Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12799


This item is only available as the following downloads:


Full Text

mmmmmmm*
*^*m
AKNO XLVIII. NUMERO 300
r
1

*
^
P ABA A CAPITAL E LUGARES ONDE SAO SE FAGA PORTE.
Por tres mezes adiantados................ 655000
Por sen ditos dem.......... *( '. 129000
Por um aono dem........ ,...... \
Cada numero avuko ...,..
25JOOO
320
SEGUNDA-FEIRA 30 DE DEZEMBR0 DE 1872.
FABA lE.\THO E FRA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados..............
Por seis ditos idem.........,........
Por nove ditos idem..............., .
Por um anno idem..................
9750
139500
209250
279000
DIARIO DE PERNA
PROPRIDADE DE MANOEL FIGEIROA DE FAMA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para; Gonealves & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de OKveira & Filho, no Cear; Nonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joo Mara Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino-
ifte
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonip-Jos Gomes, na Villa ipi*Pt>iilia; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreir de Aguiar, em Goyanna ; Francino Tavaresda Costa, em Alagos; Alves c C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho C. no Rio ,de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Miulaiterio loa negocios estran-
geiros
N. 1.Despacho do governo imperial
d sua legaedo em Montevideo.
Seccao central. N. 27.Ministerio dos
negocios estrangeiros.Rio de Janeiro, em
22 de novembro do 1872.Com o presente
despacho remettoa V. S., a sello volante, a
nota que nesta data dirijo a S. Exc. o Sr. mi-
nistro dos relacoes exteriores da Repblica,
11 indi i-Hu conhecimento do accordo assigna-
do nesta cOrte, no dia 19 do corrente mez,
pelos Srs. plenipotenciarios do Brasil e da
Repblica Argentina, sobre as questoes pen-
dentes entre os dous Estados relativamente
aos ajustes definitivos de paz com a Repbli-
ca do Paraguay, e convidando o govemo
oriental, em nome de S. M. o Imperador a
prestar sua]adheso, naqualidadc de alliado,
ao referido accordo, como foi estipulado no
artigo 11.
Devendo o convite ao Estado Oriental ser
feito simultneamente pelo Brasil c pela Re-
publica Argentina, recommendo a Y. S. que
se enteoda com o representante argentino
nessa capital, alim de so fazer entrega da al-
(udida nota a S. Exc. o Sr. ministro de rela-
coes exteriores, quandoaquelle agente diplo-
mtico estiver igualmente habilitado para
apresentar o convite que tem de dirigir o seu
governo ao do Estado Oriental.
Renov a V. S. as seguranzas de miuha
p.?rfeita estima e distincta considerarlo.
Manoel Francisco Correa.
Ao Sr. Antonio Jos Duarte de Araujo
Goudim.
JN. 2yola do govemo imperial ao da Re-
pblica Oriental do Uruguay.
Ministerio dos negocios estrangeiros.Rio
de Janeiro, 22 de novembro de 1872.O
abaixo assignado, do conselhe de S. M. o
Imperador, ministro e secretario de estado
dos negocios estrangeiros, tem a honra de
apresentar a S. Exc. o Sr. ministro de rela-
jos exteriores da Repblica Oriental do Uru-
guay a inclusa copia authentica do accordo
celebrado nesta curte no dia 19 do corrente
mez, pelos Srs. plenipotenciarios do BrasTe'
da Repblica Argentina, sobre as questoes
pendentes entre os dous Estados, relativa-
mente aos ajustes definitivos de paz com a
Repblica do Paraguay.
Em cumprimento do que ficou estipulado
no art. 11, cabeao abaixo assignado a satis-
faci de dirigir-se a S. Exc. o Sr. ministro,
afim de convidar o governo da Repblica
Oriental do Uruguay, em nome do de S. M.
o Imperador, a prestar sua adheso, na qua-
lidade de alliado, ao allulido accordo.
Satisfcito este grato dever, aproveita-se o
abaixo assignado da opnortnnidade para
renovar a S. Exc. o Sr. ministro as seguran-
cas de sua alta considerarn.
A S. Exc. o Sr. ministro de relacoes ex-
teriores da Repblica Oriental do Uruguay.
Manoel Francisco Correa.
N. Z.Ofjkio da leyaeo do Brasil em
Montevideo ao govemo imperial.
Seccao central. N. 89. Legacao do Bra-
sil em Montevideo, 4 de dezembro de 1872.
lllm. o Exm. Sr. Em obediencia de-
tcrrninac,o do despacho n. 27, de 22 do
mez ultimo, fiz hoie entrega ao oilicial maior,
encarregado do despacho do ministerio de
relagoes exteriores, da nota que, a sello vo-
lante, V. Exc. se servio rcmetter-me para
aquelle lim, sendo acompanhado nesta misso
pelo Sr. Villegas, cnsul geral da Repblica
Argentina, que tanbem entregou ao mesmo
oilicial maior idntica comtnunicaeo do
seu governo.
Com este motivo tenho a honra de reiterar
a V. Exc. as homertagens de minha mais
distincta estima e alta considerarlo.
A S. Exc. o Sr. Manoel Francisco Correa,
ministro e secretario de estado dos negocios
estrangeiros. Antonio Jos Duarte de
Araujo Goudim.
N. 4.yola do governo da Repblica Orien-
tal do Uruguay ao governa imperial.
Ministerio de retacos exteriores.Monte-
video, 9 de dezembro de 1872.-Sr. minis-
tro.O Sr. cnselheiro Antonio Jos Duarte
de Araujo Gondim, ministro residente do
Brasil junto do mcu governo, teve a bondade
de entregar-me possoalmente a nota de V.
Exc. de 22 de novembro prximo passado,
com a qual V. Exc. serve-sc enviar a este
ministerio copia devidamente legalisada do
convenio celebrado nessa corte pelos pleni-
potenciarios do Brasil e da Repulica Argen-
tina sobre as questoes pendentes entre os
dous Estados, relativamente aos ajustes difi-
nitivos de paz com a Repblica do Paraguay.
V. Exc, em nomo do governo de S. M.
o Imperador, e em virtudc do estipulado no
art. 11 do citado convenio, convida o gover-
no da Repblica a prestar sua adheso, na
qualidade de alliado, ao referido accordo. (
S. Exc. o Sr. presidente da Repblica,
inteirado com verdadeira satisfago da pre-
citada nota de V. Exc, cncarregou-me do
significar-lbe em resposta que o governo
oriental adhere por sua parte completamente
ao estipulado no mencipnadp>accordo, con-
gratulando^ ao mesmo tempo, viva e sin-
ceramente de que tenham tido to feliz
resultado as questoes que se haviara sus-
citado eore o Imperio c a Repblica Ar-
gentina.
' Aproreito ta opportunidade para reno-
var a V. Exc. as seguranzas de minha mais
distincta considerac.ao.
A S. Exc. o 9r. Manoel Francisco Cor-J
rea, ministerio dos negocios estrangeiros da
Brasil.-r-Oscar HorJe ata.
N. 5.y ota do governo imperial ao da
Repblica Oriental do Uruguay.
Ministerio dos negocios estrangeiros.
Rio de Janeiro, 18 de dezembro de 1872.
Tenhi) presente a nota de 9 do corrente
em que S. Exc oSr. D. Osear Hordenana,-
ollicial-maior encarregado do despacho do
ministerio de relacoes exteriores, da Rep-
blica Oriental do Uruguay, responde do
governo imperial de 22 de novembro pr-
ximo lindo, convidando o da mesma Re-
pblica a prestar sua accessao ao accordo
negociado nesta corte entre os plenipoten-
ciarios brasilciro e argentino, relativamente
aos ajustes definitivos de paz com o Para-
guay.
Digna-se S. Exc. declarar que o Sr.
presidente da Repnblica, tendo-se inteirado
com satisfacao da alludida nota, enearre-
gou-o de signilicar-me que o governo
oriental adhere plenamente ao estipulado no
referido accordo, congratulando-se ao mes-
mo tempo, viva e sinceramente, pelo feliz
desenlace que tiveram as questoes suscita-
das entre o Imperio e a Repblica Argen-
tina.
Agradecendo ao Sr. Hordenana essa com-
municaco, cabe-me declarar a V. Exc que
foi muito agradavel ao governo imperial a
plena c amigavel adheso do seu alliado, o
governo da Repblica Oriental do Uruguay,
ao accordo de que se trata.
frevaleco-me da opportunidade para offe-
recer ao Sr. Hordenana as seguranzas de
minha mais distincta considera<;o.
A S. Exc. o Sr. D. Osear Hordenana,
encarregado do despacho do ministerio de
relacoes exteriores da Repblica Orienta^
do Uruguay.Manoel Francisco Correa.
Accordo assignado nesta corte em iO do
mez pudo pelos plenipotenciarios bwsi-
leiro e argentino os Srs. Marques de
S. Vicente e Bartolom Mitre.
Art. 1. Fica accordado e declarado que
o tratado de allianra do Io de maio de
1865 contina em seu positivo e pleno vi-
gor ; e, |ix)nsequentemente, que o Brasil
est disposto a cuinprir todas as obrigaces
reciprocas que elle impoe aos alliado.-, a
a dar e aceitar todas as garantas qeelle
assignala.
Art. 2.* Fica tambem declarado e ac-
cordado que os tratados de Assumpco, ce-
lebrados por parte do Brasil em 9 e 18 de
Janeiro de 1872, continuam em seu positi-
vo e pleno vigor. Dejiois que os outros ai-
liados tiverem concluido os seus ajustes de-
finitivos com o Paraguay, declarar-se-ha
em ppotocollo, ou por meio de notas rever-
saos, se o julgarem preciso, que todos es-
ses ajustes ficam sob a garanta reciproca
estipulada no art. 17 do tratado de 1 de
maio de 1805.
Art. 3. A Repblica Argentina negociar
r por sua parte com o Paraguay os respec-
tivos tratados definitivos de paz, conuner-
cio e navegaco, assim como de limites,
com sujeic,o ao tratado de allianra.
O Estado Oriental ser convidado para
que, da mesma forma, conjunctameute eom
a Repblica Argentina, ou separadamente,
como fr do seu agrado, celebre tambem
com o Paraguay os seus ajustes de paz,
commercio e navegaco.
Art. 4." O governo imperial cooperar
elcazmente comsuaforca moral, quando
os adiados julguem opportuno, para que a
Pepublica Argentina e o Estado Oriental
cheguem a um accordo amigavel com o
Caraguay a resj>eito dos tratados definiti-
vos, a que se refere o pacto da allianra.
Art. 5.* Se a repblica do Paraguay nao
se prestar a um accordo amigavel, o Bra-
sil com os demais alliados examinaran a
questo e combinaro entre si os meios mais
proprios para garantir a paz, superando as
difticuldades.
Art. 6. 0 Brasil e a Repblica Argenti-
na retiraro*as forras de seus exercitos que
ainda conservarem no territorio paraguayo,
tres mezes depois de celebrados os tratados
definitivos de paz entre os alliados e a Rep-
blica do Paraguay ; ou antes, se ambos os
alliados assim oaccordarem entre si.
Se a celebraco dos ditos tratados poster-
garse por mais de seis mezes, contados da
data deste accordo, o Brasil e a Repblica
Argentina se entendero afim de marcar um
prazo razoavel para a desoecupago.
Fica subentendido que o Brasil desoccu-
par ao mesmo tempo a ilha do Atajo.
Art. 7." O governo do Paraguay reconhe-
cer como divida da mesma Repblica, nos
termos do art. 14 do tratado de allianra :
Io A importancia dos gastos de guerra
e dos dainos causados s propriedades pu-
blicas das nac,6es alliadas.
2* A importancia dos damnos e prejui-
zos causados s pessoas e cidados dos res-
pectivos Estados.
A respeito desta indemnisaco, observar-
se-ho as disposiroes dos arts. 5o e 6o do ac-
cordo de Buenos-Ayres, constante do res-
pectivo protocolo n. 3, comprehendidas no
tratado de paz do Brasil com o Paraguay em
artigos de nmeros idnticos.
Art. 8.* Os alliadas obsewarao, a respeito
das indemnisaces que lhes sao devidat'pelos
gastos da guerra e damnos causados s pro-
priedades publicas, as seguintes regras :
1." Dos gastos de guerra se deduziro as
despezas ordinarias do orcamento em tempo
de paz.
2.a O quantum liquido das indemnisa-
ces deste artigo ser affixado vista dos do-
cumento officiaes que comprovem sua ex-
actido.
3.* Em convengo especial, que
aviso previo aos outros alliados, cada um
delles celebrar com o Paraguay, o mais
tardar, dentro de dous annos, contados da
data do tratado de paz, cada um dos mes-
inus reduzir a importancia, deque trata o
numero anterior a urna somma menor, a
qual depender do arbitrio generoso de cada
um.
4.* Nao se cobrar juros por esta divida
nos primeiros 10 annos, se a Repblica do
Paraguay applicar effectivamente remisso
della urna quota compativel com os seus
recursos.
Passado esse periodo, ojuroannual ser
de 2 O/0 por outro igual, nos 10 annos pos-
teriores de 4, e finalmente dahi em diante
de 6, alm do qual nunca se elevar.
Em todo o tempo, fica ao arbitrio de cada
um dos alliados fazer concessoes ainda
maiores.
5.' A somma de todas as rendas, ou re-
cursos applicados amortisai;o do capital
e dos juros, ser dividida proporcionalmente
entre todos os alliados.
6.* Pelo que respeita natureza dos ttu-
los de crdito, tempo e especie do pagamen-
to, observar-sc-ha tambem a mais perfeita
igualdade.
Art. 9.* Concluidos os ajustes definitivos
dos outros alliados ficar em pleno e inteiro
vigor o compromisso da garanta collectiva
de todos elles a favor da independencia e in-
tegridade da Repblica do Paraguay, nos
termos dos arts. 8* e 9o do tratado de alliau-
<;a de 1 de maio de 1865 e dos arts. 15 e 16
do accordo de Buenos-Ayres, expresso no
protocolo de 30 de dezembro de 1870.
Art. 10. Contina emseu pleno vigoro
accordo preliminar de paz de 20 de junho de
1870.
Os demais pactos, que dependara de com-
mum accordo entre os alliados sero mate-
ria de convences entre os mesmos, depois de
celebrado os tratados definitivos.
Art. 11. O Brasil e a Repblica Argenti-
na convidaro, por meio de notas entregues
simultneamente, a Repblica Oriental, na
qualidade de alliada, para prestar sua acces-
sao ao presente accordo.
y ota da lei/ofo argentina.
1 nfjin ti,tlMrfMi'lili Brasil. Rio de Ja-
neiro, 20 de dezembro de 1872.Sr. minis-
tro-Tenho a honra de communicar a v.
Exc. que o governo da repblica, com data
de 27 do prximo passado, houve por bem
approvar completamente o meu procedimen-
to, como plenipotenciario, as negociaces
que tiveram lugar nesta corte, e que deram
em resultado o accordo de 19 de novembro.
Approvado j o referido accordo pelo go-
verno de S. M. Imperial aceito pelo da Re-
publica Oriental a convite feito pelo Brasil e
a Repblica Argentina, e approvada a minha
conducta como plenipotenciario nos termos
que deixo indicados os objectos de minha
misso especial esto, felizmente, preenchi-
dos com approvaco dos tres governos allia-
dos.
Felicitando a V. Exc. por to plausivel ac-
cordo, que pe fim s questoes pendentes, e
assegura a paz do futuro, -me grato saudar
ao Sr. ministro com minha mais alta consi-
deracoBartholomeu Mitre.
A S. Exc o Sr. ministro dos negocios es-
trangeiros de S. M. Imperial, cnselheiro
Manoel Francisco Correa.
Resposta do governo imperial.
Seccao central. Rio de Jajieiro Minis-
terio dos negocios estrangeiros, em 20 de de-
zembro de 1872Acabo de receber anota
que com data de hoje, me fez a, honra de di-
rigir S. Exc. o Sr. general D. Bartholomeu
Mitre, enviado extraordinario e ministro ple-
nipotenciario da Repblica Argentina, em
misso especial.
Commumcadilo que o governo da mesma
repblica em data de 27 do mez lindo houve
por))em approvar completamente o procedi-
mento de S. Exc. como plenipotenciario as
negociaces que tiveram lugar nesta cOrte e
derm em resultado o accordo de 19 de no-
rembro, e ponderando achar-se j o referido
accordo approvado pelo governo imperial e
aceito pelo da Repblica Oriental, a convite
do Brasil e da Repblica Argentina : declara
oSr. general estarem felizmente, preenchi-
dos os objectos de sua misso;- com approva-
co dos tres governos alliados; e felicita o
governo imperial por to plausivel accordo,
que poe termo s questoes pendentes e asse-
gura a paz do futuro.
Em resposta, apresso-me a declararas.
Exc. o Sr. general que a sua communicago
foi grata ao governo imperial, o qual devida-
mente apreciou ver revestido de todas as pre-
cisas solemnidades o accordo que, terminan-
do de modo satisfatorio as questoes penden-
tes, mantem a cordialidade das relac,des en-
tre os dous Estados, como a ambos tanto im-
porta.
Congratulando-me com S. Exc. o Sr. ge-
neral por este acontecimento, em que lhe
coube parte tio distincta, aproveito a oppor-
tunidade para reiterar a S. Exc. as seguran^
cas de minha mais elevada consideracio.
Manoel Francitco Correa.^ A S. Exc. o Sr.
general D. Bartholomeu Mitre.
*
O presidente da provincia resol)e noinear
una coniiaissao 'Miiiposta do insotn-tor da sade
publica, Drs. Joaquim de Aquiio Foiieera, Au-
Ktu*> Carueiro Monleiro da Silva Santos, Estenio
Gavaicant de Albuquerque, Alexandre de Souza
Perejra do Carnio, Joao da Silva Hamos e Jos
SorAiiv de Souza, afim de que, examinando o local
onde est situado o convento do Carino de Olinda,
ufarme se possue elle todas as vailtagens hygie-
nieas com proporcoes para ali fundar-se um lios-
pieio destinado aos loucos, indicando outro que
seja mais apropriado a tal lim, caso nao o julgue
conveniente.
O presidente da provincia via do que cx-
poz o juiz de direito da 1* vara civel em oflleio de
hoje, resolve, de conforutdade com o disposto no
art. de decreto n. 1,294 de 16 de dezembro de
1833, nomear o cidadao Franciiico Campello Pires
Ferreir, para servir interinamente o otlicio de
tabeljio publico durante o impeiiaento do ser-
vea&iario Luiz da Costa Porto-Carrcjro.Conuuu-
niabu-se ao resiieetivo juiz de direito.
presidente da provincia, attendendo pro-
posta do tenente-coroiiel conimaudante do 3" bata-
flo de infamara da guarda nacional do munici-
pio da capital, sobre o que informuu o coinman-
dante superior respectivo em oftlrit) n. 308 de 17
do corrente, resolve, de coufomiidade com o dis-
posto no art. 48 da lei n. 602 de 19 de setembru
de 1830, noinear para alferes da 7J companhia do
lito batalhao, o guarda Alfonso Augusto de lirito
Tabord*. Coiiuuunicou-se ao referido comman-
dante superior.
O presidente da provincia, altendendo ao
que requereu o bacharel Joaquim Francisco de
Arroda, juiz municipal e de orpbos do termo de
Limoeiro, resolve coureder-lhc licenra com orde-
nado na forma da lei para tratar de sua sade
onde lhe convier. I
presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o bacharel Jos Manoel de Barros Wan-
derley, resolve coneedeT-lhe 45 dias de licenca na
forma da lei para tratar de sua sada
O presidente da provincia, attendendo ao que
propuz o ronego regador do gymnasio provincial
em oflleio de hontem datado, resolve nomear re-
petidor interino d'aquelle estabelecimento o bacha-
rel Benjamn Soares de Azovedo, para exercer a
vaga de Aureliano Mamede Cordeiro.
Esas^os? tss. aspara iugar do crime e fez a compcteB"
^KrS^daeSaKaSTlfi2ffi^ We-me dizer a V. Exc. que o criminoso
lhdo casa de detencao Manoel Malinas Hezena, "","', 1" 'T? a TT1 comn,an"
vindodeA^a Preta, qual Irot.xe urna lilha de *2^!^^}&!M*.* .!
nomeMaiTcm tres annos de dad-, que nao tt^S^^^SS^AS^^^Sl
... j- ..'.J. ....11..1.. i nntti-lo ao mesmo coflimandantc das armas n
o devido lim.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereram PocasAC, resolve ooiiceder-lhcs licem-a
jiara nanda de Noronha. no primeiro vapor da com-
panh& pernambucana, que para ali seguirla se-
ren aatregues a Mara Joaquina da Couceico, os
genefts constantes da relacao junta assignada pelo
sirretario interino da presidencia ; tto pudendo
lioramplectuar o di>seniLarque deditosj gneros sein
que por parte do commandantc daquelle presidio
se procda o exame. afim de verificar se ha agur-
dente oU outra qualquer bebida espirituosa.
O presidente da provincia, nao jnlgandocon-
vejiwMe o lugar dosign*du paja a coustruccao do
ew>i*f"ie se destina administra?*! dos correios
nesta"Tapiial, resolve nomear o presidente da illns-
trissima cmara municipal do Recife. e o da A9-
sociaco Commereial BenellcenU', a engenhero
chefe da repartico das obras publicas e o encar-
regado das obras geraes, e o Bario do Livramento,
para darcm com urgencia parecer fundamentado,
nao s acerca do referido lugar, como tambem in-
dicarem outro que mais apropriado for ao mencio-
nado lun.Communicou-se aos nomeados.
Offlcios :
Ao Exm. Sr. bspo diocesano, convidando-o
para funecionar no acto da collocato da primeva
pedra do novo edificio destinado ao asvlo de men-
iticidade, que ter lugar no dia 25 do corrente,
dando-ihe assim maior solemnidade. Fizerain-se
as devidas eommunicacoes e expediram-se conyi-
es de reparticoes, corpora^oes e magis-
trados.
CSoverno la provincia.
EXPEDIENTE DO Ol.\ 21 DE DKZKMBRO DE 1871
Actos :
O presidente da provincia, de conformidade
com o disposto no art. 3* da lei provincial n. 1,045
de 4 de junho Ando, resolve nomear o desembar-
gador Silverio Fernawies de Arauio Jorge, Drs.
Antonio de Menezes Vasconcellos de Drummond,
Manoel Tertuliano T orcaz Henrqne>, e tenente-
coronel Carneiro Machado Ros Jnior, para, ex-
Iaxninando o actual regulamento do carpo 4e po-
lica, indicaren) as alteracoes ou reformas que se
loe deve fazer.Communicou-se aos nomeados.
Ao coronel commandante das armas, anpro-
vando a designaQao que fez do capelln alferes
Jos.'- Ferreir Viegas, para substituir o capellao do
presidio de Fernando, e autorisando-d a contratar
um sacerdote para servir no 2o batalliuo de mon-
tara em lugar do referido Vegas, alternando com
o que est contratado no 9* batalhao, no servieo do
hospital militar.-Fizeram-se as devidas couunu-
nicacoes.
Ao Dr. chefe de polica, declarando que nao
pode ser paga a despeza de que trata o seu offlcio
n. 1,948 de 7 do corrente, por nao ter sido auto-
risada pela presidencia.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, com-
municando que a 4 do corrente deixou o bacharel
Sebastio Cordeiro Cdelho Cintra, o exercicio do
cargo de promotor publico da comarca do Rio
Formoso, por ter entrado no gozo da licenca que
lhe foi concedida.
Ao mesmo, communicando que a la do cor-
rente, assumio o exercicio na relacao i desta pro-
vincia o desembargador da do Marauhao, Silveno
Fernandes de Araujo Jorge.
Ao mesmo, mandando pagar aos agentes re-
censeadores da freguezia de Murbeca, Jos Pe-
reira dos Santos Alvarenga, Manoel Pereira da Silva,
Jeronvmo Soares da Costa, Antonio Jos Lopes dos
Prazeres, Henrique Dias de Farias, Ildefonso de
Barros Correia, Antonio Eustropio Pereira de
Souza, Francisco Xavier Lobo Jnior, Francisco
Xavier Alvarenga d Costa, Manoel Pedro da Silva,
Jos Paes Rodrigues e Francisco- Bellarmmo das
Chacas Ramos, ao 1 a quantia do 100 J, ao 2* e 3'
a de 60*, ao 4 3 e 6- a de 50#, e aos demais a
de 30*. Couuuunicou-se commssaO censuara
resitectiva.
Ao mesmo, mandando pagar aquemse apre-
sentar autorisado os vencimentos dos destacamen-
tos da guarda nacional de Aguas-Bellas e Assurema,
relativos ao mez de novembro.Communicou-se
ao commandante superior de Garanhuns.
Ao mc-ino, mandando pagar sob responsa-
bilidade da presidencia a Manoel Jos Pmto, oilicial
da secretaria dessa thesouraria, a grtiiicacao de
39*999, por haver substituido no mez de junho
deste anno o respectivo ofllcial maior, bacharel
Monoel Mamede da Silva Costa, que esta adido ao
thesouro nacional. J ._~.
Ao mesmo, mandando pasar a Jos Marchi-
gian, por eonta do crdito de 2:000* consignado
na ordem do thesouro nacional de 17 de julho des-
te anno, a quantia de 50*000 proveniente de um
busto de S. M. o Imperador, por elle ornecido para
o gabinete da presidencia.
Ao inspector da thesouraria provincial, man-
dando que informe se o brnecedor da alinientacao
dos presos pobres da ca de detencao e>t obriga-
do pelo contrato a mandar os genero ao mesmo
estabelecimento ou se derem ser mandados buscar
pelo administrador. .. .
Ao mesmo, mandando pagar ao capitao Jos
Firmo Pereira do Lago a quantia de 93J000, des-
pendida no mez de outubro ultimo com o sustento
dos presos pobres da cadeia do termo de Ouricury.
Communicou-se ao Dr. cne/e de polica.
Ao mesmo, mandando pagar a Mareira &. Bra-
ga os vencimentos do praca da guarda nacional
destacada na villa de Panellas durante o me*,de
novembro. -Communicou-se ao commandante su-
perior de S. Bento.
Ao commandante superior do Recife, recom-
mendando que d suas oroens para ser dispensado
do servieo activo da guarda nacional EmygdioFiu-
sa ddOuveira, praca do !.* batalhao de adunara,
rirer a sea favor a senco de que trata o art. 15
5 da lei n. 9M de 19 de setembro de 1850.
Ao mesmo, mandando tranferir para o !.
esquadro de cayaUaha da guarda nacional deste
|)ode ne.n deve continuar dentro de urna cellula
sein o galamente de que neeessta ; pelo que deve
ser receida no collegio das orplras ou na casa dos
expostos.
Ao Dr. inspector da sade publica, mandan-
do entregar ao Dr. chefe de polica urna carteira
hoinaopatliica contendo medicamentos apropriadM
a coinbater urna febre de um carcter que appare-
ceu na fregnezi;i de S. Caetano da Raposa, e que
suppoe-se ser febre ainarella. Fizeram-se as de-
vidas coininiinicacoes.
Ao coiiiinandaiite do corpo de polica, man-
dando eliminar a prac;i Joaquim Pereira de La-
cena, por ter sido julgdo incapaz do servieo.
Ao engenhero chefi- da reparto-fui das
obras publicas.-Mande Vine-examinar por um
engenhero a cargo dessa reparteao todo o calea-
mento da eMade, recoimnendando que faca um re-
latorio crcuinstanciado do estado em que* se acha,
notando os estragos que encontrar e procurando
verificar se foram produzdos pela canalisaco ou
aswentainento de trillios, e quacs os resposaveis
lor es^ estragos, alim de que sejaiu coagidos a
repara-los ou velos reparar sua custa. Julgo
escusado lembrar-lhe que faca sentir ao engenhe-
ro incumbido dessa comnnssao que dever liaver-
se nella com o mximo zelo.
Ao mesmo Constando-me que a companhia
Pernamburn Street lltiilutiy tem estragado de um
modo deploravel a ponte da Magdalena, arrancan-
do nina grande paite do ladrilho, rei-omuiendo a
Vine, que sein perda de lempo mande examinar
aquella obra, e verificada que seja a exaetiilao do
facto, obligue a referida companhia a re|or o la-
drilho no estado em que se aeliava, sob pena de
ve-lo fazer sua custa.
Portara :
A' Illma. cmara municipal do Recife, auto
risand'i a pagar pela verba Lventuaes o salario
de 2>O0,jkaros a quein se encarregue da con
servaeao e asseo do matadouro do P^-o da Panel-
la, dc|iois que coma;ar a funecionar.
KXI>EDIE.NTE DO SECUETA1UO.
Olllcos:
Aojuiz de'direito da comarca de Santo Anto
aecusando de ordm do Exm. Sr. presidente ta
provincia, a ecepcao do seu oliico de 19 do cor-
rente, em que participa haver concluido no termo
da Escada o trabalho de revisao dos jurados ; ten-
do sido apurados 37(5 na lista geral e 176 na es|>e-
fial.
Ao do Bonito, aecusando a recepcao do seu
ofilcio de 16 do corrente em que da eonta dos tra-
balhos da 4.* sestiao do iuiy do termo do mesmo
nome.-No mesmo sentido aojuiz de direito de (Ja-
ranliuns.
UKSPACIIOS DA PRESIDENCIA DE 37 DE HKZKMU110 DE
1872.
Antonio Marlins Mureira.Sim, com recibo e
nao havendo inconveniente.
Antao Francisco de Lima.Concedo 15 dias para
o lim requerido.
Tenente Basilio Jos de Barros.Indeferido.
Hilario Urbano da Silva.Passe portara conce-
dendo a prorogacao requerida.
Jos Antonio de Albuquerque Pedrosa.Sim, na
forma do estylo.
Mariano Barbosa de Uliveia.Informe o Sr. Dr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Manoel Henrique de Barros.Concedo 13 das
de praso para o l'uu requerido.
Manoel Alves Guerra. Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Bacharel Man.iel Caldas Barretto. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Mara Emygda de Alineida Monleiro. Ao direc-
tor geral interino da inslruccao publica, para at-
tender a supplcante nos termos da sua informa-
cao de 21 do correte.
' Solero Bernardo Gomes.Tendo sido o suppl-
cante inspeccionado e julgado apto para o servieo
militar, e nao allegando nem provando isencao al-
guma, iudeliro o que requer.
Pedro Bernardo de Vasconcellos. Como requer.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 28 de
dezembro de 18.2,
O porteiro,
Silcino A. Rodrigues.
coftimaudante das armas par^
Por ollieo di-sta data communicou-me o Dr. de-
legado da capital que, segundo lhe parlicipou o
delegado de Santo Amaro ias Salinas, hoje pela
inanli, o cidadao franeez Augusto Moreau se sui-
cidara all eom um tiro de espingarda na bocea ;
que e respectivo subdelegado fez a competente vis-
tura e mais diligencias, resultando destas serem
encontradas em urna das algibeiras da roupa do
morto, bilhetes a lapis, dos quaes se v que elle
se despeda de um iriiio e amigos.
Levo mais ao conhecimento de V. Exc. que em
telegramma desta data acaba de conuuunicar-
me o delegado do (iibo, que j se acham presos os
inacliinistas dos trens da via-ferrea do Recife S.
Francisco (que nos dias 23 e 26 deste mez vinliam
do interior para esta cidade) pelo facto do estran-
glame ito da mao de um individuo, de que trate
hontem em minha parte diaria, sob n. 2083.
Deus guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, dignissi-
mo presidente desta provincia.O chefe de polica,
Luiz Correia de Queiroz Barros.
INTERIOR.
i ominando dan nrmus.
QL'AIITEI, DO COMM.VNDO DAS ARMAS DE PER-
NAMBUCO, 28 DE DEZEMBRO DE 1872.
Ordem do dia n. 683.
O coronel commandante das armas inte-
rino determina que na manh do dia 2 de
Janeiro prximo vindouro se passe revista de
mostra, em seus respectivos quarteis, aos
dous batalhes de infantaria, deposito de
reerntas, e companhias de operarios e ca-
vallaria, pela oniem seguintc:
s C horas companhia de operarios; s
6 e meia ao 2o batalhao ; s 7 companhia
de cavalaria ; s 7 e meia ao 9U batalhao
s 8 ao deposito de recrutas.
AssigfcadoJos Marta Ildefonso Jaco-
me da Yeiga Pessoa e Mello.
ConformeJos Ignacio Ribeiro Roma,
tenente ajudante de ordens interino encarre-
gado do detalhe.
Hepni-lico da polica.
2.* seccao.Secretaria da palicia de Pernambuco,
28 de dezembro de 1872.
N. 2088. lllm. e Exm. SrLevo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das par-
ticipaces recebidas hoje nesta repartico, foram
hontem rocolldos casa de detencao os seguin-
tes individuos : .,..* i
A' minha ordem, Sebastio Accin Santiago Ha-
mos, como indiciado em crime de moeda falsa, e
Ivo, escravo de Joo Antonio da Costa Figueroa.
por andar fgido. ,
A' ordem doJ)r. delegado da capital, Jos Ma-
ra Ribeiro e Antonio Rodrigues Pinto, cano mdi:
ciados em crime de moeda falsa ; o primeiro a
minha disposico e o segundo disposieao do Dr.
juiz de direito do 4.* distrcto criminal.
A' ordem do subdelegado de S. Jos. Anna Fe-
licia da Concecao, Francisco Rodrigues dos San-
tos, Ravmundo Manoel da Paixao e Alexandrina
Mara Cordeira do Espirito Santo, por embriaguez
e offensas moral publica.
A ordem do >le Santo Amaro das Salinas, Ma-
noel Antonio da Silva, disposico do Dr. delega-
do da capital, por crime de ferimentos graves.
A ordem do de Belm, Jos Joaqolm de Sanf-
Anna e Antonio Vicente, por crime de roubo.
Por oflkio datado de hontem, communicou-me
o subdelegado do distrcto de Arariba do termo
de Cabo, que no dia antecedente, naquelle distrc-
to o soldado do 9-* batalhao de infantaria de linha
que fazia parte de urna torca que desta capital
havia seguido para all em diligencia, assassinara
com um tiro de graoadera a seu camarada An-
tonio Evangelista, sendo o delinquente preso em
I flagrante ; que apenas teve sciencia do facto, di-
llio le Janeiro.
16 DE DEZEMBRO DE 1872.
Por decreto n. 5,109 de It do corrente foi ap-
provado o regulamento estabeleeendo a condiepe*
que ileveni salisfazer os pesos c medidas do syste-
ma mtrico, maullados adoptar no Imperio pela le. -
u. 1,137 de 26 de junho de 862.
Deterininou-se por decreto de 11 do corrente,
sob n. 3,172. que seia extensiva ao segundo uni-
forme dos olliciaes da arma de cavalaria a uiodi-
fcacao estabelecida na ultima parte das explicarcs
publii-adas na ordem do da da repartico do aju-
dante-general n. 84 de 24 de outubro prximo
passado. para execuco do decreto n. 5,077 de 28-
de agosto do corrente anno, que modilieou o plano
de uniformes marcado para a arma de adunara.
Foi approvada por decreto n. 3,119 de ?4 de ou-
tubro do corrente anno. a reforma dos estatutos
da companhia Utilidade Publica, da cid ule do Re-
cite, a qual tem por lim tomar, pelo modo deter-
minado no regulamento interno e as respectivas
apatices, riscos martimos e de mercadorias em
barc;u;a por perda tolal das mercadorias, e terres-
tres, sendo estes em mercadorias transportadas
por vas frreas ou por estradas regulares em ve-
hculos .ipnloriados o de seguranca.
O capital rtesa companhia* de ,00f):000 di-
vididos em duas mil acedes de 1:00J cada urna.
Na ra de Luiz de Vasconcellos n. 7, falleceu
hontem, victima de envenenamento por strychin-
na, D. Mara Soares da Costa Gilheiros, de cerca
de 28 annos de idade, casada com o Sr. Miguel
Francisco da Coala Calheiros.
Deu-se este triste acontecimento, segundo nos
informarain, do segunte modo :
Aquella misera senliora tomara banlio hontem
pela manila no Boquerao do Passeio Publico, e de-
|kis de breve passeio. regiessara para casa, onde,
na forma do costume, beber um clice de pepsina
misturada com vinho.
Parecendo-llie que o licor tnha gosto differente
do dos outros das, examhiou attentaniente a gar-
rafa que o continlia, e julgou descobrir na parte in-
ferior um sedimento esbranquieado.
Sentindo ao mesmo tem|x dures de cabeca e de
estomago e grande anciedade, sus|M-tou a iuCeliz
senliora que eslava envenenada. Chamando urna
escrava, preta, de nome Francelina. que lhe dera
o calix de pepsina, I). Mara Soares disse-llie que
bebeme una porco do liquido que se contuha na
gamb a escrava recusou a principio a beber.
mas ceden ante a anieaca ; outra escrava menor.
chamad;! Elvira, tomou tnibem cerca de meio ca-
lix da mesma bebida.
Pouco depois U. Maria Soares, e pequea dis-
tancia as ditas esclavas, estorriam-se com dore*
liorriveis. O Dr. Mello Res, chamado por mu vL-
zinho. reeonheceu na senliora e as escravas o>
eleitos de violento veneno. .
Apexar dos soceorroa prestados, nao foi possivel
salvar a vida de D. Maria Soares. que expirou por
volta das 9 horas da.manh.
As apiilica^oes fetas as duas escravas, tiveram
algum resultado, detendo, seuo destrundo oseffei-
tos do veneno.
Ha fortes indicios de que o veneno foi propina-
do pela escrava Francelina, que sendo aineacad*
com pancada por sua senliora nessa mesma ma-
nh, por nao ter prompto o almoco quando a dita
senliora regressou do passeio, dssera menor El-
vira, que tinlia no bah um papelsinho com que a
vngaria.
Comparecern! o subdelegado, inspector e o Dr.
2." delegado com seu escrivo e procedendo-se as
diligencias necessarias apprehenderam-se diversos-
vdros com venenos, os quaes foram lacrados e ti-
ca ni depositados pan as subsequentes averigua-
coes.
- 17 -
O paquete franeez Xiger, da linha de Brdeos,
Irouxe lionteni follias de Rio da Pi ata at 12 di>
corrente.
No Rosario, provincia argentina de Entre-Ros,
l>or occaso das elecoes municipaes, tinlia havdo
graves desordens a respeito das quaes- cortiam ver-
soes encontradas. L'ns diziao que Jordaaistas e Ir-
quizitas tendo-se posto de accordo niarchavam en-
corporados pacilieamente afutra victoria eleitoral
certa, quando o governo formando a tropa mandou
fazer fogo contra elle. Outros attribuem toda a
culpa aos Jordanstas, dzcndo que se hariam ar-
mado para levar as urnas de assalto. O caso que
as ras da cidade se travou combate renhido em
que houve inuitos ferimentos.
Pouco depois foi assassinado em Tala o coronel
Taborda por um bando de malfetores, entre os
quaes se diz navereiu sido reconhecidos dous ir-
mos de appellido coronel, addictos parcialidade
jordalista. Ainda aqu uns queriam ver o principio
de um vasto plano de conspiraco, aopasso que
outros protestavam nao ter havdo se nao um acto
de vindicta particular.
Na provincia de Mendoza deu-se um facto que
caracterisa o estado danuelles povos. Um subdele-
gado de nome Manoel Ormedo teve ordem de per-
seguir uns salteadores capitaneados por um tal
Guayama. Effectivamente quasi sobre a fronteira
de S. Joo apanhou elle dous homens que deu por
Guavama e Paras, e tendo de voltar a capital d*
provincia e receiando que elles se Be escapassen
pelo caminho, para maior seguranca, passou-os
pelas armas.
O governador, recebendo participacao, nao so
approvou o procedimento do subdelegado, mas ate
lhe agradeceu em nome da provincia o importante-
servico prestado. -
Pouco depois, vendse que Guayama havia re-
passado a fronteira do Chile e WDftuilado ha-
via sido um capito de dragoesjlda fronteira, Sa-
turnino Garro, que acto da pnsao e depois multo
9
Y



atn G:ia\aiiia, a suuimara, sondo este tao innocente etinm o pn-
nii'iro.
Relativamente a uinarluoa> cim S(uili;ipu,eiii
qne seilizia UirauJsw) morios penu forjas dogo-
vcrai don* honii-ul aiitaviji*. Diiwo Olivoira "Gu-
lebiii Paxe u!tlriiia.a Nocid veajfifo.
I).is indios da [Nutrir sao- d.wta vea inelliOivs
a noticias. O coronel (Mli^adujiurtifipuva di* U>> i
To povornu do UiioBM Av&s 911! a r.iinioiaeaoqiir
linaa mau-lado ao Clsv-n adan.lajMns resultad is
ubinutleiid-MOJl quaes tinlia Wjf foito trapkdi entretanto distribuir arjSs do urna W por turma
de /U indios.
No"listado Oriental nada ttmn rOni do extraor-
dinario, tendo-se f.-ito as eleicoes por toda a parta
sen pertitrbacao grave da oroem palluca. Trnta-
a-se ayira il eleicao de enadores.
Aquesuiodos corro nao eatav alada rosolvi-
da. O commaud tute do paquete liudez JVrra,che-
gaado a Montevideo, declarou que nao rercola vi-
sita do porto n.'ieii!ie^;ivaacorre-|.audeneKi .roe
levava da Baraja c d Brasil, se o sea vapor alo
a tratado auno paqaate Avista disto o go-
varao annuio .1 que n'ra viageia o era foiasse
alada dos loros do paquete. ApraBosito desta
qitslii tinlu-.s.' pubuaa4.) a con.ene.. vjgoatd,
vne oio podia ser alunada sem previa denuncia
(mi un anuo dn anteellnela e a impronta cen-
surara o gorerao oriental pela precipitaras san ou
- liciivcia.
O telcuraplio transandino aanmtBta inesetsos
graves mronidos na Hovia. Hara all desaven-
es. catre o joverno c o congreso, e Muwuoha^c
inminente un revolueo quanilo a 27 de nov.'iii-
br.i f asaaaataad* *o presidente > Moaole Ko-
maja-ae presidente proviaurio o ir.' Prias e o ul-
fitn 1 111I1 jjiainu da o poro e o exerelto eaa boa
orJrm satisfe^to c uno novo mediente.
& M. o Imperad *r. aeoinpanliaJ 1 dos nena
sewaaarifB, visit.m bontem o instituto coiimiorrial,
onde titeando aa (i horas da tarde, foi reortHdo
pelo romiiiissario do goTerne, director do manato
e professores.
rendo asistido sos eximes do V anuo, Sua
Magostado tron-se donla das 9 horai da lem.
fot titulo de H do corrente oi OOOteao o ortl-
rial da secretaria da lliesutiraria do AnaMMiaa,
J1.v1uimA11t.mm i'ereira, nano-hujaf de es-
rraturariu da alfindega de Maea na aaaaaaa
provincia.
O resultado do* exames de hontem na Fa'-ulda-
" de Medicina f > O sei?;iiite :
f anuo mdico -Jos.' Serrano Moreir.i da Swa,
J.UT.iiin (incakes IVrreira Jnior, approva**
ptoa.uuoato; Alfredo Angosto da Costa Machad. e
NuaMlaao AiiUiim* lvrroira da Luz ;|>|UuvadS
/implesmeote. .
:i' anuo |iharoiaceutico foiaau pratio.)Jese
M 1 iliiilu dos Santos. Jos Fredorico da t.o-ta,
lhnri'|:ie Carlo Keldtiagcn, Francisco los Nahu-
4-o d.- Aruijq FroiUs, Kr;ujcisco uom.-s do- Reae
Artlmr Hourique Sauloi, Antonio Virtor l avai
Albort-i Americo dos Santoe Alir.d 1 Klisiano de
Carvalbo, approvadoa pleoanwto
Es-revem-nos : Na noite de O di correte, na
villa de SaRurenw, curato de Mata Gwao, ti
1 saaaiiawbaitananeuteHygino Tehejra de ma-
za. O assassino, interrogado pela poUcia, derlaron
(mu c mmettera ocrhneuor aienar-se Hjfpno atra-
cado eiu suas olu'ai-oes enmiHerciaes para com
elic, e ter abajado de sua ronnaoca. Cimpareceu
ojaflt de paz que proceden a carpo de delicio, e
mala tarde o subdelegado, que h". a coavcnlenles
iy-tag.ie.Vs e OM providencias para a raptora aa
nessoas iuiplieadas ueste ciime.
18 -
Por avisos de I" do correute foran moneados
c rpitas* de mar e raern 'ooo Carlos 'lavares
. iiiim Pranriseo de Abreu, pajai omoaodar:
.- I-a fragata Amuzou'u e(oJ* o Borwta A 'A-
rey.
Theionr-iit de PerimitbHc.l'ara i" esciif>W-
rarh o noloiil da secretaria Manuel los Flota.
Para ofHeial da secretaria o amauueasc laaaion
itodrigues Caruoo.
Para amanuense o platicante da da Bahia Pedro
Uoj-'inaldo Teixeira.
'kesaiinn-ia de S. Pedro d-) lUn-GruHth' do 9itl.
-Para Io eseripturario, o Oficial da secretaria
r'runeisro Pwoandi'8 da Silva.
Para olical da eseretaria, o 3 escripturario
J-iio Vicente de (Uiveila (luimariU*.
Alfiimleyn di Hio-Ciandc do SolFul dispensa-
do, a sen podido.da romuiiasao de inspector,che-
le de seecaou theaiuro, Luis Fortunato de Sooz;i
t'/irvallio."
I'ni aposentado o ebefa de fec^ao, Joaquim Sa-
turnino dos Santos Paiva.
Ful detuettido, o 2" cscripWiRtrio Jos Bernardi-
110 da Bocha.
Foram noicados:
Para inspector, o I* cooforeote (Emilio Jos de
l'.arvallio.
Para chefe de seccao, o l* ew-ripturario Candido
los I'ereira.
Para I" cmfeicnte, o i escripturario Fraueisco
Antonio de Azevedo.
Para 1'- escriptiirarios: o 3* dito Juaquin do-
mes da Costa e Silva, o 2" tuto da tucaonraria An-
tonio Vieia de Agniar.
Para i" eseriptuiarios: os :{" ditos Soaatao
Cari is Navano do Andraile o Joaipiim de Miranda
Bibeiro,
i) .i' dito da thesoiirariu. AumstoRangebAJyim.
O 1" dito da all'ande^a de l'erto-Alegre. Joao
Paulo de Kreitas.
Mfniuleja de Porto-.\teij-e.Para I" escnptii-
rario, o 2' dito da do Bi >-draiide do Sui Jaciullio
Forreira da Silva.
Alffimiga de Urvpwuama.Pan ^eootorante,
o 2o escripturario Jos ll'Avila llittencourt Neiva.
Alfuiiilfija dr Piiunmnco.VAYA :t" escriptura-
rio, o praticante da thesoiiraria da Babia Antonio
Jo.-.' desleir.
i'oi loosentadu o fiel de armazem, Elias Fran-
cisco Mmdello.
Alf'iiulega da PiY/*?/te.-Foinomeado l_"c.me-
rente. o Io escripturario Francisco Antonio don-
calves de Medeiros.
Aifandeijti de bunios. Foram reformados :
O patrio do oscaler, Jacintno- de Almeida.
O remoira do escaler, Sebastian Gomes.
Alfamkija de Ai acaj. Foi reformado o cabo
omoiandante da focea de guardas, los de Coes
Pesaos.
Alfuiiilegn do Cear. Foram Horneados 3M es-
cripturarios :
O praticante da tliesouraria, Candido Fesrira
domes.
O dito da thesooraria de Pernainbuco, Antonio
Samuel Pcreira Giraldes.
'fiesuururia da Baha. Foi nomcado :t" es-
criplur;irio o praticante da alfandega, Patricio Bar-
hoza de Araujo.
Tewdo-se prestado a fazer concurso, para ser-
da tl.e-
cera 00 jialac # di > uuro>so.
Ilavia ssiiu jirufonda agitaeja) nos circuios po-
liticos o e>perava-se a lodo o ntoaoetto que a si-
por un moviineiit revolu-
ea.iu, iiorm, as.iin. N% nou-
1 do iniii.i patotrou no palacio
ivtituciooiil dOpiubliea e assas-
Waao.fe 1
ciouaiii).
le de 28 u
lo presideatj
siuou-o.
( ) l'OP;
lili' U SU|
Fras i|i
visorio
Foi 11
pojo o
rio. Ac:
Jjis Jmlim, Alfredo JoaipHid Cnrivia^ Mus, Ca#-
I., Kageioo de Au.lr.id-- i.-.iiin;.iaes, francisco Ju-
H E dniecica, V. m-tanci.. la Fnoi.a AmjSal,
da'Criu K.'nvii Juni-r, Joaqjuin de ,'
Hi Feniand -, KiiiciM-: di Bocha al I ido
J..*| .10 Alvaro I'ereira, Jos Fchi llaibisa de
liv.ira, Joao Felicio dos^antos, Bicardo Fernan-
des ta Silva, Carlos de Olivcira oares, Francisco
Marques dj Suuza
: .eu
do Ata
reiiiiio-seOjcpoi' nr iuieriiu do coroael Morales o Dr.
lie iladu.uro-

Dr. Baptista, o
xercit adhe-
OBiain.ioU Mk coi
xo ti sUTA^Oside1
:ulo vice-presidei
iioii a ioiioaces e
todo Ta mllior oT.li
Cliil.
imunciou em Sautia-
l'ni Uilegiaimiia do
j.i uoi i)|v*.*o i.tccodjW quo ior-act\"a doyarr
tuda a -iail". Fcuiournie pooti liii' ^4"
pou outro dizeinlo que o fego fora atalbado, tendo
eonsumido nicamente a casa e;n que funcriona-
vam a associacio Vuvw\ dan Jiainiiu e o Baueo
darantia ; salvacam>e ler iK- (
rios, a
Augusto1
Vallada!
Ciuatiiiio:
Primeira cadeira : Appro\aju plena-
Stinc(;ao;-'Modestia Aujj
pleiumontft.:
ilo de Medeiros,
, Antonio Vire
duilln rniino de
nabara Faj-reira
.ao Carlea Lo
erreira ita_Silv
de Mestiuitii Barros, Li
Perrera A^-
do Carlos Mul-
Ufi>o duoa-
i-.lillencourt,
[a>l\>o\,Hciirique
Mirtell,, Hcnrioue
" liciano Monde*
deira de An-
niailii 111 hontem o eollBgfo commeivial. sob a
l-risidencia do Faui. Sr. desetnbargador Cistro
M-"nnr"<. para eleger Ores dopntados.
K eeliiTim-se 328 ce lulas o f .ram ewtW OS 09-
UhoKS :
:',iu (iiim Jcs fiomaiaisa Plaoiolia
j >-/ Ferreira l.e;il
r. Francisco de sala Vieira Buen 1
Seguiram-ae em votos:
I.-, dyriou Antonio de l.emos
I'. A de Aodrade Bosa
J--.- \ntoiiio Mon'eim
i 1 !)i.|ni:n M. Campos do Amara! Gurgel
1: 1 tiros > i votados.
viran einqualquer provincia, os pratieaides da the-
souraria, al(aotlega,e recebedoria da Babia, abalxo
Boonckmados, foram distribuidos da seguinte 111a-
KMia : .
Adolpbo Gentil c Annisio Cesar de Uhvetra \i-
anna, para ainanueiises da lecebederiadel'crnain-
eseripiurario
buco.
Pedro de Soma Marques, para 3'
da Uuoooraria Lis Amguaa, .
Antonio Basilio Silverio, para4a dito da do Para.
Kpiphanio Pedroea o Agripioode Abren Fialho,
para "% ditos da do Ceara.
Joaj Francisco de Souza, BM1 2' dito da .10
Amazonas.
Saturnino Antones de Carvalho, pam amauu-
ense da secretaria da mcsina fiCsaoraria.
Wenceslao .leii.inuio da Ciinha Alcntara, para
' escripturario da do Paran.
Por decreto de 27 de uovenibro ultimo foram
concedidas as apos.atadorias requeridas |tor An-
tonio Qodinho Hamos, 2" eseriptonrio dottaapuro
jiaeiomd -Ios Francisco C. moakes. 1" escriptu-
rario da thesooraria de PeraamBoeo, e Jos.? Manuel
.le s-i,:i, i" eseriptunoio da >Hijwbjjbi de Santa
Camarina.
ISO
isa
r.i
ii
i I
O paquete Olbe a, ao aliir lionlem m 9 bora da
;:i taha, morado a vu|ta da ha das Enxadaa, o
ii.,s ando por fon de todas as t.oms, baiOU no casco
1 1 fragata l). Pedro fi.ifaeafiacba.su lubmergida
r:n lipes doaguaeencalhoo. As3horas coosi lio
sa.-'ir sem avaria alguno, e sale hoje,s8horaa
> liKinl para a Europa.
O resultado das defezas de thoMe teitas hontem
ia Faculdatle de Medicina, em presmca de S. M.
u Imperador, fui .. segoiote :
Angosto Ferreira dos Santo-. Juio Baptista Ke--
su:i Vinelli e Pedro fiojMM de Lemos, approva-
d. vohi dhfiacco.
- 19
Por titulo de lfi do corrente foi nomeado :! -
rriptorario da alfaodega ie Peroanri 000 Maneel
Venaucio Alve- .la Fouceea ; Ikando sem efMto e
titulo que o nomera para igual etOOfOfO M tlie-
ouraria da mesina provincia.
Por decreto i-e 18 do corrente, na eonformidade
-ias disiiosicoes do aii. 6" da iei il 1,1*8 de 11 de
etoiflbm d t86t, foi transferido para a arma de
infsotaria o 2 lente do 1" batalliao de aitilharia
a |> Jofu. Vieira l'eixuto.
Por d'jcrcio das dis|iosicoes do 5 3 do plano que baixou com
ooVrretodell de dezenihro de 1815, foi refor-
mado com o respectivo sold por inh'iro o soldado
do 21" batallan de infantuta, Sabino Esterio da
Sil\a. visto aeluir-se impossibiliUuio para o servico
do exercitoem consequencia dferimento rcbiilo
e> combate.
Por decreto de igual data, foram transferidos
para a \4 compauliia do 9" Itatalhf.o de infantera
o capitn da compaobia da mesma arma da i'ro-
vincia das Alagas Ji>s l.ongainho da Costa Lcltc,
e para esta companlda o capitao daquelle batalhao
Joao DuDihtgaee Bamos.
Por portara de 18 dn corrente. foi aporovada a
proposta que fez o cirurgiao-uior do exercito, do
uhannaceutico alferes Aprigio Amero Girino de
Menezes, para servir na provincia da Balda.
Por avisos da mesma data :
Foi approvada a nomeaco feita pela presidoniia
da provincia de ii-ir, do"capitao honorario Agos-
tinho Bibeiro .la Fentofua liara eomman.br o
presidio de Jurupensem. em snwtBiiicao do c;q
Jo tambem honorario Anh dio Bento Fios, que
foi nomcado coininandaote do presidio de Santa
Barbara.
I*or decretos de 18 (lo corrente mez foi removi-
do, a seu pedido, o juta de dircilo Fraueisoo Jos
Cardse Gnimarae^ da comarca de Solanlo, 11a
provincia do Am.izoia-, para a de Inliha, na do
Iv.pirito Santo, ambas de pritneira eotrancia.
Foraui Hornead os jui..es muincinacs e de or-
pti.i).- :
O bacharel Jos Machado Piuheico Lima, do ter-
mo de S. Carlus do PLnhal, na. provincia de S.
Pauio.
O bacharel Jcaquim Antonio de Mesiiuita, do
termo de Pastos, na provincia de Mines-deraes.
O baj-diarel Antonio Bvsvrra da Bocha Moraes,
do termo de Soure. na provincia do PsiA ,
O bacharel Ernesto Uodrignes Vieira. do tormo
de Serpa, na provincia do Amazonas.
Foi exonerado, a sen ptdiifo, o bacharel Anto-
nio Luiz It.imos Nogueira, do lugar de juiz nmni-
Cipal e de orphaos do termo de. Arias, na provin-
cia de S. Paulo.
Foram Horneados para a guarda nacional :
O capitao Joaquim Francisco de Souza Leio,
maji.r conunandauto do esquadro de cavallaria n.
(> da provincia de Pero-uibuco.
J ao Manoel to llanos Accioli. major comnian-
dante do 7o e.-quadro d..' cavallaria da iiiesma
provincia.
O major Hermogenes Ferreira de f'arvalbo, le-
ncnte-coronel eoinmandante do batalhao de infan-
taria 11. ~l da provicia do Piauhy.
Concedeu;Sc reforma :
No posto de coronel, so feuente-eoronel Carlos
Mendos i arvalho, eoinmandante do batalba de
iiifauliia u. 24 da guarda nacional di provincia
do l'iauhj.
Foi transferido:
O major couiinaiuhiiite do esquadro de cavalla-
ria 11. 7 da guarda nacional la provincia de, lVr-
naiibuco, l'iesciliano do Barros Accioli l.ins, como
aggrcgado para obatalhao n. W da mesHa pro-
vmcia.
Permittio-se:
A' Juviiio Kpiphanio da Cunta, escrivao da ex-
tiucta cliauceliaria darelaco de Pernambuco, ser-
vir ctiiurdalivamente cornos escrivaes d appelta-
lae.'.es da mesma relacao.
O resultado dos exames de thos.>s. fritos ntc-
Jiunteui na. Faculdade de Medicina, foi o se-
itiutc :"
Estevao Bibeiro de Bez-nde o I.OOjenco Barbosa
Vieira da Cunha, approvados com jistinecao,
Crias Aiitoiio da Silicua. Ilemique Suerbrouit,
Joauoim Beruardes Uias. Nirberto u>' Alvareng
.M.dia, Augusto Jos da Silva. rlermoneSjildo da
Cunlu Bibeiro Feij e Virtorijio BJcardO Barbosa
Boineu, iqiprovados pleiiatuentu ; Antonio Joaquim
Coria, appi'ovailo simplesniente.
O dos MHIOS liuiitein foi:
Luiireneo Ferreira da Silva Leal, Fmygtlio Ma-
nuel Viciorii da Costa e Paulo Osar da Andrade,
approvados con tlistinceao; Miguel de Olivcira c
Silva, Autuuio Ceopoldino dos Passo*, Carlos Maxi-
uauo tle Azevedo e Silva, Luiz d;' wustarCliaves e
Palia, Giiillicriue Augusto MOreira <.;iimaraes e
Pedro Augusto Per.-ira da Cunha .7;-r itToJos ple-
namente ; Antonio Constantino do Valla Guimaraes,
approvado siinitlesnienle.
diado Antonio tiyinpio ta Siiveira, Augusto de
i' Afcnuzes Vascouti-lios UfUimnund, Luiz Baldo de
VsconceUs Jos Mariano do Araojo, Antoniu Ja
cintho (leAmeida.
Approvados simplesinente: Candido Leopoldo
Estows, Manocl EfouteriQ Alvares de Araujo,
f'artws Manocl Por reir dturaujo, Ignacio Augus-
to Cesar. Carlos de Miranda Santos.
Segunda cadeira. Approvados plenamente :
Moile-tiuo Augusto de Assi* Martin*, Henrique
Gaatunosioi Ferreira da Silva, Augusto Gtianaoa-
ra Ferrara da,Silva, Joao Carlos Oe Lobo Botelho'
Henrique Valladares, Alfredo Carlos Muller de
Campos, Luiz Antonio de Medeiros, Antonio] Ulym-
pio da Stlveira, Antonio Guilhonniuo de Lacerda
Bittcncourt, Luiz Comes Caldeira de Andrade, Ma-
uoel Eleuterio Alvares de Araujo, Luiz Baoeltode
Vasconcellos, Antonio Vicente Bibeiro Guimaracs,
Augusto de Menezes Vasooncellut. rnnim nd, An-
tonio Jaciulho, de Almeid Felippo Ferreira Alvos,
Candido Leopoldo Esteves.
Approvados simiilesincnta : CdHos de Miranda
Sant s, Feliciano Mendos de Mosquita BartM, Jos
Mariano de Araojo, Garlos Muocl Ferfairn de
Araujo, Ignacio Augusto Cesar. 1
/., fino. Primeira cadeira : Approvado plena-
mente com distinrc/10 Boberto Trompowskji Leitiw
de Almeida.
Approvados pleaainente.^Jo'o Martina Pereira
da Cruz. Braz Ferwira da Franca Vel ozo, Jorge
de Almeida, Henrique Augusto Eduardo Martius,
Ildefonso Goimbra, Jos Joaquim de Vasconcellos,
Luiz Joatpiim de Castro Gaijciro Leso Jnior, Fir-
mino Pires Ferreira, Bodrigo Autouio de Assump-
cao, Hilario Augusto Teixeira Leite, .Nicolao Ale-
xandre Muniz Freir,Boaventura. da Liu Bqdrigues
CiJrcira, Francisco AfOStume tl Mello Sopza Me-
nezes, Aurelio I/>pes Baptista dos Aojos, Joaquim
Martins de Mello, Manuel (juirino dos Santos, Fir-
inino" Tiieotonio da M rada. Hippoly'o Quirinn dos
Santos, Antonio Gabriel da Silva Bieno Herine-
Mjr portarlas de 17 do eorrente foi nomeado
.comandante da fortaleza de GragOSt O capitao
otonio Luiz Alexandrc Bilieiro.
Foi esmerado, a sea pedido, di lugar de aadi-
tirdc gnom da provincia do Amazonas, o juiz de
i'ireito Augusto KI\-io de Castro ooivca, e Lo-
meado para siibsttui-lo itaulino .I- Soasa I cha
Pm- portarla da menas data foi concedida a
transferencia para o > batalhao de infamara ao
al'ere-i do 18" da/ mesma anua Joao [gj loro Cbs*
1 -:.
Bo fio da Prata reeebeasqe naniam foMus da U
rJoeerrentfl pelo paquete btglaB smaviiar, da linda
do rneMro.
\ Tidiiiim de Montevideo publicaumqnaija
dirig la ao prfsidettta da reasMie* por mw colo-
iu>s fraucezi'S que, tolo sido contratados para
irakamar no departamento de Minas, apasau .-illi
rkefiados foram levados ao qnsslel n farondot a
- :t cu.00 sold.nl/s. Q:u'ixaram-se so essfopo'
lieo do deparlamcnto. que por nica respOSta 09
adveriio deque setornas-eni a incoimiioda-lo, Ihes
naaidaria dar 1.000 acontes.
Ese igrndo elle* en'lao nina carta a um enmpa-
trista seif, Ladoes, ptMiii.lo os limase da violen-
cia que estavant solfremlo, foi esta carta intereep-
lida |iel anloridade, e os dons signatarios 1 >o-
deatadei nm a 800 e outro a 300 acontes. I'oi-
ro dejiois 1111 ilaipielles companheiros de infortu-
nio soflria a pena de 200 acontes por asas bwf
falta de ilisciplin.'. Osnom.s itnoeoisaoeSSO Hen-
ri;.;. Hiseoars. Augusto Calis. Carlo< Saga5. Joao
usordeo Caaes Antonio. Kste nhimo j hvria
r-iiii-ido.
Nada mais tic teresse encontramos nssfolnaa
qoc temos a vista.
O resultado dos exames de theses de hontem,
ni Faculdade de Medicina, foi o eguinte :
Je*'; de Azevedo Monteiro, approvado com di<-
tici'); Francisco de Farra Serra, Antonio de Sou-
za CaiDj/.-, Valeriano fiamos da Pdnceca e Pama-
L'o los Pinto, approvados plcoatnente.
- '
O nigue nactoal Mariuko, sahido desfe porto
-para o de Canavieiras, com carga de sal e varios
yeseros, no dia 3 de novembro ultimo, naufragon
ii 19 do mesmo mez na costa da Corrnbrxati-
a, B loguas. ao norte da villa do Prado, pro
da Babia, salvando-se a tripolaeo c passageiro e
j/erdendo-se toialineute o uavio e a carga.
M'irinho stava seguro na companUp. Fideli-
lie. do Rfo'de Janeiro.
-20-
Pux decretos do 18 do corrente mez: Pez-s^
rurc das honras de offleial nn-nor da casa impe-
fial ao architecto honorario Francisco Joaquhn
1S-uwui t la Sili
Foi nomeado cavaiTHro da ordem de S. Bento
lo Avii o captie reformado do exercito, JosiV
>raei.scj Machado.
Por carta imperial da mesma data :
JFez-se merec da dignidade de arcediago da ca-
Foi approvada a nomeaco feita pela presidencia
da provincia do Para, do'tenente honorario Joa-
quim Torquato Mendos da Silva para director l-
terino da colonia militar de S. Joito de Aragnaya e
commandante do respectivo destacamento em snbs-
tituicodo capitao de II batalhao de infantaria
Sobasto Antonio do Amaral, que foi exonerado.
Foi approvada a uouicacao feita pela presiden-
cia da provincia de Santa Camarina, do aneaos re-
formado do exercito Joao Leite Bibeiro de Salles
para o lugar de ajudanle do cominatMo da forta-
leza de Santa Cruz da mesma provincia, e;n subs-
tituicao oV'tenonto honorario Joaquim Antonio
Gomis, que foi exonerado a seu pedido.
Por portara de 18 de dezembro de 1872 foran
transferidos :
Do 2 para o 1* batalhao de artilharia a p, o
1" teoente graduado Jos (bandido dos Beis Monte-
negro.
Pe 11 batalhao de infantaria, para o 7" da
raASDU arma, o tcente graduado Antonio Ano da
Silv Viveiros.
Por decete de 12 do corrente foi exonerado o
capitao de mar e gnerra, Ignacio Joaquim da Fon-
ceca, do cargo de capitao do porto de Pemaiubtico.
Por docreto de l.'l do corrento foi promovido
eT'ctividade do posto o 2o teoente de commissao.
Carlos Augusto de Paria Veiga.
Por derWtOS da mesma data foram reformados :
0 Io tenentede 2" elasse Jos Antonio Correa de
Mello no mesmo jiosto, vencendo treze vigsimas
quintas paites do sold, por contar mais de 13
anuos de servlco ; e o Io sargento Manocl Simpli-
cio de Lima com o sold por inteiro, nos termos
do decreto n. 1,4<5 de 25 de outuhro de
do 'i'
1K.
Em portara de 18 do corrente foi exonerado <
engenheiro Emilio Gengcmbre da commissio rete
liva a estados e euorsces de urna estrada de
ferro eatre 8. Jos de Cajzeiro e a cidade de Ca-
via*, na provincia do Maranhao.
As foitnts do Rio da Prata trazidas hontem |>eIo
paquete inglez Neta, da liidia .le Southampton. e
que chegain a 15 do corrente. uooco trnzom de in-
para os nossos Iw'tores.
I ns duzentos e tantos emigrantes cliegatkis a
Bnrnns-Ajres no vapor H'iuiqis IV, procedentes
do Havre iornaram-se suspeitos por irem todos
: miados, inclusive algnns frndes. e na qnererem
dar os seas nomes, tiveram ti' ser eonstrangidos
a i to pela forja armada que foi a bm-do, e wma-
das as armas, permiltio-se-lhes o desemliarque.
A impr-nsa cenanrava o gOTerno por nao ter to-
mado ontras preraneOes contra Itosjtedes que
ameacavam tornar-sc perigsos. Sao os mesmos
passagelro! que neste porto obrigaram o coimhan-
d.inte do vapor a pedir auxilio estacad naval
francs*.
Em Montevideo a ejofeo de, oleitores de una pe-
mador foi mais agkaos dividi mas- nrofonda-
menle o partido colorado, de que a de diputados.
iUma das fraeooos deste partido protestava contra
aquella elcicao.
i A questio" de eotr*> centimiava ne mesm p1;
Hria-ser norem. qne o eooerno oriental ia nego-
iciar novo'aoeordo possaT com o inglez.
' Os telcgramora* de VsJparsiso aecressentam al-
guns pormenoref a respeito do assaseinato do pro-
0 temporal que hove na tarde de fT. nafre-
guezia de Inliautia, causn hasteottw jafra^ns,
nirmento no porto. AsalantaciVe llcjranSUauo
d.iiiuiiiicadas; algiuwu eneas siiiTrer.iio grandes
avarias, uutras cnegtam mesmo a cahir. t- as es-
tradas obstruinuu-se em diversos lagares comas
f;dhos e troncos das arvores, que o vento destro-
Cou ou fez lombar.
Na mesma larde um bote, que parti da curte
pata aquello porto, tripulado por sen proprictario
.los Pinto Torres e por outro individuo, sossoorou
aocbegar ilha da Sapucaia, n; enseada do lugar
denominado Caldeireiios, eseapanil'., felismente
ambos os remadores por aajsrrarein^n a quillia do
tuto bote, e sendo alinal salvos pefcm noeioaaos
Horacio Silva, Jos Mara Kudrlgnos, jichis portu-
guexes MaiK'i1! Ignacio do Refero. Pranmeo Jis de
Freas e Fraunsw Cabral da Silva, os quaes,
com risco tle vida, foram em nutro b ite ao lugar
.lo sinistit., e a nkiito custo eonsefuirsm Icva-ma
para ten a.
O crleito do tenqioral Rn>se tambem sentir na
ilha do Pillheiro, onde a queda dfl mil;-: chaioin
produzio atguns estragos noedilci-. e nos ealdeiras
de una fabrica de saliiio.
Por portaras de 20 do corrente, foi nomeado o
capitao do corpo de estado maior d 1* elasse Ame-
rico Rjodrivaes Be Vsseoneellns) par.': o lugar de
alodanto da directora d.-i fabrica de porrn da
Estrella.
Por portara tle 21 do corrente. i.ve lieenca para
residir na provincia do Rio Grande do Sul.o sar-
gento reformado do exercito Jofio Maci.i Antunes
Haht.'llo, devendo ser pago de sejes venciniento-
[icla tbesounuia de fazen.la .la da pr-i-incia.
Por decreto n. 3,173 de lfi do eorrente foi de-
clarada de 3* entrela a comarca du Valenca,
creada ltimamente na provincia do Rio de Ja-
neiro.
Por decreto daincsma data, solo o. B.I7B, foi de-
clarada de 1." eiitrancia a eontavca de Iririti-
ha, creada ltimamente na provimva do Eopirito-
Santo.
Foi, por decretos de 16ifoce'rent, eiivido,' no
termo de Souza, na provincia doPar, ;nnhigapih!
juiz municipal, que accumular as fon soe9 de juiz
de orphao?.
Phr decretos da mesma data foram mareados os
seguimos ordenados : ao promoior publico da co-
marca de Valonen, na provincia do Bio de Janeiro,
o de 80000e ao da comarca fo Irititib, o de
........... v .....^....., -...fw...................
ipcao, Joaquim Fercsa do Hego, B Rodrigues Cidreira, Rauhael Arehanjo Gahao
Marciano Augusto Bohiho de Maga-
10"-.'
A Sra. D. Belmira Palm de Menezes, vinva de
Nnno Paim de.Mcnezes, eoneodeo a benladc a
seu cscravo Luiz, de 2 annos .Je iilad". lilho tle sua
escrava Sarah.
0 resultado ds exames de theses de nuUem, na
Faculdade de Medicina, foi o seguinte:
Antonio da Silva Olivoira Jnior, Luiz Manocl
Pinto N'etto. Francisc* Ferraz de Maccdo, An-
tonio-Jos de Castro Jnior. Pvaneisee Julio Xavier,
Francisco de Paula Souza eves, Amonio Silverio
Gomes dos Rote, Adoiidio Mnriins de Olivoira, Ma-
nuel Luiz de Moura, Joao Baptista da Ro,'ha Gon-
ceicao. approvados pl.siameni.-
xo exame do 1. anno pharma*'eni'o, Carlos
Francisco Xavier foi approvado plenamente.
0. resultado em ordem de meracimento, dos exa-
mes feitos na Escola Militar, no eorrente anno pelos
alumnos do curso superior, foi o seguns*:
3." anno Primeira cadena : Approvados plena-
mente ; vonisio E>nnge ta de Ga tro Gerqoeirs,
Antonio Gandido Rodrigues, Jos Rnbello de Vas-
concellos, Carlos Einiemo de Asdrie Guimaraes.
Celos. Augusto de Castro Andrad^ Alfredo Krnes-
to Jacques Ouriqne, Alfredo Pemandes Dias, Jos
Jardim, 1/iiz Mendos de Moraes, JosAFehx Basbo
sa de Otoira. Conetsneio da Franea Amaral, Joa-
ttm- SsIIps Torres liomem, FYaneisco da Croa
prreira Jtmior. Francisco Julio dn Coneefoo, Al-
fr.tfo Joucmim orroia, b- tve. Frondoso da Ro-
cha Callatfoj CarloB de OBveira Soares^ Joaquim
Alvaro Pereira^ Praneisco Antonio Rodrigues Sal-
les-, Francisco Marqnos de Seoea.
Approvados. simplesmente : Joaquku deOnveira
Fernandos, R-ardo Peso-ndes da Silva e Jeao Fe-
licio dos Santos.
Segunda cadeira. Annrovades plenamente :
Bi nisio Evangelista de Castro Cenjnetft,.AjtoaM
iiegildo Alberto Carlos, Gregorio Th; amatlirgo de
Azevedo, Aristhles Itodrigues Vaz, Autonio Mi.reira
Cesan, Autonio IMnto da Silva Valle Jnior, Job
Moreira de Magalhaes. oaquim Persas do Bego,
Marciano Augusto Botelho de Magalhaes, Francis-
co MarceUno de Souza Aguiar, Bapliael Arel) injo
Gal cao Silbrinno. Virgilio Decio deQueiroga Rosa,
Jos Luiz Coelho, Francisco Soares Neiva.
Ajiprovados simplesmente Octaviauo Augusto
Monleiro da Franca, Presrilo de Souza Coelho,
Uonaciano le Araujo Pantoja, Pedro AI ves da Sil-
va, Ezequiel Jos Gonc;dves de Maccdo, Joao Bap-
tista Marcondes dos Reis, Joio Manocl do Siqueira
Genio, Eduardo Augusto Manhos. Ilelvidio Augus-
to de Matt.is.
Houvc i reprovados.
Segunda cadeira.Approvados plenamente:
Henrique Augusto Eduardo Martins, Roberto Troui-
iwwsky imitan tle Almeida, Braz Ferreira da Fran-
ca Velloso, Finuiuo Pires Ferreira, Luiz Joaquim
de Castre Carneiro Lelfl Jnior, Jos Joatpiini de
Va-concellos, Gregorio Thaumaturgo de Azevedo,
Nicolao Alexandre Muniz Freir, Henrique Valla-
dares, Jorge de Almeida, Octaviauo Anguslo Mon-
leiro da Franca, Joao Martins I'ereira da Cruz,
Virgilio pecio de Qnoiroga Bosa, Hermenegildo
Alberto Carlos, Firinino Theotonio da Morada, Au-
relio Lopes Baptista dos Anjos, Antonio Gabriel da
Silva Bueno, Jos Luiz Coelho, Ildefonso Goimbra.
Pedro Alws da Silva, Joaquiui Martins de Mello,
Manoel Quirino dos Santos, Hilario Augusto Tei-
xeira Leite, Praneisco Agostinbo de Mello Souza
Menezes, Fraueisco Marcelino Je Souza Agniar,
Job Moreira de Magalhaes, Rodrigo Antonio da M
sumpe
Luz
Sobrinbo,
Iliaes.
Appruvadis siin|il.-sinenle : Joao Baptista Mar-
condes tos Keis. Prescilo !; Souza CoolMk .\risti-
des Rodrigues Vaz, Jos Manuel de Siqueira Cont
Francisco Soares Neiva, Antonio Moreira Cesar,
Hvppolit 1 Quirinn dos Santos. Helvidio Augusto tle
Mallos. Ezequiel Jos doncalvi-s de Macedo, Anto-
nio Pinto da Silva Valle Jnior, Ncrbert de Anio-
riui Bezerra, Uonaciaoo de Araujo Pantoj.i, EdnaF-
do Aii-nstoManhaes.
Houve 3 reprovados
Por falta do liabilitarites deixaram de falter e:
me dous alumnos.
23
- Procedendo-se hontem eleicao da
conmi-.-oes do Instituto Historien eGeogjrapliic
na forma do respectivo regiment, foram deRoa
os seguintes Srs, :Presidente, Mrquez <|e Sapu-
cahy ; i. vice-presidente, Visconde do Bpm Ke-
tin; 2." dito, Dr. Joaquim Manoel d--; Macedo, 3."
dito, Joaquim N01 lieito de Souza e Silva. 2.9 secre-
tario, Dr. Jos Bibeiro de Souza Fontes ; secrete
rios sulflenles, l)r. Garlos Honorio de Figneir"lo
e l)r. Manoel Duartc Moreira tle Azevedo.
Orador : L)r. Joatpiim Manoel de MaeedO.
Thesoureiro, Antonio Alves Pereira Con ;
Commissao tic fondos e orcauento. D
cisco Ignacio Marcondes Honim de Mello, Alfredo
de, Escraguolle Taimay e MaximiaDo Marques do
Carvalho.
Commissao de estatutos e redaceo do ravista.-
Dr. Olegario Herculano de Aquino c Castro, con-
selheiro Dr. Francisca Balthazar da Silveira, Dr.
Joaquim Antonio Pinto Jnior.
Lommissao de revsao de manuscpos. -Se-
nador (kudido Mondes tle Almeida, Dr. Jolj Bi-
beiro de Almeida, Dr. Antonio Pereira Pin
Commissao de trabadlos histricos.Dr..
Manoel de Maoedo, Dr. Francisco Ignacio lareon-
des Hoiiiein de Mello, Joaquiui Norberto de pouza c
Silva.
Commissao subsidiaria -de trah~aihos histri-
cos. Dr. Jos Maria da Silva Paranlios, Dr.
Alfredo Escragnolle Taunay e Dr. A. \i. Pas-
choal.
Commissao de trabalhos geograpbicos
na.lor Candido Mendes de Almeida, Dr. Jos Sal-
danha da Gama, Dr. Guilhenne S. de Capa-
nema.
Commissao subsidiaria de tndiallios geographi-
cos ;Dr. Miguel Antonio da Silva, teneate.-coronel
Pedro Torquato Xavier de Brito e conego Dr. Ma-
noel da (aosta Honorato,
.Commissao de areheoogiae otbnograpiiia:Dr.
Manoel Duarto Moreira do Azevedo, Dr. ithslo
de Souza Mello Netlo, Dr. Benjamn FranKIin Ba-
rniz Garvao.
Commissao de admissao de socios: Dr. Olega-
rio Herculano de Aqaino c Castro, Dr. Agostinbo
Marques Pordigo Malheiros, Dr. Benjamn Fran-
KIin Barniz Calvan. <
Cemmssao de pesquizas de manuscriptos:Dr.
Carlos Honorio Je Figuciredo, Dr. FeHzardoPinh,?i-
ro do Campos, \ntonio Alves Pereira Coruja.
Nao snprocdeu elei^ao do i" secretario por
ser a escolba hienn.il.
- 24-
0 resultado dos exames de theses hontem na
Faculdade de Medicina, foi o seguint : Manoel de
Arriaga ire Angosto Cesar de Andrade Duque-Es-
trada, approvados com dlfac^ao; Horaoio Leal de
('.arvalho Res, Augusto Pereira da Silva Guima-
raes, Joaquiu-Antonio da Cruz, Jos Pereira da
Silva Netlo, Bernardo Teixeira de Carvalho, Cari-
vaJdo Jos Chavantes, Manoel de S Brrelo Sain-
oio, Armindo Babello de Lima e Carlos Amoronio
FerYcira Penua, approvados plenamente.
suTTOeeaoanoi,
No ilia 12 ilesto muzo prosuloiito reo*A>ra
vjpaijw da caiimri inuiicjiiT uina 1 -'iij'mis-
Sa iir'ui ala pela asstutblea rovincial narj
lelfcita-lo'potos uijJitiii's wrvfeoo prestu-
tios provincia ilurant sua atiminist:ae.i.
Na noite seguinte foram taniheiii mais ile
00 [essoas, atfoinpanhadas tle tluas honuas
tlt; msica, felicita-lo pela sim eleieio para
nii'inbro da ussciubltia tenipoari;i pelo i"
disticto da provincia do Rio tlu Janearo.
No dia 24, polas 7 horas da noite, foram
abertas j disticto de D. Podro 11, as aulas
nocturnas de grammutica purtugueza, Ira 11-
cez, arithmotica, algebra, geometri, pjetf-
graphia e historia.
S. L\c, .ii/ a Silunrdo, tornan.!.) ex-
tensivo o b.,'iielLo do curso nocturno (r&-
guezia do S. Coiir.ilo, nomeoii para n-ger a
1" eadcjra o concg' Antonio onriqno de
('.arvalho Ferro, para roger as 2a e ia o pro-
li.ssor capitao Joao Ilohorto da l'.unha ta-
collar, e para roger a 3a o major Luiz Fran-
cisco HcniKiuos. O acto dntnstallaco ve-
rilicou-so nos saloes contiguos groja de S.
(fncalo, que se acharara cuidadosamente
preparados e hrilhantotnonto iUuminados.
fe-CRAKne to slx.
Fundra-so na provincia mais urna colo-
nia s a dcnomiuac.ao tic iismark ; ella
situada no districto das rcsdeCainaquama
cm torras do Sr. tortlc c de alguns vkinboe
seus. / A colonia contm urna arca do cerc,
de i loguas quadradas, cortadas por nuno -
rosos arrotos e cotonas de extensas martas.
E' ubrrimo o seu slo e dista tros loguas do
porto dos Taipos no navogavel Camaquam.
Keuuira-se no dia 13 a cominisso
adniinistrativa da praen do coniniercio para
tomar conhociinonto do pedido do Sr. Bol-
ines, agento de urna couipanhia do Montevi-
deo, tpao pretende estatoweer urna Buba te-
lographica at ao Chuy, em que pedo quo 0
assoctaco daquolla praca tome em conside-
ra(;o este assunipto de tanta utidade para
o commcrcio, dando-luo u.ua inforoiacao
como julgasso conveniente, visto as vanta-
gens com que estabolecida a dita linha.
commissao decidir que se respomlo-
ravehnoiito.
Na mosma reuniao a dita ooramissio re-
solveu acompanhar a associac&o conunercial
do Bio do Janeiro na sua justa represen'...."
A assembln pedrado a rcvOgaQao da le de
2G do setombro de 187 que elevou a i .
os dircitos de exportaeao.
Constava, diz o Wo-Grandeme, que
no dia 1 lora mettida no xadroz toda a leu-
da de msica do corpo policial, ignorndo-
se o que dera motivo a esse acto do seve-
ridade.
rique, Jos Beliello do Vaaeenceltos, Alfrodo Fm>
nindes Dias, Carlos Aiunsto de Castro Andrade,
Luis Mondes do Maraes, t'ranesoo AjxJoojo'lsoitsv
raes Salles, Joaquim de Silles Torres Homop,
ja.
'. I- ran-
o. -.
oaqim
: Se-
DIARIO DE PEflMilnBUCO
RECIFE, 30 HE DEZEMBRO DE 1818.
\oficio* ifi snI t> imperio.
Chegou hontem s 10 horas do di* o va-
por inglez A ota, trazando, dates: do Molto-
lirosso 2& de novembro, do Rio da Prata
18, do Rio-Grande do Sul e do Pnrans 22. J
de Santa Camarina 19, de S. Paul 20, dn
EspitUo-Saato 17, do ttjp do Jaitemo 24, o
Candido1 Rodrigos, AMredo Braosto. Jaeqpes 0or da Bahk 27 do corrente.
\Um do quo publicamos sob as rubricas
Parte Offkial e Interior, s eneoniramos
nos jornaes o que segu.
Segundo reforo, o Tiovo, folha do4s-
guarao, om 3 do corrente, o Sr. Manoel
Fernandos de Mattos o sua familia iam sendo
assassinados por duas escravas do ni uM
Martinha o (iregoria, que pozerain un.a ppr-
cao de verde-pariz na agua do cha ou caf.
tefore o Diario do HioAirandi:
Damos hoje os pormenores do dcs re
do pequeo batel, no qual perecen rpKz
.loo Pereira da Silva (luimaraos.
O sublologado Virissimo Jos:'' daCos
procedeu liopiem <1 inquejrico dos dous nau-
frago qno declararaque quando naufra-
garanij agarraram-se quilha do pequeni
batel, e assiin estiveram duas horas, qua
lhos Bppareceu seguindo rumo de Pelotas o
hiaio l.'ror, cujo dosliumajio patrao nio Ces
prestoe soccorro.
Drzem os dons que sobssjrivoraui, qne
nessa occasiao o desventurado Guimaraes
dcsanimou, o nao cotiliando na protoceeo
humana, dopois le tor resignaeao por di ss
horas, doixou-so dosprondor da ttboa dfi 5
vaeao, (losappareceii'lo as ondas quo esto-
van agitadas.
y l'ouco tlopois, o peqneno batel, arras-
lado peta eori'enb'za drente, fra dar -: -
rangoona, onde esteva fondeado o hiato
Hrithrtnte, de bordo do qual (brarn 1
vistos; suspendendo incontinente o hist' -
guio era .lirocoao ao lugar em que estovara
esses dous iul'olizes, a quem j as forcas fa!-
tavanr, e poucotmpo mais poderiam con-
sorvar-se nessa hita com os elementos ; dou-
llms cabos, em quo se agarraram, conso-
guindo ir para bordo, onde o jiatro Fran-
cisco Antonio da Silva Jnior Ibes disponsou
todos os soccorros, trazendo-os para esta -
dado.
No dia 30 do passado, o inspector do
0* .uarteir;lo do tormo do S: Cabrio!. De-
miao Coelho de Moraes. saliendo que um in-
dividuo de cor cabocla e um pardo-escore
biviam vendido, varios cavnllos a diversas
possoas, tratou de syndiear dofacto, o -
que esses individuos vinham de Jaguaro,
que o primeiro ora paraguayo e o outro :
escravo fgido; vista desta infornacao
tratou o mesmo inspector de os capturcr, o
que levou a oloito, apreseutando ao delega-
do de polica, naquelle dia, os referidos tn-
dMInos, em cujo poder foram encontrados
tres cavallos e um petieo, pertoncontos ?.o
fazentleiro Soverino Jos Collares, morador
no municipio de Bag, um relogio, um Se-
lim, redeas prateadas e fiador, furtad--
capito Paulino Caetano de Souza, residen! 3
naquella cidade de Jaguaro.
O paraguayo declarou chamar-so .fos
Jobino Monteiro, que era caixeiro de um ho-
tel do dito capitilo Paulino, e que fugira
poique o ipieriam assassinar. 0 pardo se chamnr-sc Marcelino, ser escravo do in-
mo capitao, o. que havia fgido seuzido
por Jos Jobino; que aml)os haviam rou-
hado os cavallos e que prctendiam ?ag'::r
para S. Borja.
Tendo sido presos em flagrante, ionra
10.1 .lindos cadeia, mandando Odetagatk
entregas Marcelino a seu senhor vista do
urna precatoria remettida de Jaguaro, e
passaiulo i disposieo do Dr. juiz municipal,
Jos Jobino Monteiro. Os cavallos que fo-
ram vendidos desde que os dous individuos
entrarara no termo de. Gabriel, bem como
os que ainda tinham, foram entregues o o
procurador de Severino Jos Collares.
Tinham fallecido : em Bag o canitto
reformado Domingos Luiz da Coste Cardse,
no Rio-Pardo o major Miguel Meirelle?, e
^m l'orto-Alogre o tenente-coronel AntorJo'
Jos da Silva Guimaracs, administrador da
mesa de rendas geraes daquella cidade.
0 Jornal do Commercio de Pelotas
noticia em data de 8 a existencia uaquelte
Xo.dia i 1 ireiH-*. eli gj ;- S
011 10 ho.ii ;.-.< deSii -m': ido '.-r. ikn-
jimi,n, DO I 1 I.o;.t>, .. tio;-.oi-, .; .-i-,.; 1
a^iuijdaotoin & t-^ugafafc-oa entregr-lhes
o. diulieiro qne tivss^ e..a;neuando qne so
dosse par.' 1! .-.corrido autoridudo, o ma-
taateni.
Nini-,h:anoii}taiaraia casado Jor-
ge Millor.1, entraran rx'l'id&Mlf's.roubaraui
roupa e trom de coiijha cemparam-s.- sem
sorom prestidos. lfi iiietBfct nonio ataca-
rana venda de m:b franc(^Kabclecido na
Luz, sido |'tr''v'jo.itlos[i''laseHioia,(po dos-
t'ocli.ni sobro 1 quadrilha dous tiros.
Ainda nalaosmantoiteforam acosado
Sr. DoBungos Souza Mursa, tamben na Luz.
e roubaratii ronpa, prata de uso e um moi-
nho grande para moer caf. Atecaram tan-
bem unta casa defronte do mesmo Sr. Mursa
e roubaraiii ;t- gallinfcastodas.
A Haz'lo folha do Bag provincia de
S. Pedro^, di/ om data de 2T do paseada]:
0 Sr. Antonio Bello, residente em Ja- t
guarid Qhico, fez urna pequea machina,
que, movida per um cao dos quatro quo
para esse fim adestrou, no por .lia tres a
cinco alqueires de trigo. O Si-. Bollo, ':<-
mem hbil e erapreheridedor, projecta
montar e*sa machina Ojm ponto maior, adju-
ilicando-lo urna outra pura sear, o garan-
te que com a nwsma foiva deum scao,t.-;;.
moer do 50 a 60 rdqnehos o serrar ao n
1110 lempo. >
Segundo ii/ O llmrio o br. Luiz da
Silva Floros, Lito depulado asaombl^o,
goral polo 1. districto daquolla provincia,
uo pudora sOKuiraiida para este corteen*
consecuencia dar grave enfermidado deiquo
fra acommetti lo, da qual obtivora, entre-
tanto, muitas melhoras dopois da QjD^rac.u
(uosoft'rra.
A COmpanhia do trilhos urbanos do
Porte-Alegre ptoseguia com actividade scui
trabalhos. Esteva concluida a linha que praca da [ndependoneia va at a igroj do
Menino Deus, percorrondo urna extens&o do
1,555 bracas.v
80b aepigraphe de uettct (ruvt*
rebla a tteforina deJ?orto-Alegre om date
de 8:
n Bontem. recebemof 'la 'rontoira das
Missoos importantes' conninncacOoa sote
materia do sunma gravidade queaued al-
tos interesses internaoionaea.
11 Informaut-nos quo, no territorio bro.^i-
Ico da nrovincia do Paran, situado ente
os rios Cnapec e Pepirj-Guass, estdodo-
luinando os ArgenftiaDS, que alli tea uiu
roiiimissionad'- do govoruo da Comentes,
que cobra nnpostesdaa hervas preparadas
nessaa trras que pertenee ao-Brasil.
Sabemos tambera que um Samuel Hug-
gbmtque obteH-, na lempos, umaconc.-
sao de teonta us luargens do l'ruguay, do
nosso lado, ; anda ilepoit de crimi)ioi> com una caro oa rompeste de, istr.uigcin"-.
vendendo lot'- de tonas e exportando madoi-
ras para as lOjpuMieas viziidias, dizeudo que
tom para isso concess*! especial db olisnl
oriental.
Noticia (j J n'n'fl doCommefcio d Por-
to-A logro de 10 :
l'ouco al.ni I.. Passo da Taquara, no
3. districto dn frogueria deossa Senhora
dos Anjos da Aldea, foi s 8 horas da noite
de do corrente, perpetrado um crime, dig-
no de figurar, rulas < ircumstancias que o ro-
vestem, entre .sjn:iatrozosqueregistrani ns
aunan da pwvcrsidnde humana.
Feliciano .li'Sf da Silva, puraiitoiio.na-
sia o roncador, o a mulher com ipicm "vivia,
foram encontrados brbaramente assassina-
dos, urna porta e outro dentro da casa (|U'-
habitavam. A mulher tinha diversos f-"-i-
nentos, cada un dosquaestnt cajiazdepro
duzir morto instantnea. Creaos ter havi-
do, na perpotraoa.. 'l.slo crime, alguna cou-
-t mais do que o deaajo do apossar-se d.s
poneos objoctos de prata do uso do assassina-
do, que desappareceram, pois a multido dn
ferinientos, alguns den quaespareceniter sido
feitos depois de moras as jiobrt^s victimas,
revelam, seno maior porvorsitlado, a satis-
fagan do slgums vinganca.
i Urna pobre menina, da .5 amos deidad-
de, lilha de Feliciano, foi oocontradaser fal-
l, bastante contusa, em urna cama, o a 'Vi-
tar sangue por ambos os ouvidos. .Nao ba>
" Apontam como aulor deste crime um
escravo do motn, que diz quo achava-sepro-
sente, quando chegou o assassmo e corren
logo a chamar as visinhos, em soccorro de
seu senhor.
i Conduzid- os cadveres jiara a treguo*
zia da Aldea, arfi de seren enterrados, o vi-
garie da fregueria negbu-lhes sepultura no
cemrterio, porque tinham vivido om concu-
binato !
Ljse nas folbas de Rio Grande do 12
do comete:
Ro ultimo paquete chegou a este capi-
tal oSr. E. B. Bolines, distincto engenheiro
iugloz e director technicp da empreza mou<;-
videana brasileira de telegraphos. O Sr. E.
B. Holmes. vera roquorer presidencia da
provincia lieenca para estabelceer urna linba
telcgrapbiea da cidade do Rio Grande fron-
teiradoChuy. Noten bem os leitores: tra-
ta-sc apenas daliceneapara ostabeleeer a
linha, porque o Sr. Holmes nao pede privile-
gio era auxilio algnra do governo. Basta-
tlip:a simnlps lieenca nirn elaliAli>cnr .1 linha
teadores, arregimeutados para o saque e tai-
ve/ para o assassinato no caso de resistencia.
Na noite de 6, segundo diz a mesma folha,
essa quadrilha assaltara a chcara do Sr. Ja
Thomaz Farinba, nos arrabaides da cidade,
e arrastara para a estrada urna burra que fora
encontrada arrombada na manhaV seguinte.
Nao se sabia o alance do roubo, nem se o
houvera, por estar ausente o dono da caso.
Vlludindo sem duvida raesraa qua-
''rilha, refere o Diario de Pelotas:
lhe a simples lieenca para estabelecer a linlia
e por isso cabe perfeitamente nas attribui>;do>'
da presidencia da-la.
passo, j que resultar d'ahi immenso bene-
,!- io ao nosso cornmercio.
A linha projectada do Rio Grande ao
Chuy vai entroncar na linha de Montevideo
ao Chuy, de que concessionaria a associa-
^o que o Sr. Holmes representa, e dcst'arte
Acardo as pracas do Rio orando e Porto Ale-
gre em commuiiicacao directa com o Rio da
Prata.
rtSo precisamos estender-nos longamen-
te sobre as rantagens que desse facto resulta-
rao para o nosso commcrcio, j tao avultado
em sas re'aces com o Rio da Prata.
As proprias pracas do norte de nossa
provincia, at a do Rio de Janeiro, se corre*-
ponderiio por njeio desse telegrapho com
Montevideo. E' este um beneficio de incal-
culavel valer e podemos obtedosem sacrifi-
cio de quedade alguna.
0 Sr. Holmes nem sequer pede prrvile-
muiiicjpio de una- quadrillia de audazes" sairlj^io, ficaudo iivre ao governo ou a quaesquer
eraprezas particulares, estabelecer nhas teleL
^.raphicas na mesma directo. E' realmente
a empreza menos exigente que atlioje temos
visto.
O iV'otciflrfor de Minas publica o se-
guinte, que diz ter-lhe sido communicado oV
abre Campo:
Sao aterradoras as noticias viudas lti-
mamente daparocha 69 Sonta Matgaride.
w-se que um famigerado criminoso do
nome Jos Fagundfes, processodo por di-
V
t.
\
>+


Diario de Pernambuco Segunda fpira>3(/ efe Dezembro de 1872.
3

r
"
tf$)s erirnoi c uhi Jetuinckilo'
i-irti i .vil >' i .ivi.sin;!.. i y-Hidlo lio'
pessja de tafeado ate taraos, ali ciiegou,
ifcompanhado de tttpangas, ko intuito de
ttaussiodr, cqbjO eue mesfl declaren*' o
subdelegado, seu OSCrivO UtTOS indivi-
duos; o que, ontrvtautj, nao se realisuu,
por terem os ameica-los cti sita vila se
refugiada, escapando assiiu.das g trrs de tai
anguinoleula lera. >
V FULO,
As Mitas da capital iMii'.-..-. ..tu diariamente
roubus pratitadto all ruin a lUBk>l' andara, fo
JMirro u San!.' lphK-uia fora duai VWM arroiii-
baila a casad-i Sr. Aiauj.i Costa ; a ra da Im-
peratrk, a m lis central e freaui ntada da cidade,
literata o iinsau n> pharmaeia do Sr. Camillo
Hourronl o na relojoaria do Sr. B-uuberg.
P45 peuetran bosta casa <> la Irao tropea no
raudioiro d) paz prxima da pula, apagou-o,
quabrdu a bandeira da porta, o polo espaoo aber-
u patrn para i relojoaria. i>s viciabas, proaen-
ado-0,saliram a ra:i, am do prendere:u-!i'o
i|uaudi> sahisse ; o laura, por sa.i parte, reconho-
eeado que eslava codilliauo, abri a porta, c de
Faen em puah i, investa contra as possoas que o
esperavam, e conseguid evad--?-, levando tres ou
quatro retamos. : .
Pfoj outros rasos tambem nao toam prosee os
criminnos. Suspeitava-se que os policiaes nao
rain leslrotonos a estos actos.
~ Na villa da Piedade falloc -ra. victima de
ij.-uadura, urna menina de 19 anuos de idade :
nfll lolha da capital tonta aseim o triste caso:
A 4 do corrate, pelas t horas da manlii, es-
tundo IV Clan-mina llosa de Muraos, de 13 anuos
rte idade. lillir. do Sr. Pedio Itrisoia de Moia.'s. i
preparar tuna refeicao, aproximou-se ao ogio,
jtogou-lbe le) as mapas, e to rpidamente, que
qnaadoolta dea dislo le pas el.anMias enrosca-
\ inue portoJa a vestimenta. Perdendo a esperan-
a de apagar as chamas gritn ella eom a voz do
i 'espero, para i|u.* os visinl- >> .. soecorresseni;
mas Coi tildo baldado: a 7 tunrreu a infeliz, apea (ar-
mis solfriinenlos.
Da ci.lado do Rio-Claro haviam enviado a
ftaseta de Cimpinm a eagnint* Botteia:
No dia 8 do corrate, de ti pora 10 liaras da
maubia. a menos de uiu qaarta de legua desta <;i-
'i id tai as*assinado u-n moro, que pela- ppele,
depon encalillados a 2l bracas de distancia, mais
un menos, do logar do eriiu, veriH>au-se ser Joio
l'eixoira arquee, empregado da casa de Joia Ga-
ne.- Pinto, da cidade da Cainpin*- por queai la
eofarregado de eobraneas nos termo* de Brotas o
Jaba.
c Todos os indicios deeeoberot pelo digno de-
I.
ti' 3b ".{< ios ajustes delnivos de paz rom a Rc-
pnragaay, cal Pofitiireole rweKitb mu
terutesjustol e berosos para ambas as paitas,
pe > acord assignado nesta curte a l'J do uiez
ultimo.
Celebramos tambem tta'ados deexlnulieaocom
aPicpublica Argentina, oriugal, a Italia c a Gra-
JJretanha. i leudo sida trocadas as ratiHeaces do
prinplro oestes artos.
l) rreseinieuto das rondas publicas c facto
eoiiiprovado polas tabellas estatisticas d i thesouro,
que vi >erao presentes.- Kstas prosperas condi- cado. Os ini|orladoros prek'iidym sustentar os
, aja. (iue nta) de trazer luz a rerdade, apoatam como
autor di ernc a mn Individuo alio, magro, tri-
ro, montado em nina beett d- er escura, que
desde as proximidades de Campinas aeompaatnara
> infeliz Jai a Ibraaee, e que, tomando pouso dif-
loroate na cidade di Likira, confinara com seu
'maanbeiro de preseguirem tan! no din imme-
diat (Si.
i Parece que aproreitand-s Ja circumstaacia
df liaver na estrada mu grand alagado, conse-
guio convencer a v.ctnna que devia tomar um
d.'sviiM'abidirigindo-se pur um trdo eslreitu em
uat serrado espesno, a WJ Dracaa, mais ou menos,
li estrada, eai lugar pane > euiieiitado, desfe-
rnou d us tiros de pstala em Mar pies.
P.los examos witoa parece q i este aasaasi-
nate nao foi rouimuUido senao com o m de ron-
bar, poto nao , que a tinada trazia. Em o boleo da calca apenas
>e encontrn IJOO0 e urna m-?dade nickel de
ll>0 rs.: entretanto sabe-s que (razia 200 para
a> despetas de viagem. Ha indi ios de que o au-
tor d> (Time passara Beata cidade, logo depen-
do assassinato, e seguir a estrada de Brotas.
A' mesma folba com nuuicara o coniuienda-
dor Jos Bmili:ui'jClaro, de S;i!i:'Anna,o segunde:
a llaiitem it 7), pelas tooras da tarde, fofaprc-
sentado esta subdelegacia o cadver de Klyseu de
i '. feitor de Joio Bautista de Maraes odoy, que
r ra assassnado peto eseravo di tnesmo, de nomo
Aristides. U aaaassino servira-se para tal Um da
enxada de seu uso, eoea a qoal Uzera-lhe quatro
grandes (erimontua na cabera, t ra como urna larga
.yuiose sobre o olhoesqrda. c insegntado eva-
dir ie na occasSo em ojne era perseguido petos
Outros esemvue. Iluja apreseatoa-se na eadeia,
ruotossando o delicio. Procedeu-se ao respeetivo
a uto d" carpo de decto e nterrogatoriOs.
O pees ial te.-bnico da Compauhia Magvana
a !i; va-se assim coniposto : rapeabeiro em rhefu
Dr. Joaquini Migad Hibeiro i.Wwa, cliefe da Ia
> /.Vi l)r. Manuel da Silva Slmade-, chele de seeeao
icarregado do eeorlptario Dr. los Amerieo dos
Santos, ao servico da 1' seeeao Samuel Castro
Toorner; aehando-se j em Campias o eagenbei-
IM Rin Chele e um chele de seceS i. Logo que se
complete o pessoal coniecnro as xploraces, par-
tiado urna turma de laogy-mirim outra do Am-
paro.
Havia enojado a Santo-, a bordo do vapor
Ingle ilnity'i. o material para a canstruceao da
liaba telegraphka entre a capital da provincia e
SoYocaba. Polo contrato celebrado entre a directo-
ra da estrada do ferro Sorocabana o o emprotteiro
-: :\ O Sr. J. I Herl.a, deve i r !5SS lina tele-
-'e'iiica concluida e entregni ao publico at o
liai do marco do auno prximo.
Cammuiiicaran de S. Roque quedera-so novo
[cu na via-ferrea Sorocabana. na empreada
d Sr. Domingos da Cruz. Desabara nnu barreira
vire Firmiiio Pereirae Antonio Ferreira. matando
.< primeiro e Iraelttrondo a peroa e braco osquerdo
ignndo. Antonio Ferreira, paeeados das sof-
i i., a amputarao da porna, mas estova Ja bvre da
I MigO.
sa.nt.v CATHAnma.
No dia li do corrente, Ioo finio Carnciro, con-
ir*meatos do brigue nacional Coo/mo.a despeito
d i vento sul que soprava. < aibarcra com um
r i;anheiro em nm batelao para ir a trra : vi-
r.m-se, porm, o dito hataOo e (bwai ambos ao
afogando-se Joio i into.
Cuiinuiiiiearaui da villa de ?. ebastiao da l-o/
H Tunea ao Deriiaitr ijue havia fallecido all
n d iS do pausado, na ktode de T- anuos, o abas-
tado lavradir Florentino Prauei :s i da .-Iva. dei-
laado 72 descendentes, a sal : 10 lilhos, 53 nc-
t i e 9 Manetas
I lo H feUU9
No dia 21 do corren'.'' i
i solemne da assembla g..
:s o texto dos trabaIbos:
Ao meio-dia. acband >-- : nudos no pteo do
ido os'n. deputailos senadores, sla nomea-
i as siigiiinliii depntacSe :
lara receber >. o Impe idoT :
( Depulados, os r'rs. riieaa Vendes, Olympio
lalvi k l'astello Branco, He". Barbosa, Uioo le-
Iho, Hreira dos ttaatos, Freilas Henrlqnea, Cunba
l.-itao, Wilkcnsde kattos, G uv-s do Amara!. Bor-
ges Monteiro. Cruz hachado, Bario da Lmo&i
iveiraBorges, Lcandr Beierra, Bario dele-
nalva, Unto de Campos, Tarquiaio Amaranlho.Mar-
iraho dyPreltas, Lopes i hnrs, Figueiredo mita,
Asevedo *<>:itera, Cunta Ferreira e Bferle de
Arafigjr. *
SJJ'-enadores, os Sr-. Du;;'0 de Casias, Fernn-
J Braga. Caes de tendones, Bario de Camaifes,
> mes Concalves. Conde di i-., pendy, Uiniz. Bar-
.; i i de s. Vicente. Vfaroni.8 (! Nitberohy, Mtao
la Cuolia, Visconde do l im-Rfl:iroe Jaguanbe.
Tara receber *. a [mp*ratrb :
( Populados, os .rs. Cari Taxoto, Cun
g!i.arodo Jnior, Caruci; lia o Par,
Senadores., os rs. Vw o. de Jaguary
coos da ri juoia nacional teem pemettido fazer
tace aos grandes encargos (pie nos legou a guerra
do Paraguay, u aetivar o impulso dado aos nie-
Ih rameutos uioraes e materiaes, sein perturbar o
equilibrio das liuancas do Estada, antes veriltean-
do-se excessp das roeoBae sobre as despozas.
Em taes circunistancias, e mediante o zelo
com que tandas fortalecido o soaso crdito, poje-
mos proseguir no patritico empenho de difiundir
e aperfeicoar cada vez mais a odueaeao e ins-
truceio pblica, provendo, outrosim, ao traballio
industrial, com espeehnidade ao da lavoura, peta
ae (inicio de bracos uteis, e desenvolvimcnU) dos
meioa de eomuiupicacio.
Comprazo-ine em annunciar-vos que est con-
tratado, deaecordo oom o governo portuuez o
assentameBto, do um cabo elctrico entre a Euro-
pa o Brasil. No decurso do anno de 1874 ja po-
deremos, em nossas relajos com a nnte, usar de lio maravilhoso instrumento da
actlvidade do nosso secnlo. Trabalha-se como
maior esforco para que fique prompta ao mesmo
lempo a Inna terrestre, e exclusivamente brasi-
leira, t que vem unir-se o cabo Irasantlanlico.
As reformas da lei elcitoral, da guarda nacio-
nal e do reerulamento, merocem toda a vossa so-
licHuOo. Eslou corto de que estas importantes
quesillos rci-eberao jje vossas luzes e patriotismo
a mais conveniente solucao.
Nossa prupria experiencia c a de outros po-i
von, ensinam (ue os lamentaveis abusos que mili-
tas vez-- teem perturbado e viciado o processo
eleil -ral. nnsccm principalmente do estado das
eoatnmos poUticoe, que s o tera|o pode melhorar.
Seado, pi ivni. Bsscnctal aos gOternos represontati-
voi qc as el:'ieoes expriniai/i llnalinonte a opi-
niao e a forra Jo vol popular, releva que procu-
remos cerca-las de novas e mais providentes ga-
rantias.
< Este resultad >, qne todos desojamos, depende
ni muito, nao s da verdade das qualilicacoes
o stricta observancia da Iri pelas mesas pare-
dones, mars anida da seguranca que todo o pro-
cesso eleiloral ITeroc;i 'assim' as inaiorias, como
s minoras eoasiJeravois. que pelo syslciua actual
sao quasi sempre privadas da represontacao a quo
aspiram.
A guarda nacional tem prestado relevantes
serviciis, como auxiliar do exercito, e at supprin-
do i mullos lugares a forca policial. Nao, ,
por un, justo nem conforme natureza de sua ius-
tituieao. snjelta-ra em circumsiancias ordinarias a
obrigacoes. que nem todos podem cumprir sem
prejuizo de sua industria, e ijue tantas vetes teem
exposto o cidadao a constragimon'.us em sua liber-
dade poltica.
. A lei de recrutamento levanta continuadas
queixas, o nao pode deixar de sor assim, porque a
causa preponderante do mal reside na dcsigual-
dade com que repartido esse oaus, e na falta de
um alistomeoto dos cidadaos que devam ser cha-
mados ao servico das armas. Sao por tal modo
sensiveis a Hbcrdade individual e organisaeao da
forra militar, os inconvenfentes desso systema.que
sem duvida considerareis a sua reforma entre as
* As t?,'s do epiiil nesta quinzena furam
Londres-9 C|8 o 49 d.; Franca fr.ii.t8, 5.3i e
3.30 ; Autuerpia fr. 5.8 a fr. 3.30; Rio de Jaheiro
50 500 por oiica. j ^
Monletidfo 14 de diitmbiv. Houve pouca
aelWidade nv mnvimenlo da agurdenle du Brasil
de 58 a 59 etn deposito. A existencia de 700
pipas.
O grande deposito de assucar que ha em sc-
gund.is maos iiai-alisou o movimento do mercado,
visto que os especukuWres retiraioi-so do mcr-
sti^prii d'W|iio)la s;*;0as CopieCrio den-
tro prazo : ik'-aa.a ihow, iU, hs d! a>tro-
vadon os planos e plantes respeevvas de confor-
inidadc com esta lei, e torininarij uo liui de einea
Ianuos, son pena do re elsia di privilegio, salvo
o caso de forca uii r.
Art. 8." Ser concedida aos emprentos me-
1,198
975
9t!
690
G21
- 11 -se a abertu-
! legislativa.
Paranta
e Pa-
naagna.
i rara receber SS. AA. t T: : rea imperial o (
Sr. Conde d Ea :
i reputados, os frs. Ara-'/a Goes, Hcnrique-
H alia Leo e Gusmao La!, j.
i Senadores, os Srs. '/..>:... Candido Mendos.
i A' urna hora da tard nuundando-se a che-
gadade SS. MM. baperiae, sabem as depntoeSee
a receb-tos i porte do edificio^ e entrando .Sj. M.
o Imperador no sali, all receido pelos .
p.-esideute e, seeretari.-. reuniudo-sc aos
membros da respectiva di Kn acompanham o
inosuio augu>to sonli'O' att i tlirono.
Lojjo 7|iie S. B. o Impora-I ;' toma assento, e
manda assentarem-se o- ; i lutados o senado-
re, le a seguate falla:
Augustos e digis:-;..: firs. ropresentv
da nacao.fi' com o maior prazer que rejo reuni-
da a aaseaWa geral, de eujas jabias (tolmeracaVs
tanto depende o progressa d nosaa patria.
t O imperio goza de trar.,. llidade interna e o
estado sanitario em g. 'torio. As m^
l.-.tia que tem apjiare -ido va alguinas povoa^a<
nao sao de grande mtenaldado; o espero em veo
que brevemente cessari%
< Continuaiuos em pa arrzade coui as de
maisnapSes: preciosa garaati.. dos nteresses
m-o quenle dia em dia ge raultlpcam e
% andenrm
i Adesintolligeneu;.1 rreu entre o gc-
Augustos e dignissimos Srs. lOpit lln\l da
narai.
lugar que j oceupamas entre as nayocs cul-
tas attestSM) poder moral do povo brasileiro e seus
grandes elementos de prosperidade. Agradecendo
o Divina Providencia csses inmensos e constantes
beneficios, esforcemo-nos cada vez mais pelos
adiamamentoe do Brasil.
E este o voto que do fundo d'alma vos dirijo,
assim como a todos os notaos compra tintas.
Est aberla a seaslp. U. Pernio l, Imperador
Cn!itwional e defensor perprtno d'> Brasil.
Terminado osle acto, retiraram-so anas nia-
ajestades eom o mesmo ceremonial com que foram
receliidos, e iinmediataniente o Sr. presidente le-
vanta a sossao. i ...
No sonado procodeu-se, no dia 23 elcicao
da mesa, que lieou assim organisada : presidente,
visconde de Abaet, |ior 33 votos ; vice-prosiden-
t'-. vi onde de Jaguary. por 22 votos; secretarios,
Dtaa de Carvalho, por 27 votos, Figueira de Mello,
l> i 22, bario de Camargos, por 17, e baiio de Ma-
mangtpe, pdr 17.
As cominissoes licaram assun compostas : *
I de Nitheroby. por 18 votos; visconde de Caravel-
!as. por 18 : e Zacanas, por 17.
Cowihvao e diplnnacia.-(h Srs. inarquezde
Sapueahy, ik>32 votos: Cunha Figueiredo, por
2 ; e bario de ("olegipe. por 25.
tazenda. Os Srs. visconde de Caravollas, por
32 votos ; visconde de Souza Franco, por 30 : (
visconde de uhomcrim, por 27.
benhlarao.- Os Srs. Nabuco,por 29 votos JJS-
conde de'Jaguary, por 28 ; c visconde de
ronv. por 19.
Morinha e guerra. Os Srs. duque de Gastas,
por 27 votos ; visconde de Maritiba, por 35 ; e
Jaguaribe, por 21.
Na cmara do? deputados, achando-se pre-
- ato es fi" membros, procedeu-sc no dia 23 do cor-
rente eleicao da mesa, que lieou assim compos-
ta : presidente. Teixeira Jnior, por 50 votos :
vico-presidentes, Innocencio de Araujo Goes. por
4(i : A. J. Hcnriques. por 52 ; J. Portella, por 45;
secretarios, J. J. de Campos. |>or 40 votos; J.-Lo-
pe.- Chaves, por 44 ; Martinbo de Freitas Vieira
de Mello, por 48 ; c Horta Barbosa, |ior 47 voto*.
Ja ora conhecido o resultado da eleicao de
senador, sendo mais votados :
Consellieiro Teixeira Jnior
Pesembargador Xavier de Brito
Desembargador T. de Macedo
Consellieiro Pereira da Silva
Desembargador Izidro
Os trabalhos da assembla provincial do Rio
'! Janeiro foram prorogados at 24 do corrente
inclusive.
Eis as noticias coinmerciaes da ultima data :
O mercado de cambio sobre Londres, apezar
Je tei sido hoje vespora da sabida do paquete re-
gular de Southampton. estove animado e conti-
auou a apresenter firmeza. Os bancos conserva-
ram francamente a texa de 35 3/4 d., e o papel da
praca fai negociado em sommas insignificantes a
25 1/8 d., e em sommas regulares a 26 c 26 1/8
d., laxas a que o mercado fecha firme.
Aos algarismos mencionados eflectuaram-se
transac oes avultedas que elevam o total das opc-
racoes realisadsa neata quinzena a S6 775.000.
Sobre Franca effeetuaram-se pequeas tran-
iae{ues a 364 tt. por franco.
' Nada se fez hoje em soberano?, nem em apo-
geraee de 6 por cent o e do emprestimo nacio-
nal de 1868.
No mercado de accoes houve movimento re-
'i lar para as do Banco do Brasil a 264* por ac-
ii'. Ligamento e entrega em Janeiro de 1873:
2'i7j para fevereiro e 256 para o ultimo dia de
transferencia no primeiro semestre do 1873. Alm
de-ias transaecOes venderam-se pequeos lotes de
i do Banco industrial e Mercantil a 5i-"i00
p.if tele a dinheiro ; da companhia de Garrs de
Ierro de S. Christovj a 495 e lOOt e da cum-
panbsa de seguros Confianga a ?5 a dinheiro.
c Tmbem houve muita actividade as vendas
de car.1 (|ue foram importantes e as de assucar,
i na consumo, que foram regulares.
41 sabidas de carne secca foram de cerca de
7,i00 arrobas.
Frelaram-sc : um navio para Baltimore. caf,
a 3" s. 6 d ; tres para um porto atlntico dos Es-
'i(lo--lnidos, dito, sendo dous a 37 s. 6 d., e o
outro a 30 s., e um navio para rarregar mate am
T'aranagu para Valparaizo, a 42 s. 6 d. ; ludo
tom 5 por cento.
A alfandega rendeu de i a 23 do corrente
2,044:116*870.
Pahiram para Pernambuco : a 16, barca in-
gleza Sera-puna; a 17. patacho brasileiro S. Luiz,
e lugre sueco Hogao ; a 18, lugre inglez lite ;
a 19, barca dinamarmieza i. S. Pontoppideu ; 3!,
brigue brasileiro Victoria; e a 33, lugre idem
An-lia.
O vapor americano Erie devia sabir do Rio,
para 3ew-Tofk e escarias, no dia 26 s 10 horas
da manha.
- Receberam-se na curte as seguimos policas
oonmierciaes :
Buedos-Afrts, 13 ie dezembro. Nao houve
, jndas de agurdeme e assucar por falta de com-
pradores.
t As transaccSes em caf foram limitadas aos
te. 490 a 470 por quintal.
i O sal vale 9 rls. para consumo e 11 5|8 para
os ros. Foram ests os precoa das ultima*vendas.
n O fumo em rulo nao teve movimento algum o
procos, vendendo o genero em pequeas partidas,
na speetativa que se manifest atguma molhora.
mas acreditamos que tal nt apontoeer visto me
e?ppram-sd vwias carga*, e .s segundas maus
lispunham de 30 <)00 voiofllde Pornamliuvo e
as primeiras de cerca d t.-OOO ditos. As tran-
santes a relalbo foram "Cflectirad.as aos seguintes
preos : branl'o di' I*, i i i 70 c ; de 2'. a 2 i
60 c.; smenos J i >0 ? igisc.W 2 3-
Nada tem falto os diarqueaddfos daqui por-
true o gado alem de estar magro est caro; por
isso%uppomos quo antes de Janeiro' nio ha do
comoear os trabaltios. No Tregua duas char-
i|ve.ulis deran comee/) a seus trabalhos, pagaudu
12 fts. por novilbo.
t Calculando-sc que cada novilho produza 1 l[I
quintal e catue paia o Brasil, que ser vendida a
27 rls. c para a Havana a 17 rls. resulta am uta-
fuizo de meiodHro em eabeea. Acrese* qno us
x|ortadores nao se mostram dispusto* nem ti pa-
gar 26 rls.
Dizem-nos que em Buenos-A- res conlratou-se
a carga do Beluario para o Brasil a 28 rk C na
Enseada urna carga do carne, nova, pora o mesmo
destino, a 25 rls. a Iwrdo.
t As entradas sjneradas de sal e os pedidos da
interior, lizeram memorar a posjco dp mercado.
t Vonderam-se ;\lgumas cargas de Cdiz de 7
a 7 1)2 rls. para consumo, do 11 a 11 5(8 rls. para
os rios c a 9 rls. para Buenas-Aj^rcs.
O fumo em rulo nio esti em boa posicao, por-
gue a estecao desfavuravol. Cutamos o de latas
de 10a 10" 50 e. e o oroUnv a 7 &. A exis-
tencia de 1,800 vohuhes.
As transaceoes em eninjao ibsste quinzena
somuiam : sobre Londres ^OOO a 51 l|2, 51
3i8. 61 lj4 e 5i 3|8 da sobre, Franca cerca de frs.
l^aWJNBdefrs.|4k)1rs. 553; sobre Antuerpia
de cerca frs. :60,000; frs. 6.00,5.81 eJi.48; e
sobro o Rio de Janeiro de sommas regulares a
9350 e9375 por libra sterlina.
. R'O Grande do Sul, 18 de dezeiuliro Caf.,
Cutamos do SiSOO a fc600 |wr arroba, segnndo
as qualidades.
t Carne sofca. -Vale de 3*200 a 35:0, sondo
carne gorda. Yendeu-ao o producto do 1.000 re-
os, carne inferior, a 24' 0.
(/juros. -Os salgados valom de 198 200 rs.
a Ubre.
t Sal.-De Cabo-Verde vendou-seo ultimo ear-
regamento a 750 e 800-rs.; o de Cdiz o Lisboa
retalha-se a 900 rs.
Cambios.-No dia 3 os sacadores sobre Lon-
dres, depois de terem realisado a venda da maior
parte de seu ppela 25 7|8 o 35 3|4, firuiaraiu-si'
na lasa ue 25 5|8, ata que, parui, fizossom tran-
saei;ao alguma. Dosde o dia I at 10. depois da
entrada do Caldern, o mercad > conservou-se pa-
rausado. No dia II. tendo os bancos nhertotran-
saccoes a 55 l|2 d. para o seu papel, os particula-
res licaram firmes em 25 5(8 ; inais tarde, po-
rm. offertuaram-se transaceoes a 25 3j4 d. O to-
te! dos saques de 65,000 a 25 lrl d. papel
hancario. ?5 5|8 e 25 3|4 d. particular. Sobre Fran
en sacarain-se fr. 140,000 a :0, 362 e 35 rs., c
sobre Hamburgo pequeas sommas a 700 rs. por
marco banco. Continuou a ser regular a procura
de papel sobre as pracas do imperio, e negocia-
ram-sc 220:0>0J a 2 1|2 OjO de descont a 90 d|\.
Meteos.-Coteinos a 3.'*500 as oneas e a
95C0 os soberanos.
tade das trras devralas da patrimonio da provin-
cia, de imi p i i'r i lid di estrada e seise.-Msb Jitols'de fundos, |ra jt u*tabeleci-
iHonlo dN (MnwS: para c quite* os Maridos ein-
prezarios torio de solicitar o auxilio e autorisaei-i
d-; goitojilqgmttl para tran-puto dfctt-adi mu.
ATt. 9. Teru o direito de dea^ropriai.-ao, na
lorina da lei, para o toito e depondeneia da es-
trada. ,
Art. 10. Oaovoino ib provincia dar regula-
monto para a (le exerufd d > art. 4'1 da presento
lei, estabefeeend > pello mu fiscal por parto da pro-
vincia, pago, pelos i'inpiezaiios ou compauhia ; e
bom assim confeccionar as tabellas dos frotes e
laxas dos passageiros, indicando no contrato os
Iranapartes gratuitos, tudo de,co;ifoiini'lado com
os opiprezarios nu compauhia pjr ello organisada.
xri. 11. Os etoprezarfoi Ha referlil via feTea
nao poderio transferir a outreiu o privilegio que
Ibes concedido, sunio dapois de esta rom conclui-
das as quatro primaras seeee-, salvo permissao
do governo provincial e posterior approvaeao da
respettive assembla ; o so o lizerem antes, alm
a pUjliiLid- de tran-feiencia. toril > a multe de
tfftf' oni favo- da'provincia, salvo igualmente o
direlWque Ibes assiste do, em quahpier toiniio,.
para, esse tai organl areui nina companhia.
* 'Art. fs. Um 1o cas i sotii setnirro rosponsa-
vel porante a provjncia a empre/.a a quem di-
rectammt,' -o r mee I .; ti-privik'io, tendo nella,
cum>isoa tpeseibiiioi lito r unrociria designa-
do em primeiro lugar nesla Jet, ou cu sua faite
qualquer dos uatros.
Art. ft. Asede da o.npniaa ou companhia
ser un capital dp,nnpprio u na desta iirovineia.
Ari. ti. Fican ravogadaa as drspydcSes em
contrario. .
BAHl.l.
Na eleicao para irn s "iador eram mais vo-
tados nos olegios eonlii'Cdos at o dia 27 do cor-
rentacapital, MatSrde S. /oao, Santo Amaro, vil-
la de S. Francisco, Atirantes, Raiiarica. Nasaretb,
Cachoc.ra, Jjgu.irin". Feira do San:'Anua. luham-
bti|e. Valonea, Tapero e (Lomani :
Consellioiro i'oreira Franco 1140
Consetticiru J uneuastra 1111
Desembargadur liiiiocoucio Ges 1043
FalhiSeran : no convento da desterro, a ma-
dre Hita di Conceico; c na villa de S. Jos;'- de
Carnuanha, o tonento-corouel l'ossdonio Jos de
Oliveira, abastado fazendeiro, com 80 anuos de
idade.
mm O ejm'.rio reeilav.i
26 d.
"k alfandega roudeu
733:8173291.
Le.n.sno Jannt : -
No domingo ii iinndoii 0 gabinete portuguez
de leitura. celebrar na capolla do hospital da real
sociedado porlogueta do benateeeeu Deeessoia
de Setcmbro- una inissa", durar:: a qual tocn a
msica dos menores do arsenal de guerra.
Findo este acto, dirigiram-so a diroccio do
mesmo gabinete eos convidados, que eram nume-
rosos, para o sala de honra, onde foram descer-
radas as cortinas d uallgie de S. M F. Sr. I). Luiz
I pelo Sr. Ma'.iaol Francisco de Abasida Brandad,
sobre Londres i 7/d a
de 1 a 26 do eorre.-ito
ESPlIUTO-SANrO
Encerrava-sc no dia 2 a sossao ordinaria da as-
sembtoa legislativa provincial.
Inauguava no mesmo dia a estenio telcgra-
[iliiea da barra de Itabapoana.
Em data de 6 do corrento resolver o vice-
presidente da provincia contratar con o Sr. Jos
Francisao de Lellis Horta, professor da geniada
eadeira de instruccio primaria d> collegio do Es-
pisito-Santo daqcfla capital, a direecao do mesmo
collegio sub as condices declaradas na lei provin-
cial n. 13 de 12 do j'ulho do 1867. visto ter por
acto de 3 concedido ao bacliarel Deolinflo los
Vieira Maciel a rescisao do cntralo que celebrara
com a presidenoia em data de 24 de Janeiro de
1808.
Falloceu no dia 3 o thesoureiro da fazenda
peral, o tenento-coronel da guarda nacional Ma-
nuel Feliciano Mcniz Freir.
L-se no Paulist i de Taubat:
No dia 30 do mez passado (novembro) rbega-
ram fazenda do Quilombo do propriadade do li.
Antonio Moreira do Barros '5 familias allemaes^
compondo ao todo o numero de 30 posaftas, as
quaes fazem parto das 3) lamillas ltimamente
viudas por eonta da associacar de colonisacao e
omigracao fundada na capital da provincia.
O Dr.. Moreira de Barros, o primeiro que en-
saiou colonisacao nacional e estrangeira nesto mu-
nicipio, este satisfeitissimo com o resultado obtido,
assim como os seus respectivos colonos, esperando
com a adopoio deasas 5 familias dar maior impul-
so nova colonia.
A' sua illustraeao rene o Dr. Moreira de Bar-
ros grande soniiia de theoria e cstudo, que a pla-
tica tem reconhecido utais, pelo que e modelo dos
fazendoirus emprebondedores, (pie, ponto parle o
systema rotineiro e earrancisw do nossos avs, in-
troduzio em sua lavoura todos os modernos me-
lhoramentos que a scicncia aconsulba.
t Machinas para o preparo das productos, ara-
dos para a preparaciu da Ierra, tudo o Dr. Morei-
ra tem cnsaiado e adoptado com resultados vauta-
josissmos. Os seus gneros obtem sempre nos
morcados consummidores preeo mais favoravel, a
este verdade que hoje val sendo reconhecida pelos
nossos fazendeiros. cromos, os far seguir o seu
exemplo.
Os Srs. tenentcs Antonio Firmino Gomes de
Araujp e Francisco randido Vieira j inandaram
buscar machinas para descarlar o caf, e eremos
que outros farao o mesmo.
A' Heiista Commercial deantos passou a ser
orgao do partido conservador.
Matricularam-se em Casa-Branca 3.0G4 esera-
vo-. em Caconde, 1,451, c cm S. Simio 1,219.
Em 27 de novembro fui saneciunada pela
presidencia a segrate lei da assembla provin-
cial :
Art. 1." Fica o presidente da provincia auto-
risado a conccder.prlvllegio exclusivo por 80 an-
nosao engenlieiro Dr. Miguel Varia de Noronha
Feital, Tbomaz Dutton Jnior e L'r. Francisco i or-
tolla. para construccao, uso e gozo, par si e sett
enloiros, de urna \a forrea,-de bitola estreite,
garantindo os juros de 4 % sobre o capital em-
pregad at 12:000:0 Ofi, por deficiencia de renda
depois do concluida a estrada ; revertendo, findo
esse prazo. ao dominio da provincia.
Art. 2." A via frrea se compor do sois sec-
eocs:
1.* r a Victoria aos limites de Minas Gentes no
porto do r ouza, pelo lado do norte.
2. Da Victoria ao Monte-Bello, margem do
rio Iconha.
3 Lo Monte-Bello,ao Carhoeiro de Itaperai-
riui.
4.* Do Cachoeiro de Itapemirim freguezta do
Alegro, peta margem do rio Itapemirim, a entron-
car eom os limites da provincia de Minas pelo la-
do do sul.
t 5." Na linlia para o norte, da ponto que f'r
mais conveniente, cidade de S. Matheus.
6.* Do Cachoeiro de Itapemirim freguezia do
9. redro de Iteltapoana, em frente povoacao de
Limeirn. na provincia do Rio de Janeiro.
Art. 3. A sexta seced ser construida s de-
pois de concluida-as ontras.
Art. 4. Logo que a renda liquida da empreza
exceder a 8 */o reverter o excedente ao cofrs
provincial, at que se complete a quantia, que se
iouvor recebido da provincia como garanta de
juros.
Art. 5. Os marcanos ou a companhia por
ll-'s i:i;*iisisada Jerao o direiSo de construir os ra-
ninos o estabolecerm navegaejto, no interior da
provincia, nos ros (pie poderem auxiliar a empre-
za, nio podendo ser concedidas outras estradas de
fttro d aitro do prazo do privilegio, na luesma di-
i" e dmjtro da zoaade chaco legoas pVa cada
lado da estrada; ou permittido que penetoWn na
mesma zona, sem brevfo ceordo com os empre-
sarios ou a companhia, salvo o o Itepomirm, cu-
ja naregacaV) (toar Hvre do Cachoeiro barra de
mesmo nome (Itepemirfm)
. Art. 6.* As estradas quo eortarem a que faz
objecto desta concessao, nao poderao ter estecoea,
pelo
0 qual'levanten nessa occasia vivas a Portugal 0
a soetodade portnguoza do bonoflceneia, t cand-
se o hvinno portagez.
($r- 1>. Manuel de Saldanlia da Gama, em
um bom improvisado discurso, elogiou a direecao
do gabinete pmtngucz c ao Sr. Joaquim Francisco
doi'lmeidaBrandio, pelo philaniropco procedi-
mento que tiveram no dia 31 de oulijbro. por oe-
casiodc solemaisarem o anniveirario d> monar-
dia portuguez. alfoniand) o Sr. Brandap sua
rusta a menor Adclia, e acs directores daqaeUa
associaejtode lettras pela subscriprao que promo^
veram para libertar do captivSiro nos menores Co-
cilano o Luiza.
Terminado o discursa, passou-se entrega das
Carlas s libertadas, a d Adelia pelo referido Sr.,
BraadoeasdeCeciliano eLniza petas Sis. Dr.
Frederico de Araujo e Fr. Carnoiro, quo proaun-
caraiu discursos sobre tao cloqnente assumpto
descerrando o Sr. cnsul as cortinls d) retrato do
Sr. D. Luiz, c dando vivas niciii brasileira c ao
seu nionarclia o Sr. D. Podro II, tocando a msica
o liviun nacional.
'.) baotAan 1.' infantaria de linba, que fnm pace
de Hun i r.;:i enidiiigeitaia, assa-sinai rom um ti-
ro do {jrana'uVira seu cantarada Antunto Evaugo-
li-ta. ipi"o provocara a actos infamantes,' sendo
preso ein flagrante.
El mais um triste acantee ment que vem pro-
testar contra a corrupta i de coslunios. quo Val
entro mis lomando proporeoes assetadorae.
Snlchl2u.--Na rnanlido 28 do corrento, su -
eidon-se com um tiro do eaptogaada, dirigido
bocea o cidadao fraucez Augusto Moreau ; igno-
ra-s". o quo levou o infd z a semclhanto acto de
desesporo, ps alienas se llie encontraram nos
balsos da ronpa. qtte vesta algnns billietesa
lapis* pelos quae; se despi'dia de um irmio o ami-
gos. A autordade respectiva tovo conheciuionto
do facto o procedeu como de lei ein taes casos.
Prises. A 28 foram presos pela dele-
gada do Cabo os maehinistas dos trena da via-fer-
rea do Recife S. Francisco, que nos das de 35 e
26, tudo do corrente mez cm viagem do interior,
osiuagarain a dons individuos que transitavam
nalinha. E'de esperar que Milicia baja-sede
modo a recoiiheeer-se.a evidencia, quem iiriginou
os shdstros, s.' aquelles' por laltn de cuidado. SO es-
fi por temeridado insensata ou negligencia invo-
untaria.
Faei'iinento.Carlas da corte dzem ter
all fallecido, victima dos solrimontos que o (Iza-
ran emprehender esaa viagoin, o Dr. Manoel Izi-
dro de Miranda, promotor publico da comarca de
(nimia.
Quatlros vivo.* Anianhi noute reali-a-
ge, no sali do Pequeo Seminario etn Olinda,
ra de S. Beato, a segunda exposieaodos quadros
vivos, rcpraaoataadu os faetos mis importantes
da vida de Jess Ciiristo. Nesse espectculo serio
apresentedos os n nos quadros .4 Gloria de Sanio
An'nuio e .1 Fina encentando este quadro a Sra.
Keller, e Os Sis. L. Kailer c os d.unais artistas da
conqianhia.
C':nr;:n?>i:i du neberihi".No dia 2
de janeiro deve reaU*ar-S moa reuniao da assom-
bla geral da accionistas da compaginado Brbc-
ribe. par.f tratar di augmento do capitel.
livatlez. Na madrugaJa do sabbadi,
quaudo o Sr. Dr. Cheto de polica voltava de Ga-
nii'lleira n'uiu tro:n expresso. apon as pe-quizas
que ah proceden para a apprehonsad le seda-
las falsas, escapan do ser virtima do desearrilha-
mento do trom oh da extoosao da machina, prado-
zida pelo choquo da locomotiva de encontr ;'.- 3
sofipas, ma lotoncionalmento loram collocadai
sobro a liona com pequeo intervallo entre si.
Felizmeme para aquellos quo vinbaui nc trom,
a lucomotiva trazia bastante vetoejdade, e por isso
pode esmagar asaoUpaa, soSrendo pequea das-
arranjo.
Avisos aos navessnlps- Lomos no
Jornal d> Continente, do Uto de Janeiro :
Hio de Janeiro, 16 da dezOtobro de 1872.Ten-
do infelizmente bavido algnns naufragios sobre o
banco (nio isstgnalado as cartas martimas in-
giezas) entrada da barra de Paranagu, provin-
cia do Paran, e supp mdo-se que taes -ini-tros
sao davidos culumstancia dos navios soliaroin
ruino dilecto ao pharol all situado, logo que o
avisten odemandam a barra, pnb!icaui-sc as se-
guimos intrncffics, que toan p ir Din orientar q
navegante para evitar o banco do que aetaM H
trate.
t Instiu-tys pira entrar barra de Pirana-
ga. 1." Q'.er veaha do norte quer do sul, jamis
dever o navosanto. as proximidades da barra,
passar da fundo 12 metras (ou 6 1/2 braca-) para
tetra, em manto nio ie demorar o pharol ao no-
roeste magntica
2." Domorando-Ihe o pharol a esse rumo (SO)
navegar direito a ello ate aproxi nar-ae da eran -
de boia, pintada de vormelio, que s acha collaca-
da no eapoeo do lado do sul do banco.
3.' A' distancia conveniente da boia dovera
pedir por signal c osporar O praCO, caaviad > nao
passar ao norte dola quaudo demandar- a barra,
mas Biiil navegar pelo lado do sul, c mui prximo
referida boia, para nao tacar no outro banca
que est peto sul urna niilba desistencia.Sabi-
no EloyPessoa, director geral.
Dliiheiro.O vapor Nem, tronxe para :
Carvalho & NogiHra ILoOOiO ;0
Cunha Irmos > C. 6:00!)*0U
" PfiRNAMBUCOL
mas Rodolnlio, Ales-andr Carnovali, Jo Ferrei-
ra Alvos. Francisco Da- Mai-jues, AoM*.Bhato
Xavier, Cirios Jurge Itonat, Pudro l.ui^'i lavallo.
Guhept i avallo, George A. Dudat e una Ote.".
- Sabidos p;ira a Europa no paquete ingtes-
!ma :
Qaorge Sanndcrs, Ju3o liarla Rodrigues. Igna-
cio Carrea, John Endacott, Dr. Podro F. da Cot-
ia Alvaronga, Nieola Paduani, Manool (ames do
Oliveira. Francisco Domingos de (Hiveira. Jos
Fernandos de Amorim Jnior e Dr. Jacintho Pe-
reira da llego o sila senhura.
Cemilerlo publk-o.Obituario do dia 34
do crrente :
Manoel, pardo, Pernambuco, 1 dia. Boa-Viste ;
hospital Podro II ; espasmo.
Jos Juriol, branco. llespanb.i, 18 anuos, solte-
ro, Boa-Vista ; febre amarella.
Luiza, preta, Pernaiiibueo, 11 annos, A fugados;
cholera sparadico.
Um prvulo encontrado na porte da matri'. dit
S. Jos--.
Joaquina Mana (isar de Mello, branca, l'or-
nambueo, M ann ,casadatBnle Antonio ; eclamp-
sia.
Maria, receni-nascida. S. Jos ; hemonhagia.
Auna Carolina Dorothi-a Sette, branca, Pcrumn-
buco, 17 anuos, solleira, Boa-Vista Insteria.
35
Julia, preta, Pernambuco, 5 mozos, Boa-Vista ;
dyarrha.
Francisca Maria da Paz, parda, Pernambuco,
22 annos, casada, Becife ; varila*
Joaquina, parda, Periiinbucu, 8 nieles, Santo
Antonio ; angina.
^Antonia Maria da Conceicio, parda, !Vrn:unbu-
c-j, 78 anuos, viuva, Sanio Antonio ; !. -patito
elironica.
Amelia Emesia Francisca dis Cli.i'i-. parda,
Pernambuco. r."j annos, casada, tanto Au!oii.j ;
fobro amarella.
26
Francisco Lnir. da Oliveira, ateto, frica, 90
annos, ovo, Boa-Vista ; velbice.
Clara Maria di Espirito-Santo, branca, l'eniam-
buco, .18 anuos, viuva, Boa-Vista, ha-pital Po;lro
II ; tubrculos pulmonares.
Oliiidina. parda, Pcrnamboto. 3 tnezos, Recife;
convulsoe-.
CasimiiM. eseravo, preto, frica, 50 anuos, sol-
teiro. Boa-Vista ; febre inaligiia.
Claudiuo Jos Peres, pardo, l'ernambuco, 39 an-
uos, casado S. Jos ; hypertnqtba do coracio.
Byonizia, escrava, parda, Pernambuco, avaonoa,
catada. Boa-Vista ; aiiiania.
Um bouiom nieto, encontrado nos mangues do
districto de Beleto, viudo pela pulieia.
^ 27
Manoel, pardo, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vis-
ta ; .-arampo.
Carnuda Julia Noves Galvio, branca. Pemam-
buco, 20 anuo.-, casada, Puco ; heriberi.
Manoel Francisco das Cbagas, pardo. l'ernam-
buco, 40 anuos, soltoiro, (:aca ; pldvslca.
Antonio, branca, Pernambuco, 4 meaos, Santo
Ato oio ; vaiaola; c mftneatos.
Agosulio, branco, I'i-r ambuco, h \\w, Sauto
Antonio ; inflaniniaca do li.-a.lo.
Benedicto da Silva, pretu, Poiuambnco, 65 w-
iios. soltoiro. B'ia-Vi.-ta ; oleras do estomago.
Isabel Maria da Conceicio. parda. Pernambuco.
30 aunos, solteira, S. Jos ; mdostia Interna.
Joauna, preta, Pornaiubuco, 10 amias, S. Jos ;
tabre.
Antonio Jas Fernn I
nos, solteiro, Boa-Vista
. parda, Babia, 50
lstala ev.'iuaria.
an-
.{.{.-vTjiri niAJI>
Divisa policial. -Por portara da presi-
dencia da provincia, do 24 do correte, f"i dividi-
do o districto polica! de Carsuipe, dovendo o crea-
do donoininar-se Prognica, e ter os limites se-
guintes : da barra do rio Preto, d > engenho Gra
rata. (elo rio cima a oonftwatar com a fregue-
zia dos Montes ; da mesma barra do rio Preto ein
linha recta, paaaando pelo engenho Soliduo at a
linba da via forrea : d'alii em seguimento at o
rio Serinhaeui, de onde vai enconlrar o districto
do Bonito, que limita com as freguezias deste no-
mo e de Agua-I'reta.
S.-ilulis-, falsas.--Foi *.- xito importan-
tissimo a diligencia a qae |.iocodou o Sr. Dr. che-
le de polica no poyando itoGatelleira cm deman-
da dos passadores de se lulas falsas all existentes. _
Com a iliserpcio que dove ser observada em tac- rio Tlienorio, para se dar cuinpriinen'.o ao dispos-
tos de tal ordin. conniuniearc.ins, por ora ao t0 no final do art 22 dos respectivos estatutos.
A. Hyvcrnat X- C.
Insfrap^o paflMIea*Na sesS de sex-
ta-feira, 28 do corrente, do ronselho director iu
instruccio publica, foram classilicadas na ordem
segnite as sonhoras que se apresentaram ao ulti-
mo concurso para provimento das cadeiras vagas
de instruccio primara :
i" I). HaVta Candida da Figueiredo ; 2" D. Ma-
ria Isabel de Mello Moma ; 3* D. WaUletrudes
l'rimiva da Fuacoca Tollos ; 41 D. Viccncia Al-
ves de Carvalho Daei.i ; 3- D. Francisca Seraplnco
de Assis Carvalho ; 6"C. Felippa Floripcs de Fa-
la Mello ; 7- D. Joaquina Alvos de Lima; 8 D.
Anna Igncz da Silva Ramas ; 9- I). Urania Nvm-
pha da Silva ; 10- D- Bornardina de Oliveira (.a-
valcaute Machado; 11* D. Lucinda Rumclinda de
Mello ; 12- D. Rita Francisca dos Aojos Chacn ,
13- D. Maria Augusta da Silveira.
Iiupostos provineines.Termina no ul-
timo do corrente" mez o pagamento, sem multa,
dos impostes da dcima urbana o do 5 por cauto
sobre a renda dos batos de corporacoes de inao
niorta, correspondente ao 1' semestre do exercicio
de 18721873.
Companhia Saat-i Tliercza. Deve
realisar-so.hoje ao meiodla.a sessio da assomblea
geral dos accionistas da compauhia Santa Tliere-
za, no 1* andar do sobrado n. 13 da rna doi\ iga-
4jia os BVM tarj'imui'ntoM.
11
O autor do artigo o- u mu armanvrtos yol-
ton ao assuiiipto iii.-istind i eiu suas censuras |ior
jttbja-las merecidas e ver bellas tus acto de irre-
Itexao do governo e nao mn acto de previdencia.
Sao modos de encarar asquest'ies moNiieuto da-
quelles que soUrein de cttramsmo pi-Uito, o tanto
issim que os tfeniom ofiriosai se deixan leiar
5:0000:)0 soinente pela verdado em toda a sua pienttnd o
vento do Brasil e o da Renuiica Argeuliaa, reto 1 ,.^ presos ik> completaiaetue nofniaae a 0*.
1
nem as einprezas reapectivas reeener passageiros (re nos a ousadi do o)
c cargas na zona athllegiadn de etoeo leguas pa- -
ra cada lado.
Art. 7.a Os estados das etoeo primen softfoe
de vem coaaocar dentro de dous annos contados da> ,
data do contrato com a presidencia, o trabalhos torns
publico, que ) tom mais an menas conheeimen-
to iiossa diligencia, tao somonte aquilloque possa
ser dito sem compromefajniento da continuidade
da aceio policial, ([ue ainda muito tem a investi-
gar n caso vertente.
Acbam-se pois. presas cama suspoitos de^mitti-
rem dtohoho falso Sebasuad Acciol Santiago Ra-
mos, Jos Maria Ribeiro e Antonio Rodrigues
Pinto.
Chegado a Gamelleira o Sr. Dr. abeto de |>ohna
aconmanhado pelo respectiva escrivio. Dr. Ma-
noel Joaquim Silveira adjuncto da promotor pu-
blica da capital, o tenente-corouel conimandante
do corpo de ponda, que expontaneamente se olTe-
reeea para auxiliar a autordade ao sabor que se
tratara de una diligencia importante e guardadas
as formalidades lgaos dirigiam-so casa de Se-
bastian Kainos 1." supplcnte em exercicio da sub-
delegada, quando este vendo-as c mais a forca de
policiacs (|ue os seguirem de pcrlo, procurou cor-
rer e evadir-se. oque toria talvez conseguido, se o
cimuandaiite de polica o touente-coronel Car-
neira. atirando-se rpidamente em seu encalco nio
o tivesx' logo s mi os.
Sebastio Ramos sorprendido, perturbado, como
* de snppor, em lio dillldl silaarao, as mios do
comniaudanlo de pilicia procurou ainda levar
bocea um pejueuo einbrulho do papel que saca-
ra do bolso quando corra ; obstado, poriu, por
aquclle que o agarrara, aperton-o convulsivamente
e arremessou-o ao eolio de sua inulher, que assistia
rotrnnsiua de susto a tao dolorosa seena. Por sua
vez a desventurada senliora procurou esconder
taatbtm o mysteroso embrulho ; mas intimada
lela autordade para entrcga-lo assim o fez ; eram
quatrosedulas de 5|00 rs, cuja falsidade foi
por todos presente! primeara vista reconhecida.
Proccdendo-a- depois no dom'icilio rigorosa bus-
ca nada mais foi encontrado digno de reparo.
A' busca dada em casa de Antonio Rodrigues
Pinto, morador nesta cidade,-foram encontradas
418 sedulas de 11000, 194 de U o 3 de 501000,
sendo una destas de eslampa nova, nao conheei-
da ainda nesta provincia ; nio foram porm, ain-
da exaihinadas. polo que nao podemos dizer se
sio vordadeiras ou nao.
Na casa de Ribeiro. establecido com armazem
de molhados no largo do Carino, e associado no
negocio com um seu irnrio q\ic est presentemen-
te na Europa foi apenas encontrado algum dinhei-
ro, que nao foi tambem oxaminado ainda.
Aelumos conveniente, rae se proceda a novas, e
por assim dizer, mais esmerilnante* taiscas quer
asa de Ribeiro, quer na de Rodrigues Pinto,
visto como do. interrogatorio feito a esses Indivi-
duos transpareee a idea de irue se acharam todos
coligados sob a oknhinajjXo de nm vasto plano,
j etn ra de exeeocSo com elementos de torca.
Escusadn dizer qoe desta voz a autoridade
achon-se a altura de sen devet; toruajdD-se digna
da considrate) do ^verno e do povo; aecres-
eendo que o sr. ecrornanutolte de polcia tem de
mais a sets favor a e*rnineidade da vafiosa ae-
i;o que prestou jnsncj.
A polica orosegue aelivanwato aflm de comple-
tar sua missao nessa coajunc
Sobre crime de tao funostisi
nao ha a eaperav sonad a
45" neeessario que a prof
Estrada de ferro do Cavanga.
A directora desta companhia resolveu nao su|>-
priuiir ior ora as assignaturas, atleadendo assim
as justas rcclauaeOc das pessoas que residen)
nos povoados dess laj-to.
Pernambuco Street Railway.Ein
vista da ordem expressa do governo, esta empre-
za acaba de determinar que, do l' de Janeiro em
djante, se nao deeiu mais billiete de troco, nem se-
jam mais vendidos, devendo os passagetoo muni-
rcm-se de dinheiro miudo, aflm do pagaran suas
consequencas
severa
augmenta, n-
o, n*/uoiJ-
dat^teSrina, >
u gjDldaao
nao por una opposicao svsteuiatica
No entender do articulista o govni > deve cru-
zar os bracos a tuda que disser resjieito uo.is
armauentos, licar inactivo cui tare mi-.-nn das
grandes inelhoramentos, que de dia em dia seiepe-
ram na vclha Europa e nos Estad is-l'uid^.-. e coa-
servar O exercito e a niaiiivaa o > fotii IpM m
outr'ora. Sao certamente ideas retronadas que o
bom senso repello.
L'm govefno (irmlente e ao io"siiio .'ein/io previ -
de:i!e deve no remanso da paz eom e.ilma r r.-".'-
xao estudar, desenvolver o pr em pratiea os m -
Inoras meios de defeza e nao esperar para os mo-
mentos calamitosos.
A par dos melhoramcntos que eoncorrem pana
prosperidade da riqueza publica e particular esto
o exercito o a marmita, que o governo nao deve
eaqueeer-se. E" sem razio que o articulista ccb-
sura os actos do governo porque so, (Btndaae o
(pie actuahnente se passa na Franca varia nosse
es telo una resposta cabal s suas invectivas, li-
ria que depois de sua fatal queda, lilha da impro-
videncia de seu governo, trata ella de modilicar
todos os metas de defeza com os mel!ioranienlos da
actualidade, sob o poso ainda do urna enorme divi-
d, sem ter a veUetdad i d i abrir lata com naci
alguma.
O arliculsa com o fin da agotar as censuras
compara o vndiineuto do Brasil com o da Hus-ia,
e para mais atetar o quadro exagera os juros, que
actualmente paga o governo
Se porm, eompararmos o rendsento de diver-
sos usa I is eom as suas dividas quer interna, quer
externa, cutio a Inglaterra, a Franca, os Estados-
Unidos, a RuSsia e os outro.- e liad e.-'ariain inhi-
bidos do ter em bom p um exercito e urna esqua^
dn. Sera isso lgico? Certamente que nio.
Quem informou ao articulista que a Franca, a
Austria, a Hespanha e a Italia nio procuravain
adquirir tan poderosos meios de defeza ? (/amo se
tanca semelbante proposeao sem un cabal conhe-
eunento ?
Cumpre-nos dizer que a Franca e a Inglaterra
foram as primeiras que usarain de navio eUCou-
racados e hoje todas as aaroes d'Europa tom tost
aeiiuisicio debto material do guerra ; e que as po-
tencias do priineira ordem acompanham os gran-
des melboraincntos, que se operam na arte naval,
sob R-na deperderem o equilibrio que devem nnn-
ter entre si.
Concordamos que o Brasil nio nina naei^
guerreira, porm tem vstanos que de um aumen-
to para outro podem tentar contra asna soberana,
como se deu com o Paraguay ; se nao est em
guarro, nem roeeia. invasio estrangeira, nio 6 i: so
motivo poderoso para o governo einbalar-se u i ia-
diltorentismo, comu soceedeu poroccniao da de-
claracao da guerra que tio gloriosamente ha pouca
sustentamos.
Durante a momentosa luta das Estados-lnkli s
em que a marinha naval toniou una parte aetiw,
grandiosos ineihuraiiioutos se operaram na OttS-
truccio do navios brindados; porm passada a
luta aquella potencia nao sedoslumbrou com a
brilhantisino de suas victorias, nem se intimido i
tanto peep dnanat dividas, tato, alo paral.-.-.:
os nicios de defeza, polo contrario, novos invenios
foram postas etn pratiea no exercito e na marinha
naval, sendo substituidos quasi todos os grandes
monitores de guerra por outros navios ncouraca-
das mais poderosos, sem que esse estado estivyso
em guerra, nem recoiasse invasao estrangeira.
Quaudo aquelle governo assim proceda reparando
e melhoraudo os meios de defeza, apenar da p
ra de seus cofres c dos posados imposlos taneados
sobre o povo, elle providente como era, ao mesmo
tempo, cuidava de todos os ramos dos negocios p-
blicos assegurando assim novas fouts de riqueza i
prosperidade para o seu paiz.
Esse iirocedimonto tinha tuna razio de sor: o
era que soni o poderoso auxilio do c errito o da
marinha em que se arrima a soberana da naci.
o desanimo, o receto e a duvida entorpeceran! o
carro do progresso, em vista da prepotencia do oto
visinlio poderoso ou mesmo do una nardo inimiga.
O articulista enxerga nsso luxo d> mlac de
grandes poteiH'iaR a par de ostentawo de siipcria-
ridade de meios de guerra, que o Rrasil nem por
um momento poderia nianter ? E' un engao ato*
nifesto do articulista acastellar-se aessas tnpposi-
edes. O nosso g verno nio dovo ficar mantotaiU
cm relatan aos meios de defeza; luxo o ostoUtftdta
seria se em vez de um cwourafado o governo il-
zsse acquisicio do 10 ou 13" motores de guerra
sem ti atar do por ein desonvolvniento todas as
fonts productoras aa meemo tempa.
Pata me se atemorisa o articulista o defonvoh-*
toda sua intelligeacia o perspicacia para descubrir
despei'dkio, osteuta^iu e superioridade de nietos
de defeza ?
Acaso desconjioflo o artiguista que o actual go-
verno utilisa e sabe tirar proveito das torcas vitaos
do imperio, que apezar da sua enonno divida elto
passagens
Illustraeao espanhola e Ameri-
cana. Acabain de chegar para a retpeetova
agencia, ra do Commercio n. 18, andar, 01
ns. 3i e 35 do interesssante jornal mrdrileno llhu
tracaj Hespanhola'e Americana. Trazem elles
lindas e moinentesas gravaras, sohresahindo d'en-
tre ellas os retratos de D. Manoel Silvela. comniis-
sario regio da expasicao bespanliola de 1875, e de
D. Ignacio Escobar, bem coma diversas vista- dos
edificios incendiados jia cidade do Boston, e d.-
outros pontos em Hespanha, etc.
Clilade de Olinda. Informam-nos que
na ra do Cxo, da cidade de Olinda, ha um lilbo
tio desnaturado que azorraga sua mi, sempre
que esta se oppoe aos desvarios que elle pretende
praticar, j tendo por mais de urna vez feito feri-
mentos na infeliz, sem que appareea una autori-
dade que a soccorra. Chamamos para isso a at-
tcncio do Sr. Dr. chefe de polici?.
teriuiento grave.No da 27 do corren-
te? 1 hora da tarde, estando a cortar lenha nos
mangues prximos ao asylo de mendicidado, os
dous asilados Joo BaptLsta' e Manoel Antonio da
Silva, travaram-se de razies, fornido este i aquclle
com urna fouce no hombro c na mito esquerda,
sendo este ferimento'julgado tao grave pelo medi-
co do estabclecimento, que proceden inmediata-
mente amputacao. O criminoso foi preso en]
flagrante.
Collegios de orphaos.Pela junta ad-
miaistrava da Santa Casa de Misericordia, foram
mandados admittir nos colieaios de orphaos os me-
nores : Jos, filho legitimo de Maria da Conceico
Padilha ; Eneas, afllliado do Dr. Joo Jos Fer-
reira de Aguiar ; Enninia, filha legitima de Joa-
quina Rosa dos Prazeres Souza ; c Ignez, lilha le-
gitima de Joaquina Francisca de Sanf Anna Bar-
ros. .
Lotera.A que se acha venda a 34' a
beneficio da igreja da Santa Cruz, a qual corre no
da*.
Casa de detenco.Movimento do dia
22 de dezembro de 1872 :
Exlstiam pre>os 383, entraram 12, sahio 1, exis
tem 39V
A saber :
Nacionaes 877, mnlheres 14, estrangelros 13,
escravos 51, escravas 9.Total *J9i.
Alimentados a custa dos ebfres publicas 342.
Morimento da enfermara do da 27 de dezem-
bro de 1873. *
Te ve bataa :
Francisco Bodrigues dos Santos, rboumatisnio.
Teve alta :
Manoel Goncalves Barroso.
Passaareiros.Entrados dos partos do sul
no vapor aera :
Jtt JUliao Carnero, Ernesto Silva, Manoel
Manques Albuquen|ue, Jlo de S AlbuquerquL
Oacar Simes, Antonio Duarte de Oliveira, Jos
Candido de Miranda, John M. Jnior, Eduard P.
Wilson Jnior. Faloon de Ciniier, Gercge Gren- nunca ostentou tautft vitaluUto a lirmeza eni seu
wdle, Garta Prior GoM&w, EtieaaeGodard, Bal- \ crdito, como actualmente, apoz urna guerra homo-
/


Diario de Ffernambuco Segunda feira 30 de Dezembro de 1872.
Tiea, ema qual se poz
1 ursos do paiz ?
Acaso desconliece que tudo isso obra de un
{{ovurno prudente e prevkkntc, que com a mi
amostrada tem coiiduzklo e besa dirigido a.geslao
pedestal em que Imje, < contemplado nito s pelos
dados visinhos, como pelas nacoes da Europa ?
Ha certamente equivoco no articulista attinuar
que a Franca nao fez uso da espingarda da agulha
v, que ainda hoje conserva o seu verbo armamento:
onde pois estio as espingardas a agulba de Chas-
sepot, acqulsicao esta feU posterior sangrent
hatalha de Sodowa ?
Estar esquecido do efleito que as espingardas
de Draisy produziram na guerra da Austria com a
Prussia em 18661
O resultado de taes melhoramentos nao foi urna
impressao passageira e a prova que quasi todos
os estados da Europa hoje possucm espingardas
mais aperfecoadas.
Apezar d'este melhoramento a Prussia nao ficou
estacionaria ncm revio-so na- Victoria de Sodowa,
pdo contrario novo melhoramentos puzeram-se
>m pratica com todas as cautellas possiveis.
Seem 1866 foi arma da agulha (jue coube a
gloria, em 1870 foi a poderosa artimaa de Krupp
que impoz silencio ao impeto franeex.
Se ha n'isso erro palmar e anachronismo nao sei
i|ual seja a verdade.
Insiste ainda sobre a commissao por julgar ter siuo
.lia mandada a Europa expressamente para compra
le materiaes de guerra. Ainda sendo assim, essa
deepeza nao faria face porcentagem dos agentes
brasileiros na Europa, pessoas sobre as quaes ne-
nbnma responsabidade recahe no desempenho de
taes funecoes e de ru todo o seu interesse se rc-
duz em auferir melhores lucros, nao obstante a
vigilancia do ministro brasiletro ?
Assim pois acbo que o articulista nao tem mo-
tivos para ver com mos olhos a organisacao de
urna commissao altamente habilitada com o ftm de
estacionar na Europa, c prompta para fazer qual-
quer acquisico nao s dos mcios de deteza, como
de tudo que for concernente aos melhoramentos
deve ser petos scus actos, se esforear por bem
cumplir as suas funecoes.
Longe, porem, de ser isso considerado como um
desperdicio ser una economa c o lempo por sua
vez se encarregar de desvendar aos que nao que-
rem ver.
Hecife, 11 de dezembro de 1872.
. y.
dem do dia 48
8:l8l'3
178.054*806
PUBLICACOES A PEDIDO.
A policia de Belm.
Assim como devemos profligar os abusos, jus-
to que louvr-mos omerecimeno onde quer que
elle se ache : O anual subdelegado capitn
Antonio Jos Mauricio, tcm prestado importan-
tes servic *ente aa po"fia Qeste ""SS >
assim que conseguio o incansavel e digno capitao,
custa de mnitos esforcos, acabar com urna com-
panhia de ladroes de cavallos (pie aqu tmhamos,
/em tomado militas armas defezas, entre as quaes
as celebres bicudas, e linalmeute tem mantido a
melhor ordein, mesmo nos dias de mais pagodeira,
e no lugarj a Encruzi hada) onde osnossos capa-
doctos mais costumavam fazer as suas brdhatitms.
Louvores, pois, ao Sr. capillo Mauricio, que tanto
tem sabido sacrificar os scus cummodos em prol
da causa publica.
L'm morador de lielein.
COMMEftCIO,
ALFANDEGA
Rend ment do dia 1 a 47. .
dem do dia 28......
1*004:43026*2
25:782/501
1,030:213*123
Descarregam hoje 30 de dezembro de 18/2
Vapor inglez Gladiator (atracado na pinte)
mercaduras para alfandega.
Barca inglezaiinghl Templarmercaduras para
alfandega.
Barca ingleza./n dega.
Brigue bujes tatalk mercadorias para alian-
Icga.
Lugar inglez-.Ispasia-mercadona para alfan-
dega.
Brigue inglezJo/m & Kennedyvanos gneros
para o trapiche Conceieao, para despa-
char.
Brigue nglez-fVMffua/-varios gneros para o
trapiche ConeeteSo. para despachar.
Barca franceza Muria'Celina varios gneros
para o trapiche Conceieao, para despa-
char.
Patacho inglezEcliptie varios gneros para o
trapiche C< neeieao, para despachar, e
Rarca norueguenseG(7flnrt-taboado ja despa-
chado para o caes do Brum.
Barca ingleza Mamey Brothers carvao ja des-
pachado para o caes do Apollo.
Barca franceza8. Loui-tenas de barro ja des-
pachadas para o caes de Santa Isabel.
ALTEBACO XA PACTA DOS PREgOS DOS GNEROS
.SUJEIT09 DIREITOS DE EXPORTAQAO, NA SEMAS A
DE 30 DE DfZEMBRO 4 VE JANEIRO DE 4872.
Algodioem rama ou la 620 rs. o kilo.
Assucar- branco 226 rs. o kilo.
Assucarmascavado li6 rs. o kilo.
Carvao de pedra eslrangeiro, tonelada mtrica
10*01)0.
Alfandega de Fernambuco, 28 de dezembro de
1872
O i" conferente Joaquim Aurelio Wanderley,
O Io conferente-Manoel Antonio Rodrigues Pi-
Approvo. Alfandega 28 de dezembro de 1872.
Scrvindo de inspector
Pedro Lopes Rodrigues.
Importara!.
Barca portugueza claudina, vinda do Rio de Ja-.
iteiro, consignada a Cuma & Irmaos, manifest u'
Barricas vasias 619 a A J. Furtado, 540 a Gon-
calves Beltrao, 340 a Luiz Duprat, 600 a Pereira
Carneiro A C.
Caf 116 sacros a Sonza Bastos & U. 100 a Ro*
na & Flho, 80 a Lima Bairo, 50 a J. J. Lcilao,
105 a J. J. de Carralho Moraes. Cha 8 caixas a
l'ereira Vianna & C.
Ervilhas 40 sarcos a Olvera &. Flho.
Fejiio 200 saceos a Amorim Irmaos A C. 45 a
J. M. Palmeira. Farinha 400 saceos a Antonio L.
Oliveira Azevedo & C Farello LOO saceos aPonles
r.nimaraes. Fumo 20 fardos a Oliveira Azevedo
Milho 500 saceos a Amorim Irmao A C, 200 a
Oliveira Azevedo, 200 a Pontes Guimaraes, 50 a
fortnalo Ribeiro Bastos. Mudezas 6 voluntes a
H. (ireenhalgy.
Paineis 1 caixao ao padre Felippe Istono.
Toucinho 47 barris'a Amorim Irmaos A C.
MOVIMENTO DO PORTO.
.Xaviot entrados no dia 28.
Rio d Janeiro13 dias, galera portugueza
America, de 950 toneladas, capit&o Joa-
quirf de Souza Amellas, equipagem 24,
em lastro; Cunha Irmao C.
Rio de Janeiro14 dias,. barca portugueza.
Claiidina, de 291 toneladas, capitao Jo-,
s de Souza Amellas, equipagem 15,
carga diferentes gneros; Cunha Irmao
& C.
Rio de Janeiro20 dias, barca franceza Ma~
thieu, de 397 toneladas, capitao Coronne,
equipagem 12, em lastro; TisseFrre.
Rio de Janeiro20 dias, brigue norueguen-
se Soskjneren, de 347 tonelada, capi-
to J. Westergard, equipagem 9; em las-
tro ; Henry Foster & C.
Rio de Janeiro17 dias, brigue inglez Eme-
raid, de 313 toneladas, capitio Petrel
Noel, equipagem 10, em lastro; a Pe-
reira Carneiro & C.
Rio de Janeiro22 dias, patacho hespanhol
Soberano, de 380 toneladas, capitao Pe-
dro Maristany, equipagem 13, em lastro;
Pedro M. Maury&C.
Buenos-A)res22 dias barco ingleza Katie
M. Donald, de 447 toneladas, capito D.
A. M. Innis, equipagem U,em lastro;
ordem.\
Gualeguaychu31 dias, brigue hespanhol
Francisco, de 220 toneladas, capitao Je-
ronymo Ferres, equipagem 12, carga
243,800 killos de carne; Pereira Car-
neiro & Ci
Bahia20 dias, barca franceza Abeille, de
274 toneladas, capito J. Decir, equipa-
gem 10, em lastro; De Lagrange.
Santos20 dias, barca italiana KepUr, de
460 toneladas, capito Jacomo Romanis,
equipagem 11, em lastro; Rabe Sch-
mettau & C. p
Navios sabidos no mesmo dia.
Buenos-AyresBrigue dinamarqus Argus,
capito M. N. Ting, carga"assucar.
Naxios entrados no dia 29.
Rio de Janeiro e Bahia- 5 dias vapor,inglez
Xeva, de 2999 toneladas, commandante
Bax, equipagem 130, carga differentes
gneros; AdamsonHovie&C.
Bahia6 dias, lugre inglez Cacique, de
231 toneladas, capito S. Cox, equipagem
9, em lastro ; Saundres Brothers & X.
Montivido29 dias, patacho brasileiro Bom
Jess, de 170 toneladas, capito Francisco
Jos da Costa, equipagem 7, carga 3450
quintaes de carne ; Bartolhomcu Lou-
renco.
Bahia14 dias, barca ingleza John Baring,
de 700 toneladas, capito Broock, equipa-
gem 11, em lastro; aLindstone Robel-
leard & C.
gantos_30 dias, barca ingleza Far West,
de 483 toneladas, capito P. Martel, equi-
pagem 11, em lastro; a Lindstone Robel-
feard & C.
Navios sabidos no mesmo dia.
Rio da PrataEscuna argentina Rio Negro,
capitio Sebastio Alves- Camacho, carga
assucar.
Rio da PrataSumaca hespanhola Joven
Adele, carga assucar e agurdente.
Rio da PrataBrigue brasileiro Infeliz, ca-
pitao i. V. dos Santos, carga assucar.
Southampton e portos intermediosVapor
inglez .Xeva, commandante Bax, co
mesma carga que.trouie dos portos
sul. ^__
Divertimeuto pastoril
SOB A DIRECCAU DE
JOS' BEBNAIIDINO C. BARBOS
HOJE
Qaaru represeoiaco do mono liado >pplu-
did'j drama-sacro partoril, em S rio :
es DOUS AMOS
ou
mam do mm
Os btlhefei achause a venia n-j eseriptono do
mesmo iheatro,
Principiara as 8 hora?.
SALAO
DO
semiwrio mm
EM
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
lavefaco eoatelra por vapor
Pirahyba, Natal,Macao, Mossor, Ar
iaty, Cear, M.adah, Acarac a Grabja.
0 vapor Ippjuca, comtnan
danta Moora, teguiri pan
o porto* cima no dia 31 d<
correte u 5 horas da tarde
Recebe carga *t o fli '"
eoeoomeodas al o da 30.
panetgeiroi e diihelro a frete at as S horas da
urde do dia di lahia: ao eseriptono do Forte do
Mattos n. 11 ?*
J^L
mmz
PARA
OLINDA
NA
SALADA CMARA OTICIPAL
Tercm-feira 31 de deaembro.
GRANDE E
F.vti-uoriliiiurio eapectarul*
DA
COMPANHIA KELLER
No qual se representar sele
Ouadros da paixo
fielmente copiado das grandes obras dos immor
taes maestros pintores, bem como : Raphael, Ru-
beta, Miguel Angelo, Leonardo de Venc, etc. etc.
Pre^ranima :
Primeira parte.
Ouvertura pela orchestra.
!. A gloria de Santo Antonio.
i.' A fome, grande quadro mmico, executado
por Mme. Keller, L. Keller e por toda companhia.
Intervallo de 15 minutos.
Segunda parte.
Quadros da paixo.
1. Noeso Senhor sentenciado por Pilatos (de Ra-
phael).
i* A subida ao Monte Calvario, ou o espasmo de
Cecilia, (de Raphael).
3. A chegada de Nosso Senhor ao Monte Calva-
rio ( de Rubens).
4. A cruciflcaeao de .Nosso Senhor (de Leonar-
do Venci).
6* A elevacao da cruz ( novo quadro de Paulo
Veronese).
6." 0 ultimo suspiro ( de Raphael).
7* O descimento da cruz (de Rubens).
Intervallo de 15 minutos.
Terceira parte.
Terminar' o espectculo com o grandioso qua-
dro nacional, intitulado :
A GLORIA DO BRASIL
Dedicado a S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia.
Entrada peral 2*000.
Principiar s 8 horas.
Haver trem para o Recife depois do espect-
culo.
Os bilhetes acham-se venda ne dito salo no
dia do espectculo das 10 horas em diante.
Pretende seguir com poocos das de .de-
mora, a barca portogueza. Clementina, por
ter quasi a sua carga completa, e para a
pooca qoe lhe falta, trata se na roa do
Commercio n. 5, scripturio de Jjaqoim
Jos Goocalves Beltrao.

Para o Rio Grande do Sal
Pode ainda reeeber algnms carga i frete o pa
taebo nacional Bemfica : i tratar i roa do Viga-
rio d. 1, primeiro andar, escrlptorio de Bailar, Oli-
veira A C
Para o Para
sabe at 28 do corrate o patacho portugus Mi
I chaelenu, tem |rts partes da carga engajada ;
para o resto Ferreira de Almetda AC roa da Madre de Dos
0.36.
BAHA
Vai sahir com poneos das de demora a polaca
italiana Sara, podendo reeeber alguraa carga, por
isso, quem desejar carregar pode emndeme com
o eoosigoalario Joaquim Jos Gjocalves eltrao, a
mi do Commercio o. 5 ____
Gustavo Hervelin,
tendo voltado da Enropa, onde rol fater nm
variado for lmenlo, conbfcer e eindar as no-
vidades da soa arte de abeileireiro, lem.
hoora de participar ao re^pHavel publico lula
capital e crineipalmfole? a toda toa numerosa
fregaezia, qn elle cnegoa de Par, e de novo
acha-se na direeeio de sea sntigo etuneleei
ment de csbellelreiro, lito a roa do Mrquez
de Olinda, totr'ori da Cideis do Recife, onde
todes os dias estar i isposicap das pessoas que
o quizerem hinrar com *na coDlbnca, desde as 8
borss da mauhii at as 5 da tarde. Tronxe as
Dltimas modas de Pars, unto em retaca> sos pin-
teados de senbora como aos cortes de cabello de
bomem. Prevenlo-setambemdp mais bello sorti-
meoto'de cabellos, j em comprimento j em cor.
sendo qoe nanea se vio nesta cidade nm sorlimeo-
to igual, acompaobado de ama grande dimionicao
de preco.
Encarregaie de fazer toda a son de tbras de
cabello, como coques, bando*, cachos e crespos n*
prase mais breve pussivrl, por prico ifs mdico
e da melhcr qaalidade que un quslqaer outri
parle, no qoe sjadado por peritas officiaes.
Para salisfazer ao publico eslar o dito estafce-
lecimeoto iberio desde as 6 1|2 bJias da manb
at as 8 e 9 da nr ite.
Chama igualmente a attancao para a ena verda-
deira e Onica tintura japonezi, reconbecida como
superior a todas as eompoiefos que ai boje tem
apparecido para tingir cabellos e barbas, e delta
se aebar deposito em todas is principies boticas
e casas de cabeileireiro desta cidade e de todo o
Imperio do Brasil.
Iodicacao dos precos.
Cortes de esbeltos 5(0 rs.
Lavagetn de cabera ou cbampon 500 rs.
Frizamento de cabellos para bomem 500 rs.
Barca e frcelo mexicana a 2i0 rs.
Coqaes de tranca de 15/ a 50/.
Ditos crespos de 15/ a 50/.
Creseeotes de 13/ a 100/.
E por precos commodoa toda e qnalquer obra
de cabello?, quer para homens quer pira se-
oboras.
Serapre b(m.
Para Lisboa
O brigne portogaex Saphva pretende-sabir com
toda a presten, para o que tem a maior parte de
ana earga tratada: para o resto e pissageiros ira
tase com os consignatarios Thomas de Aqaino
Fooseca & C. Saecessores, A roa do Vigario a- 19>
i* andar.
com a
do
GECIARACES.
LEILOES.
PORTO
A barca portugueza Audacia, de 1' elasse e su-
perior marcha, vai sabir com brevidade, recebe
carga a frete eommodo e passageiros: trata-se
com E. R. Rabello & C, ra do Commercio n. 4?.
PORTO
Pretende tahir com pooca demora a barca por-
tuguesa Social, capito Angust, por ter a maior
parte da carga engajada > e para o resto que lhe
falta e pafsageiros, para os quaes tem boos com-
raodos, trata-se eom o consignatario Joaquim Jos
Goncalve Beliri roa do Commercio n. 5.
differentes
LEILAO
DE
objectos de ooro,
roopa de oso.
HOJE
diamante e
de
dezembro
Hospital militar de Pernam-
buco.
Nao teudo apparecido niuguem que se
propozesse ao fornecimetfto de sanguesugas
para se applicarem aos jjoentes do mesmo
ospital, no trimestre do Io de Janeiro a 31
de marco do anuo prximo vindouro, fa<;o
publico* que se precisa contratar dito forne-
cimento.
As pessoas que a isso se propozerem, de-
vero apresentar suas propostas em carta fe-
chada na secretaria do estnbelecimento, no
dia 30 do corrente, s 10 horas da manh.
Secretaria, 28 de dezembro de 1872.
O escrtvo interino,
Jos Carneiro Maciel da Silva.
Hospital militar de Pernam-
buco.
Contrata-se, novamente, o fornecimento
de lavagem e concert da roupa do uso dos
doentes do mesmo hospital, no trimestre
vigorar do Io de Janeiro 31 de marc,o do
anuo prximo vindouro. -
vOs proponentes devero apresentar suas
propostas em carta fechada na secretaria do
estabelecimento, no dia 30 do corrente, s
10 horas da manha.
Secretaria, 28 de dezembro de 1872.
O escrtvo interino,
Jos Carneiro Maciel da Silva.
Segunda-feira 30 ce ae
AS 11HOBAS EMMNTO.
O agente Piolo, antorisado pelo Sr. gerente do
consolado de Franca, em preseoca le seo* ellan-
celler, far lello por coota e risso de quem per-
^tencer, dos objectos cima rrencicnados, perten-
eentes ao espolio da (loada tnbdita franceza Tbe-
reza L'feloe dile Lea, arlla dramtica ; o leilo
ser effeclnado oo dia e hora aeima ditos, do es-
eriptorio do referido agente, ra do Bem Jssns
0.43
vindo de Guale-
Car neiro A C
Patacho hspanhol francisco,
fMtpsstv, consignado a Pereira
tnanifestou :
Xarqne 5,300 quintaes aos consignatarios.
CAPATAZIA "*A ALFANDEGA
Rendimentodo dia 1 a 27. 11:258/624
dem do dia 28...... 347/229
VOLt'MES SAHIDOS
Do dia 1 a 27......
Primeira porta no dia 28. .
Segunda porta.....
Terceira porta.....
Trapiche Conceieao .
11:005/853
3o,437
91
78
605
1,466
37,677
SERVICO MARTIMO
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega do dia 1 a 27. .
Ditas ditas no da 28.
Cavos atracados o trap. da alfandega
Alvarengas ........
No trapiche Conceieao .- .
140
1
4
1
146
BECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 27. 44:062/624
dem do dia 28...... 2:824/200
47:7861824
CONSULADO PROVLNCIAL
do dia 1 a 27.
169:8141443
DO
BEBERIBE
Sao convidados os Srs. accionistas desta
companhia, a reunirem-se em assembla ge-
ral extraordinaria no dia 2 de Janeiro prxi-
mo futuro, asi2 horas do dia, afim dse
resolver sobre.o augmento do capital da
mesma companhia.
Escriptorio da companhia do Beberibe, 28
de dezembro de 1872.
O secretario,
Jos H. B. deMenezes.
InNpecrtao do arsenal de
niarinha
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando, na forma determinada no regulamento
annexo ao decreten. Ltft de 5 de fevereiro de
185*, os cascos, machinas, caldeiraa, apparelhos,
mastreacoes, vclames, amarras e ancoras dos va-
pores Ipojuca e Giqui, da companhia pernambu-
cana de navegacao costeira, achou todo9 esees
objectos em estado de podercm os vapores conti-
nuar no senric/) em que se empregam.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernambu-
co. 28 de dezembro de 1872.-
Francitco Romano Stepple da Suva
Inspector.
THEATRO
Grande succesao!
LEILAO
DE
DIVIDAS
NA
importancia de 871$850
O agente Martios levar Divamente lettio as
dividas activas do espotiQ do fioado Joaonim Gon-
calves Beltrao na importancia de 871/850, por or-
dem do Mm. Sr. Djmmgos Mara Goocalves, eo-
carregado do ccosnlade portoguez nesta provin-
cia.
Ter^a-feira 31 de dezembro
No armazera n. 48 da ruado
Imperador.
\'n 11 horas da manh.
PAM LISBOA
Segu com toda a brevidade o lugar portoguez
Julio, tem grande parle de sua carga engajada, e
para o reato e passageiros, trata-se com os con-
signatarios Tbomaz de Aqoino Fooseca & C. Sae-
cessores, ra do Vigario n. 19.
Para o )o-Grande do Sul.
Segu o brigne nacional Amelia, tem parte de
seo carregameoto engajado, para o resto qoe
tbe filia, trata-se eom os sens coosigoatarios An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, oo sea es-
criptorio i roa da Cruz n. 57.
LEIO
carros, arreos,
de ;
cava 1118 e j vaco ^8 coto
crias
SEXTA-FEIRAHO DE JANEIRO PRXIMO
Na coebeira da roa do Imperador n. 27.
0 agente Pioho Borges far leilo, por ordem
do Sr. Marcos de Almeida Lima, do fegaiote : 24
cavallos lodos i roprios de carro-, 3 carres des-
cocerlos em per fdilo estado, e 3 ditos eovldraca-
dos em bom estado, e moius objeeios qoe estario
paleles, para previo exame dos preleodeots*.
O leilo ter logar s U horas da manb, na
dita coebeira ; e os ditos ooiectos serio vendido
en um oa mais lotes, a vootade dos compradores.
MOVIS
e da lija de ferrage da roa Di-
reila d. 45."
Massa fallida de Joo Uygino de Souza.
SEXTA-FEIRA 3 DE JANEIRO DE 1873.
Urna mobilia de amarello rom lampos de pedra
a Luiz XV, 1 guarda roupa de amarello, 1 cama
franceza de dito, 2 espelnos grandes, 2 pares de
jarros, 1 candieiro a gaz, 1 tapete fon sof, 1 par
de escarradeiras, diversos tapetes pequeos, 1 meia
commoda de amarello, 1 col. nao, 1 toilet de ferro,
1 mesa clstica, 1 guarda louca, 1 aparador com
tampo de pedra, 18 radeiras de amarello, 1 sof,
1 marqueza de amarello, 2 ronsalk de amarello,
2 camas de vento, 1 mesa redonda de amarello, 1
dita de louro para corintia, 1 meio apparelho in-
completo de porcellana, 1 dito para cha, eolheres,
copos, clices, garrafas, e um trem de cozinha.
Armaco, ferrafens, e mais pertences da kJa
da ra Direila, hale Marcilio Dias n. 45.
O agente Mantas far leilo, por mandado do
Dhn. Sr. Dr. juiz especial do commercio, dos mo-
vis, anacao, ferragens, a mais perteneea da mae-
sa fallida de Joo Hygino dc'Souu; Ae 11 horas
do dia cima.
Os pretendenlee podem examinar 0 balaneo qoe
se acha em mi do dito agente.
AVISOS DVEBSOS
GASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
i' i na Primeiro de Marco (oQtr'ora tai .
Crespo) n. 23 e casas do costme.'
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seos fe
lizes bilhetes nm inteiro n. 721 com 100/, nm
mteiron. 1A49 eom 100/, eoutra) sortea de 40/
o 20/ da loieiia que se acaben de extrahir (33a)
a sao convidados os pessnidores a virem reeeber,
oa cooformidade do costme, eem descont al-
gara.
Acbam-se venda os felizes bilhetes garantido*
i> 7* Darte das loteras a beneficio da igreja da
Santa Crnz do Recife (3i*), que se exl rabir em
i do mez e aono viudeuro.
PRECOS.
Bilhets inteiro /000
Meio bilhete 3/000
Qoarto 1/500
Em porcao de 100/000 para cima.
Bilhete inteiro 5/500
Meio bilhete 2/750
Qoarto 1/375
Mane.I Martins Fiata.
Aiuga-se
O sobrado de nm andar, sito roa do Mrquez
de Herval o. 11: A tratar oa ra da Aorora na
mero 51.______________________________-
Correspondencia de Portu-
gal.
O eocarregado desla folba pede aos senhores
assigoaoies de virem tirar os seus recibos para
o apoo Je 1873. _______________________
Jomedor8
Na roa estrella do Rosario, s jbrada n. 35, casa
de familia, eootioaa-se a foroecer comida para
lora, par precos commodos e com promplido ;
algom eobor oegoeiao'e qoe f >t para fra da
cidade e qoiser que Ibe fernega aos seas caixeiros,
achara na dita casa bom tratameoto.
Ausentou-se
o escravo Cnspim, de nsco Cooge, idide 50 an-
oos oa aai>, gro-so do corpo, baixo, falla bastan
le atravessado, levon calca e camisa de rlseado :
rogase As autoridades polic.aes campo de o preoderem e lera-lo casa de sen se-
nhor, qoe gralo ser ; e se reeompeosar a qaem
o levar A roa da Hsdre de Dos n 7.
lOOggOOO
Fogio do eogeobo Pootal, em Seriobem, oo
dia 7 da. mez prximo passado, o mulato Simio,
com os sigoMs sigoiotes: estatura regalar,
corpo secco, cOr alaranjada, barba trrala, ca
bellos carapiobos e falla descaocada. Quem o
pegar leve o ao rea senhor o teoeote-coronel Vi-
ceote Meodes Waodtrley, no dito eogeohe, oa os
Recife ao Sr.Beroardioo de Sena Pontoal, na roa da
Madre de Deas d. 36, qae reeeber a gratieacao
de 100/
________^BSSEi
'->
0 BACHAREL
{AMERICO NETTO DE MEN
DON^.
Reside presentemente
A" RA NOVA DE SANTA RITA
m. 8.
Botica Popular
Precisa de nm offlcial com bastante -pratica de
oharmaeia, e capaz. Da se 1,0064 de ordenado ao-
onai.
Precisa se atafir orna eaersva para ca
a de famii-a de doas pessoas : a tratar oa roa
dai Plorea n. 37.
Na Iravessa da roa
das Croze-s n, 2, pri-
meiro sndar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prata e brilhan-
tes, seja qual for a qaan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mestaos nie^
taes e pedras.
Com quanf jA este ja bem ao dominio do rea-
peilavH poblico desta cidade qie ningoem s*
deve dirigir a cuya paite qoaodo se quena cbter
iodo qoaoto coocercenie conteiurla, paslela-
ris, cons*rvrria e enhoasi*, f*iiao bem conbe-
cida fConfiuna do Umpt-f) :
Sempre bom que seus propietarios ucasv
lembrar aos seas oumi rosos amigos e fregoezee,
qoe esta lio til, qn i vantajoso estabelecimeolo,
seacba'como oooca prvido dos mais delieosos
aeeppes, proprlos para os regabofes tAo eommona
nesses lempos qoe se aproximara ; prometiendo
oao pooparem esforcos para bem seivir a todas
que os honrarem com snas en :ommendas, tendo
para isso oio 10
Urna grande reunido
DE
Fiambres Pastas Pettriiiaa
Salames Doces Geleas
Cacas Qaeijos Frocta
Legumes Ameodoas Chocclates
Peixes Licores Pralioas
Bolachmhas Viohos Ervilhas
Leites Cosaqoes Assoearea
Como
de a;;ora em liante a eonfcitarla
do Campos
teodo om sen reeioto ama bem mentada fabrica
de eonfeitaria, pastelans, cooservaria e collaaria,
est reaoiodo a PEDIDO grande qoanlidade da
animazinbos que a convite espeelal e depo de
bem assados devem fzer as delieias da vid per-
namboeaDa, e cara qoe pelos seas oomes nao
percam da leu braoca os amao'.es dos regab&fes,
vai em coosoaote :
Patos, pei1, gal.olas e gneos
Capotes, marrecos e gordos leiiSes.
Vitelas, carneiro?, cabritos e pombos
Saboreas cvalas e os taes camares
Assis como
Bolos loglezes, pndins e tonas
Da Rossia e Milo cobertas U'ias
tremes, gelados, de caree os pastis
Frescas empadas em todos os dias.
E depois
Reos presentes de f tas
O Campos atora tero
Nasos CGNFEITaHIA
Q'ietu Ibe competir? ningaem I
E' bom qae todos coocorram
P'ra qoelle esisbeleciroento
De caixiobas rica, Qaein na ?
Qu; teoba maior tortimeolo
Olbem todos vejam bem;
Aqnillo que o Campos quer,
E, que lodos p'ra ai corram,
Nao escape om s se quer
P'ra antes e depois da missa
Da tal ooato de natal
Quatro pastis e nm copito
A nioguem por certo faz mal.
CONFErARIA DO CAMPOS
ro* do Imperador o. 2*.___________________
C01i.LEd.IO
DE
Nossa Senhora da
Sftule.
mmmmm
irS
I
O Dr. SarmenloFi- |
ih, cirurgiao do hos-
m pital Pedro II, de vol- ta de sua viagem a Eu-
ropa, contina no exer-
cicio de sua profisso,
na casa de sua residen-
cia a' ra do Impera-
dor n. 29.

m
. Troca-se notas do banco do Brasil e de na
iliaes na ra do Baro da Victoria n. 63, antiga
roa Nova toja de Joo Joaquim da CostaLeite
CASA DA FORTUNA
ii I' de Marco
(Outr'ora do Crespo) aa. *3
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
lizes bilhetes da lotera do Rio n. 436* a sorte de
4:000$ em quatro quartos de n. 2403 ; convida us
possuidores a virem reeeber, que promptamente
serao pagos, como do costume.
Manocl Martins Finzal
Multa attenqo
Fartaram no da 24 do correte, pelas 4 horas
da tarde, da roa 7 de setembro, um cavado com
carga, teodq es slgoaee segaiDtes : castaoho ama-
rello, teodo as orelbas cortadas, alto e com o ferro
segointe no qoarto direito AD, ioiciaes do dono.
Levon eaogalba e doas eacaaes com divereos cb-
jeetjs. Quem apprebeoder o dito animal, ou del -
le tiver nolicia certa, qoeira dirigir-se a roa
da Aorcra n. 44, segnndo andar, oa ao eogenho
Penedo de cima, na fregaezia de S. Looreseo da
Malta, qae se gratificar generosamente. Roga-
se lambem as autoridades policiaes da cidade
e do interior o emprego de dnigeucia oo sentido
da appr*hoslo de to aadado-o furto.
RfC fe, 25 de dezemhro de 1872.
Mara Helena da Rocha competentemente aoto-
ri-ada pela directora de instrnecn .publica, tem
aberto na fregaezia do Poco da Panella para o
sexo femenino nm collegio denominado N. S. da
Sanie, no qual >e prop5e a ecsinar todas as ma-
terias de iDstrne?o primaria ; como portugus,
instrucQi regioa, historia, geographia.
No mesmo collegi) oosioase tambem fraoeez,
inglez, deseobo, msica, e tudo qaaalo proprki
de costura e bordados.
A anoanciaole slem de se incumbir por si mes-
ma do ensino de algamas materias, tem tambem
contralado professoras aptas qoe a auxiliem em
seus trabalbos.
A pratica adquirida pela annoociante j em
Portugal e j De-ta mesma provincia, conforme
podem atteslar diversos senhores de eogeobo, en-
tre eiles o Sr. major Harciooillo da Silveira Lias,
em cojo eogeobo esteve ella por amitos sobos
incumbida da educacao de snas Gibas ; om va-
lioso testemnnho das habililacfcs da mesma ao-
oooeiante, a qual proratte lodo o zelo e dedicacao
no ensino das meninas, coja educado Ibe fer
coofiada, quer como externas, quer como pensio-
niatas.
A casa oode fe acba estabelecido o dilo collegio
oo sebrado grande, cojo oito deita para o pa-
so da matriz.
Abrir-se-ba o dito collegio oo dia 8 de Janeiro.
e dar-se-bo as ferias a 10 de dezembro.
GASA DA FORTA
RA 1* DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N 23.
I 'olea qae paga aa sortea
Aos 20:000^000.
0 abaixo assignado tem sempre exposto A ves
la os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagaadi
;rcmpamente, como costuma, qnalquer premio.
PRECOS.
Inteiro 54*000
Meio 12009.
Quarto ir.01000.
Uaooet Martins Finia.
Companhia Allianpa
leguros martimos e terrestres
estabelecido na Bahia em 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:000*000. .
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
i risco martimo em navio de velia e vapo-
res para dentro e fra do imperio, assim
:omo contra fogo sobre predios, gneros e
tiendas.
Agente Jcaqoim Jos Goocalves Beltrao,
roa do Commercio n 5, i. apdar._______
Perdeu-se na nonte de festa ama palceira!
oa porta da matriz de Santo Antonio: quem
acbou querendo intregsr, dirjase a roa de S
Francisco n. 46 que ser bem recompensado.
Sobrado
Aloga-se o sobrado o. 9 da roa da Aorora
rajar oa roa da /mperairz o. 8. leja.
UblNHEIHO
Paga-te 50*000 por miz a om ecziobelro para
casa de pequea familia : quem coovier, avioe
em carta fechada, a N D., roa da Cadeia do Re
cifd. taverna dos Srs. Brea Gimes A C.
COSTREIRAS
Na Cbapellene des Dimes roa do Baro da Vie
loria n. 16, preelsa-se de costnreiras.
Cosloheiro
Precisa-se de nm cozinheiro : na roa do
Cordoniz o. 1.
Aloga-se o 2* andar e sotan ao sobrado n.
25 da roa de Santa Rita, estando elle em bom es-
tdo : a tratar na roa Doqae de Caxia* n, 44.
miuniintu
GABINETE
. Medico-cirurgico
RA DO IMPERADOR N. 73,1 ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e operacfos de olbos.
Gara radical e instantnea dos
estreitamentoa da uretra.
Consullas:
da manb.
Chamados
Das 7 s 10 horas
A qaalqoer bora.
Aloga se nina casa na Capuoga com com-
modos para familia : a tratar no mesmo logar roa
da*>Cri*alas o. 25.
Aloga-se a casa o. 33 da roa do General
Seara, antiga ra do Jasmim, mci'.o fresca e com
commodos para familia : a tratar oa mesma.
Aluga-se urna escrava
compradeira e ensaboadeira
Hospicio o. 61.
perita eoriabeira e
: a tratar a roa do
ATTENCAO
Aluga se (a qoem pagar parte de bem-
feit' obrado de om aodar, com doas salas e
dous qoartos, e no sotSo dons quartos, es-
lando novamente caiado, pintado e esteira-
do : qoem pretender, declare sua morada
em carta fechada, com as intciaes J C. S.,
em sobrescripto, deixaodo nesta typogra-
phia para ser procurado.
009K 0 ***8ft**
Imperial fabrica m
DE p
Rap areia fina da Bahiaj
DE
Moretra & C.
O abaixo assignado, nico agente dessa
fabrica, avisa ao publico qae tem aberto
K o deposito de dito rap oo sea escripto- ^
jft rio roa do Vigario n. ti, eode os fre- Wt
jsm guezes eocootrarao sempre a qoaolidade M
X 1Q9 preetsarem. S
m Recife, 29 de abril de 187). M
M Domingos Alves Malheus. JC
m#* m *******
Frastem attenpao
Fortunata Fortes avisa qoe se aeba modada
para o segando andar do sobrado n. 16 da roa
do Cabog. e abi contina com sos sola para 0
sexo feminino, oode rosina a ler, escrever, con-
tar, grammalica portugoeza eiambim costuras
de todas as qualidades, como sejam : bordados a
ooro, dito de li de alto relevo, trabslhos de li 0
crox, e tambem a flores com muilo gosio. 8a-
sioa tambem em soa casa, piano, a Iraocec a a
daosar, pois tem babes mesires e prometa too
o desvello e delicadeza ; aeeita tan bem peouo-
oistas e roeias ditas b o seo preco t o mala favo-
ravel
AOS 6:0004000
lati a nuda oa felizes Dunetas da lotera 4a
tanta, na easafallx do arco da Coaceico, tola Oa
*orivas oo Rocife.
%>
l
"




I

Diario de Pemambuco Segunda feira 30 de Dezembw de 1872.
!
*>
MOIIDIDE
PIANOS E MSICAS
ANTONIO JOSfi HE AXEVEIIO
* Ra do Barao da Victoria n, 11, armasem, e 121. andar, antiga ra Nova
-
aonie o publico em geral encontr, 'sempre o^maior e mais esplendido sortimento deptauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Acaba de abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronte i
botica Miorer, nm grande saiio onde esto expostos os magnficos
mtm. Ml j% %97& de armario, de PleyeL
-------- de meia canda, do mesmo autor.
-------- de H. Henri.
-------- de Amede Tbibont.
nico agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FIARES
Tambem receben grande sorftmento de msica pira piano, piano e
canto e entre ellas as lindas coropcsic>s do moho sympalbieo maestro
F. SAUTTIMI
A SABER :
Voc me quer Walsa.
remiados em diversas exposi;o"ss om I i medalhis de onro e prata.
Sao os onicos piano? que aqni vem da Europa, perfeitamente afioa
dos, fetos com elegan :ia e solidez.
D'aqni ero(dacie continuar a annonciar todas as publicac5es qne se forem friendo as suas offlcraas de msicas.
Olga Mafflika.
La Separacin! Pra canto.
A Luz elctrica, grande Walsa.
Franco Brasileiro Polka.
Tomada da Vllela G'lope.
Jcaoioha Walsa.
A Libertadora Po'ka.
A Primeira espada Wal-a.
A MiDha Lyra Walsa.
A Natalicia Polka
Stadiente Po ka.
I IHmas publicares
Feitas as offieinas de mosteas
do annoneiaole.
Emilia, polka por I. Smoltt.
Circaciana, >ehoteb, por Smoltt.
Jardim do Campo das Pricetas,
qnadrilba, por J. Popne.
Chova de Rosas, Walsa, por H. Al-
bfrtatzi.
A POPULAR FLUMINENSE
Associapo de beneficios mutuos
Para creaco de eapitaes e rendas, e auforfsada pelo go-
verno Imperial
POR DECRETO N. 5022 DE 24 DE JULHO DE 1872.
Capital de responsabilidade administrativa
1,000:000^000
CONVERSAD DOS CAPITAESDOS SOCIOS EM APOLICES DA DIVIDA PU-
BLICA NACIONAL.
TAIIEliLLAS
MXtfOOO PAGOS ANNALMENTE DE VEM
No fim de Sem perda de capital
5 anoos 680*500
10 anoos 2:372*000
15 anoos 6:582*100
20 aonos 17:068*500
25 annos 45:128*500
Urna itnposico nica de 1:000*000 deve produzir
{503000.
PRODUZIR :
C m pe-da de capital
993*000
"3:113*000
8t44*OO
22:402*500
36:637*700
N> engenho Missuas-, frgueiia da Escada, se
dar de gratiQcacao a qmnna cima a quem ap
prebender tres cavallos qne nsqnelle enpeorn
hram lunados na nonte dodia 29 para 30 de no -
vembro prximo paseado : o 1* tem 9 annos, t
castanbo e castrado, tem a oralba direita bastante
lascada, orna (Strella na testa, e no quarto esqner
do tero orna cruz; o 2# roe, com piotas ver-
melbas nos quartos, grande, gordo, om o pes-
coco tino, castrado, tem os quadris feridos da
caogalba, ferrado com a marcaI. R.do lado
direito, e tem a idade de 9 anoos; o 31 rodado
sanhass claro, eorto e g'osss, om poaeo eambito.
c castrado, peqneoo, e est ferrado com a marca
Ono quarto direito : gratiflca-se eom 50*000
por cada om em preseoca da pessoa, em cojo po-
der fi r encontrado qnal juer dos ditos cavallos.
No fim de 5 annos
de 10 annos
de 15 annos
de 20 annos
de 25 aonos
2:132*000
3:819*510
6:839*000
12:985*000
23:255*000
)
)
)
O objecto deata associacio induzir todas as classes da sociedade, tanto os pebres
como os ricos, a pensarem no porvir e a garantirero, por meio da economa, a fortuna dos
filhos, o pi da velbice e a traoqollidade do espirito.
A nqaea dos povos, isto c, a riqueza parncnlar e a riqueza pobiica, tem o seo fun-
damento mals solido e a sua fonte mais feconda na simples economa.
A economa a provsao do futuro. O que hoja nos sobra quasi serapre dos falta
amanb.
Sendo Popular destioada principalmente para coidar do futuro das classes menos
abastadas da secedade, a adraioistraco, de conformidade com seus estatotos, declara que
recebe subscriptores per qoaotias mnimas at 10*000 e sem limite para maiores qoantia?.
Os subscriptores da Popular nao eslo snjeitos a onus algum de exames mdicos e atiesta-
dos de vida: seos capitaes accomolados e accrescidos vantajosameote passarem, em caso
de morte, a seos berdeiros naturaes. ,
As subscnpcSes da Popular Fluminense podem ser feitas de tres modos dislinctos,
conforme o deseio do socio, a saber :
COMBINAQE?.
i* Pagamento das preslacSes aoouaes ou semestraes (desde 10*000 at a maior
qoantia cada nma) podendo liqoidar e retirar capital e locros em qualquer poca depois
dos primeiros 5 aonos; sem perda do capital em nenbmn caso.
2" Ignal ao anterior, porm, com perda do capital e jares no caso de deixar de pa-
gar alguma das preslacSes marcadas na apolice.
31 Pagamento de orna s qnaotia (oonca menos de 100*000) e de orna so vez e sem
perda em nenbom caso nem do capital nem dos locros.
A 1' cumblnaco offerece ao socio a vantagem de nanea perler o capital qne tiver
entregado; jt .
A 2" arrisca o capital, porm, o socio que pagar pontaalmente as prestacoes, aofe-
rir mais locros qoe os qne pertencam Ia;
A 3" combinaco oflere;e grandes vantagens ao3 capitalista?, pois sera correr n-
nhum risco pode se garantir que se hao de anferir, pelo renos, om joro de 12 0/0 ao auno.
Pde-se obter qaaljoer ootra informadlo do escriptorio djs ageotes da a'SGeiacao
nesta provincia, Augusto P. de Oliveira & C, roa do Commercio d. 42.
mtmmr
Aos 5:000,5000.
Dllhefes garantidos da pr-
Tlncla.
Una do Baro da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e casai
do costutne.
? O abaixo assijrnado acaba de veoder nos sen.'
imito felizes bilhetes a sorte de 5:000*000 em
dous meios de o. 8ii, a sorte de 800* em quatro
quartcs de n. 2399, e a sorte de 300* em bilbete
inteirt de n 1779, alera de ouiras sortea meno-
res de 40*0^0 20*000 da lotera que se acabou
de extrahir (33") ; e convida aos possuidores a
v r-ai receber, que promplamente serio pagos.
' O raesrco abaixo assignado eonvida ao respeita-
vel publico par2 vir ao sen estabelecimento com-
prar os muito felizes bilbetes, que nao deixaro dt
tirar qaatquer premio, como prova com es mes
oos aununcios.
Acbam-se i venda es muito felizes bilbetes ga
rantidos da 7' parte das loteras a beneficio a
igreja da Santa Croz do Recife. qoe ser extrabida
do da i do mez vindonro.
PRECOS.
Isteiro 6*000
Meios 3*000
Quartos 1*500
De 100)5000 para cima.
Icteiro 5*500
Meios 2*750
Qoartos 1*375
Recife 21 de dezambro de 1871
]. ]. da Costa Leite.
mw mm.
hugiram ero covt-n t>ro p ->kdo, do engenli So
ieij, junii da eaU^j : E-caoj, os teguiotes
scravos, coja apprebeosio se lde :
1.* Amaro, mulato, de ;-5 a 40 aonos de iJade,
estatura regular, grc.vo e rfrc>do, cabellus
nietos e cartpiobos, cabeoa graode e redooda,
testa corta e earregad*, r> sto despootado, sem
barba, nana baixo, bocea pequea e btic* ti
ons, denles curtos e limados, as vetes raspa toda
a eara e os cants da testa. Tero urna cicalrix de
om ttlbo na mi direita ao [ do dedo poegar
Levou chapeo da paooo brinco, um outro pr t >,
paletot preto camisa Boa te. ejanbero orna guia
fals. SiipiSe se qne vai eom direc^o p-lo ser-
tao, Rio de S. Francisco eom drslino Rabia de
onde natoral. A'ra dos sigoaes descriptos t>m
a falla pausada, feio, carrancudo, e tem o lypo
dos sertaoejos do 0ra.
1* Leonor, cabra -de 16 a 18 aoaos de idade,
.baixa, feia, cara larg>, .om pouco amarelia, olbos
pequeo t, verga de om elho, cabellos carpi-
nos, tem nm dedo cortado no meio da mi di-
reita. Suppda se ter fgido roa o Amaro, a-
cima meociooado, eom quem viva amasiida.
3.a Tb'bmat, preto, alto, secco, de 25 a 30 an-
oos de idade, bonita figura, cibeca pequea,
rosto pequeo e muito pooca barba, nariz pro
porcional, olbos paqueos, bocea rasgada, deotrs
alvos a limados, falla ebeia e quaodo toda pa-
rece qoe tira os i s de certa maotira, eomo qaem
leve bichos em peqotno. Tem marcas de chico
te as cusas, e oatoral da Parahyba. Sop( d-
se ter ido em bosca do curato do Bim Jardim
osde tem pas e mais pareles e tambem ter abi
perteocido.
4.* Ju', bem preto, de 20 a 22 anoos de ida*
de, sem barba, esUtora regular, s pnda, olhos grandes, nan. aliado, boca peque-
oa, desdentado, o btico inferior grosso e sabido,
de bonita Agora, tem a perca direita om piuco
tetta.
ioga-se a toda aoloridade policial, inspeeto-
rea de qiarteiro e capites de camp a eaplora
destes escravos, onde qoer que elles apparecaro
e de remelle los ao dito engeoho, on no Rceife
em ea^a de Cnnba Irmios & C qoe stro ge-
nerosamente reeumponsados.
^%^
Vigilante.
Precisa-sede nma Moa que
compre e eoziohe : oa ra
do Crespo o. 7, luja do Gallo
a mar Precisa se de urna para cozohar em
AlUfx casa .de poica familia ; tratar na
roa do Corredor do Rispo o. II.
\^i\:
goramar
dar.
Precisa-se de orna ama pa-
ra casa de familia de duas
pessoas para crznrnr e eo-
tratar na toa Direita o. 28, 2* an-
W^\>
Hj 3.* andar detla typegra-
pbia anda se precisa de duas
amas, ama p>ra cozohar e
octra para' eogommar para pooea familia.
i ii Precisase de urna ama tomen-
\ jl'l \ te para roziohar em casa de ra-
11 ITA/. p2z aolteiro : tratar na I ji da
roa dotCrespo o. 17. ______^^^
Preri3a-se de nma ama
fm so n. 58.
rna de Pedro Af-
Precisa-se lugar ama para casa de fa-
milia de tres pessoas : tratar na raa das Flores
0.31._______________________________
-y*m m Preeisa- imiTMi. bem coz nhar (forra ou e:crava,)
paga-se bem : a roa Nora, loja n. II._________
Alii
gd-se
i sala e aleova do 3* andar, e parte do soto do
sobrado n. 70 i roa Daiae de Casias : a tratar
ia loja. '____________________________
Pfimuro aadar
Alofa-se o 1* andar roa do Padre Ploriaoo :
a tratar na roa larga do Rosario o. 22.
. O bacbarel Antonio Anaes Jscome Pires |
advoga ni rna do Imperador n 81.
Empreza do gaz
R-.speiiosamenie ioformo aos senbores
CdDSumitkires do gaz desta empreza, qoe
as cotaatregues, devem ser pagas men-
salmele aos eossos cobradores, e na ao-
seocia destes podem se dirigir roa do Im-
perador d. 31 oa fabrica do gaz, em S.
Jos, todos os dias otis, desde as 10 boras
da manb at as 4 boras da tarde.
Previno aos mesmos senhores, sem ex
cepc5o, que nao cootinaarei a foroecer gaz,
a aquella que ni pagar suas cootas de
consomo de cooformidade com este aviso,
Fabrica 4o gaz. 3 de dezembro de 1872.
O engeobeiro e gerele.
Toninas N-.wbiggiog.
Peiiaibuco Srett Itit-
&
T-udorecihr*n a (r.iajiou de b*j *(
mais bilbetes em troco de passageus nos rr'o?
desta eompaohia. prevrn am rf iw^ave poi I o
que, do 1* de jtoeiro em i iiiii.-i.> >e dxra tm
troCi), nem re vendara mai. b-lbrie*. Ouirn .iir,
a compuLbia nipodendi irraoj r imn-da de ni
ckle ou bronze sufOciente u<* troco', r f*
Srs. passagiiro* de semori'*em eom drh-iio miu-
do para ficilitar a c"(irsici d >s c Os bilhete* d eompaubia qne arbiahn<-nl<) es
lio em circulara--, sero recel i Iji. tus carros era
pagameoto de passagns, e irucad ii por diuheiro
oo Engllso Bat k of Ri > o> Jaoeir). e nn es m i t >
no desta cototapi.u a qoe reja re.-gaiatj o ul-
timo bi'heie;
Recid, 26 de dezembro d^ 18/2.
Pelo gercote fteroaruo Wbiimaoc.
Iri'T E-dfonh.
HETALHvSr]
i vontade das compradores, o sitio CraveiiO', em
Beberibe de baixo, i marg>m do rio : paza tratar
na roa do Commercio o. 14, pavimento 'erreo, ou
oa ra do Destino o 15.
Precisa se de utn ou Jous ilhViaes de br-
oeiro na prsca do c dle d'Ei n 7 A.
Precisa-pe Ce um e cravo para o seivyi ex-
terno e in'.erno de ecofetl|ria e pa.-i--iii.ri'; a;-
sun um meoiao naoonal i u esirao;eiro para ca
xeiro : tratar na confeiiaria dj Ctmpos, ra
do Imperador d. 24.
Peraeu >e una Ultra de 27i*07'.l, tacada
por H. Sundrren, nn di t 3 d eteubro desta au-
no, sobre o 8r. Anrelimo C eiceatino d-i M^tlei-
ros, em Mjcabvba (Rio Gran t^ de- N i le) a v o-
eer no Bm oesie anuo. Pre\io(-se que uioguem
faca negocio o m e.te li'.olo por j ter avisado
o aceitante da perda do dito tilo'o
Criado
Offerece se nm hespaoh >l p-ra hu;l ou mesmo
para qualjuer outro servico : ai largo a usenv
bla n. 13.
C ado
No hotel de Apipucos, prteisa-M de um criado
qie leoha pratiea desle 8"gocio.
Orsappareueu na o< U'.u do i\ pala 2o o
arrete mez, da ra do bruo, pertenctoie a Jto
Antonio e out-os, om bol, de cor amareila e ja
manso de carro: a pessoa que tiver pgalo i u der
noticia exacta, dirija se a ra re Santo Amaro,
laverna o. 2 A, de Maooel Ramos, junto a e-lacio
da maxambombp, que ser rreompeuada.
A sociedade Benefleenle Si'prcilo e Amor da
Ordem manda celebrar no dia 31 do eorrente, ler-
ca-feira, s 6 l|2 horas da maula, no convento do
Carino, minas polas almas do socio Manoel Pedro
de Noronlia, Mara Anglica da Silva Almeida,
niiii do socio Elias Angosto de Almeida c sogra i
socio Scbastiao Jos (lomes Paiva, bem assiin por
Francisca Candida do Carino Maeiel, esposa do
socio Liberato Tiburliuo de Miranda Maeiel, e
convida bxl is os socios, prenles e amigos para
assislirem a esse acto religioso.
Escravos fiffidos.
Anda seacham ausentes d: casa do son senhor,
no engenho Saltinho da freguezia de Una, do qual
ausentarant-se no dia 31 de dezembro do auno
prximo passado, os pelos Jooquim e Benedicto,
este com 48 para 50 annos. aquelle com LO e tan-
tos annos. O I' de altura regular, secco do
eorpo, rosto liso, muito fallante, e creou-sc no Re-
cife, onde bem conliecdo nos arniazens de assu-
car ; o outro baixo, eheio do corpo, muito bar-
bado e com falla de qnasi todos os dentes da fren-
te, julgam-no ter procurado as freguezas de Goj -
anna ou Iguarass, onde esteve por niuitos annos,
e fo agarrado em Tres Ladi-iras, por oeeasSo de
outra fugida que fez em iiiicjmo do anuo de
1871. Gratificar-se-ha generosamente a quem
apprehender qualquer um dos referidos eseravoa
e entrega-Ios no supracitado engenho Saltinho, ou
nesta praca aos Sis. Leal ft Irmio, ra do Mr-
quez de diinda n. -'6. ___________^_^_
Aviso
E'no Bazar da ra Di*
reita n. 51.
Ou e o telo sexo eo;octrai :
a lila de vtilud.
* lita c* pita.
A fila de sai j*.
A liti de > Un.
O- on l.f a h.in i.
A- bou tsei ca-.
M i'.iieid'de nn* |.r C).
Ayra lo e -inceridne.
O b'Zirth rna "ireita
de'x* de ebnneiar i >do- o- arugnf q'ie tem fi
porto a ve-jOa (.origue I4k< feria eiJaloLho para
w au.aveiM |,ii..ras. O n elb- r i ser visitad) o
B. ntioc os, por mui bem laborados que sejam qoe
pit-aam ce mpenr.
Do-s amoftras
11.oila se o v.ir a* meresdorias em casa dos
frtgueze.t p v,r ii se ludo muito barato,
ptrqnf se >uer apurar
_______dimi-:iro __________^^
Fcrinha aemilho
Vende se farinha de milho rroids a vapor, dia-
'iainene. pelos pi<{ t stguiuie^: grossa para
migunzi a 00 rs., doa pa a an^, pintos e passa-
rii h i* a 100 rs, para esegea pao de provenga
i 120 rs., e par* ro-ni a 140 rs., em arioba
mais baiai* : na ica do O l< vello n. 2o.
Vende ae ruutd b.ib irirecos bhi Beleiu, em
Beberibe e na Torre iodo perto da enlacio do
caminho de ferro e do bat h>: a tratar coro o Sr,
I ojo Keitosa, na roa estrella do Rosario n. 23.
Per. ira da CnaUM Irmso-, a ra Mrquez de
O inda n 21, vendrm o sfCiMs :
Viquetas para carro e botas de viagem.
Marroqnins.
C-rdavdw.
0!ed is para farro de carro.
Poiassa da Hu-.-ia.
Vi;iba do P rio. fio, em caixas.
J U C. bcyie irm para vender em seu il-
eti >. 7aa do Lommcrew n. ?8 :
: ?oac Elronessy, verdadeiro.
Vit.h) Sherry. ja bem c> checidi.
Riuers o meibor que vem ao mercado.
Vvlo-k-y 'I- sniwor qualidade.
Alo i ian
Na roa Dnqoe de Caxiaj n SS, tem para ven-
Jir n.ob.ii.i h p ii(l-, chegadas ltimamente, de
Q"gueira, carvalbo, mcpno, cii e amarello, e
bras avala*, as qaaes .-e v, ndem barstopara apu-
rar dinh^iro.
zim tripas e debrada da fieej itgleza a 4*0o
:ada utn : to rrmazem de Tasso Irmios & C.,
ra do Amorim n. 37.
a 320
Lfiziuhaa para vestidos
res o covado
S6 na roa do Duqu de Casias o. 60 A, cotr'ora
f.u d O i-imado, i. ja da esquina, de Ben:o a
Silva & C.
ii un
FABRICA DE MACHINAS
Af Ra doBrao do Triumpho (ra do B'umj'ns.
100 104.
CARDOSO ft IRMAO
AV1SAM aos Srs. de engentaos e ao pnblico em geral, qoe teem recebido da Europa
rrande sortimeoto de ferragens para engenhos e para lavoura, e qoaesqaer oatros nzos
e misteres da indostria agrcola, o que todo \endem por precos razoaveis.
m-. ~~~ nn~n **iiaai pintadas e galvanisadas de diversos tama-
Formas para assucar Sb09.
Tfonn*iaO borizontaes e verticaes j bem conhecidos nesta provincia e lora della,
VapOiob osmelhores qoe taem viado a este mercado.
JlL06Il(iaS completas de diversos tamanhos, obra mnita forte e bem acabada.
lU,6iaS IH08u(iaS para assentar em grades de madeira. ^
TaiXaS Q6 iGrrO de ferro fapdido e batido de diversos tamanhos.
HO&aS u agua 6 diversos tamantaos.
AOdaS d6Uba(iaS e jversos tamanbos e qaalidades.
PAnnaiif no Concertam com promptidJo qaalqaer obra oa machina, para o qne
uOnCQrLOS .eem 8Ua fabrica bem montada com grande e bom pessoil-
CnnnmrriflnrlQfl Mandam vir por encommenda da Europa, qualquer ma-
JuuCOIIiniOIlUaD cninismp,, para o que se correspondem com urna respeita-
vel casa de Londres e com nm dos melbores eogenbeiros de Inglaterra ; incumbem-se
de mandar assentar ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
RUt DO BARIO DO TRIUMPHO NS. 101,102 E 104
FUNDICAO DE CERDOSO 4 1RMO
PHOTOGRAPH1A AMEK1GANA
J. A. Souzart
N. 23Raa do Baro da Victoria H. 23
ENTRADA PELA
Fua da C:mba do Carmo.
O prrprif tario deste estabelecimento 3z seienti-
fiear ao respeitavel poblieo qoe actaa se aberlo o
tresno ests.b"lejmento todos os dias das 10 boras
da manha s i da tarde, o qoal se acba terfeita-
menle mecalo, teodo todas as commoddades pre-
cisas para o bem e;iar das familias,
O mesmo estabe!ecimento aeba se debaixo da
direccao de nm babil artista, qoe satisfar ao po-
b'ico nao f oa perfeicao do trabalbo, como na
promptidio e molieidade dos precos :
Os pregos sao os seguintes:
Candes de visita, uia pessoa, dnzia 104000
Ditos, doas en tres pessoas, dem 20*000
Carta gabinete, daza 241000
Mmiatoras cloridas, dnzia 25*000
Qualquer colro trabalbo nsste genero, conforme
a eoeveccio.
Aiugam se duas casas na Torre, ra do Rio,
com 4 qu?"os, 2 salas, cosinba fra, em cala
nma dellas, muite frescas e perto da margem do
Capibsr.be, sendo ditas casas de pedra e cal, e
acaoadas pooco* das : tratar *a roa da lm-
peralriz n. 74.
Estrada de ferro do
Recife a Caxanga'.
Tendo a directora resollido d3o suppri-
mir por ora as assignaturas, fago saber pelo
presente que continuarlo ellas como dan-
tes.
Qualquer ootra resoluc5o a este respei-
to ser com antecedencia annonciada.
Escriptorio da companbia, 27 de dezem-
bro de 1872.
li. C. Batterbe,
Gerente.
Madame Floiinda, costurcira c modista de S. M.
a Iiiiporatiiz dn Brasil, ooiiiu'ciil.i por madanM
Scasso, avisa as suas tregelas, lano da praca
como de fra desta, qn* deixoo de residir na
ra Direita n. 110. e Bim na roa da Emperatriz n.
5i, c contina com a mesma proissao ; e assiin
espera a ronourfoncia e proteceo de suas nume-
rosas freguezas. No mesmo eBtabeteeJmeato se
acha objecto propriu de sua arte, etc.__________
~^="AlgaTse um mulato possajitc para servwjo
de bordo : na ra do Viaconde de Albuqueique,
oitao da matriz da Boa-Vista, n. 17.
= Nesta typograpbia precisa-se de duas pos"
soaspara trlianar noule. _____
= Precisa-se de nm bom mostr de masseira :
na padaria da ra da Praia n. 47.____________
Aviso.
Urna pequea familia estrangeira precisa de
um feitor para tratar do sitio e fazer compras, e 2
triadas, sendo una para engommar e nutra para
cozinhar : a tratar ra do Commercio n. -'18, 1."
andar.
na

Precisa-se de urna ama livre ou cscrava :
ra do Bom Jess n. 21, segundo andar.
Na roa larga do Rosario n. 31, loja de cal-
cados, precisa-se de urna ama que saiba eozndtar
e comprar. _______^______________
Perdeo-se (bootem) om artloete de peito,
eom i retratos, do pateo de S. Pedro at a roa da
Aurora ; quem o achoo qnereodo restituir a soa
fropria dona, ser recompensado, no pateo de S.
edro n. 12 ______
Aluguel
Na na Duque de Caxiaa n 25 alogam-se el-
deiras para feitas, bailes, oa qaalqaer divertimen-
iq; por barate preco._______________ v
Preciase de bina pessoa para Uut o ser-
iqo de facBio : oa padaria da raa do Raogel
UKGENCI4
Anda se precisa de de engommar, e oBtra para comprar e cozi-
nhar, para casa de pequea familia, prefe-
rido e rteravas, no 8." andar desta typo-
grabiJ se dir ___________________p
Preciia-ie de om meoino de 12 oa 14 anoo
de idade para eaixelro : na padaria da rna do
Raogel n. 0.
Fugio oo da 9 do correle, da casa do Sr.
Joaqnim Goncalvts da Costa Lima, da villa do
Bom Jardim, o eseravo Izidoro, o qoal tem os slg-
naes seguintes: cor preta, idade ?5 aooos pouco
ma's ru menos, defeituoso de om olh.i, tem falta
de denftj na frente, ps grossos e falla descanc.a-
da, sabio trajanlo camisa e ole de algodo de
listras, cma jipona velba, nra chapeo do Chile
asado. Descech se qoe tenba seguido para Pa-
nellas de Miranda, aonde ] residi. Roga se s
autoridades pcl ciaes e capites de campo a cap
tara de dito eseravo, qne peder ser entregue ao
sea referido dono em do Jardim, ou n'esta pra-
;a a Manoel Aievedo de Aodrade, roa Primeiro
de Marco o. 8, sendo generosamente recompensa-
do qnem lirer a aprtbeosao.
Methodo Castilho
SeeondLo Jos de Faria Sio.Ses, prvfessor par-
ticular de fostruccao elementar pelo methodo Las-
tilbo, avisa ao respeitavel pnblico e com especia-
lidade aos pas de sena alomos, qoe no dia 7 de
Janeiro e.-ta abena soa aula oa roa da Penba o.
25, 1* andar, aojde recebe pendonistas por pre-
cos com modos : o mesmo professor promette mui-
to se esmerar no adiaotamento de reas alumnos.
Escrava fugiMa --^^
Aosentes-o da easa de sea senhor, do da II
de dezembro, a escrava Manuela, negra, de idade
de 45 annos, levoa vestido de chita es:ura e eba
le cor de cinza, eom riseas. Tem ama orelha ra
cbada pelo qoe nao pode pendnrar brineos, falta
de denles na frente e ps grossos, ara signaes
de eravos sas paotas dos dedos. Poi comprada a
signos mez-s ao Sr. Fraocisej los Gomes, oesta
ridade : qnem a capturar queira leva-la a roa
da Cadeia n. 6, oa na Capnnga, raa da Ventara
n. 10. que se gratificar.
Ui.ajL&i.UiJ
i roa Duque de. ClXs n f>9. 1" andar, tem conti-
nuado a receber por t dos la vap res vindos da
Europa sua encommendas de CALCADO E3-
ntANGElRO e j tem uro boro sortimeoto, o qual
est exposto venda, onde podero es imants
lo boai mucirem-se de F1IESCO CALCaDO pois
como sabem, botinas seccas estragam-se logo;
recebeu tarobtm muitas qual'dades de bonitas bo-
tinas e sapalinhjs para ienb?ras e meninas,
pira criaccas, e'c. etc., e ir.do sempre de primei-
ra qoalMade. Ja eocheerdo o gjoat' easteioccm
)U pr- parado o P.aP.IS N'aMKRICA e as com-
iiodidadc-s que o (Te rece r.o s para os cavaihei-
roa como tambem so bailo seso, para quem con-
erram nm elegante gabinete reretva'lo, ende
poderlo experimentar o ealeado a ventade e desta
furnia /.r boa aoquisieao quera se dirigir ao
PAtIS N'AMEMCA, aflm de enmprar oa mem?
lo, ptrque, quando se auida oo soubsr, b-
:ara s beodo qu-- txlste ne-:t3 eidade ura etabe-
:-c tr'Dio digno de ser apreciado nao s pelo sea
bOT) sortimento como tambem pelo as.-e:o e ele-
gao :ia que nelle existe.
Ern Beberib?, a 3/. di, 8 e 10 o palmo, com
fondos para c rio : a tratar eos domingos, com o
3r. Madeiroe, r.o niP'irm logar.
Bazar da ra D^ila Mardd
Dias r. 51.
Ha neste estabelecimento nm completo sortimen-
to da mttideas e argjsde luxo para se-
nh' ras e cavalheiros.
ww.
Manoel los da Silva Filgueiris retip-se lia-
ra Portugal, e deixa por seus procuradores em 1.
lugar o Sr. Antonio Ignacio Pereira Coclho, em 2o
o Sr. Antoniu do Caimo Ferreira e em 3." o Sr.
Joaquim Ferreira da Silva. ___________
Fugio em 8 de dezembro de 1872, o cabra
Benedicto, con 18 annos de idade, o ollio direito
coni urna bellide, o dedo pollegar da mao direita
torto, muito fallante, tein de costume dizer que
forro, pertence a Joaquim Justino de Almeida, em
Boa-Viagem. eonsu que est 'fora do Recife
em um sitio : qaem o pegar cntregue-o na ra da
Praia n. 43, a Gonuirw Jos da Rosa, que sera re-
compensad ). __________^^___~_

Ausontou-se da casa do abaixo assignado, desde
13 de novembro, a preta de nome Maria, natural
da Bahia, com 3o annos pouco mais ou menos,
tendo os signaes seguintes : baixa, magra, cor fu-
la andar faceiro, faH; baixo, cara comprida, na-
riz afilado, bocea regular, dentes perfeitos, faltan-
do-lhe um de um dos lados, de cima, malfeita
de maos e ps, tendo o pe e a perna esquerda
mais grossa do que a direita, usa de trumpha na
cabeca, levou de casa urna outra de tarlatana ver-
de, rozetas de ouro feita no paiz, saia de eambrata
con listras de cor, e chales novo de merino es-
tampado com assento azul, fo comprada ao Sr.
Zumba Chaves, por intermedio do corretor Santos,
quem a pegar ou della noticia tiver, dirija-se a ca-
sa de seu senhor na ra da Aurora n. 169, que
ser recompensado com a quantia cima.
Ontro sim, declara que desde j protesta re ha-
ver os Bervics da mesma escrava da pessoa que
a tiver occulta. ,
Joao Athanazio Botelho.
Est eucour.(jado!!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Yieira de Mello, es-
:rivo na cidade de Nazarelb desta provincia, t
favor de vir raa Duque de Carias n. 36 con-
luir aquelle negocio qne S. S. se comprcmetten a
realisar, pela lerceira chamada de*te jornai, em
los de dezembro prximo passado, e depois para
Janeiro, passoa fevreiro e abril, e nada com
Drio e por este tmtivo de novo chamado pars
lito Bm, pois S S. se deve lembnr que este ce
ock) de mais de oito annos, e qoando o seobot
COMPBAS.
Compra se urna prtta de meia' idade, nao
tendo vicios nem achaques: ra do Cotovello
n. 25._____________^__
Feta
Aloga-se ama eaa em Duirte Coelh, deoomi
nado Arrombados, eom os eommodos segolotos:
4 qoarln e soti^ 2 salas, coiioba fra, I quarto
ao eprrer do qntatai eom porta oo fondo, mora-
do e eom eaeimbs, oa frente porta e sradeamento:
a tratar aa raa Duque de Caxiaa, 2* andar n. 12.
Escraco fgido
150,000 rs. du gr.tibicao
Auzeotou-se desde o dia 13 de roaio de 1872, o
preto de nome Alfredo.de trinla e tantos aonos,
:ri6lo, e bastante ladino; esie preto perfeito co.
itnoero, es atora alta, .magro, olbos grandes, ja
esleve oo oogeobo do Sr.'Lul de Calar, em S
Loareoco da Malta, onde consta ter pareles, fo
eseravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr. Jos
Joaquim GodciIv* Bastos, negociantes desta pra-
sa; de odoa este Senhores id cttinheiro, tem
ido visto por pessoas que o coobecero, duenlo que
st forro, assim tem podido e-capar de ser preso
Pede-se a Idas aa aatorfdadese capules dr
sampo que o pgando leve-o a roa do Duque de
^xias o. 91, leja de Miadniaa do Rival sem Se-
gundo qoe reeeber a gratiflsa(io cima deela
[" rada,
pteeixa a da trabajadores na fabrica de
sabo n. Afoa)0t : tratar oa mesma, co
travesa da Madre dfe D.-fc o. 10. armazem.
Atteocao
Comprase ama enrava de 35 a 50 aonos, qie
saiba cozinhar : na tbe.'ouraria das loteras, ra
1* de Marco n. 6.
Compram-se traste' oovos e usados: na
rna da Imperador n. 48. _,__,_5
aa
Vende-se balancas d(cm. cprao gandes : na roa d* lirp-ra Fora os Gallos
O nico remedio contra os callos o emplastro
americano, que sobre todos tara cbtido osjnelbo-
res resultados; alera de alteoaar as dresete."*
os radicalmente.
nico depcs';> ua pharmacia Americana n. 57
roa Duque if Caria*.____________________
Venia de sitio
Vendase ora grande sitio por traz da Magda-
lena, as proximidades da estacio dos booda,
com grande- b.ixas de capim, arvoredos de trac-
to, casa e proporcSas para pi'tagem, chaj pro-
prio : trata ?e na ra do Socego, esquina da roa
de Riachuelo, taverna n. 70.
G ranlViie mosaicos
Acha ee venda oa rna do Imperador n. 9 ca
grande soriimtnto de esmafeus e roc^aicu?, taou
simples Como wastoadoa, de diversos goslos,
bem como urna linda eolieecao de objectos de tel-
las artes._____________________________
Engenho S. Matheus
Vende-se um engenho d'agoa, moente e cor-
tente, eom muito boas obras, meia legua dist: ote
da va-terrea, estacode Gamelleira, pelo mriiieD
preco de dez-'seis cootos de ris, dinheiro vista.
Tambem se vende dando seis cootos a vista e dez
a pagamentos, sendo qno s lettras descontadas a
1 por cento ao mez prodniam os dijcoo'os de rs.
Para informacoes dirijim-se a roa do Livrameou
o. 19, i* andar.___________________________
ATTENCA
Caf de boa qualidade ebegado ltimamente do
Rio de Janeiro, a retalho oo por atacado : veode-
se roa dn Commercio n. 31, 2* andar, por cima
io Londou Brasilun Bank, entrada pela roa de
Torres._________
V^nde-se
ama taverna oa raa do 8. Miguel n. 68, em Afo-
gados, propria para principiante : qoem preten-
der, dirjase mesma, qae aebar com quem
iratar. _________
VENDAS.
Yeiide-s-
am bol e ama carroca em bam e.-tado : a tratar
aa raa do Raogel o. 1.
Mienta')
Vendese a nica padaria que existe na Passa
gem da Magdalena n. 31 A, a qual est preparada
com todos seus uteneilfos, c bastante afreguaxa-
da : a tratar na mayna. ______ _
Borneha
Sira Mnus ; vende a pharmacia Torreo, ra
e Marcino Dias n. 135, adtlgo pateo do Terco.
C


------p

J)iario de Pernambuco Segunda feia 30 de Dezemblf) de 1872.
J
ssirriffii i mus
Para acabar at o fim do auno
Na roa di Imperatriz D. 60
DO PAVO
M
FEMRA. DA SILVA 8: C-
Tendo os pr>>prietarios deste grande estabelecimeoto, um avallado sortimento de
(azendas etn ser. edesejanlo liquida-la-, at o fim do corrente'lnno, tem resoWido ven-
de-las por presos moito coannodos, coro u fi n de aparar dinbeiro, a vista do que
convidronos llm. Srs. cbefes de familia a virem sor-re, nlo s de fazendas de primei
ra.nessecidade, como de fazendas de laxo e gosto, das quaes encontrarlo am sormelo
das mais novas do mer&tdo, cnegadas peles ultimas vapores da Europa.
FAZENDAS DE LE I FAZLNDA3 OS OOSTOS
CORTES DE ASSAS A 20500 E30*00. BAREJES DE SEDA A 100.0 E 10400 O
O Pavio vende cortas i< cassas de core,! COVADO
cora p*ii5es maito bonitos pelo barato) O Pav5o receben pelo ijltimo vapor
prego de 'IfOO e 30OOO. jfrancez, um grando sortimeoto dos mais
CORTES DE CHITAS A 20100 E 25880. lindos barejes de seda, sendo em cores
O PavJo vende cortes de chitas francezas! e gostos o melhor que tetfl vin o ao mercado,
finas, com 10 covados pelo dixinalo prego esta nova fazenda amito propria para
de 25'. O c ida corte. | vestidos para bailes ou casamentas, tendo
Ditas com 12 ovadas pelo prego de entra esta fazenda delicados padres bran-
20880 cada corte.
PECAS DE CHITAS A 702lO.
O l'ao vende pegas decbitas finas, lio-
dissinaos pad;5es, tendo 30 covados cada
pee, pelo b rito prego de 7|00 cada
ama mnio barato.
LENCO'ESDE BRAMANTE.
O Pavao vende lenges de bramante mui-
to grandes, sendo deum panno s, pelo ha-
ratiasioafl prego de 20100 cada cm.
CHAILES BARATOS A IJOOOE 2#T0.
O Pdv5o vende chtiles de tsrlitsna gran-
des pelo barato prego de i00JOe 20X-O.
Ditos de 13a eslampados imitago de
menso 200,0.
Ditos de qutdros modernos, muito en-
eorpsdos 35000 e 40000 ; .-ssim como
grsade sortimtnto dos mais finos cb-iles
crp>n e merino q se veudem''por prego?
olio em eeofo.
MADAPOLES.
Pc-C'S !o m*daptSi) francez moito fino
com 20 jard.s a 505OC e tj000.
Ditos cm 24 jardas maito soperior a
605:'O e 7*00'.
Dio ingle/. Tzenda enuito fina 50OGO,
80)1>O e 6j500 al I-0Ol).
Oit s francezes onezca maito fiaos de
tOj'rdas para difcrcTes oraros.
ALGODOZINHO.
O Pav5o vende por prego Bailo barato
pgas do al^o.!- zinlio americano maito
bom com 18 jardas a 40OO<-.
Dito com 24 jird s a 4*500 e 50000
at 600,0.
Dito largo marca T maito encorpado a
63000.
ALGODAO ENTESTADO.
O Pavao vende e erdadeiro e superior
alijodioxiobo de duas larguras para leng?,
leade muito encorpado 10 00 cada vara.
Dito t-aneado di m^sma largara 10480..
CHITAS LARGAS.
O P-.*3 1 'ende sias execeilentes chitas
s clara e escoras com muito hom
panno lO rs. cada co^Sdo.
Dita muito fina a 280, 320 o 360 rs.
Pe calles fioissimos miudiobos a 360 e
400 rs. cria covado.
CAMBRAIAS.
O Pavlo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 205CO e
30 .
Ptga de dita muito fina com 10 jardas
tanto ta tada como transparente a 45000,
55000 e 65CO0 at a ma:s fina' que vem
ao mrcalo.
BRA\UNTES PAP.A LENQ'ES.
O Pavao ven Je snperior bramante de al-
godiu tea 11 O palmos Ce largura que s
percisa de 1 '/* vara para um lengol, me-
tro 16G00 e a vara 10800.
Dito de linho paro sop.-rior muito encor-
pado era a mesma largura a vara 25400
Ditos fraoceaes muito finos a 25500 e
31000.
Pega de Hamborgo e panno de linho coru
20 c 30 varas, pan todos os pregos e
qoalidad*.
Pegas-de bretanha de poro linho, tendo
3: ardas pelos pregos mais barato que se
t-m vito.
Pecbincha de finissimo esgaio soceiena
com 6)ardaa 75X0
Pega de tinissime celena com 30 jardas
a 3^50, atoalhado adamascado com 8 pal-
mes do 1 rgnra a vara 250O.
I.AAZINHVS DE FURTA CORES.
O Pa5n scoda um elegante sortimento
Irj lazi has de urta cores qo9 brilho qaa-
si : >ro si-da tendo de lodaa as cores, o reav
ta 360 rs. o covado.
CALCAS DE CASEMIRA.
O Pavao tem um graode sortimento de
caiga de casimira, assim como cortes os
mais modernos que tem v'n lo nos ultimo?
gerins e em fazenda das mais finas e mai-
novas ao mercado, e veode-se por barato
prego para apurar dinbeiro assim como cal-
as de brim hrarjeo e de cores por pregos
mntto ra7aveis para acabar.
COHTESDE PERCALIA COM DASSAIAS
A 45OOO.
O Pavao vende bonitos cortes de precalia
com doas saiis, sendo fazenda de mu.lo
gosto a 45000, pecbincha.
TNICAS PRETAS.
O Piv3o receben om grande soriimenlo
tas mais ricas tnicas de groa prtto, rica-
mente enfeitadas, e venid por prego razoa-
vel.
VESTIDOS BRANC03 BORDADOS DE
3550000 AT605000.
O Pavao recebeu om lindo sortimento
dos mais ricos eertes de cambraia branca,
ricamente bordados,, e com todos os enfti
tes neeessarios, e vende pos prego? de
355000 at eOiJKKK), n3) tem vindo nada
mais rico nem mais moderno.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
A /05OO,6||>OO- i 0#009.
,0 Pavao tem oqi.grjode sortimento de
crlinaos paira cama e janeas, one ven-
d*eio bacali proco de 7^00 8*003 e
IO4000 o par, tendo_al^|or 85O0O, assim
como coTcns dl^masco ajara camas do
noiv jS, e graole amflVa'U de tipe'es tan-
to para 4caJeffa? cofatip^ra"camas,pianos,
irkas, etc., todo vedde p*r preces f aroa-
Libras st V 'Dde m Bl armauui di fajeadas do Aagusi
y Oi;i'i 0.. 1 mi !o Cnmmarcio n. il
Queni 11 vil r vealii* ver
Decedidvj>Dte Migoolia i raa Dq>jd de Ca-
ltas a. 45, cuDvaoceri aos seui amiggj o fregae-
185, de su fpectalid*Je em corr*spouJetes, d
parte mais elegante do muido; agora meaioo o
ultimo vaj-cr ehpgado da Barop.t r>ue nma par-
le da saas eaeomneodM para o lempo de fe.-ta,
constando do $eguite :
Para o bello sexo
Lindiiimoa brinco, atfloelea, crazes, palseiras
eacoleU de tartaruga bordada a ouro, a.--:ii
como booitos prampoj com perot a ontraj p-
draf para a cabeca : a Mig-'ioli solista do M\z
sexo, qae prima aempre 00 ctiqae e ua mola, qu-
venba ver f-~..
Lazo a bom gosto
Para enriquecer e af.irnvHe^r am sala vieran)
lindo jarros e jardiaeiras de parcelada moit floa
da bonito* modello* loteiraaente novos, con)
lindoe derechos 1 donrados; assim eomo ama es-
peclidade em panno.* de, ebroebel p> ra sof e
cadeiras.
Qual?
NOVIDADES E PECMNCHAS
EM
eos proprio para vest dos de noiva.
MODERNISSIMAS POPEUNAS
Popelinas a 15500 e 25000 o covado.
O Pavao receben om elegante sortimento
das m-is modernas e lindas popelinas de
'; 13 e teda, e linbo e seda que vendem a
! 15~>00 e 25000 o covado, tendo padrSes
librados mudo e graodo que parecem
propriameate seda, assim como das mesmas
tambem tem brancas proprias para vestidos
de Dofva,
TAFETAES ASSETINADOS A 15200 O
COVADO
O PavSo recebeu um gran le sortimento
dos mais bonitos tafetaes assetioados, sendo
orna n va f-zenda do l com listras de seda
moito modernas para vestid s e vende pelo
b ratissimo preco de 15200 cada covado,
estas las recomendar se s pessoas de
gosto porserem esees? i va mate baratas.
NOVAS SEDAS A 25500
O Pavo verrSe bonita e moderna seda
de tima j cor, te;.do c'e todas as cores, com
delicado lavrores miudiahose vende a 25500
o covido pra venkr barato.
CORTES DE SEDA A 455000 E 500000
O Pavo vende b >aitos cortes de seda,
faztnda de muito gotto, tendo 18 covados
carta ttt*. t vende por 45000
Dit.-s ue 20 covados a 505000
Sao moito baratas em relajo snperior
qualidade d'estes cortes.
BAPTISTAS DE GRANDE NOVIDADE
O moco cbiqos a da moda qoa oo apreciar
ama liada guarnlcio da martlm, madreperola, ouro
a plaqaet, eonsa Jialtssitra e da molde especial e
nanea vin lo aqu; maito boas chapeos de aol com
eabo de mufln e bengalas imitaca > de unicornio
com eab> di madreperola, por certo aeabam dei-
xar da vir lojt-da Magnolia a roa Duque da
Canas n. 45, eseo'ber qnalqaer dettes objectos :
nao caro 1
Para asnoivas
gRiqaissimcs vaos de blooi, ^apellas de cra, la-
ques da madreperola a metas de seda, lado espe-
cial novidade e a m?lbor fazenda' qae tem viodo a
este mercado.
Perfumaras
Neste artigo nao precisa dar explicacoes, basta
diter se es fabricantesJohn Gosueill. Coa4ray,
Labio, Rimel e Legraod; otas perruarariag dasta
vex vieran) em vasos de modellos novos, e qae
pela su a elegancia se toro m proprios para nm
lindo preeente.
Trancas e franjas de seda
branca.
' Desta ve', o sortimento veio m*pnific.\ fazenda
muito boa, modellos novos e de todas as largaras.
Boaecas de borracha
Destas bonecas veio pequea poryao a da diver-
sos tarnanti ir. .
Diademas
Liados e d boa.
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ae Bazar Universal da ra No-
va n. 22, um sortimento de machinas para
eol'.ora, das melhores vialidades que existe
na America, das quaes mottas j sao beta
conbecidas pelos setis autores, como seiam;
Weller & Wilson, Grover 4 Buka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e oulras muitas
qne com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de farer
O trabalho que trinta .costura-iras poderii
fazer diariamente e cozem com taata per-
^/eicSo como as mais perf-ius cosiurciras.
Garaute-se a sna boa qnaiid ide e ensina-se
a trabalhar com perfoicao em mftnos de urna
hora, t os procos sSo t-< romrn 'dos qne
devem agradar as preU-:) 1-m.--
FAZENDAS FINAS E ROUPAS FEITAS
NA OFFICINA
DA
LOJA DO PAPAfiAIO
Tendo por jneslre Mr. Charlea Laurenl
RA DA EMPERATRIZ N. 40
Meudes dr Carvalbo^scienliScam ao respeitavel publico, que aeabam de receber a
completo sortimento dejazenflas finas de todas ae qualidads, tanto de 13a como de !>
nbo, seda e algodo, o qoe ha de mais modernoe do melfaor .gosto, e porUoto convr-
dam as Exraar. familias amigas da economa do mestica, a virem ou maodarem na LOJa
DO PAPAGAIO, e verSo qoe compram fazeadas bonitas e baratas por meno preco qo
jamis comprar3o.
COMO SEJAM:
Granadinas de seda de orna s ccr, lar- Cbitas francezas de todas as qoalidade,
a 1*600. de 320 rs, al os cretonas de 560 rs. o co-
Poopelinss sarjadas defortacor boa lar-'vado,
gara, a 10200 o covado. Cortes de casia braaoos bordados co
Alpaco decores com listras de seda para.babados de seda de cor, e franco, a oouv
enfeite. a 8C0 r3. o covado. bordados com listras.
Uazinhas de cores, em- grande quantida- PARA LUTO.
de, de 320 a 500 rs. o covado,
Cacbenez francezes para senboras e me-
ninas, a 35000.
Cretones fraccezes para cobertas, cor fixa,
a 8C0 rs. o covado.
Alpacas lisas e lavradas, de cores moder-
nas, de 500 a 800 rs. o covado.
C-bertas de fustio de 13 e de outras
qualidads, brancas e de cores.
Poopelinas de seda, de flor e de quadro
a 1)5800 o covado.
Pecs de cambraia bordada para cortinado
com 25 varas.
Ditas de cambraia adamascada com 20 va-*ersos presos
Veos de fil de seda pretoa a 8000.
Merinos para vestidos, bombazina, can
tiio, alpacas, raiinbas, crep, cassaa e coi
tas, tndo em quantidade, e para diverso*
precos.
Grosdenaples pretos, de lfi00, 2d0.
2^500 at 5#000.
Seda preta com listras assHinadas pan
vestidos.
Cbap jos de sol de seda para menin 4<50;0, e f)trados.
Ditos para homem de 10/JOCO a 20jJ000
Ditos de alpacas de cor e {reto, para d>
UNGSUVA
O Pavo vende um grande sortimento
das mais modernas, baptistas com lista de
cor, prrprias p?ra vestido, com as cores mais
novas que tem viado ao mercado sendo
muito mais largas do qu as cbitas francezas,
e vende pelo baratsimo prego de 500rs.
cada covado.
OFFICINA DE ALFAIATE NA LOJA DO
PAVAO.
Nesta grande e;tabelecimenlo encontrar
o rspeitaiel poblico. oras beta montada ci0i-
cina de alfaiate, onde se manda mentar
qualqoer pega do obra, tanto para homem,
orno para meninos, com a maior pres-
teza e perfec3o assim como para qoalqoer
luto que de repente appareca, teodo na mes-
ma ofllrinfl om perito oficial destinado para
farda dos Iim. Srs. c fliciaes de goarda ns*
cional 00 tropa de linba, sendo esta oficina
dirigida pelo hbil artista Pedro Celestino
Soares de Carva'ho.
" NOVOS VESTIDOS A 4)5000.
O Pavo receben em elegante sortimen-
lo de novos vestidos de cambraia branca
com booitos bordados de cor, e vende pelo
borato preco de 44 cada um ; maito ba-
rato.
ESPARTILH03 A 3(5000.
O Pavio tem um grande sortimento de
espartiihos, tanto para senbora como para
menina, qbe vende pelo barato preco de
3;50CO. Ditos muito finos a 4A0Q0 e 54000,
sao dos mais modreos qne tem vindo ao
mercado.
CHiTAS A 240 RS.
CHITAS A 240 RS.
CIHTAS A 240 R3.
O Pa3o vende chitas francezas proprias
psra vestido, sendo moito boa fazenda, com
padres claros e esenros, pelo barato preco
de 2*10 rs. o covado, por ter om leve to-
que de mofo : pecbincha.
CORTES DE VESTIDOS MODERNOS* A
95000.
O Pavo recebeu um elegsnte sortimento
dos mais lindos cortes de cambraia com ba-
oadinbos brancos e enfeites de cor, tendo 5
pnoos com 2 1/2 metros de fazenda para
cor, o, e 20 metros de babadinhos para en-
feites, e vende pelo barato prego de 9)5000,
pecbincha.
SAIAS A 250CO.
SAIAS A 25000.
O Pavo veo.de salas brancas de orna s
peca com fazenda equivalente a 4 pannos
com bonitas pregas em volta, a 25000 e
25500.
Ditas coa pregas e bordados a 35000,
pecbincha.
LIQUIDAQXO DE CALCAS DE CASEMIRA
O Pavao tem um grande sortimento de
caigas de casemira de todas as cores e qoa
lidades, para lodos os pregos, e desejando
moito liquida-las, resolvea vende-las por
om prego muito em poeta, para diminuir a
grande porg3o.
CORTES DE FHSTO PARA VESTIDOS A
350OO.
O Pavio vende cortes de fas lio brinco,
tendo 12 covados para Vestidos a 35000,
pecbincha.
CORTES DE VESTIDO DE CsMBRAJAA
65000.
O Pavio vende bpoitos cortes de cambraia
branca transparente, com bonitas vistas e
IsvTTres, proprios para vestido, tendo 8 va-
ras cada coi te, pelo barato preco de 65000,
pecbincha.
LENCOS BORDADOS.
O Pavio vende fioissimos lencos borda-i
dos para, mi, sendo da flnissima cambraia
da linho ricamante bordados, fazenda;
qoe sempre se venden a 4500C e 55000 e
liquida-se por se ter feito orna grande
compra 15600 a 24000 a dada.
Pra#i ch Independencia ls,
38 e 40.
a.-*.aba de receber um completo sorti-
nento te ibjectos de lenes, wdro e por
jelaoa, com bonitos de.enhosdourados, sen
lo ricos jarn.s de todas as qualidads e ta-
nanbos, garrafas com copos, vasos para pos
ie ar.oz, garrafinhas ecastieaes de porceto
a com pingentes de crysta, todos estes
>bjectos proprios para t luts. f nj Madre-
tilva
ALBUN3
Rico soriimenlo de albuns com capa de
Bidreperola, marfim, bfalo, e cbagrint de
iodos os tamanbos, e 50 a 200 retratos
;om muzica e sem ella, por pregos modra-
los, s na MuJresilva.
CAIXINHAS
Bonitas camuas com prcparos para ees
ion, de novo ^ysteroa, strnJo cott lampas
le erystal, fazenda de muito gostirpara pre-
centes e pregos razoaveis, t na Madretilva.
LVIfOS
Completo sortimenlo de lacir.hos on gra-
'atiohas para senboras, sendo lagos para
oescogo e cabellos, ena Madresiiva.
PANNOS
Lindo sortimento do pannos de crochet
oara cadeiras. sendo de diversos tamanbos
) largoras, s na Madresiiva.
PARA NOIVAS
Tem a Madresiiva blond de seda, bramo,
;om ramagens e de 4 largaras, veos, capel-
las eespeciaes s;ps de flores paraguarni-
;es de vestidos, 1 qnt s de mdreperola,
marfim, sendo tod s abertos e com seda
representando duas vistas, assim como de
)otra3 muitas qualidads, branco* de c3res
i pretos, fazenda nova.
CHAPEOS
Rico sortimento d chapeos para senho-
ras, sendo de pama da Italia n vellodo, as-
sim como ditos Ipastorinhas para senboras,
meninas, sendo fazenda inteiramente nova
a Madretilva-.
NOVIDADE
Bonito sortimento de meios aderegos de
plaqoet verdadeiro, voltas da bfalo com
:roz, ass:m come lindo soriimenlo de bro
oose crozas, proprios para leto, todo de
moito gosto.
FACAS
A Madresiiva aciba de receber facas com
;abos de ni-rni, para mesa e sobre mesa,
a especiaiidade da Madresiiva.
RETRATOS
Completo sortimento de quadros on pas-
tapatos para retratos de todos os tamanbos
s qoalidades, assim como quadros com bo-
litas photcgraphias, s na Madresiiva.
OBRAS DE MARWM
Lindas c-irteiras para ni tas, carteiras para
oonds, caixinbas para phosphoros, faca para
cortar papel, caetas para escrever, mara-
cas para creaneas, sinetesjpara abrir firmas,
ignlheiros, e dedaes para tenhoras e meni-
nas, s se pode encontrar estes artigos na
Madresiiva.
LVAS
A Medresilva acaba de receber pelo ul-
timo vapor a sua especial encommenda de
[ovas de Jouvio, para homens e senboras,
brancas, pretas a de cores.
CAIXINHAS
Ricas caixinhas com perfumaras proprias
para presente, assim como bonitos vazos
com pos de arroz e outros de phantasia,
i na Madresiiva.
GRANDE NOVIDADE
Gaarnicoes para enfeites, franjas, trangas,
gaJSes de seda e de algodo, de todas as
cores a larguras, assim como completo sor-
timento de fitas de sarja, setim, cbaaalote
a Je velludo da todas as largoras e coras,
i na Madresiiva i prica da Independencia
os. 38 e 40.
Lehnianii Frere >eu|iem
libras sterlmas : a^ ra do
Crespo 11. 16, priro*i* n andar,
RIVAL SEM SE0H90
Cbegaram agulnas para Bunluoa?, .o fa-
bricante Grover Rtker. l)f.;.!^jii4000.
I) UVAL N 81!i
Ra do Mrquez de Muida
n. S(fA.
Tato para veoJpr os sPRaiotes uhjectos ahaix.
mencionado, pelu presos roais resumiiloa, cook
sejam : Coque* moderos a SjOOO, p^gi! <1a en-
tremeios bordadoii dedivfrs larRora* a 300 rs
dozias d' co larnih'j 4* linho a ioi.o. ditos mar
fino* a 5f000, ir> C/Js para aigiMra a 200 rs. boa
fazenda, lionas de earritel de 200 jardas a 60 rs.
i para bordar a S#000 Ibra, liones a i mita cao
de sndalo a K'ii O, lamparioas a 600 rs. a Ju.'.u.
caixas crin papel amixade a 600 rs. ditas com di
to superior a 700 rs., envelopes a 400 r?. o cea-
to, bolinas naeionae* para hornera a 4^500, focos
para enanca. a 1 #500, agu has francezas a 40 rs
o papel, jabonetes de alcatrao a 500 rs. a?ua fl>
rida verdadeira a 1#2T0 a carrafa, dita ir.feriori
tOOO, frasers com sndalo a I#000, ditos coa
oleo pini.coaie i 800 e I#000, ditos cora dito ba-
bosa a 310 rs. ditoa cora agua de cologne a 240
e 400 re. pecas, de galo-s branco para ecfeiites dt
vasfldos de enanca, a 400 e 500 rs., roasses cou
12 pecJs de tr*o
ditas de cores a 320 e 400 rs duzias de phospho
ros segoraoca a 240 rs. e a grosa_ a 2J400J e ou-
tros muilos aros s, que para, nao loruanuo-no
enfadenhos deixaraos de meaciocar, os quats v-n-
dera s barato oara acabar.
ras, a 125000.
Saias bordadas muito fioas de 4 e 5 pan-
nos. f.
Bales de chita e de cambraia a 24000.
Nausouks e baptistas com listras para en-
eitar.
Diversas qualidads de lasinbas e alpa-
cas era retalhos, para todos os pregos.
Bramactes de linho paralenges, de 24200
at 45O0O.
Diio de algodao moito largo a 14300 a
vara.
Algodo largo para lenges, a 14000 a
vara.
Atoalbado adamascado de linho e algo-
dSo.
OOft-
6-
Esparlilboa de linbo finos, de 34000 para
cima.
Uazinbas largas com listras de seda, a
800 rs. o covado.
Madapoles ioglezes e francezes de 54000
at 124000.
AlgodSosinho de todas as marcas, diver
sos pregos.
Diretes com listra de seda, a 500 rs. o
covado.
Cassas francezas de cores fixas e lizas
com barras, os padres mais booitos que se
teem visto.
FOBNECEM-SE AS AMOSTBAS A QUEM AS EXHIBIR
FREGEZAS DA CASA.
Tapetes avellodados desde os mais pe-
queos at os maiores.
Damasco carmezim para colchas, o
Pannos de croch para cadeiras e
pbs.
Cambraias victorias de todos os nom
ros.
Ditas transparentes ioglezas e snissas, o-
a largura de tar'.atana.
Fil d> linho e de seda, branco e preto
liso, de salpico e de flores.
Camisas bordadas para seubora, de di
versos pregos.
Meias para senboras, das mais inferior*
at as mais superiores qoe teem apeare
! cido.
PARA HOMENS E MENINOS.
Neste estabelecimeoto se montou cu.
ofBcina, e qoalqaer homem que quitar v#
tir com gosto, achara mnita vurif.dafie en
camisasde cores, pannrsfinos e cas>mra*
o melhor que ha no mercado, roupa fetu
em quantidade, assim como camisas frao
cezas'e inglezas, lisas e bordadas, ceronia*
de I nbo e oWigoao, meias. collarin'u- s r
grande quantidade, grvalas de todos
feitios, camisas de meia, em somma eocov
Ira de tndo que p eciar para vestir ct
gosto e elegancia.
E 03 FIGURINOS AS
B' Masar da raa DfrflUa Mar-
rillo Dlaa M.
Onde se eocooiram as toas camizinhas para se-
ohoraa, gravatiabas da seda, bonitos chapeos de
'lana e vellndo a mil ootros artigos, todo
e barat", porqoe sysiema da casa -VEN
BARATO PAA VENDER UrTO
NoTdacre
Formas para alargar calcado e dar altara: vea-
dem-se i raa da Imperatriz 0. 43.
(9& <1 dezembro)
E 1 je o aia 5nhlime
Em que a natura exprime .
Grande, aracr e prazer,
liaza) esta porque,
Domo.aljde Alesr.a,
En deseio -ffguezia
AS BOAS FEITAS.
E para que sejam rstas
Sumpluosas e expandidas,
Deve havtr beas roereodas
De aeepipes delicada,
Vmbo lieos ergrr^fados.
Como > o Campos tem
Em rea repleto arraazem :
Atem de ooiros manjares
De exquesitos pala Jares; *
Pjrlaolo, pele aos amantes 1
De virem ja, qaaoio auies,
Comprarem esta outrafe-ta-;
Pelo que se inorii-u
(Iralo a todos cae c venhan,
l>en .ma que estes leoham
Urna di mais aabtlauuUs,
Felicisbimas das eatiadas
NO ANXO NOVO
28
ROA DO IMPERADOR
LOJA D
ESMERALDA
Acaba de chegar a este estabelecimento nm importante sortimento de jotas 1-
oore, do melhor gosto e qoadade que tem vindo neste genero, como cassoletas t
omx com lettras de diamantes e pintaras fin:s, aderegos e mqios aderegot com pedral
3nas, etc. etc.
Relogips de onro, de differentes gestos e qualidads para homens e senboras, d*a
de o prego ce 403 at 3005, sendo estes oltimos de machioismo mais aperfejgoado p^>s-
vel e guarnecidos com diamantes.
Ditos de prala de 16)5 e 405
Ru-i do Cabuga' n. 5.
Morara Dnarte & C.
RA DO CRESPO N. 20
VEKOESE
a padaria da raa a WarciKo dias, aooga raa Di-
reita u. 09 : a tratar a mem.
Cadetras oratorias com aaseoio de palnroa
JO^OOO cada ama : no caes do Apollo, arma-
ren) de Taaso lrmioj & C
Madapolo avariado a 3-5500 e 5500, dito
.'raocez fino a 75, 80 e 9 a pega.
Cbitas escuras fina3 com barras a 360 rs.
o covado.
L3s mtdas com msela a 400 rs. o co-
rado.
Ditas especiaes com bonitas listas a 500
i. o covado.
Alpacas lisas de cores a 400 re. o covado.
Baptistas com barras a 500 rs. o covado.
Chitas transadas para coberta a 320 rs.
) covado.
Longos de ca-sa com barras a 100, 120
160 rs. cada am.
Chales de merino liso 2500 am.
Ditos dito estampados a 40 e 50.
Casimira prets a ii$800 o covado.
Cambraias com barras e miadas a 600
n. vara.
Bramante de 4 largaras a 40600 a vara
Dito da linho de 4 largoraa a 20500 a
vara.
Algotfo IVlargo, a 50 a pega.
Briol branco alcoxoado soparior a 20'00
a vara.
Cambraia Victoria fina a 40 a pega.
Dita transparente fina a 30, 40, 50 e
60 a pega.
-
Mosielina branca a 400 rs. o covado.
Toalbas alcoxoadas. grandes, a 60 a
duzia.
Cobertas de ganga damascada a 300(0,
30800 e 40500.
Lenges de bramante a 20 am.
Cobertas de chita transada a 20 obra. /
Cobertores de 13 escora a 20 om.
Cortes de caiga de fastio a 10.
'*
x


Diario de Periianibuco Segunda, feira i>0 de D&mnhro de 1872.
.-
7
r
V RRE>IIiB7IM
k' m^rjOi^t, l A. M**a de rMfti-r ilou
Pvro fljbt* a tvi;,*>duna*enrula, mr-
tiai, urUrug vtludu.
m )culu8 de madceparola, marfim larfarnga
Alboos eom eapu da roereperola, mit fia. A*
h, tetada e sadftrt, todas elles da muito t>oiD
gosio barato prero.
Obra* de plaqu
Um bello sortimenla de coi rentes pera relogios,
dereeos par* leobora, ricos diademas de ote
drrperola e (acorados, medalba. eruiei ele etc.
de lio boa qualdade qoe Bao faz differmca oaa
* ouro de le: na loja da Predilecta, ra do
Cabay o. I A.
Para nivas
R'.cas capailas de dores de larangeiras, rico
v*, eapariilhoi (a doqne) de todas as qoallda-
rtft, bordados e I i jos, mullo lindo.
Ligas de seda branca e de core*.
M:ias de seda brincas, car de carne e prc-tas. -
Lsqoes de madre;>erol, marfloj, seo, a imita-
gao d -'(*?, saodaio e una moito modernos do fei-
ii de borboietae de foto e seda mallo bonitos e
alc'aa moda : na rna do Cabug n. 1 A, na Pre-
dilecta.
Coqi
les
O mais modernos e boottos acaba de recebe'r
a Predilecta, bem costo lindos eneiiea para os
inesroos.
Para luto
i


Merece*, vohag, medalhfe, erures etc. etc.
de madeira, orno de. borracba, obra b-m aca-
bada.
Correntias para rtlogin.
Ricos loques de tbauo. por preco camiuodo :
rna lo Cabog n. 1 A, na Predilecta.
Ollares, aaneis e poleeiraa elctricas, preser-
va.ivi contra os espasmos : vende-se na loja da
P.'edileeta, a ra do Cabug n, 1 A.
Boneeas
De cera, borraeha, massa, madeira e loo?,
rnoiio bonitas, e ama iromeosldade de objectos (-a*
ra entreteoimento das chaceas, nao esqwcendo
as apreciaveis botas de borracha : todos estes ar
t.gi's vendem ss por barato preco, a rna do Ca-
bra n. I A, na Predilecla.
Port-relogiM e port bonquets, boleas muito
linda?, unto para hemem como para seoheras e
meninas, ricos e;t<>jo para Matrero com oe prepa-
ro* main Decessarlus para homem e fe.nbora : a
roa do Cabug c. I A, loja da Predilecta..
A Predilecta, a ra dn Cabug n. 1 A, tem a
boora de cfferecer as Exmas. sethoras, om bello
sortinMoto de golliahas, pnnbos e grmtas de
cambrala, mullo Haas, heos de seda para p-itu.
ditos para cabera, gravatinhas de seda, ludo da
cltlaaa moda de Pars e indispen'aveis para o
lempo de fesia, que se apnxims.
Camisas de tinao bordadas, lisas e de algodao
para heucm e meninos, m me Ihores qne teem
'trnde a este mercado, pnobos e coliarinbos de
Imbo te diver-os formatos que se vende barato :
na loja da predilecta, a roa do Cabug n. i A.
Na Predilecta
F.ucontrar-se-h.i grmpoi os man modernos,
qcer ero gofios cerno ern qnalididen.
fiixs votuarios para bapiisados, de cambraia
bordados, naa toas competentes caixas.
Fitas
De grosdeoaple, tafcia, seiim e velodo d. todas
a^ larguras e diversas cores, o qne b t Je bom no
inereado s encontrarn di Predilecta, ra do
'Aboga o. I A.
a verdadera cerveja a.Gaviera, marca ban-
ana, de superior quaJidade : vendera Taiso Ir
in A C era seo arrqaiem da rna, do Aconte
i. 37.
PflTASSA
roaos,
torio.
quaiidade. ten barris
Pcreira da Cunba Ir-
a roa do Mrquez de Olicda n. SI, escrip-
ia Rnssia, nova e de boa qualidade.
inteiro e meios : vendem Pereira
COWTIfACAO
aHEtATIS]IO
Innluil
Inptffll
lia
=f 55 B4 Sebastopol-3
CL
j i
: purgativa!
ichww '^tk*' SAUDE
DEPOSITO GERAL
1U
Pharmacia e drogara
DE
BARTHOLOMEU A C.
34Ra larga do Rosario34
CIIEllll
O baealhao da N'itruega. em tainas e meias
ditas : no caes da Alfandega n. I, armaren) de
Tasso IrmMS & C.
Bicos
i

l)-i Monde ede slgido, das melbores qualida
des e dos mais modernas desanos, acbaio urna
bella eaeolha detles e de diversas larguras : na
i Luvas de Jouvin
As verdaderas (uvas de Jonvin para horneas e
seaboras, garntese a qwlidade, ditas de pellica
systema Jouvin, por barato prec.9 : na ra do
Cabog n. 1 A, na Predilecta.
Flores
Neste artigo a Predilecta apre.-cDta dx b^o e
rico sertimento que satisfar aos caprichos das se-
choras man difijeis de se cootsatar.
Chapeos
i
para senhoras. meninas
e nieninos
A Predilecta, a ra do Cabug o. 1 A, recebe
M todos os pa juetes aro bonito sortjmento >1
Chapeos de oalba de Italia, vellodo e teeido, das
estimas medas de Pars e vende p:r baralissimo
pref", a ao encontrar cempetidor.
Caixinhas para costura
O q'io ha de mais rico e braito, com letreiros
BS lampas e cora msica, apropriadas para pre-
senjef, encontram se na Predilecta, ra do Ca-
bug n. 1 A.
A Predilecta
desejando bem servir ao respeitavel pubeo, de
qoem te:n recebido lisongeiro aeolbimenlo, vem
i.je, olTerecer uro completo sertimento de p ra-
roarias dos roais acreditados fabricactes, e a precos
muito commodos, ltenlo as qnalidades das perra-
martas.
Lindas e;izinbas com Anas perfumaras, prc-
pnas para presentes de-fesia. Estas caixiebas tem
lias lampes os dsticos mais engranado*: s encon-
trara-) dellas na loja da Predilecta a ra do Ca
tuga d. 1 A.
Na Predilecta
eacsctra-se os inelhores extracios em Irieos t iros.
Oteo muit) tino de Oriza, higieonico, CoBTJ e
G anel. ,
Agua de Cologa simples e ambriadt.
i nico imperial e oriental.
Liados abnete?.
A predilecta tem
ricos vasos e floos erystaes com j.ui da arr
oranco e cor de rosa, en jas propriedades to j
bem aprecalas, nao como conservar a maeicz d'elta, este um artigo
inlupensavel ao toilet das senboras, eapeeialmento
ca esucao calmosa, que atravesamos. Delica-
das eaiiinbis com p de ouro e de prata, um re-:
'ortimeno de-jarros de diversos lmannos olio
&>s dasenbaa a precos que convida compra-ldi
para ornato das salas : na loja da Predilecta n
1 A.
i .mu mm
Ra Duque de Casetas n. 50,
A Aguia Branca sempre alTeita a vender o boro,
e nunca esquecila de bero s-ervr a sua constante
fregnez a, lera continuado a mandar vir ebjectos.
1 sita encnir.iwnda; e agora mejmo acaba de
receber um bello sortimeni de especiaes perfn-
.nana de l^b^n, cujas periondade est ao co-
ohecimento dos am E'la receben mais :
Frascos grandes e menores com superior agna
da Color, i a.
l;em Itew ca agua de Lobia para loilels.
leis, el:, etc.
I ;em dem com soperlores- extractos, cajos fl
nos e agrad.iveis oderes sao rseolhidos a gasto.
dem com leite virginal para sarjas.
llera com leite de rosas brancas tambera para
sardas, pannos, marcas de eipinhas, eic
dem com extracto de quinquina para conser-
vara das gengiva*.
I lem com pomada philocome.
Vasos de porcellana com extracto de pomada.
muros com od creme para amaciar e refres-
car a pelle.
Co'melique, paslilhis famante, etc. ele.
E bem as.-im mnitas outras peifumarias dos
bem conbecido' fabricantes Piver e Coudray.
Flores fiaas.
A aguia branca, a rna do Duqoe da Caxas, re-
ceben mu Osas flores em ramos e rosas para ca-
beca.
Meias brancas Iistradas para
senhoras
A aguia branca, a rna do Duqne de Caxias n.
SO, recebea por amostra nma peqnena quantida-
de de meias brancas com lisira tambero brancas,
goslo inteiraaente novo e boa faieoda.
Cutileri f ancesa.
A aguia branca, a rna do Duque de Caxias n.
30, receben novo sortimento d9 Unas lesonras de
ac polido, sendo para unbas, o costara, e estas
do diversos taroachos at oro palmo. A polidei
de laes obras faz bem conhecer a sot superiori-
dad, r
Oartas fioas para voltsrete.
Na aguia Branca, a um do Duque de Caxos n.
."O, encoDtraro os pretendentes finas cartas fran-
eezas com beiras donradas, e entras a precos
roais baratos.
Brinquedos
de borracha paracrianqas
A Aguia Uranos, rtu Duque de Caxias a. 50,
receben um bello sortimento e b inquedos de
borracba para crHncw.
Bonitas
SORTIMBNTOS N6V0S
CHEGADOS PASA A FESTA
MAIS
PUECilS
BAR\TO TOSSIVBL
MAIS BARATO TOSSIVEL
I.7-
ta ^5a\28a m mvm raastas
Ra d- Barfio da Victoria ou'r'om ra NovaN. 7
raleado franeez, pesies mar.'as. plano, cpelhon, qulaiqullha-
rla de phaaiazia, uioblllua de vliue e brloqaedoa.
R*te es'abelccimfn'.o e.-t;'. netbeodo d5j por i-dos os vapores coreo pelos navios de vela
que esto cbegavdo da Europa todas as soas eucoinmeadas para o graoie a esplendido fcortimeito da
fests, e .florece ao pubico em gerat, por pr/>;os raai< baratopossivel os rtig Renga Has de laxo, f aaa, com uttdee de tnarfim-
Bengalas d",v-rsas em grande scitimebt) para ho-
mens e meninos.
Cbicotrahos d boleta e de muius qu.lidades di-
versas.
Esporas de tarraxt para saltes de bola*.
Pootfiira* de espuma par charutos e cfrenme.
Pene de tar luoga. para oe*eiLbragar e para
barba.
Dito! de marfl*) rouito finos para limpar eabeca.
E.-cevas para tonp, cabello, unhas e p^ra denles.
Cartetrinbas de madreperola para dinbeiro.
Meias paia b.mecs e p.ra ro< nios.
Grvala* brancas e de seia prela para horneas e
meninos.
Campnnbias de tro'a para chamar i-riadus.
jigo da gl ria, de dama, i'e togaleilas, de domin
i e cairos monos drfTeremes jogmltio.- alimaes e
. fraoceaes.
Valas, bolsas e saceos de viagem de mar e cami-
- nhos de ferro.'
Mamadeiras de vidrd de dar leite mu fcil as
crianciv
Argolinbas do matfim para as enancas merderem,
b)m para os dente*. %
3rrgo de Miue s para erehalancar crianzas.
Cejiinhaa de viroes para braqo ce menina. _
Carriahos ds quairo rodas pira pastios de crian-
* ?asr
Vi-nezianas irau'parentes para prrlas ejaaellas.
Reverberos tr mspareotes para oaodioiro de gaz
Esterescopos e cnsmeramas c^m esc laida- vistas.
Linternas mgicas cora ricas vi-ta de cores em
vidros.
Vi iros a valso para cosmoramas.
C^sbos d papel de festa.
B^loe aereostaticjs de papel de seis mu fcil de
soblr.
Encerados boa'los pan conservar as mtsas de
jaotar.
Machn, s e arioi tama? para cf#.
Bsj.aaidr.res d ffxt a^e* petnas.
Te-oariotU', e caivetes tluc^.
Tpeles com vnlrilhos para mangas e laniernai.
Tmteiros de louca branca, mdelo benito bom.
Tiras de molduras donradas o prfas para quadros.
Qaadros j proroplcs coro payjageos e phantazia.
Estampas svulsis de lantcs, paysagens pbanta-
lia.
Objectos de mgicas para divcriixeaios em fa
,inilia. .
Reraos prqnnos de veios com Indas pec*s.
Realejos harmnicos o aecotdi machos..eeoros mtitos rticos de quinquiina-
riai difflcais de mencir-aar-se.
Calcado rancez
Rolinas de laxo e phantaiia, brancas, pretas/|.de
difff rentes cures, lauto para sinhora, como pa-
ra n.PBina".
Vapatiohfn foro salto no riRor da moda, braceos
e de core- para enhora.
(Manas de Mel.-s, de Suser e de 'otak, para bo-
rneas
Sapatoi de c: da vio kii&r para hemens.
Bolinas para menino de qoaiquer tamauHo.
Botas e metas botaa de nuotana o cceib >r possi-
vel paf a h. mens.
Perneiras e meias perneiras' tanto para Inmons
como par meninos.
SapatSt's da Sn-er, para horneo? e meninos.
Spatoj de vernir erm sallo para llameas.
Abotinados de mnilas qualidadaa e pr$oa para
mtaia)- e meninas.
Sapajes de vermz com sola d pao pr-prios para
sitios jardies e baabos, scriimeale para li.mtnj
e senderas. .
Sapatos de tapete, caremira, charloi aveiiudado,
de tranca portuguez e fraBcez.
Perfumaras
Fiaas extractos, bandas, leos, piala e pos dea-
irilicie, agua de 11 >r de laranja, agua e uoiel-
te, divina, fl -rida, hivande, pos de arret, sabe-
ne.t.-s, eosmelicos, rnuims arlaos delicados em
perfumara para presentes cooi fraseos de ex-
iraclosj caixraht* sordas e garrafas de difieren
les tamangos o'^pua dreuliignH.inde de pnroeira
qusliJaJe dos bem embecidos fahrie*antes Piver
eoulr>.
Pianos
Mailo bous pnx futes de I-cantes modeloa dos
mais nota veis e lem (Mbarilua fahricaniea
Alphonse Blondel, liy Hatt, I'lrj-el W.ll &
C. s Erard.
Mobilias de vimes
Chegon ama grande ftinra eom amoatras de ca-
deirasde balaneo, oe brae,o, de gnarniciH, so*
fas, jardineir^s, n;e-as, eonversadeiras e eosta-
reiras, tuoiy.o muitobom p.r serena fortes e
leves, e os mais proprios movis para saletas e
gabinetes de recreio.
Quinquilharias
gmhtm e
Artigas de differedtes
pkaatazia.
Espedios dourados para sabs e gabinetes.
Leques para seohora< e para meninas.
Luvas de Jouvm de lio da Es:ocia e de camurca.
Caixiahas de costura ornada com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro d aogroenlar retratos.
Diversas obras de ouro boro da le garantido.
Correales de plaqu muito bonita* para relogio.
Brincos a imafo e botis de puaho* de plaqu
Bolsinhas e ce fres de sed, de velludo e de cauri-
aho ds cores.
Noves cbjeciosde phaataiia para cima de mesa e
toilette.
Piucenez de cores, de prata dourado, de ano e de
tartaruga.
Ocalos de ifo tino e de todas as graduac^^.
Anda um pouco de atten(?ao
O donideste estabelecimento vende eempre mais barato, as io porque recebe em dreitura
aoua arii^oa, como pelo abatiraeDios e onceoea que oclem d--sftbncanles e commissicnanos, em
atteDfo as grand.s e repetidas encorr.mendas, sssim pois animadoTWea vts ffegnete, am.gos, eo-
ohecidos~e ao pobllc em geral, coatIJnvc4o, vindo e impra* ecoHweo a vootaae o que pre.isar.
MO .m.-IKEH 110 VAPOR FUAfCEX
N. 7-Kua do BaraO da Vitoria oaT'ora rui Nova-iN, 7
Para hpinhas
Ca iiobaj Cim presepios completos com ludas a
pefis e para aoumentar as laainhas tu um sen
numero de guriabis, eaiinbar, jar.dins e ani-
maes surtidos.
Brinquedos para me-
ninos
A roaior variedtde qoe te ple desejar de lodos
os brinqnedo fatrieado* ea> differenles parte
da Eoropa para ntreteoitcento das cri.c?as.
O -1 CJ
golinhas e puuho3 bordados
A Agira Branca, rna Doqne e Caxias n. 50,
recebeu bonitas goliehas e pochos bordados para
sensoria.
Nevos ceques com tecidos
de seda
A aguia branca, rna do Dnqne de Caxias
n. 50, receben ama pequea porco da coques
de teeido de s-:da, os quaes pela novJa:e e boni-
tos moldes, provavelmente se acabara loge, por
isso, a tiles Exmas. apreciadoras do bom.
ATTBNCO
Ven-le-36 om eiceente cofre com segre-
do, obra feita na trra com moita seguran-
za : a tratar oa ibesouraria das loteras,
ra i de Marpo D. 6.
Kerosene
de primeira qnadad*, marca Deves, vendem
Pereira da Cnaba Irmaos, na do Harqaez de
Olinda a. 11, andar. __________
Nao ha mais cabellos
brancos.
Tintaraxia japoneza.
S e oDica approvada pelas academias de
ciencias, recoobecida soperior a toda qoe
tem apparecido at bojp. Deposita prin-
cipal roa da Gadeia do Becife, hoje Mar
aaez de O'oda d. 51,4. andar, e em to-
das as boticas e cagas de cabeeireiro.
Bica&s de Hamltrgo
Vende se a 13 o cento, muito barato : na
rna da Crnz n. Si, 1* andar, salo de cabellei-
reire.
Calcados baratos
9Roa do BarSo da Victoria 8
Lyra & Vianna
Pocos para crianea a
Ditos finos para ditos
Ditoe de vaqueta, com poata, de mui a.
Iam de vaqueta com biqoaira de- metal a
Botinas de peliea ingleza, para senbora a
Ditas ditas para menuiaa a
DHai de amo, tara repai a
.-aeaiM d easeroirn ss selle para no*
mea
toa ditos com salto para lo a
os ditos tornades para senbora a
Olios aafeilados para dilaa a
Utaa cnagrine para dita a
S nanitas ootras qualidades qua so
comqrador peder j tugar.
Ultimo gosto
11000
UOOQ
uooc
6000
i^ooe
"51000
5*500
3#000
oJOOO
i*089
41000
a vista do
Cadeiras pretas doaradas e marebetadas de ma-
dreperola : nos armazens ao caes do Apollo. _____________-
PorGO^OOO
Vende-se oro. fardamento de officiai, com
is segointes pecas : orna farda, orna Llosa,
am par de cbarlalera, om bojiet de bom
paoD > e um talim, todo em moito bom os-
udo e por 6O1JOOO. qnem pretender diri-
ja-se ao 1.'. andar desta typograpbia, a fal-
lar com o administrador, das 9 horas do
dia por diaole.
II
teem para vender em sen armazsm a
traversa da Madre de Deus n. 14
B SECIII\TE
Viddo velbo do Porto do melbor qn pode vir a esle mercado.
Dito Bofdeaox de diferentes-qnalidades.
Dito velbo da madeira.
Dito velho do Xerez superior.
Dito velbo do Borg;nba.
Champagne de sopeiior. qualidade.
Papel para forro por preco muito diminuito.
Dito para cigarros de todas as qualidades.
BAZAR NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
DE
Lourenc-o Pereira Mendes Guimajaes
Dsclara ao respeilavel publico que, teido concluido o consrrto qoe fez rm seu fes-
labeiecimenio da rna da Imperatriz n. 7, declara que o snrlio de novas fazendas pr>-
proprias para a fesia do natal, es preces sao i'S mais baratos possite.s a sabir :
LASINHAS A' 120 KS. CORTES DS BHIM A' ,&500.
Vende-se liasiobas para vestid.,a a 120 Vende-se cortes de brim par* cales s
JO, 3i5(), 400 e 500 rs. o covado. 15500 e 20 0.
OLINDENSE A 800 113. MADAPOLO A* 3JC00.
VeoJe-se urna nova f.zen la de seda e Vcude. se pecas de- madepolo a 30000,
'?n' ^flfcw.J oimdense, propru para 430(, 55000, 6*100 e 80000.
b40 e 800 vest los, a 8J0 rs. o covado. CHAPEOS OE PALI1A A 2/TOO
ALPACAS DE GQUES A 440 RS Veido-se chapeos de palba, da feltro e
Vende-se alpacas da cores, lijas e lavra- de- castor, pjra borneas e meuioos, a 2$,
das, para vestidos de seohon, i 440, 500, 2050o, 30 e 40OOU.
rs. o covado.
ALGODAO A' 40000,
Vende-se pecas de algodSo americano,
por nome!4(K,(, CiOOO.e GiO*.
rs. o co BOTINAS PARA SENHORAS A 50000.
Vndese bolinas pa a senbora, a 50000
C\MRRA1AS A 30000
Vtnie-se pegas de caoibraias lisas para
BAPTISTaS A iOO RS.
Vende-se orna nova fazenia
bapiislas, para vestidos, a 300
vado.
SOTANAS A 6iO RS.
por nome sttanas, pm vestidos- de senho-
ras e meninas, a O'tO rs. o covado.
PHANTASIA A 8GU RS.
Vende-se orna uuv fazenda lisa, por nome
pbD'am, para vestidos a 800 o covado.
Fnsto hraac a :5' Vende-se fusl3 > branco e de cores, para j
vestidos, a 300*0 40000 e 50i,OO.
CAMISAS BRANCAS A 25000.
Vende se camisas brancas a 20500 e 20.
Ditas elinbo a 30, 30510, 40000 e
[0000.
vpfttii da aenht.ra 1 re n" M Pa!ito,s de ^DD0 Vm a 5flC00' 7&m
vestidos, de senbora, a .0 e 400 rs. o co- e mm ??]lim de cagmjra de cores> (
' CHITAS FRANGEZA3 A 240 RS. 45t ^1^ TBiNr. u,m
Ved-se chitas franeeias e&euras e ca-' ZAPATOS DE TRANC.A A 10-jOO.
ras-, a 240. 280, -320 e 360 rs. o covado. L VeDde'se ?3P<,('9 de "n^ e ,sret. P
BRAMINTE A 10600 bomeos e sen';oras, a 10500, 1^8t0e2.
VDde-se bramante com tO 'palmos de SaPal08 de semira pretos a 2500. 30 e
a 10600.
largura, proprio para len?oes,
e 20200 o metro.
Grosdeaaplcs prelo a
Vende-se grosdenapie prelo
20500, 30500 e 50000 o covado.
itmW PRETO A 1*500.
a
30o( 0.
CHALES A'8C0RS.
Vende-se chales de 12a cem qnadroA e Hi-
20000, i iras, a 800 rs. e tAOoO. ditos de tui
estampados, a 20000, 30500, 40 e 50000.
E outras mutas fjenlas que fe vende
Veode-TO panno preto para calcas e pa- seui reserva de preco. na loj-"do barateiro
litots, a 10500, 20500, 30COO, 40OOO e Bazar Nacional.Roa da Imperatriz a.
50000 o covado. i 72
wtm i
BARTHOLOMEU et C*
Pharinaceuticos prenoiados em diversas exposicoes
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO -
ESPECIALIDADE
Novo tratamento da Atthma, tosse, convulsa, defluxo catarrham, e Sodoi as molestias dos puhnoes,
que tem fcito iroportantea curaa, e que noje o unie acceito pelos melbores Media.
DEPOSITO GERAIi, 34, ra Larga do Rosario, PERNAMBUCO.
PUOS
49 ^A DO IMPERADOR 49
VCTOR PR4LLE ,
Mudoo o seu esta.beleciaieoto de pianos etc., da tbs do Dnqoe de Canas n 6 pir*
a rna do Imperador n. 49, aonde o Ilustrado publico achara sempre, o que ba de me-
4hr em boos pianos. -B_rt
Aproveitoa a longa prsiiea e experiencia, que t-f ne;te paiz. neste importante r?mo
d'indoslria, dorante s-tia res-ncia de qoasi 30 an.v, para-mandar conarotr ama qua-
lidade de pianos, proprios para este clima, os qnaes se distiogoem na sea coniUoccSo so-
lida, soa voz forte e agradavel. o na saa e!eg?ncia interior e eiierior.
Qfbce Umhem piaBos de diversos ouiros, dos melbores autores como: Hrr
Pleyel, ele, e garante a boa quadade de todos os pianos, qoe se vende nesta
casa.
Para cigarros.
U carlao de 10,000 mortalhaa, por 2^000.: n-
Qtran
fatoriea a vapor de earro, ulica roa do
tefe WW o. .
SRAVS QOfi SE VRTff
Veade-ie uro mtala /senra, mder, cozioba
bem e mtoimeitt earintos pira eriinfae ;
fraau-M alo ler defeilo di vicio algam : na
roa da Imperatriz n. 56, loja.

Casa e terreno
Vende-se om terreno, aolo proprio, eom 110
palmos de frente e 300 de fondo e nma eaaa em
caixao, coiinn independite, quintil nmr4o, ca-
cimba, ele, a rna Imperial n. 40 : para ver e-
tratar na meama ra, ca n. 138:____________
SMOra B4C0N
EzeaUeoia tooeinbo oglea em lata da qnairo
liaras a 909. rs. a libra : oo armaiem da Tasto
Irmira & C raa do Amorim o. 37.
NOVIDADE
Ao? senhores fumantes.
Completo sorteoMoto de dow artigas para tnmaataa. algaoi raros oeaie morcado
rMliilM ti eapooaa varfato.aan.raawaaBiau|irMM'
o dHrenos prego .
PoDUlra com,ambar, eereja a esposa,* para charnto o cig*rroLi_____
Ponleiras de mbar para chamioa a cigarros, da dlffBreme ttonsflo, gostoaa
preco?. '
Caahirnbo de apoma vardaMM, d dlfcraaSea fwmas.e:drfamaai afeo*.
Cacbimboa de massa imiuaio a aapjMS, de diverso* laaafrtoa e paatpa.
Cachimbos de madeira de diffsceotai forma, analtda4M.tt*aas^ M'nor quraa
pode desejar oetle genero.
Urna grande variedae de boleas par* lamo, da diversas qualidade.
Fono para eacbiorbo e cigarro, taodo |-
Novo caporal (oritacio do roan fraaoef).
Beit Bird Sarga ( Olbo de
Flor do Brasil e ootras

Nova loja de joias
DE
Jos Joaquim Dias do Reg.
Neste nove eatabelecimento encoolrario os amadores de bom o- barata, am variado sertimento o*
[lEtSSS SoleeiSint lambe ae coinpjam. obras velbaa- da prata, ooro epeiras pre-
eioaas ; e recebam-sa por troca da obras aova.
Em casa de Borstelmann & C, ra
do Commercio o. 10, vende-se:
Vinho de cbampagne, marca Clrcqaot.
)
Efte famo vende-te por
inferior, como e faH' tarificar.
Os precosd* (om tem .
ai aomprar.
Ni fabrleavtpor de d|
Polica.
) imiacao do fumo Dglez.
#'paeco do qoe vem do estraogelro.eDiQ Iba i
5 a JO per cenlo,, confirme a quaotUada ana-j
larga do Rosario o. 21, antiga roa do Qaartel da
tOTl&C.
aa do Apollo n. 38
Samuel Power Johns-
40
Fbsem seiente aos seoa fregoexes qoe teem
modado o seo deposito de maektnaa va-
por, raoendasv 'aa da moito acreditada
fabrica de LowMoor para roa do Apollo n.
38 e- 40, onda- conlinoata a tai o mesmo sor-
ttmaalo do coatoma.
Faxem scisme tambem qoe teem faito om
arraoja com a faodicao geral, pelo qne po-
dem offerecer-sa para aasentar qoalqoer
machlBimio a meamo garaati- lo.
Os proprieOjrioe da fondicao gerai farem
acuates ao* seobores. de eageobo e mus
pessoas, qoe teem establecido nma (nndi-
cao de ferro e brouae a roa do Brum, jnn-
to a esUcio dos- boods, onde aprontarlo
qoalqoer obra da aocommenia am perfei-
cio e promptidio.
Os masmos rogam as paaaoaa qoe qpei-
r m otillsar se de seos serviros de deixar
rem as encommence em casa dos Sr. te-
moe* Power Jobosloa k C a roa do Apol-
lo a. 38-a 40, onde acbario paaaaty baUl-
Itadacom quem aossam enlendar-se.
Appare.ho.para fabricar "^^^a
Omeoa agente em Pernamtwco a raodicS* *1-
Para iraur em md escrlpiorlo a rna da Apollo o, at*v
Attoiwjao
/eaaa-se oo arreoda te om bom sitio em Agna
'na, eiirada de Beberibe.com banbo, boa casa,
arda, e porto da eetacio do eaminho de ferro :
aFatar com o Sr. Joio Peitoia na ra estreita do
toaaxion. J3.
mw&L
Vt-ado-ao nma* lavaroa na
B*. 9, propria para pri
(nodos.
do f>wfe 'lo
Ot, por ler (fucos
Vende ae cal non de Lisbo
Pedro ABonso i. 8.
ni roa da-


8
_ #
Diario de Pernambuco Segunda feira 30 de Dezembro de 1872.
LITTERATURA.
_ t________________ -
VIDA E CORRESPONDENCIA DE PROU-
DHON POR SUNTE-BEl TE.
O volume de Sainte-Beuve acerca de Prou-
dhon poderia ntitular-se Proudhon narrado
e commentado por .si mesmo. O -"critico
fez-se cargo de explicar a vida o a obra do
polemista por meio dos fragmentos niais
caractcristicos da sua correspondencia.
Filho do un i -axciro di- fabrica de rerveja
e do urna criada, Proudhon comeyou por
ser pastor de vaccas,- e depois caxciro de
urna adega. Ajudados pelo amo, os puis
zeram-no ncetar os estudos, que dentro
era pouco a pobreza tornOu di'Hiccis c inter-
rumpeu. Tornou-se operario typographo,
revisor de provas, ampliou apaivonadaTnonte.
o seu saber, obteve uin premio da academia,
coraprou, tornou a vender urna typographia
em Besancon, foi ebefe do contencioso oin
casa de ricos negociantes de Lyon, e foi por
ultimo viver em Pariz de sua peona c para
as suas ideas.
as differentes phases desta existencia,
segue-o Sainte-Beuve passQ a passo, guiado
principalmente pelas suas numerosas cartas
aos seusdous memores amigos, Echermaim,
o poeta lingista, e o professor Bcrgmann.
EssM cartas sao singularmente interos-
santes, e as apreciacoes do senador das let-
tras acerca do lgico do proletariado- sao
brilhantissimas na sua lucida sobriedado.
Que combates, que miseria a principio 1
Menino de collego, Proudhon volta carro-
gado de premios para a casa de sua mi que
nao tem com que dar-Ihe jantar. Mais tardo
em Pariz luta com a teutaco do suicidio.
Atira-se loucamonte ao trabalbo, ao estudo,
aprende o grego, o hebreu, compondo e* re-
vendo as suas provas, o bebe no estudo das
leis do Moyss o germen das ideas que ha
de desenvolver de modo to absoluto nos
seus pampbletos acerca da propriedade.
Spartaco da intelligencia urna vontade
orgulhosa precipita-o na pugna. Escreve
com enthusiasino aquillo (pie chama o seu
tratado de algebra methaphysica e d'ahi
em diante iio'ccssai-a durante vintee cinco
anuos, como diz Sainte-Beuve, de procu-
rar determinar scientilicamente justica
social uuivorsal.e introduz" a moral na
economa poltica. "
Piofun:lamentc desdenhoso dos prazeres
s-nsuaes, exclama: Ver, saber, formular
o bello e o verdadeiro, eis tudo. O estudo
a sua verdadeira amante. Estudambs s
vezes muito tempe sem adiantarmos grande
cousa, depois, de improviso, cahem os veos;
depois de um longo trabalho de reflexo, a
intuico vera; esse momento divino
Sainte-Beuve censura-o por ser lgico de
mais, por haer alojado na cabeca um
absoluto de verdade por desconhecer
a eterna approximaco das cousas humanas;
Proudhon, segundo elle, d antos a idea
de una forca que de um homem. o
cago, OU inexoravel lgico. E' o phrenesi
fri da dedueco. Investiga em economa
poltica a quadratura do circulo, e pretendo
chegar a ella mathematicamente. Raciocina
como se calcula.
O seu estro corta como um machado, e
parece obedecer a urna fatalidade mechanica.
Nao mais um espirito, urna engrenagem.
Tudo vai ahi quebrar-se. A sua obra to
forte, to mltipla, produz o effeito de um
immenso laminador, com os parafuzos bem
azeitados, com os formidaveis eylindros de
ferro compacto, desusando sem rumor pelas
ranhuras.
Com a sua natureza de algarismo, Prou-
dhon nada podia comprehender de littera-
tura. Por este lado conserva-se absolu-
tamente fechado. Em urna carta ao Sr.
Roulland, actualmente deputado, admira as
situares cmicas e trgicas de Paulo
de kock Declara tranquillamente que nao
havia mais versos a fazer em Franca depois
de Voltaire. O que nao impede que em
urna passagem exclame: A poesa .o
ideal da linguagem. Ma9, ainda ahi, v
apenas a linguagem," alocugo.. Est mais'
porto da poesa quaiyo exclama : Tudo
que sou, devo ao desespero!
Estudado profundamente, Proudhon
principalmente absoluta na expressao, e na
brutalida.de da phrasc. Assim a igualdade
que elle quer nao vai aj igualdade do
liomem e da mulber. .Nao vai mesmo at"
i igualdade de todos os homens entre si.
Diz por estas palavras : No devemos con-
siderar como semelhante a nos seno aquel-'
les que posara como nos da liberdade de
razo e de conscicsncia, o que dimine sin-
go lrmnte o inters; que podemos ter por
todos os mais.
O rigor que pbssue no raciocinio, nao o
|K)ssue no carcter. Em ulna carta escripta
por elle ao principe Napoleo, 7 de Janeiro.
de 1853, oll'erecc-soabcrtamentc ao imperio:
Visto que boje a fortuna imperial tornou-
Tiltil
FOLHETIM
AV'I!SCAX(A DA BAR05EZA
PELO
VISCONDE PONSON D TERRAIL.
I'HOUM.U
I
Duqueza I
Baro...
Tem noticias do senhor regente ?
Nenhuma desde homtem.
Isso nquieta-me seriamente, minha
pobre duqueza, e receio muito...
Nao receie nada, baro, a sua no-
meaco deve estar, a esta hora, assignada.
Deus a OQca duqueza I
En to, meu caro, tem grande empe-
nho n'esse governo?
Pois se lhe parece I duqueza ; ora ou-
a. Mandei bou tem chamar o meu mordo-
mo e pedi-lhe urna explicado succinta e cla-
ra dos meus negocios...
Adivinho, est arruinado ?
Melhor do que isso, duqueza, devo
um milho de francos, e j nao tenho cr-
dito.
Nao pagar as suas dividas, meu po-
bre baro.
J pensei n'isso, duqueza, mas como
contrahirei outras ?
Creanoa visto que vai ser governador
da provincia da Normandia, por sua raa-
gestade I.uiz XV...
Muito bem. Mas se o nao fdr...
E o baro, que esta va ainda na cama, es-
tendeu a sua mo fina e aristocrtica para a
mesinha collocada cabeceira, pegou na sua
caixa d'ouroeaspirou com delicia, urna pe-
quena porco d esse p amarello, que se
chama va tabaco de Hespanha.
A duqueza, sentada n'uma grande pol-
trona estofada, bateu com o seu pequeo p
no chao, cora ar impaciente, e respondeu :
Sabe que um impertinente, baro ?
Emque, se lhe apraz dizer-m'o, du-
queza 1
A pergunta engracada! Como 1 Pois
duvida do meu crdito ?
Ah I duqueza I
Sem duvida alguma. Porque suppe
que poder nao sernomeado...
Deus me guarde d'isso Mas, pode
um mortal prever tudo ? Estamos hvres
dura tiro de pistola que mate o regente ?
Podemos affiancar que logo, quando sahir
d'aqui, o Sr. deS. Simo, esse pobre duque
que dorme socegadamente pensando em si,
nio a encontrar na ra, e que, reconhe-
cendo-e, apezar da sua mascara, no imagi-
nar que passou aqui a noute ?
Ol 1 que horror I
O baro sorrio-se.
8ei muito bem disse elle que todo
0 mundo, excepto elle, tem direito a saber
que a duqueza me quer algum bem, -mas,
emfim..
se solidaria coin a revoluco, visto que tra-
ta-se da gloria do vosso nomo tanto como do
nteresse democrtico e social, chegada a
hora de pisar aos pos todo o puritanismo,,
c de-sabir das reservas do amor proprio.
(Juan lo o estraqgeiro. invadi a Franca,
um republicano austero,.Carnot, offereceu-se
ao im>erudor para a defesa Me suas pravas.
Hojc cpie a ciHitra-revolueo do interior e
do exterior nnsesmaga, i lempo de entraran
em explicarlo republicanos e imperia-
Iislas. /
Em compensaco sempre violento c
aggressivo na expressao. O seu estylo
um perpetuo jogo de soco. Os bous
modos nada obtenv, batei a duas raaos.
Tudo isto produz um livro interessante.
Este esenptor robusto e varonil, debulhado
pelo critico lettrado que procura um ani-
malzinho e depara um monstro.Proudhom
julgado por Samte-Beirve, um'ursojul-
gado por umgato.
F.MILLE BLMONT.
Eiisaio histrico.
RELATIVAMENTE A AHUlTIlAGENS EM MATERIA
DE CONFLICTOS INTKKNACiONAES.
Exposico feita por Mr. Henry Bellaire, se-
cretario da commisso da Sociedad* dos
Amigos da Paz, peraute a segundavftesso
do>;ongresso da Allianca Universal, em
favor da ordem e da civilisaco, effectua-
da a 4 de junho de 1872.
Para seguir exactamente a ordem chrono-
logica dos factos, releva que eu fa^a aqui
menco de um incidente pue, erabora nao
tivesse o carcter de urna arbitragem pro-
piamente dita, to tem de corto menor im-
portancia sob o ponto de vista de proceden-
te significativo em favor da creac,o de um
cdigo do direito das gentes: refiro-me
gravo quosto relativa ao Trent.
Em 1862, logo no comeco da guerra se-
paratista entre os estados da America do
.Norte, o presidente da nova confederado,
Jefferson Davis, mandara dQus embaixado-
res a Inglaterra e a Franca, para representa-
ren! o seu governo perante aquellas- duas
nacoes.
Os dois novos diplmalas Mis. Masson e
Shidoll, conseguiram romper o bloqueio
dos portos do Sul, susivuitoao polos navios
de guerra federaos, e tendo logrado alcanzar
as Indias Occidentnes, tomaram passagem
para Inglaterra a bordo do Trent, paquete
pertencentc A companhia reaj ingleza.
Ao saber-se disto, o capito W'etke, com-
maudante do navio do guerra federal S. Ja-
cinlho, largou em perseguieo do Trent
Socegue, baro, que o duque nunca
emittio urna duvida a meu respeito, que nao
sou sua mulher.
Felizmente para o meu governo.
Julga isso ?
De corto. Assim, posso esperar...
Sem o menor receio.
Edormir descansadamente...
Depois de eu sahir, baro.
Oh antes de certo nao, duqueza !
Meu Deus! os senhores tidalgos sao
to pouco cortezes, desde a morte do de-
funto rei...
E'-lhe diflicil julgar isso, duqueza ;
porque um tempo de que, estou certo se
no lembra.
E' verdade respondeu a duqueza,
que contava j os seus trinta invernos que
eu era entao bem nova.
Era j nascida ?
Oh I baro I quanto essa phrase raos-
tra o seu amor por um governo !
O baro sorrio-se.
Minha bella amiga disse elle se
me dessem a escolher entre os seus bellos
olhosVum governo...
Estou certa de que optara pelo go-
verno.
No. Mas, como hoje o co pde urna
e outra cousa minha disposi^o... ao menos,
segundo diz...
Em quanto ao governo, posso asseve-
rar-lhe...
Vou-lhefazer urna confidencia...
Ora I alguma intriga comeada nos
Porcherons, e terminada...
Em parte nenhuma, duqueza. Que-
rem casar-me...
A duqueza, que se tinha sentado na boira
da cama, levantou-se com vivacidade e foi
sentar-se de novo na poltrona, franzindo o
sobr'olho e com urb ar de amo, que lison-
geou em alto ponto o amor proprio do baro.
Ah !disse ellae...com quera?
Oh I no tenha ciumes duqueza... na
verdade, no vale a pena... umafilhad'um
fornecedor...
A alegra reappareceu instantneamente no
rosto da duqueza.
O negocio seria grave se se no cha-
raasse Nossac, meu carodisse ella.
Meu Deus 1 disse negligentemente o
baro Nossac, porque era elle que encontra-
mos assim deitado o admittindo ao seu des-
pertar, a duqueza d'A...bem sei que seria
um casamento desproporcionado...
Urna enormidade I
Mas que quer ? esses casamentos estio
em moda ha quasi um seculo.
Julga isso ?perguntou a Sra. d'A...,
cuja fronte empallideceu, immediatamente.
Sem duvida, duqueza, a rainha Anna
da Austria no desposou Mazarino?
Secretamente, baro.
D'accordo; mas que importa ? A prin-
ceza no desposou Lauzun, Luiz XIV a Main-
tenon e no temos at semelhante exemplo na
familia do senhor regente ?
conseguindo alcancar estepapuete, que, por
no ser navio armado, no pode resis-
tir.
Foram entao os dous plenipotenciarios
violentamente arrancados proteceo da
bandeira bntannica que os cabria, a. despin-
ta dos mais enrgicos protestos da parte do
commrtdnte do.papuete inglez.
Foram eHes, em acto contiguo, remettidos
para os Estados-Unidos, e a conservados
sob.prso.
f?A'' chegada-do Trent, a Inglaterra, seme-
lhante noticia produzio um immenso alar-
mo.
Por muito tempo foi objerto de duvida,
se as leis internacionaes teriam a autoridade
neceasaria para resolveren! esta questo por
meios amistosos.
Afmal, resolveu-se o governo inglez a re-
clamar do presidente Lincoln a soltura, d'a-
quelles dois embaixadores.
Julgon-se entao inminente um rompi-
inento entre a Gr-Bretanha e a America, e
por parte dos amigos da paz, de ambos o-
lados do Atlntico, se envidaran os maio-
re.s eiiqienhos paca que a questo se consis
liasse.* ,
. To louvaveis esforcos, enrgicamente
sustentados pelo principe Alberto, nao fo-
ram infructferos, sendo eHes outrosim, re-
forjados por meio de notas pressantes em no-
mo das outra, grandes potencias europeas
em que se consignava a opinio de que os
embaixadoies em questo, deveriam ser res-
tituidos Inglaterra.
Ccdeu, pois, o governo federal a tas em-
penhos: foram os Srs. Masn e Shidell,* pos-
tes em liberdade, dirigindo-se em acto con-
tinuo Inglaterra.
Gracas a esta consideraijo do governo
americano pela opinio da grande potencia,
fcilmente se desvaneceram os receios da
guerra entre aquellas duas'nagjes.-
Em 186 o presidente Lincoln, entregou-
se as mos do rei Leopoldo, afim de que
houvesse este de resolver as duvidas que se
suscitavam entre os Estados-Unidos e o Per
a proposito dos navios 'iggie Tompson o
Georgiana : rosultou dabi virem aura accor-
do : accordo esto que teve por base arbitra-
gtm.
Em 1804, deu-so um conflicto entre os
Estados-Unidos c a Gr-Bretanha, com.re-
lac,o ao territorio as visrahanc,as do es-
treito do Pugot.
Em 1869 coube a urna commisso de
arbitragan o dar a sua sentonca a este res-
peito, que foi acceita como equitativa.
Em 1865 dou-se o conflicto anglo-brazi-
leiro: foi o rei Leopoldo que resolveu a
pendencia de um modo amigavel.
No principio de 1867poca esta por de-
ntis prxima para que delta nos nao lem-
bremosgraves questes se suscitaram
entre a Prussia e a Franca com rela-
Qo a fortaleza do Luxemburg. Por bem
pouco no chegou a rebentar o conflicto
mo armada, que estere inminente : a rai-
nha de Inglaterra em virtude do art. 7* do
Tratad*) de Pars, interpoz os seus bons ofli-
cios, e pela Conferencia de Londres se lo-
grou evitar tima guerra que por bem pouco
no rebentara.
Por um tratado feito, ha antos, entre a
Hespanha e o governo das ilhas de Sand-
wick, pequeo paiz este que, por mais de
um lado, pede ser admirado ein materia de
civilisaco, entre militas outras naques do
velbo mundo, se estipulou: que* nenhuma
guerra se eftuetuaria jamis, entre a Hespa-
nha e as sobreditas ilhas, sem que a questo
houvesse do previamente eommettida
deciso de arbitros.
Um tratado recentemente concluido entre
a Hespanha e a Suecia estipula que no
caso de qualquer desintelligencia quer entre
os soberanos, quer entre os subditos daquel-
los dous paizes, qualquer contenda que d'ahi
surgisse jdmais viria ser resolvida pekw
armas, mai im pela arbitragan de urna
potencia neutral. I .
Igual cluasula foi inserida emsetedifferen-
tes tratados negociados cora diversas poten-
cias pela iiitervenc,ao-de Sir John Bowring.
O priraeiro del les foi o tratado entre
Blgica e Hanover. O ministro belga he-
sitara, devedo-se firmeza de vontade do
rei Leopoldo 1, que bem conbecia por ex-
periencia a grande vantagem resultante das.
artitragens, que aquelle ministro o aceitas-
se.' Os'outros tratados a que me refiro san
acuelles conchudos entre a Suissa.amaf pa-
tria da convenco de Genebra, e a Italia en-
tre a Blgica e o reino de Syo, etc., etc.
Igual lausula foi pela mesma forma in-
IrQduzida'oin um tratado de amisade conclu--
do entre a Hespanha o o Uruguay em 1870,
graca aos esforgos empregados jir um dos
mais tenazes defensores* da arbitragem na
pennsula ibrica, o Sr. Arthur de Marcoar-
tu, deputado s cortes hespanholas.
Senhores, tenho quasi 'que esgotado a re-
senha dospoucos documentos que pude col-
ligir para confeccionar o presente estudo.
Fui obrigado, afim de nao atwsar'da vossa
condescendencia, a abreviar quanto me foi
possivel a.sua enuniera(;o por cmquanto
incompleta em materia de arbilragefis: li-
soiqeava-me, cointudo, a crenca- de que ai
ipiatitdade dos exemplos qu deuo citados
-possa servir de desculpa a avidez do assump-
to. Nao posso.comtdo, deixar passar en
silencio o Tribunal internacional' que fura
estabelecido no EgyptO apoz a abertura do
canal de Suez.
Osmembros de semelhante tfibtinal,-que
nos representa em. miniatura, o tbunal su-
perior das nac,6es- que constki\eo sonhodos
amigos (la }mz o da civilisaco" sao tirados
de preferencia de entre s cnsules das diffe-
rentes nacionalidades: tem por msso o"T
solverom as questes litigiosas que diaria-
mente se- levantan! entre os subditos o os in-
teresses de diversos paizes. .
Aquelle tribunal, .semelhanca. do de*Is-
maila, Tuncciona com a mxima regularida-
de: aft sentencas por elle proferidas sao por
todos respoitadas naquelle canal cosmopolita;
se um Keersoge ousassealli abordar em Ala-
ba uta, bem depressa resolvera aquelle tribu-
nal urna tal questo.
Assim o reclamara os interesses do com-
mercio e da industria: assim o exigem as
transaccoes internacionaes, que sao o ma-
nancial da riqueza e da prosperi Jade das na-
goes, cuja vida cessa no momento em que
desapparece de sobre ellas a paz para dar
logar a guerra devastadora.
E isto o que consttue o verdadeiro pen-
samento dos homens sinceramente desejosos
do engrandocimento do seu paizs foi este o
pensamento de Heurique IV; fi-o igual-
mente do imi>erador Alexandre da Russia;
era a idea lixa do rei I^opoldo; foi ainda,
sem remontarmos a escala dos soberanos, o
que sempre teve em vista o mais humilde,
dos homens eminentes, e omaiseminente dos
homens humildes, Benjamn Franklin.
Em urna falla do general Grant, presiden-
te dos Estados-Unidos, em fevereirodel864,
encontr eu estas palavras notaveis:
O mundo inteiro pode a paz I Afaste-
mos pois, no somonte a guerra, mas at
mesmo qualquer boato de guerra. A' paz
cabem por certo victorias mais gloriosas do
que aquellas que se colbeuem campo de ba-
talha. Cumpre cultivar a trra epovoa-la;
no de saugue do hornera que ella tem
sede, mas sim do seu sur, que a fecunda.
Eis ah meus senhores, palavras da
mais alta significaco; e poderia encerrar
este esboco rpido, limitando-me apenas a
entrega-las vossa apreciaco: sao ollas por
de George
Washington, daquellc homem que somente
fez verter lagrimas por occasiao da sua
morte 1
Sao ellas, por certo, altamente dignas do
chefe daquella ua^ao honrada e laboriosa
que j por tantas vezes tem dado ao mundo
o exemplo do recurso & arbitragem.
. A questo relativamente ao Alabama
por domais-palpitantepara queeu possacora-
prcbende-la nesta narraeo bistorica; po-
rm incontestavel que a deciso que tem de
dimanar do tribunal de Geuebra ha de vir
fazer revoluco cin materia de_principio" do
direito das gentes, e ha de forzosamente fa-J
zar reeonhecer aos homens do verdadeiro
pnigresso a yidispensabilidade hicoutestavel
de um cdigo internacional. >>
. Pde-se por certo,' sem se ncprrer na pe-
cha,'de falta de patriotismo, deplorar o aban-
dono em que, em Pranca-se tem deixado ja-
zer a interessante sciencia'do direito das gen-
tes. Em ma dgs ultimas sessoes daso-
c'iedade da legislago comparada, Mr. (irio-
let, em. um relatorioquc tinha tanto de pro-
fundo como do-impossivel, li/.era o oxanio da
-^influencia'da ultima guerra sobre opro-
gresso dos diroitosdas gentes e, depois
de haver reconhecidoqiieosimulacrodaslofs
internacionaes conliecidas tboje havia si-
do quer de urna, quer* de outra parte vio-
ladas, concluio proclamando a necessidado de
.um cdigo internacional.
\ ein Mglaterra, na America, na Suissa e
na Blgica, se tem emprehendido trabalhos
serios sobro o sstmpto.
(Contijiuar-se-ha.'
VARIEDADE
certo bem dianas do
successor
COMO SE ROLBAM 30 LrBRAS.-*-Ha
inui poucos dias ostava para tomar lugar no
confboio, cpie dentro em pouco devia partir
da estaco do' caminho de ferro de Lyon,
um negociante inglez da praca de Liverpool,
quando se aboirafam dclle dous cavalliSiras
soffrivehneiite vestidos, fallando muitissimo
bem inglez, o dirigiram ao viajante algumas
palavras, expressando-rlhe a sua alegra por
encontrarem um compatriota.
Metteram na cabeca ao negociante que
faltva ainda muito tempo para o comboio
partir, e o convidaram a ir provar um excel-
ente port-wiiui, alli prximo. O convidado
aceitou.
Tantos brindes fizeram, que afmal o nosso
John Hall licou com seu grao na aza.
Quando os dous gatunos pensaram, e
pensaram bem, ser chegado o momento de
executarem a partida, comocaram a gritar
que estava dando p signal de prevenco, e
que ora necessario ir a correr. Os dous
olliciosos amigos pegaram na malinha de
couro e na manta do viajante- e deitaram a
correr na dirceco do caminho de ferro..
O negociante, que se encontrava naquelle
momento pouco gil, no _pde seguir a par
dos larapios; de forma que ao chegar cs-
taco no topou l os seus dous amigalha-
|0S. Entao rcconheccu o logro.
A malazinha ia recheiada cora 300 sobe-
ranoj.
O inglez, furioso por se ver assim rouba-
do, foi dar parte do acontecido ao commis-
sa'rio de polica.
FINANCAS INVEJAVEIS.O ministro da
fazeuda dos Estados-Unidos ordenou a venda
de barras de ouro no valor de 3,680:0009,
e a compra de igual importancia de coupons
da divida do estado, para amortisar.
O ornamento da despeza para o anno de
18731874 apresenta um augmento de
9,200:000?>, os quaes serao principalmente
applicados obras publicas.
A divida da repblica dimiuuio no mez
de novembro a bagatella de 1,102:000c.
Assimdisse a duqueza levantando-se
indignadateria a coragem...
No digo isso, duqueza, j que me
obtem um governo; mas emfim... se o no
obtivesse... que diabo o meu futuro sogro
tora ouro bastante...
Para lhe fazer esquecer a sua origem
pleba, no assim ? Na verdade conti-
nuou a duquezaos fidalgos vo desappare-
cendo I
Quando no tem governos, duqueza.
Edisse ella, em tom. desdenhoso e
zombeteiroquem lhe propoz esse casa-
mento ?
Simiane, duqueza ; creio que muito
bom fidalgo...
Para arranjar casamentos disparatados
aos seus amigos, no assim ? 0 sacrificio
muito nobre.
Offerecia-me elle urna mulher linda,
espirituosa, de boas maneiras, c possuindo
um bom par de milhdes.
Aceite-a, senhor disse a duqueza
mordendo os labiosnunca me opporei...
sua felcidade...
Oh 1 duqueza I que exquisito amo I
Recusacei.
Positivamente ?perguntou a duqueza
com os olhos brilhantes de alegra.
Quasi... Simiane deve voltar hoje.
E recusar ainda ? perguntou a Sra.
d'A...
E' conforme respondeu o Sr. de
Nossacse arranjar o meu governo...
E' lisongeiro para mim murraurou
ella.Oh 1 que ternvel baro I que ingrato!
Minha duquezinha disse o baro
com socego heroico se eu no obtver oi
meu governo e recusar os milhes da mu-
lher que me propem, ser vendido o meu
palacete, e, com elle, a minha carruagem.
E' justodisse a duquezat mas ter
o seu governo.
No pego outra cousa, duqueza.
Vou a casa do duque...
V, duqueza.
E a sua nomeaco ser-lhe-ha expedida
d'aqui a urna hora.
Cont com isso, duqueza.
E o baro de Nossac sem nada perder da
sua fleugma indicou o relogio'cora o dedo.
Dou-lhe mais urna hora, duqueza
disse elle meio dia; Simiane estar aqui
urna hora, e aqu fcar at s duas.
Pois bem 1 disse a Sra. d'A... se
d'aqui a duas horas no tiver recebido a sua
nomeaco ter livre a sua palavra...
Eu no lh'a dei, duqueza, mas dou-
lh'a agora.
Espereexclamou a Sra. d'A... levan-
tando-seexijo de si outro juramento.
Qual?
r- E' que, se se casar...
: Ah duqueza! no o espere...
No, sem duvida, mas, possivel
prever-se tudo ?
E um srriso de fina irona assomou aos
labios da duqueza.
Tyranna I
Se so casar contnuou ella com-
promette-se desde j, aconceder-me vintee
quatro horas ainda...
Oh! com immenso prazer, minha
bella amiga.
Vinte e quatro horas, minha escolha,
bem entendido !
Como assim ?
Na hora em que eu lhe apparecer, quer
de dia, quer de noute, dizendo-lhe : Baro,
exijo as minlias vinte e quatro horas A
essa hora, se estivermos na ra, subir para
a minha carruagem ; se estivermos em sua
casa, pegar no seu chapeo ena sua espada,
e acompanhar-me-ha.
E se estiver cm outra parte ?
Igualmente, baro.
No vejo n'isso inconveniente" algum.
Duqueza, dou-lhe a minha palavra de lidal-
go, de ser seu escravo, durante vinte o qua-
tro horas, de a acompanhar a toda a parte
que queira, n'esse espaco de tempo, e de
lhe obedecer cegamente.
A partir do dia em que eu souber do
seu casamento ?
Seja assimdisse o baro.
E accrescentou :
E' este um juramento bem intil, du-
queza.
Quem sabe ?disse ella, estendendo-
lhe a mo.Adeus...
Adeus, duqueza.
A duqueza deu alguns passos para urna
pequea porta, encuberta por um reporten o,
abrio-a e desappareceu.
Essa porta dava para urna oseada interior^
que desoa para os jardins, os quaes se acha-
vam no mesmo lugar, pouco mais ou me-
nos, em que esto hoje as ras do Helder e
de Provenga.
II
0 senhor baro Heitor do Nossac era um
mancebo de vinte e seis annos, de excellente
nobreza, de bom aspecto, de espirito ligetro,
de coragem experimentada, e que goza va na
corte da reputado de um homem feliz era
amores. Nunca reputago alguma 'tinha
sido mais bem merecida.
O baro era bello, magnifico, inconstan-
te, jogador, provocador e possuia um fraco
determinado pelo tabaco de Hespanha e pelo
vnhodeAi.
A duqueza de Maine tinha-o afiliado na
ordem da Abelha ; o baro tinha entrado na
conspiraco Cellamare, e depois tiha-o
mandado encerrar na Bastilha. Depois d
morte do digo cardeal, Simiane tinha-o re-
conciliado com o regente, e o regente tinha-
lhe dado um regiment.
Um olhar da senhora de Phalaris tinha-o
indisposto, de novo, com o duque de Orleans
e o duque de Orleans tinha-lhc retirado a
sna patente.
Um to, como j os no ha, tinha morrido,
exactamente no da seguinte ao do seu des-
valimento, deixando-lhe duzentos mil fran-
cos de renda.
0 baro tinha gasto em seis mezes as ditas
rendas, e alguma cousa mais, com essas don-
0 estado da divida publica ficou sendo:
um milho novecentos e oitenta e sete rail
setecentos e quarenta contos de ris.
FURTO JORNALISTICO. A Indepen-
dance Belge havia organisado a expensa
nicamente suas, um servico telegraphico
extraordinario, para por os seus letores ao
correntc, e antes de qualquer outra folha,
da gravo disusso que se passava as cortes
francezas. 0 caso que a folha pode pu-
blicar na sexta-foira urna analyse do discur-
so de Mr. Thiers, pronunciado naquelle
mesmo dia, dando delle a mais exacta idea
que era possivel.
Alguns jomaes de Bruxellas aproveta-
ram-se do que pertencia ao collega e no
disseram d opde o copiavam, parecendo sei
cousa de casa.
Mas u que ileitou a barra adiante de todos
foi Q periddieo clerical Courier de Bruxelles,
o qual, com o maior displante, abri urna
sect;o no jornal com o ttulo Servico parti-
cular do Courier de irurelles.
Com muta grac diz a Independance
klge :Eis aqu um servico particular que
nao dispendioso: eusta apenas urna te-
soura.
POR CAUSA D'UM GATO.No tribunal
correccional de Bruxellas compareceu ha
poucos dias como r, una mulherinha, qae
trabalha n'uma fabrica. Era aecusada de
tor furtado o gato ao vizinho, e, no s fur-
ta-lo, seno assassina-lo, c guisa-lo em m-
lho de villo, como se faria a qualquer
collio.
No parou aqui o atrevimento da m vi-
zinha. Como o pollo do gato era de urna
linda cor do peito de rola, foi vender a pello
do bichano, e bem bom dinheiro apanhou
j>or olla. O dono do gato exterminada, vira
n pelle do seu bicho amado exposta venda,
e por ahi veto a saber quem tora o rouba-
dor. Apressou-so a comprar a pelle pelo
prei;o que lhe exigiram, no s para a guar-
dar como recordado, mas tambem como
meio de provar o attentado de que fra vic-
tima. E com effeito o roubado em pleno
tribunal apresentou a pelle do seu bicho, o
que ainda mais concorrou para tornar a au-
diencia divertida.
Todos riam e estavam alegres, menos o
queixoso, que aida no podia crer que o
sou gatinho tivesse ido parar ao bucho voraz,
da sua vi/inha e companhia. '
A mulher no deixou de ser condemnada;
no-menos de oito dias de priso lhe foram
impostos como pena.
Ao passo que o dono do gato comido se
mostrava contente pela desforra que assim
tira va, a mulher, a quem chegra o mo-
mento de amargar o guisado com que se re-
galara, encolerisou-se ao ouvir a senteixa.
FUNDADO REPARO.Alguns jomaes de
New-York expendem varias consideracoes e
censuras com respeito a um facto que alli ha
sido objecto de longas conversas.
0 gerente do caminho de ferro Eric, cnl-
pado por um enorme desfalque mesma
companhia, encontrou entre os primeiros di-
rectores de outros caminhos de ferro e em
alguns dos mais notaveis banqueiros daquella
cidade, fiadores, para o livrarem de entrar
na cadeia, na importancia de duzentas rail
libras, ou novecentos contos de ris.
No caso de Jay Gould fugir antes do seu
julgamento, os fiadores ho por para alb
aquella excellente somma.
%.
V.
f
I
I
\
'


zellas da otera. Tinha, entao, pensado em
se reconciliar com a corte, e, pensando que
para isso era absolutamente necessario ter
urna amante conveniente, tinha escolhido
duqueza d'A..,a qual.no principio da historia
que vamos contar-vos, estava em vesperas
de obter, para elle, o governo da provincia
da >'ormandia. Ora, o dia em que acaba-
rnos de ver o baro de Nossac, conversando
com a duqueza d'A..., era exactamente o de
i de dezembro de 1723.
Em quanto a duqueza se diriga para a sua
carrugem, que a esperava porta dos jar-
dins, entrara outra pela porta da cocheira, da
qual desca um fidalgo, de alta estatura,
bem que muito magro, que se fez immediata-
mente ttonduzir ao quarto do baro.
Esse fidalgo era o senhor de Simiane.
Ah I s tu, meu caro t disse negli-
gentemente o baro.
Sim respondeu Simiane com viva-
cidade.
Meu Deus 1 que rosto to assustado!...
Que te aconteceu, marquez ? d'onde vens ?
Dar-se-ha caso que algum marido brutal te
tenha mandado espancar pelos seus lacaios ?
Meu carodisse Simiane, sem respon-
der impertinente pergunta de Nossac
forcoso que te cases j.
Tanto peior meu caro, no me casa-
rei; tenho o meu governo.
Julgasisso, baro?
Tenho essa corteza.
E eu estou certo do contrario. 0 re-
gente no teve tempo de assignar a tua no-
meaco.
0 senhor de Nossac estremeceu.
Que significa isso, marquez? e que
quer dizer nao teve tempo ?
No, porque o regente morreu na nou-
te passada.
0 barS"deu um grito de espanto.
Morreu d'uma apoplexia, era casa da
senhora -de Phalaris, onde se achava.
Sonhas, marquez; isso impossivel, a
duqueza d'A... sahe agora d'aqui e no sabia
nada.
Ha muitosoutros que o no sabem...
So amanh se saber. E olha, aposto em
como a duqueza d'A... ser presa antes da
noute.
Porque, marquez ? !
Porque ininiga declarada da senhora
de Prie.
E ento ?
No sabes que a marqueza de Prie
amanto do duque de Bourbou ?
' Sei.
Ento, vou dizer-te outra cousa : o
duque de Bourbon primeiro ministro.
. 0 baro empallideceu.
Monsenhor de Frjus contnuou
Simiane^cadeu generosamente o seu lugar.
Esse bom prelado nunca tem pressa. Mas,
descanga, no perder nada em esperar.
De maneira que o meu governo...
Diz-lhe adeus, o mais prudente.
E esse casamento ?
E' preciso repunciares a elle ou con-
CIUMES.Em aples, um capito por
appellido Gordon, disparou um tiro sobre
urna senhora chamada Chiasse, matando-a.
Com outra carga do mesmo revolver se ma-
tou a si proprio.
Os ci mes foram o motor destes criraes.
clui-lo inmediatamente.
Porque o Sr. Borelli, teu futuro so-
gro, que julga fazer um grande negocio
dando-te hoje sua filha, retratar-se-ha ama-
nh, quando souber do teu desvalimento.
Mas, meu caro marquez, ninguem
casa do um dia para o outro.
Casa-se d'uma noute para a manh
seguinte. Consente e ficars casado esta
noute.
Deveras ?
Encarrega-me d'isso. Farei acredi-
tar a teu futuro sogro que da sua dignda-
de parecer dar-te sua filha com completo
desinteresse e antes da tua nomeaco para o
governo da Normandia.
Bravo !
Assim posso preparar tudo ?
0 baro eonsultou o seu relogio.
Espera dez minutosdisse elleSe Os
duas horas no tiver chegado a minha no-
meaco, ters a minha palavra.
Muito bem. *
A morte do regente no ser divulga-
da hoje ?
No, ha medidas a tomar. Estars
casado hoje meia noute, e levars tua mu-
lher, se bem te parecer, para um castello
qualquer.
No ficarei em Pars.
Far-se-ha o casamento em casa do pai,
ilha de S. Luiz, sem pompa.
Pelo contrario, quero dar um baile es-
plendido ; no me caso as trovas ; quero
fazer as cousas em pleno dia.
Em plena noute ao menos.
i Seja assim. Encarregar-te-has dos
convites. Os que no apparecerem indicar-
me-ho a minha conducta futura.
Oh descanga ; esses casamentos esto
muito em moda ; todos apparecero. Alm
d'isso tua mulher sufficienteraente for-
mosa...
Ah 1 devers 1 Alm disso esse por-
menor -me indifferente... para o que eu
quero fazer d'ella...
Tem um aspecto do magestade e urna
belleza que no ficario raal em parte algu-
ma. Arranjar-lhe-hemos urna dignidade na
corte, depois de passada a borrasca.
Deram duas horas. N'esse momento
J*abrio-se a-porta. *
Ah meu Deus I exclamou o baro
eis a minha nomeaco.
0 baro enganava-se. Era simplesmente
o criado de quarto de duque d'A... que vi-
nha confidencialmente adverti-lo de que a
duqueza tinha sido presa na sua carruagem
havia urna hora na occasiao era que entrava
para o. seu palacio.
Pobre duqueza disse o baro com
philosophia.
Que dizes, meu caro ? perguntou o
marquez.
Digo marquezrespondeu fleugmat-
camente o baroque podes preparar tudo;
desposarei esta noute a menina Borelli.
(Continuar-se-ha.)
TYP. DO DIARIO RA DUQUE DE
,


.'>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWCMQTVIV_V0CWNW INGEST_TIME 2013-09-16T21:48:25Z PACKAGE AA00011611_12799
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES