Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12698


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MNO XLVIH. NUMERO 173
.
I
I
m
fkU i CAPITA1 I iVCi&U OIBK 110 SI
Por tres raen* adiaotadea
Por te ditos dem
Por um auno dem..
ada montero avulao.
a

CUARTA '"EIRA SI OE JULHO DE 1872.
TU DMTHO I F01A DA PlOTIICIi.

Por 6m mesee tetiuntadoi i .
Por seis ditos dem..........
Por nova ditos idea........
Por um anno dem ....
.......
W780
4310-
DE PERNAMBUCO.
Propriedade de Manoef IJgueira de Faria & Filbos.
sio
.ESTES I
O Srs. Gerardo Antonio Alves & Fnos, no Para ; Goncaivas 4 Pinto, no Maranhio ; Joaqna Jos de Oliveira 4 Filbo, no. Cear ; Antonio de Lamas Bra^a, so Araatj ; Joio Maria Julio Chives, so Ass; Antonio Marque* di 8H, so Natal; Jos li
Pereira d'Almeid, en MuDangus^e; \ngasto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha: Belaraino dos Santos Buido, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
em Naaareth ; Antonio Fsrreira de Agniar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Alves & C, na Baha; e Leite, Cerquinho C no Rio de Janeiro.
PARTE OFHCIAL.
Nlnlaterlo lo Imperio.
Foram agrac.dos : oconselheiro Domingos los
Goncalve de M galbies cora o titulo de baro de
Arsguayae D. Francisca Maria do Valle Noguei-
ra da Gama cora o titulo de barooexa de S. Ma-
ttusja.
Pelos servidos qae prestaran) aa qoalidade de
asombros da jaula administrativa da eaixa da
amortizico, foram elerados : o conde de llom-
Fim e o baro de Iuraaraty, o 1* a marquez e o
V a viscoude, cono as honras de grandeza ; e no*
meados : o veador Jos Joaquim de Lima e Silva
Sobrioho, vi conde de Tucaotins, com as honras
de grandeza ; Canudo Jos Rodrigues Torre, ba-
rio de Ilamby ; e Miiito Mximo de Sonta, bar)
de Andarahy.
Foram elevado! : a viscondes dos mesmo* tita
los com as ruaras ae grandjza, os haras de lla-
oa e Boui Retiro.
Foi nomeado o coa gueira Valle da Gama, baro de Nogueira da
Gama.
Tiveraro o titulo de : bario de Japnr, o con-
vjleiro Miguel Maria Lisboa ; baro de Oarem, o
t'onselheiro Josa Carlos de Aloieida Aras; baro
de Javary, o conselbairo J -> Alves Loureiro ;
baro da Paraguas:!), Francisco Muniz Barreo
Aragio.
Foi elevado a visconde do mesmo titulo, com as
bonras de grandeza, o bario de lUjub.
Foram Horneado? : veador da casa imperial o
baro do Nioac.
Ordera da Ro Araujo Port) Alegre.Uiguilario Flix Peixoto da
Brito e Mello.C>mmendadores, Dr. Antonio Hen-
nques Leal e eonsellieiro Cesar Sauvan Viaona de
Lima.0(B;ul, Manrique Lu* Ratton.
Ordem de Christo. Commendador, Dr. Cesar
Porsiani.
Foram noieados : Veadores da casa imperial,
Angosto de Siaueiu Tsdim e o visconde de Al-
jezar.
Ordem da Rsa.Coinmenladores : Exal Mu
aiz Bsrreto de Aragio, Jos Pedro Wsrntk llibei-
ro de Aguilar ; (ffldal : Antonio Josa Ferreira
aimarles.
Faram nomeados :
Ordem da RosaCommendador, Dr. Bento Fran-
cesco da Cotia Alvarenga ; cavalheiro, Jadniho
as de Aguiar.
Ordem de Chris'.o. Commendador, Juvencio
-Maciel da Rocha, consu; geral do Brasil em
Franca.
Poram agraciados :
O eonseiheiro Francisco Adolpbo de Varnhagem
com o titulo de baro de Porio-Saguro.
O conselheiro Thomaz Fortunato de Brito com o
de bario de Arinos.
O viseonde de Almeida com as bonras de gran-
doza.
Firam nomeados :
Ordem da R.sa. Grao cruz, o marqnez de Re-
zende.
Dignitario, Jos Bernardo de Figueiredo.
Commendador as, Hmriqua Cavalcanti de Albu-
juerque, Caetano Maria de Paiva Lopes Gama.
CUkiae, Antonio da Costa Saraiva, Melchior
Oarnero de Mendonca Franco, Julio Heoriqne de
Mello e Alvitu, Lafz Cesar de Lima, Jorge Naconz,
Joi Nicolao de Dabban,
Cavalheiros, Roberto Gray, Joo Co:.
Ord2m de Nosso Senhor Jesos-Christo.Com-
mendador, Joo Pereira de Aodrade Jnior.
Ministerio da jsntlca.
Por decreto de 19 de junho foi nomeado o ba-
charol Luiz Duarie da Silva, juiz municipal e de
orpos do termo de Minas do rio das Comas, pro-
vincia da Baha.
Por decreto de 17 de julho :
Foram nomeados juizes manicipaes e de or-
yhos :
O bacharel Terencio Jos Chavantes, do termo
da Barra de S. Joo, na provincia do Rio de Ja-
sin.
O bacbarel Jos Sebastiio Ferreira da Silva,
do termo de Pitaogoy, na provincia da Minas-Ge-
rata.
O bacharel Luiz Josa Carneiro de Souza La-
cerda, do tsrmo de Laran,eiras, na provincia de
Sergipe.
O bacbarel Jos Ladislao Pereira da Silva, do
termo de S. Beolo, na provincia do Maranbo.
O bacharel Leopoldo Cesar de Barredo, do3 ter-
mos reunidos de Itapicor e Ignara, na mesma
provincia.
O bacharel Joaquim Lopes Lobo, dos termos
reunidos da Anajaiuba e Mearim, na mesma pro-
vincia.
O bacharel Candido Vieira Chave, |dos termos
reanidos da Imperatriz e Porto Franco, oa mesma
provincia.
Foi designado o capito Delflm Lina Cavalcanti
Pessa para exercer as fnnecoes de major do 6'
batalhao de infaniaria da guarda nacional da pro-
vincia de Pernamboco.
Mandou-se aggregar ao eslado-maior da guarda
oacional da capital da provincia do Cear o capi-
to cirargiao mor aggregado ao commando supe-
rior do municipio de Therezioa, na provincia do
Pianhy, Firmioo Bevilaqna.
Foram nomeados :
O alfares Jos Rodrigues da Silva, eapiuo secre-
tario geral do commando superior da guarda na-
ciooal do municipio de S. Bernardo, na provincia
do Maranhio.
O capito Francisco Jos da Cruz, major aju-
dante de ordens; o capito Antonio Marciano Al-
ves Raines, quartel-mestre ; e o tenente Antonio
Jos Pires da Fonseca, capito secretario geral do
commando superior dos municipios de Curarapu
* Tury-ass, da mesma provincia.
Foram perdoados:
Ao major Joo Antonio Capote, o resto da pena
de qmtro mezes de prtso e mulla corresponden-
fe metade do tempo, a que o condemnara o"
delegado de polica da corle, por crime de aja-
ras impressas.
A Vicente Ferreira Soare3 Malulo, oresto da
pona de cinco annos e tres mezes de priso e mul-
ta correspondente metade do tempo, imposta
pulo jury do termo do Camod, na provincia do
Cear. por crime de ferimentos graves.
Por decreto d. 5,001 de 17 do crreme foi
desannexade dos termos de Itapicur e Ignara o
de Anajamba, e creado neste, reunido ao de Mea-
lim, na provincia doMaranho. um logar de juiz
municipal e de orphos. ...
Por decreto n. 5,012 da mesma data foi creado
bh termos reuailos da Imperatriz e Porto Fran-
co, na provincia do Maranbo, ora lagar de jniz
nunicipal, que accumular as (unccSes de joiz
dos orphos.
Recommendou-se aos presidentes de provin-
cia que expelaos termioanles ordens para qfte os
nbelliies e escrivaes dm aos collectoresda fazen-
da nacional, quando Ihes (dr requisitado, conheci-
ment das escriptnras, termos, autos de transfe-
rencia de dominio, de peohora, hypotbecas e mais
netos que possam facilitar quelles exactores a ob
nervaneia; qae Ihes incumbe, do preeeito esube-
lecido no S 4* do arl. 8 da le n. 2,010 de 28 de
sstembro do anno passado, para a matricula dos
lilhos de raalh?r escrava, livres por viriude da
aeatna le.
=s=
Conceden-aa Iicenja : ao jaiz de direito da
eoarca do Bauanal, bacharel Manoel Rodrigues
Iirdim, por seis meaes, eodo neo com ordenado
or loteiro e um eom metade.
InUierio da fasenia.
Por decreto de 17 do corrate foi concedida i
Duarte de Oliv#trt a Smisso que pedio do lugar
de ihasaureiro da lieworaria de faieada da pro-
vincia da Rahi.
Por decreto n. 3,017 de 17 do crreme foi
eoucedlda autorisagio para se estabelecer son este
titulo, na praga de Pernambuco, um banco da de-
psitos, eraprestimos e descootes, e (oram appro-
vadosos respectivos estatutos, com a suppresso
do arl. 80.
llnlsiterio da guerra.
Por deereto de 16 do crrante e na conformida-
de das imperiaes resolu(des de 9 e 10, tambera
leste mez, tomadas sobre consultas do onselho
supremo militar, foram concedidas as honras dos
postos militare' do exercito, abaixo designadas,
em altenri > aos relevantis servidos prstalos na
guerra d Paraguay palos seguales individuos :
Da tenente coronel ao tenante-coronel de com-
misio, Graciano da Costa Pacheco.
Da major ao major de commisso Jos Maaoel
da Maia Filho, e ao capillo reformado do exerciio
M>noel Joaquim de Souza.
Di capito ao capito de commisso do extioeto
19* corpo provisorio de cavallaria da guarda na-
cional da provincia do Rio Grande do Sul, Jos
Maria da S.!% luior e ao ex-capio do 7* corpo
dito, Marciano Forniules Cruz.
De 1* cirurgi) ao Dr. em melcina, Aagusto
Jos Pereira das Naves.
Da teoeote ao ex-tenenla de commisso do ex
lincto 23a corpo de voluntarios da patria, Francis-
co Hersog. .
Da atieres ao alferes da commisso do 13* cor-
po provisorio de eavalUria da guarda nacional da
provincia do Rio Grande do Sul, Jjs Vicente Cor-
rea, e ao alferes Jo lt* corpo dito, Antonio Joa-
quim da Silva.
Por decretos d*. mesma data foram transferi-
dos : para a 5a ompanhia do 8* brtalbao de in-
famara o cipito do 18* batalhao da mesma arma,
Sebastio Mscbado da Siiveira.
Para a 6* eompanbia do (8* batalhao de iofao-
taria o capi.ao do 8* batalhao da mesma arma Fe-
lalo Elizio da Costa.'
Para o 1* batailio ds infaniaria, na conformi-
dada do art. C>- da lal o. i,li3 de 11 de selembro
de 1861, o 1* tenente graduado do 1* batalhao de
artillara a p Rittr&Q Alfredo da Costa Car-
val ho.
Foi reformado, vencen lo sold dobrado de vo-
InnUrio da patria, na conformidade das disposi-
roe da ultima parte do art. 10 do decreto n. 3,371
ae 7 de Janeiro de 186o, o cadete voluntarlo da pa-
tria Hygino de Ssnna Barros, visto acbar se inuii-
Usado para o strvlce do exercito em consequen-
cia do fsnment) recebido.em combale,
Rio de Janeiro, era 16 de julho de 1872.
Tendo deiberado que no correte exareicio da
1872 a 1873 o foimecimento de fardamento s
pravas de pret das eompanhias flxas e corpos Q-
xos seja feito do modo seguiote: pelo arsenal de
guerra di cdrie s eompanhias de infaniaria das
provincias do Espirito-Santos, S. Panlo e Sanla-
Cainarna, s eompanhias da cavallaria de Minas
Garaes e S. Paulo, aos corpos de cavallaria de
Goyaz e Matlo-Grosso e ao esquadrio do Paran ;
pelo arsenal da guerra da Bihia eompanbia de
cavallaria da mesrna provincia e s eompanhias de
infaniaria das Alageos e Sergipe; pelo arsenal de
guerra da Peraarj.bjeo eompanbia de cavalla-
ria da mesma provincia e s de infaniaria do Rio
Grande do Norte e Parahyba; 'e finalmente pelo
arsenal da guerra do Para eompanbia de infan-
iaria da provincia do Piauhy: detarainei em
aviso de 6 do correute : 1 *, ao arsenal de guer-
ra da corte que, lando em vista somante as pro-
viaciai cujas coupaohias e corpos Qxos lera de
ser por ella forneoidos de fardamento, faga oraa-
nisar nesla conformidade o orcamenlo da res-
pectiva materia prima ; 2., aoi presidentes das
provincias do Espirito-Santo, S. Paulo, Santa-Ca-
(harina, Minas-G-raes, Goyaz, Mtto-Grosso a Pa-
ran, que nenhuma depeza dave ser por alies
autorisada para aquello li u no referido exarei-
cio de 1872 a 187J, cumprindo qae expegara as ne-
cessarias ordens pira qua os pedidos de fardamen-
to que as mencionadas eompanhias tixas e corpos
nouveram de vencer ne correr do anno seguate
chegaem repargo do quartel-mestre general
at o lira do mez do outubro da cada anno, nao
se admittiodo om taas pedidos pegas de firdtmeu-
to en numero superior ao marcado na respectiva
tabella como vencimento de cada praga no decur-
so de um amo, nom lo pouco pragas em numero
maior do que o do estado completo das ditas eom-
panhias ou corpos, devendo ser paga em diabeiro
nos ajustes de contas de cada anno as dividas de
fardamento que alo ah nao tiver sido distribuido
nos devidos praros de vencimento, sendo porm
incluido nos mesmos pedidos o fardamento de re-
crulas em quantilade qae aso exceda 6.a parte
do numero de pragas dos referidos corpos ou com
paabias no sea ei-tado completo ; 3.*, aos presi-
dentes das provincias da Babia, Pernamboco e
Para que recommendem aos respectivos arsenaes
de guerra a satisfaga) dos pedidos que Ihes forem
feitos dsnlro dos recursos especial mi me consigna-
dos para o fornacimento de que se trata, bem
como a remessa immediata a repartigo do quar-
tel-mestre general das relagdes dos fardaraentos
qne forem distribuidos, a'i.-n de qua a mesma re-
partigo lenba piompto conheeimento de taes dis-
inbugoes e faga carga s eompanhias que os re-
cebaren), facilitndose assim o ajustamenlo das
respectivas couta-; 4.*, aos prasidentei das pro-
vincias das Alagoas, Sergipe, Ro-Grande do Nor-
te, Parahyba e Piauby, que nenhuma despeza de-
vem faier com o fardamento de qua se trata, cum-
prindo que os pelidos sejam dirigidos aos arse-
naes eom a neces-ara amecedeneia, afim de que
possam as pegas de fardamento ser manufactura-
das em tempo ; e outrosioa que remellara at o ul-
timo de outubro de cada anno presidencia da
provincia por cuj) arsenal de guerra teBba da ser
feito o fornecimenta urna va, e i repartigo de
quartsl-meslre-general outra, dos pedidos que os
coramandanle3 das eompanhias zerem do farda-
manto qne ellas houverem de vencer no correr de
tono segninte.
O que indo declaro a V. S. para sen conhaci-
mentos e fias conventeutes, accreseentando que do
crdito distribuido thesouraria de fazenda da Ba-
bia para o 6a do orrento exercicio est compre-
hendida a qusDla de 10:240*000, para seme-
ihante mi3ter, igual quantia a thesoararia de ja-
reada de Pernambaco, e a de 4:120/000 Ihe-
s:uraria do Para. ,. r
Dan guarde a V. S.Jodio Jos de Olweira Jan-
queira. 3r. Francisco Antonio Raposo.
Hlnlsterlo da agricultura, com
ro arelo e obras publleas.
Por decreto n. 5,018, da 17 do correle, fo-
ram alteradas atgumas das clausulas annexas ao
decreto n. M5I. de 22 de dezembro de 1871 pelo
anal tora concedida autori3agio para se proceder
a estudoa de urna via-farrea de Coritiba a Miran-
da e de lioba. de navegago noi rios Ivahy, Para^
na, Ivinheima, Brilhante e gondega.
Eutre elaasalas novamente adoptadas nolam.
q as seguales;,
Os emprezanos obrigam se
oss e oslados preliminares de ama estrada de
srre entre a eidade de Coritiba na provincia e
Paran e a da Miranda na de Mallo-Grosa% a qoai
demandar o valle do Ivahy, na foz desie cortar
o rio Paran, proseguir pelas margeos do Iinhei-
ma e Brilhante, e passar por Nioac.
Os esludos coraegaro da eidade de Coritiba den-
ir-4e ano roesM contados da tala desie deeri<4"
sob pena de 1:000a] de multa por mez da demora
al o mximo da 12 mezas, Qndos os quaes cadu-
car a presente eoncesso.
Todos os trabalbos devero flear concluidos
praso de qaalro annos, contados desta dala so
pena de 1:000a de mulla por mea de demora qm
exceder esse praso.
Os empresarios obrgam-se lambem a proced
a fazer as expise eom a possivel brevidade, os esclarecimenlos de
qae traa a nota junta.
Deas guarde a V. Kxe.VisconJf it launa.
Sr. presdeme da provincia da...
JVWa a que te refere o aviso circu ir dista
data :
Commercio.Ssu estado acta1, sua necwsida-
des maia urgentes, numero de eompanhias anooy-
mas existentes, agencias e careas fliiaas dessas
eompanhias, sea caoital nominal e realizado, san
toado de reserva e da araortisagio, valor de cada
acgo no mercado, ultimo dividendo.
industria.Sea estado actual, estalistiea res-
pectiva, iostruegaa inlustrial, numero de eslabele-
cimentes de instrucc>, data da creagio e sea
histrico, se for possivel, numero de alumnos, sea
aproveitameato, progresso ou decadencia dos es-
ul
aos estados de reeonhecimento da oavegabilidadalUbeieeimentos.
dos nos Ivahy, Paran, Ivinheima, BnlhanM'V Jardins botnicos a p3s-ios pblicos.Qiaes
Mondego, oas seeg5es em qia o trago da estrada! os existentes na provincia, data da ereago, sea es-
de f-rro corra margara dos mesm >s ; de vendo! lado actual, anas plantas miii pracioias, se indige-
proceder ao leva ota ment da planta e do mvela-joas ou exticas, com deetaragao dj numero de
ment e soadagem das seaedes navega veis. jesempiares qne existem, filid;.de que prestara
Por decreto n. 5,019 18 do corrale mea] taes estabslecimenlos.
foi autorisada a compaabla Ferro Carril da vilia
Isabel para fonceionar, e foram approvados senaj
e-tatutos.
Por decreto n. 5,020. de 18 de julho correte,.
ngleza The Amazoa tos possam prosperar.
fui concedida compaohia
Steam Navagation Corapany Limited, anlorisago
para funecionar no imperio1
Por deereto n. 5,014, de 17 de julho correle,
foi sincedida a Luiz Matheus Miylasky. permise|
sao, por dous annos, para explorar carvfo da pe-
dra e petrleo as comarcas da Sorot-iba, Itape-
tinioga e Iti na provioci \ de S. Paule.
Em portara de 23 do correnta foi concedido
a Joio Beterra Cavalcami, pralicante da estrada
de ferro D. Pedro II, tres mezas de lcenct eom
veocimemos, e nos leemos do art. 2* do decreto n.
4,484 de 7 de margo de 1870, para tratar da sua
saade.
Em porua de 23 do correnta eoneedea-sa a
exoneragio pedida pelo eogenbeiro Carlos Alberto
Morsing do lagar de chefa da lecco da estrada
de ferro Pedro II-
Por outra de igual dala foi nomeado o eoge-
nbeiro Julio Augusto Horta Barbosa, ajudante de
2a classe da dita estrada, eom o vencimento qne
ihe competir.
Por outras da mesma data foram oraeidos pa-
ra servir provisoriamente na referida estrada, eom
os vencimeolos da aldante de t* classe, na eon-
formidade do art. 14 do regulamento appmvado
pelo decreto n. 4,37a de 20 de malo de 1869, o
enganheiros Carlos Oelphra Sixtos* da Silva, New-
ton Bannaton e Eilenne Donat.
Foi tambera exonerado, a seu pedido, Caetano
Nunes da Siiva do lugar de thesoureiro do colle-
gio Isabel, no valle do Aragctaya, provincia Aa
Goyaz; sendo substituido no mesmo lugar por
Jos da Costa Xavier de Barros, vencendo o que
loe competir.
Por poriarias da 30 de abril ultimo, foram
IastQtos agrcolas.Ssu numero, data da crea-
gio, sua historia, seus servigos, seu fun lo social,
snas despezss, irabranro oocedida pela provin-
cia, unios a adoptar pira qae ta*s esiabalecimea-
Sjciedades de agricultura e de industria.Dta
da creagi), san histrico, servir >s qae tera pres-
tado e prestara aeutnalmente, suas nesesstdades,
sua siiutgio actual.
Mineragio. -Seu estado na provincia, numero
de coropaohias existentes e das exiinrtas, caasa da
eiunacao, numero dos operarios queempregam,
sua condigio, sn livra. se escrava, qual a propor-
go eotre estas duas elasses de rrabalhadores, qual
a especie da miaeraes que exploram, seu fuado
yocial, raeos empregaoos oa exiraegao dos mine-
Ttsi, produelo bruto, produelo liquidi, valor do
mineral nos mercados da provincia.
Pe namaro de navios e erabareag3ss de toda a ordem
oecapados oeste servigo, espacie oa especies de
peixe, (objecio da iadusiria), salga, seeca e expor-
taco, quaes as eompanhias existentes, sen hist-
rico.
Correios.Seu estado actual, relario das linhas
exiliantes e das exiioclas, qae liabas' novas coa-
vn crear, razie da extincco das segandas e para
a creagio das lereeiras, despena realizada e reala
arrecadada ni ultimo anno ttnaneeiro, estalistiea
4a movimenlo dos papis.
Navegagio fluvial.Numero das emprezas de
Bveiagao por vapor e dos vapores empregados,
sua tonelasara, torga em cavallos, marcha, ac-
comowdagdej para passagsiros e meraadorias, es-
calas que fazara m vapores de oada empresa, nu-
mero de mimas das viagens redondas e o tempo
gasto em cada ama, capital da empresa, renda
liquida, prego estabeleeido para passageiros e car-
. Navsgigao maritima. latormagio sobre os
orneados para a commisso provisoria .-.neirr- eJaesmos p mos.
gada de exeeutar os trabalbos relativos adopg*>v .PtMiu e medidas.Qae actos do geyerno proviu-
do syslema meirico
1* lenle da armada, Francisco Soares de An-
drea, chefa, eom a graticago mental de 400*"
Luiz Joaquim de Oliveira, aldante, com a a
300*.
Nicolao de Siqueira Qaeiroz, secretario, com a
de 200S.
Pela de 9 do corrate, foram exonerados, por
conveniencia do servigo publico, os enganheiros
Mauricio S:hwari e Julio Kilckman, das commis-
sijas em que se acbam na provincia do Paran.
Por decreto n. 5,01-1 de 17 de jalho correo-
te, do ministerio da agricultura, foi concedida
companhia Telegraphica Plaiino-Brasileira autori-
ara) para funeciaoar e approvar saus estatu-
tos.
O flns da companhia sao :
Adquirir as coocessdas de linhas lelegrapbicas e
do servigo correspondente, faltos peto governo
or 'nial a 8 de Janeiro e a 27 de fevereiro de 1872
e pelo governo argentino a 20 de fevereiro do mss-
mo anno; e-realisar aquolias liabas e o servigo
dentro de breve praso ;
Contratar eom os governo geral e provinciaes do
Brasil a ligago daquellas linhas com as do Rio-
Grande do Sul e do resto- do imperio ; bem como
a eonsirucga e oosiaio das linhas gura; e provin-
ciaes que os ditos goveruos resolvertm candar
eempanbia ;
Adquirir opporunamente e realisar a liaba te-
legraphica submarina entre o Ria de Janeiro e
Montevideo, concedida palo governo imperial por
decretos ns. 4,728 e 4,808 de 16 da maio e 2o da
outubro de 1871,
O domicilio da administra gao e direegao da so-
cedade ser no Rio de Janeiro, tendo um repre-
sentante legal residente em Montevideo ou Baenoi-
Ayres.
A daragio da seciedada ser por quarenta an-
nos, coudos da data da approvaeio destea esta-
tuios.
O eapilal social ser de 2,000:000 J, divididos em
10,000 aegoas de 200* cela urna.
elal teta sido expelidos e que medidas praticas
teca sido adoptadas para faeililar a exaeugio da
lei d. 1,187 de 28 de junhe de 1863, com que au-
xilios lem concurrido a respectiva assamblea pro-
vincial, se ha ambararos que se opponbam aquella
execugo.
i Secretaria de eslads dos nejeeios 4a agricul-
tura, commercio e obras poblicas, em 20 de ju-
lho de 1871. Jos Agoslinho Morara Guima-
raes.
Rie de Janeiro, em 20 de julho de 1872.Illm. e
Exm. Sr.Daveodo o minisieiio a mea cargo
achar-sa habilitado com os elemento* precisos para
preparar o relalorio que tem de apresentar as-
sembla geral, na sessio convocada para o dia 1
de dezembro prximo futuro, eonvm que V. Re.
remeta a esta secretaria de asta lo at o da 31 da
outubro iofermagSes a respaila dos seguioles ra-
mos do servigo :
1.* Revalidagoes e legliimagSaa effeetuadas na
provincia sob ana administraran.
2.* Rsgistro da trras possuidas.
3.* Trras coacedidas por ttulos de com-
pra.
Oalro sim, para qae se regalarise o aervig de
eoncesso de trras para patrimonio das cmaras
municipaes e sa torne atractiva a disposieao des
arts. 77 e seguioles de regulameoto de 30 de Ja-
neiro de 1854, eoavra que V. Esc, tendo em vis-
ta o que lbe foi recommendado em aviso circular
de 8 de julho de 18S8, informe at a precitada
data de 31 de outubro, quaes as trras eccupada
pelas cmaras municipaes dsssa provincia, os lu-
gares em que est) situadas, sua qualidade, por
que titulo as possuem, a renda provenante do res-
pectivo a for amento e o numero de afor amen tos que
cahiram em commisso.
Deus guarde a V. ExcFjsconda it> /fauna.
Sr. presidente da proviasia de...
Ria de Janeiro 20 de julho da 1872.Illm. e
Exm. Sr.Teneionando Chirles William K no vi-
sitar essa provincia eom o proposito da examinar
as localidades que melbores condigoea oSaregam
ao esiabeleciment de colonos, reeoaKnendo a V
Exc. qae Ihe proporciona oa auxilias ao seu alcan-
ce para qua ene aulira de sua visita os resultados
mais provaitosos ao servigo da eolonisago, que
tanta altsngio merece do. governo imperial.
Daus guarde a V. Exc rtacoa tU Itana.
Sr. presidente da provincia do Paran.
No mesmo sentido ao da de Saala Caiua-
rioa.
Ro de Janeiro, em 20 de julho de 1871
Illm. e Exm. Sr.Em addltamento ao aviso circa
lar deste ministerio, de 4 de junho ultimo, exigindo
iofsrmagoas relativamente situagio e neeesslda-
des da agricu'^ura uessa provincia, am de sarem
utilizadas r.jta o rotatorio que o dito ministerio
tem de a^reseatar assembla geral legislativa,
coavm qu9 v. Exc. remeta, p,ra o mesmo ana i
Gorerno da prorlncla.
29 di: JULHO
H
iafaotaria Francisco Alexandre da Rocha qae
em Qspecgo de saude j julgado apta para
continuar no servico.
Assitaado. Jase Mana Ildefonso Jacorn da
Vetfa Pessoa e Mella.
Conforme.O major Jos B. dos Santos Mergu-
Ihao, aacarregado do detalhe.
' Repartidlo da polica.
t* secgio.Secretaria da polica de Pernambu-
eo, 30 de jalho de 1872.
N. 1189. Illm, e Exm. Sr. Levo ao conheei-
mento de V. Exc. que, segando coasla das paniei-
pagos receoidis hoje oesta repartigo, foram bon-
teco recomidos casa de delenrao os seguales indi-
viduos :
A' ajaha ordaa, Fippe Santiago times
Ferreira, vindo da Escada, como pronuncia-
do em crime de homicidio.
A' ordem do subdelegado da Boa Vista,
Luiz, escravo da I'ddro Alve Miclnd, por
and ir fogijo.
Por oli :io deste data partidpoa-me o sub-
delegado da Roa Vista qae as 3 horas da
tarde de bontem a preta lvre M ira Rita,
de 80 a anos de idada, moradora na roa do
Visconde de (ioiauna. estando assentada a
borda da cacimba do qnintal da casa de sua
residencia, fra accomeitida de om ataque
que ihe costumava a dar, do qual resuitou
caliir na cacimba e morreu asphyxiada por
sobmersao, sendo inuteis os soccorros em-
preado i para salval-a ; que, logo qne sou-
be do facto se dirigtou ao do lagar do si-
oistro e procedeu a competente vistoria.
Qae esta madrugada os ladros penetra
ram na co:heira pertencente a Dr. Pedro
de Attayde Ldbo Moscoso, e delta sobtrali-
ram alguns arreios, chicotes, algomas rou-
pas e fardamentos dos criados, sendo que
para consfcgoirem semelnante resultado ar-
rombaram a mesma cocheira pala lado do
caes de Capibaribe; que apenas sonbe do
facto se dirigir a aquella lagar e procede-
r a vistoria e diligencia para descobrir os
autores do crime para contra os mesmos
procodsr na forma da lei:
Daui guarda a V. Exc Illm. e Exm, Sr. das-
smbargador Franciseo de Faria Lamos, digno
presidente da provincia. Ochefe da polica, Luit
Correia it Queuoz Barros.
EXTERIOR.
DESPACHOS DA PRESIDKNCIA O
1872.
Abaixo assignados moradores no logar
denominadoBarbalho.Defer lo com olfl-
ci desta data ao Sr. engeobairo chefa da
repartido das obras publicas.
Alfredo Alves Pacheco.Informe o Sr.
inspector da thesoararia da fazenda.
Aiferai Antonio Paes de Lacerda.Infor-
me o Sr. coronel commandante superior da
gnarda nacional do municipio da capital.
Dalido, liberto, sentenciado de jastica.
Nesta data se officioa ao Exm. Sr. presiden-
te da provincia da Para no saotido qae re
quer o sapplicante.
Flix Alves de Alba^aerque.Iaforme o
Sr. coronel commandante das armas inte-
rino.
CapitSo Francisco da Rocha Passos Lias.
Passe portara no sentido que requer o
o sapplicante.
Irmaodada de N. S. da Paz.Informe
o Sr. inspector da thesoararia provincial.
Alferes JoSo Antonio de Birros Lacerda.
Remettido ao Sr. inspector da thesouraria
provincial para mandar dar a certdo pe-
dida.
Jola Alves Gaerra.Satisfaga o roppli-
cante a exigencia da thesoararia de fa-
zenda.
Coronel Joaquim Cavalcante d'Alboqaer-
qae.Informe o Sr. director da repartirlo
das obras publicas
Jod Francisco do Reg Barros.Solicite
o sopplicante o respectivo titulo.
Xoronel Jos Antonio Pereira.Ficam
expedidas as convenientes ordens cmara
municipal do Brfljo no sentido em que re-
quer o sapplicante.
Jovino Bandeira.Em vista das informa-
rles o supplicante nio pode ter direito a
reclamacio de qae trata.
Minoel Thomax de Alboquerqae Mara-
nbo.Informe o Sr. inspector da thesou-
raria provincial.
Maria Maooela de Loredo.Informe o
Sr. Dr. chefe de polica.
Vicente Ferreira de Paiva Simoes.In-
forme o Sr. inspector da thaionraria pro-
vincial.
Sacretaria da presidencia de Pernambuio, 30
de julho de 1871
O por te ir o,
Siicno A. Rodrigues.
commando daa arma.
QDARTEL DO COMMANDO DAS AIsMAS NA PRO'
YINOA DE PERNAMBDCO, 30 DE JULHO DE
Oriem do dia n. G14.
O coronel commaodante da* armas inte'
rio declara para conheeimento da gaarni
cao e devido eSeito qae approvou o eoga<
jmenlo qae a 27 do correte mez contra
ota para) servir por mai 6 annoa com o
premio 4a 4OO0OOQ e vantagens, estabele-
cidas por le, q soldado do v' batalMQ de
-------_. .---------
Paz oii gaerraT *
li
MONTEVirF.O
6 de julho de 1871
Ruga a t'.rmsnta en tora) de ni, o; elementos
desencadaados a nada respeitaoi; em nome de
um falso patriotismo se accendem as mais runs
paixdas; nao importa ; conservemos a causa o a
raio.
Discatamos. Qiem declama nao cooveoce;
quem insulta confessa-se vencido no terreno da
justica e do direito.
Em pltno secuio XIX, o espectculo a que esta-
mos assistindo urna vergooba para a civilisaco.
Regeitaims as armas, e as eoadic->a queseos
offsreeem para o combate. Nio sao dignas de
cavalheiros e mancbam as mos aos qae a empre-
gam antes de ferir advarsario.
Usaremos de outras de ti a a tempera, que os
padriohas da lata, qae si) os povoi qae nos ob-
servan), ho de reeonheeer leaes e nobres.
A Confaderaeo Argentina qnando declarou a
guerra ao Paraguay oii tave em vista senSo um
loleresse nacional, como ja disse o general Mitra;
e como nao careca da aflirmacao del le, embora a
contestara) de seos iniuiigos polticos, para con-
demnarem a alliancA de 1865, qae antes foi impos-
ta pela conveniencia da mesma Confederaco, do
qua por sympatbia do referida general ao Brasil.
Se o esta lista de quem tratamos quizesse iniciar
o acto poltico de estrellar as relacSes dos dous
povos, acto nao esperara que o dspota do Para-
guay irrogaste ao seu pas a mais affrontosa inju-
ria om abril, para se associar comnosco no pri-
meiro da maio na viogaoca das,t IT-insas coramua1.
Sa Lpez tivesse respeilado o territorio argentino,
deariamos sos na lata, ou quando maito seramos
acompaohados pelos orientaos, por amor dos quaes
ella se tmha accendido.
Esta i a verdade. Antes daqaaUa injuriada-
balde a nossa diplomacia solictou o eoncurso ar-
gaotioo para combaier o ioimigo poderoso que a
ningaem mais do qae a Confederaco ameariva.
O tratad, da iripliee allunri, ponanlo, nascen
da necessidade qne os tres Estados tiveram de de-
fenderse dssse inimigo, qae realmente consegui-
r aceamnlar elementos de muita importancia,
tanto em sea paiz, como nos proprios estados vizi-
nhos, onde encontrava apoio, por orna dessas aber-
rac5as do espirito incomprehensiveis.
Esse aclo internacional pensado, diseulido e ce-
lebrado em poneos das, sob a influencia do emhu-
siasrao de (kn lado,sob a presso do inimigo do ou-
tro, devia ser o codige sanio dos deslios, das qua-
(ro nacoes na snprema lula que se ia travar.
Ralilleado pelas potencias signatarias quasi suc-
cassivaraente. o Brasil e o Estado Orieolal duran-
te toda a guerra considerara um dever de honra
respeita-lo em sua integra. Nao praticou o mesmo
a naco que boje nos aceusa de deslealdade.
O golpe que Ihe daa foi lo profundo que o pro-
prio Sr. ministro D. Carlos Tejedor em sua nota in-
sultan', a de 2? de abril confesaa que>or causa del-
ta o governo argentino nao seria esiranhado de
maneira alguma que o governo brasileiro tivesse
considerado caduco o tratado de 1* de maio.
< Tiene, paes, razn el Snr. ministro cuando en
sn nota de 23 da marss dice qae no poda ser de-
recho para el gobierno argentino lo que era obli-
gacin para los alliados y el gobierno argentino de
ninguna manera rubia estraado que el brasilero
hubiese declarado caduco por ese motivo el trata-
do de 1 de maio. >
Com efeito, depos de eonclalda a guerra, du-
rante a qual q Brasil e o estado Oriental haviam
considerado obrigatorias, reciprocamente para es
alliados, as disposiedes do tratado de 1 de maio e
da protocole annexo, sancclonalos pelos seus res-
pectivos poderes, descobrio-se qae esta sanecao
por parta do governo argentino padeeia de m vi-
cio original, que nunca fra revelado aos Estados-
alliados, como exiga a lealdade de todo aquello
importante accrdo internacional.
Desde que urna das potencias signatarias desse
tratado fuodava-se na talla de urna formalidade de
sua constituico interna, com a qual nada tinham
que ver as outras, para se eximir ao camprimeuto
de ama obrigafcao solemne, davam direito a estas
para exeluirem tarabearfqoellas clausulas, cuja
supwesso Ibes interessasse mais.
veamos como se veio ao conheeimento daquel-
O protocolo n. 119 das
Em seguida passaram os Srs. plenipotenciario
a considerar a clausula do protocole annexo ao
tratado de 1' de maio. Essa clausula a se-
grate :
< Qieem eumprimento do (raudo de allita*;
desta data ss fanio demolir aa fortQcacdes de
liumait e nio se permlttir evanlar para o futu-
ontras de igual natnrezo, qua possam impedir
a lis! exscucao das etpulac5ei daquelle tra-
tado.
O Sr. plaoipo'enciario brasileiro disse que, d
conformidad* com a dita clausula, aprsenla va o
anigo qne devia corresponder-lbs no tratado d>0 -
otivo da paz redigido na forma que lbe parecer
mais conveniente, para nao offender o raelindr*
do governo paraguayo, cuj dignidad a todos os ai-
nados.team a peio reipaiiar eomo a sua prooru.
A redacto proposta era assim concebida :
Art Esiando garantida, nos termos dos
arts. 15, IG e 17, a independencia, integridade ter-
ritorial e neutralidade da Repblica do Paraguay,
esta se obriga a nao levantar, sebre o seu litoral
e ilhas, foriiticacojs oa batera que possam impe-
dir a liberdade da navegaco commum. >
O Sr. plenipotenciario argentino tomou era
priraeiro lugar a palavra ; e expoz o qua se paa-
soa no congresso argentino a respeito daquel la
protocolo.
i Dessa exposiclo resulla, disse o Sr. Tejeder,
que o congresso argentino declaron por acto das
duas cmaras que as estipu!ac5es do protocola
deviam ser submettidas sua approvaeio par
terem fsrga de lei e considerar-se parta do tra-
tado.
< O Sr. plenipotenciario oriso al declarou qae,
por pane da repblica Oriental de Uruguay, o pac-
i de alliaoc* foi em todas as suas estipulabas
approvalo pelo poder legislativo complante.
O Sr. plenipotenciario brasileiro disse qu i
era para elle um rigoroso devar considerar a di-
ficuldada aprasentada pelo Sr. plenipotenciario
argentino, e que o faria com a franqueza que o
caso exige.
Qua o facto do congresso argentino, aislo,
quando importasse a rejeieao do protocolo, o qu.
nao era exacto, saguado a informado do Sr. Ta-
jador, nao eximira o governo argentino da obriga-
cao que contrabira em commum com os seus allia-
dos ; porqaanto o protoolo prte integrante a
solidaria do lodo das estipularles da allian^a,
nio era licito a nenhuma das partes contratantes
acceitsr eom restriccoes as estipulacoes aacordades
em % asseotimento das ouiras assignataras do
mesmo acto.
eQae o assentimonto ds goveraos ijrasiieiro a
orianial nao fra solicitado, peio meoof pedia as-
severar era relacio ao sen governo, que, ao con-
trario, os factos domgresso argentino ficaraono
teqredo de suas ses:,oes stcrtUxs. e multe me ta-
viam sido trocadas as ratincsr,5as do trataste le al-
Rama.
Qae o governo imperial nao poda daixar d
considerar a ralitioacio do governo argentino eomo
perfeita, t dtscant.u *a dos actos p'tblicot eso
lemnes, tanto mar enante-* protocolo fot execu-
tuio de commnm accordo durante a guerra, mes-
mo no tocante demolicao das fortalezas, t invo-
cado mais de urna vtz pelos generis angentmos
como a ifi reguladora para a diviso do armamen-
to e das outras presas de gueira tomados ao ini-
migo.
t Qae o governo imperial ole poda considerar
o acto do congresso argentino como tendente a in-
validar os compromisos da allianc ( pois tanta
valeria destruir nm deltas sem accordo de todas
as partas interessadas), mais como orna re.slv
das atiribucoes qae a constituico argentina oa-
fare ao sen poder legislativo.
> Consequeniemenle que.o governo do Brasil
coosiderava eomo subsistente e obrigatoria para
lodos os alliados a referid) estipolaco, que s
reputou, e eom bom fundamento, esssncisl i paz
futura entre os mesmos alliados e o Paragaty,
> Qae a opioiio publica no Brasil nao recebara
como solocao justa e decorosa a qae tornas o
tratado de 1.' de Maio obligatorio s o fizesse obser-
var rigorosamente as eslipalacoes qua exigen)
mais grave solidarizada eatre os alliados, como
a de limites, e exclusiva aquella qae interessa
mais ao Brasil pela seguranc e necessidade d transito de snas povoacss do Alto Paraguay.
c Que, porm, tendo o Sr. plenipotenciario ar-
gentino propasto, no Intuito mais amigavet, qae so
adiasse a questo da limites para ser decidida du-
raaie a negociacio com o governo paraguayo, ella
plenipotenciario brasileiro, depois de lenas a*
declaracSes qae acabava de expressar, adoptara,
o mesmo proceder prudente propondo igualmen-
te aos seus Ilustra los collegas quase reserva?'
a estipulado do protocolo annexo pira ser no
novo considerada e decidida quando o foase a d->
limites. Qae ento bem conhecidas as disposir&e
da outra parle interessada sobre urna e outra
qaesio, era de esperar que se encontrarse o
meio de solver as difQculdales da um modo ara.-
gavel, justo e honroso pera todos. >
Se a allianga pesasse ao Brasil ento, eomo se
d agora, nenhura pretexto mais plausivel poli
elle invocar do que este, perfeitamente fundad
para, se descartar do alliado que tioha commeiiid
aquello abuso. O procedimento do plenipotencia-
rio brasileiro, porem, revela um intento ratera-
mente contrario, procurando um meio concidia-
torio para evitar a difflculdade imprevista que
sargia na negociacio dos ajustes definitivos.
E' bom que os povos saibam destas partieulaai -
dades, que quasi sempre ignora m, para podereo
formar um juizo claro das questoes que seu gs-
vernantes suscitara e das quaes pagam sempre as
costas com seu saogue e com sua fortuna, a titoio
da questo de boura, quando nao existe mais *>
que urna questo de capricho, de ambiqi od
vaidade.
E se investigar-se bem qual a inffieneia. ca-
no congresso argentino se exercitou para invaNcUr
aquella clausula ajustada entre ao potencias alia-
das, colloeando o paiz na posicio de factos f ja -
rada, lambem se depara com a mesma, qae origi-
nou ou o conflicto qae hojs todos lamentamos a
tememos.
A ruptura-da alhanga, portanto, vem de ioaga ,
nao procedeu do Brasil, que faz consumes estor-
bos para raante-la ntaeta.
Triumpharam aquelles que sempre **'*_ a
eombalsram, e qae por ama estranb comradiecao,
pedem agora a observancia do pacto que foram
os pnmeiros a calcar aos ps.
Asembradessa allianc, com o aoxlli) eon-
curso poderosa dos alliados, a Cpntederacao Ar-
gentina vlngou a sua honra ultrajada ; enxotou U
solo da patria as exereitos invasores, e consegmu
ainda alera disse o brilhante resallado que viraos
o general Mitlre daserever com as segrales raal*-
vras no senado argentino na sesso que ja ata-
mos.
c Antes de la gaerra nuestro derecho era nj
sola contestado, sino desconocido, y atropellado
por el limtrofe, e compromettido basta por la.
mismas autoridades enoarregsdas de defenderlo,
i Naestros limites por el Chaco que llagaron tas
tas ser cedidos por tratados pblicos de este iad>
del Bermejo y que de este lado del Paran esiabaa
oceupadoi por fuerzas y fortificaciones estrangei-
ras, han sido restablecidos y reviodicados.
La bandera argentina ha silo enarboladaen
las margens del Pilcomayo y domina en toa *i
Alte Paran sin que el Paraguay mismo nos eon-






/




Mn'erenrtu M '^e'tb de Taneiro "de 1871, em Ueste nuestros limites por esta piarte
SfeosSAnesDoW R' precisa coi.v.r que um Estado que.
de urna maaetr authentica,
ltanuj vaqiagew de rjoia |uerra nao pode quet-




m di partilh
Diario dt PeniaiTifciic* Quera feira 31 d Julrio dt 1872

i I
**x4 da prtilh is oe dizer qne a fu nara i -
aiatizer ac* mitres -< Estad;*. Foi *ii-
cuk o pro^rhv in'.erest qne teie era vist?
c b-asia para i*5u Mear uro ufar por sohre
raiipa a reeotAecer a importancia e valor destas
nro'riicin a* voltaram i posse da Coof*derac*o
df)MR de lew permanecido m poder do Para-
guay mito* ateo*, sib Mr ella esperanza de re
cap*j>Hs, e nao tosse esta guerra e esta allian-
$a Can futro aonba, porem, eom a reeonsirnccio
do aniego Tiee-reiaido, e ja coutava eom a tn-
carporaeio de toda o Paraguay, em manto nio se
pode por oa mesraa fituacao o EstidO Oriental,
taen resultados sao eertament* mai rasigniftcn-
lee, e o brazil, qae .erre de obstculo a real a-
;ao de tans planes, um Inimlgo que ae deve,ion-
( Do TeUtrepho Martimo )
-.
outevldo, O d Julho.
Praseguein os circuios em aeas trabolbos elel-
toraes, ea imprensa na discnssao poltica mais ae-
ceo'.uida, (azendo-se os pareaos as mais acerba*
reehmiua^tks. ntrela alo i-la denuncia proposi-
loe de sahir do terreno tef al, onde a lata vai ?er
reunida.
Etio ja abertos os registros cvicos, qae corres
gwnlem as oosas qualilicaces, e as commis59.<
directoras dos clubs convidara os seas correligio-
narios politicos a qae se lascrevamnelles, como o
neio mais efflcaz para adqairir a Victoria as pr-
ximas eleicdes.
Ten lo us partidos algamas veas, e es cidadaos
faei8eos, qotsi sempre, adoptado o syslema de abs
tencio que deve ser con^derado como falta do
carnpiiraeoto de um dsver sagrado em tolas a<
acSee onde os poderes pblicos sao delegarlos da
soberana nacional, as exhortacoes das meocioni-
dai cnmmiiOes nao carecem de fundamento.
A maior calma reina no paiz.
A admmutracao cada de ob'er recursos para
saldar o difcil qae IheToi legado, e um novo ein-
prestimode qualro mi*<5s es quasi a ser auto-
ruado. Como o typo da eraio e os jaros asig-
nados con.iitaem urna renda giranilla de li > ao
anno. pelo meaos, nao se pode du'idir de sua rea-
lisacai. Apoz este vira outro, e asiin soccessiva-
mente se ir eropeobaado eom anticijjaco toda a
reteita do rstido, qae, bem administrada, pode-
rla trnalo ^prospero.
E' pena que assim succeda, e seria para desejar
certos babitos de esbanjaraento cootrabidos em
nma aerie e aunes de desordem. Nao devenios
deterer que assim occorra em um futuro mais
on menos prximo.
O coronel Fortunato Plores aprcsenloa um raa-
cifoto aos seas eoaeidados. O que elle quer nao
o diz, p>rem pereebe-se.
Depois de urna penosa ancledade, por cansa do
conflicto brasileo-argentino, teve-se hontem co-
cheeimeoto nesta cidade da longa nota do govemo
imperial em resposta do goveroo argentino, qae
dea tanto qne rallar.
Oiornit do Commeacio de 30 do passado, em que
lia se acba publicada, era vidamente procurado
pelas redaeces dos peridicos e pelo publico em
feral, que Unoa snmma coricsidade de apreciar o
eseulace desta questo.
Dcvo tl.zer, como noticiader fidedigno, que a
primeira imprass) de sua leilura para os brasi
ieiros aqu residentes nao foi agradavel. Tmha-se
dito e repelido tanto qae se exigira a retirada da
nota 'IVj 1 r como base de qualqner negociado,
qne o simples ficto da resposla j cau?ou urna sur-
*re*.
Admittida, porem, a conveniencia de dar-?e esta
contestaca) para rrfatar as falsidades do goveroo
ifge:.iia>, o para restabelecer a ver Jale dos fac
'.o*, quena se urna lingoagem mais ac va, princi-
palmente um de.'abafu aquello Itazaingo, que i,
kensivelmerrte nos magoru.
Arifiexi) h je raostra qae eom essa resposta
r.onciliadora, porem cheia de digoidade, o no;?o
pi.it eonquistou um immenso Inunipho moral, e
orna auperioridade tal sobre a Coafederacao, qu)
ella nao lem outro remedio sena > retrahir se.
A prava do qae escreve achare nos eegninteg
tpicos de nm importante artigo de funio do Siglo
44 bootem, asss bigniflealivo, e eom essa aprecia-
ra, -tanto mais nolavel por ser le^te orgao da im
prensa oriental, esla de accordo a maioria da po-
pal acio :
A babidade diplomtica do governo imperial
r.iio se de-n ente em suas ultimas notas. E' impos-
Mrel descoDhecer a perfea lucidez eom qae est
^presentada a questo pendente.
Esperamos que o governo argentino meditar
(leudamente a gravidade da slu^cao ea respon-a
dade qne ella Iba impe. Nao temos a pretenco
Jeixar de insistir em urna conjideraco qui j an-
teriormente apresentaraas.
Comprebende-se qae a repblica ^Argentina
seja, se se quizar, um tanto melindrosa a respeilo
to Brasil, porque o imperio pJe considerar-se
era maiores elementos de furca ; porem o qu'
pura coi nao teria e-cusa seriamexigencias exces
vas a respelo do Paraguay.
Aqaella repblica, destrocada pela alaoga foi
rencida.Oremos que boje a guerra eom o Para
j/nay teria menos rartidarios que daotes; porem
a-eja como for.o feito nao se pode de-fazer.
< Mas o que nao nos parecera nem justo, era
poltico, sena que a repblica Argentina se empe-
r.bssse em adjudicar-fe boje quaiquer territorio, a
cajf dommio possa apresentar algam titulo o Pa-
ta maneira nrptnitpmo* nrA-
m (rrqaen
sao, m-nos os
cia reati
rinhafem,
manot,
hydriagrapr
A estacio no Samboqa, em Santa Catfaariaa,
embrutece a guarnieses, relaxa a disciplina e
alimenta nm vicie qae ja ia re extingalndo na ar-
mada, feliimeate.
O honrado Sr. ministro da manaba deve relee
tr atentamente sobre itso. Sen digne anteceasor
jastrficoa eom boas argumentos a madanca effee
toada, mas a exeerleneia h* de Ur Ibes conven-
cido da necessidade de reconsiderar sua delibe
racio.
Por UUr en raarinha, devo noticiar que o
bers de Riachuelo, o bravo almirante Barroso,
snjeitou-se a nma nova operaco no olbo eperade
nessa corte eom infelici Jade pelo babil Dr. Gama
Lobo. Cedeado a repetidas instancias de Dr.
ftnnes da Costa, qae se repata nm oculista de
primeira ordem, prestou se no dia 8 a esse novo
s perdida.
Hontem foram levantador os appartlho, e por
ora nao se pode avallar se o paciente, qae lem
tido urna resignarlo evanglica, consegua algara
inelhoramioto.
E' para lasmitar que este distnclo servidor do
tstalo nao tenba obtido anda liceoja eom todos
os seas vencimentos para poder ir Enrona fazer
a extracio de catarata no outro olho. Seria nm
acto honroso para nosso cerpo legislativo facill-
lar-lhe estes recursos.
Morrea hornea o ministro do governo, Dr. Re-
ganaga, qae ha rauito se achara enfermo, e dave
sepnltar-se esla tarde, eom todas as honras de seo
elevado cargo.
Aonancia-se a vioda dn Dr. Tejedor a esta ei
date. Qoe vira elle Itcert
Gom a resposta sua nota repirou o h )roem, e
para diskrear sua derrota moral mandn pabllear
por nm d js jomaos de Buenos- Ayres qae gaahoa
um grande triotnpho sobre o Brasil. E' ama vic-
toria igrAl de Itazaingo, mas tanto hio de insis-
tir nesta exageracao, qae muitos acreditaro
nella.
Estamos anciosos agora pelo deseavolvimeoto
da misso Mitre. O tasto de que elle ni> fo-e
reeebido rlis-ipou-se, para dar logar i loaea espe-
raoca de qae consiga oa a encimpaco dos tra-
tados Cotegipe, a o apoio*directo do Brasil para
obrigar o Paraguay a entregar o Chaco coofe-
derago. E' desconhscer muito a digaidade dos
nossos homens de estado e a forc da opiniao pu-
blica no Imperio alimentar taes esperancas ; mas
no csrebro desta gente ludo se pie imaginar.
Bsm depressa se convecero os Argentinos de
que devera respeitar os fados conauramados, e
procurar em urna poltica mais geoeress e digna a
solueio das difflculdaes que encontrara no Para-
guay para assigaar sea tratado de paz.
Fica bastante enfermo o Sr. Ferreira y Artigas,
um dos mais iocansavets ldaJores da tribua
oriental.
Anda ha poneos diai no seo da commissao
permanente, elle nao deixava deicaocar o governo
eom suas ioterpellscdei Assim o round> I
E'i convocada a assernbica geral para nma
sessio extraordinaria, eom o (ira exclusivo de
miar do augmento de sold as prac^s de pret do
exercito de lioba. Sondo rile quasi que exclusi
vaxeole enraposto de soldados contratados, pre
cis) qae esse sold corresponda ao alto salario
que encont a ara hornera sil em qaalqaer outro
servico, cora meaos risco e sajeice.
As difScaldades linanceiras continan no
mesmo [.
Entretanto o governo tem no banco ingle i sua
disposieao esrea de 600 ml libras esterlinas, do
emprestimo contrahido na Europa, coro o qaal se
deve tffictuar a onversao do papel naeionahsado
eattendera ontros servigos.
O pagamento dos juros e da amorllzacao de
todas as dividas contira-a ser feito religiosamente,
o qne faila muito em abono de boro criterio da
administracio, que no me;o da desordem total zla
ao rnen-is seu crdito, eom o qaal rde salvar-se
o paiz ainda de urna b?ncan>u.

pj alame* p'rras de dispau, este lira da
arca de chumb o rosto
ribaram i
as hlas na cabrea e nos
o bonem afamiliado lo-
go qoe perpetren o homicidio em sna propria de-
raza, reiirou-se para a costa de Jaguarao Chico*
A presidencia da provincia Armara um contra'.o
eom o Dr. agtelo da Cooha Galvae para o esta-
belecirneoto A* ama llnha de bonii na cidade do
Rio Grande, empreza esta que fra all bem ice
Ihida.
Palleeenm .- no Jaguarao o negociante hespa-
nhol da villa de Artigas. Jeronymo Passeyr, o
major Jos da Silva Jnior e o Dr. Luciano lla-
mos de Carvaiho; em Pilotas o coronel Tbomaz
Jos de Campo.
Santa Catharina.Cooiiaaava a Tariola a faier
victima, mormeole criancas.
Constara qne ia eessar a publicacao do Conci-
liador.
As dema'f noticias sao de intereese local.
Paium.Nio encontramos as folbas recebidas
nenhuma noticia qae rnsreca raeocao.
Do Bio da Prata temos folba at 17 do corra-
te, pelo paquete inglez Boy**, tambe* entrado
hontem.
O congresro argentino eeeopara-se ltimamen-
te coto a creacao de um banco nacional, prieto
j approvado u'uma dn cmaras, e qae sem da-
vid passana tambem na ontra.
A g unas folhas de Bnenos-Ayre a'ieveram que
ageuits brasileiros and:iv*m eo.oyrando eavalbada
as pr ivineia de Entre-Ros e Corrientes, e insta-
vain eom o governo para que prohibiese a sabida
dellas como arligo de guerra. N jtieavam tambem
qne apeuas o ministro da guerra voltasse de in-
terior, onde fra para dirigir a pooco pronona ex
pedigao contra os indios o de estrangeiros, Dr. Te
jedor tria a Montevideo tratar de negocios da re
publica.
Nesta ultima c d i le fallecer o Dr. Reguuanga,
ministro do aterrar.
Correedo lado pacificamente pelo qne toeava a
eleicio. preoecapava-ss e goveroo oriental prin-
cipalmeate eom os meios de raelhrir a triste si-
tuagi) do ihisouro. Retirara o projeeto que
apreseotara commissio permanente da assemdla
legislativi, declarando qne ia submetter-'he ou-
trot sob melhores bases. O qae se sabia, porem,
era que preteudla elle elevar de tres a qtmro mi-
wm
"Tem
nrohibio
DOTAS.
Fallecen no dia 17 de iuooo ultimo o coronel
Joo Loiz Teixeira Brandacyoegociante na cidade
de Heia Ponte.
Era offleial da ordem da Rosa, muito conside-
rado mqaelta ddade, onde gosava da.estima de
todos oe MUtates.
MATTO GROSSO
Recebemos felbat e cartas da capital al J6 do
passado.
No dia 19 de malo eelebrara-n na eathedral de
Cu yaba na Te-Deum solemne em aeco de gra
eas pelo feliz regresso de SS. MM. ao imperio.
Achava-se no excerc co do cargo d ehefe de
polica o delegado capillo Joio de Albuquerque e
Silva.
Falkeeram, o raajor reformado da guarda na-
cional Romualdo Pinto de Souza e o alteres de in-
famara MeIchiades Lopes Ifaciet.
Tinbam chegado capital no dia 13 de.junho os
vapore* Leocadia t Coxip, procedentes de Corura
bi; nada all occorrera de importante ; prese-
guiara os trabalhoe das fortdcagSes.
O balango da tbesoorarla de fazenda, fechado no
lia 8 de junbo, apresentara o seguate resaltado :
reeeiii I,036:il7*71, deipea 851:766x919, saldo
184:650*351.
No dia lOdejunho seguir para a cidade de
Matto-Grosso, em diligencia, o ebefe de polica in-
terino, para tyodicar do proeedimento do comman-
danta militar do districto, eapitao Clandino dos
Santos Ferreira, que dera um tiro em nm mogo
de nome Jos Pereira Quinc.
Un correspondente da Situagao, escrevendo da
villa de Sant'Aoaa do Paranahyba, noticia o te-
fataaajfj
Achindo-se a beira do tmulo um rico fazen-
deiro dece lagar, Joaquim Bernardos Xavier, fez
testamento, qae foi approvado, depois de preen -
cuidas todas as formalidadei iot mas e externas.
t Aberto o testamento, nio e encontrn nm
pice de nullidade ; mas reconheceu-se grarde
numero de absurdo* e de palpaven contradigo:s
na disposieao dos legado*. Por exemplo : em lu-
gar de etererar um legado de 1:000/, a nma 0-
Iba natural como era sna intengo, inscreveu
mi da fllha, por estas palavras : < Diixo i F.
minba lba natural, 1:(00 ; qaando se sabe
perfeilamente qae esta foi sua amazia.
ih>V- de piastras a emprestimo pare qae peda au-i Em ver de deixar outro legado a Aoicesio
1 Vartins Ferreira, tambem lllho natural, dexou-o
outra petsoa, verdade qae do mesmo nome,
INTERIOR.
ugaay. Da nenhuma maneira pretendemos ore
-ligar a quesio do Chaco. O que nao quizeramoe
c que o povo argentino appa'ecease aos olhos do
inundo como cubicoso de reeolher os despojos da
victoria obtida sobre o Paraguay.
* Alguma phrase ha na ultima nota do Dr. Te-
jelor qae deixa entrever a possibilidade do gover-
aio Argentino mostrar-se generoso eom aquella re-
i'j-!i;a. Joigamos ques esta generosidade seria ai-
roaluaeameate um acto de justtga e de boa po
laica.
Ainda que nao qaeira, para nao desgos'.ar os
2iigos visiuhos, o Dr. Uausirei proclama nessas
i: tres linhas transcrptae a nossa razao,e o echo.
i.atorisado cia opiniao de sea paiz.
O mundo in'.eiro tambem apreciar pela mes-
ma forma a nossa completa jusliga, o assim pode-
mos agora acceitar a guerra, contando'com as ge-
raes sympaibias, se o governo da coofederago
commetter a loucura de provocal-a aiola por no-
vo iasalto, o qae nao provavel.
Vejo que o goveroo imqerial, ao mesmo tempo
que* seesforga por ovitaressa guerra,que ser de-
sastrosa para todos, nao se descada dos prepara-
tivos bellicos para tomar ama attitude respeitavel
no caso de rompimenlo. Eu applaado essa polti-
ca sabia e providente, e della espero os melho-
tes rebultados para o paiz.
Tambem a coofederago conlinia a reeeber ar-
mamento, e raro o navio que chega agora ao
Rio da Prata que nao manifest espingardas e car-
tnxos metallico. Qaer por encommeoda, quer por
especulac, segue-se que o artigo actualmente
de bom|cojsumo no mercado.
Os brasileros, no Salto, qae foram os primeiros
organisar a assoeiagao qae ama vez planejei em
nma de minhas correspondencias, acabara agora
de dar mais um salular exemplo do qua cumpre a
todos os nossos compatriotas realisar teste es'do
para defesa de seos interessea es pocas anor-
maes. Constitniram nmelub, que vai-se tomar nm
centro de reuniao ntil e asradavel 0 mesmo
tempo.
11 de julho.
O Siglo publicou hoje um snpplemento eom as
imprtanles notas brasileras, perfeilamente ira-
preasas.
Foram estas hontem dadas a Inz em Buenos
Ayres por quasi toda a irapreosa, causando o seu
reeebimento agradavei sensaeio, como a que pro-
dnz o allivio de nm pesadello i Os fundos publ
eos subiram immediatamente.
Tem reinado muito mo tempo desde o priaci-
po do mez.
Nos dias 3, 4, o, e 6 todos os vapores suspen-
dern) a sna partida, inclusive oCorum^, da li-
ana de Matto Grosso, pela primeira vez, depois de
quatro viagens, e por ordem da legacu, para
poder levar o dmbeiro qae faavia para aquella
provincia. O Cuyab chegou hontem. Os rios es-
to balsos.
7|
Sao destituidas de iatereese as noticias qne por
cate paquete lhe posso traosmiitir, teudo j es-
cripto ba seis dias apocas pelo Pascal.
Ante hontem sahiu para Santa-Calharina a divi-
tio qae se achava neste corto, composta da cor
Vital de Olivtira, e cannoneras Araguary e
Pedro Alfonso, sob o eommando da ebefe de es
Sadr Baro da Passagem. Fiea apenas aqai a
as aetaaes cireamstaacias a retirada de nossa
forea naval destas aguas pie ser interpretada^
desfavoravelraente. Eu ereo indispensavel o res-
labeleelmento da antiga divisio do Rio da Prata,
eom outra organnagao que facilite os exercicios,
as evolugSos e as viagens. De Montevideo para o
norte t Santa Catharina, e para o sul at as
Jatrio s os carios qae fiterem parle de sua divi
Rio de Janeiro.
18 DE JULHO DE 1872
Consta-nos que S. Alteza segu viagem no pa-
quete americano, que devo partir do nosso porto
no da 23 do corrente. Saa Alteza vai aos Esta-
dos Uodos ; tencona atravessa-los era direccao ao
Paeilico e ir astralia, de onde seguir para a
Europa.1 *
- 20 -
Os Sr?. Rcbnson, Fleniag & C, em nome do
governo do Paraguay, daro em Londres os paseos
nesissarioD para a execagao de algumas clausulas
do cootrato do ultimo emprestimo que este gover-
no levaotou naquella praga.
J estaram promptos a segnir viagem eerca de
1.000 emigrantes, que deverao formar nma eolonia
naquelle paiz, e dizia se que o conlrato era para
a remes-a de 10.000 pessoas. Os planos para esla
nova tentativa de colonisagao forano elaborados eom
tolas as cautelas precisas. No numero dos emi-
grantes contavara-se carpnte ros, agnculores, re-
tinadores e ftbrijinies di assacar, mecbaaicos e
vitihateiros. Os emigrantes sero acompanhados
pelos ministros de suas religiSes e por pessoas
qne tralarao da educago d3 sens fllhos as es-
cola?.
Nao seriam acceitos imnvgrantes sem qua ap-e
sentassem attestado de sea bom cornportamento, e
es agentes do governo paraguayo adoptavam me-
didas para que s fossem escoihidas pessoas que
se mostrassem desejosas de immigrar.
22
Entrado bonlem do Rio da Prata, o vapor Ca-
moes, apenas nos Ironxe de Montevideo, alero das
que trabamos apenas de 14 do corrente, em que
nenhuma noticia encontramos qae possa interessai
oSjUossos tei tures.
Do interior as datas sao : provincia de S. Pedr*
16, de Santa Catharina 13 e Paran 13 do cor-
rete.
S. Pedro do Sor. O Dr. Jos Fernandes da
Costa Pereira lorraara pone da presidencia da pro
vncia ne dia II.
Tralava-sa de construir cora toda a urgencia a
linha telegraphiea para Urugaayanna e Jaguarao.
Diza-se que ia apparecer brevemente o 1* nu-
mero de ama felba intitulada o Demcrata.
L-se no Commercial. do Rio Grande, de 14 sob
o titulo Illuminago a Gaz.
c VaSse levar a effeilo esta importante empre
zi, e muito breve (eremos de dar a mesma noti-
cia para a estrada de ferro de Candiota.
Aote-hontem entrou o priroeiro navio eom os
matcnaes para a dita illnminagao a gaz qoe o
Zwei Gebruier, e j se aebam mais em viagem
eom os meemos materiaes o Kenner. Canisch Gil,
Konipig Wohelm II e Fot tunal ao todo cinc* na
vios e que vem consignados firma commercial
desta praca Ernesto Jos Lias & C>
Dos 308 colonos ltimamente introdnzilos na
provincia por eonta do contrato do Sr. Pinto dos
Hatwussig, segairam:
Para Nova-Petropolis 80, para Santa Cruz 116,
5. Lourengo 49, Conventos 16, S. Leopoldo 7, Ma-
reta 2, colonias de Pelotas 23, flearm no Rio
Grande 3, em Porte Alegre 12.
Continaavam a apparecer na eirenlagao, em
Porto Alegre, notas falsas de 2 e 10X000.
Nesta eidade faram assassinados, na noute de
6, pelo-cabo Caelilha?, do 1 regiment de artiga-
ra a cavallo. o soldado Fidencio, da 6' batera, e
a Paraguaya Dolores. O assassmo apresenton-se
prisao.
Refere o Constitucional de 14 :
i Hontem, das 7 para as 8 horas da noute ou
viu-se a detonaglo de um tiro no corredor da easa
de residencia do Sr. arcediago Vicente Zeferino
Dias Lopes.
< Apreseotando-se as pessoas de casa, e corren-
do a ver o qae era, deram eom o carpo do pardo
Gervasio, eom o rosto banhado em sangue, e tendo
ao lado nma pvstola, da qaal se servir, tentando
contra sua existencia : o infeliz suicida contara
apenas 18 annos de idade e era de eondlegao es
erava.
< O Sr. arcediago dera hontem mesmo pelo'rou-
bo de qne fra victima de dinbeiro e objeetos no
valor de 3001, pouco mais oa melos. Verifleoa-
se qae (ora autor desse reubo o escravo Gervasio,
tendo cmplices oa co-ros no erirae.
Do Cerro Largo escreveram ao Cruzeiro do Sul
de Pelotas em o do correte :
Ha poneos dias, as immeda;3es do! Conven*
tos, distantes 3 leguas dessa villa, MndBl Tareo
assassiaoa eom doas tiros de pistola ao teonte
Brum Leaos, morador nesta lugar e visinho
seu.
O easo dea-se da maneira segrate : Manoel
Tareo repontava a de tea campo o gado de Lemos
ha tempos, originando-se por itso Intrigas e des-
avenga.
No dia do fatal aeontecioeoto, faria esta tare-
fa quolidiana, qaando Laos saelhe ao eBeontro
torisxoio.
- 241-
Parlindo hontem, as 4 boras da tarde, ao trans-
porte nacional Bonifacio, a eommissio encarre
gala de execntar os Mudos do grande eamioho
de rerro de Cirltiba a Miranda, segurado o* valle*
do I'aby, Paran, Ivinheima, Brilbantee Mondego
O pessoal desta importante commissao assim
distribuido:
Eugenheiro em chefe o eapitao Chnstian Palm.
Secretario o Sr. Bidoclf; 1.* turma destinada
aos estados desde Coritiba at a eolonia Tneresa
no rio Ivahy : nrenhero em ehefe o Sr. Faber ;
ajudanie, Srs. M ,rant, Edirard Voo Sydow.
2." turm, destinada aos estndoe desde a colo-
nia Theresa a: o ro Paran : engenbeiro em
chefe. o Sr. Carito? ; ajadantee, o* Sr. Slearen-
son, Wuber e Landholm.
3.' turma, destinada aos estados de Miranda ao
Ivinheima : engenhiro em chefe, o Sr. Hiire ;
ajndantes, os Sr. Willcw Rigby e Lagergreo.
4' turma, destinada aos estudos dos nos Mon-
dego e Brilbante : engenbeiro em ehefe, o Sr.
Veal; ajodantes, o* Srs Hant, Bergmaa e Fnck
Para o servigo do campo vio eom os engeohei-
ro 49 serventes.
O material da commissio nio menos impor-
tante : omprt-hende 531 vulumes, na importancia
de mal* de S 8.000 eerca, de 80:000d, dos qaaes
378 ebegaram eom os engenheiros no Luzitania,
123 vi erara pelo Bonita e 30 pelo Boyne.
A commissao foi orgasisada em Londres pelo
eapitao Chnsliano Palm, sob a inmediata direccao
do Sr. Baro de Man, que nao poupou sacridcios
para que ella vlesse munida dos mais aperleic>a-
d is instrumentos, de botes modernissmos eom (o-
Iba decebie para as exploragSes fljviaes, de bar
racas de novo modelo, propnas para estados tefjn-
graphicos, e le prov:oes de boca para a travessia
las florestas da provincia do Paran.
Fazeraos sinceros votos pelo bom xito desta
importante expedigo.
Partirara tambem no transporte Bonifacio, para
a provincia do Paran, os Srs. C. Witliam Kitto e
eapitao Frederic Cranford, qae pretendem aeom
es melhores terrenos para o estabelecimento de
colonos.
O governo imperial eoneedeu a estes senhores
passagem no transporte Bonifacio, e reeommen-
don especialmente presidencia do Paran qoe es
auxiliasse ao sen intento.
Os officiaes do asylo de invlidos, querendo dar
urna demonstrago de estima e aprego ao sen eom
mandante, o Sr. major Joao Antonio Garcez Palha
de Almeida, offereceram-lhe no dia 23 no mesmo
asylo um jautar, a que assistiram as familias dos
oiliciaes e moitas outras, achando-se prsenles
mais de 200 pessoas.
Coube ao Sr. eapitao Footenelli fazer o brinde
ao comraan-iante.
Soguiram-se muitos, ontros sendo os mais nota-
veis : o do Sr. eapitao Abreu ao Sr. eooselneir)
Liberato Barroso, ao Sr. ministro qua ref-rendou
o decreto de voluntarios da patria ; do Sr. eonse
Iheiro Barroso aos bravos voluntarios ; do Sr
major commandante ao general Caldwel; do Sr.
eapitao Guaran aos invlidos da patria ; do Sr.
Footenelli aos generaos C-xias e Osoro. O ulti-
mo brinde foi erguido a S. M. o imperador1 e en
ihusiastleamente correspondido.
Concluido o jamar foi improvisado um baile,
qoe durou al ao amaabecer, tocando durante
toda a festa as musieas do 1.* de infamara a me-
nores do arsenal de marinha.
Fallecen hontem, Manoel da Costa Oliveira, na-
tural do Porto, de 48 annos de idade, solteiro, ll-
lho de Manoel da Costa Maia e Josepha de Oliveira,
ambos fallecidos; em sea testamentos declarou :
Qae tinha em Portugal iuae irmas, de nomes
Anoa e Antonia.
Que tudo quanto possnia seria repartido igual-
mente entre as ditas snas irmas e seo sobrinbo
Sebastiao da Costa.
Nomeon testamenetiro em 1.* lugar a Custodio
da Cosa Guiraaraes, e em 2.* a Jos de Araujo
Vieira.
O testamento foi feito em 23 de maio ultimo e
aberto bonlem.
mas que era prente em grao remotissimo. Del-
xou diversos legados perfeilamente impossiveis de
ser cumpridos.
< Breiendem os herdeiros annullar este tea-
mente, e para isso j a cbicana eomegou a tra-
balhar.
Pens qae nie lograrlo tal intento, porquan-
to o testamento e approvagao foram feitos eom to
das as formalidades exigidas pela orden, livro 4.
tit. 8.* Mas veremos o que fazeea. *
s. ULULO.
Temos folhas de Campia* at 18, capital e San-
tos al O do corrate.
O Srr^Dr. Joo Ribeiro da Silva, no intuito de
demonstrar orticamente a navegabilidade do rio
Tif.t confluencia do rio dos Pinbeiros e desle
at s proximidades da villa de Santo Antonio,
emprehendra no vapor Progresso, de sna pro-
priedade, dnas excursde por aqnelles rio*.
A primeira, segando noticia o Correio Paulista
no, foi levada a < iT;it no dia 13 do corrente.
< Largando desta cidade, diz a foiba citada, s
7 horas e 45 minutos da maoba a bordo do sen
vaporzinbo Progresso, snbiu aguas ac roa pelo re
Tiet eom destioo a Mogy da* Cruzes, e as 5 horas
e 50 minutos da tarde ancoraran) na* proximida-
des de Itaqasquecetubi, onde pornoitaram, coa i-
nuatido a viagem no dia seguate pelas 7 boras da
raanha, e ebegando a Mcgy s 11 horas e 40 mi-
nutos.
< All foram os navegantes recibidos eom gran-
des manifeslagdes de enlhusiasmo.
i Para celebrar lio novo quanto inesperado
aconteemenio, accreseenta o Correio, instou o Dr.
Al ves para qae se demorassem mais nm da aura
de ser-Ibes cfferecido um baile, era que houvesse
opportuniJale de manifestaren) as pessoas gradas
do lagar o prazer qae lbescaasava aquella visita
do Progresso. Motivos imperiosos, porm, impe-
dan] ao Dr. Jos Ribeiro o seas amigos de all se
demoraren mais; pelo qoe, suspendendo ancora
as 7 horas da machia do da lo, regressaram
esta capital, onde ebegaram s 4 horas e 40 mi-
nutos da tarde. Fique, po, essa data a lembrar a
panhar a expedigio Palm, no intuito de >#sc tiWK -ro primsira em que as aguas virgeas do Tet re
DIARIO DE PERNAMBUCf]
RECIFE, 31 DE JULHO DE 1871
noticias do sal do Imperio.
Hontem s 10 horas do dia fundeoo ao lawaro
o vapor raglez Boyne, trazendo datas: do Per
18, da B.livia 19, e do Chile 28 de junbo, do Rio
da Prata 18, do Rio de Janeiro 25 e da Baha 28
do corrente.
Alm do qae damos sobre as rubricas Parte
Oflicial, Exterior e Interior, encontramos nos jlr-
naes mais o que segu.
perd".
Fortes tremores de ierra Ozeram-se sentir lti-
mamente em Arequipa e Tacna.
O general Paez, um dos fautores da odepeaden-
cia da Colombia tem sido, durante a sua estada em
Callao, objecto da estrondosas ovaedes !por todas
as elasses dasociedade, e coraprimenlado pelo go-
verno e corporag5es officiaes.
O goveroo aatonsoa a construego de ama no-
va via frrea qus, pandado de Pao, terminar no
Desaguadero, atraressando a provincia de Cha-
caito.
Prepara-se activamente o palacio onde deve fa-
ter-se a exposicao internacional em Lima.
CHILE.
Novas emprezas surgem, attes'.ando a activida-
de indnstnal deste paiz de progresso e de lber-
da de.
Porveniz de Caraeolles, Fortaoa, Diana, Mina*
de Carampaogne e Celon de Caraeolles sao os l-
talos de sociedades anonymas ltimamente cons-
tituidas-para eiploracao da* rieas minas do Chile.
Trata-se de organisar nma outra eom o titulo
le Carbonfera, destinada a explorar os ahondan-
tes depsitos de ervio de pedra, existentes na co-
lonia de Pona Arenas. O capital social ae....
1500000 peso* fortes.
No congreaso nacional diseutia-se nm projeeto
de le, creando colonias civis.
O eidadao D. Luiz Cousino obtve permiss*
para edificar em nm porto sobre o pacifico, deno-
mado Qnsnttros, ama cidade, cojo plato est
tendo-se dado ja principie ao* iraba-
nai nares.
isterio da instrnegao poblid deeretoa
i de ama icola elementar para meni'
vclverara-ta ao impulso do hlice de nm va-
vapor
No da 17 fez se segnnda experiencia. O vapor,
tendo a bordo o Sr. Dr. J. Ribeiro da Silva e al-
guna amigos por elles convidados, largou de Mo-
gy das Grates as 9 horas e 50 minutos da raa-
nnaa, ae meio dia ehegava foz do rio dos Pi-
nbeiros e por elle sabia, e a 1 hora e 10 minutos
da tarde virava de bordo, ebegando de novo, de
pois da um quarto de hora, a eoafloeoeia dos 2
rios.
Comegara 3a ser publicado na eapital um
peridico intitulado Vintt e dous de Maio, orgao
dos conservadores dissidemes.
Um trem da estrada de ferro de Jundiaby
para Campias sallara fra dos trilhos, matando 7
animaos muars que se acbavam na lei'.e da es.
irada. Nao teve felizmente o accidente nenbami
outra coaseqoeneia.
Abrira-sa em Braganga urna escola nocturna
gratuita, na qaal ja se acbavam matriculados 30
alumnos.
Do Parahyba, de Goaratinguet, extrahimos
o seguate :
Ero a noute de S. Pedro, por oceasiio de urna
ceia em easa do pyrolechnico Francisco Correa
Leite, dense o incendio de estopins e de um res-
to de plvora existente n'ura puli, ficando leve-
mente queimados os Srs. Joaquim Antonio Fran-
co, Francisco das Cbaga* Raogel Fiiho, Aleixo Na-
fra, Joio Leite e o raeimo Sr. Correa. O incen lio
tena eonseqoeocias mais desastrosa* se se bou-
vesse eommunieado a amas tatas de plvora quo
estavam em um eabide. Felizmente os offeodidoe
esto fra de perigo.i
Relativamente ao assassinato da Eustaquio
A. de B. Gondim escrevem de Cacapava fo ha
cima citada :
a A viava do mesmo, D. Antonia Mara de Frei
tas, constitoiu procurador ao advogado Sr. Joao
Rodrigues de Oliveira Silva, para dar a competen
te queixa eootra os assassinos de seu marido.
No dia 5 do corrente chegou preso a esta vil-
la, e por diligencia do inspector Janaario Ribeiro
da Silva, enteado do assassinado, o escrava Jos,
queseado qaalificado e interrogado, confessou que
o autor do deiieto foi Felippe ; qae elle Jos assis-
liu ao deliet", mi* que nao tomara parta nell% ape-
nas sania ao encontr de sen senbor, como para
apadrrabar-se (andava fogido), dando assim tempo
para Felippe,' falsa f, tirar-lbe a vida.
No dia 9 de corrate ale meia hora da ma-
drugada foi igualmente preso nos suburbios da ei-
dade de Taubat, na eada da qaal se acba, o es-
cravo Felippe, qae em seu interrogatorio e eom
muita serenidade confessou que matou seu senhor
s tacadas, para o que estivera de emboscada
muitos dia* no lugar onde commetteu o de-
licio. >
Constava qae os presos de Tatuhy baviam
se evadido arrombando a eada.
Da mesma loealidade eommunicaram ao Ipa
nema, de Soroeaba.
Hontem, 29 do corrente, s 11 horas da noite,
mais oa menos, foi gravemente estaqueado Ma-
noel Ribeiro, vulgo Manoel Baralhado : a polica
tomn coubecimento do faeto i* 4 boras da tarde
do dia 30, tendo por consegu nie decorrido 17 bo-
ras da perpetracao do delicio; ora, tendo-se dado
o (acto dentro da, cidade e na roa mais publica
deeorreram tanta* bora* para se encontrar nma
antordade que fizesse o corpo de delicio, quaD
tas horas serio precisas para os delicio* que
se derem data fra desta cidade ? Desta forma
vamos mal; os cidadio* em Tatohy esto aem
garanta alguma.
c Agora nos resta saber qnem foi o autor
dease crine : o qae sei qne encontraran) tres
chapeo ceta bastantes rombos de faca, ama faea
e doas eseetes no lagar do conflicto. *
Dizia-ie qne o Dr. Murso, director da fabri-
ca de ferro de S. Joio de Ipanema, ia explorar
ali urna mina de carvo dt pedra, de qae o dito
estabeleeimento tasto carece.
Refera a Revista de Santos :
i Informam nos qae algns marinheiros fgi-
dos de diversas embareagdet formaram ama qua-
drilha qae tem j dado amostra do panno, dentro
mesmo da eidade. Com a torga de qae dispo-
mos, esto o* habitantes delta eidade entregues
aos ten* proprios recursos.
BSPJRITO SANTO
Temes data* da eapital al 20 e das Caeboeiras
da Itaptmirim at ti do corrente.
O presidente, attendendp as razoes allegadas
palo jait de direito da capital, Dr- Loiz Duarte
Ktaasou-o do exer:icio interino do
fe da polica da provincia e desigoon
lo o hachare! Femando Afn-
aaiqicipal do termo da capital, e
ptra : ubiut'r este juiz o eidadao Jjo Aatonto
Pessoa Janior.
Fra nomeada orna commissio para proceder
a exaeae na fortaleza da S. Joio, a propor as
medidas mais coavenientes para melhorar esse
logar, actualmente em completo abaadtno. Os
menobros qae a constitaem sio : o Dr. Manoel Fe-
liciano Manz Freir, major Luiz Manios de Car-
valho tenante ajotante de ordena Candido de
Aroorim. Tarares.
Foram annoladas as qnancagoes ltimamente
feitas na eapital e em Vianna.
RO DE JANEIRO
Alem das consideiagQes que publicamos
sob a rubrica Parte Offwial, foram mais expedidas
maitas outra* para pessoas residentes nos diver-
sos paizes por onde anlou a pa-seio S. M. o Im-
perador.
Pelo ministerio da justig fui dirigido ao
presidente da proviucia do Amazonas o se-
guate aviso;
Rio de Janeiro em 18 de julho de 1872.Illm.
e Exm. Sr.S. M. o Imperador, a quera fel pre
sent o offlcio dessa prfsiiii:ia, de 5 de juoho
ultimo, sob n. 10, manda approvar a solacio dad*
pelo antecessor da V. Exc. consulla do juiz do
direito da comarca de Pariolins, declarando-lbe
qne o art. 1 g 3' da le n. 2,033 de 20 de setem-
bro do anno passado t alterou o art. 19 da le de
3 de dezembro de 1841, na parte relativa ao nu
mero dos supplentes do* juize* municipaes, e uo
quanto substimicoo delles, a qaal continua a
cargo dos vareadores.
Deas guarde a V. E. Ifaito Antonio
Duarte de Azecedo. o
Por portara de 18 do correte foi nomeado
Ricardi Googalves Cordero para o lugar de al-
moxarife do hospital militar provisorio do An-
dar h y,
Por portarla de goal dala coneedeu-se um
anno de lieenga ao alteres reformado do exercito
Porfirio dos Santos Lisboa, para ir Europa tra-
tar de sna saude.
Por aviso de 16 de juliio crreme mandou-
se crar em Santa Catharina um deposito da as-
truego para a arma de iofantaria, de conformi-
dade eom o art. 3* do deereto n. 3,355 de 9 de
dezembro de 1855.
Por ttulos de 18 do corrente foram Hornea-
dos :
Amanuense da secretaria da thesoararia das
Alagas o praticaote Augusto Pereira Ramalho
Jnior.
Eservio da ccllectoria das rendas geraes de
Maeah Antonio de Mello da Silva Pimentel.
A'alfaadega da eorte renden de 1 a 23 do
torrente 2,586:683J380.
Ei* as noticias commarciaes da ultima data:
Nao bouve alterago sensivel na posigo do
mereado de cambio sobre Londres, que anda fa
chou tirina. A taxa bancaria conservo se a
24 i/i d., mas apenas foram passadas somraas
insignificantes. O movimento principal de hoje
loi em papel bancario repassado. A' laxa de
24 7/8 d. foram negociadas pequeas quantias ;
mas de 25 d. tlTeoluaram-se transacgSes re-
gulares.
Em papel da praga" bouve peqaeoas opera-
g5ss a 23 e 25 1/8 d.
< As apoliees geraes de 6 0/0 eontinaaram a
apresentar firmea, negociando se pequeos Iotas
a 1.0i3* e lotes regulares a 1:024* e i:023 a
dinheiro.
i O mercado de soberanos abru pela noanba
a 9J610 ; mais tarde, porm, tomou-se frouxo,
em consequencia da firmeza do cambio, e lotes re-
galares foram vendidos a 9*620 e 9*600 a di-
nheiro, fechando o mercado frouxo ultima co-
ta gio.
Estave extremamente*calmo o mercado de ac-
gos de bancos e eompanhia? publicas. As trans-
acgdes firam em geral pequeas aos seguintes
pregas: baneo do Brasil 48j e 49* de premio
para o fim do mez ; banco Industrial e Mercantil
7* a 5*500 da premio a dinheiro, 13* e 12*
dito para o fim do anno; companhia do seguros
Fidelidade, 1' eraisso, 25* Je premio a dinheiro.
i O mereado de producios eonservou-se pouco
aetivo, tendo-se apenas effeetnado vendas insig-
nificantes de caf e regalares de assuear.
Estava a sahir para Peroambuco a barca
portngaeza Nova Sympa'hia.
BMIA.
Lemos no Jornal:
* Com grande pompa foi festejado esta anno
ao arrabalde do Itapagipe o memoravel dia da
independencia d'esla provincia.
c A' hora meocisnada no prrgramma parti
d> largo do Noviciado o emblema, precedido por
muitos cavalleiros e acqmpanhado por baialhCos
patriticos, formados pelos alumnos do Albeneu
Bahuno, menores dos arsemes de marinha e de
guerra, com as respectivas mu-icas fFente,
aprendizes marinheiros, oprarios do arsenal de
guerra e finalmente de Itapagipanos.
< A melhor ordam e l i-'nneoto notavam-seo em
tolos os batalhes, que depois de percorrerora as
ras do arrabalde formararo alas em frente ao
palaoqae, o qual, pequeo mas elegaote, eslava
erguido no fundo da praga daMalraga.
Ahi, depois dos vivas do estylo perante a
effl/ie de S. M. o Imperador, o Sr. chefe de di-
viso inspector do arsenal de marraba, presidente
da commissio dos festejes, confera carta de li-
berdade a tres eriangas. hberdade obtida eom o
restante da sob-cripeo para os festejos patriticos.
Foi nma verdadeira fasta patritica, e de
justiga tacar mereeil. s encomios direegio pelo
modo porque coaseguiu dar verJadeiro realee f,a
essa testa, commemoraiiva de um dos mais gran-
diosos episodios da historia patria
t Tendo o leoente Collalino Mtrqnes de
Soaza solicitado ao governo imperial previlegio
para nm systema de rodagetn de sua invenglo,
destinado a veacer ladeiras em qualojaer ingre-
midade, exigia-se qae cumprisse o disposto no art.
4* 1* e 2 da lei de 28 de agosto de 1830.
t Consta nos qae o Sr teneate Collalino pre-
para os seus planos para satisfazer i exigencia.
c Na villa de Camisao ero 8 de junho prximo
passadc| dea-se nm conflicto entre os individuos,
Manoel Rayrauado dos Santos e Franelseo Mauri-
cio Maciera, do qual resultou sabir o primeiro
lerido eom duas tacadas e o segando eom tres
brechas na cabega e tres eontusoes nos bracos,
produzcas pelo ccete de seu aggressor.
f Ambos foram presos em flagrante pelo res-
pectivo subdelegado e acbam-se submetiilos a
proeesso.
a Ante-bontem (23) terminsram os festejos eom-
memorativos do dia 2 de julho, no arrabalde de
Itapagipe.
t A's 8 1,2 horas da noute par'.ia n emblema
do largo da Madragda, e aeompanhado por cava-
lbeiros e batalhes patrictieos foi depositado no
largo do Noviciado.
t Felizmente durante o trajecto reinou fempre
ordem e eontentamenlo en todos qae tomaran)
parte naquella festa.
i No dia 23 entrou arribado de Londres, por
abrir agoa, o brigue inglez .Venia, eapitao Hsrri-
son. Segu para Ba Com a preseoga de grande namero de socios,
foi aberta a sessao extraordinaria da assembla
geral do Monte-Po da Baha, reunida para tomar
cooheelmento do protesto apreientado contra a
ultima eleicio, de qae demos noticia.
t Depois de porfiada diseussao, em que toma-
ran) parte, o autor do protesto o Sr. Pompilio, e
do contra-protesto o presidente do conselho o Sr.
Filinto Elyzio Pinheiro e os Srs. Amador Moora,
J. A. Nelva, Ildefonso Cunha e A. J. Rodrigues,
foi por voto de desempate daqaelle presideate re-
jeitado o protesto.
< Com o titulo de companhia de agentes em-
barque crganlsoa-se nesta capital, sob a direegio
do Sr. Ildefonso Lopes da Cuaba, ama companhia
que tem por fim encarregar-se da recepgo nos
trapiches de velumes de mercaderas e transporta
los bordo dasembarcagSes.
A mesma ecmpanhla contrata earregamenlos
e descargas, ineambindo-se tambem de ontros
mfsteres|que dizem respailo embarque e desem-
barque.
< Os grandes e boas saveiros de que dlspde a
companhia, a actividade e zelo reeonhecido do seu
director e asegaranga qne ella proporcionares-
ponsabilisando-se, e de prompto pagando qaalqaer
extravio qae seder nos generes confiados saa
guarda, sao garaotias de que per ceno se apro-
veitar o nosso commercio.
t A utlidade, conveniencia e commedidade qne
faculta a companhia, eujo annnneio inserimos no
logar competente, torna-se credora da animagao
que lhe damos e que ineontestavelmente lhe con-
cedero os Srs. negocianies.
A alandega renden de i IV do corrente
775:269*942.
O cambie regulava : sobre Londrat 24 1|2 a
M 3|4 d., sobre Pars 380 a 390 res, star* Hara-
burgo 720 a 730 res, e sobre Portugal 110 a
120 0|0.
PERNAMBUCO.
foi
10,0001
4,000 >
3,000
LOCO
60:000*000
36:453*000
11:000*000
2:715*000
1:350*000
1:003*000
349*000
JIETBTA DtiJMA.
MARINHA DE GUERRA.Em 15 do correle,
,. pela noinfltrlo da raarlafca atinado o te-
nento Pedrd Savid Bajrochtr vapor de gu-rra Corvmb
IfOVOS PIIAROES.-A' bordado vapor Inglez
Boya* veio hontem o Sr. engenWro. JuMo Alvaro
Teixeira de Mced', enearregado pelo ministerio
da marin* 't fisealisar a conslracgao dos ah-
res dt S. I'raocisco, Olinda, Pah'ba, t Rio
Grande do Ncrte, eontratada com o Sr. Franeiseo
Ferreira Borges.
JURY DO IFCIFE.Ainda bonlem nao ronc-
clonou este tribnaal por faltada numero legal de
juizes de fado.
Foram sondados aote-hontem e hontem os sr :
Antern Doroelias Cmara.
Dr. Af roso da Albuquerque Millo.
Dr. Antonio Manoel de Medeiros Furtado.
Antonio Henrique de M randa.
Bario di Soledad*.
Carlos Augusto Lins Sonano.
Christovao Santiago de Oliveira.
Francisco de l'anla Rodrigues Barro*.
Franeiseo Yieira Perdigao.
Dr. Henrique Mamede Lins de Almeida.
Heliodoro de Aqnino Fonceca.
II-.th torio Maclsl da Silva.
Hennqae de Miranda Henrique.
Dr, Innoceneio Serfico de Assis Carvalhe.
loaquim Jos de Faria Neves.
Joaquim Salvador de Sijueira Cavalcinte.
Dr. Joaquim Jos da Funrea.
Dr. Joaquim J >s Ferreira da Rocha.
Jos Francisco de Paula Ramos.
Jos Jeronymo de Sooza Limoeiro.
Jos Xavier Faustino Ramos.
Dr, Jos dos Aojos Yieira de Amerirn.
Dr. Jos Bernardo Galvio Aleolorado.
Dr. Jos Mara Ramos Gorjeo.
Lniz Gongalvos da Silva.
Luiz de Moras* Gomes Ferreira.
Dr. Lniz Lopes Caslello Brinco.
Dr. Manoel Barbosa de Araujo.
Manoel Cardo Manoel Joaquim de Miranda Save.
Manoel Martin* Fiuza.
Minervno de Soma Leio.
Tbomaz Antonio Maciel Monteiro.
Tbomaz Ferreira de Carvalbo.
OLINDA.-Foi exonerado, su pedida, d
cargo de coadjuctor da fregneua de S. Pedro '
Maryr da cjdide do Ooda, por ineommodo* de
saude o Rvm. padre mestre conego Manoel Joao
Gomes.
ESTRADA DE FERRO. Com o praw de 30
das, contados de i4 do corrente, acha-***>er-
ta a c joeurre irla para a cojslrucgao de ama es-
trada de ferro, que, p-.riioio de nm dos pontos
intermedios da es rada de ferro do Recita ao S.
Francisco, entre as estacSes da Agua-Pret* e Bar-
reiros, va terminar no povoado Bebedor, mediante
as clausulas estabelecidas na lei n. 1035 de 13 de
abril ultime.
PARA A EUROPA.Cora 19 recebidos em nos-
so porto levou o Boyne 232 passageiro*.
DINHEIRO. O vapor inglez Boyne Irooxe
para :
Carvalbo & Nguera
Joaqnim Joj Gongilves Beltrao
Augusto F. de Oliveira & C
Pareira Carneiro & C.
Dito dito
Rabe Schmeltau & C.
Pareira Viaona & C.
A. F. de Mendonca
Jos Duarte das Naves
Pinto Barbosa & C
Rodrigues de Almeida & C.
Esse vapor levou de nossa praga para a Eu-
ropa 1,500 .
MORTE CASUAL.-A's 3 horas da tarde dt ti,
do correata a preta livre Mara Rita, de 80 an-
nos de idade, moradjra na ra do Viseonde de
Goyanca, na fregnezia da Boa-vista, estando sen-
tada borda da cacimba do quintal de sua e*w,
foi accommettda de nm ataque que ihe costumava
a dar, e cahio dentro da cacimba, morreodo ahi
asphyxiada, apezar dos socarros qae Ihs foram
prestados.
MAGISTRATURA.O Supremo Trboo*l
d3 Justina rernetteu ao goveroo a lista Oos
dezeseis juizes dd direito mais antigos par
escolber dous desembargadores:
Antonio Heoriqoe de MiraoJa.
Joao Ciet'ino Lisboa.
Fraocisco Lourenco do Freilas.
Maauel Joasea Ferreira.
Jo5o Silom QuwrogJ.
JuSo de Carvalbo Jernandes Vieira.
Viriato Bandeira Darie.
Anti nio de Cerqaeira Lima.
Olegario Hercolano de Aqoiao o Ca.'iro.
JoSo Paulo Mooteiro de Andrade.
Sebaslo J ;; da Suva Bragi.
Luiz Gonzga de Brito Guerra.
Francisco Rodrigues Sette.
Joaquim Francisco de Faria.
Antonio de Souza Mendes Jnior.
Angelo Fran isco Ramos.
SANTO ANTO.Recebemos p Correio
de Santo Anto de 20 e 27 do corrente, do
qual transcruvemos:
t Acba-se no exercicio da deregicia des-
te tormo o nosso digno e presliaoso amigo
o Sr. JoSo Correia de Queiroz Monteiro.
* A commissio cens.taria desta paroebia
reunise no dia 13, divida o territorio em .
99 secces, nomeando os respectivos agen-
tes receoseadores, e trata da distriboigo
dos boletins, corneando pela cidade. A
commissio empenba-se com todo o esforfo
para colber bom resultado, e, confiada co
zelo e patriotismo dos pais de familia e
agentes recenseadores, espera triumpbar
das difliculdades que surgirem >.
c No dia i 6 do corrente ebegaram a dita
c'dade Getulio Barbosa dos Santos, celebre
negociador de cavados, e Fioriuda Anselma
de Moura, moradores em Alagoa Comprida,
o primeiro crivado com 36 cirofos de
chumbo grosso, e a segunda com a cabega
ferida e todo o corpo magado de pao.
' O furto de cavallos em Alagoa-Cora-
prida e diversos pontos da visinhanca j vai
prodazindo os seus effe'tos.
f Getalio tem fama de chefe, e Florinda
de exemplar raocbeira, pelo qae foram
agora obzequiados.
* N5o se sabe qnem sejam os autores
do tiro e espancamento.
< Ambos foram vistoriados pela subdele-
gada do Io districto.
* Aqni chegou no da 13 do corrate o
Sr Dr. Miguel Mascarechas, medico manda-
do pelo governo, para curar as pessoas
atacadas de bexigas e sezSes.
c Consta-nos que S. S., percorrendo a
cidade e seus suburbios, encontrara de
Mous a Campias, que pode ser nm qoar-
to de legua, sessenta e tantas pessoas ata-
cadas de sezes, e que lastimara a miseria
de maitos infelizes, fazendo algamas esmol-
las de sea dinbeiro. >
CRITICA ARTSTICA.Sob o ltalo de Analyte
critica da batalka de Ctmpo Grande $ do combate
de Riachuello, pablicon-se no Rio de Janeiro um
folbeto, em que se faz ama crtica sensata o justa
aos doas bellos qnadros historeos do Dr. Pedro
Americo e commeodador Vctor Meirellea, quadros
geralmente estimado*, nio s pela graadtMidadtj
da concepcao artstica, como principalmaota pala
sna exeeuco magistral.
O autor do opsculo occnliou-se sob pittdo
nymo de sombra de Gtorgto Vasari, e, euvun iiti-
se aoysterio, atira-se resolutamente pelo campo da
critica que Ilumina sem daprimir, e qoe ierra an-
tes de incentivo a com me i timen tos grandiosos do
que de esbarro as maoiestaQoes dos eapiritos ta-
lentosos, como em geral sos ser a maona das cri-
ticas.
Agradecemos a raaessa qae no* Qteraai de am
desees folhetos.
MISSAS FUNI5BRE.Por alma do commeada-
der Manoel Figueirda de Faria cel*br-s* varas
misias do convento ds S. FrncjK i "imanhia, an-
"
L
i
I MUTILADO
/
0


Kan d Ptrntmioc*
<


J
n vomrh o san paramen;*, entre 4 e 8 hora* d >
i' a. A familia da (loado caavida seas preme e
aiaifo, beae coma n a-nigos daquelle a assistiram
mmi atos d respeitosa devoca i memoria a.ue
Ihe to cira.
VADIS. -Chamamos a atinarla da autorlJarde
Ucial a fragumia de S.Jise dista cidada para
tiMMKia i aoieqaes dios, que sa rene do pa-
twts ee3*)aa< Cinc Pona, a ahi joga eooti-
oejanmue sede a siria de jogs, iac acomodando
(fina par aJli passam cora as repetidas briga*
a que se agitan de ordinario, por causa do mas-
ut* io(ta.
ILLUtUXAnvO DS OLINDV. Aate-houtem
flauta fea-se um ensaio, en Olala, da illamina^ao
a faz, qua davaornar era brev) a aitig capital de
Paruambueo.
A expariaacla carrea san ioianvaniente?, dan-
4a resultadas maiio avistadarios.
A eamaanaia Saata Tuereza.eessionaria das era
praxis da agua e gv. pira a referid i cidada, tei-
ci>aa augurar arab>s os melharam>utos na do-
mingo prxima vio i raro, i de ag)-to.
b de espsrar qua ia irapartaatas raelhoraraen-
tos ai pa>s3m desaparcebiijs aoi habitante da
Oiinla, pira os quaas o lia da inaugnraci ci-
ma deis sor um da di fista a da pub'.icas reg
sijos.
LEILAO.Haje edactua o agente Martins o
o leilo de movis a ra da Camb* do Carino d.
' perteQCi'Dte ao Espolio da tobdita porlugue
Mara Mathilde Soares Franco, as 11 horas do
4ia.
CASA DE DRTENCAO.-Mavimenta do di* 29
de julho de 1872 -
Existan (presos)' 323, enlraram 3, sahiram 6,
ex stam 320.
A saber : nacionaes 222, raalheres 13, estran-
U*roi 37, escravos -i5, eseravas 3, total 323.
Aumentados costa dos cofres publico 271.
Movimanto da enfermara no da 20 de albo de
4872:
Trte baixa :
Antonio Manoel da Silveira; .araas.
Tiveram alia : /
Marcos Perelra Machado. .
Jos Francisco de Vasconcelos. \
Mnoel (escravo) de l\oqae Ferreira Civaleinil.
PASSAGEIROS.Viudos doi portos do Su! na
paquete Beyne :
Dr. Julio Alvaro Teixeira de MareJo, Dr. I. Gui-
maraes da Silva, Dr. Augusto Fredartco da Oh-
erra a 1 criado, ClaudioL. Charral, llama: d Jaan,
Joan. O-errin, Julia O. de Estove, Joo Paulino
A Silva.
Sahidos para Europa no paquete inglez
***:
William Doyle, -Antonio B. de Carvalho, Paul
Cakaeo, Luiz Antonio das Santo*, Laon Laner, Joa-
qun L. .m;aves Panua, Antonio Jos da Uliveira,
X. Span;ar, Ernesto Augusto da Silva Freir,
Baria de Goararapes e sua malher, Dr. Arminio
C Tarares das Santos sua mu bar 1 lilha e 2
criadas, Constantino R. Mandes, Luiz|Gofaan9, con
solhoiro Joo Silveira de Sauza.
('HROMr.UlDIU.lBM.
THIHIWL MRGLAClO.
SESSAO EM 30 DE JULHO DE 1872
HtSSMMCIA DO KVM. Sil. CO.NSKLIIK1RO CASTAO
SANTIAGO.
Secretarip Dr. Virgilio Coelho.
k 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores, Guirana, Almeida Albuquerque, Mot
ta, Dara, Laurencia Santiago, Regueira Costa e
Souza Leao, (aliando comeausa o Sr. Domingues da
Silva, pro;urador da coroa, abriu-se a sesso.
JLGAitENTOS.
Recunos crimes :
Racorreote o juiz da direito do Cabo, recorrido
Jas Ferreira Quiuteiro, juires os Srs. desembar-
gadores Almeida Albuquerque, Guirana, Loureuco
Santiago e Sauza Leo.Improcedente.
AGGRAVO DE PETIC0.
Aggravante Amaro Josa dos Prazerss. aggrava-
do o ju>z ; juilas os Srs, desambargadores Souza
Leu'. Regueira Costa a Lourenga Santiago.Da-
rn provioiento.
Aggravaote Joo Gon?alv83 Torres, aggravado n
ipiw juizes os Sr.--. desembargadores Higueira
Caita, Multa e LouranQj Santiago.Negaram pre-
vi monto.
HABEAS CORP.
Paciente, Belchi ir dos Reia Pavao. Negaram
orden.
REVISTA CIVSL.l
Racorrent* o Dr. Jos Carlos Pareira da Almei-
da Torres, rojorrida o bario da Pavoa do Varsin
juizes os Srs. da-embargaJores Gitirana, Louren-
ta Santiago, Al neida Albuiuerqua ; sortalos os
Srs. dasaiubargadores Siuza Leao e Motta.Au-
Quilarain o pr .casso da II. 12 era diania, por ni)
cabar o recurro d'appella;ao.
Racorrenle Ricardo Granh^ld, recorrido Emilia
Ritta ; juizes,os Srs. desjra!)argaj,ara3 Sauza Lao
-Gitirana Alraaiia Alouquarque, e sorteados os
Srs. dosombiigadiras Milla e H'guaira Costa.
Julgaram da canfarinidado cura a revisao recor-
rida.
Di juiz municipal da Forlalezi, appellanle Joaa
na Mircolioa de Siop.sio e sua irma, appellada a
cmara municipal.Despresaram os embargos.
AK'iXLAgES CHIMES
Appallaule o juiz de direito de Cajaseiras, ap-
pailaij Manoel do O' da Caita.Improcedente.
Appellanle o roesmo juiz de direito da Caiaseira
appe.ladu o ri Manoel da O' da Costa.- Impro-
caJeate.
Appellanta Jos de Barros Pmentel, appallado
o juiz da direito da Victoria.Improcedente.
Di Lmoeiro, appallante Manoel Correa dd
Amoro Casia e outros, appallada a justigi.Re-
lormarara a aemenga smente na prrte que man-
dou a cumprir ern "Fernando.
PASSAGBNS.
Da Sr.dasembargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Loureac Santiago :
Do juiza dos feito-', appellanle Benedicto das
Ciiagas Coutioho, appellado, Manoal Corraia da
Silva.
App?IIaale, Firmiao Rodrigues Varejio, appel
Jada, a f.aauda a Jo.- Flix ca Cmara Pmentel.
Dojuizo municipal do Recita:
Appellanle, Jos Bap;isla Cisanova, appeliado,
jl) Falix dos Sanios.
Da jury do Limoeiro :
Appellanle o juiz, appellado, Jao Francisco
dos Santo;.
Do juiz municipal do Recife :
Appe;lante, Francisco Manoel da Nuva, appella-
, Antonio I. deDiSr. desembargad ir Lourenjo S3nliago ao Sr,
setobargador Almeida Albuquarqua: "
Da jury do liefa :
Appellanle, J.aa Antonio da Silva Santos, op-
dellada a jasliga.
D'agua Preta : appellanle, juizo, appallado,
Cearia, escravo.
De Pianc: appellaale, Luiza Tneres de Jess,
appelhdaa Justina.
D> juizo municipal d* Recito :
Appellaole, Miauel Pereira de Magalbas, p-
pa lado o Dr. Alvaro Caminha Twares da Silva.
Appellanta, Joaquim Das Famandas, appallado
Jeaquio da Silva Costa.
Do Sr- desombargadar Almeida Albuquerqu ao
Sr. desembrgales Molla :
b) juizo municipal do Recife :
Appellanta, a massa fallida da Fernando Stepple,
appeifaJ). o Dr. Jasuino Augusto doi Sanios Mil-
lo.
Di Serinhaem :
Appellante.Joaquim Corree da Araujo.appellado
Albiuo Jote Ferreira da Cunba.
Dj Recifa :
Appellanle, Joo Francisco da Reg Maia, ap-
paladoa, berdeiros da Joao AIonso Farreira.
- Cnme da Aroi:
Appoilante, o juizo appellado, Franciseo Luna
de Sonza.
Ao Sr. desembargalor Doria :
Civel do Racifa :
A ipianie, os herdiros ds Taamaz de Aquioa
Fonc:a ; appeliada Minael Rolriguas da Costa
Magtlbis.
Da Sr. Jesembargalor Motta ao Sr. desambar
gador Rigaaira Costa:
Dv juizo muoieipil do Racifa :
Appallante, Francisco Gonjalves Nelto, appel-
lado. Manoel Joaqoim Baptista.
Do Sr. daaembargador Doria ao Sr. desembar-
(ador Domingues da Silva :
Da juizo municipal do Recife :
Aparante, Joio Vaz Cabral; appallado, Tasso
k Irma?.
Apppellante, Antonio de Sauza Braz ; appallado.
Jos Alvea Barbosa.
Da Sr. deseinbargador Regueira Costa aoSr.
deserabargador Souza Leao:
Crioo:
Appallante, o promotor; appallado, Ssraflm, es-
craia.
Appallante, joiao ; appatlado Raymuodo Jos
da Osla.
Dj Sr. mrabirfador Souza L?5o ao 9r. 4es-
ambarf ador GHirM tVi *
Da laapparacer.Appellado, Jas Aal0)^|)^H
'aiso appallaata, Francatiua Ctrwire M
aria.
D i gancia crjma : ^
Ao sr. desembargador porootor da juitoi :
D juiza da direito do Recite :
Appallante, o juizo ; appellado, Aatoaio Fran-
ciso da Silva Viaana.
Da Miraagaapo :
Appellaole, o pramotar; appeliada, J Pareir
da Silva Sepulto e aulros.
Ciwl :
Aa Dr. carador garal:
Aopeilante, a parda Igoaz; appallado, Sebasliio
Al ves da Silva. ~ .TV*
Da Lraoeira :
Appellaata, Mara Lu:iaa Barbosa da Silva ap-
pellado, Maoiol da Trindada Canallo Pesada.
Assigaou-se da para jaigamsnto appellafo civel
Do Recife :
Appellanle, MuoM Airas Viauoa; appeirado,
Fuvio Ferreira Cali.
Crime :
Da juizo da direito do Recifa :
Appellanta, o promotor ; appellado, Jalo Rodri-
gues da Silva Duarte e ouiro.
WSTRIBOig/O.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
SjCrime :
Do juizo da direito do Ipd :
Appellanle, bacharel Jas Pareira da Silva Gui-
maraes ; appallada a juslfa.
rtggravo do juiz da direito do Recifa :
Aggravan.e, Francisco Marques da Silva Mol-
des ; aggravado. o juizo.
Ao Sr. desembargador Louranc Santiago:
Chote do juiz da direito da victoria :
Appellanle, Jas Calista de Mallo e outro ; ap-
pellado, o juizo
Aggravo do juizo da orphaos do Recifa :
Aggravante, D. Maria da Cooceicao Saares Bran-
Jao ; aggravado, o juiz.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Crime do Grai >.
Appallante, Jos Machado Victorino; appeliada,
a justic*.
Ao Sr. desembargador Motla :
Do jury da Imparatnt.
Appeliante, o promotor ; appellado, Josiao Pires
de Olivera.
Cives :
Ao Sr. desembargador Doria :
Do juizo municipal de Cangoarelaoa :
Appellanle, Candido Martina de Castro ; appel-
lado; Jos Campello de Albuquerque Galvo.
Ao Sr. desombargador Domingues da Silva :
Do Recife :
Appellanle, Francisca de Paula Cirneiro de
Araujo; appellado, Francisco de Paulada Mallo
Brrelo.
Ao Sr. desembargador Regueira Casta:
Da juizo dos faitos:
Appeliante, Jos Aives da Silva Gui maraes; ap-
pallada, a santa casa
Ao Sr. desembargador Souza Leo :
Da juizo dos feitos :
Appeliante, a fazenda ; appellado, Ja Joaquina
deFana Carneiro.
Levanlou se a sessa a 1 hora e maia da tarde,
Segnts coitra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
ipital........JM0:000O0C
fondo da reserva .... 8,000:0O0#000
,* Agente,
jilt Latkan C.
Segaros martimos e
terrestres
A eompaubia Pidelidade de Lisboa, toma na
sua agencia em Pernambuco, seguros martimos a
terrestres, dando oestes ltimos (dabaixo Ja sua
meso respansabilidade) o stimo anno gratuito
ao segurado : n. il, roa do Mrquez de OliAla
SEaROS
COWRA FOGO
RA DO COMMERCIO N. 38, 1* ANDAR.
Agente,
W. G. FENNELLY.
PRACA DJHB01K30 DE JULHO
BMtfJk
M I 1/2 BOBAS DA TAJtSB.
ColacSes officiacs.
Cambia sobre Londres a 90 d|v. 24 3ifc d. por
IHQti
Frete da algodio daqo para Liverpool 3| d.
sem capa.
Dubonrcq,
Pelo presidente.
A. P. diLaoo!,
Pelo secretario.
Tribuaal do comaierclo.
SESSAO JUDICIaRIA EM 29 DE JULHO DE
1872.
ESmBNCJA DO BXM. SB. CONSELHEIRO A. F.
RETTI.
Sfcreario Julio Guimaraes.
Ao meio da. estando reunidos os Srs. desem-
bargadores, Silva Guimares, e Aecioli e os Srs.
Jeputados, Olioto Bastos, Candido Aljofarado, Al-
varo de Almeida e supplente s Lelao, o Exm.
Sr. conselbeiio presidente declarou aberta a ses-
sao.
Lida, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
O Sr. desembargador Res e Silva, partecipou
nao podar comparecer por estar de nojo pelo fal-
leciraento da sna sag a.
O escrivao Alboqatrqu8 registrou o nltirao
prolesio de letra a 23 da correte, sob n. 2S98,
e o escrivao Alves Je Brilo a 23 do mesmo mez sob
n. 2310.
Foi apresentado o presidencia solicitando que sa envia secretarla
da mesma presidencia, ura quidro das serventua
rios de offl;ios da ju-t te o:te tribunal. V, o Exm. Sr. cooselbeiro pre-
sidente ordanou secretaria deste tribunal que
satiitlzos3e a indicada resui'iQaa.
JULGAMENT05.
Juiza especia! da camrasrcia: appallante auto-
res Carlos Pinta de Leraoi & C. appellado rea
Joao Cbrisiiani;_, juies os Srs. S.lva Gaimares,
Aecioli, Alvaro e"Sa Leita. Foi reformada a sen-
lene appeliada esm o voto do Exm. Sr. con-e-
Ibeiro pivsideoie, seDda votos veocidos os Srs.
Aecioli e Alvaro de Almeida.
Appellaotes I admiuisir.-.dores da massa fallida da Marques
Birros & C. Adiado a pedida de um dos Srs. de-
putados.
Ficaua sobre a mesa para sern propostos na
sessaa viodoura os feitos dos quaes o Sr desem
birgaiir Reis e Silva juiz, eatre partes, appel-
lanta Joaiuim da Silva Costa, appellado Joo Ro-
drigues Jordeiro ; appellantas Jos Jaoauim Gon-
calves Beltra e oatros, appa lado Joo Affonso
Torres; appellanle W. G. Fanoely, appellados os
administradores da massa fallida da Araorim, Fra-
goso, Santos 4 C. ; appallante Jet Gon^alves Pa-
reira, appellado Manoel Gonc^lves Pereira Lima ;
appellanta Joaquina Francisco do Espirito Santo,
appellados o admioiiridorei da massa fallida de
Minoel da .Souza Carneiro Pimpo ; appellaotes
os administradores da massa fallida da Fernando
Stepple da Silva, appellado Joo Cbrlstiani ; ap-
pellaotes Tasso irritaos, appellado o Dr. S;lvine
Cavalcanii d; Albuquerque.
Os Srs. desembargadores Silva Guiraarae3 e As-
ciali apreseolaram e deixaram sobre a mesa os
feilos que tem deciaraqo de paisagem ao Sr.
desembargador Res e Silva, entre partes, appel-
lanle D. Mara AJelaide de M-:1o, appellalo o ad-
ministrador da massa fallida de Antonio Pedro da
M.I:o ; appeliante Antonio Joaqui o de Gouvea,
appellado Viceutt Ferreira de Veras.
Encerrouse a sesso a i hora da tarde.
EDtT.iL
Seccio 5'.Secretaria 4a presdsocia da Par
nambuco, em 29 de julho 4a 1872.-P.r esta se-
cretaria as faz publico para o conbaeiaenlo de
quema interesar possa qoa, por ortera do Exm.
'- desembargador presi danta 4a provine i, sa
4ar transporte por eoeta 4* minuterro da
. eommercio a obras pobitcaa, a lodos
os objectes qoa forou apressolaaos as difieren
tes estaijoes da estrada de ferro do Recife s S.
Francia*), con destino i eammiss4o"direetoria
da exnosi^ao provincial
Atlpho Lamenkm Lint.
i ssrrisdo d eaaeretario
ALFANDEGA
Aecdimaoio do da l a 29. .
Idam do dii 30. .
l,0O5:8.K'#699
21:303*113
1,011:131*812
1871
Oescarregam boje 31 da julho 4a
Barca inaleza Kedron mercadorias.
Vapor inglezGladiatoridem.
Patacho nacional Jaboalao marcadorias sobra
agua.
Barca portugueaRe/ampaoo -dem sobra agua
Patacho nacionalluria Emiliamarcadorias.
CAPATAZIA DA ALFANDKGA
Rendimento do da 1 a 29. 12:820*118
dem do da 3a ...... 119*482
12:939*600
Pala inspectora da aiCaaoea se Ui publico
que nae ae lando eJTectuado por talla de concur-
rencia arremataco ie 50 barricas da sal refina-
da, desearregadas em M de jaiba de 1870, do
patacho norte-allem Atlntico, e 4 saccas de lia
oneonlradaa fluctuaado sobre o mar salo meatra
da barcada Lindo Paquete, exposlas leilo palo
edrtses de 20 e ft de jonho uliimo, M do eor-
raate, n. 9, se iransfare a referida arremataco
para aa 11 horas do da 31 do crrante, prevemn
do-se que nos termos da artigo 310 do regulamento
de 19 desetambro 4a 1860 as rtfenda* marcado-
ras sero vendidas em um ?, ou em paqueos
lotes como mait oonvier aos liciantes.
Alftadega de Pernambuco 27 de julho de 1872.
Servindo de inspector,
Podro Lopes Rodrigue*.
PBCACOES A PEDIDO.
Ssnhoros redactores do Diario de Per
nambuco O abaixo assigoaJ'j declara que
tiia apocryphas as cartas co-a seo nome,
que forana pablicadas na America Ilustra-
da, de 20 do corrente d. 12, e entrega ao
despreso este e:Ai, quera quer que se
lembrou desta f ir^a para ridica arizar.
Cada um d o qas tem.
Recfe, 22 de jn^ho de 1873.
AntonijJos dos Sanios Serrtna
OMMERCIO.
Oompanhia Penix Fernam-
bucana.
Toma riscos martimos em mercadorias, fieles
iiohero riseo e finalmente de qualquer nato-
reza, em vapores, navios a vella ou barcacas,
premios muito mdicos: ra do Commercio nu-
mero 31.
SEGURO C0WTM FOGO
Tbe Liverpool London de Globe
INSURANCE COMPANY
SANDERS BROTHERS 4 G.
fllt-Corpo SaotoJ11
Royal Iasurance Campany.
Real compaahla de segaros
de Londres e Liverpool.
CAPITAL
2,000,600 libras aterlinas
ou
20,000:000*000
Coa autorisaco do governo.
Segura contra o risco de fogo, cas '8, fazendas,
e]qualquer ouira especia de mercadoria.
O agente nesta provincia
J. O'C. Doyle.
39 Rn do Commercio 38
N. B. Para seguros de vida de nessoas Hvres
jue a companhia tomar em sua sede em Londres
ra Liverpool, o mesmo agente sentir de corres
SAHfDAS DE MERCADORIAS.
Voluntes sahidos com fazenda !
dem dem cem gneros diversos 50
Soturna 481
IuiportacSa.
Sumaca hespanhola agostixha. vinda
de Santos, consignada a P. M. Maury, ma-
nifestuu:
Barricas rbatdas 1,000, pipas vistas 150
a ordem.
Patacho brasileiro maria emili.v, viu-
do da liahia, consignado a Jos Lopes Da-
vim, maniestou :
Azeiie de peixe 5/5 a Pereira Vianna.
Caf 100 saceos a Souza Bastos, 40 a Rosa
de Irm3o. C'iaruto3 16 caixas e 1 pacote
a 3. Alves Matheus, 12 caixas a Baorganl
de G.,6a Gomss Pires, 6 a Gonr;alves Belr
tr5o, 1 a J. B. dos Reis.
Fumo 36 fardas ao coosigaataiio.
Guarda loufa de vinhiico 1 a P. Lopes
Rodrigues.
M ;rcadorias diversas estrangairas 831
volumes a Tisset Frere3, 4 a A. Lipes Ro-
drigues.
Panno dealgoiSo 4) a fardos a G3Q?al-
ves Bsltrao, 35 a Parir Vianan 20 aPal-
meira, 10 a Pereira Cirn:ir), 5 a Teixeira
de Andrade.
Taina 1 aGincilves BellrSo.
Despachos de exportaco no dia 29 i*
julho de 1872.
Para os portos do exterior.
N'o patacho portuguaz Oltnia, para o Porto,
carregaram : Mmteira Gregario & C. 32 saccas
com 2,3J8 kilos da algodaa ; Bolibar Oliveira &
C. 400 barricas com 42,23S kilos de assucar branco
No lugar norueguense Alegra, para o Rio
da Prata, carregaram : Amorim Umaoe A C. 519
barricas com 56,278 kilos de assucar branco.
- Na barca iagleza David, para o Ro da Pra
ta, earreparam : Carvalho 4 Nogneira 381 saceos
cem 38,476 kilos de assucar brauco.
- No brigue portuguaz Unido, para o Porto,
carregiram : Ssares Primos 200 saceos com 15,000
kilos de a-suear branco.
Na vapor inglez Gladiator, para Liverpool,
carregaram : Joho-too Pater & C. 500 saceos com
37,500 kilos de assucar branco ; Balthar Oliveira
& C. 600 ditos com 45,0)0 ditos de dito ai;.- la-
vado.
No patacho portoguez Yanda, para Lisboa,
carregaram : E. H. Rsbalie & C. 140 saceos com
10,500 kilos de assuear masi*avdo.
No pataeho nacional Argos, para o Rio Gran-
de do Sul, carregaram : Amorim Irmos & C. 79
couros seceos com S53 k los.
Para os portos do interior.
No vapor nacional lpojuca, para o Ceara,
carregaram: J. M. Palmeira lo barricas com 1,063
kilos de assucar branco ; J. J. Gongalves Beltro
16 barriquinhas com 960 ditos de dit\ 15 pipas
e 25 barris com 9,600 litros de agurdenle ; Sou-
za & Jnior 10 barris com 593 kilos de astucar
branco ; Genuino Jas da Rosa 20 1|2 ditas com
1,212 ditos de dito ; Antonio da Costa Araujo 40
1|2 ditas com 2,735 ditos de dito' Para Acarac.
J. J. GaucMves Bal.ro 5 barris com 480 litros de
agurdente e 2 baraicascom 183 kilos de assucar
branco.
ConuBiudo dm aroai,
O Ulna. Sr. coronel comaiandaota das
armas interino, mediante a autoritario que
lb.9 toi conferida pela presi i^cia em ofGci >
datado de hornera, contrata ora sacerdote
btasiieiro para servir de capeliao no presi-
dtj de Fdrnando, a qae estej habilitado a
bem exercer all o lugar de professor de
primeiras letras do sexo m scalino, perce-
beodo palo exercicia das funigas de seu
ministerio como capelllo o estipendio cjr-
respon lenta aos veocimeotos ds capellao
alfares da reparti?lo ecclesiastica do exer-
cito, e pelo professorato a gratiflcaclo es
peciai de 603^000, marcada do regulamen
te de ti da fevereiro de 18J5.
Os Rvds. sacerdotes que pretenderem <
lagar queiram apresentsr-se no quariel ge-
neral oos das uteis, das i> horas da manbaa
s 2 da lard#, munidos de documentos que
comproveai as soas habilitarlas.
Seereiatie do commaudo das armas d
Pernambtvo 30 de jubo de 1872.
Francisco Camello Pessoa de Lacerda,
Tenente-corenel secreurte.
[ver-sa
Iras
Goyanjsha, Camutang, Timbaoba, S. Tieenle,
AOMMa, Bsmratas, Padra Tapada, Cedro, S. Be-
neoicto. Pi-Ferro, Poco Fundo, Cimbres, N. S
das Dores, Alagoa da Baixo, Garaohuns, Palmei-
rz, Aguas-Bellas, Assnrema, Buiqne, Pedra, Brs-
jo dos Padres, Varzea Redonda, Floresta 1 ca
deira, Flores, Bslmoite, Alegados de Ingizsira,
S. Jos de logueira. Varas, Cabrob, Saigueiro
Leopoldina, Ourieory, Serra-Branea, Granito
Bz.
Secretaria da ioalmocao publica de Pernambu-
co, 16 de julbo de 1872.
O secretario,
Anresno A. P. de Carvalho.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
ftandimento do dia i a 29. 5i:337*849
idam ao dia 30...... 2:1691760
57:007**09
CONSULADO PROVINCIAL.
^sndimanto do dia 1 a 29. 156:285*066
dem do dia 30. ..... 5:1831817
161:4681883
LE K. 1036.
Joio Jos de Olivairt Janqueira, do conseibo de
S. M. o Imperador, tidalgo cavalbeiro, ofcial
da imperial ordem da Rosa, juiz de direito, de-
putada assembla geral legislativa e presiden-
ta da. provincia de Pernambuco.
Fago saber a tjdas os aaus uabitanisi que a
assembla leii-laiia provincial deerelou e eu
saoccionei a resolucosegumie :
Art. 1.* Fioa o presi lenta da provincia anin-
sado aconliatir com Joo Caroaira da Araujo a
William James Lindtey ou com quem inaihares
vanlageos uffarec-r, urna estraila de farra qu4,
partilo da un dos pootos ioiarmidios da entra-
da d (erro do Haoifa a S. fraaeieeo entre as es-
tacos da AuaPreta e Uaa v larminir no p-a-
voado Bebedor.
Art. 2." O contraa sar lavrado raab as seuin-
tes bizas :
1.* Privilegio por 50 annas, contados da dala
da asignatura do contrato.
2.* Caneco das obras no prazo improrogavel
da i annos e completa termiuaco no da & aonas
contados da masma assigoaiura.
3.* Obrigicio de serem presenlalos os pla-
nos detalhaclot de tolas as oirs no prazo di 6
metas da rebrida asignatura, podendo o pres-
danla altera -les confirme julgar oece-sano e ftxar
a bitola e peso do; trilhos, as limaBcQas das obras
d'artee todis as raais coolicSes para seguranga
e b5a execugao a estrada.
4. Fisealisac) da c.mtruccJo da estrada e
bdis assim de todo o sau servico, depois de aborta
ao tramito, por meio de um fiscal danomeaco i
r/resideneia e pago pelo contratante,
g 5.* Tarifas que nao excedan do dupla dos
presos actuaes, deven io, por.p, aerem revistas de
5 em o anuos, qinda os lucras excedterem de
12 0/0 ao (nao, para o que todos os livros da em-
prezaem pocas ditermioalas sero examinados
pelo G. Art. 3.* O contratante lera o direito de desa
propriar, aa forma Ja lai, os terrenos necesarios
para o leilo da via farrea, armaz-us, estarcas e
mais dapenlencias, gqzindo lambem por espada
da 10 anu).- de isenra de quaes juer imposto?
proviociaes e rauoicipaes para luda o que parten-
car a rtfarila sjispd da ferro.
Arl. 4.* U contrito Ika depeadenta da ajaprova-
cao desta assembla a uoia vaz approfado nao
soffrar alt^ra^oas que tragan oans a provincia.
Art. 5.* Revogadasas dispoWc3ss em coatrario.
Mande panamo a todas as autoridades, a qivem
o conhecraeota e ciecocaa da prsenle re.;olucao
partencer, que a cumpia n e acam cumprir lo
intelramenta como nella se centca.
O secretario da presidencia desta provincia a
faca imprimir, publicar e orrer.
Palacio da presidencia da Pernambuco 13 de
abril de 18!'2, 51* da independencia a do imperio.
AssignaliJoi) Jas de O.iveira Juoqu-ara.
liEOUBACQES.
Pela thesouraria provincisl se faz publico
que fai transferida para o dia 8 de agoto prximo
vindouro a arremataco da obra dos reparos da
cadeia de Agua preta, oreada em 968J,
Secretaria da tOasouraria provincial de Pernat-
bnco, 24 d* jnlho da 1872
O offleial maior,
________ Miguel Alfonso ferreira.
O lanzador da racebedona desta provincia,
abaixo ass:gnado, tendo da proceder na prsenle
data ao lan;amento dos impostes pessoal, da in
luslria, pnlissoas e dcimas dos predios das cor-
parac,oes do ma-morta na freguezia de S. Jas,
previne a todos os moradores da mesma freguezia
que leobam mo os re ibas e contratos dos pre-
dios que habitara, aflra e que, vista delle?, pos.'a
o mesmo abaixo assignado marcar a tsxa, com que
cada um dtve eouiribuir para aquellas impostos,
no exercicio de 1872 a 1873.
Re;ebedoria de Pernambuca 29 de julho de
1872.
O lancador,
Manoel Jos Soares de Avallar.
MOVIMIENTO DO PORTO.
Nati entruio no dia 30.
Rio de Janeiro e Babia 5 das, vapor in-
glez Boyne, de 2084 toneladas, comman
dante Reeck, eqaipagem 114, carga va-
rios gneros; i Adamsoo Howie d C.
Segua para os portos da Europa.
ED1TAES.
Fa^o constar a quem coavier que e liim. Sr.
Dr. director geral interino tem designado o dia 8
de agoste prximo Meare, pelas 11 horas da
manbaa para ter lugar no palacete ra ds Pe
da Aflaoso, onde fuaceiona a Escola Normal, o
cooeurae s cadetaos vagas da inslruccjio prima-
ria para o sexo maseoiino abaixo destaradas, b<
, eeeae qae e smsm de verifieaejio de eapaei*
s abaixo ranscripta, se catvd* a quausquiaer non anauneiado asara o dia H do crrante, Qea, ada
-1 tratar urna estrada de farro qua, partiudo da um do para qiando ror novaa
Secretaria da orssidancia da Paraambueo esa
24 de julbo de 1872. Por esta secretaria a laz
publico quejando o Exm. Sr. descargador pra*
s:dente da pro vieta da dar sxscoaae a le provin-
cial n. 1,036 de 13 de abril do correte anuo,
poniente, recebe as propoatas, reclaaaedes e pre- dea pontos Intermedios da estrad de farro de Re-
mo dps aeraros das pesjoas aqu resiieales par [eife i S. rranelsco, entre as eslac^w de Afaa^ri
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Pelo presente sao convidados, de ordem da
lllma. junta administrativa, os prenles dos mano-
res constas tea da reiaco que se segu, para que
em vista do disposto no artigo 45 do regulamento
do eollegio dos orphaos, os venham tirar do mes-
mo collegio ende nao podara por mais lampo con-
tinuar.
Antonio de Mondonga Albuquerque Maraubaa,
fllho do finado Jeronymo Salgado de Albuquerque
Maralo.
Manoel lo Nascmento, fllho de Joo Francisco
do Nasoimento, fallecido no hospital Pedro II.
Luit Vicente da Fonseca Coutinbo, ti 1 ti o de Gui-
Iherne Florisberto da Fonseca Coutinho.
Antonio Delphino da Silva Tavares, fllho de
Francisca Maria de Moraes.
Pedro Affonso Claudioo Leite, afllhado do Dr.
Manoel de Siqueira Cava lante.
Manoel de Souia Machado, filbo do voluntarlo
Rayraun le de Sonza Machado.
Seereaiia da Santa Casa da Misericordia do
Recife 20 de j albo de 1*72,
O esemo,
Pedro Rodrigues de Souza
SANTA CASA DA MtERlCHIA DO KBClFE
A Illa, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, manda fazer publico qne
na sala de soas sessSas, no dia 1 do mez de
agesto pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrema-
tados a quem mais vantagens offerecer, pelo
lempo de nm a tres annos. as rendas dos predios
ara seguida declarados.
fiSTABELBClMENTOS DE CARIDAD*.
Traveaaa de S, Pedro.
Sobrado de 2 andaras n. 2.....6041000
Una do Farol.
Casa terrea n. 80. ..,..,. 1811000
Rea da Soledade.
Casa terrea n. 72.......2101000
Ra de S. Jorge.
Sobrado n. SO.........24010O
Ra larga do Rosario.
Tereeiro andar, da sobrado n. 24 A. 2441000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Madre de Daos.
Casa terrea a, 4 J.....- 1:4001000
Ra d Cacimba.
Casa terrea o. 5.........2401000
Roa das Bolas.
Sobrado da 2 andares n. 16 400J0O0
Roa da Senzalla Velha.
Cata terrea n. 16........2091000
llua de S. 6oncaio.
Casa terrea, n. 34........3411000
Roa do Pires.
Casa terrea n. 39........1561000
Ra do Amorim.
Casa terrea a 23........60I4QC0
Ra de S. Jorge.
Casa terrea n. 100. ...... 2401000
Os pretendemos devero aprezentar no acto da
arremataco as suas flaneas, ou comparecern;
icompanhados dos reapecvus fiadores, de vendo
pagar alui da renda, o premio da quanlia porque
or seguro o predio que contiver estabelecimeoto
commercial.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do H.
;ifa, 29 de julho de 1872,
O escrivao,
____ Pedro Rodrigues de Soma
Da ordem do 6t. gerenie das obas a capa-
tazia daalfandega se faz pobii-o a quera interes-
sar possa qne desearregarara do vapor inglez G/ dtattr dnas caixas, sanio urna com a marca dia-
manta 7281 e outra com a marca R L 4 C P E R
n. 20, as quaes apreseatam indicio externo de
avaria.
O sjudante,
__________Eustaquio Ziferino da SHva Braga.
ADMINISTRADO D)S COIUIEIOS3 DE PEK-
NAMB"C0 3l DE JULH3 DE 1872.
Malas pelos vapores Mandahu' e lpojuca da
Companhia Pernambucaua.
, A carraspondencia que tem de ser expedida
hoja (31) pelos vapores cima mencionados para
os portos do sul at o Araciju', e os do norte al a
Granja, ser recebida pela maneira seguinle :
Miqos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza e carias a registrar, at 2 horas da tarde,
cartas ordinarias a'. 3 hars, o estas al 3 1,-
pazando porte duplo.
O administrador interino,
Vicenta Farreira da Parcuncula
THEATRO
,1
Emjureza- -Yicenle e
Babia
GOSPAXflIA DRAMTICA
COM O CONCURSO Da PRIKEIRA ACTRIZ
Manuela Lucci >
dliirla-feha 31 de julho de
187*.
PORTUGEZ, FARIA.
E3TREA BO ACTOR
1* represenlaca da excalleo te drama
actos, original de P. da Alcntara Chaves
em 2
Culpa
Jase
O papel de
palo eslreante.
Terminara o espectculo
couedia em 2 actos :
e perdao
Manoel ser desempenbado
can a muito jacosa
OU
0 coude de Paraga;
S milhoes em dinheiro
de W !!!
o Importante
na qual o ai lista Bahia desempenha
papel de Baro Gaspar.
Principiar s 8
1|2.
Prepara se para sabbado, 3 de agosto, a inte-
ressanle comedia em 3 actos, do genero da muito
applaudida pee :
I
e intitulada
novameote designad.
Os alumnos meatres habilitados netas Ehoera
Nonnul qiie qjaerem oppor-ae as dita ontWras,
A heran russo:
na qual far a sua e3tra o acior Julio Xavier.
Qaluta-felra 1 de agosto
Espectculo extraordinario em benfico de
Gharles Hurbain
com o concurso da companhia dramtica dos ar-
tistas
Vicente & Bahia
Programan* :
La veuye aux Camelias
comeda em 1 acto representada por Mr. Halbleib
e Miles. Zlia e Fuoco.
Lucrecia Borges
comeda em 1 acto, desemoenbada obzequiosa-
mente pelos artistas Bahia, Vicente, Cmara, Edu-
ardo, i). Maria Bahia e D. Emilia.
Gamo eu sou tolo '
camioneta cantada em portoguez por Mr. Hur-
bain. (Letras de Julio Xavier.)
Le togre d Bengale
comedia em nm acto desempenbada por Miles;
Zlia e Fuoco, Mr. Halbleib e o beneficiado.
A's81|2 horas.
Depois do espectculo haver um trem para
Apipucos e pontos intermediarios.
THEATRO
GYiMSIO DRyiTICO
HOJE
EXTRAORDLNARIO SUCCESSO I
QUARTA FEIRA 21 DE JULHO AS 8 1/i HORAS
DA NOTE.
Primera rapreaenlacao neale tbeatro, do bellisai -
mo e sempre appiaudido drama em tres actos
DIAl DE RI01
Cent ledo e anparato annoneiado nos jornae?
de sabbado 27 e exhibido na nota de 28 do cor-
rete.
If. B. Ai pessois qae encommendaram bilhetes,
tenham a hondada de manda-las buscar hoja at
meto Ha.
Taando natural
U
Boa do Connercio ,-fl
lYimeiro andar. -
Todos os das otis du 4 hora* da urde aa 10
da oonte, e em das santificado* das 10 nona U
maoba s 10 da noute.
Entrada geral 11000
A' noute durante a expesico o eximio peista
o Sr. Julio Poppe tocara diversas pecas de ine
repertorio.
VISOS MARTIMOS.
COMPAiNHIA reRNAMBU^NA '
M
Navegando costetra joor vapor
Macei, escalas, Penado- e Aracaj.
O vapor Mandik, commandM
tt Julio, SHguira para o par-
to* cima no da 31 do corrala
os 5 horas da urde. Henate car-
ga at o da 30, eucomaealaf,
aassageiros e dnheiro a frete at as i boca*
da tarde do dia da sabida : aaeriptrri a FWt*
.'o Vatios n. 11
N. B.Adver e-se aos Srs. estragadores qua
nao ser permillido embarcar carga algor** para
os referidos portos, sem que no acto de ser tirado
no escriptorio da mesma companhia o competen-
te bilhete de embarque, sejam -entregues oa res-
pectivos conbeciraentos devidarmnte sellados.
COiMPANHIA PEHNAMBCANA
DI
%aTega?o costeira
larega^ao costeira por ?aspar-
Parahyba, Natal, Maco, Momot, Ar-
aty, Cear, Maadahti', Acarac e Granja.
O vapor lpojuca, conunan-
danie Moura, seguir para
os portos cima no dia 31 do
correla a.> S horas da tarde.
Recebe carga at o dia 30,
encona meudas, passageiros e di-
aheiro a frete at as 2 horas da larde do dia da
sabida : no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
_N. BAdverlese aos Srs. carregadores qua
nao ser permittido embarcar carga alguma para
os referidas portos, sem que no acta de ser tirado
na escri|>torio da rqesraa companhia o competaaj-
te bilhete de embarque, sejam entregues os res-
pectivos eonbecimantos devidamenio sellado.
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com maita brevidade o brigue
nacional Isabel, tem dous tercos da seu earrega-
menlo promplo, para o resta que Ibe falta trata-
se com os seus consigntarios Antonio Luiz da
Oliveira Aitvedo <5 C ; rna da B>m Jeius n. 57.
fAIV
Para o indicado porto pretende sabir com paj-
ea demora a barca portngnezi Armmia por ter
dous tercos de seu carregsmenta promplo e par
o quo Ihe falta, qua recebe a frete comraodo, ira-
ta-se_com o consignatario Joaqun Jo: GonaIves
Beltrao, ra do Commercio n. 5.
Companhia americana c brasile-
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1 daagoso esperado dos portas
do sul o vapor americana .Var<4 America, com-
mandame Slccum, o qual depois da demora
do costume seguir para New -York, locando no
Para e S. Thomaz.
Para frates e passagens, trata-se com os ages-
as Henry Forster A C., ra do Commercio d. g.
t'orto por Lisboa
Para os inicados portos pretende sshir cam a
possivel brevidade a barca portuguesa Cera, ca-
vo da Ia classe, par ter a maior parte de seu car-
regamento engajado, e para o que Ihe Ma, que
receba a frete commodo e passageiros, para os
quaes tem aceiados commodos, trata-se coca o
consignatario Joaquim Jos Gongalves Beitro
rna do Coromcreio n. SO.
PARA 0 PORTO
Sahe com brevidade o brigue portugus Uuio;
recebe carg\ a f eta commodo e passageiros : a
tratar cm Soares Primos, na do Vigario Teco-
rio n 17.______________________________
Pava o j'orto
Vai sahr com brevidade o brigue porluguex
Triumphj, recebe carga a freles commolos e lam-
bem passageiros, para os quaes offerace muito
boa ac.'omniodagao : a tratar com Soares Primas
ra de Vigario n. 17.
LEILOES.
LEILAO
DE
Urna mobilia de amarello, aparadores, 1 meia
comrqoda, 1 marqueza, 1 marquei sem palna,
1 lavatorio de am relio, 1 candelabro de bfOMe,
1 meza de amarello e 1 armario envidrscad>.
roupa e alguna objectas de ouro.
Espolio de Mara Mathildes Suares Fran.o.
HOJE.
iVa Gamboa do Caimo n, l,
O agente Mariins far leilo por ordem do Sr.
Domingos Maria Gongalves, cnsul de Saeta
eocarregado do consulado porluguez nesta pr..
vineia, dos movis, roupa '. alguna objeclo n
onro, pertencentes ao espolio da subdita portopse-
za Maria Malhilde Soares Franca, na casa n. i:Ji
ra da Cambda do Carmo, s 11 horas do dia.
MOVIS E LOUCA
QUINTA FEIRA, Io DE AGOSTO
No armazem da ra do Impe-
rador u. 48.
Sendo 1 mobilia de faia com lampa de pedra, I
gnarda-louca de amarello, 1 mesa elstica, na
aparador de amarello, 1 guarda vestidos d*
amarello, 1 mobilia da Jacaranda usada, 1 mar
queseo, 1 rama francezi ile armarello, mezas
cabidas, quartinheiras, consollos, 1 par atoe-
delras de balanco de junco e outros amH>.
oDiectos que podem ser desde ja examiasdo*
Salas prelendenles.
agenta Martina far leilao por coala e riseo
de quem perteneer dos movis aeim, existeaies
bo armazem da ana do Imperador n. 48, s II ha-
rs do dia.
LEILAO
DE
Urna msbilia de raix da amarello taanpod
pedra, on baolta quadro, excallente relog*
I WJTILAM |


de pare de, I pues de Untens, 1 forte meta
etasiiea, i |uarda-loue* de emarello, i urna
de dito ouiroi movis,
SKXYAFElrU 2 DE AGOSTO
No sobrado n. 60 da roa de Marcitio Das,
aotigt ra Direita.
() cente Martins far leilio dea motis cima
por ordem de usu familia que mndou de rei-
deticia e taran transportados para o sobrado n.
10 da ra Direita, 1* andar, s 11 boraa do dia
acin. '
LEU, AII
Ubico dope^^^^^^^Hbaoo dos chara
ios 6. Scboorhasi ao escriptorio de
Cocha k Manta : vende se de tedas aa ureas.
por preces e^belecidos, e em porcio de 5,000
para cima se dar descont : na, ra do Mrquez
de Olinda n. 40.
DA
IMHIJKiS
A* roa di taperttriz n. 54
Sexta-feira 2 de agosto
A'S 11 HORAS
O agento OHveira far leilao por intervengo de
seo preposto Pinto Borges, requerimento do in-
veotarianto,* por* despacho do Ulna. Sr. Dr.juiz
de orpbaos e asentes, de loja de miadexas e
todas os seos accessorics perleneentes ao espolie
do finado Manoel Rodrigues de Almeida, sita
rna da Imperatriz n. Si.
Os Srs. pretendentes podem examinar anieci-
padamente a relacSo das fazendas, armario e mais
arligos existentes no dito estabelecimento, e para
este fim oirijam-se ao escriptorio do referido agen
le, sito roa do Boro Jess n. 53, 1 andar, onde
se dado as informacoes necessarias.
O leilao ser4 effectuado na dita loja, no dia e
hora ;ima mencionados._____________________
LEILIO
DE
FAZEMDAS
AVARIADAS
Sexta-feira 2 de agosto
A'S 10 i[2 HORAS DA MaNHA.
Por intervencao do agenta Pinto.
Na rna do Bem Jesns n. 43. _____
reme de Sob-nitrato de
Bismutho
O sob-nitrato de Bismutho um destes
raros medicamentos que podem-se qTjalifkar
de beroieo; com effeito se emprega com
um soeces-o sempre assegorado contra te-
das- as lezoes das vas digestivas, Ues como
iiarrheas, dysenierias, gastritis, gastral-
gias, dores d eston,age e da barriga, ul-
cerares dos intestinos. Cada vidro acom-
panba ama colher qoe a dote.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C, roa Duqqe de Caxias n. 57.
SEGUROS
MARTIMOS
e
CONTRI FOGO
A companhia Indemnisadora, establecidt
esta praca, toma segaros martimos lobrt
aavioa e slns carregamentoa e contra toge
sm edificios, nurcadorias e mobiiias: m
roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Comarca de Flores.
Precisarse alagar am sbradinho de om
andar, porem qoe tenha solio, oo om 2*
andar na mesma condicao, com tanto qoe
seja ao bairro de Santo Antonio, e as le-
gantes roas: Grozea, pateo do Carmo, pa-
teo da Penha, largo do Paraso, na Direita,
ob em ontra qaalqaer roa, com tanto que
tenha de tres qaartos para cima. 0 pre-
tndante nSo duvidara faxer algum concert
ligeiro, ointora e caiacio no caso de preci-
sar e sendo qoe o alogoel contenta.
Qoem tiver e qnizer alagar, deixe carta
fechada nesta typograpbia com as iniciaes
F. G., com a declaracSo da roa, namero e
alagael, bem romo os commedoe qae ti-
ver.
CASI DA
A
RA s? DE MARGO OUTR'ORA DO
.RESPrJN 23.
Laica qaepaga as sortea
Aos 20rtK)0000.
O abaixo assignado tem sempre exposto i ven-
s, os felixes bilhetes do Rio de Janeiro, pagande
iromptamenie, como eostuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24X000
Meto 11*009.
Quarto I M#000-
Manoel Martina Pinza.
S
LEMO
DE
Um exceilente predio de 2 andares e so-
llo no principio da ra do Pilar n. 23.
QUINTA FEIRA 8 DE AGOSTO
A's 11 horas da manh5a.
O agente Oliveira, por intermedio de sen pre-
posto Pioho Borges, vender em leilao o predio
cima mencionado, o qual se acha bem situado,
podendo servir para um estabelecimento de mo-
tilados por ter um e pacoso pavimento terreo e
pela posicae em que se acha.
O Srs. pretendentes tero todas as inforsacSes
precisas no escriptorio do referido agente, sito
roa do D:m Jess n. 53. 1* andar.____________
LEUAO
DE
FAZENDAS
Quar la-feira 14 de agosto.
A'S H 1|2 HORAS EM PONTO.
O agente Oliveira por intermedio de sen prepos-
to Pinho Borges, e por mandado do lllra. Sr. Dr.
juiz do commercio, far leilio de diversas fazen-
das, pertencentes a massa fallida de Estevio Can-
dido da Silva; consistindo em chitas, madapolo,
cambraias, chales, eastores.batas, aigodoesznhos,
lengos, baldes, cobertores, chapeos para homens
e mnitos ontros arligos que estaro patentes na
occasiao do leilio.
Em seu escriptorio 1 ra do Bom Jess n. 53,
1* andar.
AVISOS DIVERSOS
O baebarel Flix de Figueira, promo-
tor publico da comarca de Pajeb de
Flores, advoga nos termos de Flores, In-
gazeira, Villa Bella e Municipio do Tri-
umpho. Encarrega-Be da eobranca ami-
gavel ou judicial de qualquer debito, por
commoda porcentagem : quem de seas
prestimos se quizer utilisar, pode dirigir-
se directamente ao>nnunciante,ou enten-
der-se com os Drs. Hauoel de Figueira
Paria e Pelippe de Figueirda Faria, na
ra Duque de Caxias n. 44, escriptorio
do Diario de Pernambuco.
Bouquet das Damas
Qs proprietarios deste esiabeleeimento fazem
seiente ao respeitavel publico que tem recebido
por todos o paquetes da Europa um bello sorti-
mento de mercadorias proprias deste mercado e
por barato preco.
Ferfumarias.
Um grande sortimento de perfumaras finas dos
fabricantes Rimel, Glenel.Lubin, Coudray,Piver e
soeiedade bygieniea, que se vende por precos
commodos ; i ra 1* de Mareo n. 14, antiga do
Crespo, no Bouquet das Damas.
Obras de cabellos.
As Exmas. SraY encontrara no esiabeleeimen-
to i ra 1* de Marco n. 14, intitulado Bouquet das
Damas, um perfeito sortimento de obras de ca-
bellos vordadeiros, como seje, coques de tranca,
ditos de cachos, trancas, bicos, eacbe-paine e to-
petes, ludo da ultima moda, segundo es gurlnos
recebidos de Pars, e se vende por menos do que
em entra qualquer parte ; tambera se alaga pelos
seguirnos precos :
Alugnei de um coque 2.
Dito de um par de trancas 24.
Dito de om topete i.
Perneado de coque a t.
Penteado de senhora em sua residencia 3* e no
estabelecimento a 21; para eujo fim tem os an-
nunciantes urna sala preparada para as senhoras.
Corte de cabellos e barba.
O Bouquet das Damas contina no mister de
cortar cabello o faier barba, para cojo fim tem
bons artistas: rna 1* de Marco n, 14, 1* andar,
antiga do Crespo.________
Os credores da massa fallida de Fernando
Slepple da Silva sao convidados a apresentarem
com a maior brevidade possivel em casa dos admi-
nistradores da dita massa ra da Companhia Per-
nambucana n. 14 os seus ttulos, afim de prosa-
der-se a classiflcaco de crditos. Recite 10 de ju-
lbo de 1872.
Os administradores,
Joiquim Das dos Santos & C.
^^Hacisa-se de urna ama para coxinhar e ou-
a engommar : na ra do Corredor do Bis-
po n. li.
AMA
Prfcia de orna ama para cozi-
nbar : na roa Imperial n. 199.
AMA
mi lia.
Na roa do Imperador u. 49 2* andar
precisa se de urna ama que saiba co-
sinhar e engommar, casa de pouca fa-
Precisa-se de urna ama pjra servico de casa,
preferindo se escrava: ruando Bom Jess, ontr'ora
rna da Cruz n..55.______________
AMA
Precisa-se de urna ama
qua saiba comprar e ej-
zinhar com perfeicio :
na roa da Aurora o. 8,
2* andar.
Tintura da China
Pin tiogir os cabel'o, barbas, bigotes l
restiui-lbes a cor natural, em
2 minutos
Entre todos os preparados cMatkaa tostiMdos
i eolurisacae do cabello, ve a Tintura 4a Cku
a, por sua superioridade, oeeopar M doa mals
distinctos lunares. Ella a ao cabetlo a efir que
se deeeja, sem o damnificar, mais antea o cooeer-
va e fortifica.
Deposito na pharmacia americana de Fer
reir Maia & C roa Doaoe de Caxiat n. I
^%^
CONSULTORIO HOMEOPTICO
no
Dr. Santos Mello
43Roa do Bario da Victoria43
Residencia mesma rna n. 7, 2* an-
dar.
Vaeeina todas as quintas feiras e do-
m mingos. ^
Gratis aos pobres.
MSkW-sai ami
Cosinheira
Precisa-se de urna mulber forra ou escrava que
seja boa cosinheira e eogommadeira para casa de
familia : a tratar na roa Duque de Caxias n. 93,
loja.
Precisa-se de urna para
comprar e eozinhar para ca-
_ sa de pouca familia : a tra-
tar a rna da Imperatriz n. 10._________
Na ra da Aurora n. 67,
V andar, precisa-se de urna
ama para coii. liar, prefere se
escrava e Dafra-selbero. X
Na ra Direita o. 127, Candar, ba para ala-
gar urna escrava propria para todo service de
casa.
menos eozinhar
Olinda n. 35.
Precisa-se de urna ama d
conducta afianzada para casa
de familia, servici interno,
a tratar na ma do Marques de
15
D. Cariota Maa do tugo Barr
roga aos prenles e amigos de son
familia o caridoso obsequio de as-
sisUrem a miau que se tem de r-
sar as 8 horas do dia quinU-ftira
1* de agosto na igreja matria da
fregueziada Boa-vista desta cdade
pelo repouso eterno d alma de sen marido o ma-
or Jos Jjqulm do Reg Barros, e cerdislnaasna
agradece s pessoas que se dignaram acompauha-
lo ao sen ultimo jatigo._______
l
m
Precisa-se de urna ama para eoziobar e com-
prar : no pateo do Terco n. 81
Precisa-se de urna boa co-
zinheira forra ou captiva : a
tratar na ra Duque de Ca -
lias n. 73, loja, antiga do Queimado.___________
Precisa-se de ama ama para o ser-
vido diario de nma casa de ponea fa-
milia : quem quizer dirija-se roa
vs^
AMA
Velba n. 83.
AMA
Precisa se de ama ama
S. Francisco n. 54.
na raa de
Empreza da capatazia da
alfundega
Pelo presente faz-se scente aos senhores con
signatarios das mercadorias que de bordo do vapor
segu irapreterivelmente uestes dez das o brigue
nacional AmWia, anda pode receber alguma car-
ga : trata-se com os seus consignatarios Antonio
francez Senegal iraspassou-se para o patacho bra-
silero Afana Zuiza, que deverao na occasiao da
descarga fazer suas reclamac/jes pelas fallas que
preaume-se haver, visto o capitao do referido pata-
cho Mara Luiza deelarar nos respectivos conheci-
memos nao se responsabilisar pelas fallas ejmo
acondicionamonto dos vjlumes.
A directo da Associacao Commercial
BeneficeDte, convida pelo prsenle, todos
os Srs. associados, para comparecerem no
edificio da mesma associago no dia 1 de
agosto ao meio dia, afim de, em assembla
geral, elegerem a nova directo que tem de
fanecionar no futuro anno social.
AssociagSo Commercial Beneficente 20 de
jalho de 1872.
Jos Ilenrique Trindade,
Secretario.
CAIXEIRO
Ni rna de Hartas n. 5 precisa-se de um caixei-
ro que techa pratica de padana e mesrao sem ella,
dando fiador sua conducta, garautindo-se bom
ordenado.
Na ra Nova
nheira.
Cosinheira
16 preesa-se de urna cozi-
n.
Escravo fgido
No dia 26 do carrete fagio o escravo preto
crioulo, de nome Vicente, cesinheiro, levou ca-
misa de algodao branco, calcjt de brim pardo, tem
beijos grojsos, rosto compr>do, urna das orelhas
Turadas, na trada da camisa tem o nome (Vicente
Martin) usa de funda por ser quebrado, regala
ter de 20 a 21 annos; j foi visio na Pedra-molle
e Apipucos: quem o apprehender leve-o ra do
Viseonde de Albuquerque n. 44, aadrr, onde
mera sua senhora.
ARMAZEM
DO
Roa do Bario da Victoria
N. 7_Outr'ora ra Nova_N. 7
Sempre novos sortimentos
Calcado francez
Bolinas novas para senhoras e meninas.
Botinas para homens, bem bezerro, pellica, cor-
davao, vaqueta e panno, duraque com biqueira de
verniz, pellica com biqueira de veroiz, bezerro e
pellica com ilhs e com boioes, tanto dos fabri-
cantes Suzer como de Polak.
Botas russlanas, meias botas, perneiras e meias
perneiras para montara.
Saptos de vaqueta de verniz com sola de ma-
deira, propros para os sitios, jardins e banhos,
tanto para senhora como para hornera.
Sapates de borracha para homem, senhora e
menino.
Bolinas e abotinados de umitas qualidades e
precos para meninas e meninos.
Sapatos de verniz, charlat, casemira, tapetes
avelladados e de tranca, francezes e porlugnezes.
Perfumaras
Finos extractos, banhas, cosmticos, leos, opia-
tas e po; dentrificios, agua de flores de laranja,
agua de Colpgne, divina, florida, lavande, e de
toilette, tintura para barba e cabello, pos de arroz
sabonetes e muitos artigos delicados, como iras
quinhos de extractos, tudo de primeira qualida-
de dos bem conhecdos fabricantes, Piver e Cou-
dray.
Quinquilharias
Finos arligos de Pars, de diferentes goslos e
phanlasia, como sejam os seguales :
Loques para senhoras e meninas.
Luvas de pellica e de fio de Escocia.
Espelhos differentes, para sala e gabinete.
Vidros avulsos para espelhos.
Caixinhas de costura ornada com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Diversas obras de o uro de lei.
Correntes de plaqu para relegio?.
Bolsinbas e cofres de eda e de velludo.
Diversos objectosde phanlasia para toilette.
Pincenez, oculos e bengallas de luxo.
Chicles e bengallas de baleia, eaona e janeo.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Escovas para cabellos, roupa, dentes e nnhas.
Peotes de marfim muito finos, para caspas.
Ditos differentes para cabello e barba.
Crteras para notas e para dinheiro.
Malas, bolsas e saceos de viagem.
Gaiolas de rame para passarinhos.
Venezanas transparentes para janellas.
Abis-jours transparentes para candiciros.
Mamadeiras de dar leite mu fcil as criancas.
Tiras de molduras douradas para quadros.
Ricos quadros j promptos para paisagens.
Estampas de santos, cidades e pbantasias.
Esteroescopos e cosmoramas com ricas vistas.
OLjoctos de mgicas para entretenimenlo.
Machinas de differentes systemas para caf.
Berros de vime para embalar criancas.
Cestinhas para meninas de escola.
Jogos, de dama, domin, bagatellas e da gloria.
Campaiobas de molas para chamar criados.
Realejos, accordions, vidros avulsos para cosmo-
ramas e ontros muitos arligos de quinquilharias
diffleeis de mencionar.
Brinquedos
Para criancas.
O maior sortimento que se pode desejar de
toda sorie de brinquedos fabricados em diversas
partes da Europa para entretenimenlo dos me-
ninos.
Casa da fortuna.
Ra 1' de Jtfarqo namero 23.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
lizes b: I heles da lotera do Ro n. 408 dons meios
de n. 3744 com a sor te de 4:000$, convida os pos-
suidores a vrem receber, que promptamente se
rao pagos como costme.
Manoel Martins Viuza.
__Aluga-se duas salas e um quarto em um
primeiro andar proprio para advogado ou quem
nao tiver familia : na ra do Crespo n. 12.
Jos Alves da Silva Guimares faz seiente ao
publico que tem vendido sua casa commercial ao
Sr. Aristides Doarte Carneire da Cunha Gama, por
cuja conta tem sido as transaccoes alisadas des-
de o principio do correte mea aob a firma
Doarte Irmaos. Recfe 27 de jnlho de 1872.
de
Luiz Antonio dos Santos Pereira vai Por
ing.il tratar de seus soffrimenlos, aeonselhado pe-
Sos mdicos, e deixa por seos procuradores os
Srs. Joao Higina de Souza, Jos Ricardo de Farias
e Joao da Silva Ferreira, fieando encarregado das
compras para o sea estabelecimento o Sr. Jos Ri-
cardo de Farias. Recife 29 de jalho de 1872.
Aluga-se urna casa com sit'.o na roa do Vis-
conde de Goyanna n. 161 : a tratar na rna Nova
jo. 18,1* andar. _______
Juizo dos feitos da
fazenda.
Escrlvo Baadcira
Per impedimento do Sr. Dr. Juiz fien transfe
rite a arremataco da casa n. 20 da ra do Rio,
da freguezia do Poco da Panella, pertencenle a
Antonio da Silva Gusmio, para o da sexU-feira
3 o sm oslo depois da respectiva andencia.
O solicitador,
Joao Firmino Correa raujo
Escravo fgido
Ansentou-ss desde o dia 14 do correte o preto
creoolo de nome Rodolpbo, idade 26 annos, poneo
mais ou menos, estatura regalar, olhos vsgos e
tem om geito no andar; foi escravo de Luiz de
Oliveira Lima, babil, sabe 1ere eostuma intitular-
se como forro, tem andado pela Soledade, Cisco, e
caminbos de Olinda ; quem o pegar traga-o na
ra Direita n. 16, que ser recompensado.______
Atten^ao
Desapparaaen no dia 22 do correte da ra de
Pedro Affonso u. 49, 2 andar, a escrava mulata
de nome Umbelina, alta, secca do corpo, cabello
carapinha aberto estrada,/anda calcada, jalga-se
ter sido sedozida pelo seu amigo Alfredo de tal,
pardo, que ba poueo tempo teve baixa do corpo de
fulicia ; suppoe-se que onde andar o mesmo Ai-
redo anda a dita mulata : pede se, nortaoto, s
autoridades polciaes a apprehensao da mesma e
leva-la rna cima mencionada, que ser reeom-
peosado com a qnanlia de 100 j. B________
Roubaram hoja ao meio dia, do 5* andar da
rna do Crespo n. 23, urna caeta e peona de ouro,
um par de botoes de punhoi de moedas chilenas
e um boto de celarinho e dous de abertura tam-
bera de ouro : pede-se a quam os apprehender o
favor de levar a mesma ra o. 16,1* andar, que
ser recompensado ; assim como aos Srs. ourives
que nao facam negocio com os mesmos objeetoi.
Precisa-se de urna ama
23,1* andar.
na ra da Penha n.
-nar m Na ra do Aleerim n. 20 preci-
imJjJLzm. sa-se de urna ama para todo o ser-
vios de urna familia de duas pessoaa.
Preesa-se de duas amas, sendo urna para
cosinhar, e outra para engommar e mais servicos
de urna casa de pouca familia : a tratar no ar-
maiem de movis ra das Crnzes n. 29,
'
i. I
O brigadtro Joaquim Bernardo
de Figueiredo agradece cordialmen-
te todas as pessoas que se digna-
ram assistir ao enterro de sua sem-
pre chorada esposa D. babel Joa-
quina de Figneiredo, e pede s
mesmas pessoas, bem como a seos
prenles e amigos para assistirem a mlssa do s-
timo dia que devera ter lugar na ordem terceira
do Carmo. sexta feira 2 de agosto, pelas 7 1|2 ho-
ras da manbis. ;____________
M
m\
MI Alag.-se urna para
roa Angusta o. 230.
toda servic.0: na
Prepos
Em virtude de novas ordens dos fabricantes,
vende-te tudo a precos baratsimos : no arma-
zem do vapor francez, ra do Barao da Victoria,
outi'ora ra Nova n. 7. .
Rival sem segundo
Roa Daqoe de Caixia n. 91, loja de mi-
dezas de Jos Bigodinbo contina a vender
lado qaanto tem em sea estabelecimento
pelos precos abaixo declarados, a saber
Libras de la para bordados a
Cairas com superiores gram-
pos francezes a rs.
Talheres para meninos a 240
rs. e
Libras de linba de novello de
q. 80 120 a
Lencos de cassa com barra a rs
Yaras de franja branca para
toalbas a rs.
Doria de meias finas para se-
nhoras a
Masso de palito segurarla a rs.
Navalbas fazenda superior a
Cairas com pennas d'ago a rs.
320, 400 e
Caixas com papel amizade a rs.
Dita, dita, dita beira doora-
da a rs.
Cairas com envelopes a rs.
500, 600 e
Doria de agulhas para machi-
na a
Libra de pregos francezes a rs.
Pessas de fila para coz com 10
varas a rs.
Doria delinha fronxa para bor-
dar a rs. 400 e
Baralhos francezes moito fi-
nos a rs.
Ditos de beira doorada a rs.
Resmas de papel branco liso a
Dozias de sabonetes moito fi-
aos a rs.
Dozia de liaba de carrilel
Alerandre a
Groza de boioes madreperola
a rs.
Carles de linha branca e pre-
la a rs.
Thesooras moito finas para
anhas a rs.
Groza de botoes de looca
a rs.
Pares de sapatos de cooro
para meninos a
Cairas com 4 papis de
agoihas fondo doorado a rs.
Frascos de oleo Oriza supe-
rior qualidade a
Cairas de folha com palitos
de vella a rs.
Pessas de fita de 13a para de-
brom de todas as cores a rs.
Pessas de fita branca elstica
para debrom a rs.
NSTITLTO ARCHE0L0G1G0 E GEOGRAPBI-
CO PERNAMBL'CANO
Haver sessao ordinaria quinta feira 1 do
agosto, prximo pelas 11 horas da ma-
ubaa.
ORDEM DO DIA.
1 Pareceres e mais trabalhos de com-
misses;
2o Palestra Iliteraria.
Secretaria do Instituto, 29 de jnlho de
1872.
J. SOARES D'AZEVEDO,
Secretario perpetuo.
Pastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita sao por certo a
medicina racional dos meninos, aos quaes
se admioistram com exceilente resaltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles nao ha porgan-
te mais suave e qae tomem com mais pra-
zer. Estas pastilhas previnem tambem as
convolsoes qoe resoltam dos accidentes da
denticlo, e tem orna accio moito poderosa
como o vernn fago.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia de C, roa Duque de Carias n. 57.
65000
160
400
10500
100
120
44500
200
15000
500
700
800
800
-20000
240
440
500
240
320
35500
700
15000
500
10
500
120
25000
240
15200
200
300
220
Hotel da Independencia.
Rna do Imperador n. 32, precisa se de dous
creados livres ou escravos de 18 a SO annos para
os servicos da easa. ___________________
Na rna do Duque de Caxias b. il A deseja
se fallar com o Sr. Francolino Carneiro de Lacer
da, visto ignorar-se a sua morada^_____________
GRANDE
DE
PIANOS
Ra Nova n. 14. sobrado
ANTONIO JSE' DE AZEVEDO
partecipa aos amigos e ao respeitavel publico que
acaba de abrir am grande deposito de pianos e
officina para concert?, na rna e numero cima,
onde sempre encentrarlo pianos a venda dos se-
guioies fabricantes :
Erard.
Ilenrique Werz?,
Pleyel Wolff 4 C.
Blondel.
Amede Tbibault.
AFINADOR.
Na mosma officina encontrarlo om perito affi-
nador prompto a aeeodir a todos os chamados
400-5000.
A viava, Albos e oras ao aal
eommendador Manoel Fitjueirfla de
Faria coovidam a seus prente*
amigos e os amigos do referido fi-
nado paral assistirem as musas que
no dia i* de agosto prximo vindou-
ro. aniversario do seo pas?amento,
mandam celebrar, eolre 6 e 8 h>ras da manu,
no convenio je Santo Atjtonie desta cidale.____
AO PUBLICO
O abaixo assignado, estabeleeido i praca do.
Conde d'tiu n. 3. com loja de charutos, declara
pelo presente que nao tem e nunca teve soeiedade
com pessoa alguma no seu estabelecimento. Outro-
sim, declara que nao se responssbilisa por qual-
quer compra qoe alguma pessoa faca em seo
oome. Recife 26 de jalho de 1871
____________Joao Caeano de Magalhles.
Est fgida desde Si do correte mes de jn-
lho a preta Barbara, crioola, de idade 18 annos,
corpo regular, disdenuda na frente, narii chalo,
com bastante barba, desembarazada no andar, e
usa de panno oa cabera como as bahiaoas, e o ca-
bello renle; levou urna trouxa de ronpa para la-
var, pelo que ple ser elcontrada em algom dos
arrabaldes desta cidade, onde ba lavadeiras: ro-
ga-se, pois, aos senhores espilles de campo e a
algumas pessoas particulares que a conhecam, ou
della tiverem noticia, leva-la a fuodigao da ra do
Brum, boje Barao do Tnumpho n. 100 a 101, qua
serao bem recompensados.
Ao publico
Mnioervio Francisco Lobo & Irmaa
estabelecidos com casa de molhados no Pa-
teo do Terco n 11, avizam ao respeitavel
publico que se acbam bem sortidos com
ercellentes gneros, e qae os vendem por
precos mnito commodos: e por consegninte)
pedem aos seos amigos nao so da praca,
como do mato, qae experimenten!._______
O
Terrenos a' venda
Na estrada dos AUlictos, sitio n. 22, que foi l-
timamente subdiviffldb por seu propietario, ven-
de-so lotes de tena a vontade dos compradores,
a preco razoavel, bem assim duas casas as
mesmas ierras. A' visla de sua.silnacao esses
terrenos offerecem proporcoes ahito vantajosas
para quem qnizer edificar boas casas de campo ;
a loealidade convida os eoncorrentes, pois na fren-
te do dito sitio ba a estacao da estrada de ferro
do Caxang, que offerece faeil e barata condc-
elo para maleriaes, e para passageiros a 100 e 200
rs. em 1* e 2' classe. Arrabalde aprasivel e salu-
bre onde ha nma igreja qnasi defronte do dito
sitio, qae offerece vantagens incontestaveis para
boas casas de vlvenda. Os pretendentes podem
entender-se com Tristao Francisco Torres nos do-
mingos e santificados no referido sitio, e nos das
atis na ra do Imperador, armasen) n. 48.
Precisa-se ee ama criada
geira, para cozer e engommar :
ce Commercio n. 38.
para casa estran-
a tratar na ra
jloeledade edificadora tonel
liaeio.
Pelo presente sao convidados os senhores que
fazem parte da direetoria provisoria, eleilos em
5 de agosto de 1866, a se reunirem as 6 horas da
tarde do 1 de agosto prximo futuro, na casa ca
rna doCabug, afim de constituir-se definitiva-
mente esta soeiedade e proceder-se depois a elei-
(o da direetoria, de aecordo com os estatutos ap-
provados pelo governo imperial, em decreto n.
liO de 13 de outubro de 1869.
Secretaria da soeiedade edificadora Coociliacao,
30 de julno de 1872.
O secretario,
Joao Martins de Andrade.
Escravo fgido.
Ausentou-se no dia 23 de jalho do correte an-
no, o preto crionlo de nome Leoncio, idade 17 an-
nos, baixo, sem barba, falla descantada, testa es
treita, ps grandes, baigos grosses, levou caiga
amarella, jaquel de a'godao azul mesclado :
qaem o pegar pode leva-lo i ra da Uoio o. 41,
que ser recompensado.______________________
Correspondencia de Portugal.
O distribuidor desta folha mndou de residencia
da ra do Vigario Tenorio n. 15 para a mesma ra
8. 18, 1* andar.___________________
D-se a quantia cima a quem apprehender os
escravos Manoel Bicardo e Fiel, que fugiram no
dia 14 de maio deste auno : o 1* da provincia
do Cear, e veio para esta pequeo, cabra ataio-
eado, cabellos cacheados, ps pequeos, baixo,
bom corpo, bocea lascada, com pouca barba no
queixo, e pouco bigode, representa ter 30 anuos,
ladino, e gosta de andar limpo ; supp5e-se ter le-
vado em sua companhia urna mulher de nome
Rachel, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade de 27 annos, altura e corpo regula-
res, cabellos earapmhos, andar vagaroso e espi-
gado, tem falta de urna unha em nm dos dedos
grandes dos ps, am buraquinho no nariz encos-
tado as ventas, proveniente de um couee de ca-
vallo, pouca barba; levou em sua companhia urna
mulher de nome Felismina. de cor alva, com bom
caballo. Da-se metade da gratificacao cima a
quem levar qualquer um destes escravos ae en-
genho Hacauass, freguezia da Eseada, ck no Re-
cife, ra do Cabuga n. 18, casa de Manoel Jos
Ferreira Cruz.
riiiiiii.
travessa da rna
das Crnzes o, 2, pri-
meira andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de onro, prata e briihan-
tes, seja qual for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
igaaaHCBBSSstt!
Trocam-se
notas das caixas filiaos do banco do Brasil, com
pequeo descont : na loja da roa do Mrquez de
Olinda n. 58.______________________________
AOS 5.OOO4OOO
lati venda os felixes bilhetes da lotera da
dania, oa casa feliz do arco da Coneei(o, kja;4e
nrtvs no Recife.___________________________
Aluga-se o 1* andar do sobrado n. 86 sito i
roa de Lomas Valentinas, com es commodos se-
guimos : 2 salas bastante grandes e fresca, 2
quarlos, cozinna fra, quintal eom porlao para a
roa de Hortas e cacimba : qoem pretender dirija-
se i prisa da Independencia at 19 e SI.
O Dr. Sarment Fi-
lho, cirurgiSo do hos-
pital Pedro II, de toI-
ta de sua viagem a Eu-
ropa, contina no exer-
cicio de sua profiss&o,
na casa de sua residen-
cia a' ra do Impera-
dor n: 9.
Precisa-se de nma lavadeira de varrella e de
sabio, que se encarregue da lavagem da roupa de
um collegio : trata-se na roa do Conde da Boa-
vista n. 29.
Criado,
Manoel Pires Ferreira, morador na poveacao de
Santo Amaro de Jaboatio, precisa de um erlado :
a tratar com- Antonio Pires Ferreira, roa do Bario
de S. Borja n. 53!____
Na ma da Imperatriz n. 47. 1* andar, pre-
cisa-se alagar am moleque de 1S a li annos para
compras 0 sarvico de casa de familia de anas
pessoas, pratore-sa escravo; agradando paga-se
bem.
Companhia Allian seguros martimos e terrestres
estabelecida na Bahiaem 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:000*000.
Toma seguro de mercadorias e diabeiro
a risco martimo em navio de vella e vapo-
res para dentro e fra do imperio, assim
como contra fogo sobre predios, gneros e
(azendaa.
3:000*2000
Da-se a premio de um e meio por cento sobre
hypolbeca em predio de maior valor e nesta cida-
de a qnanlia de 3:000x000 : quem precisar deixe
carta nesta .typagrapbia eom as iniciaos J. B.
Deseja-se lallar ao Sr. Joao Fernand s de
Oliveira: na ra Duque de Caxias, loja n. 50, ou
indique sua morada para tal m. _____
Urgei
, mcia
Precisa-se alagar urna escrava que seja diligen-
te e de boa consuela para comprar e vender na
roa : qaem tiver dirija-se ao beeco do Quiabo,
casa n. 6.
Luiz da Silva Cid faz seiente ao commercio
desla praca, que nesta lata tem justo e contrata-
do com o Sr. Joio Cavalcanta de Albuquerque o
hotel sito ra das Trineheiras n. 48, livre e de-
sembaracado de qualquer debito; ae porem al-
guem selulgar com direJto ao mesmo por qaal-
qaer titulo qne for, baja oe reclamar o seu direito
no preso de tres das, que o annunciante depoi
oeste praso nio se responsabilisara por qualquer
titulo qne apparecer possa. Recife 57 de jnlho de
1871_______
- la cocheira da roa Nova u. 59 sa dir quom
I di 1:000/ a premio.
O Sr. Melquades Antones de Almeida
qoeira vir esta typograpbia concluir o pa-
gamento do alugael da casa em qua mora
em Olinda.
Fugiram do engenbo Cacboeirinba, freguezia
da Eseada, os escravos Rufino e Ignez, na nolte de
12 para 13 do eorrente, os qnaes teem os sigoaes
seguintes: Rufino, cor fufo, estatura regular,
corpolenlo, ps mal feitos, falta de dentes na fren-
te do lado de cima, 25 a 28 annos de idade, olhos
regulares, nariz chato, cabellos carapinhos, levou
ronpa de brim-J Ignez, mulata clara, rosto largo,
olhos salientes, alta, secca, ps grandes, cabellos
carapinhos, nariz chato. Estes escravos sao ca-
sados e pertencem ao abaixo assignado, que gra-
tificar generosamente a quem os apprehender e
levar ao referido engenho.
Manoel Cavalcante de Albuquerque.
Sitio.
Aluga-se nm exceilente sitio, na ladeira dos
Mudos (Arraial) com commodos para grande fa-
milia, tendo muitos arvoredos de fractas, cochei-
ra e banho, defronie do muro da machambomba :
para tratar ra do Crespo n. 16, 1' andar.
De hoja em dianle a empreza, aara facilitar a
concurrencia das pessoas qne moram nos arra-
baldes, deliberou facultar aos frequenudores dos
seus espectculos, em todas as quarUs feiras e
sabbados. um trem extraordinario da estrada de
ferro de Caxang, o qual partir do Campo das
Princezas, logo depois de terminar a representa-
cio e tocar em todos os pontos at Apipucos.
Engenho Soledade
Este engenho situado na ribeira de Gitiluba,
a margem do rio Camaragibe, de grande exiensio
em terrenos os melhores que se pdera desejar
para a cultura de cannas ; me com agua e tem
proporc.oes para se levantar mais dous engenhos
d'agua guarnecidos eom ricas mattas. Esta pro-
priedade vndese ca arrenda-se, e lambem da-se
terrenos para levantar ontros engenhos pelo lempo
qne se convencionar : a tratar eom seu propie-
tario ao largo do Corpo Santo n. 17, primeiro
andar.
MOFINA
Sio,.., sio..., nao ouve?
Roga-se ao lllra. Sr. Ignacio Vieira de Mello, es-
crivio na cidade de Nazareth desla provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36 con-
cluir aquella negocio que S. S. se compre mellen a
realisar, pela terceira chamada de;ie jornal, em
fios de dezembro prximo passado, e depois para
Janeiro, passou fevereiro e abril, e nada enm-
prio ; e por este motivo de novo chamado para
dito fim, pois S. S. se de ve lembrar que este ne-
gocio de mais de oito annos, e qnando o sensor
sen filho se achava nesta cidade._____________
CRIADO
Precisa-se de um bom criado para easa de ho-
mem solteiro, paga se bem : na ra do Marques
de Olinda n. 20.
m
Dr.
9
Medico operador e parteiro, recen-
temente chegado da Europa, unde de-
dicou-e a cirurgia, partos e especial-
mente as molestias e operacoes de vas
genilo ourtnartas, tem o sea consulto-
rio i rna do Vigario n. 1, segundo an-
dar, onde d consultas do 1|2 dia as 2
horas, gratis aos pobres.
Pdci ser procorado a qualquer hora
do dia ou da noute.
Ra do Vigario n. 1. 2* andar.
Arulides Duarte Carneiro da Cunha Gama
faz scieBte ao respeitavel publica qae tem com-
prado ao Sr. Jos Alves da Silva Gnimaraes o sen
estabelecimento commercial ra do Bom Jesns,
ontr'ora Cruz n. 84, qui at entio gyrava aob a
firma de Alves 4 C, e qae desde o principio do
eorrente mez tem gyrado por conta do annun-
ciante sob firma de Duarte & Irmaos. O annun-
ciante espera que nao os antigos fregueses da
easa como os senhores logisias em geral o boa-
rom eom i sua freguezia, pois que a todos pro-
melle servir bem.
Desde o dia 6 de Janeiro do anno passado
qae ausentou-se da casa de seu sechor na ra da
Cruz, a escrava Thomazia, crioula, eom 26 a 28
annos de idade, baixa, corpolenta, cabeca chata,
beiips grossos, mos bem fetas, com as juntas
dos .dedos cale jadas, peitos grandes, ama marca
redonda em um dos bracos, ps meio chatos;
desconfia se andar por estes arrabaldes acontada
por um Portuguez, ja tem sido encontrada em Ca-
xang e Jaqueira : roga-se s autoridades ou a
qnem a apprehender leva-la i rna da Cruz o. 23,
ou ra de limas n. 14, que serio bem recom-
pensados. _______________________________
OSA DA FORTUIU
Aos 5:000
Billetes garantidos.
i roa Primairo de Marco (ontr'ora ro do
Crespo) d. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido noa sena le-
t:es bilhetes qoatro quartos n. 301 eom 5:000/,
quatro quartos n. 1357 com 800*000, dous meios
d. 261 com 3001, um inteiro n. 1732 eom 100/ e
ouiras sortea de 40*000 e 20*000 da lotera qne
se acabou de extrahir (13a), convida aos possui-
dores a viretn receber na conformidade do cost-
me sem descanto algum.
Aeham-se i venda os bilhetes garantidos da
4a parte das loteras a beneficio da irmandade de
Sant'Anna da Madre de Dos (14*), qae se extrs-
tr no sabbado 3 de agosto
PRECOS.
Bilhete inteiro 6X000
Moio bilhete 3x000
Quarto 1X800
Em porcio de 100X000 para cima.
Bilhete inteiro 5X500
Meio bilhete 2X780
Quarto 1378
Manoel MarUns Fiuza.
Lembnnga
Aloda se continua a fornecer almocn e jaatar
para fra na roa estrella do Rosario n. 35, 1* an-
dar ( casa de familia ) e manda-se lovar i ea-
sa dos assign tutes que nio tiverem portador, ta-
rante-se comaodidade nos precos, asseio a precap-
lidio.__________________
Fcttor t criado
Precisa-se a om feitor para nm peqnono sitio,
e de am criado: no Caldeireiro. casa de Francis-
co Joiquim Ribeiro deBrito.
b^HiWbW
I
i
I


OLwit rMmiLM
- Quarla fofo 31 de
---------13----J-
Julho le 1872.
i
1
FABRICA DE MACHINAS
A' Ra do Barao do Triumpho (ra do Brum) ns.
I 100 a 104.
CARDOSO ft IRMAO
AYISAM aos Sn. de eogeohos e ao publico em geral, que teem recebido da Europa,
grande sortimeato de ferragens para engeobos e para lavoura, e qaaesquer ootros uzos
e misteres da industria agrcola, o que todo vendem por pregos razoaveis.
Formas para assucar dase alvinMdM de diverS08 lama-
VflnnrM horizontaes e virtieses j bem conhecidos nesu provincia e lora della,
V apures 08 melbores qae teem vindo a este mercado.
JU06I1C1&S completas de diversos tamanhos, obra, milita forte e bem acabada.
-D161&S mOCudaS para UNDtar em grades de madeira.
laiXaS QC IOrrO e ferro fOQdido e batido de diversos tamanhos.
AOdaS U agua de diversos tamanhos.
XvOdaS QQIlLa(iaS 6 diversos tamanhos e qualidades.
I**ati /tarfne Concertam com promptidSo qaalqaer obra oa machina, para o qae
VUHl/UrbUB teem 8ua fabrica bem montada com grande e bompessoal.
Tn AAmmanrlaa Mandam vir por encommenda da Europa, qualquer ma-
XillOUIIlIIlCilUao chinismo, para o que se corresponden! com orna respeita-
vel casa de Londres e com um dos melbores engenheiros de Inglaterra; iacumbem-se
de mandar assentar ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
RA DO BARIO DO TRIUMPHO NS. 101,102 E 104
FUNDICAO DE CARDOSO & 1RMO
Joaquim Jos Gonpal
ves Beltro
Roa do Commercio n. 5, i* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o
banco do Minho, em Braga, e obre os se-
guimos logares de Portugal.
Amarante.
Arcos de Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
CovilhS.
Faro.
Guarda.
Guimarae.
Lamego.
Lisboa.
Miran della.
Monean.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Castello.
Villa de Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova de Portimlo.
Villa Real.
Vizea.
Valenca.
Figueira.
Penafiel.
Regoa. ____________
A botica popular n. 77, da roa da Imperatru
para a mesma ra n. 69 e 71, continaam a fuoc-
cionar, com quaalo aioda nao esteja prompta.
CAUTELA!
MEURON&C.
itIAII
^
UHM-SE
RU i DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
Neste estabeleciment fundado ha cerca de trinla an-
uos, vende-se lodo o machimsmo preciso para a AGRICULTURA
desta provincia e para o fabrico DO assucar E preparacO do
ALGODAO; entre outrasmachinas de vapormoendaa decanna
para vapor, agua ou animaes,-rodas d'agua,rpdas dentadas,
=*aguilh5es e chumaceiras, tachas para engenhos, = crlvos e
boceas de ornalha,==raoinhos para mandiocacannos de ferro,
=torneiras de ferro e bronze,ogoes,bombas para cacimba,
ditas de repuchoguindastesguichosalambiques,pren*.<
sas hydr|uHcas,=ditas de parafuso,ferragens para carros, na-
vios e obras publicas, columnas e travs,serras e serraras,
diversos uteucilios, preparos e motores para descaroqar algodo.
** CAUTFJLIiV
Tendo sido engaado diversas pessoas em procura d'est'a
fundiqao, j-ecomraenla se aquellas que nao conhecem "em a
praqa ohservem para se, e para seus ma adatar os que a
FUNDIDO DO BOWIHIAN .
est entre p chafariz e a fortaleza, perto a cocheir.i do3 bonds,
que os edificios estao de ambos os lados da rna e pintados de
verde nos andares inferiores. ,
Vende-se a prazo ou a dinheiro com
descont.
CASA DE PIANOS!
VCTOR I'REILLE
6 Ra do Duque de Caxias 6
Recommenda o sea eetabelecimento ao Mostrado publico desta cidade e arrabaldes,
onde acbam sempre omelbor que se podem desejar em bous pianos. Aprjroveitou a
louga pratica e experiencia que teve nette paiz, ueste importante ramo da industria,
durante sua residencia de perto de trinta annos, para maodar construir urna qualidade
de pianos, proprio para este clima, os qoaes se distinguen! na sua construeco solida,
na Eua voz forte e agradavel e na sua elegancia exterior, como iuterior. Offereco tambem
pianos de diversos, e dos melbores autores, como sejam : Herz, Pleyel, etc.
Garante-se a boa qualidade de todos os pianos que se vende nesta casa.
AVISO AOS SRS. C0NCERTAD0RES DE
PULSOS
Na roa do Duque de Caxias n. 6, casa de pianos, ba sempre um grande sortimen-
to das melbores qoalidades de materiaes para concertar pianos, como sejam: castor, ca-
morra, marfim, cordas, madeira, folba de faia e erable para cepos etc.
Eal
N
Bu
aos compradores do bem couhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes trgam o nome de MEURON & C, ;e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON ft C.
m
Medalbas milagrosas.
A COROA BRILHNATE, loja de joias na
esquina da roa do Gabog n. 11, receben
um sortimento de medalbas milagrosas e das
Dores, de ouro e praa dourada, e junta-
mente cassoleas para meninas, de bom gos-
to, a 30000 e para senhoras 80000, assim
como tambem um completo sortimento
de ocalos e pince-nezs de ac e tartarega fi-
nos, lado por presos mdicos. A loja es-
tar aberta noite at 8 horas.__________
Na Praca da Independencia n. 33 So compra
oaro, prata e pedraa preciosas, e tambem se vende
obras de igual especie.
P andar e sotao
Urna familia qae mora em nm sobrado n'uma
excellenle roa do bairro da Boa-vista, desejando
mudar-se, offerece-se a sublocar o arrendamento
de dito sobrado pelo de ama casa terrea de bons
commodos: a tratar na roa Duqne de Caxias n.
73, loja.
IMPERIAL FABRICA DE RAP
Areia fina da Baha.
Moreira C. previncm a seus freguezes e ao publico em geral, que no proposito
de acautelarem seu rap de qoalqoer imitacao ou confasao com as de ontras fabricas,
resolveram, a!m do aviso impresso que j levam seus botes, marcal-os com as iniciaos
AF dentro de orna cora de rosas, o que ser consideradomarca de fabrica.
Procedendo assim, os annunciantes nada mais fazem do que seguir a pratica esta-
Mecida nos paizes, onde a industria tem existencia real, e leis tem sido decretadas
para premunil-a contra as falsificaces.
Os botes de meia libra levam a marca debaixo do aviso ou cautela, e os de libra
debaiio do sinete ou sello imperial.
Dewm, portanto, seus freguezes, se nao quizerem ser Iludidos, attender para
aquella marca, recusando como Ilegitimo o bote que a nao tiver.
Samuel Power Johns-
ton & 0.
^Rua do Apollo n. 38 e 40
Fazem scieote aos seos freguezes que teem
modado o sea deposito de machinas a va-
por, moendas e laxas da amito acreditada
(abriea de LowMoor para roa do Apollo o.
38 e 40, onde cootmoam a ter e mesmo sor-
timento do cosame.
Fazem seienie lambem qae teem feito am
arranjo com a fundicao geral, pelo qae po-
dem offerecerse para assentar qaalqaer
nuchinismo e mesmo garant lo.
tada com quem possam entenderse.
Apparelho para fabricar assucar, do systema.
WESTON CEiNTREFUGAL
nicos agentes em Peroambuco a fundicio geral.
Para tratar em sea eseriptorio a roa do Apollo n. 38 e 40.
Os propietarios da fundicao geral faiem
scientes aos senhores de engenho e mais
pessoas, que teem estabelecido urna tund-
gao de ferro e brouze a ra do Brum, jan-
eo a estaco dos bonds, onde aprontaro
qaalqaer obra de encommenda com perfei-
cao e prompAidao.
Os mesmos rogam as pessoas qae qaei-
ram ntilisar se de seus servicos dedeixa-
rem as eneommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Power Johoslon & C. a roa do Apol-
lo o. 38 e 40, onde acharo pessoa babili-
FUGIO

Aeha-se fagido desde o dia 25 do corrente, do
engenho Massaaassuzicho da freguezia do Cabo, o
eueravo Felippe, croulo, idade 28 annos, poaco
oais oo menos, sera barba, ebeio do corpo, esta-
tura regalar, cor prela, olbos braocos, ps gros-
u, o quai foi visto nesta eidade : roga-se as au-
toridades policiaes, e mesme a todas as pessoas
particulares, appreheode-ln e entregando nesta
aiesma eidade ios Srs. Correia C, oa ao sen
oriwr, abaixo assignado.
Autorice, uvalcaflte de Albuquerque.
Companhia de Seguros Phenix
Pernambucana.
Sao convidados os senhores accionistas a vjrem
reeeber o segando dividendo na razio de 244 por
aecio. Pernambaco 8 de julho de 1872.
Os directores,
Laiz Daprat.
J. H. Tnndade.
Laiz A. Siqueira.
Cosinheiro ou cosinheira.
Pracisa-se de um cosinheiro para casa de farni'
jia: a tratar na roa desque: e Oliadi P. 3b.
ATTENCAO
No dia 8 de julho de 1872 aasenton-se o escra-
vo Joaquim, idade 28 annos, eabra, cabellos cara-
pinha, alto, magro, tem olhos peqaencs, urnas
manchas no rosto, qae parece pannos pretos, jul-
,-a-se ter ido para Caruar por ter sido de l e ter
l parentes, e tambem desconlla-se estar aqai oa
na cidade e arrabaldes trabalhando de servente em
a'gnma obra; roga-se ; autoridades e captaes
de campo a apprebenso do mesmo escravo e le-
va-lo ao engenho Larangeiras, freguezia de Una,
ou ao Sr. Jos de Sonza Barreiros, na rna da Com-
panhia Pernambucana n. 2, qae ser generosa-
mente recompensado.
ATTENCAO
Tres escravos fgidos
Desaprareceram no dia 23 de novembro de 1871,
do engenho Doas Bracos de Cima, na freguezia da
Escada, os escravos seguintes:
Flix, erioulo, de 50 annos ponco mais ou me-
nos, altura regalar, ebeio do corpo, bem feito de
pos e pernas, rosto redondo e um poaco carranca-
do, falla poaco, tem todos os denles da frente,
algons dos quaes sao limados, usa de suissas, tem
cabellos braceos nellas e na eabeca ; foi escravo
de Joaquim Raphael da Cruz, de Paje de Flores,
d' onde veui para ser vendido na eidade do Recife.
E' a segunda vez que desapparece este estravo do
poder do abaixo assignado, sendo que da primei-
ra foi preso em S. Jos da Ingazeira, pelo que se
suppoe ter ido para o mesmo logar.
Joo, qae representa ter 32 anuos, maito alto,
seeco do corpo, bracos e pernas finas, rosto com-
pride, com mareas de bexigas, olbos pequeos e
vivos, nariz nm poaco chato, falla bem e am
poaco gago, toca viola e gaita, e diz ter sido es-
cravo de am padre, j fallecido, e ser natural da
villa de S. Joo oa S. Tbome no sertao de Cariri.
Antonio, finalmente, de altura e rosto regula-
res, cor (ola, com 22 annos, bem feito de corpo.
ps e pernas, olhos amortecidos, nariz bem feito,
falla mansa, tem falta de dentes na frente, est
agora bacando, diz ter sido escravo de Luiz Pe-
dros, morador no rio Piranbas e vendido para o
sertSo de Pianc. Foi tambem eseravo de Cvpria-
no Bezerra Leite, por coja prccuraqao o venden
o Sr. Harcellino Francisco Alves da Silva, no
R ecife.
Roga-se s autoridades policiaes e espitaos de
campo a captor* los otemos cima podendo
ser ellos entregaos ao abaixo assignado, no en-
genho cima, oo no Recife, roas da Madre de deas
n. 36,1.* andar, o do Queimado n. 47, onde ser
generosamente gratificado qaem quer qae appre-
Senda os escravos referidos.
Manotl Rodrigutt da Silva Camar a
Alugaee a casa da liba de Bemfica na Pas-
sagem da Magdalena, com 7 qaartos, quintal
murado, bnho na porta, logar muilo saudavel e
aprecia vel, tendo a vantagem do transporte em
bonds, e commodo allnguel : i tratar no 1 an
dar n. 17, roa estreita do Rosario. ______
Escravo fagido
Auzenton-se desde 13 de maio prximo passa-
do o preto Alfredo, de trila e tantos annos, es
tatura, alto e magro, olhos grandes e tem ntr
geito no andar, perfeito coznbeiro e foi escravo
do Srs. Adriano & Cas'.ro, e ltimamente do Sr.
los Joaquim Goncalves Bastes, costuma andar
pela Capunga e Pego da Panella, e consta que j
foi visto na cidade de Olinda ; estes sao os pon-
tos aonde elle tem andado : qnem o pegar tra-
ga-o a roa Duque de Caxias n. 91, loja do Rival
sem Segundo, que ser bem gratificado,______
Offerece-se um rapaz com pratica de fazen-
das o miudezas, para eaixeiro de qualqaer esta-
belecimento : qaem precisar deixe carta fechada
nesta typographia eom as iniciaos S. M. L.
r
o armazem que constante-
mente compra trastes novos
e usados ? E' na ra do Im-
perador o. 16.
Vinho Xeres, caixas.
Dito Chambertin, dem.
Dito Bourgogne dem.
Dito St. Julien idem.
Dito St. Kstephe idem.
Cognac Martell idem.
Dito Hennessey idem.
Cerveja de NVrway.
Dita de Christaiiia idem.
Dita de Mainz idem.
Dita Ltao idem.
Vinagre tranco.
Azeile doce refinado iderc.
Agua de Vicby idem.
Cidra (Champagne), gigo?.
Cemento Porlland, barricas.
Bren idem.
Salitre riGoado, barris.
Verdo Chrome ilem.
Ocre amarello idem.
Rdxo Ierra dem.
Zarcao idem.
Oleo de linbaga dem.
Araruta iogleza, latas.
Chocolate Menier.
Dito Suisso.
Veude-se no escritorio de Cunha & Manta, ra
do Marijnez de Olinua n. 40.
oura e ptau na loja do rna do Mar-
iiaez de Ciliada n. 58.
Carropa com burro
Na ra de S, GjOfalo n. 26 compra-se
urna car roca e nm burro com os competen-
tes arreios, todo eai estado de trabaibar.
VrNDAS.
Cofre, a pro va de fogo<
Na leja do Povio, ra da Iuireratrlz n. 60,
vende-se om cofre de ferro prova de f.go.Patooi
Mr.er?, por pron fin enoia.
Vende-te moa escida de volta por prerj
ocmmodo : a lr*Ur na rna do Baro da Victoria
p. 69. f utr'ora N )va.___________________
VENDE-SE
duas cafas terreas novas com suffidentes commo-
dos pera familia : a primeia cem cioeo quarto,
e a segood com tres, aab.s cu qainul morad,
situadas oo fin da ra de S. Joo, f.egaezia do
S. Jo? ; as quies nao tem numeracio : traur
oas mestnis. ___

BOMKACHil
Rainha das fundas!!
Esta nova invenfio de fu-id? a rxais perfelta
do todos o pyttonaa conhecidos at h je, nao leo-
do mola?, nao rntarroJasB, nem qnebram, pre:-
tam-5a lelos os movimeotos do corpo, precioso
para viagens a cavallo. nico epomo na phar-
macia amerirana. de Ferreira Mala & 11, rna Du-
que de Laxias c. tO.
ivnii
,TP
i
Cimento P>rtland, barricas de 2iO libras.
Salsa parnlha muilo nova.
S)la cm mel?.
Crvfji tranca em botijas e meiis b:t;js.
Vichi cbarapagns superior.
Cognac Martell.
Genebra O d Tos, frasco- grande.
Bftei artigos si^ vend'm por primos mnilo ra-
zoavels na ra do Vigarlo n. 16, e.-criptorio de
Joaquim Gerardo de Basto?._________________
Vende-se cojueiros i.equeuo? uo sitio d>
Cafund : quem pretender coaipra-los dirija-so
estrada de Joao de Barro*._____________
" OhixOes vasios
V nlese eaxooi vasbs de diversos lamanbo3 :
a rna D'reita n. 8V.
Caitas iaas.
A Agoia Branca ra Du me de Caxias n. S,
recebtu novrmete mui t.-as cartas franeezts
con os canto) dourados, e t .das durada1, e as
est vendendo baratndote.
i
Imperial fabrica de cerveja
Ra do Sebo
Vendem :
Verdadeiro absintho suisso de Pernod.
Dito Wermonlb de Turin.
Dito Kirsch de Zoug (suissrj.
Vinhos do Rbeno, Bourgogne, Btwjolexi?, Cotes
do Rhone e Bordeaux, a precos muito commodos.
Chonxeronte de Mayence a melhor conbecida.
Julienne de Mayence de qualidade superior.
Schweirer Landjaeger (Gendorm^s Suisse^)
Cerveja nacional de qualidade, rivalisando a
Lion e noruega.
i.'.Vinagre bruco e tinto mnito forte a 140O0 o
quinto sem barril.
ARMAZEM
DO
CAMPOS
Ra (lo Imperador n. 28.
Fi mbrdB.
Prezunlos.
i Salames.
Choorica?.
Conservas.
Sardinhas.
Amendoa.
Chocolate.
Aramia.
Notes.
Batata?.
Arroz.
Palos.
Caf.
I
Cha.
28
Licores.
Doces.
Gelas.
Banha.
Rap.
PeijSo.
f
Sociedade 8.'. UniaO
De ordem do nosso irmo presidente communi-
co a todos os nossos irmaos que a sociedade mu-
don sua sede do sobrado da roa de Marcilio Das
n* 112 para a mesma rna o 100, 2* andar.
Escripiorio da Sociedade S.\ Uniio 28 de julho
de 1871
Liberato L. de Freitas,
1* secretario.
Precisase de urna mulher recoihida, de bom
comportaraento, para engommar e fazer compa-
nhia a nma senhera : no pateo do Terco n. 63 se
dir quem precisa.
Ao amaobecer de boje 30 de jolho arre roba-
ra m a parede da cachelra da cVsa do Dr. Lobo
Hoscoso, roa do Viseonde de Albuquerque n. 39,
o carregaram am par de arreioi com pouco aso,
doas sobre-casacas, duas calcas e doas cohetes
de panno rxesclado pardo, sendo ornas pecas mais
asadas qae outras; doos chicotes de earro, am
novo eoutro quasi inutilisado, e mais algnma rcu-
pa de cocheiro : roga se a qaem for offerecido al-
gum desses objectos, o obsequio de os apprehan-
der oo participar aut ridade policial ver se se
descobre o autor de seroelhaole alternado.
Faruram oa desappareceram do dia 29 para
amanhecer do dia 30 do corrente dous bois com
os seguintes signaes: am rajado da pona a baixo,
muito manso de earro ; o outro liso, pequeo,
tendo em cima da anca nm earoeo pequeo, que
parece orna verruga, congote grosso, maoqueija
de ama perna ; ambos castrados e magros: ro-
ga-se a qaem os apprehender leva-Ios roa da
Imperatru n. 39, qae ser gratificado.
Imperial fabrica
DE M
Rap areia fina da Baha
DE
Moretra & C.
O abaixo assignado, uuico agente dessa
fabrica, avisa ao poblieo qae tem aberlo
l o deposito de dito rap no sea escripto-
%K. rio ra do Viga rio n. 21, ende os fre-
guezes encontrarao sempre a quantidade
_, qoe precisarem.
ft Recife, 29 de abril de 1872.
g Domingos Alves Matheus. Q,
*m#m *******
NOTAS
Troca-se notas do banco do Brasil e de suai
flliaes na roa do Bario da Victoria n. 63, aotiga
rna Nova, loja da Joo Joaquim da CostaLeite
ATTENCAO
AVISu
Previne-se a quem queira comprar o hotel da
roa das Trincheiras n. 48 qae tal negocio au laca
sem se entender eom o abaixo assignado.
________________Jase Joaquim Affonao.
Veode-se a uvero da roa do Coronel Saas-
sana (amiga de Horias) n. 12, propria para prin-
cipante por ter poneos rudos: a tratar na Cam-
boa do Carato n. 3.
Predaa-Be de nm menino do 12 a 14 aonos,
dos ojiimo! chgados: no pateo do Terco n. 82.
Algons dos herdeiros do finado Manoel Luiz da
Veiga, fazem silente a ommissao encarregada da
construeco da capella que ora se est edifican-
do na_rua do Liaia em Santo Amaro com a in-
voca^ao da Seohora da Piedade, que estao promp-
tos r protesta]* contra a entrega da dita capella
como o qoerem fazer irmandade da Santissima
Triodade, visto ser este terreno que se est edi-
ficando a dita capella deixado pelo liaado Manoel
Luiz da Veiga para esse fim; o pedem ao lilm. Sr.
Dr. juiz de capelUs que se digne prestar sua re-
conbecida attenQSo em tal quesllo aos direitos
dos snpplicantes que em tempo o provario.
Recife, 27 de julho de 1872.
Criados
Precisa-se de doas criados para servido de ho-
tel : na ra das Larangeiras n. 29.
COMPRAS.
Compra-se nma negrinha do 10 a 12 annos,
e ama preta que saiba bem coxiehar: oa ra do
Bom Josas n. 57.
Compra-se
jornaes a 5* a arroba: na rna larga do Rosario
o. 14, fabrica de cigarros
Manlclga ingleza e fr?nce-
ceza, aves eru conierv*?,
cerveja de todas as marcas,
queijos do serto, prato, fia-
mengos, suisso e londnoo,
leite cendeosado, aramia
em lata', fructas em cald*,
charutos dos melbores fa-
bricante?, massas para so-
pa, azeite doce, cebollas,
albos, loucinho e urna infi-
dade de generes e acepipec deleitaveis e per pre-
cos asss commodos, que .- se vigilando diaria-
mente o armazem do Campes, que se ple crer
de que so elle o uui:o que est habilitado
a fjrnecer, ve-nulo desamases da gastrono-
ma, puros e saboreses gneros alimenticios I I
E' muito commodo!
|^55J Campos, nico que
BB_-, procura desvelladamente
I agradar aos seus fregue-
^~~ zes e amigos, eonside-
ranlo que muitos delles
|_a-__ij (e o publico em geral i
TJ55_' deixam de vix ao seo
' armazem por morarem
. mais loDge, presta-se a
^"** mandar levar gratis qusl-
^SSa aoer fifo comprado
\\ iiii) em seu armazem, quer
^ deutro da cidade quer
nos seus suburbios, poi
SO que para esse lira tem
-._ um moleqne apto!...
*i Finalmente
.^-i o Campos na qoerende
' i dar massada sem dis-
-'i' trahir e deleitar a todos
pede aos adeptos do pra-
zer da tila, de virem ao
sea armazem a fim de
examinarem o completo
sortimento que se acba a
disposicao do
Bespeiavel poblieo 1
SEGUNDO LIVE
DI \
PELO DR.
Abllio Cesar Bori/es
Edi^So de Pais fSVt
2*000.
Livrarta franceza,
Vende-se
urna eectav mo?a boa rozinheira e engommadei-
ra : a tratar na rna do Livramento a. 38, armazem
Baliza.
Vende-se ama taverna na cidada de Olinda
com poneos fundos, est bem afregatzada eom
muito bom lugar para negocio ; garante-se o ala-
gue! da casa pelo tempo qae se coovencionar : os
pretendentes podem informar-se na rna da Madre
de Dos eom o Sr. Antonio da Silva Pontea Gaima-
raes. A casa tem aecommodc3ss para familia.
Yende-se
nm sitio na estrada de Joio de Barros junto a es-
taclo do Espinheiro, eom 102 palmos do frente e
011 de fondo, eom diversas arvores de fracto, todo
cercado de limneiro : a traur na roa Bella n. 40.
Vende se am bom Lilbar com todos os
etis acce8sorio: qaem pretender dirija-se
a ra do Crespo d. 18 lc andar.


MaaBtvtvBB
TITILADO ^


NA LOJA DO PAVO
Na ra da Imperatriz n. 60
DE
PEREIM DA SILVA & C-
Neste grade estabelecimen'.o, eocontrar o respeitavei publico importante sorti-
mecto de fazendas, tanto pr.ra homens como para senhoras, tendo das mais finas
e corn os mais apurados gostos, al as de primeira nscessidade, que se venden) por pre-
sos maito em canta, afim de aparar diobeiro. De todas estas fazendas se d5o amostras
deisando ficar penhor, oa mandamse levar em casa das Ernas, familias.
LAASINHAS
O Pavo vande delicadas alsacianas de to-
das as cores coa Mito lastro e delicadas
liatra? matisados a sala, proprias para os
enfeites e babadinhos a 135)0 cavado.
Ditas listeadas a seda, sendo as mais de-
licadas que tem viado ao marcado a 15500
o covado.
Delicadas lasinhas oom muito brilho e
i seriabas de se la a 13000 o covado.
Ditascomlistras de seda larg.t e maito
encorpadis, com ie.icadas cores a 800 rs.
o covado.
Ditas maito delicadas com listriobas de
seda a r>60 rs.
Ditas send1) bastante largas com listra os
lado, para os enfeites e com cores maito
delicadas a 500 rs. o covado.
Ditas da listras miadinbas com hs da
seda, qaelbe d maito brilho, tendo de t>
das as cr^s a 500 rs.
Gurguras de 15a, de ama t cor, tendo
CAMBRAIAS TRANSPARENTES A 3*500
O pavo vende pecas de cambraia branca
transparente, sendo fazenda maito fina, pelo
barato preco de 33500 a peca e com 10
jardas, por ter um leve toque do mofo,
grande pecbincba.
Iptlstas a 300 rs.
O Pavo vende esta nova fazenda deno-
minada bapttstas, de ana so cor, propria
para vestidos e tendo de todas as cores,
senda mais larga do qae chita franceza, pelo
barato prego de 300 rs. o covado, pe-
chincba.
NANSOOKS A 610 RS.
O Pavao vende esta nova fazenda deno-
minada nansooks propria para vestidos, sen-
do de cordo, e com os mtis delicados de-
senhos, assentados em branco tendo a larga-
ra de chita fran:eza e vende-se pelo barato
;>r <.; > de GiO o covado, pecbincba.
Salas bordadas
O Pavo recebea um grande sortimento
de saias brancas ricamente bordadas, sen lo
54000 e

KELLER i C.
Ra do Bom Jess u. 65
Vendem
m
I
Ferro favalnisado em (oinas tara te- W
thas.
Leite condnsalo. X
Cognac Martieeaa. W
Vinho dn Bordeo* em caxaa :
Tommard Z
Volmay I Wt
Haat Falerne 0
Peoillac
Vinho o Rbeno : W
Scharlacnberger
Kislesaemer Berg 3
Hocnkeiraer Berg -
Marco Cramer ansese A
Kauentbaler Berg
Steinberger Cabinet. fl
&W&W& 00 0 00 0000
Libras sternas.
Yende-ae so armnaem de fazendas do Angula
V. de Oliveira 4 (1, ra lo Commerelo o. 42.
GRANDE
mUIDCAO DE JOIAS
azend) muito moderna a 400 rs.
Lasin'ias lisas da ama s cor, tendo de de 4 palmos cada ama e vende a
todas as corea a 400 rs. o covado. 05(00, pechincba.
Alpacas lisas de todas as cores a 500 rs. PUN1I0S COM GOLLINHAS A10600 O
o covado. TERNO.
Liasinhas da cores com delicados qoadri- O Pavo vende om grande sortimento dos
nbos%de seda ton lo de todas as cores esen mais delicadas ponhos com gollinbas de es-
do mnito modernas a 800 rs o covado.
Grgur53s asues de laa, com delicadas
listriuhas brancas lavradas sendo oque ba
de ra?is novo na m-:rcado a 640 rs.
Delicadas alpacas de seda com delicados
padres e muito brilbo, de gosto inglez
a 800 rs.
De i alas Liasinhas da urna s cor, sendo
de todas as cres.como 6ejam : verde e asu!,
roso filio, cor de canoa, cor de rosa, bran-
cas com listras da m.sraa cor a 800 rs. e
13000.
Grande sortimento de fazendas de todas
as cores, ediferentes qaalidade3 a 320 o
covado e 400 rs.
Bareges de la trasparente tendo do to-
das as cores a 200 rs.
P0UPEL1NAS
O Pavo vende as mais delicadas poopeli-
* BU de verdadeiro Lobo e seda, sendo com
os padrees liatradO', e os mais delicados que
t-m viudo ao mercado, ba vendo de todas
as cores a 2(5000 o covado.
Ditas com diferente* padres, para aca-
bar, a 5600.
Sedinbas de listras com delicadas cores,
teado at rx s para luo a 10600.
NOVAS SE!)AS A 20500
O Pavao recebou una nova remessa das
mais lindas sedas para vestidos com s mais
lindas cores e mais delicados desenhos
miadinhos, em urna s cor, garantindo-se
que seda pura e qae seria fazenda para
mais de 3000, a n3o se ter feito urna gran-
de compra e lquida-se a 20500 o covado.
GROS PRETO
O Pavo vende sempre grosdenaple pre-
to para vestidos sendo sofrivel a 10UOO o
covado.
Dito bara com oarella branca a 20000,
Dio muito encorpados o multo largo a
20800 e 30'. 00.
DiiO em tecido de gorgnro sendo fa-
zenda muito incorpada a 3O0O e 40000.
Sed i preta lavrada muito encorpada a
20O.
BRAMANTES PARA LENCOES
O Pavao vende superior bramante de al-
godo tendo 6 palmos de largara, que s pre-
csj de 1,1/4 vara para que lencol, metro a
10600 oii varal0SO\
Dito do linho poro superior, maito encor-
pado com a mesma largara a vara 20400.
Ditos francezes muito finos a 20500 e
30000.
Pecas de Hambargo e panno de linho
cam 20 e 30 varas e para todos os precos
e qualidades.
Pee de bretanha de poro linho, tendo
30 jardas, pelos presos mais baratos que
se tem visto.
Pecinhas de nissimo esguio on celesta
com 6 jardas a 70000.
Pecas de fioissima 6lesia, tendo 3 jar-
das a 330000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
lergara, a vara a 20000.
Dito de linho superior, a mesma largara,
a 30200.
Dito trancado sen ser adamascado, mas
maito encorpardo a 10600.
Guardanapas tanto grandes como peque-
os a 30001 a duzia.
ALGODAOSINHO.
O Pavo vende pecas de algodosinho
americano com 16 jardas pelo barato preco
de 30OCO.
Dito muito melhor com 18 jardas 40000
Dito americano muito encorpardo com
20 jardas a 50000, 50500 e 60000.
Dito largo marca T, sendo o mais fino
qae tem vindo ao mercado proprio para
leoces a jarda a280e320rs.
D to enfestado para lencoes sendo, mnito
encorpado e com 8 palmos de largura
' vara a 10000.
Dito com a meima largnra, sendo tranca-
do e muito eicorpado a 10280.
CASSAS FRANCEZAS
O Pavao vendo finissimis cassas france-
sas, com as mais delicadas cores, sendo
Jistradas e de flores, fazonda ebegada pelo
ultimo vapor a 400 rs. o cavado.
Ditas francesas finissimas padroas mia-
dos a 400 rs. o covado.
Ditos de diferentes gostos a 320 o
covado.
Espartllhos moderaos a 3000
O Pavo vende ama grande porco de
isparlilhos de linho, tendo de todos os ta-
manhos pelo barassimo preco de 30 cada
am, dito a 40 e 50000, pechincba, a roa
3a Imperatriz n. 60.
Qtnndo parece qae nao ba nuli novidade a
descobrir, nem objectos de mais pbanlasia, aleen
dos qae tem apparecido at agora, eis qoe a Nova
Esperanca recobe os mais elegante* e mais mo-
dernos, de forma qae 6 todispemavel ao* apre-
ciadores do bom apparecerera eoasuntemente a >
dito estabelecimeoto afim de osarem o qae be de
ais ebiqai ao mando das moda?; agora mesroo
t Nova Esperanca recebea os em tio grande
qaantidtde qae mesmo nao sabe por onde come-
car; pelo altimo vevor chegado da Europa aca-
ba recebar os seguales, zioda lio vistos oeste
mercado, como sejtm :
Meios aderemos de tartaruga.
Pulseiras e crozes de tartaruga.
Lmdissiroos pioceoez com arcos de ondreperoia e
mum.
Delicadas bengalas de unicornio, (a roUacao)
Bonita? guarnigdes de seda para senhoras.
Lindos chpeos de palna escara (novida le).
Esses artigas ota se pode hzernma idea dri-
les seno qae sejsm vistos ; por uso a Nova Espe-
ranza ,a ra Daqoe de Cixia u. 63, apresa > -
em convilar a todos geralmeote, e oom especuli
dado ao beilo sexo pan vir aprecia-los.
enio de linho ricameute bordados, com gra
valioba de seda proprios para senhoras,
pelo baratissimo preco de 10600 o terno,
pechincba,.
Kulcs a ls. l50O e ^MM0
O Pavo vende om grande sortimento de
baldes ou crinolines pelo barato proco de
10, 10500 e 20000, os quaes com penco
trabalbo se podem por no uso moderno.
ANQUINHAS A 50OOO
O Pavo vende as mais modernas anqu-
nhas com cauda, que fazem effeito de meio
ba'o pelo diminuto preco de 50000 cada
urna.
o-tinados a 8#. 10.*. 114
e f .*ooo
O Pavo recebeu um grande sortimento
de ricos cortinados bordados proprios para
camas e janellas, e vende mnito barato por
ter feito urna grande compra em leillo,
sendo para 80, 90, 100, 110 e 120000,
tendo at de 2O0OGO o par, sendo os mais
ricos qae tam vindo ao mercado, pechin-
cha pelos precos.
LENCOS ABAINIIADOS.
O Pavo vende lencos de cambraia bran-
cos abainhados pelo baratissimo preco de
20100 a duzia. Ditos muito finos com bar-
rinha de cores sem serem abainhados a 20,
pechincba.
PechlncuaS ein madapoles a
.. e CAOOO
O Pavo vende pegas de madapolo mui-
to superior, tendo 20 jardas cada peca, pelo
baraisatmo preco de 5>000 e 60000 e d'ahi
para cima al o mais fino qae vem ao mer-
cado por precos muilo rasoaveis.
CAMBBA1AS A 20530
O P suissa, sendo transparente pelo barato pre-
C) de 20500 um corte de vestido.
Ofcina de alfaiate
NA LOJA DO PAVO.
Neste grande estabelecimento encontra-
r o respeitavei publico urna bem montada
officina de alfaiate, aonde se manda execn-
tar qualquer peca de obra, tanto para ho-
mem como para meninos, com a maior
presteza e perfeico, assim como para qual-
quer lulo que de repente appareca, tendo
na mesma officina um perito oflicial, desti-
nado para fardas dos lllms. Srs. oficiaes da
guarda nacional ou tropa de linba, sendo
esta officina dirigida pelo hbil artista
PEDRO CELESTINO SOARES DE
CARVALHO.
C as em 1 ras
Na loja do Pavo encontra-se um elegan-
te sortimento das mais finas e modernas
casemiras de cores proprias para calcas,
colletes e palitts, tanto em peca como em
corles qae se vendem por pregos muito em
conta, assim como grande sortimento de
casemiras pretas e pannos pretos dos mais
baratos al os mais finos. Ditos sendo de
cor de caf, verde, bronseado e pintado,
proprio para qualquer fato e pw precos
mais baratos do que em outra qualquer
parte, isto por baver grande sortimento.
CAMISAS.
O Pavo acaba de receber grande sorti-
mento de camisas ioglezas com peito de li-
nho para todos os precos e tamanhos, que
vende como pechincha por ter grando por-
co.
Ditas com peitos de algodo das mais
baratas at as melbores que veem ao mer-
cado.
Ditas francezas de chitas miudinhas com
os mais delicados gostos.
Ditas de meia de algodo e de lia.
LENQOS BORDADOS
O Pavo vende finissimos lencos borda-
dos para mo sendo de finissimas cambraias
de lioho ricamente bordados, sendo fazen-
da que sempre se venden a 40000 e 50000
e liqaidam-se por se ter feito ama grande
compra a 10600 e 20000.
CHAPEOS DE SOL.
O Pavo vende chapeos de sol de para
seda com barras tendo de todas as cores e
sendo com cabos de canoa e mnito leves,
fabricados no Porto, sendo fazenda qoe
vale 140000 e liqoida-se por ter urna gran-
de porco a 100000.
Ditos com delicadas cabos de marflm a
160000.
Ditos pequeos proprios para senhoras
e meninos a 800(0.
Ditos de alpaca com aronco do chap
do sol de seda a 40000 e 40500.
MACHINAS
DE
COSTURA
Chegaramao Bazar Universal da ra No-
va n. 22, om sortimento de machinas para
costura, das melhores qualidades que existe
na America, das quaes maitas j sao bem
conhecidas pelos seos autores, como sejam;
Weller dV Wilson, Grover di Boka, Silen-
ciosas, Weed 6 Imperiaes e ootras maitas
qae com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas mathre-as tem a vantagera de fazer
o trabalho qao trila costaren-as podem
fazer diariameate e cozera coa tanta per-
feico como as mais perfcitas eostureiras.
Garante-s a sea boa q talid.ido e ensina-se
a trabalhar com perfeico em menea de urna
hora, e os precos sao to coram-jdos que
devem agradar aos pretenden-es.
O CORAQlO DE OURO
Liquida suas joias por terde acabar o estabe-
B lecimeuto, ha grande redaccjfto mesmo nosprec/w
gg das entradas.
N.2 D Ra do Cabug N.2D
wmmmmmm mmmmmmmwm
O AZAR NACIONAL
-
Lourenco Pe reir Mendes Gufmaraes
Parlicipa ao respeitavei publico, seus amigos e fregueses qae, tendo-se dado no di
28 do mez prximo passado o incendio na loja de miudezas junto a sua, fot obrigado
a mudar todas as suas fazendas para a mesma raa da Imperatriz: n. 77, aonde foi bo-
tica Popular do Sr. C. Cato A C, e tendo de entregar esta casa no fin do mez son obri-
gado a fazer orna grande liquidaeo de todas as suas fazendas qoe se liquidan sem re-
serva de preco. Roa da Imperatriz n. 77.
Padariu
Qaereis fazer um presente ?
Queris preparar um vestido :
Queris ter um bom cheiro em vostso (oucader r
Queris um lindo leque de qualqner qnaiidade ?
Queris um tino olej tnico ou banha para vosso
tabello?
Nao indaguis era procuris em outra parte, por-
que correris o risco dejvos cansardes e nao en-
contrarte?; dirig vos logo a- Aova Esperanza, ra
Duque de Casias o. 6), onde tereis a certeza de
acbardes e por prego rasoavel.
Nova remessa
Aqnelles engranados pedes que dan:am "uro
quarto de hora mais ou meos, mostrando diver-
sos caracteres, a Nova E-peranca recebea ultima
mecte.________________________________
Nao se arrependam
E' certo qae qualquer pesso, quaodo compra
om fraseo de extracto, baoba, ou oleo, um eofeile,
um leuc'i, urna fita oa outro qualquer objecto ,
desaja que seja bom e da moda ;-porr, quasi
sempre temos o desprazer de ver es?as pessoas,
desgostosas e arrependi'las, e porque ? por nao >e
dirigirem a nova loja da Magnolia, ra Duque da
Caiias n. 45, que quem Ibes pota supprir de
bous extractos, de um lindo enfeite, finalmente,
daquillo que hoaver de melhor e de mais elegau-
cia no mundo das modas.
Sofifrera' quem quizer
Quantas pessoas vemos soffrer de nervoso, e
com espenaiidade as maos I os anneis eletrieos
de Royer, cura infallivel para semelhante mal,
e porque se nao faz aso delies T tal vez essas pes-
soas Iguorem o seu effeito, e qne a Magnolia, rm
Duqne de Casias o. 45, recebea desses collares,
e deseja qae cada ama dessas pes-oas comprem
o sen, afim de ver-se livre de um mal qua na
realidada to iocnmmodo.
Nao ha mais duvida
Quem tem melh)res e mais modernos artigos
de moda e plvntasia a Magnolia raa Duque de
Caxias n. 15 ; pois que acaba de receber, alm
de outros muilos objectos que se torna pufado-
nho mencionar, os seguinles : meios adere eos de
madreperola, branco* e de edre?, meios ditos imi-
tando coral, agulbeiros de madreperola e marfio,
cruzes de dito e dito, balaios com preparo? para
costura, cintos modernos (novidide) chapis de
palna do cores para senhora, bengalas de uni-
cornio (milacaY) Com dabo de madreperola, rica'
camisas bordadas para senbora e para bomem e
aderecos de marfim.
Na Magnolia
E' geralmenle a Tempesta que se d, quaodo al-
guem pergunta, onde eoeontrarei nm lindo sorti-
mento de leques ? urna rica caixinba com msi-
ca para costura ? um lindo lbum ? um objecto
de gosto para fazer um presente T onde pederei
achar um completo sortimento de objectos de mo-
da e por pregos commodos ? sempre a res-
posla, na nova lojt da Magnolia, roa Duque de
Caxias n. 43.
Cuidado.
Os collares Royer, sao privativos das convul-
soes n .s triangas e garanta do feliz desenvolv-
ment dellas, porm, mister que sejam verda-
deiros e novos: muilas vezes, vemos pessoas com-
pr.irem e nenhum resultado obter, porque ? por-
que nao teem o cuidado de procuraren! dos ver-
dadeiros, assim a Magnolia roa Duque de Ca-
xias n. 45, que recebeu desses collares, e offe-
rece a pais de familia garanlindo-lhes o real
desenvclvimento de seu effeito.
NOTA PARA TOBOS
Todos devem cortar daqui este annnncio e tra-
ze-lo na carteira oa livro de lembranca, como cou-
sa de grande ntiiidade,
PORQUE :ELLE
indica onde com certeza se pode encontrar oa en-
commendar nm bom presente que de improviso se
queira mandar a qualquer p^esoa,
ASSIM COMO
indica elle onde se podera encontrar ara fiambre
bem preparado, nma empada, um gatheaox de la
reine, um maug. tb, nm puding, nm bolo fino, om
pao-de lo e urna infinidade de bolos e pastis di-
versos, proprios para lanehe, sobre-mesas e me-
rendas.
ALEM DISSO
iniiea mais onde se encontrar sempre : frnctis
do lempo tanto nacionaes como eslrangeiras, doces
seceos e em calda nacionaes e esiraogeitos, licores
e vinhos finos, conservas alimenticias e excitantes,
bolaxinbas e bolinbos para ob e outros mnilos
objectos qae se tornara por demais enfadonbo a
ana inteira discripcao
E FINALMENTE
para qae se possa fazer oro jnizo aproximado
SO' INDO PESSOALMENTE
a confeitaria do Campos
Roa de Imperador n. 24.
Tome-sa bem a. camelia de que, afrente deste
estabelecimenta se acba colloeado um lampeao qae
se conserva aceso i nenie, at s dez horas.
Kerosene
Vende-se a palaria da Caa F >'te, pertencente
a Gabriel O. Campo : pira ver na mesma, e para
tratar com Tasso Irmos A- C._______________
Em casa de Tisset freres, ua ra do Com-
mereio n. 9 ha para vender :
Agua de Vichy das rootes lUabeiwe, Celestins,
Grande Grillo, Hospital e Mtsdames, em eaixas
de SO garrafas.
Agua de Chateldon, excellente agua de meza,
em caixas d- 50 garrifat,
Agua de Vals das lontes Presiense, Migdaiino,
Desire, Santa Jeao, R^olelie e Dunimique, em
caitas de 24 garrafas.
Ccgoac das marcas : Rianchv frres & C.
Rbyer Guille! & C.
Martol frres de Velros-.
Nao ha mais cibeilos bron-
cos.
Tintara Japoneza.
S e nica approvaJa pela academia de scien-
ca, reconhecida superior a toda que tem appare-
cido at hoje. Depo-ito principal roa da Cadeia
do Reeife boie Mrquez de Olioda n. 51, 1* an-
dar e em todas as boticas e casas de cabeilel-
reiro.
Verdddeiras bixas hm-
bur^uezas
nico deposito em Percambuco : n. 53 rna da
Cadeia n. 53, primeiro andar.
Claro, purificado e transparente, em barricas
grandes de 10 e II arrobes, o melbor que se pode
desejar para o hbriej do sabio : nos armazeos de
Tasso Irmaos C. caes dn Apollo.
CET0
O verdadeiro Portland :
ra da Madre de Deas o.
Joao Marlios de Barros.
s se vende na
22. armaxem de
Desappareo t o nervoso
O homens qae softrera de nervoso as; mios es-
cialmente quaodo e?crevem ioteiramente preju-
dicial ; mas, querendo verse livre desse mal, ve-
nham a Nova E^peranga e comprem um annel
elctrico que o mal desapparecer; assim tambem
a senhora qus soffrer de igual mal comprar
urna pul.-f ira elctrica e icar perfeilamente boa
boa ; ludo isso s se encentra na Nova Esperanga
ra Duque de Caxias n 63.
AON. 9
No progresso do paleo do Carmo vende-se man-
teiga iogleza II.r a 800 rs. a libra ; ssira como
tem nm bom sertimeoto para qualquer chee de
familia vir fazer sua dispensa, que encontrar
pregos mais commodos do qne em qualquer oulra
parte : por tinto peda-se atteogo do respeitavei
publico. _______
Lehmaun Frres veudem
libras sterlinas : a' ra do
Crespo n, 16, primeira andar,
Quem nao comprar
0 que valle 12S000 por 5$500?
Meias ioglezas muito encerpadas para senhoras
a 55500 a dnzia, ou 500 rs. o par. Na loja das 6
portas em frente do Livramento.
Terrenos no Caxanga'
Vende-sa terrenos ni Caxaogi, no povoado, com
a frente para a estrada nova, muito proprios para
edificacao.por serem altos, e a cheia nao os cobre:
quem pretender dirjase ao mesmo logar a en-
tender se com o Sr. escrivi Salgueiro, que dar
as inf "tmagoes necessarias.
Atten^Oo
Vende se nma casa terrea, sita travessa do
Mrquez de Herval (intiga Concordia) n. 41, com
2 salas grande?, 6 qaartos, solio sem repartimen-
to, cozinha externa e quintal murado ; urna meia
agua, sita no cortigo do Pccioho n. 3, com nma
pequeoa sala, nm quarto e um retiro que serve
de cozinha : a pessea que pretende-las comprar,
dirija-se a raa do Mrquez de Olinda (amiga da
Cadeia do Recifej n. oi, sobrado, 3* andar, que
encontrar com quem tratar.
De primeira qnaiidade, marcaDavoe? ven-
dem Pereira da Cuaba Irmaos, raa do Mafia
de OModa n. M. __________________ -
Fariha de mandioca
Superior e mnito propria para ana, em barr
ricas de farinha de trigo ; a 11*000 rs. a barria
ooe troaieai dt Taiw Irmioi k &
m DE M0SC&
Amara), Nabueo & C. vendem aza de mosca de
todas as cores, fazenda especial para cobrir es-
pedios, quadros, imagen?, etc. ele alio covado :
no Bazar Victoria, ra do Baro da Victoria n. i,
antiga ra Nova.
Bazar Victoria
Amarsl, Nabnco & C. vendem trancas, galoes e
franjas de diverias larguras, lanlijoulas, moscas,
borboletas, passaros, eto etc., de diversos forma-
tos, indo d arado verdadeiro, aderecos, brincos,
correles para re gio e valias de piaquet fino
para senhora e meninas, de aparado gosto : na
rna do Bao da Victoria n % amiga roa Nova.
Vende-se dous sobradiobos de nm andar, em
chaos proprioi, obra mnito nova, sendo bem cons-
truida, no raelbir logar da Casa.Forte, tanto para
moradia como para negocio, os quaes reodem 70*
mensaes, e o preco convida aos compradores :
quem pretender dirija se ao mesmo lugar a fallar
wm Benio Jos Domionm.
1*500 a dnsia, ditos 40000" para liqoidar.
CORTES DE BHf* A' 13500. para
Vende se cortes dB brim de cor
calca de bomem a 13509', cortes de gaoga..
a l#0GOt brioa d* cor a M> e 400 r. o
covado.
ATOALHADO A' 40O0.
Vend?-9e atoalDado para toalbas a 15080
o metro.
Bramaote de 10 palmos de largan >
13800 e 89500 o metro.
MAD-APOLQ A' 33300.
Vende-se pecas de madapolo a 33000,
43000, 4350C, 53000 63C00
COBEBFA DB GUITAS A' 23000.
Vende-se cuberas de chita- a 230W
cada nma,
ALGOOO A' 33000,
Vende-se pecas de algodaosinho a 3jJ0C0
43000 e 5O0O a peca.
ROUPA FEITA.
Vende-se camisas brancas 23000, 23500
33000.
Seroolas a 10000, 13500 e 23000.
Palites de-panno preto a 53000, 73000
e 1030(0.
Palites de alpaca preto e de cores a
23500, 33000-e 3#50.
PERFUMARAS PARA LIQUIDAR.
Venie-se om frasco com pumada franc-
za a 200, 326e 500 rs.
Vende-se om sabonte Goo a 200 e 320.
Vende-se nm> fraseo d'agna de cologne a
NOVIDADE.
Vende-Se fuelao branco para vestidos da
ssabora e roopa de meninas a 300 rs. o
covado.
CASSA FMN :EZ\ A' 200 RS.
Vende-se cassas francezas par vestidos
de senboras e meninas 240 e 320 rs. o co-
vado.
LASINIIAS PARA-VESTIDOS A' 420 RS.
Vende-se laasiobes para vestidos a 120,
240, 400, e 500 rs. o covado.
CORTES DE CASSAS A' 2340O.
Vende-sa cortes de cassa de cores 23000
para Itanidar.
GUITAS FINAS A 340 RS.
Vende-se chitas franeexas Anas escaras
e claras a 280 e 30 rs. o covado.
CAMBRAIA TRANSP \ RENTE A' 33000 A
PEQA.
Vende-se pecas de cambraia transparente
finas a 33000, 3350D, 43000 e 53000.
Pecas de cambraia Victoria a 33500,
43000, 43500 e 53000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS.
Vende-se alpacas de cores para vestidos
a 440, 500 e 640 rs. o covado.
TIRAS E ENTREMEIOS BORDADOS
- 2JOCO,
Vende-se eotremeios e tiras bordadas
para enfeilar vestidos brancos a 230006
23500, 33000 e 4300O.
SAIAS BRANCAS A' 23000.
Veode-se saias brancas e de cores para
senhora a 23000 e 3000.
CHALES A' 13000.
Vende se chales de 15a a iflOuO, ditos de 240 e 32) rs.
merino estampados a 23000, 33. 433 5|. E oulros maitos extractos finos qa
LENCOS BRANCOS A 13500 I vende sem reserva de prego, no Bazar Na
Vende-se lencos brancos com barra alcional, na ra da Imperatriz n. 7^.
NOVIDADES E PECII1NCHAS
EM
FAZENDAS FINAS E ROUPftS FEITAS
NA OFFICINA
DA
LOJADOPAPAGAIO
Tendo por meslie Mr. Charles Laurent
BA DA IMPERATRIZ N. 40
Mendes d- Carvalbo scientificam ao respeitavei publico, que acabam de receber om
completo sortimentp de fazendas finas de todas as qualidades, tanto de 15a como de li-
nho, seda e slgodao, o que ba de mais moderno e do melbor gosto, e portanto convi-
dara as Exmas. familias amigas da economa domestica, a virem ou maodarem na LOJA
DO PAPAGAIO, e vera o qae couprara fazend s bonitas e baratas por menos prego qae
jamis comprado
A' DINHEIRO
CACHENEZ CHALES MANTA
Cacbenez francezes de 15a para senhoras' Ha s dos chales-mantas dos qae as
e meninas a 33. Sras. usam ta Europa na sabida dos ihea-
Sjias brancas bordadas do diversas qnali-! tros ou de bailes, e vendem-se baratos por
dades e precos. | baver 2 de resto.
Toalhas pequeninas on guaranapos para! Baetas, Qaneilas, saceos de tapete,
meza por preco mnito baratos. Cambraias brancas e de cores, tapadas
Esparihospar atlos os precos. e transparentes at as mais Unas.
Damasco carmezim para colchas.
CAMIZAS
Carnizas bordadas para Sras.
Cbales de gase de seda com listas,
franjas de laa e de rteos.
Lavas de pelica branca.
Meias Irrgas muito finase encorpadaspa-
ra Sras. homens-, meninos e meninas.
Tapetes pora sala, e para portas de di-
versos tamanhos e precos.
PARA LUTO
Creps de seda preto largo.
Cassas, merinos, bombazina, canlSo e al-
paca.
Chitas, princezas etc.
SEDAS
Grosdenaples largos, tafei.
Sedinha lavradas e de listras assetinadas,
setins de cores, e poupelinas brancas e de
core*.
BRAMANTES
Aleodao estreito de 33 para cima.
Bramante de algodo de 4 largaras on
10 palmos-
Dito de algodo e linho.
Dito de linho com 12 palmos de largora [
o qae ba de mais fino em francez.
FILO'
Fil branco de seda lizo.
D t) bordados.
Diu de linho brWo e preto para diver-
sos precos.
LENCOS
Lencos brancos de cores de algodo.
Ditos bordados de cambraias de linho
de dous precos.
Lencos de algodo branco grandes para
cabecas,
Ditos de esguio muito baratos e de
barra de cor
MADAPOLES
Madapolo inglez de 53 a peca para
cima.
Ditos francezes de 03 at 123 a peca
maito largo.
LAZINHAS
Lazinhas lisas e de cores a 320, 400,
500 e 600rs.
Alpacas lavradas finas a 800 rs, o co-
vado.
GargurQes de cordo de cores a 800
rs. o covado.
Cassimiras de ceres, pretas pan roupas
de borneas e de meninos.
Carnizas ioglezas e francezas com e sem
Panno de linho, hamborgos ou creguel- colarinbo para bomens e meninos, grvalas
iaSa e mantas de seda e selim preto e de cores,
lcalhados de linho braSco. I collarlnbos e ponhos.
A' vista do qae fica especificado se v, que a LOJA Dj PAPAGAIO Wm toda *
qnaiidade de fazendas, que se procure, e garante-se vender por menos preco, qae qual-
quer outro estabelecimento.
FORNECEM-SE AS AMOSTRAS A QUEM AS EXHIRIR
.
VENDE-SE
nm sobrado de deas andares sito ra da Moeda
n. 19, e os terrenos que ficam nos fondos, tem
frente para a travessa da Companhia Pernamboca-
na, eeap&cidade pata dans bons armazens pro-
prios para reeolbimeato de algodo un quae?quer
oatro genere ne^etif nerlo embarque : a Va-
lar em casa de TasiJ Irmaos & C.
Wa rna do Aleurim n. 10 vende-se. "dona c>
lio* foroiboas andadores.
Chitas escaras avariada a t^SOO 64MO a
pe^a : na ra do Crespo b. JO, wj de Goilfcerau
Cnnha di L.
C da
A 1*000.
Vende-se japalos de tapete pelo barato prego de
ti : veiharo a Rival do Reoit n. 50 A, to 4
mittdew.
"'
MUTILADO I


d Pcrnaunbac* Quarta fra 31 da

h
% *
.
.
i

AO 65
MJA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Eate atabeltcimento acaba de receber om importante sortimento de diversas fa
las propriaa para vestidos, sendo poupelmas de seda, sedas, lias, percales, ditas con
oarrii proprks para babados, lindas cambraias crox, e em fim urna infinidade d'arti-
goi de moda, todo proprio para a festa, o que tudo vender por precos ioteiramenU
ratoaveM, en eooseqoencia de eslarmos prestes ao fim do auno, e o 65 nao qner te.
grande trabarho coa e seo balanco, preferindo tomar dinbeiro a fazendas, convida -st
portento ao respeitvel publico a virem sortir-se na loja do 65 aonde comrrarao por pre
(ee ^M Dio obterao em ootro qnalqner estabelecimento; em fim ver para crer
RA DO DOE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Rival fem segundo
Ra Duque de Caixias n. 91, loja de
miodezae de Jos de Azevedo Maia e Silva,
conbeci io por Jos Bigodinho, contina a
vender tudo que tem por menos do qoe
em outra qoalquer loja, a saber :
Crreme* pretas de borraxa
para aenbora a
Garrafas de agua Florida verda-
dera a
Canas com obreias de massa a
Frascos com macaca perola a
Pacotes com pos de arroz Ca-
lenda fina
Pares de botoes de osso
para panho a
Sabonetes de bolla mnito fino
a 460 e
I 500
40
200
500
200
A AGUI.L RAXCA
Cartas de alQoetes de latSo
fazenda boa a rs.
Carriteis de retroz preto com
2 oitavas a
Capacho de palba muito boni-
ta a <00 rs. e
Frascos com oleo Pbilocome a
500 rs. e
Pares de sapatos de tranca
para menino a
Pessas de tiras bordadas a
500, 600, 800 rs. e
Frascos com agua de Colonba
mnito boa a rs.
Gravatas pretas e de cores a rs
Pessas de trancas modernas
de todas as cores e todo o
preco
Libra de areia preta mnito
boa a
Novellos de aha con 400
jardas a rs.
Livros da misso abreviada a
Silabarios portagnezes a rs.
Cartas cera- 00 contas im-
presas a
Caixas com 30 novellos de li-
ona gaz branca a rs.
Gaitinnas (tara meninos a 40,
60 rs. e
Calzas con 12 frascos de
;beiros a
Caixas com 6 sabonetes mni-
to finos a rs.
Pontea para segurar cabello
de menina a 200 rs. e
Chapeos brancos para bapti-
ados a 24500 e
Copinbos com superior banha
200 rs. e
Frascos com oleo para cabel-
o fazenda fina a rs.
Frascos eom oleo Baboza a
500 rs. e
Frascos e garranchas de agua
e Colonba a
Frascos com verdadeiro azeite
para machinas a rs.
Redes c m contas para sego-
ar cabello a rs.
Latas com banha de Piver a
rs. e
Garrafas com agua Celeste
ito fina a
240
80
600
700
10000
1,5500
15000
500
4(0
160
60
10500
500
1,5500
500
80
10500
800
320
40000
320
Ra de Daqne de Casias n. 50
Receben:
Lindas calxinhas com os necessarios para [mar-
car roupa, sendo abccdano e nnmeracao, frascos
com (iota preta e encarnada, pioceis etc. etc. o
qae de certo novidade em tal genero.
Novos coques grandes com bociios desanos
10300 vlndo entre elles alguna enfeitaJos eom Otas e flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Aderemos encarnados de madreperola.
Cruzes preta com enfeites dourados e ontras
brancas de christal.
Smaocome
Tontea especial contra a calvicc
Com om lidio sortimento de perfumara qae a
Aguia Branca acaba de receber veio tambem c
apreciadoSmaoconecujo proveitoso effeito
ja bem conhecido por qnantos o tem usado e ser
anda mais por aquellos que necessitam de sua
utilidad. O coniiauado uso do Smaocome d o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
faze los renascer e conservar o sea brilho natural
alm de qne suu odor mais agradavel qoe 'on-
tro qaalqaer tnico continua a ser vendido na! cja
:da Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Excellenle para acabar com as sardas, pannos e
espinbas no rosto.
Vndese a 2 o frasco, na leja d roa Dnqne de Caxias o. 50.
Bonitas caixas cora perfumaras
propnas para presentes
Vendem-se na loja a'Aguia Branca roa Duque
de Caxias n. 50.
Modernas e lindas csaquinhas
para senhoras
A agola branca ra Duque de Caxias n. 50
receben ama pequea qnantidade de lindas csa-
quinhas de laa branca primorosamente enfeitadas
com setim de core1, obras essas to modernas
quio lindas. A prova dessa verdade est no apre-
t qne Ihes esto dando as Exmas. apreciadoras
do bom.
A Aguia Branca
NA
Rna Dnqne de Caxias n, 50
receben bonitas bolsinhas eom necessarios para
crochet.
Agulheiros de osso com agolhas e cabo para
ditos.
Papel verde liso e listrado para folhas de rosas
Dito de cores para flores.
Dito fino verde e pardo para cobrir os talos das
rosas.
Dito de cobre de cores para flnres, sombra, etc.
Lindas bonecas enfeitadas, e ontras com rosto,
mao3 e ps de porcelana.
Modernos aderecis de madreperola.
Ditos de filagrana dcarada com camapbeos.
Ditos pretos, gosto inteiramente novo.
Crures de madreperola.
Delicadas carteiras eom capas de marm.
Ditas pequeas proprias para lerobranc*.

LOJA DE JOIAS
ESMERALDA
Acaba de ebegar a este estabelecimento um importante sortimento de joias de
onro, do melbor gosto e qnalidade qoe tem viodc neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pinturas finas, aderecos e meios aderecos com pedras
finas, etc. etc.
Ra do Cabuga' d. 5.
Moreira Duarts & C.
*
320
10500
500
400
320
1,5500
Adamson Howie 8
i C.
Vendem:
Cerveja Bass, em barris pequeos.
Snperior cognac, em barril.
Vinho Xerez, dem.
Charutos de Havana.
No sea armazem, ra do Commercio
n.10.
AGUA DEHTRIFICE
DO
DR. HIERRE.
n. Agnia Branca ra do Dnqne de Caxias n.
50, receben essa apreciavel agua dentriflee do Dr.
Pierre, caja snperioride 6 bastante eonhecida.
Colares Royer
C3ntra as convulqdes e a favor
da dentiqo.
A Aguia Branca rna Duque de Caxias n. 50,
recebe por todos os vapores francezes certa qnan-
tidade desses apreciavels colares Royer, e por isso
est sempre provida dos meemos. Ja bem eo-
nhecida a ntitidade desses colares Royer, e metmo
a necessidade que ha das crianzas os trazerem ao
pescoco para assim estarem privadas das eonvnl-
(des, e contarem com fcil denticao. Esses cola-
res Royer qae se vendem na loja d'Aguia Branca,
i rna Duque de Caxias n. 50, bem merecidamen-
te se Ibes chamamSalvavida das crianzas.
Cerveja de Noruega.
Verdadeira e snperior : venda nos armazn?
de Tasso Irmaos 4 C.
1
Camisas bordadas para se-
nhora.
maral, Nabuco & C. vendem ricas camisas
adas para senhora, ditas para crianzas de 1 a
anos de idade, ditas para hornera tambem
adas e lisas: no Bazar Victoria d. 1, rna do
da Victoria o. 2.
Xarope Hydrocotyia Azia-
tica
A hydrocotyia aziatica orna planta qne
se acba mnito a mindo em Mauricio, Borbo,
Singarope, Bombaim, Madras, e ontras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
mnitos annos est empregada eom a maior
eficacia contra as diversas molestias de
palle, taes como o lichen, o eczema, o acn,
o prurido, o pemphigo, a lepra migar, a
elephantiash, as ulceraedes scrofulota ou
typhiUtic-u, assim como contra todas as
doencas conbeci das debaixo do nome gene-
rico dartrot. Experiencias numerosas eitas
pelos mdicos dos hospitaes de Pars, sobre-
iodo do hospital de S". Loiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provarSo a efficacia
dessa planta nos casos signalados cima.
Doposito Pharmacia Americana de Ferrei.
a Maia 4 C, rna Dnqne de Caxias o. 57-
CW4DEIBA
Vende-se ama cabra (bicho) mnito mansa, pro-
pria para criar tima crianca, por Isso qae d lo-
tos os dae ama garrafa de leite: vende-se mal-
lo barata qaem pretender dirija-se ao eieripio-
rio este Diario qoe dir-ie-ha qnem quer vender.
A 1-500
Veade-stj leqnes .mnito delicados e bonitos pe-
lo dimtonto preco de 1.1500 : venha ao Rival do
Reeife d. 50 A.
A verdadeira cerveja da Baviera, marca ban-
deira, de snperior qnalidade : vendem Tasso Ir-
maos & C em seo armazem da rna do Amorim
o. 37._____________________________^^
Meias de laa
para homens e senhoras
A Aguia Branca roa Duque de Caxias n. 60,
receben mu tinas meias de lia para homens e
enhoras, e como sempre vende-as por preco eos-
modo.
Libras sterllnae
Vende-se no armazem de H. Landgren, ra do
Commercio n. 4.
Fabrica de pianos de J, Khi-
gas, successor de J.
Yignes
Julio Dhibant, na ausencia do Sr. los Roiga,
acha-se enearregado da sna oficina de pianos, sita
rna do Imperador d. 55, ende o encontrarao
sempre prompto para eoncertos e allnacdes de
piano?. Acha-se na mesma casa, no 1* andar,
venda, grande qaanlidade de msicas de planos de
bons autores, e de varios precos.
Vapor usado.
Vende-se om vapor de torca de qnatro eavallos,
de ptima constraccao, e em mnito bom aso, pro-
prio para eugenho de assaear oa qaalqaer ontro
mister : a lrar no armazem n. 25 da travessa
de Corpo Santo.
Luyas de camursa
A Aguia Branea roa Duque de Caxias n. 50,
receben lavas brancas de camursa mai fina, pro
prias para militares e meamo para montara.
Vende se ama mobilu toda do Jacaranda :
a roa Nova n. 23, loja. _________^_
POTASSA
ARMAZEM DOS LEES
Ra Duque de Caxias n. 29.
Os proprietarios deste bem montado estabelecimento scientificam >o
respeitavel poblico d= sta provincia qna se acham com um variado e completo serti-
Dent de movis, tanto nacionaes como estraogeiros, sendo estes escomidos por nm dos
iobos que se acba actualmente na Enropa. O mesmo tem contractado com os melbores
fabricantes daquellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais babeis artistas deste genero, e por isso pedem qne ve-
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrarao'a realidade do qqeacabam de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, 4 ", marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pi setim, amau.o, etc., etc., guarda
vestido de araarellOj guarda louca de nogt.eira e de amarello com tahipo de pedra, apa-
radores de d to dita, peti toilettes especialmente pira fazer ^arba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secreta-ia? da Jacaranda e mognocus (uretras oe mogno, san-
tuarios, tbears para bordar, bercos, lavatorios com espelbo, de pedra marmore e seos
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e amitos ontros artigos que deixamos de
mencionar por seMcrnar enadonho
ACHINAS
DE
I I t
DE
SINGER MANUFACTURING uin
Orando reduepao de prepos !!!
!M 90^000. 90^000. 90^000
AVISO ESPECIAL .
A alta repnlac3o obtida pelas machinas fabricad as pelo
we mmmwm msm
tem levado diversas pessoa9 a fabricar imitarles que ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Singer.
^NENHUMA MACHINA SIX-
CER E' LECiiriHA SE
NAO LEVA ESTA MARCA F1XA
XQ BRACO DA MACHINA.
PARA EVITAR (OIIRA
FACCdES NOTEM-SE BEM
TODOS OS DIMALilL*
MARCA.
MARCA DA COMPANfflA
A companhia, desejaodo proteger seas amigos e fregoezes contra as imitacoes, tem
adoptado a marca cima representada.
Previne-se ao poblico de nSo comprar machinas qne Dio levem a maree da
companhia.
W- H. CHtFMM
NICO AGENTE
N. 45 Ra do Imperador N. 45
Di Rsela, nova, em barrfc ioteifoe e :
vendem Pereira da Cnnba Irmaos, rea do Mar-
qael de Olinda n. SI,
a casa da rna dos Goararapes 0.11: a tratar eom
o commeudador Tasto.
Moeda de ouro
Na roa do Apollo n. 20 vende-sa Horas sterlinu.
Bom negocio
Vende-ie ama boa xasa terrea em ebaoa pro-
prio*, ecoB 6 qaartoi, 2 sales, coainha. eiterrra.'t
grande quinfal planudo e morado, lita oa Capan-
ga, roa das Creonlas a. 6 ; vende-se umbem pai->
te de ama entra eiaa terrea, sita i rna da Vento
ra 0. 2 a tratar na rom 1* de Mar^o n. 7 A, i
andar.
Vende-se o hotel Mabille a roa da Floren-
tina n. 12 : qaem preteider dirija-se 4 rna do
Crespo n. 16,1* andar.
,>Q S A g >Q
?g"g
a, P*
!- Us
& g p
ii pi
al ^ S &
Sis!

rs-
aswg
o
O
& S. g- 8 0
o
p*
9
3
12- =
<5 P
00 *-
*' ?
? o P
B4
MUITA ATTBNCAO
GRANDE REDUCCAO EM PRIEGOS1
Antoio Pedro de Souza Soares, com loja de miudezas na
raa do Baro da Victoria n. 28,
PEDE AS EXMAS. FAMILIAS MUITA ATTENCAO PARA OS PREQOS ABAIXO
ESPECIFICADOS, A SABER:
Sapatos de tapete para homens e
senhora a......
Dozia detalberes 2 B mnito bons a
dem idem 2 botes (com pequeo
toqoe) a.......
dem idem cabo de viado a imita-
c5o a....., .
dem idem cabo branco Gravados a
Dnzia de pecas de trancas de cara-
col brancas a rs.....
dem idem lisas a rs.....
Grosa de botoes de osso pretos
e brancos a rs......
Dazias d-pe5as"de~cofa&" 1m|re
rial a rs........
Caixa de linha de marca a rs. .
Caixas de msica de tocar por ma-
nivella para criaocas a. .
dem de pecas de fita de linbo cbi-
neza a.......
Carteiras para notas a rs. 320 e
Meios adereces pretos com cama-
leo (broxe e brincef) a .
Grande sortimento de espelbo?,
moldurado, doorado e troca-
dores de 24500 a .
Resma de papel pantado e liso a
3^000, 30000, 4^000 e .
Caixa de papel amizade mnito
snperior a rs......
dem idem beira donrada a rs.
dem idem de qoadrinbos a rs. .
Caixas de envelopes de porcela-
na a rs........
dem idem a rs. 400 e .
dem de pennas a rs. 400, 300 e .
Abotoadoras para collete, grande
variedade ars......
dem donradas para puchos a rs.
Duzia de baralhos francezes a. .
dem idem idem canto doorado a
Lamparinas a gaz a .
Completo sortimento de fitas de
sarja, de todas as largaras, co-
res e precos. .
dem idem de velludo encarnada,
pretas e ditas com beira bran-
ca .........
Coques de trancas modernos a 40000
Miscrocopios a......20000
Mimosos leqnes de osso para se-
nhora a.......90O dem idem de sndalo com Ian-
tejoulas a.......50000
dem idem a imitaco a 20200
Transparentes com paieagens para
janellasa.......H0OCO
Bico de seda proto e branco peca
- .de 20500 a......70000
Fita Me setim Maco escesseza lar-
ga, vara a ......
Collariohosjwrdados para bomem
dozia a :.r- .
dem idem lisos a 7
Caixa de linha do gaz a rs. .
Garrafa de tinta roxa extra Pna a
Potes de dita iogleza a rs. 100 e
Ferros para trizar, differentes pre-
cos.........
PERFUMARAS
Garrafa do agua florida verda-
deira, a.......
dem idem kananga do Jap2o a .
Frasco de oleo philocome verdadei-
ro a ........
dem idem antique a rs. 400 e
Rosas com extracto a .
Frasco com extracto de 10000 a
800 Macos de sabonetes inglezes mnito
500 bons a rs........
100001 Dozia de sabonetes de anjinho a
dem idem de coracSo a .
200! Pacotes com pos de arroz mni-
5001 to fino a rs. 300, 400 e .
20600 Caixas com dito muito fino ka-
30600 nanga a........10500
10200 Frascos com agua de Cologne a rs.
500, 10000 e.....10500
Garrafas com dita o qoe ha de me-
lbor a 30000 e.....40000
10280
50501
40300
30000
30000
400
200
200
320
280
50000
10000
400
10000
30500
40500
700
800
640

30OOOx'
0000
70COO
800
10000
160
10300
10300
10000
500
10800
40000
600
20000
105CO
500
QIMPLHARIAS
E ama infinidade de objectos qoe se tornarialongo mencionar.
N. 28 Ra do Barao da Victoria N. 28

E8teiras da India
Par* f irro tala, brancas e de xadret, en pe-j
jas de i) jardas: vendem Pereira da Cnnba Ir-
mo, m do largan e Olinda n. L
AC e ferro em vergoinha.
ARADOS o grades para lawar a trra.
BOMBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e casados.
CARRINHOS de m5o.
CHUMBO em cano, lencol, barra e mooic3o.
COBRE em lencoes e armellas.
COFRES de Milner e ontros.
COUROS preparados.
OMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTRO-PLATE em obras finas.
ENXOFRE, limalha e salitre para fogueteiros.
ESPINGARDAS* rewolvers e pistolas.
ESTANHO, em verguinha e barras.
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e pequeas.
FOGES americanos e inglezes.
d FORMAS para purgar assu&ar.
FELTRO para caldeiras.
MACHINAS a vapor. .
DITAS de lavar roupa e picar carne.
DITAS de cortar fumo, estiva algodo (macacoa.)
DITAS de descarocar algodSo mi e a vapor.
LEOS, aceites, sabSo e trincal.
PAPEL de diversas qualidades.
PEZOS francezes de todos os tamanhos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS eataahado.
ZINCO em folhas lisas e forradas.
Fazendas baratas
LENCOS de linho finos eom barra de cor, abainhado largo a 9/ a amia.
POPELINAS a 1J60Q o covado.
SBEiINHAS a 1*300 e corado.
CAMISAS Bordada, a 00*060 a^xia.
VESUDOS de pfcanuaia %**000.
A' loja da Torve*a, roa Nova n. 0.




I

1 >
! MOTILADO
I
HBiBBa



m PrnMikM* Quarta era 31 d Julho dt 1872
VABIEDADE
^
X
ESTRADAS DE IERRO NOS ESTADOS.
. UNIDOS.
E* incoQtroveno qae poderosamente ac-
taam as estradas de ferro na vida pol tica e
ocial das naces; gaatraente reconhecido
que a soa influencia importa nipnos no he-
mispberio antgo deque era ura.peiz povoa-
do, ha pouco lampo, como no3 Estados-
Unidos.
Em regies qoe se esto colonisando ig-
nc-ra-se o qua sejira competenriu locaes ou
inieresses de campanario que m Europa
dosperlam, mal se projecta o mais insignifi-
cante ramal de vas frreas.
O complsxo de estradas de ferro que ao
emigrante se offarece, apeaas ntra em No-
va-York, q.iasi elemento do clima, se-
melhanca das aguas e do solo. Dirige se o
explorador na escolta de sua residencia pelo
desenvolvimento dos carris. Nio costa
acceitar o dizer dos aotores de Chapters of
Ene (I) quando firmara que seu paiz foi
serado pelas locomotiva?, e qne a Uniio
Americana se desvanecera se lbe fallecas-
sera barcos a vapor e vias-ferreas. Sem o
vapor, que abrevia as distancias e rene os
dadlos das differentes provincias, adrait-
tir-se-hia a idea Je urna confederado com-
posta de trinta e sete estidos o dez territo-
rios, iguaes em rea Europa inte n ?
J as estradas de ferro salvaran a Uoiioj
prestando relevantes servidos aos exercito?
federaes m guerra civil; porquanto os ho-
mens do Borte nnoca ujeitariam os rebel-
des do ful se p.3j livesse:n mi meios de
acc3o ruis poderosos do que os dos inglf-
zes na poca di independencia. Se ainda
tivessem da soccorrer-se estrategia lenta
de sU3 antepassados, n5o obstariam des-
membrarlo dos Estados-Unidos em muitas
confederadojs, bostis urnas 3 outras, pres-
tes sempre a dilacerarem-s\
T*lvez livesse raz5o quem snppoz^sse ex-
tractas as cunvolses em que permanente-
mente agitam-se as repblicas da America
oespanhola. tanto qna o ierro-carril, desdo-
brando-so na superficie desses pequeos
estados, une-os na mesma tendencia or-
dena e prosperidade.
I
Sopposto a rapidez dos transportes pard-
ea prodozir a centralisacao nos Estados-
Unidos foi c nsequencia necessaria das es-
tradas de ferro a dispersio dos emigrantes
as vastas planicies do far-wesl.
Como por es3as trras, ainda qoe frti-
lsimas, ter se-biam internado os explorado-
res americanos, se ficassem na solidao, re-
motos dos mercado.0, destituidos dos meios
ele irausporte ? Pela estrada de ferro, No-
va-York recebe os careaes do Missouri ;
mediante o vapor remelle Chicago Irlanda
as prodoecas do valle do Mississipi.
Dilata-ae o circulo da 3ttracc3o dos gran-
des centros da papolaclo, segundo o grao
ieceleridade e baratez das comraunica-
Ces. Surgem taes centros e transfersra-38
de um para outro lugar proporcSo que
novos caminos franquea o commercio para
o coraco do continente.
Menciona-se ordinariamente Venezi, por
exemplo, dos effeitos que occasiona a mu-
danza das direccas commerciaes para en-
gran decimento ou decadencia das cidades:
na America do Norte mnltiplicam-se resul-
tados taes coro rapidez maravjibosa. Erana
cidades da prime-ira ordem Nova-Orleans,.
Boston, Cbarleston; baixaram segunda,
ao passo que Nova-Yo k subiu em qoarenta
irnos de 230,000 a 903,000 bastantes, e
Chicho possue 300.000 em terreno palu-
doso, lnd6 etn.t29 vm-se apenas algu-
mas chogas de pecadores.
Concorrem em Nova-York e Chicago dous
predicamentos que suscitam e alimentam o
commercio vasto porto para communicar-
se com outras regies do globo, e systema
de vias-ferreas qae dilatam-se pelo interior
em todas as direccoes. Igualmente, no
centro dos estados, sao boje em dia empo-
rios de summa importancia. Albany. Cin-
(I) tapters of Kric ^fL-olher e^ai/s,
by Ch. and H. Adaras. ^^
FOLHETIM
LICU AO MESTRE
ROMANCE
POR
A. A. TEIXEIRA DE VASCONCELLOS
(Continuacio do n. 171.)
XI
Estavam ainda conversando a om canto
D. Mitbilde de N aronha e a discreta vinva
de Minas Geraes qoando o Sr. Domingos
de Sampaio entrn na sala. D. Mara Joa-
quina acabava de sentar-se junto d'ellas.
A mulata, em p no vio de urna janella, pa-
reca admirar a verdura dos campos e a
espessura do arvoredo, passatempo de cer-
to moito mais buclico do qae as inclina-
ces da Sra. D. Thereza, mai que entio ex-
traordinaria conjonctura lhe estava natural-
mente indicado.
Sena se resolver a sabir da sala e a pro-
curar a eampanhia da velha Gertrades on
de qualqoer ontra criada, a mulata compre-
headera que n'aquella casa e diaole da3
senboras de Cresluma s torca de mo-
destia poderia obter a benevolencia com
que a familia de Laiz Coelbo, da igreja, a
tinham honrado. Ficou, pois, a respeitosa
distancia das senboras, e nao oosou sen-
tar-se.
Nao dra anda bem pela mulata a Sra.
D. Mathilde de Noronha. Tio ab3orvida
ficara a saa alinelo s primeiras palavrai
de D. Francisca de Azevedo I Nem teria
voltade a cabeca para corresponder ao cum-
primento solemne de Domingos de Sam
paio, se n3 qaizesse lancar-lhe em rosto
a ignorancia em qae a deixara, da elevada
posicio social da va va, das snas relaces
na o5rte. e dos servicos j prestados por
ella i familia de Pacos de Ferreira.
O primo Domingos assim t excla-
tnava D. Mathilde depois de o ter repre-
hendido, e como quem o descolpava para
com D. Francisca. Muito boa pessoa, moi-
to nosse amigo, moito jovial e agradavel,
mas distrahido qaanto se pode ser n'este
mundo.
E' verdade, minba prima, responden
com affectada submiss3o o Sr. Domingos de
Sampaio. ISinguem se faz a i proprio,
diz o proverbio. J Deas me quiz com
es se deleito. E nao tTvesse eu outros!
Mt3, eaim, se en nSo enconlrasse na
cinnati, S. Luiz, Pittsborgo, somonte por
convergirem para abi as estradas de ierro,
qoer pela configuracSo do solo, qaer por
accidentes de constrneelo.
Qots todas as conduces nos Estados-
Unidos concentraram-sa as estadas de fer-
ro ; desnecessarias ficaram sendo as de ro-
dadera. Excepto alguna caoaes, s existe a
concurrencia qoe nos aos. ouiros fazem os
ferros-carri, nem sempre em proveito pu-
blico, como ao diaote se veri. Multiplica-
ram-se em tanta sorama, que os amigos es-
lados, onda nlo muito densa a populacho,
possoem, em superficie igoal, untas estra-
das de ferro coma as provincias da Europa
mais vanidosamente dotadas desta bene-
ficio.
A' nos estados do oeste, cilade nio ha
de algom voito qae n3o e?t-j servida por
urna chssas estradas. Cidade e carris des-
envolvem se conjunctamente em modo tal,
que difficil ser dizer qual das doas cousas
consequencia da ootra. Em 1840 os ame-
ricano] construiam annualmeote 800 kil-
metros de vias ierras; em 1880 exisliam
feiios 47,000 kilmetros; as obras estive-
ram paradas alguns aonos per cansa da
guerra civil; mas depois proseguiram com
mais intensa actividade. Em 1871 aceres-
ciam 10,0)0 kilmetros rede das estradas
de ferro, cojo total oa UniSo nlo era enio
inferior a 80,000 kilmetros.
Cumpre noiar que constraccoes taes nao
custam oa America tanto como na Europa.
Segando o qoe se lera conseguido-saber
(consa pouco fa;il, vista dos mysterosem
que se envolve a contabilida.de das compa-
nbias, independentu^, como se acbam, de
toda a fiscafisacio), em um kilmetro dis-
pende-se menos de 200,000 francos, inclu-
sive material, a) passo que na Europa o
costo eleva-se ao dobro. E no eintanto
menor alm do Atlntico o valor relativo do
dlnheiro.
L' carto qne depararam as companbias
americanas contienes favoraveis, em alto
grao, economa de suas obras: o terreno
Ibes concedido gratuitamente, salvo as
cercanas dos grandes centros de popula-
cao ; as estradas em geral sao de va sia-
gella ; a cammodidade e at a seguranca
dos passageiros sao sacrificados barateza
das construeces; e, fioalmente, os enge-
nheros, eocontran lo obstculos de grande
vulto, evitara a difficuldade, em vez de re-
solve-la.
Esta > os americanos affeitos a ligar por
urna barca a vapor os trechos da urna es-
trada de ferro a que se interpa um rio
caudaloso; quanlo inevitavel levantar
urna ponte ou viadocto, fazem-os de madei-
ra. Assim no Nova-York central, que vai
da Albany a Bllalo, os carris e>tao assen-
lados sobre urna ponte da madeira, qae tem
268 metros de exieos5o e 80 de altara.
Os engenheiros dos Estados-Unidos do
madeira todas a' applicaces. Quaado se
ibes nota sua curta oraco, respondemque
um viaducto que custou 875,000 francos se
fosse fei'.o da pedra importara em mais de
tt mhas ; o si ples juro desta quantia a
7 por cento, daria para construir de madei-
ra a mesma obra da dous em meio dous
annos. Tambem a estrada de ferro que
commnnica o estado de Nova-York com o
Canad, atravessa o Nigara em urna ponte
pansil de rao de ferro, a mais arrojada fal-
tara desta especie que baja no mundo.
escada mea filho Jeronymo que me disse
tuda, chegaria janto da Sra. D. Francisca
se ai saber as obrigacoas que todos lbe de-
vemos.
V. Exc. estava com tanta pressa e ta-
maito coidado na sauda do nosso Luiz,
que nem tive tempo de lhe dizer nada. E
depois o merecimento da Sra. D. Francisca
revela-se tao fcilmente qua nao carece ser
apregoado.
Comprimamos ninguem os faz melhor
qne o Sr. Domingos de Sampaio, ioterrom-
peo a viuva Atando o alfares da Silva com
a autoridade dos direilos adquiridos, mas
nSo sem receio do futaro. Desde qae o
conheco, devo-lhe as mais primorosas at-
tencoas.
Mas nlo me dizer quem era esta
senhora, replicn D. Mathilde, nem as dili-
gencias que j empregara com sea primo
Antonio d'Araojo para restituir ao Luiz a
casa e o titulo dos condes de Armamar I
E' incrivel, primo Domingos I
Permitta-me Y. Exc, acudi D. Fran-
cisca de Azevedo sorrindo, qae eu saia a
campo a defender o Sr. Domiogos de Sam-
paio. Elle nao sabia quo eu escrevera a
mea primo Antonio d'Araojo acerca da
casa de Armamar. O Sr. Luiz ne Mallos
fallon-me da successao qoe lhe partencia, e
eu escrevi-impellida pelo desejo de causar
urna sorpresa agradavel a pessoas que me
tinbam obsequiado tanto.
J v, prima Mathilde, observou Do-
mingos de Sampaio, que nlo son to cul-
pado como pareco.
Agora a respeito de mim e da minba
familia, continuouD. Francisca animada pela
atitude benvola do alteres da Silva, de
certo podia informar a V. Exc. moito me-
lhor que eu propria. O Sr. Domiogos de
Sampaio conhece as arvores de costado de
todas as familias de Portugal, e eu nem
da minba sei com exactido. N'estes ltimos
lempos qae na casa da igreja vi na livra-
ria do Sr. Luiz Coelbo ons livros geneal-
gicos, mas s procurei n'elles o litlo da
casa de Armamar e o dos senboras de Pa-
cos de Ferreira para nio trocar de falso
as cartas para Lisboa.
Moito lbe devemos, minba senhora I
Nem en, nem mea sobrinho, o escocere-
mos nanea. O nosso direito incontesta-
vel, e se meus pais e avs o tivessem alle-
gado, como Ibes compria, ha moitos annos
estaa verificada a resiitaiclo do titnlo e
da casi de Armamar i nossa familia. Nao*
ca reqaereram Parece impossivel I Por
ra canaes entre o Ohio, o Eri e Susqae-
haonah. Nio soriiu-lhe bem o commetti-
ment : j gravado de obrtj perie
res aos seos recorsos, acboo-ie na ii
bilidade de pifar o jaro da divid poblici.
Nos mais estados de leste feram as estra-
das de ferro feitas por companbias locan,
qoe, auxiliadas pelo governo e pelas cida-
des, principiavam por linbas pouco exten-
sas e depois incorporavam-Se ornas s ou-
tras. y *
No oeste, onde as trras davolatas cons-
tituem a verdadeira riqueza, parque, culti-
vadas, produzem em grande copia trigo,
algo do e linho, os estados promoveram a
cooslraccio, con:edendo aos emprezarios
vastos tratos de terreno incali. Assim no
Illinois o rongresso concede gratuitamente
s companbias secedes de dez kilmetros de
largura em cada margein das estradas al*
tero idamente.
Valia o bectare dessas trras menos de
dous dollars antes de abrir-se a vi a frrea;
veode-se a 15 oa 16 dollars logo que per-
corre a locomotiva, porque alfl ie para all
a popolacao. E' provavel qoej-^os propre-
larios dos estados, que demorara deste lado
ios Alleghanys, prejudlque essa iransmi
gracio incessante para o oete; as [zondas
ticam desertas, os productos eocontraa nos
mercados a concurrencia fjrmidavel das
colheilas do far-west; mas s cidade e
aos portas reduada ist) em grande pro-
veito.
Em Franca, qaer sejam as estradas d
ferro constroidas casta do orcam^nto.
qoer as tentara emprebendido companbias
cancessionarias, subvencionadas ou nao,
acia sobre ellas o uoder do estado. Urnas
vezes outorga-lbes ficuldades extraordina-
rias, sem as quaes talvez nlo levassem ao
cabo as obras encetadas, outra3 vezes inde-
fere s saas solicitaedas e resguarda o pu-
b'ico dos abasos qae bajara de fazer do
.eu monopolio.
Nos E-tados-Uiiidos nao ha cousa que
com isto se pareca.
Como na Inglaterra, as associaces eie-
cutam as obras com os seos capitaes e in-
demnisam-se eom as taxas que exigem ar-
bitrariameDte de passageiros e mercado-
ras. Allega-se qae a mdastria das estra-
das de ferro est, como qualquer outra, so-
jeili concurrencia, que limiiar s taxas
nos termos da razio. Mas os fados nlo
corresponden theoria. Al estradas ame-
ricanas deram exemplo das mais desmana-
das variaces nos procos.
Em 1869 o costa doa transportes entre
Nova-York e Chicago elevou-se de 5 a 40
dollars por tonelada. A's vete* a tarifa era
de 2 dollars entre Nova-York e Chicago, e
de 37 dollars no mstmo pereorso ao in
verso. Ordinariamente dnas companbias
competidoras cjntendiam por obter o ira-
fego e ter o pontos termiaaas qae serviam,
exagerando a redcelo dos fretes, e resar-
ciam a perd levantando descoaunonalmeo-
le o preco dos transportes dos lagares in-
termedios, de maoeira tal que arroinavam
as fabricas sojeitas a tio exorbitantes va-
riaces.
Quiz por vezes o congresso precaver os
abusos do monopolio; mas as suas deter-
minaces [oram fcilmente sophislicadas.
as mais antigs cooce<">5es ha ora artigo
qae manda reduzir f grifas qoando reu-
dimento das empreas aitinge corlo limite ;
Emquanlo est prohibido em Franca seme- -taarpouco importa esta disposi^io em paiz
Ibaota systema de ponles at em estradas
oTaTiTTSSTTniTTeTlITr^^ ^slabili-
dade, por aquella do Nigara passam urna
estrada de rodagem e ootra de ferro. O
seu uso data da 1855 sem o mnimo acci-
dente.
Posto sejam no extremo econmicos os
constructores transatlnticos, haviam*se dis-
pendido, antes da guerra civil, mais de seis
mil milhes de francos em obraa de estra-
das de ferro ; ao presente se ha gasto mais
do dobro. Como organisaram-se essas em
prezas descommunaes em paiz que offerece
ao capital lio numerosas applicaces ?
Puzeram-se em pratica todos os systemas
usados na Europa.
Na Pensylvania o estado construa i sua
custa estradas de ferro, assim como j abr-
cujo governo, por falta da precisa fiscaiisa
Co, ignora sempre aguanto monta o capi-
tal social de cada empraza. Tambem pre-
tenderse, j tarde, vedar a fuso de com-
panbias competidoras.
(J aal foi o resoltado ? A fasao effectaoo-
8e sem as appareocias: ajostavam, por
exemplo, qoe fossem commuas as receitas
prodozidas pelos pontos terminaos, tacando
para cada orna o monopolio do trafego in-
termedio. Nio para maravilbar que as-
sociaces taes tergiversem na execuglo das
lea: slopotencias de alto prestigio em paiz,
onde a magistratura e o congresso porten-
cem, pelo voto universal, aos mais ricos,
aos mais oosados.
Di-nos a companhia da estrada de ferro
central da Pensylvania singular documento
isso agora ha de ser favor o qae na verda-
de sempre foi da direito.
Favor nio, mas jastica qae todava
nem sempre alcancam na corte os que mais
ioquestionavelmente a merecen, disse D.
Francisca. Mea primo Antonio d'Araujo re-
conhece o direito do Sr. Laiz de Mattos,
porm a restituirlo de bens encorporados
ni cora] dependa dos tribonaes, dos ma-
gistrados superiores, da chancellara mor, e
do principe regente.
Assim mas ter do nosso lado o
primeiro ministro meia demanda vencida,
accrescentoo D. Mathilde como se comple-
tara a pbrase da astuciosa viuva.
- Estou certa, proseguio D. Francisca,
que ba da fazer qaanto estiver ao seo al-
cance. Sampre me atteadeu moito. Mau
pai, Joio da Azevedo Correa de Licerda,
veio a Pars no tempo da revoluclo, e foi
preso no mesmo dia em qoe prendern
Antonio d'Araujo. Estiveram ambos na
Conciergerie. Depois manliveram at i
morte de meo pai estreitas relaces de
amizade, alm das de prximo parentesco,
D'estas poder dizer o Sr. Domingos de
Sampaio melhor qoe eu. Nio verda de ?
Est evidente qae i por Azevedos,
responden o alferee da Silva com om sor-
riso que s entenda bem a fiiha de D. Ma-
thilde. Os Azevedos da Barca sao dos se-
nbores de Azevedo e de S. Jlo de Rei,
boje ramos separados da mesma arvore.
Os de Minas Geraes teem igoal e por tanto
nobilissima origem.
Eu nada sei d'isso, ajuotou a viuva.
Ouvi, porm dizer a mea pai muitas vezes
que meu bisav Alvaro Lopes de Azevedo,
depois do casamento de soa irmia D. Brio-
lanja com um fidalgo chamado Duarte de
Lomos, fra servir no Brasil com o irmio
do cunbado, Braz de Lomos, no meado ca-
pillo general de Minas Geraes onde nio
chegoo a governar por ter morrido na via-
gem. O Sr. Domiogos de Sampaio ba de
ter noticia d'isto. Creio que at vem nos
taes livros de genealoga qae ea tf oa caa
da igreja.
Nio se espantoo o alteras da Silva da
audacia com qoe D. Francisca se aparentava
francamente com a casa de Creiioma, e
olboo com ar de zombaria para i va va e
para a fiiha do D. Matailde. a quem vatici-
nara este novo parentesco.
Nio assim, Sr. Domingos dt Sam-
paio ? insisti D. Francisca.
D'isso sei eu melhor qae elle, nter-
rompen D. Mathilde immediatamente to-
mando aa'daas tolos da vmva. A Sra. D.
do poder s desta arte adquirem articu-
lares, p la simples influencia de. combina-
Cea floancetras. Em 1854 esta sssociacao
poisuia somonte a linha de Harrisbargo a
Pittburgo (350 kilmetros), ni qual con-
samira pertode 17 milhes de dollars. Em
1889, amoscada pela competencia activissi-
ma das emprezas qae trataltavam mais ao
norte, adquira da repente por contractos,
qae o congresso levemente approvuu, urna
linha que a condoz at Chicago, outra que
encaminba-se a S Laz, e tarceira que re-
mata em Cincinati. Na apparencia dava-se
por satisfeila; declara va, a quem qoizesse
ouv-la, qae nlo se acbav habilitada para
ir alm do Mississipi; mas o que a com-
panhia escrupolisava fazer, ssus directores
nio davidaram lavar a effeilo.
Esses hontens qoe pareciam "no extremo
atarefados' com a immensa administracio
qoe tinbam a sea cargo, insinuaram-se as
emprezas do Michigan e do Minnesota, onde
as estradas de ferro construem se mediante
vastas concesses de trras; fizsram-se ele
ger pura a direcrlo da linba do Pacifico,
que deduz seas principaes proventos da
venda de trras adjaceotes estrada.
i alcolou-se em 80.0C0 milhas quadra
das, rea igual da Italia, o terreno de que
dispanbam. Possoiram de miis disto, em
notae da companhia da Pensylvaaia 6,000
kilmetros de estrada de ferro, um canal,
minas de carvlo, ama empreza do navega-
gao a vapor, o capital de 700 miih>es d;
francos con a renda aonuil da SSOmilbes
a quarla parte dos quaes constitua renda
liquida da associarOo.
O que o Estado, em qaa acbam-se rea-
rados nas raaos ds alguns cidadaos elemaa
tos desta importancia sem a mioiraa fiscali-
selo T Puenlidade seria esperar modera
ci e cordura em taes homens: sechores
de desmesurado monopolio, blo de empre-
ga-lo em soa vaatagem pessoai.
As provas ficiram patentes no invern de
1870 a 1871. Por eeito de circomstaocias
arlificiaes a prodaeco das minas da carvio
da Pensylvania assnmiu em poucos annos
timanbo incremento, que alo se compade-
ca com as necessidades- do commercio.
Resaltaran dabi parausadlo nas traasac
coas, ex trcelo escassa, taixanos salaries,
colligaclo dos operarios das-miaas. Acom-
paniia das estradas de ferro possuii algu-
UMs dessas mioas : para chamar aqaelles-
operarios razio entendeo q,oa o melhor
a/vitre eslava em triplicar o prec.) do trans-
porte, a ira de empecer o consumo e des-
t'arte obrigar todas a3 conce3sas da mine-
rarjio a saspenderem o trabal'io.
A populadlo do Estado sectiu os effaitoi
deste accordo. Levantoa-se estrepitoso gri-
to contra os administradores da estrada de
ferro.
Foram examinados os decretos da3 saas
coocisses afim de averiguir-ia se da failo
caba-lbe o direito de lancar taxas de trans-
portes prohibitivos sobre a mais importan-
te das materias primas, Nas suis clausu-
las estava prefijado o limite que a compa-
nhia nio poderia transcender ; mas os iri
boosos. j de moito- tampo antes, bavam
decidido qae aquello--mximo refena-se ni-
camente ao qae eav Franca cbamava*se pre-
co d pedagio, e coaseguiuieuieote nao ha-
va termo legal do preco do rele, propria-
menie dito.
Por outra, a coiopanbia nao podia reca-
sar a crculaclo sobre os seas carris a
qaem lbe qaizesse pagar o preco da tarifa;
mas cabia lne a facaldada de exigir a rema-
ooraflo que lhe aprouvesse pelo uso de
suas- locomotivas e wagons. E assim ficava
o publico sojeito ao bel-prazer de qaem
soubera monopoltsar os meios do transpor-
te, indispensaveis s minas de carvlo de
pedra.
Se esses aventorosos directores de ostra
das ferro, que os Srs. Adams appellidam
aves de rapias, tio desembaracadamente
escorchara a popoiaco, ainda sao mais fre-
quentes as demasas com que abusara da
confianca dos accionistas. Outro ardil a
que slo osados os emprezarios americanos
c.insista no que eogenhosamenre denominam
Stock watering, o qaa se traduziria por
deitar agua no capital.
Briolanja de Azevedo, irraaa de tea bisav,
e o Sr. Duarte de Lemos marido d'eila, eram
meus avs, e tu s minba s8gunda prima.
Empallidecea |D. Miria Joaquina ao ouvir
estis palavras, envergonhada de semelbaate
parentesco, e pesarosa da siluaclo em que
taes embustes col loca/a t saa mai.
Um gesto de Dosiogos de Sampaio obs-
too, porm, a que se lancasse de permeio
entre as in-idias de D. Francisca e a am
bicio credola de D. Mathilde para quem a
pretenc3o casa de Armamar era talismn
poderoso, a coja forca nao sabia resistir.
Yia a dalga de Crestuma na amizade e
parentesco de D. Francisca da Aieyedo a
reaisaclo da riqueza e engrandecimento
com que sonhara em vlo.havia tantos aonos
aquella familia. Nem qaeria averiguar sa
com effeito soa av D. Briolanji de Azeve-
do Uvera o tal irmlo de quam nunca ouvira
fallar, e se d'elle era descendente a viuva
do sargeolo mor Ayres de Qaeiroz. A casa
e o condado de Armamar vahara bem aquel-
las honras da prente, muitas vezes dadas
com igual verdade pelo proprio soberano,
ebefe, luz e esplendor de toda a nobreza do
reino.
A sao marido Jos Coelbo de Lernas ou-
vira D. Mathilde dizer a cada instante qua
moflo agradecido ficava sempre a quem
procurava o sea parentesco, porque ou se
honra va d'ella.^e era testemanho de cans-
derafao, oa lhe quera dar honra, e era
merce. J eolio os fidalgos de provincia
sabiam pagar n'essa moeda servicos e ob-
sequios, conciliar protecces, e at facilitar
casamento! abastados para os filhos. E para
juatificacio da tolirancia com qae maitas
vezes injojariavam d'esta forma o generoso
sangae de seas nobres progenitores, bavam
descoberto aquello commodo dilemma do
velho Qdalgo de Cresluma.
r>. Mathilde abracon maitas vezes a va va,
mostroo-se satisfeitissima de ter descoberto
entre ambas tio prximo grao de parentes-
co, enio se esqueceu de accresceatar que
a restituicio da casa de Armamar iateressa-
va agora taoto a D. Francisca como as du'as
familias de Pacos de Ferreira e de Cresta
ma. A gentil viuva pareca cada vez mais
fcil o casamento com Laiz de Mattos, e ju-
bilosa de tio inesperadas e saccessivas for-
tunas agradeca nas mais affectuosas ex-
presses as honras com qae D. Mathilde lbe
estivera estimulando a dedicago.
Hara opa nica sombra nos esplendidos
horisontes qne se lhe estavam abrindo diao-
te dosolhos. Era o receio de qae Domin-
gos de Simpaio por honradez de carcter
' Qoando ama companhia seote-se estrega-
da por sea capital primitivo, oa por apro-
priaqaar-se o limito mximo do joro f aran-
t'do, oa por dispor-se a mcorporar*se com
outras, e entio desojar parecer mais rica
do qae na realidade, ou por precisarem
os seas directores, para acudir algama es-
pecolacio, de alargar a emisslo de seas t-
tulos, a companhia eleva ao dobro ou ao
triplo o numero da suas aeces, sem oppo-
siclo de quem qoar qae seja. Por isso
diCDcilimo saber o costo real das e Iradas
de ferro na America.
Para conbecer-se qu nto a contabilidade
ostensiva das companhias diverge dos alga-
rismos das despezas reaes, os Srs.Adams
differentes das outras na cor e rigosas na
superficie, para que nlo possa haver confa
mencionara a orgamsigao da grandeestra- aso, ainda que se esteja sescoras.
da de ferro do Pacifico, lQten;iooalmente ci- ^ as garrafas com substancias tonica
tara o exemplo dessa linha maravifbosa qoe
oommonica a California com o valle do Mis-
souri.
Antes de eacetarem-se as obras, pareca
essa empreza de tolo o poato aleatoria ;
era lo'eria. Os directores quo tiveram a
boa ventara de deparar probabilidades fa-
voraveis, msrecera ira!ird3o proporcionado
ao perigo que carreram. Dasculpam-se-lbes
os meios a que soccorreram-so para gran-
gtar dinheiro, censurareis se a commetti-
raentos menos extraordinarios se desunas-
sera. Apresentou-se o prospecto de ama
estrala de ferro, ceja eslensio seria de
3,200 kilmetros, e cuja despeza orcava
em 60 milhes de dollars.
Constituia-se a companhia com o capital
da 200 mrlbes de dollars, capital ficticio
de qae os eccroorstas fariim entradas so-
monte na importancia effectiv da decima
parte. Pooco vaia este recurso; por ou-
tros mios linha de obter dinheiro. Havia
em primeiro lugar a subvenclo do governo
federal, ni razo de 30,000 dotlars. por
m-ilha; depois obrigagoes emiitidas em
quaotia egoal por primeira hypotbaca sobre
as obras que se constituissem ; em ierceiro
lugar a concessic* gratuita de trras que
vendera aos colonos ;. em qiarlo logar, as
subveoces dos Estados e cidades, oa an'.es
os titulo^ de crdito subscriptos pelos Esta-
dos e cidades a favor da companhia; o li
nalmeots a renda liq ula das primeiras sec-
Cas franqueadas ao trafego, qua se desti-
nava s obras em andamento em vez de
distribuir sa aos accionistas.
Slo no oeste raros os bomens animosos
e empreando dores: par isso em cada urna
das operacoes da grande* companhia do Pa-
cifico apparecian sempre os mesmos indi-
viduos. Membro3 do congresso votavam
subsidios ; baoqueiros era Nova-York bo-
gociavam as aeces e obrigaces dos Esta-
dos e cidadss; directores presceviara as
obras; empreiteiros nas planicies do fartcest,
levavamas -execucio.
Em fins de-1870 a companhia do Pacifi-
co administrava 3,450 kilmetros do ferro-
carril e devia 240 milbes de dollars; mas
ainda tinha em csixa mstade do numero de
suas aeces,. reserva.de-grande valor qne
negociar, quando seos directores depara
rem ensejo para lacro descommanal.
E' nos Estados-Uaidos- perpetua a pro-
priedade das estradas do-ferro. Nio rever
tem ao dominio publico as vias de comma
nioaclo. como em Franca ao cabo de om
periodo determinado. Por isso a exagera-
Co do capital ficticio mal que, para o fu-
turo, gravar* o paiz sob a forma de tarifas
desapareadas. E imaossva! antever onde
parar o systema de $tock-wntering.
Iaformacoes exactas mostram que de 1
de julio de 1887 a i de maio de 1689,
menos de doas annos, vinte e oito compa-
nbias de estradas de ferro e levaram sea ca-
pital de 2$?-iB4lt!e& ai 400 milb de dol-
lars, isto, e, na proporclo de 40 / No.es-
tado actual o lucro liquido das emprezas d
s aeces dividendos escassos, vista, dos
que asseguram os outros ramos da indus-
tria americana. Se na Pensylvania as es-
tradas do ferro reodem 8,3% e am. Nova-
York 7,5 7* o producto baixa a, 4,8 no
Obio.
O rendimsnto de todas as estradas de
ferro em servio o activo em 1870 era calca-
lado em 450 mhas de dollars, dos quaes
150 milhes representam o liquido.
oa por despeito amoroso quizasse precipi-
ta-la, com revelaces indiscretas, da altura
a que a ia elevando a sorte, no prolnndo
abysmo da sua verdadeira condiclo. Do-
minada por este angustioso pensameato es-
tivera dorante a conversacao com D. Ma-
thilde obrigando o alferes da Silva a abonar-
Iheanobrez, como se fura sea cmplice, e
nlo perder n sahuma occasiio de o litar
amorosamente com aquellos olbares suave-
mente affectuosos a qoe elle nlo podara
resis;ir e que bavam desvairaio inteira-
mente a csbe;a de Luiz de Mattos.
D. Mathilde pedio licencj para ir saber do
sobrinho, o segoio pelo corredor acompa-
nhada pela fiiha a qnem mortificava muito
qaanto se passtra entre a mai e D. Fran-
cisca. Pareca-lbe qae taes indignidades,
se podiam encerrar o remedio de Luiz de
Mallos, eram de corto quasi peiores qae a
modestia.
Mal desappareceram da sala as fidalgas
de Crestuma, correram para Domingos da
Sampaio com os bracos abortos D. Fran-
cisca e a mulata a agradecerom-lhe a bon-
dade com qae estivera confirmando todos
os embostes da supposta viuva, e a expli-
carme como tendo partido da qoinda do
Aido para Gamarles, segando elle deter-
minara, vieram dar a Pajos de Ferreira.
Coraclo do molher, Sr. Domingos de
Sampaio I exclamava a viuva apartando en-
tre asuas mos a mo do alfares da Silva.
Tive pena d'esto pobre rapaz qae por minta
causa arriscara a vida, e entend que devia
despedir-me d'elle e desengana-lo de qoe
nio podia sor sua molher. Parece-me que
era melhor assim. Acbei-o, porm, doente
do cama, e mais louco de amor que eu po-
dia imaginar. Pedio me que (basse, e qae
consentis?e em casar com elle, accrescen-
taodo que a mandar chamar as primas de
Crestuma...
Ea enteodo ludo isso muito bem, in-
terrumpen Domingos de Sampaio. Nio ca-
rece de mo dar explicaces.
Entio, Sr. Domingos de Sampaio,
acudi a Sra. D. Thereza, qur deslazar
agora com ama mi o qae fez com a oo-
tra. Nio affiija esta pobre menina qae lhe
qar tanto.
Pois est visto I replcoa o alferes.
Porquem ella morro de amores por mim.
E nlo o diga brincando- .
Deixe-mo fallar, Thereza, proseguio
a viuva afieclando carta sensibilidade. Eu
nio son fingida, e ia logo escrever ao Sr.
Domingos de Sampaio para que viesse a esta
casa e me dirgsso como lbe aprouvesse
Alada aqu apresaxitam-se maravilhosos
a'garismos. Estio ao dispr de simples
particulares essas quantias colossaes, sem
inspeccio nem flscasaclo. Quem estra-
nbaria se se commettessem escndalos
eguaes aos qae se patentearam nests lti-
mos teapos na estrada de farro de Nova-
York ao lago Eri ?:
GARRAFAS DE REMEDIOS.Para evitar
equvocos, moitas vezes fataes, collego dos
mdicos de Philadelpbia recommeada aos
pharmaceuticos qoe deitem os remedios,
para oso externo, em garrafas especiaos,
garrafas com substancias tnicas de-
ven ter no letreiro a palivraveneno-, e
depois do nomo do medico a indieacio do
antidoto, qoe for miis efficaz.
ISQUEltlTO.Conclaiu se ba pouco urna
inquirido importantsima, effectuada pela
sociedad* da industria mineral nas minas
de carvlo de pedra do norte da Franca. As
18 minas de quo se obteve inforraacSo, pro-
dozem 4 milbes e meio do toneMas de
carvlo, e do trabalbo a 31,000 operarios.
As sociedades proprtetarias das mina* teem
mandado construir 7,100 habitaces, valor
total de 2,160 contos de ris. Custoo cada
habitaclo corea de 3005, e ninguem soseei-
tou qae tal preco fosse inventado parase-
duzir o arrastar os operarios em occasiio
de eleicas. IVesidem o casas 31400 in-
dividuos, sendo 11,500 empregados nao
minas. A renda destas babtt rada com a das casas da visiobanca, mani-
festa orna differerjca de 70 r/#> '
Slo 25 as escolas creadas costa das so-
ciedades mineiras, e 18 as satas de atrio,
importando todas em 144 cootos. A des-
peza annual destas oselas do 15 cootos
prximamente, sendo frequentadas por 6,253
alumoos. Alm desta- despeza, eom a ins-
trucclo-, as sociedades- ainda fazem ontra,
pagando aonuaimento 12 cont s esco-
las comoMnaes para o ensino de 6.7S6
alomos.
COM-MTiMIO EXTERNO DA FBANQX.
NOS PRWEIROS TRIMESTRES K 1870
E 1872.Resume-se nos seguiotes algaris-
mos:
Importaba em contos de ris..
1872 1870
Gneros alimenticios..... 38,592 28,080
Productos oataraes e ma-
terias primas.....------96,102 9l\800
Objectos fabricados...... 24.J20 44,760
Outras mer-oadorias...... 7,974 ft,3IB
66.878 150,958
O primeiro trimestre de 1870 deve ser
considerado como periodo normal.
Grande augmento de importadlo dos g-
neros alimenticios, por motivos qoe todos
coahecem ; augmento consideravel nao ma-
terias primeiras, especialmente nas lis, al-
godes e pelles para curtir; diminuic3onas
sedas; anda um augmenta nos os o teci-
dos, especialmente nos tecdos de ligedlos
del!.
Exportarlo em contos de ris.
1872 4870
Objectos fabricados..-----87",444 76,446
Productos naturaes......60,444 53,532
Outras mercaduras.,..... T.074 5,09
154,962. 135,072
Os tecdos- de seda forneceram a maior
verba para a conla da exportaclo do tri-
mestre.
Foi consideravel o augmento da exporta
Ci dos tecdos de li. Note-te que dimi-
nnio a exportlo nos tocados de algodlo
NOVO INVENTO ^No porto- Tolo
vae ser experimentado ora novo systema de
torpedos, proprios para fazer saltar a hlice
e o lome da um navio irimigo. A esta ex-
periencia deve concorrer urna commisslo
nicamente composta do dois ofciaes, um
da armada, e oatro do engenharia naval;
guardando-se o mais completo segredo a
respeito do resultado.
melbor. Agora entrego me nas soss mos.
Faca de mim o qae qaizer.
* O moa desojo foi sempre faze-la feliiv
respondea o alferes da Silva lsongeado da
sabmissio de D. Francisca, e enleado na.
incootestavel gentileza qae tanto a distingoia.
Desde qua a vi pela primeira vez, de*lna
os. melbores conselhos...
Isso verdade, exclamaran ambasJ
Mas eu nio gosto de intrigas, prose-
guio Domingos de Sampaio, e moito merioa
qoando as pessoas que figaram n'ella&, do
slo conjunctas por amizade e parentesco.
Se Laiz de Mattos quizer casar com D. Fr m-
cisca, nio posso, ne n devo, nem quero >p-
por-me folcidade de ambos, Nio d igo
que promova. Sabe qaa os meus dsenos
eram outros. Mas pela oinha parte nao
Ibo susctarei o mnimo obstaealo.
E' om cavalbeiro perfeito, disse D.
Francisca, apenando-loe a mao conti a o
paito.
Nio me gabe Unto, manina. Ea son
muito seu amigo, o sacrifico a minba fe aci-
dado sua fortuna. Bem vio come en re*.-.
p.odi s pergonlas de D. Mathilde.
Ande l, mea padre mostr, dase da
lado a malata bateado lbe no hombro e fal
lando cora o desassorabro que Iba permittia
a auseica das senboras, ande laque todo
tem no mundo as suas compensacoes. Ajuda
esta pobm menina a assegurar o ten futuro
o eu lhe affiaoco quo a senhora, d'esta casa
ser sempre agradecida ao tea generoso
protector.
Em qaanto a mulata descaradamente es-
tava prometiendo a deshonra- de Laiz de
Mattos, D. Francisca encobria com o lenco
os olhos onde as lagrimas nlo tinham acu-
dido a tempo. Domingos de Sampaio, cojo
carcter jovial e estoovado era todava in-
capaz de infamias, nlo responden is sog-
gestos maldosas da Sra. D. Thereza, e
aproximando-se mais de D. Francisca per* '
guntou-lhe cariosame.te porquecborava.
Sio de reconbeci manto I soa dedica-
Co por mim estas lagrimas, solucou a viaj-
ata. Deixe-as correr livremente.
Mas olhe que as primal nio podem
tardar.
Tem razio, rep icn D. Francisca, fin-
grado que enxugava os olhos. Ea orno
om a sua coadjavacio. Cont comigo
mbem.
{Cominmr $e-h)
Yi-DU UlAKIU KU.\UU OyE DE uJSS
-
.--,.
"



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM2D30KVT_HLERU4 INGEST_TIME 2013-09-16T21:43:12Z PACKAGE AA00011611_12698
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES