Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12819


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XL1X. MUERO i 9
FAMA A CAPIML E LUGABKS OME Wl SE FAA
Por tres mezes adiantados............ .
Per seis ditos idem.......
Por um, ano kiem.......
Cada numero a valso .......
t

69000
129000
24*000
320
SEXTA FEIRA 24 DE JANEIRO DE 4873.
FAEA HE'TBO E FA 9A FBOVIff CI*.
Por tres mezes adianUdos. '...........
Por seis ditos idem. f .
Por nove ditos idem ....
Por um anno idem. -. .


#
W*0
139500
209250
S79000
PR0PRIEDADE DE MAN0EL FKHJEIROA DE FARIA 6 FILHOS.
Os Srs. Gerardo" Antonio Al ves Filhos, no Para; Gonfalu-s & Pinto, no Marauho ; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cea& Antonio de Lomos Braga, no Ararat? ; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, nolfetil; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguar* ; Augusto Gomes da Silva, na ParahyLa ; AntonioJos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Antao ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Al ves Je C, na Bahia ; e Leito, Ccrquinho & C. no Rio de Janeiro.
[CIAL
por qnanto se entre estes alguns ha, que nao de-
veriam ser deltas investido, outros existein, que
esto na altura de taes cargos, e sao dignos de res-
pello c censideracao de seus concidadaes e do go-
verno, que os honra eom sua confia nca.
Ao commandante do corpo de polica. Ex-
nera Ymc. as suas ordens. afim de iiuj se-reco-
man) ao corpo sob o sen commando 3 pravas do
destacamento de Sauto Amare de Jaboatao, 1 do
Peres, 3 dn de Afogados. 1 do de Caxang, 8 do do
Poco da Panella, t do da Passagem, e 5 do da es-
taeo da Cinco Ponas.
8.* MtVffO.
Acto:
O presidente da provincia, attendendo aoque
re juereu Vicente Ferreira da Porcincula. contador
d-i reparticao dos corraos tiesta capital, e tendo
em vista a informacao do inspector da thesouraria
de fazenda, de I i do corrente, n.)746, serie b, re-
solve autnrisar. sob a responsabilidaJe da mesma
presidencia, um crdito supplementar, na impor-
tancia de 2505000. verba Krcntuaes do ministe-
rio da agricultura, coi mere e obras publicas,
afim de occorrer ao pagamento, nao s da gratifi
cacito administrador interino daquella rep irticao, duran-
te o mez de de embro ultim >, mas tambem da que
vencer neste e no de fevereiro vindouro. S
Offlcio ao inspector da thesouraria de fazen-
da. -Com a portara junta por copia, pela qual re-
solv nesta data autorisar sob a responsabilidade
da presidencia um crdito snpplementar na impor-
tancia de 2o0000, verba Et-entuaes do ministe-
rio da agricultura, commercio c obras publicas,
tica V. S. habilitado a mandar pagar a Vicente
Ferreira da Porciucula, contador da reparticao dos
crrelos desta provincia, como pede no incluso re-
querimento, a gratificaran que na qualidade de
adin nistrador interino daquella reparticao perce-
beu durante o moz de dezembro ultimo, e bem
assim a que for veneendo ueste e no de fevereiro
vinoure.
Dito aomesmo.-Communico a V. S. para
os devidos fins, me a 10 do corrento prestou ju-
ramento e assumio o exercicio do cargo de juiz
municipal e de orphaos do termo de Nazareth,_ o
bacharel Pergentino Saraiva de Araujo Galvao,
passando logo a ex*rcer a jurisdiccao de direito
por ter sido removido para Macei o juiz effectivo.
Dito ao mcsmo.-Coinjnunico a V. S. para
os tins convenientes que por offlcio de 10 do cor-
rente, declaren o juiz de direito Antonio Joaquim
Buarque de Nazareth aceitar a comarca de Macei,
na provincia das Alagoas, para a qual foi remo-
vido por decreto de '* de dezembro prximo pas-
sado, da de Nazareth, onde servir.
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para
os devidot finf, que 11 do corrente deixou o juiz
de direito da cuinarca de [tamb, bacharet Joo
Francisco da Silva Braga, o exercicio do respec-
tivo cargo, por encomniodos de sade.
Dito ao mesmo. Communico a V. S. para
os fins convenientes, me no da 25 do moz pr-
ximo passado, assumio o exercicio do cargo de di-
rector da Kaculdade de Direito desta cidade, o
Dr. Francisco de Paula Baptista, como lente mais
de 13 do corrente, rom os papis a qnrfr antigo, e por ter seguido para nMH temor
Ui>\ci-uii du provincia.
"XPSDISTTE DOMA 16 DK JANKIHO DK 1873.
/.* serado.
Offlctos:
Ao caroucl commmdante das armas interi-
no. -Mande V. S. por em liberdade o reeruto Fe-
'ifioe Ena da Costa, visto ter provado isencao
legal.
Ao mismo.Masde V. S. addir a um dos
eorpos de lmlia o soldado da companhia de infan-
laiiWas Ai agitas, Tliomaz de Aquim Paes Barre
tu. que veio para esta capital com liconr.i de 30dia<
para tratar Je negocio? de seu pJrlicuIar inte-
rec*e.
Ao mismo.Respondo ao seu offlcio de 14
do corrente, sob n. 59, dizendo que mande conser-
var na prisiio em que se acha, disposi(;io do Dr.
cuefe de policia, at qu? este Ihe d o conveniente
dt-stino, o recruta Jos Justo da Silva, vindo ulti-
mimente di trto no \apor Guar.
A mesmo.-Em resposta ao seu ofllcio de
t'i do corrente, sob n. 35, declaro-lhe que trato de
providenciar acere,* do assumpto dos dous ofll-
ms do director interino &> hospital militar, que
inclusos restituo, rela'ivos a collucacao de appare-
litOS da companhia Recife Drainage no edificio em
que funeciona aqnelle ostbeieeimeato.
Ao inspector do arsenal de marinha. Defe-
riado nesto data o requerimiento de Maria da Luz
i< Jess, o autoriso a mandar entregar-lhe o me-
nor Apolinario Tenorio de Lima, que se acha alis-
tado na companhia re aprendices marinheiros,
devendo previamente a supplicante indemnisar a
fazenda nacional da d ispeu foita com o referido
menor, como declara V. S. em seu ofllcio desta
data, sob r,. 513.
Ao director das obras militare*.as duas
repostas, que inclusa* devolvo, e a que se refe-
r* o seu ofticio de 23 de novembro ultimo, relati-
. as obras do forro do sobradinho emeonstruc-
c,w no arsenal de guctra, e aos concertos de que
ocessita a offleina do mesmo arsenal, autoriso
Vmc. a rreitar, por ser mais vantajosa a fazenda
nacional, a de Rufino Manocl da ( roz (Misseiro,
twis que, sendo todo aquelle servico oread"
mi I:369J.170, offerece-se elle a execnta-lo por
1108/008, segundo ce nsti do citado offlcio, que
tica assim respondido. Convcm declarar que np-
lrovo o lo m-.tado o dormitorio dos menores do referido
i seaal
2: srrcSo.
P'irtar'a :
O presidente-da irovincia, resol re nomear
teuente ajndanto do corpo de polica, o alferos ad-
di Jo dito corpo Amador de Araujo Pessoa, e to-
nente da l. companliia o tenen-c addido Jos (Jar-
lo* Vital.
Dulcios :
ti
de Flores, c merocera inteira f, me informan) que
a obra da cadeia, de que arrematante o tenante-
coronel Pedro de Siqueira Campos, est sendo exe-
cutoda do |wior modo possirel, visto c muo tanta
os alicerces como as paredes estao sendo feita
com podra e barro, quando pelo contrato deviam
ser foitas com argamassa de cal. Cumpre, pois
ser lenas com argamassa ae ca. oumpie, |ui, ;"
que Vmc. com urgencia me informe o que ha d Qnlrios:
i i- I 1. .i r- n'I.ii'A ,i. .ntinrlii filia matltM (H*tUN*l*t(l- AO
Ao desembargada procurador da corea, so-
teTMia e fazenda nacional. -Envi a V.S., em ori-
vinal, o offlcio junto do Dr. chefe de polica, n. 77,
de 13 do corrente, com os papis a qurf
mesmo se refere, afim de que emitta o seu pare
-.' quanti competencia do Job de direito do
Penado concedendo ordem de habeas-corpus um
recruta, que pelo delegado de f'abrob era remet1-
(ido para ser apresentado ao Dr. chefe de polica
desta provincia.
Ao Dr. chefe de polica.Declare a V. S
para os flus conveniertev que regressou da corte,
n-> vapor Guar, 9 do corrente, e acha-sc preso
n quartel do deposito, disposicao de V. S., o re-
cata Jos Justo da Silva, o qual esia incurso no
artigo 237 do cdigo criminal, e te n como (al de
ser submettido aojury do termo de S. Bento, se-
piado consta de seu offlcio de 7 de dezembro ul
i>. sob n 11)50.
Ao mesmo. -Remondendo ao ofllcio de V. S.,
n. 71, de 13 do corrente, tenho a dizcr-lhe que
trate de deseobnr com t-ido o empenho os autores
do roubo pratieado no deposito de pao, sito ra
estrella do Rosario, at'nn de que sejam punidos.
Nao se tent dado, ha mais de um me/., outro
raobb nct.ta capital abim deste, conven), que esse
i i.vel melhoramento, devido ao seu zelo, e tino
ciad qnanto seguranca de propriedade, seja
|/--luravel.
Ao mesmo. -Trr.nsniitiindo V. S. a iufor-
iii. Jao junta por copia, dada pelo inspector da Ihe-
seuraria provincial, en offlcio n. 27 de li do cor-
re i.-, Ihe declaro, que deve antorisar o delegado
d) termo de S. Bento a contratar com pessoa ido-
nea o l'ornecimento le .alimentos a presos pobres
deesa localidade, cerlo je pie ser paga a impor-
t. eia de tal alimentario urna vez que ver devida-
ir me aulhenticada, o'nos limites da quana mar-
rada para o sustento diario de cada preso.
Ao commandante superior do Recife.Tendo
nesta dala mandado por em liberdade o guarda
oacienal Felippe Eneas da Costa, que,havia sido
recrutado para o servico do exercito, assim o com-
munico a V. S. para seu conhecimento, e em res-
p ^t;i ao seu ofllcio de 7 do corrente, sob n. 523.
Ao commandante superior do Cabo e Ipoju-
ca.Informa o commandante superior da guarda
nacional deste municipio, que o capitao Antonio
.ios Santos de Siqueira Cavalcante nao se lhc apre
sentn coin
parte nos trabalhos do sonado, o respectivo pro-
prietario.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
-Em vista da conto junta, mande pagar a Manocl
FigueiKJa de Faria & Filhos, a quantia de 100i,
proveniente da impresso de duzentos xemplares
do mappa demonstrativo das distancias entre as
freguezias da provincia, segundo se deprehende da
mencionada conta.
Dito ao mesmoMande V. S pagar a Jos
Matates da Fonceca a quantia de 1:230*727 a que
tem direito, proveniente da 3* pcestacao d.i seu
contrato, c do aecrescirae de obra que executou
na qualidade de arrematante dos reparos da cadeia"
e quarlel da ridade de Goyanna, como se v do
certificado annexo ao incluso requerimeuto.
4' sernw.
Actos :
O presidente da provinca, resol ve exonerar
os repetidores interinos do Gymnaso Provincial
Herminio Rodrigues Siqueira e Thoui Augusto da
Silva Villar. .
O presidente da provincia, resolve demiltir
Pelino Joaquim da Costa Guedes do lugar de repe-
tidor interino do Gymnaso Provincial, por assim
convir ao servico publico.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requeren Alexandrina de Limare Albujuerque
professora de iustrucco primaria da villa do Brejo,
e tendo em vista a= i'nformacoes do director geral
interino da instruceao publica de 17 de outubro
do anno findo, sob n. 362, do inspector da thesou-
raria provincial de 11 de dezembro do mesmo
anuo, sob ns. 613 e 14 do corrente, sob n. 26, re-
solve, de conformidade com o art. 29 da le n.
369 de 14 de muo de 1853, jubilar a respectiva
professora com o ordenado por inteiro nos termos
do art. 24 da lei n. 598 e aru 59 da lei n. 891, por
contar mais de Tinta e cinco annos de magisterio,
e mais a gratllicaco por doze annos de que trata
a lei n. 984 de 12 de mato de 1871.
Offlcio ao cou>e!heiro Francisco de Paula
Baptista, director interino da Fatuldade de Direito
do Recife. Accu>o recebido o offlcio de V. Exc.
de 7 do orrente, e tico interado de ter a 23 do
'ji< t ni' i "iit Ul gmiviu -* -- ^
verdadeiro nisso ; convindo que mandeinspocciw
nar a referida obra, emqnanto lo.upo. por um
engonheiro de su eoulianca.
Ao mesmo.Chamo a atteneao do Vine, para
o artigo da Gazetilk* do Jornal do Recife l de
corrente, que tem por epigrapbe O''fomento. O
novo reconimendo-lhe a remessa do relalorio que
em ofDcio de 21 de dezembro ultimo exigi sobre
idntico nssuuipto.
EXPEDIKNTK DO SECRETARIO.
2." leccov.
Offic tos :
Ao bacharel Joao Francisco da Silva Braga.
-O Exm. 9r. presidente da provincia manda ac-
ensar o recebiinento do ofticio de V. S. de 11 do
corrente, em que participa ter nessa dato deixa-
do, por incommodo de sade, o exercicio da vara
de direito da comarca de Itamb.
Ao juiz de direito Antonio Joaquim Buarque
de Nazareth.0 Exm Sr. presidente da provincia
manda aecusar o recebimento do oflkio de V. S.
de 10 do corrente, em que participa aceitar a co-
marca de Macei, na provincia de Alagoas, para
a qual foi removido por decreto de 4 de dezembro
prximo passado.
Ao bacharel Pergentino Saraira de Araujo
Galvao.O Exm. Sr. presidente da provincia man-
da aecusar o recebiniento do officto de V. S. de 10
do crrenle, em que participa ter nessa dato pres-
tado juramento do cargo de juiz municipal e de
orphaos do termo de Nazareth, passando na mes-
illa data a exercer a jrisdiccao da vara de direi-
to, por ter o juiz effectivo recebido, no mesmo dia,
a cominuncac.o offlcial de haver sido remondo
para a comarca de Macei, em Alagoas.
Ao commandante do corpo de polica. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda coiomu-
nicar a V. S. para os devidos fins, que por porta-
ra de hoje foi nomeado tenente ajudante do cor-
po, sob o seu conunando, o alferes addido Amador
de Araujo Pessoa, e tenente da 1* companhia o te-
nente igualmente addido, Jos Carlos Vital.
v 3." serco.
Offlcio:
Ao commandante do corpo da polica. O
Exm. Sr. presidente da provincia, manda declarar
V. S. para os devidos lins, que por portara de
hoje foram nomeados para o corpo de polica, l-
ente ajudante o alferes addido Amador de Arau-
jo Pessoa e tenente da 1* companhia o tenente
tambem addido, Jos Cario* Vital.
4.' sexfo.
Oieio :
Ao conselhiro director geral da secretaria
de estado dos negocios do imperio.Tenho a hon-
ra de passar s mos de V. Kxc. a inclusa follia
corrida, afim de que se digne junto-la aos demau
documentos annexos ao requerimenlo que aconv-
panhou o ofBcto dn Exm. Sr. presidente desta pro-
vincia, de hontem datado, sob n. 8, e no qual o pa-
dre Lourenco de Albuquerque Loyolla pede as
honras de conego da capella imperial.
EXPEDIENTE DO DU 17 DE JANEIRO DE 18/3.
1.' secedo.
Acto : ,
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o tenente honorario do exercito, addido
ao 9o batalliao de infamara Joao Pereira de La-
cena, e tendo em visto a informasao do coronel
commandante das armas interino, desta data, sob
n. 73, resolve conceder-lhe, de conformidade com
o art Io S 4o do regulameuto annexo ao decreto n.
3,579 de 3 de Janeiro de 1866, vinte dias de li-
cencia.
Ofilcios :
Ao coronel commandante das armas interino,
Sirva-se V. S. de expedir suas ordens para quo
urna brigada composta de um batalhao de linha e
outro da guarda nacional deste municipio, que
para isso ser posto sua disposicao pelo respec-
tivo commandante superior, se ache postada no da
27 do corrente, ao meto da, em frente do con-
vento do Carino, em que funeciona o instituto ar-
cheologico, afim de solemnisar a sessao que o mes-
mo instituto tem de celebrar em commemoraeao
do anniversaro da restaura^ao desta provincia do
dominio dos hollandczes, devendo dito brigada ir
convenientemente munciada para dar as descargas
do estylo, certo de que o director do arsenal de
guerra est autorisado a fornecer o preciso cartu-
xame.'
de o'dem desta presidencia de 29 de novembro ul-
timo, e que ftea apprnvado.
O presidente da provincia,, attendendo ao que
requereu o bacharel Ernesto Vieira de Mello, pro-
motor publico da comarca de Palmares, resolve
cunceder-lhe 30 dias de licenca com ordenado, na
firma da lei, para tratar de sua sade.
Ao Dr. chefe de polica.Transmittind > a
V. 8. em original, o omcio junto do bacharel
Gaspar de Vasconcelos Menezes de rummond,
promotor publico interino da comarca de Oliuda,
com varias copias, a que allud i o dil > ofllcio. no
ij'iat represento sobre variosfaetos e autoridades do
termo U'aquelle nome, Ihe recommendo, que provi-
dencie em ordem a despertar as autoridades poli-
ciaes, a quem se alinde, para que cumpram os
seus deveres, s:itisfazendo as requisicta do promo
ter publico no tocante aos ditos factos crimi-
nosos, dando V. S. contodo resulto lo, e devolvendo
os papis juntos.
Ao mesmo. -Don solucao conulta contida
em seii oUcio de hontem datido, sob n. 103, di-
zendo que deve manlar apresentar ao coronel
commandante das armas, oescravo (Japitulino, ex-
prae,.a da companhia de cavallaria. que se achava
reco'lhido casa de detencao, afim de ser entre-
gue seu senhor, depois de indemnisada* por
este as despezas feitas eom o referido escravo,
durante o tempe em que osteve naquelle estolie-
locimenio. .
Ao comm indante superior do Recife.De V.
Si as necessarias ordens no sentido de ser posto a
disposicao do coronel commandante das armas in
terino um dos eorpos da guarda nacional sob o
seu conunando superior, afm de, reunido outro
de linha, formar urna brigada para sole.nmsar, no
la 27 do corrente, ao meio da, a sessao que tem
J celebrar o instituto archeologico, cm eomm'-
moragao da restauracao de Pernambuco do domi-
nio dos hollandezes.
* Ao commandante superior do Bonito.KlfK
cv V. S. as sua* ordens, ali-n de que nina guarda
de honra de ha'aluae n. 26 da guarda nacional
d'osse municipio assisto festo, que ao glorioso
roartyr S. Sebastiao teni de lazer a respectiva ir-
mandad na igreja do dito santo, n > da 26 do cor-
rentfl, acompanhando procissao, que depois da
ifesta tem de ser feita.
A' juizes de direito das comarcas nao es-
pecae.-De conformidade com o disposto no arti-
go 11 i 2* da lei n. 2,031 de 20 desetembrode 1871,
transmiti a Vine, a tabella junta, que por porta-
ra desta data foi approvada, a qual lia a ordem
de proximidade reciproca de cada comarca para
decisao das suspeicoes postas aos respectivos jui-
zes de direito. .
Ao juiz de direito de Caruar.Informe >.
S em que estad se acha o processo de responsa-
bilidade instaurado pera irte esse juizo por denun-
cia do promotor publico contra o escrivao do ter-
mo de S. Bento Franeisco de Paula Bezerra La
vlcante. ,.. ,
Ao juiz de direito interino do Limoeir..in-
jeirado de quanto expoz Vmc em seu offlcio de
14 do/corrente commuaicando haver a eommissai
iHCumbida de ministrar soccorros aos indigentes
guana a ue i:oo/* ja auianiaua para occorrer ,u> ca manda a despezas feitas com os reparos da referida ponte, s. de 16 de novembro prximo passado, comrnu
como commuuicou o respectivo chefe em olllcio nicando ter nessa data assumido o exercicio *>
de 14 do corrente, sob n. 14. cargo de adjunto do promotor publico da comarr
qual foi nomeado por portara1
.. ** u-igtfti a i .'. u r i i ii ii. *. ,ii.,,. .
quantia de 19 176, despendida nos mezes de ou-
tubro a dezembro do anno prximo passado com
o forneciinento de agua e luz ao destacamento
do termo de Bou Jardn..
Ao niesiu i. Mande V. S. pagar a Jos Maria
Ferreira da Cunha, vista d > pret junto om du-
plcala, que me rometteu o commandante superior
interino do luuuicipto do Lim >eiro, coin ofllcio de
3 do corrente, os venciinetos do destacamento
da guarda nacional estacionado na villa do Bom
Jardim, relativos ao mea de dezembro ultimo.
Ao mosmo. Recommendo V. S. que,
vista da inclusa conta em duplicad, mande pa-
;ar a Antonio Francisco da Cruz, conforme soli-
icitou o Dr. chefe de polica em offcio de 13 do
corrente, sob n. Si, a quuitu de 18, om que m-
portn o aluguel de tres mezes, vencidos em de-
zembro do auuo liu.lo, da casa que no distrelo de
S. Lourenco da Matto serve de cadeia, segundo
indica a mencionada conta.
4.' jecfdo.
OOlcios :
Ao Exm. presidente da provincia do Sergi-
pe. Atienden lo ao quo pele o soldado do 9.* ba-
talhao de infamara, Eugenio Francisco dos San-
os, no iucluso requerim-mto, que V. Exc. se dig-
nar devolver-ino, rogo a expedir) das conve-
nientes ordens im sentido de ser prestado por
quem competir um documento comprobatorio da
allegacao feita pela referida praca de haver mar-
chado para a campanha do Paraguay na qualida-
de de guarda nacional designado do batalhao da
cidade de Villa-Nova nessa provincia.
A Luiz da Vega Pessoa Cesar, ex pro-pre-
sidente da cmara municipal da villa de Itamb
Fco inteirado, pelo seu ofticio de 7 do corrente, de
ter Vmc, de accordo coin as providencias dadas
pjr esta prosideucia em 16 de dezembro de 1868,
e por nao se luver reunido nuin -re suflkiente de
vareadores juramentados naquella data, os cida-
daos major Joao Alvares de Carvallio Cesar e ca-
pitn Bal luino da Silveira Villa-Secca, eletospara
a nova cmara, assumindo o primeiro a respectiva
presidencia.
Portaras :
A' cmara municipal da villa do Brejo.Ac-
cuso reoebid.....-. > ~ ....^-. " SKC40.
i '.jii ;| ,
Ao conego regedor do gymnasio provincial
De .ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia, declaro a V. Rvma. para seu conhecimen-
to, que por acto de hontem, o mesmo Exm. Sr.
resolved demittir Itvnnino Rodrigues Siqueira.
ThOffi Augusto da Silva Villar e Pelino Joaquim
da Cos-a Guedes, dos lugares de repetidores des^e
cstobelecimento.
Santa Casa de Misericordia do Recife, 17 de Ja-
neiro de 1873.
N. 233.Illm. e Exm. Sr.Levando ao conlie
cimento de V. Exc. o facto constante do otrio
dirigido pelo mordomo de mez do hospital Pedr?
II, cuja copia apresento, tenho por lim, em virtu-
de da resolueao da junta administrativa _tomada-
em sessao de hontem, pedir a V. Exc. se digne de
providenciar para que casos idnticos se nao re-
produzam, com detrimento da salubridade puMi
ca e contra a expressa disposicao dos arts. 27 3.
6i, 63 e 66 do-regulameuto do cemiterio publico
Deas guarde a V. Exc. -Illm. e Exm Sr. eom
m-ndador Dr. Henrique Pereira de Lucena, pre-
sidente da provincia de Pernambuco. O vice-
provedor, Hnro do Uvmmento.
Illm. c Exm. Sr. Coinmunico a V. Exc, auc-
as 4 horas da madrugada do dia 14 do correnU-
mez, falleceu de febre amarella no hospital Pedro
II, o inglez John Rose, de 20 annos de idade, pro-
fessando a religiao protestante, o que foi declara
do no attestado do respectivo medico. Este docu-
mento e mais a communicacao io falleement<>
que fez a superora do hospital, foi apresentado no
consulado inglez, afim de se obter a guia para o
enterramentQ no cemiterio protestante.
Este procedimento o que se cestuma a ter com
os subditos de outras nacoes que fallecen) no nos
pital, mas, fiquei sorpreendido, quando me coui-
muniraram que o cnsul inglez se recusara a dar
a guia para o recebiinento do cadver at 3
horas da tarde do dia 15 do corrente, fcando por
tanto insepulto pelo espaco de 33 horas.
O cnsul nega-se a dar guia para se eximir do
pagamento de 27*000 que exiga o Sr. Agr pelo
caixao e conduce) para o eemiterio, desneza esta
que o dito Agr cobra de outros .cnsules, sempn
que fallecem no hospital subditos de outras na
-.sulado in-
a cmara municipal aa vina uo oreju.ai- qUe fallecen) no nospitai sunauos ue ouu
cuso reoebid > u ofticio da cmara municipal da coes :sabendo'disto dirig -me ao cnsul:
villa do Brejo, de 7 do corrente, e fco interado |e7) e e a|gama forma lazendo sentir o
de ter ella prestado jurainmto e tomado posse dimento que estavam tendo, visto como o
uaiinella data. ver ia se achava em estado" de mitrefaecac
M.'uniiuli de m)nistrar soccun u niui|ovo -- .-~j..~---------------------r---
IhiataTados d varila, e da qual faz Vm* parte, feeoso recebido o (juicio da cmara municipal
,n arregS a ConradoErnestino Xavier Ramos daTSSoe de CaruafiT, do 7 do corrente, e tac**
do trataiuento dos referidos doenlcs, mediante a
os ue oiquena i.av.iiL.ime -io se uii|i- uB / qu cnrenie, e neo ininrauo ue icr a so uo
com a respectiva, guia, e nao constando passado assumido o exercicio do cargo de di-
da matricula do batalhao n. 51, que a osse reetor interino da Faculdadc do Direito que Ihe
n lllla ,,i ,i 4.i,l ,1.1- A'l i nilri Ttom i',ltl- I __^_.^..ft. -------ls... aMftU n..l'.rw*. nm> lur amiiflA
tambem ....^....-----------......-------
oficial se tivesse mandado dar dita guia, era con
cedido licenga, proceda V. S. seu respeito de
conformidade com o dispisto no decreto n. 3,535
i!.- 25 de novembro de 1865, Iracondo ao conheci-
mento desta presidencia o resultado do conselho
l" inves igafao, que deve conhecer de sua au-
s'ncia. ,
Ao juiz de direito da 1." vara.Transmiti
. Y S. para os devidos fins m guas dos sentencia-
,: Joo Rodrigues Nepomuceuo, Pedro Antonio
di silva, Henrique Dias do Nascimento c Vicente
Vieira do Nascimento, requisitodos por V. S. em
offl ios de 23 do me2. prexim) passado, de Adolpho
M inoeJ da Silva, que o foi pelo Dr. chefe de poli-
fl nar.1 responder novo jury, ede Francisco Ro- 'j'"'".....-."-)-"
.liiues de Souza, que vem dendr no processo do. trictos com excepcao do 2o do ultimo de taes dis-
....___:.j. u___i i u:ti i,mi> ci.irt tAiins trelAs nnr su adiar doenle.
;
&eotenciiido Manoel Lopes Vital, tendo sido todos
remettldot para esto capital seren apresentados
a.> Dr. chefe de polica, segundo olllcio do com-
i .idant? do presidi de Fernando df.Noronha, de
8 do cor rente, sob n. 237.
Aojuiz dedirjitoda comarca doBuiquc
Inteirado de quanto Vmc. me participa em seu of-
ficto de 27 do mez prximo passado com rclacao
aos trabalhos da 4.' sessao do jury do termo do
Buique, que presidio, tenho a dizer-llie, que louva
o promotor publico interino dessa comarca, pelo
nado porque se hoave, segundo sua informacao,
no cum;)rimento de seus deveres.
__A juiz municipal do termo de Caruar.
Devolvendo a Vmc. osinqueritos, que acompanha-
rain o eu offlcio d.e 23 de de embro ultimo, Ihe
recommendo que determine ao promotor publico
dessa comarca, quo trate de reuuerer, oque for
bem. da justica publica em ordem descobrir,
se o furto de aninues tem lugar cm campos de
cultura, ou fazenda de creaoao, para que. verifica-
da esta circumstonsia proceda nos termo i da le
coatra o delinquen. Outro sira recommendo a
Vmc, que sem perca de lempo envi esta presi-
dencia :ertdao da leciso proferida pela Junta de
qulficclo da guarda nacional no requerimento,
que alinde, dirig lo peto actual delegado de po-
lica. Finalmente lo posso deixar de estranhar
em urna peca offici.il com niacae a cididaoj, que
h.> ceulro; da provincia exercem fuuc^oes pol.
compete como lente mais antigo, por ter seguido
para a corte, a tomar parto em trabalhos do senado,
o respectivo director.
Dito ao vce-prev-dor da Santa Casa de Mi-
sericordia. Pode V. S. mandar entregar a Ma-
riano Barboza de Oliveira a sua lilha Maria, edu-
canda do collegio das orphas, a que se refere o
seu offlcio de 10 do corrente.
Portaras :
A' cmara municipal da villa de IpojuCJ.
Acenso recebido o offlcio da cmara municipal da
villa de Ipojuca, de 7 do corrente, e fco interado
de haver n'aqulto data tomado posse e ontrado
em exercicio de suas funceoes, bem assim terem
prestado juramento os juizes de paz do 1 e 2o dis-
tritos com excepcao do 2o do ultimo de taes dis-
trelos, por se adiar doente.
A' cmara niunicijialda cidade de Goyanna.
Accuso recebido o'offlcio da cmara munici-
pal da cidade de Goyanna, de 7 do corrente, e
tico Inteirado,daAereui naquella dato prestado ju-
ramento e tomado pwse os vereadorea novaraente
eleitos.
A' cmara municipal da villa da Escada.--Ac-
cuso recebido o offlcio da cmara municipal da
villa da Escada, de 7 do corrente, e fleo inteirado
de ter n'aquella data tomado posse e assumido o
exercicio de suas fuucriies.
A' cmara municipal da villa de Iguarassu.
Accuso recebido o omcio da cmara municipal
da villa de Iguarassu', de 8 do corrente, commu-
nicandoMiaver prestado juramento, na qualidade
de juiz de paz. o cdado Jos Ignacio da Fonceca
Silva, procurador dessa cmara, e consultando, se
em face do art. 45 do decreto n. 4,824 de 22 de
novembro de 1S71, ha incompatibilidade no exer-
cicio dos dous cargo, e se no caso afflrmativo teni
elle direito de opcao, ou se deve ser chamado o 1
supplente para completar o quadro dos jaizes de
paz. Em resposto tenho a declarar a essa cmara
que a incompatibilidade manifesta, em vista da
lei citada, cumprindo que o cidado, de que se
trata opte por um do> dous lugares.
5* $eecSo.
Offlctos ; M ,
Ao ongoi.i.-ifj chefe da reparticao das obras
publicas. -Pessoa- que acabam de cUegar da villa
Ao mesmo.-Ao Dr. chefe de polica recom-
mendo nSta data que mande apresentar a V. S. o
escravo Capitulino, que se acha recolhido a casa
de detcncao, para onde foi transferido do hospital
militar, na qualidade de praca da companhia de
cavallaria, aiim de que, inandando-o elcmmar da
referida companhia, faca dellc entrega, de confor-
midade com as ordens j expedidas", a seu senhor
Isidro da Cunha Cavalcante de Albuquerque, de-
pois que houver este pago as despezas feitas com
dito escravo, dtirante o tenipa em que esteve na-
quelle cstobelecimento. O que communico a V.
S. para os fins convenientes.
Ao mesmo. -Approvo os contratos, que se-
gundo os termos annexos por copia ao seu offcio
n. 1 de 2 do corrente, celebrou o director interino
do hospital militar com Jos Antonio Guedes da
Trindade, para lavagem e concertos das roupas,
e com Joo Cardoso Brrelo para o forneciinento
de sanguesugas no trimestre de Janeiro a marre ;
o que communico a V. S. para seu conhecimento,
e em resposto ao citado offlcio.
Ao inspector do arsenal de marinha. A-
chando-se iucapazes do servico, segundo o termo
de uspeccao annexo ao seu ofllcio de 14 do cor-
rente, sob n. 510, os menores da companhia de
aprendizes mariiilieiro; Joao Bernardino Cardoso,
Luiz Justino do Nascimento e Antonio Primeiro.
visto soffrerem: o 1" de rheumatismo articular ;
o 2 de lesao do coracao e o ultimo de escorbuto,
autoriso a V. S. a manda-Ios eliminar da referida
companhia.
Ao director interino do arsenal de guerra.
Mande Vmc fornecer a qnem se mostrar autori-
sado pelo coronel commandante das armas interi-
no, o cartuxamo preciso para as descargas que
tem de dar a for?a destinada a solemnisar no da
27 do corrente, o anniversaro da restauracao de
Pernambuco do dominio dos hollandezes.
Portara :
Ao conselho de compras de marinha. -r ica
approvado o contrato, que segundo o termo anne-
xo por copia no seu offlcio de 10 do corrente, ce-
lebrou o conselho de compras de marinha de 2i
de dezembro ultimo, para o fornecimeulo, no tri-
mestre corrate, de objeclos do lanamente aos
navios da armada e estabelecimentos de marinha,
o bem assim de tijollos e telhas ao respectivo ar-
senal.
, 2.* lecfo.
Portaras:
O presidente da provincia, de conformidade
com o disposto no art. H da lei n. 2,033 de 20 de
setembrode 1871, resolve que as suspeieiies postas
aos juizes de direito das comarcas nao espeeiaes
desta provincia, sejam decididas pelos das mais vi-
zinhas aos termos, em que forem ellas suscitadas,
servindo para regular a ordem da proximidade re-
ciproca de cada comarca o mappa demonstrativo
das distancias entre as freguezias, que'pela repar-
ticao das obras publicas, foiorgaaisado, em virtude
laqnelta ........
A' cmara municipal da cidade de Caruard-
gratificacao, que for arbitrada por esta presiden-
cia ; eabe-me em resposto dizcr-lhe, que conven),
que a mesma commisso me envi urna relacao
nominal dos variolosos indigentes, para servir de
base M arbitramento da gratificacao pedida, e
sobre o que Vmc. emittir logo seu juizo.
Ao promotor publico interino de Olini,
bacharel Gaspar de VascmcellOs Menezes de
DruminondInteirado de quanto expoz Vmc em
seu offlcio de 16 do corrente, lonvo-o pelo zeto
que val mostrando n.) cumpriniento dos seus ue-
vere*, e qnanto s providencias, que exige, para
que a aceto di jastica se torne mais en;rgica
li'essa comarca, use Vmc. da faculdaJe que a le
confere, denunciando coutra as autoridades, que so
se recomuiendam pela sua negligencia e nenlium
civismo.
3' seceo.
Oficios: .,
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Transmiti a V. S. as folhas, relacoes nomnaos e
prets juntos einduplicato,quemcreiiiette-a ocom-
mandarife superior interino dos municipios de
Flores e villa Bella, com offcio de 2 do corrente,
afim de que mande pagar a quem ss mostrar com-
petentemente autorisado os vencimentos do desta-
camento da guarda nacional existente na villa de
Ingazeira, correspondentes aos mezes de novetniro
e dezembro do anno prximo findo.
Ao mesmo. -Transmuto a V. S. o pret junto
em duplicato, afim de que mande pagar os venci-
mentos das pracas empregadas no deporto de re-
crutas concernentes a primeira quinzena deste
mez, conforme solicitou o coronel commandante
das armas interino, em offlcio de hontem, son,
n- 68.
Ao mesmo.-Mande V. S. dispensar, nos ter-
mos de sua informacao de 15 do corrente, sob n.
770, serie B, a Alexandrina de Souza Luna, da
multa de 20*000 que Ihe foi imposta pela recebe-
doria de rendas internas, pela nfraecao do art.
21 do regularaento do 1 de dezembro de 1871.
Ao mesmo.Providencie V S. para que nao
sejam pagos ao ex-porteiro do hospital militar Il-
defonso Lucio Monteiro da Franca, os vencimcntos
do mez de dezembro ultimo, visto ter elle de m-
d -mnisar ao almuxarife interino do referido hos-
pital, capital Agripino Furtodo de ondonca a im-
portancia das roupas que exlravou da arrecada
cao pertencentcs ao soldados all em curativo^ com/
solicitou o coronel comm -
offlcio de 15 de corrente,
Ao mesmo.-Tend nesta data appro
contrato constante da copia junta, celebrado pelo
conselho de compras de marinha, para o forneci-
inento no trimestre corrente, de objeclos de fal-
damento aos navios da armada e eslabelecuneiite
de marinha, e bem assim de tijollos e telhas ao
respectivo arsenal, assim o communico a \. s. pai a
os devidos effeitos. ,, ,,
Ao mesmo.-Tendo nesta dato approvado os
contratos constantes dos termos juntos por copia,
que o director interino do hospital militar celebrou
com Jos Antonio Guedes da Trindade para a la-
vagem e concertos das roupas dos doentcs em
tratomento no mesmo hospital, e com Joao Cardu-
zo Barrefo para o forneciinento de sanguesugas no
trimestre de Janeiro a marco do corrente anno,
assim o communico a V. S. para seu conheci-
ente. J v a
Ao mesmo.-Respondeado o offlcio de \. >.
de 14 do corrente, sob n. 755, sene B, acerca do
pagamento do aluguel da casa que no termo de
Flores serve de quarlel ao destacamento de polica
all estacionado, tenho a direr-lhe que, por equivo-
co, se expedo ordem a ea reparticao para effec-
tuar esse pagamento, e por Isso convem que ae-
volva as respectivas contas, afm de seren enoa-
minhadas thesouraria provincial, por onde tem
de correr essa despeaa.
, Ao mesmo.Remeti a V. S., afim de ser
conservado na reparticao a'.seu cargo, um tem-
plar do mappa demonstrativo das distancias entre
as freguezias da provincla.-4gual, -Mutalis mu-
tanda, aos inspectores da thesouraria provincial e
da alfandega, ao admistrador da recebedoria de
rendas, e ao administrador do consulado pro-
vincial, i, ...
Ao inspector da tbeseurarla provincial.
Tomando em coasidarafao o que expoz no incluso
requerimento Mauoel Alvos Ferreira-, possiudor
w .^....v. ^ .......^.u, u.. i V. m.....I--------------------
teirado de ter naquella data deferido juramento
aos veroadores do novo quatriennio, e a 11 juizes
de paz de differentes dstrictos do municipio.
A' cmara municipal da cidade da Victoria.
-Concedo a autorisacao que pede a cmara mu-
nicipal da cidade da Victoria, em olflcio de 7 do
corrente, para effectuar a venda de tres casinhu
de madeira, sitas nessa cidade, cujo producto ser
applicado compra de outras, juntos ao cemiterio
publico, coin destino guarda de niadeiras e re-
sidencia do respectivo guarda, devendo a venda
ser foita em leilo publico, observadas as prescrip-
coes do art. 43 da lei do 1.* de outubro de 1828.
5.* ccfo.
Oficios :
Ao^ligenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. -Declare Vmc. ao arrematante da obra
da estradi do Ambol, Thomaz de Carvalho Soares
Brando Sobrinho, com quem se entender, quo
a rescisao do seu contrato s pode ter lugar sob
condcao de nada reclamar titulo de indeinnisa-
cao por sonden ana baja feto ; e caso se recuse
ste a annur a isto, intime-llio o despacho da the-
souraria prevucial do 23 de abril do anno passa-
do, p.ra que indique os nomes dos propretarios
dos terrenos d*onde tem de ser extrahido o barro,
afm de se proceder competente desapropriacao
nos termos da lei.
Ao mesmo.Mande Vmc. haver da compa-
nhia Pernambuco Street Railway a importancia
dos para le ipipedos de que ella se utilisou quan-
do descalcou as ras desta cidade para a codoca-
me exlravou da arrecada- veo annexo ao seu off
lados all em curativo, como n. 61. 0 que commumi
nmandante das armas eift\ cimento, e em resposta
e, sob n. 64. \T ^a mesiaa Z S
l nesta data approvado o ao de seus carris ; podendo entregar ao baro do
ivramento s 4,889, de que trata o seu offlcio de
2) de outubre do anno prximo passado, que fica
assim respondido.
Ao mismo.Tendo nesta data autorisado o
inspector da thesouraria provincial a mandar en-
tregar ao thesoureiro dessa reparticao a quantia
de 3:6123, quo Vmc. solicitou para o pagamento
das madeiras do assoalho da ponte de S. Joao, as-
sim o communico a Vine para seu conhecimento,
e em resposto ao seu ofllcio de 14 do corrente,
sob n 14.
EXPEDIBIWE DO SECRETARIO.
1,' UCQUO.
Offlctos :
Ao coronel commandante das armas interi-
no. -Nesta data se mandou satisfazer o pedido que
veio annexo ao seu offlcio de 15 do cerrente, sob
n. 61 O que communico V. S. para seu conhe-
ao citado offlcio.
.i-ausmitto V. S., de ordem
.-. presidente da provincia, o incluso
exemplar impresso do mappa demonstrativo das
distancias entre as freguezias desta provincia.1
Iguaes ao commandante do presidio de Fernando,
capitao do porto, director do arsenal de guerra e
inspector do arsenal de marinha.
Ao mesmo. -S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda declarar V. S., para seaconhe-
oimento e flns convenientes, que nesta data expe-
do se ordem thesoararia de fazenda no sentido
de seren pagos os vencimentos das pravas em;
pregadas no deposito de recrutas, concernentes a
primeira quinzena desto mez, como solicitou \.
6. om offlcio de hontem, sob n. 68.
W seccao.
Ofilcios :
Ao chefe de polica.-O Exm. Sr. presidoute
da provincia manda declarar V. S., que ficeu
inteirado, pelo seu offlcio n 92 de 15 do corren-
te, de na ver nessa dala remettido ao juia de di-
reito do X distrcto criminal, o nquerito a que
precedeu por occasio da prisao de Olegario de
Carvalho Neiva, pelo criine de introduccae do
moeda falsa.
Ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar V. S., que nesta data ex-
pedo as necessarias ordens thesouraria provin-
cial, no sentido de serem pagas, a Antonio Fran-
eisco da Cruz e a Jos Maria Ferreira da Cunha,
a quantias de que tratara, os seus oficios de 15
deste mez, sob ns. 83 e 89.
Ao commandante superior do Limoeiro.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
communico V. S., que a thesouraria provincial
foi nesta data habilitada a mandar effectuar a Jos
proce-
. j cada-
ver ja se achava em estado" de putrefacto, pelo
3ue poderia muito concorrer para prejudicar os
oentes no hospital, expoz-me entae o vice-consul
firae tendo o fallecido entrado para o hospital por
caridade devia tambem ser enterrado pela cari
dade, que poderia nao ser inglez, alm de Ihe pa-
recer vagabundo, e que os fundos destinados para
enterres de manijes e outros indigentes, nao po-
diam comportar os que se achavam as condictes
do fallecido, que se recolheu ao hospital Pedro II.
sem que para all elle o mandasse, e que no sen-
tido de ser enterrado pela caridade, j se tinha
dirigiuo ao Dr. chefe de polica, o qual ato aouelie
momento, 3 horas da tarde do dia 15, nio Ihe ti
nha respondido, fiz-lhe ver que qualqner ulterior
res.iluco que houvesse de se tomar nao servira
para o'caso de que se trata, visto como nao era
mais possivel conservar o corpo insepulto cm de-
trimento da saude publica.
Em vista dessas observacoes elle resolveu a dar
a guia, dzendo-me sempre que nio pagava o eu-
lerro.
Drg-me ao Dr. chefe de jwlcia, commun
quci-lhe o occorrido, c pedi-le para por o feto
na guia, afim de que o Sr. Agr depois disto nao
reeuzisse mandar conduzir o cadver ao cemite-
rio, elle annuio ao meu pedido e a gua foi poi
mim apresentada ao Sr. Agr, o qual deu logo
cumprimento, nao obstante dizer-me que de al-
guem liava de cobrar os ditos 27/000, e de ter
anteriormente recommendado aos seus caixeire-
que mandasseii) ao hospital buscar outros cad-
veres, mas que por forma alguma viesse o do in-
glez. E como este procedimento todo de capri-
cho e deshumano, tonto da parte do cnsul ingle/
como do Sr. Agr, nao deva passar desapercebido
levo ao conhecimenlo de V. Exc. para providen-
ciar como entender, afim de se evitar a sua rape-
tico, que pode dar-se em detrimento do hospital
e da saude publica, visto como nao se pode pres:
cindir de acolher aos infelzes desvalidos que quasi
moribundos, como o de que se trata, all se ?t*-p-
seniam para serem recolhidos,
Deus guarde a V. ExcRecife, 16-de Janeiro
de 1873. ...
Illm. e Exm. Sr. provedor da Santo Casa de Mi-
sericordia.O-mordomo do hospital, Manoel /m
dos Sanios.



