Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12718


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLViH. NUMERO 219
I

)
I
I
j
PAJA i CAPITAL E lUfiABU OIDE IAO U PACA NIR.
for tres metes a Rutados..................
Por neis ditos dem...................
Por na anno idem...... .'...............'
Cada momero svulso........... 4 # 4 ... .
6,9000
amo
145000
sao
i
TERCA FEIRA 24 DE SETEMBRO DE 1812.
pau simo I PORA DA PBOVIICIA.
Por -ei mezas adiantadoa
Por mi ditos idem. .
Por nove ditos idem
Por am anuo idem .
. t. ......
6,17
434800
20*250
27*000
DIARIO DE PEMAMBIJCO.
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filhos.
-'
S.4 ACKSMi!
Ol 8n. Gerardo Antonio AI ves 4 FHhoi, no Pari; Goqm Pinto, no MtranMo ; Joaqnim Jos de Oliveira & Filho, no Cear ; Antonio de Lemos fin*, no Aracatj; Jlo Marta Julio Chaves, no Asan ; Antonio Marqnaa da Silva, oo Natal; Jos Ji
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; Angosto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penba : Belaraino dos Santos Bulcio, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agniar, em Goyanna; Francino Tavarea da Costa, em Alagoas; Alves & C, na Babia; e Leite, Cerqninho C. no Rio de Janeiro.
PARTE OmCIAl.
Covei-no da provincia.
DESPACHOS DA PRKSIDBiNClA Di 21' DE SKTE.MUBO DE
1872.
T*ote coronel Alxaodre Angosto de Frias Vil-
lar. Fjroe^a se.
Antonio Muniz Machado.Satisfasa o sapplcau-
le a eiigenca da tbesourana da fazeoda, relativa-
mente ao pagamoulo de fos.
Angnello Heraclio de Araujo Parnambuco.
Aguarde o supplicaote a abertura do necsasario
crdito.
Eustaquio Mane! e outro.Remanido ao Sr. ins-
pector do arsenal da ruannlia, para de canfor-
midade com a su iof rraaco dar o certificado da
que tratam os stipplicanie.s, cuj misso tica con-
siderada linda.
Francisco Paulo de Merase. Dirija-se ao Sr. ge-
reate da compaohia Peraambncana.
Jj Fernandes da Sileira Dallro.loforeae o
Sr. engeobeiro ebee da repariiso das obras pu-
blicas.
Joaqnim Rodrigues M.iia de Oliveira. Passe
portara na forma do estylo.
Manoel Teixeira de Cirvalho Ralalu.Ramet-
U-se ao juiz de direito da comarca do Bonito, para
de cod ormidade com a le, altender ao soppiicao-
le, atiento a sna pobreza.
Secretaria da presidencia de I'ernimbuco, 23 de
selembro de 1872.
O portero,
Silvino A. Rodrigues.
Reparllco da polica.
t.' seccao.Secretiria da polica de Peroarabu-
co, 23 de setembro de 1872.
N. 1476. Illm a Exm. Sr.Levo ao conbeei-
mento de V. Exc. que, segundo consta das pariici-
pacoes recebidas baje nesta reparlicao, foram re-
;.lhidos casa de del. ni;3o os seguales individuos:
No da 21 do crrente, a miaba ordem Nabura,
escravo do Dr Feoeloo Guedes Alcoforado, Anto-
nio Jos da Oliveira, Maooel Gomas da Silva llago,
Baroardiuo de Senna do Sacramento, Manoel Mana
3 ames da Cunba e Aolcnio Martina Eugeaio, este
como suspeilo de ser desertor o os demats por dis-
turbios.
A'ordem do Dr. juiz substituto do jai da di-
reito do 6.a districto desta cidade, Joaqaim D.as
tftrtus, para cumpnr a pena de caco das de
prisao.
V ordem do subdelegado do Recife, llsrmino Jo-
s Francisco Figiteirn, por deordero.
A' orle.ii do do S. J* Jos", esmvo de Maooel
Paulo da Albuquorque, por andar (agid}.
No dia 22, ordem do subdelega do da Santo An-
tonio, Antonio Germana do Nascimento, Jote Ri-
ta da Silva, Jo-4 ThomazjJos Santo, Leoncio, es-
era vo de Aecendrao Baodeira de Mallo, Sabino, es-
cravo de Antonio da Costa, Froriaoo, escravo de
Miguel da Ba Fm, Manuel Jj Jos Aojos e M>r-
tiobo, e.-cravo da D Mara M-ralain d)S Santos
Gaioariee, os qcatro primeiros minba disposi-
cio e 03 outro', sem declara^ao do motivo.
A' ordem do de S. Jos, Kio Bapusia de Vas-
concellos e FeliciJada Pires da Luz, por embriaguez
e dasordem.
Cim cffl:io de?ta dala, o subdelegado de Santo
Antonio recolheti esta reoirticao, iota e quatro
amas pnb:biJas tomadas por ella as noutes de
iiutena e aDlehontem.
Por cfD:io de 18 deste mez commuDieou-me o
delegado do termo de Agua Pri-'.a que no dia 15,
Manoel Tbomaz da Paxo, morador em trras do
eiigenbo Penderac*. daquelle tormo, ferio grave-
mente com um canivetepunhal a uro seu visioho
da noma Jj; dos San! >s ; que o criminoso foj pre-
so em fligraote ; que a tal ras paito procadera
do:1 termos da I 'i.
J)aus guarda a V. Exc. -Ilra. e Exc. Sr. des
embargad** Franciio de Farias Lamo?, digno
presidente da provincia.O chafe de polica, Luiz
Coneia de Queiroz Barros.
DIARIfi DE PEBNAMBUCO
REGIFE. 21 DE SETEMBRO DE 1872.
noticias da Europa.
Amanheceu honlem em oosso porto o vapor in-
gle Jttritt, da liaba de Liverpool, trazando cartas
e jornaes de Lisboa at 7 do correte, dos quaai
colbemos o que negu :
ALI.F.MANIIA.
Parti da Gisl in para Barum o imperador Gat-
lberme, cbegano aquella cidade no dia 30 de
agosto.
Foi resabido na estacio pelo grao-duque Nico-
lao da Russia, pelo principe Cirios e pelos altos
(unccionarios da corte e do governo.
A imperalrz Augusta cbegou no dia 31 ; o
principe de Bismark do 1' de setembro ; o princi-
pe da GoriscbakjfT esperado do da 3 e o impe-
rador da Russia no dia 5.
O imperador da Rusia lenciona demjrar-se em
barliru at o dia 10 de gosto.
O da 7 ser o principal das fastas, baver de
c'aalia revista,d.' tarde janlar em palacio ; non
le espectculo de gala na opera, e depois a grao-
de retreta com archotes na praca reservada do
pal.eio. Toda a cidade pora luminarias. No dia
9 lia jaotar e baile no palacio novo de Potsdam.
Nao pode ter lugar o baile na embaxada rnssa,
porque o palacio da embaxada se nao presta para
ojicqo digna de taes bespede?.
Estava combinada urna entrevista entre o m
{arador d'Austri. e o imperador da Allemanha em
:lil, ante da entrevista de Berlim ; a esta en-
trevista o3o devia assistir ministro algn), para
que fas-a considerada como um paro acto de
cortezia ; mas o imperador Gailherme mandn
pedir ao imperador d'Anstria pelo conde de Lehu-
drf que o dispensasse- da visita por causa da
urnas fortes dores rheamatcas, de que hava si
do ropen.inameote atacado.
A ooa Impre.isa Lwrt da Vienna atlribae o
tteamatismo do imperador Guilberme aos pas-
seioa maito prolongados qua dava em Gasleln com
a coodessa de Oriolla, e com a condessa Szapary,
e jalga que a desoca do imperador, da mesma
natareza dos incommodo3d4 principe de B smark,
t as podem classicar como achaques diploma
Usos.
O Daily News afflrma que o son la Andrassy di
rigi urna circular ad corpo diplomtico anstriaco,
ajevrando-lbe que a entrevista de Berlim Dio
tac intuitos bos'.is Frao$a, a que o imperador
ympathlsa eom o Sr. Tolers e com a Franca que
uobremente se esforca para recooqaistar urna po
sicao neeessaria ao equilibrio europea.
A cireolar accrescenta que a estabiltdade e a
prosperidade da Turqaia encerrara quesloas de
graode interesse, e que a Russia deseja ver desen-
oliila a civilis;icao no imperio ollomaoo. Cod-
clae dizenlo que a Austria desojara, da accordo
com a Inglaterra e eom a Ruisia adoptar urna po-
ltica conforme eom estas ilas e que nunca se Ta-
ra cmplice de ontroa designios.
O Imperador 'An ira aproveitoo a cir-
comstancia de nao ser visitado em Isehl pelo im-
perador Gal berma, para ir a Pestti abrir a dieta
toaagara, no 1' de setembro, e- pera all o conde de
Andrassy do da 3 ; e do da i partera para Ber
liin com o ebefo de seccao do mioitterio dos oe-
locios estrangairos H liman, o conselheiro ulica
a o coo-lbeiro da secQo Avank. O ior
parador Fraoeiseo Jos tenciona visitar no dia 5
em Dresde o rei da Saxooia, e entrar em Berna
no dia 6 ooote.
A noticia da ser o imperador d'Anstria aeoropa-
obado pelo bario Dapont, que no ministerio dos
estrangeiros est eocarregaio d>s negocios do
Orienta, confirma a noticia de que na conferencia
se bao de tratar largamente e-sos assumplos.
Dlzam de Vienna Gazla. de Augsburgo
que a entrevista de Weimar entra os imperadores
d'Anstria e da Russia, que segundo os diff-rentes
joroaes, devia succeder de Berlim entre os (res
imperadores, nao es' no programma dos monar-
chas. All inca-se qoe o imperador Francisco Jos
se demorar em Berlim at 12 de setembro, don-
de regressar a Vienna, sem passar pala Bo-
hemia.
Tem sido desmentida raais de ama vez a no-
ticia de que o imparador d'Austria devia entregar
ao Imperador Guilharme as insignias da coroaooo
dos aotigos imperadoras da Allemanha. O conde
Strlifried, granmestre de ceremonias da corte,
publicou em Berlim um opsculo dizend) quo o
Imperador Guilharme aceitara a dignidade impe-
rial pirque representa para elle a umdade nacio-
nal, mas qne nao quar os emblemas materiaes
que possam fizer lembrir o saoto imperio.
Diz o Tages-Press que o czar ;ou irritado
eom a recusa do rei da lia viera de ir a Berlim.
O re Luiz da Baviera fundn ama medalha
de ooro destinada a premiar os servieos s sclen-
eias, s lettras a as bellas arles.
Dizern da Munich que o rei encarregara de for-
mar novo gabinete ao Sr. Gasser, conhecdo pelos
seas sentimeotos ull-amntanos.
-r Na Dopulosa cidade de E-seo quizaran) os
cathoheos protestar contra a execucao da lei, que
expulsa os jesutas e trginisaram urna pncisso
com archoles em honra dos jesu'ias a qual se de-
via verificar oa vespera do dia em qae estes de-
viam partir.
A au;ondade prohibi a maoifestaco, donde re-
sultou om molim popular cujas consequencias fo-
ram deploraveis. Houve luta renhida entre os
populares e a polista, sendo demolidas diversas
casas. D: Djsseldorf partiram logo em trem es-
pecial dous batalboes para restabelecerem a ordem.
Foram pre debaixo de escolia para as casa-matas da fortale-
za de Wasel ; a estacao do caminho da forro e a
povoacao esto oceupadas militarmente. Nao se
repetiram as desordens. Os jesutas sahiram no
dia 26 de agosto. Sao esperadas m;-is tro;>as que
flcim sob o commindo do general Von Oberoitz.
A correspoDdenca provincial diz que a lei con-
tra os jesutas ser exacutada em todo o imperio,
cera g maior rigor, e as autoridades recebaran)
ordeos neste sentido.
Os bspos caibolicos do aorta e sal da Alie
manha comDioaram reunirse em Fulda lodos os
dous anoos. A pnmeira reunio dave celebrar-
se no dia 17 de setembro
Foi aprehaodido pala polica o Damero do
jornal catholico de C>louia o Volkszeitung em que
vioha assigna la por setenta e cinco membroj da
oobreza da Westphalia ama measagem de aenti-
mantos aos jesutas expulsos da Prusaia.
Diz a Correspmdencia Provincial que o prin-
cipe de Bismark propozera ao conselho federal a
creaco de um conaelho de salabridade publica.
Esi-3e elaborando o respectivo proje:to de lei;
diz o citado jornal qoe por ora as altribuicoea do
conseibo sero consultivas.
O principe Fre erco Carlos anda em ios-
peccao na Alsacia e I. rana. No dia 29 de agosto
era esperado em Maz, mas nao estava preprala
recepeo cfflcial.
Esparava-se que houvesse festejos em qoasi to-
da allemanha no dia 2 de setembro, anniversario
da batalha de SedaD.
O exarcito alloma) va ter rasU trila e qua-
tro bateras de artilbaria. A artilbaria de campa-
nha do exereito imperial (cara lendo 37 regimen-
t! com 301 bateras de i boceas de figo cada
urna, ou 1,214 ptgis de carapanba.
Falla-se naAllemanha em ama liga para
obstar ao poder iuvasor da Russia.
Conflrma-se a noticia de que aos festejos de
Berlim as'istiram matos principes allemes, mas
que nao assistiram os res de Wurlemberg, da Sa-
xooia e da Baviera.
AUSTRO HUNGRA.
O imperador d' Austria e re da Hungra abri a
Dieta hangar em Pesth no do dia 1-* da setem-
bro.
As dslegacoes das duas dietas da Hungra e da
Cisleitheania devem reunir se a 16 de setembro,
por essa occasiao j o conde de AnJrasy dava ter
regressado da conferencia de Berlim, e tenciona
assistir reunio dasdelegacoes, para ah defender
a poltica estraogeira do governo.
Espera-se a publicacao do Livro encarnado, em
que se fa'la ha lano lempo.
A esqnadra austraca anda em manobras,
ama dos principaes representar a passagem do
Tessioo.
A esqaadra foi a Tunes, mas o governo nao lhe
coDseDtio que fizesse exercieios de desembarque.
ar o recarso de arblragem reconbeeido em pria-
tipio pelo tratado de Pars.
A commisso promotora do coogresso omp5a
St de diplmalas, estadistas, deputados e qoasi to-
jos os membros da sociedade franceza de socar-
ros aoi feridos.
Os assnmptos que hio de ser sabmettidos ao con-
Srasso di videra se em internacionaes e soeiaes.
asi todas aa potencias europeas sero represen-
tadas no coogresso.
Diz-se qae o Sr. Thiers fora eansoltalo pelo
Dasmeote-se o boato da vagem do principa
llumbario a Madrid.
GRECIA.
O governo grego emoreheodeu difl 'reates refor-
mas administrativas e supprimio por illegaes mul-
tas pens5ss e emprego.
D z-se qae ha aova crise ministerial em con-e
qneochPeTinia nota do Sr. de Rmusat relativa
iot-rminavel aaesrio des minas de Laoriam.
Dizern de .^ihaoas que o governo das principa
dos Danubianos maulara prender o consol da
papa, e qae responder indicando as contrarela- I^Greeia em JJraila, que o soltara depois e qae o go
FRANCA.
des que loe suscitara a presenca do Puntillee de
clarando qae nao permiitiria a reaniio do con-
clave in Franca.
Diz-se que o motivo porque o principe de
Galles nao visitn em Trouville o Sr. Tniers, fdra
pof viajar incgnito.
Cbegou a Versalle3 o Sr. Jalio Favre, para
depor do processo do marechal Bizaine.
O Rappel ella os ames de doai meosageiros
qae eniregaram ao mure :hal Bataine em Metz, co-
pia dos despachos da M?c-Mahon, e qae vio ser
citados como testemnnhas no processo. Um o
commissario de polica de Tluonvill" o Sr. mare-
chal que actualmente j-eside em Pars. Os dous
meosageiros partiram de Tbionville do dta 28 de
agosto. O Sr. marechal chegou no dia 29 s tres
horas da larde aos arredores le Metz onde eu:on
irou o marechal Bazaioe rodeado pelo seo estado
maior, e eotregoo Iba o despacho qae Iba tora
eoorlado pelo coronel-Toaroier, eommandante da
Tbiooville. O segando meosagero o Sr. Flao, en-
iregou o sea no illa immediato 30 de agosto.
O depoimeolo deslas tesiemanbas comprometa
mailo o marechal Bazaioe, a cuja inaccio se de-
vera em graode parte os ltimos desastres da goer-
/a fraoco-prussian*.
Roebefori foi traosferido de Oleroa para 8.
Martin de R por cansa dos seas soffrimentos.
Padece de gastralgia, qae se tem ltimamente
aggravado bastaote.
Dizern os ulticuoj telegrammas da Pars que
inexacto que o governo se tenha eccupadoda tras-
ladado da assembla para Pars.
Alfianca-se qae esta qnasiao s ser ventilada
depois da reunio ofOeial da aasembla.
GRAN BKTANHA.
O tribunal tem lido varias sess5as: A's de.29 e
3U de agosto assistiram f 03 arbitros; apezar do
tribaoal trabalbar oo maior segredo, parece te-
rem-se concluido as discussdes dos pontos pnoci-
paas, e comecarem as deliberacsSes ; tratase da
iixar a imporiaoeia da perdis e Jamao?.
O disiriclos da Irlanda em que hoave desor-
dens, esto sob as preseripcjjes da lei marcial,
chamada, da preservadlo da p-z.
Ha Iranqoiliiladeem Belfasl. Os prejuizos cau-
sados pelas desrdeos ava'iam-se em 60 mil libras
slerlioas.
Em Drogheds ( Leinsier ) e armas por st dizer qae os'catlulicos quarem mal-
lar lodos oa protestaate. ,
J termiaoa a greve dos padeiros era Dablia.
Hoave n'aquellt cidade algamas desordens depilas
a falla de po.
A lai marcial qoe est em vigor em parte da
Irlaoda a de 1816, tornadas as saas disposicoas
mais resiriellvas para as leis especiaes de 1870 e
1871, qae foram s decretadas eom applicaco
Irlaoda.
Oa padeiros de Lmdre3 e-to tambera em
grve.
As Grvas dos oalres edfleadares da casas ter-
minaram j.
Agila se na imprenta iogleza urna questo
bastante interessanla relativamente Asia, a do
projecto de am caminho de ferro no valle do Ea-
pbrates, e que rivalisar era importancia com a
dos Americanos eotre o Atlntico e o Pacifico.
O valla d) Euphralas, poria a laglatena em
commuDica^ao com a India, por una va mais fa-
voravel ainda que a do canal de Suez, por Alepo,
do golfo da Persia e Bagdad.
Calcula se a despeza em dez milbSes de libras
iterlinas, mas como se receia, em consequencias
dos grandes calores de urna parte do anno, da
escassez da popolacao n'aquellas reginas, e do tra-
fico cOmmercal, qae nao baja empreza particular
que tome este grandioso camioho de farro, saben
do que nos primeiros anuos s podar prodoiir
o necessaro para o seu costeio, sem dar intefesse
algum, o governo da Turquia, por iotermeJio do
seu embaixador era Londres, propoz ae averno
inglez que a Inglaterra conceda 4 por cento de
jaro ii acc5es, ao pa3g que o imperio turco dar
gratuitamente todos os terreos qae atrivsssar
aquella eoorrae camioho de ferro.
As tropas oglezas que forera para a Iadia terio
passagem gratuita, tal qual como as tropas olto
manas destinadas Truquia asitica.
A imprensa ingleza diz qae seria ama vergonha
para a Gran-Bretaobs, nao coatribuir para esta
grande obra que abrir civilisaco e ao coramer-
co de mundo os paze3 mais ricos da Ierra, qoaodo
os Estados-Unidos noiram, por meio dos asertos,
com am camioho de ferro, o Atlntico com o Pa-
cifico.
O governo fraocez participou Prassia qae (en-
dona comecar oeste mez o pagamento do quinto
meio milbar de francos. Espera-se qae a evaca
cao dos departamectos do Mame e do Haute-Mar-
ne se pos-a veridear ainda na primeira quiozeoa
da setembro. ,
O ministro do interior recommeodon em ama
circular qae se nao le.-tejasse o dia 4 de setembro
aooiversario da revoluto que derrubou o seg.ado
imperio. x
O goveroo prassiano propoz ao goveroo fran-
cez ooir o Rheno eom o Rhodano por meio de um
graode canal qae poria assim em coramanieacio
lluvial os mares do Norte e Mediterrneo.
As cidadas anseticas sao as mais ioieressadas
oa construeco deste canal.
Na sesso da coramissao permaoeote em 30
de agosto, o ministro dos negocios estrangeiros ex
poz a situacio iaieriordo pan assegaraado qae
ha tranqniliidale em toda a parte.
O Sr. Remusal respoodeodo ao Sr. Pagas Da-
prat acerca da intrevlsla dos tres imperadores, dis-
se qae o goverao, de modo algum se inquieta cora
os resaltados, tendo plena confianca oa cordura
qae ha de presidir a entrevista.
O embaixador francez em Vienna foi a Trou-
ville conferenciar com o Sr. Thiers.
Qoe todos 03 diplmalas francezes tem ido a
Trouville confereociar com o presidente da rep-
blica.
Chegoa a Paris o conde de Fonleny eoear-
regado por parte do goveroo austraco de tratar
assuroptos relativos ao tratado da commercio.
As sesses dos conselhos geraes esli qoasi
eocerradas; em todo preponderoa o desojo de
nao crear difficuldades ao governo. Mauifrstou se
por grande maioria o desejo de iostrueco gratui-
ta e obrigatoria, mas Dio obsolulamaote leiga.
O Sor dando eoola deste faeto Dota que a oe-
cessidade de instruccao tal qae se Dio pode dis-
pensar o concurso de pessoa alguma, e qae sena
loucura recular a dos padre;, s porque trajam
batioa preta, e eosiaamxi moral do eaibecismo.
J lerminaram em Trouville as experiencia
da artilbaria.
Devia reunirse em Paris too dia 15 de setembro
o coogresso interoBClonal da civilisacio. O seu
fim principal estudar as reformas e memora-
meatos que se devem iolrodazir do d reito das gen-
tes em tempo de paz e no de guerra, e quae3 os
meios coai} proptios para desenvolver e aeaeraii-
da e uos 10 eavallos, foi eollocar se defronle portos do Prcifleo denomnada While Staa Um.
da casa do pagamento, qae Oca prxima da esta- |0g Estrella Branca, val comecar a carreira io
e Brasil, Montevideo e portos da mar Pacifico; eom
ealli
A rainha dea ao Sr. Stanley urna caixi de
tabaco eom magnficos brilhantes, e lord Gran-
ville o'uma carta diz Ibs-qaaoto a rainha apreciou
o seu zelo e prudencia era procurar o Dr. Livmgs
tone.
Os ollimos telegrammas dizam qae a ultima
sesso do tribunal de Ganebra bavia dorado tres
horas; e que a prxima reaniio devia ser no da
5, qae se julgava que a senlenija brevemente ap
parecera. No dia 7 dara o conselho de estado um
banquete aos membros do tribunal.
O Globe de 31 diz qae o partido conservador
Dio destruir a Igreja oem o estado, mas procu-
rar melhorar o estado soeial e ecooomico da a-
fio pela reforma das leis edas praticaa adminis-
trativas, por meio do eosioo, baseado no christia-
oismo, pela liberdade religiosa, e pelo empeoh)
em sustentar a forca e a honra do reino. Assim
voltario ca forrea a ser conservadores rediflcadores
populares e coastitucionaes.
Um telegramma de Londres, em 5, reeeb lo
em Lisboa, diz estar sendo devoradi pelas cbam
mas a catbedral de Canterbury, om dos mala no-
lavis monumento? religiosos da Gran-Brelanha, no
qual se achava o tmulo de S. Tbomaz Bei-kel,
marlyrizado em Londras em 1170. E-se templo
era a sede de um arcebispado, cajo titular pri-
ma?, da toda a Inglaterra. Fieava as.-ente no coo-
dado da Keot, aobre o rio Slour, a 75 kilomelros
sueste de Londres.
ITALU.
Morrem em Roma do dia 27, quasi repeotina-
raeote o cardeal Qaaglia qoe coouva 70 annos.
Ha j 27 logares vagos do Sacro Collegio.
O bispo de Mooopoli (aples) requeren ao
goveroo ceouiafHr, apreseatando a boina da do-
meacao.
As escolas eeclasiasticas tiveram ordem do
governo para reeeberem os inspectores civs, so*
pena de seren encerradas.
Foi autonsaia a continuacao de qaatro escolas
dirigav por ecclesiasiieos, que declararam sujai-
tar-se s leis do estado.
O goverao italiano est aegiciaolo um trata-
do de commercio com a Greeia. *
O geoeral Ricci vae a Paris ao congresso de
pesos e medidas.
O rei Vctor Maooel ioaugurou no dia 26 em
Milo a ex posicio artstica.
No dia 29 passon urna revista a 40 mil bomeos
no campo de Sajorna,- partindo en seguid* para
Floreos i. *
verno grego protestara cootra este proeedimenio.
TOBQOIA.
As oaaiaacSes feilaa peki oivogri) visir Midhat-
Pacha, alo geralraeote approvadas, prlocipalmeole
a (te Djmil-Pactia para a pasta dos esiraageiroi,
que ajidos logares mais importantes do goveroo
oa siiuacio actual d t Turqaia, eollosada como
est entfe as ioll lencias rivaes das grandes poten-
cias.
Diz se qua o aovo goverao prepara grandes re-
formas administrativa*.
Vai ser aoroaado ministro da guerra Hasseia
A ni Pteb I
Dit-se qae vai para Paris como embaixador
Safvet-Paeha, ministro da jas i ;a, tm logar de Ser-
ver-Pacha, qae pedio para nao ser oomeado para
lal cargo.
A legacao iogleza em Constaotinopla, empa-
nha-se em melhorar a saacao des portadores de
obrigsoii turcas.
SERVIA.
Depoii de urna proclamaco do pova iaformaa -
de-o de qae toma va posse do giverao, por haver
ehegad < a maioridade, o principe Miln proceden
aoraeasao do nota.ministerio, a escolhea para as
pastas da guerra e dos estraogeiroi os Srs. Blasoa-
vacs e Pristiea, qae faziam parte da regencia.
O primeiro foi Domaado presidenta do conselho
de ministros
O) ministros demiltidos foram oomeados sena-
dores. -
Na proel amasa i o principe Uilao agradase os
qae o edacaram e Iha entregaran] og)varoodo
paiz prospero e cootan-e, promette govaraar coas-
titueioaalraeata e seguir os examplos dos seus
maiores.
Tbem sido explendidas as festas da coroagao. Ha
socego apaiar de surera all quareota mil estraa-
geros O priaeips da sueeeasivos bailes e jacta-
re-.
A Italia raiolou ao principa Miln, por ioterrae-
dia de seo reprejeolaote as fastas de Balgrado, a
gr-cruz da ordem de 3. Maaricia e S. Lzaro.
RUSSIA.
No dia.22 abrio-se em S. Petarsbargo a 1* ses-
so do aoogris-o estatistico. O gr-duqua Cms-
tantioo oronaociou o discurso da abertura.
O Ciar e o gri da qua herdeiro cnegaram ao
da 2> de agosto a Nowotseherkxik O impera-
dor dep: U do serv-s-a divino, receban os represaa-
taales do exereito cossaco, e a-segaron has a don-
tinaaca da sua benevolencia, e dise Ibes qae
com a fiav'de aasegarar a paz, ia empreheader urna
viageojTto etrangeiro, esperando qa a sua va-
gem oa; flearia sem resoltado para a Russia.
IAPAO.
Dizern do Japo que foi suffo:ala ama revolla
promovida era Nuogata por um sacerdote com o
auxilio de cera officiaes.
C >oiavam os conspiradores com mais de 40,000
horneas; sucenmbiram quasi lodos os officiaes que
capitaoeavam es insurgente'.
Hoave tambera desordens na provincia de Mitd.
PORTUGAL
Em 6 do correte escreve dosso correspoo-
deate de Lisboa :
t Continua com graode f .reja o processo coaira
oa coaspiradores.
i Tolos os sargentos que dos cornos da capital
foram transfarjdos para oa das provincia?, lavaram
baixa ds pos, foram pastos iaeommanieaveis, e
agora tirara mauladas regressar a Ltsboa, e abi
mandados para dilTerenias prisoas, d'onde ho da
ir respender no competente tribunal. No ioqueri-
10 das teslemuohas tem havido algum*?, que se
(eemdemralo com o juiz 4 e 5 horas. Teem sido
revelacoos do que se passara as reunidas secre-
tas. O que faeto qne parece ser o marquez
d'Aog-ja o ctufe do projectado movimento auxilia-
do pelo bario de Pomanobo de quara, se esperam
revelabas importan-sims-.
Pub icarara os jornaes urna carta do general
Sobral, oa qual se admira da rigor cora que ira
tado ; pois coasarvou se sempre era Pauiche, ooJe
eslava feito goveroador interino, ede modo algara
se envolva dos mov,mantos proyectados. O qoe se
oa p Ja negar que o poder judicial, eocootron
fundamento para a pronuncia e que algans dos bo-
rneas qae ogararam na emboscada de 19 de maio
de 1870, detta vez se prepararan) para a revolta.
No da 30 ooiiioha, foi preso o Sr. Cario
Ramiro Contioho, visconde de-Oaguella, pelo ad-
mioisirador do respeelivo bairro. la pala roa oo-
va d) Carmo, e recebeu a voz de priso do admi-
nistrador, i. qual Dio oppoz resistencia alguma,
deixaado-se condoz r para a eadtia do Limoero,
oole permacece.
O conde de Magalhaes, ministro que foi no ga-
binete de 19 de maio, ou dos 100 das, tambera
foi procurado ; mas poade se escapar a tempo de
nao ser encontrado em casa, a qual contioaa a es-
tar vigiada pela polica civil; assim como a do
marquez d Aogejaproeedeado as mais minucio-
sas iodagasdas, soabe qae a pronuncia lavrada
pelo competente-juiz, foi em virtude do arl. 144 do
cdigo penal, qoe diz assim : _
t Todo o portaguez qae conjurar contra a 3ega-
t ranea exterior do estado, ecuceruodo eon ou-
tras ou mais passoas, e fizando a sua resolusao
i de commelter qaalquerd>s erimes declarados
c nos dous ariigos antecedentes, ser condemnio,
i se a cnjaraejao f&r seguida de algara acto pre-
paratoru de exeeaso, peoa de degredo per-
c peine.
c uoico. Sa nao fr seguida de algara acto
i preparatorio de exaeucao, ser coademoado a
c degredo temporario.
t Este artigo e seu paragrapho tem iolima rala-
nao com o arl. 171 do cdigo peaal, que classiB-
ca os erimes de rebelliao, comprehendaodo oa qae
exeitarem os babitaotes do territorio portaguez a
guerra civil, e se deverem coosiderar autores, se
gando as regras garaes da le, e 03 que exeitarem
os babitaules de territorio portugus ou a quaes
qutr militares ao servico portuguez de-terra e di
mar, e levantaren.se contra a aulondide real, ou
contra o hore exercicio das (acuidades constitu-
ctonaes dos ministros da cori, t se deverem con-
siderar autores, etc.
a Fallase era qoe o conde de Magalhaes passou
ao' estraogeiro. Fallaeeu Iba por esses das, ama
tilba 12 aooos de idade. Sua esposa Qeava doeo-
l, sobre parlo. Falla se em qua ha moitas outras
pessoas e em elevada posiso qae serio pronun-
ciada. Foi revistado com o maior cuidado -o pa-
lacio do viscoDde de Valmor, por soppor-se -que
estava altt escondido o coode de Magalhaes.
A guarda.municipal iiin estado am armas e
correa o boato de desordens populares para o lado
do camioho da ferro do norte. A verigaado o ca
so soube-se qae erara iofuadados os boatos, e
3ue apeaas aigons empregados da compaobla
at agaas por terem sido despedidos, se revol-
taram, ameasaoio os empregados superiores, e
declapaolo que alo obedeceran) lolmasao de
desfiedila. Era prseos a de tal sitoaco a direc-
ca pedio auxilio da polica para o da do paga-
miento, em cooseqqeacia .do qua o eommaadao-
isferaiooo 190 prasa a iafantaria da uar-
co da camioho de ferro,
nada se reeeiar.
< Coniiouam as denuncias que dizern haver na
cidade, depsitos de amas. Bascas iofrucliferas se
leem feito, e a polica Dio parda da vista os arma
zeas, agencias ou ainda peqaenos depsitos onde
se veolem armas, para coohecer e laes foroeci-
meolos leirn, por fim outro destino que nao seja o
commercio licito.
Tara sido presos raas algoos sargeato?. Con-
lioua o ioquenl judicial.
Remato estas noticias por dizar-lhes qoa do
da 2 do correte, foram ao tribunal da Boa Hora
o bario de Poraarinhi eo coronel Theolonio Bor-
ges, competeoieraeote aeompaohades por officiaes
la exereito de igaaes pateles. Desembarcaram
do arsenal de marinba, e esto presos bordo da
fragata O. Fernando, e dalii seguram em treos
para o tribunal.
Est orgaoisada ama companhia em Lisb>,
de ndole nova em Portugal, e que dava levar mul-
tas vantageos para as familias qae teem filhos su-
geitas ao recratamento mais on menos remolo. O
fim de tal eompanba por meio de pequeas ao-
aaidades oa por qaaotia paga por urna s vez,
proporcionar o livrament) a dioheiro aos manee
Dos que forera apurados para o servico militar em
primeira liaba. Brevemeoie ser lavrada a escrip-
tura de sociedade, comesanlo esta a fuucciooar
por meio de agencias establecidas oas ttrr;sde
mais importancia. Os directores da aova compa-
abia sio os senbores Antonio de Serpa Pimeolel,
raraistro de estado hooorario, Claudio Ju.- Nuoes,
aotigo depalad); Fraocisca da Silveira Vianna,
sanao oa substituios o> senbores Jos de Mello
Gouvaia, Jos Mara dos Saotos e bario Ferreira
Jos Santas. Para fiseaes foram comalos 03 Srs.
Carlos Ferreira dos Saotos e Silva, Antouio Tbo-
maz Pacheco e Fiamiaoo dos Aoj's. O oresideoie
da assembla geral sero Sr. Fredenco Ferreira e
vice-presideoie o Sr. cooselbeiro Francisco Cha-
miso. O capital social na importaocia da 640
contos de ris em ciaea series de 128 cootos cada
urna, e das quaes a primeira j est subscripta
pelos cvalbeiros citados, alm dos Srs. Francisco
Izidoro Vaoaa,Aalooio Pinto da Fonceca e seas
irruios e JosJ Ribeiro da Cuoba. Brevemeota se-
rio publicadas as (aballas para esta especie da se-
guros a qual ooder, eomesar desde o oasciraeolo
Je qaalquer at ao dia em qae elle eoraplatar 19
aooos da idade.
O Sr. bispo eleilo do Algarve j ealregou o re-
latado da commissio encarregaa d. formular o
projacto de reforma do seminario de Sernacbe-Jo-
Bom-Jarlim, para as mis-oes ultramarina?.
Esto a bordo do vapor Inlia, e destioam-se
para Mocambiqae ao serviso da oivaganio a va-
por ao Zambeze, qaatro lanchas de ferro artilha-
das para coniuso de passageros e geoeros, ama
casa ds Ierro, um plano inclinado, qaatro sorras
circulares movidas por data pequeas machinas
de vapor, ama offinaa coniylea cora urna locomo
val, grande namero de fobresaleules para repara-
Sdas e para o eqaipsraeato dos vapores.
Visto o estado de fermenlasio que lavra em ai-
gaos pontos de Portugal, e ajuelle em qae est
toda a Hespauna, foi adoptado em conselho da mi
oislro?, qoa o depwilo de emigrados hespanhas
fdsse na ilha da Maleira, como j llias dis-e na
minba de 27. Ciegaram, pois, da Laira e d'ou-
tros pontos, cooveaiantemenie escoilades, alguna
emigrados baspanhas, eotre ellas am coroael, ara
suballerno e um panano da distmecio. Um e-ca-
ler do arsenal de marrana condazara os da crvela
Estephama, onde foram acuartelados, para o vapor
Cambridge, qua os levou aquella ilha.
Foi presentada ao ministro do reino ama re-
presentarlo que a sociedade das sciensias madicas
diriga a el rei, pedndo a reforma doa e-tabeleci-
raealos bospitalares do reino, em confarmidada
com os orogressos da3 scencias e com as altas as-
piracofs da madicina. Foi en;arregada da anro-
sentaso mesa da sociedade, composta dos Drs.
Barboza, Ferraz de Micedo e Cmara Cioral.
Deu-se na alfandega de L'sba, am caso muit)
ootavel. Foi despachada urna eaixa comeado re j-
gos.a qual foi trocada ao sahird'quella casa fiscal,
ev.,da para casa da seu dono, em vez de seguir
para o Porto, como bavia sido despachada. Em
vista da lei, que torna rosponsaveis pelos aetos dos
caixeiros, os donos das mercaaeras, foi o consigna-
tario multado pelo director da alfaadega na impor-
tancia de 2:3*6200, isto D) valor de 133 relo-
gios de prata, e 53 de oaro, aggravado com o da-
uro dos direilos.
O mencionado consignatario pagou os direi-
los dos rel.-gios faz o deposito da multa a que foi
condemnado, e requeren superiormente contra a
senteos. O caixeiro e o agente da dsspacho fo-
ram prohibidos de despachar oa alfaBdega, inde-
peodeotemeate de qaalquer procadimeoto criminal
que possa baver contra elle?.
a Foi deferido pelo governo o pedido feito cm
lempas pelo bario de Agua Ic, e de qae dei Boti-
ca oeste logar, para :onstruir 'sua cus'.a um for-
te na ilba de S. Thom, lado de oeste da baha e
porto da praia Rei, que se deoomioar D. Luiz Pri-
meiro.
< O asylo dos filhos dos soldados den este anno
para o exereito : dez segundos sargento?, sele tur-
rieis e dous cabos, sendo seis para a arma de ca-
vallaria, e os restantes para cacadores e infama-
ras.
Foi ordenados pela repariico competeote qae
lodos os presos qu forera para degredo sejam
vaccioados previarante. E' para "evitar a repeii-
cao de accidentes eomo o que se dau cora o vapor
D. Pedrj, que lendo chegado ao seu deslino, leve
de fazer qaareoteo par levar bexigas a bordo.
i E'antigaa mauia das foihai Despachlas de
quererem fazer acreditar os seut leiiores de que
era Portugal estaa todos morreado da desejos par
entregar a sua independencia oas mas daqaella
feliz Dacaa.
c At agora teem sido os joroaes bespaohes,
ha das foi o Diario de Cadix. Arciulectoa urna
columna de petas acarea da tentativa de revolta,
assegurando que existan) dous grandes partidos
ibricos, um para a federasio republieaoa e outro
para a mooarcbia unitaria.
< O cnsul portaguez n'aqualla cidade, proles
lou enrgicamente eantra laes ditos. Fez bem,
porque efhclivameote Por.ugil qutr, ple e deve
ser, oasceu livre e indepeodante.
Sabio da alfandega o eaixiie com as condeco
rasdes do Brasil. Foi para casa do Sr. ministro
daquella corte.
< O marquez de Si, eomo presidente do jury de
classiflcacJo dos projectoa para a coasiraesa de
um asylo em Viaana do Cistallo, solicitan e foi
Iba concedida ama das salas da academia real
das bailas-arles, para oella se collocarem dgvida-
raenta 03 referidos projactos, aQm de ssrem exa-
minalos e depois expostos ao publico.
t Tara tomado proporedes animadoras a pesija
do coral nos mares do arehipelago de Cibo-Verde.
Desde 30 de jonho da 1858 at 110 de juoho u'limo
teem-se exportado d'alh para differeDtes portos na-
cionae3 e eslrangeros, grandes poredes, qae sao
orsadas em 238:357*513. Os povos d'aquella oos-
la dose muito a exploras* aos ri001 banoos Que
all axistem do precioso zoapbito.
Assegura-se qoa por todo a'es de setembro
deve ficar paga loda a divida fluciaante de Por-
< O active da compaohia gera! do crdito pre-
dial porlagoez, em 31 je julbo de 1872, (oi de...
19,016:805**73 rs.
< A aova carraira da patjaaies para o Brasil e
o vapor Repblica, de 5,500 toneladas, e de for-
Sa de 3,200 eavallos. Saha de Liveroool em 5 d*
oatabro, locando em Lisboa. No Porto sao ten-
les da companhia os Srs. Rawas A C. Uat vapor
desta compaobia fez ltimamente a viagam raas
rpida eotre Liverpool e Nova-York, islo am
meaos de 8 das I
- A' compaobia tem actualmente 6 vapores, dos
quaes o de menor lotasie de 5,000 loneladaa.
Qaalquer destes barcos pode comparar-te a am
hotel de i.* classe; pois tem saldes, salas para fu-
mar, qaartos de baobo, bibliotheca, eampatobat
elctricas etc. Alguu; leem accommodasSat para
1,150 passageros. N'um delles, o Adriatie, t ao
sali, sala de cooversase para seobora?, dormi-
torios, sao empregados cerca de 300 bicos degax,
extrahido de am oleo nao explosivo, fabricado oo
proprio oavio. O gazometro esl colloeado o'am
compartimeoto de ferro. Sao barcos d'um laxa a
perfaicao de coaslruccio nunca vistos. CoaaU
que a companhia val brevemeote augmentar o
numero dos acluaes com eutros arada de maiores
naooaoat.
t Effectuaram-sa no da 22 no Conservatorio
Real de. Msica, os exames dos alomos do 7/
anno, que o ultimo do piano. Erara 3 os exa-
minandos : duas meninas e o alumno Eroani Bra-
ga. A este ul i rao arbitrou-lhe o jury, 20 valores
O qua quar dizer eoexeedivel, na elaasa da
alumnos.
t Sempre se veriflcoa oo dia qae eslava destinado
a regala promovida pelo Club Naval Portuense.
Deram-se 6 corridas, entrando em cada urna bar-
cos de dif.rentes oaturezas. Duas das corri-
das foram para individuos que nao Dertencetseni
ao club. Esleve urna fesia brilhaote a ani-
mada.
Heuoio-se oa Porto a assembla geral doa ac-
ciooistas da compaohia da fabrica de Crestn,
ali.ii de oovir ler o relat rio, do qual se v qoe *.
Ilaso augraentou cora relasao ao primeiro semes-
tre de 71, 5.650 kilos, e eom relaco ao da 7 >,
16,846. Segundo o balaocete, se o segando se-
me.-ire corresponder ao primeiro, podem os accio-
nistas contar com um lucro superior a 16 / so-
bre o val.r nominal das suas acc;s.
A caohooeira Rio Deuro, actualmente em
construeco no arsenal de marinba, deve reeeber
machina de alta e baixa pre-a de f.irca de 100
cavados e propulsor de. GruHih. Os irabalbos de
construcsia vio aJiantaJos; ma3 nao ser posai-
vel, dizem os entendidos so assurapto, ser Ul oa-
vio laogado ao mar anda esta anno.
c Falla-se oo esubelacimanto d'uma grande fa-
brica de algodio a vapor, n'um do3 arrabaldea do
Porto.
c G impletou 80 aooos o Sr. Joaquina Aotoah
de Aguiar, ara dos primeiros vallas polticos d>
Portugal. Nasceu ao reinado da D Mara 1, e al -
cansn tolos os qua se saguiram al ao actual do
Sr. D. Luiz I.
Esta longa vida comee, ida no ensin'o da direi -
to da nniversidade, foi mais tarde paesada na de-
feza e maouteosio dos principios liberaos, com
depulado, ministro, par do reino, presideote do
conseibo e cooselbeiro da estado. Hoja descansa
de laata fadiga, e lera a sati-facij de ser igual-
mente estimado e querido i re e do povo, e ve-
nerado por quantos apreciara as soas elevada-.
qualidadas domesticas e virtudes cvicas. Na his-
toria moderna da Portugal descmpeohi esta an-
ciio om dos primeiros lugares. Tem passado bas-
tante iocommodado; iacommodo a qae, oem
re, se lera mostrada indilTrente; poli que ja o
foi visitar a ;ua propria casa Juas veze?. Vai ago-
ra m el ber.
i Para evitar lentasSas sioistras, recolben ao
deposito de material de guerra lid o o armamen-
to, taoto do Collegio Militar de Mafra, como do
Asylo dos Hilaos dos sida los estabelecidos tamben*
naquella villa. Constava de multas caraDioas a
alguma aminora.
Parece que se realisa no da 27 do corrale,
a inaugurar) do monumento Jo Bussaco. E' o
glorioso anuiversaro da grande batalba dada oa-
quellas alturas em defeza da iutegridade do lerh-
torio portuguez contra os exercilos da Napoleo 1.
A estrella de cristal, que ha da coroar o monu-
ni rato e qua era a uoica circunstancia que pode-
rla obsiar a que se oi> realisasse a fesiividade no
dia desojado, esl defioitivameote fundida e traba-
ban) com (oda actividade 6 rodas de ferro a lapi-
dar os diffareotes raios de que ella se comp5a. *S'
o primeiro monumento deste genero na Europa. A
eeremoala dave ser feila com grande pompa, poi
falla-se em que assistir el-rei. A aireccao d>
pane religiosa esl incumbida ao Sr. bispo-eoodo
de Cambra, e o sermio ao Sr. Dr. Redrigues, len-
te da universidade. Ouvi dizer que ser convida-
do o governo inglez a fazer representar a sua na-
Sio por delegados seus. Relalarei o que sa
passar.
a Os vapores do Zambeze, Ttte c Sena, desda -
qae sabrrara de Maltha, teem encontrado seas re-
vezos oa viagem. Finalmente j aportaram a
Suez. Esperara em Aden pelo vapor transporte
India, para ebegarem ao seu destino; deveodo eo-
lio eomesar a carapanba contra o famigerado
Bonga.
t No dia 26, pelas 10 horas da manha, visiten
todas as officinas do arsenal de mirinba, o respec-
tivo ministro o Sr. Jayrae Mooiz Acompaooava-o
o cooselbeiro superintendente daquelle eslabeleci-
menio militar e fabril. O ministro mostrou s*
muilo satisfeito da boa ordem em qoe encontrn.
o andamento dos diversos trabalbos e do estado da
asseio e arraojo em qae existe aquella importante
fabrica. Davia concluir se neste mesmo da |a
descarga do oavio qoe tem estado junto ponte
do mesmo arsenal, e que veio de Riga carregado
de madeira para consiruccoes malitimas. Actual-
mente o dosso arsenal tem om abuodanle provi-
mento de material, taoto em madeira, como em co-
bre e ferro.
c Chegaram de Brdeos no paquete francs Gi-
ronde como Ibes disse ultima hora, na mina*
caria de 27 do passado, S. M. El-Rei o Sr. D. Fer-
nando, e a Sra. condessa de Edla, o camarista,
conde das Alcacovas e 7 pessoas de serviso. Lo-
go qua o paquete parcu em B.lem para reeeber a,
visita de sale, parti para bordo oo vaper Lms-
/unojaua alteza o Sr. infante D. Augusto, acompa-
nbado pelo ten oQkial s ordeos. Para bordo lar-
g.-.u igual mete urna galeota que eslava junto so
caes aguardando a ehegadde Sua Magestade. 0>
Ilustres viajantes e as pessoas da ana comitiva,
bem como o Sr. infante D. Augusto desembarca-
ram poueo deqois o; caes de Belem. Foram ah
cumprimentados por differentes corporacaes ees-
pecialmente pelos militares. O Sr. rafante D. An-
gosto deo a seo augusto pai um jamar oo sea pa-
lacio das Necessidadas, onde houve ama briltuuto
illumioacio. El-Rei D. Luiz dea um iaolar d
familia para commemorar o regresso de sea au-
gusto pai. Assistiram as damas, camaristas, ves-
dores, ajudautes de campo, de ordeos, taoto os d
serviso como de foiga; o ministerio, mdicos d <
serviso e officiaes da guarda. O jaotar eosatcou
a 8 da noite, termioaodo s 9 horas e meia. Voi
servido oa sala de marmore, em cuja lagar, a me-
sa, como sempre, estava artstica e ricamente d*>-
posta. A "Charanga de laneeiro que ama vera-
deira banda de msica, j pelo bem da execucao,
como pelo ouraero dos exeeutaoles, postad a
casa contigua, mais urna vea provoo o sea jas
mereciraeuto ao desempenoo de boa e esooiBiaa
msica, tocaodo durante ojautar. O cale ro se
vido oa risa sala sai, qoe tu parle 44os spjssi};


Se))))


3
Divio % Penuunbtic* LL Terqa feira 24 d Setembro d 1872

.**'
tos d'Kl'Rei. Presidio a maror alegtia o jaotr> o
ama e Mu.
* Deu-se urna grava desordem n'nroa fabrica
de tecidos em Oeiras, villa, cinco leguas arredada
de hsboa o para o sal. Alguns operarios qoizeram
-matar o rnachioista, por este se prestar a aperfel-
miras. Fot preciso o auxilio de irop, e foram
despedidos q oaiorze operarios, e urna molher qae
vr a meatra tes mulheres que trabalhara em bar-
rete.
aa doloroso saccesso acaba de ter logar na
coala do Porto. O vapor s*panhol Perseneranza,
procedente de Cadix econi destino a Gorooba e
Biyeoa, oaofragoa odia 27 de agosto, pelas 8
oras da noute, em Leixae. O que tornou co-
shecido este triste Caoto. j pelas 5 horas da raa<
riba de 28, entrar barra do Porta, ora bote con
iiutalo 8 oessoas, endo 5 passageiros e 3 ttipo-
IiDte--, do rae?me vapor. Estes tofelizes deram
I go 'ntrala ne "hospital d Salva vidas na Foi.
l^i era srgoia parti um barco salva-vida*,
liara o lugar do sinisiro, em procura fura bote,
coodatiodo *. -ranfragos, que at a est ora Igno
ra-se do seu Cestin>. O naufragio leve por causa
a sevoa cerrada, indo o vapor toater as pedras
-OeLeixie. li 10 horas, e raais vates, recolheu
e santo o salva vidas, irizendo muitas pessoas,
iripolanles-e passigeiros. Fo. tal a confnso e des-
orden! a bordo, oa occasiao do perigo que nao se
embrarain .1.- dar qualquer sigu\l que fosas cu
vido enterra. A carga do cavo consista espe-
cialmente em azeite e grao de'tiie. O corresp n-
daa*e da navio ajustoa o sarvamento da carga, fl
eatdo era leico da parte selva para pagar aqaelle
ifjbslho. Ds-de a Fot ata Leca, esio postados
guardas da alfandega pr>'. arrecadarem os salva-
di'. As aut ridades de Lga, forano no ia imme-
uiato ao do osuragio a casa do salva-vidis", em
Cantfot, levantar auto do? cadveres que appa-
refera ra e que alli fjram recolhidos. sendo depo>
*0BOTUlbad:s, medidos em caixo'S fechador e con-
azi ios para o cemiterio de Nevogilde, onde f iram
da-tos sepultura enm toda a solemcilade, com-
rureceno o eonsu; bespa&hil, naufrag is que so-
i reviveram o estavam era estado de satiirem e
i .das as faro is bespanhlas que estavam a b-
alos na Fot e imraediacoes. Mjrre.-am o capitn,
piloto, familia deste, composta de duts seahoras, e
mais 18 pessoas entre pasageir Palleee-i, depois (Je largos padecimientos, o 3.
r.Ble de Rio Maior (Jos de :aldanha Oliveira Ju
-arte Figueira e Souza ), p.r do reino, grao cruz e
comineo ladur de diTreotes ordea, alferes nono-
rano de cavallana. O pai do finado foi en baila-
dor extraordinaiio no Brasil era lt", e nomeado
'.ommissario regio oara acompaolur o Sr. D M-
UuM ras saas vajeas. E' das mais antigs do
reino, a casa de-Oliveira, e all;ada por parentesco
a quasi todas as firailias da corte. Deixou duus
ti!bo% o primognito que o i. conde ( Antonio
de Saldanha ), c actualmente provedor da miseri-
cortii de Lisboa, teodo sido ja pre>identoTla c-
mara municipal d#sla cidade ; o sjgundo, o Sr.
J ,s de Saldanha, provedor da ca*a de moeda
de Portugal, hbil cbyroico, e faneciooario de
i: -na aptid) o conhecimentos.
Fallecao egualirente, na noute de 21 para 2o
de agosto, na sua casa em Casiello Branco, o mi-
mtro do estado hon?rari> e par do reino, Fran-
coq Tavare6 de Vlmeida Proenca. Djixou urna
' iruna que >e calcula e.a 3:0&l:O00jOO. Era
urna das um Inores caca? de Portogil e a oaaior
i doas i iras.
Na maohi de 28, entrn barra do porto de
Lisboa, o yap>r inglez Sleavinson, que se diriga
Se Calcuti para Londres, com um importante cir-
:-<>atnento a !i receWdo. Navegando a 80 milhas
i i porto, notaram a b^rdo a sah^d.'. de l is
tatu famo aa eseotflnas. O comminlinte man-
m 11| i mudar dj rumo e navegar para Usboa.
sm etcabaJbo constante das bombas, e algumas
tr^eueo3! ai-eriadas, conseguin-se que o vapor
stportax-e .i! 'sboa sem raa or inconveoiaote. O
vapor depois de 33 d->serabaracar dos pa'sageiro?,
(ai en:alhar na praia dos Jeronymos (Belsm)
Mra ondo partiram 10J03 os soeeorros da Lisbon.
Tcibilharam na extinecao por raais >: 3 dias,
aflaal a carn de juta, a'valiada em mais de 36.000
as, arden completamente. Como o poro di
vidido em compartimentos de ferro, fo salvo o c.ir-
r-gamento de cha, avahado em mais da 300.000
hras. Perdeu-se algum sssucar e algodo. O
'aoor de ffrro ed3 1,22o tonelada, e en tri-
; lado por 89 homens. Parece que bouve cora-
i-to expontanea em parte da carga. O Sr.
>' i wies, em Lisboa, era o agente da companhia.
Medrana muila crga do poro, da parte onde
rada nao liaba comcado o fogo.
As noticias da la lia porta^ueza sao o mais
famnvd pofsivel. Os salteaiores vao sendo pre-
ees e os que tsem fgido, teera-se expatriado. En
treve se serenar inleirameate a provincia, e
fntl) se podar concluir, se a metropole procedeu
tu nao com acerf, acabinlo cora todos oselemen-
; d. d?ordem.
A associagio central de agricaltura porln-
{data, vae organisar, como j duse, urna Socleda-
f exportadora de tinhos. Eis as bases:O ca-
. ::al da sociedade >er de 100 contos de ris, divi-
oiJos em 2:000 accSes de oClOOO. A sociedade
, r f.orcion.ir:i aos exportadores, todas as informa-
gBei que acilem a rexessa dos seus vinhos para
o estrangeiro, e adian'.ar o diheiro preciso para
a cbrate da despea dos cascos, prepjro e frete
desde a adega do lavradur, at ae mercado. A so-
ciedade percebe orna conmisso, peios vrabos que
vender, e proceder ao sgrupamen'.o delles, das
d ffereates marcas, lazen'do aos vinicultores as m
,oes neessariss para melhorauento dos vi-
cho'. Os individuos nao accionistas pagara ama
rnmiTnriri inferior.
A commis.".o encarregada de estndar a cova
in iestia das vinbas oas localidades affectadas, tem
vMtafo varias propiedades do conselho de Pes-
qaeira, na margem esquerda do Douro, Tem se
encontrado o phyUoxera vaslatrtx em grande
'! andancia, e as nutaveis quioias de Santa Barba-
ra, pertencentes ao Sr. Dr. Albano Coutinbo e Le-
aos, ea do Seixo, pertencente ao Sr. Constantino
do Val Cabral, j se achara muito affectadas. Esta
quintas gozara de grande reputacSo nos mercados
wnicolos, e oxal que am remedio veuha qnanlo
^Dtes debellar o mal. A comraisso tem aconse-
. iido, como experiencia o emprego do alcatrao.
A questo da propredade Iliteraria, nao tem
lomado grande incrementa, desde a rcinha nltima.
"e notavel apenas appareceu, ama carta de D.
Antonio da Costa, ex ministro da instruccao pnbli-
j no partido constituiMe. Nella opina o illastre
: nblicista pela conveniencia de aggregar as neg
.ciacjSes desta convenci, com ootra que seja de
vantagem para a oaco brasileira, por qaanto no
dizer do distoeto escriptor, corno da cinvenjo
(ubre a proprisdade luterana, rcaior vantagem re-
falta para Portugal, qae para o Brasil, serla bom
aunexa-la a ootra de que se derivassem manifes-
tar vantagens para es brasileiros.
Se bem me record, iembra at a opportani-
dade de se negociar com maior ampMuJe nro
convenio postal para eete da propredade Iliteraria
M effi:iuar ento. Etitn a importancia do as-
umpto pedia transcripeo da carta na sua in-
tegra, e os meas amigos a faro, sejulgarema
proposito.
Poneos dias depois no Jornal da Nout res-
{onde-se a esta carta, ecos o dizer que cima das
ruestSes de interesses materiaes e palpa veis, ba
para as nacSes que se presara nteresses d'outra
i rdem e muito mais elevado. Cita a proposito a
onestio da emancipaco dos escravos que deu
oto realce ao espirito eminentemente civilisado
e aos sentimentos huraanitarioe da naco brasi ei-
r. Cita a qaestao dos crateiros em qae o orga-
iho das na*;ois sa dobroa soberana dessenti-
xneotos invocado, sojeiaado-se, em nome dos
mais nobres principios, oa direito Jde visita, qae,
diga-e a verdade, penoso para nacoes altivas.
a En o estado da qaestao, nerrt mais nem menos.
Ontra qaestao, porm, veio tomar o logar 'es-
ta. Como Ibes disse em tempo, am toldado cha-
mado Barnab, em Eira", matoa com am tiro,
petas costa, ara alferes chamado Chrysostomo.
Poi eond?ranado a ser ftil ido em conselho de
gaerra, e a seateoga confirmada pelo supremo
conselho de Justina militar, composto de offieiaes
aaeraee. Pez este assassinato grande seosaeo
no exercito, cujas tendencias 4 insabordioacao
-so maito longe de ser geraos. Todava man-
fdstam se, individaalmeate verdade, repetidos e
Jeploraves casos de indisciplina qae raaito con-
ven cortar pela raiz cora am exeroplo de severi-
dads. Em jornaes militare*, que os temos e bon?,
a opinio qae se nao deve modificar a pena ao
ilelraqnente. Nos ootros, reviven a qaestao deba-
lissiaia da inviolabilidade da vida humana, iovio-
labilidade que seinvoe lempre a proposito do
Timoso qae matoa, e rarisiimas vete? a respeito
'ioianoeente qae foi virtima da feroeidade e mos
nslinetos d'a?oelle.
< O proeeo J foi enviado secretaria do rai
c\ afim de sabir ao prder moderador, sendo ou-
lio, como de lei, o conseibo d'astado.
A pena de raorte foi abolida em Portugal para
Times etvis pela lei de 1 de julho de 1807, mas
MMrrada as leja militares; (o avia dnraois.
lodo o reinado do Sr. D. PeJro V era urna vez
foi executiio contra reos militares.m civis. Que-
rera una nue o rei no exeretcio de ssa preroRativa
como chelo do poder moderador, sai nter rompa
coa a sanecao da pena ultima a que foi condem-
nado o reo era qaestao, ama seiia de commuta-
edes que nos lera sido honrossima.
Aldnzera o exstnplo da Hespanha, da Franca
e da Inglaterra, onde os fmlamentos, a gnilhoti-
na o a forca apresentam repetidos espectculos de
saogue e vindicta social, sem que taes exeraplos
concorram para dimroair os crimes.
i Em surama, defeate-se a queslo ab reo, em
presenca deste caso que preciso resolver com
prudencia e ae mesmo tempo conj energa, por-
que a disciplina militar o primsiro elemento de
seguranca para os cheles de qualqaer cathegoria
que sejara. Todas estas ponderales daara j vo
lumes se asreanissem.
Ssr o sellado fuzlalo ? Inclino-me a crer
que nao. O re bondoso ; e nao ousar sanc-
cionar ama pena de morte, como seo chorado ir
nao onnea sanecionou. Ssr applaadido por este
acto de'Clemencia ?De certo.
Lacrar o exereito cora ella ?......Sernos-ba
licito duvidar ?
E comigo duvida da eficacia da commutacao
talvez todo o exereito.
Diz-se qne ba fandaas esperanzas em que,
por todo este anno, se ultime o diccionario grego
tue, com diflerentes intervalos, se anda a impri-
mir ha 49 annos, na ira prensa da uaiversidade de
Coimbra. E extenso additamento, e est a terminarse o resto
qne contera as raizas daj palavras gregas>A ed Q
coo de 2,000 exemplare. Tem trabalhal i n'es
la importante obra, o distincl philologo, padre
Jos Vicente'Gomes Je Moura, o Sr. Antonio Jos
Lopes de Morae, pro(ss8dr de theologia dogmtica
e professor de grego, e raais alguas eruditos len
tes da universidale.
C insta que o novo ministro jauto da corte cdo
Brasil se erapenha agora vivamente em conseguir
a realtsago d'ama cooveni;o Iliteraria que d
aos autores as garantas que a lei civil da em
quasi tolos os paizes cultos. Afflrma-se que o go-
verno brasileiro est animado das melhores ideas
cere desta pretencao.
Esta noticia qae dou aqu fra de seu lugar,
encontr-a n'ura peridico de Lisboa.
Foi despachada- oa alfandega ama rica col-
lecQo de animaos embalsamados para o museu
zoolgico ja universidade de Coimbra. Eatre
eles vera urna grande hyna, e am formidavel
porco bravo.
Teve logar no h 29 doproximo finio mez de
agouto, a reuoio da asamblea geral do banco de
Guiraares para a discusslo do parecer do conse-
lho fiscal, e nomeaQito da gerencia. E-ta ficoa
compo-ti dos seguiotes Srs. : ollec'.ivos, Francis-
co Uibeiro Marlins da Costa, Francisco Jos da
Costa Guimares e Jco de Castro Sampaio ; subs-
titutos, Antonio Jos Ferreira Caldas, Antonio Ma-
ra Daarte Kibeir de Camino e Jos Mana da
Costa.
Foram agraciada:
Com a grcroz de Chrsto, D. Edaardo de la
Loma, govdrnador civil de Granada.
Com a comraenia da Coaceiijo do Villa Vico-
a, Francisco Tavares Bastos, Coudo Alberto So-
dio da Motta, r. La*z F to brasiloiro ; Dr. J*> de Soma Milcher, dem ;
Dr. Ludiro Goncalves da Silva, idom ; Dr. Fran
cisco de Paria Lsraos, idem ; consslheiro Lais Ao-
toulo Pereira Franca, juiz dos orphios da elda-Je
da Bahia.
Com a de Chnsto, Jos Caetano Goaca'.ves, viga-
ro geral do'arcebispalo de Ga. Jacinttio Carneiro
Je Siuia e Almeida, Jos Antonio da Pooceea Les-
sa, subdito brasil'iro, Leopoldo Augusto da Cama
ra eLiroa, veador da casa de sua raagestade o im-
perador do Brasil.
Com o gr) de cavalleiros da Coo^ceicao, Domin
gos Jos de Sonsa Jiaior, negociante de grosso
trato e pioprietario residente em Gairaares, Dr.
Manoel Correia Gircia, sablito brasilero.
Com o de cavalleiro de Chrislo, Jos Nicolao y
Bjo, subdito hespanhol; Simio Gris Benitez, idsrfi;
r'i'iardo Lamange, snbdito belga; Dr. Jo Can-
dido da Silva M iri ', sahdiio brasilero.
Era breve corneja a fuaccionar o camioho de
fero do systema Larmanjat paia Cintra. A expe-
riencia que se fez ms respectivas mactvoas pro-
dnziram o melbor resultado. O hnco que corna-
ca a ser explorado anda par uos o kilmetros.
Esta concluida a pone sobre o rio Homem, no
lanjo da estrada real n 3, do Porto aos Arcos,
comprebendido entre Braga e Villa Verde. Tem
esta ponte 107 metros de comprmanlo e o sea p
viraento esta altura de 14,10 m. cima das aguas
mnimas. Na sua construceio despenden se...
o:&23i499 rs., realisando se urna economa di
2:o67lll rs., pois que foi aatorisada a verba do
57.992*610 rs.
Ficou concluido o I anco da Portella de Gai oa-
ral a Fonle dePauoos na estrada real de Vilia Real
a Bragauca. Ficoa cora a extncio de 8:310.90
m. As obras importaram em 26:368310 rs.
c No mez de julho renden a alfandega de Lis-
boa 359.6401035, isto mais de 37.8694033 do
qae em igual mez de 1871. A importarlo foi no va-
lor de 909:0681233 e a exportaco no de.......0
634:486*992. Os arligos que tiveram maior im-
portaco foram : algoioes em tecidos, arroz des
cascado, la era tecidos e tabaco em folha ; e os
mais exportados foram: cnica, cera e vinho.
Este foi novator de 120:116/880.
Nos mezes de junho e julho foram registradas
no distrjeto de Beja, 28 minas, sendo 20 de man
gacez, as cmaras raunicipaes dos conselho9 do
Onrique, Aljusirel, Castro Verde e Mertola ; e 3 de
manganez, 4 de cobre e 1 de antimonio na de
Moura.
< O povoda cidade da Praa (Cabo Verde), fez
urna acquisicao importantissima para o sea bem
estar. Abrio-se ao consumo o novo deposito d'agua
do Vontagarro no largo da Boa-Vista. Um acon-
tecimento de tanta importancia por se ligar a ama
condicao vital, nao poda nem devia passar de-a
percebido. Concorrea muito povo ceremonia
qae foi brlhante. O govemador geral e o presi-
dente da municipalidade pronunciaran allocncoas
por occasiao de c?irem os prmeiros jorros d'agua.
< Ioaugarou-se no da 18, em Br?ga, os traba
Ibos do caminbo de ferro que bi de ligar aquelia
cidade a do Porto. Foi am da de verdadeira fas-
ta para a capital do Minho. Desde o romper da
anrora os roguetee e as salvas estonravam nos ares,
mnsicas percorriam as mas, muitas casas, pracas
eruas appareceram embanderadas e multo povo
afilaia de todos os lados, divisando-se em todos a
alegra e o enthosiasmo. A inauguracao foi pelas
6 horas da tarde, prximo quima da Madre de
Deo?.
Ha actualmente 120 estacoes tclegraphicas no
reino de Portugal.
abrirara em 1853.
As mais antigs sao as qae se
Morrea ne deposito hyplco de Lisboa o caval
lo rabe Cheik. Foi comprado em Coostantinopla
por 790*000 e linha fleado posto em Lisboa por
1:185*180. Traha 11 annos. Servio no mister da
padreco dssde 1868a 71,na candelaria nacional
de Cintra, na Granja do Mrquez. Como pai toi
um dos melhores reproductores; pois deixa pro
doctos excellenies. Morreude um aguamento nos
ps de detraz. Era um eavallo rabe em tola a
extencao da palavra. Corpulento, fino, intelligan
te e de ama grande docilidade. Manso como pon-
eos. Um horaem fraeo cavalleiro podia se fiar
nelle, e urna senbora a mais tmida nao tioha que
reeeiar do genio e carcter do saudoso Cheik.
< A eamara municipal de Lisboa vsi proceder
ao alargamento da calcada da Santa Apolonia jun-
to so camiubo de ferro do Norte e Leste. Assim
o communicou ao governoalbe pedio que faga da
sua parte o possivel para se realisar do melbor
modo a expropriacao da parte da amiga estaco e
qae trate dos meios de aterrar e cooqaistar ao Te
jo o espaco necessario para alargamento da estrei
ta avenida, qae da faxada principal da estaco
segu pela praa dos Algaives e frente do arsenal
da exereito.
Lisboa est desert?. J foram muitas fami-
lias para as praias. O qae vale a colonia has-
panbola, em qno abnndam senboras elegantes e
algumas de rara formosnra. Convida-as o nosso
Tejo, e a concurrencia cada vez maior na tem-
porada dos banbo. Selnbal, Cascaes,-Ericeira, o
Espinho.a Torreira, a Granja, Povea de Varzm
e maitas outras praias, sem fallar de Pedroao?,
Da fundo, Caxias, Paco a'Arcos.as abas da eapital
esto animadissjraas.
A familia real d'aqui rtous oa tres das par-
te para Cascaes. As Caldas da Rainba, celebres
pelos seas banhos thermaes, tiveram este anao
muitas familias da nosa primeira sociedade.
Nai caldas de Vizelia a eoncarreasia foi es-
pantosa. Estava-se mal.
Esqaeeia-me diler qae ainda continuara, mas
em menor camero, ti representares contra as
medidas triDatari is, e em qae se peda immediata
eonvccaco das cortes. Esto agora ebegando fe-
hellacaes ao chela do estado por ter sido snffoca-
da a tentativa de revolli. Tado jogo poltico. Des-
de qae le descobno por urna analyse rigorosa qae
ama grande parte das asiigaatoras -de amas e
outras manifeitacoes iq f9Ut pe|a meima mi,
que ontras sao de oral, e que al conforma a re-
vela^io ce ora profasso; do prraeiras le;tra*_ de
Mondim da Bi-sto, os r/omotores iam s ecolas e
peJiara aoi nwair.oi da raelhor Itt'.ra queassiga*-
sem, tem diminuido o prestigio dealas representa
goas, que preteodem impor-ss peto numero I E'
ama historia poneo editicativa. O gabinete ba de
acabar de gastarse em se abrindo o parlamento
oa em seeso extraordinaria (o qne o chefe do es-
tado ainda nao resolveo) oa mesmo em sessio or-
dinaria.
< Sa por urna parte Ihe troaxe adherenc'as o
ler surT.icad j todas as cbecas da hyira da revol
ta, por ontra parte em qaanto se nlo provar pela
publicidade do proco-so qae tal revolta nao era
phantastiea, essa me raa energa faz grande nume-
ro de deseonteules.
= A 7 do crreme accrescenta o nosso corres-
pondfn'e :
C utinaarara horneo as pergantas no tribu
nal da Boa Hora.
Parece qne os sargentos aluciados, diz ara
eorresponlente de L'sboa a um jornal do Porto, e
que frequeotavarn o club do Baro de Pomarinbo,
9uppnnham que o duqae de Saldanha eotrava na
tentativa de revolta.
Una noticia de grande incendio nos tronxe
o lelegrapbo. O despacho de Marselha. O in-
cendio na bosque de Fort-Lois. O figo com-
balido um momento, loraoa depois novo impeto
e nova int-nsidade. O prefeiio e autoridades vol-
taram ao lagar do sinistro acompanhados de nm
batalbo. Toma o fogo proporc,5es assnstadoras
par as circumvizinhanca,.
O crrelo desta machi tronxe-nos a noiici
do pr. X'mo casamento do celebre oadreJaciniho, o
qoal participa que vai casar, e expoe as sua
ideas acerca do celibato lo clero. O documento
exteo'o, mas maito interessante,
< Falleceu, na Figueira da Foz, o bario de San-
to Corubado, o Sr. Jos Mara de Sanza e Vas-
concellos. Fra governador de nma das nossas
possessSes d'Africa, onde prestoa bons servioos, e
coronel das extractas milicias. Na-ceu a 25 de
juaho de 1787. Belirara-ae do servico em 1833
As oscripcoes (3 por canto da divida inter-
na consolidada) Jicaram hontem a 43 e 43,03. Pan
dos haspanhds a 26 e 26,10.
Pedio a reforma o eonde de Castello-Branco,
g-neral de diviso commandanle da 1* diviso mi
litar. '
Parece que/iei promovido e encarregado
desle commaidoo general Jercnymo Maldonado.
O baro do, Zzere tambera" promovido a
general de divn, roas flear com o commando
das guardas mameipaes.
a Pallava se em desiotelligencias entre o bario
de Zzere e o Sr. Fonks (presidente do conselho).
IVrece nao ser exacto. >
Vstciaa da America
Por va de Lisboa recebemos as seguiotes no-
ticia.
E9TAO0S.-U.NIDOS.
Vai ganbando terreno o movimenlo democrti-
co entra a eleicao de Greeley ; parece fora de do-
vida a reeleicao de Grant.
O juiz Bernardo, de] sooremo tribunal de
New-York, foi acensado de diflerentes crimes, e
entre estes de lar sido corruptamente influencia-
do pelos Srs. Fi:k, Goal! e Tweed de accordo
com as casas de Eoie. Esta-se jalgando o pro-
cesso.
Diz a folha offlcial que foi retirado de Ma
dril o Sr. Sickles mioistro des Estados-Uaidos, a
pedido do governo bespanbol.
Diz am telegramma de New-York qae a
America continua a fazer pressao na Hespanha
para esta abolir a escravaiura em Coba.
MEXn:o.
Nao houve mud inca no ministerio. Dizia-se qne
Lerdo seria eteito prest late sem grande opposi-
co.
Os revolucionarios iam-se aprveeitando da am-
nsiia e o paiz pacificando se.
Foi ,.b i;ii a lei marcial em Puebla, Zacatecas,
e Hidalgo.
Os jaari'tas trataram de formar am partido ra-
dical e apresentar o ex-governador Baez como can-
didato presidencia da repblica.
Porfirio Dias resolveo depor as armas e aceitar
a amnista assim termina a insnrreico do Mxico.
Na noute de S de julho o Sr. D. Joo de Cer-
vantes foi ao iheatro onde se representavauma peca
intitnlada : Los Ponentes, e qnando regressava a
casa pela roa real de S. Jos, vio diante de si no
passeio qa*tro sngeiios qae cenversavara tendo ao
lado ama eirruagem. Os horneas separaramse,
ous para cada lado, e D. Joo passoa (brando o
chapeo em agradecimento ao qne lomara por cor-
tesa. '
Q isndo ia passando, foi agarrado, e mettido na
carroag-'ra onde Ihe ataram asmios atroz das cos-
tas Ihe vendaram os olhos. Parti o carro com gran
da velocidade, dea maitas voltas, e afinal paron
junto de urna casa humilde onde obrigarara a en-
trar o preso e a eserever aos irmos pedindo 100
contos de ris para resgate, apezar delle deparar
que seas irmos nao poderiam reunir somma to
con9ideravel.
Depois es ladioes taparm-ibe os oavidos com
eera, puzeram-lbe ama mordaza na bocea e apar
taram-o entre taboas ligadas com cordis para qne
se nao movesse.
No primeiro da deram-lhe a comer um ovo, no
segundo am pedago de pao, no terceiro nma cha-
vena de caf sera leite, no qaarto ootro ovo, no
qainto nada, e assim al se completaren 7 dias e
8 nonles em qae tambera nao dormo.
Desprenden se e qaiz fagir, mas foi agarrado de
novo, e ento collocado de molo qne ao menor
movimento enterrara no corpo daas grandes fa-
cas. Ja eslava meio morto qnando os irmos e o
governador vieram liberta-lo. Os ladrdes foram
agarrados, fusillados poucas horas depois em vir-
tude do julgamentosammarlo, e pendnralosos ca-
dveres na parede da casa.
S. SALVADOR.
D:scobrio-se ama conspirarlo para derribar os
governos de Guatemala e S. S.-!vador.
O chefe principal eran Sr. Pinol arcebispo me-
tropolitano de Guatemala. Na conspirarlo gura-
vam alguas jesutas e ootros sacerdotes.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
DEPUTADOS GERAES. Reiebemos hontem
o resultado segainte :
3. astricto.
Collegio de Barreros.
Baro de Araeagy
Dr. Joaqaim Portella
Dr. Jos Beato
Dr. Salgado Netto
Dr. Paula Baptista
Coliegio do Rio Formoso.
D>. Joaqaim Portella
Dr. Jos Beato
BarSo de Arjagy
Votos em separado de Una
Dr. J. Portella 14
Dr. Jos Beato 24
Baro de Aragagy 23
Sao, portanto, depatado3 assembla geral le-
gislativa, por este disiricto : Dr. Joaqnim Pires
Mochado Portella, Dr. Jos Bento da Caoba e Fi
gaeiredo e baro de Araeagy.
MUNICIPIO DO RECIPERecebemos hontem
o resaltado da votaco para vereadores na fregue-
sa da Boa-Vista :
Martins Raposo
Dr. Nabor
Dr. Bento Jos da Costa
Joo Francisco Antones
Dr. Felippe Nery Collas
Joo Ignacio de Medeiros Reg
Dr. Joio Capistrauo Bandeira de M. Filho
Dr. Cosme de S Pereira
Gameirb
Dr. Prxedes Gomes de Sonza Pitanga
Vicente Villas-Boas
Luiz Francisco de Birres Reg
Teneme-coronel Joaqaim Jos Slveira
Clorindo Ferreira Catio
Dr. Villas Boas
Baro de Benfica
M. Jos da Silva Goimaraes
Luiz Cosario do Reg
Major Lais Jos Pereira SmCei
Dr. Manoel Francisco Teixelra
Caetano Cyriaco
Luiz Goncalves da Silva
Dr. Jos Zieharias de Carvalho
Dr. Pedro de Atbayde Lobo Moscero
Tanente-toronel Theodoro Machado Freir
P. da Silva 7
Resumo de todas as freguezias do municipio, tota
excepcio da dos Afogados, cojo reenltado ai'tida
nio conbecido :
Dr. Bento Costa 5940 votos.
Coramendador Reg e Alhaqaerque 3032 *
Gameiro 4556 >
Theodoro Machado 4149
1830
11830
1830
1312
1312
1312
1310
1310
1243
876
SOI
401
300
155
131
149
149
149
142
81
60
50
46
9
Martina Rapozo 4023 a
leronymo de Sonza L-ao 3794
Jos Pedro das Naves 3683
J ,o da Caoba 354o
Dr. Moscozo 3472
Loyo Filho 3151
Dr. Ptanga 2964 >
Dr. Nabor 2768
Jos Cesarlo de Mello 574
Bellarrnino do Rogo Barros 2464 >
Caetano Cvriaco 1821 >
Dr. Angelo 1811 >
Major Quinleiro 1360 >
Major Salvador 1319
Joo Francisco Anlunes 1312 >
Dr. Coliseo 1311 >
Joo Ignacio da Medeiros Reg 1311 >
Dr. Bandeira Filbo 1310
Dr. Cosme de S Pereira 1310
Vicente Villas-Boas 1151
Padre Mello 1134 >
Manoel Joaqaim Ferreira Estoves 1122
- JURY.Foi hontem Julgaio o reo Jos Hermene
gildo de gooza, pronunciado no ari. 105 do eod.
cro., por ter no da 14 de Janeiro do correte an-
no, feito diversos ferimentos na pessoa de Martinia-
no Villar de Oliveira, praca do corpa ae polica, e
isto na freguezia dos Afogados.
Compoz->e o conselho dos Srs. : Joio Pache
co Alves, Jos Elias de Oliveira, Joo Pedro de Je-
us da Matta, Joaqaim de Gasraio Coelbo, Joaquim
Antonio Conreino, Laii AntonioSiqneira, Jos Igna-
cio do Reg Medeiros, Antonio Jos Rodrgaos de
Sooz, Trislo Fraocisco Torres, Jos Aotoaio Pin-
ro, Francisco de Miranda Leal Seve e Fi ancisco
Lacio de Castro. A' vista das respostas do coa-
seibo de sentenca, foi o reo condemnado a 5 annos
e 3 mezes de prisao oimples e malta eorrespon
dente metade do tempo, grao medio do referido
aru 203.
ASSOCIACAOCOMMERCIALBENEFICENTS.-
A directora desta corporaco, teodo seieocia de
quao overno imperial pretende fazer alteracois
oa pauta das alfandegas, convida a tolos os inte.-
ressados a apreseotarem, al o (im do corrente
mez, na respectiva secretaria, as bases sob as
quaes possa ella fundamentar as saas considera-
HOSPITAL PORTUGUEZ DE BENEFICENCIA.
Realisou-se no dimiogo a testa anniversana da
installacao desle eslaDelecimsnto, com o esplendor
e brilhaotismo do costme, sendo extraordinaria a
eoucurrencia de visitantes desde pela raaob at
a noute, remande a melbor ordem e harmona, e
nenhnma ecenrrencia desagradavel se tendo dado.
Nao se teodo podido dar sahida todos os ob-
jecios do basar de prendas, consta-nos qae coat
naara elle no domingo prximo.
ANIVERSARIO FNEBRE.E' hoje o da do
38* anniversario do passamento de S. M. o Sr.
D. Pedro I.
ARMAS PROHiBIDAS.-Pelo Sr. subdelegado de
polica da freguezia de Santo Antonio foram
aprehendidas trinta e sete armas! prohibidas as
nontes de 21,22 e 23 do corrate. ',
FERIMENTO GRAVE.-Em trras do engenho
Penderaca, do termo de Agua Preta, Manoel Tilo-
mas da Paixio ferio gravemente no da 15 do cor-
rente, cora am canivete-pnnhal, um sea vsinho
de nome Jos dos Santos. O delnqueme foi preso
em fl igrante e contra elle procede a coaopeteate
autoridaie na forma da lei.
ASSOCIACAO COMMERCIAL AGRCOLA.Ho
je deve realisar-se a renniio convocada dos so-
cios desta sociedade, para o fim de ouvirem a lei-
tura do ralatoro relativo ao anno social findo, e
elegerem os novos directores, na forma dos res-
pectivos estatutos.
SOCIEDADE PROPAGADORA DA INSTRUC-
CAO PUBLICA.No domingo 22 do crreme, por
volia de urna hora da tarde, teve lugar, no aditicio
onde trabalha a Escola Normal, a reaoio coavo
cada de socios desta sociedade para o fim ce ele-
ger-se a sua directora, na forma do respectivo re
gulamento.
Presidida a reuna> pelo Sr. Dr. Pinto Jnior,
leu se e approvoa se a acta da sessio anterior ;
oepois do qne, declama o presidente que, na for-
ma do an. 26 dos estatutos, e sendo aqaella reu-
oio nma assembla geral dos socios, devia accla-
mar-se ama mesa provisoria para dirigir os tra-
bados deesa sesso, cojo fim era eleger a directo-
ra effectva da sociedade.
Assim se procedea effactivamente, sendo ascla-
mados : presidente da assembla geral o Sr. Dr.
Joio Jos Pinto Jnior, 1.' secretario o Sr. Dr.
Adolpho Liraenha Lins, e2. secretario o Sr. Vi-
cente de Moraes Mello.
Depois de constituida a assembla geral, proca-
deu-se eleicao da directora, que ficoa assim
constituida :
Presidente.Dr. Joio Jos Pioto Jnior.
Vice presidentes Drs. Manoel do Nascimeuto
Machado Portella e Jos Soares de Azevelo.
Secretarios.Dr. Joio Diniz Ribe'tro da Canha
e Vicente de Moraes Mello.
OradorDr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
ConselaeirosDr, Augusto Caroeiro Monteiro da
Silva Santos, padre Lino do Monte Carmello La-
na, professor Miguel Arcbanjo Mindello, Dr. Ma
noel Baarqae do Macedo, Dr. Amonio de V. M. de
Drnmmond, Dr. Gervaiio Rodrigues Carapello,
prefessores Liberato Tiburtino de Miranda Macie;
e Flix de Valois Correa.
Terminaram-se es irabalbos e dissolveu-se a
renio s 2 e 3/4 horas da tarde.
NOVO ATHENEU.; Reunio-se no sabbado a
noite esta assoeiaco para proceder a eleicao da
directora do anno acadmico de 1872 a 73 e fa
rara eleitos :
PresidenteBernardo L'ndolpbo de Mendonca.
Vice-presidenteJoio Amerseo de Carvalbo.
1. secretarioSamuel Tertuliano Henriques.
2.* secretarioSalvador Correia de S Ben,evt-
des.
OradorArgemiro M. da Coaha Galvao.
Adjuncto do oradorGaspar Drnmmond.
TnesoureiroArgemiro Aroeba.
Commisao de syndicanciaFrancisco I. R. Cosa,
JuventinoLima e Manoel Filgueiras de Menezes.
ExamesJoio M. Wanderley, Synpbronio Euli-
quiano Paz Portella e Vicente de Lemos.
RevisioTheophilo Moreira Guerra, Ferreira
Lisboa, Edaardo Jayme Gomes de Aranjo, Reguei-
ra Co9ta e Francisco Reg Toscano de Brito.
FREGUEZIA DA BOA-VISTA. Foram eleitos
juizes de paz desta freguezia :
Teneote eoronel Amonio Carneiro Machado
Ros 1580
Jo) Francisco'Antones 1492
Francisco Martins Raposo 1490
Teoente coronel Joaqaim Jos Slveira 1223
FESTIVIDADE RELIGIOSA.Em conseqaencia
da fasta do hospital pertoguez, nio pode ter logar
a feslividade de Nossa Senbora das Dores, no con-
vento de S. Francisco, no dia 22 do crreme, fi-
cando por tal motivo transferida a mesma testa
para o dia 6 de oulubro prximo.
A commissio pede a coadjavacio dos devotos da
mesma excelsa Senbora.
INSTITUTPO HISTRICO E PHILOSOPHICO. -
Domingo s 11 horas do dia, reuoio-se esta socie-
dade, sob a presidencia do Sr. Bandeira de Mello.
O Sr. 2..secretario procedea a leitnra da acta
da sessio atrazada, qae juntamente com a da ses-
sio anterior foram approvadas.
O Sr. 1. secretario leu o segainte expediente:
Um officd do Sr. Alfredo Saldanha, participando
qne motivos partical res o inhiban de compare-
cer sessio, e, como se aebasse empenbado na
disecussio de ama these, pedia o adiamento da
mesma.Inteirado e concedido.
Declarando o Sr. 1. secretario varios socios io-
enrsos as penas dos estatutos, agitou-se ama bre-
ve discassao entre os Srs. Moreira Alves, Mello
Jooior, Isaas Guedes e Bandeira, ficanlo assenta
do-qae aqaelles socios fossem avisados antas de
qualquer decisao da casa.
' Addiada a 1.a parle da ordem do dia, passon-se
segunda dlscussSo da tbese : No estado actual
de progresso santifico deve ainda subsistir a guer-
ra f
Oraram os Srs. Bandeira de Mello, Mello Mo-
raes, Azevedo e F. Borges.
A' reqoerimento do Sr. Luiz Codeceira tai pro-
rogada a discossio da mesma tbese.
Nada mais havendo a tratar, o Sr. presidente
mareoo a ordem do dia da sesso vindoura e le-
vaoton a sesio s 2 1/1 horas da tarde.
ESCOLAS PRIMARIAS.Pelo ministerio do im-
perio foi expedida a segointe eircnlar s presiden-
cias das provincias :
lio de Janeiro, em 13 de setembro de 1872.
Em todos es paizes civilisados a aecao e os recur-
sos do estado, em relacio ao eienvolvimento da
iesirneeio popular, sao poderosamente coadjuva
dos pelo concurso voluntario dos cidadios que
verdaderamente se loteressam pelo progresso na-
cional, disiinguindose a este respeito os Estados-
Unidos da America, onde as avuliadas quantias,
eom qae coairibuera espontneamente os particu-
lares para a creacao de escolas, ci muito exce-
dentes a somma dos dispendios feitos para esse
grande flm pelos cofres pblicos. Taes exemplos
nio podem deixar de ser estro nos imitados. Os
vastos e bellos edificios qne se estio levaatando
uest corto para osela* a expensas do algosas
corporacdM, e eom o auxilio de donativos rodivi-
doaes; o prcesdimemo baoeraeriio de alguna pro
feasores distiacios. admitlinlo gratuitamente alai-
ios em saas escolas; sao faclos que provam exu-
berantemente quanto o espirito publico se vai eom
penetrando, no nosso paiz, da alta importancia de
valgarisacio e aperfeicoamento da mstruccio do
povo, e do valor da iniciativa particular para dar-
Ibe o impulso le qae carece.
'No ntuilo de aproveitare generalisar esta dls-
posico dos nimos, que tao esperanzosa mente se
manifesla, pondero a V. Exc. a conveniencia de
nomear commisides compostas dos cidadios mais
dislinctos das fueguezias, sendo um destes o repe-
livo parocho, e desl nadas a propagar ailaea
agenciar subscripcoes para serem applicadas i
fuodaco de escolas primaras em eada urna das
mesmas freguezias. Alm disto seta conveniente
que V. Exc. solicite a cooperacio das cmaras mu-
nicipaes, que muito podem conseguir reunindo
seus e:forcos aos da administrado provincial em
to nobre e mil empeaho. Os ervicos qae assim
feretn prestados serio lomados na devida conside-
raco pelo govaroo imperial. Deas guarde a V.
ExcJoio Alfredo Correia de Oliveira.
DR. ARRUDA AMARA.-Lemos no Jornal do
Commercio, da corte, o seguate extracto da sesso
da sociedade Vellosiam :
< O Sr. Dr. Ladislao Netto, secretario perpetuo
l ama carta qae Ihe foi dirigida de Peraambuco
pelo Sr. Francisco Manoel Raposo de A raeida, acer-
ca da biographia e dos trabalhos do botnico bra-
silero Arruda Cmara, aisumoto de qae a tempo
se oceups.
Nesta carta diz o Sr. Raposo de Almeida que
dous foram os exemplares deixados por Arruda
Cmara de sua famosa Flora de Pernambucj e que
disso sabe pelo documento ambeoiic de que ora
tem posse, o qoal urna espacie de testamento em
forma epistolar dirigido por Arroda Cmara ao in-
feliz padre Joio Ribeiro sea amigo, sea discipalo e
seu protegido. As calamitosas consequancias da
revolucio de 1817, eniregaratn a mos profanas
todas essas preciosas reliquias. Urna parta, po-
rm, vem a cabir, lempos depois, as raaos do Dr.
Jeronyrao Serpa, tambara botnico e director do
ba rauilo esquecido Jardim Botnico de Olinda, e
dassa parte sabe j qual tenha sido o destino. E'
na secretariado roino em correspondencia dos an-
nos de 1800 a 1804, que fora mister procurar os
relatarlos em que o Dr. Arroda Cmara, como
coramissario regio, deixou patentes muitos de seus
trabalhos scientificos.
< Palo que respaila sua biographia possue o
Sr. Raposo de Almeida documentos -coevos do
maior Interesse, os quaes ssro manciooados nos
trabalhos que est prestes a concluir e que deslina
sociedade Veilosiaoa.
O Dr. Arruda Cunara nao se dava somonte ao
63tudo dos vegetaes, mas tambera aos geolgicos e
zoolgicos.
Nj sertio do ftio Grande achou elle mastoden-
ie fossil que iranspoz era una poucos de animaes
para a ciJade de Giyanna, onda consegua rma-
lo e onde por fim o destrniram.
< Era larabem p.eta e do sua masa, qae era a
patria, possue o Sr. Raposo de Almeida aigamas
eoflapoaicoM.
Oavida com a maior altencio a leiiura desta
carta, re3olveu-se queo Sr. secretario perpetuo,
em nome da sociedade Vellosiana, faliciasse o Sr.
Raposo de Almeida pelo bom resaltado de suas ac-
tivas e intelligeotes investigacoes e de novo ibe of-
ferece3se os servidos desia sociedade.
OBRAS BRASILEIRAS. Escrevem de Pars :
Est-se pablicaado urna traduccao franceza da
Historia dafundacao do imperto brasileo, do Sr.
conseloviro Pereira da Silva, sobre a 2.* eiicao,
para ser incluida na collecco das iraducepes dos
hislonadores modernos, como Prescotl, Rank, Binc-
crofi, Moumenau, Maccaulay e ootros, cujas obras
ja foram vertidas para lingaagem franceza. O tra-
ductor o Sr. II. Faray.
ANEDOCTAS ARGENTINAS.-DZ um peridico
qae Dumas filho acaba de publicar am folheto.
E Dumas pai nao escreveu nada mais depois
que morrea ?
Exagerando a excessiva peqaenbez de t
individuo, dizia-nos hontem um cava>heiro :
Que quer ? Qaando um mosca pousa-lhe
no nariz, encobre-o todo; nao ba meio de ve-lo
mais.
* Ha dias fui um individuo ver as figuras de
cera qae estio expostas no Elsea :
Eolio com qae tado de cera ': perganton
elle, muito admirado, a um seu amigo.
Sim senhor, tudo.
Horneo., o que me sorprende mais s as la-
tes. Parecer verdadeiras.
... Em um juizo de paz :
Accusado, confessa haver assassnado este ho
mem ?
Nio, senhor.
Entretanto, ha testemuohas qaa aCQrmam le-
lo visto cammetter tao horrendo crime.
Dai sete paohaladas, nao neg : mas nem
por isso matei-o. Foi elle que dexou-9e morrer
ba pouco.
Ouvimos hontem o segninte dialogo :
D. Narciso, qaanlos annos d V. minba ma-
Iher I
Nenhnm.
Como ?
B' claro I Acredita V. que ella os aceitara,
quando seu maior desej i nao senio desfazer-se
de alguns dos que tem .'
Fallando de am bomem mai concentrado e
insoctave), dizia um am go nosso :
B' capaz da morrer sem dar parte a ninguem
do seu fallecimento.
Qaai a sua graca, minha senbora r
Nao a tanho ..seja dito sem modestia.
V A bexiga ama enfermidade mor:a! para
as malheres.
Porque ?
Porqae quando as nioiraata, fa-las Bear feias,
que para ellas peior do que a propria morte.
UM INGLEZ EM APUROS.-Do Standard irans-
crevemos a segainte anedoets :
a ra poucos das um gentleman, por nome Nee-
dbam, lora banbar-se no Lea, levando comsgo seu
ci favorito, nm retriver. Depois de despir-se fez
o gentleman um embrulho de toda a roupa (oa
qual bavia nm relogio de ouro e ama somma con
sideravel da dioheiro), dep-lo na margem do rio,
recommendando mmito ao sea ci qae o gaar-
dasse.
O fiel animal, coma vamos ver, eonformon-se
mais do qae devia com as ordeos de sea senhor.
Depais de baver-se baobada o Sr. Needbam sabio
do rio e dirigio-se para o lugar onde deixara a
roupa ; mas o ci, qae era alada maito novo, nio
reeonhecendo seu senhor que eslava n, nao quiz
perraittir que elle se approxiraasse da roupa. Todas
as tentativas feitas peloSr. Needbam foram infruc-
tferas.
Lembrou-se eolio elle, de vallar para a agua a
chamar repetidas vezes o animal, para ver se as-
sim conseguia faze-lo abandonar sea posto.
Com eff&ito, esse meio- produzio bom resultado.
A' forca de gritar e assoviar, ple o Sr. Neadham
afasiar o ci do objacio de sua vigilancia.
Mal bavia, porm, o animal abandonado a gaar
da da roupa, para approximar-se de seu seubor,-]
alguns individuos, que esiavam sem duvida em-
boscados prximos ao logar, e baviam lestemu
nbado a seena que acabamos de deserever, atira-
ram-se sobre o embrulbo e safaram-se com elle.
S..,'prz o Sr. Needbam que nao passava aqoillo
de urna pilberia, e par isso poz-se a chamar os in
divdaos.; mas em vio esbaforio-se, e nao poden-
do persegui-los no estado em que se acbava, forca
Ihe foi fiear dentro d'agua e especar qae o acaso
vtesse lira-lo de lio embarazosa siioacio.
Muito tempo espern o collado I A lina! vio ap-
parecer am bote, cujos remadores, mal sooberam
o qae Ihe bavia acontecido, tiveram a condescen-
dencia de emprestar-lbe ama caiga e ama camisa
de remador, o assim pode elle reeo!her-sa a soa
casa.
At agora, porm, nio Ihe foi possivel ainda
ter noticia atgumanem-da roupa nem dos valores
que ella conlinha.
SOCIEDADE DOS CARETEIROS.-Qaem qae
nio se Iembra da extravagante scena descripta por
Vctor Hugo em Nossa Senhora de Pars, na qual
os trnOes, tendo de nomear o papa dos doudos, ele-
!;em por unan mi dada Qaasimodo, por ser o mais
lio de lodos ?
Esta scena, que se poderia suppr creada por
Vctor Hago, realisa-se actualmeote na Blgica,
onde aeaba de fundarse a sociedade dos Csratei
ros.
Damas era seguida o programma official que ella
mandn afBxar nodistricto de Meldert (Fiandres
oriental.
As pessoas qae qazerem concorrer terSo, sem
duvida, interesse em crahecer as eondcues da
lula.
O fim qae tara em vista os fundadores da ex-
travagante sociedade cultivar a arte da careta.
Haver premios para os qae fizerem as caretas
mais exquisitas, lorcendo o focinho, eseancarando
as gnellas, etc., etc., em casa de Jos Varadera Bos-
ebe, (avsrneiro em Meldert.
No prximo sabbado, no local sapra indicado,
executar-se-ho pherias extraordinarias; lar-s-
hio as mls exiravasantei caretas. A representa-
cae ejm-car 2 1/2 horas da tarde. Todos o
amadores da arte slo convidados a vir dar provas
de suas habilidades.
< O primeiro premio um cachimbo de prala
eom lampa ; o segondo nm dito dito, sem lampa ;
o terceiro am dito de espuma ; o quarto am dito
dourado.
Um jury composto de rondas pessoas compe-
tentes decidir quaes sao os vencedores de to
agradiveis exercicics artsticos.
O Sr. Boryos o presidente desta sociedade sem
igual.
BRINQUE COM ELLES.-L se no Journal di
Saint Gaudens :
t Deu-se a semada passada nm horma! acci-
dente que muiloeomtr.oveu os habitantes de Toar-
reillas, districto de Monlrejean.
Sima Souqaet, cojo noico meio de vida
apresentar ursos nos prmeipaes mercados visinbos
para fazo-Ios brigar com caes, possuia am desses
animaes, qae, alm da ser de estafara e foreas ex-
traordinarias, era timben de ama feroeidade pon-
co comraara. No da 2G de maio, tendo de acudir
a uto chamado para trabalhos de campo, Sonqaet
araarrou o urso urna arvore, na extremidade
de um prado, depois de h.ve-lo cuidadosamente
araordacido. Dorante a sua auieucia, ama saa
ta, por nome Mara Baque, de 82 annos de idade,
qae ficara em casa, dirigo-se a o animal para
dar Ibe alimento.
Mas, oa porqae se aproximasse denaslado, ou
porqae se descaidasse, pola o urso apezar de
amordacido, ierrar-lhe os deotes em ama das
mos, e paxaado para juot de si a pobre velba,
lanca la por trra, rasgar-Ihe o vaotre com as
garras e devorar-lhe as eotranhas sem qae os gri-
tos da infeliz fossem oavidos, sem qae ninguem
viesse recorro la I
Pouco depois voltando Saaquet, eaeontroa o
calaver de sua ta borrivelmeote mutilado.
< O animal foi morto vista do juiz de paz ae
Moatrejean, que alli comparecen logo que teve co-
nheciraento do facto.
AMOR PLATNICO.O platonismo a paixio
ii velhice.Ninon.
O araor platnico o sonho dos prmeiros anoos
e o remorso dos ltimos.M. del Palacio.
Todas as mulheres amara mais os espirites qae
habitara carpos novos e as almas que tem olbos
bonitos./. Joubert.
ACHAD9.O nome Deruchelte, a menina a quem
amava o Gilat dos Ir ibalhadores di Mar, compte-
se de urna eonsa maito amarga e de outra moito
dice : De ruche tle : delte, divida, o ruche, col-
meia.
COINCIDENCIA.A primeira e a ultima laura
de Waterlo) forraam a palavra inglezawo, des-
grasa, iafortnnio, calaraidade, desastre.
PARA MENTIROSO, MENTIROSO E MEIO.-D!-
zia nm andaluz a outro :
Compadre, com tanto somao estava eo, bas-
tera noite, que adormec sera sentir ; e quaodo
aeorde pela manba, vi que linha fleado com >
mi na testa na momento da persignar me.
Nio le admires, hornera Melbor den se
comigo. lima raanh, ao acordar, aehel-rae ?om
as m)s apoiadas na cama e .todo o corpo para
lora, no ar.
Como ?
Adormec ao saltar na cama.
A GULHA DE CLEOPATRA.- R' bem sabido
qne na praca da Concordia, em Paris.se ergue aso
faraeso obelisco, denominado e Louqsor, porque
da pcvoaeio assim chamada do Alto Bgypto foi tra-
z do para a Franca era 1836.
Parece qne os mglezas, inc lados por om senl-
mento de nvalidade artisiica e archeologioa pre-
teodem levantar era Landres o famoso obelisco
denominadoAgnlha da Cleopatra, transportan-
do-o dos Areaes de Alexandria, onde jaz laucado
por trra.
Os obeliscos sao monumentos de origem egypcia,
tem a forma do pyramides quadragulares, assimi-
Ihando-se a agulhs colossaes, cobartos de hiere -
glyphas nos lados. Alguns sao verdadeiros mono-
tiloe, isto formados de nma fo pedra. Erara
monaraentos historeos e religiosos, e podiam tam-
bera servir de quadraoles solares.
LOTKRIrt.A que se acha venda a 21.' a
beneficio da nova igreja de Ncssa Senbora da
Peona, a qual corre no dia 26.
CASA DE DETENCAO.Movimenlo do da 12
de setembro de 1872 :
Existiao (presos) 311, entraran 10, sahio 1,
exlstem 320.
A saber : nacionaes 217, mulheres 13, estrao-
geiros 37, escravos 45, escravas 6, total 320.
Alimentados casia dos cofres pblicos 251.
Movimento da enfermara do dia 12 do cor-
rele :
Tiveram baixa :
Manoel Jos dos Aojos, contusuas.
Manoel, escravo de Belarmioo Alve3 de Aro?ba,
febre.
Teve alia :
Francisco, escravo de Franeiso Lopes.
LEILAO.Hoje (24 do correte) effeclua o agen-
te Piato, o leilio de movei, lonca, vidros e obras
de ouro e prala, no arraazem da ma do Mrquez
de Olala, confronte ao becco Largo.
PASSAGEIROS.Segniram para o Parlona bar-
ca portagueza Nova Sympalhia :
Manoel de Souza, Amonio Jos Marques, Alberto
Ferreira da Silva, Manoel Ferreira Nones, Manoel
Fuado Casado, Manoel Novaes de Oliveira Jnior,
Manoel Ignacio Munlz e Joo Braga.
Vindos da Europa no vapor inglez Jurist:
Joio Franco L.
THESOURARIA DE FAZENDA
23 de setembro.
Foram remanidos ao Sr. ihasoareiro para se-
rem pagos:
Offlcio da presidencia, mandando pagar a Gai-
maraes & Oliveira;a quantia de 100*000.
Offl.-io da presidencia, traosmiltindo coma de
despeza3 feitas pelo almoxarifado da hospital mi-
litar no mez prximo passado.
Offlcio da presidencia, mandando pagar ao ca-
pitio Manoel Anselmo Pereira Guimares, a qaan-
lia de 101500.
Offlcio da presidencia, mandando pagar ao te-
neme Tfirmaz Antonio Maciel Monteiro, a qaanlia
de 6uOO.
Offlcio do inspector da saie do porto, remtt-
teodo cantas de Beltro & Cosa.
Reqoerimento de Jos de Freitas Barbosa.
Servindo de offlcial-maior.
Manoel Jos Pinto.
FUBLICACOES A PEDIDO.
Devotas de Nossa Se-
nhora das Dores qae
hao de festejar sua
padroeira no anno
de 1872.
As Exm." Sr.":
D. Mara Carolina Tavares da Silva.
D. Epbigenia Carolina Rodrigues Villares.
D. Olindina Affooso Lamego.
D. Olindina Candida de Lima.
D. Amelia Arseoia do AmaraI.
D. Mara Leopoldina de Lemos.
D. Tnereza da Silva"Vieira Pontoal.
D. Leopoldina Angosta Rodrigues Villares.
D. Marianna Lopes Rodrigues.
D. Thereza Angosta Lins de Mello Tam-
borrm.
D. Amalia Ferreira de Paula Ramos.
D. Catbarina do Reg Ferreira.
D. Constanca do Reg Danta?.
D. Amelia Candida Ayres.
D. Hermina Guimares Slveira.
D. Ignacia dos Santos Roque.
D. Heraclia Teixeira Cardoso Ayres.
D. Gailhermina Moreira de MoraesPioheiro
D. Genoveva Amorim.
D. Josepha do Reg Ferreira.
D. Francisca Adelina Dantas Rarroca.
D. Anna Carolina do Reg Dantas.
D. Candida Rosa da CunceifJo Pires.
D. Sopbia de Figaeira Faria.
D. Amelia Alfonso Ferreira.
D. Malina Carolina de Lima.
D. Emilia Carolina de Lemos.
D. Antonia dos Santos Roque.
D. Anna Maria da Conceiflo. Pires.
1
I
i
i
-
^ .




<



,,
i
4ari dt Prnaminc Teroa fera 24 de fieteuibro di i 872
I

Capital.
Pando de
D. Lydia Candida Ayros.
D. BsnveoDU Ferreira de Miranda PeixOto.
D. Leonor de Araujo Amazonas Villas -
boas.
D. Amalia Olympla da Silva.
D. Dovina Cbristioiana da Silva Guimares.
D. Rosa da PaixSo Cordeiro de Sooza.
t). Bellisa Mara de Lima.
O. Balbina Livra.
D. Amelia [Jalma de Oliveira Villares.
D. Cwdida de Oliveira Lamenua Lins.
D. Elvira Candida Ayres.
D. Anna de S Oliveira.
D. Tnerez.i Adriana de Lima.
D. Heoriqueta da Silva Conba.
D. Mara Senborioba de Lima.
D. Maria Jusephina Lobo Neves.
D. Del una Maria da Silva Braga.
D. Maria Ignacia de Gosm5o Villela Pereira
do Lago.
D. Lourenca Ermelioda da Silva Barbosa.
D. Donatilla de Castro Fonseca.
D. Maria Arlinda de Castro Fonseca.
D. Isabel Ignacia de Gnsmo Villela.
Boa-vista, em de setembro de 1872.
O vigario,
Themistocles fomo Pereira dos Santos.
GYJIN4SI0 AM TICO
Acbauio-se fra da cidade gravemente doente
o Sr. Maooel Da-Giovaooi, emprezario do theairo
Gymnasio Dranqdo, a soa esposa, a Sra. D. Je-
suiua MonUni, juula aos seus collegas d'arte con-
tina a dar pchenlos, no mesmo theatro. E'
josto que o nosso publico continae a frequenta-
lo, coadjuvando assim os dignos esforcos da Sra
D. Jesuma, em sentido de minorar os soffri aeoto*
de seu marido.
A Sra. D. Jesnina Montani urna artista digna
de merecer a proteepao do pnblicj pernamoucano.
- duus Orientes m acnteos no
Rio de Janeiro.
E' de certo la-timavel o qne acaba de dar-se
entre os Sra. Rio Uraoco e Saldaoba Mariana, pan
o lugir de grao Ja meslre dos dous Orientes, que
se baviam fundido em um, sob o titulo de-
enle Unido.
' lastiumel que na quadra actual, quando to-
dos tinbam convergido para fortificar quanto fosse
possivel esta beoefkeote associaQo, dispata de po-
deres izesse quebrar os lo3 mais fortes, que de-
viaui sustenter a cadeia maconica ; e nao era de es-
perar que aclis eemelbanies partissem de pessoas
altamente qualificadas, actos estes amantes da ordera nao podem ver com indeferea- fdam do di)
t;jmo.
Agora o que resta sjber o que coovera fuer
as tojas, aqui existentes. Adhsrir; ou nnir-se a
algnm dos Orientes, que outra vez separam se,
quando estavamos aqui na iiais doco cordiali-
dale?
Entendemos que n para onsegairmos um tim, desdeja estbale-
cer-se um ente Provincial, medida esta que fa-
r obstar qualquer mal, que a dissideucia possa
trazer para as tojas neste val, o caminho est pria-
eipiaJo, a oceas:o opportuna, temos um ceolro
formado pela raaior parle das lujas; e d'ahi que
ludo esperamos, d'ahi qae ludo deve partir.
laidos, caminhemos nesio gemida.
Alguiis limaos.
Royal Insurance Company.
Real eompaahla de segaros
de Londres Liverpool
CAPITAL
2,000,000 libras sterlinas
ou
50,000:000*000
Com aotorisacao do governo.
segura contra o risco de fojro, ca's, fazeadas
sSqualquer oatra especie de mercadoria.
O agente nesu provincia
J. O'C. Doyle.
38 Rn do Commercio 88
SEGUROS
CONTRA FOCO
IMPERIAL
RA DO COMMERCIO N. 38, Io ANDAR.
geme,!
W. G. FENNELLY.
Segaros contra-fogo
COMPANHIA
Tcddos de aJgodo 3 fardos a Augusto C da
Abren, 0 a Bastos Sltva, S a Lemos 4 C, 7 a
ordera. Tecldos de la" 3 canas a Cramer Frey 4
C, 2 a Keller 4 G.
Zinco 8 caixas ao bario do Llvramento.
Despachos de importadlo pagos do dia 21
de setembre de 1872.
i}
Nomes.
NORTHERN.
.......20,000:000^000
rwerva .... 8,000:030^000
(Agentes,
. MilU Lathan C.
PRACA DO RECIPE 21 DE SETEMBRO
DE 1872.
A.B 3 i/3 HORAS DA TAEDB.
Cotacoes officiaes.
Assucarbruto novo 2*250 por 15 kilos, hontem.
Algodo1 sorte 613 rs. por kilo.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 25 3i d 25
7|8d., e do branco 25 3|4 d. por 1*000.
uubourcq,
Pelo presidente.
Leal Seve.
Pelo secretario.
Da 23 -
Cambio sobre Londres a 90 div. 25 3i4 d. por
1*000.
Dubourcq,
Pelo presidente.
A. P de Lemos,
Pelo secretario.
1531 S. Hawkes 4 C
1532 S. P*Jobnston 4 C.
1533 O mesmo
153i J. A. de Araojo 4 C.
1535 O mesmo
1536 O mesmo
1537 O mesmo
1538 M Gregorio 4 C.
1539 A. 4 Vianoa (diffe renca)
1540 P. da C. lrmaos
1511 J. Paler 4 C
1542 A. J. S. do Brasil
1543 T. Cbrisiianseu
1514 Keller 4 C.
1545 O mesmo
1546 M Lemos 4 C, (eertidao)
lo47 L. F.
1848 F. da C*tt&C.
1449 O. Kell B. 4 C.
1550 F. F. B.
1551 A. Vieira 4 C.
1252 O mesmo
1553 T. O. S.
1554 M. A. B.
1555 C lrmaos 4 C
1556 W. H. Wiatl 4 C.
1557 O mesmo
1558 M LKbam 4 C.
i1
6
589
1
45
3
1
1
7
50
8
30
2
1
4
1
10
9
9
28
6
7
3
3
20
20
15
ALFANUEGA
do da la 21. .
23. ,
857:978*119
39:873*508
897:853*627
agn-
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Renditnento do dia 1
dem do dii 23. ,
a 21.
Kxposiqao de productos
colas e industriaes na cidade
, do Recife em Fernambuco.
A coanmiasao directora da pxpeeicio provincial
'i-IVmambiico, quetarljgar no9ta cidade do
Recito no di. tt de outubro prximo, tem a hon- p'^^a" D"r "qo"^V '
ra do convidar a todos os agricultores, indus- {SI S '
traes, ou (abri utas de obras d'arte de qualquer -
natureza, para i|ue concorram com
DjscarrogauJ hojt 24 de setembro de t872
Vapor inglez Jitrist mercidorias para alian-
dega.
Barca franceza Felicite mercadorias para al-
fandega.
Barca francezalean Baplislc mercadorias para
alfandega.
Patacho allemo/'urAno/iemercadorias para
alfandega.
Patacho inglezHarbour Grace bacflhao j des-
pachado para o trapiche GonceiQio.
Brigue portugnezLatapedras decantara para
o trapiche Conceif}, para despachar.
9:303*734
428*826
9:734*380
Volumes saludos do dia 2 a 21.
os productos
de seus estnbelecimeutus, ou de seu proprio tra-
balho, aquella (bala de industria.
A estreiteca do tempo nao permittindo dirigir
circulares especiaos a cada um dos individuos,
que se achaiu do cao de -contribuir para o es-
pleador daexposicao provincial de Pernambuco,
a corninissao directora publica o |>resento convite,
que esjiera ser aeceito por todos, por sso que
man que tudo concorram para que a provincia
revele nesse crlame o verdadeiro grao do pro-
gresso de sua lavoura e da sua industria, o nao
se mostr somenos a demais provincias do impe-
rio as prximas exposicoes do Rio de Janeiro e
Vienna d'Austria, onde, ser representada.
Para esclareciinento e intelligencia dos Srs. ex-
positores, a eommissao directora declara que se-
rlo recebidas quaesqner amostras ou productos
Aas aammtee upos de industria :
Minas e iletallunjiaAgricultura. Horticul-
tura e Sih-icultura -ChimicaSubstancias ali-
mentares -Tecidos e materias textis-Couro, bor-
racha e teus artefactosMctaesMadeirasAr-
tefactos de barro e videobjectos de pliantasia
^apelara -Desenhos, typographia, lytogruphia,
photographia etc.
Machinas e meios de transporte -Instrumen-
tos saenitefleos -dem de msicaArle militar-
MarnJia=Engrnhara civil e archdectiua-Ren-
it* e passamines-Uteneilios nacionaes=Bellas
Artes.
Os producios c amostras devem ser acompanha-
dos do descriptos ou notas que deera urna idea
da sua preparcao ou fabrico, dos meios, machi-
nas, ou quiesquer outros elementos de sua pro-
duccao. A commissao reclama especialmente a
tuaior somma p asir! de informaeoes para os
productos agrcolas.
Nao serao admitidos cxposlcao : os animaos
vivos ; as plantas e vegelaes verdes sujeilos do-
terioraeao ; as substancias animaes susceptiveis
de corrompere-n-se ; os artigos perigosos e de
explosao ; os do fabriclo estrangeira ou ante-
rior exposicao de 1866.
Toda a correspondencia dos Srs. expositores
com a commissao directora ser recebida gratui-
tamente no correio, com tanto que tenha o se-
guinte subscripto :S. P. A' commissao direc-
tora da exposirao da provincia de Pernambuco.
Pe fnome do expositor).
Todos os producios destinados exposicao de-
vem ser recolhidos desde o dia do outubro no
pavimento B rreo do actual palacete da assembla
provincial' Campo das Princezas, e at o dia 9 do
referido mez.
Sendo dos estylos dar sciencia aos Srs. expo-
sitores, dos premios que serao conferidos quelles
que mais se distinguirom, quer no fabrico ou pre-
paro dos us, prodseuctos quer nos auxilios o con-
curso qua prestaren) para o realeo e xito da ex-
posicao, a commissao directora tem a honra de
informar-lhes, que, alm dos premios que obtive-
rem as exposicoes nacional do Rio de Janeiro, e
internacional de Vienna, para quelles dos ditos
productos que alli figurarem, receberao na expo-
sicao dosta provincia medallias de praia, do bron-
ze e mencSes honrosas, conformo o-merrto de cada
um ; e mencionar especialmente em seu relato-
rio ao governo os nomes dos cidadaos que mais
se distinguirem pelo seu concurso.
Para maior somma de informagoes poderao os
Si s. expositores dirigir-se a qualquer aos mera-
bros da1 commissao directora.
Sala das sessoes da commissao directora da ex-
osicao provincial de Pernambuco, 25 de julho de
872. Burao do Livrameuto, presidente. M.
uarque de Macedo, secretario.
Terceira porta .
Trapiche Conceigao
SERVlCO MARTIMO.
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega do dia 2 a 21. .
Ditas ditas no da 23......
Ditas ditas no trapiche Conceigao .
[8,661
96
132
392
703
19.987
55
3
3
61
1559 A. J. F. (despacho martimo)
1560 C. 4 Mana 13
1561 C. Frey 4 C 64
1562 C. & N. 2
1563 Anna Maria da C. Oliveira
(transmissao)
1564 M. C. Ayres i
1565 J. J. Pereira 30
1566 J. K, de S. 1
1567 P. Vianoa & C. 925
1568 Olio B. 2
1569 L. 4 Vanua 5
1570 M. J. da Silveira (desp. martimo)
1571 J. J. dos Santos > >
1572 L. P. G. da C. 1
1573 J. N. de S. 2
1574 C. & Manta (reexoortaclo)
1375 T. F. (certido)
1376 li. lrmaos 4 t. 5
1577 It. Broiherherd l
1578 Irma Sezat 1
1579 II. Liger 8
1580 V. 4 L. 4
1581 F. G. do A. 25
1582 S. P. Johnston 4 C 1
1583 O mesmo i
1584 J. Maria P. 25
I5M Barao de Villa Bella 1
1386 D. T B. 3
1587 Alcoforado V. 4 C 1
1588 S. L. & Coimbra 8
1589 S. Brothers 4 C uro
1590 O mesmo 1000
(591 J L. Machado 4 C. 4
1592 O capilo do patacho portu-
gnez Positivo (carta de saude)
1593 O eapito da barca portu-
guea Nooa Sympathia (car-
, ta de saude
1394 O eapito G. F. C. (despacho
martimo)
1595 E. da C. M. 20
1596 Rabe S:hmetau 4 C. 110
1597 A. a M. D. 20
1598 T. Irm:s 4 C. 25J
1599 B. & Sil va 5
Alfandiga, 23 de setembro de 1872.
i
648^516
280*529
70*915
695*054
699*602
87*000
61*367
5551027
12*731
338*373
840*224
289*217
104*773
43*400
1:008*905
1*000
541*300
468*497
977*874
. 54*299
5:085*892
698*392
119*272
52*381
446*219
3:257*023
2:899*264
1:746*907
143*020
36*730
12:880*439
834*206
80*000
157*146
309*962
43*120
415*731
347*200
2:441*111
9*600
2*560 j
11*556
96*120
1*320
1*000
1:2133263
5*250
11 5340
1:675*240
9*465
781*200
2*300
169*496
300*338
2*514
377*623
141*923
929*733
" 978*730+
978*750
941*792
nos lagares onde hou/erem mida no* nliimos
cinco aaoo; 4.' capa cidade pro**waal,a quil pro-
Ta-Mlbidooeatdidtotgumdofsego(esdoc-
muiosltalo de Capaeidade, oa materia em con-
curso, coafjrido pelo conseno director d* ios-
irnccao primaria e secundaria do municipio da
corle, mul de professor lambem da materia -em
concurso concedido palo governo imperial, diplo-
ma de oacharel on, de doator as faculdadss do
imperio ou academias estraojjeiras ou de bichare!
em latirs.
As pessoas notaveis por seu talento e reconhe-
admente habilitadas, poderao ser dispensadas de
prova de capaeidade pelo governo, e as que nao
poderem provar ou obtiverem dispensa passarao
por um exame antes de serem admltiidas a ios-
cnpcao; tudo da cooformidade cim o capitulo 4
do regulameni j de 5 de malo de 1836.
E para eonstar mandn o mesmo Exm. Sr di-
rector afflzar este edal, qne ser publicado oesta
provincia, na Tortee as proviccias mais proxi
mas.
Secretaria da facnldale de direito do Rec.fe 23
de setembro de 1872.
O secretario,
./oi Honorio Bezerra de ilenezes.
Rus de S. Jorge,
usa tema o. 100. .
laem o. 96 .
Casa terrea 0.99" "*" '
dem o. 105. .....
240*000-
240*000
350*000
200*000
Hua do Rosario da Boa Vista:
La-e terrea o. 58....... 900*000
Os pretndanles deverao' apreientar no acto d;
S *Vn,s flans. oa comparecera
leompanhadoa dos respecUvoe fiadores, devendo
pagar alm da renda, o premio da qoantla porque
for seguro o predio que coutiver estabelecioiento
commer^ial.
Secrcuria da Saou Casa de Misericordia do Rs-
sue, 2 de setembro de 1872.
O escrivao,
^^^^^^_ Pedro Rodngne$ de Souza
DECLARACOES.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE
A..'DB'* administrativa da santa casa da miseri-
cordia do Recife coaiioa a receber pruposlas
paia o rornecimento da carne verde que nouver
de precisar toJcs os estabeiecimenios ios seu
cargo no trimestre de ootnbro a dezembro vio-
douro, aa sala das suas a-ssCes, pelas 4 horas da
larde do da 26 do correle.
SecreUria da saoia casa da misericordia do
Itecifs 20 de setembro de 1872.
O escrivao,
._________Pedro Rodrigues di Suiza.
Pretsa-se coniraiar
guesugas para os di-eotes
Paroamboco,
lubro
", no trimestre
31 "de dezembro
2*000
2*000
25*000
444*096
396*800
187*737
7113666
1.619*431
Importa^o.
Patacho inglez Habbur Grace, cindo de
Harbour Grace consignado a Sjunders Bro'.kers &
C. manifestou:
Bacalbao 2,600 barricas aos consignatarios.
COMMERCIO.
Companhia Phenix Pernam-
bueana,
Toma rucos m.iritimos em mercadorias, fretes
dinbeiro a risco e finalmente de qnalqner natu-
reza, em vapore?, navios a vella ou barcacas,
premios uiuito mdicos: rea do Commercio nu-
mero 34.
SEGURO COTRi FOGO
lio Liverpool 4 Loodon & Globe
INSURANCE COMPANY
SAUNDERS BROTHERS C
11CorpoSaato11
Fapor inglez Jurist, t'indo de Liverpool por
Liboa, consignado a Johnston Paler & C-, ma-
nifestou :
Li.'boa
Ihos 23 caixas a F. Guedes de Araujo. Amen-
doa3 13 caixas a F. Guedes de Araojo. Arcos 100
rodas a Pidi Guimares, 50 a F. Guedes de
Araujo.
Btalas 70 melas caixas e F. Guedes de Araojo,
50 a Rosa 4. F.
Conservas 10 caixas a Fnnco da Cunba, 17 a
Pereira Vianna 4 C. Ceblas 18 caixas a Franco
da Cunha, 20 a Simoas dos Sanios 4 C, 40 a T.
Aquino Fonceca, 40 a F. Guedes de Araujr. Cal-
cado de iraoca 2 caixis a Cunha 4 C. Couro 1
caixa a Franco da Cunha. Cera em grumo 8 ditas
a C. J. da Silva. Cal 50 barrrisa Silva A. Braga.
Drogas 2 volumes a Maurer Se C. Damasco de
seda 1 volurae a Lopes di Costa
Figos .56. grades a E R. Rabello, 8 a J. J. de
Arevedo, 15 a Marlios de. Barros. 24 a F. Guedes
de Araujo, 10 a Soares 4. Primo, 5 ancorelas a
Correa Braga, 15 a T. de Aquino Fonseca, 10 a
Carlos Cardse 4 0., 8 a Amonio F. Corga, 10 a
A. P. Barbosa. Frucias 10 caixas a Mmteiro da
Cruz, 7 a Ferreira do3 Santos, 23 a Franco da
Cunba, 20 a Barros F. 4 C, 4 a Silva Loyo. Fa-
queiro de prala 1 caixa a Amorim Irmao 4 C.
Livros 1 caixa a Domingos Maria Goncalves, 1 a
Nogueira de Souza, 1 a Costa Moreira. 1 a Alfredo
da Silva, 1 a Amorim Irmo 4 C. Linha^a 4 bar-
ricas a Pharmacia Central.
Massa de tomate 16 barris a Ferreira d'Almeida,
2 a SimSea dos Sanios 4 C. Medicamentos 8 cai-
xis a Pharmacia Central. Micaes 30 ciixas a
Pereira Vianoa 4 C, 10 a Ferreira Cruz.
Passas 15 fardos a Ferreira da Cruz, 83 a Soa-
res A Primo, 23 a Correia Braga, 27 a Lima A.
Reis, 26 a Carlos Cardoso & C, 23 a A. F. Corga.
12 a A. F. Barboza, 150 aE. R. Rabello, 108 a J.
J. Gongalves Beliro, 30 volumes a Sim5s dos
Santos 4 C, 111 caixas a F. Guedes de Araojo,
80 a Aones Jacorae, 10 a J J de Azevedo, 15 a
Rodrigues Mendes. Panel 2 caixas a Ferreira 4
C. Peras 30 caixas a Pereira Vianna 4 C. Pcixe
18 caixotes a Pereira Carneiro 4 C. Paramentos
2 caixas a Amorim Irmao 4 C.
Rap 1 caixa a Monteiro da Crnz.
Toocinho 50 barris a Rosa 4 Filbo.
Uvas 10 meias caixas a Franco da r.uohi, 5 a
Ferrtira da Cruz. Vinho 20 caixas a Keller 4 C,
3 pipas e60 quintos a Oliveira 4Filho, 2 barris a
Costa Maia, velas 40 caixas a E. R. Rabello 4 C.
32 a Oliveira 4 Filbo.
Liverpool.
AlgodSos estampado i fardo a Carneiro 4 No-
gueira, 1 a Adamson Howie 4 C, 50 a Bragason
2 a Goncalves Ferreira, 12 a Alcoforado Vieira 4
C, 8 Silva Barroca, 1 a D. P. Wild 4 C, 5 a Mes-
quita Cardoso. Arroz 23 saccas a ordem, 25 a J.
J. Gonjalves Beliro. Amostras 12 caixas a J. J.
Al ves,
Botoes de osso 1 caixa a Bastos & Silva, Biscoi-
tos a J. J. Atves. 2 a Alcoforado Vieira & C,
Cbapo de sol, t caixa a Machado 4 C. 2 a
Keller 4 C. Chapas de ac 1 caixa a Silva 4
Piolo. Chales de la 2 caixas a Keller A C. Cha
zOcaixaa a J. Gerardo Bastos, 21 a Magalbes 4
Irmao, 44 a Mendes 4 Azevedo.
Fazeoda de algodo 85 fardos a Mosquita Cardo-
so, 11 a Carneiro 4 Nogueira, 2 a Lioden Weyd-
maan.
Maoteiga 50 barris a Migalhes 4 Irmo, 90 a
ordem, 25 a Jss Miria Plmeirs, 20 a P. de C. 4
Irmo, 30 a Rosa 4 Filbo, 73 a Barros Filho & C,
100 meios dilos aos mc-smos, 40 a L. I. da Cosa
Amorim, 50 a Linden Woydmann 4 C. Medica-
mentos 1 caixa a ordem.
Prgos 6 qnartos Je barril ao bario do Llvra-
menlo. Panno de algodo 2 fardos a Adriana 4
Castro, 3 a Braga Son, 4 a Silva Barrosa, 1 a Ro^
drigues lrmaos 4-Gnimares, 5 a Mesquita Cardo-
sd. Perfumara 3 caixas, a C. Gnimaiies 4 C.
Papel a J. 1. Atves.
Rindas 1 caixa a J. A. de Araujo 4 G,
Braoa.
Despachos de exportafSo no dta 21 de
setembro de 1872.
Para os portos do exterior.
No brigue inglez Zngara, para o Canal, car-
regaran-,: S. Brothers & C. 2.000 saceos com
150,000 kilos de assucar mascavado.
Na barc. hollandeza Sphynse, para e Canal,
carregaram : R. Scbmelbau 4 C. 110 saccas com
8,134 1|2 kilos do algodo.
Na barca portogaeza Nova Sympaikia, para
o Porlo, carregaram : P. Vianna 4 C. 925 saceos
com 27,172 kilos do goroma.
/ara os portos do iaterior.
Para o Cear, no vapor nacional Para, car-
regou : J. M. Das 100 saceos cem 7,500 kilos de
assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, no patacho nacional
Veloz, carregaram : Fernandos 4 Irmo 100 sac-
eos com 7,500 kilos de assucar branco.
Para Parahyba, na barcaga Maria Isabel,
carregou : J. A. de Albuquerque 37 saceos com
2,775 Kilos de assucar branco.
Para Alagoas, na barcaca Nova1 Beberibe,
carregou : D. Alvaro Machado 6 caixas com 150
kilos de sabo, ( birril com 0 litros de vinagra,
2 caixas com 16 ditos de cerveja e 1 garrafo com
10 diics de geoebra.
o fornecimento de sali-
do hospital militar de
vigorar do !. de ou-
viodouro. As pessoas
que a isso se propuierem, devero apreseotar em
carta fechada suas propo3tas oa secretaria do
mesmo hospital, no da 26 do Crrente s 9 horas
da maoba.
SecreUria, 19 de set-mbro d 1871
O e-crivio interino,
____________Jo.' Carneiro Mtciel da Silva.
Preeisa-se contratar a lavagera da roupas de
aso dos doenles do hospital militar de Pernambu-
co no triitesire decorrer do 1. de ootubro 31
de dezembro viodouro. As pessoas qne se qui-
terem propor a isso, devero apreseclar suas pro-
postas ei caria fechada na secretaria do mesmo
hospital, 00 dia 26 do correte 9 horas da raa-
oh,
Secreuria, 10 de setembro de 1872.
O escrivii interino,
____^______J-s Caroeiro Maciel da Silva.
Pela tecreiaria da cmara muoicipal desta
cidade se faz publico para coaoecimento dos iote-
ressados, qoe oo teodo sidu fUecluadaa arrema-
tacao do importo de 60 rs. por cada pe de coquei-
ro de prodcele, corno fol annunciado para o da
18 do corrale, Oe novo sao convidados campa-
recerem em o da 23 do correla mez, munidos
de nanga.
Secretarla da cmara municipal do Recife 21 de
setembro de 1872.
O secretario,
_________Lonrenco Bez-rra Cirneiro da Cunha.
= SU tsira 27 do. corrale, as 11 horas do
da, fiada a auliencia do Sr. Dr. juiz de direito da
fizenda, vo praga pira seren arrematados a
casa terrea com solo, na bicca de S. Pedro, era
Otmda, lepdo 9 palmos de frente e 70 de fuodo,
com 2 sal, 5 quarlos, cozioha fra, com um ter-
reoo com baixa de eapirn. com f:ma tiiogular,
tenlo a lioha da frsot-) 295 palmos e de fundo 190,
avallada por 5:000* ; um sobrado o. 3 oa roa de
Mathias Ferreira, em O.inda, estando em mo es-
lado, leodo 35 palmos de frent- e 53 de fondo,
com i salas, 2 qnartos, cozioha fra, e um terre-
no to lado cem 03 palmos de freoie e 63 de ion-
io, avaliado por 3:000*.
Ditos predios vao praca por eoecueo de Ma-
uoel Antonio djs Passos e Silva contra os herdei-
ros de Francisco das Chagas Salgoeirc
O bonital militar de Pernambuco contraa
para fornecraenlo das dietas dos doenles, racSes
dos empregados e expediente da secretaria, no tri-
mestre vigorar do de outubro 31 de desem
oro viodooro o seguale ;
Arroz.
Aletna.
Assucar branco refinado.
Araruta.
Batatas.
Bisco otos.
Bolachinbas de araruta.
Bolachas.
Bananas.
Cha by*eob.
Chocolate.
Caf moido.
Caroe verde.
Dita seca.
Dita da porco.
Doce de goiahi.
Farioha de trigo.
Dita deMoribca.
FeijSo preto.
Gailiou s.
Leite.
Laraujas.
Leohs,
Maoteiga iogieza.
M3rmellad3.
Ovos.
Pes de 2 e 4 onc?.
Sal.
Tempeiros.
Toueioho.
Vinagre.
Vinho do Porlo.
Vioho branco.
Canelas.
Caivetes.
Eovelope;.
Lapes.
Obreas.
Peonas de ac.
Panel almajo pautad).
Papel almaco liso.
Papel mala borro.
Tima preU Violeta.
Todos esles gneros e artigos devem er de pri-
meira> qu&lidade.
11a earne verde nao se admitte orsos aleas di
quinto deseu peso, devendo ser fornejda de for-
ma que nao flqoe psdac)?, ou pequeas porgoes,
e de parles qoe se pres'.em bife e asalos, nao
podeodo entrar em peso, eabeca, pescoco, liogna,
ventrculo, fresu'as e ps.
Os pretenlenies devero apresenlar snas pro-
postas em carta fechada oa secreuria do mesmo
hospital, no dia 26 do correle s 9 horas da mi-
aba.
Seerelaria, 19 de setembro de 1872.
O escrivao interino,
Jos Gsrneiro Maciel da Silva.
Sabbado 28 de setenta.
oeguda represeouco dourann em cinco acto-
nui no uftuii
Grande succeseo!
Reeebe-se encotcmendas de bilbelea no eeari-
torio do ibeairo.

CIRCO
Pela Ihesouraria prcvioeial se faz publico
que foram transferidas para o dia 26 do correnie
as seguioles arremats^oes :
Fornecmenta de alimentaco e dietas aos pre-
sos pobres da ca.-a de detenco..
Canalisaco e camboa do riacho Jordo, na
Boa-viagem, oreada em 16:882*951.
Secretaria do thetouraria provincial dr Pernam-
buco, 20 de seiembro de 1872.
O oflkial-maior,
____ M'gnel Affon RECEBEDORIA
GERAES
Condimento do dia 1
dem do dia 23 .
DE RENDAS INTERNAS
DE PERNAMBUCO.
a 21.
31:991*304
6:072*905
Pela'thesouraria provincial se Taz publico que
foi tranf;rida para o dia 26 do crente a arre-
malasio ffb impoto de pedagio da barreira de S.
loo, orc*do*em 3:240* por auno.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
osmbuco, 14 de setembro da 1872.
O offlcial maior, -
^______ Miguel Affonso Ferreira.
39:064*409
CONSULADO PROVINCIAL.
rtendimento do dia 1 a 21.
dem do dia 23 .
67:326*191
12:487*034
79:713*2*5
MOVIMENTO PO PORTO.
Acacio entrado no da i.
Harbir Grace35 das, patacho ingle
arbor Grace, de 190 toneladas, eapito
J. Browa, equipagem 10, carga 2:600
barricas com bacalho; a SawnJera
"Brothers & C.
Navio sahido no mesmo dia.
Porto por LisboaBaria porlugueza Nova
Sympathia, capitao Lobo, carga assucar
e ontros gneros.
Navio entradj no dia 23.
Liverpool por Lisboa-2 1/2 dias, sendo
do pliimo porto 15 1/, vapor ingle*
Jurist, de 46i toneladas, commandante
J. Hannay, equipagem 21, carga diferen-
tes gneros; a Jonnston Pater 4 C.
Observaco.
Nao boave sabida.
EDITAES.
Consulado Provincial.
Por esta repartieji sao avisados os coniriboin-
tes que a oda nao salisfizeram as respeciivas
quoias dos impostos em segoid^l menciooadoo
perlencentes ao anno (lodo de 18711872, que
termina oo dia 28 do correte/ defioitivaraeotej a
recebimeolo das mesmas quoias, passando d'ahi
por diante a ser a cobraoca fsin por via judi-
cial.
Sao oa impostos:Deeima nrbana ; mJo mor-
a ; 20 /, sobre diversos eslabelocimentos com-
merciaes; 8 / sobre escriptonos, coosultorios-e
carinos; 4 / sobre diversos estabelecimeotos
commerciaes fra da cidade, e de industria e pro-
fissdes ; 5 / sobre o capim vtnlido Desta eida-
de; 60 ris por litro de agurdenle consumida
oa provincia ; 1*000 por tonelada de alvarenga
e canoa empregadas nosarvico do porlo, navegaco
e transpone nos ros; 2*009 por escravo ganha
Jor; 5*000 por cada estabelecimenlo coramer-
cial desia cidale ; 6*000 por carroca ou vehcu-
lo de transpone ; 16*000 por carro particular
de passeio de 4 rodas; 10*000 por dito de 2
rodas; 20*000 por mscate ; 23*000 por mni-
bus ; 30*OC0 por carro de aluguel e por carro
fnebre ; 30*000 por escravo empregado no ser-
viim de alvareogas de carga e de-carga do porlo ;
30*000 por casada modas; 40*000 por casa de
um biibar; 100*000 por uverpa que vender
miudezas e qninqnilbarias ; 100*000 por casa
que vender plvora ; 100*000 per deposito de
carvo de pedra; 100000 por casa quo vender
reupa feita, obras de selleiro on de marceoeiria
estrangeira ; 100*000 por cada corrector com-
mercial e agentes de leilo; 200*000 por caixeiro,
corrector ou inculcador de escravo. ; 200*000
por casa de cambio ; 600*000 por easi haocaria,
empreza anonyma ou agentes; 1:000*000 por
casa ou agencia de seguros; 1 000*000 por casa
de garanta de bilbetes; 1.000*000 por casa de
compra e veoda oo qualquer iraosaeco sobre es-
cravos ; 2:000*000 por casa de peuhore?.
Consulado proviocial, 10 de setembro de 1871
Serviodo de admioutrador.
A. Wttruvio Pinto Bandeira e A de V.
CONSULADO I. U DA AUSTRIA- HUaGRIa
EM PERNAMBUCO.
Por ordem do ministerio I. R. dos negocios es-
trrogeiros, e para conhecimeoio dos respectivos
subditos, e 'outra qualquer pessoa, esi aberta
oeste consulado orna lisia de snbschpc.oes em fa-
vor d s infeliz s habitantes d'uma parte do Reino
da Bohemia cojos hb.tantes se acbam na maior
miseria por causa das ultimas innunda^Ses, e rece-
bera se offertas al a dia 30 do correte mez.
Pernambuco, 2 de setembro da 1872.
' O eonnl.
B. do Livramento.
THTRO
ffifll
anta casa da misericordia do
Recite.
Contrata a junta administrativa da santa asa
da misericordia d Recife, oa sala das suas ses-
i5et| pelas 4 horas da tarde do dia 26 do corren-
ie, com qaem por meoor preco Uzer o foroeoi-
men'o dos medicamentos de que precisar o hos-
pital Pedro II no trimestre de outubro a dezembro
do correte anno.
Os raterassados poderao consnllar o nceituario
nesta secretaria.
Secreuria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 20 de setembro de 1871
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sonzi.
-Faso constar a quero convier qne o Illm. Sr.
ur. director geral interino tem marcado o orazo
de irinta das, a contar desta dala, para nesta se-
cretana se mscreverem e habilitarem-se na forma
da le n. 369 de 14 de maio de 1855, e instrueeSes
de 11 de lunbo de 1859, as senhoras qae auite-
rem fazer exime da verifleaoao de capaeidade para
o magisterio primario, qus dever ter lugar no pa-
lacete a ra de Pedro Alfonso, onde uneciona a
escola narmal, no dia 7 de outubro prximo vin-
douro, pelas 11 horas da manh.
Secretaria da initrueco publica de Pernambu-
co, 6 de s9tembro de 1872.
O secretorio,
._____________Aurelia** A. P. de Carvalho.
Faenldade de direito.
Da ordem do Bxm. Sr. director, Viseond de
uamaragibe, e em cumpriutento do aviso'da 10
do correte, fa;o publico qua est posta a toMor-
so com o^irasode quairametes, a coatar daflala
deste a cadeira de grammaiica e liogna nacional
do curso de preparatorios itfbexo a esla facda.
de. vaga por tr pedido a ua'exoneraco OTespiij.
uva proeswr, pelo que os qu se qoiseramiag;
crever deverao apresenUr-se desde jl com don-
eo qne pmem : 1 sna-yulidade ns eidada
brasileiro; 2 maiorldsde letal f % monliddl
alienada palor utpmm partftosl fcliiacomdl
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RECIFE
A (Um, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no dia 26 do mez de se-
tembro pelas 4 horas da Urde, Um de ser arrema-
tados a qnem mais vantagens offerecer, pelo
lempo de um a tres anuos, as reodas dos predio;
em seguida declarados.
ESTABELEC1MENTOS DE CAMBAOS.
Roa da Soledado.
Casa tarrea n. 72......210*000
Ra de S. Jorge.
Sobrado n. 80......... 2M)*00
Becco do QoJabo.
3aaa tarrea d. 8........180*000
Hua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares a 3.....900*000
Ra de S. Jorge.
Casa terrea n.* 73........110*000
Becco do Abren.
Sobrado de 2 andares e solio a. I 500*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Madre da Dos.
Caa terrea d. i........ 1:400*000
Ra di eaerarba.
Casa terrea n. 9......... 210*000
Roa da Semalla Vaina.
Casa tarrea, n. 16........-209*000
Roa do Amorim.
Casa tdTTea 1 13....... WWO
EmprezaVicente &'Baha
Quinla-feira 20 de setembro
Recita extraordinaria
Em benedclo da artista
Manuela Lucci de Oliveira
Qoarta a ultma representado do ttuit) bem
acceilo drama em S actos e 6 quadres ;
MARA JOANNA
MLLBER 00 POTO.
O importante papel da protagonista ser des-
empernado pela beneficiada, lomando igualmente
parte no drama todos os mais artistas da compa-
nhia.
Terminar o espectculo com a primera repre-
?eniaco do proverbio em um acio :
Gomo S9 perde um noivo
Original do disiineto escriptor porluguez Lopes
de Mendocca.
Persooagens.
D, Francico Rabia.
Ernesto Jnlio.
0. Jo? Vicente.
Um ,-oente de caval aria Fforindo.
D. Julia D Maria Baha.
delphina D. Olympia. Principiara s 8 11
llavera Iram para Apipucos e pontos interme-
pios.
A beneficiada espara do benvolo publico con-
tinuaco da valiosa estima, qoe sempre Ibe dis-
rensou, e Ibe prolesu sincera gratido.
" A empreza ao publico
Desejando corresponder s provas de syrapa
ihia e protccfao que lemos recebido do publico
pernambucano, acabamos de realisar no Ibeatro
grandes melboramenios destinados tornar o
mais completo possivel a commoddade dos es-
pectadores. Estes melboramenlos, que constituem
urna reforma completa nos camarotes e plateas
sao os segutnles :
Rebaixamento do parapeito dos camarotes, tos-
nando-os assim mais elegantes eommodos para
as Senhoras. Augmento de 6 camarotes (frisas)
peno do proscenio com 4 lugures cada um, pro-
prios para familia^ de poueas pessoas. Urna cias-
te de cadeiras reservadas e numeradas, colloea-
da3 na frente, e dispostas espaijosmente com to-
da a commodidade, de modo poderem ser oc
copadas por senhoras. Nova entrada pasa as ca-
deiras pelos dous corredores laleraes, tornando
assim mais fcil o sorvico de eatrada o suhida do
publico. Declive completo no soalfco da platea,
facilitando s ultimas brdens de cadsfras a com-
modidade que Ihes fslUva. Finalmente, mudanza
da platea geral, para baixo dos camarotes da
frente, e elevico dos bancos da mesma platea.
Com a realisacao deslas reformas jolgamos ha-
ver aatiifeito o nosso dselo-de agradar ao pu
blico, esperando dells em retrboicio dos nossos
esbreos, a proteeeo de qae catecem n ompTO-
tas que, assim como a oossa, s vivem das pro-
prioa recursos'
Vieente \.Baha.
Em consequenca da reforma nt fica exposta,
vigorar d'ora em diante a segu>ale tabella, de
PRECOS,
Camarotes de (reate com 6, enfada b*000
Ditos de lado oom 5 entradas, 101000
Frisas com 4 entradas 80n0
Cadeiras reservadas. iiriHri
Dilas avaisas ,*XXX
Gerae, Jgg
Campo das Priucezns
BENEFiriO DA SOCIEDADE MONT;:-PIO
POPUL\R PEUNAMBUGaN.
Qaarla-feira 2o de soleoibro
Os directores deste circo, reconne;idos so ae>
Ihimento que teem recocido do povo peroaflibu-
caoj, oo poderam deixar de sal.-fazer ao pedid
qae Ibe ez a direecao da Asociaco Mooie-Pio
Popular Pernambucaaj ; e sim rejolverarn dar
no da cima om espectculo, rujo resulUdo ap-
plicam em laver das obras da ca.-a do meemo
Monie-Pio.
Ejmeram-se os diractores do circo para qoeee-
ta fnocc corresponda especi?tiva publica s
satifaca os desejos daquella sociedade baneficeal,
esf-Tcando-.se para apre>rntar brilhaotes a sor-
preodeoies trabilbos, dimbuidos na forma do si-
guile
PBGRAMMA
1-Symphonia pela banda
2.Grupos e sallo.-. '
3 Trabalbos equetlres, pelo Sr. Aodogar.
4Pyramides.
5." Trabalho especial, pelo Sr. Fructuoso,
ti.*Entrada cmica de ciowu, pelo Sr. Sesiac.
loiervallo de 15 minutos.
7.-Ouvertura pela orchestra.
8.*Torturas diablicas, pelo Sr Cnolore.
9*-Trabalho gracioso, por Mme Emilia.
10Trabalbos gymoalicos, por
MI le; Pereira
Dar fim a 15o briihante funeco a chistosa pon-
tomiraa, ioiitnlada
0 Mac ico Af-icauo
No intervalro da primeira segooda parta,
urna corcmis?aj de tocios do H o'.e-Pio dirigtr-
se-ha aos camarotes, aGn de agradecer it pes-
soas que otiles se acnarem o < bzequio do teu
comparecimeoto-e receber as suas ordeos.
Urna banda de msica marcial locar a entrada-
do circo, preencbenJo os iolervallos e abrillan-
tando o espectculo com escolbidas pecas do tea
repertorio.
PREPON.
Camarotes com 6 eulradas 15*000
Cadeiras reservadas 3*000
D tas avulsas 2*000
Geraes 1*000
EXPOSICAO
DE
Htm
O emprejario pretende retirar-se at o flm des-
te mez e portanto, pr, vine a todas as pessoas qne
desejarem ver a3, galeras aproveliem por este.*
dias em consequencia de estar breve a sua retira-
da desta provincia.
As galeras sao empostas de II quadros o
estes quadros representan! 49 fgoras, lodas em
tamanuo natural. Aira deslas existe urna figura
que reservada para Cavalheiros.
DEStNACAO DOS GRUPOS
Quadro 1.
OS HILAOS PRLSSIASOS
tm assalto de orna tenda de nina familia de eom-
ponezes francezes (5 figura)
Quadro 2."
HOSPITAL DE SANGUE
n'ura dos acampamentos 1 ancezes onde esto nm
padre, um irmo da cruz vermelha, e urna irn
de caridade, pregando os anxilios religiosos m-
dicos e humanitarios aos feriaos e monbnnJp?, oa
baialha de Forbacb, (7 figuras) sendo 4 cem m -
vimentos.
Quid; o 3.
Im grnpo de varinos
de ovar, e urna muiher de Sanio Thyrso, de volii
de nma romaria ao Seobor Jess da Pedra, ( 3 fi-
guras.)
Quad o 4
S. M. o Sr. D, Pedro IV em Portugal e I o..
Brasil, 1, e seo ajudante d-> orden?, major S fio-
eueira, 2, um capilo, 3, nm sargento, 4, e Baa
soldado de caladores, 5, na occasio no etfm-
barque, e quaodo aporta a esquadra com o exor-
dio libertador s Praias do Miodello. ( a vttta
figuras.)
Quadro 5.
UM SARGENTO DE VOLUNTARIOS DA
PATRIA
braslleiro, cfferecendo alimento a orna faniln
faraiola e quasi d no acampamento do Para-
guay, (6 tlgura's.)
Quadro 6.
PRESIDENTE DA REPBLICA DO Mtitt-
GUAY
D. Francisco Solano Loptz, assomsndo a poru
de sua barraca de campanha guardada por diu>
sentinellas do seu exercito, n com as compsiet
les taogas, ao acampamento de Tbiioary ( 3 ii
flguras)
Quadro 7.
O general Trochii, 1, Jubo Favro, i, Roehefort
3, e Gambetia, 4, principaos membroe da d f zi
de Paris, em consulta acercada ascencao aere
daquelle ultimo, (l figoras.)
Quadro 8o
Apreientaclo da Napoleo 1H, |, ao rei Gu-
Iherrae, 2, o Sr. de Bismark, e aos generac-
Molike, 4,; a principe berdeiro. da Prussia. G, de-
pois da capilulacSo de Sedan, (5 flguras.)
Quadro 9."
D. Foiippa de Vtlbena, 1, e seos Albos D. Fran-
cisco Counho, 2, e D. Jercoymo de Aihayde, 3,
prestando juraoiento na occasiao de sua mi aa
armar cavalbairos, na occasiao da lehlauratao d
Portugal em 1010. (3 flgnras)
Quadro 10.
SS. MM. raaos el rei o Sr. Pedro V, i, a ni-
nha a Sra. D, Eaiephana, 2, e oi-rei o Sr. D- Pei-
nando, 3, em audiencia o Exm. Sr. ourec&ai
Duque de Saldaoba, 4, depois da nauauracao -
hospital t-tecania e qaaodo recebe o dipfc..
i ~nd*,lf'' e trmi protectora do mosmo Kos?i-
lal ( 4 jgura).'
Quadro ll.9
S. M. d o tei Amadeo I, 1, general Sarrjoo. i
o almirante Topet, 3, em coniempiafio e q jlo visitam a cmara morluaria do cadver do i*
oeral Prim, 4.
Raa do Coramercio d. 17, daa 10 di-m*-
nh5 as 10 da noote.
I "" -
:

4


i


i d Ptmani** Terqa feira 24 d Setemtro dt 1S72
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
N
avegaco costclra por vapor.
Mamanguape.
O vapor Coruripe, com
mandante Silva, seguir
para e porto aeima nc
da 8 do corrento as l
horas da urde.
_ Recebe carga, encom-
eiros e dinheiro a frete at as J
toras < urde do dia de sua sahida : escnptoru
no Forte do Mattos o. 11
com uropo de pedra, 1 sola, 12 eadelras, i ap
parelho para janlar, 1 dito ara cha, earrafas,
copo?, i fogio de (erro e cadeiras de ferr >.
Objectos de ouro e rala, 1 tranceln, 1 crreme,
i adertco, dedal, 3 alucete', col'heret, paliteiro,
caslicaes. salva, esporas o 1 capo._________
LIIUO
Ama de leite.
Precisa ?a de orna ama que teoba boa e
abundante leite prefere se se frlho : na roa do
Bom Jesn. antiga ra la C,ui n. 50, 2 andar.
MA^
se bem.
Precia se para cozinba, livre ou es-
crava : na ra do Atalho a. 13, paga-
i
^m
Precisa-se de orna ama
para casa de penca familia :
na roa das Trine boiras n. 3a.
ral
Aleo
ropa o
Reeks,
Companhla de Paquetes
Inglezes a Vapor.
dia 57 do correte mez espera-se da Eu-
vapor iDglez Boyne, commandaule P.
qual depois da demora do costn,
"ijmrr para Baeuos-Ayres tocando nos portos da
Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
o dia 28 di corrente esperase dos portos do
sal o vjjor ioglez Neva, commandanle H. Bax, o
qual depois da demora do costme, seguir para
Soa'Jiampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens etc., trata-se com os agentes,
roa *> Comenercio n. 40.
-- .

DO
HOTUL ]flABIliE
QUARTA FEIRA 25 DO CORRENTE
Constand) de nm bilbar com todos os seos per-
tences, mesas, cadeiras, looca, vidros, quadros e
gaz, existentes no botel Habite, ra da Florenti-
na, polo agente Martina.
A's 11 horas do dia cima.________________
LEILAO
Transferido
O do botel Mabile annnoeiado peb agente Mar-
tina parahoBtem, fui transferido para amanba
quarla-feira, s 11 horas do da. _____
Mi.
COMPANHIA
DE
Ifvegtfft Brasileira
Dos portos do norte esperado
at o dia 26 do corrente o va-
por Cear, commandante Rich,
o qual depois da demora do eos-
turne, seguir para os portos do
Eneommendas de pequeo valor, peso, medida e
tambem dinheiro, recebem se at 1 hora da tarde
do dia da sahida do vapor.
As enoramendas vindas por este vapor, serc
entregaos no trapiche Dantas.
Para fretes e passagens trata-se na agencia,
rna Commercio n. 8._______
DE
Um excellen'e predio de 2 andares e soUfo
do principio da ra de S. Jorge n. 23,
(ootr'ora Pilar.)
QUARTA FEIRA 25 DO CORRENTE.
A's 11 boras da maoh.
EM SEU ESCRIPTORIO
Ra do Bom Jess n. 83.
0 agente Pinho Borges, vender em leilo o pre-
dio cima mencionado, o qual se aiha bem situa-
do, e tendo ura grande pavimento terreo, proprio
para qualquer ramo de negocio. Os Srs. preten-
demos podara dosdo ja dirigir-se ao referido agen
te que dar as informaeoes precisas, no eserip-
torio sito ra do Bom Jess n. 53,1." andar.
AMA
__ Precisa-se de urna ama
lio somente para cozi-
nhar para pequea fami
lia, no caes- do Capibari-
be n. Si, casa coa por
lio de ferro ao lado.
Precisa-se de urna ama livre on escrava para
engommar e fazer o servieo interno de ama casi
de familia : a tratar no Corredor do Bispe n. 23
on na rna da Crnz o. 41
UU
Precisa-se de ama ama para cu-
sinhar e fazer o mais servieo de urna
casa de pequea familia: a traur
na ra da nii n. 61.
V**
Precisa-se de
para eoziohar e
nma ama
engommar:
B0101ET DAS DAMAS
Ricardo & C,
Os proprielarios deite estabelecimento partid-
pam ao respeitavel publico que assumio a direcelo
do sen tallo de cabelleireiro o hbil artista fran-
cez Mr. Belpecke, cojo executa, bem como seas
eompaoheiros, toda e qualquer obra de cabellos por
mais difflcil e engenhoza que eja, elle tem inventa-
do urna aova e linda forma de posticos tanto para
seohora como para hornera ; o sen trabalno em
coques de diversos formatos, topetes, trancas eres-
centes, bueos etc etc., sao ja bsm conbeci los e
apreciados do publico desta eidade, por serem
iguaes aos que de melhor vem de Paris.
O Bouqnet das Damas recebe por todos os pa-
quetes da Europa o jornal dos cabelleireiros, e por
isso acha-se na melhor condicio para exeeoUr as
ultimas modas de Pars, em obras de cabellos e
penleado?, Indo com prompdo e ce mmodos
oreos. ,
O salao para cortes de cabellos e barbear, est
prvido de habis artistas para o bom desempenbo
de sen mistar. Ricardo & C, rna Primeiro de
Marco (antiga ra do Crespo ) o. 14 primeiro
andar.
tratar no Passeio Publico
o. 54, loj.
Ama de leite
: na ra do Duque de Casias n. 64
Precisa se
loja. _____
GOMFANH1A FERNAMBUCANA
D8
Kavegaco eostelra por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj,
O vapor Mandah, commandan-
le Julio, seguir paraos por
tos cima no dia 30 do corrente
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at o dia 28, eocommendas
dinheiro a frete at as 2 horas
no escriptorio no For-
AVISOS DIVERSOS
Precia-se de urna ama que lenba bom leite
a tratar na rna do Rosario Estrella n. 17, escrip-
tori das 10_s 2 da tarde.__________________
Precisa-se de urna ama per-
feita cozinbeira para easa de
hornera solteiro: na ra do
Crespo, loja das 4 portas d. 8 B._______^^___
Quem precisar comprar um escravo e nm
moleque, ambos prcas, dirija-se roa da Santa
Crnz n. 64, que achara com quera traUr.
Precisa-se de nm cosinbeiro qne emenda da
sua arte ; i tratar no largo do Cor po Santo o. 19,
escriptorio.
As80ciac3o Commercial Agrcola de Per-
Dimboco.
Por parte da directora da mesma asiociaQio,
?o convidados os Srs. soeha, para amanba 24 s
10 e raeia boras da machi, assistirem leilora do
relatorio, e elegerem a nova directora que ha de
sneceder a actual.
Reeie 23 de setembro de 1872.
Barbosa-Jnior.
_______________________secretario.
*. Offereee se urna ama para eoziohar em casa
de familia : tratar na rna de Hirtas n. 94
loja._________:___________
GOMPANHIA
E-
Elificagoes da eidade
do Rccife.
^m
Precisa se de nma : na roa
de Hortas n. 30 primeiro an
dar.
loja.
Precisa-se de ama ama pa-
ra comprar e entonar : na
ra Duqae de Casias n. 54,
Precisa-se alagar urna ama livre on escrava
para eoftommados de casa de familia : na tbesou-
raria das loteras das 11 s 3 boras.__________
paseageiros e
da urde do dia da sahida
m 'o Mattos n. 12.
COMPANHIA PEHNAMBUCANA.
DI
SavegacSo eostelra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara
taty, Ceari, Mandahu', Acarac e Granja.
O vapor pojuca, comman-
dante Moura, seguir pan
os portos cima no dia 30 de
correte as 5 horas da urde
Recebe carga at o dia 29,
'eneommendas, passageiros e di-
nheiro a frete at as 2 horas da tarde do dia di
sabida: no escriptoriodo Forte do Mattos n. 12.
Para Maranhao
A barca portuguea loria Luiza, capilao A.
S. Goncalves, vai sabir com brevidade e recebe
carga a frete commoda : trata-se com E. R. Ra-
bello & C, roa do Commercio n. 48.
BAHA
O abaixo assignado declara ao publico e com
especialidae ao respeitavel corpo do commercio,
que tendo em julho prximo passado dissolvido a
sociedade. a qual gyrava com a Qrma social de
Duarte & Guimares, em o estabelecimento de mo
Ibados a retalbo, silo ra Conde d'Eu n.-9.
cando o activo e passivo a^ cargo do socio Gui-
mares : efiioda, o mesmo abaixo assignado de
clara aos mismos senhoras que tem vendido o
mesmo estabelecimento ao Sr. Jos Ferreira Cor-
tinhas.Hivre e desembarasado de qualquer oous,
em 20 do andante. Recife 22 de setembro de 1872.
Bernardino Ignacio Guimares.
SITIO
Alugase o sitio da travessa do Caldeireiro n, 4!
a tratar na pra^a do Conde d'Ea n. 19, botica.
m
pjeeisa-se de ama ama para com-
prar e cozinhar para nma casa de
pouca familia : a tratar na roa da
Roda n. 42, 1* andar.
Mathias Wessely, fabricante e coocertador e
.tinador de pianos, realejos e serafinas etc., avisa
ao respeitavel publico que se comprometi a con-
certar e afinar estes instrumentos, tanto nesta ca-
ptol eomo arrabalde?, e engenhos, qualquer dis-
tancia que seja, por pregos moderados r garanta-
do o sea trabalho : pode ser procurado na rna
das Cruies o. 12, em casa do Sr. Alexandre.
Ama de leite
Precisa-se dcima ama de leite: na travessa
de S. Jos n. 27. ____________
Precisase de ama
zinhar: n ra do
ama para co
Hospicio na-
AMJL
mero 46._______________________________
Pracisa-se de ama ama que saiba'cozubar
e comprar: na ra nova de Santa Rita d. 39,
serrara.______________
Gregorio eS fgido
Fugio do engenho California, freguezia de Se-
riohem, o escravo Gregorio, de 19 aonos de ida
de, secco do corpo, preto, estatura regalar, testa
red >nda e saliente, olhos vivos e amito ladino,
tem falta de dentes na frente, nma marca da qaei-
madnrana barriga e outra na coxa direita j mui-
to velha, proveniente de ama eslrepada, um das
orelhas jfoi furada para argola, sanio de casa de
seu senhor com calca de brim pardo, camisa de
madapolo e chapeo de massa gros3a : quem o
apprehender pode levar ao engenho cima, on
ra da Praia n. 31, que ser generosamente re-
compensado._______________________
Aiuga-se
O palhabote Garibaldi a sabir por estes dias tem
parte da carga prompta : a tratar com Taaso Ir-
naos & C. oo com o capuaoCustidio Jos Vianna
Para o Eio-Grande do
Sal.
Recebe carga a frete para acuelle porto o pa-
aeho naci nal Salciput'des navio de'primeira clas-
se, qne seguir dentro em poucos dias: tratar
com Jos B. de Rezende & C, ra do Mrquez
de Olinda n. 60.____________________
Pava o Rio de Janeiro.
Vae seguir impreterivelrcente at o fim do (Jr-
rente rnez de setembro a barca portugueza Ce-
menna: para" o resto da carga trata-se com os
consignatarios Tbomaz de Aquino Fonseca & C.
Snecessorts roa do V gario n. 19, ou com o
capito na praca.______
Para o Aiacaty
egne com brevidade o liate 3/ana Amelia, ca-
pilao e pralico Francisco Thomaz de Assis ". quero
pretender carrfgar dirija-se roa do Amorim n.
60, a tra'ar com Antonio Alberto de Sonza Agniar.
ama casa e sitio no lugar Sant'Anna de dentro :
a tratar na raa de Santa Isabel n. 1.
Um bomem precisa alugar urna casa terrea
pequea em Santo Antonio, ou melada de urna
maior: quem liver annuneie.
g Precisa-se de ama seuhora que d provas de
sua conducta, para occopar-se no servieo interno
de nma ca^a de raui poaca familia, garante-se-lhe
respaito, eslima e sen ordenado : a tratar na ra
do Imperador d. 22, primeiro e segundo andares.
_ -- a Precisa se de urna ama para
Aifi^m. casa de duas pessoas : no largo da
matriz de Santo Antonio n. 4, 2* andar.
" VaJor Joo laptisa Paes
Barreto.
Leal & Irmo nandam resar ama
missa quarta feira 25 do corrate,
as 8 horas da caanba, na matriz da
Boa-VIsla, pelo repoaso eterno de
sen prezado amigo o major Joo
Baptista Paes Brrelo, trigsimo dia
do seu fallecimento para o qne
convidam aos prenles e amigos do illnsire finado
para aasis'iram a este acto religioso.
Precisa-se
Alagar nma escrava para casa de familia : a
tratar no largo do Corpo Santo n. 19, 1* andar.
Para moijos do com-
mercio,
Aluga-se o 3* e 5* andares do predio n. 14,
rna do Commercio, com excellente vista para o
mar, etc : a traur no 1* andar.
Deseja-se fallar ao Sr. Manoel de Souza Ma-
chado que teve taverna em Sadto Amaro de Ja
boalao : na ra de Pedro Alfonso n. 34. armazem
de Antonio Faroandes Ramos de Almeida, do
mesmo armazem tem para o Sr. Claudino Jos da
Costa duas cartas.______________^^
Banhos em Olind*,
Alnga-se ama casa a raa do Mathias Ferreira
n. 4, a tratar no largo de S. Pedro comJoao E/an
eiseo de Oliveira Conceicao, em Olinda oa a roa do
Cabog n. 5 no Recife._____________________
Offerece-se urna seohora casada sem filbo
para urna de leite : tratar na travessa da ra.
Imperial, ntrala pelo becco coofroate a padaria
Eocoara$ada, penaltima casa._____________
GASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
{.' roa Primeiro de Marco oatr'ora raa dt
Crespo) d. 23 e casas do costame.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sena fe-
lizesHillieUum inteiro n. 4d4 com 5000*, nm
inteiro n. 726 com 800J, nm inteiro n. 1194 com
300*000, nm meio n. 261 com 100* e ouiras sor-
les de 40*000 e 20* da lotera qn se aeabou
de extranir (20."), convida aos possnidorea a virem
reeeher na canormidade do cosame sem des-
cont algum. ,
Acham-se venda oa felizss bilhetes garantidos
da 18.' parte das loteras a beneficio da nova gro-
ja de Nossa Seohora da Peoha (21"), qne se ex-
tratar oa quidta-feira 26 do correle mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Qaarto 1*500,
Em porcao de 100*000 para cima. -
. Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Qaarto 1*375
______________Manoal Martina Fiaza.
liilCIA
Nesta typographia ba daas carias do sol
do imperio para serem entregues em m5o
propna, aos Srs, Dr. Francisco Odilon Ta
vares Lima, e Francisco de Assis Monleiro
Pessoa._______
Offieina de ounves e joalhei-
ro ra de Mathias de
Albuquerque n. 8, antiga
das Flores.
O abaixo assigoido tendo cnegado recentemen-
te da Europa, e achando-se e.-iabelecido oa roa
cima indicada, faz sciente ao respeitavel publico
desta eidade, qua aceita eneommendas de toda:- as
finalidades de obras e concertos qno f jrem con-
cerneles sua profissSo, garaotiodo todo o esme
ro, solidez e promplido, e por presos mdicos:
oa mesma offlcioa compra se ouro, prata e pedras
preciosas, e paga se bem.
Joao Poosbach.
SITIO.
Aluga-se um bom sitio, com casa para grande
familia e maito perto do banho, em Beberibe :
tratar a raa da Cadeia n. 36.
i*ARA O
PORTO
recebe carga a frete mdico e bngue portuguez
Adelino : a tratar cem os coosicnatarios Balihar
Olivara & C, ra do Vigaro o. 1, aodar.
LEILOES.
LEILAO
DE
FAZENDAS
limpase avariadas
floje.
'S il HORAS DAMANH.
Em sen escriptorio roa do Rom Jess n. 53
O agente Pinbo Borges far leilo de um com-
pleto sortimento de fazendas, consistindo em chi-
tas, algodoesiohos, madapolo, cambraias, las, ea-
semira, lencos de lioho, collarinhos. meias para
noaiens e senhoras, chapeos para homens, e tam-
bem nm magnifico scriimeoto de miadezas, bem
eomo : boticas para senhoras, 25 duzias de mar-
roquins sortidos, oleo philoeome, sabio glieerioe,
barba, extractos fiaos, vinagre aromtico e amitos
antros ariigos que estaro patentes no dia do lei-
lo em sen escriptorio.
Leilo
DE
Movis, loucaecrystaes
obras de ouro, prata e ootros artigos
io.ii:
Por intervencao do agente Pinto.
No arma:era da raa da <'.ideia n. 23, em qne es-
teve o escriptorio das loteras, o qaal est para
Jagar-ze.
CONSTANDO DE :
Vea piano, 1 mobiha de faia branca com tampos
de pedra, eanaieiros i gaz, candelabros, serpeo-
Unas, jarros, espelho, cadeiras de balanco, 1
tfifa de Jacaranda, 1 mesa de sof, 1 mesa re-
toa toda de pedra.
Uflu mebilia de Jacaranda, 1 piano forte, 1 sao-
Inario, 1 lastre, 1 barra (corre), 4 machina de
cantara, 1 cadeinoha de rebuco, 1 palaoqoim,
1 secretaria e estante, 1 mesa redonda, 1 com-
atosa e 1 cofre.
Uaacami fraoceza, 1 marqaezio, 1 lavatorio, 1
fsarta vastido, 1 berco, 1 eama de ferro para
saaMo, 1 diu com eolxio da mola.
Jim elstica, i guarda-looca, 1 apartdor
\
J
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
RECIFE A OTiIMDA
E BEBERIBE
Sao convidados os Srs. accionistas para
reoirem-se em assembla geral no dia 24
do corrente, pelas 5 horas da tarde, no lu-
gar do costame, para conlinuaclo e conclu-
83o dos trabalbos adiados acerca da reforma
dos estatutos desta companbia.
Pernambaco, 14 de setembro de 1872,
O i."secretario.
Laurentino Jos de Miranda.
Irmandade do Senhor Bom
Jess dos Passos da ma-
triz do Corpo Santo
Em neme da mesa ngedora sao convidados to-
dos os nossos irmao3 reunirem-se em mesa geral
na quarla-feira 25 do correte mez as 5 horas da
tarde, oa matriz do Corpo Saoto, para elegerem a
oova mesa que tem de faucciooar oo anoo de
1872 a 1873.
O escrivo,
________Jos Pedro das Neves.
Manoel Izilro de Miranda tendo de ir ao Cea-
r oo vapor Para tratar de sua saade, e nao Ibe
tendo sido possivel despedirse dos amigos e p-
renles pela prasteza cora que foi felU sua viagem.
o faz por este meio, offerecenio all sea presumo
aos mesmos.
Um amigo do fenecido Joao Bap-
tista Vieira Ribeiro manda no dia
26 do corrente, quinta-feira as 8
boras da manhi, celebrar, nma
missa por alma do mesmo, e coa-
vida aos pareles e amigos do tina-
do para assistirem ao dito acto,
pelo qoe maito grato ser, a qual ter lagar oo
cemiterio publico s 8 horas da maoh.
Major Joo Baptista Paes Bar-
reto.
Jos de Castro Paes Barreto,
Francisca Paes Brrelo^ Bareinio
Paes Barreto, Mana Paes, Barreto,
Rita Paes Barreto e Arma Paes
Barreto mandam resar algamas
raitsas por alma de sen fallecido
irmo e pai o major Joo Baptista
Paes Barrero, na ma.riz da Bia Vista,- as 7 1|2
horas da rraoh do dia 25 do correato, trigsimo
dia do seo falleeimeoto ; e convidam aos seos pa-
rantes e amigos para assistirem a este acto de ea-
ridade e religio. .....________
Manoel Jos de Figoeiredo Gomes.
Pungidos do mais doloroso senti-
ment, Anna Carolina de Moraes
Figueiredo. Fraocehna H^rmene-
gilda de Moraes Figueiredo, Joa-
qnim Marcos de Figueiredo, fazsm
publico o seu reconhecimanto a ir-
mandade do Divino Espirito-Santo,
e Associaco Moote-Pio Portuguez, pelo maito qae
se prestaran) no eolerro de sea marid e pai Ma-
noel Jos de Figueireio Gomes, e coovidam aos
seus pareles e amigos para assistirem a missa do
stimo dia, que deve ler lugar no dia 25 do cor-
reule, na matriz de S. Jjs, pelas 5 e meia horas
da manhaa._____________________
O abaixo asslgoala tendo comprado o sta-
belecimeoto de molhados a retalbo, sito rna do
Conde d'Ea o. 9, ao Sr. Beroardioo Ignacio Gui-
mares, livre e desembarazado de qualquer ooas,
declara ao paolico e especialmente ao respeitavel
corpo do commercio, bem como em lempo, se al
guern se julgar com algum direito ao mesmo es-
tabelecimeuto, mesmo por algara peqaeoe debito,
apresen ar se do praso de tres dias, a contar de 23
do correte, do cootrario nao ser atteodido. Re-
cife 21 de setembro de 1872.
Jos Ferreira Corlnhas.
Poco da Faneila, ra do Rio.
Esto para se alogar a3 casas os. 33 e 35 : a
tratar oo escriptorio de Tasso Irmos 4 C, oa no
sitio do commendador Tasso, na Cruz das Almas.
Voltarete
A Magoolia rna Duque de Caxias d. 45 acaba
de receber caixa3 com tontos de madreperola e
osso, proprios para o jogo do voliarete.________
Acha-se aberta at 31 de ontnbro prximo futu-
ro a subseripcao para completar a primera emis-
sio de 3,000 acedes qoe eonstita a qaarta parte
do capital normal de 2,000:OOOjrOOO representado
oor 20,000 acedas de 100* cada nma (art. 3. e
U dos estatuios de 10 de junho prximo passado.)
As pessoas que quizerem coocorrer com as
soas respectivas asslgoalnras para realisar a pri-
mera emissao, aeharo ero poder do eneorporador
da companbia F. M. Duprat o livro qoe cootm o
original manuscripto dos estatutos da companbia
cem dala de 10 de juoho do correte aono, ap-
provados^pelcs accionistas.
Addimitte se subscriptores de ama a mil oa mais
acedes; sao precisas 5 acedes para ler nm voto
(arl. 24 dos estatutos.
O capital da companhla ser realisado por pns-
tac.au de 10 % > a primera ser paga no decurso
dos 10 primeiros das depois da dala da chamada
qoe ser feiu pela dreeloria deflaitlva, que Aca-
ra eUita logo depois que ebegarem approvados os
estatutos enviados por iotermedio da presidencia
d'essa provincia em 28 de jucho prximo passado,
ao governo imperial oa corte, em cojo poder se
achara hoje. Haver sempre pelo menos 30 dias
de intervallo entre as ooiras neve prestaedes.
Os subscriptores que effeciuarem em nma (6
vez em numerario as entradas de suas acedes, go-
saro de nm abalimealo de 10 % sobre a quantia.
sabseripU. *
Os que entrar em com terrenos on easas a re-
eooslruir, terao direito a um premio de 3 % P?r
urna s vez. Os que eoirarem com estabeleci-
rneotos iodastnaes, gosarao de nm premio de 6 %
por ama s ver, (art. 7.* dos estatutos.)
As pessoas oacionaes oa eslraogeiras morado-
ras dentro oa fra deste imperio, que quizerem
soltar com seas capiues oa utilitaria eompaobra
de edifkaco da eidade do Recite, desde j ficam
convidadas dirigir suas cartas de pedidos de
acedos, a F. M Dnprat encorporad-ir d cempa-
ohia, no escriptorio do Sr. Joaqom Jos Ramos,
ra do Bom Jesos o. 8, oo Recife.
Alm dos estatutos da eorapanhia, Duprat Ibes
maodar todas as informaedes e detaibes que pe-
derem desejar acerca des vaougeos e garantas da
companbia. .
Os subscriptores por correspondencia deverao
ler no Recif eprocorador basunte para tffsetnar as
entradas e represntalos as oceasides precisas.
F. M. Duprat, morador oa roa da Soledade n.
21, sei encontrado nos dias niel, e receber
assignaturas, na esta;o das Cinco Pona das 7
s 8 '/a da manha, e das 4 s 5 '/a da larde, na
Associac,ao O mmercial Agrcola das 9 as 10 Vz
boras da manh, e de 1 s 3 boras da tarde oa
ra do Commercio.
Recife, i de setembro de 1872.
F. M. Duprat,
Eucorporador da compaohia.
D. Anna Joaquina da Costa Guimares tendo
de proceder a inventario pelo jnizo de orphos,
escrivo Brito, nos bens de seu casal por fallec
ment de sen marido Antonio Jos da Costa Gui-
mares, roga aos eredores de sen easal, que te-
nbam a bondade de apreseolar snas coatas da
data deste 8 dias: na roa do Coronel Suassu-
oa o. 86,
FEITOR.
Preeisa-se de nm feilor portuguez para um si-
tio nesta eidade : na roa do Hospicio d. 33.
Sit C. Hall, Perfamer Kembat-
A predilecta tem perfumaras de Jcbo Gosoeli
& C; eomo sabis Gosoeli o perfamista briUoi-
co qne tem sabido conquistar a palma de todos
de sua profisso. Gosoeli I it Quem nao eonhece
Gosnell 111 o i perfumista ioglez I.... Extractes:
Sabdes.
Agua florida.
Esseoeias, etc., etc.
Roa do Cabug o. 1 A.
O abano assignado leodo era um joroal urna
declso do jury, em pessoa de igual nome (Anto-
nio Carneiro da Conha) declara qoe nao se emen-
de com elle, morador nos Coelho.
Antonio Carneiro da Canhi.
Cosinheiro
Preeisa-se de nm perfeito cozioheiro : no hotel
do nivsrso, rna do Commertio n. 1 Pagase
bem.
Barros Jnior & C.
COM
Escriptorio de commissftes
A' RA DO VIGARO N. 7,
!. aodar. '
Recebem coosignaede?, oocarregam-se de eu-
eommendes para denlro e fora do paiz. Tem coos-
tantemente deposito de movis francezes, allemes
e portogaezes.______________^_________
Jos Carneiro da Cuaba, soffreodo a oito
aonos dos olbos, e vendo angsentar os seas en-
commodos, tem resolvo fazer urna viagem a Eu-
ropa, e para isso vende multo em coota suas pro-
piedades, eonstando de casas terreas maiores e
menores, e o sobrado de saa residencia, sito na
roa dos Coelhos n. 62 : tratar na ra dos Pra
zeres, no seu estabelecimento n. 50. ______
m DO OURO
Aos 5:000#0OO.
Bilhetes garantidos da pro-
vincia.
Ba do Barao da
Victoria,
Outr'rarua Nova n. 63 e casa*
do costttme.
Acham-se venda rs muito felizes bilhetes ga
untidos da 181 parte das loteras a beneficio da
aova greja de N. S. da Peoha, que ser ex'iahida
oo dia quinta feira 26 de setembro.
PREgOS.
Inteiro U000
Meios 3*000
Quartos 1/500
De 100)9000 para cima.
Inteiro 5/500
Meios 21750
Quartos U375
Recife|19 de setembro de 1872.
J. J. da Costa Leite.
Hotel da Independencia
A' ra do Imperador n. 3, precisa se de ara
bom copeiro.________________
Precisa se de dous trabalbadores de massei-
ra : na padaria da ra da Praia n. 47.
FUGIO
Na praca do Coode d'Ea, oulr'ora da Boa
Vista, o. 9, precisa-se de um eaixeiro que teoha
pratica de taverna : quem quizer dirija-se mes-
ma, que achara com quera tratar._____________
Beneficio as figuras
de cara.
Amanba em beneficio d festa de N. S. das
Dores, por ser para um fim lio justo, convidamos
as Exmas. famiiiws para visitarem o estabeleci-
mento, o qual estar ricamente ornado : raa do
Commercio.
O capillo Jos Antonio Pereira, morador no
Brejo da Madre de Dos, e de prosete na ra do
Mrquez de Oliada n. 30, 1* andar, estando de sa-
bida para a mesma comarca, ju'ga nada dever a
pessoa alguma nesu praca e mesmo no mato
mas se algaem se julgar sen credor aprsente as
suas cootas legalisadas nestes tres dias, qne serio
pagas; outra sim, nao se responsabilisa por conta
alguma apresentada desta data em diante. Recife
16 de setembro de 1872, ____________
1 andar,
Alaga-se nm bom sobrado de um andar e soto
em boa roa do bairro da Boa-Vista : a tratar na
roa Duque de Caxias n. 73, loja._____________
Alagase a quem pagar as bemfeitorias o
primeiro andar do sobrado sito ne largo do Car-
mo n. 18, preparado con asseio e bom gOsto :
tratar na tratar na travessa da Madre de Dens
0.21.
Alagase
Urna eserava propna para eoziohar e comprar;
na rna do Principa n. 34.
Modista franceza
Mme. Lecon'e avisa aos seas fregoezes
qoe sempre codIoi a fazer vestidos do
ultimo gosto de paris, para passeios, casa-
mento?, bailes e lotos, todo feito com bre-
vidade e barato. ,
N. 7 RA DA IMPERATMZ. N. 7
Precisa-se
alagar nma escr va para easa de familia : tra-
ur no largo di Corno Santo n. 19, 1* andar.
ATTENCAO
No botel da rna de S. Jorge tu 112 offereee-se
com toda premptido e selo, comida nao t para
easa ae familia, eomo para os freqaentadores, ga-
ra ntindo-s pre;o rasoavel.
ATTENCAO
Precisa-se alagar am sobradinho de am
andar oa mesmo nm segundo andar e so-
to, qne tenba 2 sala?, 3 quartos e cozinba
fra, e que seja no bairro de Sanio Anto-
nio oa S. Jos: qaem tiver para alugar di
rija se ao escriptorio desta lypograpbia.
Apipucos
Na povoacao alaga-se ama boa easa com 2 sa-
las, 6 quartos, slela para engommado, cozinba,
2 quartos oo quintal murado cora porio para o
rio ; tratar oa roa da Uoio n. 67.
Gompanhia de Beberibe
O eaixa desia compaohia faz saber aos Srs. con-
cesionarios de pennas d'agua, qoe de jaoeiro de
1872 em diante, os recibos respectivos sao por elle
assignados, sem o qne nao serao validos.
Recife, 13 de setembro de 1872.
O eaixa,
Corbemano de Aquino Fonseca
AGRADO
Nao paga frete por conduzir barricas de ci-
mento do armazem da bolla amarella, para as es-
tacSes do porto do Caplm e rna da Aurora e para
lagares da mesma distancia, qaem as comprar
oo mesmo arnazem. ____
O Sr. Caeano Tavares de Souza dexon de
ser cobrador da campaDhia de Beberibe._______
No dia 29 do mez prximo passado fugio
nm moleque de nome Francisco, crionlo, de 18
aonos de idade, ponco mais on menos, reforjado,
e c6r bem preta, com urna marca de bexiga so-
bre a ponta do nariz, oficial teeedor de palhi-
nba e curioso envernisador, a enjos servicos eos-
toma-se offerecer: quem o apprehender, qneira
trazo lo i na da Aurora n. 65, onde ser bem
reeompeosado.________^
AVISO
Joaqun Lacillo de Siqueira Varejao, eomo ad-
ministrador da saa mu ber D. Deolioda Maria Ri-
beiro VarejSo, viuva que foi do finado Maooel Ri-
beiro Bastos, declara qie oa devedores e eredores
do mesmo Bastos, se devem entender eom Beato
Angosto da Silva, nnieo competeote para arreca-
dar o aetivo, e responsavel pelo passivo do finido,
segundo a escriptura de pagameuto e eoirega dos
beos, que a alies fizeram oesu data, visto eomo os
bens inventariados nao basurampara o pagamento
dos eredores.
Recife 22 de setembro de 1872.____________
' Preeisa-se alagar nm preto de meia idade
Sara servieo domestico : a tratar na ru d
[arco, loja de Manoel Azevedo de Andrade.
1111% no
Na roa Larga do Rosario n. 29 precisa-se de i
criados, preferiodose eseravoa.
CONSULTORIO HOMEOPATHICO
no
DR. CAS1N0VA
Largo da matriz de Santo
Antonio n. i.
Consolus e visitas a toda a hora. Me-
dicamentos e carteiws dos melhores fa-
bricaotes.
s
m
m
m
s
Alaga-se oa veade-se nma casa na Agua
Fra, tendo nm pequeo sitio com alvoredes : a
tratar na roa da Pai o. 38.
Trocam-se
aotas das caixas flliaes do banco do Brasil, com
Sequeoo descont : na loja da ra do Mrquez de
Irada n. 68.
Cacado francez
Qaantas vezes ama seohora deixa de osar de
orna bot.ua elegante e de boa qoalidade por oo
querer ir escolher ao lado de nm balcao, o que
muito raioavel; e tal a falta de commodos que
ha oessas lojas de calcados que qualquer seohora
prefere ser prejadicada, porque nao se sent com
disDosiclo de ir a ues eslabelecimentos, certa
de que l nao poder escolher a sua vontade o
que melhor Ihe pode ficar. Felizmente esta ne-
cessidade vai desapparecer, porqae com esse fim
abrio-se am novo estabelecimento eom o titulo
de PARS N'AMERICA, roa Deque de Lsxias
n. 59. andar. .
Os seas proprietarios, tendo em vi-u offerecer
ao respeitavel pablico desta eidade os melhores
commodos, nao pooparam esforcos e nem despe-
zas. All existe nma perfeita harmooia do alil
com o sgradavel, pois a par da elegancia e msg-
oificencia com que se a cha preparado o mesme
estabelecimento, eocooirar-seba as melhores ac-
jommodacSes qoe se podem desejar : teodo pre-
earado tambem'um bello gabinete (reservado)
para as familias com aquella decencia desejavel.
Tomaram correspondemos cenhecedores deste
artigo em diversas partes da Earopa, por cojo io
termedio jreceberam nma graude quantidade,
para dessa forma terem em seu estabelecimeoto
calcado sempre fresco e d boa qoalilade.
Luzeiro da verdade
Esta assoeiacSo teodo deliberado m observao -
eia a ama disposieSb dos seas esUtntos, crear ama
biblioibeea qae ser destinada ao pove, convida
pelo presente a todos os seus assoeados em par-
ticular, e a todos os homens amantes da rasirae-
cao popular, para qne eootribaam com a offerta
de livros de todos os ramos de coobecimeotos hu-
manos, afim de levar a efieilo aquella grandiosa
idea por ella iniciada.
As obras offereeidas bibliotheea do LUZEIRO
DA VERDADE reeebem-se na sle desta associa-
cae., > ra Direita n 91, segando andar, e pela
commissio encarregada de agenciar donativos,
composta dos socios Jayme Eneas Gomes da Silva,
Libralo T. de Miranda Maciel, Pirmino M. da Silva
Carneiro, Jos Firmino Alvares Quintal e Minervi-
no A. de Sooza Leio.______________________
200J0UO de gratificado
Fogio desde o dia 14 de junho prximo passado,
o eseravo crioulo de nome Rodolpho, idade 25 a
26 annos poooo mais on menos, eom os signaes
seguinles : estatura regular, olbos vAg, tem um
gelto no aodar, sabe ler e escrever, e costan lq-
titular-se forro, foi escravo do Sr. Luiz de Oliveira
L.ma, desconfiase que elle embarcan para, ra
da provincia, norte on sol: peda-ie POJ m
autoridades polie.aes e aos eapities fe campo a
aprebenso do dito eseravo, e leva lo i raa D re-
un. 16, qae ser gratifieade eom a quantia cima
o escravo Jos.
No dia 8 do corrente, fugio do eogenbo Qaileba'
o escravo de nome Jos, pertencente ae Sr. Ma-
noel Germano Rigueira Pereira de Bastos, o qual
tem os seguiotes sigoaes: baixo, cheio do cor-
po, cor fula, urna grande batxa ou cicatriz oa
peroa esquerda, proveniente de um couce de ca-
vallo e a mesma perna am pouco torta, tambem
pucha nm pooco por ella quaodo anda ; tem
marcas de castigo e ladino, tanto que tem pas-
sado por forro, em alguma s fgidas que tem
feito. .
Sapp5e-se ter procurado os serloes dos lados
de S. Beoto, d'oode veio a quatro annos.
Pede-se, por tanto, as autoridades policiae?, e
especialmente aos serhires capites de cam-
po, a captura do soprado escravo, e leva-lo ao
mesmo engenho, oa fregoeiia de Serinhaem, ou
no Recite, a raa do Imperador o. 77, que se re-
compensar generosamente.
Alugd-se
o 3# aodar d casa n. 39 da roa do Amorim, pro-
prio para pouca familia : trata-se no armazem
da dita.
ATTENCAO
RICARDO 4 C.
' Os proprietarios do estabelecimeotoBOUQUET
DAS DAMASi roa de Marco o. 14, aodar,
desejaodo sempre dar mafor impulso ao mesmo
estabelecimento e melhor servirem aos seos dig-
nos fregnezes, acabam de admittir saa casa
commercial -artstica, j bem eonbecida do publi-
co desta capital, o Sr. Belpeche, artista fraoeez, in-
signe em saa proflsso de cabelleireiro, o qaal
prestar os seas irabalhos artsticos, quer s pes-
soas, que se dignarem comparecer ao estabeleci-
mento cima Indicado, quer tambem aquella?, qae
nao podeodo oa nlo qaereodo dar-se ao iocom-
modo de sabirem de soas habita(5ss, reclamaren
a preseoca do me.-nn'artista Belpeche s casas em
que residen1.____________________________
Offerece-se dous rapazes para eaixeiro, vin-
do do Rio-Grande do Norte, com algnma pratica
de molhados; dando-se fiador de sua conducta :
tratar na rna da Praia n. 49.______________
Feitor.
Precisa-se de om feilor que euteoda de plan-
lardes de am sitio : tratar oa roa da Madre de
Deas n. 7.
IMPERIAL
Fabrica d cigarros
DE
8. JoodeNictheroy,no
Rio de Janeiro
Domingos Alves Malheos,' nico agente nesta
eidade dos uoicos e verdadeiros cigarros da fabri-
ca de S. Joo de ictberoy, de propriedade de Sow
za Nacaes C, avisa a todos os seus fregnezes
qoe para mais facilidade tem aborto depsitos nos
armazens dos Srs. Manoel de Souza Cordeiro Si-
mdes Jnior, roa do Codorniz n. 14, e no do Sr.
Thomaz Francisco de Salles Rosa, roa do Amo-
rim n. 41, onde sempre encontraro sortimento de
ditos cigarros.______________-_____________
O abaixo assignado participa ao respeitavel
corpo do commercio desla praca, qae oesu data
dea sociedade em sen estabelecimeoto sito roa
do Viseoude de Iohauma, aoliga do R'togel o. 3,
sea eaixeiro Antonio Barbosa Carneiro, ficando
todo o aetivo e passivo de sea dito estabelecimen-
to a cargo da sociedade qne fizeram e que gyra-
r sob a razio social de Ferreira & Carneiro.
Recife, 19 do setembro de 1872.
Beoto Ferreira Pimentel.
Antonio Barbosa Ctrneiro.
A Magnolia, raa Doqne de Caxias n. 45, ca-
priehaodo sempre em ler om l.udissimo sortimen-
to de objectos especiaos, para servir bem i todo
principalmente qnel'as pessoas qae a procuran
e orotegem-n'a, tem feito suas eoeommendas, suc-
cessivamente, e exigido de seas correspondentes o
extremo do bello e do bom: agora mesmo aeatra
de receber bonecas de eera mnito bonitas, de lama-
obos diversos e imitando peritamente o natural,
(entre ellas tem que ehamam papai e mamut assim
como, nm variado sortimento de galSes e franjas
ds seda de cores, e de li de algodo. A Magoolia
desejaodo dividir bem suas mereadorias, convida a
todos geralmente qoe venhara ver e...._______
IWIAS
Iroca-se nous do baneo -do Brasil e de mal
ailaes na roa do Bario da Victoria n. 63. antiga
roa Nova, loja de Job Joaquina da CosttUlU
/
V
-^t
.
(
(



Diaii
'ernam&uc* Ter$a feir^ 24 de Setembro le 18'
s
*
i
FABRICA DE MACHINAS
ATTENCAO
o
D;sapoareeeu no da 16 do correle mex a rou-4
lata de nome Dorolhea, de idade de 30 ancos pon
co mais on menos, alu, gorda, coro dons panos
no rosto, sendo nm em.cad lado, muito falladeira
e muito doseu>bara?ada no anchr e no seryco,
consta ter fgido com uro soldado do 9.* de Iroha
que eslava doenie no bospltal militar, e qae ioi
vista na cidade de Olinda em earoinbo talvez para
o sertio Serra do Marlios. donde ella natural,
costoma andar calcada": pede-se portaoto as au-
toridades pcliciaes e capies de campo a sua
captura e lvala a rna do Mrquez de Olind o.
50 a Antonio Lopes Braga, que serio recompen-
sado?. __,_______________________________
oa
A' Ra do Baro (Jo Triumpho (ra do Brumj ns.
100 104.
CARDOSO a IRMAO
AVISAM aoa Srs. de eogenhos e ao publico em geral, qae teem recebido da Europa,
grande sortimento de ferragens para engenhos e para lavoora, e qoaesquer outros uzos
e misteres da industria agrcola, o que ludo vendem por pregos razoaveis.
Formas para assucar ?" 8 8al,ani81dM de diwso'"""
Vonnioo horizontaes e verticaes j bem conhecidos nesta provincia e lora dalla,
V lipuroS 08 ruelhores qoe teem viudo a este mercado.
LOGIluaS completas de diversos tamanhos, obra muita forte e bem acabada.
JlLGlaS mOGUClaS para assentar em grades de madeira.
X81X&S (16 IGxxO de ferr0 fundido e batido de diversos tamanho?.
RodaS Q agua e diversos tamanhos.
KOUaS dentailaS de diversos tamanhos e qualidades.
fnn/Artnq Concertam com promptido qnalquer obra oa machina, para o qoe g* ouarna do imperador n. 50. onde
OOnCerIOS lMta gua fabrica bem montada com grande e bom pessoal. bem recompen. a ios ^ ^
V.r\flf\mm*rk\tia. Maodam vir Pr encommenda da Europa, qualquer ma-, VeVurobocana. com'grande armazem : a
uuuuiuiucuuao chinismo, para o que se corresponden! com nma respeiia- cbave e3la n0 gando andar, e ahi diro com
vel casa de Londres e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra; incnobemsequem se irata._
de mandar assentar ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
No dia 29 do correte, pelas 10 oras
manb, no consistorio da igreja de N S. do Rosa
rio desta cidade de Olinda, perante a mesada
irmandade respectiva, se arrendar a quero mais
der, as casas do patrimonio da roesma igreja ;
sendo 4 na ra do 8qn Suceesso, 9 na do Ampa
ro, urna na do Bomam e outra na da Boa Hora,
de conformidade com o provimenlo do Dr. juiz de
direilo da comarca, de 9 de agoito prximo Ando,
exarado no lirq de cotas da mesma rmandade.
Os prelendentes devero comparecer habilitados
com os seos fiadores.
Consistorio da igreja de N. S. do Rosario de
Olinda, 12 de setembro de 1872.
O eserivo da Irmandide,
Jos Antonio do Nacclmento.
Fogio no da 17 Jo eorrente, do engenho Ca-
tuams, a e.-crava Rufina, mulata, 20 annos, alta
bom corpo. cabellos crespos, eortados,v mnito ga
ga quando falla: de so por qoe procure o Re-
cite : roga-se as autoridades e aos capies de
campo a quaiquer oessoa do povo a captura de
dita cs:rava. sendo condolida ao referido enge
seto
bem recompnsalos.
RA DO BARIO DO TRIUMPHO NS. 101.102 E |04'.-=M^VSra
FUNDigAO DE CARDOSO 4 1RMO
mo n. 18, preparado
tratar na travesea da
com aceio e bom gosto
Madre de Deas n. 21.
ri"
CAUTELA!
p?
&1
AVIS^Il
ARMAZEM .
DO
Ra do BarSo da Victoria
N. 7_Outr'ora ma Nova_N. 7
Sernpre novus soriimentos
Calcado francez
Botinas aovas para senhoras e meninas.
Botinas para bomens, bom bezerro, pellica, eor-
davio, vaqueta e panno, doraque com blqueira de
verniz, pellica com biqueira de veroii, bezerro e
pellica com ilhs e com botdes, tanto dos fabri-
cantes Snzer eomo de Polak.
Botas russlanas, roelas botas, perneiras e meias
perneiras para mentara.
Saptos de vaqueta de verniz com sola de ma
leira, proprios para os sitios, jardins e btnhos,
tanto para senhora como para hornera.
Sapatea de borracha para hornero, senhora e
menino.
Botinas e abotinados de mnitas qualidades e
precos pa meninas e menincs.
Sapatos de verniz, cha-lat, caserolra, tapetes
avelludados e de tranca, franeezes e porluguezes.
Perfumaras
Finos extractos, banbas, cosmticos, leos, opia
tas e pos dentriflcios, agua de flores de laraoja,
agua de Cologne, divina, florida, lavande, e de
toilette, tintnra para barba e cabello, pos de arroi
alineles e rooitos artigos delicados, como fras
i|Unhos de extractos, tudo de primeira qualida-
de dos bem conhecidos fabricantes, Piver e Cou-
dray.
Qninquilharias
Finos artigos de Paris, de diffcrentes gosts e
pbantasia, como sejam os segoiotes :
Leqoes para senhoras e menioas.
Luvas de pellica e de fio de Es:ocia.
E^pelhos diferentes, para sala e gabinete.
Vidros avulsos para espelbos.
Caixinhas de costura ornada com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Diversas obras de ouro de lei.
Gorrentes de plaqu para relogio?.
Bolsinhas e cofres de seda e de velludo.
Diversos objectos de pbaolasia para toilette.
Pineenet, ocolos e bengallu de luxo.
Chicotes e beogallas de baleia, canna e janeo.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Escovas para cabellos, ronpa, denles e unhas.
Pentes da marfim muito finos, para caspas.
Ditos diferentes para cabello e barba.
Cartefras para bous e para dinheiro.
Malas, bolsas e saceos de viagem.
Gaiolas de rame para pas?arinho?.
Venezianas transparentes para janellas.
.\bais-jours transparentes para candiciros.
Mamadeiras de dar leile mui fcil as mancas.
Tiras de molduras douradas para quadros.
Ricos quadros j promptos para paisagens.
Estampas1 de santcs, ciJades e phaniasias.
Esteroescopos e cosmoramas com ricas vistas.
Objectos de mgicas para entretenimento.
Machn: s de differentes systemas para caf.
Be reos de viroe para embalar enancas.
Cestinhas para meninas de escola.
logos, de dama, domin, bagatellas e da gloria.
Campainbas de molas para chamar criados.
Realejos, accordions, vidros avulsos para cosmo-
ramas e outros muitos artigos de qninquilharias
difflceis de mencionar.
Brinquedos
Para enancas.
O maior sortimento que se pode desojar de
toda sorte de brinquedos fabricados em diversas
partes da Europa para entretenimento dos. me-
ninos.
ULTIMA JIIOIIA
Ooliip.has-6 punho3 de
quera as te:o ; na ra
A toja da Rosa Branca e
da Imperatrlz n. 26.
POTASSA
da Rassia e cal de L7*boa nltimamente cBejrada :
veode Francisco da Cosa Maia, em seu esciipt>
rio rna da Cruz n. 51, 1* andar.
Sal-de Uab) Verde
Vnde-5e bordo da birca pr.rtngnrza Ihrsia
fuodeada 03 aucoradonro da desorga ou no es-
criptorio de Joaquim Jos 6os do Comaercio n. 5
Vende se a casa da ma da Cuncelcic n. 23
tratar oa mesma. -
Vende se ou aloga-se um sitio no logar de
nominado Torre, cem muiio na casa, cociendo 3
salas, 4 qairto?, despenca, coziobi fra, quirto
para erisdos, gallinheiro com grades de ferro, ca-
cimba com mnito boa igaa, e muitas fruc:eiras de
diversas qualidades : a tratar oa Capuoga, roa da
Ventora, ootr'ora porto do Lasscrre r>. 30.
ios senhore^ oigarreiros
Na roa Hareilio Das n. 31 vonlo-?e fumo do
Ra de primeira qnalidade, a preijo commodo.
Oleo de 1 nluQa
em barris de 40 galdns : vende se roa dj Mar
quez de Olinda n. 40.
Cal nova de Lisboa
11?. para v.-cd. r da chegada u'ilmamtr.ie por
Hara Miza e Lnia, no escriptono de J>a nim
lo Goncalves Beltro, ra rio Cnmmareio u, S.
Lehmana Frres vendem
libras sterlinas : a' ra o
Crespn, 16, primeira andar.
Jt> q le
fulo ir TjViDADES.
que sio faiendas
r<--
quu
nevas e
i PREDILECTA
lera pi
Crbeu um lin
abaixo se des'gm.
Seria prolix i dtxr
de gosto, Dor qoanto
A rreUllCta hapooeoe diasde
r Qin!o a precos, qoem se dlpnar fazer nma ex-
periencia convencer-se ba fle qoe > ba o dse jo de
conservar nesta bella cidade, urna casa bera sor-
lidre que pela modicidade de scu's preces
ne digna da aiten(, de tcdis,
Chapeos de palha de Italia para seohors-
Di.os de dita para menina.
Ricos vestuario* par baptisado.
Crochet para cadeiras.
Ricae srinaldjs para noivas.
Bolcibbas de velludo.
Sestichas.
Ricos lequta de maireperola.
Ditos do m.iili o.
Dilos d sndalo.
Ritas ligas para noivis.
Flores finas.
Chapeos de sol para senhora, "* "
Dilcs cabo de marfim
15 .l.adiuhos e entremei>s.
A PREDILECTA.
roa do Cabng n. 1 A. N
Pedras e copos de
marm
para gamo, tm a Predilecta, a roa do Cahuga
n 1 A.
TOALHAS
a O-s a dnzla
Tjalhas alcochoadas para rosto, sao gr3n}e~, a
6| a dnzia : na roa 1' de Marco n. 20._________
Potassa
da Russia, nova, em barris grandes e pequeos :
vendem Pereira da Cunba Irmaos, ra do Mar
inez de Olinda d. 21.
Farinha do reino
Vende-se oa ra da Madre de Deus n, 7,
2J500 o sacco.___________________________^
Vndese a taverna sita ra Imperial o
296, com poneos fundos, propria para pnnclpirn
te : a tratlr na me-irn, ou na raa do Fjgo n.
SO, taverna, com Jo? Rodrigues da Silva.
R

E&E
os compradores do bem conhecido e acre litado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com-o d'aquelle;
No Rosario larga ra
O seis trinta continua
Aqu ba cestas e baldos
Todo em quanlidade,
Seas presos rasoaveis
Estremam se pela qua!ilade
Chatciz'.nhos de palha ei.feiiados para meo ias,
a hfdilecta vende par 20C0 ruado Cabu-
pa n. 1 A.
Port-relogioi modelos,
tem a Predilicta a ra
do Cbog n. 1 A.
151 f)
As v:rdadeiras meias de seda d-' prso, bf
o cor de carne : ra do Cluga n. 1 A, n"3
dilecta.
Tem a Predilecta om lindo lorilmeoto de fl res,
primando c.mo nao ba igoaes, as de tfcfet rxas
e preta>.
Atrac^o 9 deleite
PreicnMs: m.-nj3r sn'oroso o d lilavel I
Licores: bebida'est macal, deliciosa I
Vnoos : nctar coru ..... iicc.ara I
Salame .' cjmida especial 6 . Paios : re^heio delieado, appetillX'el I
Qaeijos : leite coalbado, ambrosia I
Cha : arbusto que embriaga e dar prazer I
Fiambres : requintada e saborosa carne fra I
Comer comprando ao C?u-pos, ser feliz I
E' pas-ar b"ns rrorr.cntos dj venturas.
Embalado pelo chtiro do manjar,
E-quecendo do mundo as amarguras t
Prepos
Em virtade de novas ordeos dos fabricantes,
vende-te lado a precos baratsimos: oj arma-
tem do vapor francez, rna do Baro da Victoria,
ootr'ora roa Nova n. 7. __________
~
COMPRS.
W5.
F-j
k^l
R^i
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, 4e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON ir C.
TiS^V^.S^JL^ Urgencia em qnanto antes.
crioulo de cor pret, de vinte annos de idade, al- I O Sr. Trajano Cesar de Albuqlierque queira di-
tura regular, grosso do corpo, com um dente da rigir-se esta typograpbia, que ba urna pessoa
(rente podre, rosto regular, sera barba, ps eper- que Ihe deseja fallar acerca de um negocio ; e
as carnudas ; este escravo anda fgido desde o isto prevlne-se ce ni lempo se nao quer que se
dia 29 de jalho prximo passado : roga-se por declare o que .
tanto as antordades pokciaes e aos capies de
compo a prio delle e o entregue n'esta povoacao
em casa do abaixo assignado, oa na cidade de
Recife na raa do bario da Victoria ( ootr'ora roa
Nova) ao Sr. Jos JoaqnimUes, Aeu Q ser bem
recompessado.
MOFINA
Sio..., sio..., nao ouve?
Aloga-se urna casa no Monteiro para fami-
lia passar a festa, assim como, quartos para ra- envi na cidade pazes solteiros: tratar na fabrica do Monteiro,
oa na roa t Praia n. 49._______________________
Aozentou-se da casa de sea seoher, no dia
27 de agosto prximo passado, o escravo mulato,
de nome Jos, de idade de 17 annos, altura re-
galar, ps e raaos grandes, e tem urna marea no
rosto, proveniente de um talbo ; levou canisa
de madapoln e caiga de brim qaasl branca com
listras rooxas e chapeo de feltro ja velbo, nun-
ca sabio desta cidade, pelo que deve andar aqu),
oa em Oiina. Pede-se a qnalquer antoridade, ou
capilies de campo o favor de o pegar e leva-h
roa do Principe n. 26, on a roa do Cabug n 7,
loja de jolas, Joqaim Martina Moreira, qoe re-
compensar a apprenense.
Preeisa-se de nm eaixeiro com taante pra-
(ica de negocio de padaria on molhados para to-
mar conta de nm eelabeleclmeoto : a tratar na
roa estrella do Roeario ns. 3 e 7, dando fiador a
.conducta.
ALUGA-SE
ama casa terrea com soto, coebeira e estribara,
sita na aponga, ra da Ventura : a tratar na
raa do Vigario Tbenorio n. 31.
Arrenda-se ama das melhores casa da Boa-vis-
gem. em boa posicSo, tendo pequeo sitio : tra-
tar na roa da Madre de Deas, escriptorio n, 3C.
COZLNHEIRO OU COZINHEIRAJ
Preeisa-se de um que entenla da arte, pira ca-
sa de familia : tratar na raa do Mrquez de
Olivia n. 35.
Educaqao de meninas.
Urna senhora estrangeira, habilitada para bem
dirigir a sducaco de meninas, ensinando-lhe di-
versas materias e todos os trabalhos de costaras
e de bordados, deteja empregar-se em algnma
easa de familia para semelhante flm, qoer sejrna
eidade quer fra em algum engenho. A tratar na
travessa do Duque de Caifas n, SI, Jnlar, per
Cilla do Monte-Po.
Roga-se ao lilis. Sr. Ignaeio Vieira de Mello, es-
ivlona cidade da Nazaretb desta provincia, o
favor de vir raa Duque de Caxias n. 36 con-
cluir aquelle negocio qoe S. 6. se comprcmetteu a
realisar, pela terceira chamada deste iornai, em
fins de detembro prximo passado, e depois para
Janeiro, passoa fevereiro e abril, e nada cum-
prio ; e por este motivo de novo chamado para
dito fim, pois S. S. se deve lembrsr qoe este ne-
gocio de mais de oito annos, e quando o sechor
sen fllho se achav nesta cidade.
Salsa parrilha
SaLsaparrilha
Salsaparrilha.
Maito nova chegada pth ultimo vapor,
vender Pereira ViaDna & G. : na raa do
Vigario n. II, Io andar.
BAUNC1ADUR
As pessoas que precisarem da arte de sua pro-
fisso podem deixar bilbetes as lojas seguinte.- :
roas, Thom de Souza n. i, antiga da Lingaeta,
Primeiro de Mar;o n. 3, antiga do Crespo, oa em
casa de sua residencia visconde de Pelotas n. 19,
antiga do Aragao.
Aluga-se
a padaria em Tegip, maito propria para princi-
piante, por ter todos os pertenees para o mesmo
tranco, com casa oontigoa para familia, e o no no
fondo do mesmo, por eommodo preeo : qoem pre-
tender dirija-se a rna Imperial n. 42, ou 130.
Dr Anna Joaquina da Costa Guimaries, tendo
de proceder a inventario pelo jaizo de erphaos e
eserivo Brito, nos bens de sea casal por falleci-
mento de sea marido Antonio Jos da Costa Gai-
mares, roga aes credores do sea casal,' qoe te-
nbam a bondade de apresentar suas contas da
dala deste a 8 dias, na raa do coronel Suassuna
0.86.
Offerece-se urna senhora brasileira para ser
ama de casa de liomem solteiro : quem precisar
proeore na roa do Seobor Bom Jess das Crioulas
easa 0. A, que adiar com qoem tratar.
Precisa-se d? om criado ara sega ir vlagem
at o Rio de Janeiro ; i tratar na roa do Impera-
dor f, 87, andar.
Na noite do dia 15 para 16 do eorrente, fu-
giram do engenho Rom Lagar, da fregoezia de
Noesa Sonriera dos Montes do termo de Agaa-Pre
ta, os e= ti a vos Manoel e fiima, casados, esta de
cr preta, ilaa&30 anuos pouco mais oa menos,
crioula, alta, magra, rosto comprido. nariz gran-
de, e no p existe nma barxa proveniente de urna
pancada, olbos e ps grandes, bonita figure, corio
sa para a curaba e costuras, eogomraa mal, muito
ladina e coaduz comsigo urna imagem de fcanta Ri
ta, em nm pequeo oratorio. O escravo, bonita fi-
gura, cor preta, idade 34 annos, erionlo, altura
regular, gresso ao corpo, conserva toda arba,
nariz e ps chatos, e tambem as mios, tem cicatri-
ces velhas as costas e na eanella de orna das
pernas, nm cato semelhanea de um lobinbo, can
(ador e bem ladino, traja roupa limpa, leva ama
pistola e um machado, maito carioso e dado a va-
Ieoi3o; desconfiase qae fortm para a eidade do
Recife, para onde j jugiram d'oolra occasrac, on
para a propriedade Riacho sa freguezia de Ala-
goa Grande na Parabyba, d'onde sao natsraes.
Roga-se as autoridades pociaes e capies de
campo ir.niam e levem ae Sr. Melquades P.
Freir de Carvalbo, no mesmo engenbo qae ser
gratificado
Declarado.
O proprietarb do sitio n. 33 da ra do
Hospicio julga pradente prevenir quelles
vizinbos que durante a noite saltara os ma-
ros do referido sitio para delle tirarem
froclos, qoe se v toreado a recorrer a
meios violentos, afim de evitar qoe cooti-
Duem a faze-lo; porqoaato quem penetra
em propriedade albeia para della tirar o
qoe o2) lbapertence sem aotorisacao de
seo proprietario ladr&o; nao omittmdo de
dizer qae sabe donde sabem aquellos qoe
assim proceden.
Associacjio Commercial Be-
neficente.
A directoria desta assoeiacio, tendo noticia qoe
d governo geral pretende fuer alteraos oa (arfa
das alfandegas. julgoa conveniente dar disso Silen-
cia ao commereio desta praea, para qae posta
emitfir a saa opioiao em referencia a tif assump-
to, particularmente Do qae diz respeito aos direitoa
excessivos d'algumas mercaduras.
Neste sentido, a mesma direccao convida aos
interessados a apresentarem al o fim deste mez,
na secretaria desta assoeiacio, as bates sob as
qoaes ella possa fundamentar as suas considera-
edes respectiva*,
Associacao Commercial Beneflcente, S3 de se-
teab'c de 1871 Mg_
Luiz Duprat.
secretario.
Comprase urna sella r ingiera cu mesmo do
paiz, que esteja em bom uso : a tratar no pateo do
Terco n. 82.
Na Praca da Independencia n. 33 se compra
ouro, prata e pedras preciosas, e tambem se vende
obras de igual especie.
Compra-se 7 travs de 40 palmos de com-
primento e 10 pollegadas de grossnra, Iram iras :
trata/ na raa do Mrquez de Olinda n. 53, loja
de chapeos.
Sitio Campo-Alegre
Retalba-se este grande sitio em lotes vontade
dos compraderes, na estrada de Belem confronte
quasi a estacao de Campo-Grande.
Ullimamente recebemos de Lisboa e do
Porto dous sortimenls extraordinarios,
constando de balaios para meoim s apren
der a andar, e pires, maracas matisados de
palha, con iecinhas para de ees seceos, ninbos
para canos, rolo de cera braoca para
luzes, balaios com p para por fructas na
mesa, ditos para facas e garios, ditos para1
coslur agrossa outros sem tamf para d'fie-
rentes misler, bandejas de paiba de 3 a 6
palmos para roupa eegommaa, azafates
braceos e de cores, coad^as de ditas ditas
colleccds de balaios para botarse pa-
pis rasgados, nos escriptoiios commerciaes,
de adevogados e de escrivaes ttc. Balaios
grandes e p'quenos para deposito de rou-
pa servida, cestinh?s finas para meninas, gi-
gosde vime para o trauco de padatia, canas-
tras para o mesmo fim, cestas ) virae-deto-
dos os tamanbos para compras de caree,
baldes com lampa para o mesmo fim, ces-
tas com correia de madeira bran:a pnrs
mscales de miuiezrse outros muitos mid-
ieres capachos de palha redondos, com ir i
dos ptimas macees para presentes, pao e
balacba, etc.
Comprar sem ser ao ampo?, gosto mo
R' querer passar mal, sem alegra ;
E' gas'ar seu dioheiro e paladar.
E' privar o e.-toroago lodo d VENDAS.
Venham
a aquella? lindas almofadas para sof que ba tres
meses s a Magnolia ra Duque de Caxias n. 46
vendia.e bem depressa se acabaram I agora chega-
ram novas e de gostos mais bonitos ; a ellas, an-
tes une se acabem. ___________
Vendem-sedos
excellentes cava!-
los de sella, sendo
um preto e outro
castanbo; na Cruz
das Almas, sitio
do eommendador
Tas-so : quem qnizer eompra-los pode tratar no
meemo at as 9 boras da manb.
Boa acquislcao
Vende-se o engenho Barra do Diuro distante
dastaco de Agaa-Pre ta legua e meia, com safra
para 1,800 pies de assucar, copeiro d'agaa. tendo
meia iegia de trra, e malta sof&ciente ; faz se
negocio, metade a dinbeiro e metade praso, sen-
do boas firmas, para achar-so descont com fran-
queza : tratar com Pocas di C, na roa estreita
do Rosarlo n. 9.
Vende-se o estabelecimento de molhados
sito na roa de Mar cilio Dias o. 99, o motivo desta
venda se dir ao comprador.
SAL DO ASSU'
Tem a bordo do hiate Olinda, e para tratar com
Joaquim Jos Gonjalves Beltro, i raa do Com-
mercion S._____________________________________
A 800 rs. e 1$. -
Tiras e ntremelos ricamente bordados a relrox,
de todas as cores, pelo biraiissimo preco de 800
rs. e i a peca, sae mnito bonitos para enfeitar
vestidos e ronpas para crianzas : na loja das 6
portas em frente do Livramente.
Arroz,
Toucinho, "
Ccb.-.i's;
Cominho.
Vinagre,
Aieite,
Macteig,
Lene.
Bjnha,
Chourc.5s,
L ii.ii --,
Liogui Nczes;
Leoiilhas,
BatalMi
Ervilbas.
tfostarda,
Ot:o,
Sai,
Baca'.ho- y^
Vende-se urna braiba a J.-py com lulos' as
pertenjas e canos de chumbo, tu o em muito bom
estado : na ra Direita p. 17.
Grande /iquidaq > de fazendas
a variadas na ra do Crespo
numero 20.
MadapalSes. chitas, algodaozinhos, seda preta,
e laziohas para lodos os presos, e pegas de bre-
tanba de Imho com pouco'sdj->, (30 varss) p--r
144 a peca : s na loja de G.ilherme Carneiro da
Cuoa c.
Vende-se farinba de milbo moida a vapor, dia-
riamente, pelos precos seguintes :'- grsssa para
migunz a 90 rs., dita para ang, pintos e pa-.-a-
rinos a 100 rs., para cangica e pao de Provenga
a 120 rs., e para cuscas a 140 rs., em arrobas
mais barato : na roa do Cotovello n. 25.
Cofre a prova de fogo
Na prac,a da Independencia n. 33 ba nm para
vender.
At que anal
ebegaram os milagrosos anneis elctricos ;
Magnolia ja eslava descontente com a demora,
porque seus amigos e freguezes anciosos para se
verem livres do nervoso, e a remedio privativo
demorndose felizmente chegaram elles, a
porgio pones.
.Na ra do Rosario da Boa-Vista n. 18, ha
para vender se urna negreta com 14 annos mais
oa menos, com algumas habilidades, para ve-la
oa mesma casa, ______________________________
Vfndi-se vioh; do Pono e Serry em bar-
ris de qointo por precos baix-s : na ma do Gom-
mercio n. 22, armazera de E-loarlo Fentoo.

B
o
ro
-<
so
o
-s
ClWUio--,
rut,
Mati',
Cafe.
Conserva?, i
Sardinbas,
Peixes
Bolaxiubas.
Figos, .
Kassat,
A'tis,
Passas.
Champagse,
Marmellada, .
Ceiv
Grabada.
Amrdis?.
PttCla?,
GttiM,
Aramia.
Non-plus-ultra I
B'ter es'om cal!
. Hesperedina
Da moclda-'e prazer.
Di fe liice, f riaUza ;
&' a plicnx 'a> bebiJa;',
E' o tnico da realrza I
Attenoao
Barejres com lislras de s a 1 300 r. o tova lo, p.pelinas muio tiuas a____
IfSOO rs. o covado, camamas bordadas a branca,
de Qor de cor a IJOOO a vara, corles de esm-
braia de barra era lio madapoln fino a 5/100-3, 5^400.'madapolio moflo
liao cibCongo com SO varas a 7(HI0 a pessa, j|-
godo americano a 45luO a pessa. Kua Djque
de Caxias n. 61.
Leja de Moreira Pestes A C.
IB VICTORIA
(De plaquet)
Aroaral, Nabuco & C, tendo recebido de Enro
Da pelo ultimo vapor \m rico sortiment-) C ob-
jectos de plaquet, convidara a seus amigos e fre-
guezes a virera ver o que ha de melhor neste ge-
nero e de.-de ja garantem a boa qna'idade.
Aderecos esmaltados de coral, pedras, mosaico,
etc., para scnb.ra.
Cazoletas e medalhoe.3 para meninas e senhora?.
Volta para pescoQo d* Si-nhora.
Cadeias para relogios, de urna e duas ponas.
Brincos para meninas e senhoras.
Canelas para lapes, peona e cnivele.
Na ra dp Baro da Victoria n. 2.
No armazem de espritus da roa Direita n.
17, vende-se espirito de vinbo de graduaco sa-
bida por menos do qne em ootra qualquer parte ;
vende-se genebra de laranja a melhor qne se fa-
brica na provincia, genebra commam igual a
hamburguesa, lieorer de todas as qualidades e oa-
tro espiritos que nio carece mencionar._________
Aproveitem-se da grande licrui-
dsqao deiazendas baratas
Na loja da ra do Crespo n. 10.
Casemira de duas larguras, escara, a 2000 o
eovado.
Pecas de algodo com peuco snjo a 3, 3^300 e
4*000.
Ditas de dito sopericr, limpo, a 4/100, 5/000 e
6*000.
Duas de madapolo superior e largo cem pouco
sujo a 5* e 5*500.
Dilos de dito francez superior maitissimo largo
8 7*000,
As.'im eomo grande qnantidsde de outras mul-
las fazendas qae se vendem maito barato por ba-
ver grande precisao de dinheiro. Aproveilem-se
Ida occasiel
Veode-se a casa terrea da roa da Pon-
te Velba n. 85 : tratar na roa do Visconde
de Goyanna o. 143.
Amarello
Banbiros grandes, ppancboei de 8 a 10 palmos,
taboas de 12 14 palmos, todo de amarelle e a
precos commodos ~ prsca do Corpo Santo n, 4,
trmiteai. .
Fumo de Garanhuns
Veade-se o bom famo de Garsnhans na raa do
Imperador, no armazemUoio e Comroereio.
Vende-ee aignmas easaa pequeas edificadas
em ehlo proprio e de pedra e cal, pelo preco de
650*000 cada orna ; e s se vende em lotes de 3
on : tratar na raa da Praia o. 24, das 9 horas
al ineio dis.
Veks stearinas
Veule-se a ^ra;.oio
Sania Cecilia n. 27.
daja de
do deposito
mmmmmmmmmm
BABAC A FMERI
As sn.nhnrp* ftimnnfea
de superior qualidade para carros e os wa|
caminhos de ferro : na roa do Vigario n.
ios de
16.
Velas de carnauba do Ara-
caty
Superiores velas de carnauba vindas do Araea-
ty (qualidade especisl): na raa do Vigario bu-
mero 36-
Escrava a venda
Vende-se ama eterava, parda, moca, com mni-
tas habilidades : a tratar na praca do Conde d'Eu
n. 12, das 7 as 9 boras da manba e das 4 as 6 da
tarde._________________________________________
Vende-se nm alambique pequeo, novo, esm
serpentina, proprio para botica : na raa Direita
numero 17.
Aos senhores fumantes
Os melhores fumos para cachimbos e
cigarros, rivalizara com os que vem do
estraogeiro, e por metade do preco des-
tes :
Manufactura nacional, sendo :
Novo caporal.
Flor do Brasil.
Best Bird'Seye (olho de passaro).
Pacoles de 2,0, 4/0 e 8/0.
Vende-se a retalbo e em porcao, e fai-
te abatimeoto conforme a quantidade: na
fabrica a vapor de cigarros, antiga roa
aartel daPolicia camero 11.
BAZAR
VICTORIA.
Meias.
, Amara), Nabaco & C. vendem meias de la da
cores para hornero, senhora e meninos, de fio de
Escocia, de cores e croas, para hornera, braacas e
abenas para meninas e senhora, e de aigodao
brancas e de cores para bornea e senhora : so
Bazar Victoria, roa do Baro da Victoria a. I.
5 fabnc
Sll
'
I
iifGm


>irio d i'ramJ>ac Tenja i'eira 24 de Setembro de 1878.
V
>
(
V
'
"
I
NA LOJA DO PAVAO
Na rua da Imperatriz n. 60
DE
PEREIRA DA SILVA a C-
Neste grande estabelecimen'o, encontrar o respeitavel pobco importante sorti-
mento de fazendas, tanto p-ra homenj como para senhoras, tendo das mais finas
e com os mais apurados gostos, at as de primeira necessidade, que se vendem por pre-
sos mnito em conta, afim de aparar diaheiro. De todas estas fazendas se dio amostras
deiando Gcar pecuor, oq mandam-se levar em casa das Exmas. familias.
LASINHAS
O Pavo vande delicadas alsicianas de to-
das as cores com maito lastro e delicadas
listras matisidos a se la, proprias para os
enfeites e babadiuhos a l<>3 JO ova lo.
Ditas listradas a seda, sendo as mais da-
cadas que tem viado ao mercado a 10O
covado. ^
Delicadas laYinhas com muito brilho e
1 istriahas de seda a 10000 o covado.
Ditas com listras da seda Urg e mui'.o
eocorpadas, com Janeadas cores a 800 rs.
o covado.
Ditas maito delicadas com listriabas de
seda a 560 re.
Ditas send) bastante largas com listra os
lado, para os enfeites e cora cores maito
delicadas a OO rs. o covado.
Ditas -h listras miadinhas com fns da
seda, qoe lhe d muito brilho, tendo de to
das as cores a 500 rs.
Gnrguroes de 13a, de ama t cor, tendo
fazenda muito moderna a iOO rs.
Laasinhas lisas da urna s cor, tendo de
todas as cores a 400 rs. o covado.
Alpacas lisas de todas as cores a 500 rs.
o covado.
L3a3iahas de cores com delicados qaadrr-
nhos de seda tendo de todas as cores e sen-
do maito modernas a 800 rs. o covado.
Gargurbas asues de 13a, com delicada
'istrinbas brancas lavradas sendo o que b
de mais novu no mercado a 640 rs.
Delicadas alpacas de seda coaa delicados
padroes e muito brilho, de gusto inglez
a 800 rs.
Delicadas L3acinhas da urna s cor, sendo
de todas as c6re,coino sejata : verde e asul,
roso liri.>, cor de canoa, cr do rosa, bran-
cas com listras da mesma cor a 800 rs. e
1)5000.
Gra.de sonimento do fazendas de todas
as cures, e differentos qaalidades a 320 o
wado e 400 rs.
Bareges de 13a trasparente tendo do to-
das as cores a l2 rs.
NOVAS SEOAS A 25500
O Pavo recebeu u na nov3 remessa das
mais lindas sedas par;; vestidos com s mais
lindas cores e mais delicados daseobos
niudinhos, em uma s cor, garantindo-se
qni 3e-la pura e qae seria fazaada para
mais do 3000, a nao so ter fcito urna gran-
de com ora e liquila-s a 25500 o covado.
BRAMANTES PARA LENCOES
O Pavo vende superior bramante de al-
godo tendo 6 palmos do largura, que s pre-
C8f de 1,1/4 vara para que lenco!, metro a
15600 oo ?ara I0KUO.
Dito de nho poro superior, muito eccor-
pado com a mesma largura a vara 25400.
Ditos francezes muito Quos a itoaOO e
35000.
Pocas de Iaaburgo e panno do linbo
com O e 30 varas e para todos os precos
e qualidades.
l'tC' de nretanhs de puro Kobo, tendo
30 jardas, peios precos mais baratos que
se tem visto.
Pecinhas de finissimo esgnio ou celesia
com 6 jardas a 75000.
Pocas de Qrissima pilesia, tendo 30 jar-
das a 355000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largara, a vara a 25000.
ALGODAOSINHO.
O Pavo vende pecas de algod3osinho
americano com 16 jardas pelo barato preco
de 350(0.
Dito muiio melhor com 48 jardas 45000
Dito americano muito eocorpardo cem
20 jardas a 550(0, 55500 e 65000.
Dit largo marca T, sendo o mais fino
qne tem vindo ao mercado proprio para
lencoj a jarda a 280 e 320 rs.
D to enfestado para lencoes sendo maito
ncorpado e com 8 palmos de largura, a
vara a 15000.
Dito com a meitna largura, sendo tranca-
do e muito e icorpado a 15280.
i'spnrilkoft modernos a 3JJO0
O Pavo vende uma grande porc5o de
espartilbos de linbo, tecdo da toJos os ta-
manhos pelo baraiissimo preco de 35 cada
am, dito a 45 e 55C00, pethincha, a ra
da Imperatriz n. 60.
GRANA01NE PRETA.
O Pav3o acaba de receber as mais mo-
dernas granadinos pretas para vestidos, sen-
do lisas, de quadriqbos e de listras, que
vende por precos mbito em conta.
BAHEGES COM LISTRAS A 560 RS.
O Pavo recobeu um elegante sortimen-
to das mais lindas bareges de 19a c m rri-
lhanles listras de seda para vestidos, tendo
da todas as cores e vende a 560 rs. o co-
vado.
LASINHAS COM LISTRAS DE SEDA A
640 RS.
O Pavo vende am elegante sortimento
das mais bonitas lasinbas de diffarentes c-
ves, com delicadas listras do seda, miadi-
nhas, qoa sitara pe faltamente a seda e
renda a 640 rs. o covado.
CASSAS FRAN2EZAS
O Pavo vende finissimis cassas france-
sas, com as mais delicadas cores, sendo
listradas e da flores, fazena chegada pelo
altlino vapor a 400 rs. o cavado.
Ditas francezas flossima padr5es] mia-
do sa 400 rs. o covado.
Chegau para a toja do Pavo am liado sortimen
o dos mais ricos e moderos beurnous de para
seda, iiitrados, tendo da dilfereoios corea; bem
como ditos de nierin maito floos, sendo azal,
rxo, cor de lyrio, edr de cal, tranco, cor de can-
na, preto. etc. etc, da feitio o mais liado e moder-
no sue tem viado ao mercado, e vende se por pra-
cos muito am cuota : na ra da Imperad onda PtfaiH da Silva A C
CAMBRAUS TRANSPARENTES A 35500
O pava) vende pecas de cambraia branca
transparente, sendo fazenda maito fina, pelo
barato preco de 35500 a peca e com 10
jardas, por ter um leve toque do mofo,
grande pecbiocba.
Baptistas a 300 rs.
O Paift) vende esta nova fazenda deno-
minada Daptistas, de nma s edr, propria
para vestida* e tendo de todas as cores,
sendo mais larga do qaa cbita franceza, pelo
barato preco de 300 rs. o covado, pe-
cbiocba.
NANSOOKS A 640 RS.
O Pavo vende esta nova fazenda deno-
minada oansooks propria para vestidos, sen-
do de cordo, e com os mais delicados de-
senbos, assentados em branco tendo a larga-
ra de cbita fran:eza e vende-se pelo barato
pr.co de 640 o cavado, pecbincha.
Salas bordadas
O Pavo recebeu am grande sortimento
de saias brancas ricamente bordadas, sendo
de 4 palmos cada ama e vende a 55000 e
65(00, pecbiocba.
PUNH03 COM GOLLINHAS A *560O O
TERNO.
O Pavo vende nm grande sortimento dos
mais deiicadjs panbos com goilinbas de es-
gnio de linbo ricamente bordados, com gra-
vatinha de seda proprios para senhoras,
pelo baratissimo preco da 15600 o torno,
pecbiocba.
ANQUINHAS A 55000
O Pao vande as mais modernas anqu-
abas com canda, que fazem effeito de meio
balo pelo diminuto preco de 55000 cada
nma.
Cortinados a 8, O*, 10#, 11*
el0OO
O l'a'.a receben um grande sortimento
da ricos cortinados bordados proprios para
camas e jan das, e vende maito barato por
ter feito uma grande compra em leilo,
sondo para 85, 95, 105, 115 e 125O0O,
tendj at de 2050C0 o par, sendo os mais
ricos que tem vindo ao mercado, pecbio-
cba- pelos preco?.
LENCOS ABA1NHAD0S.
O Pavo vende lencos de cambraia bran-
eos abainbados pelo baratissimo preco de
25(00 a duzia. Ditos maito finos com bar-
rinba de cores sem serem abainbados a 25,
pecbincha.
Pcchlncha** em madapoles a
5 e 64000
O Pavo vende pecas de madapolo mai-
to superior, tendo 20 jardas cada peca, pelo
b;raiissimo preco de 55000 e 65000 e d'abi
para cima at o mais fino que vem ao mer-
cado por precos muito rasoaveis.
CAMBRAIAS A 205JO
O Povo veode cortes de cambraia branca
soissa, sendo transparente pelo barato pre^
co de 25500 am corle de vestido.
Officina de alfaiate
NA LOJA DO PAVO.
Neste grande estabelecimento encontra-
r o respeitavel publico ama bem montada
oflicioa de aifaiate, aonde se manda execa-
tar qualquer peca de obra, tanto para ho-
rnera como para meninos, com a maior
presteza e perfeico, assim como para qual-
quer lulo qu; de repente appareca, tendo
na mesma officina um perito otlicial, desti-
nado para fardas doslllms. Srs. ofiiciaes da
guarda nacional ou tropa da linha, sendo
esta officina dirigida pelo babil artista
PEDRO CELESTINO SOARES DE
CARVALHO.
(asentir
Na luja do Pavo encontra-se om elegan-
te sortimento das mais finas e modernas
casemiras de cores proprias para calcas,
Golletes e palitis, tanto em peca como em
cortes que se vendem por precos muito em
conta, a.-sim como grande sortimento de
casemiras pretas e pannos pretos dos mais
baratos at os mais finos. Ditos sendo de
cor de caf, verde, bronseado e pintado,
proprio para qualquer fato e p:r precos
mais baratos do que em outra qualquer
parte, isto por haver grande sortimento.
CAMISAS.
O Pavo acaba da receber grande sorti-
mento de camisas inglezas com peito de li-
nbo para iodos os precos e tamanbos, que
vende como pecbincba por ter grande por-
fo.
Ditas com peitos de algodo das mais
baratas at as melbores que veem ao mer-
cado.
Ditas francezas de chitas miadinhas com
os mus delicados gostos.
Ditas de meia da algodo e de la.
LENCOS BORDADOS
O Pavo vende finissimos lencos borda-
dos para mo sendo de finissimas cambraias
de linbo ricamente bordado?, sendo fazen-
da que sempre se venden a 45000 e 55000-
e liquidam-se por se ter feito orna grande
compra a 15600 e 25000.
LASINHAS FURTA-CORES A 360 RS. Oj
COVADO.
O Pavo vende om elegante sortimeolo
de lasinbas de forta cores, que brilbam
quasi como seda, tendo de todas as cores e
vende a 360 rs. o covado.
CASSAS MIDINHAS A 360 RS.
' O Pavo receben delicadas cassas france-
zas, sendo de cores o padroes miudinbos, e
vende a 360 rs. o covado.
Tfelas assellndos para rosti-
dos a 14&OO.
O Pavo receben om bonito sortimeato
dos mais delicados tafets assetinados para
vestidos, sendo orna fazenda bonita com
muito brilho e tendo delicadas listras de seda
tendo no sortimento de todas as cores e
veode a 15500 o covado,
KELLER & C.
Ra do Bom Jess u. 55
******* *******
*
*
*
Vendem *
Ferro gavalnisado em folhas para te-
nas. -
Leite condnsalo.
Cognac Martinean.
Vinho de Brdeos om eaixas :
Tommard
VoUnay I
Haut Falema
S Penillac
W Vinho do Roano :
~0> Scharlachberger
Kisdesheimer Barg
Hochkeimer Barg
JL Marco Cramer ausles*
^ Kaaenthaler Barg
Sterberear Gabioet.
Libras sterlioas.
Vande-se do armaxem de fazendas de Angosta
9. da Olivalra 4 G, roa lo Goramerclu n. l.
Qaaodo parece qaa oio ha man novidade a
descobrir, nem objectos de mais pbantasia, alm
dos qaa tem apparecido al agora, eis que a Nova
Bsperaoca recobe os mais elegantes e mais mo-
dernas, de forma que indispensavel aoa apre-
ciadores do bom apparecerem constantemente n
dito estabelecimento afim de nsarem o que ha de
mais ehiqas no mando das moda.<; agora mesmo
a Nova Esperanza recebeu os em to grande
quanlidade que mesmo nao sabe por onde come-
car ; peto ultimo vavor chegado da Europa aca-
ba receber os segaintes, anda nao vistos neste
mercado, como sejam :
Malos aderecos de tartaruga.
Pulseiras e cruzas de tartaruga.
Lindissimos pineanez com arcos de madreperola e
marflm.
Delicadas bengalas de nnicornio, (a imltaco)
Bonitas guarnieses de seda para senhoras.
Lindos chapeos de palba escura (novidal).
Esses artigos nao se pode fazer uma idea dal-
les sem que sejam vistos ; por isso a Nova Espe-
ranza ,a ra Daque de Caxias n. 63, apressa-se
em convidar a todos geralmente, e com especiali
dade ao bello sexo para vir aprecia-los.
Queris fazer um presente ?
Queris preparar am vestido ?
Queris ter am bom ebeiro em vosso toaeader 1
Queris nm liado laque de qualquer qualidade 1
Queris om fino oleo tnico ou baoha para vosso
cabello ?
Nao indaguis era procuris era outra parte, por-
que correris o risco degvos caosardes e nao en-
contrardes; dirig vos logo a Nova Esperanza, ra
Duque de Caxias n. 63, onde taris a certeza de
achardea e par prego raioavel.
Nova remessa
Aquellos engrapados pedes que dansam ;t
quarto de hora mais ou menos, mostrando diver-
sos caracteres, a Nova-Esperanza recebeu ultima
mecte.
Para voltarete
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n. 63
receben teios de osso, marfira e madreperola
para vellarete, e os vende por preco pequeo.
Tinta violeta.
Lindissima tinta violeta que serve tambera para
copiar; vendase na Nova Esperanca ruaDu
que de Caxi n. 63.
Contra o nervoso.
A Nova E. vende as milagrosa pulseiras elctricas entra
esteierrivel mal.
E com as floristas
A Nova E*peranca roa Duque de Caxias n.
63 acaba de receber um complato sortimento'de
folhas de todas as quslidades e papel para Adres
de todas as cores; realmente o melhor qne se
pode deiejar neste sentido.
Como sao bonitas!!!
As almo'adas bordadas proprias para sofaes e
assim 03 sapato3 tambera bordados a la sao real-
mente bonitos, e quera tem a Nova E.-peraoca
ra Duqus de Caxias n. 63.
os cigarreiros
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n.
63 est vendando papel de milbo proprio para ei
garro?, quaji oe graga, tal o prego.
Diversas novidades
A Nova Esperanca roa Duque i Caxias n.
63 acaba de recebar o segninte :
Bonitos alouns para desenbos.
Ditos ditos para retratos. I
Lindo sortiraento de espeihos e locadores de
diversos moldes a tamanhos.
Lindsima* caixioba3 vasias eafeitadas com
coochas de cores.
Vaponsadores para incensar oratorios : tudo
isto e se eocomra na Nova Esperanca roa Du-
que de Oaxias n. 63.
J O. C Doyle tem para vender em seu r-
mazeiu ra do Comraereio n. 38 :
Verdadeiro cognac liermeny.
E o maito coohecido vinho "sharry.
Libras sterlinas
Vendem-se na rua do Apollo
n. 20.
JOAQUIM LOPES MA-
CHADO & C.
TRAVESSA DO CORPO SANTO N. 25
VENDEM :
Vapores l.comoveis dos melharea fabricantes.
Correia iogleza de diversas larguras para vapores.
Polias de dilerentes lmannos.
Vaquetas para coberia de carros.
Sola da lastre para guarda lama.
Virollas branca e amarada.
Oleado de diversas cores. ^
Chicotes para carros.
Pontas de langa.
Galoes para guarnico de carros.
Pregos cora cabeca de sso e marfim.
Carros americanos para uso de armazans.
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, nm sortimento de machinas para
costara, das melbores qaalidades que existe
na America, das quaes moitas j sao bem
conhecitias pelos seus autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover 4 Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras moitas
que com a vista deverao agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalbo que trinta costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feico como a3 mais permitas costoreiras.
Garante-se a sa boa qnalidJe e ensina-se
a trabalbar com perfeigo em menos de orna
hora, e os precos sio lao commedos qae
devem agradar aos pretendun'es.
Nao ha mais cabe.us bran-
cos.
Tintura Japooeza.
S e nica approvada pela academia di scieo-
cia, recoohecida superior a toda que tem appare-
cido at boje. Deposito principal rua da Cadeia
do Recite boje Mrquez de Oiinda o. 51, 1* an-
dar e em todas as boticas e casas de cabelle!-
reiro.
Verdadeiras bixas km-
burguezas
nico deposito em Pernambuco : n. 53 rua da
Cadeia n. 53, primeiro andar.
, Terrenos no Caxanga'
Vndese terrenos no Caxangi, no povoado, com
a frente para a estrada njva, muito proprio* para
edifleacao por serem altos, e a cbea nao os cobre:
quena pretender dirjase ao mesmo lugar a en-
tender se cora o Sr. escrivo Salgueiro, qne dar
as informaedes necessarias.
Em' casa de Borstelmann & G roa
do Commercio n. 10, vende-se :
Vinho da champagne, marca Clicqnot.
Vene-se manteiga inglea : na rua da Pe-
dro Affonso n. 1, a 500 rs. a libra, ou a 11100 o
Vende-se o armazem de louca Baa e ordinaria
da rua do Bario da Victoria n. 49, fotr'ora roa
Nova, a dinheiro ou a praso com garante i vonta-
de do proprietario ; veoda-se cem todos o fondos
oo com poneos. Vende*e todas as-loucas exis
tentes no dito estabelecimento para fazer Kqaida-
cao, por preco razo*ve!, por ter o proprietario de
fazer orna viagem para tratar de sua nade :
quera pretender dirija-se a dita can i tratar om
o propriatarw Io Varia -Gonealve Vfeira Gul-
laurie;.
UDKSILVi
Pra^a da Independencia ns,
38 e 40.
Neste novo e elegante estabelecimento
encentrarlo sempre Eeus amigos e fregu-
zos, om completo sortimento de miodezas
finas, perfumaras e artigos de moda e la-
xo como sejam:
Ricas camismbas, ponbos e golliobas.
Lacos para pescogo e cabello.
Gravatinhas de gase, setim e sarja.
Fitas com listras para cintos.
Cintos com lacos ricamente enfeitados
para Sras. e meninas.
Coques de cabellos e retroz.
Espartilbos, e leques, de todas as quali-
dades.
Colarinhos de linbo para bomeos.
Camisas de meia? mnito tinrs.
Liabas de seda para bordar.
Laas de todas as cores para bordar.
Agulbas de todas as qualidades.
Dita crochet, lindos quadros com pboto-
graphia, novidades:
FLORES
Rico e completo sortimento de flores artt-
ficiaes para enfeites de cabeca, cbapeos, e
vestidos cousa ioteiramente nova e anda
nao vistas no nosso mercado.
Escovas para chapeos, roupa, dentes, ca-
bellos e oobas.
Encbovaes para baptizados, de todas as
qaalidades, inteiramente novidade.
Ricas capellas para noiva.
Lavas de seda, pretas e brancas decores
paraseDhora.. T
Ditas de fio de Escocia. ^
Grvalas e mantas de>seda, e cambraias
brancas, pretas e de cores para bomens.
Abajadoras pera colletes.
Botes de porcellana para pnnhos
Ditos de osso, maiflm, madreperola e de
ootras moitas qualidades.
Rico sort ment de boioes de setim do
todas as cores e velados pretos, grandes e
pequeos
Passadores de borracha pretos para re-
logio, correntes pretas para vollas.
Ligas de seda para senbora
Acaba de ebegar um comp'eto sortimento
de brincos, crozes. cacolola?, alfinetc-s e
capellas de porcelana da China, obra intei-
ramente nova, e vendem por precos maito
mdicos.
Sapatinbos para baptisados, touquinbas,
meias para hornero, senhoras e meninas.
Completo sortimento de fitas de velludo
pretas e de todas as cores, ditas de sarja e
setim, fazenda muito boa.
Rico sortimento de franjas de seda, ga-
loes e trancas, ludo do melhor gosto, e de
todas as larguras, completo sortimento de
perfomarias.
Rico sor'.iment) de qoradros para retra-
tos e espeihos proorio para toilet.
CHAPEOS
Acaba de receber am rico sorlimento de
chapeos de palba de Dalia.
Ditos de velodo para senhoras e meni-
nas rieameDte enfeitados, assim como en-
feites oo meias rjhapelinas fazenda iateira-
menle novidade, qae se vende por precos
razoavei s na
Madresilva prara da Independen-
cia ns, 38 e 40.
RMAZEM DOS LEES
Sua Duque de Caxias n. 29.
Os propietarios deste bem montado estabelecimento scientificam ao
respeitavel publico desta provincia qae se acbam com nm variado e completo sort:-
aento de movis, tanto oaciooaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos por nm dos
osios qae se acba actualmente na Europa. O mesmo tem contrallado com os melbores
fabricantes daquellecontioente as remessas das mais ricas mobiliaa feitas alli.
Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem qae ve-
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade de qae acabam de expr'
ae se pode examinar; ricas e completas mooilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalbo, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda lonca de nogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radores de d to dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias do Jacaranda e mognocus tureiras ae mogno, san-
tuarios, tbears para bordar, bercos, lavatorios com espelbo, de pedra marmore e seas
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontrejs artigos qae deixamos de
mencionar por sejtornar enfadonbo
NOVIDADES E PECH1NCHA8
EM
FAZENDAS FINAS E ROUPAS FEITAS
NA OFFICINA
DA
LOJA DO PAPAGAIO
Tendo por mestre Mr. Charles Laurent
RUA DA IMPERATRIZ N. 40 l
aleudes de Carvalbo scientificam ao respeitavel publico, que acabam de receber ob
completo sortimento de fazendas finas de todas as qaalidades, tanto de 13a como de li-
aba* seda e algodo, o qoe 'ha de mais modernoe do melhor gosto, e portanto convi-
dara as Exmas. familias amigas da eccnomia do mestica, a virem onmaodarem na LOJA
DO PAPAGAIO, e verlo que compram fazendas bonitas e baratas por menos preco qoe
jamis comprarlo.
] COMO SEJAM:
Granadinas de seda de ama s cor, lar- Chitas francezas de todas as qaalidades,
gas a 15600. de 320 rs, al os crotones de 560 rs. o co-
' Poopelnas sarjadas de forta cor boa lar- vado. .
gura, a 15200 o covado. Cortes de cas;a brancos bordados com
Alpacao de cores com listras de seda para,babadas de seda de cor, e branco, e ootros
enfeite, a 800 rs. o covado.
Lazinhas de cores, em grande quanlida-
de, de 320 a 500 rs. o covado,
Cachenez francezes para senhoras e me-
ninas, a 30000.
Cretones francezes para cobertas, cor fixa,
a 800 rs. o covado.
Aipacas lisas e lavradas, de cores moder-
nas, de 500 a 800 rs. o covado.
Cobertas de fusilo de 13 e de outras
qualidades, brancas e de cores.
Poopelioas de seda, de flor e de quadro
a 14800 o covado.
Pecas de cambraia bordada para cortinado
com 25 varas.
Ditas de cambraia adamascada com 20 va-
ras, a 123000.
Saias bordadas muito fijas do 4 e 5 pan-
nos.
Bales de ebria e de cambr?ia a 2(5000.
Nansoukse baptistas com listras para en-
eilar.
Diversas qualidades de 13asinhs e alpa-
cas em retalhos, para todos os precos.
Bramantes de linbo para leDCes, de 2:3200
at 4^000.
Dito de alg jdo muito largo a 10800 a
vara.
Algodlo largo para lences, a 1.5000 a
vara.
Atoalbado adamascado de liobo e algo-
dlo.
E3partilb0s.de linbo finos, de 30000 para I
cima.
Lazinhas largas com listras de sed), a
800 rs. o covado.
Madapoles inglezes e francezes de 50OGO
at 120000.
Algodlosinho de todas as marcas, diver
sos precos.
({reges com listra de seda, a 500 rs. o
covado.
Cassas francezas de cores fixas e lizas
com barras, os padroes mais bonitos qoe se
teem visto.
FORNECEM-SE AS AMOSTRAS A QUEM AS EXHIBIR
FREGLEZAS DA CASA.
bordados com listras.
PARA LUTO.
Veos de fil de seda pretos a 80000.
Merinos para vestidos, bombazitra, can-
to, alpacas, lazinhas, crep, cassas e chi-
tas, tudo em qnantidade, e para diversos
precos.
Grosdenaples pretos, de *J600, 200(0.
20500 at 50000.
Seda preta com listras asselinadas para
vestidos.
Chapeos de sol de seda para meninas, a
40010, e fnrados.
Ditos para homem de 1O0OCO at 200000.
Ditos de alpacas de cor e preto, para di-
versos precos.
Tapetes avelludados desde os mais pe-
queos ai os maiores.
Damasco carmezim para colchas, o me-
lhor.
Pannos de croch para cadeiras e so-
pbs.
Cambraias victorias de todos os neme-
ros.
Ditas transparentes Dglezjs e soissaj, com
a largura de tarlatana.
Fil da nho e de seda, branco e preto,
liso, de salpico e de fljres.
Camisas bordadas para seobora, de di-
versos precos.
Meias para senhoras, das mais inferiores
at as mais superiores qae teem appare-
I cido.
PARA HOMENS E MENINOS.
Ne'ite estabelecimento se montn ama
officina, e qoalqaer homem qoe qnizer ves-
tir com gosto, achara moila variedade em
camisas de- cores, pannos finos e casenrras.
o melhor que ha no mercado, roopa feita
em quanlidade, assim cerno camisas fran-
cezas e inglezas, lisas e bordadas, ceroulas
de I olio e de algodo, meias, collarinbos em
grande quanlidade, grvalas de todos os
feitios, camisas de meia, em summa eacon-
tra de todo qoe p-ecisar para vestir com
gosto e elegancia.
E "03 FIGURINOS AS
A 2^000 o covado!!
Grosdenaple preto superior com acoco mofo
branco, de 5 j por 2, mu 10 barato : na rna do
Crespo n. 30, toja de GaUserme C da Cuna & C.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
PHARMACEUTICO, 2, RU OES LIONS-S/tINT-PAUL, PARS.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LARAKJAS AMARGAS
tem IODtRKTO de POTA88IO
O Iodureto de potassio um verdadeiro alterante, um depurador de inconteslavel effi-
cada; combinado com o xarope de cascas de laranjas amargas, e atorado
sem perturbadlo alguna pelos' temperamentos os mais (reos, sem alterar as fauceftes
do estomago. As doses icathematicas que elle conten peratlem aos mdicos de receiai-0
pera todas ta compfeaoBes as affecces escrofulosa*, tuberculosas, cano*
rosas e nos accidentes intermitientes e tercelros alm d'isso, o
agente o mais poderoso contra as doengaa rheumticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERVOSO XAROPE FERRUGINOSO
de caacaa de laranjas amargas.
35 aonos de suecessos aitestSo a sua efli-
cacia para curar: as deeneas nervosas,
agudas ou rhronicas, as gaslres, gastral-
gias ; e facilitar a diga lio.
de cascas de laranjas e quaasla amarga.
E' sob a forma liquida que mais fcilmen-
te se assimila o ferro; n'esta forma prefe-
rivel as pilulasepastilhas en lodos os casos
em que sao prescriploc as fenvftnosoe.
I
DENTIFRICIOS LAROZE
COM QUIMA, PtRETHRO E GAIAC0
iixir detifr!eio, para a alvura e con-
senracSo dos dentes, curando as dores
causadas pela caria ou produzidas pelo
eoutado do calor ou do fro
F6 dutVirio, eom base de magnesia -
para a alvura e consemcao dos dentes,
proveaindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproduc o.
Depeslto em Rio i /saeiro, E. chevelel; em Pernamlmeo, T. Mmrer e C\ em Miotit,
Falce Diaa; em Pelotu, Antera Lelraa; em Bahio, Da Reeha; em Porro Alegrt, Jaa
Bella i em Maranho remira e C*i em Ouro Prrto, C. V. Welaraen, em Sasls CelAa-:
nna, S. Sehalel) em Montedto, 9. laikert) em #aw-Ar, B(eaiepa)reftrda.
Veocle-fe di pharmicii de. Maarer A|C.,rDa Nova, n, *5,

.^


PAKIS
(seAc-
PARS
E'sobreludo s sua propriedades eminentemente absorbentes,
fie o ciio de Beiu* deve a sua grande eficacia. Recom-
menda-se-o especialmente contra as affecctes seguintes;
GASTRALGIAS
DYSPEPSA
. PVROSIS
AZIA
DIGESTES DIFFICEIS
DORES DE ESTOMAGO
CONSTIPADO
CLICAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOLERINA
RODO SE EBPREGO. 0co d- Bello* (Charboa deBeltoc)
toma-se antes ou depois de cada comida, sob forma de t ou de
rastillas. Gcralmente o bem estar sente-se logo depois das pri-
meiras doses. Urna informacao enlensa acompanha cada vidro
de p e cada caixa de pastilhas.
y
PARS
pars
Vende-fe na pharmacia de P. Maurer ct C. roa Nova n. 25.
A verdadeira cerveja da Eaviera, marca ban-
eira, de superior qualidade : vendem Tasso Ir-
mos & C. em sea armazem da raa do Ac,orim
n. 37.
AO PAPAGAIO
Sarja de Feda
Acaba de cbegar loja do Papagaio na bello
sertimento de sarja de cores para vestidos fazen-
da nanea vista nesta cidade e a mais moderna
em Pars e no Rio, e na verdade de um effeito
serprehendente em vestido?, pelo brilho que re-
presenta e pelo pre?o nao ba qoetn deize ds com-
prar : i rna da Imperalriz o. 40.
CERVEJA DA NO-
RUEGA
de superior qualida-
de: rna do Commercio
"attencao
Vende-se nm sitio no lagar Capaeiras, di
unte desta villa lv2 legua, com as dimensoes e
commodos abaiio : meia legua de (ando, boa casa
de vivenda e ouiras, para criados, banbo, farinba,
te. etc., coebeira para 4 cavados, arvoredos (me-
lferos, baixa para capim e vaecas de leite, na es-
trada de rodagem qae segae para Nazireth e Li
moeiro, e qae provavelmente tem de passar a es-
trada de ferro : qnem a pretender emendase com
sen proprietario na rna da Alegra n. i, em Pao
d'Alho.
Rival sem segando
Coegaram agalbaa para macbma, do fabricante
-rover & Baker. Doria 2*000_________
Leques para meninas por
2^000!!!
S a Predileca qnem vende : raa do Cabu-
la n. 1 A.
COQUES
Os mais modernos com caixos e sem elle?, tem a
Predilecta : rna do Caboga n. i A.
BOISECAS DE BORRACHA
Tem a Predilecta bonecas de borracha cousa in-
teiramente nova.
VOLTAS E CAgOLETAS DE PLAQUET
As mfis lindas qae'tem vindo ao mercado, tem a
Predilecta : roa do Caboga n. t A._________
QUERIS ?
Aformosear vossa salla, e fazer invejar a mnitos
qae para ato nao leem goato 1 Viada a nota loja
da Magnolia, ra Duque de Casia n. 45,
comprar os lindos .pannos de la para cadeiras,
trabalbo especial e alta novidade no mercado :
nao caro.
As Exmas. noivas
A Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de reeeber pelo ultimo vapor sua encommen-
da especial de capillas de cera com riquissimes
veos; a legues de roadreperola lindissimos.
Atten^o
Cat de boa qualidade, chegado hontem do Rio
de Janeiro na barca Rpida, a retalho oa por ata-
cado : vende-se ra da Madre de Dos n. 5, i'
andar, por menos preco do qae em outra qaalqoer
pane.
Burro.
Vende-e nm exeelleote barro, tanto de earro-
C como de sella, conbecido como bom por mul-
ta gente, o qaal tem trabalhado em assncar da es-
taeao : vende-e mais ama carro;* fechada pro-
pria para nadarla, retlnacao, oa mscate de fa-
zendas : na roa Nova n. 48.
E
Amara!, Nabnei & C. vendem cbi preto e verla
de omito boa qnalidade, a ltimamente chegado
da Earopa; garantem a boa qualidade, e convidam
sao seos amigos e fregnezas para virem eomprar:
no Baiar Victoria, raa do Bario da Victoria n. 2.
UZINHAS
a t. o coyado !!
Ricas lzinba miadinbas com mescla-m seda,
ptdrdes fnteiramenle novos no mercado a 400 rs.
covado, d-se amostra : s na toja d Guilber-
me C. da Caoba A Cj roa do Crespo n. SO.
A AGD1A I.
Rna de Duque de Caxias n. 50
Receben :
Lindas caixinhas com os necessarios para [mar-
car rcupa, sendo abeedano e nnmeracao, frascos
com tinta preta e encarnada, pinceis etc. etc. o
que de certo novidade em tal genero.
Novos coques grandes com bonitos desenhos
vindo entre elles alguns enfeilados com titas e flo-
res ; assim como bouitos crespos.
Aderecos encarnados de madreperola.
Crozes pretas com enfeiles donrados e entra*
brancas de christal.
Colares Royer
CDntra as convulqoes e a favor
da dentiqo.
HA Aguia Branca rna Duque de Caxias o. 50,
recebe por todos os vapores francezes certa quan-
tidade desses apreciavels colares Royer, e por isso
est sempre provida dos mesmos. Ja 6 bem co-
nbecida a atilidade desses colares Royer, e mesmo
a necessidade que ba das enancas oa trazerem ao
pesclo para assim estarem privadas das conval-
eces, e contarem com fcil denticao. Esses cola-
res Royer qae se vendem na laja d'Agaia Branca,
rna Duque de Caxias n. 3#, tiem merecidamen-
te se Ibes chamamSalva-vida das criancas.
Leite de rosas brancas
A aguia branca roa Duque de Caxias n. 56,
tornou a reeeber o apreciavel leite de rosas bran-
cas para extincao das sardas e espiabas no rosto.
Os bons effeitos do leite de rosas brancas sao j
bem conhecidos, e quera delle precisar dirigir-
se a loja da aguia branca.
Agua duqueza
A agua duqueza preparada especialmente pa-
ra os toilets, e taes sao as saas apreciaveis qua-
lidades bygienicas que o acreditado fabricante
Monpelas quer qae ella tenba distincco entre to-
das as outra? cempostas para tal fim. Ella re-
ne o agradavel oder atilidade de seas bons ef-
feitos. Esta se acha a venda na loja da aguia
branca, raa do Duque de Caxias n. 56.
Agua de flor de larangeira
A aguia branca, roa do Duque de Caxias, re-
ceben excellente agua de flor de larangeira.
Perfumaras inglezas
A loja da aguia branca, roa do Duque de
Caxias n. 50, receben novamente nm bello sorti-
mento de perforaras fina?, sendo :
Extractos des mais agradaveis ednradoros odo-
res.
A apreciavel banha d'alpasse, {' qnalidade.
Sabonetes em barra.
Outros em pacotes de meia dozia.
Opiata e e-covas ioglezas para dentes.
Essencia de rosa
A aguia branca ra Duque de Caxias, rece-
fien frasquiobos com apreciavel essencia de rosa.
Camisas bordadas para
noivas
A aguia branca a raa Duque de Caxias n. 56,
vende bonitas e unas camisas bordadas para noi-
vas, ou mesmo para qaalqoer Sra. qae aprecie o
bom, e principalmente sendo como sao por precos
commodo3; assim como modernas golliobas e pu-
nbo?, tambera bordados.
Meias de laa
para homens e senhoras
A Aguia Branca i raa Duque de Caxias n. 50,
receben mol finas meias de laa para borneas- e
senhoras, e como sempre vende-as por prego com-
modo.
Ricos jarro de crys-
taL
Aloja da Aguia Branca, a roa de Duque de
Caxias n. 50, receben ricos jarros de crystal,
opacos, com bonitos ramos lapidados e guarneci-
dos de dourades em relevo, obras essas ne apa-
rado gosto e completa perfeicio.
Tambera receben bonitos frascos conforme os
jarros, proprios para enfeiles de toilet, mesas ele.
lodo isso acba-se em dita loja d'Agaia Bracea,
a apreciacao de quera possa e queira ter ama
sala aeeiads.
Espelhos grandes
RA toja da Aguia Branca, a roa do Duque de
Caxias n. 50, receben espelhos grandes com mol-
daras envernisadas e domadas, e eomo sempre
vende-se barato.
Capellas coiveos e
sem elles.
A loja da Aguia Branca rtcebeu liadas capel-
las eom veos e sem elles, tendo aellas variado
sortimento e precos, os qnaes sao Sempre com-
pnodos a vista da delicadeza e perfeicio com que
lio feitas : os pretendeutes dirijam-se a dita loja
da Aguia Branca roa do Dique de Caxias o.
or 50,e serao servidos saiisfaetoriamqnte.
SINGER MAMJFACTURING COMPANY
Grande redno ! i! 90#000; 90^000. 90^000 J!!
AVISO ESPECIAL
A alta repotacSo obtida pelas machinas fabricadas pelo
\
tem levado diversas pessoas a fabricar imiacoes que ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Sioger.
NENHUMA MACHINA IX-
.
CER E' LEGITIMA SE
NAO LEVA ESTA MARCA FIX.4
NQ BRACO DA MACHINA.
PARA EVITAR COITRA-
FACCE* NOTEM-SE BEM
TODOS OS DETALUfcS
MARCA.
MARCA DA COMPANHIA
A cbmpanbia, desejaodo proteger seas amigos e fregoezes contra as imitacoes, tem
adoptado a marca acirca representada.
"Previne-se ao publico de nao comprar machinas qae nao levem a marca di
companbia.
3*. H. CKAPMAN
NICO AGENTE
N. 45 Ra do Imperador N. 45
AC ferro em vergninha.
ARABOS e grades para livrar a trra.
BOBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e usados.
CARR1NHOS de meo.
CHUMBO em cano, lenco), barra e manicio.
COBRE em lencoes e armellas.
COFRES de M iner e oatros.
COROS preparados. pi* *"
CIMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTRO-PLATE em obras finas.
ENXOFRE, limalba e salitre para fogneteiroe.
ESPINGARDAS, rewolvers e pistolas.
ESTANHO, em vergaioha e barras. /
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e peqoenas.
FOGES americanos e ingleses.
FORMAS para porgar assncar.
FELTRO para caldeiras.
MACHINAS a vapor.
DITaS de lavar roopa e picar carne.
DITAS de cortar fumo, estivar algodSo (macacos.)
DITAS de descarocar algodo m9o e a vapor.
LEOS, azeites, sabio e trinca!.
PAPEL de diversas qnalidades.
PEZ) S fraocezes de todos os lmanlos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS estanbades.
ZINCO em folbas lisas e forradas.
>
si
Z>
S o
* o-o
<
Samuel- Power Johns-
ton & 0.
Rua do Apollo n. 38 e 40
Fazem seiente aos seas fregoetes qae leem
modado o sea deposito de mauaio^s a va-
por, motadas e taxas da muito acreditad
fabrica de LowMour para ra do Apollo n.
38 e 40, onde continuara a ter o mesmo sor-
tmenlo do cosame.
Fazem sriente tambera que teem feilo nm
arranjo com a fundicao geral, peio qae po-
den) offerecer se para asseotar qaalquer
macbinismo e mesmo garant lo.
:

Os proprietarios da fandicao geral farem
scientes aos senbores de engenbo e mais
pessua, que teem estabeleoidn ama fandi-
cao de ferro e brouze a roa do Brum, jun-
to a eslacao dos bonds, oode aprontaro
qaalqoer obra de encommenda coa perfei-
c.o e prorapiidao.
Os me.-mos rogam as pessoas que qael-
ram ntilisar e de seas servicos de deixa-
rero as eneommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Power Johnstun & C. a raa do Apol-
lo o. 38 e 40, onde acharo pessoa
i unuviii uiivii
Pode obter em peuco tempo com o oso do melbor dos licoresa aflamada
HKSPERID1NA
Faz oito annos que conbecido este precioso tnico, e d.ficil acbar orna pessoa
qae, tendo experimentado pessoalmente, nao falle em seo favor, j como bom estomacal
e apetisador, tomando cm cliz della antes de jantar, oo como facilitador da digestao
tomando-se depois.
A BASE
da HESPER1DINA a LARANJA AMARGA, nlo ha nm s habitante do BRASIL (aterra
especial das laranja; qae tao conbe^a as propriedades medicinaes da Acorada fructa,
ora bem, a
LABAWJA AMARGA
em seo estado natoral tem nm gosto ponco agradavel, e o mrito da Hesperidina con-
siste em reter saas boas propriedades, e ao mesmo tempo apresenta-la como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL 't$o tem nada qne idvjar s
melbores importarles europeas de catbegoria sftmelbante. Estas, qaando muito, podem
ser gostosas, porm a Hesperidina a combinar;2o perfeita do
AGRADAVEL E SAUDAVEL
Para prova de qna am artigo no qnal pde-se ter ioteira confiaoca, por ser paro
e innocente, basta dizer-se qne foi plenamente approvada e autorisada pela
UNTA DE HYGIENE
do Ro de Janeiro, permiiiindo soa livre elaborado no imperio; outra
m X BOA PROVA
a acceit3co geral qn tem em todas as partes onde apresenfada. Em 1864 estabe-
leceo se a primeira fabrica em Buenos-Ayres; em 4869 a segonda em Montevideo; e
no dia da ebegada de S. M. O IMPERADOR inaogoroo-se a fabrica qoe actoalmente
trabalba na corte, Em Valparaizo e em toda a costa do Pacifico tem boa acceitagao,
tanto qae rara a casa qae considera completo sea aparador sem ama garrafa de
habili
tada com qnem possam entenderse.
Apparelho para fabricar assucar, do systema.
WESTON CENTREFUG'.L
nicos agentes em Peraambuco a fundicao geral.
Para tratar em seu escripiorio a raa do Apollo n. 38 o 40.
MITA ATTENCO
GRANDE REDUCCAO EM PRECOS
Antonio Pedro de Souza Soares, com loja de miudezas na
raa do Baro da Victoria n. 28,
PEDE AS EXMAS. FAMILIAS DESTA CIDADE E NEGOCIANTES DO MATTO
MITA ATfENCO PARA OS PREgOS ABAIXO DECLARADOS, A SABER:
0 hornera velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
0 homem doenie toma Hesperidina para obter
SAIDE
O bomem dbil toma Hesperidina para obter
FORCA
4
Nos bailes as donzellas e os mocos tomam a Hesperidina para obter boa edr e
animadlo dorante os loncos gyros da
RARROS JNIOR C, roa, do Vigario Tenorio n. Tfi" andar, receberam este
grande especifico, e vendem-no nos depsitos segtitntes: ^
Hotel de l'Bivers, roa do Commercio. ^-^
Ze ferino Carneiro, raa do Commercio.
Marcelino Jos Goncalves da Fnle, roa da Cadea b. 2.
Antonio Gomes Pires & C, rna da Cadeia.
Antonio Gomes Pires A C, caes 22 de Novembro.
Gomes 4 Irmjo hotel da Passagem.
Completo sortirxento de bolas de
borracha para criancas. .
Redes enfeitadas para senhoras a 29000
Grande sortimento de trancas do
velludo, pecas com 12 me-
tros a 350O e.....4000
Dnzia de pecas de trancas de cara-
col brancas a rs..... 400
dem idem lisas a rs..... 200
Dazias de pecas de cordio impe-
rial ars........ 320
Dnzia de botSes de seda paraenfei-
tar vestidos a rs..... 200
Sapatos de tapete para homens e
senhoras a......1280
Dozia de talheres, cabo de osso, 2
B a........50500
dem idem cabo de viado (imita-
cao) a f 3^000
Caixa delinha comSOnovellosars. 700
Caixa de linha do gaz a rs, 800
Grosa de botoes de osso, pretos
e trancos ara...... 200
Livros para notas a rs. 320 e 400
Meios adereces pretos com cama-
fea a........1,5000
Abotoadoras para collete, grande
variedade ara...... 200
Resma de papel pautado e liso a
2,5800,30200, 40000 e 40500
Caixa de papel amizade muito
bom ara...... 700
dem idem dem beira donrada a rs 800
dem idem de qnadrinbos a rs. 640
dem de envelopes de porcela-
na a rs. 800,500 e .... 40C
dem de pennas a rs. 400, 500 e 10000
Duzia de baralbos rancezes canto
doorado a .......
dem idem idem lisos a. .
dem idem portoguezes moito fi-
nos a 10800 e......20400
30600
20600
dem de pentes de borracha para
alisar, a...... 20OCO
dem idem idem com costas de
metal a.......50100
Lamparinas gaza 10OC
Microscopios (sem vistas) a 20000
Mimosos leques de osso para ce-
nhora a.......80000
dem idem de sndalo com lan-
tejoulas a......'. 50OOC
dem idem imitaco a 202OC
Fita de setim Maco, escoceza, lar-
ga, vara a......30000
Eopartilbos, fazenda muito boa a 60000
Garrafa de tinta roza extra fina a 10000
Potes de dita preta a n> 10C e 160
Ferros para frisar, difiranles pre-
cos.........
Lavas de pellica mofadas a r .. 500
Candieiros gaz lindo sortimento
PERFUMARAS
Garrafa do agua florida verdadeira 10300
Idem idem kananga do JapSo a 10300
Frasco com oleo philocome e
'oriza a........ 10000
dem idem antiqtie a rs. 400 e 500
Rcsas com extracto a .... 10800
Macos de sabonetes ingiezes muito
bons a rs........ 600
Duzia de sabonetes de anjinho a 20000
dem idem'de corceo e flores a. 10500
Pacotes com pos de arroz moi-
to fino a rs. 400 e 500
Caixas com pos para dentes a rs. 240
Cosmticos muito fios ar s. 100,
320, 5CO e...... 10COO


Frascos com extracto a 240, 320,
500, 10000 6-,.....10500
Agoa de colonia muita fina, frasco
de 500 rs. a -.....- 40000
Alem dos objectos cima mencionados, tenho om grande sortimento de candieiros
i gaz, calnogas de porcellana ele, etc., grande sortimento de miudezas que se torna-
ra longo mencionar.
N. 28 Ru do Barao da Victoria N. 28.


Formas galvanisadas
Para porgar assrjcar, vende-se barato :
oa raa io Apollo n. 20.
Rieaa sedas para vestido, popelinas de coras,
brancas Boriecte, granadines, do nlUmo gcnto,
la, alpacas, cassas^ cmbralas,- crgsndy, ricos
encbovaes para baptisaJo com todos os pertences,
ricos cortes de vestidos brancos bordados, corpi-
nbos do melbor gotto, saias de toda a qnalidade,
cortinados para cama, bramante de llnbo para
lencoes, esgnio, selezin, madapolio francas, earn-
braias bordadas, cseas brancas iavradas, espar-
tilbos, eambraias victorias e transparentes; tudo
vendemos por moito menrs qae em ontra parte e
para prora do qae dlzemos, ani vio satas Anas
com frisados a 3, 3*200 e 3*500, ditas de caro-
braia a U, ditas bordadas a 6*. cambraia organ-
dys a 3*500 o corte, saperior madapolio fraocer
a 74, bramante para lencos i linho 2*400 a
vara, corpinhos para senbora a 3*, ditos moito
finos a 6*, ricos enebov.ies pan baptisado a 15*,
e ootros~maitos arligos por precos qae admira';
isto s raa 4a imperalriz n. 20.
TJDguento Durand
Este nngnento moito eonhecido no Rio de Ja-
neiro, e osado nesta provincia por nanitas pessoas
qne ifflrmam ser muito utifeotath tedas as qna-
lidades de feridss, cbagai, cortadoras, impingeas.
tumores, amrazes, espinbas, panancios, canearos
e entras malettus secretas. nico deposito nesta.
provincia, na pbarmacia americana de Ferrelra
Mais 4 C, ra Drji.ne de Caxias n. 57.
Atten(jo

Troca-se a meradia de uma casa terrea com
grande quintal em uma boa roa do balro de San-
to Antonio, por am sobrado de nm t andar oa
em altimo caso om primeiro en segundo andar,
eom tanta qne seja no mesmo bairro e tenba lam-
bem qnialal e commodos para familia : quem li-
vor e qnizer trocar snnunciepara ser procurado.
Libras sterlinas.
Vendem-se no escriptorio de Joaqcim Jos-Gon-
Salves Beltrao : raa do ComoNteto n. 6,
Nao ha mais duvida
Quem tem melbores e mais modernos artigos
da moda e phintasia a Magnolia ra Duque de
Caxias o. 45 ; pois que acaba de reeeber, alm
de ontros muitos objectos que so torna enfado-
nho mencionar, os seguintes : meios adertcos de
madreperola, brancos e de cores, meios ditos imi-
tando coral, agulbeiros de madreperola e marfim,
ernzes de dito e dito, balalos eom preparo para
costura, cintos modernos (novidade) chapeos de
palha de cores para senbora, bengalas de uni-
cornio (imilacao) Com dabo de madreperola, ricas
camisas bordadas para senhora e para bomem e
aderecos de marfim.
Cuidado.
Os collares Royer, sao privativos das convnl-
soes as triancas e garanta do feliz desenvolv-
ment dellas, porm, mister que sejam verda-
deros e novos : moias vezes, vemos pessoas com-
praren) e neoham resollado oMer, porque ? por-
Jue nao teem o cuidado de procuraren dos ver-
adeiros, assim a Magnolia ra Duqoe de Ca-
llas o. 45, que receben deeses collares, e offe-
rece aos pais de familia garanbndo-lb.es o real
desenvolvimento de sea effeito.
Na Magnolia
E' geralmeate a resposta qoe se d, qaando al-
gaem pergunta, onde eneentrarei um lindo sorti-
mento de leques ? ama rica caixinba coas most-
ea para costura 1 um lindo albam 1 nm objeeto
do gasto para fuer um presente f onde peder
acbar am completo sortimento de objectos d mo-
da a por precos commodos ? sempre a *-
posta, na nova loja da Magnolia, raa Daqne de
Nao se arrependam
SR* corto qae qaalqoer peeso*, qaando compra
um fraseo da extracto, banba, na oleo, nm enfeile,
am leaeo, ama Ota oa oatro qaalqoer objeeto ,
desoja eras seja bom e da moda ; porD, quasi
sempre (sanos o desprazer de ver essas pessoas,
desfestsau e arrependidas, o porque T por nao se
dirigir* a nova loja da Magnolia, roa Duque de
Caxias o. 48, qae qotm ibes pode sapprir de
bons extractos, de nm ind Hft'-t*, flnalraenle,
daqniHo qae bou ver < melbor e de mais elegan-
cia no mondo das wi
0 RIVAL i UflfE
Ra do Mrquez de Olinda
n. 50 A.
Tem para vender os seguintes objectos abaixo
mencionados, pelos precos mais resumidos, como
sejara : Coques modernos a 2*000, pegas de n-
tremelos bordados de diversas larguras a 500 rs.
duzias de co'larinbos de linho a 4*500, ditos mais
finos a 8*000, tercos para alglbeira a 200 rs. boa
fazenda, linhas de earntel de 200 jardas a 60 rs.
la para bordar a 5*000 libra, leones a imitaco
de sndalo a 1*5X0, lamparinas a 600 rs. a dozia,
caixas eom papel amizade a 600 rs. ditas com di-
to saperior-a 700 re., envelopes a 400 rs. o cen-
to, bolinas nacionaes para homem a 4*500, focos
para criancas a 1*500, aguibas franeezas a 40 rs.
o papel, sabonetes de alcatrio a 500 rs. agua fio
rida verdadeira a 1*200 a garrafa, diti inferior a
1*000, frascos com sndalo a 1*000, ditos coro
oleo pbilocome a 800 e 1*000, ditos com dito ba-
bosa a 320 rs. ditos eom agna de eologne a 240
e 400 rs. pecas de galSes branro para enfeites de
vestidos de crlaoca, a 400 e 500 rs., masaos coro
12 pecas de tranca branca a 240 n ditos eom
ditas de cores a 320 e 400 rs., duzias de ph jspho-
ros ssgnranca a 240 rs. e a grosa a 2*400, e oa-
tros muitos artigos, que para nao tornarmo-nes
enfadcnbos Oeixamos de mencionar, os quaes ven-
dem-se baratos para acabar,
Vapor
Venili se por preeo mdico nm vapor de forca
propiii para enganho de assncar cu para aualquer
mister, esti em mnilo bom aso e de nm dos me-
lbores fabricantes de Inglaterra : a tratar no
mazem n. 15 na tra\e.<* do Corpo Santo.
ar
Licor de aiiuyuiacc
Vende-se na fabrica do gaz er> S. Jos,
eonlendo 16 caadas de>le Ji-jaido ao prego -
12*, inclusive o cseo, mandndose entregar em
qaalqoer parle do Recite. A propriedado aflate
licor astas reconhacida pela fertilidade qoe di
aes terrenos que prodozera cans, algadio o oa-
tras plantas, e se toraa reeimoi^Ddivel pt-u f'",.-
lidsde de sna applieaao e economa. Sa
fah-lca i- iira as necessai is inf^rroaees w
se pove atr.



BBBSOBMBBBBl


8
=
;
=
ej FmiiMmbwm Terqa (eir 24 de Setembro da 18*? 2
OTERATRA.
EL1IOR 4|l I\ll 1<>
G. DE LA L&NDELLE.
(CoDtioaiclo).
Jo* Roverin pregouos olbot do cb5o e
nlodisse palavra: ficoa tolo absorto pen
sandona esposa e filhosp arrebatados 'em
tao pooco teinpo por essa mesma miseria, e
na soa qowida Ciarisse, que Ibe ficava em
Pars. Corentiaa tambem se caln para
u5o aflligir mais o enfermo, mas Pedro
Paolo p z--se a pairar, e assim falo meio
de os dis(rhir com as saas grabas e lem-
brangas a proposito. Corentina cessou de
maldizar a grande cidade, e Roverin poda
guardar, como desejava, o segredo das
as desgranas.
Sf. Jjs,disse Corentina sea ir-
mo Garvazio tem dous fihos, mas quanto
dara elle para que alguna d'eflasse assimi-
Ibasse em viveza e affabilidade a este sen
peqneno I
Ab I Sra. Morgan, o que diria a se-
nhora, se visse a mioba Ciarisse! Com dez
aonos, tem j orna percepgSo que causa es-
panto I
E instrucco, n3o verdade ?
Muita, muita! espoodeu Jos
A conversa la novbante a cabir no lado
poDgente, qumio Pedro Paulo se lembrou
de querer saber o nome de lodos es objec-
ti>8 qae peda primeira vez se Ibe depara
vam v.sta.
O qae aquillo?
m monLo de ventorespondeu Co-
rentina.
E aquillo ?
Urna charra.
De qae serve ?
L vers, em S. Lopo, quando che-
famas:
E' bonito S. Lopo ?
Bonito como todas as obras de Daus:
ba l arvnres magaifieas, bellos prados,
grandes florestas e nm Jiindo rio' a cor-
rer por entre salgueiros.
. O que ao salgueiros ?
Sao arvores.
N5o fiqu? por dizar que Pedro Paulo se
luormou d) n^me da sui pequenina com-
panaeira da j imada e qoe Da sua alta intel-
igencia acbou er bonito o de Marcella.
E' orna fortuna I dissa Corentina,
s rrindo-seSe bouver um da de casar
com o menino, n5a precisa de chrismar-se I
Jos Roverin n5o pode tomar parte n'es-
t? conversa in'antil: as suas dores aug-
mentvam piogressivamenta; a lsntido di
ornada aggravava-lbe 03 soflrimentos. Era
lastimoso o seu estado, quando tomn lu-
gar n'uma carroga que, destinndose a
Fougres, devia possar pOrS Lopo. Passa-
rm por entre a dupla e a Grande-Carpi-
deira, deixando direita a Longa e Peque-
a Carpideira, e bam issin a antiga babi-
ta;3o do pai de Emiliano. Cjrentina nao
tornara a entrar alli desde o dia em que
Marcella partir para Pars: a boa aldea
snspirou, entristecida, Jos Rover.n julgou
qne recuperara as focas em pondo os ps
sobra a trra natal e apeou-se na estalageru
do Forcado, onda foram descrrregis as
sias malas.
Bo* noute at mais ver Jise ella.
A Sra. Morgan atravessa a ponto de Liviga 3
e ea vou direito S. Lopo.
A' p ?
De certo : o ar da provincia comee
a fazer-me bom. Yamos, Pedro Paulo, 3
um beij) n'essa boa companhaira de jorna-
di e vem c.. V l adimte ama igrej ?
Vejo sim, sanhor.
Acompanba-me pola mao, mis caroi-
jibando muito de vagar.
Sr. J s,acadio Corentinan3o con-
siti'.o que v s com o meniao.
U caminbo bom : da porta da igre-
j avsta-se a casa da meu irmo como se
estivesse ao p.
Mas ea acomp3nbo-o at porta
d'eile.
Essa volta retarda!j-hia boa meta
hora. Mil vezes agradecido. Ea avalio a
pressa que deve ler ea abracar seo espo-
so e filbos.
Corentina, impedida pelo d que Ibe cau-
sava o estado de Jos River'm, insista em
acompanha-lo, quando de sbito interveio
Blaise-Cordon, mestre escola da S. Lopo
e antigo condiscipalo da Jos Roverin. Es
a apparigo poz termo ao debate; Biaise-
Cordon renovou as soaa relagas com o
irmSo de Garvazio, c Terecen-loe o apoiodo
braco, e depois de comprimentar a esposa
de Morgan, entabobo ccmJos urna anima-
da conversa, cejo assjmpMHinico loi Pars,
a grande capital, onde, na sna opiniSo, bas-
tava dar entrada para fazer fortuna. Rove-
rin deixou-o fallar; Corentina meneon "a
cabega, suspirando, e, como--o sol fosse
posto, nao bavia tempo a perder.
Boa noote, meassenhores; adeas, Pe-
dro Paalo. At Vistadisse ella.
Mil vezas obngadopor todas as saas
ttengesredarguio Jose Deus a tenha
na saa guarda.
A desembarazada alde3, levando em om
brago Mircalla, e no outro am pesado caba.
ziobo e om pa:otede roopa, transpoz rpi-
damente a ponte da Lavignais. Blaise Cor-
don aabia ji qae Jos nio era ceg, mas
o doente dos olhos e, como por toa parte
gosara sempre perfeita saode, nio se com
moyeu moito oom deploravel aspecto do
parisiense. A natoreza bamana to pro-
pensa ao egosmo, o bomem comprebende
lio mal as desgranas alheias, que at a sao-
da, o mais frgil de todos os baos, pode,
do mesmo modo que a riqueza, a sciencia
e o talento, motivar um looco orgolbo, que
endarece o corceo. Mas o evaogelbo dis-
ae: Abengoados os pobres de espirito,
abengoados 03 qua team fome e sle, e to-
dos aqueles qoe soffreej Ora, sende a
saud-v o vigor, a riqaea, o saber e o ge-
nio doos do c >; sSo digaos de lastima os
que se jactam de possaia-103, porque se
loroam criminosos para com seu semejan-
tes destituidos de instrucg5o a talento, (r-
eos, pobres oo enfermos. O ri dicalo arre-
messado s faces de qualquer doente de
corpo ou de espirito, ao alerjado ou ao igao*
rante, urna acgo reprebensivel, e, toda-
va,|n3o ha nada to frequenta neete mundo.
Qoem ba ah quj nio tenha presencalo
ama pessoa qualqaer a rlr-se desordenada
mente da aro erro de pronan:ia ou de or-
togapbia? E oatros escarneceado om car-
canda, (orto oo coixo ? Estes espirituosos
mofadores sao na realidale bem mais dis-
formes do qae as saas victimas; a deformi-
dada delies est na alma. BUue-CordoD, o
mestre-sscola, nao era um bomem man, e
por iss > nao podiam applicar-se-lha em to-
da a latiiode do termo as reflexes prece-
dentes, o que j ao pouco.
Ab! meu bom Jos,dizia elletu
foste feliz por saberes tirar partido da edu-
cago qoe te deram: sem censura, devo
dizer-te qua tiveste o melnor quioho e eu
o peiorI Ajui nao vivo, vegeto; como,
bebo e dormj ponto de apresentar este
abdomen, mas nunca conseguir reunir n>
bolso orna economa de qualro escudos, em
qoanto qoe tu regressas de Paria com o
bolsinbo bem recatado, nio verdade?
N5o digo qua volto pobre nossa tr-
ra, naoresoondeu Jos Roverin.
E agora comprars os leus bocadinhos
de trra bem bnos...
Por emquaaio n3o.
Oh I estas parisienses veem as coasas
seu modo 1.. Com qae ento por agora
nada de comprar ? Aposto qoe veas com
ideas de especular?
Quena sabe I edargaio Jos Roverin.
Finorio Iexclamou o mestre-escola
B :m raza o tem tea irmo Garvazio, quanlo,
proposito de qualquer coosa, te cita como
exemplo aos filbos e toda a gente da pro-
vincia, pois deves crer que ningoem aqui
se esqueceu de ti. C soobemos todos que
tu em Pars ganhavas muito diobeiro, e isto
fez perder a cabeg diversos e particular-
mente Gregorio Gillet. Acaso o encon-
traras por l ?
Encontrei, mas personagem de tao
m nota, que nunca o admitii em minba
casa.
O mais que teos raz3o, porqaanto
Gregorio sabio da S. Lopo pela m porta,
como diz o adagio.
Minutos depois Jos, fatigada, leve qae
sentar-3e: o mestre-escola fez o mesmo e
tomaram lugar sobre om vallado. Pedro
Paulo, vendo-so livre da diligencia, brinca-
va alegremente junio delies.
IV
ULT1M\S VONTADia
A gente do3 campos regreasara s suas
cabanas ; em cada umajdestas ceiava-se e
eenversavi-se coa os cotovellos sobre a
mesa, em casa dos abastados, Garvazio Ro
verin, passava alegremente de m) em m3o
o cangirSo de cidra. Os mais pob es de
todo tiaham pelo menos a regala de da)-
cansarem; hjviam comido appetiitosameote
o seu p3o negro e tomado o magro cildo,
e iam em breve dormir sem cuidado no dia
seguinte: porqaanto nos campos a maita
gente basta'o pao de cala dia e nao falla
trabalho aos que teem boa vontade. A
loa, mirandc-:e as aguas espalbadas do
Coesnon alravez dos salgueiros, ia em breve
'iciapparecer por detraz doarvoredo espes-
so e at) da Beauval. Urna doce brisa agi-
vi a folhagem e levuva ao burgo de S. Lo-
po os aromas vivificantes dos prados. Jos
Roverin ouua o ciciar da folbagem e seotia
dilatarem-ae-itie os pulmes: a tristeza ia-
se-'Jie apossando do corag3o, e a forga da
melancolia f >i-se traduzindo em amargura.
^-Ao menos, repiuzarei janto de meus
pas, no cemite'rio de S. Lopo sol) o co da
minha trra I Clansse que vele pala se-
pultura de sua o)S;' Pedro Paulo cuidar
da minha I.. Orpbos queridos, Daos vos
goarde e protej I Qoe elle ao menos ou-
ga os ultimo) rogos daquelle a quem per-
mitto o regiesso trra natal 1
E J os1 R 1 verin ergueo um ponco a venda
dos olhos, a fina de tornar a ver o campa-
nario da aldeia; mas, para cumulo de infe-
licidade, nao vio mais qoe trevas.
Blaise Cordn, com a soa oataral loqua-
ciiade, fallava a perder o folego; contava
a historia de Gregorio Gilet, eoramametan
do o seo discurso com fastidiosas digres-
ses em honra de Pars, onde, dizia elle,
perder de fazer a saa fortaoa, o que toda
a vida lastimara.*
Porque, emfim, 1 coosa fcilpro
segoio ellea todo o comprova, visto qae
Gregorio, um tratante, pregoigoso, trapa
Iblo e peior anda, arranj ju l a soa vida
o melhor possive, segando me affirma
ram. Um homem honrado, intelligente e
laborioso COJM eu fa_ria__por certo na capi-
FOLHETIM

L1QA0 AO WIESTRE
ROMANCE
pon
A, A. TEIXEIRA DE VASCOMCELLOS
(ContinoagSo do n. 211.)
XXXV
D8ixemcs descansar da fadiga das jorna-
das os nossos viajantes, e em quanto Do-
mingos de Sampaio se prepara paraavisi-
tar o interdente geral da polica, e, colloc;
do casa do campo de Santa Clara, Thiago
Torres contempla quasi em extase amoroso
as bellezas do Tejo, vamos ter com a Sra.
D. Francisca de Azevedo e Qoeiroz e com
o seo apaixonado raptador, Jeronymo de1
Lemos.
E* para sentir qae a necessidade da nar-
rarlo nos obrigasse a separar-nos de D.
Francisca na occasilo em qae depois de ter
tomado, oceulta nos cannaviae?, os vestidos
masculinos, e posto na cabega om chapeo
de palha, montara a cavallo com a ligeireza
e elegancia dos cadetes de cavallaria, e ln-
gara o generoso nimal galope destemi-
daDte feig3o de mancebo creado as
9Hps do Rio da Prata!
tal melbor fortuna 1 Ifeparavelmente, e
to abi ests agora ] ara o demonstrar com
a clareza do a, b, c. O tal Gilet sobrioho,
era fraca fazenda, om bomem que sahio
d'aqai apedrejado, depois da saa escalada
casa de Baaaval. A jai para nos, foi
urna tentativa de roobo, mas escapoo-lhe
um p e estove quasi a esmig^lhar os mi-
los, la caca dos ninhos. Sea irmlo Je
ronymo e o Sr. de Beaoval, qoe contiooa a
ser o bamfeitor c da aldeia, abafaram o
negocio. O to Mitharino qae o3o esti-
va tio bam disposto para aquella fim; sam
embargo, n3o seria ea quem aconselbas-e
Gregorio qae voltasse nossa terrt.
Mas em qae vaes tu pensando, meo velbo
Jos Nao dizes orna onica palavra I
Fagamos a diligencia por nos apro
ximarmos da casa de Gervazio disse Jos.
Ampara me, arrasta me om pooco...
Electivamente j o3o cado e arris-
or-le-ias a ebagar depois da caa... Vamos,
coragem.
Antes- porm de ebegarem igreja, J)s
cabio sem forgas.
Ento o qae isso ? exclamoa o mes-
tre escola.
Smto-me morrer I... Lera-me alli
para as escalas da igreja.
Pedro Paulo poz-se a gritar com toda a
forga: os c5es das visinbangas laliam:
Blaise correa a pedir aoccorro. Das portas
se abriram simaltaneamante, e no nomaro
destas a do madico e a do tabslliSo. .
E' om desgragado viajante que ago-
nas sobre os degros do cemiterio!di-
zia-se de todos os lado).
Da repente 00vio se ao longe a voz de
Gervazio Roverio, em coja casa Blaise ln-
gara o alarma.
Mao irmo, meu irmo Jos !...
Oh I meu Daus I... Depressa orna maca!
Corramos!
E* o Sr. Jos .'repeta a moltidao,
abrndo passagem ao medico.
Qae triste regresso, meo divino Se-
ohor!
Blaise Cordoo logo se vio rodaadj por
todos aquelles aldeaos, que nio podiam
prestar auxili) alguna.
Para minha casa, para miaba casa I
disse o medico.
Perdao, Sr. dooloracadio Garvazio-
Se, por fataiidade, meu irm3o vrer z
saecumbir, ao menos qse isso acooteca na
nossa casa, ao lado dos pranlas i
O fazeneiro da Moire, dizando aqoellas
palavras, tomoa nos bragas o peqaeao Pe-
dro Paulo ; Jjsfr, total mela ex 3 ni me, foi
levado n'uma rouci. O tabelliSo, como Ibe
dissessem que o eofermo profarira o seo
nome, julgou de ver seguir o prestito. Croco
miaotos depois a maca era deposta caute-
losamente o centro do sali da hardada
e Gervazio, desolado, exctamiva:
Cegoemoribunlol... Mea pobre-ir-
mio, mea caro Joa.
Pedro Paalo cnorava qae fazia d. A ta,
mulber de Gervazio, beijava-o, dizando:
Socega, querido Bino; nos vamos
tratar solichameata da tea pai e seremos
moito teas amigos.
Padro Paulo caloa-sa vendo o medico,
que tralava da applicar remedios para rea-
nimar o moribundo, o qual minlos depois
recoperou os sentidos.,
Onde estoa eet^-perguotoa elle.
Em mioba casa, na casa de tea ir-
mo Gervazio.
Ah I obrigado, obligado I E' a toa a
mo qae aparto?... Oaieest mea Blho ?
Aqai estou, pap trespondeu Pedro
Paulo.
Ea te abengo, mea filbo, a ti e a
tua rmS Ciarisse I... N3o te esquegas della;
om bom coragSo o de Ciarisse...
Jos Roverio sologiva e fez sigoaj para
qua levassem da li Pedro Paulo
IrmSo,disse el e instantes depois
o tabelliSo... depressa... e mandaras
car a minha bagagem.
O cura coosultou o medico. 4) homem
da sciencia respondea: ,
As molas d'aqaella machina esto
todas gastas; nao vejo meio da o salvar.
Jos,disse Gervazio oade est toa
fila Ciarisse?
Em Pars, co> a marqoeza.. de Pon-
tberv... Mas o tabelliSo... qoe do
tabelliSo ?
O faneciooario apresentoa-.se.
Seahor,disse com voz tremola o
moribundoexisteni oa mala mil e qui-
nheotos francos, e oo grande pacote lacra-
do. Minha filha Ciarisse de nada carocer:
faga render aquello diobeiro o melbor que
poder al qae mea filbo complete vate e
um anuos ; o pacote entregar-I h'o-h a logo
que elle chegaa idade de bem avahar as
coasas. Tu Garvazio, fase delle om bom
cultivador; obrga-o a guardaras vacias, a
Era de ver como na carreira velocissima
se inclioavajsobre o pescogo do cvalo com
a physionoma animada pelo prazar da li-
berdade, os cabellos soltos ao vento, e quasi
esquecida de qae ao amor de Jeronymo de
Lemos deva nao estar a caminho de Lisboa
sob a guarda e vig lancia do escrivo Men-
danba e dos seus offlciaes. O fidalgo de
Crestoma segoia-a admirado de vigor e arle
com qoe diriga o cavallo, e cada vez mais
encantado de to peregrina creatura.
Ao cabo de umquarto de hora de corri-
da, durante a qual D.Francisca voltra a
cabega s "doas \ezes mostrar a Jjronymo
de Lemos o seu mais affavel e malicioso
sorriso, parram ambos no meio do pinhei-
ral cerrado que iam atravessando.
Muito bem, exclamou o mancebo dan-
do-l6e affectuosamente a m3o. Nio imagi-
nara qae na arte de cavallaria loase to insig-
ne como na de encantar a toda.
N3o se admire. Fai criada na Ame
rica e desda menina acostamada a montar
os cavarlos mais vigorosos a menos adestra-
dos. Ea nao escolbi camiobo, neni pergun-
lei para que lado seria. Entend qae o prin-
cipal era affastar-noa .rapidmeota do sitio
onde caram os officiaes dejustiga.
Sem duvida, replicn JoroM Eu
tambem nao conhego a estrada, mas i riado
vai dirigir-nos. Elle j me disse qae era de
A'cobaca e que sabia por aqui todos o's cami
nhos e atalhos. Se nSo precisa de nada, va-
mos p-lo ni frente a guiar-nos e continaar
a n;'ss) Jornada.
trabalhar as tarrea : qae aeja lavrador
a mioba ultima vontade, entendes me ?
Boleado respondeu Gervazio, me-
neando a cabega.
E de si para si disse :
Mao irmo" mais amigo da filba qae
do filbo : tan/o peior... Sempre o soppuz
mais josticairo.
Gervazio ^overin.-vigoroso esadio, orna
das felizes creaturas d'este mnod >, vivera
sempre na convicelo de qoe seo irmo, o
parisiense, era mil vezes feliz do qoe elle :
ora Jos era o primogeoito, Jos fra dig-
no da esmerada educaglo que recebara,
fazia honra ao burgo da S. Lopo e sobre
todo familia H)verin, e Girvatio, bem
longa de lhe ter inveja, jictava-se da pros
peridade de Jos. A soa maoia era elogiar
o irmo fosse quem fosse. Ficoa, pois,
desalentado peraote a parcialidade, seu
ver croe!, d'este irmSo t3) elogiado, qoe
liaba urna balanga viciosa para avahar o
marecimeto dos filbos. Urna de;epg3o
pungente viera entSo aldiciooar-ses afllic-1
0S33, j u3o pequeoas, do hourado Gerva-
zio. Josa o'este meio tempo applicava as
forgas que anda lhe reslavam a coofessar
ao padre da aldeia os seus erros e rectios.
0 pastor, depositario dos seas altiuaos vo-
tos, retiroo se profaadaneote-commov>di.
O enfermo cahira oa mai ir proslragSo : a
liogua parahsou-se-lhe; o3o pdJe dar a
minina resposli s diversas pergantas
dos pareotes Em v3o pergunto Gar-
vazio o Doma da tal marqueza que biveria
de fazer de Ciarisse urna iirtaressanta fidal-
ga, ao passo qae Pddro Paulo estava con-
damnado a ser um pobre aldeo; esqiece-
ra-lha total mele o oome dito por Jos ;
desejaria pode-lo ter por escripto, mas J03
ao o tornara a proferir.
Muito bem Idizia consigo Gervazh
Aquillo tamban foi capricho da pirle
d'eile I Paciencia; Daus sobre ludo I
CorentioJ, que veio logo o dia segointe
saber noticias do mi companheiro de jur-
oada, foi iotrrogada-por Gervazio e decla-
rou nanea ter sabido o nome da tal mar-
jueza Garvazio- ficoa convencido- da qiw
os mil e quinientos fraocos confiados por
sea irmo ao tabelliSo eram apenas urna
bagatella comparativamente com a* sonarais
legadas Ciarisse por mtarvengo da das-
coohectda marqoeza.
A explica$ao de todo isto disso ella
por ultimodeve existir 00 pacota lacrado:
taremos- de- esperar pelo menos dea annos
para descobrir o myiterio f E' triste cousa
esta t
Os desvelados soccorros- prodigalisados
ao moribundo e alguns cordiaes qoe ibe fi-
zeram tomar proloDgaram-Hw resto de vi
da, mas ella- nao maia recuperou o uso-da
falla. Sorria-se teraamente qaan to ?ddro
Paulo Ibe pegava na mo ; pareca cociente
comas demonstracas de aeigo dalas pe-
lo seus perentes do Moire, porm nam ao
meos podra proferir um adius. A. sua
agona-, posto que lenta, foi pooco. aflictiva :
expiroo saos coovolsoes, sem arranco).
Gervazio-fez loe prestaros ltimos "deve-
res com toda a pompa possive na aldeia,
mas o segredo do seu desconlentamento
para-com Jos, que, ao seu conceito, tes
lra desigualmente ea relag&o- ao* patyiano
Pedro Paalo, isso l guardoa elle s para
si.
Ea,and*qae nao sej sen3o para, re-
ooso da sua alma, repararei a ini'iotiga.
Eato a irrn hade ser urna dama de Pars
e o irm3o oo vaqaero em S Lopo4?* Ir-
aaao/oe, Garvazio- dispona as cousas me-
lbor do que la I'
A famdia cao lign a menor importancia
1 indagagSo d. destino de filarissa. Nin-
gaem alli a conbecia: segando a. declara
gSo do proprio- pai, ella ^de nada careca
D.zia-se qoe a pequeoita era educada como
marqueza e fioava-se por aqpi. O tio Gar-
vazio que o vezes resmungava :
Mtriuazat Qiq lhe faga raaito bom
proveito 1 -
Um anoc depois da sua chegada a S. Lo-
po, Pedro Paulo, tratado por saa to e lia
com urna tornara paternal!, ceoservava da
irm e do pai apenas avag) e confusa ra-
cordacSo iaantil, recordaga- qae gnd^j!
mente vai diminain lo, mas qua anda se
nao apagatoltmente, quando avivada por
qualquer circuaist mcia exterior. Ora.'o t-
mulo de Jos Roverio, sob o qual iaziam
ajoelha/ Pedro Paulo todos xn domingos an-
tas da missa, o nome da saa irm Giarisse,
repetido vanas vezes diaote d'eile, e p ir
ultimo o da Pars, a grande cidade, faziam
que os vestigios dos das passados se nao
apagassem totalmente di soa memoria.
Passados dez annos via anda Pedro Pau-
lo alravez de um espesso veo um homem
paludo, com ama venda" verde nos olhos,
deitado sobre urna maca, moribundo e a
proferir a benj3o sobre a sua cabega. Fa-
zendo por lembrar-se de Ciarisse, imagina-
ra om pouco vagamente urna creaaga, ves
tida de prelo, de bragosaberio3 a gritar e a
chorar. Quanto a Pars, reoordava-se de um
montSo infinito de casa?, maiores qua
igrej i de S. Lopo, mais altas que as quatro
maiores da terrar gyraodo entre ellas um
torbiihSo de geDte, carroagens e eavall03 la-
byriniho confuso onde se distinguiam mai.-
cabegas do qae qae espigas n'uma eaarade
centeio. Do qoe Pedro Paalo se recordava
melbor era da jornada d Pars Bretaoha,
da affavel Corentina a da pequea MareeHa.
qoe ella trazia nos bragos.- n'esie ponto
que a memoria Ibe nSo lallbava; aqai nio
baria tacanas nem esqaecimento, porqaani
to Pedro Paulo nao ceisau de ver quas-
lodos os dias a loara Marcella, cojos encan-
tos S3 desenvolviam a seas olhos, bem como
a amavel brefa, que tinba por elle affeMoa
quasi miternaes. Se em algom lempo
bouve em S. Lopo dous meninos Isacaas,
estimados e acariciados, foram sem duvida
Pedro Paulo e Marcella, os parisienses, co-
mo freqceniemenie Ibes cbamavam. Tam-
bem nonca alli foram vistas doas creaogai
mais amaveis e engragadas. As desgragas
que os envolveramnos mais verdes annos
eram objecto que Ihes grangera decidid
sympathia. Pedro Paulo era orphS
maneira deploravel porque sea pai alli fra
expirar impresaionoa anda as pessoas me-
uos sensveis. Na propria n'oute do seo4
regresso trra natal cibira elle- examine
sobre as escadas do cemiterio para nio mais
se erguar. Blaise Cordn repeta incessante-
mente, em louvor de Jos, urna admiravel
conversa, qae amplava nos termas pro-
prios de fallador eteroo. Cada recente am
pficagSo aogmentava a estima qae em to-
dos os lempos a povoago consagrara ao
primognito dos Roverio. As poocas pala-
vras q e elle realmeat3 proferir e qoe fo-
ram ouvidas pelos circumstantes eram
d'a uellas qoe a gente ua aldeia aprecia.
Elle manifestara o de&ejo de qae sta filno
fosse lavrador. convertendo-se de parisiense
em bretto, Que boovesse qoem aehasse
tal disposigSo extravagante, qo-m a aparo
vasse por espirito de naciooalidade ou a
reprovasse por elleito de preonceto ad-
versos, nem por isso ella deixtva de toroor-
se sympathica para a massa popular.
Todo sao contradgaos oeste mundo:
bavia alli quem elogiasse altamente s dis
po-igoes de Jos, qwe manifestavamos seus!
dedicados all.ctos peia Bretanba, e ao mes
mo tempo quem las-trmasse qae Pedro Paa-
lo fose eondemnaaV vida de camponei,
O que se toro iva legitima e inevilavel con-
e ootras de nousselina bordada, mas todo
isto systaoaaticaaMata taludo m moda da
aldeia. A boa Corentina leve lodo o coi-
dado de Dio imitar o feitio dos vestidos das
meninas de Baaaval, porem a bareje, a ca-
chemira, o talle e as rendas foram apalea-
das com profusSo. Dizia Corentina aaw o
sea empenbo era ver gasto todo aqoelle
falo antes de Marcella ebagar i idade de Ibe
lomar o gosto. As fldalgas de Baaaval,
admiradas do trajo de Marcella, fizeram al-
gumaa observagbes amigaveis a Corentina
e offereceram llie a coadjuvacSo da soa
criada de quarto, excedente costoreira, para
aproveitar vantajosamente os antigos fatos
da Sra. Daraatais.
Muito agradecida, mioba senboras
respoodeo Ibas Corentiaa.Mircelli filha
de alleS e aldea ser em qoanto Daos o
permittir; a qualidade da faxaada oloqoer
dizer nada, o ferio todo, e creiam qae
leebo tengSo de lhe amoldar o espirito palo
padrSo do trajo.
Esta boa Corentina moito jadiciosa
disse a Sra. de Baaaval a soas Albas
Laura e Suzaoa.
Aio ia assim,objeetea a mais nova
Marcella parece orna aldel de phantasia,
bonita para se coliocir n'um mostrador de
vidro ao lado de am gilaa de opera-c-
mica t
Palavra-acodlo a mais valtaaqae-
eu acbo parecerse ella com a doqueza Aooa
es costume de cereBoaias I
E' justa a taa observagSo, porque ao
tempo da duqoeza Auna as variantes mo-
das frarjeezas nao troham anda destroido a
tiiformidade dos costantes breloes. Os da
corta e da cidade d3c differiam dos do cam-
po seoSo a qualidade das fazenda? de- qae
eram fetoare consegoicrtemente Marcella
l'aja comooozella do lempo de Carloa
VIH.
Mas a c>aralida jucios de Corentina
nem em todos os nimos acbou applaoao.
('/ervazio, por exemplo, crticou-a severa-
uaeuie, e ella, ebegando lhe* isso aos oovi-
dca,. na primeira- vez qoe o panhou a gei-
fo- disse lhe :
Estimo omito, visinho, encontra-5)
s.
seqoencia das mesmas diaposigoes. Quanto-' Obrigado. BotSo faz favor de
Ea s preciso da saa estima e do seo
amor. NSo aspiro a ootra coosa desde qae
o vi pela primeira vez, respondea D. Fran-
cisca olbando para o mancebo com aquella
suavidadee ternura com qae de todo o ponto
o eolouqecra em Pagos de Ferreira,
Pois sinda duvida ?-*
Nao duvido, nao. Nem sei como be
.de ser grata tanta dedicagSo Assim eo sai-
ba mo3lrar-me digna dos oobres sentimen-
tos com qoe me amparua e defendea.
Agora fiz o mea dever de cavalbeiro,
retrocoa Jeronymo de Lemos, e em breve lhe
provarei qae sei camprir igualmente ob:i
gages mais sagradas.
1- Bem baja, meu amigo, dissa D. Fran-
cisca estendeado-ibe a mo qae o mancebo
apertou na saa.
Sagairam por diversos caminhos traves-
eos por onde o criado ia dirigindo a jorna-
da, e chegaram de noite a Alcobaga morios
| cansago da viagem e da calma propria
[da estagSo. Nao poderam hospedar-se no
mweteiro. Jarooyma de Lemos nSo oosra
apRsenlar-se em companbia de pessoa es-
tranba saa familia oa presenga de Fr. J0S0
de Barbosa, irmio de D. Josepba, e seo
prenle, a cajas pergantas mal saberia res-
ponder. Valeu-lbe ser oataral d'alli o
criado, o qual lhe obteve poosada em ama
qonta mai prxima, cojo caseko era irmo
delle.
Emqoaato a familia do caseiro preparava
ia fazendo a ceia, Jeronymo de
). Frtncisca aabiram ao palim da
a Marcella, esta era oopb de m3i, e, se-
goodo a vers-o mais seguida, aqueja que
Ibo dera o ser, Joanna Marcella Faroo, a
aeobora de Smiliaoo Durantais, morrera de
nostalgia ; cemtado niera quera eom -
prebender o qoe Corentiaa dizia a respailo
da misara de casaca preta e vestido de
seda; pela bocea peqae-aa chamavams-.be
ioo:a, quand-- ella assim- fallava, porque
nao bavia alli aldeo qae- se nao lembrasse
do valor hypotbecario de- qne era soscepti
vel a berdade da- Graioe sobre o Coes-
non, que fra o dote de Joanna Marcela.
Quando, porm-, Gorentica narrava os ol-
timos momentos da soa irm collaga, eo-
fto ningoem doixava de derramar lagrima.
No leito da morte pedir ella o je trajo
aldeo, o-qual legara Sth* como preciosa
reliquia, sendo-soa ultima vontade qae Mar-
celia o prelerissa aos melbor es fatos pari-
sienses, t Nao se vive faa seo3o na trra
natal; morre-se desgranada longe do cam-
panario da aldeia. Isto.sim, qne esta.va
ao alcance de todas as- comprebensas !
A fibra popular vibrava peraote estes por-
meaores e nao seria verdadeiro breo
aquello que onsasse em piano auditorio- fa-
zer o elogio de Pars.
Apezar, porm, datudoisto, dis?padoo
ofT-aito destas oarrace, a grande cida le
vottava* a ser considerad* nm Eldomdb.
onde Marcella ira maia-tarde gozar a vaa-
tura de ser ama elegaata dama como- as
riialgas de Deauval. Deste molo davam-
se em Lavignais igaaes contradigSas ,i que
se ootavamem S. Lopo-. o mesmo circulo
uicioso sobra as duas roargens do Coesnon,
os masmos preconceitos iocompativeia oa
Piantalle em casa dos Morgan, como- no
Moire em. casa dos RjveTin, comadilfe-
renga do qua nesta o- chafa profesaba lr
mamante-opiniSo favoravel a Pariem quan-
to que a dona da casa Margan, dvsilladida
par craelissima experiencia, abjurara o erro
vulgar. A despto das ultimas voatades
de sea irmSo ),'-Garvazio tinli* em v.sta
fazer do sobrsiio Pedro Paulo, om senlur
dnio. Corentina, fiel s promessas tai-
tas sua amiga fallecida em, Pars, jurara
fazer orna ai-dea da saa querida Marcellma,
anda qae para o realisar boovesse da for-
ttalm.'nto asobedecer a R.niiran> Duraa-
tais. Gragas, po m, a v'-aus, as coasas
nao lomavam eolio' mu ispec'o P\dro
Paulo osava jaqaeta e tamancos, exac'.amen
te como os prialos; Marcella, quo desde
peo,udaiaa nao tivera ootra cama seno o
seu linio leitoznbo de Pars, trajoo visto-
sos fatos at idade de dez annos, porque
Emiliano, nao teodo querido vender cousa
alguma do espolio de sua joven esposa,
entregou ludo a Corentina e esta tambem
nao quiz vender coosa algu-au. Por espi-
rito de economa, bem que com alguma
repugnancia, utilisou ella os vestido! da
Joanna Marcella para a filba desta.
Apresentou-se Marcella com corpates de
velludo esaias de seda : as suas roupinhas
da a!de3 eram ornas vezas de seda moiree
m*
dizer porqu ?
Por jue o secborae iotromettea maitc
oos ateas oegocioay o qae me dea vootade--
de iogarir-me oos seas 1
SH-a essa, viioha I.. E com-qoe ma-
neiras me diz isso I'
Na saa opiaiao, faga mal em vistir
Marcetia moda da aldeia?
E. isso motivo para se affligir ? Ora
sempre ibe digo qoe susceplibilidade de
mais !
Nao v vocemec tambem mostrarse
susceptivel, se ea iba disser qae proced
assim emicomprimeao das ultimas vonta-
des da' mioba prima Joanna Marcella, em
quanto qoe vocemecfr procede exactamente
em opposigio s de seo irmo Jos t
E qua quer diaer com isso ?
' Qwro dizer qae as ultimas vontades
de um pai moribundo sio sagradas a qae
vocemec- procede e' opposigSo eom ellas,
fazendo estodar Pedro Paalo como am aca-
dmico, qoando cario qae o pai qoeria*
fazer delle simples camponez :
Emeotrego lh*a pastoraacaO das oi-
nhas vaccas para satisfazer a vontade di
Jos.
Mas man loo o-aprender latim.
E qoe incoo veniente polo haver am
que eo d instrucc;So a meo sobrioho ?
-*Sr.. Gervaziov vocemee da alta! Bra-
tanha e por cou&eguinte reimoso, e eo soa
mais obstinado da qua qaalqaer na'urai da
baixa riretanha. Vocemec olo regenera a
miaba iodole, como ea tambem n5i> cont
regenerar a saa ;. porlaato ouca-me- bem, a
depois coosolte o tabelUSo, o medico, o Sr.
de Baaaval e o cura.
Opa isso qae sao consultas, por ata-
cado rredargoio GarvazioVamos, po-.
rm, a oovir o resto.
II, sen.ando-se > beira da agoa, encheao
cacoimbi de tabac o poz-se a fomar.
Voceoaeco deixa de camprir as ultiaias
vontades de sea irmo Jos a proceda as-
sim tal vez por orna intengao justa e princi-
palmente porque ounca se aastou a distan-
ia de dezleguas da sua aldeia : se eceme-
co liveso jornadeado como eu, lio Garva-
zio, taria diverso parecer.
Oiga, diga, vsinba I
Corootioa passoa a .fazer a deacripc^o, a .
seu modo, de v.ver de Pars; aarrort toda
a historia de Joanna Marcella a de Emiliano,
e por esta avalioa moito aptoximdameote
a de Jos Roverin. Gervazio entretanto,
com ar pensativo, acaband# da fomar o sea
cachimbo, sacudi vagarosamente a clan.
iella, levantou-se e a final disse:
Tanto me importa o taberKao como o
medico e o meatra-ascola, mas provavel-
menie irei ter com o Sr. de Beaoval oa
com o cara. Bass lardes, comadre ; at i
vista.
Coren'iaa ficou s, esfregou is maos, sor-
riodo-se. e disse:
escada exterior de pedra gozarem da fres-
cara da noite, que a loa iHaminava com
irameoso brilbo, e d'ahi desceram para o
lado da qonta, onde lora o jardim qaando
os seohores daquella propriedade re Idiam
nella, e onde agora o caseiro linha horta
mui bem provida e cuidada. Da borla pas-
saram ao pomar, no qoal eram tantas as ar-
vores, que os ratos da loa costo penetra-
vam por enire os ramos.
Caminbavam a par os dous, notando a
belleza do sitio, a boa disposigSo da horta,
a graada qoantidade de arvores de fracta,
e aproveilando para se olharem malaamaale
os sitios allumiados pelo claro da loa. A
amendade do sitio, o perfume da vegeta-
do, o silencio da noite, a suave frescura da
aragem, e a clardade serena e melanclica
do loar fizeram em breve cessar a conver-
sagSo acerca do espectculo da natoreza, e
attrahiram o pensamento e os sentidos
Jeronymo de Lemos para oot.a direccio.
Calaram-se ambos por largo espago.
J.-roDymo de Lemos no verdor dos annos
e dominado pela profunda paixSo qae ibe
inspirara aquella mulber, senta qae o ac-
commettiim as tentages com que o demo-
nio a taes horas e entre taes individuos quasi
sempre consegae triompbar dos mais hon-
rados propsitos, e lula va entre os de veres
do cavajtajaj caja bjaldade se entregoo
ama senhora, e ..vicioso receio de parecer
acanhado e fro onde o instiocto ibe estava
aconseihaodo ajaj da e paixSo.
Ensinra ^l a D, Francisca a
(GoiiHmiar *e-ka)
sahir briosamente de to aperlado lance, e
como conbecia bem o carcter tmido do fi-
dalgo de Crestoma, e a sojeigo sua von-
tade em q:ia o puzra o amor, tragara desde
logo o piano da lhe accrereentar desorde-
nadamente, a paisaoa-como a lodos os res-
peitos lha convinha.
No mais embrenhado do pomar bavia am
banco do ped/a, e mal chegaram alli, D.
Francisca asseaton-se nalle, convidando Je-
ronymo, de Lomos a faaer-Ihe compaohia.
Sabia qui o movimento do passeio era j o!
nico abslacoloque o maDcabo oppanba
tentagSo.
Jeronymo da Lemos, sentado esqaerda
da sua gentil namoraJa, admirou pela ceaH
[sima vez a formoso da noiva, e de re
p2Dte>ciogindo com o brago direito a delica-i
da cintura de D. Francisca, abragou a tom
intenso affecto, obrigando-a a inclinar-se sen
bre o hombro direito delle. A astuciosa
aventuren-a nao oppo resistencia, e, toman-
do a mo direita di) mancebo, aperloa-a
com amor.
Dajxe-me, Jeronymo, exclamoo D.
Francisca levafllando-se com impato, e arre-
dando para traz os caballos sollos. NSo
qoeira envjajasihar ma aos meas proprios
olhos, e o&rgar-me' a r passar o "resto dos
meas das n'um Convento.
Francisca, perde me, respondeu o
tmido mancebo.
Pego-Ihe, contnuou ella, qoe me de
fenda da minha propria fraqueza. Sabe que
? 31U0 profundamente e'tjne gsiregqei qs
soas maos o mea futuro. e a mioba repn"
tagSo. Se o muado me aecusar por fugir
com om homem, trocaodo por oulros os
trajos do mea sexo, qae ao menos a c.nscien-
ca me fique serena e poraf A viuva do
sargento-mr Ayres de Qaeiroz s poda ser
mulber de seu primo J .ronymo deLmoj.
Partla-ma, Fraocisoa, repeli o fidal-
go de Crestuma cabiode aos pes da aventu-
reira. Irs comigo ao altar to ionocente,
para como ests boje. Ea ama-te looea-
111 ante, mas o mea amor respeitoso, sob-
misso e leal. Tu s a los da minha vida,
o encantada mioba existencia, e o objecto
da miaba constante adoragSo. Perdi-me,
se a violencia do mea affecto ebegoo a
o Hender te. oJ
Lavante-se mea bom amigo, respon-
den D. Francisca dando a Jaronymo de Lo-
mos a mo, que elle beijou frenticamente,
e vamos para casa que tarde. Creo no
sea amor, e na fidalgaiia de todos os saos
seotiment js.
Nao 1 >ntia os seus intentos o es-
0, e mais -orna vez comoma
D. Branca de Garrett, se arrependeu Sata-
ns de por tio fino mel na bocea... do fidal-
go de Crestuma.
(Continuar-te-ha.)
jTajStow^r. JQC D CXiAS,
^-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E37VH46BD_H5O4L2 INGEST_TIME 2013-09-16T21:21:17Z PACKAGE AA00011611_12718
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES