'
tia-se que Wnha seguido para a cidade da Para-
hyba : roga-se s autoridades e capitaes de camio
a captura do referido escravo, que poder ser en-
tregue no dito engenho ao seu senhor Conidio
Pereira de Araujo, ou nesta praca ao seu cor:
respndeme Finnino Correia Pessoa de Mello, a
ra do Apollo n. 55.________'___________'
Escravo fgido.
Contina fgido o escravo Luiz, que tem os se-
guintes sjgnaes : 22 annos de idad, pouco mai
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinhos, rosto redondo, tem umaper-
na inchada e Ievou roupa de embarcadico.
Presumc-se que esteja no engenho Sant'Amia, en
Santo Amaro de Jaboatao, onde tem parentes. Pe-
de-se a todas as autoridades policiaes e capitaes
de campo, que o apprehendam e o conduzam| a
ra do Baro do Trmmpho, antiga do Brum, ns.
92 e 94, que scrao generosamente gratificados.
OlTerece-se de uma Si a. para trabalhar cm
qualquer casa de familia, com machina : quem
pretender dirija-se a ra da Praia de Santa Rittv
Nova n. 30, sobrado de 1 andar.____________^
Antonio Ferreira Marques
Na loja do Pavao, ra da Imperatriz n. w,
precisa-se fallar com este Sr. com urgencia,
para ingocio de sua familia. Dirigir-se a Jo--"
Joaquim Alfonso GuimaresJ__________________
AMA
Precisa-se de uma ama forra ou escrava pa
ra cozinhar e lavar para pouca familia : na ra
mperial n. 153, retlnacao.________________^^
Precisa-se de una ama livre ou
escrava, para uma familia eomposta
de duas pessoas ; a tratar ra do
Bario da Victoria n. 12, loja.
Terrenos.
Em Bebvribe a 35, 65, 85 e 10* o palmo, SOBO
fundos para o rio, na novoacao : tratar wtfl do-
mingos com o Sr. Medeiros.___________________
.;
|iie ("e 12 \ 14 an-
Campos : \rua do
PHARMACIA
TORRES.
O abaixo assignado, pharmaceutieo pela facul-
dade de medicina da Babia, participa ao respeita-
\el publico e aos senhor :s mdicos desla capital,
que tendo comprado a bem conhecida pharinacia
>lc) finado Torres, i ta ao pateo do Terco i 118,
- rtio-a de medieamentos noyos e preparados es-
tes france es dos melitores autores, assim
como avia qualquer receita a qualquer hora do
dia ou da noute com tida promptidao, esmero e
a?eio s-iu fazer snbstituieoes.
Redfe 3 de fevereiro de 1873.
Manoei Thomat Pereira do Rogo;
Escravo.
Precisa-se de nina escrava que deempenhe
as obrigaeSea de ama de urna pequea familia :
do largo do Paraizo n. 28, sobrado.
Os abaixoa*signados participara ao respei-
tavel corno do commercio desta praca que teein
contratado amigavelment di-solverem nesta data
a so-'i--.'1 .'1 que linhan sob a razao social de Cas-
tao Jos Leitad carg > do socio Manoel Antonio Pego. Hecife
ldedezembrode 1872.
Caetano JosLeitio.
Manoel Antonio Pego.
Na Cha ellerie des D mes ra do Bar > da
Victoria n, 16, prepa a- e qualquer costme a ca-
pricho, pro rio para o car. ave* : o go t d ra-
balho ueste genero j bem coiibecido pelos
amad es do carnaval portante inut 1 el.igia-lo.
- O abaixo assignado declara que compran a
(averna sita na ra da Restauracao n. 36, antiga
ruada Gula, fivw e desembaraeada de qualquer
dbitos e pertenceate ao Sr. Genuino Carneiro da
Cimba : se alguem se julgar com direito mes-j
na. apresente-se no prazo de 3 dias. a contar da
data ueste, dados os quaes nao se attendera re-
clama.ao alguna.
Becile, 31 de Janeiro de I8P3.
Joaquim Gon;alres il<< A '"''"T,
Acha-se l'ngido desde o dia 12 de dezem-
Iro do anno prximo passado o moleque Altno.
de 18 para 16 annos de idade, com os signaes
seguintes : cor fula, secco do corpo, olhos vivos,
pernaa linas, mnito ladino, Ievou vestido calca
camisa de algodao de listras; suppoe-se elle
andar mesmo pelo Recife, ou pelo matto, na fre-
guezia ile Ipojuca, no engenho Pinderaina, onde
tem um i mao forro : loga-se a* apprehenso do
dito escravo c leva-lo em Olinda no sitio deno-
ni nado Jardim Botan co. aos seus senhores, que
alm de gratos, rec mpensaro generosamente.
Alnga-se o pavimento terreo da casa da ra
le Vidal de Negreiros, outr'ora Imperial n^ 113,
proprio para estanelecitttento, tendo um sotao em
separado e piintal murado : tratar na do
Visconde de ltaparica n. 10 armazein.______
O baeharel t. Luiz da Silveira, pode
sor procurado todos os dias utios, das 11 ho-
ras da manh at as 3 e meia horas da tarde,
na ra do Imperador n. 27 2." andar, quer
para os mistares de sua piofissao de advoga-
do, quer para r> seus negocios inteiramente
particulares.
i'reclsa-se alugar tuna negruha paraiandar
com uma crianca : na ra Direita n. 8, 2-fandar
Desapjareceu na noute de 19 para 20 do
corrente, da freguez a do Poco da Panella, uma
burra com os sign es seguintes : castanha, car-
nuda, tendo a mao esquerda -um pouto inchada,
tem urna marca na sarn ia, pr veniente de um
gerima : quem a achar, ou della der noticia
exacta sera generosamente recompensad".
Eustaquio Jos das Chagas.
LoureiHjo .Vives Ferreira,
mscate nesta cidade.
Queira ter a bondade de vir loja da Bo$a
Branca ra da Imperatriz n. 56, negocio im-
portante. Entende ?___________
ladaiue I
ttl liana.
Roga-se encarecidamente a esta senhora para
que se digne mandar concluir o negocio que tem
na loja da ra Duque de Caxias n. 88, attendendo
fiara isto o tempo deeorrido.
Aluga-se
Um sitio na estrada de Beberbe, onde ltima-
mente morn o Sr. major Luiz Francisco Texeira ;
tem bastantes arvores fructferas e torra par, plan-
lar-se; a tratar na na do Imperador n. 54, pri-
jneiro andar, da? 10 horas da manh s 3 horas da
tarde.
MOFINA
Est encourac.ado!!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
.irivSo na cidade de Nazareth desta provincia, o
Excommungado.
Acab de sabir a luz e acha-se venda e linda polck da actualidade, composico do mullo
sympathico maestro J. Poppe : ra Nova n. II,
armazem de msicas do Azevedo.______________
Alnga-se o armazem e o primeiro andar da
casa n. 20, da ra do Bom Jess : tratar com
Cramer Frey C, n. 62, da mesma ra.________
PERDEU-SE
No dia 3 do corrente, perdeu-se uma pulceira
de ouro, tendo pendente uma ca^olsta com retra-
to de familia, da Soledade ra da Aurora; sen-
do o trajelo at o principio desta ra. .feito s
3 horas da tarde, no bond dajinha de Fernandes
Vieira: a pessoa que a acnoa, q 'erendo resti-
tui-Ia, pode dirigir-se a/Uiesma ra da Aurora n.
51, que ser generosamente gratiticada.______
Na travesea do Bartholomeu n. A, friza-se,
lava-se, engomma-se com perfeicao, tanto para
senhora como para hornera ; os precos .co muito
commodos.
Rwci'iptorio conimercial, de <*
iniwMJtcw e forense.
LKFELIPPE LEITE.
Rita do iro 1(55 1.'
LISBOA.
Executa por eomniisso quaesquer drdens
das provincias do reino, illias e provincias
ultramarinas, bem como do Brasil
paizes estrangoiros.
Ilocebe consignaco gneros nac
coloniaes e do Brasil, para sorem v
no reino, ou lora delle.
Executa ordens para compra e^ v
fundos pblicos, nacionaes c estrafi
Trata da cobranca dos respectivos d
dos.
Promovem-so no mesmo eseriptoiios, (in-
ventarios, liqudaseos, causas civeis, crinnes
e commerciaes, appellaroes e recurso de/re-
vista,
Tem os meliiores advogados na cap
Trata-fifi da arreeadacio do heran^as ad-
ministrat;o de bens no continente do reino.
Obtem-so documentos de qualquer dioce-
se, districto administrativo, coneelho, ou fre-
guezia do reino, illias e provincias ultralna-
rinas.
Solicitam-sc dispensas matrimoniaes e
quaesquer outros breves apostlicos conce-
didos em Roma ou pela nunciatura em Lis-
boa, annullaco de ordens, e quaesquer ou-
tras dependencias dos tribunaasda Santa S.
N. B.As commissoes sao reguladas pela
praxe desta praca.
Para os negocios de natureza especial,
[como causas forenses, administraeo del)ers,
etc., querendo-se, pode preceder accordo
previo conformo a natureza do negocio.
Esta casa tem correspondencias serias em
todos os pontos do reino, em Inglaterra, a
frica portugueza, em Maco (China) reino
de Siao,ilhas dos Acores e Cabo-Verde, e
acceita as propostas que das provincias do
imperio do Brasil lhe forem feitas por corres-
pondencia effectiv ou eventual. Na ,mo-
dicidade de suas commissoes, na exactido
de suas contas e no crdito longamente esta-
belecido faz consistir toda a garanta de bom
aeolhimento.
Para referencias em Lisboa, s casas ban-
carias do Sr. Fortunato Chamico Jnior, e
dos Srs. Fonsecas, Santos & Vianna.
Lisboa, 13 de novembro de 1872.
Urna senhora competentemente habilitada e
autorisada pela directora da instrueco publica se
offerece ensinar primeiras lettras, grammatica
portugueza, arithmetica, coser, bordar, e outres
misteres de sua proisso, em algum engenho per-
to da praca : a pessoa que quizer utilisar-se do
seu presumo, dirija-se praca do Cande d'Eu nu-
mero 13. ____
Preci a-se de uma ama para casa de ho-
mem solteiro : na botica hoineopatha, ra do Im-
perador n. 41._____ _
Precisa-se de uma, que co-
zinhe e engomme para uma
s pessoa : na ra do Ran-
Aviso
AMA
gel n. 9, 2. andar.
Fugio da casa de seu senhor, pela manha d)
o do corrente, o escravo Henrique, idade li an-
nos POUM mais ou menos, cor preta, dentes al-
vos, gengivas pretas, altura pequea, Ievou calca
e camisa de riscadinho, chapeo de palla da trra
feices miudas c bem ladino ; consta andar no
bairro da boa-vista, ou ter embarcado para a
villa do Cabo, e escravo de Francisco Romeu :
quem o apprehender e leva-lo na ra da Moeda
n. 33, ser gratificado._________________^__
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar
e cozinhar : na ra da Imperatriz n 56
Ai
las n. 11.
Precisa-se de uma ama
para cozinhar : na ra do Se-
nhor Bom Jess das Creou-
I'reeisa-sc de una ama para cozinhar
em casa de hornera solteiro : na ra
Duque de Caxias n. 7.*i. __________
Ama
\ma Precisa-se de una ama para cozinhar
-fAlIld/ e comprar : na ra do Barao da Victo-
ria n. 2?, outr'ora Nova._____________________
. Precisa-se de uma ama para todo
\ o servico de casa e de fora para uma
i
Ulenco.
Antonio Valentm da Silva Barroca, faz pu-
blico que tem admittido como socios de sua casa
eommercial a seus filhos Jos Rodrigues da Silva
Barroca e Antonio Geraldo do Reg Barroca, sob
a firma de Silva Barroca & Filhos, que toma a
seu cargo a solu<;o de seus negocios pendentes.
Recife, 30 de Janeiro de 1873.
Precisa-se. de um criado livre ou escravo: pa-
ga-se bem; a tratar das 9 s 4 horas da tarde na
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-, ra do Mrquez de Ohnda n. 40 i andar, e nas
ctair aquelle negocio flue-8. S. se comprometteu a
realsar, peia terceira chamada deste jornal, em
dns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e jwr este motivo de novo chamado para dte
fim, pois 8. S. se deve lembrar que este nepocio
de mais de oito annos, ( quando o Sr. seu flho se
achava nesta cidade.
Perdeu-se
tiontcm l.c do fevereiro um Telogio de senhora,
juntamente com uro alfraete tudo de ouro, oesde
a praca do Conde d'Eu; aterro de Boa-vista, pon-
te, roa do Bario da Vi toria, Cabug, at a rus.
!. de Mareo : quem os achaf e quizer entrega-'
los, pode-o fazer na praca do Conde d'u n. 9,
A.* andar, que ser 'gratincado. .
Itecis^e de um menino de 12 ou 14 annot,
^Jfti caixeiro, na padaria da ra do Rangel n. 9.
i
demaig horas no Corredor do Bispo n. 69.
Mudanza de estabelecimento
Joo da Silva Leite mudou a sua taverna e
armazem de molhados, da ra do Mrquez de
Olinda n. 10, para a de Domingos Jos Mar-
tin n. 88 (outr'ora Sensalla Kelha).
Quem se julgar credor de Francisco da
Cunha Cardoso, tenha a bondade de apresentar
seus ttulos, no praso de 3 dias; roa do Livra-
mente n. 20, da data de boje. Recife, 5 de feve-
reiro deiSTi^^___________
Joaaain A. Palwa da Faaeeea,
.o loja de fazeada^ em Apl-
puc. x
Pde-se a este senhor o favor de oonuwecer na
loja da Rosa Branca, ruada Imperatriz n. 50, a
negocio de sea.interesse.
I GABINETE
Medico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. 73, i* ANDAR
0 DR. NHES DA 60STA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operi$5ei de olhcs.
Cora radical e Dstantanea dos
estreitimento da uretra.
Consultas
da tnanba.
Chamados
Das 7 s 10 horas
A qtaalqoer hora.
Esta fgido desde o da 23 de janho do anno
de 1871 o escravo Lniz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bucar. Tem um peque-
no sigoal de cabellos no queixo; e no braco di-
reito as lettras U F. N. Sabe 1er, trabalha de
pedreiro, envernlsa e pinta.
Este escravo tem ura irmo liberto, que traba-
lhava (e pode ser que ainda trabalhe) de machi-
nista de vapor n'um engenho de Abren de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e capitaes de
campo que o prendara e facam-no conduzh* roa
da matriz da Boa-Vista, casa n.- 33, onde rece-
berao 180^000.
Precisa-se do ura caixeiro para padaria : na
na da Sen alia Velha n. 90. de 12 a 14 annos de
Quer-.-e alugar uma escrava rara o servico ex-
terno e interno de uma casa de pouca familia : a
tratar na ra do Imperador n. 2o, 2o andar.
Aluga-se o armazem da casa n. 18 da tra-
vesea dos Expostos, ladrilhado de novo, e proprio
para qualquer estabelecimento : a tratar com o
ministro da ordem terceira de S. Francisco, no
consisto io da mesma ordem.
mmim -
m Promptidao, asseio e $
0 economa. 0
)Q Francisco Jos Cordciro, alfaiate, par-
ticipa ao respeitavel publico pernambu- Q
^j cano, que abri a sua ofQcina na ra do c
Baro da Victoria, outr'ora ma Nova, n. \g(
jg 46. primeiro andar. Espera ser procu- 0
2 rado doscavslheiros da bom gosto, pois J
Xk cncontrarao trabalho pelo gosto da Euro- W
Q pa, e por precos muito menos do que em >%
55.ui'!ra parte. ^
Attenco
Manuel & C, tendo de retirarem-se breve paia
Europa, vendem todo mobiliado, com piano, lou-
ea, crystaes, porcelana, \idros ele, o sitio de suas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
ros, travesa do Acude n. 2, com 30o palmos de
frente e mais de dous rail de fundo, todo cerca-
do, com multas fructeiras, portao de ferro, ca-
cimba, deposito d'agua, banheiro e gaz dentro da
casa, a qual foi reedificada e tem commodos para
numerosa familia; o lugar torna-se recommendavel
pela pureza o frescura do ar, pela sua situaco
pittore?ca e agradavrl e distar pouco das cstacoes
da Casa amarella, Monteiro e porta d'agua .: quem
pretender, d rija-se roa Nova n. 23, ou no mes-
mo sitio.
iU
so pessoa : a tratar
Francisco n. 39.
na roa de S.
MA
Precisa-se alugar uma escrava ou
uma ama forra, que engomme c co-
zinhe para uma diminuta familia,
nao se olha a preco, na ra do caes
de Capibaribe. casa n. 34, cora grade de ferro
na frente c portao ao lado. Na mesma casa se
dir quem precisa de uma mullier de bons cos-
tumes, que nao seja moca, para fazer companhia
a uma senhora, dando fiador de sua conducta,
ainda mesmo cora alguma-gratilicacao.
Dr. Francisco Borges
de Barros
MEDICO
M.idou sua residencia para a ra da
Ponte-Velha, sobrado n. 1, onde contina,
no exercicio de sua proisso.
1
Est prompta urna rao;a solteiro, branca,
portugueza, para todo servico interno de casa de
0
0
moco solteiro : a tratar n
aonde ella assiste.
becco do Veras n 6.
Eu abaixo assignado, declaro que vendi a casa
de pasto, da ra de Marjz e Barros, n. 10; se
houver algum credor aprsente seus documentos^
no prazo de tres dias contados, desta data. Re-
cife, 3 de fevereiro de 1873. \
_______________Faustino Peres._______
Cacoleta perdida.
Perdeu-se do escriptorio deste Diario at a ra
do Queimado, uma cacoleta com pedra de ambos
os lados, e em uma d'ellas tem uma chapa de
ouro com as niciaes M F F e dentro da
mesma cacoleta tem um retrato ; quem achou-a
querendo restituir, pode dirigir-se ao referido es'
criptorio, que compensar. ________________
Escrava
Precisa-se alugar uma escrava que saiba en-
gommar, etc. : na roa do Cabug n. 11, loja de
joias.
Aluga-se o 4" andar do sobrado n. 47 da roa
da Imperatriz : quem o pretender encontrar as
chaves na loja do mesmo sobrado, e se entender
com seu proprietario ra do Hospicio n. 33.
A polica.
Pede-se ao Sr. subdelegado de S. Jos que to-
me em eonsideracao as reunioes que se dao em
uma casa de jogadores, em um dos beccos perto
da igreja da Penha.
Caixeiro.
Precisa-se de um rapaz portuguez de 12 a 16
annos para caxeiro de um estabelecimento no co:
a tratar na roa do Mrquez de Olinda n. 38.
Companhia
SANTA THEREZA
Os senhores consumidores d'agua e gaz te-
nham a bondade de dirigir as suas reclamacoes
na fabrica da dita con panhia, das 6 horas da
manha s 4 da Urde, e fora desta hora com o
machinista Sr. Gnilhermino, roa do Aljube, esqui-
na que desee para a Boa Hora, que sorao atten-
dldos com promptidao.
Pelo gorente,
_____________________M. W.Chapmant
- Precisa-se de uma criada que saiba engommar
cem perfeicao, para uma casa de familia; tras
tar roa do Cabug, photographia Imperial, com
entrada pelo pateo damatri n. 18. Paga-sea
quantia de ifi por mez.
Cozinlieiro.
Paga-se bem a um cozinheiro ou cozinlieira,
forres _ou escravos, para uma casa de familia no
Monteiro : a tratar ra do Mrquez de Olinda,
"'CASA DO OURO
Aos &:000?000
Bilhetes garantidos
Hu do Bardo da Victoria (outr'ora Xova)
n. 03, e casa do costume.
Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 2' parte das loteras a beneficio da
igreja de N. S. da Piedade de Santo Amaro, que
se extrahir no dia 14 do corrente mez.
Preeos
Inteiro 6*000
Meio 34000
Quarto #3003
IU- H0O-3O00 para na.
Inteiro 5#500
Meio 24750
Quarto 1*375
Recife, 6 de fevereiro de 1873.
Jos Joaquim a Costa Leite.
Precisa-se de ura caixeiro que tenha alguma
pratica de molhados; na ra Imperial n. 167.
Una crioula de 18 anuos de idade. de ex5-
plar comportamento, que sabe bem engomm'r,
cozer, marcar de agiilha e vestir uma senhora, de-
sojando libeitir-se, procura quem queira dar o
seu valor, sujeitando ella os seus servicos pelos
annos que convencionar, podendo tambera servir
de ama de leite, pois que deu a luz ha dous rnc-
zes : quera pretender annuncie a sua morada pa-
ra ser procurado. _______ '________
Boi desapparecido. ,
Dcsappareceu das mosde um escravo, na nono
de 5 do corrente e no camnho do Mondego a Pas-
sagem, um ho, grande, laranjo lavrado debraric,
e muito manso : quem delle der noticia exacta a
ra do Imperador n. 50, 3o andar, ser rucorr--
pensado.___________________________________
Sociedade Harmona Luso-
Brasileira.
De ordem do Sr. vico-presidente sao convli-
dos todos os socios a comparecerem nesta socie-
dade domingo 9 do corrente, para reiinirein-se as
11 horas do dia alim de tratar-se de negocios ten-
dentes sociedade.
Saladas sessoes, 7 de fevereiro de 1873.
O secretario interino,
_________ Alip\o Teixeira._______
Attenco.
Uma estrangeira sabendo portnguz, o podend
dar boas infbrmaccs, desejava achar um luga
cm alguma familia que se retire para a Europa
para lazer-lhe companhia ou cuidar de menino
quem quizer annuncie por este jornal.
Aviso.
200$000 de gratficacao.
No mez de outubro do anno prximo passao
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nome Guilherme, o quar tem os
signaes seguintes: 23 annos de idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris ura pouco arquiado,
cabello crespo, altura e corpo regulares, p* coin-
pridos e seceos, com algumas marcas de feriuV
pelas costas: Ievou comsigo dm cavallo castanho-
roslho, tendo no lado diireto esta ni arcaE.
Desconlla-se que tenha seguido para a cidade s.
Parahyba. Roga-se s autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo a captura do referido escrave,
que poder ser entregue no dito engenho ao seu
senhoi-, Emilio Pereira de Araujo, ou nesta pra-
ca, ao respectivo correspondente Finnino Correa
Pessoa de Mello, ra do Apollo n. 56.
Loja Duque de Caxias n. 58.
Madame Fanny avisa que sempre comprou a
din' eir os enfeites, flores, etc, que precisava para
a sua casa de modista, e que no tem negocios
importantes com nenhuma loja em Pernambuco ;
porm se no mez que fechou a sua casa ficou al-
guma pequea conta pagar, est disposta quan-
; j antes ac pagamento.
4IKILPH0 BIRGOS
D70QAIC
RA DO IMPERADOR N, 37,
!. ANDAR.
fcQ
100#000
Fugio do engenho Pontal, em Serinhem, no, dia
7 do prximo passado, o mulato Simao, com os
signaes seguintes : estatura regular, corto secco,
cor alaranjada, barba serrada, cabellos carapi-
nhos c falla descantada: quera o pegar leve-o ao
seu senbor o tenente-coronei Vicente Mendes
Wanderley no dito engenho, ou no Recife ao Sr.
Bernardino de Sena Pontual, na roa da Madre de
Dos n. 36, quo receber a gratificcao de 100*.
Casa.
Vende-se uma parte da casa terrea n. 10, sita
roa da < amboa do Carmo : a tratar na ra do
Li'ramento n. 6, loja. __^^__^^^__
Criado
Precisa-se de um criado : na roa da Moeda tro
mero 33.
Rape areia fina da Bahiaj
DE
1 Mofeira & Companhia
O abaixo assignado, nico agente dessa
fabrica, avisa ao publico que tem aberto
o deposito de dito rap, no seu escrip-
torio roa do Vicario n. 21, onde os
freguezes encontrarao sempre a quan-
tidade que precisarem.
Recite, 29 de abril de 1872.
Domingos Alves Matheus.
i
Joaquim Jos Goncalves
Befyro.
Ra do Commercio n. 5 andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, c sobre ulgares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Barcelos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilha.
Faro.
Guarda.
Guimares.
Lamgo.
Lisboa.
Mirandella.
Mon^o.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavtra.
Valpassos.
Vianna do Castollo.
Villa do Conde. N *
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portitnio.
Villa Real.
Vizeu.
_>
/i
Jt

,




*

Diario de Poniambco
de 1873.


r
i
O abata* assignaio previne ao respeitavel cor-
po do eomntercio de rao fazer transacclo nenh 1-
na com ama l'tra a signado era favor do Sr. Miguel Guerra, vistaser
o dito Miguel Guerra^ devefr dajnantia de un
cont de ris do mesmo abaixo- assignado.
I. V. Girarde.
PENHORES
atravessa dama
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
HKua.vnmof
Ji'nltl.i
lica
**'" SAUDE
DEPOSITO GERAL
HA
Pharmacia e drogara
DB
BARrHOLOME h 0. t '.
1*34Ra larga do Rosario34
Fharmacia Obras de
phantasia. |
nca, ra doDuqueae
n bello sortiraento de bo-
Para os influentes do car-
naval.
Na ra estreita do Rosario n. 33, sobrado de
um andar, alugam-se vestuarios de principe, borda-
dos a ouro com todo o gosio. dminos, vestuarios
phantasia. tudo por rauito barato pre$o. Faz-sc
pelo gosto de quem quizer, seguido es figurjns
que apresentarem, Tambem ha para vender-se
vestuarios em muito bom estado, que alugam se por
todo o preco, como seja a 3, 44, 5j e a 20,!.
Dminos novos e de gosto, fitas bordadas a ouro,
para santos, vestuarios para meninos eproprios
para quem quizer vestir-se em trajo de mulner.
O abaixo assigna Jo faz sciente ao publico c
ao corpo do coromercio que comprou ao Si-. Joio
Correia da Silva a taverna que possnia sita ra
Imperial n. 2%, livre e desembarazada de qual-
Suer debito ; e se alguem se julgar com algura
irito mesma, apresente-se na ra do Bangel
n. 69, no prazo improrogavel de tres dias, a con-
tar desta data.
Recife, 31 Janeiro de 1873.
__^_______Luiz Ferreira de Almeida.
Ao publico.
Procisso do Senhor Preso.
A meza regedora da irmandade de Nossa Se-
nli ira da Soledade, erecta na igreja de Nossa Se-
nhora do Livramcnto, em deserapenho de seus
encargos, nao obstante o movineoio que ocenpa
a aUencao de todos, todava solicitou e obteve de
S. Exc. Rvma. permissao para ser exposta no dia
9 de marco prximo aquella procissao, como
de costume ; espera portanto a irmandade, anda
desta vez, encontrar na piedade filial dos habitan-
tes desta cidade o seu bolo para a eficacia do
acto.
Secretaria da irmandade, o de fevereiro de
1873.
O secretario,
____________Eloy Martiniano Lopes Gal vio.
Escravos fgidos
200#000
Aasentaram-se dous escravos irmaos, sendo um
de nome Lourenco, com 26 a 27 annos de idadc,
estatura regular, cheio do corpo, cor clara, ca-
bellos estirados, rosto redondo c sem barba, levou
calca e camisa branca, chapeo de feltro preto.
O outro de uomc Andr, da mesma estatura, mais
novo nm pouco do que o outro, tendo os mesmos
signaes do frmo. sendo comprados ; Lourenco
ao Sr. Claodino d'Albuquerque Mello, da comarca
de Patos, tia provideia da Parahyba ; e Andr ao
Sr. Joe Francisco Gomes de Arrala, da comar-
ca do Lmoeno, tendo fgido aquelle no dia ?l
do corrente (Janeiro), e este hoje 30 do mesmo.
Sisppoe-se que seguiama estrada do Limoeiro
Serra do Teixeira. Roga-se a todas as autorida-
aes policiaes ecapitaes de campo, que os appre-
Tiendam e os eonduzain ra do Apollo n. 30,
armazem de assucar, que se gratificar cora a
quantia cima.
Tem-sc para alugar urna perita engomma-
'leira e ostureira : na ra de Hortas n. 112, ca-
'* terrea.___________________
ATTE.MCA0
Precisa-se de urna senhora que queira ir em
->:orapanhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pa sagem o mais despezas, gratificando-
?e-lhe o seu trabalho : quem esliver nestas con-
licoes dirija-se ra estreita do Rosario n. 9.
Aluga-se urna casa nova de tijolo com com-
modo para grande familia, com grande terreno
cercado, na Torre perto da margem do Capibaribes
a tratar na ra da Imperatriz n. 74.
Quem precisar de amas secca ou de leite,
dirijar-se ao pateo de S. Pedro n. 3, loja, que
achara ooni quem tratar.
COMPRAS.
Compra-se um carro americano de dous as
sentos, > prompto para trabalhar : na ra do Ira
yeradorn. 22, priineiro andar.
Compram-se
Diarios a 55000 a arroba : na ra Larga
rio, fabrica de cigarros n. li.
Rosa-
VENDAS.
Borracha!.!
Vende-sc da raelhor que temos no mercado e
or preco commodo : ra de Santa Thcreta n.
Cambraias bordadas ultimo gosto.
Cat-bcaias.inindinhas de cores.
Tarlatanas .de todas as cores.
Setim de lindas cores.
Chapews de sol para meninas e senhorae.
Las para vestidos de apurado gosto.
A rosa branca vende estes artigos por precos
muito baratos e manda levar as casas ; na ra
da Imperatriz n. 56, portadas encanadas.
Madapolo avariado
a 3| e 4*000 : na rea da Imperatriz n. 6't5, loja
da rota branca.
A loja da Aguia Branca,
Caxias n. 50, receben um bello sortiraento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, com dourados e pedras.
Outros de nadrep rola queimada cora bonitos
enfeites de delicadas flores.
Outros de fin i dourado com p nge les de corea".
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com pedras brancas,
Aderecos d-* madreperola.
Ditos dourados cora camapbeo preto.
Ditos encarnados. .
Ditos imitando folhas e flores naturaes.
Ca-soletas de madreperola.
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras de ditos pret s com donrados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com pe-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Botoes dourados e de outras qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinhas e punhos
bordados.
A loja da Aguia Branca, a ra do Duque de
de Caxias n. 50, recebeu novas gollinhas e pu-
nhos bordados, o outros enfeitados cora entremeios
e bicos ; assim eomo recebeu igualmen e novas
guarnieses de grvelas com franjas e lacos para
os cabellos, tudo do melhor e mais mod ruos gos-
tos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Brancxi, ra do Duque de
Caxias n, SO, recobeu bonit s leques de perfeita
phantasia, pre:o com dourados, e outros de apu-
rados gostos ; assim como recebeu ouros de ma-
deira que se confunde cora o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n i c ntro, e ainda assim ven-
de estes pelo barato prego de 4*000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia B-anca, a ra- do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitas garrafinhas de crys-
tal era par com ramagens douradas e mui pro-
prias para arranjos de toilet, etc,
Anneis e colares elctricos
A loja d'aguia branca a ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares elctricos, e contina a recehe-los
mensnlmente, pelo que sempre estar provida de
taes objectos.
Diademas dourados
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias n.
50, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedras e aljofares, obras de gos-
to e phantasia. Tambem recebeu novos grampos
Ertos ou alfinetes com flores para a cabeca.
eques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos leques com bouquets e outros chinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pell
A loja d'aguia branca a ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu cold creme dos afamados fabrican-
tes Lubin, Legram e Condray.
Diademas e grampos de
a$o.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos diade-
mas e grampos de apa
Bicos de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, a ra do Duque de
Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
seda pretos com flores de cores, sobresahindo nel-
les o preto com encarnado, e todos hiui proprios
para barras e outros enfeites de vestidos de gra-
nadme, ou medina, e outras fazendas transparen-
tes. Pela commodidade dos precos esses bicos tor-
nam-se mai- commodo,s e pela novidade de gosto,
preferiris a quaesquer outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, c outras a imitacao de
croch, e vende-as pelos baratos pre.-os d 3i,
44 e 6000. A fazenda boa e est em perfeito
estado, pelo que contina a ter prompta extrae-
cao.
Diademas e aderecos de ma-
erla.
A loja da Aguia branca ra do Duque de
Taxias n. 50, recebeu una pequea porgaq de
diademas e aderecos de madreperola, obras -de
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Velbuna de todasas cores; s sa ra Duque
dcCaxias n. 60 A. loja da esquina, de Bento da|
Silva A C.
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gaa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o que de certo
perfeita novidade. A quantidade c pepuena,
por Isso-em breve se acabar.
CENTRIFUGO
Acaba da ser experimentado do engerto Frogozo o apparelbo para apromptar o ai
atar pelo syttema Centrifugo.
0 PROCESSO
E' motto simples. x '
Tira-se a meladura das tajas de coser botea-se dentro de qoalqoer vasiiba para
.oalhar.
Logo que esteja cpalbado passa-se para o apparelho em partidas de 3 1/2 arrobas
ie cada vex. .
Senda assim ebeio e posto em movimento, dentro de 5 minutos estar o asincar
prompto e em estado iJe ser logo remettido para ser vendido.
0 resultado
Foi lazer-se de 4 1/2 paes de assecar 21 arrobas de semenos i.* sor te. 0 mel
xlrabido pelo apparelho tendo sido em nada prejodicado pelo processo que soffreo, sa-
aindo mel d'eogenbo e nSi mel de furo, preston-ee a ser novamente cosido, dando no
ipparelho assocar de qnalidade e poco inferior ao do i.* processo, dando alm disso
mesmo nae formas 12o bom resoltado cono se fosse psssado logo das taxas para as mes-
mas, aproveitando-se assim mais metade do mel do qoe com o antigo systema.
Sendo Uo evidente as vantageos prodoxidas por semelbante apparelbo, o qoe po-
der ser verificado pelos proprios seobores d'engeaho, esperam os proprietaros de dito
ipparelho. depois do risco qoe correrma com semelbante experiencia, merecerem a pro-
;ecc8o dos Ilustrados senbores d'engenho.
A' tratar com os Srs. Samoei Power Jobnsten d C., i rna do Apollo ns. 38 e 40.
VERDADEIRO LE ROY
EM LIQUIDO OU PILULAS
|Rue do Seine, 51, i PARS
ARMAZEM DOS LEOES
Rna Duque de Caxias n. 29.
0s propietarios deste bem montado estabelecimeoto scientificam ao
respeitavel publico desta provincia que se acham com nm variado e completo sorti
monto de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escocidos por nm doa
aosios qne se acba actualmente na Europa. O mesmo tem contractado com os melbore
fabricantes daqnellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na oEBcina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem qoe ve*
nham visitar o estabelecimento, aonde oncontraro a realidade do qne acabam de expr'
no se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., goarda
vestido de amarello, goarda louca de pogueiri e de amarello com tempo de pedra, apa
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de Jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias de Jacaranda e mognocos toreiras ae mogno, san
tnarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seos
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos qne deixamoa de
mencionar por se]tornar enfadonbo
'Mmiiianiiiiii
Hygienica, infallivel e preserrativa; tnica que
cura shi otilro supplemento. Em Pars, inveutorBkous
158, boulevard Mancilla, e as principaes pliarinacit,
do universo.
Em cada garrafa, al, entre a rolda e o papel jzui
que leva o meii sinele, um rotulo impresso cm aini>-
* com mi sello SICNORET. PAIIIS. EncaiaJu
o*re fundo negro.
N. B. Remeltendo-se urna lellra de 500 franco^
soore Paria, reeebe-e 725 francos Deposito principal
|do legitimo Le Roy
Caza do nosso
nieo pM pelo DoCTEU(fS^
Sraill a Sino de
Uciiei aa Baha.
VET PHARMACIEN
MIDALU* DE BOima.
FIGADOde bacalhau
FERRUGINOSO, CURO E TRI6UEIR0
DE GHEVRIER
Cavalleiro de Legio de Honra, Offlciai
do MedjidieCommendadordaordem
d'lzabel a Calholiea.
O oleo de Chovrier deve o seu aroma
a subtancias balsmicas que anda
augmentfio as suas propriedadea tliera-
peuticas ao mesmo tempo que o ternfio
igradavel ao tomax-M.
O senhor Chevrier completou a sua
descuberta associando o Iodureto de ;"erro
ao seu oleo de ligado de Bacalhau. Este
oteo de flgaMto de naralliau ferru
icinoNo posue todas as propriedadea do
oleo e do ferro, de fcil digestflo t
nunca causa prisao do ventre
Todas aa celebridades medicas o pre
ferem s outras preparaoes ferrugino-
sas. Convem em todos os casos em que
se emprega o ferro : Tlsleo omlmour.
Broarhltea. RachKisiaao, Eierofuta,
Cmplgea", Gota, Hheamallno, Byo-
pepsla, roBvalecenclas deaaoradaa e
Fraquer.a de eoaslllalcAo.
osposito km pabis : Pharm. cmva ier-
3i, Faubourg Montmartre.
nico deposito, a onde se acha avenda na casa de P. Maurer A I'..
Ra do bario da Victoria n. -i.'i.
Adereco9 de bri-
lhantes, esmeraldas
rubins e perolas,
voltas de perolas.
^LJJlfc-jjlCl^^
drep(
Cliiearil
Ama ral, Salmeo & C. vendem trancas, franjas,
iantiioulas, douradas e prateadas, de todas as qua-
:idadee e larguras, voltas prateadas, de todas as
qualidades e larguras, brinco, cabelleiras bran-
cae, caleas de meia de algodao e de seda, capace-
tes de massa e de metal, etc. ote., tudo quanto
neeesaark) para faier-ae um chieard, ultimo vest
uarto, o naais moderno e bonito para um baile
de mascara, gosto franeez : no bazar Victoria,
roa do Bario da Victoria n. 1
Vende-se o hotel Recreio de Mocidade da
'reguezia dos Aogados, com poucos. fundos, para
qualquer principiante : a tratar no mesmo, das 6
as 9 horas da mauha, e das 3 as 6 da tarde.
Cha preto e verde
Vende-se no bazar victoria cha preto e verde
de muito boa qualidade : na ra do Bario da
Victoria n. loja de Arnaral, Nabnco k C.
muito barato.
Borracha para linaaM a 1S4IOO.
Wa ra vema de Santa Rita n. 50.__________
Casaem Olinda.
Vende-se urna casa em Olinda com commodo
para familia, e muito perto dos banhos salgados
s t atar na ra do Imp.!rador n. M, armazem c
jssjMlBpsetiitts.
Tijoliis franeczes sextavados
De 4S9000 a &9?00
Hiillaeiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilbar os pavimentos
terreos das casas, porquanto,_pouco mais custan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem eomparaco
alguno, superiores a estes pela mpeza de que
sao susceptiveis. Custam. alm dito menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados,
dos de djrTerentes mosaicos, os quaes nao esto
certamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empreados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantgem que ha no emprego
deste9 tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidade, atiento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de serem assoalhadas as cozinhas todas de tijolo,
e nao s a parte junta ao fogao, no que ate as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Vendera-se nos armazens de farinha de Taeso Ir:
maos & C, no caes do Apollo.
Vende-se, arrenda se oa permuta-se, por-
trras que sirvam para plantar canna, urna padaria
sita no pateo da feira no povoado dos Mentes; a
tratar com seu proprietario no mesmo povoado; e
para nformaedes, com os Srs. Rocha Lima 4 Gui-
maraes, ra do Bom Jess (outr'ora da Cruz) n.
16, ou cora o Sr. Nicomedes Mara Freir, no
Caes do Apollo, n'esta cidade.
a
HUZEO DE JOIAS
N. 4 Ra do Cabug N. 4
JOSEPH KB AUSE & C.
DE | I
GOMES DE MAIioS, IRMAOS
Neste importante estabelecimento de primorosas joias, achara o respeitavel
publico desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
precos, queja existiam no Muzeo, que sero vendidas com grande reduege
de preco, alm dos novos objectos recebidos directamente da Europa, que
se venderao por preco animador, bem como sejam, aderemos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de diflerentes pedrarias de
presos; anneis de brilhantes e de esmeraldas, rubins e perolas, e de todos
mais ebjectos de valor, que possam ser desejados pelo bom gosto e apreco das
familias, que sabem dar valor a objectos de primor.
Os proprietaros do HGEO DE JOIAS, eonvidam as familias que se
queiram prover de excellentes joias, a virem esoolhe-las entre o variado
sortimento dellas, garantiudo os proprietaros que sero sinceros para todos
que se dignarem procurar seu estabelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, c obra
simplesmente de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se vendem pre^o reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os hornees do cantro, que precisarem de qualquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MBZEO DE JOIAS, que sero servidos com
attenro e smceridade.
fl^^K lgico!
A cosinha, a dispensa, os a-
paradors e a mesa.
SEGREDO" WNOMA CELERDi
Obtem-se com o uso
DA
' INJECCO SHOST
Lnica, hygienica, radical e infallval na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
-toda especie, recentes ou chronicas; e qde
Os moradores do Poco da Pane la e seus subur- nn i ____. i. 1
bios necesariamente rfevem reeeber em sua ca- 0fferec.e co garanta de salutares resultados
sas algumas visitas na vespera e dia da festa da a continuada apphca^o que sempre com a
padroeira daquella freguezia e por isso preciso
que de antemao se faca, urna -ande revolucao
augmentando, sortindo e recheiando a cozinna,
aMspensa, o aparadores e a mesa (j se sabe,
com iguarias ratas ao paladar) sem o que nao
se pode passar um dia folgazao e regalado.
Queris que principie a vos indicar um mei*
fcil para couseguirdes o fin a que vos deveis
propor para transformares, augmentares, sortires
e recheiares as vossas cozinhas, dispensas, apa-
radores e mesas f nada mais fcil...
Yende-se urna mulata, de trinta e tantos
annos, coziuha, lava, engonuna e faz todo servi-
.
Ide a rao. 4o Imperador n. 24,
onde vires urna casa com a fren-
te pintada de encarnado, tendo um lampeao pen-
durado, cujo letreiro se l o seguinte : Confei-
tarla do Campos.
elfa I... E ella I... ella...
Ahi deve-se entrar e encommendar para cada
casa o seguinte:
I Fiambre preparado.
1 Rolo inglez.
1 Po-de-l.
1 Pndin de pao, arroz ou tapioca.
1 empada de camarao ou gafiinha.
1 Torta de fnieta.
100 pastis diversos.
t Pertl assado no fbrno.
I Peixe idem idem.
1 Gatheatrx di la reine.
Vinhos, cerveja, licores, bolachinhas, bol nbos
para cha, cha verde uperior, passas, figos, amei-
xas e tudo mais que mesmo impossivel lem-
brar.
S nella, s nella.
Na confeitara do Campos.
Maquinas para limas. -
Vende.se ptimas, e muito convenientes para o
fabrico das mesmas : na pbarrnacia de Ferreira
& C, ra larga do Rosario n. 10, e na praca do
Conde Eu n. 19, casa do Sr. Altonio M. M. Fer-
reira.
maior vantgem se tem feto della nos hos-
pitaes de Pars.
nico deposito para o Brasil, BartholOmeu
&.., ra Larga do Rosario n. 34.
n
AC0R0ADE0UR0.
A roa da Imperatriz tft?
aa. &9. :tt
Acaba de reeeber de conta propria, ^0*
pelo ultimo vapor da Europa, um com- A
pleto sortimento de objectos de prata ^P
os mais lindos que tem vinde a este mer- dS&
cado, sendo os seguintes : aderemos de *
lila-granna, obra de apurado gosto, vol-
tas, brincos, rozetas, salvas, relogios,
palheiros, colheres ete. etc^, pelos pre-
cos mais resumidos possiveis. Assim
coma um completo sortimento de obras
de uro : anneis de brilhantes, rozefas,
aderecos etc. e tambem sem brilhantes.
&9$&ft8S*ftfi
CARNAVAL!
Borracha para linas.
Vende-se borracha de primeira qnalidade para
limas de cheiro, nos seguintes lugares : na phar-
macia Central ra do Imperador n. 38, na mes-
ma ra n. ti e no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 4, por preco razoavel.
' Vendem-se oito escratas, urnas com habili-
dades fl outras sem ellas, de 14 a 32 annos, bem
como dous pretos de 40 anuos, robustos: na ra
de Hortas n. W.
N. 2 ARa do CabugN. 2 A
DE
ii vimos & i ii.sa. o
Achando-se completamente reformado este eslabeleoimento, c
tendo os seus proprietaros foito una importante acauisicAo de
joias as mais modernas vindas ao mercado, c de qualidades superior
res, eonvidam ao respeitavel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoavel,
CHAPE! ERIE DI
16Ra doBarilo k Vicloria-16
A >te ostabelecimcnto acaba de ebegar grande novidade eomo" sej;t: chapelinas do palha e Je
gorguro ricamente enfeitadas, chapeo? de palha de Italia formas as mais modernas, grande sorn-
m-eto de chapeos, chapelinas para luto e tambem as muito procuradas incias chapelinas de que
kuvia tanta falta no mercado. Receben tambem diademas de ac e de metal dourado e graade sor-
tiioentode borboletas e flores de metal dourado em grampos qne vende de i ate 125 o par, portanto
pedimos es Exmas senhoras que qoeiram visitar nosso*e.tabelecimcnto pie ncllc cncontrara-j muiw*
obiectos-de gosto.
"
Samuel Power Johns-
. ton&O.
[Ra do Apollo n. 38 e 40
Fazem sciente aos seas fregxier.es que teem
mudado o seu deposito de micoln'* a va-
por,, moendas e taxas da muito acreditada
fabriea de LowMoor para rna do Apollo n.
38 e 40, onde conunnam a lar o mesmo sor-
timento do eostume.
Faiem sciente tambem qoe teem feito nm
arranjo com a fnndicao geral. pelo qne po-
dara offerecer-ss para alentar qualquer
machinismo ememo garanti la.
Os proprieano fuadicao geral faiea
seientes aos seuborta da t-ngenho e msts
pessoa, que l-eio psiabelecido orna tund- .-
cJo de ferro e br&uze a ra do Brnm, ton- vS
to a e*iaco do* bonds, onde aprontara 4
qoalqaer ebra de encommendi com perW- (I
gao e profPj/iutao.
Os meMiios rogara as pessoas qne quei-
ram c ti Usar se de ?eus senicos de deixa-
rem as eneommcuda? era cia dos Sri. Sa-
muel Power JoboMon 4 C
.. a ru do Apol
lo n. 38 e 40, onda acha rao pessoa habMi-
. Udj com quem posaro entender ss.
Apparelho para fabricar assncar, do ystema.
/ WESTON CENTREIOGAL
nicos agentes em Pernambco a fondicS goral.
Para traur s* asa eicrlpwrio a rna do Apollo n. 38 40.
1
aaaaSL


G
Diario de Feraambueo Sexta feua 7 de Fevereiro de 1873.
Para acabar at o fim do anuo
Na ra da Imperatriz n. 60
LOJA do pavo
PEREIRA. DA SILVA a C-
Teodo os proprietarios deste grande estabelecimento, um avallado sortirneoto dft
fainadas en ser, e desejatrio liquida-las al o fim do correte aono, tem resolndo ven-
da-tas por precos maito commodos, com o fin de aparar diaheiro. a vista do qao,
coBvidam os llm. Srs. chefes de familia a virem sorti-re, b5o s de fazendas de prinpii
rt.oesseci.lade, como de fazendas de laio e gosto, das qaaes encootrarto om sortowk*
dts mais novas do morcado, cbegadas pilos ltimos vapores da Europa.
FAZENDAS DE GOSTOS
FAZENDAS DE LE
CORTES DE 'ASSAS A 23O0 E 30)00.
O Pavt> vende corles de cassas de cores,
com padroes maito bonitos pelo barato
ppcode 25500 e 30000.
CORTEA UE CHITAS k 20400 E 25880.
O Pjv3o vende cortes de rhitas francezas
au, com 10 covados pelo diminuto prego
de 2di.O cid a corle.
Daas com 12 covados pelo preco da
2*880 cada corte.
PEgvS DS CHITAS A 7*200,
O PavJo venda pegas decuitis floas, lin
d.asinm padroes, teodo 30 covados cada
BAREJES DE SEDA A 1*0JO E 10iOO 0)
COVADO
O PavSo receben pelo ultimo vapor
francez, om grande sorlimeoto dos ma'
liados barejes de seda, sendo em coret
e p,ostos o melbor que tem vq lo ao mercado,
esta nova fazenda muito propria para
vestidos para bailes ou casamentos, tend%
entre esta azenda delicados padrees bran-
cas proprio para vest d'8 de ooiva.
MODERNISSIMAS POPELINAS
Popelinas a 1*5JO e 2*000 o covado,;
O Pavo recebeu om elegante sort;m ato
\llenr>!!!
A MADRESILVA.
Praca da Independencia
ns. 38 e 40.
Acaba a Madresilva d receber diversos
objectos, como sejain i
Ricos adoremos de madreperola brancos e
de cores.
Diademas de madreperola, ditos dourados
ditos de wassa oh bfalo, ricamente enfeita-
dos, cruzes fingindo brilhantes, cassoletas de
plaqu com voltas e som ollas, imitando
ouro, pulsoiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
cabello, sondo borbolotas, besouros o beijar
flores o outras umitas quabdades, tudo de
muito gosto, rico sortimento de gravatinhas
de lagos para senhora, sendo velludo, sarja,
setim, g*ze, escossezas e de urna s cor, fa-
zenda inteiramente novidade.
Lindo s.trtiuionki de taques de marlim
madreperola, tartaruga, ditos dourados, com
seda e sem ella," alm destes de outras mili-
tas qualidadcs, que enfadouho seria mencio-
nar, tanto para senhoras como para me
ninas.
Pode obtef em pooc lempo com o os do mel^r dos licoresi j
HESPERID1NA
Faz'oiio anoos que condecido este precioso tnico, i difficil achar orna pessol
qoe, lendo experimentado pessoalmente, nSo falle em seo favor, j como, bom estomacal
e apetisador, tomando um calix della antes de jaDtar, oo cobo facilitador da digaatfo
tomando-se depois.
A BASE
da HESPERIDINA i a LARANJA AMARGA, oio ha. o s hablante dJ BRASIL (a trra
especial das laranjas) que cc conheca as propriedades, mediciiues da donrada frocta.
ora bem, a
LARANJA
ne!o btrato prego de 7*200 cada das mus modernas e lindas popelinas de
ouia mi o barato l3 e seda e linno e 8eda ^De vendem
LENCO'ES DE BR1MANTE. 1*500 e 2*000 o covado, tenio padrees
O Pavao'vende leuces de bramante moi-1lUtradoa mudo e graodos que parecen
i zraodes, sendo deum panno s, pelo ba-1 propnameate seda, assim como das npsmji
ratiseimo preco de 2*VD0 cada om.
CHAILES BARATOS A 1*300E 2*810.
O Vuh vende coates de larlatana .graa-
in pelo barata prego o 1*000 e 2* XX).
Pitos le lia estampados imitaco de
ftfN i 2*0J0.
Ditos de qaidros modernos, muito en-
wrpados 6 33000 e 4*000 ; assim como
/rande sortimento dos mais fiaos chailes
ropn e raerio que se vendem por pregos
muito em cout*.
MADAPOLES.
flecas de midipolao francez maito fioo
com 20 jardas a b*50C e 60000.
Dit->s c >m 24 jardas muito superior a
6*5 M) e 7*00. '
Dio ingle?, fjzenda moito fina 5*000,
6*)00 e 05500 at l'*'J00.
Ditos fraocezeseDglezes mnito fiaos de
40 jirdafl para difTarerres precos.
ALGODOZINHO.
O PavS i vende por preco muito barato
pgas de algolozinho americano muito
bom cou 18 jardas 4*00'.
Dito ccm 24 jardas a 4*500 e 5*000
t 6*000.
Dito largo marca T mnito encorpado a
J*000.
ALGODAO ENFESTADO.
U Pavo vende o verdadeiro e superior
. dioxioho de duaslargoraspara tanges,
ie lo 'ututo encorpado l* 00 cada vara.
lito I i fado di mesen i largara 1*480.
CHITAS L\RGAS.
O P.r.a, v?nde estas execellentes cliita?
fraacezas ciara, e e.'curas com muito bom
; i; > 248 rs. cada covado.
Dita muito fina 280, 320 e 360 rs.
Percaites finissimos miudiulns a 30 e
4)0 rs. cada covado.
CAMBHMAS.
O Pava) venta corss de cambraia trans-
na-enle prepria para vestidos a 2*5u0 e
350 (i.
Pnca de dita muito fina com 10 jardas
tanto ta ada co'jdo transpareote a 4*000,
55000 e 6*000 at a ma s fina que vem
ao mprcaio.
BRAMANTES PAHA LENQO'ES.
O Pava > vende superior bramante de al-
godS> te paraos de largora qne s
percsa de I V vara Par;' uin '^co' *
tro 1*000 e a vara 1*800.
Dito de iinho puro soperior muito encor-
pado com a ra^smi largura a vara 23400.
Ditos baucezes muito -fiaos a 2*500
30000.
Pe(a de Bambargo e-panno de linho com
20 e 30 varas, pan tdos os pregos e
qualidad.
Pe;as de bretanln do pnro linho, tendo
30 jardas pelos pregos mais barato qne se
tem vito.
Pechiocha de fiuissimo osgniSo sncelens
com 6 jardas 7* >00.
Pega de fioisimo cetana com 30 jirdas
a 3*5*0, {tojlhado adamascado com 8pal-
mos de I finir a vara 2* lOO.
LAAZINH vS DE FUHTA CORES.
O Pavlu kkI .< om elegante sortimento
de iizi >hii de furia cores qie brhao qas*
si como sf !a t.-niode tod s as cores, e ven-
ii 360 rs. o covado.
C\LC\S DS CASEMIRA.
O Pavo tem uii grande sortimento de
caiga da casimira, as^im coma cortes o>
mais modernos qoe tem vinlo nos ltimos
fiorins o em fazeada das mais fioas e mii
novas ao mercado, e vender por barato
preco pira apurar d'nneiro assim comoca
as do bros braiiO e de cores por pregos
maito m. nveis para aiabar.
CORTES E PZRCALH COM DUA3SAIAS
A 4*000.
O Pavao venda bonit03 cortes da precali
com do's siias, sendo fazenda de mut)
gosto a 4*000, pechincba.
TNICAS PRETAS.
? O Pavo receben om grande sortimento
das mais ricas tnicas de grj preto, rica
mente enditadas, e venda po; prego razoa^
vl.
VESTIDO > Bit ANCOS BORDADOS DE
3550000 AT 60*000.
O Pav3 receb:u om linda sortimento
dos imis ricos corles de cambraia branca,
ricamente or lados, e com todos os enfei
tes necessarios, e vende pelos preg)s d^
35*000 at 60*000, n5) tem vio Ir nada
mais rico o o "o mais moderno.
CORTINADOS PARA C\MAS E JANELLAS
A '*)00, 8*000 E 10*00/.;
O Pav3o tem um glande sortimento de
cortinales para cama e janelias, que ven-
de oelo barali pre(,o de 7*500; 8*!J01 e
lO-J'XK) o par. lendo at por 18JO0O, assim
Cjffij colchas de damasco para camas do
noivjs, e grande sortimento de tapetes tan-
U para 4 ci ieiras como para camas, pianos,
portas, etc., todo vende por precos razoa-
tols,
m
-"
timbem tem brancas proprias para vas
de noiva.
NOVAS SEDAS A 2*5Q0
O Pav3o vende bonita e moderna eJa
de urna s cr, teodo :'e todas as cores, com
delicadolavrores miudinhose vende a 2**00
o '.ovado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 45*000 E 50*000
O Pav3o vende b mitos cortes de seda,
aienda de muito gost), tendo 18 covados
cada corte e vende por 45,5000
D;Igs de 20 covados a 60*000
Sao maito baratas em relagio superior
qualidad d'esles cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pavo vende nm grande sorlimeoto
das mais modera is, baptistas com lista de
cor, proprias pira vestido, com as cores ma aovas q-ie t",m viudo ao mercado sendo
moito hu j largas do que as chitas francezas,
e veoie pelo bjratissian prego de 500 rs.
cada c .vado.
OFFICINA DE ALFAIATS NA LOJA DO
PAVAO.
Resta graade et loelecimento encontrar
o r^spjit^vel publico, orna bem montada offi-
cina de alfaiate, onde se mand3 pxecotar
qualqoer pega de obra, tanto para bomem,
como para meninos, com a maior pres--
lesa e perfeigSo assim como para qoalquer
lulo que de repente apparega, teodo na mes-
ma ollcina om perito official destinado para
farda dos llm. Srs. ofliciaes de goarda na*
cional ou tropa de liaba, sendo esta officina
diiigida pelo hbil artista Pedro Celestino
Soares de Carvaibo.
NOVOS VESTIDOS A 4*000.
O Pavo recebeu om elegante sorlimea-
to de no vos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende pelo
barato prego de 4* cada um; maito ba-
rato.
ESPARTILHOS A 3*000.
O Pavo tem um grande so.: tmenlo de
es.oartiibos, tanto para sohora como para
menina, qbe vende pelo barato prego de
3*000. Ditos muito finos a 4*0 X) e 5*000,
sao dos mais modernos que tem vindo ao
mercado. *
CHITAS A 240 RS.
GUITAS K 240 R3.
CHIVAS A 210 RS.
O Pa5o vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa lazenia, com
padroes claros e escaros, pelo barato prego
de 240 rs o covado, por ter um leve to-J
que de mofo : pech ncha.
SALAS A 250CO.
SAIAS A 2*J0O.
O Pavo vendo satas brancas de orna s
peg com fazenda equivalente a 4 pannos,
com bonitas pregas em volta, a 2*000 e
2*500.
Ditas com pregas e bordados a 3*000,
pecbincha.
LIQUIDAg.AO DE CALCAS DE CASEMIRA
O l'dvao tero um grande sorumeoto de
caigas de casemira de todas as cores e qaa
lidades, para todos os preg-is, e desejmdo
inuuo li uida-la, resolveu vende-las por
um prego muito em cunt, para diminuir a
grande porgo.
CORTES DE FUSTiO PARA VESTIDOS A
30000.
O Pavo vende cortes de fostlo branco,
tendo 12 covados para ves-idjs a 35000,
pechincba.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA A
6*000.
O Pavo vende bonitos corles de cambraia
branca transparente, com bonitas vistas e
lavo-es, proprios para vestido, lendo 8 va-
ras cada corte, pelo barato prego da 6*000,
pechincba.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vendo bonitas cassas francezas
com bonitos padroes, e de muita pbantasia
pelo baratissimo prego de 210 e 280 rs. o
covado, sendo azenda de muito mais dinbei-
ro, grande pechincba, naloja do Pavo.
BOURNUS A 169000.
O Pavo recebeu polo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at boje sao couhecidos, e em relago i es-
cessiy/abarateza, convidam-se as Exmas. Sras.
para/as verem, para assim admirarem o que
ha dc'unais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 69000.
O Pavo vende cortes de cambraia branca
com listas e laVores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
prego de 69000, por ser grande pechincba.
Ditos muito finos com babadinhos braucos
bordados a 8^000.
Ditos ditos eora listas de cores a 49000 e
59000.
Dito, de cambraia branca om SOmelre
de babadinhos de ores a 99000. E' grande
pecbincha na loja fclo Pavo.
Rico sortimento de punbos e gollinbas
bordadas em cambraia de linho e camizinhas
bordadas para senhoras.
Bonitas guarniges ou dragonas para en-
feitos de vestidos, assim eomo os muito dese-
cados cordes de seda, fazenda inteirameqte
novidade neste mercado.
Rico sortimento de caixihbas oom [pepa-
ros para costura, sendo d tamjias de W)*q1
e de outras umitas qpalidaaeV e tamaitas,
ditas para porta-joiasj porta-estractus, rico*
porta-relogios, porta-burutQS, popta^nza,
tinteiros, castigaes, ludo sao pbjectos d
plaqu, proprios para presentear a""qualquer
pessoa, assim ooruo diversos objectos para
escriptorio, facas para cortar papel, carteiras
para notas, cajaae para phosphoros, caetas
bordadas e lisas, maracas para criangas, s-
netes para abrir firaas, caixascontendo urna
caeta, um lapjs e m caivete, agulheiros
e dedaes, todos estes objectos sao de marfim,
fazenda inteiramente novidade, assim como
outros muitos que s a. vista dos pretenden-
tes se podero mencionar.
Vestuarios para criangas, chapozinbos de
seda, sapatiuhos de merino e setim, meias
de seda e dealgodo, brancas e de cores, tu-
do para baptisados.
Rico sortimento de babadores para crian-
gas, ligas de seda para senhoras, longos
brancos com ramagens, meias de seda para
senhoras e meninas, ditas de fio de Escossia,
o melbor que se pode desojar, assim como
meias de l, proprias para senhoras.
Rico sortimento de escovas com costas de
baleia, raarebetadas de madreperola, para
roupa e cabello, e de outras umitas quali-
dades.
AGULHAS E LLNtfAS PARA MACHINAS.
A.Madresilva acaba de receber um com-
pleto sortimento deagulhas e liabas brancas,
de crep e metas para machinas, dos fabri-
cantes Grovcr & Bakr's, assim como agulhas
de todas as qualidades e linhas de seda para
bordar e para crochet, ricas capollas com
.veos e sem elles paranoivas, fil branco com
bonitas ramagens e cm 7 palmos de largura,
fazenda especial: s na Madresilva.
Rico sortimento de -flores de laraiya em
ramas e sepas, de todos os tamaitos, para
enfeites de vestidos de noivas.
Rico sortitiieiito de collarinhos e punbos
bordados e lisos, de linho e algodo, para
horneas, assim cgmo chapeos dV-i com
casta ) du niifim, e outros muitos i.
TEM A MAORESTLVA I a
bonito sortimento do jarros, casti 1 com
pingentes, garrafa.e copos para es^iii-,
frascos, gu-rafiihas de diversos gostus, pro-
prias para toilottes, assim como acaba de re-
ceber um comulfto suilimento de espelbos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, de 3 a 9 palmos do altura e largura
regular.
A MADRESILVA
acaba de receber um especial sortimento de
luvas de Jouvin, brancas, pretas e de cores,
para hpmens e spnboras, assim como tam-
bem para meninas c meninos de 3 anuos
para cima.
BONECAS.
Rico sor,tiincutc de Ixmecas de lodos os
tamanhos e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba do receber um rico
sortimento de bordados em cainbraia< de li-
nho, fazenda inteiramente novidade neste
mercado, sendo babados e ntremelos.
Fiualmento, a Madresilva, alm dos arti-
gos que vos faz mengo, tem outros muitos
que caadonbo seria explicar-vos, por isso a
Madresilva espera que vos digneis visita-la
mais a mido, a grata. %_____
MACHINAS
DE
COSTURA
Chegaram ao Bazar Universal da ra No-
vi d. 22, om sortimento de machinas para
co.8tor,a, das melhores qualidades que existe
na America, das quaes moitas j sao bem
coqbecidas pilar se,us autores, como sejam;
Wellar df Wlson, Grover 4 Boka, Sden-
ejosas, Weed e Impefiaea e outras muilas
qae cpm a vita devero agradar aos com-
peadpres.
' Ettas wjcliinas tem a vantagem de azer
p trbattQ que irinU costureiras podem
fazer Uriamenle e cpzem com tanta per-
ftyc3a como as mais perfeitas cos.toreiras.
Garante-se a sua boa qaalidade ensina-se
trabalhar com perfeigo em menos de urna
em sen estado natural tem um gosto ppuco agradavel, e p mrito- da Hesperidioa con-
siste em reter suas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenti-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERID1NA como INDUSTRIA NACIONAL nSo tem nada qoe invjar s
melhores imprtateos enropas'de calhegoria semelhaote. Esta.8, quaodp muito, podem
ser goslosas, pofm a Hesperidina a combinago perfeita do
AGRADAVEL E SAODATEL
Para prova de qoe om artigo no qual pde-se Ur inteira confianga, pot ser porc
e iunoceote, basta dizer-se qne foi plenamente approvada e autorisada pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permillindo sua livee elaborago no Imperio ; oolra
BOA PROVA
a acceitago geral que tem em todas as partes onde 6 aprsentada. Em 1864 estaber
lecea-se a primeira fabrica em Buenos-Avres; em 1869 a segunda em MoDtewdo; i
no dia da chegada de S. M. O IMPERADOR inaugarea'se a fabrica qoe actnalmente
trabalha na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do PaciBco tem boa aceeitagio.
tanto que rara a casa que considera completo sea aparador sem orna garrafa de
lora, e os pregos sao t devem agradar aos pretende mes_____
que
mascara;
Amaral, Xabuco & C. avisam a rapazeada car-
navalesca e aos habitantes do Cabo, Apipucos,
Icuarassii, Casa-Forte, Limoeiro. Afogados, Cuj au-
na, Santo Antao, Nazarejh, Varzea, Olrada, Mo-
tocolomb e aos demais amantes do carnaval que
receberam um completo sortimento' de mascaras
de papelao, sera, seda e rame, para qualqoer
carcter ; e franjas, trangas douradas e pratea-
das, cabellaras, lantejoul*, voltas etc. Vcndenu
se no Bazar Victoria, ra do Barao da ^ ictoria
BAZAR VICTORIA,
Amaral, Xabuco & C. acabam de receber da
Europa pelo ullimo vapor o seguinle, e convid,m
s Exmas. senhoras a virem ver:
Ricas chapelinas para visita, de palha, feltro.
velludo e seda, a Rabagares Montpensier, ultima
moda.
Chapeos de pallia para passoio.
Enfeites de .seda, de eores e para luto, para ca-
ceca de Sra.
Costumes do cambraia para Sra., c-iiitendo ves-
tido, chapeo de cabeca c de sol, tud-i da mesma
fazenda c de iguaes enfeites. _
Cortes de vestidos de la e seda, de cambraia
bo dados a agtilha, pintados e estampados, e de
baptisias de cores.
Elegantes guarniriVs de cores para scnliora,
conlendu 1 par de brincos, 1 alfine, pulceiras,
1 diadema e urna liorbolcta para cabello.
Loques de madreperola, branco e qoeimado coi
de rosa, laranja etc. ele. lisos c bordados.
Leques de marfim, lisos, bordados c com seda,
Loques de tartaruga.
Leones de madeira, sso etc. ote.
Vendem-se no Baziir Victoria, ruajilo Barao da
Victoria n. .
O homem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
O bomem doente toma Hesperidina para obter
SAUDE
O bomem dbil loma Hesperidina para obter
Nos bailes as donzellas e os mogos tomam a Hesperidina para obter boa c$r e
animago durante os loucos gyros da
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigario Tenorio n. 7, Io andar, re.ceheram es;e
grande especifico, e vendem-no nos depsitos segnintes:
Joaquim l'erreira Lobo, ra da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Gongalves da Fonle, roa da Cadeia b. i.
Antonio Gomes Pires & C, ra da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C, caes 22 de Novembro.
Gomes d Irmo hotel da Passagem.

Xa padaria alloma na roa la Guia n.
o, tem para se vender o sefointe:
Livilliasdc y^differoutesqualidades, fei-
8o Uranio ,'cado, repolhoem barricas, len-
tilbas, S'.-va linlia (Perle), sag, ameixa:.
m u.as .e cerejas seccas; tambeui teo>para
vendar duas bolancas grandes om gandos
t; bracos, alguns pesos, duas rodinbasde m.-
tal pan caninh') de man, urna forma e um
fooo para fazer hostias e obreias, e urna
bonilla.
Lizinhas para vestido a 920
. rs. o covado.
S r.a ra do Duque de Caxias n. tH) A, onlr'
ra roa do Oueinvulo. loja da esquina., de Bento
da Silva &. C.____________
Rivar sem segundo.
Clieg rara agullias para machinas, do fabiicante
Cruwer & Baker. Bosta por 24(MR_______
(;iieueiii quanlo antes!!
9HtA!SSN!SMN!
Lpldos chapeos campestres, da ultima moda
ja scnhnra, s ua ra do buque- de Caxias n
i A, loja da esquina, de Bento da Silva & C.


Vende-3C o sitio da estrada da Cruz de Almas,
que fica entre o do commendador Tasso c o do
desembargador Doria, com casa de vi venda, d ffe-
rentes arvoredos, grande baixa de capira, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilhoa url'a-
nos ao p da estacao da Jaqueira : a tratar na
ra do Aaiorim n. 37.
Farinlia do mandioca a f$ o
saoco.
Na ra da Madre de Dcos a. 7 ; a ella, em
quanto nao se acaba.
Xarope d'agriao do Para
Antigoe con.eituado medicamento para
cura das moles!tas dos orgos respiratorios,
como a phtysiea, bronchitcs, asthma, etc.,
applicado ainda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-so na pharmacia e drogara de Bar-
thaloman dt U, ru Larga do Rosario n. 31.
A UO .
Vendem-se duzias de carreteis de Iinba ce 200
Jardas mo diipuiuto prego de 60 rs. a duzfa
jilo te M Rival do acife nRl, ra #> Mar
qnez de Ol inda
4- VaaOe-se lira a*tK*1 amerita^, de duas
rodas, ]Mladu de n# ; para ver a foseira
do Sf. FUrmi o, W* d*< Flow, e a trrtar na
rat.i fcfca n, *>, ou d l*iha o. *..
Bornw
Veoa-s' iHirwcba para Mms de cheiro: na ra
do Sansa Graz u. t.
tena-
SMOKED BACON
EiceUente toucinho inglez em latas de nutro
libras a 9O0 rs a libra : no aruiazem de Tasso
limaos i r... na do Ainnriiii n. 37._________
Libras sterlinas.
Vende-so no anoazem de fazendas d'- Augusto
V. |c OHvoira C ra do Coinmeirio n. 4.
Ultimo gosto.
Ilsirkw awKM dawndM s attaobtaas de.nu-
drt'piT'ila : m> apnazps de Ta-so Imiao &. t...
no caes do A|K)Ho.
1 nlnido i urti^oM
com urna carta de A. Herculano, colaborado pc-
mui distinctos ascriptores c esdiptoras do Bra-
sil, Portugal e Bespanlia.
Acabam ae chegar estes Almanaks e acham-se
venda as Hvrarias Econmica., ao \vi do arco
de Santo Antonio, e Industrial ~ ra do Bario da
Victoria n. 12.
Taverna para vender.
Vciide-se a taverna sita ra de Juao Hernn-
des Vieira n. 2i, muito propria para principiante
por estar bem loealisada, nova a arutarTto, nao
tem alcidos, tem casa de moradia independente,
quintal murado com cacimba e diversas arvores
de fructo, garntele a casa com um airendanien-
(o por seis annos.; vende-se com gaieros ou sem
elles, e ao comprador se dir o motivo por que se
venda : a tratar no largo da Santa Cruz n, 4. la
vej'na.
Por preciso
vende-se nina cscrava de idade 35 au;. 3, SI ai vi-
cios, cozinha bem. lav e engminia : a tratar na
ra do Visconle de Gojaaija, iiti'on. Cotovellu,
n. 17,
iua taverna na ron de S. Miguel n. 68, em Ao-
oados. propria "para principiante : quem a pro-
tender dirija* a mom!J que achar A coiuqu^m
tratar.
.
Novo tratamento da Asthma, toast, convulsa, defluxo catarrhaet, e todas as molestias dos pvimoes,
que tem feito importantes curas, e que hoje o nico acceito pelos melhores Mdicos.
DEPOSITO OERAL, 3i, rm Laraa do Rosario, FEHNAMBVCO.

Dinlieiro
20Ra do Crespo
Chitas de cores a 200 e 240 ris o covado.
Cambraias miudinhas, a 260 ris o covado.
Lanzinhas miudas ede listas, a 320 c 400
rcis o covado,
Ditos de fil fazenda moderna, a 400 ris o
covado.
Cambraia transparente fina, a 3? a peca.
Dita victoria fina, a 4? a peya.
Bramante de 4 larguras, a 1?>600 a vara.
Casemira preta fina a l?t600 o covado.
Brim branco de linho, a 1?000 a vara.
20
Collas decores, a t600 4-? 0 5? una.
Lenyoes de bramante a 2? um.
Cobertas de chita forradas, a 89 8 3?500 urna
Ditas de chita sem forro, a 1?800 urna.
Cobertores do la, escuros, a 2^ um.
Lenyos de cassa ambanhados, a 2? a du/.iu.
Toalbas alcochoadas, grandes, a G> a duzw.
Brim pardo trancado lino, a 400 e 440 ri> o
covado.
Chales de inerinl lizos e estampados, a 29
nm.
Aenhao antes que se acabem!!
Loja Je Guilherme & da Cunlia # C.
lIMMH i|l
Novo estabelccimcnto
de joias.
Kua do Cabug n. 19.
Neste estabelecimento se encontrar f
um bonito sortimento de joias que se |
* vendem por tal pryo que animar ao
^{comprador, attento ao vantajoso tjsje-
4$, ma, ganliar pouco para vender mui-
g to, que certamente til ao compra-
** dor e ao vendedor.
4i> Tambem se compra ouro, prata c pe-
m dras preciosas, bem como se fabrica o
e qualqiior obra tendente
m
...
...
,
BICHAS DE HMBURGO
As mais recentes e melUores.
Veudem-sona phai inacia e drogara de Bar-
tholomeu Ce
rve

in
3 concerta toda
S mesma arte.
m$?.f $*}#t ff ti I f*|
Cadelra? oratoriai com assen.o da pilninha
^0/000 cada urna no cae3 do Apollo, arma-
tem de Tasso Uwios & C__________________
Mais delles-
Awieis elwlrks.
Daquelles anneis elctricos, tao uteis para o
nervoso, e que A Magnolia, ra Duque de Ca-
xias n. 45 tem vendido porcao I o que por serem
os nicos verdadeiros, multo tem aproreiudo ;
pelo ultimo vapor veio nova remessa : elles an-
tes qae se acabem. Na Magnolia n. 45, ra Duque
de Caxias.
A" verdadeira cerveja da Ilaviera, marra bai
IP'dcirn, desuperi r qualidade : vendem Tasso Ir-
-!mjs & (" em sea arinazein da ra do-Auori:ii
nmner.i 37.
"~ Vende-se a Uveroa da ra dos Acouguinti is
n. ifl, com poucos fundos, propria para princi-
piante, rejiarando a boa localidade
UH.'ma.
a trafcir a
Fio de algodao da Baha e cal de Lisboa, rc-
centemenie chogado : ha para vender no es-
epiptoriode Joaquim Jo Goncalves Boltrao J Fi-
mo, ra do Commercio n. 8._________
Mesa elstica.
Vende-so urna optiina mesa parajaatar, ingleza,
mnituliem cans-ulda, e elegante c por pre^o ra-
xoavel; armazern da Travesa do Corpo Santo n.
?2
)lilii|;hNi mlniliMa.
< ai11 a ih.. mir4^ *HA**M*
dn pcli,
BeHa 4o ront fcrlllio da
etiti.
Vende-se na loja dos Srs. Si Laitto, Boacea :
C : ra do ftuqu de Oaxias n. 4S-
' Pernambuco. f/
\t
}

Oharufcoy & Maraa
no eaariptorio d>- taA" IrmJo & Cs rea dv Aj
' riiu n. F.



f
-7
0'
\
/l
[Diario dePernambeo Sex^a fe 7 xte Ferortfiro de ,1^73.
ALTA MOVD/%E2
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOS IE AZEVEHO
Ra do Bar&o da Victoria n. 11, armasen, e 12 1. anlar, antiga ra Nova
MMMmm
aonie publico em geral encontralsempre o maior e mais esplendtio sortimento depiauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.

CAUTEI
MEURON & (I
A V 1 s A. :i
Acaba de abrir do primeiro andar do sobrad} n. 12 confronte
botica Msorar, am grande sa;o onde esto expostos os magnficos
^JL A j^I "!S de armir.o, de Pleyel.
-------- de meia canda, do mescoo autor.
-------- de H. Henri.
de Ame1e Thibont.
nico afete oeia cidade, dos eelebres afamados
PIANOS DE ftUCHER FRRES
r? miados em diversas exposi.oss om 14 medahzs de ooro e prata.
Sao os ooicos pianos qae qai vem da Europa, perfeitamente anua-
Sw, ertos com elegancia e solidez.
Tambem recebeu grande ?ortmea;o de mu-cas p canto e entre ella* as lindas composicSas do muito vuipaihicj maes.ro
f. s.t *tivi
A SABER :
Voe me quer Walsa.
Olga Maiuika.
La Sc-paracrni P^ra canto.
A Lu elctrica, p:3Le WVsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada d > Valteti Galope.
Joaninha Walta.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal.a.
A M.nha Lvra Walsa.
A Natalicia Polka
StndieDte Po ka.
I
l'iitiua pubtlea^des
Feitas as "fficitus de BOHom
d<5 ; nr.unmote.
Emula, polka por I. S-tk.iu
r..t.-s.-i:ina, >che'ot<, ppf Sm'lli.
UiiMn il-> .t'1 a Pfic-'.'i
qua<1riiln, |>.r 1. P- '>-.
f.l>v ie llosas, Walsa, pe* H A
I riatM,
Daqui erodiatie continuara a annnodar todas as publicares que se forcm friendo as suas offlcinas de musi-.
AO AKMAZEM
po
2
RITA DO BARAO BA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
PIANOS.
Acaban) de chegar milito -bons pianos fortes e (le
elegantes modelos, dos mais notaras e bem co-
nhecidos fabricantes; como sejam : Alphonse
Blondel, Henry Bers e Pleyel AV'olff 4 C. : no
vapor francez, ra do Sarao da Victoria, >u-
tr'or Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de, laxo e phantaiia, brancas pretas e de
dilferentes cures, tanto para scnhoras, como pa-
ra meninas.
Sapatinhos eom salto na rigor da moda, broncos
e de coros paro senhoras.
Botinas de Molis, de Sotar e de Pulak, para ho-
mens.
Sanatos de cordavao Mili-span homen?.
Botinas para menino de qnalquer tamaito.
Perneiros e meias-perneiras tanto para hornees
como para meninos.
Sapatoes de Suser para homens e meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens.
Vbotinados de umitas ipjamades o prcos paro
meninos e meninas.
ipa tiles de tome eont <*la te pao prqprios paro
sitios, jardins > banlios, sortinieuto pan homens
o senhoras.
Zapatos de tapete, easemira, liarlot avelludado,
de tranca portugnei e franca.
!fo armazem do vapor france/., ra Jo B?rao da
Victoria, outr'ora- Nova n. 7.
Perfumara**.
Finas \ tractos, baimas, ateos, opiata e pos den-
'rine, aguada ti. r de laranja, agua detoile-
le, divina, florida, lavando, pos de arroz, sabo-
Bfltes, cosmticos, muitos arages delicados ni
perfamaria para preaentes eom frascos de-ex-
tiacos, eaixinfaas surtidas o ga rilas de dife-
rentes tamanbos d agua de culogne, tudo de pri-
n'ira .jualiladf dos bem conhedous fabrican-
te Pivci e Coudray,
Ho armazem do vaoor franco?. ;i i'M 1o Barao da
Vi.toria, outr'ora Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sortimento ."uo tem vindo de
masx*ar.^s de massa, de arome e de seda, nariz
com oculos, barbas etc., preeos muito bara-
tos tonto em grosso como a retaiho.
X armazem do vapor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'oia Nova n..7.
Para viagens.
MtHto boas malas e bolsas para viagens de '
de caminhos de ferro.
Estojos de viagens com os pertences necessai.
I para barba.
No armazem do vapor francez, Bruaop aro
da Victoria, outr'ora Novan^.7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napoleao e a Guilher-
I me, perneiros e meias perneiros para hoiiiens, I Vcuezianas transparentes para portas e janellas.
e meias perneiros paro meninos. Reverberos transparentes para e:.ndeiros de gaz.
No armazem da Victoria outr'ora Nova n. 7. i tas.
Mobilias de vimes. LaS^sas raagicas com ricas vis,as e C0D?S em
Cadeiras de bataneo, de braco, de narmeSes, so- | Vidros avulsos paro cosmoramas.
e: *____>__ *________________ ______-_____i m f > I,, 1 1. > i^ >. I I _< -i "% *
Grvalas brancas e de, seda preta para homens
! meninos,
Campanliias de muta para chamar criados,
Jogos da gloria, de .lama, de baga tollas, de domi-
n c ontros muitos differentes joguiuhos allc-
j maes c fraucezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cami
nhos de ferro,
1 Mamadoiras de vidro de dar leite mu fcil s
criancas.
Argolinfias de marlim para as criancas niorderem,
bom para os dente*.
Bercos de vimos pan embalancar crianzas.
; Cestinhaa de vimes para braco de meninas.
[Cairmhos de >uatro rodas para passeios de crian-
ras.
fas, jardineiras, nwsas, conversad iras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de reereios.
No armazem do vapor francez, ra do Baro la
i Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
ArtJgoe de diflerentes fto-i Jiliaiitazia-..
os para salas e gabinetes.
Loques paro senhoras e para meninas.
Lavas de oavin, de fio da Escocia e de can.urca.
-Caixinhas de costura ornadas com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Si versas obras" de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para ieligi<>~.
Brincos |imitacao o botoes de pumos de plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo-e de couri-
nho de cores.
Nevos objectos de phantazia para cima de mesa
ejioilette, 5*a
Pincenez de ciires, de prata dourado, do a;o
tartaruga.
Oculos de aijo fina, e de todas as gradoafSen.
Bengalas de luso, canna, com castSes de marlim
Bengalas diversas em grande sdrtimento para h)-
nuois o meninos.
Cbicotinhos de. baleia e de umitas pialidades di-
versas.
Es|wras de tarracua para saltos d> Ixita?.
Ponteicae de espuma paro charutos e cigarros.
Peales V; tartaruga para desembaracar e par
barlia.
Ditos de iuarlim muito finos, para limpar cabera.
Escovas para roupa, cabello, nanas o para den-
tes.
Carteirinhas do madreperola para dmheiro.
feias para homens o para meninos,____________
Globos de papel de cores paro luminaces de
restes.
Ba!ies aereoetatieos de papel de seda mu fcil
de subir.
Encerado bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systemas paro caf.
Bspanadorcs de palha e de pennas.
Tesourinhas e caivetes finos.
Tapetes com vid ilhos paro mangas e lanternas.
Tiiiteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras domadas e pretas paro qua
dros.
Quadros ja promptos eom paysagens e phantazia
Eta"mpas nvulsas de santos, paysagens e phanta
zia*.
Objioctos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Real ojos peqtienos de veios rom lindas pjas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
tamanhos, e outros muitos artigos de qumqni
Iharias dificeis do meiiciwiar se. .
No armazem do vapor francez, ra do Barao
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
4 maior variedade que se pode desejar 4e lodo?
os brinquedos fabricados em dilferentes parte
da Europa para entretenimeato das criancas ;
tudo a procos mais resumidos que possivel :
no annazcm do vapor francez, roa do Barao
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e indios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica o nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se poda
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON a C.
aUESTO DO DM
Grande agitarlo !.
tam !... escrevem I.
rain... e nao comemf
(' pela barriga que melhor se
goverva o mundo).
a
Todos fallam I..
. lastimam-sel.,
nao bebein f
gri.
cho
Meditemos, pois...
lvujaras !... Alegroi-vos, bella e heroica ci-
dade do Recife, qne val desabar sobre a cabera
de cada um de vossos invictos lilbos una nuvem
prende de mgicas inspira^oes a veracidade
deste annuncio.
Queris conseguir os fins ? empregai os meios :
apurai a vossa imaginacao, vasai ia vessa intelli-
encia urna gota de inspira^ao e Ujreis resolvido,
Litminado aquestao do dia,(
culos ufatlivels que vos farao resolver em um
pice o grande problema que prende to forte-
monte as vossas attenjoesquestao do dia.
llimilill'S '
cuati
N'f sto caso l vai :
Com a barriga vasia
A cabeca ardo, enfra.prece,
O corpo treme,- vacilla,
A razao dcsapparece.
\ gjj m do Imperador PL 28
JAMOS
toa tripas e d&brada da vacca iogleza a 41000
' cada ara : no armazem de Fasso lrmaos & C,
j ra do Aroorim n. 37.
Oereis ?
Bois mansos
tr:ndem-se os Hielhores possiveis para ar-J
ros ou earroca, no sitio Ipiranga, junto ao sitio
do Sr. Jacome ; no niesmo sitio compra-se urna
"arroga nova ou d<: ponco
nrasmo sitio.
Pois bem, fortificai os pulmSes, desempedi a
larynge, argentina i a voz, adquir o dom da per-
suasito e finalmente abragai sem hesita tentosa inspirando jue vos offereco e tereis torcas
sufieiantes para discutir, convencer e.. .demibar,
para sempre a magna- cpiestao do dia.
diereis ludo isto
V ao muito preconisado armazem do Cam-
pos, do Iroperodor n. 28, e comprai certas
e e; .es vidual has, (ex par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquwno
os finissimos e calillantes licores, Iembrando-vos
dos rarissimos o delicados acepipes, (alem de en-
tras 'inuitas consiahas boas que ficam occnltas
nestes.....para despertar a curiosidade dos aman-
tes da....) e veris que depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos apparecer
nma fio enrgica intpiraro (cousa inaudita) que
I
Mascaras.
Mascaras.
Mascaras.
uso a tratar no | vos cousiderareis metamorphoseado om algum
propheta, abundando a vossa imaginacao de cal-
Aeabam*de chegar grandes facturas de masca-
ras con todo* os sortunentos, para vender-se em
grosso e a retaiho : no armazem do vapor fran-
cez, ra do Bario da Victoria, outr'oraNova n. 7.
Vendc-se a casa de molhados, collocada na
estrada que val do Porto da Madeira para a po-
voajao de Beberibe, bem afreguezada e com pou-
cos fundos, propria para principiante : quem a
pretender dinja-se mesma taverna ou ra dos
Pires n. 37. ___________________
Grades de ferro.
Vendem-se grades de ferro proprias para ter-
rados, e por commodo preg i : na ra da Roda
n. 56.
O bacalho da Nirnega, em caixas e mens
ditas : no caes da Alfandega o.'i, armazem e
TasfO IrmSes A C._____________________
Vende-se urna casa de laipa bem eo ftrui-
da, com bastantes commodos, em Beberibe do
baixo, no lugar do Fundan, ra da Esperanza, tam
100 palmos de frente e 300 c tantos d fundo, o
rende ineiisalniente 11*060 tambem voodo-se
ana mais pequea na estrada nova de Beberibe,
porto da seguirla estacan n'Agua-Kria, e rend
tambem mensalmeme H ; o um toiTono WTn
, 300 palmos de f. ente, na mesma estrada de Bebe-
ribe, junto a casa cima aiinunciada. Vende-so
, ostes objectos por preco muito tnodi -o : pessoa
\ que pretender, dirija-se ra de Joao lindes
i Vieira n. 24.
Ra larga da Rosario n. 22-
Mais pechinchas.
Baptis'-s, fazenda muio fina dj bonitas cor>" '
l*;00 a 500 rs. o covado.
Cas as muito bonitas re 600 rs. a 280.
Pares de botes de i laot fino para punhoj lo
U a 240.
Maco de pentes de alis r de 2'i00 a l.
O va na s vend o que barato e bom, an-
d m depre sa (orque o barato todos q.muoer
I CAZA MFORTUNA
RA 1. DE MARIJO OLTR'OKA DO CRESPO N. 3")
lUs 20:(I0080IU.
I O abaixo assignado tem sempre expx>to venda
os felizes bilhetes do Rio de Janiro, pagando
promptamente, como eostuma, at 4:000*.
Preeos.
Inteiro ....'... 24*000
Meta ........ 12*0:
Quarto....... 6 OH)
GERAL
5
i

1
OS PREMIOS DA A. PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 4M, A RENE FIGO DA IGREJA DA CONGREGACAO DO REG1FE, EXTRAHIDA EM 6 DE FEVIREIRO DE 1873.
m. PBEMS.f ss. prems. : . PREMS. p
' 0 H 168 0 372 6/1
1 8 70 73
9 73 74 -
10 81 76
II 18. 77
16 89 92
2 % 93 -
23 207 kO 96 -
25 12 69 407
1 28 48 . 8
i ' 32 25 10
39 32 19
1 49 41 ' 29
o 42 31
60 45 . 46 -*
67 46 i 49 -
69 55 51
71 ~ 50 56
75 _ 57 62
79 _ 73 75
/ H * 74 ' 77
-91 61 77 81 -
l#< * 81 84 *
. 3 :OOO 86 86
- .'' 12 U m i 502 Ht
13 361 I 10 6
18 0 25
. 26 tmt M 1 26 -
29 17 32 *i
38 _ 18 3
\ 39 44 3i, 37 *n 49 '59
42 42 67
f U 48 69 -
fk 50 58 50 52 71 -79
6 . 66 _ 80
\ 67 - 68 .1 85 -
586 6J 733 6
87 34
88 54
90 62 ---;
92 69 ---
600 7 i
1 75
5 85
8 87
9 92 ---
10 803 ---
11 8 \ ^^
12 9 ---
13 18 '
17 19 ---
19 22 iM
24 26 6,3
30 30
33 33
37 ^m 38 t
41 --- 39 m
52 fyt 42
55 *4 43
57 6d 55
58 - -i : 57
61 -64
71 69
73 78
74 79 .
80 O 81
87 82 _4
96 to? 85
704 6fl 87 *M
12 89 W
14 91 _
20 93
94
24 98
902
5
8
9
13
18
19
23
24
14
45
60
64
65
74
75
O
89
98
1009
11
13
28
34
36
47
57
60
64
68
e
7D
71
8D
85
86
93
IOS
6*
NS. PREMS. NS. PREMS.
ilil
14
27
31
34
46
47
48
52
53^
58
62
67
69
75
76
77
.94
98
1209
17
22
27
36
38
39
50
58
62
64
7
Til
79
80
82
85
89

U 1297
1300
14
23
35
43
44
50
57
78
79
83
90
91
1401
I
9
15
19
20
29
38'
39
42
45
48
67
69
71
5

90
91
OT
99
-rUSOO
-I 19
25
6*
l*
i

61
i
a
O
r 1.
1527
29
33
39
40
45
46
50
51
59
63
67
70
84
82
90
u P-
leos
15
19

52
34
til
7*
80
84
91
95
98
99
1700
8
14
24
26
30
-i

1735
42
52
60
67
71
78
80
85
90
92
94
98
-f804
9
15
19
37
40
43
m
31
53
55
4
66
A#*| 7
m d
80
82
M
m
m
89
1909
10
14
*'
NS. PREMS. NS. PREMS.
*>$


-4
6d
1925
48
50
53
56
62
70
72
80
82
83
85
93
99
2001
2
3
4
9
12
49
26
29

M
54
m
m
61
70
73
75
n
-''90
94
97
m
2100
2
12
13
16
20
2fr
32
35
36
41
52
62
69
72
77
78
79
85
86
89
98
MO
'11
NS. PREMS.
6,5 2282
90
2300
.2
l4
65
u
44
(;
i
*3.
f8
24
45
47
34
40
w;
46
w
*\
76
80
19
23
27
29
33
40
41
44
47
49
61
68
73
78
81
85
95
0
m
2403
7
8
10
13
23
2T

81
84
80
63
64
66

NS. PREMS. NS. PREMS. NS, PREMS.
K>
2470
75
79
83
87
88
93
94
2506
14
15
16
30
33
55
57
59
63
68
81
84
96
97
18
2603
4
8
9
28
28
31
85
S9
4*
81
U 2656
62
403
64
6 52
83

0
70
77
81
82
84
88
2711
14
15
16
17
18
22
23
25
27
31
33
40
42
43
47
53
55
59
61
m
64
69

95
98
2811
13 '
20
*o>
8*
6,5
2821
26
33
36
50
57
81
91
95
2903
4
8
lO 10
<4
64
U
t
64
11
25
34
35
37
42
46
47
52
5o
68
65
68
70
74
n
74
83
84.
88
80
91
_1 99
8*4
64


m
,ii... -- ;,.
I mi
-i-1*..
.i-


8
Diario de Peraambuco Sexta feira 7 de Fevereiro de 1873.
_
VABIEDADE
INCENDIO E UM THEATRO.Arclcu o
theatro de Odessa no din ti doste mez. O
edificio eslava seguro em 150 mil rublos e
as decorarOes, rnobilia, etc., em 15 mil;
ambos, os seguros effectuados n'tims compa-
nhi.i russiiu*.
COffDEMIfACAO. Em Inglaterra, no
Central Criminal Cauri, fui julgada urna
muilier por nomo Mnriartv, a que em 7 do
dezoinbro ultimo matara o marido com urna
maehadinha.
lira e outro eram liados a bebidas alcooli-
cas com excesso. O crime pratcou o a r
estando ambos ebrios, depois de terem es-
tado n'uma casa de venda.
A muilier tem oito filhos, bavidos durante
O consorcio.
Sendo-lhe dado o criine de homicidio por
prqvado, o tribunal condemnou a re a
oito anuos de prisao com trabalho obri-
gado.
No mesmo tribunal foi julgada outra mu-
ilier, por nomo Mnrgarida l'artridge, de 39
annos do idade, e coudemuada em doze
mezes de prisao com trabalho pesado, pelo
crimo do ha ver tentado matar sen marido.
UM VAI.E.ME.Escrevom de I.yon, nar-
rando que no dia 15 de Janeiro, indo, ja" de
noito, a recolher-se parasua casa .Mr. Carel,
inspector das subsistencias, foi assaltado
por tros bonicos.
Ora, Mr. Card maneta, porque perdo'u
,um bracn no combate de Orleans, na ultima
guerra, mas assim mosmo nio desammou
com o numero dos aggressores ; com a mi
que lhe resta tirou resolutamente da algibei-
ra o seu revolver, e fez fogo com tanta cer-
teza que metteu a carga no centro do peito
Je um dos ladres, ou quem quer que
eram.
O Sr. Carel vio cahir o homem e os domis
fugircm, mas, indiffercnte a isso, entrou
para casa e fochou a porta.
Durante a noite os coinpanheiros do que
ici-ji morto levaram o cadver para utro
ponto.
Mr. Carel s com um braco fez mais do
que muitos, saos c escorreitos, seriara ca-
pazos.
MEMORIAS PARA PREMIO. A socie-
dade das sciencias, das artes e das lettras do
ILiinaut, receben duas memorias, sobre o
ponto ilado para premio, que devora ser con-
ferido ao melhor trabalho, sobre o ponto da-
do pela mesma sociedade, e que este :
Descrever com particularidades as funes-
tas consequencias da embriaguez, tanto para
o individuo que a ella se entrega, como para
a sociedade ; indicar os ineios preventivos e
repressivos mais apropriados para extirpar
esse vicio, ou ao menos para lhe limitar o
desenvolvimento. -
Por ora nao encontramos noticia sobre o
mtrecimento dos trabalhos apresentados.
__
ATTENTAD0. Refere urna correspon-
dencia de Dublin, um fado criminoso, que
uvera lugar no condado de (lalvvay.
E' administrador das propriedades do con-
de de Leitrim, Mr. Anthony Canny. Estan-
do elle em sua casa em Delm-Park, prximo
de Ross, um homem desconhecido se lhe iu-
troduzio em casa, e, apresentando-lhe um
revolwer, disse-lhe que havia sido comprado
para o matar se elle intentasse despedir al-
gum dos rndenos das propriedades do con-
de I.eitrim: ao mosmo lempo mostrou a
Mr. Anthony a bolsa que coutinha o dinhei-
ro recebido. Depois o desconhecido dispa-
rou o revolwer para o ar por tres vezes e
desappareceu.
O ameacado nunca vira o tal homem que
se conl'essava assassino assalariado.
RESULTADOS DAS CHIVAS.Na com-
muua de Saorge (Alpes martimos) as chu-
yas continuadas deram em resultado militas
dopressoes e deslocainentos no terreno, e
d'abi o terem vindo a trra cincuenta e oito
casas do habitaces, as quaes se alojavam
noventa e tres familias, sommando trezentas
e (inatenta e duas pessoas ; as quaes sumen-
te inham por asylo as ruinas de um volho
comento.
Q DR. LEVINGSTOM. Anauncia um
telegramma, haverein conununicado de Zan-
zbar, ca data de 30 de novembro, o rece-
bimento de cartas em Lnyanyembe, dando
noticia que o Dr. Levingstonc recebera os
homens que lhe foram enviados por Mr.
Stanley, e que elle partir para o interior.
0 TIMES EM PROCESSO. Dizom de
FOLHETIM
i m\m U BARONEZA
PELO
VISCONDE PONSON D TERRAIL.
SEGUNDA PARTE
A creoula.
(Continuado do n. 29).
XII
Os olhos de Heitor brilhavam de colera ;
lanc/m ao baro um olhar de odio concen-
trado.
Yvonnetta empallideceu, vendo a creoula
pelo seu braco, e urna lagrima lhe deslisou
pela face.
O senhor de Nossac vio o rosto agitado
de Heitor e cruzou o seu olhar ardenle.
Assaltou-o um sentimiento de alegra feroz,
e deixou errar pelos labios um sorrso ; tri-
umphante.
Mas, o seu olhar, deiiaudo Heitor, cahio
em Yvonnetta.
Eolio o baro empallideceu e estremeceu
pela sua vez, e sentio o remorso penetrar-
fhe no corarlo.
Yvonnetta lancou ao baro um olhar de
drresigeada. O baro estremeceu a esse
olhar, como tnha j estremeeido vista
desse rosto empallidecido, e esse remorso
que comecava nascer em seu corado,
tomou maiores proporcoes.
O baro aproiimou-se della sem affecta-
o, e pegou-lhe na mo.
Ella retirou essa mi sem arrebatamento,
mas retirou-a.
Que mal lhe fiz perguutou-lhe elle
em \ oz baixa.
A joven empallideceu, masteve coragem
"bastante para respondlr ,
Engana-se, senhr ; longe de me ter
feito mal sou-lbe pelo contrario rauito obri-
Conslnntinopla quo o goverao torco passra
ordeiis ao sou encarregad de negocios em
Londres', para requorer processo crime con-
tra o Times, em consequencia desta folha
peridica ter dado estampa a circular apc~*
crypha de Khall-Pach.
EXECUCAO DE PENA CAPITAL. Na
semana passada foi guillotinado em Franca
o assassino de mademoiselle Pinel, o qual
fra um sobrinho della, chamado Lemar-
chand, lamentavel facto de que domos oppor-
tuuamente noticia.
A excciiQo leve ltfgar s sete horas e raeia
da manh, n'uma praea publica, sendo pre-
senciada por innumeravol multido, que se
acotovelava e atropellava para ver aquelle
terrivel espectculo.
O condemnado esperavn obter commuta-
;o da pena ; e tanto assim que das antes
de receber a horripilante noticia de se
apromptar para ir m rrernaguilhotina, dis-
sera, estava desejoso de irquanto antes para
Cayenne ou Nova Caledpnia, porque a vida
ociosa se lhe turnara insupportavel.
Roch e seus dous ajudantes, os executo-
ros de alta justica, da repblica franceza, nao
toem grandes feriados no seu repugnante
oflicio do matar gente ordem da justica e
com acquiescencia do governo geral da
naco.
DE TARIS ATURIN.Lma carta de Tu-
riu annuncia quo so assignra urna conven-
(;o entre a Franca, a Italia, a Inglaterra, e
a sociedade internacional das linhas frreas,
pela qual se cstabeleco um trem expresso e
rpido entre Taris e Turin. Os viajantes in-
gle/es ganham com isso 14 horas de viagem
para Turin, e as correspondencias de Taris
12 horas.
Esto estudados os prolongamentos deste
trem rpido at Roma, Florencia e Veneza,
de modo quo milito breve estas cidades es-
taro a tanta distancia de Taris como Mar-
selha.
UM MARIDO INFELIZ. Commetteu-se
ha annos em Turin um furto de 27,000 liras
novas, e o caso que o autor dessa subtrac-
(,'o fraudulenta nao chegra a descobrir-se:
recahiram sim algumas desconfianzas em
um empregado no escriptorio; e foi certo
que elle desapparecou dentro de oito dias,
sem que podessem os interessados saber para
onde se ausentara, sem embargo das diligen-
cias que empregaram.
Nao fra sem fundamento, que as des-
coofiancas da probidnilc de R. se suscitaram
e tomara ni corpo ; factos recentes o com-
provam.
O tal ex-em pregado do banco foi habitar
em Taris, com sua mulher e um filho do 10
annos.
Sendo mui versado om escripturacao e em
negocios commerciaes, nao tardou om ar-
ranjar boa collocac,o n'uma casa cominer-
cial, e alii era mui estimado.
- A mulher era urna gastadora intoleravel,
e por isso a causadora dos furtos que o ma-
rido commettera.
Ignorava ella isso, posto que devesse sa-
ber d'onde vinha o dinheiro para tamanhos
gastos.
Em Taris continuou ella com as mesmas
prodigalidades, com os mesmos hbitos des-
regrados, com as mesmas despezas exagera-
das, que ultrapassavam em muito as posses
do marido.
Descobrio ella um dia o cofrezinho ern
que seu marido guardava anda o resto do
furto das 27,000 liras. Nocoubeem si de
contente ao ver aquelle ourozinho, e para
logo se aproprou do urna parte dello.
Na tardo do dia em quo se descobrira
aquello thesouro em miniatura, viudo o ma-
rido para casa, a mulher lhe contou terdes-
coberto o dinheiro, eem termos arrebatados
c improprios, exprobrou ao marido o facto
de lh'o occultar.
Ao ouvir as palavras da ruim companhei-
ra da sua vida, o pobre homem foi sbita-
mente atacado de to violenta colera, que
rompou um vaso sanguneo, morrcndod'nhi
urna hora.
Antes que a morte lhe arrebatasse a alma
do corpo, tevo lempo de referir mulher os
furtos que praticra, para supprir s exigen-
cias della, e aos toilettes ruinosos.
No dia 10 deste mez, madama R. mandou
o filho passeio, e lhe recommendou que
nao voltese casa antes da tardinha.
O rapazito, porm, suspeitou das inten-
ces de sua mi, e porque estranhra aquel-
la recommendaoo, voltou a casa s lt ho-
ras da manha.
Cbegando casa, tevo de forcar a porta,
por lh'a nao abrirem, nem responderem
quando baten.
Encaminhou-sc logo ao quarto da mi, e
gada por nos trazer minha prima s e
salva.
Senhor barodisse o conde de Ker-
vgan interrompendo a conversa da joven e
do senhor de Nossac onde se refugiaran)
durante a tormenta ?
Debaixo de um rochedo, conde.
E esse o episodio mais interessante
do seu dia de car^a ?
Oh I meu Deus disse simples-
mente o baro.
Terdo, baro disse a creoula cora
voz encantadora esquece o javali.'
Ah sim, urna miseria...
Corrido ? perguntou o conde.
Nao-disse ella com enthusiasmo
morto entrada do covil.
As facadas talvez ?disse irnicamen-
te Heitor.
Nao, meu joven amigo disse o ba-
ro laucando um temo olhar creoula
simplesmente abafado.
As quatro pessoas reunidas no salo sol-
tarara um grito de admiraco.
Impossivel 1 disse o conde.
Que gracejo Idisse Heitor rangendo
os dentes de colera.
Que imprudencia Iraurmurou Yvon-
netta.
Essa palavra impressionon o baro.
Te ve durante um instante a idea de se
aproximar da joven, que acabava de deixar
de lhe pegar na mo, e de lhe agradecer
com um olhar. Mas a creoula prevenio-o,
encostando-se ao seu brago e dizendo-lhe
em voz lnguida ;
Raro, quer-me permtr que seja o
seu Homero e que cante as suas facanhas ?
0 senhor de Nossac em qualquer outra
circunstancia ter-se-hia modestamente dis-
culpado ; mas Heitor estava all, Heitor, que
de manh estava aos joelhos de sua aman-
te beijando-lhe insolentemente as mos e
lancando-lhe a elle, baro de Nossac, olha-
res de triumpho e de impertinencia. Por.
isso respondeu negligentemente :
a encontrou sobre a ama meia asphyriada
com o gaz acido carbnico, produzido por
um fornilho que ella hara collocado prxi-
mo do leito.
Felizmente o palpite do mancebo salvara
a vida mi, que podo ser chamada vida,
fazendo-a respirar ar puro.
Todos estes factos deram em resultado
passar-se revista minuciosa aos papis to fi-
nado, e descobrir-se que os furtos realisados
pelo infeliz marido, soramavam quantias as-
saz valiosas.
Ponham os olhos neste espelho as mu Hie-
res dissipadoras e amantes de luxos exagera-
dos, sem attentarem nos recursos pecunia-
rios provaveis de seus maridos.
A falta de bom sonso leva pratica de
desvarios, que depois se tornara em desgra-
$as fataes.
JORNALISTAS IRREQUIETOS.Havia o
Evnement publicado um artigo acerca da
morte do ex-imperador, e ah escreveu:
quo Napoleo III suecumbira d'uiie mala-
die vulgaire.
O Figuro redarguio aquello artigo com
desmesurada virulencia.
No dia immediato no Evnement appare-
cia esta deelaraco:
Dez horas da noite.
Chego ao meu jornal, e mostram-me o
Fgaro desta manh.
O ataque contra mim dirigido nao tem
precedentes na imprensa.
No momento em que apparecerem es-
tas linhas, Mr. de Villemessant, redactor em
chefe do Fgaro, ter recebido a minha res-
posta.
(Assignado) Edmond Magnier, redac-
tor em chefe do Evnement.
THENOMENO METEOROLGICO. Em
Franca, depois das chuvas, manifestou-se
um lempo ameno, urna temperatura suave,
e extraordinaria alta para a eslago actual.
E' assim que as arvores precocemente se
revestem, e que os mercados de flores se po-
voam com as que apenas em mareo e abril
costumara llorir.
Os Horticultores e os lavradores andara
receiosos com a visivel revolugo da nature-
reza.
AS ESCOSSEZAS QUEREM VOTAR.
Houve no dia 12 de Janeiro um meeting (co-
micio) em Demdee, na Escossia, promovido
com o intento de propugnar pela regala
das mulheres exercerem o direito de votar
as eleices polticas.
A esse comicio presidio sir Robert- Anstru-
ther, membro do parlamento.
Sustentaran! que se as mulheres interfe-
rissem as eleices, necesariamente se ope-
rara na legislarlo profundas modificaces.
Tomaram parte nos debates as Sras. Rur-
ton, Wgham, e varios homens.
Foram votadas resoluces no sentido de
proseguir nos trabalhos attinentes a alcanzar
o direito de suffragio para as mulheres.
As senhoras escossezas que discursaram
no comicio erara todas solteiras, como de-
prehendemos pelo tratamento de miss qoe
Ihes foi dado.
Esta circumstancia deve notar -se.
CATASTROTHE. Relata o Progrs de
Charleroi que acontecer urna grande des-
grana na fabrica de refina$o de assucar era
Merbesle-Chteau, na noite de 9 para 10 de
Janeiro.
Na occasio em quo os operarios eslavam
tomando a refeico, mui prximo da caldei-
ra da machina, esta fez exploso, e muitos
daquelles infelizes foram cruelmente quei-
mados o soterrados pelos destrocos do des-
abamento.
Contavain j II pessoas raor^a; mas-
como os fondos sao muitos e algu^^rave-
niente o e^tao, provavel quo o uuiVolios
que pereceram seja aiada accresce' .
INCENDIO NLM HOSTICIO DE ALIENA-
DOS.Tublicon um jornal americano va-
rias particularidades referentes ao grande-in-
cendio que houve em Newbury, n'um bos-
picia de alienados.
D'esse jornal traduzio esta narra^p um
peridico trances.
Expressa-se do modo que vai ler-se :
O edificio era de magestosa fabrica, em
cantara, medindo a extenso de novetentos
ps. Havia-se ha pouco acabado de cons-
truir dous pavilhoes,. quo continuavam o
corpo principal. S essa parte tnha custa-
do 300:000 dollars. Aquelle accrescenta-
mento permittja recolber 600 ehfermos. Por
urna felicdade nao fcil de-explicar s mor-
reram no incendio seis pessoas, tendo-se sal-
vo todos os alienados.
Quando se descobrio o fogo, deram-se
Como queir, senhora, tenho orgulho
em ter um Homero como V. Exc, cujos
olhos sao, to forraosos, vantagem que nao
poda ter o Homero da autguidade, que
era ceg.
A creoula ompuuhou a sua lyra o cantou
o combate cavalheiresco do baro com urna
finura de pormenores, um calor de colori-
do, urna vivacidade de imagens que o fizo-
rarn estremecer de orgulho. Era preciso
que essa mulher o araasse muito para se
lembrar assim, realzando os menores inci-
pentes dessa luta e fallar della com tal en-
thusiasmo !
A physionomia de Heitor exprima um
despeito furioso.
Pos bem Idisse elle se o senhor
baro quer come^ar de novo, iraita-lo-hei.
Abafar uiryavali ? perguntou Si-
miane, at ento mudo e cuidadoso.
Abafarei Idisse resolutamente Hei-
tor,
Crianca!respondeu a creoula com
ternura maternal e um pouco irnica
mandar-lhe-hei vir um de Nuremberg de
carto, que poder abafar e torturar sem
perigo algum.
Heitor empallideceu e quiz fallar, mas a
colera e a dr contrahirara-lbe a garganta a
ponto de nao lhe deixar passar sora al-
gum.
Rarodisse ento o marquez es-
queces urna cousa essencial.
Qual?
E' que o senhor conde deseja voltar
a kervgan, e que seria bom que o ten
mordomo nos mandasse servir o jantar.
. Voltar a Kervgan ?
Simdisse o conde.
E' noute fechada.
Os caminhos sio-nos familiares.
0 senhor de Nossac langou i creoula um
olhar supplicante.
ERaxcomprehondeu esse olhar e apresou-j
se a dzer:
---------------------.----------------
ordenspara evacuar promptatiimitflO onfer-
piHirante a primeira hora, as scenas
Jlne passaran* sao indescriptiveis.
Todosos empregadoso creados se apres-
saram em abrir todas as' portas dos pateos e
dascellulas, atlmdcqueos loncos sahissem
e oncaminhando-os at os por fra do alcan-
ce do perigo.
Urna parte iTeHosobedeceramcom:sere-
nidade e boa vontade, e muitos prestarn
at soccorro para se operar a salvaco.
Muitos outros, porm, estavain excesi-
vamente assombrados, immoveis de terror,
e depois torn a vam-so furiosos, da vara gritos
agudos ou chocavam, solugavam, sem que-
rerem sahir. Poder-so-ha diflicilmente juizar
os obstculos que aprese ntam sescentos alie-
nados cmsemolhante conjuntura.
(irnilo numero d'elles nao quoriam
abandonar as suas odalas ; outros iam-so
esconder as privadas ou debaixo dos Jeitos:
nem rogativas nem amea^as os deraoviam a
retirar-se. Tornou-se indlspensavel empre-
gar a forga para os desalojar.
Alguns debatiam-so com toda a ancia
nos bracos dos seus salvadores. Muitos ou-
tros teimavam em levar corasigo toda a sua
roupa, suas camas, e todos os objectos que
llie tinham servido para alguma cousa. Um
dentre elles lizera um atado por tal forma
pe*ado, que s um cavallo poderia deslo-
ca-lo.
As loucas cram muito mais dillicois de
conduzir que os homens. Cordato direi-
ta, a esquerda, em todas as direccoes, enfu-
recidas com o terror, emprogando todos os
esforcos para so oscaparem ; ao passo que
outras, como os homens, recusavam*se a
deixar as suas cellulas. Um corto numero
d'ellas foram levadas forca; resistindo po-
rm anda mais que os homens, por todos os
modos possiveis e com extraordinario vigor.
m Muitos doudos queso tinham conduzido
para os campos o deixado em libordade, vol-
tavam para os edificios em chaminas, c os
empregados recome^avain a luta com elles.
Na parte do edificio prximo ao ponto em
que o incendio ti vera cometo, pde-se reu-
nir muitos docntes.
Centenas de homens e de mulheres da
povoago VoIm, haviam corrido a prestar
soccorrosquellas mallogradas creaturas.
Tres quartos de hora depois do princi-
piar o incendio, sobreveio um terrivel acon-
tecimento, que accrescentoii a consternaco
geral. Troximo ao ziraborio do dificio
principal, havia um immenso reservatorio
contendo 36:000 litros de agua ; o qual es-
tava sempre cheio para prover s necessida-
des do hospicio.
Os supportes d'esse reservatorio tendo-
se queimado, cahio elle, e com o seu peso
enorme, levou na sua queda os sobrados dos
andares superiores, e as aseadas, quebrando
tambera os tabiques dos corredores.
Dous empregados do hospicio, que esta-
vam na sala de recepeo, no segundo an-
dar, viren, na occasio do desmoronamento
urna mulher suspensa por um p, n'uma
fenda do soalbo. Como porm as oseadas
tinham sido destruidas, impossivel Ihes foi
irem at onde ella estava.
Tentaram anda um esforen, mas de-
balde.
Na ra a confuso era por igual terri-
vel. Grande numero de alienados esta vam
cercados por soldados,, e estes os conduziam
para as igrejas que haviam sido abortas afim
de receber os infelizes.
Nao foi pequenoo trabalho-para all os
accominodar, nem to pouco para os procu-
rar nos campos, nos quintaes, nos- jardns,
por onde vagueavam n/uin estado de afflic-
co patente, paludos, desvairados-, em' deli-
rio, agitando os bracos no ar como quem d
pancadas, ou dando gargalhadas descom-
passadas, ou assentando-so d muito mo
humo.r taciturnos, iitrataveisv silenciosos.
Toucos alienados haviam> conservado
bastante retentiva |>ara comprehenderem a
desgrana que Ibes estava imminente.
Algiuisdeitavam-se no chao, cheios- de
um terror selvagem; outros, cantavara, gri-
tavara ou soltavam exclamagoes, parecendo
muito jubilosos; outros praguejavam, blas-
pheinavara com voz de trovo : era o infer-
no, o panademonium.
.Vs perdas para o estado se avalium em
500:000 dollars 'novecentos e vinte contos
aeris], a respeitodos quaes nao existe se-
.guro. algum.
para se reconstruir o edificio, sem o. qual o
esta lo nao pode passar.)
APPAREL1L08 DE SGURANfA.~E' co-
nhecido o apparelho inventado, pelos S*s.
Bourdon, ftictuador de nivel tt- do-aviso que
mereceu premio conferido por urna sociedade
benemrita, queso oceupa, com louvavel so-
Cora effeito perigoso viajar de
nouto.
Os caminhos sao seguros, minha so-
brinha.
E lamacentos, raeu to,
Julgas isso ?
Choveu toda a tardo.
Obrigado !disse-lhe em voz baixa o
senhor do Nossac.
E continuou em voz alta :
Ento ficam, nao assim ?
Sem ilnvi-la, so meu to o permittir.
Em primeiro lugar sou horrivelmente ner-
vosa.
E com effeito, a tempostade assustava-a
e excitava-a.
Ao ultimo ponto ; manh, por exera-
plo, meu caro tio, estou disposta a partir
manh cedo.
Depois de almooo, acompanha-lo-
hei.
Seja assim.
0 senhor baro est servido bra-
dou o mordomo da porta da sala.
0 senhor de Nossac ia offerecer seu brac,o
creoula, mas Siraiane prev ii -.
O baro voltou-so para t* < : -Tias,
Yvonnetta tomou o bra^o de se- > i >. o
o senhor de Nossac mordeu os labios de des-
peito.
Ento Idisse Smiane em voz baixa ''
creoulaest contente ?
Anda nao.. ,
Nao est vingada ?
Neo.
Mata-lo-ha I
Ella sorrio-se e nao respondeu.
O jantar foi alegre para obaro e para a
creoula, cuidadoso parafiimiane, triste para
Yvonnetta, um supplicio para Heitor.
0 senhor de Nossac rettrou-se cedo.
Tinha preciso de se ver s, de conver-
sar alguns minutos corasigo mesmo, de ou-
costar a fronte s mos e de abafar as pal-
pitaces precipitadas do seu"coraco.
licittvlejdos assumptos industnaes. 0 fluctua-
dor inventado pelo Sr. (Jillet tem urna nota vel
superioridade em certo casos, porque sen-
do tambem flucta lor de nivel, e de avis est disposto de mo lo que determina a sus-
penso do trabalho da machina, quando o
nivel daqui est muito alto ou muito baxo.
Ollucuador metlico^co, e ligado a
urna liaste cyliu Irica, qual esto presas
duas chapas circulares do bronzo, que im-
pedem a entrada do vapor, e portanto us-
penlem o trabalho da machina, quando o
nivel da agua se afasia da posico, que de
ve ter para que ella funccioiie regularmen-
te. Na parle superior da basto a disposien
necessana por meio do urna regua dentada,
para o moviinento de ura ponteiro sobre um
mostrador convenientemente-collocado. Um
apito d'aviso d o signal segundo o systema
geralraente conhecido.
Dissernos cima, que este apparclho tom
urna sujierioridade lutavel era cortos casos,
e nao era todos. Ser conveniente po"
exemplo, para eviter os sinistros, que podoin
resultar do servico do um fogueiro iuexpe-
riente. O Sr. Gille, mo losto fogueiro, at-
tendeii a esta circumstancia, que mereoe
consuleraQo.
Outro apparclho de sogurauen, quo nos-
parece rauito recommendavei, o apparo-
Iho electro-magntico, cuja applicaco vi-
mos ha pouco roatisrJa as caldoiras de
una fabrica importante.
DESAFIO EM FRANCA.No dia 9 de Ja-
neiro baterain-sc ao florete o jornalista Mr.
Dallemague,' redactor do I'arisc-Joumul
firmando os seus artigos com o pseuilony-
mo de Laoater, e o Sr. Goorge Bourdon,
autigo delegado do prosador regio era Lulo,
e ao presente consellieiro municipal.
Fcou fondo com ama estocada no vetrtro
o Sr. Bourdon.
A razo desto encontr foi um artigo d?;
Mr. Dallemague, em que ceusurava Mr,
Bourdon ; cscripto quo faz parto de urna
serie de artigos que tem por titulo : Os
magistrados de quatro desetembro,
MULHERES HOMICIDAS.Com este ti-
tulo demos noticia, no domingo, do assassi-
nato de duas mulheres, ama e criada, era
Belfast (Irlanda) ; e ento dissemos haver
vehementes suspeitas de que eram autoras
daquelles crimes duas mulheres.
*'um jornal ingle* vindo hoje, encontra-
mos alguma cousa que se refere aquello tris-
te facto.
Esto j custodiadas "tres muflieres-,, sobri-
nlia e duas tias, e desejam anda capturar
urna nina da primeira.
A polica soube que as duas sobrml*as-con-
duairam para certo lugar urna trousn, que
coatinha objectos de roirpu, a qual se des-
confia pertencer defuuta-.
O governo oterece o-premio de 200 libras
esterlinas (9005000j a. quem descobric os
assassinos das duas infelizes mulheres.
ESTERTALH AOAs autoridades britni-
cas-prenderam em Londres um espertalho
gjego, que, chamndole 2/ic/iarwt Bmilius
Zacharoff, entenda por melhor intitular-se
prnuifm Basilius Gorfmhakoff. Este meni-
af> aecusado de ter foaudulentamentasub-
t'nahido a um cornmercinte tambem grego
1,000 libras.
O homem, porm,. defeude-sc, disendo
que praticoui-o furto era-territorio, no- qual
a.justica ingleza nao e*erce jurisdieyo.
BITO DE UNiHONEN. CELEBRI.-En-
contramosn.'uma follia estrangeira meuiona-
nado o passamento, no-da 15 dedezembro
em Copenhague, do ccifebre professor de phi-
losophia da. universidade dessa cidada,.o Sr.
Freilerico Sibbern, o amigo de Ficht,.Shlei-
macher. O'Ken, ScheHing o HeguK As-
sim se explica a citada folha.
Chamado a reger a cadeira da phosophia
exerceu essas fuucces at quasi aostulilBMS
momentos da siUivida, ist) durante mais
de meioseculo.
VISTAS LARtlAS.Refere a l*Mpmtkn-
cie Belge(.[ati amuuicipalidade de Rotterdam
(cidado que possue um bello porto de mar,
dra a; sua approvacao ao contracto celebra-
do tom urna companhia denominada fotter-
damsclis landrls Vereenigingh. para o eu-
grandecimeutoida.dita cidadee para a eonsr
trueco da novas dokas e entrepostos.
YERDADEIRA FIDELIDADE CANINA.
Aconteceu agora em Taris umfacto, que reiis
urna vez demonstra a fidclklade e intellwen-
cia dos caes.
Havia recebido urna pequea heranca, uta
conductor do cavallos, ao servico de um su-
jeito moradeu' em Damraartin.
0 homem determinou-se a ir a Liraoges
onde habita sua mulher ; mas primeiro quiz
ir a Pars visitar um parate.
Os gatunos a quera paree d o faro quan-
do paira, alguma prosa prximo dlles, sou-
beram que o homem traza comsigo muqua
que Ihes faria urna continua admjravel.
Planearam roubar o homem, e para logo
coinecarain a execut ir a sua premeditaQio.
Primeiro iutrometteu-so com o tal conduc-
tor um dos larapios, arraou-lhe os lac/ do
costume, as alicantinas que audaui na ponta
da lingua vieram todas baila, o dentro em
|K>uco a victima estava segura. Vieram dois *
comparibeiros, e todos na taverna comeram,
beberam e beberam muito, folgaram, riram,
at quo cliegou a noite.
Sal un. lo da tasca, cucamnharam-se para
sitio mais propicio ao intento. Ah os Ires
se lancaram vctima, derrubaram-o, de-
ram-lbe murros c lhe arranc.vrarn o cinto
em que o legado i> arrecadado.
Valeu ao pobre liomem nao ser maltrata-
do mais severamente o seu fiel cooipanhei-
ro, um cao.
O animal lutou valerrtemente co O te-
dios, como o prova um pedaco de calca
todo ensanguontado, o alm disso um MWtro
de saiiguo se via no chao, segurado at bem
distante; mostrando sor proveniente defe-
rida que gotejava ao passo que a pessoa fe-
rida ia caminhando.
E' provavel que o conductor deva a vidW
ao son fiel rafero.
Pelos indicios que deixou a lt*, espera a
polica poder em breve laucar afcu aos
lalfeitores.
FATAL MANA.Toucos registos policiaes
de Taris tero le mencionar to crescido nu-
mero de suicidios- corno no dia 9 de Janeiro.
Nao menos de seis pessoas pozeram termo
villa.
Um cojitratador de cavallos asphixi NMe
com gaz acido carbnico1, parece que apu*-
xouado pela rnorte de urna til lia. Tinha-52
annos.
Telo mesmo modo sesuwiddu outro hr>
me.n de 45 annosv por caroeo de perda di--
dinheiro.
l'm fabricante de rolhae enforcou-se. Vi
vivia em permanente bebedfew e maltrata va
a pobre mulher com quera era> casado, sem
d nem oouscieneia.
Um-soldado no 39v de inanaria desfe-
chou- a> carabina outra a eabe^av
l'm mancebo tle vinte o quatro anuos en-
venenou-se inhalando cdlorofocmio, por cau-
sa d'uma paixao amorosa. as maee ite-
ricailas se lhe encontrou um medaQtao com
o retvato'de urna Paparigav
L'mijprnaleiro, de 32 anoos-de idade, dei-
tou-sede nina jaiiella abaixe-, por desgOStos
domsticos.
Eis o lgubre e^ miserave quadravqj se
nos depara n'uma folha franceza. *
Se9>almas perdidas para u muinfij-e para
Deus, se a intinita.misericordia divii> se'nio
ti ver compadecido-d'aquelles-nimos- fnacas.
pusilnimes e deferentes.
SCENA CONJUGAL. Ecam BMB-hons
da manha-. Dorma- elle aiada. Ella-este-
va de ha. muito aeordada ; eaffleta pelo>que
ouvira^pronunciar ao manido,. cantega>nt>
boto-da. campainba elctrica.
\[parece Libania, criadamova.
A senhora toeou, porgynta etta..
Toquei,. sim Quer quo sojas testn-
muriba d que raeu mard.sonhanilo(.cha-
ma por Amelia, sendo o iaeu. norae Julia-
Escuta... \
O-marido,. $onhambt. Libauia^ mi-
nha querida l.iUuua.
C4i fatalidad 1
AvVERDADE NOMNHO: Loa. propre-
tario rural, residindo habitualracntc na ci-
datle, solteir* e joven, convdui, os seus
amigos a um jantar.
A.' sobre mesa apresentou ura. mico de
sua lavra. Os convidados. beberam. Era
seguida o duo da casa-, perguntou ao seu
mais intimo amigo :
Que tal o achas-?
Eu j'. o conhecta,. respoud o nter--
pellado.
Onde ento que o peonaste?
Ha pouco ainda, na salada.
TROCURACAO DE NOVO- GENERO.
Lma. senhora no vai conliava urna de suas
amigas, os soffrimentos que lhe causara o
nasciuiento de uro. filho. nedo e forte, que
cora a rabera enjre as mos, pareca seguir
a coversaro com o. maor nteress..
Nao imperta mam, diz elle sbita-
mente, quando eu fdr grande hei de mandar
fazor os meus. fhos pela ama.
' O seu somno foi agitado, o seu despertar
tardio.
Qoetn disse que o amor nao dorma ?
O sol penetrava era jorros, sub as corti-
nas quando elle se levantou. Saltou ligei-
ramente abaixo da cama, abri ajanell,
respirou, durante alguns minutos oar da
manh, ainda impregnado dos vapores
tempestuosos da vespera, e chamou o seu
criado de quarto para se vestir.
0 criado apparoceu, com urna carta na
mao.
0 baro abri precipitadamente essa car-
ta e leu :
Meu caro baro.
Urna noute de sensatez fez-me reflectir
seriamente sobre um dia de loucura. Fas*
cinou-me hontem e amei-o realmente du-
rante urna hora. Creo, Deus me perde,
que, h'um accesso de febro e de modo, lhe
prometti a minha mo.
A minha mo nao ost livre, senhor
prometti a meu pa moribundo, desposar
seu sobrinho.
E' preciso que Heitor seja meu mari-
do. Se eu rae demorasse mais tempo em
sua casa, amar-mo-hia, talvez, e eu seria,
ento, culpada, em vez de ser simplesmen-
te estouvada como fui.
Fu jo cora meu marido, que levo com
sou le o sua prima a Brest, oude nos em-
baitaxemos no brigue Esperanza, que se
faz de vola pun as ilhas.
Obrguda, .-.e.iito. baro, pela sua gra-
ciosa hospitalidade ; conservarei della eter-
na e boa lembran^a. Rjl me nao odeie
e me perde as minhas levian la ;.
S encontrou o marquez, quo ainda dor-
ma.
Arabos moutaram a cavallo o correram a
toda a bride atraz dos 'fugitivos, durante o
resto do dia e da noute seguinte.
A distancia era grande. Em cada aldeia,
em cada muda, sabiam que algumas horas
antos, tinha paseado urna carruagem, eor-
rendo para Brest.
Erafim, de raanh, pelas oito horas, che-
garam a urna pequea elevado, d'onde so
avistava Brest eo sou ancoradouro.
A carruagem de posta tinha sempre gran-
de avanzo sobro elles. Ao meio da, en-
travara em Brest o corrara ao porto.
Ura brigue mercantil acabava de^er-se
de vela, bordejando para o mar alto..
Perguntaram o nomo desse brigue : era o
Esperanza. O baro pedio, ento, um
barco para correr atraz delle ; mas, fize-
ram-lhe notar que o navio corra de tonto
em popa, com todas as velas desforradas,
e que seria insensato tentar alcanca-lo.
Ento, o baro, aferrando-se a urna ul-
tima espera ura, peusou que talvez os fugi-
tivos nao teriam chegado a tempo de se em-
barcaren!, e que o Esperanza teria partido
sem elles.
Correu a casa do dono do brigue, pedio
a lista dos passageiros, e, nella leu, como
suor na fronte, o nome do conde, de sua
ti I ha e de seu sobrinho.
A creoula, como Gretchen, eslava perdida
para elle.
0 senhor do Nossac tove ento um acces-
so de desespero e de delirio, que o fez licar
de cama, durante muitos dias,*n'uma hos-
pedara de Brest; depois, passada essa crise,
Adeus, Gretchen consola-Io-U. '.).-j.- mandou buscar cavallos, para voltar para o
meas duas mos e esqueca-as depon). *" ra5teo ^ ^eo"e1z- Mas' ma."I,wz
Marqmza de Bidan. 9 "'"' Mnh* deuado' PVW
J
/



\
f
0 senhor de Nossac recuou, fulminado 'dis^n-ll^ :.
e a carta cscapou-lhe das mos. '"^ yuii"
Obaro perguntou pelo conde de fcer-j qik
vgan. 0 conde tinha partido para Brest, _^______
cora sua familia. |TVP DO WARW RA DQ05 DE CA10A3.
L, s, poderii es-
(Continuar-it-hay.


un


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4UE18ZMD_1Y3OPK INGEST_TIME 2013-09-19T20:53:51Z PACKAGE AA00011611_12831
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES