Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12820


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-----------------.---------------------^, t
ANNO XLIX. KUMERO 20
PAHA A CAPITAL K LIGARES OVDK ffAO SE FACA PORTE.
Vor tres rrezes adjuntados................ 69000
Vw seis *V>s idein................... 12#000
l'or um aimo iilm................... 249000
Cada numero vulso.................. 320
SABBAD0 2S DE JANEIRO DE 1873.
PARA EXTRU E FBA BA PRO VIA CA.
Por tres mezes adiantados.................
Por* seis ditos idem.....,..............
Por nove ditos idem..................
Por um anno idem...................
PR0PRIEMDE DE MANOEL FIGUE1R0A DE FARIA & FILH0S.
6
Os Srs. Gerardo An:onio Alves& Filhos, no Para; Goncalves & Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jos de Oliveira & Fillio, no Ceai; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Jiatal; Jos Justina
Pereira d'Almeida, em .Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos*da Costa Braga, etn Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, em Alagues; Alves & C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho & C. no Rio /le Janeiro.
-
.
PARTE (MAL
Cioveimo ilu provincia.
nnm r ota 18 o:: iwma m 1873.
/. Secro.
< I Betel :
Ao coronel comniandanto Ja* armas. Sin a-
W V. S. de providenciar para que os ollleiaes ho-
norarios addidos, que nao estiverem empregados
em commissoes esputaos rondan por escala as
palmillas, das 9 horas da noute em (liante, dando
diariamente ao l)r. chele d< polica una parte cir-
cunstanciada i!o .pie occorrer, e licando respon-
savete por qualquer irregularidade que se de no
servico.
Ao mesmo Feo inteirado pelo sej ollicio de
lo do crreme, sol) n. 7, I liaver seguido para o
presidio de Fernando de Noronha, onde foi desta-
car eoino iraca do -" hatalhau de infantaria o re-
eruta Manuel Henrique de llanos, que por ollicio
do 1S (leste me;: determinei que fosse remullido ao
l)r. ebefe de polica, aiiin de ser proeessado, visto
constar lersido preso eui Migrante delicio de for-
te de cavalles.
Ao manto. Inteirado pelo ollicio de V. 9. de
lo do corrente, sob n. Sil, dos motivos que derain
lujar ao conllicto havido no caes do Hamos na
noute de 2 denle mez entre urna patrulha do 2."
batalh o de infantaria c afumas praeas da com-
panhia de operarios militares lenbo a dizcrtlhe em
resposta que approvo a delitteraco tomada por V.
S. no tocante as praeas da companhia de opera-
rio militares, e que quanto ao soldado do 2." ba-
lalhio de infantaria, que fazia parte da referida
patrnlha, eumpre que seja tamben], como aquellas
punido com alguna das de prisio correccional por
.se ter embriagado em servico, e se imitado violenta-
mente no acto de correr o operario Jos Patri-
ota.
Ao mesmoInforme V. S. so as praeas de
(avallara teem continuado a lser o servico d is
rondas, e providencie para que esse servico seja
por escala liscalisado por un olllcial da referida
companhia, que ir diariamente dar parte verbal
ao Dr. chele de |Klicia do que occorrer.
Ao mesmu. Sirva-se V. S. de mandar por
emiiberdade o rerruta Podro Bernardo de Vas-
co icollos, que provou ser casado e ter lilhos.
Ao director do arsenal de guerra. Mande
.-Vmc. fornecer o cartuxame necessario para as
honras fnebres que devem ser feifas ao capitao
.-Jo*o Francisco Marqacs por occasiao da missa do
7.' da na matriz da freguezia de S. Fre Pedro
Goncalves do Recite, a ii do corrente
Ao mesmo.laude Vine, ferropoar o soldado
do ? batalli) de infantaria Joo Jota Alves da
Silva, que foi sentenciado a seis anuos de prisio
Ma trabalho pelo erime de 3." deserco simples,
logo que Ihe for maudado apresenttr pelo respec-
tivo conimandante, como so ietou o coronel coni-
mandante das armas interino em offlcio de 16 do
correte, sob n. (17.
J.' SfCrr-O.
Portaras:
O presidente roquea o alferes' do 4.a k* taimo de infantaria da
iiuarda nacional deste municipio, Joaquim Ignacio
il Kuiiceca, e vista lo que informen o comman-
dante superior respectivo, ei i ollicio n. 330, de 18
do eorronte, resolve que so d ao dito alferes a
guia-, de que Hala o art. 45 do decreto n. 1130 de
1i de marco de 1833, para o de linda, onde pas-
sou.a residir.
Dita.-O presidento da provincia, de eonfor-
V tade com a propostado l>r. chele de polica,
.m ollicio n. ll, de 17 do corrente, resolve no-
mcir o cidado Pedro Ferr ra de Almeida para o
cargo de subdelegado do 1." districto do termo de
s. liento.
Odelos:
Ao desembargador procurador di eora, so-
bronte, e -fazenda nacin:!. Sirva-so V. Exc.
emitttr o scu parecer sobro a consulta, que no of-
teio junto documentado faz o promotor publico in-
terino, quanto soltura de um individuo; de cuja
vntenn absolutoria se tinha iterposto recurso
de appellacao, devolvendo os papis, que envi.
Dito ao Dr chefe de polica.Tundo nesta
data providenciado para que os ofticacs do corpo
de jiolicia e honorarios de exereho addidos aos ba-
lalhoes de luia, que imo e-tverem empregados
dos respectivos qitai;ieis, uu em eommissdes espe-
ciaes, rondein por se-ala as patrulhas das nove
da noute em (liante; de vendo dar diariamen-
i^ i V s. urna parle cirenmstanciada, do que re-
eorrar, assim y eoiiiniunico .\ V. S. para sua se4-
ri
Dito ao mesmo.Em resposta ao ollicio de V.
S. de 16'do eortente, em nao pede o pagamento
daquanta de 60i. despendida peh) delegado do
tirmo de Cabrob, com 10 reerntas mencionados
n i cinta, que acompanhou o d to ollicio, no qual
dizque posen m liberda e um desles, por ser
Waivelmeote aleijadi, tenbo a dizer-lhe, que repre-
henda severamente ;i quem recrutou c remellen
-- individuo incapaz do servico. nao respeilando
i i- 'iieao, que Ihe assistia, e advirta ipie/quando
prender e remetler recruias oestas ennuieoes,
alen da responsabilidade, que se ihe far effecva
Ik: ir mas sujcku ao pagamento das despesas, que
se flzer. Elsto mesmo dever V. S. fazer sentir
as demais autoridades policiacs,. que loe sao su-
bordinadas.
Dito ao mesmo.Da informaco prestada pelo
c--Tonel commandante das a us interino, constan-
t<-da copia junta, ver V. S. os motivos que de
rara lugar ao conflicto havido entre urna patrulha
do 2." batalho de infamara e algumas praeas da
companhia de operarios mi tares, queallude o
olficio do delegado desta capital, annexo por copia
a.) de V. S. de 7 do corrente, son n 28, e bem as-
so;;, que foram mandada- punir correccional-
meolfl as praeas. que tomaram parte em dito con-
flicto.
Dito ao mesmo.-Fieo inteirado de ter o sub-
delegado do 1. districto de amelleira posto em
i-vdade o sargento commaodante do destaca-
mente de Gamelleira, por ter verificado nao liaver
pntre elle o Flix Cavak-anto transecSo alguma
obre notas falsas.
Di lo ao mesmo. Resaondundo ao offlcio de
S S.j n. 101, de 16 do corrente, tenhoa dizer-lhe
que na > pode esta presidencia conceder o passe,
un pede para poder o subdelegado do districto de
K leui transitar no trem da via-ferrea do Recife
C-uaug.
Dito ao mesmo. Cor .cedo V. S. a auiori-
la "io que pede, em offlcio B. 98 de 16 do eorren-
i.-.'para ser ccntralada, pelo proco do 10| mtn-
sa e por 3 annos, a casi, que tem do servir de
quartel do destacamento < prisao no districto do
Peres, devendo enviar copia do contrato para ser
romeUido thesonraria provincial.
Dito ao m'jino.Xest.i data mando destacar
em Gamelleira as praeas de polica, a que allude
em sea offlcio u. 108, de 16 Jo corrente, em sub
tituicio as da guarda acional .all existentes, fi-
eano o destacamento sob o eommando de um ca-
bo do dito corpo.
Dito ao mesmo. -Nao posso conceder a per-
.uiissao que pede V. S. par;, o subdelegado de De-
beribe poder livreraente tr.msitar na via-ferrea do
Reeif; aquella localidade, por isto que sem Hcenca
nSdeve o subd;legado sahir de seu districto,
))-incipalmente sendo, como, militar, o de que te
trata, e por csti masiao ir recommenO qae foca
wwttr a dita sublelegulo, pie nao pode, como me
c -*u4a. vir de passeio etta capital. ddiXfftdo ?
abandoift o seu districto, abuso este que nao pod*
s r tojerado por e-ia presidencia.
Dito ao menino.Segundo participou-nie" o
^oroiiijl comaiaiidante das armas interino, em ouV*
ci de l do correute, sob n. 72, o recruta Manuel
enrique de a'ros, que, por ollicio de 15 do cor-
rente, baria determinado Ihe fosse apresentado,
para ser processado por crime de furto de caval-
los, asseulou praca no 1 batalhao de afamara,
e deslacou no da 3 deste mes para o presidio de
Fernando, o que declaro a V. S. para seu conlie-
cnenlo.
Dito ao mesmo. -Transmttindo V. S. o of-
licio junto, em original, do adjunto do promotor
publico da comarca do Rio Formse, Ihe recom "
meudo que lome em consideraclo os fados de
que trata o mesmo adjunto, providenciando res-
|ieito de modo serem condecidos e punidos os
introductores de nulas fasas aquella cidade.
Dito ao coniniaiidaiite sujierior. do Recife. -
.Mande V. S. dar a guia, de que trata o artigo 4o
do decreto n. 1,130 de 12 do marco de 1853, para
o municipio de Olinda ao alferes Joaquim Ignacio
da Fonceca, do 4." baialhao de infantaria da guar-
da nacional sob o seu eommando superior, que
allude o seu offlcio n. 5:W, de 15 do corrente.
Dito ao mesmo.Expega V. S. as suas or-
dena, afilo de que, 2 do corrente, s 7 horas do
da, sejain feitas as honras fnebres devidas ao
capitao da anliga gualda nacional Joo Francisco
.Marques, por occasiao da missa do 7." dia, que tem
de ealebrar-se na matriz da freguezia de S. Fr.
Pedro Connives do Recife.
Dito aocominindante superior de Seriuhaem.
Mande V. S. dispensar do servico do destaca-
mento as praeas de guarda nacioual, sob o seu
eommando superior, que se acham em Gamelleira.
Dito ao juiz de direito do Io districto crimi-
nal. Roconiiiieiido V. S., que me envi copia de
todos os interrogatorios e. exames procedidos re:
querimento do com mandador Antonio Gomes Netto,
de que anda nao teve conhecimento esta presi
dencia.
Dito a* juiz de direito interino de Duique. -
Respondendo ao offlcio do V. S. de 7 do correute,
teuho dizer-lhe que fleo certo de quanto me
communica relativamente captura do criminoso
de marte Manoel Chico e outros, louvando-o pelo
zelo, que tem mostrado, e espero continuo pro-
videnciar de modo realisar-se a prisao desses e
outros criminosos.
Dito ao juiz de direito de Boa-Vista.Accu-
sando o recebiinento do offlcio de V. S., de 31 do
me/, prximo passado, llie reommendo que talar-
me o que ha feiw com relacao captura e pun-
cao dos criminosos nessa comarca, e qual o resul-
tado das diligencias emprendas oeste sentido.
Dito ao idis municipal de Taearatii. Louvo
a Vine, e ao delegado desse termo pelo relevante
servico que acabam de prestar causa da juslca
com a captan do criminoso Jos Geraldo de S
Cas.
Quanto ao 2. sargento Peiro Antonio Vianna,
reeouimeitJo-lhe que o louve pela corageui, que
inostrou em tao arriscada empresa, devendo elle
continuar no eommando do destacamento de Cara-
pinbos.
Dito ao juiz municipal de Boa-Vista.-Infor-
me Vine, a rasan pela qual durante o longo lem-
po de 6 mezes deu apenas 6 audiencias.
Dito ao commandante do corpo de polica.
D Vine, suas ordens, para que os offlciacs do cor-
po sob o seu eommando, que nao esliverem de ser-
vico no respectivo quartel, rondan por escala as
patrulhas, das 9 horas da noute em daute, dando
diariamente ao Dr. chefe de polica una parle cir-
cumstanciada do que occorrer, c icandu respon-
saveis por qualquer irregularidade, que se d nes-
se servico.
Dito ao mesmo. -Expeca Vine, suas ordens,
afiin de que continan destacadas na estaco das
Cinco Ponas as 2 praeas do oorp > sob o seu com-
isando, que foram mandadas retirar 16 do cor-
rente.
Dito ao mesmo. -Expeca Vine, as convenien-
tes ordens, afim de que destquem em Gamelleira
as 4 praeas, que para alli seguiram em diligencia,
as quaes devero ser commaudadas por um cabo.
3." seccao.
Oficios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmuto a V. S. os dous attestados junios que
me remetleu o coronel commandante das armas
interino com ollicio de 28 de dezembro do anno
lindo, sob o. 1,236, c a que se refere sua informa-
gao de 16 do corrente, n. 774, serie b, afim de que
mande pagar aos soldados do corpo de polica,
'.hrispim Manoel Marlins e Silverio Francisco Lu-
cas o premio a que tem direito pela captura do
desertor do 9." batalhao de infantaria de linha, Joao
Francisco, segundo o dsposto no avi o do ministe-
rio da guerra de 4 de maio de 1858.
Dito ao mesmo.Transmuto a V. S. as duas
inclusas contas em duplcala, que me remetleu o
superintendente da esrada de ferro do Recife a
S. Francisco coin offlcio de 16 do correute, alim de
quemante pagar, a quem para isso se mostrar
autorisado, a quantia de 415850, proveniente de
transporte, effectuados nos treus da inesma estra-
da durante o mes de dezembro ultimo, sendo
4U300 por conta do ministerio, da guerra, c 550
reto pelo da marinha, como se v de taes conias.
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para
os devidos fins, que a 3 do corrente assnmio o ba-
charel Joaquim Correia de Oliveira Andrade o
exercico do cargo de provedor de capellas e resi-
duos desta capital, por ter entrado no gozo da li-
cenca o effectivo, Dr. Manoel Cleinentino Carnciro
da Cunta.
Dito ao mesmo. Providencie V. S. no senti-
do de ser paga ao Dr. Jos Joaquim de Oliveira
Fonceca, vista da conla junta que me rometteu
o Dr. chefe de polica coin offlcio de 16 do corren-
te, sob n. 99, a quantia de 60000, despendida
com as diarias abonadas aos reerutas de nomes
iialduino Alves. ^os Pereira de Lima, Joao Fran-
cisco de Alencr, Geraldo Pedro, Avelino Ferreira
Onca, Manoel Coelho de Mello, Belarmino da Cruz,
Paulino Alves dos Res, Antonio Jos Pereira e
Targino Ferreira da Silva, vindos do termo de Ca-
brob, com destino ao servco^do exercto, sendo
que Jos Pereira de Lima e Belarmino da Cruz
foram postos em liberdade.
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para
os devidos fins, que o destacamento de guarda na-
cional de Campnhos, em Tacarat, passou a ser
commandado desde 25 de dezembro prximo pas
sado por um 2.' sargento, ficando composto desse
inferior c dez praeas.
Dito ao mesmo. -Providencie V. S. para que
seja satisfeito com brevdade o pedido do comman-
dante superior da guarda nacional dos municipios
de Olinda e Iguarass, de livros para a qualilica-
cjio da guarda nacional, segundo o offlcio junto
por copia, do 12 do corrente.
Dito ao mesmo. -Transmuto a V. S. para os
devidos fins, a nota junta de filiacao do tambor Joao
Mauricio de Souza, contratad) para o 3." batalhao
de infantaria, segundo offlcio do commandante su-
perior da guarda nacional deste municipio, n. 528
de 15 do corrente.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar a Clau-
dino da Silva Reg, vista dos prets juntos om
duplicata, os veneimentos'das praeas de cavallana
da guarda nacional destacadas na'villa de Flores-
ta, relativos aos mezes de outubro a dezembro do
anno lindo, conforme solietou o commandante su-
perior do municicipo de Tacarat em offlcio de 5
do c Trente.
Dito ao mesmo. Annnindo ao que solici-
tou a commiswo censitaria da'freguezia de Qu-
pap, em offlcio de 30 de setembro do anno pro-
ximo passado, autoriso V. S. nos termos do ari
9. 4.* do regulainento de 30 de dezembro de
1871, a mandar pagar aos agentes reeenseadores
d'aipiclla,frcguezia, as quaulias que como grati-
licacoes foram arbitradas por aquella commissao,
em retribuicoes de seus serviros, sendo ao alferes
Agostnho Peixoto de Sobral 4*7100, a Daniel Ja-
cundino de S Peixoto 90000, a Bernardino Jos
de Sena 933600, a Silvestre Rodrigues Pereira
574000, a Targino Bezerra da Silva 46^500, a
Francisco de Assis de Albuquerque da Silva Bra-
sil 36J0U0, a Joaquim Cordeiro de Lima 27OO,
a Jos Pereira de Oliveira Lins 44J400, e a Luiz
Francisco de Araujo 605600.
Dito ao mesmo. Respondendo o seu offlcio
de 16 do corrente, sob n.r772, serie B, relativa-
mente venda do propro nacional denominado
Calabouco, teuho a dizer a V. S. que esse predio
deve ir anda una Tez em praca c por isso con-
vom que nos ltimos dias do praso marcado para
esse (1111, se faca annunciar tanto na Revista do
Diario de Pernambuco, como na Gazetilha do Jor-
nal do Recife.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Approvo a arrematado que perante a junta
dessa thesouraria fez Jos Augusto de Araujo, da
llumiuacao da cidade de Goyanna, durante o cor-
reute ano, e pelo prcr de 159 res por cada lam-
piao, sendo a inesma arrematacao garantida com
o deposito de apoUces da divida publica geral e
dinheiro, como communicou V. S. em seu offlcio
de 16 deste mes, que fica assim respondido.
Dito ao mesnra. A Antonio Domingos de
Almeida locas mande V. S. pagar, vista da con-
ta junta, conforme solietou o Dr. chefe de polica
em offlcio de 16 do corrente, sob n. 103, a quan-
tia de 20*610. proveniente do fornecimento de
agua e luz ao quartel do destacamento da
guarda nacional estacionado na cidade da Victo-
ria, no mez de dezembro ultimo, como se v da
referida conla.
Dito ao mesmo. Expga V. S. suas ordens
no sentido de seren pagos vista do incluso pret
em duplicata, que me remetleu o cemmandante
superior do municipio de Olinda, com offlcio de
12 do corrente, os vencimentos do destacamento
da guarda nacional da villa de Iguarass, concer-
neates ao mez de dezembro ultimo.
Dito ao mesmo. Transmiti a V. S. a con-
ta junta em duplcala, que me remetteu o Dr. che-
fe de polica com offlcio de 16 do corrente, sob
n. 105, alim de que manda pagar a quautia de
20*390, despendida nos mezes de outubro a de-
zembro do anno fmdo, com o fornecimento de agua
e luz ao quartel do destacamento do termo de
Iguarass. .
Dito ao mesmo. Reommendo a V. S. qoe1
vista da relacio e conta juntas, que me remetteu
o Dr. chefe de polica, coin offlcio de 16 do Fr-
renle, sob 11. 106, mande pagar ao capitao Jos
Laurentiuo de Azevedo, a quantia de 205J200, em
que importou o sustento dos presos pobres da ca
dcia do termo de Ganbaos, durante o mez de
dezembro ultimo.
>** Dito ao mesmo. Rpcommendo a V 6. qae,
em vista das inclusas contas, mande pagar ao su-
perintendente da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco, que assim solicita em offlcio de 16 do
corrente, a quantia de 8724220, provenientP de
transporte> dados nos trens daquella estrada, por
conta da provincia, durante o mez de dezembro
al timo.
Dito ao mesmo. Em additamento ao ineu
offlcio de 10 do corrente, declaro a V. S. que a
proposta fetal pelo major Jos Tilomas Pires Ma-
chado Portetta para contratar os reparos da estra-J
da de Muribeca entre os engeulios Guarara|ies c
Novo, encerra a eondicio de que o pagamento s
ser Jeito denoto de concluida a obra, dividido em
tres prestacOes de 6. 12 e 18 mezes, e nao de 6, 9
e 12, como* est annuncado.
Dito ao administrador do consulado provin-
cial. Remeti Vmc. o incluso rotatorio em
original, que ne foi dirigido peta comuiissao in-
cumbida pr esta presidencia de dar parecer, nao
s acerca do.lugar propro eonstruecao do edi-
ficio, que se destina admiuislraeo dos correios
nesla capital, como tarabea de indicar outro que
julgar mato conveniente, alim de que Vmc. com
vista do referido retatorio e da planta junta, que
me se rao dev I vides, e depois de onvir o enge-
obeiro das obras gentes, informe com urgencia :
.* quaes o preprietarios dos predios que de-
venr ser desapropiados.
. qual o preeo do" aluguel de cada um d'el-
les.
4" .cerno.
Actos :
0 presidente da provincia, attendeudo ao
que requeren Alexandrina Unlbelina de Freitas
l'elioa, professora publica de instrueco primaria
da villa do Buique, resolve remove-la para a do
Brejo, vaga por jubilacao da respectiva professora.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeieu Jos BelisarioMni lio Falcao, profe.-sor
publico de instrueco primaria da cadeira da villa
de Cimbres, e tendo em vista a informaco do di-
rector geral interino da instrueco publica, de 3
do corrente, sob n. 2, resolve conceder-lhe o prazo
de (Tinta dias para entrar no exercico'de sua ca-
deira, a contar da data do que Ihe foi marcado
por aquella directora para semelhante fin.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Ephigenia Mara de Almeida, pro-
fessora publica de inslruccao primaria do povoado
de Sanhor, e tendo em .vista o attestado medico
por ella exhibido, e a informaco do director geral
interino da instrueco publica, de 13 do corrente,
sob n. 16. resolve concedervlhc quinze das de li-
cenea com ordenado para tratar de sua sade.
O'fflcios :
Ao presidente da cmara municipal da villa
do Bom Jardim.Accusando recetado o offlcio de
Vmc. de 7 do corrente, Q> que communica liaver
onsse da prestado juramento c entrado no exer-
cico do cargo de presidente dessa cmara, tico
inteirado de nao ter ella at aquella data se reun -
do por falta de numero, visto como nao foram
anda juramentados lguns vereadores.
Ao presidente da cmara municipal do Rio
Formozo.-Em resposta ao offlcio de Vmc.de 31
de desembro ultimo, tenhoa deelarar-lhe, que
inadmissvcl a creacao de um empregado para o
fim de enearregar-se exclusivamente da guarda e
conservaeao dos pesos.Jque foram rcniettidos cssa
cmara, podendo esse servico ser feto pelo por-
teiro ou continuo, sem ser de mister crear-se mais
um lugar. Autorisacoes d'esta odem serao sem-
pre por esta presidencia negadas i?i limine. Quanto
as instracc/ks a que se refere no mesmo offlcio,
opporturamen'.? ser-lhe-hao remettidas.
5" sergo.
Offlcios :
Ao Dr. Joaquim Goncalves Ljnia, presidente
da con.miisao nomeada para eraittir parecer sobre
a extinecao das aldeias.Remetto a V. S. em ori-
ginal a informaco que prestou o juiz municipal
do termo de Cabrob, em 24 de dezembro ultimo,
acerca, do que informou esta presidencia o di-
rector geral interino dos indios, Barao de Buique,
em offlcio d3 3.1 de outubro- do mesmo anno, co-
brindo a inclusa representacao que Ihe foi ^Erigida
pelo director parcial dos indios d'Assumpcao, afim
de que a corr.n.sscao, da quil V. S. faz parte,
reunindo-a :ws mais papis, emitta sobre elles o
parecer, que Ihe for recoramendado, sobre a ex-
tinecao de taes 'aldeias.
Ao engenbeiro ebefe da reparticao das obras
publicas.Approvo a pequea alteracao taita na
exscucao dos reparos da cadeia de Agna-Preta,
visto d'ella nao resultar augmento algum de dos-
peza, como communicou Vmc. em seu offlcio de
lo do corrente, sob n. 15, que fica assim respon-
dido.
-j Ao mesmo. Achando o gerente da companhia
de umiuacao i gaz, na informaco que vea an-
ntxa ao seu offleio de 16 do corrente, exeeasivo o
coisojnido na casa da guarda de palacio d'esta
presidencia, e nao tendo sido o registro observado
seno pelo caxeiro cobrador, nem podendo deter-
minar o dia, em que foi quebrada a arandela, a
que se refere em sua mencionada iitfunnayio, o
que deu lugar, como elle declara, ao derrama-
ment do gaz. justo que reconsidere a conta
apresentada, para que esta possa ser paga ; o que
declaro a Vmc. para seu conhecimento o em res-
posta ao seu citido ollicio
. Ao mesmo.Para poder autorisar a altera-
cao, que solicita em seu offlcio de 15 do corrente,
sob u. 16, no ornamento feto para a obra da
ponte de farro sobVe o rio Tahyba, em Pao d'Alho,
eumpre que Vine, me informe : 1* quem o ar-
rematante d'esta obra ; 2" qual o jireeo da arre-
matacao ; 3o se pelo contrato est elle ou nao obri-
gado a f;uer taes alteracoes sem indemntoaejia ; 4
(in denle se as aiteraedes importan! augmento de
prero, e a'este caso em quanto^orea. E por esta oc-
casiao reconimendo-lhe que nao orce dora em d-
aute obra alguma, sem primeiraniente sondar e
estudar a terreno em que tem de ser assentada_ e
sem consagrar noorcamento a clausula, de que nao
serio leradas em conta as pequeas alteracoes, que
se entender precisas para sua segiiranca.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a S. Francisco. Reommendo a Vine que
providencie 110 sentido de nao se dar dora em dianle
passagens de 1" ou 2' classe escollas ou praeas
que trauslarem por esta estrada de, ferru, por
conta da provincia ou do estado, embonas gulas
ou pastes das autoridades policiaes designan o
contrario. Outro sim, que esta inesma providen-
cia dever sir tomada, anda quando as escoltas
sejan commaiidadas por offlciaes, os quaes s po-
derao ter passagejn na 2' classe, e nunca na 1% se
forem em servico, sem commandar forca alguma.
K\l':l>IENTK DO SECIUTARIO.
1' tecfo. .
Offlcio ao coronel commandante das armas.
S. Exc. o Sr presidente da provincia manda de-
clarar a V. S., em resposta ao seu officio de 16 do
corrento, sob n. 67, que fica expedida a ordein
nocessaria ao director interino do arsenal de guer-
ra para mandar ferropear o soldvlo do 2g batalhao
de infantaria.
2." tetrilo.
Offlcios: .
Ao Dr. chefe de polica.Transmita a V. S.,
de arden) de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, o titulo junto de noineaco do subdelegado do
! disetrito do termo de S. Bento, decoiifonnidade
com o seu offlcio 11. 119 de 17 do corrente.
Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provinnia, manda communicar V. S., que a the-
souraria de fazenda foi autorisada a pagar ao Dr.
Jos Joaquim de Oliveira Fouceca. na qualidad de
procurador do delegado do termo de Cabrob, a
depeza de que trata sen offlcio de 16 deste mez,
sob 11. 99.
Dito ao commandante superior do Recife.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda de -
ai a V. S., que teve o conveniente destino a
ta (Jo IHiacao dos tambores, a que allude o seu
* -o 11. 528 de 15 do corrente.
Dito ao commandante superior de Olinda.
O Bxm. Sr. presidente da provincia manda deca-
M> V. S.. que nesta daia expedio ordem Ihc-
sourana provincial no sentido de seren pagos os
vencimentos do destacamento da guarda nacional,
de que trata o seu offlcio de 12 deste mez.
Dito ao mesmo.-O Exm. Sr. presidente da
provincia manda declarar V. S., que nesta data
se expedio ordem thesouraria de fazenda para
mandar forne er os livros pedidos por V. S., em
offlcio de 12 do corrente.
Dito ao bacharel Joaquim Correa de oliveira
Andrade 0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda acensar o recebmento do ollicio de V. S..
de 3 do corrente, communicando ter nessa data
assumido o excrcicio do cargo de provedor de ca-
pellas e residuos, no impedimento do Dr. Manoel
Ciementino Ca rueo da Cuuha.
Dito ao jui'. municipal de Tacarat. -O Exm
Sr. presidente da provincia manda accu?ir o re-
cebiinento do offlcio de V. S., de 7 do corrente, em
que participa se ter recolhido voluntariamente
prisao o crimininoso Pedro Caninana.
5. tecfSo.
Offlcio: .
Ao superidentente da estrada de ferro do Re-
cife ao S. Francisco. 8. Exc o Sr. presidente da
provincia manda declarar a ^ S. em resposta ao
seu officio de 16 do corrente, que as thesouranas
geral e provincial, teem ordem para pagar aquan-
tia de nove ceios e quatorze mil e setenta res
1914*070), constante do citado officio
isso ; caprichando-neslc destacamento a nao que-
rer prestar servico com parte de doente, mas nao
deixando-se de andar lelas ras bebendo to-
dos os dias, e se acon vai tamhem preso de fazer barulho contigo quan-
do eu os prendesse, de nao entraran para o la-
dres, e tanto prova que 110 dia 23 desle corrente,
recebi um procesen, para mandar pan villa do
Bonito, deste mesmo termo, responden que nrio,
p irque nao quera, que nao Borrajo, e quando
eu quisesse formasse urna parle, o assentasse as
mentiras que quizesse, que-eu nao erahoinein, que
nao leva em conta nenhuiu ; todos estes termos
era 110 nieio da ra coin voz altiva, como quem
linha algum destino, isto provo com as OUtras pra-
eas do mesmo destacamento, assim como, sosten-
tavam na presenca do Sr. alferes, o mesmo que os
cunduzio. A' vista deste procedimenle. prend-o
ordein do libo. Sr. commaodante, para V. S.
providenciar coin a disciplina e meios convenien-
tes ao corpo.
Deus guarde a V. S. llhn. Sr. nuj\ r Joao
Francisco da Cunta, digno lisral do eorp 1 de p.'li-
ria. -Jos da Silva GuimarHes.
Iln. e Exm. Sr. presidente da provincia. Joa-
quina Patricia do Sacramento, van perante \. Exc.
lastimar-se das privacoes que com suas duas fi-
Ihas solteiras soitre, desde que foi preso para re-
cruta seu nico filho vario, de nome Jorge lelix
Veles. ,
A supplicante, Exc. Sr., vmva e tan duas fi-
Ihas solteiras em sua companhia, e era soccornda
em sua subsistencia o de suas ditas Binas, por esse
nico filho, que inorando em sua companhia, Unto
quanto ganhava em seu trabalho de empalhador e
envernisador. despenda com a familia da suppli-
cante, que assim viva contente, nao obstante ter
perdido um outro filho. que como voluntario da
patria marchou para a canipanha do Paraguay, e
l morreu em combat-*, de nome Manoel Flix ^ e-
les.
Entretanto este nico filho, que agora a soecor-
ra conr o sold, que tinha como soldado do cor-
po de polica, fra preso por faltar o servico do
quartel, e como castigo, destinado, como recru-
ta, para o servico do exercto.
Exm. Sr., a supplicante muito poda ponderar
a V. Exc, para por a limpo o motivo oceulto que
occasiona a perseguico de seu dito fi]ho, mas abs
tem-se disso por nao'canclr a attencao de V. Exc.
e resume-se a allegar a Justina que a assiste, cer-
ta que V. Exc, justiceiro. como nao deixara de
attender a supplicante, mandando pftr em liberda-
de seu dito filho, nico amparo da supplicante e de
suas duas filhas.Nestes termos:
Pede a V. Exc. deferimento, do que R. Mr.
Esteva urna estampilla no valor de 200 reto, nui-
tilisada da rrma seguinte : Recito, 11 da Janeiro
de 1873. -A rogo da supplicante, Joaqunn Bernar-
dino Solero. .
Quartel do eommando.-Grvala. W de dezem-
bro de 1872. -Illm. Sr.-Parte. -Cumpre-ine levar
ao conhecimento de V. S. para que chegue ao do
Illm. Sr. tenentc-poronpl e commandante do corpo,
que remetto preso a praca da 4a companhia Jor-
ge Flix de Veles, por insubordinado que no da
21 deste corrente, encontrei-o a paisano na ra,
Ihe disse, que nao quera mais apaisano, seno le-
vava ao conhecmiento de V. S., que por raudas
vesos i o tinha viste a paisano; este respondeu-me
que nao andan a paisano as veses que nao qui-
sesse, que era com o seu dinheiro que comprara
roupa; j no dia 18 deste mesmo corrente, man-
da resar o terco como costuma o destacamento-,
na occasiao da forma, respondou-me que nao ia
resar mais terco porque estava deitado, e poz-se a
maltratar a religio, que nan gosta de resa e nem
de diabo de missa, qu.e sempre se eneontra com
Quartel do eommando da 4.* companhia no cor-
po de polica, 17 de Janeiro de 1873. -Illm. Sr.
Em cumplimento portara de V. S. de hontom
datada, inaudaiido-me informar de inouVi a poder
esclarecer ao Exm. Sr. presidente da provincia, as
faltas e m conducta da ex-pnca da cempanhia de
meu eommando Jorge Flix de Veles, ao,ponto de
ser por mim exiida sua transferencia deste corpo
para un dos do exercito ; cumpre-mc em prime-
ro declarar a V. S. que tal exigencia nao parti
de mim, porque cuino capitao commandante da 4*
companhia deste corpo limito-inc apenas, a infor-
mar, como m c unpre, a loa ou m conducta de
miaas pneaa, e nao exigir este ou aquelle casti-
go para eHas.
v. S. o nico competente pan eoHecetanar os
fados e n conducta das pravas, e Ibes dar o
castigo que ellas merecern, e assim foi, o que se
deu eom a praca Jorge Flix de Velles. que j
tendo |Kir umitas e repelidas vetes, cominettido fal-
tas c insubordhiaces gravis.-inas como se v da
parle junta, do 2. sargento Jos da Silva Guima-
raes, commandante do destcamelo di villa de Gr-
vala, das umitas relacoos de estado-maior onde se
encontrar o nome, da referida praca, presa, j por
insubordmacao, j por embriaguez e j por faltas
de servico. Chgando o relaxainento de tal prara
ao ponto de se recolher ltimamente do destaca-
mento de Grvala e apenas entregar respectiva
reserva a espingarda, bayoneta e o centurao, tendo
extraviado todo o seu equip intento e municao,
constante de mochila, marmita, cantil, bornal, dous
massos de cartoxos c vinte espoletas. Raras eram
as guardas ou patrulhas que dava Jorge Flix de
Veles, que nao arribasse com o fim nico d; so-
brecarregar o servico, sobre seus companheiros c
elle ir trabalhar em "urna taja de empalhador e eu-
vernizador, de onde por mim 00 por meu sargento
foi lirado por limitas veses para ser recolhido ao
xadres.
Com relleno ao que diz Jnapiina Patricia do
Sacramento, em suapetico, de lamentar que se-
mentante mulher, quera assim Iludir a conscien-
cia e boa f do Exm. Sr. presidente da provincia,
representando e allegando o que jamis poden
justificar : Jorge Flix de Veles, flio |ide ser
lilbo nico, ipiando rmao de Felippe de tal, ofli-
cial de pedreiro, que estove preso na casa de de-
tencao por crime de ferimentos praiicados em urna
muber, e fo advogado no jury por meu tamao
bacharel Joao Juvencio Ferreira de Aguiar. boje
deputado geral.
E' verdade que a peticionara tem duas Dinas,
s quaes por si subsistan, poto vivan de seren
criadas, una de nome Salustna, tem dous lita >s
(sendo solteira). Diz atada que scu nico lilho
Jorge, era o seu arrimo, felizmente exslein em
meu poder as relacoes de sold dos diversos des-
tacamentos para onde levan sold por adianta-
mento e apenas encoiilra-se as relacoes do des-
tacamento do Gravat, O abate de dous mil res por
data, isto na importancia de dez mil reto, sendo
que estes mesmos, ella nao (.s recebeu, e sim elle
quando se recolheu do referido destacamento. Sr.
commandante resiato-me apenas,da falla, que eom-
jnelte a peticionaria de nao declarar os motivos
occultos a que protesta a ida de seu filho pan o
exercito, eu (tosejara que elles fossem explicados,
alim de inelhor poder desmascarar.a honra taz e
acatamento de que se quer prevalecer a petccio-
naria. Supponho assim ter satisfeito o que exige
V. S. em sua portara.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. lente coronel
Francisco Carneiro Machado Ros Jnior, dignsi-
mo commandante do corpo de polica.man
Conrado Ferreira de Aijuiar.
N. 38.-Quartel do eommando do corpo de po-
lica, 17 de Janeiro de 1873.- Illm. e Exm. Sr.-
Com os inclusos offlcios em originaos do capitao
da 4" companhia deste corpo, Alvaro Conrado Fer-
reira de Aguiar, desta data, e do sargento eom-
inandanto do destacamento de Grvala, de 26 de
desembro ultimo, dou cuniprimento ao despacho
de V. Exc. de 1*. do corrente, laucado no reque-
rimento que devolvo, de Joaquina Patricia do Sa-
cramento, pedindo a soltura de seu lilho Jorge F-
lix de Veles, ex-praca desie aupo destinada ao
servico do exercito, como pena determinada no art.
137 do regujamenlo de 2 de desembro de 1833,
tendo smente a accrescenlar que lamento ter a
supplicante usado de reticencia em sua petico,
nfio pondo a limpo os motivos occultos que deter-
minaran! a remessa de seu lilho para o exercito
ItepMfticfto la polica,
2." seccao.Secretaria da polica de Pernambuco,
24 de Janeiro de 1873.
N. 166. Illm. e Exm.'Sr. Levo ao conbeei-
inento de V. Exc. que, segundo consta das par
ticipaces recetadas buje nesta repariicio, foram
hoiitein recolhido casa de delenco osseguinW
individuos: 1
A ininlia ordem, Francisca, escrava do com-
mendador Joo da Cunha Magalhaes, requer-
mente deste.
A' ordein do subdelegado do Recife, os subditos
ingleses Wi liam .\elt e Charles Andersam, a re-
quisico do respeedro cnsul. .
A' ordem do de S. Jos, Manoel, africano, por
embriaguez.
A' ordem to da 5oa-Vista, Antonio Jos de Car-
valho o Carolina Anua Mara do Espirito Santo,
por deordem.
A' ordem do do Peres, Rufino Jos Barbosa, por
crime de resistencia e ferimentos.
O delegado do tormo de Boin-Conselho, por offl-
cio de 18 1I0 correle, coiniiiunicou-iiie que pren-
dera n aquella dala o criminoso de morte Antonio
Cordeiro Lyros Feitosa, que alli se achava homi-
siado.
Por offlcio de honlem datado, partiripou-me o
delegado do termo do abo, que no da 20 do cor-
rente Fortunato, escravo de Manoel oaquim do
llego Barretto Sobrinlm. tend ido cortar inadeira
de orden de seu senhor. acontecer que ao derrw.
bar um pao, urna galha deste osjeapcan, resut
tendo disso a morte do mencionado esrrvo, que-
teve lugar depoto que proceder a corpo de delicto-
e ao inquerito recoinmendados por le, e os reme!
lera ao Dr. juiz municipal.
Deu guarde a V. Exc.Illm. e Exm. Sr. com-
mendador enrique Pereira de Laces, digmssi-
1110 presidente desta provincia.O chefe de polica,
Luiz Correia de Qneiroz Huiros.
ver como adiar de jm-lica.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
niendador Henrique Pereira de Lacena, dignissi-
mo presidente da provincia. -Francisco Carneiro
Machado Rio* Jnior, tenente-enronel comman-
dante.
despachos d.v presiuemiv 00 dia 23 de ja.neiuo
de 1873.
Abaixo assignados, moradores na povoacao da
Torre.-Informe com urgencia ;o engenheiro fiscal
da companhia Pernambucano Street Railway. ou
vindo previamente o respectivo gerente.
Caraillo Primo das Chagas. Ficam expedidas as
convenientes ordens no sentido que requer o sup-
plicante.
Francelino Carneiro de Lacerda.-Como re-
quer.
Joao Francisco Pac Barrete. Informe o Sr.
commandante to corpo de polica porque motivo
foi o supplicante exonerado.
. Jos Alves Barbosa Jnior.- Ja est preenchido
o numero, havendo anda cinco pretendemos com
direito de preferencia.
Coronel Manoel Goncalves Pereira Lima. D-se
a eertidao pedida
0 mesmo.Dse.
O mesmo.dem.
Bacharel Pergentino Saraiva de Araujo Galviio.
Deferido, com oBcio desta data thesouraria de
fazenda.
Silveria de S. Jos Braga.Informe o Sr. prove-
dor da Santa Casa do Misericordia.
Thomaz de Camino Soares Brando Sobrinho.
Informe o Sr. engenheiro director das obras pu-
blicas
Wilson Rowe-Informe Sr. inspector da alfan-
dega.
INTERIOR,
PERC.
LIMA, 3 DE DtSfHWO DE 1872.
Poseas noticias lia a coimiiuniear pelo prsenle
eorreio. Esta repblica ruiirina em paz na gran-
de obra da sua reorganisacao. iniciada pela admi-
uislraeo do Sr. I). Manoel Pardo. Essa ardua ta-
nta que por certo, como todas as reformas, nao
eneontra um camnho semeado de flores, r
dirigida com constancia, acert e patriotismo
No dia 27 do mez que acaba de expirar, o cou-
gresso reunio-se pela ultima vez para declarar en-
cerradas as sessSes ordinarias de 1872
Nao Ihe havendo, porem, sido sufflcientes os lOt
dias da legislatura para resolver os mnitissimos
negocios de alta importancia que reclamavaiu a
sua attencao, e persuadido anda o goveruo de
que os SO "dias de prorogacao autorisados pelalei.
nao seriam bastantes, propz a reunio de nottpav
gre^so extraordinario para se oceupar. de confor-
midade '-om o respectivo artigo constitucionaf nica
e exclusivamente dos negocies indicados na con-
vocatoria cuino inelhor se ver da seguinte nota,
de 14 de novembro, dirigida s cmaras pelo pre-
sidente do conselho de ministros :
t Esto pan terminar os" 100 dias das sessoe-
ordinanas do congresso, e S. Exc. o presidente, se
aeba moite preocenpado pela impossibildade di-
que nos que Ihe faltam dessas sesgues e mesnin
nos 30 das da prorogacao constitucional possam
dsculir-se e resolver-se* os diversos prnjectesde
lei que o governo considera Dio > de transcen-
denle iinporlaucia, como de absoluta necessdide
liara a marcha da administra ao, at o ponto de
ver compromettida seriamente a realtoa^Io do-
prinepaes propsitos que constitueni o progmm-
ma poltico da actual administncao.
Bem eonbece o governo o mioque podia em-
pregar pan que se realtoassem os seus proposi-
tes, seno veocimenlodaprorogacio nao estrreaem
terminados os tnbalbos oe congresso sobre os
projectos remettidos e os que anda tan que sub-
metter ao sea cottbecimento; mas tem que, (i-
vocando ento as ca'-.aras para 9038008 extraordi-
narias, demasiada se prolongue a reuniao do con-
gresso, fazendo excessvam^nte pesadas as fuuc-
Coes dos representantes, que se por patriotismo
podeiu aceitar este >.,erlicio em beneficio do pato,
talvez teiihain que faze-lo eom grave daino dos
seus Interesses.
Com tal ni olivo, o governo er que smeot
areunJiode um congresso extraordiu sua dura cao de 100 dias e pela exclusiva consa-
graco do' todas a> ,-uas sesses aos assompios
que'sao objecto delta, pode obviar as diflktaldadW
j iu licadas, e que sao de muito serias conseqiie..
cas para o progresso do paz, se nao se resolve-
rn os projectos de ulerese geral a que me tenho
referido.
Para a realisacao deste projecto, S. Ext
presidente pee em conhecimento do congresso a
sua intenco de convoca lo a sesses extraordina-
rias depois de concluidas as ordinarias, no cas
de que s cmaras julguem, como o exeeulivo,
mais proveitoso aos interesses do paz. a reuniao
de um congresso extraordinario, que a prorogaci)
da Em tal caso os assumptos da reuniao serio os
segointes:
Lei de municipalidades. Lei eleitoral. Le
de orcamento. Le de emigracSo. Organtoocio
da adininsrraeao de obras publica?. Organtoacao
do ministerio da guerra. Lei de irrigaco. Le
de censo e registro cvico. Estabelecimento de
tros crceles centraos. E-tr.beleciinente de una
Iientcnciaria no Cuzco. Projecto ou reMtfma no
cdigo de processo. Projecto sobre a lei de ins
truegao publica. Lei _sobre estabelecimento do
um collegio de mineracao. Crdito para contra-
tar professores de instrueco snperior, media e
primaria. Crdito para dolar de irmas de cari-
dade os estabelocimcntos de beneficencia da rep-
blica. Proviso do areebispado. Lei de eonsoii-
dacao da divida interna para o pagamento da tiuc-
tuante. Uniformar a divida inturna-. Lei para cu-
nliar moeda por empreza particular. Desamoeda -
Cao do ouro. Lei sobre portea matares e meno-
res. Tabella de sold. Le sobre estabelecimento
de phares. Projecto de lei sobre subvencao d..
telegrapho submarinho de Panam a Paita. Cre
dito para a construeco da alfandega de Callao,
e para os piltros projectos que apresentar o exo-
cutivo.
O governo er liaver cumprido um de ver sa-
grado fazendo s cmaras esta franca exposk te, '
indicando-Ibes o meio que no seu eonceito se
deve empregar para salvar as graves diibculdade-
que acaba do esbocar. Toca ao congresso tomar
em seria consideraban as razoes allegadas
resolver o que em sua sabedoria julgar mais coa-
veniente.
Qualquer que seja a resolucao das cmara-,
o governo espera que nao verao oeste pri.cedi-
mento mais que o sincero desojo que anima ao po-
der executivo a propugnar para a ordem e pro-
gresso da nacap. Jos Miguel Medina. >
Depois de um aralorado debate, era que o
tido da opposicSo lutou pela prorogacSo, fui
grande mawria" resolvida a reuniao do roare
extraordinario, que se achs j convocado para o
dia 9 do corrente.
Contina com actividade a orgamsac*" daj
guardas nacionaes e se annuncia que breremaaj*
te formarao em parada 16 batalhdes na caplta^l
4 ao Callao.



Mun 3
'r---------------------------------- i p
>0_



-$$bo de Pernambueo Sa^bado 25 do Janeiro de 1873.
3E

Acaba de chegar i esta ca{ital a notjcia do pas-
smenlo Jo eommisario pciiano do ImmeVSt'.
l)r. Paz Soldn, jnhh* dnav >r a commissao mixta
Usado o marco do Jupur. 1" urna "gratido perita
para o Pon, tanto pelos dons que adornavam este
disuado cavalheiro, como porque era 'im dos mili-
to poucos ponan qna se huvim consagrado as
estado especial dos seus Kinites com os estados
vstanos.
PEBJAMBUCO.
REVISTA MABIA-
Gunrda na6annl.-Por portara da pre-
sidencia da pruviueiadc 22 lo corrente, fot man-
dado aggregar ao 9.* batalhio de infamara, do
municipio deluda, o alteres C?uieriuRodrigues
Collaco.
Auturidaile policial.-Por portara da
presidencia da provincia, de 22 do corrente, fui
exonerado Domingos Ferreira de Macedo de sub-
lolrigadolo 1- dislricto da fregueia de Quipap.
Cuiiiar-a nova. -Tendo o Sr. Dr. llermo-
genes Scrates Tavarcs de Vascoueollos assumido
o exercicio de juiz de direito da nova comarca de
Ignarass, licou ella inslallada no da 23 do cor
reate.
iini)iiiiii-ii 11 tic 1<;1. Em conseqnen
ca da inslallacAo da nova comarca do lguarassii,
passaram a futiccionar como esperiaes, em virtu
de da le. nao s essa como a comarca deOlinda,
Melhuraiueutus r portos.!'o rela-
tarlo do ministerio da marinlia, apreseutado as-
.semltla goral, eglraubnos o seguate :
0 Este servido e o dos pita Ates, segundo as opi-
niocs euiiitidas nos ltimos relatnos, as quaes
folgo de dar pleno assentimento, devein ser trans-
fondos para o ministerio das obra publicas.
Por ininlia vez para esse fin peco vossa auto-
risacao, sendo que os regula! lentos das capitanas
ilis "portos nao pdenlo soll'rcr as modificarme
aronselliadas pela experiencia, emquanto estivo-
reailaes repartieres sobreea regadas da incum-
bencia-, que jamis poderiam regularmonte des-
einpeiihar.
Cooala olkialiiiente que o engaubero John
Haukshaw ooiiipronielte-se a "iniltir, como se lite
pedir, o son parecer sobre os planos dos Srs.
I.iw e Neatc. contestados pelo engenheiro Calvan
FjHto, a rospoito las obras pura o niollioramento
do porto do l'urnanibuco.
Aguarda-sc esse parecer, e como elle proco-
da de lio i lustrado profesional, provavalmeiilR
ros otar as duvidaa de un modo delinitivo.
Todava praengoea os triballios de eseavariio.
0 cm frente a all'andega e seus trapiches ja se ve-
rilicou pela sondagein 16 pe* de fundo, a con-
junceao de la.
i No complexo, as obras estao paradas p--lo mo-
livo exposto.
i O nosso.liltor.il conten grande numero de
partos : qaasi todos exeeilentes para navios da
qualquer lot.ica<, mas precisando, ao menos os
mais troqueotados, de alguts trabalhos de arte
para sua aeeessihilidade e eoiservaoao.
Unio do Niorte.Ellectiioi-se hontem a
larde, como eslava aiinuiteiado, a reiinio deesa
socwdade. Assuinira.ii os 'esportivos cargos, o
Dr. Aprigio Guimaraes coma presidente, romo se-
cretario o Dr Fr.inkliu Tavoia, e o Dr. Maciol Pi-
aheiro como orador da mesmasoeiedade.
Abri a sessaj um discurr proferido pelo pre-
sidente o Dr. Aprigio Guimarfua. o qual fui devi-
daneate apreciado e applaudido.
Em seg'iidn. por InifleacJlleitas pelo prWtden-
le. delberou-se : ,
Dirigir urna ropresantaeao a assemblea peral
ontra a permanBnrB dos Ji surtasna proviada a
no imperio, em vista das leis em vigor.
Consultar as diversas soeU dados laudadas nesta
cidade sobre a conveniencia de proaed>rem ellas
i uesmo nudo.
Convidar os liiler.itos c paUiotas das provincias
d i norte a fiinlaroai socied ules de fifis i'leutteet
aos da L'nio do Norte.
I'csla eui Oliuila. -Aiii.uiha, domingo, te-
ro, lugar em Olinda, a festa ce N. S. da Couoeicao.
..'e'sc venera na capella da ra da Ribeira da
mesilla cidade. Alm de diversos euiretenimenlos
dorante o da, como hales, msica, etc. haver
i noite fogo de artificio.
Salteadores. -Inforuiam-nos que os inora-
d.ires de Sanio Amaro das Salinas estio sob o do-
minio de unta borda de mall'eitores, que as oras
moras da noile espa!ham-se polo povoado, arma-
dos de ccete e faca de ponta. a saquear e espan-
tar a lodos que encentran) em sua devastadora
correra. Entendemos que a polica deve procu-
rar saber o que ha de verdideiro ueste reelami
que nos dirigirn, queni quer como o accrosccnla, no zelp ulministrativo de qae
lia dado pleuissi iku pravas o Exm. Sr. presideii-
f" da provincia.
!*riso. En 18 do frrente, fui preso no
termo do Bom C mselho, onde se achata honiisis-
Fcitosa.
Morte. No termo do Cabo, can 20 do eor-
renta, mu esclavo do .Sr. Mauoel Joaquim do Re-
i Brrelo Sobrinno, de nome Fortnalo, estando
a corlar madeira por orden de seusenbor, acon-
teoeaeabirum pao que c alcanzando dea-lhe
immediatamente a morte.
Ii:trio de Periiaiiilaieo. Se cliegar
lijoo vapor iuglez Domo, da Europa, distribuire-
mos aiuanha uosso numero de segunda-foira.
^Trilhos urbanos m Olinda Hojo
a noufe, logo depois de u rminarem os asneo-
laeoios dramticos nos theatros Santo Antonio e
aaasio Dramtico, nareni um tiem ordinario
la lloeife para Olinda ; etepos do eerao dau-
a ate, do Club Olndense, hatera um ouro Irem
I Olinda para i Hocife.
F.strada de ferro do IteeilV, ao X.
Kraneiseo. -Amanha a gerencia desla ompFO-
/ .. aleni dos trens ordinarios de pn l>-bramis dous especiaeSj um do Becilo pan o
Cibo as 11 horas da manha. e outro do Cabo para
i Kecifo, s 8 horas da noulc. .
Presidio de Fernando.0 commando
las armas contrata dous sacerdotes para sei yi-
i a de capelles no presidio de Fernando de N>
i'oiiha, com os veueiinentos de capellaes-all'eres >la
roparticao erelesiastica do exercito, pereeoeado o
pie se "encarregar da aula de instrncc-V prima-
ria do sexo masculino, a gratiiioacao de t'"0 an-
naa0s.
Vint- c setc de jiineiro. A cmara
ru mieipal do Recite eoavda aos seus municipes a
iUnminarem a "rento de su is casas, as noutos de
t c 27 ilo corrente, cm commemoracao do so-
lemas aaaiversario da nstauracao de Pomam-
1 meo.
Santa Casa de lliserieordiu.Au-
lorfsa&a pela presidencia da provincia, % do eou-
foradaade cam o % 9* lo arl. .'2 do respectivo
compromiso, a unta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Rceife vende o dominio
directo de diversos predios silos na ra e na tra-
vassa da Boda, na freguezia de Santo Amonio,
servia do de base para essa venda os pateas man'
ionadus no annuncio publicado no logar compe
(ente.
Clnlt Oiiiliense.Conforme est aiinun
ciado, haver um Irem expresso, que partir do
Var.idouro em Olinda. depc is de meia naute, e que
srtir de condcelo aos concurrentes apartida
daasaate d'aquella sociedade.
l-teria.~A que se acha venda a :J7.'. a
lienecio da matriz da Esc.tda, a qual eorre no dia
M do corrente.
fjeilo. Hoj? effeclua o agente Pinto o de
108 hallas de papel, s 11 horas em ponto, no trapi-
che da alfandega.
Casa de deten^o.Moviru/mto do da
23 de Janeiro de 1873 :
Bxistiam (preso*) 3W, entraram 7, sahiram 7
4-\istem 348.
A saber :
Nacionaes 234, mulhens il, cstrangeiros 48,
oscravos 48, escra\as 7.1?otal 348.
Vlimcntados a custa dos cofres pblicos 277.
Movimento da enfermara do da 23 de jane io
de 1873.
Tiveram baixa :
Jos dos Santos Correa, inUgestao.
Manoel, escravo de Sebastio Alfonso i Rcgo Bir-
cos, sentala ga.
Tevc alta:
Pelro los de Souza.
A cmara municipal desia cidade coi vista do
ai t. 20 do tit. 2 das posturas municipes de 30
de junho de ii9, manda publicar a. Ii-!a abaixo
transcripta.
Mdium.
Dr. Braxedes Gomes de Souza.Pitanga, natural
da Baha, resalle ra da Iinperatriz casa n. 4.
Dr. Pedro de Athayde Lobo Moscoz-). natural da
afila, resiite ra.i do Viiseonde de Albaquerque,
asan. 39.
Dr. Silvio Tar.|uinio Villas-Boas, natural da
Baha, refide i ruado Hcpiciocasa a.m.
Dr. J aquim de Aquino PericccA, natuial de,}
Pernainltiico. reside *r!l drt Ro*|f ci Vas n. 33.
Dr. Jos Zacaras do Carvnlho, natural de I'cr-
Unoibuco, reside trafessl dos l'iies n. 7.
Dr. Cosme 3uco, continua a residir na, ra do Imperador
n. 22. -
Dr. Augusto Caraeiru Monteiro da Silva Santos,
natural desta provincia, remide ra do Impera-
dor n. IB, i* andar.
Dr. Joao Mara Seve, natural de Pernambueo.
reside ra da Imperatrz n. 36.
Dr. Antonio Gomes Tavares, natural do _Per-
na ubuco, reside ra do Bom Jess casa i 19,
3 andar.
Dr. Manoel Francisco Tclxeira, natural de Per-
nambueo, reside ra do Bom Jess n. 45.
Dr. Joao Baptista Casanova, medico francez, re-
side no largo da matriz de Santo Antonio casa n.
2, andar.
Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello, natu-
ral da Parahyba, reside rua do Bario da Victo-
ria n. 43, 2 andar.
Dr. Joo da Silva Ramo?, natural de Pernambu-
eo, reside rua do Imperador n. 67.
Dr. Joao Ra\ inundo Pereira da Silva, natural do
Maranho, reside rua do Bom Jess n. 42, 2
andar.
Dr. Ravmundo Mondes Vianua, natural do Rio
de Janeiro, reside rua do Vgario Tinorio n. I,
2 andar. t.
Dr. Ignario Alcbiades Velloso, natural da Rabia,
reside rua do Barao da Victoria n. 45, andar.
Itr. Luciano Xavier de Moraes Sarment, natu-
ral de Pernambueo, reside rua do Imperador n.
27, anejar.
Dr. Caetano Xavier Pereira de Brito, natural de
Pernambueo, reside na praca do Conde d'Eu
n. 22.
Dr, Flix Moreno Brando, natural de Alagoas,
reside nraca do Conde d'Eu n. 2, 2o andar.
Dr. Tristao Henrique Costa, natural da Baha,
reside rua do Livramento n. 6.
Dr. Malaqnias Antonio Goncalvos, natural do
Maranh", reside rua larga do Rosario n. 26, i-
andar.
Ur. Luiz Jos Correia de S, natural da Parahy-
ba, mera na l'assagem da Magdalena n.
Dr. Jos de Miranda Curio, natural de Pernam-
bueo, reside rua do Mrquez de Olinda n. 25, 1
andar.
Dr. Enniro Cesar Coutinho, natural de Tcr-
nambuco, tem scu consultorio rua do Mrquez
de Olinda n. 64, 2 andar.
Dr. Francisco de Paula Soases, natural da Baha,
reside rua do Coronel Suassuna n. 96. ,-
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo, na-
tural de Pernambueo, reside rua da Imperatrz
n. 9, andar.
Dr. Francisco Goncalves de Moraes, natural de
Pernambueo, contina a residir rua de Vidal de
N'egrciros n. 31.
Dr. Jos JoaquimdeSouza, natural de Pernam-
bueo, reside rua do Visconde -le Itaparica n. 28.
2- andar. .
Dr. Joao Ferreira da Silva, natural de Pernam-
bueo, reside rua larga do Rosario n. O.
Dr. Aflbiiso Arlhur Ctsneiro de Albuquerque,
natural de Pernambueo, reside rua do Impera-
dor u. 42, 1" andar.
l)r. Antonio Jos Ferreira Alves, natural de ror-
tugal, contina a residir rua do Duque de Ca-
xias u. 56, Io andar.
CtVn raftW.
Andr Ferreira de Almeida, natural de Per-
nambueo, reside rua de Mathias de Albuquer-
que, casa n. 11.
Bernardo Pereira do Carino, reside rua da Im-
peratrit n., Io andar.
Joaipiim Jos Alves de Albuquerque, natural de
Pernambueo, reside em seu sitio na Passagein da
Magdalena.
Francisco Jos '"yrillo Leal, natural do Pernam-
bueo, reside rua do Duque de Caxias n. 3i, 1"
andar.
Jos Antonio Marque?, natural de Portugal, re-
side roa do Vigario Tenorio n. 2, Io andar.
Jos Francisco Pinto Guimares, natural do
Pernambueo. reside rua do Barao da Victoria
n. 60, i* andar.
Phormaceiiticst.
Jos Mara Freir Gainciro, brasileiro adoptivo,
contina a residir na praca do Conde d'Eu n 2 e
mn nharmacia imperal ha mesma casa.
Pedro Auivliano da Cruz Muniz, natural de
Pernambueo, contina com sua pnannacia na rua
de Vidal de .Negrciros n. 12 e reside na nvjsma
casa.
Augusto Caors, francez, contina com sua phar-
eia e drogara rua do. Bom Jess n. 22 e reside
na mesma casa.
Manee Thomaz Pereira do Reg, natural de
Pernambueo. successor de Ignacio Pessoa da Sil-
va, contina com sua pharniacia _rua do Marci-
[io l'ias n. 135.
Manoel Alvos Barbosa, natural de Portugal.eon-
lina com sua pharmaeia rua do Mrquez de
Olinda n. Cl.
Antonio Jos de Abren Ribeiro, natural de Per-
nambueo. continua com sua pharmaeia rua do
Imperador n. 44.
Graciliano Octavio da Cruz Martin?, natural de
Pernambueo, contina a dirigir sua pharmaeia a
rua .lo Duque de Caxias n. 89.
G. Fialho 4 C.continuam com sua pharmaeia a
rua da Imperatrz ns. 69 e 71, successores de C.
Clao it C. sao hrasileiros.
Ferreira Maia & C, natural de Portugal, lem
suapnarmaeia rua do Duque de Caxias n. 57 e
residan na mesma casa.
Antonio Pinto da Silva, contina com sua phar-
raaeia e drogara rua do Imperador n. 38 e
contina sob a direccSo o gerencia do plianna-
oeutico porlugue Jos Gomes Monteiro e moram
na mesma casa.
J. Kirchlosfer, natural da Suissa, contina com
a sua pharmaeia rua do Barao da Victoria n.
25 e mora ni mesma casa.
Jos Elias de M ora, natural de Pernambueo,
pliaiuiaceulico e responsavel pela pharmaeia dos
Srs. Barthstomea k C. rua larga do Rosario nu-
mero 34.
Barlholomeu & C, natural de Pernambueo, dc-
claram lllm.' cmara que cintinuam com sua
pharmaeia e drogada rua larga do Rosario n. 34.
Ferreira & C, continuam com sua pharmaeia
rua larga do Rosario n. 10.
Antonio Mana Marques Ferreira, natural de
Portugal, contina eom sua pharmaeia praca
do Conde d Bu u. 19 e reside na mesma praca.
Joaquim Ignacio Ribeiro, natural da cidade de
Lisboa, contina com sua pharmaeia praca do
Conde d'Eu n. 22 c reside rua do Prncipe.
Braz Marcelino do Sacramento, natuial de Per-
nambueo. contina a dirigir a pharmaeia da rua
do Visconde de Iuliama n. 62.
Joaquim Rodrigues Cotia, brasileiro, contina
com sua pharmaeia rua de Marcilio Dias n. 88.
Saraiva&C, continuam com sua pharmaeia sita
a roa de Marcilio Dias n. 118, sob responsabilida-
dc do socio Jos Hygino de Souza Peixe, natural
de Pernambueo.
.Marcelino iota de Brito, natural de Pernambu-
eo, pliarmaceaiico e responsavel pela pharmaeia
e drogara rua do Cabug n. 11.
Agoslinho Jos Soares, natural de Portugal, con-
tina com sua pharmaeia no pateo do Larino n.
3 e mora na mesma casa.'
Francisco Antonio das Chagas, pharmaceutco,
natural de Pernambueo, contina com seu esta-
beleciinento a rua de Marcilio Dias n. 3.
Relam no da Cunta Cortes, natural de Pernam
buco, contina com sua casa de drogas sita rua
Direita dos Afogados n. 68 e mora na mesma casa
Joao da Silva Guimares, brasileiro, contina
eom seu armazem de drogas rua do Duque de
Caxias n 34.
Augusto Xavier de Souza Fonceca, natural des-
la provincia, contina com seu estabelecimento
homeopatheo na casa n. 8 do pateo do Paraizo,
l" andar. ,
Manoel Duarte Vieira, natural de Perntmbuco,
contina com sua casa de drogas e tintas na rua
do Imperador u. 22.
Dentistas.
Numa Pompilio, natural do Ccar, contina com
seu consultorio cirurgico-dentista na rua do Ba-
rao da Victoria n. 58, andar.
Frederico Gautier, francez, dentista, continua
no sen escriptorio rua do Barao da Victoria n
19, i* andar.
Ass'isleutes. .
Rosa Mara de Jess, natural desta provincia,
continua residir rua de Marci!ioDias n. 107.
Clara Mara da Concefrao Silva, natural de Pcr-
nambuco, contina no exercicio de saus misteres
a rua de Paulino Cmara n. 4.
Firmina Merenciana Carneiro, natural desta
provincia, contina nos misteres de sua proflssao
la rua das Larangeiras n. 8.
Theresu de Jess Ribeiro Campos, natural desta
provincia, contina nos misteres de sua proflssao
no largo do Paraizo n. 5.
Leocadia Mara da Conceicao, natural desta
provincia, continua no exercicio de suas fnocjes
a roa da Roda n. 40.
Mathilde do Espirito Santo e Silva/natural des-
la provincia, contina nis misteres de sua profis oasa bgp.junctura, e espero que nsiie- adiar lun-J
ao o resido rua da Roda-n. 35. leatciuonho do zello emu que busco cumprir m-
Iguitz Mara das, Virgen*, natuial dosta provin-
cia, contina a ro-idir a rua da'llha de C;irtiho
n. 40.
Paco d.a. cmara municipal do Recfe, W de Ja-
neiro de 1873.
BetUo Jos da Costa,
Pro presidente.
l**rewo Brserm HmmeiitM Cunh,
Secretaria
,-tm- j-! im i i
COMMBNICADOS.
nli>n flfegaertcs, confessahdo linal que o sen m-
furniaole fui pouco escrupuloso o menos vordadeiro.
N'o que levo dilo nao va i offensa Ilustre ReJa-
ccio da Produca. Resjieito-a. como sci respeitar
i todos, e nem tenho outro^ mteresse seno tirar
de sobre mim urna acensa cao injusta
Recife, 24 de Janeiro d*e 1873.
Fclippe de Figueirkt Faria.
\ K"rainea v o eiigclieiiH
fiscal da estrada dr ferro da
Hi'i-ifV Noticiando um triste" accidente havido, no dia 22
do corrente. na linha forrea do Recif Olinda e
Beberibe, as proximidades do lugar Fundi, a
Provincia em seu numero de hoje, julgou conve-
niente assacar-mc una censura, de todo ponto in
fundada.
Venho imprensa dofender-me >acitusa|o, e
bem assim declarar Alustra itdacoo que sci
heui comprebender os meus deveres, e que senr
pre timbrei e limbCo em desempenhar me d'clles
o melhor que me possivol.
Consisti a censura em dizer-se que ainda nao
lui visto peirorrrr o linha e exumina-lo, e outro
sim em chamar a inhiba attenco para as irregu-
laridades do servia) delta, bem eomopara os inn-
meros dffeitoi de oda a linha.
Principiara por.duwr que, nomeado lt de ou-
tubro do anuo passado para exercer o cargo de
engenheiro Bsetfl d'essa va frrea, smeute pude
assumir esse cxcicicio 24 do referido mez ; e.
pois, nao de admirar que, despeito de quaes-
quer esforcos, anda- se ressinta o servieo da es-
trada e as suas obras dos muitos vicios c detritos
de origeni, (pie todos lho reconhecom.
Nao exacto que eu nao tenha percorrido e
examinado a linha O contrario d'isso iiodem at-
testar nao sij ds Srs. Jos Fortunato dos Santos
Porto, Dr. Estevo Cavalcante de Albuquerque, e
major Laurcntino Jos de Miranda, gerentes que
commigo tem servido, mas tamban os empregados
de diversas caihegorias da estrada.
No curto lapso de lempo de tifs mezes tenho
feito cinco exames detdos na linhn, indo para isso
em trem especial e parando cm diversos pontos
para ver as obras. Alein d'isso tenho visitado a
linha em oulras diversas occasics, ja percorren-
do-a nos trens ordinarios, j as machinas, que
lambeni tenho examinado.
Nao costumo fazer alarde da modesta posicao
que oceupo. e MU at completamente avesso
toda a sortc de exhibiroes ; por isso possivol- que
mulla gente ignore qu'e sou o engenheiro fiscal da
via-ferroa de Olinda. e d'ahideduza que esse fnne-
conario nao visto percorrer a linln. Alem
d'isso, tenho sempre procurado vlref obscura-
mente, e, pois, nao posso ter a pretenco de ser
geralmentc conhecido.
Disse que sabia, e repito que se componenda'
e desempenhar os meus deveres, sem carecer de
liooos, que alias nao costumo desprezar quando
sao sabias e honestas.
Antes que a lVor/do declinasse os defeitos da
via-ferrea de Olinda. ja cu os thiha notado, cha-
mando para ellos a atiencao dos Srs. gerentes da
empreza. e descrevendo-os minuciosamente n'um
rotatorio que dirig ao Exra. Sr. presidente da pro-
vincia em data de 14 de dezembro do ann pr-
ximo passado.-
Agora saina a ProtiMCia. e neste ponto rendo
preilo directora da estrada de ferro, que o es-
tado goral das obras da linha tem melhorado al-
guma cousa do 24 de outdbro para c, em face das
niinhas relamcoes. E eis como :
Substiluiram-se muitos trilhos faclieados e es-
magados por trilhos novos e perfeitos.
Substifuirnm-se cerca de 500 dormanes podres
por uniros tantos BOTOS.
Modilicaram-se ligeiramente (o que era posswel)
algumas curvas, guarnecendo-se algumascom um
triiho interno (mMrrtnlf) pa.ra evitar os des-
encarrilliaiiu'iitos.
Lastreou-se a estrada fintra-trilhos; em alguns
pontos, onde bavia mais urgencia desse memo-
ramento. ~
Concertou-se a pinte dos Arrombados, que e*
lava seriamente eenmrometttda
Pintaram-so algunias estacoes, e estao sendo
pintadas as entras.
Reettnearam-se cerca de dous kilmetros de
taludes do aterro margan da estrada nova do
Beberibe, entre a Eneruzilhada e Agua-Fra, e
pros-.-gue este melhora ment.. alargan nientemente ene atierro.
Deo-se eomeeo o prosefue-se no desbastamen-
to dos taludes." gna veruoaes, dos cortes exis-
tentes no ramal do Beberibe;
E finalmente abriram-se vallas, e fizeraai-j"
outros menores melhoramontos na linha, leiim-
certo que. ainda de conformidade com as mjiiha?
reelainacoes, j -e den conieaa ao concert
diversas "bombas e p mtelhoes "da estrada, t
mais ou mfflm* oir.iifailot. e vai-se emda
robaixar
forma dai _
harmona com os interesses da estrada.
Ante estes resultados, de que todos se podem
certilicar, me parece Dio seren procedentes as
aecusaeoes da Proejueio, e quero crer que a
sua Alastre Redaceio nao persistir na censura,
safvo se de seu gost) que eu ponha o p no
pescoc) ila Qompanbia e a asphixie, mistr para
o qual alias nao me sinto com Torcas, por isso que
nao tenho vocaeSo para carrasco.
Tenho feito o que humanamente era possivel
fazer no interesse do? passageiros, por cuja segii-
ranca me cumpre vedar, e, repito, nesse ompenho
tenlio sempre encontrado todo o apoto c coadju-
vaoao por parte dos Srs. directores e gerentes da
empreza. .
O servieo dos trens tambera despertou a nimiia
attenco, e para elle tenho chamado diversas vezes
a attneao do Sr. gerente. Esse servieo ainda hoje
nao regular como desojo v--lo f mas inquestio-
navelmente acha-se rielhorado.
Os accidentes, que se tem dado de desencarri-
Ihamcnto de machinas e carros, provem princi-
palmente dos defeitos wignarios da linha, e
subsidiariamente da impericia dos directores das
locomotiva-.
Screi por ventura resp -nsavel por esses acci-
deutes, em faee do que tenho exposto ?
Taes oceurrencias se, fio em todas as linhas
frreas, raesmo as melhor construidas ;e na-
quellas que sao singela", como a de Olinda,
iinpreterivclm.-nie doterminam interrup?es no
trafego.
Dado o accidente, pode-se rasoavelmente fazer
responsavel a comp'anhia, ou o engenheiro tiscal
por cssas inlerrupcijc6 ?
Quando urna stfada de ferro singella se acha
em bom p. est bem montada e satisfactoria-
mente derigida, essas interr.ipcoes sito s vezes de
minutos, segundo a natureza do aecidentc e con-
forme os estragos que elle preduz na linha.
A estrada do ferro do Olinda manifestamente
est fora do caso ; portento nao ha nada admi-
rar no retardameato do servieo dos trens por cau-
sa de accidente, mxime nao havndo all ainda
urna linha tele-, aphiea, que, em taes occasies,
um poderoso eieinenti de ordem c de reparacao,
polo fado de accelerav os soccorros.
Serei porventura responsavel por essa falta
Se algiiem ha culpado d'ella nao sou eu, nem
mesmo a compaama Soja ella, e deve s-lo,
laucada conta de qnem celebrou o contracto
de 22 de julho de 1868 para, a feitura daquella es-
trada, urna v7 ctrico.
E' facto que o regulamenta de 11 de outubro de
-1872 corrigio esse deleito do contracto de 1868 :
mas no arl. 49 desse regulainento marcou-se
companhia, como ora de justica, o prazode um
anno para essa eonstrucc^o, e esse prazo ainda esta
longc do seu terniino.
Sempre que se dr um accidente na va frrea
de Olinda, ao qual resulte impedimento na linha,
forzosamente ha de se dar demoras o atrasos Uo
'servieo dos trens. especialmente se o accidente tor
distante do Recife, urna vez que aqu estao as ofi-
cinas e'daqui devem partir os soccorros.
Com referencia ao accidento de 22 do corrente,
que servio de pretexto para as censuras de que
me defendo. assim. aeonteccu e por isso foi re-i
tardado o ultimo trem que devia partir de Bebe-
ribe.
O accidente em questio, meu. ver, e em face
das informados que somi c constJuudonfQcJo que
naquilla data dirig ao Exm. Sr. presidente da
provincia, foi determinado pela imprudencia e le-
vandade de nm machinista da estrada, que in-
fringi as ordens que linha, sob futis preterios.
Pode-se responsabiisar-me ou 4 companhia por
semelhante facto imprevisto 1
Creio que ninguem de hoa t o dir.
Solicit! hoj; do Exm. Sr. prsienle'da provin-
cia a publicaco ^o rewido offlclo. Por efi vera
a IHustre RedaccSo fa.'-ProM%cto, ConS procadi.
PUBCACOtS A PE81DB.
O Campos, o seu larguen -e om'ras cousa*
referidas no novo metanlo.
Em malaria de anuannos nao ha mais origina-
lidade. Desde o ananaz ao braco de ouro est
tudo expierado. Desde a rua da Cruz al Santo
Amaro, tudo, como se l diz, batido. Os doze mil
pastis appareceram appetitusos pelas novidades
de estylo ; mas que O Campos inventou logo
cousa luito melhor, e boje so se lemnra dos do-
ze mil pastis, quem ainda nao provou um milho
oe manjares deliciosos, que aquclle rei dos con-
feiteiros propoo ao paladar delicado dos habitan-
tes desta capital.
Por fallar em confoiteiros, acaba de dar-se um
tacto estupendo que, sem duvida, ha de produzir
urna espantosa revolufao na economa domestica
desta conspicua provincia !
Dous destes dulcificadores da aguada huiuani-
dade. abandonaram, sera mais nem menos, urna
grandiosa misso para atirarem-se aos fundos de
urna tosca taverna.
O braco de ouro jaz enterrado at a punta dos
dedos n'iim barril de rangosa manteiga, ahi nao
sei para que praia. O ananaz, resequido e oco,
guarda mofados eominhos, maneira de lata vc-
Iha.
Mundas, mundus qu'am variabiVs es)t
Assim diz o sacrista da experiencia, depois da-
quelle impagavcl solo:
Acaso j sonhou amor de saias,
Que fivellas tivesse as pamelas
E que andasse tambera, tan-te nao eaias!
Apos o escorropicho das galhetas ?
A proposito.
Este mundo, verdadeiro val de lagrimas, de
que ( seja dito entre parenthesis) os jesutas que-
rera fazer eterna pepineira. para si e mais algu-
mas alminhas devotas este mundo, dizemos,
das experiencias.
Por cxcraplo: quem quer experimentar e saber
a fundo o que ha di melhor em pastellaria, diri-
ja-se rua do Imperador n. Confeitaria do Cam-
pos e sahir-lbe-ha involuntariamente da bocea
um enthusiastico : Nec plus ultra I
Porm, digamos, ainda haver algucm nesta ci-
dade que nao conlleva o Campos, que nao Cam-
pos, mas a quera todos chamara Campos e que ha
de vir, pela forea do destino, a assignar-se Cum-
pos f Sim : porque Campos nao um icio sobre-
nome, e nos conheeenios um infeliz .sujeito que,
cbamando-se Jos Tainha, vio-se toreado a aug-
mentar o cognomc de Peixe Podre, no qual aug-
mento ia um singular descrdito sua aquatica
prosapia.
Mas quem nao conheccr o Campos, fica-o conhe-
cendo agora por e-tes signaes : ,
E' pequeo como Napnleao o grande. Traja
com certo chjc, e olha com sarcastico sorriso para
o mundo, atravz do transparente vidro do scu
lorgnon, invariavelmente preso ao canto do ollto
dlreito
Na rua um diplmate, no estabelecimento
mais doce que nm torro de assucar, c as sua*
paJavras sao mais agradaveis que os seus saboro-
sos pastis.
O naco mais frisante de sua biograplua e ter
sustentado um dia um Aurei braco, que cabio
desfallecido no dia em que elle o abandonou I
Um dia elle lera urna estatua, em cuja baso so
ha de Icr ;
A' gloria dos confeitenos a humamdade agra-
decida, e ainda cora a bocea doce !
0 futuro.
Xjrawiino. Abmdenra, nos jornaes desta cidade,
quando voltou do presido, por deraisso que Ibe
foi concedida, por nao.querer. mais presenciar os
escndalos, que all pratieava o .actual comoian-
dantc.
rgujlmente chamamos a alleucao do Exm. Sr.
presidente da provincia para os seguntes trechos
do relaturio do Exm. Sr. conselheiro Junqueira,
seu antecessor, acerca do infeliz presidio de Fer-
nando de Noronha:
t Esse presidio militar tem sido sempre assump-
to de. cuidados desta presidencia, o de constantes
recIamacSes pela iraprensa.
Parece que um mo fado persegue a admi-
nistracao daquelle presidio, pois raros sao es com-
mandantes dellc, que all sepodem demorar, ou
que nao levan!.mi contra si queixas mais ou me-
nos fundadas!
Em lugar de ser una ilha destinada aos Ons
regeneradores de um presidio, ou mesmo de urna
penitenciaria, tem se tornado um foco de intrigas
permanentes.
Ha ura vicio radical as admjmstracoes de
Fernando, vicio que diz-se abrange quasi todos os
empregados do presidio : o desejo de negociar,
j cora os sentenciados, e j rcmettendo-se para
esto capital certos productos da ilha.
As excepcoes sao poucas c honrosas.
O que certo que se suceedem os comman
dantes, e mais empregados com pequeos nter
vallos, os conselhos de mvestgacao e de guerra
trabalham constantemente parajulga-los, e ascou
sas pouco mclhoram.
Tenho dado alguraas providencias para fazer
diminuir as causas de intrigas, c a desmoralisa-
cao, como fosse, prohibir que nossam negociar ou
ilirigir-se a ilha vvandeiro>, que all cumpriram
sentenca.
f Existiam alguns nesse caso, e eu entio man
dei marcar-lhes um prazo para liqudarem os seus
negocios e se retirarem.
Se S. Exc. quizer ter as provas raals convin-
centes dos desmandos praticados pelo actual coni-
mandante, deve fazer o que cima pedimos.
O sen'in-tla |rfo governo.
BOM
oaW
menos estragados, e vai-se cuioar i ^ gCUS ouvdos;
ns ladeiras do ramal de Beberibe ai.nio tem tl.epijad
iar-Ows nm declivio mais doce e mais em constitueionaes fiqi
n.f
liyjo.tf frite o% IfMLt 5 0|0, h, ib
Algodao -dK amanguape 1 sojle >60po>i5
kilXboje-
Accaoprovincial do 8 0|0 ao par, hoo'em.
Citmbio = sobra.Londres a 91 d,v. 26 12 d. e do
banoo 28 lf4 d. por U, hontem.
Cambio-sobre Portugal a 90 djv. 102 00 do pre-
mio, hontem.
nuboorcq
Presidente.
%Leal eve
N^^Brciario.
ALFANDEGA
Rendimento do dia 2 a 23. .
dem do dia 24......
1,041:706*40;
71:178|73l
1,112:882*137
Fui .macan,
serei.
mas boje nao o son, e jamis o
Joaquim demente dos Santos.
00MMERCIO.
Banco Commereial de
Victoria le jaiieii*o.
Acaba de cliegar a esta capital o Sr. Dr. Joao
|omda/S>lva, presidente ltimamente nomeado.
T*atou, posse e entrou na ailmiaistracio no dia
'28 do. passado.
S-Exc. moco, dotado de talento, e de urna ap-
plicacao pouco vulgar. ,
Reoommendavel por estes atlributos, e de crer
que milito possa aproveitar esta proviucia.
E' necessario, porm, que S. Exc. procure espa-
dar, antes de tudo, as eircuiustaucias especiaos
era que ella se acha : que trate de se identilicar
com os luellioraraentos de que e susceptivel, at-
tenUs as suas torcas; e que busque orientar-se
ilaquelles que, cscoiraados de paxoes e iiii|tarcial-
moile, poderem llie ufoniiar das convcnieiitias
mais palpaves para o bom rgimen dos negocios
pblicos.
Quo se anadea de S. Exc. preconceitos e pre-
vencijes: que os odios polil'tcos nao vo estrepitar
e.delegado de una situaeao (jue
em meos pan que as logras
fiquem respailada, soja sita admi-
nistraeito bemvnda, c condigna da repuucao de-
que seu nome goza.
Na assemblea provincial, que so leve era vista
o bem estar da provincia, promulgando leis, que
promovern! urna verdadeira revolucao na actuali-
dade, e que deve levar esta provincia ao maior
incremento de prosperidade, encontrar S. Exc. o
mais decidido apoio, desde que, identificado com
o desenvolvimento moral e material que ella pre-
enden dar, secunda-la em seus esforcos, e susten-
tar suas delberacoes com o criterio, que todos
reconhecem era seu tino, to precocemente reco-
nheeido, visto como tem S. Exc, dado provas do
milito (pie vale e do milito que pode fazer. (telas
tradiccies honrosas de sua carreira no corpo aca-
dmico de Pernambueo.
De administradores ariosos, 0 de vistas largas,
que, embor'a attendendo para os traeos recursos
da provincia, nao doixcm igualmente de observar
que sao necessarios alguns sacrificios para lra-Ia
do marasmo era que se acha, justamente do que
carecemos, para attingir ao que tent para se
almejar, para faze-la sabir do rol daquellas, ate
onde ainda nao chegaram os grandes melhoranien-
tos de suas co-innas mais adianladas.
Felizmente vem S. Exc. em urna quadr oppor-
tuna. Encontra em via de execuco a illumraacao
gaz, necessidade de que j se resenta este ca-
pital ; urna rede de estradas de ferro para era bre-
ve torna-la cm rpida communicacao com Minas-
Geraes, donde Ihe hoile resultar os mais decidi-
dos proventos; e a navegacao costeira do rio Ita-
itemirira. .
Apos estes, outros melhoramentos surgirao. e
era brevo teremos esta provincia pouco tendo a
invejar s outras do Norte e Sul.
Precisamos de impulso e S. Exc. Ihe pode dar,
que tem para isso predicados.
Contraa muito embora einpenhos, sejam elles
productivos, que ninguem deixara de aceitar esse
alvitre.
J a assemblea provincial demonstrou que era
necossaro realsa-los; j por alguns instantes ella
a este respeito fez estremecer os espiritas menos
fortes; mas tudo sobrepujou, e quiz tornar
positivo o interesse reaL da provincia : para to-
dos os ramos attentou cQn justeza c circumspec-
co.
Acompanhando, pois, S. Exc. esse pensaraento,
reduzr pratca aquelles bons desejos, e sem
duvida sera por todos bemquisla a sua admins-
tracao.
Assim o esperamos.
(Do Espirito-Santense).
Femando de Noronha.
No Diario de 23 do corrente apresentou-se um
senhor, que diz ter viudo do presidio de Fernando
de Noronha, ped'rado ao Exm. Sr. presidente da
provincia suspenso de qualquer juizo sobre o ar-
tigo publicado no Diario de 21, at que o celebre
commandante do presidio, Campos Mello, se de-
fenda.
Para que elle melhor se justifique, vimos dizer
ao Sr. defensor, que tambera' deve responder : se
tambem comprou na porta da aldeia alguma gar-
rafa de mel por 200 e 240 rs., do exlrahido pelo
sentenciado Manoel Joaquim, morador rua do
Sol, das canas do sitio do curra!, do da Caieira, e
do da Horta do Checheo, bem como que flm levou a
palha dessas canas, o que tudo nos dizera fef sido
recomido s algibeiras insaciavefs do comman-
dante.
8. Exc. o Sr. presidente da provincia deve ou-
yir aos" ofBciaes vlndos do presidio, e se conven-
cer da verdade do que dizemos, c da mentira
desse defensor, que s pode ser algura ex-senten-
ciado all negociante, ou alguna embusteiro adula
dor do commandante. -
Cnamames a attencSo de 9. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia para as aefeadas accusa?5e que
ae commandante fez o major Trajano Alipio de
A directora do Banoo Ojmmercial do
Pernambueo convida os Srs. accionistas a
roalisar, at o dia 20 de fovoreiro prximo,
no escriptorio do Banoo, rua do Vigario n.
1, primeiro andar, a terceira prestarlo de
10 % do valor de suas ac<;6es, devendo tra-
zer as respectivas cautelas para se annotar
dita prestaeo.
Hecife, lo de Janeiro de 1873.
Os directores,
Manoel da Silva Santos.
Ilenri'm? Iknyurdes de Oliceira.
Joao dn Silva Regadas.
BANCO COMERCIAL
Di
PERKAMBUGO
Dosconta lettras de cambio, de torra
quaesquer ttulos public s.
Recebe dinheiro em conta corrente sinples,
em conta corrente eom juros e por let-
tras.
Encarrega-se por commisso de qualquer
operarao bancaria.
O expediente primipiai s "9 horas da
manh e ftndar s i da -tarde.
Rua do Vigario n. 1, primeiro an-
dar.
Segura coBtra-ogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital..... '.>,GO:0002000
Fundo lo reserva. S,000:000^000
Ageres,
'.'.... Latham, C.
RUV DA CRUZ N. 38.
Seguro coiilra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON GLOB
INSURANCE COMPANT
Agcutes
SAl'NDERS BROTHERS c C.
11Corpo Sent11
COMPANHI ALLINCA
seguros martimos e terres-
tres estabelecida na Baha
em 15 de j aneiro em 18 7 0.
CAPTAL V,000:000!000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro a
risco martimo em navio de vela c vapores
para dentro e fura do imperio, assim como
contra logo sobre predios, gneros e la-
zendas.
Agente : Joaquim Jos Goncalves Beltro,
rua do Commercio n. 5, andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA E0 FOGO.
A companhia Indemnisedora,estabokcida
nesta prara, toma seguros martimos sobre
navios c seus carregamentos c contra fogo
em edificios, mercadorias c mobilias; na
rua do Vigario n. i, pavimento terreo.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana
Toma riscos martimos era mercadorias,
fretes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
quer natureza, em vapores, navios vela ou
barcacas, premios nimio mdicos.
RUA DO COMMERCIO S. 34.
SEGURO
CONTRA FOGO
WPERIL
Estabelecido em 1803.
Preiuizos pagos 30,000^0K)00.
J W G. FENNELY,
Agente.
RUA DO COMMERCIO N. 38.
PRACA DO RECIFE 24 DE JANEIRO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
(tacffc* ofBeiae.
Assucar bruto americano baixo 1#800 por 18
kilo?.
Algodaoc^de Mossoro 10*800 por IS kilos postla
Dcsoarrcgajn hoje 'i Je Janeiro de 1873
Vapor inglezDourofesperado) meraAor a*
bagagens para alfandega.
Hiate .-iincrlcano lattie Utuuti kerozene c
aducas para o trapiche Conceiro, para
despachar.
Patacho dinamari[uezSa'rah A. Rolbrool. kero-
zene para o trapiche Goneeifo, para
aespacliar.
Barca francezaGranvillevinlio para depositi
no trapiclic Cunlia.
Patacho alleinaoElegantemercadorias jura al-
fandega.
Vapor innjoi fwwtaMn .[(osporirtuj marwao-
rias para alfandega.
Barca inglesa--llermionerarvo o ferro, j di
pachado para o caes d Apoll".
DESPACHAS DE EXPORTACAO NO DI v br
JANBIUO DE 1871
Para os p)1bs do exterior
, Na barca ingleza Serupliina, para BMBMO,
carregaram : G. Neosen & C. 18.1 saecas copa
12.671) kilos de algodao.
Na galera portuguesa Amertca, pora Uwr-
pool, carregaram : T. Jafleries & 0. (00 sacias
com 3o,738 kilos de algodao.
.Na barca sueca llolland, para Liverpool,
carregaram : T. JeHeries & C. 3,000 sacos om
223,000 kilos de assucar mascavado.
a brigue iuglez MeryfielJ. para o Canal,
carregaram : A. llowic A (1 iO sceos own
30,00!) kilos de assucar mascavado.
No urigue alleinao Mathilde. para o Canal,
carregou : T. Christiansen '*,000 >acvOs eoni
:W0,000 kilos de assucar mascavado.
No patacho iuglez Sacramento, par* flew-
York. carregaram : H. Forslcr 4 C. 1.000 sacco
com 7<>,000 kilos de assucar mascavado.
Nu brigue hespanhol Canceller, para fiai1-
cellona, carregou : P. M. Maurv 24i sacCM un
17,867 kilos de algodao.
No lugar sueco Forinengen. para o Casal,
carregaram : S. Brothers it C. 1.815 saceos BOM
136,8o kilos de assucar mascavado.
No patacho alleinao Albalroes, para o Rio da
Prala, earragon : A. Bastes 200 barricas e*a
2.',024 kilos de assucar branco e 100 di'.as com
11,941 ditos de dita mascavado.
No navio allemao A. Catlturina, pan o Tiio
da Prata, carregaram : B. Oliveira &. C. 300 bar-
ricas com 33,603 kilos de assucar brauco c :>'
ditas com 5,91-7 ditos de dito mascavado.
No lugar portuguez Julio, para Lisboa, car-
regou : A. M. Souza Machado 200 saceos ata
15,000 kilos de assucar branco.
N'o brigue portuguez Adelina, para o Puto.
carregou : A. M. Souza Machado 500 saceos c ni
37,500 kilos de. assucar mascavado Tasso Iriouw*
& C. 343 ditos com 17,593 ditos de goiuuia de
mandioca e 18 couros salgados com 216 kilo".
Na barca portuguesa Claudina, para o Por-
to, carregou : A. Cordeiro 520 saceos com 39jb60
kilos da assucar branco c 280 ditos mu 2t,"*>
ditos de dito mascavado.
Para os portos do interior
Paito Rio Grande do Sul, no patacho por-
tuguez Rocha, carregaram : M. P. da Silvr. 500
cocos (fructa) ; Ainoi im Irinaos & C. 600 saecas
com 45,0'JO kilos de assuca- branco.
Para o Rio Grande do Sul, no patacho bra-
sileiro Veiirano, carregaram : A. C. Moreira40U
barricas com 44,964 1|2 kilos de assucar branco ;
Silva & Cascao 20 barris com 1,920 litros de
agurdente.
Para o Para, na barca portugueza *CitinerUi-
i, carregaram : A. O. Leile 50|2 barricas com
3,515 kilos de assucar branco ; P. M. Maury .'4)r2
ditas com 3,320 ditos de dito.
Para Acaracd-, no vapor brasileiro pojtu*
carregaram : Fernandos & Irmao 4 barricas nooi
408 kilos da assucar branco.
Para Maco, na barcaca fiachueilo, eurt-
garam : Cunha [rodos
de agurdenle ; e para Mossoro. 13 ditas m
6,240 ditos de dito.
Pao Rio Crande do Norte, nakareaga IVm
Amigos, carregaram : B. Oliveira & C. 19 Mnr'Hun
com 1,916 kilos de assucar branco.
Para Maca, na barcaca Dous Amigos, i ar-
regaram : J. F. P. de Magalhes 8 barricas com
38- kilos de assocar branco e 4 barris com 38-4
itros de niel ; para Macahyba, J. F. Lobo 3 l-
ricas com 264 kilos de assucar refinado.
Para o Porto Calvo, na bacaca Joven:, u
carregou : J. G. B. de Aiiiorini 1 barrica com 5K
kilos de assucar refinado.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimenio do dia 2 a 23. 14:l57f..ii
dem do dia 24...... BMfiM
tt-MW*
VGLUMES SAIIIDOS
No dia 2 a 23......
Primeira porta no dia 24. .
Segunda porta.....
Terceira porta.....
TrapicheJ Conceicao .
SERVICO MARTIMO
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega no dia 2 a 23. .
Ditas ditas no dia 24......
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas ........
No trapiche Comyico.....
331
.12
224
ttpH
89
m
RECL^EDORIA* DE RENDAS INTERNAS (E-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 2 a 23. 36:6J4JW>7
dem do dia 24...... 408|1 37:0W#75
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 2 a 23. '. 149:3f8#'0
dem do dia 24...... 6:079#O32
155:467 i2
MOVIMENTO DO
JVaros entrados no dia 24.
Rosario de Santa F30 dias, brigue inglez ftr-
ry Hell, de 248 toneladas, capilao R. Barclay,
equipagem 9, em lastro : ordem.
Rio de Janeiro20 dias, barca franceza Geopgt Mathilde, de 305 toneladas, capitao L. Miotn!
equipagem 12, em lastro: ordem.
Rio de Janeiro20 dias, barca sueca Attuasa, de
1,046 toneladas, capito Lange, equipagem 16,
em lastro ; a De la Grango.
Sabido no mesmo dia.
UruguayanaLugre allemao Nicoltne, capitao H
Lendmaan, carga assucar.
EDITAES.
Edital ii. 8S. '
Pela inspectora da alfandega se faz publico as 11 horas do dia 28 do corrente se ha de ar-
rematar, livrc de direitos, porta desta repartie-m
as mercadorias abaixo declaiadas abandonadas aos
direitos por Costa Maia & C.
Armazem n. 1
Marca GJ. A C. n. 20. Urna eaixa, centeno,
chapeos de teddo de II avadados, no valor f
96*000 vindo do Havre no vapor inglez Jwfs/,U*-
carregado em 3 de dezembro de 1872.
Marca idem n. 22. Urna dita contenda 120 cila-
ncos de palha da Italia enfeitados, para- menina
avarados, no valor de 120*000, idem idem.
Marca idem n. 21. Urna dita conteodo 116 di'.' -
de.dito.no valor de H6*"00, idem idem.
AKandega de Pernambueo, 23 de Janeiro de W;,
O inspector,
Fabio Alexandrino de Can*alho Re-
1




'1
*




r V

f


Diario- de Pernambuco
o 25 de Janeiro de 1873.
5
>r fiseda tbcsoraria provincial de Pernambuco, declara aos contribuintes
, 5, 8 ptf r
l'io de 1871 1872,'que Ifc.es Oca marcado o praz de 3(Mlias, a contar da publi-
> (leste, nal ^liormid'ide da lei n. 891, arl. 33 par.aolicitarem desta seceSo a? respectivas guiaos,
aflmde recolhcrcm seus di-bitos-'provenientes dos mnsmos mpostos, certos de que nao pagando dentro
deste praeo, proeeder-se-ha a/Cobranca judicialmente, fazeado publicar para isto a relarao dos
devdare* abaixo transcripta:
Secci.0 da conten-loso provincial de Pernambuco, 83 de Janeiro de 1873.
5 O procurador fiscal.
Cypriano Fenelon G'.ttdes Alcoforado.
i
/ i
9
Dcima.
v-
linperalor u. 7. -Simplicio lavares de Mello
Ftmla de Pedra*. dem
Imperador n. 22.- Jos Antonio Pinhelro c D. Jo-
M'pllll
Dita u. G. Os herdeiros de Joao Rapozo
Augusta n. 7.-0 mesuro
Imperador n. 74.-Feliciano Cavaleante da Canba
Reg, sobrado
-o da Patria.Convente do Carino
Baro do Herval n. t O mesmo
Dita n. 3.-0 nesmo
Oita n. 5.-0 raesmo
u> n. 7. O mesmo
Hitan. 9.- O mesmo
llila n. II.O mesmo
Dnab. 13.-0 ama.
Wte.n,.13.O mesuro
Hitan. 17.- O ineMiio
Dita n. l'.-O mesuro .
Dita n. 21. O meara
Dita u. 23.O mesmo
la rao do Htrval Francisco Evaristo Escor!
Oi|a n. 4.-Os herdeiros de Joao Simo
i me d'Eu n ".-Os lierdeiros do padre Jos
Paulino
Bario de Petropok n. 31.Os mesuro*
lir.peratriz n. 4.Os mesnios
l.mde d'Eu n. 31.Malinas Gomes de Souza
Viraijo.O mismo
Dita." O mesmo
Dita.-O mesmo
Conde d'Eu n. 37.Antenio de Arroda Cmara
Oda a. 10*.'.Joaquim Jos da Costa Leio
Dita.Thomaz Antonio Guimaraes
Reveo do Vigario.O mesi io
DitoO niesmo
Sern de Petropole n. 31 Jos Galdino de Albu-
querque
Dita i. 41. 1). Josepha Maria de Jess Couto
H:a.Jos Antonio de Albuquorqi.e
Alera da Fonte n. l.A regente (Ja Soledade Amia
Felicia
AtOZ do Cann>.- Jos Maria do Ampare
Larangelras.-Angelo Custodio
Beeoo do Padre Reinaldo-n. 20.Francisco Ribeiro
da Costa
Duque de Califas n. 32.- Francisco Beterra
({ero do Poneoca n. 26. Padre Manee! Vi mi-
dos Santos
Becco da Baixa u. I. mir Tires Verguciro
Oonceicao n. GO. O mesmo
Atraz do Amparo n. 38.O niesmo
liaixinha n. 1-Os herdeiros de Maria dar DOtvu
augusta n. 16.Maria
' Bita ii. 18.- D.'llina
Dita n. >>.-Miguel Gonca ves Rodrigues Franca
Dita n. 22. -Jos Gomes de Alhuqucrquc
(tpratrz n. 89.- Francisco da Silva Pereira
Dita n. 40.Padre Ricardo Jos Machado
Becco de Joao Caetano n. 3.-Os herdeiros de tole
da Costa Villar "
Dita n. 9.-FranciscaLeopoldina
Gonceicao n. 2Manoel P-reir Le
Viracjo n. 1.-0 mesmo
Uta a. 3.O mesmo
Dita a 5.-0 mesmo > _
Dita u. '.'.-o mesmo
Dita n. 11.- O mesmo
Dita n. 13.O mesmo
Dttan. l">.o mesmo
Dita n. 17.-o mesmo
Oftan. l!.- O mesmo
Oita n. 23.-0 mesmo
Dita n. 23.O mesmo
Dita n. 27.O mesmo
Dita n. 2'.'.-O niesmo
Dita n. 31.-0 mesmo
G ceitjao n. 15.Prancelina Perneta;
le seo Fundo n. 3.A mwina
Dita n. 10.A mosma
QceiQao n. Iti.Maria
Dita n. 17,-Os herdeiros de Beato Jos da Veiga
Dita n. 24.0>. herdeiros de Rerth M.r'a da
Coneeico
Limoeiro n. 7(i o mesmo
Gonceicao n. 31. Matliias Gomes dos Santo:
Dita n. 38.Maria
Dita n. 48.Jouina Baptista dos Santos Pess
Dita n. oO.-Aiexandrina.
Goneeieao n. 30. Joao Francisco
Alraz da Coneeico.Joaquina de VasconceiloS
Dita n. 37.Mam Seraphina
i'oco do Rei.Joo Basilio
Viracao n. 18 Philomena Maria da Goncei.j
Dita.Bencdicla Rapliael
Li ociro. Maria do Amparo da Luz
Dita.Os herdeiros de Jos Anacilo
Dita.Manoel Jos de Andrade
ioiedade n. 27.-0 niesmo
F 'L'c.i.O mesmo
Limoeiro. -Francisca da Lu?.
Alegra. -Arsino Correia Gaiao
Negpcio. Nympha ITrancisca e Eti-
can*
F-.rci Os lierdeiros de Francisco de Panto Nor-
berto de Andrade
faia n. 42. -Joaquim Botdho Pinen'c.
Liado Amur n. 1.Mequilina Senhorioha de Souza
Lobo
DWa :i. 6.A mesma
! -ipapeiron. 48. -Francisco da Rocha Ferrar
Dito.o mesmo, olaria
i i.Joanna
Dita n. l.-Os herdeiros de Custodio
Atraz do Amparo n. 20. -.'os P-,:- <:. ::.<
Dta n. 22. O mesmo
Becco Fundo o. 11.Antonia Luiza Gm .
M.-1'icordia n. 18.Manoel Gueile- de Honra
Dita n. 18. =0 'memio
Trspiehe do Meio n. 1.Veneranda de Sooza Lima
Din Romao
Dita n. 3.Iiin ici.i Maria da Conceica
i 'dade n. 8.Eugenia Maria dos Saato1
Dita n. 16.-A mesma
Rita n. 3.Vicente Paulino Guimai".- Oliveira
MI i u. 28.-Padre Hercul.'.no da Rocha
Bita.Os herd'-iros de Joao de Gasti
Porteiras. Maaoel da Paixo
Dita. Paulo Bezerra dos Santos
Sania Thereza n. 24.-Francisco Ttio.iie
D i n. 36.Jos Pinto laxares Jnior
B i n. 80. -Antonia Maria Francisca
Tiu.|iiinlio n. 29.Antonio Lourenco Bai'osa
Di ..Joaquim Moreira, lilao de Jos Moreira
i i i 1. i i
i m -
88*080 2:.7 1842 31*449
171280 l*S3o 518 19*353
83*76tt 8*13^ *712 26*610
87*000 2*430 *810 30*240
14*040
3*240
3*400
7*300
5*580
6*480
lia 1811
413X0
4*32 i
3*24')
4*320
4*32)
3*240
3*580
4*320
4*320
ll*88i)
l*08i'
6*480
4*320
10*200
3*210
6*4*0
30*840
2*160
4*320
7*560
4*320
12*960
5*580
6*480
sumo
11*880
6*480
8*040
4*320
2* 100
5*400
4*320
4*320
4*320
4*320
9*400
1*26.!
*2'U
1486
080
1502
*483
*583
*38
*388
*291
*28S
*388
91
*30J
388
*388
1*009
1007
*58-
438,s
i*45H
91
i'i6\
1*781
*194
4388
*080
*388
1*100
*502
*r>83
fe02
1 f089
|683
.J i
|388
*19i
480
*338
4388
388
38"
povoa<:ao de nossa senhora do o.
486
35240
2*100
34240
3*240
4*320
8*648
12*960
POVOACAO de GOYAN.NINHA
12*160
2*160
8*640
34580
64480
4*320
3*840
-ira.Jos Marinho Monteiro
Dita.Joao Sabino da Silv>
D>M. Pedro Ratis
Dita Joaquim Ignacio de Andrade
Mi Joaquina Maria da Goneeicio
iir..Feliciana Barbosa da Silva
>!i.-Joo Francelino de Oliveira
DitaJoanna Mana da Conceicao
Dita-Bernarda de Sena Silva
B*ta.Manoel Domingues Bezeiic
Dita.Joaquina Aires de Souza
DitaAntonio Lopes de Castro
Dita.-Manoel Freir de Andrade
BitaAntonio Francisco de Melk>
Dita. -Os herdeiros de Jos Joaquim Pereira 7*560
Dv-He'nrigue Pereira Lira 5*580
Bita.-Francisco PaiVa 2*700
Dila.Antonio Freir de Andrade 6*480
POVOATAO DE PONTA DE PEDP.A.
Igreja.Manoel da Silva Sampaio 6*480
Dita.Jos de Mello de AILuquerque Monte-Negro 4*370
Detr'az.Js Francisco de Souza Ayres
DitaO mesrho 7560
Po^o.-Verissimo Xavier Elarros 64480
Travessa da ra do Poco. Maria Frazof: 34840
Imoosto de 9 por cetito.
Bario do Herval n. 4.Belarmino Aquilino Lopes, ta-
vera 8*640
Dit i n. 35.-Joao Pereira di Souza, taverua 44800-
(*nde d"Eu n. 7 Antonio da Gesta Borges, arraatem 94000
Dita.Manoel Dmingucs Baptista, taverna 3*840
Dita n. 31.-Mathias Gome de Souza 9*600
Becco do torio u. :WMbrttel Tavarc; & Irmao, loja de
Cvalcami.-'V%islo l'elioa de Gusmao, tarema 9*800
Dita n. 1.-Fumino Aires Vianna, taverna 24400
Portas de Romn. 1.Jos Gomes de Albuquetque. ar-
maz? de asser 4*800
iscncWdHkB. 8.Jos Forreira. loja de miodetas 44809
4291
19'
4891
*291
388
777
1416I1
4194
4194
777
4582
4583
5388
291
680
*502
243
383
4583
388
4680
383
291
#777
*432
864
4345
Ofi'
720
804
816
*4'32
432
4420
*097
*16
20
167
4194
*194
4129
*129
*0>7
*129
*129
4097
4167
129
4129
5320
4032
194
4129
480
4087
4194
907
4064
129
226
4129
*388
4167
*194
1167
350
*19i
4239
*129
001
?102
129
129
129
129
162
090
400
4097
097
*129
259
388
4064
4064
59
4167
194
129
097
20
*167
081
4194
4194
4129
4826
*184
4097
85
4144
888
145
AQfl
072
144
144
.-^.M....
Feira.Joao
f NOSSA SE^HORA DO O*.
S|ttph: Ci renia 3*840 4%3
GOYANNINHA..
FeiraManoel Freir de Andrade, taverna 3*840 *345
Dita.Belannino Gomes dos Santos, taverna 3*360 892
Dita. Jos Joaquim de Santa Auna, taverna 84880 259
Dita -Jos Francisco. 2*880 39
Imposto de 5 por tonto de mad inrta.
Passo da lutria.-Convt-ulo do Carmo.'
Bario do Hervaln. 1.-0 mesmo. ... .t.
Dita n. 3i-O nesmo. ,*i ?^l *ft
l'ita n. 5.-0 mesmo.
Dita n. 7.O mesmo.
Dita a. 9.-0 mesmo
Dita n. 11.O mesmo.
Dita n. 13.O mesmo.
Dita n. 15.-0 mesmo.
Dita ii. 17.-0 mesmo.
Dita n. 19.O mesmo.
Dita a. 21. O mesmo.
DHa n. 83.-0 mesmo. 66,8900 6*021
' Imposto sobre carros e carrocas.
Nova.Jos Pinto Tavarcs Jnior OiO&O 540
Dita.-Antonio da Silveira e Souza, 5 carrocas 30*000 24700
Joa. Bezera da Luz, nina carraca 99 *54<^
Nova.-Joao Pinto Tavares Jnior, 3 carros 90*000 8*000
. Impostes de casas de Minar.
Imperador.Symphronio Olvpipio Tlieodulo d'Albu- ^k^ -^
querqne, 2 buhares 60*000 1754^0
Imposto de 8 0/0 sobre carlorios c cscrlptoriqs.
Praia.-Manocl .'amollo Walcacer do Andrade 1400 i%
Conde d'Eu n. 109.- Joaquim Jos da Costa Leite U*o20 1*036
Imperafriz.Jos Pires Vergueiro, solicitador de
causas 7*(i80 691
DitaOlyntho Jos de Vasconcjlos, dito 7j60 691
POVOACO DE NOSSA SENHORA DO 0\
,
115
MI 3
*100
080
4*300
4*300
3*692
34223
3*225
H i'
Os pretffndcntPHpiHlrSo conip.ireeer m referida
lliesouraria ir> ili.1 da arrwn-ifcicao a 1 hora da
tarde, e antes disso a qualqner hora de seu expe
diente para procurar eselarccimentos..
Secretaria da thesouraria do fazeuda de Per
nambuco em 21 de Janeiro de 1873.
Scrvindrt de-offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
2*007
180
14000
*180
8*703
1*890
-ii
rm
230
230
120*420 l'j*s:)7 3*612 134*869
18*000 1*680 540 20*160
5*400 4*80 4162 6*048
574240 5*151 1717 644108
43*200 21*600 12*960 3*888 1*944 11'H 1*290 648 388 48*384 24*192 14*414
44*880 34985 14328 59*593
8*640 1*800 4*320 777 972 388 859 324 129 9*670 12*i>96 4*837
6*480 2*160 4*380 1583 19* 388 194 001 4129 7*257 8*4)8 4*837
10*800 4*320 972 388 324 129 18*096 4*837
10*800 972 324 124096
23*920 3*240 5400 5*400 8*640 6*480 8*640 18*000 24332 291 4480 480 Si 11 38; 777 140 777 097 102 4162 *259 194 289 4540 89*0 i9 3*628 0*048 6*048 9*676 7*237 9*676 20*100
6*48 3*580 4983 4502 194 167 7*257 6*249
ti ?>!!;
13*723
3*628
00i8
8*400
0*249
7*257
7o7
4*847
4*837
3*028
4*837
4*837
3*028
0*249
44837
4*837
13*269
1*209
7*257
4*837
18*144
3*028
7*257
33*868
2*418
4*837
8*466
4*837
14*514
6*249
7*257
6*849
13*305
7*257
9*676
4*837
2*418
6*048
4*837
4*837
4*837
4*837
6*048
3*628
2*418
3*628
3*628
4*837
9*676
14*514
2*418
2.418
94676
6*249
7*257
4*837
3*628
8*466
6*2'! 9
3*024
7*257
74257
4*837
406
74237
3*628
9*076
5*376
10*762
m
m
54376.
5*376
Antonio Luiz dos Santos, 7 rezes 174300 1*375
Bellarmino Francisco de Salles, 2 rezes ''fOOO 450
Jos Gomes Me < arvTho, 1 dita 2*500 25
POVOCAO DE GOYANNINHA.
Francisco Joao, 0 rezes '4,3P 1*330
Francisco Esinerio, 0 ditas 15*000 330
Agostinho Pereira de Me(lo. 4 ditas 10|00() *900
Praia de Itapnz.Rulino Flix dos Santos, 1 dita 2*300 *2:5
Dita.-JoSoPinheiro, l.dila U-m) 25
Secro do contoncioso provincial de Pernambuco, 23 de Janeiro de 1873.
O ofncjal,
525
130
075
*.">0
430
30
075
mis
71*928
6*720
33*000
6*780
100*800
07*306
10*128
12*605
8*601
8*601
19*600
3*000
2*800
103S00
10*80!)
11 00
2*80
8*890
Imh html
Faz-se publico a quem intefessar possa que as
matriculas desta escola abrem-se no dia 15 do
correntc e encerram-se no fhn do mesmo mu-,
devendo os que se quizerem matricular no 1 anno
apresentar:
! Certidiio de idade maior de 16 annos.
3* Ccrtidao de que sabe ler, escrever e contar.
3* Ccrtidao de nao ter si lo c ndeninado por
crime ofTensivo moral ou religio do estado.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandou o Sr. Dr. director lavrar e publicar o
presento.
Secretaria da. Escola Normal de Pernambuco,
10 de Janeiro de 1873.
Ayres de Albuqnerque Gama
Secretario.
O Dr. Augusto Egydio de Castro Jess, juiz mu-
nicipal do termo de Serinhaem, por Sua Magos-
tado Imperial e Constitucional, a quem Deus
guarde, etc.
Faro saber pelo presente, que nos termos do art.
1* do" decreto n. 1,695 de 15 desetembro de 1869,
dentro do (trazo de Irinta dias (exceptuando todo
o feriado) contados da publicacao deste eddal, re-
ceber este juizo propostas em cartas fechadas pa-
ra arrematadlo por venda dos eteravos : Arcidio,
erioulo, avahado em 1:3004, Samuel, por 1:200*,
Thomaz, erioulo, por 1:300*. Porfirio, Angola, por
6u0*. Lucio, erioulo, por 900, Manoel, erioulo,
por 1:200*, Gnilherme, por 600*, Jos, erioulo,
por 1:100*, Julia, por 1:000*, Flora, por 1:000*,
Andrea, por 400*, Anna, por 600* ; cujos escra-
vos foram penhorados por execuco de Manuel
Alvos Ferrara, a seu devedor Francisco das Cha-
gas Cavaleante, e se aehain depositados em po-
der do depositario particular, Dr. Jos Eugenio da
Silva Ramos, morador no engenho Quileba ; sen-
do prefixo para a arremataeao o dia 37 do mez
de feverciro do anno prximo viudoum.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandel passar o presente que ser publicado e
afflxado no lugar do eostume.
Eslava nina estampilha de duzentos ris inutili-
sada coin a dala e assignstora seguinte :
Villa de Serinhaem, t8 de dezembro de 1878.
Eu, Joo Alfonso Regueira, escrivao o escrevi.
Augusto Egydio de Castro Jess.
EsJ conforme ao pro[ifio original, ao que nie
rejiorto.
Villa de Serinhaem, 18 de dezembro de 1872.
O escrivao, Joao Alfonso Regneira.______________
Provincia do Espirito Nttnto.
De ordem do Illm. Sr. inspector desta thesoura-
ria, e em observancia do pie foi determinado pelo
Exin. Sr. 'presidente da provincia em portara
n. 570 de b do crrente mez, faro publicu que se
acha em hasta publica a illummaro a gaz nesta
capital, na forma da lci n. 19 de 20 do mez proxi-
nio (indo ; sao portanlo. convidados os que pre-
tenderem contratar a referida illuminacao a gaz a
apresentar nesla repartirlo as suas propostas em
Hoiaeio Waifrldo Peregrino da Silva'
do anno prximo passado, e consignados ordem.
Alfandega de Pernambuco, 24 de Janeiro de
1873.
O inspector.
Fabio A. de C. Ris.
EditaL n. 85.
Pela inspectora da aUandega se mima aos do-
nos ou cousignafanos das mercadorras abaixo de-
claradas, para despacha-las dentro do prazo de
tres dias, visto s 'acharan asmesmas mercado-
rias em inao estado, sob pena de lindo este prazo]
seren vendidas, sem que liies fiquu competindo
allegar contra os effeitos desta venda.
Annazem u. 6.
Marca S. 1 canastra cuatendo no7.es, consigna-
da a L. de M. Sarment, viada do Rio de Janeiro
no vapor inglez .Ver t, entrado em dezembro de
1872.
dem Serojlio. 1 cixa contando sanguesiigas
consignada ordem, viuda 9e Bmrdi aux no vapor
francez Mendoza, entrado em 10 do crrente.
dem J P F 2 eaixas com batatas e castanhas,
consignadas a Jos de Souza Darreiros, viadas no
mesmo vapor.
Alfandega de Pernambuco. 24 de Janeiro de
1873.
O inspector,
_______________________Fabio. A. deZ. Res.
Seccao 3.' Secretaria da presidencia de Per-
nambuco em 80 de Janeiro de 187*.
Por esta secretaria se faz publico, de conformi-
dade com o dfsfWStO no decreto n. 4,068 de 5 de
Janeiro de 1871 e ediial abaixo transcripto do juiz
municipal e d'orphaos do termo de Salgueiro, pon-
do em concurso- a serventa vitalicia dus oilieios
de tabelliao do publico judicial e notas e escri-
vao do nivel, crime orphaos e mais anaexoa ao dito
termo.
Os concurrentes devero a;iresentar os scus re-
querimentus devidamente instruidos no prazo mar-
cado em dito cdilal.
O secretario interino,
_________ Adolpho Lanunka Litis.
FIliT \I
c!? S!Hi*Sf^i,2fii!,^ft* "1.^ Dr: Ljvino Lopes d Barros e Silva, juii nmnici-
De ordem do Illm. Sr. Dr. director gcral
interino faco constar a Anna Carolina Cesar de
Mello, prefessora publica de instruccao primaria,
nomeada para a cadeira da povoaeao da Pedra
que, em virtude de ordens da presidencia da pro-
vincia, deve a mesma professora seguir imme-
diatamente para seu destino, na intelligencia de
que, se assim o no fizer, tornar-se-lia sem ef-
feito a sua nonieacao, couforme foi declarado por
edital de 7 de dezembro ultimo.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 24 de Janeiro de 1873.
secretario,
Aureliano A. P. de Carvallio
reir Vianna'< C,
ni iro andar.
run lo Vicario n. II, pri-
IIMIIA
V* s-liir com p.neos du; dn deraort a polaca
italiana Sara, podando reber algniaa carga, por
uso, quem desejar earregar i ie eutetder aoar
o cooaigoatario Joaquim Jjj Gjocslveg Beltrio, a
ra do Commercio o. 5
i.
LEILOfST
LEILO
DE
cognac, vinagre, cidra e velas, martas M
N T A, ns. 9 e 10, C & M e C M.
Ilfjp
as IO 11*4 lioias
O agente Pinho Rorges far leilo, por coala
risco de quem pertencer, de diversas raixas da
mercaduras cima declaradas, em seu escriptof>,
rua do Bom Jess n. 53, primeiro andar.
esta data, alim de ser em imita preferida i
antajosa, iiue sera uennitivameme aceita
e approvada pelo Exm. Sr. presidente d p
a mais
denow
provin-
ilr-
v
de approv
cia.
Secretaria da tliesouraria de fazeuda provincial
do Espirito Santo, em 9 de dezembro de 1872. -O
olllcial, Antonio Jos Pereira Cassilhas.
Lei n. 19.O coronel Manoel Ribeiro Coutinho
Mascarenhas, 1." vice-presidcnlc da provincia do
Espirito-Santo.
Faco saber a todos os scus habitantes qu a as-
sembla legislativa decretoue eu sanecionei a lei
seguinte :
Art. I. Fica o presidente da provincia autorisa-
do a contratar com Joo Fereira Darriguc Faro e
PerCy Johon Freger, ou com quem mclhorcs van-
tagens offorecer, a illuminacao a gaz nesta capital.
Art. 2." Revogam-sc as disposicoes. em contra-
rio.
Mando, portante, todas as autoridades, a quem
o conhecimento e oxecuco da referida lei perten-
cer, que a cumpram e fcam cumprir tao mteira-
inente como nella se contm. O secretario interi-
pnl d'orphaos, eapellas e residuos dos termos de
i:..l.. a..-, o Ouigui.iiv, vuuiuiia dd |>iiuiciio, pro-
vincia de Pernambuco, por noineace de Sua
Magastade o Imperador e constitucioii.il, etc.
Faz saber, que achando-se vagos os oflicos de
escrivao do crime, civel e orphaos, e tabelliao do
publico judicial e notas deste termo de Cabrob,
ficaado assim aunexos os otBcios c reunidos a
una pessa exereer dito lugar, que por ordem
d. in Sr. presidente da provincia e de confor-
ii '-com o decreto 1,668 de 5 de Janeiro de
1 i a concurso.
p que chegue a noticia a todos mandou
I presente edital que, depois de publicado,
,,s allixado no lugar mais publico e costumado
desta'villa.
Outrosim, devem os dios pretendentes apre.-cn-
tarem no prazo de sessenta dias a contar desta da-
ta seus requerimentos, acompsnhados de folha cor-
rida, ccrtidao de idade ou de casamento e exorne
de suffifiencit e mais documentos, que jnlgaiein
necessarios todos devidamente sellados.
Alada mais, convida-.se aos pretendentes a ditos
pela q
o decreto da assembla
a contar desta data.
legislativa provincial que vlla do Salgueiro, 30 de novembro
houve por bem sancc.onar, autonsando a contratar SubscrCTO a reifn{ C0,)ja do 0lit:i
com Joao Pereira Darriguc haroc Pcrcy Johon Fre-! sVl ,,,1S nmsrlin ;c,/.n lA
ger ou com qneni-melliorcs vantagens offerecer, a
illumicacao a gaz nesta capital, como cima se de-
clara.*- Para V. Exc. ver.O segundo ofllcial, Se-
bastido Pinto Homem, a fez.
Sellada e publicada nosta secretaria do governo
da provincia do Espirito Santo, aos 30 dias do mez
de novembro 1873.
No impedimento do secretario.O official-maior
Manoel Correia de Lirio.
Registrada no livro competente. Secretaria do
governo da provincia do Espirito Santo, em 32 de
novembro de 1872.O amanuense, Joo Correia
d".s Sanios Marinhu.________________________
Edital n. 8*.
Pela inspectora da alfandega se intima agen-
cia da coinpanliia que segurou a caixa marca S E
S 4 C n. 3,347. vinda do Havre na barca franceza
S. Luiz, entrada neste porto em 11 de dezembro
ultimo, para vir despacha-la dentro do prazo de
tres dias, visto ter sido a mesma caixa abandonada
ao seguro, por Souza S i C.; sob pena de. Ando
este prazo, ser a referida caixa vendida ; sem que
Ihe fique competindo allegar contra os effeitos des-
ta venda.
Alfandega de Pernambuco, 23 de Janeiro do
1873.
O inspector,
Fabio A. de l arvalho Reis.
Kditnl n. *J
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
fica transferida para o dia 29 do eorrenfe a ter-
ceira e ultima praca da plvora ahnunciada lei-
lo por edital n. 8l de 33 deste mez, aflni de que
pbssi ter lugar nova vistoria que se vai preceder
na mesma plvora.
Alfandega de Pernambuco, 24 de Janeiro de
1873.
O inspector,
Fabio Alejandrino de G-irvatlio Reis. .
de 1873.-
de concur-
so dos oflicios de justica do geral deste termo, o
qual foi exlrahido do proprio original ao qual me
reporto e dou fe.
Eu Deziderio Alvos dos Reis, escrivao interino
do geral o subscrevo c assigno. Deziderio Al ves
dos Reis.
Escrivao interino do geral. I.ivino Lopes de
Barros.
DECLARACQft
Edital n. 86.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que,
nao se tendo cffectuado a venda annunciada: por
editaes ns. 74 o 78, de tres escaleres imitilisados,
destinados ao servico externo da guarda-moria,
se transiere a arremataban pela terceira vez, dos
meamos escaleres, para as Jl horas do dia 88 do
corrente, porta desta repartidlo.
Alfandega de Pernanilmeo. 84 de Janeiro de
1873.
O inspector,
Fabio A. 15
M
ital n.
Pela inspectora da alfandega se faz publico ^que,
Sao se tendo effectuado a venda da plvora abaixo
. eclarada, annuneiada leilo por edilaes, ns. 71 c
W, se transferd, pela terceira vez, a. mesma venda
para as 11 horas do dia 88 du corrente porta
desta repartieap. onda encjatr'arao os licitantes
amostra da referida plvora.
Failoeza do Buraco.
Marea diamante T. 12b barrU,.,pesando .liqujo
legal 1,692 kilopammas de ^olVpra avavida, n
valor de 1:393*000,. vindos no patacho inele
Ecleptie, entrado ueste porto em 20 de deemiro
CONSL'UIH) PKOVIAT.IAL.
Avisa-se por esta rep.irtii.-ao, qne no dia 20 do
crrente abre-so oprao para recepeo dos dife-
rentes Impstos proviuciaes designados na lei do
jreamento vigente.de 1872-73 ; os quaes devem
ser satsfeitos dentro de 30 das sem dependencia
da multa de 6 0|0, em que incorrerao os contri-
buintes que o deixarem de fazer nesse nraso legal.
Consulado provincial, 11 de Janeiro de 1873.
^adicin'strador
.______Antonio Caroeiro Machado Rios.
Commando das armas.
O Illm. Sr. coronel commandante das armas in-
terino, competentemente autorizado pela presiden-
cia, contracta, em falta de capelles militares, dous
capces civis para o presid o de Fernando, com
os venetmentos de capelln alfers da repartidlo
ecclcsiastica do exercito, percebeiido o que se en-
earregar da esch de pnnieiras leitras do sexo
masculino, a gratilicaco de seiscentos mil reis
anuaes, na forma do "reglameuto de 11 de feve-
reiro de 1865.
Os Sxs. sacerdotes que quizerem prestar este
servico, tenhan a bondade de comparecer no quar-
tel do commando das armas, das 9 horas da ma-
nila s 2 da tarde, nos dias uteis.
Secretaria do commando das armas de Pernam-
buco, em 23 de janeirojle. 1873.
Francuco Camello Pessoa de Laceria.
Tenente coronel secretario.
Tendo o instituto ArcHeologieo o Geogra"
phico Pernambucano de festejar o seu 11* ani-
versario da libertarlo do jugo hollandez, a ca
mar municipal desta cid. cipes que em signa! de jubilo illuminem^ frente
de suas casas no da' 26' e 27 do corrente, e espe-
ra que facam esta mnifestacio patritica.
Paco da cmara ntuniSpal do Rcife, 28 de
janeiro de 1873.'
^^sto^"' !
Loureuco Bezerra Carnciro da Cunha.
Secretario.
SANTO ANTONIO!
EMPREZA-VICENTE.
mmn nmm.
Salibdii i'i do jiinoirn d 187.1
I'lxtruordinnrio miicccmno.
Terceira represontacao do magnifico e appara-
teso drama martimo m 1 prologo e 4 actos :
0 NAUFRAGIO
FRAGATA MEDUZ.V..
No qual toma parte um pessoal de
50 figuras*
O seenario e vestuario todo novo,
Coinecani s 8 1|3 horas,
THEATRO
amm DMMTICO
m
CAMPO DAS PRINCEZAS.
DIVIillTIMKMO PASTOKff
SOR A DIBJECCiO DE
Jos Blrriiarilino <'. IBarroN
Recita extraordinaria.
Penltimo espectculo.
SABBADO 25 DE JANEIRO.
Depois que a crchestra houver executado urna
IirilDaute ouvertura, representar-se-ha o terceiro
e quarto actos do lindo drama pastoril
OS DOUS ANJOS.
Findo os quaes ser daando pelas Sras. D. An-
nunciada, Rosalina, Antonia e Cordolna, o lin-
do passo eusaiado pelo r. Manoel Baptista de
Souza.
A GAXUXA.
Scgulndo-se a representarlo do vaudeville pas-
toril, dividido em 3 quadros
urna caixa com marrot|uimavariu.l >, mai'ca
G F & C.
HOJK.
s 11 horas da man'ii.
Por intervenga do urente Piho
lioi'Ki"-.
Em seu escriptorio, rua do Bom Jess n. 53.
n
DE
e chapeos
concl
HOJE
BHStOS 4 Silva faro leilo, por intervencao d >
arente Pinho Borges, de um grande c e.-pleudid^
sortimento de fazenda< inglezas. franCezas e alk-
mcs, todas conhecidas e proprias desle mercado.
onde esperan) a concurrencia de seus fregMBi,
em seu arinazeui rua do Mrquez de Diinda n
43. O leilo principiar s 101|2 horas da manti
rassjis.
estOpas
Em
de sol de sc-la.
(I
DE
108 bailas de papel para em-
brulho (avariado.)
SABBADO 2 DO CBRENTE
As 11 huras em punto.
lo trnpirlir du allniMlkj;a.
O agente Pinto far leilo por autorisacio *>
Sr. gerente do consulado de Franca, om presenra
de seu chancellcr, e por sonta e risco de ipie
pertencer, de 108 hallas de papel de cmbrulbo
(avariado), de ns. 102 109, viadas pelo navio
l'rancez 8. I/ais. existentes no trapiche da alfan-
dega. aonde se elfectuar o leil>. no da e hom
acuna monconados.
"liEILiO
DE
34 sachas com arroz, marca I' ('. A (',., ava-
riado com acoa do mar.
Nc^iiiuln-reira 9? do roiTcutr.
O agente Pestaa tara leilo, por cunta e risco
de quem pertencer, de 34 sacras cun arroz ava-
riado com agua do mar, viudas de Liverpool ao
vapor Gassendi, entrado ueste porto no eonaati*
mez, e sero vendidas no annazem do Aunes, m>
dia cima s 11 horas da maulla.
LEILO
Xo qual ser dansada urna linda contradansa
ensatada pelo Sr. Baptista.
ajOs bilhetes. no lugar do eostume.
s 8 lj3 horas.
Aviso.
direceo da
em todas as
Conforme annunciou ha lempos a
estrada de ferro de Olinda, luver
noutes de sabbado, depois do espectculo, um
trem para aquella localidade, tocado em todos
os pontos.
AMA.NHA
Domingo *i Ir janriro
3' REPIIESENTACAO
DO .NAUFRAGIO DA MEDUSA
As 8 1)3 horas.
AVISOS MARTIMOS,
DE
una caixa marea P V, contra marca R, .
8,litio, contendo 50 duzias de botinas
jiara senhoras, avariadas d'agna do mar.
viuda pelo vapor nofol Gastendi.
Terca-feira 28 do corrente
A IO horas lo lia.
Por conta e risco de quem pertencer
Por intervencao do agente Pinto.
Em seu escriptorio, rua do Rom Jess n. A3.
LEILO
DE
uina caixa com chfeos o. tima dita cotn
miudezas (ambas avariadas.)
Ierra-1'rira 'S i\ corrate.
AS 10 HORAS DA MANHA
O agente PkttS far leilo, por autoi isaco do
Sr. gerente do consulado de Franca, em prseuca
de seu chanceller e por conta e risco de quem
pertencer, de una caixa marca C 4 M n. 108.
cortendo chapos avadados bordo do vapor
francez Jarist. e una dita marca P. S. C. A. I..
n. 1835', contendo miudezas avariadas bordo do
vapor francez Mendoza. O leilo ser effecluad
no dia e hora cima mencionados, no eserorio
do referido agente, rua do Rom Jess n.'43.
De ordem do Illm. Sr. inspector da tlmsou-
raria de fazeuda se taz publico para couliecimento;
4e quem in teres ..ar, que no dia 39 do corrente es-
tar nova mente em piuca para ser arrematado
por venda e a quem maior lanpo ollerecer o pror
prlj uarinnal denominado Calabouco, sito rua,
desse-nortle,.nor drtaz.do jjuartel de polica;)
sendo qste Woprio umanaazem terreo com 8t l|8t
palmos 'dfi'^tt e ,36 l^'patatos de. fundo, scr-i
vinOt deTaSe a'arrmatac3o tqdantla de 8'
joKrecld?,
Real eomnanhia le paquete
ingfezes npor.
Ate o dia 37 do
corrente, espera-sc
da Europa, o vapor
inglez Uouro, com -
mandante Thwaits, o
'qual e pois da d o-
mora do eostume, seguir para Buenos-A>res,
tocando nos pojtos da Baha, Rio de Janeiro e
Montevideo.
No dia 38 do corrente, espera-sc dos pollos do
snl, o vapor inglez Boyne, comniandante Reeks, o
qual depois da demora de eostume, seguir para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente c
Lisboa.
Para passageus, fretes, etc : trata-se na agen-
cia, rua do Commercio n. 40.
LEILO
vorguinhas,
ava-
DE
100 cunhtes de ac em
riado.
TERUA-FEIRA 28 DO CORRENTE.
a fl hora ein ponto.
O agente Pinto fara leilo, por conta e piteo d-
quem pertencer, de 100 conhetes com ajo em
vci inhas, avariado d'agua silgada, vindos
Liverpool no navio inglez Ruth, existentes" no ar
mazem n. 93 da rua de Domingos Jos Martin-,
antiga rua da Senzalla Velha. aonde se cffeclu.ir.i
o leilo, no dia e hora acuna mencionados.
CLAUBINA
Para o Porto
Seguir com a maior brevidade possivel a ve-
leira e bem conhecida barca portngueza Claudi-
na, i or ter parte da carga engajada : para o res-
to c passageiros, aos quaes offerece excellentes
comuiodos : trata-se com Cunha Irinaos 4 C. rua
da Madre de Deus n. 34, ou com o capito, na
praca.
Tara I,i<)-(rande do Snl.
Francolin.
Para o referido porto recebe carga trete o
patacho brasileiro Francoiim : tratar com os
seos gnateonsarios Amorim I rumos A r.
Hio Grande do Sul
Para o porti cima indicado pfle ainda receber
algdtria carga a frete o patacl brasileiro Pelica-
no : a tratar na rua do Vigario Thenorin n. 1, 1*
andar, escriptorio de Baltliar Oliveira A C.
'ara
vai cahiralodiade fevereiro a barca portu-
gueza Arabella, de 1* classe, tem tres partes da
carga prompta, e para o resto que fbe falta, n-
ta-secom Perreira de Almeida & C, rua dS%a-
dre de Dos n. 36.
Pata
Seguir em poucos dias o patacho portuguez
AeliM; prt q rrtto d carga traa-se oom Pe-
LEILA
DE
1080 eaixas com 2100 latas com gaz va-
riado, sendo ; marca C A M '200, trian-
gulo P C I OO, e idem A 280.
Quarta-feira 99 lo corrente
A's 11 lioras da manli.
O agente Pestaa legalmente autorisado far
leilo, por conta e risco de quem pertencer. de
1080 eaixas com gaz avariado, viudas de N'ew-
York na barca ingleza Od- Pnint, arribada com
agua aberta S. Thomaz, e ltimamente de S
Thomaz para este porto, n> brigue Ingle' Flore.i
ce, chegado em dezembro de 1873, cujo leilo se-
ra feto em presenta do Sr. cnsul dos Estados-
Unidos, edeum empregado da ajlandega, para
isso Horneado, no armazem alfandegado do liar"
do Livramento n. 3, rua do Rrum. no dia ci-
ma quarta-feira 39 do corrente. ? 11 horas em
ponto.
LEILO
DE
Movis, louea e crystaesi.
mm-.
1 magnilco piaho de Roisok-t lis & ('... 1 rica mu
billa de jacaiand a Luii XV, 2 estantes para
msicas, 8 guajda-ronpa de moggo; 3 ditas com
espclho, 1 leite ra'easal, i JMdeb com tampo
de |>edra, 1 lavatorio com pedia marmore, 1 es
pelho, 1 mesinha com lampo de pedra. Mfe
para jogo. 3 camas de ferro,- 1 cadeira parW;
seio, 1 cabide, 1 par de esenrradeiras .de por-
celana e jarros, tpetes.e lustrojiara gaa.
PaVimento terreo.
1 mbilia arnerieana, 1 secretaria, 1 estante. >
eaixas eoiu instrumentos cirurgicos. 1 machina
efctrlfra, 120 votumes iaVressos (medleina), com
r
/
i
^*_


r
4
Diario de Pernainbuco Sabbado 25 de Janeiro de 1873.
cilampas, 1 relogio, 1 mazhina de costura, I
costureira. 1 guarda louea, 1 aparador, finesa
elstica, 24 cadeiras de imirnieao, 1 apparclho
de porcelana para eh, fiiito para juntar, 1 ba-
nheiro do Mha de Flaadrcs, copos, clices, gar-
rafa* de crystal, treo de cutuha e 1 grande fo-
gio de feto e oun ospetlenees de casa de fa-
milia.
SAMADO, DE FEVEREIRO.
Por autorisacao do Sr. Dr. Jacintho Soares Re-
bello, que seguio para curte, o agente Pinho Bor-
ges, vender em leilio todo9 os objectos aeima de-
clarados, existentes em Ponte d'L'cha, no predio
confronte ao palacete do Illm. Sr. Dr. Augusto
Frederico de Oliven a.
A's 10 1/2 hor;is da manha partir da estacao
do arco de Santo Antonio uin trem, alim de con-
duzir gratis os concurrentes lo leilSo .o qual prin-
cipiara depois di cliegada do mesmo.
DE
urna grande propriedade na Porta d'Agua,
em Apipucos.
CONSTANDO DE :
Urna casa grande de pedra e cal, beira da es-
trada, com 31 palmos de frente e 35 de fundo,
^-com grande terreno e toa baixa de capim.
Urna olaria para telhas e tijollus.
.Urna casa terrea em frente Ja primeira, com 45
palmos de frente e 65 de fundo.
Urna dita pequea que serve de cochelra, com 19
palmos de frente e 15 de fundo.
Urna dita de 11 palmos de frente e 35 de fundo
Urna dita com 11 palmos de frente e 35 de fundo
Urna dita sem repartimento, :om a mesina frente
e fundo.
Urna dita dita, com um quarto fra.
l'ma dita dita, com 2i palmos de frente e 49 de
fundo.
I'ma dita dita, com 19 nahnis de frente e 49 de
fundo, todas edificadas em chaos proprios, ao
lado da levada.
QUARTA-FEIRA 5 DE FEVEREIRO
Ao nu'io ilia.
O ageute Pinto levar lelao, hora do dia
cima dito, e em mu so lote, toda a propriedade
cima dita, sendo : cerca d 8 nonas partes por
mandada do Illm. Sr. Dr. juiz de dircito pr.vativo
dos orphaos, em virtudc do requerimento da vul-
va de Joaquim Pires Carneiro Monteiro, tutora de
cus lilhos menores, c cerca de urna nona parte
por autorisacao do procurador bastante, do her-
ilciro que se acia ausente, o bacharel Augusto
Carneiro Monteiro.
Os pretendernos poderao examinar desde ja a
dita prepriedade. a qual se torna recommendada
jtela sua posicao, entendendo se com o mesmo
agente, e eoncon'endo ao leiliio que deve ter lugar
no escriptorio doreferido agente, ra do Rom J e
sus n. 43.
Contra |roteNto,
Henriette Monteiro devidamente autorisado pelo
juiz de orphaos, re |ucreu a venda das paites da
propriedade Porta d'Agua, p suida por sen casal.
Ao aununcio d.i venda, oppoz SymphronoOlivm-
pi de Queiroga o aviso publicado no Diario n.
283 de II de dezembro prximo passado. J de
nutras vetes Olympio tem feito fosea avisos aoque
se Ihe tem respondido.
Es(a a resposla (pie nimia agora reproduzimos.
A viuva c titho to tenentc coronel Florencio
Jos Carneiro Monteiro cortestam o aviso do Sr.
Svmphronio Olvmpio de Queiroga, publicado nos
Diarios de 20 e 21 do torrente declarando : l.
que o Sr. Svmphronio nao tem dominio pleno no
terreno qiie se refere, pertencente ao sitio da
Porta d'Agua do Monteiro, n as somonte direito ao
foro, me por esse mesmo terreno pagava o finado
Florencio ultina administradora do vinculo do
Monteiro : 1' que esse foro tem sido recomido ao
deposito, para ser levantado pelo Sr. Svmphronio :
31 quH a aeco por elle proposta pelo juizo muni-
cipal da 1." vara, com o lim de converter o afora-
ment existente em arrendiimcnto, depois de con-
testada, ficou hamais de i0 annos parada, a espe-
ra talvez do resultado da mitra accao (concernente
ao terreno contiguo em idnticas circumstancias),
proposto pelo juizo municipal da 2." vara, e que
anda pende de derisao dos ltimos embargos de
declaracao do mesmo Sr. Svmphronio ao accordo
do egregio tribunal da relaeo, que julgou milla e
incompetente a inesuia accao : 4, Analmente trae
a circtimstimcia le estar ein litigio o referido ter-
reno, nao priva o 2 contestante de poder vender
as partes dos de mais terrenos e das casas que tem
no sitio,nao sugeitas a litigo.
' Convcm, porem, acereseei lar o seguinte :
Os ttulos, pelos quaes possuia meu tinado mari-
do, e iii11rus lieideros do teucnte coronel Floren-
cio Jos Carneiro Monteiro o sitio da Porta d'Agua
sao escripturas aathenticasyme existem em poder
.]o Sr. agente de leiles Francisco 1. Pinto, e que,
podem ser vistos pelos concurrentes.
Quantoaos foros devidos, requeren meu mando o
o deposito, e se efTcctuou odos enlao vencidos des-
de 1 de agosto d 1858 al i ultimo de Julfio de
1864, rano de 6 JtOO rs. <>s dos ontros annos,
deve igualmente ser recolhido deposito na thesou-
raria, o qual deduzido do prodneto da venda e re-
colhido a deposito garante o direito de quem quer
que a elle se julgoe com direito, e em favor de
quem fer ordenado 0 levante ment, visto que para
elle passa a disputa, como de le.
Nada pode, pois embargar venda annunciada
IHST TUTO ARCHEOLOG CO E
GfiAPHICO PEfiNAMBUCANO-
Tendo o Instituto Archeologioe Geographi-
co Peruambucano de celebrar o ll.p anni-
versnrio da sua fundado no dia 27 do cor-
rento Janeiro, pela 1 hora da tarde no saliio
da Bibliotbeca publica provincial, no conven-
to de Nossa Senbora do Carmo, sao convida-
dos para semelhante effeito em assembla ge-
ral todos os socios que se acharem no Recife,
cffectivos, honorarios e correspondentes.
Nao conhecendo o Instituto a sede das
diferentes associaoes litterarias, scientifi-
cas, artsticas e de beneficencia que existem
nesta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente cdital a cada urna de taes associa-
ces a assistir solemnidade do dia 27, ou
a fazer-se ahi representar. E para conhe-
cimento das corporaces ou pessoas que ti-
verem de ornar a sesso com a sua palavra
autorisada, aqui se transcreve a ultima parte
do art. 28 do regimeuto do Instituto :
Se na sala existem socios ou pessoas ou-
tras que desejam lr algumas memorias
interessantes, participam-no ao Secretario
perpetuo, para este previnir o Presidente,
o qual d a palavra aos autores das me-
ce moras; a lcitura de cada urna das quaes
nao pode estender-se alm de meia hora.
Porm nenhuma memoria ou trabalho
pode ser apresentado e lidoem sesso pu-
tilica, sem que antes seja submetido a urna
commissode exame, para isso nomeada,
a qual tem voto decisivo sobre a conve-
oicncia ou inconveniencia da leitura.
Depois dos discursos officiaes, e dos da-
quelles socios e convidados a quem fr con-
cedida a palavra, ser lida, por ultimo, pelo
Dr. Aprigio Guimares-uma memoria sua,
sobro o tfioor de vida de Joo Fernandos
Viera com relaco aos hollandezes, at o
rompimento da luta, sobre os estmulos que
o levaram a ferr essa pugna heroica :re-
futacao de varias assercoes do Sr. A.
War'nhagen, n'um seu recente escripto.
Secretaria do Instituto, 17dejaueiro de
1873.
.1. SOARES D'AZEVEDO,
Secretario perpetuo.
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife a S. Francisco.
Festa do Cabo.
Domingo 26 do correte, alm dos trens ordi-
narios do passageiros, haver os seguintes espe-
ciaos ;/
Aluga-se
urna casa pintada do novo, no Monteiro junto do
sobrado grande : para ve-la, as chaves estad na
taverna do Sr. Nicolao. Aluga-se tambem o 2*
andar do sobrado n. 14 da ra do Torres do bair-
ro do Recife, prximo da praca do Corpo Santo :
a tratar na ra do Imperador n. 57, Io andar.
Manha.
b. m.
Cinco-Ponas (pa tida) H 0
Afogados 11 8
Boa-Viagcm 11 22
Pra^eres 11 30
Ilha 11 54
Cabo (chegada) 12 10
^CD^^a
Nonte.
h. ni. h. m.
Cabo (patida) 8 0 11 30
liba 8 16 11 46
Prazeres * 8 40 12 10
Baa-Viagem 8 48 12 18
Afogadoi 9 2 12 32
Cinco pontas (chega a) 9 10 12 40
Villa d) Cabo, 22 Janeiro de 1873 . .
(i. 0. MANN,
Siqierintendenta.
ATTENCO.
O Sr. Francisco Agostinho Madeira queira ap-
parecer na ra Duque de Caxias n. 60 A, lojas de
Bento d.a Silva A C. Successores e de Manoel Ri-
eiro Bastos-
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
taverna e que d conheciment de sua conducta:
na ra Velua de Santa Rita n. 50.
Instruccao publica.
O professor da 5.' cadeira da freguezia da Boa-
Vista, cuja sede ra do Conde da Boa-Vista
n. 23, faz publico, que esta escola se acha abor-
ta e funecionando desde o dia 7 do corrente, co-
mo manda a le.
Boa-Vista, 17 de Janeiro de 1873
O professor,
Antonio Basilio Ferreira Barros
Precisa-se
ilc un menino para caixeiro de uina luja de cal-
cado na ra Direita n. II._________________
Trapiche alfandegado do
Guerra.
Tendo passado a administrado deste trapicho
o trern, acha-se elle em estado'de recolhcr qucs-
quer gneros por preces inais commodos que ou-
tro qualquer. Os seniores consignatarios do bar-
cacas e de navios, cujos gneros precisaran de
ser recomidos com satisfacao e presteza, terao all
toda commodidade possivcl. O algodo, bem como
toda casta de gneros seceos que se demoraren) por
mais de 30 das, serio seguros contra o fogo ex-
cusa do-administrador actual, ministrando os
eeolhedorcs una nota de seus valores para a
ffectividade do seguro. Entrada pela ra do Vi-
gario Thcnorio n. 3, e pelo caes n. 6._________
Alagd-se
j sala e alcova do 3* andar, e parte do
obrado n 70 roa Daiue de Caxias ;
i* loja. ___
sotan ti
a trwar
LEILAO
DO
sobrado de 2 andares n.
prios, na Travessa
Qttarta-feii'tt 3
s 10 horas.
Por inlervoneao do
Em seu escriptorio, ra do Bom
16, cm chaos pro-
dos Kxpostos.
do, feverciro
Com umita urgencia.
Precisa-se de urna ama idosa que tenha bons
costumes para andar com urna menina de 10 me-
zes, c tambem de um criado de 12 a 14 annos,
forro ou escravo : a tratar na Passagem da Mag
dalena, botequim do Bento n.27.
Severino.
Fuga deescravos.
Evadiram-se no dia 20 do corrente, do engenlio
Bento-velho, da freguezia de Santo Anto, os os-
era vos segu ntes: E equiel, pardo, Jos, preto,
Noj preto, Jorgo, cabra, Martiabo, acabefado e
Sabino, mulato, todos imberbes, a excencio do
Jorge, que tem pouea barba, representando terem
de 16 a 24 annos de idade. Os cinco primeiros
escravos foram comprados em dezembro prximo
passado ao major Jcronymo Theotonio da Silva
Lourei o, professor em Pajeii de Plores, seRdo
Kzequiel e Jos de sua posse, Jorge c Martnho
por inicuracao do Dr. Levino Lopes de Barros,
morador em Cabrob, e No por procurac,o do
sr. Antonio Loite da Silva, morador em Caruar.
ahino foi comprado ao Sr. Thoma-. de Carvalho
Soores Brandef morador nesta cidade. Rogamos
a todas s autoridades da capital e do centro da
Srovincia. onde apparecerem ditos escravos, se
ignem segura-los, e promettemos boa recompen-
sa a quem os capturar e leva-Ios ao referido en-
genho, ou der delles noticia.____________
Trocos
Na ra do Rangel n. 7, troca-se cobre por se-
dulas, nao menos de 50J> : que n quizer all pode
apparecer. (SU
PrccL na rya da Falma n. 6S._______________''
Para cozinhar.
Precisa-se alugar urna ama, forra ou cap-
tiva, que saiba cozinhar o diario de urna
casa de pequepa familia. Trata-sc na ra
do Capibaribe n. 40.
FESTA DO POCO
ESTRADA DE FERRO
DO
Recife Caxang.
QJDe 23 at o fim do corrente mez nos dias
uteis haver um trern do Recife, s 5 horas
e 40 minutos da tarde para o Caldcreiro,
donde voltar s 9 horas e 25 minutos da
noute, tocando em todas as estacoes inter-
mediarias.
Escriptorio da companhia, 18 de Janeiro
de 1873.
/(. C. Batterbe,
________Gerente._________
Vistes ? olha elle !
Segundo sem rival, Sr. Cazuza I cuidado, sen^o
a 1 ja vai embora ; ser nos pastoris I eu nao
sei, elle contina, acho bom, camella.
O frisa esquerda.
Msica
Vocal e instrumental.
Manoel Augusto de Menezes Costa, tendo-se des-
pedido de professor da cadeira de msica' do ar-
senal de guerra, propoe-se a tomar alumnos de
ambos os sexos para leccionar, tanto em sua casa
como as em que for convidado. Tambem se en-
carrega de leccionar e ensaiar a bandas de msi-
cas militares, ou de algurna sociedade particular,
tendo a seu favor a longa pratica de 2b annos de
ensino, que Ihes tem conferido os meios mais con-
ducentes para o rpido adiantamento de seus dis-
cpulos, como bm patente ao publico : quem se
quizer utilisar de seu prestimo, pode dii igir-se
ra Augusta n. 187, 3o andar.
Escrava fgida
Contina ausen'c desde o dia llde dezembro de
1872 a escrava Manuella, negra, de idade de 45
annos, estatura baixa, com una orellia radiada,
pelo que nao pode pendurar br neos, falta de den-
tes na frente, ps grossos o com signaos de cravos
as pontas dos dedos ; levou vestido de chita es-
cura e chale de la com riscas de cor ; foi com-
prada a alguns n ezes ao Sr. Francisco Jos Go-
mes, desta cidade : quem a capturar queira le-
va-la ra da Cadeia n. 6, ou na Capunga, ra
da Ventura n. 10, que se gratificar.________
andar.
Precisa-se de urna ama para com-
para casa de peque-
rindo-se escrava :
ua estreita do Rosario n.32, !
i 1 T i rrecisa-so ue i
\ \(| A Prar c cosinhar
f\ VI fl na familia, prefoi
* t.i'lX A. na octrnira t\n
*>.
gommar
dar.
tratar
Precisa-se de urna ama pa-
ra caa de familt\de doaa
pessoas para cozinbar e en-
oa rna Direita o. 28, 2* a*
\M\
Precisa-.*i d* um ama que ui-
bem cozinhar (forra oa e: era vi,)
paga-se bem : a rna Nova, loja n. 11
Pn-cisa-se de nina ou duas amas de leite :
na rna da Uuperatrii n. 84.___________
AMA
No largo do Paraso n. 28, pre-
cisa-se de' urna ama para en-
gommar c preparar sallas.
AMA
AYISO.
\o depois nsio se queixem
Bernardino da Silva Cnata Hampos, com anna-
zem de vveres, na ra do linjierador n. 28, pede
encarecidamente, pela segundn vez, aos seus de-.
vedores REMISSOS. o especial obzequio d virem
qnnnlo (tutes saldarem os seus dbitos ; do con-
trario est de/htitivametUe resolvido a chamar aos
meamos por este Diario, declarando os seus no-
mes por externo, quantia c tempo a que devano,
B se sto uo for bastante, laucar mo dos meios
jiuliciaes ; pelo qne, conveniente que os seus
devedors (remissos) que nao quizercm passar por
essa dyprilo. disperten) do nocivo, indilferentismo
em que estao engolpliados, vindo, logo que te-
nliam coiiliecimeiito des'.e, saldarem os seus d-
bitos. _______
Anda fgido, desde o dia 6 do corrente, o es-
cravo Severino, pardo escuro, d i altura regu-
lar, de 13 annos, pouca barba, ps chatos e maos
grandes, tendo em ambos os jarretes urna marca
foveira de queimadura, cnculea-se de forro e an-
da calcado, veste, ora paletot sacco e ora justo,
ambos de panno : quem o apprchender ser ge-
nerosamente recompensado, trazendo-o ra do
Mrquez de Herval n.,31. ________________
Precisa-se de um caixeiro para casa de por-
gar de un engenho tres legoas distante da via-
ferrea, sendo casado, c com preferencia se enten-
der de destilacao a entender-se com o Dr.
Christovao Xavier Lopes, ou com o Sr. Bernardi-
no Pcntual._____________________________
Ausentou-se.
0 escravo Pedro, de 15 annos de idade
mais ou menos, com os signaes seguintes :
cor parda, cabellos corridos, alguns signaes
de bexgas, levou vestido camisa de chita,
caiga de casemira: roga-se as autoridades
policiacs e aos Srs. capites de campo de o
prenderem c leva-lo casa de seu senhor na
ra da Impcratriz n. 4 1. andar, ou na
ra da Maura lo Ds u< )i." auui.
No engenho Jacar, da comarca de Naza-
reth, contina a precisar-se de um feitor de cam-
po, nao se repara nacionalidade, paga-se bem :
quem estiver nestas condicoes dirija-se ao mesmo
engenho, ou a casa dos Srs Leal & Irmao, ra do
Mrquez de Olinda n. 56, 1. andar.
Precisa-se de urna ama : na ra do Cres-
po n. 7, loja de miudezas. ___________^^
Jardineiro
Precisa-se de um jardineiro de idade, que tenha
bom comportamento para trabalhar cm um peque-
no jardim, e que se sujeite tambem carregar co-
medorias da ra Imperial a rna Direita n. 104.
Aluga-se o primeiro andar c sotad do so-
brado n. 25 da ra de Santa Rita, estando elle
em bom estado : tratar na ra Duque de Caxias
n. 44. _________________________
Os abaixo assgnados fazeni ver ao respeita-
vel publico, que desla data em diante deixou de
ser seu caixeiro de cobranca o Sr. Francisco Lo-
pes Machado, ficando sem ffeito nao s a procu-
racao que o mesmo senhor tem em cu poder,
como tambem qualquer recibo que elle posea pas-
sar em eontas ou qualquer documento que disser
respeilo a seus negocios.
Tcixcira A Irmao._______
Pergunta-se
ao Srr Eduardo e mais membros da S. X. U..., qual
o motivo de ser suspenso o socio M, sem que in-
flingisse artigo algum dos nossos reformados es-
tatuios, e nao soffrer a mest.ia pena o famoso so-
cio Z da F,..ca, que pelas snas conhecidas faca-
nhas s merece ser expulso desta s ciedade a pon-
ta ps ? Isto desoja saber o
Judas Dionizio.
Preeisa-se de urna : na roa de S.
y-uLii. Bon, josug do, entrada pela ra do Calabouco.__________
Precsase de urna para cozkhar
mitra para eng mmar : tratar
AMASl
mado n. 70.
a ra do Hospicio n. 46, ou Quei-
AMAS
Precisa-se de una ama para
lar de duas meninas, e para
outros servicos domsticos : a
ir na ra do Mondego n. 64.
\o publico.
i
Quem leu o meu annuncio publicado nos Dia-
rios de 11 a 14 de dezembro do auno prximo
passado, e ler o contraprotesto que ao mesmo
annuncio onpoe agora a Sra. Henriett Martins,
ver que ella longe de destruir o que alleguei
em dito annuncio, mais forc;a Ihc d, p is confes-
sa serem meus o terreno e a casa da porta d'a-
gua, que me deve muitos annos de renda, do
mesmo terreno, finalmente que existiam e anda
existem em juizo, accoes para desapropriar as
bemfeitorias existentes no terreno.
Nao exacto ser foreiro o terreno em queslao,
porque antes de pertencer-me por compra que
tiz aos herdeiros da administradora do vinculo
do Monteiro, fazia parto do dito vinculo, c o seu
administrador nao poda aforar.
As rendas nao reeebi nem fui mimado para
ver rccolhe las ao deposito : alm de que, a ren-
da que a Sra Henriett tem de .pagar.
Charuteiros.
Precisa-se de alguns officiaes flossa arte,
bceo Largo n. 1 A, fabrica do Figuercdo.____
lio
Criado
para tratar de dous cavallos e mais algum servi-
co de um pequeo sitio._______^^
asente Pinto.
Jess n. 43.
90
DE
Duas-casas terreas de ped re c cal na povoa-
ro do Melo, da provincia da Parahyba
do Norte.
Duas ditas na Baixa Ner.'e, desta provincia.
Urna pequea uzeada do. gado em S. Bento,
nesta provincia, com. meia legua de terra,
toda cercada, e 50 ciberas de gado.
QUATA-FElRA 5 DE FEVEREIRO
s 11 horas.
O agente Piulo cumprindo o mandado do lllm-
Sr. Dr. juiz especial do commercio, levar le
lao os bens cima ditos, pertcncentes massa fal.
lida de Joaquim Silverio de Sou a & C .
O leilao ser effectuado s 11 horas do da
quartvfeira 5 de fevereiro em o escriptorio do
referido agente.
AVISOS DVERSOS
Offerecido ao Sr.. Reugnereb.
MOTTE.
J veio o Man Dengoso
Da Baiopado filar.
GLOSA.
Foi com parte de rcanhoso
Kingindo-sc adoenUido !....
Mas, robusto e rosido
J veio o Man Denaoso I
Fosse embora desairse...
Quiz esta peta pregar,
Somenta p'ra passeiar...
O Deng3so esse mvjano
Vollou (mas fatal e gano !)
Da Europado Pilar !
D. FiasRoupinho._____
Irmandade de S. Jos d'A-
gonia.
De ordem da mesa regedora convido a todos os
nossos rma. a reunirem-se em nosso consistorio
no dia 27 do corrente, pelan 4 horas da tarde,
para em mesa conjuncla resolver-se sobre as-
umpto grave, que diz respeilo a todos.
Secretaria da irmandade de S. Jos d'Agonia, 23
de Janeiro de 1873. '
Manoel Perera Camello Pessoa,
Secretario. -
No Caxang.
Precisa-se alugar urna e;.sa pequea no lugar
aeima, que,fique perto do rio e da estacao : aira-
ar na ra eseiu do Rcsario n. 3, pharmacia
.JtOttL
Arrenda-se na ra do Impcrador_n. 20 a
propriedade denominada Rarra de .-erinhaem, na
freguezia do mesmo nome, beira-mar e beira-rio,
propra para qualquer estabelecimento de seceos
o molhados, com muitos ps do coqneiros des-
fruclar, c mutas rendas do solo a cobrar annual
m ente._________________________________
O professor de latim da freguezia de S. Jos
desta cidade, abaixo assgnado, tendo recebido da
directora geral da instrueco publica, segunda or-
dem revogando a que liavia dado, acerca das fe-
rias de sua aula, faz sciente ao publico que desde
o dia lo do corrente se acha aberta a matricula
da mesma, c que os seus trabalhos lectivos come-
carao o dia 3 de fevereiro prximo vindouro:
quem se quizer matricular dirija-se ao sobrado
n. o, no largo da ribeira da referida freguezia.
Manoel Francisco Coelho.
Aviso.
Fugiram do engenho Bamburral, na freguezia
da Escada, na noute de 7 do corrente, os escravos
seguintes : Theotonio, idade 40 annos pouco mais
ou menos, preto, altura regular, cheio do corpo,
ps apalhetados e feios, tem urna nenia mais curta
que a outra, tanto que pelo andar se conhece, e
bastante ladino; Venceslao, idade 40 a 50 annos,
preto, com marcas de bexigas na cara, alto o cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaram
ronpa de algodao azul. Paga-se generosamente
quem os apprehender e leva-Ios ao referido en-
genho.
(iaixfiru.
Deseja-se um menino de 14 a 16 annos, de boa
conducta, para um estabelecimento de molhados
no Giqui : quem se achar nestas condiefles, diri-
ja-se ra do Coronel Snassuna n. 149._______
Gabinete Portugus de
l'fitura
0 expediento neste estabelecimento principia
segunda-feira 80 do corrente.
O secretario
Franisco Antonio Pereira.
priado.
Para servco de casa e de algum mandado pre-
cisa-se de um criado de 15 annos ; paga-se bem:
no caes do Apollo n. 69.
Perdeu-se entre a estacao da estrada de
ferro de Olinda e a ponte da Boa-Vista, urna "-ar-
ta dirigida ao Sr. Frederick Joule 185 Fencharch
London : roga-se a quem tive achado de a le-
var no London & Brasilian Bank, que ser recom-
pensado__________^___________
MOFINA
Est encouracado !! \
' Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Viera do io,
escrvao na cidade de Nazareth desta pro"' o
favor de vr ra Duque de Caxias n. 31 -
clur aquello negocio que S. S. se compro a
realisar, pela terceira chamada dvste je
fms de dezembro de 1871, e depois para janeiA,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumpro;
e por este motivo do novo chamado para dito
fin, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu lilho se
achava nesta cidade.
Avisa-se
a quem der noticia da escrava Gnilhermina, que
foi do tenente-coroncl Feliciano Joaquim dos San-
tos, c depois comprada ao Barao de Xa areth, re-
presenta ter 2) annos, t?m falta de dentcs na
frente e as mos com cicalrizes de queimadura de
gaz, secca do corpo, muito regrista, que desappa-
receu da casa de sobrado n. 26 da ra dos Coe-
lhos, qiie ser generosamente recompensado.
Precisa-se
de dous serventes para um hotel, prefere-se es-
cravos : na ra das Larangeiras n. 4: tratar
no mesmo.
Hotel da Independencia,
ra do Imperador n. 32, precisa-se de um copeiro
page a-se bem.
JvUJIWO por
,..no, e nao
r-nie de
como erra-
Com urgencia.
Precisa-se de urna ama dosa que saiba cozi-
nhar para casa de pouca familia : a tratar na Pas-
sagem da Magdalena, botequim do Sr. Bento n. 27.
Precisa-se de nina ama para
e cozinhar : ra do
de Pe otas, antiga do
Aragao n, 37.
i H" i Precisa-
A pYI A *Mkf (
fJV 111 fl. Vsconde
AMAls
Para casa de duas uesseas le fa-
precisa-se de una ama para
cozinhar e engommar : a tratar no
eio Publico n. 54, loja.
Precisa-se de urna ama para casa de fami-
lia, preferindo-sc escrava; na ra Direita n. 86,
loja de miudezas.
Precisa-se de urna ama que saiba co-
zinhar : a tratar na praca da Indepen-
dencia n. 39.
Ama
damente allega em seu contraprotesto.
Nao sei qual a lei que me obligue a vender o
meu terreno contra minha vontade por existi-
rem nelle bemfeitorias de outrem, quando a > con-
trario sao as bemfeitorias que estao sugeitas ao
solo.
1 Admira-me a facilidade com que a Sra Hen-
riett, declarando ser o terreno meu, expoe-no
venda romo seu.
Ser sectaria do commnnismo ?
Contino a oppor-me a tal venda, u protesto
haver da Sra. Henriett, ou de quem quer que
comprar taes bemfeitorias e terreno, nao s as
rendas vencidas e por vencer ao preijo de 250
por nno, cmo est declarado na accao propos-
ta, senao tambem todo e qualquer piejuizo (jue
me possa resultar da mesma venda,
Syphronio Olympio de Queiroga.
Precisa-se de batedores de assucr
refinacao do largo do Arsenal n. 8._____
para a
Wcc tuilo
De ordem do presidente desta sociedade sao
convidados os senhores associados reunirem-se
cm sessao extraordinaria de assembla geral, do-
mingo 26 do corrente, s 7 1)2 horas da manha,
aflm de resolverem sobre urna peticao do Club
dos Asucrins.
Secretaria da sociedade Recreativa Juveutudc,
22 de Janeiro de 1873.
Basilio Rodrigues,
2o secretario
DOS
954
A casa feliz do arco da Concei$ao vendeu nes-
se numero a sorte de 5:000J da lotera da Babia,
extrahida a 15 do corrente.
AOS 5:0001000.
Estao venda os felzes bilhetca da lotera da pro-
vincia, na casa feliz do arco da Conceicao, loja de
ourives, no Recife.
JOO MORE1RA DA SILVA BRAGA
tem uina carta na loja da ruadla Impcratriz
n. 56.
INDEMNISADOM
A direceo da companhia Indemnisadora
convida os Srs. accionistas a se rcunirem em as-
sfinbla geral no escriptorio da companhia ao
meio-dia d\27 do torrente, aflm de serem pres-
tadas as cotas das opera$oes relativas ao anno
prximamente findo, e proceder-se eleicao dos
respectivos funecionaries.
Recife 23 de Janeiro de 1873.
Os directores
Joo da Silva Regadas.
Antonio Jos Leal Res.
; Francisco Ferreira Bailar.
Sociedade Beneficente Mon-
te Pi Santo Amaro.
De ordem do Illm. Sr. presidente intenno desta
sociedade, e em virtude do disposto no art. 44 do
cap. 10 sao convidados todos os socios da mesma
assistirem a urna missa, que pelo eterno repouso
do finado consocio Antonio de Azevedo Jnior,
mandar a mesma celebrar na eapclla de Santo
Amaro das Salinas, no dia 30 do corrente, as 6
horas da manha, para cujo fim igualmente convi-
da a familia e aos amigos do mesmo finado. Re-
cife, 2s de Janeiro de 1873.
O 1* secretario,
Firmino Alves Barbosa.
Caixeiro.
Quem precisar de um caixeiro com pratica de
taverna, dirija-se roa do Padre Floriano n. 5,
taverna que achara com quem tratar.
Engommadeira
Precisa-se de urna ama para engommar e fazer
mais servco em casa de pequea familia : na ma
do Queimado n. 81, loja de fazendaa.s
A pessoa quem ve n dirigida urna escrava
de nome Vicencia, embarcada no Rio Grande do
Norte no vapor Ipojuca, queira ir bordo reee-
be-la nestesl2 dia A quem conter
Precisa-se de um socio com habilitacSes e al-
gom capital para urna casa de molhados bem lo-
calisada. Carta nesta typographia com as iniciaes
P,S. T. '
TRILHOS URBAJOS
DO
Recife Olinda e Beheribe.
Compra de solipas.
.No escriptorio desta com-
pa'nhia, comprase constante-
mente a pregos razoaveis,
solipas de oticica e sapu-
caia, das seguintes dimen-
s6es : comprimento 10 pal-
mos, grossura 9 pollegadas,
grossra 4 ditas.
Contrata-sc com o abaixo assiguado na esta-
cao da na da Aurora.
Estrada de ferro de Olinda, 23 de Janeiro
de 1873.
O gerente interino,
Laureutino Jos de Miranda.
Collegio Ascencao de Hara.
Maria Fclismina Pinto, devidamente habi-
litada pela directora da instrucc5o publica,
ha montado na freguezia da Boa-Vista, ra
Impcratriz n. 37, um collegio sol) a deno-
minacaodeAscensao de Maria,tendo por
fim dar as meninas a mais apurada educacao,
quer pela instruccao moral e religiosa, quer
pela instruccao litteraria e scientifioa, oceu-
pando-se no que for relativo a formar urna
boa mai de familia.
R. G. Swft, ictira-se para a provincia da
Babia.__________________________________
Fugio o escravo, crioulo, de nome Domin-
gos, pfopriedade de Bartholemeu Lourenco, tem
os signaes seguintes : bem preto, altura regular,
sem barba, caneca pequea, orelhas pequeas,
olhos grandes, e vista espantada, gingador, como
quem joga capuera e nariz grande : rogase a
ra do Sebo" m 43," n" no seu escriptorio, na
ra da Madre de Deus n. que grafiear ge-
nerosamente_____________________________,
Aluga-sc uina ewava de 20 anuos para lo-
do servco de casa na ra de S. J rge u. 74.
" Joaquim'Pereira dos Santos, agra-
dece do intimo d'alma a todas as
pessoas que se dignaram acompa-
nhar ao cemiterio publico os resl
moraos de sua mui presada e sem-
pre lembrada esposa, Marcelina de
Oliveira Santos, c de novo roga-lhes o obsequio de
assistirem a missa (jue por alma da mesma tinada
se ha de celebrar na igreja do Carino, s 8 horas
da manhaa do da 27 do corrente.
Ladislu Tolcntino Cavalcan-
te de Albuquerque.
I). gnea L>ra de Amnquerque
agradece do intimo d'alma a todas
as pessoas que so dignaram a acoin-
panhar os restos moraos de sea
muito presado e chorado esposo ao
cemiterio, o de novo roga nao s
a esta* inasmas pessoas. como aos
prente e amigos do mesmo finado, para ou vi-
rem urna missa que pelo repuso eterno de sua
alma manda celebrar no dia 27 do corrente s 7
horas da manha, na capella do hospital poitugiiez.
Joaquim de S Lopes Fernn
des agradece do ntimo d'alma
a todas as pessoas que so digna-
ram acompanhar ao cemiterio pu-
blico os restos mortaes do seu pre-
sado irmao, Jos de S Lopes Fer-
nandes, e de novo roga-lhes o obze-
quio de assistirem as missas de stimo dia que, por
alma do mesmo finado se ha de celebrar na igre-
ja do Espirito Santo, s 8 horas da manha do dia
29 do corrente. _____
Precisa se alugar urna preta para vender
bollo : tratar no pateo do Carmo n 37.
\tyii Preeisa-se de urna ama, forra ou es-
.\Illa grava que se preste a todo servico ;
agradando paga-se bem, casa de pouca familia
ra (le S, Francisco n. .Vi._________________
i I m- i Precisa-se de urna ama para o ser-
\ VI \ viao interno de casa de urna pequea
f_U__L__ familia, ra Duque de Caxias n. 64.
Precisa-se de urna ama
para casa de urna fmula,
que saiba engoim ar c co-
zinhar : tratar na praca
do Corpo Sant) n. 17, pri-
meiro andar.___________
Precisa-se alugar urna escrava para
ivllll servco interno e externo de casa de pou-
ca familia: tratar na ra de Mariz e Barros n.
11, armazem de gneros.____________________
Na ra da Cruz n. 9, se-
gundo andar precisa-se de
urna ama para comprar e co-
Ama M
AMA
zin liar.
Sociedade Beneficente Mon-
te Pi Santo Amaro
De erdem do Illm. Sr. presidente desta socieda-
de sao convidados de conformidade com o 1" do
art 6o os membros dessa sociedade para urna ses-
sao extraordinaria, que ter lugar no dia 26 do
corrente, na casa das sess3*s travessa do Lima
n. 13, as 9 horas da manha, alim de eleger-se
dous substitutos para os cargos de 2 secretario e
thesoureiro, devendo tambem nesta occaslao tra-
tar-se do distintivo Sala das sessdes da sociedade beneficente Monte
te Po Santo Amaro 22 de Janeiro de 1873.
O Io secretario,
Firmino Alves Barbosa
Aviso aopovo.
A commisslo encarregada de executar as deli-
beracSes tomadas pela assembla soberana do no-
vo maconico, tem resolvido fazer chegar s maos
do Exm. Sr. presidente da provincia, no dia 28 do
corrente, a representaco que vai ser dirigida ao
poder executivo, protestando e pedindo providen-
cias contra os abusos e tentados praticados pelo
Sr. bispo e jesutas aqui residentes.
Convida-se a popnlaco desta cidade, bem como
todas as sociedades beneficentes, artsticas e litte-
rarias, e r dacedes de jornaes, para que encorpo-
rados todos nos dirijamos palacio, alim de fazer
entrega ao Exm. presidente de dita representaco.
T0 ponto da reuniao ser o paleo da igreja do
Corpo Santo, na freguezia de S.-Fr. Pedro Goncal-
ves do Recife, acmeio dia.
Escravo fgido.
Contina fgido o escravo Luiz, que tem os se
guintes signaes : 22 annos de idade, poueo mais
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinhos, rosto redondo, tem urna per-
na indiada e [levou roupa de embarcadico.
Presume-se que csteja no engenho Sant'Anna, em
Santo Amaro de Jaboatao, onde tem parentes. Pe-
de-se a todas as autoridades policiaes e capites
de campo, que o apprehendam e o condusam
ra do Baro do Triumpho, antiga do Brum, ns.
92 e 94, que sero generosamente gratificados.
Sitio para alugar
Anda aluga-se o sitio do fallecido Ros, no prin-
cipio da estrada do Hospital portuguez n. 1, onde
sempre param os btrnds, com muitos arvoredos de
ructos, baixa para plantacSes, vivelro de peixe, e
casa de azulejo com bastante commodos para gran-
de familia ; os pretndeme* dirijam-se ao mesmo
sitio para ver, e tratar na ra de Santa Thereza
n. SO, _________
__Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos
de idade, para caixeiro de taverna, com pratica'
ou sem ella : na ra das Nymphas n. 4.
Na ra estreita do Rosario, sobrado n. 35,
fornece-se comedorias para fra ; algumas pes-
soas que nao tiverem portador manda-se levar em
suas casas, e as horas que determinaren), seqao
bem servidos, pois tudo se faz cora asseio e c-
modos preces. <
Precisa sedeum caixeiro que tenha pratica
de escriptorio e venda de assucar : na ra do Iin-
perador n. 50._____________j______________
Precisa-se de um criado que saiba tzinhar
para casa de h imem solteiro
do Carmo n. 21, Io andar.
na na da Camba
Urna casa para alugar, com 2 pequeas sa-
las, 1 quarto, quintal, preco de 141 por mez. sita
ra de S. Joio n. 48 : a tratar na ra estrena
do Rosario n. 17, 1* andar.
Precisa-se
de um caixeiro com pratica de taverna : na rna
de S. Gonzalo n. 27. Pre/ere-se porto guez.
Precisa-se para cozinhar e comprar
de una ama : na ra nova de Santa
Rita n. 63._____________________
Prc.'isa-se do una ama para cozinhar
c engommar para duas pessoas : o tra-
tar na ra do Barao da Victoria n. 37, no segun-
do andar.
Ama
mm
Escrava.
Precisa-se de urna escrava para servido de ca-
sa : na ra do Vsconde de Goyanna n. 161,
sfoT
Para tratar d um pequeo sitio e mais algum
servico, precisa-se de um homem que seja acti-
vo e cuidadoso : no caes do Apollo n. 69.
Precisa-se de um caixeiro com pratica de
taverna, de 14 a 16 annos: na Camba do Carmo
numero 3.


L
l_*E5J^JUrJL'JU
Medico-cirurgico
HUA DO IMPERADOR N. 73,1 ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPEhADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operaQoes de olhos.
Cura radical e cstautnea dos
estreiUmeuloi da uretra.
Consultas: Das 7 s 10 horas
da manh3.
3 Chamados : A qualquer hora.
Collegio S. Sebastiao, ra do
Brum n. 73.
Manoella Augusta de Mendonca Mello Reg
autorisada pela directora da instrucc/o publica,
tem a distincta honra .de communicar ao respeita-
\cl publico que tem aberto na ra do Brum n. 73
o collegio de S. Sebastiao, destinado educacao de
meninas ; sendo as materias do mesmo as seguin
tes: primeras lcltras, grammatca porlugueza
com o seu desenvolvmiento, leitura dos evangelhos
e nocoes geraes de arithmelica desenvolvida, fran-
cez, inglez, desenlio, msica applicada piano;
igualmente ensina-se tambem todos os trabalhos
de costuras e bordados, inclusive o bordado a
ouro o flores. A directora alem do esforco que
emprega por si, auxiliada por professora e pro-
fessores para isso contratados, garanlindo-se, to-
dava, cuidado e zello pelas alumnas que lhe fo-
rem confiadas.___________________________
Nao se tendo realisado no dia 12 do cor-
rente a reuniao geral doi consenhdres da proprie-
dade Apipucos por falta do numero, de novo
convoco os mesmos senhores para se reunirem
no da 26 deste mez i elas 10 horas da manhi na
capella da propriedade, para deliberar respei-
to dos assumplos indicados no relatorio ; a sa-
ber : approvacao das contis da administraae,
das despe as da capella, da arremata ,o das ma-
tas, do ordenado do escriturario, e autorisar
a i>dmnistracao para tratar das questoes re tiv t
a propn'e ad'e, e para nomcar urna commissao
para rever e equiparar as rendas dos terrenos
que oceupam diversos con-enhores
Esta reuniao so cffeetnar com o numero de
con enhores que comperecerem e s poder de-
liberar sobre o objecto para que convocada na
conformidade do art 18 dos estatutos.
Administraban da pn priedade comnmm Apipu-
co, 20 de Janeiro de 1871.
J)s Camello do Reg Barros
O abaixo assignado declara ao publico e es-
pecialmente ao corpo do commercio desta praca,
que dissolveu amigavelmcnte a sociedade que t-
nha c que gyrava sobre a firma de Costa 4 Mon-
teiro, retirando-se o socio Monteiro pago e satis-
feito, c Picando cargo do socio Costa todo o ac-
tivo e passivo da mesma sociedade. Recife 22 de
Janeiro de 1873.
Antonio Ferreira da Costa-
Hotel chinez
Precisa-se de um criado para servico de ra no-
mesmo hotel : a tratar na ra larga do Rosar
n. 31._________________________
Botica Popular.
Precsa-se de um offlcial com bastante Platica-
do pharmacia, e capaz. Da-se LOOMOOO da
ordenado annual.





_


r
zr
Diario de Pemambuco Sabbado, 25 de. Janeiro de 1873*
7
y
/

MOVIDADE
PIANOS E MSICAS

%
MTOIIO JOS HE AZEVEIIO
Ra do Bario da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. andar, antiga ra Nova
Tmmo> mmmmssm .
donde o pabiico em gra enconfra ]sempre o maior e mais esplendido sortimento de pianos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronte i
botica Maorer, um grande ualio onde esli expwtos os magoicos
1*M Al MOS de urinario, de PleyeL
-------- de toeia canda, do mesmo autor.
-------- de H. Henri.
-------- de Amede Thibout.
nico agente nesta cidade, dos celebres
Tambem receben grande sortimento de msicas pira piano, piano e
canto e entre ellas as lindas composicdes do mnito sympathico maestro
F. S.llTI.%1
A SABER :
Voc me qner Walsa.
Olga Maiuika.
Ls Separacioni P-ira caoto.|
A Luz elctrica, grande Walsa.
Ultima* publlea^Ses
afamados
PIANOS DE AUCHER FRRES
Franco Braileiro Polka.
Tomada de Vllela Galope.
Joanioha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka .
Studieote Po'ka.
K
remiados em diversas exposijoss om 14 medalbas de ouro e praia. '
Sao os onieos pianos qne aqai vem da Europa, perfeitamente afina-
dos, fetos com ciegan:ia a solidez.
D'aqni emfldiaBte continuar a inundar todas as publicis que se forem friendo as suas oficinas de msicas.
CAUTELA!
MERON&C.
Feitas as oficinas de msicas
do annnneiante.
Emilia, polka por L Smoltt.
Cireaciana, schoteb, por Smoltz.
Jardim do Campo das Pricezas,
quadrilha, por J. Popoe.
Cbuva de Rosas, Walsa, por H. Al-
bertazzi.
R

AVISA11

aos compradores do bem conhecido e acreditado rape
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.;
Os Apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MET7RON & 0., e a desig-
nado de REA PRETA.
rsa
nikiMiA
ir
m
MEURON b> C.
ta
>
FUND1CA0 DO BOWMAN
RA DO BRUM N. 52
(Passaudo o chafariz)
Os proprietarios dosta fundico recoramendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa lhes tem fornecido.
Possuera sempre um avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de tamanho, proprios para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
e algodo; entre os quaes algumas novidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Vendem a prazo ou a dinheiro com descontla vontade do comprador.
CAUTELLA
Avisam ao publico que diversas encommendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das : pelo qne, rogam a exigencia da cnta impressa, para prova da procedencia do que
se lhes fornece.
Outro sim, que por ahi andam especuladores (alguns empregados e obras em concertos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os taes, lembrando-lhes, pensem se sem interesse aquella industria: e quem paga
as peitas recibidas peles ditos inculcadores.
Escravo fgido
lOSOOO (le ^ililicaco.
Ausentoa-se desde o dia 13 de maio de 1872,
o preto de nome Alfredo, de trinta e tantos annos,
crilo, e bastante ladino; este preto perfeito
cozinheiro, estatura alta, magro, olhos grandes,
j esteve no engenho do Sr. Lul de Caiar, em
S. Lourenco da Matta, onde consta ter parentes,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, tem sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
l'ede-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias u. 91, loja de miudezas do Rival sem
Segundo, que receber a gratificacao cima de-
clarada.
Aviso.
~n
COMMISSES
y
Fazem encommenda vontade do pedinte, mediante urna commisso. de qualquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitado e costu-
me no negosio, tanto em respeito ao preco como a qualidade, assim como todo o auxilio
era montar 6 trabalhar com o machinismo vindo.
HERDEIROS BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
RA DO BRUM N. 52
P ASSNDO O CHAFARIZ
200#000 de gratificado.
No mez de OUtubro do anuo prximo passado
fugio do engenho Ajudante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nome Guilherme, o qual tem os
signaes seguintes: 23 annos de idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris um poueo arquiado,
cabello crespo, altura e corpo regulares, ps com-
pridos e seceos, com algumas marcas de ferida
pelas costas: levou comsigo um cavallo castanbo-
rosilho, tendo no lado diireilo esta marcaE.
Desconfla-se que tenha seguido para a cidade da
Parahyba. Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo a captura do referido escravo,
que peder ser entregue no dito engenho ao seu
senhor, Emilio Pereira de Araujo, ou nesta pra-
ao respectivo correspondente Firmino Correa
fe
ssoa de Mello, ra do Apollo n. 56.
lOOgfOOO
Fogio do engenho Pontal, em Seriobaem, no
dia 7 de mez prximo passado, o molatu Simio,
com os sigoaes signintes : estatura regnlar,
corpo seceo, cor alaraojada, barba serrada, ca
bellos earapinbos e falla descansada. Qaeo o
pegar leve o ao sea senhor o tenente-eoronel Vi-
cente Hendes Wand.rl.y, no dito engenho, on n
Recife ao Sr.BernanHoo de Sena Pontuil, na ra di
Madre de Deas n. 36, qne receber a cratiflcaclo
o* 1004.
Precisa-se alugar para fazer compras na
roa, cozinhar e engommar perfeitamente urna ama
forra ou escrava, para servico de pequea fami-
lia, paga-se bem : na ra da Aurora n. 39, 1.*
andar.
DE -
BARTHOLOME & C.
34RA LARGA 1)0 ROSARIO3'
Catalogo de no vos medicamentos, t-
nicos, estimulantes e estomacaes,
recentemente descobertos pelos
melhores pharmaceucos
chimicos da Europa
A SABER:
PREPARADOS DE AROUD.Vinho ferrugi-
noso de quina, tnico estomacal, repa-
rador das forras dos convalescentes, as
febres typhoides, as perdas de sangue
etc., etc.
Xarope concentrado, com bal-
samo de tol e todos principios nutriti-
vos soluveis do extracto de carne de Lie-
big, medicamento mais poderoso para
os phtysicos, as affeccjes catarrhaes,
etc., etc.
Xarope de casca de laranjas
anfargas, com todos os principios nutri-
tivos soluveis do extracto de carne de
Liebig, o mais poderoso dos analpticos,
para os temperamentos delicados e ner-
vosos, estomal por excellencia, etc., etc.
ANDURAN.Vinho ante-gotoso ante-rheu-
matico, como grande especifico.
FALIERES.Xarope ante-nervoso e inalte-
ravel de bromureto de potassio, medica-
mento especial contra as affec<;es nervo-
sas e convulsivas.
SHERRY-EINA.Vinho de quina, tnico
ante-febril de um gosto agradavel, supe-
rior ao Madeira, e Vermuth.
THOMMERET GELIZ.Granulos xaVopes,
banhos sulfo-acidos, para o tratamento
das molestias de peito, garganta e de
pelle, de um grande proveito para os or-
gos respiratorios.
CHEVRIER.Vinho e elexir de Cocado, P-
rou, tnico de um gosto agradavel, esti-
mulante, nutritivo e estomacal; empre-
gado com grande vantagem as crianzas
debis, as mulheres chloroticas, ataca-
das de flores brancas, nos velhos fracos
pelaidade epelas molestias, na atontados
.'orgos digestivos, as gastrites, gastral-
gias, etc., etc.
CARPENTIER.Vinho ferruginoso de rhui-
barbo, tnico e purgativo agradavel sem
produzir constipaces nem altera^oes no
estomaga.
SAVORY E MOORS.Emulso pancreti-
ca, muito estomacal, com grande pro-
veito no tratamento da phtvsica, podendo
ser empregado com grande vantagem,
quando o oleo de ligado do bacalho nao
possa ser tolerado no estomago dos doen-
tes; sendo o nico remedio que com
eflicacia facilita a digesto do oleo, fa-
zendo apparecer o appetite e o augmen-
to da nutricAo, etc., etc.
CHANTREL.Confeitos de bromureto de
potassio, grandeespecifico contra as af-
fecc,oes nervosas, ataques hystericos, epi-
lepsia, tosse convulsa, coqueluche, in-
somnia, tristeza, delirio e todos os in-
commodos que tem por causa o erethis-
mo nervoso.
MENTEL.Granulos de sub-nitrato de Bis-
muth. Este medicamento 6 d'uma gran-
de eflicacia contra as diarrhas, choleri-
na, dysenteria gastralgia e nos casos de
digestes diflicieis edolorosas.
L. BEUF.Emulso vegetal de alcatro.
Este medicamento administra-se H< um
maneira commoda e precisa, alcatro
m seu mais perfeito estado de pureza
vantagem que nenhuma outra prepara-
" gao de alcatro possue.
DR, CROLA.Solugo de pyrophosphato
de ferro e soda. Esta solucjo consti-
ue um excallente reparador das forcas,
ora sempre as pessoas que tendem
rach'orose (cores paludas) anemia fra-
queza^ral. Este preparado tem a van-
tagem de nao ter nenhum sabor.
GRIMAUD.Confeitos especficos, para cura
da incontinencia da urina, e os incommo-
dos das senhoras chloroticas, etc., etc.
CHAMBARDCha tnico purgativo e depu-
rativo, possue um gosto saboroso e um
aroma suavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaracos do es-
tomago, dos intestinos e do ligado, o
desobstruente por excellencia na cons-
tipaco do ventre e nao tem resguardo
nenhum
L BEUFCoaltar Saponine, emulso des-
infectante enrgico, cicatrisante das
chagas.
H FLONXarope Unitivo e peitoral empre-
gado com vantagem na tosse frequente,
catarrho chronico, coqueluche, e etc.
etc.
MENTELGranulos de phosphato de cal,
medicamento til as molestias dos os-
sos, fracturas, diarrhas chronicas, dia-
betes rachitismo, etc.
HOGGPululas de peprina aciduladas, em-
prega-se as affeccoes gastralgicas, e em
todos os casos em que a digesto difli-
cil ou impossivel. Com irande vanta-
gem.
BLISS REO & CExtracto hydroalcooli-
co de condurango, medicamento muito
estimulante e depurativo, emprega-se
contra a syphilis, scrofulas, rheumatis-
mo, ulceras, etc. etc.
VAUQUELIN DESUURIERSElixir de qui-
na e caf-tonino especial contra as fe-
bres nevralgicas, enxaqueca, empobceci-
mento de sangue, fraquesa geral, cores
palllidas etc etc.
DR. CROMIERPululas anti-nevralgica,
omprega-se com a maior eflicacia em to-
das as affeccjdes nevralgicas, nos incom-
modosda menstruaco, facilitando o fluxo
sanguneo.
QUERUGela de oleo de figado de baca-
lhau aromatisado, com todos os princi-
pios activos do oleo de figado de baca-
lhau. Esta gela nao irrita o estomago,
podendo os doentes usar delle por moui-
to sem a menor repugnancia. E' um
grande especifico para tosse, catarrho
consumpoAo bronchial, tubercular, es-
crfula, debilidade geral, etc. etc.
JOHNSONEssencia de salsaparrilha ver-
melha da Jamaica, empregada como o
nico depurativo inmediato do san-
gue.
ELIXIR ANTI-ASTHMATICOSedativo- Pei-
toral applicado com grande vantagem
no tratamento da asthma, tosse convulsa,
defluxos catharrhaes e todas as molestias
dos pulmes.
Joaquim Jos Goncalvco
Beltro.
R* 4o 1 mmifroii U. 5, 1." an Sueca |>or todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e sobre us seguintes
lugares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Barcenos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Gurela.
Guimares.
Lamgp.
Lisboa.
Mirandclla.
Mongo.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira. '
Valpassos.
Vianna do Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova, de Famalico.
Villa Nova do Portimo.
Villa Real.
Vizeu.
Valenca.
Figueira.
En^ommadeira e cozinheira.
Precisa-se de urna mulher, que saiba cozinhar
e engommar com perfeicao, c aceio : tratar no
engenho Jacar, comarca de Nazareth, ou roa
Leal A Irmaos, na ra do Mrquez de Olinda n.
56, 1. andar.
COMPRAS.
Compra-sc urna escrava preta que saiba co-
zinhar e engommar com perfeicao, agradando pa-
ga se bem : na ra Direita n. 8.
AtteiKjo.
Compra-se urna escrava de 35 a 50 anuos, que
saiba cozinhar. na thesouraria das loteras, ra
1." de Marco n. 6.
Compram-se Diarios de Pernainbuco a 120
rs. a libra : na ra do Coronel Suassuna n. 1.
No armazenr de matemes da praca da m-
cordia n. 1, compram-se casas terreas, mesmo
em mo estado, sitas na ra Imperial, ou em ou-
tro lugar que tenha porto de embarque.
Compre
a-se
Quarenta travs de qualidade superior com 40
palmos de comprinicnto e 10 pollegadas eni (|ua-
dro ; bem assi n, 100 caibros : na ra do lloin
Jess n. 51, escriptorio.
VENDAS.
DO
Antonio Ferreira de Oliven ;i llaia ti'in para jen-
te em seu estabelecimento ra da Scnzala-nova
n. 1, chinellas para homens e senhora, taniancos
e sapatos de tranca para os mesmos, borracha
para limas, tudo de superior qualidade a for pre-
go commodo pm- ter vindo de sua conta propria.
Diademas e aderecos de ma-
dreperola.
A loja da Aguia branca ra do Duque de
s
Caxias n. 50,
diademas e adereces
apurado gosto.
recebeu urna pequea porcao
madrcperola, obras
de
Vendem-se
duas easu terreas por preco commodo, e alguns
bons terrenos plantados com capim de planta,
tudo no Porto da Madeira em Bcberibe : tralar
com Taso limaos & C._________________
Veode-se nina boa vacca de leite, da pri
meira ba'riga : na ra do Cotovello n. 25.
Engenho Bom Xome, sito na
freguezia de Gamellcira, 2
leguas distante da estaco
do Ribeiro.
Vende-se com 8 escravos, 16 bois de earroca, 2
carros forrados e 4 quartos por 60:0000l!0 ;i di-
nheiro com 30:000j praz; ou alias d-sc por
50:000/ vista. O dito engenho olle-rece a vanta-
gem de ser bom e moer com agua. Est montado
com destdlacao estufa, assentamento de rtame,
casa de bgaco, 4 sitios de lavrador com casas de
telha; safreja dous mil paes por anuo, como afora
se est safrejando e com pouca forja : quiMii o
pretender dirija-se ao mesmo engenho, que l en-
contrar o dono.__________________________
Vende-sc
Urna boa casa terrea, chao proprio, servindo
para familia, sita na ra das Crioulas (Capunga.)
Vende se tambem parte de urna outra casa ter-
rea em chao proprio, sita na ra da ventura (Ca-
punga) : tratar na ra Primeiro de Marco n.
7 A, 1. andar,_______
Xarope d'agrio do Para
Antigoe conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios,
eomo a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicado ainda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C, ra Larga do Rosario n. 34.
Precisa-se de um feitor para tratar de um
pequeo sitio.e juntamente de urna ama para cora-
frar e co inhar : na ra do Coronel Suassuna n,
, antiga ra de Hortas. ______ .-'
A profeeeora publica da 1* cadeira da fre-
guoia de Santo Antonio funeciona no 2 andar do
sobrado n. 43 da ra de Marclllo Das.
Libras sterlioas. .
Vende-se no armazem de fazendas de Augusta
. de Oveira & C, ra i> C/mwercio n. 42
AO ARMA
DO
VAPOR FRANCEZ
HIA DO BAHAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
etegantee mdulos, dos mais notaveis e bem co-
nhecidips faln cantes; como sejam : Alphonse
Blondel, Henry Her e Pleytl WollT & C. : no
vapor fraiicz, roa do Baro da Victoria, ou-
'trora Nova n. 7.
Calcado ancez.
Botinas do laxo i.'.phanlazia, brancas pretas e de
dilfeniites cores, tauto para senhoras, como pa-
ra uimiinas.
Sapalinhos coin salto no rigor da moda, brancos
c de coros para senhoras.
Bolinas de. Melis, de Suser c de Polak, para ho-
mens. f
Sapatos de cordavo Mili spara homens.
Botinas para menino de qualquer tamanho.
Perneiras e meias-perneiras tanto para homens
como para meninos.
Sapates de Suser para homens e meninos.
Sapatos de vtirniz rom salto para homens.
Abotinados de inuitas qualidades c precos pira
meninos e meninas.
Sapaldee de v.-rniz rom sola de pao proprios para
sitios, jardins c hanhos, soilmenlo para homens
e senhoras.
Sapatos de tapete, eaiemira, charlot avelludado,
de tranca^ortaguez e hancez.
No anuazm da vapor Ir.ince/, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, l leos, opiata e pul den-
tiilice, agua de II t 4e laianja, agua de toiie-
n?, divina, llorida, lavande, |nis de arroz, sabo*
neles, cosmticos, muitos artigos delicados em
perfumara para protestes coin frascos de 8X-
tracios, eaixinlias surtidas e garrafas de dife-
rentes tamanho d'ayua de cologne, tudo de pri-
meira qualidade dos bem conhecidos fabrican-
tes l'iver e Coadray,
No armaxem do vapor franeez, ra do Baro da
Victoria, outr'oia Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval.
O mais importante sorumento que tem viudo de
mscalas de mas-:',, de rame e de seda, nariz
com oeiilos. barbas efe, prei-os inuilo bara-
tos lano em grosso eooio a retalho.
No ariuaein do rap Irancet, a ra do Bario da
Victoria, oulr'oia Nova u. 7.
Para viagens.
Hnite boas malas e bolsas para viagens de mar e
de caminhos de forro.
Estajos do viagens con os pertenees neeessarios
para barba.
No arma/.em do vapor franeez, ra do Baro
da Victoria, outr'ora Nova n. 7. .
Botas de montana.
Novo sortlmento de botas Napoleo e a Guilher-
me, perneiras e meias peine ras para homens,
e meias perneiras para meninos.
No armazem do vapor (ranee ra de Barij
da Victoria outr'ora >ova n. 7.
Mobilias de vimes.
Cadeiras de balando, de braco, de guarnuOes, so-
fs, jardineiras, mesas, conversad- iras e costu-
reiras, ludo isto muito bom por serem forte? e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de recreios.
No armazem do vapor franeez, roa do Bario da
VCI nia, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharas.
Arlig |lSlHtllZUN.
Espelhns dourados para salas e gabinetes.
Loquea para senhoras e para meninas.
Lavas de Joavm, de Be da Escoeia e de t
Caixinhas de costura ornadas.com msica.
Albuns e quadrinho para retratos.
Caixinlias com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de le garantid i.
i'.olientes de plaqu muito bonitas para rek -
Brincos imitacao e botos do pnnnos de pl
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de eouri-
nlio de cores.
Novos objectos de pliantazia para cima de mesa
ejiuiletle,
Pincenez de cores, de prata dourado, de .150 c de
tartaruga.
Oculos de ac lina e de txlas as graduacOes.
Bengalas de laxo, caima, com castSes de marfim
Bengalas diversas em grande sortimento para Bo-
rneas o meninos.
Chicotinhos de baleia -1 de multas qaaKdades di-
versas.
Esporas de larracha para saltos de totas.
Pouteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembarazar e para
barba.
Ditos de marfim muito linos, pira linipar calca.
Estovas para roupa, cabello, unlias e pan den-
tes.
Carteirinhas de madreperola para dinheiro.
.Meias para homens e para meninos,
Grvalas brancas e de seda preta para iiomens ;
meninos,
Campanhias de mola para chamar criados, -
logos da gloria, de dama, de bagateilas, de domi-
oo e 1 utros muitos differentcs joguinnos alie-
mes e [rancezes.
.Malas, bolsas e saceos de viagein de mar e CaBB-
nhos de ferro,
Mamadeiras de vidro de dar leite mu fcil s
criancas.
Argoiinnas de marfim para as criancas morderem,
bom para os denles.
Ber Cestinhas de vimes para braco de menina*.
Carrinbos de quatro rodas para passeios de crian-
cas.
Veiiezianas transparentes para jwrtas e janellas.
Reverberos transparentes para candieiros de gaz.
Esterescopos c cosmoramas com cscolhidas vis-
tas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidrus.
Vidros avulsos para cosmoramas.
1 de cores para illuminacOes de
para
de papel de seda mui fcil
conservar as mezas de
Pereira da Caoba Irmaos, ra Mrquez de
Olinda n. 21, vendem o segninte :
Vaqoetas para carro e botas de viagem.
Marroqoins.
Cordavdes.
Oleados pira forro de carro.
Potassa da Rns Vinho do Porto, flno, em gallas.___________
Ra larga do Rosario n. 22.
0 Vianna tornou a arrematar mais pee^nclias
para vender barato.
Vejam :
Cortes de brim branco tranfado que
d urna calca 2*500
Ditos de dito pardo trancado muito fino 2**100
Ditos de dito de linho puro (cor do linho) 2#000
Cambraas 200
Chitas 200
Pecas de madapolao tino 4*000
Crotone para coberta 360
Borzeguins para senhora 4*000
Ditos de bezerro, cordavo e gaspiados
para homem, obra muito boa, que se
vende a 131. a
Vndese um boi e urna carroca
ca da Concordia n. 9.______________
8*000
na pra-
Globos de pape
testas.
Baloes aereoslaticos
de subir.
Encerados bonitos para
jantar.,
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadorcs de palha e de peonas.
Tesourinhas e caivetes linos.
Tapetes com vidrilhos par mangas e fantrnas.
Tuiteiros de louca bra^ mode,0 ^^^ 0 ^n,
liras ue moldui rtS douradas e pretas para qua-
Quadr-^ ja promptos com paysagens e phantazi.
estampas avulsas de santos, paysagens e phanta-
zias.
Objectos de mgicas para divertimentos em fa-
milias.
Realejos pequeos de veios jcom lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordions de todos os
tamanhos, e outros muitos artigos de quinqui-
lharas dilccis de mencionarse.
No armazem do vapor franeez, ra do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meimos.
A maior variedade que se pode desejar de todo?
os brinquedos fabricados em dilTerentes partes
da Europa para entretenimento das criancas ;
tudo a presos mais resumidos que possWel_:
no armazem do vapor franeez, ra do Bario
da Victoria, outr'ora ra Nova n. 7.
Singe:
r.
Urna pessoa que se retira para fra da provin-
cia vende urna machina de costura do afamado fa-
bricante Singer, tendo apenas 2 mezes de pouco
uso. Para ver e tratar na ra Augusta n. 236.
Machinas para limas.
Vende-se ptimas, e muito convenientes para o
fabrico das mesmas : na pharmacia de Ferreira
Maia A C, ra larga do Rosario n. 10, e na pra-
Sdo Conde d'Eu n. 19, casa do Sr. Antonio M.
Ferreira.
kTt
Mascaras.
Mascaras.
Acabam de chegar gr ndes facturas do masca-
ra' com todos os sortimento?, para venderse em
grosso e a retalbo : no armazem do vapor fran-
eez, ra do Baro da Vicieria, outr'ora Nova o, 7.

*''
I

1

.
*


6
Diario de Penmmbuco Sabbado 25 de Janeiro de 1873.
Para s cabar at o ftm do anno
Na roa da Imperatriz n. 60
DO PAVO
DE
PERERA DA SILVA.ft C
Tendo os proprietarios deste grande estabelecimento, um avultado sortimeoto de
fazendas ero str, ede?ej;nio liq)ida-ta', at o fim do correte anno, tem resolvido ven-
de-las por presos roaito commodos, con o fim de aparar dinheiro, a vista do qae
convidara os lira. Srs. ctiefes de familia a virem sorti-re, nao so de fazendas de primei-
ra.nessecidade, como de fazendas de laso e gosto, das qaaes encontraro om sortimelo
das mais novas do mercado, cbegadas pelos ltimos vapores da Europa.
FAZENDAS DE LE
CORTES DE :ASSAS A 24500 E 33300.
O PavSo vende cortes de cassas de cores,
com padrees muito bonitos pelo barato
preco de 2351)0 e 30000.
CORTES DE CHITAS A 23400 E 25880.
O IV-j vec.de cortes de coilas francezas
finas, rom 10 covados pMo diminuto preco
de 25' 0 cada corte.
Ditas com 42 covad s pelo preco de
2^880 cada corte.
PEg\S DE CHITAS A 7520O.
O Pavo vende pecas Jecbitis linas, lia-
dissiraos padres, tendo 30 covados cada
peca, pelo binto preco de 75200 cada
nina mtiio barato.
LENCO'ES DE EIUMANTE.
O Pavo vende leageti de bramante mu-
lo grandes, sendo de um panno so, pelo ba-
ratissmo preco de 25'00 cada om.
CIIAILES BARATOS A 10000 E 23030.
O Pa^o vende chailes de arlatana gran-
des pelo barato prego de 13000 e 23000.
Dos de lili estampados imitado de
meri-i 230JO.
FAZENDAS DE GOSTOS
BAREJES DE SEDA A I0OJO E 13400 O
COVADO
O Pavo receben pelo ultimo vapor
francez, om grande sortimento dos mais
lindos barejes de seda, sendo em coras
e gostos o melbor que tem vinlo ao mercado,
esta nova fazenda muito propria para
vestidos para bailes ou casamentos, tendo
entre esta (azenda delicados padres bran-
cos proprio para, vestidos de noiva.
MODERNSIMAS POPELINAS
Popelinas a 13500 e 23000 o covado.
O Pavo receben om elegante sortimento
das mais modernas e lindas popelinas de
la* e seda, e linbo e seda que vendem a
13500 e 23000 o covado, tendo padroe?
listrados mindo e grandes que parecen
propriameote seda, assim como das mesmas
tambera tem brancas proprias para vestidos
de noiva.
NOVAS SEDAS A 23500
O Pavo vende bonita e moderna seda
de urna s edr, tendo de todaa.a.s cores, cea
delicado lavrores miodinbose vende a 23304
Ditos de quadro3 modernos, mnito en- o covado para vender barato.
COrpados 35000 e 45000 ; assim como
grande sortimento dos mais finos cbailes
crepon e merino qae se vendem por precos
muito em conta.
MADAPOLES.
Pecas de madipollo francez muito fico
com 20 jarda;; a 505OC e (53000.
Ditos com 24 jardas moito superior a
655 O e 70001.
Dito ingle? f.izen la muito fina 50000,
60000 e 60800 at 100000.
Ditos francezes e ingle zea mnito fiaos de
40 jardas para difireme* precos.
ALGODAOZINHO.
O Pava" o veod.< por prego muito barato
pecas de al^odozinh americano muito
boa com 18 jardas 45000.
Dito com 24 jardas
a 45500 e 50000
T muito eneorpado
al 63000.
Dito largo marca
80000.
ALGODO BNFE5TAD0.
O P.\3o vende o verdadeiro a superior
i odoziobo le daas larguras para lences,
seado. muito eneorpado 10 CO cada vara.
Dito trancado di roes'ca largara 10280.
CHITAS LARGAS.
O Pava vende estas execellentes chitas
francesas ciar.; e escuris com muito bom
panno ;i 240 rs. cada covado.
Dita muito fina 160. 320 e 360 rs.
Percatiea fioissimos miudiohos a 360 e
400 rs. cada covado.
CAMBRAIAS.
O Pavo vende cortes de cambraia trans-
prente propria para vestidos a 20500 e
330 .
PeC* de dita muito fina com 10 jardas
tanto la >ada como transparente a 43000,
53000 e 63000 at a mus fina que vem
ao merca io.
BRAMANTES PARA LENCO'ES.
O Pavee vende superior bramante de al-
godo ten i (I palmos de largora que s
oerci?a de 1 '/ vara pira um leocol, me-
tro l|600 e a vara 10800.
DiLo de !int.o puro superior muito eneor-
pado com a mesmi largura a vara 25400.
Ditos francezes muit) finos a 20500 e
30000.
Pe;a de Hamborgo e panno de linbo com
20 e 30 varas, par todos os precos e
qoafidade.
Pe^as de bretanlia de poro lioho, tendo
30 jardas pelos precos mais barato que se
tem visto.
Pecbiocha de finissimo esgaiio sucelena
com 6 j.-.rdas 70000.
Peca de finissimo celna com 30 jardas
a 305'K), ato.dhado adamascado com 8 pal-
mes de Ir^nra a vara 20OCO.
la\\zimi\s de fjrta cores.
0 Pava eo.de um elegante sortimento
de tiaziobas de furta cores qoe brilho qua-
si como seda ten io de toiis as cores, e ven-
de 360 rs. o covado.
CVLCAS DE CASEMIRA.
0 Pav3o tem un gno.de sortimeoto de
caiga de cassmira, assim como cortes os
mais modernos qoe tem vindo nos ultimo?
Sgorins e em fazenda das mais finas e mah
novas ao mercado, e vndese por barato
pr'dco para apnrar dinheiro assim como cal-
as de brim hrnco e de cores por precos
nimio ra/.iiaveis pwa isabar.
CORTES DE PERCALA COM DUAS SAIAS
A 43OOO.
O Pavo vende bonitos cartas de precalia
com duas saias, sendo fazenda de mnito
gosto a 43000, pecbiocha.
TNICAS PRETAS.
.' O Pavo reeebsu om grande sortimento
das mais rime turneas da grs preto, rica*
mente enfeitaias, e vende por preco razOa-
vel.
VESTIDO? BRANCOS BORDADOS DE
3550000 ATE 600000.
O Pavo receben em Irado sortimento
dos ifl-is ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordados, e com todos os enfei
tes necessarios, ,e vende pelos precos de
35.5000 at 600000, n tem vindo nada
mais rico neni mais moderno.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
A .'5500, 80000 E IO0OOO.
O Pavo tem um grande sortimento de
cortiBidos para cama e janeflas, qoe ven-
de oelo barati preCo de 70500; 80000 e
100000 o par, tendo at por 183000, assim
como colchas d damasco para camas de
noivos, e gritde sortimento de tapares tan-
to para iciiuras como para camas, piaaes,
portas, etc., lado vende por preg razoa-
tels, y
COhTES DE SEDA A 453000 E 500000
O Pavo vende bonitos cortes de seda,
ftnda de muito gost), tendo 18 covados
cada corte e vende por 453000
Ditos de 20 covados a 500000
Sao muito baratas em relaco superior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pavo vende um graudo sortimento
das m.iis modernas, baptistas com lista de
cor, proprias para vestido, com as cores mais
novas qae tem vindo ao mercado sendo
mnito maU largas do que as chitas francezas,
e vende pelo baratissimo preco de 500 rs.
cada ovado.
OFFICINA DE ALFAPATE NA LOJA DO
PAVO.
Nests grande e.-tabelecimento encontrar
o r.rpeitavel publico, urna bem montada offi-
cina de alfaiate, onde se manda pxeeular
qualquer peca de obra, tanto para hornera,
como para meninos, com a maior pres-
tesa e perfeico assim como para qualqoer
luto que de repente appareca, teodo na mes-
ma officina om perito official destinado para
farda dos Ilm. Srs. ofllciaes de goarda na-
cional ou tropa de lidia, sendo futa nfficina
diiigida pelo hbil artista Pedro Celestino
Soares de Carvalho.
NOVOS VESTIDOS A 43000.
O Pavo receben um elegante sortimen-
to de novos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende pe lo
barato preco de 40 cada um; muito ba-
rato.
ESPARTILHOS A 33000.
O Pavo tem um grande sortimento de
espartiraos, tanto para sanhora como para
menina, qbe vende pelo barato preco de
30000. Ditos muito finos a 43030 e 53000,
sao dos mais moderos que tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
O Pavo vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazenda, com
padres claros e escuros, pelo barato preco
de 240 rs. o covado, por ter um leve to-
que de mofo : pecbiocha.
SAIAS A 230CO.
SAIAS A 20000.
O Pavo vende saias brancas de cma s
p^C com fazenda equivalente a 4 pannos,
com bonitas pregas em volta, a 230O0 e
23500.
Ditas com pregas e bordados a 30000,
pecbiocha.
LIQUIDAQO DE CALQAS DE CASEMIRA
O Pavo tem um grande sortimento de
calcas de casemira de todas as cores e qoa
lidades.para todo3 os precos, e desejsndo
mnito liquida-las, resolvea vende-las por
om preco muito em oonti, para diminuir a
grande porco.
CORTES DE FUSTO PARA VESTIDOS A
30000.
O Pavo vende cortes de fusto branco,
tendo 12 covados para ves'idos1 a 30000,
pecbiocha.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA A
63000.
O Pavo vende bonitos cortes de cambraia
branca transparente, com bonitas vistas e
lavores, proprios para vestido, tendo 8 va-
ras cada corte, pelo barato preco de 60000,
pechincha.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pvao vende bonitas, cassas francezas
com bonitos padres, e de' muita phantasia
pelo baratissimo prei;o de 240 e 280 rs,. o
covado, sendo fazenda de muito mais dinhei-
ro, grande pechincha, nloja do'Pavo.
BOLRNUS A 1635000.
O Pavd recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos gostos que
at boje sao conheeidos, e em relaco ex-
cessivabarateza, convidam-se as Exmas. Sras.
para as verera, para assim admirarem o que
ha de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAIA A 69660.
O Pavo vende cortes de cambraia branca
com listas e lavores da mesma cor, tendo fa-
zenda para um vestido, e veudc pelo barato
preco de 69000, por 3er grande pechinfha.
Ditos'maito linos com babailirihos brancos
bordados a 89000.
Ditos ditos .foi-listas de -4fs-aft$6J) e
59600r r>
Ditos de cambraia branca com 6 metros
de babadinhosde eoresa99600. Engrand
pechincha na loja do Pavo.
Jttndi!!!
A MADBESILVA.
Praca da Independencia
m. 38 e 40;
Acaba a Madreselva de receber diversos
objectos, cdfrio'sejtfm:
Ricos adetecos de madrepfcrola brancos e
de edres.
Diademas d rrraflreperol, ditos dorados,
ditos de massa ou bfalo, ridamerrte etofeita-
dos, cruzes flnghido brlliantes. cassoletas de
plaqn com vtftas o sorft ellas, irntatirlo
ouro, pulseiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
cabello, sendo borblctas, bestfuros e beija-
flores e otfas moitas qualidades;'tudo de
muito gesto? rico sortimento de gravatinhas
de lacjos para'senhora, sendo velludo, sarja,
setim, gaze, escossezas e de urna s-cr, fa-
zenda iriteiramente novidade.
Lindo 'Sortimento de leqaes de marfim,
madreperola,' tartaruga, ditos dourados, com
seda e'sCm ella, afro detes de outras mili-
tas qualrdades, -que enfadonho seria mencio-
nar, tanto para senhoras como para 'me-
ninas.
Rico sftirftnto de punhos e gollinhas
bordadas env cambraia de linho e camizinhas
bordadas phra senhoras.
Bonitas gnarnicoes ou dragonas para en-
feites de vestidos, assim como os rmi'rto dese-
jados cordoes de seda, fazenda inteiramento
novidade neste mercado.
Rico sortimento de caixinbas com prepa-
ros para costura, sendo de lampas de crvstal
de outras muitas qualidades' etamanhos,
ditas para porta-joias, porta-extractos, ricos
porta-relogios, porta-charutbs, porta-cihza,
tinteiros, casticacs, tudo sao objectos de
plaqu, propri para presentear a qualq\ier
pessoa, assim como diversos objectos para
escriptorio, facas para cortar papel, carteiras
para notas, caixas para phosphoros, caetas
bordadas* lisas, maracas para crianzas, si-
riefes para 'abrirflrmas, caixascontend Urna
snetd, uri4apis e m caivete, agulheiros
e dedaes, todos estes objectos sao de marfim,
fazenda inteiramente novidade, assim como
itrOs muitos que s a vista dos pretenden-
s se podero mencionar.
Vestuarios para crianzas, chapozinhds de
stjda, sapatinhos d" merino e setim, meias
de seda e dealgdo, brancas e de cores, tu-
do para baplisdos.
Rico sortimento de babadores para crian-
zas, ligas de seda para senhoras, longos
brancos com ramagens, meias de seda para
senhoras e meninas, ditas de tio de Escossia,
o melhor que se pode desejar, assim como
meias de l, proprias para senhoras.
Rico sortimmto de escoras com costas de
baleia, marchetadas de madreprola, para
roupa e cabello, e de outras muitas quali-
dades.
AGILHAS E LINBA8 PARA MACHINAS.
A Madresilva acaba de receber um com-
pleto sortimento deagulbas linhas brancas,
de eflres e pretas para machinas, dos fabri-
cantes Grovor Bakr's, assim como aglhas
de todas as qualidades e linhas de seda para
bordar e para crochet, ricas capollas com
veos e sem elles para noivas, lil branco com
bonitas ramagens e com 7 palmos do largura,
fazenda especial: s na Madresilva.
Rico sortimento de flores de laranja om
rnmae o sopas, drt Inifcis'ns ffimnrnl>-, fir
enfeites de vestidos de noivas.
Rico sortimento de collarinhos e puhhos
bordados o lisos, de linho e algodo, para
homens, assim como chapos de sol com
castao de marfim, eoutroS muitos artigoc
TEM A MADRESILVA
bonito sortimeiito de jarros, castieaes
pingentes, garrafas e copos para espii
irascos, garratnhas de diversos gostos,
prias para toilettes, assim como acaba de re-
ceber um completo sortimento de espelhos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, de 3 a 9 palmos de altura
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va ti. 2, nm sortimeoto de machioas para
costura, das melhores qualidades que existe
na America, das quaes moitas j sao bem
conhecidas pelos seos autores, como sejam;
Wuer & Wdson, Gover 4 Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaea e outras muitas
qoe com a vhtta devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trinta costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feif ccftn as mais perfeitas costureiras.
Garante-se a saa boa qna'idade e ensina-se
a trabalbar com perfeico em menos de urna
hora, e os presos sao i2o comm dos qoe
devem agradar aos pretendentes
I^ehniaim F/res \endem
libras sterlinas : a' ra do
Crespn, 16, pri metra andar,
RIVAL SEM SEGp
Chegararo agolhas para maclina, do fa-
bricante Grover A Baker. Dozia a -18000.
D
.MtllIFE
Roa do Mrquez de Olinda
n. 80 A.
Tem para vender os seguiotea objectos abaixi
mencionados, pelos precos mais resumidos, eomc
sejam : Coques modernos a 2/000, pe^as de eo-
iremeios bordado' de diversas larguras a 500 rs.
luzia.s d co'Iarinhos de linbo a 4JS500. ditos rcai.*
inos a 55000, icacos para aigibeira a 200 rs. boa
fazenda, linhas de carritel de 200 jardas a 60 rs.
la para bordar a 5000 libra, leques a irniuck
de sndalo a IloO, lumparinas a 600 rs. a duzia,
caiaa com papel amiade a 600 rs. das com di
to superior a 700 p., envelupes a 400 rs. o Cen-
to, bolinas nacionaes para homem a 4"00, fcop
para criaeas a 1 500, agolhas trncelas a 40 r
o papel, jabonetes de alcatro a 500 rs. agua fl>
rida verdadeira a 1/200 a garrafa, dita inferion
t/000, frascos com sndalo a 1/000, ditos coa
oleo pnocome a 800 e 1/000, ditos com dito ba-
bosa a 320 rs. ditos com agua de cologne a i(
e 400 rs. pecas do galSes branco nara enfeiteil-
.oaiiuus oo ciiauva. a oo e 500 rs., massos com
12 pecas de tranca branca a 240 n, ditos com
as de cores a 320 a 400 rs., duiia? de phjspho
ro sejuraoQa a 2't0 rs. e a grosa_ a 2*400, e ou-
tros moitos'artigas, que para nao toruarmooot
eufadonKs deixauioi i rneucioaar, oa gaaes v.io-
Jem-sfl barttos para .acabar.
regatar.
c. largura
A MADRESILVA
acaba de receber um especial sortimento de
tavVS de Jouvin, brancas, pretas e de cores,
para homens e senhoras, assim como tam-
bem para meninas e meninos de 3 anuos
para cima.
BON'IXAS.
Rico sortimente de bonecas de todos os
tamanhos e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba de receber um rico
sortimento de bordados em cambraia de li-
nho, fazenda inteiramente novidade nesto
mercado, sendo babados e entremeios.
Finalmente, a Madresilva, alm dos arti-
gos que vos faz mencao, tem Outros muitos
que enfadonho seria explicar-vos, por isso a
Madresilva espera que vos digneis visita-la
mais a miado, a qual vos ftcar sempre
grata. .______________________^
Lzinhiis para vestidos a 320
res o covado
S na ra do Duque de Caxia n. 60 A, otrtr'ora
ra do Qufimado,
Silva & C.
loja da tquita, de fiemo da
Engenho S. Matheus.
Vende-sc um'ngnho d'agna, ioente e corrente
com umitas boas obras, meia legua distante da via
fcjrrea, esta^ao de Ganellcira, pelo moitco prero
de 46:000/000, didlioiro vista. Tamban vnde-
se dando 6:000000 vista e dez dividido em
cineo papiinentos annnaes, ?endo qu as lettras
descontiiHas a 1 %ao mez, prodniam osdiz contns
de reis : a tratar a ra do Livramento xu i9, i.'
andar
Vendc-sd na ra do Imperador n. 20 um
mlemie crioulo, de 18 para 1 anuos, boa figura,
sadio, bom osrtos de tecedor de palhinlta e de
marcioeiro.
(IhegHfin i|iianlH totes!!
A hm! :$00! SSWNI!
Lidos clia|:i''iis campestres, da ultima moda,i
para senhora, s na ra do Duque de Carias n.i
10 A, toja da esquina, de Bento da SHva i'C.
Aiupa-se una escrava para todo o survieo de
urna asa de familia : tratar na ra Prkneiro
de Marco antigamente do Crespo, loja do Passo
junto ao arco de Santo Antonio.
Vend-se o -sitio tfe estrafca da Cruz de Almas,
que tica -entce o do cenwnendador Tauso e o do
deseaiUargador Doria.- com casa de vireoda. il ffe-
rentes arvoredus, grande baixa de capini,, etc.,
dando os Tffdos para a estrada dos trilbos urba-
nos ao p da estarao da Jaqneirn : a tratar na
roa do -Amorim n:^7-
,,; i-.i.i ni" i 'i i,,, ii in.i
\
'arifba d^manffioca^a 8! o
sacoo.
j-ua da JfedW te'.Jos n. 7; a'ella, o
qUatfo ipo se aba.
Amaral, Nabuco A C. avisam a rapazeada car-
rtavalesca e aos habitantes, do Cabo, Apipaeos,
Igurrrtrsad, Ca?apfoTe, Limoeiro, Afogados, eoyaa-
na, Sant) AntSo, Nazareth, Vanea, Olinda, .Mo-
tocolorab e aos demais amantes do carnaval que
recelieraiii un completo sortimento de mascaras
de papelo, sera, seda e rame, para qualquer
carcter ; c franjas, trancas douradas e pratea-
das. cabeiliras, lantejoolas, volias etc. Vedem-
e no Bazar Victoria, ra do Barao da Victoria
BAZAR VICTORIA,
i
receber
e convid
Amaral, Nabueo A C. acaban de
Eurojia pelo ultimo vapor o segointe,
s Exma:-. senhorai a virem ver:
Bicas ehapi'linas pan visita, de palha, fellro,
velludo e soda, a Rabagares Ifontpensier, ultiite
rnoila.
Chapeos de palha para passoio.
Enfeites de seda, de cores e para luto, para ca-
cea de Sra.
Costumes de eamliraia para Sra., con leudo ves-
tido, chapeo de calwca c -i sol, tutlo da mesma
fazenda e de iguaes enfeites.
Cortes de vestidos de la c seda, de cambraia
bo dado^ agulha, pintados c estampados, e de
baptJLsias de cores.
Elegantes guarnicocs de cores para senhora.
contengo 1 par ti; brinco'. 1 rjlliete, 2 puleeira<,
1 diadema e u.na bornoleta para cabello.
Leques de madreprola, branco e qtieimado cor
de rosa, br.mja etc. etc. lisos e ltordidos.
Leques di; mnifim, lisos, bordados o com seda,
Leques da tartaruga.
Leques de madeira. ossp etc. etc.
Vendem-se no azar Victoria, ruajd Baiio da
Victoria n. 2.
ilVJi
Vcnde-e b'Tanas decimes tanto pequen
corno tunds : na roa do Iraperator n. 29.
Ettallente touejobo itflez em latas de quatro
ribras a 90 rs. a li>fa : no armarem ds Tasso
(rtacs & C, ra do Ameno n. 37.
ttidus 46 Hamburgo
Vende se a t?
ra da Croin. i,
reir.
o cesto, muito barato : na
1* andar, sata-) de cabellei-
Keosene
de prkcHTB qnaHdade, marea Doves, venSem
Psreira n ^alia ffau., a mi do Marqn-z-de
^H*ii:? l>*Bdar.
BICHAS DE HAHBURG3
As mais rectfutesemeUiois.
Vend6m-se na pharmacit e drogara de Bar-
tbolomeu &C, ra Larga dosariu o Rn. 3i.
Muita attenco.
Vinho -e uva pura da liba de S. Migu 1 ; as-
sim como peixo ac dh-er as qualidades em t ar-
ris : 'vendem Oh'vein Miranda 4 C, raa do
Encantamento n. 11, venda.
VeneViise-um prcto coziafauiro: no largo das
Cinco Pontas n. 114.
'Sa ra da Trinclieiras n. U.. loja do ciriguei
rq, vende-se franjas e enfeites dourados e pratea-
os'para vestuarios de mascaras.
| UllUHUf
Pede obter em pooco tempo com o aso do melhor dos licoresa aflamada
HESPERIDINA
Faz"oito ancos que conbecido este precioso tnico, e difficil acbar urna peisoa
qoe, tendo experimentado pessoalmeote, nao (alie em seu favor, j como bom estomacal
e apetisador, tomando um calix della antes de jaatar, oo como facilitador da digesto
t mando-s depois.
ABASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ba om t habitante do BfiASIL (a tem
especial das laranjas) qae nao conbeca as propriedades medicinaes da doorada trocla,
ora bem, a
uuiji om
em sen estado natnral tem um gosto poaco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter soas boas propriedades, e ao raesrao lempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR

A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL alo tem nada qge invjar s
melbores importac^es europeas de catbegoria semelhante. Estas, qaando moito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinado perfeita do
AGRADAVEL E SDAVEL
Para prova de que om artigo no qoal pde-se ter inteira conflanca, por ser poro
e innocente, basta dizer-se que foi plenamente approvada e autorisada pea
JUNTA DE HYG1ENE
do Rio de Janeiro, prmittindo saa livre eIaboraro no imiyerio; ootri
BOA PROVA
a acceitaco geral que tem em todas as partes onde apresentada. Em 184 stabe-
leceose a primeira fabrica em Bueoos-Ayres; m 869 a segunda em Montevideo ; e
oo dia da chegada de S. M. O IMPERADOR inaogurou-se a fabrica qoe actoalmenie
trabalba na corte. Em Yalparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceilacj.
tanto qae rara a casa qae considera completo sea aparador sem' ama garrafa de

0 homem velho toma Hesperidina para obtr
VIGOR
O homem doente toma Hesperidina para obter
SAUDE
O homem dbil toma Hesperidina para obter
Nos bailes as donzel'as e os mocos tomam a Hesperidina para obter boa cor o
animagSo dorante os loncos gyros da
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigario Tenorio n. 7, Io andar, receberam esta
grande especifico, e vendem-no nos depsitos seguintes :
Joaquim I'erreira Lobo, raa da Imperatriz.
Zeferino Carneiro, ra do Commercio.
Marcelino Jos Gonfalves da Fonte, ra da Cadea n. 2.
Antonio Gomes Pires & C, raa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires & C, caes 22 de Novembro.
Gomes A Irmao hotel da Passagem.____________ _____________ .
NOVIDADES E PECMMIA^
EM
FAZENDAS Fli^^Un"pas FFIT4S
DA
LOJA DO PAPAGAIO
Tendo por mestre Mr. Charles Laurent
RA DA IMPERATRIZ N. 40
Mendos de Carvalho scientificam ao respeitavel pnblico, qae acabara de receber c
completo sortimento de fazendas tinas de todas as qoalidades, tanto de, la como da 1
nbo, seda e algodo, o qoe ba de mais medernoe do melhor gosto, e portanto ceer
dam as Exmas. -familias amigas da eccnomia do mestica, a virem ou mandaren) na ,.'
DO PAPAGAIO, e verSo que compram fazendas bonitas e baratas por menoa prec q=-
jamis compraro.
COMO SEJAM:
Gramdinas de seda de ama s cor, lar- Chitas francezas de todas as qoalidatiei
gas a 15600. de 320 rs, at os cretones de 560 rs. o t
Poupelinss sarjadas de furta cor boa lar- vado,
gara, a 1(5200 o covado. Cortes de cas.ca brancos bordados cor
Alpaco de cores com Iistras de seda para babados de seda de cor, e branco, e oetr
enfeite, a 800 rs. o covado.
Lazinhas de cores, em grande qaantida-
de, de 320 a 500 rs. o covado,
Cachenez francezes para senhoras e me-
ninas, a 35000.
Cretones francezes para cobertas, cor fixa,
a 800 rs. o covado.
Alpacas lisas e lavradas, de cores moder-
nas, de 500 a 800 rs.O covado.
C bertas de fusto de 13 e de outras
qualidades, brancas e de cores.
Ponpelinas de seda, de r e de quadro
a IjJ800o covado.
Pecas de cambraia bordada para cortinado
com .25 varas.
Ditas de cambraia adamascada com 20 va-,
ras, a 125000.
Saias bordadas maito finas de 4 e 5 pan-
nos.
Bales de chita e de cambraia a 25000.
Nansouks e baptistas com Iistras para en-
eitar.
Diversas qoalidades de iaasohs e alpa-
cas em retalhos, para todos os precos.
Bramantes de lioho para lences, de 25200
at 45000.
Dito de algodo muito largo a 15800 a
vara.
Algodo largo para lences, a 15000 a
vara.
Atoalhado adamascado de linho e algo-
do.
Espartilhos'de linho fios, de 30000 para
cima.
LSazinbas largas com Iistras de seda, a
800 rs. o covado.
Madapoloes inglezes e francezes de 55000
at 124000.
Algodosinho de todas as arca, dtver
sos precos.
Bareg.es com listra de seda, a 500 rs. o
covado.
bordados com Iistras.
PARA LUTO.
Veos de fii de seda pretos a 8<>000.
Merinos para vestidos, bombazina, ca
to, alpacas, la:inbas, crep, cassas e ch.
tas, todo em quantidade, e par diverso
precos.
Grosdenaples pretos, de 15600, 250(0
25500 at 55000.
Seda preta com Iistras assetinadas par;
vestidos.
Caapi3 de sol de seda para meninas. .
450.O, e forrados.
Ditos para bomem de 050CO al 205000
Ditos de alpacas de cor e preto, para di
versos precos.
Tapetes avelladados desde os maia pa-
queaos ateos maiores.
Damasco carmezim para colchas, o ms
lbor.
Pannos de croch p?ra cadeiras e ao-
pbs.
Cambraia victorias de lodos os eam*
ros.
Ditas transparentes inglesas e soissai, co
a largura de tarlatana.
Fil de linho e de seda, branco e preto
liso, de salpico e de 0 res.
Camisas bordadas para seobora, de di
versos preces.
Meias para senhoras, das mais inferior
at as mais saperiores qae Uem 3ftpar
cido.
PARA HOMENS E MENINOS.
Nesto ealabelecime&u se moBtou om.
ofik'na, e qua'qaer bemem oe quier ve*
tir com gosto, achara muita variedade eot
camisas de cores, pannos finos e casera n*
O'ianAor rw%a no mercado, roopa feti
e cews etfigza?, lisas e bordadas, cerooi
de linho e de algodo, meias, collarinhos en
grande qj^antidad, grvalas de ttrdtia '>
feitios, camisas d meia, em somma enenn
para teStr cc
Cassas francezas de cores fixas e lizas
com barras, os padres mais bonitos que se | tra de tudo que p cisar
teem visto. i gosto e elegancia.
FORNECEM-SE AS AMOSTRAS te QUEM AS EKHliift h tfi- -FIGURINOS AS
PtEGUEZAS DA CASA.
Boa acquisicao.
% Vendem-se as duas casas, ra do Viscon-
de do Herval nrfe 89 : tUratar f da
Seozala Velha n. 1ML
Vende-se unas ca-^a terreas edflhda? de
novo iu rua..de Joan, fragen* de S- Jos ns.
Tr-e 7B -. a tratar na ra do Pedro Aonso, sobra-
Sugar Wafers.
A mclli.ir bolachinha at koje conhecida. taaia
para dio, coma para diet : vSbd* fk ctM-
taria *- Ompm, i m>mtom*toMSk
i
* ,

CJfflPLJ






m
- Diario de'Peniaaabnco Sabbado 25 de--Janeiro de 18*73.
gRiquissimns vosd. blood, capaila de cara, le-
qa'es de madrcperola'e me,a$ de seda, lado espe-
cial novidade e a melhor f;zenda J que tem viodo a
ata mareado. J S
Perfumaras
' Naste artigo aiu pkecitt. dar explicares, basta
diierse es fal)ricaa*Johu Gosueill, Couray,
Labia, Rime) e^Legrand; eslas perfumaras desta
vea vieram m vasos de modellos novos, e que
pela saa elegaacia se lomo) proprios para um
iodo presente.
Traaoas e franjas de seda
branca.
Desta vei o sortimento velo magnifico, hienda
maito-boa, modellos novos e de todas as larguras.
Bonecas de borracha
Destas boneoas veio pequea porfo e do diver-
sos tamanbos.
Diademas
Lindos e de modellos n)Vos, veio consa mnito
boa.
Quem duvidiir venna ver
Dacedidasente a Hagoo la ra Dcqoe do Ca-
nias n. 45, coo vencer aos seus amigos e fregue-
ses, de sua especialidade em correspondentes, na
parte mais elegante do muido; agora mesmo o
oltim vapor chegado da Europa tronxe urna par-
le de uas eocommendas para o tempo de Testa,
constando do segninte:
Para o bello sexo
Lindsimos brincas, alfiletes, crozes, pulseiras
e cacetas de tartarnga bardadas a oaro, assim
como bonitos grampos com perolas e ontras po-
dra? para a cabeca : a Magoolia solcita do bullo
ero, qne prima sempre no chiquee na moda, que
veaba ver e~.~
Luxo e be m gosto
Para enriquecer e aforoiosear urna sala vieram
lcitos jarros e jardiaeiras de porcelana multo flna
e de bonitos modellos ititeiraoenle novos, com
iindos desenos e dourados ; assim como nma es-
penalidad* em paouos de cferochel para sof e
cadeiras>
111
a verdadsira cerveja da Baviera, marca bao-
.ira, de superior qualidade : vendem Tasso Ir
tic 4 C em sea armazem da ra do Arzorim
r. 87.__________________________________
RIIEUMATISXOS
Itmlftn
r 55 B4 Sebastopol
PURGATIVAl
m-
llM "'
* .oicr'.r
-'^*9*B^2y
34-
SAUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
DR
8ARTH0L0MEU kf- x
-Ra larga do tiosario34
CHEUOU
O bacalhao da Noruega, em caixss e nr.ias
ditas : no caes da Alfandega n. 1, armazem de
Tasso IrmSes A C.
GRANDE LIQUIDACAO DE CHAPEOS
Pura acabar al o fin do mez
RA DO MRQUEZ DE OLINDA
OUTR'ORA
Cadeia do Recife 53
TenJo o novo proprietario de mudar os artigos (leste estabelecimento, desejando li-
quidar at ao fim deste mez, tem resolvido vender por procos rauito commodos com o fim
de apurar dinheiro e liquidar vista, pulo que convida aos Ulnas. Sr. cnefes de familia
a viran sortirem-se, pois a occasio opportuna, e encontrando um completo sortimento
de chapeos.
Chapos de palha de Italia para senhoras e meninas, com enfeites e sem elles.
Chapeos de velludo com enfeites. Gorros de velludo-com enfeites. Chapeos de palha
de diffoteptes qualidades, enfeitados, para senhoras e meninas. Chapos do palha de Ita-
lia, enfoitados, para montara de campo. Chapos de palha para homens e meninos, de
diterentes qualidades. Chapeos de feltro para homem. Chapos de massa pretos e de
cores, para homens. Chapos de l para homem e menino. Chapeos altos de pello de seda
para homom.
Boncts de differentcs qualidades, tanto de seda, como do palha de Italia, panno, case-
mira e alpaca, tanto para homem como para menino.
Ciorros do seda, velludo, l, tanto para homem como para menino.
E muitos outros artigos que s com a vista podero ser examinados, afianca-se que
nao engeita-sedinheiro.

Quul
O nuco cbiqne a da raxJa que tao apreciar
Tjtna linda guarnirn de raurfirn, m*Jreperola, ouro
plaque!, cousa lindissima e de toolde especial e
nunca viudo aqu; mu to sons chapeos de sol com
abo de marQra e bi i-.pval imita c9<> de uuicornio
om cab> de nadrepcr<>h, por certo nenlrara dei-
*ar de vir loja da Magnolia ra Duque de
Canas n. 45, sscoilnr ijnalquer destes objectos :
oo caro I _______________
Borracha para limas.
Vende-se borracha para limas, chegada liontcm
no vapor americano Ontario, por menos 11 por
eento porque vende cm outrn qualquer parle :
na ra Nova i. 01, o no pateo do Carmo n. 3,
pharmacia.
Borracha para limas.
Vende-se borracha de jrimeira qnalidade liara
limas de cheiro, e por pre'o rasoavel : na phar-
:aaeia imperial, praca do Conde d'Eu n. 2.
Vende-se por procos que nmito eonvem. sac-
tt com tnilho militoivo, harria co o brea coai-
tas com bisco utos ingle-es : no armazem da ra
Doniagos Jos .Hartins, outr'ora Senzalu-vclha
o. 106, de Mathcus Austin & C
Fio de ;il: i monte alegado : ha para vender no es-
i torio le Joaquina Jo '.oncalvos Beltrao & Fi-
io, ra do Zon.mercin n. 5.
0 |H'plil i IVrililiiihlli'Ili
\ jjiropowiao lo actual conflicto
religiioso
Esto opsculo, que tem lido tanta accejtarao por
parte do publico imparcial d'esta cidado, continua
a vemler-e as livraria< Fr.tnceza, l"niversal na
rea do apandar, Indust ial na ra Xova, e na
. da Cadeia n. 17
Prcoo 000 ris.
Obras de iliaiilasia.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxi s n. 30, reeebeu um bello sortimento de bo-
nitas e modernas obras de phantasia, sendo :
rinc s c cruzes protas, com dourados e pedias.
Outros de madrep rola (uteiniada com bonitos
nfeites de delicadas llores.
Outros cV lim doarado oan pnge les de cores.
Outros encarnados, e de bonit s moldes.
Rosetas de tino dourado com podras branca,
Adereces d inadivperola.
Ditos domados com eamapheo preto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando ralbas e flores naluraes.
(a Boletas de madreperola
Voftas de grossos aljofares de cor s.
Ontras de ditos pret s com dourados.
Pulceiras de tartarut'a coro doarado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, co pe-
oras, coral etc. para abertura de camisas.
Botoes dourados c de outras qualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinhas e pimhos
. bordados.
A loja da Agoia Branca, ra do Duque de
4t Caxias n. oO, reeebeu novas gollinhas e pu-
niros bordados, e outros-enl'eitados oomntremeios
c bicos ; assim eomo receben igualmen e novas
guarnicoes de gravetas com franjas e lacos para
os cabellos, rado do melhor e mais mod mos gos-
tos.
Bonitos loques.
A loja da Agoia Branca, roa do Duque de
Caxias n, oO, recobeu bomt s leques d* irorfeita.
phantasia. preto com dourado. e outros de apu-
rados gostos ; assim como reeebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos m e ntro, e airhla assim ven-
de estes pelo barato preeo de 4 000 cada um.
Vasos de crystal para toillet
A loja da Aguia B'anea, a ra do Duque de
Caxias n. 30, r Vebeu bonitas garrafmhas de crys-
tal em par com ramagens doradas e mui pro-
prias para arranjos de totet, etc,
Armis e colares elctricos
A loja d'agnia branca ra Duque de Caxias
n. SO, recf-beu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares elctricos, e continua a recebe-los
mcnsnlmente, pelo que sempre estar prvida de
taes objectos __________ '________
DOS LEOES
DO
BAZAR NACIONAL
Ba da Imperatriz n. 72
de Lourenco Pereira MendesGuimaraes
Declara ao re*peitavel pcblico qae, teDdo concluido o coDserto que fez cm sea ei-
labelecimento da rna da Imperatriz n. 72, declara que o sortio de novas azendas pro-
oroprias para a feata do natal, os preces sao os mais baratos possiveis a saber :
LAS1NHAS A' 120 RS. CORTES DE RRIM A' 4.950O.
Yende-se laasinhas para vestidos a 120 Vende se cortes de brim para caiga a
tOO, 360, 400 e 500 rs. o covado. 10500 e U0< 0.
OLJNDENSE A 800 RS. MADAPOLAO A' 3|C00.
Vende-se urna nova fazenda de seda e Vende se pecas de madspolao a 3000,
linho, por nome olindense, propria para tfSOC, 55000, 63COO e 8I000.
640 e 800 vestidos, a 800 rs. o covado. CHAPEOS OE PALHA A 2*000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS Veide-se chapeos de palha, de feltro e
Vende-se alpacas de cores,, lisas e lavra- de castor, para bomens e metiinos,- a 20,
das, para vestidos de senhora, 440, 500, 20500, 30 e 40000.
rs. o covado. ALGODO A' 40000,
baptisTaS a 500 RS. Vende-se pecas de algodSo americano,
Vende-se otea nova fazenla por Bome|i|oor, 5000 e 60000.
BOTINAS PARA SENHORAS A 50^00.
Vecrte-se botinas para senitora, a 50COO
e 50SOO.
CAMBRA1AS A 30000
Vende-se pecas de canibraias ss pira
vestidos, a 300^0 40000 e 50000.
CAMISAS BRANCAS A 2*000.
Vende se camisas brancas a 20500 e 20.
Das de linho a 30, 305CO, 40000 e
50000.
Palitots de panno preto a 50COO, 70000
e 80000. Palitots de casemira de cores, a
40, 50000 e 80000.
SAPATOS DE TRANCA A 10300.
Vende-se sapatos de tranca e tapate, para
hornees e senhoras, a 10500, 1<0 e'0.
Sapatos de casemira pretos a 23'JOO, 30 e
305(0.
CHALES A' 8C0 RS.
Vende-se chales de 15a cem qoadros e lii-
i tras, a 800 rs. e 10000, ditos de u*ri
estampado?, a 20000, 30500, 40 e 50000.
E outras moitas fazendas que se vende
Vender panno preto pira caigas e pa- sem reserva de prego, na loj? do barateiro
a 500 rs. o co-
V nde-sc um piano frincez em perfeito estado,
l ias vozes o muito pnoeo uso ; bem eomo, I
- ,T.. l i doiras de vinhaticn, outros objeetos:
. :i Vetia ds Boa-Vistii n. 91.
ba'at.o
,!:.-- inufl farda a una blusa de panno
aina nova, nina esnaia, um talim e bonet,
rio para ollkial de linha ou do guarda na-
cional: quem pois quite r comprar, dirija-se a
typographia, a fallar eom o administrailor.
i.-!) lion-n di dia por di inte.
= Vonde-so a armacf' e alguns utemlios da
.pateo da Ribeira: tratar com An-
da Silva Jnior, no pateo da Ribeira n. 1.
PiiH'ira qnalidade.
Vende-se borracha muito boa, chegada ultima-
* mente, por menos qne emooOra qaalqner parte:
na ra da Cotfeordia n. 2, tavema na piara do
' ;nd< d'En. esquina da rna do Aragao-
Vende-se nm exceente cofre com se?re-
lo, obra feita na trra :ca muita segeran-
;a: a trotar na tbesouraria 'Jas loteras,
ra Io de Margo o. 6.
Na ha mais cabellos
brnco*.
Tinturara japoneza.
S e-anica apprvaaa pelas cadenu de
scisncias, reconh^oida soperior a toda que
tem Ipparecido at L je. Deposito prin-
cipal ru3 da Cadeia ao Recife, hoje Mar-
qoez de Olida n. 51,1. andar, e em to-
das as boticas e casas de cabeileireiro.
Rna Duque de Casias a. 29.
s propietarios deste bem montado estabelecimento scientieam ao
respeitavel publico desla provincia que se acham com um variado e completo sortt
apesto de movis, tanto oacionaes corso estrangeiros, sendo estes escoltados por r.m dos
0808 qne se ac* actualmente na Enropa. O mesmo tem contractado com os cwlhore
fabricantes daqaeliecontinente as remessas das mais ricas oobiiias feftas all.
Na offitaa tom os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem qne ve-
aham visitar o estabelecimento, aonde encontrarSo a realidad do qoeacabam de expr'
rje se pode esaminar; ricas e completas mobrtras de jcaro;i, mogos, faia, oarvalho, a-
marello, etc, ricas eelegantes casas deja carasd, pao setim, amareBo, etc., etc., goardi
vestido de amarello, -uarda louca -de nogueirte de amarelk) com tompo de p<>.dra, apa-
radores de dito dita, peli toilettes especialmente para azar a barba, toilettes de jaca-
randa, marello, pedra, secretarias da jacareada e megnocas tareeras oe ntogne, san-
tuarios, th-sars pare bordar, ber-?os, lavatorios com espelbo, de pedra maraaorfl e sena
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos qne dehamos de
mencionar por sejtornar enfadonho
baptistas, para vestidos,
vado.
SOTANAS A 640 RS.
Vende-se urna nova fazenda de 13 e seda
por nome satans, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se ama nova fazenda lisa, por nome
phantasia, para vestidos, a 800 o covado.
Fnsto brinco a 3 2 rs.
Vende-se fttltfo branco e de cores, para
vestidos, de senhora, a 320 e 400 rs. o co-
vado.
CHITAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vende-se chitas francezas escuras e cla-
ras, a 240. 280, 320 e 30 rs. o covado.
BRAMANTE A 15600.
Vende-se bramante com 40 palmos de
argora, proprio para lencoes, a {600.
e 2^200 o metro.
Grosdenaples preto a 8000
Vende-se grosdeoaple preto a 2(5000,
20500, 3iS500 e 55000 o covado.
PANNO PRETO A UoOO.
litots, a 10500, 20500,
5000o co\ado.
35COO, 40000 e
Bazar Nacional.Roa
72.
da Icperalnz c.
Samuel Power Johns-
tOTA & C.
|Rua do Apollo n. 38 e 40
DE JftIAS
3SL 4 Ra o Cdrag K. 4
40SEPH KRALSE & C,
Dt
S,
mirtos
JARROS
m tripas e delirada da vacca ingleza a
ada nm : to rnmem do fasso Irmos
-ua do Araorim d. 37.
i 000
t c,
Ven* -- nina nnbilia de aniarcllo com
muito poui'o iisn : a tr.uar na ra do S. Miguel
Ifbfades, easa n. c.
" RA LARGA DO ROSAfUO .
[('ja ilii Viaiina
'inprou era leilo graiida quantidade de fazen-
, as qua--s vende compliquen" lucro, por se-
' guir o systera i de ganbar penco e vender depressa;
quem Ihe comprar ter certera que compra por
o nuiis de mttade do que se vende em qual-
quer outra parte. E' preciso vir ver depressa
,i ique acaba-se logo, co no sempre lhe aeoutece
indo tem pecliiuclias como agora.
alOes com arquinhos para Sonnoras, de l a 1.
Chitas escuras e claras, i e 400 a 'tO
- percalia.- muito li: ns, de 480 a 320.
C isas do llores e de listra, de W) a 4(W.
Ditas miudinhas, de (119 a 210.
Pt -sas de madapolao fino, de 9* a 14000.
Ditas de dilo ie S( a o'XK).
Ditas de dito le 7J a l$000.
Ditas de algodao. de 6 a UOOO.
ilgodao americano de lisONj de 1520 a 320.
: essaa de aaguiie nmito liuo do 28 a 20i.
TijiSus franeezes sextavados
De 15-IKMI a tOOO
o milhciro.
Estes lijo'os, fabricados-de barro vemielho con-
solidado, sao os memores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladiuaros pavimentos
terreos das casas, porquanto, pouco mais custan-
do do (iue 09 feitos no paiz, san, sem compracao
alguma, superiores a estes pela limpoza de que
sao susceptiveis. Costam, aim disto menos da
decima parte dos de marmore, j;>. renrovados, e
dos de diTcrentes mosaicos, os quaes nao estao
certamente ao alcance de todas as fortunas, e s
sao empregados e proprios para as salas princi-
paes. Alm da vantgem que ha no emprego
destes tijolos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes anda a de serem os melho-
res c mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cid;ule, attento a sua solidez e pouce
peso, estando mais qae provada a conveniencia
de serem assoalhadss ns ecetamas toda* de tijolOvj
e nao s a parte junta ao logio, no que at as
compauhias de seguros se aeveriam interessar.
Vendem-se nos armasens de farnba de Tasso Ir:
maos.de C, no caes do Apollo.________________
HCAllAVAL!
Borracha para linas.
Vende-se borracha de primeira qualidade para
limas de cheiro, nes seguintes lugares : na pliar-
macia Central ra do Imperador n. 38, na mes-
ma ra n. 22 e no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 4, por preco razoavel._________* W
Ultimo gosto
Cadeirai pretas doradas e mar tetadas dd ma-
dreperola : nos armazans de Tasso Irmo & C.
?o caes do Aoollo.
<;oib:s l)E n;
Nosie importante (Stabolecimcnto de jrosasjoias, achara o tespeitavol
publico desta capital um grande e varijjQo sortimento de juias de todos os
presos, o/iO j oxistiara n. Muzeo^-quc seco vendidas-ooni grande reducto
do prc;o, alm dos nuvos objeotos recebidos directamente da Europa, mae
se vendero por proeje animador, bem como sejam, aderecos de brilhanto<,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de differentes pedradas de
prwos; anneis de btilhaules e de esmerahas, rubins e perolas, e de tadoe
mais ubjectos de valor, que jwssam ser desojados pelo bara gosto e aprecoda"
familias, que saben) dar valor a objectos de primor.
Os proprit-tarios do MI'ZEO DE JOIAS, convidam as familias que se
quoiram pro-ver de exeellentes joias, a virem cscolhe-las entre o variado
sortimento dolas, garautindo as 'proprietaries que scro sinceros para todos
que sediguarem procurar seu estabelecimento.
Entre o.grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obra
simplesmentc de ouro de lei, se ver um elegante sortimento de obras d
prata prirnorosamento trabalhadas, quetambem se vender proco reduzido.
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, quo
se vendem -mediante- pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleei-
. ment.
Os homens do centro, que preeiearem de qnalquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurom o MLZEO DE JOAS, que sero servidos com
attencao fraaweriQMe.

CALCADOS
B?rzeguins di' canno*baixo para Senlura aiioOO.
Ditos de dito alto para enhoras a 5JJ.
GRANDE PECHINCHA
tonegums franreres para homens, de beaerro,
cordavao, e gaspiado, com botoes de 12* a 11*, e
Grande sortimento de 'odas as melhores quali-
dades d* calcados, para l.omens, senhoras, menl-
nos e menina.',. Todo vende barate.________
Foges ef (nofflcos
Nova qnalidade de logdes para eozinhar, os
quaes contm em si forni'S para assados,e caldeira
para agua, de diversos tamanbos. os quaes se
tornam reeornm^ndados pe' sna boa quaMade
mnde economa ; assim con os j eonheciios
tornos france es, figareiros para aqueatar ferros
com muita brevidade, guarda-comida, ferros para
airaiate e chapelleiro : tudo na ra do Barao da
Victoria n. 37, outr-ora ra Nova, loja de fcrra-
en*, de--Sona Farinha de mandioca.
Vende-se no trapiche Companhia chegada ha
pouco do Rio de Janeiro: tratar com Thomaz
de Aquino Fonceca 4 C. successore9, ra ao Viga-
ro n, 19.
Novidade.
Ricos chapeos para senhora, de palha de Italia
e de seda, cousa intairamcote nova neste merca-
do : s se encontram na Predilecta, ra do Ca-
bng n. I A, a ellee antes que se acabem
Mais del les.
Anneis electrice.
Paqueries anneis electrices,. tSo nteis para o
nervoso, e qne a Magnolia, rna Bmrae de Ca-
xias n. 45 tem vendido porgan 1 e que por serem
os uaieds verdadeiros, muito tem aproveitado ;
pelo ultimo vapor veio nova remessa : elles an-
tes que se acabem. Na Magnolia n 45, rna TJtsqne
de Caxias.
RABAI E LEDE!
Utilidade e vantagem.
E" til e vautajoso fazer-se una visita Con-
fritaria do Campos, pois que aquello es-
tabelecime.to tem-se tomado urna verdadeira fa-
brica b deposito de manjares gratos ao paladar,
tanto nacionaes eomo estrangeiros.
SEG REDO ECONOMA E CElE
Obtem-se com o uso
DA
! IHJECCAO SHOST
nica, hygienica, radical e infallivol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; c que
offerece como garanta desahitares resultados
Fazem sciente aos seu9 fregnezes que teem
mudado o seu deposito de machinas a va-
por, mofadas e taxas da mnito acreditada
fabrica d LowMoor para ra do Apollo n.
38 e 40, onde eontinuam a ter o mesmo sor-
timento do costme.
Fazem seienie tambem qae teem feito um
arranjo com a fondicao geral, pelo que po-
dem offerecer-se para assentar qualqner
machmismo e mesmo garant lo.
Apparelbo para fabricar assncar, do systema.
WESTON CENTREFUGAL
nicos agentes em Pernambuco a fuodico geral.
Para tratar em sea escripiorio a ra do Apollo n. 38 e 10.
Os proprietarios da lundicio geral fa/ero
scientes aos senhores de engcnlio e Diais ;^j
pessoas, que teem estabelecido urna luadi- ^
cao de ferro e brouze a ra do Brum, jan- t^
to a esiaco dos bonds, onde apn'Otario y
qualqn"r obra de encommenda com perfei-
Qo e prompiido.
Os mesmos mgam i pesseas que quei-
ram ntilisar se de seos servicos de eixa-
rem as eneommendas em casa dos S. Sa-
muel Power Jobnston A C. a ra do Apol
lo n. 38 e 40, onde acharao pe?soa habili-
tada com qaem possam entender se.
'Musa
^i
NOVA LOJA DE JOIAS
N. 2 ARa do CabugN. 2 A
Achando-se completamente reformado este estabelecimento, e
leudo os US proprietarios feito urna importante aequisieao de
joias as mais modernas viudas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer una visita ao sen es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoavel.
Tentar descrevor todos os artigos de que est a continuada a.pplcac,o que sempre com a
con-
provida a
Confeitaria do Campos
seria querer enchor urna pagina deste jornal com
sua nomenclatura, e tornar por -conseguinte mas-
sanie um ial annuncio.
Por isso
basta dizer-se unauke que se urna pessoa qui-
zer um manjar exquisito, nao tem mais que diri-
girle rna do Imperador n. 21, e entrar na bem
eonliecida e acreditada
Confeitaria do Campos.
Porque all enoontra-se sempre um grande sor-
timento de aeepipes, assim como preparare com
asseio e promptidoo
!^^ Tudo" quanto
pertence ai artes de confeiteiro, paste
serveiro e culinario
Pois para isso
tem auuelle utilissimo estabelecimento
montada fabrica, onde trabalha-se (nao
zando as regras d'arte) capricho de
mu m*> Todos
que all se dirigem para encomniendar : bandejas
ricas para casamentos, baptisados, bailee, totee,
etc. etc. etc.
Assim como
fiambres, empadas, naHgath's, gatheaux, pnding's,
bolas, pastis de qualquer qualidade e fatiae pava
dieta
Tudo ho e maN alguoaa cousa
eneontra-Me sempre
NA
Confeitaria do Campos.
urna bem
despre-
maior vantagem se tem feito della nos hos-
pitaes de Paris.
Unieo deposito para o Brasil, Bartholomeu
& C, ra Larga do Rosario n. 34.
ACOROA DE OURO
.4 ra da luaperariz
u. 59.
Acaba de receber de eonta propria,
|] peto ultimo vapor da Europa, um com-
" pleto sortimento de objectos depraU
os mais.lindos que tem vinile a este mer-
cado, sendo o* segrales aderecos tila-granna. obra de apurado gosto, y<-1-
V tas, brincos, rozetas, salvas, relofios,
palhiieiroscolli6i:e etc. etc., pelos uie-
gos mais resumidos possivei.-. Assim
eoma um completo sortimento de obras
d duro : amis de brilhantes, rozetae,
aderemos etc. e tamben sem brilhantes.
CAMBRAIAS
a3|a pec,a.
Cambraia transparent* fina a 31 a peca na
ra o 'Crespo n. *>, loja de Guilberme G. da
Cunha & V._____________________________
"Vierta
8M rs. l-OOO e 1;MI
Vende-se manteiga ingleza flor a 80* rs. 1*000
e 1*280 a libra, no progre=so do pateo de Carmo
n. 9.
O MAIS PODEROSO
TNICO E FEBRFUGO
PatMItlMI POR L.t ACADEMIA DE MEDCI.V. DE P.4BI
l
Oero.
auiNA
IWiMH'.H
Premio
16,000 F'
F.LIMlt TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICANTE E REPARADOR,
superior Tlnhaa c saropen dr gulnu.
Experimentada com pleno successo nos hospitSes, a Quisa Laroche (ou Extracto c 4t Quina) urna preparaco excepcional, por ser privada do amargo da Quina agrada por
consegrante as pessoas as mais intolerantes e aos paladares os mais delicados, pois nem
muito doce nem muito viscosa, sendo de urna limpidez constante. Emprega-se com muito
proveito nos casos da! gastralgia, dyspepcia, nevralgia, aiumia, marasmo, cachexias,
nutgreza, fastio tem causa apparente, convaUtCencas demoradas, chtorose t tierophulas.
E O ESPECIFICO DAS MOLESTIAS FEBRIS.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA pariz,
Rcimindo todas u propriedades do Ferro el da Quina. 15, rae Drouot.
Na pliarmacia Maurcr ra do Baro da Victoria n. -25.
3 Novo estabelecimento fe-
g de joias.
Ra do t uIhi; ii
Neste estabelecimento se cm
nuil ao i umif u. 1*.
^ Neste estabelecimento se encontrar
-U:> um bonito sortimento de joias que se ha
-a? vendem por tal preco que animar ao **?
;*& omprador, attento ao vantajoso syste-
JR ma, ganbar pouco para vender mui- &.
tto, que certamente til ao compra- gg;
a dor e ao vendedor. S
:-' Tambem se compra ouro, prata e pe- K
g dras preciosas, bem como se fabrica e V
coacerta toda e qualquer obra tendente |^
mesma arte. ^ <&
Insignias masnicas.
Amaral, Nabuco & C. vendem insignias majo-
nicas de diversos graos : no Bazar victoria, ra
o Baro da Victoria n. i.
Vende-se um terreno no Caxang, na entra-
da* do Arabol confronte ao sitio de Tueotonio Jos
de Mello, com 60 palmos de frente e 250 de fun-
do : a tratar no caes da alfandega o. 3. -
Boa acquisicao
Vende-se um terreno na rita Impela', so'o
Sroprio, com 110 palmos de frente e 00 de fun-
o, todo aferrado, prompto para edificar, porto
para descarga de material, estando um lado mo-
rado : a ver na mesma ra, casa n. 36, e a tra-
tar na ra Nova, laja n. 7.___________
Vende-sena ra do Imperador n. zO ani-
cabriolet americano de 4 rodas com .4 ^ssentoi1,
novo c muito elegante._______'__________^^
!!! Salsaparrilha !!!
Da mais nova que ha no tuertad:; vendem
Pereira Viarma & fe, ra do V gario n. U,
andar.
Coleado barato.
Botinas gaspia^as para senhora
Ditas para homem
Sapatos de oordavo
Prodnguins de becerro para menina
Ditos de cano idem
Na praca da Iudepondencia
X*. 19 e 15, loja do Aroaiti
8i000
5*009
1460*
2*000
Cideiras oraioriu com ihii ^*ioino
50*000 cada urna no caes do A polio, arma-
zem da Tasao lrmloa & C
{
c

i

-
4


^


-*~
8
Diario de Peraambuco Sabbado 25 de Janeiro de 1873.

LTITERiVrRA.
Instituto Historie eogra-
phico Bi mileiro.
sMSCl'llSO DO Dlt. BEMJVMIN FRANKLIN RAMIZ
GALVAO, FAZKNDO AS VEZES DE ORADOR KA
SESSAO MA".N\, CELEBRADA KM 15 DE
KZEMBRO ni: 187-2.
Continuar o.
Dianto destas circamstancias verdadeira-
meote <-fitirjis, Coift.il es Mariias nao tinha
outro partid) atomarsonao fugirda capital
para organisar lora elementos de resistencia,
e vir com ellos jsmij>! intar os commettt-
Hi'-nt os da repblica babieaso.
No dia 14 entrava oa Santo Amaro uiu
homem, fatigado por jornadas, guasi exhaus-
to de forras, 'caberlo do p das estradas e
denunciando no rosto sensivel e profundo
abalo moral. Era 0 chefe do polica que
atravessra a p as distancias o viera por to-
do o Reconcavo exaltando os nimos para a
lula da legalidade e soltando vivas enthusias-
ticos ao imperador me ior.
Gonralves Martins, senhores, presin cu-
tio relevantes serviros causa da orderu, o
muito a elle sedeve daiiuelle feliz andamen-
to das operaces ultimadas polos combates de
1'*, 13e 16 de marro de 1838, que poze-
raia termo rebellio.
Devolta capital coutinuou anda rom
cutios presidentes a servir no honroso car-
go de ebefe do poliei.i e breve o galardoava
O novo agradecido cota o diploma de depu-
lado provincial.
f)abi a deputado ger I pela sua provincia
era um passo, recebeu este mandato durante
varias legislaturas, e por decreto de l de
inaiode 18o 1 foi escoliado senador.
Mas o magistrado nao de -amparara sua
loga venerare]; pouco depois. de chefe de
polica subi a desemba gador ta relarao da
Babia sendo bmeado desde logo para pre-
sid-la, e mais tardse aposentou om minis-
tro do supremo tribunal lejnstica.
Quando em 1848 subi ao poder o parti-
do conservador, om rujas lucirs militara
..sempre e sem (piebra c eximio Francisco
Gonralves Martins, end- deu-se qae elle pu-
liera prestar bous servicos fronte de sua
provincia natal, que anda ninguom, talvez,
aitaou mais estreraecidaraenlc, e do feito so-
bre elle recabio a nomcarao de presidente
da Babia.
As recordac -, que anda subsislom, se-
nlioros. dessa feliz adn imslraro, illustram
a quem tudo sacrlkou pla honra da pro-
vincia, e aos que souberam elevar o mrito,
dando-lhe posirao to ilistiucta.
liutos e grandes melboramentos da oda-
de jiartiram desse governo sensato, desapa-
xohado e patritico, que leve o segredo de
mandar sera comprimir, e de reprimir sem
ostentaco do forc, e podero.
Urna questao de honra para a Bahiaje paraa
sua administrarao, tilha alias dos mais jus-
tos desejosde plantar o progresso o dar incre-
mento i lavourado paiz, nasceu nessaocca-
Sfto e foi talvez o pont inicial de toda a
guerravpie mais tarde solfreu, e dos muitus
desgostos que o acabrunharara na ultima
phase da vida.
r.iraao menos a posteridade'justica de
crer que as intensos de Gouralves Martins
foram as mais puras e patriticas, o que so
o homem se oaorou cora embarazos que
nunca mais desappareceram, o administra-
dor deixou o palacio dogovorno cora as raaos
limp.is, o cora a fronte erguida de cidadao
honesto.
Chamado em 1852 pa "a a pasta do impe-
rio, nao hesitouem sent r-so nos conselhos
da corta, o esfoirou-se por Iesempenhar
as elevadas funectas raaerentes distincta
posirao alguns annos concorreu isssidesno sena-
s mas ssejigr n ,^4n>parirulares exigi-
rn) dejiois que se retirasse da vida publica,
onde ao lado das honras eolhera angustias e
amargos frurtos de illuso.
Entremos, senhores, entre. 1195 naquella
casa pobre, mas honrada, o admiremos o
velho senador do imperio a"j repartir suas
horas entro o trabalho assiduo de lavrador
o o ameno trato dos litros, ossos compa-
nhoiros que tartto o consolaram as som-
bras noites do alllirrao o do desespero.
Ni vo CincinnatO, par?, levantar sua casa
em ruinas rasgava o soo da torra, e pedia
aos trabalbos rsticos o que as obrigaetas da
vida publica llio roubaram.
Nao dissipava tbesouros as cortos ruido-
sas, nem consuma ios antros do vicio a
fortuna ; .trabathava para salisfaier os em-
penhos da honra, e esse trabalho era duas
vezos nobre.
as Horas do repouso e da fadga, seu re-
fugio eram as paginas melanclicas e mimo-
sas do Ovidio e de Virgilio, ou as obras ad-
miraveis dos Santos Padres, onde Goncalves
M-rtins se desvaneca de confessar que
aprender muito do que sabia.
Muitos anuos passarara ueste afanoso li-
dar e om meio de desgostos que nao perten-
com .historia, seno porque cavaram cedo
do mais a sepultura de um vario tao pre-
claro...
Mas Cincinnato podia acaso dormir ao lado
da charra, piando os deputados no senado
iara pedr-lhe que ossoalvar a repblica ?
Goncalves Martins; sanhores, j ofito baro
de S. I.ourenco, havia militado soh o lba-
ro da poltica; as necessidades do partido
reclamavam a sua palavra incisiva ; nao ha-
via negar-lh'a, porque ueste labyrintho
quera nina vez entrou ha de enredar-se em
suas galeras intenninaveis; 6 o" veneno
que urna voz bebido nunca mais foi de todo
eliminado : hwrvt lateri lethalis anindo T
Em 18G5 o bario de S. i.ourenco reap-
parere no senado, e todo o vigor de sua elo-
cuencia robustecida pelos anuos e pelo tra-
to dos boas livros cahe como urna clava so-
bre a stuac&o dominante.
Viuda vivem na memoria csses discursos
valeutcs na phrase, salpicados aqui e acola
de urna satvra pungente ou de una eom-
pararao feliz, notaveis todos pela erudi^o
e polos agudos contritos de urna moral so-
vera !
Nos anuos subsecuentes continuou
comparecer ao senado, e quera alli o nao
visse, iria encontra-lo, a elle, o homem
amargurado de solTrime/ltos inoraos, 110 si-
lencioso retiro de una celia 110 convento dos
religiosos franciscanos desta corte. (Juan-
tas vezes ao.cahir la tarde nao passora ao
longo daquelles claustros desertos, trazcado
no corarao a dr funda que mata aos pou-
cos, e nos cilios como um esmalte de pero-
la a lagrima que sua visa a angustia !...
A dedicarlo, senhores, leste fiel servi-
dor do estado foi anda ama vez reclamaila
quando 110 ministerio de 16 de julho lhe
eram a presiden.)ia la Haba. Foi este o
seu derradeiro servido causa publica.
Km lias do anuo passado fez ama digressao
polas provincias moridionaes do imperio, e
quando j se dispunha para voltar aos lares
patrios vio-se abrigado a fazer ossa viagein a
toda pressa, porque recebera a infausta no-
ticia da morte do um dos seus genros o vis-
conde le Pass.
Era tal voz a'Providencia que pretenda
experimentar o lutador cora este ultimo in-
fortunio, c a um tempo chama-lo para
que a torra onde nascera, para o ha-
itiano nao exhalasse o derradeiro sus-
piro em fecto estrenuo. As auras que o ba-
tojaran) no berro deviam segrodar-lhe cn-
ticos de misteriosa cadencia naquelle re-
pouso do Cam/io Santo, ondeo povo agra-
decido e repassado, de dr conduzio aos
hombros os restos raortaes le seu distiacto
presidente de 48.
Tal foi a vida de Francisco Goncal-
ves Martins, ltimamente, viscoade de S.
Lourencp e commcnilailor da ordem de
Chrsto. Foi um dos hoineus que mais bri-
Ihante carreira tern eito entre us, dedica-
do aos seus amigos, eavalheiro o generoso
para cora os proprios adversarios polticos e
inimigos pessoaes, reconhocodor do mrito
onilo quer pie o visse e amigo do o elevar,
trabalhador incansavel o honesto, espirito
culto e grande alma propensa aopordo, po-
ltico que acertou militas vezes o outras
l
'aiiiasAU-i^itah.ez^niajUi; iinha a gi^ajiie.. iHaga;lra dos seas discursos, que
FOLHETIM
A VXGAXCA DA BA10\EZ\
PELO
VI3C0NDE PONSON D TERRAIL.
l'ltlMEIUA l'ARTE
(Continuacj&o do n. 18).
\l\
Era Grtchen,
PTGretchen franzio o sobr'olho, titou um
olhar penetrante era Roschen, cujos olhos
se tinham abaixado furti rarnente, c os seus
labios contrahiram-sc cora urna expressio
de terrivel odio.
Ahi est Grtchen I cxclamou Sa-
muel.
Grtchen entrou o saudou com um encan-
tador e fresco sorriso. Mas eslava pallida
como sempre o o seu andar trahia os ltimos
vestigios lo entorpecimeato de que sahia,
O senhor de Nossac cstremeceu e sentio o
seu olhar attrabido para ella e fito n'ossc
rosto pallido, por urna forra invencvel e
raysteriosa.
Com tudo, nao experirientou, como na
venar*, esse entorpecimiento sub'.o que o
acommettia logo depois la ceia ; mas que-
rendo pela sua vez tornar se senhor da situa-
go, pela astucia, fingi estar por elle ataca-
do e pedio para se retirar.
Ao passar por porto de Roschen, apertou-
lbe a joven furtivamente a mo, e disse-lhe :
Irei acorda-4o... e se o vampiro vier...
l E parou, laucando um olhar, de odio e
ciumeaGcetchen,e depois accrescontou ;
Mate-o !...
O barao estremeceu e nao respondeu.
Mas depois de entrar no seu quarto e de
se ter deitado, come<;ou a reflecrir e concor-
dou comsigo mesmo que era victima de
urna terrivel mystificacfto, porque as refle-
xdes de Roschen tiuh m-o esclarecido, e
chegou a concluir que Grtchen era urna
a venta reir que represen) a va o papel de sua
mulbor, paga por algum iniugo pessoal
. que elloHivess1) no mundo, e teado-se xado
virtudo de confessar o erro a de repara-lo
quando as circunstancias o permittiam ;
cidadao muiio ambicioso de glorias, mas in-
capaz de levantar os tropheos de sea trium-
pbo sobro a ruina de um compaaheiro ;
lhaao 110 trato c amono na conversa, despi-
do le fofas vaidades que tantas vezos empaa-
aam o mrito, eis o que era nossa illustro
consocio, tao cedo chamado a eternida le
por Aquello que tudo v e tu lo :aove cora
o sen olhar divino ?
Raiava o soculo XIX. 0 Brasil, anda
as faxas Goioniaes, como que presenta j
os gloriosos lias que estavam por vir, e es-
forcava-se por produzir cidadSos dignos da
Illiade pacifica de sua nicmoravel indepen-
dencia, dos arduos trabalbos de sua orga-
nisacSo poltica e administrativa. No meio
dessa pleiade de vardes Ilustres, vio a luz do
n'essepensamento, sentou-se na cama, apor-
tando a espada na mo e dizemlo :
Nio cstou disposto a continuar a ser
ludibriado c mordido por um falso vam-
piro.
Esperou por muito tempo, mas ninguom
appareceu.
As horas correram e o barao acabou por
adormecer, aportando o punho da espada
contra o peito. Mas de reponte foi acordado
em sobresalto, a porta abrio-se, impellida
coro precaucao, a o baro vio desenhar-so
una forma branca no meio das trevas.
0 barao. a essa vista, e bem que anda
meio adormecido, levantou-se a meio e aper-
tou com forca a espada contra o peito, como
se tivesso necessidade de reconfortar a sua
coragem.
O senhor de Nossac tinha adormocido,
dizQiido comsigo que Grtchen era apenas
urna miseravel, paga por.alguraseu inimigo;
mas, com a ajuda do sorano; os seus terro-
res a respeito dos vampiros tinham-lhe vol-
tado, o quando vio essa forma branca ca-
rainhar para o seu leito, sentio erigarem-se-
lhe os cabellos.
Somonte, como nao tinha bebido o seu
ultimo copo de vinho, cstava porfeitaraente
disposto de corpo e livro d'esse pesadelo
paralytico que se tinha apossado d'elle as
noutes precedentes.
Ao passo que a forma branca se adianta-
va, a razao do barao desapparecia; Grtchen,
de mulher que era, tornava-se vampiro, e
esse vampiro odiava-o elle e amava-o jun-
tamente.
Sentia-se, ao mesmo tempo, attrahido e
repellido, fascinado e irritado por elle.
Senta por Grtchen, quer fosse mulher,
quer vampiro, um amor inexplicavel e de
urna extrema violencia, um amor que lhe
pareca sobrenatural, que o revoltava, en-
fureca e se converta em odio menor re-
flexao que sobre elle fazia.
A apparirao do phantasma provcou, pois,
n'elle, um combate terrivel, urna hita entre
o seu espirito e o seu coraco, que durou
dez seculs em dous segundos.
0 corarlo attrahia-o, impellia-o com os
bracos abertos e estendidos para Gretche/x.
O espirito, o espirito vacillante e pertur-
bado, murmurava-lhe ao ouvido :
dia no Porto das Caixas, provincia do Rio de
Janeiro, a 13 de dezembro de 1808, Joa-
qun) Jos Rodrigues Torres, filho de Ma-
noel Jos Rodrigues Torres e de D. Etae-
renciana Mathildes Torres. Se costamos
de outras eras ainda vigoravam, devora esse
da ser assgnalado nos fastos da honrada
familia Ilumnense : Dies albo notando,
lacillo.
0 menino, que nao tardou muito a saber
o que ento constitua o curso preparatorio
do sominario de S. Jos, parte para Coimbra
om 1821 e ala so matricula na unvorsidade.
Em 1825 Rodrigues Torres tem j um di-
ploma de bacharel em mathematicas, c
volta ufano aos lares patrios, onde aconte-
ciraentos extraordinarios o chamara. Em
18-26 norneado lente substituto da ento
academia militar do Rio le Janeiro, e corac-
ha desde logo a exercer as lidcisJuncces
de sou omprego o joven raathatico le 23
anuos de idade. Era muito cedo, dir-se-ha
talvez; mas ha homens em quem o talento
desabrocha com todo o vigor da mocidale;
falta-Ibes a erudico vasta que s os airaos
po lera dar, mas a grandeza de concepQoes,
o espirito de iniciativa, tudo isso brilha com
a espontaneidade e o vicn da primavera.
Em 1827 Rodrigues Torres volta Europa
em viagera de estudo, e ahi, applicado s
disciplinas de saa predilecto, se demora
at 182!). Mas esa j tempo de surgir em
arena mais vasta um talento de tao bom
quilate.
O sacerdocio do inestre honroso, no-
bre, tem consolares suaves, doces amar-
guras, mas um sacrificio as mais das vezes
ignorado, sepulto nos recessos da modestia
esquiva.
0 mostr o homem que se immortalisa
as gera;es que se formara em suas mos,
e liante de seus olhos ;- o mostr o ponto
laminoso que mil espelhos reflcctem, o
raineiro que lavra ouro e diamantes. Mas
essa grandeza que o mundo nao aprecia con-
dignamente, porque o mundo applaude as
gera;oes que passara, os talentos que bri-
lhain, as virtudes que adornam os caracte-
res, o ouro que enriquece as nar,cs, mas
nao pergunta pelo mestre, que foi a fonte
de luz e de moradade, donde tudo proveio,
aera pelo mineiro perseverante que excavou
os setos da torra focaada.
Oemais, senhores, naquellos anuos tem-
pestuosos o climatricos em que o Brasil
dava os primeiros passos na estrada das
nai.oes livres, naquelles anuos raas do que
nunca era forroso se desviasseai os melhores
talentos de saas rbitas habituaes para o
caiapo da poltica o da alta ado)inistra;ao do
estado, onde todas as virtudes o toda a illus-
trag&o eram poneos para conjurar os males
da anarchia aaiea;adora e consolidar as
institui;os patrias.
0 nosso finado consocio teve, pois, dupla
razao para abandonar o campo de saas pri-
meiras glorias, e atirar-se ao da poltica,
onde o esperavam Iouros immarcessiveis e
um norae que os brasileiros bao de sempre
admirar.
Nem pensis que foram perdidos aquellos
anuos gastos na resolucao rida dos clculos,
o na meditado das paginas de Archimedcs
e Newton.
A geometra teve talvez mais influencia
sobre a brilhante carreira de Rodrigues-
Torres do que prmeira vista se pudera
I>ensar.
Aquella razao clara que reduzia todas as
questes a seus principios fundamentaes;
aquelle juizo seguro e essencialmente lgico
que previa o resultado das operaces finan-
ceiras e dos acontecimetos; aquella argu-
mcnta;ao pouco brilhante, mas severa e
"9
o
n
tu
nomo deram desde o principio ao h
Visconde de Itaborahy, e que par;
dizer constitualo o tra<;o cVacteri
sua individualidade, csses predicados, ^...
res, os deveu soao s mathematicas, cujb
privilegio deixar 110 espirito de quem as
estuda bom, signaos indelevois de sua pas-
sagern, anda quando teaham j caliido
da memoria todas as theorias e operaces
do clcalo eafadonho.
A scicncia dos nmeros lvu, tem e ter
sempre detractores; mas, como j dsse o
sabio Poinsot em uin famoso relatorio,
tem-aos porque a sua luz importuna desfaz
e aniquila os systemas balofos dos espiritos
superficiaos, te:n-nos porque se as mathema-
ticas desapparecessem, um emxame de obras
ridiculas comorariam a se tornar serias, e
taes se fariain at sublimes.
Rodrigues Torres moi
pela rigorosa exaeco,
foi dahi que "provi__
triumphos na vida publica.'
Chamado aos arraiaes da poltica, mere-
deu desile logo duas honras igualmente apre-
ciaveis: a de sentar-se em 1832 nos conse-
lhos da cora, como ministro da marinha
lo gabinete de 8 de novembro e o voto-de
seus concdados para uma cadeira no par-
lamento pela provincia do Rio do Janeiro
em 1833.
Seus talentos foram mais de uma vez apro-
veitados para esta pasta, que gerio ainda
como membro dos gabinetes de 19 de se-
tembro de 1837, 23 de maio do 1840 o
20 de Janeiro de 1843.
0 primeiro destes gabinetes geralmente
sabido que prestou ncalculaveis servi;os a
bem da ordem e da organisaco de todos os
ramos do servro publico; dello e de sua
influencia partiram varias joias dartegislago
brasileira ; e se verdado, senhores, que o
espirito de partido pode ha ver desnaturado
e levado alm de seus justos limites a appli-
ca;ao de algumas les, tambera certo" quo
se nao pode dzor com preciso aonde leve
parar a arma de que o legislador se servo
para reprimir o abuso e as commorijcs da
anarchia.
As les sao boas, dizia o proprio Visconde
de Itaborahy, cm ura dos ltimos anuos de
sua carreira poltica; precisamos do horneas
qae as' execatem hoaradao fielmente.
O gabinete de 19 de setombro prestan
boas servicos causa publica, e Rodrigues
Torres ainda muito posteriormente se ufana-
ra le haver trabalhado com aquellos distinc-
tos organisadores.
Mas a pasta da marinha nao foi, nem po-
dia ser eato, o theatro de suas maiores
gloras. Decadente c estril, a armada na-
quella poca nao podia passar por moililica-
;oes radicaes, nem tomar o desenvolviinento
qae fra conveniente imprimir-lhe, porque
tudo dependa de dispendios enormes, e o
estallo das liaaagas do paiz aao estove nun-
ca tao precario e assustador.
Todava Rodrigues Torres inciou nielho-
raraentos de 'vrganisa;o ; c entre outras
cousas propoz a crea'jo do conselho naval
cm 1838, que s se veio a discutir o appro-
var raas tarde, em 1856.
Em 1848 Rodrigass Torres chamado
para a pasta da fazeada o constitue-se um
dos membros mais proemiaeates 110 gabinete
de 29 de setembro. Ahi, era um goverao
de cerca de 5 annos, talvez o mais longo de
qaantos havemos tido, ahi gravou sen norae
com lettras de ouro e provou quo o matho-
matii-i 1 era tambem o mais hbil especialista
da sciencia financial e econmica.
Organsou o Banco do Brasil, regularisou
a cireularo monetaria do paiz, que se acha-
va cm desordem iirancusa, cortn implaca-
vel pelos abusos da administra;o, rnorali-
sou o servido de fazenda, e quando ainda
tantos elementos de prosperidade o de bem
estar nos faltavam, Rodrigues Torres consc-
guio deixar saldos no thesouro, os primeiros
que por ventura apparecerana desde 1822.
A grandeza destes servicos e a sua com-
petencia uesta especialidade nunca ninguem
os poiler negar, porquo os preconceitos
polititos confessaveis nao vo, nao dovem ir
at denegrir o mrito e confundir o taleato
com as runs mediocridades. Essa compe-
tencia a demonstrou nosso tinado o iliustre
consocio em cera outras oocasies: na adrai-
nistrarQdo Banco do Brasil queexerceu em
1855, no decurso le todas as discussoes so-
bre materia econmica, aa Iiscusso da lei
bancaria, na lei de 12 de setembro por elle
proposta,' om que se revelou o engeahoe o
fui..u essencialmente praticode sen saber, e
emlim no eraprestiino nacional contiahido
pelo ministerio de 16 le julho de 18G8, le
que foi ministro da fazeada e presidente do
conselho.
Anda 11A0 esto esipiecidas as circuius-
tancias eritteas'do Brasil a'aquella poca,
arrastado a ama guerra tronieada que aos-
sos bros olTendidos sustentavam contra o
mais caviloso o sanguinario dos tyrannos da
America; as finanras em descalabro, o
crdito a abalar-se, as fontes de riqueza do
paiz privadas de braros o le recursos.
Para onde ir que fazer para evitar a
vergonha, a derrota a ruina *
Rodrigues Torios foi ainda o cidadao
illustro que se nao rerusouao servido da pa-
tria ante magaitude de taes dfliciildados.
Tomou o leme do Estado, timoneiro pro-
vecto, SOube quebrar i furor das ondas e im-
Mata-a !
E durante essa lula aportara convulsiva-
mente a sua espada, e senta o suor da an-
gustia e do terror correr-lhe vagaroso e fro
pidas faces.
Era quanto ao phantasma que as noutes
precedentes abra a porta e caminhava para
o leito, com firmeza, tinha modificado sin-
gularmente o seu andar.
A porta tinha sido impellida com precau-
to, o elle tinha-a deixado entre aborta ;
caminhava, em bicos de ps, parando por
vezes, escutando com anciedade e pareeedo
incerto e tmido nos seus passos, como se
fosse um cstranho pouco acosturaado s tre-
vas e s disposises locaes do quarto, que
receasse esbarrar-se com algura movel.
Emfim, a forma branca chegou at a "ca-
ma, estendeu os braros o abracen silencio-
samente o barao.
0 baro estendeu pela sua vez o braco, o
trmulo, mas guiado por uma forga febril e
vertiginosa, atravessou o peito do phantas-
ma, com uma furiosa estocada.
0 espirito tinha vencido o coraco 1
O phantasma soltou um grito de dr e
cahio redondamente no chao.
Esse grito fez estremecer o barao, que
se precipitou fora da cama.
Grtchen I Grtchen bradou elle.
NaoGrtchen!raurmurouo phan-
tasma, em voz extincta.
' 0 baro soltou um grito ; esse grito, jun-
to ao que tinha sabido do peko do phan-
tasma, acordou, sem duvida, em sobresalto,
os hospedes do casjello de Holdengrasburgo,
porque, em quanto o senhor de Nossac se
inclina va, offegante e forrf de si, para essa
forma branca que agonisava ao p do seu
leito, abriram-se as portas, a luz penetrou
repentinamente no quarto, e Wilhelm e Sa-
muel, meios vestidos, entr&ram paludos e
trmulos.
0 baro, ao claro das luzesque ellestra-
ziara, deu ra grito de desespero e de furiosa
loucura.
Essa forma, nao era o vampiro, nao era
Grtchen, a morta, a sugadora de sangue...
Era Roschen I
Roschen, que*, s duas horas da maah,
tinha vindo para acordar o homem quo
amava. e ducr-lhe;
peluda por ventos de feico, l entrou a
jHno porto almejado da paz, do bem-es-
tar o da prosperidade.
Ouairdo em 187 Rodrigues Torres dei-
xou o governo, a guerra do Paraguav|fiiidra
do modo o mais gloriosoque se pudera ima-
ginar, melhoramentos de todo o genero se
iniciavam por toda a parte, e as 1 (mancas
estavam cm tao bom p qae o saldo reap-
parecera nos ornamentos co imperio.
Ordem, economa, represso de abusos,
foram us caractersticos de sua admmistra-
<;a > por toda a parte era que estove frente
dos negocios. A inspectora geral da ins-
trurrao publica rocorda-se ainda hojo cora
saudade do curto estadio do sua direcrao, e se
yerdade que por alli passaraai depois En-
sebio, o consumado estadista ; Caetano la
Silva, o douto diplontata, e frei Jos do San-
ta Mara Amaral, o sabio philosopho, nao
menos corto juc anda ninguem venceuja Ro-
drigues Torres era austeridad'), dedica;o e
zelo pelo serviro publico, coragem e inde-
pendencia de carcter.
A provincia do Rio de Janeiro teve-o sua
frente na poca talvez mais importante o
melindrosa de sua existencia, era 1835,
quando logo apos o acto addicional foi pre-
ciso organisa-Ia o dar adrainislraro o se-
guro impulso, que conduzio este lorro
brasileo prosperidade e grandeza.
No conselho de estado, para o pial foi
nomeado era 1853, seus pareceres erara a
obra prima da dialctica o da sabedoria, sem-
pre que se trata va do questes relativas
sciencia econmica.
No senado, ao qual o eleva raa os votos
de seus concdados desde 1844, conde teve
a honra de sentar-se aa mesma cadeira pie
deixra o eximio Diogo Antonio Feij ; no
senado foi sempre o alvo da veneraren de
seas co-religionarios polticos, e do respeito
de seas proprios adversarios.
D'alll, cora voz prophetica e ura tora so-
lemne, mais de una vez condemaoa as theo-
rias o os actos que considerara fataes ao
rdito do paiz e prosperidade do sou esta-
do linaaceiro; o occasiao honre ora que suas
previstas se realisarampor uma, cora a cer-
teza e a infallibilidade dos clcalos mathe-
maticos. Tanta era a solidez dos principios
en) que o estadista se firmava.
Nos paizes ostrangoiros, e mrmente aa
Inglaterra, sea nomo ora repetido com en-
thusiasmo pelosjhomens mais competentes
desde o famoso ministerio de 48 : e quando
em pocas posteriores chegava aquello paiz a
noticia das alteraroes iniaisteraes porque
passaramos, oque pensis, senhores,, que
preoecupava O espirito dos grandes capitalis-
tas de Londres, o qae perguatavam sollre-
gos e anciosos legaco brasileira ? S per-
gantavam se o Torres lumia subido. Este
nomo ora o pharol do suas esperances, por-
que esto norae era a garanta do acorto na
direcrao dos negocios da fazenda.
Era 1867 o nosso finado consocio em-
prehendeu viagem Europa, onde era justo
pie fosse brlhar talento tao laureado, c des-
le tanto lempo conhecido. Sua recep,'o
em Londres foi das mais honrosas o esta ca-
pital o objecto de sua particular predlec-
<;o ; alh.tratou comas summidades da scien-
cia econmica, e o velho mundo pode ver
quo nao desmereca astro brasileira visto
de mais parto o sem o prestigio das posi;>es
ofBciaes.
Foi em sua^volta ao imperio em 1868
qao se realisou na cidade de Pernarabuco
aquella ovaro, pie devia ser o pronuncio
da sua nova o ultima ascensao ao poder.
Retirado la alta administrarao em setem-
bro de 1870 pelas evoluetjes da poltica, te-
ve ao menos a gloria de poder dzer que a
sua rao trmula de velho salvara ainda
nina vez a nao do Estado.
Nao lhe faltaran) as honras da tena. Sua
magostado dignra-se de condecora-lo cora
o ollicialato lo Cruzeiro, ea 2 le dezembro
de 1854 dera-lheo titulo de Visconde d
Itaborahy com grandeza. 0 governo hes-
panhol o agraciou com a gr-rruz da real e
distincta ordem de Carlos III; e numerosas
sociedades scientificas o honraram com seus
litlos.
Mas tudo isto anda pouco, senhores,
diante do consenso unnime do concdados
e estrangeiros que uma o declaravam or-
namento da patria e aotabilidade poltica ;
lado isto ainda pouco liante do respeito o
da ainizadesincera de seus amigos o paren-
tes, que o veneraran) como a um patriareba,
porque Itaborahy, o culado austero, era
esposo exemplar de costumes, brando e affa-
Veaha... espora-nos, na ponte leva-
diza, am cavallo sellado.
Depois do baro, Wilhelm e Samuel re-
conhecerem Roschen, sottarara uma terrivel
o dolorosa imprecaro.
Roschen nao estava morta anda ; Ros-
chen agonisava, cora os olhos voltados para
o baro cora sublime resignarao, com ura
ineffavel sorriso de perdo c parcendo li-
:0-lhe :
Tudo isto foi por aliaba culpa e nia-
tei-m a mira mesmo. Tomou-me por
Grtchen I
Ento, como os instantes eram preciosos,
como antes de fornecer e de pedir explca-
les era preciso, antes de tudo, tentar fazer
parar nos labios dessa desgra;ada crianfa a
vida prestes a escapar-lhc, esses tres homens
inclnaram-se silenciosamente para Roschen
moribunda ; un amparou-lhe a cabera pal-
lida, o outro estancou-lhe coro o seu lenco o
sangue que lhe corra a ondas da ferida
aberta, e o terceiro correu para fra do
quarto, bradando por soccorro.
Este, era Samuel.
Wilhelm e o baro, esses dous entes que
se odeiavam instinctamente, tinham feito
calar o seu odio e achavam-se dianto |um do
outro, inclinados para essa infeliz joven e
unindo os seus cuidados e esforros para
afugentarem a morte que se. aproximara a
passos largos.
, Samuel, com tudo, tinha acordado Con-
rado e Hermann, que eram estudantos de
medicina e que acudirn) a toda a pressa.
Mas chegaram muito tarde. Roschen
acabava de expirar, cora as mos entre as
do baro, e murmurando :
Amo-te !
, Wilhelm e o baro tinhara-se levantado
vagarosamente, paludos, mudos e consterna-
dos.
Ambos tinham fitos os olhos no rosto
descorado e contrahido de Roschen.
A chegada de Samuel e dos dous estudan-
tes, interrompeu s essa dolorosa contem-
placo.
EiHo recuaram ura passo cada um, e
comtemplaram-so durante um minuto, si-
lenciosos, frios^ amearadbres.
0 baro, que presenta a aggresso do
queia ser objecto, ievouamoao puuuo
da sua espada.
Whem niitou-o.
Senhordsse elle nao sei como o
por pie estranha fatlidade acaba de assas-
sinar o ente qae eu mais amava 110 mando ;
nao sei ainda como e porque encontr essa
mulher 110 seu quarto ao p da sua s
rama, duas horas da noute, e teriaque lhe
pelir teiris cxplica;es, mas tenho sede
do seu sangue e perdera um tempo de que
sou avaro. Em guarda, senhor !
E Wilhelm, levantando a sua cabeca ado-
lescente e altiva, tirou a espada o esperou
A espera foi curta, porquo o senhor de
Nossac desombainhou inmediatamente a
sua espada, e tomou uma posico defen-
siva.
O baro jogava as armas como um dis-
cpulo do defunto regento ; Wilhelm, como
um estudantc allemo, isto com essa iin-
pe^iosdade, essa ausencia de calculo, essa
promptido na resposta e na parada, que
embaracam um adversario inhbil, mas que
fazem sorrir um homem de sangue fro e
habilidade.
Se o senhor do Nossac tivesse um duello
ordinario com Wilhelm, isto um combate
que separado da provocaco, por uma nou-
te de descanco ; so nao visso diante do si o
cadver de Roschen ; se os seus olhos, abai-
xanlo-se, nao encontrassem essas manchas
vermelhas que o sangue da sua victima ti-
nha, jorrando da ferida, formado no soalho,
Wilhelm era um homem morto,
Mas o baro estava perturbado, desespe-
rado, o suor corria-lhe da fronte ; tinha
uma nuvem dianto dos olhos e um circulo
de gelo em torno do corago. 0 seu san-
gue fri dosappareceu, o desespera guiou-
Ihe o brac.0 e comraetteu falta sobre falta.
Por duas vezes a sua espada, dirigida di-
reita ao peito de Wilhelm, arranhou, apenas,
o brago do mancebo ; por duas vezes foi
acommettido pelo seu adversario, e o seu
sangue maculou-lhe a camisa e juntou-se ao
sangue de Roschen.
Conrado, Hermann e Samuel erara as
testemunbas mudas d'esse combate d morte.
Emfim, Wilhelm, aproveitando-se de uma
falta, fendeu-so direito ; a sua espada pene-
trou no peito do baro e n'ella desapparoceu
at, ao punho.
vel era sevrA^meapaz de|uwa offensa,
eu quasi dira recatado e pdico como uma
donzella, tanta era delicadeza dos senti-
mentos que a mais fiha oduca^lo soubera
incutir-lhe desde os verdes annoi da raen-
nice.
Mas o dtino, senhores, no respeita estas
exeelloncias de intelligeaicia e de carcter.
I)eus, que tudo move ao'seu aceno, decre-
tou ah clmo que o homem teria no seio das
rosas da ventura um espa lio queolembras-
se de sua fraqueza o do pouco que ralem os
beiis transitorios do inundo. Itaborahy, no
meio le sua apparente felicidade tinha uma
cor orculta que o punga oque talvez lhe
abreviasse os lias. Quem sabe ainda se as
paixoes partidarias nao commetteram o crime
le avivar-lhe a ferida cruel, embebendo
nolla a arma do ridiculo zombeteiro e odien
teo !...
No dia 8 de Janeiro leste auno, victima
de grave enfermidade, o Visconde de Itabo-
rahy, de saudosa memoria, voouaos pedo
Eterno,deixaado na sociedade brasileira um
vacuo jue se nao preencher tao cedo, por-
que urna alma nobre, ura espirito culto,'Um
juizo bem formado o uma illibada honradez
nao sao dotes communs com que a Provi-
dencia farorece ura povo todos os das.
liara acis in tenis !
,ODr. Candido Borges Moriteiro figurou
entre os raas habis cirurgies da corte, e
ganhou as hitas do magisterio uma nomea-
da que anda os anuos nao apagaran), nem os
vaivens la poltica lizeram esquecer.
Filho do capito d? milicias Jos Borg'-
Monteiro e de l). Gertrudes Mara da C011-
ccii.o, e nascido nesta cidade do Rk> de
Janeiro em 19 de outubro de 1812, seus
pas o destinaran), o pretendern) at coa-
gi-lo, a seguir a lida comincrcial. Nao se
imaginar faiihaente a insistencia de paispo-
hi.s e Iliteratos,que de uma parte nao crin
firmemente na excelleacia da carreira da-s
lettras, e de outra se vera inhabilitados de
recursos para sustealar o acadmico por
espaco le longos anuos improductivos no
lycease aas encolas. Mas quem pode, ses
ahores, desviar o sol de sua carreira, ou
obrigar a planta a vegetar sobre as ridas
encostasdo rochedo? O sol rompe as nu-
vens qae o toldara e Ilumina o mundo; a
planta estende-se era raizes que vo buscar
na lympha o sustento e a vida e se desabo-
ta era llores ricas de perfumes e de viro.
Candido Borges tolerara os rigores da po-
sirao do caixeiro, masfurtava horas ao des-
canso e ao sorano para alimentar, o espirito,
preparar-se nos estudos que deviam abrir-
llie as portas da academia.
Como era bella esta peleja das necessidades
urgentes da vida com as nobilissimas aspira-
res de uma almasonhadora e dignado seus
elevados destinos O presento o jungia ao
carro da obscuridade, o futuro abria-Ihe ao
longe de par em par as portas do Capitolio
e arroubado nestas vistas o menino-homem
atirava-se mesa do estudo sem treguas, sem
descanso e sera outro allivio que nao fosse
as doQuras da mesma sciencia.
Como era bello e adrairavel este combate.
De um lado o ouro, do outro um livro ;
aqu as seduci.es da opulencia* alli as
armaguras de um sacerdocio; o aaeaiao-
hoinera abrarava em delirio as paginas do
livro, calcando aos ps o symbolo da "riqueza
e dos prazures. Dr-se-hia llippocrates des-
pedindo os tbesouros de Arlexerxes em um
assmo de nobre orgulho quo a Grecia in-
teira aduiirou I
Deconidos alguns annos, Candido Borges
apresentou-se prompto para cursar a acade-
mia medica-cirurgica, e revelou aos seu>
progenitores o proi>osito firme em que estava
do nao arredar urna liaba do plano que havia
concebido. Nobre pertinacia pie s o genio
alimentara I
Matriculado era 1827 no 1. auno da
referida escola, caiainhar foi vencer e cobra-
se do glorias.
Formado em 1832, vio-se logo no anno
segrate contemplado na lista dos substitu-
tos da seci.o crurgica da escola ao lado do
l)r. Jos Mauricio Nunes Garca, e nao tar-
dou muito em revelar os brilhantissimos do-
tes de crurgio, cora que a Providencia o
mimoseara.
Era 1838 sustentou a sua thesc sobre tor-
sau das arterias, o no meio, de applausos al-
canca a honrosa cadeira de medicina opera-
toria.
(Continuar-se-ha).
0 baro soltou um grito abafado, abri
os bracos, vacillou c cahio sobre o corpo d-*
Roschen, arrestando comsigo a espada atra-
vessada 110 sea peito.
Wilhelm poasoo, ento, ain p sobre o
seu adversario, o tirou a si a espada, sobre
a qual as caraos se tinham j unido.
Estou vingado !dsse elle.
Mas de repente a porta abrio-se, e Grt-
chen, pallida, altiva, coraos olhos fulguran-
tes de colera, entrou no quarto.
Ficou, por ura momento, como fulminada
o louca vista do espectculo que tinha
diante dos olhos ; depois, inclinando-se para
o corpo do baro com un)a iaqiiietaco que
nao pode dissiraular, pousou-lhe a rao so-
bre o corarlo, exainiaou a cbaga com a
attenco minuciosa de um cirurgio, certifi-
cou-se de que o baro ainda viva, e ligou
a ferida.
Depois, levaiitaiulo-se de repente com o
labios contrahidos e os olhos accesos em ira,
olhou para o matador e para 'os seus tres
companheiros com supremo desdora e terrivel
colera, e indicando-lhe a porta com um ges-
te imperioso, disse-lhos :
Paguei-lhes ;saiam agora, que nunca
eu os torne a ver !
Os tres primeiros obedecern), sem pro-
nunciaren) uma nica jta'avra ; mas WU-
lielm tirou irma bolsa chea de ouro do
bolso, e atirou-a aos ps de Grotchen e dis-
se-lbo :
Senhora, matou a rainha amante com
as suas nfernaes machinares e eora,m fim
sidistro, que nonhum de nos po 1 descobrvr;
o seu ouro -me intil, porque aquella que
eu amava j nao evist.; : receba-*,' nada
quero de si !
Depois, ajoelhou-se junto ao cadave
Roschen, verteudua; lagrimas ardeoteso-
bre o rosto da joven, empallodecida pela
morte, e levantando-so 'deu um passo para
sabir.
Mas como se Uves pezar e remreos de
deixar o corpo da joven entre as raaos de
Grtchen, voltou alM, tomou-o nos bracos
e levou-a nos hombro, orno o mais pre-
rioso dos taraeuros.
(Continvarse-ha.)
TP*K) DIARIO RA .DUQUED* ASAS

atJ


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E348CN0SP_L6GD9Q INGEST_TIME 2013-09-19T22:04:28Z PACKAGE AA00011611_12820
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES