Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12826


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w
r
>

i
Os Srs. GersjrJt) Antonio Al ves & Filhos, no Tara; Connives & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de OKveira Filho, n
Pereira d'Almoida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na
o de Letnos Braga, no Aracaty ; Joo MariN Julio Chaves, no Ass-; Antonio" Marques da Silva, noSatal; Jos Justina
Bekrmino dos Santos Bulco, em Santo Ai.'io ; Domigos Jos da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar,em Gojanna ; Francino Tavares da Costa, em A^&s J Ahes. C, na Babia e Leite, Cerguinho & C. no Ri)';de Janeiro v
.*.

1
4
/

sr
PARTE OmCIAl.
Ministerio a!n fHzeiiila.
Expediente do da 10 de dezembro.
A' thesouraria do lriyi ainiraco idem que o su-
pradilo tribunal resolveu dir provmento ao recur-
so interposto por Lhmami Frres, da derisao da
' it.uii confirmatoria da da recebadoria, que
ocgoii-lhes'a restituirn da quantia de 188J000
que pagaran di revalida, io d sello de quatro le-
tras, por nao tereni as estnmpilhas sido intilisa-
d io coni a dala das mesillas letras, e a assignat ira
dus recurrentes, mas smente com e^ta ultima ;
visto estar o mencionado recurso em eircumslan-
Cia idnticas ao de Joaquim Severiano Noguoira,
de que trata a ordein n. 1 liX de 7 de agosto do
auno correte, lia qnal foi declarado que nenhuma
pena se acha eslabeleeida, para o fado em mes-
ura, no regiilamento aimexo ao decreto n. 430o de
17 de abril de 1870 ; eiin; prindo, paranlo, que
saja restituida aos reconcilies a importancia da re-
validaran que indevidaiuoue liles fra cobrada.
A' mesma idem que o tribunal do tbesouro,
tendo presente o recurso de revista interposto por
Candido Alberto Sodiv da Molla 4 C- da decisao
da aifandega, que classilieiu mi art. 718 da tarifa
em vigor, sujeito ;l laxa de 100 rs. o kilogrammo,
urna porcao de papel em livriahos, para cigarro,
por ellos submettido a despacho como papel em
tollias, para o uiesmo lim, obrigado taxa de l i
rs. o kilogrammo ; resolveu nio dar proviaiento
ao dito recurso, por nao se verificar nenlium dos
entonta que facultado o recurso d.e revista pelo
art. 761 do regulameiito da- alfaudegas.
Da l.
(.uvular n. 38as thesoiiririas, declarando, para
o fazerem constar s alfand ras, que nos casos de
impugnadlo, quando se proceder ao calculo de que
trata o artigo 21 das dispo: ico-s preliminares da
tarifa, dever-se- bao considerar compreliendidos no
producto do leilo os direilos que sao devidos
'a/.eiiJa nacional, e nio dcduzir da quantia re-
presentativa apsse produetc taes direitos, como se
ten pralicado em alguinas tlfaudegas.
Ataa, para se coiihecer a importancia dos mea-
mos direitos, suppoudo que o producto da arrema-
tarlo 5004000, e a razio dos direitos das mer-
caderas arrematadas 35 /; empregar-se-ha a se-
guate regra de tres :
100-|-J5:IOO::3000)0:x
O quarto termo ser o valor das mercaduras, e
a difieren.a entre este e o da arremataca, repre-
eularTis direitos devidos a fazenda nacional, pa-
go? os quaes, se tirar do valor liquido o que lr
jreeiso para indemirs ir o cofre da aifandega do
que houver pago liarte, e o resto, se o houver,
sari entregue ao empregado impugnador, na forma
do art. 22 do decreto u. 4,510 de 20 de abril de
1870.
Dia 16. -
Circular n. 39 1 thesouraras.-O visconde do
Kio Branco, presidente do tribunal do tbesouro ia-
ci.Mial, no intuito de acabar com os abusos resul-
tantes do systema adoptado nas colonias do Estado
de pagar-se por meio de vales a importancia dos
salarios dos trabalhadores, e de conformidade com
o aviso do mimsleri) da agricultura, cotnmercio e
obras publicas de 3 do cor 'ente mez, ordena aos
Srs. inspectores das tbesour iras de fazenda que,
dentro dos crditos concedidos s respectivas pro-
vincias para as despezas coiri servico de trras pu-
blicas e colonisaro, satisfar m com a regulardade
u 1 es-aria s requis.coes dos directores das colo-
nia?, que devero pedir s uesmas tbesjuraras,
com a precisa antecedencia, o numerario de que
carecem para effectuar em inoeda corrente o pa-
gamento dos salarios dos trabalhadores.
A' thesouraria de Pernambuco se commu-
uica que foi indeferido o raqueriiueulo em que
Adolpho Koop, locatario e administrador do tra-
piche denominado Compauhia, existente na ca-
pital da mesma provincia, p'de que seja cxclusi-
' valente depositado no referido trapiche todo o as-
suer itnportado das Alagas; visto ser iiiadmissi
ve! essa preton.ao em face lo disposto no art. 31
d regulamento soneto ao decreto n. 3,217 de 31
de dezembro de 186) e no rf. 28 do decreto n.
4.f>10 de 20 de abril de 1870.
Dia 17.
Circular n. 40 s tlie-ourarias, ordenando,
que neulium pedido de obras, que devam execu-
tar-sc por conta da repart ;l. da blenda, seja di-
rigido ao thesonro sem o competente orcamento e
informarn das mesmas thes uirarias em que de-
moi'.strem a necessidade e urgencia de taes obras
e declarem se concordam com os orcainentos. Pelo
que toca s das alfaudegas, cumpre" que estas as
rcquisiteni-em oficios especiaos, transmittidos pelo
intermedio das thes juraras, e nio se liuiitetn a
tratardessas providencias ei 1 seus relatnos an-
nuaes como tein acontecido, cnglobadamentu com
outros objectos que nao requeran tao prompta
decJao.
Dita n. 41, idein, que organisem annualinen-
te urna deinonstrac 10 da recula edespeza das mes-
ir.is thesourarias por capi ulos e ministerios, e
i) -. aasaB dos competentes saldos, descriminados
i t especies, e relativos aos mena j encerrados
d) exercicio entilo corrente, de que nao houvercm
enviado o respectivo bataneo ; devendo a referida
tastracao aehar-se no tnesonro at o dia l de
abril de cada anuo, afuii de se poder por ella
calcular com mais seguranza a receita do exerci-
cio, e conhecer os saldos existentes, quando se li-
v.'v de organizara tabella do relatoriodeste minis-
tfrio que serve de base avuiaco da receita do
"xorcicio futuro.
ao son ofk-io de 17 do corrente. sob 11. 1!. de-
vendo V. S. fazer seguir para a corle no primeiro
vapor, o de nome Manoel Lourenco do* Santos,
mencionado no citado oltlcio.
y seC'-do.
Actos:
O presidente da provincia, altendendo ao
Cioveru ilu jtrovincla.
EKPKDIENrEOO DIA 21 DR J.WKIRODE 1873.
i'ortaria :
O presidente da provii.cia, tendo vista a
proposta do Sr. delegado do cirurgiao-mr do
exercito, a que se refere o oficio do coronel com-
. i'.hnte das armas interino de 21 do corrente,
>b a. 101, resolve nomear para o lugar de en-
i'uiairo do hospital militar o paisano Jos Soa-
: d? Oliveira emsabstituic3.o de Jaiob Jos Mar-
ti i-, que se ausentou. do referido hospital.
Offlcios.:
Ao coronel commandanle das armas interi-
uo.Ttndo por portara desia data, vista da
proposta do Dr. delegado c.o cirurgio-mr do
exercito nomeado para o lugar do enfermeiro do
hospital o paisano Jos Soares de Oliveira em
substituicoo a Jacob Jos Martins, que se ausen-
t)u do mesmo hospital; assim o communico a V.
S. para sen conhecimento e em re-posta ao seu
olucio de 23 do corrente, sob n. 101.
Ao mesmo.Chamo a atteneao de V. S. pa-
ra o parecer junto por copia da contadora da the-
souraria, de fazenda, c a que se refere o offlcio do
respectivo inspector datado de uonteni, sob n. 832,
serie H, relativo ao pagamenjo das contas do gaz
consumido com a illumina^a) dos estabelecimcn-
tos militares nesta capital durante os mezes de ju-
nho a setembro do anno prximo passado, e re-
commendo-lhe que faca sentir aos commandantcs
da corpos, chefes de reparticops fe commandantes
de guardas que cumpram slnctamente o que se
conten om dito parecer, certo de que todo o ex-
cesso de despeza provenien'.e de disperdicio do
gaz correr por coma dellcs. -^
Ao capitio do pono. Mande V. S. por'em
i,erdade os re;-uus Norbirto Pranrhco Martl-
niano e Maximiano Mtei Moreira, visto terem
do julgalos inc-ipaKWo rvico da armada, em
i'ispeecao dosaude, como coasta toterm anti-xo
O presidente da provincia, de conformidade
com o disposto no j 2 do art. 66 do decreto SMS
de i3 de novembro prximo passado, resol vea
designar o escrivo do jiiizo de orphaos desta ca-
pital, Hy|N)lito Silva, para ser encarregailo dos ser
viens de registro, de qtie tratam os arts. 66 e 72
do rviendo decreto.
O presidente da provincia, vi>ta do oflicio
n. 160 de 22 do corrente, do Dr. eliefe de polica,
resolve exonerar, seu podido, do cargo de pri-
iiieiio supplento do subdelegado do distrcto de
Varas, do termo de Ingazera, o cidadio Joao da
Silva Quaresina.
presidente da provincia resolve nomear
para o lugar vago de promotor publico da comar-
ca da Boa-Vista o bacharel Fiel Vieira de Torres
Crangeiro.
O presidente da provincia, de conlormul de
com a proposta do Dr. chufe de polica, em olucio
n. 160 de 2i do o.rrente, resolve nomear Manoel
Ferreia liemos para o cargo de primeiro -upplen-
lo do subdelegado do distr.cto de Yaras, do termo
de Inga eir.
Ofncios :
Ao Dr. chefe de polica. -Remetto-lhe copia
do o'Hcio, que em dala de 22 do corrente me diri-
gi o eugenlieiro liscal da estrada de ferro do Re-
cite Oiinda e Beberibe, narrando o accidente
havilo naquelle da na referida estrada no lugar
denominado Fundi, do ramal de Beberibe, alim
de que V. S. providencie como for de direito con-
tra os respectivos machinistas.
Ao mesmo. -Tendo-me sido apresentada a
publica forma junta de utna representar io dirigi-
da essa chefatura por varios propritarios do
termo da Escada, contra quadrlhas de 'adroes,
assassinos e outros malfeitores asylados no enge-
nho Mupan, do termo do Cabo, e no engenho
Quiambo, da freguezia de Santo Amaro de Jaboa-
to, e como quer que taes propritarios conlinuein
a se queixar que os ladroes de cavallos estabele
cidos no engenho Mupan, nio obstante a ultima
diligencia all feta, teimam em nao abrir inao de
tito criminosa industria, recommendo a V. S., que
d as mais promptas e acertadas providencias em
ordem a seren capturados, ou pelo menos disper-
sados os ousados ladroes, que compoem as duas
referidas quadrlhas, determinando ao mesmo lem-
po s autoridades lcaos, que recrutem para o
servico do exercito ou armada todos quantos nao
tiverem isencao legal, ou nao se acbarem j pro-
eessados :
a Illm. Sr. Dr. cliefe de policia?-A' respetavel
antoridade de V S., como primeira autoridade po-
licial desta provincia, recorren) os abaixo assig-
nados, propritarios agrcolas, para e queixarem-|
do que passam a expr. Ha basfcnte lempo j que
em diversos lugares se dao constantemente furtos
de cavallos de campo e estribarla, ao principio
isoladamenle, o depois em grande e larga escala.
Os propritarios consideravam,!' que so raloiieros
sem domicilio certo e vayabandos seriara os auto-
res de taes attentados e crmesjcontia a proprie-
dade, mas hoje, pelos boatos jue correm. pela?
informaciies que lera litio, e pel| repeticao dos fac
los criminosos com arrombaraejito e oulras vio-
lencias, eslao os" abaixo assiguados convencidos da
existencia de una quadrilha de ladroes de caval-
los. composta de assassinos com sede fixa. que
peicorreni o interior da provincia, bem armados e
com a inaior audacia, audacia que os tem leva-
do ao ponto de travarem lula, como succedeu no
engenho Mameluco, da Escada.
A sede desles criminosos est no engenho
Mupan, da comarca do Cabo, e na engenho Quiam-
bo, rt freguezia de Salto Amaro de Jaboatao. Nao
podem os abaixo assignados afflrmar, nem mesmo
suppor, que os pro|H-ielarios densas duas proprie-
dades Miadas sejam conniventes : nao tem os
abaixo assignados tal convieco. mas a verdade .
que os boatos e a opiniao geral sao, que os dous
referidos engenhos eslo constituidos ipiartel ge-
neral de taes criminosos.
Nao s de furto simples de cavallos, que se
queixam os abis assignados, do perigo de vi-
da, que corran os queixosos e seus moradores
com o assalto de taes assassinos em suas proprie-
iladcs, pela necessidade que tero os aggreuidos
de prevenirem-se, e repellircm a aggressao, que se
tem manifestado com arrombamelo e violencia.
como succedeu no engenhoNoruega, tambera da
Escada.
t Nio poi tanto, somante contra o simples criine
particular do furto de cavallos, que se pede pro-
videncias, principalmente contra os coutos fixos
e permanentes de assassinos e perversos, que os
abaixo assignados reclamam medidas enrgicas,
que Ibes garanlam nao s as suas propreuades,
mas principalmente a sua seguranca individual, e
de seus moradores a tnfhquillidade de seu lar,
Taes asylos de ladroes de cavallos, de va-
gabundos assassinos nao podem coniitiuuar in-
clumes d'acco das leis e das autoridades, s
porque particular o crime de furto de cavallos,
porqunnto um valhacoutos de horneas perdidos e
criminosos, de assassinos tidos'como taes, ou ine-
ramento suspelos'de o seren, nao podem ser to-
lerados, antes devora s#r destruidos c "completa-
mente repremidos pela polica, fisses coutos de
criminosos est claro que nao se limit irao ao me-
ro furto de gado, pela regra moral de que um
abysino impelle a outro, e os sceleralos comecando
pelos criines menores percorrem toda a sua esca-
a al os mais hediondos e alroze-, ho de ser sem
duvida os autores de taes criines, que a populacao
tem visto com espanto realisarcra-se, sem saber
quem os commette. A posiyo social dos abaixo
assignados, sua moralidade, c proceder pcranle
sociedade, garante a verdade da-t'.xposicio, a qual
na fariain, se por ventura os Tactos criminosos e
as almas roaes, que tem soffrido em suas pro-
priedades nao fossem reaes, nao se tivessein dado
rejietidas vezes.
Rocorrem os abaixo assignados V. S., para
que po videncia ndo com acert, nao se vejara os
abaixo assignados obrgados a armarem-se, a fa-
zer tocalhas, e esperas, alim de evilarera o assal-
to e invaso Ilcitos e criminosos em suas proprie-
dades, e consolidar a tranquilidadc de seu? lares.
Pedem V. S., se digne attendc-los, e defej-i-los
conforme manda a justicia e a lei. -Esperara rece-
ber merc. Andr Das de Araujo, preprietario.
Francisco de Paula ae Albuquerque Lima, rendeiro
do engenho Pimcnta. -Joao Cae aleante de iSouza
Leo, preprietario.Manoel Anlunes Correia di
Queiroz Barros, rendeiro do engenho Roncador.
Antonio Campello de Albuquerque, rendeiro do en-
genho Arand.Joao Luiz Goncakes Ferreira,
proprietario do engenho Arariba de baixo.Joa-
quim Antonio Caoalcante de Albuquerque, proprie-
tari dos engenhos Tapugi'de cima e Brilnanle.
Manoel Joaquim de Albuquerque, rendeiro do en-
SeHho Bmtom.Jose Joaquim ios Santos C, ren*
eiro do engenho Cajabussuzinho.Manoel lym-
tario.Jos Alees de Oliveira, rendeiro do en*e1'
nho Caiporas.Antonio rfot Santos Poutml, ren-
deiro do engenho Cabera de Setjco. -Jos Santbo
bezerra CapalatHte, proprietario do engenho A le-
ua. Manoel Antonio dos Santos Dias, propriets.
rio.Manoel Antonio Dias. proprietario do enge'
nho Rta.Ambmio Machado da Cunta (7 * Vindimial Riheico Soares, professor pu-
inslruc.;to primaria da cadeira di villa de
e tendo em vista a ju/ornaco do direc-
1 interino da instruci/ao publica, de 2 i do
i, sob n. 26, resolve remove-lo para a ca-
novoaeo de Una, que se acha vaga.
O presidente da provincia, altendendo ao qne
lernnCicilia Liberna de Oliveira Santos, pro-
ra pnblifkx dti^dteira-da povaaca de Canlio-
_XA tendo em vista a in(ormacao ilo Dr. direc-
tor geral tuterno da siruoeao publica, de 20 do
N. 6i. -Quartj| do commando do corpo de po-
lica, 28 Ai Janeiro do 1873. -Illm. e Kxm. >r.
Cumprinoo a ordein de V. Exe. por oflicio de 25
do corrente, mandando Informar se o calceta Ma-
nuel Joaijuiui casou-se ulliiumiente no quartel,
onde vive com a ni lher, infonnarei a V. Exe. que
i oiiiniaiiilo ilus iinuui.
QOMTJSL DO COMMANDO DAS AUNAS M Ptll-
NAMUICO, 31 DKJ.V.NKIKO DE 1873.
Ordem do d'ui n. 694.
O coronel commandanle das arn.as interino faz
engenho Dous bracos de baixo. Joao Francisco ie
Amula Falco, proprietario do engenho Siberia.
Ao mesmo. -(Keservado). Sou infonnido
de que varios individuos, alguns dos qnaes exeel-
lenle? recrutas, se acham mancomunados para,
por meios fraudulentos e artificiosos, haverem dos
sertanejos e matulos, pela mor parte ignorantes,
mais ou menos avultadas quantias, fazende-os
comprar objectos e f tzendas pelo qiwdruplo do
seu justo preco, encarregandi-se do obter despa-
chos e licencas, chegando a audacia a enlregar- or.tei
Ifces documentos ou papis falsficados.pelosquaes'p- b
enljsob i ti, resalvo conceder-lhe 2 mezes
"na cora vencmentos para tratar de sua
ibe convier.
iv Exm. preiidente da provincia da Parahy-
Iba. -Com o offlcio junto por copia do coiiiinan-
idante do orno de policia nest;i capital, res|Kindo
lao diatSjExc. de i do corrente, qUanto aos de-
;sftrton*,4fl.) desta provincia, aos quaes alludc V.
rxc. nn seu citado offlcio.
AoSBesinu. -Srvase V. Exc de expedir suas
"'lasJara que c 2- cadete sargento ajudante do
aproo de nfuitana do exercito Aguello Lo-
recobejn nao pequeas" quantias. Conslou-me, [pe* Prejra, me ,-e acha nessa provincia com par-
que taes individuos fossem do arco ds Santo Anto-
nio e ra do Passoio Publico o seu quartel gene-
ral, prestando-se alguns dos negociantes estabele-
cidos na dita ra secunda-los em to criminosa
industria, que nao importa menos, que a pratica
dos crimes previstos nos arts. 264 e 265 do cdigo
criminal, contra os quaes ha acc,ao publica. Sendo
um dos deveres da policia prevenir os rimes, co-
mo o capturar os delinquentes, recoiiimendo
Y. S., que prooedendo respeito as necesstirias
indagacoos, providencie de modo se conseguir
urna e outra consa.
Ao commandante superior de Barreiros e
Agua-Preta.Expej-a V. S. asronveniente?, erdens
alim de ficar reduzido o destacamento da villa #e
Barreiros 10 pracas sob o coramando de -um
inferior.
Ao bacharel Antonio Domingos Pinto1, pi'O'
motor publico da comarca de Pao d'Alho. -Infor-
me Vine, com urgencia, sobie as oceurrencias
comidas nos papis inclusos, que me serlo devol-
vidos.
Ao commandante docroo de policia.A" vi-
la do que pondera Vine, em seu offlcio n. 49 de 23
do corrente, tenho a dizer-lhe, que designe outro
offlcial desse corpo para commandar o destaca-
mento da villa da Escada. devndo ser de eoniian-
ya e capaz de emprehender e executar diligencias
importantes contra criminosos.
Ao mesmo.Se as faltas commettidis pelo
soldado Ivo Jos Gregorio da Silva, de quem trata
o sea offlcio, n. 45 d 22 do corrente, forem leves,
pana-o Vmc. correccionaimente, no ciso contrario,
submetta-o conseibo de investigaba'), alim d* ser
punido na frim do regulamento.
3.* secrao.
e J*doenLe enois de ler gozado 2 mezes de li-
ronca concedida j*eli ministerio da guerra, se re-
colha ao respocti'o batalhao, como solicita o m-
roncl c#muaudaite das armas em offlcio de hon-
datado, sob i. 98, porque solfrendo de escro-
nio djiuliilif esse ncommodo de fazer una
MU viagem de horas, como a >1 ;s-.i capital
para api. -,'
Ao prosidrute da provincia do Espirito San-
to.Ne^ data foram dadas-as convcuientes or-
den, para ser publicada na folha offlcial desta
provnna, a li provincial e o edita!, sobre a illu-
iniuaca gaz dessa capital, a que se refere o
olFii-'o d y. Esc, de 18 de dezembro ultimo, que
asriui fu respondido.
Ao mesuv). -Tenho a honra de acensar re
cubido o seq .offlcio de 30 de dezembro ultimo, e
tico infcira'b de ter V. Exc. no da 28 d aquelle
mez pcefado juramento e entrado em exercicio
do earg^jliifresidente dessa proviucia.
Aorovoito a occasio para apresentar a V.
Exc. osytneus protestos de estima e conside-
rara)., j
. Dr. director geral interino da instru6ao
pnbliea.Devolvo a V. S. os roquerimentos docu-
mentados de Izidoro de Freitas Gamboa, professor
publico de iostruccao primara da povoayao de
Murib-Cd, pedindo licenca para continuar a diri-
gir a escola nocturna gratuita que abri naquella
povoagto, a que se refere o seu offlcio de 21 do
corrente, alim de V. S. attende-lo na forma reque-
rida, disjiensaitdo o exame de capacdade para o
que me solicita aMitorisac io no seu dito offlcio.
Ao" la'srai. -Remello a V. S, alim de ser
conservado na reparticao a seu cargo, um cxein-
plar do inappa defnouslrativo das distancia entre
a? fregoezias da provincias. lgnal, Mut'itis mu-
director da escola normal, ao regedor
provincial e ao inspector da saude
o ealcela Manoel, de que se (rala, chama-se Ma- publico para conhecimento da guarnicfto e neces
noel Alvos de Lyra, que enviuvando o auno pas-' sarios lius, que hontera seguiraiu para a corte n >
sado, e"asou-se na matriz de S. Antonio em 3 >U vap^r Guara-, o Sr. major do. 2* batalb de in-
julho'do mesmo anuo com nina orphi menor, de fantaria Carlos Magno da Silva, que |K>r pottarii
pono Maria Jesuina da Cunceicao. precelendo l-j do ministerio da guerra de 18 de novembro ulti-
ceuca para elle do jais criminal suri* vara, que mo, foi mandado riH-olhcr para objecto de serv-
era o Sr. Dr. Neiva, como tudo deve constar na
cmara episcojml/e miillier tambeui procedeu a
devida licenca do juzo de orphaos, ento o Exm.
Sr. Dr. Francisco dAssis dliveira Slaciel, cujo
processado correu pelo cartorio do escrivo Brito,
sendo que entao cumpri a ordem do magistrado,
a cuja disposicao se aeliava o dito calceta, nian-
daudo-o apresuniar escoltado na igreja para a ce-
lebravao de seu casamento, do que foram toste-
nuinhas os eapRaes Alvaro Conrado Ferreira d"
Aguiar.e Camillo Augusto Ferreira da Silva, viudo
a mulher morar em um dos quartos (erreos do
quartel, onde se portou mu honestamente. E
nao de hoje este coslume de moraren) as mu-
Iheres d'esses infelizes nas estafSos, onde eslo
cumprindo sentenca, porque n'este mesmo local
assistia a mulher do sentenciad i 14 anuos, Flix
no, o Sr. capito do 13" Manoel Joaquim Bello,
Sr. capilao da companhia da guarm\'.'io da provin-
cia das Alagas, Joao Doiuingues Riunos e o Sr.
steres do 16, todos de nfantara, Joaquim Aives
das Noves, reuuirein-se aos respectivos corpos.
(Assignado) Jos Maria Ildefonso J'acorn dt
Veiija l'essoa e Mello.
Conforme. -Jos lijimcio Wbeuo Roma, tenentc
aindante de orden? interino encarroado do uV-
talhe.
Bepurli;A la plicla.
2.' seceo.Secretaria da polica de Pernatnbuco.
31 de Janeiro de 1873.
N. 222. Illm. e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das parlici
paces reeeMdas hoje nesta reparticiio', foram hon-
Franciscoda Cunha,a quem o indicado Manoel, teir^olliidos casa de deleno os segrales in-
substitiuo por ler aipwlle lindo sua sentenca. divdaos :
eom-
digno
puai de baixo.velix de Albuquerque Mello, ren-
deiro do engenho >S. Manoel. An'onit Marques i
Uo!l,t,uH Cicateante, proprietario do engenho
.VtwWuftx D-jiln) dos Sai1'" "iii-vij. nroprie-
Nova, Nemezio Carlos Soases Villela, Candido Mi-
lilo Tenorio Villa Nova, Francisco de Albuquer-
que de Hollanda Cavalcanti, Flix da Cunta Wan-
derley Lins, Antero Nunes do Reg, Joao Baplisla
de Souza Monleiro, Francisco Jos Correa Leal,
Juvenco Soares Vilella, Joaquim Jos Franca,
l.aurindo Pinto de Miranda Seabra, Antonio Pi-
uhero de Farias Burgos.Pedro Guedes Alcoforado,
Leonardo S'raith do Reg Moura e Jos Tertuliano
Camello, a quantia de 'OiOOO a cada um, segun-
do o disposto no art. 9' 4 do regulamento de 30
de dezembro de 1871.
Ao mesmo.Communico a V. S. para seu co-
nhecimento, que o colleclor de rendas gerae,s do
municipio de Serinhaem, assunira no dia 20 do
corrente o exercicio de seu cargo, segundo- parli-
cipou em offlcio d'aqnella data, resignando assim
o resto da licen/a que Ihe fra concedida por esta
presidencia. Cumpre que V. S. faca sentir ao
mencionado colleclor, que elle nao pode dirigr-se
directamente mesma presidencia.
Ao mesmo. -Communico a V. S. para os
devidos fins, que a 11 do corrente assumioo ba-
charel Menelo dM Sanies da Fonceca Lins, jujz
municipal e de orphaos do termo de Itamb, o
exercicio merino dajurisdiceao da vara de di-
reito da comarca do mesmo nonie, no impedimen-
to do juiz elfectivo, de que substituto.
Ao mesmo. Transmuto a V. S. para os fins
convenientes, as inclusas contas documentadas da
receita e despeza do hospital militar, relativas ae
mez de dezembro ultimo, e com ellas o parecer
por duplcala da junta de inspeccao que taes con-
tas exammu na forma da lei.
Ao mesmo.Tendo por portara desla data,
o vista da proposta do Dr. delegado do cirur
giao-mr do exercito, a que se refere o offlcio do
coronel commandante das armas interino de 23 do
corrente, sob n. 101, nomeado para o lugar de
enfermeiro do hospital militar o paisano Jos Soa
res de Oliveira, cm subslitu'.o de Jacob Jos Mar-
tins, que se ausentou do mesmo hospital; assim o
communico a V. S. para seu conhecimento.
Ao mesino.-Pdc V. S. mandar relevar a
D. Maria dos Anjos ? Brrelo da multa em que
incorreu, por ler deixado de dar em tempo ra
tricula a. crianca livre de norae Alfredo, filho de
urna sua escrava c a que se refere a sua informa-
cao de 21 do~ corrente, sob n. 811.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Nesta data ordeno -ao com nandante superior da
guarda nacional dos municipios de Barreirof e
Agua Preta, que redaza a um inferior e 10 pracas
o destacamento da villa de Barreiros ; o que de-
claro a V. S. para os devidos fin?.
Ao mesmo.Em vista do incluso pret em
duplcala, que me remellen o commandante supe-
rior interino do municipio de Palmares, com ofli-
cio de 8 do corfente, mande V. S. pagar a Mauoef]
Fernandes Masfarenhas os vencmenlos do desta-
camento da gu*rda nacional existente na villa do
Barreiros, coneerneutes ao mez de dezembro ul-
timo.
* 4' seccao. ,
Actos :
0 presidente da provincia, tendo era vista as
actas das elei>-des de vereadores e juizes de paz
procedidas no da 7 de setembro do anno findrf,
na freguezia de Nossa Senhora da Conceicao da
villa do Bonito, e a da apuracao feita pela respec-
tiva cmara municipal, attendendo a que las
actas alludidas se verifica que compareceram 3\38
votantes, e faltaram l,608,prefazendo aotodo 4,506
votante?, numero este muito superior ao da qua-
lificacao da paroebia que de 3,265, e que consu-
me nullidade em vista do art. 50 da lei de If de
agosto de 1846, e de numerosos avisos, annullaP
Offlcios
Ao inspector da thesouraria de fazenda.At- ^:- If ao di
tendendo ao que solicitou a comroissao eensltari*'*^ y "j Ir
da freguezia de Papacaca, em offlcio de JS de ou-1 pu'"'
tubro do anno prximo passado, autoriso V. S. a m """A. pmvedor da Santa Casa de Misericordia,
mandar pagar aos agentes recenseadares d"aquella1**Aaaiitta V. S. no collego das orphfu a menor
freguezia Espcrdio Gomes de Araujo Lima, Ma- Uuibeiina, sobrnha de Joaquim Pereira dos San-
noel Antonio Camello, Tertuliano Tenorio Villa tos, ajudante do administrador da casa de deten-
pao, quando for por elle apresentada.
f 6.' seccilo
Offlck ; : *
Aaeogenheiro chele da repartirlo das obras
publicas.)em resposta ao seu offlcio de 22 do
corrente, sob n. 28, relativo dispensa que pede
o conductor Flix Ramos Lieutler, por Vmc.
incumbido de ir inspeccionar e dirigir a obra da
cadeia da villa de Flores, tenho a dizer-lhe que
resolva como entender mais conveniente ; na
certeza de que, sem perda de temno. deve fazer
seguir para all um engenheiro habilitado e de in-
leira confian..!, alim de liscalisar aquella obra.
-^lAo^mesmo. Remello a Vmc. um exeraplar
impressodo relalorio comqueo Exm. Sr. deseuibar-
gaaor Francisco de Faria Lemo?, na qualidad-j de
presidente desta provincia, passou-me a respecti-
va- administraco no dia 25 de novembro do anno
P(oxirao limkk Mutatis mutandis ao engenheir<>
fiscal da estrada de ferro do Recfe ao S. Fran-
cisco.
Ao ertgenheiro fisc;il da illuminngao publica.
Transmit* a Vine, o incluso offlcio do inspec-
tor da thesouraria de fazenda, sob n. 832, serie B,
e bem assim os dentis papis a que elle se refere,
e que serio devolvidos, acerca de pagamento que
solicita essa empreza, do gaz consumido em a illa
minacio dos estabelecimentos militares durante
os mezes de junho a setembro do anno prximo
passado, na importancia de 1:9413300, alim de que
entenda-se particularmente como respectivo geren
te no sentido de seren reconsideradas as contas que
apresentouyvlo como sao to excessivas, que nao
rae sinto dispo.-to a mandar paga-las, depois de
con encido de que tal excesso proveio nicamen-
te de negligencia dos empreados d'aquelles esta-
lielecimentos.
* Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a Oiinda e Beberibe.lnteirado, pelo offlcio
de Vmc., de 21 -do corrente, do accidente havido
naquelle dia n'essa estrada de ferro no lugar de-
nominado Fundo, tenho dizer-lhe, em resposta
ao seu citado offlcio, que nesta data expego ordens
ao Dr. chefe de polica para mandar proceder
contra es respojjivos machinistas como for de
direito.
EXPEDIRTE DO SECRETARIO.
. 2.' serrao.
Offlcio? : ",
AoBr. chefe de policia.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia transmiti a V. S. o
titulo junto do bacharel Ainerco Netto de Men-
donea, nomeado por portara de hontem para o
oargo de 2 supplente do subdelegado da freguezia
de i, os.
Ao-iik'smo.'De ordem de S. Exc o Sr. pre-
sidente da provincia, transmiti a V. S. os passes
juntos, que pede, em seu offlcio n. 158 de 22 do
correle, para o subdelegado do distrcto de
Belem.
Ao 0 esmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia transmiti a V. S. o titulo jun-
to da nomeacfio de Manoel FertCtra Lemos Jnior
para o cargo de 1* supplente do subdelegado do dis-
trcto de Varas do termo de Ingazeira, de confor-
midade com a proposta de V. S., em offlcio n. 160
ie 22 do correaje.
Ao commandante superior merino de Tai-
mares. O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da rommuniear a V. S., que nesta dato acaba de
autorisar thesouraria provincial no sentido de
serem pagos a Manoel Fernandes Mascarenhas os
venriraentos do destacamento da guarda nacional,
de que trata o sea offlcio de 8 deste mez.
Ao juiz de direito da Boa Vista.Communi-
co a V. S., de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, que por portaria'do hoje foi nomeado
Deas gijarde a V. yExe. -Illm. e Exm. Sr.
mendador Henrique Pereira de Lucena,
presidente da .provincia. Francisco Carneiro Ma-
ch:dj Ros, leienle-coronel comuiandante.
N. 63.Quartel do comniando do corpo de po-
lica, 28 de janeiro de 1873 III ti. e Exm. Sr.
Foram no dia 2o do corrente me libidos casa de
detenco os clcelas Manoel Alves do Lyra e Fran-
cisco Hermenegildo de Souza, c informe V. Exc.
doler.nin m-me em offlcio d'aqnella dala, cujos
calcetas se ach iv.im a.pii empregados no servico
di fachina e limpeza do quartel, e carregavatu
agua diariamente, e objectos e artigo? di arma
ment e eqtipam;nto do arsenal de guerra. Ha
necessidade de quem os substitua em tal servico,
pelo que rogo a V. Exc. se digne providenciar
como entender conveniente. Dous guardo a V.
Exc. Illm e Exm. Sr. comneiidad ir Henrique
Pereira de Lucena, digno presidente da provincia.
Frmciico Carnein Machad} Wot, tenentc coro-
nel commandant".
N. 64. Quartel do commanlo do corpo de po-
lica, 28 de Janeiro de 1873. -Illm. e Exm. Sr.
Dando cumpriuieulo a ordem de V. Exc, comida
em offlcio de 24 do corrente, mandando que in-
formasse se exacto o que refere o Liberal de 24
corrente, cora relaco s tarimbas e luz dos aloja-
mentos das companhias deste corpo, tenho de in-
formar a V. Exc. que nao exacto o que refere
o Liberal, porque exstem n'este corp i nove com
panhias, e nove reservas das mesmas, alera de
quatro salos, que serven) dedorm"torios s .pra-
vas, sendo que para todos estes s? dao azeite, e
se accendetu os candieiros toja nole menos em
3 dos ditos saldes, por nao sec por ora preciso, em
razio de haver piucas pracas no quartel, e nao
ter quem os oceupe, sendo d mais a mais preciso
scntiuellas para os mesuras, tendo este salo bar-
ra?, que servem para dormir, e justamente
aqu honra de visitar este quartel, e n'essa occasio
oergunlou ao major se_ erara aquellas simples
jarras, que se forneciai para o corpo, ao que foi
respondido afirmativamente. Dous guarde a V.
Exc. -Illm. e Exm. Sr. commendador Henrique
Pereira de Lucena, digno presidente da provincia.
Francisco Carnet o Machtdo Rio*, tenentc-coro-
nel commandante.
do eleicis em casos idnticos; e attendendo aradalpromotor pblico dessa comarca o" bacharel Fiel
a qsfe, alm desta esto provadas as' nullidadessjViewa de Torres Grangeiro.
. Ao bieharel Fiel Vieira de Torres Gran
apontadas por aquella cmara na acta da apura-
cao, resolve, na conformidade do art. 118 da4e
n. 387 de 19 de agosto oe 1846 e aviso n. 540 de
19 de novembro de 1861 e mais disposicSes da-
tivas em vigor, annullar a referida eleicao, expe-
dindo-se neste sentd.0 as necessarias cbtnmanica-
edes, afim de que corftinuein em exercicio" dos car-
gos de vereadores e juizes de paz do municipio e
pi Carneiro Ledo, proprietario do engenho T- distrcto respectivo os" do quatreonio lindo. Esta
deliberacao lica dependente da approvacjk) do go-
verno imperial, a cujo conhecimento sera submet
tida.
geiro.Por esta secretaria se communica ao Sr.
bacharel fiel Vieira de Torres Grangeiro, que por
pallarla nesta data foi S. S. nomeado para o car-
go de promotor publico da comarca da Boa-
Ao bacharel Menelo dos Santos da Fonceca
Lins, juiz mumetpai de Itamb.-O Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda acensar o recebimen-
-Mo do ofltao de V. S de 11 do corrente, em que
- f partieipn-Ar 'asa data assumido o exercicio da
jurisdicclJ da vara do direito no impedimento do
- Oumsidtnio Ja pro\ii;ia; .iltenJendo r> mi* ijni* effeetiva.
-------r~
1
Quartel do caminando do corpo de polica, 28
de Janeiro de 1873.-Illm. e Exm. Sr.Respon
dendo ao offlcio reservado, qu9 V. Exc. se servil
dirigir-me de o do correnle firmado, mandando
que eu informasse qual foi o offlcial do corpo sob
o mili commaiido, que subtrahiu um relogio, e se
certo, que o alferes Pergentino de Miranda Pi-
ui.'iitel est incumbido da escripluracao do corpo,
e a razao porque nao feito este saraso pelo se-
cretario ; tenho a honra de declarar a V. Exc,
que quanto subtracejio do relogio, eu ignoro ntei-
ramente quem o tivesse platicado, e nio suppo
nho em nenlium destes oficiaos carcter de levar
a clfeito semelhantc acto.
Quanto ao alferes Pergentino, nao exacto que
elle esteja incumbido da escrpturacao do cor|K>,
o que se deu foi o segrate : ten lo adoecido, e se
recollud i ao hospital o 2.' sargento Miguel Anto-
nio de Miranda, amanueuse do secretario, encarre-
guei ao dilo alferes de auxiliar o secretario, que
ltimamente tem litio grande affluenciu de traba-
Ihos, em prestar as informacoes, que por V. Exc.
tem sido determinadas, e em expedir as ordens e
correspondencias diarias, tendo se prestado esta
eoadjuvaco apenas quatro das, porque desde o
da 18 do corrente, que adoeceu, como se v do
attestado junto do Dr. cirurgio; sendo que o offl-
cial secretario tem estado constantemente no exer-
cio de suas attribuces, at mesmo em todos este i
dias santificados da festa, vindo de Oiinda p
por ser nimiamente pobre e sobrecarregado de
numerosa familia, como publico e notorio.
Creio ter prestado todos os esclarecimentos por
V. Exc. exigidos e prompto a lodos, que rae sejam
determinados.Deus guarde a V. Excillm. e
Exm. Sr. commendador Henrique Pereira de Lu-
cena, dgnis-imo presidente da provincia.Fran-
cisco Carneiro Machado Rios, tenente-coronel coin-
mandante.
Atiesto que o Sr. alferes da 4." Pergentino de
Miranda Pimenlel, que, por ordein do Illm. Sr.
commandante lem sido por mim visitado desde
18 do corrente at hoje, contina anda a quexar-
se de vertigens com peso de cabeca, que eu attri-
lmo a gastricismo.
Quartel do corpo de polica de Pernambuco, 24
de Janeiro de 1873. Dr. Jos Joaquim de Souza,
cirurgio do corpo de policia.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE 30 t)E JA.NEinO DE
873.*
Antonio Jos de Souza e Silva.Encaminhe-se.
Antonio Gonjalves de Azevedo.Sim, pagos os
direitos naconaes.
Benjamn Dyonizio dos Sanios. N.to ha vaga na
companhia de'artfices do arsenal de marinha.
('laudino Felippe de Santiago.Indeferido.
Francisco de Souza Rangel Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Francisco Gomes da Silva informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
, Jos Luiz de Macedo Cavalcante.Informe o Sr.
coronel commandante das armas interino.
Dr. Jos Zacaras de Carvjlho.Em vista da in-
formado do commando das armas, o supplicante
j deve ter talo o deferimento que solicita.
Joio Fernandes da Cruz.Encaminhe-se
Pedro Ferreira da Silva.Seja posto em lber-
dade.
Simpson& CInforme o Sr. inspector da saiide
do porto.
Thome Augusto da Silva Villar. Informe o
Sr. Dr. director geral interino da instrueco pu-
blica.
Umbeluia de Barros Accioli Lins.-Como re-
quer.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 31
Ae Janeiro de 1873. ^_ nsjfc
^* > ^^ O porteiro,
Silrino A. Ootoigms.
A' minha ordein, gueda, escrava de Cireno da
Silva, a requerimento deste, e Benedicto, escravo
de Joao Xavier por andar fgido.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio, Joa-
qun), escravo de Mariimano Jos Fernando?, a re-
querimento deste.
A'jordem do dos Alagados, Bernardina) de Sena,
preso em flagrante polo crime de furto de cavallos.
O subdelog ido do 1" dislrieto dos Afogados, per
offlcio de hontera datado, ruininiiiiicou-ine que li-
zera leeolhcr a casa de detenco a Benurdino de
Sena, preso em flagrante pelo crime de furto de
cavallos e que proceda ao inquerito, afun de re-
mette-lo importunamente ao Dr. juiz criminal.
Por offlcio de 16 do corrente, o delegado do ter-
ni) de Floresta parlicipou me que fra all captu-
rado Fortunato Antonio Pedro, por oslar pronun-
ciado em crime de furto de cavallos.
0 delegada do tormo de Btrique, por offlcio de-.
17 do corrente Coinuumcou-nie que pelas 6 hora-'
da tarde do dia 1.* deste mez, no lugar denomi-
nado Tucauinho d'aquelle termo Miguel Fran-
cisco fenra- gravemente a Josepha Maria de Jess,
que, o cidadio Izdro Becerra dos Santos, querend
apasiguaro conflicto que entre clles sedera, fra
barbarament; assasfinado pelo referido Miguel,
que, logo que chegara ao seu conhecimento seme-
ljiaute facto se dirigir ao lugar do conflicto, onde
fizera o competente corpo de delicio e capturara o
cri minoso, o qual j est pronunciado.
Communica mais o referido delegado que man-
dara recolher a respectiva cadeia a Antonio dV
tal, por antonomasia Antonio Capoeiro. alli pro-
nunciado oai crime de furto de gado.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
inemlador Henrique Pereira de Lucena, drgnissi-
ino presidente desta provinciaO chefe de polica.
Luis Correia de Queiroz Barros,
PERNAMBUCO,
REVISTA DIARIA
Vuiin-iilt les pilii-i;ip.lN.r portarla
da presidencia da provincia, de 2!' do corrente :
Foram exonerados: Silvestre da Silva Coima-
raes, de primeiro supplente do subdelegado do dis
trelo de Beberibe ; Horacio Pires Galvo e Joo
Baptista da Silva Manguiuho Jnior, de subdele-
gado e segundo supplente da freguezia da S de
Oiinda.
Foram nomeados : subdelegado, primeiro e se-
gundo suppientes do dislrieto dos Montes, m>
termo de Agua-Preta, Jos Miguel de Lyra Jnior.
Joo Claudiano de lnojosa Varejo, e Joaquim Ge
miiiiano Paes Brrelo ; primeiro supplente do sub-
delegado do distrcto de Beberibe, Manoel Brasi-
liio de Arruda Cmara.
(uai'tla n:ii*iunnl.l>or portara da pre-
sidencia da provincia, de 2 do corrente, mandoii-
se dar guia de passagem para o municipio d'A-
gua-Preta, a Luiz Alfonso Ferreira, alferes da ter-
ccira compauhia do 57* batalhao de infamara d<>
niunicipo de Barreiros.
Gyimiitsiio pi-oviiK-iiil. Segunda-jaira
(13 do correule) pelas 9 horas da manh, deve ter
lugar a abertura solemne das aulas do gymna-i
provincial.
Vapor VusiMiiiia. Arribou hontem ao
nosso porto, alim de tomar carvo, visto nao ter
encontrado na ilha de S. Vicente esse genero, o
vapor francoz Vasconia, pertencente cas* com-
mercial de Brdeos Aspsteyney freres, e que ven-.
inaugurar o servico de passageiros ehtre aquelle
porto e o de Buens-Ayres, cora escala pela Hespi-
nha ,e Montevideo. A' seu bordo achaiu-se 314
passageiros, que se destinara ao Ro da l'rata.
Jumamente cora este vapor sabio de S. Vicente
0 vapor francez Montezuma, da linha entre o Ha-
vre e o Ro de Janeiro, tambera era busca de car-
vo, o qual- provavel que chegue qualquert
momento.
Nada adanta o Vasconia s noticias que te-
mos.
Chinde de Oiinda.Amanha celebra a
irmadadc de Nossa Senhora do Bom Parto, erec-
ta na igreja de S. Sebastian, da cidade de Oiinda,
a festa de sua padroeira, cora o esplendor do cos-
tnntn, oeenpando a tribuna sagrada ao Evangelho
o Rvm. Fraucsco Verissirao Bandeira e ao Te-
Denm o Rvm. Jos Estevas Vianua.
Diario de Peruaubueo.Se chegarenv
hoje os vapores inglez Magelhtn e americano On-
tario, distribuiremos amanha nosso numero de
segunda-f'-ira.
Kseola normal.Por portara da presiden-
cia da provincia, de 29 do corrente, foi designado
o professor bacharel Ayres de Albuquerque Gama
para servir de secretario da escola normal. .
Ponte da Itoa-Vista.Por portara da
presidencia da provincia, de 29 do corrente, foi
nomeada urna commisso, coraposia dos Srs. enge-
nheiros Jos Tiburcio fercira de Magalhe?, Anto-
nio Vicente do Nascimento Feitosa e Paulo>Jos
de Oliveira, para examinar a ponte de madeira
que liga os bairros de Santo Antonio e da Boa-
Vista, e cmittr seu parecer sobre a conveniencia
de ser ou nao interrumpida nella a passagem di>
vehculos.
Soeiedade dos Artistas Meehani-
cos e Llberaes Abrem-se segunda-feira
(3) as aulas de instruc^io secundaria desta so-
ciedade.
Fstrada de ferro do Reelfe S.
Franelsco.-Regressaram no?B.2y de deaeni-
bro, de sua excursao ao rio S. Pmcisco, os Srs.
Drs. Joao Martins da Silva CoutinW-eTuiz da Ro
cha Dias, tendo examinado a refiJo que-
de da .-laca i de Una ao sitio de Jatob;
Francisco, na extensao de 85 leguas.
Consla-nos que encontraram um t
tilissimn, apropriado nao s. cnltura
cotno principalmente a do caf, algodao e fumo,
prestando-se o slo em grande parte taaabem a
creaelo de gados.
O Srs. oifloradores verara encantados, prin-
cjpaUnente da regiao de Garanhuns, onde, dueu


mt de Pemambii
cHma superior ao mais seeeorsafubre que o daquella pro-,
iikcia, permittlnd n !k>, cevadi e videra, eom tsirU vantagertt orno
i meio da da Europa.
Segn lo as observares Tedas all, o calor-no- vaml <
ex de Janeiro nao superior a) de Petropolis e prisin
riburao, na provincia Ao Rio de Janeiro. sor,VL
>. 28. (sSWoTieiro fort 'efictrTalts na \f.T"p.
onjie per^oeccran pelo vsspaco_.de 3 Ijoras, sou-
ilo avisa
:\ fhort',
praticni
Mi
Mburso, na prnv...
Como tem confessio y.iataiirio os Srt. explo-
s i|ue iam ser zimados para expiaron!
o saM^'h prus;*nd qc cues rtUo tinh.lm
, ueni auxiliado; o qftc talvcz at iguora-
commaadantc allcmao mandou que os
os se numerassom, e que escolhessem a
de entro si para seren uzdados I
Idade aprsenteu-lUes un canee'
1 de Fevereiro de 1873.
-
|] o. r yjms^sjtSJfS^ \ <
grande cnthusiasmo. a noticia
iraecAO da estrada de ferro. .
Vxti -. it: :r le rKMi.tt''P'>'**** fl-
:leinttcrio inli<.Oti|
te iancira ilc 1873 : M
.1 iviana Jo tainna Karneise* tas Noves, nn'., ^..^
Wh, 0 anuos, solu-ira, S. Jos*.' a ^fl
monar. ,. '^
Emilia, brau^^emainbaco 5 ( g ,
;cto con, iitummarv* tf___?__f;
Antonio de Sota K'beae
icelBidotQlgal, _!* ai
a vin-
gan$a germnica,
Simo teem continuado con o mesmo explon-
attralHo una concurrene.Li cada-ves mais
, tora lugar amanhl Fesla de Sos H-
la&e.i
iiiniiciaiTa
vena
^InT
erascid7,tora~Mgar amanha. l\
aura datadle, a qnal, ao romper 4-, alvnra.lv
ser annuncinita p-r tima sM.-a de "ll tiros, to-
cando nesse acto a banda de m siea do corpo do
polica, e em segui la a mesma mesica passeiara
pelas priiio.ipaes ras do povoatlo.
Comoe.'.r a (esta as 11 horas de da, sendo pre-
Biflar do Evangettm o bem cor.heeido pregado*
vin. Leonardo Joio Grego.
A orehesta ser dirig da peh insigne maestro
Cotes.
fcuranlc a tarde a irania mantea tocara no pateo
vtlhdo repertorio. Subir enlao ao ar um mte-
ressante bala i Cello proposito.
A' nuite Mlekcar-aju-ha o Te-Oeum, ocpupando a
tribuna agrada o distinctn pregador Fr. Augusto.
FSoda aSe-Dcnm, qui':in;;r-?c- ia nifl pequeao mas
liado fogo de artificio, re*orando-*e para o da
seguintc, pnr Mfl liaver lempo de sor quemiado no
Mono 'i:x o toga etpooinliBMtd eaeonjemoa*
oara a futa, o qual come .ara as S horas da norte.
O paleo da guaja durante a noite coulmiiara
porfeitanienle esclarecido por meio de illuimnafao
gaz, que liie tem dado um aspecto novo e 10-
rrlsiut dr rlniliuso.-l'elo I>r. subde-
lerado de S. Jos, a disposicao do Dr. juiz de di-
reitn do :< distrirt i criminal, foi hontem presu
Joao de Den* Eufrazio, conhecido por Joto Muia-
tinho, visto adiarse pronunc:.do ni afi -"i -.digo criminal. Ks-e niminoso 6 um dos auto-
res dos lerimentos ultimamen c liavidos na ra
Imperial, e pelo que est sende processado.
Menrno a<>h:ulo. -Vairamlo as roas
fregaeiia de S. Jos, foi encontrado um menino,
de rJr parda, que nao *abe dizer qnem sejam seus
ai* ueni onde nuiain. Qnem lver direito a re-
ciama-lo.. fa?a-o ao Sr. Dr. subdelegad.) respecti-
vo, na roa Nova 3 Santa Rita
l i-si ruii*ir'.A soi iedade dos artistas
mecliauic-is e liberas manda celebrar, no da o
do corred**, as 7 bocas da mar lia, nina missa pela
alma de son eonsorio l-'elix Jos de Sonta, na gro-
ja matriz da lloa-Vista.
HiH'iciiaiir Mipmmmarm a um-
iciicci publica. No da 17 de d^embro
r realisou-s... ;i ."> Httm) ordiiiaria do cousellio pa-
ro.-liial de Sanio Antonio, sol a presidencia
i Sr. Olympio Marques.
A'* 7Jioras da Urde, havendo numero logal,
alire-se a s&sao, !*-. e approva-se a acia 'I
lejior.
Ho honve ottaiilinnU.
O secreirio declara ia ter recobido da tvpogra-
hia 5 Ni diplomas o 53' cartas i.iipres-as, assim
c.ir.), sjo ja dora principio disiribuieo dessas
> arus e diplomas. Pede a nomeaco de um se-
cretario interino para o subsii uir na assignatura
ds diplomas, caso gja pradah B" noaieado para
tai fin o Sr. Dr. Ooruellas.
Seriara mais o seorotario que os Srs. vilano
Antimio Marqnas de Castilha, Dr. Santos Mello e
fea-Kato de SlagiHiSo liaviam devolvido os dir
ptoaM que Iheeforam espedida, declarando que
nc i querian i'i/.er parte desta wciedade.
esolveu-s.! que ni) se evpediss.-m diplomas
aoseoeios install.idores sonto cm olbo superior
tesoiver se os quera dar por si.
A' requcriineiiM do Sr. tbesouroiro rcsoWen-se
que se dessein ferias at o da 6 do Janeiro de
l87:i.
Nada nais ha ven l .. tratar, lovjnton-se a ses-
-ii s 8 horas da nouu
Cursa ikii'iii nutricula para esta escola, creada pelo consemo
director da parochia de Santo Antn, lera eon-
.orrido at o prestante as scgulntcs sonhoras :
Isabel Floivntina de es (iivalcante, soltelra ;
Vnna Candida Firmtna Monteiro, w'.teira ; Beuig-
na Varia da Purliicaco Thonaiia, casada; Ma-
ra Jovencio do Soza Ribeiro, soltelra ; Mana
Laa da Rocha Barros, casada ; Anua .lonas da
IV. ha arras, sopeira ; Mara do Carino da Ro-
cha Marros, soltelra ; Pergenlina Hermelnda de
Oiwira Piii-it. I. viava ; Bjnivinda de Soma
Ca irs,solteira ; Clara Tuerecilte Jess Barros,
viuva ; Liberata Lcopo lina Vital, soltelra; Ja-ti-
na Anua da Silva Sanies, soltelra ; Rtnilia Olym-
|.ii Telbs. soltera : Heraadittk Carolina de Alba-
querque MaraoUio, wlteira; Emilia Eugenia de
\i):i.|,ieipie. solteira : Mara Ifcrinina Coxrea da
Shra ; ilteira.
enverno el hfspaclo. Por acto de 27
di mez de faneir o Sr. hispo diocesano fez as ge-
gantes nomeacoes :
Do l'.vd. Valeriano '. AlWuia Correia, para 1"
!Beial da cmara ocel 'siaslie i.
Do Rvd. Frederieo Augusto Raposo da Cmara,
para 1* odicial da sjerofaria c lesiasnca.
Do Rvd. J. Aflonso de wa e Sa. para 2' ot-
li.-ial da mesilla secretaria.
De Jos Canutada Porciun:ala Ferreira; para
j.-rteiro.
I>e Manoel Jos.' dos Santos, ara corroo.
Osta ilc S.. Brtaz.A mesa regedora da ir-
'i.indade de Nos-a sonhora Jo Terco, manda eele-
hrar na madrugada de segnnda-feira (:i do corren-
teknma missa solemne em lo ivor do martyr S. liraz.
p a no ule lailiinha. 0 acl i ser celebrado na ma-
triz loS los, onde I w coi exj lean a imagem
do -anto, e llavera h mzimeiU de gargan'a
.epa-.-tie.'M-, tlsr:i':.-No n.'/. de Janeiro
uno arreeao iram :
Ufande.M 1,316:1791198
".apata/.ia I7:388938
Cansulado provincial I8.":361713
fleeebeaoria de euda- gerae- JbJ43I388
Mahnivo.-Os vap v. -, 'jucaeGeqHtd fo-
r m purtadoi-'S das soevu .- ii ites para :
Vatal ai:0rtflO)
Parahyba M):30000
Vcarac 630]
Penedo 6:177939
M:M-ei :;(KX)-5l)O
naavdorlfl :a tbesaurarla *lc fa-
x.r-nda Pagam-se hojea; jeguintes fblhas
Presidenei, Rekig o, Faculdade do Direito, prete
efainas de offl :a-s' d i exerito, thesonrara, em-
pragados da estrada iW ferro e os do recensea-
nwnto.
.%ss:ssi:i:ta rrlnenl.No da 1.
di corieute. no lugar Tucaminhodotermo de Bu-
que, Miguel Francisco, travaodo-ee de razos con
laria de i '*us, i frira gravemente, e-como o oc-
rarrido ebegasse a i eounecimedto do cidado Izi-
Horo Boiena dos Santos m;;e desejosp emtran
q'-.ilisar as partos belligerantea, procarava por ter
, i a tal conflicto, recebera em premio do mtsmo
su-ario a morte, barbaramer^e praticada.
A autoridad cui
o criminoso e proce
rnente a seu cargo,
Treni. lloje, 1 ik lev 'i-iro, haver um trorn
extraordinario de Ohmla para o Reeife, dep.iis d l
meia-noite. o qual servir d' oeodttccao .aoscou-
-urrenies, partida que de.e ter lugar no salao
da amiga casa da academia
Cnnwrt.O eonserto vocal e instrumental
anunciado para aquello niesmo salo, deve ter
lugar na sexta-fena, 7 do errente, eonorme Sea
anunciado.
Bous reatas a Mr. 'ritiera.-Os franco
zcs resident"s em Franca enviaran) como totas
de-anno bom a Mr. Thiers um bachode marmore
da poca dos Mediis. No socio oscreverara Os
francezes de.Frau.a a Mr. Tuiers.
Alte/a em perico. No da :ti do mez
paseado o princi|)C Humberto csteve em Londres
a-ponto de ser victima de un desastro.
Era una partida de caca s raposas. Os eaval-
los do principe nos denles partiram desatinados, e foram-se prc-
iprtar sobre o carro do principe Humberto ;
principe que ia miando, e o capitao llr.unbilli que
o acompanhava.'furam (aneados por trra com a
violencia do choque ; fezBMitte a queda nao teve
consequencii.s. j principe moutou a cavado o
c-ontinnou na oa^ada.
Causa eeletre.-Uua questaojndici.il no-
lavl foi proposta ultiinamente no tribunal do Rc-
roy, no departamento de Ardcnnos.
A origem deste litigio lija-se eom a guerra di
Franca com a Mlemanha.
Boas mezes dspnis da batalha de Sedan, no da
asdecutubro te 1870, o francos atiradores ma
taran um o. Ida Jo prussrano as circuinviiihan-
cas do Vaux. Urna columni de tropas allemas dw
laadwer oceupo i a aldeia, e o conunasdante man-
itou iniuedatatuente prende.' todos oainomens qv:
jjflnjssen enconlradoSj os quaes nao exc.eOerant
Sem mais ormalirUde as tres victimas foram con-
Uuzidas ao cemiterio, collocadas junto de muro e
i;xemadas 1
( Aa*a as vinws dis fuzilados pedem urna m-
Monphafn aos prisioneiros que ferain salvos a
atm. da' vida flas tres victimas,
rtOcBteslinu
irt*S8*aRib%.;irtfc|:branc0i
lareU
i 'lutnik)
toiiro. Saatc7
Jt.hau
solteiro,
Mano.
Rija,
tCTl
I.l^*' .III1PH, DIUIKO
.ios, *"'"''",>, santo Antonio;
fe
\s reclamantes fundam-se por analoga nos di-
rci'os do gestor de negocios, e nos principios do
alijimento, para .pie aqu.-ilos qpe tiraram provei-
u./ua mone dos seus companheiros indem"'
* prejuiros resultantes do fae.-que Ibes i
A acrao foi intentada c est affecta ao tn. aaj
c ribe-roy. ...
tiiillie res hiMitnrinass.r.m uiyjos 1)r.
mies lB!le;es .^bogados hoje, encontrara^ men'fo
de haverem sido asesinadas duas ijftlhercs por
nutras duas muflieres/^ /
As assassinadas eram aiui,-1.'' cJadi, que viviam
n'uma casa sobre sf preximo dtRolfasi. '
Os carpos das duas pobres mulh>res foram en-
contrados horrivelmente mutilados. \
Todas as suspeitas reeaiera -ore dhas ulhc-ni
res, que foram vistas all de madrugada.'
O assassinio s poda ter por fim o roubo, visto
que as defuntas rain pessoas completamente
inollensivas.
Se so verificar que foram as taes mitllieres as
salteadoras, os tribunaes de Inglaterra' teAo de oc-
cupar-se do urna causa, que licar notaba entre as
celebres, visto como mui raro que nnUlieres as-
saltem urna casa, ntatem e roubom. 'k-
M:viin-nl espantas.Desde agurn
lempo que se falla em alargar a ponte de Londfrs,
visto reconhecer-se ser ella do insutlciente largu-
ra para o nfbvimento de vehculos e gente a p.
Est calculado que s por aquella ponte tran-
sitan! diariamente, em termo medio, duzentas mil
pessoas, e quinze mil vehculos de toda a casia.
Momentos ha no da em que duas mil pessoas es-
liio sobre a ponto.
Todas as pessoas que tem estado em Londres se
mostram assombradas do novimento que notaram
na ponte de Londres.
O prejeeto de alargamento consiste em deixar
ao transito dos vehculos toda a largura actual do
tab ileiro da ponte, e fazer-lhe ivos passeios de
cada lado; de forma que vira a (car o perfil
transversal da ponte com a largura de vinte e seis
metros.
Causa do.Um infeliz a quem sua amasia
amo.i.ara de ir denuncia-Iopelo-furto-de urna no-
ta de com francos, onforcou*se n'uma aseada, em
frente do quarto que a til rnniher oceupava, na
ma Saint-Pai, em Pars.
N'uma das algibeiras foi encontrado um blhete
que ihzla:
Prefiro antes responder perante o tribunal de
Deus, que perante o tribunal das assises.
E mata-so um homem por causa de dezoito mil
res !
Rullias entre jnrnalistas. Um dos
collaboradores do Pajf*, Mr. Vctor de Thery, foi
insultada pelo cx-redactor do Evnement, Mr. Len
Rienvenu O primeiro destes senhores enviou lo-
go as suas testemunhas ao seu olfensor, em ob-
servancia do artigo do cdigo lo conde de Cha-
teauvillard, quo nao admiti outro recurso acuelle
que alocado cum pancadas; caso em que nao ha
satisfaoao |*ssvel por palavraa ou escript s da
parte do aggrossor.
As testeinunhas, porai, na) oncontraram na-
qtielle mes-no dia a Mr. Rienvenu, o que legraran}
m inmediato.
Dodaron elle s testemunhas do oilenddo que
n"o se pre>tava a dar satisfaoao de especie al
mima, e portanto se recasava a ir ao canpo cun
Ir. de Thien.
.Veatlcniia .franeexa.Proceden a elei-
oao da nova mesa, para servir no primeiro semes-
tre de 1873, a academia das sciencias do Pars, re-
cahindo a maioria dos votos em Mr. Marmor para
presidente, e no conde de Carn, para chanceMer.
Ir eaasa da disciplina.0 ministro
da guerra do governo franeez prohibi, no nte-
resso da disciplina, que os officaes do exercito
travassem polmica com os joraaes que os aggre-
dissetn, por motivos de semen militar.
Obedocendo a esle prceoitb teve o general Du-
erot de callar-se anto agres ataques feitos sua
honra no jornal demaggico. Limitou-se a formu-
lar ama queixa o a entrega-la ao ministro da
guerra.
0 ministro, porm, nada pode fascr, por nao ha-
ver lei que proveja em taes casos.
Poosam, porm, alguns joraaes, que o ministro
da guerra vai brevemente pedir assombla una
lei, qinr proteja nquelles que por um interesse de
ordem publica estao prohibidos de defeuderem-se.
Cim razio pergunta um peridico franc,
como
'fen. brj
aj fel
emn:iscid.
Pernam'
(nistraeio do annazem,ftHsWt-,0 tri-'' "SMpH
ni intelrado, e q'uannv ao mappa, prole-
jk> J descacho seguintc ('.inferido com ii ante-
[eedfcMUjtlfchavendo duvida, soja archivado.
Jornal rwc;il-us ns. Ki a 1W do auno prnxi.
flw-passanf o 1 c 3 do crrante. Para o ai:,
hivo.
Mappa dos armazens e trapiches alfandegados
relativos ao ultimo semestre do.
^assado :
es. Fontes, tierra, Dantas, Cunda,
nina, Barao do Livratnento Loyo, Barao dO
o anuos,
Allemanba, l$ar
arell*. i
i do, Reeifeman
aaews. mot
I mez, S.,
nitoito ao caes d>i Jw-jlV n. 45, Carao do Li-
vranmito i roa do BruiJ h. J.
^Sft, branca, Pernainhuco,
Ziiea Winvn, prnlo, PeriQyc, *n^
3Xmm
Arniaze
Pernambui
13, caes
ra
s. U e
lav
m
Caes do Apollo n. fll, CoTOpanhia
Edificio Alfandega Velha ns. lie
Ho ns. 7ic 75, ra do Apollo n.
iimercio na, 3, S e 7, ra do Brum
cada um dos aobredites mappas
isado. Boa-Vista;
Euzebio. brancj), l'eniambuc
varilas. *|* g
Henriqucta, parea, Penin
Visui : frbte tvphica.
rnambuco,
annos.. i
annos,
avado o seguinte despacho :- Conferido rom
o prectleote e uio havendo duvida,,seja archi-
vado.
Uvrt^commerciaes.-Foram distribuidos os se-
intes ;
Copiador de Jos da Silva Loyo & Filho, dito de
Mmnqps Alvos Matheus, dito de J >s Joaquim
da Costa Maia. dia'io e copiador de Moreira, Mon-
vTtiro 4 C, copiador de Ferreira Cascao & Filho,
nac JoAo Biipn>t
tero Sr. bisfufcnsultado o cabido. InJe ni. I
rece que o nAM(rn4//l"/ quera tambent tef veto Anftnf'TKnsfi To-
Hereiilano Cavalcanli de IP^
n aipituib,~m ao menos-
um d*ptelfs"l(,/>-
sores-dlii eirrumipecfo c bom temo, aos.iquaes de-
voriao Sr. bisjw. cnamar pan o seu lado, pois
que s assim nao seram postergadas as preroga-
tivas do cabido. NTio, mee. charo senhor, mal-
logrou-se o vosso plano ; nao precisa o illastrc
pastor, anda quo joven, dos vos*os amadurecidos
ionselhos.
0 zeloso escriptor das prerogativas do cabido,
palias tao versado as don trinasJattseno-gallicu-
as, nao consultou, ou niu fez caso do que dizeni
As canonistas arespeito do consenso do cabida, o
Contentou-se de 1er urna .'bra prohibida, nj qual
ter a honra de ser ildmitti
:SS
Itomana Mara da Concei.MO. preta, l'ernainbn- diario e copiador de lamba 4 C, copiador de llo-
, oO aMues, solteira, Santo Antonio; tubertafcts drigues limaos t Cuimaraes, d;uio do Jos Mara
limonares. T-. de Souza e Silva & C, diario e copiador de Silva
co
pul na
Margarida Louronca *i Cmara RedriaOes,
branca, lVrnaiubuco, 70 annos, vinra,^oa-Vsta ;
entente
Flix Antonio de Avila Cavateante, brama, o
Grande do Norte, it a anos, solteira, lVoeie ; > t'^o I aviado ; e o du
hre biliosa. 2,6}* em 15 do mesmo
taneco, pardo, l'enumbuc, lii das, Boa*
Vista ; espasmo. T
Merandoliia Ros/lina de PaulasGomes, bTanoa,
Pernambtuv), 40 anuosj sulteira, S. Jos ; pbtyeita
pulmonar tubercuiosaj .^ <.
CMARA HUffML.
SKSSO l-ATUAORDlNitlA AOSS2DE II-
HOE W.T ,
i'Ri:-ir>'.N.:i\ do sd. dr. Wntj costa.
Presentes ns Srs. Il.fnffl'i 'l>r'.' Plangx Rej
Alloi pierque, Dr. Villas-Botf'WlV. Moscos,:i3
se a s.ss.l. e i'ui lid-i e ,iiirovjd:.' i acta u"a t
ee,|.,,.e. ;
Leu-se o sogumte
KM'KDIKNTlt":
l'm oitlci,) do Kxiu. piesi lente da .pao^ihea,
i Cascao, e mais um copiador dos mesmos
Livros de protestos de letras.O protocollo a
cargo do escrivio Albuquorque menciona ser de
n. S,H>7 em data de I i do corrente o ultimo pro-
do escrivao Alvos de Brito,
mez.
O Sr. Antonio Ignacio do Reg Medeiros, depu-,
tatto eleito, apresentou a exposicao documentada,
que a sessao de i do corrente comprometteu-se
a trazer presenca do tribunal, alim de servir do
base consulta que este tvesse le fazer sobre a
sua nacionaliilade.
Mas o tribunal, vendo entro es documentos que
ac.iinpanhaiu dita ex|)osicao, urna eerlido extra-
Irida de um livro existente na secretaria da presi-
dencia e da qual consta que o Uniente Joao Igna-
cio de Medeiros, pai do indicado Antonio Ignacio,
io em 17 de outubro de 18 a indejwnden-
pos:
io pergunta um peridico franc,
sivel ter untbnni exercito se f.jcper
mittido lennhar todos os das os seus,gen.raes do
traidores ou cobardes.
Latera.A que se acha venda a 38.\ a
honelicio da groja da C mgrega.f; i do Recite, irne
corre no da (i.
I.eilu.Sogunda-feira, 3 de abril, venderlo
.llamando a attenoau da cmara para o rai6*estn-
do em quo se achiu as pairadas de muMs ras
dcst'a ojiado, como seia a.de Ibrcilio Dias, afim
de que trate de coagir os propietarios aja cum-
plimento de, seus deveres, que n respvito "me s
mpostos pelas jKitiiras em viger. QueseTes-
ponda. ** *
Outro do mesmo, remetiendo, por copia, o o.H-
cio que dirigi ads inspectores uas IrrosijUTarias
gcraJ e provincial, acerca do repiaamentr) dos al-
godoes, que concorrn aos menados jios arma-
zens do Caes do Ramos, c Forte o Mallos, afim
de que enteirada de seu conteiidn, providunnic de
modo que os (iscaes dossa rauniripaldauw com-
pareain naquelles armazens logo quc'forcm.cha-
mados, ordenando tambero, qne de oitemii oito
tlias sejatt) aferidos os pezos e balancas doj men-
cionados armazens, perante o empreado da fazen-
da geral ou provincial encarregado da liscalisaco
do servir) supraditn, Que se responda.
Outro di mesmo,remetiendo a representarlo da
sociedade denominada Amor e Beneficencia dos
talhadore^ iWcftfne-verde, e chamando pira ella
a sua Itencio, alim de que estudando a materia,
proponha as medidas que entender convenientes
em ordem a eombater um tao pernicia^o monopo-
lio, contra o qual esta administraco est disposta a
reagirdentro da rbita de suas- attribaic&es. A*
fconimissito do Matadouro.
Outro do mesmo, devolwndo cmara a planta
a qirf se refere seu obcio de 18 de dezenuVo ul-,
timo, relativo ao terreno alagado, que soKeiton pa-
ra serrMSo pnbUea, e demonstrando qne hSO pro-i
eedem as rarae9%ni que se funden a enmara pai-
ra eximir-v ao pagamente do sello da mosma
planta. Qne se mande sellar para >*r.'riiietti-
da presidencia.
Urna carta do Instituto Areheologeo phico Pernambueano, convidando h caiaata muni
ckial pai"a asislir a selemnidade que Uu\ de-ce-
lebrar pelo aiiniversario da resjtaura2iw d; Her-
nambu o no dia 27 do corrente ..mez, no salb.o' da
binKotheca publica de-ta provin^a,: ne-TonVinto
do Carm >, 1 hora da tarde da.jvile dia. in
teir.ula. '
Um illieio do mesmo, solicitando da cainar nicipal a expedirtio de convite por meio- 'de e-..
a latios os seu: utunieipes para ipie.ua noito un
dia anniversario da restauracio de Pernambueo. e
em a noute da vespera illuninem as proprieda-
dc> .ni que cada mn reside. Qne se convide.
Outro do juiz substituto do 2.* districl crimi-
nal, rogando cmara, qite so digno e\p.4ir suas
ordens u i sentido do Ihe ser aproseuldeio livro
das actas da eleicio da freguezia dos tfogaosd
para v madores e juizes de paz, afim de Aer.exa-4
minad i. Que se preste o livro.
Lina petierio da viuva Anua Martins da Silva
Nomnha. pedintlo liconca para levantar de noy
um dos ramos de sua padai'ia siu ra de Vi-
dal de Negreiros n. C3. A' comniissan de saude,
Oulra da viuva Isabel Kgida Poggi de Figuei-
reilo, apresentando o titulo de propriedede do ler-
a- pretende desapropriai',' r'edin
adherio
ca do Brasil, resolveu que o Sr. Antonio Ignacio
tomasse asenlo e prestasse o juramento do esty-
lo, porquanto tendo o teucnte Joao Ignacio, pai do
deputado eleito Antonio Ignacio, adquirido pela
sua adheso a emancipar") poltica do Brasil a
qualidade de cidado brasileire por torca do *.
do arL 6. da constituicao do im(ierio, sem duvi-
da que o Sr. Antonio Ignacio, filho de brasileiro,
embora nascido na ilha de S. Miguel, lambein
gAo! brasileiro nos termos do 2." alo referido art. 6.'
da constituicao, urna vez que veio estabelecer seu
domicilio no Brasil cm companhia da senhora sua
mi brasileira e dous irmos tambem brasileiros
natos.
E oulrosim, resolveu o tribunal que nao se fi-
zesse mais a consulta projectada>
Acliando-se presente o Sr. deputado eleito Joa-
quim-Lopes Machado, resolveu o tribunal que Ihe
fosse dado assento, prestando o juramento do es-
tyfo.
O. Sr. deputado secretario Olalo Bastos sub-
uhilteu a seguintc proposta, que foi unnimemen-
te approvada :
< Tend i-se lindo o lempo por que tora eleito
deputado deste tribunal o Sr. cotnmendador An-
I toaio Gomes do Miranda Leal, e posto que j hou-
vesse Ihe offlciado o Exm. Sr. conselheiro presi-
dente, kiuvando e agradecondo os bons servicos
que jirestia, proponho que este meretissiino tri-
bunal por sua vez agradeca tambem ao dito Sr.
comiucndador os seus relevantes servicos, consig-
naudo-lhe um voto de louvor, que aerara ser in-
serido na acta da sessao de hoje, e dando-se disso
seiencia ao sobredito Sr. comuienJador.
DESPACHOS.
Requoriiiijiitos ;
De Jos Fernandes Lima o Mirtinbo Lopes dos
Reis, declarando terem distratado a firma Lima e
Reis.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Irineu Januario de Oliveira, subinettendo a
reno que a eaman
enierao j,j pagamento da desapropriacao do mesmo trre-
os Sis. Leinos & Guerineau, dill'erentes fazendas n0i _\0 engenhero para proceder as diligen-
franeexas, inglozas, safases e alleme--, conforme
esta anuunciado para leil.lo por interveneso do
agente Pinto.
Casa de letenp&o.Movimonto do dia
30 de Janeiro de 1873 :
Existiam (presos) 380, entraram S, sahiram i,
txistem 351.
A saber :
Nacionaes 230, mulheres 13, ostrangeiros 18,
jscravos 51. escravas 9.Total 351.
alimentados a cusa dos-cofres pblicos 280.
Movimeuto da enfermara do da 30 de Janeiro
de 1873.
Teve baixa :
Trajanc, escravo do capitao Firmino Alves Penue*
10, b iiibas.
Tiverem alta :
Isidoro Jos da Silva.
Francisco Antonio de Souza. .
Vicente, escravo de Bernardo Nogueira.
Passageiros. Sabidos para os portos do
sul no vapor Para :
Dr. Jos Pereira da Silva Moraos, 1 lilho e 2
eriados, Ignacio da Silva Deir e 6 criados.
Sabidos no vapor Gword :
Joaqoim F. de C Delg:ulo, capitao de fragata Ig-
nacio Joaquim da Fonceca, Kmiliano E. de Moracs.
Cainillc P. das Chagas, capitao Manoel Joaquim
Bello, l)r. M. A. de Figueirdo, Antonio P. Torres.
c,ipit;io JoSo D. Ramos, sua familia o 1 soldado,
Dr. Eduardo C. 6. de Araujo, sua familia c 2 cria-
das. P. lioistolm.vnn, sua familia c 2 criadas, alte-
res Jonqtiini .A. das Noves c sua familia. Jos A. A.
Maraiibo, B. Pimentel, D Feliciana R. Villar, sua
familia e 1 escrava, Antonio do B. Lopes, major C.
Magno da Silva, Francisco C. M. de Moura, An-
imprindo o sen dorar fez piende* tonio R. do-Andrade, Flaviano M. Machado, Adol-
Ndea aos domis devores con- phe DruypisS A. P. de Figoeirdo, Candido J. O.
Silva, Jos W. Baptista, Dr. Francis-o C. V. Cha-
ves, sua familia e 1 criado, Dr. Ernesto A. G. V.
Chaves, Joio C. do Albuquorque, J. A. Carvalho,
Aistdos Jos do Leao, sua familia o i criados, An-
tonio J. A. Costa, Jos D. Costa, M. F. Martins, J.
A. de Oliveira, J. L. G. Ferreira, A. H. A. Mara-
nbo, Carlos S. Araujo, Jos P. Cordero, Antonio
T. Bastos, Justino S. Torres, M. F. O. CavaquinliO)
Francisco J. 0. Machado, Antonio B. Montenegro,
Joao B. M. Gomes, D. Virginia M. Cafczeira, i li-
Ih.i o i criada, Maurice Levy, Galdino J. Silva,
Bcnto A. Torres, Jos M. de Assis, Joao P. Cam-
pello, Constantino Jos tioncalvcs e sua mulher,
I). Joaquina F. da Conceicao, Joaquim A. de Car-
valho, Jos F. B. Fluminense, Folippe M. da Silva,
sua mulher e 3 filhos, Joaquim (africano livre), 12
eseravos a entregar, 21 aprendizes, 30 recrulas, 9
soldados.
Saludos para os portos do norte uo vapor
Ipofuca :
Dr. Olavo Adelino Carneiro da Cimba, tenente-
coroncl Salustiano E. Carneiro da Cunha, Manoel
de" S Brrelo Sampaio seu irmo e um escravo,
Francisco T. Pessoade Araujo Junior^H. Igenhan-
Mn, Jos Mendes e sua familia e 5 eseravos, oo-
nego Firmino de Mello Azevcdo o 1 criado, Jos
Rr.gerio Sabino Ferreira de Souza, Julio Candido
Azorado, Rento P. da Costa, Dr.*Joronymo A. Ra-
pozo da (amara, Clcmentino Gomes Tavares, An-
to lio B. Ribeiro Dantas Jnior e sua etnhada Jo-
anua Marques dos Santos, Pergentino da C. Lobo,;
Antonio de 01 veira Lima, Aor C. Pereira, padre
Ernesto F. da Cutiba, Henrique R. Cao, Manoel
Remay Romano, Francisco J. Pero*, Dr. Joio A.
Lima Jnior o um escravo, Dr. Feliciano F. Martins.
Sihidos para o sul no vapor Sequa :
Jos R. de Albuquorque, Dr. Aurebano'da Silva
sua mulher o i criado,.Culodio D. Codeeeia, Jo
C de M. Barreto t sua mulher.
cas de 'demarcacao.
esnachr.ram-s'e as peticoes do Dr. Alexandro
de Souza Pereira do Carino, Antonio Pinto Leit,
Antonio Bento de Campes, bario de Campo Ale-
gre, Rento Raposo, Constantino Rodrigues Mendes,
Domingos Jos Machado, Ferreira A Ico, Fran-
colino Ferreira Ramalho, Francisco Antonio Mas-
eaienhas, Joio Baptista de Moraes, Joao da Silva
Leite, Joao loed da Silva, Jos Ignacio Pereira da
Rucha, Joaima do Bosario Guimares Macliado,
Jes Joio de Amoritn, loao Soares Botelho, Jos
Ignacio P'MXOto, Jos Roilrigues to Nascimento,
Jota Berna ido de Albuquerque Cins, Cabra l de
Medeiros, l.uiz Pereira ile Mello, Manoel Espindo-
la de Mendonca, Mainel Jos de Almeida Catanho.
Manuel Pereira de Araujo Vianna, Manoel Bamos
Correia, Manoel Antonio (Jardoso, Manoel Soares
do Amara!, e Silvestre Correia da Costa, e levan
ton-se a sessao. *
Eo. Lourenm Bezerra Carneiro da Cunha, secre-
lario subsenvi.
liento Jos da Coxt-i, pro-presidente.Jos Ma
ra Freir (lameiro. Manoel Joaquim do Re-
yo e. loitmterque. Angelo llenriqe da Sitea.
Cattamo byriaco da Cosa Moreira.
ROXICA JUHfiMRIlL
Tcibiiual el coiuiuercio.
ACTA D \ SESSAO ADMINISTRTrTVA DF. 16 DE
JANEIRO DE 1873.
pnEstDE.vcT* no exm. sa. conselheiro Anselmo
FRANCISCO l'EKETTI.
A's 10 huras da manha, presentes os Srs. de-
pulados, secretario Olinto Bastos, Candido Al-
coforado e o Sr. supplente S Leilao ; tendo com-
parecid i o Sr. desembargador fiscal, o qual nao
assistio aos julgaraeutos para que* fura convidado
em consequoncia de outras oceupaeocs ma^>*r-
gjntos d i tribunal, o Exm. Sr. conselheiro pre-.
sidente abri a sessao.
Foi, depois de Jida, approvada a acta da sessao
do 9.
EXCEDIENTE.
Ollkio do Dr. juiz de direito do commercio, re-*
metiendo as roame ministradas pelos respecti-
vos cscrivaes, das fallencias abortas em 1872. O
tribunal mandou que para os fins convenientes
fosscni dilas i ca.Oes archivadas com o oflicio
que as acompanhou.
, OlDeio do secretario do tribunal do commercioj
da Babia, remetiendo a relacao dos negociantes
matriculados naquello tribunal no decurso dos
ini'zus de jiiio a dezembro de 1872.Foi man-
dado para o archivo.
OfJkjo do Sr. supplente PedrcGencalves Perei-
ra Cascao, duendo que pelos-seus muitos alazo-
res dcixava do acceder ao convite qne se Ihe li-
zara para vir tomar assento nesto tribunal.0
tribunal ficou inteirado.
Oflicio do conservador do commercio de Ma-
ei, remeitcndo a relacao dos livros rubricados,
numerados, abortos, encerrados e sellados no i
d dezembro prximo passado.Madou-se ir
chivar.
liTeio da junta dos corrotores, enviando o
olelim daa colos oBioiaes da semana de a
11 dd corrente. 0 tribunal mandou archivar.
Oflcio do Dr. Bemo Jos da Costa, declarando
que dRinto o ultimo semestre de 31 de julho a 31
de dezembro de '87i, nada fjueibra no arma-
zem aUaiidegado Ramos.O tribunal ficou intei-
o ticicuo Jos Lu Guaiara, oeawtendo o map-
[i i d ariusiro semestre de 187! Wi o parti-
regUtro una procuracao bastante de Cimba & C.
ba registrada.
De Antonio Pinto Lapa e Manoel l.uiz da Silva,
.^siihuiettendo, para Ibes ser registrado, o seu dis-
trato social.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Francisco Freir Napoleo, pedindo ser, em
vista do documento junto, inscripto como caixeiro
p de Jos Bruno Mentscal.-Gomo rc^uer o suppli-
. cante, que nao provouser brasileiro, como se de-
i clara-na uomeacao junta.
De Manoel Januario de Moura, om que pede o
' registro da Bomeace de seu caixeiro Francisco
ttonimgues dos Santos e Silva, tendo satsfeito a
exigencia do despacho de 9 do correte.-Na for-
ma pedida, nao tendo, porm, o supplicante pro-
vado ser brasileiro, como allega, o caixeiro uo-
meado.
Informaeao da secretara sobre a pretencao de
Joaquim Teixera Bastos & C, a ser aunotado o
"ivro diario que iuadvertidaineute foi aberto c cu-
cerrado para Joaquim Teixeira Bastos. Como re-
|uerem, vista da informaeao.
COM O PARECER FISCAL.
.Requeriinentos para matricula de couimer-
ciantes ;
De Mathias Tavares de Almeida.Sim.
Do Antonio Machado Pereira Vianna^Como
requer.
De Joao Antonio da Silva Bastos.-Na forma
requerida.
De Jote Antonio Pinto.-Deferido.
De Jos Luiz Goncalves Penna Jnior.Como
pede, nao twido o Sr. deputado Lopes Machado
tomado parte na votacao.
Do Manoel Alvos Guerra e seu filho do mesmo
nomo, em que pedem providencias tendentes
reluctancia de Deoclecio Ribeiro de Brito, em nao
loes querer fazer entrega do seu trapiche -Guer-
ra. Deferido na forma do parecer fiscal.
Summarios ex-offieio contra os seguintes corre-
toros :
Augusto Pinto de Lentos.0 Iribunal resolveu
qne fosse convidado o Sr. desembargador fiscal
para assistir aojulgamentodesu: summario na pri-
meara sessao.
Luiz Amara! Dubourcq.dem.
Jeorgc Patchett.Vista ao Sr. desenibargador
fiscal.
O tribunal mandou levantar a suspensao do
corretor Patchet, urna voz que j pagou a impor-
tancia do imposto, c que se desse conhccueuto
ansia resolucao junta dos corretores.
dem tambem ex-officio contra o agente de
leiloes Pinho Borges. O tribunal resolveu que
losse convidado o Sr. desembargador fiscal para
assistir ao julganieuto deste summario na primeira
sessao.
l>noCESS0S DE REIIAUILITACAO COMMSRCIAL.
De Matauno Machado Freir.O tribunal pro-
ferio o seguinte desnacho:
Soja convidado o Sr. desembargador fiscal,
aflm de assistir ao ulgamento do presente procos-
so na prxima sessao.
Le Joo de Aquino Fonceca c Joio Ferreira dos
Santos Jnior.Soja convidado o Sr. desembarga-
dor fiscal, afim de assistir ao julganieuto do pre-
sente processo na prxima sessao.
Nada mais havendo sido submettido a despacho,
o Exm. Sr. conselheiro presidente cncerruii a
sessao as i horas da tarde.
se inspiron para inorec
ilo na columna de collabotacao do Jornal do He-
tife.
Se o iwt'ieel eollalwrador quizesse ter consulta
do os canonistas vera que quando ha coslume de
nio onvir o cntmlo, o prelado obra por si. Se ti-
vesse fo'heado o corpo do direito cannico, adia-
ra no tit. X, lib. 3,o capitulo 0, ijc cerneja
Ka noscitur, o qual nao s approva o coslume do
hispo tuto ouvir o cabido, como equipara este c- s-
tunic a um privilegio ; acharia no capitulo 3"
De consaet in sextoa seguinte disposicao : O
costitme que allega o bispo de ndo fer ourido o ca-
bido, para punir e corrigir es escesso dos seus
subditos nao se deve reprooar, puri/nanto uo esta
a isto obligado o metnm MfJV.
E' tambem o que se Colige do cap. 31 in fine.
De eleclione e o que no til. 3* do Liv. Io cnsmam
os AA.
Luiz Engel, canoni-ta de faina, julga tao verda-
deira esta doutrina, que allinua pouco a pouco
terse introduzido o i ostume e a prescripcao do
prelado proceder sem o conselho ou consenso do
cabido. Tit. X Liv. 3 n. 8.
Garcas, outro canonista de notn,.ide beneficiis,
part. ')', cap. i" 2 n. 139) cita Lambertini, que
afflrma ter cabido por Ierra o titulo das Decretaos,
que aconselha aos Menos ouvir o cabido Titulum
De iis que fiunt sine consensu.
Esse costume absoluto, porque, accrescouta o
mesmo Lambertini, hoje os bi.-pos fazem Unto (o*i-
wi'it expeiUuntJ sem o consentiiututo dos cabidos.
De distiticta nomeada tambem o Jur sla Zo'-
lnger (Liv. 3o tit. X u. 118), e entretanto nao he-
sito elle em dizer que qua uto ao conselho do ca-
bid i, pode o bispo deixar de pedi-lo e quanto ao
consenso nos casos requeridos polo direito, por
exemplo se o acto do bispu ofiende igreja, ao ca-
bido, ou mesmo aos direitos episcopaes, basta que
succeda ao acto do prelado, e i> e preciso que o
acompanhe com antecedencia ; seudo que em al-
guns casos basta o consenso tcito, como no caso
de saber o cabido do acto, e nio redamartacen-
te capitulo.
Ora, na queslao actual nao s o cabido calou-se,
como consenlio positivamente, e poz-se do lado do
Sr. bispo, como se v, alm de outras provas, pela
adbesao ao diocesano assignada petos Rvms. Srs.
conegos que se achavaui presentes, a exeepcao do
Bvd. deao Dr. Joaquim Francisco de Faria.
Em todos os casos exiglos polo direito para o
consenso do cabido, hasta que consulta a maior e
sa |arte dellemajor el sanior Capituli pas. No
caso presente o Sr. hispo nao tem a parte maior
e mais sa, mujor et sanior, como a sua lotalidadc
absoluta, ou por outra, tem a tot tliilade moral.
Ix)go anda mesmo que devesse ter o nosso dioce-
sano o consenso do cabido, j o ton plenamente
manifestado.
Reconheecudo com o Musir contradictor que
no cabido ha caracteres e lUustraroes, Colgamos de
ver que taes caracteres se mostram ao publico dig-
nos de sua posic.io com o BOU voto de adhesao ao
prelado.
Se o zelozo collaborador pCBSasse antes de pu-
blicar o seu artigo, vera que as bullas de excom-
inunho contra a macn aria devem ser executadas
pelos onnarios diligentemente (diligentes), appli
cando elles as penas at. mesmo eom o auxilio do
braco, secular se fr mister.
Querer o collaborador snjelar ao cabido, de-
clsoos emanadas do chele supremo da igreja para
toda a ehiistandade f At ah nao chegaram os
mais refinado; Gullicanos
Ueste imperio mesmo, multas e iiuporiantes re-
tornias teem feito os nossos bispos Mffl consulta-
rem os respectivos cabidos; c para nao ir mais lon-
go, mencionemos os .Sis. D. Manoel de Medei-
ros e D. Francisco Caldoso Ayres, durante cujos
governos tratou-se de retoma do seminario, in-
terdicto de urna igreja e aegafio de sepultura
ecclesiastioa, sendo ludo feito sem previo consen-
limento do cabido. Errara;.i aquellos bspos de
saudosssima memoria, dos .paos se, pode dizer
com a escripiura sagradaLnjtu, [quorum) me-
moria in benedetiane eiitf
O autor do artigo, a que respondemos, uein ao
menos se lembrou que nao foi o Sr. Fre Vital
que excommungou a maconaria e shn os Summos
Pontifices. Quanto ao dizer que o Si.bispo, leudo
Manoel Maxiniiano dos Santos Sta
Joao Augusto de Muljo.
Juizas protectora?.
As Exmas. Sras. .
D. Jdlia, fdha do IIHn. Sr.Luii Aatonio' Hiecal-
ves Penna.
D. Alexandrina Quiridoria Soares Pinto.
I). Julta Soares de Mello.
I). Leonor, lilba do Illm. Sr. Manoel Coma Luna.
I). Josepha Olindina de Barros.
D. Victoria, iilua do Illm. Sr. Francisco Goiv,;irve>.
ReMo.
D. Mara Alpiniain Cavakanti de Albuquerque.
D. Carila, lilba do Illm. Sr. Domingos V Ma.ra.
D. Mara Olyinpia Coolbo do ltosarto.
D. Filomena Anglica de Miranda Leal.
D. Jesuna Hermegilda de Figueircdo.
D. Maria da Piedade Sedrm.
D. Joanna Maria Rodrigues.
D. Virginia, lilha do Rliu. Sr. Galdino J.WU
Martins.
D. Jorgana, lilha do Illm. Sr. Jos1 Jacome Tas-'
D. Emilia Maria da Conceicao.
D. Maria, filha do Illm. Sr. Finnino Antonio dB
Silva.
D. Vicencia, filha do Illm. Sr. Luiz Jos Pmio ila
Costa.
1). Maria, lilha do Illm. Sr. Dr. Manoel Antoftw
d-is Pasaos Jnior.
D. Rosa Floresta Alexandrina de Meiiezes.
D. Clemcntna Floresta A. de Men.zes.
Igreja do Senhor do Bora-Fim de Olind... iQ de
Janeiro de 1873.
ELEICAO
DAS
l'.'ssoiis que liAu dr rrffer a f*st. <<
mrsmo Santo, no mino de RH
Juiz.
O Illm. Sr. Julio Coelo do Rosario.
Escrivao.
Ollim. Sr. Jos Cavalcanti de Moraes Ouedes
Alcoforad\
Tlicsotiroiro.
O Illm. Sr. Tranquilino Lbbes Castello Bi tnn
Procuradores.
Os Illms. Srs. :
Francisco Xavier Correia Lima.
Luiz Ceciliano Antero.
Manoel Jos Forreira-
Jos Caraciolo Ferreira.
Igreja do Senhor do Bom Fim de olin la, 1? d<-
Janeiro de |t73.________ '
COMMERCiO.

(laiva iilal do llaiici m
Brasil cm PtTiainlu!'-*.
em !ii|iiiilario.
Paga-sc o 38." Jivlmulo lias ao.oes d'
Banco do Brasil inscriptas nesta antiga MM
razo de 8-?000 por aceo ; ra do Mr-
quez do (Miada n. i!).
ftecife, 30 de Janeiro de 1873.
PBACA DO RECIPE 31 DE JANEIRO
DE 187:1.
\S :t t/SBOBAS DA TAUOC.
1'oineoes ollleiaes.
Assucar bruto superior jl'JO por i kifos,
bonlem.
Assucar -trato Imm l'W por 15 kilos, bonteni.
Assucar bruto regular 0'J0 por io kik*,
hontem.
Assucarbruto baixo linOpor 15 kilos, bonlem.
Algodio de 1" sorte !590 por 13 kilo, b,ii-
eni e boje.
Couros-salgados seceos 678 rs. por kilo.
Cambio sobre Londres a 90 d,v. 2> 3jfi d. poi
HOOO, hontem.
uuljourcq
Presidente.
A P. de Lomos
Pelo secretario.
ALFANDEGA
Rendimento do da i a 30. .
dem do da 31......
PUBLICACOES A PEDIOS,
O Sr. l*|io e o cabido, jul^ado.**
no Pretorio do Jornal do Be-
rile.
Em o seu artigo de collaboracao de 29 do cor-
rente, o Jornal do Recife dirige-se ao prelado dio-
cesano alcunhando de desacertado o passo que Ueu
sobre a questae maconica, suppondo que elle obra
sob o influxo de zelos pharisaicos, o que em bom
portuguez quer dizer que S. Exc. Rvm. nio obra
por si guiando-se pela consciencia do dever, mas
quo4*) faz machinalmente.
Protestamos contra as palanas menos respeito-
gas de que abunda o artigo em quostao. Squeni
nao couhecer o sabio, prudente e pi prelado per-
uanbucano, deixar de repellir in limine o men-
cisnado artigo.
Mos"a-sc o collaborador do Jornal do Recife
asperado* quasi a perder os milos, porque os
lefensores do Sr. bispo jogam pulhas e chufas
(r^tm tmales I ) Mas para que o zeloso escriptor
quer jogar contra a respetavel pessoa de S, Exc.
Rvtu^ estas chufas que diz ter descoberto (com
lauvavel indignafo) nos escriptos dos que cfofen-
dem o iilustre prelado ?
Se os defensores do Sr. bispo teem algumas ve-
jes -zombado e rldo dos adversarios da igreja, e
dos gratuitos iaj(njgos de S. xc. Rvm., .porque
JeUcs n merooun resposta seria, como a tem tide
aamprc que o caso nao somonte para riso.
Sem mais pream -nlos mostremos o equivocoJ
loipaa^ojne, /isla de s7rmo^t3^e ade I para nao dizer cito, cm que labora o iUvsfre col
pe ouirae ponderosee motivos, nao pode continuar l laboradpr do Jornal do Recife. fOj
considerado em primeiro lasara eeasnra lata sen-
tentia, a declarara depois cread: senlentia, pedi-
mos ao Ilustre canonista que nos cito as pala vas
do prelado, d'onde collgio ao :"agrante eonlra-
dccio.
Vamos concluir por agora, mas antes de faze-
lo, notaremos a graca com que o Ilustre rival fin-
ge ignorar que nao sao as inesrnas as circumstan-
eias do toilas as igrejas, apollas e matrizes.-Se
nao viesso isto de umescriptor tao sirio, toinariamos
como chufa.
Depois nio diga que os defensores do Sr. hispo
empregain cftu/u* : se as nao q :iioi ouvir, tome
attitude seria, quando voltar.
\!rr(letiii,!l>i
Nao podemos deixar antes de i tii'.ii.no-nos daqui
para o nosso paz, de agradecer por meio desta
aos Srs. Francisco Jos Vieira Machado o Jos Lo-
pes Macliado, aipiellc, mordomo do lazareto do P'
na, e este por tantos favores e obsequios quo nos
tem feito e tao desinteressadamente que somon-
te |R'los seus bois eorafoes, pedimos a L'eus pros-
peridade o louga vida.
Levamos comnosco a lembranca de termos dei-
xado em Pernambueo mais dous amigos, que jamis
osqueceremos, olferecendo ou 808908 prestimos
aonde estivermos.
Ilha do Pina, 31 de Janeiro de 1S71.
Antonio Daniel e os nufragos do vapor '-'"".
ELEKJAO
DA9
Pessoas que hao de esfieJiU* o glo-
rioso S. Gonzalo de Amarantlio,
erceto na igreja do ttenhor Uoni
Jess do Bom Fim, no anno de
1811.
Juiz por olftkao.
O Illm. Sr. Harry Chapmaa Filho.
Juiza porelei.a.'.
A Fxma. Sra. D. Francisca Xa-, ier Cavalcante
Vellez.
Juizes i<)r devocao.
Os Illms. Srs. :
Miguel Archanjo da Silva %raga.
Corbiniano de Aquino Fonceca Jnior.
Ildefonso de Brito da funha Souto-Maior.
Dr. Francisco Altino Correa de Araujo.,
Juizas por devocao.
As Exmas. Sras.:
D. Maria Cavalcanti de Moraos Guedcs Aleoforado.
D. Olivia fdha do Illm. Sr. Jos Cae tao da Silva.
D. Maria Francisca dos Santos Coelho.
D. Amia lilha do Illm. Sr. Prandscp Antonio Car-
doso.
Escrivao por eleicao.
0 Illm. Sr. Jos Pedro Alexandnno das Chagas.
Escriva por eleito.
A Exma. Sra. D. Leopoldina fdha do film Sr. ma-
jor Joaquim Antonio Pientznaer.
Escrivaes por devecao.
Os Illms. Srs.:
Vindimial Ribeiro Soares.
Antonio Urbano Tavares da Cesta.
Bemvenuto Octaviano dos Beis.
Celestino Gomes de Carvalho.
Escrivas por devocao.
As Exmas. Sras. :
D. Amelia Carolina da Silva Ramos.
I). Anua Leopoldina Jansen do Albuouerquc
D. Maria Francisca do Rosario Botclno.
D. Maria Leopoldina de Quoiroz Fcnceca.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs.:
Dr. Henrique de Miranda Leal.
Dr. Joao Francisco da Silva Braga
Dr Domingos Soriano Fernandes Soares.
Antonio do Medeiros Vafra.
Marcolino Lopes Catn.
Capitao Demetrio de Azevcdo Amorim.
Manoel da Silva Braga
llcraclio Francisco Lav as.
Jos Jayme de Miranda.
Samuel Monteiro de Lima Botniw*. n
Antonio Baptista da Silva llean..
yaei Gonvalves de Oh veira Filho
l,30it9iAbW
ii): IBMR
L,:it}:17/1'.*
Descain gain boje i"de fevereiro de 18VJ
Vapor ingloz-N/iM/iiifmercadorias para alU
doga.
Barca ingleza//cr/w'Oiwmercadorias para 1-
fandega.
Vapor nacional(r -viuho para >' .
trapiche Cunha.
IniportarOo.
Patuho portuguez Gomes de Castro, aitMfe ilu
Rio Grande do Sul, consignado a E. R. R-ibeUo-ti-
C, manifestou:
Chumbo 8* havris.
Graxa l\0 pipas.
Sebo 303 barris.
Vinlio 29 [tipas c UO barris, ludo aos
nata ros.
Brii/'ie ingles mete, rindo de fiew-York, tt <-
sujnoilo a Tasto Irmo it- C, manifestou :
Agua dolida 2o caixas a L. A. de Siquuia, I
a M. S. Farias & C. Aducas 1W) feixes a J. S.
Lovo & Filho, 72 a J. P. Fonseea 4 C. Amostra
eaixa a botica popular. Acido 6 caixas a LoneV-ii
4 C Anachauita 3 caixas a M. S. Farias 4 C
Banha 100 barris a Izidoro Bastos, SO a Tilo-
ma* de Aquino Fonceca & Successores, EO a J. J.
Leitao. 100 nos consignatarios. Barricas abid-
40 a Loyo & Filho. Vi a J. P. Fonceca & C. Br-
coitos 50 a M. S. Faria. Breu 100 barris a U. K
Faria.
Candioiros e seus pertonces 2 caixas a FJuei-
tao k Coimbra. Cadoiras 3 caixas a M. S. Faria*.
Esleirs 'i rolos a Linden d C
Farinha 201 barricas a Jaao Q. Agular, 373 eo*
consignatarios.
Kerosene .100 caixas a A. F. Corga, 30 a Aqui-
no & Successores, 100 a J. J. Leilao. 200 a Pereir*
da Cunha- k Irmo, iOO a M. S. Farias, 300 Boa
consignatarios.
Objectos de escriplorio 9 caixas a Tasso- lrma-tf
AC.
Papel 30 fardos a M. S. Farias.
Terebentina 10 caixas a M. S. Farias.
DEsPACIIOS DE EXPOHUCAO NO DIA :M3 BE
JANEIRO DE 1873
Para os portos do exterior
.Na barca iugleza lsland Belle, para o Canal.
Buregaram '. S. Brothers C. 70 saceos om
3,230 kilos de asucar mascando.
Na barca francoza Mathien, para Liverpod,
cyregaram : T. Frers.dt C. ,0u0 saceos com'
lo O 0 kiloslde assucar mascavado.
S No navio allemo .4. Catharina, para o Rio
da Trata, carregaram : B. Oliveira A C. 4501 r-
ticas com 30,096 kilos de assucar braneo.
No patacho hespanhol Mercelita, Para o Rio
da Prata, car egou : A. O. Leile 15 barris cen
1,0 litros de agurdente.
Nobrigue portuguez Adelina, para o Porto,
carregou : M. M. Monteiro 61 saccas com *,2M
kilos de algodo.
Na barca portugueza Claudma, para o Por-
to carregaram : Amorim Irmos & C. 12 saeet".
com 510 hilos do assucar branro ; Cunha Iranios
& C 7 saccas com 6"7 kilos do algodio.
No navio germnico Otto Grafzu StotbM
para \ alparaizo, carregou : A. M. S. Machado
367 saceos com *7,529 kilos de assucar brance.
Na barca portugueza Luzitana, para a InSa
de P. Miguel, carregou : J. dos Santos Silva ISO
barris com 28,800 kilos de meL
Pm-i os portos do interior
Para o Rio Grande do Sul, no brigue brasi-
leiro Amelia, carregou : A. L. O. A.evedo A C
20 barris com 1,920 litros de alcool.
_ Para o Rio Grande do Sul, no patacho Lw
sileiro Francoln, carregaram : Amorim Iraao-
& C. 170 barricas oom 2,164 kilos de aesnca
braneo e 20 ditas com 15,400 ![2 ditos AenKu.
mascavado.
Para o Rio Grande do Sul. no brigue iJfari-
leiro Pin.nmj, carregaram : Oliveira FHaos C.
20 saceos com 1,5't) kilos de assucar braneo.
Para o Araeatv, no mate brasileiro it S. M
Navegantes, carregou; J, C- Alcntara I* Jr
ricas com 750 kilos de a&aucar braneo e i cata
com 62 ditos de dito refinado.
Para Mlrt, na baraaca Jmo Valle, carfeV-
r
y.

<


*

.
*
\


i


/
,
Htm de iswml>ac4
SB*
H40l HjOWdO
U-ra do dia 31.
t DA ALFANDEGA
UJO. !3:i49J9D2
.... 439*0JO
17:.">8*#938
VOLUMES SABIDOS
kdw2.\30......
rtamra porta n-jia 31. -. .
Segunda paito.....
-Uerceira porta ... .
'mcli; Conceieao .
SEiVICti MAltinMO
Atmong.^ desearregadas i* trapiche
da anandega no dia 2 a 30.
Batas ditas na dia 3i- .
Navio* atracado* no trap. da alfandega
.Atuarengas........
Nv impirhe C'.mvicao.....

4G,i77
143
m
157
37
47,310
96
i
2
9!)
lU-itVtEDORlA DE RENDAS LNTGiNAS CE-
RAES -DE PKINAMBUCO
Rendimento do dia 2 a 30. UMBJBS7
M -n do dia 31...... 3:599*731
47:bi3388
CONSULADO PilOVI.NClAL
Kaliatenta d. dia i a 30. iHi:',^o\: i
JJ.-ndo dia 31...... 3:00732.3
M3:Wlf718
MOV1MENT0 l)fl PORTO
Navi'is entrados no dta 31.
frn-deaux por S. Ucete -3:1 dias, vapor ranee t
Vascnnia. do 438 tonelad as. eoamaadanta P*s-
MeaU, omipagem 3i, Barga diflerentas merca-
dinas; aTissel Freres: tem abordo 311 pas-
sag.-iros para Buenos Avies e Mantcvid-ja, arri-
bou para recebar carvo.
M .utevid-j38 dias, brigue francez Ittaufart, de
H9 tonelada?, capitao Lesoubere, e-mipagein
11, etn lastro; ordena conduz 32 burros.
Vw-Yorlc 3o di is, patach i inglez Airla, de 178
toneladas, capital J. Ell>, eqnipag.-ui 7, carga
BIS barricas coai farinlu de trigo c ou'.ros g-
neros ; a Tasso Irmo i. ll
Rio Grande di Sal -38 das, oalaoho p.; tuguei
Gomes de Castro, do 1$7 tonelada?, capitao An-
tonio Robos dos Santos equipa? m 8, trga
\\nhi egraxa : a E. H. H abollo & C.
Jathia -12 dias, patacho hespanhal gaste, .le liO
hadadas, capitao Pairo Arimjn,c miprgem 10,
001 lastrt-; orden.
Sihid'is.
Granja e portes intermedios Vapor I-silero
lp)Wi, eemmandaiite Moura, carga varios
gneros. v
*. 'acaj e portos intermediosVapat brasilelra
i'qutn. cooimandante Martins, carga varias
genero-. s v
EDITAES
J Dr. Sebastin do Reg Barros de Lcenla, jai?,
de direiif especial do eommercio d'esta rada-
de-de Rerife de Peiiiaitilmci. por S. M. i., etc.
Paco saber ais ipie o presente edita! Tiren e
t'.-llo noticia tiverem. que a requerim. nti de Mo-
ubai'd Mettlcr & C, se aelia aborta a fallencia da
urina social Meudes & Carvalbo, pela seaten;ado
tlisor sogntnte :
Tejado a tirina soeial Me ules & Carvalbo, com
-abele. iment de leja de lateadas ra d Impo-
i liria aestacidadi', cessado seos pagamentos,oque
'tii privado pelas tesipinunhas e documentos de
tullas ofierecidos pelos cr dores Monbard Mettler
A ',,, e pelo requ Timen!" de folhas 13, de Fran-
cisco Teixeira Meudes. que se diz unieo represen-
tante da trina, aeipor declarada a abertura de
-; i Ulencia i Mar de dia 18 deste mez, e noiueio
curadores liscaes aos referidos credorea que pres-
tarte juramento. No dia 28 proceder-se-lia ao
i. ; | trio cora o depositar o da leja, lechada aoje,
e no dia 30 ao meio dia na sala das audiencias se
reunirao os credores, para ler lugar a nomeacao
d depositario determinado pelo art. 812 do cod.go
coraniercial. sendo"soa convocacoe a publicacao
tiesta sntBBja feitas por editaos. Pagas as cis-
las pela massa. Recite, 2;i de Janeiro de 1873. -
Sebastian do Reno Barros d.; Lacerda. E tendo
Kraucico Teixeira Meudes. socio da lita firma,
agravado desta miha semen ja, e icpois-j desistido
demeraio agfravo, sobirain os autos minha cou-
i-i lio, aellea profer o despacho seoainte :
Designo o da 31 para ter lugar o in.entario
e o dia 4 de levereiro proxiui) para reunire:n-
- .. ere lores, as 11 horas e no lugar j indicado.
K cite 30 de Janeiro de-1873.Barros de Lacerda,
: para que ehegue ao conhccimonlo de todos,
i ] issar o presente, trae ser publicado pela
i: prensa c a!Rsad<) nos lugares do costme.
i i il i Recite, 30 de Janeiro de 1873.
i, Maaoel Mana Rodrigues d) Nascimento,
OSCftvi, o sub-erevi.
<,,!-, do P,v Burros '/ Licerda.
Faculdade de Dircito.
De rdena do Esa. Sr. :onse!heiro director in-
tmno.se la*publico oprogramma que ser ob-
aervs lo nos etam de scenelas, es quaes devero
coi ; no dia l." de fev.'reiro prxima vindou-
ro, s 9 horas da manha de comormidade un o
a, .-, imperial dv 27 de sotembro ultimo, quo al-
lerau as mstrt|cc5es que liaisaram eom o decreto
i! 1,430 de 30 "de outiiluo de 1869; assim como
i igualmente publica a lista d'1 tolos os ius-
drijtl ><"..as materias sobre que tem de versal os
x'ei J examos.
o secn lao,
Jos Honorio Bexerra de ateoeses.
i. estndintet im-ripios ua Faculdade de
IHreito rio ex mu <' /(< ia Miro de
{:?:
Mannrt rl,^Carva^7V^^H
l'edj-ij Celestino .!- Suizii MiORl
Vicente de Farias urjito Boorinho
Avelino Gandido de Audrado Peixete
Casimirl Dias ficira Jnior
Joao Henrique Vieira da Silva
Jase Antonio Saraiva Sobrinbo
Jos Francisco de Siqneira Salles
Pedro Chrysologa de Lima Buarquc Fi-
Iho
Thoaiaz Cando de Souza Landini
Eduardo Augusto de Souza Pitanga
Francisco de Assis
Hunrique Stepula Gomes Lima
Iriuo Lima-Verde
Antonio Garlts de Castro Madeira
Joo do Oliveira
Adolpho Accioli Wanderlcy.
Alfonso Jos de Mondonga Jnior.
Antonio (oelho Pinneiro.
AltYedo" Morena- Gomes.
Ascendmo da Silva Villar.
Benjamn *odrig Bernardino de Sen na Ribeiro Jnior.
'Cosatio Antonio Cardo) Ayre .
Gypriano Josi4 Vdloso Vianmi.
Feliciano do Reg Barros e Araujo Ju-
nior.
Francisco da Silva Meira
Henrique Joao de Lacerda.
Honorio de Barros Wandertey.
Jos da Silva Mello.
Jos do Valle Pedrosa e Souza.
Jos Franco do Reg Maia.
Jos Flix Garcez.
Jos Mara Gorrea das N'eves.
Jos Calistrato Carrlbode Vasconcellos.
Jos Dantas ltapicur.
Mathias Garlos de Araujo Macicl.
Macocl Joaquim de Albuquerqne Lins.
Manoel da bi'v i Bomfini Jnior.
Malaquias de Lagos Ferreira Costa J-
nior.
Manoel do Reg Mello.
Manoel de Mesquita Wanderley Lins.
Manoel Anlero de Medeiros Furtado.
Gregorio Magno Borges da Fonceca.
Pedro Velho do Reg Mello.
17 Manoedo'earyiJbo erVi^
8 l'edj-u Celestino ,1- NotiRi MaSFl 5
"W Vicente de Farias Gurjao Bobrinho 3
W Avelino Gandido de Audrade Peixeto 4
ol Casimir! Dias tilra Junjcr 4
!>2 Joao Henrique vieira da Silva 4
53 Jt*s Antonio Saraiva Sobrinlio 4
54 Jiis Francisco de Siqneira Salles
jo
58
57 Eduardo Aiuiusto de Soiua Pitanaa 3
59 Hunrique Steopla Gomes Lima 3
60 Irino Lima-Verde 3
61 Antonio Garks de Castro Madeira
'32 J*io do Oliveira
03
6i
65
66
7
68
09
70
71
72
73
74
75
76
77
78
19
80
81
82
83
8t
83
86
87
38
89
90
91
J2 Pedro Vicente Vianna.
03 Symphronio Eutiquiniano da Paz Poi^_
tella. f^~~
04 Temolao Pires de AlbuqnerqucVMara-
nho. /
99 Deodato Gesino Viklla dos Santos. >
Lista dos estudantes inscriptos par^eotmu de
geourapliia.
1 Alvaro Barbalh'o Ucha Cavalcante.
2 Aggo Eduardo Velloso Freir.
3 Andr Dias de Araujo.
4 Antonio Phikdelpho de Alleluia Patricio.
> Antonio Perera da Cmara Lima.
6 Antonio Marques de Ainoiim Jnior.
7 Antonio Coelho Piuhero.
8 Antonio Jos Freir.
9 Antonio Ignacio da Silva Jnior.
10 Antonio Wanderley Navarro Lins.
11 Alfonso Lopes Miranda.
12 Alfonso Jos de Mendonca Jnior.
13 Antonio da Silva Cabral.
14 Antonio Garlos de Castro Madeira. _
10 Antonio Marque- da Silva Guimares.
16 Ascendino da Silva Villar.
i 7 Alfredo Moreira Gomes.
18 Amaro Rodrigues de Albuquerque.
19 Alcides Eduardo Falcao.
20 Argemfo Alvo Arxa.
21 Avelino Gandido de Andrade Peixoto.
22 Bernardino de Senna Ribeiro Jnior.
23 Casimiro Reis Gomes da Silva.
2i Gaetano Estellita Cavalcante Pcssoa Jnior.
25 Ccsario Antonio Caldoso Ayres.
26 Gypriano los Velloso Vianna.
27 Garlos Samuel de Araujo.
28 Cosme Augusto Perera da Luz.
29 Diomedes Gonealves da Silva.
30 Edelbero Licinio da Costa Gampello,
31 Eduardo Augusto de Souza Pitanga.
32 Epphanio Franc>co Sampaio.
33 Emilio Madeira Gonealves Ferreira.
34 Esteva Carneiro Leao.
3 Francisco Barbosa de Paula Pessoa.
36 Francisco de Assis.
37 Francisco Romano de Brito Basto?.
33 Francisco Joaquim de Oliveira Cunha.
39 Francisco Ribeiro de Freir Argollo.
40 Francisco Paulino de Almeda Albuquer-
que.
41 Francisco Ferreira de Siqueira Varejao.
42 Prancisco do Reg Toscano de Brito.
13 Frederico d Siqueira Cavalcante.
44 Firmo Antonio Dourado da Silva.
43 Felippe Nery de Siqueira Salles.
46 Franklin Eugenio de Magidhies Sevc.
47 Francisco Piuheiro de Almeida Castro.
48 Francisco ltaciano Teixeira.
49 Genssco Telles Bandeira de Mello.
3
V.
i
:t
4
S
f.
7
8
9
1.
!l
*
n
14
4b'
1.
U
ia
'.!
.y
21
y,
uiyaipio de Aadradc Burra
Bernard Antonio de Menaon;-
Alfonso Qmdense Ribeiro de Soaza
Antonio Pedro Marques
ii s Mauricio de Torres 'temporal
Manuel Estellita Gavilcante Pe?
Geneco Telles Bandera de M;
Cluilherin Vieira da Qunha
Joao Cabral d.^ Heno
Manoel Carneiro d'> Souza Bar. Iftl i
;: !iln da Cimba
Casimird Reis Gomes d.i Silva
Franeftco'do Reg Toscano
Frederico de Siqneira Cavaieautc.
'r.'.neiseo Ferreira Joaqnim Feruandes le Carval'io
Joaijuin Filgueira dt' Meoezes
: Ad -lin Themude l/;-<::
Pacifico la Silva Calello-l!:.ie. ..nior
Bifldoipho hele Ionio Galafai:o da As-
suinp(a S. Tiago
Antonio Ejiimacho Cavalcante do Albu-
qnerque
Antonio Wanderley Navarro L'.ns
BdeibTio Licinio da Costa Campelo
Esporidiio Tenorio de Albuquerque
Felisherto Elysio Becerra Monte-Negro
Francisco de Castro Sa Barre!;)
FraneiS'.'o Barboza de Paula Pe^oa
Fraaers-o Bolelho dt Anlrade-funor
Pancis:a Manoel de Oliveira L'uarque
-l'ernrno de Arapju Lima
loio Pelti ka da Silva
Manoel Joai Ferrei:;.
Mano.-! Pialo Brand'o
Octavio AijB!o de Magalhios
Aggo Eduardo VHloso Freir FJio
Alban do Prado Pinentel
Antoni Jos Frelrc
Argemiro Alvos Ar.ixa
Aifoo. iflc Teixera de Freiins
Feliz :>qu"uu Ualun Cavalcante
Francisco do A ,sis tirito Jnior
Joaqun Atrcbiades Tavares e Hdland i
Joao Pi da gilva Vatenija
Jos D'iuto GJmes Torres
re Alvirr da Si
L.'.'uro:i;: uslrairiQ'.' Tavaresc L.'Uattd
C5 '
3
O-
50 Genesk) de Souza Campos Barros.
31 Gustavo Olympio de Miranda FOntoura.
52 Henrique Stepiile Gomes Lima.
53 Henrique Joao de Lacerda.
54 Hereulano de Oliveira Torres Galindo.
33 Honorio de Barros Wanderley.
56 Jos Flix Garcez.
57 Jos Henrique de Salles Abreu Filho.
58 Jos Carlos Mavrinekl'ires Nabuco.
59 Jovno Odilon '.astello-Branco.
60 Jos Antonio Wanderley Lins Jnior.
61 Jos Mariano Carneiro de Agufcir Cavalcante.
62 Ignacio Francisco Coelho Silva.
63 Joao da Silva Mell).
64 Joao Pedro Bandeira de Mello.
63 Joao Baptista Gonralvos Ferreira.
66 Joao Antones de Araujo Pinhero.
67 Joao Taciaao Carneiro de Albuquerque.
68 Joo da Silva Retumba.
69 Joo de Oliveira.
70 Joao Monteiro Peixoto.
71 Joo Henrique Vieira.
72 Joo Gandid,, di- Moraes Reg Jnior.
73 Joaquim Rodrigues Villares.
74 Joaquim Fiigueira de Menezes.
75 Joaquim AlciLiades Tavares Hollanda.
76 Jos de Mendonca Maltas Moreira.
77 Jos Donato Gomes Torres.
78 Jos de Soma Castro Fetosa.
79 Jos Je lloraos Vieira da Cunha.
80 Jos Vianna Val.
81 Jos de barros de Andrade Lima.
82 Jos Antonio Saraiva Sobrinho.
81 Jos Ernesto de Moraes Sarment.
81 Jos Gomes da Silvcira Jnior.
85 Julio Tenorio de Albuquerqua.
88 Juventmc Pulycarpo Al ves Lima.
87 i.uiz Duarte Perera.
88 Lvdlo Purpurario Cavalcante.
89 Lauro Augusto c.astello-Branca.
10 Lilto Clotildes (te Azevedo e Silva.
91 Lonren. Juitinjauo Tavares Hollanda.
92 Luiz Francisco Pitia de Albuquerque.
93 Miguel Jos Ferreira Gumarfes.
94 Manoel Ar.l r de Medeiros Furtado.
93 Manoel da Silva Bomlim Jnior.
% Manoel Ueale.mte de Albuquerque Wan-
derlev.
97 Manoeril;bcirixde tarvalho Jnior.
98 Miguel los de Brito Bastos.
99 Manoel Clementno de Oliveira Escorl.
100 Manoel F ilco de Azevedo.
101 Manoel Pinto Brandao.
102 Manoel de Carvamo Souza. '
103 Manoel Carlos Mayrinck Monteiro de An-
drade.
104 Mathias Uirlvs de Araujo Maciel.
105 Marco'.iii DorneUas Cmara Jnior.
106 Manoci do Nascimento Castro e Silva.
107 Manoel do Reg Mello.
108 Manoe! Pilguaras de Menezes.
109 Octavk.no Afasto de Figueredo.
110 Antonio Dia* de Amida Falcao.
111 Pedro Celestino tic Souza Maeieira.
112 Piulado' 'o !. -oiiard Ferreira Lima
113 Penubio de Abreu lima Figueireio.
114 Permiuo de Araujo Lima.
115 Raymundo Perera Castello Branco.
116 SindulpboC! eielonio Callafange d'Assumiifao.
117 Tbomaz Canso de Souza Landin.
118 Themistocl. Ptwpe de Albuquerque Fi-
gueireji'i.
119 Timoleiio Peres de Albuquerque Maranbio.
120 Zosiir.o I -naide- da Cmara Lima.
Litla dos estudantes inscriptos para exaute de
a-ithmetica.
1 Antonio-Pinhero Lobo.
2 Antonio Igaacio da Silva.
3 Antonio Jos Freir.
4 Antonio daTrindade Antunes Meira.
5 Antonio~Luiz Araub- Mnciel.
0 Antonio Goh.es de Maeedo Coulinho.
17 Albano do Prado pinientel.
m Augusto Jos'Teixcir de Freitas.
0 Alvaro Moreira de Oliveira Lima.
10 Antonio do C:-.rmo SerapWa e Silva.
11 Argemiro A ves Avxa.
12 Angela Osledio Correa.
i 3 Aveline Caadid-; de Andrade Peixoto.
14 Antonio Pliaadalulio dp Aliduia Patricia.
13 Auiajo Seigfei^^ tfe
16 Arllltir de lla*ros Paleto de ^acerl
17 Autonid Surques da Silva Galmar*
18 Acendino tt Silva Villar.
i ntindt rancCr*Jogueira- iM
20 Alfredo Voreira Gomes.
l Alvaro de Assis Cttorio Menss. *
t Antonio Basilio Ferreira Barros
23 Antonio Carlos de Castro Madeira.
24 Antonio Martins da Silva Porto.
25 Antonio Coelho Pinheira.
26 Aflfrmso Jos de Mendonca Jnior.
27 Adolpho Accioli Wanderley.
28 Bonjani'ii Hodrigwes de Froto CaVaukilk
Sa-OiMtOiprin'ltrirrit da'lbMu'Hlf.l
30 Cantidiano Jos de Oliveira.
31 Gaetano Estellita Gavatcaiite Bcaiia,
32 Dwmedes.Goncalve da Silva, m
*l Deodato Copino Vildla.dos Santo*.
34 Domingos da Silva Cardoeo.
35 Davino Nomi.-io do Aquiuo.
'Mi i-aniel Olivwra Barros de Alineida^-'t*-
37 Esperdiao .Tlienorio de Albuquerque.
38 Elididos de Aquiuo Fonevca.
39 Epamnondas da Costa Travasso.
40 Ernesto Marques da Silva.
44 Francisco da Bocha Wanderley.
42 Feliciano do Reg Barros Araujo.
43 Francisco de Castro Nunes.
44 Francisco Enipltaniu Gonealves da Rocha.
45 J*"rankJu Cavalcante de Barros Habelld.
46 Francisco de Salles Meira o S.
47 Francisco Itaciami Teixeira.
48 Francisco Ribeiro de Freir ArgoHo.
4 Francisco de Aess Bezerra Juaior.
50 Firmo Antonio Dourado da Silva.
31 Fosberto EHaio DuzeiTa Montenegm,
52 Francisco Dias de Arruda Falcao.
53 francisco Manoel de Oliveira Baarauc-
54 Francisco de Salles Ribeiro Campos.
55 Francisco de Paula Correa de Ariujo.
56 Francisco Soares da Silva Retumba.
57 Francisco Ferreira Martins Bibeiro Jnior.
58 Francisco Ferrio Castello-Branco.
59 Francisco Romano de Brit Bastos.
6'J Francisco Botelho de Andrade Jnior.
61 Francisco Joaquim de Oliveira Cunha.
62 Flix Joaquim Daltro Cavalcante.
63 Francisco de Assis Brito Jnior.
04 FYaneiseo Paulino de Almeida o Albuquerqucc
63 Francisco de Assis Borges da Fonceca.
66 Francisco de Assis Rosa e Silva-.
67 Galdino Perera do Carino.
68 Guilherme Aristarco.
09 Gustavo Olympio de Miranda Fontoura.
70 Genesio de Souza Campos Barros.
71 Gregorio Magno Borges da Fonceca.
72 Hermino Martins Curvello.
73 Henrique Stepple Gines Lima.
74 Henriquo Domiugues da Silva.
75 Hereulano de Oveira Torres GaWnJo.
7fe Henrique Capitulno Pereira de MeHo.
77 Ildefonso Leite Falcan Das.
78 Ildeonso Augusto de Oliveira e Azevedo.
79 Irino Lima Vecdo.
80 Jos Francisco de Siqueira Salles.
81 Jas de Aumriiii Salgado.
82 Jos Ernesto de Moraes Sarment.
83 Joo Baptista de Brito.
8i Jro Pi da Silva Vallenca,
85 Joo Monteiro Peixoto.
86 Jos do Barros de Andrade Lima.
87 Joo Carlos da Silva Guimares.
83 Jos Antonio ar ai va Sobrinho.
89 Jos Mauricio Borges Jnior.
90 Jos Flix Garcez.
91 Jos Cavalcante Ribeiro da Silva.
92 Jos de Mendoii'.a Maltas Moreira.
9B Jos FYauciscodo Reg Maia.
94 Joaquim de Azevedo Carvalbo Siqneira Va-
reja.
95 Joao Lopes de Siqueira Santo;.
96 Joo da Silva Mello.
97 Joao Alfredo de Medeiros.
98 Joaquim Cavalcante de Souza e Albuquerque.
99 Joaquim Augusto de Souza Rangel.
100 Jos J.istiniano de Gastilho Brando.
101 Joo Baptista Gonealves Ferreira.
102 Joo Fvangelista Carneiro da Cunha.
103 Julio Pereira do Carvalbo.
104 Joo Ferreira da Silva.
103 Joo Thenoro de Albuquerque.
106 Joo Capstrano Ribeiro da Souza.
107 Jos Joaquim de Souza Jnior.
108 Jos Vianna Vaz.
109 Jos.- Brando La Rocha Jnior.
118 Jos Joaquim Seabra Jnior.
111 Jos Podro de Almeida Pernambuco.
112 Jos Lu/. Buarque Pacs Brrelo
113 Joo Zeferino F'erreira Velloso. _^
114 Jos Cordciro Alvm da Silva.
115 Jos Calistrato Carrillio Vasc ncellos.
116 Jos Mara Correa das Noves.
117 Joaquim Fernandi de Carvalbo.
118 Joo Henrique Vieira da Silva.
119 Lidio Purpurara Cavalcante Simoes.
120 Luiz Antonio Marques da Silva Guimares.
121 Lilto Clotides de A evedo e Silva
122 Luiz Francisco Pila de Albuquerque.
123 Laurate Caetano da Albuquerque.
124 Luiz Jos Correa de S Jnior.
123 Manoel Eugenio da Rocha Samio.
126 Manoel Francisoo do Reg Barros.
127 Manoel Gamillo Ferreira Landin.
128 Miguel Jos de Brito Bastos.
129 Manoel Ibbero de Carvalbo Jnior.
130 Manoel Jos Ferreira".
131 Manoel de Carvalbo e Souza.
132 Manoel do Nascimento Vieira da Cunha.
133 Manoel Jos de Medeiros Correa. -
134 Manoel Clementno de Oliveira Escore!.
135 Manoel Ballhasar Perera Diogones Jnior.
136 Manoel Martins Fiuza Jnior.
137 Manoel de Mesquita Wanderley Lins.
138 Manoel Aureliano de Gtismo.
139 Manoel do Nascimento Castro e Silva.
140 Manoel Marques da Fonceca Mello.
141 Malaquias de Lagos Ferreira Costa Jnior.
142 Mat-iasda Costa Barro?.
143 Manoel Artero de Medeiros Furtado.
144 Manoel Joaquim de Albuqucrqtio Lin-.
145 Manoel da >ilva Bomlim Jnior.
146 Manoel Porfirio de Oliveira Santos.
147 Manoel Pinto Brando
l'i8 Octavio Augusto de Mngnlhes.
149 Pedro Lea Velloso Filho.
150 Pedro Nolasco dos Reis Lima.
151 Probo da Silva Cmara.
152 Pacfico da Silva < astello Branco Jnior.
133 Pedro Chrysjlogo de Lima Buarque Filho.
Kn Pedro Vicente Vianna.
135 Paciico Fernandos Bandeira de Mello.
150 Raymundo Fernandos de Vasconcelb.
137 Ruino Augusto de Almeida Jnior.
158 Raymundo Antonio da Rocha Lima.
159 Rodolpho Marcos Theophilo.
160 Ravmuudo Pereira Castello Branco.
161 Sabino Olegario Ludgero I inho.
162 Sofronin Eutiquiniano da Paz Portella.
163 Temolao Peres de Albuquerque Marauho.
164 Thomaz Cancio de Souza Landin.
165 Theodoro Al ves Pacheco. '
166 Theodoro idimo Correa de Abreu,
167 Thom Alfonso de Moura.
188 Vicente de Farias Gnrjo Sobrinho.
Jos Antonio Saraiva Sobrinho insereveu-se. fia-
ra geometra, nao sendo publicado o seu nomo por
omisso.
FeveiiqiV (fe.l&T.
sz
<*"- i-
e afiliada por 1 noo.
OAtendo i'i kilos d.: casr
le 6J0O0, e 30 kilos de ba-
vnida no niesuio vajjor e
Folio
A, 31 de janeb-a de
O inspector,
A. de Ganalho tet.
miimw.
**----*f
C0X9CL1D0 l'RUVSCIAL.
Avsame or esta nparti^iw, me m dia *0 do
entusnte abre-se opraso una roeepeau dos dijte-
rentes unjiosbis |)foinci.>es (leignaus na lei do
.orramenio vigeafte de 1872-73 ; os quaes devem
er lfeio* deniro Or 30 das sera dependencia
da multa deC 0(0, ein que noor-reco os contri-
bubites que adpixarem de fazernesse praso legal.
Consulado provincial, 11 de Janeiro do 1873.
O ad riuslrail'ir
Antonio Garoeiro Machado Ros.
Can tunta 4o porln de Vraiiin-
1>uco ido jiiiK-ii-o d* 1833
AVISO rtOS NAVEGANTES.
L. Vf1 cu capitauia se taz publica a deelaracao
liaixo transcripta, da capitauia do porto da pro-
vincia da Parabyba.
. Pela capitana do porto se declari que era
ate da povoaca de Taraban, litoral da costa
provincia, e na distancia (l) 15 militas ao
, no fund) de- Hetiracao, pouco^mais cu me-
se aclia tundeado o casco do vapor norte ame-
ricano SAep f; /. JV. 1'., de i,500 toneUadas,
incendiad i na madrugada da dia 2 do crrente
iuo.-!'Gii|iitaiiia do porto de Hernamb;eo 4 de
jneiro-de 1873. Cuela no Alces de Somu Fu*
giras.
Est conforme.O secretario, I
Deco de Aqtxo Fonseca.
SANTA CA8A 1) DflSKRieORMA IH
UECIFK.
Predio venda.
A junta administrativa da san'a casa de mise-
ricordia do Itecife, autorisada pela i residencia e
de eonlorniiilade enm o sen cumpromiss', leva
praca de venda^, ua sala das suas sessoes, pelas :\
horas da tarde do dia 5 do c.rrente, os seguimos
predios, lu.iiandij o ir baso as una ti lias ulfereridns.
3:309,000
2:000i000
2:0 Oi0O3
16000 ;::000ooo
40. Cavatina na opera Anna Boina (Don*e(tt
para ojiliicl-ide, do maesQro Caaius, ,u0Cbtad
polo Sr, Jansen.
_ II. Canconeta, cantada poiaSra. N. N. que gen-
tilmente tjma parte.
12. Dua da o era Marino Falliere (Donizzett),
eZ'Cutalo" pela ira. Magdalena "Brucioi c o Sr.
Giovanni Scolari.
13. Romn,-a cantada pela Sra. Adela Poppe.
14. Tereetto de Oplnclcidc, intitulado a restau-
rado do P rnambuco, do maestro Pedro Baptis-
V, excculado pelos Srs. Jansen, Mendonca e Luii
Goiu'Jga.
N. B. Depois do concert baver um trem es-
pecia! para conducido dos concurrentes.
THEATRO
SANTO ANTONIO.
QUARTA-FEIRA 5 DE PEVEREIRO.
Beneficio da prima dona
CAROLINA NGEL
Toma parta no dvertimento a companbia dra-
mtica, cujo emprezaro, o Sr. Vicente Portes de
Oliveira, graciosamente se prestou em auxiliar a
beneficiada, dando assim mais urna vez testemu-
nho de seus elevados sentimentos nara com seus
comp3nhcros d'arte t|uc aportara ao seu paz.
I'ri>^i'iimma :
I." parte.
Cavatina O' mo Wrn/wiJ da opera La Favo
rita do maestro Douizotl.
2.a parte.
Comedia em um acto Os avs improvisados.
3.' parte.
Romanee da opera Africana, do maestro Mcye-
ber
Romance da Zarzuella, // Juramento, do maes-
tro Gastunibide.
4.' parte.
Comedia em 1 acto CIMMiaijtes e ventura.
5." parte.
Cantonla papuar hespanhola Aqu tu.
Todas as pe .as de msica sero cantadas pela
beneficiada, Con aeompaiihamento lie orchestra
sob a direee/to do maestro Sr Cobis. que obse-
quiosamente se presta a drg-Ia.
tm Wu-mvte h Sui.
Francoim.
Para o referido porto rtfcetfe carga (rete 9
patacho brasllero Francoim : tratar com as
seis ignateonsarios Ainorim IruiSos 4 C.
Mei-agua do largoda Campiua u. 3
Casa terrea da na de S. Jorge n.
92. e a casa terrea da ra dos
.Suarampee n. 83
Gasa terrea; da ra da Matriz da
Boa- Vis a n. 56.
Mein da ra da Gloria, lioj Yiscon-
*de de Alhuqueraue, n. 61
Mei-agua da ra de Antonio Hemi-
ques n. 26
Sobrado n. 37 da ra da Guia, hoje
Restaora(*Ao
__ Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cite, 1' de fevereiro de 1873.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
TRIBUNAL DO CUM-MKHCIO DE PER-
NAMRLCO.
Esta secretira, de conformidade com o ili jws-
to no artigo 6 do cdigo commercial, taz publico
que se achara matriculados os segu.ntes commer-
c.irites :
Joo Antonio da Silva Bastos, cidadao bra> lei-
ro, de 28 anuos de dade, natural da provincia da
Paraliyba, domiciliado e estabelecdo nesta praca
com sua casa de coinniercio do fazendas a retalho.
Mathias Tavares cft Almeida, cidadao braslero,
natural da provincia da Parahyba, de 33 annos de
idade. domiciliado e estalielcido neslt praca cora
na casa de eommercio de lerragens e uiimlezas,
por grosso e a retdbo.
Jo.- Antonio Piulo; cdado braslero, natural
desta provincia, dc^7 annos de dade, domicilia-
do c estabelecdo es praca com sua casa de
eommercio de. consgnacoes e transaccoe? de des-
contos, por grsso.
Antonio Maclwdo Pereira Vianna Jnior, cida-
dao braslero, de 28 annos de idade, domiciliado
nesta praca com estabeleeiinento de calcado es-
Irangeiro, por prosso e a retalho.
Jos Luiz Gonealves Penna Jnior, cidadao bra-
slero, natural desta provincia, de-32annor de
idade. estabelecdo nesta praca com casa de cont-
mcrcmde mercadorias estrangeiras, por grosso.
Esta secretaria faz publico que fui arcblvado o
seguinte contrato de sociedad.' :
De Antonio Pereira Martins e Manoel Mara Go-
mes da Silva Cunha, sob a firma de Martins i
Cunha., cora o capital de 28:56108 paira o cotn-
mercio\dd compra e venda de seceos e molhados.
por gr. so e .a retalho, no estabeleeiinento sito
ra da 'alma n. 4, senda a sua duraeo por trea
annos, a contar do dia 1" do correte mez.
Secretaria do tribunal do eommercio de Per
nambuco 27 de Janeiro de 1873.
O offlci.il-maior
Julio uiwiraes.
Tasso limaos t C., consigiiataii>.< do briguf
nglez Airlo, procedente de New-Voik, kzem
safante aoa recebedores de carga que o mesoio
conduz, de luandarem proceder ao despache n
alfandega, para evitar diirtora de descargas das
alvarengas, na eerleza de tpie rerahirao sobre-
aquell>>s que derem cau-a a ta. descuidos, todas-
^is despezas que sohrevcnliaui ao navio,
AVISOS MARTIMOS
Baha.
Segu com mura bre d da para o .irnl:do
porto o veleiro hate Garibaldi: caga e frote
tratar com os Srs. Tasso Irmos k ra do
Aniorm n. 37.
Julia ss vapirosde Liverp anlo
Valparaizi).
PAQUETES DA REAL COMPANlA DE >A-
VEGA^O A VAPOR DO PACIFICO,
GOMEr.o DE 'Airriius seman.ves
Os vapores abaixo mencionados ou oulros da
mesma companbia.. partro de Liverpool para o
Ro de Janeiro, Montevideo, Valparaizo, Arica, Is-
la y c Callao.
Tambera levando passageiros e dinbeiro para
Buenos- Ayres.
Surala. Ojiarla feira. Janeiro 8.
(*) */fi(/(/e///iQiiarlaleira,Janeiro 15.
CliiinborosoQuarla-leira, Janeiro 22,
(*) Maganta -Quarta feira, Janeiro 29.
Garonne Quarta-era, fevereiro 5.
() Cordillera Quarta-leira, fevereiro I?.
Corcovadojuarta-eira, levereiro 19.
*) AracauniaOjuarta-feira, fevereiro 26:
'ocando em Bordean! e Lisboa, e as vezes nos
portos de Hespanlia para desembarcar e embarcar
malas e passageiros.
() Tocando em Periiambueo e Baha para des-
embarcar malas e passageiros gmente.
Vollando de Callao todas as quntas-f;iras, e de
Valparaizo todas as tercas-feiras.
Mercadorias. Pode! ser carregadas por co-
nhecimento para a viagem intuir a todos os por-
tes na Costa Occidental (West Coast).
Para o Para
vai cabir ate efia 8 de levereiro a barca porfi-
gueza Arabelln, de 1* classe. leut Ir partea tta
carga protnpta, e para o rento que rae faifa Ira-
la-seeom Ferreira de Almeida A C, a na ene atar-
dre de Dos n. :ifi._______________________t
'Par
Seguir em poucos dias e paticho portogteez
Adelini; para o resto da carga trata-se eom rb-
reira Vianna & C, ra do V^ario n. li. pat-
n iro andar.
Para o indicado porto, pretende seprir com piu-
cos das de demora a veleira barra jtortugueza
Noto Siiencio, navio de l.'chttse, raiHfciiD Ferreira,
|r ter mais de dous tercos de seu carTeganieoto>
prompto e rara o resto que Ihe falla e passageiros
( para os tpiaes tem bons commodos.) tratVse teta
os consignatarios Joaquim Gonealves Bertrn &
Pulios na do Commercio n. 8.
Para o Rio de Jaiteiio.
Vai sabir com brevidade o lugar |"rtB-
guez Almedina por ter a maior par! d i c.^rga
promplA : trata-se com E. R. Rabelb & C. : i"ua
do Commercio n. 48.
LEILOES.
LEIL40
Editiil ii. OO.
Pela uspectoria da alfandega se faz publico
que as 11 horas do dia 3 de feverejre, porta
desta repart, a se bao de arrematar li\ res de d-
reitos 2o carrjnlios de madeira para crianea, ava-
llados or 289^250, os quaes faziam parte do oon-
teudo de 4'ealilas marca F C A, vindas de Lisboa
no vapor inglez Neva entrado ueste porto em 29
de dezembro de I8?2 e foram abandonadas aos d-
reitos por francisco Guedes de Araujo.
Alfandega de Pernambuco. 31 de Janeiro de
1873.
O inspector,
Fubio A. de Carvalko Beis.
Jii*pci*-ta rio airea! d*
aunriuliu
Faz-se publico que a coinuiisso de perito.-, xa-
uiinamo, na forma determinada ne re^ulainento
anne^o ao decreto n. 1121 de 5 de fevereiro de
185'i, o casco, machina, caldcira. apparem,
OkastrcacSo, veame, amarras e ancoras do va-
por punca, da conipanhia pernariilracana do
navegaco costera, achou todos ess..- e.Me.-lo.-.
era estado de poder o vapor continuar to serveo
em que se emprega.
Inspereo do arsenal de marinba de Pernmibu-
co, 30 d Janeiro d^ 1873.
Fi'ancisco Romano SYrDpfi' bispector^
em
SANTO ANTN 11).
'. EBPREZft-VICENTE.
ftabbado l. le revertir.
ULTIMA
representaco do magnlica drama raartimo
1 prologo e % actos :
\s *ito e inria Kin-i-.
IMPRETERIVELMENft;.

i'
E
Etlital n. 91.
Pela inspectora da alfandega se faz pttUtco. o gr.. maostraPfbne.
que s U horas do dia 3 de fevereiro, porta de>-
ta repartiijo c livre de direitos, se bao de arrema-
tar as mercadorias abaixa declaradas; visto nao 1.'
taren) os seus danos on consignatarios viudo des- mor,
pacha-las dentro do prazo que lhe foi marcada sen.
por editaes ns. 82 e 85. 2.
Arrnazetqn. 1. pelo
Marca S E S fc C-Vraa eaxa n. 3,2i7, con- 3.'
leudo grampos do ferro averiados, pesando liqui- A'
varhdi mm
Vil'ill f iis!ni!,lt'i::i
Nextii-leira 1 le fHer i GR.VMIE S\L"VX> l>\ ANTIGA ACADEMIA,
EM OLINDA
-AfftS e niela horas
No insmo tomaran parto os
Pacific Sieaiii Savigaliiiu ttMijnmy
I.jiIiii le vapore.* eulre Liver-
|m1 e VaJ|arazo.
At o dia 2 de fevereiro esperado o prmeiro
vapor desta coiiipnlna o Magellan, o anal nao
ter commnncacao com a teira e desembarcar
somonte passageiros c malas, seguindo depois para
os portos de suas escalas.
Para todae qualqaer iiiformac' podem dirigir-
se aos agentes VA'Usan Rowe tv C.
14-RUA DO COMMKRCIO-ll
t:o.w.\ffiu
ESSAGERIES MARITIMES.
At o dia 8 do crrente mez e;pera-se da Eu-
ropa o Vapor francez Gambie, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Avies,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condicoes, freles c passagens, trata-.e na
agencia, ra do Commercio n. 9.
No dia 9 do correnie mez espera-se dos portos
do sul a vapor francez Mendoza, cominandante
Bcnigni, o qual depois da demora do costu me se-
guir para Brdeos, tocando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para condicoes, fieles e passagens, trata-se na
agencia, ra do Conuncrcio n. 9.
DE
Movis, louca e Titlac.
SC.N'DO:
l magnifico piano de Boisoitt lils & C, I rica mo-
bilia de Jacaranda a Lu'. XV, 2 catantes para
msicas, 2 guarda-roiipa de moggo, ditas com
espelho, 1 lelo para casal. 2 bidets com lamp
de pedro, 1 lavatmo com pedr maniiere, 1 es-
p.'llio. 1 mesiiba coiu lampo de pedia, 1 dita
para jogo, 2 canias de ferro, 1 cadoira para as-
seo, i cabido, 1 par de escanadeiras de por-
celana e Jarros, taptese lustro para gaz.
I*atmieiii< Iri'iN-o.
I mobila americana, 1 secretaria. I estante, 6
caixas com instruiiientos cirurgiros, 1 machina
elctrica, 120 voluines nipressos (medicina), com
estampas, 1 relogio, 1 machina (! castora, i
costueira, 1 guarda loma, 1 aparador, 1 mesa
elstica. 2i cadeiras de guarniro, 1 appardho
de porcelana para cha, 1 dito para jantar, 1 ba-
nheiro do l'olha de Flan.liv.-. copos, clices, gar-
rafa- de crystal, trem de co/.inba e 1 grande fo-
go de ferro c oulros peiteines de casa de fa-
luilia.
mm
Por autorisacio do Sr. Dr. Jaeutho Soares Re-
beilo, que seguio para corto, o agente Pnlio Bor-
ges, vender em leilo todos os oHeetos cima do-
clarados, existentes era faMe dTelina, no predio
eoul'ronte ao palacete do lllur. Sr. Dr. Augu-t..
Frederico de Oliveira.
A's 10 l,'2 horas da inaub partir da astacji
do arco de Santo Antonio um Irem. alim de rnu-
duzir gratis os concurrentes do leilo o mal prin-
cipiara denois da rbenada do mesino
DE
8 barricas com carreja branca em iiiei.i-
garrafus, de superior quahdade
Sesnla-reira S 1 corrvaae.
O agente Pestaa fara leilo, por conta e rfaro
de quein pertencer, de 8 barricas com arveja
branca, superior quahdade, e sero vendidas se-
gimda-feira 3 do correnie. s 11 horas da aianlw.
no trapiche Conceigo. ______'
movis,
TERCA-EE1RA
O agente Pestaa,
LEILO
' DE
Iliaca ik vidnis
4 Do CORRENTE.
autorisado por ama familia
que se retiren para fra do imperio, far leiiao de
una mobila de Jacaranda com lampos de podra,
(un 12 cadeiras. 2 ditas de brajos, 2 de balauco,
eoni.olos etc., 1 dita de aiuarello nova, 1 dita noa-
da. aparadores, commodas. guarda-louca, guarda-
roupa, loilete, mesas, louvas, \idros, quilros, espe-
lhos, cantas, liguras, manpnzas, maripiezoea, ca-
deiras, c muitos oulros objwtos que se achara.
patentes, e se tornara necftssaios. sendo envina-
do o leilo terca-reira 4 do correnie, s fl hora-
da manila, no armasen ni i do Vicario n. !1.
Para o Rio-Grande do Sul.
Recebe carga a frete o patacho partucaez Go-
mes de Castro : trata-se com E. R. Rabello 4. C.
ra do Commercio n. 48.

la ieulc.
segnlntes artistas
AduU Punpe, Sva.
Sra. Magdalena Brucioa.Sra. Ad4i Pojipe, Sva.
N. N., Sr. Giovanni Scolari, Sr. Jausen, >!'. Mar-
tins Vianna, Sf. ,jiendo?a, Sr. Luiz Guju^ga e

Kuui-
lan-
Pro^ranjuiaa :
l.'pftrt .
YariapQes para lopliicJeidc de Gaefar
maestro aftoiuSo, exceulada- pelo ?r.
Cavatina da opera Ernaui Vordi-. cantoqa,
Sr. GiovyniaVtlC'ila i- ~
Romance cantado pela Sra \dele Pupfbx^
Variacoes para clarindtla sobre motivos da
do t*a kilos, Tinda do Havre na tarca franceza. opera Saffo (PaCinlJ ejecutadas pelo Sr. Martins

S; Miz. entrada neste porto era 11 de dozetubro
de 872, avallada por 10*000.
dem S. -Urna canastra sera numero, contendo
nzes. pesando liquido Idgal 24 kilos, avallada por
07381, viuda do Rio de Janeiro no vapor Aaw, en-
trada era-30 do deaanibro da 1W2 o consignada a
L. de M. sarment.
Scrodi). lua caixa contendo sanguisugas
ora mo ojiado, pesaivto bruto 11 kilos, viirfa de
Bowleaux no vapor fraiflz Mendosa, ni rndo em
10 do correntc, avahada por 2A000.
Marcfi J P FUrna caixa contendo inacis ar:]
rutfbs, viada ua mesmo vapor, coagnda a
Vianna.
."i." Cavatina da opera Macbet Verd> cantada
pela Sra. HrueiuaL j #
%*. UoiuHU'.'a da opera D. Garlo (Veruj ^nfada
pelo Sr. Giovanni Scolari. -="..*
7." Variaflde. para.laxofone 8ob%.mofe va da
npe a-Trovadas (Vordi, execnUda*-T>fvSr.. Mar-
tins Vian jad
cafti
J.' parte.
a Serenada' fia opef a Faust
d jielo Sr. Govan i Scolaru
9." Cavatina d* opera Ernip
pela. SrVJtmatCBA Bruclom
Compauliia aiiericaua e hrasileira
de paquetes a tativ
At o dia 2 de fevereiro esperado dos portos
do sul o vapor americano Ontario, commandanle
Slocum, o qual depois da demora do eosturae so
guir liara N'ew-York, tocando no Para c S..
Thoinaz.
Paia freles e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster & C, ra do cnnuercio n. 8.______
Para o Rio-Grande do Sul.
Segu ne-tes dias o briguo naciuiial .biiclia :
para o es o da carga que falla trata-se com os
seus consignatarios Antonio Luiz de Ohveiri
Azevedo. u seu esc ipt rio, rtw do B.m Jess n.
67 (outr'ora ra da Cruz.;_____________________'
CLAUDICA
Pai-a o Porto
Seguir coui a raaipr brevidade possvel a ve-
leira e bem cormevida barca portagueza Claudi-
na, ye>r ter parte da carga engajada : para o res-
to e pnss,ageiros, aos quaes offerece excellentes
poraindflos : Wata-se com Guana Irm&os A C. ra
da Maro de Deus n. 34, u com o capitao, na
pra^a. .
BE
FAZLM.VS
SegiinJa-feira 3 de fevereiro.
Lomos & Guerineau levarao leilio, por htfer-
venoo do agente Pinto, nui competo e vatfado
sortmento de fa'.ondas franceta, inglezas. mi. -
sas c al'emas, existentes em sea annazem, na
do Mrquez de 01 inda n. 1. onde espegain a n u-
correncia de seus oumeroM>s ffeguezes.
urna grande
coiu 13
19
Para o Rio de Janeiro.
Pretendo seguir Bastes oto dias o brigue na-

roal Isabel
if lia trata-se
JSaWdla I Luiz ce Olv:
laoBom
esusu.
i o rn-te da carga que lhe
e"us c nsignatarkis Antonki
no sm cscriptorio. ru;
u mfta Cruz).
_
I
lii.i^
Jb*-
%
...
D
projirienlado n Poita d'A'-
em lpiiucoS.
CO.NSTAMiO BE :
Urna casa grande de podra e cal. U-ira da e
Irada, com 31 palmos de frente c 35 de fumi-
com grande terreno e boa baixa de eapim.
Urna otaria para telhas c jolo-
Urna casa terrea em frente da piimea,
palmos de frente e 0V> de tundo.
Una dita pequea que serve de celieira, con:
palmos de tenle e 4o de Cundo.
I'ina dita de 12 palmo.- di- frente p :o de fund- .
l'uiadita cmn 1-' palmo de frente e '& de fundo
l'ma dita sera rejiartuncuto, eom a racsma kVeut-
e fundo,
l'aia dila dita, com um quarto i.ia.
Urna dila dita, com 22 [.almo.- de Insit e 49 dv
fundo.
Urna dita dita, com Hrpalmos de fronte eW*
fundo, todas odiiieada .-i-i chos j>ro|H.-.
lado da levada.
Quinta-feira (> de e\ereiro
toniriata.
O-agente Pinto levar i lilao, hora do ib:,
cima dito, o em um solle, toja a propriedad.
acuna dita, sendo : cerra de 8 nonas partes"pf
mandado do lllm. Sr. Dr. ju/ de direilo pi v:.
do orphos, em virtuak* do requerimeuto A|P'
va de Joacuimi Pires Caiiieir.. M-.mteiro.. tura
seus lhos menores, e cerca de rana ,K,ua P.ar
por aulorisaeo do procurador basliitiljf, do n
deiro que *e acba ausute, o baclurel MBfi
Carneiro Monteiro.
Os prelendenles. poderao examinar desdo ja t
dita propredade. a qual sotoiua Ul.
pela su posiSo, eulendendo cora o i i
agente, ecouivrrendoao leilo que deve ter lugai
no eserintprip-^orofwid i a .u- rjta d i B-un J<
sus n. 43.
Ceptra urtkU'sto.
Henrictte Monteiro dmidatoente aulorisad i i
juizde orphos, requeien a venda u\i> paites d.
propriodade l"orta d Agua, |iossuida
Ao annuiicio da ventl
pi de Queiroaa o aviso" pn>. **""" J1-
283 de 11 de "dezerabi.. pr.-Brao passadp. J
outras vezes Olympio ten. feite
se aba tem resindo.
Esta e arespesra ww ainH n^ra-riprodusaui^
A viilya e- lilho do tem.
IciiiCanSIto Monteiro ce




V
'
Diario de Pernambuco Sabba<*o*l de Fevereiro de l$f3.

Symp_\mo Olympw 4e flueiroga, publicado nos
Dianos de 20 0 21 do corrate declaran : 1.*
que o Sr. Symphrone nit- teqi dominio plno no
terreno' que se refere, pertoncente ao sitio da
Porta d'Agua do Monleirr, mas somente direitti ao
Toro, que poresse mcsino terreno paga va o lirado
Florencio ultima adnu listradnra do vinemo do
' "Monteiro : 2. que essa f deposito, para ser levantado pdo Sr. Syinphroiuo :
** qtra a accao por elle p:-oposto pelo juno mum-
ripal da 1.* tara, con o fim de convertor o afora-
mento existente era arreniamento, (lepis de con-
lestada, fkou ha mais de 10 annos iiarada, a espe-
ra talvex do resultado da outraace ao terreno contiguo eni idnticas circumstaneias),
proposto pelo juizo municipal da 1* vara, e que
inda pende de decisao dos ultimes embargos de
-declaracao do mesruo Sr. Symphronio ao accordao
do egregio tn banal da re lacio, que julgou nullae
incompetente a mesma a van : \,* finalmente que
.i circumsrwia de estar era litigio o referido ter-
reno, nao priva o.4 con testante de poder vender
.as partes dos de raais terrenos e das casas que tora
no sitio, nao sugeitas a litigio.
Convera, porem, aeerecentar o seguinte :
Os ttulos, pelos quaes |>ossuia raeu tinado mari-
do, e outros herdeiros do tenente coronel Floran-
do Jos Carneiro Monteiro o sitio da Porta d'Agua
sao escriftturas aufhenttc&s, que existem em poder
'lo Sr. agente de leees Francisco I. Pinto, e que
poden ser vistos petos concurrentes.
Quanto aos foros devidos, requeren meu marido e
de 1 de agosto de 1858 a o ultimo de julbo de
1864, razao de 6*400 i Os dos outros airaos,
leve igualmente ser recolliido deposito na thesou-
rarin, o qual deduzdo do producto da venda e re-
colhido a deposito garante o direito de quem quer
que a efle se julgue com diraito, e em favor de
quem for ordenado o levantamento, visto que para
'?lie passa a disputa, com de lei.
Nada pode, piois embargar a venda annunciada
Trapiche alfandegado do
Guerra.
Tendo passado a adminstracao deste trapiche i
o" trem, acha-se ello em estado de reeolhcr quaes-
quer gneros por preces raais comtnodos que ou-
tro qualquer. Os saibores consignatarios de bar-
cacas c de navios, eujos gneros precisaren) de
ser recolhidos com satisfacao e presteza, terao all
toda comraodidade possivcl. O algodo, bem como
toda casta de gneros seceos que se demoraran por
mais de 30 dias, seo seguros contra o fogo ex-
onsa do administrador actual, ministrando os
ecolhedores urna nota de seus valores para a
ffectividade do seguro. Entrada pela ra do Vi-
gario Thenorio n. :i, e pelo caes n. 6.
MI
dr: j. c.
at
Aviso.
LEILAO
m
i:m sobraJo de 2 andares e sotao [era chaos
proprios), ruadis Martyrios n. 144,
contiguo igreja, com grande quintal, e
porto para a ra do Caldereiro, o qual
OlINTA-FEIRA (i DE FEVEREIRO.
s 11 1|2 horas.
Por intervoncao do agente Pinto, em sen es-
criptorio, ra do Bom Jess n. 43.
LEILAO
no
sobrado de 2 andares n. 16, em chaos pro-
prios, na Traversa dos Expostos.
Quintu-feii'a de feveroiro
as 10 horas.
Por interveneo do agente Pinto.
"Em sen escriptorio, ra do llora Jess n. 43.
DE
) iias casas terreas de pedre c cal na povoa-
;ao do Melo, da provincia da Parahyba
do .Norte.
Pas ditas na Baixa Verde, desta provincia.
Urna pequea l'azeixla de gado em S. Bento,
:. -ta provincia, com pea legua de torra,
oda cercada, e 50 caberas de gado.
Qli*TA-FElRA 6 DE FEVEREIRO
s 11 horas.
O agente Pinto cumprindo o mandado do Illm-
gr. Dr. Jote especial do commereio, levar lei
15o os ben< cima dito*, pertencentcs massa fal-
lida de Joaqnim Silverio de Sou:a & C
O leilo ser effectuado s 11 horas do dir
1 aarta-Mra S de tVver?iro, em o escriptorio dr
referido agente.
LEILAO
DE
um terreno na roa imperial sol
com 110 palmos de frente,
proprio)
e cerca di
oOO de lando, todo murado, prompti
para edicaco, porto para descarga >\<
material, estando um lado murado.
OllNTA-H:iKA (i DE FEVEREIRO.
i* 11 hnvn ..
r Por tatervencJo e no eserlptorio do agente Pin-
na do Bonn Jess n. 43.
DE
luna eu'plieiiie chafara
Nenelo:
l'ni grande sobrado com 6 salas e 14 quartos,
quintal murado, alni de um grande sitio com
700 palmos de frente 91,000 de fundo, cacimba
de agaa Ce beber, muitos arvoredos, boa baixa
para capim, e maitas outras accomriiodaciles.
"lia estrada de Jotto de BnrroN
n. 41.
Quinta-feira 6 de fevereiro
s II I 'i horas
Por intervengo do agente Piulo.
Em seu escriptono, ra do Bom Jess n. 43.
LEILAO
DE
fuzeiulas rnceiis e inglezas
'AVAPIADAS;
fia
le feveeeiro.
HORAS
**exta-felra
AS 10
Por intorvencao
Em sen escriptorio, ra do Bom Jess
do agente Pinto.
n. 13.
AVISOSDVERSOS
FESTA DO PW
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife Caxang.
No domingo 2 de -fevereiro prximo, alera do;s
trens da tabela ha ver i do Becife Caxang f
10, s 11 horas e ao nwio dia, e do Caxang ao
Becife s 10 horas e 3i minutos, 12 e 3o e 1 c
3o do dia, tocando em todas as esta>;oes da linha
principal.
A principiar de 8 he ras da noute, os trens da
tabella serio substituidos pur outros esperiaes
que correro dessa hora a meia noute do Mon-
t iro ao Becife. tocando as estacoes da linha
principal, llavera tamlw-n trens entre Monteiro
r. Caxang durante as no-mas horas.
Serito vendidos bilhetes especiaes de ida' e vol-
ta, 8omente para o dia da festa, pelos cojiductores
nes trens, e no escriptorio dos bilhetes no caes
ti deNovembro e estac;io da ra da Sol, no ?ah-
tado e domingo, das 7 horas da manh s 5 da
tarde.
Escriptorio da companhia, 29 de Janeiro
de 1873.
ii.C.Batterbe,
m ____________ Gerente.________
Imperial sociedade dos artistas mchameos
e liberaes de Pernambuco.
As aulas do lyco desta sociedade abrem-e no
dia 3 do corrate, e as matricula* das aulas de
jaslfnccao secundaria (-taro abertas at o dia
lilil) do prf'sente raer. Hecifc 1 de feverii-o de
mm.*.
O secretario
Pe'ro Paulo do? Santos. ,._,
Fugiram do engenho Bamburral, na freguezia
da Eseada, na noute de 7 do corrente, os escravos
seguinles : Theotonio, idade 40 anuos pouco raais
ou meaos, preto, altura regular, cheio do corpo,
ps apalbetados c feios, tem urna perna mais curta
que a outra, tonto que pelo andar se conhece, e
bastante ladino ; Venceslao, idade 40 a 50 annos,
preto, com marcas de bexigas na cara, alto e cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaran!
roupa de algodo azul. Paga-se generosamente a
quem os apprehendcr e levados ao referido en-
genho^________________________:______________,
MOFINA
Est encoura^ado!!!
SBoga-sc ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
cscrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias h. 36, con-
cluir aqnelle negocio qqe S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada dwte jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
c por este motivo de novo chamado para dito
lim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu ilno se
achava nesta cidade. ________.
Aluga-se
o predio sito na travessa da ra de S. Joo n. 8,
de um andar c soto, com commodos para gran-
de familia : a tratar na ra Duque de Caxias n.
86, loja._____________________________
Criada
Precisa se de urna que cozinlie e engorante com
pe feicao, para casa de tres pessoas : ra da
Uniao n. 67, confronte ao muro do gymnasio.
O abaixo assignado confessa ser falso um
boato sobre Pedro Antonio da Costa, de receber
12030(10 para a procura de 2 cavallos furtados,
e se este fez diligencia em acha-los pela amiza-
de que me consagra e nao pelo interesse de gra-
tilicacao qualquer.
Hanoel Augusto Pinto do Souto.
11
Vende-se o engenho Velloso na raargem do rio I
Mamanguape, as seguintes condiedes : varzeaj
suftlciente para safrejar de 2 a 3,000 pies de as-
sucar, sendo m.iis de metade de matto grosso e
parte terreno de aguar ; arisco para plantar-se
ro^as, feijao e o mais neeessario para o costeio;
um excellente cercado, feito quasi toda a cerca
no corrente anoo ; tem elle bastantes baixas, on-
de pelo ve rao pode-se botar agua para refrescar ;
um segundo cercado natural onde pelo invern
pode se ter de 80 a 100 boU ; raizes de eanna,
planta, soca e rissocas para mais de 2,00!) paca
de assucar, "odas tratadas convenientemente ; ro-
cas vcllias, etc.
Tem o engenho um excellente porto a poucas
bragas dos armazens, por elle passa todo com-
mereio de Mamanguape, quer feito por barcadas,
quer por vapor.
Quanto edifleacao nao de primeira or-
dem; porm segura, de gosto e commoda, sen-
do a maior parte feita de tijollo. O que precisa-
se era um engenho nclle se encontra. No dia que
concluir a safra, Tica apontado para a seguinte.
Faz parte do engenho metade da matta deno-
minada Carapucema, onde sao consenhores
os Srs. tenente-coronel Bruno e capitao Jos Pon*
ciano ; mais a ter,a parte da Matta de Japun-
gu, onde tem mais de urna legua de extensao.
Adverte-se quesendo a venda feita em parte
para pagamento de credores, vista, ou cousa
que isto valha.
A venda comprehende tambera bois, animaos
de roda, ex iros e o mais que se convencionar.
Quem pretender pode apparecer no mesmo en-
genho de Janeiro de 1873 em diante a tratar cora
o abaixo assignado e nao antes, por ter de seguir
para a comarca do 'Inga, onde vai residir.
De fevereiro em diante tcam encarregados**de
seus negocios particulares os Srs. capitao Fran-
cisco Ivo d' Andrade c Dr. Benjamn Franklin de
Oliveira e Mello; para este fim ticarao elles cora
plenos poderes.
Mamanguape ,8 de novembro de 1872.
Augusto Garlos.
Avisa-se
quem der noticia da escrava Guilhernna, que
loi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e depois comprada ao Bario de Na-areth, re-
presenta ter 25 annos, tem falta -de dentes na
frente e as maos com cicatrizes de queimadura de
gaz, secca do corpo, muito regrista, que desappa-
receu da casa de sobrado n. 26 da ra dos Coe-
lhos, que ser generosamente recompensado.
Coilegki S. Sebastian.
na lo Bruna n. 19.
Manuela Augusta de Mendonga Mello Reg, au-
torisada pela directoria da instroegio publica tem
a dislincta honra de eonimnniear ao respeitavel
publicme tem aberto na ra do Brum n. 73 o
Collegn Sebastiio destinado educaco de meni-
nas ; sendo as materias do ensino as seguintes1:
priiueiras lettras, grannnatica portugueza com seu
desenvolvimento, leitura dos vangelbos e aocoes
geraes de arithmetica dessenvnlvida, francez, in-
glez, dezenno, msica applicada piano, igual-
mente ensina-se tambera todos os trabalhos de cos-
turas e bordados, inclusive o bordado a onro e flo-
re?. A directora alem do esforco qne emprega por
si, auxiliada por professoras e professores para
isso contratados, garantindo todava cuidado e zelo
peias aluranas que Ihe forem confiadas.________
Precisa-^-alngar urna escrava"qmtandelra :
na ra da Fatma n. S-"._________
Msica
Vocal, e instrumental.
Manoel Augusto de Menezos Costa, tendo-sc des-
pedido de professor da cadeira de msica do ar-
senal de guerra, prop5e-se a tomar alumnos de
ambos os sexos para leccionar, tanto em sua casa
como as em que for convidado. Tambera se en-
carrega de leccionar e ensaar atoandas de msi-
cas militares, ou de alguma sociedadeparlicnlar.
tendo a seu favor a longa pratica de 26 annos de
ensino, que lhes tem conferido os meios mais con-
ducentes para o rpido adiamntenlo de seus dis-
cpulos, como bem patente ao publico : quem se
quizer utilisar de seu presumo, pode dirgir-se
ra Augusta n. 187, 3r andar. ________
Precisa-se de um criado livre ou escravo: pV
ga-ae bem tratar das 9 s 4 horas da tarde na
ra do Mrquez de Olnda n. 40 Io andar, e as
demais horas no Corredor do Bispo n. 59.________
Tcm-se para alugar una perita engora-
madeira e costnreira : a ra de Hurtas n. 112.
Sitio para alugar.
Aluga-se mu sitio na Capunga ra das Per-
nambncanas n. 23, tendo boa casa de vivenda, ro-
xeira, estribara, arvores Iructiferas e agua pota-
vel : tratar na ra da linperatriz n. 9, 1. an-
dar.__________________________________________
Irmandade de S. Francisco de
Paulado Caxang, na fre-
guezia da Yarzea.
De ordem do nosso rmiio juiz, convido aos nos-
sos eharissiroos irmaos para no dia 2 de fevereiro
prximo vindouro se reun rom na capella, s H
horas do referido dia. atini de proceder-se a elei-
co da mesa reredora como dispe o comproinisso.
Consistorio da irmandade de S. Francisco de
Paula, no Caxang, 28 de Janeiro de 1873.
i'rli no S. P. Costa.
Escrivao.
Perdeu-se.
I'ni brinco >lu onro com tres perolas e um ru-
biin, da ra estreta do Bosario n. 17, 2 o andar,
atO o pateo de palacio, indo pelo pato do Col-
lego, berandS a mar pede-se portanto, a
pesaoa que o achou o favor de ent ega-lo, n ca-
so de querer, na mencionada ra, que ser gene-
rosamente recompensada.
Prccisa-se de. una senho'a ou mesmi ho-
irum qde se queira encarregar de ensinar pri-
meira lettras a alguns meninos no engenho Gin-
dahv, do termo de Barreiros : a tratar na ra
larga do Rosario n. 40, com Antonio da Bocha
Hollanda Cavalcantc.__________________________
- Precisa-se de batedores de assuca* para a
relinacao do largo do Arsenal n. 8.
Moleque.
Precisa-se alugar um moleque c 12
nos : trat-r no armaem do Campos :
Imperador n. 28. ._______ _
a 14 an-
ra do
PERDEU-SE
Montera 28 do corrente, da ra da Roda de
I. de Marco, e desta at Santa Rita Nova, um
embrulho contendo 3 sedlas de duzentos mil rs.,
1 de- cem mil ris, 1 de vinte mil ris e outras
miadas, e duas contas. de assucar vendido e 1
carta : a pessoa que tiver ochado, querendo res-
tituir a seu verdadero dono, poder dirigir-se
ra da Roda n. 27, olTerecendo-se metade do per-
dido___________________________,______________
__ Precisa-se de 20:0003 a juros para pagar-se
em tres prestacoes annuaes, dando-se por garan-
ta um grande engenho as melbores condicoes a
todos os respeitos, visto ser muito bom d agua,
de muit) boas trras, c prximo a urna estacio da
via-frrea : a pessoa a quem convier este negocio
annuncic pafa ser procni ado.__________________
A thur Castello Branco tendo d- seguir na
prox ma semana para a Europa, pede desculpa a
todos os seus amigos se nao poder despedir-se
pessoalmente ; 1 ede esculpa dessa falta involun-
taria e oficrec seus racos prestimos na cidade
de Liverpool.
Ha manh de 28 f o corrate, mez fugio a
ncgi'ta Maria de 11 para 12 anos, com os
sgnaes seguintes : preta, cara redonda com mar-
ca de bexigas, nariz a rebitado rara cima, com
dous dentes pod es na frente, ps grandes re-
tante regrista, desconfla-se ter ido para Iguaras-
s, por ser filha do negro Silvestre, escravo do
Sr. Soares B and o, no engenho Inhaman : pede-
se s autoridades e capitaes de Campo a captura
da mesma e leva-la a seu sennor na ra do C-
pibari' e, casa n. 34, que se recompensar gene-
rosamente^____________________________________
Precisa se de umi mulser ijue entenda de
costura, para faz r companhia a urna menina era
cosa de homem solteiro: para tratar na ra de
S. Fi anc seo n. 30.____________________________
Desappareceu na noute de 19 (ara 20 do
corrente, da freg^eza do Poco da Panella, urna
burra com os sign es seguintes : castanha, car-
nuda, tendo a mo esquerda um pouco inchada,
tem urna marca na sarn ia, pr veniente de um
gerima : quem a aehar, 00 della der noticia
exacta ser generosamente recompensad'.
Massa fallida de Jos Pedro
Baptista Carneiro.
1. dividendo de 9 O/O
Sao convidados os credores da massa fallida
de Joe Pedro Bapt;s a Carneiro, a receberem o
dividendo de 7 Oip, do dia 1 de fevereiro em
diante, no escriptorio de Manoel Seve Filbo.
Mamanguape, 27 de Janeiro de 1871.
Os administradores,
Manoel Seve Filho.
Joe Velloso da Silveira.
Akga-se
i tala e alceva do 3* podar, e parte do
tohrao n. 70 ma Duqae de Caxia* :
na loja.
soto do
i tratar
Precisa-se
de um ajudante de coznheiro e de um criado :
r o' Bestaurant Sa ta Isabel n. 2, ra da F oren-
tina.
Caixeiro. '
-Na ra do Bangel n. 43 precisa-se de um cai-
xeiro que d fiador sua conducta.
AOS 5:000|000.
Estao venda os felizes bilhetes da lotera da pro-
vincia, na casa feliz do arco da Conceicao, loja de
ourives, uo Becife.
954
A casa feliz do arco da Conceicao vendeu nas-
as numero a. sorte de 5:000(1 da lotera da Baha
extrahida a lo do corrente. 4
Aluga-se
o sobrado n 22 da ra do Conde da Boa-Vista
ontr'ora Fonnoaa, sendo o pavimento terreo, Io
andar e una grande sota. tudo com bastantes
commodos c muito fresco, com estrl^ria,.cochu-
ra, encanamento a gaz, cano de esgoto, quintal e
cacimba : quem pretender dirija-se ra da h_-
peratriz n. 29, 3' andar, que achara 4om qttm
trator. *t______
Programma da excelsa Se-
nhora da Conceic, ao que se
venera na capella de Joao
de Barros.
Amanh ao romper da aurora alguma s gyran-
dolas de fogo do ar annunciarao aos devotos
que chegado o dia festivo de sua padroeira.
A muzica da festa do repertorio do maestro
Lervani e os solos serio cantados pela Sra. D.
Amelia Puggi, Manoel Silvino de Barros Falco e
professor Tobas.
Orar ao Evangelho o padre Jos Esteves Van-
na, sendo a orchestra dirigida pelo professor
Francelino, o qual tocar um solo de rabeca.
Durante o da e noute tocar a musisa do arse-
nal de guerra.
A' tarde soltar-se-uo baloes, e para maior di-
verlimento haver Umbem os brinquedos do sac-
co, taboa perigosa c pao de sebo.
A' noute haver urna ladainha, pregando nessa
occasio o Bvra. eapello do arsenal demarraba
Escrava fgida
Contina ausen'c dede o dia Hde dezembro de
1872 a escrava Manuella, negra, de idade de 45
annos, estatura baixa, com urna orelha radiada,
pelo que nao pode pendurar br neos, falta de den-
tes na frente, ps grossos e com aigaea de cravos
as pontos dos dedos ; levou vestido de .chita es-
cura e chale de la com riscas de cor ; foi com-
prada a alguns irezes ao Sr. Francisco Jos Go-
mes, desta cidade : quem a capturar queira le-
va-la ra da Cadeia n. 6, ou na Capunga, ra
da Ventura n. 10, que se gratificar. __________
Aluga-se o primeiro andar e sotao do so-
brado n. H da ra de Santo Bita, estando elle
em bom estado : tratar na ra Duque de Caxias
n. 44.
Furtaram do engenho Poeta, na freguezia
da Vanea, do capitao Manoel Correia de Araoje,
duas borras na noute de 20 para o dia 21 do cor-
rente mez, sendo urna castanha amarella e a en-
tra cinzenta clara, tendo a primeira or sgnaes
seguintes : urna estrella na testa, nma belide em
um dos olhos, urna marca de um taino em urna
das maos no lugar do piador, e tem a dita roao
mais grossa, tendo um ferro ; a segunda tem os
sgnaes seguintes : urna belide em um dos olhos,
a samelha g ossa, tem urna ponto do quadrilho
rnois baixa do que a outra, urna mo na junto no
lugar do piador inchada e com o ferro segainte 8
em ura quarto e no pescoco ; ambas est o bem
cortivadas do servico, estao carnudas e sJo bem
novas. No dito engenho Poeto d-se a gratifica-
ra de 504 por cad< urna a quem as levar ou der
raa no'icia exacta della*.
Precisa-se de urna ama para com-
prar c cosinhar para casa de peque-
a familia, preferindo-se escrava :
roa estreito do Rosario n. 32, 2.*
AMA
andar.
AMA
[i(a-e bem :
A companhia Recife Draina-
ge faz publico para conhcimento dos morado-
res do bairro do Recife, que mudou o su escrip-
torio da ra de D. Maria Cesar para a ra do
Commereio n. 16, segundo andar.________________
Nossa Senhora de Lourdes.
Obras sobre esta celebre devocSo, frequentada
por mais de cem mil romeiros neste ultimo mez
de outubro :
Pesquidoux, Plerinage L urdes.
La Frunce Lourdes, compte rendu officiel.
des ftes d'octobre.
Lasserre Notre dame de Lourdes.
Segur, les mervellcs d Lourdes.
Loyseau, Lourdes, plrioagett plerins.
Livraria Franceza. ___________
Nao empurres, que peior.
Aos partidarios de contra-metade alguem per-
gunta se o cigarreiro j mandou lazer o facto
custa do partido ?
Isto dse a saber o
Marchante Al feces.
Colle^io iscensoile Maria.
Maria Felismina Pinto, deviJamcnte habi-
litada pela directoria da instruc<;o publica,
ha montado na freguezia da Boa-Vista, ru
Emperatriz n. 37, um collegio sob a deno-
miii.-irodi;Ascensao de Maria,tendo por
fim dar s meninas a mais apuratla educaco,
quer pela inatrucr;ao moral e religiosa, quer
pela instrucc;o litteraria e scientilica, oceu-
pando-se no qe fr relativo a iormar urna
boa mi de familia._________________
' Xa ra estreito do Rosario, sobrado n. 35,
fornece-se comedorias para fra ; algumas pes-
soas que nao tiverem portador manda-se levar em
suas casas, e as horas que determinarem, sero
bem seYvidos, pois tudo se faz com asscio c com-
raodos procos.___________________________
Precisare d* nma ama que sai-
bem cozinhar (forra oa escrava,)
: ru Nova, loja o. 11_________
No largo do Paraso n. 28, pre-
cisa-se de urna ama para en-
gommar e proparar sallas._______________
Precisa-se de una para cozishar
e outra para eng minar : tratar
na ra do Hospicio n. 46, ou Que*-
AMAS
inado n. 70.
1
das
de Santo Amaro das Salinas c>Vv
Angustias.
As pessoas que quizerem alugar terrenos para
armare r barracas durante os 18 dias de novenas
e festos, poderao dirigir-se capella do lugar, que
ah acharao co n.quein tratar.___________________
- iVcsta tvpographia precisa-se de un homem
para o trabalho de roda.
No dia 19 do corrente Janeiro de 8J.3, au-
sentara-sc do lugar denominado Acude do Matto,
da freguezia da Gloria do Goit, a preta de nome
Tnereza, altura regular, olhos mrbidos, parece
ter falta de um dente superior na frente, em con-
sequenci de os ter multo separados e serem li-
mados, soffre cravos nos ps e no rosto tem mui-
tos sardas salientes como bermejas ou berrugas,
levou vestido de chito verde, urna coberta de chi-
to, e duas mulatinhas ambas lilhas.da mesma
urna de nome Rogeria, de 7 annos de idade, cor
clara, cabellos nneilados, os olhos mrbidos e os
dentes da frente largos, e a outra de nome Ma-
ria, de 17 mezes d idade, menos clara, testa sa-
liente, olhos pequeos, cabellos igual a primeira ;
ambas sao pertencentcs ao Sr. Jos Eleuterio da
Silva. Suppoe-se ter ido era procura de um. fi-
lho que foi o anno passado vendido ao Sr. Barao
de Nazareth por ter desculo pela estrada de Pao
d'Alho, e sem dnvida ir passando por fo ra por
motivo dos fllltos : a pessoa que a tiver em sua
casa e me avisar, ou alguem que der noticia cer-
ta, ser generosamente recompensada ; para in-
fonnaedes neste tvpographia.
0
i
*
i
*
150#000
No engenho Massuass, freguezia da Eseada, se
ilar de gratificaco a quantia cima a quem ap-
prehender tres cavallos que naquelle engenho
form furtados na noute do dia 29 para 30 de no-
vembro prximo passado : o tem 9 annos,
castanho e castrado, tem a orelha direita bastante
lascada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
do tem urna cruz ; o Io rugo, cora pintos ver-
melhas nos quartos, grande, gordo, com o pes-
coco fino, castrado, tem os quadris feridos da
eacalha, ferrado com a marcaI. B. do lado
direito, e tem a idade de 9 annos; o 3. rodado
sanhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
6 castrad), pequeo, e esta ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratilica-se com 50000
por cada um em presenta da pessoa, em cojo po-
der for encontrado qnalquer dos ditos cavallos.
ATTENCAO.
OJSr. Francisco Agostinlio Madeira queira ap-
parecer na ra Duque de Caxias 11. 60 A, lujas de
gento da Silva c C. Successores e de Manoel Bi
Leiro Bastos-
Precsa-se de urna ama para casa de fami-
lia, preferindo-se escrava ; na ra Uiivita n. 86,
loja de miudezas._____________________________
Precisa-se de una ama para tratar fl>
criancas : na ra do Vizconde de Goy-
anna n. 161.
Ama
Precsa-sc de urna a para andar
com un menino de mezes : na ra Con-
de da Boa-Vista, antigo Caminho Nevo, n. 78.
Ama
.. r Precsa-se alugar una escra-
A \ I A va ou ama forra, que cozinhe e
fl 'll l\ <,ng"m"i para diminuto fami-
IfX 1 |;i : na ra do caes c Capiba-
na casa n. 34, com portao e grade dj ferro.

ribf
Ama de leite.
ra.
Precsa-se de una cozinheira que seja boa : Ira-
ta-se na ra do Lasserre n. 6, na Capunga, ou na
ra do Commereio n. 48, escriptorio.____________
ATTENCaO
A sociedade carnavalesca de bag de
Fan, declara que nao responsavel por di-1
vidas feitas por seus socios, a titulo de ser
para a sociedade, e que os que se julgarem
credores procurom receber seus dbitos da
pessoa que os fez ou contrado. ^^^^^
Coznheiro.
HouIm)
Hontem, por vulto das 11 horas da manha,peno-
Rtrram os larapios em casa ao abaixo assignado,
morador em o pateo de S. Pedro n. 10, levando
os meamos larapios diversos objectos, inclusive
una cadeia de cabellos encastoada em ouro, e um
relogio patente horisontal de ouro de n. 8402: ru-
ga, portanto, s autoridades policiaese a qualquer
reojoeiro quem for offerecido, a apprehenso
dos mesmos objectos, e ao mesmo vendedor, para
provar donde velo.
Francisco Mauricio dos Santos.
Atteneo
0 abaixo assignado vera por meto deste decla-
rar ao respeitavel publico e ao corpo do commer-
eio, que tendo Antonio do Bogo Medeiros aunun-
ciado que linha justo e contratado a compra da
taverna sito ra da Santo Cruz n. 74, com o
mesmo abaixo assignado, e nao tendo realisado o
mesmo negiicio, declara que fica da data deste
em diante pertencente ao seu antigo dono, cujo
abaixo vai assignado. Becife 29 de Janeiro de
1873. '
Domingos Martina Gomes.______
Precisa-se de um caxeiro com pratica de
venda, na ra de S. Goncalo n. 27, prefere-se por-
tuguez.
Sociedade Uniao Juvenil
Pergunta-se ao Sr. director Faustino Cor-
reia Jnior, a razo por que nao procedeu
j a eleicao da nova directoriacomo deter-
mina a lei que rege a mesma sociedade ?
Ser por que tem tomado ogostinho da
directoria ? Ora I deixe-se dissoe faca
quanto antes a eleicao.
Nao queira S. S. imitar ao Sr. ex-director
Jos Correia Peres, que, segundo S. S., di-
zia que elle queria estar perpetuamente na
cadeira da directora. A lingua nao tem
osso : quem fallapaga. ,
Recife, 29 de Janeiro de 1873.
Um socio
MEDICO-CIRURGICO i
DO m>
Dr. J. II. Curio
OPERADOR E PARTEIRO g
Ra do Mrquez de Olinda n. 25, pri- &.
meiro andar. ~/H
Consulta das 7 horas s 10 da manha. 2
Chamados a qualquer hora. JR
Um hotel venda.
DisBdc-se de m hotel em excellente localidade
nesta cidade, bem montade o muito afreguezado,
por se achar doente o precisar tratar-se o dono :
quem quizor dirija-se ra larga do Rosario n. 30
que se dir com quera negociar.________________
Ausencia.
Evadio-se o escravo Paulo,
tripolante, .tnu>do roupa de servico deJj^jL, de a6-nno5 de idade, sem
esiaiura e rosw 10 _/.__________u., .nn Severino.
Anda fgido, desde o dia 6 do corrente, o es-
cravo Severino, pardo escoro, d* altura regu-
lar, de 13 annos, pouca barba, ps ehatos e maos
grandes, tendo em ambos fos jarretes urna marca
foveira de queimadura, enculco-se de forro e an-
da calcado, veste, ora paletot sacco e ora justo,
ambos de panno : quem o apprehender sera ge-
nerosamente recompensado, trazendo-o rua do
Mrquez de Herval n., 31. __________
Fugio hoje o meu eseravo Felippe, bem pre-
r estatura" eToto re-' to> de ^ annos de idade' sem barb?' ^ aJt.ura'
l__^rXto Sosf nariz e ^1 JfeuLv- P^s grossos e chatos, esperto, cortado de chicote
r_T__ meto criou"o e S barba roa m nas ^ nadega3 e no P^10' P^01 "$* -mar"
raptrelK, ao'nt', L it\ Sf 2 gi_* _______* L__ S
Cruz n.. 3, aonde se gratificara.
Franeisco de Assis Pinto declara que desde
31 de Janeiro de 1873, deixou de ser seu empre-
gado Victorino Lopes da Costa._______________
Caixeiro.
Na padaria da ra de Hortas n. 5, preca-fe
de ora carceiro, dando fiador a sua conducta '
Casa.
Aluga-se a casa n. jSS, no Caminho Novo, com
grandes commodos, tendo. S qoartos no pavimen-
to terreo e 4 era cima, coiinha fra, quintal mu-
rado, cacimba, banneiro egallinheiro, perto da es-
toeao : a tratar na casa junto a 1C3, ou no Re-
cife, ra da Cadeia n. 3, escriptorio.
Nazareth. O escravo natural de Pesqueira, foi
do fallecido Thomaz de Araujo e passou depois
para o poder de seu genro Luiz Cavalcante, mo-
radores em Bitur : quem o prender e trouxer a
este engenho ser generosamente gratificado. Ta-
pera 23 de Janeiro de 1873.
Miguel Felippe de Souza Lelo.
. Fugio hontem, 27 do corrente, o escravo Be-
nedicto, mulato, cabellos carapinhes, corpo grosso,
balxo, olnos grandes e muito a flor do rosto, sem
barba e representa ter 18 20 annos.
Este mulato natural da Parahyba, tendo sido
escravo do Dr. padre Moura e por esto entrecue
ao sea sobrinho padre. Moura, coadjutor da fre-
guezia do Cabo, para vende-lo. como de facto ven
deu-o ao Sr. Joao Pedro de Mello, e este a mim ha
orne dias. ,, .
Qoem prende-lo, poder conduzi-lo a ra da
matriz da Boa-Vista, casa n. 31, onde ser gene-
Botica Popular.
Precisa^ de do piannacia, e copaz.
ordenada annual.
Da-se !:*00iO00 dej Precisa-se de um caixeiro que tenha algu
-> ma pratica de melhado: na ra Imperial n. W7.
Precisarse do um que seja bom, paga-se bem :
no hotel da independencia, ra do Imperador 11.
32.
J Os herdeiros Bowman, fazem sciente ao pu-
blico que desencamiobon-se una lettra n. 1032,
do saque dos mesmos herdeiros e do aceite dos
Srs. Claudino do Reg Barros c Victorino Jos
Rapdso para o:600000 c que tendo elle saca-
do urna duplican fica a lettra primitiva de ne-
nhuin valor. Lcinbram igualmente que nem es-
ta nein qualquer outra lettra do saque dos mes-
mos herdeiros, pode jamis ter valor genio em
suas proprias mios pelo costme que tem de
nunca descontarem seus saques.
Recife, 29 de Janeiro de 1873.___________
Precisa-se de urna sem filho, com bom e abun-
dante leite : ein Olinda, ladeira da Misericordia
n. 3, paga-so bem agradando.___________________
Precisa-se de urna tima para cozi-
nhar e comprar : ra do Barao da
Victoria n. 28, outr'ora Nova.
AMA
Ama Precisa-se de una ama para tomar
_i.llldi conla ,ie meninas, que seja de boa con-
ducta : na ra da Iraperatriz n. 37, 1.* andar.
Prccisa-se de una ama, para servico
interno, de una pequea familia : ra
Duque de Caxias- n. 54._________^________
Ama i,
AM4
Precisa-se de urna ama escrava ou
forra, para casa de pouca familia :
na ra de S. Francisco n, 54.
Precisa-se de una ama para cozinhar e de
rara mulhcr de boa conducta para fazer compa-
nhia a urna familia : a tratar na ra do Bosario
da Boa-Vista n. 18.____________________________
Precisa-se de nina ama para co-
zinhar e engommar pa-a casa de ho-
mem solteiro, ou cozinhar somente :
na ra do Livramento 11. 37. ________________
Prccisa-se de urna ama para c
servico de casa de pouca fa-
milia : a tratar na ra da Cruz
AMA
AMA
11. 18, 3.' andar.
AMA
Procisa-se de urna para casa
de duas pessoas : a tratar na
ra de S. Franci co n. 72.
AMA
UNES DE FRANCEZ
Bdgard Gmbaro d lic/Jes de franco?., tanto pa-
ra fallar como cscrever esta lingoa em pouco lem-
po e por methodo muito fcil : na ra da Aurora
n. 41, 2o andar.
Tendo o mea escravo, mulato Jovino sido
encontrad 1110 becco do Veras em casa de duas
mulatas, na oecasifio de ser preso fugi > pelos mu-
ros de cinco casas, e por isso peco a todas as au-
toridades policiaca e aos capitaes de campo que o
prendan) que sero bem recompensados.
T''U')nte-coronel Joao Valentn Villela
.a
O Sr. Antonio Jos Ferreira, tenha a bondade
de apparecer na ra do Duque de Caxias n. 60
A, loja de Bento da Silva & C, successores de
Manoel Ribeiro Basto-.
Atiendo.
O Sr.....de Arante Cezar,
do D que de Caxias n. 60 A
favor v'r roa
loja de Rento da
Silva St C, successores de Manoel Ribeiro Bastos.
Quem precisar alugar para qualquer ser-
dco, um escravo de 13 annos, lid e de bons eos-
turnes, dirija-se ra o"0 Coronel Suassuna n.
294, que se dir quem tem.____________________
Criado.
No Collegio Santo Genoveva, ra do Hospi-
cio n. 63, precisa se de ura criado que seja livrg
ou escravo.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife S. Francisco.
AVISO.
Tendo o governo -nrerial approvado a propos-
ta da directoria desta estrada de ferro sobre a
concessao de passagens gratuitas aos que edifi-
caran casas prximas as estacoes do Boa-Via-
!;em, Pra-.'rcs, Ilha e Cabo resolveu que as rc-
Brid'l pa^agens sejam concedidas sob as seguin-
tes condicoes.
1.* As casas serio construidas de confurmi-
dade com um plano, orcamento ou qualquer fs-
pecfica^o approvada pelo superintendente da
estrada de, ferro.
2." As casas de um valor de 4:000* dio direi-
to a concessao de nina passagem de primeira
classo pelo espaco de 10 annos ; s d 3 000 J a
urna passagem ae segunda classj por igual pe-
riodo e as de 2:000 a umi do terceira classe,
idem. ...
3.a Poderao usar das passagens concedidas o
proprietario emquanto morar no predio construi-
do, ou o inqulino. O proprietario, porm, s
poder fazer transferencia da dita passagem urna
s vez dentro do anno, d-vendo disso dar scen-
cia ao superintendente da estrada de ferro.
4.* Estas condicoes vigoraro dentro de um an-
no devendo ser r-vstas em Janeiro de cada auno
a comecar de 1874 para serem alteradas so for
co-veniente, mas sem prejuizo das concessoes ja
feitas.. -
As pessoas que quizerem se utilisar desta con-
cessao podem desde j apresontor ao abaixo as-
signado os planos da casas que pretendern
construir.
Villa do Cabo, 30 de janeiro de 1873.
G. O. MANN,
________ Superintendente.______
Atiendo.
O Sr.....Almeida, queira ter a bondade de
apparecer na ra do Duque de CaxUs n. 60 loja de Bento da Silva & <:., success res de Ma-
noel Ribeiro Bastos._____________
Dr. Ferreira (medico) pede pessoa que no
dia 2 procurou-o para ir ra de Pedro Affonso,
que de noro appareca a sua casa para rectificar o
eng no do numero da casa*_Uto nao haver nesa
ra o numero flJBte foi lodo.
Precisa-se de urna ama que
11 1 saiba cozinhar perfeilamente e
_ 1'JL /_ com rar para casa de homen
solteiro : na ra de Pedro Alfonso n. 12, untiga
ra da Praia.________________________________
Prccisa-se de una ama para
engommar c lavar, paga-se bem:
a tratar na Passagem da Magda-
lena, largo do Chafariz, sitio com grades de ferro
pintadas de p cto e tres coqueros a entra a.
AMA
Ama de leite.
Precisa-se de urna que tenha bom leite, e sem
lillio : a tratar ra d > Duque de Caxias, ou-
tr'ora Queimado n. 70.
Na ra da Cruz do Recife
n. 42, armazem, precisa-so de
x.LArJ."- urna cozinheira forra ou es-
crava, pagando-se muito bem.
i Af \ Prccisa-se de una que saiba cozinhar:
1 Jm,/\. o Irritar na Prai-n il:t IiilonontA^Pr:L
11. 39.
a tratar na Praea da Independencia
GABI_I_T__
Medico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. 73, ANDAR
- 0 DR. NNCS DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESr_ClALi>Al)KS.
Molestias e operarles de olhos.
Cura radical e ii^tar.Lnea dos
esireiUmentoa da uretra.
Consullas:
da manb.
Chamados
Das 7 s 10 bons
A qualquer hora.
Escrava.
Precisa-se de urna escrava para servido de ca-
sa : na ra do Visconde de C.oyanna n. 161,
Furtaram.
Furtaram hontem das 4 para 3 horas da tarde,
da ra da Iraperatriz n. 18, loja de reojoeiro de
Carlos Walter, 6 relogios de ouro cobertos, sendo
um horisontal n. 2306, outro patento suisso n.
21431, sendo este de repetico, outro patente suis-
so n. 45088, outro patente suisso n. 17377, ou-
tro patente inglez n. 20446 e outro finalmente pa-
tente inglez de n. 22,251: roga-se por tanto s
pessoas aquem forem ofTerecidos o obsequio de ap-
prehende-los o dar scienca em dito estobeleo-
mento, que serito recompensadas generosamente.
Est fgido desde o dia 23 de junho do anno
de 1871 o escravo Luiz, mulato, alto, cabellos bem
crespos e principiando a bufar. Tem um peque-
no signal de cabellos no queixo; e no bra$o di-
reito as lettras -L. F. N. Sabe 1er, trabalha de
pedreiro, envernisa e pinta.
Este escravo tem um irmo liberto, quo traba-
Ihava (e pode ser que ainda trabalhe) de macbi-
nista de vapor 11'uin engenho de Abrcu de
Una.
Pede se as autoridatles policiaes e capitaes de
campo quo o prendara c facara-no conduzir ra
da matriz da Boa-Vista, casa n. 33, onde rece-
berao 150*000.
8 AIKILCHO BliRliOS
i ADVO&ASQ
Qv BA DO OPERADOR N. 3!
W\ ANDAR.
- Aluga-se a casa n. 63 da ma da Paloja:
tratar com Bernardino de Senni Pontnal, a ru
da Madre de Deus n. 36, I.* andar.
Procisa-se S um amassador : na roa d
Guia n. t>4, padaria.
r
1

1*
1
V
\
~c
\

/
\.
?
.-

x
<
S
\

y


\/
r
** i' <
----------
\
ti' %
* 4 I i\
I !
. Diario doPei'nambucg. Sabbado 1 de Fevereiro de. 1873.
I
/
PIANOS E MSICAS
ANTOnO JOS DE IXEVE1IO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. andar^ antiga ra Nova .,
aonde o publico em geral encontr, ]sempre o tnaior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Aeabi de ibrir no primeiro indar do sobrado o. 12 confronte i
botica Miurer, nm grande sali onde esli expostos os magnficos
MA WOS de armario, de PleyeL
--------- de meia canda, do mesmo autor.
-------- de H. leon.
--------- de Amede Tbibomt.
nico agente n PUOS DE JkUCHER FOES
Tambem receben grande sortimento, de msicas pira piano, plano e
canto e entre ellas as lindas composicSes do mnilo sympathieo maestro
F. S .A*TI1T1
A SABER :
Voe me qner Walsa.
remiados em diversas exposi;dss om 14 medalhas de onro e prata.
Sao os onicos pianos que aqoi vern da Europa, perfeitamente a fio a
dos, feKos com elegan:ia e solides.
D'aqni eoiBdiaBte continuar a annnnciar todas as pnblicac5es que se forem friendo as suas offlcinaa de musas.
Olga Mazurka.
Li Separacionl Para canto.]
A Luz elctrica, grande Walsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada de Vllela Galope.
Ioaninba Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wai-a.
A Mloha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Studiente Po'ka.
Ultimas publlea$6es
Feitas as offlcinaa de musical
do annonciante.
Emilia, polka por I. Smolti.
Circaciana, sebotcb, por Smolts.
Jardim do Campo das Pricezas,
quadrilha, por J. Popne.
Chava de Rosas, Walsa, por H. Al-
be rtaui.
x

CAUTELA!
MEURON&G.
A.WMSA.1M
Aluga-se
urna casa pintada do novo, po.Monteiro junto do
sofcrado,gnind* : para ve-la, as chaves estn na
lotean do Sr. Niculo. Aluga-se tambera u2-
andar do sobrado u. IV da ra do Torres do bur-
ro do Reife, prximo da praca do Corpo Santo :
a tratar na ra do Imperador n. 57, 1* andar.
Trocos
Na ra do Rangel n. 7, troca-se cobre por se-
dulas, nao menos de 30a : quea quizer all pode
apparecer._______.___________________________
Ao publico.
Quem leu o meu annuncio publicado nos Dia-
rios de 11 a 14 de dezembro do anno prximo
passado, e 1er o contraprotesto que ao mesmo
annuncio oppoe agora a Sra. Henriett Martins,
ver que ella longe de destruir o que alleguei
em dito annuncio, mais forca Ihe d, p is eonfes-
sa seren meus o terreno e a casa da porta d'a-
gua, que me deve muitos annos de renda do
mesmo terreno, finalmente que existiam e anda
etitem em juizo, accoes para desapropriar as
bemfeitorias existentes no terreno.
Nao exacto ser foreiro o terreno em questan,
antes de pertencer-tne por compra que
aos herdeiros da administradora do vinculo
do Monleiro, fazia parte do dito vinculo, ~e o seu
administrador nao podia aforar.
As rendas nao recebi nem fui intimado para
ver recome las ao deposito : alm de que, a ren-
da que a Sra Henriett tem de pagar-me de
250*000 por anno, e nao de 6*400 como erra-
damente allega em seu centraprotesto.
Nao sei qual a lei que me obrigue a vender o
meu terreno contra minha vontade por existi-
rem nelle bemfeitorias de putrem, quando ao con-
trario sao as bemfeitorias que estao sugeitas ao
solo.
Admira-me a facilidade com que a Sra Hen-
riett, declarando ser o terreno meu, cxpde-no
venda como seu.
Ser sectaria do communismo ?
Contino a oppor-nie a tal venda, c protesto
haver da Sra. Henriett, ou de quem quer que
comprar taes bemfeitorias e terreno, nao so as
rendas vencidas e por vencer ao preco de 250*
por anno, como est declarado na accao propos-
ta, senao tambem todo e qualquer prejuizo que
me possa resultar da mesma venda,
Syphronio Olympio de Queiroga.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda e Beiieribe.
^^Compra de solipas.
ftftS^ No esenptorio desta com-
panhia, comprase constante-
I jf\ 1 | mente a presos razoaveis,
r^sBar *"''Pas de oticica e sapu-
Hlyyl SuBa caia, das segintes diinen-
iBO &ffi*-iK s~"'< comPnmenw '0 Pa'"
_^^gfr^ mos. grossura 9 pollegadas,
grossura 4 ditas.
Contrata-se com o abaixo assiguado na est-
cao da r> a da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
de 1873.
" 0 gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
CARNAVAL
Na Chapellerie des D mes ra do Bara > da
Victoria n, 16, prepa-a- e qualquer costume a ca-
pricho, pro rio para o car. avel: o go t d> ira-
balho ueste genero j bem conhecido pelos
aovad tes do carnaval portento inut 1 elogia-lo.
r-'i-
'-^i

aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA FRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qu os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRET A, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA FRITA.
MEURON a C.
R?
ra
Hotel da Independencia,
ra do Imperador n. 32, precisa-se de um copeiro
page a-se bem.
IVomp'MAo. utsiMO o c'hoal.
Francisco Je* Carde ro, alfaiate, p rti pa ao
respeitavel embico pernambucano, que abrki a
sua oltieina na ra di liaritu l t Victoria, otitt'ora
ra Nova n. 46, iiriniriro atul.ir. Espera ser pro-
curado do cavalheiros >U hom gosto, pois encon-
trarlo trabalho pelo gosto da Europa, e por pro-
cos muito ltenos do que em outra parte.
Cazoleta perdida.
Perdeu-se hontem, pelas duas horas da Urde,
do escrptoro deste Diario at a ra do Queima-
do, urna cacleta com pedra de ambos os lados, jt
em urna aellas tem urna chapa deotiro com as
iniciaosMFF-, e dentro da mesma cacolete
tem um retrato ; quem achou-a, querendo resti-
tuir, pode dirigirse ao referido escriptorio, qne
se recompensara;
rrenda-se um engenho
qualquer cstavao da via- rrea : quem tiver dei-
xe carta
C,
nesta typographia

d'agua, perto de
uem tiver i
i' mi as iniciaes H
COMPRAS.
Atten^o.
Compra-se urna escrava de 33 a 30 annos, que
saiba cozinhar; na thesouraria das loteras, ra
!. de Marco n. 6.________________________
No armazem demateriaesdapraca da Con-
cordia n. 1, compram-sc casas terreas, memo
em mo estado, sitas na na Imperial, ou em ou-
tro lugar que tenha porto de embarque.
Compra-se
Quarente iraves de qualidade superior com 40
palmos de compriniento e 10 pollegadas em qua-
dro ; bem asslr, 100 caibros : na ra do Bom
Jess n. 51, escriptorio. *______'_______
Compra-se
urna escrava que saiba cozinhar : na loja da Rosa
Branca, ra da Imperatriz n. 56.
Compram-se jornaes (Diario de Pcrnatnbuco)
a 140 rs. a libra : na ra do Coronel Suassuna
n. 1, antiga ra de Hortas. _________________
Compra-se' um carro americano de dous as-
sentos, e prumpto para trabalhar : na ra do Im-
perador n. S2, primeiro andar.
VENDAS.
Ra larga do Rosario n. 22.
O Vianna tornou a arrematar mais pechinchas
para vender barato.
Vejam s
Cortes de brim branco trancado que
da urna calca
Ditos de dito pardo trancado muito fino
Ditos de dito de linho puro (cor do linho)
Cambraias
Chitas
Pecas ue madapolao fino
Crotone para coberta
Borzeguiris para senhora
Ditos de bezerro, cordavao c gaspiados
para homem, obra muito boa, que se
vende a li, a
2(00
liOM
200
2110
lOOO
360
4iiXK)
8OG0
Ra larga da Rosario n. 22.
Mais pechinchas.
Baptis*; s, fazenda mui o fina 1 bonitas cores de
1JI00 a 300 rs. o covado.
Cas as muito bonitas ce 600 rs. a 280.
Pares de botoes de jlaq tino para punho* de
1/ a 240.
Maco de pentes de alis r de 2100 a 15.
O Via na so vend o que barato e bom, an
d m depre sa torque o barato todos i|.nn:eer
AO ARMAZEM
DO
JARKOS
.om tripas e dobrada de
:ada nm no arm.'-m
ra do Amorim n. 37.
vacca ingicza a
da r. -m Irmos
UOCO
Cafe
fe^i
JT-'-'J
'

%S>
PNBICAfl DO BOWMAN
RA DO BRDH N. 52
i(Passaaado o chafariz)
Os protmetarioi desta fundido reeommendain-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa lhes tem fornecido.
Possuem sempni um avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de taroanno, propries para todos os mystores da agricultura, e preparo do aesucar
Vendem a prwo-ou a dinheiro com descont, A vontade do^omprador,
CAUTELLA
Avisam ao pufclico que diversas oncommendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das : pelo que, rogam a'exigencia da conta irapressa, para prava da procedencia do que
se lhes forneoe.
Ouro sim, que por ahi andam especuladores (alguns empregados e obras em concentos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os taes, lembrando-lhes, pensem se sem interesse aquella industria : e quem paga
8 peitas recebidas pelos ditos inculcadores.
COMMISSOES

N
Fazem encommenda vontade do pedinte, mediante urna commissao. de qualquer
raachtinisrao ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitacao e costu-
me no negocio, tanto em respeho ao preco como a qualidade, assira como todo o auxilio
em montar trabalhar com o machiniumo vindo.
HERDEIROS BOWMAN
jpor'Albert B. Ghewy, Engenheiro.
. RIJA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
0UEST0 DO DA
(F pela barriga que melhor se
goverva o inunda).
Grande agitacao !... Todos fallam I gri-
tam I... escrevem!... lastimam-se !... cho
rain... e nao comem' nao bebem ?
FJs a conhisao!!
Meditemos, pois*..
Alvicaras !... Alegrai-vos, bella e heroica ci-
fiade do Recife, que vai desabar sobre a cabera
de cada um de vossos invictos filhos usua nuvem
prende de mgicas inspiracoes a weraoidade
deste annuncio.
(Queris conseguir os fias? empregai s meios:
apurai a vossa imaginacao, vasai na vossa intelli-
f;eocia urna gota de ispirao c tereis revolvido,
ulminado aquesto do dia,
Thom Lopes de Sena c sua naulhcr
Carolina Theard Lones de Sena, seu
genro, filhas ( e filhos ausentes )
mandam dizer algumas missas, se-
gunda-feira3 de fevereiro, das 7
horas em diante na igreja de N.
Senhora da ronceicao dos Militares,
alma de sua s mpre lembrada sogra, mi e
;. \ Mme. Theard, fallecida em Pariz a 23 de
dcembro prximo passado, convidam para as-
sistir este acto de religiio e caridade, as pessoas
4e sua amizade e da dita finada, pelo que lhes
ficaro summameatc penhorados.
Jos de Amorim Salgado convida
aos parentes e amigos do seu fina-
do av, afim de assistir urna missa
que por sta alma tem de ser cele-
brada no dia 2 de fevereiro, s 8
horas da manha, na igreja matriz
da Boa-Vista.
Jos de Amorim Salgado avisa aos parentes e
amigos do seu finado avo, que Iransferio a missa
para o dia 3 de fevereiro, s 7 horas da manha,
visto ser o dia 2 domingo c nio fodor-se dker
mis a fnebre. _____
as audiencias do juizo de paz da frcguezia
de Santo Antonio continuara a ser como de cos-
tume, as tercas e sextas-feiras as duas horas
da tarde na sala publica, ra do Imperador :.
e juiz de paz que est em exercicio o Sr. Dr.
Olympio Marques d* 8ilva, que tem seu escrip-
torio, ra do Imperador n. 43.
O escrivao interino,
_______ Lniz de Franca N. do Reg.
de boa qualidade,, do Rip de Janeiro, ven-
de-se a retalho ou em porc&O, na ra do
Commereio n. 3-2, 2o andar, por cima do
London Brasilian Bank,entrada pela ruado
Torres.
Tr35000
E barato
Vende-se ama farda e orna Musa de panno
Qno aiuda nova, urna espada, nm talim e bonct,
proprio para olflcial de linha ou de guarda na-
cional : quem pois quiter comprar, dirija-se a
esta typographia, a fallar c.mi o administrador.
das 9 horas do da por dianto.________________
Mais delles.
Anoeis elctricos.
Daquelles aimeis elctricos, to nteis para o
nen'oso, e que a Magnolia, ra Duque de Ca-
xias n. 45 tem vendido porcao e que por serem
es nicos verdadeiros, muito tem aproveitado ;
pelo ultimo vapor veio nova remessa : elhs an-
tes que se acabem. Na Magnolia n. 4o, ra Dique
de Caxias.
OlK'1'OS ?
Pois bem, fortifleai os pulmSes, desempedi a
larynge.rgenlinai a voz, adquir o dom da per-
suasao e finalmente abragai sem nesitacao a por-
tentosa Hspi-'tcdo que vos offereco e tereis torcas
suficientes para discutir, convencer e.. .derrubar,
yara sempre*a magnaquesto do dia.
Queris ludo isto
7
Vinde ao muito preconisado armazem do Cam-
pos, ra do Imperador n. 28, e comprai certas
e especiaes vidual has. (exquisitas e excitantes)
par dos coruscantes e finos vinhos, nao esquecendo
os inissimos e calmantes licores, lembrando-vos
dos rarissiraos o delicados acepipes, (alem de eu-
tras mulitas cousinhas boas que ficam oceultas
oestes.....para despertar a curiosidade dos aman-
tes da....) e veris que depois de teres saboreado
essas finas e delicadas iguarias vos apparecer
urna to enrgica ispiragao (cousa inaudita) que
vos considerareis metamorpwseado em algum
propheta, abundando a vossa inWginacao de cal-
culos infallioeis que vos farao resolver em um
pice o grande problema que prend to forte-
mente as vossasatten^oes-questo do da.
Duvidaes ?
fTeste caso l.vai:
Com a barriga vasia
A cabeca arde, enfraiwece,
Ocorpe treme, vacilfi,
A razio dcsappareoe.
!. 28 roa do imperador i?. 28
O vigario Joaquim de Ara-
gao Eblua.
Luiz Pereira de Mello, D. Candida de Arago
Pereira de Mello, Jos de Arago Eblua, cunha-
do, irmo e pai do vigario Joaquim de AragSo
Eblua, fallecido na cidade da Fortaleta a ai de
Janeiro prximo passado repassados de senti-
mento, convidam aos parentes e amigos do mes-
mo finado, a ouvirem algumas missas e memen-
to que pelo repouso eterno de sua alma se hao
4e celebrar na matriz de Jaboato, as 7 horas
da manh do dia quarta-feira 5 de fevereiro.
h]
Charutos deHavana
Superiores
no escriptorio de Tasso Irmos i C, ra do Amo-
rim n. 37._________________________
Vende-se, arrenda se ou perniuta-se, por-
trras que sirvam para plantar canna, urna padaria
sita no pateo da feira no povoado dos M-' ntes; a
tratar com seu proprietario no mesmo povoado ; e
para informales, com os Srs. Rocha Lima & Gui-
raares, ra do Bom Jess (outr'ora da Cruz) n.
16, ou com o Sr. Nicomedes Maria Freir, no
Caes do Apollo, n'esta cidade.______________
Jos Patricio de S. Varejao.
Joaquim Lucillo de S. Varejo e seus irmos
convidam a todos os seus parentes e ,,migos as-
sistirem algumas missas que mandam celebrar no
dia 3, stimo dia do tallecimento de seu mane
Jos Patricio de Siqueira Varejo, na igreja de S.
Jos do Manguiubo, pelas 7 1|2 horas da manha :
pelo que .ge confessam desde j ainda mais gratos.
sr
Imperial Noeietladc dos artistas
meehanlcos e liberaes de Per-
numbuco,
O abaixo assigaado, secretario da mesma secie-
dade, seientifica a todos os socios, que no dia 4 do
cwrente haver sesso ordinaria s 6 i\t horas da
tarde, e qne ficam designados os das de tercas-fei-
raa para as referidas sessoes, que sao obrigados
a comparecerem oe socios eflectivos, de conformi-
dade com a lei. Recife de fevereiro de 1873.
Pedro Paulo dos Saltos.
Imperial sociedade dos artistas mchameos
e liberaes de Pernambuco.
Eku sociedade manda celebrar no dia S do cor-
rente, s 7 horas da anh, na igreja matriz da
Boa-Vista, urna mis-a pelo repouso eterno de *eu
prezado consocio Flix Jos de Souza, 30 do seu
passamente, e para asistir a este acto religioso,
convida aos membrbe desta sociedade e aos pa-
rntese amigos do finado.___________________
O abaixo assgaado declara que comprou 1
laverna sit na ra dajlesturacao n. 36, antiga
ra da Gnia, livre e desembaracada de qualquer
wWto, e pertencente ao Sr. Genuino Carneiro da
Cunha: se algnem se Julgar com direlto mes-
ma. apresenle-se no prazo de 3 das, a contar da
data deste, findoe os quaes nao se attender re-
elama^So lguma.
Recife, n de Janeiro de 1873.
Joaquim Gm&bm tk Aniraie,
Vende-se a muito afreguezada taverna e
armazem de sal n. 137 da ra Vidal de Negreiros
(outr'ora Imperial), propria para qualquer prin-
cipiante por ter poucos fundos; o motivo porque
se vende se dir ao comprador.
Atten^o.
Vende-se dous cxcellentes terrenos muito bons
para qualquer edifieacao no lugar do Arraial, na
ra da Harmona, tendo um 55 palmos de largu-
ra que extrema com o do Sr. Dr. Francisco de
Paula Salles, e o outro com oitenta e cinco ditos de
largura, na mesma ra do lado do riacho, pro-
prio para plantacoes de capim ou de qualquer
verdura : a tratar eom Rufino Manoel da Cruz
Cousseiro, em sua residencia, na ra do capitao
Antonio de Lima, em Santo Amaro n. 36, u em
sua offleina na ra do caes de Capibaribe 8,
que melbor poder esclarecer aos pretendentes.
Silgar Wafers.
(Vanilla)
' A melhor bolachlnha at fcoje conhecida, tant
para cha, como para dietas : vende-se na confei
taria do Campos, na do Imperador n. 24.
Insignias inacoium
Amaral, Xabuco 4 C. vendem insignias mac?-
nicas de diversos graos : no Bazar Victoria, ra
do Barao da Victoria n. 2.
Vende-se na. ra do Imperador
cabnolet americano de 4 rodas com
novo e muito elegante.
lU'A DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaX. 7
PIANOS.
Aeabam de ebegar muito bons pianos fortes e de
elegantes modelos, dos mais notaveis e bem co-
nhecido fabricantes ; como sej.im : Alphonse
BlondW, lleni y Hrs e Pleyel Wolff 4 C. : no
por francez, ra do Baro da Victoria, >u-
tr'ora Nova u. 7.
Calcado francez.

Botinas de luxo e phantazia, braneu pretas e de
dilfercutes cores, tanto para senhoras, como pa-
ra meninas. .5
Sapatinhos com salto no rigor da moda, braneos
e de cores para senhoras.
Botinas de Melis, de Suser e de Polak, para ho-
meus.
Sapatos de cordavao Mili spara.homens.
Botinas para menino de qual<|uer lamanho.
Perneiras e meias-perncinis tanto para homens
como para menino*.
Sapatoes le Suser para homens e meninos.
Sapatos de veruiz com salto para homens-.
Abotinados de militas quadades c precos para
meninos c meninas.
Sapatoes de veruiz com sola de pao propiios para
sitios, jardins e banhos, sortimento para homens
e scnlioras. '
Sapatos de tapete, ca^inira, charlot avefludado,
de tranca poatugoez o francez.
No armazem do vapor francez, rua do Bao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, Dantas, leos, opiata'e pos den*
trilice. agua de 11 r de laranja, a?ua de ti le-
la, divjua, florida, lavando, pos de arroz, sabo-
netes, cosmticos, muitos artigos delicados em
peiTumaria para presentes com frascos de ex-
tractos, caixinhas surtidas e garrafas de diffe-
rentcs tamanhos (Tagua de cologne, tildo de pri-
meira (pialidade dos bem conhecidos fabrican-
tes- Pivcr c Coudray,
No armazem do vapor francez, rua do Baro da
Victoria, "bulr'ora Nova n.-7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sortimento que tem vindo mascaras de massa, de rame e de seda, nariz
com oculos. barbas etc., .i preras muito bara-
tos tanto em grosso lujino a letalho.
No armazem to vapor Irancez, rua do Baro da
Victoria, outr'oia Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas malas e bolsas para viagens de r
de caminhos de ferro.
Eetojoe de viagens eom o< pertences neceseo..
para barba.
No armazem do vapor francez, rua do Barao
- da Victoria, oulr'i.ra Nava n. 7.
Botas de montara.
Novo sortimento de bolas Napoleo e a Gnher-
iii.'*- perneiras e meias perneiras para homens,
e mei.is perneiras para meninos.
No armazem do vapor fianee rua de Baro
d Victoria outr'ora Nova u. 7.
- Mobilias de vimes.
Cadeiras de bataneo, de braco, de suarmeoes, so-
fs, jardineiras, mesas, conversad iras e costo-
reiras, tudo isto muito bom poctrem fortes e
leves, c os mais proprio* movis para sal-Has e
gabinetes de reorcio-.
No armazem do vapor Irancez, rua do Bara da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilliarias.
ArtigoK de liflVrenes ftisCo* e
Espclhos fJworMM para salas e gabinetes.
Lequee para senhoras e para meniuas.
Luvas de Joavin, de lio da Escocia c de c^mur
Caixinhas de costara ornadas c mi msica.
Alliims e quadriiihos para retratos.
Caixinhas com vidro de aug u ntar retratos.
Diversas ubraSTde onro bom de lei garantido.
('.Mrenles de plaqu mnito bonitas para i
Brincos |imitacSo e botdes de punhos de pl
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de couri-
nho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
ejoflette,
Pincenez de cores, de prata dourado, de a^o e de
tartaruga.
Oculos de ac fina, e de todas as graduacdes.
Bengalas d laxo, caima, com castres de marrlm.
Bengalas diversas em grande sortimento para ho-
mens o meninos.
Chicotinhos de balcia e de umitas qualidade- di-
versas.
Esporas de (arracha para -altos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarace e par
barba.
Ditos de marfim muito linos, para limpar cabeca.
Escovas para roupa, cabello, unhas c para don-
tes.
Cartoirinhas dejnadreperola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Grvalas braneu a de seda preta para borneo! -
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados,
Jogos da gloria, de dama, de nagatcllas, (> domi-
n e outros muitos mffarentes Jogutnhos alle-
mes c francezes.
Malas, bolsas e saceos de viagem de mar e cmi-
Sihos de ferro,
inadeiras de vidro de dar leite mui fcil as
criancas.
Argotmnas de marfim para as criancas morderem,
bom para os denles.
Ber.os de vimes par embalancar criancas.
Cestinhas de vimos para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas para passeios de crian-
Venezianas transparentes para portas c janellas.
Reverberos Iransparentes para c:jidieiros de gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmoramas.
Globos de papel'de cores para illuminacoes de
festas. .
Baliies aereostaticos de papel de seda mu fcil
do subir.
Encerados bonitos para conservaras mezas oV
jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
Espanadores de palha e de peunas.
Tesourinhas e caivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para qu>
dros.
Quadros j promptos,com paysagens c phantazia
Estampas avulsas de santos, paysagens e phanta
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias. Jit ._
Realejos pequeos de veios eom limJ* De^,"
Realejos harmnicos ou accordions de todo $
tamanhos, o- outros muitos artigos de quinqui-
lharas difficeis de mencionar se.
No armazem do vapor francez, roa do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todo?
os brinquedos fabricados em differentes partri
da Europa para en treteramente das criancas ;
tudo a precos mais resumidos que possivel_:
no armazem do vapor francez, rua d<> Barao
da Victoria, outr'ora rua Nova n. 7.
n. 20 um
4 assentos,
Cervej
a
A verdadeira eerftja da Baviera, marca ban-
deira, de superior qnalidade ; vendem Tasso l-
maos & C em seu armazem da rua do Amorim
Bumero 37.
L
U

Mascaras.
Mascaras.
Mascaras.
ras
Acabara"de chegarjr nee facturas de masca-
s com todos os sorun

grosso e a retalho :
janane, para veid*-se em
no armazem do vapor rari-
rua do Bario da flctoria, outr'oraNova d, 7.
/
*


Diario de Pernambuco Sabbado 1 de Fevereiro de 1873.
Para acabar at o flm do anuo
Na ra da Imporatriz n. 60
DO PAVO
DE
PERE1M DA SILVA-ft &
Tendo 09 proprietarios deste grande estabelecimento, nm avahado sortimento dej
fajeadas em-ser, e desojando liquida-la*, at o fim do corrente aono, tern resollido ven-
de-las or presos muito cono modos, cora o fin de aparar dioheiro, a vista do que
convidara o< lira. Srs. cbefes de famila a virem sorti-re, n2o s de fazendas de primen
ra.ness.-.'. la.le., como de fazendas de laxo e gosto, das qaaes ennntrarJo ara sortimeto
das mais novas do mercado, cbegadas pelos oliimos vapores da Earopa.
FAZENDAS DE LE
CORTES DE :ASSAS A 25300 E 35 X>0.
O Pavio venda cortes de cissas de core*,
cora pidrSes muito bonito 3 pelo barato
preco de 9500 e 3J00O.
CORTES DE CHITAS A 251-00 E 2880.
O Pifio vend cortas de chitas francezas
finas, cora 10 covados pelo diminuto pp?co
de 2-5*.O c-da corte.
Ditas oa 12 covados pelo preco de
258SO cada corto.
PEGiS DE CHITAS k 702DO.
O Pavfjn venda pegas de cliit'8 finas, lio
dissinns pad'Oas, tendo 3C1 covados cada
pega, pelo b rato preco de 7500 cada
ama e maito barato.
LENCO'S DE BRJANTE.
OTPavSo vende lences de bramante mui-
to grandes, seudo deura panno s, pelo ba-
ratsimo preco de 25i00 oda om.
CHAILES BARATOS A 15)00 E 2J00O,
OPa-u vendacbailes de i.arlatana graa>
de? pelo barato prego de IfOOO e 20 )00f
Pitos rte 15a eslampados imitag5o de
mri.i i 2f50:jO.
Ditos de quidros modernos, muito en-
corpados A 3500 e 45000 ; assim como
raudo sortimtoto dos mais fios chjiles
trepan o merino que se veoi'.em por precos
muito em cont ?.
MADAPOLES.
Pees de midapniao francez mnito fioo
coro 20 jardas a 54$OG e 05000.
DiUsc'ira 24 jardas maito superior a
64500 e 7500 t.
Di.o ingle/. f.zsDda muito fina 55000,
6-KK) e 65500 al 1^000.
Dit s francezese logleses maito fiaos de
40jardas para diffaron es pregos.
ALGODOZINHO..
O Pavio veoda por precfi muito barato
pecas da algodaoiioho aoierienoo muito
DOlO cota 18 jardas 4500<.
Dito cooni jard-a a 4/i50f) e 55000
at 60000.
Dit largo marca T mnito encor'pado a
';
ALGODO ENTESTADO.
O Pavio vende o verdade ro o superior
iziaho de dnas larguras para leng^s,
;,- do tntiito eocorpado 15 00 cada var.
trancado da tresna largara 15-80.
CHITAS LARGAS.
O.PavSi vende ?sias execelleoles chita*
I tu ;:. clara e escuras com muito hum
40 rs. cada covado.
D'ta maito fina a 2H0, 320 e 360 rs.
Percaies ftuissimos miuclinlns a 360 e
400 rs. cada covado.
CAMBRAIAS.
0 PavSj enle cortea da cambraia trans-
S-.i i.-- i.-rv.pria pira vestidos a 2^500 e
3^0 0.
P-ga de dita mnito fina esm 10 jardas
tanto la ada como transparente a 4;5>000,
55000 e 65000 at a mals Qoa que vem
ao marca 10.
BRAMANTES PARA LENCO'S.
O Pava 1 vende superior b-amante de al-
foiio lenJi 6 palmos do largara qne s
percta (e 1 '/i vara par.s nm Icngol, me-
tro 14600 a a vara 10SOO.
FAZENDAS DE GOSTOS
BAREJES DE SEDA A 1#0J0 E 10400 O
COVADO
O Pato recebea pelo ultimo vajor:
francez, om gcande sorlimento dos mais
lidos barejes de seda, sendo em cores
e gostos o-melhor que tem vindo ao mercado,
e.-ta nova fazenda muito propria para
vestidos para bailes oa casamentos, tendo)
entre esta fazenda delicados padreas bran-
cos proprio para vst dos de noiva.
MODERNISSIMAS POPELINAS
Popelinas a 155 x> e25000 o covado.
O Pavao recebea om elegante sorlimento
das ni us modernas e lindas popelinas de
l e seda, e linbo e seda qne -. vendem a
10500 e 25000 o covado, tendo padrfies.
littrados modo e graodoa que parecen
propriamente seda, assim cmodasmesmas
t-mbem tem brancas proprias para vestidos
de noiva.
NOVAS SEDAS A 20500
O l'avo vende bonita e moderna seda
de urna s cor, tendo c*e todas as cores, com
delicado lavrores miudinhose vende a 25O0
o covado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 455000 E 500000
O l'avo vale bailas cortes de seda,
fazenda de muito gostj, tendo 48 covados
cada corte f ven le por 453000
Ditoa de 20 covados a 50JO0O
A MADRESILVA.
Pmea da Independencia
ns. 38o.40.
Acaba a Madrcsilva' S receber diversos
obipetos, como scjain
Ricos a"3fegOs de madreporola brancos &
de coros". *
DiaderHas^efraareperola, ditos dirados,
ditot di>iaas,i mi bafalo, ricamont* eufeita-
dos, cruzes fingiudo brilbaiites, cassoletas do
[plaqu' com voltas o.sem ellas, imitando
ouro, puMiias douradus, ditas imitando
tartaruga, rico surtinento do grampos para
cab^o'f sendo-boriJelotts, besoaros beija-
flres c outras muitas qualidades, tudo de
muito gost, rico sui'tim.'iiU) do gravatiuhas
setm, ^aze, esoossezas e de urna s cor, ia-
zenda inteiramente novidade.
Lindo sortimento de leques de marina,
madr'iiti'>ltt, tartaruga, ditos dourados, com
seda e sem eta alm destes de outras mui-
tas qualidades,,que enfadonho seria mencio-
uar, tanto para sonhoras como para me-
sillas.
Rico sortmeiito do punhos e gollinKas
bord.adas e:n cambraia de linbo e caraizinhas
bordadas para sephoras.
Bonitas guamigos ou dragonas para en-
eitesde vestidos,assimomo os muito deso-
jados cordes de seda, fazenda'inteiramento
novidade ueste mercado.
Rico sorlimento de caixinbas com prepa-
ros para costura, sendo de tampas de crystal
e di*Outras;rrritas qualidades e tamarrhos,
ditas para porta-juias, porta-extractos, ritos
^*ortarrok>j}ios, porta-charutos, porta-ciuza,
tintiros, castigaos, ttido sao objectos de
plaqu, proprios para presontear a qualquer
pessoa, assim como diversos objectos para
escriptorio, facas para cortar papel, cartetras,
para notas, canas para phosphoros, caetas,
bordadas e lisas, maracas para enancas, si-
netes para abrir firmas, caixascontendo uinal
caneaj un lapis e um anivete, agulheiros;
Sao muito oaratas em relago superior
qualninda d'esles cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pav3i venda om grande sortimerrto
das ra lis moderms, baptistas com lista de
cor, preprias para vestido, com as cores mais
uovas qua t iii viudo ao mercado senda
maito m^ii largas do qua as chitas francezasi
e vende pelo baratissian prego de 500rs.
cada covado.
OFFICINA DE ALFAIATfi NA LOJA DO
PAVAO.
Ne8ta grande e4abelecmento encontrar
o r sp. tavel pnblico, orna bem montada offl-
cina da alfaiate, onie se manda pxecutar
qualquer pega de obra, tant para bomem,
como para meoinos, com a maior pres-
tesa e perfaigao assim como para qualquer
luto quede repenteapparega, tendo na mes-
ma ofiicioa nm perito official destinado para
farda dos Ilm. Srs. bfficiaes de guarda na-
cin i 00 tropa de linha, sendo esta offlclna
dnigida pelo babil artista Pedro Celestino
Soares de Carvaiho.
NO VOS VESTIDOS A 40000.
O Pivo receban um elegante sorlimen-
to de noyos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende p?lo
barato prego de 40 cada um ; muito ba-
rato.
ESPARTILHOS A 30000.
O Pavio iem um granda sorlimento de
esMrtifhos, tanto para senhra como para
menina, qbo vend pelo ba-ato prego de
3000. Ditoa mnito finos a 400.0 e 50000,
sao dos mais modernos que tem vindo ao
mercado.
CBITAS A 240 RS.
CHITaS \ 240 R5.
CHITAS A 240 R5.
O Patio vende chitas fraucezas proprias
E'i'.o d linbo pa^o soperior mnito encor- psra vestido, sendo muito boa fazenda, com
pal) om a raosma largura a vara 21400
Ditos fraucezas muito finos a 20500 e
30000.
Po;.! de Hamburgo e panno de linho cora
20 e 30 varas, pan lid 03 pregos e
gaah'dads.
Pc.-s de brelanha de poro linho, tendo
3u jardas pelos pregos mais barato que se
taro vi to.
Pechiao.ha de Gnissimo esgniSo socalena
wm 6 jardas 70JOO.
Pega de Bnfssimo celena :om 30 jardM
a 303 X), atoalhado adamascado coa 8 pal-
mos de hrgara a vara 2;$ (0.
LAAZINHiS DE FURT.-i CORES.
O Pavjo ende um elegante Bortimeoto
da I3azi'>bas de farta cores q:j brilhao qna-
s: como seda ten lo d.: todas ascr.!3, e vun-
de 361) rs. o covado.
C\LCAS D2 CASEMIRA.
O PavJo tern otn graila sorlimento de
calg^ de casimira, assim como cortea o
mais moderos qoe tem vindo nos Dltimw
Bgorins e em fazeada das mais finas e mii-
ovas aa marcado, o vande-ia por barato
prago pira aperaf dnbeiro assim como cal-
as de i)rira hraico e de c-es por pregos
m^;t') raz.-aveis para asaba-.
CORTES DE PERCALU COM DASSAIAS
A 40000.
O Pav3o\vend bonioj cortes da precalis
cea doas aias, sendo fazenda de mu.to
go:toa i^OLiO, pochincha.
TNICAS PRETAS.
O P das mais rioaa tnicas de gr.i preto, rica-
menta enfeitadas, e venda por prego razoa-
ve!.
VESTIDOS BRVNCOS BOIlDADOS DE
3550000 AT 600000.
O P.ivSo recebeu ora lindo sortimento
dos m;s ricos cortes de cambraia brao'.a,
ricaa ene borlados, e com todos os enfei
tes nscejsarios, e veoda pelos pragw -
360)03 at GO0OOO, n) tem violo nada
mais rico neaj roait; moderno.
CORTINADAS PARA, CAMAS R JANELL.AS
v A 0^03,80000 E 10}00)..
O Pavio tara um grande sorlimento da
cortadlos para cajua e jMl!i8, que veo-,
de pelo barau JMOQ de 7050); 80000 e
100000 o par, tendo at por ijOOO, assim
c-imi Cvlchai Ae damaco p3ra carnes de
padres claros e escaros, pelo barato prego
de 240 rs o covado, por ter um leve to-
qua de mofo: pechincha.
SAJAS A MOCO.
SAIAS A 20')OO.
O Pavio vende satas brancas de orna s
.'.i co:n fazenda equivalente a 4 pannos,
cora bonitas pregas em volt1, a 20000 e
2)500.
Ditas coa pregas e bordados a 30000,
pichincha.
LIQUIDACAO DE CAUCAS DE CASEMIRA
O Havo tem om grande sortirneuto de
caigas de casemira de todas as cores e qua
didos, para todos o pregos, e desejmdo
iBuiw li uidi-las, rasolveu vende-las por
um prego cauito em conti, para diminuir a
grande porgo.
CORTES DE FSTO PARA VESTIDOS A
30060.
O Pavo ven la cortas do fastSo branco,
tendo 12 covados para yqsJm a 3.J000,
pacbima.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA A
60000.
O Pv5o vende bonitos corles de cambraia
branca transparente, com bonitas vistas e
bvrB|, proprios para vestido, tendo 8 va-
ras cada corle, palo barato prego da 60000,
pechincha.
CASSAS l'RANC.EZAS.
O Pavao vende bonitas cassas francezas
coro bonitos padres, e de muita phantasia
pebbaratissimo preco de 240 c 280 rs. o
co\aJo, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pechincha, na loja do Pavo.
BOLRNS A 16000.
O Pavao recebeu pelo ultimo paquete de,
Europa, bournusdos mais lindos"gostos qu
at hoje sao ronhocidos, e em relago oi-
cessiva barateza, convidam-se as Exmaa. Sras.
para as verem, para assim adminarem o que
ha do mais novidade neste artigo.
o dedes, todos estes objectos sao de marfim,
fazenda inteiramente novidade, assim como
outeos amitos que s a vista dos pretenden-
tes se podero mencionar.
Vostuarios para criancas, chapozinhos do
seda, sapatinlios do merino e setim, meias
d seda e de algodo, brancas e de cores, tu-
dopara baptisados.
Rico sortimento de babadores para crian-
zas, ligas de sida para senhoras, lencos
brancos com ramagens, meias de seda para
'senhoras e meninas, ditas de fio de Escossia,
o melhor que se pode desojar, assim como
meias de l, proprias para senhoras.
Rico sortimento do escovas com costas de
baleia, nrarchetadas de madreperola, para
roupa e cabello, e do outras muitas quali-
dades.
AGTLHAS, L LINHAS PARA MACHINAS.
A Madresilva acaba de receber um com-
ipleto sortiiiiMito deagulhas elinlusbrancas,
do cores e pretas para machinas, dos fabri-
cantes Grover Bakr's, assim como agulhas
de todas as qualidades e linhas de seda para
bordar e para crochet, ricas capellas cora
veos e sem ellos para noivas, fil branco com
Bonitas ramagens e com 7 palmos de largura,
fazenda especial: s na Ma lresilva.
Rico sortimento de flores de laranja em
ramas e sepas, de todos os tamanhos, para
eneites de vestidos do noivas.
Rico sortimento de collarinhos e punhos
bordados u lisos, de linho e algodo, pera
homens, assim como chapeos de sol qpm
casto de marfim, coutros muitos artig.
TEM A MADRESILVA
bonito sortimento do jarros, casti\;aes rom
f"ingentes, garrafas e copos para espMtQSt,
rseos, garrafinhas de diversos gostos, pr\>- f
prias para toilettes, assim como acaba de re-
ceber um completo sorlimento de cspclhos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, de 3 a 9 palmos de altura e largura
regular.
A MADRESILVA \
acaba de receber um. especial sortimento de
luvas de Jouvia, brancas, pretas e de cores,
para homens e senhoras, assim como tam-
bem para meninas e meninos de 3 anuos
para cima.
BONECAS.
Rico sortimente d bonecas de todos os
tamanhos e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba de receber um rico
sortimento de bordados em cambraia de li-
nho, fazerrh inteiramente novidade neste
mercado, sondo babados e entremeios.
Finalivionle, a Madresilva, alm dos arti-
go? qne vos faz menco, tem outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, por isso a
Madresilva espera que vos digneis visita-la
mais a midfj, a qual vos ficar 'sempie
grata.
LaztPihis para vestidos a 320
re;s o covado
S na vea do Duqo-- d Caxia? d. 60 A, ooirVra
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, om sortimento de machinas para
costura, das melhores qualidades que existe
na America, das quaes muitas j s i bem
conbecidas pelos seos autores, como sejam;
WeHr A Wdson, Grover 6c Boka, Silen-
ciosas, Wced e Imperiaes e outras muitas
que com a vista dever2o agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de. fazer
o trabaIbo que trinta costuroiras podem
fazer diariamente e cozem com laota per-
feigao como as mais perfeilas costnreiras.
Garante-se a sua boa qafidde e ensioa-se
a trabalbar com perfuigo em menos de urna
hora, e o pregos sao lao commi.dos qoe
devem agradar aos pretndeme*
Lehmann Freres MMidem
libras sierhnas : a' ra do
Crespn, \&, pri metra andar,
RIVAL SEM SE
Chegarara agulhas para macanas, do fa-
bricanta Grover 4 Bker. Dnzia a 25000.
TWWm
Ra do Mrquez de Olinda
n. SO A.
Ten para vender os egDiates objectos abaix,.
mencionados, pelos pregos mais resumidos, como
sejam : Coques moderos a 2|000, pegas de n-
tremelos bordado* de diversas lardaras a 500 rs.
dozias di co'larinb.s de iiDho a 4500, ditos mai;
nos a fOO'J, lencos para atgib.-dra a 200 rs. boa
fazenda, linhas de carritel de 200 jardas a 60 rs.
la para bordar a 5J0O0 libra, leques a imitagc
de sndalo a lo 0, lamparinas a 600 rs. a dazia,
caias com papel amizada a 600 rs. ditas com di
to superior a 700 rs., envetopea a 400 r?. o ceo-
to, botinas nacionaes para homem a 44500, focos
para criancas a 1J500, agoJlia? francezas a 40 rs
o papel, saboootes de lcatrao a 500 rs. aga* flo-
rida verdadera a 14200 a garrafa, dita ir.fenori
14000, frascos com sndalo a 14000, ditos coa
oleo phil come a 800 e 14000, ditos com dito ba-
bosa a 320 rs. ditos com agaa de cologne a 240
eOO rs. peyas da gl6> branco para enftites de
vestidos de crianza, a 100 e 500 rs., massos com
t pecas de tranca branca a 240 r<, ditos com
4itas de cores a 320 tt 400 rs., duzia< de ptnspho
ros ssguraDca a i\0 r?. e a gro^a a 2tt400, e on-
tros muitos ampos, qan para nao lornarmo-DO*
^nfadonnos deixamos d^ mencionar, os qaaes " lem se barato' mra acabor.
Pede obler em pone? lempo com o uso do aelbor dos licoresa sffamada
fflSPEBIDINA
Faz'oito anaos qoe conhecido eele precioso tnico, e difcil acbar orna pessoa
qne, tftndoeiperhmntsdo pessoalflrenle, n3o falle em sea favor, j como bom estomaca;
e apetisador, tomando em calis della antes de jsntar, oo come facilitador da digestlo
t -mando-se depois.
AMSE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ha om s habitante do BRASIL (a trra
especial das laranjas) qoe dIo oonheoa as propiedades medicinaes da doorada fracta,
or* bem, a w
IAMM AMARGA
em sen estado natnral tem nm gosto pooco agradavel, e o mrito da Hesperdioa con-
siste em reter suas boa3 propribdades, e ao mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nao tem nada qne vetar I
melhores imporlages europeas de cathegoria semefbarite. Estas, qrrtnda muito, podem
ser gostosas, porm a Hasperidina a com bina gao perfeita do
p AGRADAVEL E SADAVEL
Para prova de qua um artigo no qual pde-se ter inleira coofianga, por ser poro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada aotoricada pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permiltindo sua livre elaborag5o no imperio; outra
BOA PROVA
a acceUg5o geral qoe tem em todas as partes onde apresentada. Em 1864 estabe-
leceose a primeira fabrica em Bueoos-Ayres; em 1869 a segunda en Montevideo; e
oo da da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaogoreu-se a fabrica qoe actualmente
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceitago,
tanto que rara a casa qoe considera completo sea aparador sem orna garrafa de


O bomem tefo toma Hesperidina para obler
VIGOR
O homem dome loma Hesperidina para obter


O bomem dbil toma Hesperidina para obter


Nos bailes as donzellas e os mogos tomam a Hesperidina para
*nimac3o durante os loncos gyros da
misa.
BARROS JNIOR 4 C., roa do Vigario Tenorio n. 7, i
grande especifico, e vendem-no nos depsitos seguintes :
Joaqnim Ferrara Lobo, roa da Imperalriz.
Zeferino Carnero, ra do Commercio.
Marcelino Jos Gongalves da Fonle, ra da Cadea n. 2.
Atitonio Gomes Pires C, ra da Cadeia.
Antonio Gomes Pires A C., caes 22 de Novembro.
Gomes A Irmao bolel da Passagem.
obter boa cor s
0 andar, receberam esta

IfA si
Amara!, Xabnco S C. avtam a rapazeada car-
RavalfBca c aos habitantes do Cabo, Apipueos,
Igaarassil, Casa-Forlej Limociro, Afogados, Goyati-
na, Santn Antio, Nazartlh, Varzca, Olinda, lo-
bacolomb e aos ilcmiiis amantes du carnaval qnfl
raceberam um completo sortimento de mascaras
de papelo, sera, seila c rame, para qoalquer
earaeter; c fianja?, trancas douradas epratea-
(la-. cil'fllriras, lanlojoulas, voltas etc. Ycndcni-
i>........ \>:..,....:n ..... .1. ~ D*H.
se no Bazar Victoria,
n. 2.
roa do Bann da Victoria
i E PECHINIAS
EM
AZAR Y
A,
ma doQueosdo,
Silva & C.
loja da esquifa, de Eento da
lliegiit'iii (jiianlo antes!!
A SIM! SgftOO! 5$099!
Alies oii-ifpo< campestres, da ultima nimia,
para senhora, s na ra do Duque de Cx\m n.
SO A, loja di esquina, do Bento da Silva A C.
Ainnral, abnco A C arabam de reeeber da
Europa pido ukimo vapor o seguate, e convid ,in
s Exmas. senhoras a virem ver:
Risas chapelinas para visita, v palha, feltro,
velludo e seda, a ttabagares Uonlpansier, ultima
moda.
Chpeos de pallia para passo.
Enfenes de seda, de eores e para tato, para ca-
cera de Sra.
Luttiunes do cambraia para Sra.. contendo ves-
tido. chapn de calteca ijo so!, tudo da mesma
fallida e de iiriiaes oni'cites.
Orles do weias de l.i e seda, do cambraia
bo dados :i arjiIio, pintadis o csta.iijiados. c do
baptisias do odres.
Elegantes gaarnioocs do oores para senhora,
colendo I par do brinoo*. i alfini-U'. a palneins,
1 diadema) e urna borholota para cohollo. .
Loques de nulnlfMm!a> branoti a naeiinado oi
do rusa, laranja ele. ote. lisos o bardados
Leques do marfim. li.-os, bordados 6 oom soda,
bsqtBS de tartaruga.
Leques do niadi-ira. wat etc. oto,
Vnidein-so no Baiar Yirioria, rua|ki Baiio Ja
Victoria n. 2.
FAZENDAS FINAS E ROUPAS FEITAS
NA OFFICINA
DA
LOJA DO PAPAGAO
Tendo por meslre Mr. Charles Laurenl
EUA DA IMPERATRIZ N. 40
Aleudes A Carvaiho scientificam ao respeitavel publico, qae acabara de recebe? .*
completo sortimento de fazendas uas de todas as qualidades, tacto de la como de !
nbo, seda a aigod5o, o qne ha de mais modetooe do melhor gosto, e portano con*
dam as Exmas. familias amigas da economa do mestica, a virem oomaudaram na LOJ-
DO PAPAGAO, e veno que compran fazendss bonitas e baralas por menos prego qt'
jamis comprarlo.
COMO SEJAM:
Granadinas de sed i dt ama s cor, lar- Chitas francezas de todas as qoalidade*
gas a 13600. de 320 rs, al os crotones de 500 rs. o ce-
Poopelinaa sarjadas da Va cor boa lar-, vado,
gura, a i$iOO o covado. Cortes de cassa brancos bordados coa
AIpac5o de cores com iiras de seda para,babados de seda de cor, e brancoe ootro.
enfeile, a 800 rs. o covado. bordados com listras.
Vende-fe tWangas decimos isito na qnen
como gard->s : na-rn do Impera lor n. 20.
Veiide-t j .-lio da estrada da Cruz de Alian,
Ue fiea entro o do comriiendador Tasso e o do
esembargad; >r Doria, com casa de vivonda, d ffe-
rentes arvorodos. grande hara do oapim, et..
dando os fundos para a estrada dos tn'lhos urba-
nos ao p da estadio da Jaqneira : a tratar na
roa do Amorim n.' 7.
Farinha do mandioca a 3$ o
saeco.
de Dos n. 7 ; a ella, em
ExcM?nt loucioho ir.glef em la'an t qtmro
liaras a 900 rs. a fiTa : no arm.17.em di Tasso
Irtra.s & C, roa do Amorim o. 37.
l)8.i'iS(ir3Htmltrgo
V/e se a l?l o txil\ muito barato : na
roa da Cruz u. i\, 1" d^r, salo de Cbailei-
reir.1.
Kerosene
Na roa da Madro
quanto nao st- acaba.
m>lva>, a {,-rjdesoitimeolo i tapetes tin- "53JOOO.
U para 4 CaJairas cjjmo para esmas, pianos,
porlas, e'.:., tudo voo la por pre^o razo*-'
Ph .



CORTES DE CAMBRAIA A C$000.
O Pavo vende cortes de cambraia brancr
OODi lisias e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
jiu; do 6pao"0, por ser grande pochincha^
fritos muito finos cora babadinbos brancos
bordados a 8jK)00.
Ditos ditos cora listas de crgs a 4^000 e
Ditos.dp cambraia branca ,com 2r0motros
de babadinbos de cOros a 93*000. E'grande
poclnncha na loja do Pavo.
wmm i
\eode-se
ma Loa casa terrea, chao proprio. servindo
para ftunilla, sita na ru das Crioulas (Capunga.i
Vende se tambcni parte do um outra casa ter-
rea em ch3 > proprio, sita na ra da ventura (Ca-
punga) : tratar na ra Primeira de Marro t.
7-.W and-.r._______^ ___________y' j\
'DMmiixs e a<3ere^os tfiTma-
dreperola.
h lofa da Agnia branca ra do Duque de
fiutias n. 50, receben urna pequea porjau de
diademas r- ndaris de* mjdreperola, obras de
apurado g"?ta,,-" \
in primir qnalidad'', m*rca Devs, venJem
Peraira d Cuntid Irmjs, rui do Marquei.de
Dunda n. 2U i* andar.
BICHAS DE HAHBDR69
Asonis recentes eihIIhras.
Vendem-sc na pliarrancia e drogara do Bar-
lliglOrpeu cl'C., ma Larga dnsanVi o Bu. ;U.
Vende-seum abrale! *#le*, de jnas r das
com quairo jissonlos. e um oxerlkni- cava lio p;ua
o.mesmo : a ver na coch^ira la roa da Iluda, e i
tratar m rug Direita n. t>:
_-----------^------------- ,
_ Parao--CrWim!v,al.
Na ra das Trinclieiras n, W, luja do ciriguei.
ro, vende-se franjas, e enfai'.e durados o pratea-
dos para vesluaris de mancaras.
Libras sterliias.
Vcda-sd co ariueiB di fsz^a-Ja5 to Aucom
?. da 0i9irt 4 C, i rus 3 Comasrcj'j n. w
Liazinhas de cores, em grande qnantida-
de, de 320 a 500 rs. o covado,
Cchenez francezes para seDboras e me
ninas, a 3KXX).
Cretones francezes para cobortas, cor fixa,
a 800 rs. o covado.
Alpacas lisas e lavradas, de cores moder-
nas, de 500 a 800 rs.. o ovado.
C bertas de fu8t3c de 13 e de outras
qualidades, brancas e de cores.
Poupelhas de seda, de flor e de quadro
a l#800 o covado.
Pecas de cambraia bordada para cortinado
com 25 varas.
Ditas de cambraia adamascada com 20 va-,
ras, a 125000.
Saias bordadas muito fio.33 de 4 e 5 pan-
nos.
BaI5es de chita e de cambraia a 25000.
Nansouks e baptisias com lisiras para en-
eitar.
Diversas qnalidades de !5asinhs e alpa-
cas em retalhos, para todos os procos.
Bramantes de lioho psra lences, da 25200
at 45000.
Dito de a!g>dao maito largo a 15800 a
vara.
Algodo largo para lences, a 15000 a
vera.
Atoalhado adamascado da linho e algo-
do.
Espartilhos'de linho fio-os, de 35000 para
cima.
Lazinbas largas cem listras de seda, a
800 rs. o covado.
Madapoles ingleses a rak^&is de 3*5000.
at 125000.
Algodiosinho de todaa as marcas, diver-
sos precos.
Bireges com listra de seda, a 500 rs. o
covado.
Cassas ftancezas de cores 6m e lins
com barras, os padroes mais bonitos que se
teem visto.
FORNECEM-SkV AS AMOSTRAS i QW AS EXHIBIR
FREGL'EZAS DA CASA.
' PARA LUTO.
Veos de fil de seda pretos a 85000.
Merinos para vestidos, bombazina, ca
to, albacas, lazinbas, crep, cassas 6 ch-
as, tudo em quantidade, e para di'.era*
precos.
Grosdenaples pretos, de 15600, 2
25500 at 55000.
Seda preu com listras assetinada-: p.
vestidos.
Chapaos do sol de seda psra meni53 .
450.0, e fjrrados.
Ditos para homem de io.tot'0 at20^vMi
Ditos de alpacas de cor e preto, pa,- d
versos precos.
Tapetes avellodados desde os m-:.i p~
qocnosaicos maiores.
Damasco carmezim para colchas, o m
ibor.
Pannos de croch para cadeiras e. s-
pts.
Camlraiaj victorias de todos os Dcas-
ros.
Ditas transparentes inglez e snissai. cosa
a largura de Urlatana.
Fri de linho e de seda, branco e pr*-:
liso, de salpicoe de fl res.
Camisas bordadas para
versos precos.
Meias para senhoras, das mais inferior*
al as mais superiores que teem ap- i
cido,
PAHA HOMENS E MENINOS.
Neste eatabeiecimeoto se moutoo ore.
fficina, e qualquer bomem que qnizer vr

-

(
senhora, de J

lir com gosto, achara muita variedad? eov
caaiii?td-coies, psDDrs finos e casem ras
o malbopqrje ha no mercado, roupa fe .
eco qowitWa*, assim com) camisas Crai
cezas e ioglezas, lisas e bordadas, ceror.a<
del nho e de algo 15c, moias, collarinh a esa*
grande-quanlrdade, pmatas de t<*bs
feitfos, camisas de meH, em srmiH 'mws
tra de todo qoe pochrar part "rP8#f om
gilo e elegancia.
E OS F1GURIN0S AS
NOS DO MI. J. mi



\
}
ff
'


>
7

Diario de Eeruambuco Sabbade 1 -de ejieudra de 188.
Para asumirs
!SniaaUsim;9 .<*> dablanJ eaaellas de era, te-
uaei^e mudreperul* e rom** desea, Wdo espe-
WoovMMe e nWK>r fazeoda quetem viudo i
Perfumaras
Nato artigo to precisa (lar expkiueSee, bas*
diz*rv*e xt .fabWMW-Jotoii GoMeill, Coutray,
Labia, Rimel e Legrand ; esiw perfumaras desta
vezvierim ero vasos de modellos novos, e qoi
>U a wfegtaeta -se loroitn profertos para om
lindo prseme;
Trabas e iranias de seda
branca. ._
Det vt o sortimento veb magnifico, fazenla
amito boa, modellos oofee e de ledas as larguras.
Bouecas de borracha
Deslas boneeas teto peqoena porfi e de diver-
sas tamaobos.
Diademas
\ Terdadeira eerveja da Baera, marea ban-
lira, de superior qoaiidade : venJem Tasso Ir
vi & C ero seo vrmzem da roa do Aaorim
.ir.
cokstiacAo
-4---------
IIEVMATISWI
nril;.M
lian
le.

Liados e de modellos aovo?, velo coosa mailo
boa,
Quem duvidar venha ver
DaeedldacseQte a Magnolia roa Duque de Ca-
uta o. 45, convencer aos sius amigos e fiegut-
ies, de sua espeeialidade en correspondentes, na
parte mais elegante do mor do ; agora mesrao o
ultimo vapor cbegado da Europa irooxe orna par-
te de saas eneonmeodas para o lempo de testa,
cantando 4o seguiuie:
Para o bello sexo
lindsimos brincos, alunitas, crujes, pulseiras
f escoletas de tartaruga bordadas a ouro, issim
como bonitos trampos com perolas e outras pe-
oras para a caneca : a Magnolia solicita do bello
sexo, que prima sempre no ubique e na moda, que
venta ver e~
Laxo e bom gosto
Para enriquecer e aformcear ama sala vierara
lindos jarros e jardineiras di porcelana muito fina
e de bonitos modellos loitiraraeote novos, cora
lindos deseohos e dourados ; aasim como urna a
pecialidade em pannos de chrochet pera sof e
cade! ras.
ai 55 B4 Sebastopol^
Q-
COMO DOSE PURGATIVA!
TOMA~ASJOOMA-S
-jxCOMO DCSE REFRESCANTE/^
^.^ DPUfATIV ,/$
iw 'SS^MEND0--^^* *
inwfiar **^,""-------^*' SAUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DE
BARTHCLOMEU 4 P. .
34Rua larga do Rosario34
CHEG0I1
O bacalhio da Noruega, em caixas e rusias
ditas : to caes da Alfandega n. 1, armazem de
Tssso Irroies 4 C _________________
Para mkt at o U RUA DO MRQUEZ DE OLINDA
OITR'ORA
Cadeia do teeife n. 53
Ten.lo o novo proprietario de utudar os artigos desto estbelecimento, desejando li-
quidar at ao iim este mo, lera resOlvido -vender por presos muito commodos com o fim
de apurar dinhoiro e liquidar vista, pelo que convida aos Illras. Sr. ehefes de familia
a virem sortircm-se, pois a occasio opportuna.e encontrando um completo sortimento
de chapeos. .
Chapos de palha do Italia para senhoras e menmas, com enfeites e sem elles.
Chapeos de velludo com enfeites. Gorros de velludo-com enfeites. Chapeos de palha
de differentes qualidades, enfeitados, para senhoras e meninas. Chapeos de palha de Ita-
lia, enfeitados, para montara de campo. Chapeos de palha para homens e meninos, de
dflerentcs qualidades. Chapeos de feltro para homem. Chapeos de massa pretos e-de
cores, para homens. Chapeos de la para homem e menino. Chapeos altos de pello de seda
para homem. ,
Bonets de dfferentes qualidades, tanto de seda, como de palha de Italia, panno, case-
mira e alpaca, tanto para homem como para menino.
Gorros do seda, velludo, la, tanto para hotnqm como para menino.
E muitos outros artigos que s com a vista poderao ser examinados, afianoa-se que
-
BARTEIRO
DO
BAZAR NACIONAL
Ba da Imperatoria n. 72
de Lourenco Pereira MendesOuimaraes
Daclara ao respeitavel publico que, tendo concluido o conserto que fez em seo ti-
tabelecimeoto da roa da Imperatri o. 72, declara que o sortio de novas fazendas pro-
Drwrias para a festa do natal, os preces sao os mais baratos possive-s a saber:
UASINHAS A' 120 RS. CORTES DE BRIM A' 1500.
Vende-se laasinnas para vestidos a 120 Vende se cortes de brim para caica a
100, 360, 400 e 500 rs. o covado. U500 e 20< 0.
OLLNDENSE A 800 RS. MADAPOLO A' 3^00.
Vende-se urna nova fazeoda de seda e Vende se pecas de madapolao a 35000,
linho, por nome olindense, propri para 45XX, 5(8000, 6C00e 8^000.
640 e 800 vestidos, a 800 rs. o covado. CHAPEOS DE PALHA a iOOO
ALPACAS DE CORES A 440 RS Veide-se cbapos de palba, de eltro
Vende-se alpacas de cores, lisas e lavra- de castor, para homens e meninos, a 2f,
das, para vestidos de senbora, i 440, 500, 20500, U e.43000
nao engeita-sedinheiro.
Qual?
O moco cbiqn* e da moda que nao apreciar
orna Irada guarulco de marfim, madreperola, ouro
e plaqnet, coosa lindissiroa e de molde especial e
nanea viodo aqni; marlo bcos chapeos de sol com
cabo de marflm e bengalas i, imiUcao de unicornio
com cabj de madreperola, jor oeVto nenhum dei-
:ari de vir luja da Magnolia rua Duque (le
Caxias n. 43, escolher quakjuer destes objeetos :
nao caro I_____________________________
Fio de alg-idao da Babia e cal de Lisboa, re-
ccntemsnle chegado : ta para vender no es-
criplorio'de Joaquina Jo G3ncaivos Bdtrao J Fi-
ibo, rua do i'omroercio n. '
Prrira da Cunta Iruiaos, rua Mrquez de
Olrada n. 21, vendem o seguale :
Vaquetas para earn e betas de viagem.
Msrrcquins.
QordMdes.
Oleados para forro de earro.
Potassa da Itussia.
ViDhe do Porto, fin", em caixas.
Obras de phantasia.
A lojS da A guia Branca, rua do Duque do
Cf.xi.9 n. 50, receban un bello sortimento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pretas, com dourados c podras.
Outros de n adrep rola queiniada com bonitos
(nfeites de delicadas fjpres.
Outros (c tino dourado com p ne tes de cores.
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com podras brancas,
Adcrccos d-madreperola.
Ditos dourados com camapheo preto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando folbas c (lores naturaes.
Ca soletas de madreperola.
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras (*e dKes pret a com donrados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com po-
dra?, coral etc. para abertura de camisas.
Uutoes dourados e de outras qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollmlias e pimhos
bordados.
A loja da Aguia Branca, rua do Duque de
de Caxias n. 50, recebeu novas golfinhas e pu-
nios bordados, e outros enfeitados com ntremelos
e bicos ; assim como recebeu igualmen e novas
guarnieses de grvelas com franjas e lacps para
os cajiellos, tuda do melbor e mais mod rnos gos-
tos.
Xarope d'agrio do Para
\ntigo e conceituado medicamento para
tomo a phtysica, bronc'aites, asthma, etc.,
applicado anda com ptimos resultados no
corbuto.
Vejide-sft na pharmacia e drogara de Bar-
iLolomeu & C, rua Lar?a do Rosario n. 34.
Mttttftttf t*t ttfflttf**
4 Xovo estab(recimento
dejoias.
Ruu do Cabuyal 19.
S ^e*16 estabelecimeiito se encontrar 'v
.it> ura bonito sortiinonto de joias que se -
' vendem por tal preco que aniaiai ao -
5 comprador atiento ao vantajoso syste- .
-.;> ma, ganhar pouc para vender mui- gg.
to, que certamente til ao eorapra- i*
", Jor e ao vendedor.
Tambein se compra ouro, prata e pe- ; dras-preciosas, hem como se fabrica c -''.
_:* concerta toda e qui.lqucr obra tendente ;;
.~, mesuia arte. m
!!! Salsaparrillia!!!
n.i mais nova que lia no mercado ; vender
Per, ira Vianna A C, ra do Vigario n. 11, i
nd:rf-._______________________;__________
Caifiras oraionas com a>sno oh palbinha
lOOOD cada urna na caes do Apollo, artpa-
ie,m le Timo lrmos & fl.
ARMAZEM DOS LEdES
nome
o co-
ra, o covado.
BAPTISTaS A 500 RS.
Vende-se orna nova fazen la por
baptistai, para vestidos, a 500 rs.
vado.
SOTANAS A 6i0 RS.
Vende-se orna nova fazenda de 13 e seda
por nome sotanas, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se orna nova fazenda lisa, por neme
phantasia, para vestido?, a 800 o covado.
Fnsto braneo a 3 SO rs.
Vende-se ostao braneo e de cOres, para
vestidos, de senbora, a 320 e 4C0 rs. o co-
vado.
CHITAS FRAiNCEZAS A 240 RS.
Vende-se chitas fraocezaa escoras e cla-
ras, a 240. 280, 30 e 360 rs. o covado.
BBAMANTE A 15600.
Vende-se bramante com (0 palmos de
largora, proprio para lencoes, a \ 600,
e 2)9200 o metro.
Groadenaplea preio a **0OO
Vende-se grosdenaple preto a 20000,
2)5500, 305CO e 55000 o covado.
PANNO PRETO A 1*500.
Veode-e panno preto para caigas e pa
Utots, a 10500, 20500, 30100,
5000o co\ado.
ALGODO A' 40000,
Vende-se pecas de algodSo americano,
UttM 55000 e 60000.
BOTINAS PARA SENHORAS A 50000..
Vende-se bolinas paia senbora, a 50000
e 50500. .
CAMBRAIAS A 30000-
Vtnde-Ee pecas de caabraia lisas para
vestidos, a 30OCO 40000 e 50000.
CAMISAS BRANCAS A 2*000.
Vende se camisas brancas a 20300 e 20
Dilas de Itnbo a 30, 305CO. 40000 t
50000.
Palitots de panno preto a 50000, 70000
e 80000. Palitois de casemira de cores, a
40, 50000 e 80000.
SAPATOS DE TRANCA A 0-500.
Vende-se tpalos de tranca e tapete, para
hornees e senboras, a 10500, 158i 0 e 20.
Spalos de casemira pretos a 25500, 30 e
305(0.
CHALES A' 8C0 RS.
Vndese chales de 13a cem qoadro? elia-
iras, a 800 rs. e 10000. ditos de nmed
estampados, a 20000, 30500, 40 e 50000.
E outras muitas fazendas que se vend
sem reserva de preco. na Idja do baraleiro
40COOeBazar Nacional.Roa da Imperatriz a.
172.

0 prelado r-niaiiilim'iin
% |ii'0|o*.o ilo actual .uilliVto
rcliftioflo
Este opsculo, que tem tido tanta aceeitacao por
parte do publico imparci.il d'esta cidade, cont nua
a vender-se as liviana; Franceza, Universal na
raa.do Imperador, Industrial na rua Nova, c na
roda Cadeia n: 27
Preco 600 ris.
________________
Vende-se a Uveros sita a rua do Visconde
e Pelota- n. 1, outr'ora do Arago, propria para
principiante por ter poucos fundos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Branca, rua do Duque de
Caxias n, 30, recobeu bonit s leques d* perfeita
phantasia, pre:o com dourados, e outros de apu-
rados gostos; assim como recebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n> c ntro, e ainda assim ven-
de estes pelo barato preco de 4000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Agola Branca, a na do Duque de
Caxias n. 50, r"cebeu bonitas garrafinbas de crys-
tal em par com muagens douradas e mu pro-
prias para arranjos de toilet, ote, t
Anneis e colares elctricos
A loja d'agua branca rua Duque de Caxias
n. 50, rectbeu nova remessa dos proveitosos au-
nis e colares elctricos, e contina a reccbe-los
mensilmcnte, pelo que sempre estar prvida de
taes objeetos.
Diademas dourados
A loja d'aguia branca rua Duque de Caxias n.
oO, recebeu novameute bonitos diademas dourados
e enfeitados com peoras e aljofares, obras de ins-
to e phantasia. Tambero recebeu novos grampos
oretos ouallinetes eom flus para a eabeca.
Leques com boiumets e ou-
tros eliiiiezes.
K loja Ajante branca na Du'hic de Caxias
n. :M), recebeu nina pequea qnaniidadc daquelles
bonitos leques com bouqueti e outros ehinczes.
Cold reme para refrescar e
amaciar a pelle
A loja d'auia branca a na Duque de Caxias
n. 80, receben cold crema Sos afamados fabrican-
tes Lubin. Legran e Condray.
^Diademas e grampos de
ac.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novatnente bonitos diade-
mas e graanpos de ac.
Rua Duque de Caxias n. 29. .
Os proprietarios deste bem montado estbelecimento scienlificam ao
re8peitavel publico desta provincia que se acbam com um variado e completo crt
ment de movis, tanto naeionaes como eatrangeiros, sendo estes escolhidos por om dos
sOsios que se acha actualmente na Europa. O mesmo tem contracta do com os melhores
fabricantes daquellecontioent* as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
a oficina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem que ve*
nham visitar o estbelecimento, aonde cncontrarSo a realidade 4o qoe acabam de expr
ue se pode examinar; ricas e cata pelas aiobi lias de Jacaranda, mogno, faia, carvaiho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas dja canand, pi setii), amarello, etc., etc.,goard
vestido de amarello, guarda louca de nogueira e de amareo com lampo de pedra, apa
radores de d to dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes 4e jaca-
randa, amarello, pedra, secreta-iai da Jacaranda e mognocas toreiras oe mogno, san-
tuarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seni
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitoa ontros artigos qoe deisamoa dt
mencionar por seilcrna/ enfadonho
DO DB. i. t AVE.
Vende-se mais de nctade do sobrado da tra-
-i de S. Pedro n. 4 : a tratar na rua Dire.t n
10,1o andar.
Pechincha em sedas |
Vendem-se superioref sedas de cores com toque
de mofo, pelos baratos precos de i 00 rs. o covado
das mais mofadas e i>or 800 rs. o covado das mais
limpas : na rua Duque de Caxias n. 53.
Vende-se a taverna daVua dos AcougumhQa
' ), com poucos fundos, propria para princi-
piante, reparando a boa localidade : a tratar ni
una.
Vende-se om exceilente cofre com segre-
do, obra feita na ierra :oa moita segrran-
ca: a tratar na thesouraria das loteras,
roa t" de Margo n. 6.____________
NSo ba maia cabellos
brancos.
Tinturara japoaeza.
S e onica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida soperior a toda qoe
tem apparecido al boje. Deposito prin-
cipal rna da Cadeia do Recife, boje Mr-
quez de Olinda n. 51, 1. zndar, e em to-
das as boticas e casas de cabeeireiro.
MZEO DE J8IAS
N. 4 RuadoOabug N. 4
JOSEPH KRALSE C.
DE \
GOMES DE MATCm IRHAOS
sie iinp<)rtaiite estbelecimento de primorosas joias, achara o respeitavcl
publico desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
preeos, queja e.xistam no Muzeo, que sero vendidas com grande reducv**
de pre^o, alm dos novos objeetos recebidos directamonte da Europa, que
se vendero por pre^o animaflor, bem como sejam, adereoos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de diferentes pedrarias de
procos; aunis de brilhantes e de esmeraldas, rubins e perolas, e de todos
mai's objeetos de valor, que possam ser desdados pelo bom gosto e apreco das
familias, que sabem dar valor a ODJectos de primor.
Os'proprietarios do MUZEO DE JOIA8, convidam as familias que se
queiram pro ver de excellentes joias, a -virem escelhe-las entre o variado
sortimento dellas, garantindo os proprietarios que serio sinceros para todos
que se diguarcm procurar seu estbelecimento.
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obra
simplesmente de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas,'quetambem se vendem prego reduzdo,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinhoiro c garanta des donos deste estbeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisarcm de qualquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurcm o MUZEO DE JOIAS, que serao servidos com
attencao e sinceridade..

NOVA LOJA
2 ARua do
BE JOIAS
N. 2 A- Rua do CabugN. 2 A
DE
BAR1ION rt IB I.IIO
Achando-se completamente reformado este estbelecimento, o
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisieao de
joias as mais modernas vindas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidara ao respeitavel publico a fazer urna visita ao seu es-
tbelecimento, afira de apreciar c comprar urna joia de gosto por
preco razoavel.
Hilagrosa riiliniliu.i.
C*tra panos, ardas e manchas
la pelle.
Belleza ilo r eiirtis.
" ade-se na toja doi Srs. fi LeitSo, Foneeca &
iC, i r\ia_do Duque de Caiias n. 45.
Pernambuco.
Chapeos de sol de cabo de
marfim a 13^000.
pechincha : na loia da Rusa branca, roa la
iinperatuin.W.
Las do ultimo goetei
A Rosa Branca tom is mais liudaslJs par ves-
tidos e vende a U200 ) covado : na roa da Im-
peratri n. 56. .
Chapeos para memnae de
idade meaos at 10 ai'
Tij De 15 rOOO a 55^000
o nilllieiro.
Estes tgo'os, fabricados de barro vcrmelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilhar os pavimentos
terreos das casas, porquanto,j)ouco mais custan-
do do que os fettos no paiz, sao, sem comparai;ao
alguma, superiores a estes pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custam. alm disto menos da
dcima parte dos de marmore, j reprovados,_6
dos de differentes mosaicos, os quaes nao estao
certamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantagem que ha no empivgo
deses lijlos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes atada a de serem os melho-
ros e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidane, aliento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de serem issoalbadas .as coxinhas todas de tijok,
e jwo s a parte junta ao fbaio, no que al as
conpanbias de sguros so deveriam interessar.
Vendem-se nos armazens de farinha de Tasso Ir:
maos & C, no caes do Apollo.
SERED" "ECONOMA CBUBRT
^. TJ\ Obtem-se com o uso
j_g-, ^ lOglCO INJEccaO SHOST
i COSilllia, a dispensa, OS a- nica, hygienica, radical einfallival nacu-
i-vQvnflnrpti Pampea ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
p4ItlUUie e d, wvaa,. toda especie, recentes ou chronicus; e que
Os moradores do Poco da Panella e seus sotar- offerece como garanta de salutaresresutados
bios necessariamente devem reoeber em suai-ea- C0lrtinuada applicaco que sempre com a
sas alumas visitas na veepera e da da festa da _* .^. ; ___,
murofira daquella freguezia e poi- isso preciso maior vantagem se tem feito della nos hos-
que de antemao se faca una graude revolucao pitaes de Pars.
augmentando, sortindo e recheiando a cozinha,
a dispensa, o; aparadores e a mesa,(j se sabe,
con. iguarias gratas ao paladar) sem o que nao
se pode passar um dia folgazao e regalado.
Queris que principie a vos indicar um meio
fcil para consegnirdes o flm a que vos deveis
propor para transformares, augmentares, sorres
e fecheiares as vossas cozinhas, dispensas, apa-
radores e mesas ? nada mais fac...
CHAPEIERIE DES DAMES
16--Rua doBarao da \ieloria16
^R^XS^nn^tmiim as muito procuradas me.as cbapebnas de qoe
ha^i tanta a a no mercado Recebeu tambem diademas de ac e de metal dourado e grande sor-
SS?bSteta?e flores de metal dourado em grampos que vende de ^j^WP*
SU m Exn.as senhoras que queiram visitar nosso estbelecimento que nelle encontrado mu**
objeetos de gosto.

nico deposito para o Brasil, Bartholomeo
& C, ruaLargado Rosario n. 34."
liosa
A Rosa Branca Um cbaposinhos mui'o delj
j^dat-a pre,o 6 bar.jo, a rua dalmoeratnz n. t
' t9fe-?e a armado da lo}* n. dirtraT
-sa Duque do Cajas, amiga travs das Cruws
9
CARNAVAL!
Borradla para Hias.
Vende-se borracha de'prhnelra qualidade para
limas de chciro.noe seguintes lugares : !*
macla Central rua do Imperador n. 36,
ma rua n. t e.no.patoo da.matoii de Sanio An-
tanio n. 4, por preco razoavel. ________m
Ultimo gosti*)-
Cadeiras pre'as donraas e mard-etadasde"-
'drepercla : nos arnuaens de Tis?o Irmao ^-<
qo caes do Apollo.
Ide a rua do Imperador n. 24,
onde vires uina casa com a fren-'
te pintada de encarnado, tendo um lampoo pen-
durado, cujo letreiro se uso segninte : Coblei-
taria do Campos.
ellal... E ella !... ella....
Ah deve-se entrar e encommendar para cada
casa o scguinle:
i Fiambre preparao.
1 Bolo inglez.
! Pao-de-l.
i Pudin de pao, arroz ou tapioca.
1 empada de amarao on gnllinhs.
t Torta de frucla.
i( 0 pastis divorsos.
1 Per assado no forno.
1 Peixo idem idem.
1 GatheauTi d la reine.
Vinbo, cervw, licores, bolaeaihAA, bonbos
para cha, eh verde superior, pas, fl^os. amei-
xas e tudo mais que roesnw upossivel lem-
brar.
S nella, s nella.
Xa confeilaria do Campee.
________________________ i, '
#
AC0R0ADEURO.
4 rua da liuperatrix
n. 5.
Acaba de reoeber de canta propria,
pelQ ultimq vapor da Europa, um .com-
pleto sortimento d objeetos de prata
Sos mais lindos que tem vinde a este mer-
cado, sendo os segnintes : aderemos-do
/_Ki a-granna, obra de apurado gost, vol-
*& ias,.briacos., roaetas, sal\a% wtogws,
paU^eiros,colhexe3 etc. etc., pelos pre-
cos mais resumidos possiveis. slm
coma um complete sortimento de obras
fleiSuro : anneis do hrilhairtia, sot^M,
<^7 uu'uutu apuna ^ "'""i iT ----r /iSvs
OX adereijos etc-e tambera sem nrilbantes. ^
*
ft.3# apee^
Cambraia transparente fina nJ3LAMS^f':^i
, i______A
IIvo una vii|i'vi
loia de Guilheae muito barato !
Machinas para limas.
Vende-se ptimas, e muito convenientes para 61
fabrico das mesmas : na p*~
&-C.. rua larga do Rosar _.
Conde d'Eu n. 19, casa do Sr. Antonio M. M
na-se
Abotinados ingiezes de bezerro com biqu"iras
l>frpo, para njeniops de 3 a tO aaaos, e petos
mSrim de U, UMM e 3*600 j obr^
muito fresa e foilo : na prac< da Independen-
CALADO
reir.
I com Tasso Irmaos C
Vende-se o estabeleimento do
bna rna de Marcilio Dias n. 99,
sa eommoda para um grande P>, >
gacio asatiafac*) doeprete-dentoe.
PORTO ^
Antonio Eerreira de Oliveira Haiatem paf*^
der emsen estbelecimento roa da "^r,al*_^**
TSolHados sito n. i, ehinellas para omens eswboms, tamanco.
sendo a ca- e sanaros de tranca para o *. ***
O.M- paraTlimas. tudo de suBerior qoaadade a torpr^
o couinwdopoi- ter viwto de sua conta ftog^

*


"Str------
-
V
7
8
Diario de Peroambuco Sabbado 1 de Fevereiro de 1873.
JRISFRDEHC.
Parecer lo cevselhn le estonio
Hohtt* de Trro.
-{Contin lagao;.
A citada lei france/.a considera taes espa-
da- variiiaes o de inte-esse letal. O gover-
no geral nfio justifican.! a exclusaoda corn-
peteiwia provincial com o nteressc secun-
dario de alimentaras vas forreas prineipaes,
porque por niuitos quesejant os recursos da
renda geral nao bastara ellos para o desem-
pnho das estradas prineipaes c magistrt.es
cojo dcsenvolvmento llie incumbe principal-
mente ou antes de prver as estradas mera-
mente locaes.
Se nao se trata, porm, de subvencao do
esta lo, mas de emprezas, devem estas con-
correr peante os poderes locaes.
3. Nao pode o poder executivo sem ap-
provacao do po'Jr legislativo conceder a
crca^o e organisaco ou ncorporaro de
SQedades anonymas para a construccao du
estradas de ferro que sirvan a mais de urna
provincia, art. 2., 2." lei de 22 de agosto
de 1860.
Pode, ao contrario, o poder executivo con-
ceder a crearc e orgasa<;ao, ou incorpo-
raeo de sociedades auonvmas para cons-
truc;5o de estradas de ;'erro no interior de
ama provincia, ou sejam ellas" provinciaes
concedidas pelos poderes provinciaes, ou ge-
. eonce lilas pela mesmo poder execu-
tivo,
Todava as estradas geraes (jue dentro de
urna provincia pode o poder executivo con-
ceder, soso dependenria do poder legislativo,
slo sem as bases da lei de 20 de inulto de
182 art. 2 !.
4." O poder executivo geral pode conceder
estradas de ferro geraes no interior da pro-
vincia ou seudo exclusivamente destinadas
&0 sen ico da a'lministra.o geral do estado,
ou sendo, como ponderaran as secces no
pnmeiro artigo desle parecer estradas de inte-
tesse coinnuiindo estada e provincias, es-
tra prineipaes que liguem os grandes centros
do populaeo aos portos martimos, estradas
que se consideran! as grandes arterias do
movirnento commercialda provincia.
\ respeito destas estradas commnns
>mpeteuciado poder gei-al e provincial
cumulativa c se resolve pela iniciativa, pela
Te-Uiro de fundos.
o. "No conceito das secodes os ramaes
que iUarn pontos de provincias diversos slo
estradas geraes e competem aos poderes ge-
raes. ( Art. 10, 8J do acto addicional, o
sao dependentes do corpo legislativo geral,
se forera executados por meio de associa-
oas, anonvmas. ( Lei de 22 de agosto
de 1860, r-t. 2o, 2. |
O conselbeiro de estado Bernardo de Sou-
za Franco concorda coin o luminoso parecer
do milito Ilustrado relator ; julga-sc, po-
rm, obrigado a fazer algumas consideracOes
sobre as respostas s questes :
A Ia questo posta pelo goveruo a se-
guinte :
Os poderes provinciaes sao competen-
tes para a concesso de vias frreas dentro
da? respectivas provincias?
Elle conselbeiro de estado Souza Franco
concorda com a resposta dada a esta ques-
to.
Versa a 2a questo s>b.'o o seguinte pon-
to:
Podem elles ( os poderes provinciaes)
contratar o prolongametito e ramaes de
vias forreas autorisadas pelo governo impe-
ria', quando esse prolongamento e ramaes
terminam as respectivas provincias '!
A resposta a esta 2a questo parece a elle
conselheiro de estado que precisa algumas
explicaeoes.
Semduvida que, quando urna estrada de
ferro-do numero daquellas que o governo
geral pode autorisar, se demora em atra-
vessar urna provincia para ir servir a ou-
tras, nao ha razo plausivel para que a pro-
vincia que percorrem em sita passagem nao
^ja admittidaa lhe dar andamento dentro
do o seu coiisentiraento : e do-se duas hj-
pot beses diversas,
1.* A qu se verifica a respeito da via
forrea de D. Pedro II, propriedade do esta-
do e destinada n seguir at ira dos confluen-
tes navegaveis do rio S. Francisco para ligar
a viaeo terrestre com a fluvial e. por meio
de ambas commiinicar a corte do imperio e
provincias do sal com as do centro e do nor-
te pelo seu interior.
Nesta hypothese a interveuco da provin-
cia nao pode ser independente do consenti-
mento do governo imperial, iniciador do
plano. E o cnsontimento nao ser nega-
do desde que o governo imperial fconheoa
que a interveuco dos poderes provirtciaos,
pode concorrer para que a estrada se adan-
te na provincia, proporcionando-lhe assim
occasio de satisfazer o seu dever de dotar
i respectiva provincia com a viaeo precisa.
A 2a hypothese se verifica na estrada de
ferro de Santos, a Jundahy, propriedade
de urna companltia, a qual tem preferencia
para o prolongamento, segundo o ft. 43
ilo decreto n. 1,759 de 26 de abril de 1856.
Esta estrada nao geral em razio de seu
porcurso, porque se destinava cidade de
Jnudiahy e quando nanita ao Kio Claro, lu-
gares do ulterior da provincia de S. Paulo,
onde se lhe deu ponto de partida ; mas
{eral por servir a centros de grande pro-
el uceo, cuja exportado facilita pelo porto
de Santos com vantagem para a renda- ge-
m po estado.
Se nao fosse a preferencia para o prtrfou -
{amento em favor da companltia, era evi-
dente o direito (pie toriant os poderes pwo-
viuciaes, de a prolongar. Seria urna estra-
da de ferro que autorisavam no interior kt-
provincia sobre a qual versa a resposta
Ia questo.
Contratada a preferencia no prolongamer-
to, cessa a competencia ampia dos poderes
provinciaes que, podendo-o antecipar, se
devem dirigir ao governo imperial e enten-
der-se com o emprezario preferido.
Assim se fez, respeitaudo os diretos ad-
quiridos pela companhia de Santos a Jun-
diahv, quando a companltia Paulista se
piopoz a prolongar a estrada de Jundahy,
para a cidede de Campias.
Obtida a deelaracao da companhia de
Santos a Jundahy que nao se propunha
a fazer o prolongamento, e declarado
pelo decreto de 28 de novembro de 1868,
que a desistencia era aceita, foi autorisada
a companhia Paulista para funecionar e pro-
ce le/ ao prolongamento da estrada, tudo
pelo decreto n. 4,283 de'28 de novembro
de 1868, data tambem do outro.
Quanto aos ramaes, a elle conselheiro de
estado parece que o governo geral lera, as
estradas como as do I). Pedro II, os raesraos
direitos que ao prolongamento, porque os
grandes interesses do estado e principios que
determinan! -a sua competencia podem dar-
se tanto a respeito da via matriz como de
snas ramficac*oes. E a respeito da estrada
de D. Pedro II d-se a estipulado dos arts.
5o e 7o do contrato, e decreto n. 159* de 6
de maio de 1855, em que os empresarios
se reservam o direito de construir ramaes ;
direito que ficou devolvido ao estado.
E o-'in por isso sao prejudicadas as pro-
vincias ou municipios que ella atravessa, ou
venha a atravessar, porque demorando-se o
estado em construir ramaes, nao se negar o
governo em conceder que aquclles o fac,m,
procedendo-se como a respeito do prolonga-
mento.
poder legislativo os contratos paMjjcous-
troosao de estradas de ferro, que jfrTem a
mais de urna provincia, em que casos pode
o governo gerat- autorisar a construccao e
estradas do forro sem a approvacao daquelle
poder?
O muito Ilustrado relator responde que o
governo imperial podo autorisar individuos
para construir estradas que sirvam a mais
de urna provincia; -mas o que nao pode s
companhias, s quaes rnente applicavol
a disposico do 2o do arf. 2* da lei o.
1,083 de 22 de agosto do 1860 que regula
a formago e incor|K>rac,o de sociedades ano-
nymas.
Esta indiligencia da le parece a elle con*
selin-iro de estado Souza Franco que encon-
tra embaracos praticos no art. 2o do decreto
n. li'i I de 26 de junbo de 1852. Se no
termocompanhias ni se comprehen-
dem os ndividug (os quaes nio precisem
incorporar-se para construir estradas, vindo
assim a escapar aegao da-le regressista de
22 de agosto) tambem no termo compa-
nhiasde que se serve o art. 2o do decreto
de 26 de junho nao se comprehende indi vi-
daos ; e pois o governo nao est autorizado
por esta lei para contratar cora individuos a
conetruevo de estradas de forro em quaes-
quer outros pontos do imperio, conceden-
do^-Uies privilegio er favores.
K-' preciso ento para resolver a- qoestao
de competencia do poder executivo' eiw wIh-
c,ao a*> j)oder legislativo, recorrer a owtra
ordei de argumentos.
As estradas e mais obras puMcas eran
da attrilniii;ao do poder executivo geral1 que
fazia preparar os plase os mandava exe-
dove pois ficou o poder- executivo inhibido
de dotar o imperio com "* este poderoso meio
de progresso e civlisa^o.
A resposta delle conselheiro de estado
Souza Franco terceira quasto pois, que
o poder executivo nao est autorisado para
contratar estradas que sirvam a mais de tuna
provincia, sem approva<;o do poder legisla-
tivo.. 0s contratos para sua construegao de-
pendem do poder legislativo 'art. 2* do de-
creto de 26 de junho) o qual comprehende
oS contratos com individuos. A incorpora-
do das companhias tambem delle depen-
dem ( 2" e 3o do art. 2S da lei de 22 de
agosto). A construcc;ao de estradas de forro
para que alias as lois de 29 de agosto e 26
de junho fixaram regras, ficou embarazada,
e privado o imperio deste grande e indispen-
savel melboramento. /
A dsposit-o da le de 22 de agosto obs-
cura as suas palatrasemquanto por lei
nao for regulada esta materia.-De que ma-
teria falla ? Da crear, organwoc;o ou in-
corporac^o das companhias ? Destas trata-
va a proprii le c approvada ella em todas
snas partes 6coo caduca ou prejudicada a
ckwula de sojeicio ao poder legislativo at
ifK por lei fussem reguladas as companhias.
A materia regulada ser dos coiUratos
paAf a construc^o das estrailas de ferro ?
Esta jo tinha sido- pela lei de 29 de agosto,
quer regulando a eoustrucco dbs obras pu-
blica vera applicavel' a- toda a especie de es-
trada*;, o designadamente o decreto de 26
de junho1,. promulgado'para as estradas de
ferro eu&qualquer potito do imperio, salva a
competencia. E comu>a-lei de 22 do agosto
nao revogow aquellas, nernideu rgatamento
Quanto ao Io quear^^^WW*-V
Concordo intoiramente com o digno rela-
tor tanto nos principios expostos em seu
muito bem elaborado parecer, como na so-
luc,o aflirmativa, dada em vutude delle.
Pee/), comtudo, venia para accrescentar
que tal solu^o era meu humilde conceito,
a nica que pode ter o quesito proposto-
porque, alm e filha da verdadeira e mais
art. 10 do nosuo acto addicional, e antes
cumpre ataca-la e segui-la, porque s assim
se conseguir firmar entro nos a jurispru-
dencia constitucional, como tanto eonvm.
Accresce que alera desta lei ha outras pro*
raulgadas em diversas legislaturas, de cujas
disposiges ressumbra o mesmo pensaraento
isto o reconhecimento da attribuigo
que teem as assemblas provinciaes de-auto-
conveniente doutrina, basea-se na resolugo risarem a construto de estrada de ferro
da assembla geral de 29 de outubro de dentro da respectiva provincia, e de eonce-
1838, a qual cortn, implcita, mas signifi- jcr [iara ^Xa fin privilegio exclusivo.
cutar cora* o fundos votados em geral' para*Inovo eoustrucco, sua* d'isposigo hho em-
obras pubiieas, ou designadamente para- al-hbaraca a exeotrgao daquellas-.
guma.
A lei do 29 de agosto de 1828, confir-
mando esta urlica, distingui comtudo as
stradas geraes* das municipaes e proviniaes>
t formulou regras para a oonstrucc^to-per
emprezarios, ando as coruli^oes e fawres
que tcria.it: e*qne uo caso de-nao acudirem
ejnprezarios, se'fariam por cenia dos conse^
Ib os (*n da fazeiia'publica. Continuou as-
siia competencia do governo imperial por
si e- por intermcdio'd seus agentes, os presi-
dentes das provincias, e influeocia legal do-
tes sobre as municipalidades.
O acto -addicional foi que seoarou a con-
petenria em geral, p^nciafUunicipal, KSgX ^V^l
ficando*a-carffo d governo geral mmmr^SP K! paragrapt
de suas raias, se o governo
geral
lh'a nao
der.
Deve entao o governo da respectiva pro-
vincia 5e dirigir ao governo imperial pedin-
comsigo estas
FOLHETIM
a iiiaiA \mmn
PELO
VJSCONDE PONSON W TERRAIL.
SEGUNDA PAUTE
A crcoiiliu.
fContnuac-o do n. i'v).
VI
i) taro conservou-se sentado na cama,
com os cabellos ericados, aportando con-
vulsivamente na mo o putho da sua es-
pala, e com o coraco comprimido como
aproximaeo deum perigo real, de qualquer
0CC&O enrgica ou mesmo criminosa.
Porque erafun, matar urna mulher, urna
inulhor que entraria, sem djvida, sem de-
fezi, urna mulher que, apezar de tudo, elle
amava com um amor estraiho o fatal, nao
era um crime ?
E depois, perqu a mataria elle ?
0 senhor de Nossac fez
duasreflexes quasi simuUineamente, e a
cada~uma dellas estremeceu.
Essa mulher, temia-a e tinta medo della ;
estremeca ao pensar nella, como se estreme-
ce ao pensamento do contad) gelado de um
reptil; considerava-a como jm ente domi-
nador, fatal, sobrenatural, que tinha um po-
der desconheqdo, mysteroso, cima de to-
das as forras humanas. E o senhor de
Nossac, considerando isso, pensou que nao
era cobarda travar luta com ella e ter a
coragem de a arrastar atre\ idamente.
Mas, porque a mataria elle ?
Porque ?porque tinha meio, porque tre-
ma, porque a odiava e anniva, sem podor
profundar esses dous sentimeitos, sem ousar
raedir-Ihe a violencia.
Porque essa mulher era um vampiro que
lhe sugava o sangue, e porque o sangue,
esgotando-se, era a morte.
E depois de ter respondido /por essas re-
flasoes s duas perguntas que o seu espirito
perturbado tinha imaginado involuntaria-
mente, continuou o senhor de Nossac a
apertar a espada na sua mo contrahda, e
a esperar, immovel, sem voj, a hora a que
0 jarapiro appareceria. .
Porque o vampiro appareceria, viria, co-
mo em Holdengrasburgo, sentar-se lenta-
mente sua cabeceira, deitai-se lado a lado
com elle, morde-4o no pescoco, e aspirar,
por golfadas, sem se aptcssai, com indiziYel
Na hypothese da companhia de Santos a
Jundahy c desta cidade de Campias, d-
se plena liberdade competencia provincial
e municipal. A primeira companhia nao
tem privilegio e nem preferencia para ra-
maes, e to somente a faculdade para os
construir (art. 3o do decreto n. 1,759 de 26
de abril de 1856). Esta faculdade nao
obsta s concesses provinciaes ou munici-
paes.
A companhia Paulista nao tem nos seus
estatutos faculdade para construir ramaes, c
elle conselheiro de estado ignora as estipu-
larles do seu contrato com o governo pro-
vincial de S. Paulo, e se nelle se contm
privilegio em preferencia.
A terceira questo a seguinte :
Estando dependentes da approvago do
cargo co governo geral as qu
pertenciam a mais* de urna provincia e a>f
mais que tica demonstrado lhe pertencerena.
O modo'pF.itH '' - as fazer construir era 04
determinado na le-de29 de agosto de 1828,.
devendoser os fundos votados pela-assem-
bla geral'legislativa quando fekaspor con-
ta da fazenda pubbva e presentados os pla-
nos, plantas e orcaraentos inesma: assem-
bla geral legislativa:: arts. 15e-16 da lei
de 29 de-agosto citada,, e 17 da lfei.de orca-
menton.. 106 de it d outubro de 1837.
0 decretle 2G.de jiinho- de-4862, pro-
raulgado-para a cwnstiucco da.estrada de
ferro de D. Pedro IDmanteve principios idn-
ticos, autorisando e-governo para.contratar
estradas de-ferro era quaesquer outros pon-
tos do imperio, era- que ossem: emprehendi-
das por companhias. A genenalidade da
autorisagopde faier crer que-ficava revo-
gado o principio da- competencia, segundo o
percurso da estradh, ou admitda excepc.o>
para as de trilitos-de ferro, que ficavam da
competencia exclusiva do governo geral.
Est, porm, j demonstrado que nao, nao
Assim entendido o 2? da le de 22 de
agosto, o poder executivo a-utorisado- por
esta mesnia leiv e na frwa^ do decreto n.
%Zi de 19 de-rJezembro de 1860, auto-
risa* incorporado das coinyianbias, contrata
cora*ellas e executa a lei de 29- de agostor o
decreto de 26 de-juuho, e acti- 295 do cod-
go-fommercial.
Ornis prudente- obter do-corpo legisla-
tivo airevogago di'2* parte d' 2o art. do
decreto' de 26 de junho de 1852' desdeas
pala vi?Neste case...at o &m do arti-
go : obter tambem a revogaco- do 2 da
|ei de 22^'de agosto^ desde o n. 2*.que come-
de companhia...ate o fim, incluida a
10.
A legist^ao anterior sufliciente para re-
cular a-materia em quanto nao for modifca-
d, segund a experiencia .0 demonstrar ne-
'eessario.
A quart*i>questo a seguinte : < Reco-
phecida a eompetencktdo goveruo geral para
autorisar a oonstruego-decaminhosde ferro
m a appnova;o do peder legislati.70, ex-
iusiva dell; ou cumulativa com os ppderes
*provinciaos-a construc^e- de estradas-de fer-
Sro, que coraeeem e terminem na mesma
Jirovincia T
. No cas-de ser cumulativa, autorisando
a 1 assembla-. provincial a construc*ao de
urna linha forrea, mediante certos favores,
pode o governo geral contratar esta mesma
linha com qualquer emprezario sem delega-
cao da presidencia respectiva, muito embo-
'ra nao referindo-se aos favores da lei provn-
jeial, ou indispensavel adelegago pr en-
teuder-se pneveuida a competencia ?
A qucstao-.quiuta a seguinte:
Os ramaes que ligain pontos de pro-
vincias diversas podem ser autorisado* polo
cativamente qualquer duvida, que acerca da
materia se podesse suscitar, reconhoceudo e
respeitaudo a competencia das assemblas
provinciaes para legislaran sobre estradas
de ferro no interior das prenincas, com a
clausula de nao pertencerem a administra<;o
geral do estado.
Essa resolu^ao, tendo por fim approvar
alguns artigos exorbitantes das attribuicoes
das assemblas provinciaes, coirlkfc na lei
de 22 de marfo do1 mesroo anno, a assem-
bl que eoncedou a Agw'tir Viava, Fillios-diC,
Platt Keid privilegio excrosivo para acons-
truci^io de urna estrada- do ferro naq*wella
provincia, exprimio-se* no arf, Io do segan-
te modo'
voluptuosidade, o mais puro do seu sangue.
E elle eslava to certo disso, que nem
pensou no tempo que ia decorrendo, nem
no fri que lhe entorpeca as fontes, c gela-
va o suor que lhe corra da fronte ; e com
tudo a hora passava, e o silencio nao era
perturbado por barulho algum, os corredo-
res estavam mudos, os frrolhos do seu
quarlo immoveis, a porta fechada, asjancl-
las opacas, e sem que urna sombra branca
raiasse o seu sombro manto.
0 grande relogio, esse relogio de bronze
com caixa de carvalho, que os antigos se-
nhores do castello tinhara collocado no pa-
taraar da immensa oseada, fazia-se ouvir de
longe a longe, arrancando lgubres gemidos
aos chos adormecidos do castello, que elle
acordava em sobresalto.
0 bario contou alternativamente meia
noute, meia hora c urna hora.
Ento a sua coragem comeeou a enfra-
quecer, o fri da noute arrancou-lhe um es-
tremecimento, a febre que o queimava acal-
mou por um momento, e ao passo que a
raz^o lite voltava, nao poda doixar de pen-
sar que nem o marquez, que era seu ami-
go, nem os seus criados, tinham reconhe-
cido 3 senhora de Nossac em Gretchen.
Seria ainda urna vez ludibrio da suaima-
ginac&o em delirio, e essa semelhanr^a nao
si'ria apenas vaga e indecisa, em vez de ser
extraordinaria e tocante como elle ojul-
gava ?
E depois, essas provas palpaveis, irrrecu-
saveis que a creoula lhe tinha offorecido da
sua nao identidade com Gretchen ? j
Mas Gretchen nao tinha feito outro tanto,
quando tinha pretendido que era a barone-
za de Nosssac f
E a duvida, por um momento abalada
no espirito do baro, voltou mais tenaz e
forte ; e ento da anciedade passo angus-
tia, e do medo que tinha do ver Gretchen,
ao desejo de a ter ao seu lado... E como
o delirio o assaltava de novo, comeeou a
chamar por Gretchen com todas as forcas da
sua vontade, sera que com tudo os seus la-
bios podessem entre-abrir-se, nem a sua gar-
ganta contrahda soltar um grito I...
E comeeou a pensar as noutes myste-
riosas de Holdengrasburgo e as visitas do
vampiro com agr voluptuosidade, cora urna
especie de furiosa appetencia, que lhe teria
de certo feito horror se gozaste era toda a
pljnitude da sua razo ; lembrou-se com
inzivl estremecnento dos beijos gelados
de Gre'rhen, des mulher, viva ou morta,
que apparecia a seu lado, sem quebrar as
tendo este decreto o alcance de revogar ou; tgoveruo geral independtentemente da appro-
modificar as disposic/Jes constitucionaes do
acto addicional.
Este decreto trouxe a innova^o da appro-
vago tambem de contrato, e ao passo quej
fixava as regras para o contrato da estrada
de ferro de D. Pedro II, do qual nao Ixigio
approvac,o posterior pela assemblajgeral
legislativa, no caso das outras, a que' alias
applicou as- roesmas regras, determino! a
approvacao posterior.
A lei de 22 de agosto de 1860 veio. depois
par de todo a aeco do- poder executwo,
exigindo a approvacao pelo poder legislativo
dos estatutos das companhias que se propo-
nham a construir estradas..de ferro. Oblas
to dispendiosas por certo nao se podem em-
prehender seno custa de capUaes- associa-
fechaduras, sem abrir as portas fechadas, e
deitou-se na cama, sem que tivesse forc,a
nem vontade para deixar de o fazer
Deram duas horas no relogio ; Gretchen
nao appareceu.
0 baro fez um esforco supremo, conse-
guio tirar um som quasi inarticulado da
garganta, e bradou :
Gretchen I Gretchen 1
E como ninguem respondeu-:
Gretchen 1...continuou elle Gret-
chen I amo-te 1
0 mesme silencio.
Cretchen Icontinuou elle a prin-
cipio quera matar-te, mais nada reeeies
agora... amo-te... Vem... tirar-me-has
todo o sangue que quizeres... esgotar-me-
has as veas, urnas aps outras... Gretchen,
rainhabem amada!... Gretchen... vem I
Gretchen conservou-se surda, e nenhum
outro barulho, alm da voz febricitante do
baro, perturbou os chos mudos do quarto.
Oh 1continuou o senhor de Nossac
bem sc que tens medo... medo de que
eu te mate... Pois bem I nada recis
agora... olha I
E atirou para longe a sua espada.
Gretchen nio pareceu sensivel a esse acto
de submsso, porque nenhuma forma bran-
ca sedesenhou na e>cur.do.
Bem o vejoproseguio o louco depois
de um momento de anciosa espectativa
nao confias em mini... receiasque eu pegue
de novo na espada. Pois bem I vou que-
bra-la.
E foi s apalpadellas e agarrando-se aos
movis pegar na espada, encostou-a ao
ioelho, queLrou-a em duas, e atirou para
longe os pedacos, bradando de novo :
Gretchen I Gretchen I
O baro esteva gelado e esperando Gret-
chen, chamando por ella com a sua voz de-
lirante, deitou-se instioctvamente na cama ;
e cada vez mais desvairado e requeiowdo
pela febre por um momento acalmada, mas
que voltra com mais forcea, acabo* por
perder o completo conhecimento da' sua
situar,o e dos seus actos, embrulhou>se nos
lenges, adormeceu com profundo sorano,
murmurando -.
Gretchen, a minha cama estar bem
quente, e tu tens sempre fro... Oh I vem t..
Tres, quatro e cinco horas parara succes-
sivamente, o da appareceu, e filtrando atra-
vz das janellas, acordou o baro, que so-
nhava, allanda era alta voz, e misturando
os nomes de Samuel, de Gretchen, de Rqs-
chen e de Yvouuelta.
vacuo do poder legislativo, ou esto na* con-
dicoes dos caminhos de-erro que servem a
mais de urna provincia ?'
Elle conselheiro de estado Souza Franco
concorda com o muito Ilustrado relator na
resposta aestas questoes, salvas, porm, as
observacoes que cima--vo expostas. j
Ainda seria preciso- tratar da competencia
municipal^ absorvida pelos poderos provin-
ciaes : o-aviso, porm-, nao trata della. No
entretanto, fica entendido do exposto no pa-
recer quaes os.casos em que a competencia
municipal, firmada aos 4o e & (na 2a
parte) do art. 10 do-acto addicional, cede
competencia to governo geral.
O Conselbeiro de-estado viscoudo do Bom
Retiro opina do mod'v seguinte :
Ao abrir os otttos, o impressionado ainda
pelas visoesdo pesadelo, julgou-sem duvida
em Holdengrasburgo, porque sallando ao
chao, correu janella que abri, querendo
ver se a paisagem tinha mudado mais urna
\ei, e se tornara a ver a floresta e o prado,
ou a planicie osteril e a agua espumante da
torrente,
Em lugar disso, vio as grandes arvores
do seu parque, as grandes arvores em flor,
atravz das quaes filtrava um primoiro raio
de sol, e das quaes cada ramo ora um ins-
trumento d'onde sahia um fresco concert
dos seus habitantes alados.
0 ar'da manh era puro, inebriante, e o
baro expoz-lhe a fronte com voluptuosa
avidez, e os seus ltimos terrores desappa-
receram a esse contacto.
De repente o baro ouvio um barulho
atraz do si.
Era o marquez.
-. Com a breca I disse elle, entrando
para um homem que sedeitou embriaga-
do, levantaste-te bem cedo. .
Eu nao eslava embriagado.
Nao estaras, mas vacillavas horrivel-
mente.
Julgas isso ?
De certo I com tudo dr-te-he, como
consolaQo, que s muito mais amavel quan-
do ests ebrio de que sendo sobrio.
Devers I
Foste encantador hontem noute, ti-
veste muito espirito e tino. A creoula achou-
te perfeito cavalleiro.
O baro estremeceu.
Nao me falles dessa 'mulher disse
elle. -
Porque 7
Porque me faz medo.
Oral
Estou certo de que Gretchen.
S miae levantou os olhos ao co e raur-
murou t
Que pena que um to bora fidalgo es-
teja tocado por um lado do cerebro I A cor-
da do seu espirito que responde ao nome
de Gretchen est decididamente retesada de
mais.
0 senhor de Nossac olhon para o mar-
quez. O marquez tinha um rosto to com-
passivo e agitado, que o baro mais urna vez
pensou que estava realmente doudo e que
elle tinha razo.
Cora a breca Icbnfinuou Simiane
aqu tens as provas..:
E pegou na espada quebrada em tres pe-
dacos. I
Ficam approrHdus,- m parte Mv
que excexkm a aHr'ibnuiks das maemblit
legislativaprovinciaes, t*s dUpOticfa eon-
tedas nos setyttintes artiyps de lima reso-
luco adopfada pela assembla, xtjmatvoa
du provincia c &. Paulo, na dala* de 2i
de marco do torrente amio.-pela n-ml foi
concedido a .tguiar Yiuva, Filltos & C.,
Platt & He id privilegio eicliitioo pu'xu a
eomtruefSo dr wma entrada de ferro na *efe-
riili'' provincift.tr ?
E do art. 2o" ern dantc, enumerando- a
mesma resolu$fto*genal seto dos ditos artigos
que a assembla geral jolgou dependentes
da approvacao do poder central, emaienha
delles comprehcmJeua'Concesso dai'estrada
de ferro, nem o privilegio exclusivo onthor-
gado companhia que a- devia oonst:w.
Assim queapprovow.
1. A deelaracao de' que seriara: con-lera-
dos cidados brasileros-no fim de um-anno
de sua chegada provincia todos os colinos
mportados- custa da-compuobia, quequi-
zessera naturalisar-se.
2.* A colcesso feita conapanhia para
lurante o privilegio .extrahir toda a ptdra
le ferro, que precisasso para a execufc-*de
seas obras ; podendo levantar para isso as
fabricas nceessarias em torraos* devoluUs,
o ainda de particulares.
3. A isenjode direitoc; s machinas 5-
tede o raaterEd impoi tades-nes 12 pftmeire*
airaos.
4."? O dire:6 de entrar, salvas as formali-*
dados legaes, as trras >y aguas, que se
achassem na linha d suas operac/tes, e o de
aproveta-las, bem como deservir-se das ma-
deicas, podra oa cut que exarahisse sem in-
demnisago nos terrenos devolutos.
5. A cesso.^ompanhia-de 12 leguas
em-quadro para:etla distribuir peles seus co-
lonos.
6*" 0 direito de comprar Ierras ainda nao
a pro vei tai las.
7.? A isencao aos possuidores e cultivado-
res de todas essas-trras do pagamento dos
dizimos e mais irapostos de produc^o, por
espaco do 20 annos; e a cesso plena
companhia de todos os mineraes ou produc-
tos que achasse as escavaces que fizesse
em qualquer parte por motivo- da eoustruc-
co ou estabelecimento da estrada de ferro.
Ora se a lei especificoucatla-um de per
sitodos os favores apuntados, por nao po-
derem sobre elles legislar, como incontesta-
velmente nao podem as assemblas provin-
ciaes-; ese deixou ao mesmo tempo de fa-
zer meneao da concesso da estrada de ferro
e do privilegio exclusivo, a quo alias se re-
ferio no art. 1, claro que astnm procedou
o legislador, por entender que-estes dous as-
sumptos cabiam as facilidades constitucio-
naes das assemblas legislativas de provincia,]
e nao cram portante dependentes da appro-
vacao do poder geral. E sendo a este po-
der que exclusivamente compete, pelo art.
25- do acto addicional, o diceito de interpse-
ta-lo nao licito pr-se em duvida a inteUi-
gencia dada pelo mesmo poder ao 8o do
Nao citarei todas e86as leis, para nao afon-
gar-mc muito; bastando para exemplo as
de 4 de agosto, 9 e 2G de novembro de
1809, e 0 de outubro de 1870todas eon-
cedendo isenco de direito* e todos os favores
outhorgados companhia ingfeza de Santo a
Jundiahy, menos a garanta de juros, s com-
panhias das estradas de ferro autorisadas por
diversas leis provinciaesentre- Jundahy e
Campias, e cf ah o Kio Claro, entre o Rio
Grande e Jacarehy, entre Jundratiy e It
com os res|*ctvos ramaes ; e entre a capi-
tal do Para e cidade de Braganga,
J ha annos o> mesmo se havia feito pira
com a estrada dr ferro Je Mau, naprevieia
do Rio de Janeiro, alias tambem autoifeada
por lei provincial, neo- obstante ser feito;
dit'evTo, ou antes principio da estrada geral
que to porto daqueMe notoo vai ter pro*-
vincia ne Miuas-Geraes*.-
E terfro por inconcusso qve se a assem*-
Wa geral entendesse qne a$ assemblas l-
gdativas-das provncafvmenciowadas tinham
eM>rbitad*3* de suas faculdhdes, e usurpado
mu'attribtibuico do podtr central, em
vez de conceder s companhia? respectivas
favor-ss to importantes para1 faorStora rea-
lisa^io dasstradas de Ierro por ellas con-
traUlas;.tcri>ruvogad'o, por incenstitucio-
naes, as-leis qpre as decretaran^ 0,wtra-
rio sewa'injusHttcavel, ou antes iwtihnissi-
vel.
Sed.un>'lade'afi-bo denwstrarqutttem
sido o mofle de entender da assenible*gerI.
no tocante *ae assHtnpto, v-se por outro'que
tambem o-geverno' tem roconhecido ames-
ma doutsnia pordtfireutcs actosseus^ ees-
pecialmeate pelos ooastautes dt-visoS"de !
e 24 de abril de ItjBOv nos quae- por modo
limito positivo e categrico, delarou^je
serado rateiTamente'prownciaes a>estrad3>de
ferro de S.- IjjopoWo,. na provnciade S. Pe-
dre-do Rio-*Grande-do-Sol, e a de Jundkhy
e Campias.-na de-S. Paulo, nada tinfc*a,
governo gerrt que verw assumpto, seno no
casode seretw- as companhiai^auonyntas, cojos estrtttos lhe-
competa approvar.
Accresce- que at Heje- nem urna s voz le-*
janteu-se, nem na*- caaras legpelativas,
hem nos orgaes mais oonceituados daJmpren-
sa, para contbater a fogitiutidade de taes con-
ti'-ses por parte das assemblas provinciaes;
t ailes foram. uaqueHas wtados, seoa.oppo-
si^o e sempre por gsandeiuaioria, os-favo-,
tes qae dependiam da>assembla geraL
Se, pois, esta tem 9do- a nossa jptaspru-
-J'-iicw constitucional!; ifirakada em unta Ion-'
a 6erie de precedentes^. |S da autoridad**
?mas competente na material, que opeder
[legislativo geral, j do.gcwerno, e se-funis
be pz em Jvida este-obJBeto, con se ha
[de hoje voltor atrs, .e sepodiando-se tudo
.quanto se lia feito at agora, sera a- menor
apposic,o,.restringiese urna attribai{o, de
[atae tem estado desde- 1M3, pelo jaenos, de
posse effec'jva as assembies provinciaes, e
da qual nem um malHer. tLhIo ae>estado,
oqual vai antes colnend, e ter de-eolher
vantagens reaes do deseairolvimeutd dahi
resultante as provincias, que por iniciativa
digna de seracorornada, bao quere* e que-
rem apro#ettarseus.rccusos na coustrucc
de to importantes, vias. de cotnrauuicaco *'
Pualquendlibera eft s*ntido- eoatrario-
do que soacha liiuiade., que s pedera par-
tir do poder legislativo geral, po? via de in-
terpretasoautheatioa), seria um acto de ex-
cessiva eentralisaro opposto aos. mais vitaes
Interessesdas pronetrseda propriaadmi-
nistratao .geral.
pergun-
Esgrimiste contra o muro ?
tou elle.
O senhor de Nossac nao respondeu. l'm
barulho sbito, tiuha-o attrahido de novo
janella e os seus olhos dirigindo-se para o
parque tinham-se fixado n'um grupo com-
posto de um horaom e de urna mulher.
Eram Heitor de Kerdel e sua prima a
creoula.
Encostava-se ella ao seu bra$o. com las-
civo abandono, que fez empallidecer de co-
lera o senhor de Nossac.
Quo tens ?perguntou Simiane.
Nao soirespondeu o bacomas quer
essa mulher seja Gretchen quer nao, tenho
ciumes...
0 marquez soltou urna gargalhada.
E Yvonnetta ? perguntou elle.
Yvonnetta ? murmurou o baro co-
mo um homem que ovoca urna lembranca
longiqua e quasi desvanecida quom
Yvonnetta?...
0 marquez suspirn.
Decididamente est louco !murmu-
rou elle.
Era talvez a decima vez, desde vinte e
quatro horaa-^ue o senhor de Nossac ouv.a
resoar'em torno de si essa exclamado.
Ests louco !
E de certo estava-o n'esse momento ; e
acabou por o acreditar quando com a rapidez
phantasmagorica que propria memoria,
se lembrou de tudo o que se tinha passado
na vespera.
Quem era Yvonnetta ?
Tinha feito semelhante pergunta quando
na vespera contemplava a joven com enthu-
siasmo ; quando debaixo das arvores um-
brosas, atravz des quaes a lna derramava
os seus trmulos clares, estremeca de vo-
luptuosidade ao som da sua voz, ao con-
tacto da sua mo, ao rotar de um annel dos
seus cabellos, ao ouvir-lhe a respirado...
Tinha perguntado quem era Yvonnetta
quando durante urna hora tinha pensado
que o seu amor seria para o homem que o
obtvesse urna dessas felicidades ao p das
quaes as alegras do paraizo sao montonas
e mediocres I
0 senhor de Nossac lembrando-se disso
comprehendeu em fim que a sua razo ia
enfraquecendo e que ia entrando no cami-
nho da loucura.
Per isso olhou para o senhar de Simiane
com um desses dolorosos espantos que pa^ Simiane soltou urna gargalhada.
recem pedir a um tempo compaixo e um I i
conselho. 1
E' verdade, meu caro contiuaou'o TYP DO DIARIO RA DUQUE
\
(Cautn u a rs*-haj
m.irquez, depois de um instante de sileccio
ests louco t
ReceorO muito.
E eu tambem.
Que queres ? Essa, maldita^ ereoult
perece-se tanto com Gretchen !
Ou antes, meu caro, essa Gretchen
perturba tanto a tua imaginado que a me-
nor semolhanca te engaaa e julgas ve-la era .
toda a parte.
Ser pois verdade ? disse- o senhor
de Nossac fallando comsgo, mas alto b&a-
tante para que o marquez o ouvisse.
To verdade que se Gretchen se parece
com tua mulher, a bella creoula se parece
muito pouco cora Gretchen, pois que rodos -
os teuscriados....
Meu Deus I podem te* esquecid o ros-*,
to de Helena,
Ora I--disse o marquez mais sim>
pies admittir-se que decididamente ests,
toiado por um lado, do cerebro.
0 baro~encostou a cabeca s mos o ficou
pensativo durante alguns minutos.
Quer esteja louco quer naodiss por
fimamo Gretchen.
Com a broca! bem o vejo !
E tudo o que para mira se asseraelha
a Gretchen.
Ah ah !
Essa creoula parecc-se con ella
E amas j a creoula ?
Receio-o bem.
Mas Yvonnetta ?
Araava-a hontem...
E ama-la-has amanh.
Nunca I
Veremos...
E a creoula que amo assemelhB-se a
Gretchen...
De accordo. Mas a creoula nao te
ami.
0 baro recuou.
E nunca te amar...
O baro empallideceu e franzio o sobr'olho.
Porque ama outro.
E quem ? exclamou elle.
Seu joven primo...
7-Heitor?
Justamente.
Mas ella apenas o vio...
Que importa ?
Nao oconhecia hontem...
Mas elle urna crian;*...
(Continuar^-se-ha.)
*
y

\

X
-.
? I
J^

j
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC0I9DSEL_I1BSI1 INGEST_TIME 2013-09-19T21:14:20Z PACKAGE AA00011611_12826
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES