Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12830


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
ANNO XLIX. NUMERO 30
PIBA A CAPITAL E LCGABG OXDE MO SE PACA POSTE.
Por tres ni es adiaiilados
Por seis ditos dem .
'Por um anno dem '.
4lada numero avufco .
69000
12JP0OO
2MM)0
320
QHNTA FEIRA 6 )E FEVEREIRO DE 1873/
PARA l>t\THO E I'BA DA PBOVIXt'IA.
Por tnes mezes adiantados.................. 69750
Por seis ditos idem................... 139&00
Por nove ditos idem................... 209250
Por um anno idm................... 279000
DIARIO DE PERMMBUCO.
PROPBIEDADE DE MANOEL FIGEIR0A DE FARIA & FILHOS.
Os Srs. Gerardo Amonio Alves& Filhos, no Para; Condal ves & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio de J.emos JJraga, no Aracatv ; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonii Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Tillada fepka; Bekrmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavaree da Costa, em Alagai

PAUTE OFICIAL
Goveruo KKI'XUIK.NTE DO DA 30 DK JANEIRO DE 1873.
OftVios :
Ao coronel eommaa lante das armas irReri-
0.Sirva-se V. S. de mandar iwr em lberdade
j remita Pedro Ferreira da Silva Jnior, visto ler
gravado isenc/io legal.
Ao mesmo.-Devendi vigorar nos corpos e
e-itaefies suieitasai ministerio da guerra, contar
do 1" de julho priixiino vindoiiro em dirnte, o sys-
tema jnetrico decimal, e convindo adoptar medi-
das pa^a harmonisar o servido e a respnnsahilda-
de dos almoxarifcs e outro responsavets, de mo-
do a evitar as respectivas ees anarcliia
e confusa, que para o ful tro dilliculte a tomada
de suas emitas; reconiiner.do a V. S. a expedicio
de suas ordena para que sejam observad is as iiis-
truc.oes c instantes da copia junta, i|ue me foram
trausmittidas pelo menino ministerio com o aviso
circular de 13 do correte. Hemetteram-se co-
pia-i das ditas instruccoes ao commandante do pre-
sidio de Fernando, ao director do arsenal do guer-
ra o repartirn das obras militares, para execu-
cao na parte que llies toca
Ao niesmo. Passo is mos de V. S. as in-
lusas guias de socc rrimenlo dos desertores do 2'
e 9* batalhoes de infantaria Vicente Ferreira de
'aula e Damao Vieira da Silva, os maos vieram
da Parahyba no vapor Guar.
Ao director do arsenal de guerra. Em sa-
4isfaco ao que solicita o F.xm. presidente da Pa-
rahyba em oflicio de 23 do corrente, sob n. 219, re-
commendo a Vine, que active a manufacturada
das pe^as de fardament i destinadas conipanliia
de infantaria ligeira daipiella'provmeia, constan-
tes de.pedido, que llie foi remeitido em 8 de agos-
to do ana) pasudo.
Ao engenheiro das obras militares. Auto
ruando o Kxui. Sr. ministre da guerra em aviso
de 21 do corrente a despeza de 1:181(980, cons-
tante do orcamento annexo ao seu oflicio de 20 de
Sembr ultimo, cora os- -oncenos do quartel ih
voipanha de artilices, caiadura geral e pintura
do arsenal de gueVia, recommendo a Vine, que
mande proceder a esse servico.
Ao oonselho decompras do arsenal de guer-
ra. Km satisfaeo ao que sol cita o Exm. presi-
dente do Cear, em offlcio de 8 do corrente, re-
commendo ao conselbode compras do arenal de
guerra que active a acquisicao da bandeira impe-
rial completa, destinada aO li* batalhao de infan-
taria, constante do pedido reinettido a esse conse-
1' em 3 de deienibro prximo lindo.
2.' seccao.
Portaras: .
O presidente da provincia, attendend requeren Francisco Ignacio de Moma Gondim, al-
teres da 3' companliia do corpo de polica desta
ranada, resol ve couceder-lhe trinta das de li-
ccorj coui ordenado, na forma da le, para tra-
tar de sua sade.
0 presidente da provincia, attendendo ao
lliaa n. oo do municipio de Agua Prela, Urabeli-
n > de Barros Accioli Lins, c vista das informa-
dos respectivos eommindantes superior e do
iia'alhSo, resolve, que se llie de a gula de que
trj i oart. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de marro
Ip 18-i-J. lara o de Serinhem, onde passou- a rc-
**. ...
0 presidente da provincia, do conformidade
rom a proposta do Dr. ene fe de polica, em oflicio
i 199 ile 28 do curente, resolve nomear para o
cargo de subdelegado do-distrieto do Curato da
S, Jo termo deOliud', o ridado Loil do Reg
Barro?, e para o de segundo suptente do dito
suba" (legado o cdadio Marcelino da ronceen Han-
lutho.
Offlcil s :
An Dr. cliefe de polica. 0 promotor puull-
i comarca do Itio Forniuso, em oflicio de 27
1 'frente, commiinica que nao llie foram anda
entregues os inqueritos piliciaes, que, segundo
j. -.arara> de V. S, foram remettidos ao juiz mu-
nicipal, a qucni curapre qae V. S. officia^easoj
; '.i ^iil) feitadita reinessa.
Ai mesmo.Concedo a V. S. a ntilori.-acao
M pede em seu offlcio de 28 do corrente, sob n.
180, para poder* o delegado do Kio Formoso, con-
tratar o forneciroento de alimentacao aos presos
pobres existentes na cadeia daquella loealidade,
eoaitanto que nao exceda a diaria marcada, eseja
o contrato celebrado com possoa capaz de dar-lhc
' umpriinento.
Ao niesmo. Foram dadas as precisas or-
para serem enviados a V. S. alguns tubos
de ai/, vaccinieo, solicitados em seu oflicio de 28 do
frrente, alim de satisfazer a requisicao do snde-
les i-> do distrieto de Ganielleira.
^A*o niesmo.Era respostaapofflciode.V. S.,n.
172 de 28 do corrente, tenbo a dizer-lhe, que alm
da demissao de ve ser remonsabilisado o carcereiro
da cadeia do Bom Coiisellio, Jos Gon^alves Pa-
checo, remetiendo para este lini ao resiicctivo juiz
de direito, as peras que fazem documentos ac-
cusaco.
"Ao inesnio.Transiuittindo a V. S. para seu
pnhecimento, em original, o oflicio junto do com-
iiU/ldanle superior da guarda nacional deste mu-
nicipio, com os que llie vio annexos do conunan-
dane do Io batalbao de infantaria eeapitao Jovi-
no Materno de Azevedo Santos, a que elle se re-
ii-re, e que devolver, llie recoiiiuiendo que pro-
videncie, como for de direito, sobre os fados a
que alludem ditos officio?.
Ao niesmo.Declaro a V. S., em respostoao
>.-u offlcio n. 191 de 28 do corrente, que deve
i. nao do dastacainente de Gamelleira para
enca, de que trata o dito oflicio.
Ao niSmo.-Por falta de forca deixa de ser
santfeito o pedido de V. S., em oftleio n. 193 de 28
I) corrente, quanlo escolta, que deve tratar
criminosos de Cimbres para esta capital.
Ao commandante superior de Recife. Van-
il- V. S. dispensar do servico activo da guarda na-
c Jos Ferreira dos Santos, guarda do 2" ba-
Ulaao de infantaria deste municipio, emquanto fre-
quontar a escola nocturna da freguezia de S.
Ao commandante superior de Barreiros e
Agua Preta.-Mande V. S. dar a guia de que trata
o art. 4o do decreto 1,130 de 12 do mareo de
|H.;:), para o municipio de Serinliaem ao alferes
portt-bandeira do batalhao n. 53, sob seu com-
a ni lo superior, Umbelino de Barros Accioli Lins,
visto estar all residindo, como informou em seu
odkio de 4 do corrente.
Ao juij de direito dos feitus da fazenda.
Tiai.imitto a V.S. o professo junto do julgamento
I .ildado do corpo de polica Jeremas Jos de
Lima, anm de que, com os outros que Ihe foram
remettidos, stja submetti Jo decisao da junta, que
reunir-se a 6 do inoz prximo futuro.
Ao juiz de direito 'xecutor de sentencas.-
Maade V. 8. apresentar ao commaiidanle do corpo
de poliela^doas calcetas em substtui?_ip aos que
esiavazn enpregados no servico da facliina do res-
pwtivtt quartel, e que em vrtude de ordem desta
nrtidencia foram .mandados recollier casa de
-uco. -
d.'ifccao.
Acia:
- 0 presidente da provincia, attendendo ao que
j-,|i:.reu Jos Augusto da Costa Guimaraes, ajn-
laate do porteiro da allandega desta capital, resol-
vf, IM termos do artiga 3* do decreto n. 7 de
j"> dj; aovembro de Bilj prorogar provisoria-
\went". por dous mezes e sera vencm intos, a 1-
ceaca que llie foi concedida por portara de 26 de
setembro do anuo prximo passado, para ir a Eu-
ropa rratar de sua sade.
Oficios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Devendo ter execuc/io nos cornos do exercito e es-
tacos sujeitas ao ministerio da guerra, do 1* de
jullio prximo futuro em diante, segundo as or-
dens em vigor, o systein i mtrico decimal, trans-
mitin a V. S. para seu conliecimento,copia das ins-
Iroecdea mandadas observar pala niesmo mniste
rio na circular de 13 do _corrente, no intuito de
previnir eonfosao as respectivas escripturagSes
que possa para o futuro difllcultar a tomada de
i untas dos almoxarifes e outros responsaveis.
Ao mesni).Comniunico a V. S. para os de-
\ dos lins, que por aviso do ministerio do imperio,
de 15 do c urente, foi approvado o acto desta pre-
sidencia, mandando continuar a alionar no exer-
ciciode 18721873 a gratlicaco mensal de...
"i )oi k ) a Jos Eduardo de Souza I. an Jim. na qua -
liJade de escrevente da inspecco de sade pu-
blica, divendo esta despeza correr por cunta do
creJito ltimamente aberto por esta'presidencia.
Ao nesin i.Coramnnico a V. S. para os de-
vdos lns, que a 24 do corrente assiimio o bacharel
Menelo dos Santos da Fonceca Lins o exorcicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos do termo
de Itamb.
^o mesmo. Comniunico a V. S. para os llo-
vidos lins, que por aviso do ministerio do imperio,
de 13 do corrente, foi approvad i |iela verba soc-
corros pblicos do exercicio de 18721873, a
despeza de 1221000, proveniente da impressao do
regulamento, contend providencias para serem
observadas nos navios ancorados no porto desta
capital, e qae foi autorisad.i sob resppnsabilidade
desta presidencia.
Ao mesni). -Tranmtto a V. S. as oito inclu-
sas ordens do thesouro nacional, sob n0* 2 a 6 e 8
a 10.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os de-
vidos lins, que a 21 do corrente reassumio o ba-
charel Sebastiao Cordeiro Colho Cintra o exorcicio
da cargo de promotor publico da comarca do Rio
Formoso.
Ao mesmo.Segundo aviso do ministerio da
justica, de 13 do corrate, foi nossa data solicitado
ao da la enda a expedidlo das convenientes ordens
(.ara oue seja habilitada essa thesouraria cora a
quantia de 1:000OOO, para occorrer ao pagamen-
tida ajuda de custo arbitrada ao juiz de direito
da comarca dj Flores, Jos Antonio Correa da Sil-
va, nomeado cheje de polica da provincia do Rio
(irande do Norte.
Arr mesmo.Sendo-mc coramunicado por
avi-o do ministerio dos negocios da agricultura,
cominercio e obras publicas de 18 do corrente.
jonlo |x>r copia, ter sido approvado a deliberaco
oue tontei de mandar pagar, sob responsabilidade
desta presidencia, as despezas cora os reparos fei-
loa na |Kinte 7 de Setembro; assiin o declaro
a V. S. para 9eu conliecitncnto.
Ao mesmo. Para dar cumprirneuti ao avisoj
circular junto por copia do ministerio dos negocios
da agricultura, commercio e obras publicas, de 15
do corrente, convem que V. S. quanto antes me
remella urna relacao,' nao s dos menores livres
em vii-tudo da le, n. 240 de 28 de setembro de
1871, cmodos escravos matriculados, aquelles
ate o fin do prazo marcado no decreto n. i,960 de
8 de maio do anno passado, e estes na couformi-
lade do de n. 4,835 do Io de dezembro do referido
anno de 1,871 como Ihe foi exigido em ofTJcio de
2t de svtembro do anno prximo lindo.
Ao mesmo.Ficam abonadas as faltas que
por motivo de molestia den o juiz do direito da
comarca de Itamb, Joao Francisco da Silva Braga,
i.'e 11 a 29 do corrente, o que declaro a V. S.
para os devidos lins.
Ao mesmo.Inteirado de quanto V. S. expo'
em sen oflicio de 28 do corrente, sob n. 881, sene
B, tenho a dizer em resposla, que afilio ponderosas
as razoes que expende no locante ao limitado nu-
mero de enpregados, que mal cliegam para dar
expediente aos variadsimos negocios que correo)
|ior essa reparticao, o por isso deve considerar
seni effeito a ordem que dei relativamente a ser
um desses enpregados encaregados deliscalisar
o Desmenlo do algodo nos armazeus do aes do
Hamos. Aceito a indicac,ao, que faz no citado of-
licio, liara ser o conferente da alfandega desta ca-
pital que residir no ponto de que cima se trata,
incumbido dessa iiscalisaejo, que s ser obrigalo-
rio quando houver vehementes suspeitas de fraude
o recusa da parte do prensarlo em prestarse
verifieacio do peso, ou quando esta^ir reclamada
pelo dono da mercadoria. Cuinpi .o. que V. S.
providencie nesle sentido.
Ao inspector da thesouraria provincial.Ao
capitao Jos Firmo Pereira do Lago mande V. S.
pagar, conformo solicitou o Dr. chefe de polica
em oflicio de 28 do corrente, sob n. 196, a quantia
le I11$C>00, proveniente da despeza feila com o
sustento dos presos pobres da cadeia do termo do
Uuricury, durante o nicz de dezembro ultimo,
como se v da conta e relacao juntas.
Ao mesmo.Tendo nsta data autorisado o
engenheiro chefe da reparticao das obras publi-
cas a despender at a quantia de 1505 com os re
paros de que precisara as tres bombas existentes
na estrada de Nazareth, os quaes segundo commii
nicouo referido engenheiro em oflicio de 28 do
corronte, sob n. 33, se achara arruinadas ; assiin
o declaro a V. S. para seu conhecimento c fins
convenientes.
Ao mesmo.Annuindo aoque solicitou o di-
rector da escola normal, ~em offlcio de hontem,
recommendo a V. S. que mande pagar ao porteiro
d'aquelle eslabelecimento a quantia de 72|960,
descendida com os reparos reitos nos bancos e
mesas das aulas do mesmo es abelecimento, como
se vi da inclusa conta.
Ao mesmo. -Tendo nesta dala autorisado o
engenheiro chefe da reparticao das obras publicas
a mandar substituir nove estivas da ponte do Des-
terro, conforme coinmunicou o referido chefe era
offlcio de 28 do crranla, sob n. 34, que se acham
podres, sendo a despeza calculada era 45J; assinio
declaro a V. S. para seu conhecimento e fins con-
venientes.
Ao mesmo.Attendendo ao que solicitou o
tenente-curonel commandante do corpo de polica,
em offlcio de hontem, sob n. 69, recommendo a
V. S. que mande adiantar dous mezes de venci-
mentos para um offlcial e 13 pracas d'aquelle
corpo, que se acham destacados na villa do Bom
Consclho ; e um raez para o tenente Antonio Fran-
cisco Cordeiro de Mol lo, que actualmente exerce
o cargo de subdelegado do distrieto de Viccncia,
termo de Nazareth, devendo esses adiamntenlos
serem contados do i* de fevereiro prximo vin-
ikmro.
4' secrao.
Offlcios :
Ao director geral interino da estatislica.
Com o incluso exemp!ar impresso das leis provin-
caes, no qual se aha a de n. 1,061 de 13 de
junho do anno passado, e que a do orcamento
vigente, satisfago o pedido coudo no offlcio de
V. S., de 13 do corrente, sob n. 1,464; que fica as-
sim respondido.
Ao commissario vaccinador provincial.
Envi Vine., com a possivel brevidade, ao Sr. Dr.
chefe de polica, alguns tubos de pus vaccinieo,
para serem remettidos ao subdelegado do distrieto
de Gamelleira.
Portarlas :
A* cmara municipal da villa de Pao d'Allio.
IsComaiujcoa enmara municipal da villa de Pao
d'Aldo, para seu conhecimento u lins convenientef,
que segundo consta por aviso do ministerio do im-
perio, de 16 do corrente, foram approvadas pela c-
mara dos Srs. deputados para a 15.* legislatura a
eleico de eleitores das paroclas do Espirito Santo
dessa villa e de N. S. da Luz, e a secundaria de--
se collego de Pao d'Alho, descontados os votos dos
eleitores da parochia de Nossa Saturan da Gloria
do Goit.
tf\ Srt-fTo.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. Autoriso Vmc. a mandar fazer os repa-
res de que precisara as tres bombas na estrada de
Nazareth, que "segundo communiea era seu offlcio
de 28 do corrente, sob n. 33, se achara arruinadas,
pudendo para tal tim dispender at a quantia de
15OJO00.
Ao mesmo. Pode Vmc. mandar substituir as
novas estivas da ponte do Desterro, que, conforme
communiea e:n seu offlcio de 28 do corrente, sob n.
34, se acham podres; nao devendo essa. despeza
exceder de 43J0OO, em quanto a calcula o enge-
nheiro do respectivo distrieto.
Ao mesmo.Communicandome o coronel
commandante das armas interino, em oflicio de 28
do corrente,achar-se desarranjado ou entupido o ap-
parelho Drainage, collocado no corpo da guarda
desta presidencia, a jionto de nao poder funecionar,
providencie Vmc. aura de que se faca no referido
apparelho o concert que for preciso.
Portara :
Os Srs. agentes da companhia de navegacio
brasileira deem as neces-arias ordens para serein
recebidos a bordo do vapar Guar, e conduzido
cortes, por conta do ministerio da guerra, a serem
entregue repzrtirao do ajuJante general do ex-
ercito, trinta e urna manilnas o meias correnles,
que para esse tim th.es sero mandadas apresentar
pelo coronel commandante das armas interino.
K\Py.0!KMTS DO SKCKETARH).
/." secrao.
Offlcios:
Ao coronel commandante das armas interino.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S., em resposta ao seu offlcio de 28 do
corrente, que nesta data, se expodio ordens ao fis-
cal da companhia Recife Drainage, alim de ser
consertado o apparelho collocado no corpo da guar-
da da presidencia, e sobre que versa o seu citado
offlcio.
Ao mesmo. S. Exc.'o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. para os fins cohveni-
entes, que a .agencia .da companaia de navegacao
brasileira .est autorisada a fazer transportar
Corte no vapor Guar, as 31 martilha- e meias
crrenles, a que allude o seu offlcio desta, data so-
bre n. 123.
Ao mesmo. De ordem do S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, transmiti a V. S. o incluso
ezemplar impresso do relatofio com que o F.xm.
Sr. dwembargador Francisco de Faria Lemos pas-
sou a aduiiiiistrac,io desta provincia ao Exui. Sr.
Dr. Henrique Pereira de Lucena.Iguaesao dire-
tur do arsenal dfrguerra, ao capitn do porto, ao
inspector do arsenal de marinha, ao c. miman Jant*5
do presidio de Fernando e aoengenheiro das obras*,
militares.
i.' ueeSe.
Ortelos:
Ao Dr. chefe de polica.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia transmiti a V. S. os
ttulos juntos de iioraeacao do subdelegado do dis-
trieto do Curato da S, do termo de Olinda, e o
respectivo i.* supplcnte, de conformidade com o
seu ollieio"n. 19 de 28 do corrente.
Ao niesmo.O Exm.Sr. presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. era resposta ao seu of-
flcio de 28 do Brrenla, sob n. 1%, que a thesou-
raria provincial tem ordem para pagar ao capitao
Jos Firmo Pereira do Lago a quantia de 1114600,
constante do citado offlcio.
Ao juiz de direito Joao Francisco da Silva
Braga.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., que ficam alionadas as faltas,
que no exercicio do cargo de juiz de direito da co-
marca de Itamb den V. S por motivo de molestia,
de 11 23 do crranle.
Ao bacharel Menelo dos Santos da Fonceca
Lins. O EXm. Sr. presidente da provincia manda
aecusar o rccebinient" do offlcio de V. S., de 21
do correnle, era que participa ter nessa data reas-
sumido o exercicio do cargo de juiz municipal e
de orphaos de Itamb.
Ao hachare! Sebastiio Cordeiro Coclho Cintra.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda aecu-
sar o recebiineuto do oflicio tic V. S., de 21 do cor-
rente coHiraunicando ter rcassumido o exercicio do
cargo de promotor publico da comarca do Rio'
Formoso, renunciando tres dias da licenca, que
Ihe foi concedida.
Ao commandante do corpo de polica. De
ordem ib Exm. Sr. presidente da provincia decla-
ro a V.S., em resposta aoseii offlcio de hontem. sob
n. 69, que a thesouraria provincial tem ordem pa-
ra adiantar os vencimeutos dos officaes e pracas,
constantes do citado offlcio.
4.' secrao.
Offlcios :
Ao Dr. director geral interino da instrueco
publica.-O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que ficam expedidas as conve
uienies ordens no sentido de que trata o seu offlcio
n. 29 de 4 do corrente.
Ao mesmo. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre
sidente da provincia remeti a V. S. o incluso ex
emplar impresso do relatorio com que o Fxm. Sr.
deserabargador Francisco de Faria Lemos, na qua
lidade de presidente desta provincia, Ihe passou a
; Alves & ('.., na Baha ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio de Janeiro.
Sr. gone-
com Hicio desta, data ao pro\e:lor da Santa
Casa e Misericordia.
Jo i Fernandos Monteiro.Deferido com
offici desta data, thesouraria provincial.
Ba harel Jos Mondes Pereira de Vascon-
cellosj.Encaminhe-se.
Joi Ferreira.Informe o Sr. conego re-
gedoado Gymnasio Provincial.
Jol Antonio Saraiva.Indefcrido, em
vista (la infonnaco do tutor e pudrinho do
men Maiioel Alves de Lyra.O supplicante se-
guirjpara o presidio de Fernando de Noro-
nha an companhia de sua nulhor, a quem
se dar passagem.
Dr. Manoel de Figucira Faria.Deferi-
do com officio desta data, thesouraria pro-
vincial.
Manoel Clementino Carneiro daCunlia.
Certifique.
Manoel Pereira da Costa.Ao
ral commandante das armas, para mandar
ouvir a respeito o commandante do presidio
de Fernando de Noronha.
SilveriadcS. Jos Braga.Deferido quan-
to ao menor de nome Joo, visto como o de
nonio Julio, nao tem a idde legal.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, o
de fevereiro de 1873.
0 p irteiro,
Silcino Antonio Rixlcigues.
i 'minando superior.
QUARTEL DO COMM.YNDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIO.VVL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 3 DE
EEVEREIRO DE 1873.
Onlem do da n. 09.
Convindo qae as r*ijulsi(* que se devera diri-
gir a presidencia da provincia acarea de iso.icoos
do gerviea da exercito e armada para os guardas
nacionaes, quando reerutados, sejam feitas cora
toda a cautella e discern ment ; manda o Illra. Sr,
coronel commandante superior reeommendar aos
Srs. coraniaiidantos de corpis que d'or.i em dian-
te neuhuuii reqnlsjcao nessa sentido se faca,
sera aconipanhar-js mesmas a Ce de oflicio da
praca recrutada. I
Manda outrosim.delarar aos mesmos Srs cora-
uiandanles que continen! cora os cxercieios, in-
terrumpidos pelo tempo da festa, em todos, os do-
minios, a principiar de 16 do corrente.
fwhlpho Joao Barata de lmeida, coronel chefe
interino do eslado-maior.
I tiuiuiniiiU Iw armas.
[AfCAR'RL GENERAL DO COLMANDO DAS ARMAS
INTERINO DE PERN.VMBIT.O, 5 DE FEVEREIRO
DE 1873.
Ordem do da n. GU8.
O brigadeiro commandante das armas in-
terino,, tendo em considerado que oSr. te-
ntute ^formado do exercito Manoel Carneiro
Macha > Freir est ha mezes iloonte e em tra-
tainenio nesta cidade, e que so nao acha
ainda restabolecido em ordem a rcgrtjssar
para o forte, cujo servico so rosete com
a ausencia do mesmo Sr. tenente por mais
tempo, nomeia o Sr. tenente honorario do
exercito Joo Deoclecio da Silva Paula para
commandar interinamente o dito forte, para
onfi seguir quanto antes a exercer as res-
pectivas funeges.
O mesmo brigadeiro faz publicar para co-
nhecimento da guarnicao o deviilo effoito, o
aviso do ministerio da guerra de 23 de Ja-
neiro prximo lindo, que por copia llie foi
transmiuido em oicio da presidencia de 3
deste mez.
AVISO!
.Ministerio dos negocios da guerra.Rio
de Janeiro, 23 de Janeiro de 1873.lllui. e
Exm. Sr.Tondo-me communicado o cora-
mando das armas dessa provincia, em oflicio
n. 14 de 2 de outubro ultimo, haver atten-
dido o recurso que o foruecedor dos generas
alimenticios do 2o batalhao de infantaria in-
terpoz para o.mesmo commando da decisao
do conselho econmico, e que rejeitou urna
ponjao de carne secca, julgada boa pelo^ fa-
cultativo do dito corpo, declaro a V. Exc.
para seu couhecimento e para que (ac cons-
tar quelle commando, que o governo im-
perial approva o seu procedimento, visto
que os actos dos conselhos econmicos csto
sujeitos a inspecgo do commando das ar-
mas, como estate o 7" do art. 1" do re-
gulamento de 8de maio de 18'3, e que das
deliheraces do mesmo conselho ha sempro
os commandaiitos da
recurso para os commanuames uas armas,
ou soja olerecido por qualquer membro do
respectiva administraco. -Mutatis ^^j ao conselho que represente minora, ou polos
director da escola normal, ao commissario vaccina- ^""'-,' 4UC ,ci"^-
dor provincial e ao regedor do Gymnasio Provin
MUTltMn
cial.
Ao director da escola normal.-O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
em resposta ao seu oflicio de hontem, que a the-
souraria provincial tem ordem oara pagar ao por
teiro desse estabelecimento a quantia de 72J9O0,
constante da conta qne veio annexa ao citado of-
ficio.
DESPACHOS DA RKSIDE.NClA DE i DE l'EVEREIUO
DE 1873.
Bacharel ArueiicoFernandesTrigo de Lou-
reiro.Infcrine o Sr. inspector da thesou-
raria provincial qual os empregados que
merecern ter acetase.
Agricio Rodolpho d' Araujo Lins.Informe
o Sr. coronel commaudante superior da guar-
da nacional da Escada.
Companhia de reboque.Deferido com
oflicio desta data? dirigido ao Sr. inspector
do arsenal de marinha. _.
Clorindo Ferreira Cat.Certifique, nao
ha vend> inconveniente.
Domingos Soriano Alves da Silva.Seja 6
supplicante submettido inspeccao de sade,
perantc os Drs. Augusto Carneiro Monteiro
da Silva Santos, Jos Zacaras de Carvalho e
Joo da Silva Ramos.
Francisco Apoligorio Leal.informe o
Sr. engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.
Francisco de Carvalho Siqueira Varejo.
Sim com recibo e nao havendo inconveniente.
Jacintha Mir-.a -u Conceicao.Deferido

fornecedores ou outros interessados.
Deus guarde a V. Exc. Joao Jos de
Oliveira Junqimra. Sr. presidente da
provincia de Pernambuco.
(Assignado) Joo Gilherme de Bruce.
Conforme. -Jos Ignacio R'beiro Roma, tenente
ajudante de ordens interiuu encarrcg.ado do de-
talhe.
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 6 DE FEVEREIRt DE 1873.
\ttlicif la r.iirojin.
Ainanheceu hUntem tundeado no lamar i o va-
por mglez Chimberazo, da lnha do Pacifico, en-
viando a mala para o correio as 10 horas e meia
damanha. Dosjornaes e cartas recebidas colhe-
mos o quo segu :
RARCA.
Reunio-se no dia 15 em Versailles a comnis-
sao dos trinta para lr, os projectos consttucio-
O Sr. Thiers que assislio a reuniao expoz larga-
mente as suas ideas e declarou que a^eitava a
opiniao da commssao, mas com reserva, e pedio
algumas modillcafies, cuja necessidade se propoe
demonstrar.
O proiecto apresentado pela commisslo dos trin-
ta, asslm concebido : '
Art. !. 0 presidente da repblica communiea
com a assembla por meo dennensagens, que se-
rio lidas da tribuna por um dos ministros; toda-
va o presidente ser ouvido pessoainiente, quan-
do elle assim o Juljjar conveniente, e tiver. infor-
mado da saaintonfo assembla por urna men-
sagem.
< A ili-cnssa i em i]ueo presidente da repblica
pretender entrar suspndese, depois de recebida
a mensagem; no dia seguinte ouvido o presi;
dente, salvo qnnd-i um voto especial decidir qu
seja iinuiediatanieiite.
A sessao ser levantada logo depois de ouvi-
do o presidente, e s recoinecar a discusso, n'u-
raa sessio de outro da.
Art. 2." O presidente deve promulgar as leis
de urgencia era tres dias, e as nao urgentes dentro
de mu mez de. ois de votadas pela assembla.
c N tiverem tres Ieituras, o presidente da repblica
ter o direito de pedir, por meo do urna men-
sagem motivada, que se proceda a nova delibera-
cao.
Para as leis que passareni pela formalidade
das tres leitiiras, o presidente da repblica lera o
direito, depois de segunda leitura. de pedir que a
terceira nao seja dada para ordem do dia senao
passado um mez. '
As uterpellaeoes nao podem ser dirigidas se-
uo aos ministros e nunca ao presidente da rep-
blica.
i Art. 3 a Depois da dissolucjio da assembla
nacional, o poder legislativo ser exercido por
duas cmaras.
i A coiniiiissio lica encarroada de preparar
um prujeeto de le sobre a eleiyao dos deputados ;
outro projecto de lei sobre a eleicjio e attribuicoes
da segunda cmara.
A discusso as cmaras aovar esmerar no da
*9.
Contina a assembla nacional a oceupar-se
da organisasao do conselho superior de instrue-
co publica."
Fallarain a favor da proposta do duque de Bre-
gue Mr. Dupauloup e o duque de Drogue. A dis-
cusso seguida com inuto interesse.
A Gazeta O/pciai italiana annuncia que o mi-
nistro da guerra enviara a Chislerurst o general
Piola Caselli, e mais tres ofllciaes para represan*
tarera o exercito itaano as exequias de apo*
leao III.
Abrio-se em Verona una subscrpcao para ele-
var um monumento a N'apoleao III.
0 principe Humberto embareou para Ingla-
terra para dar iinperatriz os pezames era BOOM
de seu pai.
Os imperadores e'imperatrzes da Alleinanha
enviarara iiiiperatriz Eugenia os seus telegrara-
inas de pezames.
Varios soberanos da Europa dirigram igualmen-
te os pezames imperatriz ; os majs alTectuosos
foram os dtis res da Sueca e da Dina marca. O
rei da Sueca e Noruega diz que a ordem social
na Europa acaba de perder um dos seus mais
firmes sustentculos cora a morte de N'apoleao
III.
Aos fune.raes assistiram mais de 60 ral ps-
imas.
A rainlia Victoria vistou a uiqicratriz logo de-
pois do enterro de N'apoleao III.
O Sr. Thiers autorisou o marecbal Mac-Malion
e outros generaes a concorrerem aos foneraes do
im|ierador.
E' destituido o boato de lencionar a impe-
ratriz Eugenia dirigir urna proclamarn declaran-
do-se regente durante a raenoridade do princips
imperial. O estado de consternacao da impera-
triz inmenso : dz-se que ir provavelmente li-
xar a sua residencia era Hespanha. onde tein
grandes propredades.
O principe imperial contina os seus estudos em
Woolw'ch, apezar de chamado repentinamente
pelo telegrapho s chegou deitos do fallecimeiito
de seu pai.
Em relacao propaganda bonapartisla, que pa-
rece haver no exercito Irancez, o ministro da
guerra dirigi ao marecbal Mae-Mahon um oflicio
que diz em resumo :
t Uue se nao pode dar licenca a neiihun mili-
tar, que esteja coniniandando, para ir s exequias
de Napoleo.
t Que havendo o pia.jeclo de fazer a-signar pelo
exercito mensageas imperatriz c ao lillio de N'a-
poleao como seulegi'inio successnr, a auloridade
militar nao deve tolerar, sob qualquer pretexto,
que estas mensagens circulera nos acampamentos,
nein nos quarteis.
Qae se exarea, pois, a mais activa vigilancia
contra estas niauifestaroes polticas, e que os ins-
tigadores sejam punidos COTO a maior severidade.
Que o governo comprehende e respaila os
sentimentos de gratidao ou de altelo, que um cer-
to numero de officaes pode conservar pela fami-
lia imperial; que nao censura, portante, aquellos
que entenderem dever dirigir imperatriz, indi-
vidualmente, e por escripto, os tcstemunhas de sua
respeitosa sympalhia.
t Que este fado nao deixar de honrar os que
o praticarera ; mas que deve conciliar-s rom os
preceitos que o dever lhes impoe. nein se jide
periuittir que o exercito se afuste da sua niissao
puramente militar, para se involver em aguardes
polticas perigosas para o espirito da disciplina e
para o socego da Franca.
BLGICA.
O projecto de cessao dos eaminhos de ferro do
Luxeniburgo, combatido debaixo do ponto de vis-
ta poltico pela inmensa maioria da unprensa bel-
ga, igualmente repellido pelos grandes centros
industriaes de Lige e de Cliarleroi, pelo conse-
lho provincial do Luxemburgo e por umitas cama-
ras do coininercio.
N'a cmara encontrn tambera- fortissinia oppo-
sico de modo que o governo esUi re-olvido a reti-
rar o projecto, era vista dos protestos da opiniao
publica, devendo essa declarafao ser falta prxi-
mamente as cmaras.
ITALIA!
Os principaes pontos regulado? por Mr. Cour-
celles e de que fez depender a sua aceitado de
embaixador francez junto da Santa S, sao as se-
gundes : .
1. Que nenhum acto desagradavel para o Vati-
cano, e que podesse tornar falsa a sua posicao es*
pecial junto da Santa S seria pratieado.
2.a Que elle seria encarregado de administrar
os estabeleciracntos religiosos francezes que exis-
teni em Roma, sera que o ministro da Franca,
junto ao rei de Italia se podesse intrometter nessa
adminislrayao.
Dizem de Mesaba que o jornal La Tcanlur>M-
laiii havia sido citado a comparecer peante o ju-
ry, por causa de um artigo em que pedia a des-
truicoda monarchia e a constiluico de urna re-
pblica democrtica e social. Os aecusados fo-
ram absolvidos, e na ra lizerara una ova.ao aos
defensores.
O prefeito anniillou urna resolucao do con-
selho municipal de Mantua, que tinha por lini eri-
gir um mo'numentQ a Mazzim.
INGLATERRA.
Dizem de S. Petersburgo que a missao de que
foi encarregado o conde de Schowvalow, em Lon-
dres tem nicamente por hm o ajuste de un casa-
mento entre um principe da familia real de Ingla-
terra e a filha do czar; mas julga-se que os falla-
dos projectos de urna expedicio russa ao interior
da Asia, nao sao estranhos aquella misso, e tal vez
constituam o seu mais importante obiecto ; tanto
mais que se attribue ao governo de S. Petersburgo
a inteneao de tomar Khiva a todo custo, e at mes-
mo se diz que fiara enviada pelo governo do czar
urna nota circular a todos os agenten diplomticos
da Itussia as curtes estrangeiras, explicando os
motivos d'aquella expedicao que o Times pela sua
parte afflrma nao se dever demorar muito.
Falleceu em Dublin o abbade Ford, vigano
geral da igreja catholica de I**tla ; nao pude re-
sistif operacao da talha.
Cliegou a Londres o Sr. Saches, director ge-
ral dos crrelos de Berljm, alin de estudar a or-
g;uiisaco municipal da posta ingUrza.
ALuauan*.
Aflirma-se que a chancellaria federal al'ea.
osla na intoin;ao de crear unt miniterio especial
de vas de coraniuni-acn, au quid serio subordi-
nados todos os eaminhos de ferro allomas.
Confirma-sc a demissao dada pelo ministrr
de agricultura o Sr Selchow, sendo substituido
pt^lo Sr. D. Kolnysmark.
O ministro dos cultos apresenton na cmara do*
deputados tres projectos. de iei concernentes o 1.*
a li ilie.id da confisso cathokea; o t* edoca
fio [ireparatoria e investidura dos ineiiibros d>
clero catholico; o 3 ao poder di eiplinar eedesias-
tico, e ao estabelecimento de nm tribunal snnrenvi
de justica, destinado a julgar os negocios emesias-
ticos.
C ma um jornal allemao que o principe n
Bismark dissera a alguns amigos que um dos-mo-
tivos da sua demissao fora a Impossibilidade em
que se achava de combater eom xito a agitacao-
iiltraraoutana, e que para o demonstar, Ibes con-
tara que no vero pasado um camarista da impe-
ratriz havia enviado para a Silesia una forte soni-
in.i destinada a alimentar a agitara contra a lei.
sob a inspeccao das escolas, com promessa de mu
subsidio annual para continuar essa agitarlo, e>
que tendo feito saber este facto ao imperador, sua
magostado llie responder :
Charo Bismark, fazei de conta que nada m
dissesto, i>'inpie N... est era rauito valimento jun-
to do ininlia inulher.
Publicara os jornaes agora nina carta do prin-
cipe de Bismark, era que este diz que efectivamen-
te cominumrara por escripto ao imperador que um
camarista que tiuha rel.-v.oVs intimas com a curte,
nao s enviara dinheiro para as agitacoes contra o
governo, mas at pagara a multa em que fora con-
demnado um agente aecusado do mine de lesa-
raagestade por promovc-las e que margeni da-
picha comiiiunicacAo pozera o imperador un.
appostilla em que s! M. reserva para si a informar-
se sobre aquello negocio, mas que todas as inlor-
niacoes verbaes que se citam sao completamento
falsas.
A Past, jornal de Berln), publicou ura artigo em
que procura provar que o dogma da infallibilida-
de deu de certo modo origem a urna nova religiau
catholica, para com a qual o estado nao tem mais
obrigacoes do que para cora ontra ipialquer da
outras religioes.
As relacoes que o jornal,/'*!, de Berlim, tem no
mundo offlcial, deram una certa importancia a esto
artigo, em que se julga ver que as tendencias hos-
tia ao Vaticano vo tomando era Berlim forma de-
finida.
Vinte e sete paroehos protestantes, sendo cin-
co de Berlim, publicaram ura protesto contra a
destituieao do preg.dor Sydow, ordenad nodo da provincia de Brandebourg por causa dan
suas douirinas racionalistas.
Os paroehos declarara que a Escriptura Santa, i
especialmente o Evanyellio conten todas as ver-
dades da religio christ, e que todos elles teera o
direitro de ensinar estes dogmas pelo raethodo que
melhor Ibes parecer. Nao admitiera que urna au-
toridade ecclesiastica leona o direito de atacar a
lber iade de ensinar as verdades religiosas que
teera o seu fundamento na Escriptura e menos
ainda direito de censura ou excommunho.
As pessoas notaveis da parochia do Dr. Sydow
lizeiain derlaracito de que aceitavam a solidario-
dade do seu ensino, e o collego municipal de Ber-
lim resolveu requerer ao conselho superior da
igreja a anirallaeao da sentenca do synodo pro-
vincial. Esta queslao tem feto sensacao era Ber-
lini, porque na Alleinanha as questes religiosas
teera senipre grande importancia.
A cmara dos Srs. de Saxe approvou defini-
tivamente a le escolar.
inguem poder abrir nina escola, sem que pro-
fesso una das religioes adinittidas na Allemanha;
qiicr seja protestante., catholico ou israelita, ter
direito a mesma proteccao e aos mesmos auxilios ;
mas a lei exclue absolutamente os atheus, os livres
pensadores e todos os que nao seguiem algiuna
Jas religioes reconliecidas.
Os jornaes alenlas que publicaram a alle-
cueSo do papa, mesmo'aquelles que cornaca Gaze-
ta de Speiurr c a Gazeta nbaraiu a publicarlo de una acerba critica, foram
entregues aos tribunaos.
Esta resoluciio do governo causou geral adini-
racao, e o governo foi interpellado sobre este as-
sumpto. ^
O ministro respondeu que nao havia violajo de
lei, pois que a imprensa ha va sido ofllciosauente
prevenida de que naquelle documento haviam ca-
lumnias, a cuja res|>onsabilidade escapava o sen
autor, mas que recahiria sobre quem fue dsse
publcidade de qualquer maneira.
Os habitantes do Schleswiz protestam contra.
a sua Ilegal incorporar Prussia.
AUSTRO-lll'XGRIA.
Ainda nao est terminada a discusso entre o
Sr. 1). Beust e o duque de Graramont; este vai
publicar urna carta, refutando as assercoes da ulti-
ma carta do Sr. D Beust. .
O Sr. de Graramont persiste em aflirmar que a
Austria tinha proraettido o seu apoio material de-
pois da declara'.o de guerra, e que esta decisao
havia sido tomada em conselho de ministros ;#mas
como era preciso tempo para se procurar pretex-
to para se romper com a Prussia, o Sr. de Beust
tinha suscitado a idea de reclamar a execuco do
tratado de Praga.
l'm despacho de IVsth da emita da ifflpressio
causada nos crculos do partido lieak, pelas deela-
racoes do Sr. de Beu claras. Ningucn quer saber, o que o sr. de
Beust fez antes da guerra ; ningucni duvida
de quo elle quizesse evita-la, exercendo pres-
so sobre a Franca.
Todo o interesse est em saber o que elle fez
depois, e sobre esta parte do debate que as ex-
plicares do ex-chanceller austraco derraman*,
pouca luz.
Aflirma-se que a exposicio nao poder estar
organisada antes do tim do mez de junho, apezar
de ter sido annunciada a abertura para o i.* de
maio.
O ministro da fazenda est encarregado de
apresentar um projecto de lei para a sup-
Qresso do imposto sobre os annuncos dos jor-
naes.
HKSPANHA.
Acerca desse reino escreve nosso correspon-
dente de Lisba :
t D. Alfonso de Bourbons e Este proclamou em
data do t.- do corrente mez, das niontanhas da
Catalunha. como commandante em chefe das tro-
pas reaes, mas nada indicou ainda a sua presenc
no principado, noticiando entretanto o telegrapho
urna formidavei partida que levou nottvel Bii>r-
rilheiro Saballs. Por outro lado, entre os vasco- ,
navarros nao tem tambem Dorregaray dado sig*
naes de fazer uso do seu commando em chefe.
Por consegrante o que ha de mais notayel sao as.
proclamacoas dos annunciados guerreiros I A
nao fallar as atrocidades que commettem aquel-
los que se dizem soldados do rei. Ate agora so
roubaram, tanto os cofres pblicos como os nave-
res particulares, como tenho noticiado em bastan-
tes periodos desta correspondencia, agora ja fua-
lam sem cerimonla, mesmo s porque os mance-
bos nao corren a tomar armas pw Um-


M-
* .... -


mi
Diario de Pernambuco Quinta feira 6 de Fevea^iro de 1873.
Calou-se o b.wto de niudinca no ministerio,
e descerara o fundos par. a causa atfonsina, vis-
to que- os conservaI tros iMttsti'U';iina'K,.d.? .a-.
eordo coni Serrano, parecem decididos a na)
abandonar a dynastia, e tanto que declarara ni
aceitar o poder quando lhe venha a ser otTercci-
do, motivo por que o Diaru Hespanhol, que, se de-
aclarara antt-dynastico, nao recouhece a autorida-
de da junta directora do pnttido, c raptar que se
convoque una assetnbla geral, quo determine
a liaba de proceder que se deva adoptar. Se 11:10
fora, portanto, o pinieo qu anda nao cessou na
bolsa, dira que a siiuaeo melboron ; ainda as-
sim, se Morriones reliz na Navarra e Catalunha,
eremos que os radicaos torio mi eni si.
O partido republicano val de novo reunir,
mu assembla geral, era Madrid, os delegados dos
seus centros. E boje que o intransigentes foram
moral c matociabneiito btidos, deve tambein all
alcanzar urna victoria assignalada, a poltica da
Juta legal, sustentada pe 1 antigo directorio.
Actualmente, as priucipacs l'olltas polticas
de Madrid, o que mais avulta as polmicas par
tidarias, 6 o assumpto da liga, do sea manifest e
da attitude de Topete c B: faguei qae se rceusa-
ram a assigna-lo. Parece nos divisar que por-
ventura lia tendencias para que a opiniao d'elles,
entre os conservadores, contra o stafit tuo, quan-
to questao das reformas en Porto Meo, procla-
mada pela Hqa, e a da Impnrcial e oiitros, e en-
tre o* r.idieaes oppostos inmediata aholiofto da
oscro-vido ncssi lita que o governo sustenta, da-
rlo lugar a tormar-se una opiniao forte a favor
de um systema. de abnlicAo gradual mais rpido,
destinado a prevalecer.
'Noticia-sc que est tratado o casamento, e
vao celebrar-se os espousaes, entre o pretoadete
I). Alfonso, lillio de Isabel II, ea princesa Merco-
dos, sobrinha c atilhada d ella, e lilha do duque
de M ontpensier. Tal facto a d.ir-se, ser o sello da
allianca entre aHonsiaos e monlpensierstas, e por-
ventura un elemento de forca para a causa da
restaurarn hourbmica.
Tambera se falla que o ex-rei I). Francisco
appmvra "o casamata : mis que nao assste aos
espousaes, para nao se encontrar cea Montpen-
sier, e talvcz eoni .1 ox-rairiha, visto oMarem le
gal e formalmente divorciad >s.
No congresso n ministro das linancas anniiu-
riou que propon algumas modil'teaoOes ao orca-
ineqto das despezas.
Zorilla comoiunicou tor empregado a maior
vi-Tga contra os carlistas. Marios desinentio ea-
ibsgrieamente a existencia de nula* entre o go
reno de Washington e o de Madrid, sobre a es
enamora, llisoe que ogoverno prbpoxern aafee-
lieio, ondeado omseien -a, sem prcs*o estran
geira.
o ministro da marinha apresenton um pro-
velo para a abolieSo da iusorip;o maritima. O
coagresso tem reunid > em secjoes em nomo da
eaentissan ipae tara de fiuer o colatorio sobre o
projoeto da aliolico da oseravid'. >.
A eommissai do orcamento approvon a 1110-
dilioaoo que propozo ministro das linancas.
Contiuiian a ser batidas as gtterrilhs earlis-
!as. i eabocilna Mendoza, eom 100 soldados de
intratara o 12 de (-avallara, passno p Znloota,
lripindo-se a Libiano.
Paree que l>. Orlos deBoorbon eom seu
'-taJi-inaior e taba dias na l'ronteira de llospv
:hi. Accreseenta so que vari k porsonagens eo-
11 tacados por nas ideas carlistas o por sous eom-
promissos otm o duque (i,- Madrid, sahlram de
Paria com direce.*) a Catalunha, Itiscaya e Na-
varra, bem ceno' un representante da alta socie-
dad* sai Pana llovera p.utir para Londres eom
n hi i.!iport:i;ite embaixada. relativa a l). Uamon
Oaovara.
* O if assignou no da 11 a eoncessSo com-
iiliia1 bospanhola do cabo submarino, entre "a
rife
O treni da Bsiromadara foi retido no dia 10
do corrento no kilmetro 190, junto a Argama-
sill.i. por hom.'iis armados, sendo respailados os
nassageiros. S ipii --se que perlcnciam aos restos
dos intransigenies de Linares que se refugiaran!
em Portugal. A i-.nallaria perscgue-os activa-
mente.
* Em Rindecols proiuove.i-se irna lata teirive
d'ulro de uoi templo en're os voluntarios o os
caruatas, quo alacaram a lita pov.>a.o. 1) :pog
<\ duas horas de logo, resultou seren os segnn-
;- reenaeados, perdendj -I morios e um fer lo.
0 parte dos vjluntari' li'ieraes houvc dous f-
lidos.
Km Madrid bouve 110 dia 12 do corrente una
manif-siai-o abolicionbta, eomposta de 3 estan-
darte-s e.'l'unisicas. Assistiram a sociedade abo-
lieiflnista e a Tertulia Progressista. Todos os dis-
trictos de Madrid, radicaos o republicanos, estivo-
rara tranquillos.
(> niaiifosto da liga sontra as reformas de
Porto-Rico llrmado eom as assignaturas dos re-
prowniaatee dos partidos unionista, alfonsisla,
ib aerado, carlista, constitucional, e representante
':: nobrexa. Traca a historia da insarreicio das
.'nlilhas. Sustenta que a aboco daescravatuia
-' dere laaer lentamente. 1 i/, que os projectos
do governo daro aos rebeldes armas para aMi
rom Hespanha o presago da aoidade. Ter-
mina pedindo .10 povo liespanliol que empeea as
. formas por lucios paeifleos.
Km Haragoca deu-se rdem aos ofllciaos da
s u'va d'a uella cidade para sahirem a recrutar
gente para lorraarbalalhdes de eorpos francos.
Realisou-se no da H 11111 jantar de familia
enmasa da duqueza doPrim. por ser o diado
attaifarsario natalicio do herdeiro do marquez de
1 i-tillejos. Assistirara, ak? n dos inembros da fa-
lia, os Srs. Azellalo, coronel Pratas, snbseereta-
la presideocia e outras notabilidades, entre
pues os ajudanies do fallecido general.
t Ineendiou-se um deposito de plvora que
".i-a no lorie da Victoria. Polas averiguaijSes
':t autotidade, ehegou-se atf conhecimento de que
. pehrora pertencia aos ca listas daquella provin-
ria.bem como '.000 cartuxos queso eiicontraram
ni lugar prximo do sinistro,
Vao so organisar em Madrid dous batalhfies
.' franco*, um movol e oulro para estacionar em
."ria.s povoach's importantes.
No dia 5 do carrate foi era Madrid a pri
'.ira ezecufao capital depois da rcvolnrtto. o
'.Htigo cerimouial foi suppriinido, sendo o con-
I -uado conduzido ao cadafabo era rarruagem.
A baixa de dia para dii de fundo deu logo a
"atender aos conbecederes o quanto valem os mo-
vmeulos da bo/sa, que os negocios da Hespanha
nao corriam favoravelmente. Nao admira. 0
,-oycrno radical nao tora conseguido l'azer bee i
crisc que provocou com a questao de Porto-Hica ;
alm dis como se esperava, coberta tres vesos, mas sim
urna ; e aiuda mais a j declarada diviso quo
xiste no gabinete a proposito do modo de resol-
ver a importante questao daquella possessio. To-
dos estessymptomas faziam prever queda prxima
i recomposicio ministerial ; considerando com-
pletamente perdidas as esperanzas que offerecia a
euUdado partido, radical. O peior que o jornal
ffonsino o T'/ri^o. il'ii n'uin dos seus prximos n-
meros i|iie preciso fazer se ludo, mesmo os
maiores sacrificios, para derrabar o ministerio.
Effectivainento, o ministerio foi nolavelmentc
modificado. Sahiram Muni. (iomes, (Jarret c Cr-
doba. Ecbaguargy passou da pa.>ta das obras
publicas {iara a das unancas. Romero Oiron en-
rou para a do ultramar, Llano Prez para as
obras publicas, Pieltains para a da guerra.
_ Os novos ministros prestaran! juramento 11
dia Ifl do corrente.
Z orilla lave quinta foi a noute urna longa
conferencia com Rivero Recerro, assistio reuniao
. daTerulia e fallan largamente da erise e das re-
formas de Porto Rieo.
Expoz largamenta a sitaaco aetnal da Hb>
jifilia, dizendo que a insuiTeipo carlista ser le
1 rompto tunuinada.
_ Annuncioii que apresen tara o mais breve pos-
-ivel o projecto sobre a aolicfio da eseravatoft
em Porto Mico.
#t Respondendo a Suarez e Belo, accreseaatoa
Tuenio introduzir era piopor reforma nlguma
em Cuba emquai'.to l houvcr um insiirgenu^.
O centro hispan pililnn urtramarino, couii-
Bua a ser indirectamente o -entro revolucionario
auonsino ; toda a opposic.io d'alli faz guerra a to-
do o transe ao ministerio ; a liga defensora da
int4ttt' e modos a fiasra patritica dos lies|wnhoes, argu-
mentando com a questao di Porto Rico, com a
venda de-Cuba, eonro abandono de Tenlion de Go-
mera.
Estlase Uscaiindo no senado o oroamento da
receita, c noon^resso h proiwsta obre o voto de
oonnani.a ao ovo ministerio.
KMTUOAI..
Em 24 de Janeiro osereve nosso correspon-
dente de Lisboa :'.
Venuo fanNM rwenaa dns faetos oeeorridos
dignos d Btanoao, desde a rr.nha ultinu a 13 nc-
10 Oourt:
OSi'. Barros e.Cunta aanuncioa urna ater-
pHlifioveera da negocia joes com o. governo
swdei, sobro a oscala alcoolica. o perguntou ao
reinistro d> reino su Invia resotoilo. fazer cam
i| te so discath-sflin as propo4s da instrurcao
p tblica c da reforma da.aditobiracito..
O ministro respoRden a'iirmativamonto.
1 Para a comuiissao tic mfraccoes foiaot eliMs
o* Srs. Barros e S, Costa e Silva; vseonde de
ilonuriol, Mexia Saleraa, Ribeiro Abranches, Saa*
tos e Silva, viscondo de Arriega, Telles de Menc-
zes e Teixeira de Vasconxellos.
t A.oominissao para a reforma da carta lirou
eomposta dos Srs. Correia C.aldein, Hucha IVxo-
11, Uias Ferreira, viscondes de Moreira de Rei e
de Arriega, Maniede, Goraldes, Arrobas, Molla
Oouveia, Carlos Rento, Jayrae Muniz, Barros o S,
linheiro Chagas, Mexia Salem* e Teiseira de Vas-
cincellos.
A comoiissao diplomtica ficou unposta dos
Srs : Carlos Bcuto. Correia Caldeira, layme Mu-
niz, Teixeira de Vasconcelos, Pinheiro Cbagas,
KhIco da Fonceca, viscondes de Orncllas e o de
Villa Nova da Rainba, e Ricardo de Mello.
Na commissao de fazenda foi distribuida a
Sr. Barros e S a proposta de loi do sello ; ao Sr.
Dias Ferreira a dos dreitos de inerc ; a das re-
parti^es de fazenda ao Sr. r. Teixeira ; a da
contribnico de registro ao Sr. Mello Gouveia-; a
do imposto predial ao Sr. Mamede.
t -Distribuiram-sc tambera os diferentes erca-
mentOS, sendo escolhidos os mesmos relatores da
gsesAo passada.
() ornamento do ministerio dos negocios es-
Irangeiros foi dislribuido ao Sr. layme Muniz que
aabstttnto na commissao o Sr. Sal'Atina e Vas-
c.oncellos.
O Sr. Pereira de Miranda interpellou o gover-
no sobre a excluso dos estrangeiros as eostri-
bntoSes industriaes.
1 Tevc segunda letura na cmara dos deputa-
dos a proposta do Sr. Barros e Gunba, que apre-
sentei na sua integra, na ininba ultima curtes-
pondeneia.
Foi admittida discussao, e approvada nomi-
na mente por Vi votos.
Foram eleilos para a cornmissSo de admiuis-
tiaco publica os Srs. Vanreller, Rodrigues de
Frettos, Tollos, Vasconcelos, PcrdigAo, Tavares,
visenos de Moreira "de Rei, Rocha, Castro, Godi-
nho e Nogueira.
Para a de legislaco, foram cleitos os Srs.:
Cosa e Silva, Saraiva de Carvalh, Das Ferreira,
vseonde de Moreira de Roi. Jos Luciano de Cas-
tro, Silveira da Molla. Ribeiro dos Santos, Leo,
Alexia Saloma, Frazo e Ranos e S.
O Sr. Barros e Cunha expoz na sosso de II
do crrente a necessidade de substituir a navega-
Jifia a vapor para o Algarve c apresenton um pro-
jecto extinguiudo a lega.o da Italia, e conceden-
do s funeooes ao ministro portugiioz em Boma.
Para a commissao do guerra sahiram eleitos
os Sis. : bario de Zezere, general Rogo, Barros c
Si, Cimba Montoiro, Cunha Rainba, Pinheiro Bur-
gos, Placido, Alcntara Palma c Quintino de Ma-
cedo.
No orcamento do ministerio das obras publi-
cas foi apresentada a proposta de seren votados
mais flrt cantos de res para estradas.
Para a cnininisso eclesiastica licarain eleitos
os rs.: Silveira da Motla, Manuel da Rocha Poi-
x .!>, (.iilin'o. visconde de Ordalas, Teixeira, Pi-
ros (leT.ima, Cosa c Silva Boa-vida.
Foi apresentada p-lo depurado Teixeira do
Yaseoueellos, o soguint projecto de resposta ao
discurso da cor* :
Senh'ir. A presenen do vossa magostado
111 seio da representado nacional ao abrir a ses-
Bio annual legislativa a b nionagein prestada
an preceito constitucional, symboltsa a uniSo in-
tima entre o Rei e o sen povo, o marca todos os
anuos tuna era nova, era '['" se debaten! os inte-
resaps mais caros da sociedade.
1 Por occasi.io to solcr.uie vom a cmara dos
denotados tor a honra de se congratular .eom
vossa magostade. depor aos pos do throno reitora-
dos protestos da sua lealdadec adhoso angosta
pessoa e dynastia de vossa magastade, lao identl-
tica la com" a liberdade patria, e agradecer a vos-
sa magosta le as expressd"es benvolas com que se
dignoii honra-la e oisfingui-la.
A cmara aprecia o agradece a vossa magos-
ta le a seguranza que do alto do throno honro
por bem dar-lie, de que felizmente continan]
sem alterarn lguma a- nossas relacoes de ami-
sado e boa harmona com as potencias estran-
geiras.
E' proverbial o amor dos por'nguezes aos
seos soberanos; e as. espontai: vis e ineqajrocas de-
raonstra^Ges do adnesia e sympathia, que por oc-
casiao da disgresso de vossa rasgestade as pro-
vincias do nnne os poros deram a vossa mages-
tade, a sua magostade a rainba, aos principe*, o
ao sorenissimo Sr. infante D. Augusto, sito pravas
exuberante e incontest: .. de que nclles nao
amortectu ainda aqnclle espirito brioso e. lidelis-
simo, que tanto o assignalou em pocas gloriosas
da nossa historia o de que nao tenioridade af-
lirma-lo, se erguoraiii quando fosse mist-r ani-
mados do mesmo espr to para defender as lber-
dades e independencia ''.:: patria on -ostentar a
dynastia fundada na carta constitucional da mo-
na rchia.
- O governo de vossa magestade tendo tido co-
iUecniento do que alguns individnos de diversas
classos eonspiravam contra a ordem estabelecida,
mostron-se eonscio da e::.i missio, niosahtodo d
esphera das snas attribuicoes legaes as provi-
dencias que adoptou para manter a seguranoa pu
blica, e entregando aos tribriaes competentes o
conliocimento do negocio e o processo los reos.
A caara v coa satistofito que se infeliz-
mente alguna tumiiitos agitaran) diversos pantos
do reinla ordem foi immediatamente rest hele-
cida, ocenpando-se o poder judicial do processo
dos dedinqueutes : e que ne -:,.o dopaz tem ba-
vido gcrahnent" a mais perfeita tranquillidade.
No exame do uso quo o govern > de vossa ma-
gostado fez das autorisaeSes soncedidas pela car-
ta de lei de '! de mareo d 18SS8, por virtude da
qual contratou um emprestimo,que realisou em
parto com appbcaeao ao pagamento da divida fine
toante ; e pela cana .lo lei de 2 de julho de IBI7
para a eonstrucclo ii auainho de ferro doMtaho,
a cmara empregar esmerada atteneao.
Nao sera menos solcita ao exame das provi-
dencias do caractei legi lattvo, quo o governo de
v ssa magostado deeretou no interval o das ses-
soes, uzando das (acuidades concedidas no artigo
lo.* do acto addicional -arta; nem to poneo no
exame das propostas do lei, "no on ficanam pen-
dentes na ultima sessio, ju toem de ser-lho Itore-
sentadas tanto em rolac ntinente do romo,
como das provincias nltramarinas, tendentes a
melhorar os diversos ramos da publica adminte-
tracao; sobresahindo sempre os ass 11 >- que
toem relacaocom a fazenda nacional.
No exame do ornamento para o anno o- mo<
mico do 1873 a 1871, 8 as propostas de lei que
alterara parte da logislacao tributaria existente,
aliviando da eon'ibttc/.o alguns product 1- (bj
geral consumo, elevando e dando nova forma a
outras imposieoes pan ..s tornar mais pro tactivas,
a cmara haver-se-ha .-.ora a mais destellada
atteneao, dicidida a cooperar com o governo do.
vossa magestade para memorar as e indieSes dS
fazenda publica.
Sennor. A cunara (ios deputados extre-
mamente scnsivel e reco:ihecida, na parte jne lhe
toca, apreciacio summameno benovoli, que
vossa. magestade >e digna lser dos esforooe do
corpo legislativo no desempenho da tarefa que lhe
esta confiada. Nio ha do, por eerto, frnquejar no
empenho justo c elevad'.' de contribuir com vossa
magestade para a fclicjdadc pnbli-a. E reparad
se-ha muito feliz, se com o auxilb divino vir
abencoados os seus osforeos.
Sala da commissao, l do Janeiro de 1873.
Jote Marcelino t S Vareas.Jos Din.-' ffcmjfr.
-Jos de Mello Gouve-'a..'.nlonio Jo de Barros
e S. Tem voto dos Srs.: Carlos Bento da
Silva.Antonio Correia Caitra.Antonio dsf
gusto Texeira de VatOlmwUot, relator.
Posto era discus-o, pedio a palavra o Sr. Luiz
de lampos, depulado reformista que impugnou a
resposta, mandando pala a irosa urna substituijao.
O discurso foi brilhante pola eradicao, e elevaco
de ideas; pela affluencia e elegancia da phras -
combaten todos os pontos mato notavew do projeto
da eommissao.
Seguio-se o Sr. iinhero Chagas, que defendeu
o projecto, combatendo esplndidamente as asser-
coes do primeiro orador.
sou depois da palavra o Sr. Candido de Mo-
raes, que eensurou com a maior vehemencia o
governo. A esto orador seguio-se o Sr. Afioneeea
que louvou o procedimeifto do ministerio contra os
conspiradores.
t Occupou depois a atienco da cmara o Sr.
Ozorio de Vaseoncellos ireiormista) com uroa ca-
tilinaria furibunda. Nenhum dos ministros, apezar
de provocados, pedio a palavra. Este silencio
calculado produzio grande impressai na cmara.
Fot ento que mullos deputados da ooposico, e
alguns da maioria se iascreveram. Os debates
proseguem.
< Na cmara alta, as sessoes, at agora teem
sido de menor importancia; porque,' nao est
prompto ainda o projecto da resposta ao disenrso
da corda, e tena de esperar a maior parte do tempo
da sessa-i pelos tr.tlcAs qnehe vio 1 ti cmara
elirtiv.i. Omarqustde VaHafa narJmi par*a
mesa as olas du interne!la.*), refer/Jas as prori-
doiicias, o presidente do cqiitlio de jnisWw uro-
metten adoptar 'O n rea.7, t s leUras de .cambio:
o acerca dos inronvoniftales eucmirailos no re-
istro dos ferns. Nestanltima declarou o marquez
e Niza que dosojava lomar parte.
O vseonde da Luz apresenlou "o parecer
acerca do requenmento do Sr. Seqneira Pinto para
tomar assenlo da amara por snecessio. O Sr.
Carlos Eugenio A Ahneidarequeren tombera para
ser adinitiido por-successS.
O Sr. maroecz de VaHada requeren a copia
da correspondencia trocada entre o governa e o
ministro de flpspanha dorante a ultima tentativa
de revoita era Lisboa.
t Foram approvados e tomaram sssanto, como
dignos |iares do reino os condes Rio-Maior da Ri-
jjera-Granfle e do Seixal.
f Reunio-sc no dia 8 a assembla geral do basco
A Itianra, no Porto : presidio-a o visconde de Las-
casas. Foi lido o relatorio das operacei. do ban-
co, durante o anno lindo. Foi lido, igualmente o
parecer do conselho fiscal, que deu a eonheeer que
o estado daquellc estabcleeiniento o mais li-
songero possivel. Da quantia de HC:li2*736
que figura na cunta de ganhos c perdis, fez-se
um dividendo para-os acrionistas,' de 2JS00 por
accao, ou 4 ",0, prefazendo assim o dividendo au-
nual de 8 %, por se ter distribuido no primeiro
semestre igual quantia, Passou para a conta
da reserva, para liquidaeSes a quantia de......
.'i:00i00. Para Moas da caixa foi destinada
a quantia de 13000. A quantia, de..........
i:t2:0!e2":lG fii levada contas do anno no-
vo, para jd'eHa -ser deduzida em tempo a com-
petente dcima que hotivor de ser lancada ao
ilivideudo.
O tra.ado proposto para o caminho de ferro da
Ber.i, quena minha ultima disje ter sido apresen-
tado em proposta na cmara dos deputados, segu
as seguimos trras:A linha parle da Figueira,
segu por Cantanliede, Malhada, Mortigua, Lanta-
Comba Do. Cirregal, Vellas M.angualde, Fornos de
Algdres, Celorico da Boira, at a AltaCh ou Broi
de Almeida. Tem BStagSeJ nos pontos menciona-
dos, e entre Villa Nova de Foscoa e Pnkul de Vel-
las partir um ramal para Viseo, c de Mangoaldir
oulro para Gouva. A linlia directa tera rampas
at li millimetros, ratos de curvas de 4t)0 oOO
metros, ds ratnaes torito rampas at 20 millime-
tros e ratos de 2o 1 metro* O tracado, obras d'ar-
tc e expropriaeoes, ser > para urna s vi* cus-
to da liaba calculado em MOOO^OW por kil-
metro, e em 280 kilmetros. O goverao garantir
5 por rento do capital empregado, nao devendo,
porin, as despea' de explora.o exceder 35 por
cont de reudimeiito bruto, como se d na liuh 1
de norte e leste. O encargo para o estado e de
1:0"(> por kilmetro. Orendimcuta bruto da linlia
6 calcul.uii) pelo medio das linhas forreas do norte
e testo, isto 2:0S04(XK) por kilmetro. Abatcndo
as despezas de explocacao, que iuio excedern
721500) por kilmetro, e accrescenlando o produc-
to do imposto de transito, tica para cada-kilmetro
um dficit de 2084 00, pie, multiplicado por 280
kilmetros, mostea que o encargo do tliesonro nao
exceder, nos primeiros anuos, a .*i8:100000, de
que su deve abater a economa no transporte das
malas do corroio e dos passageiros, e carga do es-
tado.
Como expuz na minha ultima carta, foi apre-
sentado no ministerio das obras publicas o projec-
to para a construc.'u da ultima seceo docatninho
de ferro do norte. Esta importante scela, para o
cominercio portuense, parte de Gala,' desee pela
measte da margera esquerda do Douro e segu
al a ra da Baudeira, pela tneiina directriz
que o tra;ado do campo do (irno ipiella ra.
Apiiroveilam-se para isso as obras de arte j fintas
na exteuso de mais de 2 kilmetros, em que se
comprebende um tnel de 416 metros, para atra-
ves-ar a serta do Pilar. Dirige-se o tra-ado da
ra do Baudeira pata a esquerda, cortando a
emenda junto ao aqucJncto do convento e segu
para o rio. A ponte sobre o Douro ter 302 me-
tros de exteuso. Seguir-se-ha um tnel de 113
metros do comprimento. subindo depois at-a ra
do Freixo, pela encosta do valle de Campanha, vai
depois era iliroc.-o, baixa de Gondini, onde .ser
construida a estacao rommum aos caminho* de
ferro do norte, do" Mlhho e do Douro. O attual
tracado menor 6:378 metros do que o do Campo
de Lime; lem rampas -menores, c nao carece de
tantas expropriavoes.
- Foram concedidas as honras de alferes mor do
reino de Portugal ao marquez de Sabugos* Pa-
rece que o marquez nao aceitou a morco.
Foi assignado o decrete do perdo e resliliii-
co dos direitos polticos, a Joio Silverio, condem-
nado trabalhos perpetuos na frica, por haver
assassinado seu irm.io. Reconheceu-se ^ora, lia
pouco tempo, pela conftssio do verdadeiro crimi-
noso, sor infundada aquella acensado, c o que se
ignora, porm, se o infeliz degradado ainda vi-
v' Preceden resoluca do conselho de csImo.
Os governos civis" dos diversos distrirfi do
reino, come.aram j a iwober as variadas Wlcc-
roes de productos quo bao de ir figurar na cxfcosi-
cao de Vienna d'Austria. A empreza des qau-
nlios de ferro do norte c leste, resolveu fazer ni
batimento de 30 i*or cento no preso dos transpor-
tes dos objeetos qne Iraasitarem com destino ex-
posi'.-o.
(;hcgou ao Tejo no dia 11, s 11-eras da ma-
1P1S, o vapor eca, partindo do Rio de Janeiro no
dia 24 de dezembro. As malas foram abortas de
noute. Ficoa de quarentena. '
A coniecar do Io de julho do corrente anno,
tornar-se-lia extensiva s ilhas dos Acores a erais
sao c pagamento dos valles do correio. O mximo
valor de cada 'alie ser de 2003000. quando for
pago em capital de districto, 1003000 quando for
em tetra onde resiJe recebedor de comarca, e 50*
se for pago era localidade onde haja proposto de
recebedor. O premio ser reduzido t por cento.
i No dia 12 do crtente, 110 palacio de crystal do
Porto, rouiiiram-se, a convite do respectivo go-
vernador civil, os industriaes que teem de concor-
rer com os seus productos exposico universal
de Vienna. Pouco depois das 11 horas da manb,
a.'havara-sc presentes grande numero de indns-
triaes, bem como os Srs. govornador civil e con-
sclbeiro Fradcsso da Silveira. O governador civil
declarou alierta a noBn. e depois de expor os
motivos de reuniao. convidou o Sr. Fradcsso da
Silveira a dar as explicacocs que julgas c conve-
nientes, relativas referida posieao.
t O conselheiro Fradesso da Silveira usando da
palavra, fez ver a grande conveniencia que tem
resultado sonTpre agricultura portugueza, de
haver concorrido s exposicoes universaes, a que
tem sido enviados productos, principalmente aos
expositores de vinhos do Porto, para o quoaquellc
Sr. desde logo se prestou a eeder-lhes lo metros
de extensao, :o lugar de honra da sessao portu-
gueza. Fez ver mais a necessidade que os indos
triaos teem de dar todos os esclarecimentos relati-
vamente s suas industrias, afim de auxiliaren! a
commissao directora na eiaboracAo do seu rela-
torio. A todos os expositores que" estovara presen-
tes foi-lhcs indicado o local em que tem de ser col-
locado ns seus productos, vista do plano qiu
eslava patente. O governidor civil declarou fe-
chada a sessao, era meio dia, agradecendo aos
concurrentes o terem accedido ao seu convite.
Est approvado, por una portara do minis-
terio do reino, o novo regulamento para o curso
completo de desenho na academia real das bellas-
artes. O curso dura ra 1 annos, di vid do pela seguinte
forma : -Io anno, desenlio geomtrico, c nocoes de
perspectiva, desenho de figura e de ornato por
estampa. 2" anno, anatoma, desenho do antigo
desenho anatmico e proporc<5es, desenho de or-
nato polo dilevo, desenlio de paisagem e areliitec-
tura. 3* anno, desenho do antigo, segunda elasse,
tlesonlio de paisagens c de architectura. 4' anno,
desenlio do natural, de pannejamentos, historia
da artejo principio de estliclica. Para a matricula
do 2o anno devera os alumnos apresenlar docu-
mento de approva";ao na lingua franceza. Urna
certido geral passada no fim do curso, servir de
diploma.
No dia 13 ebegou estacao do carainho de
ferro do norte, em Lisboa, a Rvui. bispo de Viseo,
chefe do partido reformista, era esperado na esta-
cao por todos os deputados reformistas, e multas
pessoas de diversas cas es que o acempanharam
at cas* Ahi. receben mullos dos seus amigos
e correligionarios polticos, apezar do adiantado
da hora. o dia seguinte ioi cumprimentar a
suas magestaues e depois casa do Sr. Latinjo
Coelho, onde se demorou por bastante lempo. O
Ilustre prelado vero tomar assenlo na cmara
alta.
Tiveram no Torto nova reuniao os subscrqHo-
res da prujectada eompaulua Allian afim do ouvirem a letura do relatorio da eommis-
sao iniciadora. Foi nomeada a mesa provisoria,
que ficou composta dos Srs. visconde de Castro e
Silva, presidente; secretorios, Gaspar Ferreira
Bailar c Joo Antonio da Fonceca Vaseoncellos.
Foi ongada a coramisso para elaborar os e-Utu-
Sa. O n tunero de navios de que se h do compor
a companhia de 25, sendo 11 galeras, 13 barcas
e i patacho. A companhia emittir acedes de
100, ttulos 'ftrtm% e 1:060<. Nos estatuto* ha
de ser marcada a quantia paot coscio das aope-
7.as a fazer conr es navios, a qual ser paga em
pre.-tacoes.
a O Bw. bispo de Coimhva, tlu 110 domingo
1 do cowenle, um magnifico jantar enr honra do
Dr. FreiUs Honorato, conego da reerida S, por
este cavameiro ter sido nomeado vigario geral do
patriarcliado. jantar cotistou e 30 talhores,
coineeando s 6 horas da tarde, e terminando
as 10.
Reunio-se no dia 17 a assembla geral do
Banco Commercial do Porto, para ser lido o pare-
cer do commissao do exame de contas. Presidio o
harn de S. Loorenco, c serviram de secretarios
os Srs. Amonio Alves da Silveira e Antonio Jos
Ferreira. Oparccor foi unnimemente approvado,
e era resusse di-, o seguinte : -Que o saldo de
93:736* sejaaseini anplicado:
Que para cnmpleincnto tl'nm dividendo an-
nuneiado de 8 0|0 ou !6j|por accao. se divida
agora em 4 OtO ou 8. por aerao, importando na
quantia de 73:600.
a Que_par.i amortisacao da conta intitulada -
liqmdnroes, que figura no activo do banco, mas
que infoli/.m 'iitu boje s represento dividas nial
paradas, e pela maior pftrie ineobraveis, se des-
tina a quantia de 8:9D48.)8.
Que para pagamento do imposto relativo ao
2^ trimestre que o banco tora de pagar conforme
a lei de 9 de maio de 1872, se destina a quantia
de 4:383i9IO.
Procedeu-se deiois eleico da nova dreccao
(pie recahio nos segrales accionistas : presidente,
ceca. Substitutos Jos Antonio Soares Jnior,
Antonio Alves da Silveira e Manoel Gomes dos
Santos: ,
Hcalisoti-se a experiencia da machina da ca-
nhoneira Guadiana, da qual commandante o of-
licial da armada Antonio Rodrigues de Oliveira.
As II horas e meia da manha largou d 1 tmarra-
cao a canhoneira e seguio para oeste, levando
tambera a bordo o chefe da 1* direceo do arsenal,
o encarregado da olTicna tle inachinas e o meslre
da o Bcina do calderas. Da experiencia, concluio-
se que a machina funeciona bem, que as calde-
ras estao boas e que os coneortos folios nos appa
relhos geradores do vapor, e de lite dar consum-
rao, ficaram as ni dhores COndifide* Este navio
sahir quando o tempo 0 permittir, para Cabo
Verde, alim de render no servi.o da estacao a
canhoneira Tejo, qne destina la a ir para Maco.
As ultimas noticias recebidas dos Acores, di-
zm que os temporaos quo, desde 20 at 25 de dc-
zembro prximo Ando, occorreram nos mares dos
Acores, atacaram tambera as ilhas de S. Jorge e
Graciosa ; causando ruinas em aJgomas obras
que dofendiam a eva^.ao das aguas. Em S. Jorge
arruinou urna parle" do caes da fregttezia de Ur-
selitta, e na Graciosa foi tal a furia das aguas, que
den bou tras 30 metros cbicos de muro de sup-
porte, na avenida do caes do Fulga, que. st era
construccao. Chegando o mar a una altura, onde
nao ha memoria, c derribando tambera una parte
da muralhaque defende as casas da agua do mar,
da villa de Santa Cruz.
Fallase em que o actual ministro da mari-
nha apresenlar na prxima sessao das cmaras,
alguns projectos tendentes a memorar a adminis-
trarn colonial portugueza.
Deu-se ordem ao chefe do observatorio astro-
nmico da Tapada, para abonar passagem at
Gaerden, aos operarios allomaos, quo all assenta-
rain a copula d'aquollc edificio. O observatorio
est muito adiantado, c urna das obras mais im-
portantes e bem exeenta las de Portugal.
Em Vicua d'Austria ha um instituto chama-
do Iludolphimnm de qne fundador o Sr. Pollalc
de Rudins. Este instituto tem por fim dar "casa o
alimento a esludantes pobres. Rosolveii aadmi-
nistracio do Hndolphimum deslinar os qoartos do
r^." andar do seu edificio para hospedar gratuita-
mente 300 professores de todos os paizes, que du-
ranto as ferias de 187-t, vao visitar a exposido de
Vienna. A hospedagem ser dada gratuitamente
a diversos grupos de 30 professores, durante cada
urna de 10 quinzeoas soceessivas. Os professores
portuizuezes que pretenderen] aproveitar-se feote
beneficio, devora sem demora dirigjr os seus pedi-
dos em cartas enviadas commissao da esposico
de Vienna, no ministerio das obras publicas.
Est-se discutindo actualmente, 110 conselho
director dos trabalhos preparatorios da seccao
(Kirtugueza na exposico de Vienna, qual a eolio-
cario mais conveniente dos productos, dos dife-
rentes grupos, no espaco que destinado a Por-
tugal. O instituto geral (^agricultura tenciona
enviar ura minucioso relatorio do systema segui-
do n'aquelle ostabeleciraento para h ensino ta^nto
theorico como pratico dos alumnos, acompanhado
de photograpliiao, plantas, etc.
A comniissio da frate nidade operyia ten-
ciona por occasio da exposico de Vienna d'Aus;
tria, mandar una commissao aquella cidade,
convite dos operarios de Vienna, que se offerece
rara pagar a passagem commissao portugueza se
nao tivossem motos para ir sua cusa.
Parece que o cargo de vigario capitular do
bispado d'Elvas, v,io p*ln fallcimenlo do cone-
f<) Andrade, sera nomeado o conego Martens Ker
rao. actual vigario 'apitular em Portalegre, e ir-
mo do actual procurador regio, e ministro hono-
rario Martens Ferrao.
Est qm.si concluido o projecto da eonelusao
do caminho de ferro do norte, das Devesas at o
Porto, comprchendenio a pimo sobre o Douro.
O projecto deve ser enviado brevemente pelo go-
verno companhia. Este mandou vir a engenhei-
ro que constraio a famosa ponte sobre o Tejo,
para ser encarregado daquella nao menos impr-
tate construccao.
J se cotnecaram a armar na alfandega de
Lisboa dous guindastes de ferro fabricados na fa-
brica de Massarellos, para servico volante dos ar-
mazens do pavimento interior.
1 O actual secretario geral do governo civil do
Porto, acompanhado pelos membros da commis-
sao respectiva, dirigio-se um d'Cstes dias aos pri-
meiros estabelecimentos industriaes convidando os
expositores a enviaran os productos de suas fabri-
cas exposico de Vienna.
Fallecen (nao merecendo se j Ibes disse) o
prestimoso offlcial de marinha, o capitn de fraga-
ta Joo Baptisla Garcao. Era commandante da
escola de arlilharia praea esiabelecida bordo
da fragata D. Fernando.
A commissao de emigracao leve nova reuniao.
Compareceram nove deputados. Sr. Barros e
Cunha leu a ultima parte do seu relatorio, c con-
cordon-se em nao aprosentar os projectos de lei
elaborados por aquelle senhor, por ser a commis-
sao simplesraente para inquerito, nao podtido por
isso apresentar mais do que indicaces. Mandou-
se imprimir o relatorio, cujas provas serio man-
dadas distribuir aos diversos membros da com
missio para o discutirem. .
O prolongament > do caminho de ferro de
sueste at Exlremoz deve estar prompto at
marco.
t Houvc urna conferencia entre o engenheiro
director das obras publicas do districto de Lisboa,
c differentes architectos para ser estimado um an-
tigo projecto de reconstruc.'o do tribunal da Ba-
II.ira (palacio de justira).
' A' este porto cliegaram: a 13 brgue Bella
Figueirense,de Pernambuco ; a 14 hrigue Anglica,
do Maranhio; a 16 barca Maa Imita dem e br-
gue Soberano, de Pernambuco ; a 21 vapor Fnm-
xwich,o Maranhio.
t Sahiram os navios : de Lisboaa 14 mbrose
(v.) para o Para, Cear o Maranhio ; do Porto -a
14 Graciosa- para o Maranhio c Triumpho para
Pernambuco.
e O brigue Triumpho levou a seguinte carga:
Albos, 25 can. a Fraga & Rocha, 25-a A. P. Vil-
lela & C, 27 a Braga Gomes & C, 60 a A. J. dos
Santos Audrade. Aipista i se. a M. J. G. da Fon-
te. Arcos de pau 100 rod. a M. T. Basto, 230 a
A, J. dos Santos Andrade, 100 a J. M. de Baos
Filhos & C. Azeitc 1/4 e 2 garrafoes a J. B. de
Oliveira. Azeitonas 50 anc. a Lapa & Primos,
50 a M. J. Goncalves da Ponte, 2 h. a M. J. F. Mon-
teiro, 3 vol. a J. B. de Oliveira. Azulejos 24 ex. a
A. A. de Souza Aguiar.
Cabos de pau 37 vol.'ao dito, 20 a D. da Costo
Ferreira, 16 a A. M. de Carvalh Azevedo. Catea-
do 8 vol. a diversos. Carne de porco, 31 vol. a J.
J. Tasso, 3 a B. J. Pereira, 3 a F. G. do Araujo, 2
a M. J. G. da Fonte, 1 a A. A. de Carvalh Azeve-
do. Capachos 4 fard. a Guimaries 4 Luz. Ova-
da 10 se. a M. J. G. da Fonte. Chumbo 20 ex. a
J. J. G. Beltro.
Farello 10 se. a A. G. Valeote. Feijio 239 se.
4M. J. G. da Fonte, 10) a T. de Aquino Fonseca
C, 201 a E. J. da Motto, 80 a J. F. da Silva,-100
a A. J. da Silva, 244 a P. J. Gomes, 191 a F. G. de
Araujo, 30 ^ D. da Costa Feneira, 72 a M. J. de
Castro Lardoso, 300 a Fraga & Rocha, 50* J. J.
de Azevado. Ferragens 7o vol. a diversos. Fogoes
de ferro zrx. a Carvalh & Nogueira. Folba de
leuro 28 ex. a J. F. da Silv*
Grao d bieo 10 se a F.-G. de Araujo.
Linha 9 ex. diverso* Linhara 8 bs. a P. J.
Gomes. Louca #ara jardim i ex. a A. A. de Souza
Afiliar, 12 vei. aJJ. D. d* Campos k C, I pi^c. c
1 es. a M. J. M. das Noves, 65 pee. a J. M. Curdei-
ro Lima. 38 .a.f. A. Pereifo.
Palitos io.cx. a Braga Gomes & C, I a E B.
Rebollo & 1;. IVixe' 7 bs. a diversos. Peneiras 4
fard. a Prente Vjanna & C, 10 a A. J. dos Sanios
Andrade. Pomada 10 ex. a D. M. Martins. Prata
em obra I ex. a J. F. dos Santos Coitnbra 4 C.
Rolhas 10 se. a Braga Gomes 4 C. 30 a A. J.
dos Santos Andrade. Prcgos 84 bs. a E. R. Robel-
lo A ()., 28 a Patente Vianna A C, 13 a Vianna &
Guimar.ie..-, 3 a J. de Oliveira Torres, 49 ordem.
Varios artigo* 34 vol. a diversos. Vinagre l/S'a
A. J. dos Santos Andrade. Vinho 33/3, 30/10 a
Cunha Irmio & C, 1/2 pip. 2/W e 6 ex. a J. L. 6.
Ferreira, 13/10 a J. J. Rodrigues Mendes, 4/4 24/3
e 10/10 a M. J. G. da Fonte, 10,3 e 10/10 a Braga
Gomes & C, 6/3 1/8 e 1/10 a A. A. Lebre, 3/10 a
A. F. de Oliveira. 3/3 a A. Amorim & C, 3/3 a
Lapa Ai Primos, i/10 e 3/20 ordem, 1/7 c 1/10 a
A. A. de rastro Quintal, 1/4 a F. M. P. Barbosa.
1/3 I J. L. Machado, 1/7 a A. M. de Carvalh Aze-
vedo, 1/8 a F. S. da Silva Saraiva, 1/8 a G. C da
Cunha, 1/10 a II. A. de Lima, 1/10 a J. F. Paredes
Porto, 33 ex. a Pereira Carneiv & C, 13 a E. B.
Rebelio A: C, 2 a M. A. Andrade, 1 a J. C. G. Fer-
reira. 1 a J. de Oliveira Basto.
oticiu* da Amrica.
Por va de Lisboa recebemos as seguimos no-
ticias ;
i>rADos orneo*
Na cmara dos representantes vai-sc oceu-
par de um projecto para a formacio de um novo
territorio as fronteiras do Texas, e do Novo M-
xico, cliamar-sc ha 6fcfaJMNM
O Sr, Fish euviou ao general Sirles, minislro em
Hespanha. urna nota contendo amargas qucixas a
proposito da mal sueeedda tentativa da Hespanha
para abolir a escravidaO em Cuba.
A America, diz o Sr. Fish, nio pode permane-
cer indiil'eronte a esta situa.o. A Hespanha
consenlindo que as suas ordens sojam continua-
mente desacatadas, reconhece a sua impotencia
para debellar a msurreicio,
Aos Estados-Unidos diflicil guardar a neu-
tralidade, e a sua paciencia est esgotada vendo quo
as promessas feitas pela Hespanha, nao sao cum-
priuas. >
A resposta da Hespanha nota do Sr. Fish
cortez e amigavel e promatte vagamente a execu-
cio das medidas relativas emaneipaeia dos
escravos de Cuba.
REVISTA DIARIA.
111 miMiiacan s't fon, Por portara da
presidencia da provincia, do 1* do correato, foi
nomeada urna commissao, eomposta dos Dr* Jos
Tiburcio Pereira de Magalhes, Joo Martins da
Silva Coutinho, Manoel Buarque de Haeedo, Pau-
lo Jos do Oliveira, c Cluyslito Ferreira de Castro
Chaves, para proceder a un rigoroso exame so-
bre os eflitos da pressio e do poder nominante,
tant) da Ulomnacao publica, como da particular,
no sentido do evilar-se maior consumo aos par-
liulares, sem dimitiui^io da intensidado da illu-
ininaeo publica, afim di que possa a inesuia
presidencia providenciar eom verdadeiro couheci-
moiito de caos*
Sueicdade (tropagatlora de ns-
truecan [tutilica. Tevc lugar a 28 de Ja-
neiro a 8' sessao ordinaria do conselho parochial
de Santo Antonio, sj!j a presidencia do Sr. Olyut-
pio Marques.
As 7 horas da larde,"aehaodo-se presentes os
Srs. Olympio Marques. Lino do Monte Carmello,
Ferreira vuelta, .' Ibino da Silva, Jorge Domellas
e Ferreira da Costo, abre-se a sessao, l-se e ap-
prova-so a acta da antecedente.
Nao houvc expediente.
O secretario commumea que o socio Dr. Fe-lip-
pe de Pigneirda, a quem se dirigir para tratar da
publicarlo no iarto'de Pernambuco, das actas do
conselho, conforme se deliberara, liavia se encar-
regado da dita publieacjte, declarando em seu uo-
nie e 110 djs demaig empizanos do Diario, que
recusavam retribuicio por tal servco. O conse-
lho determino;:, se-!) proposto do secretario que
so agradecerse a empreza do Diario esse servico,
o qual se considera como feito insiruccio pu-
blica da proviucia.
Detenninou-se sob proposta do presidente do
conselho, que s mandaos extrahir mais 1000
exeraplarus do programuia La escola normal para
senhoras.
Tanibem 9 ib propos'.a da inesnia, niandou-se
convocar para o dia i de fevereiro prximo lindo,
utna reuni dos professores daquella escola para,
satisfazendo-s? o disposto no art. 20 do program-
nia de estados de di: l curso, escolberein-se os li-
vros e compendios, que devora servir para as li-
eoes.
Nao havendo rnaisa tratarle, levaoto-se a ses>
sotis s horas.
" MraoJea nova. -Da olllcna lithographica do
Sr. A. J. de Azevedo, ra do Bario da Victoria
n. 11, acaba de sabir luz a linda c inleressante
polka .1 Bxcommungada, de coraposicao do pro-
fessur J. Popr-e. I!ece..imondarao-la s nossas lei-
toras.
Espsineaunentos. Anto-hontem foi es-
paucado Samuel, escravo do Dr. Marciano Goncal-
ves da Bocha, peas pncas da companhia de caval-
ria Luiz de Franca e loao Ignacio Xioaenes, as
quaes se acham rocolliidas ao xadrez para res-
ponderem a conselho de guerra ; deixando-se de
proceder ao inquerito, por, nio terem sido os of-
fensores presos ei flagrante e sor aotfensa leve,
segundo o corp de delicto. !
As 8 Iteras d noute deste mesmo dia. na
freguezia da Boa-Vista, ra de Gervazio Pin i,
Feliciano Dinz espancara a Angelo Sabino Odilon
Rodrigues S.i:e cemlo o offensor preso em fla-
grante, fez-se o corpo de delicio e prosegue aau-.
toridade nos tormos da lei.
Feriiueiit sado, no termo de Serinhaeni, districto de Gantcl-
leira, foram gravemente tondas duas lilhas de los
Ignacio, tambem "crido levemente, jwr Jos Fran-
cisco, ignora-so o motivo que deu lugar a csse at-
tentado. O delnqueme foi preso em flagrante, ize-
ram-so as competentes vistoras e a auloridade pro-
segue no cumprimento de seu dever.
No engenio Ribeirio, do mesmo districto, a
27 tambem do paseado, Mari* Jos de Jess, fenra
com urna pohalada a Secundin ade tal : a oiTen-
sora fora presa em flagrante, fez-se corpo do delic-
io, c prosegu.'-- nal deraais forraalidaqes da
lei. V
Tentativa de suicidio.Hontem, a I ho-
ra da noute, pouco mais ou menos, na freguezia
do Recife, ra do Mrquez do Oliuda, o Sr.)Joa-
quim Peixoto doMcireilesatirnu-se do 2. andar de
um sobrado, resultando dosso acto ficar basl maltrado e com o dedo pollcgar da tnio diivita
fracturado, Beodo oo BOOOOrnoo por tira inspector
da mesma freguezia e un facullativo alli morador;
das inormacc-6 colindas, presutne-se que o Sr.
Merelles comiae'.tra sciaelhaote attentado, levado
por appreheucs mores, entre as quaes mais o
uicoiiiiiidava o achai se desempregado,
Jury tribunal do jury com a resee* d 11 juizes do
facto.
Foram dispensados pelo Sr. Dr. juiz de diroito os
Srs. : Dr. Feltppo Ncry Coilaco, por inorar na co-
marca de Olinda Dr. Joao Capislrano Bandeira
de Mello Filhp, por estar no Cear ; Antonio Lopes
Bodrigues, em vista do attestado medico de Dr.
Pitang; e Egidio Carneiro Rodrigees Campello,
dem do Dr. Pereira do Carino.
Assumindo ajpresidcncia do tribunal o Sr. des-
embargador Netva, foram-lhe remeUidos pelo se-
cretario do tribunal da relaco 11 processos, com-
jirehendeudo lt reos, alim de serem julgados, sendo
nos dez primeiros autora ajostie* e no ultimo au-
tor Joo Uementc do Santa Rosa-
os reos s.to : Paulino Alves de Mendonea, Viris-
simo Pereira da Silva, Miguel Prime de Jess, Pe-
dro Antonio dos Santos, Jos Guedes da Silva, Joao
Patricio, Antonio Zaeharias do Cartuo, Francisco
Antonio de Lima, Amero Jos Bodrigues, Manoel
Francisco dos Santos Costa e Bobcrto Francisco
de Souza.
Hojc deve entrar era juUjamento o primeiro dos
reos.
Vapor Ciambie.Informa o Sr. comman-
dante do Ckimborazo quc,cmconsequcneia do mo
tempo que reinava as c stas de Franca, o vapor
francez Gaiiwic, da linha de Brdeos, deixou de sa-
bir desse porto a 20 de Janeiro, devondo realisar
sua partida de 22 a 24.
Em transito.O vapor inglcz Chimborazo
trouxe da Europa para os ortos de sua escala
315 passageiros, dos quaes 270 sao migrantes para
o Rio de Janeiro.
Vapores do Paeiueo. Em consequen-
cia da grande affluencia de carga para os partos
lo Pacifico, o vapor dessa linha ctegado hon-
em foi o Chimborazo, em vez do Magellan, so-
guindo este a fazer o servico directo para aquel-
les"porto?.
.1 Chmborm; qne.'. um prande vapor de le
ro, do 2,Vi.1 t meladas, movido por umi machina
hlice da forca de 330 eavallos, trouxo onze dias
do viageni de Lisboa, leudo sitlTrith demora de
dous (lias, os quaes pissott parado 110 golpuo d*
Biseaia, por causa de um fotlssiino temporal qOe
ahi reinou por diversos dias, e era consequencia do
qual naufragarara alguns navios.
O Chtoibor.izo deraorou-se una hora na ilha de
S. Vicente, afim de obter noticias do Santa Rosa, da
mesma companhia, o qual ahi se chava a tema*
r irvio, quando passou o Jomo.
O Chimborazo apenas largou as malas e tres
passageiros n'um bote ido de Ierra, receliendo pu-
l mesmo meio as malas para o sul do*impnr>.
I'lit-uti'o Santo Antonio. Sobe l.oie
a scena ueste tbeatro. pela companhia do Sr. Vi-
cente, o inttressanto e magnifico drama em 5 ac-
tos A Filha do Atsattino, no qual exocuta a pro-
logooista a Sra. D. Manocla Lucci, e o artista
Flavio Wandeck nm dos prinripaes personag
Consta-nos qne o drama se aeha montado com es*
mero.
Roubo. No dia i do corrente, das 2 s 6 ho-
ras da tarde, os ladrees arrombaram as porta; de
entrada do 2o andar do sobrado n. 33 da roa do
Mrquez do Herval. Nao se adiando nesta cida-
de as inquilinas da casa, o seu procurador nao
pode verificar quaes os objeetos roubados, nem >
seu valor total.
Armas pi-ohibidas.-Pelo Sr. Dr. sutxle-
legado da freganda de s. Jos foram .ipprehcndi-
das lo armas defezas. entre as qnacs um clavino
te carregado, 2 espadas e um faci.
Telegraomias eoimnerviaes. Os
i\.\> casas dos Srs. Kuowles \ Foster c Pinto Leile
& Sobrinbo, era 22 de Janeiro s 5 horas e 43 mi-
nlos da larde, dizem :
"t O algodo calmo, com baixa de 1/8 obre >*
preces : de 10 1/i o de Pernarabuco. 10 3/8 o de
aceto, 10 1/4 o da Parahyha, 10 3/ o do Mar.i-
nhao.
0 assucar frouxo con baixa de 61] sobren!
proeos : de 27/fi a 28/ o branco, de tt/6 a U, 0
louro, e de 22/ a 24/ o mascavado de Pernam-
buco.
O caf firme aos preces : de 78/ a 83/ o
RO, 77/ a 81/ o da Babia, e de 7.'i/ a 70/ o du
< A borracha do Para firinc de 2/a 2 i 1/2.
i'es de Apollo l-sbr c.ies, por onde se
faz um transito inmenso, qtier de veiiiculos, rmef
de animaos, conduzindo gneros do interior da
provincia, e por onde, aim disso. pasea una h-
(iha do trilhos dos bonds, vive ordinariainente ato-
pelado do quanta calisse e lijlo ha, de forma :
cansar verdadeiroa embaraces o atropellos ao ira-
fego publico. De presente as dilliculdades do
transno ton ereseido |>or causa d muito emuifK
e 011 tros objeetos a'li depositados entretanto nao
ha olhos fiscaesipie vejan esses desregramentost
nem apparecem providencias que tendatn a me-
lhorar csse estado do cousas. Quantum mutalm
ah illo 1
lui/.urio de paz..- Acha-se em eseroieki
de jiiiz do paz da Boa-Vista o eidadJfo lenenle-co-
ronel Antonio Carneiro Machado Rtos, da antoo
cias as (piartas-leiras e sabbados as quatro ho-
ras da tardo, nos Coelhos, casa n. 7. Assim como
acha-se enc.irkulo no oflieio de escrtvo da mes-
ma freguezia o cidadio AIvjjto Paulo Noblato, |>or
ter pedido exoneraeio o que o exercicia Frao-
cisco de Barros Correa.
Iinnuey.a de Braganen.-Nosso corres-
pondente de Lisboa diz-nos, ultima hora, que
contina a ser perigoso o estado de saude do Si M.
I. a Sra. duqueza de Bragatica, viuva de S. M. o Si
D. Pedro IV de Portugal e I do Brasil,
Vaoia tibiez Talismn.LtKOQ*
no Jornal do Commortia de Lisboa do ib
de Janeiro :
Foi a pique o vapor paquete ingles Ta-
lismn, na lat. norte 40' long. 9"3' O.
(ireenwich, salvati'lo-sc felizmente a equipa-
gem, composta do capilao, C. J. Waison e
14 tripolantes.
Estes nufragos foram trazidoa a esto
porto, oivlc cliegaram esta manha, pele
patacho ingle/. Eugeno, que segua de i -
nutri para Bristol.
A causa da perda do vapor foi o ter o
navio feito agua.
O Talismn pertencia casa I.atnbport
iV Holt db Liverpool.
c Vinlia de Santos com destino a Bam-
burgo; e como todos os barcos moderua-
msota construidos, era do .ferro. O emba-
te forte do mar foi a causa ronhecida de se
desconjuntar.
> duque de Medinaceli.lalio-
ceu em Pars este gentil homem de llcs{w-
dia. I'.ra o homem tuais rico da peniisula.
Tinlia GO annos. Nunca occupou nentui-
ma postcao poltica com quanto a sua in-
fluencia fosse grande durante I reinado di
l). Izabel.
Adoccra de una constipato apanbada
em noitc de Natal na igrejn da Magdalena,
e desde entao que se queisava de dores in-
testina.es vi.jlentissimas. A cufermidado
apresento cortos, symptomas de cholera.
0 Jornal da Notte diz do fallecido duqu
o seguinto:
Este digno lidalgo liespanhol, setc ver
zes duque, quinze vezes marque/., quatoeze
vezes coifde, o tres vezes visconde, cavalhci-
ro do Tosj de Oiro, e dos primeiros rilto-
cratas da Europa, era modesto e affavel to-
mo poneos. At (piando ouvia coisas que
ocontrariavain, sabia responder sem aggra-
var iingueni. Uto da conversando com
varias pessoas acerca de ctimprir devoro
religiosos, exelamou uma dellas :
Eu c, digo-o bem alto, nao vou nun-
ca a" missa,
Pois cu, respondeu o duque sorrindo.
vou todos os d as, mas nao o digo.
Ilere. O nosso prezado amigo I).
Benigno Joaquim Martinez, chefe da repar-
licao do ministerio dajosca em Hespanha,
foi agraciado com a commenda de Carlos
III, ttwe ileputos, em recompensados ser-
vidos prestados ao dito ministerio na com-
missao que veto desompenhar a Lisboa, cu
1871. A o seu merilo pessoal deve tao tl-
lustre cavalheiro as mercs honorificas re-
cebidas do sen governo o dos governos *s-
trangeiros. E' commendador de duas or^
dens illustres de Hespanha, da ordem da
Conceicao de Portugal, c cavalheiro de uil-
ferontos ordens estrangeiras, entre ellas, dos
de S. Tiago e de Christo, portugue^s.
Sao bem cabidas estas distinecoos era quera
sempre tovo por norma de vida o trabalbo
honesto, o amor da patria e da familie, e 1
lealdade de amigo.
Damos-lhesos parabens.
I.SS** carro de oir :O Si.
Hoque Barcia, em umeloquente discurso im>
senado hespanhol, para combater o rgimen"
absoluto e theacralico, mostrpu que d&'\<-
1492 at perder a Hespanha as suas colo-
nias n America, vieram para a sua patria
216 mil milhes do reales, cora os quaes s>!
poderiam carregar 16878 carros, razao.de
100 arrobas do oiro por cada um, accreo-
centando quo apezar de to abundantes
fontcs, a Hospanha nao era inais do que
uma nacao de frades o mendigos ;carecew-
do de caminbos, oauaes o outros eleaterito
para o desenvolvimento da agricultura i-
duslria e commeroio.
E' verdado. Era Portugal cooteceAi o
mesmo. E' porm corto que os radeo^Mr
ficaram conventos e cultivaram muitas. n
guas de terrenos, com o que augmeotefam
consideravelmente a- riqueza publica, *
heranca dos frades recebida pelos governos
liberaes de Hespanha e Portugal nio fe*d#-
quena, Infelizmente essa enorme heNtMfa
nao servio para caminbos, cauaes nem paia
nenhum desenvolvimento da agricultor*,
industria e comraercio. Tanto eso HS|V-
,
*
.






I


i


7
Diario de Pernambu
Quinta feira tf de-Fevereiro de 1873.
'3
alia como om Portuicnl essa heran?a desap-
pweceu sem dola licir vestigio algum eni
ooisa de pubHca utilidade.
Vapor Chrysollte.-Era esperado ora Lis-
boa de 29 a 31 de Janeiro, em viagem para Pe
namhuco.
Naufragio. Lemos no Commercto do Porto,
de 19 de Janeiro : ''
Honloiu por volta das i horas da tarde, vmdo
a entrar a barra a barca Nora Palmara, una vol-
ta ti.', mar partio-IIie a roda de lome, c desgover-
aando, fui a wubarcafo balor de encontr as po-
dras de Felguoiras. Desde esso momento o navio
eoosiderou-.-' ooHipletairienle perdido, em conse-
cuencia de ter en ral lia do no sitio do Caes Novo.
"par detraz do castello.
riego qn" se teveconhcciinento dosinistro, sa-
Lio o salva-vidas em soccorro de tripolarao, porem
r^U pode salvar-se por iupo de uin cabo de vai-
rm.Ju> se tornando perianto necessarioo auxilia
co ruforfdo lia reo.
Duran!/ a nouto a ciiibarcacao, com o embate
da> onjlas, fez-sc pedacos, apparecendo hoje de
panlia algiuii'destroces na praa, arrojados pelo
mar) bem como dous porcos, j morios. O cao do
navio appareceu tambeiii demanha, vivo, podendo
salvar-so a indo durante a noule. O navio des-
fez-se to repentinamente que nao pode salvar-se
a mnima parle da carga nem do apparelho.
A Nora Palmeiru, qi.e vinba do I ara por Lis-
boa, com 45) dias de viagem, trazendo uin earre-
gaiaonlo de sal e. varios gneros, era commandada

pelo Sr. eapitao Sobros, pertencia aoJFr. Joaquim
Adri da Roclia, de Matfiosinhosr A carga vinlia
consignada aos Srs. Antonio Jos Martins & C. ;
quanto acmbarcacA iufor.nam-nos de que eslava
segura as eompanhinhas Garanta e Ssguraiira.>
PassHK-elros.Viudos da Europa no vapor
in^lezChimborazo :
Oulhermino de Souza, Augusto Pinto, Joaquim
Antonio Moreira e Augusto de Mello Soares.
Leiles.Hoje ,6 do corrente, efteetua o agen-
te Pinto, em seu escriptorio ra do Rom Jess
n. 43, o leilo de predios nesla cidade e em seus
' suburbios.
Amanh effectuar o mesmo agente o leilio
' de faianda, miudazas, fon geos e mobilias avada-
das existentesom sen escriptorio, onde se effectua-
i r o leilo.
Casa de detencao.Movimento do dia
4 de fevereiro de 4873 :
Exisliam (presos) 348, entraram 5, sabirain 10,
1 existem 348.
A saber :
Nacionaes 230, mulheres 10, estrangeiros 44,
eseravos 51, escravas 5.Jotal 343.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 28Q.
Movimento da enfermara do da <*> de fevereiro
de 1873.
Teveram baixa :
Vicente, escravo, de Bernardo Nogueira ; febro.
Amador, escravo, d> Osmindo Concia ; febre.
Joaquim, esccravo, nao diz de quem ; idiotismo.
Pedro, escravo, idem anemia.
TABELLA IX) HENDIMIENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBUCO DO MEZ DE JANEIRO DO
CORRENTE ANNO FLNANCEIRO, COMPARADO COM 0 DE IGl'AES IEZES DOS
DOUS ANNOS LTIMOS.
Importa/io
Direttos de consumo.....................
Dtlo de augmento de 10 /. 34 O/o e 28 O/o..
Dito de dito de 30 -,'., 23 (/0 e 21 O/o.......
Ditos addieionaes de o %.................
Expediente de o /. dos gneros livres de di-
reitos de consumo.....................--
Armazenagem................
Despacho martimo
Ancoragcm.
Exportacao
Diretos de !.*> % do pao brasil.............
Ditos de !) / de exportaeao...............
Ditos de 2 I,i ,,idem....................
Ditos de i i/i u/c do ouro em barra.......
Ditos de 1 /'o dos diaman tes...............
Expodiente das capatazias................
fWW'ivr
Renda da typograpbia nacional............
(proporcional por verba......
Sello do papel < lixo......................
(adhesivo..................
Emolumentos ..........................
Iin|H).sto de transmiti de propriedade, a sa-
bir : de 5% da vendaje embarcado...
Dito de.l"/ da arreroataeao de bens movis.
Extraordinaria
Rec-oita eventual.........................
1872 1873
Btpuitoi
Depsitos de diversas origens.............
Dizimos da provincia das Alagoas..........
Dito da provincia da Paraliyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Caotribuicao para cafa de caridade.........
085:3885399
17:668A638
5.235*87:
125:283*139
5:715*379
3:995*868
8:190*750
303:598*990
703
15*000
28*320
787*000
858*350
214*500
3:665*958
i, '.22:670*866
" 4:834*518
16:286*670
1081833
2:139*882
1.340:046*469
1871 1872
42:317*203
175:631*421
2.172*793
119:752*297
4:228*798
12:812*852
8:041*503
327:245*90:
1:622*042
821*400
679650
179*000
2*220
1:238*485
1S10 1871
418:373*839
141:558*892
1:389*639
77:546*881
2 347*515
9:771*967
7:531*500
161:795*298
1,296.808*566
5:5065311
,5:890*143
21:480*636
729*261
2:175*547
1,333:590*461
876*050
20*000
779*400
593*860
57*521
1*881
432*459
826:079*702
999*909
7 380*762
6.915*606
1:718*263
843:091*212
Aifandega de Pernambueo, 3 de fevereiro de 1873.
Serviodo de chefe da 2a scelo,
Anselmo Jos Pinto de Soma.
ro&gflfjjES k PEfflOO.
\il:iiiiiiwti'H;n la provincia.
I"'oi exonerado, a sen podido, o Sr. I)r. Pe-
li > Alfonso Ferreira, da presidencia desta
provincia, e Borneado para igual cargo na
de Santa Cathaaa, para omle sogir em
breve.
.>. Ee., obegando esta capital, mostrou-
5t animado dos melhores desoos de ser utii
provincia ipn' Ihc lora conliada, e, por ins-
taes, cerrando os ouvidos aos manejos iu-
.!< ix-ntr-, (ue conslitnem a principal base da
poltica da ierra; pareceu querer, deveras,
dar vigoroso impulso aos negocios pblicos
quema:; devonam attralir a atlongao .de
qualquer administrador circuiispccto c betu
intencionado.
Mal trarava o Sr. l>r. Pedro Atlonsoo seu
piano fle aoverno, quun.lo fui aurprodido
peb).iurac&0 da uissoluc&o da cmara tem-
:ia, que agitara todo o paiz, em nome de
urna dictadura, que a todo custo quor su-
leritar-se no poder.
Hoc opul
, O Sr. Dr. Podro Vlonso, desde enlao, nao
se lembron aenao de bem servir ao furern
i que era delegado; e, neste proposito,
aceiteu urna chapa confeccionada pelo gre-
mio conservador, com posta de nomos desco-
nhecidos no paiz, ; quat prestou ornis de-
i lido apoio, nio ponpando meios para a cou-
;o do seu triumplio.
l'ahi a resistencia porfiada da opposco li-
li, qu leudo elementos incontestaveis
em dit'entes freguzias, nao se quiz submet-
ter rontade imponente dogoverno* nessa
conquistadas urnas-, d'ahi asscenasluctuo-
sas que tivemos de lastimar, as prisoea arbi-
traras, os processos, as duplicatas, o todo
e5->e cortejo de reacco ;s que converleram o
proessso eleitoral em um drama trgico
idiculo.
Vdssada a quadra eleitoral, o Sr. Dr. Pe-
d' Alio.i, i couhecera o caminho tortuoso
< Uivia seguido. S, sem o concurso siu-
i-.-ro de um partido forte, que dease a neces-
aria fona sua adioinistraeao, apenas ro-
dea lo por aquellas qne auferiramosproveu-
ia stuai;ao, atormentado de exigencias as
disparatadas, suscita las palos fabrica-
dores das elecoes ensanguentadas de Barras
'arnanyba, pelos promotores da eleico
laudestina da Manga, pelos ccetenos da
l'regiiezia do Amparo de Theresina; S. Eatc.,
litio melhor avisado,.pareceu nq querer
i ompanliar a on la malfaseja que creseia -,
'ii-. pediatn o recrutamento dos dytcolot
que Busarjm pleitear a eleii;o ; processos
acjntosos, coioo meio d^rovar sua br^a e
prestigio ; a pun^ao da magistratura vitali-
'ia, que lnes creara embarazos no emprego
de suas violencias !
O presidente nao acorocoou a persegnico^
'i.:. donvorteu-se em echo de seus oapricnos,
anfespraticoii alguns actos deiustica, mes-
mo cin favor de adversarios, obstando pou-
t-o a ponen as oxigene ias criminosas desses
homens doscrdos, meros adoradores do sol
qtf nasce.
murmuriii, pois, que nota-se em seus
arraiaes contra o fuccionario a quem das
antes eregtam altares de lisonja, nao foi dc-
vjdo o mal qua-lhes fez, mas ao que dei-
xou de promover-nos.
fia adminislracao propriamente dita, pou-
co fee o Sr. Br. Pedro Alfonso : ticbou os co-
fres coinpromcttidos com grandes dehitos, e
os deiiou no mesmo p de apuros c cir-
cumstancias ; nao au,rmentou porm, o or-
;.ament cooigcstos si.perlluos om mero pro-
vetO de lilhotismo : s.eu governo, que foi
curto, circumscreveu-se ao iudispensavcl em
materfaf econmicas, nao sendo subservien-
te, como o de alguns dos seus antecesso-
res
Por ultimo, o contrato que S. Exc as-
iou com a companhia de navegaco per-
nambucana, para faror tocar seus vapores
*s vezas, emcala mez, no por lo da Amar-
racao, tem gratulo alcance; abre noves lio-
risontes ao commercio e futuro engrandeoi-
mento da provincia.
Eis o nossojuizo imparcial o desapaixo-
nado sobre" aadmiuistrar;o que linda.
(Imprenta, orgao do partido Liberal -lo
Piauhy, n. S68de,ldeiezeinbro.)
Collegio Abilio.
Os.estatutos dcslc afamado eslalielreimenlo de
iiistnic.'ao primaria e secundarla, silo no Rio de
Janeiro, ac!iain-se em distribnican na fjrraria
Franceza, onde se prestaran toda- as iuforniae.es
exigidas pelos interessados.
PH.U'.A DO REGIFE 5 DE FEVEREIRO
! DE 1873.
as 3 1/2 HORAS DA TiBDE.
C'otMcdeM olfeiaoM.
Assucar liriitn ainericaivi superior 2-i 100 por
15 kilos.
Algodao do sertio sorle 10.a por 15 kilos.
bonteni.
Cambio sobre Londres a 90 d,v. 26 3|8 d. e 26
i d. por 1*000, hontem.
Leal Bevc
Pi'lu presidente.
A R Pintode Mesipiila
Pelo secretario.
1 ALFANDEGA
R.-ndimenlo do dia 1 a 4 219:127*675
dem do dia 5...... 49:233*853
208:383*510
Uescarregam boje 6 de fevereiro de 1873
Vapor inglez Lanarkshire carvao j despa-
chado para o caes do Apollo.
Grigue inglez Coila mercadorias para alian-
. dega.
Barca ingleza-//erai/OHcuu'ivaduri i- para al-
fandega.
Barca portuguesa AlexandreHereulano -varios
gneros para o trapiche Gouceico, para
despachar.
Patacho inglez Airla varios gneros para o
trapiche Conceicao, para despachar.
Brigue ingljzi/ovtW varios gneros para o Ira-
piche Coneeicjio, para despachar.
Barca ingleza Janifie Albrtfarinha de trigo j
despachada para o caes do Apollo.
Patacho inglez Sly Boots farinha de trigo j
despchala para o caes do Apollo.
Patacho inglez -Torest Kiny -lucallin j despa-
chado para o trapiahe Conroieo.
Barca franceza Angnstin farinha de trigo a
despachada para o caes-do Apollo.
Biujoi'iitf*So.
Galera portuguesa asa, muta do Rio de Janei-
ro, consignada a Tito Licino Soares. mainfesUu:
Barricas vasias 910/2 a Antonio Joan Furtado,
460 a J. J. Goncalves Beltrao.
Cerraja 20 barricas a J. E. Goncalves Rusas.
Farinha de trigo 1203 barricas a ordem. Fa-
relio 200 saccas a J. J. Altes.
l.ailrilho 10 caixas a M. (tastos Ahrou.
Pipas va-ias 103 a Ainorim Irui" & C.
PolacahespanlwlaVi.o?.E?T\. viuda de Barcelo-
na, consignada a P. M.Maarg, manifest* :
Alpiste 12 barris.
Passas 600 caixas e 295/2 djtas.
YinJio 220 (lipas, 16/2, 48/i, 65/5, 270/10, ludo
ordem.
Vapor inglez Ciiiiiiokaso, lindo de Liverpool^
! consignado a Wilson Roue & C. manifestn :
Carvao 650 toneladas a companhia Pernaml u-
cana.
DESPACIOS DE EXPORTAgAO NO DI \ 4 DE
FEVEREIRO DE 1873
Para os partos do exterior
Na barca francoza Mu'hien, para Liverpool,
carregaram: T-. Freros & C. 403 saccas com 3.4,721
11(2 kilos de algodao.
f-Na barca ingleza Victoria Taiktm, para Liver-
I pool, carregou : P. M. Maurv 442 saccas com
i 31,748 1(2 kilos de ateodo ; R. Schmettbau'4 C
218 ditas com 15,732 ditos de dito.
No brigue inglez Stmerald. para o Canal,
I carregou : H De La Grange 600 saceos com
45,000 kilos de assucar mascavado.
No navio germnico Olto Grafzu Stolbug,
para Valparaizo, carregaram : Carvalho 4 No-
gueira 538 saceos com 40,360 kilos de assuoar
branco.
Na barca portugtieza Claudica, para o Por-'
to. carregaram i Santos 4 Araujo 1 barrica conr
72 kilos de farinha de mandioca, e 1 dita com 51
tilos de assucar branco.
Na barcaporlugoeza Amfiia, para o Porto,
carregaram : A. L. O. Azevedo 4 C. 4 barricas
com 368 kilos de.assucar branco.
Na barca portuguesa Leoh>dh\a, para o
Porto, carregou J. C. -ftispo 12 prancliSey do
amareljQ.
Na barca nortugueza Luzitanin, para a Una
de S. Miguel, carregou : J. F. da Silva 5 barricas
com 1122 kilos de assucar branco.
No patacho allemSo Theodor, para o Rio da
Prata, carregaram : B. ORveira 4 ('. 220 barricas
com 25,524 kilos de assucar branco e 30 ditas
com 3,568 ditos Ce dito mascavado.
Para os partos do interior
Para o Para, no patacho portuguez Adttino,
carregaram : B. Oliveira a C SOS barricas e*m
83,877 kikis de assucar branco ; P. Vianna 4 P.
100 ditas com 7,200 ditos de dito 25 ditas com
920 ditos de dito mascavado.
Para o Rio de Janeiro, no brigue brasileiro
Isabel, carregou : C. M. Temporal RIO barricas
com 75,000 kilos de assucar mascavado.
Para o Rio de Janeiro, no patacho brasileiro
Ufara Amelia., carregou : A. Basto 200 barricas
com 150,000 kilos de assucar branec.
Para o Aracaty, ho hiaie brasileiro -V. S. dos
Navegantes, carregou : Cosa 4 C. 24 barricas
com 1,600kilos de ssacar retinado.
CAPATAZL4 DA ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 a 4
dem do dia 5 .
1:854*021
SV2A946
2:396*970
VOLUMES SAHIDOS
No dia I a 4 u
Primeiraptirlano dia 5 .
Segunda porta.....
Terceira |rla.....
Trapiche Gonceicao .
SER VICO MARTIMO
Alvarongas descarregadas no trapiche
da aifandega no dia t a 4
Ditas ditas no dia 5......
Navios atracados no trap. da aifandega
Alvarengas......
No trapiche Concoieao ...
3,197
464
64
353
827
4,703
12
1
4
17
RECESEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia-1 a 4 2:8!8.>38
dem do dia 5...... l:277*59o
4:116*133
CONSULADO PROVLNCIAL
Rendimento do dia 1 a 4 35:215*405
dem do dia o...... 9:436*653
44.652*058
__________
MOVIMENTO 00 PORTO
Navios entrados no dia 5.
Rio Grande do sul 33 dias, p itacho portnguei
Cliristina, de 214 toneladas, capilo Joaquim da
Siiva Loureiro, equipagem 10, carga 157:500
kilos de carne, a Manoel da Silva Maia.
Greenok31 das, brigue inglez luzitania, de
137 toneladas, capitn Andrew Clark, eipiipa-
gem 10, carga 1,200 barris com plvora e cu-
inos gneros ; a Adamson Howie 4 C.
Rahia5 dias, barra ingieza Kohinoor, de 259 to-
neladas, eapitao J. 11. Goo,*r, equipagem 10,
em lastro ; a Johnston Paler 4 C.
Rio de Janeiro-21 dias, brigue inglez Rosehall,
de 272 toneladas, eapitao W. Ungeod, equipa-
gem 8, em lastro ; a Llndstonc Robelleard 4 C.
Montevideo39 dias, barca ingleza R*by, de 551
toneladas, eapitao C.-H. Cooper, equipagem II,
em lastro; a ordem.
Cette65 dias, brigue austraco Pietro, de 560
toneladas, capitio Sotrato, equipagem 11, carga
sal ; a Johnston Paler & C. Arribou com
agua abcrla : seu destino era Santos.
Liverpool, Bordeaux, Lisboa e S.Vicente -20 dias,
sendo do ultimo porto 5 Vapor inglez Mu-
gellan, de 2,443 toneladas, coinniandante Cor-
dn, equiparn 122 ; a Wilson Rowe 4 C.
Barcelona por Malaga61 dias, sendo do ultimo
porto 39Polaca hespanliola. Floresta, de 178
toneladas eapitao EleonorMtllet, equipagem 13,
carga viaho e outros gneros ; a Pedro M.
Mam \.
Rio de Janeiro-17 dias, barca ingleza Raja* of
Sarwak, de 484 toneladas, eapitao J. Norton,
equipagem 13. em lastro; a Johnsioii Paler
& C.
Navios'sabidos no mesmo dia.
SantosLugre brasileiro Amelia, eupito Augusto
V. dos Santos, carga assucar e ouaos gneros.
CanalBrigue alloman Mathild.', capillo Justos,
carga assucar.
Palparaiso Papor inglez Megellan, commandanle
Cardn. _
O tenente-coronel Francisco Carneiro Machado
Ros, juiz de paz presidente da junta de qua-
lificaco da frecnezia do Santissiino Sacramen-
to do bairio da" Roa -vista, da cidade do Recife,
provincia di' Pernamlmco, em virtude da lei,
etc.
Faeo saber a todos os eteitores e supplentes, qne
em virtude da lei regulanientar das eleiees e
ordens da presidencia, me fnraiu comnunf-
cailas pela cmara municipal, em officio de 29 de
Janeiro do correle anuo, convido os eletores c
supplentes da parqehia cima mencionada, que
vo abaixo designados por seus nomes, para que
comparcam na priinera dominga do mez de
mareo prximo futuro, no corpo da igreja ma-
triz desta l'reguezia, pelas 9 Inras da nianlia,
afini de organisar-se a junta qaalifleadora que
t.Mii (l-i rever a qualifieaco anteceden c e qua-
lificar os volantes e eleiftos de eleiiores, jai
zes de paz e vetcaclores da cmara municipal.
Picando scientes os referidos elabores c supplaales
abaixo declarados que soll'rerao a multa de qua-
renta a einebenta mil rs., se- nao comparecesviu,
ou se tendo comparecido nao assignarem a res-
pectiva acia.
Eleitores.
Tenente-coronel Antonio Carneiro Machado
Ros, desenibargador Caetano Jos da Silva San-
tiago, majar loo Francisco Antones,majer Fran-
cisco Martins Raposo, Dr. Manoel Barbosa He
Araujo, professor Simplicio da i'.u Ribeiro, ne-
gociante Andrade Casimiro Guedes, Dr. Ci-
priano Fenelon Gueilcs Aleoforado Dout.r Mi-
guel Jos de Almeida Pernambiico, negocian-
te Jos Martins do Ros Jnior, Joaq'mm de
Gouveia Cordeiro, capitio Manoel do Nasrjnien-
to da Silva Balus, negociante Francisco Joaquim
de Mello Tavares, capit o Manoel Gomes de Fi-
gueiredo Castro, proprictario Jos Carneiro da
Cunha, .tenente-coronel -joaquim Jos Silveira,
Antonio Joao dos Santos Ferreira Bastos, Jcro-
nymo Pcreira Moreno, i mpregado publico Alva-
ro Pereira de Sa, lenenle-corunel Joaquim Car-
lao de Souza Cnisseiro, eapitao Joaquim Cus-
todio de Oliveira, empregado publico Joaquim
Gusmo Coelho, Juaquinj Jos Ferreira da Pe-
nha, padre Francisco Alvos de Abrants, pro-
prietario Ale.xandre dos Santos Barros, major
Luz Antonio Ferraz, Dr. Joao Jos Ferreira
de Aguiar, Dr. Manoel Clcmentino Carneiro da
Cun a, eapitao Jos Maria Freir Gaineiro, le-
neBte-coronel Theodoro Machado Freir Pereira
ta Silva, negociante Nicolao Polentino de Car?
valho, tenente-coronel Francisco de Miranda
Leal Seve, major Cartano Cyriaeo da Costa Mo-
reira, Dr. Daro Cavilcantt! do Reg Al'uquer-
que, Dr. Adolpho Lamenha bis. Dr. Pedro do
Athahyde Lobo Moscoso, tenente Frnsi;co Pache-
co Soares, Dr. .Manoel de Barros Barreto.Sir- Se
basno do Rece Barros de Lacerda e tenont^-co-
ranel Joo Yaleniim Villela. v.
Supplentes.
jo, Dr. Eduardo Augusto de Oliveira, professor
Gemniano Joaqun) de Miranda, eapitao Joo dos
Santos Porto, negociante Jos Candido de Moraes,
AnUmio Loanidas de Durville e Silva, artista Cy-i
priano Rodrigues da Silva Campo,.Antono Can-
dido de Guimares Silva, negocianle Jos oaquipt
da Costa Lcite, negocaote Joo Ped.ro Baptista,
lente Benjamiu Vires Dulra, ltela Alexandrc
Dorollioo das Marres, Joaquim MWto Marino, Ma-
mede do Reg Barros Fonceca, Antonio Manoel
Colho da Silva, negociante Jos Quintino de Son-
aa Travassos, artista Cosme Jes de Paula topes
Nevos. dcspaohant.oElysio Alberto Silveira. cida-
do Joaquim dos Santo Azevedo, cidanRo Jo*
Lopes Vianna, cidada Joaquim Jovin Honorato
Bastos, Jos Carlos Jl<.-nde., empregalo rmMieo
Julio Cesar Caidozo Ayre', Jos Joaquim (\feiia
empregado publico Joo l^opoldino do Reg, ar-
tista Jos Francisco de Pauta Ramos, Manoel Joa-
3uim da Conceicao, empregado publico Manoel
e Miranda Caslro, cidadao MarcoJino Jos Pupe,
Bernardino de Lima Dias, Rodrigues Gomes da
Silva Reg, Francisco Joo Goncalves do Cabo,
cidadao Victorino Antonio Martins, cidadao Fran-
cisco Alfonso Ferreira, negociante Joo Martins
dos Rios.
E pora constar mandei passar o presente, que
ser atinado nos lugares uiais pblicos desta fre-
guezia, e publicado pelo aprensa.
Eu, Alvaro Paulo Noblato, escrivo, subscrevo o
assigno em At de verdade.
Recife, 31 de Janeiro de 1873.
O juii de paz presidente,
A ntonio Citrtuiro Machado Rios.
DECLAACOES.
SANTA CAS.\ DE MISElUCORDIA-DO
RECIFE.
immIow venda.
A junta administrativa da san'.a casa de mise-
ricordia do Recife, aulorisad pela i residencia e
de conformidade com osen coiupromisso, leva a
oraca de venda, na sala das suas sessoes, pela* 3
horas da tarde do da 6 do Crrente, os eguintes
predios, tomando por base as quantias offerecidas.
Mei-agua do largo da Campia n. 3' 230*000
Casa lerrea da ra de S. Jorge n.
92, e a casa terrea da ra dos
Guararapes n. 85 3:300*000
Casa terrea da ra da Matriz da
Boa-Vis a n. 56. 2:000*000
klem da ra da Gloria, boje Visean-
do de Albuquerque, n. 61 2:0 0*008
Mei-agua da ra de Antonio Henri-
quesn..26 161*000
Sobrado n. 57 da ra da Gua, hoje
Restaureio 3:000*000
Secretaria da sauta casa de misericordia do Re-
cife, Io de fevereiro de 1873.
O escrivo,
______Pedro Rodrigues de Souza.
Arrematagao em Olinda.
No da 6 do correle mez, depois de linda a au-
diencia do lllai -Sr. Dr. juiz do eommeikrda
comarca de Oliudn, tem de ser arrematado em
iraca publica, inn sitio com casa de vi renJa, no
ugar de Agu -Fria do Belieribe, penhnrado por
execH-.o de Paulo Jos Gomes k Costa, contra
W. Neberng c sua mulher, o sitio lodo mura-
do na frente e gradeado de ferro, com por-
tao, sendo a casa de pedra e cal, nova, com 48
palmos de frente e 8S de fundo, 2 salas, 4 quar-
os e coziiiha, com porta e janellas na frente, e
janellas para ambos os oitoes, chaos proprios,
1do avahado por 8:000*. Escrivo Costa Mon-
teiro.____________________
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECfFfi.
A Rima, junta administrativa da santa casada
misericordia do Becife, manda fazer pulilico que
na pala de suas sessoes, no dia 6 de fevereiro cor-
ronte, polas 3 horas da tarde, tem de ser arrema-
tadas a ipiem mais vautagens ollerecer. pelo tem-
po de uin a tres anuos, s rendas dos predios em
seguida declarados.
Er.VBELECl MENT DE CARIDADE
Hua dos Acuuguiihos.
Casa terrea n. 56..... 98*000
Ra do Amoriin.
dem n. 26 "...... 303*000
Ra de S. Jarge.
Sobrado n. 30........ 240*000
tinco Ponas).
i\ Dos.
340*000
360*000
1:400*000
v ital 6 Negreiros
Casa terrea n. H2 .
PATRIMONIO DOS OUPHAOS.
Ra das Larangeras.
Casa terrean. 17. .
Ra da Madre
Casa terrea n. 4.......
Ra da Senzala-velha.
Casa lerrea n. 16...... 108*600
Os pretendentee dever'o apresen'ar no acto da
arreinataci) as suas liancas, ou coinparecerem
ac rpanliad is dos respectivos liadores, toreado
pagar alem da rend, o premio da quanlia por
que for seguro o predio que. contiver eslab eleci-
meiito comuiercial, assim como o servieo da lim-
peza e precos dos apparolbes.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, I de fevereiro de 1873.
O escrivo
Pedro Rodrigues de Souza. ____
Sabbado 8 do correle linda a audiencia do Sr.
Dr. juiz de direito da 2.* vara, do civel, vai a
prac para ser arrematada por quem mas defa
rasa terrea meia agua feila de pedra o cal, em
chaos ferelrJS, aqual Oca nos fundos da .casa ter-
reada ra da Concordia n. 2; dita meia agua tem
uinaf porta. 1 janolla, com 22 palmos de largura c
40 ul Ruido, i sala, 1 alcova e mais 1 iiuartinho,
seiufc a serventa da referida meia agua por 1
besc, (pie vai ter ao caes doCapibaribe.tendo sido
avaliiida em 2:000*000: vai a placa pelo prefO da
adjudicarlo que veui a ser por 1:600OOO e vai a
praca por oaaanp < de D. Maria Joaquina de Oli-
veira Campos, j fallecida, hoje representada por
seu testameuteiro Joaquim Manoel Ferreira de
Souza, contra Joo Man el de Siqueira e sua mu-
lher.
SAMA CASA DA joISERICOUOlA DO
rkcifi:.
Peh secretaria da santa casa da misericordia
do Recite se convida aos prenles das menores
em seguida declaradas,para que as van recolher
ao collegi i das orilias vido ordem para seren all admetlidas.
Digna, Olaa de Joaquina Francisca de Sanlelino
Barros.
Erininia, filha de Joaquina Roca dos Prazeres
Souza.
Anna. filha de Sophia Carolina de Moraes e
SUva.
Joaquina, lilha de Francisca Maria do Espirito
Santo.
Maria, filha de Amelia Augusta de Mello Albu-
querque.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife 6 de eveivir de 1873.
O escrivo
_________Pedro Rodrigues, de Souza,
gabbado-8 do correle,, linda a audiencia do
Sr. I'r. jui de direito la 2- vara do civel, vai a
praca para ser arremata la por quem mais der, a
casa terrea sila ra de S. Joao, freguezia de S.
Jos n. 33. e.oin porta e janell.a de frente, om 21
palmos de largura e 56 de fundo, 2 salas, 2 quar-
los, rozhiha externa com 1 qnarto contiguo a
inesina. quintal murado, cacimba inecira, edifica-
da em cha foreim marinha, avallada por dous
eentos de ris, penhorada por execueo de Manoel
Martins Fiuza contra Severiana Maria da Con-
ceicao.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz p Mies que ueste corrente mez de- feve-
reiro (ue se inda o pnso do pagnmvnto sem a
multa de, 61'/0, d;i taxa dos eseravos, relativa ao
oxercicio de 1872-73, depois do que sera cobrada
com a referida mulla.
Recebedoria de Pernambueo, o de fevereiro de
1873.
O administrador. .
Manoel Carnei o de Souza Lacerda.
CORRE10 GEHAL.
Relacao dos objectos registrados existentes na ad-
miuisiiaeo do eorreio desla rdauV, para as
pessoas abaixo uieiicionadas.
Antero Augusto de Abreu, Andr C. Pereira,
Anselo J. da Fonseca Ramos, Abilio de Souza Cou-
linho, Antonio de Araujo Santos, Antonio Vartins
da Silva, Celso de MagaHies, Delio Luirio, Emi-
Iio de Moraes Ferreira, Ensebio da Cunha B,
Francisco de -Paula Rosa, Felippe Pereira S". de
Araajo, V. T.da Rocha Uenvra, Guillvermina de
Siqueira & Silva, Geovanni Caluchio. Gustavo G.
Goncalves, Congalo V. do Mkilio, Isaliel Mara da
Coocecao, Jovina '.Maria da Concoie o, Ismael
Francisco de Barros, J. J. Smedley, Julio Isaac,
**\
Jos lfivat JoseS'uU;'pues ^t*'- 'anna do R- de
Jess, Joao Jos lipdrigues, Luiaa F. de Souza
Mella, Luza de FrSJ>'.,; do Vasconoollos, Luu
Keller, Miguel A. PereW de -Souza, Miguel Ber-
nardo, Manoel F. do RW Barro-, M. O. de_Car-
valbo Pinto, M, Per ira do>&ntos, Manoel R. Pi-
mentel, Nabos C Be erra CavalQante, Pedro C de
'A. Le.itao Fw PoHcarpo X. RnW& Rosalinda M.
da Conceicao, R. Honorio da Silva,Hevcriano Fer--
reira de Souza, Thomai A. Espiuca. vTevluhano i.
da Silva tobo. \ ,
Adrmnisrracodo corrcio de Peruamipuco, t ue
evsreiro dp 1%#3. ". V
O encarrogado do registro, \
Amaro G. da S. Ran*

Kdllal eom pra/o de 31t sHaft NI. > 1.
Pela inspectora da aifandega de Pernambueo.
se faz publico qu achaodo-se as mereadorias
comidas nos volumes abaixo mencionado 5 a caso
ile sdrem arrematadas para consumo, nos termos
do Cap. 'G.* do Til. 3. do regalamento de 10 de
setemhro de 1860, os seus donos ou consignatarios
devero despacha-las no prazo de 30 dias, sob
pena de, ftndo elle, serem vendidas por soa conla,
sera que lites fique competiodo allegar contra os
effeitos desta venda.
Ariiia/etii n. 7.
Marca M A S S A, sem rtlimero. 13 Caixas,
viudas de Liverpool no navio inglez Witeh nf the
Teign, descarregadas em 5 de jnnho de 1872 e
consignadas a Tasso Irmos.
Aifandega de Pernambueo, 5 de fevereiro de
1873.
O inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
SANTO ANTONIO
EMPREZA VICENTE.
Quintn-feira H de fevereiro,
Reentrada da 1." actriz
Manuela Lucci.
E cstra do I." centro dramtico
Flavio Wandeck.
Representar-se-ha iela priinera vez nesie (bea-
ta, o magnifico e iuteressante drama em 5 actos,
traduzido do francez :
a filia do mmm
no qual a artista Manuela Lucci e o aclor Flavio
Wandeck descinpenham dous importantes papis.
O scenario do ultimo acto novo e pintado pe-
lo scenographo L, Chapelin.
Coiuecara s 8 i|2 horas,
n
VARIADO CONCERT
Vocal e iiislmniontal
Sexta-lern 3 de fevereiro
NO GRANDE S,M..\0 DA ANTIGA ACADEMIA.
EM OLINDA
s S iiM-i: horas da noute.
No mesmo tomarto parte os seguintes artistas :
Sra. Magdalena BrucionLSra. Adelc Poppc, Sra.
N. N., Sr. Giovanni Seolari, Sr. Jansen, Sr. Mar-
tins) Vianna, Sr. Mendonca, Sr. Luiz Gonzaga e
o Sr. maestro Poppe.
Programiiitt :
1." par*-.
1." Variaedes para l'ophcleide de Gaspar Kum-
mer, maestro alleino, executadas pelo Sr. Jan-
sen.
2. Cavatina da enera Ernani (Verdi, cantada
pelo Sr. Giovanni Sohvi.
3." Romanee cantado pela Sra. Adele Poppe.
4. Variaedes para clarinelta sobre motivos da
opera Salto il'acini) executadas pelo Sr. Martins
Vianna.
5. Cavatina da opera Macbel (Verdi cantada
pela Sra. Ilrneioni.
6. Romanea da opera D. Carlos (Verdi) caada
pelo Sr. Giovanni Seolari.
7. Variacoe para saxfono sobre motivos da
ope a Trovador (Verdi), executadas pelo Sr. Mar-
tins Vianna.
2.a parte.
8." Serenada da opera Fanal (Gounoirdi canta-
da pelo Sr. Giovan i Seolari.
9. Cavatina di opera Ernani (Verdii cantada
pela Sra. Magdalena Rrucioui.
10. Cavatina na opera Anna Bolena (Bonizzetti)
para ophicl-idc, do maestro Camas, executada
pelo Sr, Jansen.
11. Caneoneta, cantada pela sra. N. N. que f-
tilmente t na parte.
12. Do da o era Marino Falliere (Donuzelti).
extrutado pela ira. Magdalena Bracio ieuSr.
Giovanni Seolari.
13. Roman.a cantada pela Sra. Adele Poppe.
14. Tercetto de Ophiclede, intitulado a restau-
rai.ao de P rnambuco, do maestro Pedro Baptis-
t-, executado pelos Srs. Jansen, Mendoii'.a e Lnii
Gonzaga.
N. B. Depois do concert llavera um treni es-
pecial para conducco dos concurrentes.
|i
Para o Ro de Janeiro.
Pretendo seguir oestes oilo dias o brigue na-
c onal Isabel ; para o r4) da carga que llw
f lfa trata se com os -eus e nsignatarios Antonio
Luiz e Oliv ira Az ved, na si escriptorio, ma
do Rom Jess n. .*)7 ( utr'ora ra da Cruz).
CLAUDICA
Para o Porto
Seguir at sabbado 8 do cwrent, e recebe
ainda alguma carga e passageiros : a tratar com
Cunha Irmos A C, ra da Madre do Daos o.
34, ou com o eapitao.______________________
PAA 0 TORTO
pretende seguir neste quatro dias a barca portu-
Sueza Amelia, podendo ainda receher algn i rrsl.
e carga a frote mdico : a tratar na ma do Vi-
gario n. 1, 1" andar, escriptorio de Beltrao Olivei-
ra & C.
ATRO
gvhwsio mmm
NO
CAMPO DAS PRINCEZAS.
DIVERTIMEMO IMSTKI
Nexit-l'eira J le l*evei'eiro.
Depois que a orchesa houver executado nina
brillante ouverlura, representar se-ha os 3." e 4."
actos do drama :
OS DOUS ANJOS.
Seguindo-se a representaban do vaudevillc pas-
toril em 2 actos :
^^
mitmrin
H \i V/r;.i7*Vvi'Y/f7rV.)
Os bobotes, no lugar do coslume-
As 8 1|2 horas.
MISOS MARTIMOS
Babia.
Segu com mui'a bre id di para o Indi^do
porto o veleiro biate Garibaldi : ca ga e frote
tratar com os Srs. Tasso Irmos & C. ra flo
Ainorim n. 37.
- f
rjPAWu
KSSACERJES MARITIMES.
At o dia 8 do corrente m?z e-pera-se da Eu-
ropa o vapor francez Cambie, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres,
tocando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condi^oes, fretos e passagjens, trata-se na
agencia, ra oo Commercw n. '.I.
No dia 9 do corrente m do sul a vapor francez Mendoza, cominandanle
Benigni, o qual depois da demira do eostunie se-
guir para Brdeos, tocando em Dakar (Gofa) 8
Lisboa.
Para condiges, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Conimi'-eio n.il._____________
Rio Graiiite do Hu
Pretende seguir com muila brevidade para o
referido porto o voleiro palbabotc Rosita, p r ter
a maior parte da carga engajada ; e para a que
lhe falta, trata-se-com os consignatarios Joaquim
Jog Goncalves Beltrao fc Filho, ma do Com-
mercion-".
COMP1KH1.4
DE
\AVK(;VC\0 BMSILEIM.
Dos porto do norte
esperado at o dia
7 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, com-
mandaute Teive, a
qual depon da demo-
ra do c iiiuii' seguir para os do sul.
Encoiiuiieiidas de pstnsao valor, peso, medida
e tambem dinbeiro, recbense al 1 hora da lardo-
do dia da saluda do vapor.
Para Bretes c passagen?, trata-se na agencia, ra
do Commercio n. 8.
Para o Para
vai eahir al o dia 8 de fevereiro a barra nortu-
gueza Aiabella, de 1 ajaste, tem tres partes da
carga prompta, e para o resto que fhe falta, tra-
ta-se com Ferreira de Almeida & C, ra da Ka-
dredo Dos n. 36.
, Para
Seguir em poneos dias o paticho portugnez
Adelina ; para o resto da carga tratase com Pe-
reira Vianna cD C, ra di Vigario n. 11, pri-
iii iro andar.
Para o indicado porto, pretende seguir com piu-
cos das de demora a veleira barca nortugueza
A'oro Silencio, navio de l.'elasse, eapitao Ferreira,
por ter mais de dous tercos de sen carrea amento
prompto e para o resto que lhe falta e pas-ageiros
( para os quacs tem bonscoiiuiiodos,) traa se com
os consignatarios Joaquim Goncalves Beltrao i
Filhos ra do Comiiien-ii n. ."i.
Para o Rio de Jaiieiro.
Vai sabir com brevidade o lugar portu-
guez Almedina por ter a maior parte da carga
prompta : irata-so com E. R. libalo & C.: ra
do Commercio n. 48.
Para o Aracaty em direilor sabe nestes
oito dias o biate nacional JMIwm Amelia, de 1*
classe, eapitao e pralieo Francisco Tliomaz de As-
sis, j tem monde de, seu carivgamento engajado :
ara o resto trata-se eom seu consignatario Anto-
nio Alberto de Souza Aguiar, a ra do Amorim
n. GO.
LEILOES,
DE
una grande propriedade na Porta u'Agua.
i'in Anipucus.
CONSTAN!)!) DE :
Una casa grande de pedia e ral, Ivir da es-
trada, eom 31 palmos de frente e 35 de Jando,
com grande terreno e boa I axa da captan.
lima otaria para lelhas e tijollos.
Una casa terrea em lente da prioaia, com '..">
palmos di- frente e 63 d-* fundu.
Urna dita pequea que serve de ceebeJra, com 15)
palmos de frente e 13 de fnnd i.
l'ma dita de 12 palmo- do fronlo e 33 de fundo
lina dila eom 12 palio is de lenle e 3d de fundo
Urna dita sem repartuneuto, com a mesma (rente
c fundo.
Cia dita dila. eom un qmirlo fura.
Una dila dita, com 22 palmos de frente e 49 de
fundo.
L'ma dita dita, com 19 palmus do frente e 45 de
fundo, todas edilieadas em chaos proprios, ao
lado da levada.
HO.II.
Quinta-feira G de fevereiro
\o lirio ilia.
O agente Pinto levar a leilo, hora do dia
cima dilo, e em um s lot>. toda a propriedade -
cima dita, sendo : cerca de 8 nonas partes por
mandado do lllm. Sr. Dr. juiz de direito pr-vaoro
dos orphaos, em virtude do reiitierimento da vul-
va de Joaquim Pires Carneiro Monteiro, tutora de
seos tubos menores, e cerra de una nona parte
por aulorisaeao do procurador bastante, do her-
deiroqne seaclia ausente, o bacharcl Augusto
Carneiro Monteiro.
Os pretendentes poderao examinar desde j a
dita propriedade, a qual se loma reeommendada
pela sua posicao, entendndo se com o mraao
agente, e cencorrendo ao leilo (pie deve ter lugar
no escriptorio d ireferid > agente, ra do Son Je
-us n. 43.
i oii^-a |ri(t* Henriette Monteiro devuameule aulorisado pelo
juiz de orphios, requeren a venda das partas da
propriedade Polla dAgua, possuida por seu casal.
Ao annuncioila vendavoppoz Svmplironi > tMi;.:.
pi de Queiroga O aviso publicado no Diario n.
:8.'i de II de dezenibio prximo passado. J dr
outras veies Olympio iem feilo iguaes avisos aoque.
se lhe lem respondido.
Esla aivsposla que-aiuda agora reproduzimu-
t A viuva e filho d i lente coronel Plereocki
los Carneiro Monteiro conleslaiu o aviso do Sr.
Symphronio Olympio de Queiroga, pubhcado nos
Diarios de 2o 21 do corrente declarando : 1-*
que o Sr. Symphronio nao tem dominio pleno 1.1
terreno qiie se refere, peitencente ao sitio da
Porta d'Agua do Monteiro. mas somento direito a<
loro, que poresse mesmo terreno pagava o finad
Florencio ultima administradora do vinculo
Monteiro : 2." que esse foro tem sido lerolhiduao
deposito, para ser levantado peloSr. Symphronio
3 qu- a arrio por elle proposta pelo juizo mu.u-
cipal da i." vara, com o fin de converter o afora-
ment existente em arrendamento, depois de con-
testada, fieou ha mais de 10 anuos |uirada, a esie-
ra talvez do resultado da outra accao (concerneuto
ao terreno contiguo em idnticas circunistancias',
proposto pelo juizo municipal da 2.* vara, 6 qne
ainda pende de deeisao dus ltimos embargos dje
4eclaracao do mesmo Sr. Symphronio ao accord"
do egregio tribunal da relacao, que julgounui
incompetente a mesina aeran : 4,* finalmente
acircumstmria.de estar em litigio o referido -
reno, nao priva 0^2." contestatii- do poder voider
as partes dos dentis terrenos e das casas quo-toin
no sitio, nao sugeitas a litigio. >>
Convein, porem, aeere-eeutar o scguin'e :
Os ttulos, pelos qmies possuia meu finad mari-
do, e outros herdeiros do tenente coronel Floren-
cio Jos Carneiro Monteiro o sitio da Porta d'Ag'i i
sao escripturas authrntieas,qno existem em poder
doSr. agente de leiloes Francisco I. Pialo, a que
podem ser v istos pelos concurrentes.
Quanto aos foros dovidos. re piereii mouiiianoo
o deposito, e se elTeeluou o dos enlao vonciui des-
de I de agosto de I8;S at o ultimo de jullm id-
1864. raio de 6A40 rs. Os dos outw w^,
deve igualmente ser recomido a deposito nathesou-
rara, o qual deduiido do producto da venda i
colhido a deposito garante o dirwto de queuii quer
qne a eHe se jnlgue eom dii-qito, em fewr di-
quem for ordenado o levantamento, viste que par-'
elle passa a di-puta, como de lei.
Nada pode, pois embargar venda annunciad >
TaS^o Rio-Grande do Sul.
(IteOBbe carga a Trete o patacho portuguez Go-
ma Gtbtro-: trata-se eom E, R- Rabello & C.
I coa do Commercio a. 48,
Lvilfto
DE"
uas casas torreas de podre e-cal a I
g.a do Molo, da provincia da Parabyba
do Norte.
I>ias ditas na Baisa Verde, dcsla provincia,
[lmapeqnena faienda de gado om S. Bei.to,










Diario de PernaiubiToo -- Quita.feim % de Fevereiro de 1873.
T
esta provincia, owp-meia legua de tcrr*
toda cojeada, SO eb<>$as de gado.
HJE
as 11 hoiras.
Q agento Pinto cumprindo c mandado do lllm-
T>r. Dr. iuiz especial do ewnmereio, levar a le
lio o bens cima dito, nertericenles massa tal-
uda de Joaquim Silveri O leilo ser effetaado s 11 horas do da
quarta-fcjra 5 e tevereiro, era o escriptorio do
referido agente._________ ______
Avisa-se
fcTragom e miudozas, duas dita com mo-
,blIK?!k^^d^^S!!B1", 'a SKXTA-rhlRV 7 IX) CORRETE. (oj\i0 tcuente-coro-acl Feliciano Juaquim do San-
.4' IO koraM e mela do da. tos. e depois orneada ao bario de Na areth, re-
O agente Pinto levar leilo por autorisacio presenta lee 1t5 nos, t-in hita de do**es a
do Sr. gerente do consulado de Franca, era pre- frente e sene* do scu chancelle.- c por conta e risco de gas, soco do torpo; moiumgrn*, que toma- ijiprt uetemaberto i nuda Bram. 73 o
quem pertencer de duas caixas, marca F V G ns. rece 4a caaa de obrado ... *> da roa to Loe- PJB scnMttotot!s_ol educ" de meoi-
58c83eduasdil*,aicaPoAiis.3,2t,93,307, lhos, nue aera generosamente recerapensado. *-
todas a variadas, bordo da barca franceza San /-vrj X.\(\(i3[(ii
Ijoutz, vinda do Havre, e mais urna tita marca C. Avi3 d.WWWfWW.
&Mn.l08,av*radta, abordo do vapor inglez Ju- \ ^stao venda osteliicsbilhetosdaloleTiadapro-
Ws/. O leilo sera elTectuado no da cima dito, no ^ncia, na casa felii do arce da Coriceicab, loja de,
Coffl|fTsebastl.
Una do Bru ti. VS.
Manoela Augusta de Mentotca Mello Reg, au-
torizada pela directora da instrueco publica tem
a distinota honra de communicar ao respeitavcl
Coznneiro.
Vrecisa-se de mu que neja bom, paga-se bem :
independencia, ruado Imperadorn.
i uo hotel da
38.
LEILO
V-

escriptorio de referido agente, Wa do Bom Jess
n. 48.
BE
m sobrado Je 2 adoros e sota Jera chaos
projjiTios), a ruados Martyrios n. 1*4,
eontigoo igreja, com grande quintal, e
porta para a roo do Csildereiro, o qual
d bom rendimento animal,
Htiji'
. s 11 1^4 horas.
Por Intervencie do agente Tinto, em seu es-
^rtfiorio, Tua da Bom Jess n. 43.__________
LEILAO
DO
sobrado del andares n. 16, em chaos pro-
prios, nTravessa dos Expostos.
HOJE
s 10 horas.
Por intervencae Em sen escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
LEILAO
DE
un) iterreno na r.na Imperial ^olo proprio)
com 140 palmos de fronte, e cerca de
500 de fundo, todo murado, prompto
para edificarlo, porto para descarga de
material, estando um lulo murado.
Moje
A* di horas.
Por intervrncao e no escriptorio do agente Pin-
to, ra do iBem Jesus n. 43. ____________
Leiro
DE
una excellenle chcara
Sendo:
HJm grande soDrado com 6 salas e 14 guarios,
quintal murado, alm de um grande sitio com
700 palmos de frente e 1,00) de fundo, cacimba
de aguad? beber, muitos arvoredos, boa haixa
para capim, e militas outras accommodacoes.
!%u entrada de Joito de Barros
n. 4.
BOJE
i. 11 11'i liorna
Por intefvencao do agente Pinto.
Em seu escriptorio, ra do Bom Jesus n 43.
LEILO
ourives, no Reeife.
H
llovis, louea e erystaes
SENDO:
l magnifico piano de Boisolet flls & C, 1 rica mo-,
bilia de Jacaranda a Luiz XV, i esBntes paia
msicas, 2 guardas-ronpa de mono, 2 ditos
com espellto, 1 leito para casal, 2 bidets com
tampo de ped, 1 lavatorio com pedra.mar-
more, 1 espeUio, 1 mesinba MU tampo de pe-
dra, i dito para jogo, 2 camas de ferro, 1 ca-
deira para asseio, 1 cabide. I par de escarra-
deiras de porcelana e jarros, tapetes e lustro
para gac
a* ni<-uto terreo.
mollia americana, 1 secretaria, 1 estante, 6
caixas coiu instrumentos cirurgicos
elctrica, (20 voluntes impretses (medicina) com
de Santo Amaro das Salinas e N. S. das
Angustias.
As pessoas qve ^wierem alagar terrenos para
arman: r barracas durante os 18 das de novenas
e festas, podero dirigir-se capella do lugar, que
ahi acharao oem quem tratar.____________^^
as sendo as materias do nsino as seguintos
prineiras lettras, grammatica portugueza com seu
desenvolvimento, feitura dos vangelhos e nocoes
jjeraes de arilnmetica dessenvolvida, francez, in-
flez, deienho, msica applicada piano, igual-
mente ensina-se tanbem todos os trabalhos de cos-
turas e bordados, inclusive o bordado a ouro e flo-
res. A directora alem do esforco que emprega por
si, auxiliada por professoras e profeseores para
isso contratados, garantindo todava cuidado zelo
peias alomnas que Ihe forem confiadas.________
XI
m
jwio mu
Edfiard" Gmbaro da licoes do francez, tauto pa-
ra fallar como escrever esta lingoa em pouco tem-
po e por methodo muito fcil : na ra da Aurora
n. 41, 2* andar.
ltenlo.
150^000
No da 19 do crrenle Janeiro de 1873, au-
sentara-se do lugar denominado Acude do Matto,
da freguezia da Gloria do Goit, a preta de nome
Thereza, altara regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente operior na frente, em con-
sequencl de os ler murto separados e serem li-
mados, soffre cravos nos pes e no rosto tem mili-
tas sardas salientes como bermejas ou berrugas,
levou vestido de chita verde, urna coberta de chi-
No engenho Massuassd, freguezia da Escada, se
dar de gratificacao a quantia cima a quem ap-
prehendor tres cavallos que naquelie engenho
foram furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o i." tem 9 annos,
eastanho e castrado, tem a orelba direita bastante
lascada, urna estrella na testa, e noquarto esquer-
do tem urna cruz ; o 2." ruco, com pintas ver-
melhas nos quartos, grande, gordo, com o Des-
coco fino, 6 castrado, tem os quadris feridos da
cangalha, ferrado com a marcaI. R. do lado
di re tu, c tem a idade de 9 annos; o 3." rudado
sanhass claro, curto grosso, um pouc cambito,
. O Sr. Antonio Jos Ferreira, tenha a bondade
de apparecer na ra do Duque de Casias n. 60
A, loja de Bento da Silva A C, successores de
Manoel Ribeiro Basto*.
Alinelo.
O Sr.....de Araujo Cezar, favor v'r ra
do Djque de Caxias n. 60 A loja de Bento da
Silva 4 C-, successores de Manoel Ribeiro Bastos
Criado.
AMA
Precisa se de urna ama escrava on
forra, para casa de pouca familia :
na ra de S. Francisco n, 54.
- Precisa-se de urna ama para cozinhar e 4e
nn>a mulher de boa conducto para fazer compa-
nhia a urna familia : a tratar na ra do Rosario
da Boa-Vista n. 18.___________
AMA
n. 18, 3. andar.
Precisa-se de urna ama para o
servico de casa de pouca, fc
milia : a tratar na ra da Cn
ta, e duas niulatinhas ambas filhas da mesma,,_
I machina I uma de nomo Rogeria, de 7 annos de dade, cor castrado, pequeo, e esja ferrado com a marca
' clara cabellos aanellados, os olhos mrbidos e osj-O-no quarto direito : gratica-se com SOOt
da frente largos, e a outra
estampas,
costureir.
fogao de ferro e outros pertences de
de nome Ma- por cada um em presenfa da pessoa, em cujo po-
der or encontrado qnalquer dos ditos cavallos.
casa de
familia.
O qual foi Transferido em virtudc da nterrup-
cio da linha frrea e ser effectuado impreteri-
velinente
Quarta-feira 99 do corrate
Por auto sacao do Sr. Dr. J cintho Soares Ra-
bello, que seguio para a corte, o agente
Finito
Borges, vender em leilo todos os objectos cima
declarados, existentes em Ponte de Ucha, no pre-
dio defronte ao palacete do Illm. Sr, Dr. Augusto
Frederico de Oliveira.
As 11 horas da manhaa partir da e?tacao do
arao de Santo Antonio um trem, parando em to-
das as estacoes, afm de conduzir os concurrentes
do Icilao, o*qual principiar depois da chegada do
mesmo.
de Nazareth por ter descido pela estrada de Pao
d'Alho, e sem dnvida ir passando por fo ra por
motivo dos filhos : a lessoa que a tiver em sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer'
ta, ser generosamente recompensada ; para in-
formacOes neste typographia
0
LEILAO
DE
madapoles, algodoes, ditas, chapeos, ca-
misas de flanolla, eollarinhos, cabezadas
para cavallos, meias, tezouras, machinas
para caf, moldes e outros objectos, (c\>m
vara].
SEXTA-FEIRA 7 1)0 C0RRENTE'
s 10 I yl horas em ponto.
l*oia filcrveneto do agente
PlltO
em wu, escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
5
contend
100 mas-
DE
ir i-.lixas com Itiscoutos francezes,
cada urna caixa maisou menos
sos.
Sexta-f'?r 9 do rorrcnle
O agente Pinito unges far leilao das mercado-
rias cima, e mais uma caixa com chocolate
crea de 200 libras; no seu esmpterio, rita do Bom
Jess n. 53, priiiieiro andar, pelas 11 horas da
manha.
LEILO.
DE
urna caixa com 35 duzias de bengallas, 36
duzias de chicotes, o 1-2 duzias do loques
duzias de camisas de
ile eollarinhos.
de osso ; sndalo.
I'madita com 9 11] 12
flanolla e 00 duzias
l na dita com 100 pares desapatos de tran-
sa para homens e senhoras (com avara
Tagua salgada .
cvta-l'cini ? dn eorrente.
s 10 1|2 horas em ponto.
O agente Piato autorisado pelo Sr. gerente do
consulado de Franca, levara a leilo em presenca
de sen chanceller, e por con a c risco de quem
pertencer, duas caixas, tondo tima a marca S C &
A n. 32, e nutra dita marca J I, M A C. n. 78, am-
bas avariadas abordo do vapor francez Mendoza ;
e mais uma caixa marca JLM& C. n. 100, ava-
riada bordo do vapor inglej Gassendi; o leilo
sera eDeetuado no dia e hora cima ditos, no
escriptorio do referido agente, ruado Bom Jess
n. 43._________________________________
LEILAO
DE
210 caixas com sabo inglez, 10 ditas com
mlho d'to, e cerca de 40 queijos suissos.
SEXTA-FEIRA 7 DO TORRENTE
O agente Pestaa far leilo de 210 caixas com
sabio inglez, 10 caixas com niolho inglez, c cerca
de 40 queijos suissos, e tildo ser vendido para
fechar facturas, no dia cima sexta-feira 7 do cor-
rente s 11 horas da manhi, no annazem do An-
nee, defronte da alfandega.
LEILAO

DE
jizfs francezas e inglezas
[AYARIADAS]
exta-feira de fevereiro.
AS 10 1[2 HORAS
Por. intervenro do agente Pinto.
Em seu escriptorio, ra do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
Urna ciixa com chapeos, duas ditas com
AVISOS DVERSOS
*
*
*
*
*
i
*
E\|wsi(;iu> Provincial de Pcriiam-
lineo.
MEDICO-CIRURGICO
DO
Dr. .1. H. Curio
OPERADOR E PARTEIRO
Ra do Mrquez de Olinda.n. 25, pri-
niciro andar. a
Consulta das 7 horas s 10 da manha. JB
Chamados a qualquer hora
Um hotel venda.
Dispoe-se de um hotel em excellentc
Fugio hontem, 27 do correte, o escravo Be-
nedicto, mulato, cabellos carapinhos, corpo grosso,
baixo, olhos grandes e muito flor do rosto, sem
barba e representa ter 18 20 annos.
Este mulato natural da Parahyba, tendo sido
escravo do Dr. padre Moura e por este entregue
ao seu sobrinho padre Moura, coadjutor da fre-
Suezia do Cabo, para vende-lo, como de facto ven-
eu-o ao Sr. Joo Pedro de Mello, e e.ste a mim ba
onze dias.
Quem prende-lo, podera conduz-lo a ra aa
matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde ser genc-
rosamente recompensado.__________________
Precisa-se de uma para casa
de duas pessoas : a tratar na
ra de S. Franci co n. 72.
Precisa-se de tima ama que
saiba cozinhar perfeilamente e
com rar para casa de homem
solteiro : na ra de Pedro Alfonso n. 12, antiga
ra da Praia. ____
AMA
AMA
Precisa-se de uma ama para
entornillar c lavar, paga-se bem:
a tratar na Passagcm da Magda-
lena, largo do Chafariz, sitio com grades de ferro
pintadas de p cto e tres coqueiros a entraba.
AMA
Ama de leite.
Precisa-se de uma que tenha bom leite, e sem
filho :; a trat r ra do Duque de Caxias, o-
tr'ora Queimado n. 70^__________________
Precisa-se de uma ama
para cozinhar : na ra de
Pe ro Alfonso, outr'ora da
Praia n. 3.
Aviso.
nesta cidade, bem montade'o muito afreguezado,
por se adiar doente e precisar tratar-sc o dono :
quem quizor dirija-se ra larga do Rosario n. 30
que se dir com quem negociar.
Fugiram do engenho Bamburral, na freguezia
da Escada, na noute de 7 do correte, os escravos
seguintes : Theotonio, idade 40 anos pouco mais
ou menos, preto, altura regular, cueio do corpo,
ps apalhetados e feios, tem uma perna mais curta
que a outra, tanto que pelo andar se conhece, e
bastante ladino; Venceslao, idade 49 a 50 annos,
preto, com marcas de bexigas na cara, alto e cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaram
roupa de aigodao azul. Paga-se generosamente
local idade [ quem os apprehender e le va-los ao referido en-
Precisa se de uma ama para cozinhar Je
comprar : ra do Duque de Caxias n. 04, loja.
Na Capunga, na da
Pernanilnieanas n. 11,
v v\ precisa-se de 2 araai,
J uma que cozinbo e-
compre, e outra para cngominado.________MK
Precisa-se de uma ama, para envommar e co-
zinhar para casa de pouca familia, na ra de S#
Francisco n. 31.
No dia 7 do correte s O horas da tarde ter
lugar no palacio da presidencia a ultima reunio
ordinaria da commissao directora da exposicio
de l'ernambuco, alim de lur-se o relatorio que
sobre a mesma exposiciio vai ser dirigido ao go-
verno, e fixar-se o di da distrilmicao dos pre-'
mios conferidos aos ''opositores i Evadio-se o escravo ramo,
Os membros do jury espeeial podero assistir a
Ausencia.
perillo.
Criada
reuniao,
Sala da commissao direetora, 4
1873. N
Buarque de Macedo,
Secretario.
Aluga-se
Um casal de escravos : a mulher 6 ptima co-
zinheira c engommadeira, e o marido excellente
criado, c serve tambem para tratar de sitio. Pre-
fere-se casa estrangeira. Alugam-se igualmente
dous moloques bons para criados : ao Sr. Nico-
lao Tolcntino, com loja de ourives na ra do
Calug, se poderao dirigir os pretendentes.
tripulante, traja-do roupa de servico de bordo,
de fevereiro de e tem os signaes seguintes : estatura e rosto re-
gulares, cabello- grenlios, nariz e boc a regula-
res cor preta, crioulo, e sem barba : roga-se
a apprehcnsao do mes ro, e condui-lo ra da
Cruz n. 3, aonde se gratificar.
COMPANHIA

Em cumplimento do dispOsto no artigo 19 dos
estatutos da mesma compannia serio vendidas 10
de suas acedes de ns. 2U1 a 270 Os pretenden-
tes devero dirigir suas propostas, por intermo-
dio de eorretores jeraos at o dia 14 do cor-
rente ao escriptorio da companhia, ra do Vi-
gario n. 4,____________________________
Precisa-se alugar na escrava que saiba co-
zinhar bem, c fazer todo servico de uma casado
pouca familia, composta de tres pessoas : quem
tiver para altgar duija-sc roa velha de Santa
Rita n. 69. *___________________________
Manoel Fernandas da Costa retira-se para a
Europa, e durante sua ausencia^deixa por seus
bastantes procuradores em 1.* Ingar seu irmao
Antonio Fernandos Ribeiro, em 2." Joao Fernan-
des Baptista c em 3." Joaquim Fernandes da Costa.
Bacbarel Bento Jos da i osla, juiz de paz
da freguezia de Nossa Senhora da Graca da Ca-
punga d audiencias as quartas feiras, e quando
for o dia santificado ou feriado, no antecedente.
ATENCAO
Fugiram do engenho Cachoeira Tapada, fregue-
zia da Escada, no meiado do mez de dezembro
prximo passado o escravo Rufino, de 18 a 20
annos de idade, cor preta, principiando buco de
barba por debalxo do qucixo, pequeo, secco c
muito espigado do corpo, beicos grossos, ps pe-
queos, olhos vivos e com uma cicatriz d'um
coicc de cavallo por cima d'um e te falta d'jim
denle na frente; levou calcas e camisa de algodo
azul e de listra, uma camisa de baieta encarnada c
um palitot de casemira escura e consta ter seguido
para villa de Limoeiro, de onde natural.
Jorge, no dia 6 de Janeiro do-correte anno, de
30 annos de idade pouco mais ou menos, cabra,
pouca barba, bigode e cavaignac, cabellos pretos
c a especie de caboclo, altura regular e todo for-
nido, tem os dedos polegar e ndex da mo direita
duros d'uns talhos, cujas marcas esto bem visiveis,
sahio preparado com trouxa de roupa, calca e ca-
misa de algodo azul e de listras e uma camisa de
baita ertcarnada. Presumerse ter feito viagem
para villa de Ingazeira, serto de Paje de Flo-
res, para onde j ha dous annos, fez uma fgida e
natural; roga-se pois s autoridades policiaes e
capitaes de campo, a sua captura, que serio gene-
rosamente recompensados.
Ataga-se
lima casa terrea nos Afogados, sita ra do Mo-
tocolomb n. 22, com quintal mm-jdo, cacimba
d'agua de beber, contend 2 salas, 4 quartos e co-
zinha fora ; a tratar ra Duque de Caxias n. 86
loja.___________
Hdame l'uiiny. modista ita-
liana.
Boga-se encarecidamente a esta senhora para
que se digne mandar concluir o negocio que tem
na ioja da ra Duque de Caxias n. 58, atlendendo
para isto o tempo decorrido.
Aluga-se
Um sitio na estrada de Beberbe, onde ultima-
mente morou o Sr. major Luiz Francisco Texeira;
tem bastantes arvores fructferas e trra para plan-
tar.se; a tratar na ra do Imperador n. 54, pri-
meiro andar, das 10 horas da manhA s 3 horas da
tarde.
Precisa se de uma que cozinhe e engomme com
perfeieo, para casa de tres pessoas : ra da
Unio n. 67, confronte ao muro do gymnasio.
Taabalhador para sitio.
Precisa-se de um para tratar de um sitio pe-
queo perto da praca : atratar na ra Nova n.*19
1 andar._______________________________
Escravo fgido
IliOSOOO de gralilcaca.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos annos,
crilo,e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esleve no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourenco da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Ao commercio
Justo Jos Gomes Teixeira, tendo comprado na
presente data ao Sr. Joaquim Ribeiro da Cruz, a
ru^KS^^^ escravo' dos srs- Adriano & ustro, e
cencos na 2ina ca gneros na im-Mna casa (mmuiiis, \uii ui^iarar | nrnnn ,| lnAna ,.,, ?rj fni Pn7nhnrn tem sido
pelo presente, que, se alguem julgar-se credor do
mesmo Joaquim Ribeiro da Cruz, queira Air recla-
mar seu direito ra da Penha n. 8, desta cidade,
no prazo de tres dias, e que lindo o referido prazo,
nao se attender reclamaco alguraa.
Reeife. 4 de fevereiro de 1873.____________
Aluga-se o pavimento terreo da casa da ra
(te Vidal de Negreiros, outr'ora Imperial n; H3,
proprio para estabelecimento, tendu ura sot em
separado e quintal murado : tratar ra do
Visconde de Itaparica n. lu armazem.
0 bacharel I). Luiz da Silveira, pode
ser procurailo todos os dias uties, das> 11 ho-
ras da manha at as 3 e meia horas darfrde,
na ra do imperador n. 27 2. andan quer
para os misteres de sua profisso de aivoga-
do, quer para os sens negocios inteinpiente
particulares.
Excpmmungado.
Acaba de sabir a luz e aclia-se & venda esta
linda polck da actuafidade, composfeo do muito
sympathico maestro J. Poppe : ra Nova n. 11,
armazem de msicas do Azevedo.
Caixeiro.
No hotel do universo precisa-se de um caixeiro
que tenha alguina ortica de restauran! : na ra
do Commcrc o n. 2._______________________
Aluga-se o armazem e o primeiro andar da
casa n. 20, da ra do Bom Jess : tratar com
Cramer Frey A C, n. 62, da mesma ra._______
PERDEU-SE
No dia 3 do correte, perdeu-se uma pulceira
de miro, tendo pendente uma cacolsta com retra^
to de familia, da Soledade ra da Aurora; sen-
do o trajecto at o principio desta ra. .feito s
3 horas da tarde, no Lond da linha de Fernandes
Vieira: a pessoa que a aehou, q;erendo resti-
tui-la, pode dirigir-se a mesma ra da Aurora n.
51, que ser generosamente gratificada
. Atten^o
Constando ao abaixo assignado que o Sr. Jos
Mendes Pereira de Meirelles, morador na villa do
Cabo, pretende vender o seu estabelecimento, que
comprou ao abaixo assignado, de cuja compra fi-
cou restando a quantia de 60040O em duas let-
tras a vencer-se ; previne-se a qualquer pessoa
que nao facam negocio algum com dito Meirelles,
visto que est o mesmo estabelecimento sugeito
ao pagamen e das ditas lettras : e para que nao
se chame a ignorancia faco o presente.
Reeife, 4 de fevereiro de 1873.
Pedro Antonio Argemiro da Silva
praca; de todos tstes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assira tem podido escapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n..9l, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, que receber a gratifieacao cima de-
clarada.
No Collcgio Sant4 Genoveva, ra do Hospi-
cio n. 65, precisa se de um criado que seja livre
ou escravo. ._________
ESTRADA DE FERRO
DO
Reeife S. Fraoeiseo.
AVISO.
Tendo o governo imperial approvado a propos-
ta da directora desta estrada de ferro sobre a
concessao de passagens gratuitas aos que edifi-
caren) casas prximas as estacoes do Boa-Via-
gem, Pra^res, Hita e Cabo resolveu que as re-
ferid s passagens sejam concedidas sob as seguin-
tes condicoes.
1.* As casas sern construidas de confurmi-
dade com um plano, orcamento ou qualquer s-
pecilicacjio approvada pelo superintendente da
estrada de ferro.
_.* As casas de um valor de 4.0COJ do direi-
to a concessao de unta passagcm de primeira
classe pelo espaco de 10 annos ; s de 3 OOj a
uma passagcm de segunda class* por igual pe-
riodo e as de 2:000 a um de tercena classe,
idem.
3.a Podero usar das passagens concedidas o
proprietaiio emquanto morar no predio constru;
do, ou o inquilino. 0 proprictaro, porm, so
poder azer transferencia da dita passagcm urna
s vez dentro do anno, d vendo dsso dar scien-
cia ao superintendente da estrada de ferro.
4.* Estas condicoes vigoraro dentro de um an-
no devendo ser revistas em Janeiro de cada anno
a comecar de 1874 para serem alteradas se for
conveniente, mas sem prejuizo das concessoes j
fetas.
As pessoas que quizerem se utilisar desta con-
cessao podem desde j apresciHar ao abaixo as-
signado os planos das casas que pretenderem
construir.
Villa do Cabo, 30 de Janeiro de 1873.
G. O. MANN,
______Superintendente._____
Desappareceu na noute de_ 19 rara 20 do
correte, da freguez a do Poco da Panella, uma
burra com os sign es seguintes : castanha, car-
nuda, tendo a mao esquerda un pouco indiada,
tem uma marca na sarn ia, pr veniente de um
gerimu : quem a adiar, oa della der noticia
exacta ser generosamente recompensad1.
_______Eustaquio Jos das Chagas.
Uma senhora competentemente habilitada e
autorsada pela directora da instrueco publica se
offerece ensinar prmeiras lettras, grammatica
portugueza, arilnmetica, coser, bordar, e outros
misteres de sua profissao, em algum engenho per-
ito da praca : a pessoa que quizar utihsar-se do
tecu prestimo, dirija-se pra^a do Cande d'Eu nu-1 Praefea-se de uma ama forra ou escrava pa-
Caixeiro.
l'recisa-se de uma^ama boa cozi-
nheira para casa de pouca familia :
na ra do Brum n. 84, l amia".
Precisa-se de duas amas, sendo
nma para cozinhar c outra para en-
gommar : na ra Direita n. 10.
Yantagem
Precisa-se de uma ama de leite e outra secca,
para acompanhar uma familia ao centro desta
provincia, por ponco tempo ; faz-se vantagem a
quem se qui cr prestar a estes serviros : procure
na ra dos Quarteis n. 16, 2o andar.__________
Precisa-se de uma ama es-
crava que coiinhe e engom-
me para uma casa de duas
pessoas : na ra do Commercio n. 14, 2o andar
das 10 s 3 horas da tarde. -
AMA
\ma de leite
j.
Precisa-se de uma ama do leite s bom e abudante leite, para uma casa estrangeira,
paga-se bem agradando : na ra do Bom Jesus n.
43, taverna. _______________
AMA
rava, pagando-se
Na ra da Cruz do Reeife
n. 42, armazem, precisa-sede
uma cozinbeira forra ou es-
bera.
mero 13.
Aliento.
Quer-se alugar uma escrava rara o ,servico ex-
terno e interno de uma casa de pouca familia : a
tratar na ra do Imperador n. 2o, 2 andar.
No hotel de Apipueos precisa-se de um caxciroj
preferindo-se um menino de 14 a 10 annos, c que
tenha pratica deste negocio.______________
Joaquim Martinho da Cruz Crrela, tendo
de retirar-se para Europa, declara que nada de-
ve nesta praca, nem em outra qualquer, e p?de
aquellos Srs. que^ainda lh devem o obzcquio
de lhe pagarem.
Aluga-se o armazem da casa n. 18 da tra-
vesa dos Expostos, ladrilhado de novo, e proprio
para qualquer estabelecimento : a tratar com o
ministra da ordem terceira de S. Francisco, no
consisto io da mesma ordem.
mmmk *MMBitiHn_
PromptidOj asseio e
ra cozinhar c lavar para pouca familia : na ra
mpcrial n. 153, refinaeo._______________
Precisa-se de una ama iivro ou
crava, para uma familia composta
duas pessoas ; a tratar ra do
Barao da Victoria n. 12, loja._____
Preci a-se de una ama para casa de ho-
mem solteiro : na botica homeopatha, ra do Im-
perador n. 41.______________
AMA'S
|ue aiu
"fe
oleque.
Precisa-se alugar um molcque e 12
nos : trat'r no armatem do Campos :
Imperador n. 28.
a 14 an-
ra do
Na travessa do Bartholomeu n. A, friza-se,
lava-se, engomma-se com perfeieo, tanto para
senhora como para hojnem ; os procos sao muito
commodos.______________________________
Antonio Valentim da Silva Barroca, faz pu-
blico que tem admittido como socios de sua casa
commercial a seus filhos Jos Rodrigues da Silva
Barroca e Antonio Geraldo do Reg Barroca, sob
a firma de Silva Barroca & Filhos, que toma a
seu cargo a soluco de seus negocios pendentes.
Reeife, 30 de Janeiro de 1878.
Criado.
Precisa-se de um criado livre ou escravo: pa-
ga*se bem; tratar das 9 s 4 horas da tarde na
ra do Mrquez de Olinda n. 40 1 andar, e na
demais horas no Corredor do Bispo n. 59.

Precisa-se de um menino de 12 ou 14 annas, _
para caixeiro; na padaria da na do Rangel n. 9. rfo i^go 0 Paraizo n. 28, sobrado.
Precsa-sc alugar uma negrinba para andar
com uma crianca : na ra Direita n. 8, 2 andar.
GABLETE
Medico-cirurgico
RA DO 1MPEBAD0R N. 73,1" ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operages de olbo9.
Cara radical e iostaotanea dos
eslreitameutos da uretra.
Consultas: Das 7 s 10 horas
da raaoba.
Chamados: A qualquer hora.
J&m0m*$ pp ttij|i
Est fgido desde o da 23 de junho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bucar. Tem um peque-
no signal de cabellos no queixo ; e no braco di-
reito as lettras-L. F. N. Sabe ler, trabalha de
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmo liberto, que traba-
lhava (c pode ser que anda trabalhe) de machi-
nista de vapor n'um engenho de Abreu de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e capitaes de
campo que o prendara e facam-no conduzir ra
da matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde rece-
be rao I.SO 000.
*
0

0
economa.
Francisco Jos Cordciro, alfaiate, par-
ticipa ao respeitavel publico pernambu-
cano, que abri a sua offlcina na ra do
Barao da Victoria, outr'ora rua Nova, n.
46. primeiro andar. Espera ser procu-
rado dos cavalheiros da bom gosto, pois
encontrarao trabalho pelo gosto da Euro-
pa, e por procos muito menos do que em
outra parte.
0
*
0
0
Attenco
Manuel & C, tendo de retirarem-se breve para a
Europa, venden) todo mobiliado, com piano, lou-
ea, crystacs, porcelana, vidros ele, o sitio de suas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
ros, travessa do Aeude n. 2, com 30o palmos de
frente e mais de dous mil de fundo, todo cerca-
do, com muitas fructeiras, porfi de ferro, ca-
cimba, deposito d'agua, banheiro e gaz dentro da
! casa, a qual foi reedificada e tem commodos para
' numerosa familia; o lugar torna-se recommendavel
1 pela pureza e frescura do ar, pela sua situaco
pittoresca c agradavel e distar pouco das estacoes
da Casa amarclla, Monteiro e porta d'agua : quem
pretender, d rija-se rua Nova n. 23, ou no mes-
ino sitio._______________________________
Eu abaixo assignado, declaro que vendi a casa
de pasto, da rua de Mariz e Barros, n. 10; se
houver algum credor aprsente seus documentos
no prazo de tres dias contadas desta data. Be-
cife, 3 de fevereiro de" 1873.
Faustino Peres.
/adolpho
I Lumm
RUA DO IMPERADOR
1." ANDAR.
29 priiBgJTo^SrTal
Na rua Direita n.
uma escrava propria
Escravo.
aluga-se
para todo servico domestico
recisa-se de uma escrava que desempenhe
rigacSes de ama de uma pequea familia
Caeoleta perdida.
Perdeu-se do escriptorio deste Diario at a rua
do Queimado, uma caeoleta com pedra de ambos
os lados, e em uma d'ellas tem uma chapa de
ouro com as iniciaes M F F e dentro da
mesma caeoleta tem um retrato ; quem achou-a
querendo restituir, pode dirigir-se ao referido es'
criptorio, que compensar. ____________
Escrava
Precisa-se alugar uma eserava que saiba en-
gommar, etc. : na rua do Cabug n. 11, loja de
joias.__________________________________n
Aluga-se o Io andar 3o sobrado n. 47 da rua
encontrar as
se entender
da Imperatriz : quem o pretender
chaves na loja do mesmo sobrado, e se entender,
com seu propriet5rio'aTtraJ-d-Hosplciii n-43r"
~- A polica.
Pede-se ao Pr. subdelegado de S. Jos que to-
me em consideraco as reuniSes que se dao em
uma casa de jugadores, em um dos becces perto
da igreja da Penha.
Caixeiro.
Precisa-se de um rapaz portuguez de 12 a 16
annos para caxeiro de um estabelecimeBto no Ico:
a tratar na rua do Mrquez de Olinda n. 35.
AMA
gol n. 9, 2. andar.
l'recisa-se de um3, que co-
zinhe e engomme para uma
s pessoa : na rua do Ran-
Ama
Precisa-se de uma ama para comprar
e cozinhar : na rua da Imperatriz n 56
AMA
Precisa-se de unta ama
para cozinhar : na rua doSc-
nlior B.IIH Jesus das Crcou-
las n. 11.
Precisa-se de uma ama para' cozinhar
em casa de homem solteirj : na rua
Duque de Caxias n. 7'i._______^_^_____
Precisa-se de uma ama para cozinhar
c comprar:" na rua do Baro da Victo-
ria n. 23, outr'ora Nova
Ama
Ama
Paga-se bem a um cozinheiro oa cozinheira,
forros ou escravos, para uma casa de familia no-
Monteiro : a tratar rua do Mrquez de Olinda,
n. 33.
Precisa-se de um caixeiro para padaria : ta
rua da Sen alia Velha n. 90, de 12 a 14 annos de
idade.
Companhia
SANTA THEREZA
Os senhores consumidores d agua gaa. te-
nham a bondade de dirigir as suas reclamacoe-
na fabrica da dita companhia, das 6 horas da
manb s 4 da tarde, e fora desla hora com o
machinista Sr. Guilhermino, rua do Aljube, esqui-
na que desee para a Boa Hora, que serio atteB-
didos com promptido.
M. II. Chapman,
Mauager.
Dr. Francisco Borges *
8 de Barros
2 MEDICO
jj{ Mudou sua residencia para a rua da f&
_ Ponte-Velha, sobrado n. I, onde contina, _,
c_ no exercici de sua proflssao.
Est prompta unta moca solteira, branca,
portugueza, para todo serv.? interno de casa 4e
moro solteiro : a tratar no becco do Veras m 6,
aonde ella assiste.
Plvora no vapor Lanajls
hire.
Os consignatarios do vapor inglez cnorfctlkitv
chegado de Glasgow, avisam os consignatarios de
500 barris com plvora marca B F e 500 ditos,
ditos, ditos marca diamante 1!, vindos no mesmo
vapor, que segundo as ordens da thesouraria oe
fazenda tem de os despachar dentro do pra
dous dias, alm de que- encorrero na despna
das demoras da alvarenga e risco que possa haver.
Reeife, 3 de fevereiro de 1873.

i
^




*


T-
T

Diario dePemanibuco Quinta feira-6 de Fevereiro de, 1873.
5
~

MO^'MM M. DE!
PIANOS E MSICAS
JJTTOXIO JOS DE A2EEVEDO
Ra do Barao da Victoria n, 11, armasem, e 12 V andar, antga na Nova
aonde o publico em gera enoontralsempre o maior e mais? esplendido sortimento dtpwuos de
Pianos, msicas e Instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
COMPANHIA
DOS
TfflLHOS CUBANOS
no
lerifc Olinda c Beberbe.
_Compra e solipas.
No cscnplorio desta com-
panhia, comprase constante-
mente a precos razoaveis,
solipas de ocica e sapu-
caia, das seguinles dimen-
s5es : comprimento 10 pal-
_ mos, grossura 9 pollegadas,
grossura 4 ditas.
Contrata-sc com o abaixo assignado na esta-
cao da r. a da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Para maior commodidade dos passageiros
que desejarem assistir aos lindos fogos d'ar-
tificio as festas da Senhora do Bom-Succes-
so e do Senhor do Bomiim, na cidade de
Olinda, no prximo domingo 9 do corrente,
expedir a companhia um trem s. 10 1/2
horas da noute de volta para o Recife.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.

Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronte i
botica Miurer, nm grande saiao oile esto expoitos os magnficos
IrIJn. WOS de armario, de Pleyel.
-------- de meia canda, do mestno antor.
-------- de H. Henri.
- de Amede Thiboct.
nico agwte ntsta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FRSRES

reatados em diversas exposijoss om li medalhas de ooro e prata.
Sao os onicos pianos que aqni vem da Europa, perfeitamente afina-
dos, fertos com eleganiia e solMex.
D'aqni emjdiante continuar a annnneiar todas as publicares que se forem friendo as snas officinas de msicas.
Tarabem receben grande sortimento de msicas pira piano, piano e
canto e entre ellas as lindas composicfies do moito sympatbico maestro
A SABER :
Voc me qner Walsa.
Olga Maxurka.
La Separacioni Para canto. |
A Lux elctrica, grande Walsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada de ValleU Galope.
Joanioha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Walsa.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studiente Po'ka.
I Hlinas publicarles

Feitas as officinas de mnsicas
do tnnnnciante.
Emilia, polka por I. Smoltz.
Circaciana, schotch, por Smnlli.
Jardim do Campo das Priceas,
quadrilha, por J. Poppe.
Cbuva de Rosas, Walsa, por H. Al-
bertazzi.
CAUTELA!
MEURON&C.
A.. w m A 1
CARNAVAL
Na Chapellerie des D. mes ra do Barai da
Victoria n; 16, prepa a- e qualquer costume a ca-
pricho," pro. rio para o caroavel: o go t > d > ira-
balho neste genero j bem conhecido pelos
amad 'res do carnaval portante inut I elogiado.
9 coMmenaamr Paulo de Anio-
rina Salgado.
Antonio Climaco Moreira Temporal, tendo de
nandar resar algumas missas pelo eterno repouso
do seu amigo e committente o commendador Paulo
dte Amoritn Salgado, fallecido no dia 25 do prxi-
mo passado, em seu engenho Caxoeira Linda, don-
vida aos parcntes e amigos do finado para asss-
tirem as ditas missas quo tcrao tugar no conven-
to do Carmo, na quinta-feira 6 do corrent* as 8
horas.
fliun1
Est encouraQado!! !
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira do Mello,
escrivao na cidade de Nazaretli dista provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquellc negocio que S. S. se cnmpromettvu a
realisar, pela terceira chamada dvste Jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada oumprio;
e por este motivo 6 de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito aunos, e quaudo o Sr. seu tlllio se
achava nesta cidade.______________________
Perdeu-se
hontem 1. do fevereiro um relogio de senhora,
juntamente com um alfinete tudo de o uro, resde
a praca do Conde d'Eu. aterro de Boa-vista, pon-
te, ra do Bario da Vi tona, Cabug at a ra
|. de Marco : quera os adiar e quizer entrega*
los, pode-o fazer na prava do Conde d'Eu n. 9,
1.* andar, que ser gratificado.______________
ATTEMGAO
Precisa-sc de urna senhora que queira ir era
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
do-se a pa sagem e mais despezas, gratifleaudo-
se-lhe o seu trabalho : quem esliver nestas con-
dicoes dirija-se ra estreita do Rosario n. 9.
Aluga-se urna casa nova de tijolo cora cora-
modo para grande familia, cora grande terreno
cercado, na Torre perto da margem do Capibaiibe:
a tratar na ra da Iraperatriz u. 74.
Victorino Lopes da Costa deixou de ser eai-
xeiro do Sr. Francisco de Asan Brito desde .11 de
Janeiro do corrente anno- Recife, 1* de fevereiro
de 1873.
O abaixo assignado jwevine ao respeitavel cor-
po do commercio de nao fazer transac^o nenliu-
ma com urna le:tra aceita pelo mesma abaixo as-
signado em favor do Sr. Miguel Guerra, visto ser
o dito Miguel Guerra devedor da quantia de un
cont de ris do mesuio abaixo assignado.
I. V. Girarde.
O abaixo assignado declara que comprou a
tavorna sita na ra da Restauracao n. 36, antiga
ruada Guia, livre e desembarazada de qualquer
debito, e pertencente ao Sr. Genuino Cameiro da
Cunta : se alguem se julgar com direito mes-
ma, apresente-se no prazo de 3 dias, a contar da
dala este, lindos os quaos nao se attender re-
damaoao atguma.
Recife, 31 de Janeiro de 1873.
__________Joaqun Goncalves de Andi^
Acha-se fgido desde o dia 12 de dezem-
tro do anno prximo passado o molcque Altino,
de 13 para 16 annos de idade, com os signaes
segantes : cor fula, secco do corpo, olhos vivos,
pomas finas, muito ladino, levou vestido calca
e camisa de algodo de listras; suppoe-se elle
*ndar mesmo pelo Recife, on 'pelo niatto na fre-
"guezia de Ipojuca, no engenho Pinderania, onde
tem um i-mo forro : roga-se a apprehensio do
dito cscravo e leva-lo tm Olinda no sitio deno-
m'nado Jardim Botanco, aos seus senhores, que
alm de gratos, recompensarao generosamente.
Mudanza de estabelecimento
JoSo da Silva Leife mudou a sua laverna e
armazn de molhados, da ra do Mrquez de
Olihda n. 110, para a de Domingos Jos Mar-
tin? n. SSotr'ora Senzalla FeTha).
PENHOKESI
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dihheir sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia,
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesc podras.
AO
m
m
m
u

l
P5S
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, qne reparem nos botes e meios botes,
pois qne os ha de rap de ontra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir om o d'aqnelles.
Os apreciadores qne qnizerem do verdadeiro REA
FREA, devem para nao serem engaados ver qne
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
napao de REA PRETA.
m
Quem se julgar credor de Francisco da
Cnnha Cardoso, tenha a bondade de apreseritar
sus ttulos, no praso de 3 dias, ra do Livra-
mente n. 20, da data de hoje-. Recife, 5 de Tevc-
reiro de 1873.____________________________
Joa|UiH M.. l'niva la Fonfrcu.
com lojtt le fakculn ean Api-
MMeMk
Pede-se a-este senhor o favor de comparecer na
loja da Rosa Branca, ra da Iraperatriz n. 56, a
negocio de seu interesse.
SCv9
Para os influentes do car-
naval.
Na ra etreita do Rosario n. 35, sobrado de
um andar, alugau-se vestuarios de principe, borda-
dos a ouro com todo o gosio, domin?, vestuarios
phantasia, tudo por muito barato preeo. razase
pelo gosto de quem quizer, segundo os figurins
que apreseatarem, Tarabem ha para vemler-se
vestuarios em muito bom estado, que alugam-se por
todo o preco, como seja a 3$, 4JJ, S c a 20.
Dminos novos e de g'>sto, fitas bordadas a ouro,
para santos, vestuarios para meninos epronrios
para quera quizer vestir-sc em trajo de mnlher.
Precisa-se de urna criada que saiba engomina1*
com perfeirao, para urna casa de familia; tra*
tat roa do Cabug, photographia Imperial, com
ekrada pelo pateo da matriz n. 18. Paga-se a
qilintia do 2o por mez.
ITecisa-se de um caixeiro que tenha alguma
pratica di molliados; na ra lttmerial n. 167.
MEURON ft C.
;-!
Is>wimh< Portugsieza de Be-
nefieencia dos enipregado*
no eoiunaereio e itittisi i-ia es
Pcraanabueo.
De ordem do Sr. presidente e a requerimento
da directora desta associa^ao, convido aos Srs.
associados para se rounirem domingo 9 do cor-
rente, pelas 3 e meta horas da tarde, na casa das
fessoes, ra da Iraperatriz n. 53, segundo andar,
afim de constituidos em assembkageral.preen-
cherem por cleicao as vagas existentes na direc-
tora, e tratar-se de negocios de interesse da mes-
ma assoeiacao.
Recife, 5 oe fevereiro de 1873 Salcador Jos
ferreira 'Guinvawf, L' secretario da assembla
jreral.
PNDIQA0 DO BOWMAN
KDA DO B8M H. 52
(Paseando o chafariz)
Os proprk&H^os desta fundiclo recommendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras qu durante mais de 30 annos, a caa lhes tem fornecjdo.
Possiemsempre>ii4\ultado deposito de maehirsmo e implementos em toda a va-
riedade de tamanho, proprios parirtodos os mystereeda agricultura, e preparo do assucar
algodao; entre 06 quaes algumas rntvidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Vendem a prazo ou a dnneiro com aesaoiito,'^ vootade do comprador.
CAUTEELt^
Avisam ao publico que diversas encommeudas dirigidas N&sta casa, tem sido desvia-
das : pelo que, rogam a exigencia da conta impreasa, para prova JTKQcedencia do que
se lhes fornece. V
Outro sim, queporahi andam especuladores (aJgu&s empregados e obrlFen^concertos,
etc.,J a inculcar enconimendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. 3tf^genhp
contra os taes, lembrando-lhes, pensem se sem interesse aquella industria : e quem paga
as peitas recebidas pelos ditos inculcadores.
QUESTO DO DIA
(" pela barriga que melltor se
goverva o mundo).
Grande agitacao I... Todos fallara I.... gri-
taml... escrevemt... lastmiam-se'... cho
ram... e nao comem? nao bobera i
Kis a niiil'iisii!!
Meditemos, pois...
Alvicaras I... Alegrai-vo?, bella e heroica ci-
dade do Recife, que vai desabar sobre a cabera
de cada um de vossos-invictos filhos urna nuvem
prende de mgicas inspiracoes a veracidade
deste annuncio.
Queris conseguir os fias ? empragai os meios:
apurai a vossa imaginario, vasai na vossa intelli-
;encia urna gota de inspiraeao e tereis resolvido,
alminado aquestao do di.{
COMMISSOES
Fazem encommenda vontade do pedinte, mediante urna commisso. de qualquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitaco e costu-
me no negocio, tanto em respeito ao prero como a qualidade, assira como todo o auxilia
em montar e trabalhar com o machinismo.vindo.
HERDEIROS BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
0nereis ?
Pois bem, fortificai os pulmoes, desempedi a
larynge, rgentinai a voz, adquir o dora da per-
suaso e finalmente abracai sem hesitac^o a por-
tentosa inspiraeao que vos offereco 'e tereis orcas
suficientes para discutir, convencer e.. .derrubar,
para sempre a magnaquestao do dia.
Queris ludo isto ?
Vinde ao muito preconisad armazem do Cam-
pos, ra do Imperador n. 28, e-comprai certas
e especiaes victualhas, (exquisitas e excitantes)
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquecendo
os fmissimos e calmantes licores, lembrando-vos
dos rarissimos o delicados acepipes, (alera d1 fu-
tras Imuitas cousinhas boas que ficam oceultie
nestes.....para despertar a curiosidade dos aman-
tes da....) e veris que depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos apparecer
urna tao enrgica inspiraeao (cousa inaudita) ijue
vos considerareis metamorphoseado em algum
propheta, abundando a vossa imagkiacao de cal-
culos infalveis que vos farao resolver em um
pice o grande- problema que prende to forte-
mente as vossas attencoesquestao do dia.
Iluvidaes ?
N'este caso l vai:
Com a barriga vasia
A cabeca arde; enfraquece.
O eorp treme, vacilla,
A razao dcsapparece.
"O abaixo assignado declara ao publico c esjie
cialiaeute ao con eemmercial desta praca ou
fra della, que tem justo e contratado a sa la-
ven sita ra do IJangel n. 3, com todo o acti-
vo e iassivo com o Sr. Francisco Rodrigues Al-
mirante, livre e desenrbaracada, ficando o dito
comprador para pagar eus dbitos uos vencimen-
tos, com consta da relaco e balanco por nos am-
bos assignados em vista da totalidade orcamento
da quamtia conferenciada cora os credores ; as-
sim como tambera fica responsavel per qualquer
debito que possa apparecer, que nao conste da
nelagao, tanto de mercadorias como de impostos
atrasados, que sao livres ao coniurador : quem se
julgar com suas contas nao conferidas, appareca no
praso de tres dias, e nao comparecendo, aao ter
direilo algum. e para maior firmeza nos assigna-
mos. Recife 27 e Janeiro de 1673.
Fr icisco Rodrigues Almirante.
Bento Ferreira Pimentel.
O abaixo assignado faz sciente ao publico e
ao corpo do commercio que comprou ao Sr. Jlo
Correia da Silva a tavema que possoJa sita ra
Imperial n. 296, livre e desembarazada de qual-
quer debito ; e se alguem se julgar cora algum
direito mesma, apresente-se na ra do Rangel
n. 69, no prazo iinprorogavel de tres dias, a con-
tar desta data.
Recife. 31 Janeiro de 1873.
^^^^^ Luiz Ferreira de Almcida.
Ao publico.
Prorisso do Senhtir Pws0.[
A meza regedora da irmandade de Nossa
uliora da Soledade, erecta na igreja ile Nossa Se-
nhora do Livramento, em desenqienho e seus
encargos, nao obstante o inoviine io que oceupa
a atten^o de todos, todava solicitiu e obteve de
S. Exc. Rvma. jierraissao para ser exposta no dia
9 de marco prximo aquella procisso, como 6
de costurae ; espera portanto a Irmandade, anda
desta vez, encontrar na piedade filial dos habitan-
tes desta cidade o seu bolo para a eflicacia do
acto.
Secretaria da irraandade, o de fevoreiro de
1873.
O secretario,
_______________Eloy Martiniano Lopes Galvo
Livraria universal
IS.t lo Iiuperador ew|iiiiia
praca de D. Pedi*o II
VENDE-SE
A maconana e o prelado pernambucano
O marido que mata e o marido que
perdoa
A mulberhornera-casamento adul-
terio divorcio
Paisagens por Bullido Pato
O padastro por Ch. de Bernardo
I si
600
80
800
I 000
14300
* PHARMACIA
TORRES.
O abaixo assignado, pharmaceutico pela facul-
dade de medicina da Baha, participa ao respeita-
vel publico e aos senhores mdicos desta capital,
Jue tendo comprado a bem conbecida pharmacia
o finado Torres, s t ao pateo do Terco n.'135,
sortio-a de medicamentos novos e preparados es-
peeiaes franceses dos melhores autores, assira
como avia qualquer receita a qualquer hora do
dia ou da noute com toda promptido, esmero
asseio sem fazer substituigSes.
Recife 5 de fevereiro de 1873.
___________Manoel Thomai Pereira do Reg.
Escravos fgidos
200#0()0
Ausentaram-se dous esCravos irraos, sendo um
de nome Lourenco, com 26 a 27 annos de idade
es atura regular, cheio do corpo, cor clara, ca-
be los estirados, rosto redondo e sem barba levou
caiga e camisa branca, chapeo de feitro'preto
0 outro de nome Andr, da mesma estatura, mais
novo um pouco do que o outro, tendo os niesmos
signaos 4o irmo, sendo comprados : Lonrencb
ao Sr. Claudino (TAlbuquerque Mello, da comarca
de Patos, da prqvidcia da Parahyba ; e Andr ao
Sr, /oo Francisco Gomes de Arruda, da comar-
ca do Limoeiro, tendo fgido aquelle no dia 21
do corrente (janeiro), e este hoje 30 do mesmo
Suppoe-se que seguiram a estrada do Limoeiro 4
Serra do Teixeira. Roga-se a todas as autorida-
des pohciaes e capitaes de campo, que os appre-
hendam e os conduzam ra do Apollo n. 30
armazem de asaneir. ana co *m*tiZ2 .' _'
ARJL
[DO
VAPOR FRANCEZ
Rl'A 1)0 IUHAO DA VICTORIA
N. 7OutroraNovaN. 7
PIANOS.
Acabara de chepar muito bons planos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notareis e "H^-
nhwidos fabrieantos; como sejam : Alpnonse
Blondel, llenry Ilers e. Pleyel Wi.lff C. : no
vapor francez, ra do Bario da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de laxo e phantazia, brancas pretaa e de
dilTercntes cores, tanto para senhoras, com pa-
ra meninas.
Sapaiiuhus com salto no rigor da moda, brancos
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Suser e de Polak. para ho-
mens.
Sapatos de cordavao Mili span homens.
Botinas para menino de qualquer tamanho.
Perneiras e meias-perneiras tanto para hornen?
como para mciiiuos.
SapalSea de Suser para homens e meninos.
Sapatos de verniz com salto para homens.
Abotinados de militas qualidadcs e procos para
meninos e monina*.
Sa|.atoes de rernit eom sola de pao proprios para
sitios, jardins e banhos, sortimento para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, rasemira, charlot avelludado,
de tranca portugoei e francez.
No armazem do vapor francez, ra do Barao da
Victoria, outrora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas. leos, opiata e pos den-
trifice, agua de ti r de laranja, agua de toile-
te, divina, florida, lavando, pos de arroz, ab-
neles, cosmticos, rauitos artigos delicados em
perfumara para presentes com frasco* de ex-
tracUis, caixinhas sortijas e garrafas de dille-
rentes lmannos d'agua de coligue, tudo de pri-
meira qualidade dos bem coiihecidos fabrican-
. tes l'iver e Coudray,
No armazem do vaoor francez, ra do Bario da
Victoria, outrora Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval:
O mais importante sortimento que tem vindo de
mascaras de massa, de rame e de seda, nariz
cora oculos, barbas etc., procos muito bara-
tos tanto em grosso como a relalho.
No armazem do vapjr francez, a ua do Barao da
Victoria, ontra oa Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas nudas e bolsas para vgcns da f t
de caininlios de ferro.
Estojos de viagens com os pertenec neceesai.
liara barba.
No armazem do vapor francez, roa do Barac
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botas Napoleao e a Guilher-
me, perneiras e meias perneiras para homens,
c ni.is perneiras para meninos.
No armazem do vapor franco', ra de Barao
da Victoria outr'ora Nova n. 7.
Mobilias de vimes.
Cadeiras do balanco, de braco, de guarmeoes, w-
fs, jardineiras, mesas, eonversadeiras c costu-
reiras, ludo isto muito bom por serora fortes e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de recreios.
No armazem do vapor francez, ra do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos le c!ilVf ]huiitnzuM.
Kspelhos dourados para salas e gabinetes.
Loques para senhoras o para meninas.
Latas de Joavin, de fio da Escocia e de camurca.
Caixinhas de costura ornadas cora msica.
Albuns c anadrinhos para retratos.
Caixinbas com vidro de augmentar retrato-.
Diversas obrasldo ouro bom do lei garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para rol >|
Brincos jimtacao e bitoes de punhos de plaque.
Holsinbas e cofres de seda, de velludo e de couri-
nho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
efoilette,
Pincenez de cores, de prata domado, de ac
tartaruga. .
Oculos de ac fina e de todas as graduicoes.
Bengalas d luxo, caima, cora castocs de raarfira
BeBgalas diversas em grande sertiaicuto para ho-
uiens opieninos.
Chicotinhos de baleia e de mujtas (inaiidades di-
versas.
Espoias de tarraclia para saltos de botas.
l'onleiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarazar e par
barba.
Ditos de marfin muito linos, pira limpaf cabega,
EseQvas para roupa, cabello, uulias '^ra den-
les,
Carteirinhas do utadreperola para dinhero.
Mfias para homens o para meninos,
Grava! brancas e de seda preta para homens e
meninos,
Campanillas de mola para chamar criados,
Jopos da gloria, .le dama, de hagntellas, de domi-
no e muros inuitos dilTercntes jnijuinhos allo-
maos e francezes.
Malas, bolsas e saceos de viage'ra de mar e cami-
nhos de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mn fcil as
crianoas.
Argolinfias de marfim para as criancas morderera,
bom para os dentes.
Ber os de vimos pan mbalangar criancas.
Carr nh, de quatro rodas para passeios de crian-
gas. .
Venezianas transparentes para portas e janeUas.
Reverberos transparentes para cuuheiros de caz
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas S
UlS.
La"!dmf magCaS Cm rMS VlS,as c Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para illuminaoes de

armazem de aswicar, que
quantia cima.
se gratificar com a
festas.
Balies acreostaticos
de subir.
Encerados bonitos
jantar.
Machinas de varios svstcmas para
Espanadores de palha e de pennas.
Tcsourmhas e caivetes finos.
Tapetes com vidrlhos para mangas e lanternas.
Tintciros de louga branca, modelo bonito e bom
Tiras de molduras douradas
dros.
de papel de seda mui fcil
para conservar as imzas do
caf.
e pretas par> qua'
Atten^o.
Na ra do Imperador n. 28, armazem do Cam-
pos, precisa-se de um homem capaz de tomar con-
ta de urna casa particular e ser nico despencei-
ro, dando fiador a sua conducta, paga-se bem.
Tem-se para
dera o costurara :
sa terrea.
aiugar urna perita engomma-
na ra de Hortas n. 112, ca-
COMPRAS.
Compra-se um carro americano de dous as-
iento*, e prorapto para trabalhar: na ra do Im-
perador n. 22, primeiro andar.
Quadros j promptos com paysagens e paa -.id,
Estampas avulsas de santos, navsaaens c nh-.
santos, paysagens e phanta
de mgicas para divertimentos Os abaixo assignados participara
' do commercio desta praca
N. 28 roa do Imperador 128
- ao respei-
tavel corso do commercio desta praca que teesi
wntratadoVnigavelment* dissolverem nesta data
a sociedadeVie tinham sob a razao social de Cae-
tano Jos Leitao 4 C, fleando o-activo e passivo
carg) do sociOiSf.anoel Antonio Pego. Becife
31 de dezembro d ttatano JosLeito.
M^oel Antonio Pego.
Lourenco Al\es Ferreira,
mscate nesta cidade.
Queira ter a bondade d
Branca roa da Imneratriz n>
portante. Emende ?
ni
i loja da Rosa
a negocio im-
- Quem precisar de amas se:ca,ou de leite,
dinja-se ao pateo de S, Pedro n. L loja, qu
achara com quem tratar.

Compram-se
Diarios a #000 a arroba : na roa Larga do Rosa-
no, fabrica de cigarros n. li.
VENDAS.
Ra larga da Rosario n. 22.
Mais pechinchas.
Bapts'ts, fazenda mui o fina d bonitas corej de
UtOO a S00 rs. o covado.
Cas as muito bonitas ce 6; 0 rs. a 281.
Pares de botos de flaq fino para punho de
1# a 2i0.
Maco i de pentes de alia r de MkOO a i i.
O Via 'na so vend
d m depre sa porque
que barato e bom, an
o barato lodos q.mueer
zias.
Objectos
milias.
Realejos pequeos de voios com lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de tollo* os
tamanbos e outros muitos artigos de anmct
Ihanas difliceis de mencionarse.
i> o armazem do vapor francez, roa do Barao
victoria, outr'ora Nova a. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pd desejar de lodof
os brinquedos fabricados em diflerentes partes
da Europa paja entretenimento das nianas
tudo a pre?os mais resumidos que pot
no armazem do vapor francez, ra do Barao"
da \ ctona, outr'ora rua-Nova 7.
Mascaras.
Mascaras,
Acaban de chegar grano*-:
ras com lados os sortimento*, para vend^r-ae *m
grosso e a ratalho -_ no armazem do vapor fran-
cez, roa da Barao da Victoria, outr'oraNovan. 7.



Diario de Pernambuco Quinta feira 6 de Fevereiro de 1873.
Para acabar at o fim do anuo
a ra da Imperalriz n. 60
LOJA DO PAVO
PEREIM DA SILVA 8: C*
\ V
Tendo os proprietarios deste grande estabelecimento, um avahado sortimento de
fazendss em ser, edejejando liqaida-la, al o flm do corrate armo, tem resolvido ven-
de-las oor precos muito commodos, com o fia de aparar dinheiro, a vista do que
convidara 03 llm. Srs. cbefes de familia a virem sorti-re, nlo s de fazendas de primei-
ra.nesseeidale, como de fazendas de laxo e gosto, das qaaes encontrarSo om sortimeto
das mais novas do mercado, chegadas pelos allimos vapores da Europa.
FAZLNDAS DE GOSTOS
BAREJES DE SEDA A 40OOO E 10100 O
COVADO
FAZENDAS DE LE
CORTES DE ^ASSAS A 2*500 E 3*900.
O Pavio venda cortes de cassas de core?,
com palrSes maito bonitos pelo barato
preco de 2;$500 e 30000.
CORTES DE CHITAS A 2$400 E 25880.
O Piv3o vende corles de chitas francezas
finas, com 10 covados pelo diaainato preso
de 20V'O Cda corte.
Ditas com 12 covados pelo prego de
20880 cada corte.
PEg^S DE CHITAS A 70200.
O Pavo venda pegas de chitas fioas, lin-
dsimos padres, tendo 30 covados cada
pega, pelo birato prego de 70200 cada
ama muo barato.
LENQO'ESDE BRAMANTE.
O Pavao vende lenges de bramante mai-
to grandes, sendo denm panno s, pelo ba-
Mtissimo prego de 25400 cada om.
GHAILES BARATOS A 10OOOE 20000.
ui'j';j vende chilles de larlatana gran-
des pelo barato prego de 10000 e 20000.
Dito? >1e I3a estampados imitacao de
meri 20OGO.
Ditos de quadros modernos, maito cn-
rorpados 30000 e 40000 ; assim como
grande sortimtMo dos mais finos chailes
.repon e merino qoe se vendem por precos
maito em con ti.
MADAPOLES.
Pegas de madapolao francez maito fleo
com 20 jardas a 505OC e 60000.
Ditos com 24 jardas muilo superior a
605OO e 7000 X '
Di;o ingle?, fazenda muito fina i 50000,
60000 e 65500 at 100000.
Ditos fraaeezeae ingleses maito fiaos de
40jrd3 para differen'es pregos.
ALGODOZINHO.
O Pava") vende por prego maito barato
pegas de algoiSozinho americano maito
bom coui 18 jardas 40OO'.
Dito com 24 jardas a 40500 e 50000
at 60000.
Dito largo marca T muito eoeorpado a
60000.
ALGODO ENFESTADO.
O Pava"o vende o verdadeiro e superior.
idoziobo de duas larguras para lenges,
ie^Jo maito encorpado 10 00 cada vara.
Dito t-anndo da mp?it' largara 10280.
CHITAS L\UGAS.
O i'iii '.ende estas oxeceilentes chitas
[rascetas clara; e escoras wan multo bom
panno -240 rs. cada corado.
Dita milito fina 280, 320 o 360 rs.
Percaes finissimos miadiahoa a 300 e
400 rs. cada covado.
CAMBRAIAS.
O Pavio ven le corles de cambraia trans-
parente propria p-ira vestidos a 2&500 e
300 0.
Pega de dita muito fina com 10 jardas
t3nto tajada como transparente a 40000,
50000 e G.MJOO at a mas fina que vena
10 merca lo.
BRAVIANTES PARA LENCO'ES.
O Pavio vende superior bramante de al-
godo ten! 1 O palmos de largura que s
percisa de i V* var3 Para uas lenCo1 me"
tro 10600 e a vara 10300.
Dito de linho puro superior maito encor-
pado com a mesmi largura a vara 23100.
Ditos franceses maito finos a 20500 e
30000.
Pega de Hamburgo a panno de linho com
20 e 30 varas, par lodos os pregos e
qoalidade.
Petas de bretanlia Je poro linho, tendo
30 jardas pelos pregos mais barato que se
teta vito.
Pechincha de finissimo esgoiio sncelena
com 6 jardas 7-0COO.
Peca de finisslmo celena com 30 jardas
a 305'X), atochado adamascado com 8 pal-
mos de l-ranra a vara 20000.
IJUZINII tS DE FL'RTA CORES.
O Pavio i-enda um elegante sortimento
de Haziohas le tarta cores qne brilhao qoa-
si como sed) ten Jo de tods as cores, e ven-
de 3ti.) rs. o e iva lo.
C\Lg\5 DE CASEMIRA.
0 Pavo (em oto grao le sortimento de
caiga de casimira, assim como cortes o
mais modernos que tem vindo nos ltimos
Sgorins e em fazenda das mais finas e mais
novas ao mercado, e vende-se por barato
prego pira apurar dinheiro assim como cal-
as de brim hraneo e de edres por pregos
maito razcaveis pan acabar.
CORTES DE PERCALIA COM DUA3 SAIAS
A 40000.
O PavSo vende bonito3 cortes da precalia
coa duas siias, send) fazenda de multo
gosto a 40OOO, pechinca.
TNICAS PRETAS.
"' O PjvSo receben um grande sortimento
das mais ricas tnicas do grs preto, rica-
mente enfeitadas, e venda pj.- prego razoa-
vel.
VESTIDOS BRANC03 BORDADOS DE
3550000 ATE 600000.
O Pavo recebeu ,om lindo sortimento
dos mais jicos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com lodos os enfei
tes nacessarios, e venda pelos pregn de
190000 at 600000, nao tem vinlo nada
mais rico nena mais moderno.
CORTINADOS PARA C\MAS E JANELLAS
A '0500, 80000 E 10000}.
O Pavio tem um grande sortimento de
cortinados para cama e janellas, que ven-
de OOlf. barati pr*co .le .70.j\)O; 8000> e
100000 o par, tendo at por 183000, assim
c;m3 colchas (Je damasco para camas do
noiviS, e (jrondo soxtimerila de tapetes tan-
\0 p 'airas como para camas, p.ianUs,
portas, etc., wdo vende por pregos razoa-
Alten?ao!!!
O Pavo receben pelo ultimo vapor
francez, om grande sortimento dos mais
lindos barajes de seda, sendo em cores
e Rostos o melbor que tem vindo ao mercado,
esta nova fazenda maito propria para
vestidos para bailes ou casamentas, tendo
entre esta fazenda delicados padres bran-
cos proprio para vestidos de noiva.
MODERNSIMAS POPELINAS
Popelinas a 10500 e 20000 o covado.
O Pavita receben om elegante sortimento
das mais modernas e lindas popelinas de
li e seda, e linho e seda qoe vendem a
10500 e 20000 o covado, tendo padrtes
listrados miado e graados qne parecem
propriameate seda, assim como das mesmas
tambem tem brancas proprias para vestidos
de noiva.
NOVAS SEDAS A 20500
O Pavio vende bonita e moderna seda
de urna s cor, tendo de todas as odres, com
delicado lavrores miudinhose vende a 20500
o covado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 450000 E 500000
O Pavita vende bonitos cortes de seda,
fazenda de muito gost, tendo 18 covados
caria corte 6 vende por 456000
Ditos de 20 covados a 500000
Sao maito baratas em relaco superior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE .
O PavSo venda um grande sortimento
das mais modernas, baptistas com fsta de
cor, proprias para vestido, com as cores mais
novas que tam viado ao mercado sendo
muito raaii largas do que as chitas francezas,
e venia pelo baratissimo prego de 500rs.
cada ovado.
OFFCINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO.
Nesta grande eaabelecimento'encontrar
o rcspjitavel poblico, ama bem montada ofi-
cina de alfaiale, onde se manda executar
qoalquer pega d obra, tanto para bomem,
como para meninos, com a matar pres-
lesa a perfeigo assim como para qoalquer
luto quede repenteapparega, tendo naaes-
ma nfficina nm perito nfficial destinado para
farda dos llm. Srs. officiaes de goarda na-
cional oa tropa de liuba, sendo esta officina
dirigida pelo babil artista Pedro Celestino
Soares de Carvalho.
NOVOS VESTIDOS A 40000.
O PavSo recebeu um elegante sortimen-
to ie novos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende ptlo
barato prego de 40 cada um: muito ba-
rato.
ESPARTIL1I05 A 30000.
O Pavao tem um grande soitimento de
fespartiinos, tanto para senhqra como para
menina, qbe vende pelo barato prego de
30000. Ditos muito finos a 40030 e 50000,
sao do3 mais moderos que tem vindo ao
mercado.
CHiTAS A240RS.
CHITAS A 240 R3.
CHITAS A 240 R3.
O Pav5o vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazenda, com
padres claros e escuros, pelo barato prego
de 240 rs. o covado, por ter um leve to-
que de mofo : pechincha.
SAIAS A 20C0.
SAIAS A 20000.
O Pav5o vende saias brancas de orna s
pega com fazenda equivalente a 4 pannos,
cora bonitas pregas em volta, a 20000 e
20500,
Ditas com pregas e bordados a 80000,
pichincha.
LIQUIDAg.AO DE CALCAS DE CASEMIRA
O Pavao tem um grande sori'menlo de
caigas de casemira de todas as cores e qua
lid do?, para todos os precos, e deejmdo
muito liquida-las, rasolvau vende-las por
um prego muilo em cout >, para diminuir a
grande porgo.
CORTES DE FUSTO PARA VESTIDOS A
30000.
O PavSo vende cortes de fuslo brando.
tendo 12 covados para vesidoj a 30000,
pachincha.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA A
60000.
O Pavita vende bonitos cortes de cambraia
branca transparente, com bonitas vistas e
lavores, proprios para vestido, tendo 8 va-
ras cada corte, pelo barato prego da 60000,-
pechincha.
CASSAS FRANCEZAS.
() Pavao vendo bonitas cassas francezas
com bonitos padres, e do muita.>phantasia
pelo baratissimo prego do 240 e 280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pechincha, naloja do Pavao.
BULRNUS A 169000.
O Pavao recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, boornus dos mais lindos gostos que
at hoje sao conhecdos, e em rkeo & es-
cessivabarateza, oonvidam-se as Exmas. Sras.
para as verom, para assim admirarem o que
lia de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 6^000.
O Pavao vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende p4lo:barato
proco uc 6^000, por ser grande pechincha
Ditos muito linos com babadinhos brancos
bordados a 8jf000.
Ditos ditos com listas de cores a<*#000
55>000.
/ Ditos de cambraia branca com 30.metfos
de babadinhos de cresa9#000. .E'^rande
pecuincha na loja do Pavo.
A MADR1SILVA.
Praga da Independencia
ns. 38 e 40.
Acaba a 'Madresilva de receber diversos
objectos, como sejam : j
Ricos aderegos de raadreperola brancos e
de cores.
Diademas de madreperola, ditos dourados,
ditos de massa ou bfalo, ricamente enfea-
dos, cruzes lingindo bri 1 liantes,-cassolotas de
plaqu com voltas e sem ollas, imitando
ouro, pulseiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortMnento de grampos para
caballo, sendo borbietas, besouros e beija-
flores e outros muita* quadades, tudo de
muito gosto, rico sortimento de gravatinhas
de lagos para sonhora, sendo velludo, sarja,
setim, aze, escossezas e de urna s cor, fa-
zenda mteiramente novidade.
Lindo sortimento de laques do raarllm,
madreperola, tartaruga, ditos dourados, com
seda e sem ^ella, alm oestes de outras mui-
tas qualiddes, que enfadonho seria mencio-
nar, tanlo para senhoras como para me-
ninas.
Rico sortimento de .puuhos e gollinhas
bordadas em eambraia-de linho eeamizinhas
bordadas p.ini senhoras.
Bonitas guarnigoes ou dragonas para en-
feites de vestidos, assim como os muito deso-
jados oordes de-soda, fazenda inteiramente
no-vidade- neste me rea do.
Rico sortimento de caixinbas- com prepa-
ros para costura,-sendo de. lampas de crjetal
e de outras militas .qualiddes o tamanhos,
ditas para porta-joias, porta-otractos, ricos
porta-rologios, porta-eharutos, porta-cinza,
tinteiros, castigaes, tudo sao objectos de
plaqu, proprios para presentear a qualquer
pessoa,. assim como diversos objectos. para
esoriptorio, facas para cortar papel, carteiras
para notas, caixas para phosphoros, caetas
bordadas e lisas, maracas para .crianga, si-
netes para abrir firmas, caixascontendouma
caeta, um lapis e um caivete, agulheiros
e dedaes, todos estes objectos sao de marfm,
fazenda inteiramente npvidade, assim como
outros muitos que s-a vista dos pretenden-
tes se podero mencionar.
Vestuarios para criangas-, ehapozinhos de
seda, sapatinhos de merino e setim, meias-
de seda e de algodo, brancas de cores, tu-
do para baptisados.
Rico sortimento de babadores para crian-
gas, ligas do soda para seahoras, longos
brancos com ramagens, meias- de seda para
senhoras e meninas, ditas de fio do Escossia,
o melbor que.se podo dcsc-jar,, assim como
metas de la, proprias pura senhoras.
Rico sortimento de escovas com* costas de
baleia, marchetadas de madreperola, para
roupa e cabello, e- de outras- muitas- quali-
AfiljLHAS E Ut& PARA MACfflNAS.
A-Madresilva acaba de receber um com-
pleto sortimento deagulhas elinhas brancas,
de cores e prctas para machinas> dos- fabri-
cantes firover & Bakr's, nssira como agulhas
de todas as qualidedes e linhas de seda para
bordar e para oroebet, risas capella com
veos e sem elles para noivas, ftlc-brancoeom
bonitas ramagense com 7.palmos do largura,
fazenda esjiecial: s na Madresilva.
.-Rico sortimento do flores- do laruiija em
ramas e serwis,>de> todos os tamanhos, para
enfeites de vestidos de noivas.
luisortimcuto do collariuhos e panhos
bordados o lisos, do linho e algodao, para
homens, assim como chapos de soteom
i-?st;lo do marfioas coutros muitos arti
TEM A MADRESILVA
bonito sortimento de jarros, casti<;aeS*om
pingentes, garrafas c copos- para cspijitos,
frascos, garrafinhas de diversos gostos,. pro-
prias para toilettes, assim como acaba do re-
tobar um completo sortimento de cspelhos
do molduras douradas, de todos 06 tama-
nhos, de 3 a palmos de altura e kirgura
regular.
A MADRESILVA
acaba de receber-um especial sortinaont*de
luvas de Jowvin, brancas, prctas e do-cores,
para homens e senhoras,. assim como tam-
bem para meninas c msninos do 3 anuos
para cima.
B0HAS.
Rico so* Luiente do- Iwnecas dtenlos os
tamanhos-e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Mach-esilva acaba de receber um rico
sortimento de bordados em cambraia de li-
nho, fazenda inteiramente novidade neste
mercado, sendo tafeados e entremetas.
Finalmente, a Madresilva, alm dos arti-
gos que vos faz mengua, tem outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, por isso a
Madresilva espera que vos dignis visita-la
mais a miado, a qual vos licar sempre
MACHINAS-
DE
COSTURA
Cbefaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. ti, om sortimento de machinas para
costura, das metheres quadades que existe
na America, das quaes mnitas j sao bem
conhecidas pelos seus autores, como sejam;
Weller A Wirson, Grover A Bofca, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e ontras moitas
qoe com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantayem de fezer
o trabalho qoe trinta costursiras podem
faier diariamente e eozem com tanta per-
fe'f3o como as mais perfeitas cesiOTerraa.
Garante-se a sna boa qualidade e ensina-se
a trabalhar com perteigSo em Meno de un
'aora, e os pregos sao to commodos qoe
devem agradar aos pretendentes _______
Pode obter em ponco t*mpo com o oso do melbor dos licoresa acamada
HESPE RIDIN A
Fazjoilo annos qoe conbecido este precioso tnico, e difficil achar nma peuoa
qoe, tendo experimentado pessoalmente, nao falle em seo favor, j como bom#e6ttmacal
e apetisador, tomando em calix della antes de jantar, oo como facilitador da digestJo
t>mando-8e depois. -
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nio ha om s habitante do BRASIL (a Ierra
especial das laranjas) qne cao conbega ai propredades medicinaes da doorada frocta,
ora bem, a
em sen estado natoral tem nm gosto ponco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter suas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nio tem nada qoe tnvejar a
melhores importaces europeas de cathegoria semelhante. stas, qoando morto, poden
ser goslosas, porm a Hesperidina a combinagao perfeita do
AGRADAVEL E SADDAYEL
Para prova de que um artigo no qnal pde-se ter inteira confianga, por ser poro
e innocente, basta dizer-se qne foi plenamente approvada e anlornada pU
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permittindo sua livra elaboragao no imperio i ostra
BOA PROTA
a acceitaeSo geral que tem em todas as partes ande presentada. Em 4864 estabe-
lecen-se a primeira fabrica em Bnenos-Ayres ; em 1869 a egoeda em Mente\ido;
do dia da chegada de S. M. O IMPERADOR inaugurou-se a fabrica qoe actealmente
trabalha na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do PaciGco ten boa aeceitagSo,
tanto qne rara a casa qoe considera completa sen aparador sem orna garrafa de
,
MASCA
Anwrof, Xabuco 4 C. avlsain a rapazcada .'nr-
navalesca e aos habilants do Cabo, Api|>aw,
guarass, Casa-Forte, Lnioeiro, Afcgados, C.o\an-
:nn, Santo Antao, Nazareh, Vara-a, Olinda, Ho-
tocolomb caos demais amantes to rarnaval receberam um completo soitimento de mascan
de papelao, sera, seda e rame, jara qualqner
earacter ; e franjas, trannw douradas e prat*a-
das, cabelleiPis, lanlejoulas, vottas etc. Vendera-
se no Bazar Victoria, ra db Barau da Victoria
u. i.
r
I
O homem velho toma Heaperidina para obter
VIGOR
0 homem fctnte toma Hesperidina para obter
I
O bomem dbil toma Hesperidina para obter
i
Amaral, Nabneo A C. acabam de receber da
Europa pelp ultimo vapor o seguiite, e convid:.m'
s Exmas. senhoras a virem verc
- Ricas cliapelmas para visita, de pallia, feltro,
velludo e seda, a Rabagarcs Monlpensier, Ultima
moda:
Chapeos de palha para passoi..
Enfeites de seda, de cores e par: lnti, para ca-
cera d Sra.
Coetuines de cambraia para 3ra.. contendo ves-
tido, chapeo de eabeca e de soly rodo da niesma
fazen-Ja e de igur.es enfeites.
Comes de vestidos de la e S3dfl, de cambraia
bo dados agulha, pintados e estampados, c de
baptwas de cores.
Elegantes guainicois de o>res para sennora,
coniendo 1 par de brincos, 1 altinete, pulceiras,
1 diadema e urna borboleta para cabello.
Leones de mad.Tperola, branoo c ciueimado cor
de rosa, laranja etc. ele. lisos c bordados.
Laques de marlim, lisos, bordados e com seda,
Leques de tartaruga.
|jet|ties de madiira. sso etc. etc.
Veadetn-se no Bazar Victoria, ruajtci Baro da
Victoria n. 2.
Nos bailes as donzellas e os mogos tomam a Hesperidina para obter boa cor e
animago dorante os Ioqcos gyros da
musa.
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigano Tenorio n. 7, i4 andar, receberam eete
grande especifico, e vendem-no nos depsitos seguintes :
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Gongalves da Fonle, roa da Czdea n. 2.
Antonio Gomes Pires & C, rna da Cadeia.
Antonio Gomes Pires 4 C., caes 22 de Novembra.
Gomes IrmSo hotel da Passagem.
.Na nadarte alloma Mima da Guia o*
54, tem para se vender o seguate:
Ervilhasde tresdkTereneaqitalidades, fei-
jio braoco grado, ropolhfiai borneas,Jeu-j
tiihas,. sovadinha l'erle ,. sogi'i-, ameix.is'v
magas e cerejas-seecas; tandiea tem paral
vender dfta* bataneas graadee com ganchost
e bragos,.algt>Bs pesos, aaa>MffeDbasde in.--
tul ;ara carriulio de miavuOM forma o um
foi iio para faaer hostias a-ohmas, e mus
bomba. __________________
Lzinli&s para vestido a 32$
rs. o (G-vado*.
S r.a ra do Duque .le Gawas n. 60 A. mu >-
r* na do Oneimado, toja-da. Bcprnu, de-B*ati>
da Silva & C._________________________
Rival sra segundo.
Clieg rain agulluis para machinas, do faliicii!u
Cower & Baker. Ihizia por 20(M).
grata.
Cliegitem quito antes!!
A S$1r00! $%m! :$ooo !
Lindos chapeos campestres, da ultima moda,
para senhora, s na rna do Duque de Casias n.
60 A, loja di esquina, de Bento da Silva A C.
Vende-se o sitio da estrada da Cruz de Almas,
que fica entre o do comraendador Tasso e o do
aesembargador Doria, com casa de vivenda, d-ffe
rentes arvoredos, grande baixa de capim, etc.,
dando os fluidos para a estrada dos trillios urba-
nos ao i> da estagao da Jaqueira : a tratar na
ra do Amorim n. 37.
T
MKEBBACM
fc'araltmtii aminhftlnijhiTym latas euuntro
l;ii....- a WX rs alH-a : no armazem, de- Tas?o
Inr .os \ C., wxihi Aniiim n. ''<~ ______
Lik-as sterlina>.
Veruhvse naanaMm de hnadae de Augusto
F. de Oliveira \ t^.; a na do ConuBcreio 'l-
Utiino gotitov
Cadeias pKtaa douradas e marohetadas de mi-
dreperola : aos' armazens de fts Iriniio & C.
no caes do Apollo. _________________
AiANAK
DAS
Farinha do mandioca a 3$ o
-sacco.
Na ra da Madre de:Deas n. 7 ; a ella, em
guante nao se acaba.____________________
Xarope d'agrio do Para
Antigoe coneeituado medicamento para
cura das moles as dos orgos respiratorios,
como a phtysica, bronehites, astbma, etc'
appbcado airula com ptimos resultados- "nq"
escorbuto. -
Venderse na pharmacia e drosoria deBar-'
tholomeu A'640 rs.
Vendem-se duzias de car/eieis de linha
jardas pelo diminuto precjrue 6i0 rs.
isto s no'Rival do Recife n. iO A, ra
quez de Qtioda.
Ym US.
PORTllftVL E BRASIL
com una .carta, do A. Herculauo, colaborado por
mui distinctos eseriptores e estriptoras do lira-
sil, Portuaal e Hespanha.
Acabam aoohegar optes Almanak> eiarham.tie-J
veifda Bas'livrarias Keonomien.'ao pa-dfi arco
de Santo Antonio, e Industria^s^aardQ BarSo da
Victoria n. 12- ^
de 200
a duzia:
rna do Mar-
V^nde-se um /CabrioKt americano de duas
rodas,; pillado desovo; para ver-na coxeira
do Sr. Pirmi o, ra das {flores, o a tratar na
ra *> Pego n. ?0, ou da l!aha.n.4.
Vende-sc
de :>tata'
i
< < '

-
Borracha.
nrracto para limas deheiro: aarua
n. !.
Tav^rna para vender.
Vetde-80 a laverna sita rna de Joao f ernau
des Vieira n. 2i, muito propria para principiante
por e*tar bem localisada, nova a arinacao, nao
iem-atoides. tem casa de moradia indepemlento,
Buralal-murado eom cacimba e diversas arvores
I fracto, garanlo-se a casa eom m arrenJamen-
lo por sois-annos ; vende-sr eom gneros oo sem
elles. o-ao comprador se dir o motivo por qwe -
vende : a ti-atar no largo da Santa GroJ n. '* In-
verna.
Por precisao
veudc-se nina cscrava d>idnde 35^iniios, sem vij
cios, eozinhafeem, lav o ms-mnia : n tratar iu|
ra di Viscoade d&Oovailaa, eatrora
n. 17,
('otovello
urna tavernada rna tn S. MjguW-h. 68, em Afo-
gads, propria-para principiar.!' : quem a pre^
leader ainja-se a uiesmi que adiar eem -ineni,
tratar.

i IA
BARTHOLOMEU et C
Pharmaceuticos premiados em diversas exposicoes
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO
ESPECIALIDADE
Novo tratamenlo da Asthma, tost, convulsa, defluxo catarrhaes, e todas as molestias dos fulmo!,
que tem feito importantes curas, e que hoje o nico acceito pelos melhores Mdicos.
DEPOSITO GERAL, 34, ra Larga do Rosario, PERNAMBUCO.
*
Chitas de-aeree e 200 e 240 is o covado.
Caaibraias iniudiiilias,a 260 riscu ovado.
Lanzinlias-miudas e do listas, a 30 e 400
ris ooovado,
Ditos de fil fazenda moderna, a 400 ris
covado.
Cambraia transparente fina, a 89a peca.
Dita victoria lina, a 40 a peca*.
Bramante de 4 larguras, a l$600 a vara.
Casemira prete fina a 1^600 o covado.
Brim Urlico de linho, a 45000 vara.
Dinheiro
20Ra do Crespo20
Colxas decores, a 15800 4? e 53? urna.
Ltnooes de bramante a tt um.
Cobrtas de chita torradas, a 3-T1 e 3JP3O0 u.. i
Ditas de chita sem forro, a 1^800 urna.
Cobertores de la, escuros, a 20 um.
l.enros do cassa anibanliados, a 2J a duzia.
Toalhas alcoclioadas, grandes, a 6?9 a duzia.
Brim pardo traneado lino, a400e 440 ris >
covado.
Chales de morinl lizos e estampados, a 29
um.
Veuho antes que se -acabem!!
Loja de Gllierne C. da CuuSia
~->
....
--'
DE^ffiHBRGO
As m;iLsr<'etuitj^j>ftel!iores.
Viijrie5iv'iiapliarir.a(:ia fdrogariadBai-
thiiifcmeui C, ra Carga doaario o Ilu. 34.
Ce
rvea

Novo estabelecimento
de joias.
Run do Cttbug u. 19.
rf^ Neste estabelecimenm se encontrar
- um bonito sortimento de joias ^me/s
- vendem por tal prego (ue animara ao
^comprador, attent ao vant&jOso syste-*zg A verdadeira cerveja da Itavlra. marca fcn-
.*fcr. ma, ganliar pouco fiaff^vender inui- "' deia, de-uperi"r qualidade : vandwn Tiso Ir-
W lo, que eertajenfe til ao compra- eg; raaos A C. em seu annaiem da ra do Avoriui
B *(,r e ao vendedor. namci >37.______;________
^ Tambem s/compra ouro, prata e pe- ,,-- yende-se a laverna da ra dos Acougain!. -
m dras preciotts, bem como se fabrica e ^r: B w oncog (m(ISi pFI(|,ria |Kira princi_
iScosoerta toda e qualquer obra tendente .^. ^.,,^.^103 boa loca! iade : a tratar na
^yZ>"& mesma arte. '- ,,UKma
- Cadeiras oratorias oocj asen;o de -slhinha
J0J000 cada urna ao caes do Apolla, arma- [
tem de Tasso lrniSoa A C.
.Pechincha em sedas
Vendem-se superiores sedas de erres eom toque
de mofo, pelos baratos precos de 00 rs. o covado ,
da? mais mofadas o por 800 re. o covado das mais
Hmpas : na rna Duque de Caxias a. o3.______^
Mais delles.
Aunis eteclims.
Daquelles anneis elctricos, tao uteis para o
nervoso, e que'a Magnolia, na Duque de Ca-,
xias n. 45 tem vendido porcao e que por seren t
os nicos verdadnros, mullo tem apMreilado ; :
pelo ultimo vapar wio novaTemessa : la lles-an-,
tes que se acabem^Na Magnolia n. 45, ra Dwpi.
'ItL*^..^.:, Chamtode, 3avwja,
eUnteifieBle ichagado : ha .tpara vender to -os. SupWaTf
eriptorio do Joaquim Jo-e On^atrs BHtrao Pi. no escrjptoriotle'Taoo'rrid'
Iho, ra do Commercio n. 5. rim a, 7,
t n J va unios, s a filas mano han
a |n*IIe.
Uell<>tia i ra*ln o lu I lio du
ni**.
Vende-sc na loja dos Srs. ca l.eitSo. Ponceca *
C : ruadlo Buqac de Casias n. 45.
fernamtuco.
1
L



I
Dteio, 4-8Nmb*co Quisto bi 6 )ereroirobde WkZ.
HWDIVtC-fo
Iiih'
vi v
Ptalas assncaraasHle Bristol.
\A0 CONTBtt NEM. CALOMELANOS NEM NENHUK
OUTBO MliNBHAL.
A grande necessdade e falla de um ca-
iharco ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tera sido sentida, tanto pelo po-
vo, cono m&smo por mcio da faculdade
medie; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a: conflanca e segundado, roeommendar
as pitilla* vegetan- a&iucaradas de Bristol,
como urna excedente medicina purgativa, a
qal encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornndose em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por ahi se
endem, mas sim, sao preparadas com as
mais fifias e superiores qualidades de raizes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
aquellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiirt, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
^aravilhoso possivel sobre as regios do
figado, assim como sobre todas as secre-
c6es biliosas. Isto a combina?ao com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consu-
mera e formam urna pilula purgativa, tor-
:::?ndo-se por isso muitissimo superior,
eualquer urna outra medicina da mesma
Latureza,- que jamis fora apresentado ao
publico. As pillas wgetaes assucaradat
de Bristol, achar-se-hlo sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, tae como
-ejam as seguintes.
Hydropesia dosmem-
bros ou do corpo,
AffeccSes do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau balito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
x
Sfft, IR^tOpOl
c punhos
Dspepsia, ou indi-
gesteo,
..'Astringencia, ou..
prisao do ventre
habitual,
Asia do estomago
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que derivam ?
fu origem da massa do sangue: a salta
T-arriVia de Bristol es se melhor de todo*
os purificadores deve ser tomado conjnn
emente com as piulas, pois que estas
preparadas para obrarem de harmona urna
"om a outra, quando fielmente assim se faz,
33e nos resta a menor duvida em dizer
fot nomaor numero dos casos, odemos'
; ffiancar nao s um grande alivio, como
.arahem urna cura prompta e radical, isto
*t bem visto, quando o doente nSo se
;:be n'um estado muito alm dos recursos
i.umanos.
mm
O baealtao. da Norufg i, era csixas e meias
i.' u- : no caes da Aliaadega d. I, armaiem de
Tssji Irmaes & C
Yendi-*o urna risa e tapa bem construi-
da, c,i\a bastantei eommodos, em Beberibe de
no ao lusar do Fiindfio, ra da Esperanza, teo
190 palatal 3e frente e 300 e tantos de fundo, e
re; mnwrtinwiti iooo ; tambam vende-se
(Ta ma s pequea na estrada nova de Reberibe,
f arto da segn la estadio dAgua-Fria, e rende
tamben mansabaeme l i* ; o um wcreno com
00 p litaos Je f ente, na mesma estrada de Bebe-
ibe, junto a ca-a cima aiinunciada. Vende-se
i objectos por preco muito modi:o : a peoa
aue pretender, dirija-se ra de JoSo Fernandes
;an. 24.
Mesa elstica.
- ln-sc urna ptima mesa para jantar, ingleza.
lito bem construida, e elegante e por preco ra-
: val; armazem da Travessa do Corpo Santo n.
25.
Grades de ferro.
Veadem-so grades de ferro proprias para ter-
lago, e por eommodo prep : na ra da Roda
0. -"6.
Bois mansos
tendern-se .os melhores possiveis para car-
o; ou. earroea, no sitio Ipiranga, junto ao sitio
lo Sr. Jacome ; no mesmo sitio eompra-se urna
arroca nova ou do pouco uso; a tratar no
i smo sitio.
JARKOS
:om tripa; e dobrada da vaeca ingiera a 4/000
:ada um : no armn-em de Tasso Iixaos & C,
rna o Amorim n. 37.
Vende-ae a cas* de motilados, coiiocada na
trada que vai do Porto da Madeira para a po-
voacao de Beberibe, bem afreguezada e com pou-
c fundos?, proprtapara principiante : quena a
pretender dirija-se mesma tawma on ra dos
i: 37.
I COMO D08 PURGATIVA
.COMO DOSESEFRESCANTE Ai
\. DEPURATIVA Sjf
WMtuiJI ^*" <^^^%V SAUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DB
BARrHOLOME & C.
34Ra larga do Rosario34
Obras de plianlasia.
A. loja da Aguia Branca, ra do Duque de
C.axias n. 50, recebeu um bello sortimento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, com dourados e pedras.
Outros de madrea rola queimada com bonitos
enfeites de delicadas flores.
Outros r> fin i domado cm p nge les de cores.
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de tino dourado com pedras braneas,
Aderecos d madreperola.
Ditos aourados com camapheo prcto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando folbas e flores naturaes.
Ca-soletas de madreperola
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras de ditos pret s com donrados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com pe-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Botos dourados. e de outras qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas golliiihas
bordados.
A loja da Aguia Branca ra do Duque de
de Caxias n. 50, receben novas gollinhas e pu-
nhos bordados, eouirosenfeitados com ntremelos
e bicos ; assim como receben igualmen e novas
guaruicoes de grvelas com franjas c laeos para
os cabellos, todo do melhor e mais mod rnos gos-
tos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Branca, rna do Duque de
Caxias n, 50. recobeu bonit s leques d- perfeita
phantasia. pro o com dourados, e outros de apu-
rados gostos ; assim como recebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos u i c ntro, e anda assim ven-
de esles pelo barato preco de ijSOOO cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Banca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r ceben bonitas garrafinias de crys-
tal em par coin ramagens douradas e mui pro-
prias para arranjos de toilet, ote,
Armis e colares elctricos
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares eleciricos, e continua a recebe-los
mensalmente, pelo que sempre estar provida de
tacs objectos
Diademas dourados
A loja d'agnia branca ra Duque de Caxias n.
50, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedras c aljofares, obras de ges-
to e phantasia. Tambem recebeu noves grampos
pretos ou alflnefes com flores para a cabera.
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A.loja d'aguia branca na Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos leques com bouquets e outros cinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'aguia branca a ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu cold creme dos afamados fabrican-
les Lubin, Legram e Condray.
m
tai
mm r.
4
v-c
CGUTAlFftTGa
Aoaba do ser experimentado no engenho Fragazo >> apparelco para apromptar o m-
4ucar pelo sy tema CtnUilugo.
0 PROCESSO
E' mfiito simpes.
Tira se a meladura das laxas de coer~ botn-se dentro de qnalqner vasilha para
joalbir.
Logo que esteja coalbado passi-se pira o apparelho em partidas de 3 1/2 arrobas
de cada vez.
Send i assim ebeio e posto em movimento, dentro de 5 ornatos estar o aiiocu
promptj e em estado de ser logo remettido para ser vendido.
0 resultado
Fo fazer-se de 4 l/ pies de assecar 21 arrobas de semenos i.1 sorts. 0 me)
aztrabido pelo apparelho tendo,sido em nada prejodicado pelo proceiso que soflreo, sa-
lindo mel d'engeoho e nS> mel de furo, prestoo se a ser novamente cosido, dando no
apparelho asmar de qualidade e pouco inferior ao do 1.* processo, dando alm disto
mesmo as formas 13) bom resultado como se fosse passado logo das tazas para as mes-
i.as, aprovdiaado-se assim mais metade d > mel do que cora o antgo systema.
Sendo tao evidente as vantagens prodazidas por semelhaote apparelho, o que po-
der ser verificado pelos proprios sennores d'engeabo, esperara os proprielarios de dito
ipparelho, depois do risco que correrma com semelbante experiencia, merecerem a pro-
'.ecrgo dos ilustrados senbores d'engenbo.
A' tratar com oa Srs. Samuel Power Johnslon d C, i roa do Apollos. 38 e 40.


\':iut/t Piu las, Xabope e TiNTunA
>)Z JttJBEB* SINiptES E FERRUGINOSO;
I I 10. P.MAVE EmPUASTRO DA.MESMA
PA PllErt\ft'ft8 POR
BMTHOL0K0 & CA
I'K (I1MACEI TlCOS-DROOUl!flVA8
rnt^ilf f
A Jrudba ; efla |i ala_ J"je recoobee d*
o mui? bsdtrnso lonierf, C'"nd tneHlir
c! ligailoo li;o, hr^M. ilirrtM. UiMHR islei.
nos uiii do a to, hidropesa, etytU
y lias, 'te.; o asocad ai ierro e ulil MS pallidas
' Mu de merMlruacio, desawan-
ji- ,: > csloraag), ele., i o qae disemos allesUa
i:iniMnMM-arW poliiniie obtidis com nossos
f'i').arlos jl hem eoohreUas e iiido pto* mais
* lilo* tjtJtcfls io paii Portagal. Es lodos 01
mM f * nvJlior t .ipplicacio.
Piademas e grampos de
ac.
A loja da aguia branca, a ra do Duque de
Caxias n. .0, recebe;: novameirte bonitos diade-
mas c grampos de a>;o.
Bicos de seda pretos com
flores de cores.
A loja da aguia branca, ra Caxias receben, como novtdade bonio? bicos de
ed.i pretos com lores de cores, sobresahindfl nel-
les o preto com encarnado, todos i>ui proprios
para barras e outros enfeite* de vestidos de gra-
uadine, ou niedina, e outras fazendas transparen-
tes. Pela comraodidade dos pre-.os esses bicos tor-
uara-se mai- comraodo.s c pela novidade de gosto,
preferiveis a quaesiincr outros enfeites.
Veos ou mantinhas pretas.
- A loja da aguia branca, ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda rom flores, e outras a mitarao de
croch, e vende-as pelos baratos pre/os de 3,
i e 6000. A fazenda boa e est em perfeito
estado, jielo que contina a ter prompta extrae-
do.
Diademas e aderemos de ma-
dreperola.
A luja da Aguia branca ra de Duque de
Caxias n. 30, reci-Leu urna pequea por^o do
diademas e aderemos de madreperola, obras de
apurado gosto.
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Para o carnaval!
Yelbutina de todas as cAres ; s na ra Duque
de Caxias n. 60 A. loja da esquina, de Bento da
Silva A C.
Perfeita novidade.
Grampos com borbotetas, bezuros e gatt-
nliotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, ra do Doque de
Caxias n. 50, receben noTos grampos com bor-
boletas, bezuros e gafanhotos, o qrte de certo
perfeita novidade. A qnantiade c pepuena, e
por isso em breve se acabar.
Tijiihs frattceies sexlavrdos
De 459000 a &&QOOO
< milbeiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os memores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrimar os pavimentos
ferreos das casas, porquanto,j)ouc retiis distan-
do do quo os feitos 110 paiz, sao, sein comparacao
alguma, superiores a estes pela lmpeza d*c que
sao susceptiveis. Custam, alm disto menos da
dechna paite dos do marmore, j reprorados, e
dos de differentes mosaieos, os quaos nio estao
eertamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. AIem da vantagem que ha no emprego
desies tijola para os pavimentos terecos e casas
de camp, tem estas anda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrilhar coiinbas nos
sobrados da ndade, atiento a sua solidez e pouco
peso, estando mam qne Brotada a eonvenrcrteia
de serem assoalhadas as eozinhas todas do tiiolo,
e n5o s a parte junta ao fogao, no qne ate as
companhias de seguros se rrevrfamr mteTessar.
Vetdem-se no araaaeM de farinna de Tasso Ir:
mao A C, no caes do Apollo.
Vende-se, arrenda se ou permuta-se, por.
trras que sirvampara plantar canna, urna padaria
sita no pateo da feira no povoado dos Mrntej; a
tratar com seu prcrerteurl aa mostn rtwode; e
para informales, com osSrs. Aooba-Una 4 tnaraes, ra do Bom Jess (oafr'oj'a da Cruz) n.
i 6, ou comoSr Nicoraedes Maria Prare, no
Gaes do Apollo, n'esta cidade.
V^de-se
annos, cozinha, lava.
urna InutaaV, B trinl* -tantos
engoMat. fu Mtfi iorv
S* ,5 "- "" -[r^'-z^:
ARMAZEM DOS LEES
Ba Duque de Caxias ou 29.
6s proprietario.; deste bem montado estabelecimeoto gcieotificam ao
.-espeitavel publico desta provincia qae se acham tora um variado completo sorti
meato de movis, tanto naciooaes como eslraDgeiros, sendo estes escoltados por om doi
iosos qne se acha actualmente na Europa. O mesmo tem contractido com os melhore
fabricantes daqueliecoutineute as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na oilicina temos mais babeis artistas deste genero, epor isso pedem qae ve-
nham visitar o estabelecimentn, aonde encontrarlo a realidade do que acabam de expr
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de jacarando, mogno, faia, carvalbo, a-
marello, etq ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc.,etc.,goardi
vestido de amarello, guarda Iotifa de noguein e do amarello cora ttmpo de pedra, apa
radores de ddo dita, peli toilettes especialmente par fazer a barba, toilette de jaca-
randa, amarello, pedra, secretaba? do Jacaranda e mognocos toreiras ae mo^no, san
toarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seni
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., ete;, o muitos ontros artigos que deixamos df
mencionar por se'tornar enfadonbo
MZEO DE JOIAS
N. 4 Ra do Cafoqg IT. 4
JOSEPH KRALSE & C.
DE
GOMES DE MATTOS, IRMAOS
Nesio importante cstabelecmento de primorosas joias, achara o respe.vel
publico 'desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
presos, queja existiara no Muzeo, que sero vendidas com grande reduc^i
de prer;o, alm dos novos objectos receidos directamente da Europa, que
se vendero por preco animador, bem como sejam, aderemos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de d*os, ditos de differentes pedrarias de
pre;os ; aunis de brilhantes e de esmeraldas, rubius e perolas, e de todos
mais objectos de valor, quepossam ser desejados pelo bom gosto e aprecoda*
familias, que sabem dar valor a objectos de primor.
Os proprictarios do MUZEO DE JOIAS, convidam as familias que se
queiram prever de excellentes joias, a virem escolhe-las entro o variado
sortimento dellas, garantindo os proprietarios que sero sincero? paro todos
que se dignaran procurar seu estabelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, porcias, e obra
simplesmente de duro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se Tendera prec.0 reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, qtw
se vendem mediante penco dinheiro e garanta dos donos doste estaljoleci-
monto.
Os homens do centro, que precisaren! de qualquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MUZEO DE JOIAS, que serio servidos com
attonro e sinceridad?.
^E lgico!
A cosinha, a dispensa, os a-
paradores e a mesa.
Os moradores do P050 da Panella e sens subur-
bios necessariamente devem reecber em sua* ca-
SEGRfflS
E CELERIDi
ajo
ECONOMA
Obtem-se com o uso
DA
INJECgAO SHOST
nica, hygienica, radical e infalli vol na cu-
ra das gonorhaasi, flores brancas c fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offerece como garanta de salutaresjcsultados
sai agumas TisitaTnTTespem#>dtoS fesu'da ? conlin"ada applcago qpesempre com a
BARATEIRO
, DO
BAZAR NACIONAL
Ba da Imperatriz n, 72
de Lourenco Pereira MendesOtiimarSes
Declara ao reepeitavel publico qae, tendo concluido o conserto qae fez em sea ei-
tabeleclmento di roa da Imperatriz n. 72, declara qoe o sor lio de novas fazendas pro-
proprias para a festa do natal, os preces sao os mais baratos possiveis a saber :
LAASINHAS A' 120 RS. CORTES DE BRIM k' 1(5500.
Vende-se laasinhas para vestidos a 120 Vende-ae cortes de brim para calca a
tOO, 360, 400 e 500 rs. o covado. 14500 e 20(0.
OLINDENSK A 800 RS. MADAPOLO A" 30000.
Vende-ie ama nova fazenda de seda e Vende-se pecas de madapolSo a 34000,
linho, por nome olindense, propria para 4S(X, 5^000, 60000 e 81OOO.
640 e 800 vestidos, a 800 rs. o covado. chapeos de palha a jjooo.
ALPACAS DE CORES A 440 RS Veide-se chapeos de palha, de f el tro e
Vende-se alpacas de cores, lisas e lavra- de castor, para bomens e meninos, a 24,
das, para vestidos de senbora, i 440, 500, 24500, 34 e 44000.
padroeira daquella freguezia -e por isso preciso
que de antemao se faca una grande revolu(o
augmentando, sortindo e recbeiando a cozinha,
a dispensa, o aparadores e a mesa (j se sabe,
corii iguarias gratas ao paladar) sem o que nao
ae pode passar um dia folgazao t regalado.
Queris que principie a vos indicar um meio
fcil para conseguirdes. o flm a qae vos deveis
propor para transfrmales, augmentares, sortires
c recbeiares as voseas cozinbas, dispensas, apa-
radores e mesas ? nada mais fcil...
Ide a ra do Imperador n. 2i,
onde vires urna casa com a fren-
te pintada de encarnado, tendo um lampeao pen-.
durado, enjo letreiro se l o seguate : CoBfei-
taria do Campos.
ella !... ella !... ella....
Ahi deve-se entrar e encemniendar para eada
casa o seguinle:
1 Fiambre preparado.
1 Bolo ma. '
1 Pao-de-l. :
i Pudn de pao, arroz o tapuca.
1 empada de camarao ou gaUnha.
i Torta do frueta.
WO pastis diversos
I Peril assado no forno.
1 Peixc dem dem.
. 1 Gathcam d la reme.
Va*oi,cemja?, Medres, bolachinliaa, bol ufcon
paca, cha, ha verde superH, passar flgw.aiwir
xa& tudo mais que mesma impossivol lein-
brar.
S nella, so nella.
rfeconfeitaria doCarapoe.
-..............M
maior vantagem se tem eito della uos hos-
pitaes de Pars.
nico deposito paxao Brasil, RaitUolorneu
&C, ra Larga do Rosario n. 34.
AC0B0AOE0UR0.
A rna da liuperatri* x).
Acaba de receber de con. prupua, &
pelo ultimo vanor da Europa, um coqi- S
pleto sorttnento de objectos de prata ^
osniis liados qaelem*vindf a estemer- SS
cado, sendo os seguintes : adoremos k ^
ta-granoa.,obca dcApurad^ gQsi.vl- ffS
. tas, brinco?^, rozetas, salvas, refegio0, "
palhttei^elheres kt. etc.,, pelos pre- 6b
tomate resuiawOs posaiwi*. Asen W
i mm mi .oa*n4eta grtto,*adc ubea Qk
de ow : aitfMw^hwUwn^xp/ete^ |
[- "^"'Tfiii.rjr e.tambem sem brintantcs. 4n
-----r-
I
Bwraflw \m-A limas,
Vende-se borracha de primeira qflaWade
liiniw 4c 'bpiro n^aftgOLjntos hacos ; a,
acia nentrai h n
ma roa n. M e tro psto d nttrii d Orno A*>
Machinas paiti Hmas.
Vende-se.optimag, e muito convenientes para |onio. n. 4, por preee raamm____________^_
fabrico das meemas : na pharmacia do ferreira I Wodenr-se dte ftieravs, OfflJ omlialli-
& C, ra larga do Rosario n. 10, e na praea do (hdesa eutrae sem ems, *f 4 31 aaMi; ato
Conde d'Etn. casa doSc. AauwiM. M. Fer-! como dous pretos de 40 anuos, rfastos na ra
50 de casa : a tratar na roa do Cctovello n, J5. reir, I de Hortas a. %. .
rs. o covado.
BAPTISTaS A 500 RS.
Vende-se ama aova fazenla por nome
baptistas, para vestidos, a 500 rs. o co
vado.
SOTANAS A 640 RS.
Vende-ae ama nova fazenda de 13 e seda
por nome sulanas, para vestidos de senbo-
i as e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda lisa, pornome
phantasia, para vestidos, a 800 o covado.
Fnsto branco a 3 Vende-se fusta branco e de cores, para
vestidos, de senbora, a 320 e 400 rs. o co-
vado.
CHITAS FRANCEZAS A 40 RS.
Vende-se chitas fraocezas escaras e cla-
ras, a 240. 280, 3*0 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 14600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largara, proprio para lencoes, a 14600,
e 24200 o metro.
GrosdesaapSes preto a AOOO
Vende-se grosdeoaple preto a 24000,
24300, 34500 e 54000 o covado.
PANNO PRETO A 14500.
Vende-"e panno preto para calcas e pa-
litla. 14500, 24500, 34(00, 440OO e
5000 o covado.
ALGODAO A' 44000,
Vende-se pecas de algodSo americano,
MOOf, 54000 e 64000.
BOTINAS PARA SENHORAS A 54000.
Vende-se botinas pa;a senbora, a 54000
e 54500.
CAMBRA1AS A 34000
Vende-se pecas de cambraias lisas para
vestidos, a 34000 44000 e 54000.
CAMISAS BRANCAS A 2*000.
Vende se camisas brancas a 24500 e 24.
Ditas de linbo a 34, 34500, 44000 e
54000.
Palitots de panno preto a 54000, 74000
e 84000. Palitots de casemira de cores, a
44, 54000 e 84000.
SAPATOS DE TRANCA A >400.
Vende-se sapatos de tranca e lapete, para
horneas e senhoras, a 14500, 14800 e 4
Sapatos de casemira pretos a 24500, 34 e
345(0. N
CHALES A' 800 RS.
Vende-se chales de ISa cem qaadros e lis-
tras, a 800 rs. e 14000, ditos de nerio
estampados, a 24000, 34500, 44 e 54000.
E outras incitas fazendas qae re vende
sem reserva de preco, na loja do barateiro
Bazar Nacional.Roa da Imperatriz n.
72.
Aderemos de bri-
lhantes, esmeraldas
rubins e perolas,
voltas de perolas.
Obras de onroe
prata de todas as
qualidades.
APHIRA
NOVA LOJA DE JOIAS
N. 2 ARa do CabugN. 2 A
DE
HlUItOS i\ 1 11 no
Achando-se completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os scus proprietarios feito urna importante acquisigo de
joias as mais modernas viudas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer una visita ao seu es-
tabelecimento, aftm de apreciar e comprar urna joia de gosto por
proco razoavel.
CHAPETERIE DES DAHES
16-Rna doBarao da Viclora-16
A este ostabelecimento acaba de rliegar grande novidade como se^a: cbapelinas de palba e de
gorguro ricamente enfeitadas, chapeos de palha de Italia formas as mais modernas, grande sorii-
mento de chapeos, ehapelinas para luto c tambem as muito procuradas meias cbapelinas de que
havia tanta falta no mercado. Recebeu tambem diademas de ago-e de metal dourado e grande sor-
timento de borboletas c flores de metal dourado em grampos que vende de J$ at 12/ o par, poruulo
pedimos as Exmas senhoras que queiram visitar nosso estabelecimento que nelle cncontrarao niuitie
objectos de gosto.

Samuel Power Johas-
tm&G.
Ra do Apello a. 38 e 40
Faiem aeiente ios teas fregaexas < teem
mudado o sea deposito de machinas a va-
por moendas e laxas da muito acreditada
fabrica de LowJfoor para roa do Abollo n.
IB #40, onde eontutaan a ter o mesmo sor-
timento do costana.
Fases acianto lambern que teem feito, am
arraojo oom a fondisao geral, pele Qae po-
dem offerecer-se pan assentar qnalqner
> vinMMmio < meemo garant to.
ippaielho pata labrica, ^^^
nicos agentes em Peros
Para tratar em seu i
011 CBL
Os proprielarios d lad>te gara) fa.da
scieotes. asa lenborea 4 egshoeiM
pessoas, qoe daem eetableci4o nma londi-
co de hita e hrogie a rtt d Brum, jun-
to a estacao dos bona, onde aarootirib
qnalqner on de eacemmtda coa perte-
cio e proaptidaa
Os mesmos rogan as pessoas aue quei-
ram ntilisar se de sena, aervi$oj de deixai-
rem as eoeommendae em casa .dos Srs. Sa-
muel Puwer Jobostoo A C a roa do Apol-
l n. 38 *, oede actkMio pesso kaUli-
uda com qnem pomm entender-ae.
iicBin ^


5^=
Diario de Pernambuco Quinta feira 6 de Fevereiro de 1S73.
VAMEMDE
Revlst* 4e f 81.
FACTOS NOTaVEIS.
jamuro.
1Consolidaos ii%le/cs 92 % ; renda
fraucean 5i */i j ouro bo baneo deogfatet-
ira, 2i,91i,8i ||). ta\a do descont 3
-
1Emprestimo hngaro do 5/, de.......
3,0(^0,000 Ib. nominaes, negociado om I.on-
dres'por .Mrs. R. Raphael & Son, a 81.'
2Abertura jas catearas. O rei no dis-
curso da corda foz a promessa de que seria
apresentada peto governo uma propdsta para
a reforma da carta constitucional.
# 7Assassinato de Jaines Fisk, do Erie
Railway, era Nova-York.
8A presentado de um projecto do go-
verno de reforma do cdigo administrativo.
10Espartero, duque do Victoria, ele-
vado s honras de principe de Vergara.
10Terminou satisfactoria e amigavel-
mente o incidente entie o Brasil e aPrussia,
motivado por um conflicto 'havido cora uns
ofliciaes da marinha prtissiana no Rio de
Janeiro.
20Emprestimo boliviano de 6 /0 de....
1,700,000 Ib. nominaos, negociado cm Lon-
dres por Mrs. I.umb, Wanklyn : C. a 08.
20Apresentago por parte do governo,
da proposta para a reforma da carta consti-
tucional.
23Empreslimo de 3,000,000 Ib. a 6 ),
bonds da cidade de Nuva'York, a 104 Ib. 1
s. 3 d. negociado em Londres por Mr. Ro-
thschrld.
24Empreslimo de 220,800 Ib. a 7 /,
bonds da provincia de Entre-Ros (repbli-
ca Argentina), negociado em Londres por
Mr. Murrieta, a 90.
I KVEREIR0.
6Emprosthno contratado por Mr. Stern
Brothers de Londres, de 1,225,000 Ib. Ar-
gentinos internos C % Stock cerca de 75.
7Abertura do parlamento inglez.
12Noticia do assassinato de lord Mayo,
governador geral da India- ingleza:
VlTe-Deum nacional em Londres em
aecp de grecas pelo restabeleci mente do
principe de Galles.
20Tentativa contra a rainha de Ingla-
terra por 0'Connor, no Irish lunatieboy.
har<;o.
7 a 12Festejos pblicos era Lisboa! em
honra dos imperadores do Brasil no seu re-
gresso ao imperio.
12Morte de Mazzifii.
12Amnista aos revoltosos da India.
12Noticia da cesso do Erie Ring em
Nova-York, em consequeneja da mocao foita
por Mr. M'Henry e Mrs. Bischoffshem e
Goldsehmidt, e dirigida polo general Sickles.
20Emprestimo peruvauo de 5/de....
21,800,000 Ib. para a divida e 15,000,000
Ib. para caminhos de ferro, emitdo a 77 '/i
(ou 75, calculando escus is) por Mrs. J. H.
Schroder and C. e Mrs. Stern Brothers de
Londres.
25Mr. Lowe, ministro das Bitangos,
apresentou ao parlamento inglez o orgamen-
to mostrando que a receita para o auno se-
grate era de 74,915,006 Ib. e a despeza
71,313,000 Ib., ha vendo portante um saldo
de 3,602,000 Ib. Annuuciando isto, Mr.
Lowe propoz o abatimento do 230,000 Ib.
no imposto do caf e chicoria, 50,500 Ib.
no imposto das casas, 310,000 1b. no im-
posto sobre as rendas, por um abatnente
ie80lb., as sub-rendas 300 Ib., e......
2,700,000 para reduzir j imposto sobre as
mercaduras de 6 d. a 4d, A'remisso to-
tal dos impostes foi 3,290,000 Ib., deisando
anda um saldo de Ib. 312,000.
ABRIL-
*0 banco de Inglaterra elevou o des-
cont a 3 Vi /,.
50 governo reduzio o juro da divida
fluctuante c retirou os ponhores que dava
"aU: eutao aos prestamistas.
5 Autorisago para 0 estabelecimento de
um cabo telegraphico entre Portugal e o
Brasil, pela Madeira e Cabo-Verde.
9Emprestimo do 1,000,000 Ib. a 5
para New Zealand Government Debenturee.
110 banco de Inglaterra elevou o des-
cont a 4 /<
16Emprestimo russo de 3 ,0 para os ca-
minhos de ferro, -d 15,000,000 Ib. nomi-
nal, a 89, negociado por Mr. Rothschild.
:?Rovolugo carlista cm Hespanha.
MA10.
4Emprestimo Costa-Rica, de 7 /0, de
',400,000 Ib. nominal, negociado por Mrs.
knowls Foster, a 82.
'Entrada em Hespanha do pretndeme
1). Carlos do Bourbon.
9O banco de Inglaterra elevou o des-
tonto a 5 /o-
23Emprestimo de 15 milhoes de ib.
para o Honduras Ship Railway, a 80.
Maltogroo-ee quatro dias depois de annun-
cia lo.
FOLHETIM
lltUti li MIOMA
PEI.O
yiSCONDE PONSON D TERRAIL,
SEGUNDA PARTE
A creoula.
(Continugo do n. 28J.
XI
30-0 banco de Inglaterra reduzio o des>
cont a1*
}Grandes festejos no Porto para cele
bnir o 40.* anniversario da entrada do exer-
cito libertador naquella cidade. -M
13O banco do Inglaterra desceu a taxa
o>' descont H'/i0/,. ,
20Nova descid* da mesma taxa a X'j.
2 iContrato conj a casa Erlanger & C.,
de Pars, o cora o banco franco-austriaco-
hungaro, para m emprestimo applicado ao
pagamento da divida fluctuante interna e
externa.
25Visita de suas magestades s provin-
cias do norte.
26Noticia da resojugo arbitral em Ge-
nebra sobre as reclaraagOos das perdas indi-
rectas dos Estados-Luidos na questo do
Alabama.
1VLHO.
180 banco de Inglaterra elevou a taxa
do descont a 3 '/s ",'
18Tentativa de assassinato contra o re
e a rainha de Hespanha em Madrid.
21Grandes festejos em Lisboa para ce-
lebrar o 39. anniversario da entrada do
exercito libertador na capital.
23Morte le Jurez, presidente da rep-
blica do Mxico.
25Descoberta de uma conspirago con-
tra a ordem publica, sendo suspeitos de au-
tores da mesma conspirago o marquez d'An-
0 senhor de Nossac nao hesitou. Tomou
a joven entre os bracos, collocou-a sobre a
sella e montou no mesmo cavallo, fingindo
Ofio se lembrar de que tinha alli o seu. A
creoula nao o notou. '
lm terceiro relmpago fechou-lbe os
olhos, e entao abanionou-se, desvairada,
ao seu cavalleiro, que, sob o pretexto de a
segurar slidamente diante de si, a apertou
contra opeito.ae marieira que ouvio as
precipitadas palpitagis do seu corago.
Porquero corago baVlhe ; ella estreme-
ca eapertava asmaos do baro com torga
tal que elle receiava a eada instante t-la
acommetda por umacrise nervosa.
Era so o raedo que a agitava amT ou
entao o bario tinta acertado dizendo-lbe
pouco antes:
Bem v que i me ama 1
E nao era o despeite, a secreta hurailha-
gao de. confessar a tu fraqueza. que a agi-
tava a esse ponto T
0 senhor de Nossac, esquecendo sempre
o seu estallo, metteu galope aquelle que
montata, voltando p>lo mesmo caminho
que tinham saguido una bota antes.
" Grandes gottits d chut* conecavam a
gja, conde de Magalhes, visuonde de Ou-
guella, baro de l'omarinho, eoutros.
29 Empreslimo francez de $/ de 120
milhocs de Ib. a 84 *.
AGOSTO.
3Empreslimo turco em fundos de 9 ,
de 11,126,000 Ib., negociado por Mrs. Ra-
phacl and Sons, a 98 4,i ou 97 Va livre.
Reembolso principal em series durante sois
annos.
12Noticia do assassinato do presidente
Balta, do Per, por Gutierres, ministro da
guerra, e em seguida a estrangulago de
Gutierres n'um candeeiro pelo povo de Li-
ma. Restabelecimente da ordem e ascenso
ao governo do vice-presidente Cevallos.
19Inaugurago dos trabalhos do cami-
nho de ferro do Porto a Braga.
22Suspenso de pagamentos de Mrs.
Gledstanes & C. no Ennt india e comraercio
da China, com responsabilidade de um mi-
Iho o meio ou dous milhoes, cuja porgo
no*egura era de 600,000 Ib.
26Noticia da descoberta de minas de
rubis e diamantes em Arizona, que se dizia
dar 200,000 Ib. em valor por mez a uma
partida do 25 horacns. Foi uma fraude
como depois se verificou. Nao havia tal
mina.
31Prisao do visconde de Ouguella.
SETEMBRO.
14Deciso da arbitragem de Geoebra,
mandando dar a Inglaterra aos Estados-Uni-
dos 3,200,000 Ib. para serem pagas em 12
mezes. Aquella somina inclue o juro de 6
/o em oito annos.
18O banco de Inglaterra elevou o des-
cont de 3 V a 4 /..
18Fallecimento do rei Carlos XV da
Suecia e proclamago de Osear II.
260 banco de Inglaterra elevou o des
cont a 4 '/*
OLTIBRO.
30 banco de Inglaterra elevou o des-
cont a 5 /,.
5Decreto'concedendo a demissao pedi-
da pelo Sr. duque de Loul do alto cargo de
presidente da cantata dos dignos pares do
reino.
9Expulso do principe Jeronymo Napo-
leo do territorio francez.
10Nova elevago do descorito a 60/.-
11Decreto nomeando o Sr. conselheiro
Antonio de Serpa Pimcntel ministro e secre-
tario de estado dos negocios da fazenda.
21Deciso da cmara dos dignos pares
sobre a legalidade da sua convocago como
tribunal de justiga, para conhecer do pro-
cesso contra o Sr. marquez de Angeja, aecu-
sado de conspirar contra a ordem publica.
21Deciso do imperador da Allcmanha
como arbitro na questo da Inglaterra com
os Estados-Unidos sob o direito illia de S.
loto; A deciso foi favoravel aos'Estados-
luidos.
21Estabelecimento da c
tolegiaphica com a Australia.
NOVEMBRO.
5Assignatura do tratado de cotumercio
entre a Franca o a Inglaterra.
6Foi releito o general Grant para pre-
sidente dos Estados-Unidos por uma grande
materia, sobre Horacio Greeley, cuja morte
foi aniuuiciada 23 dias depois.
9O banco le Inglaterra elevou o des-
cont a 7 / o a 8 e 9 / W> adantamentos
especiaos.
9Ciando fogo om Boston, 959 edificios
destruidos; 3o possoas mortal; 2,043 fir-
mas e individuos solreram horrorosamente.
Perdas avahadas ltimamente em 20 milhoes
de Ib.
manchar as podras esbranquigadas do valle
e cahiam com um barulho secco e quasi
motallico nos zimborios verdes das arvores,
que enlagavam os seus ramos sobre o cami-
nho do valle.
Depois essas gottas precipitaram-se, con-
densaram-so, e em breve cahiram em tor-
rentes ; como o raio scintillava sempre e
era perigoso continuar a galopar, abrindo
assra uma corronto de electricidade, os
olhos do senhor de Nossac procuraram de
novo um abrigo.
Esse abrigo avistou-o por fim.
Ura immenso rochedo concavo offerecia
aos olhos urna especio de gruta. .
0 baro guiou o cavallo nessa direcgo,
saltou a trra e levou a creoula, semi-des-
raaiada, para esse abrigo natural.
A creoula envolveu-se o mais que pode
no manto que o baro Ihe tinha offerecido
para se cobrir, e, com os dentes aportados
pelo terror, cora os olhos fitos com assusta-
dora fixidade no co, que o raio despedaga-
va, conservou-sc immovelefria ao podo
baro, que a contemplava com respeitosa
compaixo.
Tenho fri Idisse ella' de repente.
Elle tomou-a nos bracos e apertou-a con-
tra o coragio.
Faz-me mal I murnaurou ella.
Os bragos do bario abriram-e e resti-
iuirara*lhe a liberdade.
Mas, pouco depois, ella repetio :
Meu Deus 1 que fri tenho I
Elle tomou-a de novo nos bracos, e dessa
vez, ou porqne ella na realidade tivesse rio,
ou porque nao tivesse consciencia da situa-
gao, nao resiso.aesa pressao, raclinou a
sua cabega pallida e os seus cabellos em
desalinbo para o horabro do senhor de
Nossac, e fecbou os olhos.
12Assignatura do contrato para-i col!
cato do cabo wbfiarlno entr 'ton
Madeira, S. YidNite^e Brasil.
13Reabertara da nmmVlm ,
em Veraailfes Mensagem de ThieA
20Decreto concedendo a demissao pe-
dida peto Sr. conselheiro' Jayme ori* do
cargo de ministro da mariha e ultramar.
20 Decrete encarregando interinamente
o Sr. conselheiro Joo de Andrade Cono,
nimistro dos negocios estrangeiros, daqualla
pasta.
23 -Prisao de Jay Gould em New-York,
acensado de haver rubado a companhia
Erie Railway, era 2 milhocs de Ib. Foi
inmediatamente admittido para prestar fun-
ga no juizo de New-York no valor de 200,000
Ib!, sendo seus fiadores dous dos priucipaes
directores e fiuanceiros da cidade.
280 banco de Inglaterra reduzio o des-
cont a 6 "/.
DEZENBRO.
2 -Conluio de 2,400 empregados do gaz
para deixar Londres s escuras. Este pro-
jecto foi frustrado pelas promptas providen-
cias de varias companhias de gaz.
9Emprestimo hespanbol de 3 / de
10,625,0001b., negociado pela commissao
lin.inii.il de Hespanha a 283/t.
12 -O banco de Inglaterra reduzio o des-
cont a 5 /
13 Noticia da restituigo de corea de 2
milhoes estranos ao Erie Railway Compa-
ny em New-York, por Jay Gould, sustando-
se a persegnigo contra elle por esta somma.
As aeges da Erie subiram de 42 a 50.
30 Abertura da communicago telegra-
phica directa com a Uespanha.
Consolidados 913/t. Renda franceza 52
fr. 97 c. Banco de Inglaterra existencia
cm ouro Ib. 23,66C,857. Taxa do descon-
t a 5 /,.
O QUE PODE A INDUSTRIA. -Em Paris,
os trapeirus, que at lia pouco nao ganha-
vam mais de 2 ou 3 francos por da, lu-
cram agora entre 5 a & francos.
Formaram entre si um sociedade, aux-
liados por um que tiha seus vintens, e ar-
redaram de si uns atravessadores, que ti-
nham a deuominaco particular de oyres
jlotes), e erara o& comraerciantes era
grosso do genero.
Os ex4oradores noduwnos nao lena* j
os cestos at fra de Paris. como anteonnen-
te ; a certa distancia' esto duas carvogasv
aonde elle* vo despojar os cestos, e ali
sao transportados os objectos colhidos-; re-
petindo-se a operago quantas vezes neees-
sario.
O chefe da empreza faz adiantamente aos-
co-associailos, at se reatizarem as vermlas,
que se veracam todos o& sabbados.
Cada trapeiro arrecada lucros na raeao
do numero de cestos que vasou e do feso'
de cada um delles.
Do dinheiroque semanolraente se apura,
se retira uma quota diminuta a cada ura dos
nteressadosv cora destino a soccorrer os
que por doenga- vioram a estar temporaria-
mente inhibidos de trabaiuar.
X
UM ROMANCE.Numa folha estraagei-
ra encontramos uma narrago que, recain-
do sobre factes sabidos, pode comtudo- pa<-
recer a alguem um romance phantasiadb.
A protogonista da historia urna senhora
que morreuha|mui pouco terapo em Rouen,
e cuja vida foi cortada por peripecias- que
merecera ser contadas.
Km 1810, fra a dita senhora, entao ro-
cem-na*cida, encontrada em uma d& ras
de Evreux, etnbrulliada n'uns ci>eiros, por
um bauqueiro da mesma cidade, quando
volva de uma xovre. Este excellente ho-
rnera levou o seu interessante achadb a sua
mulher bonssima pessoa,-; e o caso que a
creanga uao podia ler vdo parar a melhor
pouso. Foi educada com todos oscuidados
imagiaveis, recebendo apuradissna uis-
truego, de forma que aos dezeseis. annos,
saindo' do collego, era uma maravilha do
gentileza e erudigo.
Era a adrairago de toda a cidade ;: o mys-
terio do seu nascimento accresccntava anda
os attractivos da sua pessoa. E' portante,
uma inutilidade referir que os pretendentes
formignam de todos os lados. Todava,
Albertina repeilia, delicadamente todos os
oTereciraeiitos que lhe eram enderegados,
aiiida os mais jiropicios a lisongear a va-
dade mais exigente.
0 hora do tutor, intrigado com a leimo-
sia de recusas to reiteradas, scismou muito
n'isso, e plancou dar revista s gavetas da
sua pupilla. Arranjou modo de afasta-la
de casa, e realisou o seu proposito.. Os co-
fresinhos de Albertina forara devassados.
Oh 1 c o que ahi se encontrou l Encontrou
o tutor ( quera tal pensara) cartas incendia-
rias de um joven escrevente de tabellio,
appelldado Xavier, mancebo que o tutor
protega desde muito, e qua em sua casa
admittido com a mesma franqueza que se
fra seu filho.
go tratou otuter de demonstrar a Al-
ia que Xavier nao era unt noivo que
altura das altas qualidades de
tina, que devia aspirar-a anir-se a um
Uoten de posigo elevada.
To pouco effeite produzirara era Alber-
tina as eonsiderages do tutor, que im:ne-
diataraonte tomou a penna o coramunicou a
Xavier que seu tutor jamis conseutiria
n'ura enlace matrimonial em que o noivo
fosseo'seu namorado, portante nao havia
outro partido a tomar seno o de fugr.
" Imagioaram logo um plano para a fuga,
e poz-se em execugo exactamente como
fra concebido.
Os dois namorados, pois, parram para
o Havre, e ahi deviam tomar lugar a bordo
de urna embarcando que os conduzria a
Londres.
Chegados capital da Gra-Brotanha, Xa-
vier deveria dedicar-se a ensatar a lingua
franceza, e msica.
De breve durago foi a sua felicidado, ou
melhor, a perspectiva de sua fnlicidade.
Aquelles bellos soiihos deviam ter fim, exac-
tamente ao cabo da viagem.
Ao desembarcar cm Condres-, Xavier cahio
da prancha por onde se estabeiecera a pas-
sagom do prtalo do navio para o caes ; as
ondas envolvcranvn'o, e desappweceu sem
que ninguem podesse salva-lo, aiezar dos
csl'orgos que algn martimos corajosos ti-
zeram para o conseguir. Ao cabo* de uma
hora foi trazido par o caes o ca IffWr do
infeliz.
Nao se descreve a dkk de Albertina em
semelhantc transe; a polre de Christo-quiz
ir-se encontrar com o seu- amante na outra
vida, e por vezes tentoui leugar-se a agria.
Un> padre protestante Qjiie fizera aquella
|>e para* viagem cora os desamantes, preva-
leceodo^se do seu carcter especial e da au-
toridaile de pastor, fallou com tamanha elo-
queiuia & desventurada, qae logrou acal-
mar-llie o attribulado animt% e dissuadi-la
de attentac contra a vida.
O padre levou para sua casai a pobre Al-
bertina, kiteiroi-se da triste botona de que
ella era protogonista, e sem demora tratou
de entabotar relages com o seu< tutor.
O honrado'bwKyieiro, to contristado pelo
menos como Albertina, com os tactos a que
elle involuntariamente dera cansa, tomou
passagem no prneiro navio que se lhe de-
parou, e parti' para .Londres a buscar a tiln
prodiga, volvcndo- arabos a Evreiw.
Apenas chegada a seus antigos penates,
Albertina foi atacada de febre cerebral, que
poz s portas-da- morte. Os cuidados pa-
teniaes de queaicircunadavam foram meio
caminho andado para o curativo. Sal-
vo-se.
Indo j adautada. aconvalescencav Alber-
tina recebeu umn. carta anonyma, na qual
lhediziam que Xavier, aqemella se-entre-
gara! de alma e corago, a quera se ligara
como marido, eca-nem seu ii'inn.
Ara/.n de Albertina j to cruelmente
abalada pela recente enferraidade, nao teve
resistencia para tamanho golpe, eenlouque-
ceu completamente;
Pensaram fazer bem. ecolhendo si misera
n'uraa casa do sade e ahi a conservaram
durante doze annos..
A final sahodalli, m* lnge de estar cu-
rada,, porm rii'umi estado apathico. Pare-
lea estar esquedida de tudb quauto lhe acon-
tecer ; consistindo a sua. mania em querer
esta* isolada.de todos. Fossem quaes fos-
senb as pergunias que lhe fizessemnada re-
torqnia ; e passoa alguma consenta junto
dea afora, a enfermen*, qnc della cuidava.
Em 1850 raorreu o tutor, legando fortu-
na suficiente'. Como, a enfurmelra era na-
tural das cercanas de Rouen, e nada j aj
detinha em Evreux, abalou coua a infelia
doente para um dos melhores bairros de
Rouen.
Ness cidade ficou vivendo a pobre louca,
e nella morreu. Era to forte- a mania do
isolamentOs que persistindo sempre-no quar-
to de dormir, nem a janella dlle chegnva
um instante que fra.
Durante os vinte e dois aunos que habi-
tou cm Rouen s estove doente uma vez ; e
para qug'um mdico a fosse ver, toe neces-
sario cogitar artificios mu agudos.
Contara andaumaparticularidade: quan-
do chegava. a. poferir algumas palavras, a
palavra Xttvier tinha a cada momento a
seus labios e era cora a mesma palavra que
designava os objectos qiie desepva.
Couta a enXerracira que as vascas da mor-
te murmurou estas palavras: que cu o torne a ter,
No sitio em que morava ninguem a conhe-
cia seno pela paral-yuca,, e ignoravain os
dramas ntimos d'&quclla tormentosa exis-
tencia, w
empregam' cerca de seasenta mil operarlos. PHENOML'flO GEOLGICO.Narra uma
Presidio Mr. Fotherguill, membro do par-(carta deMarselha, que a'Oi nio causaram
lamento. las ebuvas as devastage que em outros
Foi geral o parecer de que se toma va n- pontos da Franca causaram, nem por isso
dispensavel reduzir um dcimo nos salarios, 'aquella parte do paiz est hvre de padecer
segundo as circuinstancias actuaes do mer- desastres de outra natureu.
cado o oslo aconsolhando. Ropetem se n'aquclle districto os deslo-
camentos de trra. Principalmente o bairro
de Sainte Marte tem soffhdo muho. Mui-
tas casas do campo ao por esse Teito des-
murnadas, e grandes superficies de terreno
se transmudan! de um para outro ponto.
0 predio do agente da eompanhia Pennv
ry, o assoiitaram no principio de que os suiar> f0 arrastado para chicoenta metro

Os patres nao aceitam arbitragem sobre
csso ponto, porm nao l^es repugna, antes
desojara, raustrar os seus litros aos opera-
rios.
Por outra parte, os operarios eclebraram
um numerosissimo meeting em Wednesbu-
salarios no prximo semestre devero ser ba-
scados no prego da venda do ferro durante
os seis precedentes mezes.
REFERVEM ASPAIXES AMOROSAS.
A Franga est sob a influencia de uma epi-
demia de paixes amorosas ; peto menos os! reza, i'm pomar de uma quinta, que esta-
seus jornaes quasi diariamente nos contara Va no ponto A, foi parar ao terreno de ora
casos d'essa natureza. E ha uma eousa a vizinho; em quanto qoe um pinhal do
notar. E" que ltimamente, nao sao ella* mesmo vizinho, qne esUtf no ponto F, foi
que se apaxcHiam e ate trahidas, se noos]parar ao ponto A.
Esta troca de valores foi terUa com pouno
do distanciae aps se desmoonou.
Esses corrimentos estenderatn/se a outros
torrnos d'aquella zona, occasiotwndo gra-
ves prejuizos.
Cunta tambera o correspondente m sin-
gular resultado dessa convulsio da natu-
signal
do sexo forte, que nos seus procedimentos
em taes conjuncturas, antes merecer o
epitheto de f'raco.
Eis aqu outro novo acontec ment, o pr
bem funesto ao protogonista.
Na ra d'AHemagno, em Paris, miara
maritalmonte, o Sr.Claude B.., jornaloiro,
com a Sra. Joanne S., muliier soltoira, ha-
via alguns mezes.
A Sra. Joanna ponhamos-He o nomo
em portuguez.cheou um dia em que se
aprazimento1 dos respectivos dooos.
TELEGRAPIR)?, A suissa, segando con-
ta um jornal estraogeiro, possu.,'actBalmen-
(te* uma estago"telegraphca para,*VO,30 ha-
bitantes ; emquante qne a Belgsa- s> pos-
sutr-uma estago para f0,380 habitante; a
ANemanha urna para lt/38 habitante; a
Franga uma par* 18,170 habitantes^ a
Italto'Uina para 19,82 babilanles ; a'HWn-
aborreceu do convivio, sube Deus sepor'gr para 23,719' habitantes ; ea'Ue-
causade adunia recente affeicao a outto ,((>ha'uma para 80,*38;habitantes.
elle, e ella ahi tai pela porta tora, levando
coinsigo o que lhe pertencia, para bem de-
monstrar que levava Bracas tencoes de vol-
ver aquello aprisco.
0 pobre abo mal pode crer a pricipio
em sua desfortuna.
I Espera lelo objecto amado at a nmite.
:Com es sombras do crepsculo, mais e mais
.se lhe annu-via o corago, e s q.uaVos
bem funebres-e escurosse lhe desenliam na
imaginago escandecida. A perda da rnu-
dher que amava o- a idea de que ia a outrem
pertencer, formum-llie l no pobre attrbu>
lado espirito chammaa de ciume to vo-
entas que lhe-vencen e dominam a razao-.
Sobravoui-lhe um accesso febril, a alma
sstava-lhe despedagada com a dor que o op-
priinia, o cntendimento pouco tardou que
se nao conturbosse profundamente, e oi-lo-
perdidopara si e para a sociedade, na flor
dos annos.
O malaventurado corre- janellaida casa
qpc i* um segundo andar, e della se preci-
pita cahindo de horco.
Ojiando a polica o levantou da ra pira
oconduzir para-o hospital, estava somi-
raorto.
Outro pobre diabo- tambera de cabe*
ca. muito chocha, o-Sr.. Prospero b.. en-
PAtERMDADE... A' FOWXA p^lcir'
prendfeti'em Lyo umamulher, que exti'a'
na cidfede-urna industria* extfaerdinaria. Di-
rigia-se- s casal ricas, de gem casada, le^
vando ao> eolio um creanga r epedia parafat-*
lar ao dbno-d seuta, comeg-ma ella a grit&r :
Ah; misera vel, anda teatteves a ra-
li gar teu-filho t Nao ve* A o> ta perfeito
retrato.
Neste lance,. a creanga, para isse* prepa-
rada, estendia'os bracinhosr egritav tam-
bem:
1'aM':, ni.-Ti pap, o papsinfiot
Se trataren de apr na naaj.a ladra co-
inogava a fazer tal alarido, que acud'a do-
na da casai
Imagine-se a'carado marid/c- oe- seus
apertos.
Para selivrar dV tal espeooldorave do
menino o,*? o quena abracar, dava logo
lianto tinb>na algibeira.
P1LANTROPIA UAL.No dia de anao
bem mandes come"sempre costwaa/ &>M.
a rainha de Inglaterra distribuir esmeles.
.Ibram 812 os pobres favorecidiee,-receben-
totca*sc cora uma corda.nova atraz-dapor-::ue,,f^t0t comestiveis ecarvo.
t& do quarto em qpe dorma. | Outra disWibuigo-dbesmolas naui.valiosa
Deixou u:n escripto com. estas- poucas h^a sido faite na semana precdante,' mnib
palavras: toeorrdas-raas de mil pessoas*
Mto-me por urna ladra que me fez
perder a- rain ha- posigo,. e me ab?.ndonou,
depois de mu ter.completanioute arruinado.
XII
O harao contemplou-a durante um mi-
nuto, assim inclinada sobre o seu brago ;
durante u.n minuto, hesitou entre o respoi-
toe a paixo ; depois, a paixo venceu, e
ello encostou fronte da creoula os labios
trmulos.
Ella estremeceu a esse contacte e abri
os olhos.
Que faz ?disse ella.
Amo-araurmurou elle.
Deixe-rae...
E desprondendo-se-lhe dos bracos olhou
para elle com colera.
Entao o baro ajoelhou-se, pegou-lhe as
mos e repotio-lhe :
Amo-a tanto 1... Perdoe-me!...
A ritagao que brilhava em seus olhos
desappareceu.
Olhou para esse homem, tao forte diante
dos perigos mais reaes' e terriveis ; vio-o
humilde e supplicante diante della, 'trmula
o louca de modo, diante della, que o raio
aterrata, que "a chuva tinha gejado, que,
s, se vera na impossibilidadwnie fugr e
mesmo de dar alguns passos, tanto a tem-
pestado a tinha impressionado, e, por assim
dizer, petrificado...
E deu-lhe a mo, a sua bella mo trmu-
la e gelada, e disse-lue :
Perdoo-lhe 1...
Elle sentio um movimento de alegra e
disse4he .
Ame-rae I
Um relmpago passou to perte delles,
nesse momeuto, que a creoula langou-se de
novo nos bragos do harao.
Elle aoreditou n'uma confissio tacita e
rogou com os labios pelos anneis dos seus
negros cabellos. ^
INDUSTRIIS E OPERARIOS.Pouco
lia, realisou-so em Cardiff uma reuiao de
emprezarios da industria do ferro, as. quaes
A MULHER. MATA OMARIDO ?^-A ros-
josta a esta intorrogagovai sendo^-por ellas
dada, ao posso- quo outros se cniretem na^
discusso daduas- theses : O marido mata,
a.mulher ? A. mulher mata o raarido ? -
Na nossa flha de quarta-feira, noticia-
mos que fura, sentenciada pona capital,
uma mulhea,.por haver incitado- o amante
a matar o marido; hoje encontramos no
Ttmcs, sob a rubrican Gharge of muden,
a noticia de- outro homicidio de um marido,
em quo sua-propria mulher tola autora.
Em segundas nupcias oasara a Sja: T^
mar.com Jonathan Nother. A ira. Taraar
conta apenas trintae seis aiaios^Je idade,
e tem urna filha jai crescidinba do pfiteiro
consorcio. Habitayam todos urna casa em
Leeds, em Boyntoostreet.
Parece que o Sr. Jonamas beba s ve-
zes de mais, e os ralhos. se repetiuu em
casa.
Eraum dos dias da semana, passada, tra-
vou-se acerba altercaco. entre os dous, da
quaL a nica testeraunha foi a rapariga
iilha da hojo-viuva das vezes, O caso
quo a. Sra. Tamar pegou n'uma pequea
faca, e cravou-a no pescoge- do Sr. Jona-
thas.' To mal ferid'o cou, que morreu.
Mas tarde veremos como os tribunaes in-
glezes coodcmnam esta uiulherzinha da
broca.
A par deste caso acontecido ora Inglater-
ra, outro, pelo inverso, tinha lugar era
Franga, poucos dias depois.
No dia 29, em Raincy, um marido aiarou
pela janella fra a mulher ; sendo esta en-
contrada na ra junto sua habilago,
n'ura mar desaugue, posto que ainda com
alguma vida.
O marido foi inmediatamente capturado.
UMA LBCAO.PUeee terminada, por um
modo inesperado, a> qjuesto que- entre Mr i
Ranc e Mr. Paulo dCassagnac se havia.le-
vantado neo peridicos-francezes.
Mr. Raae responda-pela ultima vez na R-
publique firanfaiee,.eS)e feitioc
Destaeamos doaxgo publicado honlem
no Pays,jpe\o Sr. Pattlo d Cassagoac.d
volta de tbislehurst, as seguintss linha.:
Esperaveis certa*ente que>- depois-da
Ella estremeceu como da primeira vez ;
como da primeira vez, abafou ura grito, mas
nao procurou fugados bragos do baro.
Uma palavra dissc-lhe elle, ^em
tora de supplica uma s 1
Bem ve quo tenho fro 1.,.
Elle apertou-a com mais torga contra o
corago.
Por quem !aepetio elleuma pa-
lavra s I
Ms... que palavra ?
Oh 1 bem o sabe.
- Juro-lhe...
Dga-me... diga-me que me ama I...
Pois bem Isuspirou ellaseja...
Elle estremeceu de esperanga, o seu co-
ragio, bateu com torga.
Seia.assim proseguio ellasenhor
baro de Nossac, Gretchen ama-o...
0 bar deu um grito.
Ento, confessa-o ? exclaraou elle.
Mas o que ?
E a sua voz tornou-se de novo fra e
breve.
Confessa que Cretchen ?
Eu ? nioreplicou ella, com sorriso
irnico quiz provar-lhe que era Gretchen
que ama va era mira.
O baro corou e estremeceu. Olhou para
essa mulher, essa mulher sorria-se para elle
com a malicia de um demonio ; essa mu-
lher, abatida por um momento, pelo terror,
tornava-se de novo desdenhosa e fria.
E elle nio tinha o direito desequeixar,
porque acabatde a"humilhar cruelmente.
A creoula tirou dos hombros] o manto,
atirou-lh'o e disseJhe :
Guarde-o para Gretchen ; nada quero
de si. i
' Se sabe uma orago, diga-a r
Ella rocuou com terror.
Diga-a Irepetio elle com frieza.
Quer matar-me?exclamou ella.
Sirn, senhoca.
Mas. que lhe fiz eu ?
Nada.
Ento...
E a creoula lia tanta colera e resolugo
no olhar do baro, que cabio do joelhos e
ergueu as mos supplicantes.
Entaocontinuou o barovou ma-
ta-la e matar-me depois. Teremos por t-
mulo este valle deserto, e por coveiros os
abutres. Reze, senhora...
Masdisse ella desvairadaque ].he
fiz ? porque me quer matar ?
Porque a amo.
Edisse ella se eu o amsse tambem
matar-rae-hia.
Sira, se ra'o dssesse, porque araanh
talvez j me nao amasse.
Ella levantou-se, alegre, "angou-lhc os
bragos era volta do pescogo q disse-lhe
Mata-me agora... mata-me... arao-te.
Elle levanteu de novo a arma para ella,
mas a arma cahio-lhe das mios.-
Nao-posso Idisse elle nao tenho
torga para te matar...
Mas, depois desse abrago deum segundo,
a creoula soltou-se-lhe dos bragos e deu
um passo' atraz.
Senhor Elle estremeceu.
As raticencias dessa mulher ^ eram terri-
veis.
Quer ?repetio ella.
-T- Falle, senhora.
vossas insolencias vos enviasse deus amigos,
imponde-me assim. para comvosco o papel
sempre odioso de uo provocador.
O Sr Paulo deGassagnac i!hide-se,. oheio
de basolia. Adrairados ficariamos nos, se
os seus-amigos cr.tivessem vindo, porqpe j
o conbeeemos.
Diziam-nos:
Nio tarda, que elle Un-mande os.pa-
drinhos.
No respondiamos:
. Qual manda 1 E estovamos prompto
a apostar cem contra um.
Mas, acccescentavarrM..como qper que
elle-se safe d'uma destas?
Ha de safar-se veltando carga com
um artigo da -balsas injurias.
Isso iinpossivel!
Pos-vero !
Est j viste. Agora sabe cada, (ytal do
que feito aquella valor e o que existe por
traz darpicas pimpouices bonapaptistas.
Devoraos confessar anda isto? Temos
por esse-desgragado apenas o sonlimento da
mais profunda commiseragOv Qe lhe jes-
ta a elle'? A sua aemeada de Fetrabraz es-
morecido some-se- no mais profundo ridi-
culo.
Dito isto, resta-nos s pedir desculpa aos
nossos leitores de os havermos importunado
cora este fanfarrio.
Que lhe aproveite aligio.
Senhor, tenho vinte e sote annos ; sou
viuva e possuo cincoenta mil francos de ren-
da. So quer que eu o ame, deposar-mo-
ha.
O senhor de Nossac vio-se a ponto, de
morrer de alegra.
E' um anjo exclaman elle
t'm anjo, nio. Mas serei sua mulher,
dentro era oito dias.
E como a tormenta tinha cessado, e a
nouto se ia aproximando, aocrescentou :
\.>nha, a chuva cessou, o trotioj se
nao ouve : voltemos..
Nao se lembrarara mais do segundo ca-
vallo, nem nisso ponsarara.
Tomarara o caminho do casteUo a p,
cora as mos enlacadas.
Foi para o bario uma repeticio desse de-
licioso passoio da vespera, aira voz de gietas
douradas, das moutas odorferas, debaixo
das altas arvores, ura passeio em que a na-
tureza fallava ao coracao. Uma, s cousa
estava mudada, o dolo.
Na vespera, Yvonnetta encostava-se ao
seu brago.
Nesse dia, aira a creoula.

Quando chegaram ao salo, quatro pes-
soas os eaperavam o conde e o senhor de
Simiane, Yvonnetta Heitor.
(Conlintwr-w-Aa).
TYP DO DIARIO.- RA .WJCK E UAXA.

1



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECN2PX9BQ_F930HS INGEST_TIME 2013-09-19T21:24:30Z PACKAGE AA00011611_12830
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES