Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12818


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.
' -
AKNOXLIX. MMER 18
. 11..... i. .1 ........
PARA A CAPITAL E LVGABES OSDE SlO SE PACA PORTE. '
Por tres uezes adiantados.......r........ 69000
JPor seis ditos idetfi.......y.......... 130000
Por um Mino dem '.................. 2i*M>00
Cada numero avulso ................ 320
QL1NTA FRA 23 DE JANEIRO 1) 1873.
1EATRO E I ORA A PROVI.\CL%.
Por tres meies adiantados. .. ..... '........ 60780
Por seis ditos idem.........". ...... 199500
Por nove ditos idem.....* ........... 20960
I*or. um auno idem.................... 37^000
- /
PR0PRIEDADE DE 1HAN0EL FICUEIR0A DE FARIA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filaos, no Para; Conchos & Pinto, no Maranhao; Joaqun Jos de Oliveira & Filho, no Cearif Antonio de Temos Braga, no Aracaty ; Joao Maria Julio Chaves, no Ass
Pereira d'Almeida, em Mamanguapc ; Augusto Gomes da Silva, na Parahvba ; Antonio Jos Gomes, na VilWda Peuha; Belannino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jcw;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna Franemo Tavares da Costa, em Alagdas; Alves & C, na Babia ; e Leite, Cerquinbo d C. no Rio ,'de Janeiro.
; Antonio Marques
da Costa Braga, em
da Silva, no .Natal; Jos Justino
Nazareth;
PAITE OmCIAL
j.iM i-rini la pz*ot incita.
KKPEOIKN K DO DI\ 11 DE JA.NEIIU) DE 1873.
Actos :
O presidente da provincia, vista dooficio
I i Ur. cmfe de polica n Si, dj 9 do correato,
rosero exonerar Jos Pereira Leite, do cargo de
subdelegado di districlo d; Canhotinlio, do termo
i S. Rento.Co:nnunieoi-seao Dr. cueto de po-
lica.
O presidia!; da provincia, resolve exonerar
.1 aifere* reformado do ex;rcito Tibureio Joaquim
ij* Audrade, do lujar de ajudante do forte do Hu-
raco, reverten lo o dito odl;al ao desasten de're-
erutas para fater o servieo que Ihe competir, e no-
nieia para o substituir n ;.quelle lugar o lente-]
honorario do exordio Antonio Machado Revenido,
a quem o us no alteres fari entrega de toda a
liolvora existente ao mesmo forte, depois de con-
venientemente, balanceada.Fizerani-se as preci-
sas commuiiicaeo a.
O presidente di provincia,attendendo ao que
roquerenm as professoras publicas de nstrurca
primaria. Henediaa Floresta dos Santos (',ordeiro,
ila povoaco de Viceneia, e Idalina Mara de Gas-
tro, da d S. los de Ipoj lea, e informac/io sob
n. 8 do director geral inlenuo da uslrucca pu-
blica, do 8 do corrate, rewlve nos termos da le
u. !<)i do 26 de jullio de t848, consentir que alias
p^rmatera as suas respectivas cadeiras.
Offlcios :
Ao Exni. presidepte da provincia de S. Paulo,
acamando a recejco do san otllcio de 13 do de-
t-rubro do aur > lindo, era que coiauuaica que no
dia ti do mesiu), perante a cmara municipal,
prestou juramento e tomn posse do respectivo'
cargo, para o qua'. foi nonuado por carta imperial
de ll.
Ao das Alagas, acr usando recelado o sea
oficio de 23 do referido uiei, no qu:d cominuuica
que a 22 prestou juramento e louiou posse do car-
go de presidente dessa provincia, para que foi o-
ra, vio por carta imperial ile 20 d novembro
Ao Exm. hispo diocesano, acensando recebi-
I > o sdu oficie de 8 do cu'reate, em que coiniuu-
nica que a 25 de dezembro, falleceu o reverendo
vigario da Ireguezia de Pajeii de Flores, kedro
Manoel da Silva Iturgos, fisaado o reverendo coad
juctor, Manoel Ferreira (.tabello Anana, na re-
gencia da mes na, at que neja noineado novo pa-
rodio. -Comuiumcou-se ai inspector da thesoura-
ria de (azoada.
Ao conselheiro director interino da Farulda-
de de Direito, remetiendo um excuiplar impivsso
da falla con que S. M. o Imperador abri a 1" ses-
.iao da lo* legislalura da assemblea geral no dia
21 da dezembro fiado. -Fiwram-se iguacs remes-
sa* aos Srs. chefes das reparticoes.
Ao coronel cominantante das armas, man-
dando addir a um dos batalhoes de linha, para fa-
.zwem o servieo qae Ibes competir, o lente Uo-
uorario do exercito, loSo Pereira de Luceua e o
aUere* tamben i honorario, Jos Francisco de Sou-
U Leite Communicoii-sc ao inspector da thesou-
laria de fazenTa.
Ao mesmo, niandamlo apresent.tr no palacio
d i prosidencia no dia 13 do corrale, a 1 hora da
uri, os reerutas Satyro Antonio da Costa e Ma-
a* Francisco do Nascinunto, de que trata o ter-
mo do inspecrao annoxa ao seu oflicio de 4 do
crrante,aobo. 2'.
Ao Dr. chefe de polica, declarando que cm-
,. ..nto iiio ragraasarem do Fernando de Noronha,
as oraras de I liana, nao podem ser altendidas
as reejosieoos Je brea poUeial para rondas.
- Ao nspuclor da tl.esouraria de fazenda,
i'imuaicando que por aviso do ministerio do im-
perio le 2i de dezembro do auno passado, foi
appro ado o credit ule 3:00i) pila respectiva verba,
ll 'X 'ivieio de l7 a 1873 para occorrer ao
pagamento das aludas de cusi, autorisado sob
. ponsabilidade da presidencia, na sesslo doste
.inao, aos deputados Manoel Ai thur de Hollauda
Cavaleante. Francisco Rarihael de Mello Reg e
Francisco Leepoldiuo de Gstalo Lobo, desla pro-
.i ieia, Elias frederieo de Almcida e Albuquer-
quo, da l'arali; ba e Tarquiaiu Braulio de Souza
Amiraatho, du Rio Grande do Norte, a razio de
' 01 00 cada un..
Ao mesmo, communrando que a 2 do cor-
rete entrou o bochare! Jone Elvso de Carvalho
Gouto, Juta municipal e de orphaos do termo de S.
K tuto, no gozo da licenfa que Ihe fui concedida em
7 do dezembro.
Ao mesmo, mandando pagar ao bacharcl
Adoiplio Laincnliu Lins. oillcial-uuii.ir da secreta-
ria da presidencia, a quinta parte dos venchnentos
de secretario, a contar de 11 de novembro a 20 de
:d>ro do nono passado, por haver exorcido
ste cargo no impedimento do propriotario, que
Wguio para a edito a tonur assento na assembla
ai \I legislativa ; sendo fito esse pagamento sob
vesponsiblilidade da mesina presidencia.
Ao inspector da thesouraria provincial, man-
dando pagar s. quem se nnstrar habilitado, os ven-
cimenlos do destacamento da guarda nacional de
blinda, relativos ao uiez de dezembro ultimo
i;oaiuuincou-:se ao respectivo conimandante supe-
li'W.
Ao Dr. director geral interiao da estatislica,
remetiendo 18 caixSes, coatendo todos os elemen-
to-, originaes do lecenseai lento dos inunicipios d<>
ltecife c Olinda, e o relaUrio tute por seu intcr-\|
niidio tem de ser apresen ado ao Exm. Sr. minis-
tro do imperio.
Ao capito do p>rto; devolvendo o termo do
iajpeccao a jue foraiu submettidos os rocrutas
Sorberlo Francisco Marliniaao, Ma\imiano Ma-
ii ..; Mofcira e Manoel Lourenco dos Santos, para
que nelle se delare, quanto ao primeiro, se sao
nrurave9 os dartros que soffre as talos; quan-
io ao segundo, s(: a falta de robustez devida
i.i i idade ; e quanto ao terceiro, se a falla do dedo
indicador motivo para escusa do servieo da ar
mida.
Ao mesmo, recommendando que procuro ob-
ler o>tlareciinentos mais p sitivos para se poder
(a .:er um juizo mais seguro acerca do boato que
rre da per>la to vapor Mmulnh, que no dia 3
i corrente eguio para o presidio de Fernando.
Ao Dr. ilirector getal interino ta instruscao
Trti'oiica, devolvendo a peticao de Simplicio da Cruz
Kilwiro, alim de que mande passar a cerlidao que
pede o mesmo.
Ao reverendo conego regodor do gymaasio
pt tsincial, exigindo com urgencia a remessa da
1-nlacao dos aluniaos peuonistas desse estaboleci-
iii te,
Ao jui.: de direito de eapellas e rosldnps, re-
coiiiiaendanio que prest; a? informaees que so-
ti,->o serventuarios de justici desta comarca le
loram pedidas e n o'Icio de 27 de julbo; de\endo
riria-Ias at; o ultimo de fevereiro prximo.-Fez-
igual recomniendacac aos juizes de ducito das
ireas de Olinda, IgL^arassii, f.oyanna, Nazare-
t, llarrelroi, Pilmares, Bonito, Limoeiro, Garua-
rg Cimbres, Bon-Conselho e Ouricury.
Ao juiz didirejtc interino da comar:a do
li i-Formoso, aecusande a recepeo do seu offleio
il; t2 do m!z passado, em quo participa os motivos
porque deiiou de reonir-je a segunda sesso ordi-
nario do ju -y de Serintiem, c dtzendo qae nio p-
ii ter lagai* o ilvitre hmbrado, por nao cafcer ao
p.^iler executive revogai- leis, e apenas dar-lhes flcl
tiimprimento.
Ao conimandante lo orno da polica, otan-
lar aVstacar doas pracas na povoaco d> Belieribe
fposicSo da rsped va autoridade polica.
Ao engeaheiM director das obras militares,
declarando que, visto nao ser conveniente a remo-
cao da capella do hospital militar, deve entender-
se com o eai;ireiteiro da obra para ser nessa parte
modificado o contrato.
Ao mesmo, autorisando a mandar concluir
o calafeto do soalho do mesmo hospital, por ter
cessado o motivo que acunsolhou a suspencao
desse traballio.
Ao engenheiro Manoel de Barros Brrelo, ac-
ensando a recepco do sen oflicio de '3 do corren-
te, em que participa ter nessa data entrado no go-
zo da licenea que Ihe foi concedida.
Portara f
A' cmara municipal de Iguarass, aecusan-
do receido o seu offleio de 7 do corrente, no qual
participa que nesso dia prestaram juramento os
ven-a dores e juiz s de paz ultimameale eletos, e
qne para esse lim comparecerau.
KM'KOIKNTK III SKCRKT.VBIO.
Oflicio :
As coronel coaunaailante das armas, decla-
claraudo, do oidetnd Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, que por despache desta data
obteve o re-
mita Jos Geraldo de Lima urna prorogacau de 8
lias, para provar isencao legal.
EXI'KUIK.NTK DO Ola 13 OX JAXEIIt > l'E 1873.
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren Garlos da Silva Araujo, lente t|uartel-
meslre e coiiiuiandante interino da stima cumpa-
aliia do 3" batalhao de inlaularia da guarda nacio-
nal do municipio do ltecife, a vista da informa-
jilo do respectivo cjinoiaulaate superior em oflicio
n. 526 de !l do corrate, resolve coaecder-llie dous
mezes de licenea para ir ao Bk> de Janeiro tratar
de seus negocios.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren lara Olympa de Luna Freir, proles-
sora publica da tercena cadeira da fregue/.ia de S.
Frei Pedro Goncalves do Becife, e toado em vista
a informaca do Dr. director geral interino da ins-
tniccao publica, de 4 do correnta, sob n. (i, resolve
conceder-lhe um mef.da licenea coni ordenado jia-]
ra tratar de sin sade.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren Gasptr Fragoso de Albuquerque, prati-
eante da recebedoria de rendas internas, e Modo
em vista a ioformacao do inspector da thesouraria
de fazenda de 2 do corrente, sob n. 642, serie B,
com referen-eia do respectivo administrador,
resolve coiiceder-lhe quarenta dias de licenea com
veuciiiientus na (orina da le para tratar 'de sua
sade.
Dcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda, com-
municando que o juiz municipal e de orphaos do
lermo de Bom-Janlim, bacharel Austerliaao Cor-
rea de Crasto, assumio no dia primeiro do corren-
te o exercicio da vara de direito da comarca de Li-
moeiro no impedimento do juiz effectivo e do pri
meiro substituto.
Ao mesmo, eommnnieaado qne o bacharel
Joaquia Francisco de Arruda, juiz municipal e de
orphaos do termo de Limoeiro, entrou no dia 7 do
corrente no gozo da licenea que obteve.
Ao mesmo, oommttnicaodo que o promotor
publirfi da comarca de Limoeiro, bacharel Angus-
t) Cocino de Moraes, entrou a 6 do corrente no
gozo da licenea que Ihe foi concedida.
Ao mesmo, mandando pagar a Jeronymo Pe-
reira Mariz ou a Evaristo Mondes da Guaba Aze-
vodo, os veacimeat.is do destacamento da guarda
nacional da villa de Brejo, relativos ao mea de de-
zembro ultimo. Communicou-so ao commandante
superior respectivo.
Ao coiiiinandante suporiorda guarda nacio-
nal de Ulinda.lnteirado de quanto V. S. expoe em
sen offleio de 23 do mez prximo passado. quanto
ao fado de nao ter sido feila a revisan da qualili-
rao dos guardas do ba'alhao n. 10 de inlantaria do
municipio de Iguarass, no auno prximo indo.
tenho a dizer-lhe que nao posso doixar d estra-
nhar qoanlo occorre, do que considero responsa-
veis nao s esse caminando superior, eomooseom-
maudantes de coros a que alinde.
A perda de livros da tpialiicacao anterior, a
talla de providencias para a sua Mibstiluicaoe re-
messa das listas de qne trata 0 artigo 10 do decre-
to 1130 de 12 de marco de I8j3. a nao reuiiiao do
eonselho, sao fados qne denotam que de parte de
todos tem deixad de lia ver observancia da le, e
por lauto de cumpiimeoto de deveres. Conyem que
i?tu nao se repita, alim deque naosoffra o publico
servieo, sendo sobremaneira desagradavcl a esta
presidencia ter de notar faltas, mxime ein relacao
aquellos que. como chufes, deviam seros primeiros
a evita-las e mostrar-se solcitos no cumplimento
de seus deveres, afin de dar exemplo a seus su-
iiirdinaAos.
Isto posto, nao pudendo ja agora ter lugar a reu-
naoda qualilicacao. que tlevia ser feita no auno
prximo lindo, providencio V. S., de modo a que
nao deite de se proceder a deste anuo, fazendo *s
requisicoes e ex|iedmdo as convenientes ordens em
lempo e de modo a spr esse servieo feito de con-
formidade com a lei.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offleio :
Ao gerente da companhia l'oinaiabucana.
mandando, de ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, dar passagem, por conta do ministerio
da marinha. r do vapor Mtmdahu at Penedo, ao
engenheiro civil Julio Alvaro Teixeira de Macedo,
liscal dos pbares do norte, que ah vai em servieo
da coinniissao a seu cargo.
EXPEDIENTE DO DIA 14 DE JAXEIROpE 1873.
Actos.:
O presidente da provincia, autorisado pelo
aal da aviso do ministerio do imperio de 18 de
dezembro ultimo, resolve abrir um crdito da quan-
ta de l:200j, destinada para o pagamento das
graticacocs mensaes de 100i, marcadas ao indi-
viduo nmeado para auxiliar os empregados da
inspeccao da sado do porto, de 50 ao respectivo
secretarlo e igual quantia ao guarda, bem assim
a que se costuma dar trnolaco do escalcr em-
pregado na desinfeccao do?navios. Cuiimuni-
cou-se ao inspector da thesouraria da fazenda.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren o Baro da Solcdadc, empresario da es-
trada de ferro do Recifo villa do Limoeiro, e
tendo em vista a inforniacao do engenheiro chefe
da reparlicao das obras publicas de 11 do cor-
rente, sob n. 13, rejolve prorogar-lhe uor seis me-
zes o praio marcado para o comocp das obras da
referida empreza. Esta ser apresentada as es-
tacoes competentes.
'Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia do Ro de
Janeiro, pedindo um documento que prove ter o
soldado do 2" batalhao de infamara do exercito,
Pedro Simoes da Silva, seguido para a companha
3o Paraguay na qualidade de voluntario da patria
da 7* companhia do 6' batalhao dessa provincia.
Ao inspector da thesouraria de- fazenda, com-
municando que a 30 do mez passado assumi'ra o
bacharel Joao Francisco da Silva Braga o exer-
cicio do cargo de juiz de direito da comarca de
l tamb.
Ao mesmo, communicando que aquella
raesma data reassumio o bacharel Menolo
dos Santos da Fonceca Lins o_ exercicio do cargo
de juiz municipal e de orphaos do lermo d'osse
nome, dexando a jurisdiccao da vara de direito.
Ao mesmo, communicando que o bacharel
Honorio Vaz Curado deixou no dia 8 do corrente
o ercicio do cargo de promotor publico da co-
marca de Goyanua, por ter entrado no goao de li-
cenea..
Ao m8mo, couuuunicaado que a 17 do mez
passade o bacharel Ernesto Vieira de Mello deixou
o exercicin do referido cargo na comarca de Pal-
mares, por iucoiinnodo de sade.
Ao iiie.-.iiio. commuiiicaiiilo que o bacharel
Flix de Figueira Faria |iarticipou em otlleio d i
10 do corrente conlinnar drate e nao poder vol-
tar para a comarca de Flores a reassumir o exer-
cicio de promotor publico.
Ao mesmo. communicando que o inspector
do arsenal de marinha, com a redueeao feita no
pessoal artstico, segundo o aviso do respectivo
ministerio de 18 de dezembro ultimo, para execueao
do decreto n. 5,163 de 4 do mesmo mez, excluir os
operarios contratados na Baha, e que all este/
vam adidos. Germano Barboza da Silva, Joao Paulo
da Pureza, Jos Pedro de S. Roza, Angelo Custixli
dos Prazeres, Jos Joaquin de S. Anna, Izidro Jos
da Santa, Manoel Firmo do Sacramento, Marcnf
dos Santos Silva, Bernardo Josds Barros, Ber-
nardmo Feltro e Pompeu Eduviges da Piedade.
Ao mesmo, declarando que o capitilt Caetano
Corroa de Queiroz Monteiro, em vista da sua in-
formacao de ll d > corrente, sobn. 727, serie B, foi
releva'jo da mulla de 100J, imposta pela collector
das rendas geratM do municipio da Escadi, por
nao ler matriculado no prazo legal a liberta Theo-
domira, liiha de urna sua escrava", sendo essa
falta involuntaria, como provou.
Ao mesmo. remetiendo a ordem do thesoaco
nacional n. 28't.
Ao mesmo, mandando pagar a Jos Carlos
de S os sencimentos do destacamento da guarda
nacional da villa de Aguas-Bellas e districlo de
Assurema. relativos ao mez de dezembro lindo.
Communicou-se ao commandante superior de Ga-
ranhuns.
Ao inspector da thesouraria provincial, de-
clarando, em resposta sua consulta de 9 do cor-
rente, sob n. 19,' que o 1 offlcial da 3* seccao da
secretaria di presidencia. Manoel Jos d* Cams
Barboza, deve perceber a quinta parte dos vencl-
mentos de chefe da mesma seceo tlesde 11 de uo-
vombro al 20 de dezembro, e d'ahi era diante os
vencimentos integraes deste que passoii a exercer
interinamente o lugar de offlciai-niai >r, que exer-
ce o do secretario, que est cotn assento na as-
sembla geral legislativa.
Ao mesmo, mandando pagar a Domingos Fer-
reira das N'eves Guimares a quantia de 503i3'JO,
proveniente d objectos tornenos para o expedi-
ente da seereteria da presidencia no mez de de-
zembro ; devndo esse pagamento eOectuar-se
pela verba Eventuaes, se nao houvcr crdito na
verba respectiva. No mesmo sentido quanto a
quantia de 10! a Medeiros A Nascimento.
Ao mesmo, mandando pagar a Jos Joaquia
da Costa Maciel a quantia de 48000, proveniente
do aluguei de qoalro mezes da casa que serve de
quartel ao destacamento da villa do Cabo, venci-
dos em dezembro ultimo. -CommuRcou-se ao Dr.
chefe de polica.
Ao mesmo, miniando pagar ao procurador
do furnecedor da ca,-a de detenco a quantia de
4:70!)f96S, importancia do forncimento d i sits-
tent e' dietas dos presos pobres, durante o mez de
dezembro. Fez- se igual cominunicacao.
Ao mesmo, mandando pagar a quantia de
11 .">liso, proveniente de raeoes abonadas aos tres
sentenciados empregados na fachina de quartel Ao
corpo de polica desde julho at dezembro do anao
passado.Cotemunteou-M ao respectivo comman-
dante.
. Ao comi ldante superior do Recife, decla-
rando que o cabo da I* companhia do 1" batalhao
de infantera, Felippe Eneas da Silva, nao pode ser
poste pm liberdede, por nao ter provado isencao
do recrutam-iito.
Ao mesmo, reeoinmendando que d ordem
para que urna guarda de honra acompanhe no dia
19 do corrate,' s :: l|2 horas da tarde, a imagem
de Nos-a Senhora da Piedade, que em procssao
tem de ser trasladada da IgreU de Santa Rita para
a dos Prazeres.
Ao Dr. lirertor geral interino da instruccao
publica, mandando que faca effeetivos contra o
professor da cadeira da villa do Triumpho, Jero-
nyino Theotonio da Silva Loureim, as penas estabe-
le'cida- no regulamento em vigor, por ter abando-
nado a mciua cadeira.
Ao mesmo, remettendo, em resposta ao seu
oflicio de 2 de novembro ultimo, copia do que
dirigi o inspaetor da Uiesonraria provincial, re-
latimente ao pagamento dos profeesores da cidade
da Victoria, pela respectivaeoueetoria.
Ao commandante do corpo de polica, re-
commendando que providencie para que sein mais
dilaco fiiuccioiie o eonselho de julgamento do sol-
dado Jos Francisco Gomes da Silva.
Aomesmo, mandando desligare apresentar
ao Dr. chefe de polica o soldado Joaquina Jos de
Oliven a. indiciado no crime de homicidio prati-
cado em Lsodegario Gomes Patriota.-6'ommnm
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao mesiiu, idem o soldado Alexandrino Go-
mes da Silva, par ter sido julgado incapaz do ser-
vico.
* Ao mesmo, idem os soldados, Manoel Antonio
de Araujo e Jucintho Alves Mucunan, dando-Ibes
o destino a que se refere em offleio de 11) do cor-
reute, sob a, 16.
Ao director interino do arsenal de guerra,
recommendando que mande ferropear o soldado da
companhia de cavallaria Antonio Ireno da _Cruz,
sentenciado pelo crime de segunda desercio a 2
annos de pnsao com trabalho. Communicou-se
ao coronel commandante das armas.
Ao engenheiro encarregado das obras mili-
tares, recommendando que mande retelhar em al-
guns lugares a coberta do hospital militar, como
aajam o qnarto dos mdicos de da, a secretaria e
os corredores.-Fez-se igual communieacao.
Ao angenheiro chefe da reparlicao das obras
publicas.lntoirade, polo sou offleio de 10 do cor-
rente, sol. n. 12, de j se acharen concluidos os
reparo do quartel e cadeia de Goyanna, bem
como do acceseimo da obra autorisado pelo en-
5enheiro daqueile districlo na importancia de ...
75J173, eabe-me dizer-lhe que aguardo a apre-
senlacao do respectivo certificado, aim de serem
expedidas \> convenientes ordens para o seu pa-
gamento.
Aproveito i oceasiao para recommondar-lhe que
advirta aos engenheiros seus subordinados que
nao admiti que, por propra autoridade e sein
previa approvarao desta presideneia, fagam qual-
quer alt^rajao nos ornamentos, quer em relacao ao
proco, quer i planta, sob pena de correr por conta
e rsponsabilidade dos raesmos todo o accrescimo
que se der d'ora em diante, sem ser observada
essa formalidad?.
Ao mesmo, mandando que informe com o que
se offerecer, na parte que Ihe diser respeito, so-
bre o projedo do posturas, qne se remelle da
Illma. cmara municipal desta cidade.
. Ao tenante-coronel Constantino Rodriguos
Lia de Albquorqnc e outros membros da com-
missao censiiaria da treguezia de Aguas-Bellas,
remettend.'ndo copia do offleio que dirigiram o
Rvd. vigario frei Pedro da PuriflcacAo P va e o enente Victorino Jos da Rocha e Souza,
membros da mesma commisso, adra de que in-
ormem e tratem de remetter com a maior brevi-
dade possivel a parte do trabalho que faka, nos
termos do 8" do art. 9* do regulamento que bai-
xou com o decreto n. 4.856 de 30 de dezembro
de 1871.
Portaras :
A' Illma. cmara municipal do Recife.Re-
meti Illma. cmara municipal do Recife a re;
presentaco da sociedade denominada Amor
benlMncu Ic talhadores de carne verde,' |
e chamo para da sua attonco, alim de que, cs-
ludando a materia ctwn o iliscernimento e zelo
que a distinguen, proponha as medidas que en-
tender convenientes, en ordem a combater um tao
pernicioso monopolio, c/ntra o qual est esta pre-
sidencia disposta a reagir dentro di rbita de
suas attrbuicdes.
Cont que essa Illma. cmara nao perder esta
necasio de prestar populaco desta capital,
principalmente que nao trispoe de grandes re-
cursos pecuniario, mais este relevante servieo
de que ella ere lora.
- A' cmara munpal de Agua-Preta, declaran-
do qne ficam atiprovadas nrnvisuriamente as elei-
eo>9 da juizes de paz e vereadores a qne se pro-
cadeu nasparochias desse municipio a 7 de se-
tembro do anno passado, e apuradas pela mes-
ma ; comprimi tpie expeca diplomas aos cida-
cidadios eleitos c juramente-os para que entren no
etercicio de seus cargos. -Mtrtiris mut(Utdii, s
eamaras de Goyanna, Triumpho, Pao d'Alho e
Barreiros.
- A' de I o:a Jardui.Acenso recebido o ofli-
cio da cmara municipal do Ruin Jardim, de 2 do
do corrente, remettendo a ada da apuracao dos
votos para ven-adores e juizes de pal do municipio
parochia do Limoeiro, e declarando nao Cazur
meneao ds estarci, ou nao. qualiflcados os cida
dSos volados, por nao haver recebido daqualla c-
mara os c impotentes livros de qualilicacao. Km
resposta. tenho a declarar essa cmara que, ten-
do a de Limoeiro, na apuracao que proceden, ex-
cluido cidados por nao estarem qualilicados, e
verificndose, da authentica da nualifica^ao exis-
tente na secretaria de*ta presidencia, nao ser
exacto o pretexto allegado, resolveu ineu anteces-
sor mandar proceder nova apuracao de accorjo
com a copia da diti authentica que foi rcmct'ida.
Assim. pois, riN*qinmendo-lhe que proceda outra
apuracao, tendo em vista o litro de qualifleaco
de Taquaretinga e a copia da authentica da do Li-
moeiro, que nesta data ordeno cmara dessa ul-
tima localidade que'envi sein demora. Com a
acta da apuracao dever essa cmara, remetter
epia das actas da eleieo da I'reguezia de Taqua-
retinga. Offlciou-se ao presidente da cmara mu-
nicipal do Limoeiro.
Aos agnntes da companhia de navegaeo
brasileira, mandando dar transporte para a pro-
vincia do Marauhio, r do primeiro vap >r que
seguir para os partos do norte, por c iota do mi-
nisterio da fazenda. ao 2' eeripturario removido
Jian a alfandega dalli, Jos Alfonso dos Santos
Bastos e seu filho Joaquin Joviao Honorato
Bastos.
EXPEDIENTE Do SECHETAWO.
OUco:
Ao coronel commandante das armas, decla-
rando, de ordem do Exm. Sr. presidente da pro-,
vinera, que por despacho desla data, concedeti-se
o prazo de quinze dias ao recenta Joaquin Luiz da
Silva, para provar isencao legal.
EXPEDIENTE DO DA 15 Dk JANEIRO D 1873.
% i.* Secroo.
Offlcios:
Ao otonel commandante das armas interino.
-Providencie V. S. para ano seto remettido ao Dr.
chefe de polica o recrala Manoel Henrique tic
Barros, que vai ser prnressado por constar ter sido
preso em flagrante delicio de furto de cavallos.
Ao director do arsenal de guerra. Comiiui-
nico a Vine, para seu conheciiujn!o e direccao,
que, segundo consta de oflicio do commandante do
presidio de Fernando, de 7 do corrente, sob n. 236,
vieran com destino a esse arsenal no vapor .l'in-
d'ihu quatro caixoes COOtCndo oitocentos e triiita
e sete pares de sapatos, inanufacturailos as oflici-
nas daqueile presidio.
.' .NCC'io.
Portara :
r- 0 presidente da provincia resolve conceder ao
bacharel Aquilino Gome Porto a exoiieracao, qne
pede do cargo de adjunto do promotor publico da
comarca de Santo Anto, no termo da Escada.
Olllcio? :
Ao Dr-. chefe de polica.Em resposta ao of-
fleio de V S. de 13 de corrente, sob n. "-*, tenho a
dizer-lhe, qne una vez qne Olegario Saraiva de
Carvalho Neiva tambem criminoso nesta pro-
vincia, sera conveniente, que s seja remettido para
a provincia da Parahvba. depois que tiver assis-
tidi fonaacao da culpa no processo, que deve
responder nesta capital.
Ao mssmo. Proceda V. S. s mais minu-
ciosas indagacoes sbreos fados, qne expon o juiz
de direito da comarca do Rio Pormoso no olllcio
junto por copia, de 8 do corrente, cumprindo que
ordene ao delegado do termo daqueile nonie. que
assuma, sem perda de lempo, o exercicio do seu
cargo.
Ao mesmo.Tendo nesta data recominenda-
do ao coronel commandante das armas interino
para mandar apresentar a V. 8. o remita Manoel
Henrique de Barros, alim de que V. S. emetta-o
ao juiz municipal d.i termo d'Agoa l'reta, para ser
processado pete crime de furto w cavallos, assim
o commnnici a V. S. para seu conhecimento e
lins convenientes.
Ao mesmo. Sirva-se V. S. de providencie!' no
sentido, do que solicita o Exm. prelado diocesano
ne offleio junto por copia.
Ao mesmo.Segundo otlicio du commandan-
te do presidio de Fernando de Noroiil.a evadiraia-
se d'alli na madrugada de ii de outubro prximo
passado os sentenciados de ju>ttca Antonio Joaquim
de SanfAnna. natural desta provincia, solteiro e
de idade de 23 anno>, e Antonio Francisco dos
Santos, viuvo, e tamben eoffl 23 anuos de idade,
se bem que supponha o commandante que ditos
sentenciados, con o militar Joao Francisco de Oli-
veira, que com elles fugio, tenham perecido, con-
vem entretanto, que V. S. d a> providencias con
venientes, aim de que, se por ventura tenham
aportado esta provincia, ou s liniitrophes, se-
jain capturados.
Ao commandante-superior de Garanhuns.
Deixou de acompanhar ao otlicio de V. S. de 10 do
corrente, sob, n b6, a guia con qne se Ihe apre-
sentou o capitao Jos Peregrino de Miranda,
quem se refere em dito oflicio, pelo que para poder
esta presidencia esolver prenso >e faz que V. S.
informe quando tevo logar sua apresentacao, e
qual a irregularidadeda referida guia.
Ao juiz de direito da 1" vara.Segundo o
offleio do commandante do presidio de Fernando
de Noronha, n. 217, de 6 do mez prximo passado,
fallecern n'aquelle presidio afogados os senten-
ciados Manoel Joaquim Correia e Veridiano (escra-
vo), este da provincia do Piauhy, e aquelle da de
Pernambuco. quando pescavanS, nao sendo possi-
vel encontrar os seus cadveres.
Ao mesmo. -Transmiti a V. S. para osde-
vidos flns o auto de ristoria e de identidade de
pessoa procedido no cadver do sentenciado de jus-
s dea da provincia de S. Paulo, Salvador Rodrigues
Leite, que segundo o lBcio do commandante do
tica Jos Joaquin to SanfAnna, Luiz Jie Perei-
ra e Melquades Jos da Fonceca, que leudo cum-
prido as respectivas penas foram para esta capital
remettidos, segundo oflicio do commandante do
presidio de Fernando de Noronha, n. 231 de 6 do
corrente. i
Ao mesmo Transmiti a V. S. para os de-
vdos Hns as guas juntas dos sentenciados Manoel
Lopes Vidal e Joao Pedro de Magalhes, temi
este sido assassinado por aquelle, que veo do pre-
sidio de Fernando de Noronha para esta capital,
alim de ser processado, como informa o comman-
dante do dito presidio, era otlicio n. 248 de 9 de
dezembro prximo passado.
Ao niesnio.Transmiti a V. S. para os de-
vidos lins as guias juntas dos sentenciados de jus-
tica Joao Soares Pereira, Felippe Yianna Santiago,
Jos Ambrosio d >s Santos Pereira e Flavio Macha-
do de Lima, que segundo os o'flcos di comuiau-
dante do presidio de Fernando de Noronha, nM
2i*> e 230 de 22 de novembro e 14 de dezembro
ultimo cumplirn as respectivas penas, e foram
remettidos para esta capital.
Ao juiz de direito do Io districlo criminal.
Transmiti V. S o oflicio jauto por copia do
commandante do presidio de Femando de Noronha,
e os papis, que o mesmo se iefere, relativos ao
crime de homicidio perpetrado pelo sentenciado
Manuel Lopes Vidal na pessoa do sentenciado Joao
Pedro de Magalhes. ambos d'esla provincia, e Ihe
recoimnendo, qae proceda de cooformidade com a
lei contra a dito Vidal, que para esta capital foi
remettido.
Aojuiz de orphaos di Recife.-Do presidio
de Femando de Noronha. veio remettido para esta
capital, segundo o'lirio d> respectivo commandan-
te, de 9 do corrente. sob ti. 2lil. o menor Henrique.
por V. S. rcpi-Mlad.....n olllcio de 16 de novem-
bro ultimo. i
Ao juiz de direito de Ouricury.Transmit-
tindo, por copia a V. S. os offlcios juntos do Ur.
chufe ta polica, e delegado do termo do Ex, Ihe
determino que informo respeito do qne repre-
senta o ultimo contra o promotor publico interino
d essa comarca.
Ao juiz de direito do Rio Fonnoso. -Intel
rado de quanto Vine, me expoi em oflicio de 8 do
correal.:, tenho a dizer-lhe, que nesta data oflicio
ao Dr. ch 'fe d-3 polica para providenciar a res-
paito, confiando que Vine, de sua parte envidar '
todos os esforcos para que as diligencias produ-'
presidio de Fernando de No ouha. n. 249, de 12 de
dezembro ultimo, fallecen n'aquelle presidio.
Ao mesmo.Transmiti a V. S. paraos de-
vidos flns a guia junta do sentenciado Jos Tara-
ree de Olveira, que por V. S. foi pedida em offleio
de 23 de dezembro prximo passado.
Ao mesmo.Transmiti a V. S. para os de-
vidos flns as guias juntas dos sentenciados'de jus-
tca Antonio Francisco dos Santos (*) e Antonio
Joaquim de SanfAnna. que segundo offleio do
commandante. do presidio de Fernando de Noronha
se evadiram d'alli, 14 de outtjbro prximo Ando,
pala madrugada. '
Ao mesmoTransmiti a V. S.para os de
vidos fins as guia juntas do sentenciados de jw
zam os re-ultados desejados.
Ao juiz de direito de Santo Anto.Em res-1
posto a offleio de Vine, de 11) de dezembro ultimo,'
tonhfl a dizer-lhe, que deve continuar a servir n .
o'flcial do registra geral de hrpothecas d'essa co-'
marca o actual serventurio tabellio de notas do
termo de Santo Anto, Belarmino dos Santos Bul-1
cao, j por nao couvir ao servieo publico a mu-1
danea, j porque nada importa a respeito o faci
de ter sido designada a villa da Escada para lugar
de residencia de Vine.
Ao coaimaiidanc do corpo de polica. -Man- ,
de Vmc. eliminar do corpo sob o sen coiamando
a [iraca Antonio Francisco .la Silva, V qae n Ira-j
la o seu oflicio n. 2! de 13 do corrente, visto se
adiar por m desla impossibilitado de continuar no
servieo, convindo que pro'videncip. afin de ser re-:
collado ao hospital Pedro 11 para tr.atar-se, se por
ventura for elle desvaWdo. .
.," : 'irllo.
Offictos: '
Ao presiilente ilo banco do Brasil. Passo as
mos de V. Exc. a l' via de latir de 132:403480.
sacrada contra o London & Brasiliam Bank Li-
mded nessa corte e a favor desse estabclecimento
para pagamento do uro de 8 0/0 'l111' se ""' deve
na impon ncia de .')2:403i79, vencido no semas-
Ira quetermiaoii no ultimo de dezembro passadoe
relativo quantia de 1:800:000000, recebida dese
banco, pela thesouraria provincial, por conta do
emprestimo de I:800:00l>sw00, que con eUeeon-
trabio a provincia, e mais 8 tacan semestral para a amoilisaca na razio de
10'O/o dessa divida, com i se v da inclusa nota.
Ao inspector da thesouraria detazeoda.
Attendeiii'.o u que expoz Julio A varo Teixeira de
Macedo, engenheiro civil, ao incluso requer.....li-
to a que alinde sua inl.nnaco de 11 do corrente,
n. 128 729, s.rie B. autorso V. S. a mandar pagar ao
suppiicaiiic, sob a responsabilidadeda presidencia,
a gratiflcaeao de 60O00O, relativa ao mez de de-
zembro ultimo, a qual Ihe compete na qualidade
de engenheiro civil em eoinmisso do ministerio
da marinha, visto nao existir crdito na verba
eventuaes d'quelle ministerio, no exercicio actual,
segando se deprehende do parecer da eonttdoria
dessa thesouraria.
->o mesmo. Heme to a V. S. para OS flns
conveniente- os Minios inclusos proinovendo a ofi-
cial da ordejn da rosa ai bacharel Defino Augusto
' avalcante de Albuquerque, e concedendo licenea
a Alfredo Em lio Calumby, para abr.r botica eia
qualquer parte desta provincia, com excepcao
desta capital.
Ao mesmo.Tendo nesta data autorisado o
director das obras publicas genes a aceitar a
proposla. qae faz Antonio Paes de I.acerda para
enearregar-se dos reparos de qne precisa a rampa
da Linguete, e que sendo oreados em 322072.
propoz-se elle a fazer por 5005000, assim o com-
munico a V. S, para seu conheciinento e lias con-
venientes.
Ao mesmo.Communico a v. s. para seu
conhecimento eflns convenientes, que segundo
partecipou-me o commandante do presidio de Fer-
nando de Noronha em offleio de 7 do corrente. sob
n. 232, vieran com destino a essa thesouraria,.no
vapor MmiakA da companhia Pernambueaaa trm-
ta fardo- d.- algodo convenientemente marcados,
comeado cento cincoenta c nove arrobas c treze
libras.
Ao inesmn. Expeea V. S. suas ordens no
sentido de ser paga ao soldado da companhia do
cavallaria, FinnSno Careiro de Lacerda, vista
do attestado junto ein duplicata que me remellou
o coronelcommandante das armas interino, com
oflicio de 13 do corrente, sob n. 51, a gratiflcaeao
que Ihe compete em virtnde do avisa do ministerio
de guerra de 4 de maio de 1858, por hayer cap-
turado o desertor da mesma companhia, Joaquim
de Paula Teixeira como se v do mencionado at-
testado. __"
Ao inspector -Ja thesouraria provincial.bu
vista do pret junto em duplicata que me remetleu
o cotumandanle superior do municipio de Palma-
res con oflicio do 10 do corrente, mande V. S. pa-
gar a Manoel Francisco Dures os vencimentos
do destacamento da gua-da nacional existente na
villa de Agua Preta, correspondentes ao mez de
dezembro ultimo.
4.' sec(So. '
Oflicio ao Exm. Sr. presidente da provincia de
S. Paulo.Segundo oficio do commandante do
presidio-de Fernando de Noronha n. 249 de 12 du
dezembro prximo passado, falleceu naquelle pre-
sidio u sentenciado de justica dessa provincia, Sal-
vador Rodrigues Leite. O que participo V.
Exc, enviando par copia o auto de vistoria e
identidade de pessoa, a que se procedeu no cada-
ver do dilo sentenciado.
Ao Exm. e Rvm. Sr. hispo diocesanoAc-
cuso recebido o oficio de V. Exc. R'vma., de boje,
e em resposta tenho a dizer que nesta data recom-
mendo ao Ur. chefe de polica providencias, no sen-
tido'de que solicita V. Exc. Rvma. em dilo offleio.
Ao presidente da cmara municipal de Pa-
Bellas.Accuso recebido o oficio de Vmc. de 3
do corrente, e em resposta tenho a dizer-lne, que
ficam expedidas as convenieates orden* no senti-
do de serein reaeltidas pela cmara municipal da
villa de S. Benloa Htras e ibvhs documentos re-
lativos aos imposto da freguezki de Quipap, ar-
rematados perante aquel! cmara, adra de que a
desse municipio possa orgaaisor o seu orqa-
mento.
Ao presidente th cmara municipal do Rio
Formoso.Remeta Vmc. com a possivel brevida-
de copia authentica das actas da eleices de ve-
readores e juizes de paz. da parochia de Un, pre-
sidida pelo M juiz de paz Manoel Xavier rae*
Baireio, e informe a razaupor que uo-tom feko a
respectiva remessa.
Ao coronel Manoel Xavier Paes Barrete, !,
juiz de paz da parochia de Una latirme'Vmc
com a possivel brevidade, se a-mesa potiochiai dc
Uli.-i, que Vmc. presidio, raaetleu esta presiden-
cia copias authenlicas das actas das elricjies d>-
vereadores e juizes de paz, que se procedeu no
dia 7 deseterabro do auno prximo pa*sad>.
Portara :
A' cmara municipal do-Recife.Devolven-
do Illma. cmara municipal do-Recite a planta
a que se refere o seu oflicio de 18 do dezembro
ultimo, sob n 132, relativa ao terreno alagado,
que solicita para servidao publica, tenho a dizer
que nao procedo a sua arguiuentacao para exi-
mir-se ao pagamento do sello da mesma planta,
como Ihe foi exigido, nao s porque aos prelen-
dentes de terrenisde marinha compete juntar a*
respectivas plantas, como porque-a exhibicao da
de que se trata, tendo sido ordenada- pela presi-
dencia em virtude do disposto no $ 1. do art. I*
do decreto u. 4,105 de 22 du feverairo-de 1863.
nao pode ser considerada como un. favor feito a->
inspector da thesouraria de fazeuda como al-
lega.
A' cmara municipal de S. Benlo.Remeta
a cmara municipal de S. Bonto de Fanellas a<
letlras e mais documentos dos imposto relativos
treguezia de Quipap, e que foram arrematado-
perante essa cmara, alim de que ella, petan or-
ganisar o seu orcamento.
A' cmara municipal do Ri FormosoDe-
claro cmara municipal do Rio Fomtvsu qn
nsta data dei as providencias necessarias sobre o
que representa em oficio de 31 do mez prximo
passado, quanto aos bandos de cganos que'tefes
tam essa localidade.
5." scalo.
Offlcios :
Ao engenheiro das obras publicas geraes:
Autorso Vmc. a aceitar a proposta, qne veio an-
nexa ao seu oflicio de 13 do corrente. de AnJom-
Paes de Lacerda, nico que se aproseutou para,
oncarregar-se dos reparos, de que precisa a ram-
pa da Lingota, e que sendo oreados em 522J072
propoe-se ello a fazer por 500*000.
Ao engenheiro chefe da reparlicao das obra.-
publicas.Km vista do estado dos cofres publico*,
nao pode ter lugar u execurao da obra do empe-
drameuto da estrada denominada Japaranduba.
em Una, oreada em-10:240a, e sobre que versa-o
olllcio de Vmc.- de 30 de dezembro ultimo, sob
n. 471.
A' commisso censuara da freguezia do
Ex. -Accuso recelado o oficio de Vine, do 1.* de
dezembro do auno passado, e em resposta tenho-a
dizer que, em vista do regulamento i 2. do art.
l., a commisso s pode uomear agentes recen-
seadores, propondo para estes, caso nao se pres-
ten! a servir gratuita mente, tuna rel'ibucao peeu
niaria, nos termos do J i. do mesmo artigo.
E quanto ao bom desempenho dos servieo pre-
lados pelos agentes, incumbe commisso lisca -
bar, (lando-Ibes as istroeedes neceacarim t re-
solveudo as difhVuldades que occorrerem, SS, 5.* e
6." di citido art. 9."; nao podendo j>or essa razio
merecer approvayao desta (iresidencia a resoliir*
que tomn essa eoinmisso de nomear dous se-
cretarios, alim d desempeiihar lonccdes, nica-
mente da competencia da eommissSo.
Portaras :
O Sr. gerente da cjmpanhia renaffibucana
mande dar transporte para esta capital, proa d.-
primeiro vapor que vier do presidio de Fernaadi
de Noronha, por conta do ministerio da justica. i
mtillier do sentenciado dejastica Cil Eustaquio da
Matta.
O Sr. "rente da companhia l'eraaubucan
mande dar passsagera para o presidio de Fernn
do de Noronha, por conta do ministerio da jusiiei
proa do primeiro vapor que pan all seguir, i
Joaquina Maria da Silva, mullie/dosenleafiadn
Antonio Manoel da Silva.
EXPCMSiVTE INJ >KHtr\RiOi
1.' secr-io.
lllcios :
Ao commanilaiile das arma?.O- Exm. Sr.
presidente da provincia manda rouimuicar ^
S. que a thesouraria de fazenda foi nesta data .in-
tensada a pagar ao soldado da companhia de oa -
vallara Kirnu'no Careiro de Lacerda, a grati.
cacao ^le que trata o seu oflicio de 13 deste mea,
sobn. 51.
Ao commandante do presidio de Fernando
O Exm. Sr. presidente da piwiiitia manda ac-
cusar o rerebiniento do ofllck de V. S. de_12 de
novembro ultimo, sob n. 244, quauto a evasao dos
sentenciados de justica Antonio Francisco dan
Santos e Antonio Jos de Santa Auna, e do militar
Jos Francisco de Oliveira.
*
sereno.
Oficios :
Ao commandante" superior de Garanhuns.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
mitir V. S. o exemplar junio do decrete n.
3535 de 25 de novembro de 1805, por V. S. pedido
en seu oficio n. 72 de 22 do mez jiroximo pas-
sado.
Ao mesmo.-O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar V. S que nesta data s*
pede ao governo imperial solucao da proppsta a
que alinde o oficio de V. S. n. 70 de 18 do m i
prximo passado, e que foi submettida a dito com-
mandante superior a 7 de maio ultimo.
, Ao commandante superior de Palmares.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
V. S., que nesta data expedio ordem thesou-
rai ia provincial, no sentido de serem pagos a Ma-
noel Francisco Duraes os vencimenlos do destaca-
mento da guarda nacional, de que traa a seu offl
rio de 10 doste mez.
5.' secano.
Ao engenheiro liscal interino da companhia.
Pernambuco Street Raihvay.-S. Exe, o Sr. presi
dente da provincia manda aecusar recebido o ofi-
cio de V. S. datado de 11 do corrente, communi-
cando que naquella data entrara no exercicio do
careo de engenheiro fis*al interina dessa coni-
pannia.
- Ao juiz de direito de Santo Anto 0 E\ .
Sr. presidente da provincia manda declarar a >.
S, que por portara desta data foi exonerado, *
seu pedid i, o bacharel Aquilino Gomes Poste de
adjunto do promotor publico da comarca do termo
da Escada.
lxpedunte do dia 15 m janeiro db 1873
6' scco.
Acto :
O presidente da provincia, reconhecendo a van-
tagem de serem publicados em sua integra, como
outr'ora se praticava, todo o expediente e mais
actos do governo da provincia, de modo a formar-
se boletinsuo um de cada semestre, resolve pro-
rogar para tal ftm, por mais tres annos, a contar
desta data, o contrato celebrado no do junno d*
1871 com Manoel Figueiroa de Faria, mediante as
seguintes clausulas:
i.*
0 contraante obriga-se a publicar uo >i'ar.'o d*
y


E>i#TQ.de Pernambsico Quinta feira 23 de Janeiro de'1873.
f
x
=c
#
Pernnmbura por espa o de s anno?, a roatavj Francisca Serapbiaa de As CarvaMio. nter
deste d-u.' o esie-Hentc c mais arta* *i gewi-i me o *r. Ur fcracaor.tcral itiWH da prov,. ..i e isattorH eanyi
aquellos do fanm) gerai ue interesiarem a*
provincias dp.naite lo impeito.
O contratan iArga-sc a imprimir cm avolsof,
formando liWtHisrao expediente e_o mais que
por conveniencia di servicopublico nao teotta si:
do publicado no dht-JJiario, reitwUendo ypte o
cinco ejemplares r livres dismesntt* boleflns ja
eneadernados ali 3t setmuda (mmzena tiunezdj
agosto de eadajamo.
3.'
O contraante obriga-se a imprimir e brechar
400 exemplareS fas leis pro* no i aes, regnlamcntos,
instrueces e rdaterios' da provincia, bem nomo a
imprimir patentia) la guarda nacional, ttulos de
autoridades.politi^, portaxi is, para navios, hvro
de registro para as measeis, ttulos de tegittmacao
de psse, circulares de-convite e domis papis que
forem necessario?.
4.'
O contratante obriga-se a imprimir dentro do
praco de quarenia (lias o relatorio da presidencia
e leis provinciaes e no de qntnze os regulamentos
e utros trabalho*. 'tendo o prazo contado da data
da entrega dos criginaes na t> pographia.
5.*
No caso de falta no cumplimento de qitaesqin-r
das presentes rl.-ius.ilas, por Jacto proprio, licarao
contraanle sujeito k recisai do contrato e a multa
correspondente Ureera pt.rte do valor total do
mesnio contrato.
6.
A clausulas I-, t' e 3* podero ser modificadas
em casos extraordinarios pelo presidente da pro-
vincia de aocordo cun o contratante.
7'"
O contratante forneccr diariamente a secreta-
ria do governo tuiinzo exemplares do Mario de
Pernambuco e romatter um excmplar diario a ca-
da nma das secretarias das presidencias das pro-
yocias.
8.'
O contratante obriga-se a ineluir nos boletn* o
expediente da p-i-siib-ncia i i'publicado no Diario
ile PeriHim'/uco, a cjntar do dia IS de noveinbi-o
do anuo prximo pastada.
'
Pelos trabalh" s .telina mencionados recebera o
(intratante aqnantia de 6:0005000 annuaos pagos
doro do prim iro mez de cada .auno ianceiro,
safe lianc.i idonoa.
N. i. Obras publicas geraos. -Pernambuco e;n
13 de Janeiro de 1873. Illm. e Exm. Sr. Em
cumprimeiit das subas ordens de V. Exc. exara-
das em otBeio d? 3l de dezembro do anuo prximo
passa-ln. pui ein hasta publica a obra dos reparos
a lazerse na rampa da l.iiuueta por mim oreados
em 525407a r-.. efundo anitunciadn por aspare de
tCdS ilias no Jor i'il do oe./e, designei o dia II du
carrate, s 12 horas do dia. para me serem apre-
.-cntadas as prop'tstas : com efteito, nesse dia e ho-
ra me foi apretinada urna nica proposta, da
qual tomoi ciinbiH-imciito, afim de remette-la a V.
K\<-, como inehiae 0 toco, para que a approve, se
asaba se dignar julsrar conveniente, em ordem que
lavre o termo ;e contrato.
l-;is guarde a V Exc. -Illm. e Exm. Sr. com-
i.i-n l.iter Hmriquf Pereira de Lacena,dignissinio
presidente da provj.icia. O engenueiro Nssnfe
Viet '' '" -V'.sv'/wcho Feitvs'i.
I'iomotoria pihlicada comarcado Brejo, 31 de
(Uwnihio da 1*72.-Illm. e Exm. Sr.Em rumpri-
mentn ao olllcic de V. Exc. de 3 do corrente, no
i i;il diz que constando a-ose presidencia pela Ga-
zetiKt do Jbnt ii 'lo Renfe daquella data, n. 281
h.iv.-r ueste Momo subdelegad" Mo Marques Pe-
reira, saturnio cm dangjencia no dia 17 do mea pro-
tina passado pira U.ineiras Queimadas, districto
! Carapote, k van-Jo sob sen ominando i pracas
e 1 cabo, estes, alero de insultos e arruinbament >s
que pratiearam poheoipinita, no lagar Mandacaia,
e:n presenca do referido sn'idelegado, e-panc-irain
e befaran jrawHiieate um pobw honiem rcconi-
|'i.-ii-I;iiiiIo-:mi' V. Exc. que syndicasse de Uie^ fae-
t x. alim de i|tt! nii liqueni impunes seos auto-
r-<. e q:ii- .-' iiiiuu'.iicasse i essa presidencia o
r.'su.nlo das avwiguaeSee reitas, propondo as ma-
'ii las que conveii?'in tomar. Esta promotoria pas-
S-1 instruir a V Ele. as precisas diligencias que
ten tomado ;i simii-'liante respeito pela forma se-
( 'inte :
H ivendo en entrado em exerrieio do cargo (pie
presentemente oteona) no d a 7 do corrente mes, e
sambMa eotregne no dia 9 do mesnio netoJob
municipal supplente em SKoraio o corpo de delicio
mquerito policial, tendente ao tacto criminoso
pratteadona pe-'soa de Francisco Borges dos Santos
pelas referidos soldtdos no dito lugar de Manda-
caia, no lia Ifi do referido mei apresentei a com-
p -!"n"e dmmncin a > dilofoiz municipal, penueren-
i i na mesma a priso do cano Francisco Vaqnci-
i >, e los soldados Manoel llodrigues e Miguel de
i:!: visto (i'ilhi r at aquella data seren seles fle-
nunciados os v 'rdadeiros c iminosos. e ser o er-
- iuailiaiK iv. I : sendo marcado o dia 19 do dito
; -z para iiiquirica i d k te i.:!i seta promotoria de (me podiam escapar le
sai-lados destocados, o por eonsegnint muito fcil
captanr, mnitade 12 nirigi-me offlcialmen-
o juir. municipiil, solicitando deJIe se estvam
presos os pnaditoa dennuciados. Me foi respondido
na mesma data, e aom ooiicLi em original do de-
legado 1. sup;ileire em exerdclo nao se tefoffec-
i nado a prisao dos mesnus, como llie havia na
ii'sina. data taiiihem con municado o respect'TO
o-nmaadante lo destacam'iito,- lente Joao Hap-
i-!;i do Reg Maci.'l ; diz-'ido (pie tinhan arriba-
dodo destacancint'i nal ? os 3 ditos denunciados,
de quem requera a priso. como os mais de que
se eompnnha s tal escolta. Fiquei milito sorpre-
lieodtdo a raspeito. Eonstundo-niequo o dito sub-
delegado Joao Marques Pereira dera ao delegado
-ai exercicio part cireuuislaneiada de toda oc-
urrencia e conflicto que M de-a no predito lugar
d i Mandacaia, conflicto etfe pratinado pela dita
nsetttaque o iMempannara,mas niome lendoaido
.iiireguc com o dito eorpo de delicio e inquerito,
. ciicgando a meii conbecimento existir dita parte
em p;idnr do meneionado delegado l. sapniente,
ni data de U reqnisltei-a, e felizmente em 13 me
lu entregne, requer ao juiz municipal fizesse
imtar ao respectivo proiso onde se acha, visto
este ministerio eenbeeer sor una das pe "as ndi-;-
penjaveis do inesTiv. No entretanto cohlinua-se
anda no andamento do predito processo efn qnes-
i.io, e opjiurtunaiiicuie ihrei parte a V. Exc. de
sea resultado. Asevero a V. Exc. que esto pro-
nwloria nao arepidaf em promover as diligencias
precisas, afim de que de sna parte nao baja a
"i -or nefligeiiefti a respi-ito. Er o ojie por ora
mita a siiruili-ara V. Exc. Aproveit este ensejo
para olTeiecer a V. Exc. mea limitado prestiino,
qnei'diga r>'S| eito ao pujlioo serrino, como ao
p.niicular de V. Exc.-Deus guarde V. Exc.-
illm. e Exm. Sr. Ur. Heerique Pereira de.Lacena,
dignis-iino presi p'.ibli-o mterino da comar^k, loto Antonio da Cu-
tilia CV.'Ao Jfib'KN/ci.
N. 20. Reparlicao das obras publicas, em 17
de Janeiro de 1873.Illn. e Exm. Sr.Accaso a
recepeao do oficio de V. Exc. datado de honiem,
liamiido a n inlia attenci,o para o artigo da Ga-
zetilka do Jornal do Recite de 14 do correo/e, que
i iu p ir epignpheCalamento -, e em resposta
tenho a dizer que, em cumprimanto do que por
V. Exc me loi deterouado om officio de 20 de
dezeirtbro pro:;iine passado, incumb o eogenliero
.;jnd.-i:iie desta repaiticao le examinar minuciosa-
mente o estado do ealcamento, ee^iero breveinen-,
te o resultadJ dusse exime para submeti-lo
'consideraban de V. Eac.
Entretanto dev.i ponderar V. Exc, aue o an-
paro dos pas^eos, vulgarmente chamados -cal-
cadas -foiopee, aos proprie'.arios, sendo acna-
la muiiieipal pie deve ooagi-los ao cumprimen-
t-i de suas pottnrae.
Deas guai-'k V. $.*:. Illm. e Exm. Sr. Dr.
lleiii i.pie Pereira de Lucelia, digauekno presidente
da provincia.O imgauhei".) befe. Jos* 'bwcio
Pereira de M-tgalhSet.
pespachos nv rttEsJEiciA e 30 o: j.vxeibo de,
I87J.
Affbnso Alves do pego. Tillla.Por ora nao ha>
lugar vago en que o snpplicante pos^aseroi-i
pregado.
AnaaJLIarolma Gesar d|6 Sello Indeferdo-.
Abaixo assiiinados inoCdores as povoacOes do
llioDoce, eje -0 estado dos cofre? pblicos nao
permute por ra que setoran em considnrae^} o
pedido dos supiicntej, a menos o,iie queiraoj.enn-
correr com raetadi; da qnwUa que fot oreada.
spee-
pnlilica
Francisco.joines da Silva.- -Exhiba osnppllr*m
o titulo de divida, para em face delle noiler a Jfce-
sbararia do fa-enda qnldar os. vencimentos a 4e
se julga com direitd.
Francisco Mathiat Pereira Diniz.Nao da pre-
sentemente vaga de flcial no corpo de polica.
Francisco Ignacio Comes. Dir^ja-ieo suppliean-
le ao govrno imperial
Francolino Carneire de Lacerda.Sm, nm re-
cibo e nao havendo inconveniente.
Vigario Genuino Gomes Pereira.O estado dos
cofres previnciaes nao pennittem augmento do
J-apeza, e por isso indefiro o que repier o suppli-
cantc.
Galdino Americe de Torres bandera. -Indefe-
rido.
Padre Joao Baptista aSilva.-O estado dflren-
te dos cofres provinciaes nao permtte por ora at-
tender ao que pede o supplicante e por isso inde
Uro. .
Joao Gomes Velloso.-Conceda o praao de orto
das, como requer.
Joao Domngues Ramos. Deferido com offlco
desta data, dirigido a the ouraria de fazenda.
Joao Fernandos da Cruz.-Informe o Sr. iiiS]
tor da tliesouraria de fazenda.
Jos Alvos Barbosa Jnior.-Informe o Sr. ins-
pector do arsenal de marjnha .se ha outros pre-
tendentes qnc devem ser preferidos.
Joao Pereira Lagos.Sim, com recibo e niio ha-
vendo inconveniente.
Bacharel Manoel Joaquim Slveira.-
nhe-sc.
Marlelano Jos Elias de Gouveia. Soja posto
em liberdade.
Manoel Caetane Spinola Ao Sr. conego regedor
do g\Tnnasio provincial pura attender ao suppli-
cante.
Osear Dcstibeaux. -Para se poder tomar em con-
sideracao o que requer o snpplicante, preciso
(ue aprsente o plano da obra que pretende rca-
hsar.
pacifico Paulino alaquias. -Passo portara, na
forma requerida.
Salvador de Squera Cavalcante.-O estado ac-
tual dos cofres provinciaes na-i permute por ora
por cm execucao as leis a que o supplicante se re-
fere.
Simplicio da Cruz Ribeiro.Certifique, nao ha-
vendo inconveniente.
Tliomaz de Can-albo Soares Brandao Sohrinho.
-Drija-se reparti{ao das obras publlras, aquem
se olliciou sobre a materia de que trata o suppli-
cante.
21
Capitao Adriano da Silva Faria. Conipctindo ao
commandante superior conliecer do Cacto a que al-
lude o supplicante pelo g 10 art. I. do decreto n.
135* de C de abril de 18, e nao havendo re-
curso dessa decisao, nem applicacao OR artigos ci-
tados, nada tem esto presidencia a decidir, proco-
dendo as razoes expendidas pelo coronel c!iefe d i
estado maior, em seu oflicio de 7 deste mez.
Antonio Pedro de S Brrelo.-Relucir o sup-
plicante tliesouraria de fazenda.
Companhta de reboque.Informe o Sr. inspec-
tor do arsenal de niarnha.
Padre Francisco Verssimo Pandeira.Informe
o Sr. Dr. director ged interino da nstrocsao pu-
blica.
Henriquc C. de Almeda. -Informe o Sr. rim-
ad commandante das armas interino.
Jacintha atarla da Concei'jao.-lnfor.ne o Sr.
proredor da Santo Casa de Misericordia.
Jo.ii Rodrigues de Son. -Entregue-so, median-
te recibo.
Joanna Mara de Jess. -Indeferido.
Jo> Inaquim da Silva Brrelo. -Prejiidicado.
Manoel liento da Silva.Iuforme o Sr. Dr. chefe
de polica.
Modesto di Reg Baptista, enutro. -Informen
Sr. inspector da Uieaonraria de faienda.
Tliomaz de Aqnino Paos Brrelo.Informe o Sr.
coronel coinuiaiidan'.e das armas interino, que de-
vora extranhar ao sooplieante ler requerido a esta
presidencia sein ser pelos canaes competentes.
Itejiiiilieu la pnlici.
2." seccao.Secretaria da polica de Pernambneo,
22 de Janeiro de 1873.
X. 17. Illm. e Exin. Sr. Lev.i ao conhi ci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das par
lcipacoes recebidas boje nesta reparlca>,' fura.
r<*ollidos a casa de delencao os seguimos in-
dividuos :
A' oi-jem do subdelegado do Recite Manoel Jos
da Cunba, requisicao do cnsul portugiuv..
A' ordem do de 5. Jos. Antonio Marcos d i Li-
vrameuto e Manoel dos Anjee o Silva, poi embrkt
goex e desordem.
A' ordem do da Boa-Viagem, Manoel Paute dos
Santos, porcrme de defloramento.
Com oflicio de hontem datado, do delegado .le
Agna-Preta. foram recolhdas a esto reparjioao II
armas defezas, all apprebendidas.
Por officio desta data, communico l-me o Dr.
delegado da capital, que hontem pelas 8 hora da
noute, pouco mais ou menos, manifestando-se in-
cendio na tenda de onrives, sita a rna das Trm-
ebeiras, perlencente a Joao Gomes de S mza, para
all se dirigir aos sgnaos dados pelas igrejas, e
j acliava o incendio extincto, grac.is nos estoj-
os das pessoas da vsinlianca. inclusive M
Goncalres da Silva, que tendo chave da referi-
da lenda abrir, e com alfana baldes d'agua, car-
regados por pessoas particulares, eonsenulriBl do-
mina-lo em seu OMMOO que do incendio nao re-
sult-iu prejuzo algiim", o que originou-se do fac.to
de torneado urna forja de onrives .que all ha,
com orazas, que por descuido nao foram extinctas
pelos oflkiaes da tonda, qua do fecharam-na ; e
finalmente, que o Dr. subdelegado da frenietia
compareceu imiuediatameii!'.' ao lugar.
Participoume mais o mesmo Dr. delegado, aue
o sufidelegado de San'o Amaro da Salinas Ibe
communicara que, s 0 horas da tarde do dia 20,
desabara parte Je um telhi'iro da und oS i d
Carlos Starr & C, sita ra da Aurora, tendo c
lamentar-so algumas eontazoes e forimentos leve?
om quatro trabalhadorcs da mesma fundicao, na
occasiao om que ellos procuravam mudar a rou-
pa do trabalho ; sendo que Ibes foram logo pies
lados os soccorres mdicos.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. ir. com-
mendador Henrique Pereira de Luceua. dignsi-
mo presidente desta provincia. Och-f if. i "cia,
Luiz Coma de Queiroz Barros.
Temos por vezes etosrtrwdt), com Terdadeira I em harmona com a delicadeza de uui Huj cava-
magna,^s exeessos dolwgnagem de algaus dos Ibejrp
anembms da opposica
t*
; Ifcilauddo enthusiastieamaate pela cmara,
fecaieu o joven e distincto parlamentar ao descer
da fribuna, os cum|>rimentos de" lodos os ministros
maisplaiw ummwo ; uus rospetein-sc^s-eacacte-AeJputailiis prsenles, semej$eeptar os membros
O f:K-:o de'iohtciH 4ew p'ir tmlesffsnbre-
viaO; Dweuta.v <"m a mxima lilu-rdado, eonm
res. respeitem-s as pmiSes. 'T,.
Ofnsirrte- ptW ter no insalto um coronario.
Sem seinpre a prndenda e a consolhcira dos actos
huawMiosj
INTERIOB,
RIO DE .1 WKIIHI.
sm re

i
CMARA DOS DKPITADOS.
Um acontecimenlo que nao pode pousar ser.
paro, e de que niio se terao visto na historia par-
lamentar numerosos exemplos, deu motivo a que
fosse suspensa a sessao de hontem da oauara
temporaria, ao discutir-se o orcamento da mari-
nba.
Orava um dos membros da oppusicT.o, o Sr. Sil-
veira Martins, abundando em con.-ideraeoes de na
tureza poltica mal cabidas na discusso do orna-
mento. Em seu estylo habitual, o Sr. Silveira Mar-
tins^dstribua Ilustre maiora infundadas aecu-
saci, declarando-a enfraquecidaj menos resoluto
e dedicada, por haver permttido aos honrados
muistros oceuparem frequentemeute a tribuna.
Seste momento, protestando a materia contra a
injusta censura, inscreveu-sc o Sr. Gusmao Lobo
com a palavra. Os desejos do orador iam ser sa-
tisfoitos; a inaioria ia fazer-se ouvir mais urna
vez.
Este incidente deu occasiao a que o Sr. deputo-
do Martinho. Campos proferisse algumas paiavras
offensivas a um distinto oolloga, o Sr. conielfc
Meuoees de Souza, que repellio a otensa coa)
energa e resolucao.
De p, trmulo, o semblante iroso, o Si. Marti-
,niio Campos pareca abandonado da calma cir-
cumspeccao que deve imperar no parlamento. De
seu lugar o Sr Menezes de Sc>uza manifestova a
justo indignaco que o animava como a toda a c-
mara.
Depois de lnuteis esforcos para que Sr Marti-
nho Campos retrasse, segundo os usos do parla-
mento, urna das exprssScs que, em um momete
de colera, deixra escapar, o Sr. presidente uocla-
rou suspensa a sessao.
Momentos ao.depois, restabetecido o siienclo par
minutos interrumpido, tomaran) os Srs, deputoda
os sf.'us lugares.
' \ Veriftcando-e ter-so ausentado o Sr. Silveira
Manas, deliberou u Sr. pplanle levaniar & tes
la, publicando a ordem. oj dia.
0 acontecimenlo de que temos lestomunua,
lodo da responsabilidade do Sr. Martinho Campos.
A effonsfl nao um argumento. Aotigopartomen-
tor, o obre depuiado por Minas esquaceu cm um
relaitipa| da irreflexo que o decoro e o'respeite
detono Gomes de 84.--informe o Sr. provador
da Santa Casa de Mericirdto
Carlos Albeiio Ferraras -iaforme o ir. prove-
d -r da Santo Cisa de MiserifiMto^
Cforindo Pe reir Cato. W-3
Ernesto Aujmsta de Aljneida.-Dlga o comni- [n^tjsj os primeirosdSwres'p guardar no"seia
time da estrada fl CAMAia. axis.aa|Anw.
A cainarar leniporaria appwvou em sesao I
honiem o projerto que eleva os v.'uciinpntos do
cm|>rcgado do thesrairn, thearai-ia de faaeiida?
receiiedorr.i e caixada amiirtarao, bem como dos
offlclae- praeas de pret a> ttercito c rmala c
classes-annexa's. 1
A naaihora ooucedida aos empregadis civis de-
Sendando da rediietjo do pessoal ora existee e
e nao ser a desuera superior ao mximo fixado
no art. 2" do pr jecto, dever vigorar a contarse
te 1 dejimho do 1872.
Os vencinientos das claases do osercito e arma-
da entender-se-bio em vigor a contar de 1 de Ja-
neiro prximo passado.
Por este modo attendeu a cmara a tuna rei
ncce.vsidado fvnsoanteao-pensmento domirtanrf
mi alto aduiinistracao, de cercar o fuuccionalismo
de todas as eondeoes da independencia, aptido e
dedicaoao ao servico publico. O acto da cmara
nao ser smente festejado por aquellos a ifuera
toca de perto, ou mmediatamenle o beneficio. To-
do o paz, sein distinocao do rlasscs^ de interes-
ses, ver nossa patritica resolucao urna medida
da majs rigorosa justica e do grande utilidade para
0 niechanismo dos diversos servicos que a cada
una das classes favorecidas sao incumbidas
A classe dos erapregados da fazenda publica,
leudo sua conta o dosemnenbo de delicadissimas
funecoes de arrecadaco c contobilidades, serve a
nterosses do mais elevado alcance para o rgimen
social. Proporcionar a esta categora de fuuccio-
narios os meos neces-arios a urna decente sub-
sistencia, da molhor poltica para crear e fomau-
tar o estmulo, e ao mesmo tempo despertar
apdoes que ahi vemos deseuipregadas.
O exercito e armada nao se mostravam menis
credores do augmente que llies foi concedido. Es-
tas duas Ilustres classes que to alto tm sabklo
manter a honra da baiuleira bicolor, nao cram at
aqu retribuidas como convinua nobre. press;io
das armas. Se alguom ha que nao leva ter ra-
zan de preoecupar-se com o dia de.amanh, sl-
gurainente o cidado a quem incumbida a defe;
za da patria. Na guerra como na paz, o militar
ou deve ser urna existencia privilegiada, digna de
todas as considoraooes, favores e respeltos so-
naos.
A cmara deu assm um eloquente testomunho
dos nobros seutmentos que a animain.
Ao gabinete 7 de marco nao cabe um menor
quinlo de gloria na niedida hontem adoptada.
Elle contribuio om grande parte para a soluto do
um problema que, u-de uiuito tempo, impressio-
uava o paiz.
E' certo, entretanto, quo a providencia indicada
nao comprobeiideu todas as classes annexas alar-
ma la nacional. Mas, em se tratando da le de
(breas, o gabinete e a cmara tero occasiao de
attender aos justos reclamos dessas classes.
Como se v, a cmara nao desperdiga o tempo
em baaos discussous do poltica. Elcyandorse
cima das declaiuaoos esteris, que nao fazem
fortuna, ella sabe repartir a sua attoneao palos
verddeiros mjeresses da socedade brasilcira.
O espectador.
na opposicao liberal e da daisidenca conserva-
dora..
O Brasil pode orgulhar-sede um tal filho Ma-
ctol MiMateiro, o oraaMlenajjan e antao, ajos por
tanto lempo foi a ufanfa e ijan'ia da doputacao
neniambucana/acalia de tornan digno sueceseor
no joven parlanifiilar. acujo priiueiro o expen-
todo trinaaiiho os lluniinauseeassistiram hontem.
(Jn-nn assiio estiva tem necessariamonte diante
Je si um larg e brilhantissiino porvir.
Um de poto.
CMARA DOS DHUJTADOS
A hora cm que escrevemos esto na tribuna o
Sr. Gusmao Lobo. S. Exc. revela-se um distinelo
parlamentar, um hornean feito no aonhecnonto da
historia poltica do paiz, grandemente versado as
pratieas do systema representativo,
O Ilustre'pernambucano tem unu presenca
sympathca, gostculaciio cheia de vida, phrase
abundante e voz too extensa como llexivel. Prima
S. Exc. pela entonao3o da voz, que molda com re-
coubecida vaotogeia s exigencias do seu aasum-
pto.
Honra deputoco de Pernambuco, provincia
e ao paiz No Sr. Gusnio Lobo tem a maiora
mu orador a quwn nao fatom predicados.
Voltarcmos ao discurso com que o Sr. Gusmao
Lobo prende a attencao da cmara ha mais de
duas horas.
Um Pernambucano..
(Jornal do Cotnmercio)
CMARA DOS ORPUTADOS.
Sessao em 14 ile dezeailjro.
A seso de boje loi urna brilhante compensaca i
da anterior. O privilegiado talento do Sr. Dr.
Gusmao Lobo, deptitado por Pernambuco, capti-
vou a attencao da cmara e domnou os seus pro-
prios adversarios, que nao tendo contra elle odios,
non) o mosino interesse politice que os apaixona
entra os ministros, rendram involuntaria bame-
nagem ao joven e eniinento orador, que roeorda
os mais bellos das do. Macel Monteiro.
Toda a cmara so levautou para cumprimentor
o vigoroso orador, em quem a forca da razao riva-
lisa com a urbanidade parlamentar ; a fluencia t
propriedade da expressao. O ministerio de 7 de
marco, tito injustamente julgado pelos que preten-
den! a todo o custo derriba-lo, vio seus servicos
i'couhecidos e louvados por uina alma generosa e
vj'gem do pequeas paixes, aqnecida luz de um
talento superior e cultivado, do qual mullo devem
esperar o Brasil e o partido conservador.
Qinndo as discussoes so collocam nessa arara,
o os contendores manejain too primorosas anuas,
a tribuna resplandece, o parlamento reassumo a
sua magostado constitucional o a can-a publica
apparuce em toda a sua grandeza. Que contraste
o de urna discusso too serena e elevada com as
se mas de furor e confusao, do que hontem foi
theatro o augusto reciuto da cmara dos deputn-
dos l
Justica soja feita aos nossos adversarios, a quem
nao precisamos negar louvores seni|ire que os me-
recam. porque o nosso mrito nao o seu descr-
dito. OSr. Silveira Martins bouve-se com modo-
i aoao de liiiguagem, embora firme no seu syste-
ma de maldizer a situa^ao conservadora e o bene-
mrito gabinete de 7 de marco, qne est rendo re-
petir-so contra si o circulo das injustas aggressoos
e molos extremos do que foi alvo cm 1871, mas
triainpho no interesse da causa publica, para,
honra do carcter nacional e cstahilidade df
nosaaa instituicoes.
0 Diario do Rio appareceu hoje com ares de
sanlarro e como amigo estremecido da monar-
e.hia constitucional, querendo converter em pro-
veito do suas aspirac^es o triste e passageiro in-
cidente de hontem, que elevou a gravdade de um
'.las topiili, para o qual s-d mocos da apaixo-
nada dssidencia oflerocem estadistas e oradores
assaz fortes! Nao foi urna confisso dos divinos,
mas una santarrice o ridiculos temores de um tri
huno sempre convertido a render homenagem ao
chefe supremo do Estado, e a pedir a sua interven
cao, apenas concebe a possibilidade de urna mu
anga ministerial.
Mostre-se o gabinete firme agora, como as me-
moraveis sessoes de 1871, prestar novos e rele-
vantissimos serv ,os caiisa constitucional, a que
eslao ligados os mais caros iiiteresses de nossa
patria. Nao baver rgimen possivel se as oppos-
coes.noprotenderem conquistar o poder pola ra-
zao e pela porlia do bem, mas recorrendo as pare
djs, s protellacdes, injuria, s provocacoes de
vi'jlencia, as mais clamorosas injusticas, sem lem-
brarem-se de que serao por sua vez victima dos
meamos desesperados recursos, pe- corrondo o paiz
o circulo fatal de lutos esteris edestruidor as do
todas as croncas jwliticis e da prosperidade pu-
blica.
Um consenador.
CMARA DOS DEPI'TADOS.
Subi tribuna, j tardo, o Ilustre deputado
pelo 2 districto da provincia de Pernambuco. o
Sr. Gusmao Lobo ; mas tal foi a aecao de sua bri-
lliaiile o.loqiionca. sempre manlida, que conser
vou choias at ao lim da sessao as cadeiras dos
representantes da nacao e os bancos das galerias.
I'ma a urna as censuras formuladas por todos
os oradores da opposicao passaram pela analyse,
lgicamente severa, do ilustre parlamentar, e ne-
nhama Hcou de p.
A reputocao que preceden na cmara o Sr.
Gusmao lobo nao foi desmentida.
Logo (jue seu discurso fr publicado, os leitores
apreciaras a verdade do que dizemos.
Saria enfraquecer esse discurso dar delle imper
folio resumo.
CMARA DOS DEPUTADO*,.
As honras da sessao de hontem coubeotm a
joven e talentoso deputado Gusmao Lobo. .
0 deputado Silveira Martins tere a palavra em
primeiro lugar e concluio o seu discurso, ioter-
rompido pelo triste incidente da sessao anterior,
mandando mesa moa mocao, que a cmara, por
immenaa maiora. rejeilou.
Seguo-se na tribuna o (Ilustre dopatodo pe-
aainbucaao.
Ha muito tempo naoassiste o nosso parlamento a
urna6o brilhante e premettedora eslra. Desde as
primeiras paiavras, e nao obatonte as einoaoes
proprias do momento, o Sr. Gusmao Lobo soube
captivar a atteocn e aa sympatbias do auditorio.
A hora j ia achantada, mas todos os deputodos
pnesentes, e os *px>cto lera* e tribunas, coason;arau-se em sens luga-
res naca admirar e appiaudir o bati impueviao
do eloquente orador.
Nenhmna, >a
e&saa. ensuws,
7 ce marca, e a
das in
PERNAMBUCO.
bitoe palos Srs. Marti-
ndeu o patritico gabinete di
i juaiaria da cmara- tem*-
s.fualue nawamakte fei.
tas, e pulversou todos os argamantos doa. aen*
adversarios, revelando mua inteUfgenca aptaoBV
e, ejeirecca, e tedoa os dotes do^erfcito ornaW
REVISTA DIARIA
Cmara don dewutados. Encelamos
hoje em nossa oitova pagina a publicack\t da dis-
cusso havida, na cmara dos awpntaaVw, por oc-
casiao da votaeao do parecer da commisso sobre
as eleieoes do 1. dstrico de Pernambuco Para
essa publicacao chamamos a attencao dos leitores.
Corle.De una carta de 13 do corrente, ex-
traliiinos o segninte :
i Do poltica nada lbe posso dizer de novo. O
ministerio tein boa inaioria na temiioraria, e sof-
frivol na vitalicia. Anle-hontem (U) foi reco-
nhecido deputado pelo 1." districto dessa pro-
vincia, o Dr. Moraes e Silva, por 46 votos contra
2G. O conselheiro Theodoro absteve-se de volar,
e votoram a favor do Dr. Souza Beis, os Ur-. Ig-
nacio Joaquim e Joaquim Portella, diputados por
ossa provincia.
Tainboni foram reconhecdos os deputodos
governistos do Pauhy, por graudissima maiora.
Vao entrar em discusso as eleieoes do
Cear.
Abro-se, como djve saber, a exposieao na-
cional. Esta muito abaixo- da de 18t><>. As pro-
vincias que coneorrorain ella foram : Pernam-
buco, Baha e Paran. A propria corte esto .po-
bremente representada. Pernambuco o Paran
sao as rainhasda testa.
t Nao ouco rumoras de retirada, toa cedo, do
ministerio. Acredito que salar quando llie aprou-
ver. Em todo o caso nao mudar a situacao, que
julgo vivera muito tempo. *
Matriz de Santo Antonio. -Deve rea-
lsar-se hoje, s 4 horas da tarde, a annuncada
reuuio em assembla geral, dos irnios do Sa-
cramento dessa freguezia, afim de llie ser coin-
municada a pena de interdicto sobre a mesma,
hincada por S. Exc. IWma. em l d corrente, e,
como natural, resolver-se sobre a attitude que
deve tomar a irmaadade em tal conjunctura.
Fall pos de meto noite, oxpirou vctima de um OM;
gestao cerebral, o subdito p irtuguez Jos do. S
Lopes Fernandes, conheclj por Jos Barbudo,
estabelecido com armazem de moldados trtsaaaa
da ra das Cruzes. Infornnimiioi qne era elle o
docauo dos taberneiros da freguezia de Santo An
Ionio
Bonito.No da o do corrente mez celbren-
se na villa desse ilome, urna bate Nossa Scnho-
ra. A' noite o Hvm. parodio fez cantor una la-
dainha, o tanlum erijo e den a bencao do Sacra-
mento, em desaggravo virgmdade de Nossa Se-
nhora, profermte o coadjutor nessa occasiao urna
pratica anloga ao acto ; o que muito satisfez o
numeroso auditorio quo, com profundo respeito,
all estova.
Propri nacional. -No da 29 do corren-
te ir de novo praca por venda, peante a the-
souraria geral, o proprio nacional Cilabouro, sito
na ra assim denominada, e que so prolonga ao
fundo do quartel de polica, com 81 i/2 palmos di
frente sobre *6 o mete de fundo; servndo de
base arremaUeao a quaulia de 2:210 j ofje-
l-eeiila
Vapor-e* esperados. -De 2o a 27 do cor-
rente o inglez Douro de Southampton e Lisboa.
De 28 a 29 tambem do corroute o ingloz Boync,
do Bio da l'rata o escala.
Di.-pois da demora da costume largarao ; o pri-
meiro para o Bio da l'rata pela respectiva escala ;
o segundo para Soulliampton por via de Lisboa.
Poe.o da Panella.Hoje, s 7 horas e
meia da noite, ser basteada no povoado do Poco
da Panella, com todo o esplendor do costume, a
bandera de Nossa Senhora da Sade ; cm segui-
da queimar-se-ha um lindo fogo de artificio. Ama-
n'.ia cometar a novena.
A companhia da linda frrea do Gaxang, a
partir de boje, expedir diariamente s 5 horas e
40 minutos da tarde, um trem ordinario do Beci-
fe para o Caldeireiro, e dahi para o Becife un
outro s 9 e 2o minutos da.noite, no qual poderlo
transitar as pe-soas que desejarem assislir s no-
venas de Nossa Senhora da Sade.
Prisao.Pela autoridad- policial da Boa-Via-
Sem foi preso Manoel Paulo dos Santos, por crime
e defloramento.
Desahamento. A's 6 horas da tarde de
20 do corrente desahou parte de um telhcro da
fundicao do Sr. Carlos Starr A C ra da
Aurora, ferindo e coniundindo levemente a quatro
trabalhadores. que sob elle se achavam a mudar
a roupa.
Armas defezas.Pela delegada de Agua
Preto foram apprebendidas 11 armas defezas, que
liveram o conveniente destino
Veeidente. Hontem deu-se um tri-te e
bem triste accidente na via-ferrea de Olinda, no
lugar Fundo, do ramal de Beberibe. Suba o
trem das 8 horas e 18 minutos da manh, da En-
cruzilbada de Belem para o povoado de Beberibe,
quando, ao aproximar-so do referido lugar, o ma-
chi uista que o diriga avistou urna machina que
descia a rampa em curva, que all ha.
0 machinista do trem conseguio deter o movi-
mento deste, mas o que diriga a outra oo con-
seguio o mesmo, de sortc que chocaram-so com
bastante violencia as duas machinas, resultando
ficar a primeira com os para-choques e platafor-
ma dianteiras quebradas, e a segunda com um
dos cylindros propulsores completamente iautli-
sado, tendo alm disto a alavanca c o eixo do
freio partidos, e bem assim torcidas varas pe$as
do apparelbo de movimento.
Alm disto ama dolas desenrarrilhou, o que dea
lugar urna interrupcao na linlia d cerca de 1
hora.
Os passageiros e conductores do trem que su-
ba nada soffreram, alm do susto : o mesmo po-
rni nao aconloeeu ao machinista e ao foguista da
machina que desda, pois o i. ficou com o braco
e nao esqaerda queimados e um lalho no. jodho
sqiiordo, e grande pancada rocebida nos poitos ; o
2.* recebeu urna forte naneada no quadril esquer-
do, que o deixou um pouco manco.
Parece evidente que o culpado do accidente foi
o machinista que desda, pois que, devendo elle
aguardar a subida do trem do pa-sageiros paraen-
taepr em mevmento, r sna machina ;antecipan-
do-se, porm, como o fez, motivoa o encontr e o
choque pie poda ser de consequencias mais gra-
vee.
Caawepi providenciar em -ordem evitar-se a
reproduccao de aemeihantes occarrancias.
TlaeaN.Fot hontem acea, pela primei-
i vez, no theelre Santo Antonio, o aparatos dra-
ma, intitulado Naufragio da fragata Meduta. Sor-
tirenden-noso modo por que correu o aspectoen-
o: e qne muito pode o talento -inspirado pelo
amar do trabalho.
(Ja Srs. Vioente Julio Xavier, emprezario e en-
saiodor. teateaaiwnaram enalterantameote a con-
daaidaan ibiii, oueporsua vez cor-
aaaacraaoaa 4b to damnet-ja artiatan,
ifllte espaetoenlo ama endiente reaa, qne
:e suppor seja sempre a mesma nos que w se-
gHrem.
Hio nos ocaoparaaaai do aaaumpto desse dra-
ma, que ranamora unta daa paginas mais sow-
briaa 4a historia, do mar ; nada adiaatariainoe aos
que conhacam ; aoa que o ignoram a desejarao
naturaloicule aprceLvli, bom deixar a alma
fhrei^fommeo^
De grande aparato scenco. o \mrugi.du 3fc-
duzn nao desses dramas que, parte a Musan
ptica, deixam de prender a attencao do especta-
dor. 'De entrecot) interessante, que se desenvaive
com. animaco sempre crescente, tem situacoes
verdadeiramnt dramticas; lances que assu-
mem proporijoes trgicas : a eatostropbe in-
mensa.
0 desempenbo da peca agradou geralmcnte : a
companhia foi victorada por tres vezes a lio.
Saudamos urna verdadera vocacao artististica
que alli sorprendeu-nos, e de que nao tinhamos
anda noticia ; o Sr. Santos.
Que dtstincto artista nao se adivinha na figura
imponente desse moco, na inspiraeao que lbe ir-
rumpo do olhar incenpido ; em sua dic^ao cor-
recta ; em sua voz sympatbica, diremos em -sua
voz dramtica ?
A' escola, Sr. Santos ; esc la I Creia-se um
tes enviados a resurgir a arte to amesquinhada
e abatida entre u. Eatude, esforce-se, sacrifl-
que-se mesmo, se nao por si, se nao pela patria,
peto arte ao monos, que um dos anjea de guarda
da huraanidade.
0 Sr. Vicente e Florindo estn conhecidos : nao
ha mais fallar d'elles.
Nao deixareiuos. porm, de mencionar dignos
tambem de louvores os Srs. ('.amara, que muito
uos agradou, o Sr. Menezes, que nos recordou o
sympathico Teixera, e o Sr., Bernardino, que
se distingui uos lances do tercelro acto.
DD. Olympia e Emilia foram so'frivelmente, de-
vem ser mais uaturae* na transicao de seuti-
mentos oppostos.
Todos os artistas sabem, podemos de dizer,de
mais os seus papis ; dahi a preciptooao com
que as vezes os diziam. E' de esierar que tal de-
leito deixe de apparecer nos faturos espectculos.
Muito confiamos a esse respeito no ensaiador.
O drama esto montado com esmero e perfeita-
mentc ensaiado ; o scenario est completo ; o :i.
e 4.a actos, sobretodo, sao de verdadeiro effeito.
0 Naufragio da Medusa far carreira.
Pernambuet Street Rallway.Esta
companhia contina sem troco miudo nos bonds
e no escriptorio, exigind entretanto deposito de
dinheiro, suscitando quesloes, e impossibilitando
por sso aos passageiros de segnirem seu destino,
Lotera.A que se acha venda a 37.', a
beneficio da matriz da Escada. a qual corre no
dia 30 deste mez.
Passatreiros.Sabidos para o norte no va-
por brasjleiro Cruzeiro do Sul:
Dr. Felinto H. do Almeda e I criado, Dr. Anto-
nio P. F. Luna e 1 criado, Antonio de A. Santos
Dr. Jos H. Cde Castro, sua familia e A criado.
Andr Glans, Francisco do A. Campos, Albino A.
dos Beis, Gamillo do S. Tavora, Jos'; Joaquim de
A. Alhuquerque, Julio Fiirstenberge John Morton.
Casa de deteneo.Movimento do dia
21 de Janeiro do 1873 :
Exstiam (presos) 353, entraran i, sahiram 3,
existem 354.
A saber : .
Nacionaes 237. mullid >- iV. cstrangeiros 49,
eseravos 47, osoravas 7.Total 354.
Alimentados a custo dos pifies pblicos 283.
Movimento da enfermara do da 21 de janiro
de 1873.
Tvoram baixa :
Antonio Manoel da Silva : odontalgia.
Jos Joaquim da'Paixo ; indigesto.
Manoel, escravo de Jos Alws ja Cruz ; eontnso
Tiveram alta:
Manoel Antonio da Silva.
Galdino Gomes da Silva.
Jos Pedro de Mello.
Cemiterio nuolieo.01 itaarto do dia 20.
de Janeiro de 1873 :
Mara, parda, Pernambuco, 3 mesas ; graca es-
pasmo.
Hobev Jules Louis. branco, Franca, 16 anuos,
solteiroj Boa-Vista, hospital P-dro II,; febre ama-
relia.
Isabel Mara da Conceii>i. p:c!a Pernambuco,
60 annos, solteira, Becife : itspUxia por Sb-
morso.
Mara branca, Pernambuco, i annos S. Jos ;
inflammacao.
Joaquim Ayres de Almeia, iiranco, Pernambu-
co, 54 annos, casado, Beeife ; affocco do cora^o.
Idonde Uraizly, branco, Inglaterra, 24 annos,
solteiro, Boa-Vista; febre amarella.
Alfonso, pardo, Pernambuco, Bmezes, Santo An-
tonio ; convuls5es.
Joao, pardo, Pernambuco,'. metes, Graea con-
vulsoes.
Augusto Monteiro da Silva, 12 annos, solteiro.
Santo Antonio ; encephalite.
. Alexandre Muniz da Sirva, Pernambuco, 28 an
nos, militar, Boa-Vista : hepatitc ehronica.\
feira e Huanos-: jfcajhMIai i-ad.- ter-
<\U- foi ras.
rodo o curso norma!, or n irno
fuBccuMiaraoatt aula- da-< seis asVte o das setc a>
oito horas da noute. \
Art. 10. Os profossores das primBjras cadeiras,
e bem assim as das segundas, alternatwn cntr- ^~
os respectivos annos, de inanora oneoTOTlssor
I lecconaro primeirn anno passar aleccionar
segundo, aceaipanhando as anas alumnas.
Esta medida reclamada pela boa ordem c mr-
thodo de cnsino, atienta a naJureza das materias
daquollas cadeiras.
Art. 11. Havera, tego que as torcas da socieda-
de o permittirein, urna escala primara annoxa.
onde as alumnas possam adtjBirir a pratica ecos- .
aaria urna boa proessora.
Art. 12. 0 anno leetivo copjccar a 3 do fi
rciro () eadar no dia JM*d outubro ; alm
destas ferias, serio a inda feriados todos os que fo-
rem considerados toes pelas leis rogulamentores da
nslruccao publica, inclusive a quinto-Teira, niio
havendo outro feriado- na semana.
Art. 13. Findo o auna lectivo, o praoidaajie do
conselho parochial convocar a congrcga(;o dos
profossores da escola, para organsar os ponto* e
processo dos exames^ guardando o segninte :
I.Os exaoies serao fdtos |Kir cadeiras, de nia-
nelra quo haver tantos exames quantas fonal as
cadeiras.
II. -0 exame constar do duas provas, una es-
cripta e outra oral, para as qnaes ser polo presi-
dente do acto mareado um prazo razoav.-l.
III. -A votaeao -ora feita tanibein separadam- li-
te sobre cada m dos exames.
IV.0 voto dos examinadores ser oseripj na
inesiua prora, s, ou acoiu|ianliado da justifica-
cao.
V.-N'o haver reprovacao A alampa quo io
satisfizer as provas de urna cadera ser esperad;.
para novo exame dessa eadeira, cujo prazo ser
mareado pela mesa examinadora, segundo o eatad*
da> provas. nunca menor de tres inezes, nem maior
de nove.
VI.A alumna do primeiro anno que for emp-
rnala para tres ou sois mezas as materias da
segunda e da torcoira cadeiras, poder matricular-
se logo no segundo anno.
Vil.A espera as materias das prunairn ca-
deiras do primeiro e segundo annos, importa a
perda do mino.
VIH.-llavera somonte dous graos de appre-
vaco, saber : approvado plenamente e apprn-
vado.
Art Vi. A alumna que tiver obtdo approv,.
om lodas as material do curso normal ter um ti-
tulo de eapaeulade professonal.
? nico.Esto titulo s ser conferido flepol i
feitos lodos os exames. Z
Art. 15. A commisso examinadora ser com-
posta do presidente do conselho parochial e dos
professsores dos respectivos annos. com a assisten-
cia do director gera da instruccao publica, qOc,
para este lim, ser em tempo convidado pela
seibo parochial.
Art. 16. A SociodadoPropagadora da Instuv.ci"
Publica se propfie alcancar dos poderes competen-
tes para as alumnas dsto curso as momas ga-
rantas de que gozam os alumno-mestres da E> la
Normal.
Art. 12. A drccoaq o economa da escola estar
eargo do eon-elho parochial de Santo Antonio,
que destribuir o servico semanalmente por cada
um de sous membros.
Art. 18.-Haver um servente oncarrcgarii l-
conservar o edificio no estado de r.sseio e decencia
neeessarios um cstobcleriinento desta ordem.
Art. 19. As pessoas que aeoinpanharem as ato li-
nas podero, (merend, assistir s aulas, guardan-
d), porm, todo o respeito e acatamento, e se con-
servando em silencio, atim do nao perturbare
licoes.
Art. 20. Os litros o compendios serao escomidos
pola cngregarjte dos profesores da escola
Art. 21. () conselho parochial de Santo Antonio,
cojo cargo se acha a escola, o competente para
providenciar acerca dequalqner facte oxtraoriria-
ro, quo nao estivor previsto pelos presentes eU-
tatutos.
Sala das sossoes do conselho director, 14 do Ja-
neiro de 1873.
Ohpnpio Marques da Sitra,
presidente.
Joao Ferreir YiHeia,
secretorio.
II
UBLIGACOES A PEDIDO.
Escola Ioi-iuuI pitra culiorait.
SOCRDADE PMPACMHMlM DA iNSTIirctjAO
PUBLICA EM ti l!N- I ICO.
O conselho director da paroehla de Sanio Anto-
nio do Becife creou um curso normal gratuito
para as senhora- que se queiram dedicar ao ma-
gisterio, e vai levar e'Ieit i sua installac^o.
Tend em sessao de 14 do crrenle approvado
o prograumia de ensino do dro curso, publica nes-
ta occasiao as disposieo.- nclie comidas, afim de
mais fcilmente chegar ao conhecirnento daquelles
quem interessar possa tac n'. instituico.
Installr-se-ha o curso 15 de fevereiro prxi-
mo, nos saloes da Escola Norma!, i rita de Pedro
Alfonso, antiga da Praia.
Desde j acha-se aberra a matricula para o cur-
so, e as pessoas que se quizercm matricular, diri-
jam-se ra do Imperador n- 45,1 andar das 10
hora da manha s 4 da tardo. As eondeoes para
a matricula constom do rrogramma abaixo pu-
blicado.
Sao lentes do curso o- gegt scnl.ores !
Dr. Esequiel Franco de S.
Dr. Augusto Carneire Monteiro da Silva Santos.
Vicente de Moraes Mello.
Miguel Arcbanjo Mindello.
Liberato Tiburiino de Miranda Maciel.
Antonio Basilio Ferreira Barros.
Francisco de Assis Monteiro Pesa la
As senhoras que se quizererv. prestar ao exame
das materias eomprehenmdas no V anno do curso
podero, se forem approvadas, str matriculadas
no 2* anno.
PBOGBAMMA.
Art. !. Haver na freguezia oe Santo Antonio
uina Escola Normal destinada formar boas pro-
fessoras de instruegao primaria por "ieio do ensino
methodico e educacao regular
Art. i. Serao recebidas Beata escola, como
alumnas, todas aquella senhoras que so quizerem
dedicar profissao de Diestras -pubeas e particu-
lares de instruccao primaria.
Art. 3. Para serem admi'.'el.^ como alumnas
ser necessario:
!. Sabor ler e escrever ;
2.' Ser de costumes puros e honestes.
Art. 4. Para prova da condicao sob n. 2 do ar-
tigo antecedente, basto a declaraco verbal ou es-
cripia feita pelos maridos, pas, irmos ou tuto-
res das alumnas; e na falto desies por outra qual-
quer pessoa de reconherido crdito.
Art. 5." O ensino ser gratuito, sem onus algum
para as alumnas, alm dos respectivos Jivros e
compendios.
Art. 6. A' aluranajjque loi re;onhecidamente
pobre e desprovida de raeios para alcancar os ji-
vres e compendios, indtepensavds ao esttido, serao
estes fornecidos pela Sociedad' Propagadora da
Instruccao Publica.
Art /. 0 curso normal comprtihender o ensino
da grammatica da lingaa portagneza, redacriio,
caligraphia, arithmetica, systema metrieo, meihodo
de erisino, doutrna ehrs&a, historia sagrada e
nocoes de geographia e historia do Brasil, distri-
buido por dous annos e sera cadeiras da forma se-
guinte:
| !. I. anno.i* eadeira.Leitura de prosa e
verso, grammatica elementar, oanprehndendo o
conhedmento da natureza qna'iiade proprieda-
de das paiavras o principios gentes da analyse lo-
giea.
t. eadeira.-Elementos te ariftiiietica, eom-
prehendendo o xererei prtico das quatro ope-
raedea sobre amares inteiros, dedmaes e (recoes
oruinarias.
3. eadeira.Methodo de ensino v doutrina
akriaMl
Aiiidn o Asylo de lli'mliriLtr-
e o l\m. Nr. couaiiactadatlor
l|pnri|uc l'rrfira de liUC-e**.
Tendo sido publicados no Diario dc^P'r-
rutmbuco dous artigos em resposta s aecusa-
cocs feitas pela Provinciano Exm. Sr. anui-
mendador llenrique Pereira de l.ucena, pelo
acto do assentamento da pedra do novo edi-
ficio do As)lo, procuramos mostrar, qac a
obra do primeiro raio poderia ser feita com
a quantia do 50:00o?1 e que para islo a tlte-
souraria so liabilitaria, apezar do sou tcit,
com a cobranza dos"impostos no semestre do
exercicio de 1872 a 1873, repondo o debito
da caixa de deposito.
Se bom que as nossas razos fossem pro-
cedentes, comtudo o estado finaneciro da
provincia pesou mu seriamente na opiniao
do articulista da Provincia que pedia o es-
paoamento da obra at mais lisongeiras co.i-
di(}os.
Nos ospt-r.avamos que a Provincia julga.i-
do de p xrmpre as suas observag,es, rep-
casse ao artigo ultimo, para ento em occa-
siao opportuna responder-lbe, porm como
nao o liaja feito, lomos a accrescentar urna
noticia que deve muito regozijar o articulis-
ta, efazemos isto para levantar qualquerap-
prelienso que ainda domine o seu espirito,
assim como para desvanecer os pesados es-
crpulos de todos aquellos que, assombra-
dos com o estado de imneos da provincia,
possam acreditar que o novo edificio <'<>
Asylo mais um emparro para urna banoa-
rota, para o anniquillamento desta pro-
vincia.
Os espi ritos limoratos o os bons cidmlo*
terao urna medida preventiva deste mal, an
monos, por esta parte.
Pessoa habilitada, a quem procuramos,
nos iuformou que existe um saldo em (topo-
sito ua thesouraria de 24:426?; aeba-se
em poder da Santa Casa de Misericordia
10:0005?, o que perfaz 34:43W.
Ora, havendo-se arrecadado do imposto
de 3 % n Io semestre do exercido de 1$T
a 1873 somonte a receila de 20:435, e cal-
culando-se a an-ecadaco no 2" semestre oV
30:000?, ter-se-ba a quantia de 64:426$.
E nao infundado este calculo da recen*
do exercicio de 18721873 se consitlenar-
so os exercicios de 1S70 a 1871 o de MVI
1872, que produziram aquello 50:67 este 58:327?.
Alm disto so as obras tero de ser feas
parcial e paulatinamente, a quantia existente
mnis do que sufficiente em quarrto sn aro-
cedo a arrecadaco do 2 semestre oeste
exercicio.
Dada esta expHcaco, cumpre-nos atrnte
fazer ver que S. Exc, curando muito do*
iuteresses da provincia, procura alijar as'
medidas mais aptas e ecouomicas aos anats
necessark)3 melboramentos. ~\
Recife, 20 de janeire de 1873.
Dos juizes, esohvs mais devotos qne hio
de festejar a veneranda imagen d* Seriho-
ra -dotV de Ipojoca, no anno di 1874.
Jums por eleiao.
Os IllmsSra.:
ronego tufe Jos d*0R>eira DlnlzT
Manoel Cvrillo Wandertey Lina.
2. 2* annoi." eadeira.-Grammatica-
sonbica da lingua rjortuguexa, analyse logtea em
toda a sua anafeacao, radaecao e c * eadeira.-Aritranettea anarvafca, (kearte da* TSentaTtttMi ptoporoaes e sua *npkc*cS pratica ia regrms e
tres, de juros, de deaeento e de coapaemia, sy*
lema matrico dectaaL
3. caaerra.-Iaistaria agmtej *ite de ajao-toj .
graakia Watoria. dnlteasil. '*> Ifaxer a installacao lo curso no da lo, oetxaswtt
Art. As nrtawtni-T endatea 't.a 2> annea assint water eapago s senhoras funcoionarao todos os dias uteis. As segundan ea- rMtricular. Do anno sagoiitto em alante t otisc
deiras de um e outr aune ana aegunia. marta-1 vara Basta parte progiaannu.
ABaonio .-.gfio do Rogo Aecioty.
tai saaao doa'peoeoa dtes qne ftdtam jara
3 d* tevomre, reaolvear o emrselho reste.
.i


..
T


Diario de Pernambuco Quinta feira 23 de Janeiro de 1873.
3
p
;> Fraofe*1 tMwiadu Perpetua '.pinte;
l). Mafia Hosr. ulivoira Cmara.
n. Mam da Ass'tihpco AraMy de Andrade Ra-
mo*.
Li Anna CamlMa da Costa 6 Silva
Jaizes por evocan
Os lllms. Srs.:
Tl:ir d de ?lervs.
ToeqflSanranel Jeao Carlos Bezerra Cav.deante.
Dr ATpio Jtef da fosa.
Il'Hfo Jos Ramo "Otivoira.
Jnizi por erocao.
\- Bawm. Sras.:
C<>fUortb-da 1IU. S. capitn- Ju-imian dtj Mon-
donga Lias.
H Laurenlim da Costi Albuqnorqnc. *
1). Senhnrinh i Maaia da Coneeico.
Consorte di lllm. Sr. Illa noel de Souea Medeiros.
Esrrivao.
i Otra. Sr. Porfirio Alvos da Silva.
baria*.
A Krm.i. S-a. I), temerte do lllin. Sr. aifejes Joo
M*nvl do Souza Morae*.
Moni orno?.
I-'I" os lu bitanias desla villa.
Procuradores.
Os Uta. 8rs. :
1 'apita Jod Emiliano da Costa Albuquerque.
Altores lorio Manuel de Souza Moraes.
Alteres Herinio Laiirentiuo de Andrade Jnior.
Nicanor Bandeira de Mello.
Procurador gcral.
fltm. Sr. tenenle-corcnel Antonio Juvencio Pires
b'.tlcao.
Ipujuca, 12 de Janeiro de 1873.
O coadjurtor pro-parocho,
Lttiz Jos d'Olivetra J)n T.
ic;ocon le I1' er na Hilo.
Loado O .Otario de Pernambuco, datado de hoje,
Jeparei.com uto bem estirado artigo contra o tc-
nente coronel Antonio de Campos Mello, actual
coinmandante do preaRtta de Fernando, pelo que
ero ,'io Eun. Sr. coininendador presidente da
provincia c ao publico em geral, que suspendain
todo e qnalquer juizo ruo que porventura delle
tenham fetv al que vi o vapor qucllc presidio,
> que eni antes eHe nao pode justilicar-se ;
po convicio olame seni dhantcs embustes.
Rerife, 21 fe jari'iro de 187.'t.
'l'm viudo (l'al!:.
Km respecta a pergunta que no Jornal do Re-
<'/'de lton em me fez um da Loja Restaurarlo
Vniambucana, declaro que durante o teinpo que
fi qneniei i nesnia Leja, nunca presencie] pala-
vraa a acto me offensivos fossom a religfin ea-
tliolica apost lira romana, e ncm a religio algu-
na, e que soiuentc o esperto e obediencia que
levo prestai' ao meu legitimo superior o Exm. e
Rvnj Sr. bispo diocesano, iue demoverain a fazer
i Ivlaraeao publicada no ludria de Punambuco
de 17. do corante. E desde j protesto nao res-
ponder man. pergunta alguma para evitar pol-
micas.
Reifr, ?) de Janeiro de 187.'t.
Padre Albino de Carvallw Tsssa.
/ lledatlur Rugimos, nos abaixo' assigna-
I >-. iihuIV;i:.'s do vapir americano Erie, o obse-
quia le ,'ns-srir o agradeeimento ababo tn.iisrri-
|tto na sua estimada folba. .Nao temos com que
i "ir nerar o se trabalho, porem esperamos que
v sr por ibi.'antropia e em reronheckiiento
i miseria, nao se negar. J de ante-mao
igradeeemos sea consenlimento.
A amigo verdaderos da huinanidade, des-
;: l ;;ula pelos actos invHeriosos de Deus.Omiiipo-
Tiislissiiro- eslavanii s pausando os 'lias no nos-
- refugio ; vagarosas passavam as boras, e esta-
va:.io> .i off gue, alui da autoridade competente
rieaa] naolavia quem se lembrassa feades-
! 'acados atufragaado mal-aventurailo vapor JSri
que -e arhavam naJlh.i do pina ; nem pelo me-
alg.....pastor de i(re|a, cuja obrigacao era
linwUW O desconsolados, e que deva lem-
i ir-se que ne ui 'ule. Sigua dasvuvae do caminlio da salvacao,
|ue sao .lies que o eijsinam, e poEtaoto respon-
. -..el,! lesgraca que sobroveana, c qe sej*
N.'illg'iieia delles. l'orm como nos enga nava -
mps Fom is agrdate mente sorprendidos pelas
18 de rouunssdes das Lojas Maconieas de
P rnmbuco, que viera n investigar as iossas ne-
sidiules e generosamente offereceram-se. a soc-
'nr-uos com alguma cousa, visto acliarijio-nos
i.i maior estiluioao de ludo.
Batresij Lpor impulso proprio, promoveram
bsc ipcoe.-. n.is Lojas laconicaa e mesntn na ci-
II !' nosso lavor, por mera pliilautropia, nao
i indo sero i pesseas entre nos, que perten-
emaqaflUa socieaade Masnica.
Nao temof paMavras bastante expressvas para
igrafecer snmufnante gi neposidade, com especiali-
l.i.Je aos Sr;. que tomaiam a iniciativa ueste ac-
' de caridade, e so podemos retribuir, pedindo a
Dos que faca prospera- taes sociedades, e per-
uuUa quei propagnem por todo o mundo, que
i iroli'ja. Yisto que sao as nicas que eiisinam
io bemm ser bomem e amar ao seu prximo co-
!!> a .-i pmprio.
.<><>. com tocia consid-raciio c
nuifo agradecido e ubrigado.
lome de meus 7( rompa
uto
Freileria Guilherm
COMPANHU 4LLIASC4
seguros martimos e terres-
tres estabelecida na Baha
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL ',000:00OM)OO.
Toma seguro do uiercadorias e diuheiro a
risco martimo em navio de vela o vapores
para dentro e fra do imperio, assim como
predios, generas e fa-
fogo
sobro
Pedro Maristany, enrga^ aJgoilp.
Canal -Escuna inglaza CameJfo d, capta) J. B.
Jamos, carga ssucar.
LiverpoolVapor inglez Gtmendi, cpmnnndanle
Ferguson, carga aigodao e oatris genero*.
Portos do norte Vapor brasiliro Cruzeiro do
Sl, commaa*inle oeaitu teuente Teires, car-
ga differeutas gneros.
eq. i 'i
EBITIB.
Esfla ^Tinil.
contra
z eidas.
Agente : Joaquiui Jos Gongalves Beltrao,
ra do Commercio n. 5, i andar.
SEGUROS
MilUTHOS
CONTRA *0 FOGO.
A companhia ludemnisadora.estabeleoida
nesta prac,a, toma seguros martimos sobre
navios e sous carregamentes e contra fogo
ein edificios,
ra do
Vigario n.
mercadorias e mobilias
pavimento terreo.
na
PRACA DO RECIFE 2i DE JANEIRO
DE 1873.
AS 3 1/SnOBAS DA TARDE.
Colneees ofYieiaeai.
Algodiio de 'sorle 9*900 por 15 kilos,
Gambio=sobre Londres a 90 djv. 26 1[4 d.,
3|8 d. e 26 12 d. por 13.
Cambio-sobre Portugal a 90 d[v. 102 OjO.
ubourcq
Presidente.
Leal Seve
Secretario.
M
Al.FANDEGA
Rendituento do dia 2 a'21.
dem do dia 22......
933:316*823
33:970*323
fina de
os de
V. S.
infor-
WccAw
OMMERCIO.
Bihco Coiiiinercial de
IVriliilllbTo.
\ 'liroct'jria do Banco Comuiorcial de
r-.-,iinbu;o convida os Srs. accionistas a
usar, at 0 ilia 20 de fevereiro prximo,
-cripterio do Bauco, ra do Vigaiio n.
, ;n nneiro aadar, a terceira prestaefio de
10 0 do valor de suas acces, devendo tra-
i^ resyectrras cautelas para so annotar
dita prestaeo.
' fe, 15 de jane.ro de 1873.
Os directores,
Manoel da Silva Saatot.
fe/trique Sernardes foilo (la Silva Regadas.
989.273130
Descarregam hoje 23 de Janeiro de 1873
Vaoor nacionalCruzeiro do Su/gneros nacio-
naes para o trapiche Dantas.
Patacho dinamarquez-SanJi A. Holbrook-mcr-
cadorias para alfandega.
Patacho allcmao-^'cjnfmercadorias para al-
fandega.
Barca ingleza//johfmercadorias para al-
fandega.
Hiato americano Holtie Hmkrtl kerozese e
aducas para o trapiche Coneeico, para
despachar.
Barca franceza Gci.-Ulevinho para deposito
no trapiche Cunta.
Barca americana fwamento farinha de trigo
j despachada para o caes do Apollo.
Barca portugueza -Aramia pedras para o tra-
piche Conceicao. para despachar.
DE;PA"HCS DE EXPORTAgAO NO DI A 21 DE
JANEIRO DE 1873
Para os portos do exterior
. No vapor inglez Gassendi, para Liverpool,
carregarant : F. Azevedo 1 caixa com 54 abaca-
chis; G. Neesen & C. 1 fardo com 174 kilos de
algodo ; A. Howie & C. 122 saccas com 8,201
ditos de dito.
Na galera portugueza America, para Liver-
pool, carregaram : T. Jefferies 4 C. 3 saccas com
246 I [2 kilos de algodao.
No navio francoz Marta Celina, para Mar-
seille, carregaram : Keller & C. 1,400 saceos com
103,000 kilos de assucar mascavado.
No navio germnico Otto Grafzu Stolbua.
para Valparaizo, carregou : A. M. S. Machado
300 sarcos com 22,300 kilos de assucar branco. .
No lugre ingle?. Aspasia, para Valparaizo.
carregou : J. F. C. Ayres 50 saceos com 3,730
kihw do aoonea bfMeo.
No brigue hespanhol Amalia, para o Rio da
Prata, carregou : A. Bastos 135 barricas com
13,6o2 kilos de assucar branco.
No patacho alleinao Albatroes, para o Rio da
Prata, carregou : A. Bastos 203 barricas com
20,164 kilos de assucar branco.
Na barca portugueza Amelia, para o Porto,
carregou : J. B. Michilles 5 barricas com 220
kilode assucar branco ; para Lisboa, T. A. Fon-
seca & C. Suceessores 467 couros salgados com
3,604 kilos.
Na barca portugueza Venus, para Lisboa,
carregaram : E. R. Rabello & C. 217 couros sal-
gados com 1,519 kilos.
Na barca portuguea Saplura, para Lisboa,
carreg : A. Loyo 200 saceos com 13,090 kilos de
assucar branco e 600 ditos com 4n,(i00 ditos de
dito mascavado.
No lugar portoguez Julio, para Lisboa, car-
regaram : T. A. Fonseca, 4 l". Suceessores 174
saceos com 7,38i kilos de gonuna de mandioca.
Na barca portugueza Clandina, para o Por-
to, carregou : A. C. dos Santos 10 saceos com
730 kilos de assucar branco.
Para os portos do interior
Para o Rio Grande do Sul, no brigue Jwasi-
leiro Amelia, carregaram : Silva 4 Cascao 500
saceos com "37,300 kilos de assucar.
Para o Rio de Janeiro, no patacho brasiliro
Mario, carregaram : Cuuha Irmaos & C. 60 bar-
ris com 5,760 litros de niel.
Para o Para, no vapor brasiliro Cruzeiro do
Sul, carregaram : P. Vianna & C. 50 barricas com
13,391 1[2 kilo? de assucar branco ; para Mara-
nhao, J. R. Ferreira 300 volumes com 23,376 ditos
de dito.
Para o Para, na barca portugueza Ctementi-
na, carregaram : B. Ohveira'& C. 173 barricas
com 11,776 kilos de acucar branco, 20r2 e 10|4
ditas com 1,163 ditos de dito refinado e 5 pipas
com 2,400 litros de alcool; l. C. R. Pontes 13
ditas com 7,200 ditos le agurdente.
CAPATAZ1A DA ALFANDEGA
Rendimentodo di. i a 21. 12:481*6:14
dem do dia 22...... 638*368
COMERCIAL
PEiiNAMBUCO
seoAta lettras de cambio, do terra
l'isquer .tolos pblicos.
K-'K'b'iiin eimomconta correte simples,
em conta correntc com juros e por let-
i -
Enoarre^a-e por commisso de qualquer
iipemfio iwm.
o expeliente principiar s 9 horas da
luil^ e tiiuiiri s i da tarde.
Ra do Vigario n. 1, piimeiro an-
da .
Seguro Mlra-fiig;)
' COMl'A.NUl.V
.NORTHERN.
Capta!..... 30,000:0009060
|0 de reserva. 8,000:00(^5000
Agentes,
Jfii^ LallwmC.
Kl'A ApllZN. 38.
-
.Segar (^ag*
ME .4-L.R.l'OOL A I.ONON OLQP
13:120*002
Vi iLUMF.S SAHIDOS
No dia 2 a 2'.
Primeiraporta no a22. .
Segunda porta.....
Terceira port;......
frapiehe f' mreieSi .
' SERWG0 MARTIMO
Alvarengas descarresadas no trapiche
da alaudega no dia 2 a 21.
Ditas ditas no dia 22......
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas......"
No trapiche Coneeico.....
30,723
184
271
4'0
794
32,381
84
87
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEflNAMBUCO
Rendimentodo dia 2 a 21. 33:009*017
(demdodia22. ; 1:W6j:4
35,005*\31
O Dr. Augusto Bgydio de Castro Jesui, juiz mu-
nicipal do termo de Serinhiiem. por Sua M.,ges-
tade Imperial e Conetiliicional, a qtwm Deus
guarde, etc.
.Fago saber pelo presente, que nos termos do art.
1' do decreto u. 1,693 de 15 de seleuil.ro de 1869.
dentro do (razo de trinia dias (exceptuando todo
0 feriado) contados da puaraco deste edital, re-
ceber este juizo proposlas em cartas fechadas lia-
ra arrematarlo parveada dos e>cravos : Arcidio,
erioulo, avahado em 1:300*, Samuel, por 1:200*,
Thouiaz, crkwlo.por 1:300*, Porfirio, Angola, por
600*, Lucio, erioulo, por 900*, Manoel, criouio,
por 1:200*, Guilherme, por 6003, Josis, croulo,
por 1:100*, Julia, por 1:000*. Flora, por 1:000*,
Andrcza, por 400*, Anna, por 600* ; eujos esera-
vos foram penhorados por exenicao de Manoel
Alves Ferreira, a seu devedor Francisco das Cha-
Sas Cavalcante, e se acham depositados em |>o-
er do depositario particular, Dr. Jos Eugenio da
Silva Ramos, inornuor no eugenho Quilcba ; sen-
do preflxo para a arremalagao o dia 27 do mez
de fevereiro do anno prximo vindouro.
E para ipie ebegue ao couhecimenlo de todos,
mandel passar o presente que ser publicado e
aflixado no lugar do costume.
Eslava urna estampilha de duzentos ris uutili-
sada om a data e assigiiaturji seguinte :
VHIa re Scrmhaem', 8 de dezembro de Mi.
Eu, Joo Alfonso Regueira, escrivlo o escrevi. -
Augusto Egydi* de Castro Jen.
Est conforme ao proprio original, ao que me
reporto.
Villa de Scrinhaem, 18 de dezembro de 1872.
O esrrivao, Joo Alfonso Regueira.____________
Peia'adininistraco dos correios desta pro-
vncia se faz publico que. no dia. 17 de fevereiro
do correntc anno lera lugar na mesma reparti-
cie o concurso para |>rovimento da vaga de pra-
ticante, de co formidade com o s l. do art. 2."
do regulamento a que se refere o decreto n. 4743,
de 23 de junho de 1871, e art, '* do regulamen-
to approvado pelo decret n. 3143 de 12 de abril
de 1863.
Os candidatos deyerao anresentar, at o dia 16
do dito mez, folba corrida e certdao de idade.
O concurso constar de exercickis de caligra-
phia, orthographia arithmetica elementar coih-
prehendeado o uso de sj stenia-melrico e noeoes
geraes de geog apia.
O conhecimenta das lingua* estrangeiras dari
direito a preferencia.
Correio de Pernambuco, 21 de Janeiro de 1873.
O administra Jorjinterino,
Vicente Ferreira da Porciuftcula,
i;Jlal m. 99.
Pela inspecloria da alfandega se faz publico que,
nao se tendo electuado a venda da plvora abaixo
Jeclarada, annunciada leilao por edita 1 n. 71, se
transiere a mesma venda para s H horas do dia
24 do corrente porla desta reparticao, ondo eu-
contraro-os licitantes amostra da referida po'-
vora.
Fortaleza do liuraco.
Marca diamante J. 120 barris peso liquido legal,
1,692 kilos de plvora avariada no valor de......
I:.!95j900, viudas no patacho inglez Ediptie, en-
trado neste porto em 20 de dezembro do anno
prximo passado, e consignados ordem.
Alfaadega de PernaAlbuco, 21 d Janeiro de
1873.
O inspector,
Fabio A. de arvalo Neis.
O Illm. Sr. Inspector da tbesouraria provinc.al
em cumpriniento da ordein do Exm. Sr. presidente
da provincia de 10 do corrente mez, manda fazer
publico, que no dia 23 do rnesuio, parante a junta
da fezenda da mesma tbesouraria, vai' praca
para ser arrematada por rttiem por menos fizer a
obra dos reparos da estrada de Muribec \, entre os
engenhos Guara*rape< c Novo, oreada eai.....
tv7tVSQQfl, o tondo o prolunjonlo.' oin vi.-la ik^ni
das clausulas especiaos as propostas abaixo trans-
criptas.
fe.s pessoas qile pretenderem dita obra deverao
comparecer a esta reparliejio at o dia cima men-
cionado, certo deque, o nao fazendo ser a obra
contratada com o primeiro dos proponentes por
ser sua proposta de reconhecida vantagem.
E para constar, se mandou publicar o frsente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 13 de Janeiro de 1873.
offlr:"'-.maior,
Miguel Affoii! Ferreira.
Clausulas especiaes.
L" Os aterres das vaneas dos engenhos Guara-
rapes e Novo, serlo taitas de confonnidade com o
orcamrnto na importancia do 6:105*990.
5." O contratante dar coineco a obra no praso
de 15 dias e a concluir no de 3 niezes.
3.' Os pagamentos serio effcctaadns de coofor-
midade-com as maiores vantagans otlerecidas [icios
proponentes.
1." Para ludo ruis que nao vai especificados
seguir-se-ha o que dispoe o regulamento de 3 i de
jullio de 1866.
Propostas.
O Sr. major Jos Thomaz Pires Machado Portel-
la, offerece fazer c concluir a obra cima decla-
rada at o lim de malo prximo vindouro, rece-
bendo a respectiva importancia em prasos de 6, 9
e 12 inezes depois de concluida a obra.
OSr Francisco Xavier ('arneiro da Cunha, offe-
rece faz"r a mesma obra recebendo metade de sua
importancia logo que a concluir c a outra motado
doze raezes depois de paga a primeira prestaco.
on forme,
Miguel Alfonso Ferreira.
Udituln. JS.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
s 11 horas do dia 21 do corrente se bao de ar-
rematar, livres de direitos, no armazem alfande-
gado Darao do Livramento no caes do Apollo
n. 43, as mercadorias abaixo declaradas :
Marca P C I diamante. Cem barr'.s com banha
de porco, em mo estado, pesando liquido legal
900 kilogranimas no valor de 136*. e 4 ditos da
mesma marca n. 104, contendo toucinho em mo
estado, pesando liquido legal 507 kilogrammas,
no valor de 86*, vindo de S. Thomaz no brigue
inglez Plorence, e abandonados aos direitos por Pe-
rcira da Cunha Irmaos.
Marca C C E H sem numero.Vinte barris
eom binha de porco pesando liquido legal 133
kilogrammas no valor de 305, vtndo no mesmo
brigue e abandonados aos direitos por J. S. Car-
neiro da Cunha. '
Alfandega de Pernambuco} 18 de Janeiro de
1873.
O inspector,
Fabio Alexandrino de Carvalho Rodrigues.
fcdilHl u. %l."
Pela inspecloria da alfandega se faz publico,
que, as 11 horas do dia 23 do crente, se ho de
arrematar, livfe do direitos porla desta repar-
tico, um e aieio kilos de renda de seda no valor
d 133*100. e setecentos grantmos de renda de
algodo no valor de .30*820, as quaes mereailorias
ttziam parte da caixa marca R. T. & C* n. 43,
viada de Dordeaux no vapor francez Mendoza, e
foram abandonados' aos direitos por Rodrigues
Irmao & Guimares.
Alfandega de Pernambuco, 20 de Janeiro de 1873.
0 ios|)ec*ur,
Fabio Alexandrino de Carvalho Reis.
Faz-se publico a tuasm toleressar possa que as
matriculas desta acola abrem-ae no dia 15 do
corrente e encerWHB-se no Hu do inesmo mer,
devendo os <|ue se quierem matricular no 1" anno
apresentar:
1* Certdao de idade maior de 16 annos.
2* Conidio deque sabe ler, escrever e contar.
3 Certido de nao ter si lo c nideumado por
crime.olTousifoa moralu religoo do astado.
E para que, cliajloe ao coiheciment de todos,
mandn o Sr. Dr. director lavrar o publicar
presente.
Secretaria da Esrota Normal de Pennambuco,
10 de Janeiro de 1873.
Ayres de Albuqu _________________Secretario.___________
' Achando-se conrinido o matadouro da fre-
;oezado Poco da Pnnelta.'a ramara municipal
az publico para conhecimento de quem interes-
sar possa, que do dia I." de fevereiro vindouro,
s se poderao matar as rezes para consumo da
popiilaeio da mesma freguezia no referido ma-
tadouro.
Paco da cmara municipal, 13 de Janeiro de
1873.
Jos Mari a Freir Gamoiro,
. Pr-presidente.
Lonrenco Rezerra tarneiro da Cunha,
Secretario.
Para o Rio Grande do Sul
. Destina-se para o indicado porto o patacho por
tuguet Rocha,'e recebe carga a frote : a tratar
com os seus consignatarios Amorim Irmaos &
j quem for ordenado o levantamento, wstu t*iep*t >
elle pasaa- disputa, romo de le.
Nada p.tli-, o,.is fiidargr a vmda an^yiidt
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria do fazonda deelara-se para conhecimento de
iniem interossar, que bus termos das instruccoes
dotribuualdotliesuuronaeioii.il de 18 noduu-
bro de 1872, acha-se aberto nesta thesouraria to
troco da moeda de bronze pela de cobre actual-
mente em rirrulacao e tambera por notas do go-
verno.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 17 "d janfilro de 1873.
Servndo de otHcialniaior.
.__________________Manoel Jos linio____
SANTA C.VSA DE vtRERjCORDIA' DO RECFE
A junta ailiiunistrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife, autorisada |>ela presidencia c
de confonnidade com o seu coiiipromL-so, leva
maca de venda na sala das suas sessoes-, pe-
las 3 horas da tarde do di 23 do corrente os
seguales predios, tomando por base as quantias
onVrecidas.
Meia agua do largo da Campia
n. 3. 230*0C0
Casa terrea danta de S. Jorge
n. .92.e a casa terrea da ra dos
Guararapef a. 85. 3:C0O*O00
Casa terrea da ra da Matriz di 2:O00?000
Boa-Vista n. 36. 2:000*000
dem da na da Olera, hoje Vis-
conde de Aibuqueriiue n. 61.
^Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
RecRV, 17 de Janeiro de 1873.
O escrivo,
Oedeo Rodrigues do Souza.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda se faz publico para conhecimento
de quem iuteressar, que no dia 29 do corrente es-
tiu- novamente em praca para ser arrematado
por venda e a quem maior lauco offerecer o pro-
pr > nai'kmal deuominail desse nome, por dotraz do ipiartcl de polica;
sendo este, proprio um armazem terreo com 81 l2
palmos de frente e 56 1)2 palmos d fundo, ser-
vinrlo de base a arremataco a ipiautia de 2:210*
j onVrecidal
Qs prelendeates poder!o comparecer na referida
thesouraria uo dia da arrem.,tacau a 1 hora da
tarde, e antes disso a qualquer hora de seu expe-
liente para procurar esclareeimeutos.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco em 21 de Janeiro de 1873.
Serviudo de oflicial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Ilopirt jcao das oliras iiiiblicai.
Teiuio em niuilas casas sido achailos os canos e
apparellios da compaubl Recife-Drainnge damni-
ficados maliciosamente, o engenheire fiscal faz
publicar para couhecimento do publico os seguin-
tes artigosdo contrato de 18 de dezembro de 1865,
a do rogulumeiito de 12 de janeiio de 1872,' a
Saber :
, Artigo 24.
Os moradores dos predios dever'o comrou-
uicar sem ileniora a empiv < rjaalqor dc^rran
jo qte se der nos apparelhos, e canos pertencentes
|s suas casas, sendo responsaveis |iek valor do
concerhvquando se conbecer que taes desarran-
jos provem de maHeitonas mi negligencia delles.
Artigo 19 do regulamen'o.
As obras da companhia relativas materia do
con rato, serio consideradas obras publica', Aran-
do assim aquelles que as damnificarem sujeitossi:
penas da lei a regulamento das obras publica*.
Reparticao das obras publicas 11 de Janeiro de
1873.
O secretario
._________ Feliciano Rodrigues da Fura.
Pea thesouraria provincial se faz publico,
que o Exm. Sr. presidente da provincia, por ofll
ci de 18 dojeorrente, resolven, que a importancia
da obra dos reparos da estrada de Muribeca entre
o engonho Cuararapes c Novo, seja paga- em tres
prestacoes igunes, a seis, dozo e dezoito niezes,
depois de concluida a obra.
Secretaria da thesouraria de Pernambuco. 21
de Janeiro de J!73.
O oTlcial-maior,
Miguel AiTonso Ferreira.
rii.
'V
.1
I
iilUUi
EMPREZA--VICENTE.
HOJE
I'.vlruoiMn.irio niicccMO.
Segunda 'representaco do magnfico e appara-
toso drama uiarilimo m 1 prulogo e 4 actos :
0
DA
FRAGATA MEUZA.
No qn'al toma parte o pesada) de
O U*(iiraM*
O scenario e vestuario? todo novo,
Dausas, rnachinismo etc. etc.
ComeQar s8 1(2 horas,
A empreza previne que em eonsequenca da
prxima estra de Plavio Wandeck Jar poucas
representacoes do applaudido drama
NAUFRAGIO DA MEDLZA.
mm martimos.
Keal
Reudi.mento
dem do dia
il LADO PROVINCIAL
ib* a 21. 138:513*142
.... 3:955*188
1; 403*330
MOVIMETO DO PORTO
.........
^"5

S V Jfi)RMBhftT|r C.
li-HCfiFpb Santou
Navios entrado,? no dia '.
Babia9 aiiu,Wrc ingleza Queen of Comnurce.
de 171 toneladas, apTtio Jl. M. Dougalle, qtri-
pagera 10, *>' lastro : a LidsiM RobiUiard
R d* Janeiro2* das, tarca ingleza Perceve-
ranee, de SM toaotedas, eapiao Deanaad, equi
pagem 12, em lasaro a Johattoa. Palor k. O.
dem16 das, barea Maza Qmi* df ,Mp FUtt,
de 8 toneJadas, eapltio W. G. W
||i*afM"rtD'l8stro: abrdem.
Navios mIvIosho mesmo 4ia.
Bawalana Watatftto'haatartol Sobran, capitio
Kdlal n. 1H.
Pela inspectora da alfandega, se faz publico,
que, nao se tendo offectuado a venda, annunciada
Sor edital n. 7i, de tres escaleres inutisados;
estinados ao servir externo da guarda -mora, se
transiere a arremataco dos mesmos escaleres
paja o dia 23 do corrente.
I Alfandega de Pernambuco, 2de Janeiro de 1873.
0 iosector,
Fabio Alexandririo de CaVvalho Reis.
QtCLAJIACOEi.
Vi .; hir com p ueos diat de demora a potac*
itlhan &ira, podmaiJo reeeb-r alguan carga, om
isso, quniii i(jiar earregar pd< oieotr f^ eom
> conaiinarij J.iaijwni Jos GiociWas Balttao,
ru do ComiDArcio n. 5
Rio Grande do Sul
Para o porto cima indicado pode anda receber
alguma carga a frele o patacho brasiliro Ptlka-
no : a tratar na ra do Vigario Tnenorio n. 1, 1*
andar, escriptorio de BaKhar Oliveira 4 (;.
LEILOES.
LEILO.
DE
tondas limpase avariadas
HOJE
Bastos & Silva faio leilo por intorvenclo do
agente Pinho Borges de um grande e eeplendido
sortmento de fazendas inglezas, francesas e alle-
mes, todas conhecdas e proarias deste mercado,
onde esperam a concorrenca de seus freguezes,
em seu armazem ra do Mrquez de i (linda n.
42. O leilao principiar as 10 Irz horas da maulla
LEILAO
DE
llovis. 1'iiiH'a e crv(ucM.
SENDO:
magnifico piano de Boisolet fils & C, 1 rica mo-
bilia de Jacaranda a bol XV, 2 eslantes para
msicas, 2 guarda-roupa de nioggo, 2 ditas com
espclho, 1 leito para casal, 2 bidets com lampo
de podra, 1 lavatorio com podra mannore, 1 es-
pelho. 1 luesnha-rom tampn de pedra, 1 dita
para jogo, 2 camas de ferro, l cadeira para as
seio, i cabide, 1 par de esearradeiras de por-
celana e jarros, taptese huiro para gaz.
Pavimento terreo.
mobilia americana, 1 secretaria, I estante, 6
caixas com instrumentos cirurgicos, 1 machina
elctrica, 120 volumes iniprossos (medicina), com
eslampas, I relogo, 1 machina de costura, I
costurara, 1 guarda louca, 1 aparador, 1 mesa
elstica, 2 cadeiras de guarnirn. 1 apparelho
de porcelana para cha, 1 dito para jantar, 1 lia-
nheiro do folba de Flandrcs, co[)os, clices, gar-
rafa* de cryslal, trem de cozinha e 1 grande l'n-
go de ferro e outros pertences de casa de fa-
milia.
SABBADO, 1 DE FEVEREIRO.
Por autorisacao do Sr. Dr. Jacintho Soares Re-
bello, que seguio para corte, o agente Pinho Bor-
ges, vender em ledo todos os objectos cima de-
clarados, existente em Ponte d'l'choa, no predio
confronte ao palacete do lllm. Sr. Dr. Augusto
Frederico de Oliveira.
A's 10 1/2 horas da manila partir da estaco
do arco de Santo Antonio um trem, alim de con-
duzr gratis os concurrentes do leilo, o (pial prin-
cipiar depois da ebegada do mesmo.
I
DE
108 bailas de papel para em-
brulho (avariado.)
SABBADO -23 DO COR 11 ENTE
As 11 horas em ponto.
V Ira picho la a31aiii!r^.i
0 agente Pinto far leilo por aulorisacSo do
Sr gorunto lo consulado de Franca, em presenca
de seu chauceller, e por conla e risco de quen
pertencer, de 108 bailas de papel de emhrulho
(avariado), de os. 10J 109, viadas pelo navio
francez S. l/.nii, existentes no trapiche da alfan-
dega, aonde se effectuar o leilo, no da e hora
cima moncoiudos.
'I'1!"1"". Vi.*----
PROVHIGIAI..
?
CONSULADO
Avisa-se por 'est Tepartcte, rpie ho dia lOdoj
jrrente abrt-se otoraso'W* reeoitto'dg dfIR-
rentes n09tos^r>rmefae'eettiaM' lm
orramemo vigente de 17*-W pW mi
ser sai i sfeites'dentro'de das sewTS
I da multa de 6 0(0, ejn que 8eorrerl6,
#*' buintes que o 4eixanm'ilfe fH-item'
Consulado pr e 1873.
Aatoa Car tetro Sfudio Dios.
coiii]taiihia le paquete
iit^eseM it \ tt|KM*.
. Al o dia 27 do
corante, espera-se
d Europa, o vapor
inglez Do'iro, com -
nandaote Thwaits, o
kjual epois da de-
mora do costume, sfgira para Buenos-Ayres,
tocando nos portos da Baha, Ro de Janeiro e
Moutevidn.
' No (ka 28 do corrente, espera-se dos portos do
ful, o vapor inglez Boynt, comnuandanle Reeks, o
dual depois da demora decostumo,' seguir para
SoulbampttM, tocando aos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para anssagens, frotes, etc: trata-se na agon-
cia, raa do Commercio b. 40. __________^
Pata o Bojto
. Seguir com a maior brevidade posstvei vo-
leira e bem, kuttbecida baroa pertuguez dan-
na, i or ter parte d* carga engajada : para o res-
to e passageiros, aos iinaes oereeo expeJIenles
commodos: trata-se com Cuuha Irmaos & C. ra
da Adre de Deus n. 31, o com o capitap, na
yrac,a.-
f-IMmfo da Sul."
foaaoon
o wferiid%)iv{^lke karga trelo o
fMtJei!Maficolm : raiar uo os
eonsi C.
DE
urna grande proprieaa.de na Porta d'Agua,
em Apipucos.
CONSTANDO DE :
(Jma casa grande de pedra e cal, a boira da es-
trada, eom 31 palmos de frente e 3o de fundo,
com grande terreno e boa baxa de capim.
l'ina olaria para telhas e tijollos.
L'ina casa terrea em frente da primeira, com io
palmos de frente e 65 de fundo.
Una dita pequea que garra de coebeira, com 19
palmos do frente e 43 de fundo.
Una dita de 12 palmos de frente e 33 de fundo
Unta dita com 12 palmos de frente e 33 de fundo
lina dita sem repartiinento, com a mesma frente
e fundo.
Cia dita dita, com um quartn fra.
Urna dita dita, com 22 palmos de frente e 49 de
fundo
Cma dita dita, com 19 palmos de frente e 49 de
fundo, todas edificadas em daos propros, ao
lado da levada.
QCARTA-FEIRA 3 DE FEVEREIRO
Ao lucio ilia.
O agente Piulo levar leilo, hora do da
cima dito, e em um s lote, toda a propredade
cima dita, sendo : cerca de 8 nonas parles por
mandado do lllm. T. Dr. juiz de direito pr.valivo
dos orphos, em virtude do requerimento da viu-
va de Joaquim Pires Carneiro Montciro, tutora de
seus filhos menores, e cerca de urna nona parte
Sor autorisacao do procurador bastante, do her-
eiro que se acia ausente, o bacharel Augusto
Carneiro Monteiro.
Os pretendemos poderao examinar desde ja l
dita propredade, a (pial se torna recpuuuendada
pela sua poseao, entendendo se com o mesmo
agente, e coneorrendo ao leilao que deve ter lugar
no escriptorio do referido agente, ra do Bom Je
sus n. 43.
( onli'ii protesto,
Henriette Monteiro devidamente autorisado pelo
juiz de orpltaos, requereu a venda das partes da
propredade Porta d'Agua, possuida por seu casal.
Ao annuncio da venda, oppoz Symphronio Olij ra-
pio de Queirog'a o aviso publicado no Diario n.
283 de 11 de dezembro. prximo passado. J de
outras vezes Oiympio tem fejto iguaes avisos aoqne-
se Ihe tem respondido.
Esta a resposta que ainda agora reprodiizimos.
A vuva ofilho do tcente coroael Florencio
Jos Carneiro Monteiro contestara o aviso do Sr.
Symphronio Olynmio de Quenoga, publicado nos
Diarios de-20e 21 do corrate declarando !.
que o Sr. Sj mplironio nao tem dominio pleno no
terreno que se' refere, pertencente ao sitio da
Porta "Agua do Monteiro, mas somele diieito ao
foro, qjie por esse mesmo terreno, pagava o finado
Florencio ultima administradora do vinculo do
Monteiro : 2.* que esse foro ton sido reeolhido ao
deposilo, para ser levantado petoSr. Symphronio :
3 que a aeco por elle proposta pelo juizo muni-
cipal da 1.' vara,'rom o flm io converto o afora-
nvenlo csteute em arreadatueuto, depois do roa-
testada, ficou ha mais de 1 anuos parada, a espe-
ra talvez do resaltado da ontra acqo (coaceroente
o terreno contiguo mi ideuljeas creumstaneias),
proposto pelo juizo mimiclpf da ." vara, que
ainda pende de dociso. dos ltimos embargos de
deelaraco do inesuto Sr. Syiuphronfe ao aaeordao
do egregio tribunal da rela^ao, ae julgon nulla e
incompetente a mesma accao : i* finalmente que
a cireamshtncia de estar em litigio o refrrido ter-
reno, nao priva o M contastamsdo poder vender
as partes dos dentis terreno ds casas que tem I
no sitio, ao suaoitas a Utigt. .
i 3ob-em,' porem; accrescontar o seguale *
Os ttulos, petos quaes possui mefl finado Tnari-
|do, e outros nerdeiros do tenenia roronel Floreu?
ao Jos Garoeiro MoaAeko, 0 sitioda Port d'AAua
'saoesertuturas autentitas.que existem em poder
doSr. agente de leiltes Francisco I. Pinto, e que
porjem ser Sis tos petes" concurrentes.
Quantoaos foros 4(Ntps,reqitertu meu marido o
o deposito, e se elreeraHt o dos enfio vencidos des-
de 1 de agosto de 18S*at o ultimo de juli
1864, razad do 6a,#t) O* do* ou,rns !"
deve igualmente erecamido denosito na thesou-
rario.'o^tlimdeduzMo di-pjroiiei da venda e re-
colojdo a
pie a oflV-s i\4ju* w dar frvw w
uma caixa com inarro(|UMa avariado, marca
G F A <:.
SABBADO 2o DO CRRENTE
s 11 horas- da manh.
Por tatervememo do afaente Piano
Batrgg.
Em seu escriptorio, A ra do .Bom Jess n. 5J.
LEhSO
DO
sobrado de 2 andares n. 1G, em chaos pro-
pros, naTravessa dos Expostos.
Vmira-eira de lev ere rt
slO horas.
Por intervenco do agente Pinto.
Em seu escriptorio, ra do Bom "Jess n. 43. s
Leilao
DE
Duas casas terreas de pedreecal na povoo-
to dr>Melo, da provincia da L'arahyba
do Norte.
Duas ditas na Baixa Verde/desta irovincia.
Uma pequea fazenda de gado ew S. liento,
nesta provincia, com meia legua de terra,
toda cercarla, e 50 cabalas de gado.
yi ARTA-FE1RA o DE FEVEftEHlO
s 11 horas.
O agente Pinto cumprindo o mandado .do Illm-
Sr. Dr. juiz especial do commercio, levar lei
lo os bens cima ditos, pertencentes massa fal.
(ida de Joai|uim Silverio de Sou a A C
O leilo ser efectuado s II horas do da.
piaru-feira 5 de fevereiro, em o escriptorio'do
referido agente.

AVISOS DORSOS
CASA Di VMM.
AOS 5:000^000.
BILHETES GARANTIDO.
A' ra Primeiro de Marco (outr'ora ra do
Crespo) n. 23 e cata* to costume.
0 abaixo assignado tendu vendido nos seus fe-
izes blhetes quatro quartos ns. 189 com 3001,
um ineio ii. 1515 eom 1004 e outras sortes de
't0 e 20 da lotera que se aeabou de extrahir
(36.) convida aos p ssuidores a vir.-m receber n.t
couf irmidade do costume sem descanto algum.
Achain-se venda os felizes bilheles garantidos
da 6" parte das loteras a benelicio da matriz da.
Escada (:I7.') que se eztrahir na quinta-feira :l>
do coi rente mez.
PRECOS.
Ilhete inteiro 600
Meio bilhete HOOO
Quarto 1>00
EM PORgAODE lOOrOOOPAUA CIMA.
Bilhete inteiro ."-SOO
Helo bilhete 2S750
Quarto IjBTS
_____________Jf.''/ Marti ns l'iuza.
Rodrigo Pinto Morena
D. abrianna Athan sia Moreh-a.
Manuel Joaqu:m fereira Jnior.
Joaquina Brgida MoreiN Jnior e
Manoel Pinto Moivua. viuva, genro.
e filhos, do fallecido Rodrigo Pnot
Moreira, agradoeem tordialmente a
ti das as pessoas de sua auiizade que se di naram
acompanhar ao ultimo jacifo os restos mortaes de
seu sempre leinbrado esposo, e de novo os conv-
dalo para assistirem a missa do 7a dia que tem de
ser celebrada na ordem 3' de S. Francisco no di.i
21 do curente' pelas 6 1|2 imras da manh.
Manoel de Mesqnita Barros
Wanderley.
Um amigo do tinado Manoel de*
Mcsr]uita Barros Wanderley m nda
celebrar una missa no dia 25 di
corrente, nipesmo dn seu lalle-
ciniento, na matriz da Villa de_Se-
rinliem, s 8 bores da inanb :
con'da aos pfrent c amigo do
me.-mo fallecido a assi tirem es e acto de c riiLv
de.
Villa do (labo

Pi-ogramnia (la festa do niar-
tyr S. Sebastiao na villa do
a/
Cabo
Com grande pompa c esplendor sera samada
no dia 26 rio corrente na matriz da villa do Cabo a
festa do glorioso S. Sebastin
Ao amanhecer do dia 26, ser a popntaci) des-
penada rom tima salva real, ao sum da nanea
marcial, aniartbecendo ueste dia as ras emban-
deradas e arbori?adas,
A orcltestra ser regida pelo insigne profesaor
Trajano Felippe Nery do Ibrcellus sendo prega-
dor ao Evanyelhi o Rvm padre Manoel 4a Gama,
cuja eloquenca tem sido poucas vezes ouvi&i
pela populaco desta provincia, executando antes _
do sermao da festa o Sr. Lydio PorpuraiHo da
Oliveira, pedido dos enearreyadus da aiawa.
(gratuitamente) em aun fatuta tuna linda varia:*
intitulada": Pot Pouireralhuiue, por Micbel Fofz,
pregando noute o Rvm. padre Mello.
Os solos da missa Bario cantados pelos mclhores
cantores desta provincia{ sendo o mestre da or-
ehestra o professor l'orcuncula
."fe vespera e dia da fesla havero diversos en-
tretenimeutos, como sejam : eaValbadns, Iheatro .-
qnatkos vivos e outros militas djvortiinentos.
I'epois d> Te-Denm ser, queimado'um lindo
fogo, feito pelo arsta Fel Cava'cante de Mes.
quila, que tantas vezes tem sido applaudido pela.-
suas novas invenees.
Os versos das novenas tom sitio cantados por
ama Du>ta e agradavel.;vo do urna joven, iiiia J
mestre da orcuesti a, q* muito tem sat-feito.
>'o dta da festa havoo M Irens expresaos do
c stumo, que ser annuaeiado pela i nipanbia
Caiw, 21 de jaaeiro de ljp>
Sociedadc Beneficeute Mon-'
te Pi Santo Amaro
Do ordem do IIbi. Sr. presidente dosta socieda-
di sio convidados o conforotidade com o s 1 di,
art 6 os membro dossa sociedvle para uma ses-
sao exnaordinairia. que ter lugar no dfa 26 d>
eorrento, na casa uas sessoes travesa do Lima
n. 13, as 9 .horas da manha, alim de oleger-se
dous substuUts para os cargos de 2 secrHario o
ihesourciro, devendo tambom nesta occasio tn
tar-se do distintivo da 0103013.
Sala das sessoes da sociedade benefcente Mont
te Pi Sauto Amaro 22 de Janeiro do 1873.
01* secretario,
Firmino Alvos Barbosa

.:
,J9
FRANCA LOURA
Ra larga aV Baaarla nuwer*
*#, f aar
Etov^ao & Coiupaia
'Avisam a seus amigas o fregaste* que acabaiu
de abrir o sou estabeJeeimen* Uaketro,
onde se acham pron, mteterdo
sua arte.
Pugio no da to do
da tarde, do sitio da ra
echo manso de gaiola
autfega'lo jeaiao,
ca1.
X



Diario d Peraanibco, Quinta feira 23 de Janeiro de 1873.
PARAIEIME!
Utilidad^; e vantagem.
E' ul e vantaioic. tuer.-seuina visita Con-
fr i tari a o Caalos, pois que aquelle es-
tabelecimeuto tem-s lornado una verdadeira fa-
brica ktoposito d manjares gratos ao paladar,
-tanto naciooaes comotstrngeris.
Tentar descrever todos os arligos de que esta
provida a
Confeitaria do Campos
seria querer encher una pagina deste Jornal com
sua nomenclatura, ornar cor conseguinte mas-
gante um tal annuncio.
Por isso
basta dzer-se una w que s) urna pessoa qui-
zer um manjar exquisito, nao tem mais que diri-
gir-se ra do Imperailor n. 24, e entrar na bem
conhecida e acredtela
Confeitaria do Campos.
Porque all enoontra-se senipr; um grande sor-
timento do aeepipe*, a:sim como prepararse com
tssiQ e promptidlo
con-
Precisa-se
de um menino para eaixeiro de urna loja de cal-
cado na ra Direita n. ti.-__________*________
O abaixo assignado faz ente as respctayel
publico e especialmente ao corpo do commerek),
5ie tcm Justo c contratado com o Si. Domiagos
artins Gomes, sua Inverna fita i ra da Santa
Cruz n. 74, "livre e_ desembarazada de qualquer
debito, e no caso que algum se julgue com dirci-
to ao mesmo estabelecimento, pode entender-se
com o abaixo assignado no praso de ires dias, e
ilos os quaes nao se responsabiliza por qualquer
debito que possa apgarecer. #
Reclfe, SO de Janeiro de 1873.
_________Antonio do Reg Medeiros.______
Tudo quanto
pertence as artes 4e confeeiro: pasteleiro,
serreiro e culinario
Pois para isso
tem aquella utilissimo estabelecimento urna bem
montana fabrica, onde trabalhs.-se (nao despre-
zando as regras d*arte) capriclio de
Todos
-r
que alli se dirigem paia encommendar : bandejas
ricas para casamentas, baptisados, bailes, soirce,
etc. etc. etc.
Assim como
Hambres, empadas, naugalh's, gatheaux, puding's,
bolas, pastis de qualquer qualidade e atias para
dieta
Tudo isso c milis al;uitia cousa
eneontra-se sempre
NA
Confeitaria do (hampos.
Trapiche alfandegado do
Guerra.
Tendo passado a administracao deste trapiche
oitrem, acba-se elle em estado de recolber quaes-
quer gneros por procos mais commodos que ou-
tro qualquer. Os senhofes consignatarios de bar-
cacas e de navios, cujos gneros precisarem de
ser recolhidos com satisacao e presteza, terio alli
toda commodidade possivel. O algodo, bem como
toda casta de genero seceos que se demoraren) por
mais de 30 dias, sero seguros contra o fogo ex-
pensa do administrador actual, ministrando os
rerolhcdores urna nota de seas Valores pi*a
effectividade do seguro. Entrada pela ra do Vi-
gario Thenorjo n, 5 s pelo caes n. 6._________
sotao do
a tratar
Aluga-se
i sala e alcova do 3* od*r, e parte do
obrado n 70 rua Daqne de Caxias :
o loi._____________________________
CASA DA FORTUNA
Una t de Marco
(Outr'ora do Crespo) n. *3
O abaixo assignado tendo vendido nos seu9 fe-
lizes bilhetes da lotera do Rio n. 436* a sorte de
4:0005 em quatro quartos de n. 2403; convida os
possuidores a virem receber, pie promptaraente
seriio pagos, como do costume.
Manuel Martiqs Fiuzal

ESTRADA DE FERRO
DO
Recife S. Francisca.
Festa do Cabo.
Domingo 26 do corrente, alm dos trens ordi-
uarios de passageiros, haver os seguintes espe-
eiaes ; ____
Manh.
b. ni.
Cinco-Pon las (pa tida) 11 0
A rogados 11 8
Boa-Viagcm 11 21
Praeres 11 30
lina 11 54
Cabo (chegada 12 10
Noute.
h. m. b. m.
Cabo (pa tida) 8 0 11 30
Ilha 8 16 11 46 *
Prazeres 8 40 11 10
Boa-Viagcm 8 48 tt 18
Afogado* 9 2 U 31
Cinco pontas (chegala) 9 10 12 40
Villa d j Cabo, 22 Janeiro de 1873.
G. O.MANN,
Superintendente_____
BANDEIRA
DE
Nossa Senhora da Sade do
Poco da Panella.
Quinta-fe ra (23 do corrente) pelas 7 e l/t horas
da norte ser annmeiada, por me de urna salva
real o levantamento da bandeira de Nossa Senho-
ra da Saude, sendo em seguida, e de conformidade
com as ordens episcopaes, conduzida a mesma
bandeira at o centro do pateo da igreja, para ser
cada e collocada no mastro preparado para tal tim :
depol* do que haver um pequeo, mas mui lindo
fogo artificial feito pelo bem conhecido artista Leon-
cio Fonceca. "
Em todos esses actos tocar a msica marcial
do corpo de polica, a qnal partir da cidade s 5
horas e 40 minutos da tarde, exeeutando diversas
pecas em seu trajecto, e bem assim no pateo da
igreja anteriormente, aos ditos actos.
A commissao encarregada da festa nao tem pou-
pado esforcos para que ella tenha a magnificencia
e esplendor de que digna a Excelsa Padroeira
da freguezia. ______
Aluga-se o Io andar do sobrado n. 68 da rua
Duque de Caxias, para cscriptorio : a.tratar na
loja do mesmo.__________________________
Jos Joaqnim da Silva Guiarais, commercian-
te e morador rua de Paulino < amara n. 44, em
resposta ao annuncio de urna pessoa de igual no-
me, que foi publicado no Diario de 20, declara
ter elle milita honra e summa gloria de perteu-
cer sublime ordem man mica e ser membro
effectivo da loja sob o titulo dislinctivo Restaura-
cao Pernambucana.
Jos Joaquim da Silva Guimaraes.
Matriz de Santo Antonio.
A mesa regedora da veuoravel irmahdado do
SS. Sacramento da matriz desta freguezia, em
virtude do disjiosto no artigo 30 de seu compro-
miso), convida a todos as seus irmos, com excei-
cao dos comprchendidus no final do 2o d art.
10 do dito couqjroniissn, a comiiareoerem no diaj
Sulnta-feira 23 do corrente, lelas 4 horas da tar-
e, em nosso consistorio, nao s para Ibe ser pre-
sente a pena de enterdi'cao que por sentenca de
S. Exc. Rvni. o Sr. Pispo Diocesano, de^data de 16
do andante, foi lancada irmandade ; como-tem-
bem discutircm c delibararem com justica e equi-
dade o que for a bem geral da mesma.
Consistorio da veneravel imiandade do SS. Sa-
cramento ila matriz de Santo Antonio do Recife
20 de Janeiro de 1873. '
O escrivao,
Jos Rufino Climaco da Silva
Precisa-se alngar urna escrava quitandeira :
na rua da Falma n. 65.
Criad
Joaquim Jos (kmcalves
Beltrao.
Rua do Coiumeirelo n. 5, 1." andar.
Sacca por todos os paquetes sobr o banco
do Minho, era Braga, e sobre os seguintes
lugares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Ver.
Barcellos. ,
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilli.
Faro.
Guarda,
Guimaraes.
Lamego.
Lisboa.
.Mirandella.
Mon^o.
Tonte de Lima.
l'orto.
Tavira. i
Valpassos. f
gg\ianna do Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova do Fortimo.
Villa Real.
Vizeu.
Valenca.
Figuoira.______________________
ATISO.
4o depois iifm se queixem
Bernardino da Silva Costa Campos, com arma-
zem de vveres, na rua do Ini|>erador n. 28, pede
encarecidamente, pela segunda vez, aos seus de-
vedores REMISSOS, o especial obzequio de virem
guante antes saldarem os seus dbitos ; do con-
trario est definitivamente resolvido a chamar aos
l mesaos por este Diario, declarando os seus no-
mes por extenso, quantia e tempo a que devem,
a se isto nao for bastante, laucar mao dos meios
judiciaes ; pelo qne, conveniente que os seus
devedores (leniissos) (pie nao quizerem passar por
etsa decepro, dispertem do nocivo indilferentismo
ni que eslao engolphados, viudo, logo que te-
nliam conhecimento desle, saldarem os seus d-
bitos.
TTENCXO.
O Dr. Francisco Agostinho Madeira queira ap-
parecer na rua Duque de Caxias n. 60 A, lejas de
Rento da Silva &" C. Snccessores e de Manoel Ri-
elro Bastos-
Pcecisa-se de um eaixeiro com pratica de
taverna e que d conhecimento de sua conducta:
na rua Velha de Santa Rita n. SO.
Manoel Antonio Pereira, tendo de mandar
celebrar urna missa por alma de Jos Eustaquio
Velloso de Silveira, convida a seus prenles c
amigos para assistirem a esse acto de religiao e
caridad e, que lera lugar na matriz de Ga el fie-
ra no dia 24 do corrente pelas 8 horas da manh.
Charuteiros.
Precisa-se de alguns oflieiacs dessa arte:
beco Largo n. 1 A, fabrica do Figueiredo.
no
Criado
1004000
Fogio do rnfeoho Fontal, 3ui Serinbam, no
dia 7 ie mei prnimio p.-.-ad),o tunlato Simio,
com os NguM* iMgointtS : estatura repular,
corpo secco, iCr ilarii^jtda, barba -erria, ca
bellos earapibtaps e faiia a^soancada. Quem c
pegar leve o t< -c: cr.h.r o icaenie-corouel Vi-
cente Mendfs W.u.l.rl y, uo i'ik. ingeoho, on n?
Recife ao Sr.H ro mi ie -na P^uiual na rna d>
Madre de Deu* o. 18 me reeaoeri a gratitica;.o
de IQOf. ____________________
Methodo Oaslho
Secondino Jos dd Fana SinSe?, prvfessor par-
ticular de in>tracQao elementar pelo m-'tliorto Cas-
lilho, avisa ao itspeitavel publico e com especu
lidade aos pas de .-en? alumnos, que o > du 7 de
Janeiro e-ta iberia sua aula na tua da Peona n.
25, andar, aoode reeebe pendonistas por pre-
sos commndos : o mesmo profesor promeite mui-
to s esmerar on adiantamenio rte ?ens alnmm.
Hotel da Independencia,
rua do Imperador :i. 32, precisa-se de um copciro
page a-se bem.
01 ympia f.ins Ribeiro, competentemen-
te habilitada poi S. Exc. o presidente da pro-
vincia, e o Di. director da instruc<;aopublica
tem aberto rua da Saudade n. 8 urna aula
para meninas, onde, alm do curso prima-
rio, ensiuar a lingua raneeza, bordados de
todas as qualidades, desenlio, msica, piano
o, flores de fi) de ouro, de panno, etc. Re-
cebe alumnas pensionistas., meia-pensionis-
zas e externas. Premette todo o desvello e
applicaco pelo progressodesuaseducandas
em. vista do qui olferece seus servicos aos
pas de Camila.
ISo mez^de outubro do anno prximo passado
fugio do efigenho Ajelante da freguezia da Esca-
da, o escravo de nemj Guilhei-me, o qual tem os
signaos seguintes : 23 annos de idade, cor acabo-
colada, olhos grandes, naris m poueo arquiado,
abello crespo, altara e corpo regulares, ps cm-
pridos e seceos, com algumas marcas do ferida
pelas costas : levou comslgo um cavallo castanho
'Milho, tendo no l*lo diire.to esta marcaE.
Oescontia-se que timha seguido para a cidade da
Parahyba Roga-se as autoridades policiaes e ca-
pites de campo a captura te referido escravo,
'que poder ser entregue no dito engenho ao seu
^senlor, Emilio Pereira de Araujo, ou necta pra-
a, ao respectivo correspondente Firmino'Correa
Pessoa de Mello, ru:i do Apollo n. 56. ____
|50|000.
No engenho Massaajs, fr'gnezia da Escad, e
dar de gralifleaco quiotia cima a qnem ap
prebender tres cvanos qne naqoetle engetb
toram faados oa noute do dia 29 para 30 de do-
vembro prximo pasudo : o 1* tem 9 anco1, f
casunbo e cstralo, tem 1 orelba direita bastante
lascada, ama estrella oa testa, e no quarto esqoer
do tem orna ernz ; o 2* raoo, com pmtu ver-
melbas nos qoaric, grande, gordo, com o pes-
coeo fino, cstralo, tem os qaadris feridos di
caogalha, ferrada com a m reaL R.-do lado
direiio, e tem a idade de 9 annos; o 3' rodado
sanbas claro, corto a, g'oesi, nm ponco eambit<.
5 caitrado, peqoeno, est f<" rado eom a marca
Ono qnarto d reiio : graaca-se eom 50*000
por cadi nm em oresenca da pessoa, em enjo po-
der for encentrado qoilij'jer<<( dito; cavalln.
Precisa se de um caixoir) brasileiro ou.por-
tufuez,'com pratica de molhados e de padaria :
tratar na
ordenado.
rua Imperial n. 2i4. Garante-se bom
(loiiRheii'o.
I*reci8a-8e de i>m 1 inheiio : na rua do Co
4o _z n. 1, casa lema.
i
Precisa-se do um feitor para tratar de um
pequeo sitio,e juntamente de urna ama para com-
rar e co inbar r- sa rua do Coronel N Suassuna n.
_ antiga rua de Hortas.
para tratar de dous eavallos e mais algum servi-
do de um pequeo sitio. ________
Collegio de Santa Genoveva.
<;.', Rua do Hospicio OS
As aulas deste collegio funecionam desde 13 do
corrente mez.
Arrenda-se na rua 1I0 Imperador n. 20 a
propriedade denominada Barra de scrinhcm, na
freguezia do mesmo nomo, beira-mar e beira-rio,
propria para qualquer estabelecimento de seceos
a molhados, com muitos pil-s de coqueiros des-
fructar, o limitas rendas do solo a cobrar- animal
mente.
O professojr de latim da freguezia de S. Jos
desta cidade, ahaixo assignado, tendo reeebido da
directora geral da inslruceao publica, segunda or-
dem revogando a que havia dado, acerca das fe-
rias de sua auli, faz scicnte ao publico que desde
o dia 15 do corrente seacba aberta a matricula
da mesma, e que os seos trabalbos lectivos come-
carao o dia 3 de feveieiro prximo vindouro:
quein se quizar matricular dirija-se ao sobrado
n. *, no largo da ribeira da referida freguezia.
Manoel Francisco Coelho.
InstrucQo publica.
O professor da 5.* cadeira da freguezia da Boa-
Vista, cuja sede rua do Conde da Boa-Vista
n. 23, faz publtco, qne esta escola se acha aber-
ta e funecionando desde o dia 7 do corrente, co-
mo manda a lei.
Boa-Vista, 17 de Janeiro de 1873
O professor,
Antonio Basilio Ferreira Barros
Vende
m-se
duas casas terreas por prceo commodo, e alguns
bons terrenos plantados com capim de planta,
tudo no Porto da Madeira em Beberibe : tratar
com Tasso Irmos & C.
Com milita nr;i'iicia.
Precisa-se de urna ama idosa que tenha bons
costumes para andar com urna menina de 10 rae-
zes, e tanibem de um criado de 12 a 14 annos,
ferro ou escravo.; a tratar na Passagem da Mag-
dalena, botequim do Bento n.27.
Aluga-se
urna casa pintada do novo, no Monteiro junto do
sobrado grande : para ve-la, as chaves estao na
taverna do'Sr. Nicolao. Aluga-se tambem o 2*
andar do sobrado n. li da rua do Torres do bair-
ro dd-Recife, prximo da praca do Corpo Panto :
a tratar na rua do Imperador n. 37, Io andar.
O.
Precisa-sede um menino do 1-2 14 an-
nos para Criado de compras e sen ico de
mesa. Tracta-so na rua do Capibartbe
n. 40.________________________-________
Para cozinhar.
Precisa-se alugar urna ama, forra ou cap-
tiva, que saiba cozinhar o diario de urna
casa de pequepa familia. Trata-so na rua
do Capibaribe n. 40.________________
ADVOCADO
13. FMCISCO SS PAULA
SALS.
RUA DUQUE DE CAXIAS fi. 37.
AMA i
andar.
Precisa-se de urna ama para com-
prar e cosinhar para casa de peque-
a familia, preferindo-se eserava :
ua estreita do Rosario n. 32, I.*
*m
gommar
dar.
Precisa-ie de orna sma pa-
ra easa de familia de doas
pessoas para eozinbtr e <
tratar na roa Direita a. 28, 2* a-
AMA
paga-te bem :
l'recisa-e d um ama qne s*h
bem coziniur (forra on eserava,)
a rna Nova, loja n. 11 ^^__
Precisa-se de urna ou
na rua da Imperad iz n. 84.
doas amas de leite
No largo do Paraso n. 28, pre-
cisa-se de urna ama para en-
gommar e preparar sallas._____________
AMA
AMA

Severino.
Aviso.
Fugiram do engastad llamburral, na freguezia
Ja Bscada, na noute de 7 do correte, os escravos
seguintes : Tlieolnlo, idade SO annos pouco mais
ou menos, preto, altura regular, cheio do corpo,
ps apalhetados e feios, tem urna peina mais curta
que a outra, tanto que pelo andar se conhece, e
bastante ladino ; Venceslaos idade 40 a 50 annos,
pelo, com marcas de bexigas na cara, alto e cheio
do corpo, ps e nariz grandes. Ambos levaram
ronpa de algodao azul. Paga-se generosamente
quein os apprehender e leva-Ios ao referido en-
genho.
(laixeii'o,
Deseja-se nm menino de 14 a 16 annos, de boa
conducta, para um estabelecimento de molhados
no Gi'iui : quera se achar nestas condicSes, diri-
ja-sc rua do Coronel Suassuna n. 149.
Aluga-se um sitio com casa propria parano-
gocio, em N. S. das Graeas, ou Capunga-nova : a
tratar na mesma.
Gabinete Portiigucz
de
I.oitura
O expediente neste estabelecimento principia
segunda-feira 20 do corrente.
O secretario
Francisco Antonio Pereira.
jpemoeeT
Natravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
iihores de ouro, pra-
ta e brilhants, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaese pedias
Companhia
SANTA THEREZA
EMISSAO DE ACCES.
De ordem da directora se faz constar que
at o dia 31 do corrente acha-se aborta a as-
signatura para a emissao de 1,000 aegoes de
509 cada urna, parle do augmento do capi-
tal autorisado por decreto n. 5,149 do 27
de novembro ultimo.
Aspeseoas que desejarem tomar actes
podein entender-se com o abaixo assignado,
ou com os Srs. directores bario da Soleda-
de, Francisco G. Nettoe Joaquim Rodrigues
Tavares de Mello.
Recife, 15 de jaeir.o de 1873.
0 gerente,
Justino J, de S. Campos.
* Pracisa-se de. um manino de 12 a 14 annos-
de idade, para eaixeiro de- taverna, eom pratica*
ou sem ella : na roa das Nymphas n. 4,
Anda fgido, desde o dia 6 do corrente, o es-
cravo Severino, pardo escuro, i altura regu-
lar, de 13 annos, pouca barba, ps chatos e maos
grandes, tendo era arabos os jarretes urna marca
foveira de queimadura, enculca-se de forro e an-
da calcado, veste, ora paletot sacco e ora justo,
ambos de panno : quera o apprehender ser ge-
nerosamente recompensado, trazendo-o rua do
Mrquez de Herval n.;31.___________________
Precisa-se de um eaixeiro para casa de por-
gar de um engenho tres legoas distante da via-
ferrea, sendo casado, e cora preferencia se enten-
der de destilacao : a entender-se cora o Dr.
Christovao Xavier L
no Pentual.
0Terecem-se duas inoras solteiras, chegadas
ha pouco de fra, para fazerem o servico domesti-
co de una casa de hornera solteiro, sendo estran-
geiro : quem precisar dirija-se rua da Rodi
n. 6.
jopea, ou cora o Sr. Bernardi-
Ausentou-se..
O escravo Pedro, de 15 annos de idade
mais ou menos, com os signaos seguintes :
cor parda, cabellos corridos, alguns signaes
de bexigas, levou vestido camisa de chita,
calida de casemira: roga-se as autoridades
policiaes e aos Srs. capitaes de campo de o
prenderem e leva-lo casa de seu senhor na
rua da Imperalriz n. 4 1. andar, ou na
rua da Madre de Deus n. 5 1. andar.
Precisa-se alugar para fazer compras na
rua, cozinhar e engommar perfeitamente urna ama
forra ou escrava, para servico de pequea fami-
lia, paga-se bera : na rua da Aurora n. 39, 1.
andar.
. tMOFINA
Est encouragado !!!
' Roga-se ao Illin. Sr. Ignacio Vieira de. Mello,
escrivao na cidade de Xazareth desta provincia, o
favor de vir rna Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada diste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou feverciro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo cliamado para dito
fin, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu fllho se
achava nesta cidade.
Aluga-se a casa n. 63 na rua da Palma : a
entender-se com o Sr. Bernardino Pontual, na rua
da Madre de Dos n. 36, Io andar.
Avisa-se
i quem der noticia da escrava Guillermina, que
le i do tcnente-coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e depois comprada ao liara o de Na-areth, re-
presenta ter 25 annos, tem falta de (lentes na
frente e as maos com cicatrizes de queimadura de
gaz, secca do corpo, muito regrista, que desappa-
receu da casa de sobrado n. 26 da rua do3 Coe-
Ihos, que ser generosamente recompensado.
CONSULTORIO
lledico-eimrgico
Dr. Joao Ferreira da Silva
pode ser procurado para o.
qxercicio de sua profissao em
geral, e especialmente opera-
ces e molestias cirurgicas, no
antigo consultorio de seu pai
rua largado Rosario n. 20.
a?
O abaixo assignado avisa ao corpo do eom
mercio, que nesta ita tem comprado aos Srs.
Gomes de Mattos Irmos, a loja de jolas sita a
rua do Cabug n. 4, sob o titulo de Muzeu de
joias, livre e desembaracada de qualquer onus;
o que avisa para es devidos fine.
Recife, 14 de Janeiro de 1873. _
Joseph Krause dt C.
Johnston Pater & C. avi-ara que o Sr. I homp-
son Pater (presentemente re-idindo na Babia) des-
de o dia 1 do correte dekou por mutuo accor-
eo de ser socio da mesma firu a: Pernambneo 17
de Janeiro de 1873.
Precisa-se
de dous serventes para um hotel, prefere-se es-
cravos : na rua das Laraugeiras n. 4: tratar
no mesmo. -
Fuga de escravos.
Evadiram-se no dia 20 do corrente, do engenho
Bento-velho, da freguezia de Santo Antao, os es-
cravos segu ntes : E equiel, pardo, Jos, preto,
o, preto, Jorgo, cabra, Martinho, acabocado e
Sabino, mulato, todos imberbes, a excepcao do
Jorge, que tem |>ouca barba, representando terem
de 16 a 24 annos de Idade. Os cinco primeiros
escravos forain comprad's em dezembro prximo
passado ao niajor Jeronymo Theotonio da Silva
Lourei o, professor em 'Pajc de Flores, sendo
Ezequiel e Jos de sua posse, Jorge e Martinho
por procuradlo do Dr. Levino Lopes de Barros,
morador em Cabrob, e Noc por prcura^ao do
Sr. Antonio Loite da Silva, morador em Caruar.
.abino foi comprado ao Sr. Thoma-. de Carvalho
Soores Brandao. morador nesta cidade. Rogamos
a todas s autoridades da capital e do centro da
provincia, onde apparecerem ditos escravos, se
dignem segura-los, e promettemos boa recompen-
sa a quem os capturar e leva-Ios ao referido en-
genho, ou der delles noticia.________________
Na rua,estreita do Rosario, sobrado n. 3o,
fornece-se comedoriasjjara fra; algumas pes-
soas que nao tiverem portador manda-se levar em
suas casas, e as horas que determinarem, ser2o
bem servidos, pois tudo se faz com asseio e com-,
modos precos.____________________________
CASA DO' OURO
Aos 5:000?000
Bilhetes garantidos
Rua do Dardo 'da Victoria (outr'ora Nova)
n. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes garantidos a sorte de
5:000*000 em dous meios de n. 1894 e dous
meios de n 2205 enm a sorte de 800, alem de
outras sortes menores de 40000 e 20*0UU da
lotera que se acabou de extrabir (26*) ; convida
aos possu dores a virem receber, que prompta-
raente seriio pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento con-
Srar os milito felizes bilhetes, que nao deixar
e tirar qualquer premio, como prova pelos mes-
mos annuncios.
Acham-se venda os muito feli'es bilhetes ga-
rantidos da 6* parte das loteras a beneficio ua
igreja matriz da Eseada, que se extrahir no
dia 30 do corrente1 me?.
Precos
Inteiro 6000
Meio 3000
Quarto U500
De 100?000 para mu.
Inteiro o500
Heio 2|730
Quarto l*37o
Recife; 22 de Janeiro de 1873.
Jos Joaquim da Costa Leite.
Precisa-se de urna : na rna de
Bom Josus das Creoulas n. 35, sobra-
da, entrada pela rua do Calahouco.
Precisa-se de urna para cozi: har
e outra paraeng-mmar : tratar
na rua do Hospicio n. 46, ou Quei-
AMAS
mado n. 70.
Msica
Vocal e instrumental.
Manoel Augusto de Menezcs Costa, tendo-sc 'des-
pedido de professor da cadeira de msica do ar-
senal de guerra, propoe-se a tomar alumnos de
ambos os sexos para leccionar, tanto em sua casa
como as em que for convidado. Tambem se en-
carrega de leccionar e ensaiar a bandas de msi-
cas militares, ou de alguraa sociedade parlicnlar,
tendo a seu favor a longa pratica de 26 annos de
ensino, que Ihes tem conferido os meios mais con-
ducentes para o rpido adiantamento de seus dis-
cpulos, como bera patente ao publico : quem se
quizer utilsar de seu prostirao, pode dirigir-sc a
ru\ Augusta n. 187, 3 andar.______________
A mesa regedora da veneravel irmandade
das almas, erecta na matriz da fregnexia de Santo
Antonio, em cumprimento do art. 5" de seu com-
promiso, convida todos os seus irmos a com-
parecerem no dia 24 do corrente, pelas 5 horas
da tarde no consistorio da referida irmandade,
nao s para dar sciencia da pena de nterdiceao
Sue foi lancada a irmandade por sentenca de S.
xc. Rvma.' o Sr. bispo diocesano, como tambem
deliberou o que for a bem da mesma.
Consistorio da veneravel irmandade das Almas,
erecta na matriz de Santo Antonio, 21 de Janeiro
de 1873.
O escrivao,
Tiburtino Mondira Pestaa.
\ mo Precisa-se de una para comprar e co-
. VI I1<1 z,,h tratar na praca da Independencia ns.
iros : a
c 20.
\mn I'rccisa-se de umaiama para servir
AUU* duas pessoas, na cidade de Olind.i tra-
ta-se na mesma cidade, casa amarella, junte ao
seminario, ou na rua de S. Francisco n, 72.____
de urna ama par
Precisa-se
cui'lar de duas
ineninaSj e par*
outros servicos domsticos : ai
tratar na rua do Mondego n. t>*.
Almas da Boa-Vista.
Por delberaco da mesa regedora, a requeri-
raento do nosso irmo Domingos da Silva Fer-
reira Jnior, convido a todos os nossos charis-
simos irmos, para sexta-feira 24 do corrente,
as 6 horas da tarde se reunirera no nosso con-
sistorio em mesa geral, para dicidirem, se, es-
tando a irmandade interdicta, pode o nosso ir-
mao capcllao continuar a exercer dito emprego.
Consistorio em mesa regedora da irmandade
das Almas, erecta na matriz da Boa-Vista, 20 de
Janeiro de 1873.
O escrivao,
Francisco das Chagas Pereira.
Ao publico.
Quem leu o meu annuncio publicado nos Dia-
ros de 11 a 14 de dezembro do anno prximo
passado, e 1er o contraprotesto que ao mesmo
annuncio onpoe agora a Sra. Henriett Martins,
ver que ella longe de destruir o que alleguci
em dito annuncio, mais forca lhe d, p is confes-
sa serem meus o terreno e a casa da porta d'a-
gua, que me deve muitos annos de renda do
mesmo terreno, finalmente que existiam e ainda
existan em juizo, accoes para desapropriar as
bemfeitorias existentes no terreno.
Nao exacto ser foreiro o terreno em questa",
porque antes de pertencer-me por compra que
z aos lierdeiros da administradora do vinculo
do Monteiro, fazia parte do dito vinculo, e o seu
administrador nao poda aforar.
As rendas nao recebi nem fui intimado para
ver recolhe las ao deposito : alm de que, a ren-
da que a Sra Henriett tem de pagar-me de
250*000 por anno, e nao de 6i*0l) como erra-
damente allega em seu conti-aprotesto.
Nao sei qual a lei que me obrigue a vender o
meu terreno contra minha vontade por existi-
rem nelle bemfeitorias de outrem, quando aj con-
trario sao as bemfeitorias que estao sugeitas ao
solo.
Admira-me a facilidade com que a Sra Hen-
riett, declarando ser o terreno meu, expe-no
venda como seu.
Ser sectaria do communismo ?
Contino a oppor-me a tal venda, e protesto
haver da Sra. Henriett, ou de quem quer que
comprar taes bemfeitorias c terreno, nao s as
rendas vencidas e por vencer ao preco de 250*
por anno, como est declarado na accao propos-
ta, senio tambem todo e qualquer prejuizo que
me possa resultar da mesma-venda,
Syphronio Olympip de Queiroga.
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mchameos e Libe-
beraes.
Por ordem do Sr. director interino do lyceu
desta sociedade, scientico aos artistas em geral,
que desde o dia 15 do corrente se acham aber-
tas as matriculas de todas as aulas do mesmo
lyceu, para estes, seus filhos, prenles e aggre-
gados ; e para esse fim devem se dirigir a se-
cretaria do estabelecimento rua da ImperatrU
n. 17, 1.* andar, nos dias uteis das 6 1(2 s 8
horas da noute.
Recife, 20 de Janeiro de 1873.
O secretario,
P. Paulo dos Santos.
Precisa-se de batodores de assuca- para a
reflnacio do largo do Arsenal n. 8.
Pergunta-se direceo da sociedade Amor e
Beneficencia, dos talhadores de carne verde, qual
foi o socio della que obteve a soltura de Felippe
Eneas da Costa, e porque forma, quando honre
pessoas particulares que pode de alguma forma
obter dita soltura.
Criado.
No collegio de Sania Genoveva, rua do Hos-
picio n. 65, precisa-se de um criado que seja livre
ou escravo.
Com
urgencia.
Precisa-se de urna ama idosa que saiba cozi-
nluir liara casa de pouca familia a (Talar na Pas-
sagem da Magdalena, botequim do Sr. Bcnto n. 27.
Precisa-sc de una ama para
comprar e cozinftar s rua do
"isconde de Pelotas, antiga do
A M Ai
Aragao n, 37.
\ m o l'recisa-se de urna ama para casa de
*xUl' familia je duas pessoas, sendo mesT o
de meia idade. paga-se bem : a tratar na rua do
Cabug n. 3 loja do collar de ouro.______
Ama
1'reeisa-se de una ama para comprar
e cozinhar para urna pessoa : na rna da
Palma n. 76.____________________________
Para casa de duas pesseas ie fa-
preci?a-se de urna ama para
cozinhar e engommar : a tratar no
asseio Publico n. 54, loja.______
AMA
Vino Precsase de urna ama para casa de
ivllltl familia de duas pessoas, prefere-se es-
crava : a tratar na rua do Cahug n. 9 A, loja.
- Precisa-se de urna a-ra de leteo que seja li-
vre c sem filho : tratar na rua de S. Jorge, ou-
tr'ora do Pilar casa n. 40.___________________
Prccisa-se, de urna ama para homem
solteiro : na rua do Imperador n. 42,
AMA
2." andar.
Escrava fgida
Continua ausenc denle o dia 1 Me dezembro de
1872 a escrava Manuella, negra, de idade de 45
annos, estatura baixa, com nina orelba rachada,
pelo que nao pode pendurar br neos, falta de den-
tes na frente, ps grossos e cora sgnaos de cravos
as pontas dos dedes ; levou vestid" de cbita es-
cura e chale de la cora riscas de cor ; foi com-
prada a alguns n czes ao ir. Francisco Jos Go-
mes, desta cidade :* quera a capturar queira le-
va-la rua da Cadeia n. 6, ou na Capunga, rua
da Ventura n. 10, que se gratificar.__________
Jardineiro
Prcesa-sc de um jardineiro de idade, que teVia
bom comportameutu para traballiar era um peque-
no jardm, e que se sujete tambem carregar co-
medorias da rua Imperial a rua ircita n. 104.
Aluga-se o primeiro andar e sotao do so-
brado n. 25 da rua de Santa Rita, estando elle
em bom estado : tratar na rua Duque de Caxias
n. 44.________________________________
Precisa-se de um eaixeiro que tenha pratfca
de escriptoro e venda de assucar : na rua do Ira-
perador n. 50.___________________________
Os abaixo assignados fazem ver ao rospeita-
vel publico, que desta data era dante dexou de
ser seu eaixeiro de cobranca o Sr. Francisco Lo-
pes Machado, ficando sera effeito nao s a procu-
rado que o mesmo senhor tem era seu poder,
como tambora qualquer recibo que elle possa pas-
sar em contas ou qualquer documento que disser
respeito a seus negocios.
Texcra A Irmao.
A professora publica da 1* cadeira da fre-
gu ia de Santo Antonio funeciona no i" andar do
sobrado n. 43 da rua de Marcilio Das.________
Pergunta-se
ao Sr. Eduardo e mais membros da 5. N. U..., qual
o motivo de ser suspenso o socio M, sem que in-
flingisse artigo algum dos nossos reformados es-
tatuios, e nao soffrer a mesma pena o famoso so-
cio Z da F...ca, que pelas suas conhecidas faca-
nhas s merece ser expulso desta s ciedade a pon-
a ps ? Isto deseja saber o
/ftdiK Dionizio.
(lollegift Asceii(jode Mara.
Maria Felismina Pinto, devidamente habi-
litada pela directoria da instrticc.ao publica,
ha montado na freguezia da Boa-Vista, rua
Impcratriz n. 37, um collegio sob a deno-
minacao deAscensao de Maria,tendo por
fim dar as meninas a mais apurada educacao,
quer pela nstruccao moral c religiosa, quer
pela instrueco Iliteraria e scicntifica, oceu-
pando-se no que for relativo a formar urna
boa mi de familia.____________^^^___
CAZA DA FORTUNA
RUA 1. DE MARCO OUTR'ORA DO CRESPO N. 23
4m SMMftOM.
O abaixo assignado tcm sempre exposto venda
os felizes bilhetes do Rio de i Janeiro, pagando
promptamonte, como costuraa, at 4:000j. .
Pwftcos.
Inteiro.......24*000
Meio........12*000-
Quarto :...... 6iOUO
Manoel Martins Fiuza.
R. G. Swift retira-se para a provincia da
Baha.
Menino achado
No estabelecimento do abaixo assignado appa-
receu ha cerca de 20 dias o menino Eduardo, que
no Diario de 11 do corrento mez, vem recommen-
dado ao Sr..Dr. chefe de polica, haver-se sumido
de um comboy na praca da Independencia, e nao
obstante o annunciante ter dado sciencia dist i ao
Sr. Abreu, ex-subdelegado da fregueaia de Santo
Antonio, julga conveniente declarar que o dito
menino acha-se *m sua casa i rua da Palma n.
25, onde pode ser elle reclamado, ou na rua do
11 perador n. 81. *
'_____Frncisco Jos Leite.______
Fugio o escravo, crioulo, de nome Domr-
gos, propriedade do Bartholemeu Lourenco, tem
os signaes seguintes : bem preto, altara regular,
sem barba, cat'eca pequea, orelbas pequeas,
olhos grandes, e viste espantada, gingador, como
quem joga capueira e nariz grande: roga-se a
quem o pegar leva-lo a casa de seu senhor : na
rua do Sebo n. 43, on no seu oscriptorie, na
rua da Madre de Deus n. 2, que gratificar je-
nerosamento ______________ ,______
Aluga-se urna escrava de 20 annes para to*
do servico de casa : na rua de S. Jorga n. 74.
Precisa-se de urna ama para casa de fami-
lia, preferindo-se escrava; na rua Direita n. 86,
loja de iniudczas._________________________
Ama de leite.
Piwra-se de urna ama do leito : rua do Du-
que de < axias n. 54. 2.*
andar.
Precisa-se de urna
zntiar a tratar n
dencia n. 39.
Ama
ama que saiba Co-
pra$a da Indepcn-
Ama
Precisa-se de urna ama, forra ou es-
crava que se preste a tolo servico ;
agradando paga-se bem, casa de pouca familia :
rua de S, Francisco n. 54.
$f^|
GAOIMfiTl!
Medico-cirurgico
RUA DO IMPERADOR. 73, ANDAR
0 DB. NONES DA GOSTA
MEDICO OPEBADOR E PARTEfRO.
ESPECLI'AKS.
Molestias e opera^Su de olhos.
Cura radical e instantnea dos
eslreit?mtibi8 <)a uretra.
Consultas:
da ni [.1.5.
Chamados
Das 7 s 10 horas
A qualquer hora.
Collegio S. Sebastio, rua do
Brum n. 73.
. Manoella Augusta de Mendonca Mello Reg
autorisada pela directoria da instrucc/o publica,
tem a distincte honra de commiinicar ao respeita-
vel publico que tem aberto na rua do Brum n. 73
o colegio de S. Sebastio, destinado educacao de
meninas ; sendo as Hateras do mesmo as seguin-
tes: primoiras lettras, grammatica porlugueza
com o seu desenvolvimento, leitura dos evangelho?
e noyes geraes de arithmctica desenvolvida, fran-
cez, nglez, desenlio, msica applcada piano ;
igualmente cnsina-se tambem todos os trabalhos
de costuras e bordados, inclusive o bordado a
ouro o flores. A directora alem do esforco que
emprega por s, 6 auxiliada por professora e pro-
fessores para isso contratados, garantindo-se, to-
dava, cuidado e zello pelas alumnas que lhe fo-
rera confiadas.
Aluga-se urna casa moderna com encana-
mento de gaz n. 133 na rna da Concordia defronte
de um sobrado: a tratar na rua do Mondego, sitio
com portap n. 63, de Marcelino Jos Lepes, ou no-
Arraial._________________________________
Francisco Xavier Carnero da Cunha, mora-
dor no engenho S. And f eguezia de Muribca,
declara que desta data em dante mudou seu no-
me para Francisco Car eiroRodrigru s Campelio,
por encontrar outro com i.oroe igual.
Muribca, 21 de Janeiro de 1873.
Nao se tendo realisado no dia 12 do cor-
rente a reunio geral dos eonsenhores da proprie-
dade Appucos por falta de numero, de aovo-
convoco os meemos senhores para se reunirera
no dia 26 deste mez > eias 10 horas da manh na-
capella da propriedade, para deliberar a respei-
to dos assumptos indicados no relatorio ; a sa-
ber : approvacao das contas da administracao,
das despe as da capella, da arremata o das ma-
tas, do ordenado do. escriplurario, e autorisar
a administrao par tratar das questdes re liv-s
a propric ade, e para nomear urna commissao
para rever e equiparar as rendas dos terrenos"
que oceupam diversos con-enhores.
Esta reunio se effectuar com o numero de
con enhores que* comperecereni e s poder de-
liberar sobre o objecto para que d convocada na
conformidade do art 18 dos estatutos.
Administracao da,pri priedade eommum Apipu-"
o, 20 do Janeiro de 1871.
m Camello do Reg Barros.
O abaixo assignado declara ao publico e es-
pecialmene ao corpo do- eommercio desta praca,
que dissplveu amigavelraente a sociedade que tt-
nha e que gyrava sobre afirma de Costa & Mon-
teiro. rttirando-so o socio Monteiro pago e satis-
feito, e cando- cargo do socio Coste todo o ac-
tivo e paSsivo da mesma socied de. Recue de
Janeiro de 1873. f" ____
Antonio Ferreira da Costa-
Hotel chinez
Precisa-se de um criado para servico de rua no
mesmo hotel; a traa na rua.-larga "do Rosario
a. 31.
Botica Popular.
l'recisa-se de um oflkial com bastante pria-
do phannarla, e capaz. Da-se 1:000*000 de
ordenado annual.
I

-


1


Nh
-f
!.
i
I
.
i
i
^
*
Diario do Pcrnambueo Quinta feiia, 23 de Janeiro de 1878.
COWIAS.
Compia-ieuuiaesers*
zinhar e cngoimn.ir ron [tisrfl
ga-se bem : u na WrtSta
que saiba eo-
agradaado p-
Atter^o.
Corapra-se urna eserava de 35 a 00 annos, que
aiba cozinhar; ra ihesouraria da* loteras, na
l." de Marco n. 6.
Cotnpram-se Diarios de Pernambuco a 120
rs. a libra : xa. ni de Coronel Suassuna n. 71.
No armazem de maleriaes da praoa da Con-
cordia n. 1, eonipram-se catas terreas, mesmo
em mo estado, utas na ra Imperial, ou em ou-
tro logar que ten lia porto te embarque.
VINUAS.
Vende-se
Urna boa casa terrea, chao proprio, servino
para familia, sita na ra das Crioulas (Capanga.)
Vndese tambemparte ele urna outra casa ter-
rea em chao proprio, sita .ia ra da ventura (Ca-
punga) : tratar na ra Primeiro de Marco n.
7 A, 1.* andar, ____________
Xarope d'agrio do Para
Antigo e oonceituado medicamento para
cora das molestias dos orgos respiratorios,
eomo a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicado anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C, ra Laiga do Rosario n. 34.
Libras strliaas.
Vd-s no arinaMm de faiendas de Ancana
F. e Olivira h C. rna lo Cmprelo n. 42
Pereira da Cunts Irisaos, ra Harqoei de
OHnda n. SI, vemlem o seguinte :
Vaquetas pjra carro e hutas de viagem.
Marroqaios.
Cordavdes.
Oteados pan forro'de carro.
Pot*sa da lus'ia.
Vinhe do Parto, fino, em eaixas.
Chitas avariailas
Estao quasi limpas e sao
finas, tem escuras e clara:!, a 240, e algodaozinho
largo e superior quasi limpos, a 4*500 a peca :
cheguera depressa
A ROSA ERAJVCA
ra da Imperatriz n. 56.

m
*S*$8998
*ggr*m
A COROA DE ODRO.
4 na da Imperatriz
n. 59.
Acaba tic receber de tonta propria,
pelo ultimo vapor da Europa, um com-
pleto sortimento de objectos de prata
Xfi o mais I ndos que tero vinde a este mer-
* cado, sendo os segu ates : aderecos de
'@& fi'a'8ranila? "',ra oc ipurado gosto, vol-
^y tas, brincos, rozetas. salvas, relogios,
^0 jos mais resumidos possiveis. Assim
J coma un completo s trtimento de obras
" de duro : aaneis de brilhantes, rozetas,
jBft aderecos etc. e tamb:m sem brilhantes.
SEGREDO ECONOMA E CELERIDADE.
Obtem-se com o uso
DA
UUECQAO SHOST
nica, hygicnica, radical einfallivol na cu-
ta das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offerece como garantia de salutares resultados
a continuada applicacao que sempre com a
maior vantagem se tem fetto della nos hos-
pitaes de Paris.
nico deposito para o Brasil, Bartholomeu
& C, ra Larga do Rosario n. 34. ______
a rdadtiri cerveja ai Raviera, rea ban-
. tot C. irsen armaiem da roa 4o Ansorlm
t.*7.
KSWA
Mili

IIEU*TISJMi
IrTnlftM
Uaa
U.
%
IjfcltW
* ruirnar
COMO DOSE PURGATIWl
TO.MAl-ASAdDEITA-Sl \
kC0M0 00SE REFRESCANTE
OEPUffATIVA
34-
f SAUDB
DEPOSITO GERAL
NA
Pharmacia e drogara
M
DARTHOLOyEU & C.
-Ra larga do liosario34
CHEGOU
O baealbao da Noruega, em eaixas e meias
ditas : no caes da Alfandega n. i, armaiem de
Tasso Irmies & C
Obras de phanlasia.
luja da Aguia Dranca, rna do Duque de
s n. 50, recebeu um \x
nitas e modernas obras de phantasia, sendo
CaxUs n. 50, recebeu um bello sortimento de bo-
r
Brinc s e crines pretas, com dourados e pedras.
Outros d iradrep rola qneimada com bonitos
n fe i es de delicadas flores.
Outros de fino dourado cen p ngeMes de cores.
Outros encarnados e de bonit s moldes.
Rosetas de fino dourado com pedras branca,
Aderecos d madreperola.
Ditos dourados com camapheo preto.
Ditos encarnados.
Ditos imitando folhas e flores naturaes.
Ca soletas de madreperola
Voltas de grossos aljofares de cor s.
Outras de ditos prct s com donrados.
Pulceiras de tartaruga com dourado.
Outras pretas.
Grannos pretos e de cores.
Bonitas abotoaduras de fino dourado, com po-
dras, coral etc. para abertura de camisas.
Botoes dourados e de outras (nulidades, para
aberturas c collarinhos.
Novas gollinhas e pininos
bordados.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
de Caxias n. 50, recebeu novas gollinhas e pu-
ntas bordados, e outros enfeitados com entremeios
e bicos ; assim eomo recebeu ignalmen e novas
guarnieses de grvelas com franjas e lagos para
os cabellos, tudo do melhor e mais mod rnos gos-
tos.
Bonitos leques.
A loja da Aguia Branca, ra do Duque de
Caxias n, 50, recobeu bonit s leques d perfeila
phantasia, prero com dourado', e ontros de apu-
rados gostos; assim como recebeu ou ros de ma-
deira que se confunde com o sndalo, e tem el-
les lindos coloridos n > c ntro, e ainda assim ven-
de estes pelo barato preco de 4000 cada um.
Vasos de crystal para toillet.
A loja da Aguia Blanca, a ra do Duque de
Caxias n. 50, r cebeu bonitas garrainhas de crys-
tal em par com ramagens douradas e mu pro-
prias para arranjos de toilet, etc,_____________
ATTENCAO
9
Venile-se om excelleote cofre com segre-
do, obra feita na trra com remit segiran-
ca: a tratar na thesouraria das loteras,
ra i de Marco d. 6.
FUNDIDO DO IiOWMAN
RA DO BRM I. 52
(Passando o chafariz)
Os proprietaris desta fund;o recommendam-se aos Srs. agricultores pela boa qua-
lidade das obras que durante mais de 30 annos, a casa lhes tem fornecido.
Possuen sempre um avultado deposito de machinismo e implementos em toda a va-
riedade de tamanhouproprio* para todos os mysteresda agricultura, e preparo do assucar
e algodo; entre os quaes algumas novidades nesta provincia, merecendo ser vistas.
Vendem a prazoou a dinheiro com descontla vontadedo comprador.
CAUTELLA
Avsam ao publico que diversas encommendas dirigidas a esta casa, tem sido desvia-
das : pelo que, rogam a exigencia da conta impressa, para prova da procedencia do que
se lhes fornece.
Outro sim, que por ahi andam especuladores (alguns empregados e obras em concertos,
etc.,) a inculcar encommendas e compras de machinismo : acautellam aos Srs. de engeuho
contra os taes, lembrando-lhes, pensem se sem kiteresse aquella industria : e quem paga
as peitas recebidas pelos ditos inculcacin;.
COMMISSOES
Fazem encommenda vontade do pedint, mediante urna commissao. de qualquer
machinismo ou obra, dando ao comprador a vantagem obtida por sua habilitacao e costu-
:ne no negocio, tanto em respeito ao pre em montar e trabalhar com o machinismo vindo.
HERDEIROS BOWMAN
por Albert B. Ghewy, Engenheiro.
RA DO BRUM N. 52
O CHAFARIZ
BAMT
DO
ARMAZEM DOS LEES
Rna Duque de Caxias n. 29.
Vende-se um terrenD no caxanga, na entra-
da do Ambol confronte ao sitio de Theotonio Jos
de Mello, com 60 p..Irnos le frente e 230 de fun-
do : a tratar 10 caes da .'.Ifandega n. 3. _______
Cortes bordados a 6^000!!
Ricos cortes de cambraia com bordado de cor, a
nltima moda, pelo diminuto preco de 63000 cada
corte : na ra do Crespo n. '20, loja de Guilherme
C. da Cunha & C. ________
?Jo lia mai i cabellos
brancos.
Tiotoraria japooeza.
S e nica approvaa pelas academias de
sciencias, recoobecida seperior a toda qoe
tem apparecido at boje. Deposito prin-
cipal ra da Cadeia do Recife, boje Mar-
qoez de Oliuda n. 51, i. andar, e em to-
dis as boticas e casas de cabelleireiro.
o. r-^prtatarins deste bem montado eotabelecimeoto scientificam to
fespettavel publico desta provincia qu oa ohnm com um variado e completo sortt
ment de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo esta ba"*;'''"-------tc
sosios qae se acha actualmente na Knropa. ulnesuo telfl cofltraciado com os melbore
fabricantes daquellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas ai.
Na officina temos mais babets artis- 'e?te genero, e por isso pedem que ve-
aham visitar o estabeleciment, aonde ene o a realidad do qne acabam de expr
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, ele, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc.,etc.,goard
vestido de amarello, guarda lonca de uogueira e de amarello com tampo de pedra, apa
radores de d-to dita, peti toilettes especialmente pafa fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias da Jacaranda e mognocus tureiras ae mogno, san
toarios, toears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seut
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e moitos ontros artigos que deixamos de
mencionar por seiternar enadonho
SffiS 55SSS SSS& ^^^-%ffil,*2e<'>?y5'.'n5!S?i.',a CP!ffl5>Sft.*CT0'*-*e "
.fv S f'- S^-tS
Borracha para limas.
Vende-se borracha de primeira qualidade para
limas de cheiro, e por preco rasoavol : na phar-
macia imperial, pra?a do Conde d'Eu n. 2._____
Vende-se por preco5 que muito convem, sac-
eos com milito muito novo, i arris co breu e eai-
xas com biscoutos inglez?s : no armaiem da ra
deDoringo? Jos Martin, outr'ora Senzala-velha
n. i06, de Matheus Austin C.
Anneis e colares elctricos
A loja d'a?uia branca ra Duque de Caxias
n. 50, receben nova remessa di>s proveitosos an-
neis e colaros elctricos e continua a recebe-Ios
mensnlmento, p 3lo que iempre estar provida de
taes objectos.
Fio de algodo da Bahia e cal de Lisboa, re-
centemente chogadn : ha para vender no es-
criptorio de Joaquim Jo Goncalves Beltro & Fi-
Iho, ra do Commercio n. 5.
Alerta
Tijliis franceics sextavados
De 453000 a 5.- o milheiro.
Estes tijo'os, fabricados de barro vermelho con-
solidado, sao os melhores e os mais econmicos
pela sua barateza para ladrilhar os pavimentos
terreos das casas, porquanto, pouco mais cuitan-
do do qitc os feitos no paiz, sao, sem comparacao
alguma, superiores a estes pela limpeza de que
sao susceptiveis. Custam alm disto menos da
decima parte dos de marmore, j reprovados, e
dos de differentes mosaicos, os quaes nao esto
cerCamente ao alcance de todas as fortunas, e so
sao empregados e proprios para as salas princi-
pacs. Alm da vantagem que ha no emprego
deates lijlos para os pavimentos terreos e casas
de campo, tem estes ainda a de serem os melho-
res e mais proprios para ladrilhar cozinhas nos
sobrados da cidade, atiento a sua solidez e pouco
peso, estando mais que provada a conveniencia
de seren assoalhadas as cozinhas toda* de tijolo,
e nao s a parte junta ao fogiio, no que at as
companhias de seguros se deveriam interessar.
Vendem se nos armazens de farinha de Tasso
ruaos & C, no caes do Apollo.
Ir
.MlOii-s. HMMIp 1S80
Vende-se manteiga ingleza flor a 800 rs. I 000
e 1#280 a libra, no progresso do pateo do Carmo
AMAINARA
0 prelado Pcrnamhueani)
A proposito do> actual conflicto
religioso
Este opsculo, que Um tido tanta acccilacao pur
parte do publico imparcial d'esta cidade, continua
a vender-se as livraiias Franceza, Universal na
roa do Imucrador, Industrial na ra Nova, e na
ra da Cadeia n 27
Preco 600 ris.
Tede-se
Vende-s* um pianc^ francei em perfeito estado,
de boas vozes e mnit j pouco uso ; bem como, 1
'off, 12 cadeiras de vinhatico, e ontros objeclos :
rna Velha da Boa-Vista n. 94.
n
CARNAVAL!
Borradla para limas.
Vende-se borracha de primeira qualidade para
limas de cheiro, nos seguintes lugares : na phar-
macia Central ra do Imperador n. 38, na mes-
ma ra n. 22 c no pateo da matriz de Santo An-
tonio n. 4, por prego razoavel. _________M
TJluiO gusto
Cadeiras pretas don radas e mar retadas de ma-
dreperola nos armazens de Tasso Irmo C.
o) caes do Ai^'Hn.'
CAMBRAIAS
u
a p a peca.
Cambraia transparente fina a 34 a peca :
ra do Cretpo n. 20, loja de Guilherme C.
Cunha & ('.
IHZEO DE JWAS
N. 4 Ra do Cabug N. 4
JOSEPH KRAUSE & C.
- DE
GOMES DE MxVTTOS, IUMAOS
o importante estabelecimento de primorosas joias, achara o respeitavel
publico desta capital um grande e variado sortimento de joias de todos os
preQOS, queja existiam no Muzeo, que sero vendidas com grande reduego
de prego, alm dos novos objectos recebidos directamente da Europa, que
se vendero por prego animador, bem como sejam, aderegos de brilhantes,
pulseiras de ditos, broches e rosetas de ditos, ditos de differentes pedrarias de
pregos; anneis de brilhantes e de esmeraldas, rubins e perolas mais objectos de valor, que possam ser desejadospelo bom gosto e apreco das
familias, que sabem dar valor a objectos de primor.
Os proprietaris do MI.7.E0 DE JOIAS, convidam as familias que se
queiram prover de excellentes joias,' a virem escolhe-las entre o variado
sortimento dolas, garantindo os proprietaris que sero sinceros para todos
que se dignarem procurar seu estabelecimento. i
Entre o grande sortimento de brilhantes, esmeraldas, perolas, e obra
simplemente de ouro de le, se ver um elegante sortimento de obras de
prata primorosamente trabalhadas, que tambem se vendem i prego reduzido,
bem como, relogios de ouro e prata dos melhores autores conhecidos, que
se vendem mediante pouco dinheiro e garanta dos donos deste estabeleci-
mento.
Os homens do centro, que precisarem de qualquer objecto de grande
ou pequeo valor, procurem o MUZEO DE JOIAS, que sero servidos com
attengo e sinceridad^.
Por 35S000
E barato
Vfnoe-se ama farda e orna blusa de panno
fino akUk aova, uira espada, um talim u bonet,
proprio para oficia' de liaba ou de guarda na-
cional : qaem pois anuer comprar, dirija-se a
esta typographia, a tallar com o administrador,
das 9 horas jo da por diante._____________,
= Vende-se a aroicSo e alguns oleacilios da
uveraa do cateo da Ribeira: a tratar com An-
tonio da Silla Junijr, no3nateo da Ribeira n. 1.
Farinha dfe mandioca.
Vende-se no trapiche Companhia chegada ha
pouco do Rio de Janeiro : tratar com Thomaz
de Aquino Fonceca & C. successores, ra ao Viga-
rio n, 19.______________________________
Novidade.
Ricos chapeos para senhora, de palha de Italia
e de seda, cousa inteiramente nova neste merca-
do : s se encontram na Predilecta, ra do Ca-
bug n. 1 A, a elles antes que se acabem
Mais delles.
Anneis elctricos.
Daquelles anneis elctricos, to uteis para o
nervoso, e que a Magnolia, ra Duque de Ca-
vias n. 45 tem vendido porcao I e que por serem
os nicos verdadeiros, muito tem aproveitado ;
pelo ultimo vapor vrio nova remessa : a elles an-
tes que se acabem. Na Magnolia n. 48, rna Duque
de Caxias.
'. .1 <-.U!|f
Primeira qoalidade.
Vende-se borracha muito boa, chegada ultima-
mente, por menos qoe em outra qualquer parte :
na roa da Concordia n. 2, taveraa na j)raca do
Conde d'Eu, esquina da ra do Aragao-
BARTHOLOMEU et Cu
Pharmaceuticos premiados em diversas expoei r
ELIXIR SEDATIVO PEITORAl
ANTI-ASTHMATICO
.
ESPECIALIDADE
Novo tratamento da AstuM, tout, eotnmlsa. defkuco catarrhaet, e todo* as molestias dos puimoes,
que tem feito Imporuntee coras, e qoe noje o mico aoceito peloe melhores Meaicos.
DEPOSITO QBRAL, 34, ra Larga do Rosario, PBBHAMBCO.
Borracha
Borracha
Borracha.
Vende-se borracha especial para lima de chei-
ro, em porcSo e a retamo : na roa travessa oa
Madre de Dos n. 8.
JARROS
BAZAR NACIONAL
Boa da Imperatriz n. 72
de Lourenco Pereira Mndez Guimares
Declara ao respeitavel publico qnc, tendo concluido n cons< rto qoe fez em sea es-
tabelecimento da roa da Imperatriz n. 7, .if clara qoe o sortio de novas fazendas pro-
proprias para a festa do natal, os preces sao's mais haratoa pi'ssi^e s a s<-.bfr :
LASINHAS A' 120 KS.
Vende-se laasinhas para vestidos a 10
100, 360, 400 e 500 ra, o covado.
OLINDE.NSE A 800 US.
Veoile-ie ama nova uzeada de seda e
linho, por nome olindense, propria para
640 e 800 vestidos, a 800 rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 440 RS
Vende-se alpacas de corea, lisas e lavra-
das, para vestidos de seobori, t 440, 5C0,
rs. o covado.
BAPTJSTaS A 500 RS.
Vende-se orna nova fazenia por noroe
baptistaa, para vestidos, a 500 rs. o co-
vado.
SUTANAS A 640 RS.
Vende-se ama nova fazenda de 13 e seda
por Dome sclanas, para vestidos de senio-
ras e meoioas, a 610 rs. o covado.
PHANTASIA A 800 RS.
Vende-se urna nova fazenda lisa, por neme
phantasia, para vestido;, a 800 o covado.
FnstSo brauco a rg.
Vende-se fnstlo branco e de cores, para>
vestidos, de seobora, a 3?0 e 400 rs. o co-1
vado. !
CHITAS FRANGFZAS A 110 P.S.
Vende-se cbitas fraocezas escuras e cla-
ras, s 240. 280, 3i0 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 1*600.
Veode-se bramante com 10 palmos de
largura, proprio para lencoes, a <($600
e 2200 o metro.
Grosdenaples preto a 30OO
Vnde-se grosdenaple preto a 25000,
2*500, 3*500 e 55000 o covado.
PANfjO PRETO A U300.
l.RTES DE BRIM A' 1*500.
Vende se cortes de brim par- calca a
1*500e 250 0.
MADAPOLAO A' 3* 00.
Vende se pecas de madapolao a 3*600.
4*50(, 5*000. G*KH)e 8*0(0.
CHAPEOS DE PALHA A JOOO.
Veide-se chapeos de palba, de feltro e
i castor, i ra lumen: e meninos, a 2*.
2*50< 3* e 4*000.
ALGODAO A' 4*000,
Vende-se pecas de algodSo americano,
4*0h 5000 f 6*0C0.
B011NAS PARA SKNH'ORAS A 5*000.
( Vende-se botinas paa senbori, a 5*000
' e 5*500. -
C4MBRA1AS A 35000
Vtnde-e petas de c>nbraias lisas para
vestidos, a 3*0"0 1*000 e WKOO.
CAMISAS UhANCAS A 8*000.
Vende se camisas brancas a 2*500 e 2*.
Ditas de .uno a 3*, 3*510, 4*000 e
[5*000.
Palitots de panno preto 5*000, 7*000
e 8*000. Palitots de casemira de cores, a
4*. 5*000 e 8*0< 0.
SAPATOS. DE TRANCA \ 1*300.
Vende-se sapos de ti anca e tapete, para
bomens e senioras,-a 1*500, lHtO e 2*.
Sapatoe de casemira pretos a 2*500, 3*6
3*5(0.
CHALESA'SvORS.
Vende-se chales de l?a cem qoadros e lis-
tra?, a 800 r?. e 1*000. ditos 8e carin
estampados, a 2*000, 3*3CO. .4* e 5*000.
E outras mi itas fzen las aue te vende
Vende-'e panno preto para calcas e pa- sem reserva de preco. na loja do baratero
litoU, a 1*500, 2*500, 3*C0O, 4*C00 e Bazar Nacional.Roa da Imperatriz n.
5A0O0o co\ado. '72.
IMti
i\
Samuel Power Jolms-
ton & C.
Ra do Apollo n. 38 e 40
Fazem sciente aos seas tregeles que teeic
Sv mudado o seu tiepusito de machinas a va-
^ por, moendas e laxas da mnito acreditada
trf?) fabrica de LowMoor para ra do Apollo n.
38 e 40, onde continuam a ler o tnesmo sor-
timento do costnme.
Fazem sciente tambem que teem taita um
arranjo com i fundicao geral, pelo (jue po-
den) offerecer se para assentar qualqutr
machinismo emesmo garant lo.
IMKU GERAL
9 L
Os proplieliroi -J funJi>;o geral faiem 9
scieutes ai's aculioie.- de eogenbo e mais ^
pessoas, qu^ teem tstabeltcido urna lundi-
cao de ferro e brouie a ra do Brum, jun-
to a e>laco do? boi>ds, ondi aprontario k^
qualquer obra de eneooimeoda coro perfei- (T\?.
Qo e promptidio, flt
Os me>moa u-gam as pessoas .{ne quel- jx$.
r?.m ulilisr ae de .-eus ser icos de dena- j
.i . Sa- S3
rem as euco&.:
rauel Puwer JoaBSlco 4 C a roa do Apol- 1
<
Aderecos de bri-
lhantes, esmeraldas j|
rubins e perola
voltas de perolas.
ASAPIIIRAI:
de todas as
JOtAS
N. 2 ARa do CabugN. 2
Achando-se completamente reformado esto estabelecimento, e
tendo os seus proprietaris t'eito urna importante acquisico de
ioias as mais modernas vB*M ao mercado, e de qualtdades superio-
res, convidam ao respetovel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoavel._______,
O KA.IS P-ODSROSO
TNICO E FEBRFUGO
phihkiio pon
Hedalha
I.A tttUEXU DE BECIJI, E P. H1
Premio

Ouro.
id.ooo r
com trpu e detrada de vaeca ingiera a UWQO
cada om : no armaiem e Pasea Irmaos 4 C,
rna do Amorim n. 37.
______
Vende-se ama mobiha d amarello com
muito ponco' uso : a tratar na ra do S. Miguel
dos Affogadoi, casa n. 90.
ELIXIR TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICANTE E REPARADOR,
mperlar no. Tintaos e xarouca le VuIom.
Experimentaba com pleno successo nos hospt3es,.A Qiina Laroche (ou Extracto compMo
de Quina) urna preparaco excepcional, por ser privada do amargo da Quina. Agrada por
conseguinte as pessoas as mais intolerantes e aos paladares os mais delicados, pois nem I
muito doce nem mmto viscosa, sendo de urna limpidez constante. Emprega-se com muito
proveito nos casos de : gastralgia, dyspepcia, nevralgia, anemia, marasmo, cachextas,
magreia, fastio sem causa apparente, convalcscencas demoradas, chlorose e tscrophulaf,
E 0 ESPECIFICO DAS MOLESTIAS FEBRIS.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA ** *u> e^SE&z*
Rcanindo todas as propriedaies do Ferro et da Quina. 15, me Orouol.________________ ,
Na pharmacia Maurer ra do Baro da Victoria n. 25.
Novo estabelecimento
de joias.

"...
m

*!
I
Ra do i alnift n. 12.
' Neste estabelecimento se encontrara
nm bonito sortimento de joias que se )
vendem por tal prec/) que ajumar ao ft
comprador attento ao vanlajofo syste- g.
ma, ganhar pouco para vender mHi- **-.-
to, que certamente til ao compra-
dor e ao vendedor.
lo n. 38 e 40, ouJe scuarao pessi.a batii-
lada co:d qnen. toaiti enteoder sa.
Apparelbo para fabricar a?sucar, do sysfma.
WESTON CHMTREFDGAL
Unieos agentes em Pernamnuco a luudiio geral.
Para tratar em seu escriploriu a ra do Apu'lo o. 38 a i.
Vidros para vidraga
Ffilha de landres
Chiiibo em lencol
Fstauhey vergiiinh
Na ra do Mrquez de Olinda n. 4, arinazem de
Silva Barroca.
Boa acquisi^o
Vende-se nm terreno na ra Imperial, solo
Tarabem se compra ouro, prata e pe- 4s-. proprio, com JlO palmos de frente o '00 de fun-
seas preciosas, bem como se fabrica e ?
concerta toda e qualquer obra tendente
mesnu arte.
r.
Chitas
do, "todo aterrado, "pramfto para editicar, porto
para descarga de material, estando nm lado mu-
rado : a ver na mesjna roa, cas n. 36, e a tra-
tar na ra Nova, laja n. 7.__________________
11 Vende-se na ra do Imperador n. SO uin
, cabriole! americano de 4'^rodas com & assentos,
; jiovq e muito elegante.
- Vende-se um
da Cooreicao n. 10
boi a tuna carrosa : na ra
A 200 e 240 rs, o covado.
GbHas finas com toque de agua doce a OO e
240 rs. o cavado, est a venda na ra do Crespo
n. 20, loja de Guilherme C. da Cuaba & C
!!! Salsaparrilha!!!
Da mais nova que ba no mercado ; vendan
Pereira Vianna 4 C., raa do Vtgario n. II, 1

andar.
i


6
Diaria de Pernxunbueo Quinta Jfeira 23 de Janeiro de 1873.
Para acabar at o flm do anuo
Ni ra da Imperitriz n. 60
LOJ DO
u n
PERERA. DA SILVA a C-
Tendo os proprietarios deste grande estabelccimento, om avallado sortimeoto de
fazendas en ser, e desojando liqoida-la, al o fim do corrente aono, tem resobido ven-
de-las por presos maito (oramodos, cora o fiaa de aparar dinherro, a v9ta do qae
convidam os llm. Srs. cbfes de-familia a virem sor-re, nlo s de fazendas de pr-imei-
n.oessecidade, como de fizeodas de laxo e gosto, das quaes encontrarSo om sortimelo
da*s mais novas do mercado, cbegadas pelos nimos vapores da Earopa.
FAZLNDAS DE GOSTOS
BAREJES DE SEDA A 140:0 E 1*400 O
COVADG
O Pavao recebea pelo ultimo vapor
francez, om grande sortimeoto dos mais
Irados barejes de seda, sendo em cores
e gotos o melbor qae tem vinlo ao mercado,
esta nova fazenda maito propria para
vestidos para bailes ou casamentos, tendo
entre esta fazenda delicados padrees bran-
cas proprio para vest'dos de noiva,
MODERNSIMAS POPELINAS
Popelinas a 14300 e 25000 o covado.
O Pav3o recebea om elegante sortimeoto
das miis modernas e lindas popelinas de
12 e teda, e linbo e seda qae veodem a
i300 e 000 o covado, ten lo padroes
listrados miado e graados que pareeem
FAZENDAS BE LE
CORTES DE ASSAS A 2*500 E 3*000.
O Pavao veacle cortes du cassas de core,
com padroes muito bonitos pelo barato
prego de 2*500 e 34000.
CORTES DE CHITAS A 20100 E 2*880.
O Pavo vende cortes de chitas francezas
Saas, com 10 covados pelo di niato prego
dd 254-0 cada corte.
Ditas com 12 covado: pelo prego de
2*380 cada corte.
PEg^S D2 CHITAS A 7*2C0.
O Pav3o vende pegas do chitas finas, lin-
dsimos padrees, tendo 30 covados cada
pega, .pelo barato prego de 7*200 cada
ama e rauiio barato.
LENQOESDE BBVMANTE.
O Pavao vende lences de bramante mai-
to grandes, sendo deum panno s, pelo ba-'propriameote seda, assim como das.mesma
ratsimo prego da 25400 cada nm. tambera tem brancas proprias para vestidos
CHAILES BARATOS A 1*000 E 2*090. de noiva.
OPavio vende chailes de larratana graa- NOVAS SEDAS A 2*500
des pelo barato prego de 1*000 e 2*000. O Pav3o vende bonita e moderna seda
Pitos te 13a estampados imitagSo de. de urna s cor, tendo de todas as cores, com
meria a 2*0C0.
Oitos de qu?dros modernos, maito en-
corpado3 3*000 e 4*000 ; assim como
grande sortirm ato dos mais finos chailes
crepon e raerin qoe se veodem por procos
muito era coate.
MADAPGLOKS.
Pegis de madapoln francez maito fio"
com 20 jarJi-s a 5*50C e i:*000.
Ditos com 24 jardas inoito soperior a
6*500 e 7*00i. '
Dito inglez fazenda maito Gna 5*000,
6*000 e 6500 at It *0()0.
Ditus francezss e ioglezt s muito fiaos de
40 jardas para (liffer^nies pregos.
ALGODAOZINHO.
O Pav3o vende por prego muito barato
pgas de a!goJ3ozinho americano muito
bona com 18 jardas 4*000.
Dito com 24 jardas a 4500 e 5*000
at 6*000.
Dito largo urea T muito encorpado a
6-5000.
ALGODA ENFESTADO.
O Pa\3o venda o verdadeiro e superior
I jodaoiioho de daas larguras para enges,
io muito en:orpado I* <>Q cada vara.
r>,to angado da mesaiB 'j'f 'r
O i'.'.: ende estas eiecellentes chitas
cezas clara; e escuras' com muito bom
io :240 rs. cada covado.
Dita muito fina 280, ;$20 e 360 rs.
Percaites fioissimos miudiohos a 3G0 e
400 rs. cada covado.
C\MBBAIAS.
O Pavo vendo corles de cambr.iia traes-
partnte propria para vestidos a 2*500 e
3*0 O
Pega de dita mup fina com 10 jardas
tanto ta ada coaio transparente a 45000,
5*000 e 6*000 ot a mais fina que vem
ao mrcalo. -
- BRAMANTES 'A'A LENQO'ES.
- O Pavjj ven le superior bramante de al-
god3o ten!) 6 palmos de largura que s
percisa de i l/% vara para um lengol, me-
tro 1*600 e a vara l*SOO.
Dito de linbo puro soperior muito encor-
pido com a mesma largura a vara 2*400
Ditos francezes muito fnos a 2*500 e
:^oo.
Pega de Hambargo e panno de linbo com
20 e 30 varas, para udos os pregos e
qualidade.
Pegas de bretaaha do pnro linho, tendo
30 jardas pelos pregos mais barato que se
tem vi-to.
Pechincha de -finissimo esiguiao sacelena
com 6 jardas 7*C00.
Pera de fioissiuo celena com 30 jardas
a 3*5nO, atoalhado adamascado com 8 pal-
mos de I rgura a vara 2*0(0.
LAAZiMnS DE FL'BTA CORES.
O Pav3u vende um elegante sortimenlo
de iazitihas de forli cores que brilhao qua-
si ;omo seda tendo da tods is cores, e ven-
de 360 rs. o covado.
CALCAS DE CASEMIRA.
O Pavao tem iva grande sortimeoto de
c;'.v;i de casimira, assim como-cortes os
mais moderaos qae tem vir.do uos ltimos
S^nrins e em fazenda das -niia finas e mais
nova3 ao mercado, e vende se por barato
pre;> para apurar dmbeiro ;ssim como cal-
ad de brimnran.ee' e de cores por pregos
mil) razoaveis para a;abar.
CORTES DE PERGALlA COM DAS SAIAS
A 4*000.
O PavSo vende bonitos orles de precaa
com daas saias, sendo fazenda de mu to
gosto a 4*000, pecbinchar
TNICAS PRETAS.
Z O Pav3o recebci om grande sortimento
das mais ricas tnicas de grs preto, rica-
mente enfeitadas, o venda po: prego razoa-
vel.
VESTIDOS BRANGOS BORDADOS DE
3*00f30 AT 60*000.
O PavSo receben dos ra:ds ricos cortes de cambraia branca,
ricamente bordado!,- e com todw os enfei
tes necessario, 'vehde pf-los pregjs d
3^000 at 60*000; naj teta vino nada
mais rico nern mais aderno.
CORTINADOS PARA GAMAS E JANELLAS
A ;*50O,H*)O9 E O*O0O.
O Pav3o tem amjirode jortimentode
coftic.ados para $&# e' jpejias, qae Wn-
de'plo tarati prego ei^SOf;. 80D
10*000 o.B&mtoM.wiQSQtifa assim
c;mo colchas de damasco para camas de
dov^s, e ragda aoiTtaeata de,tapetes tan-
to para icaJf as birfw|fara ifam, pianos,
portisj etc., RMVr di por rseos" razOa-
delicado lavrores miadinhose vende i 2*50t
o covado para vender barato.
CORTES DE SEDA A 45*000 E 50*000
O Pavo vende bonitos cortes de seda,
fazenda de muito gosto, tendo 18 covados
cada corte e veode por 45000
Ditos de 20 covados a 50*000
Sao muito baratas em relag3o superior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O Pavo vende um grande sortimeoto
das mais modernas, baplistas com lista de
cor, proprias para vestido, com as cores mais
novas que tem viado ao mereado sendo
muito mais largas do que as chitas francezas.
e vende pelo baratissimo prego de 500 rs.
1*1(1 '1 C VMilA
OFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVO-
Nesle grande eaabelecimeoto encontrar
o r spaitavel publico, ama bem montada offi-
ciua de alfaiate, onde se nanda pzeeotar
qualquer pega do obra, tanto para hornera,
como para meninos, com a maior pres-
tesa e perfeig3o assim como- para qcalquer
luto que de repente apparega, teodo oa mes-
ma ulflcioa om perito ofGcial destinado nap
cional ou tropa de liaba, sendo esta officina
diiigida pelo babil artista Pedro Celestino
Soares d Carvalbo.
NOVOS VESTIDOS A 4*000.
O Pav3o recebea um elegante sortimeo-
to de no vos vestidos de cambraia branca
com bonitos bordados de cor, e vende pelo
barato prego de 4* cada um; muito ba-
rato.
ESPARTILHOS A 3*000.
O Pavao tem um grande so: tmenlo de
espartilhos, tanto para sanhora como para
menir.a, qbe vende pelo ba 3*0.0. Ditos muito finos a 4*0-0 e 5*000,
sao dos mais modernos qae tem viado ao
mercado.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CHITAS A 240 R3
O Par3o vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo muito boa fazen ia, com
padroes claros e escaros, pelo barato prec
de 210 r3. o covado, por ter om leva to-
que de mofo : pechincha.
SAIAS A 2500.
SAIAS A 2*OUO.
O Pavao vende saias brancas de orna s
pega com fazenda equivalente a i pannos,
com bonitas pregas em volta, a 2*000 e
2$500.
Ditas com pregas e bordados a 3*000,
pechincha.
LIQUIDAQO DE CALCAS DE CASEMIRA
O Pavao tem um grande sortmentp de
caigas de casemira de todas as cores a qoa
iidades, para todos os pregos, a desejiodo
ouiito lijuida-las, resiveu veade-iaa por
um prego muito em cont >, para dimiaoir a
grande porg3o.
CORTES DE FSTAO PARA VESTIDOS A
3*0C0.
O PavSo vende cortes de fostSo brwjco.
tendo 12 covados para ves id03 ,a 3^000,
pecbincba.
CORTES DE VESTIDO DE CiMBRiVIAA
6*000.
O Pavo vende bonitos corles de cambfaia
branca transparente, com bonitas vistas e
lavares, proprias para vestido, teado 8 'va-
ras cada corte, pelo barato prego de 6*000,
pecbincba.
CASSAS FRANCEZAS.
O Pavao vendo bonitas cassas francezas
com bonitos padroes, e de muita phantasia
pelo baratissimo ptegp de 240 e 280 rs. o
covado, sendo fazenda do muito nlai's dnhei-
ro, grande pechineha, naloia do Pavao.
1 BORNUS A-169900.
O Pavo recebeu pelo ultimo paquete da
Europa, bournus dos mais lindos %<>3ub que
at hje sao conbecidos^ e em relfw -
cessi va baratez*, corcridarn-se as xmee. Sras.
para as verem, pato assim admira rom o; que
ha de mais novidade noste artigo,
CORTES )E aMBftAU A -1#m*-
O Pav*o vertde tMtm de cambraia branca
com listas o lavores da mesra* i&t, ferelo fa-
zenda para um vestido, e vende pelo barato
prego de 6#>000, por serwande pechincha.
Ditos muito fmpstombaba^inhos broncos
boi dados a 8*009.
Ditos ditos cora listas de cores a 4*000 e
5?X)00.
ltosdcatomfai bM^t^WmW
de babadinhcwde cres-a 99#90. E'-garide
pethlncba ha toja'*? PaV6f
Acaba a Madresilva do qeseber divap^s
objoctos, como sejatn -.
Ricos alerocos do naadrepcrola brancos e
decores.
Diademas de madreperola, ditos dourados,
ditos de massa ou bfalo, ricamente eofita-
dbs, cruzes fingin'dobrilharrtes.cassoletas de
plaqu com voltas e som ellas, imitando
odro, pulseiras douradas, ditas imitando
tartaruga, rico sortimento de grampos ar
cabello, sondo borboletas, besouros e baya-
flores e outras umitas qualidades, tudo de
roito gosto, rico sortimento de gravatinhas.
do lagos para sehora, sendo velludo, sarja,
setim, gaze, escossezas e de urna s cor, fa-
zenda ioteiramente novidade.
Lindo sortimento de leques de martina,
madreperola, tartaruga, ditos dourados, oom
sfda e sem ella, alm destes de outras mui-
ta\s qualidades, que enfadonho sfiriajnencip-
nar, tanto para senhoras como para me-
inas.
Rico sortimento de punhos e golunnas
bordadas em cambraia de linho e camizinhas
bordadas para senhoras.
Bonitas guarnieres ou dragonas para on-
feitos de vestidos, assim eomo os muito dse-
jados cordoes de seda, fazenda iuteirameute
npvidade neste mercado.
Rico sortimento do caixirrhas com prepa-
ros para costura, .sehdo de tawp&s de crytal
e de outras muflas qualidades e tamaohos,
ditas para porta-jwa* porta-extractos, w
porta-relogios, pprtaKjharutos, porta-oBUa,
tinteiros, castigaeftr .ludo sao objeotos de
plaqu, proprios para preseutear a qualquer
pessoa, assim. coaio'dtrersas objec tos 'para
esof^tocio, faca*para cortar papel, carftiras-
ppra notas, caixas para phosphoros, caetas
biordadas e lisas, maracas para criangas, si-
netes para abrir firmas, caixascontendo urna
caeta, um lapis e um caivete, agulheiros
e dedaes, todos estes objoctos sao de marfim,
fazenda inteiramente novidade, assim como
outros muitos quo s a vista dos pretenden-
tes se pdenlo mencionar.
Vestuarios para criangas, chapozinhos de
seda, sapatinhos de merift esetim, meias
OSTMA
Cbegavan ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, om sortimeoto de machinas para
costora, das melhores qualidades que existe
oa America, das quaes anatas j sao bem
coQhecidas pelos seas autores, como sejam;
Weller 4-Wilaon, Grover & Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
que com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trinta costoreiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feigo como as mais perfeitas costureiras.
fGarante-se a sea boa qualidade e ensina-se
a trabalhar com perfeigSo em menos de ama
hora, e os pregos so 3o creme/dos qoe
devem agradar aos pretendente-s__________
Lehmaim Frres vemlem
libras sterlinas : a' ra do
fjrespo n, 18, primeiru andar,
Pode obter em pouco lempo eom o oso do melbor dos licoresa affamada
HESPERIDINA
Faz'oito annos qoe conbecido este precioso tnico, e difficil achar ama pessoa
qoe, tendo experimentado pessoalmeoto, nao falle em sen favor, j como boa esUrntacal
e apetisador, tomando om cliz della antes de jamar, oa como faci.ilador da digestJo
tjmando-M depois.
ABASE
ds HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nio ba om s habitante do BRASIL (a trra
especial das laranjas) qoe uac conhega as propriedades medicinaes da doorada froct.
ora bem, a *
LARANJA AMARGA
em seo estado natnral ten om gosto pouco agrada vel, e o mrito da Hesperidiu con-
siste em reter suas boas propriedades, e ao mesmo lempo apresenta-la como
EXQUISITO WOOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nao tem nada qoe. invejar i
melhores importages eoropes de carbegoria semelbante. Estas, qoaado maito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a eombinagSo perfeita do
AGRADAVEL E SAUDAVEL
Para prova de qoe om artigo no qoal pde-se ter ioieira confianga, por ser poro
e innocente, basta dizer-se qoe foi plenamente approvada e autorisada pela
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janeiro, permittindo saa livre elaborado no imperio; ontra
BOA PROVA
a acceitag3o geral qoe tem em todas as partas onde apresentada. Em 1864 estabe-
leceu-se a primeira fabrica em Boenos-Ayres; em 1869 a segunda em Montevideo;
oo da da chegada de S. M. O IMPERADOR ioaogoroo-se a fabrica qoe actoalmeote
trabalha na corte. Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceitagao.
tanto qae rara a casa qoe considera completo seo aparador sem ama garrafa de




RIYAL SEM SEGUNDO
Chegaram agolbas para machinas, do fa-
do seda *e do algodao, brancaso de- cores, t?- Aricairte .Grovef de Bker. Dwzia a 2-3000.
dp para baptisados.
Rico sortimento de babadores para crian-
gps, ligas de seda para senhoras, lencos
bjrancos com ramagens, meias de seda para
senhoras e meninas, ditas de fio de Escossia,
o, melbor que se pdde desojar, assim como
meias de la, proprias para senhoras.
' Rico sortimento de scovas com costas de
baleia, marchetadas de madreperola, para
rupa e cabello, e de outras muitas quali-
dades.
JGLLHAS E LINTIAS PARA MACHINAS.
A Madresilva acaba de receber um com-
pleto sortimento deagulhas e linhos brancas,
qe cores e pretas para machinas, dos fabri-
cantes Grovor : Bakr's, assim como agulhas
de todas as qualidades e liidias de seda para
bordar e para crochet, ricas capellas com
yos e sem elles para noivas, fil branco com
bonitas ramagens e com 7 palmos de largue,
"""tuco sortimento de llores uc imanja um
ramas e sepas, de todos os tamanhos, para
nfeites de vestidos de noivas.
Rico sortimonto'de collarinhos o par)
bordados o lisos, de linho e algodo, pira
homens, assim como chapos de sol com
casto de marfim, ooutros muitos artigos.
TEM A MADRESILVA
bonito sortimento do jarros, castigaes com
pingentes, garrafas o copos para espiritos,
frascos, garralinhas de diversos gostos, pro-
prias para toilettes, assim como acaba de re-
deber um completo sortimento de espelhos
de molduras douradas, de todos os tama-
nhos, do 3 a 9 palmos de altura c largura
regular.
A MADRESILVA
acaba de receber uoa especie! sortimento de
luvas de Jouvin, brancas, pretas o de cores,
para homens o senhoras, assim como tam-
bero para meninas o meninos de 3 annos
para cima.
BON'EGAS.
Rico sortimento de nonecas de todos os
tamanhos e com rosto de cera.
BORDADOS.
A Madresilva acaba le receber um rico
sortimento do bordados em cambraia de li-
nho, fazeoda iueiiamento novidade. noste
mercado, sendo baUavlos. e eutromeios.
Finalmente, n Madresilva, alm dos arti-
gos que vos faz meugao, te*n outros muitos
que onfajouho sena explicar-vos,. por isso a
Madresilva osppra que vos digneis visita-la
mais a muido, a qual vos ficar sempre
g"*- ___________________________
Lzinhas para vestidos a 320
res- o covado
S na ra do.Duijue de Cxiaa d. 60 A, ciir'ura
d-f^uiu3, de Beato da.
? HfU. M
Raa do Mrquez Je Olinda
n. 50 A.
Tem para vender os segiotes objectos abaii.
mencionados, pelos pregos ma-is resumidos, eomo
sejam : Coques moderos a 2*000, pfgas de en-
tremeios bordado? de diversas larguras a SCO rs.
duiias de co larinbos de linho a 4*3 tinos a 5*000, leegos para algibeira a 200 rs. boa
faienda, hnbas de carritel de 200 jardas a 60 rs.
la para bordar a 5*000 libra, leaaes a imitacac
de sndalo a USGO, lamparina3 a 600 rs. a duzi i.
caixas com papel amiade a 600 rs. ditas com di
to superior a 700 r., envelopes a 400 rs. o cen-
ia, batinas nacionaes para hemem a 4*500, foco;
para criangas a 1*800, agnibas fraceas a iflir
o papel, sabonetes de alc.atro a 300 rs. vp*^
ruijof fraseos com sndalo a t*000, ditos coa
oleo pbilocome 800 e t*000, dos com dito ba-
i.... oao i.-, dtus oom d|ua ia culogne a zW
e 400 rs. pegas de gaioes branco para nfeites de
v3tid03 de erranga, a 400 ? 500 rs., massos com
' pecas de tranga branca a 240 n ilos com
s de cores a 330 e 400 rs., duiias de phjspho
roa seguraoga a 240 rs. e a grosa a 2*400, e ou-
tros muitos artigos, que para nao tornarmo-no?
enfadcnbos deixamcs de mencionar, os qaaes mo-
dera-se baratos nara acabar.
ra. do Qa.-imado,
Silva & C.
loja
Engouho S. Matheus.
Viaiil^-ic mu enjfiho d'.^ua. m.iente e corrente
com muitas boas obras, meia legua distante da vis
forrea, esacao de Gamelleira, pelo mdico prego
de 16:0003000", didheiro- vista. Tamben, vnde-
se dando 6.0005000 vista e dee drridido em
cinco pagamentos annuaes, sendo que as lettras
descontada* a 1 /ao mez, produzaaa os dez contos
de i's : a tratar a ra do Livranaeato n. 19, 1.*
andar.
Vndese na rua do Imperador n. 20 um
mpleque criolo, de T8 para 19 annos, fina rTjram,
sanio, com os offlcios de T nsircineiro.
I-i........i i"> i m "i'iy III ii i'> ^
dhegnem i|iunrt antes!!
A
I s
*iii.'WI#H
lhiaoB bap:1! esirpestres, da utti
pifa.sennora. <6 na rua do Duque de
(if Auloja da i -quina, de Bento da Silva
1 Allga-se una escrava para tuda. o...
ujjtasa de familia : trataras rft
dfMMH' anilfMilL.d.) entapa lo
jifiHr ao arco de Sain>Anto
------------------------ip*-
Aaural, Xabuco 4 C. avisara a rapaxeada rar-
na vlese >e aos habitantes do Cabo, Apipi
[guarassd, Casa-Porte, Limoeiro, Afogados, Goyan
na, Santo Aflfia, Nazareth, Vanea, Olinda, M>-
tocolonibo e aos df-mais amantes do carnaval que
Mteberam um eoniplelo sortimento de mascaras
de papelao, sera, seda e rame, para qualquer
carcter ; e franjas, trancas douradas o pratea-
ds. cabelleiras, lanrejoulas, voltas etc. Vendna-
se 00 azar Victor. rua do Bario da Viet.ria
BAZAR VICTORIA.
Amaral, Naburo iS C. aealiam de receber da
Europa pelo ultimo vapor o segainte, e convid m
i* Exai.is. senhoras a virem ver:
'Rifas chapeliuas para visita, de palha, feipro,
velludo c seda, a Rabagares Mantpensier, ultima
nmda.
ChiMos de pnlha para passoio.
nfeites de seda, de cores e para luto, para ca-
ivia de Sra.
['. istunujs de cambraia para Sra., contend i ves-
tido, chapeo de cabrea e de sol, tudo da mesma
Ci7 "ida e de iguaes nfeites.
i] Mea de vestidos de la e seda, de cambraia
bu .lados agiiiha, pintados e estampados, e de
buisias de cores.
;iegaotes guarnieocs de cores para senhura,
c.ortH'iido 1 par de brinco*. 1 allinete. "i palceiras,
1 diadema o un,i borlioleta para cabello.
LfHfues de nuidreferola. branco e queimadu cor
de rosa, laranja etc. etc. lisos e bordados.
Loques de marfim, lisos, bordados e com seda,
Leqnes de tartaruga.
I.pques de madeira. tVsso etc. Me.
Vontlem-se ao Barar Victoria, ruaflo Barae da
Vidoria n. 2.
J
O bomem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
0 bomem doente toma Hesperidioa para obter
SAUDE

.
0 bomem dbil toma Hesperidioa para obter
N03 bailes as doozellas e os mocos tomam a Hesperidina par obter boa-cor e
ABimac.20 durante os loocos gyros da
BARR9S JNIOR C, roa do Vigario Tenorio n. 7, T apdfir, rectb,erm,est
grande especifico, e vendem-oo nos depsitos seguintes:
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Itaperatriz.
Zeferioo Carneifo, roa do Commercio.
Marcelino Jos, Gopcalves da Fonle, roa da Cadeia n. ?,
Antonio Gomes Pires A ("]., roa da Caileia.
Amonio Gomes Kres V C, caes 22 de Novembro.
Gomes Irm3o hotel da Passajjem. ____

NOVIDADES E
EM
FAZENDAS FINAS E ROPAS FEITAS
NA OFFICINA
LOJA DOPAPAGAIO
Tendo por mestre Mr. Charles Laurent
BA DA IMPERATBIZ N. 40
Mendes & Carvalbo scientiGcam ao respeitavel publico, qoe acabara de recebe/ oa
completo sortimento de fazendas finas de todas as qualidades, tanto de 13a como de.,
nbo, seda e algodlo, o qoe ha de mais modernoe do melbor g09to, e portante con*'
dam as Exmas. familias amigas da economa do mastica, a virem oo maodarem na LOJ
DO PAPAGAIO, e verSo qce compram fazendas bonitas e baratas por menos pre.co qv
jamis omprarSo.
COMO SEJAM:
Granadinas de seda de orna s cor, lar- Cbitas fraceas de todas ae qoalidad?
gas a 1^600. | de 320 ps, at os cretones de 560 r. o : Poupelinas sarjadas deforta cor boa lar-: vado,
gora, a I(200ocovado. | Cortes de cas?a braceos bordados cqb
Alpacao de cores com listras de seda para babad s de seda de cor, e branco, e oqtr'f
eofeite, a 800 rs. o covado. bordados com listras.
Lazinhas de cores, em grande qoantida- PARA LUTO.
uuiums.
Vende-.'e balancea decimas UDlo pequfn
como gandes : n roa do Imperador n. 20.
i
S'd\rm ToflcIBlW mfn e *qmro
a.fWO r%. a IkvW(: no armazem da Tafo
(rftaTs 8 C.,'ni do Aroorira n. 37.
lll [il lili i'II J :. .wti..i aiiiiaju
Ll I I I
il i'ijifi'
i VIA *nt,. hmio barato : na
m *-lt* Bdar, ia** d >bailfti-
ri.k
Ka?^ne
de primeira qualidadV, marta Deves, vendem
Pawif 6 naatta Irmo?, rua do Marqat* le
Olinda n. 21, l* andar.
<*.*
*'
4* Mmh
jv'eac-se:(ay$Wa.
aie tica entre o^atj
aflsembargador Doria, com casa de
rentes arvoredo?, grande baixa de capim, etc.,
dando os fundos para a estrada dos trilhos urba-
nos ao p da estl* Ua Jqeira : a tratar na
rua do Amoriin Ir 57*
Frniade mantlit*eaa Z& o
SJXCCO
*> >***'
t^@ot -rt-
r-it-
Vrtteae verdadeiro flwttteiwl oa fcarrieas de
13 arrobas : noarmazem IT. STrra rua du Vmo-
rUn.

M
enuerh-se na pharmacia e drogaria de Rdr-
Vholomow dfr C, rua larga dosario o llu. 24.
Muita atteiigfek
Vinho :'e uva pmraida illja de. Migu I ; as-
im como peixe de'-awer a rfalidades em tar-
Qtfein Miranda dt C, rua do
ttVH, venda.
.a: fi^se'wBji'etocozlnheire:'mareolas
de, de 32Q a 500 rs. o covado,
Cachenez francezes para senhoras e me-
ninas, a 30OO.
Cretones francezes para coberta9, cor fixa,
800 rs. o covado.
Alpacas lisas e lavradas, de core moder-
na, de 500 a 800 rs. o covado.
C' bertas de fosto de 13 e de outras
qualidades, brancas e de cores.
Poopelinas de sedar de flor e de qoadro
800o covado.
Pecas de cambraia bordada para cortinado
com 25 varas.
Ditas de cambraia adamascada cem 20 va-,
ras, a 125000.
Saias bordadas muito finas de 4 e 5 pan-
nos.
Baloe lie chita e de cambraia a 25000.
Nansouks e baplistas com listras para en-
eitar.
Diversas qoalidades de Iaasinbas e alpa-
ca em retalnos^ para todos os precos.
Bramantes de linbo para lences, de 2^200
at 40000.
Dito de algodao maito largo a 1800 a
vara.
AJgod.3o U;go para lences, a IiJOOO a
vara.
Atoalhado adamascado de. ikiao e algo-
dio.
Espaftilbosjde nbo finos, de 3*000 par
cima.
Veos de fil de seda preto a 8,0000.
Merinos para vestidos, bombaziqa, ck>
tito, alpacas, !aa:nbas, crep, cassas e cb.
tas, tudo em qaaDtidade, e para divera..-
precos.
Grosdeoaples pretos, de 1#600, 2400
25500 at 55000.
Seda preta com listras assetinadas par*
Chapaos de sol de seda para meninas. .
4500, 8 forados.
Oitos para bomtmde lO^OCO al 205000.
Ditos de alpacas e core preto, para d.
versos precos.
Tapetes avelludado desde oa mai pf-
qoenos at os maiores.
Damasco carmezim para colchas, o me-
lbor.
Pacaos de croch para caceiras o-
pbs.
Cambraia victorias de todo os runa
ro.
Ditas transparentes inglezis e strissas, aa>
a largara de t^riatana.
Fil dp linbo e de seda, braoco e prt'.u
Uso, da salpico de flra*. "
Camisas bordadas para senbora, da d>
versos precos.
Meias para 9enbora di aaii's,! inferiora
at as mais saperiorea qoe tees aovara
cido.
PAM HOME^ 5. MITOSr
N^te esiabelecimento sa monjoa Vfa/,
800 rs. o covaao.
Madapoloes ingleies e francezes de 55000
c a
il"'^")."^3 Cm listras d* seda, a offi^ e^o7qae7bomem qwloBr m
tir com. gosto, achar moita vrtdada
camisas de coi*3, pawic finos e cas^m ra*
o melbof qoe ba oa mrcade, resal fets
em quan.i^e, assim pona carai
cezas e ingleza?, lisas e bordadas
de I nbo e e. ajpoo3p, meias. collarinhos em
glande/flQa^idjid, gravatas de tod^. p
(sitios, eiuiat de meia, em saanmi aacj)
tra de todo que p ecisar pira vtstjr
gosJou**WActt
Algodiojinho de todas aamarcaj* di ver
sos precos.
Birges com aua de seda, a 500 rs. o
covado.
Orneas fraseen* de cores flxa e lizas
com barras, os padroes mais bonitos qne se
teem vista.
FfiMRCEJIrSIS, AS AMOSTRAS A fflVtA Al
FI\EGliKZA$ DA
renp fem
Bitaj (rao
i, Tero.oli
os xiwm As
un i y 'mu i uji u i <''' i
>l I.'!'I
I" i|l O I
Boa acquiai^.
*(*od9t de do Herval ns. 81 e 89 : tratar na. rua 4
Senzata Verba n. 106.
,,'-, '
vr
Vended dttas fesa frreas edificadas de
ntwoaaruade S.- Solo rageaia de S. JBr,n9.
Tlfi.: listar nw de Pedro Atonso, sabra-
Sbftrla
(VaniH*;
A melhor bolachtt* 'at k>'
ptn cha, como *ar qUb
teriaie-CasapN. nwiwftnpe
cbei4afeaa>

t
jT
X


\
P
Diario de Pernambuco Quinta feira 23 de Janeiro de 1873.

=

ALTA MOAIDAIIE
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOS DE AZEVEBIO
Ra do Barao da Victoria n, 11, armasem, e 12 1. anar, antig ra Nova
aonie.o pitbico em geral encontr,\sempre o maior e mais esplendido sortimento deptauas de
Pianos, msicas e instrumentos do msicas para banda militar
e orchestra.
A< aba de abrir do primeiro andar do sobrada n. 12 confronte
botica Usarer, nm grande sa o ODde esto expostos os magnficos
|t M. A jM "S de 8rmar: ---------de meia canda, do mesmo autcr.
--------- de H. Henri.
e Amedf Tnihout.
nico agente nesta cidade, do ceierre afamados
PIANOS DE AUCHER FOES
remiados em diversas expoi.os* om 14 medalhas de onro prata.
Sao os onicos pianos qne aqai vem da Earopa, pereitamente afina-
dos, eito com elegan :ia e solider.
Olga Marutka.
La Sparacinni P^ra canto.
A Lut elctrica, grande Walsa.
Franco Brasilero Polka.
Tomada 4* Vllela G'lope.
Joaninha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Primeira espada Wal-a.
A Minha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Stodiente Po ka.
Ultimas publicares
Peitas as offleraas de mnsicas
do annuneiante.
Emilia, polka por I. Smoltz.
Cireaciaoa, >chotcb, por Smoltz.
Jardim do Campo das Prkezas,
quadrilha, por J. Popne.
Chava Je Rosas, Walsa, por H. AJ-
btrlani.
D'aeui emjdianle continuar a annnnciar todas as publicacoes que se forem friendo as snas officinas de rousici*.
GR4NDF, UQUIDA(A0 DE CHAPEOS
Para acabar al o lim do inez
RA DO MRQUEZ DE OLINDA
Ol'TR'ORA
Cadeia do Recife n. 53
Tendo o novo proprietario de mudar os arligos desle estabelecimento, desejando 1-
juidar at 10 fim dcste mez, tora resolvido vender por preros muito commodos com o fin
e apurar dinheiro o liquidar vista, pelo que convida aos Illms. &r. chefes de familia
a virem sortirem-se, pois a occasio opporltina, e encontrando um completo sortimento
.de chapeos.
Chapeos de palha de Italia para senhoras e meninas, com onfeites e sem olles.
Chapeos de velludo com enfeitos. Gorros de velludo com enfeites. Chapos de palha
v? differentes qualidades, enlutados, para senhoras e meninas. Chapeos de palha de Ita-'
i, enfermados, para montana de campo. Chapeos de palha para horaens e meninos, de
differentes qualidades Chapeos de feltro para homem. Chapos de massa pretos edo'
ores, para horaens. Chapos do la para homem e menino. Chapos altos de pello de soda
;ara hemeni.
Bonets de differentes qualidades, tanto de seda, como de palha de Italia, panno, case-
"lira e alpaca, tanto para homem como para menino.
Gorros de seda, velludo, la, tanto para homem como para menino.
E muitos outros artigos que s com a vista podero ser examinados, afianea-se que
oengeita-se dinheiro. t
' BOU LARGA 00
foja do Viaima
Cdniprou em teflio grnete quantklade de fazen-
guir o systema de ganhar pouco e vender depressa;
quera le comprar ter eertesa que compra por
pouco maia do melade do que so vende em qual-
quer outra liarte. E' preciso vir ver depressa
porque i'-aba-so logo, como sempre lhe aeonlece
mundo tan peehinchas como agora.
Blldea com arquinlios para Senhoras, de 44 a 14-
Chitas escuras e claras, de 400 a 210
Ditas perealias muito firas, de 480 a 320.
Cassas de florea e de listras, de 800 a 460.
Ditas miudinhas, de Co a 240.
Pessas de madapolao lino, de 9/ a lOoO.
Ditas de dito de 8 4 a .'SOOO.
Ditas de dito de 74 a i000.
Ditas de algodxo, de 64 a iOOO.
Meia casemira de 34 a 15600.
Algodao americano de listras, de 520 a .'120.
Pessas de esguio muito lino de 284 a 204.
CALCADOS
Borzeguins de cnnno*baixo para Seniora a 44300.
Ditos de dito alto para senhoras a o.
GRANDE PECHINCHA
Borzeguins francezes para horaens, de becerro,
cordavo, e gaspiado, com botes de 124 a 144, e
de 84 c 9#.
Grande sortimento de todas as melhoros qnali-
dades d* calcados para horaens, senhoras, meni-
nos : menina*5. Tudo vende barato.
NOS HOSPlfAES DE PARIZ AS AMBULANCIAS
FRANCEZ E NA MAR1NHA REAL INGLEZA
O problema resolvido por H> Rigoiaot com o mais felia resultado na composicao desta
A papel foi conservar a mostarda todas as suas propredades, obtendo em poneos instante*,
> e con facilidade um (ffeito decisivo com a menor qantidade possivel
?c medicamentos. (A louchardatAnnuaire de tMrapevtiquei de 86S
Eiiptr a asriinatora ao lado, por que ha falcifieadorea,
PARS, Ru VitiUt-tu-Tmple, 20.
em poneos msianiej
Vende-s di pharmacia de a*er A-C, ra Nova n. 25.
Engenho Bm Xome, sito na
freguezia de Gamclleira, 2
leguas distante da estarn
do Ribeiraoi
Vende-se com 8 esclavos, 16 bois de carrosa, 2
can os forrados e i quartos por 60:000*000 a di-
nheiro com 30:0005 prazo; ou alias dase por
30:0004 vista. O dito engenho oflerece a vanta-
gem de ser bom e moer com agua. EsUi montado
com destilla^ao estufa, assentamento de rtame,
casa de bagaco. 4 sitios de lavrador com casas de
telha; safreja dous rail paes por anno, como agora
se est safrejando e com puca forca : quera o
pretender dirija-se ao mesnio engenho, que l en-
contrar o dono.____________________________
Vende-se una arinacao por porfo preco,
propria para qualquer negocio, e garante-se as
chaves ao comprador : a tratar na ra Direita
n. 47.
V.'l
MEURQN&C
M. V W tS A. MI
T?
Tamhe.Ti receben rande sortimento de mnMcas p?ra piano, piano e
:anto e entre eai as lindas eomposigo.'-s do mciu fympathico maes.ro
f. $.* vri\i
A SABER
Voc me quer Walsa.
aos compradores do bem conhecido e acre litado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e neme diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o noms de MEURON & 0., e a desig-
napo de REA PRETA.
MW
'i-A
MEURON ft C.
Para asnoivas
SPrliquissim.s veos de blond, capellas de cera, le
qiies de madreperola e me.as de seda, Indo espe-
cial novidade e a melbor fazenda que tem vindo a
este mercado.
Perfumaras
Neste artigo nao precisa dar expheaeoes, basta
diier te rs fabrieaule?J lin Gosneill, Condray,
Lubis, Rimel e Lojrrand; estas psrfumariag desta
vez vieran! ero vasos de roodellos novos, e qne
pela sua elegancia se tornan; proprtoe para nm
lindo preente.
Trancas e franjas de eeda
braaca.
Desta vez o sortimento veio magnifico, (azenfa
mnito boa, modvfros noves e de todas as largaras.
Bouecas de borracha
P*'tas bonecas veio pequea porclo e de diver-
i nanbos.
Luxo e bom gosto
Para enriquecer e aformosear ama sala vieram
lindos jarros e jardineiras de porcelana mnito fina
e de bonitos mcdellos inteiramente novos, com
lindos dosenhos e donrados; atsim como urna es-
pesialidade em paones de cbrocbet para sof e
cadeiras.
DO
Qual?
Diademas

Lindos e do modellos ntrros, veio cod?8 muito
boa.
Quem davidar venha ver
Decedidazeote a Magnolia roa Dujue de Ca-
sias n. 45, convencer aos sens amigos c fregu-
zes, de sua especialidade em correspondentes, na
parte mais elegante d) mondo ; agora memo o
ultimo vapor ebegado da Europa irouxe nma par-
te de anas encommendas para o lempo de festa,
constando do seguinte:
Para o bello sexo
Lmdissimos brincos, alflnetes, ernzes, pulseiras
e cazoletas de tartaruga bordadas a ouro, assim
como bonitos grampos com perolas e outras pa-
ira para a eabeca : a Magnolia solicita do bello
sexo, qne prima sempre no chique e na moda, que
venha ver e___
O moco eb.qn) e da moda que nao apreciar
urna linda gnarnlco de marOm, madreperola, onro
e plaqoet, cousa hodissima e de molde especial e
nunca vindo aqu; mnito bona chapeos de sol com
cabo de marfim e bengalas mitacaj de unicornio
com cab de madreperola, por ceno nenhnm dei-
xari de vir loja da Magnolia roa Duqne de
Caxias n. 45, escolhef qualquer desles objectos :
nao e caro I_____________________^_______
FogOcs economieos
Nova qualidade de fognes para cozinhar, os
quaes conten ein si fornos para assados.e cald'eira
para agua, de diversos lamadlos, os quaes se
tornam recomtuon-lados pela sua boa qualidade e
i-iande economa ; assim cuino os j.i conhecidos
finios francees, fogareiros para aqtientar ferros
rom muita brevkl.nie, guarda-comida, ferros para
alfaiate e chapelleiro : tudo na ra do Bario da
Victoria n. 37. outr'ora roa Nova, leja de ferra-
gen-. de Soiiza & Giiimar.aes.
Aliento.
Na roa de S. Francisco n. 70, vende-so aceite
tlv peixe a .'14300 a caada, e a 500 rs. a garrafa
vinlio xerez de li anuos a 24 a garrafa.
Borracha para limas.
Vendc-se borracha para limas, chegada hontem I
no vapor americano Ihttww, por menos 12 por'
centop -rque so vende era outra qualquer parte : !
na ra Nova u. 61, e no pateo do Carino n. 3,
pnarmacia.______ i
AntonioFerreirade Oliveira Maia tem par.^ s' "
der em seu estabelecimento ra da SeiwMla-nova
n. 1, chinellas para homen8 esenlio e sapatos de tranca para os mesmos, borracha
para limas, tudo di> stanerior qualidade a for pre-
Cocommodo por ter vindo de sua conta propria.
Diademas e aderecos de ma-
dreperola.
A lija da Aguia branca ra do Duque de
Casias n. 50, recebeu urna pequea porco C<
diademas c aderecos de madreperola, obras de
apurado gusto.
Insignias masnicas.
Araaral, Nabncn & C. vendem insignias maro-
meas de diversos graos : no Bazar \ ictoria, ra
do Barao da Victoria n. 2.
Cldeiras oraionaa-eom a.-sefko ce ^iuwtia
04000 cada nma n cae.< do Apello. aru.a-
icn de Tasso Irmo? 4 C
Calcado barato.
Botona* BMBtaiM para senlwra 44f"0
Ditas para hornera 8*0*r1
Sapatos de cordavo S4110O
Brodeguins de bezerro para menina 14000
Ditos t\o rano ideni 24fttH|
Na piara.da independencia
H. 13 e la. aoj do Arantes.
Vende-se tuna boa varea de leite. da pri-
nioira barriga : na ra do Colovello n. 25.
Para o carnaval.
Na ra das Trincheiras n. 11, loja do cingaei-
ro, vende-se franjas e enfcites donrados e fn\a~
dos para vestuarios de mascaras.

56
a
-
DOS PREMIOS DA * ' PARTE DAS LOTERAS CC NCEDI )AP0R .El PI OVINCIA U N. 8 28, A BK REHU [) A 1G HKJ\ JE SAiNll ; AMArHJ J L SB KlNHA t, iXI rlAlU A EM 2 i DE J ANEIRO DE 18/ 3.
m. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. 'NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PhEMS. NS. PERMS NS. PREMS. NS. PREMS. i.NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS NS. PREMS. NS. PREMS. JSS. IKEMS. NS IREMS.
7 H 230 m i"8 0(5 646 81 823 6.9 1035 8| 1238 U 1419 6f I63 1? 4785 W 2000 64 2137 64 2341 64 2483 64 2655 64 2812 ~~ C%~ -
50 __ 31 80 105 56 __ 27 45 46 20 70 92 4 mM 43 43 85 __ 59 13 __
',:> lO :ii 83 6* 65 __ 29 1 47 / 49 M_ 21 73 95 7 804 5C .44 89 73 li -.
^5* 28 64 36 87 70 _ 32 58 ^^ 51 lO 24 77 96 1 10 64 59 45 94 74 - 17
0 M 88 72 34 104 59 v4^ M 8| 31 79 . 97 . 12 ^mm 65 49 99 75 31
46 _ 65 __ 98 80 _ 43 t 60 62 32 93 1811 13 1 67 50 2500 80 33 -
50 O 70 501 85 46 69 _ 63 __ 36 1603 14 17 MM 72 67 3 89 35 404
80 u ir> 5 86 60 405 71 68 38 5 19 -r- 18 76 72 9 95 39 4
81 ... 89 20 87 68 U 77 -^^ 72 ... 41 9 20 19 "^^ 77 76 13 96 44
87 .* 97 26 91 75 83 . ^^^ 91 57 10 35 20 f?* 80 81 MI 14 2703~ 49
89 MM 311 30 - 95 m 76 89 _ 96 58 . 18 *(5 43 22 ^^ 2200 84 64 33 6 52 4
03 ._ 21 34 97 ^^ 92 - 94 __ 99 _^ 62 tm 28 103! 47 --- 28 * i ~~J 87 39 . 7 65 84
07 M. 33 48 700 ^M 95 1 96 A 1302 _ 63 u 20 81 50 OA 29 , 5 NHJ 91 53 9 73
99 38 49 900 98 u 7 68 30 57 64 31 ^^^ 13 64 94 5S 14 804 78
1 63 40 55 - 4 __ 12 H05 11 70 31 58 32 ** 20 98 59 17 64 82
5 , 48 56 - 7 __ 30 10 __ 12 71 32 72 35 4 ' 21 2400 60 22 , 83
rr 9 ^_^ 51 ^.^ 58 13 IVVV 33 ~ 22 _ 18 _ ' 74 __ 33 73 36 23 mmm 3 65 ,25 88
20 5 55 6 61 M 17 23 34 H 42 1 36 38 * 20 30 75 83 4VW 41 6fJ ** - 74 78 *J m 38 42 t04 64 30 31 11 12 ^_ 72 74 30 36 *i 97 2902 z
f 33 _ 61 __ ' 77 - 30 _ 49 : ; 46 _ 33 _ 84 __ 51 _ 88 49 ' .47 ' - 16 77 37 9 ,
37 63- _ 78 41 -M 50 47 _ 43 _ 89 62 _j 94 5:00* 50 . 49 5fl 17 78 42 O
45 |4| 69 - . 84 42 _ 52 -r t 1 48 m^m 44 96 7o < 1900 io,5( 59 5v . 21 95 1 45 18
57 70 _ 86 * 47 53 50. t^mm 49 1503 82 r- 12 6,> 6 1 U ' '.j-u" 22 2607 48 24 -
59 7 / 90 1005 52 88 57 __. 52 11 84 . ]LL *S 2 i^W 58 1 l"fl 23 15 52 4 28 -
63 _ ni ,m^ 91 6 54 --- 63 = 73 w^^ 57 12 dat 86 __ ft ! 8+ 1 81 1 24 1 ~ 17 58 6A , 40 804
' 65 __ n __ , 95 64 . 69 > -r '1 , SB 13 "87 -iwui 45 85 1 "73 26 ' 20 4 60 41 m
69 1 402 ni 98 fifi .^> 1 IB 83 oa| ; 3 15 * 99 M . H 81b* ". 87 9f 28 22 64 64 49
77 7 m 01 70 _ 75 1 84 M 66- Hl 18 n8| 1716 ,tM w H I>98; . ySI 1 30 w 25 . 71 53 >?
) 89 SOOd 15 4. 13 - 1 73 '84 i- 91 >.m -*? 20 _ 36 uv "88 Li 04 . 1 -m J_ 1 34 H- '29. ! 72" *ii 55
i 90 97 M 38 M * 26 1 75 80 - '5 -86 -r f .99! 4202' 1 71 74 - $5 29 7 39 40 70 75 "" \ te 99 o-i 2302 -r 33 37 . i *8 a 44 .as - 81 1005 OA K, 1 ! 81 ^ U 43 --- 80 . TTJ 2ro3 44 *? . 4 32 ^ 1 84 79
99 206 .46 47 30 -> 3* - 8 88 Mi, ' 7 -# 14 13 16 a 8 94 tada 40 -43 62 - 84 *-* 14 10 : 44 *-. "1* _ 2 55 %9 88 39 86 88 79 8 ^^
4 -88 .jlJ
14 MI Kl HMH 96 --- !5 - . 23' U03. x- 45 n 59 91 1 >if| 18 -,m - T 40 _.- 2800 w# 94 $
16 _ 56 n- 38 800 i& *- 31 ^^^ 9 50 76 92 28 id n 78 - ;i 1 *. 3 64 98
[* .19 ,_ 6i --- 42 8 22 33, -J 16 87 82 95 1 38 -* 33 81 - 48 4 300O
1 l 25 * ," r 44 j^gi 1 ... ^ 4* m 37: H 58 - -- - 1 .


Diario de Pernambuco Quieta feira 23 de Janeiro de 1873.
ASSETOEA GERAL
CASABA DOS DEPUTADOS.
Procede-so vatagao do parecer da 1.*
commisso de inaierito, recouheceado do-
putade pelo 1." Jistricto da provincia de
Pernambuco o Sr .^Antonio Joaquim de Mo-
raes o Silva.
O Su. Martinh Campos pela ordem):
Sr. presidente, cu ni auanho ova levantar
urna questodeonjfom ein elago a eleico
de Pernambuco; M que os-nobles minis-
tros e a sua gazet i levam a mal que un ho-
mem p >ssa aqui s e nicamente dizer o que
pensa e o que desoja y e oa< bom pru-
dente estar-se sempre em divergencia cornos
poderosos, mesmo para se ter alguiu a inde-
pendencia posioal-cumpre r.o estar sempre
em lula com todos.
Pego, pois, desculpa aos cobres ministros
e especialmente i maioria da cmara. Nao
espirito de partido que me leva a reclamar,
sao questes de justica, ue direito e do cr-
dito do parlamento ; sao questes de orga-
nisago parlamentar, que nao tm nada com
os partidos; nem interesse algum eu tenho
aellas, basta ver o numero de liberaos que
se sentam nesta cmara ; ao contrario, como
partidario, poderla desojar que a veriticago
de poderes loase l mais irregular e viciosa, e
queas queivasde mou partido se justiticas-
sem pelo procedimeuto da cmara na veri-
licgo de poderes, de sortc que o testemu-
nbo de meu partido, testonuinho di corn
na falla do throno, fo>e corroborado
pela vorilicaco dos poderes dos mem-
bros desta cmara, liste era o meu in-
teresse, como ho.vem do pa tido.
Mas cima deste interesse eu jionlio a rc-
gulari ladedostrabalhosdesta cmara.
Sr. presidente, o parecer que vamos votar
hoje nao parecer ; porque realmente nao
ha parecer.
A> commissot':: de inquerito sao compos-
tasde nove membros ueste parecer, nao est
asignado uinjdous doran; votoem separa-
do ; dous assignaram com restrieces ; por-
tadlo, sao quatro que rejei am o parecer da
1 Mii'iiissao, que apenas est. assignado por
tres membros. Nao ha, pois, parecer da
maioria da comin'sso.
Agora, pergunto qual o voto em sepa-
rado e (piaes sao as restr. ecos dos dous
membros que assim assignaram ? E digo ;
qnal o voto em separado o quaes as restrie-
ges daquellesdous membros; porque, com
toda a corteza, e-pero que os dous illustres
membros que assignaram com restrieces
correspondern! misso que o regiment
|fc&6 den.
Is ronomisss sao triLunaos instituido
pelo regiment jwtra julga "cni. das eleigSe
por isso tem para com a emura deveres sa-
grados de em sua consciencia nos informa-
em Cde.
Appollo com toda a con langa para esses
dous illustres raembros, o pergunto a Ss.
I.x s. se prostarsm cmara o servico que
ella tinha direito de exigir, e que Ibes foi
incumbido polo regiment,
Ha redaego do parocor nao consta o voto
desses nobres depulados, apenas consta de
sua< assignaturas que oizuram com restric-
res. Sobre que tonto sao essas restrie-
ges ? Sobro parochia, sobre collegio, ou
sobre a doneidade dos deputados ou dos
eleitores ? Nada sabemos.
'.hamo, pois, aatteneo da cmara para
esto ponto importante, porque nao existe
parecer de commisso ; especialmente o no-
bre ministro do imperio o mais iuteressa-
do nesta eleico.
OSr. Ministro do Imperio d um par-
te.
O Sr. Martimio Campo* : Perde-me ;
0 nobre ministro sabe que em relago sua
pes'oa nao ten! o seno sympatliia, toda a
esbmae respeito ; espero que S. Exc hade
reergiier cssos bneos da deputacao pemam-
bunana, que di?. virsempr> nesta casa repre-
senUro mnis brilbante papel, polo carcter
e illustreioda; seus membros. Esloucer-
to .|!-' S.'Kxc. lem todas as qualidades para,
1 :ochefe, reergucr a depulago pertfam-
bucana, o que indispensavel para a politica
do imperio._ne.-ta casa.
Digo que o nobre ministro tem mais que
ninguem interesse na questo desta eleigo,
porque a responsabilacle fica toda para
S. Tac.
0 Sr. Ministro. >o Imperio :A que me
ce npetireu aceito. "
0 S. Martinh Campos ; Com justiga
ousem ella, sediz atqueesta umaques-
tio de gabinete.
Vozes : Oh !
O Sr. Ministr do Imperio : ^aOj s-
nhor
OBr. 9ivf.ir Maitins : E' o que
consta. f<
0 Su. Martimio Campos : Eu repito
muito de proposito este boato, porque espero
vii-l desmentido por V. Exc.
Sr, presidente, os ministros nao podem
ntervir em- vericac3o de poderes, ou nio
ha veriucacoTTe poderes elei^o mais.
O Su. Paulino nFSouzAEOUTROsSENHO-
res:Apoiado.
Sr. Sii.veira Martiss :lsto questo
de iustica.
0 Sr. Martinh Campos : Como disse,
nao ha parecer de commissfto, e se acredi-
tarmos que questo de gabinete, impos-
siyel que as restrieces de voto nao sejam
declaradas.
Um dos membros da commisso que assig-
nou com restrieces 6 o Ilustre, director ge-
ral da secretario do imperio, isto o presi-
dente di com.nisso, e mais que isso, o
presidente geral das eleices do imperto (hi-
0 S*. M*RTWHo CAMPO84Nio termo du-
vida em redigir orequerimento como V. Exc.
ayaou.
Vem mesa, lidq, apoiado e posto em
disMKio o
tinftfara
POLHETIM-
k
PELO
VISCONDE PONSON OU TEBRAIL.
PRIMEIBA PARTE
O 'UNlcllo dh eaeuloiM'* iio^ton
(Continuaco do n. 16).
XVII
Se o Sr. de Nossac nem sempre podia do-
minar um primeiro movimento de terror, ao
menos familiarisava-se fcilmente com esse
terror.
Conservou-se durante 1 m segundo encos-
tado sem forjas ao tronco do cypreste, mas
torhou a siquasiimmediatamento, e fazendo
um violento osforco voltou beira do tmulo
e abaixou-se de novo.
Dessa vez tev a coragem-de pegar n'uma
ponta do sudario, de o levantar a moio e de
ob= ,'rvar attentamente o rosto da morta.
Esse rosto eslava paludo, immovel como
um "erdadeiro rosto de morta que era ;
nonhutn msculo estremeiia, nenhuma mys-
terijsa luctuaQ.o de sangue pareca ter lu-
gar as veas azues e incbadas que corriam
em zig-zags caprichosos, debaiio da sua
pollo transparente e fina.
0 Sr. Jde Nossac contemplou-a durante
muito tempo; depois, ajcelhando, estendeu
o brajo c tocou no rosto da morta com a
m8o.
Esse rosto eslava fro como a mo que a
mora tinha poasado na sua, dous djas an-
tes, como o beijo que lhe tinha dado'na noite
precedente.
0 baro,'affoutaado-se cada vez mais, pe-
g;u ento na sua espada e com a ponta pi-
cou ligeiramente o seio c.o cadver; delle
sahio immediatamente urn sangue rosado,
fresco, transparente, quo se estendeu em
as finas sobre o sudario e manchu de
tci T.olho a sua deslumbrtute brancura.
4 morta nSo se moveu e o sangue conti-
nuoa a correr Fagarosamonte.
Ento o Sr. de Nossac, bem convencido
de que nao pocia ser ludibrio d'uma come-
dia, que ora bem rea.lniea urna, morta que
querimento do Sr. Mar-
1BQERQIE:Sr.
zo de ser no requeri-
e por isso vote contra
laridade), cuja cliuve o ministerio do im-
perio.
O Sr. Araijo Ges :--Menos da provin-
cia de Minis.
O Sr. Martimio Campos :Da provincia
de Minas, de to la a parte, e at do meu
districto! (Hilaridade.j
O nobre relator da commisso, a cujo ca-
rcter, independencia e integridade eu ren-
do inteira justica, causou-me surpresa pela
sua asignatura. Eu conhceo o nobre de-
putado, j o conbeci director geral da secre-
taria do imperio, eo tenho visto aqui apoiar
ministerios do son partido e fazer opposi^o
desabrida e systematica a ministerios do par-
tido contrario ao seu.
Sei, portento, que nao sao razos dessa
ordem que o impediram de declarar seu
voto.
Ve o nobre ministro do imperio que estou
fazendo um servico a S. Exc. e ao minis-
terio. >
Os nobres deputados pelo Para c por um
districto de Ninas-Genes, que assignaram
com restrieces, podem convencer-nossecom
elfeito ha ou nao parecer.
Se o voto desses illustres deputados fr
apoiando o voto separado, decididamente
nao ha parecer, porque o que ha apenas
de tres assignaturas.
L'ma Voz :E* de quatro.
OSr. Martimio Campos:Eu vejo assig-
nados os Srs. Almcida e Albuquerque, Cam-
pos de MeJeirose... Joo Manool e Cunha
I.eito. Ah! eu pensava que estes dous
eram uro itome s (liilaridade.; Equivo-
quei-me.
Esto assignados com restrieces os Srs.
Fausto de Aguiar e Pereira dos Santos.
Anda mesmo com as quatro assignatu-
ras do parecer} se estes senhores se confor-
maran com o voto em separado, eu entendo
que nao existe parecer; por isso, julgo que
sao obrigados a dizer quaes sao as suas res-
trieces 'apoiados; : conforme fr a sua de-
claraco que saberemos se ha parecer de
commisso. Por agora nao sei o que va-
mos votar. Apoiados.)
O Su. presidente tCouclue por urna
moco'!
O Su. Martimio Campos :Entendo ser
preciso declaracao dos nobres deputados, que
assignaram com restrieces ; mas se V. Exc.
julga que devo concluir por urna moflo, pe-
direi que volte commisso, para dar pa-
recer. Mas depende da decUrago da res-
trieces, poique se estas apoiarum o parecer,
p lo ser que exista parecer, c eu nao quero
que se attribuan s minhas observacos ao
desejo de protelar a verificaco de poderes
da eleicao de PiH'namhuc.
Vero mesa e lulo o seguiute requeri-
ineiitu :
m Requebr que o parecer volte com-
misso juntamente com o voto em separado,
para serea explicada as restrieces com que
assignaram os Sis. conselheiro Fausto e Dr.
Pereira dos Santos.ilurlinho Campos.
0 Su. Presidente :Pela forma por que
se acha redigido o requerimenlo do nobve
deputado, nao pode ser aceito, porque a elle
se oppdo e ar. 8." do nosso regiment.
[U.]
Eu julguei que o nobre deputado baseas-
sc o seu requerimenlo na ignorancia da .res-
trieces.
presidente, nio v
monto que se di
a sua a Desdo qu ha um TOto em separado, e se
verifica que seis membros da commisso
signaram o parecer, dous dos quaes eora rft-
trie<;es, est claro, evidente que estes dous,
membros nao quizeram ligar-se aOs outros
que assignaram o voto em separado, e rele-
va observar que foram assignados njraesina
occasiao tanto o voto em separado como o
parec-, e todos os membros da commisso
tiveram pleno conhecmento de um e outro.
A circumstancia, s por si, de -eqelles
dous membros da commisso nao torem as-
signa lo o voto em separado, deixa ver clara;
monte que elles estavam pela concluso ca-
pital do parecer. (Apoiados.)
Teodo, Sr. presidente, o honrado deputa-
do pela provincia do Para e digno presiden-
te da 1.* commisso de inquerito, na occa-
siao em que votou-se sobre as eleipoes das
parochias que formara o collegio eleitoral de
Pao d'Alho, declarado quevotava pola nulli-
dade da eleica da parochia de NossaSenho-
ra da Gloria de Goit, visto que por esse
motivo figura a sua assignatura no parecer
com a declaraeo que all se nota.
De nenhum modo, porui, pde-se con-
cluir que o seu voto fraem desaccordo com-
pleto s conclusos do parecer.
Nao posso, portanto, comprehcn que, em taes condices, vem o Ilustre de-
putado pola provincia de Minas, autor do re-
querimento, dizer-nos que nao ha parecer de
commisso expresso por maioria de seus
membros, quando alias o parecer est assig-
hado por seis membros.
Se os dous membros da commisaio, que
assignaram o parecer com restrieces, hou-
vessem ass'ignado o voto em separado, ento
poder-se-hia dizer que nao havia um parecer
expressando maioria, e sim dous pareceres
com igual forga; mas assim nao acontece.
E convem notar a circumstancia de que
um dos membros da commisso, o Sr. ^ il-
kens de Mattos, absteve-se de tomar parte na
deciso dessa eleico de Pao d'Alho, de
modo que a commisso contava oito mem-
bros, dous dos quaes apenas divergirn) das
concluses lo parecer e assignaram o voto
em separado.
Em vista do exposto, v V. Exc, Sr. pre-
sidente, e ve a cmara que esto por trra os
1 fundamentos em que se, basca o requerimen-
fto em discusso, que deve ser rejeitado.
A questo muito simples, e por isso jul-
go escusado tomar tempo cmara.
O SR. MARTINH CAMPOS :Sr. presi-
dente, nao quero fazer um tamandu de
ordem.
As razes que o nobre deputado deu nio
sao procedentes. Ainda S. Exc. veio trazer
ao conhecimento da cmara urna circums-
tancia de que eu nio fallei.
Por que nao assignou o Sr Wilkens de
Mattos ?
O Sr. Elias de Albuqubrque :Porque
nao quiz tomar parte na votaijo.
OSr. Martinh Campos:Ha aqui al-
guem que tenha esse direito ? Nio reconhec,o
para nenhum de nos esse direito. Felizmente
para mim nao se deu ainda esse cas es-
pero que nunca se dar, de me absteru. vo-
tar de conformidade com o regiment.
Um Sr. Deputado :Ento o nobre depu-
tado nao admitte qun possa havr motivos
de suspeie,o ?
0 Sr. Martimio Campos :A nossa posi-
co aqui, que muito alta e muito honrosa,
impe deveres que todos nos de vemos cum-
plir, quaesquer que sejam os espinhos. Por
que nao assignou o Sr. Wilkens de Mattos.
Um Sr. Depctado :Elle que responda.
0 Sr. Martinh Campos :Mas ha al-
guem mais interessado do que elle, ha toda
a uacao, ha a cmara, que tem o direito de
esperar da commisso ser esclarecida ampia-
mente e sem restrieces.
O Sr. Wilkerts de Mattos estudou a eleico
e at se disse que tinha parecer feito. Por
que o nao offereceu S. Exc. ?
Pois um hornera na posico do Sr. Wil-
kens de Mattos, deputa*do, ex-presidente da
provincia, pode ser detido por qualquer es-
pecie de coaeco ?
tinha litante de si, e que esse sangue que
elle acaba va de derramar era o seu, que ella
lhe tinha tirado na noite precedente, o Sr.
de Nossac pensou que na prxima noite o
vampiro seria tanto mais exigente quanto
menor seria a quantidade de sangue .que ti-
yesse na veias, e que elle baro de Nossac,
acabara por rnorrer dessa perda continua,
da qnal nao tinha vontade nem for$a de se
preservar.
Assim adoptado pelo seu espirito este ra-
ciocinio, te ve yergonba e pezar do que aca-
bava de fazer, inclinou-se mais urna vez so-
bre o cadver, e pousou um dedo sobre a
ferida, ern quanto procura va um meio de a
fechar.
Esse meio encontrou-o no seu lenijo, que
atou com forra a urna ponta da mortalha, e
que upertou a morta como um cinto.
Quando acabou essa operago quiz levan-
tar-se, mas vio o sangue da morta que lhe
tinha corrido para as mos; teve medo e
eriraram-se-lhe os cabellos.
Pegpu n'uma ponta da mortalha e enchu-
gou esse sangue ; ao puchar a si o sudario,
moveu-se.o cadver e os labios contrahidos
da morta abriram-se e pareceu ao baro
que ella ia fallar e dizer-lne:
s um impio !
Sentio-se ento accornmettido por esse pe-
sadello vertiginoso, por essa estranha para-
lysia que se apossava delle todas as noites,
hora em que o vampiro tinha por costume
!chegar, e estremecen ao pensamento de que
ia ser, talvez, obrigado a deitar-se nessa
cova e a adormecer.com esse sorano de
chumbo que o accommettia depois da parti-
da da sua visitadora nocturna, lado a lado,
com ella, n'um cemiterio.
O terror do bario tornou-se tal, que fez
um supremo e heroico esforco, endireitou as
suas pernas entorpecidas e correu para looge
da cova.
Os dous primeiros passos que .deu, foram
terriveis; pareca que urna invencivel forc
de attracc.o o chamava a esse cadver e a
esse tmulo ainda aborto; mas, erafim, da-
dos esses dous passos, a paralvsia diminuio;
arrastou-se menos lentamente depois cami-
nhou mais depressa; emfim, pode oorrer e
precipitou-se para fra, com essa celerdade
do modo, que nada pode igualar.
OSr. Elias dfAlbqueroue.:Nao fallei.
em coaeco. .
OSr. Martimio Campos:Nao compre-
hendo ; os nobres deputados nao se apoftt-
rio em nenhuma disposico do nosso regi-
ment que autorise a abstenco em materia
semelhante.
O Sr. Wilkens de Mattos era mimbro da
commisso, nao tinha nenhuini incoit^^l
bilidade par 1 o estulo que fez ti
entretanto nao se assignou 110 par
rupces) \ quem nao tem corage:
penhar asfuncees de s;u cargo
esta cadeira, que alias foi solicitada.
Um Sr. Depitado :A censura nao vem
a nos. 4
OSr. Martinh Campos :Os nobres de-
putados conhecem que Ibes estou fazendo
um verdadeiro servico ; estas abstences nao
servom seoio para levantar suspeitas contra
a deciso que a cmara vai tonur, nao ser-
ve:n para outro lira : ni valem o proveito
que dellas possa vir.
O Sr. Silveira Martins :E justificara a
questo ministerial.
O Sr. Martinh Gambos :A argumentt-
co do iiobrodeputalo, de que as restriegues
com que assignaraui dous Ilustres deputa los
corroboravam o parecer da commisso, 6
ptra mim incomprebensivel.
O Sr. (csmao Lobo : \. Exc. o ver.
O Sr. Martinh Campos : Hei de con-
vencer-me disto depois que eu vir as restric-
c.;s declarada, (nio conbeco a natureza del-
las) bem como explica lo ofactO sobre o qual
cliamou a minln attenco O Ilustre deputa-
do, de haver-se recusado a assignar o pare-
cer um membro que era at relator desta
commisso.
O Sr. Elias de AlbuOUEAQUE :Perde
o nobre deputado...
OSr. Martinh Campos :Nao ora?
O Sr. Klias deAi.Iuoueroie :Essa cir-
cumstancia eu trouxe to smente para mos-
trar que nao havia nove membros, e sim
oito.
OSr. Martinh Campos :Mas nao era
o Sr. Wilkens de Mallos relator ?
O Sr. Elias de Ai.biweroi.t. ;Sim, se-
nhor, era.
O Su. Martinh Campos:Ora, se elle
nao teve impedimento nenhum para estu-
dar e lavrar o parecer, e teve-o para apre-
senta-lo cmara, esta deve ser muito
grata ao nobre depuido pela' revelaco des-
te facto.
O Sr. Joao Manoel : d urna aparte.
O Su. Mauti.nho Campos :V. Exc. tem
ampia faculdade, pola minha parte, at pa-
ra desenrolar as minhas immoralidades;
pois que V. Exc. j amoaeou aqui os libe-
raos com a revelarn das immoralidades
delles ; mas eu, pela minha parte, peco
que comece j a desenrola-las, far-me-ha
muito particular favor.
E direi ao nobre deputado que lhe agra-
decer!, tanto mais quanto o carcter sacer-
dotal de V. Exc. risadas) me garante que
o ha du fazer com toda a unogio e verdade.
(Continuara as risadas;. Assim, pois, o
nobre deputado, membro da commisso,
nao s nao nos couvenceu de que havia pa-
recer, como anda veio dar mais urna razo
para mostrar o contrario ; houve um pare-
cer lavrado por um Ilustre deputado, que
nao o quiz depois assignar e que se acha
hoje ausente, Deus sabe porque motivo, e
talvez por forca inaior ou coaceu.
Assim, pois, contino a dzer, Sr. presi-
dente, emquanto nao nos forera dados es-
clarecimentos mais ampios e mais satisfacto-
rios que nao ha parecer nao apoiados)
que do interesse dos nobres deputados de
Pernambuco e do Sr. ministro do imperio
que elles nos sejam dados.
Declaro a V. Exc. que desde a primeira
eloico de que tomei conhecimento nesta
casa, oppuz-mc ao direito que a cmara dos
deputados tera-se arrogado de aun ullar
eleitores, cajos votos nlluem na eleico de
deputado, e reconhecer deputados quem
muito bem lhe parece com os votos que
restarem. Nao foi sera impugnativo minha
que isto se fez, irajmguei sempre este prin-
cipio, que o qne deu cmara dos de-
putados o direito de deputacao que faz com
que nossa eleico seja \erdadeiramenle de
tres graos, em vez de dous como deve ser.
O Sr. F. Bei.isario E o terceiro o
mais ellicaz.
O Sr. Martinh Campos :E' o nico
seguro, quando se tem o governo de seu
lado.
Presto, pois, verdadeiro servico aos no-

Mas porta do cemiterio estava urna mu-
lher em p, paluda, trmula de emoc,o.
Era Hoscheu.
Roschen, a quem a sua belleza e emoco
accrescentavam mais urna graga encantado-
ra ; Roschen, bella, deslumbrante, com o
olhar triste, e a bocea enrugda por um
amargo sorriso, com urna mo no corarlo,
como para lhe comprimir as precipitadas
pulsages.
O baro, ao v-la, soltou um grito.
Roschen aqui Imurmurou elle.
, Ella deu um passo para elle, pegou-lhe
na mo e disse-lhe :
E' a vida que eu arrisco, seguindo-o
aqui, mas no'importa... preciso que lhe
falle.
Oh falle murmurou o Sr. de
Nossac olhando para ella, e sentindo a sua
adrniraco e esso amor, nascido to espont-
neamente, e, umitas vezes, ameagado pelo
estrauho e funesto ascendente de Gretchen,
renascer e domina-lo inteiramente.
Nao aquirespondeu ella com terror.
Porque?
Os mortos esto muito perto... ve-
aba...
E arrastou-o para longe.
A floresta, como dissemos, estava prxi-
ma, e um caminho, orlado de urna sebe
viva, da altura de um hornera, l ia sabir
directamente, sem que fosse muito possivel
ser visto do castello nem da aldea.
Roschen eutrou helle a passo rpido, con-
duziodo sempre o bario pela mo.
O bario seguia-a, estremeceudo com vaga
voluptuosidade, senta instiuctivamente que
essa joven era o seu bom anjo, viva ou mor-
ta pouco importava, em quanto que Gretchen
era o demonio da sua -vida.
Era urna dessas florestas, que s se en-
contrara nessa velha trra da Allemanha,
onde os castellos da idade media e as insti-
tuices dessa poca feudal existem ainda
quasi por toda a parte.
Carvalhos copados, mattas eramaranha-
das, estradas de verdura prolongando-se, es-
curas em todos os sentidos e em immensas
distancias, debaixo de aores gigantescas,
rochedos monstruosos, laucados pelos cam-
pos como muralhas, opponao-se charra
civilizadora, mou las altas e espessas que co-
bres deputa los, pejindo que isto se cscla-
rega.
Nao tenho, Sr. presidente, nenhuma es-
pecie de interesse poltico, pessoil ; tam-
bem nao, tolos os nobres deputados me
merocein a mesma estima e respeito ; para
mim to bom oonservador o Sr. Souza
Reis como o Sr. Moraes, nao tenho ieteres-
^ poltico ni quest"! ; o nico oleresse
ipio tenho q le a cmara faca a veriticaco
ile poderes de una mam-ira que nao fique
siijeiti a censuras legitimas. Se os nobres
deputados sao indifferentes -a esta minha
reclamaco, se a cmara enlenler que nao
tem ella justica, eu pela minha parte, tenho.
cumpri lo o meu dever.
O SR. Gl'SMAO LOBO :Sr. presidente,
applaulo os escrpulos tantas vezes mani-
festados pelo nobre deputa lo da provincia
de Mina';,'no intuito muito lovavel de acau-
telar que o processo da verificaco de podo-
res se desvie da formulas preestabelecida
no regiment co:n) outras tantas garantas
da justii;a o da verdade.
Applau lo os tanto mais quanto sinlo que a
veriticaco de pa lere, envolven lo interes-
se da mais subida importancia, deve regu-
lar-se por normas t) severas como invaria-
veis.
Testemunh a do zelo com que o nobre de-
putado procura e promove que a mxima
regularizarle presida aos trabdhos da cma-
ra, causou-me estranheza que a doutrina
consagrada em seu requerimenlo so mostr
em vivo contrasto cora a que decorre do re-
giment.
A cmara conbeco o processo da veriti-
caro de poderes que o regiment COUUQet-
te a commisses que, tanto pelo numero de
seus membros, como pelo modo de sua es-
olha, olerocem aos nteressados as devidas
garantas. E^ sobre o parecer, que resulta
do cstudo e exaine destas commisses, que
a cmara deve pronunciar-se era regra ge-
ral, sem debate.
Enteii leu-se sempre por parecer o voto
expresso e motivado de urna commisso ou
O Sr. Silveira Martins e outros Senho-
res :Apoiados.
O Sr. Glsmao Lobo :Chegainos a este
tormo do processo da verificaco. Tomos
vista o voto expresso, fundamentado,
de seis dos raembros da primeira commis-
so de inquerito.
De que este voto tenha sido assignado com
restrkoOQB por dous illustres deputados; con-
cluio, sem mais' indagarn o nobre autor
do requcrimeiTto quo, re luzidos a i os vo-
tos eouhecidos, nao ha aqui um parecer so-
bro o qual possa pronuuciar-se a cmara^.
O Sr. Silveira Martins :Muito bem.
O Sr. (i'smao I.ono :Estas restrieces
nao declaradas, nao motivadas pelas razes
que as determinaran!, seguramente nao po-
diain ter o alcance de modificar as conclu-
ses do parecer. O nobre deputado por
Minas muito severo, mas ao mesmo
tempo muito justo, para que attribua a es-
timaveis collegas um proceder menos con-
fessavel.
OSr. Martinh Campos :Nem lhes at-
tribu motivos menos nobres.
O Sr. Glsmao Lobo :Nao de to dis-
tincto como antigo parlamentar o imputar a
adversarios motivos estranhos quelles que
deve.n reger os proprios actos. Se os Ilus-
tres membros da commisso de inquerito,
que firmaran) o parecer com restrieces, se
apercebessera de que ellas poderiam concor-
rer para modificar qualquer das codeluses
que do em resultado o roconhecimento de
um mandato, estou corto que nao se\mi-
tariara simples declaraeo do que subscre-
viam com restriegues o parecer. Tomariam to-
lla a responsabilidado do seu actrt nao deixa-
riara de fundamentar o seu voto/e aclarar o
seu pensamento. "1
E' visto ipie lasa restrieces io entendem
com as concluses de niaueira a alterar o
seu resultado. Fago appello cmara, ao
proprio autor do requerimenlo ; elle nao se
recusar a tributar aos honrados raembros
da commisso a justica a que elles tm di-
reito. Os Srs. Fausto de Aguiar e... Mas
que'no devo declinar nomos...
O Sr. Silveira Martins :Neste caso
pode a/.c-lo ; nao contra o regiment.
O Su. UrsMAO Lobo : Confesso-me pou-
co entendido no regiment; mas o nobre
deputado por Mina tica sendo o raen mos-
tr. J o adoptei como tal.
O Sr. Martinh Campos :Muito obri-
gado* V.'Exc.; mas ha de adiar melhores
modelos. Risadas.)
O Sr. Gusmao Lobo :Eu dizia, Sr.
presidente, que as restriegoes em questo
nio podem affectar os resultados das con-
cluses. De outro modo teriamos que os
illustres membros,,nio podendo desconhe-
cer o alcance de suas opinies, subsereve-
riara o voto em separado que se segu ao
parecer.
Desde que o nao fizerara irrecusavcl que
subscreveram ao voto expresso do parecer.
(Apoiados),
O nobre deputado mo$trou-te ainda" m-
prossiona lo de irae o distincto-representan-
te da provinc'a do Amazonas, o Sr. Wilkens
de Mattos. depois de ter offerecido com-'
missio o esbogo do parecer, es recusasse a
assigna-lo; elle, que lora o relator. Nio sei
como os factos se passaram ; mas o que
certo, que nao licito duvi lar da intcke-
za de carcter do Sr. Wilkens de Mattos.
O Sr. Jlo Manokl :Apoiado. Elle
fez apenas a exposico recommon lada pelo
regiment.
L'ma Voz : Depois: absteve-se de votar
sobre a questo.
O Sr. (ii smao Lobo :T6-se que o pare-
cer nao fui lavrado pelo Sr. Wilkens de
Mattos. Expoz o assumpto, langou as bases
do paracer por accordo com o vencido,
mas nao oscrevou o parecer. S elle o
competente para dar as razes por que nao
subscreveu o voto da maioria ou o votq em
suparado. Em todo o caso, nao se lhe po-
de attribuir um motivo menos honroso.
O Sr. Martinh Campos:Nora eu Ih o
attribui; o nobre/leputado est imaginando.
O Sr. Clsmao Lobo :F possivel que
nao houvesso assignado o parecer por estar
ausente no momento da votago; e esta
ausencia nao pule sor entendida como
propesital.
O Sr. Ignacio Martins : Rctirou-se;
nao quiz tomar parte na votago.
O Sr. Joao Manoel:Est engaoado.
O Sr. Gi'smao Lobo : -Como quer que
seja, o parecer da maioria da commisso
que vai sor sujeito deliberago da cmara.
O Su. Silveira Martins Nio ha
maioria.
O Su. til smao Lobo : Pois nao ha
maioria ? Nao a exprimen! seis assignatu-
ras As restrieges de dous votos nao
podem ser entendidas como offensivas ao
resultado das concluses. Se o fossem, as
duas assignaturas seriara naturalmente le-
vadas ao voto em separado.
Tanto mais tico neste juizo, quando ob-
servo que, das quatro concluses do pare-
cer, urna dellas, a quo prope o adiamento
do oxame entre a eleigo da freguezia da
Gloria, em hada alteraria, como quer que
fosse votada, o reconhecimento a que chega
o parecer.
Na ausencia dos motivos que determina-
raiu as restrieges, o que se deve presumir
que ellas fossem referentes eleigo da
Gloria. E a votago desta freguezia, po-
dendo ser perfoitamente discriminada na
apurago do collegio de Pao d'Alho, em
nada influe sobre a ultima das concluses.
Como quer que a cmara deva pronuu-
ciar-se nesta questo, sobre um verda-
deiro parecer que, na forma do regiment,
vai recahir o seu voto.
O Sr. Ignacio Martins : Fallou muito
bom ; mas a,Questo ficou a mesma.
O SR. CRUZ MACHADO:Direi muito
pouco. Cjimego por declarar que nao con-
sidero esta questo governamental, nem
politica, e que a opinio que tenho de
enunciar sobro ella apenas filha do meu
pensar, e nao determinada por motivos
polticos.
Entendo que a questo toda de direito e
de regiment, e estou tambera no numero
daquelles que nao acceitam essa opinio
escripia como parecer, tenho duvida se ella
constitue parecer segundo a jurisprudencia
rcgimental. E'preciso s vezes lembrar os
principios cardeaes para inelhor manifestar
um pensamento. Nao se me estranhc que
agora assim o faca, sem que pretenda pare-
cer escolstico. Conegareipeladisposigo.
O que parecer L' o voto da maioria de
urna commisso sobre o ponto principal.
De sorte que se a commisso se compuzer
de tres membro, preciso que dous estejam
acordes sobre o ponto principal. Ora, a
commisso de inquerito composta de 9
membros; preciso, pois, que, polo menos,
cinco sejam acordes sobre o ponto prin-
cipal. (Continuar-se-ha).
briam o solo como um inmenso manto..-
nada faltava a ossa filha da creago, quasi
virgem, ou, pelo monos, ainda em toda a
esplendida belleza da virgindade.
Roschen e o baro, abogados orla da
floresta, engTTaram-se sol urna espessa abo-
bada de folhagem, e dirigirara-se para o sul,
atravz das raoutas e dos grupos de casta-
nheiros, que teriain erabaragado muito este
ultimo, sem a hbil destreza com que elle
as desviara.
Ao passo que caminhavam, o da enne'voa-
do que aiurniava a floresta, toruava-se cada
vez mais escuro, e breve Roschen parou no
meio de urna especie de el a reir, onde os
rochedos tinham formado um banco natural
que se arredondava em seini-circulo.
Sentemo-nos aquidisse Roschen.
O baro sentou-se ao p dola.
Roschen volveu a cabega direita o es-
querda e iuspeccionou os lugares circuravi-
zinhos com uina minuciosa e prudente cir-
cumspccgo.
Estamos bem sos?pergunlou ella.
Estamosrespondeu o baro, olhando
pela sua vez.
Oh porque...disse Roschen,tr-
mulase nos ouvissera...
Xnto ?
Elle matar-me-hia.
Quem ?perguntou o barao.
Wilhelm!
O baro bateu cora o p 110 chao, cora s-
bita colera.
Sempre esse Wilhelm murmurou
eUe.
A voz do baro tinha tomado urna entona-
go to dura, que Roschen estremeceu e a
sua mi tremeu na do Sr. de Nossac.
A joven abri a bocea para fallar, mas a
emogio nao lh'o permittio ; s pode erguer
um olhar supplicante para o baro, um olhar
que significava:
, Poupe-me...' porque o amo 1
Mas o bario, pouco seusivel a esse olhar,
continuou com a mesma irritagao.
Quem pois esse homem e que fatal
influencia tem elle sobre o seu destino, que
estremece quando falla no seu norae e em-
pallidece ao ouvir-lhe a voz ?
Roschen nio respondeu e abaixou os
olhos.
Diga-me, Roschen continuou o Sr.
de Nossacdiga-rae que as terriveis pata-
rras que ouvi ha algunas horas, essas pala-
vras. infernaos que rae teein feito duvidar de
Deus, da virtude das raulheres, da candura
do seu sorriso, diga-mo...
Roschen soltou ura grito abafado, deixou-
se cahir aos ps do baro, e nuirraurQu:
Perde-me, so bem culpada...
O Sr. do Nossac sentio a sua razo vacil-
lar, faltar-lhe o animo e desfallecor-lho o
corpo.
Eutoera verdade*?murmurou elle.
Erarespondeu Roschen em voz cx-1
tincta.
Assim... nao irmo delle.
Naodisse Roschen por um signal.
Mas o...
E parou; ella tinha-lhe laucado um
olhar eloquente.
Assim continuou elle esse casa-
mento...
Mentira!
Mas o infamo I exolamou o baro
fra de si.
Oh !disse Roschenbem sei que
infame I Mas que quer?... Eu era urna
pobre costureira de Heidelberg, Wilhelm ti-
nha-me seduzido com urna promessa de ca-
samento ; Wilhelm tinha tomado sobre mim
um imperio terrrvel, Wilhelm dominava-me
completamente... parti com Hermana, Con-
rado e o velbo Berghaussen...
Quem esse Berghaussen ?
Aquelle a quem chama o cagador
negro.
Ento pai de .Wilhelm e de seus r-
maos?
Nio, Wilhelm s tem um irmo, que
Samuel.
E os dous outros ?
Sao dous estudautes, amigos delle.
. Mas esse... Berghaussen?
E' um velbo estudante do trigsimo
anuo.
Entio este castello uao lhe pertence?
Nio.
A quem pertence... pois ?
Nio sei.
Mysterio 1murmurou o barioes-
tranho mysterio I
Oh! sim!respondeu Roschen, tre-
mendoobedecen) todos cinco a essa Gret-
chen, que bous contunda, a essa Gretchen,
que nao sei se est viva ou morta... mas
que exerce urna influencia extraordinaria so-
bre todos... e sobre si mesmo...terminou
Roschen era voz sumida.
O baro estremeceu.
Sobre mim 1 perguntou elle admi-
rado.
Oh sim !exclamou Roschen com
fogosobre si... ama-a...
Oh nao verdade !exclamou elle
com forga.
Roschen deu ura grito de alegra.
Devoras disse ella, juntando as
mos. ,
Simmurmurou o baroera asi
que eu amava.
Roschen curvou a cabega.
E j me nao ama?perguutou ella,
cora indisivel coramogo.
E' amante de Wilhelm !repondeu
o baro com sombra entonago.
Roschen soltou um fraco grito, um grito
de afflicgo, abri os bracos e cabio sobre a
relva, quasi desmaiada.
Amava-o tanto Idisse ella.
Esse grito, essa aflbcco, tocaram profun-
damente a alma do bario.
E se ep a araasse ainda ?perguntou
elle.
Falla verdade? nio me engaa?
exclamou ellanao a compaixio que lhe
dita essas palavras?
O Sr. de Nossac depoz um ardeate beijo
na fronte trmula e paluda da joven, ere-
petio :
Roschen... amo-te!
Pois bem Idisse ellaj* ,que me
ama, diga-rae...
Que quer dizer?
__ Livre-me de Wilhelm,porque Wilhera
ama-me e matar-me-hia I Leve-me para
longe delle, porque ji nao o amo, porque
o odeio desdo que o vi... desde que o amo
a si...
E Roschen, supplicante, cabio de joelaos
aos ps do bario.
TiT 1)1} DIARIO RA DI tfUE^ GA.VAS
J
i




(

-


i
:

1
\


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETIOLM9FW_7661ZA INGEST_TIME 2013-09-19T23:20:30Z PACKAGE AA00011611_12818
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES