<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Tuesday, February 04, 1873 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/12828

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, February 04, 1873

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:12828

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/12828

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Tuesday, February 04, 1873

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:12828

Full Text
T"
AMO XLIX. NUMERO 28
i *
i

PARA A CAPITAL ]E LIG1HES OXDE IflO SE PACA PBTE.
Por tres meses adiantaJos...............
Por seis ditos idera .
Por m auno dem .
Cada numero avulso .


69000
129000
2i?H)00
320

a
TERCA FEIRA 4 IE FEVERE1K0 DE (873.
PAHA ENTBO E FRA DA PBOFIBCIA.
Por tres mezes adiantados. ...-............
Por seis ditos idem. \. ?............
Por nove ditos idem..................
Por um anuo idem..........-.........
69750
139500
209250
279000
PR0PRIEBADE DE MAN0EL FICUEIROA DE FAMA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Huios, no Para; Gonralves ck Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira FilIiQ, no'titor; Antonio de F.emos Braga, no Aracatj ; Joo Alaria Julio Chaves, no Aas; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pcreira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, hanilla da Penha Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, em Nazaielh;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, enj Alagas; Al ves C, na Baha ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio ,'de Janeiro.
tu -
PARTE OFFICIAL.
(-averno tXPKDIK-NTK DO DA 2 l' JANEIRO DE 1873.
1' t'ercft.
Oficios:
Ao vico-consut dos listad os-I'nidos. tto>-
jh.ndendo ao ollicio que o Sr. vicecnsul dos lis-
iados-! nidos me dirigi e n 25 do eorrerte, derla-
rv-liie que nesl dala intorisei o director do
arsenal de guerra ii mamar foruecer os *. pares
do sapatoes para os ipo! mies do vapor Eric, in-
cendiado no alto inar. mino soliritou o lUesniO Sr.
viee*consol. Aproveito a opportunidade para re-
novar ao Sr. vicecnsul c-s protestos do nuilhil es-
tima e eon-ideracao.
Ao director "do arsenal de guerra.Antorso
% me. a foniocer ao vire* 'onsul dos Estados-uni-
dos da America 6 pares Je sapatoes para os tri-
pulantes do vapor "Ene, ir ecndidn no alio mar,
devndn Vine, aprescutar i competente conta para
serpaga pelo referido vceconsul.
Ao Uiesiuo Mande Vine, I'erropear, logo que
It.e for apreseulado para esse fin, o soldado do
batalho n. i2 de voluntarios da patria, Joa Joa-
quim de Albuquerque, que foi sentenciado a seis
Diexesde prisao com tralulho.
Ao iiicsuio.De Vine, suas ordens para se-
rom rerobi los nesse arsenal, quando para all fo-
rem rernettidos 700 eutuxos embalados, e outras
tantas capsulas fulminantes, que se aehavan
cargo do destacamento do 9? batalho de infanta-
ra que ltimamente regresin do prstalo Je Fer-
nando de Noronlia, o--'qfaaes foram dados em con-
sumo por cstareiu estragados, segundo se v do
termo junto.
Ao director das obras militares. -Mando
Vi.'.c. concertar com urgencia a chamin do fo-
gJo de ferro do hospital militar, que se acha de-
teriorado, como de-laron-me o coronel commau-
dante das armas, ent offlcio de 2" do corrate, sob
a til.
Ao recrutador desta capital. Anmiindo
.> que solictou em seu offleio de 2 o do coi rente.
espese nesta data ordem ao commandantedo cor-
po de i>olicia, no sentido de mandar prestar as pra-
ras que Vmc. repisitar para o.descmpenho de
sua commssao,e bein assim d'serem roeebide*
na prisao do respectivo imarle! os recrutas que
para all forem remellidos. Quanto praca para
o servicio do sen expedante, Dio pode essa recla-
macao ser attendkla pela deficiencia do pessoal do
refer lo corpo.
2* secrao. "
Acto :
presidente di provincia,attondflktoao que
requeren o baeharel Jos Rlysio deCarvalho i 'un-
to, juiz municipal e de orplios do teruiii di S.
Berilo, resol ve prorogar por m ais 30 das a licenca
eotn ordenado, na forma da lei que llic foi conce-
dida a 7 de dexembrb Rocn.
(. fflcios:
Ao Dr. chafe de peM a.-Intuir ni j de quan-
to V. S. me eoramumea om seu offlcio de 24 do
corronte, sob n. 1^6, tenhc a dizer-lhe que lonvc
o delegado do termo de I un ConMlho, pelaini| or-
taatc captura, que acaba de eOectuar do crimino-
-1 de morte Antonio Conkiro Lirias FeitoSa.
Ao mesmo. -Estando provado que o subde-
legado do districto de Grvala, ("alisto Teixeira de
Garvalho, em urna parle falsa contra o 2" sargen-
to Jos da Silva Gniinarles, que eomrnandava o
destacamento daoueUa localdade, que eslava pres-
tando bons serviros, principa'mente contra os la-
drees de cavallos, roeoinuiendo-lhe que a beni da
mralidado da administra;ao, proponha a exone-
rarlo do referido subdelegado, como solicita o dc-
egado do termo de Bezerros.
Ao promotor publici interino da comaren do
Rio Fornirso. -Com o parecer, junto pir copia,
o desembargado!' procurador da corea, sobera-
na e fazenda nacional, om cilicio de 22 do corre-
le, com o qual me eonforiU), respondo ;; consulta
de Vine, de lldeste mez, sobre a soltura de um
individuo, de cuja scnteu.a absolutoria se tiulia
mterpostfl appeltacSo.
tllm. e Exin. Sr. Cumprindo o que V. Esc.
exige em seu ollirio di 18 do crrante, no qual me
rana emita um parecer sobre a consulta do pro-
iiiotor publico interino da comarca do liio Formo-
so, quanto soltura d'iun acensado, de cuja seu-
tcii'.a absolutoria se tinha interposto recurso de
apoellaco : ui"ii parecer queojuii de direilo,
quejulgoti o acensado isento de culpa, por es-
t.H' o criine em alguina das hvpothefCS do art. 10
do cdigo crimma, conbecendo da pronuncia do
mesmo em recurso necessarlo, interposto pelojuh
municipal, derla mandar, como mandn, por em
liberdade o dito acensar o, visto como o etleito
- LSpensiTO s admissirel na bypothesa daquelle
recurso quando interposto pelojuiz mnnieipaipara
ipil de direito, nos lern os do aviso de 2 d 00-
Wbro de 1872, e nao da decisao delinitiva proferi-
da pelojuiz de direito. Semelhante doutrina era
consagrada no aviso de \% de setembro de lK"i'>.
andando que logo que c despacho de prenuifcia
use revocado pe < jnizo n qno, nos termos do art.
7'i da lei de 3 de dezembro de 1841, deviao aceu-
sado ser rela*rtdo da prifo sem embargo do re-
curso que a parte contraria podesse interpor, ou
bouvesse interposto. pala razio de nao seren sus-
livos osles recursos, segundo a regra geral da
lei citada,no art. 72, eregiilamento de 31 de Janei-
ro do 181 i, no art. 415. A pratiea observada nos
juixes desta capital tem sido constante em mandar
i s acensados nos casos de que trat:i o citado
I to ilo eodigo criminal, bavendo sobre elles de-
cisao delinitiva, sejam os mesmo* imineJiatamenle
p tatos em liberdade, nao obstante a appellacao in-
terposU por forca do arL 2) da lei de 20 de se-
lembro de 1871.' Parece-me, portanto. que na b>-
pothese sujeita, benrandou o jui/ de direito interi-
no do Hio Formuso, quando, conbecendo do recur-
.- interposto pelo juiz municipal, ordenou que o
ado Ibsse immediatamente po3to em liberda-
de, por forca da sentenca delinitiva, nao obstante a
a ip ilac,ao"nterposta ex-clfuio, ipre parece-rne nao
ler eflito suspensivo pelos fundamentos
a ir: a expostos, e ouiros que omilto para nao
lomar lempo a V Exc. Este meu paeccer sub-
metto apreciacao e eenmra de V. F.xc, que de-
cidir como melhor entender. Dcvolvo os papis
que acompanhar.im o ofTcio cima citado. -Dcus
guarde a V. Exc. -Recite 23 de Janeiro do 1873
!l!m. e Exm. Sr. Dr. U'nrique Pereira de Luce-
ira, presidente desta provincia. Jote rereira da
i a Motta, procurador da cora interino.
Ao commandante do corpo de polica. -D
Vmc. as suas ordens, pora que sejam prestadas
pelo corpo sob sea com lando, ao capitn, Munoel
fUaddiao de Oliveira e Cruz, recrutador n esta ca-
pital, as pracas que este requesitar nara as dili-
gencias necessarias ao desempenho Jo sua cohi-
inissao, o bem assim pira que sejam rcecbido-
na prisao do respectivo quartei os individuo? que
na qualidade de recrutas forem para alli rernetti-
dos pelo referido capitao.
- Ao mesmo. -Reconimendo a Vmc. que, sem-
prc que na matriz de Saato Antonio soarem sig-
naes de chamada para a fallida do SS. Viatico,
mande apresentar alli seis pravas para o acompa-
j.ii.o-em.
Ao mesmo. Mande Vine, augmentar com
roais duas pracas do corpo sob seu commaiido o
.de-stacamento da ireguezia do "P^cq da Panella,
com pede o Dc.chefe de polica em offlcio n. !81,
le 20 do correle.
\o mesmo.-Jiaadc Vmc. que o 2^"argeTto
).,.>i SilvafiuiniarSeo volte a e.ini|iui.ndar o de;-
t;.-';". ntTde Gravai.-
Ao Sr. Francisco Mauricio da Motta Ribeiro,
2 supplenle do juiz municipal de Bom Jardiin
Aeeuso o recubiuientu do inappa em braneo, que
veio annexo ao seu ollirio de 3 do corente, e em
rospo-ia tonliu a Uizer a Vmc. que esporo que uo
prximo mez dar depois de seu zlo a actividade,
elidiendo o i-especlfaro nwppa. cojMaeslou informa-
do que n e>se termo ha muitos criminosos, que
ailida nao foram nem ao menos processados, outros
que. einbora proniMciados. vivem de publico pro-
tegidos por inllucncias malficas, que lern abusado
de stia posie.io social, e da norria e complacencia
de autoridades frouxas e negligentes, ja exonera-
dis. is qimes por forma algum.i derera imitar.
3' scalo.
Dilicios:
Ao inspector da luesouraria de fazenda. De-
li.iro a V. S para seu conbeeiinenio e litis eonvo-
nientes, que segundo me cn.iununirou o ongeiiliei-
M Bical da estrada de fern do lkcife ao S. Fran-
cisco, em ollirio de 23 do .corrale, reassumio u'a-
auolla data o resitectivo exercieio o Dr. Felippo
de Figueiroa Faria, ajudanle do mesmo enge-
ulioiiu. ,:
Ao mesmo.Mande V. S. rele\ar a Joio dos
Santos Silveira, da mulla em que iucorren por
ler deixado de registrar suas trras denominadas
/'' KM Secco, do termo de Agua IVela, impoado-
Ibe porem, a Qhrigoao, a 4|ue allude a circular u.
.'I'J7 de 4 de dezembro de 1850. e a que se refere
a sua informaran de 2o do corrente.
Ao mesmo. -Declaro a V. $. em additamnlo ao
meu oIIIno de 4 do corrente, que o ajuste de cun-
tas do alferus Joaquim Alvos das Nevos, deve ser
leito ate o dLi de sita partid t para o su, se o va-
por que se espera do norte seguir para a corle du-
rante esje mez.
Ao mesmo. Em respo.-ta aoseu ollicio de 2.>
do corrente, sob n. 867, serie D, teuho a dizer a V.
S. que nesta dala exped as convenientes ordens i
cmara miu.ieipal desta cidade. no seutido de
mandar eatreaar nessa repartifo de boje at ama-
nliii, a chaye do propro nacional denominado Ca-
laboueo, visto ter de ir praca amanb mesmo,
segando eomaunieou-me em seu citado ollicio.
Ao inspector da Ihesoararia provincial.Em
vista das reiaodes e prets juntos em duplicata. man-
de V. S. pagar os veneimentos do destacamento
da guar la ua ional Ja villa de Serinhaem, concer-
nentes aos mezes de novembro e dezembro do anuo
lindo, confonue soliciton o respectivo conimandan-
te superior om ollicio de H do corrente.
4'teec'To,
Actos
O presidente da provincia, resolve exonerar
do cargo de regedor aogymaasio provincial o co-
nego Francisco Hochael Pcreira de llrilo Me-
deiros.
-X O presidente da provincia, resolve nomear o
conego Dr. Joaquim Francisco de Parias para o
cargo de regedor do gjmnasio prorncial.
llcios :
Ao Exm. presidente da provincia da Babia.
Atterideridii m uu requereu o suidado do if batar.
Hio de mfantari, JoSo Rispo Evangelista, rogo a
V. Exc. a expedi.ao de suas ordens para que seja
oinisirado um documento comprobatorio da alle-
ga'.ao que faz a referida iraca no incluso reque-
riniento, que me ser devolvido, de ter seguido para
a campauha do Paraguay na qoalidada de guarda
nacional designado do Io batalb > deinfantaria da
cidade de N'azareth, deesa provincia.
Ao Exm. presidente da provincia do Rio de
Janeiro. Passo s maos de V. Exc'. os dous in-
clusos sxi.molares bnpressos do reJatoiio, com que
o Exm. Sr. uesembargador Francisco de Faria l.e-
mos. na qualidade de presidente desta provincia
pas ou-nie a respectiva administracio no da 2o ds
novembro do anuo prximo lindo. igual aoe
presidentes das demai> provincias.
Ao I." juiz de paz da livguezia do II ni Con-
seibo. Fico inleirado do que Vine, me cornniu-
niou em 19 do corrente. e em resposta designo a
3 a dominga de marco para ter logara rennia da
junta qualificadora, visto ter sido approvada a
elei.ao de eleitores dessa freguezia, o que foi com-
inunieado acamara municipal dessa villa em 26
de dezembro ultim .
Ao juiz de paz mais vedado da villa de Be-
/.oros. Constando oficialmente a approvacjto da
eleico de eleitores dessa parochia, designo a 3."
dominga de marco para ter lugar a respectiva
reunido d%junta qnalificadora, o que cominanico
a Vmc. para sua sciencia e cumplimento, e em
resposta ao seu o'lici. de 19 do corrate.
Ao inspector da saude publica. Tendo
nesta data deferido, nos tormos ca nformar'o do
inspector da alfandega de 2o do frrente, o re-
queriment> que me dirigirain 'os agentes nesta ci-
dade da coinpanhia de navegacao a vapor do Pa
cilieo , pedindo consenliinento, afim de que ape-
nas chegnem os ditos vapores, enviem as repar-
tii.oos competentes seu bordo o respectivo esca-
ler para conduzir as suas malas, tocando na ida e
volta na barca d) viga ; assim o declaro a V. S.
para seu eonhecimeato e flus convenientes.
Portara :
A' cmara municipal do Recife. Em addi-
lamento a meu olHcio de 30 de dezembro ulti-
mo, enmpre que a cmara municipal desta ci-
dade providencie no sentido do ser entregue na
Ihesoararia de fazenda d boje at amanhil a cha-
ve do propro nacional denominado Calabouco, vis-
to ter de ir praca adianhl mesmo, segundo me
parterinou o inspector darjuclla thesouraria em
ollicio d' 25 do corrente sob n. 867. serie B.
A' cmara municipal de Serinhaem. Ac-
ensando recebido o offlcio da cmara municipal
da villa de Serinhaem de 7 do corrente, fleo intei-
rad) de terjella assuuiido o exerekio do suasfuuc-
coes depois do liaverem prestado o competente
juramento os vareadores que a eompoem.
A" cmara municipal da villa do Bonilo.
Reniotto cmara mancipa] da villa do Bonito a
copia inclusa d> acto desta dala, pelo qualannul
lei a elcie/io de vareadores e juizes de paz, proce-
dida a 7 de setembro do anuo ttnth na parochia
dessa villa, nica que consfituo o municipio, afifli
de que essa cmara o compra, fazendo reissumir
o'exereieio de seus cargos os vereadores e juizes
de paz do quatriennio lillimo.
5.' secano.
Olficio:
Ao- administrador do corr -io. Tendo nesta
dala deferido, no* termos da Informadlo do ins-
peetbr da alfandega de 23 do corrente, o reque-
riiMento qu^ me dirigirn) os agentes ne*ta cida-
de dacompanhia de navegaeSo a vapor do Pacifi-
co, pedindo consentimento "alm de que, apenas
clieguem os vapores, enviem a? xeparticoes com-
peUmtes sen bordo, o respectivo eseawr para
conduzir as suas malas, tocando na ida e na volta
na barca de viga ; assim' o declaro a Vine, para
tseu conhecimento e lins convenientes.
EEPFDIENTE DO |t> KETARIO.
1' seceo.
Oficios :
Ao coronel coiumandante das armas interino.
Communico a V. S. para seu couhocimento e
direccSo, que S. Exc. o Sr. presidente da provincia
por despacho desta data concedeu lo das de pra-
zo para provar isenc;io legal ao recruta Jos Anto-
nio dos Santos.
Ao mesmo.S. Exc o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S., em respo>ia ao
querque, que foi sentenciado a seis mezes de pt-
sao com trabalhos.
Ao inspector do arsenal da 'marinha.S. Etc.
o Sr. presidente a provincia manda declarar a
V. S. que nesta daui acaba de tjcitar do Exdi.
Sr. ministro da marinha O'eredito necessarlo, allm
de ser etTecluado o pagamento da gratillcacao d'
ij^OOO de que trata o seu efflcio de 16 do cr-
reme, sob n. 5I.
2,' scalo.
Oficios :
Ao Dr. chefe de polica. -De ordem do Exm
Sr. presidente da provincia transmilto-Ihe o pas
jumo por V. S% pedido para o delegado do termo
de Olinda em .ollicio n. 179, de 23 do corrente.
Ao mesmo. O Exm. Sr. presidente ra pro-
vincia manda aecusar o recebimento do oficio de
V., S. de 23 do corrente, sobn. 180, coinmunican-
do ler nomeado a Jos Manuel de Siqueira, para O
emprego de guarda da casa de detoneo, em subs-
tituicao a Rufino Augusto Mendos.
Ao mesmo. -O Lxm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que nesta data se
expedio ordom ao commandante do co^w de poli-
ca para augmentar com duas pravas o destaca-
mento da freguezia do Poco da Panella.
Ao commandante superior de Serinhaem. -
O Exm. Sr. presidente da provincia manda derla*
nr a V. S que nesta data acaba da autnjrjsar a
thesouraria provincial a pagar os veneimentos do
destacamento da guarda nacional, de que traa o
seu offlcio de 18 deste mez.
5.' seccao.
Officios :
Ao inspector da thesouraria provincial. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que segundo cominunicoit o Dr. chefe do
polica em offlcio n. 18 >. de 23 d) corrente, no-
meou Jos Manoel de Siqueira para o emprego de
guarda da casa de detengo, ficando sem effeilo a
de Rufino Augusto Mendes para o dito emprego.
Ao mesmo. >. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, manda declarar a V. S. para seu conhoci-
raenlo e fins convenientes, que por acto de boje
resolveu demittr o conego Francisco Rochael Pe-
reira de Brito Medeiros do cargo de regedor do
Gymnasio Provincial e nomeado para o substituir
o conego Dr. Joaquim Francisco de Fanas.
4.' peceo.
Offlcios :
Ao director geral interino da instruccao pu-
blica. -S. Exc. h Sr. i>residente da provincia man-
da declarar a V. S. para seu conhecimento e fins
convenientes, que por acto desta dato, resolveu de-
mit'lir o conego Francisco Rochael Pereira de Brito
de Medeiros do cargo de regedor do Gymnasio
Provincial e nomeado para o substituir o conego
Dr. Joaquim Francisco de Parias.
Ao conego Francisco Rochael Pereira de
Brito Medeiros. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. Rvma. para sea
conecimento c fins convenientes, que por arlo de
boje resolveu dimitti-lo do cargo de regedor do
Gymnasio Provincial, Horneando para o substituir
o conego Dr. Joaquim Francisco de Faria*.
Ao conego Dr. Joaquim Francisco de Parias.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. Rvma. para seu conhecimento e afim
de que mande solicitar o respectivo titulo nesta
secretaria que acaba de nomea-lo para o cargo de
regedor "do Gymnasio Provnicial.
5," scelo.
Officios :
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.S. Exc. o Sr. presidente
da provincia manda aecusar recebido o offlcio de
V. S., de 23 do corrente, coniniunicando que nessa
data reassuinira o exercicio do cargo de ajudante
fiscal dessa estrada de ferro o Dr. Felppe de Fi-
gueira Paria.
Ao superintendente da mesma.-Mande V. S.
de ordem do Exm. Sr presidente da provincia, dar
passagem de ida e volta nessa estrada de ferro no
tremde30do corrente, por conta da provincia,
partindo da esta.fio das Cinco Ponas de Una, ao
guarda da reparlieao das obras publicas, Antonio
de Barros FalcJo.
co
I.* Secco.Secretaria de polica de Pernanibu-
, em 29 de Janeiro de 1873. N. 207. -Reserva-
do, -lllm. e Exm. Sr. Com o auto de perguntas
feitas a Laurentino Antonio de Paula Madureira,
respondo ao offlcio reservado de V. Exc, datado
de 2o do corrente. -Deus guarde V. Exc.-lllm.
e Exm. Sr. Dr. Henrique Pereira de Lacena, digno
presidente da provincia0 chefe de polica, Lvlz
C. de Queiroz Barros.
Auto de perguntas feitas a Laurentino Antonio
de Paula-Madureira aos vinte e nove das do mez
de Janeiro do auno do nascimento de Nosso So-
nhor Jess Corista de 1873, nesta cidade de Per-
nambuco e secretaria da polica, onde se achava o
Dr. Luiz Crrela de Queiroz Barros, chefe de poli-
ca desta provincia, comigo offieial da-mesma se-
cretara, abaixo declarado, ahi comparece* Lau-
rentino Antonio de Paula Madureira.. quem o
mesmo Dr. chefe de polica fez as perguntas se-
guntes : Perguntado qual o seu-iverdadero nome,
hliacao, naturalidade, idade, estado, prolissao, re-
sidencia, e se sabia ler e escrever?
Respondeu chamar-se Laurentino Antonio de
Paula Madureira, lilho de Antonio de Paula Madu-
reira, j fallecido, natural desta cidade, de vinte e
tres annos, mais ou menos de idade, solteiro, ans-
pecada da companhia de cavallaria de linha desla
provincia, residente no respectivo quartei, e sabe
ler e escrever.
Perguntado, se elle respndeme o propro, que
estivera com praca no corpo de polica desta pro-
vincia f .
Respondeu que sim.
Perguntado, se quando elle respndante desertou
do mesmo corpo, e appareceu depois. se nosse
tenipo foram seus prets cobrados na thesouraria,
e se para os haver foi mlster elle respondente
ameacar d Respondeu, tjue indo destacado para Floresta, ao
chegar em Macei desertou, e depois de 7 mezes
mais ou menos apresentando-se seu commandan-
te, procurando-o para vale lo, este mandou, que
se recolhesse ao quartei, dizendo-lhe, que ignora-
va semilhante desercSo, e que sem ter elle respon-
dente soffrldo castigo algnni, dizendo seus compa-
nheiros que elle tinha direito aos seus prets de-
corridos, dirigio-se ao commandante do corpo pe-
dindo a paga de seus veneimentos sem que fizesse
ameaea alguma, dizendo elle corrfniandante, que
fosse ter com o capitao fiscal Anastacio, o qual Ihe
declarou que os seus veneimentos estavam em
Floresta, para onde tinham seguido, do rpie dando
elle respondente sciencia ao seu commandante, este
calou-se; mas d'ah ha dias, mandou que o ca-
pitao Camillo pagasse elle respondente, em vir'
lude do que o capitao Camillo pagou elle res-
pondente a importancia de setenta e tantos mil r$is,
e o alferes Castro o restante por ordem do mesmo
commandante., E por nada mais dizer, nem Ihe
ser perguntado, dea-se este auto por lindo, que,
depois de lido e achado conforme, assignou-o com
e'Dr. chefe de polica, do que tudo dou f.
Eu, Candido Autran da Matta e Albuquerque,
oficial que o escre'vi.Luiz C. de Queiroz Barros.
Laurentino Antonio de'Paula Madureira
CtiMHinHdu Muperioi*.
Qrvtrri'.l. 00 0MM.VXJ1O St I'K.KIOH l>A Gl'AlUl.V
NACI.N.VL DO Ml'.MCll'lO M RKCIFE',1 t>f:
LEVCKElRO DE 1873. x
Ordem do din /t, 98.
O Ulm. Sr. coronel coinmindante superior, em
vUta nas communicaeoes que Ihe fez o Exm. Sr.
comnv.ndador presidente ua provincia manda
fazer rpublico para coiihecimento dos corpos sob
seu comiinndo e etfeitos necessarios :
Que por portara de 10 do mez liado foram con-
cedidos dous mezes de I cenca ao Sr. lente da
7.* companhia do 3." bar ilhao de infamara, Carlos
da Silva Arauj , para ir ao Rio de Janeiro tratar
de seus negocies ; e pila de 18 se mandou dar
gua de passagemipara o municipio de Olinda, ao
Sr. alferes da 4.' companhia do 4." batalho, Joa-
quim Ignacio da Fonceca, de conformidade Com
o dilpesto no art. 43 do decreto n. 1,130 de 12 de
mareo de 1851.
finalmente manda fazer publico, que no da 16
do mez Rodo fallecen o Sr. capitn reformado
Joao Francisco Marques, e que por despacho do
30 tainhem desse mez concedeu quatro mezes de
liceuca ao Sr. alferes da 8. companhia do 3." ba-
taliao de infamara, Augusto P.iter Ce-ar, para
tratar de seus interesses particulares dentro desta
cidade, de conformidade com a inform icao do res-
pectivo commandante.
Acha-seem servico durante este mez o Sr. ca-
pitao ajudante de ordens interino Manoel da Silva
Faria.
Itoolplio Joo Baratade Almeitla. coronel chefe
interino do estado-maiur.
seu offlcio de J5 do corrente, sob n. 110, que nesta
data se autorisou o director interino do arsenal
de guerra a miniar ferropear. iosio qne Ihe ose _
apresentado para esseflm, *> soldado dabatalhaVn. > deatc mez, qnanto ao faeto.de ter Antonio Pere-
A2 de voluntario. 9a w oar;m de A,lbu- u lo Adujo Vlaritia 1 >!. -i^-. .n-.-,i "eMi-
I.* Seccan.Secretaria de polica de Perauu
buco, em ?9 de janeiro de 18<3.N. 2 tt.-Ilhn. e
Exm. Sr. Cora o offlcio junto por Copia, datado
de 18 do corrente, do delegado de polica do ter-
mo de Bezerros, respondo ao de V. Exc datado da
guel Bezerra da-Silva, reeditando i morte de duas
meninas do mesinoMiguel Nszerra da Silva. -Deus
guarde a V. Exc.-Uhrt e Kxm. Sr. Dr. Henrique
t'ereira de Lucena, digno wesideule da provincia.
- O chefe de polica Luiz Correa di Queiroz
Burros.
Delefacia do polica do termo de Bezerros, 18
de janFiro de 1873.-lllm. Sr.-Km observancia s
ordeps d V. S, dadas em ollicio de li do ama-
te com relacao ao faci de ter Antonio Pereira de
Aiaujo Vi.iim.i tocado logo ua easa de Miguel Be-
zerr> da Silva, e nessa occasiao morrido druis
meriias d laiiesmo, que estavam dentro da mesma
Casa', oimpre-me informar a V. S. que o fado se
deu, e fui mdigitado como autor dolle o dito Anto-
nio Pru'ra, o qual foi processado, porm antes de
ser pros, falleceu de molestia no interior, no da
31 de deseiibro de 1867, e foi sepultado no cemi-
terlo desh villa no dia seguinte.
que teuho a informar a V. S. por estar in-
leiramente informado e setenta de tudo. Deus
guarde a V S. lllm Sr. Dr. Luiz Corren de Quei-
io/. Barros, muito digno chefe de polica da pro?
vinca.Domingos dos Sanios Fieire, 2." supplen-
le em exercicio.
DESPACHOS KA. OilESlDKXUA DO I.' E ttVKItEIHO
de 1873.
Abaixo a?s|rnados, otervao-c ^aiaatiense do
hospital militar desla provincia.Informe o Sr
coiumandante das armas, ou viudo a junta militar
de sade
Abaixo assigaados vereadores da cmara muni-
cipal de Salgueiro. Informe com urgencia o Sr.
presidente a cmara municipal de Salgueiro.
, Antonio Maiiudda Costa.Certifique.
Belarmino dos Santos rae* Passe portara
na forma requerida.
Christkuio Coutinho. Informe o Sr. coronel
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio da capital.
Gaspar Antonio dos Reis.Indolerido. em vista
da iaforinaeo do director geral interino da ins-
trueeao publica.
Henrique Vicente Vianna.Informe o Sr. en-
genheiro chofe da repartieao das obras publicas.
Isabel Francisca dos Santos. -Informe o Sr.
provedor da Santa Casa du. Misericordia.
Dr. Jos Antonio Correia da Silva.Deferido,
thesouraria de facenda com offlcio desla data.
Jo Pinto da Cunha. -Rasie portria na forma
requerida.
Luiza Cleinentiua Vieira de Mello.Passe por-
tara, roncedendo um mez de (cenca com venei-
mentos.
Manoel Antonio de Araujo. Seja posto em li-
berdade.
Pedro Ferreira da Silva. -i To poslo em liber-
dade.
Secretaria da presidencia de Peruaiubaeo, 3
de fovereiro de 1873.
O porteiro,
Silrino A ntonio Roiriyues .~~
ictor geral interino da iusli uceiio publica,
parte do corpo docente, cercado Ualum-



.

Repnrlrito iln nolicin.
2.* scelo.Secretaria da polica de Pernambuco,
3 de fevereiro de 1873.
N. 241. lllm. e Exm. Sr. Levo ao conhe.ci-
mento de V. Exc. que, segando consta das partid-
paedes recebidas hoje nesta reparticao, no dia 1.
do'corrente nao foi reeolhido individuo algnm
casa de detencao e no dia 2 foi apenas reeolhido
aquella casa, ordem do subdelegado da Magda-
lena, Reinaldo Gomes da Silva, preso em flagran-
te, por crimo de ferimentos leves.
A'cerca de semelhante facto acabo de recom-
mendar ao subdelegado do districto da culpa, que
quanto antes proceda ao inquerito policial e o re-
meta ao respectivo Dr. juiz de direito, dando logo
sciencia dessa remessa.
Por offlcio desta data parlicipou-ine o Dr. dele-
gano da capital que, segundo lhe*cominunicra o
subdelegado de Belrn, das 8 para as 9 horas da
noite do dia anterior, urna das machinas dos tr-
Ihos urbanos desta cidade de Olinda. qne con-
duzia para alli diversos wagons, ao aproximar-se
estacao da Encruzilhada naquelle districto. des-
encarrilhou-se por tal modo, que virou-se com
um dos wagons de 2.* classe, despejando grande
nnrnero de passageiras, do que resultou alguma*
leves conlusoes, e Oi.fermontos graves de Joao
Francisco Regs da Luz, sendo que acerca de se-
melhante ferimento proceder a competente vis-
tura.
O mesmo Dr. delegado acaba de recominendar
a aquelle subdelegado que proceda s necessarias
indagacoes para verificar se foi ou nSo camal o
fado alludido, dando-lhe logo sciencia do resulta-
do de suas diligencias, afim de trazer ao meu co-
nhecimento.
Em data de 31 de Janeiro ultimo, communicou-
me o. delegado do Cabo que, no dia ""
mez. em trras do engenho Universo
de Ara riba daqnelle termo, Manoel Da
no Praieiro, cpancaram gravemente a Flix Ro-
rdrigues do Espirito Santo, logrando evadirem-se ;
.que tez o competente inquerito policial, e o re-
metiera logo ao respectivo Dr. juiz municipal para
ios devidos fins. -
Deus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. com
mendador Henrique Pereira de fl.ucena. dgnissi-
mo presidente desla provincia.0chefe de polica,
Luiz Correia de Queiroz Barrosa
f REVISTA DIARIA.
. Fiidade do estylo inauguraram-se hantem os traba-
dos lectivos desle estabelecimeato.
A's 9 hora* e meia da mahhS, presente* o Exm.
Br, oomefr>niad?r pre-idente da provincia, o Sr.
Dr. directi
a maior
nos, e varias |iessoas estranbas ao eslabeleciineutc,
o Bvm. sensor eelbrou a missa votiva, depois da
qual o Sr. Dr. Augusto Caniero Moateiro da Silva
Santos, prefesjor de geometra, prouuueiou a ora-
van de sa>ientia, seguiado-se-lhe o Sr Dr. Manoel
Pereira de Moraes Pinhero, que lea um discurso
anlogo a solemuidade.
Passando-se congregacao dos professores. de-
liberou esta que o horario e e a substituivo dos
professores seja a mesuia do anuo passado.
Machinas Thuiugtsoii. -l'madessas ma-
chinas ao fazer hontein, pela maaha a volta na ru i
do Bario da Vlctoria^anto da ruadas Tricbeiras,
desgovernoii, indo d encontr calcada do predi i
n. 3, causando ahi pequeos estragos.
Espaiu*niiictito,-.Nodia26 de Janeiro, em
ierras do engeuho utmo, do districto deArariba.
do termo do Cabo, Manoel Das e Firmno Praierc
espantaran) gravemente a Feiix Rodrigues do Epi-
rito Santa, pqnda-aeem seguida em fuga.
Vapores esperados.A' todo o momeii -
to o iaglez Maijdhiii de Liverpool e Lisboa ; de fi a
8 o francez Cambie, e de 8 a 9 o francez Mendoza.
Jury cionar este tribunal por s terem couipaiveido 13
juizes de facto. Para completar o numero legal,
iorain sorteados os Srs. :
Freoiuzia do'Recife.
Bruno Alves da Silva.
Manoel Francisco dos Res.
Gustavo Nazianzeuu Purtadu de Meudonca.
Jos da Silva Loye Jnior.
Ismael Cegar Puarte flibero.
Sanio Antonio.
Dr. Antonio Epaiaiaoadas de Mello.
Jerouymo Emiliano de Miran la Cas
Augusto Cezar Pereira de Medonca.
Jubo J. Pereira da Bocha.
Dr. Manoel de Siqueira Cavalcanle.
Dr. Deodoro Ulpiauo Coelho Catanh >.
Manoel Frailesco de Moura.
Florencio DomiMgiies da Silva.
Antonio Jos de Abreu Ribeiro.
Dr. Joao Jos Pinto Jnior.
Caelauo Piuto de Veras.
Francisco Belarmino dos Sanios Fruita.-.
S. Jos.
Francelno Augusta de II. Chacn.
Boa- Vista.
Joaquim Pedro Barreto pe Mello Rag >.
Bernardo C. Montero da Silva Santo?.
Dr. Francisco de Paula Penna.
Jos Caraeiro di l.unha.
Belarmino de Barros Cairela.
Bario de Campo-Verde.
Dr. Antonio Wilruvio Pinto Bandoira Accioli
Vasconcellos.
Bario de Villa-Bella.
Manoel Fernandes de Barros
Ibeodoro Jos Tavares.
Antonio Jos Ribeiro de Moiae
Joao Manoei Bbeiro do Cont.
Afogaao"
Antonio Lopes Rodrigues.-
Antonio Cald;is da Silva.
Antonio Valentim da Silva Barroca.
Poca da PatuUa.
Joio Cavalcanle Figueira* de Henezes.
Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
SiH-ii-ilail.- j)i-(t]>.t'-vailorn lia ins-
traeeao publica.o conselho director da
parochia de Santo Antonio convida aos Sis. pro-
fessores do curso normal para senhoras a se reu-
nirem hoje (4) na sala das sessoes do mesmo con
seibo, aliin de,' satisfazendo ao disposto no art. 20
do programma de etudos de dito curso. escolhe<
rem os livios e compendios que devem ser adop-
tados para as diversas aulas.
Collrtfio de S. Francisco Xavier. -
Hontein comeearau) a tdnreionar as aulas deste
collegio. A funecSa religiosa da abe:tura das
inesinas aulas (era lugar na capaila no prximo
domingo s 7 horas da manhi.
Hospital porluuez.K-ta de semana
o Sr. mordomo Manoel Francisco Pontos. O nio-
vimentodas enfermaras de 26 de Janeiro a 1 de
fevereiro foi o seguate : existan! doenles 00, en-
trram 2.'i. saliira n 20, fallecerain 6. existem 30
Paco da Pauclla. -Termiaou-se hontein
o ultima acto da festa de Nossa Senhora da Saude
do Pojo da Panella. quemando-se um lindo e in-
teressante fogo de artificio, onde sobresaldrn!
novas e ricas Becas de suiamo gosto, tudo devido
ao bem conhecido artista Leoncio da Fonceca.
No dia IB do crreme ter lugar a festa do Sr.
dos Pasaos na mesma igreja. Os encarregados
della preparaia-se a dar-Ihe o devido esplendor.
llavera fogo de artificio na vespera, no dia da
inesina festa. e no immediat>.
Monte Pi Santo Amaro.Hoje s ti
horas da larda llavera reuno da assembla geral
desta sociedade. afim de se tratar de negocio do
iuteresse da mesma.
Cidade de OlindaNo dia 9 do corrente
( domingo ) ser celebrada, na igreja do Bom Fin,
da cidade de Olinda, a festa de Nossa Senhora da
Conceicao. oceupando a tribuna sagrada an Evan-
gelho o Bvm. Frei Lulgero da Santissiuio Nomo d(!
Maria e ao Te-De um o Bvm. plegador imperial
Frei Joao de Santa Thereza. A noute ser quei-
mado um lindo fogo de artificio.
O progresso no Japo. -L-se o seguin-
te em una folfa franceza :
Nao exageramos, quando dizemos que o Japo
vai toraar.se um arrebalde intellectual da Eu-
ropa. E se nao veja-se : O diccionario Japones
do Dr. llpburn, vai j na 2.* edico e annuncia-
se a prxima pubHeacSo de dou* ostros dicciona-
rios compOBtOS por indgenas. Trabalha-se lambeni
in Japo em um grande manual geograplpeo e
histrico, re lgdo em iaglez e japonez, que deve
ser adoptado as escolas. Existem j quatro ca-
sas japonezas para ensino : tres sao dirigidas por
allemaes e a quarU por um americano. Urna das
referidas aulas acha-se em Obosak e conta 100
alumnos ; as nutras estao em ^Kaya, Chidzoka e
Towaki ; brevemente vai crear-so ana outra em
Yeddo.
Evecucode um criminoso.L-se o
segunte na Franca :
t Houteni, pelas 7 horas da manli, foi execu-
tado no polygono de Vricennes o criminoso Poilc-
vin, o qual sendo guarda campestre de urna com-
muna prxima de Soissons, no tempo da guerra,
ia 26 do dito cntregou aos prussanos quatro habitantes da re-
. do districto. ferida localdade, que foram fuzilados. Por esse
Mas e Prmi- motivo o conselho de guerra condemnni morte
o referido Poitevin Este estova encerrado em tuna
prisao militar c quando Ihe communicaram que
nao tinha sido attendida a si appella.o, nao
mauifestou o menor pesar, exclamando :
t Eu j sabia que nio me seria concedido o
o perdi que solicitei.
t Vestio-se depois para receber a visita do ca-
pell.io. e om seguida subi para urna carroagem,
que o conduzio a Vincennes, escoltado por um pe-
loto de gendasmes a cavado.
t O quadrado forraouse sobre o campo de tiro
do polygono, assistindo tambem a este acto urna
multdo do curiosos. A um signal do ajudante,
o piquete de execut-io fez fogo e Poitevin cabio
morto. -
Decadencia de familias nobres. -
L-se o seguinte no Xatloual:
O- jernaes judiciaes anninMaraaiultiuiamente,
que um descendente da Ulustre familia dos Lud-
?nan, a qual canto sabido, reinou em Chypre e
erusalem. fora coartoranado em patita correceto-
j nal pelo criine de furto. Iloje]iioticia-iw a morte A-
[ ultimo dos Caney, cujo castello eni ruinas urna,
das curiosidades da Picarda. O descendente do.-
Knguerrand e dos Baoul, que to poderosos foram
n'outras epoebas, nao oceupava sania um peque
ao logar na sociedade palmease. Era Irapeiro !-
\ nula de alunas inanuserlptos.-
I.-se o seguinte na France :
Eis os precos porque foram ltimamente ven;
didos em leilo alauns manuscriptos pertenceute*
colloeeo Duvtvler :
lina carta de Henrique II, foi vendida por
101 francos; outra de Luiz XIII, por 36 : OUtra
de Luiz XIV, por l"!; outra de Maria Antooieta
por 8il; outra de Joaquim Mural, por 10; outra
do duque de Nemours, por 11 : outra do princip-
de Joinville, por 10-: outra de NenoMe III, por
13 ; outra de C.lialeaiibnand, por 06 ; outra de
niadame de Stael. por 41; OUtn de Beethoven.
por 111 ; outra de Lessinp. jwr lio ; outra V
Hayiln, por l ; outra de Lamorcwre, por 11; ou-
tra de Trocha, por 13 ; e 17 cartas de Lactude fo-
ram vendidas por 130 trancos.
t O original da carta que Barbos dirigi ao
jornaes depois de ter sido posto em liberdade pelo
governo imperial, foi vendida por 3 trancos
nina outra do geueral Bedeau, pedindo o posto
de chefe de batalho para o capitao ajudante de
estado-inaior Viiny, foi vendida por 8 francs
Ha a notar nestas quanlias, que as cartas que
forain vendidas |vr menor preco sao as dos lw-
inens polticos, e as que se veudeiam mais cara)
foram as dos artistas ou de horneas de letras.
Oacln-il chefe dos morinons -N>
dia 17 do corrente o Sr. Thiers receheu em au-
diencia o Sr. Smith. |iresidente do cor|io diplom-
tico do E>tado de l'tahjM America, successor de
Biigliani-Yoniig. e cheredos monuons nos Bala-
dos-Unidos. Acompanbavaiu-o uns sote mnrmons
sendo todos muito bem receidos. 0 referido che-
fe Smith Itomem do uns 30 aunos de idade, alio,
de boa presenca e pbisionoinia sym|>athica Por
meio de inlerpet e conversn algum tem|Kt com o
presidente" da repblica, dando-lhe pormenores
muito curiosos acerca dos monuons, que se eom-
poem principalmente Oeste momento de ingleze?.
americanos, bespanhoes, allemaes, italianos e d-
alguna franceses, ao todo uns 120,000. Apparen-
tam nao recetor nada |>ela sua seita, apezar da<
leis que ltimamente se publicaran! contra elles.
O Sr. Thiers tendo interrogado o Sr. Smith acerca
dos mambrps da sua fanfilia, e*te ia a principiar
a fa lar circunistanciadamente dos trezentos lilho
que julga ter. quando a audiencia termiuou. Tan-
to o referido chefe como os adeptos que o aconi-
panham dirigem-se para Jerusafem para desem-
penhar algumas formalidades e cumplir com cer-
tas pratieas que lhes prescreve a sua seita.
Aprohibicao no jogo na .Vlleina-
nha.I.-eo >egumle em uina follia eslrar.-
geira :
Brevemente, no dia 31 de dezembro, as aln'-
mas bancas de jugo que funceiouaai na Allema-
nha, tero dexado de existir em consequencia da
leis que foram publicadas nesse sentido, e j a
administraco da Kursaal convoca os seus accio-
nlas para" urna assembla geral que deve ven-
near-se no da 9 de Janeiro prximo, afim de su
tomaram as medidas que exigo a liquidaco desla
aseiedade anonyma. Entre os objeclos de que se.
ha de tratar na ordem do da, ha um principal-
mente que provoeou grande sonsacan c deu lugar
a couiineuiai ios de toda a especie. A direcci
laaciona pedir autorisacjto assembla geral pa-
ra intentar processos, quer contra o governo prus-
siano quer contra o fisco, alim de fazer valer e
reivindicar os dntos que o governo contrahi..
quando se installou essa sociedade.
Entre outras colisas diz-se que a direcCao pe-
dir ao governo o reembolso integral de 100,000
Dorios em acedes do rarainbo de ferro, as qnaes
tero direito aos beneficios resallantes da explo-
rocio. Este assnmpta tem dado j causa a gran-
des discussOese nao se sabe ao corlo o resultad.^,
que tero as reclamacGes da referida sociedade. A
coocessao de jogo feila a Hombanrg s deria ex-
pirar em 1816 e a de Wsabadeu om 1881; na di-
dso dos 24 mllnoes de lalhers, de que se com
piinlia o fundo da mencionada sociedade, dou-
tercos deverao portanto pertencer aos accionistas
de Hpmbonrg. fo entretanto isto oflerece suas
didkldades, e os accionistas, que na inaior parte
sao francezes, nao sabem se deverao tratar o as-
sompto por meio dos tnbunoes, se fazendo um ap-
pcllo assembla nacional para se chegar a mu
aCCOrdO diplomtico.
Proclamas.Foram lides no dia 2 do col-
rente, na matriz de Santo Antonio do Becfe os so-
guintes .
1' deniinca(;o.
Francisco Loureneo de Gaio Vasconcellos, nabo
do 9." batalho de allantara, com Ignez Mara.
Pereira de Lima.
Severiano Benlo Jos de Souza. com Maria Ber-
nardina da Conceicao.
Antonio Mara Marques Ferreira Jnior, com
Anna Esmena Ferreira.
Jacintho da Hora Pires, com Guilheriniia Ra>-
inunda dos Santos.
Jos Bapbael Montero, com Felsmiua Porciuu-
cula de Andrade.
Benjamin do S Pereira, com Mara Pereira d#
Jess.
21 denunciaco.
Joao Xavier de Mello, com' Laurinda Maria dj
(3onceQ"o.
Domingos Jos do Espirito Santo, com Francis-
ca Maria do Espirito Saato.
Joo Bacallar de Oliveira, com Francisca Virgi-
nia beques, natural da Baha.
C isme Daniio de Souza, com Deoluda Amalla-
da Silva.
Jos Rodrigues da Silva, com Luiza Maria d*
Oliveira Lins, natural do t'.eara.
Antonio Bodrigues de Souza, com Emilia d'Al-
meida Fiuza.
Manoel da Silva Medonca Vianna, com Hos ^
Candida Tema.
Joaquim Francisco Hamos, com Genuua HuIei
gunda da Silva Moreno.
Felipiie Eneas da Costa, com Carolina d'Albu
querque- Mello, viuva de Felippe Nery Cardozo.
Hlaruio Velloso da Silveira, com Hcliodora Ma-
ria Damasceno.
3* denunciaco.
Jos Martins do Sacramento, com (iuilliennin.i
de Senna Barbosa.
Sebastiao Alves Ferreira, com Margarida Aon.
de Souza Pinto. .
Luiz de Mello Barbaja, liberto, com Mana da
Conceicao da Purificaco.divre.
Francisco Ferreira da Costa Fraga, com l-ran-
celina Maria da Conceicao.
Joo Jos da Silva, com Tertuliana Mana ia
Freilas.
Hospital Pedro II. O moviinento deste-
estabelecimealo de 27 de Janeiro ao dia 2 de fava-
reiro de 1873 foi o seguinte : existiam 328, entra,
ram 52, sahiram 51, fallecern! 10, existem 319.
sendo : 211 homens e 108 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermara-* ueste* das as fr
1/2, 7, 7 i'2, 7. 7 1/1, 7 i/2,6 IA pelo Dr. Hanns
as ir, 11, 9 i/2, 9, 12, II. pelo Dr. Sarniento : a
9, 10, 10, 9 i'2, 9, 9, 8, pelo Dr. Matoqnias *
8 1/2, 9, 8 1/2, 8 I/I,81/2,9, pet Dr. Vianna.
MbaaJB*.
Aludino Barros da *>" ulcera*, synlitlftwv
da larvnge.


V


-
i lis Dirtoil Pcrnambuco Tetfa feira 4 de Fevereiro de 187$.
Maa Magdalena do Espirito Santo, entente
rhronca.
K'zaro, fobre amareHa. .
Jos Pivant, fehre niurella.
Josepha Mara d#JXoftario, hctigas.
CorVilna Joaquina de Moura. peritonitc.
Juo Francisco, bexigAs confli ontes.
Thereza Mara du Josas, tubrculos pulmo-
nares. -_^
Franrisco de Miranda, anemia
Joauna Mara da Ganceicio, caehexis,
Ceiuiterio iuMi<.*.-OI>1|uario do dia I
de fevereiro de i73 : i
Fancisco Beatrii, ranco, ItaliJ,130 anuos, casado,
Ita Vista; febre amarella.
Henrick Kramar, nranco, Al iAaoha, 53 annos,
solteiro, Boa-Vista ; libre amare Ha.
Joa pjim 4a Costa Moraes, preto. frica ; 78
anuos, soltwrt), S. Jos ; ptanro pncunomia.
Jos Totontino do CsrValhn. pardVCear. 21
annos, vinvo, RaeifB ; varilas.
Engracia Hara llaplista, parda, Cear, 60 an-
uos, solteira, oa-Vista ; cyrro uo estomago.
Paulina Mara da Concoiro, parda. Pornambti-
cn. JW annos, casada, Boa-Vista : gaatra BMBfiM
ehrnniea.
Joo Francisco, preto, Pernambuco, 47 araos,
rasado, Boa-Vista, hospital Pedro II ; varelas.
Gennrosa Mara da Silva, parda. Pernambuco,
23 ames, solteira, Boa-Vista ; phtysica pulmonar.
Francisca, branca, Pernamboco, 4 ic*es. Re-
rife ; convnlsoes.
Antonia Bazilia, branca, Pernunbnee, 27 annos,
solteira, Santo Antonio ; gastro hepaSte.
Antonio, pardo, Pernambuco, 3 annos, Santo
Antonio : nnlcrn rolitc.
Ignez Birnta Vieira, branca, Pe nanibueo, 18
annos, solteira, ttecfe ; febre .toxica
Maria. prcta, Peniainbuco, das, S. Jos ; es-
pasmo.
Thereza Baria da Conceien, parda, Pcrnambu-
co, "22 annns, o'teira, Boa"-Visla, hospital Pedro
II : tubrculos pulinmares.
flBWulM n *e Miranda, pardo. Ahgoa, 18 an-
uos, sollciro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; ane-
mia.
Joanun Mara da Conreicao, parda. l'ernanibii-
>, 18 annos, solteira. H'ia- ista. hospital Podro
II; raehexia. lA
Alcxandn: Rodrigues de Oliveira, braneo, .10
annos, casado, Varna; tubrculo'pulmonarus.
Mara, oscrava, preta, Pernambuco, 18 annos,
-olera, S. Jos ; eclampsia.
Ralnncolo do Ramiro C'Mamer-
ria! de Vrisambuieo cm 31 d
Janeiro Ir 1H53.
ACTIVO.
Vconistas.................
I.clras descontadas..........
Letras a reober.............
Letras i.mronadas...........
Vaiores depositados..........
npwa* gernes.............
Bstpeefts de inslallacio.-.....
M Preis.....................
IM loipilhas.................
Diversas cenias...........
Cauca......................
4.799:9rtrt00
i.l<>3;;t.,.,sH70
32:1 00000
I4:--00000
34:434296
6:279l00
ti:'i.!i-v(.0
t:*8t*40
396*600
89:9t*K71
198:038*360
ii.:tO3:70!5 SS97
PA64IV0
*::|iiUL.................-----
('.iota-: eoiii'ot'S por diidieiro a
juros......................
t artas eorrentes -imple-........
letras i1 ir dinhero a juros.....
Caacles.....................
I>.'f-1 i-i; is da directorio.........
Diversas coatas...............
h w )n! is.....................
6,000:000*00!
6t:SOO#0QQ
30:8004000
i:3W(iaoe
19:454*296
12:00 1*060,
!"l8:9i'.i >iS3
53J8743M
Con liando na justica hrrparealnlade dos mem-
bros do tribunal, naotonsquei empenhos, nem pro-
tector* s, pos para a fazerem ellos, nao sao precisos
taes iretos ; mas outro tanto nao acontecen aos
i eus inimigos, porque tres foram a Peniamlmco,
cada qal de ata vez, as cartas ctiuvam, e na-
<|uell!. arara vjsiavam uns Srs. Netto universal,
n Lopes Machado a vapor sfcearregado de plenos
uleres p ra que. o eaprirlio triumpha-se.
Meii^eteurre.lmb.ectiuente ao distincto e illus-
liado Sr. desembargader Saqaa Leio, que votou
veiioit, 0 ontra cousa nao era de esperar do
dignn magistrado, que a inultos annos tico dizer,
faz honra magistratura brazileira, assim como
4si*ende""d(! urna familia Tilo respeitavel, que. nfln
nggravando a outras. ennoblece a provincia de
Pernambuco.'
Pintar os absurdos quo-se tom pratieado nesta
villa, seria cnfadonbo, direi ligciramente que,
qnando f&on cm andamento os processos nTro
tentui. pelas violencias que solVro, as quaes o >r. juizde direilo, qm; eu tnha razio de sobra,
era o proprio subdelegado de polica, que grtaya:,
asiesteiniiiilias qne forem para o Ass comigo
se 'bflo de haver, pois a que ti ver rabo, puclia-se,
c a que nao tiver, bota-sc e o marinheiro vai ai
|io.
J teve seu pago, pois fui Jemittido e inio morar
BOl .Miiri, tinha aprendido aqnj o despotismo e
4 elk cstava aeostuniado, alli tomou doses confor-
tativas de cascudos siseados no pe do ouvido, que
fez ir de ventas ao barro.
Tudo isto feito como proclamacocs de honra-
dez, brio, probidade e tudo mais que alardeia
quetri de certas qualidades niio tero nada. Licoes
que lem aprendido com um tal ("arlos de Aranio,
que ;endo homem de todos os tempos c de todas
as pocas, conseguio aqui ser cousa de cousa,
srro rnim.
. Li!eirameiite facp um histrico do que tenho
aqui soffrido.
En 1869 quando me estabelec, um destes man-
da pedr-nie emprestado o diccionario do Hr
Thernoviz, nao fot sonido, faz rom que o fiscal
dsse urna denuncia contra mira, dizendo Bella cu
nao poder vender drogas que prohibido ; tifo es-
tupido foi um, como o outro, pois negocio licto,
e disso pago drcitos
Btn-4 de agosto do anno finio, derrubou-se m-
nha propriedade, sou insultado com phrases s
proprias de seu autor.
Bm novembro darmflle anno sou procossado por
inventado furto de telhas,. sendo procurador um
meu inimigo, que mais depressa pdsso eu dizer
missa do que elle entender de lei, que at nao
sabe dizer Joo Cecino, so chama Coeio.
Sou preso vespera de festa, escoltado por cinco
oraras de polica, ao passo que os "criminosos aqui
andam at agaloados.
Nesse inesmo tempo sou citado e nbrgado.a pa-
gar O a um homem que me era s devedor de
108$, pagoei mais IOS de autos. Emiim, em
agosto deslc anno, vem o vazillia do fiscal actual
mar dar arrancar dous bancos, que en desde maio
hav a feito consiriirr em frente do meu estabeleci-
mcr.to. isto eia presenca du virtuoso Sr. conego
Paira Torres, que benzeu se de tanto absurdo.
vista do exposto, vejam os liovns justos at
onda chega a vileza dos mandarras deWeia que
injustamente me perseguem.
Maeo, 18 de dezembro de 1872.
Dmaso Mirmul'i ie tbusa Cunto.
10'"'0 de valor del suas accies, Uevemlu tra-
zer as respoptwas 'cautelas para se annotar
dita prestaco.
/ lleclj, 15 de Janeiro <], 1873. i
Os'lireetores,
Manoil'/aSi'ra Smttos.
Hnri'jHi' Beraardes de Otiot'irfy
}0o fia 3m Regadas.

' CO.MM^HIA
NORTHliftS. ,
Capital. U -20,000:0005000
Fundo %de reserva. 8,000:000^000
Agentes,
p*; i 'MillsXattam & &
RA DAJGRUZ N. 38.
Tin:
Seguro conlra-logo
LIVERPOOL & LONDON GLOB
INSURANCE COMPANY
.l^cHien
S E. i O.
6,303:706*29;
o jiida livro-.
J. Pcri'/V'i Pinto.
-BLiCCOFs a mim.
i > publico desta prorncia ja ejt intaralo das
trnsaseles que heaveram n;. queixa que dei ebn*
na alguns dos vereadores da cunara desta villa
antros, peb violenta injostiea que me lizerain
en mar lar derrabar minha propriedade. Mas os
illm-. Srs. desembargadores que eontirniarain
aquella njusUca, nao tomando conheeiniento de
recurso de propositointerposto pelo Sr. juiz de di-
r-.'ito, naopodem avallar a inus!iea que Bte flfae>
r.im. pois at as costas rn condemiiaram
por esta razio que quero melhor a possam avahar.
Uirei. logo que dei a queixa esa agosto do auno
linde e s passado oito mezes lepois de eottheeidoe
iv-idtado das ehHcVes para deputad proviiiciacs.
msquaej o sobnnno do s-, j'iiz tee 20-vo-
I k. Wque sahiram as seiilercas, a modo de re-
eonasasa, nns absolvidos e tutros recorram do
Sr. juiz para o supremo tribunal da relacao, con-
tentando-se em Induirno rol dos trabalhadores o
Sr. teneute-i'oronel los de Borta, pois den en
r%aa seuteura -quaut i aos tr.ibalfiadors lente-
esronel los de Borja, Jos lint". Joa i Pinto, Jo*
i'eixe-a. ee. etc.
Antes desta! seriteneas sabirem fui aqui proeesr
-ulo e preso arbitrariamente por .inventado furto de
telbs, sendo solt por habed* cormu. eendemnado
lado reponsabUisar o sevandija do subdelega'
' que m-j prenden, qne per (alta i< gente tam-
b ven ador acensado, de rujo provimeuto re-
vi tiiibem o Sr. juiz par.-. afelaSo i> dis-
->-ii, np-' dorme<) feito no eartorio, porque en
,i: ra ser wtito paguei as eustas e por isso na i letn
Sis. eservaes mais presea.
Era nos distinetos Srs. desembargadores que eu
nitava teda eonflanea em ser reparado meu
. ma- iofehzmente depois de tudo soflrer aqui b
a justic-a do Aft, aquelles venerando-. aneiSes
ne ja refer, nao tomaui co ibecimento do reenr-
- hRerpesle pela vnntade d i juiz e pague a vieti-
as costas que o me augmentar grande quantia. Bem gritava o man-
| du demolicao de minha propriedade, que a
ilaeao era sna,eu nunca o acreditei, porui. trit-
io foi o meu engao : aquel e tribunal tambem faz
suas njusticas. Venerandos ancioes que, culpa
i o a parte qne o lufa recorra de um dsspaeno
w iii o" poder Cimr Todos soffrem o elfeito se sew
- rs,i,ii!ii'ij!iiz'.,sSi,s. deseaibargadores, Vv. Evcs.
verarn i autos em seu poder e nstles haviam ver
RK tod -- negocio bSo passou de um capricho
fatuo, cura, significaeo, le alguns vereadores da
easaara d st.i vdla.'
Em 1809 aforei W pak* i de terreno na ra
neipaldevta villa peraenBlear nina casa, tirada
a liecn-.a. edifiquei dita casa, semqnea -amara
rese nessi diiiea^io o menor inconveniente, para
su enOhrga-l idepeis qne niio a quero vender.epor
'..-;.i r.u \ i quando trato de azcr-lhe o quintal,que
p*!as posturas di esmarVappiflvadas peta
rieprovincial n. t& de*l m agosto oe l8Sf a
ohngalo.
Heone o wreador Donsiio a cmara e alvoran-
do-se em presidente, toma a c.abeceira (deva diier
eabec^lho ) da mesa, e urupoe que a cmara nao
doria consentir em faz3r meu quintal tolo e sim
metade, porque elle assim quera assim levia
sr, rsto que ja urna Vez llie tinham chamado
betrte e uro hamo, deve eotaegoir tudo que qw,
anda que seja mfrmgindo a lei, conu no caso em
questSo.
Tudo foi Bppro .: 1) sera me darem a menor BCien-
ia, c cn>a dstiboracSo s i soube por me a te*
participado o Sr. secretario, e fz meu quista! cora
ala Rbeurds deliberaeso ; mas, como nie^mo
j-sim o muro estiva muito bem feito e o reeen i
Jownto de a nao (sr querido vender n casa tothj
nao se linha acabado.
Reune-se outra vez a cmara de Maeo, e reserve
mandar derrubar meu muro, porqun oiieria que
n s fizase um quarto de quintal e nao meio,
como delibei aram, t dizia i acta de f2 de Jurthe
Jaquelle anuo,
fsto nao tein qualificacao.
Nada menos qeriam e |nerem estes tapados]
tiomens, que (tterem azer*le sua voatade le, que
eu s faesse circular d; mi muro metade dos
* -fundos de minha casa, (cando outra metade se:V\
quintal neuhum e tuda-d jvassado, lazciiiio un
canto, afini de alli, se despejar lino e fcuerem-:>e
at as neci'ssidades Gorporeas, como acontece
atraz do pardieiro de suas sessdes, ao que dm
quero ammir, vasto que nao eslou ainda com o
o olfacto tao estragado como es Srs vereadores.
Tanto ote acto mais absurdo, que, esta parte
la casa que quorem assim fique, faz alinb*iiien|o
rjwto mi ra da Matriz. '
rabe quera quizer oc# afermoseair.ento ie
nia tal cmara quo s fat garbo de sua .crassa,
Ignorancia.
-?sr isto diziam antes de mandar derrubar rnl-
nka propriedade, que por todas as leis eu vigor,
.me f arantida. que se bavia % cmara ser autora
43 toneladas ao consignatario,
fardos a. Cramer Frey.
drogas 3 caixas e volnmes B'lC'fi. de
l a Aramio A Moreira. .
Kspelluis 1 caixa a T. T. Basto*, ' a Prente
Vfcnraa A C, i a S. e S & C, 2 aCarvalho't
Guimaraes.
Ferro 200 fardos ordem, 160 a Von Schoten &
C. FaxeUaSQcaceos rdeiu, 50 a llioniaz CJirc*-
leasst-n.^lBlrVageiii 1 Mrxa a LsSBos Si- Guima-
i-ies. 1 a Prente Vanrf Ferro lOt barra' a
S P. Johnston. Fazende 4 v^osnes .a Monliai-d
r &C Farinha de trigo 100 Barricas a L.
Lopes, 40 a Alves Lebre, <0 a Cesta- Soaws.
Fitl eiwlta a Ramos lVixdeS 4t C
GenebrkW) caixas ao inslgnatiro, 20 barris
ordem. vtinn.l laca 2 caitas a ordem.
tasnfn"'' lt .em ido li 3
Helio,
3:10C/068
Collegio Abilio.
Us estatutos des:e afamad) estabelecimenlo de
instruc.ao prinura e secundaria, *ito no Rio de
Janeiro, aclnun-so em di-truViioo. a forrara
Pranceza, onde se prestarlo todas as fnformacBes
exigidas pelos interessados.
oowMjicir.,
(liika iial iloltanci) ilo
lnisil Hit PmiaiiiiHi'o.
ni li(|uiilac*io.
Paga-se o 38. dividendo t'.as acedos 'lo
Raneo'lo Brasil inscriptas nesta exn'nct caixa
razio de 8?000 por aejan ; ra do Mar-
(jue/ de dunda n. 49.
Recife, 30 de Janeiro de 1^73.
SHJDROS
CONTRA-POliO
SAUNDERS BROtttERS & C.
11Corpo Santo11
COMPNHI ALLIANCA
seguros martimos e terres-
tres estabelecuk na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,000:000?000.
Toma seguro de mercadorias o dinheiro a
risco martimo em navio do vola evapores
para dentro e fra do imp-nuo, assiin como
contra fogo sobro predios, gneros e fa-
zendas.
Agente : Joaquin .los Cottgalves BeRrao,
ra do Connuercio n. 5r Io andar.
SEGUROS
'MARTIMOS
CONTRA E0 FOGO.
A coinpanhia lLuletnnisadora.estabelecida
nesta prtca, toma seguros martimos sobre
navios o seus carregamentos' o contra fogo
em edificios, mercaduras e mobilias; na
ra do Vigario n. 4, jiavimcirto terreo.
COMPAMLV
Phcnix Pernambucana
Toma risrios martimos <*n mercadorias,
fretes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
quor natureza, om vapores, navios vela on
balearas, premios milito mdicos.
' RA DOCOMMERCIOS.84.
SEGURO
CONTRA FOGO
Isoladottsc^e vidro 3 ejiixas a V. Treafe.
Lamparn*! 6 caixas a Curvan A CMniaracs.
Molduras I caixa uT.t Bastos." Miudeias 1
caixa a SanUu Aguiar. 3 a Prente Vianna & C.
Manmire em chapas 6 cacas a I. Ramos, \ a M
S Far & C. Mobila 1 caixa a Thoniaz (Jiris-
tiansen, 7 a Lcmos & Guimaraes, 5 a Pacheco &
Aievcdo. Machina de costura caixas a V.
Bnaje.
fllfeotos de bnrro-H cairas a Souza e Si A C, i
a Ciista & Soares.
Papel de embrnlho tOO fardos a Rodrigues
Mendos, 200 a Sodr da Motta. 1 a Arminio & Mo-
teira, 500 a Magalhes & Irmao, 10 a E. C. Medei-
ros,30 a Antonio F. Corga. 130 a J. J. da Costa.
Phosphoros la caixas a J. J. da Costa, 3 a J. F. dos
Santis Jnior. 10 a MaKalhes A Irmao, 10 a A.
F. amllio. I'apclio 2 lardos a 31. B. de Mello.
Perfumara 1 caixa a S. e Sa A C.
Sapatos 1 caixa a S. c S A C.
Velas 100 caixas ao consignatario, IQ3 a Alves
Lebre, UO a Magalha.es A Irmao, 200 a Lomos 4
Guimaraes. VTnho-iO' caixas a'tto, (casa do Sr.
Borstelman). Vidros para espelbos 1 caixa a T.
iTs Bastos.
Brigue brasHeiro Constante Uniao, i'Io da
Bahii, consignado a Pinto Guimaraes nvitv-
festou:
Caf lio" saceos ordem. Cliarutos 18 cai-
xas dem. i
Fumo em follia C fardos. Farinha de trigo 200
barricas ordem.
Brigue inglez Janner 4 Aldehto, vnulo de New
York, consiijnado a Joltnston Pater & C, man-
festou:
Aduellas 672 amarrados ordem.
Carvao 20 toneladas. Cobre 23/2 ditos or-
dem.
Farinha de trigo 2200 barricas a ordem.
Kerosene 90) caixas aos'|consignataros.

VOVMENTO DQ
Sacio entrado *0 dta 2.
New-York-40 das, brigue inglez Herald, de 173
toneladas, capitao John Luce, equipasen! 8.
carga varios gneros ; a Heury Porster & C.
Sahido no memo dia.
Canal-Brigue inglez Coteriige, capitao. Elson,
carga assucar. ^
Navios entrados no dia 3.
Baltimore-43 das, barca ingleza Jeunie ; Al-
bert, de 289 toneladas, capitao Samuel Osborn,
equipagein 9, carga 2,200 barricas com farinha
de trigo e outros gneros; a Johnston Pater
A C.
Bahia-8 das, brgne brasileiro Constante Uniao,
de 263 toneladas, capitao Joaqiiim Ferrera
Ramos, e(|uipagcin 12, carga cafe e outros g-
neros ; a Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes.
New-York33 das, patacho inglez % Rosts. de
177 toneladas, capitao Dartmowt, e(|uipagem 8,
carga farinha de trigo; a Phipps Brothers.
Babia-22 dias, barca isgleza Pi incess Atice, de
i"..*j toneladas, capito C B. Franks, equipa-
sen! 10, em lastro ; a Mills Latham A C.
Ro de Janeiro-I8 dla, galera portugueza Noca
Ga. de 970 toneladas, espillo Manoel Jacmtho
Teives, equipagein 20, em lastro ; ao inesmo
capitao.
S'/.//, no mesmo dia.
Cear -lliate brasileiro Deus te guie, capitao
Hanoel Fraacifcu Jalles, em lastro.
EDITAES.
Ilu lo Coiimiei'cio n
iiciiH andar.
Agente,
\V. (i. FENNELLY.
se.
|fi
BANCO COMMERCIAL
di:
PERNAMBUCO
Deseaota ledras de Mmbio, de torra
qiiaesqaer ttulos pblicos.
Re ube dinheiro em conta corren te simples,
em oenta crrante com juros o por let-
tras.
BacdrragsvM por commssao
opera;o bancada.
O expediente principiar as
manh e lindar s Vda taKb .
Ra do Vigario n. 1, priraeiro
dar.
le qtuqoer
9 hofs da
an-
.iHgusto F. d'Oliveu'a k C.
A casa oOTomeccial o bdocataia lie Augosto
1". iroiiveira '..'.,i ruu doConimercio n.
4, tMiiari'iqa-sedeexocucttO de ordens para
embarque de productos, e de todos os mais
negocios de comtnissao, quer commercas,
qur bancacios.
Re-conta lettras, e tuina dinheiros a pre-
mi, compra cambiase, e saca a vista, e a
prazo, vnntade do tomador, sobre as se-
guinfos pracas estraogeiras e nacionaes :
I.oali- iosnoN 'de responsalrilidadi Ilimitada; e
\arias firmas de 1.a classe.
Pars.Sobre os Srs. HARCUARD an-
I1IU. & C.aI', lili., e A. BI.AOQfE VIGNA!, A
C.a BAMQOEIROS.
ilambni'go.>"bn os Srs. jo,lo 9chv
BACK & FILHOS.
Lisboa.Sobre os Srs. fonucs, SAM-J
TiM A VIANNA, e SEBASriAO JOS d'alreu.
Porto.Sobre o banoo i'niAo o por-
to, e o Sr. joaquim pisto da fonseca.
Para.Sobre o banco commercial do
i'ak, e os Srs. FRvVxcisco basWMKHO da cos-
ta & FILHOS.
Haranhfirf.--Sobro o Sr. joskfpriiei-
RA DA SU.VA JMIOR.
Creara.Sobre os Srs. j. s. de va.sc on-
pllos & eons.
Bahia.Sobre os Srs. M,i*Tftilos Af,.*.'
Hlo de Janeiro.Sobw o banco in-
DSTRJAL E MERClUITIL DO MOV?, HMUM, 0
O BANCO NACIONAL.
I jtabelecido em 1803.
PrejuJZOS pagos :IO,000:000.-O00.
W.4>. FCNNCCY,
Agente.
RliA IH> COMMKIULO >. 38.
PI1ACA DO RE'".il'.: 3 DEJEV&RED
' DE 187.;.
AS 3 l/2iltltAS DA T.\m>E.
* oMin-r'" oflieiaes.
Qsmbw obra Londres ..90 d,v. 6 1(2 d. por
. ISIHW. ssldado.
OuHiurc|
Presidente.
F. J. Sitveira
Pelo, seeretaro.
Patacho inglez FonmiTiiiNG, Mddo de Terra
Nova, Cihsiijnado a Johnston Pater & C, mani-
fest* : <
Bacalho 2'j8 barricas a>s cousignatai-os :
. Brigue inglez Slyboots, smm-j de New York.
contignado a Phipps Brothers A C, manifest :
Farinha de trigo barricas aos cnsignarios.
DE?PA H S DE EX.P01tTACAOJNO DIA 1" DE
FEVEREIRO DE 1873
Para os partos do exterior
No brigue inglez Salyeen, para Liverpool,
carregarain : M. Laiban & C. 1,900 saceos com
Ii9^i01 kilos de assucar mascavailo.
Xa barca franceza ia'laen, para Liverpool,
carregaram : T. Freros < C. 8*i7 saccas com 7o,912
1(3 kilos de algodao.
Na baica ingleza JfctVca, para Liver|Kx.l,
carregou : A. Bastos 1,000 saceos com 7,000
kilos de assucar mascarado ; A. Luyo Ubi saccas
com 40,297 ditos de algodao. -
No navio ditiamai\|uez /. Si Pwteppidan,
liara o fanal, carreganm : J. l'ater A u .'i,700
saceos com 127,ot0 kilos de'assucar masca vado
No brigue fraucz MysUl, para o Canal, car-
regaram : S. Brutuers A C 1,300 saceos com
ilz,.*00 kilos de assucar masca vado.
No patacho inglez M. Stnith, para o Canal,
carregaram : R. Schmetlau & C 4,000 sacos coiu
300,000 kilos de assucar mascavado.
Na barca ingleza Hargrreth. para o Canal,
carregaram : R. Schmottau A C. 7,000 saceos com
o ",000 kilos de a sucar mascavado.
No brigue ingloz Para, para o Canal, carre-
gai-am : R. Schmetlau & G. 3,080 saceos com
373,000 kilos de assucar mascavado.
No Drigue allemao Mathde, para o Canal,
carregou : Viuva Bastos 1,000 saceos coiu
73,000 kilos de assucar mascavado.
No brigue inglez Esmrala, para o Canal,
carregou : H De La Grange L.000 saceos com
73,000 kilos de assucf mascavado.
Na barca norueguense Gitana, pana New-
Yoik, carregaram : P. Brothers A C. 0,030 sac-
eos com 430,000 kilos de assucar mascavado.
No navio hespaoliol Betfejaio, para Bar-
cellona, carregaram : B. Olveira A C. 31 saccas
com 2,791 kilos de algodao.
No navio franctiz Alexandrine, para Mar-
tille, carregaram : Keller A C 6,000 saceos com
334,000 kilos de assucar mascavado.
Nouavio francez Jea Basth, para Marsedle,
carregaram: Keller A C. 2,200 saceos com 103,000
kilos de assucar mascavado.
ALKANDE'iA
Rendimento do lia 1 .
dem do dia 3......
W6:l88JOo9
2:297*831
468:483*900
Banco (oMueraal k
Peniainbuco.
A directora do Banco '{Ibmmerci.al de
Descaregam heje > eveiciro de 1873
Vap n- inglezStudr. (auaeada na ponb') mer-
cadorias para alfandega.
Vapor inglez ummskin mercadorias para
alfandega.
Barca ingleza-//.:-;;:meicaorias para al
- faiidega.
Drigue inglez Coila BMMadHtea para alfan
dega. /
Brigue portuguez Duma gneros nacionaes
para o trapiche da oiupanhia.
Brigue nacional-Constante Umao- gneros na-
cionaes para o trapicho da compaobia.
PBarea franceza iuiusttn farinha de trigo a
despachada ,para o trapiche Conceicao,
para conferir. .
Barca portugueza A'-abdla carvao j des-
pacbado para o oaes Jo Apollo.
Barca hespanhola-Oino!a pipas vasias para o
trapiche da compaobia.
Patacho inglez.lii-u/o-mei'cadorias para alfan
dega.
Patache inglez SJjj Bool- farinha de trigo j
despachada para o caes do Apollo.
Iiuportae&o.
Brigue portugaez Damao, nd do Rio de Janei-
ro, consignado a A. L. Oliveira Azecedo, mani-
festou :
CaK K saccas a.l. |l. do Barros Filho A-C.,90
a J. L Carvalhal, t>2 a Mouteiro A Rocha, 80 a
Costa Ainorini, 30.a Alves Lebre, 80 a Fraga &
Rocha, 3'j a Magalhes A Im:\o. 80 a Lima Bai-
r.io, 50 a A. S.'Puntes Gui-.aiies, 170 a J. J. Cas-
ia, 100 ao consignatario, 100 a Tbomaz de AquiBO
Fonseca A Successores, % 0 $ Corga, 29 a J. J. Al-
ves, 40 A. J. Silva do Brasil, 26 a i. M. Palnieira,
30 a i uuli.i Irmaos A C.
Farinha de mandioca 300 sacos ao consignata-
rio, 130 a Joo Ramos, 200 a A. S. Postes Guima-
raes. 500 ordem.
Mtlio 200 saceos a A. S. Por.ler. Goiniares.
Rrigue inglez Herald, 'jinda -do. New York, 09M
signado a Henrij Forstev & C, manifestou:
Aduellas 4640 barricas aos ;n3ignalarios. Ar-
cos 240 atados aos mesinos. gt
, Itreu 100 barrica* a Fernanesda Costa, OOao
consignatario. Barricas abatidas 202 amarrados
aos consignatarios.
Farinha de trigo 320 barricas aos consigna-
tarios.
Kerosene 203 sxs A Filho, 100 abs consignatarios.
Lampeos e seus pertoness 1 oaca. Lagostas
15 barricas aos consignatario?.
Traques 125 caixinhas n-Fersiandee da Casia.
Na barca portugueza dandi na, para o Por-
to, carregou : L. J. S. Guiniai es 1,000 saceos com
73,000 kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Amelia, para o Porto,
carregaram : A. L. O. Azevedo A C. 300 saceos
com 1,20TJ kilos de sola. ""
No navio inglez Resuld, para o Canal, car-
regaram : Keller 4 C. 1,500 saceos COOl 112,300
kilos de assucar mascavado.
No navio inglez Ruth, para o Canal, carre-
garam : Keller & C. 300 saceos cim 37,300 kilos
de assucar mascavado.
No navio inglez Indian. para o Canal, car-
regaram : Keller A C. 4,200 saceos ama 313,030
kilos do assucar mascavado.
Na barca portugueza Luzitana, para Lisboa,
carregou: J. S. Silva 110 barris com 15.840 kilos
demel.
No brigue brasileiro Victoria, para, o Rio da
Trata, carregou : A. de O. Leite 400 volumes com
38,469 kilos de assucar braneo.
No patacho hcspanh.il Mercedita, para o R;o
da Prata, car egaram : Amorni limaos &.C. 30
barricas com 3,309 1|2 kilos de assucar buanco.
No navio allemao A. Callutrina, jara o Rio
da Prata, can-egaram : B. Oliveira A C. 30 bar-
ricas com 5,360 1|2 kilos de assucar braneo.
- Para o portos do inteiior
-. Para o Rio Grande do Sul, no patacho bra-
sileiro Francoln, carregaram : Ainoruu Irmaos
A C. 200 barricas com 22,900 1(2 Hilos de assucar
braneo. ,-,
Para Uruguayanna, no navio ingle i muer-
land. carregou : A. M. S. Machado 53 barricas
com' 10.991 kilos de assucar mase,vado e 97
dilas com 5,800 ditos de dito braneo.
Para o Rio de Janeiro, no navio portuguez
ARnedtna, carregaram : T. de A. Fonseca A C.
Suceessores 150 pipas com 72,000 litros de agur-
dente.
Para Mamanguape, na barcaca Flor do Nor-
te, carregou : J. L. Radich 16 barricas com 1,040
kilos de assucar refinado.
Para o Porto-Calvo, na bareaea B. da Apee-
sentaco. carregaram : B. Gomes A C. 1 barrica
com 65 kilos da assuear bianco ; B. F, Guimaraes
1 barrica com 30 ditos de dito.
O Dr. Sebastio do Reg Barros de Iicerda, juiz
de direito especial do ciminercio d esta cida-
de do Becife de Pernambuco, por S. JT L, etc.
Fa?o saber ao^ qne o presente odital vreni e
d'ello noticia vereiu. que resaerisneato de Me
nhard Mettler A C, firma social Mendes A Carvalbo, pela seiilemado
theor segutnte :
Tendo a firma social Mendos A Carvalho, com
estabelecimento de loja de fasondas ra da Imjie-
ratriz nesta cidade. cesssdo seus pagamentos, o que
est privado pelas te*leniiinbas e documentos de
tomas oflorecidoj pelos eredONS Monhard Mettler
A C e pelo reqnei iniento de ftilhas 13, de Fran-
cisco Teixcira Mendos, que se diz nico represen-
tante da Urina, hci por declarada a abertura de
sna falleneia a datar do dia 18 deste mez, e nomeio
curadores scaes aos referido! oradores que pres-
tarlo juramento. No dia 28 proceder-se-ha ao
invmtarb) com o deposMavioda loja, fechada boje,
e no da 30 ao meio dia na sala das audiencias se
reuniro os rredores, para ter lugar a nomeafl
de depositario determinada pelo art. 812 do eedgo
commercial, sendo sfia convocaeaoe a publicacfio
desta sentenca t.-ita- par editaes. Pagas as cos-
tas pela massa. R-vife, 23 dejanein de 1873.-
Sebastio do Reg Barros de Laeerda. E tendo
Francisco Teixeira Mendos, socio da dita lirnia.
aggravado desta minha senlencae depois desistido
do mesmo aggravo. subiram os autos minha cou-
clusao, nelles profer o despacho seguinto :
Designo o dia 31 -para ter lugar o inventario
e o dia 4 de fevereiro prximo para reumrem-
se os credores, a< 11 horas e no lugar ja Indicado.
Recife 30 de Janeiro de 1S73.Barros de Lcenla.
E para que cliegut ao conhecimento de todos,
mamlei passar o prasente,itae ser publicado pela
imprens.i e affllxailo n .- lagares do eostnme. -
Cidade do Reflife, '<) de j.un'iro de IW3.
En, Manoel Mara Rodrgaos do Nascimento,
cscrivao, o snbscrevi.
SS4|fMO do Rea-) Raeros de Laceran.
EdiiaTeoM prazo lo :iO ilias.\.!:.
Pela inspectora da alfandega de Pernambuco
se faz publico, que achando-se as mercadorias
coudas nos vonuro s abaixo mencionados no c;\*>
le S'-rcm arrematadas para consumo, nos termos
do-Cap. 6." do TU. 3" do rcgnlamenlo de 19 de
setembro de 1850, os setts donos ou consignatarios
devero despacha-las nopra'o de 30 dia-', sob pena
de, lindo elle, gerem vendidas por sua conta, sem
que Ibes fique competindo allegar contra os effei-
tos desta venda.
Arniasem n. 6.
Marca A R o A R I'ma caixa n. 23, viu-
da de Southampton no vapor inglez Nem, desear-
regada em 26 d-: fevereifp de 1872 e consignada
aArRozard. ......,
dem G A i \' L. Dm barril n. 134, vindo
de Bordeanx no vap n francez Gironde. descarre-
gado em 11 de mar?) do mesmo anno e consigna-
do a II. Lei.loii. ...
IdemT P.Urna caixa sem numero, vinda de
Bordeaux no vap ; francez Sind, desca regada
cm 13 de maree do mismo anno e consignada a
Tiss'et Prros. "
dem dem.Urna dita, idem, dem, idein.
dem E R Maia. -1 na dita sem numero, rinda,
de Bordeaux no vapor francez issosone, descar-
regada cm 9 do abril do mesmo anno. e consigna-
da ordem.
dem II L l..! barril n. I idem idem, consig-
nado a H. Leiden.
dem idem.Cm dito n. i, dem, idem, dem.
dem A B.Urna caixa n 58, idem, idem, igno-
ra-se a conslgnatao.
dem B O.Dez barris sem nmeros, vmdos de
New-York, no rapor americano. South America,
descarregados em 15 de junho do mesmo anno e
consignados aHenrj Porster A C
dem idem.Dez ditos, idem, dem, dem.
Alfandega de '' na r.!>uco, 3 de fevereiro de
1873.
O inspector,
Fobii de Carcalho sh ____
dem n-.-W-ma dfta patacho norte-allemo Juliana, dssearre.
7 de jrilho de 1870, consignada a A Lopes Rodri-
gues.
Idem M B M e-K A C. S,n. 10.-1,,,.-, du viu-
da de llamburgo no patacho luirte-alleino Atlan-
tic, desrafregada em 20 de jullio de 1870, e a
signada a Maturno Barroso de Mello.
Idem A L R, n. 329.Una dita viuda de Ham-
burgo na escuna nortc-allein Gory. descarregada
em 4 de agosto de 1870, e consignada a A. Lope*
Redrincs.
dem diamante M I P, n. 18.Un fardo vndn
de Liverpool no vapor inglez Pasel, descarriado
em 26 de agoslo de 1870. conignado a Craincr
Frey A C.
dem J A A A C, n. i.Urna raixa vinda de
Lisboa, no patacho portuguez Principio, desean :-
gada em. i8 de oatiibro de 18W e consignada a
Joaquim Antonio de Araujo A C.
Idem J M C L, n. 384.Urna barrica viada, do
Havre na barca franceza Jean Baptiste, descarre-
gada em 6 de novembro de 1870 e consignad? a
C. M. Buiuel. ---*
dem S. B, sem numero.- Um volume vindo de
Liverpool no vapor inglez Olinda, descarregad i
em .'i de fevereiro de 1871, e consignado a Sann-
ders Brothers A C.
Sem marca, sem numero.Dezesele pesos vu
ilos de Liverpool na barca ingleza Flijng $eu.
descarregados em 7 de marco, ign.jr.vse a Constg-
na.Tid.
Marca F S c D H. n. 202. Um raido vlndO de
Liverpool, no vapor ngloi ChtyeolU*, iUM'.arref)a-
do em 22 de maio de 1871, ignorase a esig-
navo.
Idem idem, n. 263Um dito, id.iai, kltni, den.
dem A A C, sem numero.Una caixa i
do poito no brigue |Hirlugue/. .';iw, descarregada
em 6 du lunho de 1S71, gnora-se a consignacao.
dem E E, n 13,297". Urna caixa viuda de Li-
verpool, no vapor inglez TaBsman, descarregaita
um 22 de junho de 1871 e consignada a Jolm I
Pater A C.
dem G H L, n. 8. Uina dita vinda de Liverpool
no vapor ingle- Talismn, desc)regada cni 7 ftc
dezembro de IS7I e consignada- a J. M. de Basto*.
dem E T A ('. e P, n. 100. Una dita viuda a>
Liverpool, no vapor inglez Fere Qaeen, ilesL-arre-
gada em 8 de fevereiro de I87 e ceft>ignala a'.'t.
A. Burle A C.
dem S A C. D e P, n. 2,274.-l'ni fardo vindi
de Liverpool no vapor inglez fi-Msodor, desca i>
gado era 28 de fevereiro de 1872 e coiisigua
Mosquita (iirdozo A C.
dem J A A c L, n. 2,272. Urna caixa viuda
de Liverpool, no lugar inglez Repuhlic, descarrega-
da em 28 de fevereiro de 1872 e consignaila a J.
A. Araujo A C.
^ Idem i; V C e B A C, n. 3239.-Uma dita viuda
de Liverpool no lugar inglez Repuhlic. deeeaivegA,
da em I de marco de 1872 c consignada a Chaves
A Mendonca.
dem V S B M, n. 1952.-Cm dito viu.do d
verpool no vapor inglez Gladiator, descarrillo
cm 22 de marco de 1872, consignado a A. '
Silva Barroca.
dem idem, n. 1953Um dito dem idem id
blein diamanto. II L-L C B, n 83. Ubi lito
idem idem. consignado a II. Leger.
dem idem, ii. 84.Um dito idem idem idem.
dem idem. n. 85.Um dito idem idem Idej .
dem V S B M, n. I999v-Unu caixa viada de
Liverpool m vapor inglez Gladiator, desarruga-
do em 5 ile abril de 1872 e consignado a Ant i.<
V. da S. Barroca.
dem idein.n. 1998.Urna dita, vinda du I
pool no vapor inglez Student, descarregada em x
de abril de i*~t c consignada a A. V. da s Bar-
roca.
[idem V S II-B, n. ljol.-L'nia dita iden: idem
idem.
dem idem, n. 1552.Urna dita dem Mein
idem.
dem M C P, n. 44.Una dita, vinda de ver-
pool no vapor inglez Stadent, descarregada em I
de abril de 1872, e consignada a Silva A
dozo.
dem diamante B & S. n 631.Una dita, vinda
de Liverpool no vapor inglez Zembra, descarrega-
da em 11 de maio de 1872 e consignada a asi -
k Silva.
Alfandega du l'ernaiuhuco 25 de janeift O
1872.
Fabio A. Carvalbo (tei-.

Brigu" inglez Coila, vindo de Hamburgo, cm-
s'wnttdo a D. A. Matheus manifest* :
Alvaiado de chambo Id Karrl* a P M. da Silva,
f> a M. ti. de ello. Dito de tinca i9 barris a F.
J|. -d -Suva.- -AmeMwis 4 eea,a A. -P. Corga, I
ia Magalhes A Irmo,laJ. J. da Costa, 1 aLemos
A Guimaraes,/! ao oonsignatarie
Brnquedos 3 canta* a?'. X- -Bastos, 8 aDuaste
Irmaos. Brincos I caaa:a S. e"S 4 C. Bata-
Iho 300 caixas ao consigjajarjo.
1 Conservas 8 caixas a,ueolir. CulUaria' 4-ca"ia
a S. e Sa A C. Caoella 3 eaixas ordem. Cartas!
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendi monto do dia
dem do I
418894
537562
956521
VOLUMES SAHIDOS
No dia 1 .'
Pruneiraportanodia3 .
Segunda porta.....
l'brceira porta .
Trapichej Coneec,ao ... .
SERVIGO MARTIMO
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega no ala 1
Ditas ditas no oa 3......
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas ........
o trapiche Conceicao.....
RECL1ED0RIA DE RENDAS TNTERTiAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
RenuWento do dia i .... Z^'s
Ideal do dia"3 1:615*068
2:384*188
0 Dr. Sebastin u Reg Barros ue Luer-
da, juiz de direito especial di comraer-
cio da cidade lo Recife de Peroamboco,
por S. M. o imperador, que Dos guar-
de, etc.
Fago ssb?r fio t.esente, qie na dia 4
de fevereiro Je 1873, na sala das audien-
cias pelas II boras da uv-ub.5, doler ter lu-
gar a reooio uos credore da maa fallida
de Jam8 Byder C, pra se veriOcar os
crditos, ou lormar-se o contracto de oniSo,
e nomear-se sdiribislradores dita massa,
certo os creiores de que, nao str> a,l-
mrttidos por procarador, que d5o tx^ibin
procar3f5o especial, a qoal d5o poder ser
couferida a devedor alguna'd) faldo, nao
podeodo entro siu.', um iadividuo, repre-
sentar por dois ou mais diversos credores,
que se.r baldos credores qoe, n5o com-
pareceretn como anherentes a reso!nvao
que tomar a inaioria de votos dos que
comparecerem.
E para qse ebegue ao embacimento-de
todos, mandei azer o presente, que ser
afluado nos logares do costume, e publi
cados pelos jornaes, Meando assim sem ef
felo o que k'. pafsadr. ?m dala de %t do
corrente mez.
Dado e pausado nesta cidade do Recife
Ue Pernambuco, aoa 0 das do mei de
novembro de 1872.
Eu,Francisco Xmm de Souza Ramos,
eacrivJo interino si>liacre\i.
Recifa, 26 de novembro de 1872.
Sebastio do Reg Barros de lavria.
Alfandega de Pernambuco.
l'iltal <*om |ii'iizo de 39
IE:is..V H9.
Pela inspectora da alfandega de Pefnainr.u>:.
se fai publico, oue.achando-sc as mercadorias con-
tda nos volumes abaixo mencionados no ?ay>\
de serom arrematadas pena consumo, nos ternn*
do Cap. fi do Tit. 3 do regulamcnto do 19 de nj-
tembro de i8i>,os seus donos ou consignatarios
devera despchalas no prazo de 30 dias.apt)
pena de. findo elle, serem vendidas por sua conta,
sem que Ihes fique competindo allegar contia os
effeilos desta venda:
Ai niazeni n. 4. -
Marca A c A C.-ma caixa n. i viuda no r*>
vio norte allemao Repblica, descarregada em W
de fevereiro do 1872, e consignada a A. A. Ara i-
0 v*v C.
Sem marca.I'ma caixa sem n. idem dem,
ignora-so a conslgnacio.
Marca S BUina dU n. I, vinda no navio 111-
glez Brilhante, descarregada em i) de marco do
mesmo anno, e consignada a Saunders Prothers
AC.
dem M B M.L ni fardo n. 482, viudo no na-
vio francez Jean Baptiste, desca regado un 4 !
abril do mesmo anuo, consignado a M. Reine!.
Sem marca.Vina barrica n. 477 idem, desAi
regada em li do inesnio anno. p consignada a
M. Bernrl.
Marca J M C L. -1 dila n. 151 tilem, desea'.
gada em 8 do' mesmo mez e auno, consignada
M. Bcrnel.
Marca D A B.Unta dita n 201, viuda no na-
vio Santo Anri, descarregada em 27 do mes:""
mez e anno e consignada a H. Ivdcn.
Sem marea.-Urna dita u. 202, idem kj.^n
idem. ,
dem. Pin gigo sem numero, vindo no navio
tiran Yille, descarregado em 23 de maio do Up-
an anno, e consignado a Avila Irmao.
Marca 11 A F.50 caixas n. 1, fiadas no atrio
Margaret, descarregadas em 21 de iunho de f872,
e consignadas a J. M: de Barros Filho.
Arniazem allandegado, ra do Brum n. 2, BOTCo
do Livramcuto."
ana R A D n. 280.Urna caixa viuda do Ha-
vre no navio fiancez Bertha, desca regada era *l
de fevereiro de 1872, e consignada a Ant jii^.Li
O. Azevedo.
Alfandega de Pernambuco. 30 de Janeiro 4e
1873.
O inspector.
Fabio A. di Carcalho Reii.
de Jogar 2 caixas a Parale Vianna 4 C." Carvao I Rendimeato do dia
0*
CONSULADO PHOVINGIAL
ALFAN9EG BE PERNAMBUCO.
EB1TAL COM TRA.70 DK 8A-D1AS.N. 88.
Pela Inspectora da alfandega de Pernamlraco
se Taz pub ico que, adiando- e as mercadorias con-
tidas nos volnmes abaixo mencionados no caso de
serem arrematadas para consumo, nos termos do
Cap. 6. do Tit, 3. do regnlaroento de 19 de se-
lembro de 1860, os seus donos ou consignatarios
deverao despacha-las nopraso'e 30 dia<, sob pena
de, findo elle, serem vendidas por sua eonta, sem
qne Ihes fique competindo allegar contna os effei-
los desta venda :
Armazem n. 9.
Marca i s^sn numero.Um fardinho, viudo do
porto na barca portugueza Seouraiya, descarrega-
do om 22 dedeembro do 1W9, ignora-se a con-
signacao.
dem A L H, n. 21. -Urna caixa vinda de Li-
verpool no patacho inglez V. Anna, dcarregada
em 5 de maio de IB7f>; consignada a Antonio Lo-
*:2Wi|63 'pes Rodrigue?
n.iiiui ii. no.
Pela inspectoria da Ifandega se faz publico* fue
achando-se as meivadorias contidas nos vohiroes
abaixo. mencionados no caso de serem arrema-
tadas para consumo, nos tormos do cap. 6." o
tit. 3. do regulamcnto de 19 d< setembro de 1W(I,
os asna donos ou consignatarios derefo despa-
cha las no prazo de 30 dia?, sob pena de, lithki
pile, serem vendidas por sua conta, sem que BM
fique competindo allegar contra es cffetos dfl^u
venda:
Armazem n. 2.
Marca T G S, sem numero. 1 feixa de V<-
souras viudo do Porto na barca portugueza So-
cial, descarregado cm 29 de julho do -4*71, c OfltB-
signado a Cosme Jos dos Santos Callado.
Marca A G >v C, sem numero. 1 c ixa rinda de
Hamburg no patacho inglez Altee', descarrega'ia
em 22 de selembro de 1871 consignada OlM
Bohres.
J A C. contra marca P, sem numero.1 vea-
me de ferro, vindo de Liverpool na barca ingleza
Woodvillc, descarregado em -30 de outubro d
1871, e consignado a ordem.
Marea J M S, sem numeru. 2 eaixis, vo&.s
da Ilha de 5- Miguel no patacho portuguez SL-
chaelense, descarregadas em 17 de Janeiro de 4872,
e oonsignadas a O iveira Miranda A C.
Barca S 1 dita, vinda do Porto, no palil.>.
portuguez Olinda, descarregada^ em 48 de janeir.
de (772, ignora-se a consignacao.
Sem marca e sem numero.4 baotizinno, i^' i
dem, dem.
T Y L, sem numero. 1 sa^co vindo da rila
de S. vigud no patacho portugue ickaelense,
3escarregado cm 22 do Janeiro de 1872, consig-
nado a ordem.
Mu-ca S B sem numero. 1 barrica,: vindv,
de Liverpool no vapor inglez Sin***, aaacar-
regada om 0 de Janeiro de 1872, consignado a
Saunders Brothers & C.
Marca MCA sem numero. 1 caixa, viau
Liverpool ni
em
C.
v4



4
.

erpool n vapor, inglez Stutient, desoartoglA'
1 de fevereiro de 1872, consijinada a TEpte-
fj-

-4 ;

^ad*


Mf
Diario doPcrnambuco TeiQa fera 4 de Fevereiro do 1873.
8
jh
%.



AJom n. liS. 1 Jila, idem iJcni.
T.lem n. ti 1 tifa, idem Ulem.
_ dem ti. 1't). I .Ia, idem ulem.
Marca diamante V no centro S B dos lalos,
sem numero. l liar/il, viudo de Liverpool no
vapor inglez Jurisl,f lesearregudo ein 13 de'fovc-
rero de 1872, consignado a Saunders I! otliora
& C
Marca V, sem numero. JO panellas. viulas.
Je' Liverpool no, vapor inglez Arkl, lescarre-
wai ein K de mareo de 1871, eonsignadtis a
Patente vianna.
Alfandega de Per inmbuco, 21 de jaiein. de
187?. O inspector, Fabio .L de Carralh > Re<.
Kttital eoa p ! dt* SO slias.
T.
Pela inspectora da alfandega de Pcrnar.ibuc se
faz pnblieo, que acnaudo-se as mercadoriu co lu-
das no? Tomines abaixo mencionados no caso de
srera arrematadas para consumo, nos termos do
cap. O do tit. .') do rarmamento de 10 de setuu-
t>ro de Wli'i. os seus dones ou consignan ros de
vji"u despachadas nr praaj de 30 dias sob pena
de, lindo elle, serem vendidas por sua conta, sem
que Ihcs lipie eompetindo allegar contra os fifflt-
tos djesfa venda :
Armazem n. 3.
Marca J L M 4 C, emnumero Urna rodSTvin-
da no navio inglez Edslh, consignada a J.f^sia*
diado Je C e deecanrecada eind de abril fe 1871.
Ma O. n. :iV8lina caixa, viuda n i vapor
francez Ainazoue, dose.-irregada em i) de Janeiro
de 1871 e coii-ignad.i a Bartholomeu & C.
Ujta dita, n. lJi!l-Fina dita, idem idein dem.
'ita dita, n. 37Urna dita, idem idei i idem.
Uiia dita, n. JA50Urna dita, idem idem idem.
liita dita, n. 35*1Lina dita, idem idem idjin.
Hita dita n. :r;\0-Uma dita, idem idem idem.
IHta A K, n 150Fina barrica, viuda na barca
inglesa Hmnioue, descarregada em 15 do mesmo
mez e anuo, e consignada a S. 1'. Jolmston i C
Dita dita, n. l;wFina dita, idem idem idem.
Mita dita, n. 149l'ma dita, idem idem idem.
Dita dita, n. 152-Una dita, idem idem em .d,
idem idem.
Dita dita, n. 137Urna dita, idem idem dem.
bita dita, n. 158-U na dita, idem idara idem.
Dita dita, n. 151Una dita, idem ilein idem.
Dita dita, n. 186 Uina dita, idem idem idem.
Uila dita, n. !>! -Una dita, idem idem em :!0,
dem idem.
Dill A F n. 118 Una dita, idem idem i lem.
bita dita, n. 151Urna d.ta. idem idem idem.
Sem marea, sem amero Um encapado, viudo
i tere* potluguesa Pereira B$rge$, desearregada
ti I de fevereiro do mesnto anuo, ignoia-se a
ron.-ignacio.
Marca II L diamante B, n. 80-Lina caca, viu-
da no va|Mir inglez Gladiator, dcscarregada em :!2
de maivo do mesmo a mo, e consignada a H. Le-
ger. '
iNta dita. n. 00Una dita, idem idem idem.
Ma dita. n. MI-Lina dita, idem idem idem.
Dita dita! n. O Lina dita, idem idem idem.
lula dita. n. 9J*-Un,a dita, idem idem idem.
uita II L diamante L CB. n. 88 l'ma dita,
idettt idem idem.
>Ua O 1!. n. 5iUrna caixa, viuda no pala-
lo inglez Helena, descarregada em 8 de abril do
;" -um auno, e eonsig ada a Oito Bohrcs.
Hita F >em numero Tres potes, viudos no ti-
gre inglez Hefw, descarregados em ti do mesmo
n eanoo, e consignados a Saunders lt. .! C
Dita J. u. ii -Lina I arrien, viuda na Larca i i-
gi 11 Do/pftim, descarregada em 17 do mesi w mez
i ino. e consignada a s. 1'. Jolmston & >'.
Dita M C 1'. i). 15 Lina caixa, viuda ni vapor
ii, m inris', descarn gada em l do mesmo mez
io, e consignada a Silva k Lardoso.
Dita M J A. sem numero Cinco latas, viudas
na barca ingleza Dolpkm, descarregadas em 7 de
i ... de mesna?anao, consigoadas a M. Latliam.
Dita I A A S, n. 1:01 Lina barrica, viuda no
vapor inglez Z'iitlirt, descarregada em 11 domes-
ino e anuo, b consignada a J. A. Arando A C.
i1 i dita, n. Uro-Una dita, idem idem idem.
Dita dita, n litio Urna dita, idem idem em 10,
dem ider'i.
i';! V V. n. 1011 Urna dita, vinda no vapor
inglez Cognac, desear egad.i em 10 de juho do
amo auno, e consignada a Alcoforado Vieira
fcC.
iU J M lt .x 1', F. ii. 117 Lina dit.i, idem
id i., e bonsignada a J. bt de Barros,
AKandega de Pernambneo, lc de fevereiro de
I -;
O inspector,
Fubk A. ile Camillio Ibis._____
Killlal.
Ca) constar a rniem conrier, .que o II ni. Sr.
D director geral intmino teni designado a dia 3
aren prximo ful! ro, pelas 11 boaas da mii-
:i.".. >:a ne.-ta secretaria ter lugar o eoncursoi
j ! 'ira de geograpliia e historia do gunnasio
..cial. vaga por fallecimento do professor que
i ,i i. baeharei Antonio Ranga] de Torres Dan-
I
\. pessoas que se nuizerem oppr a dita ra-
deira, d'vem inscrever-se neata secretaria ia
das inslruceoes de 11 de janho de 18,'iO,
il '., da 1 do mesmo mez.
Secretaria dn instruccSo pobiiea de Pernambuto,
i 'i-eiro J- 1873.
O secretario,
lureftono A. P.tle Carvalho.
300*000
300*000
.\. H do Joto Pereira l'.ai.
X. 10 dj Antonio Jos
Souza
Ns. 48 e 50 dos Qlhos de D. Mara
_ Carolina de Briti Cr.rneiro 600*000
V Sidesorphaos flihode Francisco
Ferroira Gomes de Menees OOjOOO
X. 56 de Jos do Reg Pacheco. 300*000
X. 41 de Manwl Ferrera Braga 256*000
X. 15 de Jos Leopoldo da Silva 30GOL0
X. 17 de D. Emilia Carolina Madeira
Ferrara 400*000
X. 19 de Emiliano de Mello dos An-
jos Paula 200*000
X. 21 de Joaquina Pacheco da Silva 200*000
N. 23 de Antonio dos Santos Vieira 200^000
X. 25 de Ignacio de S Lopes Fer-
nandes 200*000
X. 27 do Flix Antonio Alvos Mas-
carenhas 200*080
X. 31 de Miguel Joaquina da Cesta 200*000
X. 33 de Bernardino Alves Mihein 200,3000
X. 35 de Maria Francisca da Coii-
ceirao e Silva 500*0000
X. 30 de herdeiros de D. Joaquina
Maria Pereira Vianna 300/000
X. 41 de Paulo Maaques e Antonio
Francisco Macota 200000
N. 43 de lilhos de Jos Rodrigues do
Passo iOOjiOOO
X. 47 de Marcelino Jos Goncalves
Fontes 400^000
Travessa da ra da Roda.
X. 2 de Domingos Jos Ferroira 200*000
X. 8 de Ignacio de Loyola e S 200*000
Ba das Larangeira '
lasa terrea n. 17 3003000
Pateo do Panizo
I." andar n. 28 3013000
Becebc propostas em todos os dias de sessao as
quintas-feiras, at 20 de fevereiro vindouro.
Secretaria da Sante Casa de Misericordia do Re-
eife, 20 de Janeiro de 1873.
O escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
Arrematado em Olinda.
Xo dia 6 do correule mez, depoia de linda a au-
diencia do Ilhn Sr. Dr. iuiz do conime ci da
comarca de Olinda. tem de ser arrematado em
oraca publica, um sitio com casa de vifenJa.no
lugar do Agn.-Fria do Beberibe. penhorado por
execueao de Paulo Jos Gomes c Costa, contra
\V. Nebering c sua mulher. o sitio todo mura-
do na frente e gradeado de ferro, com por-
tan, sendo a casa de pedra e cal, nova, com 48
palmos de frente e 83 de fundo, 2 salas, 4 quar-
tos c cozinha, com porta e janellas na frente, c
janellas para ambos os oitoes, chaos proprios,
tudo avahado por 8:0003 Escrivao Costa Mon-
teiro.
I'ela thesouraria jirovincial se faz publico,
que do da 3 do correnle em diante pagam-se nes-
ta thesou aria os ordenados dos empregados pro-
vinciaes vencidos no mez de Janeiro prximo
lindo.
Secretaria da thesouraria provincial do Pernam-
buco, 1* de fevereiro de 187-1,
O ollicial maior,
Mitjiii'l Affunso Ferrera.
SAMA (USA DA MISKUR.OKD1A DO
RECIFE.
A Hlina. junta administrativa da santa casa da
misericordia do Bccife. manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no dia 30 de Janeiro cor-
reule, pelas 3 horas da tarde, lem de ser arrema-
tadas a quem mais vantogens offerecer, pelo lem-
po ilc uin a iras atino?, w rendas dos predios em
seguida declarados.
BSTABELECIMEXTO DE CARIDADE
Ra dos Acouguiihos.
Casa terrea n. 20..... 98 000
Ra do Amorim.
dem n. 20......... 303*000
Ra de S. Jorge.
Sobrado n. 30........ 2402000
Vital ue Xegreiros (Cinco Ponas).
Casa terrean. 112 ...... 3403000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ba das Larangeiras.
Casa terrean. 17.......3005000
Paleo do Panizo.
Primeiro andar n.......3OM0CO
Ba da Madre de eos.
Casa terrea n. 4 ." 1:100*000
Ba da Senzala-vellia.
Casa terrea n. 10 209*000
Os pretendenles de\ irJo apresentar no acto da
arrematado as suas liancas, ou coinparecerem
acn panhados dos respectivos (adores, deyendo
pagar alem da renda, o premio da quantia por
que for seguro o predio que couliver estab eloci-
menlo commercial. assim como o servico da lim-
peza e preces dos appareRtos. v
Secretara da sania casa da misericordia do Re-
cite, 17 de Janeiro de 1S7:.
O escrivao
Pedro Rodrigue de Souza,
tins Vinna, Sr. Hemjonp, Sr. Luir tioniasa 9
o Sr nuestro Pow--
Pro*rai)iinn i
L' part
i." Variaeoes para l'oplcleide de Gaspar Kum-
mer, maestro allomio, ejecutadas pelo Sr. Jan-
,sen.
Io Cavatina" da opera Ernani (Verdi), cantada
pelo Sr. Giovanni Sdla i.
3.* Romance cantado pela Sra- Adele l*oppe.
4. VariacSes para clarinetta sobre motivos da
opera SaTo (Pacini) ejecutadas pelo Sr. Martins
Vianna.
5. Cavatina da opera Macbet (VenU) cantada
pela Sra. .Brucioni.
6. Romanea da opera I). Carlos (Verdi) can'a'da
pelo Sr. Giovanni Scolari.
7." Variaeoc para saxofone sobre motivos da
opc a Trovador (Verdi), executadas pelo Sr. Mar-
tins Vianna.
! parle.
8." Sorouada da opera Fausl (Gouuoird) canta-
da pelo Sr. Gravan i Scolari.
9. Cavatina dn opera Ernani (Verdi) cantada
pela Sra. Magdalena Brucioni.
10. Cavatina na opera Auna Bolena (Donizzetti)
para opliid-ide, do maestro Camus, executada
pelo Sr, Jansen.
11. Cantnela, cantada pela Sra. X. X. que gen-,
tilmonte toma parte.
12. Do da o era Marino Falliero (Donizzetti),
executado pela i*. Magdalena Bracio i e o Sr.
Giovanni Scolari.
13. Romanea cantaTla pela Sra. Adele Poppe.
14. Tercetto de OphK'leide, intitulado a res!
raeao de P rnamuuco, do maestro Podro lla[
t*.executado pelos Sis. Jansen, Meudoiiea e Luii
Gonzaga.
X. B. Depois do concert havor um trem e*-
pecial para conducco dos concurrentes.
mm.
hmts e niiiulozas
fije
AS II HURAS DA MAMiA
') agente Pinho Boi-ges far lei^ao de um es-
plendido sedimento de miudezas, sendo : litas de
sarja, bico francec, guanii'.'oi's para punbos e
muitos nutres artigos, e diversas Rtzendas, en I re
as quaes algumas ava iadas ; em seu escriptorio
ra do Bom Jess n. 53.
LEILxvO
DE
mo\eis. I-lisa e vieras
HOJE
AVISOS MARTIMOS
Baha.
Segu com mui'a bre id d para o indi do
porto o veleiro hiato G.iribaMi : ea ga e fretc
tratar com os Srs. Tasso Irmaos 4 r. ra do
Amorim n. 37.
DAS
MKSSAGERIES MARITIMES.
At o dia 8 do corrente mez e pera-so da Eu-
ropa o vapor francez GnmiiU, o qr.al depois da
demora do costume seguir para Buenos-A \ res,
tocando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para comln-oes. fretes e passagens, trala-se na
agencia, ra do Conimercio n. 9.
Xo dia 9 do corrente mez espera-se dos porlos
do sul a vapor francez Mendoza, commandanle
Benigni, o qual depois da denrjra do costume se-
guir pata Brdeos, turando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condiees,aretes e pas.-agens, trala-se na
agencia, na do Commercio n. 9.
Para o Rio-Grande do Sul.
Recebe carga a frete o patacho portuguez Go-
mM de Castro : trata-se com E. R. Babello & C.
ra do Commercio n. 48.
n

Ji
s
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
I*j*m1o< i venda.
mita administrativa da sania casa demise-
lii do Recife, anlorisada pela i residencia e
U uormidade com i seu coinpromisso, leva a
i! v ind i. na sal i das suas sessoes, pelas 3
i* da larde do dia > do corrente, os seguintes
K>4 tomando p>ir base asquanlias .ilfereeid; s.
.: igua do largo da Campia n. 3 2 OOiw
terrea da ra de S. Jorge n.
! e a casa terrea da ra dos
- lararapes n. 85 3:3COji0t0
-( terrea da roa da Matriz da
. .Visa n. 50. 2:000^000
k > da ra da Gloria, boje Visc.n-
, 4e Albuqueruue, a. ttl 1:0 04008
: -iia da ra de A.itonio llenri-
. n. 16 lOiOOO
-.....lo n. 57 da ra da Guia, hoje
-tanracao :i:0()OOOO
> retarla da santa -asa de misericordia do lt;-
. I' de fevereiro 4} 1873.
O escrivao,
Pedro Bodriirnes de Souza.
Escola Cornal.
.,.-,'. publico a quem interessar possa que v-
rieiiaaa daatt aieola abrem-se no dia 15 do
.-ute c encerram--e no lim do mesmo me.
indoosqae se quizerem matricular no l*ann
ipresentar:
": Certidio de idade maior de 16 anuos.
2? Certidu de que ade ler, escrever ,e contar.
.- leriidao do nao ter si lo condemiiado por
i onansivo moral on religio do estado.
caque ehegne ao conhecimento de todo-.
. bul o Sr. Dr. director lavrar e publicar o
".- .ile.
.secretaria da E-cola Xormal de Pernambucj,
! i Janeiro de 1873.
Ayres de Albuquej-que Gama
Secretario. _____
A CASA DE MISERICORDIA DO RECIFI
ma. junta administrativa da Santa Casa ue
. icordia, autorisada pelo Exm. Sr. presdeme
d.i provincia, por oieio comilatadc 10 ao corren-
de conformdade (om o disposto no i 9." do
B2 do sen compromissos, permuta por apoliecs
la divida publica o dominio directo dos terrenos
utestao edificadas as casas abaixo declaradas
. \ndo-sc por base os precos da avaliacao.
Ra da Boda.
\ c 16 de Gatdino .totolio Alves
ferreira 2(0(W)
X. 4 e 6 do Mosteiro d-j S. Bento, 400*00J
N . 10 e 12 da Irma triado do San-
simo .Sacramento de Santo Anto-
nio 600*000
N H de Bernardo Alves Pinheiro ?S 200*000
\. 20 de Anua Thercza do Sacra-
. vento 200*003
N. i4 de Manool Joaqun Rodrigues
de Souza 2?.0C0
X. 26 de Antonio Ferreira Braga 2CO*0C0
. 28 da irmarrdade (lis almas da
- fregueaia de 8oato Antonio. 260*00)
X. 30 de [k Joanna Mura dos San-
toa Moran -. 20*0C0
n M do 'Dr. Antonio Joaquim de
Maraes e Silva 3CO*00
i de. Manoel Jas do Amoral 20O*O0
X % de Antonia de Paiva Ferreira 2C0*009
! le Jeronyn* Pereira Villar 3C#OC0
THEATRO
SANTO AHTONIO.
QUARTA-FEIRA S DE FEVEREIRO.
Benetieio da prima dona
CAROLINA NGEL
Toma parle no divertinienlo a eompanhia dra-
mtica, cujo empresario, o Sr. Vicente Pontee de
Oliveira, graciosamente se presin em auxiliar a
beneficiada, dando assim mais urna vez testemu-
nho de sena elevados ..enlimentos para com seus
companheiros d'arte que aportan) ao seu paiz.
IVogmmiiin :
T.' parte.
Cavatina ff mo Fernando da opera La Favo
rita ilo maestro Donizelli.
2.' pan .
Comedia em um acto Os avs improvisados.
3.'liar'...
Romance da opera Africana, do maestro Meye-
bcr
Romance da Zarza'lh, /' Juramento, do maes-
tro Gaslumbide.
4.' parle.
Comedia em 1 acto Tribulacoes e ventura.
5.1 parle.
C.aiv.oneta papuar he&panhola Aqaa r.
Todas as pei;as de msica serio cantadas pela
beneficiada, com aeompanhamento de orcheslra
sob a dircecao do maestro Sr Colas, que obse-
quiosamente se prest:, i dirig-la.
' \
SANTO ANTONIO.
EiflPREZA VICENTE.
fluin Reentrada da I.' actriz
Manuela Lucci.
E eslra do 1.a centro dramtico
Fia vio Wandeck.
PriuK>ira representa.' i ojp excellenle drama
em 5 actos :
A FILHA N MSI!
O papel de protogom-la des-mpenhado pela
artista
MANTEL A Ll'CCI
sendo taink-m impoitantissinia a parte confiada
ao artista Elavio Wand oif
O progamma ser publicado por extenso na
vespera e dia do espectculo.
Voeal jj* HstrMmeailHl
*exta-feira f ir fevereiro
NO GUARDE S*LjlO I.V 4TCTIGA ACADEMIA.
EM OLINDA
* 8 e mr-ia hrau da noutr
No mesmo. tomario. parte Os seguintes artistas :
Sra. Magdalena Brucioni, Sra. Adele Poppe, Sra.
K, N., Sr. Giovanni Scolari, Sr. Jansen, Sr. Bar-
Para o Rio de Janeiro.
Pretende seguir nestes oilo das o brguc na-
conal Isabel ; para o re.-lj da carga que lite
f lia trata se com os eus c nsignatarios Autonio
Luiz e Oliv ira Az ved >. ha si escriplorio, ra
do Bom Jess n. S7"( otrora ra da Cruz).
Rio (ramle do Sul
Pretende seguir cora muita brevidade para o
referido porto o veleiro palhabote Rosita, p r ter
a maior parle da carga engajada ; c para a que
lite falla, trata-se com os consignatarios Joaqnini
Jos Goncalves Bellro t Filho, na do Com-
mercio n '>.
CLAUDICA
Para o Porto
Seguir at sabbado 8 do c irrent , e recebe
ainda alguina carga e passageiros : a tratar com
Cuaba Irmaos 4 C. ra da Madre de Dos n.
34, ou com o capilo.
O agente Pestaa, aulorisado por moa familia
que se rettou para ra do iwpen, ar leilo de
urna mobilia de Jacaranda com tam|x de pedra,
om ii cadeiivts, i ditas de braco*, t de bulanro.
Silos etc., 1 dila de amarello nova, 1 dita usa-
. paradores, eommodas, guarda-louca, guarda-
Sliupa, loilote, mesas, lou.as, vidros, quadros, espe-
ws, caiuas, liymas, marquezas, marquezoes, ca-
deiras, e muitos outixw objectos tme se ai harn
patentes, e se lortiam uecessarios, Banda elfectua-
do o leilao leirafeira 4 do correnle, s 11 horas
da manh, no armazem 'rua do VigariOB. H.
On.NTA-FEIRA ffi DI" I'KVKRKIRO.
.V Id aoras.
Por intervenco e no escriplorio do-agente Pin
te, ra do Bom Jess u. 4a.
Lch
IffiO.
DE
PAZEKDAS
liiincczai. injB;lexaN, - nll(>nail.
iln codtinuacaoi
HOJE
4 de feveleio.
lama t Guinares, conlinuaiu boje, por nter-
veneo do agente Piulo, o seu leilo de fazendas,
e\i-ieiileseui seu armazem rua do Man|uez de
de Olinda n. 1. .
lil^
DE
pretende seguir nesles quatro dias a barca portu-
guesa Amelia, podendo ainda receber alguin resto
de carita a frele mdico : a tratar na rua do Vi-
gario n. 1, 1" andar, escriplorio de Beltro Olivei-
ra & C
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir o brigue portuguez amo, tem
parte de seu carregainento engajado : para o resto
que Ihe falla Irata-se com os seus consignafarios
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo & C. no seu es-
criplorio rua do Bom Jess n. o7, outr'. ra rua
da Cruz.
1UI>V\HI\
DE
NAVEGADO BR48ILEIRI.
Dos porlos do norte
(' esperado at o dia
7 do corrente o vapor
Cruzeiro do Sul, coin-
ma'ndanle T e i v e, o
anal depois da demo-
ra do c stume seguir para os do sul.
Eucommeiklas de pequeo valor, peso, medida
e tanbfm diuheiro, recebe-se at l hora da tarde
do dia da sidiida do vapor.
Para fretes e passagens. trata-se na agencia, rua
do Commercio n. 8.
v Vendein-se dous bois mansos e novos para
carroca : a ver e balar na estago das Cinco Btt>
las, das :i hora? da larde em dianle.__________
Para o Rio-Grande do Sul.
Segu nestes dias o brigue nacional Amelia :
para o res o da carga que falta trata-se com os
seus consignatarios Antonio Luiz de CMivci o
Azevedo, n cu esc ipt rio. rua do B m Jess n.
57 (oulr'ora rua da Cruz.)_________
Para o Para
vai cahir at o dia 8 de fevereiro a barca portu-
guesa Arabella, de 1* classe, lem tres partes da
carga prompta. e para o resto que fhe falta, tra-
ta-se com Ferreira de Almeida t C, rua da a*a-
dre de Dos n. :W.
una grande proprteade na Porta il'Agua,
em A|iijiucos.
CONSTANDO DE :
Urna casa grande de pedra e cal, beira da es-
trada, com 31 palmos de frente e 33 de fundo,
com grande terreno e boa baixa de capini.
Uina olaria para lelhas e tijollos.
Urna casa terrea un frente da primen a, comi
palmos de frente e 6.* de fundo.
Una dila pequea que serve de eoehera, com 19
palmos de irentc o 13 de fundo.
Una dita de 12 palmos do trente e 33 de fundo
Urna dita com 12 palmos de frente e :.We fundo
Urna dila sem repartimento, com a niesma frente
e fundo.
Urna dita dita, com um quarlo lora.
Una dila dita, com H palmos de frente e 49 de
fundo.
Urna dita dila,. com 19 pululos de frente e 49 de
fundo, todas edificadas em chaos proprios, ao
lado da levada.
Quinta-feira b* do fevereiro
Ao mciiulin.
O ageute Pinto levar leilo, hora do dia
cima dito, e em um su lote, toda a propiiedade
cima lita, sendo : cerca de 8 nonas parles por
mandado do lllio. Sr. Dr. juiz de direilo privativo
dos orbaos, em virtude do Feaoerimenio da viu-
vade Joaquim Pires Carneiro Monleiro, totora de
seus filhos menores, e cerca de una nona parte
por aoterfsaelo do procurador bastante, do her-
deiroque 98 acta ausente, o baeharei Augusto
Carneiro Monleiro.
Os pretendenles podero examinar desde j a
dita pi'opriedade, a qual se torna reconiineiidada
pejfi sua posicao, entendendo se com o niesmo
agente, econrarrendoao leilao que deve ter logar
no escriplorio doreferid > agente, rua do Bom Je
su:, n. 43.
i iiiilrii protesto.
Henriette Monleiro devluamente aulorisado pelo
juiz de orphos. requeieu a venda das paites da
propriedade Porta OrAgua, possnida por seu casal.
Ao anntineio da venda, oppoz S\miihronioOIyui-
pio de Queroga o aviso publicado no Diario n.
280 de 11 de dezembro prximo passado. J de
outras vezes Olynipio tem feilo iguaosavisos aoque
se Ihe tem respondido.
Esta a resposla que ainda agora reproduzimos.
A viuva e lilho d.) lenle coronel Florencio
los Carneiro Monleiro ronlestam o aviso do Sr.
Symphronio Olympio de Queroga, publicado nos
Diarios de 20 e 21 do correnle declarando : l.
que o Sr. Symphronio nao tem dominio pleno no
terreno que se refere, pertencentc ao sitio da
Porta d'Agua do Monleiro, mas gmente direito ao
foro, que por esee mesmo terreno pagara o finado
Florencio ultima administradora do \ incido do
Monleiro : 2.- que asse foro tem sidoTccoIbdo ao
deposito, para ser levantado pcloSr. Symphronio:
3 qu- a aeco por elle proposta jm'Ii juizo muni-
cipal da i.* vara, com o lim de converter o afora-
manto existente em arrendamento, depois de con-
testada, licou ha mais de lOannos parada, a espo
ra talvez do resultado d^t outra aeco (cuiicernenle
ao terreno contiguo em idntica- circumslancas),
proposto pelo juizo municipal da 2." vara, e que
ainda pende de eciso dos iillinios embargos de
deelaracao do mesmo Sr. Symphronio ao afecordio
do egregio tribunal da relaio, que julgou nullae
incompetente a mesma accao : 4," finalmente (|ue
circumsicncia de estar em litigio o referido-tar*
reno, nao priva o52. contestante de |Hider vndel-
as partes dos de mais terrenos e das casas que lem
no sitio, nao sugeitas a litigio.
Conven), porem, accrescentar o seguinte :
Os ttulos, pelos quaes possusa mcu finado mari-
do, e outros herdeiros do lenle coronel Floren-
cio Jos Carneiro Monleiro o sitio da Porta d'Agua
sao escripturas anthenticas, que existem em poder
doSr. agente de leiles Francisco 1. Pinto, "e que
poden ser vistos pOios concurrentes.
Quantoaos foros devidos.requeran ineu marido o
o deposito, e se effeetuou o los "ento vencidos des-
de 1 de agosto de 4858 at o ultimo de jullo de
1864, razio de 6*400 rs. Os dos outros annos.
deve igualmente ser recomido deposito na thesou-
raria, o qual deduzido do producto da venda e re-
colhido a deposito garante o direilo de quem quer
que a eHe se julgue com direilo, e em favor de
quem for ordenado o lvanlamenio, visto que para
elle passa a disputa, como de lei.
Nada pode, pois embargar venda annunciada
Para
Seguir em poneos dias o patacho portuguez
Adelinn ; para o resto da carga trala-se com Pe-
reira Vianna < C, rua do Vigario n. 11, pri-
m iro andar.
Para o indicado porlo, pretende seguir com pe u-
cos dias de demora a veleira barca portugueza
A'oro Silencio, navio do 1.* cassA capilao Ferreira,
por ter mais de dens tercos d seu rarrogamento
promplo e para o resto que Ihe falla e passageiros
{para os quaes lora bons commodos,) trata-se com
os consignatarios Joaquim Goncalves Beltrao 4
Filhos rua do Commercio n. o."
Para o Rio de Jkneiro.
Vai sabir com -brevidade o lugar portu-
guez Ahnedinq por ter a maior parte da carga
prompta : rrats-s* cora E. B. Rabello i C. : rua
do Commercio n. 48.
Tasso Irmaos A, C, cousjgnataflgs do
inglez Ai rulo, procedenle de' ^w-YoiJ, _
scente aos reeebedores de carga, que o msL
conduz, de mandaren! proceder ao (lespaijbn'na
alfandega, para evitar demora de descargas das
al va rengas, na certeza de que recahirao sobre
aquellos que dereja cansa- a taes desculaos, todas
as despeas que sobreveaham ao navio,
LEILAO
DE
um sobrado Je i andares e soliio em chaos
pro|rios;> , rua -(Jos Martynos 11. 144,
contiguo igreja. eom grande quintal, e
, portao jiara a rua do Calderciro, o qual
d-boni rendhueuto aiinual.
QUlNTi-FElRA 6 DE VLVLKEIRO..
s 11 l|i horas.
Por intervenco do agente Pinto, em seu es-
criplorio, rua do Bom Jess n. 4.1.-
LEILAO
DO
sobrado de 2 andares n. 16, em chaos pro-
prios, ua Tra-vossa dos tspostos.
Qiiutn-teii*n le fevereiro
aalO horas.
Por iatervcui;o do agento Pint".
Em seu escriplorio, rua do llmn. Jess n. 4,3.
LEi|AO
m terreno na rna Imperial 'solo proprio)
cam H0 p*ios de frente, o cerca de
. &D de. (ovado, todo murado, prompto
para, odficacao, porto para descarga y>
; materia!, estojado Ufa Uno murado.
DS
Dua's casas terreas de pedreecal na povoa-
co do Melo, da-provincia da Parahvba
do Norte.
Duas ditas na larva. Verde, dcsta provincia.
Urna pequea fazenda de gado em S. Bento,
nesta provincia, com meia legua de terra,
toda cercada, e 50 c.ibccas de gado.
QUINTA-FElia G DE FEVF.RKIRO
s 11 horas.
0 agente Pinto cumprindo o mandado do lllm-
Sr. Dr. juiz especial do commercio, levar lei
lao os bens cima ditos, pertencentes massa fal-
lida de Joaquim Silverio de Sou a A C
O leilao ser elfectiiado s II horas do dia
quaru-feira li de fevereiro, em o escriplorio do
referido agente.
Leifio
DE
n mdkt tem
Hentlo:
Um grande sonrado com 6 salas e 14 quarlos,
?iiinlal murado, alm de nm grande sitio com
00 palmos de frente e 1,0(0 de fundo, cacimba
de agua d beber, muitos arvoredos, boa haixa
para capim, e muilaa oulras acconunoda^oes.
Vi cstraihi de Joio de Rarron
n. l.
Quinta-feira 0 de fevereiro
s 11 i\'i horas
Por intervenco do agente Pinto.
Em seu escriplorio, rua do" llora Jess n. 43.
LEILAO
DE
l'azcmiiss fr.inrozas o inglezas
AVAHIADAS)
e\la-i'ecn 9 de everciro.
AS 10 1(3 HOHAS
Por intervenrai) do agente Pinto.
Em seu escriplorio, rua doJlom Jess n. (3.
L'ma caixa com chapeos, duas ditas com
ferragem e miudezas, duas dila com mo-
bilia, todas com avaria d'agua salgada.
SEXTA-FEIRA 7 DO CORRENTE.
As iO Ihh-hs e mriu do dia.
O agente Pinto levar a leilo por aotorisaetto
lo Sr. aerate do consulado de Franca, em pro-
sanca do seu chancelle' e por conta e risco de
quein pertencer de duas eaixas, marca F V G ns
78 e 83 e duas dita, marra P e A na. 3,2Ule 3,307,
todas avalladas, i bordo da barca (raneen Sua
Ijjuz. viuda do Havre, e mais uina dila marca C
M 11.ios. avariada. bordo do vapor inglez Ju-
rist. 0 leilo ser eflectuado no dia acinia dito, no
escriptorio do refluido agente, rua do Bom lejua
n. 48.
LEILO
DE
HoveM. loara e crvtttac*.
SENDO :
1 magnilico piano de Boisolet lils & C, I rica mo-
bilia de Jacaranda a Luiz XV, i estantes pata
msicas, i guanlas-roupa de inojrno, 2 ditos
com espelho, 1 ieilo para casal, 2 bidets coni
lampo de pedia, 1 lavatorio com pedra inar-
more, 1 espelho, 1 mesinba c m tampo de pe-
dra, 1 dita |iara Jogo, 2 camas de ferro, 1 ca-
deira liara asseio, 1 cabiile. 1 par de esraira-
deiras de porcelana e jarros, tpeles e lustro
nara gaz.
l*aviiii(Miio terreo.
I mobilia americana, 1 secretaria, 1 estante, 6
eaixas com instrumentos drurgicos, 1 machina
elctrica, lo volantes mpressos (medicinal rom
estampas, 1 relngio, 1 machina de costura, 1
costureira, 1 guarda-louca, 1 aparador, 1 mesa
elstica, 24 cadeiras de guarnb-ao, 1 appanlho
do porcelana para cha, 1 dilo para jaula.-, 1
banheiro de folba de (landres, copos, clices,
garrafas de crystal, trem de cozinha e I grande
fogao de ferro e outros perlences de casa de
familia. -
O qual foi transferido em virtude da interrop-
cao da linha frrea c ser eflectuado impreteri-
velmente
ajuarta-leira 99 do eoi*rente
Por auto isacao do Sr. Dr. J ciiitho Soares Ha-
hellor que seguo para a corle, o agente Pinho
Borges, vender em leilao todos os objectos cima
declarados, existentes em Ponte de Icba, no pre-
dio defronle ao palacete do lllm. Sr, Dr. Augusto
Frederico de Oliveira.
A'sIO l|2 horas da manlia partir da esl.vo
do arco de Sanio Antonio um trem, alim de cun-
du ir gratis os concurrentes do leilo, o qual prin-
cipiar depois da chegada do mesmo.
Aluga-se o Io andar do sobrado n. 47 da rua
da Imperatriz: quem o pretender encomiara as
chaves na luja do mesmo sobrado, e se entender
com seu proprietario rua do Hospicio n. 33.
As 11 horas da manilla partir da estacao do
arao de Santo Antonio um In-m, parando em to-
das as estacoes, aiiu de cooduzir os concurrentes
do leilo. o'qual principiar depois da chegada do
mesmo.
AVISOS CVERSOS
Imperial sociedude dos artistas mechanioos
e liberaos de Pernambuco.
As aulas do lyeo desta sociedade abrem-se no
dia 3 do corrente, e as matricula < das aulas de
nslruccao secundaria eslarao aberlas at o lia
ultimo do presente mez. Hecife 1 de fevereiro de
1873.
O secretario
Pe ro Paulo dos Sanios.
Precisa-se alugar urna csrreva ou um n 0-
leque para vender na rua : a tratar na rua do
Rosario da Boa-vista 11. 20.
AiENGO
Fugiram do engenho Cachoeira Tapada, fregue-
zia da Escada, no iuciado do mez de dezemiir..
prximo passado -o escravo Rufino, de 18 a -1
annos de idade, cor preta, principiando bu;o de
barba por debaixo do queixo, pequeo, scccc e
muito espigado do corpo.'beicos grossos, ps | e-
quenos, oraos vivos e com urna cicatriz d'um
coice de cavallo por cima d'um e tem falta d'um
denle na frente; levoucalcase camisa de algodae
azul e dejistra, uina camisa de baieta encarnada e
um palitot de caseraira escura e consta ter seguido
para villa de Liraoeiro, de onde natural.
Jorge, no dia 6 de. Janeiro do corrente anno, de
30 annos de idade pouco mais ou menos, cabra,
pouca barba, bigode e cavaignac, cabellos" prelos
e a especie de caboclo. altura regular e todo for-
nido, tom os dedos pelegar c index da mo direita
duros d'un talhos, cujas mareas estilo bein visiw is,
sabio preparado com trouta de roupa, calca e ca-
misa d algodo azul e de listras e nuja camija de
baita encarnada. Presume-se ter feito viagem
para villa da Inga*era, >eilo de P^jn de Flo-
res, para onde j ra'dous annos, fez una fgida e
natural; roga-se pois a autoridades policiao e
capites de campo, a saa captura, que serio geue-
.tosamente recomjtenswtes. ______
Cazoleta perdida.
Perde-seao escriptorio deste Diario al a rua
do daeimado, urna cacoleta com pedra de amlios
os lados, e em urna (Pellas tem urna chapa de
oure cera as iniciaes M F F e dentro da
mesma escoleta tem um retrato ; quera achou-a,
querendo restituir, pode oirlg
criptorio, que congeniar.
IHftt
X
UARTHOIiOatEl & C.
841U LAIUU 1*) 1UKARIO34
Catalogo de novos niediciuiciitos, t-
nicos, estimulantes e ostomaCaes,
receuteiiwiite (ioscobpr'tos pelos
melhores pharmacoAiticos e
chittiieo da Europa
A SAMR:
PREPARADOS DE AROl'D.Yintio ferrugi-
noso de quina, tnico estomacal, repa-
rador das forjas dos convalescentes, uas
febres typhoidrs, nasjionl.ts de saftgiie,
etc., etc.
Xarope concentrado, com bal-
samo de tuli'i e todos principias nutriti
vos soluveisdo extracto do carne de Lie-
big, medicamento mis poderosii para
os pbtysicos, rtas alfeccoes catarrbaes,
etc.ete.
Xarope de casca de laranjas
amargas, com todos os principios nutri-
tivos soluves do extracto de carne cV<
Liebig, o mais jjjderoso dos analpticos,
para os temperamentos delica lis e ner-
vosos, estomal por exccllem i a, ele, etc.
ANDURAN.Vinbo ante-gotoso ajitc-rfeu-
matico, como grande cspeciii .
FAIJERES.Xarope ante-norvosu e inalte-
ravel de bromureto de potasio, medica-
mento especial contra as allceeocs nervo-
sas c convulsivas.
SHLRRV-kl.'SA.Vinbo de quina, tnico
ante-febril le um gosto agradavel, supe-
rior ao Madeira, o Vciinutli.
TUOMMERET (iELIZ.Cranulos xaropes.
banbos sullo-acklos, para o trataincnto
das molestias de peito, garganta e de
pollo, de um grande, proveito para os or-
gaos respiratorios.
I'.IIEVRIEH.Vinlio e (dexir de Cocado, Pe-
rn,' tnico de uin gosto agradare!, esti-
mulante, nutritivo e estomacal; emprc-
gado com grande vantagem as crian?;w
debis, as inulberes clioroticas, ataca
das de llores brancas, nos velhos fraco-
pelaidade epelas molestias, na atoniadjos
igaos digestivos, as gastrites, gastral-
gia-;, etc., etc.
CARPENTIER. -Vinho ferruginoso de rbui-
barbo, tnico e purgativo agradare) sem
produzr constpuces nem alteraeoes no
estomago.
SAVORY i: MOORS.Kmulsao pancreti-
ca, milito estomacal, com grande pro-
veito no trataiaentoda pbtysica,podendo
ser cmpregado com grande vantagem,
quando o oleo de ligado de bacalbo ni>
possa ser tolerado 110 estomago dos (len-
les ; sendo o nico remedio que coni
elliciicia facilita a dtgeso do oleo, fa-
zendo apparocer o aiptto e o augmen-
to da nutrico, etc., etc.
CHAoTREL.Confeitos de bromureto de
potassio, grande especilico contra as af-
l'eccoes nervosas, ataques histricos, epi
lepsia, tosse convulsa, coqueluche, nt-
somnia, tristeza, delirio e todos os iii
commodos que tem [xir cansa o erclliis-
1110 nervoso.
MENTEL.Granulos de sub-nitrato de liis-
muth. Este inedicaiTieiitod'iun.i gran-
de cllicacia contra as diarrlias, eholeri
na, dysenteria gastralgia e nos casos de
dgestees diicicis e dolorosos.
L. BEUF.Emulsao vegetal de lcaliV.
Este medicamento adniinistra-se de um 1
mam-ira commoda o precisa. 0 alcatno
em sen mais perfeito estado de pureza.
vantagem que uenliuma mitra prepara-
cao de alcatro possue.
1)11. f.ROI.A.Solui.o de pvropliusphato
do ferro e soda. Esta solucao consti-
tue un excallente reparador das forjas,
obra sempre as pi'ssoas que tender
para cblorosc (cores paludas) anemia fra-
"quezageral. Este preparado tema van-
tagem de nao ter nenliiim sabor.
GRIMAUD.r.niiicitos especieos,para cu*;i
da incontinencia da urina, o os incomiiio-
dos dassenboras cbloroticas, etc., etc.
IAMBARDCha tnico purgativo e depu-
rativo, possue un gosto saboroso e 11111
aroma Mi.i\issimo, as propriedades as
mais notaveis sobre os embaracos d.....
tomago, dos intestinos e do figado, o
desobstruente por excedencia na cons-
tipa^ao do ventre e Dio tem rasguardo
K-iiliunu
L BEUFCoaltar Sapouine, emulsao des-
infectante enrgico, cicatrisante das
cbagas. -
H FLOiXaiope unitivo e peitoral einiii"-
gado com vantagem na tosse {reqttente,
catarrho chronico, coqueluche, e etc.
etc.
MESTEI.Granulos de phospbato de ca!,
medicamento til as molestias dos <.--
sos, fracturas, diarrheas ebronicas, dia-
betes rachitismo, etc.
HOGGPululas de papra aciduladas, em-
prega-se as alfeccoes gastralgicas, e em
todos os casos em que a digesto difll-
cil ou impossivel. Com 4rande vai. a
geni.
BL1SS K.EEX C.Extracto hjdroalcooli-
00 de condurango, medicamento muito
estimulante e depurativo, eolprega-sn
contra a sypbilis, scrofulas, rhenmati -
mo, ulceras, etc. etc.
VAUQIUN DESLAllUERSElixir de qui
na c caf-tonino especial contra n> fe
bres nevralgicas, eniaqueca, empobreci-
niento de sangue, fraipiesa geral, cores
palllidas etc etc.
DR. CKOMIERPululas anti-nevralgi.-a.
omprega-se com a maior eflieacia em lu-
das as affecties nevralgicas, nos incom
modosda menstruacao,facilitando ofhiv>
sanguneo.
QtiERV)Qeloa de oleo do figado do bai 0-
lliau aroniatisado, com todos os princi-
pios activos do oleo de figado de Laca-
Iban. Esta golea nao irrita o estomago,
podendo os doentes usar d'.lle por nioui-
to sem a menor repugnancia. E' um
grande especifico para tosse, aatnrrho
HUipQo bronebial, tubercular.
ci'ufula, (lebilidade geral, etc. etc.
JUNSOKEssencia de-salsaparrilba 1
melha da Jamaica, ernpi
nico depurativo inmediato do sau-
gue.
ELIXIR ANTI-ASTH.MVTIf.O--
toral, applicado oom grande vaiiti
no tratamento daastbma, tosse convulsa.
defluxos cali; to.las as nio'.i
dos pulmoes. _______ |
E^crava
'i isa-se-alugar uiaaes-
gorfimar,.!*'. na rua do Oatx
m
'Na r'iia Ilireila n. 29 )j
ffa propria
<
^
,


r
Diario--dPemambuco Tei^a feira, 4 de Fevereiro de 1873.
FONDICAO DE FERRO E BROHZE
FABRICA DE MACHINAS
Ama ) Barij ib Triumpli (traHi-tanr) ur>. 0!)a Mf
C ARDOSO IRMO
'AVISAN aos Srs, de eiig'enhos e o publico em geral, queteem recebido da Europa
grande sortimento th fcrragcms para engentaos c para lavoura,e quaesquer outros usos
> misteres da industria agrjcola, o que tudo vondein por. presos razoreis.
r OmiaS para aSSUCar pintadas e galvanisadas, de diversos tamanhos.
VflrftIt*S horisntaes e >erlkes}i bem conhecidos nesta provincia e fra dola, os
* meikores que teem vindo a este mercado.
AlOeilClaS completas de diversos tamanhos, obra muitotorte o bein acabada.
MemS m06n(l8<8 para assentarem grades do madeira.
I llXas de ieiTO de ferro fundido o batido, de diversos tamanhos.
Rodas (Tagua dedivea-sos tamanhos.
IvOaS dentadas de ivprsos tamanhos eqnalidades.
'OoncertOS concertameempromptidoqualqiierobraoumaclina, para o que teem
sua faorica bem montada, com grande o bom pessoa!.
EnCOmiYiendlS MaiIamvirporoncoinmtndadaKuropa, qualquer rsachinismo,
para o que se correspondem com urna respeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenheiros de Inglaterra -, incurabem-se de mandar assentar
ilitasmachinas, e se responsibilisana pelo ixrna traliaiho das mesinas.
Ra, do Bario do Triumpho ns. 101, 102 e 104
FUOICAO DE CARROSO IR M O
A POPULAR F
Assoc a Para crea?5 de capitaes c rendas, e auforlsada pelo go-
verno Imperial
ROR DECRETO N. 5022 DE i. i DE JULHO DE 1872.
Capital de responsabiidade administrativa
1,000:000^000
CONVERSA0 OS CAPITAES DOS SOCIOS EM APOLICS D DIVIDA PU-
BLICA NACIONAL.
TABEIalj.iS
100,5000 PAGOS ANIMALMENTE DEVEM
No fim de Sem perda de capital
3 anuos 680*500
Yendo-se enfhho Velloso na margena do rio
ataiuanguape, ras seguintes eondicocs : vanea
sfllciente para afreiar de i a 3,000 pres de as-
sucar, sendo mais d metade de mftMo grosso e
parte terreno de aguar; arisco para plantarse
rocas, feijio o mais neessariopara o costeio;
um exentante cercad, fete quasi toda a cerca
no corrente anno ; tera elle bastantes baixas, on-
de polo verao pode-se botar agua para refrescar ;
um segundo cercado natural onde pejo invern
pode se ter de 80 a l'K) bois ; raizes de canna,
Slanta, soca e rissocas para mais de 2,00 > pies
e assucar, odas tratadas convenientemente,; ro-
cas vclhas, etc.
Tom o engenho um excel lente porto a poueas
bracas dos armazens, por elle passa todo com-
mercio de Mamanguape, quer feito por barcacas,
qner por vapor.
Quanto edificacao nao de primeira or-
dem; porm segura, de gosto e commoda, sen-
do a maior parlfe feita de tijollo. O que precisa-
se cm um engenlin nclle se encontra. No da que
concluir a safra, fica apostado para a seguinte.
Faz parte do engenho metade da malta deno-
minada Carapucema, onde sao consenhores
os Srs. tcnente-corenel Urano e capitao Jos Pon*
ciano ; mais a ter- a parte da Matta de Japn-
g, onde tem mais de urna legua de extensao.
Adverte-se que sendo a venda feita em parte
para pagamento de credores, vista, ou cousa
que isto vaina. ~
A venda comprehende tambem bois, animaes
de roda, carros e o mais que se convencionar.
Quem pretender |>ode apparecer no mesmo en-
genho de Janeiro de 1873 em diante a tratar com
o abaixo assignado e nao antes, por ter de seguir
para a comarca do 'Inga, onde vai residir.
De fevereiro em diante fleam cncarregados de
seus negocios particulares os Srs. capitao Fran
cisco Ivo d' Andrado e Dr. Benjamn
I
s
t
PR0DUZIR :
Goin pp'ria de capital
993*000
3:11^000
8 "44*300
22:402*300
36:637*700
- V,
10 ano -s 2:372*000
13 annos 6.'582*l'0
20 armes 17:058*500
Jo anuos 45:128* ',00
Urna iupoHcan tralca de l:CO0*000 deve produzir :
No (ira de 5 anooi 2:132*000
K~ 10 anuos 3.819*510
oe 15 annos 6 839*000
de 20 annos 12:9bo*000
de So annos 23:235*000
O objeto desta as cisco tuduzir Iftdat as Ciaste* d* sociedade, tanto os pibres
cmn ts ricos, s pensaren no po*vir e a gtra&rem, p:r meiu da economa, a tartana dos
nlboj. o [io da veihice e a traoqnthdade do espirito.
' A riqueza dos pavos, isto , a riqueza particular e a riqueza publica, tem o sen fon-
darrecm mal solido e a so.i tote mais fecunda m simples economa.
A economa a provisao do futaro. O <|ue b->j^ uus sobra qoa?i sempre nos talla
NMkL
S ;i Jo a Popular J-, .-uada principalmente para cuidar do futuro das classes menos
abastadas da socedade, a administracao, de con'irnidade com sen? estatutos, declara que
recabe subscriptor s por quantias mnimas at 10*C90 e sem limite para maiores qoantias.
Os suo-criptores da Poputer nao esio snjeitos a on i alpum de esames mdicos e attest-
dos (I- Vida : seos capiuei acumulados e aceres*: dos vsntajoraiutnte pas^arem, em ca:0-
de tr.ne, a sens herdetroi nalures.
As subscripcSes da Popular Fluminense podem ser feitas.de tres modos distinclos,
eool rme o de:ejo do soolc, a sab^-r :
COMB1NACOE3.
1* Pagamento das prestac^es aunuies cu fene;traes {de Je |000 al a maior
jnantia cada nmi) poden, liquidar e reinar capital e loen a era qnal^aer poca depois
dos primeros 5 annos; tem perda do capital *:: nfnhotti raso.
2* Igual ao anterior, uoim, com perda d.> capital e juios no caso de deixar de pa-
gar alfoata d.is preatscSe marcadas na plice
3' Pagamei.t d uraa qnautia (ffnnea mron t 100*000) e de nma vez e sem
pirda em neuhum mo rm do capital n< ;> d I locrns.
A 1* ciil ,o. entregado;
A 2* arns-a o eapiMl, porm, o socio que pagar poclailmeata s prastacQes, ;'u'e-
rir mu- lucros que os que peiteocsm a l" ;
A 3' cerpbiuac.i olhreje grandes vaottgens ao? capitalistas, pois sem correr ne-
nhum risco [de m (arantir que se hao deauf nr. pelomeoii, um juro de 12 0/0 ao auno.
PJe.-si' nbter qnil-ioer oinra infirrnaco n e-criptofio d>- ageotes da a-sociaco
nesta provine1!!, Aogn-to l?. de Oli\>ir< & .. ra do Corftinercio n. 42.
r


Es(*i*aviS fgidas
200*000
Ausentaram-se dous escravos. innaos, sendo un
de nome Lourenco, com 26 a 27 annos de idade,
estatura regular, cheio do cor|K>, cr clara, ca-
bellos estirados, rosto redondo c sem barba, levou
calca 0 camisa branca, chapeo de feltro preto.
O oulro do nome Andi, da mesma estatura, nrais
novo um piuco do que o oulro, tendo os mesmos
signaos do innao, sendo comprados : Lourenco
ao Sr. Claudino d'Albuqnerque Mello, da comarca
le Patos, da provideia da Parahyba ; e Andrti ao
Sr. Joao Francisco Gomes de lirada, da comar-
ca do Limoeiro, tendo fgido aquello no dia 21
do corrento (Janeiro), e este boje 30 do niosmo.
Suppoe-so que Begwron a esoada do Limoeiro ! ffii
pj
Livraria universal
Bltiti lo liii|ei*alor cw|ueiu la
{iraca . Pedro II
VENE-SE
A iiaiumaria e o prelado pernanibucano 600
O marido que mata e o marido que
perdoa 80D
A mullier homem casamento adul-
terio-divorcio 800
Paisagens por Bulhao Pato 1*000
O padastro por Ch. de Bernardo 1*500
ffiUgra ^S&^i2^ ^^ HSBBBSB3S&1
safo;
wSHc
Seira do Teixeira. Boga-se a '.odas as autorida-
des policiaes e capitaes de camoo, que os appre-
hondam c os conduzam ra do Apollo n. :t0.
aimazcm de assue^ar, que se gratificar com a
quantia cima.
CASA DO OURO'
ios* 5:000-~<00
Bilhetes garantidos
lina do Bando da Victoria our'ora Nova)
n. f:i, c casa do coslume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
umita felizes bilhetes garaniidos a sorte de
800*000 em um quarto de n. 2354 e um quarto
le n. 6J0 com a sorte de 100*, alem de outras
-sortes menores de 40*000 c 20*000 da lotera
que se acabou de extrabir (37*); convida aos
possu dores a virem receber, que promptamente
.sero pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento con-
loaros muito felizes bilhetes, que nao deixar
le tirar qualquer premio, como prova pelos mes-
nios annuncios.
Acham se venda os milito felizes bilhetes ga-
rantidos da 2" parte das lob rias a beneficio qa
igreja da Congrcgacae do Reciff, que se extrahir
no La 6 do prximo vindoure niei.
Precos
Inteiro 6*900
Vein 3*000
Quarto 1*500
De 1003000 para na.
PENHORES


m
','J
'AS.
Xa travessa da ra
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Inteiro 5*,i00
Neio 2# 750
Quarto 1*175
Kecife, 30 de Janeiro de 1873.
Jos': Jowiuima Cotia Leite.
Antonio Valentim da Silva Barroca, faz pu-
blico que tem admittido como socios de su> casa
:onimerrial a seus ilhos Jos Rodrigues da Silva
Barroca e Antonio Geraldo do llego Barroca, sol
a firma de Silva Barroca 4 Filhos, que toma a
sen cargo a solu^o de seus negocios pendentes.
Becife, 30 de Janeiro de 1873.
Eu abaixo assignado, declaro que veudi a casa
te pasto, da ra de Mariz e Barros, n. 10; se
Jiouver algum credor aprsente seus documentos
no prazo de tres dias contados desta data. Be-
cife, 3 de fevereiro de 1873.
Faustino Peres.
Moieque.
Preeisa-se alugar um moieque de 12 a 14 an-
jaoc : trat r no arnaiem do Campos : ra do
Joiperadorn. 28.
Preca-se alugar orna esclava quesaiba co-
ziiihar-hem, e fazer todo servico de urna casa de
,|)Mt familia, composta de tres petacas : quera
liter para alugar diriia-se ra velh de Santa
JJB1U D. 09.
m
Ao coipo do commercio
Tendo o abaixo assignado vindo de cida-'e de
Mamanguape, onde estabelecido sob a firma de
Brito Irmo, foi aqui preso e recolhido a casa
(Je detencao, disposicao do Dr. juiz de direito es-
pecial do aommercio, lequcnmento de Qliveira
& Camino, sob o falso pretexto de eu nao ter do-
micilio certo, o por urna divida contrahida cm
1870 o da qual nao sou responsavel : peco ao
raspelave) corpo do commercio desta cidade e da
de Ma nanguape a suspensao de qualquer juizo a
meu r 'speito, em quanto nao me justificar, pois
eston munindo-me de documentos para mostrar a
filsidadc de quanto allegaram os Sr. Oliveira &
Can-a Iho, a quem pretende levar peranle os tri-
bunacs desta cidade.
Casa (te detencao, 3 de fevereiro de 1873.
_______Epaminondas Horacio de Brito Lyra.
O bacharel D. Luiz da Silveira, p s.?r procurado todos os dias uties, das 11 ho-
ris da manh at as 3 e meia horas da tarde,
na ra do Imperador n. 27 2. andar, quer
para os misteres de sua profisso de advoga-
do, quer para os seus negocios inteiramente
particulares.
Oliveira e Mello; para este fim licarao elles com
plenos poderes.
Mamanguape ,8 de novembro de 1872.
Augusto Carlos.
Avisa-se
a quem der noticia da eserava Guilhermina, que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e depois comprada ao Barao de Na areth, re-
presenta ter 2 annos, t-.'in falta de dentes na
frente e as mos com cicatrizes de queimadura d>'
gaz, secca do corpo, muito regrista, que desappa-
receu da casa do sobrado n. 26 da ra dos Coe-
lhos, que ser generosamente recompensado.
Collegia S. Sebaslio.
Ra Manuela Augusta de Mendonca Mello Reg, au-
lorisada |iela directora da instrneco publica tem
a distincta honra de eommunicar ao respeitavel
publico que tem aborto na ra d > Brum n. 73 o
Collegio s. Sebast|ao destinado cducaco de meni-
nas ; sendo as materias do ensino as seguimos :
primaras ledras, grammatica portugueza com seu
desenvolvimento, leitura dos Evangelhos e noces
geraes de^ arithmetica dessenvulvida, francez, in-
glez, dezenho. msica applicada piano, igual-
mente ensina-se tambem todos os traba lhos de cos-
turas e bordados, inclusive o bordado a ouro e flo-
res. A directora akm do esforco que emprega por
si, auxiliada por professoras e professores para
isso contratados, garantindo todava cuidado e zelo
peas alumnas que Ihe forem confiadas.________
Nossa Senhora de Lourdes.
I Obras sobre esta celebre devoco, frecuentada
por mais de cem mil romeiros neste ultimo mez
de outubro :
Pesquidoux, Plerinage L urdes.
La nance Lourdes, cpmpte rendu ofllciel.
des ftes d'octobre.
bisserre Notre dame de Lourdes. .
Segur, les mervelles de Lourdes.
Loyseau, Lourdes, plrioagett plerins.
Livraria Franceza.
. 150#000
' No engenho Massuass, freguezia da Escada, se
dar de gratificacao a quantia acuna a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
forana furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o . tem 9 annos,
eastanho e castrad.!, tem a orelha direta bastante
! lascada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
Franklin de' do tem urna cruz ;o%' ruco, com pintas ver-
CoIlegiir\scensao(ie Mara. ,
Maria Peisiniua Pinto, devidamente habi-
litada pela directora da instrucro publica,
ha montado na freguezia da Boa-Vista, ra
Imperatriz n. 37, uro collegio suhadeno-
minacAodcAscensao de Mara,tendo por
fim dar as morunas a niais apurada e:lucajo,
quer pela instrucro moral e religiosa, quer
pela instrucro litteraria e scientitlca, oceu-
pando-se no que fr relativo a (brmar urna
boa mi de familia.________. _______
Cozinheiro.
Precisa-se de um que seja bom, paga-se bem :
no hotel da independencia, ra do Imperador n.-
32.
I
DE !WIO
melhas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coco fino, castrado, tem os quadris feridos da
cangalha, ferrado com a marcaI. R. do lado
Ldireito, e tem a idade de 9 annos; o 3.a rudado
' sahhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratificase cun 50*000
por cada um em nresenca da pessoa, em cujo po-
der for encontrado qnalquer dos ditos cavallos.
Precisa-se
de um ajudante de cozinheiro e de um criado :
ro Restaurant Sa ta Isabel n. 2, ra da F oren-
tina.
AOS 5/.000#000.
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da pro-
vincia, na casa feliz do arco da Conceico, loja de
ourves, no Recife.
Aluga-se
o sobrado n 22 da na do Conde da Boa-Vista
outr'ora Formosa, sendo o pavimento terreo, i
andar e urna grande sota, tudo com bastantes
commodos e muito fresco, com estribara, cochei-
ra, encanamento a gaz, rano de esgoto, quintal e
c acmba : quem pretender dirija-se ra da Im-
pertriz n. 29, 3 andar, que achara com quem
Roubo
de Santo Amaro das Salinas e N. S. das
Angustias.
As pessoas que quizerem alugar terrenos para
armarer. barracas durante os 18 dias de novenas
e festas, podero dirigir-se capella do lugar, que
ah acharao com,quem tratar. _________
Hontem, por volta das 11 horas da manha.penc-
traram os larapios em casa ao abaixo assignado,
morador em o pateo de S. P^dro n. 10, levando
os mesmos larapios diversos objectos, inclusive
urna cadeia de cabellos encastoada em ouro, e um
relogio patente horisontal de oiaro de n. 8402 : ro-
ga, portanto, as autoridades policiaes e a qualquer
reojoeiro a quem for offerecido, a apprehenso
dos mesmos objectos. e ao mesmo vendedor, para
provar d'onde veio.
_____. Francisco Mauricio dos Santos.
Fngio hontem, 27 do corrente, o esccavo Be-
nedicto, mulato, cabellos carapinhos, corpo grosso,
baixo, olhos'grandes e muito flor do rosto, sem
barba e representa ter 18 20 annos.
Este mulato natural da Parahyba, tendo sido
escravo do Dr. padre Moura e por este entregue
ao seu sobrinho padre Moura, coadjutor da fre-
guezia do Cabo, para vende-lo. como de facto ven
deu-o ao Sr. Joao Pedro de Mello, e este a mim ha
onze dias.
Quem prende-lo, poder conduzi-lo ra da
matriz da Boa-Vista, casa n. 31, onde ser gene-
rosamente recompensado.
Edgard Gmbaro d lices de francez, tanto pa-
ra fallar como escrever esta lingoa em pouco lem-
po e por melhodo muito fcil : na ra da Aurora
n. 41, 2 andar.
Precisa-se de um caixeiro que tenha algu-
uta pratica de molhado: na ra Imperial n. 167.
Aviso.
Fugiram do engenho Bambuiral, na freguezia
da Escada, na noute de 7 do corrente, os escravos
seguintes : Theotonio, idade 40 annos pouco mais
. ou menos, preto, altura regular, cheio do corpo,
No dia 19 do corrente Janeiro de 1873, au-1 ps apalhetados e feios, tem urna perna mais curta
sentara-sc do lugar denominado Acude do Matto,; (jUe a outra, tanto que pelo andar se conhece, c
da freguezia da Gloria do Goitsi, a greta de nome oastantc ladino ; Venceslao, idade 40 a 50 annos,
preto, com marcas de bexigas na cara, alto e cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaram
. Excommungado.
Acalla de sabir a luz e acha-se venda e linda iwlck da actualidade, composicao do muito
sympaiulco maestro JrPoppe : ra Nova n. 11,
armazcm de msicas de Azevedo.
Thereza, altura regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente superior na frente, em con-
sequenci de os ter muito separados e sercm li-
mados, soffre cravos nos ps e no rosto tem mu-
tas sardas salientes como bertuejas ou berrugas,
levou vestido de chita verde, urna coberta de chi-
ta, e duas mulatinhas ambas tillas da mesma
urna de nomo Rogcria, de 7 annos de idade, cor
clara, cabellos anneilados, os olhos mrbidos c os
dentes da frente largos, e a outra de nome Ma-
ra, de 17 mezes d idade, menos clara, testa sa-
liente, olhos pequeos, cabellos igual a-primeira ;
ainlias sao pertencentes ao Sr. Jos Eleutero da
Silva. Suppoo-se ter ido em procura do um fi-
lho que foi o anuo passado vendido ao Sr. Barao
de Nazareth por ter descido pela estrada de Pao
d'AIbo, e sem duvida ir passando por fo ra por
motivo dos filhos : a pessoa que a tiver cm sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer-
ta, ser generosamente recompensada ; para iu-
formai'ces ueste lypographia.
| CONSULTORIO I
MFJHCO-CIRURGICO *
f D0 .-
Dr. .1. U. Curio
m OPERADOR K PARTEIRO g
0 Ra do Mrquez de Olinda n. 2, pri-
'*& metro andar. XX
2 Consulta das 7 horas s 10 da manh. W
9t Chamad pS a qualquer hora. JK
Um hotel venda.
Dispoc-3C de um hotel em excellente localidade
nesta cidade, bem montado o muito afreguezado,
por se achar doente e precisar tralar-se o dono :
quem quzor dirja-se ra larga do Rosario ri. 30
que se dir com quem negociar.
Ausencia.
Evadio-se o escravo Paulo,
tripolante, traja do roupa de servico de bordo,
e tem os signaes seguintes : estatura e rosto re-
gulares, cabello grenlios, nariz e boc a regula-
res cor preta, crioulo, e sem barba : roga-sc
a apprehenso do mes ro, e conduzi-lo ra da
Cruz n. 3, aonde se gratificar.
roupa de algodao azul. Paga-se generosamente a
quem os apprehender e lera-Ios ao referido en-
genho.______________________________
Francisco de Assis Pinto declara que desde
31 de Janeiro de 1873, deixou de ser seu empre-
gado Victorino Lopes da Costa._________
Caixeiro. .
Na padaria da ra de Hortas n. o, precisa-e
de um caixeiro. dando fiador a sua conducta :
Casa.
Aluga-se a casa n. 133, no Caminho Novo, com
grandes commodos, tendo 5 quartos no pavimen-
to terreo e 4 em cima, cozinha fra, quintal mu-
rado, cacimba, banheiro. e gallinheiro, erto da es-
tarlo : a tratar na casa junta n. 153, ou no Re-
cife, ra da Cadeia n. 3, escriptorio.
Imperial sociedade dos artistas
iiicchanicos *- liberaes de Per-
namhuea.
O abaixo assignado, secretario da mesma socie-
dade, scientifica a todos os socios, que no dia 4 do
corrente ha ver sesso ordinaria s 6 1|2 horas da
tard, e qne ficam designados os dias de tercas-fei-
ras para as referidas sessoes que sao obf gados
a comparecerem os socios enectivos, de conformi-
dade com a le. Recife 1* de fevereiro de 1873.
Pedro Paulo dos Sa tos.
Criada
Precisa se de urna que cozinlie e engoinme com
perfei'-ao, para casa do tres pessoas : a-ra da
Uno u. 67, confronte ao muro do gymnasio.
Taulmlliatlor p:ir sitio.
Precisa-se de um para tratar de um sitio pe-
queo perto da pracA : atratar na i ua Nova n. 14
1 andar._______________________________
CASA DA FOIIIA.
AOS 5:000$000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' ra Primeiro de Marco (our'ora ra do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes um quarto n. 2354 com 800*00'',
tres quartos n. 630 com 100* e outras sortes de
40* e 20* da lotera que se acabou de extrahr
(37.*) convida aos possuidores a viram receber na
conf jrmidade do costume sem descont algum.
Achani-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 2a parte das loteras a beneficio da igreja da
Congregaco do Recife 38.") que se extrahir na
quinta-feira 6 do mez vindouro.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meiobilhcte 3*000
Quarto 1*500
EM PORQiODE 100^000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
______________Manoel Martins Fiuza._____
Escravo fgido
I50S000 de grli!icaea.
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos aniv s,
crilo,e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esteve no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourenco da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Gonalves Bastos, negociantes desta
praca; ue todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto jpor pessoas que o condecora, dzcndo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pede-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, quo receber a gratificacao cima de-
clarada.
CASA DA FORTUNA
Una 1* (le Nar^u
(Outr'ora do Crespol a. 93
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes da lotera do Rio n. 436" a sorte d
4:000* em quatro quartos de n. 2403 ; convida os
possuidores a virem receber, que promptamente
serao pagos, como do costume.
Manoel Martins Fiuzal
Precisa-se de um criado para um sitio ho
Monteiro : a tratar na ra Nova, loja n. 7.
illclirio.
O Sr. Antonio Jos Ferreira, tenha a bondade
de apparecer na ra do Duque de Caxias n. 60
A, loja de Bento da Silva & C, successores de
Manoel Bibero Basto-.
ADVOCADO
BU. FMCISCO BE "AULA
SALES.
RA DI Ql'K DE CANIAS N. 37.
Alleiijjir.
Furtaram do engenho Poeta, na freguezia
da Varzea, do capitao Manoel Torreia -de Araujo,
duas borras na noute de 20 para o dia 21 do cor-
rente mez, sendo urna castanha amarella e a ou-
tra cinzenta clara, tendo a primeira os signaes
seguintes: urna estrella na testa, urna belide ero
um dos olhos, urna m irea de um talho em una
das maos no lugar do piador, e tem a dita mao
mais grossa, tendo um ferro ; a segunda tem os
sipaes seguintes : urna belide em um dos olhos,
a sarnelha g ossa tem urna pona do quadrlho
mais baixa do que a outra, urna mao na junta no
lugar do piador indiada c com o ferro seguinte 8
coi um quarto e no pescoco ; ambas est o bem
cortivadas do servico, estao carnudas e s3o bem
novas. No dito enginho Poeta d-se a gratifica-
cao a 50* por cad urna a quem as levar ou dr
ma<^ft)icia exacta dellas.________________
A mil Precisa-se de urna ama para tratar de
. vi lid crancas na ma d0 Visconde de Gey-
anna n. 161.______________________.
Precisase de urna ama para andar
com um menino de mezes : na ra Con-
de da Boa-Vista, antigo Caminho Nevo, n. 78.
O Sr.....de Araujo Cezar, favor v'r ra
do Doque de Caxias n. 60 A loja de liento da
Silva A C, successores de Manoel Ribeiro Bastos
Criado.
No Collegio Sant Genoveva, ra do Hospi-
cio n. 61, precisa se de um criado que seia livrc
ou escravo.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife S. Francisco.
AVISO.
Tendo o governo i r ta da directora desta estrada de ferro sobre a
coneessao de passagens gratuitas aos que edifi-
carem casas prximas as estaeoes do Boa-Via-
gein, Pra res, llha e Cabo resol ven que as re-
ferid, s passagens sej tes condieoes.
1.* As casas serio'construidas de eonforrof-
dade com um plano, oreamentu ou qualquer >s-
pecilicacao approvada pelo superintendente da
estrada de ferro.
2.* As casas de um valor do 4:<1C0* dao direi-
to a coneessao de una nassagem de primeira
elasse pelo espaco de 10 anos ; s de 3 O.'O* a
urna passagem de segunda class por igual pe-
riodo e as de 2:000* a umt de lorceira classu,
idem.
3." Poderlo usar das passagens concedidas o
proprictario emquanto morar no predio construi-
do, ou o inqulino. O proprietario, porm, s
poder lazer transferencia da dita passagem urna
s vez dentro do anno, d-vendo disso dar scien-
cia ao superintendenle da estrada de ferro.
4." Estas condiioes vigorante dentro de um an-
no devendo ser r-vistas em Janeiro de cada anno
a comc:ar de 1874 para serena alteradas se for
eo veniente, mas sem prjuizo das concessoes j
feitas.
As pessoas que quizerem se utilisar desta con-
eessao podem desde ja apresentar ao abaixo as-
signado os planos das casas que prctenderem
construir.
Villa do Cabo, 30 de Janeiro de 1873.
G. O. MANN,
Superintendente._____
Ama
Ama de leite.
Precisa-se de urna sem filho, com bom e abun-
dante leite : em Olinda, ladeira da Misericordia
n. 3, paga-se bein agradando. ___________
A mil Precisa-se de urna ama para tomar
. \ ll Id conta ,le meninas, que seja de boa con-
ducta : na ra da Imperatriz n. 37, 1.* andar.
Precisase de uina ama eserava ou
forra, para casa de pnuca familia :
na ra de S. Francisco n, 54.
- Precisa-se de urna ama para r.izinhar e le
un a inulher de boa conducta para fazer rompa-
nliia a urna familia : a tratar na ra do Rosario
da Boa-Vista n. 18.
Precisa-se de urna ama para o
servico de casa de pouca fa-
milia': a tratar na ra da Cruz
n. 18, S. andar.
Atencao.
O Sr.....Alincda, queira ter a bondade de
apparecer na rna do Duque de Caxias n. 60 A,
loja de Bento da Silva & i'., success res de Ma-
noel Ribeiro Bastos._______________________
Precisa-se
de um caixeiro com pratica de taverna, prefere-se
portuguez : na ra de S. Goncalo n. 27.
Precisa-se de 20:000* a juros para pagar-se
ni tres prestacoes annuaes, dando-so por garan-
ta um grande engenho as melhores condicoes a
todos os respeitos, visto ser muito bom d'agua,
de muit) boas trras, o prximo a tuna estacao da
via-frrea : a pessoa a quem convier este negocio
annnncie para ser pmcu ado.___________,
Dcsappareceu na noute de 19 para 20 do
corrente, da freg ez a do Puco da Panelh, una
burra com os sign es seguintes : castanha, car-
nuda, tendo a mao esquerda um ponco indiada,
tem urna marca na gara a, pr veniente de um
gerimu : quem a achar, ou della di r noticia
exacta ser generosamente recompensad .
Eustaquio Jos das Chagas.
A M A
AM\
Precisa-se do urna para casa
de duas pessoas : a talar na
ra de S. Franci co n. 72.
I'i iisa-se de nina ama que
sai lia cozinhar perfeilamente e
com car para rasa da homen
solteiro : na ra de Pedro Alfonso n. 12, autig.1
ra da'Praa.
A. M A
Precisa-se de una ama para
engominar e lavar, paga-se bem:
a tratar na Passagem da Magda-
lena, largo do Chafara, sitio com grjdes de ferro
pintadas de p eto c tres cogueiros a entraJa.
AMA
Ama de leite.
Precisa-se de una que tenha bom leite, e sem
filho : a tratar ra do Duque de Caxias, ou-
tr'ora Qucmado n. 70.
Precisa-se de urna ama
para cozinhar : na ru.a de
Pe ro Alfonso, outr'ora da
Praia n. 3.
Ama
Precisa se
Brum n. 55.
de una ama : i a ra do
AMA
Precisa-se de urna
Pedro Alfonso n. 58.
ama : na ra do
Precisa-se de una ama para cozinhar e
comprar : ra do Duque de Caxias n. 64, loja.
Na Captinga, ra das
Pernambucanas n. 12,
precisa-se de 2 amas,
una que cozinae e
e outra para engommado. WU
Precisa-se de urna ama, para em^ommar e co-
zinhar para casa de pouca familia, na ra de Site
Francisco n. 31._________________________
Precisa-se de urna ama boa coste
nheira para casa de pouca. familia :
na ra do Brum n. 84, 1-andar.
Precisa-se de duas amas, sendo
urna para cozinhar e outr para en-
gommar : na ra Dircita n. 10.
Yantagem
Piecisa-se de urna ana de leite e outra secca,
para aeonapanhar urna familia ao centro desta
pruj ini-ia, por pouco tempo ; faz-se vantagem a
quem se qtu-er prestar a estes serviros : procure
na na dos.Quarteis n. 16, t* andar.
Urna senhora cnnipetcntcmente^ habilitada e
autorisada pela directora da instrurcao publica s
offerece ensinar prmeiras lettras, grammatica
portugueza, arithmetica, coser, bordar, e outres
misteres de sua profisso, em algum engenho per-
to da praca : a pessoa que quizer utilisar-se do
seu presumo, dirija-se praca do Gande d'Eu nu-
mero 13.
A companhia Recife Draina-
ge faz publico para conhecimento dos morado-
res do barro do Recife, que mudou o seu escrip-
torio da ra de D. Maria Cesar para a ra do
Gnnmercio n. 16, segundo andar^____________
U(ei#.
Quer-=e alugar una eserava para o servro ex-
terno e interno de urna casa de pouca familia : :
tratar na ra do Imperador n. 25, 2o andar.
Aluga-se o armazcm da casa n. 18 da tra-
vesfa dos Expostos, ladrilhado de novo, e proprio
para qualquer estabelecimento : a tratar com o
ministro da ordem lereeira de S. Francisco, no
consisto io da mesma ordena.
Caixeiro.
D. Ignez Cavalcante de Albuquerque, como ca-
be/a do casal de seu finado marido Ladislao To-
lentino Cavalcante de Albuquerque, cdnslitue sen
bastante procurador ao seu cimbado Silviano Mo-
reira dos Santos Cavalcante, com poderes para ad-
ministrar os bens do seu casal ; assim como, o
armazem"de carne secca ma de Pedro Alfonso
n. 7, tudo quanto pertencer ao activo epassivo
do mesmo.
0-Promptido, asseio e $
0
0
Caixejro.
No liotel do universo precisa-se de una caixeiro
3|te taina alguma pratica de restaurant : na roa
i COmmercon. f.
/lnga-se o arnaazem e o primeiro andar da
casa n. 20, da rna do Bom Jess : (ratar com
Came:: Frey di C.; n. 6f, da mesma ra,
Ao commercio
Justo Jos Gomes Teixeira, tendo comprado na
presente data ao Sr. Joaquim Ribeiro da Chuz, a'f~" j^ T\;,T;n T?r,^i
sua propriedade, no povoado dos Montes, (Una) a irmandaCle 0.0 UlVlllO riSpi-
No hotel de Apipucos precisa-se de um caixeiroj
preferindo-se um menino de 14 a 16 annos, e que
tenha pratica deste negocio.
ra do Maurity, n. 14", assim como a armacao e
gneros na mesma casa existentes, vem declarar
pelo presente, que. se alguem julgar-se credor do
mesmo Joaquim Ribeiro 2a Cruz, queira vir recla-
mar seu direito frua da Penha n. 8, desta cidade,
no przo de tres dias, e que findo o referido prazo,
nio se attender reclamacAo alguma.
Recife, 4 de fevereiro de 1873.__________
Aluga-se o pavimento terreo d casa da ra
de Vidal de Negrearos, outr'ora Imperial n. 113,
proprio para estabelecimento, tendo um sotab em
separado e quintal murado : a tratar ra do
Visconde de' Itaparica n. 10 armaxem.
rito Santo.
A mesa regedora dest i trm ndade convida aos
seus irmos e aos amigos do finado irmo Anto-
nio Jos Goncalves de Azevedo, para assistirem as
missas e memento que em sua igreja manda ce-
lebrar por sua alma, quinta-feira 6 o corrente, s
6 horas da manh, stimo depois do seu fallec-
ment.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito San-
to aos 3 de fevereiro de 1873.
O esorivao
Francisco Jos Leite,
economa. &
Francisco Jos Cordeiro, alfaiate, par- $
ticipa ao respeitavel publico pernambu- Mt
cano, que abri a sua olficina na rna do g*
Baro da Victoria, outr'ora- ra Nova, n.
46, primeiro andar. Espera ser procu- m
^ rado dos cavalheiros do bom gosto, pois 2
0^- encontraro trabalhb pelo gosto da Euro- 9
fit pa, e por preces muito menos do que em ig
25 outra parte. ?
9 w
AttenQao
Manuel & C, tendo de relirarem-se breve para a
Europa, vendem todo mobiliado, com piano, lou-
ca, crystaes, porcelana, vidrfJs ele, o sitio de suas
residencias no Arraial, lugar denominado Coquei-
rQs, travessa do A?ude n. 2, com 305 palmos de
frente e mais do dous hil de fundo, todo cerca-
do, com muitas fructeiras, porfi de ferro, ca-
cimba, deposite d'agua, banheiro e gaz dentro da
casa, a qual foi reedificada e tem commodos para
nufherosa familia; o lugar torna-se rocommendavel
pela pureza e frescura do ar, pela sua situacao
Sitteresca e agradavel e distar pouco das estacos
a Casa amarella, Monteiro e porta d'agua : quem
pretender, d rija-se rua Nova n. 23, ou no mes-
mo sitio.
GABINETE
Medico-cirurgico
1UA DO IMPERADOR N. 73, ! ANDAR
0 DE. NUNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e opcratjoes de olhos.
Can radical e inM^ntanea dos
esireititnettus da orctra.
Consultas
da maDh?.
Ciairiiios
Das 7 s 10 horas
Aluga-se
Um sitio na estrada de Bebertbe, onde ltima-
mente morou o Sr. major Luiz Francisco Texeira;
tem bastantes arvores fructferas e terra para plan
tar-se; a tratar na ra do Imperador n. 54, pri-
meiro andar, das 10 horas da manha as 3 horas da
tarde.
A qualquer hora.
Eserava.
Piecisa-se de urna eserava para servico de ca-
sa : na ra do Visconde da Goyanna n. 161,
Furtaram.
Furtaram hontem das 4 para 5 horas da tarde,
da ra da Imperatriz n. 18, loja de reojoeiro de
Carlos Walter, 6 relogios de ouro cobertos, sendo
um horisontal n. 2506, outro patente snisso n.
2(431, sendo este de repeticao, outro patente suis-
so n. 45088, outro patente susso n. 17377, ou-
tro patente inglcz n. 20446 e outro finalmente pa-
tente inglez de n. 22,251: roga-se por tanto as
pessoas aquem lorem oflerecidos o obsequio de ap-
prehende-los e dar sciencia em dito estabeleci-
menro, que serao recompensadas generosamente.
Est fgido desde o dia 23 de junho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bom
crespos e principiando a bucar. Tem um peque-
no sijnal de cabellos no queixo; c no braco di-
reito as lettras -L. F. N. Saba Jer, trabaUa de
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmo liberto, que traba-
Ihava io pode ser que anda trabalhe) de machi-
nista de vapor n'um engenho de Abreu de
Una.
Pede-se as autoridades policiaes e capitaes de
cam|io quo o preudain e facam-no conduzir ra
da matriz da Boa-Vista, casan. 33, onde rece-
bero 150*003.
\I)0LPH0 BIRGOS
ADVO&DO
RA DO IMPERADOR
!. ANDAR.
Plvora no vapor Lanarks-
hire.
Os consignatarios do vapor inglez Lanarkskirt
chegado de Glasgow, avsam os consignatarios de
500 barra com plvora marca B F e 500 ditos,
ditos, ditos marca diamante H, viudos no mesmo
vapor, que segundo as ordena da ttwsourara de
faseda tem de os despachar dentro do prato de
dous dias, alm de que encorrerao na desp*za
das demoras da alvarenga e risco que possa haver.
Recife, 3 de fevereiro de 1873.
t.
\






i


/
.
Diario de Pernambueo Terca fera 4 de Fevereiro de .1(87-3.
A.
\


nr
v
r-1 i J
ALTA MOVIDAD
PIANOS E MSICAS
AITOnO JOSlS DE J BE VEDO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. andar, antiga na Nova
aonde o publico em geral encontr, }sempre o maiar e mais esplendido sortimento de pianos de
Pianos, msicas 6 instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Acaba de abrir no primeiro andar do obrado o. 12 confronte i
botica Miurer, uro grande suio onde esto expottos os magnficos
JPm.M Jl OS de armario, de Pleyei
-------- de meia canda, do mesmo anior.
-------- de E. Henrx.
de mede Thibout.
nico agente nesta eidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FRC.RES
Tambem receben grande sortimento de msicas para piano, piano e
canto e entre ellas as lindas composicSes do moito tympatbleo maestro
A SABER :
Voc me qner Walsa.
Olga Maiarka.
La Separacioni Para canto.
A Lm elctrica, grande Walsa.
re miados em diversas exposi;oss om i i medallas do onro e prata.
Sao os onieos pianos qne aqoi vem da Earopa, perfeitamente afina-
dos, fetos com ciegan lia e solides.
D'aqui emSdiante continuar a annnneiar todas as publicac,5es qne se orem frzendo as soas oficinas de msicas.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada de Valleta G'lope.
Joaninha Wala.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studieote Po'ka.
I lllmaH publleate
feitas as offlcioaa de mnsieas
do annnnciante.
Emilia, polka por I. Smolti.
Cirraciana, schotch, por Smolti.
Jardim da Campo das Pricetas,
qaadrilha, por J. Popoe.
Chava de Rosas, Walsa, por H. Al-
bertaui.
PJ
_ >
AWISAM
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meics botes,
pois qu os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, ctijo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de METTRON & C., e a desig-
nado de REA PRETA.
m
/
MEURON a C.
fc-
''j
FUNDIQAO DO BOWMAN
RA DO BRDH N. 52
(Passando o chafariz)
Os proprietarios dista fundico recoramendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa lhes tetn fornecido.
Possuem sempre v,ra avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de tamanho, proprios para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
e algodSo; entre os qtaes algumas novidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Vendem a prazo ou a dinheiro com descontla vontade do comprador.
GAUTELLA
.
Avisam ao publico que diversas encommendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das : pelo que, rogam a exigencia da conta impressa, para prova da procedencia do que
se lhes fornece.
Outro sim, que por ahi andam especuladores (alguns empregados e obras em concertos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os taes, lembrat do-lhes, pensem se sem interesse aquella industria: e quem paga
as peitas recebidas pelos ditos inculcadores.
Ao pbiifco.
Qucm leu q met annimchvpnbhVado nos Dim-
ios de II a 14 de dczenihrn do auno prximo
paitad", e ler o mlraprntcslo que ao mesino
annuncio oppoe agora a Sra. Henriett Martins,
ver qne elja longe de destruir o que alleguei
em dito annuncio, mais forca llie da, p is eonfes-
sa serem meus o terreno e a casa da porta d'a-
gua, que me deve muitos annos de renda do
mesmo terreno, finalmente que existiam e anda
ex tem em jnizo, acc/ies para desapropriaf as
bemfeitorias existentes no terreno.
Nao exacto ser foreiro o terreno em quest,
porque antes de pertencer-me por compra que
llz aos herdeiros da administradora do vinculo-
do Monteiro, faz i a parte do dito vinculo, e o seu
administrador nao podia aforar. "
As rendas nao recebi nem fui intimado para
ver recolhe las ao deposito alm de que, a ren-
da que a Sra Henriett tem de pagar-me de
250J000 por anno, e nao de 6*40 como erra-
damente allega em seu centraprotesto.
Nao sei qual a le que me obrgue a vender o
mea terreno contra minha vontade por existi-
rem nelle bemfeitorias de outrem, quando a > con-
trario sao as bemfeitorias que estao sugeitas ao
solo.
Admira-me a facilidade com que a Sra Hen-
riett, declarando ser o terreno meu, expoe-no
venda como sea.
Sera sectaria do commnnismo ?
Contino a oppor-me a tal venda, e protesto
haver da Sra. Henriett, ou de quem quer quo
comprar taes bemfeitorias e terreno, nao s as
rendas vencidas e por vencer ao preco de 250
por anno, como est declarado na accao propos-
ta, senao tambem todo e qualquer prejuizo que
me possa resultar da mesma venda,
______Syphronio (Mympio de Qneiroga.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recite a Olinda e Beherhe.
Compra
grossura 4 ditas.
Contrata-sc com
de solipas.
No eseriptrio desta com-
panhia, comprase constante-
mente a precos razoaveis,
solipas de otteica e sapu-
caia, das seguintes dinien-
sdes : comprimento 10 pal-
mos, grossura 9 pollegadas,
o abaixo assiguado na esta-
ci da n a da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
de 1873.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
CARNAVAL
Na Chapellerie des D mes ra do Barai da
Victoria n, 16, prepa a- e qualquer costume a ca-
pricho, pro,rio para o car ave!: o go t di ira-
balho neste genero j bem conhecido pelos
k- ad res do carnaval portanto inut I elogia-lo.
O vigario Joaquim de Ara-
gao Ebla.
Luiz Pereira de Mello, D. Candida de Aragao
Pereira de Mello, Jos de Aragao Ebla, cunha-
do, irmao e pai do vigario Joaquim de AragSo
Eblua, fallecido na eidade da Prtale; a a 22 de
Janeiro prximo passado repassados de senti-
mento, convidam aos parentes e amigos do mes-
mo finado, a ouvirem algumas missas e memen-
to que pelo repouso eterno de sua alma se hio
de celebrar na matriz de Jaboatao, as 7 horas
da manb do dia quarta-feira 5 de fevereiro.
Est eneouraqado
aRoga-ji'ao llim. Sr. Ignaeio Vieira de Mello,
escrivn na eidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. .16, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceir chamada dvste jornal, qm
lins ile ilezemliro de lft'1, e depois para Janeiro,
passou fotweiro e abril de 1872, e nada eamprio;
e por e-te motivo de novo chamado para dito
(lm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu lilho se
achara nesta ciliado. ^^____^^____
ao (Mmim.
Eduardo Daniel de Souza e Antonio Alves de
Souza Fradique, dissolveram aniigavelincnte a so-
ciedade que tinham na padaria n. 84, ra de
Domingos Jos Martins, sob a tirina social de Sou-
za Irmao, ficando desta data em diante o activo e
passivo do mesmo estabelecimcito a cargo dq Sr.
Jos Antonio Fernandos Fradique.
Recite, 31 de Janeiro de 1873.
Eduardo Daniel de Souza.
Anto io A. de S. Fradique.
Ao publico e com especiali-
dade ao corpo do com-
mercio.
Jos Antonio Fcrnandes Fradique, tendo cedi-
do aos seus entiados Eduardo Daniel do ?ouza e
Antonio Alves de Souza Fradique, em 31 de julho
do anno prximo lindt, o seu eslahelecimento de
padaria, sito ra de Domingos Jes Martins n.
84, sob a razao conuuercial de Souza & Irmo,
declara qne nesta data tomou de novo ronta do
dito cstabelecimento, iicaudo a seu cargo todo o
activo e passivo.
Recifc, 31 de Janeiro de 1873.
Joc Antonio Fernandes Fradique.
Escrava lugiila,
Pela segunda vez e desde o dia 18 de Janeiro
ultimo, se aeha fgida a escrava Aula, ntitnlad.i
Josepbina Varia das Dores, que debaixo deste
nome propoz urna aceao de sup|>osta liberdade e
se acha prestes a decidir-se defioitivamento no
meritissimo tribunal da relarao, para nde apel-
lou. Tambem pela segunda n se protesta cri-
minalmente contra quem a acoitar ou concorrer
para que ella se subtraia is vistas da polica, -
uem se pede a apprehensao, ievando-a a ra da
enha d. 3, que se gratificar. ______
Perdeu-se
hontem 1." do fevereiro um relogio
de senhora,
esde
juntamente com um allincte tudo de ouro, esde
a praea do Conde dio. aterro de Hoa-vistx pon-
te, ra do Bario da Vi toria, Cabug, at a ra
I? de Marco : qucm os achar e quizer entrga-
los, pode-o' fazer na praca do Conde d'Eu n. 9,
1. andar, que ser gratificado.______________
O Sr. Satustiano Pereira Quaresma, lilho do
Sr. Manoel Pereira (uaresma, morador em Ala-
go* de Gatos, chamado ra _Direita n. 84 a
negocio que nao ignora.____________________,
Imperial sociedade dos artistas mchameos
e liberaes de Pernambuco.
Esta sociedade manda celebrar no dia 3 do cor-
rente, as 7 horas da manha, na igreja matriz da
Boa-Vista, urna missa pelo repouso eterno de seu
prezado consocio Flix Jos de Souza, U do seu
passamento, e para assistir a este acto religioso,
cernida aos membros desta sociedade e aos pa-
rentes e amigos do finado.
Ignacio Ferreira Temudo Lessa
e sua mulher Emilia fiodrigues
Lessa, Antonio Feitosa de Mello e
sua mulher Isabel Rodrigues Fei-

COMMISSOES
'
Fazem encommenda vontade do pedirte, mediante urna commissao. de qualquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitarlo e costu-
me no negocio, tanto em respeito ao preco como a qualidade, assim como todo o auxilio
em montar e trabalbar com o machinismo viudo.
HERDEIRQS BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
'> RA DO BRUH N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
QUESTAO do da
{E" pela barriga que melhor st
govervao mttndo).
Grande agita^ao !... Todos fallam L..
tam I... escrevem I... lastimam-se I...
ram... e nao comem? nao bebem ?
Eis a nmliisaii!!
Mediemos, pois...
Abrigaras I... Alegrai-vos, bella e heroiea ei-
dade do Recife, que ai desabar sobre a cabera'
de cada um de vossos invictos Alhos urna nuvem
prende de mgicas inspiracoes a veracidade,
deste anuuncio.
Queris conseguir os lins ? empregai os eios :
apurai a vossa imaginaeao, vasai na vossa intalli-
gencia urna'gota de inspirarlo e lereis reeolvido,
Fulminado a questao do di,(
tosa, Jacinlho Soaros do Menezes e
sua muiher Mara do Carmo Ro-
drigues e Marianna Amelia Rodri-
gues convidam aos amigos1 e parentes para no dia
quarta-feira 5 do corrente, pelas 6 horas da ma-
n, assistirem missas na matriz da boa-Vista,
stimo dia do tallecimenio de sua prezada sogra e
ni Magarida Lwircnca da Cmara Rodri gu es.
Auzentou-sc da casado ababo assignado o pro
to escravo Antonio, de naci, no dia 24 de. janei-
do correnle anno, com calca e camisa azul: quem
o pegar leve-o ra de Pedro Alfonso n. 34 que
ser gratificado ; consta que o dito preto anda
aqu nesta praca.
Recife, 1. de fevereiro de 1873.
Antonio Fernandes Raines de Oliveira.
ATTE!JCaO\
Precisa-se de una senbora que queira ir em
companhia de urna familia para Portugal, pagan-
dose a pa sagem e mais de-pezas, gratifica do-
se-lhe o seu trabalho : quem esliver nestas con-
dicoes dirija-se ra estrella do Rosariun. 9.___
Aluga-se urna casa nova de lijlo com com-
modo para grande familia, com iraiiile terreno
eercado, na Torre peno da margem do Capibarlbi:
a tratar na ra da Impcratriz n. 74.___________
Victorino Lopes da Costa deixou de ser cai-
xeiro do Sr. Francisco de Assis Brito de-de 31 de
Janeiro So corrente anno. Recife, Io do fevereiro
de 187?.______________________
Besposta.
Os;abaixo assignados irmosdo fallecido Jos Pa-
-ominrntlatlai* l*aulo rim Salgad*.
Antonio Climaco Moreira Temporal, temi de
mandar rosar algumas missas polo eterno repouso1]
de seu amigo committente o conimendador Paulo'
-de Aniorim Salgado, fallecjdo no dia 2,'i do proxi--
mo passado, m-seu engenho Caxoeira Linda, con-
vida aos parentes e amigos do finado para assis-
tirem as ditas missas que torio tugar no conven-
to do Carino, na quinta-feira 6-do corrente as 8
horas.
publ cacao-
tarro do seu fallecido irmo, restando-lhes agrade-
cer as manciras attenciosas do Rvm. vigario Paria,
e todas s mais pessoaa que de bom grado se pres-
taram.
Recife, 3 de fevereiro de 1873.
Jo;>o Joaquim de Siqueira Varej;lo.
Jojiiiuim Lucillo de Siqueira Varejo.
H:ir^:rii. Lourcnea da Cmara
Rndri-fiirs
O harn de Palmares agradece a todos os seus
amigos, qe se digairam acompanhar ao cemitc-
rio publico os restos mortaes de sua mni prezada
irm Margarida Lourenca da Cmara Rodrigues e
de novo as convida para assistirem s missas, que
pelo eterno repouso da mesma finada se hao de
celebrar na matriz ida Boa-Vista no dia o do cor-
rente, s 7 horas da manha.
Queris ?
Pois bem, fortiflcai os pulmSes, desemped a
larynge, rgentnai a voz, adquir o dom da per-
suasao e finalmente abracai sem hesitaeo a por-
tentosa inspiraeao que vos offereco e tereis forcas
suficientes para discutir, conveneer e...ierrubar,
para sempre a magnaquestao do dia.
Queris ludo islo
9
0 abaixo assignado declara gue comprou a
averna -sita na ra da Restaurarn n. 34, antiga
ra da Guia, livre e desemtararada de qualquer
debito, e pertencente ao Sr. Genuino Carnejro da
Confia : se alguem se julgar eom direito mes-
ma, apresente-se no prazo de 3 das, a contar da
data deste, findos os quaes nao se attender r-
clamacio alguma.
Recife, 31 de. Janeiro de 1873.
Joaquim Gongalces de Andrade.
Vinde ao muito preconisado armzem do Cam-
pos, ra do Imperador n. 28, e comprai certas
e espeeiaes victualhas, (exquisitas e excitantes)
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquecendo
os finistimos e calmantes licores, lembrando-vos
dos rarissimos o delicados aeepips, (alem de eu-
tras nnuitas cousinhas boas que ficam oceultas
uestes.....para despertar a curiosidade dos aman-
tes da) e veris que depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos apparecera
urna to enrgica inspiraeao (cousa inaudita) que
vos considerareis metamorpnoseado em algum
prophela, abundando a vossa imaginaeao de eal-
culos infalliveis que vos faro resolver em um
pice o grande problema que prende to forte-
mente as vossa8 attencoesquestao do dia.
Duvidaes 1
JTeste caso, l vai:
Com a barriga vasia
A caboca arde, enfraquece,
O corpo treme, vacilla, '
A razao dcsapparece.
I [28 roa do Imperador X 28
Trancisca Crysolita de Carvalho
tendo de mandar resar urna missa-
pelo repouso eterno da alma de
sua mui querida lillia Emilia de
Carvalho, fallecida no Recife em 15
de fevereiro de 1872, pede aos seus
pareles c amigos o es.ecial obse-
quio de assistirem esse acto de religiio e ptedade,
que ter lugar no dia 15' de fevereiro corrente,
(Io anniversario), pelas 7 horas da manha, na
igreja da Coneeieo, na eidade de Caruard. o
mesmo pede Alfredo Emilio Calumby todas as
pesaoas e amigos qne se dignaram acompanhar
os restos mortaes de sua to presada e lembrada
prima, pira assistirem urna missa no mesmo dia
e hera, na igreja capelh do cemiterio publico
pelo que desde j agradecemos cordiaknente.
Precisa-se de um* criaflo livre ou escravo: pa-
ga-se bem; -tratar das 9 s 4 horas da tarde na
ra do Mrquez de Olinda n. 40 1 andar, e as
demais horas no Corredor do Bispo n. 59.
Aluga-se
o predio sito na travessa da ra de S. Joio n. 8,
de um andar e sotio, com com modos para gran-
de familia : a tratar na ra Duque de Caxias n.
86, loja.
ATTFKCAO
Pede-se auloridade competente para
Je
m
ue lance
suas vistas para urnas Albas de Jeruslem, que
moram na ra da Palma n, 51, que com palavras
indignas, maltratam as familias que residem na
mesma roa, impedindo-as de chegarem porta.
Precisa-se de um menino de 12 ou 14 annos,
para caixeiro; na padaria da ra do Rangel n. .
Precisa-se de um feitor solteiro ou casado, que
seja trabalbador e tenha boa conducta; na ra
do Dnque de Caxias, antiga das Cruzes a. 34, pri-
meiro andar.
Relogio desapparecido.
Do abaixo assignado desappareceu no da 30
de Janeiro prximo passado, um relogio patente
inglez, de ouro, i olido, coberto, bastante gra de,
com urna cadeia tambem de ouro, imitando una
fita, tende pendente um -es ribo, em lugar de ca-
colctj e om chicotinho servindo do presillia para
casa do collote: roga portanto, as auto idades poli-
ciats e mesmo a qualquer pessoa a cjuoin forem
offerecidos ditos objectos, a apprehensao dos o es-
mos c leva-Ios ama larga do Rosario que faz quina
com a ra estreita do Rosario, casa do Dr. Fran-
cisco da Gunha Beltrio; recompensada.
Recife, 4 de fevereiro de 1873.
Francisco Pereira d'A. Cmara.
COMPRAS.
Compra-so um carro americano de dous as-
sentos, e prampto para trabalbar : na ra do Im-
perador n. 22, primeiro andar.
Vr:NDAS.
Ra larga do Rosario n. 22.
O Vianna tornou a arrematar mais pechinclias
para vender barato.
Vejana :
Cortes de brim tranco trancado que
d urna calca
Dito de dito pardo trancado muito fino
Ditos de dito de linho puro (cor do linho)
Cambraias
Chitas '
Pecas de madapolo fino
Crotonc para eoberta
Borzeguins para enhora
Ditos de bezerro, eordavo
para homem, obra muito
vende a 12, a
e gaspiados
boa, que se
2*o00
2U00
20O0
200
200
4*000
360
4$U00
8|0W
Ra larga da Rosario n. 22.
Mais pechinchas.
Baptis'- s, fazenda mui o fina d bonitas corei de
1*300 a 500 rs. o covado.
Cas as muito bonitas i'e 600 rs. a 289.
Pares de botes de (laqc fino para punhoj de
U a 240.
Maco; de pentes de alis-r de 2*400 a 1*.
O Vi' na s VCnd? o que barato e bom, an
d-m depre sa porque o barato todos q.mueer
AO
DO
VAPOR FRANCEZ
Kl'A DO BtH.VO DA VICTORIA
N. 7Ou-'ora NovaN. 7
PIANOS.
Acabam de clirgar muito bons pianos forte- e de
elegantes modelos, dos mais notaveis e bem eo-
nhecidos fabricantes; como sejam : Alphocse
lllomlel. Hcnry Hers e rioyci WolT* C. : no-
vapor fraiiocz, ra do Bario da Victoria, m-
tr'ora Nova n. 7.
Calcado francez.
Botinas de luxo e phantazia, brancas pretas e de
dilTercuti's cores, Uiulu para seulmras, corno pa-
ra iiirninai>.
Sapatinhos com salto no rigor da moda, brancta
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Sosor c de Polak, para ho-
mens. i
Sapato? de eordavio Vfli snara homena.
liotinas para menino de i|iiak[iier tamanho.
Perneiras e ineias-perneiras auto para uonTDS
como para meninos.
Sapa toes de Suser para homens e meninos.
Sapatoe de yerna com salto para homns.
Abotinados de militas qaakdadea e precos para
meninos e meninas.
Sapatoes de verni/. com sola de pao proprios para
sitios, jardius e hanhos, sortimento para homens
e senhoras. %
Sapato* de tapete. e;i enjira, cbarlot avelludado,
de tranca pdrtugucz e francez.
Xo arnmm do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, otr'ora N"'.' n. 7.
Per'umarias.
Finos extractos, banli.n, leos, opiata e pos .: :i-
iiifice, agua de fl r le laranja, aoua (! : -
te, divina, florida, lavando, pos de arroz, sabo-
netes, cosmticos, muitos artigos delicados em
Derramara para prsenles eom frascos de ex-
tractos, eaixinhas sorfidas e garrafas de diffe-
rontes tamanhos d'agua de cologne, ludo de i i-
meira quattdade dos bom condecidos fabrican-
tes Pivor c Goudray,
Xo armazeni do va-mr franrez, ra do Bario da
Victoria, i.uli'i ra Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sortimento que tem vindo de
mascaras de mssa, de rame o de seda, nariz
com ocalos, barbas etc., precos muito bara>
los'tanto em grpsso como a rotlho.
Xo armasen) do vap r francez, ma do Barao da
Victoria, oulr'ora Xova n. 7.
Para viagens.
Vuito boas malas e bolsas para riagana da a i
de raminhos de ferro.
Estojas de riageas eom os perteoces neeessaa.
para barba.
Xo armazem do vapor francez, ra do Bario
da Victoria, outr'ora X^va n. 7.
Botas de montana.
Xovo sortimento de botas XanoIeXo e a GnilheSr
me, perneiras e meias porne:ras para homena,
e moi is perneiras para meninos.
No armazem do vapor (ranee-, ra de Baiao
da Vid ra o'ilr'ora >ova p. 7.
Moblias de vimes.
fadeiras de balando, de braco, de ruarnreo.?, ;o-
fs, jardineiras, mesas, eonversad iras e costn-
reiras, tudo iato muito bom por si rom fortes e
leves, c os mais proprios movis para sale!
gabiuetes de recreios.
Xo armazem do vapor francez, ra do Bat da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Qinquilharias.
Irt^oN le lilTerentesi goslo^ e
nliaiiiaziuN.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leones para senhoras e para meninas.
Lavas de Joavin, de Bo da Escocia e de camorra.
Caixiuhas de costura ornadas eom msica
Albons c quadriuhos para retratos.
Caixinhascom vidro de augmentar retral
Diversas nLias'de ouro bom de le garantido.
Correnteg.de plaqu mnito bonitas para reloj -.
Brincos JimitacSo e botea de punhos de plaqu.
Uolsinhas e cofres de seda, de velludo e de coun-
nho de cores.
Novos objectos do phantazia para cima de mesa
eltoilole,
Pinconez de cires, de prata dourado, de ac
tartaruga.
Oculos de ac fina e de todas as graduacoo?.
Bengalas1 de luxo. caima, com easti
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Cuicotinhoa de Meia o do muitas quahdade
versas.
Esporas de tarraclia para saltos de botas.
Ponteirasde espuma para charutos e cigarros.
Rentes de tartaruga para desembarazar e para
barba. ,
Ditos de marfim muito finos, pira hmpar cablea.
Escovas para roana, cabello, odas e para den-
tes.
Carteirinhas de madreperla para dinheiro.
Meias para homena o para meninos,
Grvalas brancas c de soda preda para Maana e
meninos,
|-Campanhias de'niola para chamar criados.
Jopos da gloria, do dama, i1" baga I Has, ^ d
n o oiiiros muitos diflcrenlca jogninkos a!lc-
mSes c francezes.
Halas, bolsas e saceos de viagem de mar e can-
nhes de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mui fcil s
criancas.
Argolinnas de marfim para as criancas morder] i,
bom para os denles.
Boros de vimes pan embalan^ar criancas.
Casimbas do vimes para braca de meninas. ~
f'arrinhos do ipiatro rodas para passcios de crian*
ca.
Vehczianas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes para c:.ndieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escolliidas v:-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel de cores para lluminacoes de
restas.
Baldes aeroostaticos de papel de seda mui faeil
do subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
Jadiar.
Machinas de varios systcmas para caf.
Espanadores de palta e de.pennaar -- -, ,
Tesourinhas e caivetes hos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tintciros de lonea branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qua*
dros.
Quadros j promptos com paysagens e phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta,
zias.
Objetos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
OU
O btcalbio da Noruega, era caixas e mcia'
ditas : coi caes da Alfaadega o. 1, armazem de
Tasso Ir mies A C.
A 640 rs.
Vendem-se duzias de carreleis de linba de 200
jardas pelo diminuto preco de 640 rs. a duzia :
tslo s no Rival do Recife n. 50 A, ra do Mr-
quez de Olinda.________________
Vendem-se oito escravas, unas com habili-
dades e outras sem ellas, de 14 a 32 annos, bem
como dous pretos de 40 annos, robustos: na ra
de Hortas n. 96.
I
Realejos pequeos de veios com lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
tmanhos, e oulcos muitos artigos d qinqui-
lharias difllceis de mencionar se.
No -armazem do vapor francez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquemos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em difierentes parte
da Europa para entretenimento das enancas ;
tudo a precos mais resumidos que possivel :
no armazem do vapor francez, ra do Baro
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
Mascaras.
Mascaras.
Mascaras.
Acabam'de chegar grandes facturas de masca-
ras com todos os srtmientos, para vender-se em
grosso e a retalho : no armazem do vapor fran-
cez, ra do Bario da Victoria, oatr'oraNova o, 7.


T"
Diario de Pernambuco Terca fira 4 de Fevereifo de 1873.
Para acabar at o fim do anuo
Ni ra da Impe\*atriz d. 60 -
PAVO
BE
PEREffiA DA SILVA ft C.
Temi os proprietarios deste grandelstabelecimento, um avallado sortiawoto de
f asead as eai ser, e desojando liquida-las at o fim do correte aono, tem resolvido ven-
de-las por presos muito comraodos, com o fi n de apurar dinheiro, a vista do qoe
coavidam os llm. Srs. chefes do famila a virem sorti-re, d5o s de fazendas de primei-
njiessecidaile, como de fazeadas de laxo e gasto, das qaes encootrarSo om sortimeto
das mais novas do mercado, chegadas pelos olimos vapores da Earopa.
FAZLNDAS DE GOSTOS
FZENDASDE LE
CORTES DHU.ASSAS \ 2/J50O E 3m
O Ptvfi venda cortes de cassas'de core?,
com padree i maito bonitos pelo barat3
prp.-o de 3500 e 30OOO.
CORTES DE CHITAS A 2$i00 E 25880.
O Pavita pende cortas de chitas francezas
finas, com 10 cavados pelo diminuto preco
de 2$ VIO cida corte.
Ditas com 12 covados pelo preco de
25880 cnila corte.
PECAS DE CHITAS A 7(5200.
O Pifio venda p.jgas de chitas finas, lin-
dissirao:. padrfos, leuda 30 covados cada
peca, pelo b rato proco de 7200 cada
_ia raaito barato.
LENCCES DE BRAMANTE.
O Pav.io vendo lences de bramante mui-
to grandes, sendo de un panno s, pelo ba-
ratissimo preco de 2'00 cada om.
CHAILES BARATOS A 10000 E 2$O0O.
OPavao vende chiiles do tarlatana gran-
des pelo birato preco du 10OOO e 20000,.
Ditos te laa eslarupados imitado de
merino 20 0.
Ditos de quidros moderos, maito en-
corpados SiJOOO e 4/5000 ; assim como
grande sortiootnto dos m)is Goos chailes
-.repon e merino que se vendom por precos
amito era cent-.
MADAPOLES.
Pecas de madapoln francez maito fino
com 20 jardas a 5;>0C e 0)5000.
Ditos com 24 jarda maito superior a
6*500 e 7300 >.
Di.o inclu fazenda muito fina 5)5000,
6^)00 e 0;-500at tO^fOOO.
Ditvs fi mcezese mglexes muito fiaos de
?O'jirdas para differen tos presos.
ALGODOZ1NHO.
0 Pava) vende por prego muito barato
e$as de abio IJczinh americano maito
bom com 18 jardas 4000.
Dito com 2i jardas a 45500 e 550O0
at BiJOOO.
Dito largo marca T muito eocorpado a
' 100.
ALGODiO ENFESTADO.
1 'ivjfo v oda o verdadeiro e superior
0 de doas largaras para lences,
milito en arpado a \$ 00 cada vara.
tra ii "''lo da mesma largara 1*280.
CHITAS L .'.GAS.
O PavS eode eatai execeiieoies chita.-
i da a< e escoras com muito bom
i ;%') rs. rala covado.
. Bna 280, 320 e 360 rs.
Parcaiies oissimos miudiolus a 360 e
> rs. ca la covado.
. CAMBRA IAS.
O PavSj v ole cortej da cambraia trans-
jropria para vestidos a*2*500 e
3 I .
Poca ..e da muito fina com 13 jardas
-! coma trasparente a 4000,
\>0 at a rna;s fina que vem
ao ra-er: lo.
BRAMANTES PAPA LENQO'ES.
O i'.'": i vende soperior bramante de al-
: leoi i t palmos de lanera que s
1 '/i v*ra para um lenco!, me-
1600 e vara 1*5800.
Di:o da linho pu^o seperior muito encor-
D com a rn^sma largura a vara 25400.
Ditos fraaceaes maito finos a 2^500 e
' ) KM).
Hambargo e p3nno de linho com
20 e 30 viras, parj t Jos 03 presos e
ida.
brelaaba de pnro linho, tendo
3'j jardas pelos precos mais barato que se
'-. .
Pecbio'ha de fioissimo esgaiio sncelena
i 7*J00.
simo colana com 30 jardas
3*5^0, atoalhado adamascado com 8 pal-
iaos da hrflfnra a vara 2* ICO.
LAZLNHlS DE FRTA CORES.
O Pavtu .ende um elegante soriimento
bis de farta cores qoe brilhao qua-
. la ten Jo de todis as cores, e ten-
9
350 rs. o covado.
CUCAS DE CASEMIRA.
O Parto tem om graite r-ortiinento de
. de c 8 aira, a6tim com cortes o*
asis modernos qne tem vindo nos ltimos
foseada da.* msis linas e mais
. ,Tddj, e vende e por barato
pr i rar dinboiro assim como cal-
i -'oe de cores por precos
sis para isaber. >
TES DE PBRCAL1A COM DAS SAIAS
A 450C9.
O Pav3o vende bonitoa caites de precalii
ias, sendo lazenda e mu;t)
p;_ hint'ia.
TNICAS P8ETA8.
Paylo rc.ebeu om (rende sor'.imento
iUa naia ri;a3 tuuiC33 de ros preto, rica-
mente eafeHadas, eveode par prego razoa-
VESTIDO) MANCOS BORDADOS DE
35OO00 AT 00,5000.
O Pava > rece!) u um liado 60rtmento
0M mis ricos cortes de cambraia brao'.a,
fijamente bor lados, e coai todos os enfYi
les nceessario*, e vende pelos prcejs d'
55000 at CijSOOO, nj tem viad;/ nada
e:? rico ne.i. raais moderno.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
A .550), 83000 !5 1,0300?.
O Pava i tem um granie sorlimeiito de
calos para cima e jan?lt>s, qne ven-
fieoslo bara> pwo d 74$90; 8<500) e
10)5000 o par, teodo at por 185000, assim
como colchas di da mi seo para camis do
.3, e gfjfl i nauto de tape'ds tan-
to para 4 cadeii 13 como para cimas, pi .nos,
portas, etc., todo vea le ,jor presos razoa-
BAREJES DE SEDA A 1*030 E 1*400 O
COVADO
O PavSo recebea pelo ultimo vapor
francez, om grande sor limen to dos mais
lindos barejes do seda, sendo em cores
e gostos o meluor qae tem vinlo aomercado,
esta nova fazeoda maito propria para
vestidos para bailes oa casamentos, teodo
entre esta fazenda delicados padroea bran-
cos proprio para vestidos de noiva.
MODERNSIMAS POPELINAS
Popelinas a 1*500 e 2*000 o covado.
O Pav3o recebea um elegante sortimento
das miis modernas e lindas popelinas de
IS e teda, e linho e seda qae vendem
1^500 e 2*000 o covado, ten do padrees
listrados miado e graodos qae parecem
propriameate seda, assim como das mesmas
tumbem tem brancas proprias para vestido
de noiva.
NOVAS SEDAS A 2*500
.0 Pavo vende bonita e moderna-seda
de urna s cor, tendo de todas as cores, com
delicado lavrores miudinhose vende a 2*500
o .ovado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 45*000 E 50*000
O Pavo vende b 'nitos cortes de seda,
ftftnda de muito gosta, tendo 18 covados
cada corte e vende por 453000
Ditos de 20 covados a 50*000
Sao muito baratas em relago superior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pjvo vende um grande sortimento
das mais modernis, baptistas com lista de
cor, proprias para vestido, coaras cores mais
novas que tam vindo ao mercado seado
maito man largas doque as chitas franeezas,
e vende pelo baratissimo preco de 500 rs.
cada cavado.
OFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO.
Neste grande e>tabelecimento encontrar
o r p.itavel publico, orna bem montada ofi-
cina de alfaiat^, onde se manda execotr
qaaquer peca da obra, tanto para bomem,
como para meninos, com a maior pres.-
tesa a perfeicSo assim como para qaalquer
luto quede repente appareca, teodo ames*
ma ollicina um perito official destinado para
tarda dos llm. Srs. officiaes de goarda n'
cioaal cu tropa de liona, sendo esta oficina
dirigida pelo hbil artista Pedro Celestino
Soares de Carvalho.
NOVOS VESTIDOS A 4*000.
O PavSo receben um elegante sorlimea-
to Je no vos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende pelo
barajo prego de 4* cada um; maito ba-
rato.
ESPARTILIOS A 3*000.
O Pavo tem um grande so tmenlo de
esr-artbos, tanto para lanbora como para
menina, qbe vende pelo barato preco de
3*000. Ditos muito 6nos a 4*030 e 5*000,
sao do3 mais modernos qae tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
O Pa5o vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa lazenla, com
padrfis claros e escuros, pelo barato preco
ae 240 rs. o covado, por ter um leveto-
qus de mofo : pechincba.
SAIAS A 230:0.
SAIAS A 2*000.
O PavSo vende saias brancas de croa s
peca com fazenda equivalente a 4 pannos,
com bonitas pregas em volta, a 2*000 e
25500.
Ditas com pregas e bordados a 3*000,
pichincha.
LIQUIDAQO DE CALCAS DE CASE-MIRA.
O Pavo tem um grande sortimento de
calcas de casemira de todas as cores e qua
lidades, para todos o< precos, e desejjndo
maito lijuida-las, resolven vende-las por
am prego mu^to em conti, para aiminuir a
grande porgo.
A
!k>/
A MADRESILVA.
Pra(ja da Iudepcudenci
ns. 38 c 40.
CORTES DE FUSTAO PARA VESTIDOS A
3*000.
O PavSo vende cortes de fusto branco,
tendo 12 covados para vestidos a 3*000,
pechinrha.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA
6*000.
' O Pavo vende bonitos cortes de cambraia
branca transparente, com benitas vistas e
lavo-es, proprios para vestido, tea do 8 va-
ras cada corte, pelo barato prego da 6*000,
pechincha.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vende bonitas cassas francezas
com bonitos padres, e de mita phantaJia
pelo baratissimo prego de 240 c280 rs. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande' pechincha, na loja do Pavo.
BORNUS A 165000.
O Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos qae
at hoje sao conhecidos, e em relago to-
cessivabaratea, convidam-se as Exnjas.Sras.
para as vprem, para assim admiraren! o que
ha de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 6000.
O Pavo vende cortes de ca/nbraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa*
zenda para um vestido, e vende pelo barato
prego de 6#900, por ser grande pechincha.
Ditos muito finos com babadinhos broncos
bordados a 8^000.
Ditos ditos com listas de cre6 a 45JOOO e
$J0OO.
Ditos de cambraia branca com 20 metros
de babadinhos de ores a 9JJ000. E'grande
pechincha na loja do Pavo.
Acaba a: Madrcsilva de receber diversos
objectos, como sejau.: i
Ricos aderegos de madreporola braucos e
de cresi
Diademas demadrcperola, ditos douradjis,
ditos de inass ou bufcio, ricamente enfeita-
dos, cruzes fingindo brilhantos, cassoletas da
plaqu com voltas o som ollas, irnitanvlo
onrt), pulseiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortlmato de grampos para
cabeo, swdo borboletas, besoiros e beija-
ftores outrns omitas quaiidades, tudo de
muito gosto, rico sortimento de gravatinbas
d lacs para senliora, sendo velludo, sarja,
setim, gze, escossezas e de urna s cor, fa-
zenda inttramoiite novidade.
Lindo BosfJHMBM1 de leqaes de marfiw,
madreperula, tartaruga, ditosdourados, com
seda e sein ella, alm destes de outras mai-
t*s quaiidades que enfadonho seria mencio-
nar, tanto para senhoras como para me-
nfrias.
Rico soriim'jjti) de punhos e gollinhas
bordadas em cambraia de linho e camizinhas
bordadas para senhoras.
Bonitas guarniges ou dragonas para en-
feitos de vestidos, assim corad os maito dese-
jados cordes de seda, fazenda inteiramonte
novidade neste morcado.
Ricasormento do caixinlias com propa-
ros para costura, sendo de tampas de crystal
e de outras murtas qunlidades e tamanhos,
ditas paro poi"ta-joias, porta-extretos, ricos
porta-reluf,'ios, porta-charutos, porta-cinza,
tinteiros, castigaos,' tddo sao objectos de
plaqu, proprios para1 preseutear a qualquer
pessoa, asaiin como-diversos objectos para
escriptorio, facas para cortar papel, carteiras
p*ra fto*a%, cai-x-ais para phospboros, caetas
ordadao lisas, mairacs para criangas, si-
Ojetes para abrir. firmascaixascontendo una
caeta, um lapis e um caivete, agulheiros
e dedabs, todos estos objectos sao de marlim,
fazenda inteiramonte novidade, assim como
oulros makos queso a vista dos pretenden-
tes.se podero nsencionar.
Vestuarios para criangas, chapozinhos de
seda, sapatinlios de merino o setim, mcias
de seda e deal^od, brancise de cores, tu-
do para baptizados.
Rico sovtimento de babadores'para crian-
gas, ligas de seda para senhoras, lencos
brancos coro ramageos, meias de seda para
senhoras e meninas, ditas de lio-do Escossia,
6 melhor que sa pode desejar, assim como
meias de l, propase para senhoras.
Rico sorliin-iito de escovas com costas de
baleia, marchetarias de madreperula, para
ronpa e cabello, c de outras muitas quaii-
dades.
AGIXUAS I] 1.1 MAS PARA MACHINAS,
A -Madresifca acaba de receben um com-
pleto sortkriouto deagulhas c linhas brancas,
id' coros, o prctas para. machinas, dos fabri-
cantes Grovcr Rakr's, assim como agulhas
de todas as quaiidades e linhas de soda para
bordar e para crochet^ ricas capellas com
veos e sem ellespara noivas, fil branco com
bouitas ramagensecom7 palmos de largura,
fazenda espacial: s na Madresilva.
i Rico sortimento de fiores de laranja em
ramas e sepas, do todos os tamanhos, para
enfeitos de vestidos de noivas.
Rico sortimento do collarn hos e punhos
lardados o lisos, de linho e algodo, para
homeus, assim como chapeos de sol com
casto de niarim, eoutros muitos artigus. -
Ttal A MADRESILVA j
bonito scu-timciito do jarros-, cnstigaest com
ingentes, garrafas e copos para espritus,
rseos, garrahnhas de diversos gostos, pro-
prias para toilettes, assim como acaba do re-
ceber um completo sortimento de espelhos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, de 3 u 9 palmos de altura e largura
regular.
V MADftEJlLYA '
acaba de receber um especial sortimento de
luvas de Jouvin, brancas, pretas e de cores,
para homens e senhoras, assim como tam-
bem para meninas c meninos do 3 anuos
para cima.
BONICAS.
Rico sortmente de bonecas de todos os
tamanhos c com rosto de cora.
BORDADOS.
A Madresilva acaba de receber um rico
sortimento de borJudos em cambraia de li-
nho, fazen la inteiramente novidade neste
mercado, sendo babados e entremeios.
Finalmente, a Madresilva, alm dos arti-
gos que ves faz menguo, tem outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, porisso a
Madresilva espera que vos digneis visita-la
mais a miado, a qual vos ficar sempre
grata. _____________________^^^
Lazinhas para vestidos a 320
res o covado
S4 oa roa do Duquo d Cax;as o. 60 A. coir'ara
rui do Qaeimad, loja da e;qnLa, de Beoio di
Silva & C.
J
t
V-
MACH1NAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 2, umsorlimento de machinas para
costura, das melhores quaiidades que existe
na America, das quaes muitas ja sao beua
conhecidas pelos aeus autores, como sejam;
WellfA Wilson, Grovor & Doka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
que com a vista deverSo agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trinta costuraras podem
fazer diariamente e-cozem com tanta per-
felclo como as mais perfeitas costnrairas.
Garante-ce a sua boa qoa'Made e ensim-se
a trabalhar com perfeijao em menos de urna
hora, e os precos sao to comm^dos qne
devem agradar aos pretndeme
}jehmann Frres vendem
libras "sterlmas : a' na do
Crespo n, 16, primeirw andar,
RIVAL SEi SEGUNDO
Chegarara agulhas para msebinas, do fa-
bricante Grover A Bsker. Bnria a "2-JOOO.
Pode obter em pouco lempo" com o uso do melbor dos licoresa jffjmada
HESPERIDINA
Fai'oito ancos qne conbecido este precioso tnico, e difficil acbar orna pessoa
qoe, tendo experimentado pessoalmente, nao falle cm seu favor, j como bom estcmacal
e apetisador, tomando tm cliz della antes de jantar, on como faci'ilador da digest*.
t .mando-se depois.
ABASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ba um s habitante do BRASIL (a trra
especial das laranjas) que iac conueca as propriedades medicinaes da donrada frocta.
oraliem, a
UlUDi AMARGA
em seu estado natural tem om gosto pouco agradavel, e o mrito da Hesptridina coo-
sisteem reler suas boas propriedades, e ao mesmo tempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nao tem nada qua nvjar is
melhores imporlacSes europeas de calbegoria- semeWants-. Estas; qoando onito, pOdem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinado perfeita do
AGRADAVEL E SAUMVEL
Para prova de que um artigo no qnal pde-se terioteiraconfianca, por ser poro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorizada pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permiltindo sua livre elaborac5o no imperio ; outra
1MIA JPmrVJe
a acceitacao geral que tem em todas as partes onde *apresaatada. Ew 18fl4etabfi-
leceu se a primeira .fabrica em Buenos-Ayres ; em 1869 a segunda es Montevideo ; e
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaugorou-se a fabrica qoe aclcalmenie
trabalba na c6rte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa accsilac3o.
tanto que rara a casa qae considera completo sea aparador sem ama garrafa de





Amar.il, Nabuco & C. avisam a rapazeada car-
navalese e aos habitantes do Cabo, Apiparos,
Iguarass. Casa-FV>rte, Limoeiro, Afogados, Goyan-
na, Santo Anlao. Nazarth, Vanea, Olinda, Mo-
toculomb e aos demais amantes do carnaval que
receberam um completo sortimento) de mascaras
de papelo, sera, seda c rame, para qualquer
carcter ; e franjas, trancas douradas e pratea-
das, eabelleiras, lantejoulas, voltas etc. Ycndem-
?e no Bazar Victoria, ra do Barao da Victoria
BAZAR VICTORIA,
maral, Nabueo & C. acibam do reetber da
Europa pelo ultimo vapor o seguate, e eonvidnm
s Exmas. senhoras a virem ver:
Hicas rbapeliaas para visita, de pallia. fcltro,
velludo e seda., a Rabagares Montpensier, ultima
moda.
Chapeos do pallia para passoio.
Enfeitos de seda, de cores e para luto, para ca-
ida do Sra.
UMtmnee de cambraia para Sra.; eontendo ves-
tido, chapeo de cabera o de sol, tudo da mesma
fazenda e de iguaes enieiles.
Corles de vestidos de I a e seda, do -cambraia
bo'dados agulha, pintados e estampados, e de
bantisia.- de cjjrpg.
Elegantes guarnicoes de cores para senhora,
conteiiito l par de brincos, l'alliueo, -t pulci-ias,
1 diadi.-.u i e n na !> t! !<-t:i par.; cabello.
l.'.-qurs ilt- madrepcrola. braiicu e qneimado -''"'t
de rosa, laraoja etc. etc. lisos c I.-h1.tI.>s.
Leques de maiiii)). lisos, bordados e com ?oda,
Loques de t;-. rng.
Leimes de madeira. Osso el.-, etc.
Vendem-se uo Basar Victoria, ruajdn BarJio da
Victoria n. 2.
O bomem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
O bomem doente toma Hesperidina para obter
SAUDE
O bomem dbil toma Hesperidina para obter
Nos bailes as donzellas e os mofos tomam a tjesperidina para obter boa cor e
animag5o durante os loncos gyros da
musa*
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigario Tenorio n. 7, Io andar, receberam eaie
grande especifico, e veodem-no nos depsitos seguintes:
Joaquim l'erreira Lobo, ra da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ma do Gommercio.
Marcelino Jos Connives da Fonle, ra da Cadeia n. 2.
Antonio Gomes Pires d C, ra da Cadeia.
Autonio Gomes Pires A C., caes 22 de Novembro.
Gomes d Irmao bolel da Passagem.
^
^
\r-do--H balaccaa declmaa ;anu os
como giud-s : n^ roa di lmo8ia4or n. 19.
etn
DEPOS TO GERAL
Pharmacia de P. Maurer & ('.
Cheguen quanto antes!!
a %$m! ;$i)00! sum
Lindos rli.i]ios campostres, da ultima riioda,
oara scnliora, s na ra do Duque de Caxias n.
60 A. loja da esquina, do Bento da Sirva AVC.
Vende-se o sitio da estrada da Grux de Almas,
que fl'c entre o do commendador Tasso e o do
desembargad >r .)ria, com casa de vivencia, d ffe-
rentes arvoredos. grando baixa de capim, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilitos urba-
nos ao pe da estarao da Jaqueira : a tratar na
ria do Amorim n.' 37.
Farinha de mandioca a 3$ o
sacco.
Na ra da Madre de Dios n. 7 ; a ella, em
quatrto nao se ataba. _______
Diademas e aderemos de ma-
drperola.
A loja da Aguia branca ra do Duque de
Castas n:t50, recebeu una pequea porgSo de
diademas e adarce.* .le. mtlrefterola, obras de
apurado gostd. _______^____________
Xarope d'agriSOr do Para'
Atttgo1^ conceitirtdo medicamento para
icuradt?molestiAs dos org^osrespiratorios,
jcpmoapbtj-s!Ca,.bronGbites, asthma, etc.,
lapplicadosainda.com ptimos' resultados no
B6COrbut.
Vende-wna pharmacia e drogaria-de Rar"-
jtholomen dW.'J ra Larga d Rosario n. 34.
Novo tratamento da Asthma, tosse, convulsa, de/tuxo catarrhaes, e todas as molestias dos pulmots,
que tem feito importantes curas, e que hoje o nico acceito pelos melhores-Mdicos.
DEPOSITO GERAL, 34, ra Larga do Rosario, PEBNAMBVGO.

Hembra da Academia de Medicina de Pariz.
Medico em clie/e do Hospital de S. Luiz
AOCXO 1'ODEItOSA E INKALLIVEL
i'\iio ruiaplclo ua cuu dfl
MOLESTIAS DE PELLE ANTIGS
1 i- !o do san^ue, Impigena, eHCrofuliis o
de iodos om ncc-idcnlr lie dcpt'ndrns
dns dornrat -nlngtosas (sjpbiii.-as)
l.-n-s OH imi'lrrnilu-.
f. :--l IV. l.I.l .s A Ql'iVLQL'Kk OITHO TRITAM! W
Esle XAHOl'E u,\o e um romwlio scrrtlo: rilo foi appru-
*ao i'i'!. AMileaiM de Miilimu o PiT. Aich. -:'i-.,..
resulta das num'n-sas nperiejiciu feit;.< nos II i.
de Paris, de Landres, ele., et., que este depurativu e o
nel.or, o mais arti\o e o inais e.-vuDraieo.
Pahis, n 2, rna Poissonnire,
Pharnacia DESLAURIERS, succe^op de BKTiGNf
Dtpositoem lodos *- l'htirmacitts e ctuus de Unoiyu
PJ
[I]
DEVAUOELm
li'-suKa das i obsr?mSes colliida* pela* suaiui-
dades mediewuMliospitaeade 'Ts,quo o Xarope
pcitoral balsmico do istncto e illuslrc pro^s^or
Vmqieli- empregadiQ.com successo sempre igual
para curar:'
as :snjBSciJtt tus Bsoicaios xmttfx n peito
conhecidas pelo Borne de
BROKCHITES AGUDAS OU CHR0NICA3
axiimas, OPFkcssOiis, ciTnimos
Defluxos, Tosses rcbcliif's, E.\tiucco da vnz.
AMASSA,jMde seo u$o/ftileagra4aels*bor.u
precioso mcdlramcnlopara a'pfssoastjiie viajin.o'i
san brirprrle n [nilar vm'Jo. Paris, Phair:a ,j
VAl'nrji;LL\-DrSb\f)ntiii;s. roa de Ctn, si.
' Iniko deposito, aoude so acha .amenda
casa de i*. AUurer & (,.
Rra do bario (l-\ietnria n. -2-s.
:j
Excetimi-j tcoclnbo iDgiH.ara lata .1 cpjHfo
iifirs a 900 rs. tli'ra: do btb ftm Iriucs & C, ra du Aiocrim a..'T:
-Linfcas; st(?rli aas. '
Vicda^e co rca;*r do 'abadas d? A----:-.a
?. da Ol^eira 4"C, - raa d Cooflwrcw u. t.1
Cbitasde cures a 200 e 210 ris u covado.
(lainbraias rniudinhas, a 260n:isoiovado.
I.aiizinhas midas ede listas, a 320 e 400
ris o covado,
Ditos de fil (azoada moderna, a 400 ris o
covado.
Cambraia transparente filia, a 3-5 a peca.
Dita victoria-fiua, a 4 a peca.
Bramante do i larguras, a 1J5G00 a vara.
Casemira prcta fina a l-?600 o covado.
Brim branco de linho, a 1$000 a vara.
ieiro
-Ra do Crespo20
Culxas decores, a l-^SO 4-~" e o? urna.
l.eiiroes de bramante a 29 um.
Cuberas de chita forradas, a 89 e 31M0 bum
Ditas de chita sem forro, a 1^00 urna.
Cobertores de la, escuros, a 2-"1 um.
Lencos de cassa ambanhados, a 2-r a du/ia.
Toalhas alcochoadas, grandes, a (J-* a ti
Brim pardo transido lino, a lOOe 440 ri
covadu.
Chales de raerinl lizos e estampados, < --",
um.
Yenhao antes que se acaben*!!
Loja de Giillherme C. da Cimba ^ G.

;r-
i
H1*
Novo estabeleciment
de joias.
1%.
BICHAS DE HAMBSRGO
As mais recentes c melbores,
\ eudem-se na pharmacia e diogai ia de B,.r-
tbolumeuC., ra Larga .ibisiriu o Ru. 3.
" :'
t? Itua lo < a3>jii, ii, l'.
tlT Neste ctabelecimento se encontrar S
~.- um bonito sortimento de joias que se |t-
*** vendem por tal prec,o que animar ao 4gl
Zlt, comprador, attento ao vantajoso syste- ^
4^ na, ganuar pouco para vender inui- .
---' lo, que certamente til ao compra- g- rajos 4 C. era seu armazem
) vendedor. ?2" numero .17.
Ce
rvea
A verdadeira cerveja da
deira, de su|ierior qualidade
Naviera, marca baa
: vendem Taaao Ir
da ra do Ainorm
--
Zl dor e ao
Tambem se compra ouro, prata e .
** dras pr.^ciosas, bem coa se> fabrica e
concerta toda e qualquer obra tendente
ten inesma arte. --
('..> . n-i* oratorias com a.sen .o de palbinba
}iiiii-i cada orna m caes do Apollo, arma-
etn de Tasso Irmos & C.
Pechincha em sedas
Vendem-se superiores sedas decires com toque
de mofo, pelos baratos precos de 00 rs.. o covado j
das mais mofadas e por 800 rs. o covado das mais E pechincha : na loja da Rosa branca, roa o i
Bagas : na na Duque de Caxias n. 83._______ lmperatrrni. S.'
~ ltiiro rosto O*b uItmo 3M-
r a ii * A Rosa Branca tem as mais lindas las para ve-
C-.deiras pretas donradas e mar:betadas d' ma-'.-, ^ l2Q0 0 ^yade : na ra da Im-
Jreperola : nos armats de Tas^o Irmio C. ^^^Sj* l*^ *
no ea^a do Aoello. esa"11 , ;r, A
Chapeos para meninas de
idade eWaefc at 10 aa-
no-^ 4#.
A Rosa BmocA temob
Vende-se a taverna da ra dos Ac.iuguinhj'
n. 20, com poucos fundos, proOrhi para princi-
piante, reparando a boa localidade : a tratar na
mesaia. ^___________________________
FiO de: algodie da Babia c cal de Lisboa, r-
centemente ebegado : lia para vender no .-
criptorio de Joaquim Jo Gonralves Beltrao A; 11
Iho, juaulaCuamiercio n. 5._______________
B de sol de cabo e
marfima 13$000.
Antonio FerreiHj,deOliveiro M*ia tem par v,>n-
tier em seu estabelecimcnto ru da feaiala-nov a
h. 1, cbineuas para harneas e senhoras, .tafliancoa-j
b sapatos de tranca para os mesmos. borracha
|>.ara lima j, tudo de superior qr.alidada a por pre-
co commoo pe' ter viudo de sua cont propria.
r.-j l.is'o o \\V^y P baraW. .1 rifa fla'
os mni'o
loeratriz n. 56
Borralia..
! Ven.H-se bonracha para-haiai o>'tli*** ti rJ
Jti a. Cxuzn. i.
i


Diario de Pernambuco Terca feira 4 de Fevereiio de 187.

v


\

Para Binoivas
fiRiquissior. v.>ad blaaJ, oafellM de cer, le-
qaea d-a muiep>;rufa e oe.s de seda, talo espe-
cial novidade e a melfioi Taienda qae tem vn u
le mercado.
Perfumaras
Neste artigo nao precisa dar plieaOoes, basl.i
diur-se- rs fhe*Die---4ohD Goaneili, Coadraj.
Labio, Riail e Legrwd ; mus perfumaras desta
vez vieram em vasot ce modellos noToa, e qa
peta na elegancia se urajeo proprios para am
lindo prseme.
Trancas e franjas de mh
branca.
Desta vet o sortimento veio magoifieo, fazenla
milito boa, modados noves e de todas as largara!.
Bonecas de borracha
Desias bonecas veio pequea porcia d rever-
sos tamanbos.
Diademas
Lindos e de modellos novos, veio cousa maito
boa.
Quem duviiiar venlia ver
Decedidamente a Magnolia a roa Dmioe de Ca-
las n. i5, convencer aos ?e.us amigo- ftfgue-
m, de sua especialidad 3 em correspondentes, ni.
parte niais elegante do orando ; agora disido o
altiuo vapor chegado d;i Europa tronxe nraa par-
te de Bnas encommendan para o tempo de Testa,
constando do seguate *
Para o bello sexo
Lmdissimos brincos, altiaetes, cruzo?, pulseir:-
r cacetas de tartaruga bordadas a ouro, assim
como bonitos grampos ;aro perolas e ouir&s pe-
dra? para a cabera : a Magnolia solicita do bell.i
sexo, que prima sempre so cbiqae e na moda, que
venfca ver e..
Luxo e bom gosto
Para enriquecer e aformosear ama sala vierain
lindos jarros e jardineirss de porcelana maito fina
e de b>no modellos Inteiramente novos, ccm
lindos desechos e doarados ; assim como uma es
peoialidade m pannos de cbrocbet p:ra sof e
cadeiras.
Qtial
O moco cbiqne e da moda que cao apreciar
ama linda gu--.mlc.io de narflm, madreperola, nuro
e plaquet, consa lindissima e de molde especial t
nunca vindo aqui; metilo boos chapeos de sol core
cabo de m.rfim e bengalas imitacao de ouicornlo
ocaa cab < de madreperola, por certo n"nhum dei-
xar de vir loj* da Magnolia roa Duque dt
Carias n. 4o, escolher qualquer destes objectos :
cao jcaro I
I \<*i*pt !.">' * forense.
LWZFELIPPE I.EITE.
Ra to Oiro ICo l.
LISBOA.
Lxecuta por coinmisso quaesquer ordoifs
las provincias do reitio, ilhas c provincias
ultramarinas, bem como do Brasil e outros
panes esUangeiros.
Kocobe i consignar, ao gneros uacmaos,
1 oloniaes e do Brasil, para serem vendidos
no reino, 011 ra dellt;.
Executa onlens para compra 6 vendado
mudos, pblicos, naciohaes e eslraugciros.
Trata da enforanca dos respectivos dividen-
dos.
Promovem-se no mesmo esc iptorios, in-
ventarios, liquidares, causas civeis, crimes
e conimerciaes, appellaees e recurso de re-
vista,
Tem os mellioresadvogados na capital.
Trata-se da' arrecac,a?o de heraucas e ad-
ministracao de bens no continente do reino.
Obtem-se documenlos de qualquer dioce-
vj, dttricto administrativo, concelbo, 011 fre-
.-uezia do reino, ilhas e provincias ultrama-
rinas. *'"*i
SoUeitam-se dispensas matrimomacs e
ijuaesquer outros breves apostlicos conce-
didos em Roma ou pela nunciatura em Lis-
boa, annullaco de ordens, e quaesquer ou-
tras dependencias dos tribun.ias da Santa S.
}i. B.As commissoes sao reguladas pela
praxe desta prara.
Pata os negocios de natureza especial.
como cansas forenses, adininistracao de bens.
olc.j (iti'icii'Iu-si', poJe proceder aoeordo
previo conforme a otitureza do negocio.
Esta casa tem correspondencias Baas em
lodos os pontos do reino, em Inglaterra, no
yaca portogueza, cm Maco hina] reino
do Sio,ilhas dos Acore-; o '.abo-Verde, 1-
ita as propostas quedas provincias do
impeo do Brasil lhe forem leitas por corres-
pondencia cffectiva ou eventual. Na 1110-
dicidade de soas commissoes, na exactidao
de soas contas e no ci edito [gagamente esta-
itel.eido faz consistir toda a garanta de bom
ai olhimento.
Para referencias or.. Lislioa, s casas ban-
carias do Sr. Fortunato Chamico Jnior, e
dos Srs. Fonsecas, Sai.tos . Vianna.
Usboa, 13 do novembro de 1872.
ToT35$000~
E barat.o
Vende-se urna farda e uma blusa de panno
uno .tinda nova, urna espada, um talim e bonet,
pioprio para uUicial di linlia ou de guarda na-
:lonal : quem pois quier comprar, dirija-sc a
"'la tjpographia, a fallar eom o administrador,
tas O horas do dia por diante.
34-
DEPOSITO GERAL
MI
Pharmacia e drogara
DE
BARriIOLOMEU & C
-Ra larga do Rosario-
34
Mais delles.
Aunis elwlr'MMrS.
Daqaelles anneis elcctricos, tao oteu para o
nervoso, e que a Magnolia, ra Duque de Ca-
sias n. *6 tem vendido portjao I e que poi' seren
os nicos verdadeiros, muito tem aproveitado ;
pelo ultimo vapor veio nova remessa : elle* an-
tes que se acabem. Ia 'Magnolia n. 4f, rna Osque
de Casias.
Obras de plianlasia.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxi s n. 50, recebeu un bello sortiinento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, coni dourados c pedras.
Outros de o adrep rola queiniada com bonitos
tnfeites de delicadas flores.
Outros c'c tin 1 dourado cora p ngc les de cores.
Outros encarnados c de bonit s moldes.
Rosetas de fino "dourado com pedras brancas,
Aderecos d madreperola.
Ditos dourados com camapheo preto.
Ditos encornados.
Ditos imitando folbas e flores naturaes.
Ca soletas de madreperola
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras ce ditos pret s com domados.
Pulceiras de tartaruga com domado.
Outras pretas.
Grampos pelos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com (le-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Hotoes dourados e de outras qualidades, para
abortaras e collarinhos.
Novas gollinlias e punhos
bordados.
A loja da Aguia Branca a ra do Duque de
de Caxias n. hO, recebeu novas- gollinhas e pu-
nluis bordados, e outros enfeitados com ntremelos
cbicos; assim como recebeu igualmen e noas
goarniefies de Bravatas com franjas e lacos para
os cabellos, ludo do melhor e mais mod rnos gos
tos.
Bonitos loques.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n, O, recobeu bonit s leques d- perfeita
phantasia, pie o com dourado9, e outros de apu-
rados gosto?"; assim como recebeu ou ros'de na-
deira le* lindos coloridos n > c ntro, e ainda assim ven-
de estes pelo barato preco de i 000 cada un.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia B anca, a ra do Duque de
Caxias 11. 50, r cebeu bonitas garrafnilias de crys-
tal em par com ramagens douradas e niui pro-
prias para arranjos de toilet, etc,
Anneis e colares elctricos
A lo;a d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 30, recebeu nova remessa dos proveilosos an-
neis e colares electrieos, c contina a recebe-Jos
mensalniente, pelo que sempre estar provida de
taes objectos.
Diademas dourados
A loja d*aguia branca ra Duque de Caxias n.
50, recebeu novamente bonitos diademas dourados
e enfeitados com pedras e aljofares, obras de gos-
to e phantasia. Tambem recebeu novos grampos
pretus ou allineles com llores (tara a cabetja^
Leques com bouquets e ou-
tros chinezes.
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu urna pequea quantidade daquelles
bonitos leqaas com bouquets e outros chinezes.
Cold creme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d aguia branca a ra Duque de Casia!
n. 30. recebeu cold creme dos afamados fabrican-
tes I.uliin, Legram e Condray.
Diademas e grampos de
ac.
A loja da aguia branca, a na do Duque du
Casias n. 30, recebeu novamente bonitos diade-
mas e grampos de ac.
Bcos de seda pretos com
flores de cores.
A .loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias recaben, como novid.ide bonitos bfcos de
seda pelos con lloros de cores, sobresahindo Dal-
les o preto com encarnado, e todos inui jiroprio;
para barran e outros enCoites de vestidos de gra-
nadme, ou uiediua, e outras fazends transparen-
tes. Pela commodidade dos pre.os esses bicos tor-
nam-se mai- commodo,s e pela novidade de gosto.
prel'eiiveis a quaesquer outros enfeites.
Yos ou mantiuhas pretas.
A loja da aguia branca, a ra do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou inantiiihas
pretas de seda com llores, e outras a imitaran de
croch, e vende-as pelos baratos procos de 3.
4 e G000. A fazenda boa e est em perfeita
estado, pelo que contina a ter prompta cxlrac-
co._________________________________
ijaUs kmttm se\Utvadis
Be 4&2000 a 55-iMM
o iiiillieii'o.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os nielliores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilhar os pavimentos
lenreas das casas, porquanto, pouco mais Bastan-
do do que os feitos no paiz, sao, seni comparacao
alguma, superiores a estes pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custani. alm disto menos da
dcima parte dos de marmore, j reproyados, e
dos de dillerentes mosaicos, os quaes nao estao
certaniente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vautagem que ha no emprego
destes tijolos para os pavimentos terreo* e casa*
de campo, tem estes ainda a de serem os nicltio-
res e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidade, attento a sua solidez e pouco
Seso, estando mais que provada a conveniencia
e seren assoalhadas as cozinhas toda de tijolo,
e nao s a parte junta ao fogao, no que at as
companhias de seguros se deveriam nteressar.
Vendem se nos armazens de farinha de Tasso Ir:
maos & C, no caes do Apollo.
Para acabar al o fin do mez
RA DO MRQUEZ DE OLINDA
OITR'ORA
Cadeia do Recife n. 53
TenJo o novo proprietario de mudar os artigos deste estabelecimento, desejando li-
quidar at ao lim deste mez, tom resolvido vender por presos muito commodos com o fim
de apurar dinheiro e liquidar vista, pelo que convida aos Illms. Sr. chefes de familia
a virem sortirom-se, pois a eccasiao opportuna, e encontrando um completo sortimento
de chapeos. .
Chapeos de palha de Italia para senhoras e meninas, com enfeites e sem ellas.
ChaiMos de velludo com eufeites. Gorros de velludo .com enfeites. Chapeos de palha
de dilTerentes qualidades, enfeitados, para serrhoras e meninas. Chapeos de palha de Ita-
lia, enfeitados, para montara de campo. Chapeos de palha para homens e meninos, de
dillerentes qualidades. Chapeos de feltro para homem. Chapeos de massa pretos e de
cores, para homens. Chapeos do la para homem e menino. Chapeos altos de pello de seda
para homem.
Bonets de differpntes qualidades, tanto de seda, como de palha de Italia, panno, case-
mira e alpaca, tanto para homem como para menino.
Gorros de seda, velludo, la, tanto para homem como para menino.
E muitos outros artigos que s com a vista pdenlo ser examinados, afianfa-se que
nao engeita-se dinheiro.
DOS LEES
Ra Duque de Caxias n. 29.
0$ proprietarios deste bem montado estabelecimeDto scientificsm o
i'espeitavel publico desta provincia que se achara com um variado e completo sorti
nento de meveis, tanto nacionats como estrangeiros, sendo estes escolhidos por um doi
wsios qi.e se acba actualmente na Europa. O mesrao tem contractado coro os mehore
fabricantes daqaelieconliente as reoiessas das mais ricas mobilias feitas alli.
Na ofEcina tem os mais habis artistas deste genero. por isso peder qae Te-
abara visitar o estabelecimento, aonde cncontraro a realidade do 'jue acabara de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia. carvaiho,
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao Selim, am^rello, etc., etc., gnards
vestido de amareo, guarda lou^a de uogueira e de amarello.com tampo de pedra, apa
radores te d lo dita, peli totlelies especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
c.:, amrello, pedra, secreta'a; da Jacaranda e mognocustnreiras ae mogno, san
toarios, th^ars para bordar, ber?os, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seuf
perences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., & muitos ontros artigos qae detestaos di
mencionar por sobornar enfadonho
Charutos de Havana
fiki|M'rr
no ebcriptorio de Taso Irmoe 4 C, ra do Amo-
rjm n. a7. _______^_^__^___^___
Vende-se, arrenda se ou permuta-se, por.
torras que ?irvainpara )rarrtarcanna,umap;idarii
sita no pateo da felra nopovoaoo dos M ntes; a
tratar com sen proprieanio no mosreo povoado; e
para informa^Cet, oom os Srs. Rocha Lima k Gui-
mares, ra do Bom Jess(outr'ora da Craz}-n.
16, ou com o Sr. Nicoraedes Mar4 Freir, no
'* d ApBlk), n'en* ekla*".
Veude-se dous exc.leates terrenos muito bo;i3
para qaalquer ediflaio'no logar do Arrial, na
ra da Harmona, ten. lo um KPpalmos de largti-
ftque cktrema-aom do te. Dr. ftKcif* (le
Paula SaHw.e eoutro oem tAwU'eciaco ito de
largura, na mesma ru do lado do riachc, pr>-
pno para pllna;5s J apltn oude criilaaer
verdura : a tratar com Rufino Manoel da Cn*
Oorjssetr, era sua railieneik a ru* do tapitiiO
Antonio de Lima, en aoto Asuro o, 36, do em
sua oficina na ra cae He CapibariLe n> 8,
que mettter podwri aaiaraatr aoa pre4dehte#.
Fen4e-se na na d Impera-lor n. 20 um
cabrtoiet aiiericaoo di 4 rodas eam 4 aiswitc-s,
novj e multo elegante
X. i Ra o Cabuga K 4
JOSEPH KRAUSE C.
DE
COMES DE MATTOS, IRM\0S
Nesc importante estabelecimento de primorosas jolas, achara o respehavcl
publico desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
precos, queja existiam no Muzco, que sero vendidas com grande reduec;o
ilc preco, alm dos novos objectos recebidos directamente da Europa, que
se venderao por prego animador, bem como sejam, aderecos de brilhantes.
pulsaras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de dilTerentes pedrarias de
progos; anneis de brilhantes e de esmeraldas, rubina e perolas, e de Kfdm
mais objectos de valor, quepossam ser desojados pelo bom gosto e aprecodas
familias, que sabem dar valor a objectos de primor.
Os proprietarios do Ml'ZEO DE JOIAS; convidara as familias que se
queiram provor de excellentes joias, a virem escolhe-las entre o variado
sortimento dolas, garantilo os proprietarios que serie sinceros para todefl
que se dignarem procurar seu estabelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, o obra
simplesmcnte de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se vendem prego reduzidc,
bem como, relogios de ouro e prata dos raelhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisarem de qualquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MTZEO DE JOIAS, que sero servidos com
atlencao e sinceridade.
BAZAR NACIONAL
Ba da Imperatriz n. 72
de Lourenco Pereira MendesGuimaraes
Declara ao respeitavel pablico que, tendo concluido o consrrto que fez em sen es*
labelecimenlo da roa da Imperatriz n. 72, declara qae o eortio de novas fazends pro-
proprias para a festa do natal, os preces sao os mais baratos possiveis a saber:
LASINHAS A* 120 RS. CORTES DE BRIM A' 1 Vende-se I5asinhas para vestidos a 120 Vende se cortes de brim para calca i
100, 360, 400 e 500 rs. o covado. 1-5500 e 20- 0.
OLINDENSE A 800 RS. MADAPOLO A' U 00.
Vende-se ama nova fazenda de seda e Vonde-se peca de madapolSo a 3-JOO0,
linho, por nome olindense, propria para 405O, 5M)00, 6-f000 e 8f$000.
640 e 800 vestidos, a 800 rs. o covado. chapeos de paliia a 5/000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS Veide-se chapos de palha, de feltro e
Vende-se alpacas de cores, lisas e lavra- de castor, p?ra humeas e meninos, a 2|,
dai, para vestidos de senhora, \ 440, 500, 2(550',', 30 e 40000.
rs. o covado.
BAPTISTaS A 500 RS.
Vende-se orna Buva fazenla por nome
baptisus, para vestido!, a 500 rs. o co
vado.
SOTANAS A 6i0 RS.
Vende-se nma nova fazenda de 13 e seda
por come setanas, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 HS.
Vende-se orna nova fazenda lisa, por nome
phantasia, para vestidos, a 800 o covado.
Fnsto braaco a 3 SO rs.
Vende-se faslSo brznco e de cores, para
vestidos, de nabor, a 320 e 400 rs^o co-
vado.
CHITAS FRANCEZAS A iO RS.
Vende-se chitas francezas escuras e cia-
ras, a 240. 280, 30 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 1-5600.
ALG0D0 A' 40000,
Vende-se pecas de algodo americano,
4,50if, 56000 e 60000.
BOTINAS PARA SENHORAS A 50000.
Vende-se bolinas para senbora, a 50COO
e 50500.
CMBRALAS A 30000
Vcnde-se pecas de cambraias lisas para
vestidos, a 30OGO 40000 e 50^00.
CAMISAS BRANCAS A 2000.
Vii;de se camisas braceas a 205CO e 20.
Dilas de linbo a 30, 30510, 40000 e
50000.
Paitad de panno preto a 55000, 70000
e 80000. Patots de casemira de cores, a
40, 50COO e 80000.
SAPATOS DE TRANCA A 10*00.
Vende-se sapatos de tranca e tapete, para
horneas e sentoras, a 10500, 18(.0 e 20.
Vende-se bramante com 10 'palmos ! HS" de cwmra pr6t0S a2*300'3*e
largura, proprio para lencoes, a 10600,
e 20200 o metro. V
Crosdcnaples preto a 8OQO
Vende-se prosdenaple preto a 20000,
0500, 30500 e 53000 o covado.
PANNO PRETO A 1*500.
Vende-;e panno preto para caigas e p;-
litot, a 10500, 20500, 30(00,
50000 o cotado.
305(0.
CHALES A' 8C0 RS.
Vende-se chales de la cem quadr>s e is-
tras, a 800 rs. e 10000. dilos de aori&
estampados, a 20000, 30500, 40 e 50000.
E outras minias fazends que fe vende
sem reserva de preco. na loja do barateiro
40OOe'Bazar Nacional.Roa da Imperatriz. D.
72.
DE
Cabugr-N. 2 A
N. 2 ARa
DE
II VilUO* ii 1'ILUO
Achandc-se completamente reformado este estabelecimento, e
tendo os seus proprietarios feito uma importante acquisii.o de
ioas as mais modernas viudas ao mercado, c de qualidades superio-
res, convidara ao respeitavel publico a fazer uma visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar uma joia de gosto por
preco razoave"

z
tst-Jn'^-Jii^i
r
%fa* E lgico!
A cosinha, a dispensa, os a-
paradores e a mesa.
llorosa ctiiiculiua.
Contra panw, Narrias e mancha
da pelle
Belleza lo rosto e brilho da
cutis.
Vende-se na loja doe Sr. Sa Leito, tou,..-.... &
C : fu, do Duque de Caxiaa a 46.
Pernarabuco.
CARNAVAL!
Birraeha para linas.
Vende-se borracha d prhneiva quaiidade para
luas de rheiro, nos seguintes logares : aa phar-
tnaeia Ceaual roa o lrneior n: 38, na mes-
tt roaa.1 e a |ateo a matrii de Santo A-
tonio a. i, por yrey) raxo&vel
nico deposito para o Brasil,'Bartholomeu
14 C, ra Larga do Rosario n.' 94
' ^k. SEGREDO' TBfNSXDTT' CELERTT}
Obtem-se com o uso
DA
INJECCO SHOST
nica, hygienica, radical e infallivol na cu-
ra das gonomeas, flores brancas c Husos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
o* moradores do Poco da Panella e seussubur- oflterece como Barantadesalutaresresltados
bios necessanamente devem receber em sua* ca- ronl;nnaa -nnli-ario me semnre com a
sas algumas vistas na vespera e dia da festa uXa >nuaaa appiKagao que sempre com a
padroeira daqnella freguezia e por isso preciso maior vantagem se tem feito ella r.os bos-
que de antcmao se faga urna grande revolucSo pitaes de Pars*.
a-jgmentandV), sortindo e recheiando a cozinna,
a dispensa, o i aparadores e a mesa (j se sabe,
can. iguarias gratas ao paladar) sem o que nao
se pode passar um dia folgazao e regalado.
Queris que principie a vos indicar um meio
fcil para conseguirdes o fim a qne vos devels
propor para transformares, augmentares, sorre ^ A LUuUA Vil UUliU
e recheiares as vossas coxinhas, dispeasas; apa- &* k ___ j tmtn^futr
radorese mesas? nada mais fcil... A r*J,a *,tt ?peP
n. ofi
Acaba de receber de conta propM
pelo ultimo vapor da Europa, um com-
pleto sortimouto de objectos tk pria
oe mais liados que tem vjnde a este mer-
cado, sendo os segnintes : adsrecjw-fle
fila-raDoa, obra de apurado fasto,wl-
tas, brincos, rozetas, salvas, felopos,
palhitotfos, coilieros etc. etc., pelos pre-
qos mais resumidos possivlis. Assim
coma um completo sortimento de obras
de turo : armis da brilhaDtes, mims.
OX adretos etc. e tarabea sem brilhentes.
mmm
JARKOS
oa tripas e dobmla de
lis om: ro rmazem
ra do Amona n. 37.
varea teftleza a
de Tarto Irmao?
44000
ft-C,
Ide a ra do Imperador n. ,
onde vires uma casa com a fren-
te pintada de encarnado, tendo um lampeao pen-
flurado, cujo letreiro se l o seguate : Coafei-
taria do Campos.
ella I... ella I... ella....
Ahi deve-se entrar e encommendar para cada
casa o seguinte:
! Fiambre preparado.
1 Bolo inglez.
i Tao-de-l.
i Pudin de pao, arroz ou tapioca.
I empada de camar" ou gallinha.
1 Torta de fracta.
iOO pastis diversos.
1 Per assado no forno.
1 Peixe idem dem.
1 Gatheam d la reine.
Vinhos, cemjaR. Itoores, boiachialias, b para cha, eh verde sapern, passas, fi^e. aawi-
xas a tudo mais que mesmo impossivel lera-
brr:
S nella, s nella.
Na confeitaria do Campos.
-----------------1--------------. ,
CHAPEIEBIE DES DAMES
16-Rua ilujlarii da Vieloria16
.. eMc ostabelecimento acaba decliegar grande novidade como seja : cha]>elias de pdha e de
gorgurao ricamente enfeitadas, chapos de pallu. de Italia formas as mais modernas, grande sorii-
mento de chapeos, cbapelinas para luto e tambem as muito procuradas mcias ehapelmas Je que
Ipavia tanta falta no mercado. Recebeu tambem diademas de ac e de metal dourado e graQde sor-
timento de borboletas e flores de metal dourado cm grampos que vende de 2* at \il o par, portanio
pedimos as Exmas senhoras que queiram visitar nosso estabelecimento que nellc encontrarao muitos
objecto de gosto.
A

Machinas para limas.
Vende-se ptima?, e muft.coHveaintes para o
fabrico das mesmas : na pharmaeia de Perreira
& C., ra larga do Rosario n. 10, e na praca da
Conde "Eu n. 19, casa do Sr. Antonio M. M. Per-
reir.
a peca.
vmGtts^ o. a% Joja- d; GntJaciw-.C. d*
Caaha &^.

-se
duas caas terreas por preco commoclo, e alguna
bol terreaofl plantados com capia M planta,
tudo no Porto da nadeira em Bebente, i tratar
com Tasso Irmftts & C.
Samuel Power Johns-
ton & C.
la do Apollo n. 38 e 40
Fawm atieste aos seu fregueze que u en:
Dudado o sea deposito de machinas a va-
por, moendas e laxas da amito- acreditada
Mrlea de LowMoor para roa do Apollo u.
88 e W, onde eootmuam a ter o tr.esmo sor-
tmenlo do eostooM.
Farsm setetue tamUm que team feito nm
arranjo coma Tund; pslo qne no-
dM> of^rferw par* seaiar rolcrier
macninismo e roemo garant lo.
Os proprietarios da lcndieao geral la:em
soientos aos seobores de engenho e mais
pes&oaa, qu teem eatabelacido oro (ondi-
50 de ferro e brouze a ra do Broro, jno-
to a esucj dos bood, eB-le aprontara
qualqasr obra da eaoomaaia o K perfei- "-"
cjlo e proajptidao.
Os mesnws ragam a pessoan qc
ratp oliaar se de seos serviros d-' eia-
rem ai eneoamietda* ai easa te Sr. 9a
rauel Power Jobnsioa di O a tu do Apol-
:\
lo n. 38l e 40, oode achata pa?sea
tadactre v enitd*r
AiiDireltac Dar fa^ri^r assncar. ^o vstema.
**V ^ WSTON ENTREPGAL
nico agente em Pem^mhu'o a facdlcao per
Para tratar um ?ou fscriptorin a ioa do Apojlo a. e iu.
* M


8
Diario de Pernambuco TerQa fera 4 de Fevereiro de 1873.
s*\

JURISPRUDENCIA
Parecer ! conNeflio de estado
sobre eoneeoafto de estrada*
de ferro.
T.onduso)
te escandaloso abuso nao ha tanto a
deplorar a i inmoral idade .h espfculaco,
como o descrdito para a- .usinas empro-
/ is, quo por nutro molo di.naoieiito so re-
commcudariain aos cnpitaes quo tanto ha
mister attraiiir para ellas.
Devenios concluir: A le de 26'de jnnho
lo lS.r2 li\a a oonipotencia exclusiva do po-
der legislativo quairto pprovncao termi-
nante sobre a conveniencia las lindas for-
reas proyectadas, e opportunidado de taes
empresas, e com sujeico esta appro-
yacto nutorisa o governo gerrl a tratar sobre
as bases que estato.a mesan Ici. Implci-
tamente pela loi sao considerados habis para
estes contratos as ompanhia-, o nao as fir-
mas individuaos ou collectivas.
-So no explcita exclusu dests, prepon-
derante a razo para que o gnomo ponha a
maior reserva de tratar com ollas.
Portanto : s ao governo goral compete a
uiitorisaco para construcro de caminhos
de ferro, depeudendo da .app-rovaro do p >-
legislativo. Os poderos provinciaes nao
tem em caso algum corapctei cia |wra a con-
lo de vins frreas, o inda para autori-
zar contratos di prorongam.-utos o ramaes,
embora se limiten) mesina provincia.
Julgam as saetee ter assi n cumplido a
orden de V. "1. Imperial, jue resolver o
pie Ibr mais acorta [o.
Sala das onforoueias dassoc(;os reunidos
dos negocios da ustin e do imperio do con-
Selho de estado em 30 de setemhro de 1872.
los Thomaz Malucodi'A Hiujo. Humo
das Ti e-i Barras.Y monde de Sapucahy.
Bernardo de Souza Franco. V-isconde
I Pfegreiros'Sayo Lobato.
Como parece maioria das secres.
Pago em 11 de Janeiro do 1873.Coma
rubrica de S. M. o Imperador.Francisco
Reg Barros llar reto.
VARIEDME
COM ESTBUSIAS.MO.-For occasio da
votacao da assembla franeeza, no mez pas-
sado, na qual a direita se inostrou hostil a
Hp, Tbiers. alguus polticos promoveram
represontacdes pedindo a dissoluco da as-
sembla.
Um dos mais exaltados radicaos, c que,
com maior vivacidade se prontiueiou favo-
ravel esquerda da cmara, foi o cidado
!)'! iliaie, fabricante de luvas, com loja no
bonlcvayd de Strasbourgo ( Paris).
Na \i Iraca da loja collocou a seguinte
iascripcio: .
l'et cao para por fra OS VOO tratantes.
lSi gna-se na loja.
Constando isso polica, o oommissario
Im districto se apresentou na loja s 8 horas
da noite, mas a sua visita foi repellida pelo
itidadio Delahaie; o qual de revolwer em
punho, dizia:
Sai, ou foco fogo : o Sr. nao tem dire-
to de penetrar no meu domicilio a esta
hora. >>
O commissario retirou-se, porm, no dia
oodiato voltou, com a sua facha e com
tres agentes, -o ento prenden o luvciro e
Ihe approhendeu o rfivolwer, que esta va
(arrogado com os seis cartuchos que poda
eotiter.
!'oi assim que o cidado referido arranjou
.ioi processo por ulttages assembla na-
cional c por ter resistido a um agente da au-
tori i i le com armas.
Po interrogatorio o cidado Delahaie de-
i i ser antigo militar, temlo-se alistado
voluntariamente no exercito em 13 de uo-
vei ibro de 18+6 e servido seto annos, suc-
i mi\amonte em hussares, e em infautara
(ie9. "Nesle ultimo, accreseenta elle,
i -lava em Affi a, servi por me terem
para l' mandado, em consequeuca do rao
baver tfomettido na elejro de .Mr. Eugu-
io Suc. D'alli passr en cabo de es-
I ladra para a companhia disciplinar, sabi-
no da lileira em 13 de novemhro de 1853,
com 'testado de boa conducta.
-t------------;------------------------------------------
A avor do reo depo Mr. Jouquires,
capitn do artilharia da guarda nacional, o
qual attesta que conhece Delahaie ha mais
fie vate" annos; quo era um bravo e honra-
do hoinem. Que fuera parte da bateria
que ellecommandaraj; sendo muito assiduo
lias manobras e bom soldado. Que na de-
fa do forte"da Briclia, fJra o reo um dos
irimoiros quo se apresentou. Que orea
tra cita lo'como exemplo a seus cantaradas.
* Ou.ras -tcstcinunhas depera igualmente
por forma mui favoravel ao reo.
.Todava o tribunal foi condemnando o
pobre diabo em dois annos de cadeia e du-
zentos francos do multa I
MAU SUJEITO.-O tribunal criminal do
Sena, em scsso de 29 de dozeinbro, cou-
demnou a trabalhos pblicos perpetuos um
malva lo que matara a mulhor com quem
era casado ha pouco mais de um anuo, dan-
do-lhe dezesete picadas com urna navalha
pilllli: 1.
A mulhor, em resultado de ser brutal-
mente maltratada, pelo marido, homem
muito dado ao vlnho o marftlrio, e de lhe
pande
gas uns
dois
mil
da
gaver dissipa lo 0n
francos, que ella possuia, retirara-se
companhia de to mau esposo.
Kilo encontrando-a n'uma casa onde a
mulher ia comer, alacou-a, ferindo-a pelo
modo que j dissomos.
AOS ARMADORES K CA1MTAES DE NA-
VIOS.0 Board of Tradet Londres, em
circular de lude novemhro lindo, partiei-
pou haverem alli sido alterados varios sig-
naos anligos c ad litados muito de novo no
co ligo commercial de signaos para uso in-
ternacional. Estes additamentos e altera-
res, que jd se acham publicados, sao mui
mportantes e o sea conhecimento indis-
pensavel a quem possuir o dito cdigo, o
qual sem isso fica imcompleto, podeudo
mesmo induzir a erro grave as communica-
t; jes por meio doli foitas I
LIBERDADE \)E IMPRENSA.O goveo
no prussiano fez constar a todas as foihas pe-
ridicas alleni polonezas da provincia de
Posen, que se se dsso o fado de transcreve-
rem a passagem da allocueo do Papa refe-
rente Allemauha, seriam i inmediata mente
confiscados os nmeros emque isso se estam-
passe.
Somonte um resisti, e foi a Allemanlu
Oriental. Traduzio a passagem da iaterdic-
ffio o escrevou que se guiava pela sua opi-
aio e no^pela opinio da polica.
.IMIVS FRREAS INGJ.EZAS.Foi re-
centemente publicada a estatistica annual das
linhas forreas da Inglaterra com referencia
ao anuo de 1871.
O rendimento bruto nos ltimos dous an-
nos tinha sido :
1871........ Ib. 48,892,870
1870........ Ib. 45,078,143
Augmento..
POLHETIM"
a muk l mmn
PELO .
VISCOHDE PONSON D TERRAIL.
SEGUNDA PARTE
A ereoiila,,
fContinuacao do n.^2<).
IX
0 sonlior de Nossac, pelo indolente aban-
dono com que a creoula-se encostou ao seu
brago, comprebendeu que ti fia alcanzado
um principio do victoria e contiiiuou :
Alm dsso, meu joven amigo, maif-
dar-lhe-hei da,r pistolas para sua seguranza
pessoal.
Heitor ia sem duvida recusar.
Econtinuou o baro um cavallo
qu.; nao tenha bocea muito sensivel.
Heitor fez um movimento do impaciencia
e franzio o sobr'olho.
Porque, como cavalleiro novigo, bem
. que atrevido, corta a bocea do cavallo que
monta.
Dessa vez a fronte de Ueilor ruborisou-
se, mas o mancebo calou-se, oontentando-se
com lancar um furtivo olhar creoula, sem
duvida para com a sua vista cobrar animo.
Mas a creoula caminhava com os olhos i-
tos no chao, e o barfio prosigui :
Ser alm disso urna garanta para a
ternura quasi maternal desta sonhora que ha
pouco se assustava de o vor4 montar um ca-
vallo fogoso.
0 golpe era directo e decisivo, a creoula
mordeu os labios e respendeu com secura :
Segundo o senhor baro, vejo que o meu jovem primo
um cavalleiro se nao sabio, ao menos atre-
vido, como em certos casos a audacia
vale a sabedoria, seria na verdade pueril e
ridiculo desgosta-lo nos seus dizeres.
Ueitor comprehendeu sem duvida toda a
v antagom que essas palavras pronunciadas
indolentemente eem tom prctector dvam
ao senhor de Nossvic, o ou por calculo ou
por despeitofico atraz atando um nodo
seu gibo, preferindo abandonar por um.
momento a partida a perde-hi sem appella-
9*o.
,4? auhor di Nossac e a creoula cami-
lb. 3,814,727
A extenso las linhas inglezas era :
1870......... 15,376 mimas
1871......... 15,537
D'onde se segu que o rendimento por
ud I ha foi em :
1870............... Ib. 2,794
1871............... Ib. 3,003
Em 1871 foi:
A despeza das linhas.. Ib. 23,152,860
A receita liquida....... Ib. 25,739,920
Em 1870 foi:
A despeza......... Ib. 21,715,525
A receita liquida. Ib. 23,362,618
0 capital dispendido nestas linhas de
Ib. 553,600,000, o portanto o rendimento
liquido correspondo a um juro de 4,65 .,.
Este juro era em 1867 de 3,91 "/ '
SERPENTES DO MAR. Todos sabom
que tem sido ponto muito debatido entre os
zologos a existencia ou nao existencia da
serpentc do mar. Uns queriam dar crdito
ao testemunho de dilerentes navegantes que
lijo afirmado terem visto rnonstros mari-
nos dessa aatureza ; outros objectam que a
csses testemunhos se nao pode prestar crdi-
to, por varios motivos.
Por occasio do commandante do un na-
vio mercante de Liverpool ter dito que en-
contrara no Ocano Pacifico um dos taes bi-
nharam al ao castollo sem dizerem pala-
vra, mas o baro senta sempre a ligeira
presso do braco della contra o seu e cami-
nhava vagarosamente para prolongar essa
tonsac&o.
Chegaram assim sala do jantar onde os
espera va o m3rquez.
Olha c, Nossac disse-lhe este vea-
do-os entrarparece que a ta matilha est
completamente dosorganisada.
Ora!
Oque tens, o muito, doze caos va-
lidos.
Bem osei.
0 que apenas nos permitte corrermos
um javali novo.
^Julgas isso ?
Tenho essa certeza.
Pois bem I eu vou fazer frente a um
javali fomea e mata-lo no seu forte s fa-
cadas.
Louco Idisse o marquez.
Senhorarriscou a creoula bem
imprudente I
Devers ?
Mui perigoso...' -
Naodisse-lhe elle era voz baixa
se eu sentir o seu olhar fito em mim no mo-
mento decisivo.
A creoula,baixou os olhos e corou.
Bompensou Nossacj me ama.
Nesse momento entrou Heitor.
Senhor baro disse .elle resoluta-
mente, refleCtindo bemnao-quero pisto-
las.
E porque ?
Porque o senhor baro as nao levar.
E' s por isso ?
Sem duvida.
E como eu... quer... ? /
Matar o javali s facadas disse elle
resolutamente.
A creoula ergueu a cabeca e olhou para
ello coin upa satisfacto e um iraporceptivel
in-adiamento de alegra, que n3o escaparam
ao senhor de Nossac.
Heitor garihava terreno.
tleu carodisse com frieza o senhor
de Nossac mal feito isso que quer fa-
zer.
Mal, porque ?
Porque poe em grave risco a minha
viia.
Con
De ama rnaneira muito simple*
charcos, suscitou-se, controversia entre ai-
gumas sociedades sciontificas de Londres :
fado este que nao vai louge a dala em quo
saccedeu.
ltimamente appareceu em alguns peri-
dicos inglezes copiada urna carta, que de
corto nao apoeripha, e na qnal se relata
miudamente o encontr de urna formidavel
sorpente marinha. [ ;-
A carta exprimo-se nostes termos :
Itelaco do capito A. Hassel, da barca
Saint Olaf. em viagem de New-Port para
llalvoston, Texas :Dous dias antes da in-
nha chegada a Galveston, em 13 de novem-
hro do presente auno, s i e 30 minutos da
tarde, latitude 26# 51', longitude 19 20',
brisa sunve e mar tranquillo, descobri a pe-
quea distancia do meu navio um bando de
tabardos, que nadavam apressadamente pelo
mar fra.
Dous minutos aps, um dos marinhei-
roschamou a minhf attenco para urna
grande mancha vermolha ; e, estando eu
observando aquelle inesperado phenomeno,
vi quo se acercava do meu navio urna enor-
me serpete, ora fluctuando superficie, ora
oceultaado se da flor d'agua, e logo dando
saltos immensos.
Estava a uns duzeutos pes do meu na-
vio, e por isso pudo observa-la detidamente,
porque chegou a aproximar-so muito mais.
Man le arrojar arpes para dar-lhe ca?a :
baldado empeaho, pois que em seguida des-
appareceu por entro as aguas.
Teria setenta ps de comprimento por
seis de dimetro : sendo todo o corpo da
mesma grossura-, cscepso da cabeca da
cauda. A pelle tinha cor esverdeada, com
grandes manchas brancas e negras.
L'm dos tripolanles desenhou o esbozo
que rometto junto.A. Hassel, contra-mes-
tro da barca noruegueza Saint Olaf.
E" mais um testemunho, sobre o valor do
qual lita aborta nova discusso entre os ho-
rneas de sciencia e os demais apaixonados
dessa sorte do investigaces.
t.M AMBICIOSO.Bem certo o ditodo,
que cada louco com sua mama. A toda a
hora se deparam exemplos disto.
Aqu vai um.
Tinha j os seus cincoenta e nove annos o
Sr. G., o qual resida na ra Gnie 'Paris),
mas ajada assim a ambico de possuir esta-
va to vivax, como se onjasse apenas pelos
trinta.
Imaginara que um amigo lhe legava gros
sa maquia. Esse amigo morreu. Tratava,
pois, de abrir o testamento, e G. foi convi-
dado a assistr ao. acto.
Mas a que estado lhe ficou o animo redo-
lido, nao ouvindo ler o seu nome suno
r da White Star Lme, oBaltic, que ia de
iverpool para New-York na sexta-feira 13
de novembro, r^re o seguinte : -Tenho o
prazer de participar a v. a feliz chegada do
[vapor Baltic a este porto (New-York) na
terca-feira 12 de novembro s 3 h. e 40 m.,
depois de urna das mais trabalhosas viagens
que tenho feto atravas d Atlntico. Deixa-
mos Queenstoweircom um nbrdosto que du-
rou at sabbado de manh ; ti vemos depois
casso vento de sudoeste e de oeste at
meia noite de domingo, 17 de novembro.
Passou ento para su! o augmentou com
grande-forca, descendo o barmetro rpida-
mente, e pelas 8 h. da nianh na segunda-
fera, 8 de novembro, soprava urna brisa
pesada, que foi crescendo atao meio dia.
Desdo o meio dia at a meia noite soprou
um perfeitb furac,o. A fo"n;a do vento
era terrivel e posso dizer francamente que
nunca atravessei urna brisa mais pesada em
todos os 30 anuos que tenho vivido no mar.
As 5 da tarde d segunda-feira o barmetro
tinha descidoa 28.5.30, e s 6 cumecou a
subir. O mar cmquanto durou a brisa es-
tove assustador, e pensei que seria knpos-
sivel para o navio atraxessar urna tal.brisa
o semelhaute mar sem soffrer alguma averia
seria ; mas tenho o orgulho de dizer que o
Baltic justilicou a boa opinio que eu fazia
d'elle, e posso assegurar a v. que o seu
comportainento durante a brisa foi realmen-
te, admiravcl, os seus constructores assim
Cpino os seus proprietarios pudem bem estar
ufanos com elle. Na terca-fera de manh
o mar e o vento acalmaram muito e tive-
mos tempo mais moderado at qiiarta-feira
20 de ih vembro s 8 h. quaudo o vento
augmentou rpidamente al urna forte brisa.
A's 12 e 30 m. da tardo avistamos um
navio com signal de neccessidade de soccor-
ro, fugindo, e aproximando-nos d'elle adia-
mos ser o navio britnico Assyria de New-
Castle saido de Quebec com destino a Ply-
mouth com carregamento de madeira. An-
dar clieio de agua desde segunda-feira.
Toda a tripolaco tinha estado dous dias
as enxarcias, e tenho a elicidade de dizer
que conseguimos salvar- da morte toda a
tripolago19 homens, (o capitao, 2 olli-
ciaesel6 marinheiros; iipezar de soprar
urna brisa impetuosa estando ao mesmo tem-
po o mar amito encapellado. Esta brisa
durou at a meia noito, c doscendo depois
to repentinamente como se ta ha levanta-
do.
Urna generosa subscripto de Ib. 85 lOs
6 d. foi promovida na primeira cmara em
beneficio da tripolaco dos escalores e dos
homens do navio naufragado, do mal aven-
turado Assyria. -
Tivemos ento um tempo moderado at
Ento cliega igreja um mensageiro, urna letra, e Amaury quii que lhe aceitasse
trazendo urna bandeja com muitas flores ar- outra de quatrocentos francos. O motivo
ifii iaes. Por entre as flores esteva um co- des^ n0va exigencia era, me dizia elle, por-
ver o que elle
que
fresinho. Todos desejam
contm. Abr-se.
O que continha ? Ah pobre noiva
te havam burlado e escarnecido I
Urna ecrti lo de idade da noiva, urna
conta do dois dentes postcos, que poucos
dias antes tinliam dalo entrada na bocea da
prctendente modo rapazs e, outra coisa
anda peior, urna carta de urna joven se-
nhora com quem o noivo emprehendera
viagem para New-Tork, cj lia por esses
mares fra.
Os convidados, que estavam em jejum,
3u as dilliculdades se mukiplicavam cada
ia. Eram numerosos os meus inimigos, e
pelos nomos que me referia, todos elles meus
visinhos, malficos e encarnizados contra
mim. S< '
Como eu continuasse sempre com asmi-
nhas clicas e elle me aflirmava que depois
de suas mgicas operaooes. o meu signo
seria decomposto e substituido pelo do meu
peior inimigo, que nao tardarla que mor-
resse, aaaui anda em firmara letra de qua-
, trocentos franeos. %.
Por algum tempo nao vi aquelle ndivi-
afiaan lo o appetite para um soborbo anoi;o jUOf, com effeito durante tres semanas me
que os esperava, ficaram porm s por. esta aci,ej um p0UC0 melhor das minhas clicas.
causa desapontados, porque tiveram de re- fflo se ao certo so sso foi por effeito natu-
tirar-se sem tocar as iguarias o bellos vi- ra|f 0 p0r ofTeto das bruxarias. O mal vol-
nhos generosos, com que os seus paladares tou ao autgo estado e eu comece a descon-
e estmagos deviam ser regalados. fiar.
. Torne a ver Amaury e lhe dei a enten-
RECONCILIAQAO.Conta um jornal pro- der as miabas deseonfiaiiQas ; porm elle
aciano francez, que a ex-rainha Izabol fez tornou a fallar-mc do grao inestre.da minha
ama visita de dois dias. ao palacio de Ran- assgnatura e de tantos trabalhos sobrenatu-
para designar urna insignificancia, que va- ao meio dia dequinta-feira, 21 de aovem-
ler dous caraces
Nao quiz acabar de ouvir o resto da lei-
tura, e parti em direceo a sua casa. W
que ahi se passou em pouco tempo, lamen-
ta vel.
0 desgranado, que andar espera de
sapatos de defuntos, nao quiz andar o resto
da vida descalco, e, como um desgranado
digno de desprezo, se enforcou ; coroando
toda aquella miseria com um bilhete em que
declarou a causa do suicidio !
UM BEIJO CARO.Perante o magistra-
do judicial de Leicester compareceu um ra-
pazotc, William Hutchinson, acensado de ter
dado um beijo n'uma rapariga, contra von-
de della.
0 rapaz encontrou na ra a tal menina e
deu-lhe na Ueta bejar as rosadinhas, bo-
chechas, que iam emmolduradasn'um cha-'
pellinbo e n'uns cabellinhos louros, que
eram mesmo urna belleza.
A menina resisti, quebrou a sombrinha e
licou com algum damno nos vestidos ; fra-
cassos que sobrevieram, repellindo ella o
o usado mancebo.
0 tribunal coudemnou o rapazote na mul-
ta de dous guineos, e na falta de pagamento
em dous mozos de cadeia.
Ora torno l o menino William a repetir
brincadeiras daquella especie e saber quan-
to mais caro lhe custar a gracinha.
TRABALHOS NO MAR.Do extracto do
Liverpool weeJcly Mercury de sabbado 14
de dezembro de 1872 copiamos o seguinte :
O capito Charles W. Keunedy, do va-
i vento foram gradualmente acai-
bro, quando o barmetro desceu mu rpi-
damente, e pelas 2 horas da tarde soprava
urna brisa fresca e o mar estava muito gros-
so ; esta brisa durou at as 4 horas da ma-
nh, de sexta-feira, 22 de novembro o ento
o mar
maudo.
O sitio do naufragio o seguinte :Lati-
tude 48 23' norte e long. 39' 12' oeste por
observaco.
Como depois tivemos muitas refregas de
ventos rigorosos, sinto dizer, que pela pri-
meira vez o Baltic, fez urna demorada via-
gem.
quera fazer, obrigar-me;ha a abafa-lo entre
os bracos como se faz a um cabrito.
Dessa vez a victoria era certa.
Heitor, apezar de atrevido, estremeceu
involuntariamente e nao se atreveu a res-
ponder :
Quero iraita-lo l
Corroo a cabera, corou e ctou-se.
A creoula sento um violento despeito
sem duvida, porque disse em tom meio in-
dulgente, meio irnico :
Nao generoso, senhor baro, em
conduzir meu joven primo a semelhaute
terreno... elle muito dbil... muito deli-
cado...
Heitor abri a bocea, sem duvida para
responder urna impertinencia que o podosse
vingar da superiorulade do baro, mas um
ohar furtivo da creoula obrigou-o a con-
servarle calado.
0 senhor de Nossac triumphava.
F'oi generoso, levou a conversa para um
terreno neutro, e nelle manteve durante
todo o almocp.
X
As onze horas em ponto montavam os ca-
ladores a cavallo.
Trouxerara creoula urna soberba egua
branca, com urna estrella na frente ; urna
egua vigorosa, fogosa, de msculos de ac,o,
que nenhum muro ou fosso obligara a
parar. ..
Sonhora disse-lhe o baro se eu
nao tivesse sorprendido o brilho do seu olhar,
uo me teria tal vez atrevido a offerecer-lhe
semelhaute animal; mas possue, ao mesmo
tempo, o atrevimento que tudo ousa e a von-
tade qe domina. Pode montar, senhor a.
E o baro, nitacodoscavdUeiros'da
idade media, -offereceu a sua mo esquerda
creoula e collocou o joelho direito sob
o seu p, maneira de estribo.
A creoula poiisou apenas a extremidade
desse pequeo peno callao de pelle de gamo
do baro esaltou ligeiramente para a sella,
com a graca e sangue fri de urna hbil
amazona.
0 baro iuclinou-se o dirigio-se para Hei-
tor, que, com a fronte anuviada, apertava
0 cabo do seu chicote e admira va, mo gra-
do seu, o elegante grupo formado-por tres
cavallos, apparelhados, seguros i mo, e
escarvando o chao com generosa impacien-
cia.
Eram tonos tres da mesma marca, ma
no
dia
moiiia realisar-se em Whitochapol,
de Natal.
Chegou o almejado dia 'pela noiva) e
ella ahi vai toda enfeitada e vistosa, alegre
esatisfeta, na espectativa de todas as ventu-
ras matrimoniaes.
i Estava aprasada a hora, que era as dez
da manh.
A noiva era acompanhada por muitas pes-
soas de suas relaces.
Falta va, porm, o noivo; Ksperaram,
esperaram, de forma que j se aproxima-
ra o meio dia.
tejtfar Jiatar o javali como ou primeiro o e e o terceiro alazo.
Mas eram to bellos de formas, sacudala
to orgulhosamente a cabeca, babavam to
nobremente o seu freio, que se hesitara em
dar a preferencia a algum.
i Meu joven amigodisse o baro eis
aqui tres cavallos da mesma idade, da mes-
ma raga e do mesmo sangue. Escolha
aquelle que lhe agradar.
Heitor, altivo, ao mesmo tempo humilha-
do e alegre por o baro -revogar a sua pri-
meira deciso, dando-lhe um cavallo da sua
escolha e nao um cavallo estragado ; hum-
lhado, porque essa nova deciso se asseme-
lhava a uin perdo, examinou alternativa-
mente ada um dos cavallos, hesitou du-
rante alguns minutos, afinal decidio-se
pelo alazo, cujas pernas lhe pareceram mais
delgadas e nervosas, e as juntas mais finas
e ossosas.
Meu caro amigodisse fleugmaticamen-
te o'baro, depois de Heitor ter feito a sua
escolhaacaba de escolher o meu cavallo
mais fogoso, mas ao mesmo tempo o mais
vicioso. 0 acaso serve-o. perfeitamente.
Smecte, acautele-se com urna cousa.
Qual ? perguntou Heitor com al-
tivez.
Nao d a sua primeira queda em sitio
muito escarpado ; impossbilitar-nos-hia de
o procurarmos e de lhe darmos os cuidados
necesserios.
7 Nao cahirei.
Est certo disso ?
Oh 1 ve-lo-hadisse Heitor, montando
e aperlando orgulhosamente entre os joe-
lhos os flancos do seu cavallo.
Senhora e senhores, a caminho 1 Em
quanto almocamos, avistou-se um magnifi-
co javali "feme, alto, magro, com cria, e
que dava que fazer aos caes.
Seeu o nao esganar...disse o baro.
Os cagadores partiram.
0 senhor de Simiano, que era o nico que
conhecia perfeitamente o paiz, tomou a dian-
teira, o os quatro cacadores largaram a tro-
te pira o ponto de reunio da cacada, que
estava fixado a urna legua d'alli, em urna
clareira, no fundo doum vale, e no meio
de gigantescas florestas, cortadas de longe a
longe por um lameiro, um rogato ou um
tanque.
0 monteiro do baro estava no lugar da
reunio com os criados de caes e a roafi
lhj.
A cacada comecou;
dan onde est habitando toda a familia
Montpensicr.
Esta visita da ex-rainha sua irin, a du-
qtioza de Montpensier, denota urna reconci-
haco entre as duas manas, quo estavam
to desavindas por causa da revolueo de
setemhro, quo destlaonou a mana irais ve-
llia ; revoluc/io em que o duque tamanho
quinho teve como so assegurou.
BELLA CIDADE...Coula a poca de
Madrid queom Barcelona, indo para sua ca-
sa um sujeito com sua mulhor, tres ladros
os assaltaram, pe din lo-lhesdinheiro.
O marido puchoa um revolwer e dispa-
rou dois tiros. Os ladros fugiram ; po-
rm, quando procurava sua mulher a vio
estendida no chao. Esteva morte. L'm
dos ladros jogara-Iho cerleiro golpe ao co-
raco com urna cockilla.
K' magnifico viver n'uma cidado... to
amena e bem policiada.
UM NORMANDO LUDIBRIADO.-A his-
toria de que foi victima um normando e que
perante o tribunal correccional de Kvreux se
poz em pratos limpos, chistosa. Os nor-
mandos tedin presumpees de ser ardilosos,
sagazes, fiaorios, muito difliceis portanto de
se deixarem engaar e escarnecer. Como
pot'm nao ha regia sem excepyo, aqui te-
mos um normando, o qual na qualidade de
queixoso e levando aa testa estampado um
T bem avantajado, toma lugar n'uma au-
diencia criminal. E' o to Lamy,_ to hon-
rado como nescio camponez.
Chegado ao ponto de ser o tribunal Ilus-
trado com a exposicao do queixoso, expe
elle com sinceridade verdaderamente infan-
til tudo quanto lhe acontecer, com o feiti-
ceiro que est sentado no escabello raso em
que os reos vem ouvir as accusai;es que lhes
fazem e produzir sua defesa.
Estava eu no mercado de Dainville (co-
meta dizendo com toda a pausa o simplorio
cultivador), no mez de maio ultimo, quan-
lo topei n'uma venda em que saboreava meia
igela de caf o Sr. Amaury, que me disse-
ram ter grande poder em feiticeiras. A elle
me qexei de urnas dores de-colica que me
nao deixavam ; respondendo-me que vplts-
se a procura-lo passados oitos dias, que fci-
to me dira qual era o meu padecimentol
Nao l'altei no dia convencionado. O Bo-
mem ento me revcllou que urn individuo
muito perverso era o causador do meu mal,
e que dando-lhe eu trinta francos o bruxo
me livraria.
Continuei porm a soffrer sempre e dis-
so me queixei a Amaury. Obtcmperou di-
METAMORPHOSES DE ROSAS EM KSPI-
NHOS.l'm caso capaz de fazer chorar as
pedras e contado por urna Iblha ingleza.
, l'in;i dama j eutradinha em annos,
porm anda pretenciosa c coquette, cuida-
ra ter colhido na redo dos seus encantos
um macebo, que tinha milito menos idade
que ella. Tratou-se do casamento c tudo
estava para isso preparado, devendo a cere-Jzcndo que se tornava necessario desembolsar
eu mais sosente francos, por quanto o mal
era mais tenaz qu se pensava, e os meus
inimigos mais numerosos.
Somos urna sociedade de tres pessoas,
trindade necessaria para conjurar os male-
ficios, accrescentou o bruxo, o j vejo que
sem irmos ver o gro-mestre da associaco
a Breteuil, nadase poder fazer.
Ora, justamente Amaury tinha necessi-
dade de ir alli; concordei cm o levar no meu
carrinho. 0 tal grdo-meslre, porm, nao o
encontramos por estar ausente de Breteu
n'aquelle dia. Ora, eu j tinha assignado
raes, e me disse tantas cousas, queeu, para
me ver livro de clicas, Hie lirmel outra le-
tra de sotecentos francos.
Desta foita parc'ceu-me isto duro, e lhe
disse que me nao enganasse, porque nao
quera ir ao tribunal, eeu nao era homem
de trapalhadas. Amaury socegou-me e me
recommendou de nada contar a minha mu-
lher, para evitar ralhos de familia.
Chegou outro dia, em que elle teve
pi el i sao ile ir novamente a Breteuil e me
pediu de l o conduzir no men carrinho.
.Vunui, pensando que elle, a minhas instan-
cias, consentira em receber quatrocentos
francos, inutilisando a letra dos setecentos
francos, para acabar com um negocio, que
decididamente me conturbava approxima-
cao dos vencimentos,
Partimos, e a pequea distancia da ci-
dade, Amaury mostroume um papel, dizen-
do-ine que era a minha letra de quatrocen-
tos francos, e o rasgou cm muitos bocados.
Para me assegurar se aquillo era verdade,
apeei-me, reun os pedacos de papel, mas
recoaheci que me tinha engaado.
Passados alguns dias, chegou o venc-
meato da letra dos quatrocentos francos ;
Uve de pagal-a ; mas como eu continuava a
padecer sempre das clicas, fui depositar a
minha quexa as mos do jaiz de paz.
Eis a historia do tio Lamy, vista da qual
tica bem patente a nescia credulidade de que
dotado.-
O bruxo ouvio tudo aquillo mui serena-
mente, ao que pareca, pelo menos.
Sustenta com todo o aprumo que jamis
lograra o seu compadro ou abusara de sua
boa f; que, porm, jogara com elle o do-
min, provndo a primeira letra de divida
dojogo. As demais letras refresentavam
sommas emprestadas legtimamente; nao ha-
vendo em todo aquelle negocio nada que
deixasse de ser muito honesto e muito na-
tural.
Todava um soffrvel numero de lestemu-
nhas, sendo a primeira o juiz de paz, attes-
tam a boa f e a candura do to Lamy.
0 tribunal, sem por em duvida o poder
sobrenatural da sociedade oceulta, de que
Amaury forma s por s todo o pessoal, con-
demnou o bruxo a dois annos de priso, 50
francos de muha, e as custas do processo.
Parece que o tio Lamy nao ficou muit'
contente, por imaginar que o feiticeiro lhe
poder l mesmo arranjar algum sortilegio,
e fazer com que a* malditas clicas o torneni
a visitar.

D'ahi a urna hora, o baro e a creoula,
que sempre tinham galopado a par, chega-
ram a um valle selvagem, deserto, esplen-
dido de horror:
De repente o senhor de Nossac parou, e com
o chicote designou um rochedo branco, so-
bro o qual se desenhava urna massa escura.
Olhedisse elle bolla coladora
elli est o nosso animal.
A creoula estremeceu, seguio a direceo
do chicote e vio o javali que, encostado ao
rochedo, fatigado, estava sentado sobre as
3uas patas trazeiras, o pareca esperar a p
firme a matilha que o tinha perseguido'at
alli.
Senhora disse ento o baro eu
tinha-lhe promettido matar um javali s fa-
cadas ; mas o seu primo Heitor teve a au-
dacia de querer imitar-me, e ento compro-
metti-me a abafa-lo entre os bracos.
A creoula soltou um grito de medo :
Est loucodisso ollanao o quero I
Faco sempre o que digo.
Mate-o s facadas.
"__ Nao, Heitor gabou-se de fazer o mes-
mo.
Nao o fazia.
Nao sei. Mas disse-o e isso bsta-
me.
Meu Deus 1disse a creoula ompalli-
decidatem muito a peito excede-lo em
corgem ?
Tenho, porque o ama I
A creoula fez um movmento.
Quem lh'o disse?perguntou ella.
Vi-o, adivinhei-o... comprehendi-o...
Que loucura 1
E disse com frieza o baro quero
que me ame... a mim I
Eapeando-se, atirou para longe a sua
faca de matto e caminhou para o animal, a
passo lento e compassado, com a cabeca le-
vantada, o andar altivo, como um homem
que corre a um triumpho e nao a urna mor-
te* P^rti
Senhor, senhor, por quem , pare 1
bradou-lhe a creoua aterrada.
O baro voltou-se para ella, e disse-lhe :
Deus me- perde 1 creio queja me
ama.
E continuou o seu caminho para o javali,
que pela sua voz se levantou, soltou um
surdo grunhido e deu um" passo ao seu on-
contro.
XI -
0. senhor de Nossac era bello, nee mj
QALLENCIA MUITO IMPORTANTE.
Fuebrou em Manchester a casa commercial
de John F. Pawson & C.*, a qual sempn-
gosara de altos crditos e estava estableci-
da ha cerca de cincoenta annos.
0 seu passivo calculado entre 600,000
a 700,000 a5.
As mcrcadorias em ser de vem produzir
urna larga compensarlo ao debito.
O commercio principal dessa casa era em
fazendas de l.
E' por sso que muitos mercadores d>*
panno de varios pontos do paiz, nao aceita-
ran! letras sobre elles sacadas.
ment supremo, bello como esse caval-
leiro romano que se precipitou, armado e a
cavallo, n'um golfo, para apasiguar os deu-
ses e savar a patria.
Caminhava com terrivel vagare firmeza
para o monstro que o esperava a p firme,
depois de ter dado um nico passo para
elle.
Soria diflicil dizer-se qual tinha mai-
ameacadora attitude : se esse horrivel ani-
mal, que esperava o seu inimigo, com o
pello ericado, as guelas ensangnenta'das, os
olhos brilhantes de ferocidade, ou esse ho-
mem que se diriga para elle, com,a cabeca
descoberta, sem armas, com a intenco de o
suffocarcom as suas raaos brancas o delica-
das como mos de mulher.
A creoula tinha ficado a cavallo, petrifi-
cada, 'fascinada, aturdida por smelhante
audacia ; seguia o baro com olhar estupe-
facto e aterrado, julgando sem duvida so-
nhar, to inaudito era o espectculo a que
ia assistr.
Emfira, dous passos apenas separavam o
monstro do homem.
0 homem tinha percorrido todo o cami-
nho.
O baro voltou-se ento e olhou para a
creoula ; a creoula pareca transformada
na estatua do terror.
Em vo quera gritar ; env vo anda for-
ceja va por descer do cavallo e correr em au-
xilio do baro ; tinha a garganta contrada
e pareca presa sella por urna forca inven-
sivel que a paralysava.
Os olhos do baro fitaram-se nella por um
instante, e pode elle por esse rpido olhary
certificar-se do effeito omnipotente que a
coragem sem limites produz sobre as mu-
Ihores.
0 senhor de Nossac dirigi depois a vista
para o monstro o deu um passo ainda.
Ento cruzou framente os. bracos e es-
perou, parecendo diier-lhe :
Farei s, todo o caminho ?
Mas o monstro nio se mxeu, nao se
atreveu a avancar.
Polo contrario recuou e pareceu querer-se
encostar ao rochado que rinh deixado, e
servir-se delle como de urna ultima mura-
lha.
O homem, vendo isso, deu mo *
passo o achou-se junto delle.
(Cantumar-ss-h).
TTP DO WAWU- M*- W^1* E *******

V
-
'7r
<