Offlcio ao vice-provedor da Santo Casa de
Misericordia.Aecuso recebido o offljio de V. S.
de honten) datado, em que me commumea o facto
de ter, (lcado no hospital Pedro II sem sepultura,
durante 35 horas, um subdito inglez, protestante,
devido isso haver o respectivo cnsul se recula-
do a dar guia para seu enterramento enegar o em-
prezario do servico mortuario a conduccao para o
cemiterio, sem o> visto do Dr. chefe de polica, e
!>ede providencias para que nao se reproduzam
factos idnticos.
Em resposta cabe-me dizer-lbe que, nem a na-
cionalidade, nem a rebgio do indigente, que por
caridade, recomido ao hospital de Pedro U, au-
torisam procedimento differente do qne o obser-
vado para com os-nacionaes que profes^am a reh- -
gio catholica, e sao recolhidos aquelle po estabe-
leeimento. Nao havia pois motivo para se fazer
urna excepcao tao odiosa respeito do subdito in-
glez, que falleceu ltimamente no hospital, reco-
mido all pela caridade, devia tambera ser sepul
todo pela caridade no cemiterio publico no lugar
reservado aos acatholicos,
A exigencia do emprezarie do servico mortuario
8 pode ser satisleita no caso em que os indigen-
tes estrangeiros forem recolhidos a pedido do res-
pectivo cnsul, correndo a despesa do tratamen'o
par conta destes. Henrique Pereira de Lueena.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE 22 DE JANEIRO Oh
1873.
Abaixo assignados, moradores em Santo Amaro
das Salinas.-d|deferldo.
Bacharel *ano Estellito Cavalcante Pessoa.-
Geruque-se.
Cecilia Liberata, de Oliveira Santos.Passe por-
tarte coacedendo dous mezes de licenc> cera ven-
cimentos. ", '
, Camerino Rodrigues foHaeo.biui
Francisco Antonio de S Brrelo. Requeira a
thesouraria provincial.
Padre Florencio Xavier Dias de Albuquerque.
Informe o Sr. inspector da thesouraria previa-
Clill
Francisco Landehno da Silva.-Informe ao Sr.
_ USO I
Maria Ferreira da Cunha o pagamento dos venaJ -
mentos do destacamealo da uarda naciowl, W conego regedor deLpy^-
ou7 trata o seu officto de 3 do corrente. Hermenegildo Eduardo do Rogo Monleiro. tu
- Ao coaunaadaote snperior de Flores.-S.' forme o Sr.cawtiodo porto.


Mi t i -i -. i IH&t0 ie Pcrnaunkico Se4a fcira 24 de Janeiro de 1873. i

Hcnritfueta C; rnero Monleiro. Volle^ o,S'. Ir
director nterin.) da instruccan publica, para a-
leader suppU me ms teriios. de, sua iuforma-
io.
Hachare! JoaauuJaQpdes Concia Gondim." Pa;-
se portara, oalTOgrqiierida.
Coronel" Jos, .acidante Ferraz de Azevedo.
Informe o Sr. director das obras publicas,
Jos Soares do Olivgijj. Informe ^ Sr. iuspec-
tur da thesouraria
. Joao Corroa di MM IfcondBlos.-HB'ate fcer
tidio de idade.
Joa Baptista Gi
pectoj- da ttiesou__
Bacharel ManB
portara, conced
venc meatos.
Manoel Mm tmBa. wm o Sr. trenlo-
.Mvm (
brfrt'
eavKi.
rtv
Oll tpii'
O%UI
ro das ob
as chapas cJVseni
lem pode evitar mu tal prejurao
Bacharel Mannel Pereira de Moraes Pinheiro.
Informe o Sr. Dr. director ?eral interino da ins-
iruccao publica.
dajiocila Augusta de Mendoza Mello H.--.1. -
Volte ao Sr. director peral uterino da iastruceo
jtublica, para attender supplicante nos termos do
sua informacao.
Jos*1! Alfonso dos Santos BastosDeferido cmn
>tBcio desta data a thesouraria de fazenda. .
do gover-
Rio de Janeiro, 3 de Janeiro de 1871. lllm. o
Exni. Sr.Sua Magostado o Imperador acoja pre-
senta loYei o omita d um dos antecessores de V.
Etc., rom (tata d ti de fevereiro de 1871, pedind.i
se Ihe declare se ou nao ueompativcl o exerci-
io dos cargos do promotor o de jiliz municipal
cm os de profess'ir de lingua nacional o de pbilo-
(*ophia do lycc dessa capital, manda resaonder-
Iba na couformdjido de consulta da seccao de jus-
tica do consclho de estado de 13 de ruio do nies-
ibo anuo, pie nao pode o jn: municipal arcumn-
lar o emprego de nrofrssor, deveudo-se p ir n
tolerar que soja para elle nnmeado o promotor pu-
blico gmente ein cas cspoeiaes, determinados
pela uecessidade do servlcp ou. por falla de pea-
soai habilitado, que sirva separadamente os doun
caraos, -
Dos guarde, a V. Exc.Mmael Antonio Duar-
te dt Azeced>. Sr. presidente da provincia du
Piauhy.
Senior.Mandn vossa magostada imperial por
aviso de 28 > una lindo, que a seccao de justica
do conselho de osad/) consultaste com sen pare-
cer sobre o olJjJMo unto, ein que o presidente da
provincia do I'iuhy submette a doeiso d
no a Seguiule diivida :
S,e ou nao ncoiipatvel o ejercicio dos car-
gos de promotor e juiz municipal com os de pro*
lessor de lingua nacional e pllosoplia do lycen
la capital, a
i) olUcio do pre?dente o segu nie :
Palacio do governo da provincia do Piauhy.
Tiierozina, G de fecreiro de 1872.
? lllm. c Exai. Sr. t juiz municipal c promo-
tor publico desta ipital acciniul.un os cargos d
profes-ons, de lingua nacional o segundo, e d
philosophia ujiriiueiro.
. Em H'lacao a ambos o aviso de 7 de outubro
de 1843 declara expressamcutu ocoiiipatvel o ex-
tcco dos do:is cargos, haveudo ainda, ipianto ao
criiiieiro lestes fuuceionarios, o aviso de 10 de
iDve.mlirode 1861, que confirma a doutrina d'a
quelle.
Tendo posteriormente o aviso de 19 de inaio de
18o appiovado a aceuraulacao dos cargos de pro-
fessor publico de historia e geographia o de pro-
uiotor, revogando a>sim a doutrina de 1813, limi-
tando-a porem aos casos .-n que houvesse falta
de pesoal habilitado para o* cargos pblicos, 6
achandj-se esta eaoii il ein menticas circuuistau-
-ias, eutendeu o prjsiJente, a jueni sabstituo, po-
ji' uomear o juiz 'uunicipal d'aqu para o lugar
deprofessor de philosophia do )\ceu, por julgar
que as mesmas raaoes applciiveis ao pronitor,
deviaiti se-lo igualiieutcao jui/.-municipal e de ac-
-" Jente, que nio precedeu ua aduiiiii>trac5o, no-
mear o promotor tiesta Comarca para prol'es.-or de
liorna nai-ional do mesnu hceu.
Com quanto julguo ponderosos os motivos, em
que se estriba o aviso de 19 le maio de 1865 e
ache que pode ter inlelra applieacao a esta capi-
tal, que com a creacao da nova comarca das Bar-
cas, que j foi prvida, licou reduziila a um so
tormo, rogo entretanto a V. Ex;, se digne de fir-
mar novamente dotitriua a tal respeilo, declaran-
1 t se ou nao incompativel o exercicio dos
cargos de promotor e juiz inuni .pal. desta capital
>n os de professor de lingua nacional edephilo-
lopkiado respectivo lyceu.
I leus guarde a V. Exc. -lllm e Exm. Sr. con-
selhoiro de est:uji barao das lies Barras, ministro
eer tarto de esUio dos negocio* da ju.-lica.
Or. Mu noel do fgo Boros Sottzti Ledo. -
O director da respectiva seccao da secreta
til da Justina concluc sua informacao do secunde
ni 'Ho :
< Em these, cmo principio geral, parece que
nao podem ser beni xercidos cumulativamente
i lugares de juiz e de professor e de promotor e
piofessor; mas, at:endendo aos (andamentos do
-1 n. 206 de 1! ile malo de I8d5, ercio que, es-
lindo a capital do Piauhy as mesmas circums-
t incias que a capital do Espirito-Santo, pude ser
--pprovado o procediment) da -presidencia, di eu-
I )-se-lhe que s a falta de iassoal habilitado le-
va e governo a autorisar esta eteepcao, porque o
principio geral o do aviso de 7 de outubrolde
1K43.
t 2.* seccao em de abril de 1S71.-Servindo
le director, Achules Varejo.
A opiniao Jo conselbeiro (Hroetor geral con-
e.i-bida nestes termos :
Atientas as raices aprsentelas pelo presiden-
da provincia, jiarecenie que pule ser amran-
ia a .i'Tiimiilaca'i iLm cargos exercidos pelo pro-
n*)tor publico o j foi isso resolvido em aviso n.
18 de 19 de maio de 1865 ; m;.s nao a que se re-
fere ao juiz municipal, porque nein as funecoes do
cargo nem a digmddeMo oflleo ile julgar tleram
peo mesmo individuo revestido deie se faea-jiro-
1871..1. Fkury. .
Por va de regra a nconi|iatiliilidule dos corgos
irocede da repugnancia das funccijds mi daitn-
pussibflidade do bon desempen'io quando exerci-
ilin rnimiliiifiiMirnin
Com quanto u o sejam repuL liantes as funcoes
lo cargo de juiz municipal com as de profesar
TKiblici, uxlava ha zrande incooveaieucia Bar ac-
."OaMriaaao, que desvia a atleucao do juiz de seu
importante oBcio, e visto que o juiz municipal
tambe n substituto do juiz de direilo, nesta hy-
pottose sedara manifesta repugnancia por ser a
autoiilade competente para i-onhecer da res-
iMisaltilklade dos otapregados publico* nao privi-
legiados, c perianto deve ser prohibida a aecumu-
laao de t\s cargos.
Nao est rigorosamente no mesmo caso o pro-
mMor publico, pode ido-so por cxcepisio, que se
justifique |M:ln iieoasjidailc e cm luanti'o exercicio
de lira cargo nao pivjudicar o bom dejeiiipenho
o mitro, o que depende de circumstancias que
ilevem ser atteatamente apieeiadas, tolerar a ac-
euinulaco como j fui declarad^ pelo governo im-
perial.
T?' este o pareeer da seccao de justica do consc-
lho de estado. Vossa magostado, porem, manda-
r o que fr mais acertad o.
Sala das conferencias da seccao de jastiga do
consclho ile estado em 13 de miio de 1871. Bu-
rdai Tre Bamu.Jost^Tho.mz Sabara ,k A-
rmjo- Garlos Carntiro de Cttnqm.
W*t^411(ij^ ll,^imr^^b^^er#|i^ tahitidade de moitie **
vaeQittirnz B*n dcslocacao a mutas respeitos, i>s nossos*a
hiz (.fioi''
^^^^^j|L^^^
tos, sito.eiU'ifaiSft.parte provenientes *
REVISTA
'la pnsi.l
exonerado
-uppleiite do fu
pa, por nao 1er prestad
DIARIA
fortuna
1 ^rrentc.
nlo Antu
:r de mfncil d i
da comarca de Ci
ii<-s.-Pr
ncia, de It-do correni
_ irges Leal do cargo da"
idagado da fregueaia da CarMDv
jiirament; e foi nnmeado
domas van(aga|K^'
~:nci|iio ifterror, Uei^i,.
__de um rgimen, i p
ftroil rfieraelpreoccupar de um probl
cuja solu(ao importa tanto estabilidade de toda
a especie de governo.
'i
evendo procurar d(vinq|r-{0||*V ^ait#aafla teja fra?.i*) serias eonseipapia*'.: l.p-o-
Exm. Sr, ou calam-se\i mitigados pela pria Maeonaria. ait.n'a ao proceder ffitegro e rec
fea, vero juntar ^us tz publica,. ov misso seja oqia (pissjfi de honra, adiando p sen
n que, nao se perca ocrasITdde censuras, pr ceder aosuVsejos do Exm. r. conunendador
oz
!lftlll
i
ReparcJcao la tolieia.
2.' seccao.Secretaria da polica de Pernambuco,-
23 de Janeiro da 1873.
N. 161. Illm. e Kxm. Sr. Levo ao conli' ci-
mento de Y. Exc". (jue, segundo consta das par
ttcipa;iics recebidas neje nesta reparttcao, fera
hontem Peoihdos casa de defrncao os seguintes
individuos:
A'.orueitt do subaelegado de Sauto Antonio, Jus-
tina, escrava de Mar Felicia di Silva Santos, 3r
oflensas moral publica.
A' ordamdo da S Jos, GaudeacSo Ceciliano da
-Silva, por desordem.
A' ordem do do Belem, Goncalo Antonio Flo-
rencio, por embriaguez.
A' ordem do da Varzea, Casarici. phavo de Jos
Antonio de Brito Bastos, requenmenta-dete. .
O De. delegado da capital, por oftieio desta data,
'ininunieoa-nie qun o aulidelegado do dis
tneto dos Afogados Ihe participara que ante-non-
tem pelas 4 horas da tarde, tead) denuncia o ins-
pector de quarteiro,Ttuflao'Baiti8ta de Almeida.
me o-dearlor de marnlia, Rmu o Jos Barboza,
se acliava de passagem nm seo qaarteirao, eondu-
do um avallo turado no .pateado Carino, da
freguezia de S. Antonk, pYocurou captura-lo, o
qaa eaitaagoio depois &n tna.eesiBtencia deste a
ajaem foi tomado urna patolla e;recada,
-fttiagaajde a V. Sxc.-Jllm.-B 8xm. Sr. eom-
mendador He'nriqna HriDirade Uiflaaa, dlg'aBKir
para o suli-fffUfr o'lvacharef Jos .%n^tacio da SW-
va Guiniariies.
Guarda nacional. Por portara da pre-
sidencia da provincia, de 21 do crrante, ftram
Horneados para o'8. batatt'o de infantaria,
ilo munkipio do Cabrolm; I.' companhia AM
feres, o sargento Manuel Rodrigues Luna; 2.*
dita capito, o tenente Joao Quntino dos Santos,
alferes o urgetto Haynmiido Alves de Jess; i."
dita tenente o alf res Antonio Manoel de tndoy.
Matriz de Santo Antonio.Como es-
lava annuncado, elfectuou-se hontem tarde a
mesa geral, convocada pela mesa regedora da ir-
mandade do Santissimo Sacramento dessa ma-
l iz. Suba a duzentos o numero dos irniaos
coinparecentes.
O irinao juiz, declarando abertos os trahalhos
di mesa geral, fez a exposico dos factos occorr-
dos desde 2N de dezeinhro" prximo passado at
o presente entre S. Exc. Hvnia. e a mesa regedo-
ra, maullando ein seguida lr todas as actas que
Halara dessa! questao, e taHibem todos os docu-
mentos o mais jiapeis trocados entre a mesa rege-
dora e S, Exc. Kvma., e bemassini o acto de ma-
nntenpao ultina:ncnte obtido do juizo competente
em nomo da irinaildade.
Em Seguida tambem deelarou que seria con-
cedida a patarra a qualquer dos raos presentes
que d'ella quizesse usar.
Depois de orarem os Srs Mindello, Jacobina,
Carneiro e nutres, foram npprovados por unani-
midad.; todos o* actos e diligiieias praticados
pela mesa regedora. dando-se-l.'e ao mesmo lempo
um voto de adhesao c lonvor.
Finalmente dcliberou-se que fi'asse a mesa re -
gedora autorisada a continuar, com todo o zelo de
que deu provas, na |irosecii>sao de salvaguardar
os interesses da irmandade, recorrendo as auto-
ridades competentes, desde a presidencia da pro-
vincia at o conselho de estado ; autorisando-se
entro nutras as seguintes medida* :
Que Retase suspensa durante a interdieco a
platica de todos os actos religiosos marcados co
conipromisso.
Que se despissem c cobrissein os altares, dei-
xando-se apenas a cera neeessnria no altar-mr
e a lampada da inesma capella.
Que se dssem todos os mv.es 30 para a*
obras do hospicio de Nossa Senhora da Penha, e
'M)j para qualquer e^talieleciiiienlo po, isto
mesmo depeiidcnJo anda de ulterior ]uizo da
mesa regedora.
Os trabalhos da mesa geral comecaram as 5
horas da tarde e lerininaraiii as 8 horas da noite.
T idos os nios qua osaran) da palavrs foram
inaito apoiados, o todas as votaedes ohliveram
unanimidade.
ii:li'i.ins;i:lii i.Afl meio dia de 27 do
coi rente, elfectnar-se-ha una rennio em assem ]
bla geral do companhia ludemiiisadora, em iMsn
caeriptork), alim de lralar-se de (irestacoes de
oonti, e (deger-se novos funecionarios.
v iii-iitin-s. Ante-hoiitem entraran) dous
indiviilu is, mu br.inco e outro pardo, na armazem
de inolhados n. 70 da ra d S. Frasrisco, e de-
pois de tomaren* o que haviaui mandado botar
(vinho, j se v) ent.'ii l'-ram dever pagar a des-
peja folla, rom algn* insultos e linearas corrobo-
radas pela presenra de urna lima de ferro, que
um dos sucios euipuahava. Por Micidadc, um
Sargento de polica, que na occasio apparcceu,
interveio na questn, c inseguidlo res'ahelecer-a
ordem. rom a indeinntftrao-derMa ai dono do
estalielc/Cmento.
Boa prezu. Depois de tenaz resistencia,
foi preso pelo stililelegadi do 3." districto de
Afogados, as i horas da tarde de 23 docorrente,
o desertor de inarinha, Rufino Jos Barbosa, que
por all passava conJu/.iiulo um ravaib, que fur-
tara dias antes do Pateo do Carino d'i'sta chladc.
Annivcrsario.E" hoje o da adhesao in-
dependenria do imperio pela provincia do Piauhy.
E-:ot:-it.i<.n<>ntos de euridade.-^ha-
mamo: a attencao dos leitfjres pa r.= nflieios do
Exm. Sr. provedor da junta administrativa da San-
ta Casa de Misericordia do Reche, e do mnrdonr
de mez no hospital Pedro II, narran lo o dtcotrido
por occasiao do enterramento de mu subdito iu-
glez, aquelloeslahele-imento recomido por carida-
de, bem como a respista dada pelo E ;m. Sr. com-
mendad ir prosidbnte da proriucia. documentos
Bises que v'io poblicadoi soo a rubrica Porte fifi-
cial.
S'xnto Anio.-Em 2 do o rente estTe-
rcm-nos da cidade da Victoria :
No dia 16 levo lugar, com toda pompa e l>ri-
Ihantisuio, o levan'amento da bandeira do glorioso
Santo Auto, padroeiro dos victoricnsos.
As novenas ho sido assas concorridas.
No dia 26 lera lugar a fe res desta e do Te-Deum o Revd. couegoajL'r. Lulz
Ferreira Nobre Pelinca, e da ve-pera o Rvdm. pa-
dre Leonardo Joao Crego, ambos milito conheci-
dos e applandidos na trnna sagrada
A' noute haver nm lindo, novo e variado fogo
de artificio, rujo trahallio aclia-se incumhido ao
Ihliilisiimo artista alferes Martinli) Garca de
Aranj)
t Finalmente, o tliesonr. iro da festa majorGu-
lliermino l'aes Brrelo nao tem poupado esforcos
para que a feslividade aprsenle o seu tradicional
esplendor. E'lonvavcl o sen emoenho.
flniao di .\nrlc--lloje as." niras da tar-
de liaver rennio extraordinaria desta snciedade
litteraria, no lugar do costume, alim de tomar pos-
Be a respectiva directora ultimameiUe eleita e tra-
tar-se da inomentosa ipiesto religiosa.
!Hnte-I*io S.i?ito Aman.No dia 28
do corrente, domingo |>r iximo, pelas 6 horas da
nianlp, haver sessao extraordiniria da sdciedade
liencllcente Monte pi Sanio Amaro, no lugar do
costume.
S. Sehastiao. Xt domingo prximo yin-
douro, 8 do corre te, ter lugar, com todo o CX-:
alendor na villa do Cbbo, a festa do glorioso mar-
t\r S. Sehastiao.
Ao Evangelh'i ter a palavrao ilojuen'e orador
.agrada o Sr padre Mana 'I da Gama, que ha lem-
pos entre nos tanto tem (Instado pulpito pcfoam-
Ivjcino ; ao ft-jDeum orar o Sr. padre Mello.
No dia da tes a carrera i ireos expressos de con-
formidade coin o anmncW da respectiva compa-
nhia
0 raiis ss ver do programla da festa hontem
publicado nesta folha.
I.c^isla^-ao militar. Desde 1863 que
sobre esfa^inateria existh una obra importante do
Sr. tenente-cor.mcl Dr. Antonio Jo do Amaral.
Esgotada a primeira edico/que cntao merecen a
approvacao e os elogios dos juizes mais competentes,
acaba de fazer-se segunda em que nao so desap-
parecerara algunserros e lacinias da primeira, mas
tambem sereuniram c codificaran) umitas alsposi-
caes posteriores relativasrepartirao da guerra.
intitula-se Indicador da leglstacSo militar em
vigor no exercito do imperio do Brasil esta obra
que se compoe de tres grossos rolaitres,
O primeiro, dividido e:n dnas partes, traa da
organisacao do exercito. do rgimen,' jusiiea e.ad-
ministracao inlfitares, su!-lividdos estes ttulos ge-
raes em captulos e paragraptins, nos qnaes s ex-
pe suuimariamente a disposier vigente respeto'
de qualquer posto doservicj.'das armas.
Nos dous ltimos tomos enenntram-se as ieis,
regulamentos, instrucc5" e tabella* de uso nsis
fmmediato.,
templeto o Sr. lenente-coi-vnel Amaral a sira
obra, juntando-lhe notas e normas de offlciiis c re-
qui.'linvutos, nao oniittindo a-sim nala q/jc po:sa
ser de utilidade nobre elasse a que pertence, e
qual preatou sem duvida relvame servicp wa\
este en tranalh .
Imprrnsa. -O Sr. Dr. C i i--Fi'dericc Mar-
ques Perdiga, advogndo na rdrte, emprohen a publicaejo da fazefa J>iridica,OTi:w de tegis-
lii^io, doutrinas o JiirisprtMena no imperio -do
Brasil.
E' nina nobiieacao de ieontostai pirque deslina-se disimtr graves quesiSoa da
o-dein judiciaria, que n.^ entro nos me-
r Esta inditferenga. diz Sr. Dr. PerdigSo no
at'ligodemtraducefu) d i Gafe'ta Jurdica :
A' respeelf) graves nina das.
Sitas as maifl'deploraveis das gorajas dos ho-
ens ene se soeeod-tranMiia uossa vid putwm
desde emeoenta e tanto* rmnrw. Nao seria talvet
aimeil mostrar, sera #ermos-4ifs*;j jq>. a-ins-
nes
ssigna
sto {
IclUiV
^1S SJSt
c^ndiaflP
haver de bom
vera mnccMTue,
ou de mo cm cada um
solver mm
empr
Igaml
que
rta.r
s*r. ha
tornar
escolh'
ri os
napa)
o que pdt
dolles.
Arreilitando qu a Onzeta'JMriiita pode prestar
grandes serviros, drfejmo-lhcs longa prospera
*ida.'
Governo do Iiispado.Damos em segm-lL
da a lista das dispensas niatrHnouines, que neranijaa
da nunciatura apostlica no Rio de Janeiro, com
autorisacao para seren despachadas pelo Exm. c
Rvdm. Sr. bis|io diocesano :
Antonio Francisco de Lima e Francisca Maria
da Conceic-ie.
Aiuu' Ferreira l.eite eMara FlorentinaIjeite.
Alarias Marques dos Santos e Luiza Maria Pi-
nhuiro.
Antonio Marcelino de Azevcdo e Maria Jos de
Sanl'Anna. .
Alcxandrc de Souza Ferraz e Maria Joaquina de
Moura.
Antonio Joaqujm da Costa e Mathldes Mara do
Espirito Santo.
liernanlino Ferreira de Soiua o Laurinda Caiha-
rina Rosa de Sena.
Itellarniino Anselmo Jos Ribeiro c RosaTMaria
(ialdina da Silva.
Clementino Jos de Lima e Theotenia Maria da
Concoirao.
Caetno Camello de Aranjo e Clementma Fortu-
nata de Araujo.
David Manoel Gomes e Marta Jorge Machado.
os indo
con nudo a
udo o seu silencio ou a sua aimaco ja
triumpho honroso e suMekv para a diuinis-
tracao.
CSSa lDPiiapem .bua e
nerada
cees, reas
boa ,
jornaes tjua nsBn'
houvessem (^g^^^ol
ienria, ne
beraes, drssei qaicaTam as iraea-
eus veriadeiros e di.-iiactos pontos,
urna aAiii'nistrac^k). que esquecida
polticos, so proenra os interesses
vitaes dahpMrincia, o ?ettwin Citar, a egTrran-
ca publica e individual, as garantas legaes ; os
tp*" estiman) as administracoes sobeste (Hinto, si o
unnimes em tecerein eneoinios ao Exm. Sr: com-
mmdador Lucena.
O Exm. Sr. eommendador Henrique -Pereira de
ncona accejiaas doutrinas de una poltica al-
iante franca e liberal, de urna poltica cespida
desses refolhos mentirosos e iuteresseiros ; e
segnindo essa senda da honra e do dever de ho-
niem c cidadao que tem grangoado o favor publi-
co, e que tem feito jus s merecidas provas de
consderaeo, respeito e louvor que indistincta-
mento o publico tem tributado S. Exc.
E' verdade que S. Exc. .corno carcter distinc-
lo e de sentimentos nobres, fez desvanecerera-se
as terrives apprehensoes que inmigosTseus e at
amigos propatarm ingenua ou propositalmenfe.
E' com os factos que mostraremos a verdade de
nossas pafavras.
S. Exc. prestando homenagem justica. c sa-
liendo qne os assassinos conheeidos do infeliz te
nente roronel Alejandrino de Barros Correa se
achavam homisiados no engenho Mnpan, faz ex-
pedir urna foita rom o fun de prndelos e nao
continuaren) assim a affronlar a justica e a mo-
ralidade publica. Mallograda a emp'reza nesta
parte, foram agarrados homens tdos como la-
drees de cavados.-
S. Exr. sorHcito cm ronheccr por si do eslado
idos estabelecimentos' militares, para poder recta
Elias Ribeiro da Silva e Messias Victorina drmenteI proceder, visita os quateis das forjas de
Silva.
Francisco Vieira de Souza e Jacintha Maria da
Gmccicao.
Francisco Gomes da Silva e Auna Maria do Je-
ss.
Francisco Alves dos Santos e Francisca Candida
de Jess.
Francisco ('.avaleante de Albnqnerque e Joanua
Thcophila do Rogo Cavalcante.
Feinto Dantas Correa Gdes e Scvcrina Dantas
da Silveira.
Galdmo Moreira Catle e Alexandrina Maria da
Conceirao.
Galdino Jos Francisco e Anna Mara da Cen-
ceicao.
Horacio Jos Caetnno e Anua Joaijuina da Con-
ceiijo.
Ignacio Clementino de Quciroz e L'mbelina Mar
ria de Quciroz. t
Ignacio Lucio de Oliveira e Anna Maria da Con-
ceicao.
Joaquim Vieira de Mello e Firmina Maria da
Mello
Joaquim Carneiro de Maria e Hita Maria' da
Coneeicao.
Joao do Reg Monteiro e Anna Mara de Jess.
Jos da Costa Lima e Maria Josephina do Amor
Divino.
Jofio Nepomuceno da Rocha e Benedicta Mara
de Sant'Anna.
Joao Perpetra da Cruz e Theroza Maria da Con-
ceirao.
Jos Lopes de Mcndonca e Francisca Maria de
Carvalho.
Jos Ferreira da Cruz e Josepba Maria da Con-
eeicao.
Jliaquim Valontim de Souza e Cecilia Maria da
Coneeicao.
Jos Bernardino Casleo Brancj e Triphna Ale-
xandrina Paes Brrelo.
I. nnrdo de Furias Sonto e Domingas Maria de\
Jess.
Luiz Gomes dos Res e Senhorinha Maria da
Coneeicao.
Mariano Mahiqniasdc Amida c. Antonia Maria
do Espirito Santo.
Marcelino Jos do Nascimento e Delfiua Maria
da onceirao.
Mam el Geraldodas Metas e Gtiilherinina Mara
da Coneeicao.
Manoel Carneiro de Moraes Castro e Maria Fran-
cisca da Coneeicao.
Manoel Maria de Miranda e gueda Maria do
Amor Divino.
Manoel Vicente Martius e Josepha Mara da Con-
i-eieo.
Manoel Poi\ carpo das Dores e Felismiua Maria
da Con*eirao.
Nona Magalhes Teixeira c Anna Tcixeira de
Pontes.
Pedro Alves da Cunha e Maria Sabina da Cu-
li ha.
Severiano Paulo de Oliveira e Vicencia Mara
do Rosario.
Saturnino Bezerra dos Santos e Hennina Satur-
nina do Oliveira.-
Virissimo Jos do Couto e Anna de Albuqiierque
Cavalcante.
Joaquim Hermelndo de Almeida e Blaudina
Hermelinda de Almeida.
Loteriti.A que se aclu venda a 37.',
beneficio da matriz a Escada, a qual com: no dia
30 do corrente,
Casa de deteneo.Movimento do dia
22 de Janeiro do 1873 :
Existiain (presos) 3'ii, entraram i, sahiram 10,
existem 318.
A saber :
Nacionaes 233, nulheres 11, estrangeiros 48,
escravos 48, escravas 8.Total 348.
Alimentados a rusta dos cofres pblicos 284.
Movimento da enfermara do da 22 de Janeiro
de 1873.
Tiveram baixa :
Bento Sabino, plenrodina.
Cesario, escraVo de Jos Antonio de Brito Bastos,
queimadura.
Tiveram alta:
Theodoro Candido de Araujo Barbosa.
Antonio Manoel da Silva.
Ceiniterio publico.Obituario do dia 21
de ianeiro de 1873 :
Rodrigo do Oliveira Xavier, branco, Portugal,.
23 annos, solteiro, Boavista; febre amarella.
Arno Ferreira Ramos, branco, Pernambueo,
43 annos, casado, Santo Antonio, casa de detenco;
tubrculos pulmonares.
Jos Joaquim de Souza, branco, Portugal, 2o an-
nos. solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; febre
amarella.
Manoel, pardo, Pernambueo, S mezes, Boa-Vis-
ta ; diarrhea.
Ventura, escravo, preto, Maranho, 30 anuos,
soUcto, Afogados ; brono carrheia.
Jos, branco, Pernambueo, 15 mezes, S.Jos;
entero colite.
Eufrozina, parda, Pernambueo, i anuo, Boa-
Vista ; convulsdes.
Ladislao Tolentino Cavalcante de Albuquerque,
branco, Pernambueo, 30 annos, casado, Boa-Vis-
ta ; congestao cerebral.
Canuto, escravo, preto, Babia, 27 annos, soltei-
ro, Hecife; apoplexia pulmonar.
- 22 -
Manoel do Nascimento, preto, frica, 106 an-
uos, solteiro, Boa-Vista, Asjlo ; velhice.
Joao, escravo, pardo, Pernambueo, 23 annos,
-dit jiro, Boa-Vista; insutllcienca da aorta.
Marcelino du Oliveira Santos, branco, Pernam-
bueo, 40 annos, casado, Boa- Vista ; beriberi.
Jos de Si Lopes Fernandos, branco, Portugal,
61 annos, solteiro, Santo Antonio ; apoplexia ful-
minante. fc
fBLtCACOES A PEDIO
1 a commendador Henrlque IV-
reira 4e Luoeua e a oppuNl-
II
Continuamos a tarefa qua du mpuzemos de
inpreciar a administra) ao do Kara. Sr. conunea1
dador HennipaerPeretra.deAncena.
Em no8M artiga anterior tratamos da opposioJ
Imertil, representada pela twvinci* peta Li-
beral. ,r
Hoje regosijamas 4 eatndar a' ,admMe|raci
sob o ponto de vista da opmiao liberal 4a provn
cia.
Apezardas desaffeicoec particulares que p--
sam fcaver, a Ptwnnok o Ubtrti, reewaacendo
olvai6 eatimanloe d bm.. Sr. comaMadav
dar Lacena, aa eaua boas mtenfiw, nao poetado
linba o do corno d polica, o eposito de recru-
tas e hospital militar. '
V o abandono de algflns desses estaliclecimen-
tos c o pouco aceo de outros.
Chama a attenro das autoridades competentes,
fazendo punir os militares que haviam abandona-
do o sen posto.
Cnisa-lhe serio desagrado o estado do deposito
de recrutas, e immediatamente offieia ao enge-
n>ieiro militar para orear as despezas com as
obras do accomniodaroes indispensaveis para os
niesmos i erratas, minorando assim a sua clau-
sura.
Nio ser com o maior desinteresse e com o
muco desejo do bem estar dos presos que S. Exc.
precede assim 1
O estado do qnartel do rorpo de polria merr-
rc suas vistas especiaes, sendo visitado at se-
gunda vez, noute para rceonhecer se a sua or-
dem cumplida.
Ordena pie os offleiaes residam as proximi-
dades lo respectivo quartel, a bem do serviro.
Pesando algnmas arcusacoes sobre a ordem e
o proredihiento de varias pravas e movimento
do cor|io, S. Exc. leva ao conherimento do respe-
ctivo eommandante as aecusares e pede as suas
mais urgentes informacnes ; e estas longe de li-
carem reservadas, elle s entrega a apreciar o pu-
blica.
Qtierendo conhecer que fundamento podia ter
eana aecnsaeoes, noma urna rommissao para ve-
rificar e trazer ao seu ronherimento o exame rir-
cnnistanciado do estado do mesmo corpo.
Jnlgando necessario nma reforma no regla-
mento do corpo de policia, iguabnentCnona
outra eommissao, alim de dar-lhe inelhor ordem,
disciplina c moralidade.
S. Exc. tendo multo em vista a economa dos
cofres pblicos, desapprova contratos de alugues
de cadeias no mstto ; Su conhecer ao r. chefe de
polica que na folha da despeza da casa de detenco
nao devem ser incluidos os rccruias, por ser irre-
gular e de dispendio provincia.
S. Exc, conhecedor do mal terrivei- que causam
as propriedades agrcolas os tadroes de cavallos,
que consuma urna Droflsso e meio de vida, at
com urna guia ou lnguagem especial, tal o largo
circulo dos flssociados. de homens vadios que en-
tre-am-fe a essa carreira desastrosa e nociva, or-
dena todas as autoridades das comarcas, que
calculando do grande mal. e das justas e continuas
reclamacoes dos particulares contra esses homens
delinjuenles, pnnliam todo o Seu empenho e cui-
dado no-meio d evitar que continu csse mal a
grassar, sendo inexoraveis para com elles, nao de-
yendo attrnder aopatrocinamento que semiire lhes
dispensado.
S. Exc, sabedor do nessimo estado do ca'ca-
mento da cidade, revolvido pelas companhas "de
Bonos e Drainage, ordena repartieo das obras
publicas que traga ao seu cihecimento um ro-
tatorio circumstancado do e to, c que intime as referidas companhas a repo
rem o cairamente no sen antgo estado, sob pena
de vernm concertar-se wr sua cohta.
Nao esta urna das medidas mais acertada e
necessaria, e pela qual o publico e a imprensa re-
camavam de balde ?...
O Exm. Sr. commendador Lucena prestou um
verdadero servico ao publico desta capital.
A* despezas do Gynmasio Provincial eram fetas
sem a menor pres'taco de cuntas reparticao
competente ; entretanto S. Exc o Sr. commenda-
dor, curando pela boa gerencia dos dnheiros p-
blicos, determina que trimestralmente se verifique
aprestacao de cintas.
A cleicao de camaristas desta capital, era ei-
vada de falsidades pela fraude commettida em
urna fregnezia, alterando assim a ordem de collo-
caeo dos votados S. Exc, bem cumprindo os
seus deveres, nao qniz deixar passar utna fraude
eleitoral, e mandu suspender a posse da nova
cmara at a resol ucao da (|uesto, que foi levada
ao conhecmento do governo imperial.
Mosira, ou nao, independencia o Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena T E', ou
nao um carcter nobre c distinelo, merecedor de
eonsidernraoc apreso publico? Outro fora S. Exc,
que por conveniencias polticas calara esse acto
pouco louvavel de urna freguezia.
O Exm. Sr. commendador Henrique Pereira de
Lucena, prestando a maior attencao as necessda-
Jes do povo, considerando o estado la menta vel a
que se acha rednzido, sendo una das causas o ne-
gocio immoral dos atmvessadores ou vampiros
que fazeni elevar a caresta dos gneros de pri-
meira necessidade por urna terrivei ganancia, offi-
eia ao Dr. chefe de policia, para que haja de to-
mar as precisas medidas, para extinguir esse com-
merco t ionocivo quanto ilegal, c que suas ordens
sejam taes, que abuso to prejudicial desappareca
imiiiodiataniente.
Nao este um dos actos de S. Exc. digno de
elogios e gratido publica ?
Elle vai classe desfavorecida da fortuna c d-
Iho um lenitivo, torna as snas diminutas posses
mais crescdas.
Satisfazendo um dever que traz o beneficio do
publico geral, faz acabar-se rom o eommerrio at
deshumann, que a moralidade publica pedia pela
sua extinecao.
O Exm. Sr. commenhador Henrique Pereira le
Lacena, estudando todas as questoes que ihe sao
affectas, nao faz differehea das pessoas que as ad-
vogam ou pretenden), tendo em muito maior mon-
ta o bem publico, o int res da provincia, resolve
de conformidade com o dreito e o bem geral.
O imperio da le entao nma verdad desappa-,
recen) as distinecoes de pessoas e posiedes.
Ainda agora, S. Exc. contina em luta com a
companhia do gaz, attendendo as clamarosas re-
clarancdes do pul4ico, elle proc ira, segundo nos
consta, por era- via de execucao todo e qualquer
meio que faca desapparecer essa defraudacao pu-
blica em proveito de urna bemaventurada eom-
panhla.
KUe indaga o melhor meio de tisralisacao, faz
estudar a questao para se descobrir a mola oc-
cult ou o feliz segredo, que to benfico e pro
ductiwo Jent sido para essa companhia
S. Exc ioeaniavel e redobrando de torcas e
vontade quando o negocie se aprsenla ditllcil.
certamente em breve satisfar a eaiieetativa pu-
blica, vencendo urna questao de interesse geral
e que Ihe trar os maiorea elogios.
No barafustar continuo e triste dessa questao
levantada entre o bispo e aMaoonaria, no* vivos
embaraces aessas expansoes exa Udas quando
se teeam bm principios de-erenoas, tem a Exm.
iSr. oeamendador Lacena- tornado urna atttude
toda honrosa, e a mai* prudente que se pode e
deve esperar de um administrador.
E' ale que nautraawmdo-se entre eses dons
^adan<0(Meeaapam, procwe eowwiie partfiear
os anBut a trazer nota aee rit, mha essa pies-1
taO'tao ineHadroia, o que monos prudentemente
Lu'cen, telu sfdo priuieiia em pedir a iranquilli-
dade publica.
O Exm. Sr. commendador Henrique Pereira de
Lucena, 'nillifadti iiqj "\bily** prinupios d# *cc-
tidao e jus|2, pj|e, a potar da larga que se qniz
representaflfchegar a verdade sobre o crime de
rnooda faha, e eis aquells mesmos qne ha pomo
eram o brae da Ici, e mi 6n-ando do seiraargo
a illudiam, victima da*esma lei.
l'ma antoliiladQ policial torna-se ensara de
moeda fafaa, o Exm. Sr. ewnmeiidadar, cumpnndo
com o seu dever, esqueee-ee do toda e qualquer
consideracaoe faz pesar sobradla a sanecao di lei
S. Exc, viaando primeiro qbe iddo o seu dever,
a alta responsablfldade do seu honroso encargo,
s tendo por norma a Jei e por juiz a ua conscien
ci&ydclilier por si sem attender s conveniencias
de Orna poltica maeqairiha e compressora.
A posicap clara e definida tomada pelo Exm.
Sr. romtirendador Lnrena, arrlias para que o pu-
blico espere os mais relevantes servicos de sua
parte em prol desta provincia.
Como pernanibucano, como presidente c como
homem Ilustrado ludo dever fazer por ella e o
publico que tantas vezes o ha elogiado, espera an-
da poder sada-lo, ficando a admuiistracao de S.
Exc. aureolada e conbecida em todos os lempos.
Agora cumprc tambem que S. Exc. nao seja um
presidente de >a*sar festa como sao todos os que
vecm a esta provincia, cuja cathegnria chama os
sdenlos de unis um titulo ao cathalogo de suas
honras, sem qne t mliam a disposirao de bem des-
envolver o bem publico c ainda menos o tempo
preciso.
Cremos que o governo imperial nao querer,
vista de suas elevadas nteneoes.deixar a provincia
cm principio de regeneraco.
A provincia de Pernambueo, carcomida por
muitos vicios administrativos, alm de outros, pre-
cisa de um presidente de tempera de ac, forte e
enrgico, que rompa com todas as tacanhas consi-
deracoes, e elevando-se sua verdadeira altura, te-
nha a energa e coragem precisas para por em ca-
mnho de movimento regular ctse inachiuismo
gasto.
S. Exc. tem a forja e coragem precisas; al hoje
tem geralmcnt agradado a sua norma nJepcn-
dente de proceder '; tem procurado acertar c cor-
rigir muitos ens e abusos ; pois bem a S. Exc
se acha destinadl essa dura, mas honrosa misso,
cumprc que S. Exc, continuando na marcha que
at boje tein trilhado, realseesse seu dever e desi-
dertum geral.
Recife, 20 de Janeiro de 1873.
C.
!4lM&i1b AEfJMf #**&E JANEIRO
DE 1873.
V- '.! I IlblUS Di TAMl!.
< ofayTeH .ni.ui. s
Xs-ucar l^tw'amtleano hdnV 2*130 |kt 1--
. kilos; hontem.
AsUcar-deMamanguape2 rande d.i Norte
to a bordo, 2>
ar ^vadovlb
22^Hr iflSl
t'5 I
Assurar i. .nal l-iilOO *>r 15 Bos.
Algodo di^ sorte dJO pe 15 kilo-,
Cambo=sobre Londres a X> 4t?. 2C 3^8 d. por
l|, hotlteni.
Dubottro*!
Presidente.
Leal Sevc
fcZretarii
ALFANDEGA
Rendimento do da 2 a 22. .
dem do da 23......
989:287*150
1.0il:70*V>i
lte-laraei.
O abaxoassignado, vjgario* da freguezia de Ga-
mellera.louvando o honroso procedimento dos seus
collegas no voto de adhesao, que dirigirn) ao Exm
e Rvm Sr. bispo diocesano, nosso venerando pas-
\0V, o qual por muitos ttulos deve ser acatado e
Tespedo, declara que adhere em ludo o mesmo
voto, publicado neste Diario de 21 do corrate.
Vigario. Florianode Queiroz Continho.
C0MMEB0I0.
Banco Comiiiercial de
Periiarabiifa.
A directora do Banco Comincroial de
Pernambueo ron vida os Srs. aceionistas a
n'alisar, at o dia 20 de fevereiro prximo,
no eseriptorio do Banco, ra do Vigario n.
1, [irimeir andar, a terceira prestado de
10 /0 do valor de suasac;oe>, devendo tra-
zer as respectivas cautelas para se annotar
dita prestarn.
Recife, lo de Janeiro de 1873.
Os directores,
Jfanod da Silca Santos.
Henfique Deniardes de Oliveira.
Joao da Siloa Regadas.
| BANCO COMMERCiAL
PERXAMBUCO.
Desconla lettras de cambio, de terra
quaesquer tilulos pnblrcos.
Ilecelie dinlieiro em conta corrente simples,
em conta corrente rom juros e por let-
tras.
Encarrega-se por rommissao de qualquer
operario raneara.
0 expediente principiar s 9 horas da
manh e lindar s 4 da tarde.
Ra do Vigario n. 1, primeiro an-
dar.
Soguro cinitra-f-igi) -
COMPANHIA
.NORTHERN.
Capital..... -O.OOOiOOOJDOOO
Fundo de reserva. 8,000:0009000
Agentes,
Mills Latham & C.
RIA l'UC.RUZN. 38.
Seguro eontra-logo
THE LIVERPOOL i I.ONON & GLOB
INSURANCE C0MPANY
Agentes
SAUNDERS'BROTHERS A.G.
11l^irpo Santo11
COMPANHIA ALLIANCA
seguros martimos e terres-
tres estabelecida na Babia
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheira a
risco martimo em navio de vela-e vapores
para dentro e fra do imperio, assim (jomo
contra fogo sobre predios, gneros o fa-
zendas.
Agente : Joaquim Jos Gonijalves Beltro,
ra do Commercio n. 5, Io andar.
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA E0 FOGO. "
A cumpanliia iilemnisadoru.esUibekxadi
nesta praga, toma seguros maritimos sobre
navios o seusr.carrQgameotos e contra /ogo
em edificios, mercadorias c mobilias; na
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Descarregan hoje 24 de Janeiro de 187.1
Barca inglez,i-//,mn/onmercadorias para al-
faudega.
Patacho allemaoElegantemercadorias para al-
fandi-ga.
Patacho dinaiuaniuez-.S^ra/i A. Holbrook-ker>.i-
lene para o trapiche Concticao, pa'^
doapaSar.
Barca franc^ia-trann/famh ria *fK.vit.)
no trapiche C.unlm.
Parca americana -Sacramento' farttiha de ti jtj
j despachada para o caes do Apollo.
Rate americano flattie Haskett kwzeiie <
aducas para o trapiche Coneeicao, pt ra
despachar.
Vaiwr inglez/.'(naiAsrt/re (esperado) iiier^do-
las para alfandega.
EiU|iricito.
Brigue brasikfn ckcilia caimana, rinlo de
Siinta^ Catharina. consignado a /. J. Go*c Bell rao, maufestou :
Farinha de mandioca 7,.>19 lqueres a RaMi ra
Carneiro & C.
DE:PACII S DE EXPORTACAO NO DI \ 22 DK
JANEIRO DE 1873
Paj-a os orlos do exterior
Na harca ingleza Serapkitta, para Bromea,
earrejarain : Neeseu C 652 sacca^ .mi
18,338 kilos de algudo.
Na galera portuguca Ameriea, para Liver-
pool, carri'garain : T. Jefferies & (J. i56 sacca-
com fcytS0 kiliwde algodio.
No navio inglez .Vonaom, para LivaVpooi,
carregaram : Carvalho & Nogueira 1,000 sa- m
com 7 >,000 kilos de assucar mascavado.
No patacho inglez Sacramento, para New-
YoHc, carregaram : H. Forster ar. 2,000 sactoa
con 100,00) kilos de assucar mascavado.
No navio germnico Otto Grafzu Stoibuii,
para Valparaizo, carregou : A. M. S. Maeiiiu
300 saceos com 22,oOO kilos deasncar branru.
No patacho allemao Atbatroes, para o Rio tU
Prata, carregou : A. Bastos 30 pipas com li.VOi)
litros de agurdente.
Na barca p>i'turueia Venus, para Lisboa,
carregaram : E. R. Rahello 4 C. 100 saceos com
7,300 kilos de assucar mascavado ; A. O. Loite
20 ditos e 4|2 barricas com, 1,819 ditos de dito, e
4| ditas com 231 ditos de dito branco ; S.
Cordeiro da Cunha SOO couros salgados com 6.0W
kilos.
No lugar pituguez /taifa, para Lisboa, ear-
regaram : T. A. Fonseca & <;. Succesiores 2>1
saceos com 5,000 kilos de assucar branco.
Na barca portugueza Amelia, para o Poi-to,
caiiigaraiii: A. L.O. Azevedo 4 C. 60 couros <.-.-
pk-hados com 420 kilos.
No brigue pnriuguez Adelino, para o P>- i.
canvgoii : M. M. Monteiro 100 sacos c ni 00
kilos de gjnima de mandioca.
Para os portas do interior
Para o Rio ( ande iloSul, no patacho por-
tuguez Rocha, carregaram : Amorim Irmaos A ',.
41|2 barricas e .'llObarriquinhascom 22^311 k^'nw
de assucar branco e 104 ditas com 11,584 difc*
de dito inasravado.
Para Uruguav anna, no navio germnico Ni-
colme, carregou : A. M. Souza Machado 10 barri-
cas com t,080 kilos de assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, no brigue braafcii >
Isabel, earregar m : A. L. de O. Azevedo fe C,
135 saceos com 10,1 iti kilos de assucar branco '
200 ditos com 15,000 ditos de dito iHascavado.
Para o Para, na barca portugueza \C1emeitli-
na, carregaram : II. Oliveira 4 C. 200 'barri>; .;
nhascoin 11,217 kilos de assucar branco.
Para Mamangnape, na barcaca Maria ha-
bel, carregou : J. L. Radch 6 barriifuinhas r m
381 kilos de assucar refinado.
Para Miri, na barcaca Dous Amigbs,
regaram : J. M. Barros Fillios 4 C. 2 fc:.rriiinlv..-
com 120 kilos de assucar retinado.
- CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimento do dia 2 a 22. 13:l*2aem
dem do da 23...... l:035flM>
I4:I37*V*1
VOLUMES SAHIDOS
No da 2 a 21......
Primeira porta no dia 23. .
Segunda porta.....
Terceira porta .
Trapiche Coneeicao .
SERVICO MARTIMO
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega no dia 2 a 22. .
Ditas ditas no dia 23. .
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas........
No trapiche Coneeicao.....
36,005
i
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 2 a 22. 35:005*432
dem do da 23...... l:0J!3fi
COMPANHIA :
Phenix Peraaiabiicana
Toma riscos martimos em mercadorias,
quer naturoza, era vapores,, navios vela o*
barcarias, premios multo mdicos.
RA DO COMMtCIO N. 34.
Navio entrado no dia 23.
Santa Catharina-31 dias, brigue brasileiro tVci-
lia Catharinense, de 234 tonelladas, capiao Jo-
s Ignacio da Silva, equipagem H, carga 7,{<39
alqueires de farinha de niaiidioca ; a Joaquim
Jos Gancalves Beltro.
Navios sonidos no mesmo dia.
Baha Brigue nortuguez Decidido, capillo Igna-
cio de O. Braz, em lastro.
Liverpool pela Parahyba Barca ingleza Kneoht
Templar, capitao C. Richard, em lastro de a-
sucar.
Barbadocs Patacho inglez Ecliptee, captio T.
Hoodlers, em lastro de are3.
Rio da Prata Brigue hespanbo) Amalia, captli
G. Beltra ', carga .assucar e. agurdente.
Rio Grande do Sul Barca braslcira Nova. Ma-
riana, capitao Costa, carga assucar e outros as-
neros.
EDITAES.
O Dr. Augusto Egydio do Castro Jess,' juiz mu-
nicipal do termo de Seriuliem, por Sua Mi ges-
tada Imperial e Constitncianal, a fue *)
guarde, etc.
Paco sabor pelo presente, qoe uosttmofrdo ai !.
U do decreto a. 1,696 dWd*ataaatoda.' dentro do prazo de trinta dias (mceptuindHtadu
o feriado) contados da pubiicaoio dente oditaiy r-
aebar aste juizo pro paitas em-cactaa fechadaaJM -
retes, dinheir griteo e finalmente de qul-j ira arromatacao por venda dos mecates : AreA.
leatonlo, avallado em 1:3001, Samuel, por t:MM,
ffmmu, crioulo,ior 1:3QQ, Porfio, Ap,\t>$m
6u^|, Lucio, crioHlo, por .9fi0, Manovl, .orWlo,
par l:00*, Guilherme, por 600|, Jos, arioado,
par 1:M0|, Julia, por 1:000#, Flora, por 1:0QM,
Andrea, por 400*, Anna, porfiOo* ; atiot *
vea foram pepUorados por execucao T
36:634*5ftH
CONSULADO PROVINCIAL Rendimento do dia 2 a 22. 142:4J330 dem do dia 23...... 6:924*270 149:389160" - \
MOVIMENTO DO PORTO.
l '



I
t
Mko^'tiiM^'&k fe 24 WiS&JWlk.
ma
i d.-posit^BMlii^itoJlafose. Khjp
unios, ttHH-.mlllAildbLQuileh
* nsasaraac
i qne chegue *fJ**ieeimento de
! passar Q.utA*IBBp^i s^sr publ
Villa-de Seritiaiam, <*da hapnibrq dii 18,2.
Kajoao AlkitawJ-*j*^ >**<**' n/csfifK.*-
Ks* cmfoiine io-oujo owgmal. ^JpW.ie
reporto. ,_,
VHh^Serinhrrfm, 18 de d wntrro de 1*75
i > wwrh-a^. Jaao A rfonsp Hc^ueira. ,-y
j lii. Sr,. iiisueaor tb iom>flfi;v. pro
>>m cmpmtmnto M ardam d l*V- Sr pr-wdenta.
ua iirovfnri.i do 10 do jrrente un;/-, manda fanu*
a junta
ule ule
-a-
rticae, que ne da 20 do
Avisa-se por esta repart,
crrenla abre-se o praso pira reeenojio dos afir
rentes impostos nrovincaos designados na lei do
otramente vigente de 1872-7.1; d'Mjaes devem
wr salafeitMt-aartro de-*)' dM sera dependoiwia
da multa de 6 OjO, em que (Ucorrcaio- 8 contri*
btinites que o ueixanim de fazer mape- prn*o legar.
Consulado provincial, 11 de JBujfro de 187:1.
Mbnfo Trnieirn Alachado Hios.
|
ti:705*090. e leudo os luttjmlentus om vista al-m
d.r. clausulas P?peT5tap3 as prof-stiis/itralM 'arts-
rrWb Al/J
ft; le*snes I*" pntenucreni urta-obra-'d'WVirao-
, -..niparecer i esta ivpartj0;iuvi*iaclitta men-
ciaadu, lerto deque, n mu bcnd sera a.opra
MltlRtaSa- cfin MWtero. des uropoaeiltel ptfr
!* Ina propicia Ji! refoiilieeiin vautagom.
lCpataoutr, >* mandn |UuKar a prasente
pt*> jornrtl. Tt i 11 |
Saeretar* la fluHoiiraria pnvincijnl i*i*4Jd#jaa*V.i*tSW.- V^
O ofu.-i 'l-niaior,
MIauilAn** Ferreira,
uai.sul* tj.*titf iaes.
iVaa-aterrua >l** yaiaeuj dis enffeiuio5 na
i'4K>: .Novo, mr.fwt#Me,.vuforuii4:iJrf
tente na iinp*jrtaiicta de-i: l(*iyi090.
. 0 contratadla #*r ojbhvW A <*>>ra n>; praso
i.- Vi dias e a con-lunrtin de T meze?.
::.' O pagamentos sern- i-fftetnartos dn c-nfor-
nidade com a* maiores vaatagansolTerorid'.is pelos
i/i-omincntes. '.- "
'.' Tara tudo nuin que na vai espaBcaai
*Kiiir-se-hu o que dispe o r**ttil iiu'io de 1806. / /
Propostaa. w
O Sr. tnajor Jo< Ttioinaz Pires Maehadn H I, ofrereff azer e concluir a obra aeimafdjKlaV
iMffl iff o tlm de maio prximo vii>.djnr-
bndb a respectiva impurkiMoia em prjfcesl; uj 9
e l uiezes depols de conuid a obra.
0 Sr Frane>eo Xavier ("Arreiro da Cun*a, otle-
r*ro Hw a nu'.-iniOl)ra reeehendo metade d# juiportancia logo qe a rnturluli' e ai outra melada
ilm iiw?e* deK-is do paga a pnmejra prsteraa.
' ouonuo, '. '
Miyuel AffQKM) Fecrdm.
Vovincia Ao tirito Utrnt^
Oo ordem do IBtn. Sr. inspector des thehlra-
't-ia. e em observancia do que foi dulermwadn |>elo
K*.m'."Sr. presidente da jMwinea .em portara
n. 570 de ti d:> rnrwJite'iBar., Wd publico que se
mA&hm UasUpubJiea-a illu liiucao a gaz ne eapilal, na forma da Jui b. 19-Ja O do mei proxi-
M*uado ; sao prntaiito-, onvi-lados os que pre-
t.tatlerem tvDntra'ara rereitfe illnminieao a jai a
jtre9entir nesta i-cparticSb a*; snas propost^uj em
u& fechada deu.ro doprazo de 90 ih,a o "
tinta data, alii do ser em jiiiiu preferida a
/..itajosa, que ser deliniivanente aceita
*fprovula polo Exi. Sr. presidente da provin-
8wuamU da thssonraria de fazenda provincial
nfflrtal, Antonio Jos Preira Cassilhat.
tai n. 19.O carunel Maiuel Ribfiit Coutmlio
Mnsearenhas. I." vice-presidente da provincia do
l9Mb9to-Sawto.
Faeo saber a todo* os seiw liabitanten que a as-
s.Hbla legislativa daoreloue eu sauccionei a le
.quinte :
Art. 1." Fiea o itresidento.da provincia autonsa-
i. a contratar coujuo Fereira Darrigne Faro c
P n -y Jlion Frcgir, ou com quem muibores vui-
t tgaaa oeiv-er, a illuminaeTaa gaz nesta capital.
Art. 2 Revogam-se as dis|iosi Mandn. portanto, todas as autoridades a 'I*'"
.. ronheciment c execurao di. referida lei perten-
-.:, que a cumpram e facara eumprir tao ntcira-
icante com) nena se conten. 0 cretario interi-
n.desta provincia a Taca impiimir, publicar e cor-
. Dai na palacio do govrnoda proviiria do
i.irito Santo, aos 2 dias do mez de novembro de
|t*W, 51* da independencia t do imi.erio.
L S -.aircl R. Cou!iho,M(Ucamihas.
(jarla de lei pola qual V. E.xc manda execaiar
4 decreto da aseinbla legis'ativa provincial, que
h .ove por bem sanecionar, autorisandoa contratar
en Jo o Pereira arrijnie Fjitic lery tobon Fre
-, ou com quem melliores vanlagens offerecer, a
ilinmicacao a gai nstt capibd, como adma m de-
,.m. Para V. Exe. ver.0 segundo oficial, Se-
:..' no Pinto tlomrm, a fez.
"da e publicada nosfa Moretam do governo
ita vincia do F.sprlu Santo, ais 20 dias do Diez
ti.- iovembro 1872.
^i impediiuenio do secretantt.-OfllBeial-nialor
}i i--: Cor reta de Lirio.
Registrada no livro competen lo. -Secretaria do
4 yoi'.io da provincia do Espirito Santo, em 22 de
:. ivjubro de 1872. -0 amanuense, Joo Coirea
h. Sofifoi Marinko.
lllm. Sr. rjionul conurandante, das armas n-
teunu, euiupelenUUHinlii autorisado pt*la |Hesklen-
eia, coaUacta. em falta de capelBes militares, dous
capelles civis para o jMosid ,jv Faruaado, ouu
os venrtwealos de capello aUs da, reparliyao
eeclosiastica do exercito, uerrowndM Q que se u-
ra regar da msixjia de primeii as letlras do suxo
masculino, a^gralilicacao de secoiK JnL rew
ioauaes, ua forma do regulaiuento de 11 df fev'
i-dro de 1861
Os Si"*, sacerdotes iuie quizurem prestar osle
servico, tenbam a Bondadu do comparaeer uo quar-
tl do commando das annasf. de* 94ioa*.4a ma-
iMr a-S-da tarde, nos da* ntej.
9ecrelaria do eominando das armas de Penrrm-
hrxt, em 13 de iancirojle *87:l. '
PYancisn Cttnietlo tVito Je Interdi.
Tenenfe corpneh seeri-faTio.
i-
I Teudo o instituto Arclieologiqo e beogra-
luco Pernambucauo de fe^eja- oit-seu amuo
versarlo da luiorUcao do jugo boUaadeZk, a ca.
inai municipal desta cidr.de. j>ade aos seus ama-
k-lpes que em, signal de jubilo iHiiiincma Trente
de suas caaas^iw dia 26 e 27 do ruffrewto, e asp-
la que f(a esla wai/esltu.o paiiiotiea.
Paco da cantara municipal do Rcife. de
aneiro de 187.1.
Booto Jos di-osta,
Pr-pre>idenle.
Louren^ Beieria arneiro da Cimba,
secrelarii)^________
SA.NIA ILVSA E MUM^ffiiA Sflutafe-
A lima, jitiila administrativa da Santa Otsa de
Mkeriefdia, *u*risada plft Exm.- ft- pr?SkIftiiu;
da provincia.i>qi0ieio cenio^^l#)dol-0J'n!n-
ntkr
te, e de conBK3!<63e ajiH^^oW^ho 9. do
art. ^8 doseu cmnpromisses, penttuta por'apol*es
da ilivida pabhca o dominio fert' dos terrenW
em qtieslao edificadas aseasa* aba^o dechinda*,
lomaudo-se por ba os preeos da-avaliticb.
Roa da'RwlL
Ns. 2 e G de Galdino Antolio AWcs
Ferreira
Jfs. \ e 6 do Mosteiro de S. Ifcmto.
N*. 8, Id e l da Irmandade do San-
tissimo Sacramento de Santo Aato-'
nio
.V. 18 de Bernardo Al ves Pinlieii
N. 20 de Anna Thcreea do Sacra-
mento'
S. 24 do Manoel Joaqun: R.)di!.:ua ,,
d Sbuaa i, .
N. 26 do Antonio Ferreira Braga
N. 28 da irmadade das almas d'
freguezia de Santo AWon.
N. 30 de' D. Joanna Mara dos San-
tos Moraes
N. 32 do I)r. Antonio Joaquin de
Moraes e"-Silva
N. 34 de Mauoel Jos, do Amaral
X 36 de Antonio de Paiva Ferreira
N. 42.de Jeronymo taranta Villar
N. 44 de Joo Pereira Ramos
JL 46 de Antonio Jos Rinlriguos de
Souza
Ns. 48 e 50 dos fillios de I>. Maria
Carolina' de Brito Carnuiro
N'# 52 dos orpliaos fiibos de Franei-c
Ferreira Gomes de Menezes
N. 56 de Jos do Bogo Pacifico.
N. 11 de Manoel Ferreira Braga
N. 13 de Jos Leopoldo da Em
N. 17 de D; Emilia Carolina MMKfra
Ferreira
N. 19 de Emiliano de Mello dos An-
jo= Paula
X. 21 de Joaquim Paclwo n >v.
N. 23 de Antonio dos Santos Yieira
N. 25 de Ignacio de S l.ope- Fer-
andas
N. 27 de Flix Antonio Alvea M-
carenbas
\. 31 ile Miguel JoaqiiHtf df-Qp
X 33 de Bernardino Alvetrillrt
X. 35 de Mara Franc-c^da, n
ceieao e Silva
X. 39 do berdeiros de 1. Joaquina
Maria Pereira Viaima
N. 41 de Paulo Maaques Antonio
FraucifCo Macota
X. 43 de fiibos de Jom- Rodrigue J
Passo
X. 47 de Marcelino los GoneaIv*>
Fontes ,
Travessa da na da Rofla.
X. 2 de Domingos Jos Ferreira
X. 8 de Ignacio de Loyola e S
2t)0Ut
MKIMM
ncar .demonraa*atqBf iwm*-
j.w[it sd deir.iaM fli'twwHW'w a suas r ti iBirr' TiTl'"' r'" N*
coKerto, qu.^afc 98<#ah'rt)aa' iaes aHiiaraan
)>*niwem de aitriae anini'Mgiiittei MWti
ArUgo-W. t jygwlMaanAfci; -,- .. *r.
, M obras dawMpaaMa rolaUves a aatom*
cenrato, serao consideradas obrw.gtmklte\ifteai-
do aM^ aattfUeaaa mtmm**em jtai se
penas im le r- iWgoluufeiiPi na! iai a\ jfoWBiS^: *
Repartieju dM^ra^uyb.lijjai |l p Janeiro d
4. ...,. i .... ^T\
Pela, tbewuiana pV._
W.(,Exi,^r.4|(Wtdanta da-#pv|frMfc \m
cip.de Ad6|c(irriteMr^WUam4>4ii^*fia
da obra dos reparo da estrada de Jjjunboua eaUv
o engenlwt >iararaiia>c Aov* 9eiM5KJWUr,*:
pre*taee.<- ignaea, a seis, ^pm-e debito mezes
depois'de cohelaida a obnftf) jISII 1
Secretaria da thesourajoa de PeVnambuco^2l
de Janeiro de 1873. '. 1 ^* ,n ..tu., H

lie ordem do HUu. Sr. 4
raa- >le l'azeada se fflzuBJdk a.^onbeeiuwtrt#
de quem interesa,- .|ua didi.tf 4k curranJ o*
ta novaiaenfc ara praga:-m* .sw ajfiutaatadfl
poi venda ea.jpn a^Ja^oflifaiecer o.p*-
pJaowa#da*on>^^laM8M&, sito a.^ua
desse uerne, yyr delta do- quaiujl | W^i
sond este pruprio um armaaem terrau *au al 4J)
pajinodoefhea M Hhvm&&***
viudo de bxe a arsewal#saa ij,q*aut"a de *:2IW
J4,o*a'ef4, .uT.v i oliti, r .,
s itratendatiMs wkSM, ^^awi*reada
weso tarde, e attus disw a-quaLwtf o de *mi-
Jieot para uaotuM es^acam^ ,
Seertaria da lesoupata qa fazenda de PBTt
nambuco em 21 de jai$rp-do lf
^^ !^"EteMai
, _____
Pt.V-.
K*traardiaara Mar
600000
200*000
20U*l*M
2S0#000
204J000
20OO00
2OOJW0O-'
3095000
mm
UO/ltfMI
300*000
300*01)0
30l)000
SOOjAuti
200$000
20t)i0i)0
KOfOM
300*0-0
'i 00*000
2001000
200*OIMI
200*000
2005000
200*080
200*000
200*li0(f
200*0000
300/000
2005000
2003COO
iQOjOOD
200*000
2001000
Tcrcdirt TBurtsel1tar3b do ttiagnjflro e appara-
treo 'drarna mSrilmv> rn t prologn e 4' actos :
0 NAUFRAGIO
DA i
mm
4,1 a
Seguir m
Adelina ; pan
reir Vianna
infiro andar.
v;, .
lacho portuguez
trta-sc cora Pe-
!rio ii. 11, prl-
I
Itaihis tiqkft avariadas
Basjos Silva farao leilao, por intervniciio do
.igenfi Pboo Uorges, de u*i randa li|tfadido
sortimenlode fazenda; inglezas. franjntxa>.e alUv
maeajilodaa coulmcidas e propriai des mercado,
ondenaspojpan a concurrencia de sena-fretjTAezcs,
em sea atnpazuiu ra do Mrquez de (Marta n.
42. O leilao principiar s 10 iti huras O:' U" 'i -"*^
,i* t 8 DE
coglc, ahagrM oflra o velas, maffK M
9 T^t ns**> I io, c anm *^.
r.sttBAilQ l^.toivKST:
l|t harn
0 asiente Pinto Boi'hps fara leilao. por conla e
risco de
merradonas
ra do Bi
----------~I
diversas
caixas das
escrplorio,
lar.

twna' ____! G J?-d: C.
Sii^jUl^^l^^AWtL.NIi:
as 11 iiorus Ua ntouli.
rar iatctrvruvstn o> agente Piho
IUi'^cs.
Em ?ou ejerfoterioy ra aolV-io Je-ti.- n. 53.
JMXLAO

m '-'rtfitorih 'tffwlBw'^n*- roa do Bao >i
i mi^ifA sin."
f'antra
uaieiro e
ai"
N qwal tema"parfe uWpessoal-de
50 Hfiuru
o scctirft) "c VFSttWtlo T todo -novo.
i -i
Dfl
imcdrt"s'8',2Vihoras,
TfflffRO
DE
uma caaiaaflWltlIap1*"; cimu ifita eum
ttvhi^ratJ (nmlms variarlis.N
Trrra-Jr1r..Wlo rorrenfr.
,ja%4#()A DA >!V^n\
gO_agente_ Pinto f#' Wfilo,"'pCr artorisacao do
Sr. gerente do consulado deFrijica. em presenca
de seu chancellcr''dor ciima'e risco de quem
pwienctf, de una caitta marca C*S 108,
cm-tendp. jiaps avariadoa bordo ik> vapor
francez Jmrift, e una dita niaiv.a,P. S. A .,A. L
n. 1835, eonten.1) miudezas variadas bordo do
vapor fraueia Msiuluzn. O leilo ser en*eeluado
uo dia.e hora cima ineiuionado>, i"' esertotorio
do reTerido agente, ra do Boni Ja-us n. 43.
jfauptVJ Moatro doSuiueate auiorfca. P'
uiwdo atbaos, requeren', Vendadas paitas (
p'oinieda'l"' Poita d -Vg-ia, pttttsuida por sen casal
a aiinuinrinda jwnda,uio Oliy-
po de Ouejqojiju avis.i publiedo nq Diario |k
2ao de 11 do dewmbro prximo paasado. J dv
outra-, veas OJympio lem l'eilo ignaes avisos ao(pa-
se llie to"*- roajioiuiido.
Esta arosposla (tuoaiuda agora neproduziiuos.
A vuiva e III lio do leutjuje -oronel Florencio
Jos Carneiro Moiiteii-o coidstam avisa dbjSr.
S\iii|iliii)iiiO;lympiq d: (Juei'oga, publicado nos
Biario* deSOe 21 do coprnte dectarando 1.*
iptpip SrnioAao tetn dominio picad no
terreno a que se refere, perleneente ao sitio da
Porta d Agua do MiHrtniro, nxil somente direito ao
loro, que nore*se uiesuio terreno pacava o ftuadh
Flor'rhcl.i ultima administradora do vihniro do
Montelro : 2." que esse fon) tem sido recolhidb ao
uVpiwllo. inra ser levantado pelo Sr. Synmhronio_:
1'ilh" a acfSn por elle proposta pelo jotro mimi-
rii):rf da I." vara, com o tlm de ronverter o afora-
ment existente em arrendam-nto, depols de con*-
testada, ticnn ha maisde 10 anuos jtarada, a espe-
ra talvez do resultado da outra aceao (conccrnrtite
ao terreno enntigifo em idnticas circumstancias),
pfoposto pelo jnzo mtipicipal dSS.'va'ra, c que
aiiina pende d deris flu ulthnos embargos de
Uecbrao do mesmo Sr. SVmphronio ao acrordo
do egregio tribunal da relacVi, que julgou nulla e
incoinpelente a mesiiia accao : 4,* finalmente que
a crcuinstcncia d estar em migio o referido ter-
reno, nao priva o 2 contestante de poder vendir
ai.partes dos do inais terrenos e das casas que tem
no sitio, nao sugeitas a litigio.
"tnirrem, porem. aecresecntar o segninte :
Os titiilos, pelos piaes posffuil mon AnaUo mari-
do, e otrtro? he'rdV-iros d cio Jos Cuiieiro Monieiro n sitio da Porta d'Agua
si) cscripluras authcntictts, me existen) em poder
*) ft. aconte jle ieiloes Franftsoo IrPirito, e que
podiuser vistos palas roncurrenles.
(Juauloaos foros ilevidns, requeren meu marido o
o deputito, e se etecluou o dos enlo vencidos des-
de l de agosto do.1838 at u ultimo da jlilho de
18ti'i. ra'/ao de 6*400 rs, Os dos otilriis aniics,
dere igualmente ser recUbdo.i deposito na (hesou-
raria,-o qnal dcduzido do producto da venda e re-
colhido a de|K)silO gacanta o dimito de quem quer
que a elle se julpi cmn dii'aito. e em favor de
quem for ordenado uvantamenlo, visto ouepara
cUe.pasa dis,puja, como- de le. ,
Naila pode, pois emiiargar a venda :muunejai|,i
1 LEILAO
lu k
JL*"^
sobrado do 2 andaros B. 10, em chaos pro-
pri'os, n Travessa dos Kxposlos.
Qnnrtn-frlra 5 defeaorrira
s 10 lloras.
Por uterveiitjao do agente Piulo.
Em seu e.-ci iplorio, ra do Bom Jess n. 43.
na povoa-
Parali\4>a
f,
>
Recebe propostas e.m todos os dias de sessio as
quintas-feiras. at 20 de fevereiro vindouro.
Socrelana da Sanie Casa d Misericordia do Re-
cite, 20 de Janeiro de 1873.
- NO
CAMPO DAS PRINCEZS.
mVEBTIKiWOtPASTOHI
SMTf^flECl/aiM
JN Hri-nnrilino C. Bnrro*
Ueoita o\traordiiiarin.
Penltimo espectculo.
SABBADO 2 DK JAM'IIW.
^Depos que a erclleatra hoaver execntado uioi
brilbante onvertnra, repreentar-se-ha o terceiro
u quarto actos do lindo drama pastoril
OS DOUS ANJQS.
Findo os quaes ser dansado pelas SrasTO. An-
nunciada, Bosalina, Antonia e Cordulina, o lin-
do passo smaaiadu palo' Su Mauool Baptista de
Souza.
A CAXX1
Seguindo-se a representaco do vaudeville pas-
toril, dividido em 3 quadros
DE
a\a-
"1,00 cuuk-tos d a^o em veru;u!i;<-
rknlo.
TKKCA-KE1RA 28 DO roiUU.'M'K.
* H I lltH'M MU pi.lllo.
O agente Pinto fara icirao, por ronta risco de
qliem eiiencen,-de tOO iiihet^ com aeo em
vergumhas, avariado d'agua >algad,i, vindos de
Liverpool no navio inglez Ruth, existentes no ar-
rrnzem n.92"da ra de Domingos Jos Martins,
antiga ra da Snzalla Velha, aonde se eltectuar
o leilao,* da e hora aomu menrtenados. ____
BIRIfg
f riiaP',
O aMi* a*sHtnaA-'Ian li/es bWWiea quairo qwrt # an< I
nm mcb n. Jol-"i >an ttt^] %tft
40 e 20d da lotera que fj,11^
(.n.-) ohVida nos p?*md.rb?a' r
eon*irimda**.l-)costMme s****"
Acham-se anda as fe*aj .
da O' parte das loteras a bauolk,ia-,.daftfi* da
Escada (37.*) que se extralr na quintt-feir* Wf
do crreme ifiez. ,'*~
Bilhetc Inteir HH^K "'.
Meioblutc MW :M.
Quarto l*oW
m pok^.vo w. i ooroO fin i*k-
liiilwleinleusy a|SO0. ,
gocelide Bueft5S Wr
te Vio Saiito'ArtWfO^_
l> ordem do litio. Sr. presflftn^it*l5^feM
de sid'convidados de coDrortnMltwMWI**
art. os membres dessa t/veiettaiMliaypiiabBav
sao extrordiafiaHMe lera hjfar \i& ivHieute. na casa Ascssf)aB jf ^
n. 13. as horas df Inami^afffl M
dous siiNlitntos partios rargos *&ait si
thesoureM, devendo tambem il
tar-se do distjptivo aasm.i.
Sala das sesoes da .-ciedlde
le Pi Santo-Amaro 22 de Janeiro dc'l!
O ?* soeMaHafU w
__________________HmMa ttfcafi^fjr
Pgio no dia l(J do duironW^Iaa'>ta
da taide, do sdio da rM da MMM * checheo manso d gaiola : quem o jjflsw^ueeu-
do entrcga-lo seu dono, ser generteaninnie gTTi-
tiiieado. ; J-
:------------
I
I4*
!
of.9f .a
\**s .
de ftW^I*1
No icriptornt^lst* wm*
panltia. cowpWi?'^4artBte
mente a presos nziaadfc
so lipas de u ticiea e safta-
caia, das segninte dimen-
soes : coinpnoiemi W paT-
mos. sro-sm a 9 pollegadas.
DW
THILHOR I;
no
Ilmli'Ofiidii
(!oitij.ra
\n
n
DE
LEILAO
I ilitul n. NI.
Pfifal inapectorl i da alfandega st: faz publico ijue
na. se tendo elTectoado a venda da plvora abaixo
.arada, anuuneada a leilao par editaos, ns. ^5 e
' transfere, pela terceita vez a mesma venda
para as II horas do da 25 do corrento porta
<'. ;:i repartieao, onde encontraio os licitantes
i MMca dareJor da pollera.
Forlaleza do Buraco.
Haraa diamante E. 1000 baiTis, pesando liquido
l '!ii 11,475 kiloirrammis de plvora etu bom es-
tido.no valor de 12:6l250l>, viudos no patacho
Electro, mirado em 26 de dezembrode 1871
."onsignados ordem.
Marca P X I G. 400 ditos, pesando litpiido legal
4JW0 kilogramuias de plvora em bom cslada, no
\aJof de 5:OW*000, viudos i liciguo alltimo Ar-
a i:, entrado nerte porto em 9 de abril de 1870, e
. i -Uado ordem.
arca idem. 100 dito?, pesando liquido legal
l,rt3klo?raniin:is de ]>olvira a variada no valor
.: I0I032V0, idem idem.
. Alf.mdeea de Pe nambuco. 22 de Janeiro de
I '.
0 inspector,
t'itbio Al'J-nmlrin.0 de fc'iroaM.o Rea.
O es
Pedr,< Bodrigui
rivao.
i de Souza.
Escola Km!.
l
IKdital ii. H.
MaMBpWMrM da alland.-ga se intima agen-
.- i da coiupanhia que segurou a caixa marca S E
i. 4 C. n. 3,247. vinda do Havre na barca franciza
.s Liuz, entrad.a neste porto em H de dezembro
i mato, para vie despacha-la dentro do prazb de
-s das, visto ter sido a Husma caixa abandonada
;i.> seguro, por Souza S 4 C.; -sol nona de, findo
Me prazo, ser a referida caixa vendida ; sein quo
l. que competindo allegar contra os effeitOB des-
i, v?n'fa. .
NMmdefN d" l'ernaintiiico, 23 de janeiro de
un .
O inspector,
PaMa A. de i.arvnlho- Bell.
Kdal i. 43.
Ma iaipecUiria di alfandega se faz publico que
n rt Hurai d> dia 18- df corrente se ha de ar-
rematar, livre le direitw, ft pora desta -repartieao,
a< mercadorias abaixo declaradas abandonadas aos
tir-itos por Corta Mua & (,
Armazam n. 1
Marca CM.dC. n 20. I.'ma caixa, contendo 96
'". mos da teoido de la a variados, no valor de
>000 viudo do Havre no fapor inglez JurUt, des-
CMTBgado em 3 de dezembro de 1872.
arca idem n. 22. Urna dita contenda 120 cha-
, i tle pttia da Italia ecfeiudos, para meninr,,
4 v triados, no alor d l*11 S000, idem dem-.
Marca dem a. ti. Ulna dita eqidendo 116 ditps
itito.nQ valor de 1163 '00, idem dem.
Afade^adi Pernambiuo, 23 de Janeiro de 48?3.
0 inspector,
Fabio Alexandrino de Carvalho Bei3.
t capitao Mibll Joa.^ia'err-nraitsteves, jutz
d> paz dJ St t" Antonio dS ta freguezia do Ue-
eH-Waj da f aV.":
ra^o'aaWiint a bud encias deste niiro**nti-
nuaaiaser n.n quarlas-foiras e sahbados de cada
vwnaaa as Whort- manila, em caja pmnfia re-
..'ao.ia, a ruapimparui < (rogU'.iiaW-llalifi ,!| d#^irde 1871
Kn, Josetonealves d( S, escrivao de Paz o
r Manbol Joaquim Ferrotr iKefas. 1
Fai-se publico a quem interesar possa que as
matriculas desta escola ahr6n-se no da 15 do
corrente e encerrani-.-e. nO fim do mesmo me .
devendo os que se quiz i : imatrirular no 1" anuo
apresentar:
! Certido de dade maior de !( anuo?.
2 Certidao de que sabe ler, eserever c contar.
3'1 Certidao de nao ter .-: lo c ndemnado por
criine offensivo moral < r ;. Higao do estado.
E para que chegue ao conhecnento de todos,
mandn o Sr. Dr. direo^r Ir.rtr o publicar o
presente. .
Secretaria da Escola Pfornul de l'ernambuco,
10 de Janeiro de 1873.
Ayres d-- Albuquerqu
Secretario.____________
__ Achaudo-se eoeluido o matadouro da fre-
cuezado Poco da Panelia, a cmara municipal
faz publico para conhecnento de quem interes-
sar possa, que do dia 1." de fevereiro vindouro,
so se poderao matar as reze.. para consumo da
populacao da uiesma freguezia no referido roa-
adorno. ..... A
l'aro da cmara '1, 1 i I'' pneiro de
1873
Jos Maria Freir Gamero,
Pro-presidente.
Loureneo Bezerra Carneiro da Cunha,
See~et.iro.
Ifo qual ser dansada uma linda contradansa
ensaiada pelo Sr. Baptista.
Os blhetes. no lugar do, costume.
As 8 1)2 horas.
VISOS MARTIMOS.
Gama
- m ordem do Illin Si. inyector da tbesou-
raria de fazeoda declara-se para conhecimento de
miem interessar, que iic- termos das nstruccoes
do tribunal do thesoure nacional de 18 uodeu- an, |or ter parte da carga engajada : para o rea-
bro de 187, acha-se aoerto nesta thesouraria to lo o passageiros, aos quaes "
lteul fni|iHiiliiu le paquete*
n^lexem apar.
At o da 27 do
corrente. efpera-M
da Europa, o vapor
inglez honro, com -
mandante Tliwaits. o
qual e pois da d e-
mora do costme, sfgur para Buenos-Ayre?,
tocando nos innuis da Babia, Rio de J
Montevideo.
No dia 28 M crtente, esperare dos pollos do
sul. o vapor inglez boijne. commandante Beeks. o
qual depois da demora de costume, seguir para
Southampton, tocando nos porto* de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, frele>, etc : traa -se na agen-
cia, ua do Coinmarcio u. 40.
CLAUDICA
Para o Porto
Seguir com a maior brevidade po>svel a Mfe
leira e bem oonhecida barca |Hrtugneza Clatuli-
DE
llovis. laiieT) e ervotac*.
SHNDO:'
1 magnifico piano de llnisolet til? 4 C I rica mo-
bilia de Jacaranda a Eui XV, 2 e.-tautee para
msicas, 2 gtiarda-roiipa di inocuo, 2 ditas com
e-ielhn, I leito para casal, 2 bidel- rom lampo
de pedia, 1 lavatorio com pedia luafiunre, 1 es-
pelho. 1 mesinha com lampo de ped a, 1 dita
para jogo, t camas de ferro, 1 cadeira para as
seio, 4 cabide. I par de escarradeiras de jior-
relaua c jarros tapetes e lustro para gaz.
Pavimento eerea.
1 mobilia ajnericana, I secretara. I estante, 6
caixas com instrumentos cirttrgicos, 1 machina
elctrica, 120 volumes impre^SOs (medicina), com
estampas, 1 relogio, I maeh)a de costura, 1
costureira, 1 guarda louea, 1 aparador, 1 mesa
elstica. 2i cadeTraS de guarnicao, 1 apparelho
de porcelana para cha, 1 dito para janfbr, 1 ba-
nhero do folha de Flandr**, copos, clices, gar-
rafas de crystai. vni de cuiinha e 1 grande fo-
go de ferro e iaitros peTtencos de casa de fa-
milia.
SABBAIX), 1" W. ItVEKhlif'.
Por autorsayao do Sr. Ur. Jacinlbo Soares Be-
btHo. que si'guio para corte, o agento Piuho Bor-
ges, vender em leilao todos os objectos cima de-
clarados, existentes em Ponte di rha, no predio
confronte ao palacete do IL'ij. Si Pr. Augusto
Ficderico de Otiveira.
A's 10 1/2 horas d manlia partir da estawto
do arco de Santo Antonio um tnm, afim de con-
dii7.r gratis os concurrentes do leilao, o qual prin-
cipiar depois da ehegada do tm -no.___________
Duas casas terreas de podre O cal
r;.;0 do MelaO, da provincia da
do Norte.
Duns dn na Baixn Verde, desta provincia-.
Uma pequea fazeiaJa de gjtilo em S. Bento,
nesta provincia, rom mela legua de trra,
. toda coceada, e 50 caberas de gado.
OIAIITA-FEIUA 5 DE FEVEREIRO
s 11 horas.
O agente Pinto cuinitrinlo o mandado do lllm-
Sr. Dr.'jniz especial do coinmercio, levar lei
tao os bens cima rtiltW, pertencentes massa tal.
lilla de Joaquim Siherio de Sou a 4 i'.
O leilao ser cnVuiado s II horas do da
qnartM-feira .r de fevereiro. em o escriplorio &
referido agente.
t-**"

SVISOSOVffiSOS
INSTITUTO
AftGHEOLGG
PEANAM
CBE
ye
grossura \ ditas.
Contrita-se com o aLafxo a^iguadn na era-
rio da i-' a da Aurora.
Estrada, de ferro de (lltuda, '3 de>jaiiaV
de IS7:l.
tUpiTotite niteiino,
bnirtntmin Jmf de Mh'wm.
troco da moeda de brome pela de cobre actual-
mente em circulacao e fambem por notas do go-
verno. *
Secretaria da thesourama de ia/.enda do Per-
nanilmco. 17 de Janeiro de 1873.
Servindo de oftiral-maior,
Manoel Jom- Pimo.
SAMA CASA DE MISERiCO;U>IA DO RfiOFE
A junta administrativa da Saata Casa de Mise-
ricordia de Becife, antorisada pela presidencia e
de ronfonnidade com o sen c^nproinisso. leva a
praea de venda na 3sla.d".s suas sessoes, pe
las 3 horas da tarde do dia 23 do
seguinles predios, tonriP.dr per base
et-recidas.
Meia agua do largo da Canipir..
R.3.
Casi terrea da ra do 'A. Jor;
n. 9e acaea mrraa da rua/*J>
Gtnrarapes n. 89.
Casa terrea da roa d Matriz 'da
B-Vista n. 06: >
Idemda roa daGleria. hnie Viz-
conde de Aibuquerque %\, 61
Secretaria da Santa Casa d Misericordia do
Recite, 1? d Janeiro do_t8T3. .
O escrlvSo,
. Oedco Bcurigues do Soma.
oirrente os
as quantias
250a000
3.3oOiOOO
2:000*000
2:(KJ08
"offerece excelleutes
commdos tratase com Cunha Irmatc 6 C ra
da Madre de Deu> n. 34,'ou com o capc^-na
praea. '___________________________
Tara Ris-Grande il) Si!.
Francoln.
Para o referido porto recebe carga tfete o
patacho brasileiro Frmroiim : tratar eom os
seos iguaUmu.-arios Aiaorim Irmos C.
(1
DK
108 bailas do papo! para em-
brulho (avariado.)
SABJiMH) 25 io correkt.
As 11 Loras em pauto.
*atraplehe la nlfamlosa.
O agente Pimo far leilao ..^r antorisaclo do
Sr. gerente do consulado ncFranCa, em presenca
de seu ehaneellcr, e por cota e risco de quem
pertencer, de 108 bailas de papei de cnibrulho
(avariado). de ns. 101 IW. vmdas pelo navio
francez S. I.-vis. existente* r.o trapiche da allan-
deci. onde se elfectuar o lei'v.. no da e hora
cima moncion.dos.
Para o llio Grande d S\
Destina-se para o indicado porto o-patache por-
tngtiez Roch'j, e recebe carga a frete : a tratar
om os seus consignatarios Amorim Irmaos & C
Rio Grande do Sul
Paca o porto cima indicado pode aind eceW
aiguina carga a frete o patacho brasileiro Perica-
no : a tratai- na ra do Viga rio. Thenorio n. 1, r
andar, esiTiptprio de BaRhar OB.YeJr* A ^- .
Br-pMetled* alaa abraa publicaa.
TeShto *nv multa* casas aido achados os canos e
apaaremo a1-cempafihla> rtetift-nratoaye damni-
fteatas malteMamer)'-; 0 etluentieire tisctt'fa
MtHlear p?jra-canHei aanto *i publico os sefdint
Uai|o^^nlratW4Je^8-4eaeeinbro 'd-4868j
e do rogulamento d< 44 de ]anelio de 1871; a
saWr : ,. >* .
Artigo &.
i 0a moratJares dos avadio daverjo commu-
BAHI4
- o
v\
lc
Vai sstlir com ponros das ds detxinr
tshana Sara, poddaC'ree'bn' 'gdm*
sso.quem desejar cajJPajW't'de anieoder com
o eonslgdtarlo Joaqun Jote ftjfjaHve Batuaft i
raa le Commereia a: I nat- .
tt*<
VttrH
O1
vai cabir at odia 8 de fevereiro a
gueza. Arai4lia,'de L' cla*^, tw
carga prompta, e para reBl&-:qu
ta-se coin Frreo d* Almeida C., a
dre de Deo'i n. 36.
uiua^rande propnedode na Pcrti d'Agua,
em; Apipiicos.
COXvS'l'AMH) DE .
Urna casa grande de paira e cal. a 'oeira da es-
trada, com 31 palmos frilt e 35 de fundo,
ooib grande terreno-a boa baixa de rapim.
Urna otaria para temas e UjoHas.
l*nia-a-a learea em frenU^ da Dlimeira. com.
palelos ilt* UfHo e 65 do ter.do.
poa dita peiiuena qu.e serve > cocUira, com..t
palmos de trente e 43 de^mdo.
l'ma dita de 12 palmus de frente e 3.". df fundo
riifcdiUiDonl f palmi de/fMtcVe 35 de ftd)
l'nu dita seiu reiDliiaeiito, r'jmj a re -.-ma frente
e fundo.
Urna dita dita, com. uta l'ma dita di| com 2* laliaua U^ fxfinte e 4SJ do
fundd i / _j i
Urna ditfi taftai can |9)alni fdndd, Modas- edificada* ei* c*ews profUtt*, ab
. lado da levada; Jai
qiaiwasFsiiia nmim.*****>
0>bg*uta Pinto tevar'TWiaw -ltwa^dad
BOjia-dito, e em nm s lof, ted;. a l^r*|wj*
l*madit\ sertdo : cerch de *Ooa* !**'?
mandado do lllm. Sr. Dr.iulz de *e^1*atrw
dos orphos, em virtuM do eypefintenW vtu-
va de Joaqun l*#C8rneiro Montoiro, tutora de
aeus nmw-ittloRM' *** de uma nona parte
por aula^^ *1r!*a1dV botante, -do her-
feroo^se^i^atdeatl'atWWart'l Augusto
Carneiro Monteiro. a.li \
Os pretendentea latlWl^aajn'aK desde ja -
.I
Toado" nsli tub A reheofnerio ekieoitrapli i -
l-o Pernambuc.-uio de celebrar o H." 011111-
versario da sua fundaoSo no dia 27 do cor-
real Janeiro, pela I limada tarde no salfio
da Bibtiothei-a publica provincial, no conven-
to de Nossa Scnliora do Carino, sao convida-
dos para scmellianle eTeitoem assemlila ge-
ral todos os socios queso acharen) 110 Herhe,
eflbetvos, honorarios e correspondentes.
Pio conhecendo o Instituto a sede das
dilTerentes associaces Iliterarias, scientifi-
cas, artsticas e de beneficencia que existein
nesta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cada uma de laes associa-
coes a'assistir solemnidade do dia 27, on
fazer-se ahi representar. K para conbe-
cimento das corporaces 011 pessoas que ti-
verem de ornar 1 sessao com a sua patarra
autorisada, aqui se transcreve a ultima parte*
do art. 28 do regiment do Instituto :
Se na-sala evistum socios ou pesseasou-
tras que dcsejain ler algumas memorias
interessaqtes, participa m-no ao Secretario
perpetuo, para este previuir o Presidente.
o qual d a palavni nos autores das me-
t moras; aleitura de cada uma das quaes
no pulo estemler-se alm do meia hora.
Porm nenhuma memoria ou Irabalho
pode ser apresentadb e litio ern sessao pu-
blica, sem que antes seja submetido a uma
eooiniisso de exanie, para isso nomeada,
a qual tem voto decisivo sobre a tonve-
nieneia ou iticonvt-nieticia da leitura.
Depois des decurso* ofliciaes, e dos da-
quellys soei*s-e convidados a quem fr coi.-
cedida a palavra, ser lid, por ulfinu, pelo
Dr. Apiigio Guiniares uma memoria sua,
sobre o thor de vida de Joo Fernand.N
Vieia com nda^o aos hollalulezes, ate o
rompimento da luta, sobre os estimulo;, que
o levaran! a ferir essa pugna heroica :re-
fuiacao d varias assen.tv. do Sr. A.
Warnhagen, ii'iim seu recente escripto.
Secretaria do Instituto, 17 dejnwn de
tS73.
J. SOARKS 1 Aztvtin),
Secretario perpetuo.
filulas assiicTaas de Bristo!,
SAO C0NTEM NEM C\LOMLAKOS K1M NK^HB
OTKO M1NEHA1-.
A grande necessidade e falta de um ca-
.hartico ou de tima medicina purgativa, ba
omito que tem sido sentida, tanto pelo po-
zo, como mesmo por meto da faouldsd*
medica; e por isso, infinito o gosto e
nrazer que sentimos, em pdennos coa
oda a confianca e segtwidade, recommendar
is pitillas vegetis aMiicaradas de Brittol.
x>mo uma excellente medicina purgava, a
qual encerra em si todas as partes e mai
ingredientes essenciaes, turnando-se em oav
perfeito,. seguro e agradavel catbartico d
familia. Este remedio nao compoea?
dessas drogas ordinH-iamenle usadas Da
composigo dessas pilktlas, que por am sa
vendem, mas sim, sao preparadas com u
oais finas e superiores qualidades de raiz<*
medicinaes, hervaa e plaas, depois de sa
oaver chimicamente estrahido e separado,
os principios activos, 011 aquellas partea
que contera o verdadeiro valor medicinal,
daqnelias porces fibrosas inertes e agre*-
tes inteiramente destituidas da menor virtn-
ie. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos noraear a pe-
iophgtiin, a qual segundo a experiencia
aun demonstrado, possue um poder oma
laravilhoso pessivel sobre as regioes d
ligado, assim como sobre todas as secre-
tes biliosas. Islo de combiaacSa com b
eptandrin, e mais algiuis extractos vege-
laes e drogas altamente valiosas, cona-
luem e fonnam uma pilula purgativa, tor-
aaudo-se por isso muitissimo suptrior.
qualquer uma outra medicina da mesma
aatureza, que jmai* fora apreseatadv j
publico. As piluias veg&ae* a&mcaraa*
ie- Brislol, jwbai>Sfi-lio faffti u reawy
dio prompo, seguro e eanentemente
caz, para a cura de molestias, taes
jejam as sopuntes.
Aviso aopovo.
A coiiuiiissao cncarregada de execntar as deli-
beraedes tomadas pela a&stHihlea soberaj do po-
vo niaconieo, tem resolvido fazer chegar- as mae?
do Exm. Sr. presidenta da provincia, no da 2 do
corrente, a rcpresontarao que vai ser dirigida ao.
poder executivo, protestano c pedipdn- providen-
cias contra t* abusos e atte^tadas pridieades rey.
Sr. bispo jesnilas. aqoi residentes
Cunvida-se a populacao desta cidaile.heiu como
todas as sociedades beneficentes, artsticas e Wte-
rariaa e r daecSes de jnrnaes, para que eneorpo-
rados'todwmos diramos palafio, afim de'fusor
entrega ao Bxm. presidente da dita representaco.
ponto da rouuiao ser a pUeo da ftreja *>
Corpo Sauto, nafresuezia deS. Fr. Pedro Gpnyti-
ies do Recite, an meio dia.
Auu larga da Baaari nuaawra
*l. 1 miar
Estova & Corapanhia
Avisam a^flnis aMgfts o fregueies que acabam
de abrir o*u-estabclecmento de cabelleireiro,
blifle se aehaffi promptos nara qualT-ie J^ister de
sua arte. a^lt/ji
Kydropesia dasmem-
bros em do corpt
Affecce^ do figad<*.
letewcia,
Hemorrodias.
Mau-halil, irrega-
1 anda des do sea
femenino^
Doras da cabala.
fjspepsia, ou ndi-
gos tacs
IVtringencia, oa..
priso do ventre
habitual,
Azia do estomago
flatuleacia,
Pecda do apelite,
Edi^magosujo,
Km todas as. molestia q*i' ewmfc
ju origaa da massa df sangue: a W
parrft d* BHstol essl elb#rde. W.^-
os puri&cadores deve ser tomado cop
ament com as piulas, pois que tai
suas madicinas, tendo sido lagwarwnte
preparadas para ebrarem de harmaaa nm*
;om a outra, quando fielmente assisase fa.
n3o nos resta a menor duvid em fine!
qwe no maior numero dos casos, odenrv
iffiar.car nao sf>um grande alivio, com
ambem uma cura prompti e-rddfcal, isti
33t bem visto, quando o doeut al -v
iche n'um esladb muflo alea dos recurso
'umanos. ^
EngommaJeini
Precisa-se.de urna ama para eaaamrhar a l#
mail servico em cana de twsjueaa (vwla ua i ua
do Qtiemwrto n. 8, h-ja de faien
Pracsa:S8 dtt'l caMlt cora praiica de
-Va" 16 auto?v aVgamWadoCartuj


'
\
"^TMoa quin w*a rgida un* t
e noma Vicencia, paareada no i.s) QnWla
IV-'-
de_.
Norte no vapor /j*vf<'. quena a l
be-la neite>8 dja^____________^_________^
osielizes bilhete da lateriadapro^
fetiT do arco da ConV^a^ loj* *J
curivesi no Rwlfc.
y.
...'.
-i

J
cara
HaffiZ


IIL
I
"""


w
Diariq^e pern^nhuca fy% fi 24 de fafafcjgfc

Wrmnrm
O GRAJO* PMF1CAD0R DO SANGEi
ffkta xc8*te e adrairavel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientil
a pr Chimkos e Droguistas mu doutos c
d'uma nstratylo profunda, tendo tido mui-
tos annos M experiencia ao par d'uma Ion-
^a e raboriosa pratfca.
A sua con^rasicSo nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um w artigo; mas sim,
,:omposta #es*ractos d'um numero de rai-
ces, berras, (seas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em cafar as nofestias ns quaes teem sede
ou essento, no sangro ou nos humores;
e este dferetites extractos vegetaes, acham-
m por uim Ui ftvma combinados ponto
de cooaerwt em toda a sua torga, o co-
ralito especial de virturle, que cada tund
per si ptwsua., A raa da planta" de Salsa-
parrilha, pro-luada na;. Honduras, a que
nos usamos tala preparado, sendo a qua-
dade que tota os mdicos mais prezam
estimara. Na composicao da Salsa-
p tu-r II ha por ceoto'deid* concentrado extracto. Ella
oio jacarn imi si cous. alguma, que pos-
ta por leve ser perigosa ou Jinjuriosa
sade; tanto n'este, como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa e todas essas mais preparaos,
a* quaes etoixo do ame de Salsaparr-
iha, sao accomhV.ionada:; ou postas em gari
rafas pequeas, sendo -eceitada em doses
mui dinunaUs d'uma collier de cha por
cada vez. Hspelo contrario engarrafa-
mos a ik,-'
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
em frascos randes, e ;.ssim por este modo,
dividirnos ohij os cofis Asidores, o 'grande
proveito e Vantagm ale aneado por aquelles
que acQBdkionam sua preparar ao em^i '
rafas^tqttwis. Cada um dos fiascos da
nossa Nalsaparrha de Brlstol
ooateema auijssa quanl dade igual porco
sontidanaquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possuo anda muito mais forca e
?irtude medicinal do ([ue aquella, que por
Ventura se possa achar contida dentro de
fei* garrafas de pequeo tamanho. Per-
ianto mui natural, qae aquelles, que se
uan oceupados em preparar e vender as
suat produ(^5es, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa Sal-
aparrtlh i de Brlttol nao possue a
'menor %$tn& i porm qua C?CCtY9me2-
te sao elles postos em silencio, quando indi-
jamos, ou simplesmenle referimo-nos para
com essas centenares de certides e tes-
temunho9 authenticos, por nos recehidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SAtSAPARRILHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
fferentes raizes, drogas, hervas, e plan-
as de que se compem as nossas medicinas.
*ao produzidas, que nos habilita exer-
Hf aquelle constante cuidado e disvcllo na
minuciosa e;colha; e o que assegura e ga
rante unifonnidade de excellencia.
Em quanlo que, por outro lado, nos nc
nos poupamos nem dinheiro, era dili-
gencias ; afim de alean carmos o melhor
e unicaments o melhorde cada um artigo
<>u ingridiente que entra na sua composi-
Cao; pois levados e compenetrados 11
mais firme ( persuasiva confianza; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nac5us, e de todos os paizes, que na
alsapar rilha de Brisol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro; do que
nenhum outi'O, que vos. tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
Escrfulas, Tinha,
Cbagas antigs, Syphilis,ouMal Ve
nereo
Ulceras, Humores Escrofu-
losos,
Pendas Ulcerosas,
Sexo
Tumores Feminino,
Abscessos Apostemas, Nervosidade,
ErupcBes, Debilidade Geral
Herpes, Febra e Malignas t
Salsagem Febre e Seztes
Fmpigens, Biliosas,
Lepra, febres intermitentes e remitientes
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado eperfeito curativo de todas aquel
?as nfermiilades cima apontadas o adian
iamento da cura, grandemente promov
1o e apress orado; usando so ao mesrac
lempo das nossas mui valiosa punas
egetaes azucaradas de Brlstol.
nadas em doses moderadas em connec-
caVou conj netamente com a Salsaparrilha;
.'las fazem remover e expellir grandes
cantidades d materias morbficas e hu
mores viciados que se desprendem e livre
mente circulam espalliados pelo systema
i sto causado pelo utso da Salsaparrilha; e
por esta foima faciliar a volta e o exercicio
normal das operares funecionaes,
A qual preparada rnente pelos unicoi
precisa-se
de um menino para caixeiro de urna loja de cal-
cado na rua Mraa a.'M. :.%'< >
O abaixo assignado faz sc^ntec reapejiavel
publico e especialmefife ao oi^x do' eomnttrfo,
jne Mn justo contratado om o Si. DomiagW
Martin Gtimet, sua laveraa sita i na da Santa
Cruz n. "i, Jtrre e destmibararada-d* quak;aer
debito, e na cato que algum se Julgue com direi-
to ao mesmo estabeledmento, pode entender-se
com o abaixoassifmado no praso de tres dias, e
dos oe quaes nao se responsabiliza por qualqner
debito que possa apgarecer.
Recite, 20 de Janeiro de 1873.
Antonio do Reg Medeiros.
Irregularidades do
XARPE
LE
SPECIALlftADE
BARTHOLQMEO Se C
PAHA CURA CERT^. DA8 TOfiSES ANTI
fiAS, RECENTES, CATARRH08 BR0NCHI03
1C PCLMO.N'AE, STBklA, TOSSE CONVUL-
SA, ETC., PREPARADO NICAMENTE F.M
8UA Pharmacia, 31, ra La't.a do
fiOaVRIO.
II l\IRMO
. A-rterapeulic das divtrsas moleslias do peilj
lese 3 phiiryngile ou mal da gargaaU t 'h-:r-
::il. id |iulmouar, pa^vandn pelas diversa-: bro:i-
chil catarrhjM c atlphjwma acab d Mr
enrqiieci'J com mais este medicamento, \
taniri a primeir ordea entre todes al hoj;
eoohe:idos.0 larofWVega'al Arm-ieano, garrotindi
puramente vi^elsl, uin contom 4 sil con)posi;J
un ti ionio -, opio, r sita simiente ;nccvs ds
plantas indijenas, cujas propfieJ/ies becAcaa ni
car* das irotettln yr. [iirteucetn aos argloa d
-respiaeo fora poros obaarvadoa per lo4|i
(empo, cora ptimos n aullada* cada tea mata
veaejoles; pelij qne na Mismos nnloritades a
"mp'jr o iar*p* ^ue aparo freset\fciraos, e a oTe-
itzt Id aos medices e aj pallico, Pttanoa com
4 aiusud s a va lvanos dito, e lajWrjos q&)
.. Moceito ae e i goaa e loropa, VafMkl Antri-
csno eresecr* de dio a da, deiaw) nj-jito apead)
i tcdo-o( p.;iir em raja.
Trapiche alfandegado do
Guerra.
o a
Tendo passado a adiuiiisiraoao este trapiche
Jtrem, acha-se elle em estado de recoiher quaes-
quer gneros por precos mais commodos qne oa-
tro qualquer. Os senltores consignatarios de bar-
ca;as c de navios, cujos gneros precisarem de
ser recolhidoe com satisfacao e presteza, terao all
toda commodidade possivel. O algodio, bem como
toda casta de gneros seceos que se deruerarem por
mais de 30 das, serao seguros contra o fogo i ex-
pensa do administrador actual, ministrando os
recolhedores urna nota de seus valorea para A
effecuvidade do seguro. Entrada pela ra do Vi
gario Thenorio n. 3, e pelo caes n <
Aloga-se
i .ala e ale ova do 3* andar, e parta do sollo do
obrado n 70 ra Daqae de Caxias :' a tratar
ia luja. ___________
CASA DA FORTUNA
Hita (' de Mareo
(Oulr'em do C'rewpo') n.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus fe
lizes bilhetes da ioteria do Rio n. 436* a sorte de
4:0003 em quatro quartos de n. 2403 ; convida os
possuidorei a virem recober, que promptamente
serao pagos, como do costme.
Manoel Martina Fmzal
Recife a & Fracko.
Festa_ doiJabo.
Domingo M do corroaAe, alm dos trens ordi-
narios do passageiros, jb^yer os seguintes e^pe-
' Jos loaqtm da Silva Gairnarfae, eonmercia-
e enerdurraadeRAotiiw i amara n.A4, em
msaona ao anrmneto e una pwaba de igual no-
me, fue fot pabHftdo no Diario 30, declara
ter NA murta honra e strnima gloria de perten-
cw sublinm orddm maajoHica e ser membro
pffortlvo Aa kdja sob o tuJo *istJnivo Resfaura-
cio iVrnanAi-caiia.
imi 1-aMfim da Sirr Gaimarae*.
ctaes
Cinco-PoalM (pa tida)
Atogadoa
Boa-Yiagem
Praieres
Una
Cabo (chegada)
"Sy
Manha.
b.
11
li
11
II
II
II

8
M
30
54
10
Cabo pa tida)
liba
Prazeres
Boa-Viagem
Afogadoa
ite.
h. m.
11 30
8 16 H 46
A MI*
8 48 lt t#
i H M
Cinco potitas (chega'a) 10 U 40
Villa do Cabo, M jaMkM -18.
6. O. MAN!*.
Sftperinlendente.
3.
urna casa pialada do aovo, no Ifonteiro junto do
sobrado grande : para ve-la, as chaves estao na
ta-wA* A 8r. IWcolo. Aloga-se tambem o >
andar do sobrado n. 14 da ruado Torres*do bair-
ro ilo Recife, pToitimo da prtca do Corpo Santo :
a tratar na hi* do Imperador n. 57,1* andar.
i Imperj
i de(
O Sr.FbjMAMAi.,
parecer na ra ue
Hento da Silva Ir C. Sin
teiro Ba.dlw
rajaueira ap-
6KM, lojas de
dyanoel Ri-
AVISO.
4o depois nao se (|iiei\em
Bernardino da Silva Costa Campos, com arma-
zem de viveros, na rtia d Imperador n. 28, pede
encarecidamente, pola segunda vez, aos seus de-
vedorus REMISSOS, o especial obztquio de virem
quanlo unles saldarem os seus dbitos ; do con-
trario est definitivamente resolvido a ctjamar-jos
meamos por este Diario, declarando os sus no-
mos por extenso, quaotia e tempe a que devem,
e se i.-'" nao for bastante, lancar mao dos meios
judicias ; pelo qne, 'conveniente que os seus
devedores O-einissos) que nao quizerem passar por
essa decepi;ao, dispertem do nocive indilferentismo
em qne estao cngolphados, vindo, logo que te-
nham conhecimento deste, saldarem os seus de-
bitos.__________^____________^
Charateiros.
Proeisa-se de aluns olflciaes dessa arte: no
beco Largo n. 1 A, fabrica do Figueiredo.
Criado
para tratar de deas cavallos e mais algilm servi-
eo de um pequeo sitio._________
Collegio de Santa G-enoveva.
C". lina do Hospicio 65
As aulas deste collegio funecionam desde 13 do
corrente mez.
Arrenda-se na ra do Imperador n. 20 a
propriedade denominada Barra de Forinhaem, na
Ireguczia do mesmo nomo, beira-iuar. e beira-rio,
propria para qualquer estabelecimento de seceos
e molh.iilos, com iimitos ps de coqueiros des
fructar, e ninitas rendas do-solo a cobiar Annual
mente.
U l'ofessor ile laliui da itguezia de S. Jos
desUi cidad", abaixo assignado, tendo recebido da
directora geral da instruccao publica, segunda or-
dem revogando a que havi dado, acerca dav" fe-
rias de sua aula, faz scieute ao publico que desdi
o dia lo do corrente se acha aberta a matrienln
da iicsnia, e que os seus trabalbos lectivos come-
carao twi dia :> de fevereiro prximo vindouro:
quem so qnizer matricular dirija-se ao sobrado
n. ". no largo da riboira da referida freguezia.
Manoel Francisco Coelho. |
I
Fogiram do engonlioRaiabunal, na freguezia
da Ecada, na noute de 7 do corrente, os escravos
seguintes : Theotonio, idade 40 annos pouco mais
ou menos, preto, altura regular, clioio do corpo,
p-is apalhotados e feios, teiu urna pena mais curta
que a outra, tanto que pelo andar- se conhece, e
bastante ladino; Venceslao, idade 40 a 50 annos,
preto, com marcas de bexigas na cara, alto o cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaram
ron na do afgodao azul. Png.vse generosamente
qnem os appreheudor e leva-Ios ao referido en-
genho.
Caixeiro,
Doseja-s? um menino de 14 a 16 annos, de boa
conducta, para um estabelecimento de molhados
no (iqui : quem se achar nestas condiooes, diri
ja-se ra do Coronel Suassuna n. *149.
Ciralaiicte Portiignez l.'illl'
O expediente neste estabelecimento principia
segunda-feira 20 do crrente.
O secetario
Francisco Antonio Percira.
WiffliilWr?B -SBrB cftftMBwa tafia
PENHORES
Natravessa dama
dasCmzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de oro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
(3ompanhia
SANTA THEREZA
EMISSO DE ACgOES.
De ordem da directora se faz constar que
at o dia 31 do corrente acha-se aberta a as-
signatura para a emissio de 1,000 acones de
5075 cada urna, parte do augmento do capip
tal atorisado por decreto n. 5,149 de 2
de novembro ultimo.
Aspcssoas que desojaren, tomar- aceces
podetn entender-se com o abaixo assignado,
ou com os Srs. directores'baro da Solda-
rle, fraticisc6 ir. Netfoii Jaquim Redrigu^s
Tavares de Mello. :
Recife, 15 de Janeiro de 1873.
0 gerente^
Justino J. de Sn-Campos. :,
T
SITIO.
Para tratar d< um pequeo sitio e mais Algum
ervlco, preeisa-se de um bomem que seja tl-
vo e cuidadoso : no caes do Apollo o. A.'
Precisa--e de um caixeiro com pratica de
taverna e que d conhecimento (te sua conducto:
na ra Velna de Santa Rita n. 50.
Instruc O professor da 5." cadeira da freguezia da Boa-
Vista, cuja sede ra dofoad B4 Boa- vista
n. 23, faz publico, que esta escola se acha aber-
ta e funecionando desde o dia 7 do corrente, co-
mo manda a lei.
Boa-Vista, 17 de Janeiro di
Antonio Basilio Terreira Barros
asiuo Terrein
C ui luuiiaa mrg Preeisa-se de urna ama idpsa que tenha bons
costumes rara andar, f oui jjima meajna de, lOjne-
zes, e tamberrf'(fe fr riado de T a li annos,
forro ou oseravo : a tratar na Passagem da Mag-
dalena, bulequim do Beato nJ7. > t\r.
Sev.
rerino.
Anda fgido, dcade o dia"6 do corrate, o es
cravo Severino, pardo escuro, d altura regu-
lar, de 13 annos, pone a barba, ps chatos e maos
grandes, tendo em ambo9 os jarretes urna marca
foveira de queimadura, eneurca-se" de forro e an-
da calcado, veste, ora paletot saced ora losto,
ambos de panno : quem o apprehender sera gC^
* ''iiiraiSn(*0"0 a rua ^n
nerosainonte recoaapensado,
Mrquez de Hertal "p.^ 4 *
Precisarse d nin eaixs
aKMpjDira casa de pur-
gar de um ongenho tres tfgas olstante da via-
ferrea, sendo casado, e com preferencia se enten-
der de destilacao : a entender-se eom o Dr.
Christovao Xavier Lopes, en com o Sr. Bernardi-
no Pentual. / MI '
inga ae escravos.
"Evadiram-se no dia 20 do corrente, do engenho
Bento-velho, da freguezia de Santo Antao, os es-
cravos segu ules : E equiel, pardo, Jos, preto,
dio, preto, Jorgo, cabra, Martinho, acabocudo e
SaWbo, mulato, todos imberbes, a excepcSio do
fofie, qne tem pooca barba, representando terem
de 16 a 24 amo de idade. Os cinco prmeiros
escravos feram comprades em dezembro prximo
puado ao major Jeronymo Theotonio da Silva
Lonrei o, professor em Paje de Flores, sendo
Ezequiel e Jos de sua poase, Jorge e Martinho
por procuraclo do Dr. Levino Lopes de Barros,
morador em Cabrob, Roe por procurac3o do
Sr. Antonio Lete da Silva, morador em Caruar.
.abino fui comprado ao Sr. Tbomat de Car val lio
Soores Braodao, morador nesta cidade. Rogamos
a todas as antoridtdes da capital e do centro da
provincia, onde apparecersm ditos estratos, se
dignem segura-los, te prometteinos boa reeompen-
sa a qnem os caplorar e levA-k ao referido en-
genho, ou der deles noticia.
Predsa-se alngar urna esorava quitandeira:
na rua da Falma n Vi
[/
Na rua eWrita do Rosario, sobrado n. 35,
fornece-se comedorias para fra ; algumas pes-
Mm jMiiiu ^pgWB>n
suas casas, e as boraa que iktermmarem, serio
bom servidos, poii tudo le fui ftan asseio e com
modos presos. )lrt ,?Il______________
GM DO ORO
Rua eto Iktro toYict9rt*\'*t*r'9++*\ro
' tf abaixo assignado jficJba }e vlider nos seus
muito-fsUAW MllttW''rle de
o:00U10U0 em dous meios de n. 1894 e dous
meios de n. 2205 com a sorte de 800i, alem do
outras sortes menores de iO000_e 20*000 da
Ioteria ue se Ac
aoi possu dores i
mente serao pagos:
O meyao abaixo ,as^
el pulilk-i
fryfsa-se ahtgar ama ama, forra o cap-
tiva, que jaiba cozinbat; o diatiu, de urna
tasa d poquepa familia. I'rata-se na rua
do Capibaribe n. 40. '
Msica
Vocal e instrumental.
Manoel Augusto de Menezes Costa, tendo-se des-
pedido de proessor da cadeira de musir do ar-
senal de guerra, propoe-se a tomar alumnos de
ambos os sexos para leccionar, tanto em sua cAsa
como as em que for convidado. Tambem se cn-
carrega de lecekmar e ensalar a bandas de musi-
eas militares, ou de alguma sociedade parlicnlar,
tendo a seu favor a tonga pra'iea de 26 annos de
ensino, que mes tem conferido i-s meios mais con-
ducentes para o rpido adiantanicnto de seus dis-
cpulos, como bem patente ao pnbllcn qnem se
quizer utilisar de seu prasthno, pode dirigir-se
rua Angosta n. 187, 3" andar. ___
A mesa regedora da veneravel irinandade
das almas, erecta na matriz da freguezia de Santo
Antonio, em ctimpritnento do art. o de seu com-
promisso, convida todos os sea iruiaos a com-
parecerem no dia 24 do corrente, pelas 5 horas
da tarde no consistorio da referida irmandade,
nio s para dar ciencia da pena de interdiecao
que foi laucada a irmandade por seirtenca de' S.
xc. Bvma. o Sr. bispo diocesano, como tambem
deliberou o que for a bem da mesma.
Consistorio da veneravel irmandade das Almas,
erecta na matriz de Santo Antonio, 21 de Janeiro
de 1873.
0 escrivio.
Tiburtino Mondim Pestaa.
nvida
mpta-
ida ao resoeita-
"ccimcnU con-
que nao 'deixar
prova polos mes-
vel pbko para, vil- Af seu es,
prar'os muito fellzes bilhetes,
de tirar qualquer premio, como
mos annuncios. a*^11 t)
Acham-se venda os'fuuilQ7eJ/es bilhetes ga-
rantidos da 6* parte das lotcrjas a beneficio da
igreja matriz da Escada, qu se extrabir no
dia 30 do corrate mer.
trffpm
Inlpiro'
Veo
Ausentou-serH
0 escravo Pedro, de 15 annos de idade
mais ou menos, com os signaes seguintes :
cor parda, cabellos corridos, alguns signaes
de bexigas, Ievou vestido camisa de chita,
calca de casemira: roga-se as autoridades
policiaes e aos Srs. capiULes de camp de o
prendereni e lev-lo casa de seu senhor na
rua da imperatriz n. 4 i. andar, ou na
rua da Madre do Dous n. 5 1. andar. .
MOMA
Est encoura^ado!!!
;. Rega-se ao lllm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir rua Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometieu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezombro de 1871, o depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
fin, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anuos, c quando o Sr. seu lilho se
achava nesta cidade.
Avisa-se
a quem der noticia da escrava Guhormina, que
foi do tonente-ooronol Feliciano Joaquim dos San-
tos, e depois comprada ao Bario de N'a>areth, re-
iresenta tea' 25 annos, tem falta de dentes na
rente e as maos com cicah-izes de queimadura de
gaz, soeea do corno, muito regrista, que desappa-
receu da casa de sobrado n. 26 da rua dos Coe-
lhs, que ser generosamente recompensado.
O abaixo assignado avisa ao corpo do com
mercio, que nesta data tem comprado aos Srs.
Gomes de Mallos Irmos, a loja de joias sita a
rua do Cubug n. 4, sob o titulo de Muzeu de
joias, livre e desembaraeada de qualquer auna ;
o que avisa para os devidos fins.
Recife, 14 de Janeiro de 1873.
Joseph Krause & C.
Precisa-se
de' dous serventes para um hotel, prefere-sc es
cravos : na rua das Larangeiras n. 4: tratar
no mesmo.
y liar tu
Inli iro
Meio
Quarto
6*000
31000
1*300,
par mi.
3*900
2*750
1*375
Recife, 22 de Janeiro de 1871.
Jos Jom/unn da Costa lAite.
Almas1 da Boa-Vista.
Por delibqrarao da mesa xegedora, a reqjueri-
mento do nosso irmo Domingos da Silva Fer-
reira Jnior, convido a todos os nossos charis-
simos irmaos, para sexta-feira 24 do crtente,
as 6 tiaras da tarde se reunircm no nosso con-
sistorio em mesa geral, para dicidirem, se; es-
tando a irmandade interdicta, pode o nosso ir-
mo capello continuar a exercer dito emprego.
Consistorio em mesa regedora da irmandade
das Almas, erecta na malria da Boa-Vista, 20 de
Janeiro de 1873.
O escrlvao,
! Francisco das Cnagas Perelra.
150^000.
No engenho Massuas.', fregnetia da Escada, f
dar de gratificscio a qoaoti aeima a qnem ap
!>rehtnder tres cavallos que naquella engeohi
loram loriados oa noute do dia 29 para 30 de no-
vecibro prximo pastado : o 1* Uro 9 annos, f
easlanbo e castrado, tem a orelba direita bisuote
lascada, orna estrella oa testa, e no qaarto etqaer
do tem orna cruz; o 9a ruco, eom piolas ver-
melbas nos qaartos, grande, gordo, eom o pes-
coco tino, easirado, tem os qnadris feridos da
caogalha. ferrado eom a marcaI. R.do lado
direite, e tem a idade de 9 sonos ; o 3" rodado
sanhassii claro, corto e grosso, om aonco eambitc.
; ci.irado, peqneno, e esta ferrado toma marca
-0do quarto direito : grafitlca-se eom 504000
por cada am em presenca da postea, em cajo po
3er for-encontrado qoalqaer dot ditos avallo*.
Ao publico.
Quem lea o roeu annuncio publicado nos Dia-
rios de 11 a 14 de dcaembro da anno prximo
passado, o 1er o contraprolesto annuncio onpoe agora a Sra. Henriett Martins,
ver que ella longe de destruir o que alleguei
em dito annuncio, mais forca Ihe d, p is confes-
sa screm meus o terreno a casa da porta d'a-
gua, que me deve nimios annos de renda d
incsuio terreno, finalmente que existiam ainda
oxittem em juizo, accoes para dosapropriar as
beinfeitorias existentes no terreno. .___
.Nao exacto ser forelro o terreno em qoestao,
porque antes de pertencer-me por compra que
tiz aos berdeiros da administradora do vinculo
do Montciro, fazia parte do dito vinculo, c o seu
administrador nao poda aforar. .
As rendas nao recebi nem fui intimado para
ver rocolhe las ao deposito : alm de que, a ren-
da que a Sra Henriett tem de pagar-me de
230*000 por anno, e nao de 640 como erra-
damente allega em seu contraproteslo.
Nao sei qual a lei que me obrigne a vender o
meu terreno contra miuha vontade por existi-
rem nellc bemfeitorias de outrem, quando a > con-
trario sao as bemfeitorias que esto sugeilas ao
solo.
. Admira-me a'facilidadc com que a Sra Hen-
riett, declarando ser o terreno meu, expoe-no
venda como seu.
Ser sectaria do commuuismo ?
Contiiiriu a oppor-me a tal venda, e protesto
haver da Sra. Henriett, ou de quem quer que
comprar tes beinfeitorias e terreno, nao s as
rendas vencidas e por vencer ao preco de 250$
por anuo, como est declarado na accao propos-
ta, sono tambem todo e qualquer prejuizo que
me possa resultar da mesma venda,
Syphronio Olymnio de Queiroga.
Cozinheiro.
Precisa-se de um co inheiro : na rua do Co-
do niz n. 1, casa terrea.
Hotel da Independencia,
rua do Imperador n. 32, precisa-se de um copeiro
page a-se bem.
JOO MOREIRA DA SILVA BRAGA .
tem urna carta na loja da rua da Imperatriz,
n. 56.
INDEMNISADDBA
A direccao da corapanhia Indemnisadora
convida o Srs. accionistas a se reunirem em as-
amblea geral no tecriptriA da companhia ao
naeio-dia de 27 do torrente, aBm de screm pres-
tabas as contas das operacOes relativas ao ajmo
priximamente findo, e proceder-se eleico dos
raspACtivo funecionaries. ,
Reeif 23 de Janeiro de 1873., .
Osdfewtores
.,, ., JoaodaSUvalaaadas. j^
i AfltJBW Jos Leal Rek
'fWaeisco Ferreira Baar, .;
Criad*.
Para erTictr d asa e de Algum' mandado pre>
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas MechanicOs e Libe-
beraes.
Por ordem do Sr. director interino do lyeeu
desta sociedade, seientilico aos artistas em geral,
que desde o dia 15 do corrente se acham aber-
tas as matriculas de todas as aulas do mesmo
Iveeo, para estes, seus fllhos, parentes e aggre-
g'ados ; e para esse fkn devem se "dirigir a se-
cretaria do estabelecimento rua da Imperatriz
n. 17, 1.* andar, nos dias uteis das 6 1|2 as 8
horas Recife, 20 de Janeiro de 1873.
O secretario,
P. Paulo dos Santos.
<> Precisa-se de batedores de assuca- para a
relinacao do largo do Arsenal n. 8.
No da 22 do crreme, no armaren de'mo
Ihados pertcncente Barbosa Cordeiro 4 C,
roa d S: Francisco n. 70, entraram dous indivi-
duos, sendo um branco e outro pardo, mandaram
botar 1|2 garrafa de violto e mais charutos, estan-
do um dos socios no baloao exigindo a paga, so-
freu em resposta grandes insultos nesse momen-
to tinha saltado da machamboiuba o 2 sargento
do corpo de polica, Jos da Silva Guimaraes, e
vendo isto, mais que de pressa foi ao quartel e
veio com urna praca em soccorro do estabeleci-
mento publico, entao fez pagar e o socego foi res-
tabelecido'; o iadividuo branco eslava com urna
lima de ferro no balso do paletoteestava mostra,
e o outro -palpando tambem Irro que trazia.
Gracas ao r sannto qua *out cumprir, como
policia, os seus dBveres
gaciednde Recreativa Juven-
i De ordem c present destt sociedade sao
convidados os senhores assbciados reunirem-se
dh mmo extraordinaria de assembla geral, do-
mgo 26 do conrate As 7 Ijl Aars da manha,
alm de resolverem sobre urna peticao do Club
dbe Aucrim.
SecrfetxriA da sociedade Recreativa Jnvenlude,
Mtejaieiro de W73. x
s 7- Balrn Rodnguw,
* seretArio
Criado.
No collegio de Santa Genoveva, rua do Hos-
picio n. 65, precisa-se de um criado que seja liyre
ou escravo.

ADVOCADO
IS. FMCISC JSTAn
SALS.
Rl'A DUQUE DF. CAMAS N. 37.
AMA
andar.___________
gommar : i
dar.
Precisa-se de nma ama para eom-
prar e cosinhar para casa de peque-
a familia, preferindo-se escrava A
rua estreitt do Rosario ., !
. Pieciaa-te de orna ama pa-
|\ ra casa dt familia da dnas
Vav pestois para cozinhar as-
tratar da roa Direita n. 28, t* ta-
>| a Precita-** da orna amaqoa ia*-
imlTJLm. bem coziobar (forra oa eierava,)
paga-te bem : a roa Nova, toja o. 11_________
Precisa-se de tuna ou duas amas de lei la :
na rua da Imperatriz a. 84.____________
No largo do Paraso n. 28, pre-
cisa-se de urna ama para en-
gommar e preparar sallas.
A\f A Precisa-se de urna : na rua da S-
-1XT1-V Bom Josus das Crcoojas n. 38, sobra-
do, entrada, pela rua do Cal abo neo.
AMAS
mado n. 70.
Precisa-se de urna para cozh har
o outra para eag> minar : tratar
na rua do Hospicio n. 46, ou Quei-
Preeisa-se de urna ama para
cuidar de duas meninas, e para
ontros servioo domestica! : a
tratar Ba ra d Mondego <4.
Com
Brincia.
Precisa-se de urna ama itlosa que saiba cozi-
nhar para rasa de pouca familia : a tratar na l'a--
sagem da Magdalena, botequim do Sr. Boato a. 87.
Escrava fgida
Continua ausen'e desde Q dia II de dezotabro de
1872 a escrava Manuella, aegra, de idade de 45
annos, estatura baixa, com urna orelba radiada,
pelo que nao pode pendurar brincos, falla de den-
les na frente, ps gro.-aos o c,ou* signaes de cravos
as pontas dos dedos;. Ievou vestido de chita cs-
ura o chale de la com riscas de cor; foi com-
prada a alguns n ezes ao Sr. Francisco Jos Go?
mes, desta cidade : quem a capturar queira le-
va-la rua da Cadeia u. 6, ou na Capunga, rua
da Ventura n. 10, qu se gratiflear.
Jardineiio

Precisa-se de um jardinero de idade, que tenha
bom comportamento para trabalhar em mn peque-
no jarditn. e que se sujeite tambem carregar co-
medorias da rua Imperial rua Direita n. 104.
Aluga-se o primeiro andar e solio do so-
brado a 25 da rua de Santa Rita, estando elle
em bom estado : tratar na rua Duque de Caxias
n. 44. ___________________- ________
Os abaixo assignados fazem ver ao respeita-
vel publico, que desta dala em diante deixoa de
ser seu caixeiro de eobranca o Sr^ Francisco Lo-
pes Machado, Picando sem effeito nao s a procu-
racao que o mesmo senhor tem em seu poder,
como tambem qualquer recibo que elle possa pas-
sar em contas ou qualquer docunnHito que disser
respeito a seus negocios.
fflfeelra
& Irma?.
Pergunta-se
ao Sr. Eduardo e mais mentiros da S. N.!"..., qual
o motivo do ser suspenso o socio M, sem que in-
flingisse artigo algum dos nossos reformados es-
tatutos, e nao soffrer a mesma peua o famoso so-
cio Z da F...ca, que pelas suas conhecidas faqa-
nhas so merece ser expulso desta s.ciedade a pun-
ta ps ? Isto deseja saber o
Judas Dionizi.
i | i Precisa-se de nina ama para
I' M '! comprar e ehzlAbar: rua do
t\ JJL J\ Vi
Aragao n, 37
Viscondc de Pedias, antiga do
A;v
Para rasa de duas pessoas le ft
milia, piecisa-sc de urna ama para
rozinhar e engommar : a tratar m>
Passelo Publico n.la, loja.________
Precisa-se de urna ama de leite nu seja li-
vre e sem lillio : a U*tar na rua de S. orge, ou-
tr'ora do Pilar casa o. 40.
X Af A Preeisa-sc de nma ama para homem
2. andar_________'
Precisa-e de irnta Jtna para casa do lana-
lia, preferindo-se escrava; ha rua Direita n. 86,
loja de niiudezas.______ r
Ama de leite.
Precira-se de urna ama de reito : i rua dflfe
que de Taxias n.-64. 2* andar.
^ -..i ,, .i.i i t'
\ mi Precisa-sc de urna ama que saibaa-
^ f zinhar : a tratar na praca da Indepen-
dencia n. 39.
\rn Precisa-se de urna ama, forra ou es-
\lud> crava que se preste a todo servico ;
agradando paga-sc bem, casa de pouca familia
rua de S, Francisco n. 54.________________^^
Precisa-so de urna ama para o ser-
vico interno de casa de urna poquer.a
familia, rua Duque de Caxias n. 34.
AMA
Collegio Aseare film.
Mara Felismina Pinto, devidamente habi-
litada pela directora da i.usruct;o publica,
ha montado na freguezia da Boa-Vista, rua
Imperatriz n. 37, um collegio sob a deno-
minaejioaeAscensao do Mara,tendo por
lim dar as meninas a mais apurada educando,
quer pela instruccao moral e religiosa, quer
pela instruccao litteraria o scicnttCea, oceu-
pando-sc no que fr relativo a foYmar urna
boa mi de familia.
CAZA DA FORTOA
RUA f. DE M.VUCO OUTR'OhA r.."i CRESPO N. 23
ik *>!''OiO A(> Av.vtrrjp'UV.
0 abaixo assignado tem sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptament, como costuma, -.: 4:000j.
Inteiro....."... 21/000
Meio ........ iOuO
Quarto....... 6*000
Mauool Mav:ins Fiuza.
H. (1. Swift retira-so para a provincia da
Bahia.
Fugio o cscra\o, criouio, de nomo Doniin
gos, propriedade de Bartholcraeu Lourenco, tem
os signaes seguintes : bem preto, altura regular,
sem barba, eabeca pequea, orelhas pequeas,
olhos grandes, e visla espantada, gingador, como
quem joga capueira c nariz grande '. rog.vse a
quem o pegar leva-lo a easa de seu senhor na
rua do Sebo n. 43', ou no seu escriplorio. na
rua da Madre de Dcus n. 2, que gratificar ge-
nerosamente
. Py.
Aluga-so una escrava de SO annos para to-
do servico de casa : na rua de 8. Jurge n. 74.
i -. '. 1 -- -- -j^i^j
Joaquim Pereu a uoe Santos, agra-
dece do intimo d alma a todas as
pessoas que se dignaram acompa-
nhar ao cemiterio publico os restos
mortaes de sua mui pregada e sem-
pre lembrad esposa, Marcelina de
Oliveira Santos, c de novo roga-lhes o obsequio de
assistirem a missaque por alma da mesma finada
se ha de celebrar na igreja do Canno, s 8 horas
da manhaa do dia 27 do corrente.
Ladislu Tolentino Cavalcan-
te de Albuquerqe.
D. Ignez Lyra de Albuquerqe
agradece do intimo d'alma a todas
as pessoas que se dignaram a acom-
panhar os restos mortaes de sen
muito pregado e chorado esposo ao
cemiterio, e de novo roga nao s
a estas mesmas pessoas, como aos
e amigos do mesmo finado, para ouvi-
missa que pelo repuso eterno de sua
alma manda celebrar no dia 27 do corrente as 7.
horas da manha, na capella do hospital poitugnez.
parentes
rem urna
T^recsa se alugar urna preta~para vender
bollo : tratar no pateo do Carmon 37.
Escravo fgido.
Contina fgido o escravo Lniz. que tem os se-
guintes signaes : 22 annos de idade, pouco mais
ou menos, estatura regular, pardo, barbado, ca-
bellos carapinhos, rosto redondo, tem umaper-
na inchada e llevou roupa embareadico.
Presume-se que esteja no engenho Sant'Anna, em
Santo Amaro de Jaboatio, onde tem parentes. Pe-
de-so a todas as autoridades policiaes o capifaes
de campo, que o apprehendara e o condusam
rua do Baro do Triumpho, antiga do Brnm, ns.
92 e 94, que serao generosamenia gratifleados.
Sitio para alugar
Ainda aluga-sc o sitio do fallecido Rios, no prin-
cipi* da estrada do Hospital portuguoz n. .i, onde
sempre param os brmdt, cora rauitos arvorados de
fructos, baixa para plantacSe, viveiro de pe*, a
asa de azulejo com bastante commedos rara gran-
de familia; os pretandeate* dirijam-sa ao raasmo
sitio para ver, e tratar, na roa de Saala TMreaa
n.50j__________________ > t
Precisa-sc de um menino de 12 a 14 annos
de idade, para caixeiro de (Averna, com pratica'
ou em el! : na rua dat NytepaAtmx. #
Precisa-se de urna ama
para casa de urna familia.
que saiba engomxar e co-
zinhar : tratar na praca
do Corpo Santo n. 17, pri-
meiro andar.
Vina Precisa-se alugar urna escrava para
JitOl servico interno e externo de casa de pou-
ca familia: tratar na rua de Mariz e Barros n.
ll.armazem de gneros.____________________
* -_ mr l Na rua da Cruz n. 9, se-
/L II /% gundo andar precisa-se de
.m.l.YJI.xm- una ama para comprar c co-
zinhar.
">\
m
' '-i' 'i4^j.__.i'^'i^T!
i QABI1ETE
Vledico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. 73,1 ANDAR
0 DR. NUNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e opersc/ies de olbos. -
Cora radical e iusiaulanea de
estreitamentos da nretra.
Consonas : Das 7 s 10 boras
da marti.
i^ Chamados : A qualquer hora.
felpgi fi^fii ULLJ S^
Collegio S. Sebastio, rua do
Brum n. 73.
Manuel la Augusta de Mendonca Mello Reg
autorizada pela directora da instruccio publica,
tem a distincta honra de conimunicar ao respeita-
vel publico que tem aberto na rua do Brnm n. 73
o collegio de S. Sebastio, destinado educacao de
meninas ; sendo as materias do mesmo as seguin-
tes : primeiras lettraa, grammalica porlugueza
rom o seu dcsenvolvimento, leilura dos evangelhos
c nocoes geraes de arirhmetiea desenvolvida, fran-
cez, "inglez, desenho, msica applicada mano ;
igualmente ensina-se tambem todos os trabalhos
de costuras c bordados, inclusive o bordado a
ouro e flores. A directora alem do esforco que
emprega por si, v auxiliada por professora e pro-
fessores para isso contratados, garantindo*se, to
davia, cnidado e zoilo pelas alumnas que lhe fo-
rem confiadas.
Francisco Xavier Carneiro da Cunha, mora
dor no engenho S. And f.eguca de Muribca,
declara que desta dala em diante inudou seu no-
me para Francisco Car eiro.Rodrigu s Campea,
por encontrar (Mitro com i orne Igual.
Muribeca, 21 de Janeiro de 1873.
.Nao se tendo rcalisado no dia 12 do cor-
rente a reunan-geral dos oonsenheres da proprie-
dade Apipucos por falta de numero, de novo
convoco os mesmos senhores para se reunirem
no dia 2G deste mez i cas 10 horas da manha fia
capella da propriedade, para deliberar a respei-
to dos assamptos indicados no relatorio ; a sa-
ber : approvacao das contas da administrac-o,
das despe as da .capella, da arremata ,ao das ma-
tas, do ordenado do eseripturario, e autorisar
a administracao para tratar das questoes re tiv.s
a proprie ade, e para nnmear urna conuntfsao
para rever e equiparar as rendas dos terrenos
que oecupam diverso con-enhores
Esta reuniao so effectuar com o numero '
con enhonis que comperecerem e s podera d-
liberar sobre o ohjecto para que convocada na
conformidad do art. 18 dos estatuios.
Administracao da pn priedade eommum Apipu-
cos, 20 de Janeiro de 1871.
* Jos* Camello do Reg Barros
O abano assignado declara ao pubaioo e es-
pecalmenkt ao corpo do commercio deata praca,
que dissolveu amigavelmente a sociedade que ti-
nha e que gyrava sobre- afirma de Colla & Maa-
teiro, retirando-se o socio Monteiro pago e satis-
leito, e ficando a cargo do socio Costa todo o ac-
tivo e passivo da mesma sociedade. Recito 22 k
Janeiro de 1873.
Antonio Ferreira da Costa-
Hotel chinea
Prcciaa-se de um criado para servio de rua no
mesmo hotel : a tratar na rna larga do Rosarte
Botica Populajr.,
Precisa-se de um offlcial com baetaetA praea
do ptarmacia, e capaz; J)a-se l:MM000.4*
ordenado annual.
+
Escrava
PraiEa.se de nma osema para wio*^'
> Bi^lo Vfsc(mderdeGoyAima*lM
r mutiuh v
f
-

I
'

*MM


ftiarjq df Pe*namhuco ,-rj- Sexta feka 24 de Janeiroi.de 1873. .
5
val << rio
MMJV.
13 ni- ftlasiblul < ti
IUWMMA
E MSICAS
aona. o publico {yy
Pianos, mu
>M -A vMM
Acaba de abrir
botica Miunr, un grao
IHO JOS E AZEVEDO
rii n. II, armaseii e 12 1. andar, antiga na
WSCSCa J_ftIE&3B T1#
a \sempre o maior e mais esplendido sortimento dep+uo* de
ustrumentos da msicas para banda militar
e orchestra. f- j j ] ft (J
,. h
nb |obra. lleafroMa
mio onde estafe expostos os mtgaiflcce
U armario, de Moyat,
iU mala canda, do nesmo autor.
O I.
_1

nico agente Ma cdaea, oa celebras afamados
PIANOS DE AUCHER FRRES

onre prafa.
perfeitaomte afina*
Ci ^1 .J I \jt V L
Tambera re ce be a pande sortimento de mosieaa pira pisao, piano
dato e anlre ellas aa lindas composices do mallo aympatbico maaairo
F. SAWHMI
A SABER
Voc me quer Walsa.
oflca.
ai, ,tio.'^
remitios ato diversas eipo*i;5e* om H _*dalhas de
Ib i onieoa pianos que aqii vea da Earopa,
dos, laKoa com etegaa-n a soMdw.
niara a aanaaalar todas aa pablieacoes qoe aa forem friendo naa sum offlcinaa.de msica.
Olga Han
La Separacioni Para canto.
'A Lu elctrica, grande Walsa.
Frasco Brasikiro Polka,
Tomada de Valida Galope.
Joaoioha Walsa.
ALibertadora Polka.
A Primeira espada W'al.-a.
AMinhaLyr Walsa.
Natalicia Polka
Siodiente Po'ka.
t klmai pnblle?e
Peitaa M eel_ao de nrasicas |
!>s da aoawmciaBia.
Emilia, polka por I. Smolls.
Cireaciana, asaetea, por SmeMc.
Jardn) do Campo das Priceas,
quadrilha, por J. Podo*.
Chuta de Roa, Walsa, pt* H. Al-
bertaaat.



AVISAM

aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
ABE A PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois qu os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON ft C.
FNDIQO DO BOWMAN
RA DO BRU1B N. 52
(Passando o chafariz)
Os propriotarios tiesta undioao recommendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 aanos, a casa lhes tem fornecido.
Possuem serapre um avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de laraanho, proprios para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
e algodo; entre os < uaes algumas novidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Vendim a prazoou a dinheiro com descontla vontade do comprador.
CAUTELLA

das
Avisan ao publieo que diversas ericommendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
pelo que, rogara a exigencia da conta impressa, para prova da procedencia do que
se lhes forneoe. i
Outro sim, queporahi andam especuladores (alguns empregados e obras em concertos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engenho
contra os tties, lembrindo-lhes, pensem se sem inleresse aquella industria: e quem paga
s peitas redebidas pelos ditos inculcadores.


C01MISS0ES
Fazem encomraeiida vontade do pedinte, mediante urna commissao. de quolquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitado e costu-
me no negocio, tanto em respetto ao proc/) como a qualidade, assi'ra como todo o auxilio
em nlontar etrabalhar com o machinismo vindo. r*
HERDEIROS BOWMAN
por Albert B. Ohewy, Engenheiro.
RA DOBRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
%
Escravo fgido
ISOHOOO de -ralilicacaii.
Ausentou-se desde o dia i3 de maio de 1872,
o preta de nome Alfredo, de trnta e tantos aanos,
crilo, e bastante ladino; este preto perfeito
cozinbeiro, estatura alia, magro, olhos grandes,
j esleve no engenho do Sr. Lulii de Caiar, em
S. Lourenco da Matta, onde consta ter prenles,
foi escravo dos Srs. Adriano & Castro, c do Sr,
Jos Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta
praca; de todos estes Srs. foi cozinheiro, teta sido
visto por pessoas que o conhecem, dizendo que
est forro, assim tem podido escapar de ser preso.
Pedc-se todas as autoridades e capitaes
de campo que o pegando leve-o a ra do Duque
de Caxias n. 91, ioja de raiudezaa do Rival sem
Segundo, que reeeber a grauQeaco cima de-
clarada.
Aviso,
200#00adegmtifica^ao.
No rnez de outnbro do auno prximo passado
fugio do engenho Ajndant' da freguezia da Esca-
da, o escravo de nome Guilhrme, o qual tem os
signaes seguimvs: 23 annos d idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris um poueo arguiado,
cabello crespo, altura e eorpo regulares,pea com-
pridos e seceos, com abrumas marcas de ferida
pelas costas: levou corosigo um cavallo castanho-
rosilho, tendo no lado duireito esta marcaE.
Desconiia-se que tenha seguido para a cidade da
Parahyba. Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo a captura do referido escravo,
que poder ser entregue no dito engenho ao seu
senhor, Emilio Percira de Araujo, ou nesta pra-
ca, ao respectivo correspondente Firmmo Correa
Pessa de Mello, ra do Apollo n. 5%, -
1004000
Fagio do engenho Ponul, em Serinbaem, no
dia 7 de mei prozimo passado,o mulato Siman,
com os aignaes sigaiotes:. (slaUra regalar,
corpo aeeeo, cor. alaranjada, barba (errada, ca
bellos earapinhos e falla sescancaaa. Qoe o
pegar lave o ao sao senhor o leoeute-eorosel Vi-
centa Mendes Waoderlaj, no dito engenho, oo d
Recife ao Sr.Bernardino Se Sena Poaiaal, oa roa aa
Madre de Deas n. 36, qne recabar a fr*Hoe*v*'
a 1004._______________ ,
Treciaa-se, alugar nara Aw^aompras na
ra, counhar e engommar p4rfaitanwate urna ama
forra e eacraya, para servico de peojaena^taani-
Catetego te iiowos medicamentos, to-'
nicos, estimulante e esbynacaesj
recenterente descobertos pelos
meJlbres pharmaceuticos e
chimicos/ da Europa
A SABER:
PREPARADOS DE AROUD.Vinho ferrugi-
noso de quina, tonteo estomacal, repa-
rador das fbrc>s dos convalescentes, as
febres typhoides, as perdas de sangue,
etc., etc.
Xarope concentrado, com bal-
samo de tola e todos principios nutriti-
vos soluveis do extracto de carne de Lie-,
big, medicamento mais poderoso para
os phtysicos, "as aflecc,des caUrrhaes,
etc., etc.
Xarope de casca de laranjas
amargas, com todos os principios nutri-
tivos soluveis do extracto de carne de
Liebig, o mais poderoso dos analpticos,
para as temperamentos delicados e ner-
vosos, estoma! por excellencia, etc., etc.
ANDURAi.Yinho ante-gotoso ante-rheu-
raatico, como grande especifico.
FAMERES.Xarope ante-nervoso e inalte-
ravl de bromreto de potassio, medica-
mento especia}; contra as affcges nervo-
sas e comulsiyas.
8HERRT-WNA.Viuho de quina, tnico
ante-febril de um gosto agradayel, supe-
rior ao Madeira, e Vermuth.
THOMMERET GELIZ.Granulos xaropes,
banhos suKo-acidos, para o tratamento
das molestias de peito, garganta e da
pelle, de ura grande proveito para os or-
gos respiratorios..
CHEVRIER..Vinho e elexir de Cocado, P-
rou, tnico de um gosto agradavel, esti-
mulante, nutritivo e estomacal; empre-
ado com grande vantagem as crianzas
debis, as mulheres chloroticas, ataca-
das de flores brancas, nos velbos racos
pela idade e pelas molestias, na aton iados
orgos digestivos, as gastrites, gastral-
gias, etc., etc.
CAJrU'ENTrER. Vinho ferruginoso de rhui-
barbo, tnico e purgativo agradayel sem
produzir cunstipa^es nem altcracoos no
estomaga. .,
8AV0RY E M0ORES-Emulso pahercati-
c, muito estomacal, com, grande pro-
veito no tratamento da phtysica, podendo
ser empregado com grande vajitagem,
quando o oleo de figado de bacalhdo nao
possa ser tolerado no estomago dos doen-
tes -, sendo o nico remedio qu com
eflicacia facilita a digest&o do oleo, fa-
zendo apparecer o appetite e o augmen-
to da nutricao, etc., etc.
CHAPiTREL.Confeitos de bromuretp de
potassio, grande especifico contra as a-
fec?6es nervosas, ataques hystericos, epi-
lepsia, tosse convulsa, coqueluche, in-
somnia, tristeza, derio e todos os iu-
commodos que tem por causa o erothis-
mo nervoso.
MENTEL.Granulos de sub-nitrato de Ris-
muth. Este medicamento d'uina gran-
de eflicacia costra as diarrhas, eholeri-
na, dysenteria gastralgia e nos .-asos'de
digestes difficieis e dolorosas.
L. BELF.Emulso vegetal de alcatrio.
Este medicamento administra-se de urna
< aneira commoda e precisa. O alcatrao
a mais perfeito estado de pureza,
.agem que nenhuma outra prepara-
ao de alcatrao possue.
DR. CROLA.Soluc,ao de pyrophosphato
de ferro e soda. Esta soluco cunsti-
tue um excallente reparador das toreas,
obra sempre as pessoas que tendem
para chlorose (corespaludas; anemia 1ra-
queza geral. Este praparado tem a van-
tagem de nao ter nenhum sabor.
GRIMAUD.Confeitos especficos, para cura
da incontinencia da urina, e os incoinino-
dos das senhoras chloroticas, etc., etc.
CHAMRARDCha tnico purgativo e depu-
rativo, possue um gosto saboroso e um
aroma suavissimo, e as propriedades as
mais notaveis sobre os embaraces do es-
tomago, dos intestinos e do figado, o
desobstruente por excellencia na cons-
tipado do ventre e nao tem resguardo
nenhum
LREUFCoaltar Saponine, emulso des-
infectante enrgico, cicatrizante das
chagas.
H FLONXarope unitivo e peitoral empre-
gado com vantagem na tosse frequonte,
catarrho chronico, coqueluche^ e etc.
etc.
MENTELGranulos de" phosphato de cal,
"icamento til as molestias dos os-
fracturas, diarrhas chronicas, diar
tes rachitismo, etc.
HOGGj Pululas de peprina aciduladas, erri-
pr^ga-se as affcges gastralgicas, e em
todos os casos em que a digestao difli-
cilou impossivel. Com irande vanta-
wn.
BLI IlEEN CExtracto hydroalcooli-
cm de conduraugo, medicamento muito
e&naulahte depurativo, emprega-se
contra a syphilis, scrofulas, rlieumati
mo, ulceras, etc. etc.
VAUQUELIN DESLAURIERSElixir de qui-
na e caf-tonino especial contra as fe-
bres nevralgicas, enxaqueca, empobreci-
mento de sangue, fraquesa geral, cores
1 palllidas etc etc.
DR. CROMIERPululas anti-nevralgica,
omprega-se com a maior efieacia em to-
das as affeceds nevralgicas, nos incom-
modosda menstruaco, facilitando ofluxo
sanguneo.
OteRlt-Gedado/iieo de figado dobacr
lhau aromatisado, com todos os pvinci-
{'ios activos do oleo de ligado ^e baca-
hau. Kstagtelanao irrita o estomago,
podendo os doentes usar delle. por moui-
to sem a menor repugnancia. E' um
t grande especifico para tosse, catarrho
consumpeb bronchial, tubercular, es-
crfula,'debilidade geral, etc. fetcj
JOHNSONEsseYia de salsaparrilha ver-
melha da Jamaica, empregada como o
nico depurativo iniynt'diato do san-
EUXIR ANTI-A^MMOSedativo P-
toral, appHcado com grande vantgm
no tratamento da asthraa, tosse convulsa,
defluxos catharrliaes e todas as molestias)
dos pulmoes.
OC (OHCal\('
ttrfo.
rclo|u. 5, I. aaailar
s paquetes sobro thancf)
to Minh, em Rraga, e sotre os agninlfs
lugares de PolJu^eft ^!
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Barcellos.
Reja. SJax, "M af>Bp SJ '
Chaves. Coimba (
Covilhi. Faro.
Guarda.
Guimaraes.
Lamgo. Lisboa. I .) Mirandella. *kJ
Monco.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos. .
Vianna do Castello.
Villa do Conde. Villa Nova de Famalico.

Villa Nova do Portimo.
\ illa Acal.
Vizeu.
Valenca. '
Figueira
AO ARM
no
VAPOR FRANCEZ
^RCA DO BAR.
ICTORIA
raN.
Perdeu-se entre a estarlo da estrada da
ferro de Oiiuda c a punte da Roa-Vists, urna car-
ta dirigida ao Sr. Frederick Joule 155 Fencharch
London : roga-se a quem tiver achado de a le-
var na ra da Aurora n. 87, que ser recompen-
sido
A quera convier
Precisarse.de um socio cora habiliacoes e al-
gum capital para urna casa de molhadus bem lo-
calisada. Carta nest typogranhia com a iniciaes
P,S. T.
Precisa- se de um caixclro que tenha pratfca
de esoriptorio e venda de assucar*: na ra do Im-
perador n. U
COMPRAS.
Compra-se nnia escrava preta que saiba co-
zinhar e engommar com perfeicao, agradando pa-
ga-se bem : na ra Direita n. 8.
Atten^o.
Compra-se urna escrava de 33 a 50 nmios, que
saiba cozinhar; na llicsouraria das loteras, ra
i. de Marco n. 6.
Compram-sc Diarios de Pcrnainbuco a 120
rs. a libra : na ra do Coronel Suassuna n. I.
No arrhazem de maleriaes da prara da Con-
cordia n. 1, compram-sc casas terrea^ mesmo
em mo estado, sitas na rua Imperial, ou om ou-
tro lugar que tenha porto de embarque.

_
VENDAS.



DO
Antonio Ferreira de Oliveira Maia tem para von-
der em seu estabelecimento rua da euzala-nova
n. 1, cbinellas para homens c senhoras, tamancos
e sapatos de tranca para os mesmos, borracha
para limas, tudo de superior qualidade a por pre-
go commodo poi- ter vindo de sua conta propria.
Diademas e aderemos de raa-
dreperola.
A loja da Aguia branca rua do Duque, de
Caxias n. 50, recebeu urna pequea porrao de
diademas e aderec/ de madreperola, obras -de
apurado gusto.___________________________
insignias iiiaroiiiras.
I Ainaral, Nabuco & C. venderu insignias naco-
nieas de diversos graos : no Razar victoria, roa
do Barao da Victoria n. 2.
lia, paca-se bem : na rua
asdar.
Aurora n. 39, y
Vendem-se
duas casas terreas por pre^o commodo, c alguns
bons terrenos plantados com caplm de planta,
tudo no Porto da Madeira em Beberibe : tratar
com Tasso Irraaos & C. _____________^__
Vende-se urna boa vaeca de leile. da pr-
nieira ba-riga : na ra do Cuto vello'iy 23.______
Vende-sc um lerreno no uaxanga, na entra-
da do Amboi confronte ao sitio de Tneoionio Jos
"e Mello, com 60 p.dmos de frente e 230 de fun-
do : a tratar no caes da alfandega u. i.________
Engenho Bora Nome, sito na
freguezia de Gamelleira, 2
leguas distante da estaco
do Ribeiro.
Vtjude'-se com 8 escravos, 10 bois de carroca, 2
anos forrados e i quartos por G0:000>00 i di-
nheiro com 30:0005 prazo ; ou alias di-se por
50:0OOJ vista. O dito engenho offereee a vanta-
gem de ser bora e moer com agua Est montado
com destillacao estufa, assentamento de relame,
casa de bagaco, 4 sitios de lavrador com casas de
telha; safrej dousmil pacs por anuo, como agora
se est safrejando c com pouca i'mva: quem o
pretender dirija-9e ao mesmo engenho, que l en-
contrar o dono.
Vende-se
Uuia boa casa terrea, chao proprio, senindo
para familia, sita na rua das Criqulas (Capunga.)
Vende-se tambem parte de urna outra casa ter-
rea em chao propno, sita na rua da ventura (Ca-
punga) : tratar na rua Primeiro de Marco n.
7 A, I.*.andar,______________
Preci8a-se de um feilor para tratars da um
pflmo si_o,e juntamente de urna ama para co% Boneguiaa. par senhora
raracoiohar : na raa 1, antiga rua de Hortaa.___________ .
A profeasora pabUca'da 1' cadeira da fre-
gue ia de Santo Antonio funeokma 2 andar "do
sobrado n. 43 da rua de toare!! Da. '
Xaope d'agrio do Para
Antigoe conecituado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios,
eomoaphtjsica, bronchites, asthma, etc.,
applicado ainda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara do Rar-
tholomeu & C, fu Larga do Rosario n. 34.
Libras st^rliaas.
Vanda-ae no armazam de fawndas de. Aogus'.a
f. de Oliveira _C,i rua it Ccmmerciu n. 41
Perrira da Cunha irmaos raa Mrquez de
Olinda n. 21, vendem o seguinte :
Vaquetas para carro o botas de viagem.
Marroques.
Cordavoes.
Oleados para forro de carro.
Potasas da Rossia.
Vlobo do Porto, fleo, em cai.as.
Rua larga do Rosario n. 22.
O Vianna tornou a arrematar mais pechiuclfrs
para vender barato.
Veja 111 :
Cortes de brkn branco trancado que
d urna calca _JoW>
Ditos de dito pardo trancado muito fino ho
Ditos de (tQ de.linho puro (cor do linho) 2*000
Cambraiaa 200
Chitas W0
Pegas do madapolao fino i000
Crotone para eoberta 36u
AUPO
PIAfOS.
.Vcabam de clu'gar indilo ffons ptam.s fortes e de
elegantes modelos, dos mais unta veis e bem co-
nhicdos fabricantes; (orno sejam : Alphense
Blondel, Ilenry Hers e Pleyel Wolff 4 C. : i*
vapor franrez, rua do Barao da Victoria, ju-
fr ora .Nova n. 7.
Calcado francez.
Biitiuas de luxo < pliaulazia, brancas pretas c de
d-Treutea.cocs, jauto para seulioras, como pa-
ra meninas.
Sapanh.is rom alto no rigor da moda, brancos
e de cres para senhoras.
Botinas de Melis, de Suscr e de Pelak, parabo-
mciis.
Zapatos de eordavo Mli para homens.
Botinas para menino de ifulquer uiiuIio.
Perneiras e mfta-|i*rtieira* fnf jnn homenx
coiihi para meninos.
Sapates de Suser para homens e mentoca.
Sn11. u de vcrnlz rom salto para homens.
Abotinados de murtas qualidadcs e precos para
meninos c meninas.
Sapatues d<- xeriiiz eom -jila de pao pruprios para
sitias, jardius c baiilj>>. .-.,i tiinento pura liuucns
e senhocas.
s.ipatos de taiiete. ea^emira, charkrt avelludadn,
de tranca portuguez e francez.
No armazeui do vapor francez, a rua do Bario da
Victoria, oulr'ora Nova n..7.
Perfuraarias.
Finos extracta, bandas. m|M| pista e pes aen-
trUiee, agiut d<- II i de latanja, agua do toik-
te, djviua, llrala, lavando, pos de arruz, sabo-
nctes, cosmticos, nlui^ls artigos delicados coi
perfumara para presenta com frascos de ex-
traclos, caxinhas surtidas o naiTafas de diffe-
rentes tamanhos d'agna ile ririogRC; indo de pri-
meira qu .lidade dos b>'iii conhidus fabrican-
tes Piver e (Vmdray,
No armazeni do vapor fi-nnc-i, rua do Raro da
Vietoria, oulr'rtra Nova n. 7.
Mascaras para o carnaval. .
O mais importante sortimenfo que tero vindo de
mascaras de ntassa, de anme e de seda, nariz
com ueulos. barbas etc.. precos muito bara-
tos Unto un grosso com i a relamo.
Ne aruiazem do va pe' fran vz, rua do Baro da
Vietoria, ouU''oia Nova n. 7.
Para viagens.
Muito boas malas e bolsas para, viagens de mar e
de caminlios de forro.
Estojos de viagens com os perteAees necessarios
para barba.
No armazem do vapor francez, rua (do Barao
da Victoria, outi ora Nova n. 7.
Botas de montara.
Novo sortimento de botos Napoleao e a Guilher-
me, perneiras e metas perneiras para homens,
e mejs peraoiraa paro aieaimie.
No armazem do vapor tcanee', rua de Baro
da Vietoria outr'ora .N'ova B. 7. .
Mobilias de vimes.
Cadeiras de balance, de braco, de guarnieres, so-
fs, jardineiras, mesas, conversad! iras e costu-
ren-as, tudo isto muito bom por serem' forte e
leves, e os maie proprio? movis para saletas e
gabinetes de recreios.
No armazem do vapop francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
li'ligos tic tliiTrreittte gobios e
plmtitaziaN.
Bspelbos ddurados para >alas 0 gabinetes.
Loquea para senhoras e par.; meante.
I.uv.is de Joavin. de to da Bseoeia e de .'amurca.
Caixinhaa de costara ornadas eom mostea,
Albnns e qaadrinboa para retratos.
Caixhihas com dro le augmenta! retratos.
Diversas ulnas de ouro boin de l;i garantido. >
CiMieutes de plaqu muito benitas para Hdotjios.
Brincos milacao e botoes do hu'ios de plaqu.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo de coari-
nhi di' cures.
Novos objectos de phaatazia para cima de mesa -
aJeileUe,
Pincenez de Pires, de ni-la douiiido, de acp e de
tartaruga.
Oculos de ac Qna e de todas as praduaces.
Bengalas de luxo. caima, com eastdes de marfini.
Bengalas diversas em grande sortimenlo para ho-
mens o meninos.
Chicotinhos de haleia e ,! > mitai ([ualidades di-
versas.
Esporas de tarracha paia saltea de botas.
Ponteiraa de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de lartiuruga para- desembarazar e par*
barba.
Ditos de marni muito Dase, pira limpar cabera.
Escova* para roupa, oaMUo, unhas e para den-
tes.
Caiterinhas de madreperola para dinheiro.
Meias para homens e para meninos,
Qr&valas brancas e de seda preto para homens -.
meninos,
Campanbis de mola p&ra chaar criados,
ogos da gloria, de darna, de bagatellas, de domi-
n e outros muitos differenfe jogoJnhoa alle-
maes e rrancezi :.
Malas, luisas e saceos de viagem de mar e carm-
nlios de ferro,
Mamadeiras de vidro de daiv leite mu fcil *
crianeas.
Argoliulias de martini para as cNaneas niorderrm,
bom para os dantas.
Ber.os de vimos pan anbabmcar crianeas.
Cestinhas de rimes para braco de meninas.
Carrinhos de qualro roda? para paseios de enao-
ras-
Veneziauas transpareales para portas e janellas.
Reverberos transparentes para candeiros de gaz.
Estercoscoiios e cosmoramas com escolhidas vis-
tas.
Lanlernas mgicas com ricas vistas de cores ta
fieros.
Vidrns avulsos para eosmoramas.
Globos de papel de cores para illumraacSes de
testas.
Bales aeieostatieo de papel de seda mui fcil
de subir.
Encerados bonitos para conservar as mezas de
jantar.
Machinas de varios systemas para caf.
Esponadores de palba e de peonas.
Tesourinhas e caivetes tinos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tnteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras duradas e pretas para qua*
dros.
Quadres. j prometo com paysagens e phantazi.
Estampis avulSas de sanios, paysagens e plianta-
zias.
Objoctos de mgicas para diferamemes em fa-
milias.
Realejos pequeos de velos eom lindas pecas.
Realejos harmnicos ou accordlons de todos os
taannos, e outros muitos artigos de quinqui-
lharias difficeis de meneionarse.
No armazem do vapor francez, rua do Baro da
Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se poda desojar de todo?
os brinquedos fabricados em diflereutos partee
da Europa para entretenimento das crianeas ;
tudo a precos ipais resumidos que possfvel :
no armazem do vapor francez,, rua do Barao
da yietoria, outr'ora rua Nora n. R
cordavo e gaspiados
_ara bomem, obra muito boa, que se
Um a.iu a_________^ 8iofto
Vsnde-seum boi e urna carroca : na pra~-
ca da Concordia n. .
Mascaras.
Mascaras.
Acabam da chogar ar-ndos facturas de masea-
ra^ com todos os sorumeotos, para vender-se em
rio e a retamo : ae armazem do vapor fraa-
rua do Barao da Victoria, outr'ora Nova a, 7.


N
* ......ili



n

tiffl %fmMb^ti*tt &*<
Wi:

^'tor acabar at o fim do anuo
-
Na na da. Imperatriz n. 60
LOJi DO PAYO

A XADRESILVA.
Pra ns. 38'e'46.


PEREIRA D SILVA ft &
Tendo os proprieta rios deste grande estabelecimento, nm avultado sortimeoto de
fazendas em ser, e desojando qoida-la, at o fim do corrento anno, tem resolvido vo-
de-la por preces eiiu commodos, com o fia de aparar dinheiro. a vista do qae
convidara os llm. Srs. cheles de familia a virem aor-re, nao so de fazendas de pttmei-
rrnrtsedtJade, tomo de fazendas de laxo e gosto. das qoaes encontrarlo om sorUmeto
da"s mais novas d> mercado, coegadas pelos altimos vapores da Europa.
FAZLNDAS DE GOSTOS
FAZENDAS DE LE
CORTES DE 1ASSAS A *50O E 35 300.
O PavSO vende cortes de cassas de cores,
com padrees milito binito3 pelo barato
puco de 25500 e 3(5(000.
CORTES DE CHITAS A 30106 E 25880.
O Pavao vende cortes do chitas francezas
f;aa3, com 10 covados pelo diminuto prego
de 25 i -0 Cida corte.
Ditas com 12 covados pelo prego de
31680 cada corte.
PEg^S DE CHITAS A 702GO.
O Pav5o venda pegas de caitas finas, lin-
dsimos padroes, tendo :tO covado3 cada
BAREJES DE SEDA A 150J0 E 15400 O
COVADO
O Pavo receben pelo ultimo vapor
francez, nm grande sortimento dos mais
lindos barejes de seda, senda em cores
e gostos o melbor que tea valo aomercado,
esta nova fazenda muito proprta para
vestidos para bailes on easamentos, tendo
entre esta fazenda delicados padroes brus-
cos propriopara vestidos de noiva.
MOB-ERNISSIMAS POPELINAS
Popelinas a 155i>0 e 2(>000 o novado.
O Pavao recehiiU om elegante sortimento
j Acaba a Medresilva de recejar diversos
pbjectos, como sejain :
Ricos aderemos de raadregerola brancos o
^JS^f* i a; i '!?*
Diademas de niadreperola, autos dourados,
ditos de massa ou bfalo, rieamuute eafejta-
tos, .chizl's fiuudo brilbairtesycassoletaa de
' com vultas e sem ellas, imitando
bur, nulseiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos para
cabalo, sendo horboletas, besourus e beija-
flofes e outras multas qualdades, tud, de
muito gosto, rico sortimeu'to d gravatiuhas
fle lagos para senbora, sendo velludo; sarja,
Setim, gaze, escossezas e de urna s eflr, fa-
renda intuir mente novidade.
Lindo sortimento de laques de marliin,
madreperola, tartaruga, ditos dourados, com
seda e sem ella, alm destes d outras mui-
tas qualidades que enfadnho seria menio
bar, tanto para 'sentaras como paw^-l
nihas.
Rico sortimento de pnhos e gollinbas
bordadas em cambraia de linho e caraizriHas
bordadas para-serdioras.
Bdnitas gu'arnigoes ou dragonas pata en-
feits de vestidos, assim cmo os muito,deso-
jados corttoe? de seda, fazenda inleifamento
novidade neste mercado.
Rico sortimento de caixinbas cofti ^repa-
ros para costura, sendo de tampas de crystKI
e de outras muitas qualdades e tamanhos,
ditas para porta-joias, porta-extractos, ricos
nina mu'o barato.
LENCO'CSDE BRAMANTE.
O Pavao vende lences e bramante mui-
to grandes, sendo deum panno so, pelo ba-
ratiasim. prego de io'iC cada om.
CHAILES BARATOS A 15000 E 2W0O.
O Pavo vende chales do tarlatana gran-
des pelo barato prego de 15000 e 3(5000.
Olios de 13a estampados; imitagao de
mern 2$0';0.
Ditos de quiltros modernos, mnito en-
corpudos 3#000 e 4|500(); assim como
grande sortimento dos msis finos chailes
crepon e merino qoe se vendem por pregos
maito em cout-.
MADAPOLOES.
Pegss de madipolo francez mnito fino
com 20 jardas a 5550C e d5000.
Ditos com 24 jardas mnito superior a
6.5500 e 750OD. .
Di.o ingle* fazenda mrito fina 55000,
65000 e 6500 al 10*000.
Dit'S francezes eingleze* muito finos de
40 jardas para difirenos prego.
ALGdDOZINHO.
O Pav5) venda por prego muito barato
pecas de algo-laozinho americano muito
bcr com 1$ jarlas tjJ80O.
Dilo com 24 jardos a 45509 e 55000
at 65000.
Ditf largo marca T mimo encordado a
00.
ALGODO ENKESTADi).
O PsivSo vsudii o umaieico supeiior
ligo i de dnas larguras para !eni;3,
iond ) muito m^orpado 1.5 t'O tada vara.
Dito trancado da mearaa largara 15280.
CHITAS LARGAS.
\) PvJj vende esias e.iecellentes chitas
francesas clara e escoras com muito bom
j.joao 240 rs. caita coiado.
Dita muito fina 280, 3J0 e 360 rs.
Percaiies finissimos miudiohos a 360 e
*>.' rs. cada covado.
CAMBRAIAS.
Pavo vende corles de cambraia traos-
panote propria para vestidos a 25500 e
350 0.
p0ga de dita muito fina com 10 jardas
unm ta ada como transparente a 45i>00,
55000 e 65000 al a mais fiua que vem
ay mercado.
BRAMANTES PARA LENC0E3.
O Pav^ vende superior bramante de al-
godao ten ; 6 palmos de largora que s
percisa de i '/* vara Paril ua lengol, me-
Wo 15600 e a vara 1*800.
Dito de linbo puro superior muito encor-
pido com a me;sraa largura a vara 25400.
Dos francei'is muito liaos a 25500 e
3*ooor
Pej de Hamburgo e panno de liobo com
0 e 33 varas, para laos 03 pregos e
qaalidado.
Pegas de brelaoha de puro linho, tendo
30 jardas, pelos pregos mais barato que se
tem \>to.
Pecbii--)r de fiaissimo esguio socelena
com 6 jardas 75C0O.
Peca de uissimo celen;i com 30 jardas
a S'X), atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de I ranra a vara 2#')00.
LAZINHAS DE FUB.TA CORES.
O Pa3 j -end um elegante sortimento
de laazhhasde forta cores q-ie brho qaa-
9 :omo seda tendo de toda asefires, e en-
6% 360 rs. o ovado.
C\Lg\S DE CASEMIRA.
O PavSo tem um graade sortimento de
etica de casimira, assim como cortes oa
tsiis moderos qne tem vn'o nos ltimos
figorins e em fazenda das raais finas e m <\<
Bova ao mercado, e vndese por barato
prego para apirar dinheiro assim como cal-
as de brim hnneo e de co'es por prego
c;:t.' razaveis para aahar.
CORTES DE PERCALIA CO.M DUASSAIAS
A 4*000.
O Pavo vende bonitos orles de precalia
com duas saias, sendo fazouda de multo
eojtoa 4501M), peohincba.
TNICAS PRETAS.
XO Pavfg receben om gnnde sormento
u uais rwaa tnicas de grs preto, rica-
nsnie enfeitadaa, vende |i>f prego razoa-
vei.
VESTIDO? RRANCOS BpRDADOS DE
35500fJ0 AT 0*000.;
O Pavo recebeo om Indo artimento
<*>; m d* ros cortes de cambraia braoca,
ricamente borlados, e com todos os enfei
tos QAQHMrir a vende pelos pregos de
35*006 itft 60(5000, oao lom violo nada
mm nr.n eco mais moderno.
CORTINADOS PARA GAMAS. E JANGLLAS
A 5-.O0, 85000 E 10*009.
O Pavao tem um grande artimento de
cortinados p..ra,oa*(|| jaoias, que ven-
de pe'" bara'. prego' de 7*a00; 8*000 e
10*iOO o < .;-.ando at po 185000, assim
cs>i^ '>l''b*-* w damasco para camas de
noiv s. grande sortimentc de tapetes tan-
t-> p^ra 4"<4*rv*chibo pttt cima*, pianos,
portas, etc., tsdo vento por procos razo-
Pode obUr ero pooco Um^o con o oso do melbor dos licoresa affamada
BESPERIDINA
Fnf uila iwam,w tofewMo este precioso tnico, e difficil acbar orna peesoa
tendo experimentado pessoalmente, no falle em seu favor, j como bom estomacal
'aprtiaa4or, taawndo oacalu (kUa-atites de-j|ar,.i.4MMfecilili
da HESPERIDIRV a LiRANJA AMARGA n*a*m a babitante do BRASIL (a trra
especial das hrsofas) qoe no--ata*}* as jrro^iedides medicinaes ds doorada froela,

la e -eda. e linbo e seda qoe vendem a
15500 6 25000 o covado, tendo padres
librados Blindo e graudos que parecen
propramelle seda, assim como das mesmas
tambem tem brancas proprias para vestidos
de noiva.
NOVAS SEDAS A 2*500
O Pavo vende bonita e moderna seda
de ama s cor, teodo Ce todas as cores, com
delicadolavrores miudinhose vende a 2*500
o covado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 455000 E 50*000
O Pavo vende b)Qtos edrtee. de seda,
faztnda de muito gosto, teodo 18ovados
ca.ia corle e vende por 45J000
Ditos de 20 covados a 50*000
Sao muito baratas em relago seperior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pavo vende um grande sortimeoto
das mais modernas, baplistas com lista de
cor, proprias pira vestido, com as corea mais
novas qni tim viodo ao mercado sendo
muito maii largas do que as chitas francezas,
e vende pelo baratissimo prego de 500 rs.
cada c vado.
01FICINA DE ALFAIATfi NA LOJA DO
PAVAO.
Nesls grande e^tabelecimenlo encontrar'
o r spj.it3vel publico, orna bem montada olli-
cina de alfaula, ond se uiauua fiuiar
qualquer pega de obra, tanto para bomem,
como para meninos, com a maior prest
tesa e perfeigo assim como para qaalqner
luto que de repente apparega, tendo na mes-
uia oficina nm perito official destinado para
farda dos llm. Srs. ofikiaes de goarda na-
cional ou tropa de liaba, sendo esta officioa
digida pelo babil artista Pedro Celestino
Soares de Carvaibo.
NOVOS VESTIDOS A 4*000.
0 Pavo recebeu um elegante sortimen-
to de novos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende p1-lo
barato prego de 45 cada um ; muito ba-
rato.
ESPART1LUOS A 35000.
0 PavSo tem um grande sortimento de
es'?rti;hos, tanto para senhora como para
menina, qbe vendo pelo baato prego de
350O. Diios muito finos a 4*0JO e 5*000,
sao dos mais modernos' que tem vindo ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 R3.
0 Pauo vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazenda, com
padres claros e escuro, pelo barato prego
de 240 rs. o covadu, por ter um leve lo-
quj de mofo: pecnincba.
SAIAS A 250CO.
SAIAS A 25000.
0 Pavo vende saias brancas de Orna s
pega com fazenda equivalente a 4 pannos,
com bonitas pregas em volta, a 2*000 e
25500.
Ditas com pregas e bordados a 3*000,
'; p. chincha.
LIQUIDA? 0 DE CALCAS DE CASEMIRA
O Pavo tem um grande sortimeoto de
algas de casemira de todas as core? e qoa
lidades, para todos os pregos, e desej^ndo
muito i mida-las, resolveu vende-las por
um prego mudo em eonti, para diminuir a
grande porgo.
CORTES DE FUSTiO PARA VESTIDOS A
35000.
O Pavo vende cortes de fusto braneo.
tendo 12 covados. para vestidos a 3*000,
pecbincha.
CORTES DE VESTIDO DE CAMBRAIA A
6*000.
O PavSo vende bonitos corles de cambraia
brancatransparenie.com bonitas, vstase
lavores, proprios para vestido, teodo 8 va-
ras cada corte, pelo barato prego ds 65000,
pechincba.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavo vende bonitas cassas francezas
om bonitos padroes, e de muita pbantasia
M4GBINAS
DE
COSTURA
X-
LAHMJA AMABCA
I
em seo estado oatiral tem un gosto pooco agradavel, e o mrito da Hesperidios coa-
siste em reter seas boarpropriedades, e ao mesmo lempo apresenta-Ja como
EXQUISITO MCOB ^Laa
pega, pelo birato prego de 7*200 cada das mus modernas e lindas popelinas de iorta-rologlbs. porta-charutos, porta-cinza,
' tinteiros, castigaes tadio sao bjctos de
plaqu, proprios para presentear a' qualquer
pesoa, assiirt eomo diversos objectos pjra
escriptori, fatas para cortar papel, carteiras
para notas, canas para phospboros, canptas
bordadas e lisas, maraes para criarlas, si-
netes para abrtr firmas, cariascontendo Urna
caeta, um larp.s e um caivete, agumfros
e dedaes, lodos estes objectos slo dematfim,
fazenda inteiramente. novidade, assim coma
butros muitos (piSO a vista i rn^tedim-
fes se podero menriorta.'
Vestuarios paVa criangt, cbapozihhos de
seda, sapatiubos de, merino e-sfe*im,,meras
de seda e de algdoy brancas c de cores, to-
do para baptfealos.
Rico sortimOnto d? babadoms para crian-
cas, ligas de seda pa1^ senhows, lencos
brancos com famagens; meias de seda para
feenboras e meninas, dftas de fio de Escossia,
o melhor que se podo desejar, assim como
imeias de la, proprias para senhOras.
Rico sortimifito de escovas cora costas- de
baleia, marubetadas tto madepei-pla, para
i"wpa-e cabello, t tooutras maila'S'qufd^
AUILHAS K IJNHAS PARA MACHINAS.
A Madresilva acaba>te-reeebw um com-
pleto aortinM-utu deagifllias e.|Blia*branas,
de cores o pretas pata machinas, dos fabri-
cantes Grovur & Bakr's, assim como agulbas
de todas as <|iiali(ades o-Tiiibo de-seda para
bordar e pava crochet, ricas capailas-com
veos e sem lies para noivas, fil brancocom
bonitas.ramageiisecom7 pahno6 de larguia,
fazenda especial: s naAladresilva.
Rico sortiiMCiito de flor d laranja em
ramas e sepas, de todos os tamanhos, para
enfeites do s wlidni de noivas.
Ricosoitiiiiciilo de collarinhos :
bordados e lisos, de nho e algod>
homens, assim como chapos de sol i
c#sto de marhm, eoulros muitos artigos.
TEM A MADRESH.V V
bonito sortimento de jarros, oastigaes com
magantes, garrafas e jopos para espiritos,
frascos, wrefialMB de diversos gostos, pro-
prias para toilettes, assim como acaba de re-
ceber um oonBJHo sortimento de espellios
damoldur.t dOaradas, de todos os tama-
nhos, de a ;t 9 pelseos de altura e largura
regular.
A MADRESILVA
acaba de recete* um especial sortimento de
uvas de jouvin, brancas, ptetas e de cores,
para bORNis e senhoras, assim corno tam-
bem para meninas e meninos de 3 anuos
para cim;i.
. ROSECAS.
Rico sortimento de bonecas de todus, os
tamauho-. 1 com rosto do cira.
RURDADOS.
A MadresHva acaba de receber um rico
sortimenl.i de bordados em cambraia de li-
nho, taaeilda intoiramento uovidade ueste
mercado, sendo babados c entremoios.
Finalmente, s Madresilva, alm dos arti-
gos que vos faz mengo, tem outros muitos
que enfadoi!io seria explicar-vos, por nso a
Madresilva espera que vos digneis visia-la
mais mido, a qual vos ficar seilpre
grata. _________i
!
Cbegartm ao Razar Universal da roa o-
la o. 22, nm sortimento de machinas para
tostora, das melhores qaattdades que existe
oa America, das quaes moitas j slo bem
conbecidai pelos aeus autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover 4 Doka, Silea-
tiosat, Weed e Imperiaes e ostras omitas
que com a vista devsrao agradar aos com*-
pradoresi-
Estas machinas tem a vaeUgem de fazer
Otrabalbo que tfinta costnreiras podem
faxer diasiameole e cozem com tanta per-
feigo como as mais perfe'rtes costnreiras.
Garante-se a sua boa qnaiidade e ensina-se
lrabalbar com perfeigSo em menos de' nma
ore* e os pregas* W& cettmodo qae
dwetir agradar aos pretendCntes^_______
A BESPERIDINA coe lWJSTRJA NA6I0FIAL u*He* q*}
melbores imporlagoes etrropas d cathegoria semelhante. EsUs, qoando moilo, podem
ser gostosas, porm a HespeNdinv a combinago perfeita do_____
pAMm E Jii-^
Para prova de qpa um artigo no qual pde-e tor ioteitefeiWHH Pr mrw**
e innocente, basta dizar-se qne foi plenamente approvada e antori?adi pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permiitindo sna livre elaborado do imperio; ooua
BOA PUOVA ... iaii
a acceitagSo geral qoe tem es lodas.as partes odde4 apreseaUAa. Qt^WU uoe-
leceo se a primeira fabrica em Buafos-Ayrea; em^ISCU a segunda en Mentowdeo, a
do-da da ebegada de S. M. O HPEHiDOR naogare^se a fabrica qoe acloeteieota
trabalca na ebrte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico l*AJe aeceitet3*
tanto qae rara a casa qoa considera complete eea-apa*ador sem ueaa gerraa M


^1
Roa
Lzinh.is para vestidos a 320
reta o covado
S na roa do Duque da Caxias u. 0 A, ottr'or
roa do Qoeimadcv, loja -da equica, d Beato da,
Silva & C.
En^enho S. Matheus.
Vende-' w\ en^nho d'ajnin, moente rorrente
com muitas boas olms, meia U-enn distante da via
torrea, edadUi de Gamelleira, pelo nnxlitv prec
o 16:000*0(10. didlu-iro vista. TauAcui vendf-
se dando 6:000*900 vista c dez dividido em
cineo pagina-ritos annuaes, sendo auf as lettras
descontadas a t /.'o mfr, produauM es *z ratos
de reis : a tratar a rua do Livramoto n. t, i.*
apdar.
Lehmann Frres \encTem
libras sterlina:. ; a' rua do
Crespo n, 16,/y i metra andar,
RITiL SE SUDO
Gbegaram agulbas pera machina, di/ fa-
bricante Grover A Baker. Do *-2f>(k0.
DO
do Mrquez de -linda
A. SO A.
ra vender os seguintes objectos abain
raioatoSdos, pelos precos mais resumidos, como
sejiun : Coquss modernos a 2/000, pegas de en-
treaeios bordado de diversas tarjaras a 300 ri.
rtniias t ro larinhos de linho 4*5u0. daos mal!
tines a 5/000, iconos para aludir a 200 rs. boa
fritada, Imhas de earritel de 200 jardas a 60 rs.
la para bordar a 5/000 libra, leqoes a iroila;ac
d&SMka' caXiascm papel amn?de a 600 rs. di las com<
to superior a 700 rs., envelope a /' lo, bolinas nacionaes para homem a 1*500, iocef
pata criangas a 1/500, aguihas (ranceas a 40 rs
o papel, saboneles de alc.atrao a .'00 rs, ajua flo-
rida vwdadeira a 1/200 o garrafa, dita inferior*
I/O00, frascos com sndalo a 11000. ditos coa
oleo philecorae 800 e i/000, ditos cora dito ba-
bosa a 320 rs. ditos com agua de cologne a S40
a 400 rs, pegas de gal5 braneo para enfeites de
*ito8 de crianga. a 400 e 500 rs., massos. con>
-a de tranca fcranca a 240 rs, ditos son;
u%res a 320 e 400 rs., duiia- de phispho
. u wwiraoca a 240 rs. e a grosa a 2*400. e ou-
iros muitos artigos, qoe para nao tornarmo-no?
,eni*do*hm daixamos de mencionar, os quaes van-
lera se baratos O'-fJ arlr-r.
f
?-1

O bomem velho toma Hesperidina para obter
ViGO
0 homem docnte toma Hespendini^ira ob


O borne
isbi'I totae-Hesperidina gen obter
Hesperidina para obter boa


Nos bailes as donzellas e os mocos tomam
animacao dnraote os loncos gyros da
BARROS JNIOR*d C, roa do Vigano Tenorio n. 7, Io andar, receberaa eee
grande especifico, e venJem-co nos depsitos seguintes:
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferioo Caroeiro, rua do Commercio.
Marcelino Jos Gon^alves da Fonle, rua da Cadea n. I.
Antonio Gomes Pires & C, roa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires 4 C., caes 2 de Novembro.
Gomes < ko>3a hotel da Passacero.
NVIDADES EI
Aioatai. Xabuco A C. avisain a raeaxeada rar-
n;i\-;>lca e aos. habitantes I';irinissii. (^u-a-Fiu-tf Limoeiro, Aligados, Goyan-
na, Satil-. Anlito. Xazarelb, Vaix-a. Olinda, Mo-
toetiombo e aos temis amantes do carnaval qne
recebiTam um completo sortimento de mascara*
de papelao. sera, soda e rame, para qnaiquer
caiaeter : franjas, trancas douradas e pratea-
das. eafcelleiras. lantejoulas. voltas etc. Vnden-
se-no Bazar Victoria, ruado Bario da Vitoria
n. %
1 T VV
BAZAR Y
A.
receber di
e couviil.ii
Amaal, Nabttco \ C acaban) de
Europa pelo iiliiuiu vapoi o seguinte,
as Exrn.i-. senli ir.*\- a virem ver:
Hieas iliapelinas para visita, de pallia, felUv,
velludo c seda, a Halagares Monlpeusier, oIUuui
moda.
Cbipos de palba para passoio.
Enfeites de seda, de cores e uara luto, para ca-
rec de Sra.
Gastamee ds cambraia para Sra., eantenuo vea-
tido. ciia't. de- eabefa e de uA, tudo da meuv.
bzeua e de iguaes enfeites.
Corles de vestido de la e seda, de camin
,bo dados a a.'iillia. pintados e estampados, e d
baplisias de cures.
Elegantes guainicoes de cores para seBnora,
CUteuJn t par de brinco^, i alfinete. t pule, i;.-.
i diadema e unta berhak'ta para cabello.
L'ipies de uia(lrepeio!a, braneo e queimado '(
de asa, laranjaet. etc.fiaos o bordados.
; laques de inarnoY, lisos, bordados e com -tJ.;
l.enues de (artrtie.
I.eques du' naJcra, O.*so etc. etc.
VoadeuKe no Baxar Victoria, ruajto Bal i
Victoria n. 2. ___
T|
mu
*
dec;u-s
Veade-e i>a rua do tmiterador n. SW um
moleque crioulo, do 18 para 19 annos, boa figura,
sadio, com o:- omcios de tecedbr de parainha e de
uiarrineiro.
pelo baratissimo pre;o de 240 e 280 rs.
covado, sendu fazenda de muito mai dinhei-
ro, grande pechincba, na luja do Pavao.
BOUJINS A 16#000.
O Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais liridos gostos que
at hoje sao conhecidos, e em relae^p i QX-
osivabanateza,convi(lam-se as Eihaas.Sres.
fiara as vereni.-para ossim adiaiiarem o fue
ia de mais novidade neste artigo.
CORTES DE CAMBRAM A 0000.
O Pavao vende cortes de cam&nia branca
oom listas e lavores da mesma edr^ tettdo fa-
itead para um vestido, e vend' peJjKarSto
proco de 6#000, por ser grande pechncha
Ditos muito finos com babadiuho baausos
lardados a 8JW00.
.' Wtes ditos com listas de ^rWUT*#W#
bW)00. ,.
. I^os de cambraia branca coravS^wip*
de babadinhoste cOres a 95!W)t>. gprinJB
tiechincba nS loja do Pavo
Chegiipm t|iiitilo anles!!
A biOD! 3$N0! 3SM0!
Liado chap-io campestres,, a ultima moda,
para senhor, w na rua Jo, Duque de Cax^as n.
60 A, loj da-esquina, de Beato da Silva & C,
AnMa-scn^13 carava para todo o sen^o de
urna,** mOiiuilia : tratar na rua Pfttieiro
de Marco actjtaiuerrte do Sre^ loja do Passo
junto ao arco de Santo Antonio. i
MU
Vende-! > sitio da estrada da Cruz de Almas,
que-Da' fentre o m commendador Tasso e o do
dw(Mt*fa^ I)*r*i 5W casa !e vlvendj-d ffe-
eotM rvoredo*. 4m* batai' de^apBj-etc.,
dando as fundos para a estradado%MUflp& rba-
Dao pe Ai ehlacaada Jaq^ieira-: a trata na
d> AnfcrimttSOT
ll .l'|'1'l.^JHI l ......i
WBOS1
Na. xau di Marw- de De*' 'c. 7 ; at^ *
j {.} quan^o alo aw*h;
u.
Vde-fe balanzas (Jcuhs tanto pequn
comi> gDd-'s : n rf do liyt'-ralor n. 39.
Ezcellenie toueiobe inglez em latas
ubra a 900 rs. a li'ra : na armaioui
1noV>8 & C., rua do Amrim n. 37.
de quatm
i Tas.-o
Bic m$n& iliiub urgo
Vende se a 1!/ o ttil\ multo barato : ja
fu ta Cra* n. 2, 1* andar, salan d csbeltei-
reiro.
Kerosene!
de- pnimtir qaalidade, marca Davea, vtolen
Pewira d* '".liotta Araa, rut do Mrquez d
Olinda n. 34 f" andar. -
WK& BE UABSURfiO
As mais receh* im ilifr*.
Venderrf-se na rmarmacia e'drogara de Bar-
thofomcu &C, rua larga dosario o Rn. 3i.
EM
FAZENDAS FINAS E ROUPAS FEITAS
NA OFFICINA .
DA
LO JA DO PAPAGAIO
Tendo por mestre JMr. Charles Lmtrrrit
EUA DA IMPERATRIZ N. 40
Meudes d Carvalbo scientiScam ao respeitavel publico, qae acabam de recebe- j
completo sortimento de azendas finas de todas as qoalidades, tanto de 13a como de !
nbo, seda e algodSo, o qoe ba de mais medmoe do melh<)r gosto, e portanto aWrv
dam as Exmas. familias amigas da economa do mestica, a virem ou mandaren! na LOJ
DO PAPAGAIO, e verao qoe compram fazendas bonitas e baratas por naenoa preco o.
jaais comprarao.
COMO SEJAM:
Granadinas de seda de nma s cor, lar-. Cutas francezas de todas as qoalidtd
gas a 15600. de 320 rs, at os cretones de 560 rs. o -o-
Poupalinas sarjadas de fnrta cor boalar- vado,
gara, a 10200 o covado. Cortes de casia brancos bordados coat
Alpacao de cores com lstras de seda para babados de seda de cor, e braneo, e eotn
eofeite, a 800 rs. o covado. bordados com listras.
Llazinhas de edres, em grande qaantida- PARA LUTO.
de, de 320 a 500 rs. o covado.
Cachenez francezes para senboras e me-
ninas, a 3)5000.
Cretones francezes para coberlas, cor fixa,
a 800 rs. o covado.
Alpacas lisas e lavradas, de cores moder-
nas, de 500 a 800 rS. 0 cavado.
O-bertas de fostao de i?, e de ontras
qolidades, brancas e de cores.
Poopelicas de seda, de flor e de qaadro
a 15800 o covado.
Pecas de cambraia bordada para cortinado
com 25 varas.
Ditas decambraia adamascada com 20 va- veri8 prC<.
ras a 125000. 1 apeles aveUudados desde
Veos de fil de seda pretos a 8(5000.
Merinos para vestidos, bombazica, ea>
i5o, alpacas, lSaiinhas, crep, cassas e tti.
tas, tndo em quantidade, e para diverso
precos.
Grosdenanjes pretos, de 1(5600, SJft I
23500 at 5000.
Seda prela com' listras assetinadas pati
vestidos.
Ctiap'jos de soFde seda para meninas i
4j50(0, e fjrrados.
Ditos para bomem lo ij>tM) at 2-j* <*
Ditos de alpacas de cor pelo, para d
Saias bordadas mnito fiaas de 4 e 5 pan-
nos.
Bales de cbita e de cambraia a 25000.
Naasooks e baptistas com listras para en-
eitar.
Diversas qoalidades de lasinbas e alpa-
cas em rtateos, para todos os precos.
Bramantes de liobo para lenges, de 2A200
at 45000.
Dito de algodo muito largo a 45900 a
vara.
Algodao largo para lences, a 15000 a
vara.
Atoalhado adamascado de' linho e alg-
djo.
Espartibos'de linho finos, de 35000 para
eima.
L3aznha8 largas com listras de seda, a
800 rs. o covado.
Madapoles ingleies e francezes 3*55000
at 125000.
apeles avetiunaaos aesae os maie pe-
queos ai3je milores.
Damasco carmzim para colchas, o m*-
Ihor.
Pannos de croch pwa'cSdell'as: e' io~
pbs.
Camhraias victorias de lodos os dooi
ros.
Ditas transpirentes inglezis e soiS*#."w,
a lacgcra de tarVstsna.
Fil d iinho e de seda, braneo e pmu
Jiso; de st'picoe deflires.
Camisas bordadas para snbora, de da
versos pretjos.
Meias pura seebores; de* os it>ferores
at as mais saperiores que teB'poV',
cido.
PARA HOMKNS E MININOS.
Neste estebeteciseuto se montn nm-
officina e qealqaer hotBEia tir com gosto, achar moita variedade eo>
as de cores, pannes finos e caseta raa
telliof flr*"ha co mercado, ronp:).f*,'<
Muita atteiiqo.
VbO' 'e uva pmaida ilh;\ do-8, Mipu I ; a*
sim amo peixe de livor a quadades, eui:ta.--
pit t vi:n3ewOlivtir Miranda A C, rua do
SuartaiMCfito II,-venda.
^1' ,^hlft-^lrm'pre\o''Ciilbtro :' no 1^ da
cinco rafliaic--'- ___
mmm^f^c^rki B.-M, wj fe m^
h| v^Bde.sHt4ase enfel-ee- d*rtr8o'e'>e*fite*'
dos para vestuarios de mascaras.
AlgOuSosinho de todas aslnartaj, ffvlt-jejtf^iattifcdaj sssm com) camisa fran
sos pregos. [cetas e fogfza?, lisas e bordadas, ceroola*
Baretes com lsirt de seda, a 500 rs. o de bnlto eweahjioiaoii metas, ceila^us e
coMdo,, grande qoaBlidada gravatas de--todo >
Cassas francestt de cores, fixes e 4ie fchis,e soma eiK^
com barras, os padroes mais bonitos qne e|lra de Wdo qoe p ecisar par tjiiti coav
leem visto. Igosto e elegancia.
FORNECLM-SE AS AafOSltV|S QUE#3 EX

Boa a^isicao.-
*SVe!idem-se as
de do Herval n:
Senzala Vetha
Vende-se duas casas
te
a, rua
tratar
terreas edific
'ni
Supr
,|fniafl

'

'



t
+f

**m4>.

I
i
4 .
$
jm$ de ffywuitfMpf, .grata -f*a 4 4b ?feuitliro de 0jW3.
-caca, le-
Me nwreaav puw -*;
Perftnwariaa
Neato iMl|o .tk prMiw dar tplicacej, ka;U
dizer-se ra fa tricantes-*) OtsmMIt Ganar y,
Labio, Rimel e Legraud ; natas perfumara- de a
vez vieram em vasos da loodellos novo, e.qoe
pala Ma elegancia te toroim proprio para um
Mata
Trancas e frarjas de seda
branca.
Dtaiio smitmio *< io HMgoiftoo, (anda
cuito boa, modelioa aov e de lodu m largan;.
Bonecas de borracha
Distas bonecas veio peqaeoa porclo e de diver-
sos Umashoe.
Diademas
LiaJos a de nodellos Boros, velo coaaa moito
boa. t
Quem iuvidar venha ver
aeedidaseB a Magunlia raa Duque de Ca-
las a. 43, convencer aos tena amigos e fregu-
zas, de sea espseialidaae en correspondentes," aa
parte mals elegite do mando ; agora mesmo o
ultimo vapor ebegado da Koropa trooxe orna par-
le de uts eneemnendae para o lempo de fesia,
constando do
Para o bello sexo
Liadisetaoa brincos, alfiaalaa, eruxes, pulseiras
e caplelas de tartaruga bordadas a ooro, assim
.orno bonitos grampos enni parolas e ottlraa pe-
dra para a eaeea : a Magnolia solicita do bello
sexo, que prima sempre no chique e na moda, que
ve aba ver e.....
Luso e bom gosto
Para enriquecer e aformosear ama sala vieram
lindos jarros e.jardioeiras di porcelana mnito Boa
e de bonitos tnodelloe tote i ramela uvos, eom
lindos tsennos e duaradoa ; aisim como orna es-
pe ;aldaa em pannos de cbrccbet para sota e
cadeiraa.
4t!8\
loa 4 C. em seo arma un da
u 17._
COKSTTPACfo
Aaorlaa
dem
roa do
tmtCfATISMnj
)lli|IH
kfipsi
*** SAUDE
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
BE
BARniOLOMEU & C.
34Ra larga do Rosario
34
lllEUOli
O bacallao da Noruega, em caixas e raeias
ditas : no caes da Alfandega n. I, armazem de
Tsssn Irroifls & C.
Qual?
O mogo chiqia e da mocla qoe nao apreciar
ama Moda guaruteo de marfim, madreperola, miro
e plaqnat, eooaa Hndiasirna e de molde especial e
i>uaa vindo aqai; roorto b.ina chapeos de sol cera
c.bo de marbui e bengalas ;, imiUcSo de uuicornio
coni c*ii> de madreperola, por certo nnhara dei-
ser de nr loja da Magnolia roa Unqne de
'axias o. 45, escolber qualr;uer desies objectos :
nao caro I
Borracha pa,ra limas.
Vende-se borracha para limas, ehegatla hontein
no'vapor americano Onfacio, por menos 12 por
cento porque se vende em outra qualquer parte :
na roa Nora n. 61, n no puteo do Carmw n. 3,
iharraacia.
-Borracha para limas.
Vende-so borracha de prineira qaalidade para
limas de cheiro, e por preco rasoavel : na phar-
maeta imperial, praca do Conde TSu n. i.
Vende-se por precos que milito convenl, sac-
.'i eom nulho nmito "novo, i arria eo breu e eai-
vas eom hisnaatM inglezus : no rmate da ra
le Do iingos Jos Martins, outr'ora Senzala-velha
n. 106, de Matucus Austin d C
Fio de algnuao da Balita e cal de Lisboa, re-
i-entementc chegado : ha para vender no es-
i-riptoriode Joaquim Jo GtnealvesBeltran iho, ra do Cuumercio n. A
Obras de |ilimlasii.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxi-s n. 50, recebeu um bello sortiinento de bo-
nitas e modernas obras do phantasia, sendo :
Brinc s e cruzes pregas, romdourados e pedias.
Ontros de rradrep rola queimada eom bonitos
tnfeites de delicadas flores.
Outros c"e fino dourado cm p nge tes de cores.
Outros encarnados e do bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado eom pedras brancas,
Aderecos d madreperola.
Ditos dourados eom camapheo preto.
Ditos encamados.
Ditos imitando follias e flores naturaps.
Ca soletas de madreperola
Voltas do gjossos aljofares de cor s.
Outras de duos pret s eom donrmlos.
Pulceiras de tartaruga eom dourado.
Outras pretas.
Grampos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, eom la-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Botoes dourados e de outras uualidades, para
aberturas e collarinhos.
Novas gollinhas
UHIWIl
?m mk\t al o (im h mi
RA DO MRQUEZ DE OLINDA
OLTR'ORA
Cadeia do Recifd n. 53
Tendo o novo proprietarto.de mudar o> artigos deste estabelecimento, desejando li-
auidar at ao fim deste mez, tem resolvido vender por presos muito commodos eom o fim
de apurar dinheiro e liquidar vista, pelo que convida aoslllms. Sr. chefes de familia
a virem sortirem-se, pois a occasifio opprtuna.e encontrando um completo sortimento
de chapeos.
Chapos de palha de Italia para senhoras e meninas, eom enfeites e sem elles.
. Chapeos de velludo eom enfeites. Gorros de velludo eom enfeites. Chapeos de palha
de differentes qualidades, enfeitdos, para senhoras e meninas. Chapeos de palha de Ita-
lia, enfhados, para montara de campo. {Chapeos de palha para homens e meninos, de
differentos qualidades. Chapeos do fehro para hornero. Chapeos de massa pretos e de
Cores, para homens. Chapees de 15 para hornera e menino. Chapeos altos de pello de seda
para homem.
Bonets de differentes qualidades, tanto de seda, como de palha de Italia, panno, case-
mira e alpaca, tanto para homem como para menino.
Gorros de seda, velludo, la, tanto para homem como para menino.
E muitos outros artigos que s Cora a vista podero ser examinados, aiianca-se que
n3o engeita-se dinheiro.

*H-;

f
BAZAR NACIONAL
'!
Ra da Imperatriz n. 72
de Lourenco Pereira MendesGuimaraes
Declara ao reipeiiavel publico qoe, tendo concluido o consfrto qoe fez em sea ei-
tabelecimento da roa da Imperatriz n. 72, declara qoe o sortio de novas fazendas pro*
propriaa para a feata do natal, os preces sao os mais baratos poasiveis a saber :
LAASINHAS A' 120 RS. CORTES DE BRIM A' 15500.
Vende-se lasinhas para vestidos a 120 Vende-se cortes de brim para calca a
tOO, 360, 400 e 500 rs. o covado. I 500 e 2J0 0.
OLINDBNSE A 800 RS. MADAPOLO A'3.JC00.
Vende-se ama nova fazenda de seda e Vende-se pecas de madapolSo a 3^000,
^n0' P^ Bon> ol'ndense, propna para 4,550c, 5?000, 6j000e SjfOCO.
540 e 800 tesiidos, a 800 rs. o cotado. chapeos DE palha a 2*000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS Veidese chapeos de palba, de feltro e-
Veode-se alpacas de cores, lisas e lavra- de castor, para homeos e meninos, a 2|,
das, para vestidos de senhora, 1 440, 5C0, 20800, U e 4JOO0.
bordados.
e punhos
A
0 prc-lad:, lVniaiiiiiuranii
* I,l""'o do actual eonllvlo
reli|(i>i94
( Este opsculo, que tem tkJo tanta TwaiiHJto por
parte do publico impareial dm elade, continua
a vender-senas livradasFranceza,Uaiversal na
ma dn [maeratk*. Imlustrkl na ra Nova, e na
roa Ja Gtam u, 27
Preqo 600 ria
VENDE-SE
Vende-se um piano Franrez em pereit estado,
it-1 boas voza-i 0 Multo noufio oso ; beni como, I
-'" l eaddrtis de vmhatleo, e outros objectos
i iua Velia la Boa-Vista li 9i.
i]
35000
E barato
Veude-se ama farda a nma blusa le.panno
lino anda nova, tuna espada, um talim e'bonet,
; 11 iprio para oflleial de lima ou de guarda na-
cional : quem pas ipiirer comprar, Mirija-se a
i'-ta '.ypoiri.iphi?, a fallar eom o administrador,
las 9 horas do iba por diante.
= Veude-se a arm:icao e alguna oteaeilioa da
tavrna do nato) da Ribcira : tratar eom An-
ionio da Silva Jnior, no pateo da Ribeira n. I.
hieii'aqiiiilidiHle.
Vende-se borraeha muito boa, chegida ltima-
mente, por me&OS que cm outra qualquer parte :
na na da Conordia n. 2, taverna na praja do
:vV. d'Ku, esc;uina da ra do Aragao-
JARROS
ora tripas o debrada de
nm : ra armazem
ra to Amorim n. 37.
vaeea D(j!eza a S#00
te Tas-o Ir naos i ('.,
Vende-se urna mob lia de marello eom
iuitopouco uso : a tratar na na de S. Miguel
dos Affogados, casa n. 20.
J



V
I
' RUI LARGA DO HOSARIO .
loja do Viainia
. roa em leilao grand quantidado de fazen-
..-, as quacs rende eom pequeo lucro, por ae-
- ir o ^j^tema ieganhar pouco c vender depressa;
quem I he comprar ter certesa que compra \m
po'ieo mais de netade, do cue se vende em qual
quer outra parte. E' preciso vir ver depressa
porqne acaba-se logo, como sempre lite acontece
; lando tem pechinchas coioo agora.
HMSes eom arquinhos para Senhoras, de 43 a I i.
Chitas escuras ? claras, de iOO a 2V0
Pitas pcrcalias muito li as, de 460 a 320.
Cassas de flores e de listra=, de 07 a 16;. '
Ditas mindfnhas., de'MO a 2i().
" Mas de madapolao lino, de 9 a 1 *00i)i
Ditas Ditas de dito do li a 40O).
Ditas de algodSo, de 65 a i 3000.
Meia casemira le 3j a t*6 K.
\lgodao americano de ristra?, de S20 a *;iSO.
r.?>sas de esguio muito tino de 8J ji 20.
CALCADOS
Borzeguins de <:anno'*baxo para Seuli'ia a 4*500.
Ditos de dito alto para seftmras aB|.
GRANDE PECH1NCHA
Borzeguins francezes para homens, de hezerro
ordavo, < ga piado, eom botoes de 12 jl a lfi, e
de 8* c 9*.
Grande sortimento de tollas as nvlhores quali-
'.ades de calf idos, para ho-nens, senhoras, raen-
m f, meninas. Tudo vende barato.
Fi'goesec.:5T?3si?ns ;'
Nova q'iadade 4e ogk papa coaiohir, _a%
quas contH>wa i fornos para a.^sailos,ocaldeira
para aguu, do diversos lmannos, os ciaes *
wmarn recominwndadus ptila 'sua boii qualidade e
grande economa ; assiin como os ja conherM*
orno fraaee ts, f garciroi para aqoemar ferros
eom muita brevidaie, guadlwomida, hitos pira
alfaiate c chapelleiro: turo na iba do Baraoda
Vjrtoria n. 37, outr'ora ra Mnva, l.ja de fnrw
gens/de Souz:. 4 Goimar;.es.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
de Caxias n. 50, recebeu novas gollinhas e pu-
nhos bordados, e outros enfeitdos eom ntremelos
e bicos ; assim eomo recebeu ignalmcn e novas
garnicoes de grvelas eom franjas e lacos para
os cabellos, tudo do mdhor e mais mod rnos gos-
tos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n, 50, rocobeu bonit s leques d* prfeita
phantasia, preto eom douradoj, e outros de apu-
rados gostos; assim como recebeu ou ros de ma-
deira uue se confunde eom o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n 1 c ntro, e ainda assim ven-
de estes pelo barato preco de i 3000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Banca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitas garraflnhas de crys-
tal em par eom ramagens douradas c mui pro-
prias para arranjos de toilet, ote,
Anneis e colares elctricos
A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
n. 50, rec beu nova remessa dos proveitosos an-
neis e colares elctricos, e continua a recebe-los
mens-ilmente, pelo que sempre estar prvida de
taes objectos
por
rs.
Dome
o co-
Vende-se um excellente cofre coro segre-
go, ubra bita oa ierra coto emita segtrao-
ca: a tratar na fhesouraria das loteras,
ra Io de Marco 0. 6.
Nao lia mais cabellos
brancos.
Titiiuraria japoneza.
S e nica approvaa pilasitademias de
scieticias, recoubrcla s;perior a loda qoe
tem apparecido at hje. Deposito prin-
cipal ra da Cadeia do lenle, boje Mr-
quez de Olinda n. 51, I. andar, e em to-
das as boticas e casas de cabelleireiro.
Tijilfts francezes sextavados
De ti cOttO a 557000
o mllliolro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vcrmelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilbar os pavimentos
terrees das casas, porquanto, pouco mais custan-
do do que os feitos no paiz, sao, sem comparacao
alguma, superiores a estes pela iimueza. de que
sao susceptiveis. Custam alm disto menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados, e
dos do oilferontes mosaicos, os quaes nao esto
certamente ao al.-aice 4e todas as fortunas, c s
sao enipregados e propris para as salas princi-
paes. Alm da vautagem que ha no empivgo
desies tijolos para os pavimentos erreos e casas
de campo, tem estes ainda a de screm os nielho-
res e mais propris para ladrilbar cozinhas nos
sobrados da ridade, attento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de sern assoalhadas as cozinhas todas de tijolo,
e nao s a parto junta ao fogao, no que at as
conipanbias de seguros se deveriain interessar.
Vendem se nos anuazens de farinha de Tasso Ir:
maos 4 C, no caes do Apollo.
CsRMVAL!
Borrada para timas.
Vcnde-e borracha de prlmeira qnalidade para
limas do rheiro, nos segnintes logares : na phar-
niacia Contra! ra do Imperador n. 38, na mes-
ma ra n. 22 e no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 4, por .preco razoavol. *- ||
Dlii'f-o gosto
Cadeiras prptas dunrad? e rr.ir_'!etadas de ir a-
dr-'ptro!a : nos armzeus
o. eaa 1 o Annlln.
de T.-s> 1 Irmo & -
Farinha de mandioca.
Vende-se no trapiche Companhia chegada ha
1 ouco do Rio de Janeiro: tratar eom Thomaz
de Aquino Fonceca & C saccessores, ra o Vica-
rio n, 19.
Novidade.
Ricos chap ts par senhora, de palha de-Halia
e de seda, msa intoiramonte nova nesto meroa-
do : s se encontrara na Proddecta, ra do Ca-
bula n. i A, a elles antes qfle se acabem
Mais delles.
Anneis electrices.
DaqaeBes anneis eketriofs, t&jiteis para o
nervoso, e que a" Magnolia, ra Duque de Ca-
xias n. >5 tem vendido porcao I e'que por serem
os nicos verdadeiros, muito tem aproVeitado ;
pelo ultimo vapor veto nova remassa ellea-an-
tes q-.e se acabem. Na Magnoan. 45, ra Diaaue
de Caxias. ^ ,
ARHAZEM DOS
Ba Duque de Casias n. 29.
Os proprietarios deele bem montado esUbelecimeoto scieDlificam ao
reapeiUvel publico desta provincia qae se acham eom um varado e completo sort
ment de movis, tasto uaciooaes como eatrangeiros, sendo estes escolhidos por umdos
tosios qoe se acba actualmente na Enropa. O mesmo tea cootracudo rom os melhor
fabricantes daquellecotinente aa remesaas das mais ricaa mobilias feitas all.
Na officina tem os mais babeis artista deele genero, e por isso pedem qae ve-
nbam visitar o estabelecimento, aeade encontrarlo a realidade de qae acabam de expr
ue se pode examinar; rica e completas mobilias de jacanind, miigno, faia. carvamo,
marello, ele, ticas e elegantes camas deja careada, pao-AMim, aouallo, etc., etc., gnarda
vestido de amarello, guarda loaca de aogneira e de auurolk eom Umpo de pedra, apa
radores de d-.to dtU, peti toilettes espeeialmeote para azer a barba, toilette de jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias da Jacaranda e mognocus tureiras ae mogno, san
tanos, tbears para bordar, bercos, lavatorio oom espeio, de pedra marmore e seui
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., tc, e muitos ontros artigos que deixataos di
mencionar por setornar enladonho
rs. o covado.
BAPTISTaS A 300 RS.
Vende-se urna nova fazenla
baptistas, para vestidos, a 500
vide.
SOTANAS A 640 RS.
Vende-se orna nova fzenda de 13 e seda
por nome setanas, para vestidos de senho-
ras e meninas, a 640 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se urna nova hunda lisa, por nome
pbantasia, para vestidos, a 800 o covado.
FuNto brauco a 3SO rs.
Vende-se (uslao branco e de cores, para
vestido, de senhora, a 320 e 400 rs. o co-
vado.
CHITAS FRANCEZAS A 240 RS.
Vffliie-se chitas fraocezas escuras e cla-
ras, a 240. 280, 3*0 e 3G0 rs. o covado.
BRAMANTE A 1600.
Vende-se bramante eom 10 palmos de
argora, proprio para lenYoes, a 10600,
e (J20O o metro.
Crosdenaples preto a 8.SOOO
Vende-se grosdenaple preto a
ALGODAO A' 4000,
Vende-se pecas de algodSo americano,
40OPf. rJOW e 650OO.
BOTINAS PARA SENHORAS A 50000.
Vende-se bolinas para senhora, a 5000
e 5500..
CMBRAIAS A 30000-
Vende-se pecas de cambraias lisas para
vestidos, a 30000 40000 e 50000.
CAMISAS BRANCAS A *000.
Vende se camisas braceas a 2300 e 2#.
Ditas de linbo a 30, 305CO, 4*000 e
50000.
Palitots de panno preto a 50COO, 70000
e 80000. Palitots de casemira de cores, a
40, 50000 e 80000.
SAPATOS DE TRANQA A 10800.
Vende-se sapatos de tranca e tapete, para
hmeos e senboras, a 10500, 1<58(0 e 0-
Sapatos de casemira pretos a 20500, 30 e
305(0.
CHALES A' 8C0 RS.
20800, 30500 e 55000 o covado.
Vende-se chales de 13a cem quadros e H-
20000,1'", a 800 rs. e 10000, ditos de nerin
'estampados, a 20000, 30500, 40 e 50000.
PANNO preto A i500. E outras mr.itas fazendas que te vende
Vende-e panno preto para caigas e pa- sem reserva depreco, na lojVdo barateiro
litota. a 10500, 20500, 30COO, 40COO e Bazar Nacional.Roa da Imperatria a.
50000 o cotado. 72.
Samuel Power Johns-
ton & C.
|Rua do Apollo n. 38 e 40
E
B
m
Fawm scieote aos sens fregaezes que teem
mudado o sen deposito de machinas a va-
por, mcendas e laxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para raa do Apollo n.
38 e 40, onde eontinuam a ter o mesmo sor-
timento do costme.
Faxem seienie tambem qae teem feito am
aruojo eom a fundicao geral, pelo -que po-
dem offerecer-se para assentar qualquer
machinismo e mesmo garant lo.
Os proprietarios da fundirlo geral fvem
seientes aos senbores de engrano e mus
pessoas, qae teem estabeleeido orna laodi-
cao de ferro e brouie a roa do Brum, jun-
to a enlacio dos bends, onde aprontarlo
qualquer obra de encommenda eom perfei-
;o e prompiidao.
Os mesmos rogam as pessoas oue qoei-
ram alilisar se de teus ser vicos ae ueixa-
rem as encommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Power Johnston A C a ra do Apol-
lo n. 38 e 40, onde acbarao peesoa habili-
% 4 Ra do Jabug" X. i
JOSKPII KRUSI](U,
COMES BE UATTS, IBllAOS
>'t;sie iaiportaiilo estabelecimento de primorosas joias, achar o respeitav-i
publico desta capital um grande e variado sortimeto de joias da todos os
procos, queja existiam no Muzeo, que sero vendidas eom grande-resldc^o
le prego, alai dos novos objectos recebidos directamente da Europa, qaje
se vendero por prego animador, bem como sejam^adei^gosde brilh.iiHfs,
pulseiras de ditus, broches e rosetas de ditos, ditos de difcrentespedi'arias de
procos ; aunis de brilbantes e do esmeraldas, rubins o perolaa, c de to-los
mais objoctos do valor, que possam ser esejadospolo bom gosto e aprecodos
familias, que sabem dar valor aobjeetos do primor.
Os proprietarios do Ml.'ZKO DE 40IAS, convidara as familias que so
- queiram ^rover de excellentes joias, a virem escolhe-bs entre o variado
sortimcnto'dellas, garantindo os proprietarios que scro sinceros para todos
que se dignarem procurar s;u estabelecimento.
Entre o grande iortimento de brilhantes, esmeraldas, porolas, e obra
simplesmente de onro de lei, se ver um elegante sortimento de atm *
prata primoiosauento trabalhadas, que tambem se vendem preco reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, jue
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisaren! de qualqner objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MUZEO DE JOIAS, que serao servidos eom
attoncao e sinceridade.

i{
m
mm
Sb
PARAIE LKDE!
Utilidade e vautagem.
E' til e vantajoso fazer-se uina visita t'on-
fcituria do Campos, pois que aquelle es-
tabelecinie to tenise tornado urna verdadeira fa-
brica e depusjto do manjares gratos ao paladar,
tanto nacionaes pane estrangeiros.
Tentar descrevor todos os artigos de que est
provida a
Confeitaria do Campos
seria xiucror enclior urna pagina doste jornal eom
sua nomenclatura, e tornar, por conseguinte mas-
sante um tal ann unci.
. Por isso
basta dizer-se zer ura manjar exquisito, Bao tem mais que diri-
gir-se ra do Imperador n. 24, e entrar na bem
conhpcida e acreditada
Confeitaria do Campos.
Porque alli encontra-o scmre um grande sor-
timento de acepipes, assim como prepara-se eom
asseio c prompiidao
Tudo quanto
con-
pertence s artes de confeiieiro, pasteleiro.
serveirb e culinario
Ti
rois para isso
tem a/jueile uiilissimo csubelechnenta ama bem
montada fabrica, onde tr:ibalha-*e .(uao despre-
zando as regras darte) capricho de
mr*
Todo
s
que alli S dtrftem u;ra encommendar-: bandejas
Ticas para casamientos, baptsados, bailes, '-iob-e,
ote. etc. etc.
Assiru eomo
fiambres, emnadas, naugath's, gathaux, {Itding**,
bolas, pastis'do qualquer qualidade e Mfoispara
dieta t
Tud Iwo e auinM aJa^tuaaa hm
eca taadle ^ean|ii*e
** /
- .Confeitaria do Campos.
A E TE i,
Obtem^se eom o uso
injecca" shost
nica*, hygienica, radical einfalvol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas efluxosde
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offerece como garanta de salutares resultados
a continuada applicacao qoe sempre eom a
mak>r vantagem se tem feito della nos hos-
pitaes de Pars.
nico deposito paraO-Brasil, Bartliolomeu
d C, ma Largado Rosario n. 3V..
A8R0ABEORO.
-4 ra la finnccatriz
n. 59.
Acaba de receber "de tonta prepria
pelo ultimo vapor da- Enropa, um cum- 42)
pleto suNimeote de objacUis de prata- "
o mais lindas que tem vinde aeste mer-
<*ado, sfemlo os segumtes : derecos de
tHa-grauna, obra-ne-apnrado gosto,vol-
tas, brincos, rozetas, salvas, relogios,
Ak.palItQiras.ruleresJtc. etc., pelos pre- A
^r eos mais resumidos possiveis. Assim ^v.
coma um completo sortimento d ulnas k
** de uro : anneis de brilhantes, rozetas, ,
ftderafus etc. e tambnvseJ6rilhan*;?. -fis'



Vj
lada eom qnem possam entender se.
Apparelbo para fabricar assucar, do systema.
WESTOI CE.NTREFGAL
Dmcos agentes em Pernambaco a fundifao geral.
Para tratar em sea escriptorio a ra do Apollo n. 38 40.
Aderecos de bri-
lhautes," esmeraldas
rubins c perolas,
voltas de perolas.
A SAPHIRA
Obras de ouroe
prata de todas as
qualidades.
N. 2r ARa do
DE JOIAS
CabugN. 2
Achaudo-se completamente reformado este estabelecimento, c
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisico de
joias as mais modernas vinaVas ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidara ao rasmkavel publico a fazer urna visita ao sen 89-
tabelceiinonto, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoave.
Xi
o m&zs poauaoso
TNICO E FEBRFUGO
Prihiiiii) pob i..a k tninit ii: mkbkih'
Medallia
N
OTO.
ELIXIR TO\ICO, FEBRFUGO, FORTIFICANTE E REPARADOR,
superior < Tintaos o xaropes de Quina.
Experimentada eom pleno successo nos hospitaes, a Quina Laroche (ou Extracto compit
de Quina) urna preparacao excepcional, por ser privada do amargo da Quina. Agrada po
conseguate as pessoas as mais intolerantes e aos paladares os mais delicados, pois uem
muito doce nem muito viscosa, seudo de urna limpidez constante. Emprega-se curo muito
proveito nos caso de : gastralgia, dyspepcia, neuralgia, anemia, marasmo, cacluaias,
mtgrtia, fastio sem causa apparente, convaUtcencas demoradas, chlorose $ tcropliulat.
E 0 ESPECIFICO DAS MOLESTIAS FEBRIS.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA
R nnindo lodas as propiedades do Ferro et da Quina.
M PARIZ,
15, ru Drouot.
Ha pharmacia Maurer ra do Baro da Victoria n. 25.
- *$$ ape^a.
eamiraf'trttnsfarente 'W a-'S*',tpJ?:,j
roa do Croapo u,.iHji-lj ide ibnutwraM C da
taaraH. .18 c -^i-
r
)t *
llrln
i; .11
a. f t% *> t**83 .J
Vende-se maau-iga iagleaa dar a 800 rs. U000
e 1 280 a libra, n progresso 4o pateo do Carme
B..9.
I L&fttttttlPPt H||M^ I Boa acqpiisicao
2 NOVO estabelecimento m\ Vende-se nm tara p ^"^ *
?S proprio, eom 110 palmos de fronte e MW de fun-
(Jq lOiaS. S do, todo* aterrado, prompto para eiJicAr, porto
gt J S para descarga de material, oslando um kdo mu-
Ba do Cahug n. 12. <--- rado : a ver na mesma ra, casa n. 236, c a tra-
' ^ 1 tar na ma Nova, laja n. 7.____________
S*i Vende-sena ra do Imperador n. 20 um
eabriolet americano de 4 rodas eom i asientos.
novo e muito elegante. ________"______
!!! Salsaparrilha 1!I
uuo lia no nwrcaJ .

Neste estabelecimento se encontrara
,$1 um bonito sortimento de joias que se
fverMvm 'por tal proco que animar ao
koaaoredor, ltenlo ao vantajoso syste- J^;
> ma, ganhar pouco para vender mui- **
i*y to, que .certamente til ao compra- '"
*8 flor e ao vendedor.
Itabam se ton* ouro, prata. c pe- Da ^ov4 ^ M no ^rcrca
-' dras preciosas, .bem como se fabrica e *< itreira viaona a u, a ma uo \igauu .
J eoncefla toda e qualquer obra tendente '?; andar. .
m mesma arte.
ffc


Chitas

A2a0e240rs:ocova(lo.
Oa^ado barato;
Botinas-gaspiad as para senhora
: Ditas para homem
Sapatos de cordavao 54009
t roilepuiu-s de bezorro p.ra meniua
Ditos de cano idom 'Q00
Na pra^a da Independencia
Ifa. Vi r- tft. lojft to 4raatfl.
(MU finas eom toque de agua doce a'OOe' tAieira^ naturia c< ui a>sn.o do palbrBha
240 rs. o c vado, est a venda na ra do Crespo 50|000 esda nraa no caos do A" Ho, aro
0.-10, loja A uiiherrae C. da Cuaba & C. I un de Tasso lrmioa 4.C.
*


r
"^p

PHI
8
?ML
Diario de Pemambuco Sexta feir 24 de Janeiro de 1873.
ca
zar.
pe-
FnfOTJMjg *
(Loiiclu'ao.)
sco rmtosavofr'
Esta proposicoifwusavoiT" Pergunto,
estamos todos traRquilto, na ceftfa de que
cinco membrc'S Ja cauraissfo de inqnerito
s. cpnaordeMUfc ponto principal des':
opinio escripia Du.vi.lu. As restriegues
admittera-se quarb^versim sobre pontos
que nao possam anectar o resultado, de
sorteque este^e-iu-Jodo o caso, venha a ser
o mesmo, e nao tm*\o (Has sido explicadas
ou expostas uo corpo do- parecor, cumpre
que o sejam pelos seu* autores perante a
cmara, e ell.es ambos, infelizmente, nao
esto presentes.
(Ha apartes.)
Vou alm, digo que paroce-:ne que. lia
ura empate tiucoborto :>ob a phrase res-
triccs. Estar a cmara conscicnctosa-
mente convencida de que 5 membros, pelo
menos, isto a maioria ndispensavel,
estejam accordes sobrt o ponto principa]
dessa -opiuiu escripia Ku nao estou o
darei a razo. A questao muito simples,
e nao admitte graudes ampliacoes. Trata-se
da validade ib collogio Je Pao d'Alho, e da
validado desse coegiu .resulta o reconho-
cimento deste ou daquclle depuiadu.
Pergunto : ha cinco mombros concordes,
ua validade do collegio de Pao d'Alho?
Um Sr. Dkimtado :Cortamente.'
0 Sr. Cria Machado : Inelin-me a
acreditar que ha quatro contra quatro.
O Sr. Padre Joao Manoel :Ha mais,
ha seis.
0 Sr. Criz Machado : E' preciso que
as noticias sejam explicadas; nao posso re-
gular-me ou deixar-me levar pela palana
restriegessem coiihec-las.
O Su. Padre Joao Manoel : Eu levo
pelos votos dos senhores da commissao.
O Sr. Cruz Machado : Quatro inem-
bros da commissao estaj concordes na vali-
dade do collegio; dous. votain pela nulli-
dade do collegio, c deram voto em sepa-
rado, e dous votara com restriegues ; tenho
ouvido que as restriccs dcstes dous versao
sobro a validade ou nullidade do collegio
de Pao d'Alho. (Apoiados e nao apoiados.)
Portante parece-me que ha um empate; e
preciso que venha um outro arbitro decidir
a questao. Na forma do regiment, as
opinides empatadas nao cons'.ituem parecer,
" uo sao sujeitas deciso da cmara.
Sei que uro dos inembros da commiso,
que assignou-se com restriccs, opinava
pela nullidade do collegio de Pao d'Alho.
O Sr. Thomaz Coelho :E' exacto.
0 Sr. Padre Jo.vo Manoel :Nao de-
clarou isso do seio da commissao.
O Sr. Cruz Machado :Declarou a col-
togas em publico. Deputados da provincia
do Rio de Janeiro decararam que o presi-
dente da commissao hara manifestado que
votara pelo voto em separado (apoiados) ;
v-se, portanto, que ha um empate, e nao
um parecer sobre que a cmara tenha de
resolver; para ser parecer de via seriirmado,
pelo menos, por cinco meinbros expressa-
mente concordes no ponto principal. Se o
ponto principal e um e nico, se dous mein-
bros da commissao se manifestaran! contra,
formulando o voto em separado, dous, as-
.signando-se com restriccs, nao as explica-
ram, e apenas sabemos o que acabo de ex-
pr ; tenho razo para nao considerar pare-
cer a opinio escripia sobre que se pretende
que a aunara delibere. E' preciso, portan-
to,' que os dous membnsda commissao, que
nao esto presentes, venham e declaren! so-
bre quo versa m as restrtoces. Se confirma-
rem o que tenho expos'.o, se nao tiverem
reconsiderado, nao haver parecer, por isso
que nao haver maioria: Eu naolhes neg
o direito de reconsiderar, mas? em todo o
caso, tenho duvida que aja por oraum ver-
dadeiro parecer na accepro regimental.^
A questao para mim de direito, nao a
considero questao poltica, e muito menos mi-
nisterial, porque, devendo fazer justica aos
cavalheiros que gerem a alta administrarlo
do paiz, nao levo crer (pie elles venham fft-
zeT questao poltica na verificacao de pode-
res a favor de um deputado com preferencia
a outro, mxime no caso presento, quando
ambos perlncem ao mesmo credo poltico.
E portanto termino dizeado que estas pala-
vras sao nicamente a expressao da minha
opinio sobre um ponto de direito, e nao po-
dero ser traduzidas com cor alguma politi-
$s o foptm, . |OJbO MlWtL : -Eu sinto, Sri
.terdivergir da opinio dos nobres d-
los d SRnw-GoPtos que rae precedern!
que considero os dous patriarchas do reg*
ment, e so tomo parte nesta questao porque
infelizmente perten|5o tLh* cofimi^SI d
inquerto. jApm listo Mnho'necfflsyade
de mostrar o Ilustre depitadfrJelo$.|dis4
trido de Minas-'Geraes, que nosou anonymoj
como elle grciosaraeitte me considerou, que
dei o meu voto no assumpto e to conscien*
cioso como poder ser o de.S. Exc. E, Sr.
presidente, admira que V.'ffcc., dotado aliij
de to grandes talentos e dispondo de to pro-
funda illustraro, permitta-me que lhe diga,
que queira amesquinhar esses ttulos de glo-
ria que tem conquistado cm to longa carre-
reira parlamentar, envolvendo-se nessas miu-
dezas, que nao tem signincacao alguma.
OSr. Martinho Campos : Est glosando
o motte do ministro.
O Sr. Joao Manoel :S. Exc.,quetem-
se arvorado uesta casa como regulador de
todos os actos e trabalhos dlla, tem-se cons-
tituido o maior atrapalhador que tenho visto,
ou por m fe, que nao attribuo a S. Exc.,
ou por svstema.
O Sr. Martinho Campos :E" melhor at-
tribuir ; eu goslo. da liberdade.
O Su. Jlo Manoel :O que certo
que S. Exc. levanta todos os das questoes
de ordem nesta casa...
O Su. Sii.veira Martins :E' porque to-
dos os das ha desorden!.
Sr.'Joao Manoei. :.... que sao urna
verdadeiradesordem, de que nao se tira ne-
nhum proveito, e deque nosahe nem ma
restea de luz que nos esclareca.
(Ha diversos apartes.)
Eu nao desejo mais entreter a attenco dos
llustres deputados to amestrados nestas lu-
tas parlamentares, e vou direito questao.
Dissoram S. Excs. que,nao ha parecer
da commissao, porque a maioria della nao
assgnou o que lhe foi submettido.
OS*. Martinho Campos -.-Mas V. Exc.
nao julga o meu discurso respondido pelo Sr.
Gusmo Lobo ? E' melhor responder ao Sr.
Cruz Machado.
O Sr. Jo.vo Manoel :OSr. Cruz Macha-
do respondeH ao Sr. Elias e Albuquerque,
que discuti a questao com clareza e profi-
ciencia.
Nao se atTlijam os illustres deputados; te-
nho f em que nao me ho de atrapalhar.
(Risadas.) Continuando, Sr. presidente, d-
rei que seis meinbros da commissao assig-
naram o parecer, dous deram voto em sepa-
rado, c um absteve-sc de votar na questao.
O Sr. Martinuo Campos : Isto j foi
dito.
O Sr. Joao Mamoel :V. Exc. sabe qual
o systetna seguido as coramissoes sobre
pareceres da verificago de podefes. Vota-se
singularmente sobre cada urna das fregue-
zias, de maneira que todos os membros da
commissao, dando o seu voto sobre cada fre-
guezia, fica sendo conhecido o seu juizo no
seio da commissao. Nao sei se commetto
urna inexactido, declarando cmara que os
Srs. F. de Aguiar e P. dos Santos votaram
sobre todas as concluses do parecer, ex-
cepto de urna freguezia, sobre que fizeram
as suas restricc,ocs.
Aceitando todas as concluses do parecer,
claroquc as suas restricQes nao affectam
o ponto capital da questao, referindo-se
pontos secundarios. A nao ser assim, te-lo-
ham declarado no seio da comisso, teriam
dito que adheriara ao voto separado, teriam
acompanhado aos seus illustres collegas que
o apresentaram desembucadamente. (Apoia-
dos.) ,
Pelo que vejo, sou forjado a suppor que
S.&tcs., levantando essa questa) de or-
dem-, nao tiveram outro intuito seno consu-
mir teinpo para que o parecer nao seja hoje
votado.
Parecc-me claro e evidente ; se seis mem-
bros concordara com a concluso principal
coes dos dous membros nao podem prejudi-
car o assumpto.
Nao devo deixar passar sem reparo a pas-
sagem do discurso do nobre deputado por
Minas-Geraes, perguntando a S. Exc. o que
sgnilica a expressao parecer encapotado de
que usou, quando se referi aos dous votos
com restriccs.
Acho temerdade em o nobre deputado lan-
zar scmelhante suspeita sobre os uobres ca-
-Dcus me livre
que nao eonhece o regiment.
O Sr. Jlo Mamoel :-+Eu nao sou regi-J
mentista, e ne*1^(||izer'fci#eda|les-J
sas mnndencias; em outras questoes V.
Exc. ervif pata iwkre
louvar-me cora leo>jc4nl
deVEie. *****&>
0 Sr. Martinho Campos :
disto !
OSr. JalO Manoel :Penaando assnn,
como acabo de pronunciar-m, e sabeudo
da opinio dos dous Ilustres membros que
assgaram com restriccs,, voto contra a mo-
^to do nobre deputado por Minas.
fMuito bem ; muito bm.)
O SU. SILVEIRA MARTINS :Sr. pre-
sidente, devo confessar cmara que corae-
co a fallar cheo da maior satisfago, o que
devo ao Ilustre orador que me precedeu na
tribuna.
O Sr. Jlo Makoel :Muito obrigado.
O Sr. Si.veira Mar*ins Nao tem de
que.
Sr. presidente, j eu posso parecer mode-
radoaos olhos da maioria, que acaba de ver
to colrico um ministro do Evangelho, que
Avia sor, como o seu divino modelo, man-
so e pacifico de coraco I
O Ilustre representante pelo Rio Grande
do Norte at quer, Sr. presidente, que a op-
posicio que nao tom outro fim seno iiscali-
sar o governo e impedir os desvarios do po-
der, em vez de fiscal se converta em rahdi-
Iha do ministerio.
O Sr. Jo.\o Manoel :E' phantasia de
V. Fie.
O Sr. Silveir Martins :S. Exc. de
sua parte mostra desde j a sua dedicaco
governamental glosando, como dlsse o meu
nobre amigo o Sr. Martiuno-Cajupos, o mot-
te do ministerio. Para censurar o hobre de-
putado pelo 2.* distrieto de Minas, reconhe-
cido no paiz como ura talento de primera
ordem, S. Exc. nao achoucousa de mais es-
pirito do que repetir as injustas palavras do
nobre ministro de estrangeiros que presumo
pelo conhecimento que de sua pessoa tenho,
deve estar arrependido de as haver proferi-
do. Mas nao facamos cabedal deste peque-
no incidente suscitado pela vvacidado do no-
bre deputado pelo Rio-Grande do Norte, que
nenhuma razo tem para aveAar de atrapa-
Iha^Jo a moco promovida pelo nobre de-
putado pelo S. distrieto de Minas.
As questoes de Yerificacao.de poderes sao
das mais graves que se podeft agitar no par-
lamento, porque nellasse trata de verificar
as legitimidades dos poderes daquelles que
representam a naco. (Apoiados.)
Foi por esta razo que o regiment creou
ni > urna commissao de tres membros, como
sao as commissoes ordinarias do parlamen
to, mas urna commissao extraordinaria
de nove membros, onde nunca pode
dar-se empate. Se uesta commiio de nove
membros falta alguna por molestia, ou qual-
quer outro motivo, que o obrigou a retirar-
se da cmara, deve- providenciar, como
oste anno mesmo j se fez nesta casa, afira
de completar-se o numero legal dos mem-
bros das commissoes.
Assim, pois, a maioria da commissao de
9 5.
Um Sr. Deputado : O parecer tem seis.
O Sr. Silveuxa Martins :Mas, Sr. -pre-
sidente, teimam os hobres doputedos em sus-
tentar que por estareiu assignados seis
membros est o parecer assignado pel>
maioria, apezar de haverem dous declarar*
que assgnam com restriccs. T.
- Assim parece, mas assii nao ..
A commissao, Sr. presidente, nao foi de
nove, foi apenas de oito membros, porque
um retirou-se.
O Sr. Elias de Albuquerque :Nao reti-
rou-se, absteve-se de YOtar nessa questao.
O Sr. Silveir Martins :Retirou-se da
commissao, absteve-se sem de ver faze-lo,
porque devia ter a coragem de dar o *"seu
voto pro ou contra, devia ter a coragera do
seu dever. (Apoiados.)
Sr. presidente, nao devemos deixar passar,
sem protesto, factos desta ordem, porque os
deputados devem ter a coragem do seu voto.
O Sr. Elias de Albuquerque :Nao tem
applicacao ao honrado deputado, a quem
se refere.
O Sr. Silveir Martins :Nao estou fa-
zendo increpacoes; mas por ahi dizem que
esse nobre deputado nao quiz ir de encontr
aosdesejos manifestados pelo Sr. ministro
o mi dever, bstere-se,
II O buern, nao rsras
vezes, achare em terrivel colliso collocado
entre o inleresse e o devtf
O Sa. Miaismo oq bm*io : Nunca fiz
pedido algum a este respeito ao Sr. Wilkens;
de Mattos ^pue oipooianea mente declarou-
wwmfirorlivei o Sr;^ldraese Silva,
FOLHETIM
k nmm n i:
PELO
VISCONDE PONSOH D TERRAIL.
PRIMERA PARTE
O lastello dos cateadores uegros
XVII
(Continuacao do n. 17).
Leve-me comsigorepetio ellaede-
dicar-lhe-hei tauto amor, que esquecerque
pertenci a ov.tro, que eu era urna pobre ra-
pariga, urna costureira da Universidade I
Esquece-lo-heidisse o Sr. de Nos-
sac.
E perdoar-me-hi, nao assim ?
perguntou ella, jpcgando-lhe as mos.
Perdofireirespendeu elle, dando-lhe
segundo beijo.
Perdo.r-rne-ha lar ajudado a essa co-
media infamo, de que foi victima ?
Sim... sim... mas fujamos!excla-
mou o Sr. do Nossac.
Oh I agora naodisse Roschenmas
sim na prxima noite...
Porque?
Prepaiarei tudo para a nossa fuga.
O Sr. de Nossac senti-se estremecer, ac-
coraraettido por um pensamento sbito.
O vampiro vira?raurmurou elle.
Pois bem l disse Roschen, cujos
olhos brilhavamse elle vier...
Ento?
AtraY(Ssa-lo-ha com a sua espada...
Nao o poderia fazer, elle fascna-me.
Esta noite, ce., lance debaixo da
mesa o ultimo copo do vraho que lhe de-
rem.
Esse conselho illuioinou o espirito do
bario.
Comprehendo agora tudodisse elle
-e vingar-me-hei!
$enclodisse de repente Roschen
siijnco, ouca 1
Ouvia-s o longe urna voz que chamava:
Roschjn! Rosctal .
91
Era a voz de Wilhelm.
XVHI
Roschen chegou-se trmula e paluda, para
o baro.
Tenho medol...mumurou ella.
Nada receie, estou junto a si.
Oh I porque elle matar-me-hia 1
O Sr. de NossaC sorro-se com altivez.
Se eu o permittisse disse elle levando
a mo ao punho da sua espada.
Roschen I Roschen 1 repeta a voz
que pareca ir tomando a expressao de colera.
01 he disse Roschen o mais pru-
dente separarmo-nos.
J?
Ella encostou as suas pequeas raaos ao
hombro do baro e sorrio-se meigamente.
Nao, estaremos amanh reunidos.
Oh I sim, de certo Imurmurou elle
com o enthusiasmo do amor.
Fugremos para longe, nao assim,
meu bem amado ?
Para onde quizeres, minha querida
lilha.
Iremos unir-nos ao exercito francez,
fugiremos para o teupaiz... seguir-te-hei a
toda a parte, como o cao segu seu amo,
como a sombra o seu corpo.
Roschen Roschen I repetio a voz
pela terceira vezRoschen, onde ests?
E dessa vez a voz era furiosa, cimenta,
implacavel.
Roschen cmpallideceu.
Adeusdisse ellase elle vier aqui,
esconda-se ou finja estar desmaiado...
O Sr. de Nossac deu-lhe um longo beijo e
ella fugio: mas apenas tinha dado dez pas-
sos, voltou.
Nao se esqueca... esta noite... nio
beba o ultimo copo de vinho... e... ma-
te-a I
Pois sim Iresporideu o Sr. de Nos-
sac, pensativo.
Quando chegar -a hora da partida,
Sreveni-lo-hei... terei cavallos sellados; so
e restar vestir-se e partiremos. Adeus.
E desappareceu." '
Era tempo, porque apenas se tinha extrac-
to, as moutas vizinhas, o barulhodfrseus
passos, quando se ouvio ura barulho na di-
receo opposta, e Wilhelm appartceu, de
repeqte, na clareira onde o barjjg tinha sa-
me.
fe xpltCou.'jA- motivos, porque devava de
\otar.
O Sr. Silveir Martins : Nao disse
que o nobre ministro pedisse, mas nao du-
vido que sem pedir munifestasse interesse
ua deciso final deste pleito.
OSr. Ministro do Imperio :Estou-me
habituando s njusticas do nobre deputado;
mas assevero-Ihe que nSo tem provas de mi-
nha intertenco.
O Sr. Silveir Martins : Anda nao
fiz'njustca ao nobre ministro. Porm o
que e verd.tdo, Sr. presidente, que o Sr.
Wilkens de Mattos nao fazparteda commis-
sao que d o parecer (apoiados), porque es-
to asignados oito membros smente, falta
o sea mue, e o nobre deputado, relator da
commissao, acabou de declarar que o Sr.
Wilkens de Mattos absteve-so de votar na
questao.
6 Sr. Elias de'Albuquerque :E' outra
cousa.
O Sr. Silveir Martins : Ha 8 inem-
bros: 4 votaram pelo parecer, dous deram
voto em separado, dous assignaram com re
triccoes ; mas de notoriedade publica pe-
las declaraces expressamente feitas pelos
dous signatarios, que versara as restriccs
sobre a eteico de Pao d'Alho; que um
nietaibro da maioria, deputado por Pernam-
buco, declarou a mim mesmo em resposta
a urna increpacao que lhe tiz, que essa elei-
cio fora feta a bico de penua.
O Sr. Ministro do Imperio : Peco o
Done desse deputado.
O Sr. Silveir Martins : J osatisfaco;
nao o deixarei duvidoso a esse respeito.
A razo de assim fazer-s a eleico foi por
motivo mu razoavel, foi por conveniencia
publica, disse-me esse Ilustrado deputado,
pois que nao havia duvida sobre o resultado
eleitoral, e desse modo poupavam-se ajunta-
mentos de povo, tumultos e despezas.
Mas at hoje, Sr. presidente, as presump-
goes de trumpho nao deram s parcialida-
des politicas o direito de falsificar actas de
eleices a titulo de evtarem-se riscos elei-
toraes.
O nobre deputado por Pemambuco, o
Sr. Pinto de Campos, que dava aparte ao
meu digno amigo que precedeu-me na tribu-
na, dizendo queeram filagranase sophismas,
foi o proprio que preconisou as grandes
conveniencias dessas eleicoes phantasticas,
que se fazera sem ajuntamento e sem despe-
zas por nao admittirem duvidas no resulta-
do final, (oh 1 oh I)
O Sr. Pinto de Campos : (com forca.)
Eu nao disse isto com relaro "& eleico do
Pao d'Alho, fallei genricamente ; appello
para a lealdade de V. Exc. Observei que em
geral os partidos, quando nao havia opposi-
co, nao cingam-se restrictamente s forma-
lidades que nos casos do luta costumam
guardar.
Admiro que V. Exc. faga uso em publico
do que eu lhe disse era particular.
O Sr. Silveir Martins :Eu fallei-lhe
positivamente do Pao d'Alho, cora a expo-
sigo do Sr. Souza Reis, e publicamente,
que nao em particular.
O Sr. Pinto de Campos .Desde que de-
clnrei ao nobre deputado que nao alludia
eleicfio-do Pao d'Alho, tinha o direito de es-
perar do cavalheirismode V. Exc. que acei-
tasse a minha deelaraco.
O Sr. Carlos Peixoto : E' urna verda-
de; mas de urna vez ouvi sso de V. Exc., ex-
pressanfb-.se serapre em these geral.
O Sr. Silveir Martins :Eu vou por os
pontos nos i. Diz o nobre deputado duas
cousas : Io que nao se referi ao Pao d'Alho,
2. que eu divulguei na cmara urna con-
versado particular. Sr. presidente, nem urna,
nem outra cousa rigorosamente verda-
deira.
O Sr. Pinto.de-Campos:J agora V.
Exc. pode dizer o que quizer.
- OSr. Silveir Martins : Lendo o es
cripto do Sr. Souza Reis sobre a leico do
Pao d'Alho evidente a nullidade, pois quejn
sabe o que eleico, uo admitte a possibli-
dade de se apurar milhares de cdulas era
algumas horas, pois isso physca, mate-
rialmente impossivel.
0 Sr. Prksioente : Veqoao nobre de-
putado que ciuja-se ao objecto do requen-
raonto em discussio, A oeicAo sobre que
versa o pareoer nao piMe ser agota discutida
pela cmara, porqua isso, vedado pelo re-
giment ; e, portanto, nao posso admttir de-
bite algum a tal respeito,
OSr. SiLVEfRA M,vrtins : Nao vou tra-
zer mais di>waso a eleico propriamente
dita ; mas VVKxc. ba de permttr-me que
explique n farfb que o nobre deputado aca-
ba de lapcar-rae em rosto, o que de minha
dignidadcpessoal.
Ruferinoo aqui na casa accidentalmente,
na presenca alguns deputados, quo nao' po-
da ser vardaileiro o facto que atfirma a
acta da eleico do Pao d'Alho, o nobre de-
putado respondeu-me que nao bavendo
pleito eleitoral, era indubitavel o trumpho,
e nessecaso foi at muito ventajoso o que se
praticon por evitar tumultos e despezas, por
quo as eleicoes traziam umae outra cousa.
Eu ento respond a S. Exc. : Pode ser
muito conveniente ao bolso ; mas alta-
mente inconveniente moral publica e
aos direitos dos. cidados. ( Apoiados).
O Sr. Pinto de Campos : Fallei em geral,
e nao me refer eleico de Pao d'Alho ;
tanto que ha muitos dias que nao fallo com
o nobre deputado.
O S. Silveir Martins : Mas fallou
urna vez, e tanto bastou para dizer isto.
O Sr. Pinto de Gampos Em geral.
O Sr. Silveir Martins :Assim, pois,
o i \ mo agora o aparte do nobro-deputado,
dizendo que filagranas, sophisma o quo
se diz sobre os vicios da eleico do Pao
d'Alho, combinando este aparte com o que
S. Exc. publicamente declarou-me, nao mu
considero obrigado a guardar segredo do
que se me nao disse confidencialmente,
principalmente tratando-se de urna questao
que interessa altamente ordem publica,
honra e dignidade do parlamonto, as^
sim como os direitos de terceirr). Apoia-
dos. )
O Sr. Pinto de Campos :J disse que
me refer a essa eleicio, fallei em geral.,
O Sr. Silveir Mar-tlns : S. Exc. diz
agora (pie fallou em geral quando eu falla-
va positivamente ua eleico de Pao d'Alho ;
eu nao lhe contesto que se tinha equivoca-
do ou que me nao houvesse comprehen-
dido.
O Sr. Pimto de Campos :V. Exc.
que atonte comprehendeu.
O Sr. Silveir Martins : V. Exc.
nao comprehendeu-me, mas o voto em so-
pado e o voto com restriccs comprohen-
dem perfeitamnte que nessa hyposhese ge-
ral a eleico de Pao d'Alho, pois os Ilus-
tres membros que assignaram, o parecer,
com restrieges, declararam a mais de um,
como a casa acaba de ouvir, que as res-
triccs eram referentes nullidade do col-
legio de Pao d'Alho.
O Sr. Jlo Manoel :Nao declararam
na commissao.
O Sr. Silveir Martins :Pode ser que
nao declarassem na commissao.
O Sr. Joo Manoel :Pode ser, nao
apoiado; nao declararam.
O Sr. Silveir Martins :E, note V.
Exc, Sr. presidente, que os nobres deputa-
dos que assignaram o parecer com restric-
cs nao se acham presentes na casa !
Uma Voz :Que importa isso ?
O Sr. Silveir Martins :Importa tudo,
(apoiados), porque elles tinham de explicar
agora o seu voto e assignatura no parecer
Uma Voz : Porque nao assignaram o
voto em separado?
O Sr. Silveir Martins :Sao misterios
que eu nao posso descubrir !
Portanto, Sr. presidente, acho de ura lado
quatro assignaturas e do .outro lado outras
quatro ; por isso, o pedido do meu digno
amigo, representante pela provincia de Mi-
nas, para que volte o parecer commissao,
nao uma filagrana, nao um sophisma,
urna atrapalhago, como a chamou o nobre
deputado pelo Rio-Grande do Norte; pelo
contrario, um pedido cheio de moralida-
de (apoiados), que ha de honrar a cmara,
se na forma proposta decidir. (Muito bem.)
Procedendo-se votaco do requerimen-
to de adiamento, rejeitado.
Procedendo-se em seguida votaco do
parecer, approvado, sendo rejeitado o voto
em separado.
O Sr. Presidente declara deputado pelo
i distrieto da provincia de Pernambuco o
Sr.Antonio Joaquim de Moraes e Silva.
do, fingindo, segundo o conselho de Ros-
chen, estar completamente desmaiado.
Wilhelm ficou estupefacto ao v-lo.
Oh! oh 1disse ellecoraeco a crer
que o nosso hornera, bravo comoi, tem
grande modo, ha dous dias, e em^igar de
seguir Gretchen ao cemiterio, foi accommet-
tido por um pnico tal, que cahio sobre a
re va, como um horaem que realmente vio
o cacador negro.
- E aproxiraando-se do bario, sacudio-o
com for^a.
Com a breca Imurmurou Wilhelm
nos queremos, verdade, mata-lo, mas
devagar, e nao devo deix-lo morrer hoje.
E Wilhelm dirigio-se para um pequeo
riacho que corra por entre a herva, trouxe
delle agua as mos e lancou-a ao rosto do
baro.
Este pensou que Wilhelm estava bastante
convencido do seu desmato, e para neo ser
obrigado a prolonga-lo indefinidamente,
abri os olhos ao contacto da agua.
Ento, meu hospede Use alegre-
mente Wilhelmque tem? ;
Estava a dormirrespondeu heroica-
mente o Sr. de Nossac.
Cora que sorano?
Como, com que somno ?
Sem duvida! Era fadiga ou terror ?
Terror?disse desdenhosamente o Sr.
de Nossac.
Sem duvida, porque tinha o somno
bem pesado. '.
Julga isso ?
Oh I com certeza, porque o sacud
vigorosamente.
Ento, porque dormi mal a noite
passada.
Seja franco, meu hospede.
Se-lo-hei.
Soffreu alguma nova mysficago da
parte do meu honrado pai, o Sr. de Holden-
grasburgo, e, dominado pelo susto, fugio
para aqui, onde cabio desmaiado.
Pois bem I disse o Sr. de Nossac,
fingindo grande abandono verdade,
convenho.
Tarabemrespondeu Wilhelm-te
umaeousa a que estou bem resolvido, e a
indispr-me com meu pai, so He continuar
com este ridiculos gnujejos.
E eu exclamou o Sr. do Nossac com
fingida colera pedir-lhe-hei rcpara pelos outros.
Socegue, meu caro hospede, e venha
comgo.
Onde vamos?
Ao castello, onde o almoc* nos es-
pera...
Tanto melhor disse o barotenho
fome.
E depoismontaremos a cavallo, e cor-
reremos umveado... Ha dous dias que nao
cacamos.
Gretchen far parte dos caladores?
perguntou o Sr. de Nossac.
Nao sei. E' possivel.
E sustento o contrario.
E porque t
Porque Gretchen est deitada no seu
esquife, no cemiterio... vi-aeu... piquei-a
cora a minha espada...
Wilhelm estremoceu.
E que proseguio o baro diga-se
o que se disser, est realmente morta, e
um terrivel vampiro que toraou por tarefa
o sugar-me e devorar-me cada noite, gotta
a gotta de sangue.
Que loucura I
Seja incrdulo, que me importa I eu
bem sei o que vi... sei o terror que me accom-
metteue que me fez fugir at este sitio, onde
rae achou desmaiado.
Foi victima d'uma allucinao.
Juro-lhe o contrario.
Eu nioocreio... mas venha almfar.
E tomou-lhe familiarmente o brac,o.
O Sr. de Nossac, a esse contacto, sentio
um estreraecimento de colera, e teve desejos
de o abafar entre os bracos, de enterraT a
sua espada at ao punho no peito d'esse
horaem que tinha amado Roschen...
Felakente o Sr. de Nossac comecaya a
ver que zorabavam delle, e at que queriam
attentar contra a sua vida, e julgou pruden-
te conter-se. *.
Chegaram ao castello, e ahi Wilhelm avis-
tou Roschen, no parque.
D'onde vens 7 perguntou elle.
__ Da floresta respondeu Roschen.
A fronte de Wilhelm enrugou-se durante
um segundo, sob a iropressto d'uma suspej-
ta ; mas essa suspeita desvaneceu-se logo que
Roschep acrescentou:
A- Fui casa de Werner, o rachador de
leiihff. \ \
mesa, baro, mesa 1 bradou
de longe.a voz de Hermann.
E a cavallo, depois I acrescentou
Conrado.
E ento? disse mysteriosamente o
conde de Holdengrasburgo, chamando
porta o Sr. de Nossac.
Nfto me tinha engaado, vi-a no ce-
miterio.
Estloucol
Juro-lhe que nao.
E o baro repetio ao conde o que j tinha
contado a Wilhelm.
O castellao sacudi a cabega com ar de
duvida: comtudo acrescentou era voz baixa:
preciso que se aclare este negocio I
E' fcil disse o baro vou con-
duzi-lo.
Nao, nao hoje, raanh... Segui-la-
heraos ambos.
Seja assim disse negligentemente o
Sr. de Nossac.
A proposito disse de longe Hermann
__eu quera que esta estouvada de Gretchen
viesse comnosco hoje.
__E ento perguntou o conde, lan-
zando um olhar significativo ao Sr. de
Nossac.
Mas ella recuso u.
Porque?
Porque pretendeu que nao thiha por
costume cacar um dia inteiro sem comer.
E arefetoo da muda?
Rem sabe meu pai que Gretchen or-
gulhosa e nao quer comer nossa mesa.
E' justo. Pois bem a cavallo; passa-
remos sem ella.
XIX ,
O baro e seus hospedes montaram a ca-
vallo e toca rara o hall al i.
Roschen nio vem?perguntou Sa-
muel a Wilhelm.
Naodisse Wilhelm, com -mo hu-
mor. | ^.
Porque?
Porque eu lh'o prohib.
Samuel encolhefi os hombros.
lastttut* llLl*rlr* e
phic BraHHr.
DISCURSO Hk*. REMUJtH FM*LIN RAMIZ
CALVAOrMMHM*lH VEZES DE ORADOR NA
SES8.V0 MAGNA, CELEBRA! KM lo DE
DEZRMBRO DE 187S.
Continaco.
Alli mesmo devia o axdente mancebo pro-
var os impetos de seu genio ambicioso de
glorias; e, electrisado pela centlha da IBW-
dad que rutila va as baudeiras do partido
de D. Mara II, toraou armas com o corpo
acadmico o pozase em campo contra as tor-
cas miguelistas.
O desinteress e a espontaneidade deste-
prmeiro acto de^sua vida eos gnal precur-
sor dos generosos sentimentos, quo deviar
mais tarde sellar os passos de sua earreira
poltica e administrativa no Brasil.
Gonealves Martins nao havia anda ento
ultimado o seu curso jurdico na universida-
de ; mas que lhe importavara conveniencias
perdidas, se no coraco borbulhavam-lhe
grande sentimentos de cavalheirismo, e se alk
estava uma causa nobroo sympathica para
defender custa da propria vida ?
Filizmentc, senhores, a Providencia deu
outro andar aos an mtecimentes, e Goncal-
ver Martins nao teve por castigo de sua ou-
sadia seno a uecessidade de emigrar para
Inglaterra, donde parti incontinenti para o
seio da patria.
Seus elevados dotes deviara ser logo apro-
veitados ao servico da melhor das causas.
Foi nomeado secretario do curso jurdico- do
Olinda que acaba va de organisar-se ; mas- o
ardente mancebosonhavacomlouros de ou-
tro genero o mais vastes horizontes, e poi*
se deixou ficar na cidade da Baha militan.-
do as tileiras da poltica activa, redigindo
folhas em que a sua penna fcil comecou de-
revelar grandes promessas, eo com que pre-
parando o terreno onde esperava assentar o
prmeiro degro de sua vida poltica.
Nao tardou muite a realisacao dos sonaos
faguoiros ; a sua nomeaco para chele de
polica da capital da provincia foi o almeja-
do conforto de uma tardarica, quic bastan-
te longa para quem tanto arda era aspira-
Ces de mais elevada esphera.
As circumstancias favorecerara-o. Os es-
pirites incendidos desde a regencia d Feij
nao se repriiniam cotilosos seno porque
nao surgir uma voz audaz que despertassa
o movimento. Sao sempre assim as revolu-
ces ; o desgostoe a decepgo lavram surdos
na sociedade, comecm por minar os alicer-
ees do edificio, amontoam os materiaes da
exploso, e se niel banca dos grandes cata-
clysmos physicos que nao se denunciara se-
no por longiquos mugidos da natureza, e
s estalam quando a primera lava assoher-
ba a crtera, assim as revoluces s esperana
pelo prmeiro grito de alarma na pra^a pu-
blica.
Rebentou na Balda a revoluco do Sabino
a 7 de novembro de 1837, quando Goncal-
ves Martins anda exercia o cargo importan-
te de chefe de polica daquella cidade.
Houve e tal vez anda baja quem aecusso
o honrado funecionario de pactuar com a-
quelles sediciosos, cujos planos se disse a
G mas o espirito de partido parece haver des
naturado os factos, cuja verdad historie
acreditamos haver obtido de minuciosas e
imparciaes indagaces.
Erara de facto conhecidos de nosso conso-
cio os movimentos, que s oscuras se plane-
javam contra a ordem e a legalidade ; mas
deiiuneiou-os por mais de uma vez ao presi-
dente da provincia, o qual nao desenvolveu
a precisa actividade para suffocar a hydra
em seu horco, porque confiava demais as
iuformaces fleugmatcas de outras autorida-
des e de boa f acreditava ter por si toda a
forca de polica da capital.
Debalde o adverta Goncalves Martins
cauteloso e animado de um zelo que se nao
pede senao elogiar : o senador Paraso res-
peitava o plano da inercia que se havia im-
posto.
Surgiram emfira os graves acouiecimento
do dia 7, o valioso chefe de polica vio esm
grande magua que se realisavam as suas pre-
vises e (pie as proprios guardas de lei se
bandeavam para as legies de Rocha Vi-
era.
(Continuarse-ha).
s um despota para cora essa crianc
disse elle.
Julgas isso ?
Fac,o mais, indgno-ine.
Wilhelm franzo o sobr'olho.
Sou ciumentorespondeu elle.
Imbcil!
Receto que ella o ame.
Louco I Wilhelm Wilhelm I o teu
tolo ciume acabar por nos trahir, e tudo
ficar perdido.
ento que importa isso?
Iraporta-me muito, e a todos nos,
pateta Se deixaraos a partida por acabar,
ficamos arruinados... e temos to pouco
crdito e tanta precso de dinheiro !
Chut Idisse Wilhelm^ mostrando o
baro, que aproximava por gales o seu
cavallo dos dous irmos.
Os caladores partirara.
A cagada foi magnifica. Cavallos, caes e
monteiros Gzerara raaravilhas, e o senhor de
Nossac abandonou-se aos seus instinctos de
eagador, dizendo comsigo que teria tempo
na velta de pensar era Roschen e nos meios
de fuga.
A volta effectuou-se tarde, e os cacado-
res acharam a ceia servida, e Roschen espe-
rando-os na sala de jantar.
Roschen encontrou occasio de se apro-
ximar do baro.
Tudo est pomptodisse ella furti-
vamente.
A ceia foi alegre; gradjpu-se com o baro
sem acrimonia; zombou-se dos vampiros,
mas nem o conde de Holdengrasburgo nem
o senhor de Nossac fallaran em Gretchen.
Barodisse o conde no fim da ceia
vamos esvasiar, segundo o nosso costume,
um frasco de Malvara. Estenda o seu copo.
A empoeirada e secular garrafa foi des-
arrolhada, e o baro estendeu o seu copo.
Ms no momento em que todos os con-
vivas levaram os copos aos labios, o baro
despejou o seu'debaixo da mesa.
Ninguem vio esse gesto, excepto
Roschen e um hoto personagem que appa-
receu porta.
''


'

\
7
(Continuarst-ha.)
TYP DO DIARIO RVA JWMis ^^-
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIBKJKVAE_VSSIC3 INGEST_TIME 2013-09-19T22:44:25Z PACKAGE AA00011611_12819
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES