Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12694


This item is only available as the following downloads:


Full Text
M
<
PiAA A CAPITA1 U6A1B OIDl IA0 SI fAA NUL
Por trea mezea adiaaudos ---,.
?or seia ditO:i idem ............. HOOO
?ornaianno:dpa................. ,SW00
Cid. Baawroavulio. !*'............% W*000
* ..t#r BO
'



/
s
/
SEXTA FEflU 26 DE JLHO DE rol
- _---------------------- ^
FABA Dimo I JOSA DA FlOYtifU.
for trea mezei adiantadoi- 4 eMM,
Por mi ditoi idem. ..........' J*750
Por nova ditoi idea [ *....... *g
Por am anuo dem ... ............ aXa
" 270000
X
Propriedade de Manoel Fignelra de Faria & Filhos.

Ol Sri. Gerardo Antonio Alvea 4 Fiihoi, no Pari
Pereira d'Almeida, em
em Nazaretii
SAO AGUATES*
; Gon5aivei Pinto, no Mwnhio ; Joaqnim Jos de Oliveira Filho, no Cear; Aotdnio de Lamo, ftnjt, do Ara*; Jlo Mara Jotio On no Au Antonio Maronee da Sil
Mamanguape; Aogasto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Comea, na VIJa da Penba : Belarmino do. Santo. Buido, em Santo Antao; Bommgoi'joa da CoiUBra,
Antonio Ferreira de Aguar, em Gojanna; Francino Tararea da Costa, em Alagot; Alvea & C, na Baha ; e Leite, Cerqni^gk^B Rio de Janeiro.
no Natal; Joe Joati&c
PARTE OmCIAl.
Conaniaado superior
QCARTCI. DO COMHANDO MMMM DA BMMM
NACIONAL DO MUNICIPIO DO IIKC1FE 25 DK
JDLHO DE 187.
Ordem dd otan. 75.
O Illm. Sr. corooel comaiiodaue supe-
rior mana fazer poblico pra o$ lias con ve
Dientes o seguate :
1 qae no da 13 do correte mez reas-
eutniu o commanJo do 8* batalbao de in-
tantirh o Sr. tennte-soronel Francisca An-
tonio Pere ra d Silva.
2o que por acto de 18 S. Exc. o Sr
desembargador presidente da provincia ruan-
doa dar goii de pasaageaa, ms termo do
art. 45 do decreto n. 1130, de \ di
oriental, foi occupada a ar-
io de 1853. ao Sr. capitio da 2*com|aot-ia
do 4 batalb3o da infamara, J.aqom Sil-
veri o de Souu.para o tmnici-iij do Bonito,
oo le estabclecea a ana residencia,
3* qoe por decreto imperial de 3 do cor-
reate foi reformado no posto de naajor o
Sr. capitSo do (i batalbio de infaotaria ag-
gregado ao 2o de reserv,i Manoel Joaqun
dos Pasaos.
4* que oo dia ti, mediante as formalida-
des do estylo, presin jaram-nto e entrn
om exenricio de capitSo cirorg5o-mr do
commaodo superior o Sr. tenente ctrwgia i
da Io batalbio de infanti-ia Dr. Pedro de
Atayle Libo Mohoso, nomeado por decre-
to imperial de '30 de abril ci crreme
auno.
51 que o Exra. Sr. desembargador pre-
sidente da provincia por portara. .d.e_ 20
deste mez oomeo'.i para o (i bata!h5o,~s,4d-
cooformidale com a proposti do respecti-
vo commandante, para tenente da 3* com
^panbia ao alferes Manoel Ilodrigo.es Nogoei-
ra Lima, e para capitSo da 5* o tenente
da 3* Jos ElesbSo Sorgos Ucboa.
que si acba no commando interino do
5' batalb3o desde 10 do correte o Sr.
capillo Eranceliao Francisca' Paes Bar
ce'.o. }
7o Finalmente que no da 22 falleceu o
Sr. tenente do 6* biurtiao, agregado ao 2o
de reserva Antonia Luciano de Morses taV
Mosquita Pimental.
Rodolpho Joo Barata de Almeida,
Coronel choro interine do estada-uiaior.
/
DS
&r.
Cioverno la provincia.
DESPACIOS DA PRESIDENCIA Di 21 DK JL'LHO
1872.
* Alfredo Alves Pacheco.Informe o
coronel commandaota das armas.
Antonio Machado Pereira-ianna.Infor-
me o Sr. inspecbr da thesouraria deazen
da ouvirrdo o da a!fan1pga
Bacbarel Francisco Jjciatho de Sampaio.
Passe portara na forma requerida-
llanri?ue Herculano do Reg.Informe
o Sr. coronel commandante dis armas.
Manoel De'.fino do Nasc mecto.Informe
o Sr. Dr. chafe de polica.
Capito Jus Joaquim Coelho.Forne-
C'i se.
Secretara da presidencia da PerDambaco, 25
de julb.0 de 1872.
O prrteiro,
Silvino Antonio R)irtguis.
INTERIOR.
As negoelaidcs com o Paraguay
e a nota do governo argentino
de 89 de abril.
ARTA AO BXM. SR. CONSKLHEIRO MANOEL FRANCISCO
CORREA lll.NISTR) E SECRETARIO D:; ESTADO DOS
MEGOCIOS ESTRANGEIROS.
(Condoaiij
Ea deixara passar esta temeraria a*aen;o, se
ella nao viesse tercairo para rebaixarno.* oo
coaceito das aacoes; torga portanto arrancar o
Sr. Dr. Tejedor sna to doce Uloalo.
Nao consta de documento algam, qae a rapa-
blica Argentina, depois da :ua indeoendeneia e
da dos potos visinhot, tenba consentido e omito
meos toffriio com flaquencia dilaceracCes t usur-
paron evidentes de su urritario, salvo sa con-
siderado como tal o fraccionamento do anligo vica
reinado de Buenos -A y rea em diversos estados in
dependente;. Ao contrario, a repblica argealiua
procurou sempre e procura, pacanle a tenaz rei-
viadiear os territorio* que jutga-ae com direito.
E' assimque em 1811 invaJiu o Paraguay
para reun lo as provincias do Rio da Praia. e
oo obstante o tratado do 13 de outubro de 1811
celebrado depois da derrota do general Bslgra
no .ti Paragaary, segundo cujo ar'. 4.* o (ern-
lorio da Misadas thava ao Paraguay reivinlicoa-o
polo tratado de aliianca, o nao s occupa-o por
iretlo de victoria, como al toda a marge b do
rio Paraguay, no Gro-Chaco, at a Batna=
Negra.
fc. assiai que a.'nla ulo abra mo de soas pra-
teoi.o :s ao dominio da tres provincias da Baiiria,
como se polo ver do seguinte pequeo e substan-
cial artigo editorial da Nacin a. 533 de 31 de
outubro da 1871:
< Cedemos com grande praier o primero lu-
gar na Nipcion ao nntabillissimo trabalbo sobre
nossos limites com a Cilivia, qaa fez nos favor
commanicar o disiincto bibliopbo D. Manoel Ri-
carda Trelies. A importancia da quasto, a ma-
oo.ra luminosa e irrespondivel, com qae tratada,
os no vos a cariosos dados qae eacerra, dio a esta
materia em qualqaer tempo iuteresse qa trans
forma-te em ioleresse da actualHade, por quanto
a Bolivia quer lazar icto de presenta as nego-
ia^oas boje pandeottis com o Paragmy, o quando
tm apparecido em contradiro nos diarios de
Buenos-Ayres artigo: tendentes a provar os d-
roitos da Bolivia sobro o larri lorie do Caao. A
iaitora do trabalbo do Sr. Trelies demonstra cmo
a luz do dia que n3o smente o Chaco, que pre-
tndase disputar, como tambism as provincias de
Tarija, Mojos e Chiquitos, sobre as quaea teria de
passar para cfaegar ao Cbaco, sao territorio! da
repblica Argentina.
iN'ea meamo nolavel trabalbo o Sr. Trelies
prova o direito da repblica aos territorios em
pireccao ao norte at as proximidades do Amazo-
nas, direito que provavelmento nao ;reiviodicado
por magnanimidad/,
E' assim que litiga com o Chile sobre as trras
da Pa agona.
' afano que a ilba de Mariim Garca, prxima
u margem do estalo
mal."
Estes sao os fados; as inten$5as revelou-as
am Jos roais raoJeralj a nolavois estadistas da
repblica, inaodo na expansao de sea patnotis-
mj, exclamava < que nao esperava morrort seta
ver recanstruido em am s esudo o vice-relnaJo
d) PralaJ?
Inttncfs e faclos recebara urna claridade si-
ni.-ira aas posirJes estratgicas, q-jj a repblica
occjpa oa procura occupar, mais adaptadas
aggresfo que a iefe>a.
Martin Garca iraoca as portas do Uruguay e
do Gnaa, domina com seus fogos a costa orien-
tal ; Cerril /tramara o Alta-Paran o a fo no Pa
raguay ; MU O-xidental, distante 853 mi.bas de
uuenos-Ayres u u quanel de I-opas, a nio urna
colooi civil; o eilreito de MiajlKes ser un
ovj G.bralial ou um luai aabuo Dardanellos
para as repabi.ca* do Pacili w...
Por enlrs as cerracoos do Prala daseobrem-ss
n raios da loz, era qua teera i'ju os olhos neus
arg nadas poiiic .<. Alrairo-os; mas. por Oeus
pe(-lhos que nos nij lomsui oor cegos ou ign-
renlas.. .
O modo par que o Sr. Dr. Tej-sdor encara e
aprecia varia* oulras eslipulacfci dos tratados
com o Paraguay provaque urna ioteliigaocia
lucida pode ser tldala por eilljrios mal saos de
orna impreaaa que discute e embale beduino ;
alias nao alUrmarii, eomo afflrrna (i pan. 5i) pea negocia^ao saparada o Brasil se consliutra o
nico credor do Paraguay, e adquirir tnttrestes
oppostos aos de seus olliados, ucando o miniante d*
divida sem fisalisa.ao e a peropcao monopolisa-
1a en protejo de um s. porque no protoeolio
las ouferenclas de 4, 5 e 7 de jsueiro do corra-
te anao, proiocollode que dei copia a S. Exc,
laria o seguinte :
a Na celebraga da convenci de qua falla o
art. 1.a (sobre ioderanisaeao de guerra) a ocea-
siao azada de a repblica allegar, o Brasil ava-
llar, as suas circumstanciis financdrai, e os om-
promissos a que ficar sugera para com os outros
alUodos. E' porisso que nio foi fizada desde ja a
somma das re/eridaas ludemnisaces.
.^Ooie o exclusitismi do crdito em opposicio
aos "ateressea dos alijados ? Como fallar-se em
percepcu-4tL nma divida cuja montante ainJa
Ilquido ? ^-v^
A uiiriba declara^deixoa margsm para qual
qo-r accordo posterior reompam.
Paderia en, copiandias pilavhMdo mini.-tro ilJ
retacis exteriores da repblica Argentina, excla-
mar qus nao leal oem nobre, tirar daqui a eon-
clusao ( pag. 59,) de qae o Brasil impuzera ao
Piraguay o reeonhecmento de urna divida im-
mensa, que por secutas o tere atado a gleba e o
impedir de respirar livi menleparacdkir prottro-
do aos psds aualquer cuinho prepotente e ambicio-
so mas nao o.farei; simplesmeote direi.que a invec-
Uva nao aiiioge o Brasil, eae tfUim wf Tf
Oigc35ao ae ura empresiimo avultado ; edn-
Ihs a crdito todo o trem rodante para explora^io
de sua estrada de ferro ; restituia-lhe toda a pra
(a e j lias tomadas aos campos de batalha; aban-
dooou para as necesidades da admioiUraco a
parte que Ibe locon na divisio das presas de guer-
ra; qua cedeu armas e inunicS.'S para sua eu-
rau.ji interna ; nada exige d'aquillo que poda ssr
"j direilo de vencedor; garante a paz de que
t?ato precisa a repblica ; respeta as autonlades
e trata a todos como irmaos. Hi\ o povo que
assim procede uao pode ser o prepotente e amoi-
cwso, a que ailuda o digno ministro argentino.
A ingenuidale com que S. Exe. procura con-
vencer nos ( pag. 58 ) ds que o Chaco deseito.o
Utico que o Paraguay nunca poderia colonisar,
nada em compara^o da immensa divida proveni-
ente da guerra, traz !eoibran$a a tctica de cor-
tos raercadore?, qae depreciara o objecto que a!-
mejam por adjuirir.
Infelizmente os paraguayos nao pensam as-ira;
antes renitentes acreditara que o Cbaco para
ellesque.-to de ssiuraiga interna e exlerna, de
independencia, quesio de vida a de ii.orte emtira.
Allegara, exemplo de Pedro o Graade, e Ulvez
cora mais razio, que o somno das bellas limas
J A'-uap;ao nio deve ser perturbado pelo estam-
pido do caobio argentino; qae em caso de guerra
pode sua capital ser destruida em poucas horas;
que a oceupacao, por torgas argentinas, da villa
Occidental ( qua elles nao polem colonisar a 15
miibas de distancia I ) um padrasto a todo o Pa-
raguay, e especialmente sede do governo ; que
suas rends sao defraudadas pelo contrabando ;
qu( os criminosos e conspiradores all acham asylo,
e d'alli podera araeacar constantemente a segaran
ca do estado; que da ama di'ida sa podem liber-
tar, nio assim da espada da Damocles, sempre co-
ruscante sobre suas cabecas.
Nao sei se raciocinam bem ; retiro o que ouvi.
Territorio que lio pouco vale para a repblica
Argentina, e de que f3z tamanho cbedal o Para
guay, dever ser o pomo de discordia entres visl
nhose irmios ?___
Esse apolo facilita tranforraacio o nra go-iamigavois, edo sea d ssjo de acabar c
verno ha pouco despticoam ana governo livra ejuasuo. qjoe ia tomando proporgoes desasadas.
tarefa honrosa o humanitaria, nio merecedora
do siygraa de ootra repblicaaera sm exemplo
na propria raziao do Prata.
O tratado do aliianca di li de outubro 4e 1851
entre o Brasil e a repblica Oriental do raguay
em seas arugos o* a 9* eontm disposi^io aaaioga,
e por ella comprommetteu-ss o Brasil i prestar
efflcaz apoio ao governo constitucional da rapa-
bliea contra qualaner movimenta armat /osas
qual fosse'o pretexto dos sublevados, a apeio qu*
foi solicitado e nobrementa concedido asa 1853 r
a qae os orientaos se mostraran) grato* ; retiran-
do-so a nossi forrea de oecapaejio ao simplas pa-
cido do governo da repuolica seas nasa o exijir-
mos previamente saiiaa^o das fnptlH BMIli. o
at boje nao inderomsaas...
Neohura estado vi rano protostoa easnnaMsta
acto, a noto contra os prinaios esa qae ello ss
fuodava ; a repblica Argentina ni.irt.S9d>
mudo oa 29 de malo do 1851 havia oaattaltidu
o raesrao corapromisea.
Se entio, nam leveraante, foi 'tiraaa a noci
nalidade oriealal, se moguera coptoa asn fratre
torada, ou temoa absorped), porque ha da agara
sueeoaar o contraro cara o Paratuav f
Poder-aos-hao accuiar Ja cavalheirism erees-
sieo ; do macbiavalieos a ambiciosos, na. %
A paz e orJera interna sao coaJisjdas
caos reeUnracio e fortatoeimenio da,
dada paraguaya: sem paa ii|irilais>iaasnsMi n O ae
cii e quasi impossivol ;er a axeeskeao de tuda, dousisaai
quanto foi o fr pactuado palos ailiados ; os
resses do venc-d > a dos vencedores niMiirtaaajmi
oeste ponto combinados o unisono'.
E' uato mais euranuavai qae sa inariarras una
prora da ambicao ura acto da benevalaacia.j
previdencia qaanto o Brasil estara em sao,
perfeito exigindo a permanencia do
no Paraguay, om qaanto nao ealearaaaa a coa veo
cao, em qae tem do sor ad* a in4emainc,ia, guerra.
O exemplo do qas se est paseando aas Franca
bastara para autonsar a applicacao do mesmo
principio ao Paraguay.
Nio ousamos ora toda a saa plemtnda do no
lireilo; fazemo>lo dependente do aeeorde com o
Paraguay, que o melhor juiz da suas convenien-
cias.
Por major qae seja o inleresseque a Repbli-
ca Argentina msstre pela surta do Paraguay, par-
raitaa me duvidar qae sejao mais paraguayos Pazsndo rdanles votospara que saja de pai,
Ail na nPnnpAa II inn*u.a a a a.iBi< il .. >.!. a n .. i .1 r ._ 7aT_* -
qae os proprios Paraguayos.
O* protocollos do Buenos-Ayres s
vez chamados a antora, como se

en, trataoda*- cula, qua acrevo pressa, era auseacia
paradamente, deresse ooserva-los, ea se constitua afnenlos que deixei aa co-te, e de acceitar os
sera um pacto internacional. Conforma elles *r*. protastos da mais perfaita Moaiderago, com que
irada das torcas alliadas dovu ser prxima a si
*i SMM a n
a (anea ; mis a neg>cia;ii separada do Brasil fiado.Bardo de Cite jipe.
impunba ibe o dever de a-segurar por si s o cuna
primete do estipulado.
Bnssarei por alto as refleegSes do Sr. Dr. Tejsdor
contra a garanta temporaria inlegridade do Pa-
raguay estipulada no traalo de paz, o reprodc-
elo textual de igual dispos gao do da allianes, por
ser-mo impossivel comprehender qual o mal a
perigo d'ahi resultantes, e os principios de direito
internacional qae a ella se oppdempara apre-
ciar a estipul gao relativa oceupacio militar, a
qoal d margem ao ministro argentino para um
da seus mais fliridos laucos d'eloqoeneia.
A oceupacio militar, diz se, a violacao dos
protocollos da Baenos-Ayres; o protectorado ig-
nominioso para qaem o sapporla ; urna cAocan-
te contradiccao da parle daqnelles qae invocara o
estado de prostracao da nacao vencida : o des-
piezo fl igranle dos direilos de soberana e inde
pendencia, que nenhuma nacao consente Uvremen
te, e contra o qual todas as nacies vsinhas tem
direito de protestar ; emfim urna causa perma-
nente de desconfianca e de odios que, despeito de
todos, teria de dar cedo, ou tarde, em resultado a
guerra....
Admiite o ministro argentino, que a razio de ga-
ranta aos ajustes celebrados,poma justificar a oc
cupaco, purera nunca a razio de ordem interna.
Esse apeio, eautiu i elle, depois da paz a ab-
iieacao da nacionalidade, o protectorado pnmeiro,
e a absorpcao depois!
Tudo uto liado e calculado para produzir
effeito ; mas tem o senio de ser inapplicavel ae
assumpto.
Em regra sao principios acceitaveis e acceitos;
mas que soffrem excepc3ss.
Urna naci, que solicitasse ou a qaem fosse
imposta, em tempos norma?*, a coidjuvagao de
outra para sustentagio da ordem publica, incorre-
ra na senlen$a de condsmnaco tao enrgicamen-
te fulminada pelo digno ministro das retaedea ex-
teriores.
O caso, por en, diverso e especial.
A oecupaco militar do Paraguay um facto
preexistente; a protecclo manutencao dos po-
deres conttuidos e i ordem publicareal e t(Tac-
tiva.
A estipulado impgnala nada, po?, inoovou.
O que cumpriria indagar erase eUa tornava-sa
necessaria o a nio.
Ora os ioteresses, que exigiam essa proteccao
at entio,;s3o os meamos, se nio niaiores, qae
exigem a sua continuacao.
A nao ser o apoio moral e material prestado pe-
los ailiados ao governo do Paraguay, a repblica
tea passiJj por ma; de urna cenvul-.ao.
seria dm Uto, qae ea jamis
proprio.
........nanea louvarei
O capujo que digaai) cuidei...
A occapacio militar por lauto um fanto, coja
continua gao tola eventual, ou por outra, depao-
dante da acrordo, anda nao astabelecido com o
Paraguay, e do resaltado da nosia dasagradavel
divergencia com o aossa alado ; pie eesstr de
momento ou continuarconforme o curso dos
acontec men?.
Ao Brasil nao pola convir sasteotar eiereitos
em paiz astrangeiro; ds-de o fl n Ja guerraque
esforgamo nos pela conclusio da pazdemra-
la indefinidamente seria o fcil clcalo da am am-
bicilo.
Dizim que a Repblica Argentina refi;gt a saa
guarnigao em Assampgio;en boa hira o fa-
ga...
s
Chego ao ponto para mira mais importante, e
aquella em que o Sr. Dr. D. Carlos Tejedor expSs-
(oag. 59) os meios conciliatorios concertados por
nos ambos, quando de regresso d'Assumpgao lo-
quei em Buenos-Ayres.
Transcreverei primero o peol) da nota rela-
tivo as duas conferencias que livemos.
Ao passar o plenipotenciario brasileiro por
esta cidade, leve com o abilxo assignada daas
conferencias; o o resnltad) dallas foi concordar
era ara meio conciliatorio qae mereceu suas ca-
lorosas sympatbias. O meio conciliatorio que sa
desejava sobre o Cbaco, tioba-o o govern impe-
rial em campo e qaestoes mais vastas. Por este
meio os tratados eitos Hcavam feitos, o restabele-
ciam se os eroiocollos de Baenos-Ayre*. A Re-
pblica Argentina tratara, como o Brasil com a
ttepublica do Paragu y.
t#norando os termos do protesto, que o governo
rganao dir g ra ao do Brasil, e nao podando por
eoBsaquencia prever os da resposta, declare a S.
"^ue se antes de ratuha cbagada i corte bou
esH do expedida alguraa raspoita contrara
eu rseommendaria ao ministro brasileiro em Bae-
ao?-Ayr-s, que a deraorassa em sau poder.
pr,.a_oi,J Pssava da mais trivial praveocao
P* ***? e'<''AJo o grao de entkusiasmi. Seja,
nio Oa ofrendo com a irona, qua d-ms a eonno-
<*T pareotbuiiasta da paz.
Foila esta recBcagao, ou curto comraeotario,
natas am Uta urna da outra as duas Jeclarag5es,
qu* na seu funde achara se conformes, sinto urna
doloresa sorpresa renJo-qna negocio da tai fcil
conclu*!va sendo complicada por discussdas
* m producti da urna astimavet equivocagio.
N4objiantaa co.ebragao dos tratados erase
pwmf governo Argeoun i deeUra, que recusa
e recusar at onde fr possioet dar p ,r tonchuda
umt olliamu.cujo prestigio tanto cuslou a mn-
ter-se mesmo no men dis alonas e penaos coi
BUS.
O goveraa Brasileiro raspan leudo ao protesto
contra os referidos tratados declara que nao
considera qwbrada a aliianca pela ceiebragio
dalles, e est prompto a rnttnder se com os allta
eos Wbrs o modo pratico de serem observadas as
tu%s tetipvlacZts.
O qae pode, pois, eatravar um accordo entre ca
usjpaizas t O receio de parecer fraco, o cor-
?Jo i aopularidade, o orgulbo de nma e ouira
Liarte.
Examnu iasparcialmente urna quesiao, diz o
eunde Rassell, pasar preteogSas a recriminagas
fppostas, sao modos de proceder lentos o fatigaa-
' Wfrto mais faed seguir oj impulsos das
lopaasus, da colera os d'aliivaz.
Ea**lauto, se as roses da fra razio fossem es-
nudas, quantas guerras esloras teriara silo eri
udasj qui.iii sangua poupalo ao mando /
Daesoao ha do psrraittir, Sr. cjnselheiro, qae
o gorrao imperial fallera esses pradicades de
fuasnea e imparealidada sabiameute recan
msadados p*lo grande estadista taglez.
A nasas nio trepidar em dar o sau saor e o
se euigue por ama causa justa, desde qae se
onrtacer, Je qu nao oram pret-ndos esforgos
para poflp.r-llicom digu.dade--tao dura extre-
midad*.
nao contando os encargos do amprestimo qua vai
nagoiur-se, oem as despezas a que obrga a re -r-
raa di exareilo eta PorUnto o governo pola 200
milli3,j j,ra qna a raeesta cubra inteiramente a
despeza.
Eitas clculos f.iram analysados pelo Sr. Buffet
qae elevou o dficit a O railhff, e defendidos
com multa hibilida le palo Sr. Taier. Poi a Dr-
raeira lata entra o centro direito o o governo o
qual para occorrer defleiaacia da recolta propoz
o imposto das materias primas, 15 ceotesiraos ad-
aicionaes a parte principal das quatro cootribuicSas
airoctas, um dcimo sobre o sal e a repressaoin-
xoravel das fraudes as aiceol*.
Na disussao o Sr. Buffet quera laucar sobre o
governo e sobre o presiden a respoo'abidado ia-
leirados pesados encargos a qu* o paiz vai bear
ujeito, mas o Sr. Tbiers nio m'o consentio e de
clarou formalmente que nio faxia de nonhura ira-
posto questao da gabinete; que palia a somma na-
cessaf u para equilibrar o orgimeato ; e que indi-
cava ,oi melbires meios parase obter, mas aeeei
SeoaaarJia o resultado dual dista divergeac i,
U> V. Exc. de desealparms o dasalinho desta
da do-
no a honra de su de V. Exc. mana aliento
DEPERHAMBUC
RECIFE, 26 DS JULHO DE 1872.
Naita negiciagai seprala eatendiam-se sobre
seas limites as duas repblica?.
O resultado de todo Ucava debaixo do imperio
do tratado da alltanga. A nniea eousa que se ra-
rogava da negoeiagio brasileira era a permanen-
cia de suas forgas no Paraguay.
Porm isto mssmo nao poda ser urna difflrolda-
da, desde qua a repblica argentina havia sempre
querido a desoccapago, e o Brasil a declarava fa-
cultativa. O plenipotenciario brasileiro levou sea
enthusiasmo ao ponto de expressar, qua nada im-
portaraqae viesse urna nota em sentido contra-
rio antes de sna th>gada ao Ro de Janeiro ; por
qae podara ser retirada. Pois bem, Sr. ministro,
deste enthasiasmo tao expontaneo, destas promes-
as llsoogeiras nada Scoa-nos. Os tratados foram
ratiSeados 17 das depois da cbagada do plenipo-
tenciario.
Agora a mnha versio, que consta do mau cffl>
ci confidencial ao governo imperial em data de
28 de levereiro; comparadas nma e outraver-
se-lia em qua combinara ou em que divergem.
Os termos do accordo oooeiliatorio escripias por
mim, liios e approvados pelo Sr. Dr. Tejedor, fo-
ram estes :
Que o governo do Brasil declarase em ras-
posta a nota do governo argentino que recoahece
as obrigagdas do tratado de alliaaca, e est dis-
posto a dar as garantas, que ella offerece. Peito o
que o governo argentino mandar um negociador
ao Paragray, o qual depon ria ao Brasil reozT
protocollo as declaragdes da nota. Peitas sqael-
las declaragdes aenhura ^convenanla ba, em que
sejam ratificados os tratados.
Do linal do periodo da nota argentina poder
algoem doduzir, qua ea, directa ou indirectamente
prometti, qae os trtalos, nio seriara qaalicados
senio depois da negoeiagio d'Assumncio, oa da-
pais de um praso dado.
Quanleaps explicagfies naalaas e haver ea
commuoicado ao Sr. Dr. Tejed** o protocollo d
oegociago de paz com o Paraguay. S. Exc. mos-
trou se disposto a crr, qoe nao fura meo propo-
sito romper a alliaoga, e convidou-me a proco-
rarmos um meio cscciliatorio, previni-o desde logo
1*que se essb meio tivesse por base a nio rati-
fleagao dos tratados, o meu governo nio o aceita-
ra ; 2' qae ea nao liaba paleros para qualqaer
accordo, mas, se me parecesse honroso, adrogaria
calorosrmente a sua adopgao.
S. Exc. respondeu-meque eonlava com a rali-
ficaga- dos tratados, e pois qualqaer meto propos-
to os nao prejudicaria.
Pol eolio qns conv.em] no que rica cima ex-
posio, qae pare:ea-me e pareee-me honroso eoc-
caitavel.
Penborou me em extremo o modoporque o Sr.
Xotlelaat da Europa^
Amanbecea hontsea ea nosso porto o rspor ia-
glez Douro, trazando datas de Lisboa at 13 do cor-
rete s 7 horas da manhia.
Eis o qae c.loemos ds cartas e jornaes :
FRANCA.
Foi apresamado assambla palo conde de R-
mnsst o traalo cora a Alleraanba que dispde qae
500 mlhoes de francos serio pagos dous mezas
depois da rslidcacao do tratado, 500 mlhoes no 1*
de ferereiro de 1873 ; mil milhoss no 1' de margo
de 187'a, e os ltimos mil no 1* de marg) de 1375,
pdenlo, porem, a Franga antecipar stas paga-
mentos se quizar.
A evaeuagao de dous departamentos cmegari
15 das depois do pagamento dos primeros 500
milbdss. A evaeuagao de oulres dona coraegar
quioze diai depois do pagamento dos segundos
quinhentes mlhoes. Aeraeaagi) total lera logar
depois do pagamento des dous mil rahoes. A
Frang d garantas flnaneeiras qua reparar ou
augmentar as foriillcagoes all al qae todos os
^departamentos estejam evacuados.
Dii-se qae estas daas coadigoes foram imposta*
pelo partido militar de Berln, e qae o Sr. do
Bismark o inclua ni tratado co n a intengio de as
Iludir em beneficio do governo francs
Hoja a oceupago allemia nio a oppressi) do
vencedor para bamilhar e punir o vencido. E'
simplesmenie penhor de divida, paga a qual e os
seus juros, volta o penbor para a mo do dao.
Na dia em qae a Fraoe passa dispor de ires
mil mlhoes poa os allemias fara do territorio
fraaeez.
A commissio encarregada de examinar o trata
do com a Alleraanba apreseutou o sau relatorio
qua favoravel, mas nos pontos relativos ao gover-
no, tem o cuidado de declarar que afflrrna, cons-
tituir* as garantas territoriaes.
Na facnldade de anteeipar os pagamentos est
resgate segundo o crdito a governo do pan ;
entretanto o tratado tem alguna as coodigoas bas-
tante dars.
A pnmeira poderem os allemias conservar em
Franga a mosma tropa que teem boje, isto cin-
coente mil homens. o qae oppressivo, e nio offe-
rece outra vantgem para a Allemaoha, senio
de ser esse corpo de exercito sustentado pela
Franga durante o lampo que durar a ocenpagao ;
alam disso, eomo o exercito allemio vae retiran i i
dos departamentos qae oesopa, no lin estario
reunidos os cincoenta mil bomeos era pequeo
espag i de terreno com graade eneomraodo dos ha-
bitantes. A segunda ejodigao m nio poder a
Franga enriar aos dspartamentos que lhe vio
sendo entregues senio pequeas forgas de tropa, e
ser prohibido construir porque o governo assim o
diz.
Diz o relatorio qae o governo assevera qae nao
pode obter melbores coodigoas e que espera obter
modilieagoes segundo elle refere e outra puerili-
dades semalbantes. So a natnrezi ds assumpto
obslou opposigio formal. A forma i contra.
Acabada a leitura do relatoris a sssembla ap-
prorou o tratado em silencio, votando contra
quatro deputados nicamente.
O tratado foi ratificado no dia 7. O conde de
Aruira depois da assignatura jantou com o Sr.
Th!ers e assisliu ao sarau em casa do presidente
da repblica.
Foi apreseotado assambla o projeeto do
emprestimo concebido nes seguinte termos :
< Art. 1* O minutro da fazenda autorisado a
mandar inserever no grande livro e alienar a som-
ma da renda de 5 o|0 necassraia para producir o
capital de tres mil miibdas.
Art. 2* O ministro da lateada addicionar a
esta somma outra necessaria para fazer face aos
pagamentos dos atrasados cojo praso se venceu
no anno econmico da 1872-1873, e cobrir as des-
pezas materiaes, custo do dsssonto, cambio e trans-
porte das negociagoes.
t Art, 3* Para se assegurar as pocas deter-
minadas o reembolso dos tres mil milhdes restan-
tes que se devem a Allemanha e apressar assim a
evacuacio do territorio, o ministro da faznla po-
dar fazer contratos particulares com o banco de
Franca a outras associaedas flnaneeiras, destinados
a realisar o mais promptaraente possivel o pro-
ducto de emprestimo a as aaieeipagSas da entrada
do dioheiro em caixa.
O Sr. Soolard, ministro da fazenda, apreseutou
Dr. Tejedor proceden especialmente na ultima o relatorio acerca do estado tioanceiro do paiz.
c inferencia Fique i persuai.do d* soas ntengas 1 O dficit do orcasneoto de 1873 de 20 railho:?,
a)
tar*que a assembla eicolhesse. Toda as pro-
postas tur ira respectiva comraissao.
O Sr. Tniers disso na cara nissio do orgaraanto,
a respailo do emprestimo, que os ctpites alTlaera,
que no prximo emprestimo os bsnqueiros serio
tratados em pe de igualdade cora os outros sub-
scriptores.
O Sr. Buffet propn a assambla um imposto
temporario sobre a renda com o itn da extinguir
gradualmente a divida.
O Sr. Thiers combaten novamente o imposto so-
bra a rao ia era nomo da diguidade ds caraira
que j o regeitou e em norae da pjlmca conserva,
d ra, que e ba de ser sempre a sua (applausos)
Pronunciou-se novaraant a favor do imposto sobre
as materias primas.
A direita murmurou quando Thiers soltou esta
parase : a \ Italia, com quera estamos e quere-
mos eitar, nao nos su-ciura dilBcudades.
Aos murmurios da direita repiicou o Sr. Thiers :
Nao fui ea qu-s tlz e>la grande po'.eneia. E' am
faci qas llevarais respailar se queremos paz.
A assembla votou o adiamanto da emenda
do r. Buffeu
O deputado, o Sr. Gascn Je, propoz na assem-
bla dez cntimos aldcionaes sobre as patentes,
40 sobre as portas e jmellas a 20 sobre a contr-
buigao peasoal e mobiliaria.
O Sr. Tbiers daclarou que o govorno acceita o
projeeto em diseusso qoe prodaziria 60 milhoss.
A anuncia que o governo aban lana a aggravagao
io. imposto sobre o sal e sobre o imposto territo-
rial, conclu dizeado qua a as-euibia livre,
mas commeiteria urna graade falta aa adoplass i>
imposto sobre o total das tranaegoas*.
Clepier propoz assemb a qoe tributasse os
productos fabricados em Frraga* destnalos ao
consammo interno,
Parece qae os goveroos com quera a Franga
faz tratados de commercio tara mandado declarar
* Sr- V*" qo libstddle oaouiwrciil eariqaa-
c*aas anas nacaos, a prodazio tal prosperidad,
qua nsnbura hornera de estado tem auiondade
para seguir o caminbo oppisto com prejuizo do
seu paiz.
Os ministros das prncipaes potencias da Eu-
ropa receberam ordem dos seus governos para fe-
licitaren o Sr. Thiers pela maneira digas e sensa-
ta conque oo dia 20 d* junho respoadeu s solli-
citages do centro direito, e para lhe dizerem que
qua a sua perraaoencia no givami considerada
como seguranga nica de ordem e paz a conse-
guinuraeu'.e da evacuago do territorio.
Falla sa nos projectos attribuidos direita da
asserabia, qua, ssgando ditera, trata serianente
de escolher successor ao Sr. Thiers para o caso
deste dar a saa demissio, qae seria acceila i ac-
dulamente.
Tam havido tanto era Versaillas como era Pars
varios concilibulo! nocturnos. AlBrma-se que o
marechal Mac-Mibon est disposto a encarregar-
se do poder interinamente para dar tempo a que
a assembla organise governo deliaitivo. As tres
fracgO :* da esquerda da assembla ti varara urna
reuniii por causa destas macbioagoos monar-
chieas.
Continuara as ex*jugSes era Satory III...
Foram fusilados Baudouia e Boaillac. Era Caen
foi futrado Maocel que morreu gritando : Vingan-
ca f Injustica I
Em compeosacio o presidente pardooa ou eom-
rauttou a pena de 853 crimioosos da cri.nes cora-
raaos, qae eslsvam as gai.s prisoes contraes,
penitenciarias agrcolas e outras cadeias.
Esta eraeza cora qae em Franga se fuzila pelos
aetos polticos pralicaJos ha mais da ara aano des-
agrada a loJa a gente e s contenta os acres ran-
eores da direita f
Vai ser chrismado o Codig)-Napoleo : tor-
nar a ser, como antes de 1852, simplesmeote Codi
go-Civil.
Os jornaes publicara ama carta do general Tro-
cho aos seus eleitores indicando as razies de se
damitlir de depatado depois d* ter cumprido o qas
devia a si e ao paiz no tocante aos negocios mais
importantes e principalmente ao exercita. Em um
periodo diz que o seu desejo seria que a religiao
com o espirito de sacrificio, qu* Ibe proprio,
fosse a base da edoeago nacional e dos cosiumes
pblicos, mas que estes intuitos nao prevale-
cern!.
BLGICA.
Os liberaes que tinbam perdido as elogdss de
dspuudos ganharam as eleigdes municipaes, qne
in veriUcaram no i.* da jnlho.
Em Bruxellas o resultado das eleigSas foi ac-
Ihido com grandes acelamagdas na Associagao Li-
beral, qae estara coalhada de gente, para saber se
es clericaes baviam sido derrotados.
O Sr. de Balan, ministro allemio era Bru-
xellas, foi chamado para substituir interinamente]
o Sr. Taiele, ministro des negocios estrangeiros da
Allemanha que bavia obtido urna licenga.
SUISSA.
Rcuniram-se no dia 1.* em sessao ordinaria os
ou constlbos da assembla nacional e procede-
rn) imraediatamenie conslituigao das respecti-
vas mesas.
Desta rez a eleigo dos presidentes e vice-pre?i-
dantos foi ardentemente dispatada, porque a ques-
tao da revisio da] conslituigao dividi em dous
grupas distlnctos os mandatarios da nagio.
O conseibo nacional elegeu dous partidarios da
revisio, e o conseibo dos estados um revisionista e
outro anti-rerisionista.
O Sr. de GortschskolT, fllha do ehanceller da
Russia, apresentou as snas ereJendaes de ministre
russo junto da confederagio helvtica.
ITALIA.
No dia 29 da juobo eoneorreu grande multidio
Baslica de S. Pedro. No dia 30 o santo paire
admmistrou moitas pessoas o sacramento da Eu-
charislia.
O cardeal Sacommi foi sagrado bispo.
Po IX continua a receber no Vaticano as home-
nigens dos]fleis.
Foi prorogado o parlamento italiano.
A circular do presidente do conseibo de mi-
nistros relativa nenie ao acto eleitoral incita o zelo
dos eleitores. Diz qae os clericaes tomam parle
oas elfiicoes con intentos aote-nacionaes e liber-
ticidas, e que todosos cfdadaos devem defender a
nagio contra o partido que" quer reconquistar o
podar temporal.
Todos os jornaes affaigoados ao governo pon-
Mete) aeonselham aos catholicis a ivervenglo
nis eleigdes.
ALLEMANHA
Desda que o Summo Pouliea se recu.;ou re-
ceber eomo representante da Allemanha o earikal
principe de Hobeoiohe, os jeroaas de Berlin leos
dado a enteoder qae aquello cargo nio toroaria a
ser prvido. A carta do Papa ao cardeal Anto-
nelii roio dar forga raptara entre a Sinta S>
o imperio allemio ; de modo qu rai ser deli-
nitivaraenta anpprimida a reprasentagao da Alle-
manha junto da Corra Romana.
A imprensa allemia discute as diffarentes evan-
tualidadas da eleigio do Papa por mono de Sos
Saolidade, e observa que ba boje 3t> cardeaes iu-
llanis, 5 francezes, 3 hespanhoos, 2 au?tria>*.
I allemo e 1 hollandez. Qoeixam-se os jornaes
allemaes de que apesar de ser reeommeodado pe.
concilio de Trento, qae a promogoes se fi'.escena
com certa igualdade distributiva era relago acs
paizes caiholicos, os allemaes, teodo H uibdcs
le caiholicos, teaham om m cardeal, o principe)
de Hobeoiohe, enquant) a Italia com 26- miinues
d'almis lenhat'38 cardeaes.
Coniinua a assegurar-se que c governo alle-
mio soodou as potencias cathoficn que podos
iniervir no conclave par reto, relativamente a ao
accordo sobre os futuros conclaves j a que tres
potencias respondaram favorarehuente, ea quaru
rejeito'i a proposta di accordo.
OSanto Padre recebeu no Vaticano o thb- alle-
mo ie leiluras colhelicas, o disse aos memaros
dalla que mandara perguntar ao prineipe de Bis-
mark, como era possivel haver agora desiataUi-
gencia entre os caiholicos e o governo allemio,
quando -empre os bisaos allemaes o haviam in-
fermaJo da que estavam saltsfaMos com o governo,
e o raesrao governo participav que eslava con-
tente cora os bispos. Accresceotou qie Bismatk
Ibe nio responder e coaeiue cora a segoinlo'
phrase:
A persegulgio contra os eatlulicos eomegoa
ni Allemanha, roas os eatbolicos supportam u
corajosamente. Tenho proclmalo que a per e-
guigo insensata. O iriurapho iu de ser da igreja.
Oremos a Deas. Uoiapelra cahir da moa-
tauli i, a qual despedagar os pos do c dosso. Es-
peremos o que Daus quier, mis tenbamos coa-
Saori, respeito e dociiidade para cem o governo,
excepto, todava, a resperto das lela centraras a
igreja.i
Djera de Berln que mgr. Kiemen:, biap
de Eraarland, responder intimago do governo.
que nio pode obedecer s lea do Estado, seoii
quinde nao conirariem asleis divinas, e que sen!.
a excommuoho resaltado da lei da Deus, a bj
pode levaalar, qaalquar que svjt o texto dasjRt
da Prnssia. Entretanto os4orua_ej _offl4ies aiJe-
mes afflrmara qoe o episcopal allemio esl era.
vesperas de modificar o seu proeedimeoto para-
com o estado ; e qae o proprio hispo de Eraer-
land tomara a nieiaUva de escrever direetamema
ama carta ebeia da protestos de lealdada e dedi-
cacao ; qua esta passo lora imitado por outro
prelados, e especialmente pelo urcebispo de Co-
lonia. _^j,
Oa_oosat5r-raraaes asaegaran que* "/>>
allmin rendo om prazer astas coavarsoes, so>
conceder a absolvigao aos eccleil!lreW rebalde*
troco de certas condigdes, ama das qnaes
mjdilicar o centro catholieo a soa atlitule na par-
lamento allemio e moderar a sua lioguagem a ira-
prensa clerical.
Vai-se publicar com a le acerca das je.-u :as
o decreto relativo exeengio delta.
Niise decreto, que se esl di-cu linio na cora-
miisio de justict do conselho federal, probiba-w
aos jesutas todas a quaesquer funegdei ou actis,
principalmente no que diz respailo ao ansino, ao
ministerio ecclesiasiico e s tnissdes ; regalase
procii.i'oio das policas locaes para asegurar
a execugio da lei; recommsnda-se aos governos
qua_ nio aaiorissra o internamento dos jesutas,
senio no caso de algum membro da ordem recusar
estabelecer a sna residencia em tarntorio, qua Un
nao seja prohibido ; convidase finalmente os go-
vernos a inforraarem a chancellara imperal tedas
as vezas qne for 9upprimdo algum eslabeleciraento
da ordem ou que for expulso algum membro das
coogregagdes jesniticas.
Trafoalha-sa no ministerio da jastica na re-
daegio o um cdigo da estado civil, que lib t
da lutella clerical os actos que .-ai meramenta
religiosos.
Na Allemanha o estado civil esl confiado ao
claro catholieo, protestante ou israelita. Dura tu
poneos anno; o casamento civil chamado da aa-
cessidide, instituido para os casos em qua as
autoridades eccUsiaslicas recusara casar os nu-
bentes.
A reforma annunciada tanto mais necessaria.
quanto em algumas provincias allemais, e agora.
na Alsacia Loreoa, a legislagao vigente a do c-
digo civil francez, que nio adrante a iolerveafio
do clero nos actos do estado civil.
N'um relarorio lido ante o parlamento ato-
mi encontrase um resumo cariosa das despezas
feias dorante a altraa guerra e das inleiunisa-
goes obtdas da Franga.
Moslra este documento que o exarcilo, a ma-
rinba, as foriiicagoes dos seus porios, o costeu
dos prisioneiros francezes, que passaram de 300
mil homens, o os juros dos empr. stnnos que fez
a Prussia, somma ludo 530 mil conlcs de res da
nossa moeda pouco mais ou menos. A indeani-
sagio da Franga paga com os seus jaros a:
completo pagameat), a contribulcio de guerra
imposta a Pars, o as exigidas no resto da Fran a,
sommam dous inilboes e desoll mil cantos de rea
de nossa moeda. Pagas as despezas, indemniss-
das Strasburga e a Alsacia, boje allemais, dimi-
nuidas valiosas qaaotias destinadas a grandes ma-
Ihoramentos e reparagoas, reslam mais de 1,350
mil contos de ris de-nossa moeda para serera ra-
I partidas pela Prussia e seas ailiados.
O ministro da guerra ordaooa que os recru-
Us da Alsacia sentas-em praga nicamente dos
regiment prossaDos. Quexam-se o Wurtemberg,
a Saxonia e a li .viera de que esta resolugo fon
tomada, sem ser oovido o conselho federal.
Diz a Gazeta de Darmstadl qne o imperador
da Russia nio ir a Berlin no mez de setemrr
como se dizia.
O imperador Gailherme teneiona demorar <
em Ems quatro semanas, depon do qua ir av
Gastain.
AUSTHO-IIUMJaU.
Anda nio, eocheci lo o defloitivo rebultada das
eleigdes para a dieta hngara ; porem,
victoria do partido Daak, isto o graade
nacional moderado que apoia a polities del
promisso que fundou o dualism da moajaB^i-a
austro-hngara, eairo 293 que o numerabtal
le depuiados. J se contava com 190 eleigoes
favoraveis ao partido Deak. Em Bimaszees houve
urna batalha enlre a tropa e deselos radicae*
armados de pistolas que lentaram apoderar-so
do sarilho das armas. Os soldados corrern a
toma-las, e com urai descarga dispersaran ca
amolinadores. llouve vn'.e pessoas teridas ou
moras.
Vio reunir se as daas delegagoes da di'.a d*
Pesth e do reiehsrath de Vienna, para deliberar
acerca dos negocios commnns do imperio, poltica
exlerna, fazenda e exercito.
Assevera-se qae nao havar livro encarnado per
oio ter ioleresse geral a correspondencia trocada
no decurso do anuo enlre Vienna e as ootras
cortas.
Diz se, porm, qoe ser pedido um crdito de
meio miihao, a titulo de fundos secretos, para as
Jfe
necessi Jadas da poltica, o que nio
qae a sitaagio seja bem clara e sslid.
ao exercito, parece qua o orcamaut
MUTILADO


.



i
aprrtentiff am ligiieutinl) cootando 13 railb's
da florios para despezas extraordinarias.
O bolettm dn !w promulga urna 1-si so#w t or-
$aoisaco do lao*Vehr uas provincias cistel'.rnnas.
Segando est> 'i, qua, p >r origioal excepto nao
obrif a torio ^*r'i o Tyrol, a lanlwehr couitar de
81 bitalhOei e de um crto Damero de esquadroe
de uhlaaos e cae adores.
Os ejercicios dos reeratas da infantaria dura-
ra] so oito semana?, e as grandes manobras serio
consagradas apenas tres jananas ein cala asno,
depois das col he tas.
E' objaclo de criticas severissiraas na irapren
.a liberal a acqoiescencia do mim.-tra dos caitos
o Sr. Smeroayar, as prleocSea do episcopado auv
triaso, O regnlaraenlo da lei sobre o ensino reli-
giosa as escoras rece vicente publi:ade consa-
gra a totenrenco do padra carblico as escolas,
a titulo de antoriJade, e Urna obrigatorio o ensino
religioso.
Ao passo jne o gotarn ostra tamaoha defa-
rencia pele-cloro ealhofieo, a irapreasa libera
perseguida cjm r.rJor realmente reaccionario. Era
poneos ds leem sido retuUiidaa pela autoridade
quatrt fainas libanes de Vieana. O Taytlktte fui
resolhide por sustentar que o parlamento nao ei
a a'tara da sua missio.
O imperadar Francisco "Jos dea ordem ao ar-
ehi-dique Guiherme que ossea Tzaik.) Seb para
assisttr s manobras do estercito russo.
Bata visita a S. Peterteurgo ao archiduque Gui
Inerme considerada pela imprensa austro-nong*
ra como do melhor goverio para o restabeiecimen
4o das relices cordeles entra as duas cortes im-
friae.
E" provavel $ue ventea depois a Vienna um
mimbro da familia real di Russla.
A Hussia ere ni am consulado geral era Pesio.
O banco de Vienai elevo a o descont a seis por
eento.
BUVSH.
O cholera deriorefve-se cada vez mais em Kievr,
capital da Ukrauia,
DesJe 31 de raaio a l'i de junno lnuva 1317
pessoas atacada* a 532 moras; nos dias 11 e 13
te unti i forano atacadas iOi pessoas das quaea
accambirara 189. A molestia Tere principalmente
os peregrinos que de todos oslados da Rn*s* aco-
dero a visitar o convento orlholoxo de Kiew, os
quaea nesie momeuto se elevam a duieoios mil.
PRINCIPADOS DANUBIANOS.
Era esperado em Brochares! o ministro Co laforo
oue j imhi rio a Coo-tantinuph oostar a que
-e reooisse urna coaferaneia diplomarte apara da-
terminT o meio de prolager os israelitas) contra
es aggres;5's slvagens dos snbduos do prio-
cipe Carlos da \\ u-nauia.
Em virluJe da nova lei militar foram exone-
rados todos os efucias* da guarda oac'onal. Ai
mioisiro di guerra pertencem agora as nomeaedo.
GRRCIA.
A cmara dos deputal.s regeitou por 87 votos
contra 86 umi mocil de censura contra o mini<
tro da jistiri, palos nutu-rosos indultos que lera
concedido.
A cmara grega qoer rigor.
tubouia.
Dssinante se o boato de desiatelligenc entre a
Porta e o bario Hirsch, por causa dos camiohas
det-rroi da Roumelia ; o govema. polo contraria,
eat aatisfeito e deu ao bario a ordem de O^raa-
ci.
Abrio-se no dia 6 o caminho de Ierro de Salnica.
O represeataote do governo louvou a cotnoanhia
pila acllente conlnccia da lin'i.i.
A cammis'io imperial seguio depois para Andri-
n iles a tomar conta das outras liaba! da Rou-
melia.
A eommisslo de armamentos den preferencia
i arma Henry Martini obre todas as outras.
Cnegou a Cmslantinopla o vca-rei di Egyp-
lo. Tem havido monos festejos.
(BAA-B3ETANHA.
O tribunal arbitral reumlj om Genebra resol -
valo definitivamente reje:ou ai r elaaacas in-
directas e o pedido da Ioglaterra para sur adiada
a arbitragem. A decslo f acceiu p-la Ingiat^r
ra e pela America. A prxima imij ?er em l'i
de julho. \
Lora Granville co n-nuniedo canura alta, e o
Sr. Gii4\t,ne a c;,r"ra '1>s caramaos, que o tri-
tusal de Ginebra, tdtrli exaraioado a reclaraata
di* Estad a- Unidos acerca dis preu ios io/eclos
ac'u ii-j que egtiado os priaci.iio* das leis geraes ppl-
i:i>eis a e?les ciso*; o pedido dos prejuitosiodirec-
i)4 nio poda aervir Je bise a iodemnisar;5ej, e
il-va ser excluido do exme do tribunal; que a
A perica a quem f.-a comraunicala esta decisio se
i- iiformira ern eil>.
As declarares dos mioistros, sobre a soLuoai
da questao Alabama forano muilo auplaudidas.
O 5r. Glalstme respondeodo a Disraeli e a o i-
iro> disse qu eite negjju nunca mais poduria re
scer.
Omemorind'im inglez vai imurimir-se.
Ao encerrar a sessio do dia 13 o conde Sclopis,
ure.ideate do tribunal, curapnimatou es arbitros
pela :ua prulencia e perseveraoc.>.
A cmara dos lords, depois de ter regeitado
ni sessao pasada o h.ll sobre o escrutinio secreto,
i nenlou o esle anno da modo que ficasse comple-
usiente destruido o espirito e a economa dalle.
O govern\ aesejando sar concilladjr, acceitoa
algumas emendas. A cmara dos commuus, onie
iii.il foi novamenle po.-toem diseussao, approvou
tnicamente as emsndas da camsra alta que ha-
viam sido aeeeiUl pelo governo, mas regeitoa por
trande maioria ajuellas a que elle nao quiz adhe-
rir.
A cmara dos commttos regeitoa por 216 votos
contra 165 o earacter provisorio que os lords ti
lino querido dar a om projecto destinado a ser
i'.-i parmaoeole do pa z, e insista em que as salas
.as escola! sejam nos das das eleicSjs pistas ao
.-ervico dos eleilores.
E' de crer que os lords se conformem com o
Mecer dos communs maniestado com tanta obs-
una^ao e energa, e que instantemente reclama-
do pela opinio publica.
O mao re uttado das negocia;daa de Ganebra
Uzia prever a queda do ministerio ; e a oppasicao
systhemat'ca da cmara dos lords a lei da reforma
. '.eitoral tinha por tiin gaahar lempo para que a
iueda do rainislerio Gladstone alTasiasse da tela da
'ifscassio |n I u-r projecto da reforma eleitoral.
II je, consolidado o gabinete pelo botn extto_ das
>uag negociado'S eom a Aoierha, a opposio da
cmara aJta nao tem rasao alguma que a ja-mi
que.
No dia 20 hoave ara rasetingda soeiedade pro-
tectora do escrutinio secreto, em que firam cl-
giadoa os Srs. Gladstone e Forstar pelos seus es
.tcoi era favor do bil, censurando os lords, e raa
nfastando a esperanr; de qne o governo preferir
retirar o blll a aceitar as emenlas dos lords.
Na cmara alta lord Claoriearde queixou-se de
qaa a Franca deportasse para Inglaterra os com-
ino nistas.
Lord Granville disse que ainda nao tinba res-
posta deQoitiva da Fraa;a e que por isso ihe pa-
reca conveniente nio sediscutir essa materia Lord
Malmerbnry fallando sobre esle assampto disse
que oscommuoistas eram horneas que baviam (al-
tado s leis da honra a que nao podiara merecer
as sympathias da Inglaterra.
O aogmento dos direitoa de navegigio no
canal de Soez foi no dia l> ife jalho oPjacto de
ama inlerpel aci) na cmara dos commans da
parte do Sr. Cocbrane.
O governo britnico havia pedido a cotnpaohio
que adiasse provisoriamente a execacio da medi-
da, mas, a julgar pelas deslara^oas de lorJ EoHald
o agente da corapanhia responden que nio poda
faier essa coocesslo. Lord Entleld deelarou tam-
bero que nio sabia s a Fcao?a tinha clamado ju-
rieccio espacial, mas que se ia informar.
As novas tarifas devem ter eomegido a vigorar
no de jalho.
Na cmara dos communs o Sr. Cocbrane ralln
das apitnlaives no Egypto, e pedia ao govrno
qae*avida;.se a PortOitomaoa a cjmpletar a
reoMM judicial; lord*Enlleld disse qaa a ultima
guerra obstara ao complemento daquelli reforma;
mas qm segando Ibe coostava o novo eodigo es-
tara protnpto em seis raezes.
Ma camar dos communs propozse a anne-
xagio da iltiat Fidji. Corabitlea-a oSr. Gladstone
dizeodo que o geveroo s fari tal no caso da o
quererem os habitantes. A proposta foi regeitada
por 135 votos contra 84.
LorJ Eofiald disse na cmara dos commoas
que os numerosos habitaites Jas libas do arebipe-
lago do Navegantes pediram a sna annexar;io jos
E'tados-Uaidos e que o embaixador itigiez em
Washington recebsra ordatn para se Informar da
daeiso do governo americano a tal respeito.
Sir Robert Peel perguntou ao governo se
delxaria exposto s iras dos catbolicos o juiz Keogh
contra o qual os proprios blspos tiohim convocado
meHtnp.
O Sr. Gladstone responden qae tomara provi-
dencias pan o protegor, e que seriara rigoros amen-
to punidos os qae violassem ai leis.
O ministro do interior o Sr. Bruce foi assis-
' no dia seis a sessio do eongresso penitenciario,
t depois de agradecer ao> membros estrangeiro:,
Jefenleu o goverai Inglez da acco-acio de indiffj-
ren;i
N> sen tt pois de abolid't a deportivo, ni) >'; devila aocio
repressiva do EitaJ.o, as ostrab>lh h inlividuio^
das peasoas encrregadas de Hscalisar a edueacao
e tambem ao melhoramantosintroduiilos ao sys-
thsma peoitedeiario.
Os operarios pereiros acceitarara as propostis
dos mastres de .-toras para que hoaves a l|fc termo medio, de trbala) era cada semaaa
com salario de 8 l|i psoce por hora.
Os carpateiros e marceneiros nao ooacordaram.
O priacipe e a princen de Gallea foram' a
ObisleauTsl visitar fypjle-io e saa esposa. Sao s
mesaos a:iso de cortesa qae a familia real de
Ioglaterra usen com os Orleans depois de 1818.
II Lt. ASO A
Tenainoa a erise ministerial qae durava toase
dols mezer.Foi eocarregido da orgaaisacao d)
gabinsle o bario De Vries que tomn a presiden
|cla e a pasta da justica; cooflaado a do interior
ao ir Geertaesa, a das colonias ao Sr. Hirandoli;
a da gnerra ao Sr. Wa.tzel, a dos estrangeiro ao
Sr. Garke e a di marioaa ao Sr Brocx. Falta
a denoara-it atr
vardila tambera qae a la-
onla o re io*e esperado, a per qua^a-r motlw
o na i polessam victorear,
< Dopois disto, nv precti l JMHMl
os *appo*i'is proir-.^os qtn
teoha pjr ci teitol K* vardi
mili* real pala altabilidad.; le uas manelra ata
nigoidada do sea carcter digna de toda alMfi
a da vwladara popalaridade de qae tem tilo tta
tas e tso valiosas demoastraedes no paic.
t No iia 15 s cinco horas da tarde, sio esp-
ralas a passas reaes em Lisboa, depois de terem
assislido em Cembra s fastas pleadiias da Mi-
aba Santa.
Como a diante mais ci'cumstaneiadamente
menciono, foi o dia 9 do corrate, a aniversario
da estrada do ex-niio libertador aa cid i la do
Portn, aHito testejado, e nio d ao %rto, mas em
ootras cidades e povoaedes deste mez, anniversario da entrada da mesmo ei-
ereito em L'sb, tambem aera fastejado a tai, le-
gando se projecta, e com desasada solemnidade.
i Sehto tem a'guma relacio eom os meetings
do Porto contra a reaejo e como nm protesto
centra qusra quer que leja qae ande tramando as
trevas contra a liberdade, qae unto eastoa a con-
untcamente a nomeacio do ministro da faieada,, quisur para Portagal, 4 o qae ao sai ao certo,
que a principal, pois a crise foi promovida pela
questao lo imposto sobre a reala.
Os Srs. Brocx e G;nke fiziara pule do anterior
gabinete.
Sao todos progresistas os novos ministros.
HtAJuaca,
O Sr. Krleger ministro da jastija foi nomeado
ministro da fazenda, e o Sr. Klem presidente do
tribunal do coramereio martimo foi nomeado mi-
nistro da Justina.
SUEC1A E NORUEGA.
Terminou aerrte mini'tenai da Nora-'ga, seodo
nomeado ministro dos cultos o couego Essendrop,
e ministro da guerra o capitao Segelck-s.
HESPANHA.
Em 13 do correle escreve nosso correspon-
dente da Lisboa o seguate acerca do reino visi-
oho :
i Henovara-sa em Italia os boatos de abdcacao
do re ama leu. Parece que o rei Vctor Mioual.
que se ada aciaalmenle em F.orencs chimara da
llimao sea ministre dos negocios estrangeiro.
para tratar da questio da Haspanba. Julgara-se aa
Italia imrainantes os sncessos|o'est8 paiz, onde, se-
gundo varias correspondencias o afllrmam, faz mu
rpidos progresos a causa do principe D. Alfonso.
Nio inspirando grande eonfbn$a era Italia a H-
tua^io actual da Haspanba e nio teado sido popn
lar em Tunm. Fioren? oa Woma a accetai;o da
cora hespaoh >la pelo prineipe Araadiu (escrevem
da dalia poca de Madrid ) a impreosa italiana
qaase qae veria cora satisfacao que e na desejos da rainha Victoria talvez aos seus
proprios, abanlonasse a Paoinsala. Mis era liorna
eFlorenca julga-se qae Vctor Mmuel. apoiado
palo Principe da Bism.rk, aconselha seu tilh, a
que so raatanha llrme at ao ftn. O r?i eompre-
tieude que um cheque para a poltica iuliana em
Ilespanha teria echo em Italia, e jtl'ga nma gran-
de tonacidade consegue dominar as situsv'ois man
didl :eis. Nestes momentos sorpreheodeu extraor
liniriamente o mando offlcal um artigo do parlo
dco mais autonaada do Vaticano, no qual, depiis
de diz:r qae a queda do rei Araadea inevitavel
a proxioia, sa ac;r3icenta texmaUneute qnj D.
Carlos nao pola de modo algura trinmphar. Os car
lisias podeio dizer qaa o Oowrufor Rommo es-
creve isto pirque v perdido o principia de legiti-
mi Ja Ja na Europa; mas os qucoahecem o estado
de relaeSet entre Pi IX e a rainha Izbel sahem
perfeitamanteo qne qusr signili;ar o orgao ofBcial
Ja cd.-ie de aoma.
Cumpre, todava, nao esqueser que a poca e
nina folha bourbooica.
t Contmaim as guerrilhs3 a qae a imprensa
bespauhola j chama Litro-facciosas, a inqaieur
os povos O governalor militar de Pamplona par-
ticip)a ha poucos dias que ss apresen'.ara no val-
le da Arait ama deltas gaerrhas levan Jo ao al-
euda duas pesso.is e mus de tres ra;l duros^ Os
carabioeiros de Ireorza.n iam era preguig) di
guerrilha. ,
as Astnrias tornoa a appare:er o chafe Faes
i frente da 40 nirasm, sendo esta guerrilb e uu
:ra qae anda va pjM Siero vivamente pifignid
gor ore di guirda civil e carbiairo^.
Apresentoz se ao givernador militar de Cis-
tea o chefe Ignacio Polo, que tinha permanecido
Ciulto mais de J.us mazas sera toraar parle na
sublevarlo
Participan da CiUlunha qaa o brigadero Hi-
dalgo coasegaio alcanjir e bter a guerrilha Sa-
lai's as alturas que dorainam a povoagio de S.
Pairo da Usar, na provincia de Garona, cauiOo
Iha (5 morios e II feridos e fazenlo Ihe 4 prisio-
neros. O iniraigo dispersou-se, tomando um gru-
po a direceo Je Santa C-oloaa, o outro a da Bel-
lera.
Foram pelo geverno bespanbol prorogados os
orcimentos vigentes na actualiiale, at qae as
ruturas cortes regularisem a sitnacio econmica.
t Ura real decreto maadou uitimamenta qae
asinraam de novo as suas funecSes aqualus mu-
nicpaldaies e deputaeSas proviaciaes arb.traria-
raente suspensas pelo anterior ministerio.
Todos os partidos, exsepcio do carlista, s?
preparara para a carapinha eleitoral, mas os re
publcanos moderados sao por ventura os qas
desenvolvem tam energa nestes preparaiivos.
c Celebrara-se numerosas reuaiSss, espadara-
se circulares, nio se Jascanja ummomanM, e
de presumir qaa tantos esforfos lenhim bom exl-
lo, pois o partido republicano sem contentara) o
mais bem organisado. Nii para admirar po.s
que o partido republicano teohi larga representa-
cao as cortes.
i governo democrtico aitual nao teaciona
fazer as eleic5es, porra, raiotan-se nos limites da
mas estricta neatralidaJe, procurando que saia
das amas a exprossao da verJadeira vontade na-
cional.
i Os. candidatos a deputados qae lem bascado
o apoto ofuciil, tem re'pondido que nao tem can-
didatos proprios, nem se prop5a deserapenhar
as eieicSes senao o papel que est marcado aos
goveroos constitucionaes no acto elaitoral, isto ,
assegarar a todos os votantos o livre exercicio Jo
seu direito eleitoral.
< Oxal qae tudo isto, proclamado pela irapren
sa ministerial, sa compra e guarde I
c As novas cortes foram coavocadis para 15 de
setembro.
PORTUGAL.
Nosso correspondente de Lisboa escreve a 13
do corrate:
Entrn o .V.t no dia 11 dos porlos do Bra-
sil.
Pelo Gladiator (da Liverpool) a 5, Iba escrevi,
maito pressa.
t A 2! ou 3 aportar aqu no Tejo o vapor
Gassendi, de Liverpool tambem, e por este cont
escrever-lbes igualmente.
t Antes de entrar na parte propiamente noti-
ciosa desta carta, devo observar que toma cada
vez mais corpa a noticia, que o'ums das minhas
anteriores, Ihes dei da grandes probabilidades
que ha de serem convocadas extraordioariamenta
as cortes, antes do przzo, const tocional, que seria
no principio do prximo futuro janairo. Afllrmam
os orgos do partido histrico, que este (pelo seu
centro era Lisboa) den instrucc3es aos seas fl-
liaes as provincias, para que se desflzessera no
animo do povo qaaesqaer appreheasoss que hou-
vesse contra as leis do estado, procurando provar,
qae o referlo partido nio ambiciona alcanjar o
poder por meio da anarebia.
c As representacSes ao chafa do estado para
qae proceda a urna convoeagio extraordinaria da;
cortes sio j em grandsimo numero. Era todas
ellas se clama contra a anarebia tributaria, e
por isso qae ramios dizera a respailo de lar o Sr.
Fontes Pereira de Mel (presidente doconselho de
ministro), promovido asta diggressao trinmpbal do
rei pelas provincias do norte, qae o dito presiden-
te de ministros foi por lan....................
........Realmente tem tido semsaborias e nao
poucas nos testemunhos da sua davidosa popala-
ridade, em quanto, alias, o re e toda a real fami-
lia, tem sido enibusasticaraeate reeebidos, sm
todas as localidades.
i Nao ba dolida de que o paiz, era geral, e-
sencialmente monarenico, embora se queira fazer
parsaadir que o espirito democrtico tem feito gran-
des progressos entre nos. ,
Um fado para exemplo: quinao el-rei foi a
Guimaris, chegou all ama eommisslo das caldas
de Vizella, pedndo ao soberano para visitar aquel-
la pequea povoacio, as snas tbarmas, apresen
lando ao mesmo tempo os planos calgidos dos
projectados banhos, etc. O rei nao poade ir, por-
que essa digressio desviava di sen itenerano, e
perda tempo. EmQra, o certo qae nao se resol-
vea a ir s caldas de Vizella. Pois que julgam
que fez aquella bo. ente ?.... Fieoa indignada
contra a cmara municipal de Gaimaries, contra
o go ve mador civil do districto, e contra os minis-
tros; dea morras, gritoa, soltoa mil imprecac3es,
desesperoa-se, arrepellon-i III...
f Isto que uecedea ni pequea estacio (herma)
de Vizella, o que acontecera em omitas outras
mas o qae presumo com bastante fundamente
i Ha p oucos das o Commercto do Ptrto, folha
na i luala em nanhum parado poltico, mas ama
das mais cireamspectaa do paiz aoalyuva com a
mais lisoogeira apreciac^o o procedimioto dos
esotros histrico e reformista, por terem resolvido
de eommum aec'do acenselhar a paz, pedalo so
centro histrico a onvocico de curtes extra >rdi
nanas para reolvar impartantei duvidas sobra 1
versas leis de fazenda ; a o centre reformista, nao
indicando clarrosme esle recurso, acooselbaodo
o povos a repres8ai*f, e a erapregar iodos os es-
farcn para manter a irn jail/idade publica.
O* peridicos da India portagaeza comlnaam
anchando a maior parladas sass eolamnss can)
as oelieias e episodios dos^altealtres. Sio como
Hocambofe. agora parece qae nio bi meio de
extingu los l B. >ubos, fariraenios e tugas mallo
gradas, eis o qae le l n'ajaellis tolhas, e aojos
proraenores, por brevidale omittirei boje.
t o principio da agosto sao esperados em L's-
bi o Sr. O Ferina lo (pai d'al re) e saa esposa,
eondessa d'Elda. Pj a 19 ou SO da maio qae saa
magestade sabio de Lisboa, para ir Aliema-
oha.
t Cireola em L'sbV con grande Insistencia
qae el-rei de Hispan* Amadeo, irmio da rainha
de Portugal, lera resultido brevemente abdiear.
Estas noticias sii dadas pe oa jornaes romanos e
hespanhas, que dizem que o rei de Hespanh* pn
feri dar este passo a ser dictador oa tyranas, se
tr cmvdaio pelo gaverno a tomar melilas ex-
tremas para remover a grave crise poltica, que
atravess o visiohi reino.
E' certo que ha maito tsmpo se falla na pro-
babiiilade desta importante solucao que Ihej
acoa sal nal mesmo pela c te da Roma, visto que
0. Amadeo nio ple eoociliar em sen favor os
nespanh;s na saa msioria.
. E n Lisboa, ha tres oa qaatro dias hoave con-
selho de ministros era qae se apresentaram tres
quesitis :
c conviri suspender a cobranza do imposto
da lei de eonsnmmo ?
t 2* coa vira reunir as cortes extraordinaria
mente ?
* V conviri pedir o gabinete a saa d
sii?
t Diz-se que os Srs. Corva e Sampa'o votaram
pela reonio das tortas ; e os Srs. Barjana Jay
me Muniz preferirn! a retirada do gabinete con-
vocado das cortes.
i Os escndalos de que acensado o Sr. Barjo-
ns D?la su-mosicao, e os desaeertos do Sr. Jiy na
em relacio coasas da ladia sio talvez o verJ*
deiro motivo de preferirem a queda do gabinete
convocacio do parlamento.
Dzem as filbas de Lisboi qae foi assignado
no llio de Jioeire o tratado de extraliccao entre
Portugal e o Bnsil. E' ua noticia esta que pro
luzio oom effaito, por.0,1%- h graflanie aar^jT-
tagO a opiaio dftqua servira este eoaveaio de-
prologo a outros trtalos ba maito desojados, eo
m-i o di pr^priedade Iliteraria.
Saa magestade na madrugaba do dia iramediato
amlurcm para o Porto seguiodo o rio Dmro.
;hogot as 7 horas da tarde, desembarcando na
qoiuU do Freix?. Sna magestade e real comitiva
vieram desde P de Miara ni galeota real gover-
aada pelo capitao do porto.
t Sna magestade a rainha e sna altesas foram
esparar oa reaas viajantes i qninta do Freix\ on-
de o bario do mesmo ltalo Ibas offareceu um ex-
cellenta refresco. Eraquinto sna magestade es
perav sin real esposo fet-i ama regala pelaa
mulh-res de Avite, qae foi presenciada de ama
das jaoellas do palacio. Bsperavam oeste ponto
oa reaes viajantes a cmara municipal do Parlo e
todas aa aatoridides cifis e militares. Depois de
el-rei recebar os cumpriraentos das autoridades
e de descanear por algara tempo, entrn junta-
mente.com S. M. a rainna'e os infintas as car-
roagens da casa real, segurado pelas ras do He-
rosmo, Barras Lima, BomSm, Santo Ildefonso.
Santo Antonio e Clerigoi, am direccao ao paco,
Em lodo este loogo traasito hoave as maiores ma-
oif'istac.de de alegra a fasta, haveodo msicas em
Juasi todas'as raa, mitas banJeiras, jardins ar-
flciaes, reos de formas elegantes e caprichosas
Foi am verdadeiro delirio. Era sorprebeodeate o
elfeto que aprsenla va -a rio no lugar do desem-
barque.
< Na fagonia feira 8, foi o baile dado na As-
tembla Portutnse em honra de sais magestades.
As salas estavam adornadas eom o maior primor
e riqueza. Assistiram el-rei, a rainba, sua alteza
o infante D. Augdsto e toda a comitiva. Estiva-
rara 173 seohoras.
El-rei nos differentes pentos qne visitn dei-
xiu licar avultidas esmolas, para astabelecirasa-
los de caridade e para soccorro domiciliar s pes-
soa* mais indgentar. Na Begoa sabscreven com
SOOfOOO pira a faadicio de bospftal civil de qae
a mesma villa carecia, isto ilm de iOO>000 qae
deiton para esmolas.
< Vai fundar-se na cidade de Setnbal nm ban-
co agrcola iniastrial i imitacio dus qae se faa-
d.iram em Coimbra, Vizeu e Braga. A convite do
administrador do conselho renniram-aa jdaas ve-
zes os representantes das diffsrentes eoiporaedes
para serem oavidis sobre tal institaicao. Ac
mar municipal resalveo j applicar ao projecta-
do banco o producto da venda dos seas beas pro-
prios, e julga-se.que as outras eorporac5es a que
se refere a lei da denmorlisaeio fari o o mesmo.
f A eompaohia dos eiminhos de ferro do norte
a lale resolveu estabelecvr conboios espeeiaes,
quinzanaea, corn.bilhetes a precos mnito rednzidos
entre Madrid, Lisboa, Figuera d Foz, Porto, etc.,
dorante a estacio dos nanbos do mar.
i No da 30 lo prximo Ando mez de junho pe-
las 10 horas di noute houve um verdadeiro tu-
multo de povo, contra di venas medidas do gover-
no em Trras Novas, villa importante do districto
Je Santarem e a 15 leguas de distancia desta ei
dade. Este taraulti, liraiu proporco;s mais a talaras na seguala-faira 1* do correte, teado en
lio que entrar toda i fa-ci do desticaraento all
de guirncio, issira eomo alguma cavallaria. O
tristes abultados que se tinram de tal canil cto
foram dsvidoss passtmis providencias qae se de
ram. Honre 1 oa 3 morios e ligaos feridos, e ali
asi consegaiu se apaz-guar e ffarveseancia po
pnlar. '
< A (brea all estacionada foi reforjada com ara
batilbia de infaataria n. 16, qaa foi mandado sa-
bir i toda a pressa de Lisboa, e um esqaalrao de
cavallaria qae marchen de Santarem.
c Em vista de lae-lfactos nio sania de Lisboa
para Setnbal como estova ordenado e en linlu
noticalo naste lagar, o bitalho de cardadores
n. 1.
J se trata eom grande forc* di c:nstruccio
da caminho de ferro do Mtnho e Duro. Est
constituidas as commisaSas que nio de promover
araigavel ou julicialmeate as expropriardss nos
conselhpi di Porto eValrango, necessanas para
a cousiruccodas liohts frreas referidas. A inaa-
gurari i per nm dastas dias
r\\ u6w*8Q o l>r,Birnordo Antonio da Ser-
raMirabeaa, lente eathelralico da aniversidade
di Coimbra, para na qaslidade de visudor ex-
traord oano e eommtajiaT'o regio, passar a ioqni
ore syoicar do procidimanto das profaisore* e
oancial para salisfazer as letras representando
suppriraen'.) da divida Quemante externa que sa
vencerera.
A priraeira e ama das mais importantes, a
que representa um supprimenlo reito pala casa
raiicaria Knowles & Foster.
* Goatinuarei a noliciar-lhes algans normen o
res di viagem da sua magestade el-rei s provin
Darara-se as ordens necessarias i agencia 11 -, mais funcctoaario3 do lycea nacional da Aveiro,
mandando fazer'os autos oeceesaaias que remetter
ao foverno icompaanados do competente rea
Na sessio da cmara manicipal de l do cor-
rela foi lida urna proposta de emprstito apre-
seatida por Chirles Aastin, cerno representante
de ontroi prestemistas. As principies bases foram
A segointes:Os eoatrataotei oompromettem-se
ailerar de importancia este kconteimento qde a
mau ver pode ter intima relacio com o desenvsl-
viraeoto material e econmico d'aqaellas provin-
cia. Sa migestadd e altaia e os mioistros sahi
rara de Vianna do Casteilo, oale se demoraram
dios das, para Ponte de Lima e Braga no da30
de madrugada. Chagaram Ponte de Lina pelas
10 h iras as manhia, sendo calorosa e eaibuias-
liCiraaate victoriados era lodo o traosito e espa-
cialmanta na iaterior da villa que a povoac.ao
mais potica e linda que tem o M.nho.
c Diante de I. mi sahiram os reaes viajantes
s 3 horas da larde, eheganda Braga ponco an-
tas da noile. Ao chegar capital do Mioho, sua
magestade e alteza assistiram a am Te Deum na
s matropoliana, ontrando s 10 horas da noile
no elegaote thealro de S. Girardo, onde se deram
os Vivas do estylo, no maio de um enthasiasmo
difBcil de descrever. Os reaes viajantes foram
hospedados na palacio do conde de Bartiandos.
Este palacio est decorado com a maior suraptoo-
s i.i i -i e elegancia possivel, nntando.se por toda a
parle um (uxo asitico, tilvez superior ao da casa
real. Ja all foram hospdalos a Sra. D. Mara II
e D. Padro V, de saniosa memoria, ;no sua nltima
digressio qnella provincia. Se me coubesse no
espaco, dar Ihes raa minuciosa descripcio d'este
verdadeiro palacio defadas; mas com o tempo
m'o oao permitte coo!a?tar-mehei era Ihe descre-
ver pelo alto o qoarto de toilette d'el-rei. Esta?
espleoddimeole adornado. Um espelho de mol-
Jura de prata com riquissimas pyramiles do mes-
mo natal, bem coma guarda-joias; bacetas coa-
leado diversas esseocias e perfamarias e outros
objeclos dajtoacador sa viam sobre as mesa.
Alea) dastes ebjectos-de subido prego ornavaaa o
louoador real, jarros, barias, silvas, amphoras de
prata, lado collocado entre jarros de flna e legiti-
rai louca de Sevres. Era frente do toncador so
bresania n'ama mesa am rico panno da velado
verde e encarnado, com nm tinteiro de eaixa de fi-
lagrana de exquisito lavror. A penna de madre-
perola e oiro, com bieo de diamante, qae appare-
cau j na juella casa quando all se hospedou &
virtuosa rainha a Sra. D. Maria II, e o Sr. Pedro
V. Todas as colxas das camas deslina Jas co-
mitiva real sao de seda bordada a prata.
t Os reaes viajantes sahiram de Braja pelas 7
horas e meia da maabia de 2. Alm da carrna-
gem real, companha-se o squito de mais 13 com
os funecioaarios pblicos do districto e pessoas
dislmctas da cidade.
< Chegon a Guimaries is 11 '/i horas, senda
esperado f.-a da cidade pela cmara municipal
que all mesmo o falicitou. Foi hospedado no pa-
lacete do governador civil do districto Cirdoso, a
quem foi dado o ltalo de visconde de Margavide.
Su magestade visitn os principies eliBcios de
Gaimaries, dando recepcio offlcal s 7 horas da1
larde, qual comparecer as pessoas de mais
importancia da ierra. N'esta oecasio foi-lbe
apre-eotada urna represenlaeio e felicitarlo da
Associacio Commercial. Hoave igualmente jantar
de ceremonia a qae assistiram muitas pessoas con-
vidadas. Sua magestade foi ao iheatro, e s J
horas da manhia marchou para Amarante. Aqai
permaneceram os reaes viajantes at meia
noute, hora em que parlirim para a capital de
Traz-oa-Montes, Villa Beal.
Sua magestade chegou Villa-Real s 8 horas
da manhia. Foram os reaes viajantes esperados
no alto do Espinho pelos Srs. governador civil, se-
cretario geni, administrador do conselho e ontros
funeciosarios.
Apeiram-se no largo do tabolado e dirigiram-se
igreja matriz onde se cantn o le-Deum, se-
guiodo os reaes viajantes para o palacete do Sr.
Torres.
Todas as roas de passagem estavam magnfica-
mente adornadas. A capital eslava eheia de gente
de todos os contornos qae foram prestar ao sebe-
rano o devido preito de considerarlo e estima.
Pelas 5 lloras da tarde foi el-rei assislir a ama
toirala oa praga dos Toaros, onde estere 1 hora.
Na madrugada de 6 partiram os illastres visi-
tantes para a Hegoe. Os augustos personagens,
ministros e mais comitiva deram entrada naq iella
villa pelas 7 horas da manhia. Depois de ora-
rem na igreja matriz dirigiram-se ao paco da Boa
Vista. O almoco foi servido s 10 horas, assistin-
do o governador cir'il, secretario geral e mais aa*
toridades, e mnitos cavalheiros. Sua magestade
reeebeu palas 5 horas, e depois de visitar a ponte
mixta qae atravessa o Doaro e o caes, obras de
algara vallo, foi visitar ai caldas de Moledo. H ou-
ve maito ^eotbusiasmo. A llurainacao em toda a
villa eslava sorprebendenle.
oas .10 noria; porque eiraoirmea deva-s^eo*' aproiii-T -.asjaanua ae I milbao de. lloras
ao juro de 7 1/2 por cento ao anno, para ser era-
pregada em ooras muoicipaes. A ca nara podara
amortizar annualmente o emprestimocom a quan-
lia de que poder dispr, preveomdo os prestamis-
tas com a anie.-ipacao de 6 mezes. Os preponen-
les receberao como amortisacio do emprestimo
dinheiro ou valores. Esses valores poderio consis-
tir em obras qoe tenhara sido feitas com o capital
emprestado, e que es proponentes posaam expo
rar. Aceeitarao tarabem eoncessSes qae sejam ex-
pioraveis. Essas sao aa prioeipaes bases cojo co-
uheciujeato me parece qae jalgo de maior inte-
resse.
t Falla-se de ama nova carreira de navegacio
a vapor para os Acores Como a empreza nsula'
na, lera augmentado altimamenie os pregu das
passageoa e frotes, tratase do eslabelecimento de
nm outro barco a vapor, con presos mais reduzi-
dos.
t Falla se em que rao parar os trabalhos da
nova ediflcacio da Cisa Pa de Belem. O mili va
a falta de recursos pecuniarios, por nao ter re-
ce lo a respectiva admimstracao algamas das
prestares que lbe dio o aapital para as suas des-
pezas.
Na balando qaa no fiaa do anno econmico,
prximo, se deu no moaue pi gsral da Lisboa, co-
nheceu'se que, o fu*ia permanente de....
o96:io2*000,
t O movimento daaaixa econmica foi de___
600:000/, aproximadamente. O capital empre.-ta-
Jo sobre peonares foi da 21.30IJ.
O conseiba de Pedrogao o Grande depois do
das Covilhas, onde a industria de tecidos lem obn-
do maior Jeseovolviraeoto. A Associacao produc
tora da indnitria fabril, obteve a estastica in-
dustrial daquelle conselho, e lendo a visti os
respectivos raappas ]ae voa dizer qual o desen-
volvntento industrial n'ura conselho que ter o
muilo, 4000 fogoa.
Etistem actualmente 5 fabricas de panos. A
de Abelueiros fundada em 1859, que prodaz an-
naalmenta 25:000 aaetrosde pannos de brixe. A da
Retorta, produz aproximadamente 20:000 metros
qae ozporia como a priraeira para lula a Baira. A
da Faz, fundada em 1865, est no mesmo caso qne a
segunda quanto a prodcelo, e exporta para tolo
o paiz. A do Bollo, fondada em 1867, produz
10.000 metros de panno. Finalmente a fabrica da
Carimbara, tambera fondada em 1967, com o
eipital de 50 cootos, prodaz pannos fleos pretos e
de cores, casimiras, pantilhos, chiles, que se das
tnam para tolo o reino. Esta fabrica a mais
importante de todas, dispds de duas hyJraulicas
de ferro, de torca de 40 cavados, duas carduzas
cilindricas, duas cardas continuas, muitis machi-
nas de Sacio. Todos os mtchioismos da mais im-
portados teera vindo das melhores fabricas da
Bslgica, Inglaterra e Franca, exceptuando as ro-
dil bydraulieas, que foram fornecidas pela fundi-
lo do Porto. Tda astas fabricas e mais duas
que sa projaetam estao situadas na ma'gem occi-
dental da nbeira de Pera, que tem a sua origera
cerca de 6 kilmetros ao norte das mesmas fabri-
ca).
< Foi considerado di grande gala o da 9 do
correte mes, por ser o anniversario da entrada
do exercito libertador na eldade do Porto. Houve
feriado em todas as repartidas publicas. A cidade
invicta celebroa digiamente tal anniversario. A-
msicas toearam ao alvorecer, s portas dos res-
pectivos quarteis. e as tropas de guarnicio flie-
ram o servico de grande uniforme. Estiveram em-
banderados todos o edificios pblicos. Ao meio
dia salvaram aa fortalezas.
t Pelas oras da Urde foi condasida, desde
os pa;os do eowehoo at real eapella deLapa,
a bandsira qae perteneen ao extinelo balainio de
volunuirios da rainba, escoltada pelos veteranos
da lib rdade e aprenla praeas do batalbio de
cacaderes n. 9. Os restos das valentes bostes qne
defecsram o Porto apresentaram-se nniformisa-
dos, con. am ramo de oliveira as bocas das es*
piogardas.
As 3 horas da tarde foi celebrado o Te-Deum,
pronunciando o discurso gratulatorio o reverendo
abbide de S. Cbristovio de Mafamnde, distiocto
pregador regio. Terminada a ceremonia religiosa,
houve grande paradi de toda agurmelo no cam-
po da Regeneradle, qual assisiiu saa magestade
el-rei, passaado revista- a eavallo acompanhado
peto Sr. Infante D. Angosto, terminada a parada
desfllaram aa tropas pala rna do Almada, a passa
am era continencia par diaate da estatua de D.
'edro IV; sna magestade a rainha e os principes
assistiram da vanndi principal dos pacos do con-
se)b.o ao desfilar das tropa?. Ojantu rea! se-
uu-se ao desfilar das tropas, indo S. S. M. M
ipais ao thealro de S. Jala. A orehesla abra
eom o hyraao da carta que foi onvido de p e ap-
plaudidrf. L*vaatarara se vivas a familia real, a
el-rei, carta, libardaJe, a seuhora duiaeza d
Braganca, a Vctor Manoel, casa de Saboya, s
ideas liberaei e memoria de Sr. Pedro IV. No
intervallo dos actos recilaram poesas os Srs. Gui-
inerme Braga, Vieira de Andrade e Guerra Leal
* Finda a recita, muitas pessoas acorapanbaram
el-rei ao paco e no exceaso de eoibuaiasrao despi-
nta os easaeos para el-rei passar por cima d'elles.
El-rei agradecen levantando om viva ao Porto.
Houve illurainacoes publicas e parliculires. A
direccio da asserabla portaense dea am jamar a
tolos os voluntarios de cacadores 5 e da rainha.
Sabara i barra a corv:a Estephania e o vapor
Lynce, para erozarem na costa, aflra de irapem-
ram o desembarque de armamentos para os car
lisias, em nm navio partido de Aavers. Estverano
toda urna noite abertos os armaiens do arsenal
damarinha para abastecerem eom a maior bre-
vlade os referidos navios de guerra.
< Retiren-se de Portugal no da 8 a S. M. rainha
vnva d Suecia, irmia de S. M. L a senhora du
queza de Braganca. A illustre viajante foi a ama
hora da tarde fazer as snas visitas de despedida a
sua augusta irmia. Recolbea ao hotel as 4 horas.
< As 7 horas sabio para a gire do caminho de
ferro do norte. Eitavara all para assistirem ao
bola fora da angosta viajante o ministro do reino,
ministro do Braul, marquez de Rezende, visconde
de Almeida e fllhas, e ministro e :onsal da Suecia,
secretario do'ministerio do reini e oatras pessoas
de distinecao. Diversas pessoas baijaram a mi
daquella seobara. O respectivo mioisiro foi a
corapauhar a sua soberana al Ironteira da Par
logal.
< Comecoa a vigorar no dia 1 do crrante o
contrato publicado oa folha cHi-.ul, e assignado
em 22 de junho Ando, entre os representantes dos
blancos Lusitano e Ultramarino de LIsDa, e
Commercial, Unirlo, Atlianra, Mercantil e Noca
Campanilla Utilidade Publica, do Porto, para 0'
adianlaraenlos destinados ao pagamento das cl*s-
ses inactivas qne nio re:ebem por ltalo de renda
vitalicia. O encargo do vencimento tstaselas-
ses foi flxado era 800 cantos de res para o anno
econmico de 1872 a 1873.
< Noticiei-lhas em tempo que a Associacao Com-
mercial de Lisboa representara ao governo pe-
dindo para que o cabo submarino que h;le ligar
a Europa com o Brazil tocasss na ilba di S.
Thiago de Cabo Verde em logar de ser na iha de
S. Vicente, fuadaodo-se na importancia d'aquela
iiba. A representaGio, inlo a informar io direc-
tor geral das telegraphos, o informe foi desfovora
val; pais qae, diz o respectivo direetor, S. Vi
cante panto forciloonle tocam todas os vapores
jua fazera carreira para os pono do Bra'.il e
mais p-ntos da Amrica, lucrando muilo mais o
coramereio com o estairieciraenio all d'ami es-
tacio. Os b iraeas eutendidos em assuraptos d'es-
ta natureza fallara a favor da tal opintao.
O Banco Nacional Ultramarino tem estado a
pagar o dividendo da divida bespannola. Tem
havido grandes ajornamentos de povo, e nltima
mente tam sido precise intervir a polica para con-
tar a multidio. Teera sahda inlividuos cora o fi-
lo rasgada e quisi abafado pelo calor. Miis de
2,000 teera sido os portadores de ttulos bespa-
nboes.
E' esperado em Lisboa o notavel tribuno he3-
paohol Emilio Castellar. Esta noti:ia foi dada
pelo Sr. Pioheiro Chagas, a qaera o illustre repu-
blicano escreveo, elogiaole-lhe osea livro iatitu-
lado Madrid.
t Parece qae ssr em breve reraetiila para o
M ranbio a estataa colossal do estillado po ta bri-
sileiro Goncalves Dias, feita na offl:iua do Sr. Ger-
mano J >- de Salles.
c A' commi-sio de beneflcencia|da fregaezia de
Santa Catharina de Lisboa, offerecea o Sr. H. J.
Petit da Bruxellas, por intervenga') do conselheiro
Fradssso da Sileira, urna exeellenta machina da
costura, para que a mssma commisaio po-aa un-
dar urna escola da cmurenas mac^iUtas. E'
um valioso doaativo, que denaocii o generoso co-
ncia do offorenie. Ao a aproveitar muilo um>- \\\ machina.
OSr. Augos'/a Soromeno, lente do corso su-
perior d latirs e ctucial bibliotheeario d* aca-
demia real das scieocias, foi fazer urna visita a
Italia, Fraaca, Blgica, etc.
No dia 9 teve lugar no picadeiro da Escola
Polytechaica o primeiro leilio de gado cavallar.
Teve ponca coocurrencia, por se nio terem feito
os devidos annnncios. Eairetanto appareceram ex-
cedentes eavallo, especialmente de tiro.
do ovino da quinta da Granja produzio
oga
,060 kili
os de lia. a qual foi vendida ao dono da

fabriea de bjneflcas de Campo Grande, na razio
de 4JS00 cada kilo.
i Achasaera Lisboa o Sr. Jas da Silva MenJes
Leal, ministro de Portugal em Madrid. Vem go-
sar de nraa licen^i qae Iha foi concedida pelo mi-
nistro dos negocies estrangeiros.
i Chegaa a Lisboa e es! hospedado no hotel
LfoiTOuroo 3r. D. Taribio Rariz Jimnez, jor-
naista e socio da casa edictora de Ilespanha de
D. Dorregaray, qae vem expr as publieacSas de
luxo da mesma casa, offereceodo-as s pessoas
qae as desejim possuir pelo mesmo preco que
cuslam em Midrid, apezar de se venderem em to
dos oa ontros paizas estrangeiros pelo duplo desse
preco.
t Em Oliveiras de Aremes, houve no dia 7 la-
molto popular por causa das novas medidas.
Meia duzia de agitadores, desses que h serapre
era toiis as povaaces, levarara algans centena-
res de pessois a clamar contra o goveruo e auto-
ridades, por nao prohibirem o nso das antigs me-
didas. Foram presos alguns dos desordetros.
Rennio-se no dia 10 a eommisslo parlamentar de
inquerito acarea da eaigracio. Estiveram pr-
senles a maior parte dos deputados que corapocao
aquella eommisslo. O assuapto la sessio foi o
exame e discussio das leis brasileiras e portu-
guesas, acerca dos contratos de calonisacao e das
passagans dos colonos a bordo de navios de vapor
e de vela.
A lei portngaeza de 20 de janho de 1853 re-
gulon a questao das passageos, e apenas prohiba
a subldeacao dos servicos dos colonos.
* Por outro lado o governo brasileiro n'ura re
gnlamento, determinoa que os contratos de passa-
gens fossem observadas cooforme as leis do paiz
da partida, se eisas leis nio fossera menos libe
raes que a brasileira. Nesta hypothese seria con
veniente regalar, por lei especial, os contratos de
locacio de servicas em paiz estrangeiro e abter do
governo do Brasil, qae appliqae a esses contratos
as mesmas dispostedes qae j applieou aos de pas-
sageos. Resolveu se a pedir pelo ministerio dos
estrangeiros que es agentes consolares e diploma
lieos enviem as leis sobre emigrado e immi
grafio no Brasil, Eslados-Uaidos, Ioglaterra e
Allemanha.
t O intendente da pecuaria no districto de Faro
informan o governo de qae Ihe foi presente pelo
governador civil ama cepa suspeita de philoxeres
e que a tinha examinado, e alguns individuos da
sociedaJe agriecla do districto. Eocontraram na
face inferior d'nma folha, ara ponto braoco qae
ae mova cora graade rapidez, cooseguulo se a
casto apaoba-lo. Applicaodo-se Ihe o microsco
po, oaservoa-Si ser nm bicho amarellado, cor de
Ur de enxofre, comprido e formado de aunis de
cabeca larga coma a de nm gafanhoto, eom tres
pares de patas dispaslas ao lado do tronco, com
as coxis mais grossas qne o resto, com dons
grandes olhos, onde ae viam pontos escaros, com
duas antenas miis grossas perto da cabeca e omi-
to adelgacadas para os extremos, negras e mais
compridas do qae as pernas, estando dobradas pe-
lo meio. A eommisslo eontioi eom as snas ana-
lyses parecendo Ihe ver a pkiloxeres vastatrix.
c Falla-ss em que o patriareba de L'sba resig-
nar o san cargo se o goveroi o nio dispensar do
pagamento de direitos de raerc. E' advogado do
prelado o Sr. Dias Ferrera.
* Os Srs. Avellar & C. j envianm para
Paria alguna dos productos que Ihes forim confia-
dos por diversos expositores portnguizes para a
exposicio universal de economa domestica que
vai inaugurar-se este mez no palacio da Industria
d'aquela cap al, e que durar at novirabro do
eorrente a nao.
A sociedade nacional 'Encouragemrnt des tra-
vailleurs industriis, fundada em Pars, que pro-
move o aooonciado certamen.
< Exportaram se de Lisboa para Franca 116
volamos eom pe les de ci, parle das quaes nos ba
de ser remettida transformada em luvas.
c ltimamente. tom se dado cabo de mais de
dons mil ces em Lisboa, com os bolos envenena-
dos, e pela re municipal.
Publicara se actualmente em Lisboa 12 peridi-
cos qaotidianoi, sendo em Lisboa 8 de 10 ris ;
do Porto publ cam-se 6, sendo 3 d'aquela preco-:
em Coimbra pubticam-se 4 peridicos nio diarios,
em Vizeu oniros 4, em Aviiro 2, em Braga 4, em
Guimaries 2, em Beja 2, em Setubal 1, do Fundi
1, am Ponte de Ltma2, em Viinm 1, em Fornos
de Algodres 1, em Yalenca 2, em Bareellos 1, ao
Algarve 1.
> Sahiram no dia 11 da alfaadega duas ctixsa

cootendo qoadros offerecidos Academia da
B-lla Arles.Vienm do Havre e valem 10,000
fnneoj.
Diz m que se venflc o aeeordn otra o nosse
goveruu a o inglez na qaealio da eacala alcoolici.
Antes assim, porque era bem injasta a ressteajia
do governo inglez.
Esli conelnido o projecio de om ponte, syi-
teraa mixto, no rio Sado.O orcameoto de.....
6.000*000. Esta ponte tam 7 nos da 19, e sera
de 70 metros da comprmanlo entre oa encontr.
A ina elevacio robre o ponto mais baixo do rio
ser de 11 metros sobre o terreno das margeos de
3,20 metros. A litan do pivimeolo sobre a prea-
mar das aguas viras de 2,70 metros. A largura
de 4,50 metros.
i Subi j aiiprovscao do governo o proieeto
a respectivo orcainente para as reparacoas a iaser
no viadneto de Samora Correia (Riba-Tejo), qae fat
parle da ettrada diti ricial n. 79 de Benaveme e-
ta;io do carainha de ferro de Saeste em Venda
Novas. O ornamente de 4:871*000.
Foi approvado pela juota consultiva de obras
pablica o piojecto dolanco da estrada distrietal
de Cascaos (Lisboa), por Cintra, aa Gradil, com-
preheod do tntre o lugar de Nossa Seohora da Par.
e o valle de Uge.
t O conseibo de obras publicas spprovon o pro-
jecto di ampliarlo do arco trinmpbal da ra Au-
gutta. As obras esli oreadas em 15:0001000.
E' diminuido o attico qne asienta sebre as colum-
nas qae farera parle d'aquelle arco, dando-lbe
para isso maior base, afirn de estar em proporcio
com a parte suparur.
t As duas rea las iooluidas as alas que sus-
tentan as estatuas dos rios Tejo Dotiro sao
iransiorreadas em nichos com sumas, as )-
nelfas qne corresponden) s mesmas arcadas sao
mascaradas com baixo relevos.
Eslava destinado o da 11 (mulero) pa'i a inaa-
guracio solemne dos trabalhos do caminho de Ier-
ro do Mineo. Assistem SS. MU., e o carrinho des-
tinado eU cere oonia o mesmo qae servio do
camiohi de frrro do norte. H* ideas de eiiabele-
cer a estadio principal no terreno oesnnada palos
quintaos das casas da ra do Sol e Fontalnbas,
rtcaudo a freote para a praga da Balalbi aa lado
esquerla da foute. Dave ter sido um dia de gran-
de fesla no Porto.
< O ministerio da marrana reqaisitoa ao das
obras publica 6 boceas de incendio para lerera
eolloeadas no grande edineio dacirdoaria aaeie-
nal a Junqaeira, a 4 kilmetro* de Lisboa.
Vi i aer constituidas no diatricto da Brag
as eomrassdes especiis de expropriaclo dos
terrenos qaa teera de ser cortados pala via fr-
rea ontre Braga e Porto, nos eonselhos de Bareel-
los, Braga e Villa Nova da Faraalicin.As que
ditera respailo ao Porto j se eoutituiram, como
iha diisc.
Da 24 a 30 de janho nllirao renden o cami-
nho d^ ferro do norie a leste a quantia de........
21:839*976 i*. C>raparado aste rendiraentoeom
o que houve t-m igual periodo do anno interior,
ba una differenni a mais de 1:261*740 ris.
c Parece estar escolhido pela respectiva eom-
misslo o local para o novo hospital civil qne ta
projecta. E' o alto de Sinlo Amaro Janqueira
prxima da tapada de Belra.
t Foi ubraetlaask- approvrci* do governo o ore-
je :to dsliniivf/ do lan ;o da estrada real n. 46 da
Tondella-Cojjiiiii, coraprehendido entre Canetla,
na estrada real i Figu*ir* a Maogualde, a a pon-
te do Tabaa sobre o Mmlega, na extenso de
5,5i9,90 metros. O orcameoto total de.........
21:.050*000.
< Ja comecarara no Porto o trabalhos para a
cobertura da pi ao i do Peixe, estando quasi son-j
cluido am dos ngulos da mesma praca
Foi publcalo recenlemente ara folheto intej
resianti'simo cora o segotnte titula
ALOUMas palavras sobre a questao do traba\
Iho as colonias portuguezas de frica e pri;i'
plmente nis ilhas do S. Tnonid e Principe.
t Contm o projactode represeotacio da Asso-
ciacia Cimraercial e os parecer do Srs. Fran-
cisco Chamico, Antonio Jo de Ssixas, Mrooil
Simas, Jos da Cosa Pedreira e los Abilio de Mo-
raes. O pnjeclo assignado pelos Srs. Jos Ri-
belro da Cunha, Francisco de Oliveira Coamic/>,
Antonio Jas de Senas, Jo da Costa Pedreira,
los Albino de Moraes, Jos Dianysio de Merlo e
Faro, Manoel Simas e A. A. Pereira di Miranda,
que era o seu relator.
E' rr.uito importante, por sua competencia, o
voto destes cavalheiros.
i Vai no da 28 prap para ser arrematido, a
magaico palacio que fui, do conde de Firroo.
no larga de Quiotella, onde b'hannos est o Gremio
LilteraiiiH
t O bario de Lagos partir breveasentelpara
Pars, cora o m de realisar diversas operaedea ne-
cessarias para a eonsiiaieio definitiva do banco
que pretende fundar.
Urna correspondencia de Lisboa para un*
folha ao Porto diz que no principio da revolusao
carlista detembarcaram na praia de Oitavos, fora
da barra, urnas 17 mil armas destinadas aos car-
listas. Da lugar do desembarque foram trazidas
pira Lisboa, passarara as barras da cidade e flea-
ram escondidas em doas casa-. Estiveram aisim
bstanle tempo escondida', al que em pequeas
porcoer foram expelidas para o sul do Tejo, e d'alli
transprtalas pira ilespanha, onde enturara todas.
i Se os contrabandistas melteram em| Lisboa
17000 arma3 sem nioguem as ver, eontlnuav o
mesmo correspondente, quan a carne, qnanto vi-
nbo, quanta agurdente e quanto azeite fugir ao
enorme imposto do consummo de Lisboa.
t Realmente a polica em Portugal costa Cira
e feita assim, m isto txacto. Urna das raides
porque se lbe paga muilo ponco apezar de cus-
lar muilo dinheiro.
Lia-ae ba tres dias no Diario Popular ( de
Lisboa):
Em vista do accordo feito era diversos cor-
reos estrangeiros. as correspondencias proceden-
tes da America do sal com deslino para Franca,
luglaterra. Blgica, Allemanha, Austria e Italia,
trazidas a Lisboa por vasos mareante-', sio envia-
das ao seu destino pela prime ra expedicio da ma-
la por via da Ierra, em logar de flcarem retidas al
Ibes afllxarena a franqua competente.. Resulta
d esle accordo, qae urna caria expedida do Brasil
por via de Lisboa, pode ebegar Allenanba oa a
Italia tres ou quatro dias mais cedo do que sendo
enviada por via de Brdeos, Sou.hamptou cu Li-
verpool.
Correu em Lisboa que tinha fallecido o Dnqne
de Saldaoba. Mas logo se desmentio o boato. O
Duque est ainda no estrangeiro.
Tambem bontem se espalhoa que o ministro
do reino recebera lelegramma de Coimbra parti-
cipando-lne qne dons lentes da Uoiversidade ba-
viam sido assassinados... por estadantes. Esta
inslita noticia nio se acreditoo geralutente.
La-se n'um jornal de Lisboa de li1* cor-
rate :
Est em Lisboa o sr. dr. Amonio' Jaonano de
Faria, lente da faculdi.de de medicioaida Baha,
e um dos cavalheiros que mais honram a classe
medica do Braz.l.S. Exc, tem por vezes visitado a
Europa, e nio s em Porlngal cemo em Franca,
Ioglaterra e Allemanha, tem deixado gratas recor-
daras do seu cavalheirismo, fioo trato e superior
i-.lel igencu. Desta vez trouxe-o a Lisboa a irr-
pressio, na imprensa nacional, da sua exeellenta
obra: Apontamenlos para o fudo de clnica me-
dica. Licoes feitas no Hospital de Misericordia da
Baha.
o Ensino Livre, semanirio da inslruecio pa-
blica publicou no sea numero 40 a semana pli-
sada, com o titulo de Urna carta a Lucillo, ama
exieilente epstola do erudito reitor do Gymnasio
Provincial desaa ciiade, o nosso bom amigo Sr.
conego Rocbael de Medeiros acerca da educajao
da mnlher, e da serie de artigos publicados no
dito jornal com a denominacio de cartas oe tu-
cjxio. Nesta breve apreciacio, asss lisongeira
para Lucilio, (qae me incumbe de agradece-la,)
revela-se qnanto e Sr. Roehael de Medeiros sa
tem dedcalo de coragao s coasas do ensino com
a maior competencia, e quanto amor consagra a
estas interessaotes questdes.
c Diz o Ensino Livre qae ai cartas de Lucilio
vio brevemente ser coordeoadaa em livro.
t Nio di re i qae boa nova, nem m. Contie-
no maiio de perto o aotor pira qne diga'oa pos-
sa louva-lo. Mas sel que se consagra a estes esta-
dos ha manos annos, e que as nPJeridas cartas
tem sido aqni lidn, o qne j nio poueo n'unu
capital qae tem muilo qae ler, oa n'um paiz on-
de ponco vagar ha geralmente para leituras desta.
ordem.
Chegaram os navios : Lisboa a 27 Gna-
tiddo de Pernambuco, a 8 Lisbonense (vapor) do
Maralo e !ar, a 10 Ligeiro da Para; ao Par-
to a 26 Aielaide da Para por Lisboa, a 2 -
tial de Pornamoueo por Vigo, a 7 NovaPalmeira
do Para por Lisboa, a 8 Formasa do Maranbio,
a a 11 Diana de Pernambueo por Lisboa.
c Sahiram os navios : de Lisboa -a 7Bra-
ganza (vapor) para o Maranhao, a 10 Maranheuse
(vapor) pira o Para e Cear ; do Porto a-0
(i'idraf pira o Para.
c Esta apenas i carga para o Pira a barca u-
geira.




MUTILADO |


r d P<
iari d* PernamjVuc*
c
\etlclas da America.
Pur va de Lutria recelemos u seguales:
ISTADOS UNIDOS.
O presidente Granl dsclarou do senado que
o secretario de estado o Sr. Fish proceder muiio
a sea actenlo do negocio o Alabama,
Vai ganhando ierren", eguodo parc paco de
Nw-Ywk a candidatura de Horacio Gree ey pre-
sideacia.
A emigracao allema paraos Eslados-Uoi-
dos augmenta cada vez oas. Recenteraente hoa-
ve neta semant em que chegaram Tinte mil
emigrantes. No ieme>lre interior emigraran) para
a Allemanha trila e oito mil allemas.
A polica aolorisou a proeigao dos protes-
tantes que se devia real.sar a i) de jnlbo, se lo-
raou providencias para manler a ordem.
- Tem sida nuito intenso o calor em New-
York e eutras cidades amejuaoas. A morlalida-
de tam triplicado ; n'umo semana morreram 1569
pesjoas; a mortilidade maior eotre as crean-
cas.
O coronel Ryant chefe dos flibusteiros embarca
dos oovapor Fannie nao fui fusilado como se d.zia,
consegua escapar com i coropanbeiros e chegon
3 iNassaa. 0 vapor segndose afflrraa foiqaimado,
o earregamento apresado, e parle da guarnicio pri-
sionera oa fusilada.
Um crasador americano aprisionoa as aguas
americanas um corsario cubano. Ogoverao orde-
nou que se deteoha em .Ni vr-York o corsario para
se proceder a um ioquenio.
PERNAIBUCO.
REVISTA DIARIA.
INSTITUTO HISTRICO B PHiLOSOPHlCO.-
Reuniuse bootein esta soeiedade seb a presidencia
do 3r. unto. Fez se a leitara da acta da sessao
anterior que foi spprovada. O Sr. 1* secretario den
conta do seguate expediente :
.n offlcio do Sr. D. Laiz da Silveira aaceitado e
agradeeendo o titulo de socio honorario. Iatei-
rado.
Passoa-se a 1* parte da ordsm do da : disca-
tio-se e foi approvado o relatorio do Sr. ex-lhesou-
reiro, sendo aiarli adiados os re*torios dos Srs.
secretarios.
Passando-se a 2* parto : discussao da thase re-
lativa i origen* da palavra, oraram os Srs "Bao- xigas.
deira de Mello, 0. Cbaves e F. B>rg*s, depois do
que foi jalgada discutida a ibese.
0 Sr. A. VI-ira dea o desenvolvraento sobre a
sua tese : Hatera n'alma urna faculdade pela
qual possa julgar eom certeza entre o bem e o
mal ?
Procedense a um novo sorteio, e foi sorteada a
tbese do Sr. F. Burgas : Ser licito resistir s or-
detis do poder publico, auando ellas forem man-,
testamente contrarias as leis e aos intcresses do
paiz ?
Encerroa-sn a ses-o 1 da tarde.
PARA O SUL 1)0 IMPERIO.A' bordo do Dou-
ro passaram bontem para a corle, vmdos da Eu-
ropa, os Hxms. Srs. coostlheiros Diogo Velho Ca-
valcante de Albuquerque e sua Exma. familia, e
Maooel de Araujo Pjrto-Alegre, ministro brasi-
iero.em Poriugal.
"xcs., as poacas horas de demora em trra,
*sitaram o grmnasio provincial, Qcando satisfeltos
do a. do e VAPOflE DE SOUTHAMPTOI.A directora
desla companbia resolveu elevar 'duas viagans
por mez o servgo para o Brasil, saliindo o primsi-
re vapor a JH de agosto.
GNEROS DE ESTIVA.- O Douro trouxe 6
caixas com queijos a J. J. Alves, 1C a L. J. da
Costa Amoriui, 43 a ordem, 30 a J. J. Goncalves
Baltro, 58 a Sonza Bastos 4 C. 27 a A. F. Corga.
65 a J. If. de Barros & Filho, 40 a Monleiro Ro>
cha & C., i a J. P. do Valle.
COROA BRILHANTE.A este armazem e joias
di ra do Cabag o. II, cauto da ra do Bario
da Victoria, acaba de cbegar una lindo sorlimento
dejlas, entre as quaes alguns medalndes ( casso-
lelas ), de nix, com lettras e flores cravejadas de
diamantes. Este armazem conserva-se abarlo at
as 8 horas da noute.
TELEG lAMJIAS CO.UERCI.VES.Os dos Srs.
Kaowles & Foster e Pinto Lene & Sobrinbos, de
Liverpool e Londres, em dita da 12 do crrante s
10 horas da mauh, dizem o segainie :
O algodo esi calmo com baixa sobre 03 pre-
sos : de 1 1|4 a 12 1|2 os de Pernambuco, de 9
7|8r a 10 ofi da PaiUiyoa, de 9 3|4 a 10 o8,
o* le Macelo, de 10 i8 a 12 os do Mar
nho, de 9 3|8 a 11 3*4 os do Rio Grande de
Norte, e a 10 7|8 os do Cetra.
O assucar fronxo com baixa do 1 shillng so-
bre os precos : de 28/ a 30/6 o branco, 26/ a#28/
o louro, a 21 a 25/6 o masca vado.
t A borracha do Para rnuito firme, a cora ten-
dencia a subir, aos precos de 3|1 a 3jl 1,2 a fioa,
2i7 a 3|fj 1|2 a me liaia, 2|i a 2|G a ordinaria.
O cafe lirme de 72/ a 75/ o do R'O, de 68/ a
72/ o da Baha, e de 70/ a 72 o do Cear. >
IMPORTANTE.Lemos na Correspondencia dt
Portugal: .
O lilho mais vel'rio]lo primeiro ministro da In-
glaterra, Mr. Giadstone, converteu se religiao ca
tholica, sendo baptisado pilo arcebispo da West-
raMERCADO MONETARIO DE LONDRES. Do
boletim commercial dos Srs. Pinto"Leile & Sobri-
nhos, em8do correle, extraamos o seguate :
t Tea bavido boa procura para dinheiro como
serapre de costme no fim do primeiro serae-tra
do aouo, e por consequeacia os desconlos t-nn-se
conservado firmes laxi lo banco de Inglaterra,
que contini sendo da 3 0/0.
t O inflixo de oaro tem cootiouado, poreu tem
huido mamamama" lambem bastantes sahiias de
tmerario cjai especialiiads para Allemanha;
,mtudo a reserva metlica do banco de Ioglaler-
1 tem augmenta lo sendo em 21 do prximo pas-
lo de 24,552:319, mis em 5 do corrente so
24 065*094 teadonas raesmas dalas notas em cir-
cttiajao no valor de 23,213:525 a 26,447:155 res-
pectivamente. ...
Consolidados estiveram no principio da quin-
sena de 92 5/3 a 3/4, baixindo depois pan 92 3/8
a 3/2, porm ullimamente leem recuperado a hoja
fechara da 92 3/4 a 7/8.
c FondJ3 estrang-'iros teera sido alleetados na
maior parte vista do projsctado novo empresti-
ino francez, e os que mais teera soflndo teem sido
os das repblicas da America do Sol.
f Abriram-se sob-cripcoes para vanas empre-
zas o montante do $80:000 a i 30.000:000.
Orgaoisou-se um banco ilenoaynado Toe Com
marcial Bank of the ftivor Plata" com um capital
del* 1 500:000, em 74:930 accoe?. Houve trans-
ares de S6 2 2 1/ 21a pramio, porra -ixa-
ram depois para f 1 a 1 3/4 premio.
f As accSes de bancjs teem estado firmes. Cj-
tamos as do Engiish Bank of Rio de Janeiro de 2
1/4 a 2 3/4 promio, New Lcradon & BTasiliao
Bank 8 a 9. Lcndon & P.ler Piale 14 a 15 de
** Babia e S. Fra'ncUeo Railway !0 "a 20 1/2,
Recife a 5. FranJisco Railway 104 a 107, S. Pau-
lo 101 a 10J. _
Na casa central de baoqueiros as liqodacoss
diarias durante a semana linda em 28 do prximo
pass^do sommaram em 89*W:Op0
e oa linda em 5 do correte em 142,045:COO
Marietta Alfleri, Joio Pedro Vallier, Formioi,
R. F. Guimares, Joo Roberto, sua malher, im
Albo e orna criada, Bernardmo 4* 8. Pontnal,
Ulrieo Keller, soa mulber, 1 fllho a ama criada,
Dr. J. O. de Cerqaeira.
Vindos de MuoaBf uapa no vapor nacioual
Cururipe:
Joio Victorino Filo*, Avelino Araujo Bezarra,
Severo escravo, Maooel Lopes Angelo, Benjamn
F. Si Cavalcante, loaqoim Reg. Marcelino Gon-
calves Araujo, Jos Fernandos S., Gusmao Goi-
maries, Jos Antonio Gaocalves Rocha, Joaquina
escrava, Antonio Baptista D, Antonio Santos 011-
veira, Francisco Barroso Jnior, Roberto escravo,
Pedro Lopes Mandones, M. Mesqoita, Francisco
Xavier.
Segoem para o norte no vapor Cear :
Coronel Joio do Reg Barres, 1 cabo e 1 soldado
tenenls Leopoldo Francisco da Silva, Bonifacio A.
de Pontea Naves, leaeote-eorooel Antonio Gol-
calves Lima e 1 escravo, Joio Meireles de Soma
Ramos, Joio R. Raogal, Julio Moreira de Barros,
Heorqae de Sa Antucas, Alfredo A. de Sonta
Leo, H. A. Crauso, Joio Duarte Camauro Mon
teiro, G. Braud, 1 cisartor, 2 pravas de policia, e
Aolooio Teixeira de MendonQ.
CASA DE DETENCAO.Movimeuto do da 24
de julho de 1872 :
Exisliam (presos) 329, entraram 6, sabiram 10,
existem 325.
A saber : nacionae-i 226, malearas 12, estrai-
geiros 39, escravos 43, escravas 3, total 325.
Alimentados casta dos cofres pblicos 277.
Movimento da enfermara no diai de julho de
1872 :
Tveram baixa :
Joio Antonio dos Santos, syphilis.
Miguel, escravo de Manoel Thomaz de Jesos, in-
digestio.
Tiveram alta:
Antonio da Silva Piolo.
Jos Rufino Pereira.
Jeronymo, escravo de Antonio Francisco.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario do dia 24 de
julho de 1872.
Joaquim Soares Moura, branco, Pernambuco, 40
aoons, solteiro. S. Jos ; hydropasa.
Mara Ignaeia dos Prazeres, preta, Pernambaco,
28 aooos, solleira, Boa -Vista, hospital Podro If;
tubrculos pulmonares.
Manoel Justino de Seuza, preto, Peroaraboco.40
annos, viavo, Boa-Vista, hospital Pedro II ; be-
Jos D. Gomes, preto, Peroamboco, 40 anuos,
solteiro, S. Jot ; phlysca pulmonar.
Maris, paria, Peraambuco, 3 mezes, Boa-Vista ;
dyarrha.
rjeseerragam boj 16 de jalao d
Barca inglen-JfMrmercadrlai
Polaca hespanholaMercelita-rnafr
Escuna noruegoenselathtldefar- na "de tnge.
Barca portagaexaArBbeaearvft. -'
Patacho nacionalJabvatio maffidona- sobre
ama.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimento do a I a H'034-<2*
dem do dia 2....... 4W***0
m.'
11:321*342
SAHIDAS DE MERCADORIAS.
Volumen sabidos com (aseada
dem idem cem genero* diversos
toan
PUBCACQES A PEDIDO.
Torno a affirmar, e o faco sob paUvra
da honra, qte nunca ti ve, netn quiz ter en-
trevista alguma com o Sr. Alfrado Marlios
de Barros, que no conneco, nem desejo
conhec-er; sabendo smente que a crean-
ca, que vi algumas vezas, ha uns dez an-
nos, em casa de seu lio e padrinho, o Sr.
Antonio Jos Silva do Brazil.
Eu eslava preparado pira dar ao Sr, Al-
fredo,que, segando me consta,aflirmou
ter eu ido a seo armazem, no dia 18 do cor-
rente, e havertido com elle urna entrevista,
a resposta que me, pareca merecer; mas
vejo que o rapaz, qne nem ao menos sabe
como se escreve o termo visita, e po-
de ignorar o que significaentrevietaxiio,
fez, mais do que assignar a deelaraejio, que
foi publicada no Otario de Pernambuco de
hoje, sem dflvid escripia pelo figuro,
cojo retrato se acha em um dos salSea da
Ordem 3* de S. Francisco desta cidade.
Sa o Sr. Alfredo sinceramente se admira
de minha-coragem em repelir a mentira,
me faz jusca: o mesmo quereria eu po-
dar dizer dalle,
O que admira, qu-5 Ihe tivessam eito
assignar urna declaraco emqaese dizia
quetodo o homtm de bem deve fugir de
entrar em polmico* pelos jornaes; o que
exclue de serem considerados como taes
todos essej que tem corrido imprensa,
me>mo para desmacarar mentirosos 11
Eis o que por agora tenbo a dizer: o
mais ser judicialmente.
Recife, 23 de julho de 1872.
Dr. Joaquim de Aquino Fonceca
Este Diario, em seu numero da 23 do correle,
deu publicidade nm ommnocado do ceatro da
Parahyba, com assigoatora de J. Pires Ferreira.
En tal commouicado aecusado de maoeira in-
juriosa o Sr. Dr, Jos Paolloo de Figueitedo, ami-
to digno juz de dimito de Souzs, de eovolta com
o juiz municipal do termo, a pretexto de patrona-
to a nm sea prenle, par supposto crime de seduc-
tio urna vtuva.
Qaem lr o commaacado i que uo3 referimos
ae precisando perspicacia para coohocer que a
Total 231,494:000
FUNDOS BRASILEIROs.-Eram assim catados
na praca de Londres : ,. ,,.
5 0/0 de 1865 de 97 1/2 a 98 1/2
5 0/0 de 1871 de 98 |?
4 i/1 0/0 de 1863 de 88 a 90
NAVIO ENCONTRADO. Pelo vapor inglez
Gladiator, eotrado aote-h intem da Europa, com-
manicoa e sea respectivo commandsate no dia 19
do crreme na lal. 3 45" N. e leng. 27 12' de
Greeowicb, com o patacho portugnez Atina, que
procedente de Lisboa contava.33 das de visgsm,
com destino Sanios. Tudo a bem a bardo.
LOTERA.A que se icha venda a 13", a
beueBco da aova igreja de Nsa Senhora da Pa-
nha, a qual c irru no dia 7.
PASSAGEIROS.==Cbeg2.dos da Europa no vapor
inglez Douro : ...,,.. n
Mr. G. a liana, Mis Vbite, Miss Mould M. Pe-
reira da Cunba, Mr. William Alsxander Lampbali,
M Francisco Baulitrzan, Mr. Walter Gsorga Isard,
Giaconio Schetinno e nm Albo, Francisco Pa
lumbo, Pietro Vi cont, Manoel ABlonio P. y Alonso,
Albino Prntro de Bast), Hevd. Jos do Reg Pe-
reira, Franwsco dos Res do Amara), Djmiogos
Jos Rodrigues. Francisco F. Baraardes, Jos
Mara Iglerico, Jote Sanios, Jos Ci, Maooel Mo-
raira da Aranjo, ArmiBo Rodrigues, Jos Mara
de Andrale, Antonio Joiqaim Pacheco, Artbor
da Carvalho e Mello, Antele los de Lim:, Fran-
cisco Jos Goo5lT83, Minocl da Cruz Cacao, Jos
da Croz Cacao, Mara da Rosario, Jos Mantas
Aognata Lima.
SahMos para os portes do sal 00 aieeglQ
-ipor;
na
paixao cegaaqaelle que o assigna, mas nesta pro
viocia oao seodo talvez bem coohacido o carcter
do Ilustrado Sr. Dr- Pauloo, coovm que nao u-
qua sem um protesto a vi'ralala accasa?o. Daas
palavras, pois, e nada mais.
J. Piros Ferreira aprsenla o Sr. Dr. Jos Pau-
lino como seu rancoroso perseguidor, a valer-se
de sua posicao para desmoralisalo, vingar-se
torpemente em si, por sua opposicio aos desman-
dos do redactor, prente do bohesio juiz de dimi-
to. D'abi, mandados illegaes de penhora por parte
da fazenda publica, qaando o commanicanle que
cnfes-a fazenda dsver, j havia remettido cem
saceos dt Ida com diurno a capital, para tal pa-
gumento. ...
Esse Sr. J. Pires (i qaem oao conhecemos) dei-
xa bem claro qus tara pretencoas importancia
local, que aspira os foros de furmador de partido,
qae qoer ser enlidade na aldea.
E d'abi sea odio ao digao jais de direito de
Souza, cora quera se aiz auligaraente relacionado.
Nao temos que ver con taes pretensoas ; mas o
que nao admitamos qae, cootrariado, se alire
ao Sr. Dr. Jos Paulino.
O aclual juz de direilo.de Souza, carcter sizu-
do, talento conhecido, poltico honesto, vantajosa-
mente apreciado na capital do imperio, depuiado
independente na assembla geral em mais ds urna
legi:tura,umdos poneos homens pblicos que nada
bao ganho eom a poltica, que nao transigam
com suas ideas, porque as tero, o Sr. Dr. Jo-
s Padiioo est cima de qualquer aecusagao
qae por ventura, por contrariedade seas ioteres-
ses, possa cenvir aos J. Pires Ferrein trazerem
contra si pela imprensa, por motivos de seduedo
viuvas.
Se se tratsss de um caso grave, de um faci
realmente criminoso, talvez esse importante al-
deiio nao accasasse ; mas fsiido em suas preten-
c5es e nao polendo vir imprensa sem ama base
para levantar o edificio das perseguicoss com que
qner jogar, ei-1 que bu3ca por motivo, o qae 7
seduccao urna cuica I... Pois legalmenlo, urna
seobo'ra viuva iodividoalidade seduzvel 1
Entre o que diz o oommunicaate de S. Jase dos
Pinnaes e a vida publica, quo j nao vai curta, do
juiz de dirsito de Souzs, podero haver davidas ?
Entre um homem coahecdo. considerado por sea
carcter e independencia, a o Sr. J. P. Ferreira,
que vem accusa-lo com taes bases, em tal liafaa-
ea>, ha ver qaem trepide?
Justas.
COMMERCIO.
PRACA DO REC1FB 25 DE JULHO
v DE 172.
AS 3 1,2 HORAS DA TAROI.
0012.0008 oticiaes.
Assoear-mascavailo purgado 2800 por lo kilos,
bontem.
Apoliceda divida provincial da 8 0|0-98 Ofl.
Cambio sobre Londres a 90 div. 24 5[8 d. e do
banco 24 1-2 d. por U000.
Cambiosobre Pars a TO d*v. 385 rs. por franco.
Cambiosobre o Fiio de Janeiro a 8 div. 1*4 0|0
de descont, hontem.
tri, Pinto,
Presidenta.
. Daboarcq,
Secretario.
iiLFANDEGA
UtuiQHio do da 1 a l\. .
Idsm lio di* 23, \
Importado.
Vapor ingkt-fa*MAfo> viudo dt Li-
verpool e Lisboa, GttuignadoaJoknston Pa-
ler d C, mqmfettou:
Carga de Lisboa.
A.fdiema I fardo a Al. Alves Barboza.
Albos 20 caixas a Gnedes de Araojo. Arcos
0 rodas a F. Rtbeiro Pinto Gaimar5es. Ar-
reios 1 caia a P.A. Ferreira.
Batatas 7 i caixas e 350 meias ditas a Ra>
bello, 300 1/2 a Aqomo Fonseca, 200 a
Rodrigues A Mariins, 50 a Pereira Vianna.
Cabos de linno 8 volames a Goncalves
BeltrJo. Calcado 2 caixas a Pereira Aran-
es, i a Izidoro Basto*, i a M. P. Pocas.
Ceblas 250 caixas a Rabello, 50 a Aqomo
Fonseca. 20 a Guedes de Araujo. Cera em
gromo 8 barricas a C. J. da Silva, 4 a Aqui-
no Fonseca. Cbonricas 20 barris a G. Al-
ves Barboza.
Linba 2 caixas a Googalves Ferreira.
Livros i caixa ao Dr. Drammoad, 1 a J. J.
Ramos, l a Vieira Ligo, i a Walfredo 4
Souza.
Macas 20 caixas a Guedes da Araujo, 20
a Lima & Res. Medicamentos li volames
a Silva Farid, 11 i Pbarmacia Central, 4 a
Caors, 3 a Prente Viaona, 2 a M. Barrozo
de Mallo, la C. G. de Brackenfeld, 1 a
Goncalves Ferreira, i a Abreu Ribeire.
Objectos de ouro 1 caixa a Goncalves de
Barros, i i Hyvernat Ditas de prata 1
caixa a Lbmano Frres.
Papel e lences i caixa a Ferreira C.
Penies 1 caixa a Azevedo Mita e Silva.
Betroz 1 caixa a Azevedo Maia e Silva..
Rolbas i fardo a Silva Faria.
Sangaesugas 2 caixas i ordem. Sola 4
fardos a Barros Jnior de C
Touciubo 40 barris a Aquino Fonseca.
Velas do cera 85 caixas a Aqaioo Fon-
seca, 65 a Oliveira Filhos, 50 a Izidoro Bas-
tos, 20 a Rabello- Vidros i barrica a M.
Alves Barboza.
Carga de Liverpool
Arreios i caixa a Wild. A-mas 3 cai-
xas a Prente. Vianna. Arroz 100 sac-
eos a :oata Amorim, 50 a Magalnes Se Ir-
mao, 50 a ordem.
Barnlba 30 latas a Fernandas da Costa.
20 a Aquino Fonseca.
Calcado 4 caixas a Lyra 4 Vianna, 3 a
0. Teixeira Basto, 3 a r'ernandes Lopes, 1
a Goncalves Ferreira, i a Vaz Se Leal, 1 a
Wild. Ganos.de cobre 1 caixa a Rocba,
Lima dr Guimares. Caroeiros 2 a Fer-
reira i Mattreos. Cerveja 50 caixas a Kel-
ler. Cevada grelada 20 barricas ordem.
C'o 10 caixas a Maga'bes & Irmo, 10 a
SicOpson de C, 8 ordem, 5 a Monleiro
Roha, 1 a A. F. Corga. Chapeos 5 cai-
xas a Gramer Frey, 5 a Mooteiro Grega-
rio, 4 a Rodrigue Irm5os Se GuimarJes. 3
a jChmliani, 3 a Araujo 4 C, 2 a Pm',0
da Silva 4 Casco, 1 a Goncalves Irm^o, 1
a Silva 4 Cardoso. Ditos de soi 1 caixa a
cada um dos segoiates: Adriano Castro,
Monliard Metiler, Pereira de Mello, Rodri-
gues Irmaos 4 GuimarSes e Wild. Cho-
colate 2 caixas ordem. Cobre 23 folhas
a M. dos Santos Villifa. Conservas 2 cai-
xas a Gramer Frey. Gooros 4 caixas a Le-
ntos 4 Guerineau, 2 a Moreira Das, 1 a
Parele Vianna.
Elstico 1 caixa a A. F. d'Oiiveira, 1 a
Linden Weidmann, 1 a S Leil5o 4 Coim-
bra. Estopa 18 fardos a Simpson 4 C, 12
a Christiansen, 10 a Bastos 4 Silva, 5 a
Monteiro Gregorio.
Feno 51 fardos a Mills Latham. Ferra-
gens 43 volumes a Power Johnston. 23 a
Prente Viauna, 4 Becife Drainage Gom-
pany, 2 a Izidoro Bastos, 2 a Shaw Uaw
kes 2 ordem, 1 a cada um dos se-
guimos : Araujo 4 G., Denker, D. Teixei-
ra Bisto, v'unba & Mana e M. dos Santos
Yillaca. Ferro 41 feixes a Vaughan, 6 bar-
ras a Power Joboston. Fio 2 caixas a
Izidoro Bastos. Folba de Faadres 5*3 ca-
nbetes a Mills Latham.
Gallinbas 0 a Ferreira 4 Matbeus, 4 a
Saunders Brolbers, 4 ordem. Genebra
100 caixas a Monteiro Rocha, 25 a A. Fer-
reira de Carvalho.
Linha 21 caixas a Power Johnston, 19 a
Bastos Oliveiro, 7 a S Leito 4 Coimbra.
Livros 4 caixa's a De Lailhacar. Louc* 10
gigos a Lightbowa.
Machinas de arrolhar garrafas 2 caixas
ordem. Ditas de costuras 6 caixas a Al-
meida 4 Vianna. Macbioisrao 33 pecas a
Pereira Moatioho, 4 i compsnhia Peroam-
bu;am, 2 caixas a Kahn. Manleiga france-
za 10 barris e 20 1/2 a J. J. da Costa
Maia. Dita ingleza 4 caixas e 25 barris
ordem, 11 caixas e 20 barris a Prisco Bar-
bosa, 4 caixas e 50 barris a Magalnes 4
Irmo, 12 caixas a A. Ferreira de Cam-
bo, 50 barris a Oliveira Azevedo, 25 a Sil-
va Pinto Ferreira, 20 a Johnston Pater, 20
a Monteiro Rocha. Medicamentos 20 volu-
mes ordem. Mercadorias diversas 14
caixas ordem, 13 a Prente Vianna, 10 a
D. Teixeira Basto, 9 a Oliveira Sobrinho,
8 a Cramer Frey, 7 a Araujo 4 C, 5 a
Sonza e S, 4 a Faria Irmios, 4 a Bastos
4 Silva, 4 a Wild, 4 a Wialt, 3 a Monteiro
Gregorio, 3 a Pinto da Silva 4 Cascao, 2 a
cada um dos seguales: Moreira Das, Lin-
den Weidmann, Carvalho Guimares, Rabe
Schmettau, Pereira de Mello, S Leito 4
Goimbra, Costa Irmaos, Basto Oliveira, Mo-
nbaed Mettler e Vaz 4 Leal, 1 a cada um
dos segnintes: A. C. de Abren, Ferrei-
ra 4 Matbeas, Vaz Jnior, Leiden, Cnrts-
tiansen, Rocha e Silva, Moura Pereira, Izi-
doro Bastos, Goncalves Ferreira, Boorgard
e Faria. Movis 3 caixas ordem, 1 %
Keller, 1 a Santos A-guiar.
Objectos para gaz 6 volames a Simpaos
4 G. Ditos para gaz e agna 22 volumes k
companbia de Santa Thereza. Ditos de es-
trada da ferro 6 caixas \ia frrea do Re-
cife a Caxang.
Papel 5 caixas a Bastos Oliveira, SI a
Monteiro Gregorio, 2 a Yaz Jnior, 1 a Sam-
pato Peixoto. Perfamariaa \ caixas a Al-
coforado Vieira, 1 a cari nm dos seguin-
tes: Amaral Nabnco, BiSt Oliveira, Bob-
ino res, MoUi Leaos 9 Parate Yiaaa,
do de Liverpool no navio ingles Saterberk em S,de
jallo.
dem Mills, Ltb m A G. ideo, idem, ideas.
Mera Alberl llenschel 4 C idem, 1 vollas
vindo de Soutbamp on no vapor ingles Dow em
27 Je jaiba.
dem Mills, Latbjm 4 Cldem, 1 erabrulao vin-
do de Liverpool na barca inglesa Brilhante, en) ti
eos agosto.
dem Rawlisoa iilem dem na barca inglesa Cite
O Candu em 6 de tetero*
dem Joio o Rfgo Urna 4 FJa-f ideas, 1' em-
bralho viada de Netv-Yorlt se patacho -america-
James ililler em III de (smbro.
5 *IJws Stuafers froibers k G. iftem. llena-vln
d* Liverpool na barca lagiesa. Woodville em
teutobro.
"Idem-Jbiqaui Antonio de A, dem, idem nn
per logres Olmda nm ti de outobro.
dem Miar & C idem embrulho vindo do H*.
vrena l> rea francua Oerlka em.i de agote, co**-
M|aa3 a Keller Je :.
lie Narciso JojFersera,4 idem, dem
embrulho vrado-ile Liver,*t a* '"rea inglesa
, au a nu oi,uuio%-j Hoei7/ em il.de oulubte,
aJfiHs Latham, 25 a M'Onh-ard1 SJ- Giddia viado^e ARMvjjia.; no pala-
9 % 17rnnrt l^not 9l a fu- en) ,ll9m* Zweul>eirudtr em 28 de fftttabro.
Uem C e I alraressaodo-o dem, idem, om
dsm
dem triangulo 2 J & G 00 tentu 0 P em bai-
XO, idem, idem idm.
Stra marca ideas, i volume vindo deLIvefppoi-
na barca inglesa"/!ne-gene oto 20 de outobro.
Marca L4S o. 1/10, i embrulbe. vindo de
Hsmburgono pataibo diaamarques Auna eiivii
de novembro, consigoado a Loureiro & SimSes.'
dem triangulo B no ceatro n. 11/50, dem idem,
consignado a Joio Mariins de Barros.
Uem P W em cima H em baixo o. 19, idem
vindo de Liverpool 00 vapor ingles Crisolite em
13 de novembro.
idem Itast: Oliveira & C. sem numero, idem
dem.
leo Simpson & C. idem, idem dem no brigne
ingles fosalie em 17 de novembro, consignado a
Simpson & C.
dem J A P d. 12/17, 1 caixinba vinda de nim-
bar go no palacbo lorie allemio Marta om 22 ae
aovembr><, coa-igasiia a Si Leito 4 Coimbra.
Liem Ferreira & Halbeas n. 3,601/S, i embru-
lho viudo de Souttampien 00 vapor ingles -Veca
em 2o de novembn.
dem K 4. C. n. 322, dem vindo de Hamburgo
no palacbo oorte-allemao Ai*an em i de desem-
bro, consignado a Keller 4 G.
dem C 4 S em cima S L 4 C. em baixo n. 1,10,
1 caixa idem idm em 5 dedezembro,eoosiguada a
S Leitio 4 Coiml ra. .
dem Adatnson II. 4 C. sem numero, i embra
Iho vindo de Liverpool no vapor ioglej Talismn
em 6 Je dezembro.
dem O B o. 4.8(0, i embrulho vindo de Liver-
pool no brigaiini.es Witch o the Teign em 6 de
dezembro, consignado a Olio Bohre?.
dem Mills, Latbam 4.C. sem numero, idem
Idem. -
dem K 4 M em cima. P em baixo n. 8,731/35,
l embrulho viudo do llivre na barca fran-rza
Goligni em 11 de dezembro, consignado a Kel-
ler 4 0.
dem Joaquim Antonio ds Araujo 4 C. sem nu-
mero, iJdui vindo de Liverpool no vapor inglez
Gladiator em 18 de dezembro.
dem Porpbirio Machado 1 lom, 1 embrulho viu-
do de Liverpool no vapor inglez Gladiator em 18
de dezembro.
dem Girueiro 4 Nogueira n. 2, idem vindo de
Soaibampton no vapor inglez Bogue em 2G de
dezembro.
Uem J A A 4 C. sam numero, :dem vindo de
Hamburgo no brigue dinamarquez ster em 27
de dezembro, consignad) a Joaqum Antonio de
Araujo.
dem quadrilango K no centro, P ao lado idem,
idem vindo de Livorpool no vapor inglez .lnW em
2o de dezembro.
dem Basto Oliveira 4 C. dem, idem idem.
dem Monteiro, Gregorio & G. dem, dem dem.
dem J. Carrere idem, 1 lata viada do Rio de
Janeiro no vapor inglez iVoaem 29 de dezembro.
dem A F G n. 10/29, 1 embrulho vindo de
Hamburgo no br gue dinamarquez ster em 29
de-desembro, consgoado a Antonio Ferreira de
Carvalho.
Iiem A F n. 148/l->9, l caixinba vnda de Li-
verpool na bares ingleza Hermione em 'O de-
sembro.
Alfandega de Pernambuco, 20 de julho de 1872.
Servio do de Inssocior, Pedro Lopes Hodriques.
M,% T Simn Pimenla, 10 gaccos a Mar-'
filnc Cunba. Porctlla
Oiivt. Presos 2 vo|ot i ordem.
Presao ^cilnf. a ttriijnsfn. Proyi-
46ei 2 >s i ordet, I a ."leadbam.
Qaeiju. 10 caixa* i ordem.
Roapa. 1 caroa "Otl BwdHf.
Ssccoa de estafa lC'a 'os Simpson
Tecido! diversos 191 voiume 4 Wialt,
134 aKeller. 409 a Fereata t lea,
93 a Bastos dt. Silva 96 a Adn Ho-
wie. 85-; Alcoforade Vieira, 82 4 um
Castro, 8 a Saunders Brotherj, 7b av^o
dligues I, maos & Guimares, 73 a Silva &|
Cardoso, J7 ordem, 57 a Crcqaer Frey,
54 a Phir p$ Brolbers, 46 a Wdd, 44 a
Goncalves Ferreira 3 a Bra^a Son, 32 a
Carneiro & Nogoeira, 31 a Monteiro Gre-
gorio, 29 a Siqneira, 20 a Bibe Sch'met-
tad*, 27
.Mettler, i 2 1 Feroandes Lopes, 21 a
oba d C, 20 a Okell Bindloss. 16 a Jonhs
toa Pater 16 a A. C, de Abren, 14 a Lia-
dBa Weic mano, 14 a Meades Azevedo, 13
a Gjncalvjs Irmo, 12 a Jefferies, 10 a
Silva Bar oca, 8 a Babre*. 8 a Burle, 7 a
Pereira di Mello, 5 a Isidoro Bastes, 5 a
Goncalves Beltro, 3 a Costa Irmios, 3 a
Araujo dt C, 2 a Siarpsoa A C 2 a Heos-
cfael, 2 a Lopes Micbado, 2 a Barros J-
nior, i a Vai & Leal, 2 a Piolo da Silva i
Casco, 1 a cada um dos segoiates : S
Leitio d Coimera, Silva Cardoso de C ,
Arroda Iimajs, Lemos 4 Guerineau. Oli-
veira Sobriabd e Canialice. Tenas 1 caixa
a Christiansen. Tiota 6 barricas a S Le
lio d Coim bra. Tiotas 10 barris or-
dem, 1 a Vaughan.
Velas siearinas 5 caixas a Wild. Vinho
tinto 30 a caixas a C. O. Simpson. Dite
Sberry 13 caixas a Wialt, 2/1 barris a
Phipps liotbers. M-
Antoniu 1
fllh 4o flo
Maraaplo
abo
Ao Nase
Lnis'
Ibem
4n
"?
ir
v escrivaA
Pedro Roirlgoe Be Sesga
Faga Aosur a quem coeviere^ae llo. ^
director geral mierino lena designad o iia H
' '**ejM)e prosimp viodopro, pelas 11 ban* da
uiaania para ter lagar no palacete 4 rna d Pe-
dfo mfimo, onde runceiona a Ewola Noriral, 9
concurse as cadeiros vagas de ioitraccao prima-
ria par* o sexo masculino abano declaradas, bee
eomo qu e exame de verileafio de eapaoMad
anounciado para o da 22 io eorreote, ftca adia-
do pan tasado tor uovameaie desigauto.
|i O) alumnos mesires babll lados pela E>cola
Normal qu quizerem oppor-se.i dilai cadeira?,
deverSo* losrrever-se nesia secretaria na fora
sa insirucgoee de 11 de junbo de 1830, al u dia
' do nesroo' mez.
As eadeiras sSo as seguimos locailades:
Goysniohi, Camatang, Tknbaut S. Vieent*.
Anglica, leogalas, Pedra Tapada. '.--' ^ Be-
nedicto, Pao-Ferro, Poco Puodo, Ciirli .. 18.
das Dores, Alagoa de Riixo, Uara-ihu- almei-
ra, Agnas-Bellas, Assurema, Buiqn- !' ra, Brt-
jo dos Padres, Wzea R.-dnndt, P* -la Ia ca-
Jeira, Flores, Balraonle, Afogaio< 3 Ingazeiri,
S. Jos de logazeira, Varas, C.->b-,6, Sagueir
Leopoldina, Oaricury, Serra-Braaca, Granito
Bul
Secretaria da instrnecio publica de Pernamba-
co, 16 de jalbo de 1872.
O secretario,
Aureluoo A. P. de Carvalto.
Despacios de exportaco no dta 24 i*
julho de 1872. -
Rara os portos do exterior.
Na e; ana ingleza Roya/ Arch. par* o Rio
da Praia, urregaram : Saunders Brothers & C.
40 pipa i cem 19,200 litros de agurdente.
Na barca franceza Fgaro, para o Havre,
earregaran; E. A. Burle i C. 12 saccas com 853
kilos de ali;odo.
No navio inglez Satenella, para Liverpool,
earregaran : Adamson H. i C. 172 saecss com
14,873 kiks de algodo.
N navio no.-ie-allemio Mara, para Crons
tal, carreg arara : Keller & C. 324 gaccas com
1J.626 kil de algodio.
* No pincho Uespaobol Alfredo, para o Rio da
Prata, earregiram :J. da Silva Loyo Filho 30
barricas cora 3,653 kilos fle>3 a bares hespanhola .4. V., para o Rio da
Prata, car -egaram: Amorim IrmSset C. 650
barricas ci ra 73,079 kilos de assuear branco
So le gar norueguense .-1/r^n'a, para o Rio
da Prata, carregou : F. de Paula Amorim 500
barricas cem 14,397 kilos de assuear branco.
No pitaco portuguez Vandi, para Lisboa,
carregoo : Carlos Anga*to Lozano 869 coaros sec
sos salgad*^ eom 10,428 kilos.
I tara os portos do interior.
No Hgar nacional Amelia, para Saolos, car
regoa : Fuvio A. de Barros 130 saceos com 8,814
kilos de a;su;ar mascavaJo.
Na btreaca Riachuelo, para M ssor, carre-
garara : Caoba Irmio & C."7 barricas com 1,051
kilos de asucar branco.
RECEBE'OORIA DE KENDAS INTERNAS
GRAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 24. 46:700*636
dem do dia 25....... 717*949
47:418*685
CONSULADO PROVINCIAL.
ftendimento do da 1 a 24. .- 130:296*651
Hem.do *i 2?...... 11:1661524
l4Ti63*175
THEATRO
Empreza-Vieente e Babia
COMBIA DR4M\TIA
COM O CONCURSO Da PRIKEIRA ACT.tlZ
Manuela Lucci
Sbado 27 de julho
Segunda representacao
em 3 aetes :
da excel.ente comedia
MOVIMENTO DO PORTO.
Vacos entrados no dia 25.
Mamaogaape14 boras, vapor nacional Cu-
ruripe.. de 22 2 toneladas, commandame
Santo.', equipagem 15, carga algodo e
coaros; a cempaauia Pernambucana.
Rordeaux e p.rtos intermedios10 das,
vapor inglez Douro, de 2080 toneladas,
commandante Towaites, equipagem 130,
carga fazendas e oatros gneros; a
Adams )n Howie d C.
Nanos sahidos no mesmo dia.
Raenos-Ayres e portos inlermediosVapor
inglez Douro, commandante Thwait s,
carga parte da qae trouxe dos portos da
Europ*.
SantosPatacho dinamarquez Cito, capilJo
P. M. i'enseo, carga assacar.
EDITAES.
OECLABACOES.
O abaxo assigaado, tenJo sido nomeade pr.
portara do Sr. administrador para lazer o langa-
menlo da decima urbaaa e mais iraposlos das Ire-
guezias de S. Fr. l'edro Goocalvcs e Santo Antoco
para oexercicio do 1872 a 1873, dar principio aos
referidos lancamentos no dia 22, pelo que (az sa-
ber aos aquilinos dos predios para que tenham
seu* recibos e arrndamenos a mao, aflm de por
ellas se fazer o latiQamenlo, e nao se altendendo
aos que pareeerem dolosos ou lesivos fazenda,
Dxand>se nesia c; damento qne poderla reoder em relaco a capaci-
dade e localidade delles em aluguel pagos por
oatros semelbaatei.
! seceo do consulado provincial M de julho
de 1872.
O lancaior,
Joiio Pedro de Jasas da Malta.
O papel fii Sra. D< uoevillo desempeohado
pela aciriz Manuela Lacci e os de Caries e Fremont
pelos artistas Vicente e Babia
Terminar o espectculo eom a pritneira re-
presentacao da graciosa comedia em 1 acto :
Os dous zurdos
Disthbnicao.
Raymuado Sr. Babia
Alfredo Sr. Vieerle.
Francisio Sr. Camars.
Emilia D. Emilia.
As 8 l|2
theTtro
Domingo 27 do julho
A's 6 1|2 da tarde. -
Ultima represenlacao do excellente e muto ap-
plaudiio drama eu actos, original brasileiro
do disiincio escriptor o 3r. con:elbeiro Aencar,
intitulado:
\
O abaixo assignado, confereuie do consulado
provincial, tendo sido nomeado por portara do
Sr. administrador para proceder ao langamento da
dcima urbana e impo'dos decretidos pela le
do ornamento vigente da fregaezia de S. Jos do
Kecife, avisa aos seus proprieiarios dos predios
urbanos e douo3 de estahelecimeotos, qae teuham
promptos os seas recibos e mais documentos no
qae diz respeilo, alim de que possa proceder com
regularidade seus trabalhos, dando principio no
dia 24 do correle. Mesa do consalado 20 de ja-
Iho de 1872.
Serviodo de lancador,
Joao Baptista do Reg.
849:430*163
23:130*215
Alfandega de Fernambuco.
ED1TAL COM PRAZO DE 30 DAS. N. 8.
Pela inspectora- da alfandega de Pernambuco,
se faz publico, que adundo-se as mercador as
comidas nes volames abiixo mencionados ne caso
de serem arrema.ada para consumo, nos termos
do capilulo 6. do titulo 3.* do regulamento de 19
de setembro de 1860,-os seus donos ou- consigna-
tarios devtrao despacha-las no prato de 30 dias
sob pena di, Ando ella, serem vendidas por sua
conla sem qne Ibes fique ompetindo allegar con-
tra os effeilos des'.a venda :
Armazem o. 1.
Relacao doi volames qae esli sujeilos ao consu-
mo' por lerem permanecido oeste armazem mais
do prazo concedido pelo regulamento.
Marca G n. 186/200, lo caixas de cha vindas de
Liverpool i> vapor oglez Talismn em 12 de ser
tembro de 1871, consignada a Guimaroi & Aleo-
forado. __
dem J a*. C L n. 414, 1 caixa viuda do Havre na
barca franceza Mauricien em 2 de outubro, con-
signada a M. Bernel.
dem A ,i D n. 842, 1 caixa vinda do Havre na
bares frateesa Santo Anir em 13 de oatnbro,
consignad) a Antonio Jos Dantas.
Menl E a B & C em cima A M embalxo n. 130,
* idem consignada a E. A. Burle & C.
*n idem n. 131, idem idem.
ti id-m n. -JI32, idem idem.
lu. n C P L &'C em cima A F em baixo a. 150,
idem em 14 Beuiabro, consignada a Carlos Pin-
to de Lemos & C.
dem idum n. 152, idsm dem.
Mea E A BdtC n 11,464, de na barca fran-
cea Veriieaua em 30 de oovembro, consignada a
E. A. Burle & C.
dem id Han. 11,423, idem em 5 de dszembro
idsm.
Ideen EABtm cima em baixo n. 11,479, dem
idem, nao declarado.
Uem triangulo A no centro n. 511, idem dem a
Joaqun Antonio de Araujo A C.
dem APd. 17, tem dem a E. A. Burle & C.
dem limo, 18, idem dem,
dem idsm n. 19, dem idea,
dem V G. n. 131, idem viada na barca, france-
za Coligni ea 11 de dezembro, consignada a V.
Gaenneac.
dem idem n. 135, ideen raen.
dem t, G. dm cima e A F. em baixo n. 123,
idem, iderj idem. ,
dem L V a. 34, idem fdem, consignada a Ly-
ra & Viaona.
dem V G n. 132, idem idem em 12 da daxem-
bro, coagada .. Gnaataaeo.
dem V jTk. /; 3 eaixas de ana viadas
de Liverpool n* afifae ingles Wich of tU Tes*
em 12 de deteaibrt, eonsifrndas a Jobnsleo Pa-
i>r tk C
ttunPiii c. tem itsaaro, t Mabraiko na-
Pela ihesouraria provincial se faz publico
que foi transferida para o dia 8 de ago-to prximo
vindeuro a arrema;aeIo da ebra dos reparos da
cadeia de Agaa pr.-ia, orgala em 968/1.
Secretaria da thesouraria provincial de Peraam-
buco, 24 de julho de 1872.
O offlcial maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
O abaixo assignado, iaogadar do consulado
provincial, ansa acs seobores proprieiarios de pre-
dios arbaoos edooas de eatabalecimenlos das fre-
gueziasdos Afogados,*Pogo da Pauella e secgoas
da Varzea e Jaboalao, qae leudo sido nomeado
por portara do Sr. admiulstrador para proceder
aos differentes langimenios dos impestos decreta-
dos pela le doorgimento vigeDts pelo que pede
aos mesmos seobores que teobam promptos os
seos recibos e mais documentos inherentes ao que
diz respeilo, aflm le que possa proceder com re-
gularidade e sem vexame das parte!, danlo prin-
cipio aos seas trabnos pela freguezia dos Ale-
gados.
Mesa do consulado provincial 22 de julbo de
O langador,
Izidoro Theodalo de Manos Ferreira.
Adores.
Sr. Augusto.
Sr. Peregrino.
Sr. Florindo.
Sr. Senna.
Sr. DeGovanni.
Sr Silva.
Sr. Pinto,
Sr. Ponte?.
- O abaiX3 assignado, langador do consulado
provincial, faz solete aos locatarios dos predios
urbanos das fregoezias da Boa-vista e N. S. da
Sraga, qae ao da 23 do corrate mez dar pno-
cipio aos langamentos da deciraa e mais imposlos
para o anoo vigente de 1872 a 1873, e que no
acto do langamenlc devem apresentar os seus re-
cibas e contratos ce arrendamentos dos referidos
predios, vista os quaes tem de ser fizada a
qaota dos ditos locoslos. E para que ebegue ao
conhecimento de todo faz o presente.*
Consalado provincial 20 de jalbo de 1872.
O langador,
Joaquim de Gusmao Coelbo.
Segue-se a pedido, o intersenla e muto ap-
plaudido duelo, origioal brasileirc, do aspirado
poeta o Sr. Launado, denominado :
I) ESitmi; 1.1 LWABFM
caBlado pelo Sr. Florindo e a Sra. D. Felismina,
qne apezar de nao fazer parte da companbia, cb-
zequiosamente se presta, esta nica vez.
Terminar? o espectculo com a primeira c-xbi-
bigo, nesta capital, da mudo graciosa comedia
de costumes brasileros, em 2 acto?, original do
e-piriluosissimo escriptor o Sr. Penna, intitulada:
A FAMILIA
1 FIffl i KOCa
Personagsns.
Domingos Joao, fazendeiro
Juca estudante de medicina
Antonio de Pao d'Albo
Igoacinbo, filho de Domingos
Pereira, pandego da cidade
Silva, idem
Capito-rocr
Um pregoeiro de leao
Um Imperador do Espirito Sanio ft. N.
Joanoa da Conceigo, mulher
de Domingos Je5o D, Olyropl.
Quileria, sna filba D D>rotha.
Angela, carandeira D. Isabel.
Eogragia, fllba do capilo radr D Henriqnela.
Lavradores, rapazes, raoleques, negrinhas e c-
rlcalos de ambos os sf xos.
Esta comedia foi representada no Rio de Janei-
ro immensas vezes; assim como em diversas pro-
vincias do Brasil, merecendo, pela sua especial
originalidade, enibusiaieos applausos.
Para qae o respetavel publico fag urna ice
do qne ella i, passamos a descrever o sceaario,
apparato e acce9sonos, qae coueorrem para dar-
Ihe extraordinario realce :
O I* acto passa se em casa de Domingos J >a.
oa roga, e o 2 n'om arraial vendo-96 ao levantar
do panno o frontespico da igpj, crelo, mu.ei
e mais tarde um carro enfeitado de flores e fclba-
gens, o qaal traz a familia da Domingos Jrao para
a testa ; v-se igualmeate dous persooagens qoe
entram a cavallo, Folios, imperador do Divici. *.
havendo leilo de prendas burlescas e flnalmeo-?
Fogo artificial
qae ser qtteimado eu seena.
Depois do fogo todos cantarao e dangarao um
arrebatador 4
Fado brasileiro
Prepara-se o grande drama Os sete infantes
de Lara. ,,,
Principiara as o liz.
Os bilheles acbam-se a venda no eseriptorio d >
ibeairo.
Pela tbesourana proviial se laz puWico que
oram transferid*! para o dia 23 do corrente is
arremalages dos imposlos provmeiaes (meno9 o
diximo de gade vaceum) qne se acbam as cemaa-
cas segnintea : ,1(m
Boa vista por um auno yjiauuu
Cabrob dem 732*000
Secretaria da laesouraria provacial de Pernam
buco, 12 de jalbo de 1872.
O offlclal-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
SANTA CAS/i DA MISEKIliURiJlA U
RECIFE.
Pelo presente sao convidados, de ordem la
lllma. naaa adaiuistrativa, oa prenles dos meno-
res constaatee da i alacio que se segtie, para qae
em vista do d-ipoiio no artigo 45 do regulamento
do colleglo dos orpbios, os veuham tirar do mes-
mo eoliegio onde nao pode** por mais lempo con-
Hoair.
Taiuauho natural
NA
Ba do Conmereio n, \T
Primeiro andar.
Todos 03 olas nteis das 4 norae da larde as W
da nonte, e em das santifleados das 10 heru la
mantea s 10 da nonte. m-rymm.
Entrada geral 1^00
A' noute dorante a expesicio o exieria P1*",-1
o Sr. Jalie Poppe locar* diversa pe !'-1
repertorio.

MEIHOR EXEMPIAR ENGOIJjiIjuiVIh
MUTILADO
HEGVEl


-



I
SE(UNDA-F5IRA 9* D0 (TORRENTE
O agente Martioi U"jra nonBeDU, |eii}o por
despacho do lito*
do eommere*
Sr. Dr. jirx de direito especial
, i armado, per tencas e fatendas
da toja a miueEan ,ja ra4 do Cabagi o. U, per
""""...es a massa fallida de Jos Antonio da Sil*
*".cado
; s 11 horas do dia cima.
passageiru t .
da tarde do dia da saiu % *,..,. _____u ,
o Mallos n. II.
N. B.Advr-se aos Sr*. earregadores qoe I
cao ser permitido embarcar carca alguma par?
t Telendos pono, sera qon no acto de ser flraf '
no eseriptorio da mesna companbia o competen11
te bilbete d embarque, sejam entregues ns res-
peettvos conheeimeotos devidamente- sellados.
COMPANHIA PEKNAMBUCANA
DI
jjravega?I eoafeira por Tapo*.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor,. Ara-
u\y, Cear, Mandat u\ Acaracn e Granja.
O vapor Ipojuca, coBaman-
dant Monra, seguir pan
os porto i cima no dia 31 d<
corrente as 5 horas da tarde,
Itecebe carga at o dia 30,
'eacommendas, passageiros e di-
nheiro a frete at as 2 horas da tarde do dia di
sabida : no eseriptorio do Porte do Hattos n. 11
N.B Adverte-se aos Srs. earregadores qne
do ser permitttdo embarcar carga alguma para
os referidos portos, sem qoe no acta de ser tirado
no eseriptorio da mesna companhia o competen-
te bilbete de embarque, sejam entregues os res
peetivoa epobecimentos devidamente sellados.
^ .jwnteiro e invntariaie
pelo finado JoiorV do Cont
Illm. Sr Dr.juia
cao vasilhane
fot ha poueo.te-
da e tero situada: os prndenles poden)
(OMPA\IIIA
DE
Navegado Brasileira
Dos portos do norte esperado
at o dia 26 do correte o vapor
Baha, commandante Felippe,
o qual depois da demora do eos-
turne seguir para os portos do
sal.
Para carga e passageiros trata-se na agencia.
Encommeodas de pequsno valor, peso, medida e
lambin dioheiro, recebera se al 1 hora da tarde
do dia de sna shida : na agencia, ra do Com-
niercio n. 8.
As enoramendas vincias por esto vapor serio
fntreg jes at o dia da sabida do mesmo no es-
eriptorio da companhia, e depois deste termo se-
rio reeolbidas no trapiche Dantas.
Para condicoes, (retes e passagens trata-se ni
agencia, ra Commercio n. 8.
Para o Porto
Vai sabir com brevidade o brigue portuguet
Triumphj, recebe carga a (retes commodos e tam-
bem passageiros, para os qoaes offerece mnito
boa ac:ommodacao : a tratar com Soares Primas
ra do Vlgario n. 17.
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com multa brevidade o brigue
nacional Isabel, tem dons tercos de sen carrega-
mento prompto, para o resta qne ihe falta trata-
fe com os seas consignatarios Antonio Luiz de
< i.iveira Ate vedo & C. ; ra do Bom Jezns n. 57.
PAR4'
Para o indicado porto pretende sabir com pou-
ca demora a barca portugueza Armmda por ter
dons tercos de sen carregamento prompto e para
o quo be falta, que recebe a frete commodo, tra-
ta-se com o consignatario Jcaquim Jos Gonjalves
Beltro, roa do Commercio a. 5._____________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
ca di pra(a do Conde d'Ei
n. 6,
^ trea-feira 30 do crtente
v agente Martios far leilao i reqaerioMnto do
dos bens defcados
e por man lado do
ved#r de reidno*,% da arma
ogarra da botica aiima, a qual
osortida; bastante afregueza-.
: os prejendentes poden) enten-
der-se com o referido agente que-dar ai infor-
naeSes lecssaras.
)ieil5o r. igar na mesma botica a praca do
Conde d'Eo o. o, s 11 horas do dia cima.
mu
DA
IM DE HKU
A roa da Imperatriz n. SI
Sexta-feira 2 de agosto
A'S 11 HORAS
O agento Oliveira (ara leilao por intervencio de
sen preposto Pinho Borges, requerinento do in-
ventariante, e por despacho do Illm. Sr. Dr.juii
de orpbios e ausentes, da loja de miudezas e
todos os seos aecessorirs perteocentes ao espolie
do fiodo Uanoel Rodrigues de Almeida, sita
ra da Imperatriz n. 5i.
Os Srs. pretendemos poden examinar anteei-
padamente a relacio das fazendas, armacio e mais
artigos existentes no dito estabelecimento, e para
este flm dirijam-se ao eseriptorio do referido agen-
te, sito ra do Bom Jess n. 53, 1* andar, onde
se daro as informales necessarias.
O leilao ser efectuado na dita loja, no dia e
hora a-.ima raen:ioaados.
LEILAO
DO
Brigue nacional Santo Amaro
Sabbado do corrate.
A'S 12 HORAS EM PONTO.
O agente Oliveira, antorisado pelo competente
dono far leilao, por intervencio de sen preposto
Pinho Borges, do brigue Santo Amaro, ancorado
oeste porto, e eonsistlndo em velas grandes e pe
qnenas, joantes, traqueles de lona, 2 mastros
com todos os snas pertencas, mastaros, vergas,
moitoes, 1 relogio da bitaenla, 1 globo para a mes-
ma, 2 slgnaes, 1 sino de bronze, 1 escaler, 4 re-
mos de faia, 2 de pinho, 1 canoa, 1 caldetra, 1
fogio com caixa, 1 mesa de cmaras, bomba,
guinchos, estopa, ferragens e mais utensilios de
borlo, os quaes por nao acbar-se presentes para
exame dos Srs. pretendentes deixou-se de efe-
ctuar o leilao, o qual ser impreterivelmente ef-
fectnado no dia cima declarado no armazem do
Sr. Franeiseo Botelho de Andrade, sito praca de
Pedro I n. 6, (outr'ora roa do Bruna ou largo
do Chafariz).
h .^sa.M logar ota sobradmbo um
aodat, porem qw nbi solio, ,oo ui i*
andar na mear a condicio, eem tanto que
seja do bair. j 9 >f Antonio e as ae-
gointes ra? Crr>_ oaeo do Carao, pa-
teo da t" L largd do Paraso, roa Direita,
oa em r qtialqaer roa, com tanto qoe
tenha ^ i qoartos para cima. O pre
tendee ilo dnvidara faier algum concert
ligetrt), pintura e caiacio no caio de preci
Uar e'aendo qoe o aioguel convenba.
Qaem tiver o qnicer alagar, deixe carta
fechada nestt typographia com as iniciaea
f G., com a declaraeao da roe, numero e
alugoel, bem romo os commodos qoe ti-
ver.
C1S- DA FORTUNA
RtIA f LiMAROO OTJTR'ORA DG
Ua.ca que paga as sortr.a
Aos 20:000>000.
O abaixo aastgnado tem ftiapn xposto i ven
la oa felizee binetes do Bi de Janeiro, pagando
jromptamenta, como eoatatna, qualquer premio.
PRISCOS.
Inteiro 24008
Mein 12#009.
Qoarto t M*000-
Hanoel Marnaa Finia.
" Precisase da ama ama para coziohar e ca-
ira para engoamar : na ra do Corredor do His-
po n. II.
AMA Prec'' dfl n,E ama para eozi-
nbir : na ra Imperial u. 109.
Ama de leite
Precisa-se de ama ama que tenha bom leite ; na
rna Duque de Caxia*. (Queimadc) n, 89.
Precisase de urna
ra Direita n. 10.
ama para eosinbar, na
Aluga-se
M
laTega^o costelra por rapor.
.MamaDguape.
O vaper Coruripe, com
mandante Santos, seguir
para o porto cima no
dia 27 do corrente s t
horas da tarde.
Recebe earga, encom-
E>endas, pa-saporos e dioheiro a frete at as 5
horas da tarde do dia do sua sabida : eseriptorio
do forte do Mattos n. 12.
CASA DA fORTNi
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
i m Primeiro de Marco (outr'ora ros de
Crespo) 23 e casas do coatume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sena la
iim bilhetaa qnatro quartos n. 661 con 5:0001,
dotas roeios n. 1290 com 8004, dous meios n 2053
com 300*006 e ontraa sortea de fcOjOOO 20*000
da lotera qne se acabou de extrahir (12a), con-
vida aos possuidoree a viren reeeber na cjnfor-
midade do costnme sen descont algum.
Acaam-M venda os bilhetae garantidos da
I i1 parte das loteras a beneficio da nova igreja
de Noesa Seirhora da Penha (13'), que se extra-
oir oo sabbado 27 do corrente mez.
PRKCOS.
Bilbete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*800
Em porco de 100*000 para cima.
Bilhete inteiro 8*800
Meio bilhete 2*780
Qoarto 1*378
Hanoel Marns Fina.
o 3* andar da casa da roa do Amorim n. 39, eom
commodos para pequea familia; a tratar no ar-
mazem do mesmo.
Companhia de Seguros Phenix
Fernambucana.
Sao convidados os senhores accionistas a virem
r^ceber o segando dividendo na razio de 21* por
accio. Pernanboco 8 de julho de 1872.
Os directores,
Luit Daprat.
J. H. Tnndade
Lniz A. Siqneira.
4-
Os credores da masca fallida de Femando
Stepple da. Silva sao convidados a apretentaren
con a naior brevidade possivel em casa dos admi-
nistradores da dita massa roa da Companhia Per
nambucaoa o. 14 os seos ttulos, aOm de proie-
der-se a classi&caeo de crditos. Recife 10 de ju-
lho de 1872.
Os administradores,
_____________iotqolm Das dos Santos & C.
Offerece-se un rapaz com pratica de fazen-
das e miudezas, para caixelro de qualquer esta-
belecimento : qaem precisar deixe carta (eebada
ne>ta typographia eom as iniciaos S. M. L.
AMA
milia.
Na ra do Imperador n. 49 2> andar
precisa se de nma ama qoe saiba eo-
sinbar e engommar, casa de pooca fa-
AMA
Precisa se de orna ama
para ezsa de rapaz sol-
teiro : a tratar ra de
Pedro Alfonso numen
qoarenta, antiga rna da
Praia.
50#)00
Na praca da Independencia n. 33 se d de gja-
tifleacio a qaem apre;eotar a tscrav Manan
oa, pr ta, de idaderaai de SOannos, bastante la-
dioa, com aiU de deos,ertalara baixa, lera do
pir duas vezes encontrada cm um balatnno na
roa da Aurora em direecio da vU-lrea,oa eolio
em Santo Amaro; em todo o caso parece qoe Seve
estar por aquellas immedia des, est ausente det-
p 6 de fevereiro.
Precisa-se de urna ama para servio de casa,
preferindose escrava: roa'do Rom Jess outr'ora
ra da Cruz o. 85.
Tintura da China
Para Ungir os cabellos, barbas, bigodei
restitui-lbes a cor natural, em
2 minutos
Entre todos os preparados cnimieos destinados
i Cvlorisacao do eabeilo, deve a Tintura da Chi-
na, por sna snperioridade, oceopar om dos mais
dislinetos logares. Ella d ao cabello a cor que
>e deseja, sen o damnificar, mais antes o conser-
va e fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de Fer
reir Maia 4 C roa Duque de Caxias n. 57
AMA
Precisa se de ama ama qoe saiba
cozinhar e ensaboar : na ra da Gio
ria n. 184.
MAA
Precisa-se de nma ama
qua saiba comprar e o-
zinhar com perfeieio :
na rna da Aurora c. 8,
2a andar.
%%^
Para o Porto
O patacho porluguez Oltnda, capillo Horaes
a sabir at o flm do correte mez, tema aioda
; 'gura* earga : tratar com os consignatarios
Moni iro, Gregorio & C, a ra do Bom Jess nu-
mero 56.
Para o Rio Grande do
Sul
segu impreterivelmente uestes dez das o brigue
nacional Amelia, aioda pJe reeeber algoma car-
ga : trata se com os seos consignatarios Antonio
Luiz de Oveira Azevedo, ra do Bom Jess nu-
mero 57.
PARA 0 PORTO
Sahe com brevidade o brigue portaguez Uniao ;
recebe carg a frets commodo e passageiros : a
tratar com Sjares Primos, ra do Vigario Teoo-
rio n 17.__________________________________
forto yor Lisboa:
Paraos indicados portos pretende sabir com a
possivel brevidade a barca portugueza Ceres, na-
vio de 1* classe, por ter a maior parte de sea car-
regamento engajado, e para o que Ihe falta, que
recebe a (rete commodo e. passageiros, para os
qoaes tem acetados commodos, trat-se com o
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beitro
ra do Commercio n. 50.
LEUDES.
LEIliO
Dous consollcs, 2 marqoezas e urna cama
de ferro, massa Muda de Manoel Jos
Lopes & Irmo.
ITO.IE
O agente Miriins far leilao, por mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do cemmercio, dos mo-
vis cima, pt re cenles massa fallida de Ma-
noel Jos Lopes & Irmo.
o armazem da ra do Imperador n. 48, s 11
horas do dia.
LEILAO
DE
Uro excellente predio de 2 andares e so
to no principio da roa do Pilar n. 23.
QUINTA-FEIRA 8 DE AGOSTO
A's i 1 lioras da macbaa.
O agente Oliveira, por intermedio de sea pre-
posto Poho Borges, vender em leilao o predio
cima mencionado, o qual se acna bem situado,
podendo servir para um estabelecimento de mo-
Ihadcs por ter nm e pacoso pavimento terreo e
pela posicae em que se acba.
O Srs. pretendentes lero todas as inforscSes
precisas no eseriptorio do referido agente, sito
rna do b.m Jess n. 53, i* andar.
Precisa-se de nma para
comprar e cozinhar para ca-
_ sa de pouca familia : a tra-
tar a rna da Imperatriz n. 10.________________
Prensa-s de nma ama para eomprar e e-o
aiohar para easa de pooca familia : na rnalda
Imperatriz n. 55, primeiro andar.
Precisa-se
de um menino de 12 a 14 anuos para ca'xeiro de
loja : na ra Nova n. 4 se dir qaem precisa.
LEILAO
DE
FAZENDAS
Qaarta-feira 14 de agosto.
A'S II 112 HORAS EM PONTO. .
0 agente Oliveira per intermedio de seo prepos-
to Picho Borges, e por mandado do Illm. Sr. Dr.
juiz do commercio, far leilao de diversas fazen-
das, pertenceot 's a massa fallida de Estevo Can-
dido da Silva; consistinlo em ehitas, madapolao,
cambraias, chales, castores,ba:as, aigoddeszinhos,
lencos, baldes, cobertores, chapeos para homens
e mnito; ontrn artigos que estaro patentes na
occaMao do leilao.
Em seu eseriptorio ra do Bom Jesos n. 53,
1* andar.
Praca da Independencia
ns. 38-40
Neste novo e elegante estabelecimento encontra-
ra o sem pre um bonito sor tinento de miudezas,
perfumara finas, artigos de moda e luzo, lado
por precos maito razoaveis, e mais barato do qoe
em outra qualquer parte, a saber:
Camisinhas, pannos e golinbas bordadas em
cambraia e ricamente- enlejiadas, fazenda inteira-
mente novidade.
Rico soriimento de fitas can franjas para cintos.
Gravatinnas oa laeinhos cbinezes para senhoras,
fazenda inteirameote nova.
Bonito soriimento de brincos, capellas, ernzes,
ootoes para pannos, lado de porceliana da China,
fazenda de novidade, e s se encontra na Hadri-
silv.
Rieo sortinento de leqaes de todas as qualida-
des, tananhos e precos.
Rico sonimeoto de coques de cabello, e? nae se
pJe encontrar de melhor e bom gosio, por pre.
eos razoaveis.
Lindos encbovaes para baptisado.
Toaquinhas e sapatinhos de selim e merino.
Meias de seda fio de Escocia para meninos. -
Espartilbos de todas as qualidades para senbora,
Completo sortimento de agnlbas para crochet.
Fil de seda eom bonitas ranagens para noiva
fazenda nnito nova oeste genero: s na Hadri-
silva.
Ricas flores artificiaos para caneca e chapeo.
Bonitos quadros para gabinetes con lindos de-
S6B00S.
Completo sortimento de mantas e grvalas pre-
tas, selim braneo e cambraia de linbo.
Abolaadaras para collete, cornalina, crystal,
etc., etc.
Lindo sortimento de guarnirles para camiaai.
Lindos botoes de nadreperola e ootras qualida-
des para ponbos, novidade.
Rico sortimento de franjas, galoes, trancas de
seda e de algodo para enfeite de vestidos.
Completo sortimento de filas de todas as quali-
dades e largaras.
Bonito soriimento de fitas de velludo de todas as
cores.
Perfumaras de todas as qualidades, e outros
amitos objectos, qae s vista se pode comprar.
Nao pode existir cabellos nraneos em quanto
bonver na Madnsilva tintara de Mella Chrorao,
qoe tinge de preto, castanho e pardo.___________
Na ra da Aurora n. 67,
2* andar, precisa-se de nma
ama para eothhar, prefere se
escrava e paga-sebem.
^m
Diversos movis, lorjfa, qaadros e alguns
livros
Espoli) de Epilanio
* O agente Martins far leilao, a requerimento do
Dr. curador gara! dos ausentes, e por despacho
do Illm. Sr. Dr. juiz de orphos e ausentes, de di
senas mesas, quadros, livros, bahs, roupas e
entresobjectopertencentei ao espolio de Epifanio,
eseravo.
mu:.
No armazem da ra dokaperadar n.48, s 11
boras do dia.
I
DA
loja de miudezas da ra do Ca-
bug n. 12, massa fallida de
Jos Antonio da Silva Ma-
chado.
AVISOS DIVERSOS
Terrenos a'venda
Na estrada dos Afilelos, sitio n. 22, qne foi l-
timamente gubdividido por sea propietario, ven-
de-se lotes de trra a voniade dos compradores,
a preco razoavel, e bem assim dnas casas as
mesmas ierras. A' vista de sua silaaco esses
terrenos offerecem proporces rxuito vantajosas
para qaem qoizer edificar boas easas de campo;
a lacalidade convida os eoncorrentes, pois na fren-
te do dito sitio ha a es lacio da estrada de Ierro
do Caxang, qoe offerece fcil e barata conduc-
ho para materiaes, e para passageiros a 100 e 200
rs. em 1* e 2' classe. Arrabalde aprasivel e salo-
bre onde ha ama igreja qaasi defronte do dito
sitio, qae offerece vaotagens incontestaveis para
boas casas de viveoda. Os pretendentes podem
entender-se com Trisito Francisco Torres nos do-
mingos e santificados no referido sitio, e nos dias
uteis na roa do Imperador, armazem n. 48.
_. op
Aos 5:000,5000.
Bilhetes garantidos da pro-
Tela.
fina do Baito da
Victoria.
Outr'ora ra Nova n. 63 t casa*
do eos turne.
O abaixo assignado acaba de vender nos seos
maito felizes bilhetes a sorte de 100/ em qaatro
quartos de o. 1339,e nm bilhete inteiro de n. 1468
eom a sorte de 100/, alen de outras sortee meno-
res de 40i e 20J da bteria qae se acabou de ex
trahir (12*), e convida aos possuidores a viren
reeeber, qae pronptaneole serao pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeila-
vel publico para ir ao sea estabelecimento com-
prar os maito felizes bilhetes, qae oio deixar de
tirar quaiqoer premio, como prova com es mes-
nos a anuncios.
Acba-se venda os mnito felizes bilhetes ga-
antidos da 14* parte das loteras a beneficio da
igreja de N. S. da Penha, qae ser extrahida no
dia sexta-feira 26 do corrente mez.
PRECOS.
Inteiro 6/000
Meios 3/000
Quartos 1/500
De 100)5000 para cima.
Inteiro 5/500
Meios 2/750
Qoartos 1/375
Joao Joaonim da Costa Leita.
nico doposito em Pernambuco dos charu-
tos 6. Scbnorbaseh da Babia, no eseriptorio de
Cooha & Manta: vendase de todas as marcas,
por precos estabelecidos, e em porco de 5,000
para cima se dar descont : na ra do Mrquez
de Olinda n. 40.
menos eozinbar
Olmda n. 35.
Precisa-se de orna ama de
conduca afianzada para easa
de familia, servido interno,
a tratar na roa do Mrquez de
GRANDE
ATTENCA
No dia 8 de julho de 1872 ansenloa-se o esera-
vo Joaqun, idade 28 nnos, eabra, cabellos cara-
pinha, alto, magro, tem olhos pequeos, anas
manchas no rosto, qae parece pannos pretos, jul-
ga-se ter ido para Caruar por ter sido de l e ter
l prenles, e tambero deseonfla-se estar aqai oa
na cidade e arrabaldes trabalhando de servente em
algoma obra; roga-se s autoridades e capitaes
de campo a apprebensao do mesmo eseravo e le-
va-lo ao engenho Larangeiras, fregoezia de Uoa,
oa ao Sr. Jos de Sooza Barreiros, na rna da Com-
panhia fernambucana n. 2, qae ser generosa-
mente recompensado.
SEGUNDO LIVR
DS
PELO DR.
. Cosinheiro ou cosinheira.
Precisa-se de nm cosioheire para casa de fami-
jia : a tratar na roa do Marqoez de Olinda n. 3b.
Ao commercio
Os abaixo asslgnados seientificam ao respeitavel
publico e ao carpo do commercio qae compraran)
aos Srs. Fernandos & Rodrigues o sea estabeleci-
mento de moldado', sito na ra Duque de Caxias
n. 20, livre e desembaracado de qualquer debito :
quem se julgar com direito ao mesmo qaeira oes-
tes tres dias entender-se eom os Srs. Fernandos &
Rodrigues, que os meanos abaixo assignados nao
se responsabilisam por qualquer debito qae possa
appareeer. Recife 2b de jolho de 1872.
Nogueira & Filho.
SEBOROS
MRfflMOS
E
COffTRA POCO., .,
A companhia Indemnisadora, esUblecidi
lesta praca, toma segaros martimos lobrt
uviofl.e seos carregamentoi e contra oge
m edificios, marcadoriai e mobiliaa: di
*ua do Vigario d. 4, pavimento terreo,
Abllio Cesar Borges
Edicao de Pars 1S91
2/000.
Livra'ta franceza,
Gabinete portuguez
de leitura.
De orden do Illm. Sr. presidente do conseibo
deliberativo convido aos senhores socios effectivos
deste gabinete reunirem-;e em assembla peral,
na sala das respectivas sessdes, domingo 28 do
corrente, as 10 horas da manha, para dar execu
cao ao oa ico do art. i8 dos estatutos.
Secretaria do conseibo deliberativo do Gabinete
f orluguez de Leitara 24 de jolho de 1872.
Antonio Augusto dos Santos Porto,
1* secretario.
u Deseoeamiohdu-se hontem (23 ) nm preto
que conduzia para a esiaco de Apipaeos
sacco coniendo cerca de 10 cniaa de feijao.
gaos pares de tamancos e mais dous embrolr
quem delle der noticia oa apprehende-lo ser;
compensado roa do Rangel n. 10. ,
DE
PIAMOS
Ra Nova n. 14, sobrado
ANTONIO JSE' DE AZEVEDO
partecipa aos amigos e ao respeitavel publico que
acaba de abrir om grande deposito de pianos e
officina para concertos, na roa e numero cima,
onde sempre encontrarlo pianos a venda dos se-
guinles fabricantes :
t$Erard.
tHenrique Werzs,
-sPIeyel Wolff A C.
'Blondel.
Amede Thibaolt.
AFINADOR.
Na masma offieina eneontraro um perito affl-
nador prompto a aecudlr a todos os chamados
4000000.
Eseravo fgido
Auzenton-se desde 13 de maio prximo passa-
do o preto Alfredo, de triota e lantos annos, es
talara, alto e magro, olhos grandes e tem un
geito no andar, perfeito cozinbeiro e foi eseravo
do Srs. Adriano & Castro, e Diurnamente do Sr.
Jos Joaquina Goncalves Bastes, costnma andar
pela Capanga e Pojo da Panella, e consta qae j
foi visto na cidade de Olinda ; estes sao os pon-
ios aonde elle tem andado : qnem o pegar tra-
ga o a roa Duque de Caxias n. 91, loja do Rival
sem Segundo, que ser bem gratificado,
COMLTOllIOHOMEOPATHiCO
DO
Dr. Santos Mello
43Roa do Bar3o da Victoria43
Residencia mesma ra n. 7, 2* an-
dar.
Vaccioa todas as quintas feiras e do-
mingos.
Gratis aos pobres.
Cosinheira
Precisa-se de ama mnlher forra oa escrava qae
seja boa cozinheira e engommadeira para casa de
familia : a tratar na roa Duque de Caxias o. 93,
loja. _______________ '____________
Criada,
Precisa se alagar ama escrava, para cozinhar
e comprar : oa roa do Vigario n. 16, paga-se
bom.
CASA DO OIRO
Esta feliz c?sa acaba de vender nos seos nui-
to felices bilhetes, doas meios de n. 2891 com a
sorte de 10:000/000 da lotera o. 409._________
Attenc&o
Dasapparecen no dia 22 do corrente da ra de
Pedro Afionso n. 49, 2 andar, a escrava mulata.)
de nome Umbelina, alta, seeca do corpo, cabellos
carapinba aberto estrada, anda cal;ada, julga-se
ter sido sednzida pelo sea amigo Alfredo de tal,
pardo, qae ha pouco tempo leve baixa do corpo de
Si.lieia ; suppoe-se qae oode andar o mesno Al-
redo anda 8 dita mulata : pede se, por tanto, s
autoridades polieiaes a apprebensao da mesma e
leva-la rna cima mencionada, qae ser recom-
pensado eon a qnantia de 80/. ________
Treeisa-se alagar ana preta qoe seja en-
gonnadeira e qoitandeira, agradando tamben se
compra : na roa de Santo Amaro n. 2, taverna.
Ao commercio
Os abaixo assignados fazem seiente ao respeita-
vel corpo do comnereio qae no dia 3 do corren-
te dissolveran amigavelmente a sociedade qae ti-
nham no estabelecimento de taverna sito a roa do
Motoeoiomb n. 24, qae gyrava nesla praca sob
a firma de Aranjo & Maia, fleando todo activo e
pissive a cargo do socio Jos da Silva Aranjo, e
retirndose o socio David da Silva Maia, pago e
satisfeito de sea capital e lacros.
Afogados, 18 de joiho de 1872.
Jos da Silva Aranjo.
David da Silva Hala.
Se o Sr. da roa da Madre de Daos n. 14 tem
algum negocio eom o abaixo assignado qaeira
procura-lo na rna do Imperador n. 26, primeiro
andar.
________________Antonio Afronto Moreira.
A pestoa qae annuncton querer aenar ana
casa para botar ama nenina de 8 aanos para
aprender a coser, diriia-se Olinda, roa do Am-
paro n. 13, que achara con qaem tratar.________
Offerece-se nna nnlher de idade para rasa
de hemen solteiro on de pouca familia : a tratar
na roa da Penha n. 15.
Sociedade inao Beneficente
Martima
De orden do director sao convidados todos os
socios a comparecer em assembl geral, sexta-fei
ra 26 do corrale s 7 horas da non te para tra-
tar-te de negoeios tendentes a mesma sociedade.
Secretaria da Sociedade Uniio Beneficente Ma-
rtima em Pernambuco, 24 de jolho de 1872.
O secretario,
Antonio Lopes Teixeira da Costa.
O Dr. Sarment Fi-
lho, cirurgio do hos-
pital Pedro II, de vol-
ta de sua viagera a Eu-
ropa, contina no exer-
cicio de sua profissao,
na casa de sua residen-
cia a' ra do Impera-
dor n: 29.
Trocam-se
notas das caixas flliaes do banco do Brasil, com
pequeo descont : oa loja da roa do Mrquez de
Dunda a. 58.
D-se a qnantia cima a qaem apprebender os
eseravos Manoel Ricardo e Fiel, qne fogiram no
dia 14 de maio deste anno : o 1* da provincia
do Cear, e veio para esta pequeo, cabra ataio-
cado, cabel'os eaebeados, ps pequeos, baixo,
bon corpo, boeea lascada, con pouca barba no
qneixo, e pouco bigode, representa ter 30 annos,
ladino, e gosta de andar linpo ; suppoe-se ter le-
vado en sua companbia nma mulher de nome
Rachel, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade de 27 annos, altura e corpo regula
res, cabellos carapinhos, andar vagaroso e espi-
gado, tem falta de ama unha em om dos dedos
grandes dos ps, um baraqainho no nariz encos-
tado as ventas, proveniente de um couce de ca-
vallo, pouca barba; lev ou en sua conpanbia nma
mnlher de nome Felismina. de cor alva, com bom
caballo. Da-se metade da gratificaco aeima a
qaem levar qualquer om destes eseravos aa en-
genho Macauass, fregnezia da Escada, cu no Re-
cife, rna do Cabog n. 18, casa de Manoel Jos
Ferreira Cruz.
* asa ansa
e commnm, lodos os dias as 2 i|2 horas da tarde
sahir da torno, podendo os freguezes eompra-lo
anda qoente, sendo (ei o de fannba dspecial; as-
sim como o pao cbioez : na roa do Gervasio Piren
a. 45, nova padaria americana.
ttencao
Tres esc-avos fgidos
Desaprareceram no dia 23 de novembro de 1871,
do engenho Doas Bracos de Cima, na fregnezia da
Escada, os eseravos seguales :
Flix, erionlo, de 50 annos pooca mais on me-
nos, altura regalar, ebeio do corpo, bem feilo de
ps e pernas, rosto redondo e nm ponco carrancu-
do, falla poceo, tem todos os denles da frente,
alguns dos quaes sao limados, asa de snirsas, tem
cabellos brancos aellas e na caneca ; foi eseravo
de Joaquim Raphael da Cruz, de Pajt de Flores,
d' onde veni para ser vendido na eiaade do Recife.
E' a segunda vez qae desapparece este estravo do
poder do abaixo assignado, sendo qoe da primei-
ra foi preso em S. Jos da Ingazeira, pelo que se
suppCe ter ido para o mesmo lagar.
Joio, que representa ter 32 annos, multo alto,
seceo do corpo, bracos e pernas finas, rosto eom-
pride, com narcas de bexigas, olbos pequeos e
vivos, nariz um pouco chato, falla bem e nn
pouco gago, toca viola e gaita, e diz ter sido es-
eravo de om padre, j fallecido, e ser natural da
villa de S. Joao oa S. Thom no serlio de Cariri.
Antonio, finalmente, de altara e rosto regala-
res, cr fula, cem 22 anuos, bem feilo de corpo.
ps e pernas, olbos amortecidos, nariz bem feilo,
falla mansa, tem falla de denles na frente, est
agora bucando, diz ter sido eseravo de Luiz Pe-
drosa, morador no rio Piraohas e vendido par:
serUo de Pianc. Foi tambero eseravo de Cipria-
no Bezerra Leite, por coja prceoracao o venden *
o Sr. Harcellino Francisco Alves da Silva, no
Recife.
Roga-se s autoridades polieiaes e capitaes de
campo a captara dos eseravos aeima podendo
ser elles entregues ao abaixo assignado, no en-
genho cima, ou no Recife, ras da Madre de dos
n. 36,1.' aodar, e do Qoeimado n. 47, onde ser
generosamente gratificado quem quer qoe appre-
benda os eseravos referidos.
lianotl Rodrigues da Silva Cantara.
Na Iravessa da roa
das Crnzes o, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prata e brilhan-
tes, seja qnal or a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
i.
O Sr. Melquades Antones de Almeida
qaeira vir esta typographia concluir o pa-
gamento do aluguel da casa em qua mora
em Olinda.
Fogiram do engenho Cachoeirinha, fregnezia
da Escada, os eseravos Rufino e Ignez, na noite de
12 para 13 do correte, os quaes teem os signaes
seguintes: hufino, cor fula, estatura /egular,
corpolento, ps mal feitos, falta de dentes na fren-
te do lado de eina, 23 a 28 annos de idade, olhos
regulares, nariz chato, cabellos carapinhos, levou
roupa de orn; Ignez, nnlata clara, rosto largo,
olhos salientes, alta, secca, ps grandes, cabellos
carapinhos, nariz chalo. Esles eseravos sao ca-
sados e perleacem ao abaixo assignado, que gra-
tificar generosamente a qaem os apprebender e
levar ao referido engenho.
Manoel Cavalcante de Albaqnerque.
Sitio.
Aluga-se um excellente sitio, oa ladeira dos
Mudos (Arraiai) com commodos para grande fa-
milia, tendo moitos arvoredos de fractas, eocbei-
ra e banbo, defronte do muro-da maebambomba :
para tratar rna do Crespo n. 16, 1* andar.
Nedalhas milagrosas.
A COROA BRILHNATE, loja de joias na
esquina da roa do Cabng n. 11, receben
am sortimento de medalhas milagrosas e das
Dores, de ouro e prata doorada, e junta-
mente cassoletas para meninas, de bom gos-
to, a 30000 e para senhoras 80OOO, assim
como tambem nm completo soriimento
de ocolos e pince-nezs de ac e tartaruga fi-
os, todo por precos mdicos. A loja es-
tar aberta noite at 8 boras._______
Na Praca da Independencia n. 33 se compra
ooro, prata e pedras preciosas, e tambem se vende
obras de igual especie._______________^^
Aos senhores de engenho
Urna pessoa competentemente habilitada offere-
ce-se para administrar qualquer engenho, propon-
do-se a leccionar musita vocal e instrumental :
qnem de sea prestio te qaizer utilisar annuncie
para ser procurado^_____________________
= Precisase de on caixeiro para balco e
ama ama para comprar e cozinhar ; na rita do
Coronel Suassuna n. 1. w
Alaga-se ama easa eom 3 quartos, cozinha
(ora e nm pequeo silio na Casa Forle : a tratar
na roa Velba n. 84.
JoaOaMotiaBoteiho, e seas ir-
mlo8 agradecen cordealmente a
todas as pessoas qae dispensaran
o favor de assistir ao enterro de
sna chara e mo presada mana
Auna Francelioa Boielho ; e peden
as mesmas pessoas, seas parales
e amigos o caridoso obzeqoie de assistirem a mis-
sa do stimo dia que devora ter lagar na igreja
da Ordem Tereeira do Carmo, sabbado 27 do cor-
rente pelas 6 horas da manha._______________

Jos Martin* uias e Manoei Mar-
tins Dias convidara aos seas maito
charos aitigos para assisren a
ana missa por alma de sea fiaado
e sempre chorado pai, o Dr. Vicen-
te Martins qae fillecea em Hesps-
cba oo dia 9 de jaiba passado, qne
manda eolebrar no eonvento de N S. do Carmo,
as 7 horas da manha, no da 31 do corrente mez,
pelo qae desde j se confessam eternamente gra-
10'.
Villa da Escada
oj, Antero Joaquim dos San-
tos agradeee a todos os
seus amigos qae compare-
ceram ao enterro de sna
presada mnlher D, Isabel
Ferreira dos Santos que foi
dada a sepultura a 24 do
corrent?, convida aos mesmos para assistirem a
missa do selimo dia que tera lugar a 29 do cor-
rente pelas 7 horas da manha na mesma villa
da Escada, pelo que se confessa summamente
ATTENO
Alaga-se om sotio oa roa do Rangel n. 54 :
tratar na roa da Praia n. 34 ; prefere-se ana
peqnena familia.
CAIXBRO
Precisa-se de um de 12 a 14 annos com prati-
ca oa sen ella : na ra do Rangel n. 77.
A botica popular n. 77, da roa da Imperatriz
para a mesma ra n. 69 e 71, continan a func-
eionar, com qnanto ainda nao esteja prompta.
Bouquet das Damas
Qs proprieiarios deste esiabelesimento fazem
seiente ao respeitavel publico qne tem recebido-
por lodos oj paquetes da Europa am bello sorti-
mento de mercaduras proprias deste mercado e>
par barate preco.
Perfumaras.
Um grande sortimento de perfumaras finas dos
fabricantes Rinel, Glenel, Lubin, Condray, Piver e
sociedade bygienica, qae se vende por precos
commodos; a roa 1* de Marco n. 14, antiga do
Crespo, no Bouquet das Damas.
Obras de cabellos.
As Ex mas. Sres. eneontraro no estabelecimen-
to roa 1* de Marco n. 14, intitulado Bouquet das
Damas, om perfeito sortimento de obras de ca-
bellos vordadeiro-, como seja, coques de tranca,
ditos de cachos, trancas, bicos, cache-paine e to-
petes, tado da ultima noda, segundo -os flgarinos
reeebidos de Pars, e se vende por nenos do qne
en outra qualquer parte ; tambem se alaga pelo
seguintes precos :
Aluguel de am coque 2f.
Dito de um par de trancas 24.
Dito de nn tpele 14.
Ponteado de coque a i.
Ponteado de senhora en sna residencia 34 e no
estabelecimento a 24 ; para cujo fin ten os an-
ouneiantes nna sala preparada para as senhoras.
Urte de cabellos e barba,
O Bouquet das Daas coolma no misler de-
cortar cabello e faser barba, para cojo fin tem-
bons artistas: roa 1 de Margo n, 14, 1* andar,
antiga do Crespo.___________________________
40 56:660
=gNa rna de S. Jorge n. 56, precisa-se fallar eom
o Sr. Antero Augusto Peixoto de Alencar, qae
empregado de repartico poblica, negocio qne
elle nao deve ignorar e seno vier publicar se-ba
o negocio mais a niudo.
Precisa-se de urna muiher para vender na
roa, quer seja forra, on escrava, paga-se Veas;
ra da Imperairii n, 16, loja.
HHHBB [IIHPiM uamimio |
I illHH \
J
')


I
ftdl
Ditfii u4 fcnift
Sexta fera 26 de Juiho de 1872
FABRICA DE MACHINAS
A' Ra do Bar&o do Triumpho (ra do Brumj ns.
100 104-
CARDOSO a IRMAO
AVI5AM aos Sn. de engenho* e lo pnblico em geral, qae teera recebido da Europa,
grande sortimento de ferragens para engenhos e para lavoara, e qaaesquer ootros uzos
e misteres da iodcstria agrcola, o qoe todo \endem por precos razoaveis.
[Formas para aasucar fid"" s>u",is'i"de *""" "ma-
Vunnroa horizontaes e vrlicaes ja betn conhecidos nesta provincia e lora dalla,
ttpurtJ os melhores qoe teem vindo a este mercado.
LOoIlllaS completas oVdiversos tamanhos, obra mnita forte e bem acabada.
ALGIAS H106U(I&S para asSentar em grades de madeira.
J.d.lX3>S Q6 ICrrO e ferro fondido e batido de diversos tamanhos.
AOdaS U B.gUQ, de diversos tamanhos.
itOQ.ES UOntaaS e versos umanhos e qoalidades.
Pntinarf ac Concertam com promptidao qnalqoer obra oa machina, para o qoe
VsUllLUrLUa ieem sua fabrica bem montada com grande e bom pessoal.
ViiArmimanrloa Mandam vir por encommenda da Europa, qnalqoer ma-
iuirUllilu.l7iiUao chinismo, para o qoe se corresponder com orna respeita-
vel casa de Londres e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra; incombem-se
de mandar assentar ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
RA DO BARAO DO TRIUMPHO NS. 101,102 E 104
FUNDICAO DE CARDOSO & 1RMO
n
RUI DO RRUM N. 52
-
(Passando o chafariz)
Neste estabelecimento fundado ha cerca de trala an-
aos, vende-se todo o machinismo preciso para a AGRICULTURA
desta provincia e para o FARR1CO DO ASSUGAR E PREPARAgO DO
ALGODAO; entre outras-machinas de Tapormosndas decanna
para vapor, agua ou animaes,rodas d'agua,rodas dentadas,
=aguilhes e chumaceiras, tachas para engenhos, = crivos e
boceas de fornalha,=moinhos para mandiocacannos de ferro,
=*orneiras de ferro e bronze,oges,bombas para cacimba,
ditas de repucho=guindastesguichosalambiques,pren-
sas hydraulicas,=ditas de parafuso,ferragens para carros, na-
vios e obras publicas, columnas e travs,serras e serranas,
diversos ulencilios, preparos e motores para descaroqar algodao.
CAUTEIiliA.
Tendo sido engaado diversas pessoas em procura d'esta
fundicSo, recommenla-se aquellas que nao conhecem hem a
praqa ohservem para se, e para seus mandatarios que a
FUNDICAO DO B0WMIN .
est entre o chafariz e a fortaleza, perto a coeheira dos bonds,
que 03 edificios estSo de ambos os lados da rna e pintados de
verde nos andares inferiores.
Vende-se a prazo ou a dinheiro com
descont.
1^4*
M^WS
A0 ARMAZEM
DO
Roa do Bario da Victoria
N. 7_0utr'ora ra Nova_N. 7
Sempre novo* sortimentos
Calcado francez
Botinas novas para senhoras e meninas.
Botinas para horneo?, bom bezerro, pellica, cor-
davao, vaqueta e panno, duraque com biqaeira de
veroit, pellica com biqaeira de veroiz, bezerro e
pe! ca com ilbs e com botSes, Unto dos fabri-
cantes Snzer como de Polik.
Botas russiaoas, meias botas, perneiras e meiai
perneiras para montara.
Saptes de vaqueta de verniz com sola de ma-
deira, proprios para os sitios, jardins e banhos,
tanto para senbora como para bomem.
Spates de bjrracba para bomem, seuhora e
menino.
Botinas e abotinados de maiua qualidades e
presos para meninas e meninos.
Sapatos de verniz, charlat, casemira, tapetes
avelludados e de tranca, franeezes e portuguezes.
Perfumaras
Finas extractos, banbas, cosmelieos, leos, opia-
tas e pi dentrifkio, agua de fbres de laranja,
agoa de Cokgn*>, divina, fl rida, lavande, a de
toilette, tintara para barba e cabello, pos de arroz
sahenetes e moitos arugos delicados, come Iras
quinhos de extractos, Indo de primeira qualida-
de dos bero e .nnecldos fabricantes, Piver e Coa-
dray.
Quinquilharias
Finos artigos de Pris, de differentes gostos e
pbantasia, como sejam os segrales :
Leqaes para seohoras e meninas.
Lavas de pellica e de fio de Es:oeia.
Espelhos diil rentes, para sala e gabinete.
Vidros avleos para espelbos.
Ciixinnaa de costara ornada com msica.
Albuns e qaadrinhos para retratos.
Diversas obras de o uro de lei.
torrentes de plaqu para relogio*.
Bolsinbas e cofres de seda e de velludo.
Diversos objectosde phantasia para toilette.
Pincenez, oculos e bengallas de laxo.
Chicotes e bengallas de baleia, canna e junco.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Escovas para cabellos, roupa, denles unhas.
Feotes de martim muito Saos, para caspas.
Ditos til* r.-nif- para cabello e barba.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Malas, bolsas e saceos de vihgem.
Gaiolas de rame para passarinho?.
Venfzianas transparentes para janellas.
Abats-jonrs transparentes para candiciros.
Mamadeiras de dar leile mu fcil as eriancas.
Tiras de moldaras douradas para quadros.
Ricos quadros j promptos para paisagens.
Estampas de santos, ciaades e pbanlasias.
Esteroescopos e cnsmoramas com ricas vistas.
Objectos de mgicas para entretenimenio.
Machinas de differenles systemas para caf.
Bercos de vime para embalar eriancas.
Cestinhas para meninas de escola.
Jogos, de dama, domin, bagatellas e da gloria.
Campainbas de molas para.chamar criados.
Realejos, accordions, vidros avulsos par. cosmo-
ramas e ootros muitos artigos de quinquilharias
dillkeis de mencicnar.
Brinqnedos
l'.-ra eriancas.
O maior sortimento que se pode desejar de
toda sorle de brinquedos fabricados em diversas
partes da Earopa para entretenimeato dos me-
ninos.
Samuel Power Johns-
ton&C.
La do Apollo n. 38 e 40
Faina scieote aos sena fregnetes que teem
mudado o ata deposito da machinas a va-
por, moendas e laxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para rna do Apollo n.
38 e 40, onde contmnam a lar e mesmo sor-
timento do costume.
Fazem sciente umbem que lecta feito nm
arranjo com a fundicao feral, pelo qoe po-
dem offereeer-se para assentar qualquer
machinismo e mesmo garant lo.
u proprieurios da tu nJ i cao geral faiem
icleotes aos senhores de engenho e msis
pessoas, qae teem estabeleeijo urna fun.li-
cao de farro a brouze a ra de Brum, jun-
to a esiacio dos bonds, ende aprontaran
qnalqoer obra de encommenda com perfei-
cao a promptidao.
' Os roesmos rogam as pessoas que quel-
ram utiflsar se da seus servicos de deia-
rem as encommendas em casa dos Sr. Ja-
-moel Puwer Jobnston A C a rna do Apol-
lo a. 38 e 40, ende acbarao pessoa habili-
Ao pblico
dr I.jn
estab asa de nHhsdos do P
to do Ttrco n K\, avizam ao respeitav
publico que se achara bem sonidos cern
:it?s g. oros, e qoe os vendem por
ref0.s moito ciruraod' s: e p'T c nseguin e
;jedem o ne-s ascig 8 cao l da prac>-,
onoo dn mato, qne eiperimentco.
tada com quem possam entender se.
Apparelbo para fabricar afeaKar, do systoma.
WBSTON CEKTBEFUGAL
Unieoa agentes em Pernamboco a fundleio geral.
Para tratar em sen escripiorio a rna 4o Apollo n. 38 40.
FAZENDAS BARATISSIMAS
NA
Loja do Fapagaio
A' RA DA IMPERATR1Z N. 40
Os proprietarios deste bem conhecido estabelecimento scientiQcam ao respeitavel po
buco qae acabam d- receber om completo sortimento do qoe ba de mais mjderno, em
Uazinbas, alpacas, cortes de seda e popelinas, ludo do melhor gosto. ass imcomo :
espartilbos, vestuarios para meninos de 13a esfeitados, veos de fil de seda brancos e
pretos, e mais.
No da 4 d ?g)t> d.i aono pasado aoseotcn-
e do engenho Camaragibe o e.-cravo ViceBte, ce
'ad 40 ann>s, cabra, de altura regular, teta
'juS oa deotes, e sao limados, (em cicatrices de
^rid qoe leve oas yernas, e tero maurhts bran-
oAs-oos ps e as tnaos, bem ladino que costura
ipfoiver-fe em presepios, juiga-se que esteja era
Montes de Una oa em Goyanna por ter la paren-
tes: rogare as aoinndades ou a quem o appre-
bender leva lo ao Recife ao Sr. its de Soasa
Barreiros na ra da Comnanhia Peroambucaca
o. 2, que serio generosamente recompenado?.
Lavas de pellica branca.
Camisas bordadas para senhora."
Setina d todas as cores.
Sedas pretas istradas.
Cretoces para vestidos.
Damascos largos carmesim.
Camisas (rancezas e inglezas, lisas e bor-
dadas.
Cambraias brancas victorias para todos
os precos.
Bramantes de linho e de algodao para
lences.
Madapoloes ioglexes e franeezes de todos
o precos e largaras.
Fazendas pretas de todas as qoalidades
como sejam : Crep, cassas, merinos, bom-
bazinas, cantSo, princetas,alpacas ecbilas.
Lavas branca de fio de Escossia.
Popelina branca lavrada.
Grosdenaples pretos finos.
Baplislas muito modernas.
Crotones para cobertas, cor fiza.
Baetas e flaoellas de cores.
Barejes com lisiras de seda para eofeite
de vestidos.
Cambraias brancas transparentes de todas
as qaalidados e largaras.
Aloalnados de linbo e algodio braocos e
de cores.
Saceos de viagem avelludados.
Tapetes avelludados de todos os tama-
nhos.
Fil de seda branco e preto, liso e de
salpico.
Fil de linbo branco e preto.
Engenho Soledade
Este engenho situado oa rlbeira de Guiloba,
a'margem do rio Camaiagibe, de grande ex*eos3
?m terrenos os melhores que se rJem desejar
para a cnltura de cannas; rrs com agua e tem
proporc5ea para se levantar mais dous engenhos
i'agua guarnecidos cero ricas maltas. Esta pro-
nriedade vende se tu arrend se, e tambem da se
terrenoa para levantar outros eogenhos pelo lempo
qae se convencionar : a lrat>r com seo propie-
tario ao largo do Ccrpo Santo n. 17, primeiro
andar.
Dr. R. Vhnm %
Medico operador e parteiro, recen- jv

m
9
I
I
Presos
Em virtud de novas ordens dos lubricantes,
vndese tudo a precos baratissimos : no arma-
zem do vapor francez, ra do Baro da Victoria,
outr'ora ra Nova n. 7.
N0Tf\S
Troca-se notas do banco do Brasil e do sua
fiaes na ra do Bario da Victoria n. 63. antiga
ra Nova, loja de Joo Joaquim da CostaLeito
Precisa-se de um irabalbador de refleaco,
oa villa do Cabo : quem quizer dirjase a mesma.
AOS 5:000^000
Estao venda os felizes bbetes da lotera da
Sania, na casa feliz do arco da ConceicAo, toja dt
urivas no Recife.
Lava-se e engomma se perleramente para
oomem '. na ra da Gloria n. 84.
Fastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita s5o por certo a
medicina racional dos meninos, aos quaes
se administram com excellente resaltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles n3o ba porgan-
te mais suave e que tomem com mais pra-
zer. Estas pastilbas previnem tambem as
convalsoe8 que resoltam dos accidentes da
denticSo, e tem nma acc3o mnito poderosa
como o veron (ugo.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C, rna Duque de Caxias n. 57.
Precisase ee urna criada para casa estran-
geira, para cozer e engommar : a tratar na ra
co Commercio n. 38.
Pelo qne fie especificado se v, qae o estabelecimento est bem sorlido, de entras
multas fazendas, qae deixamos de mencionar, para cao nos toroarmos enfadonbos.
Nao declaramos precos, mas nao deixamos sabir freguez algum por servir.
Officina d alfaiate.
Dirigida por Mr. Charles Laorent hbil mestre alfaiate. Grande sortimeDto de
pannos pretos, azaea, casemiras pretas e de cores, cortes de collete de gorgurlo, e um
completo sortimento de roupas feitas de todas as qualidades.
Os precos sao menores do qoe em qaalquer ontra officina. Na .
LOJA DO PAPAGA10 A' RA DA LMPERATR1Z N. 40 DE MENDES & CARVALHO
CASA DE PIANOS!
VCTOR PREtLLE
6 Ra do Duque de Caxias 6
Recommenda o sea eetabelecimento ao illastrado publico desta cidade e arrabaldes,
j onde acham sempre o melhor qae !se podem desejar em bons pianos. Approveitop a
longa pratica e experiencia que leve neste paiz, oeste importante ramo da indastna,
durante saa residencia de perto de trinta annos, para maodar construir urna qoalidade
de pianos, proprio para este clima, os quaes se distinguen! na sna construccSo solida,
na sua voz forte e agradavel e na saa elegancia exterior, como interior. Offereco tambem
pianos de diversos, e dos melhores autores, como sejam : Herz, Pleyel, etc.
Garanta-se a boa qualidade de todos os pianos que se vende nesta casa.
AVISO AOS SRS. CONCERTADORES DE
PIOS
Na rna do Duque de Caxias n. 6, casa de pianos, ha sempre um grande sorlimen .
to das melhores qualidades de materiaes para concertar pianos, como sejam: castor, 'ja-
morca, marfim, cerdas, madeira, folha de faia e erable para cepos etc.
temente chegjdo da Eur- pa, onde de
dicca-se a cirurgia, partos e especial-
mente s molestr. e oper*c5es de vias
geiiilo ourtnauas. tem o seu consolto-
?' rio i ra do Vigario n. i, segundo ao-
(^ dar, onde d consultas do i\1 dia as i u
hora?, gratis ao p.bres.
Pode ser pracorado a qualquer bnra jr^
'' do dia ou da nonte. "&'
g. Ba di Vigario n. 1. V andar. #v
R(fia:co
Na ra do Bangel n. 43 precisa-se de um bi
ador de assucar, que soja b;m.____________
Estravo ngido
Auseo'.ou-se no dia 8 Jo crrente mez ir
r.hu Fragoso, termo de Oliada, o mulato
idade de 20 a 22 anno, principiando t
estatura regular, bem feito do corpo t
quenas, cabello crespo levando vestid'
algodao de listra e por biixo desta
Ua grsssa, do Porto, calca "de brim
chapeo de Haniba velo; e alyn d
vou ceberior de algodao branco e
que lile ter mudad) ; conitaod ',r
Maaoel.
i barbar,
mSoa-pe*
camisa
emisd?. de
parda velbae
esia roupa le-
oiuraj roupas
(ue k-gi que se
ausentou, procorou trabalbo na xriAi .t^tro
de O inda, dizeni) ser rorro e dj Kn^0 g.^,
eseravo veio ha poucjs mezes do AaMly' e'fd
datli rometulo pelo ir. Bonila- 0 p^^p, a C3.
ta Qaeiroz ao Sr.-Aotoaij A ^ de'3:mia A.
golar.qaeovenieaaseoa. ,lQa| Sdhr Aamt0
taoncalve da Sirva, ewreso me.sa ,,ae.anda por
esta cidade ou arrabild-s 0 eRar qaeira
leva lo ao dito engenho,
n. Z los Dus. da Si!v:
jo a ra dj Imperador
i q-ie se gratificar.
_. Peda-se ao muito -lg00 Sr ?ubdu|epado de
5. lose de lan?ar sua j ,15[as par, M piaQlS33 qae
se rene as vendas it> pa(eo da Terc0i caj0 p)aa.
lio nao so pn-jad' cial a08 dcmo, das dilag tasaJ
como pode ongio ar birulhus que tragam cone-
qnencias funestas.
'OOOO
CAUTELA!
MEURON&C.
Anda fog! j^ jf sde 0 da je de mr.rc do cr-
reme auno, j (arrayo de noire Silvestre com os
ugntei s?g' mej baixo, ponca barba, falla de?
candado, h^.b* menos um dedo da mao diraita,
tea sio' t ftae0fl\rado djs es'.radas e povoa(5es ,
com u j, \yfitfy pequeo de ina veDdendo miuJe-
139 6 oltrmamente f-i visto trbaltaando de -er-
ve'jte 4> pedreiro e padiria, por serem trabaltns
r jais occaltos; representa narenta annos de ida-
de. Qiem o kvar ao St Pedro Jorge da Silva
llamos, receber a gratifleacio cima.
E cravo fgido
Ausentoa-3i desic o dia 14 do rrrente o preto
creoulo de no me Kodolt'ho idade 26 annos. ponco
mais cu menos, e-tatura regular, olhos v-gos e
em um geito no andsr; fol escravo de Luiz de
Oiiveira Lima, babil, sabe lere cos:uma intitular-
le eomo farro, tem andado pela Sjledade, Cisco, e
caminbos de Olioda; quem o pegar traga-o na
ra Pireiia d. 16, qne ser rtvompenaadn.
Ulysses Se Irmao
Proprietarios do Emporio Commercial hoje denc-
mina
do
GENTBQ ACADMICO
Tem resolvido liquidar dito estabelecimento, vendendo por precos moito resumi-
dos, todas as mercadorias nelle existentes, assim como fazem negocio com a sua elegao
le armado, e trapasse da casa com quatro annos e meio de arrendamento.
Para mais informacSeg, os pretendentes podem entenderse com os propietarios
do mesmo estabelecimento.
15 Ba da Imperatriz 15
ULYSSES & IRMAO_________

itVIA UM
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qoizerem do verdadeiro REA
FREA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de METJRON & C, e a desig-
nado de REA FRETA.
MEURON a C.
Estrada do Lucca
Aluga-se nm sitia e casa com 3 salas, 7 qnar-
toe, corinba (ora, cocheira, estribara e cacimba;
o sitio proprio, por ser bastante grande, para
criacio : quem pretender dirija-se ra do Viga-
rio Tbeoorio n. 31. andar.
MOFINA
Sic., sio..., nao ouve?
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello, es-
crivaona eidade de Nazaretb desla provincia, o
favor .de vir ra Duque de Caxias n. 36 con-
cluir aqoelle negocio que S. S. se eomprometteaa
realisar, pela terceira chamada deste jornai, em
ns de deiembro prximo passado, e depois para
Janeiro, paason fevereiro e abril, e nada cum-
prio ; e por este motivo de novo chamado para
dito fim, pota S. S. se deve lembnr que este ne-
gocio de mais de oito annos, e quando o sensor
sen filho se acbava nesta eidade.
N. 16,920
O Sr. Antonio Alfonso Moreira chamado ra
da Madre de Dos n. la, e em qnanto nao vier, este
acouncii nao ser retirado.
Aluga-se a casa da liba de Bemca na Pas-
sagem da Magdalena, com 7 quartos, quintal
murado, banbo na porta, lugar muito saudavel e
apreciavel, tendo a vantagem do transporte em
bqnds, e commodo alluguel : tratar no 1 an-
dar d. 17, i ra estreita do Rosario. _________
1111IIO
Preeisa-se de nm bom criado para casa de ho-
mem solteiro, paga se bem : na roa do Mrquez
de Oiinda n. 20.
Desde o dia 6 de Janeiro do auno passado
que ansentou-se da casa de seu senbor na rna da
Cruz, a eserava Tbomazia, erionla, com 26 a 28
annos de idade, baiza, corpolenta, cabera chata,
beicM grossos, maos bem feitas, com as juntas
dos dedoe calejadas, peitos grandes, nma marea
redonda em nm dos bracos, ps meio ebates;
deseonfla-se andar por estes arribaldes acontada
por nm Portnguez, ja tem sido encontrada em Ca-
xang e Jaqneira : roga-se as autoridades oa a
qnem a apprehender leva-la ra da Cruz n. 23,
oa ra de Hortas n. 1, qae serio bem recom-
pensados.
ltenlo
Precisarse de am oixairo qae tenba pratiea de
(averna, de 18 a 20 annos : na roa da Concor-
dia n. 165.
Feitor.
Precisa-se de on feitor:
2* aodar.
roa Dirita n, 93,
Ao commercio
Lntz de Faria & C. fazem sciente ao re-peitavel
corpo do commercio, e ae publico em geral qae
compraran) ao Sr. Temistocles Canato de Agaiar
o sea estabelecimento a roa da Imperatziz n. 16,
a dinheiro e sem responsabilidade algalia, inhe-
rente ao dito Sr. Canuto.
Recife, 25 de julbo de 1872.
Luiz de Faria & C.
ALUGA-SE
Aluga-se nma casa na Ponte de Ucha n. 12.
Alagase ama casa oa Boa-vista, rna dos
Prazeres: a tratar na ra das Crazas n. 31, 3
andar.
Eserava
al
uo-ar
o
para
Alaga-S3 urna eserava apta para toio o servip
de casa de familia : a tratar no 2* andar do so-
brado da raa Direiu n. 81.
COMPRAS.
COMPBA-SE
ruoedas de enro e prala na loja a ra do Mar-
inez de O.'ioda n. 58. .
Coipi
ra-e
urna c-iirava que alba vender na ra : no sitie
do commendadjr Tasso, na Cruz de Almas.
0>mpra-se
jornaes a of a arrobi: na ra larga do Rosario
n. 11, fabrica de cigarros _____________
Compra se a fjlh denominada A Careta de
o. 26 ao nltirao numero : qiem a tiver dirija-se
praga da Independencia ns. 7 e 9.
Compra-se
Urna casa terrea, sita nos bairros de Boa-vista,
Santo, Antonio ou S. Jos ; na ca-a n. 21 da raa do
Rosario da Boa-vista se dir quem a qner coxprar
Comprase urna neennha de 10 a 12 annos,
e urna preta que saiba bem coziabar : na roa do
B>m Jess n. 57.
Msica
Comprase pisiSes, baixo, clarioeta e nm flaa-
tim com algum uso : qnem liver e quizer vender
barato dirija-se a ra Direita, na loja da Cadeia
de O aro qae se dir quem eompra.
Jos Rufino de Araujo, tendo de brevemente
retirar se para o alto sertao desta provincia, e
nao podendo, por eneommodos de saude, despe-
dirse pessoal de todos os seas amigos desta ca-
pital, o faz por este meio, como urna prova de
considerado; e offerece-Ihes ao mesmo tempo
os seas servicos na comarca do Sa'gueiro, onde
morador.
Aasentou-se no da 23 de juiho do corrente
anno o preto crionlo de nome Leoncio, idade 17
annos, baixo, sera barba, (ala descantada, testa
estreita, ps grandes, belcos grossos, fevou calca
amarella : quem o pegar ple leva-lo a raa da
Dntio n. al, qae ;era recompensado.___________
Servente e ajudante de co-
zinlr
Preeisa-se no hotel da Allianqa, raa estreita
do Rosario n. 10, de am servente deligente e de
om ajudante de cozioh habilitado.
VENDAS.
Piano.
"Venle-se um piano novo : a tratar no Corredor
do Bispo n. 49, portao, depois de 3 1|2 horas da
tarde.__________________________________
Vende-se urna canoa que pega 2 000 lijlos
de alvenaria grossa : na ra Imperial n. 245.
Oaix5es vasios
Vende-se caixoes vasios de diversos tamanhos :
aa ra Direita n 81.
Vende-se urna armacao propria para venda
por barato prego : a rna Imperial n. 166.
Boceado feito
Vende se o boiequim do largo do Parabo n. 18,
tambem vende se dous papagaios talladores, na
mesma ca-a.
Atten#i0o
Vende-se nma casa terrea, sita a travessa do
Mrquez de Nerval (antiga Concordia) n. 41, com
2 salas grandes, 6 quartos, loto tem repartimen-
to, eozlnba exlerna e quintal murado ; nma meia
agna, alta no cnico do Pocinho n. 3, com ama
pequea sala, am quarto e am retiro qae serve
de cozinha : a pessoa qae pretende-las comprar,
dirija-se a ra do Mariuez de Olmda (antiga da
Cadeia do Recife) n. 52, sobrado, 3 andar, qae
encontrar com quem tratar.

MBTIUII
^BlHBMVBBHMiMI
BSanal
I1EEHE1


Dm da FemamDuo Se*ta eira 26 ie Julho
NOVIDADES
GRANDES PECHINCHAS
LOJA DO PAVAO
Na na da Imperatriz
n. 60

PEREIRA DArSILVA & C-
as Testas do mez de jiinho
de 13a,
Preiri da Silva 4 C. tendo rocebido am grande sortimento de fazendas .
seda e algodio, com os padrps mais a ovos que tem viodo ao mercado, teem resolvido'
1 Iquidal-as, por presos moito baratos com o ooieo fim de agradar aos seos Dumerosos
regoezas e aparar dioheiro, de todas as fajeadas se dSo amostras fleixando peahor on
mudam se levar em ca=a das Ezmas. familias.
LASINHAS
O PavSo viada delicadas alsaciaoas de to-
d i9 as cores coa muito lastro e delicadas
liatra* aiatisados a seda, proprias para os
enfeites e babadiabos a 105JO covado.
Ditas listeadas a seda, sendo as mais de-
licadas qae tem viado ao marcado a 10500
o covado.
Delicadas laSsinbas com muito brilbo e
l istrinbas de seda a 10000 o covado.
Ditas com listras de seda larga e muito
encorpadas, com delicadas cdres a 800 rs.
o covado.
Ditas miito delicadas com listrinbas de
seda a 560 rs.
Ditas sendo bastaate largas com listra os
iado, para os enfeites e com cdres muito
delicadas a 500 rs. o -ovado.
Ditas da listras miadinbas com Gos do
seda, qae Ibe da muito brilbo, tendo de to-
das as cores a 500 rs.
Gjrfriiros de 19a, do ama edr, tendo
fazend i muito moderna a 400 rs.
La5sin'ias lisas de nma s cor, tendo de
todas as cores a 400 rs. o covado.
Alpacas lisas de todas as cores a 500 rs.
o covado.
Lasiahas de cdres com delicados quadri-
nbos de seda teodo de todas as cores q sen
do maito moderoas a 800 rs. o covado.
GarguroBs asues de 13a, com delicadas
listriahas brancas lavradas sendo o que ba
de mais novo no mercado a 640 rs.
Delicadas alpacas de seda com delicados
padr5es e maito brilbo, de gosto inglez
" a 800 rs.
De.i adas Lisiabas de ama s cor, sendo
de todas as cres.comoejam : verde e asul,
roxo liris cor de canoa, cor de rosa, bran-
cas com listras da raesma cor' a 800 rs. e
10000.
Grande sortimento de fazendas de todas
as cores, e difiranles qualidades a 320 o
covado e 400 rs.
Baregjs de lila trasparente tendo do to-
das as cores a 200 rs.
POUPELIIUS
O Pava"o venda as mais delicadas poupeli-
nas de verdadeiro linbo e seda, sendo com
os padres lijtrado', e os mais delicados qae
tem viudo ao mercado, havendo de todas
as cores a 20000 o covado.
Ditas cora dillerentei padres, para aca-
bar, a 10(100.
Sedinrns do listras com delicadas cores,
teido at rosas para lu^o a 10100.
NOVAS SEDAS A 20500
O Pavao receben ana nova remessa das
mais lindas sedas para vestidos com ?s mais
liadas cores e mais delicados desenhos
miudiahos, em ama s cor, garantindo-se
quo soda para e qae seria fazenda para
mais de 3000, a nao se ter feito ama gran-
de comora e liquid^-se a 20500 o covado.
GROS PRETO
O Pv3o vende sempre grosdenaple pre-
to pa vestidos sendo sorivel a 10600 o
covado.
Dito bom com onrella branca a 20000,
Dito maito encorpsdos e muito largo a
20500 e 30i00.
Dito em tecido de garguro sendo fa-
zenda muito incorpada a 3000 e 40000.
Seda prela iavrada maito encorpada a
20000.
TRAMANTES PARA LEN0OES
O Pavo vende superior bramante de al-
godio tendo 6 palmos do largara, que f pre-
cisf de 1,1/4 vara para que lencol, metro a
40600 ou v*ra 1080?.
Dito de linbo poro superior, muito eccor-
pao com a mesma largara a vara 20400.
Ditos francezes maito nos a 20500 e
30000.
Pe$as de Hamburgo e panno de linho
.i 20 e 30 varas e para todos os precos
e qualidades.
Peci de bretanha do paro linho, tendo
30 jardas, pelos precos mais baratos que
se tem visto.
t Peciubas de Goissimo
coro 6 jardas a 70000.
Pecas de finissima ei'esia, tendo 3U jar-
das a 350000.
Atoalbado adamascado com 8 palmos de
larg;:ra, a vara a 20000.
Dito de linho saporior, a mesma largura,
a 30200.
Dito trancado sen ser adamascado, mas
moito encorpardo a 10 00.
GoarJanapos taato graodes como peque-
os a 30000 a duzia.
ALGODAOSINHO.
O Pavo venda pecas de algodaosinho
americano com 16 jardas pelo barato preco
03 3*010.
Dito uiuito melhor com 18 jardas 40000
Dito americano muito encorpardo com
20 jardas a 50000, 50500 e 60000.
Dit > largo marca T, sendo o mais fino
que tem viudo ao mercado proprio para
long33 a jarda a 280 e 320 rs.
D to enfestado para lencoes sendo maito
encorpado e com 8 palmos de largura, a
vara a 10000.
Dito 'ora a me; ma largara, sendo tranca-
do e muito eicorpado a 10280.
CASSAS FRAN^EZAS
O Pavio vende flnissimis cassas franee-
tas, com as mais delicidas cores, sendo
jistradis e de flores, fazenda chegada pelo
ultimo vapor a 400 rs. o cavado.
DiUs francesas flnissimas padres mia-
dos a 400 re. o covado.
Ditos de (Marales gestos a 320 o
covado.
C4MBRUAS BRANCAS *
O Pavjj vende combraias verdadeiras
com 8/2 varas cada peca, sendo fazenda
q mi muito mais dioheiro a 40000.
Ditas muito Anas a 500)0 e 60000.
Ditas com i O varas a 60OOO e 70000.
esguio on celesia
PANN03 FINOS.
O Pavio tem nm grande sortimento dos
rnelb'ires pannos fiaos qae tem vindo a
este mercado, sendo preto do mais fino at
ao mais baixo, assim como ditos azaes,
verdes e cor de caf, proprios para palitos
e fardas, qae se vendem mais barato do
qae em outra qaalqaer parte, por ter gran-
de porcio.
SAIAS.
O Pavio vende um grande sortimento
de saias brancas muito bem bordadas, ten-
do 4 pannos cada urna pelo barato preco
de 40500.
Ditos ricamente bordadas com 4 pannos
cada urna a 60000.
Ditas j feitas com folbos macheados
sendo muito fiaos a 30500.
Ditis da mesma porm mais abaixo a
20(00.
Ditas tambem j promptas sendo de lia-
sinha da cores com barras enfeitadas a 30000
e 40000.
ESPARTILHOS.
O Pavio vende os mais modernos espir-
tilhos d* todos os tamanbos sendo os
mais modernos qae tem vindo ao mercado
a '40000 e 50000.
CASAQUINH03.
O Pavo vende moderoissimos casaqui-
ahos de seda preta, maito bem eofeitados
a 10000 e 20000.
Dito de croch brancos a 60000.
Ditos por terem algom defeito a 30000.
Ditos de fil muito fino a 120000.
BORNU'S.
O Pavio recebeu am grande sortimento
dos mais rices born3, tendo brancos e de
cores que vende a 160000.
MEIAS PARA HOMEM.
O Pavio tem um grande sortimento de
meias croas para homem qae vende em
dosia a 40000, 50000, 60000 at 100000.
Ditas para meninos de todos os tamanhos
de 30000 at 60000.
Ditas para seuboras sendo fraocezas e
icglezas, tendo tambem muito encorpadas s
ti asan te largas de 50000 at 120000.
Ditas para meninas de todos os tamaohos.
TAPETES.
O Pavio vende tapetos grandes para sola
proprios para 4 cadeiras a 250000.
Ditos mailo bonitos avelludados para
duas cadeiras a 100000.
Ddos para o mesmo fim, on para ao p
da cama a 70000 e 80000.
Ditos pequeos para janellasa 40500.
Assim como graode sortimento de pan
nos de crojh proprios para encost de
sof, de cadeiras de bracos, ou de balando,
ou de guarnijio ludo por precos muito ba-
ratos para acabar.
CAMISAS.
O Pavio acaba de receber grande sorti-
mento de camisas ioglezas com peito de li-
nbo para todos os precos e tamaohos, qae
vende como pechincha por ter grande por-
fi.
Ditas com peitos de algodio das mais
baratas at as melhores qae veem ao mer-
cado.
Ditas fraocezas de chitas miadinhas com
os mais delicados gostos.
Ditas de meia de algodio e de lia.
LENCOS.
O Pavio vende fiaos lencos de cambraia
braoca abainhado?, em dazia a 20400.
Ditos finissimos tambem abainnados a
30000.
Ditos com delicadas barrinhas de cores,
garantindo se serom Gxos a 20000.
Ditos finissimos de cambraia branca, tan-
to proprios para homem coa o para seoho-
ra, sendo fazenda qne sempre so vendeu a
60000 e liqoida-se a 40000.
LENQOS BORDADOS
O Pavio vende finissimos lencos borda-
dos para mi sendo da finissimas camorras
de linho ricamente bordados sendo fazen-
da qae sempre se vendeu a 40003 e 50000
e liquidam-.-e por se ter feito ama grande
compra a 10600 e 20000.
CHAPEOS DE SOL.
O Pavio vende chapeos de sol de para
seda com barras tendo de todas as cores e
sendo com cabos de canoa 6 mnito leves,
fabricados no Porto, sendo fazenda qae
vale 140000 e liqoida-se por ter ama gran-
de porcSo a 100000.
Ditos com delicados cabos de marfim a
160000.
Ditos pequeos proprios para senhoras
o meniaos a 800(0.
Ditos de alpaca com armacao de chapeo
de sol de seda a 40000 e 40500.
PUNHOS E COLLARINHOS.
O Pvo tem grande sortimento de p-
naos e collarinbos de linbo e algodio, pro-
prios para bomens qae vende por preco
maito barato*
CASINETAS ENFEITADAS.
O Pavio vende cortes de casinetas en-
testadas de algodia de quadros, para cal-
cas pelo barato preco de 10000 o corte.
A mesma fazenda em covado tendo duas
largaras qot tambem serve para roopa e
vestidos de escravos a 6.0 rs.
BRINS.
O Pavio tem grande sortimento dos ver-
daderos brins de angolia, proprios para
calcas, eolletes e palitos a 10003 o covado.
Dito maito bunito imitaco a 800 rs. o
covado.
Brins brancos de linbo dos melhores fabri-
cantes que tem vindo a este mercado, de
10000 a vara at 40000.
Brios de cores pira todos os precos a
qualidades.
Ditos pardos de 640 ri. a vara at 10600.
Dito pardo liso maito encorpado, para
roapa de escravos a 400 rs. a vara.
WHf ttttf WttMYM M fks*f M
klUM & C.|
Ra do Bom Jess u. 55 2
Vendem *
folhas pan te- %
Ferro gavalnisado
Ibas.
Leite condnsate.
Cognac Martineta.
Vinho de Bordeo* em caixas
Tommard
Votnay I
Haut Paterna
Pentttae
Vinho de Rbeno :
Scharlacbberger
Ktsflesbeimer Berg
'Hoehkeiraer Berg
10, Marco Crumer auslese
Kaaenthaler Berg
Steinbergar Cabinet
***** ********
Libran sterliaas.
Vende-se ao armasen de fazendas- do Angoata
?. da Oliveira & C, i rna lo Gommerelu n. 41
Qaando parece qne nao ha mai? noridade a
descobrir, nam objeetos de mala phantasia, alm
dos qae tem appareeido al agora, eia qne a Nova
Esperanza recobe es mais elegantes e mais mo-
derno?, de forma qne indispensavel aos apre-
ciadores do bom appareeerem constantemente m
dito estabelecimeot aQm de osarem o qae ha de
mais chique no mando das modas; agora mesmo
a Nova Esperanza recbenos em to grande
qnantidade qne mesmo nao sabe por onde come-
ear; pelo ultimo vavor chegado da Earopa aca-
ba receber os segaintes, anda nao vistos neste
mercado, como sejam :
Malos aderecos de tartaruga.
Palseiras e erntes de urtaroga.
Lindissimos pincenez com arcos de madreperola e
marQm.
Delicadas bengalas de nnicornlo, (a imitacao)
Bonitas gaarni(des de seda para senhoras.
Lindos chapos de paiba escara (noridaJe).
Esses artigos nao se pode fazer ama idea del-
les sem qne sejam vistos; por uso a Nova Espe-
ranca ,a raa Duque de Caxias n. 63, apressa-se
em convidar a todos geralmente, e com especiali
dade ao bello sexo para vir aprecia-lo3.
Queris fazer om presente ?
Queris preparar um vestido ?
Queris ter nm boro ebeiro em vosso toncador I
Queris am lindo leqae de qaalqaer qaalidade ?
Queris no uno oleo tnico on banba para vosso
cabello ?
Nao indaguis nem procuris em ontra parte, por-
que correris o risco deJvos cansardes e nao en-
contrarte*; dirigi vos logo a Nova Esperanca, rna
Duque de Caxias n. 63, onde terels a eerteza de
aehardes e por preco rasoavel.
Nova remessa
Aquellos engranados pedes qne dan-am um
qaarto de hora mais ou menos, mostrando diver-
ses caracteres, a Nova Esperanza reeebeu ultima-
meetc.
Nao se arrependam
E'
certo qne qaalqaer pessoa, qaando compra
BOJ
am frasco de extraelo, banba, ou oleo, um enfeite,
am lenco, nma Uta oa oatro qaalqaer objecto ,
desaja que seja bom e da moda ; por a, qoas
sempre temos o dejprazer de ver essas pessoas
desgostosas e arrependi las, e porque ? por nao se
dirigirn) a nova loja da Magnolia, rna Duque de
Caxias n. 45, que quero Ibes p Je supprir de
bons extracto?, de um lindo enfeite, finalmente,
daquillo qae houver de melhor e de mais elegaa-
cia po mondo das modas.
Soffrera' quem quizer
Qaaotas pessoas vamos sofrer de BWvoeo, e
com especialdade as mos I os anneis-eletrieos
de Royer, i cora infallivel para semelhante mal,
e porque se nao faz uso delles T talvez e3sas pes-
soas lgo>rem o sen effeito, e qne a Magnolia, raa
Duqn de Caxias n. 43, recebeu desses collares,
e deseja que cada urna dessas pessoas comprem
o sen, aflm de var-se livre de um mal que na
realidade to incommodo.
Nao ha mais duvida
Qaem tem melhores e mais modernos artigos
de moda e phintasia a Magnolia raa Duqne de
Caxias o. 45 ; pois qae acaba de receber, alm
de outros amitos objeetos que se torna eofado-
nho mencionar, os seguintes : meios aderecos de
madreperola, brancos e de cOres, meios ditos imi-
tando coral, agulheiros de -madreperola e marfim,
cruzes de dito e dito, baldos com preparos para
costara, cintos modernos (novidade) chapos de
palha do cores para senbora, bengalas de uni-
cornio (imitaci) Com dabo de madreperola, rica?
camisas bordadas para senbora e para homem e
aderecos de marfiro.
MACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va n. 22, um sortimento de machinas para
costura, das melhores qualidades que existe
oa America, das quaes moitas j sao bem
conhecidas pelos seus autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover 4 Boka, Silen-
ciosas, Weed e Iaaperiaes e outras muitas
que com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fa/er
o trabalho que trinta costureiras podem
faaer diariamente e cozem com tanta per-
feico com} as mais perfeitas costureiras.
Garante-.oe a saa boa qaalidade e ensioa-se
a trabalhai com perfeico em menos de ama
hora, e os precos sao to commodos qae
devem a Farinha de maiioca
Superior e maito propria para mesa, em barr
ricas de farinha de trigo ; a ii0( n rs. a barrica
nos armazens de Tasso Irmaos & r
A 1^000.
Vende-se sapatos de tapete pe.) tarato prejo de
II : veaham ao Rival do Recife o. 50 A, loja de
miudeza.
Fadaria
Vende-se a padaria da Casa Forte, pertencente
a Gabriel O. Campo : para ver na mesma, e para
tratar com Tasso Irmaos & C.
Em cana de Tisset freres, na ra do Com-
mercio n. 9 ha pera vender :
Agaa de Vichy das fontes Hanbeiwe, Celestins,
Grande Grillo, Hospital e Mesdames, em caixas
de 50 garrafas.
Agaa de Cbateldon. excellente agua de meza,
em caixas d 80 carrafas.
Agaa de Vals das lomes Prstense, Migdaline,
Desire, Sante Jean, Rigolelte e Donimiqae, em
caixas de 24 garrafa?.
Ccgnac das marcas : Blanchy frres A C
Royer Guillet & C.
________________Mar;\il frres de Velros.
Nao laa mais cabellos bran-
cos.
Tintura Japi>neza.
S e nica appruvaria pela academia de scien-
cia, reconht ctda superior a toda qae tem appare-
cido at boj;. Deposito principal roa da Cadeia
do Recife hoje Mrquez de Olinda n. 81, i an-
dar e em todas as boticas e casas de cabellci-
reirn.
Yerdudeiras bxas ham-
burguezas
.iico deposito era Parnambaco : n. 53 raa da
Cadeia o. Sil, primeiro andar.
II H
Na Magnolia
E* geralmente a resposta que se da, qnando al-
goeni perguota, onde encentrare! um lindo sorti-
mento de leqoes ? ama rica caixinba com msi-
ca para costura ? um lindo lbum ? am objecto
de gosto para fazer nm presente ? onde poderei
achar u-n completo sortimento de objeetos de mo-
da e por precos eommodos ? sempre a res-
posta, na nova loj da Magnolia, roa Duque de
Caxias n. 43.
Claro, pt.riflcado e transparente, em barricas
grandes de 10 e II arrobas, o melhor qne se pode
desejar par, o fabrica do sabao : nos armazens de
Tasso Irmoi &i.. caes do Apollo.
A 24000
O Rival do Recife receben grande sortimento
d coques os mais bonitos e molernos qae tem
vindo ao mjrcado, os quaes vende a 2*000 por
ter grande quantidade; venham a ra do Mrquez
de Olinda. amiga da Cadeia n. 50.
Cuidado.
Os collares Royer, sao privativos das convol-
soes na; trian(as e garanta do feliz desenvolv-
ment dallas, porm, mUler que sejam verda.
deiros e novos : mnitas vezes, vemos pessoas com-
prares e nenhura resalla-lo obter, porque T por-
que nao teem o cuidado de proenrarem dos ver-
dadeirSs, assim a Magnolia rna Duque de Ca-
xias n. i5, que receoeu desses collares, e elle
rece aos pas de familia garantindo-lhes o real
desenvclvimento de sen effeito.
IOTA PAR TODOS
Todos devera cortar daqui este annuncio e tra-
ze-lo na carteira on livro de leoibranra, como cau-
sa de grande til Hade,
PORQUE .'ELLE
indica onde com certeza se pode encontrar ou eo-
commendar um bom presente qae de improviso se
qaeira mandar a qualquer pessoa,
ASSIM COMO
indica elle onde se poder encontrar um fiambre
bem preparado, nma empada, um gatheaux de la
reine, um maug.tb, um puding, um bolo fino, nm
po-de 16 e urna inflaidade de bolos e pastis di-
versos, proprios para lanche, sobre-mesas e ma-
readas.
ALEM DI5S0
iniiea mais onde se encontrar sempre : frnctas
do tempe tanto nacionaes como estrangeiras, ddees
seceos e em calda nacionae e esirangelios, licores
e vinhos finos, conservas alimenticias e excitantes,
bolaxinhas e bolinbos para cha e ontros mnitos
objeetos que se tornara por demais enfadonho a
saa intein discripeo
E FINALMENTE
para que se possa fazer am jaizo aproximado
SO' INDO PESSOALMENTE
a eonleitaria do Campos
Roa de Imperador n. 24.
Tome-se bem a camella de que, a frente deste
esiabelecimento se acha collocado um lampeao qae
se conserva aceso noute, at as dez horas.
O verdadeiro Portland : s se vende na
roa da Madre de Deus n. 22. armazem de
Jo3o Martins de Barros.
Desappareci o nervoso
Os horneas que .'odrera de nervoso as raaos es-
cialmente quando escrevem iateiramente preju-
dicial ; mas, querendo ver-se livre desee mal, ve-
nham a Nc va Esperanza e comprem um annel
elctrico qot o mal desapparecer; assim tambem
a seohora ]ua sofTrer de igual mal comprar
urna palaein elctrica e Jicara perfeitamen'.e boa
boa ; todo isso s se encontra na Nova Esperanza
ra Daqut de Caxias n 63.
O CORAClO DE ORO
Liquida suas joias por terde acabar o estabe-
lecimento, ha grande reducqfto mesmo nos precos
das entradas.
N.2D Ba do Cabug N.2D
AZAR NACIONAL
Llfillll
Lourenco Pereira Mendes Gumares
Participa ao respeitavel pablico, seas amigos e fregnezaa qae, lendo-se dado no dia
28 do mez prximo passado o incendio na loja de miadezas jooto a saa, foi obrigado
a modar todas as soas fazendas para a mesma raa da Imperatriz n. 77, aonde foi a bo-
tica Popular do Sr. C. Cat5o A C e tendo de entregar esta casa no fim do mez son obri-
gado a fazer orna grande liquidarlo de todas as soas fazendas qoe se liaoidam sem re-
serva de preco. Roa da Imperatriz n. 77.
O
NOVIDADE.
Vende-se fustio branco para vestidos da
seDhora e roapa de meoinas a 300 rs. o
covado.
CA.SSA FIUN :EZ\ A'200 RS.
Vende-se cassas francezas pira vestidos
de senhoras e meninas 240 e 320 rs. o co-
vado.
LASINHAS PARV VESTIDOS A' 120 RS.
Vende-se lasicihas para vestidos a 120,
240, 400, e 500 rs. o covado.
CORTES DE CASSAS A* 25400.
Vende-se cortes de cassa de cores 2|>000
para liquidar.
CHITAS FINAS A' 340 RS.
Vende-se chitas franc-zas finas escaras
e claras a 280 e 3zO rs. o covado.
CAMBRAIA TRANSP \ RENTE A* 3,?000 A
PEQA.
Vende-se pecas de cambraia trasparente
finas a 3^000, 30503, 40000 e 50000.
Pecas de cambraia Victoria a 30500,
40000, 40500 e 50000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS.
Vende-se alpacas de cores para vestidos
a 440, 500 e 640 rs. o covado.
TIRAS E ENTREMEIOS BORDADOS
20000,
10500 a dasia, ditos de linho a 20500 e
40000 para liquidar.
CORTES DE BRIM A' 10COO. para
Vende-se cortes de brim de cor
calca de homem a 10500, cortea de ganga
a 10OCO, brim de cor a 320 e 400 ri. o
covado.
ATOALHADO A' 10000.
Vende-se atoalbado para toalhas a 10000
o metro.
Bramante de 10 palmos de largara a
10800 e 20500 o metro.
MADAPOLAO A* 30)00.
Vndese pe$as de madapolio a 30000.
40000, 405OC, 50000 e 60000.
COBERTAS DE CHITAS A' 20000.
Vende-se cobertas de chita a 20000
cada orna,
ALGODO A' 30000
Vende-se pecas de algodaosinho a 30000
40000 e 5J000 a peca.
ROUPA FEITA.
Vende-se camisas brancas 20000, 20500
30000.
Seronlas a 10000, 10500 e 20000.
Palites de panno preto a 50000, 70000
e 1000(0.
Palites de alpaca preto e de cores a
PERFUMARAS PARA LIQUIDAR.
Vende-se entremeios e tiras bordadas: 20500, 30000 e" 305CO.
para enfeitar vestidos brancos a 20000 e
20500, 30000 e 40000.
SALAS BRANCAS A' 20000.
Vende-se saias brancas e de cores para
senhora a 20000 e 3000.
CHALES A' 10000.
Vndese chales de 18a a 10000, ditos de
merino estampados a 20000, 30, 40e 50.
LENCOS BRANCOS A 10500
Vende-se lencos bran:os com barra a
ARMAZEM
DO
CAMPOS
Ra do Imperador n. 28.
Fiambres.
I'reiuntos.
Salames.
Cbourica?.
Conservas.
iardinhas.
Amendoaj.
Chocolate.
Araruta.
Notes.
Batatas.
Arroi.
Paios.
Caf.
Figos.
Cha.
Manteiga
licores.
Doces.
Gelas.
Baoba.
Rap.
Gar.
Feijao.
ingleza e trance-
28
A 14500
Vende-se Ieque3 muito delicados e bonitos pe-
lo diminuto preco de 1*500 : venba ao Rival do
Recife n. 50 A.________
ATTENCAO
Cimento Portland, barricas de 240 libras.
Salsa parrilha muito nova.
Sola em meios.
Cervtji brauca em botijas e meias botijas.
Vioho champagne superior.
Cognac M.rinl.
Genebra 0d Tem, frascos grandes.
E-tes artigos se vendem por precos moito ra-
zoaveis na ra do Vigario d. 16, escriptorio de
lotqahj Gerardo de Bastos.
Cartas finas,
A Agoia Branca ra Duque de Caxias d. 80,
receben novamente mu boas cartas francens
con os cantos douradoi, e todas est vendendo baratamente.
e as
A 4^500 rs.
Vende-se saecs de multo bom milbo : nos ar-
maiens r a do Amorim e caes do Apollo, de
esaoa l-mao.- & C.
AON. 9
No progre o do pateo do Carmo vende-se man-
teiga ioglt-za ll.r a 800 rs. a libra ; issim como
lem om bom sertimento para qualquer ebefe de
familia vir fazer sua dispensa, que encontrar
precos mais commodos do que em qualqner outra
parte : portaoto pede-se atienco do respeitavel
publico.
Lehmanii Frres vendem
libras s'.erlmas : a' ra do
Crespo n, 16, primeira andar,
Quem nao comprar
O qoe y? lie 12S0OO por 5SS0O?
Meias ingluzas mnito encorpadas para senhoras
a 55300 a dt zia, ou 500 rs. o par. Na loja das 6
portas em fronte do Livramenio.
Terrenos no Ctanga'
Vende-se terrenos no Caxaogi, no povoado, com
a frente para a estrada nova, maito proprios para
edifleac.ao por serem altos, e a cbea nao os cobre:
qaem pretender dirija-se ao mesmo lagar a en-
leader se con o Sr. escrivj Salgueiro, que dar
as inf'raagS s necessarias.
ceza, avus em conservas,
cerveja de todas as mareas,
queijos do sertao, prato, fia-
mengos, sqsso e londrino,
leite coidensado, araruta
em latas, frnctas em calda,
charutos dos melhores fa-
bricantes, massas para so-
pa, ateite doce, cebollas,
albos, toucinho e urna inli-
dade de gneros e acepipes deleitaveis e por pre-
sos asss commodos, qne s se visitando, diaria-
mente o armazem do Campos, qne se ple crer
de que s elle o nico que est habilitado
a fornecer, vontale dos amantes da gastrono-
ma, puros u saboroiios gneros alimenticios I I
E' muito commodo!
^SSfi O Campos, nico que
^^^ procura desvellalamente
C i agradar aos seus fregu-
^s*- zes e amigos, conside-
rando qae muilos delles
jmM (6 0 publico em geral
J2^ deixam de vir ao
*--"i armazem por morarem
^^^ mais longe, presla-se a
mandar levar gratis quil
3SS Quer genero comprado
mj era sen armsrem, qner
^^J2 dentro da cidade qner
dos seos suburbio?, poir
J2J? qae para e.'se lim tem
^^^ um moleque aptol...
t* Finalmente
t^^^, oCarofosni) querendo
^0^L dar massada sem dis-
P"'1"1' trahir e deleitar a todos
pede aos adeptos do pra-
zer da vida, de virem ao
sen armazem aQm de
examnarem o competo
sortimento que se acra a
m i n
Amaral, Nabuco & C. vendem aza de morca de
todas as cores, fazenda especial para cobrir es-
pelhos, quadros, imageos, ate. ele a I* o covado :
no Baiar Victoria, ra do Barao da Victoria n. 4,
amiga rna Nova.
Bazar Victoria
Amaral, Nabnco A C. vendem trancas, gales e
franjas de diversas larguras, lantijoulas, moscas,
borboletas, passaro?, etc etc., de diversos forma-
to?, lodo d orado verdadeiro, aderemos, brincos,
correales para re gio e voltas do plaquet fino
para senhora e meninas, de apurado gosto : na
ra do Uaro da Victoria n 2, amiga rna Nova.
Vende-se coqueiros pequeos no sitio do
Cafund : quem pretender compra-Ios dirija-se
estrada ue Joo de Barros.
Vender {lous sohradinhos de um andar, a
chaos proprios, obra moito nova, sendo bem cons-
truida, no melbor logar da Casa Forte, tanto para
moradia como para negocio, os quaes rendem 70
sen mensaes, e o preco convida aos compradores :
quem pretender dirjase so mesmo lagar a fallar
com Bekto Jos Domingues.
disposieao.
Respeitavel publico !!
Vende-se a padara da ra Direita dos Afo-
gados n. 21, assim como a casa onde est estabeie-
cida a mesma, a qoal tem bastantes commodos
para familia; vende se mais tres escravos tnba-
Ihadores na mesma: os prelendentes podem dn-
gir-se ao mesmo esiabelecimento, que achar o
com qoem tratar.
Chitas escaras avariadas a 5500 e 6O0O a
pe?a : na ra do Crespo n. 20, ioj* de Gailherms
C. da Conha & L.
A
Jtx6rOS6UO
De primeira qualMade, marcDevoe? ven-
dem Pereira da Cuaba Irmaos, raa do Marque
de Olinda o. 21.
a
Finas esponjas para toilette, e proprias para la*
var mofeis, veaie-st no Bazar Victoria, ra* Nova
n.1.
CAVALLO
Vende-se um eavalio, melado, bom andador de
baixo a toeio e esqulpa algama cousa, bonita li-
ara e bstame nov; para ver na eoxeira do
ino, roa do Apollo, e a tratar na ma do Cadeia
o.SOA.
Veaie-se c
JUlcttfo
hotel Lnzitano
aito no pateo do
Ter?o o. 27: i tratar ao umbn pateo i, li.
FUNDS
DE
BORRACHA
Rainha das fondas!!
Esta nova invenclo de fundas a mais perfelta
de todos os svateraas conhecidoe at boje, nao ten-
do molas, nao enferrujam, nem qoebram, prei-
tam-se a lodosos movmentos o corpo. preeioso
para vlagens a cavado. nico deposito na phar-
macia americana, de Ferreira Mala & C, raa Do.-
que de Caxias n. 57. ______________
Na ra do Aleorim n. 20 vende-se deas ca-
tallos gordos o bons andadores.
quem precisar
Vende-se duas vaccas maito bonitas e maito
boas de leite, ambas paridas de novo e viudas
ltimamente de S. Benio ; assim cojjo urna bo&
borra para carro on para sella, mansa e de bo-
nita cor: as pessoas que precisar dirijam-so a roa
da Crnz n. 54, qne enceotrao etra qoem tratar.
Cimeuto Portland
Vende-se no armazem da coa de Domingo* Jote
Martins o. 136, (antiga ra da Senzalla) e travs**
da Madre de Baos n. 45.
VENDE-SE
im sobrado de dous andares aito i ra* da Mceda
n. 19, e os terrenos que fleam nos fondos, tasa
frente para a travessa da Compaohia PernaraLtica-
na, e capacidad* para dous bons armazens pro-
prios par* recolbimento de aljoio oa qaaesquer
outros gneros por ser perto do embarque ; a ir>
tar em can de Tasio IrmaV)3 4 C.
i
*--

\
Venle-se om frasco com pumada franca-'
za a 200, 320 e 500 rs.
Ven-le-se om sabonte Bno a 200 e 320
Vende-se am frasco d'agoa de cologue a
240 e 32) rs.
C cairos mnitos extractos finos qae
vende sem reserva de preco, do Bazar Na
ciona!, na ra da Imperatriz n. 72.
'

V*
MOTILADO


i
AO 65
RIJA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Este eetabel aciment acaba de receber om importante sortimento de diveraaa fa-
sendas propriaa para vestidos, sendo poupelinas de seda, sedas, iSas, percales, ditas coa
barras proprias para babados, lindas cambraias croi, e em fim ama inflnidade d'arti-
gos de moda, ludo proprio para a festa, o qoe todo vender por precos inteiramentt
rooaveia, em conseqoencia de estarmos prestes ao fim do anno, e o 05 nao qaer te;
grande trabamo com o sea balanco, preferindo tomar dinbeiro a fazendas, convida-a
portanto ao reapeitvel publico a virem sortir-se na loja do 65 aonde comprarlo por pro
coa qoe nio obterSo em ontro qoalquer estabelecimento; em fim ver para crer
EUA DO DUOUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
# <
Rival sern segundo
Ra Doqtie de Gaixias n. 01, loja de
miodezas de Jos de Azevedo Mata e Silva,
oonbecilo por Josii Bigodintao, contina a
vender todo qae lera por meaos do qae
em outra qaalquer loja, a saber:
Corren tos pretas de borra xa
para seobora a 1)9500
Garrafas de agua Florida ver da-
de ira a i300
Caixas com obreias d massa a 40
Frascos com macaca perola a 200
Pacotes com poz de arroz fa-
tenda fina 500
Pares de botoes de osso
para panho a 200
Sabonetes de bolla maito fino
a 160 e 240
Cartas de alfiaetes de lati
fazenda boa a rs. 80
Carriteis de retroz preto com
2 ottavas a 600
Capacho de palha muito boni-
ta a 600 rs. o 700
Frascos com oleo Philocome a
500 rs. e 14000
Pares de sapatos de tranca
. para menino a 10500
Pessas de tiras bordadas a
500, 660, 800 rs. e 10000
Frascos com agua de Colonba
maito boa a rs. 500
Gravatas pretas e de cores a rs 4(0
Pessas de trancas modernas
de todas as cores e todo o
preco
k Libra de areia preta maito
boa a
Nvellos de linha com 400
.ardas a rs.
Livros da misso abreviada a
Silabarios portugaezes a rs.
Cartas com 100 contas im-
presas a
Caixas cora 30 novellos de li-
aba gaz branca a rs.
Gaitin'nas para meninos a 40,
60 rs. e
Caixas com 12 frascos de
.heiros a
Caixas com 6 sabonetes mai-
to finos a rs.
Pentes para segurar cabello
de menina a 200 rs. e
Chapeos brancos para bapti-
ados a 20500 e
Copinbos com superior banba
200 rs. e
Frascos com oleo para cabel-
o fazenda fina a rs.
Frascos com oleo Baboza a
500 rs. e
Frascos e garrafinbas de agaa
de Colonba a
Frascos com verJacleiro azeite
para machinas a rs.
Redes com contas para segu-
rar cabello a rs.
Latas com banha de Piver a
00 rs. e
Garrafas com agua Celeste
maito fina a
3&
A AGU!
160
60
10500
500
10500
500
80
10500
800
320
40000
320
320
10500
500
400
320
Ra de Duqre de Caxias n. 50
Receben :
Lindas eaixinhas com os necessarios para mar-
car roopa, sendo abeedano e nameracao, raseos
com tima preta e encarnada, pinceis etc. etc. o
qae de certo aovidade em tal genero.
Novos coques grandes com Dooifcs desenos
vindo entre ellos alguru enlejiados com fitas e flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Aderecos encarnados de madreperola.
Crazes pretas com enfeites doarados e ontras
brancas de cbristal.
Smaocome
Tnica especial contra a calvlee
Com nm bello sortimento de perfumara que a
Aguia Branca acaba de uceber veio tambem o
apreciadoSmaoconecujo proveiloso effeito
j bem conbecido por quantos o tera usado e ser
anda mais por aquelles que necessilam de sua
utilidad. O continuado uso do Smaocome d o
bom resaltado do impedir a queda dos cabellos,
faze Ids renascer e conservar o sen brilbo natural
alera de que .'cu odor mais agradavel qae d'ou-
tro qualquer tnico continua a ser vendido na! oja
:da Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Excelleote para acabar com as sardas, pannos e
espmbas no rosto.
Vndese a{o frasco, na leja da Aguia Branca
ra Doque de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumarias
proprias para presentes
Vendem-se na loja a'Aguia Branca mi Daqae
de Caxias u. 50.
Modernas e lindas casaquinhas
para senhoras
A aguia branca ra Duque de Caxias n. 30
recebeu urna pequea qoandade de lindas casa-
quinhas de lia branca primorosamente enfeitadas
com setim de ore?, obras essas lio modernas
quao lindas. A prova dessa verdade est no apre-
co que Ibes esiao dando as Exmas. apreciadoras
do bom.
A Aguia Branca
NA
lina finque de Casias n. 50
receben bonitas bolsinbas com necessarios para
crochet.
Agulneiros de osso com agulhas e cabo para
ditos.
Papel verde liso e listrado para folbas de rosas
Dito de cores para flores.
Dito fino verde e pardo para cobrir os talos das
rosas.
Dito de cobre de cores para flore?, sombra, etc.
Lindas bonecas enfeitadas, e ontras com rosto,
inaos e ps de porcelana.
Modernos aderemos de madreperola.
Ditos de fllagrana dourada com camapheos.
Ditos pretos, gesto inteiramente novo.
Grates de madreperola.
Delicadas carteiras eom capas de marfim.
Ditas pequeas proprias para lembranya.
AGUA DEBTBIFICE
ARHAZEM DOS LEES
Ra Duque de Casias n. 29.
0s propietarios deste bem montado eslalielecimeoto scientificam 10
respeitavel publico dtsta provincia que se acban; com om variado e completo sorti-
mento de movis, tanto nacionaes como estraogeiro, sendo estes escolhidos por om dos
10808 qoe se acha actualmente na Eoropa. O mesmo tem cootractado com os melhores
fabricantes daqnellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais habis artistas des tu genero, e por isso pedern qae ve-
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrado a realidade de qoe acabam de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., eie., gaarda
vestido de amarello, guarda lonfa de nogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radores dedto dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretabas da Jacaranda e naognocus tareira ae mogno, san-
tnarios, thears para bordar, "bercos, lavatorios com etpelho, de pedra marmore e seos
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e me toa ontros artigoa qne deixamos de
mencionar por se;tcrnar enfadonho
ATTENCAO
GRANDE REDUCtfO EM PRECOS
Antonio Pedro de Souza Soares, com loja de miudezas na
raa do BaiSo da Victoria n. 28,
PEDE AS EXMAS. FAMILIAS MITA ATIENC0 PARA OS PRECOS ARAIXO
ESPECIFICADOS, A SABER:
-
i
\
Adamson Howie
4 C.
Vendem:
Cerveja Bass, em barra pequeos.
Superior cognac, em barril.
Vmho Xerez, dem.
Charutos de Havana.
No seu armazem, roa do Commercio ;fi
B-iO. ^
DO
DR. P1ERRE.
a. Aguia Branca ra do Duque de Caxias n.
30, recebeu essa apreciavel agua dentriflee do Dr.
Pierre, cuja superionde bastante conbecida.
Colares Royer
C3ntra as convulqdes e a favor
da dentiqao.
A Aguia Branca ra Duque de Caxias n. 30,
lo500 recebe por todos os vapores trnceles certa quan
lidade desses apreciavels colares Royer, e por isso
est sembr provida dos mesmo. Ja bem co-
nbecida a nlilidade desses colares Royer, e me;mo
a necessidade que ba das crianzas os trazerem ao
pescogo para assim estarem privadas das conval-
eces, e contarem com fcil denticSo. Esses cola-
res Royer que se vendem na loja d'Aguia Branca,
i ra Duque de Caxias n. 30, bem merecidaraen-
te se Ibes chamamSalva vida das criancaa.
Cerveja de Noruega.
Verdadeira e superior : venda nos armaien:
de Tasso lrraaos & C.
Cimento.
O verdaJeiro Portland nglez ; se 'ende na
ua do Amorim o. 39, e mais barato qae em ou-
i i qualquer parte.
Arroz*de casca
Superior em saceos muito grandes: as axma-
ens de Tasso IrmSos & C.
Camisas bordadas para se-
nhor.
Amaral, Nabuco de G. vendem ricas camisas
bordadas para senhors, ditas para crianzas de 1 a
10 annos de idade, ditas para hornero tambem
bordadas e lisas : no Bazar Victoria n. i, rna do
Bario da Victoria n. 1
Xarope Hydrocotyia Azia-
tica
A hydrocotyia aziatica orna planta qae
se acha muito a miado em Mauricio. Borbao,
Singarope, Bombaim, Madras, e ontras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
mnitos annos est empregada com a maior
efficacia centra as diversas molestias de
pelle, taes como o lidien, o eczema, o acn,
prurido, o pemphigo, a lepra vulgar, a
"lephantiam, a$ ulceraedes scrofulo2as ou
typhititi&ts, assim cerno contra todas as
doencas conbecidas debaixo do nome gene
rico iartros. Experiencias numerosas feitas
felos mdicos dos bospitaes de Paris, sobre-
ado no hospital de S"'. Loiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provarto a fficacia
dessa planta nos casos igualados cima.
Deposito Pharmacia Americana deFerrei.
a Mait A C, roa Doqoa de Caxias n. 57-
Libras esterlinas
Vendem Pereira da Caoba Irmios, raa do
Mariner'de (Voda n. 51.
CHINAS
DE
I
A verdadeira cerveja da Baviera, marca bao-
deira, de superior qualidade : vendem Tasso Ir-
mos & C. em sea armazem da ra do Amorim
a. 37.
Meias de la
para horneas e seo horas
A Aguia Branca ra Doque de Caxias n. 50,
reeebeu mu finas meias de la para borneas e
senboras, ecomo sempre vende-as por prec,o cora-
modo.
Libras sterllnas
Vende-se no armazem de II. Lundgren, raa do
Commercio o. 4.
Fabrica de pianos de J, Rhi-
gas, successor de J.
Vignes
Julio Dhibant, na amencia do Sr. Jos Rbigas,
acba-se encarregado da saa oQicina de pianos, sil*
ra do Imperador o. 53, ende o encontrarao
sempre prompto para cenceos e atinaedes de
pianos Acba-se na mesma casa, no i* andar,
venda, grande qnantidide de msicas de pianos de
bons autores, e de varios precos.
Vapor usado.
Vende-se nm vapor ds torca de qnatro cavallos,
de ptima coosiraocao, e em muito bom oso, pro-
prio para eogeobo de assucar ou qualquer oolro
mister: a tratar no armazem o. 23 da travessa
do Corno Santo.
------
Luvas d^ camu sa
A Aguia Branca raa Daqae de Caxias n. SO,
receben lavas brancas decamursa mu floa, pro-
prias para militares e mesmo para montara.
Vende se ama mobila toda da Jacaranda
a raa Neva n. 83, loja. -^____________^
P0TASSA
Da Rassla, nova, em barrls luTeiros e meios:
vendem Pereira da Cuaba Irmios, roa do Mar-
que: de Oada n. 21.
DE
SINGER MANFACTRING COMPANY
Grande redne^ao de presos !!!
! 90^000. 90*000. 90*000
AVISO ESPECIAL
A alta reputado obtida pelas machinas fabricadas pelo
srai mmiwi mm
i f i
tem levado diversas pessoas a fabricar imitaees qoe ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Singer.
&NENHUMA MACHINA SI.\-
ER K' i.i:<.ifiw\ SE
NAO LEVA ESTA MARCA FIXA
NQ BRACO DA MACHINA.
PARA EVITAR COITRA-
FACCOEH NOTEM-SE REM
TODOS OS niriAMiis
Sapatos de tapete para homens e
senhora a ......
Dnzia de talberes 2 R muito bons a
dem dem 1 botoes (com pequeo
toque) a.......
dem idem c; bo de viado a imita-
C5o a....., .
dem idem cabo branco cravados a
Dozia de peca de trancas de cara-
col brancas a rs.....
dem idem lisas a rs.....
Grosa de botoes de osso pretos
e brancos a rs......
Dazias de pecas de cord5o impe-
rial a rs........
Caixa de linha de marca a rs. .
Caixas de msica de tocar por rna-
nivella para crianzas a. .
dem de pecas de Ota de linho cbi-
neza a .......
Carteiras para notas a rs. 320 e
Meios aderecos pretos com cama-
feo (broxe e brinecs) a .
Grande sortimento de espelbos,
moldurado, donrado e tonca-
dores de 2500 a .
Resma de papel pautado e liso a
3,JOOO, 3*500, 45000 e .
Caixa de papel amizade muito
superior a rs......
dem idem beira donrada a rs.
dem idem de quadrinhos a rs. .
Caixas de envelopes de porcela-
na a rs........
dem idem a rs. 400 e .
dem de penuas a rs. 400,500 e .
Abotoadnras para collete, grande
variedade ars......
dem domadas para punhos a rs.
Dozia de baralbos francezes a. .
dem idem idem canto donrado a
Lamparinas a gaz a .
Completo sortimento de fitas de
sarja, de todas as largoras, co-
res e precos. .
I 280
505OC
4*300
3,5000
3*000
400
200
200
320
280
5*000
1*000
dem idem de velludo encarnada,
pretas e ditas com beira bran-
ca .........
Coqoes de trancas modernos a 4*000
Miscrocopios a......20000
Mimosos leques de osso para se-
nhora a.......9*0?-'
dem idem de sndalo com lan-
tejulas a.......5*000
dem idem a imitac3o a 20200
Transparentes com paisagens para
janellasa.......11*000
Bico de seds proto e branco peca
de 20500 a ...... 7*000
Fita de setim Maco escosseza lar-
ga, vara a......3*000
Collarinbos bordados para bomem
dnzia a.......80000
dem idem lisos a.....7*C00
Caixa de linha do gaz a rs. .
400 i Garrafa de tinta roxa extra fina a
i Potes de dita iogleza a rs. 100 e
1*000
800
1*000
160
3*500
4*500
700
800
640
Ferros para frizar, diHerentes pre-
cos.........
PERFUMARAS
Garrafa do agna florida verda-
deira, a.......
dem idem kananga do Ja pao a .
Frasco de oleo philocome verdadei-
ro a........
dem idem antique a rs. 400 e
Rcsas com extracto a .
'Frasco com extracto de 10000a
800 Macos de sabonetes inglezes muito
500 bons a rs.........
10000 (Dozia de sabonetes de anjinho a
I dem idem de coraco a .
2001 Pacotes com pos de arroz moi-
5001 to fino a rs. 300, 400 e .
20600 Caixas com dito moito fino ka-
30600 nanga a........1*500
1*200 Frascos com agna de Colognea rs.
500, 1*000 e.....10500
Garrafas com dita o que ba de me-
lbor a 30000 e.....4*000
1*300
10300
1*000
500
10800
40000
600
2*000
1*5C0
500
QUINQUILHARIAS
E orna ir Onidade de objectos qoe se tornarialongo mencionar.
N. 28 Ra do Barao da Victoria N.
28
MARCA.
MARCA DA COMPANHIA
A companhia, dse jando proteger seus amigos e freguezes contra as imiuces, tem
adoptado a marca cima representada.
Previne-se ao poblico de nao comprar machinas que nao revem a marca da
companhia.
W. H. CHiPMI
NICO AGENTE
N. 45 Ra do Imperador N. 45
a casa 4a raa dos Gaararapes o. 11
o commeudador Taaso.
a tratar eom
Moeda tie ouw
Na raa do Apollo o. 20 vende-se Hbru ata-linas.
Mabille S roa la
Vende-se o otfl Mabille "ruara Floren
tina n. 11: qnem pretender dirija -se ro* de
Crespu n. i6, audar.
Bom negoeio
Vende-se ama boa casa terrea em chaos pro-
prios, eom 5 qoartos, 2 salas, coiinha externa, nm
graide qotofal plantado e mando, tiu na Capan-
ga, ni das Greoalaa n. 6 ; veide-se tamben par-
te de ama entra casa terrea, sita roa da Vasta-
ra n. 2 ; a tratar na raa de Marco n. 7A, 1*
attdtr.
AC e ferro em vergoinha.
ARADOS e grades para lavrar a trra.
ROMBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e casados.
CARBINHOS de m3o. -
CHUMBO em cano, lencol, barra e monicSo.
COBBE em lencoes e armellas.
COFRES de Milner e ootros.
COUROS preparados.
CIMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTRO-PLATE em obras finas.
ENXOFRE, limalba e salitre para fogneteiros.
ESPINGARDAS, revrolvers e pistolas.
ESTANHO, em vergainba e barras.
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e peqaenas.
FOGES americanos e inglezes.
O FORMAS para purgar assocar.
FELTRO para caldeiras.
MACHINAS a vapor.
DITAS de lavar roopa e picar carne.
DITAS de cortar fumo, estivar algodao (macacos.)
DITAS de descarocar algodao mao e a vapor.
LEOS, azeites, sabio e triccal.
PAPEL de diversas qoalidades.
PEZjS francezes de todos os tamanhos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS estanhados.
ZINCO em folbas lisas e forradas.
s

~ Esteiras ia India
Para forro de sala, brancas e de xadrel, em pe-
cas de 40 fardas: vendem Pereira da Canha Ir-
mo, raa do Marqaea de Olinda n. 21.
Fazendas baratas
LENCOS de linho fios eom barra de cor, abainhado lao a 91 a dozia.
POPELINAS a 1*500 o covado.
SEDINHAS a U300 e covado.
CAMISAS Bordadas a 60*000 a dnzia.
VESTIDOS de phantasla a 15*000.
A' loja da Tarqneu, raa Nova o. 9.
5W?*W!?)0
^S.-LL
mi


MinuZI
^BHBDBBIBHHBM^


0MTM rrnaanka **
UrTEBATRA,
INSTRUGCO PUBLICA.
SE3UNOO OFFICIO "DO MINI-TRO BRASILKIRO
(Goo-inaa- 5))
Velar na observancia dos methodos adop-
tados no fnsir.o prima'io publico.
O reitor dirige e fiscaiisa esses sslabele-
cimantos ti. lo por si mesnio como com o
auxilio dos inspectores da academia e dos
inspectores primarios. Agiste s delibera-
rles das faculdades, roone a coramissio' d>-
melhorame'os, convoca as f*culdades, para
berarem sobre o programla dos corsos
e coordeoa-los entre si, faz proposita ao
ministro sobre os orcamenlos, estatu so-
bre as ques'as relativas s matriculas do*
estudantes, recebe os relatnos dos provi
sores, orginisa o quadro da promogao dos
fnoccionarios dos lyceus e propoj os candi-
datos para 09 emprego que vagam, cada
em qoe as escolas de iQ;tracgSo secundaria
'ejam inspeccionada pelo man.s urna vez
pV>anQo, vela na execogSo dos reglamen-
tos dos'estados as escolas primarias pu-
blicas, proo o^Bupistro as medidas pro-
prias para melboraris matnodos de ias
tracflo as escolas norraaes pTttor^kt jas
escolas prima is, apresenta academia om
relatorio sobre o estado da iD:trucg3o pri-
maria publica e particular, e preside ses
so da abertura das faculdades.
Ha em cada de artameotj um inspector
i academia escoibido pelo ministro entre
os membros da inslrncgao publica oa parti
cu'ar, contacto qoe seja licenciado e qoe te-
nhi dez annos de exerccio.
Elle d conta, sob a autoridade do pre-
feito, dos neg-cios relativ -s iostrocgao
primaria, e dirige, sob a do reitor, a admi-
Listrao3o dos collegios e Iy;eus.
O inspector da academia obrigado a
apresentar todos os tres mezes, ao reitor e
ao prefeito, dous relatnos sobre o estado
da ir.strucco primaria no respectivo depar-
tamento, sobre as nomeagoes e permutares
dos mostres e sobre as peaas disciplinares
qoe Ibes lenbam sido applicadas. Conla-se
nra inspector primario em cada districto
Na sede de cada academia exista ura con-
sebo acadmico campisto como se se-
gu
Um reitor, presidente,
Inspectores da academia,
DeSos das faculdades,
Sete membros csco'hidos todos os
tras annos palo ministro enUe as pessoas
notaveis da circumscripgio.
conseibo acadmico vela na observan-
cia dos membros adoptados para o en ino
pelo ministro, d seu parecer sobre as
questoes administrativas, de fazenda e de
disciplina; dan lo sobre as represenlagojs
felas pelos alumnos dos estabelecimeotos
da instruego superior e ootros as resolu-
goes das faculdades ou escolas accarretando
a privagao de mais de daas matriculas;
juiz em primeira instancia quando se trata
de faltas commettidas pe os estudantes fra
das aulas op escolas.
O conseibo acadmico reone se, por con-
vocacito do reitor, doas vezes por anno, e
pode ser convocado pelo ministro em ses-
slo extraordinaria.
Na capital de cada departamento existe
om conseibo departamental de nstruegao
publ!ca e corapos.o como se segu :
i" do prefei.to, presidente ;
2' do inspector da academia ;
3' de um inspector da instruegio prima-
jia, designado pelo m-nistro ;
4 do bispo ou de um seu delegado;
5 de um ecclesiaslico nomeado pelo
bispo;
6* da um pastor protestante, nomeado
pelo ministro nos departamentos onde nSo
existe orna igraja legalmente estabele-
cida;
7 de um deleg ido do consistorio israe-
jita nos departamentos onde nao ba consis-
torio legalmente estabelecido;
8o do procurador geral do tribunal da re-
lacio e do pro-Mirador da repblica ;
9* de om membro da relagao ou do tri-
bunal de i* instancia;
iu'de quatro membros dos quaes dous,
pelo menos, tirados do conseibo geral.
Os membros deste conselho s5o nomea-
dos por tres annos.
O conseibo departamental reune-se, pelo
menos, doas vezes por mez, e procede se-
gondo a forma d-terminada pelo decreto
da administrado publica de 29 de julbo de
1830, o quil se encontra na obra intitnla-
iU.Legislotion de l'inslrudion publique,
pagina 27.
As desp us com a pessoal da administra-
gao acadenica esli a cargo do Estado.
Os ordenados s3o os seguintea :
i* classe 2* classe 3* classe
Riitores frs. 15,000 12,000 10,000
Inspectores da aca-
demia
Secretarios da aca-
demia.- *
E'cnptnrarios di
academia
Escripturarios da
inspectora aca-
dmica
5.500
3%000
1,800
1,800
5,000
2,500
1,600
4,500
2.000
1.400
1.
2."
3.
4.a
FOLHETIM
LICXO AO MESTRE
ROMANCE
POR
A. A. TEIXEIRA DE] VASCONCELLOS
;(Gontinuac5o do n. 168.)| 3
IX
Correa em conversigoes affectaosas todo
esse da. Loiz de Mattos, doudo de amor
pela gentil viuva, e agitando-3e mais do que
lbe permittia a fraqoeza resultante da eufer-
midade. D. Francisca, procurando excitar-
lbe a paixao com olbares suavissimos, e
comexpressoes modestas e deicadas. A
boa Tbereza applaodindo os intuitos gene-
rosos do dalgo de Pacos de Ferreira, e
fingindo espanto de qae a inconsolavel viu-
va do sargento-mr, sempre esquiva a iodos
os bomens, se deixasae captivar t3o fcil-
mente d'este mancebo, embora a todos os
respeitos digno do sea amor.
Escrevea Loiz de Mattos a D. Matbilde
de Noronba pedindo-lbe qae viesse fazer-
lbe conpaohia, e o criado qae levoa a carta
trouxe a resposta vocal de qoe a Gdalga e
seos filbos fleavam a preparar-se para par-
tir e ebegariam antes do jaatar a Pacos de
Ferreira.
Teria cincoenta annos a Sra. D. Matbilde
de Noronba, tia paterna de Luiz de Mattos,
e, como, elle profundamente convencida de
qae a seo sobrmbo perteocia o coadado e
casa dos condes de Armamar. Fra casada
com Jos Goelbo de Lemos, senbor da casa
de Crestoma, fidalgo moi abastado, e coro-
nel de milicias da Maia, qae fallecer ao
cabo de poucos annos, deixando-lhe doos
filbos, Jeronymo de Lemos e Noronba qae
a completar viole edoas annos, e D. Mara
Joaquina dt Mattos e Sampaio qoe andava
nos desenove.
Era pessoa de grande seriedade e fina
1,600 1,400
As d apozas de escriptorio e das inspec
t5es do reitor correm igoalznente por con-
ta do Estado.
O local destinado para a academia, seos
movis necessarios assim como os do es-
criptorio do reitor sio torneados pela mu
oicipalidade da capital do districto.
O local e os movis necessarios para as
reunios do cosselho departamental, e do
gabinete do inspector da academia, assim
como as despezas do secretario tudo com-
pete ao respectivo departamento:
II
Faculdades e escotas de diversas ordens.
"Com a dtUominSgSo -geral de estabeleci-
mentn universitarios, achato-se classifi
cadas :
As faculdades de /teologa catbolica e
protestante ;
As faculdades de direilo e de medicina
e as escolas superiores de phannacia, qoe
de faci sao escolas profissiooaes;
;ls faculdades de sciencias e letras, crea
das para o tstudo das sciencias elevadas e
os doutonraantcs ; os cursos sao a cunt-
nuago e o complemento dus estudos d-s
lycecs: os prufessores sSo obrigados a esta,
em da e a estudar as descobertas mais re
cenes, para que a instruegao esteja sempre
ao nivel dos conbecimentos adquiridos ;
As escolas preparatorias de medicina e
do pbarmacia, e as escolas preparatorias de
instruegao superior das sciencias e letras
cujo titulo mesmo iadica a especialidad-
limitada.
Todos estes estabelecimeotos tem de
ommum entre si os seguintes atlributos :
i os de sujei:ar seus alumnos s regras
Uxas escolsticas e s matriculas qae coas-
tituem a verificagS) dessas regras ; 2 o de
conformar o seu systema de ensioo aos pro
grammas, cojo objecto especial o de ha-
bilitar para certos graos; 3o o de conferir
estes graos depois dos exames das materias
que devem aeoessariameote corresponder
aquellas cijos corsos fjram regularmente
seguidos pelea estudantes.
A estes estabelecimeotos estao ligados :
A escola normal 'superior, caja missao
prover orgaasagao da corporago de pro-
(essores, formando um cerlo numero de
discpulo?, admittidos em concurso, para o
ensn i das sciencias e das letras, e habili-
tarlo os para a licenciatura e para serena
substitutos.
A bibliotbeca da universiada que urna
collecgo publica, porm mais propriamen
le destinada, mesmo pela natareza das
obras qua ella contm, aos estudos e tra-
balhos dos professors e aspirantes aos
graos.
Eis aqui algumas liabas consagradas a
esses estabelecimentos :
Faculdades de tbeologia. A instrocgo
qoe se d as faculdades da tbeologia com-
prebende o dogma, a moral, a eacriptara
santa, a historia e o direito ecclesiastico, o
bebreu ea elequenia sagrada. Almdisso,
essas faculdades conferem diversos graos
na ordem de estudos que as concerne. Em
virtude do mesmo titulo qae as outras fa-
culdades, essas estao da mesma sorte liga-
das universidade.
As faculdades de tbeologia catholica s3o
cinco : em Pars, Aix, Bordeaux, Rooen e
Lyon. O seu pessoal comprebende 29
mestres, dos qaaes 18 doutores em theolo-
gia sao professores titulares, e 11 licencia-
dos ou mesmo hachareis. Estes s exer-
cem na qualidade deencarregado do cor-
sos.Os primeir as s3o nomeados polo che
fe do Estado e os segundos pelo ministro.
O ordenado fho de cada om de 4,000
francos em Paris, e de 3,000 francos nos
departamentos.
Para se obter cada grao, de obrigac3o
assistir aos corsos da faculdade, e nao se
pode ser admittido aos exames sem justifi-
car quatro matriculas : sao, pois, necessarias
edocago D. Matbilde de Noronba, e oa
casa de sea marido encontrara tradiegoes
to fldalgas e elevadas como as qae Ihe ios
piraram desde o b reo em Pacos de Fer-
reira. Affavel, bondosa, mas de carcter
grave e enrgico. Jeronymo de Lemos ti-
nha exsellente coragSo, pouco tiao, avers3o
ao eslulo e grande paixo pela caga. Sua
irmaa primava pela claresa da intelligencia,
rara sizudeza, e determinada torga de voo-
lade. Eram aSectaosissimos entre si, e
tojos tres sinceramente amigos de Loiz de
Mattos, a quetn D. Matbilde qoasi servir
de mi, e seus filbos queriam como a
ir alo.
Alvorogou-os a carta de Loiz de Mattos
por ser moi lacnica, e visivelmenta es-
cripta com mao tremola, assustando-os
anda mais a noticia de tur dado orna que-
da perigosa da qaal lbe resaltara febre e
delirio. Nao toi menor o espanto d'aqoella
honrada familia qaaodo o criado, depois de
responder a todas as pergantas, accrescen-
tou a novidade de terem chegado a Pacos
de Ferreira daas senhoras, urna formosa e
joven, e outra adiantada em anoos e mais
trigaeira do qoe a natareza destinoa qae
fosse a raga cauca iana, s qaaes Luiz de
Mattos bavia desde logo destioado aposento
nos quartos qae desde a morte de seos pas
nenhom hospede tioha habitado.
Foi baldado o nqaerito porque o criado
nao conbecia nem D. Francisca nem a aya.
Alfirmava, porm, qae n3o era familia, da
Silva, nem da igreja, nem de Pido, nem
de Cabaoellas, nem do Eio de Moinhos,
nem de qualqner outra casa de fida'gos,
parentes oa amigos dos senbores de Pacos
de Ferreira. Notava, todava, qoe por torca
deviam ser pessoas de grande linbagem e
respeito, porque as recebera immediata-
mente no sea qaarlo o Sr. Luiz de Mattos,
e por ordem d'elle, apezar de chegadas ao
alvorecer do da, j mandavam em casa como
se all bouveram oascido, principalmente a
mulata que visitara as salas e quartos todos,
abrindo e fechando as portas a faig3o de
quem tomava posae.
Deipedido o criado qaaodo ji se tinham
dalo ordeai para a ida a Pacos de Fer-
12 matriculas, qae representen tres annos de
assiduidade, pira ser admittido aos exames
de douioraaeoto.
Os regu lamentos das provas para a ob-
tengo dos grioa soffreram ootaveis modan-
cas ba anoos. a esta parte; actualmente si -
maito menos rigoroios do qoe enllj. Para
o bacbarelato supprimio-se a tbese impres-
as, e pira i licenciatura as tbeses toram
substituidas por composigoes escripias, ama
em laiim, outra em francez, sobre as qaaes
os candidatos sustentan ama argomeot ci.
A ibese impressa, precedida de aorexame
de toda a tbeologia, fica reservada para o
doutoramento.
Os graos ibeologicos -alo pouco desoja
dos em FraDga, primeiro porque ai faculda-
des n3o estao reconhecidas pela Santa S,
e depois porque se p le cbsgar is posig5es
uidis elevadas do ministerio ecclesiastice
sem ter passado pelas facaldades de tbeo-
logia.
Portaoto estes estabelecimentos contam
poucos alomos; em 1865 o total dos ou-
vintes matriculados as cinco facaldades
era de 37 e mais 375 simples ouvintes, ao
todo 412.
Daas faculd.des de tbeologia protestante,
a de Strasburgo, que ser agora transfer la
para outra localidad, e a de *' *'nhan,
ambas com a missSo de toro1 ~s
para suas respectivas K' jo o
aspirante ao minterio pasiurat e obrigado
a frenquentar os corsos dessas facoldade*
durante om lempo determinado, justificando
entre cutras coodig5as, possoir o grao de
bacharel em tbeologia. Os gras s3o obri-
gatorios.
Neatas duas faculdades existem 13 pro
fessoras, e destes 10 s3o titulares, para 141
o'iviotes dos quaes 32 smeue estao ma-
tricolados e seguem os corsos com regu-
laridade,
No orgomento da instrucg3o tbeologica so-
be a 160.000 francos.
Faculdnd de direi'.o.S. fundaglo das
escolas de direito data do prmeiro imperio,
e anda s3o regidas pela le de 13 de margo
de 1801 qae as organizoo, determinado as
materias de en-ioo e a distriboigSo das so-
las, a idade para a admissiu dos estudantes
o numero de matriculas, o numero e ordem
dos ex.m-s e os direitos qae. se pagam.
Os estudantes n3o podem ser admittidos
antes de terem 16 annos de idade.
As materias de eosino s3o as seguin-
tes : 1 direito civil francez segando a or-
dem estabelecida pelo cdigo civil, os ele
mantos do direito das gentes, o direito na-
tural e de direito das gentes, o direito ro
mano no qoe est em relago com o direilo
francez.
2/ O direito publico francez, o direito
civil no que se refere administrarlo pu
blica.
3.' A legislado criminal, e a forma da
processo civel e criminal, o direito commer-
cial e administrativo.
As nove faculdades de direito em 1870
estavam establecidas em Paris, Aix. Caen,
Dijon, Toulouse, Grenoble, Poitiers e Stras-
burgo.
Os estudos das facaldades de direito dos
departamentos estao divididos em set oa
oito cadeiras, e era 18 m Pars:
1 Priocipios geraes da escola de di-
reito.
4 Direito romno.
6 Cdigo Napoleo.
1 LegislagSo criminal e forma do proces-
so civil e criminal.
1 Processo civil.
1 Direito criminal e legislado penal
comparada.
1 Cdigo commercial.
1 Direilo administrativo. x
1 Direitos das gentes. ^
1 Historia do direito romano e de"direi-
to francez.
18 cadeiras!
A duragao dos estados de tres
e mais ama para os qoe desejam
rar-se.
annos,
dooto-
Os estadantes passam por om exame no
primeiro anno e por outro no segundo. Os
inspectores e professores podem aalorisar a
que se passem os dous exames dorante o
ultimo anno No terceiro anno os esta-
dantes passam por doas ootros exames e
defendem publicamente ama tbese, versan
do sobre todas as materias qae foram o
objecto de seas estados.
Os corsos dos estados de legislago cri-
minal e do processo civil sao de om anno,
reir, ticou D. Matbilde e os filbos a per-
der-se em colectoras acerca de quem se-
riara aquellas senhoras, desconhecidas dos
criados mais amigos da .casa, viadas all
sem homem nem escudeiro qae as acom-
panbasse, e todava receoidas por Luiz de
Mattos com as honras s asadas com as
pessoas principaes oa prximas parentas
SUaS.
Quem sero aquellas senhoras ? ex-
clamava D. Matbilde, voltando-se para os
filbos. Ser algama parela nossa de Gui
maraes ? Mas os Le i tes teem casa em
Louredo, os Pintelas em Moariz, 6 com
os Mellos anda o Loiz em demaada ba mu-
tos annos por causa do morgado de Carra-
patelo.
E neohuma d'essas senhoras, observava
a filba, vinha de Guimaries sem irado, p-
rente ou criada grave, hospedar-se em casa
de um rapaz aolteiro.
Teos razio, menina. E' oa verdade
caso singular. Nio acba?, Jeronymo ?
Tambera me parece. Mas o melbor
partirmos, e l sabe remos o resto. Eu
voa a p. Quero dar por esses campos
quatro tiros s cordonizes.
Valha-o Deos.) menino. Pois, nem
agora, qoe seu primo est doente, e que,
nos vamos fazer lbe compaabia, nos qaer
acompanhar f E ent3o havendo l as taes
senhoras...
Eu voo a direito. Anda ebego pri-
meiro a Pacos de Ferreira. J disse ao
Antuoes qoe se preparasse, e l estarei
para as receber.
Mas que senhoras s3o aquellas ? per-
gontava de novo a mii, sabendo com certe-
za qoe niogoem poda responder-lhe.
Sejam qoem forem, replicoa a filba.
O mano Jeronymo tem razio. L o sabe-
remos.
Parti Jeronymo de Lemos de espingarda
ao hombro e levando oa frente um dos seus
melhores podengos. Matou tres codoroises
as agras immediatas quinta de Crestoma,
e chegou a Pacos de Ferreira muito antea
qae D. Matbilde e sos filba, seguida pelo
velho criado Antones, transpozesse a oa-
vallo os speros caminaos pelos quaes o'a-
e oo fim dease aono sao examinados aquel-
los que s seguem esses cursos.
Os examinadores compem se dos pro-
fe.sores da escola e dss inspectores geraes;
os estu Jantes approvados nos dous primei-
ros exaajes recebera o diploma de bacharel.
Os qae alcangam este diploma e toram ap-
provados oos dous exames e na tbese do
terceiro anuo obtem o diploma de licencia
do. Para obter se o grao de doolor em
direito preciso ter sido approvado nos
exames e na defeza da tbese do qaarto
anno.
Pelo que respejta !ag'slag3o criminil e
o processo civil e criminal, obtem-se depois
dos exames um attestado de babiMaga >.
O grao de licenciado em direito de ri-
gorosa necessdade para os que exercem as
fuoccoes de joix, procurador da repblica,
e substituto do procurador per ante os'tri-
banaes de primeira instancia, relagSo e tri-
bunal supremo. O mesmo diploma exi-
gido para poder-se ser advogado peraote o
iribnnaes, e procorador de causas (avon)
perante o tribunal supremo.
Os professores e seus substitutos as es-
colas de direito devem ser doutores em di-
reito.
Emfim, para ser procurador de causas
(avon) perante os tribunaes, indispensa-
val o attestado de capacidade na iegislsgao
criminal e na forma do processo civii e cri-
minal.
Existem cinco inspectores geraes das es-
colas de direito, encarregados de inspeccio-
naren) essas estolas, examinaren) 03 alum-
nos e visarem os diplomas, assim como de
examinaren! aquell.-s que se apresentam
para professores oa substitutos. Os inspec-
tores formara o conselho de instruegao e
dos eslodos de direito, recebendo um orde-
nado de 18.000 francos, alm das ajudas de
cusi de viageos e da secretaria.
A faco!d-de de Paris que admilte annua'-
mente mais de 2,000 alumnos conta 19
professores titulares com o venciraeut) de
12,000 francos, 9 professores substitutos
com 7,000 francos, alm de Ora deo, um
secretario e diversos empregados para a ris-
calisacSo e administrago.
as escolas das provracias que nao con-
tam mais de 200 alomos, excepgo da
de Toulouse qae conta 600, o numero de
professores menor e seus vencimentos va-
riara de i a 8,000 francos.
Faculdades de medicina. Existem em
Franca tres faculdades de medicina : Paris,
Monlpellier e Str.sburgo. Esta ser trans-
i, ida para outra parte.
Os cursos s3o leccionadospor professores
e substitutos. Ha 24 professores em Paris,
17 era Monlpellier e 16 em Strasburgo, os
qoaes sao nomeados pelo cbfe do estlo.
devem ser dootorados, e lar pelo menos 30
annos de idade. 0> substitutos s3o nomea-
dos em concurso, devsm ter o diploma de
doutor e completado 25 anoos de idade.
Existem 39 substitutos na faculdade de
Paris, 21 na de Monlpellier e 18 na de
Strasborgo.
O ordenado ixo dos professores de
7,000 francos em Paris, 5,000 em Monlpel-
lier o Strasburgo. Contam alm disso com
direitos eventuaes e de presenga nos exa-
mes dos fins de estudos.
Os curaos sao de 4 annoi, sendo tres li-
gos por semana,
i* anno.Pbysica, chimica e historia na-
tural ;
2* anno. Anatoma, orteologia e physio-
logia;
3* aqno.Pratica dos hospitaes, patbi lo-
gia medica e cirargica, curso pratico de
operagoes ;
4* anuo.Pratica dos hospilae<, patbolo-
gia geral, therapeutica e materia medica,
medicina legal, pbarmacologia, hygiene.
anatoma patbologica e tbeoria de partos.
Todo o estudante da medicina deve ser
bacharel em leitras e em sciencias, para
coocorrer ao doutoramento. Dos "fficiaas
de sade (oficien de sant), s se exige que
aprsentelo um attestado de granaran i, e
que lenbam 17 annos completos de idade.
Sao tres os exames eligidos no fim do
anno quanto aos candidatos ao doutoraman-
to ; e depois dos quatro annos de estados,
preciso qoe defeu Jam tbese peraote a fa-
culdade, para poderem tomar o grao de
doutor.
A tbese consiste no segointe : orna dis-
serlago impressa, cujo assampto fica es-
colha do candidato ; urna argumentado ver-
bal sobre o mesmo objecto da dissertago
e sobre om certo numero de assumplos
===
quedes bons tempos se communicaram
qaasi todas as povoages do reino.
Foi direilo ao qaarto de Luiz de Mattos
onde o medico, chegado n'aquello instante,
estava recommeadando silencio absoluto, e
prohibindo qae eatrasse a fallar Ihe qual-
qner pessoa, a nao sor a velba Gertrudes
que o criara e Ihe servia agora de enfer-
meira.
As agilagoes d'aqoelle dia tinham provo-
cado de novo a febre, grande inquietagSo e
delirio continuado Luiz de Mallos fallava
constantemente da D. Francisca, de Domin-
gos de Sampaio, do conde de Armamar e
de Antonio de Araujo. Depois dilava as
clausulas das escripturas do casamento, e
ordeoava que se preparasse a capaila para
a ceremonia nupcial.
Jeronymo de Lemos n3o passoa da por
ta, e qaaodo o dontor sabio do quarto,
pergontou-lhe pelo estado do enfermo.
Nio est bem, responden o medico,
dirigindo-se principalmente velba Gertru-
des que o viera segaindo com o rosto inun-
dado de lagrimas. Eu c estou logo de
manha, e voc qoem me responde pela
vida da seu amo. All nao entra nenhuma
ootra pessoa, nem a Sra. D. Matbilde
qaaodo cbsgar. Diga-lhe qoe ordem mi
oba, e qoe se a nao cuoaprirem, corre gran-
de perigo a vida de seu sobrinho.
Y descansado, Sr. doutor. S ma-
tando-me, qae l entrar alguem, seja
qoem fr. O meo pobre menino I Silo
olbado Ihe deram qae ba om tempo a esta
parte nio parece o mesmo t Santo Breve
da marca I
Est bom, est bom. Faca voc o
qae Ihe digo, e ea responde pelos mos
olbares e pelos leiUcos.
Ob, Sr. doutor, e se o padre Joaqaim
beazesse a casa, faria mal 1 Quando o pai
do menino, o Sr. Alvaro de Mattos qae Deus
tenba em glora, cabio bydropico, om dia
em que elle estevo mesmo a paisar, ben-
leu-se-lh o quarto e anda viven mais de
6 horas depois.
Pois sim, mulher. Mande benzero
que quizer, mas ha de ser c oo corredor
enaa salas. Techa-me entendido que no
correspondentes s materias do eosino, tira-
das por sorte pelo caodidato.
Todas as iotormaces concernentes ins-
truegao pratica da medicina podem ser en-
contradas na obra intitulada Statisque de
l'instruction superieure, pags. 16 e se-
gointes.
Alm dos professores e substitutos, o
pessoal de urna faculdade de medicina com-
pe-se de ora deSo, dous assessores, om
hesoureiro com o vencimento de 7,000
francos, dous oo tres escripturarios com
2,400, um ou dous conservadores das col-
leegoas com 3,003 francos, um biblioihe.a-
rio com 4,000 francos, um ou dous biblc-
thecaros adjuntes com 2,500 francos, um
j-rdiueiro em ebefe com 2,000 francos, um
director do material da escola com 2,500
francos, e om certo numero de foocciona-
rios, empregados e agentes diverso?.
Os cursos da facoldade de Paris toram
seguidos em 1865 por 1,097 estudantes,
os de Monlpellier por 291 e os de Stras-
burgo por 378.
Faculdwles de sciencias.
Existem em Frang 16 faculdades de
sciencias: em Paris, Besancon, Bordeaux,
Cien, Clermont, Dijon, Grenoble, Lille.
Lyn, Marse lia, Monlpellier, Nancy, Poi-
tiers. Renne*, Strasborgo, Toulouse, com
um pessoal de 154 funecionarios penen .en-
tes ao ensino, e de 81 agentes diversos. O
numero dos exames fritos nessas faculda-
des toi de 5,386 no anno de 1865.
as faculdades da sciencias existem cur-
sos regulares que s3o freqoenlados pelos
alumnos da escola normal suDerior e pelos
mestres repetido es dos lyceus qae qaerem
concorrer licenciatura.
O candidato que quer ser admittido aos
exames dQ bacbarelato em sciencias deve
ter pelo menos 16 annos, e rio caso de
menor idade, o consentimeoto do pai oo to-
tor. O exame compe-se de duas partes :
urna escripia e outra oral. O exame oral
consiste : Io em urna composig3o sobre om
ponto de matbematicas e outro de phy.-ica ;
z* em urna versSo latina, se o candidato
anda nao bacharel em lettras.
O exame oral c.mprebende as materias
lechonadas na classe de matbematicas
elementares noa yceos. Os candidatos de-
vem sujeitar-sa ao exama da urna lingoa
moderna.
O candidato qoe qu-r coacorrer para a
licenciatura, deve ser o bacharel em scien-
cias, contando um anno da diploma, e ter
tido quatro matriculas nos cursos de urna
faculdade.
Existem tres especies de licenciados: o
licenciado em sciencias matbematicas, o li-
cenciado em sciencias physicas e o licencia
do em sciencias naturaes. Existem igual-
mente tres diplomas de doolor, qoe os li-
cenciados nao podem obter sem defeoderem
duas tbeses approvadas pala faculdade e re-
dimidas em conformidade do programma
idlicial,Vespondendo previamente s ques-
tas e objeeges feitas pelos examinadores.
Para o bacbarelato a commissSo exami-
nadora compoe-se de tres examinadores e
de um membro adjunto da faculdade de let-
tras, e pelo qoe respeita lcenciatara e a
dootorarneoto essa commisso compe-se de
tres membros.
Todos os annos ba duas sesses para os
exames dos hachareis: a 1* de 10 de julbo
ao Io de setembro em Paris, e de 20 da
julbo ao 1* de setembro nos departamen-
tos ; a 2* de 20 de outubro a 10 de no-
vembro.
Ha igualmente duas sassoas para os exa-
mes dos licenciados em sciencias.
As cusas dos diplomas sao as seguin-
tes :
100francos para o dphma da bacharel
em sciencias.
110 ditos para dito de licenciado.
i 10 ditos para dito de doolor.
Faculdades de lettras.
Existem actualmente 16 faculdades de
letlias, todas instituidas nos lugares princi-
paes do districto acadmico. Cada urna
dallas administrada por om da3o. Sao
pessoal da Si fnoccionarios destinados ao
ensino, e da 58 agentes ou empregados di-
versos : o numero dos exames a que se
procedeu uessas faculdades toi da 9,379
em 1865.
Todas as questoes de detalbes ordena-
dos e organisago do ensino acbam-se con-
tidas as duas obras intituladas :
c Legislation de l'instruction publique,
pags. 216 e seguintes; e
i Statistique de l'enseignement superieur,
pag3. 205 a 207.
*

i mm i
quarto nao entra ninguem je nao voc.
Percebe ?
Nem eu, Sr. doutor, que sou primo
co-irmo do Loiz ? interrompeu Jeronymo,
j como se o sangue reclamasse offendido con-
tra aquella precaito absoluto. Tambem a
mioba presenga lbe far mal ?
V. S. um bom fidalgo, grande cagador,
e muito bom rapaz. Conbece todos os
seus primos e por onde o sao. E' o dever
da sua categora. Eu eotendo c d'estas
miserias humanas. E' o meu officio. All
o3o entra senSo a Gertrudes. Tenba pa-
ciencia. E' dos casos em qoe se oega aos
oobres o qoe se permitle aos mechaoicos
Gertrudes, o dito cito.
Pode estar seguro, Sr. doutor, res-
ponden a criada com voz firme.
N3o alcangara o mancebo a significago
dos nomes qae Luiz de Ma tos pronoociara
no desvario da febre, nem a re'.agSo qae
poda ter com a sua enfermidade quanto
dissera acerca do casamento. A velha Ger-
trudes, inteiramente dedicada saode do
seu querido amo, voltara as costas e entrara
ao quarto d'elle, apenas se despedio o me-
dico. Nem oovio as palavras com que Je-
ronymo de Lemos lbe pergontava a causa
da molestia, e o sentido d'aqaellas phrases
proferidas por Loiz de Mattos.
Vendo-se no corredor s, o fidalgainbo
de Crestuma foi direito sala principal, re-
solvido a esperar all qoe chegasse a fami-
lia. Mal abri a porta, avistou D. Fran-
cisca e a mulata na attude de duas pessoas
qae conferem entre si antes de tomarem
urna deliberagSo importante. A Sra. The-
resinba estava em p, de bragos crosndos,
como qoem nao sabe o partido que lbe
compre seguir. D. Francisca, paluda, com
os olhos extremamente abanos e affogaea-
dos, a bocea coolrahida, e o gesto solemne
e imperativo, pareca intimar mulata um
arbitrio supremo e irrevogavel.
Perdoe-me V. Exc, minbajsenbora,
exclamou o mancebo dirigindo-se a D.
Francisca. Eu nio saba... Coidei que
n'esta salla nio estava niogoem.
Nio tenho qae lbe perdoar, respon-
den D. Francisca dando om passo para o

Escolas superiores de pharmacia e escolas
preparatorias.
Etes estabelecimentos institaidos para
fina inteiramente especiaos estSo ligados s
faculdades, sem deltas fazerem parte inte-
grante. O fim dees como soas deno-
mraaces o iodicam, o de completar a ios-
trocglo e ensilar os preparatorios pira os
corsos das facilidades. A sai orgaoisacio
particular nio admilte ser resamida, e me-
rece ser es toda da no seu todo. (Statisti-
que de l'ensdgnement superieur, pags. 261
a 353).
' Escola normal superior.
A escola normal superior tem por nsiesao
preeneber as lacnnas na corporagio dos pro-
fessores, formando om certo numero de
alomos adaitlidos em coocorso ao eolia?
das sciencias e das lettras, e toraando-os
aptos para os graos de licenciado e de
substituto.
A adms-ao dos alomaos na escola nor-
mal por meio da concurso.
Os pretenderes devem estar manidos do
diploma de bacharel em sciencias oo em
lettras antes de poderem ser matriculados
no 3ecrelariato das academias. Devem ser
fraocezes ou ijaluralisado8taeiije_esiar
munidos dos segrales documeftos no mo-
mento da matrcula:
1.* Certidio de baptismo, qoe prove ter
cmplela Jo .18 anoos de idade no 1 de Ja-
neiro do auoo correte, oa nunca mais de
ti annos.
2. Um certificado da escosa do servigo
militar, no caso de ter mais de 20 annos da
idade.
3.* Um attestado de vaccina.
4.9 Um atestado do medico da escola
normal ou do mdico da academia, na qaal
feita a matricula, provando qae o candi-
dato est sent de enfermidade qi e o im-
possbilite dos trabalbos escolsticos.
5.* Um compromisso de dedicar-se ins-
trocgo publica durante dez anao*.
6." Um attestado de bons costumes para
exercer as funeges proprias do ensioo, pas-
sado pelos ebefes dos estabelecimentos de
que o candidato fez parle, como alumno oa
como roeslre.
7.* Urna nota indicando a profiero do
pai do caodidato, a residencia de aaa fami-
lia, os lugares era que tem habitado desde
a idade de 15 annos, os estabelecimentos
em qoe segua e terminoo seas estados. *^
Os primeiros exames que teem logar no.-
fim do mez de juobo, consisten) em compon "'"
sigies escri tas e sao ctimo se segoem oa
secgao das lettras:
.Urna disserta ;o philosopbica em fraocei;
Um discorso em latim; -
Um discurso em francez ;
Urna verslo latioa;
Um theraa grego;
Urna composig3o em versos latinos;
Urna composig3o histrica;
E na secgao das sciencias, alm da dis-
sertago pb-'losophica e da versio latina, o
segointe :
Urna composigio de matbematicas;
Urna compoBigo de pbysica ;
Em seguida deste 1." exame, a commis-
s3o forma a lista dos candidatos admiui-
veis. O 2." exame, qoe decide a adaojsso
definitiva, oral. Na secgao das letras
consiste elle em explicagas dos autores
gregos, latios e fraocezes, estudados as
classes de rhetorica e philosopbia, e em
ioterrogagdes sobre as materias compra-
hendidas no corso de matbematicas espe-
ciaos dos lyceus.
Os candidatos da secgSo das sciencias
s3o alm disso, interrogados sobre um pon-
to de geometra descriptiva, e passam por
um exame de deseohn elementar.
Depois destas serie doas de exames, e
vista do relatorio do directorda|escbla,o mi-
nistro organiza a lista dos candidatos defi-
nitivamente admittidos.
Os alomos da escola normal sio pensio-
nistas (boirrsiars; ; recebera instroccio a
sao mantidos costa do estado. Qaiodo
entram para a escola devem trazer um en-
xoval; mas o ministro, sainado a propos-
ta do director, dispensa dessa obrigago
aquellas a quera isso seria por demais
oneroso. Os alumnos sao obrigados ao
intrnalo. Dormem em dormitorios, comem
em refeitorios, trabalbam, dorante o pri
meiro e segondo anno, em grandes salas da
estado. No 3.a anno sio divididos doran-
te as boras de trabalho em seccoes de 2 4,
ao moito 6. Os estudos dos alomos da
escola normel tora om duplo fim, o de ob-
ter o diploma de licenciado, assim como o
de substituto. (Continuarse ha.)
recem-chegado. Creio qae o Sr. Jerony-
mo de Lemos, e portaoto pessoa de casa.
Eu que soa aqu inteiramente estranha.
E logo com o desembarazo qae lbe era
natural, conloa ao mancebo como, sendo
viuva e senbora de varias propiedades em
ama das quaes babitava perto das Paredes
bavia pouco tempo, conhecera na casa da
igreja 'o Sr. Luiz de Mattos, e indo de
passagem para Guimares, se demorara em
Pagos tle Ferreira para lbe dar urna res-
posta, recebida a'esse dia de Lisboa, de
seu pwmo Antonio de Araujo, primeiro mi-
nistro do principe regente, acerca da suc-
cess3o da casa de, Armamar. Accreseentou
qoe Luiz de Mattos Ihe pedir qoe a tal re&-
peito cooferisse com a Sra. D. Matbilde da
Noronba, e por esse motivo aterronaera
a sua viagem at qoe elle chegasse. .
Nao pois V. Exc. to estranha A nos-
sa familia e a esta casa qae nio se interesse
pela reparagao qae desde tantos anoos nos
devida. Sabe, de certo, que era orpbao
e conlava apenas cinco annos de idade meu
qaarto avoJO. Rodrigo de Mattos a Norooha
qaaodo foi justicado sea primo o conde de
Armamar. Nio reqaereram os t olores,
nem foram mais diligentes os succeasores
d'elle.
Sei todo, responden D. Francisca mu
affavelmeBte, e tudo narrei a meu primo An-
tonio de Araujo qae ji faitea ao principe.
E Soa Alteza ? inlarrompea jubiloso
o fidalgo de Crestoma.
Sua Alteza quer proceder com jostga,
mas estes negocios nao dependem s d'elle.
.Veste ponto da cooversagio, tio mes-
ciada de verdades e mentiras, sentio-se tro-
pel oo pateo, e acodiram todos s janellas.
Era a familia da Jeronymo de Lemos, que
entra va no grande atrio defronte do palacio
e ia apear-se no patim inferior da larga es-
cadaru."

)
'

V *
di
O
h
(ConUnt Yf-O DiAWO UUA DO aHJQOS OB CAIU3
'V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIBIR6OH2_ZRIM6X INGEST_TIME 2013-09-16T20:31:50Z PACKAGE AA00011611_12694
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES