Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12674


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I



i


i

I
i
AHA i CAPITAL I liABM CIDE IAO SI PASA PORTI.
f'it trea mezes adiaotados ....... Ainm
P'V seis dito dem ............. ja^
Por ok anno dem ? .* .' .'............ fifflg
dimameroivtso. V \....... *4*2K
Propriedade de Manoel Fignefote de Farla & Filhos.
MAMBIM
B.4o
O 3n. Gerardo Antonio Alvgg 4 Futa, no Pari ; Go?i!t8I & Pinto, no Maranhlo ; Joaqun Joi de Oliveira 4 Filho, no Ceari ;
Peraira d'Almeida, em Marnaagnape; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa;
n Nazareth ; Antonio Ferreira de Agotar, em Goyanna; Francino Tavarea da Costa,
ACETfKg f
ituQo de
em
PAUTE OFHCIAL
CioTerno da
provincia.
1 DE JUNHO DE 1872.
EXPEDIENTE DO DA
Actos :
O vice-presideale da proviaea/a vista do of-
Ocm do Dr. ebefe de polica n. 916 de 31 do mez
proumo passado, re-olve coocederao cidadao Ao-
toato Goncalvet de Azevedo. a exoneradlo que pe-
d u do cargo dn subdelegado do disiricio de Pona
de Pairas, f di fragela de S. Lonrenco de Ta-
ja cupapo, do tormo de Goyanna.
O vice-prasidente da provincia, de eonormi-
dada com a prc posta do Ur. chefe d* policia'em
cj:i o. 916, da 31 do mez prximo passado, re-
solve nomear o cidado Flix Jos Cesar de Vas-
concellos para o cargo de subdelegado do dis-
trido de Posta le Podras, 1 da fregoezia de S.
Lonrenfo de Tejucupapo, do termo de Goyanna.
Remeltea-se o malo ao Dr. chefe de polica.
O Tice-presidenta da provincia, de eonfor-
nidada com o cisposto no arl. 6 | 4 do decreto
n. 4824 de 22 de novembro de '1871, atlendendo
a ijue deixon de tirar ltalo e prestar juramento
da 2* supplente do juiz raaaicipal e de urphos do
Termo de liarabt o inajor Joaquim Mouteiro Guedes
Gondim, rusoive transferir para esse lugar o 3
sapplente capltio Jos Faustino Cavalcanle a'AI-
buqaerque, e nomeado para snbstitar a este o
tenante Vicente Ferreira da Silva Mu, o qual de-
vera tirar o titulo e prestar juramento no praso
la lei. Comnianicou-sa ao jaiz de direito de
(tamb.
O vice-prew lente da provincia, atlendendo
ao que reqaereu o desembargador Jos Nicolao
ttagueira Costa, resolve conceder-lhe tres mezes
ae Itcenga com ordenado, para tratar de sua sali-
da onde Iba convenha.
=- O vice-pre:idente da provincia, atlendendo
ao que requeren Jos Hara Ferreira da Cunba,
resolve ccncader-lhs licenca para remetter para
o presidio de Fernando de Noronba do vapor que
segna para all no dia 4 do corrate, os objectos
constantes da relaf ao junia, asignada pelo secre-
tario da prBsdeccia ; nao poleodo, porero, effec-
tuar o desembarque da taes feosros, sera qne
por parte do eocimandante do mssmo presidio se
preceda a examj, aflra de ae verificar se ha
agurdente ou outra qualquar bebida espirituosa.
Fizeram-se as necessarias comraunica5i>es.
O viee-pres dente da provincia, a vista do ol
Ocio do Dr. eheft' de polica n.^07. de 29 do mez
passado, resolve exonerar Alvaro Florentino d'Al-
meida Calaoho do carg* de subdelegado do dis-
trido de Carapot, do termo do Brejo, e dos de
I, 2, 3*, 4* a 6* supplantes do -dito subdelegado
os cidados, Rufino Dsmetrio da Paixao e Silva,
capito Manoel Beato de Camino, capito Fran-
cisco de Sa Teirlo, Manoel Jordo da Silva e
Jeio Manoel de Carvalho.Coraoiuuicou-se aoDr.
cuate de polica.
O viee-pres dente da provincia, de conformi-
dada com a propala do Dr. ebefe de polica em
oficio n. 907 de 29 do mez passalo, resolve no-
mear para o cargo de subdelegado do districto de
CarapotiaJf ter no do ty\ o eidadao Manoel
Casar de Adrado, a para os de I, 2* e 3* sup-
piaites do mesmo subdelegado os cidados se
giates na ordem da collocaelo : Francisco Gon-
alvas Pasaos, Pedro Ferreira Guimares e Pedro
Felicberto Pereira.Remetteram se os ltalos ao
Dr. chefe de polica.
O vice-presidite da provincia, atlendendo
ao que expozo !). director geral interino da ins-
trueco publica em oflkio de 27 de maio fiado,
sob a. 202, resolte nomear Manoel Rodrigues de
Oliveira Seixas, para reger interinamente a ca-
deira de primeiras letras do sexo mascolno da
villa do Buique, mediante a gratificarlo annual de
-600* ; fleando sem effeilo a nomeacao de Lia-
dolpho Olympio los Reis Campado para rager
umueni interinrteme a mesma cadsira por nao
lar esta entrado anda no respectivo exercieio.
JScios :
Ao Exm. presidente do tribunal da relacao.
Digne-ee V. Exc. dar o sea parecer sobre o que
trata o vereador -ervindo de jaiz municipal e de
orphios do terme do Bonito no oficio junto que
devolver.
Ao conselheiro presidente do iribanal do
commercio. Para dar curaprimento ao aviso cir-
cular do ministerio da agricultura, comm-rcio e
obras publicas de 21 de maio ultimo, qne janto
remello por eepia, sirva-sa V. Exc. de informar-
me sobre os seguales pontos : 1* os nomes das
companhiai ou agencias da seguros existentes
oesta cidade ; 2* o sea capital social com desig-
nado do recebidt ; 3* a data da ana creaco ;
4* qual o praso de saa duracao ;50 o numero a
valor dos seguros 'effectuados no anno prximo
fiado; 6* finalmente, qual o sen ultimo divi-
dendo.
Ao brigadeiro commandanle das armas
maadando apresentar ao juiz de direito da 1' vara
cive urna praca mntala para le/ar aos diversos
subdelegados dest.i capital os offlcios para convo-
c.i'ici da prxima sesso do jury.Communcoa-
se ao referido jaiz de direito.
Ao mesmo, mandando por em liberdade, vis-
to terem sido ja!gados incapazes do aervico do
exareito, em inspecio de sale a qne foram sab-
mattidos, os reermas, Severino Jos da Silva, Jos
Antonio Nones, Jeaquira Jos de Sant'Anna s Se-
verino Thom Bapiista.
Ao mesmo, /espondendo com a copia do offi-
Cio do Exm. pres dente da Babia, de 24 de maio
ultimo sob n. 609, ao sea de 10 de abril sob o.
370, em refereocu ao guarda nacional designado
Jos Benedicto di s Santos, cojo reijuerimente se
davolve, o qual se acba com praca no 9.* batalbao
de infamara.
Ao mesmo, dem do Exm. presidente do Rio
de Janeiro, com dala de 17 de maio ultimo, sobre
o soldado do 2.* batalbao de infamara Alfredo
Santos e Souza.
Ao mesmo, felicitando, para comprmanlo do
disposto no aviso o mini.terio da guerra de 24 de
cnaio oltimo, que expeca ordeos para qoa pelo
commando do pnsidio de Fernando se passe ao
preso militar, Anonio Joaquina da Costa e Cunha,
titalo de divida de vencimentos qoe se Ikon a de-
var-ltie at o dia anterior ao da saa exclusao do
exercito, devendo esse titalo ser remettido a the-
souraria de (aienla.
Ao desembargador procarador da corda e
soberana nacional, para que emitta parecer sobre
a petico e mats papis do tenepte Agj Velloso
Freir, os quaes junto se remet a serio devol-
vido?.
Ao inspector da tbesoararia de fazenda, man-
dando pagar ao b icharl Miguel de FigaeiiOa Fa-
rta, em vista dos documentos apresentados por seu
procurador, os vencimentos qne reqaer nos ocia-
ses requerimeotos a a que se refere sua ioforma-
'i de 11 de maid ultimo, sob n. 312, visto ter
exarcido a vara dm feitos da fazenda oesta capi-
tal, na qualidade de 1.' supplente do substituto.
Ao mesmo, remetiendo copia do aviso do
miaisterio da guerra, da 24 de maio ultimo man-
dando abonar ao alfares do 9.* Dalalhao de infan-
uria Antonio Fumo de Sonza tres mezas de
soldi, para ser de contado pela qainta parte, como
-equrnf-nmmteon-se ao brigadeiro com-
cidade durante a ausencia do respaciivo co'asul.'
Fizeram se as devidas communica^Ses.
Ao ma plcala, remettidos pelo brigadeiro commandsnte
das armas, jiin de qoe mande pagar os veoci-
toeotos dos offi.'iaes, calcetas e pragas empregados
no deposito de recruta?; seoo os dos dous pri-
meiros relativos ao mez da maio ultimo e dos l-
timos correspondentes 2.* quinzena do dit > mez.
Commanieou-se ao brigadeiro commaodanle
das armas.
Ao masa, recommendando que a vista do
documento junto em duplcala manda pagar ao
tenante Heniiqua Carneiro de Almeida, agente do
i'onselhi econmico do deposito de recrutas, con-
forme solicilou o brigadeiro commindante das ar-
mas em oflliio de 31 de maio ultimo, sqd o. 548, a
quantia de 3, despendida com a conduelo de
rticos de fardameatodo arsenal de guerra para
o quarlel do msmo deposito. Communicou-se
o brigadeiro con mandante du armas.
= Ao raesm), mandando pagar a Flavio Gon-
gilves Lima, vista dos prats em duplicala qua se
Ihe remelle, conforme socitoa o commandante
superior da comarca do Tacarat em oflkio de 4 de
maio ultimo, os vencimentos do destacamento da
guardaaacional estacionado no districto de, Cam-
pioho, pertencente aquella conarca, a contar de
22 de jiaeiro ao ultimo de favereiro deste anno.
Communicou-se ao commandante superior de Ta-
caral.
Ao inspector da thesouraria provincial, com-
manicando que por despacho de hoje, e em vista
de sua informadlo de 15 de maio ultimo, conce-
den-se ao padre Fioreocio Xavier de Ubuquer-
que, almiaistrador do recolhimeoto de [guarass,
a aotorisaclo qus pedio para despender eem as
respectivas obras at a quantia correspondente ao
beneficio da lotera extrahida em favor das mes-
mas obras ; devando essa qaantia ser-lha entre
gue depois de prestar contas nessa thesouraria.
Ao mesmo, igual em relacao mesa rega-
dora da irmandade de Nossa Seabora do Terco,
erecta na igreja do mesmo nome.
Ao mesmo, mandando fornecer ao subdele-
eado do districto de Belem os objectos pedidos
no offlcio junto por copia; sendo que oesta data
Ihe foi concedida autorisaciu para alugar urna
casa que sirva de quartel ao respectivo deslaca
ment.Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao mesmo, mandando por em hasta pu-
blica a canaHsacio do riacho Jordlo e caraba da
Boa Viagem na importancia de 16:882/1951, ser-
vindo de base o orcimento e clausulas que por
copia se remelle.
Ao cemmandanta do presilio de Fernando
de Noronba, recommendando que na primeira
opportanidada remeta para esta capital com a
precisa seguranza para serem apresentados ao Dr.
chefe da polica os sentenciados, Custodio Jos
M.irinh i, Antonio Jos da Sant'Anna e Antonio
Komeiro, requisitados pelo jaiz de direito da pri-
meira vara civel. Communieou-se ao referido
jaiz de direito.
Ao director do arsenal de guerra, mandando
fornecer com urgencia ao deposite de artigas bel-
licos do Rio Grands do Norte, em cnmprimeute
do aviso do minutario da guerra de 23 de maio
ultimo, o fardamento constante da nota qne se
Ibe remette, organisada pela reparlifio do quarlel
mestre general.'
Ao mesmo, mandando fornecer ao comman-
dante do 9* batalbao de infantaria es .objectos
constantes do pedido que se Iha remette, os quaej
(em de substituir ontros que ltimamente foram
dados em consumo.Fizeram sa as necessariis
communica^oas.
Ao cnego regedor do gymnasio provincial,
autorisando-o, vista do que requereu Joao Ro-
drigues Cordairo e de sua informaclo de 21 de
abril, a admtttir como alumno externo gratuito
dosse estabelecimento o menor Jos Duarle Cor
dairo, filho do mesmo.
= Ao vigario da fregueza de Itamb, remet-
iendo por copia o cilicio dirigido pelo brigadadeiro
commandante das armas em 31 de maio ultimo,
afim de que informe sa o 2 sargento do 8* batalbao
de infantaria, Silvino Jos da Costa, casado com
Mara de Siqueira Torres, como allega.
Ao juiz municipal sopplenle em exercieio
do lermo de Olinla, dizendo que, inteirado do mo-
timo porque nlo leve lugar no devido lempo a
reuniao do consa'bo da recurso desse termo, fiea
designada a i.' dominga do corrente mez para esse
' providenciando-ie como exige o arl. 36 da
Lnoa Bra,a, no Aracatj ; Jlo Mara Jnlio Chaval, no Am ; Antonio Margo* da SUtv Natal; Jo* JoiU
Pinna : Balanninodoi Santoi Buido, em Santo Anuo; Domingos Joa da CostaBz*a,
Alves & C, na Baha; Lete, CrqDnho d- C no Rio de Janeiro.
lleparlco da polica.
2." scelo.Secretaria da polica de Peroambu-
co, 2 de jnlbo de 1872.
N. 1037. lllm, e Exm. Sr. Levo ao eonheci-
uento de V. Exc. que, segundo consta das partici-
pagoes recabidas hoje oesta reparticao, bonlem
nao foi recomido preso alguno casa de deteocao.
Em dala de 18 do mez prximo passado, com-
municou-me o deltgado do termo de Triumpbo,
qae, na noite de 16 daquslle mez, fdra all assas-
siaado com- ama faeada Antonio Barbosa de Lana,
por Uinbdlino Gomes dos Santos; fez-se corpo
de delicio e procede-se coatra o criminoso nos ter-
mo da lei, o qual foi preso a recolhtdo a respec-
tiva cadeia.
O delegado de polica do termo de Bom-Conse-
Iho, part ;ipou-me, por offieio datado de 19 do di-
to mez, qae no da 17 pelas 10 horas da noite, Mi-
guel, escravo de Antonio Maneal dos Santos, fari-
ra a Clemantino Soares dos Santos, e a tal respai-
lo procedeu-se na forma da lei.
Deus guarde a V. Exc. lllm. e Exm. Sr. des-
embargador Francisco de Faria Lemos, digno
presidente da provincia.O chefe de polica, Fran-
cisco Ttixeira de S.
Foi
seenas
ja Ihe
boje neij
Espef
pallados
enea-
Bo
lei n. 387 de 19 de agosto do 1846.
Ao tbesoureiro das loteras, autorisando-o a
mandar extrahir em deferimento ao requerimento
da irmandade til Nossa Sanbora do osaroi, da
freguezia_ de Sanio Antonio, nos termos de saa
mformaglo de 22 de maio prximo passado, a
parte da lotera concedida na le do orcameato
vigente mesxa irmandade em lagar da que foi
concedida a sociedade Monte-Po Popular Pernam-
bocaoo, visto oao poder ser extrabida esta ultima
pelo elevado imposto que est sujeita.
expedient* do secretario.
Offlcios :
Ao iospector da thesouraria provincial, re-
mellando, de conformidade com o art. 8* { 6* do
regulamento de 12 de fevereiro ultimo, o ponto
dos empregados da secretara da presidencia, rela-
tivo io mez da maio fiado.
Ao juiz commissario do municipio da Esca-
da, remetiendo, de ordem de S. Exc. ,o Sr. vice-
presidente da provincia, os autos de medilo e le-
gitimaclo de posse da Vicente Elias de Souza a
Jlo Correa da Sitan, afim de dar os esclarec-
mentes pedidos nos mesmos auto?, que sarao de-
volvidos.
DBSPACHOS DA PRESIDENCIA DE 1." DE JULH0
Briles de Albuqaerque Gama Lins.Informe o
Sr. conego regador do gymnasio provincial.
Bario daSoledade.Declare o supplicante quan
I) offerece pelo imposto de que se trata.
Bario de Bamfica. Informe o Sr. inspector da
tbesooraria provincial.
Bacharel Felippe de Figueiri Faria.Remetti-
do ao Sr. inspector da thesouraria da fazenda pa-
ra mandar pagar ao supplicante.
Francisco Lucio de Castro.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Flix Alves de Albuquerque. Pro ve o suppli-
cante, o qae allega.
Francisco Alfonso Ferreira.Dirija-se a tbesoo-
raria de fazenda.
Jos Luiz Salgado Accioly. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Coronel Jo- Mara Ildefonso Jacome da Veiga
Pessoa a Mello.Forneca-se.
O mesmo.dem.
Tenente Jos Francisco Paes Barreto.Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Capito Luiz Cavalcante de Albuquerque Souza.
Achando-se ja em praca, para o dia 18 do cor-
rnle, a arrematadlo da obra de que trata, o sop-
plicante, deve a ella coneorrer se assim Ihe con-
vier, habilitando antes sen fiador.
Bacharel Luiz de Menezes Vasconcellos de
Drummond. Informe o Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda.
Manoel Augusto da Fqnceca e Silva. Indeferi-
do em vista da informaclo.
Mara Coelho da Silva.-Indeferdo.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 2
Tiunicaado que, segunlo
terio dos negocios estran-
.timo, deve ser raconhacido
oncalves na qualidatKde
o de Portugal oesta ci-1
dejulbodelB?
O porteiro,
Silvino Antonio Roiriguts.
i
Correspondencia do Alarlo d
Pernambuco.
RIO GRANDE DO NORTE.
Natal, 7 de junho de 1812.
De partida para o alte sanio, onde tenho mena
inleresses, nao quero, posto que rustico eomo son.
mostrar me incivil deixando de fazer-lbe minhas
despedidas, agradeeendo-lhe mnito cordialmenta a
benevolencia com qae se digaou de aeolher-me e
de tralar-me. Sera esta, pois, a ultima que Ibe
escravo com geral applaoso a plena satisfazlo de
certos calvos qoe aqni ba, e qae nao gostara de
ver posta ao sol a Insidia caraca.
Rirao-se de mim palas castas, fazem auito bem,
porque nao lnes verei.
As boceas negras e os denles amarellos.'e irei
(ambemr rindo-me dalles.
Minhas singlas e pobres correspondencias tao
innoxias e despilas de toda a malicia e man seo-
ti Jo, nlo lem eaussdo zaogoinbas ? Pois verda-
de, sim senoor. Sao nos zangoes os taes senbo-
res a s por o serem que me tomaram teir.
Enf?dam-se eomigo se Ibes cito algum varsioho de
Camdss, por nao sabe los faier se nSo de pe qoe*
brado, irritam-se porque, s vezas, suppeem que
me rio, como se ca nm hornera nio podesse, vendo
tanta cousa ridicula inda mais ti) grandemente
visivel, dar a sua risada.
Eu julgo que melhor urna franca risada do
que urna earamuiha mnito faia, eomo arranjam
certos deputados, qaando qnerem faztr horror
que bracejam, arregaiam os olbos, franzem o
sobr'olho, viram-se direita e esqnerda para o
espectadores afim de eooheceram o eileito qua
prodozem so as palavras, earregam m voz, dio-Ihe
pauaas e en^a^oes grotescas a desosadas. Isto
sim, d voatade de chorar, chorar e chorar.
Ligrimas de d, de loobo assado
Por ver assim tio feio um depatado.
Ora, por exemplo, qoem qua lando o ultimo
Conservador, observando-o coro toda a calma e
reflaxio, analysando as ccntradiccoos em qne cahe
a aquella modo de saograr-se na veia....da sade,
oao dispara n'nma bda risada.
Diz elle qoe, (a jai para nos), tem-se tornado
nm verdadeiro antpoda de Epamiaondas : cque a
assembla foi de novo adiada, a o edificio em qua
fanceiona cercado (prmeiro escorrego) par 40 pra-
vas, o seo rocilo invadido por nm sargento ar-
mado de fsil (da espingarda(ora o gallicismo)
a bayoneta, os seas membros desacatados (2* es-
corrego) suas sessSes ioterrompidas, (3* escorrego,
porque j estava adiada.) Adlante accrescenta o
mesmo peridico : Comecando apenas o Dr. Amin- j
tas a leitora da portara ae adlamento, um Sr. de-
putado,
(Cessa ludo que a antiga musa canta
Que oulro valor mais alto se levanta.)
que sem dovida o autor do segninte vituperio :
o Dr. Gomes em um magnifico discurso, inlerrom-
pendo mnito plida civilmente a leitura da por-
tara, pedin a palavra para negocio urgente e o
presidente denegou lh'a, no qoe fez multo bem :
1* porque nao ha urgencia neste mundo que nao
possa esperar daos minuto!, e 2' porque depois
da laitnra nio bavia mais assembla constituida,
havia conversa, palestra, gritara, pandorga, se
quizerem o diabo emflm.
Continuando, diz anda o tal peridico : Jano
Je duas caras, que a faeco dos dez dissidentes, e
o liberal perdido de seu bando, todos de p, eom
as galeras faziam um barreiro infernal I E' isto
o que diz o folicolario do tal papeloxo, por pala-
vras d'elle, que nao son obrigado a repetir; e foi
esse berreiro tao estupendo, tio desesperado qoe
S. Exc. o presidente da provincia, que mora no
bairro da Rlbeira, grande distancia do theatro
de taes gentilezas, devia te-lo ouvdol;/... Apre, qne
endemonia ios.' que Stenlores da garganta de fer-
ro I I iQue, no meio dessa diablica agitacao,
muitos pediram a palavra, que e presidente estava
inleiramente desanimado, quando sen irmioj appa-
receu-lhe e annunciou Ihe a ebegada da for^a
(escapou involuntariamente essa verdade ao Con-
servador) e que muitos deputades, (dos fiis, j
se sabe) fogiram pea janella e pelas fondos da
casa; mas sangra-se, depois dessa fofa jactancia,
diiendo mnito deslambidamente, e ka de o Sr. pre-
sidente chamar nos de deserdeiros I... Ora essa
bda, podera nio I Humane qne fazem o sen pre-
sidente tremer na cadeira, deputados fugirem pelas
janellas, que gritam a ponto de obrigar um orador
cahir esbafurido e quasi exanime por querer do-
minar com a voz a desusada grita, nio sao
deserdeiros, nao ? O qne sao entio ? eomo se os
pode qaalifiear T E qoe melhor justificado para
a presenta da forca, qne s chegon, eomo confes-
sam, depoisde adiada a assembla, e qae nio cer-
can a casa nem mesmo depois do adiameolo, mas
postou-sa em frente delia para prevenir qnalqoer
coufl cto, milito susceptiva! de dar-ss em tal effsr
vescencia, em que as galeras se mostravam desco-
medidas, delirantes, inscffridas e frenticas em
coro com os dez e mais nm........
O presidente da assembla, qae gnorava se o
arreganbo das galeras, aculadas pelos dissidentes,
era apenas um tul ou papao de fazer medo a
enancas, ou sa disposicio mnito pronunciada para
alguma ensanguentada tragedia, reqnisitou ao Dr.
forca ; depois, porem, que viu qne a cousa nio
passava de entremezada, qnerendo rir-se a costa
dos bombsticos destrones, depois de adiada a as-
sembla, de abanlonada a casa, de nio bavar mais
nada qne legal e serio tosse, deu a palavra anquan-
tos tiveram o descoco de Ib'a pedirem, foi entio
que um tal Sr, Eneas, trralo de vento, que. s
urna du%renca tem daquelle seu bomooymo, de
que nos falla Virgilio, a ;aber : a de ser aquella
um vario pi e este implo como Orestes e furioso
como Orlando, fez a sua estlida fallada, entume-
cendo as boebechas e vomitando, como crtera de
vulcio incendido lavas de diatribes e virulencias
contra quem nunca o oftaodeu, nem rasio tinha
para is.-o, e ao contrario, de muito boa vontade,.
eoneorreu para qae elle tivesse ama eadelra na
tal sallaba e liberdade para assim proceder.
P disso que sa daram aquellas jocosas
ctmiea initaila^o da nova mesa, qua
ev| e nio devo reproduzir, a de aue i
a lilla. '
agosto, a ver se temos mares
oradas e furacoes.
. Da 8.
R-aliscn-se hoje o contrato da estrada de ferro
entre esK.eidada e a villa do Cear-mrim, oo-
trora flKea da Matt. Acerdon aflaal esta bella
provinciano longo e pesado lelhargo era qae io-
fflliimenS jasia immersa, mostron que nao era in-
differentl ao verbo ingente a amador do progresso
que se jraduz vivaz por estas palavras de Shakes-
peare mcanaway oojaioda por est'ootras do judeu
da lanacaminha, eaminha.
Ao F.xf. Sr. Dr. Datfino Augusto Cavalcante da
Albuquerque, sen digna presidente, eoube a ven-
tara de-*** o iniciador da tao importante melbora-
ment qae abra largos e ampios, borisontes a seu
futuro angrandecimento, ao facundo desenvolvi-
miento da sua aclividade.
A patritica assembla do biennio lindo, re-
querimento do engeoheiro Dr. Joio Carlos Green-
halgh e*major Alfonso de Paula de Albuqierque
Maranhio, formuloa urna le, antorisando o presi-
dente i contr.iiar com os peticionarios a mencio-
nada sttada a a S. Exc. o Sr. Dr. Delfino coube a
alta gloria le firmar esse contrato.
Cauejoso a prudente, eomo receiava dar um
passo era falsc, lotou, por essa motivo, com serios
embarazos e difflcnldades antes de celebra-lo, por
ter de praticarura aclo intairameote estraoho a
sua proflssao, nao dispondo dos anadiares necessa-
rias, coqw as grandes cidades ae encontrara, poie
qoe ata o ptopro engsoharo da provincia, como
parte interessada, nao poda ser chamado : mas,
afinal, a forja de vontade qna alo ceobece barrei-
ras, o desejo de deixar de sua benfica administra-
cao una padro perdararaval e grato memoria
deseas adiui nitrados, fl-o superar todas essas
difflcaldadea, com mao sagura a animosa firmal o,
dotando assim a provincia com esse valiosissimo
melhoramanto, preslaado-lba esse relevantissimo
sarvico, qne ella agradecida ba de sempre reme-
morar.
Essa estrada de ferro, a primeira que vai pos-
suir, augura-'he nm brilhanlissimo a eiplendido
futuro; porqaanto o Valle do Cear-mirim
para osle ella se dirige, de urna ubardade
prodigiosa, reeonheeida e conressada por quanlos
o eonheoea) ; a, livre, eomo se espera qae fique,
do flifello das inundaras, pelos solcitos cuidados
que esse celos) administralor tem tomado com
alie copioiissima masse dar sem durida a empre-
za e ao fisco.
-Os proluetos do interior all rao ter, e esta ci-
dade, em communica^io directa com o seu centro,
abir do astado marasmatico em qae tem vivido; o
rio qae a carea, aun das causas de sen atraso
(qoem o dira h, ser atravessado por orna ala-
gante ponte qna S. Exc. contratou eonjanctamenla
com os empretarios da estrada de ferro mediante
claasolas vaniijosijsimas para os cofres, e em nada
prejndkiae* amprezarios on eompanbia que a
reatiaai, condlnandio dcst'arte os recprocos inte-
rsam, lagando nos mais esta novo e inaoraciavel
beneficio.
Como ro grandense alo posso deixar de orga-
Ihar-me tm vista dessa empreza da tanta impor-
tancia e tao promaltedora, e de jubiloso congratu-
lar mece ra o digno brasileiro qne se acha a frente
dos destinos dt miaba provincia.
Dia II.
Cbegou aqu hoje, vindo dos portos do sul o va-
por t'ar, trasendo a exooeracao que S. Exc. o
Sr. Dr. Delfino Augusto Cavalcanti d'Albuquerque,
por mais da urna vez solicitara do governo impe-
rial. S. Exc. nessa mesmo dia passou as radeas
da administraclo ao vlce-presidente, Dr. JaroDymo
Cabral Raposo da Cmara, que se acba em exer-
cieio.
S. Exc o Sr. Dr. Delfino segu para essa capital
a occopar na magistratura, da qual conspicuo
memoro, o lugar que o govarno Iba designar. Sof-
fren, oestes tres ltimos mezes de saa administra-
clo, irracional e cega opposicjo d'aquelles mesmos
que, mais de ama vez Ibe entoaram hosannas por
sua imparcialidade, inlelligencia, zelo e tino na ge-
rencia dos negocios pblicos, e por isso deve ir um
pouco resabiado com essa geote, masdeva tambem
levar a grata siiisfacio da que a parte mais sen-
sata e desapaixonada da papalacio ha de sempre
bem dizer S. .'ixc, e a sua honestsima adminis-
tradlo tio eurtu quanto fecunda em beneficios de
toda a ordem qna nos ieg,u, a que nao a vot da
lisonja, mas a da vardade qoe os ba de apregoar,
gravaodo-os na i paginas da nossa historia.
Logo era con eco de sua admioistraco, promul-
gou-ae a lei da 28 de setembro da 1871.
Erapregou S. Exc. todos os meios a seu alcaoca
para que essa lei, que libertou os filhos da escra-
va, fosse, como tem sido, fielmente execntada.
Para prova ah esto as bem elaboradas circulares,
offlcios e cartas dirigidas a todos os funcionarios,
proprietarios e agricultores da provincia ; ah esll
a honrosa falieitaclo, qae tambem a esse proposito
Ibe vo'.ou, por unammidade, a assembla pro-
vincial.
Anda mais. Delegado do governo qne promoveu
a promulgarlo Jessa le, e fiel interprete dos saos
seotimeotos, crsou no dia 2 da dezembro do auno
passado orna se ciedade de emancipadlo nesta ci-
dade, cojo primeiro acto, depois de tnstallada, foi
nomealo, per acelama;ao, sea presidente hono-
rario.
Encontrn ai enancas provinciaes em deplora-
bilsimo estado ; os empregados pblicos, qua
nao podera deixar de bemdizel-o, atrasados em sens
ordenados 8, 9, 10 e mais mezas ; eontrahio nm
emprest'mo de eem contos de ris, em favoravais
condiedes, e conssguio assim mslhorar o estado
dos cofres que, grecas i sua economa a zelo pelos
dinbeiros publico?, nio resultou penara, e o di-
nbeiro do amprestimo, por assim dizel-o, conserva-
se ainda quasi que em ser : entretanto, como me
consta de feote limpa, J foi aatiifeita a prestacio
dos juros do primeiro semestre.
Procorou por todos os meios a seu alcaoce har-
monisar o partido, que acboa dividido em duas
fracc,oes;bosi3; empregoo, para conseguil-o, lodos
os seus esforcos, e com effeilo aeredilon vel-os co-
roados de xito faliz. Lbano e sincero como il-
ladio-se com o canto da serea e lagrimas do cro-
codilo, a fez aos amigninhos arrepsodidos todas as
concessoes possiveis. Errou em claro acreditando
na sinceridade l'elles e de anas promessas ; a trai-
cio, pora.n, a i deilealdade com que procedern),
nao prejadicaram om nada a sua boa intencao,
desenganaram-ap apenas a deram urna lico que
aprovaitar talvez a outros para nelles menos eon-
arem.
As obras da provincia mnito devsm S. Exc.
O nosso qairtel, que um importante edificio,
earecia de certos reparos exterior e interiormente;
ordeooa a sua e xecucao a com aso eonsaguio dar-
Ibe novos commodos, arejal-o pela abertnra deja*
nellas a torna!-o deeente mandand;-o caiar.
fortaleza dos Santos Reis Magas reclamava
desobstruir, as proximidades da flo-
quasi todos os annos pelas innundap5es, que, de
mais, estragara inmenso terreno, o qual, cultiva-
do, ha de fazer crescer muito contideravelraeole
essa produerio.
Contratou a estrada de ferro, de qae ja me oc-
cuPe'. ess fonte qne desde que esta cidade
eidale a pede a reclama ; obras que j por si hio
ae dar grandissimo impulso lavoura *ao com-
mercio.
Mandn
rescente povoacio da Maeahvba, o rio Potengy,
que nesse ponto era extremamente pedregoso.
De mios dadas com o honrado Sr. Dr. chefe de
polica Paulo Martins de Almeida, tem sido inf.ii-
gavel na persegnieio do criminosos qne infestara
o interior da provincia comraetteodo quanta espe-
cia ba de atrocidades e depredac5e?."
Finalmente, eos paternal desvello e lonvavel
olicitude, lera aeculido populaeio desvalida
fiagellada coostantemeate pelas bexiga, febres,
etc., prestaodo-lhes todos os soccorros de qae po-
de dispr.
Em saa poltica foi sempre de urna moderacio
a toda a prova, atlendendo constantemente a por
toda parle ao mereeimenio. As nomeaeoes de
sapoteles de jaizes raaaicipaes, delegados e sub-
delegados, commissdes ceositarias, sao disso pro-
va robusiissima. Dismintam me 03 seas apaixo-
nados censores se sio capazas. O testsrauobo pu-
blico vii escudarme a coodemoa-los.
No logarRio do Fogo, a algumas leguas des-
ta capital, aportno ama jlogada com 5 seotencia-
dos da Fernn lo, qoe segando oaco dizer segaem
neste vapor. Cmiara ellas, qae sendo mandados
na raesraa jangada a salvar ora navio qae arda oo
alto mar, para li se dirigirn), acharara o navio
j consumido .pelas charamas a abandonado, vol-
jaram, mas perderam o romo a foram aporttr no
indicado lagar. Abi ebegados procuraran) o sub-
delegado, referiram-lhe o occorrido a pellram qua
os mandassem recolher como sentenciados qoe
eram !..*. Fizeram como os passariohos de peque-
os erea los em gaiota, |que anda fugiodo tornara
a ella, levados peta forca do habito, por nao torera
mais amor a liberdale com cuja privacio se acos-
luraaram, e cujas delicias oao sabara devdameote
apreciar.
Dia 14.
Eraqaanto vela agua na venta, como dizia um
eerto'; eroquanto a condcelo nio me chega a
nio don de gambias aproveito meu lempo, coat -
oaaodo a ioforma-lo do qna ha.
Vai) a lome o Conservador carregado da acri-
monias a azedamas coatra os Exms. ex presidenta
a vce-presideote ; acousa o primeiro por seusul-
limos actos, Uto por ter removido ura profeisor,
que era eollector, advogado e tinha em sua aula
(raqueneia da 2 alumnos, um dos quaes seu filhig-
ho; elde mais ama outra em quasi idnticas eir-
eumstaacias. Nao deixa, porm, de eollocar os no-
raeados, evidentemente desidiosos e mios empre-
gados, as pomas da la, como rrepreheoslveis em
seu comportameatoll Qoe cynsmol Ah Conser..
arrependi-me... elle baba e eseoucinba someota
aqni a ninguem o conhece (ora, deixemo-le, pois,
e-irihuxar a resptmdaino.s-lae remettendo-o ao que
escreveu ha (res mezas passide*.
Dia 17.
O Exm. Sr. Dr. Jaronymo Cabral Raposo da C-
mara, que assumira a vice-presidencia da provin-
cia no da 11, passoo-a no dia )>' ao Sr. Joao Gomes
Freir, 5* vice-prasidente, que se acha actual -
mente em exercieio, e, provavelmente continuara
no lema do governo at que chegae S. Exc. o Sr.
Dr. Henrique Pereira de Lucena, presidente lti-
mamente numeado, segundo coasta, e qae j
aqu esperad). Gregose trvanos agnardam sua
vioda teodo o paitos ebeios de desrjos e espe-
rances.
Eu, porm, nio espero sanio que far muito ba
administradlo, porqna tenho ptimas informaedes
acerca de seu carcter a llustracio.
grandes repares, mandou proceder a ellas, e est
boje capaz de prestarse aos fias a qoe desti-
nada.
A obra do palacete da assembla provincial es-
tava a ponto d' parar, ordenou a sua continuacio
a deixa-a quas concluida.
aguas do rio Csar-merim, imporiantissimo ser s
50 como iodos reeonbacem, pois tende a salvarvi-
produ:tos da agricultura daquelle valla qns reo-
dem para os cofres garaes e provinciaes nanea
meos de VMOJOOO ananaes, oue sa periMi
Auanbia embarca o Exm. Sr. ex-presidenta Dr.
Delfin Augusto Cavalcante de Albupaerque e to-
da a sua Rima, familia a bordo do vapor Ipoj**,a,
que se acha em oosso porto. Consta qae os seus
amigos pretendern dar Iba urna ma nifaslacio de
apreco e da considerarlo em que o tam. Eu ape
na-, na impossibilidade de dar-ibe urna prova sig-
nificativa da rainha affaicio, limito-me como admi-
rador de S. Exc. a desejar qoe mares propicios e
ventos bonanzosos o eondaza ao porto de seo des-
tino. S. Exc. pode ir convencido de qae mil beo-
cios o acorapaoham e qne lodos qoaotos aprecia-
ran) osea bello carcter e qualidades pessoaes
nio podem deixar de sentir viva saudade ao velo
deixar as oossas plagas. Ajui fecho a pacotilha e
vou arrumar miabas caixas, porque amanilla em
misero cavadlo lazareota irei tambera vencendo
esses ocanos de areia buscar o meu serlao.
Adeas, mande ao seu criado as suas ordeos.
Muitos recados aos meas leitores.
Ultima bora.
Realisou-se o jamar qoe os amigos do Exm. Sr.
Dr. Delfino preteadiam offerecer-lbe.
Esleve bstanle concorrido, a fizeram-se nessa
occasiio sades as mais lisoogeiras sua admi-
nistraclo.
Findo o jamar se dirigi S. Exc. com sua fami-
lia para o logar onde devia embarcar, seguido da
grande acompanbaraento da que fatiam parte, alera
de algumas seohoras, o Sr. vicepresidente, Dr.
ebefe de polica, chafes de repartieres e ontras
muitas pessoas.
reali-e a saa janegao com qnalqoer ama oatra
companhia ; & a encorporar orna nova qual
conceder os maraos privilegios ;
ciaes os gneros da prodcelo da provincia qua
para pravas esirangeiras forem exportados pelos
negociantes }. s Teixeira de Souza 4 a, at o
valor de 100:00^*000 ananaes ;
A despender a qaantia necessaria com a si-
graco da igreja matriz da capital ;
A mandar restituir a Thomai Luiz SympsoD a
quanua de 200*000 de direitos que indevidamen:
ihe foram ccbradi -;
A mandar, desde j, dar por emprestimo ao
inspector da tkesouraria provincial, Jis Jasti-
Biano llraule Pinto, a quantia da 1:900*000 para
elle tazar o monte-po sua familia, dascoatando-
se-lhe a indemnisacio pela decima parte de sea*
vencimentos;
A fazer acquisicao a preparaclo de nm terre-
no e sngala casa, nos suburbios da Maaaos, afiai
de nella serem recolhidos e agasalhados os imrai-
5ramea para a provincia, at qua sigama eos
eslios:
A remittir as divides provenientes da dcima-
dos predios urbanos, pertencentes a pessoas qae
per serem pobres as ni) lenbara pago ;
A despender com o aluagel de casa ^ara es-
colas as cidades e villas, a qnantia necessaria.
em quanto nio se consirnirem edificios proprios; e
< A rever as tabellas dos vencimentos dos em-
pregados do ihssouro a recebedoria provincial a
secretaria do governo, augmentando-o* de forma
qoe o augmento nio exceda a 6.000*000.
Ni' sio estas as nicas despazas da provin-
cia.
A lei d. 2i aotorisa a presidencia a subven-
cionar com a quantia de 100:000*003 annual au
Imita de navegacio birasnsal directa de portos ee-
trangeros para Manos a a da n. 243 antorisa-a
a dar por amprestimo a Jos Paulioo voa Hoon-
holiz oo a quem cootratar o fornetimento de car-
nes verdes a populacho, a qaantia de 200:000*001).
Par* fazer rosto a estas dispezas diz o artig
12 da lai n. 244 que a receita ser efectuada coat
o producto dos imooslos especificados em divers's
paragraphos da mesma lei e com os saldos dos ex-
ercicios aoleriorej.
paai.
Achava-se do exercieio da presideocia da
provincia o 6 vicepresideote Dr. Francisco d
Sooza Cirne Lima, na ausencia dos anteriores, dea-
de o dia 18 de junho.
Para exercer interinamente o eargo de eh-.'<
de polica, foi oomeado pala presideocia da pro-
vincia o juiz de direito de M trajo, Dr. Consutiai
Jos da Silva Braga.
Do 1* de maio a 19 da junho foram matri-
culados na alfandega de Belem 2785 escravo.
Amda continuava a assolar Caraet a anas pro-
ximidades a epidemia de febres, seodo om dos
oltimos atacados o Sr. Dr. Miguel Lucio de Albn-
qoarqoe Mello, pelo que deixara o exercieio dj
eargo de promotor publico oo da 20 da junho.
A alfandega de Belem arreead >u d > I a 21
de jooho 226:966*351 reis.
O cambio regolava : sobre Londres i 1/2,
sobre Paris 380 reis, e sobre Portugal 120 a li-:
por ceoio.
OIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 3 D JULIIO DE 1872.
Voticlas do Amazonas e do Para
Hontem s V boras e meia da tarde fundeou em
nosao porto o vapor ioglez Elf, procedente do
Para, d'onde sahiu a 22 de jooho, quatro dias de-
pois do Paran.
Dos joroaes que recebemos nada coosla com re-
lacio aos grandes disturbios qae se dizia terem
havido na cidade de Belem na noute anlener e
no dia da sabida do Paran, noticia esta aqu ei-
palhada malignamente ehegada dessa vapor.
AMAZONAS
Foi sanecionada a lei n. 244, Oxando a des-
peza da provincia, no anno financeiro de 1872
1873, em 511:712*312, sendo assim distribuida :
Representacio provincial.......... 23:000*000
Secretaria da presidencia.......... 23:000*000
fnstruccao publica................ 61:320*000
Estabelecimento de educandos artfi-
ces...........-............... 57:300*000
Culto publico.................... 3.000*000
Saade e candada publica.......... 9:300*000
Obras publicas................... 185:900*000
Repartidlo de fazenda...........>. 34:112*212
Diversas daspezas................ l,780*000
c Alem destas daspezas a lei antorisa o presi-
dente da provincia:
1 A mandar concluir a obra, em aniameoto,
do edificio em qae fanceiona o estabelecimento de
educandos artihees e construir mais um lanee, ao
sul do edificio, na linha da frente do actual; .
c A mandar construir um edificio para Lyceu,
directora da instrucclo publica e bibllotheca ;
A rescindir o contrato da Iluminarlo da ea-
Mandou abrir non valla para dar esg'-o os fital, logo que apparecer contratante para faze-lo
a gaz carbnico, ficando n'esse easo a verba re
lativa do orc.amanto (25:000*000) elevada a.....
10:000*000 ;
i A rescindir os contratos celebrados coa a
oompaabja Davlal do Alto-Amaiaais, loga qu 39
PERNAMBUCO.
XEVISTABI1RIA.
GOVERNO DO BISPADO.-O Exm. e Rvdm. |r.
bispo diocesam acaba de expedir a segninte por-
tara, para a qual chamamos a alinelo dos le -
Ures :
Constando nos qoe em algara** freguezias
desta cidade sa lera feito denunciabas para casa-
mento, com omjssio do norae de nm dos cen-
trbanles, declaramos, como 6 de nosso dever, d
oenbum valor denunciacos. de quanto, alera de frustrarem rateramente o sab->
intento da igreja, nio salisfazem as condedas eom-
mnm a unnimemente exigida pelos canonistas :
e lembraraos aos notsos irm io -, os Rvdms. paro-
cbos que ja forana ellas exoressaraent- prohibidas
pelos oossos predecessores, particularmente pelo
Exm. e Rvdm. Sr. D. Joao da Punllciclo Marques
Perdigao, de saudosa memoria, eserevendo este
em data de 11 de oovembro de 4850, 9 segninte :
>Nio convindo de modo alguna que as denunciabas
para casamento sejam escripias, declarando .-rnente
(O nome de um dos contrllenles, devendo ambos
ser conjuntamenteexpressosna mosraa denuncia-
cio determinamos qne assim se praliqae, prohi-
bidas, e enrgicamente, por 0, as deui.ncianij<
as ques nio eslejam escriptos ambos os nouiea
dos contrallantes.
Para que semelbante abaso nlo continu, or-
denamos aos Rvpms. parochos tanto desta cidada,
como de toda a nossa diocesa sigam 'crapulosa-
mente os preceitos da iheologia : Paroch'it in de-
nuntiatione exprmete debel conlrahentium nomen.
cognomen, parochiam. patriam dimialium et a
quibus otti, item doacesim si ad aliam spectent (S-
cavin, de Matrimonio. N. ,"i71 ; e, cingindo-se a
forma prescripta pala constituidlo do bispado no
ltalo 64, n. 269, regeitem toda a qualqu^r denua-
eiacio qoe delta se afasle.
Para constar, mandamos seja esta lida na es-
lacio da missa conventual no primeiro dia festivo,
e depois registrada em livro complante.
Dada e passada em nossa re.-idenea episcoDal
da Soledade, aos 29 de junho d6 1672.-fFr. Vi-
tal, hispo de Olinda. >
ARREMATARES PROVINCIAES.- Parante a
junta da thesouraria provincial vio a praca :
No dia 11 do crrante, os impostos provineiae.,
menos o dizimo de gado vacemn, as comarcas
da Boa-Vista e Cabrcii, por 732* cada urna, com I
o abate da qoarta pane.
No dia 18 do correte, o rebiixameoto da ladei
ra do Timb, na estrada da Victoria, oreada em
9:9005 depois da reconsideradlo ; os reparos e
melhoramentos urgentes do quartel do destaca-
ments da cidade da Goyanna, orcida em 1:602*21:;
e os reparos e melhoramentos da cadeia da cida-
de de Goyanna, oreados em 2:C78125.
No dia 8 de agosto : a obra do segundo lanco
da estrada de Una a Cip;eiras, oreada em...:
22:000*000.
No da 5 de setembro, a obra do quinto lancj
da estrada de Murlbeca, oreada em 19:250*000, a
obra do quarto lanco di mesma estrada, oreada
am 14:190*000.
No dia 19 de setembro, a canalisacio do riacho
Jordio e da camba da Boa-Viagem, oreadas em
16:882*951.
, INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPHl-
CO.Amanhia deve haver sessio ordinaria s 11
horas do da.
THESOURARIA PROVINCJAL-Pelo edilal dee-
la repartidlo, publicado 00 lugar compleme, saa
chamados os proprietarios dos predio 1 das ras,
Marsilio Dias, Viscende de Iabama, Antonio Hen-
riques, Domingos Tbeotonio, Duque de Csxia.
Vital de Negreiras, Thom de Souza, Marques de>
Olinda, Boa Jess, Joan do "ego, Torres, Vwcon-
de de Itaparica, liba de O lio, Bario do Tri-
nmpho, Aurora, Primer >- "' '
navembro, Ponte Velb
que, do Commercio, r
Recife, ra da Mar1-
irem recolher"-
d*s frentes d
1NC0P


MUTILADO


-
_______^H
8
Diario d Pernambve* Quirta eira 3 uta Julho dt 1872
I
I



K
I
do lado de nortt, h dez dis iiw eslo srffrendo o
mcom.Todi ie onvirem gritar dis e noute um ca-
chorro qn< eoawvad > amarrado dentro do n-
tido ero wd! truc {iodo paco di assembla previa-
eil. Nao llavera meio de fazer eessaresse ineom-
modo ? Ciemos qne sira, e tssim o esperamos do
Sr. Avila mpreiteiro dessa obra.
VAPOR ELF.Este vaso de marioha mercante
ingleza, qi e, procedente do Para, cbegoa bontem
ao nosso porto, wr aj levar o material para a
conpachii, tsi/Wra-wnd Mamor railway, e de
volla para a Europa teiu ver se obtem carga uta
porto.
DECLA1UCA0 NE^ESSAW.V.-Tendo-nos ho-
lem procaad o Sr. eogeuneiro Ch'yialito Ferreira
de Castro Chaves, ex-gerente da companhia de
trilbos rlanos do Recite i Olinda, para publicar
urna su respaila ao Sr. Dr. Symphronio Cexar
Coutioho, em lioguagem locon/enenle nosso
ver, disstmos Ibe que nenbama dovida teamos
ttoacqoiescrr aos sena desejos, ama vei que elle,
modifica s e alguns pontos, como j o tioba (eilo o
Sr. Dr. Ccutmlio, no sea artigo, a nosso pedido.
Nao querendo o Sr. Chrysolito annoir isso, e
ataos anda concordar no prego que Ibe pedimos
pela pobii cacao, racorren a nm outro jornal, se-
gundo eramos, e como pote ser qae d la ontro
qaa qaer motivo, vimos fazar a presente deca-
raco.
PAGACORIA DATUJS URAR1A BE FAZSN-
DA.Ne>la repariicu pagara-se bojeas seguales
fainas : arsenal de guerra, recebedoria, offlciae<
reformado* pravas, viita de sade do pirto e
iastitot vaccinieo. O fuoecionarios comprehea;
didw na jad ?s f >!has que nao compareeerem s
serio pagos do sexto da til do dito mez em di-
ante.
HECTIFICAC.AO.A operaco pratcila- re'o
Sr. Dr.Ignacio Alcibiades Velljso, no ol 27 Jo
passado, I o feita com o instrumento d Maison-
rnove modificado pir Guyon, nao seudo o doeale
cntorofomisado.
PHENK P-iRNAMBUCANA. Os accionista
cesta empreza sao convidados a se rennirem, no
tu 6 do torrente au meio dia, na rut do Com
mer-i* n 34, atlra 4a ouvirema leitura de r-hto-
ra aono e elegerem a nova directo! i i.
FALLEC1MENT0S.Hmtem den a alma ao
Creador, anos longa enfermidade, o Sr. lente do
corpo do estado-maior do exereito Clemente Praa
cilio Tav.ires, ajudanle de ordeos do detalhe do
commamlo das armas desta provincia. O finado
T eccapoo por moito tempo o lugar de secretario do
presidio de Fernando de Noronba, e esteve cerca
de i annos nos campos do Paraguay, oodi colbeu
a mol es ti i que o levou sepultura. A' sua iocoo
solavel familia nosso* pezames.
TiUibem se Qqou hontem,.victima de enf-r-
midade pertinaz, o Sr. Sabastio Antonio de Mello
fiefo.
LOTERA.A que se acha a veada a 10 a
benefleio di igreja de Nossa Senhora da Con eica o
dos Militares, a qual corre no da 5. ,
CASA DE DETEXC.VO.Movmenlo do dia Io
dejnlbo Je 1873
Existan (preso-) 297, entraran) 2, saturara 3,
existen S96. '
A saber : naciunaes 200, mulberes 12, euran-
geiros 41, escravos 40, escravas 3, total 296
Alimentadas cnsta dos cofres pblicos 253.
Movimunni da enfermara no da 1 de albo de
1872:
Teve liaixa :
Silvestre, e-cravo, sentenciado, febre.
Teve alta :
J jc dos Aojjs Paciente.
CEMITEtUO PURLICO.-Obituaro do dia 27 de
juntao :
Auna Hara de Jess Leal, branca, Peroambu
co, 34 annos, solteira, Po;o ; solTrimenlos pulmo-
nares.
Joaquina, branca, Pernambuco, 7 das, S. Jo; ;
C0DVUl:0)S.
Mara, parda, Pernambuco, 11 das, Sanio An-
tonio ; i;in'.'u..-ri -.
Alexandrina Perera de Souza, branca, Pernam-
buco, 3 auno?, viuva, Varzea ; tubrculos pul-
monares.
ionysia, parda, Pernambuco, 2 annos, S. Jo ;
variaba.
Ira, e;r.rava, parda, Pernambuco, 70 anuos,
solteira, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
ntomo Jos de Oiiveira, muco, Pernambu-
co, 66 annos, viuvo, Santo Antonio ; amolecinien-
u cerebral.
28
Joaqun) Jos Pereira dos Sar.tis, branco, Per-
cambaco, 70 annos, casado, Sauto Amono ; amo-
iecimsnto cerpbral.
Mara itjdirigaes de Sant'Anna, parda, Pernam-
boeo, 24 annos, Ra-Vista ; vanlas.
Bernardo Jjs Maitios Per.-ira, branco, Pernam-
bneo, 74 annes, vuvo, Boa-Vista ; congesto ce-
rebral.
Maria, parda, Pernambuco, 7 das, S. Jas ; es-
pasmo.
Hermi-negilda, escrava, parda, Pernambuco,
17 annos, solteira, Boa-Vista ; tubrculos pulmo
nars.
Francisco Gomes de Araujo, preto, Pernambu-
co, 18 annos, militar, Boa-Vista ; varilas.
Antonio, escravo, preto, frica, 60 annos, soltei-
ro. Boa-Vista ; escorbuto.
Maria, parda, Pernambuco, 8 dias, Santo Anto-
nio ; espasmo.
Cecilia, escrava, preta, Afri:a,60 anuos, S. Jo-;
engorgitimeoto.
29
Arthor, branco, Pernambuco, 7 annos, Boa-Vis-
ta ; phl.jbete.
Jos, pardo, Peroambaco, 3 1/2 annos, S. Jos;
pnf orno ola.
J ao Vieira, preto, Pernambuco, 72 annos, viu-
vo, Boa-Vista, bospital Pedro II ; amolecimento
cerebra.
Pedn CeleMno da Cucha, pardo, Pernambuco,
06 anm.s, solteiro, Boa Vista, bospital Pedro II;
luberetilos pulmonares.
CRRONICA Jl Di IARIL
TRIRl\AI. DA REL.irj.iO
Sl^SSAO EM 2 DE JULHO DE 1872
PRE8I9E SANTIAGO^
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 lloras da manhaa, presentes os Srs. des-
mbargadores Gitirana, Liurenco Santiago, Almei
da Albnqoerque, Mutta, Doria, DomiBgues Silva,
Regoeira Costa, e Souza Leio, abri se a aessao.
JULGAMENTOS.
O coi Rielo entre os juizss de direilo da 1" e 2o
ditrictiis do Recife.Rssolveram ser o juiz de di-
reito do 1 districto o competente.
RECURSOS CRIUES.
Recorrente, Lniza Maria da ConceiQlo; recorr-
alo, o jt.iz de direito da Victoria.Jnizes os Srs.
desembirgadores Doria, Motta, Gitirana e L. San-
tiago.Nao tomarara conbecimento.
Reccc rreotj, o iiz de direito de Flores ; rec-
corrido, J o Jos da Silva,Juiees os Srs. desem-
bargad! rt? Pona, Souza Leao," Regueira Costa e
Almeidt Albuquerque.Improcedente.
appellaqSes crimes.
Da joiy de Campias.-Appellante, Lucinda Ma-
ra da Coneeicao ; appellada a jasti^a.Improce-
dente.
Dojnry do Recife. Appellante, Ssverino Al vas
da Silva ; appellada, a justica.Improcedente.
Do jury do Ipojoca. Appellante, o juizo : ap-
peltado, Manoel Joaquim da Silva.A novo jury.
Da jury de Atalaia. Appellante, Antonio Jos
Farreirs fiaba ; appellada, a justica.Mandoir-se
dar vist ao appellante.
Appellante, Antonio Joaquim Silvano ; appella-
da, a j'istiija.Improcedente.
Do jury do Ass.Appellante, o jaizo : appel
lados, Francisco Baptista de Sooza e outro. A
novo ja y.
Do jury de Lavras. Appellante, Candido Jos
Vieira ; appellada, a justica.
Annn laram o processo da pronuncia em diante.
Do jarv de Floras.Appellante, o Juzo ; appel-
lados, F;lix Jos de Lima e outro.
api>ellac5es civeis.
Do jo zo municipal de Macei.Appellante, Ma-
noel Joaquim da Silva Leao ; Appellado, o juizo.
Confirmada a sentenca.
Embargane, Macario da Costa Moraes ; embar-
gado, Rodrigo Antonio Brasileiro Macei.Rece-
Xiento oii erooargos.
Do juizo de ausentes do Re:ife. Appellante, o
jnizo ; appellado, Luiz Carlos Brando.Conr-
mada aienlengi.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargad r Gitirana ao Sr. desem
bargader Loorenco Santiago :
Dojszo mnoicipar-'i Balurt. Appellante,
los* L*ns de Souza ; Miado, Pedro Guedes Son-
ineifeo Severano de
' Amonio dos San
''^llsgo ao Sr
Do jury de Breji.AppeUote, ojalie; appsl-
lado, Jos Gemesda Siva.
De Casesvel.Appellante, oji Jos La't Perera.
Da Vrdori.Appellante, Esteviot Harres Pt-
raeotel; appellada, a us-.i^a.
Do Juizo municiaal do Rcife.Appellante, a
junta admnistrativa da Santa Casa ds Misencor.
da ; appellado, Jos Ludo Lins.
Do Sr. desembargador Almela Albuqnerqae
ao Sr. desembargador Moita :
Da juizo municipal da Icaperatriz.Appellante,
Jos Vieira de Araujo Peixjto; appellado, Manoel
da Costa Pinbeiro.
Do jaizo dos fetos.AppeKaate, a fazenda ; ap-
pellado, Ignacio Uchda de Albuquerque Sar-
gento.
Do jury do Sobral.Appellante, o julio ; aapel-
la Jo, Jos de Souza Castro.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva :
Do jaizo municipal do Recife.Appellante, Joa-
qnim Silverio de Souza ; appellado, Joo Duarte
Coelho.
Do Sr. deseracarga lor Doria ao Sr. desembarga-
dor Regaeira Cosa :
Do jury de Alagoas.Appellante,o juizo; appel-
lado, Francisco Antonio de Souza.
Do Recife.Appellante, Guilherse Escb ; ap-
pellada, a jusilla.
D juizo dos feilos do Recife. AppeHaote, o
jnizo ; appellado, basnarel Joaquim Mida Carnei-
ro Vilella.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva au
Sr. desembargador Regueira Costa:
Do juizo municipal de Ollnla.Appellante, Jos
Vicente de Lum ; appellado, Luiz Goncaives Ribel-
ro Barroso.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sn
lesembargador Souza Leao:
Civel.*-Appellante, Jos Joaquim de Araojo Pi-
abeiro ; appellados, Jos Joaquim de Araujo e ou-
tros.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Gitiraoa.
Crirae.Appellante, o juizo ; appellado, Candi-
do Jos do Xascimento.
DILIGENCIA C1VBL.
Ao Sr. desembargador procurador da eora.
Appellante, Benedicto das Caagai Coelho ; appel-
lado, Manuel Carneiro da Silva,
DILIGENCIA CRIME.
A o Sr. desembargador pormolor da jastiQi:
Do jury de Garanbuns.-Appellante, Joaquim
Gomes da Franca Villar; appellado, Jo; Das da
Costa Villar. ,
Do jury de Baique.Appellante, Enygdlo Jos
Gees; appellada, a justica
Do jury de PeJras de Fogo.-Appellante, o juizo;
appellado, Manoel Jos d'Azpdo.
Dq jury da Caruar.Appellante, Antanh Joa-
quim de Sam'Anna ; appellada, a justica.
Do jury de Pianc. Appellante, jMdchisedech
Gomes Perera de Vasconcellos-; appellado, o jui
zo; appellante o juizo; appellado, Luiz Dogenes
Vieira da Canha.
Aisiguuu--e o dia para julgamento dos fetos
ssguintes :
Do jaizo municipal do Recife. Appellante, Joa-
quim Silverio de Souza; appellado, Joa> Daarte
Coelho.
Dj Acarac. Appellante, Gailherme Btzerra de
Araujo; appellada, vuva de Joaquim Domingues
da Silva.
De Serinhaera.Appellante, Alexandre Rolri-
gaes da Silva; appellada, D. Leonor Felicia Wan-
derley.
Da'Victoria.Appellinte, Jjs da Moura Flo-
rencio ; appellado, Antonio Ferreira Pexoto
Rozal.
Do Recife.Apoellante?, os religiosos do Car
mo; appellado, Mauoel Perera Ma^alhaes.
Do uizo dos faios de Alapos. Appellante, Mi
noel Joaquim da Silva Leao ; appellada, a fa
zenda.
appkllac3es crimes.
Do jury de Lavras.Appellante, o juizo; ap-
pellado, Joaquim Leandro da Silva; appellante,
Candido Jos Vieira ; appellada, a justica.
Do Craio.AAppellaote, o juiz; appellado, Jas
Maria de Figurtedo.
Do Pilar.Appellante, Antonio Joaquim Silvano;
appellada, a juitica.
De Maria Perera.Appellante, o juiz; appella-
do, Joo Vieira da Silva.
De Ipojaca.Appellante, o juiz; appellado, Jos
Joaquim da Concelco.
Do Rrcife.Appellante, o juiz; appellado, Pau-
no Alves de Mendon^a.
Da Campias.Appellante, Francisco Monteiro
llarbo-a ; appellada, ajuslica.
Encerrou-se a 1 bara da tarde.
Foi llda e approvada acta da seasao de 27
do mea prximo Modo.
So o. SS89 eib data te27 do "lito mee foif>ito pe-
lo escrivao Alboqaerqae o ult'mo registre dos pro-
testos une lavrara m sua mana, o 1319 em o
dia aateeedeota b dada o escrivao ^ives de Brito.
iCCSKDAS ASStQXAMS.
Os qae foram proferidos na prxima passada
sessio entre partes : appellante Jos Joaquim da
Canda A C, appellado Joaqnim Elvira Alves da
Silva ; appellantes os administradores da massa
fallida de Jos de Castra Relondo ; appellado, Jos
Maria odr da Motta ; appellante, Joio Perera
de Araujo Carddso ; appellado, Joao Antonio Go-
mes Gaiaaraes.
JILGAMFNTOS.
Embargante, tenante-coronel Gaspar Cavaleanti
de Albnqoerque Ucha e sua mulher ; embarga
dos, D. Anns Victoria de S e Albuijoerqne, viu-
va, e berdeiros do tenente coronel Joao de S e
Albuquerque.Foram despresados os embargos.
A" pedido dos Srs. juizes commerciajtes foram
adiados os fetos segaintes : appellante appellado,
Antonio Valen ti m da Silva Barro ; appellante
appellado, o administrador da massi fallida de Si-
bastiao Jos da Silva ; appellante embargado, Joo
de Azevedo Patreira ; appellante embaggante, An-
tonio Gomes Pires ; appellante, o curador fiscal
da massa fallida de Alexandre Jjs* Ribeiro, de-
pois os respectivos administradores ; appellado, o
major Antonio Joaquim Daarte ; embargante,.D.
Mariana Francisca de Abren Lima ; embaTgaio,
Antonio Francisco Pereira de Lira ; appellante,
Joaquim da Silva Costa ; appellados.Tass lrmaos,
em iiquidacio.
%v' PSSAGEKS.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guiraaraes : >
Appellantes, os administradores da massa fallida,
de Manoel de Souza Carneiro Pimpo; appellados,
Bailar & Olive ira ; appellante, o Baro de Campo
Verde ; appellados, os administradores da massa
fallida de Araonm, Fragsi, Santos & C.
AGGRAVOS.
S Exc. o Sr. conselheiro presidente negou pre-
vin.ento aos qae ibe foram apresentadoa nos se-
guales fetos : aggravante, D. Mana da Silva
Campos Guimaraes : aggravado, Antonio Ribeiro
Pontea ; aggravante, Jos Paulo B 'ledo A C. ;
aggravad is, Urbano Colbo de Lomos Andrade
Alexandre iNnoea d Silva.
Eacerroa-se a sessao 1 hora da tarde.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
SALNCETE DO NOVO BANCO DE PERNAMBUCe Sil LIQUI-
DAQAO, EM 28 DE JI'NHO DE 1872.
Acfio.
Letras protestadas..........121:8744470
Despezas geraes......... 15:l71#o35
Caixa.Pelos seguintes valores :
Em ouro amoedado. 815*760
Em notas do thesouro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil 18:737*000
"Empratae cobre. 153*610 19:706*370
Ris. 156:752*396
Patsim.
Capital............
Smissao .........
Fundo de reserva.......
Massas fallidas a cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e perdas........
46:727*000
7:050*000
101:444*490
638*787
400*400
491*719
Tribunal do cainaiorclo.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA EM 1 DE
JULHO DE 1872.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO ANSELMO
FRANCISCO PBRETTI.
A's 10 horas da manhaa. presentes os Srs; depu-
lados, secretario interin Olinto Bastos, Candido
Alcoforado, Alvaro d'AIraeida, e o Sr. snpplente S
Leito, S. Exc. o Sr. conselheiro presidente abri
a sesso.
Lid3, foi approvada a acta da sesso antece-
dente.
EXPEDIENTE
Odelo do secretario do tribunal do commercio
da corte, acompanbando urna relaco das ultimas
matriculas de commercianle expedidas por aquel
le tribunal.Para o archivo.
Ollicio do presidente e se:retario da junta dos
corretores, remetiendo o boletim das coiacdes offl
cia.s da semana de 25 a 28 de junbo prximo
passado.Remettido para o archivo.
Jornal offlcial de ns. 13o a 140.Para o ar
chivo.
Presente o livro de registro da correspondencia
offlcial, venfleon-je estar regularmente escriptu-
rado at o n. 112.
Aos Srs. deputados foram distribuidos/os se
guiotes livros :
Diario e Copiador de. Luiz Daprat, dem de Jos
Moreira da Silva, dem de Pantaleo & Irmo
DESPACHOS.
Requerimentos:
Da Pacheco & Azevedo, fazendo ver o erro que
se dera em sua petico em que pediam por certldo
a matricula de sea calxeiro, cbamando-se elles
supplicantes Pacheco A C, o qae oecasionoa a
secretaria dar-Ibes eertido negativa de semelhan-
te registro pedindo adnal que dita eertido seja
considerada de nenhum elfeito, sentados assim
elles da satisfacao dos respectivos emolumentos.
Informe a secretaria.
De Pacheco & Gonzaga, no mesmo sentido sa-
pra.Informe a secretaria.
Da Gomes A Silva, subraeltendo a registro a
noraeacao de seas caixairos Joo Gurgel e Joo C.
Calais, cidadosbrasiliros.-Registre se a nomea-
cao dos caixeiros a que se refere a presente peti-
co, os quaes sao declarados brasileiros, embora
nao esteja provada sua nacionalidade.
Da Neves Queiroz & C, apreseotando a registro
a nomeacao de agente auxiliar de sua casa com-
mercial na cidada da Victoria, qae deram a Al-
berto Jacintbo de Souza.Vista ao Sr. desembar
gador fiscal.
- De Luiz Goncaives da Silva, solicitando eertido
do tbeor do contrato social de Joaquim Silverio
de Souza & CComo reqaer.
De Carlos da Silva Araujo, pedndo ser prvido
no lagar de corretor geral vago pela desistencia
que Qzera Francisco Mmede de Almeida.Ser
tomada em considerarlo a pretenco do sapplican-
te quando se bouver terminado o praso marcado
para o preenchimento do offlcio que fi'ou vago
pela demisso do corretor Mamede.
De Domingos Alves Matbeas, pedindo por certi
doo'lbeor do registro da procuraco passala
pela vinva e filhos de Joo Joaquim de Ronza
Abren e Lima a Gabriel Antonio de Castro Qaio-
ues.Como reqaer.
COM PARECER FISCAL.
Da Francisco Jos Alves Guimaraes e Marcolino
Dornellas Cmara, distrato social da firma Cma-
ra A Guimaraes.Registre se na forma do decrete
n. 4394.
Autos de rehabilitado conomereial de Joaqnim
Jote da Costa Fajozes e Jos Laarentino de Azeve-
do.O tribunal proferio o seguinte despacho :
Pica marcada para a decisio a sesso do dia 8, de-
veodoser convidado o Sr. desembargador fiscal,
m de assistir ao julgamento.
A's 11 e meia horas do dia o Exm. Sr. conse-
lheiro presidente encerrou a sesso.
SESSAO JLTDICIARIA EM 1 DE JULHO DE
1872.
raK3!DENCIA DO KXH. SR. CONSELHEIRO A. T. PB-
RETTI.
Secretario interino, Innocencio Antunes de Farias
Torres.
Ao meio dia, achando-se reunidos os Srs. des-
embargadores Silva Gairaares, Reis o Silva eAcci-
oli e os Srs. deputados, Olinto Bastos, Candido
Alcoforadc, e Alvaro de Almeida, e o Sr. snp-
plente b Letao, o Exm. Sr. conselheiro presi-
dente declaren absrta a sesso.
HWS.
i *
&EMONSTRAQAO DA EMISSO
notas do valor de 200*000
19 ditas i de 100*000
45 ditas de 50*000
156:752*396
4:400*000
1:900*000
750*000
S. E. e O.
Ris.
7:050*000
THESOURARIA DE FAZENDA.
Dia fdejulko.
Foram remeltidos ao Sr. ihesoureiro p ara se-
rem oagos:
Offlcio da presidencia, mandando pagar o for-
necimeoto de lar para o quartel do destacamento
'Ja guardas naeionaes em Goyanna.
Offlcio da presidencia, mandando pagar a An-
ton'o Jos de Soaza e Silva, a qaaotia de ris.....
30J4900.
Offlcio da presidencia, mandando pagar ao l-
ente- Henriqae Carneiro de Alraedi a qaanlia de
3*000.
Offlcio do arsenal de Marnha, remettendo een-
t*s de Antenio Francisco da Costa Pernam-
buco.
Offlcio do corrector geral Francisco de Mirania
Leal Seve, apreseotando cootas da gneros com
prados para o presidio militar de Fernando.
1-V.im Igualmente remeltidos ao Sr. pagador
para serem pagos :
Olicio da presidencia, mandando pagar venc
meotos do destacamento da guarda nacional da
villa de Iagazeira.
Servindo de offlcal-maior.
Manoel Jas Pinto.
PUBUCACOES A PEDIDO.
Villa do Bonito, 18 de junho de
199t.
MISSIVA PARA SER VISTA PELOS GOVERN0 PROVINCIAL
E GF.IUL.
Tremendo ostou de susto, que me descubran)
atraz do altar-mr, na pesquiza que assiduamen
te faiem do antor das noticias desta infeliz co-
marca 1
Felizmente, j se pegarara com ura outro, de
quera besluntamen'.e dizem conhecer a linguagem ;
e qne, por isso, acba-se intimado de um protesto
de oflensas physicas, a voeiferaco do magrico,
pt-imoral dos ntimos-dj juiz de direitolei
viva I
Em quanto, por engao, for nelle, e dr o pu,
folgam-me as costas I...
Protesto, por mioha vez, resguardar-me, quanto
possivel, das taes pesguizas, e nao sahir do mea
anteparo sagrado, ao Andar o meo servico da apa
gador de velas, seno para inspirar-me no lagar
beato e milagroso, em qae o pontual, coosco de
sua indestructtvel influencia pedia perdo ao vi-
gario, mea bom amo, e com elle reconcilioa-se,
batendo nos peitos, e deca/ando qae, por too fe
liz svecesso, ia comprar urna Nossa Sentora da
Pazl........
Inspirador logar t...
Delle v-se, como em um s prisma, todo quanto
de intriga, dejveneno, de perversidkde, de preva-
ricado e de miseria, se acba derramado pela villa
e pela comarca I...
Verdade que neste momento nao posso la
cegar, por achar-se o lagar occapado por no
grupo saliente de descascados em sesso secre-
ta; os quaes procuram concertarse na composi-
cao da chapa de eleitores, que pretsndem bater
em agosto.
De um delles, que dizem ser a segunda pessoa
offleial dotriamvirato coraarcJo, que traz a ter-
ceira presa pela cauda, e a leva para onde qaer,
estoa oavindo dizer que a cousa nao ba de ser
tao facij quanto supp5e-se, em face das jeircums-
tandas, para a escolha do segando candidato ; e
qae, por isso, coavm nao esperdicar o manivel-
Usina de eleitores j coohecidos, qaa nao torcem
a cara ante o aceno de qualqaer patente inferior
da guarda nacional, suppleocia de subdelega-
do, ou mesmo lagar de inspector de quartei-
ro I...
De outro ouqo dizer que nao ah, qne est a
Jifficul lade; porque desta gente ha de sobra para
escolha, aqu, e em toda a parte,
A difflcaldads est, diz elle, em vencer a eleico
de eleitores, sem grande torca armada, e a nter
veneno directa e decisiva das autoridades; as
quaes, pela circular do Exm. presidente do conse-
Itio de ministro?, e a suprema vigilancia imperial,
se acham maniatadas ante nm povo despertado do
mvtuarismo poltico, estimulado pela inviolabili-
dad de seas direitos e exaltado pila livre man-
festaco de sen voto I...
Convm, pos, diz elle, cogitamos, qoanto an-
tes, nm pretexto para Iludir aquella circular, e
nos dar lugar requislcao de forca, e de moita
forca, que por si raesma se imponha este povo
atrevido I___
Muito bem, muito bem I......diz um outro,
qae se spregoava de che fe liberal, ltimamente
descascado em actualista: temos pretexto, temos
pretexto!.... a insubordinaco, e o desacato
feito, ba poneos dias, por quasi todo o destacamen-
to da guarda nacionalao delegado, pelo simples
facto de deetractar este a um insignificante guarda
ehamaodo-lhe nomei indecorosos 111
Sim, sim ioterrompe nm oatro ; e mais
o arrombamtnto e miu estado da caiea, e o k-
cantamento dos presos....
Feliz lembraoca !... feliz lembranca I... dizem
todos; eqawitemos... reauisitemos firmal....
oem aoi s momelo a perd:r I...
E d'a |ni os estou vendo sabir : e l se vo, ao
ceno, wHt a cousa nesses termos I
' E ja i|ae fallaram nos presos, e querem do
acontec ment tirar pretextos para a oppressc do
povo e i orapresso do voto, vou narrar o faci, tal
qual se passoa:
Na noute de 9 do eorrente, achindo-se os pre-
sos no ultimo aparo da fome, deque ba muito sao
victima!, cerno ja nolieiei na minha ultima missi-
va, tomaran o partido desesperado de exporem-se
urna morte violenta n instanUthM, pondo fogo
ao troni, em qae tsrtaradameale passavam as
noltes, ii comecando, em seguida, o arrornbimeato
da cade a.
Ao ainantecer do da 10, eslava um rombo j
quasi U ito, e nm segualo j camelado, qnaado
carcere ro den pelo caso.
A gu irda da cadeia poz se logo em attitade de
guerra em redor desta, e de toda a villa corra o
povo afluente para o lagar.
Os pitaos amotinados gritavam de dentro', qne
Ihes ac -isum patsagem, ou loes dessem de comarl
... qn< elles o qae qaeriam era mi morrtrem
de Joa.'. L..
Grita/am pela preseoct do juiz de direito Cba-
i, qni avuo poda ouir da P.rahyba, do dele-
gad e do-promtor, aos quaas, diziam baverem
por Untas vetes dirigido, debalde, as toas qneixas
de rom> I...
Alguna ptsiaas da.povo, condoidas, lancaram
para denfro BWenar,belis e bacalhi cr.
Os piesos atiraram-sa essts raques de carida-
e, e vidas as devoraran), como caes e-faima-
Saciada a fome, moliflearam a gritara e o des
espero e bram-st pattando para a garolice.
Um delles, de nome Manoel Bezerra, motejador
dt vea, vendo ehegar o delegado com o sau in3t-
paravel promotor, batea palmas e chamoa o dele-
gado altencao...
Approxioaodo-se este a oavr o que queriam
dizer-ll.e, dirigi Ihs opreso a palivraaos segain-
tes imt rovissdos quarietos :
Ni da hmd del'gado I
S) os presos, qae lem fome 1... .
Qg em est no tronco, e nao come,
B' palor qae o cao daronado I...
Ct ega o nove de S. Joo,
E os presos juntos em massa,
PVa fuer da fomegract,
Dtr tronco azemcarvo___
Quera as vrilbas consom
Em aisar beijs, qae h D ve tomar por ebalaca
Eila tol.a da (orne I...
E cbamando, em seguida, a attenQo do promo-
tor publico, que atacad) do nervoso, nao sabia das
trazeiris do delegado, puebando-o pelo braco, di-
rigio-ltie o mesmo preso es segaintes quarletos
anda de improviso :
Nioreceia, meu promotor, '
Qie um s preso daqrai faja,
Pois quem tem tiamita-suja,
Q ter lava-la ao batedor....
Qiera tem dente*, quer morder...
Ir da qne seja na grtlha
U n naco de cabra velka,
En horas da adormecer.....
S *e voc, que o petisco,
U n por noute nao roo...
Mas toma mecha de pao,
Pa dar tspirros sem risco...
Ao improvisar este ultimo qnarteto, qae dava
cor de garotice aos doestos vlipeodiosos e s obs-
cenidades qae os outros presos lancavam ao pro-
motor, cahiram estes em gargalhada, repetindo o
verso, qne corregir em melnor pbrase o doesto :
Mas tome mecha de pao
O alarma foi se tornando em comedia, em a qual
os don s inseparaves nwmbros do triumvirato fo-
ram lf vados ao ultimo ponto do ridiculo e da des-
moral saeao.
A oena lerminou, por ser destelhada a cadeia,
e laotadas para dentro atgamas barricas de cal,
qn>, s'affocando sbitamente os presos, dea lagar
a que estes fossem sorprsniido< pelos guardas na-
cionac s, algemados, e condnzidos para o quartel.
onde re consarvaram empulceirados, como elles
mesrai risotatntnte diziam al o dia 15 do cor-
rente, quando foram novamente transferidos para
cadtia, reparados os rombos desta.
Ao lindar a aarraco, nao posso delxar de diri
gir ac governo ara clamor, peJino providencias
para qae a cadeia daqui attinja as coaniedes cons-
titucieoaes, isto qae seja limpae arejada, e of-
fsreca aceommodacoes snflcientes de seguraoct aos
presos, independeutemente de firros e de tronco I
E que, alem disto, haja nm fornecedor contra-
tado qae os ponha a salvo da fome.
E dirijo este elanor, porqae, nem o jaiz de di-
reito Chaves, oem o promotor, nem o delegado,
bao providenciado cousa alguma aesse respeito.
Air da no dia 5 do eorrente, 4 dias antes do
aconticiment), o jaiz sapplente Joaquim Pantaleo
a qnem de revz foi passada a vara de juiz de di-
reito, depoi? da aeeplialia de mais de duas sema-
nas, rm que o effectivoChavesdeixou a comar
ca, pt r frustraco de seas planos, convidou ao pro
moioi para ama visita cadeia : mas este, sem
se da pela sorle dos presos, respoodeu-lbe qae
mais be cumpria seeurar-se contra o accommetij-
ment destes do qaeimportarse com a sua
fome...
Esta resposla bem patenteia os sentmenlos de
dover, de qne est compenetrado o hediondo irium
vrate I
Contra todo isto, em altas vozes, anda pele pro
videncias ao governo.
O imparcial.
Para.
Illoi. Sr.A commissao portagueza de soccor-
ros ans indigentes accommattidos da febre ama-
relia, crendo traduzir os sentimentos humanitarios
dos s ib:cfiptores e offerentes qae representa, lera
n'esta oceasio a V. S. em nome daquelles bemfa-
xejos :oragoes a-qaaotia de dois contos da res em
dinheiret, destinada a distribuico, entre as pessoas
necesitadas de soccorros, nessa cidade, ao bom
criterio da commissao particular de soccorros de
qae V. S. parte. O supremo dispensador de
bondades dirija as pessoas de V. S, e dos dgaos
memlros da commissao na senda de caridade me
Unto os nobiliu. Ao Ilm. Sr. Manoel Feroandcs
Valer te, em Camela.
Belsm do Para 4 de junho de 1872.-Os mem-
ores da commissao.Manoel Joaquim de Faria,
Victor Rodrigues de Oiiveira, Bento Rabello de
Andri.de, Elias Jos Nnnes da Silva, Fortunato Al-
V45,d> Souza.
nln s. Srs.Com a carta de Vv. Ss. de 4 do cor
rente me foi entregue a sorama de doas coates de
teis ( 2:000*000) qaeVv. Ss., como membros da
commissao portogaexa nessa cidade, enviaram-me
para -er entregue commissao particular de soc-
eorro! nesta cidade e applicada a soccorros aos
affect dos|das febres intermitentes. Fiz presente a
cemmss), da ollera, a qual pelo offlcio que junio
remet o, agradece acto to philantropico ; e tanto
mais iligoo de lonvor por ser espontaneo, prova
mais acrysolada do seotimento humanitario qae
carcter isa a colonia portagueza ao Para. Permti-
tara-n a Vv. Ss. qne pela parte que mais respeito,
agradiga a subida honra que ma dispensaram, fa-
zendo-ni! interprete, perante a commissao part
calar de soccorros.dos sentimentos da colonia por-
tagueza. PeQo permisso a Vv. S?. para mandar
pabli:ar a carta qae se dgaaram dirigir-se bem
como o offlcio da commissao e esta minha, se nislo
nao effendo as sais susceptibilidades. Camela 7
de juabo de 1872.[lima. Srs__Manoel Joaquim de
Paria, Vieter Rodrigues da Oiiveira, Bento Rabello
de Anlrade, Elias Jos Nones da Silva, Fortunato
Alves de Souza, dignos membros da commissao
porto jaeza de soccorros.Manoel Fernandes Va-
lente.
Sala das conferencias di commissao particular de
soc jorros aos enfermos pobres da Camela 6 de
jan Do de 1872.
Ilm?. Sr?.Foi hontem presente commissao
particular pelo nosso amigo Manoel Fernandes Va
lente urna carta de Vv. Ss. accompanhada de dous
cont i de rs., para auxilio aos esforejos qae a cem-
mss) emprega em favor dessas ceoteoas de do-
entes pobres caja manutenco est a sea cargo.
Pal >-nos expresses para agradecer, commis-
sao portagueza a esmola espontanea e valiosa qae
nos rsmettea.
No estado .critico de toda a provincia, abalada a
agricultura, a industria e o commercio, fjntes da
riqueza publica, sublime-registrar o proceder da
commissao portagueza.
Um dia, todos esses miseraveis cada um dos
qnes repetiremos os nomes de Vv. Ss., elevando as
maos aos Cos bemdiro fervorosamente os estran-
geiros que na hora da eslamidade, da fome e da
orle vierara espontneamente resiiuil-ot i vida !
A commissao particular de soccorros habilitada
esm o poderoso auxilio que reesbeu de Vv. Ss.
oole ser de ora avante mais til qne nansa, e os
lofellzes aos quaes tem al boje fallado ot precisos
e urgentes meios para debellarem o mal tel-os-ho
por oossas mos.
A commissao pai ticular, pots.em nome da cidade
de Camela e sea termo agradece profunda e cor-
de-lmenta o bolo da caridade que a honrada e
humanitaria commissao portugueza derrama no
seio do s qae padecen).
Deas gaarde a Vv. 8s., Din. Srs. Manoel Joa-
quim de Para, Victor Rodrigues de Oiiveira, Bea-
to Rabello de Andrade, Elias Jos Nunes da Silva,
Fortunato Alves de Souza, dignos membros da
commissao portogaeza da cidada de Belera.0.
membros da commissao particular; Dr. Mignel L.
de Albuquerque Mello Filho, Negociante Maooel
Feroaodes Vleme, Coronel Jos Francisco de Si
qoeira Men tes, Dr. Joio IMiearpo dos Santos Cam-
pos, Vigario Padre Antonio F. da Silva Franco, ca
pitas Mariano A. Gomes de Castro, Teaente Ray-
mundo Joaquim Martios, Pbarmacealieo Joaquim
Felippa de Siqueira Mendes, capitn Jos Alves
Gareia.
( Do Diario do Gram-Par.).
i una lagrima sobre o < mutilo do
capltao Antonio i,, de Siquei-
ra e Helio.
DEDICADO AOS SEOS PARENTES
(Pot'occeniao do officio no quadragesimo
dia do passamento.)
Para que se desdobram esses creps
O lato, a dr, os prauos recordando? >
Porque se agita o bronze, trmulo, sombro,
A dr nos sons que passara despertando
Qae tantas flamma, qae toebas trmulas sentidas
Bxalam raios de luz, qae se aoelgac;am,
Qut se aqaebraotam tiritando as cbammas.
/vos gemidos da orcbeslra, qae perpassam t
Oh I Todo nos diz morrer I Tado repele
Esse deslio) atroz da humanidade II...
Foi a fldr da javentade cae marchou-se'
Que to cedo voou eternidade I..
Tudo lato, mea Deas I.. Eis o momento
Do terrivel da dr! Qaaoto mysterio !....
Eis o momeo'o em que o horaem v coatricto
O que a humanidade I... A vida passa.
E bem feliz aquelie, que no'sente,
A voz da conciencia repetir-lbe
As loucuras da vida e qae anda vio
As soas primaveras se passarem
Sem que as tenras flores feoecessem.
E' bem feliz o nauta, qae se atra
No seu frgil bttel, s ondas turvas,
E bate brago a brac.o as tempestades
Sem que trema a voz sombra e ronca
Da eternidade que Ihe diz :morrer!....
Ei-lo moco, e a vida de esperances,
Cedo rugiu-llia no sorrir dos annos!
Pardoai-lhe, Senhart Elle era m-)C-\
As soas primaveras se mnreharam
Cedo de mais. .
A flamraa ardenle, paluda, extiogue-se,
Porm seus labios nunca blaspbemaram
Nos momentos falaes.
Perdoai Ihe, meu Deas I Balsamo santo
Uogio-lhe a alma erante, e o vosso nome
Sempre respeitou.
Mortal, a veste pura da innocencia
Ao tropel das paixes i Nanea enlameoo.
Mogo, bam moco no sea livro d'alma
Nao se haviam escripto traeos negros
Que o remorso causasse;
E da mocidade tonca, a virgen) palrai
As tempestades sociaes passaram.
Sem que a desfoioasse.
Aeolhei-o, Senhor I Eile era puro,
O coraco de tanta raociJaie
Nunoa idea m o fez pulsar ;
Meus amigos, deixai, deixa o praoto;
Elle voou bem cedo i eternidade,
Mas o throoo de Deas foi habitar.
Mamaoguape 10 de junho da 1872.
I. V.Nevtt Fdho.
Tranquillo em miaba conscienca e con-
dado no testeuiunho de pessoas insaspeitas
e vizinbas, eipero opporianamenle restabe-
lecer a verdade dos fados e destruir a pre
sumpQo, qae relativamente ao incendio do
mea establecimento, ( bem como relativa-
mente todos os outros que tem havido
nesta cidae ), tem o Illm. Sr. subdelegado
da ireguezia da Boa-Vista na conformidad^
de suas participaces ofljciaes de bontem.
Aguardando, pois, o resaltado das res-
pectivas averiguaces policiaes, e os depoi-
mentos alludidos, invoco no entretanto des-
de j o testemunbo dos Illms. Srs. Jos
Targino Goncaives Fialho, Augusto llygino
de Miranda, Jos Antonio de Albuquerque
Pddroza, Luiz Abranches de Figueiredo e
outros que com bastante trabalbo abriram
as portas do mea establecimento que se
acbavam devidameote fechadas.
Recife 2 de jalho de 1872. v
Josu Materno Azvxdo Santos.
O abaixo assignado vera por msio deste jor
nal agradecer a todas autoridades, amigos e par-
ticulares que se prestarim a salvar seas bens
ameacados pelo incendio da noute de 27 do mez
passado as casas juntas a de saa moradia.
Recife, 1 de jalho de 1872.
Dr. Antonio Gomes Tavarer.
COMMERCIO.
PRACA DO RECIFE 2 DE JULHO
DE 1872.
as 3 1/2 horas na taedi.
CotacSes officiaes.
Algadoda Bahia 1' sorte 766 rs. por kilo, hon-
tem.
Cambio sobre Londres a 90 div. ii j'|8, e do
banco 21 1|2 i, boatem.
Cambiosobre Pars a PO d|v. 388 rs. por franco,
bontem e hoje.
f.J. Pinto,
Preeidentt.
Doboarcq,
Secretario.
ALFANDEGA
RendiaMulo do dia 1 .
dem do d 2 .
w.09oo36
38:085*896
93:1814432
Desearregam boje 3 de juibo" de 1872.
Patacho allemoAmorvarios gneros.
Brigoe portuguezTriumphoidem.
Patacho inglezSntenellodem.
Barca aus'.nacaGeotibefarinba de trigo.
Birca inglezaKedronmachinismo.
Patache portuguez==Jfc*af CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimento do dia 1...... 119*580
dem do dia 2........ 829*232
918*812
SAHIDAS DE MERCADURAS.
Volumes sabidos com fazenda
dem idem ecm geoeros diversos
Boma
58
95
153
Importado.
Vapor inglez Stdobnt, vindo de Liverpool e
Lisboa, consignado a Mills Latham C, mani-
festn:
Carga de Liverpool
Agolhas 1 caixa a Bobres. Armas 1 eaxa ao
mesmo. Arreios 3 eaixas a Oiiveira Sobriobo, 1
Arroz 59 ieees
>
Brinqaed s 1
Abren
caixa
aos consignatarios.
Basto.
Biseclos I caixa a Christiansco.
caixa a Gomes Ferrara.
Cabos 91 pecas aos consignatarios. Calcado 10
eaixas i ordam, 7 a Lyra A Vianna, 4 a Oiiveira
Sobriono, t a Araojo A C, 2 a B. J. Feroandes, 2
a D. Taixeira Basto, I a S Lit > & Coimera, 1 a
Lopes Machado, 1 a Pereira Arantes, 1 a Braco A
Giovo, 1 a Moonard Mettlar. Caldairas 65 a Starr.
Capsulas 2 eaixas a Ferreira Maia. Cimento 25
barneas a Si Leltio A CoImDra. Cerveja 50 bar-
ricas a Sonta Basto, 5 eaixas a Christianseo, 1
barril a Dovle. Cb 16 eaixit a J. I. da Costa, 5
a Johnston Pater. 4 a Simpson & C. Chapeos 7
eaixas a Lemos A Gorineaa, 6 a Araujo A C.,
6 a Cramer Frey, 5 a Caoba A 0,4 a Cbristian,
3 a Oiiveira Sobrinbo, 2 a Keller, l a Bobrts,
1 a Souza e Si. ,
Ditos de sol 3 eaixas a Oiiveira Sobrinbo, 2 a
Adriano Castro, 1 a Rabe Schmettaa, 1 a Baslo A
Silva, 1 a Monhard Meltler, 1 a Barros Jnior, 1
Pinto da Silva A Casca), 1 a Rodrigues Irmos A
Guimaraes. Chambo 20 leocoes a Power Johnston.
Cofres de ferro 3 a Izidoro Bastos. Conserva 12
eaixas a ordem.
Coaros 4 eaixas a Wild, 3 a D. Texeira Basto,
2 a Arujt A C, 2 a Izidoro Bastos, 2 a Vaz A
Leal, 1 a Lemos & Garineau, 1 a Lopes Machado,
1 a Monhard Maular, entilaras 2 barricas e 1
caixa a Power Johnston, 1 a Carneiro Vianna, 1 a
Soaza e S>.
Elstico 2 eaixas a Wild. 1 a Basto Oiiveira, 1
a Faria lrmaos, 1 a Moreira Dias, 1 a Soaza e S,
I a Vaz Junier. Engenhos da assncar co aplates 3
em 52 peen a Puwer Jobnstnn. 1 em 91 ditas a
Pereira Mostinho. E-topa 25 fardos a Farreira A
Matheos, 10 a Braga Son, 10 a Cnnba A C, 10 a
Saanders Brothers, 5 a Rodrign lrmaos A Gui-
maraes, 2 a Johnston Pater.
Ferragtne 42 volumes a Power Johnston, 11 a
Almeida A Viaona, 9 a Sh.w Ilawke, 6 a Isido-
ro Bastos, 4 ordem, 2 a Cbristunsen, 2 a Pareo-
te Vianoa, 2 a Santos Farota, 1 Czo A ir-
mo, 1 a S Leito A Coimbra. 1 a Sonx e S.
Ferro 35 felxes e 8 chapas a Powar Johnston. Fio
6 fardos ao mesmo, 3 a Adamson Howie, 5 eai-
xas a S Leito A Coimbra, 3 a Abren Macedo.
Folhas de cobre 46 feixet a Power lonnsmn. Ditas
de Flandres 130 ennbetes a Prente Vianna, 3
aos consignatarios. Fundas 1 ealxa a Maurer.
Fuados'de cobre 5 feixes a Silva Barroca.
Licores 4 eaixas >os conignatario-<.
Linba 5 eaixas a S Leito & Coimbra, 1 a
Macedo, 1 a Souza e S.
Linhjra 2 barricas a Maorer. Livros 1
a Goocalv da Silva A Pinte.
Lenca 1 barrica a Sljueira. Lavas 1 caixa a
Bohres.
Machinas de costura 40 eaixas a Heori]ue
Forster. Machioa a vapor 1 a Power Joohsion.
Machinismo 12 pecas a J. B. de Oiiveira, 6 volaoaes
a Sbaw Hawk is, 2 caixw va frrea do Recife
a Caxaog, 1 ao Dr. Silva Ramos.
Manleiga 50 barris a Cesta Araorim, 50 a Siun-
ders Brotners, 30 a A. F. Corga, 30 a Guimaraes
A Alcoforadi, 25 a Silva Pialo Ferreira, 20 a
Prisco Barbosa, 15 e 3 eaixas i ordem, 2 barris a
Adriano Castro.
Medicamentos 2 eaixisa Maorer, 1 a Bartbolo-
meu & C, 1 a Caors, 1 i ordem. Msrcadonas
diversas 20 eaixas a Bobres, 12 a D. Tiixeira
Basto, 6 a Vaz Jnior, 5 a L Goncaives da Silva,
4 a Aranjo A C, 4 a Moreira Dia, 4 a Soma e
S, 3 a Basto Oiiveira, 3 a Oiiveira Sobrinbo, 3 a
Prente Vianaa, 2 a Adriano Castro, 2 a Lemos A
Gurineau, 2 a Vaz A Leal, 1 a J. de Almeida, 1 a
Maary, 1 a II urgard A C, 1 a Moura Pereira, 1 a
Heoschell, 1 a Isidoro Bastos, 1 a S Leito A
Coimbra.
Objectos para eserptorio 2 eaixas ordem, 1
aos consignatarios.
Ditos para esgoio 201 volamos e pcs a Law A
Bloant.
Ditos para agua e gaz 3 eaixas i companhia da
Santa Tnereza.
Obras de cobre 8 volamos a M. dos Saotos Vil-
laca. Oleo 1 caixa a Manrique Forster, 1 a D. Te-
xeira Basto.
Dito de linhaca 10 barris a Bartholomeu & C,
10 a Goncaives Belio. Orgao 1 a Lsbman Preres.
Papel para cigarros 1 a CbristiinseB. Perfuma-
ras 2 eaixas a Moreira Dias, 2 a S Leito A Co-
imbra, 1 a Barros Jnior, 1 a Basio Oiiveira, 1 a
Rocha A C.
Porcelanas 1 barrica a Gomes Ferreira. Pregos
6 volumes a Starr, 2 a D. Texeira Basto, 1 a Bas-
to Oiiveira.
Presuntos 5 eaixas a Braga Son, 4 ordem, 3
a Vaughao. ProvisSes 2 eaixas ao mesmo, 82 a
ordem.
Qaeijos 10 eaixas a Cunta A Manta, 1 a Cbris-
tunsen, 1 Wild, 1 ordem.
Relogios de ouro 1 caixa a Power Johnston.
Soda 8 barricas ordem. tj>
Tecidos 117 volumes a Pereira de Met, 111 a
Alcoforado Vieira, 104 a Cramer Prey, 78 a Per-
reir A Matheus, 74 a Saunders Brolher?, 69 a
Wild, 59 a Bastos A Silva, 58 a Carneiro A No-
gueira, 58 a Keller, 57 a Braga Son, 57 a Siquei-
ra, 5y aos consignatarios, 54 a Adamson How e,
51 ordem, 17 a Rodrigues lrmaos A Guimaraes,
II a Pbipps Brothers, 44 a Sirva A Cardozo, 42 a
A. C. de Abren, 40 a Goncaives Irmo. 31 a Mon-
hard Metller, 28 a Simpson A C, 21a Okell
Bindloss, 19 a Manteiro Gregorio, 16 a Rabe
Schmettaa, 11 a Costa Irmos, 9 a Fernandes Lo-
pes, 9 a Oiiveira Sobrinbo, 8 a Johnston Pater, 7 a
Burle, 7 a Mendes Azevedo, 6 a Goncaives Re trac.
4 a A. F. de Oiiveira, 4 Vac a Leal, 4 a Wirsou
Rowe, 3 a Pinto da Silva A Casco, 2 a Leger, 1
a Souza e S. 40 a Adriano Castro, 40 a Goncai-
ves Ferreira, 39 a Linden Weydman, 38 a Caoba
A C-
Tenas 2 barricas a Christianseo. Tinta 1 caixa
aos consignatarios. Tulas 4 barris a Bartholomeu
A C. .
Vi Iros 2 eaixas a Ferreira Maia, 2 i Heos-
chell. Vinho 1 caixa a F. Martins.
Carga de Lisboa.
Alhos 20 eaixas a Gaeles de Araujo. Alpiste
10 barricas a Souza Lima. Arcos 100 rodas a Ra-
bello, 10 a Reg Braga, 50 a Gaedts de Aranjo.
Azaite, 50 barris a Lima A Reis, 26 a Rabello, 10
a B. J. Feroandes, 20 a Lima Silva, 12 a Saunders
Brothers, 10 a Franco da Cuoba.
Baiaios, II volumes a Pocas A C. Batatas, til
eaixas a Rodrigues A Martins, 122 e meias a Sa-
aoders Brothers, 100 a Rabello, 50 a Souza Lima,
50 a Lima A Reis, 50 a Pereira Vianna, 50 a
Guedes de Araujo. Bracos da batanea, 21 a Aze-
vedo A Irmo, I a ordem.
11 Cabos, 25 penas a Saanders Brothers. 11 a M.
J. de Agaiar, 9 a Goocalves Beltrio. Calcado 3
eaixas a Paiva Farreira, 2 a Lyra A Vianna, 2 a
M. J. Ribeiro, 1 a B. J. Fernandes, l a A. F. de^f-
liveira, 1 a Izidoro Bastos, i a Nones da Fonceca,
1 a Porto A Bastos. Capachos, 2 fardos a Pojas
A C. Capsulas, 3 eaixas a Carneiro da Cunha, 3
a J. V. de Lima, I a Perreira & C. Ceblas, 300
eaixas a Rabello, 50 a C. Cardoso, 50 a Ferreira
Arantes, 40 a Gaedes de Araujo, 30 a C. A. Bar-
bosa, 25 a Azevedo Aadrade, 25 a Oiiveira Filhos,
25 a ordem, 20 a Souza Lima. Cera em gramo 8
barricas a C. J. da Silva. Cominbos 4 saecos a
Soaza Lima. Conservas 97 eaixas a Guedes de
Araujo, 31 a Pereira Vanos, 10 a Fraoco da Ca-
oba, 6 a Sooza Lima. Cordavdes, 1 caixa a Frao-
co da Caoba.
Ervadoce 17 saceos a Goncaives Bettr),
Souza Lima.
Galha, 1 sacco a Carneiro da Cunha.
Impressos 1 caixa a Antones Guimaraes,
De Lailhacar.y
Linbas brancas 10 pacotes a Goncaives Beltro.
Livros i eaixas a Carneiro da Caoba, 2 a Noguei-
ra de Sjuza, 2 a Walfredo & Souza, 1 a Goncaives
Beltro, 1 a Lima Bairo.
Mano 2 eaixas a Rabello. Mercurio l caixa a
Alhairo Oiiveira, 1 a Izidoro Bastos.
Obras da ouro,' 1 lata a Farreira Monteiro. Ditas
de ouro e de prata, 1 caixa a Goncaives Beltro.
Ditas de prali 1 caixa a Ferreira A C,*l a Myvar-
nat, 1 a Lahman Freres.
Papel piolado 2 eaixas a Ferreira A C. Passas,
23 fardos a J. J. de Azevedo, 20 a Costa Amorm,
10 a Ferreira Craz. Peixe em conserva 10 eai-
xas a Pereira Caroeiro, 5 a Goocalves Beltro.
Qaeijos, 1 caixa ao Dr. Silva Ramos.
Retroz 1 caixa A uioo Foneeea.
Salla urna em ama caixa ao Dr. L. F. de Souza
Leo.
Toucioho, 100 barra a Rabello, 50 a Aquino
Fonceo.
Velas de cera 75 eaixas a Oiiveira Filhos, 40 a
Rabello. Vinagre braneo e tinto, 30 quiotes a
Pedroza de Lima. Viobo 10 quiotos e 10 decimos
ao mesmo, 10 quintos e 10 decimos a Rabello, 10
oarris a Fernandes Lima.
Vapor inglez botrr, vindo de Soulhampton e
Ltsba consignado a Adamson "
festou: WL
Carga de Soat!
Calgado 6 eaixas a Pereirz
A C, 3 a Fenuelly, 3
Goncaives Ferreira, 2 a L
^
"\
J"
2a
la

V.
I
l
-
t
rer
a
PRGINAGAO inri
w^
>'
I MUTILADO


eir 3 de Julho d 1872
!
f
i


f
..rlehj, 1 a Canhi-e.Mtota, 1 a Izidoro Bastos, 1
i Panal Vioo 1 a Porto de Bastos, i i Vai &
Leil. Cha, 7 canas a A. P. da Oliveira. Chapeos
2 eaixas u Vaz Juoior, 2 a ordem, 1 a Powar Jo-
hastoa. Ditas de sol, 2 eaixas a Caor.. Conser-
tm 1 ean.a as Dr. C F. Guedei Aeoforsdo. Coa-
ros 2 caiit* a A. D. Pinto, 2 eaixas a Linden
Weidmana, 2 a Parale Vianoa, i Pereira de Mel-
lo. Calillaras, 1 eaixa a Prenle Vianna.
ferragtns, i eaixa a B jhres.
Jolas 2 eaixas a Hy vernal. Jornaas i eaixa a
De Lliibaear.
Livros eaixas a Law 4 Blount, i a de Lai-
Ihacar.
Manteiga, 1 eaixa aSouzaBisto. Medicasen
toa, i eaixa a Caors. 1 a Maurer. Mereadorias di-
versas 6 eaixas a Va* Jnior, 3 a Prente Vianna,
3 a Vaz 4 Laal, i a cada um dos seguales:
Soma e S, A D Pialo, Oveira Sobrinho, Ro-
drignes Irmos A Gaimares, Leiie e Sooza, Man-
des Axevelo, Araujo di C, Gongalves Ferreira,
Manoel & C. e Pinto da Silva de Casco.
Papel 1 eaixa a Oliveira Sobrinho. Perfuma-
ra. i eaixa a Siqaeira. 1 a orden).
Qaeijos, 63 eaixas a Mriins de Barros & Filhas,
46 a Magalhaes & Irmao. 40 a Monteiro Rocha, 30
a orden, :!i a A. F. Corga, 16 a Co3ta Amorioo,
15 a Gomes Pires, 13 a Soares do Amaral, 6 a J. J.
Alves.
Roapa, 1 volnme a Addisoo,
Singue.-ugas, 1 eaixa a S Leitao de Coim-
bra.
Tesidos 11 volomes a Bastos di Silva, 11 a Okell
Bmdloes, 10 a Sannders Brothers, 8 a Adriano
Castro, 7 :i Rodrigues Irroaos & Guimaraes, S a
Alcoforadt Vieira, 5 a Linden Weidmann, 4 a
Keller, 2 s Carneiro & Nogueira, 2 a ordem, 2 a
ordem, 1 a cada nm dos seguales: Gongalves
Ferreira, Carneiro VianBa, Guimaraes 4 Alcofera-
do, Montero Gregorio, Pereira de Mello e Chris-
t ii asen.
Velas s;eariaas, 200 eaixas a Oliveira Aze-
V6(fc>.
Carga de L'sbOa.
Batatas, 50 eaixas e 10 e meia a Guedes da A-
raojo,
Ceblas 90 eaixas a Ribello, 40 a Guedes de A
raujo.
Livros 1 eaixa a Pereira da Conha Irmaos.
Objeelos diversos, 1 eaixa a ordem.
Vmho 1( barris a Fernandas Lima, urna a 5-
w.fi.
Vapo.- Americano norte amkric*., tinao dos
parios do sul do imperio, manifettou:
Chapees de sol, 1 eaixa a madama Falque.
Chelos 1 eaixa a Jos Joaqaim Coelbo.
Hiate brasileiro Mara Amelia, eindo do
Aracaty e tlaco, consignado a Antonio A. de
Sonza Aguiar, manifest:
Cortanos, 140 molnos a Gomes de Mallos Ir-
maos.
Palhis df earnaaa, 300 molnos aos consigna-
lirios.
>al 208 alqaeires a* con sis na I ario.
Patacho portuquez Micfiarlsnse, Piado do
Rifde Janeiro, consignado a Ferreira de Almtida
Barricas vasas 493 a A. J. Furtado.
Caf 230. saceos a ordem, 30 a MagalbSea &
lrmao, 50 a Mooleiro Rocha, 26 a MaYtins de Bar-
ros 4 Filhes.
Pipas varias 76 a Pereira Carneiro.
Despachos de exppriacao no dia Ia i
jullio de 1872.
Para os purtos do exterior.
No na no inglez Snorboo, para o Canal, car-
ragaram: K-ller & C. 115 saeeas com 8,607 kilos
de algodo.
=n Na baiea sueca Cvi, para o Canal, carre-
ja rara : Riba S.:h';lu ct 393 saccas com
25,199 kilos di algrfdo.
Nobriraa iagl H, A. Camngton, para o
Rio da Prat;i, carregaram : P. Carnairo & C. 25
pipas com l,C0 litros de agurdente.
Na escuoa nacional Analta, para o Rio da
Prata, carregaram : P. Carueiro & C^300 barri-
cas com 36 i83 kilos de assacar branco.
No n'raallemao Mirgiretlt, para o Rio da
Prata, car;jgarara: Camino & Nofaeira 301
barricas com 31,911 kilos doassucar branco.
Na pilica hespanhola Bella Dolores, para o
P.io da Prata, carregoa : P. M. Maury 159 barricas
com 16,377 ledos de sssucar branco.
NoJusar portugus Julio, para Lisboa, car-
regaram : T. de A. Fonseca de Sacet.-sores 300
saceos com 2.500 kilos de apencar raascavado.
Nagalsra poridgueza Nova Fama, para o
Porta, carregaram : A. de Oliveira Leite 1 barrica
com 113 kilos de asaltear braoco ; Soares Primos
100 saceos i;om 4,203 ditos de fariuha de man-
dioca.
'ira os portoa do interior.
No pa habote portoguez Sympalhia, para o
Para, carregaram : P. Vianna de C. 400 barricas
con 27,138 vilos de assuear branco.
No na\io brasileiro Amelia, para o Rio Gran-
de do Sut, carregaram : A0 F. Balthar & C. 450
barricas coai.38,702 kilos de assuear branco.
RSCEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS
GEIIAES DE PERNAMBUCO.
Hendimcnto do dia 1 ... 876*623
Idamdo dia 2 2:136*784
3:013*409
CONSULADO PROVINCIAL.
asadimenu) d> dia 1 10:318*821
Itiem do di; 2...... 8.669*508
19.188*329
MOVIMENTO PO PORTO.
JViicwa entrados no dia 2.
Trieste por Gihraliar 8> das, sendo do
ultimo porto 34, patacho hollandez Al-
berto, da 182 toneladas, capitao K, E.
Doewes, equipagem 7, carga 2,010 bar-
ricas cota farinha de trigo ; a ordem.
Para8 das, vapor iaglsz Elf, de 747 to-
neladas, capito Jjba II. Robinson, equi-
pagem ;7, em lastro ; a Rsbe Scbmet-
taa & C.
Nvo sahido no mesmo dia.
Rio da Piata Escuna alIemSa Mannes,
capillo Mullmamur, carga assuear.
EDITAES.
-------,------------------------------,-------.-----------_
O Illm. Sr. Inspector da thesouraria provm
cial manda convidar aos proprietarios abaixo
mencinalos para entregarem na mesma thesou-
raria a importancia das quotas com qne devem
concorrer para a factura dos passeios em frente
de aeu3 predl*s do e 2 seues'.res, deveado- o pa-
gamento ser falto de eonformidade com o disposto
no art. 2a do regulamento de 27 de junho de 1864.
Roa Direita, hoja Marcilio Das.
DiU. n. 8 78*240
Dji. n. 11 31*680
DiU. n. 33 172*800
Dita n. 35 24*960
Dita n. 37 28*800
Dita n. 39 53*280
Dita n. 41 44*160
Dita n. 61 61*920
^ Dita n. 63 63*840
Ra do Bngel, boje Viscondede Inhauma.
Dita n. 32 68*160
Ra dos Accuguinhos, boje Antonio Henriques.
DiU n: 20 106*080 .
Dia n. 26 30*720
Roa das Calcadas, boje de Domingos Tbeotonio.
DiU n. 2 218*400
Dita n. 28 36*000
Dita n. 30 34*500
Di la n. 32 36*480
Dita n. 34 34*560
Dita n. 36 36*48
DiU n. 38 40*800
Dita n. 40 40*800
Dita n. 42 40*800
Diti n, 44 39*840
DiU n. 46 42*240
Dita p. 48 42*240
^^* -- 50 42J240
. 52 42*240
"4 43*120
56*640
izas, boje Duque de Caxlas.
7 2|9Jf)
Dita n. 2; 130*080
DiU n. 27 68*640
Dita n. 28 100*320
Dita n. 29 193*920
Diun. 31 105*120
Dita n. 37 102*720
Dita n. 39 109*440
das Cinco Pontas, hoja Vidal de Negreiros
Dita n. 41 93*600 .
Dita n. 43 134*400
Dita n. 45 93*600
DiU n. 47 72*000
Dita n. 48 93*600
Dita n. 49 75*840
Dita n. 50 98*400
Dita n. 51 108*000
DiU n. 52 96*960
DiU n. 53 103*200
DiU d. 54 93*600
DitaMfc 55 126*720
Dita 56 91*200
DiU Is; 91*680
DiU n. 38 93*603
Dita o. 59 100*000
Dita n. 60 100*8C0 -ff
DiU n. 61 144*000
Dita n. 62 97*920
DiU 0. .63 119*040
Dita n. 64 381*600
Dita n. 65 133*440
Dita n. 66 100*800
Dita n. 67 114*280
Ditan. 68 96*000
Dua n. 69 132*960
Dita n. 70 93*400
DiU n. 71 218*400
DiU n. 72 96*000
Dila n. 73 73*840
DiU n. 74 100*800
D.U n. 73 64*320
Dita n. 76 94*080
Dita n. 77 75*840
- Dita n. 78 91*200
Dita n. 79 76*800
DiU n. 30 88*800
Dita u. 81 76*320
Dila n. 32 88*800
Dita n. 33 76*800
Dita o. 84 91*200
Dita n. 3o 115*680
DiU n. 87 66*7*0
Dita n. 83 8b*880
Dita n. 89 603480 ,
Dila n. 90 90*720
DiU 0. 91 89*280
Dita n. 92 89*760
Dita n. M 105*600 l .
Dita n. 94 87*360
Dita n. 96 '.U3200
Dila n. 98 78*340 -
DiU o. 100 76*800 -
Dita n. 102 94*50
DiU n. 1'. 83*040
DiU n. 106 83,3040
DiU n. 108 835040
Dia n. 110 87*360
DiU n. 112 111*840
Drlan. 11 113*280
Dita n. 116 113*280
DiU n. 118 113*280
D.U n. 120 113*280
Dila n. 122 113*580
Dita n. 124 113*280
Dita n. HT 113*280
Dita n. 123 111*840
Dita o. 131 76*320
Dita n. 134 113*280
Dija n. 136 114*240
Dita n. 136 113*280 111*840
.Dtt n. 240
Dita n. 142 1I3230
Dita n. 144 121*920
Dua n. 14 104*640
DiU n. 148 114*240
Dita n.,150 110*830
Dita n. 152 U03880
D.U ii. 154 156*000
Dita n. 156 99*840
aves3a da Lingueta, hoja T/borne" de Souza.
Dila n. 1 83*040
DiU n. 4 63*360
D.ta n. 11 145*44%
Dita n. 12 -99*36)
Dita n. 14 102*720
Di!**. 2o 127*200
Dita n. 29 93*120
Dita n. 39 141*120
Dita n. 41 2231360
Ra da Cadeia, hoje Mrquez da Oiiada.
Dita n. 66 499*200
Ra da Cruz, hoje d ) Bom Jesu?.
Dita n. 11 1443960
Dita n. 12 993C0
Dita n. 29 933120
Dita n. 41 226*560
Ra da Florentina, hoje de Jolo do Reg.
DiU n. 1 47*040
Dita n. 9 23*040
Dita n. 11 35*520
Dila n. 5 142*080
Dita n. 32 113*280
DiU n. 3 46*560
Dita n. 34 134*400
Ra do Torres.
Dita a. 36
Dita n. 38
Dita n. 40
DiU n. 42
Dila n. 44
DiU n. 46
DiU n. 48
Dita n. 50 ^
Dita n. 52^
303720
46*080
46*360
33*760
53*760
60*480
62*830
45*120
101*760
liua do Queimadu, hoje Duque de Casias.
Dita n. 33T 104*640
DiU n. 33 129*600
DiU n. 39 130*080
Dita n. 52 303*360
Dita n. 27 311*040
Dita n. 29 134*400
Dita n. 31 170*880
DiU n. 37 116*640
Ra do Apollo, hoje Viscoade de Itapanea.
DiU n. 2 771*360
Dila n. 51 278*880
Ra Bella, boje liba do Carvalho.
DiU n. 1 59*520
Dita n. 2 80*640 '
Dita n. 3 45*120
Dita n. 4 38*400
Dila n. 5 42*240
Dila o. 6 303*360
Dita n. 7 39*360
DiU n. 3 39*840
DiU n. 9 36*480
DiU n. 10 40*320 '
Dita o. 11 36*000
DiU n. 12 45*120
Dita D. 13- 36*480
Dita n. 14 39*360
Dita n. 15 36*480
Dita n. 17 36*486
D.ta n. 19 36*480
Dita n. 21 45*600
Dila n. 23 53*760
DiU O. 25 53*760
DiU n. 31 43*680
i Dita n. 16 41*280
Oita D. 33 43*680
Dita d. 55 188*000
DiU n. 37 300*960
DiU n. 39 47*520
Dita D. 41 47*040
Dila n. 43 63*840
Dita n. 45 321*120
Ditasns. 42-is 287*047
DiU n. 18 41*280
Ra do Brnm, boje Baro do Triumpuo.
DiU n. 104 1:455*360
Ra da Aurora.
Ditas ns. 4, 6 e 8 556*800
DiU n. 26 153*600
Ra do Crespo tole Prtmeiro de*Marco.
DiU n. 20 445*440
Caes Viole e Dous de Novembro.
Dita n. 81 148*800
Roa Velha, boje Ponte Velha.
Dita n. 92 225*120
Rna da Matriz da Boa-Vista.
Dita n. 2 238*560
Praga do Commercio.
DiU n. 2
Dita n. 20
Dita n. 22
DiU B. 24
Dita n. 26
DiU n. 28
Dita n. 30
fina da Sentada Nova, hoje de
Dita n. 2
Travessa do Ouvidor, hoje
Dita n. 1
383*040
153*040
190*360
515*040
265*920
192*000
211*200
D. Mari a Casar.
77*280
Mrquez do Reeie.
67*200
Ra da Alfandega Velha.
DiU n. 2 233*200
DIU n. 4 111*840
Dita o. 6 110*100
Rna do Porte dp Mallos.
Dita n. 6 108*000
DiU u. 8 76*320
D.U n. 10 79*200
Dita n. 1 307*200
Rna da Ponte Velba.
Dita n. 22 538*080
Rna da Gua, boje da Restaoracio.
Dita 0. 2 52*800
DiU n. 4 81*360
Dita n. 6 48*000
Dita n. 8 50*400
Dte n. 10 .- 64*800
Dita n. II 60*960
D.U n. 14 53*760
Dita n. 16 67*200
Dila o. 64 324*000
Ra da Senzalla Velba, hoje de Domingos Jos
Martina.
Dita n. 36 175*200
DiU n. 38 341*280
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de jnnbo de 1872.
O offlcial-maior,
Miguel Affon'o Ferreira.
Art 2.* do regnlamento da 27 de janho de 1864.
A referida quota ser paga em dnas presuces
ignaes dentro de nm anoo, e as poeas em que
pelo consulado provincial se proceder a cobran-
za do imposto da decima, podendo, todava, os
proprietarios entrar com a qnantia que dever an-
tes de Ues prazos se assirn has coavier.
Conforme.
M. V. Ferreira.
O IHm. Sr. inspector da tbssouraria previn-
eifl manda fazer publico qne em enmprimento
da ordem do Exm. Sr. presidente da provincia de
27 de janho aliimo, tem de ir a praga no dia 11
do corrate, para ser arrematada a quem por me-
aos fizer a obra da confecc,ao e impres^o do al-
manak da provincia do anuo da 1873 avallada
em 2:0000*000 rs. -.
Os protendentea a e-ta arrematarlo compara-
cam na sala das sesadas da junU da mesma the-
souraria pelo meio dia do dia cima Indicado e
comiietentemeote habilitados.
E para constar so mandn publicar o presenta1
pelo jornal.
Secretaria da ibesonraria provincial de Pernam -
buco 1" de julbo de 1872.
O offleial-aaior
Miguel Affonso Ferreira.
O Dr. Sebastio do Reg. Barros de Laeerda, jniz
de direito especial do commercio desta cidade
do Reeie de Pernambuco, por S. M. Imperial
que Djus guarde, etc.
Fiq) saber pelo presente que no dia 25 de julho
do crreme auno se ba de arrematar por venda
em pra$a publica deste juizo, depois da audien-
cia reD-ciiva, orna rasa terrea cita raa das
Aguas-Verdes n. 39, teodo dnas portas na frente,
duas salas,am quarto, cozinha fra, quintal morado
avallada por don* cont de ris, s qual casa per-
teace a Francisco Antonio das Chagas e vai a
praja por exeingao q$e a es(e move Ignacio
Francisco da Silva, e na falU Ss licitantes qne
cnbram o prego da avaliagao ser a arremaiajia
feita pelo prego da adjudicado com o abatimeoto
da lei.
E para qne chegne ao conbecimento de todos
mandil fazer o pre-eo'.a ediUl qne era aflixado
aos lugares do costurce e publicados pelos jor-
naes.
Dado e passade nesta cidade do Recife de Par-
naaibuco, aos 2 dias do mez de inlho de 1872.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
escrivao subserevi.
SebastiaO do Reg Barros de Lacerda.
film. Sr. inspector da tnesouraria provin-
cial manda fazer publico que antorisado pelo ci-
licio do Exm. Sr. presdeme da provincia de 1
da correte, achain se expostas venda na mesma
tnesonraria plices da divida provincial at a im
poruncia de 53:000*:
Secretaria da tbe buco 2 de jalho de 1872.
O offlelal-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
O Dr. Manoel Anlooip dos Passos e Silva, 1* snp-
penle em exercicio do juiz de orpbos e ausen-
tes do termo de Oiiada em virtnle da lei, etc.
Fago saber aoa qne ,o presente edital virem, que
no dia-6do mez prximo vindouro (julho) lem de
ser arreraaUda por" ven Ja a casa terrea sita ra
da bisca de S. Pedro Marlyr desta cidade, de por-
ta e janelia, com 2 salas, 2 qoartos, cozinha e
quintal em aberto, avaliada en 300*, qual ? s
praca a requerimento do Dr. curador do espolie
do finadoiManoel do Mattos Te>xera, fundado no
artigo 4rio regulamento fle 15Tle jnaaln de 1839,
por se acuar o dito predio em mo estado. %
E para que chage ao conaecimento de todos
ser este aflixado no lugar do eostume e publica
do pela impreasa.
Olinda 27 de jnnbo da 1872. E en hachare!
Francisco Lins Laidas, escrivao o escrevi.
Manoel Antonio dos Pas3os eilva Jnior.
Tribunal do commercio
Pela secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco se faz ;onsUr o registro nos termos
do decreto n. 4394 dos contratos e distrato qne
se seguem :
Em 5 de junho.
Contrato social de Marcelino Oongalves de Aze-
vedo, Francisco do Scuza Guerra e nm comman-
ditario, sob a Arma de Marcelino & C, sendo o
gyro commercial o commercio de fazendas geccas
por grosso e a retalho, no estabelecimento n. 55
sito a rna Duque de Caxias, com o capital de
53:000*, durando a sociedade por tem po de tres
anuos, que priucipion no 1 de Janeiro do correte.
Ide.n de Cbrindo Ferreira CatSo, T). Maria Rsa-
le Mello, Jos TVaino Gongalves, Fialho e Joo
Pereira da Silveira,bra-i!eiro>, domiciliados nesla
cidade, estabelecidos com pbarmaria, que denomi-
naran] botica popular, sita rna da lmperatriz n.
77, sob a Urina de C. Cato & C, da qnal somente
usar o socio gerente Jos Targino Gongalves Fia-
Iho, sendo o capital social 12:000* fornecidos em
partes iguaes petos dons primeiros a?sociados, e o
tempo da dnragao da sociedado quatro annos, a
contar de 6 do maio ultimo.
Distrato social de Manoel Cardoso de Souza e
Justino M-r.iz Ferreira, dissolvendo a Arma de
Manoel Cardoso de Souza & C, bem como a de
Cardoso & Meroz, lijando a cargj do socio Justi-
no o pagamento do debito social de 15:138*870,
sem mais responsabilidade do socio Cardoso, que
ficadesonerado de toda e qualquer responsabili-
dad?, tendo recebido de sea capital, feito o abat-
mnto em que accerdaram, a quaniia de........
8:595*660 rs.
Contrato social da tlrma Machado & Almeida
composta de Silvino Manoel da Costa Machado e
Manoel Rodrigues de Almeida, domiciliados nesta
cidade, sendo aquello brasileiro e este poriuguez,
estabelecidos ccm taberna sita a rda da Hora n.
6, na estrada de Joo de Barros, sendo o eafial
social 891*000 fornecido em partes guafiSiior
ambos os socios os jnaes asarlo da firma social.
O praso de durago tres annos que leve princi-
pio em 22 de abril prximo passado.
Em 14.
Contrato que celebraram em 15 de maio ultimo
Jos Joaqoim Salgado e Manoel Jos Martins das
N'eves, dissolvendoa sociedade qne tinham na loia
de fazendas rna do Imperador n. 61, actualmente
A, do lado do cce3 22 de novembro n. 52, qne gy:
rava sob a Arma de Salgado 4 Neves, tendo esta-
belecido que. o activo e passivo social fleava a
cargo do ex-socio Salgado, e desonerado o socio
Neves de toda e qualquer obrlgago, o qnal Qcon
pago e satisfeito de sea capital e lacros.
Contrato de Joaqaim Alves da Silva e Antonio
Jos dos Santos, portaguezes, domiciliados nesta
cidade sob a firma de Joaqnim Alves da Silva &
C, sendo o objecto commercial a compra e venda
de gneros de estiva nacionaes e estrangeiros, com
o capital de 10:676*130 fornecido por ambos os
socios, dorando a soeiedade 5 annos contados de
de 22 de abril do crreme, salvo accordo quanto
soa prorogago.
dem da sociedade commaniitaria sob a firma
de Joaquina Berlim & C, da qual gerente e res-
ponsavel Joaqaim Berlim, senJe todos os socios
cidados brasileiros domieiliadoi na capital do
Cear, e o objecto social o commercio licito de
ludo quanto .susceptivel de compra e venda, vi-
gorando a sociedado por tempo de 6 annos a con-
tar de 30 de margo ultimo, tendo por capital a
qnantia de 12:000*, dos qnaes 3:000* sao perten-
cenes ao soeio Berlim e 9:000* aos doos socios
commaodilarios.
Distrato da firmaAntonio Daarl de Figuei-
redo & C. qne gyrou nesU cidade em commercio
de padaria estabelecida i rna de Hartas n. 3, 8-
cando a cargo do socio Antonio Duart de Figuei-
redo a liqnidagao do activo e pisvo social sem
responsabilldade do socio Antonio Pernandes de
Figueiredo Palva. a quem aquelle inlemnisar de
sea capital e lacros na importancia da 8:269*813
rU.
dem de Francisco Boaventura da Luz Loureiro
e Bernardino Jos Monteiro, tendente firma'que
gyrou n ssta praga, sob a razio Loureiro & C, da
qnal fa tendo parte Francisco Ferreira d* Rocna
Leal, seis legtimos herdeiros subrogaram os >ea<
dlreitos em o dito Francisco Boaventura da Lnz
Loureirc, a quem passou a pertencer o aetivo e
Civo :wial, tendo sido o di.-trataata Beroardinc
Monteiro. pago de sea capital e lacros na im-
poriaoci i de 18:000*000.
Em 13.
Ceir to da Jos Rodrigues de Sooz Crui e
Joaquina Mariinbo da Cruz Correia, Pormauezas,
sob a firma da y Rodrigues de Souia Cruz &
C, da qul somante osar o primeiro associado,
sendo o Qm social a continnagao da pharmaeia
sita raa do Cabug n. 11 com o capital de 8:000*
forneeidn pelo ocio Souza Cruz nico gerente da
sociedad; que durar por tempo indeterminado.
Distrai lo de Manoel Albino da Ainorra, Aurelio
dos Santos Coimbra e Albino da Suva Leal, por
tnguezes. membros da exilncla firma de Albino de
Amoros Je C, leude sido pago de sen capital e
lucros o socio commanditario Leal na importan-
cia de 1S.654*200 rs., passando a pertsneer aoi
socios Aioorim e Coimbra.
lemele Antonio Jos dos Res, Adolpho Mar-
ques do* Santos e Antonia Machado dos Santos,
relativas ente ao estabeiecimento de fazendas sito
no caes 112 de Novembro o. 54, qne gyrava sob a
firma Mjrques,Sanos & C, tendo convencionado
em ficaf elle p*rteoeeodo exclusivamente aos so-
cios Adolpho Marques dos Santos e Antonio M i-
cbado doi Santos, retirando-se o commanditario
Antonio los dos Res pago e satisfeito da qnan-
tia da 5.000* em letras.
Contra o social da firma Joo Francisco Otero.
& C, coaiposta Je J lio Francisco Otero e Jos Al-
gan, Hespanhoes, domiciliados nesta cidale, o
qnal leve comego em 13 de maio prximo passa-
do a dorar por espago de 2 annos se antes nao
accordar<:m o contrario, sendo o objecto social um
lite! i rea da Thom de Souza n. 8, pertencente
ao primeiro associado. e o capital destinado ao gy-
ro eommorcial 7:715*930 constante c*o valor da
armagio, ntencilios, gneros, um escravo e divi-
das aetivis, competindo a ambos os socios o oso
da firma social.
dem aob a firma de Mancel Antonio Pires de C,
composta da Manoel Antonio Pires, Manoel Rodri
gups Romero e Francisco Jos Pires, Ihspanboes,
e domicit ados na capital da Parahyba, para o fim
de commirciarem em todas as mereadorias de li-
cita C8anierc!0?quer de imponagao, quer de ex-
portago, com o capital da 52:000* Torneada por
todos os asociados. competindo somente aos so-
cios Manoel Antonio Pires e Manoel Rodrigues Ro-
mero o a dale teve principio no de Janeiro de 1871 a
lindar em igual dia do mez de Janeiro de 1874.
Idam do Jos Rodrigues do .N'ascimouto e Jos
Artom'o Elibairo, aquelle brasileiro e este poriu-
guez, domiciliados nesta cidade do Recife sob a
tirana de Jos Rodrigues do Nascimeato & C, com
taberna na Capuaga ra do Lasserre n. 4, sendo
o fundo social 2:833*660 rs. fornaciio por ambas
os socios, e indeterminado o lempo de durago
desta sociedade.
Secretaria do tribunal do commercio da Per-
nambuco 1 de jalao de (872.
O oflkial-maur nterin'',
lanoiencio Antun.es de Parias Torres.
Illa. r. inspector da thesouraria pruvia-
cisl, em <;ampriqiento da ordeaa do Exm. Sr. pre
sidente dii provincia de 3 do corrente, manda fa-
zer publico que, no di 18 de jalho prximo vin-
douro, perante a unta da fazeoda da mesma the-
souraria, vai novamente praga para ser arre-
matada piir qaem por menos fiter, a obra dos re-
paros e ligaos melboramentos de que necessita a
cadeia da cidade do Goyanna, orgada em ......
2:078*123 re. e sob as clausulas especiaes abaixo
traoseriptas.
As petsoas que se propozerem essa ?rrema-
tagio caaiparegam na sala das sessoes da referida
juma na. da cima mencionado pelo maio dia e
comnaua|*meote habilitadas.
F. para constar se mandn publica/ p presente
pelo jaitiiii.
Sccreujliada tbe-ouraria proviac'nFda Pernam-
buco,.25w junho da 1872.
O offleial maior,
Miguel A/fonso Ferreira.
, Clausulas especiaos,
1.' Os rtoaros da cadeia de Goyanna na impor-
tancia de 2:078.* 123 rs. s.erao executadas do con-
formidade eom o respectivo orcamento.
2.* O contratante dar comego as obras no pra-
so de 8 diae e as concluir no de 3 mezes con-
tados dalata da approvago do contrato.
_3.' O pagamento da importancia da arremata-
cao ser tasto em 3 prestagoes, sendo a primeira
quando tfver comegado a obra ; a 2.* quando
houver feito metade dos reparos, e 3.* quando
conclu-la-.
4.* Para o mais que nao se acha especificado
as presentes clausulas se observar as di-posi
g5es do regulamento de 31 de julho de 1866.
Conforme,
M. A. Ferreira,
Pe!a Inspectora da alfandega desta cidade
se convida a quem quizer fazer o fornecimenlo de
papel, peonas, tinta, livros em Jaraneo e de mais
objectos precisos ao servigo do expediente das di-
versas seegoss da repartigo e uso da guarda-mo-
ra, a aprsenla:' as respectivas propostas al o
di 5 de jolbo prximo futuro, as' 10 horas da roa-
nula, para em vista dellas e das competentes
amostras ser preferido quem melbores vantagens
ol recer.
Alfandega de Pernambuco 26 de junho de 1872.
O inspector,
________Joaquim Josa de Oliveira.
O Illm. Sr. inspector da tuesourana provin-
cial, em cumprimenro da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, de 26 do corrate, manda
fazer publico que no dia 11 da julho prximo vin-
douro, peraate a junta da fazen la da mesma the-
souraria, vai novamente praga para ser arrema-
tado por quem mais der os impostos provinciaes
(menos o dizimo do gado vaceum) das comareas
da Boa-Vista e Cabrob, cam abate da quarta
parle nos pregos por quanto foram ltimamente
praga, ficaolo assim reluzido :
Boa Vista 732*000
Cabrob 732*000
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da ibesouraria provincial de P-t-
oambnco, 28 de junhs da. 1872.
Oofflal malor,
Miguel Affonso Ferreira.
= O Illm. Sr. inspector a thesouraria provin-
cial, em cumprimento da ordena do Ex o. Sr. vice-
presidente da provincia de 27 de maio ultimo,
manda fazer publica que no dia 3 de setembro
prximo vindouro, parante a juma da fazonla
de;ta thesouraria, se levar pregan, para ser
arrematada por quem por menos fizer, a obra do
5* lanco da estrada de Mnribeca, orgada em
19:250*, e sob as clausulas especiaes abaixo de-
claradas :
As pessoas qae se propozerem s essa arremata-
gao comparegam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, palo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Sgcreuria da thesouraria provincial da Pernam-
buco, 6. de junbo de 1872.
O offleial maior
Miguel Alfonso Ferreira.
Clausulas eepeciaes.
As obras do 3 tango da estrada da ramifica-
gao de Mnribeca sero executadas de conformida-
de com a respectiva planta e orgamenio no valor
de 19:250*.
2a O arrematante dar comega as obras no pra-
so de um mex e as concluir no de oito, ambos
contados da data do contrato.
3' A importancia do contrato ser paga em qua-
tro prestagoes iguaes, eorrespondenlo cada ama
a 4* parle da obra loUl.
4a Em titdo mais qne nao vai especificado as
presentes clausulas se observar o regulamento da
repartigo das obras publicas. Conforme
Miguel Affonso Ferreira
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que a 10 do corrale mez se bao de
arrematar livres de direitos, e porconta de
quem pertencer, as mereadorias damnifica-
das, abaixo declaradas, e abandonadas sobre
a ponte desta repartigo, nos termos dos
U 3 e S; dos arts. 300 e 301 do regula-
meato de 19 de setembro de 1860.
N P16 barricas com barrilba, sende 10
descarrecadas em 1 de mar;o do corrente
anoo pelo vapor ingles Ariel, e 6 em 5 de
abril do tiesmo anno pela barca inglesa Ar-
can, ambos procedentes da Liverpool, e en-
trados oeste porto, o i em 1 de marco e o
* im 8 do wm Wk do refera*) anuo,
conforme participacio da l1 seceo, de 28
do mez passado.
A'fandega de Pernambuco 1 de julho de
1872.
Servindo de inspector,
Pedro Lopes Rodrigue?
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em enmprimento da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provineia de 27 de maio ultimo,
manda fazer publico que no dia 5 da setembro
prximo vindouro, perante a junta da fazenia da
mesma thesouraria, se levar prego, para ser
arrematada por quem por mends fizer, a obra do
4* laogo da estrada de Muribeea, orgada em
14:190*, e sob as clausulas especiaes abaixo de-
claradas :
As pessoas quo se propozerem a essa arrema-
tagao comparegam na sala das sessoes da referida
jauta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco 6 de junho de 1872.
O offleial maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1' As obras do 4* lango da estrada de Muribeea
na importancia de 14:190*. serao executadas de
conformidade com o crgaraanto e planta apprsva
da pelo presidenta da provincia.
2a O arrematante dar principio as obras no
praso de nm mez e as concluir no de oito mezes.
3a Os pagamentos serlo efectaados era quatro
pre3tag5es igaaes, correspondendo cada ama ?
ia parte da obra ejecutada.
4a Em ludo maii que nao vaf especificado se-
guir-seha o que disp5e o regulamento de 31 de
julho de 1866.
Conforme
M. A. Ferreira.
Pela inspectora da alan lega se faz
publico que, achando se no caso de seren
arrematadas para consumo,' nos trenos do
capitu o 8 do titulo 3o do regulamanlo de
(9 de setembro de 1860, as mereadorias
abaixo declaradas, os seus donos ou consig-
natarios daverSo despacbal-as no praso de
30 dias, sob pena de lindo elle, sarem ven-
didas por sua conta, sem que Ihes fique
competindo allegar contra os effeitos desta
venda.
Trapiche do algodSo
M. J. & C. n. 4 I eaixa coa-ignada ?
Joaquim Lopes Machado .&C, vinls de L'
verpool pelo navio inglez Cedon, entrado
neste porto em 8 de jolbo de 1870, confor-
me participago da 4aseecSo, de 1 de julho
do corrente anno.
Alfandega de Pernambuco 1 de julbo de
187 i.
Servindo de inspector,
Pedro Lopes Rodhyues.
Pela inspectora da alfandega sa laz publico
que da daU deste 30 dias, hio de ser arrema-
tados livres de direito, e por conta de quem per-
tencer, porta desta reparticio, os gneros abai-
xo declarados encontrados ('fluctuando sobre o
mar pelo mestre da barcaga. Lindo Paquete, Ja-
ouario de Saot'Anaa, e se prsame peneneer ao
canegameato da galera americana Warent Queen
Armazem n 11.
Marcas POND e LPrT, sm numero, 4 saccas
de algjdo era rama, pesando 86 kilos em bom
Alf:ndega de Pernambuco, 21 da junho de
1872,
O- inspector,
Joaqqira Jos da Oveira.
O Illm. Sr. inspector djwitietourana proviu-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, do 1." do corrente mez,
manda fazer puolico que no dia 19 da setembro
prximo vindouro, peran.e a jauta da fazeuda da
mesma thesouraria, se ba da arrematar a quem
por menos fizer, a obra da canalisagaa do riacho
Jordo e caraboa da Boa-Viagem, na tmooriano.a
de 16:832* 951 ris, e sob as clausulas especiaes
abaixo transcriptas
As pe-ssoas que se propczeem es3a arromata
gao, comparegam na sala das sessoes da n ferida
junta, no dia mencionado, pelo meio dia, e compe-
tentemente habiliudas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thasouraria provincial la Pernam-
buej, 17 de junbo de 1872.
O orncral-ruaior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1.a A obra da canalisagaa do riacho Jordo e
Caraboa da Boa-Viagem sero executadas do con-
formidade com a planta e orgamento.approvado
pelo Exm. Sr. presidente na importancia de......
16:882*931 ris.
2.a O arrematante dar comego s obras no pra-
so de um mez, e as concluir no de 1 anno, ambos
contados da data da approvago do contrato.
3,* A importancia da arrematarla sera dividida
em quatro prestagSes iguaes, sendo paga cada
urna d'ellas proporgo qae o arrematante tiver
executado urna quarta parte da obra.
4.a Em indo mais que nao se acha especificado
oas presentes clausulas se observar o regula-
mento de 31 de julho de 1S66.
Conforme
'Mignel Affonso Ferreira.
O Illm. Sr. inspector da ibasourana provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm. Sr. vi
ce-preside&le da provincia, de 3 do crranle, man-
da fazer publico] quo vo novamente a praga. no
dia 18 de julho prximo vindouro, perante a jun-
ta desta thesouraria, para serera arrematadas por
quem por menos fizer, as obras dos reparos e al-
guns melhoraaientos urgentes de que necessita o
quartel do destacamento da cidade de Goyanna,
orgadas em 1:602*213 e sob as clausulas espe
ciaes abaixo transcriptas.
As pessiu que se propuzerem a essa arrema-
tagao comparegam na sala das ses-oes da referida
junta no dia cima mencionado pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambueo, 23 dejuuho de 1872.
O offlcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1.a Os reparos do quartel de Goyanna na im-
portancia de 1:602*213 sero exeentados de con-
formidade com o respectivo orgamento.
2.* O contratante der Jomego s obras no pra-
zo de oito dias e as concluir no da oito mezes,
contados da data da approvago do contrato.
3.a O pagamento da importancia da arremata-
gas ser feito em tres, prestagoes ; sendo a
primeira quando liver comegado a obra ; a segun-
da quando bou ver feito metade da obra e a ter-
ceira quando conlui-la.
4.a Para o mais qne nao se acba especificado
as presentes clausulas se observara as disposi-
goes do regulamento da 31 de julho de 1866.
O offleial maior,
Miguel Affonso Ferreira.
llira. Sr. inspector da tnesouraria provincia
em cumprimento da ordem do Exm Sr. vico-pre-
sidente da provincia de 7 do corrate, manda fa-
zer publico qne vai novamente a praga no da 8
de agosto prximo vindouro, para ser arrematada
a quem por menos fizer a obra do segando lango
da estrada de Una a Capoeiras, orgada em.....
22:000*000 e sob as clausulas abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a essa arremata-
cao comparegam na sala das sessoes da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para consur se mandou paplicar o presente
pelo jornal. .
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de maio de 1872.
O ofOcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1.a
O segundo lango da estrada de Una a Capoeiras
de 2202,90 metros de extengo na importancia de
22:000*000 ser executado de confcrmjdade com
o respectivo orgamanto e desenbos junios, appro-
vados pelo presidente da provineia e instrcgo
do enganbeiro encarregado da fiscalisago dos tra-
bamos.
SvJ>
O arremataste dar comego aos trabaluoa no
praxo de trinta dia -i, e da eoncloir no de dezoilo
meces, catatados ambos da dau do contrato.
3.
O irabalbo ser exeouudo a partir dos daos
pontos estrenos pira, o centro,
*.
Os pagamentos seria feitus a seis tr*HnSea
iguaes, correspondente cada ama a nos sexto da,
importancia total, quando os trabalbos exMtadoa
corresponderis a essa guarna.
Era ludo o mais qae aqai nao vai eipeei8eaV,
segur-se-na o que a resoeilo dispSe o regaUntao-
to^3t da julho de 1866.
Conforme,
'________________Miguel Jpnso Ferreira.
O Illm. Sr. inspector dalbesoarara provtn
cial, em cumprimento da ordes do Exm. Sr- viae-
presidente di provincia, de t do correle nm,
manda fazer publieo que vai novamente i praca
no dia 18 de julbo prximo vindouro, para ser ar-
rematada por quera por meno< fizer, a ofcra do
rebaixamenlo da lideira do Timb, na estrada da
Victoria, cujo orgamento tendo sido reconsiderado,
(coa elevado a 9:9000000, e sendo' a arremata gao
feita sob as clausulas especiaes j annuaeiada
As pessoas qae se propozerem a essa arrema
tagfio comparegam na sala das sessdas da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o praseotti
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 17 de junho de 187).
O offleial maior,
_________, Migmt Affonso Ferreira._______
De crdem do Sr. gerente da empieza das
obras e capaUzia da alfandega se faz publico a
qaem ioteressar possa, qae desearregon do vapor
inglez.Boi/iie, viodo de Soutaqipton em 28 da ja-
nho passado, urna eaixa marca A o. 100, a qaai
aprosenta indieio de ter sido aberta.
O aldame do gerente,
________Eustaquio Zeferino da Silva Braga.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de faxaa-
da desta provincia, era virtnde do offlcio da presi-
dencia da mesma de 22 do mez passado, manda
fazer publico que no dia 6 fio eorrenle mez, pe-
rante a junta da mesma thesouraria sero posta
em hasta publica para serera arrematadas or
quera mais aer 5,000 libras de plvora fina que
se acham em depisito no Forte da Buraco, servin-
do de basa aospretendeu.es aarremalagao a quaa-
lia da 400 rs. per cada libra, se fraoqaelar amos-
tra nesta secretaria, na qual devem aptesenUr
suas propostas em carias fchalas, devidamente
selladas, at 1 har da larde do referido dia.
Secretaria da thesouraria da fazeoda de Per-
nambuco 1* dejulno de 1872.
Servmdn da ofiV.ial-maior,
Manoel Jos Pinto.
trCLAROOES.
Consulado provincial.
Por esta repartgao avisa-se aos respectivos
eontrbuiotes que comega no 1" do mz prximo
vindouro a correr o praso legal para o recebi-
mento sem dependencia de mu ti dos impostos da
decima urbana, 5 Ojo sobre o rendtmento dos pre-
dios da corporagdes de mo marta, e 60 rs. por
litro de agurdente, relativos ao 2* semestre do
aoao floaneeiro corrente de 187172, iocorrendo
na multa de 6 0n aquellas que nao r.alisarem
esse pagamento d.-ntro do raesm i.
Consulado provincial, 23 de maio de 1872.
O admiui'lradcr,
. A. C Hachado Ros.
SANTA CASA DA MI-.ElUC'JitMA l) UEClFE
A Illm, junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Ilec.fa. manda fazer publico que
na sala de suas sessoes, no d. 4 do mea de
julho pdas 3 horas da tordo, tem de ser arrema-
tados a quem mais vantagens offerecer, pelo
i de um a tres annjs, as rendas dos predip*
uida declarados.
STABEI.KGMENTS DE CARIDAD?.
Travessa de S. .
Casa torraa n. 7 ,......162*00
Ba das Calcadas,
Casa terrea n. 32......, 133*000
Travessa de S, Pedro.
Sobrado de 2 andares o. 2. ... 604*000
Ra do Farcl.
Casa tarrea n. 72. .......181*000
llua do Sr. Bom Jesu.- da Lrioulas
Casa terrea n. 8........242*0000
Roa da Soled..
Casa terrea n. 72....... 96*000
Ra c S. Jorge.
Sobrado n. 20.........2iO*COu
Raa larga do R.saiio.
Terceiro andar, n. 24 A.....244*000
Terceiro andar n. 24 ,.....244*000
Loja do mesmo n. B......520*800
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Madre de Dos
Casa teraea n. 2i e 26......2:000*000
dem n."22..........1:100*000
dem n. 10.......... 600*,00
dem n. 10 A..........300*0til
dem n, 8....... 380*000
Ra da Lapa.
Casaterrean.il.-.......201*b00
Rna da Moeda.
Casa terrea n. 21. 383*000
dem n. 49 ..........260*000
Ra do Amorlm.
llera d. 60....., 504*000
dem n. 47. ..........800*000
dem n. 32 ,...... 86*000
Travessa da Madrs do Dos
Casa terrea n. S3........600*000
Sobrado de um andar n. 14 .... 800*000
llera de 2 andares n. 1......1:200*000
Rna da Cacimba.
Casa terrea n. 2.,......' 150*000
Ra do Burgos.
Casa (arrea n. 19........151*000
dem n. 21..........151*000
Ra do Vigario Tenorio.
Sobrado de 3 andares n. 22.....860*000
1," andar do sobrado n. 27.....300*000
2, andar do aoidft.......250*000
Cuja do mesmo.........351*000
Ra do Encantamento,
Sobrado de 2andiresu. 9 .... 1:000(1000
Ra da Senzalla Velba.
Sibrado do 2 andares u. 134. 603 00o
Casa terrea n. 18.......242*000
Rna da logueta.
Sobrado de 2 andares n. 4.....650*000
Ra da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 2.....80l*CO0
P.ua do Rosario da B;a Vista.
Ca;a terrea n. 58........30I*OCO
Ra da S. Jorge.
Case terrea n. 101. ....... 206*COO
deara n. 99 .......350*090
dem n. 106,.........205*060
dem n. 104. .,..".,. 2l*0C0
dem n. 100......, 205*000
Os pretendentes devero apresenur no acto d
orrematago as suas flaneas, ou comparecer:
acompanbados dos respectivos fiadores.
Secretaria da SanU Casa de Misericordia do Rs-
ite, 25 de junbo de 1871
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
inni'Wiiu
BEBERIBE
O eaixa desta companhia, o Sr. Corbinia-
no d'Aquine Fonseca, est autoiisado a pa-
gar no sea escriptorio, ra do Vigario n. 19,
das 10 horas s 3 da larde, o 48 dividen-
do desta companhia na proporgo de 20000
por cada acc3o : previnindo-se aos Srs. ac-
cionistas que o pagamento ser feito em moe-
da de cobre qae na especie que o mesmo
Sr. caia recebe dos arrematantes dos cha-
farizes.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
13 da junho de 1872.
O secretario.
. Jos Honorio B. Menezes.
Pela thesouraria provia:ial se faajBblico que
do dia 4 do correte em dianle paga* as os orde-
nados dos empreados provinciaes vencidos no mei
de iunho prximo fiado.
Secretaria da tnesouraria provincial da Pernam-
buco, de julbo da tfffi.
O offlcial-maior,
Miguel a i'reta.

' MIMADO !
-


Diarw Prutifcoc Quarta fera 3 da Julfco de 1872
*\
COIIREIO GERAL
Heladio los objeotos registra-
das existente* na artiululstra-
c do crrelo desta provin-
cia, para as pessoas abaixo
declara it a :
Adolpho Leal Ferrara, Aureliano Pires de Cam-
ilos, Antonio da Cunna Para, Antonio Joaqaim de
Sjato Lina, Antonio Luiz do Reg, Boaventara
Kj4rigo.es de kmoriin, Ga3erairo Jos de Oliveira
Jilaia, Cetario VI. Francisco dos Prsieres, Eneas
de Arroxellas iJalvio, Florisbello Jo Ferreira da
F., F.rmiuo T. da Cmara Santiago, Dr. Francisco
iomiugues di Silva, Dr. Geiolio Augusto de C.
Serrano, Joaquim G. Vieira Guimares (2), Joa-
quina Lopes de Aluieida, Jos Joaqaira Fernandes
(i), Jo.- Lopes de liveira, Joao F. de Caxia, Joo
F candes de ('.astro Menezes (2), Joao Macedo do
Amarat, Dr. Joio P. Monteiro de Andrade, Leopol-
do Francisco da Silva, LoareoQo J. de Hollanda e
Sonia, Mananta Ribeiro da Lapa, Manoel Duarte
Ferreira Ferro, Manoel M, Marques Marix, Nico-
lao T. dos Sanios, Ttieodoro Maduro da Fonseca,.
Vtnva de Joaqun da Caoha llego Barros.
Correio de Pernambueo i de julho Je 1872.
O en:arregado do reg Uro,
a. Gomes da Silva Ramos.
THEATRO
Onarli-fcira 3 de jnlho
Recita (extraordinaria
EM BENEFICIO DE
^ Xa FllOCO
PlUOC-KAHnA
Primeira parte.
As pragas do capilo
Comedia em um ato pelo artista Guerreiro e
D. Eufrazia Guerreiro, que obsequiosamente se
.resiam a coailjuvar a beneficiada.
Segunda parte.
Pfis de fume sans feu
'Comedia em 1 acto pelos artistas francezes.
Terceira parte.
La folie
por Mlle. Hache!.
Le Toqu
por Mr. Gautbier.
Passo a dous
l-c r Mroe. poppe e a beneficiada.
Qaarta parle.
Ai! que chalaca:'
Comedia em 1 acio pelos artistas nac'ooae?.
A's 8 \\\
D;pois do espectculo haver tren para Apipu-
ces e portos intermedios.
Ra do Commercio n. 17
Ptimeiro andar.
Todos os (ias uleis das 4 horas da tarde as 10
ila noute, e eia das santificados das 10 horas da
inanba as 10 da noute.
A' noute durante a exposicio, o eximio pianis-
ta o Sr. Julio Poppe tocar diversas e escolhidas
pecas de seu repertorio.
Entrada ge ral 1-S0OO.
O emprezario propietario, aitendendo a algu-
nas reclamares, sobra o prego das entradas (ape-
zar das grandjs despezas que fez) entendeu, pa-
ra bem de muitas pessoas que desejam ver
seos trabalho.', modificar pelo preco cima atim
de fiear ao al:ance de todos, e mesmo por estar
prximo o itinerario de sua viagem, pelo que
avisa a) respeitavel publico desia capital que
aproveitem emqaanto aqai se acha, por estar a
partir para outras proviucias.
Acha-se mudado o dcimo grupo por outro que
ti je representa S. M. a rainha a Sra. D. Estepba-
nia, recebendj o diploma de fundadora e irmaa
protectora do hospital Estepbania, em Lisboa.
AVISOS MARTIMOS
COMPMHIA PERNA.MBUCANA
M
iFavegacfi costelra por vapor.
MamaDgaape.
O vapor Coruripe, com
mandante.Sanlos", seguir
para o porto cima nc
dia 12 do corrente as
horas da tarde.
Recebe carga, encom-
mendas, pas ageiros e dinheiro a frele at as
Loras da tard. do dia de sua sabida : escriptoric
do forte do Muttos n. 18.
COJHPiOTHI.4'
DAS
Messegeries maritimes.
At o dia 11 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Sentgal, o qual depois da
demora do costume. seguir para Buenos-Ayres.
locando na B hia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condeses, frates e passagens trata-se na
agencia, ra lo Commercio n. 9.
At o dia 12 do corrente mez espera-se dos por-
tas do sal o vapor francez Gironie, commandante
Somer, o qttal depois da demora do costurnt
seeair para Brdeos, tocando em Dakar (Gore)
e Lisboa.
Para conai^oes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9.
Do dia 2 de corrente mez em diante espera-se
dos portos do su I o vapor francez Siudh, comman-
dante Massenst, o qual depois de pouea demora
seguir para Brdeos tocando em Dakar (Gore) e
Lisboa.
Para candiles, fretes e passagens trata-se na
agencia ra co Commercio n. 9._______________
COHPANHIA
DE
Navegado Brasileira
suL
Dos portos do norte esperado
at o dia 9 do corrente o vapor
Para, commandante Carpinter,
o qual depois da demora do cos-
tme seguir para os portos do
COUPAM1IA
DE
i w--k
Dos porto do sal esperado
at o dia 8 do corrente o va-
por Baha, commandante Felip-
pe, o qual depois da demora de
cotume seguir para os portos
do norte.
Encommendas 4e peqneno valor, peso, medida
e tamben dinheiro, recebem se at a i hora da
tarde do da da sabida do vapor.
As encommendas vindas por ate vapor sero
entregues aleo dia da sahida do mesmo, no es
eriptorioda compauhia, depois desse Urmo serio
reeolhidas no trapiebe do Dantas
Para fretes e passageiros trata-se na agencia
roa do Commercio n. 8.__________________^
PARA O
PORTO
Vai sahir em poneos das a galera JYova Fama
2.* : para carga e passageiros aos quaes offereee
excellenies commodos, trata-se com Soares Primos,
ra do Vigario n. 17._________________
Porto por Lisboa
Paraos indicados portos pretende sahir com a
possivel brevidade a barca porlogaeza Ceres, na-
vio de 1* classe, por ter a maior parte de sea ear-
regamento engajado, e para o que Ihe Ma, que
recebe a frete commodo e passageiros, para os
quaes lem aceiados commodos, irat-se com o
consignatario Joaqun Jos Goncalves Beitro
ra do Commercio n. 50.
Baha.
O veleiro hiate nacional Garibaldi segne para o
porte cima ees tes dias com a maior brevidade
possivel por, estar com parte do carregamento
prompto, e para o resto trata-se eom Tasso Irmaos
& C roa do Amorim n. 37.__________________
Rio Grande do Sol
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade a barca portngueza Arminia por ter parte
da carga engajada, e para a que Ibe falta trata-
se com o consignatario Joaquim Jos Goncalves
Beitro, roa do Commercio n. 5.
Ilha de S. Miguel.
Para o indicado porto, segne com a maior bre-
vidade possivel o lugre portuguez Lima de 1.*
classe, anda recebe algama carga, e eneommen-
das. Tem beilas acomnodaedas para passagelres;
trata-se com o Sr. consignatario Joao do Reg Li-
ma, ra do Apollo n 4.
LEILOES.
DE
Urna armaqao envidracada com
balcao e pratileira
HOJE
A'S 1 i HORAS EM PONTO
Por intervencao do agente Pinto.
Na loja da ma do Cabog n. 1 A, deneminada
Aguia d'Ouro.
DE
Dnas casas terreas edificadas em chaos proprios,
sendo urna oa roa Vidal de Negreiros foatr'ora
Pateo do Terco) n. 110 e ou'.ra nos fundos que
do para a ra das Garrofas" n. 7, actualmente
n. 9.
Quinta-feira 4 do correte
A'S II HORAS EM PONTO.
gPor intervencao jo agente Pinto, em sea escrip-
orio ra do Bom Jess n. 43.________________
LEILAO
DE
Livros de direito, religiao e liiteratura
QUINTA-FEIRA i DO CORRENTE.
O agente Martins far leilao, en cootinuaejio,
de importantes livros de direito, religiao e Huera-
tora, todos muito ben conservados, tendo muitas
obras proprias para sacerdotes e lentes de facul-
tades.
A's 11 horas do dia no armazem n. 48 da roa do
Imperador.
Para carga e passageiros trata-se na agencia.
Encommenda t de pequeo valor, peso, medida e
umbem dinhuiro, recebem-se at 1 bora da tarde
do dia de sua sabida: na agencia, roa do Com-
mercio n. 8.
j_ encomm ;ndas vindas por este vapor serio
entregues at o dia da sabida do mesmo no es-
eriptorio da companhia, e depois deste termo se-
ro reeolbida no trapiche Dantas.
LEILAO
DE
Animaes constando de 3 fgoas e ama
deltas com um potro.
Qoiota-feira 4 de julho. O
A's 11 boras da manla em ponto
O agente Oliveira far leilao por intermedio de
sea preposto Piano Borges, requerimento do
Sr. Dr. curador de auzentes, e por despaeho do
lllm. Sr. juiz de anzentes, de 3 eguas e ama deltas
com am potro; o leilao ser effeetuado no dia
cima, s 11 horas do da, no caes Vinte eDons
e Novembro.
Ilia de S. Miguel
Para o indi do porto segu em poneos diu o
patacho porteguez < Vichatlensej tem tres par-
Jes da earga.(fajada e para o resto que Iba fal-
ta e passageiros trata-se com os consignatarios
Ferreira de A njeida & a, a roa Madre de Dos n*
Mj HWKW.
LEILAO
DE
37 libras de chocolate, 27 garrafas absin-
tbio, vestidos para meninas e seohoras,
veos, chapeos para horneas e seahoras,
tocas, lencos de diUerentes quatdades,
chales, colarinhos, panhos, manguitos,
lavas, cambraias, flores, chitas, fustoes,
bicos, rendas, saias, e outras fazendas
em pequeas porfoes.
QUINTA-FEIRA 4 DE JULHO
A's 10 1|2 boras em ponto.
Adolpho Hurliman, tendo de segnir para o sal,
far leilao por intervencao do agente Pinto (ao
correr do martello) dos objectos cima menciona-
dos, existentes no escriptorio do mesmo agente,
ra do Bom Jess n. 43, onde se effectuar o leilao.
TELfiT
DA
Typograpbia do Correio Pernambucano
Constando de am bonito prello bracal, da fun-
dicao de uanrant de Deberny, 1 machina nova
Sara impresso, formato Carr, pelo fabricante
. Marinony, 2 fontes de typo 10, 1 dita de dito
8, 1 dita de dito 12,1 dita de dito normando 8,
1 diu de dito dito 10, 1 dila de phantazia 12, e
multas outras, e mais objectos de phantazia para
composicao.
SEXTA-FEIRA 5 DO CORRENTE
O agente Martins far ieilo competentemente
antorisado, da typograpbia do Correio Pernambu-
cano montada e prompta para de am da para
outro imprimir qualquer jornaLpodendo os preten-
demos previamente examinar dita typographia,
ra de S. Francisco n. 2, esquina da ra do Impe-
rador.
O leilao ter lagar s il boras do da cima na
mesma typograpbia.
*
AVISOS DIVERSOS
Leonardo Jos Ribeiro de Magalhies retira-
se para Europa com sua familia, deixando por
seas procuradores, em 1* lagar ao Sr. Jote Do-
mingues Maia, em 2* ao Sr. Domingos Pinto de
Freilas e em 3* ao Sr. Antonio Jos Moreira ; a-
cando estes senhore com procaracao e poderes |
Decenarios.
URGENTE
Nesta typograpbia se precisa filiar com
urgencia aos correspondentes dos Srs. abat-
i mencionados, para eviiarem a suspensao
do Diario.
Coronel Jos Carvalho de Araojo Cavalcan-
te, em Garanham.
Antonio Jos de Castro, em Bom-Jardim.
Cmara municipal de Boique.
DiU dita de Pao d'Alho.
Dita dita do Granito.
DiU dita de Goyanna.
Vicente Ferreira Tabosa, em Frecheiras.
Pedro Vctor Bonletreao. no Cabo.
Jos Pedro Velloso da Silveira, em Gamel-
leira.
Antonio da Cnnha Pe'eir BrandSo, em
Agua Prea.
Paolo Cavalcante de Albnquerque, idem.
Joaquim Venancio Caldeira, em Bezerros.
Diooizio Ferreira Jacobina, no Altinbo.
Vigario Fre Pedro da Pariflcacao Paz e
Paiva, em Agoas-Bellas.
Flix Ribeiro de Carvalbo Jnior, em Ou-
ricory.
Rodopiano Florencio de Carvalho Calamby,
no Brejo.
tNSTITUT ARCBEOIMO B GEOGAPHI-
CO PERNAMBCGAO
Haver sesso ordinaria quinta feira 4 do
correte julbo, pelas 11 boras da ma-
ab3a.
ORDEM DO DIA.
l Pareceres e mais trabamos de com-
misses;
" Palestra Iliteraria.
Secretaria do Instituto, 1 de jolho de
1872.
J. Soares d'Azevedo,
________________Secretario perpetoo.
D-se a quantia de iO0i~ sob penbor em
ama escrava : na raa de Hortas n. 9i^________
RI1jDO
Preeisa-se ile am bom criado para casa de ho-
rnera solteiro, paga se bem : na ra do Mrquez
de Olinda n. 10.
CASA A FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhstes garantidos.
L roa Primeiro de Marco (oatr'ort ro do
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos te
i mi bilhetes am meio n. 272 com 300*000, dous
quartos n. 374 com 1009000 rs., e outras Bor-
les de OJOOO e 104000 da lotera que se ac-
boa de extrahir (9a), convida aos possnidores
a virem receber na conformidade do costme sem
descont algnm.
Acham-se venda os bilhetes garantidos di
6- parte das loterias,'a beneficio da igiteja de .Nos-
sa Senbora da Conceicio dos Militares (10a) que
se exlrabir na sexta-feira, 5 do mes vindouro.
PRESOS.
Bilbete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porco de 100*000 para cima.
Bilbete inteiro 6*500
Meio bilbete 2*750
Quarto 1*375
_________________Manoel Martins Finta.
GAS4 DA FORTUNA
RA 1* DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N. 23.
I 'alea que paga as sortea
Aos 20:000*000.
O abaixo assignado tem sempre exposto i ven
la oa felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagande
iremptamente, como costama, qualquer premio.
PREgOS.
Inteiro 24*000
Meio 12*009.
Quarto f ;e*ooo.
Manoel Martins Flua.
^^SIISa^sIaSP8*
S Advogido.
O bacilar*I Joao Goniaga Biceilar tem ]
escriptorio e residencia Da villa do Cabo 1
__ i roa Dnqoe de Caxias n. 21.
Eacarrrga-se de causas civeis, crimes M
8e eommerciaes, bem como de defesas pe- |
rante o jary nos termos supra menciona- H
dos.
Desde o dia 6 de Janeiro do anuo passado
qae ansenloa-se da casa 4e seu senhor oa roa da
Cruz, a escrava Thoraatia, erionla, com 26 a 28
annos de idace, baixa, corpulenta, cabeca chata,
beips grossos, mos bem fetas, cem as juntas
dos dedos ca tejadas, peitos grande, ama marca
redonda em am dos bracos, ps meto chales;
desjonfla se andar por estes arrbaldes acontada
por am Portugaei, ja tem sido encentrada em Ca-
xr.ng e Jaqneira -: roga-se s autoridades on a
qnem a apprnbender leva-la i roa da Cruz n. 23,
ou ra de Haras n. 14, qae serio bem recom-
pensados.
Anda fgido Miguel, esclavo de Diogo Velbo
C. de Albnquerque e tem sido visto nesta cidade
dn itPi'ife, iotitnlaado-se forro e casado com ama
cnoula de nome Raymnnda, e tem os sigoaes se-
grales : cor preta, alto, testa grande e bom can-
tnda, cabelles carapinbos, olbos grandes, desden-
tado, barbado, porem sempre anda raspada :
qnem o capturar ser bem recompensado, entre-
gando ao sea seohor no engenho Baixa-verde da
comarea de Nazarelh.
Jos Rhigas, abaixo assignado, participa ao
respeitavel pablico, qae teado ebegado ltimamen-
te da Europa pelo vapor inglez Boyno o Sr. Julio
Dhibaat, recoramendado pelo Sr. Alphonso Blon-
del, de Pars, acha-se elle encarregado de dirigir
na anseasia do mesmo abaixo assignado a sua
offlcioa de pianos, sita raa de Imperador n. 55.
J. Rhigas.
Agencia.
Precisa-se de am agente nesta cidade para as
machinas de costara de Howe ( Howe Sewing Mi-
chine ) de Nova-York. Para mais plena informa-
S",o dirija-se a W. E. Waterman, agente geral da
Dwe Michine Company, 66 ra da Quitanda.
Rio de JaneifT-^
Os abaixo asignados declaram ao respeita-
vel corpo do commercio desta praca e fra del-
ta, qae nesta data admutiram como socio de
sua casa commercial o Sr. Joaqnim Duarte Si-
mos, qae tambem tari oso da firma qae d'ora
em dianle ser Joao Manas de Barros, Filbos
4 C.
Recife, 1.'de julho de 1872.
Joao Martins de Barros & Filhos.
Hotel da Indepen-
dencia
Ra do Imperador n. 32
Precisa-se de doas esiravos de 18 a 20 annos
para o servieo da casa^________________
Matarino Barroso de Mello tendo de segnir
para Europa no paquete francez Sindh, deixa na
gerencia de sua casa commercial o Sr. Manoel
Joaquim Pessoa, a quera den procaracao bastante.
Offerece-se ama pessoa para caixeiro de en-
genho com pratica : quem precisar dirija-se tra-
vesa da Congregacao n. 3.
Quem precisarle 1:400*000 ris. premio
dando por bypotheea ama morada de casa nesta
cidade, deixe carta nesta typograpbia com ss ini-
ciaos M. J. A.
Rival-sem segundo
Roa Duque de Caixia n. 91, loja de mia-
dezas de Jos Bigodiobo contina a vender
todo qoanto tem em sea estabelecimento
pelos preos abaixo declarados, a saber :
Libras de la para bordados a 60000
Caixas com superiores gram-
pos franceses a rs. 160
Talberes para meninos a 240
rs. e 400
Libras de liona de novello de
0. 80 i 120 a 1^500
Lencos de cassa com barra a rs 100
Varas de franja branca para
toalbas a rs. 120
Doxia de meias finas para se-
nboras a 40500
Masso de palito segaranca a rs. 200
Navalbas fazenda superior a 1000
Caixas com penaas d'ago a rs.
320, 400 e 50O
Caixas com papel amizade a rs. 700
Dita, dita, dita beira donra-
da a n. 800
Caixas com envelopes a rs.
500, 600 800
Dozia de agolbas para machi-
osa 2|000
Libra de prego francezes a rs. 240
Asignatura para o segando anno
12*000 ris.
i.lvrarla franceza.
Mudinca de residencia
^2 uu
m es
i an
O Dr. Antonio Gomes Tavares partici-
pa aos mus,amigos e ao pablico, qae ma-
doa a stia residencia para a roa do Bom
Jess (o jtr'ora da Cruz) casa o. 19, 3.*
andar.
1
Alliance Life & Fire Assu-
rance Company I/>ndon.
Rabe Scbmettau & C, agentes nesta praca da
eompanbia cima, lazem publico que de boje em
diante teem cessado todas as operacGes de seguro
nesta cidade, ficando era vigor as ipolices a ven-
cer, as quaes nao poderSo ser renovadas no sea
vencimento.
Pernaraboco, 1.* de julbo de 1872.___________
fecravo fgido
Ausentou-se desde o dia 14 do corrente o preto
creoulo de nome Rodolpbo, idade 26 anaos, ponco
mais oa monos, estatura regular, olbos v.-gos e
tem nm geilo no andar; foi escravo de Laiz de
Oliveira Lia a, babil, sabe 1er e costuma intitular-
se como forro, lem andado pela Soledade, Cisco, e
caminaos ce Olinda ; qnem o pegar traga-o na
ma Direita n. 16, que ser recompensado._____
i m- i r] Precisase de r.ma escrava, bes
\ Wl \ V cozinlieira e urna livre para en
ri.lT_n.kJ gommar fazer o service intern
de casa de familia, pjg-se bem : na ra da Cru;
do Recife n. 42, armatem, oa no Corredor do Bis-
po o. 23.__________________________________
Precisa-se de ama ama para cozinbar e on-
tra para engommar : na raa do Corredor do Bis-
po n. 11.
AMA
Na ma das Trinche!-
ras n. 50, 1* andar, pre-
cisa-se de nma ama pa-
ra comprar e cozinbar.
AMA i.d
ra Velba n. 92.
Precisa-se de ama ama para
todo o serval interno externo
ama casa de pouea familia :
tmt
Precisa-se de ama para
tratar de criancas : ma da
Aurora ,n. 3 seganlo andar.
Precisa-se de urna que saiba cozl-
nhar, para casa de hornera solteiro :
na rna dj Amorim n. 39.__________
Precisa se de urna ama para cozi-
nbar : a tratar na rna estroita do
Rosario n. 32, 1 andar.___________
A M 4 Precisa-se de urna ama para o ser vi-
***** co de casa de pou:a familia : a tratar
ma da Cruz n. 18, 3 andar.
AMA
Ama de leite
Precisa-se de ama na rna de S. Jorge, outt'ora
Pilar, n. 131.
-ur Pre:isa-se de urna ama para co-
_alTM.i_. zinbar e engommar para casa de
familia de doas pessoas: a tratar na roa Direita
n. 3, 1 andar. _________________________
AMA Precisa-se de urna ama para cozi-
J_._. Dhar n3 raa a0 Cotovello o. 129.
Ama de leite.
Precisase de ura ama sem lho : na raa do
Cotovello o. 129.
Auieoiou-se da casa de sea seabor o mole-
qae Bernab de doze anuos de idade, preto, ebeio
do corpo e cara chata, levando vestido calca de
riseado e blusa de chita roxa : roga-se a qnem
o aporebender levar casa de sea senhor a ma
das Trincheiras n. 11, loja de sirgueiro,que ser
re compensado.
O abaixo assignado faz publico e principal-
mente ao corpo do commercio qae tendo jasto e
contralado com o Sr. Antonio Gomes Salgueiro a
sua taverna sita na travesa da roa do. Duque de
Caxias n. 2 A, livre e desembarazada de qual-
quer onas, qaem se jilgir com direito, compare-
ca no praso de 3 dias a contar desta. Recife 2
de julbo de 1872.
Joaquim Jos Fernandos.
Aos Srs. negociadores desta
praca.
Manoel Xavier de S Albaqaerqoe competente-
mente provisoriado pelo meretrissimo tribunal da
relacc, solicita causas nos auditorios dos termos
d'Agua Preta e Barreiros; encarrega-se de pro-
mover qnalqner cobranoa amigavel e judicial me-
diante urna pagarasoavel : prometi todo cuidado
e prompta exacugao as questoes qae Ihe forera
entregues: quera dos seas servicos precisar, que
rendo Infomacdes dirija-se rna do 'mperador
n.81 casa do ir. DeoiJoro Cataaboe d contrario
annuncie para ser procurado.
m -mar Precisa-se de urna ama de leite :
_LlTJl._. na ma do Marque: de Olinda n.
21,2 andar._______________________________
. m a Na ra larga o itosari j n. 31
i_.lT_.i_. taberna, precisase de ama ama
para cozin_r para dnas pescas.
_ -na- m Precisa-se de ama ama qae sai-
i_.lT_.i_, ba perfeitameale cozinbar : a tra-
tar na ra do Hospicio n. 50.
Precisa-se de urna tara casa de bo-
rnea) solleiro : a :.-..:ar na ra da
Praia n. 40.
AMA
m mmt m Precisa-se de nma ama para co
i_.iw_i_. zinhar para duas pefoa<: na ra
de Pedro Affonso n. 24 _______
Precisase de ama ama para comprar, co-
zinbar e engommar para casa do urna so pessoa :
na ma de Hortes n. 122.
Precisa-se de urna ama para pequea fami-
lia : na ra de Hortas n. 94.
O abaixo assignado lem justo e contratado
com o Sr. Cbristiaoo de Almeida Horaes a pane
qae tioba na eocheira sita ao largo do Paraso n.
10, o qnal girava com a firma de Brito & Moraes:
declara qne o mesmo Sr. Moraes nao tem direito
algam maii na casa desde o dia 28 de janho, fi-
cando desdi essa data em dianle o activo e passi-
vo da casa a cargo do abaixo assignado ; s a
elle ou por sua ordem podero ser pagas contas da
casa e sendj estas com a letra do abaixe ass gnado.
Recife 1 de janbo de 1872.
Jos Ferreira de Brito e Silva.
Manon! Ferreira Barlholo, relirando-se tem-
porariamente para Portugal, vera por meio deste
pedir desci.lpa aos seus amigos o nao ter Jeito as
suas despedidas pessoalmente, em conseqaencia
de falta de lempo e incommodos de sUJt.
Recife, 38 de junho de 1872.___________
CAIXEIRO
Precisa- e de am caixeiro de 15 a 20 annos de
idade, pan ama loja de fazeodas no Brejo da Ma-
dre de Det s : a tratar oa ma Primeiro de Margo
n. 8, loja le Manoel Azevedo de Andrade.
O Sr. 1* sargento de polica Brasiliano Er-
nesto da Fonceca chamado a ma Estrena do
Rosario n. 9, para ajaste de contas de aluguel da
casa em qie ltimamente morn.
Irmandade
do Glorioso Apostlo 9. Pedro
do Beclfe.
5 Nao lene o havido elico no dia 26 de junho por
falta de nc mero legal, novamente convido a todos
os nossos obarissimos irmaos ecclesiasticos e sica-
lares a omparecerem no consistorio da nossa
igreja, qaiuta-feira 4 do corrente, pelas -4 horas
da tarde, ifio de proceder-se a eleicao de novo
provedor.
Consistorio da irmandade de S. Pedro Apostlo
do Recite I* de julbo de 1872.
Padre Francisco de Araojo,
Secretario.
Ao commercio
Joaqun: Bezerra Pessoa e Laiz Gomes Bezarra
participan] ao respeiiavel corpo do eommercio des-
ta cidade, qae dissolveram amigavelmente a socie-
dade qae inbam na leja de fazendas ma da
Imperatriz n. 13 A, qne gyrava nesta praca sob a
firma socii.l de Joaquim Bezerra Pessoa & C, bem
como, qae admitliram para socio a Ignacio Bezer-
ra Pessoa, ficando o activo e passivo a cargo da
aova firma de Bezerra Irmaos, e o socio Laiz Go-
mes Bezerra sahindo pago e salisfeito de sen ca-
pital e lacros at hoje. Recife 1* de julbo de 1872.
Joaquim Bezerra Pessoa.
Luiz Gomes Bezerra.
Ignacio Bezerra Pessoa.

AMA Precisa-se de urna que compre o co-
^"*-^* zinhe : na ra da Imperatriz n. 26, loja
Joaqnim Jos Goncal-
ves Beitro
Rna do Commercio n. 5, 1 andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o
banco do Minho, em Braga, e pobre os se-
guimos lugares de Portugal.
Amarante.
Arcos de Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.3.
Faro.
Guarda.
Goimarles.
Lamego.
Lisboa.
Mirandella.
Monco.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Viauoa do Castalio.
Villa de Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova de PortimSo.
Villa Real.
Vizeu.
Valenca.
Figueira.
Penafiel.
Regoa._____________________________
Fastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita sSo por certo a
medicina racional dos meninos, aos quaes
se administra- com excellente resultado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles n5o ba purgan-
te mais suave e qae tomem com mais pra-
zer. Estas pastilbas previnem tambem as
convulsoes que resultam dos accidentes da
denticio, e tem urna acc3o muito poderosa
como o vernn fago.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia de C, ra Duque de Caxias n. 57.
Precisa-se alagar am preto de meia idade
para o servieo de um sitio pequeo: na ma do
Bario da Victoria n. 33.
Precisa-se de um criado e de um bor-
telo Ponte de Ucb6a, sitio de Luiz de
Moraes Gomes Ferreira.
Loj
a
Traspa ;sa-se o arreadamente da loja da rna de
Bario da Victoria n. 45 : tratar na mesma.
Ha jara alagar am escravo crioulo, ass,
reforcado e capaz de todo servieo : na roa da Aos
rora n. 6! i. _____
Escravo fgido.
Aazenton-seo preto de nome Antonio, de 40
annos de Idade, con os segniotes sigoaes : cor
preta, azi bigpde, doente d'um olbo, eoxo de ama
persa, seico do corpo, levou vellido ama caiga de
brim riseado e camisa de chita. Qaem o appeo-
hender evar a raa do Duque de Caxias n. 52
( ontr'ora do Qneimado) ser bem gratificado.
Ao commeicio
Manoel Jos Alves despedio se da casa de Al-
meida & Hirbosa nesta data, i le jolbo de 1871
SEGUROS
MARTIMOS

COVTRi FOfcGU
A eompanbia Indemnisadora, establecdi
esta praca, toma seguros martimos sobre
lavios e seos carregamentos e contra roge
am edificios, mjrcadorias e mobilias: n>
roa do vigario n. 4, pavimento terreo.
8* _&&_& &&&&$$&
8 CONSULTORIO HOMEOPATHICO. S
IR. CASA*Vi j
K Largo da matriz de Santo Antonio w
o. 2.
Consnltas e visitas a toda a hora. Me-
dicamentos e carteiras dos melbores fa-
I bricantes.
*** *****-#***
BAPTISTAS
O Pavao vende delicadas baptistas para
vestidos, com os mais lindos padrOes e mo-
dernas cores a 500 rs. o covado.
ORGANDY
O Pavao vende cortes de organdy branco
para vestidos, sendo de qoadriobos tendo
8/2 varas cada corte a 35500.
Ditos floissimos com quadrinaos miudos
e grados e a mesma medida a 5)5000.
Ditos listrados, fazenda de mnita pbanta-
siaa 5,5000.
Ditos empssas, f.zenda nissima que
se vende a 640 rs. avara.
PAO ESPECIAL
Pao especial e eommum todos os diu, as 4 ho-
ras da larde sahir do forno, podendo os fregu-
sea compra-lo a inda qnente, sendo feilo de farl-
nha especial, assim ei mo o pi chines : na roa
de Gervasio Pires a. 45, nova padaria Ameri-
cana.
Grande sortimento de tariiianas br
e de cores, assim como fil branco, liso de
salpicos.
CHITAS
O P*v3o recabeu um grande sortimento
de chitas de todas as qoalidadet, que ven-
de por barato preco como sejam : chitas
coloridas com grande vaiiedade a 240 rs.
o covado.
Ditas claras e escuras fazenda toda xe
o 320 rs.
Ditas modernas listradas, sendo panno
moito eccorpados e padroes inteiramerjt
no vos, a360r8 o covado.
Di tes percallas mudinhos e gradinhos
com as mais. delicadas cores todas fixes a
360.rs.
Ditas verdes com padroes miudinho?, fa-
zenda fina, fixe a 320 rs.
PARA COBERTAS.
O PavSo vende superior cretone com
a largura de chita franceza e os padies
mais bunitos que tem vindo para coberta,
a 640 rs. o covado.
Grandes sortimentos de chitas e metios
da India de defferentes qualidades e varios
desenhos.
COBERTAS.
O Pavlo vende cobertas de superior da-
masco de 13a imitacSo de seda com de-
licados Uvores, sendo para camas de sol-
temos a 8,5000.
Ditas grandes para camas de casad
10,5000.
Ditas muitos superiores a 144000.
Ditas brancas a decores sendo de fastes
com franjas a 4,5500.
Ditas grandes alcocboadas a 55000.
Ditas de chita difierentes qualidades a
2(5500 e 35000.
Ditas de ganga encarnada adamascada e
sendo forradas a 5JC00.
FOSTES.
O Pavao vende finissimoa fustoes brancos
com lavores miudinhos, proprios para
vestidos, roupa para meninos e copetes,
sendo fazenda que sempre se vende u a
15200 e liquida-se a 800 rs.
Ditoi com salpicos de cores sendo muito
encorpado para roupas de meninos a 640 rs.
Ditos de cordSo sendo branco e para
acabar a 320 rs.
PUNIIOS E GOLL1NHAS.
0 Pavao recebeu em grande sortimento
dos mais modernos punhos com golljohas
e gravatinhas sendo ricamente bordadas e
vende pelo baratissimo preco de 15600.
PARA LUTO.
O Pavao tem constantemente um grande
sortimento de fazendas pretas para lato
como sejam lasinhas pretas ou cassas de
13a para vestidos, a 400, 500 e 560 rs.
o covado.
Meric preto enfeitado sem lustro, muito
leve para vestidos, a 640 rs. o covado.
Cassas pretas francezas, sendo todas pre-
tal, como de floessinbas e com listas brancas
a 560 e 640 rs. o covado.
Chitas pretas para todos os precos e qua-
lidades.
Bambazinas pretas e cartes de todas as
qualidades e varios precos.
Granadino preto.
Merino encorpado para roupa de hornern
e meninos, a 25000 e 45000 o covado.
Princezas pretas e alpacas de pura 13a
para todos os precos e qualidades.
Assim como todos os mais artigos que
qualqder familia, possa precisar para um
luto que de reprente lbe appareca.
CASEMIRAS EM PEQA.
O Pavao vende casemiras inglesas muito
encorpadas com difierentes gostos, proprias
para calcas, palitos e colletes, fazenda que
sempre se venden a 65000, liqaida-se por
ter grande porc3o a 45000 o covado.
Ditas claras e escuras muito finas para
acabar a 35000.
Ditas de urna s cor tambem com lista a
-25500.
MADAPOLO.
O Pavao vende pecas de madapolo en-
festado com 12 jardas a peca a 35000.
Dito muito bom com 20 jardas a 55)00.
Dito com as mesmas jardas muito fino a
65000.
Dito fino com 24 jardas 65000, 75000
e 85000. -.
Dito francez muito fino com 20 jardas a
65500.
Dito finissimo a 75000 e 85000.
Ditos francezes entestados com 24 jardas
o mais fino qoe tem vindo ao mercado a
85000.
CASEMIRAS.
O Pavao acaba de receber um grande
sortimento de casemiras inglezas em cortes
sendo o mais bonito e fino qoe tem vindo,
dando os cortes calca e coleto ; especia-
lidade em padroes e c6res, a 105000 o
orte de casemira ingleza para calca com
padrOes claros e escaros a 75000.
Di tas'de differente cores e gostos a 45000
e 55000.
CASSAS PARA CORTINADOS.
O Pavo vende urna grande porcSo de
pecas de cassas admascados proprios para
cortinados, sendo fazenda muito larga e
tendo 20 varas a 105000.
TOALHAS.
O Pavo vende toalbas de fustSo gran-
des, para mesa de jantar a 55000.
Ditos para m3o sendo de linbo do Porto
em dozia 105000.
Duzias de ditos sendo de algodo felpu-
das a 85000.
aa_ap_ __3j>__ a
NA
Imperial fabrica de ceneja
Rna do Hcbo
Vendem :
Verdadeiro absinlho snisso de Pernod.
Dito Wermoulh de Tarin.
Dito Kirsch de Zong (snissoj.
Vinbos do Rheno, Bourgogne, Bewjolexs, Cote
do Rbone e Bordeaux, a precos muito commodos.
Chouxeronte de Hayeoce a melbor conheclda.
Julienne de Mayence de qnalidade superior.
Sebweirer Landjaeger (Gendormss Suisse)
Cerraja nacional de qnalidade, rivaiisando a
Lion e noruega.
Vinagre brneo e tinto mnito forte a 144000 a
quinto sem barril.
Gomar
8
marca de
O bacbarel Flix de Figueira, promo-
tor publico da comarca de Pajeb de
Flores, advoca nos (eros de Flores, In-
gaielra. Villa Bella e Municipio doTri-
ompho. Encarrega-se da cobranca ami-
gavel on judicial de qnalqner debito, por
commoda porceotagem : qaem de seas
prestimos se qnlxer utilisar, pd" drW-
se direcumenle aojannnociante
der-se com os Dn. Maooel <*
Para e Pelippe de Figueir&f
raa Duque de Caxias u. 44,
do Diario i$ Pemambuco.
B _
-
'-
T
MUTIUDD
.-
i


D.ario d Fernamlmoo Quarta feila 3 d Julfio da 1872
Dr. R. Vi.nm
Medicc operalor *> parleiro, recen- ,n*
mente cbegado da Europa, unde oe- 3
dicou-se a cirurgia, partos- e especial- /,
mente as molestias e operacoes de vas '$&/
gento owtnanas, tem o seu consulto- a&
rio ra do Viga rio n. 1, segundo an- *^i
dar, ondii d consaltas do 12 dia as 2 /
boras, gr itis aos pobres. ^
Pode sir procurado a quaiquer hora ffc
do dia oc da noute.
Roa de Vigario n. i. 2* andar.
&Sk i "" Alaga-Fe o arronzen, e 1- andar da r;s;t da
jraa do Vinario r. ", ao.ile levo ertabele^meiito <>.
j Srs. Johuslou Pater & C : a tratar Cu;b o h.r..prie-
tao Manoel Alvrtj Oierra.
m
t
r
a
t
Xarope
Hydrocotyla Azia-
tica
A bydroco yla aziatica orna planta qoe
se acha muito a miado em Mauricio. Borbo,
Singarope, Bimoaim, Madras, e outras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
moitos aonos est empregada cora a maior
efficacia con .ra as diversas molestias de
palle toes co:bo o lichen, o eczema, o acn,
o prurido, o pemphigo, a lepra vulgar, a
elephantiasis, as ulceraedes scrofttlozas ou
syphilitiois, assim como contra todas m
doencas conhecidas debaixo do nome gene-
rico dartros. Experiencias numerosas feitas
pelos mdicos dos hospitaes de Pars, sobre-
iodo no hospital de Sm. Loiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provarSo a efficacia
Jessa planta nos casos signalados cima.
Deposito Pharmacia Americana deFerrei.
ra Maia & C, roa Doqae de Casias n. 57-
Creme de Sub-nitrato de
Bismutho
O sub-nitra'o de Bismatbo nm destes
raros medicamentos que podem-se qualificar i
de heroicos; com efleito se emprega com
um snecesso sempre assegorado contra to-
das as lezoes das vas digestivas, taes como
Na l'rac* da luoeptujcucia u. 33 .-o compra
ouro, prata e pedras preciosas, e tambero se vendt
obras de ignal especip.
MOFINA
Olha elle!...
Rogase ao lilm. Sr. Ignacio V.elri da Mello, es-
jrivo na cidade de Nazareth desu provincia, o
livor de vir a rna do Imperador n. 18 a conclu!
aquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
?ar, pela terceira chamada desle jornal, em flu
da dexembro prximo passado, e depoia para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e na 1a cumprio.
por este motivo de novo chamado para ditc
flra ; pois V. S. se deve lembrar qua este negocie
4 de mais de oito annos, e quando o senhor tai
flho se achava no es nesta cidade
Casa de ctmpo
Aluga se a do Exm. Sr. con-elheiro Joa Bento
da Canha Figueiredo era Ponte de Ucba, coja
casa e sitio tem excedentes commodos, baahos do
encanamento da Companhia de Beberibe, e do rio
Gapibaribe, muitas arvores de fructo, estribara,
cocheira, e diversas accommodacSes para pretos e
feitor : a tratar no escriptorio domesmq conselbei
ro, raa do Imperador n. 37. das 10 horas da ma-
nba as 3 da larde.
^laiiisj^a^i
i
, Mallieniatic s
O abaixo assignado, bacbarel em ma-
themaiica*. abrir una curso de mame-
tica e geometra no dia 3 de ju'h i prx
mo roturo. 0< senhoies estudaites que
pretenderen) fazer exame em fevereiro
oa m.rco, e quizereiu matricular-se, de-
vero dirigir-se casa da residencia do
mesmo abaixo a signado, sita ra dos
Pires n. 18, enja ntrala pela raa da
Conceicao.
Bernardo Pereira da Carmo Jan or.
a
400^ooa
Uopeiro
Precia-se de uro copeiro no hotel de Apipncoi;
a tratar no mesmo hotel, ou na ra do Mrquez
de 0,'ioda a. 33. 1* andar.
50#000
Na prsra da Independencia d. 33 se d de (ra-
ttlcaco a quem apresntar a escrava Manan-
na, pr ta, de idade mais de 60 annos, bas:ante la-
dina, cora falta de deo^es, estatura baixa, tem sido
por duas vezes encontrada cm um balaiobo na
ra da Aurora em direccao da via-ferrea,u enlao
em Santo Amaro; em todo o caso parece qoe deve
estar por aquellas immedia<.5e3, est auente des-
de 6 de fevereiro.
Escravo fgido
Auzentoo-se desde 13 de maio prximo passa-
do o preto Alfredo, de trinta e tantos annos, es
D-se a qnantia cima a quem apprehender os
escravos Mancel Ilicardo e Fiel, que fogiram no
dia II de maio deste auno rol* da provincia
do Cear, a veio para esta pequeo, cabra ataio-
cado, cabel'os cacbeados, ps pequeos, baixo,
bom corpo, bocea lascada, com pouca barba do
qui-ir j, e peuco bigode, representa ter 30 annos,
ladino, e gosta de andar limpo ; snppde-se ter le-
vado em sua companbia urna mulber de nome
Rachel, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade de 27 annos, altara e corpo regola-
res, cabellos carapinhos, andar vagaroso e espi-
gado, tem falta de ama naba em nm dos dedos
grandes dos pe, um buraquinho no nariz encos-
tado as ventas, proveniente de um conce de ca-
vallo, pouca barba ; levou em sua companbia ama
mulber de nome Felismina. de cor alva, com bom
caballo. Da-se metade da gratifkaeao cima a
quem levar quaiquer um lestes escravos ae en-
geoho Macanas?, fregoetia da Escada, cu no Re-
tire, raa do Cabug o. 18, casa de Manuel Jos
Ferreira Croz.
Mol< q'te
Precisase logr um i< >>|ne je 10 a 15 an-
nos : na raa do Vigariu n. I, 3* indar, s>braJj
amarello.______
Fagio (o abaixo ass^n^d 7, morad ir na cha-
de do Pilar das Alagoas, o escravo seguiote : Re-
ne licto, cabra, ccr verraelha, ida-ta 21 anno, es
talura regular, cheio di corpo, fal:m Ihe os den-
tes da frente teve aau ferida em um [ a qaal
sarando deixjo bem visivel a marca, a padeiro,
bom remeiro e toea alguns iostrunieLtjs de mu
Mea, sendo o que mais usa a cirmela. Teodo-se
evadido no dia 16 d.e fevereiro do correle anno,
fui visto depcia disso na cidade de Macei. e cons-
ta ter seguid > para Pernambueo com deslino a
asseu:ar praia, dizenrfo ser forro : pede se s au-
toridades pol ciaes e capites de cacapo a captara
do dito escr. ro, gratifleando-se generosamente a
quem o appr ihender a entregar no Recife ao Sr.
Antonio de Miara Rolio, e nesta cidade to abaixo
assignado.
Cidade do 'ilar das Alagoas 15 de innbo de
187J.
__________ Jos Alves de Agoiar.
rtyn
,i>
Comiira-y. ;; ^
"i > i I' i li" : ii h -- -nr-i .4 i*. | iv
Sociedad e
Ooze c
AOS &:000S0OO
Sso veuda os felizes bilhetes da lotera da
iania. na casa feliz do arco da Conceigao, toja, di
"rives uo Recife.
Precisa se de um caixeiro de 1J a li annos,
porluguez que tenha algama pratica de venda e
d liador >ua conduela : n me ro 32.
Grande revolupao...
diarrktas, dwentortas, gastritis, qastral-
yias, dores lo estomago e da barriga, rf. | ^ZZWKES
ceracoes dos i.itestinos. Cada vidro acom-
panba urna colher que a doze.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C, roa Duque de Caxias n. 57.
Tintura da China
Para tingir os cabellos, barbas, bigode5 e
restitoi-lbes a cor natural, em
2 minutos
Entre todos o: preparados cbimicos destinados
colorisacao do cabello, deve a Tintura da Chi
na, por sua sopirioridade, oceupar nm dos mais
distioetos logaren. Ella d ao cabello a cor que
se deseja, sem o damnificar, mais antes o conser-
va e fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de Fer-
reira Maia 4 C roa Duque de Caxias n. 57
rEllllEI!
Na travessa da roa
das tees n, 2, pri-
meiro indar, da-se di-
nbelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qaal for a qaan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesnos me-
taes e pete
latura, alto e magro, olho< grandes e tera
e foi escravo
do Srs. Adriano & Castro, e ltimamente do Sr.
Jos Joaquim Goncalves Bastes, cosluma andar
pela Capunga e Poco da Panella, ecoosta queja
foi visto na cidade de Olinda ; estes sao os pon-
tos aoode elle tem acidado : quem o pegar ira-
gao a raa Duque de Caxias n. 91, lija do Rival
sem Segundo, que ser bem gratificado,
CGSAS DESTE ANNO.
anno passado por este lempo
quere-
Traspasse de loja
Traspassa-se a bem eonhecida loja da raa Da
cae de Caxias, intitulada Fragata Amazonas, ga-
raotindo-se nm irrendamento por seis annos :
qoem preleodtr tma boa casa e bem sitoada, di-
rija-se mesma u entender-se cam o socio geren-
te da actnal flrmii^___________________________
Na roa dos Coelbos n. 28 precisa-se de um
criado.
O Sr. Melquades Antones de Almeida
queira vir esta lypographia concluir o pa-
gamento do aluguel da casa em qus mora
em Olinda. _________________________
Uoico doposito em Pernamouco dos chara-
tos G. Scbnorhnsch da Babia, no escriptorio de
Canha & Manta : vende se de todas as marcas,
por precos e-tabelecidos, e cm porjao de 3,000
para tina se dar descont : na ra do Mrquez
de Olinda n. 40.
Companhia Aliian^a
DE
seguros martimos e terrestres
estabelecida na Baha em 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:0004000.
Toma seguro de mercadorias e dinbeiro
a risco martimo em navio de vel'a e vapo-
res para dentro e fura do imperio, assim
como contra fogo sobre predios, gneros e
tazendas.
Juao Firmino de Kevoredo Freir, estab-
lecido com pren*a de algodao no caes do Ramos
ns. 6 e 10, declara que nao tem negjcio nenbum
com o d. 14 da raa da Madre de Dos, conforme
o chamado do Diario do da 28 de junho de 1872.
Anda o
: mos dizer pelo lempo dos festejos a Sam Aoto
nio. S. Joao e S. Pedro) todos lutavam com serias
difficuldades para snpprirem-se do que neces-
sario n>ra taes festejos, principAlmeoie no.qae
diz respeita aos bolos de S. Julo. Este anno nao
acontece entro tanto, porque temo., nesta cidade
urna eonfeilaria tita ra do Imperador n. 24,
sob a deoominaco de
C'oufeliaria do Campos
cu jos proprietanos nao tem poupado esforcos para
que este eslabelecimenlo satisfaga com promplido
e asseio quaiquer encommenda tendente a elle,
por 1930 ja v o Ilustrado publico desta cidade e
especialmente as Exmas. familias que est remo
vida essa difficol lade, notando-se alm disso en-
cpntrar-se-ha nqoeile estabelecimenlo o seguiote:
Papis ricos para sortes, sortee prompta?, amen-
doas cinfeitadas, fogos japonezes e naeienaes que
se podem soltar nos saldes sem perigo algum,
E MAIS E MAIS E MAIS
Bolos de todas as qualidades, bohnbos para eh,
cha verde e preto, chocolate de diversas qoalida-
des, cromes, pastis, pudn?, empadas, noagathes,
gatbeaux de la reine, boas-bocados, fiambres, sa-
lames, conservas excitantes e alimenticias, cacas
francezas com ou sera tobaras, figuras para bao
deijas, caixiohas ricas para presentes e anda
mais: licores Unos, vinhos, charopes ele. etc.
TODO ISTO
X eonfeltarla do Campos.
Engenho oleaade
Esle engenho situado na ribeira de Gitituba,
a margem do rio Camatagibe, de grande extenso
em terrenos os melbores que se pdern desejar
para a cultura de cannas; moa com agua e tem
propor;oes para se levantar mais dous eogenhos
d'agua guarnecidos cora ricas maltas. Esta pro-
priedade vndese cu arrendase, e tambem d-se
terrenos para levantar ootros engeobos pelo tempo
qae se conveneionar : a tratar com seo propie-
tario ao largo do Corpo Santo n. 17, primeiro
andar.
Engommadeira.
Precisase de urna ama para lavar e engommar:
a tratar na ra 1 de Margo o. 7 A. Ia andar.
O Bouquel das Damas roa Primeiro de
Marco d. 14, contina no corte de cabellos e fazer
barba, para cujo raister tera boas artistas.
wmwsM nwgmum
CONSULTORIO HOHEOPATHICO j&fl
DO
D'. Santos Mello
! 43Ra do DarSo da Victoria43 j
B Residencia mesma raa o. 7, 2* ao- !
Wt dar. g|
Vaccloa todas as quintas feiras e do- 2
S mingos. g
Gratis aos pobres.
Desappare^a o nervoso
Os homens qae offrem de nervoso as maos es-
cialmente quando escrevem inteiramente preju-
dicial ; mas, querendo ver-se livre desse mal, ve-
nham a Nova Esperaoea e comprem um annel
elctrico que o mal desapparecer; assim tambem
a senhora que soffrer de igual mal comprar
ama palseira elctrica e licara perfeitameote boa
boa ; tudn isso s se encontra na Nova Esperanza
ra Duque de Caxias n 63.
CAUTELA!
MEURON&C.
a tv h s a. mm
m
V-l
F^
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PEE I A, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRISTA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C., e a desig-
nado de REA PRETA.

:;
A

MEURON ft C.

ILEGfVEl
<
Patritica
Seteiubro.
A direegao desta socieda-
de teodo de mandar celebrar
orna missa e memento por
alma do Dr. Francisco Pires
Machado Portella, sea pri-
meiro presidente, convida a
familia e amigos do dito fi-
nado a assistiiera esta acto qoe ter logar na ma-
triz de Santo Antonio, as 9 boras do dia S de ju-
Ibo prximo, rigessimo de sea fallecimento.
Recife 26 de jucho de 1872.
Aflolpho Lamenha Lias,
Presidente.
Luix Goncalves da Silva,
1' secretario.
Ernesto Silva.
2* s crerio.
Jos Antonio Pinto;
Tbesoareiro.
Dr. Joaqun) Correa de Araujo
Dr. Francisco de Paula Salles.
Manoel Jos da Silva Guimares

To da'4 de agosto do >.ono pa-sado larnma
se do engenho fiamaragibe o e-ersvo Viente, d*
idade 40 annis, cabra. V ahora rajtflbr, lera
lodos os deous, e sao Rmido, tem (laatrins de
ferida que teve uas perras, e t-rn manh? bran
cas nos ps e as maos, bfnvIaJino qje ^,
ravolver-se em presepio', j.iiga-se que esteja em
Mmtes de Una cu era G-yatna poner la |
tes: rogase as autoridades ou a quem o ar:ire
hender lvalo ao Hecife ao Sr. J.^n de
Barreifo=, na ra da Companhia Pernan i
o. 2, que serio generosamente rpcompt-usaito5.
O re-peitavel publico convidado a vir iia-
naioar o magoiSco sonioeoto de miudezts finas e
dbjeetos de phaotasia que exl-la no estab-leei
ment denominado Bouquet da damas ra Pri
meiro de Marco o. 14, primeiro andar, e ampa-
rar com os da ontros esiabelecimen'.ra de- nesroo
genero, convencendo-se desta forma da re
de de seus presos e conveniencia de compra-los
de preferencia ; no mesa) BalHeermenio acha-
rao sempre boas lavas de pellica branca, 'prelas
8 de cores, para homens seob<>ras e meninas.
COSINHEIO .
Na roa do Mrquez de Olinda d. 3<1 preci-a-se
de om coziohtiro para casa de duas pessoas de
familia.
V?rNDAS.
Kerosene
I)- pnmeira quali.la.le, parca- Dvoer v dera Pernra.d* COblu Irmv.s. a 'UadoMarqaet
la o. II.
Leu
r
m ru do C^tiug n. IR, e.|Una para o pau-a
la ruainz do S nW Ao nh\ (re d- >e l^'te i.nr'
a 400 rs. a arrala Garante -e a boa qtul.ihi;
a continulo ds vn'di dir. nie i d> o anno.
Vende-!?c ou ifora-se
o terreno jonlo a estadio da 1 .njarlneira, bt:a
Cimo se vpndem as duai cas*8 da'pedra e ca! li-
las all, n. 3 e 5, e l- rabero se permuta : total
oa rM da MuV do !)e o. 3)
3!
Beraardo alos Mar ttus
Pereira,
Os filbos, genros e netos do fina-
do Bernardo Jos Martias Pereira,
agradeces do intimo d'alma aos
amigos dalle e aos s;os, qae se
dignaram de assistir as exequias
em o dia 28 do paseado, om tao
significativo seto de caiidade; e,
sob a influencia da mais profunda e sincera gra-
tidao,.rogara-lles, assim como a qaaesquer ootros
que se resolvan a imitar-Ibes o obsequiador pro-
cedimenio, ten.iara a boodade de comparecer a
mairiz da Boa- 'isla as 7 1|2 boras da manba de
O do corrente, tifian de oavirem as missas que os
aoonnefantes mandam resar por alma do pai, so-
gro e av, eoja vida extinguio-se, quando menos
receiavam-no._______^^^
Manoel Cosme de Moraes
D. Francisca Mara de Paula Mo-
rae., viova do finado Manoel Cos
me de Moraes, convida aos amigos
s prenles do dito finado para as-
sistirem as mis-as e memento qoe
em d ser celebrado na igreja dos
Uarlyrios no dia sabbado, 6 do
corrente as 4 horas da maoha, por rujo obzequio
desde j se confessa agradecida.
Obras de cabellos verda-
deiros.
Mlle. Mare LavergneTaz sciente as suas Ex as
tiiantes a as Sras, em gi-rsl que eonssrca'era-
pre um grande sortiaienio de coques, eacbepain,
crescenles. peles, bucos e o mais oeces-ario ao'
peoteado elegante d'nma senhora, nim s venda
como para alugar : no Bouquet das Damas, a raa
Primeiro de Mar^o n. 14, antiga do Cre>po. pr-
meiroa ndar.
Precisase ee urna criada para casa estran-
geira, para cozer e engommar : a trat.r na rus
do Commercio n. 38.

Fr inclseo Pereira
Loiz Amonio dos Santos Pereira
) sua familia pungidos do mais do-
loroso sentimento pela perda qae
icabam de soffrer, de seu prezadis-
limo pai Francisco Pereira, falleci-
do a 3 de junho prximo "lindo no
eino de Portugal, pede a lodos
os seas amigos o caridoso obsequio de assislirem
a algamas misiias qoe (em de seren celebrada*
por alma do mesmo fiaadooo convenio de N. S. de
Carmo, no dia 5 do correte, pelas 7 horas da
maohaa^
wmmmmmmmmsmmmsmm
Gratule of&clua de metaes
BRAGA & PIMENTEL
Ba Nova n. 35.
Kesla officiai irabalha-se em encanamentos d'a-
gua, de latoeiro, calderreiro, funileiro. tem sorti-
ment de bombis de n. O a n. 8, alambiques, la-
xos, torneiras, valvalas, tubos de chumbo, sinos,
obras de folba, bacas de ferro estanhadas, cobres
de engenho, es( umadeiras, eadinho para ruudico,
todo por preces commodos e promptidSo para
qa.lquer trabado.
Feitor
Preclsa-se de um feitor no hotel de Apipncos
a tratar no o.eimo hotel, oa na rna do Mrquez
de Olinda n. S", 1* andar.
Alaga-se
Caxias n. 46.
am escravo: aa ra Duque de
&# QGt l & tf 6&&&&
^^^a^^P\^P\ r\ ^aW ^*a^\ ^P\ ^P\ ^P\'^P* ^P\^P\ ^^
[ Imperial fabrica m
\ DE S
Rap areia fina da Bahas
DE
More ira & C.
O abaixo assigoado, nico agente desea &
fabrica, avisa ao publico qae tem aborto jg
o deposito le dito rap do seu escripto- 2
rio roa c o Vigario o. 21, cade os fre- W
gaezes enontraro sempre a quantidade )gf
qoe precisa rem. S5
Recife, 2) de abril de 1872.
Domingos Alves Mathens.
Troeam-se
notas das caixas fiaes do banco d> Brasil, com
pequeo descont : na loja da raa do Mrquez de
Olinda n. 58.
Fugio no fim lo mez de novembro do anno de
1869, do engenho Goit, sito na comarca de Na-
zareth, a escrava Thereza, de 30 annos de idade
ponco mais oa cienos, com os sigoaes seguales :
cor mulata bert clara, baixa e grossa do cor
po, rosto redondo, olbos castanbos e grandes, na-
riz om Unto chato, bocea grande, denles grandes
e cangallos, cabellos meios loaros e caxeados
para as pontas, nacos e pernas grossas, ps car-
loa e grossos, :om algamas cicatrizes de relbo
ou costas.
igualmente est fgido desde o dia K de feve-
reiro do correla anno o escravo crioulo de no-
me agostinbo, de 40 aonos de idade poaco mais
en meos, e os tignaes segnintes : cor bem pre-
la, alto e grosso do corpo, rosto redondo e car-
nudo, olbos pretos e grandes, nariz chato, boc-
ea grande, beijos grossos, representando doas
beicos do lado ele cima, eom falta de dentes na
(rente, cabeca :omprida e calva de diante para
traz, principian lo a pintar Unto no cabello como
oa barba, pero: s finas, ps lortos apalhetados,
eom ama cicatriz em om dos regeilos dos ps,
Este eseravo foi comprado a Pedro Garca,
morador no ser lo do Sabogy, e j fez ama sabi-
da com destino aa sertao e foi preso em Bom
Jardim da comarca do Limoeiro.
Rogase a tedas as autoridades policiaes, oo
mesmo-pessoas particulares, qoe os pronder e con-
duzir ao referid} engenho Goit, a serem entre-
gues a sea senbor o major Christovo de Hol-
landa Cavalcanlo de Albnqaerqoe, ser por cada
am gratificado com 200*000 rs.
Pepsina medicinal adocada
O melhor preparado para combater to-
da as molestias do estomago. Cada frasco
icompana ama colher de prata, dse qoe
e deve tomar.
Deposito Pbarmacia Americana de Ferrei-
ra Maia 4 C, roa Duque de Caxias n. 57.
Criado
Ka roa de 8.1'raociico n. 72 precisa-se de nm
criado escravo < de orna criada portogueu on
escrava.
A botica popular n. 77, da ra da Imperatriz
para a mesma raa n. 69 t 71, continuara a fuoc-
cionar, com quanto aioda bao esteja prompia.
Aos ftOOOOOO.
BUhetea garantidos da pro
Tlneia.
Ra do Barao da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 e cosas
do cosame.
O abaixo assigoado acaba de vender nos eras
muito felizes bilhetes a serte de o:00 (ra quairo
qoartos Je o. 356 e dous iue:os de n. 2204 com a
sorW de 100, alera de ou-ras sortes menores de
404 e iOl da hteriaqu3 se acabou de extrahir
(9'), e convida aos possuldores a virem receber,
que proroptameaio sero pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publica para ir ao seo es abelecimento com-
prar os muito felizes bllhete, que nao ddxar de
tirar quaiquer premio, como prova com os mes-
aos aanuncios.
Acha-se a venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 10a parte das loteras a beneficio a
igreja de A. S. da Conceigio dos Militares que ser
exirahida no dia sexsta-feira 5 do correle i. /.
PBEgOS.
Inteiro 6^000
Meios 3 OJO
Quartcs 1400
De iOOtSOOO para cima
Inteiro 543O0
Meios 2*7150
Quartos U375
Joao Joquim da CosU Lsiu._
i
Vende-se
9 y^>
O Dr. Sarment Fi-
lho, cirurgiao do hos-
pital Pedro II, de vol-
ts de sua viageni a Eu-
ropa, contina no exer-
cicio de sua profissao,
na casa de sua residen-
cia a ra do Impera-
dor n. 29
.tfc
re.

>r*
Interesse
O Sr. Jos Alves Machado Guimares queira tar-
a boodade de vir a ra do Imperador o. 28, a
negocio de sua conveniencia. _____
Casa para alugar
A!ug3-se ama casa editbada ae novo, na ra
da Deteoco, sitio do viveiro do Masiz, tem 2 s.- las.
2 quartos, cozinba tora, quin sa ra de Marci io Oas n. 30, deposito.
mm
Traca-se notas do banco do Brasil e de sua;
Qllaes na rna do Bario da Victoria n. 63, antiga
roa Nova, loja de Joao Joaqaim da CostaLei'e
ni
ai
. O verdadeiro Poriland :
roa da Madre de Deus n. 2.
JoSo Wartins de Barro?.
se vende ni
armazem e
Mel.
Veode-se mel
do Ramos a. 8.
cm p.rcSo e a retalho : no eaej
Vende-si! uraa casa urrea >ita na rna 3
Ara gao : a tratar na Eocruzlbada de Bclm, es
casa do pri fesstr.
A 100O.
Vende-se sapatos de tapete pelo barato preco da
\ : venhara ao Hival do Hecife o. -xl A, loja es
raiudeza.
aranlelias douradas cum pouco aso, [Topria* pata
illaarinacao^a gz : na ra Duque de Caxias Da-
mero 48, lija.
Vtnde-se
Dara de uraa ca*a terrea sita roa da Vettura a
2. Chunga : a tratar na ra 1 de Marco n. 7 A
Io andar.
Vende ;e urna avena fila a ra oas Per-
namhucanas n. 8 (Gjpunga) : tratar na raa das
Crealas n. 17 A.

r.--~.
m
m
i
aMMMHMBttMM
Llquldicilo.
Leiio de lodo ou de parle do graade
arm.-iem de tintas e drogas medicinaes g
da roa do I nperador u 22. A impossi- |
b.lidade era que e-la sea propietario de C
dirigir pessoalmenie este e que pode ser fcilmente convertido en: S
pbarmacia, obriga-o a passa-lo a oulrem. ^
Est bem sortido, nada deve, e nio S
tem c.mpromi-so algn', e por i-soacsi? SK
tam-se propostas razoaveis para o sea jfiB.
irjpass?. Jli
Os pretendeotes dirijam-se ao mesmo 9
armazem para wt o seu balando, e ah fM
mes'no poder deixar sea propoetas em 2
cartas fechada?.
mi sna
-':
Porta o
Uompanhia de segu os Phe-
nix Pernambucp.ns.
Os Srs. accionistas sao convidados a reunirem-
se no dia 6 do corrente ao meio dia na casa da
companhia, a raa do Commercio n. 34, para Ibes
ser apresentado o relaiorio do anno nodo e tra-
taren) de eltgerem a directora.
Pernambueo, 3 de jnlho de 1872
Os directores,
J. H. Trindade.
Luiz A. Siqaeira.
F. F.| Borges.
3* andar
Aluga-se o 3* andar raa. do Padre Fioriano,
o. 40,com 5 quartos, i salas, cozmha fura : a ira-
lar na raa larga do '(osario o. 22.
COMPRAS.
COMPRASE
moedas de ouro e prata na loja da roa do Mr-
quez de Olinda n. 58.____________________
Compra-se
trastes novos e osados: na raa do Impera-
dor n. 48, armazem.
No antigo armazem
de agencias da raa do Imperador o. 16, compra-
se effectivamente trastes usados e novos.
BANCO
Compra-sa nm banco de marcineiro, se for pe-
queo anda melbor: raa Nova loja n 11.
I
Compra-se am barro para carroca: na fabrica
do gaz, S. Jos.
Escrava
Precisa-se comprar ama que saiba cozinhar e
engommar, pagase bem : na roa da Imperairiz
n. 26, loja.
LOJA.
afulzo criminal
PELO
Dr, Jos Tito Muco de Araujo.
RIO DE J.VNE1R0-I87
1 volme eacaderoado
84004.
Livrara franceza
Alerta!
7
a ttverwl fita ma do Amparo n. 7, na dad-
de Olinda,, cuja (averna e.-i bem atregoeuda,
mesmo por se achar cull<'csdaem poni sublime ;
boa (ccaio par um principame : quear ni*
- zor efectuar a compra dirija ss ra dos Qaa>
rarapes o. /O, qne achara com qoem tratar.
Ciaro, purificado e' irat.?parente, em barricas
grandes de 10 e 11 arrobas, o melfcor que s ^. fe
oesjar para o tabr:CJ do ?. bao : nos armazecii i
Ta.-?o Irmios A C. ci.es do Apolle. <
Lehman u Frres venden?
libras sterlnas : a' ra o
Crespn, 16, primeira andar,
ama bja caa terrea, rhaos propros, con 5 quar-
tos, 2 sala?, coz:ntu exieina, ura gis.nde qu>na'
planudo e muiado, sua Da ('punga, ra dad
Crenlas n. 6 : a iratai na ra de Xhrc n. 7 A,
! andsr.
Vapor usado.
Vende se ura vapor d; tor^a de q airo cavailcf,
de ptima cccstrnccao, e era mni'o b m uso, pro-
pro para tnginlio do asaocar ou quaiquer otara
rni:ter : a tratar no armazem n. 2o da trave^sa
da Corpo Sanio.
Veude-se
um puno le uta hcilsonlal proprio para qacm
qotear anreuder, por preco commodo : a tratar
na rna Vele a p. 83.
Xa ra da Iniperatriz c. 12, loja de chapeo:,
veode-se barato um peqneuo portao e ferro, pro-
prio para Jardim ou para escada de casa parti-
cular._________________________________
Vende-se a bem afreguezada taberna sita a
travessa dos Expoitos o. 18 : a tratar na mesma.
O motivo da venda 6 porqne o seu deno quer tra-
tar de sua saudo.
Vende-se urna escrava cronla, bonita figura.
engomma, lava perfeilamenle e cozinba o diario ds
ama casa : a tratar na rna das Saudades o. 3.
Vende-se mantelga ingina a .SCO rs. a liba
oa a I 100 o kilo : oa ra de Pedro Affooso n. f,
uulr'ora ra da Praia.
Vende se urna bonita loja.'armacao de amare j,
toda inveroisada e bem acabada, com maito gosio,
em urna das melbores roas desta cidade, a mu.:o
afregnezada : para mais informales, qoem a pre-
tender, deixe carta oesta lypographia com as ini-
ciaes D. O. para ser procurado.
VENDE-SE
o estabekcimento denominado ROY D'YVETOI,
na roa eslreita do Rosario o. 14, por san propie-
tario pretender retirar-se para a Earopa ;_ o dita
estabeieclmento tem muitos commodos para fami-
lia e est bem afn'gaezado ; a tratar oo mesmo.
Veode-se tres uceas paridas e doas vitellas
petadas : oa cocheira da roa da Paz n. 1.______
o Sovo
Chicotea e rebenques
Acaba de chegar do Rio Grande do Sal, mo
lindos chicotes e rebenques de transa e appare-
Ibados de prata, qae se vendem baratos para
acabar: no Rival do Recife. roa do Mrquez ?
[Olioda n. 5X1 A.
<
l MinilaOO
V
*-





.


ALTAS NYIDADES
GRANDES PECHINCHAS
A LOJA DO PAVO
Na ra da Imperatriz n. 60 *
DE
PEREIRA DA SILVA 8r C-
Para as festas do mez de jiinlio
Pereira da Silva G. tendo rocebido aai grande sortimento de fazendas de lia,
. a e al|od3o, com os padrocs mais novos que tem viado ao mercado, teem resolvido
Sptal-a, por procos moito baratos com o nico Gm de agradar aos seos numerosos
f rif aexes e apurar dinheiro, de todas as fazendas se do amostras deixando penhor, ou
Wihrw e lavar em ca-a das Exmas. familias.
LASINHAS
0 Pavao vande delicadas alsacianas de to-
tas as cores com moito lustro e delicadas
iatra mitisados a se Ja, proprias para os
afeites a babadinbos a 105i)O covado.
Ditas iitradasa seda, sendo as mais de-
xadas qa> tem vindo ao marcado a 1)9300
* covado.
De!:cadis la5*inhas com muito brilho e
i alionas de seda a 10000 o covado.
Diasccm listras de seda larga e muito
tiorpada;, com delicadas cores a 800 rs.
erado.
Ditas muito delicadas com lisirinhas de
sed a 50 rs. -
Ditas se odo bastante largas com listra os
ado. pan os enfeites e com cores muito
Alteadas i 500 rs. o covado.
, &itas di listras miadinbas com os da
*eda3 que Ibe d moito brilho, tendo de to-
das as cores a 500 rs.
Gorgurds de 13a, de urna s cor, tendo
j.ida muito moderna a 400 rs.
iaaas lisas de urna s cor, tendo do
iadas as cjres a 400 rs. o covado.
Alpacas lisas de todas as c6re3 a 500 rs.
i :o-ado
iuii ;s de cores com delicados qoadri-
atios d seda tendo de todas as cores esen-
do muito modernas a 800 rs. o covado.
pgorM asues d3 15a, com delicadas
^triabas raucas lavradas sendo o que ba
U mais novo no marcado a 640 rs.
cad. s alpacas de seda com delicados
'Oes o muito brilho, de goslo inglez
n 8C0 rs.
ad; s La biabas de urna s cor, sando
Se todas as cres.como fejam : verde e asul,
!k cor de cann3, cor de rosa., bran-
ca lisiras da m^ma c6r a 800 rs. e
5I8C0.
-de soriimento de fazendas de todas
cores, o diffdrenle3 qialidades a 30 o
io o 400 rs.
Bareges de 15a trasparente tendo do to
as cires a 200 rs.
PGUPELINAS
"' Pnac vende as mais delicadas poapeli-
te v:rladeiro linbo e seda, sendo com
espadines lutrado^, e os mais delicados que
&8 vino ao mercado, bavendo de todas
. ;3 a 2^000 o covado.
9 con differeDtes padres, para ac
a 1}C0. t
tas de listras -com deiicaaas cores,
i t 'xis para lulo a 15600.
NOVAS SEDAS A 20500
O Pari recebeu una nova remessa das
,iida- sedas para vestidos com s mais
- cores e mais delicados desenhos
.dichos, era urna s cor, garantindo-se
seda pura e que seria uzeada para
- de 3000, a nao se ter feito urna gran-
;om>ra e liquida-ss a 25500 o covado.
GROS PRETO
O Pava i vende sempre grosdenaple pre-
*> para vestidos sendo sorivcl a 15600 o
espado.
Dito b"n com onrella branca a 25000,
Dito ;. ,ito eacorpsdos e muito largo a
b: go.
Dito eui tecido de gorgor-So sendo fa-
aada muito incorpada a 3000 e 45000.
Seda preta avrada muito encorpada a
BRAMANTES PARA LENCOES
O Pavc vende superior bramante de al
3Dd2o tendo 6 palmos de largura, que s pre-
L-y de 1,1/4 vara para que lencol, metro a
46 oo vara 1580?.
Dito de linbo puro superior, muito eccor-
yao com a rr.esma largura a vara 25400.
Ditos rancezes muito finos a 25500 e
Pecas de Hamburgo e panno de linbo
3KB 20 e 30 varas e para todos os presos
:,:lidsdjs.
Ptc di Lrelanha de puro linbo, tendo
30 jardas, pelos presos mais baratos que
tem visto.
Pecinbai de fioissimo- esgaio ou elesia
ecm 6 jardas a 75000.
i Vezas daaissima silesia, tendo 30 jar-
fes a 355000.
Ajoalhado adamascado com 8 pdmo3 de
irgura, a vara a 25000.
ito de inbo superior, a mesma largura,
am,
Dito trabado sen ser adamascado, mas
sato enorpardo a 15600.. \__^
Gaardanapos tanto grandes como peque-
?. 350)'. a duza.
ALGODAOSINIO.
O Pavc vende pecas de algodosiaho
americano com 16 jardas pelo barato preco
&30OCO.
Dito muito melhor com 18 jardas 45000
Dito americano muito encorpardo com
jardas ii 50OOO, 55500 e 65000.
Dtt-) largo marca T, sendo o mais fino
x> tem viado ao mercado proprio para
2BBce3 a jarda a 280e320rs.
Dto enl'estado paraler-coes sendo muito
cordado e com 8 palmos de largura, a
wal0OOO.
Dite com a mei ma largura, sendo tranca-
la! e muito eicorpado a 15280.
GASSAS FRANCEZAS
OPavSo vende fiaissimis cassas france-
sas, eom ;i3 mais delicadas cores, sendo
indas e de flores, fazenda chegada pelo
timo vapor a 403 rs. o covado.
Ditas francezas flnissimis padris miu-
a 400 rs. o covado.
Silos dj difeMntos gostos a 320 o
corado
C\MBRUAS BRANCAS
OPavSo vendo combraas verdadeiras
jom 8/2 varas cada peca, sendo fazenda
9 vale m jilo mais dinheiro a 45000.
Ditas mi to finas a 55000 e 65000.
Vm co:a O varas a 60000 75003.
PANNOS FINOS.
O Pavao tem um grande sortimento dos
melbores pannos fiaos que tem vindo a
este mercado, sendo preto do mais uno at
ao mais baixo, assim como ditos zoes,
verdes e cor de caf, propriospara palitos
e fardas, que se vendem mais barato do
que em outra qoalquer parte, por ter gran-
de porgao.
SAI AS.
O Pavo vende um grande sortimento
de saias brancas muito beo bordadas, ten-
do 4 pannos cada urna pelo barato preco
de 45500.
Ditos ricamente bordadas com 4 pannos
cada urna a 65000.
Ditas j feilas com folhos macheados
sendo muit > fiaos a 35500.
Ditas da mesma porm mais abaixo a
25(00.-
Ditas tambem j promptas sendo de 15a-
sinha de cores com barras enfeitadas a 35O0O
e 45000.
ESPARTILHOS.
O Pavo vende os mais modernos espir-
tilhos de todo3 os tamaohos 6 sendo os
mais modernos que tem vindo ao mercado
a 45000 o 54000.
CASAQUINH03.
O Pavo vende modernissimos casaqui-
nhos de seda preta, moito bem enfeitados
a 15000 e 25000.
Dito de croeb brancos a 65000.
Ditos por terem algum defeito a 35000.
Ditos de fil muito fino a 125000.
BORNU'S.
O PavSo recebeu nm grande sortimento
dos mais rices born-;. tendo brancos e de
cores qoe vende a 165000.
MEIAS PARA HOMEM.
O Pavo lem um grande soriimento de
meias croas para bomem que vende em
dosia a 45000, 55000, 650OO at 1'.'5000.
Ditas para meninos de todos os tamanhos
de 35000 at 65000.
Ditas para senboras sendo francezas e
inglezas, tendo tambem mnito encorpadas e
bastante largas de 55000 at 125000.
Ditas para meninas de todos os tamaahos.
TAPETES.
O Pavo vende tapetes grandes para sof
proprios para 4 cadeiras a 255000.
Ditos muito bonitos avelladados para
duas cadeiras a 105000.
Ditos para o mesmo fim, ou para ao p
da cama a 75000 e 85000.
Ditos pequeos para janellas a 45500.
Assim como grande sortimento de pan
nos de croch proprios para encost de
sof, de cadeiras de bracos, ou de balanco,
ou de guarnido ludo por presos muito ba-
ratos para acabar.
CAMISAS.
O Pavo acaba de receber grande sorti-
mento de camisas ioglezas com peito de li-
nbo para todos os precos e tamanhos, que
vende- como pechincba por ter grando por-
Cao.
Ditas com peitos de algodo das mais
baratas at as melbores que veem ao mer-
cado.
Ditas francezas de chitas miudinhas com
os mais delicados gostos.
Ditas de meia de algodo e de la.
LENGOS.
O Pavo vende finos lencos de cambraia
branca abainhados, em dazia a 25400.
Ditos finissimes tambera abainhados a
35000.
Ditos com delicadas barrinbas de cores,
garantindo se sorem fixos a 25000.
Ditos finissimos de c?mbraia branca, tan-
to proprios para hornera :oa o para senho-
ra, sendo fazenda qoe sempre so vendeu a
65000 e liqoida-se a 45000.
LENGOSBORDADOS
*&$*& && 00 00000
IRELLER &
Ra do Bom Jess u. 55 \
Vendem
Perro gavaloisado em folhas para te-
lhas.
Leite condnsalo.
Cognac Martineta.
Vioho de Brdeos em caixas :
Tommard
Volmay I
Haut Falerne
Penillac
Vioho do Rheno :
Seharlachberger
Ki9desheimer Berg
Hochkeimer Berg
Q Marco Crnoier aaslese
S Kaaentbaler Berg
Sleioberger Cabinet. 9
0000 00 0 00 0000
Libras sterliaas.
Vende-se oo armaiem de (azendas de Angasla
?. de Oliveira 4C., roa io Commercio n. 41
O Pavo vende finissimos lencos borda-
dos para mo sendo de finissimas cambraias
de linbo ricamente bordado-, sendo fazen-
da que sempre se vendeu a 45000 e 55000
e liquidam-se por se ter feito urna grande
compra a 15600 e 25000.
CHAPEOS DE SOL.
O Pavao vende chapeos de sol de para
seda com barras tendo de todas as cores e
sendo com cabos de canna e muito leves,
fabricados no Porto, sendo fazenda que
vale 1450O e !iqnidz-se por ter urna gran-
de porco a 105000.
Ditos com delicados cabos de marfim a
165000.
Ditos pequeos proprios para senboras
e meniaos a 85000.
Ditos de alpaca com armado de chapeo
de sol de seda a 45000 e 45500.
PNHOS E COLLARINHOS.
O P;vSo tem grande sortimento de p-
naos e collarinhos de linbo e algodo, pro-
prios para homens que vende por preco
moito barato.
CASINETAS ENFEITADAS.
O Pavo vende cortes de casinetas en-
festadas de algoda de qaadros, para cal-
as pelo barato preco de 15000 o corte.
A mesma fazftnda em covado tendo duas
largaras que tambem serve para roopa e
vestidos de escravos a GiO rs.
BRINS.
O Pavo tem grande soriimento dos ver
dadeiros brios de angolla, proprios para
calcas, cohetes e palitos a 15000 o covado.
Dito muito buoito imitacao a 800 rs. o
covado.
Brins brancos de linbo dos melhores fabri-
cantes que tem vindo este mercado, de
15000 a vara at 45000.
Bros de cores pira todos os procos e
qualidades.
Ditos pardos de 640 rs. a vara at 15500.
Dito pardo liso muito encorpado, para
roupa de escravos a 400 rs. a vara.
Quando parece qne nao ba man novidade a
descobrir, nem objectos de mais phantasia, alm
dos que tem apparecido al agora, eis qne a Nova
Esperanza reeobe os mais elegantes e mais mo-
dernos, de forma qae indispensavel aos apre
dadores do bom apparecerem constantemente n>
dito estabelecimento afim de nsarem o'que ba de
mais cbiqas do mando das modas; agora mesmo
a Nova Esperanca receben os em to grande
qaantidade qne mesmo nio sabe por onde come-
car ; pelo ultimo vavor ebegado da Earopa aca-
ba receber os aegointes, ainda nao vistos nesie
mercado, como sejam :
Meios aderegos de tartaruga.
Pjseiras e crozes de tartaroga.
Lindissimo pincenez com arcos de madreperola e
marfim.
Delicadas bengalas de unicornio, (a imitacao)
Bonitas gnarnicSes de seda para senboras.
Lindos chapeos de palba escara (oovidaje).
Esses artigos nao se pode fazer ama idea del-
les sem que sejam vistos; por hso a Nova Espe-
ranca ,a ra Duque de Caxias n. 63, apressa se
em convidar a todos geralmente, e com especial!
dade ao bello sexo paca vir aprecia-los.
Qaerers fazer am presete ?
Qaereis preparar am vestido ?
Queris ter nm bom ebeiro em vosso toacader I
Qaereis nm lindo leqae de qaalquer qualidade ?
Qaereis am fino olea tonreo oa bsnha para vosso
cabello ?
Nao indaguis nera'procureis em ontra parte, por-
que correris o risco degvos eansardei e nao en-
contrardes; dirig vos logo a Nova Esperanza, ra
Duque de Caxias n. 63, onde tereis a certeza de
acbardes e pt prego rasoavel.
Nova remessa
Aqaelles engranados pedes qne dan'am *am
qnarto da hora mais oa menos, mostrando diver-
ses caracteres, a Nova Eiperanca receben ultima-
meete.________________________________
Nao se arrepeudam
E' certo qne qaalquer pessoa, qnaado compra
am frasco de extracto, banba, oa oleo, nm enfeite,
am lenc-i, ama fita oa ontro qaalqaer objecto ,
desoja que seja bom e da moda ; porn, quasi
sempre temos o desprazer de ver essas pessoas,
desgostosas e arrependidas, e porque ? por nao se
dirigirem a nova toja da Magnolia, roa Duque de
Caxia3 n. 45, qne quem bes pode supprir de
bons extractos, de um lindo enfeite, finalmente,
daqu.llj que bonver de melhor e de mais elegan-
cia no mundo das modas.
Soffrera' quem quizer
Qaantas pessoas vamos scffrer de nervosd, e
com espeoaiidade as maos 1 os anneis eletricos
de Royar. cura iofaiiivel para semelhante mal,
e porqne se nao faz uso delles ? tal vez essas pes-
soas ignoren o seu efFeilo, e qne a Magnolia, ra
Duqne de Caxias n. 45, receben desses collares,
e deseja qae cada nina dessas pes.-oas comprem
o sen, afim de v-r-se livre de am mal qae na
realidade to incommodo.
Nao ha mais duvida
Quem tem melbores e mais modernos artigos
de moda e ptnntasia a Magnolia rna Duque de
Caxias n. 45 ; pos que acaba de receber, alm
de outros muitos objectos qn^ se torna enfado-
nho mencionar, os seguintes : meios aderegos de
madreperola, brancos e de cores meios ditos imi-
tando coral, agulheiros de madreperola e marfim,
ernzes de dito e dito, balalos cora preparos para
costara, cintos modernos (oovidade) chapeas de
palha de cures para senbora, bengalas de uni-
cornio (mitaca.) Com dabo de madreperola, ricas
camisas bordadas para senbora e para bomem e
aderegos de marfim.
Na Magnolia
E' geralmente a resposta qae se d, quando al-
gaem perguata, onde encantrarei um lindo sorti-
mento de leques ? urna rica caixioba com msi-
ca para costara ? um lindo albam ? um objecto
de gosto para fazer um presente ? onde poderei
achar um completo soriimento de objectos de mo-
da e por presos commodos ? sempre a rea-
pos'.a, na nova loj t da Magnolia, roa Duque de
Caxias n. 45.
Cuidado.
Os collares Rover, sao privativos das convnl-
soes as trian? e garanta do feliz desenvolv-
ment della?, porm, misler qae sejam verda-
deiros e novos: mntas vezes, vemos pessoas com-
praren) e neohum resultado obter, porque ? por-
que nao teem o cuidado de procuraren dos ver-
dadeiros, assim a Magnolia ra Duque de Ca-
xias n. 45, qae recebeu desses collares, e otle-
rece aos pas de familia garantindo-lhes o real
desenvclvimento de sea effeito.
m PAR TODOS
Todos devem cortar daqui este annancio e tra-
ze-lo na carteira ou livro (le lembranra, como cen-
sa de grande nlilidade,
PORQUE ;elle
indica onda com certeza se pode encontrar ou en-
commsndar am bom presente qae de improviso se
queira mandar a qnalqner pessoa,
ASSIM COMO
indica elle onde se poder encontrar um fiambre
bem preparado, urna empada, um galheanx de la
reine, um maug; ih, ara puding, am bolo fino, om
pao de lo e ama infinidade de bolos e pastis di-
versos, proprios para lanche, sobre-mesas e me-
rcadas.
ALEM DISSO
rauca mais onde se encontrar sempre : frnctas
do lempo tanto nacionaes como eslrangeiras, ddses
seceos e em calda nacionaes e estraageiios, licores
e vinhos finos, conservas alimenticias e excitantes,
bolaxinhas e bolinhos para cb e outros moitos
objectos qae se tornara por demais enfadonbo a
ana inteira discripcao
E FINALMENTE
para que se possa fazer um juizo aproximado
SO' INDO PESSOALMENTE
a coneitaria do Campos.
Rna do Imperador a 24.
Tome-se bem a cautella de que, a frente deste
estabelecimento se acha enllocado am lampeo qae
se conserva aceso noate, ate s dez horas.
Vende-se
Retalba-se um terreno na
Barros por barato pree. o; a
Independencia n. 39.
Estrada de Joao de
tratar na Praga da
Mobilias
Na ra Daqaa de Caxias (ontr'ora das Crozes)
n. 15, aroazem da trastes, vendase mobilias na-
cionaes e eslrangeiras, assim como obras avaUas
I por prego commodo.
MACHINAS
DE
{OSTURA
Cbegaramao Bazar Universal da roa No-
va, n. 22, om sortimento de machinas para
costara, das melbores qualidades que existe
oa America, das quaes muitas j sao bem
conheeidas pelos seos autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
que com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machiDas tem a vantagem de fazer
o trabalbo que trila costareiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feico como as mais perfeitas costureiras.
Garante-pe a sua boa qnaiidde e ensina-se
a trabalbar com perfeir;3o em menos de urna
hora, e os presos sao tao commodos qoe
devem agradar aos pretenderes.
Farika de mandioca
Superior e muito propria par* cesa, em barr
ricas de farraha de trigo ; a itgQtfi n. a barrica
nos arraazens de Taso Irmaos S: C.
Oandieiros |*ara g-z
Vende-se lindos candieir) de b'ronze, por pre
eos inferiores ao qae costaran : ra do Impe-
rador n. 31, pseriptorio da pmprpj do paz.
Padaria
Vende-sp a padaria da Casa Forte, pertencente
a Gabriel O. Campo : para ver na mesma, e para
tratar com Tasso Irmos A C.
Em casa de Tisset freres, na ra do Com-
mercio n. 9 ha para vender :
Agaa de Vichy das fonte3 Haubeiwe, Celestina,
Grande Grillo, Hospital e Mesdame, em caixas
de 50 garrafas.
Agaa de Chateldoo, excellente agua de meza,
em caixas 30 garrafas.
Agua do Vals das tontea Prense, ShgdalioQ,
Desire, Sante Jean; Rigolette e Donimique, em
caixas de 24 garrafas.
Ccgnac das marcas : Blanchv frres & C.
Itoyer Guillet & C.
Marital frres de Velros.
28
Armazem do Campos
Ra do Imperador.
O CAMPOS, in:ansavel em agradar aos eus
numerosos frecaezes e amigos, adrainUiraodo
todos disraccoes e deleites, acaba de transformar
caprichosamente o seu armazem em am centro
de rkciuii e delicias para os desejados e fesli-
vaes dias de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro,
pelo que promeile salisfazer convenientemente a
qualquer exigencia por mais peregrina que seja.
Convencido, dos, da superioridade de seus gene-
ros, o CAMPOS, vem boje do alto da imprensa, de
cahpanhia em pnnho, dispertar os habitantes des-
ta bella cidade e sens adjacentes a virem, quanto
antes, pnivenir-se alm do mais, do seguate
manleiga ingleza e franceza muito fina, queijos
flamengo?, pratos, londrnos, e do serto; vinhos
fiaos, os mais requintados em sabores que tem
importado esta cidade, cerveja de diversas mar-
cas, champagne, cognac, cidra e ontras muitas
qualidades de licores estomaeaei; presuntos para
fiambre di superior qualidade, de 6, 7, 8 e 12
lioras; pa os, lingnicas em latas, lombo3 de porco,
avss e lei.'umes em conservas ; linguas inglezas
em latas, salame de Lion-, gelas, doces seceos e
em calda, passas, figo, nozo?, amendoa?, bola-
xinhas em latas e urna iuQnidade de acipipes qne
excita e deleita, a par de muita modicilade nos
precos, que se pode fazer ama ileia exacta do es
plendiJo tiortimento que est a exposico dos
amantes da bom, fazend>-se diariamente.
DUAS \ 1SITAS ao armazem do Campos, sito
ra do Im jerador n. 28.
SffRund remessa do multo desojado doce de
goiaba da cidade de Campos, do Rio de Janeiro,
no armazam do Campos, nico possaidor jesta
cidade deste doce j to preconizado em todas a:
provincias do imperio.
RecreiD aprasivel!
Fogos! fogos !
O Campos
tem um v tria Jo soriimento de fogos chnezes, inof-
feosivos 'i crianzas, que vende pelo eusto.
Venharr os pas de familias munir-se destes
inleressantes divertimento?, para os seus pe-
queos saudarem estes tres das em qae o pra-
zor se majifesta em todos os semblantes.
Armazem do Campos.,
Nao fea mais cabellos bran-
cos.
Tintara Japooeza.
S e a lica appravada pela academia de scieo-
eia, reeonhecida superior a toda que tem appare-
cido at boje. Deposito principal ra da Cadeia
do Reeifa boje Mrquez de Oiinda o. 51, 1* an-
dar e em todas as boticas xe- casas de cabellei-
reiro.
Verdadeiras bixas hnm-
burguezas
nico deposito em Peroambaco
Cadeia n. 53, orimeiro andar.
n. 53 roa da
Vende-se
a taberna e padaria sita poate de Ucha : a tra-
tar na Bcsma.
Lindos [rseos com extractes de Reiael, Labin
Piver e Condrsy, banba em bonitos vasos dos
mesmos fabricantes cima comeados, pi de arroz
muito Ico em bellos jarros do arados, pos para
denles, tintaras de diversas corea paraos cabel-
los, tinta para marcar roopa, agaa de colooia em
garrafas zrandes de cristal, enfim nm excellente
sorlimeoto da perfumarlas propr as para os pre-
sentes de S. Joo e S. Pedro eicontraro rna
Primeiro le Mar$o n. li amiga do Crespo, 1 an-
dar, Bonqaet das damas. _________^____
Esponja
Final esponjas para toilette, e proprias para la-
var movei, vende-se no Bazar Victoria, rna Nova
a.*._____________
Venda s ama mobilia tola de Jacaranda;
naruarrvan.13, loja.
FAZENDAS BARATISSIMAS~'
Loja do Papagaio
A' RA DA IMPERATRIZ N- 4 0
Os proprietarios desLe bom conhecido estabelecimento scienliflcam io respaHavei pa-
olico qoe acabara do receber am con pleto sortimento do qoe ba de mais moderno, en
laazinbas, alpacas, corles de ti e popelinas, tudo do melhor gosto. ais incoo:
espartilbos, vestuarios para meniaos de 13a enfeitados, veos de fil de seda brancos 8
pretos, e mais.
Luvas de pellica branca.
Camisas bordadas para senhora.
Setins de todas as cores.
Sedas pretas listradas.
Cretoces para vestidos.
Damascos largos carmesim.
Camisas francezas e inglezas, lisas e bor-
dadas.
Cambraias brancas
os presos.
Bramantes de linho e de algodSo para
lences.
Madapoles inglezes e rancezes de todos
os precos e larguras.
Fazendas pretas de todas as qoadades
como sejam : Crep, cassas, merinos, bom-
bazinas, caol5o, princetas.a'pacas ecbilas.
victorias para todos
Lavas branca de fi de Escossia.
Popelina branca avrada.
Grosdenaples pretos finos.
Baptislas muito modernas.
Cretones para cobertas, cor fisa.
Baetas e flanellas de cores.
Barejes com listras de seda para eoferte
de vestidos.
Cambraias brancas transparentes de todas
as qoadades e largaras.
Atoalbados de linbo e algodo brancos e
de cores.
Saceos de viagem avelladados.
Tapetes avelladados de todos os tama-
nhos. i
Fil de sedabranco e preto, liso e de
salpico.
Fil de liobo branco e preto.
38 Pelo que fica especificado se v, qoe o estabelecimento est bem sortido, de ontras
muitas fazendas, qae deixamos de mencionar, para nao nos toroarmos enfadonhos.
N5o declaramos precos, mas n3o deixamos sabir fregoez algum por servir.
Offlcina de alfaiate.
Dirigida per Mr. Charles Laorent babil mestre alfaiate. Grande sortimento de
pannos pretos, izues, csemiras pretas e de cores, cortes de collete de gorgar3o, e am
completo sortimento de ronpas- feitas de todas as qualidades.
Os precos s3o menores do qoe era qaalquer outra officioa. Na
PAPAGAIO A' RA DA IMPERATRIZ N. 40 DE MEPsDES & CARVALHO
GRANDE
r
DE MAS

O CORAQAO DE OURO
Liquida suas joias por terde acabar o estabe-
lecimento, ha grande reducqao mesmo nospreqos
das entradas.
N 2 D Fu do Cabug N. 2 D
ciffilliffi
LIQUIDACAO
1.211 BU UPO II, 2
Cambraia transparente fina a 2.5800, 3)9, Bramante de linho com i largaras l
30600.
Dita victoria finas'a 30800, 40, .40506.
Dita de forro a (0600, 20, a peca.
Dita da cores a 240 e 280 o covado.
Lasinhas de padres modernos a 500
rs. o covado.
Chita com barra a duqneza a 490 rs. o
covado.
2$800 a vara.
Dito de algodSo com 4 larguras a 10600
a vara.
Atoalbado de linho adamascado a 10800
e 2, a vara.
Cambraia branca com listras a 30500 a
peca.
AlgodSo marca T avariado a 40500 a
Baptista com barras propria para vestido peca,
de (ultima moda) a 560rs. o covado. Dito de differentes marcas a 20800, 30400
Massulina bran;a a 360 e 400 rs. o co- i 40500 e 50 a peca,
vado. Mdapoiao avariado a 40500. 50, 60, a
Nansuc lisa para vestido a 240 rs. o co- peca,
vado. Dito francs fino a 705OO, 80, a peca.
Cambraia braoca bordada a 60 a peca. Lencos de cambraia de linho abainha-
Poupelina branca com flores propria para dos em caixiohas a 30, 30500 a dazia.
casamento a 10800 o covado.
Colcbasd e fosto a 20 orna.
Cobertores de 15a finos a 208OO, 30, 80,
Biim branco de linho fino 10, 102(6 a
vara.
Dito pardofioo a 400 e 500 rs. o covado.
Ditos de algodo com barras a 10400
a duzia.
Ditos de esgoio muito fino grandes a
50 e 600, a dezia.
Chapeos de sol de seda inglezes com 12
basteas a 90, nm.
r
E assim como muitos outros artigos que torna-se enfadonho mencionar e alm
disso um grande sortimento de Toopa feita de todas as qualidades por precos qae
admira ; e aos negociantes fora da capital em atacado com o descont de dez por cento.
Na loj e armazem de fazendas de Guillierme C. da
______________Cunha O BAZAR NACIONAL
0 proprietario do Bazar Nacional, Lourenco Ptreira Mendes Guimares, declara ao
respeitavel pnblico qu recebeu grande sortimento de fazendas, para sua loja na roa da
Imperatriz n. 7:2.
NOVIDADE.
Vende-se fusilo branco para vestidos da
senhora e roupa de meninas a 360 rs. o
covado.
CASSAFRANCEZ\A*240RS.
Vende-se cassas francezas para vestidos
de senhoras e meninas 240 e 320 rs. o co-
vado.
LASINHAS PARA VESTIDOS A' 160 RS.
Vende-se lasinhas para vestidos a 160,
240, 400, e 500 rs. o covado.
CORTES DE CASSAS A' 20400.
Vende-se corles de cassa de cores 20400
para liquidar.
CHITAS FINAS A' 320 RS.
Vende-se chitas francezas finas p iras
e claras a 320 e 360 rs. o Cf '
CAMBRAIA TRANSPAREN
PECA.
Vende-se pecas de cambraia
finas a 30000, 30303, 40000 e u03.
Pecas de cambraia Victoria a 30500,
40000, 40500 e 50000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS.
Vende se alpacas de cores para vestidos
a 440, 500 e 640 rs. o covado.
TIRAS E ENTREMEIOS BORDADOS
20000, '
Vende-se ntremelos e tiras bordadas
para enfeitar vestidos brancos a 20000 e
20500, 30000 e 40000.
SAIAS BRANCAS A' 20000.
Vende-se saias brancas e de cores para
senbora a 2*000 e 3000.
CHALES A* 10000.
Vndese chales de 13a a 10000, ditos de
merino estampados a 20000, 30, 403 50.
LENCOS BRANCOS A 1*500
Vede-se lenjos braa^ coa birra, aicional, na rui da I
10500 a dusia, ditos de linbo a 20500 e
40000 para liquidar.
CORTES DE BRIM A' 10500. para
Vende se cortes de brim de cor
calca de homem a 10500, cortes de ganga
a I0OCO, brim de cor a 320 e 400 ri; o
covado.
ATOALHADO A* 0OOO.
Vende-se atoalbado para toalbas a 10000
o metro.
Bramante de 10 palmos de largara a
10800 e 20500 o metro.
MADAPQLO A' 30000.
Vende-se pecas de madapolo a 30000,
40000, 405OC, 50000 e 60000.
COBERTAS DE CHITAS A' 20000.
Vende-se cobertas de chita a 20000
i urna, \
ALGODO A- 30000,-
Vende-se pecas de algodosinho a 30000
40000 e 50000 a peca.
ROUPA FEITA.
Vende-se camisas brancas 20000, 20500
30000.
Serondas a 10000, 10500 e 20000.
Palites de panno preto a 50000,170000
e 1000(0.
Palites da alpaca preto e de cores a
20500, 30000 e 305CO.
PERFUMARAS PARA LIQUIDAR.
Ven1e-se om frasco com pomada fi
la a 200, 320 e 500 rs.
Vende-se om sabonte fl "00
Vende-se am frasco d'a '' "
240 e 320 rs.
_ E outros moitos extr.
vende sem reserva de
/
'iiB
vpMH^HHm
nape,.
MUTILADO



c
ian d Prnambuc ^arta eira 8 de Julho de 1872
AO
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Este es abelecimento acaba de receber um importante sortimento de diversas fa-
seodat propr as para vestidos, sendo poopelinas de seda, sedas, laas, percales, ditas coa
barras proprias para babados, lindas cambraias crox, e em fim urna infinidade d'arti-
gos de moda, todo proprio para a festa, o que todo vender por precos inteirameot
raioaveis, eni consequencia de estamos prestes ao fim do anno, e o 65 nao quer te;
grande trabalho com o sea bataneo, preerindo tomar dinheiro a fazendas, convida-at
portaato o espeitvel publico a virem sortir-se na toja do 65 aonde comprarlo por pre
(Of qoe n3o obterao em ootro qualquer estabelecimento; em fim 7 ver para crer
ROA DO DDOUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Rival sem segundo
Ra Doqu i de Gaixias n. 91, loja de
miudezas de 'os de Azevedo Mala e Silva,
conbeciJo por Jos Bigodinho, contina a
.vender todo qoe tem por menos do qoe
em outra qna'.quer loja, a saber:
Correntes pretas de borraxa
para senbora a
Garrafas de agua Florida verda-
deira a
Gaixas com obreias de massa a
Fraseos cota macaca perola a
Pacotes cora poz de arroz fa-
xenda fina
Pares de botoes de osso
para panho a
Sabonetes de bolla maito fino
a 160 e
Cartas de alfinetes de latao
fazenda boa t rs.
Garriteis di retroz preto com
2 oitavas a
Gapacbo de palba maito boni-
ta a 600 rs. e
Frascos com oleo Philooome a
00 rs. e
Pares de t apatos de tranca
para menino i
Pessas de tiras bordadas a
500, 660, 8C0 rs. e .
Frascos com agua de Golonha
maito boa a rs.
Gravatas pr 5tas e de cores a rs
Pessas de trancas modernas
de todas as cores e todo o
pre;o
- Libra de ; rea preta maito
boa a
Nevellos do linha com 400
jardas a rs.
Livros da missio abreviada a
- Silabarios portuguezes a rs.
Cartas com 100 contas im-
presas a
Caixas com 30 novellos de li-
nha gaz branca a rs.
Gaitinhas pira meninos a
60 rs. e
Gaixas com 12 frascos
ebeiros a
Caixas com 6 sabonetes mai-
to finos a rs.
Pentes para segurar cabello
de menina a 200 rs. e
Chapeos brincos para bapti-
ados a 24500 e
Copinos com superior banba
200 rs. e
Frascos com oleo para cabel-
o fazenda fina a rs.
Frascos com oleo B aboza a
500 rs. e
Frascos e garrafinhas de agua
e Golonba a
Frascos com verdadeiro azeite
para machinas a rs.
Redes com contas para segu-
rar cabello a rs.
Latas com banba de Piver a
00 rs. e
Garrafas com agua Celeste
maito fina a
40,
de
1*500
10300
40
200
500
200
240
80
600
700
14000
14500
14000
500
4(0
160
60
14500
400
14500
500
80
14500
800
320
44000
320
320
14500
500
400
320
1,5500
A 4^500 rs.
Vende-se satos de mallo bom milbo : nos ar-
mazens ra do Amom o caes do Apollo, de
jssoa Irmos & G.
rraia.cr-1
5" 2" o

so.
c
p
51
2 r vi
> B
^ D w ..
a Jl ;?U a
3 3 D o M
BS.g-2.- S^2l|- p

m
m
i
*
?3S|gS-|sg
^P W^JQR^^ 9%/*fi^/Q^ JSW^JQn ^^7^?8^/W
|ffp3-s|^3
5.oS-gI|SBg
9
o
o
p'
U1UU.
Capricho.
Vende-se o engenho Capricho, distante da esta-
dio de Una cma oa duas leguas, movido por
orna excellenlo machina vapor, e com optimes
terrenos para saffrejar quairo mil paes annaaes:
a tratar no mesmo engenho com Joaqaim Jos de
Arla, oa oesta eidade com o sea correspondente
o Sr. Joaqaim Rodrigues TV/ares de Mello, com
fcscriptorio piaca do Corpo Santo n. 17, primeiro
andar._________
Adamson Howie

C.
Yendem:
Cervej Bass, em barris pequeos. ,
Soperk r cognac, em barril.
Vinho Xerez, dem.
Cuanta de Ilavana.
No sea armazem, roa do Commereio
B.M,
^.ento.
**
A ingle; se vende na
e mais barato qae em oa-
i AW HLUU
Ra de Daqne de Casias n. 50
Receben :
Lindas caixinhas com oa necesarios para [mar-
car roapa, sendo abeedano e nameracao, frascos
com tinta preta e encarnada, pioceis etc. etc. o
qae de certo novidade em tal genero.
Novos coques grandes com bonitos desenbos
rindo entre elle? alguna enfeitados com Otas e flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Adereces encarnados de raadreperola.
Craies preas com enfeites doarados e ontras
brancas de christal.
Casas de pedra e cal muito
baratas
Urna senbora viuva tendo de mudar-se para fu-
ra deala eidade, vende urna casa terrea em terre-
no proprio, na ra Imperial, tendo duas sallas, 2
qaartos e quintal, por uin cont e qniubentos
mil ris, cajo alngael de 15 a I65OOO mensal,
e 12 meias-agaas tambera na ra Imporial, na
trrvessa da Bandeira, igualmente em terreno pro-
prio, tendo cada urna deltas ama perta e jaoella
na frente, a excepcao de urna que tem daas ja-
nellas, e todas ama sala e dous qaartos, dez das
quaes tem terreno atraz, qae abrindo-se ama
porta, pode ter o sea quintal ; vende-se a 5004,
sea aluguel mensal para 7000 e a de daas ja-
nellas para 8000 ; mas quera quizer urna ou
duas sero vendidas a razo de 600,1000 e a de
daas janellas por 700^000 rs. Estas casas estao
edificadas na roa Imperial, bem perto donde ac-
tualmente param os bonds. J quem tiver pouco
dinbeiro, pde-se chamar proprietario oa morar
em casa propria. Os prelendentes dirija rase
roa das Triocheiras n. 48, a casa do Sr. solicitador
Burgos, o qaal est aatorisado a contratar, mes-
mo a praso com garanta idnea.
Smaocome
Tontee especial contra a calvIce
Com um bello sortimento de perfumara que a
Aguia Branca acaba de receber veio tambera o
apreciadoSmaoconecujo proveitoso effeito
j bem conhecido por quantos o tem usado e ser
anda mais por aqaelles que necessilam de sua
utilidad*. O continuado uso^o Smaocome d o
bom resultado de impedir a queda dos cabellos,
faze los renascer e conservar o sen brilbo natural
alm de que sea odor mais agradavel qae d'oa-
tro qualquer tnico continua a ser vendido na! oja
:da Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Exceilente para acabar com as sardas, pannos e
1 espinbas no rosto.
Vende-se a 2 o fraseo, na loja da Aguia Branca
ra Dnque de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumaras
proprias para presentes
Vendem-se na loja a'Aguia Bran:a ra Duque
de Caxias o. 50.
Modernas e lindas csaquinhas
para senhoras
A aguia branca roa Duque de Caxias n. 50
receben urna pequea quantidade de lindas csa-
quinhas de la branca primorosamente enfeitadas
com setira de cores, obras essas to modernas
quo lindas. A prova dessa verdade est no apre-
S) qne Ihes esio dando as Exraas. apreciadoras
o bom.
A Aguia Branca
NA
Rna Duque de Caxias n. 5
recebeu bonitas bolsinbas com necessarios para
crochet.
Agulheiros de osso com agulhas e cabo para
ditos.
Papel verde liso e listrado para Linas de rosas
Dito de cores para flore?.
Dito fino verde e pardo para cobrir os talos das
rosas.
Dito de cobre de cores para flores, sombra, etc.
Lindas bonecas enfeitadas, e outras com rosto,
mos e ps de porcelana.
Modernos aderemos de madreperola.
Ditos de filigrana dourada com camapheos.
Ditos pretos, gosto inleiramente novo.
Cruzes de madreperola.
Delicadas carleiras com capas de marim.
Ditas pequeas proprias para lembranca.
AGUA DENTRIFICE
DO
DR. PIERRE.
a Aguia Branca ra do Duque de Caxias n.
50, receben essa apreciavel agua dentrifice do Dr.
Pierre, cuja superionde bastante conhecida.
1
JOIAS
ESMERALDA
ESTABFU IDOS
A TRAVESSA DA MADRE E DOS H.
Vendem os seguintes
VINHOS
H
Do Porto,
Madeira,
Borganba,
Amoroso,
Xerez,
Rbeoo,
.Malvasia
E Brdeos

Acaba de ebegar a este estabelecimento nm importante sortimento de jotas de
ouro, do melbor gosto e qualidaJe qoe tem vindo oeste genero, como cassoletas de
odx com lettras de diamantes e pintoras finas, aderecos e meios aderecoa com pedras
finas, etc. etc.
Ra do Cabuga' n. 5.
Moreira Dnarte & C.
Baloes de papel.
Amaral Nabuco & C. vendem baldes areos,
proprios para salao e lanternas tambera de papel
para enfeites de j irdim, cima de mesa, etc., pin-
tados de ricas paisagens e formatos : no Bazar
Victoria, ra do Bario da Victoria n. 2.
Vende-se
um sorado e dous andares, sito roa da Hoda
n. 19, e os terreoes qne ficam nos fundos. Tem
frente para a travesea da Companhia Pernambu-
cana e capacidade para deus armazens proprios
para recolhimento de algodo ou quaesquer ou-
tros gneros, por ser perto do embarque: tratar
eps casa de Tasso Irmos & C.
Cerveja de Noruega.
Verdadeira e superior : venda nos armazens
de Tasso lrmaos & C.
A verdadeira cerveja da Baviera, marca ban-
deira, de superior qualidade : vendem Tasso Ir-
mos & C. em sec armazem da ra do Amorim
0. 37.
PIANO
Vende-se nm piano de armario j usado,
porm em bom estado, e maito barato,
proprio para quem quizer apprender, qnem
pretendel-o dtrija-se a Olinda ra do Am-
paro n. 17 sobrado.____________________
Graade pechmcha.
Golletes de case-mira, muito boa fazenda e lin-
dos padroes a 35, ditos de brim branco snperior a
W. paletots brancos de fusiao a 4j : na ra do
Bario da Victoria n. 14.
l'amaneos do Porto
Vende-se (amneos do Porto para bomens, se-
nhoras e rapazes, fazenda especial para a chava:
na roa da Senzalla Nova o. i.
Das seguintes marcas:
St. Lantbert,
St. Julien,
St. Estepbe,
La Jjur,
Vendima Gbateau Margaux,
Gbateau Blair,
Cbateau La Rose
E Chateau Langoiale.
CHAMPAGNE
Ao gosto de Londres e de Pars, marcas muito superiores.
O magnifico sortimenlo de vinbos cima descriptos foram fabricados de 1815
1847, e escomidos, com particular recommendacSo, por um oplimo entendedor, ste
grandes depsitos das docas de LondresGarante-se as qualiddese vende-se a ps-
eos muito mdicos para animar a pedir nova remessa.

ARMAZEM DOS LEES
V
Rna Duque de Caxias n. 29.
Os propietarios deste bem montado estabelecimento scientificam ao
respeitavel publico dtsta provincia que se acham com um variado e complejo sorti-
mento de movis, tanto nacionaes como eslrangeiros, sendo estes escolhidos por nm dos
sosios que se acb~a actualmente na Europa. O mesmo tom contractado com os memores
fabricantes daquellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na olcina tem os mais habis artistas deste geaero, e por sso pedem qne ve-
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade do qne acabam de expr'
ne se pode examinar; ricas e completas mobilias de jacirand, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao tetim, amarell, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda fouca de nogueira e de aonrello com tampo de pedra, apa-
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secreta'as da Jacaranda e megnocustureiras e mogno, san-
tuarios, tbears para bordar, bercos, lavatorios com espelbo, de pedra marmore e seus
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos qae deixamos de
mencionar for sellcrnar enfadonho
MCnir
DE
COSTURA
DE
SINGER MANFACTUR1NG COIPANY
Grande redncpo de presos !!!
! 90^000. 9Oj?O00. 90$000 !
AVISO ESPECIAL
A alta repntacao obtida pelas machinas fabricadas pelo
tem levado diversas pessoas a fabricar mitaces que ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Sioger.
SNENHUMA MACHINA SIX-
ci;ii e' L.EGiriH.4 se
NAO LEVA ESTA MARCA FIXA
Xl BRACO DA MACHINA.
PARA EVITAR COITR.l-
IMCCEM NOTEM-SE BEM
TDDOS OS DGTALH1.**
DA MARCA.
MARCA DA COMPANHIA
A companbia, desejando proteger seus amigos e freguezes contra as imitacoes, tem
adoptado a marca cima representada.
Previne-se ao publico de n3o comprar machinas qne n3o levem a marca da
companhia.
W- H. CHtPHiN
UMCO AGENTE
N. 45 Rna do Imperador N. 45

a casa da rna dos Guararapes d. 11 : a tratar com
o commeudador Tasso.
Moeda de ouro
Na roa do Apollo n. 20 vende-se libras sterlinas.
Vndese urna canda propria para carregar
barro ou eapim : a tratar no porto do eapim, ar-
matem do Vrbaao o. S.
Casa oom grande terreno para
Uedifica<;ao
VendTse ama eieellente casa terrea na rna do
Viseonde de Goyanna d. 58, com nm magniQc*
terreno com frente para a ra dollarode S.Bor-
ja : os pretendentes podem disigir-se eseadinha
da alfandega, armazem n. 5, que se dar os escla*
reeimtntos tecessarios.
~toz d casca
Superior m saceos muito grandes: n*s arma-
tensdeTass) Irmios & C.
t
0


Samuel Power Johns-
ton & 0.
Rua do Apollo n. 38 e
Fazem sciente aos seas freguezes que teem
mudado o seu deposito de machinas a va-
por, moendas e laxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para ra do Apollo n.
38 e 40, onde continuara a ter o mesmo sor-
timento do costume.
Fazem sciente tambera que teem feito nm
arranjo com a fundicao geral, pelo que po-
dem offerecer-se para assentar qualquer
machini;mo e mesmo garant lo.
Os proprietarios da fondi^ao geral faiem
scientes aos senhores de engenlio e mais
pessoas, que teem eslabelecido urna fandi-
cao de ferro e brouze a rna do Brum, jun-
to a estago dos bonds, onde aprontaro
qnalquer obra.de encommenda com pcrfji-
(ao e promptidlo.
Os mesmos rogam as pessoas que quel-
ram otilisar se de seus serviros de deixa-
rem as eneommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Power Johnston A G a ra do Apol-
lo n. 38 e 40, onde acharao pe.-soa habili-
tada com quem possam entenderse.



'
Apparelho para fabricar assucar, do systema.
WESTON CENTREFGAL
nicos agentes em Pernambuco a fundigao geral.
Para tratar em seu escriptorio a rna do Apollo n. 38 a 40.
AC e ferro em vergninba.
ARADOS e grades para lavrar a trra.
- BOMBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e casados.
CARRINHOS de m5o.
CHUMBO em cano, lencol, barra e monicSo.
COBRE em lengoes e armellas.
COFRES de M.lner e ontros.
COUROS preparados.
CIMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTBO-PLATE em obras finas.
ENXOFRE, limalha e salitre para fogneteiros.
ESPINGARDAS, rewoUers e pistolas.
ESTANHO, em vergninba e barras.
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e pequeas.
FOGES americanos e inglezes.
j FORMAS para purgar assucar.
FELTRO para calderas.
MACHINAS a vapor.
DITAS de lavar roupa e picar carne.
DITAS de cortar fumo, estivar algodo (macacos.)
DITAS de descaro?ar algodao m3o e a vapor.
LEOS, azeites, sabio e trincal.
PAPEL de diversas qualidades.
PEZ jS fraocezes de todos os tamangos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS estanhados.
ZINCO em folbas lisas e forradas.
ce Z*"

Fazendas baratas
LENCOS de linho finos com barra de cor, abainhado largo a 9f a duzia.
POPELINAS a 1*600 o covado.
SEDINHaS a 1*300 a covado.
CAMISAS Bordadas a 60*000 a duzia.
VESTIDOS de phantasia a 15JO0O.
A' loja da Turqueza, ra Nova n. 9.

mimiJ I



.
t

^^>
0un# d rruanifrac* QuarU feir 3 1 Julho i 18.2
m
>

-
-
VARIEDABE
C\SAU COK VELIU RICA.
Trala-se de saber se isso uia bem ou
m mil.
Lvtrgem asopioies.
Atgiiem preteade que tal unlo nlo
. vm desgraga. mas, pelo contraro, um ver-
d3dein arbad;>, uaHhan que nos cabe do
to, orna ventura sm par. I .
Mal porque ?
'Ora, porque nlo se atunva nem sogra
Bem primos, nem cuDliartaa... e porque,
quando a velba marre cedo, como quasi
sempre acontece, entra-se logo na posse
de tod)s os beos e... nlo ba mais pren-
le pob;*e.
Ah est, pouco mais oa menos, como
al'juem raciocina p3ra provar que nlo um
mal.
Vejara, entretanto, as leiloras como sao
as coosas! Nao, pela nossa parte, eatamos
firmem iute convencido do contrario. Para
Ei')j tira de duvida qae alguim labora
era erro nesle*assumpto de tanta magu-
tade.
Casar cr-m velba ri;afa nlo um mal,
c3o... um milhio de males, como pas-
saraos i provar.
Fcil' demonstrar ns grandes perigos a
que expoe-se um mortal que cootrah j ma-
trimonio com ama velba rica.
Fcil demonstrar que am tal matrimo-
nio o j_ue mais desgostos occasona.
Predi-mina nelleo iateresse enio o amor.
6 um matrimonio sera amor a peior de
todas as calamidades.
O easamenh pir amor lem seus tempo
raes oesfeitos, m>s tem tambem saas bo-
nanzas.
O hornera desespera-se s vezes, poim
gosa alguns momentos de verdadeira ven-
tura.
Kxperimenla o borrivel tormento do ciu-
me, porm este, em vez de arrefecer a pai-
xao, auf-meaia-i.
Um amor aem zelos um petisco sem
sai.
Eofaslia logo, logo aborrece.
Isto sor ab;ordo, mas nao menos
certo.
*
O que casa com urna velba, nao tem so-
gra, coojordo ; nau^-atora primos nem cu-
obados ; concordo tambem. ,
Porm occorre-nos nma pergunta.
Acaso urna velba gamenha nao resume
em si. toilas estas pregas familiares ?
Se con urna tal esposa tivessemos tam-
bera primos, sogra e cantadas... ob / nao
seria preciso mais para duvidar da miseri-
cordia Divina.
-
Diz alguem que urna mulber assim nao
d o mt or cuidado ao marido, porque
nlo ba quem se lembre de namora-la.
Ser i>to felicidade ou desgraca ?
Felicidade I exclama elle.
Desgraca dizemos nos. Sim, senhor,
orna disgraca, porque, n3o encontrando
quem a queira, pretende a matrona fazer
valer seas direitos sobre o consorte, cojos
passos segu de porto, cujas acces Qscilisa,
nao o deixandoem socego nem um minuto
A esposa moca v-se obrigada a mostrar-
se mais indulgente para com seu marido,
a conceder-lbe mais liberdade e a fazer,
como se cosiuma dizer, vista gorda.
k velba concentra tcdo seu amor em seu
marido, em quem esse amor prodoz o mes-
an 3 effoitc do qao ama svu do pao.
E' verdade que muitas vezes o amor de
urna joven nao passa de urna mentira, mas
ba mentiras to doces I
E o amor das velhas verdadeiro, po-
rm... ha verdades tao amargas t
Estou reate que foi por causa do amor
destas que se inventos o adagio que diz:
Quem te quizer bem te far cborar.
Affirma a'guem que o hornera, qae des-
posa, -ama velba, atenta ao menos a espe-
ranc de lierdar depressa...
Que disseste, malaventurado? Igno-
ras acaso que o matrimonio rejuvenece e
remoca taos malheres, ao passo "qoe alque-
bra e envelbece os maridos ? E nlo ba
que estranbar nisso, por quaoto am se-
cuto para elle cada bora que passa ao lado
de saa roda eostella.
S nm marido neste caso pode fazer idea
exca do infinito.
A velha rica, que se une a om moco,
paga de boa mente todas as suas dividas,
mas privan de ludo mais.
O infeli;:, para conseguir am traje novo,
ba de antes fazer muitos agrados a saa mu-
lber, o que o mesmo que ser condemnado
ao fogo lento.
Urna asignatura em qaalqaer tbeatro
casta-Ibe maitos beijos, isto maitos dis-
sabores. E anda ba de reoder gracas
Providencia, se a velhusca nlo exclamar :
Que qaer isto dizer ? Mea cbaro, s
demasiado cabecinba de vento para que eu
consinta que te entregaos a taes excessos..
Nao quero qae me arruines 13o escandalo-
samente.
A matronaca desconfiada, e receia que
seo esposo entregue-se a loacas aventuras
e esqueca o mnor que Ihe professa.
Se accede ao capricho de sea joven con-
joge 6 sumpee com a condiclo de irem
juntos.
E ento o marido victima a cada ins-
tante dos ferozes zelos de saa cara me-
tade. *
Se fixa o olbar na mulher loara do cama-
rote de defronte, saa esposa Oca robra de
colera.
Se dirige o binculo para a artista A...
fica a velhusca pallida de indignacao.
Emfim, seu rosto toma todas as cores do
prisma, conforme elle .encara a mocinbada
terceira ordem, a morena da platea, a rapa-
riga gorda :ha e corada da esqaerda oa a
macilenta o a esguia da direita.
O infeliz marido a nica taboa de sal-
vado qae a mulher velha encontra no re
volt o mar de amor.
Por isso agarra-sd a elle com desespera-
do vigor, porque tem anticipada certeza de
ir a pique logo que Ihe escape das maos.
Dabi provena seas ciumes.
Saas Impertinencias.
Suas coleras.
Seas desvarios.

O amor de orna consorte moga, pode ter
seas perigos, mas tem saas doces compen-
sares.
Entretanto, qae compensagoes offerece-nos
da velha anda gamenha ?
is'enbdmas.
Neahamas.
E enhumas.
Cisanlo com vel'ia, nao atramos ama
mamii de ndole severa, e temperameaio
bilioso, porm esbarramo-bos mesmo em
chato com urna megera que, alm destas
daas pragas, tem a de carregar .psalo
fardo de meio seculo... e tanto.
Nto tememos momos na costa, como se
costuma dizer, mas oio podemos respirar
r.em um momento.
O consorcio por iateresse um peccado.
O hme u, qae por iateresse so liga a
ama velha, encentra no peccado a peni-
tencia.
...
E' intil dzer :
#- Apezar da vigilancia de minha mulher
hei de acbar sempre tempo para divertir-
me com outras. vv
Qual !
A velba anda gamenha desconfiada,
tem astucia e procede com summa cautela.
E' ella quem administra seos bens. Se
seu marido revola se, eila lanca-lbe em
rosto saa humilde posiclo, dizendo :
Tirei-te do nada!... Queseras
sem mim ?
Fel.z I Mais feliz do que agora I...
poderia retorquiro esposo.
Alguem talvez pretenda que exageramos.
Pode ser ; mas n5o ha exageragSo que
nao tenba sea fundo de verdade.
O qoe assiveramos que a.velba rica
muito mais temivel do que a moca pobre e
bonita.
Ha momentos em que esta converte nossa
vida n'ura parazo.
Rara c a vez em qoe a velha n5o no-la
transforma n'um ioferno.
O amor da joven o prazer, a alegra, a
ventura.
O da velba como om binho de chova;
d-ns calafrios, eotisica-nos.
A moca tem primos, verdaie.
Mas a velha... catarrbaas, flituleucias e
outros atrozes achaques.
A moca manaocial de prazeres.
A velba... Dos nos acoda I
A moca ama e mente muitas vezes.
A velha ama... e faz-nos ver estrellas
ao aeio-dia.
A joven tem mai, que se coaverte em
sogra.
A velba basta, e mesmo de sobra para
marlynsar-nos.
A joven pode ter a fraqueza de amar
outros.
A velba tem ajraqueza de nSo amar se-
n3o seu marido... o que muito peior...
muito I
Aquella procura dissimular seus defeitos.
Nao o> conbecenf-o, nao nos incommodam.
O que os olhos nlo veem o corac3o n3o sen
le, diz o rifo.
A velba, pelo contrario, mostra-se tal
qual .
Casando-nos com ama joven uo sabemos
se seremos infelizes. Fica-oos sempre urna
tal ou qaal esperanza de ventara.
Casaudo-nos com ama velba... sofa-
vas contadas.
Decida agora o leitor quem tem razSo
JRISPRDEWCIA.
iMiH.i; ALPHABKTfCO E KEVEIISIVO OA LE N.
2,033 DE 10 DE SETEMBRO DE 4871 E BE-
GULAMENTO MANDADO EXECUTAR PELO DE-
(RETO
id/1.
N. 4,824 DE 22 DE NOVEMBRO DE
noncia, qae seguir sempre nos proprios
autos: 9 T art. 17 da lei e art. 54 do Reg.
'Praso(o) para a queixa oa deauncia,
o5o estando oreo preso nem aflancalo, aera
igoalmoate de cinco dias, contados da dala
em que o promotor receber os clareci-
raentns e provas do crims oa em qae este
se tornar notorio : 3* art. i 5 da lei e 2
tem art. 22 do Reg.
Praso (o) para aprsentelo do feito,
pelo jais tom o respectivo rotatorio, poden
ser prorogado por mais vnte dias, a pru-
dente srbitrio do presidente da relacao:
5o art. 27 da lei e 5 2o art. 70 do Reg.
Praso (o) para os jaizes revisores apre-
sentarem o feito ser de vnte dias, qo)
po lera ser augmentado at trala, a pru-
dente arbitrio do presidente da relacio :
58 art. 27 da lei e 3 art. 70 do Reg
Praso para as partes allegarem o qae Ihes
conver serlo os do-processo commercial:
art. 74 do Reg.
Praso (o promotor oa adjunto que dos...)
dos 2 1 3a desle artigo oio ofliciar,
teodo recebido provas da aatoridade judi
ciara, em cas)s de respoosabilidade, siffre-
r molla de 204 a 100,5: 9 7 art, 15 da
lei e art. 22 do Reg.
Praso ( se esgotado os...) dos | Io
3" d-ste artigo os promotores oa seos ad-
juntos nao apresentarem a queixa ou de-
nuncia, e antoridade formadora da culpa
proceder ex oficio e o juiz de direito mu
tara os promotores ou adjuntos omssos,
se nao offerecerem motivos justificativos de
sua falta: 5o art. 15 da lei e 3 tem art.
49 do Reg.
Pratica do foro, durante dous anuos, d*1o
menos, necessaria para que os doutores e
hachareis em direito possam ser no meados
substitutos dos jaizes de direito: { 1 art.
1 da lei e art. 3* do Reg.
Pratica do foro ou de administraclo, por
quatro annos, necessaria para qoe os dou-
tores oa barbareis, em direito possim ser
nomeados ebefes de polica: 5 5a art. 1
da lei art. 9 do Reg.
Preparo (no) e instracclo dos feitos ci-
veis at qaalquer sentenca exclusivamente,
as comarcas especiaos, poderlo os jaizes
ser auxiliados pelos seas sabstitutoe: art.
25 da lei e art. 68 do Reg.
Preparo (o...) de lodos os feitos civeis
que cabe ao juiz de direito das comarcas
geraes julgar, competera aos juizes munici-
paes: j 1 art. 33 da lei e 1 tem do art.
64 do Reg.
Presidente ao...) da provincia compete
approvar o adjunto do promotor, em cada
termo, proposto pelo juiz de direito : 7*
art. Ia da lei e art. 8 do Reg.
Presidente (ao...) da provincia compete
designar qaal a villa ou cidada principal
onde dever residir o juiz de direito, o joiz
municipal e o promotor: art. 85 do Reg.
Presidente (ao...) da relacio compete
decidir sobre as suspeices postas aos jai-
zes de direito das comarcas especiaos: j 1*
art. 11 da lei e 2* pt. arl. 27 do Reg.
Presidente da relacio competente para
mollar ao juiz de direito qoe deixar saa co-
marca sem licenca: Io art. 85 do Reg.
Presidente na provincia designar o dis-
tritos onde exercerao a jurisdicclo crimi-
nal os jaizes de direito das comarcas es-
peciaos, incluidos os de vara privativa: 21
pl. art. 2 do Reg.
Presidente (...) da relacjk) pode proro-
gar por mais dez dias o prazo de viole,
para a a present co do feito pelo joiz revi-
sor : $ 6* art. 27 da lei el 3 art. 70 do
(ContinuacSo)
Parte (lio soraenle ter effeito suspen-
sivo a appellaclo interposta pela...) offen-
dida da sentenca do absolvi, quaodo for
esta proferida a respeito de reos acensados
de crimes punidos no mximo com as pa-
nas de morte, gales ou prislo com Irabalbo
por vnte ou mais annos e prislo simples
perpetua: 5 art. 17 da lei e art. 61 do
Reg.
Partilha dos bens de defuntos, que deixa-
rem testamento, sem berdeiros orphaos o
interdictos, da competencia do juiz da
provedoria: art. 83 do Reg.
Partilha (o ju'gamento das...) compete
aos joizis le direito : 1 pt. un. art. 24
da lei e art. 71 do Reg.
Pedido de ordem de habeas corpus tem
lugar ainda quando o impetrante nlo tenba
ebegado a solTrer o constrangimento corpo
ral, mas se veja delle ameacado: 1 art.
18 da lei.
Podras (por meio de deposito em...)
preciosas se presta fianca provisoria: 3
art. 14 da lei e arts. 33 e 35 do Reg.
Pena (ser punido com a... ) de prislo
de cinco dias a sjs mezes aqaelle qae com-
melter ou for causa de ferimentos ou offen-
sas physicas involuntarias, por imperta im
prudencia oa falta de observancia de algam
regulamento : pt. un. art. 19 da lei.
Pena (ser punido com a...)deum
mez a dous annos de prislo e multa cor-
respondente aquello qoe commelter oa for
causa de um homicidio involuntario, por
impericia, imprudencia oa falta de obser-
vancia de algum regulamento : pt. un. art.
19 da lei.
Permittido s partes indicar ao distri-
buidor o tabellilo que preferem : 9 9 art.
29 da lei.
Posturas (a infraccao de... ) julgada
pelo juiz de paz: 1 art. 2 da lei e 1
tem art. 19 do Reg.
Praso de dez dias, o mais tardar, mar-
cado ao juiz de 1* insiancia para despachar
o feito em sua concluslo, quando a semen
ca n?o for definitiva: 1 art. 27 da lei e
art. 72 do Reg.
Praso (dentro do... ) de tres dias, qae
ser concedido ao aecusado, poder este of-
ferecer documentos, se allegar necessidade:
pt. oa. art. 53 do Reg.
Praso (dentro do...) de quarenta dias
o joiz relator do feito, na relacio, o apre-
sentar com o relatorio escripto : 9 3" art.
27 da lei e 9 2 art. 70 do Reg.
Praso de sesseota dias marcado, o
mais tardar, ao joiz de Ia instancia para
despachar o feito em saa concluslo, quaodo
a sentenca for definitiva : 9 *" arl- 27 da
lei e art. 72 do Reg.
Praso de vate dias e marcado ao joiz re-
visor para a revislo: 9 6 art. 27 da lei e
9 3 arl. 70 do Reg.
Praso (oo) de dous dias dever o pro-
motor oa a parte offendida interpor a ap-
pelUcSo dasdecisoes absolutorias pelo jury:
9 5 21 pt. art. 17 da lei e 9 art. 61 do
Reg.
Praso ( do ) legal poderlo as partes jan
lar documentos e arrazoar, quaalo interpo-
serem'recurso da pronuncia oa jalo pro
Presidente (o...) da relacio pode proro-
gar por mais viote dias o praso da qaaren-
la, para a prescutaCSO dO feito O rotatorio
escripto pelo joiz relator: | 5 art. 27 da
lei e 9 2 art. 70 do Reg.
Presidente (o...) da relacio conhece do
recorso necessario qoe nterpuzer o ebefe
de polica do despacho de pronuncia, no
caso do art. 60 do Reg. n. 120: J un. pt
un. arl. 9o da lei e art. 12 do Reg.
Preso (achando-se...) o culpado por de-
licio afiancavel, ser solt se prestar fianca
definitiva ou mesmo provisoria, estando
dentro dos trala dias de sua apresentaclo
ao.joiz: 9 3* arl. 14 da lei e pt. un. art. 31
do Reg.
Preso nlo ser conduzido com farros,
algemas oa cerdas, salvo case estremo de
seguranca, qoe dever ser justificado pelo
conductor : Ia pt. art. 28 do Reg.
Preso (nenhum carcereiro receher...)
algum sem ordem por escripto da aulorida-
de, salvo nos casos de flagrante delicio,
qoaodo Dio for encontrada a aatoridade:
Io arl. 13 da lei.
Preso recusando declarar qoe receben
um dos exemplares do mandado, ser lavra-
do auto assignado por duas testemunbas:
art. 13 da lei e pt. 2a art. 28 do Reg.
Preso (se o reo estiver...) a queixa ou
denuncia ser offerecida dentro de cinco
dias: 9 2* art. 15 da lei e 1* tem art. 22
do Rsg.
Proridade de prislo aotorisa preferencia
nos jolgamentos perante o jury: 9 6a art.
24 do Reg.
Prislo (a...) decretada alo se suspende
pela ioterposiclo de recurso ex-offlcio pelo
juiz municipal: j Io 2* pt. art. 17 da lei o
9 2a art. 55 do Reg.
Prislo (a excepclo de flagrante delicio
a...) antes de colpa formada, s pode ter
lugar dos crimes inafiancaveis: 9 2a art. 13
da lei e 29 do Reg.
Prislo (a...) por crime afiancavel nin-
guem ser conduzido, se perante qaalqaer
das autoridades mencionadas no 9 2* arl. 12
desta lei prestar fianca provisoria: 9 3 art.
14 da lei o art. 33 do Reg.
Prislo at tres mezes poder o govemo
impor no regulamento qoe der para a exe-
cuclo da presente lei: f 14 art. 29
da lei.
Prislo (com...) de cinco das a seis me-
zes ser punido aquello qae por impericia,
imprudencia oo falta d observancia de al-
Sum regulameBto, commetter oa for causa
e ferimentos oa offeusas physicas: pt. un.
art. 19 da lei.
Prislo (com. .) de t.m mez a dons an-
nos e malta correspondente, ser ponido
aquello que por impericia, imprudencia oo
falta de observancia de algam regulamento,
commetter ob for causa de om homicidio
involuntario : art. 19 da lei.
Prislo (oio ter lagar a...) preventiva se
houver decorrido am anno depois do cri-
me : 4a arl. 13 di lei e % 3 art. 29 do
Reg.
Prislo (nlo se poder reconheeer cons-
trangimento Ilegal oa...) determinada por
despacho de prononcia oo sentenca da aato-
ridade competente: 9 2a art. 18 da le.
Prislo (nos maadadoi de..;) se declara-
r o valor da fianca a qae fica o reo sujei-
to: 9 5* art. 14 da lei e art. 32 do Rg.
Pi.sla (poder ser roalisada a...) do re>
indiciado em crime iofiincavel, dadas as
condices comidas no art. 29 di Rag.
Prislo (quando a...) for por ddlicto de
que trata o art. 12 9 7a do Cod. do Proc.
Cr., o termo de i aforra acao do crime ser
feito pelo iospeclor de qaarteirao. officia'
de jtistica ou commandante da forca que
efficiaar a prislo: 3 art. 12 da lei o art.
28 do Reg.
Privativa (da jurisdicclo...) sera pro-
vedoria de espolias e residuos na corto
as capitaes,'sedes dis re!ac5es: Ia pt. art.
1 d lei e art. 2a do Reg.
Pncadimenlo (Oca abolido p...) ex-ofjl-
ci dos juizes [armadores da culpa, excepto
nos casos de flagrante delicio, nos crimes
policiaes e dos especiaos dos 5a o 7a do
art. 1 > da lei e art. 49 do Reg.
Procedimento (nlo o> jodicial qoe possa ter lugar, em joizo com-
petente, a plena concesslb dj habeas-cor
pus: 9 7 art. 18 da lei.
Processado ( revelii ser...) or) que
ulos) apresenlar aatoridade judicial, a
quem for remetlido o termo do informaclo
do crime de que trata o art. 12 7a do
Cod. do Proc. Cr;: 3' art. 12.da lei.
Processado3 (os juizes do direito nos
crimes commons sao...) perante as relacas:
9 2a arl. 29 da ioi.
Processo (foro do...) e jal jmenlo
das iafraccQs de posturas moaicipaes est
establecida uas disp)sic-es da secc 4a ;it.
3 do Reg.
Processo (a forma do preparo dos...)
nos crimes policiaes, acba-se consignada
as disposices da secc- 5a til. 3 do Reg.
Processo (a forma do ..) as causas civeis
at lfl)5, comprehende-se no disposto em
o art. 63 do Reg.
Processo (a forma do...) as caasas ci-
veis al 5005 o que nlo versarem sobre
bens de raiz, comprebende-se no disposto
em o irt. 65 do R ?g.
Pro:esso (a organisaclo do...) por cri-
me de contrabaodo, fura de flagrante delic-
io, pjrtence aos juizes de direito das comar-
cas especiaes e aos joizes manicipaes: 9 Ia
art. 3 e 9 Ia art. 5' da lei e 6a item do
art. 13 e Ia item art. 16 doR^g.
Processo devora ser rectificado peles com-
petentes julgadores, no que for preciso,
qaando preparados pelas autoridades poli-
ciaes : art. 10 da le e 4a pt. 9 2a art. 3 do
Reg.
Processo (em...) de formaclo da culpa
nos crimes commuos, ba recurso voluntario
das de;isoes dos juizes de direito das co-
marcas especiaes: Ia Ia pt. art. 17 da
lei; 9 1 art. 55 do Reg.
Processo (em qualquer termo do...) a
flanea pode ser prestada, urna-vez queseja
reconbecido o crime por afiancavel: 9 6a
arl. 14 da lei.
Procesaos es:riptos pelos escrivles dos
delegados e subdelegados, serio lemettidos
ao escrivio do jury, para esto os fazer con-
clusos ao joiz da pronuncia, nlo estando
este presente : Ia pi. art. 82 do Rag.
Processo (tica o reo sojeito a...) e jul-
gamento a revelia, dado o quebrntenlo da
Sanca, nos termos do art. 43 da lei de 3 de
dezembro de 1841, sobsistindo a disposi-
Co do art. 44 damesma lei: 4a art. 14 da
lei.
Processo (oio termina o...) pela conces-
slo plena do habeas-corpus : 9 7 art. 18
da lei.
Processo (nos...) dos crimes do arl. 12
9 7 do Cod. do Proc. Cr. quando prepara-
dos pelas autoridades policiaes, serio toma-
das por escripto nos inesmos com o depoi-
inento das testemunbas, aa. exposicoes da
ac:osacio o defeza: art. 1.0 da lei.
Processo (o...) das causas at 1000)0
compete ao joiz do paz: arl. 22 da lei e
art. 63 do Reg.
Processo (o...) das causas civeis at 5003
competo ao juiz municipal; j 2a art. 23 da
lei e 2" item do art. 64 do Reg.
Processo (o...) e juigamento dos crimes
Je contrabando, fra de flagrante delicio,
pertence aos juizes de direito das comar-
cas especiaes: 9 Io art. 5 da lei e 6 tem
art. 13 do Reg.
Processo (o joiz effectivo nao podendo
oceupar-se da preparaclo do...) quando
ibe for presente o primero reqoerimento,
declarar antes de qoalquer despachoseja
presente ao substituto : l1 pt. 2 art. 3
do] Reg.
Processo (o...) as causas civeis at
1G0, ser summarissimo e determinado
em regulamento do govemo : art. 27 da
lei e art. 63 do Reg.
Processos preparados oo correr das ses-
soss do jury serio igualmente remetlido* ao
secretario da relacio: pt. 2*9 5 art. 24 do
Reg.
Procurador da corda da relacio da corte
nlo entra na ordem dos julgadores, sujeitos
distriboclo, quaodo nlo tenba de ioter-
vir como promotor da jostica ou como pro-
curador da fazenda nacional: 9 l' art. 70
do Reg.
Procurador da coma aas outras retacos
entrarlo na ordem dos julgadores, como
os demais desembarga lores: 9 i* art. 70
do Reg.
Promotor (a appellaclo interposta pelo...)
to somente ter effeito suspensivo, quaodo
a sentenca de absolvicio for proferida a
respeito de reos acensados de crimes poni-
dos no mximo com a pena de morte, gales
ou prislo com trabalho por viote ou mais
annos e prislo simples perpetua, nlo sendo
unnime a decislo do jury que a determi-
nar : 9 5a art. 17 da lei e art. 61 do Reg.
Promotor (compete ao...) assistir a to-
dos os jolgamentos ao jury, ainda quando
baja aecusador particular, dizendo de fado
e de direito sobre o processo : Ia art. 16
da lei e 9 1 art. 2C do Reg.
Promotor (compete ao..) promover os
termos da accasaclo nos crimes em qoe
caiba a acg5o publica, embora a existencia
em juizo de terceiro e interpor qualquer
recurso qoe no caso couber, quer na forma-
dlo da colpa, qaer ao jolgamento: 9 2
art. 16 da lei e 9 2a art. 20 do Reg.
Promotor denunciar quando pela aatori-
dade judciaria Ihe for (eila a remessa de
provas qoe sirvam para fundamentar seu
acto, reconbecido algam caso de responsa-
bilidad : 9 7a art. 15 da lei e art. 22 do
Reg.
Promotor ser obrigado i residir dentro
da villa ou cidade principal da comarca,
designada pelo presidente com approvacio
do govemo: art. 85 do Reg.
Promotor (o...) publico obrigado dar
queixa ou denuncia, se e reo nlo estiver
preso oa afiancado, dentro do prazo de cin-
co dias, contados da data em qu6 receber
os esclarecimeotos e provas do crime oo
em que ust se tornar notorio: 9 3 art. 15
da lei e 9 l9 att. 22 do Reg.
Promotor oa quem o sabstitair, sempre
que estiver presente ser ouvi-lo nos pro-
cessos de fhnca provisoria, e em todo o
caso, anda depois de concedida, ter vista
do processo : pt. un. art. 35 do Reg.
Promot 4* p le ou oio convir que soja o
reo jolgadj em outro termo mais visinbo
da mesma comarca, alo baveado sessio do
jury oo dislrcto da culpa: $ 6a art. 17 da
lei e art .2id.> Reg.
Promotor poder addicioD^r, como en-
tener mais justo, a queixa ou denuncia
d ida pelo adjunto e proseguir nos termos
da formaclo da culpa: 9 6" art. 15 da le;
2 art. 20 e art. 3 do Reg.*v.
Promotor' poder requerer a alleracio na
e.ie:la Jos jolgamentos no jury, por motivo
de oteresse pablico : 9 6 art. 24 do Reg.
Promotor qoe receber as provas sobre a
existencia de qualquer delicto, proceder n?
forma das leis: 4 art. 15 da lei.
Promotores (te esgotado os prazos dos
9 1, 2a e 3deste art. os...) nlo apresen-
tarem a queixa oa denuncia, a autorid?de
formadura da culpa proceder ex-officio e o
juiz de direito multar os mesmos promo-
tores omissos na quantia de 205 a 1005, se
alo offerecerem motivos jostficnivos de
saa falta : J 5 art. 15 da lei e art. 22 do
Reg.
Promotor ser responsabilisado pelas fal-
tas ou inexaclidis que occasionarem a de-
mora na expediclo ou aprsentelo do re-
curso: % 3 art. 17 da lei e art. 56 do Reg
Promotor ser substituido pelo adjunto
qu3 o juiz de direito designar : art. 21 do
Reg.
Promotor tem em cada termo am adjun-
to : i 7 art. Io da le e art. 8' do Reg.
Promotor teodo recebido da autordade
judciaria as provas para deounciar em caso
de respoosabilidade o nlo o fazendo nos
prazos dos 95 *. 2 o 3 deste art. soffre-
r a multa de 205 a 1005: % 7 art. 15 da
le e 9 2a art. 22 do Reg.
Proouocia (a...) dos culpados nos cri-
mes commuos pertence exclusivamente aos
juizes de direito as comarcas especiaes e
aos joizes manicipaes nos respectivos* ter-
mos : art. 4' da lei; Ia item art. 13 e 2
item art. 17 do Reg.
Pronancia (decretada a..) o processo ser
remetlido ao car torio do jury, afim de ter
seguimento o recurso que no caso couber:
pt. 3a art. 82 do Reg.
Pronuncia (nlo constrangimento Ilegal
a prislo determinada) por sentenca de pro-
nuncia : 2 art. 18 da lei.
Pronuncia (as seatencas de..) se decla-
rar o valor da fianca a que fica o reo su-
geilo : 9 5 art. 14 da lei.
Pronuncia (o recurso de..) ou nlo pro-
nuncia seguir sempre nos proprios autos,
podendo as partes arrazoar e juntar docu-
mentos nos prasos legaes: Ia arl. 17 da
lei e art. 54 do Reg.
Pronuncia suspende o exercicio das fonc-
Ces publicas : art. 29 da lei.
Pronuncia suspende o exercicio do direi-
to de ser votado para eleitor, membro da
assombla provincial e geral e cargos para
os quaes. exigida a qualidade de eleitor,
ficando todava salva a dsposiclo do art.
z da lei de 19 de agosto de 1846: art.
29 da lei.
Prorogados poderlo ser os prasos mar-
cados aos juizes, relator e revisores para
aprseoslo dos respectivos feitos: % 5a e
6 do art. 27 da lei e %% 2 e 3 art. 70 do
Reg.
Proseguir poder o promotor aos termos
da informaclo da culpa, qaaodo a queixa
ou denuacia bouver sido dada pelo adjunto :
9 6 art. 15 da lei e art. 23 do Reg.
Protocollo (no) do escrivio se far men-
Cio da remessa do termo de anca, qoe
houver sido prestada no joizo que nlo o
da colpa: pt. on. art. 36 do Reg.
Protocollo (oo) do escrivio se far meo-
Clo do tormo que lor lavrado no verso do
mandado, que dever ser junto ao proces-
so pt. un. art. 36 do Reg.
Prova documental de qoe resullem vehe
mentes indicios contra o culpado, aotorisa
a expediclo de mandado de prislo contra o
mesmo: % 2a art. 13 da lei e art. 29 do
Reg.
Provedoria (a) de capellas e residuos ser
de jurisdicclo privativa na corte o as ca-
pitaes, sedes das retacos : % Ia pt, un. art.
1 da lei e art. 2 do Reg.
Publicarlo das sentenc-as civeis perten-
cem aos juizes municipaes : 3a art. 23
da lei
Punido (ser) com prisa > de cinco dias a
seis mezes, aqaelle que por impericia, im
prudencia ou falta de observancia de algum
regulamento commetter ou fr causa de fe-
rimentos ou offensas physicas: pt. un art.
19 da lei.
Punido (ser) com prislo de am mez a
dous annos e multa correspondente, aquelle
que por imprudencia, impericia ou falta de
observancia de algam regulamento, com-
metter oa for causa de algum homicidio
involuntario: art. 19 da lei.
Q
o ebrament) da fianca imparta a perda
de metade do valor definitivo desta o obri-
ga o reo ao processo e jolgamento a reve-
lia : 4a art. 14 da lei.
Queixa (do despacho que Dio acceitar a..)
haver recurso voluntario, para o joiz de
direito oo para a relacio, qual couber:
9 2 art. 17 da lei e 1 item art. 57 do
Reg.
Queixa (nlo estando o reo preso nem
afiancado o praso para a..) ser igualmen-
te de cinco dias, contados da data em que
o promotor receber os esclarecimeotos e
provas do crime, ou em- qae este se tornar
notorio: 3 art. 15 da lei e 2o item art.
22 do Reg.
Queixa que nlo cootiver os requisitas le-
gaes, Dio ser aceita, pelo juiz, salvo o re-
curso voluntario da parte: art. 50 do Reg.
Queixa ser apresentada dentro dos tra-
la dias da perpetrado do delicto, no caso
de flagrante delicto, tendoo reo obtido Gan-
ga : s 1 art. 15 da lei e 1 item art. 22
do Reg.
Qaeixa ser offerecida, se o reo estiver
preso, dentrohdo cinco dias : 9 2 art. 15
da lei e 1 item do art. 22 do Reg.
R.
Reconhecendo a aatoridade qae concede-
r ordem de habeas-corpus qae hoave da
parte da que autorisou o constrangimento
Ilegal, abuso de aatoridade oo violceo fla-
grante da lei, dever, conforme for de saa
competencia, fazer effectiva, ordenar on re-
qusitar a responsabilidad da que assim
abasoa: 9 3 art. 18 da lei.
Recrutamento (os detilos a titulo de) po-
derlo requerer a seo fsvor ama ordem de
habeas-corpus einquinto nlo estiverem alis
tados como praga no exercito oo armada:
art. 18 da lei.
Rectificar (os respectivo^ juizes oovem..'. >
quaodo for preciso, os processas prepara-
dos pelos substituios ou pelos supplentes
dos juizes municipaes: 9 1 art. 8 da lei e
4* pt. 9 2a art. 3 do Reg.
Recurso (ao promotor compete interpor
qaalquer..) que do caso couber, qaer oa
formaclo da colpa, quemo jolgamooto, nos
crimes em que caiba a aegao publica, em-
bora os processos sejam promovidos por
aceosaglo particular: 9 2 art. 16 da lei e
2o item art. 20 do Reg.
Recurso (ao tribunal da relacio compote
conbecer e julgar t)dos os...) ioterpostos
das decisoes dos joizes de direito : art. 6
da lei e art. 58 do Reg.
Recorso ( voluntario..) que for interpos-
to das decisoes dos joizes de direito das co-
marcas especiaes, em processo de formaclo
de colpa nos crimes cemmoDs: 9 1' pt-1'
art 17 da lei e 1 arl. **55 do Reg.
Recurso haver da decislo da autorizado
inferior qie imposer multa comminada por
esto regulamento : 9 3 art. 57 do Reg.
Kecuiso (haver) necessario dos despa-
chos de prohun ja dos chefes de polica, ao
caso do art. 60 do Reg. n. 120 para o pre-
sidente da relelo ou para o joiz da capital,
qual, coober: un. pt. uo. art. 9 da lei
o art. 12 do Reg.
Recorso (haver) voluntario da senteaga
de commutago da multa: 2* arl. 17 da
le e % 2a art. 56 do Reg.
Recurso (haver) voluntario do despacho
que nlo acceitar a queixa on denuncia, para
o juiz de direito oo pan a relacio, qaal
couber: % 2 art. 17 da lei e 1 item art.
57 do Reg.
Recu so ioterposto pela parte em oenbom
caso ser prejudcado, quaodo por falta,
erro ou omisslo do officia!, do joiz ou de
oulrem nlo ti ver seguimento e apresentag ->
em tempo, no juizo ai quem ; | 3a pt. ou.
art. 17 da lei e art. 56 do Reg.
Recorso nlo fica prejudcado interposta
ex-officio, quaodo expedido ou apresentad
fora dos prasos fataes: 3 arl. 17 da lei
e art. 56 do Reg.
Recurso nlo fica prejadicado ioterposto
peio promotor publico, qoaodo apreseotado
oa expedido fra dos prasos fataes: S ^"
art. 17 da lei e arl. 56 do Reg.
Recurso (o) de appellaclo das decisoes
dos juizes de direito, sobre qoestes inci-
dentes no jury, fica convertido em aggravo
no auto do processo : art. 17 da lei.
Recurso (o) de pronuncia oo nao pronun-
cia seguir sempre nos proprios autos, po-
dendo as partes arrazoar e juntar docameo-
tos nos prasos legaes : 9 Io art. 17 da lei e
art. 54 do Reg.
Recurso (perante oa joizes manicipaes
podem ser ioterpostos os...) que cooberem
de suas senteocas: 9 3a art. 23 da lei e 3a
tem art. 64 do Reg.
Recorso ( perante os juizes manicipaes
podem ser preparados os) qoe cooberem
em suas sentengas: 9 3 art. 23 da lei 3a
item arl. 64 do Reg.
Recorso (slo porm aecessarios os ) das
decisoes dos jaizes manicipaes qae ex-o0cio
os fario expedir, sem suspensio das prise s *
decretadas: 9 1 2a pt. srt. 17 ds lei, $i"
art. 17 e 9 3a art. 55 do Reg.
Regiment (o goveroo fica aatorsado> a
rever o...) de cuitas: 9 6a art. 29 da le.
Registrar poderlo os tabelliies em livro-
especial as procurarles e documentos, fa-
zendo na escriptura declarado e remissio a
folha do livro, a aprazimento das partes: 9
3 art. 79 do Reg.
Regulamento (aquelle qae por falta de
observancia de algum...) commetter ou for
usa de ferimeutoa oa offensas pbjsicas
ser punido com a pena de prislo de cinco
dias asis mezes: pt. un, arl. 19 da lei.
Regulamento (aquello por falta de obser-
vancia de algum...) commetter oo for caos..
de um homicidio involuntario, ser ponido-
com prislo de am mez a dous annos e mul-
ta correspondente: art. 19 da lei.
Regulamento (em) ser determinado pe-
lo governo o processo summarissimo as
causas al 1005: art. ,27 da lei e art. 63
do lteg.
Regulamento (em) serlo determinadas as
condices para o exercicio cumulativo da
jurisdicclo civel pelos joizes de direiio
das comarcas especiaes: 3 pt. on. art.
29 da lei, art. 4 pt. un. J 1 art. 68 do
Reg.
Regulamento ( em ) serlo determinadas
as condices para o exercicio cumulativo
e coDjuocto da jurisdicclo criminal, pelos
juizes de direito das comarcas especiaes!
9 3 pt. uo. art. 29 da lei e 2 pt. art. 2
do Reg.
Regulamento (em ) serlo estabelecidas as
condices, dadas as quaes poder o ta-
bellilo usar de mais de um livro: % 8 art.
29 da lei e art 79 do Reg.
Regolamento (O governo poder no...)
que der para execugao da presente lei, im-
por pena de prislo at tres mezes malta
at 2G0.->: 9 14 art. 29 da le.
Regolamento (o relatorio escripto pelo
relator, estabelecido no ..) do processo
commercial, ser tambem nos feitos civeis,
perante as retacos: 9 4 art. 27 da lei e
art. 70 do Reg.
Relacio (ao presidente da...) compele
conbecer das suspeices postas aos jaizes de
direito das comarcas especiaes: 9 1' art.
11 da lei.
Relacio (ao tribunal da...) compete co-
nhecer e julgar todos os recursos ioterpos-
tos das decisoes dos jaizes de direito : art.
6 e art. 58 do Reg.
Relacio competente para o processo e
juigamento dos chefes de polica qoe nos
crimes commons e quer dos de responsabili-
dad : 9 2 art* 29 da lei.
Relacio competente Dar o processo e
juigamento dos juizes de direito dos crimes
communs: 9 f art. 29 da lei.
Relaglo exerce explosivamente a jurisdic-
clo de 2a instancia oa soa respectiva sede
oas comarcas especiaes: art. 1 da lei
art. 14 do Reg.
Relacio (oa comarca sede ds...) ajaris-
diccio de primeira instancia ser exclusiva-
mente exercida pelos joizes de direito: art,
1 da lei e art. 1 do Reg.
Relacio (na) o feito civel ser visto e jal*
gado por' tres jaizes, iocluindo o relator,
qae dever fazer por escrito o relatorio da
causa estabelecido pelo regulamento do
processo commercial: 9 4* art. 27 da lei,
art. 70 e 83 do Reg.
Relacio (dos feitos pendentes de juiga-
mento oa...) em que ja tiver sido proferida
qualquer decislo pela turma dos*cinco jui-
zes, por estes ainda ser terminado o ji
gamento: art. 86 do Reg. ^ ^^F
(Con: -
*Y
-se-ha
TYP.-DO DIARIO RA DO

.


r

i
. \

MUTILADO
^"T PABINACAOINCORRETA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E34TDOUGF_9Z53HY INGEST_TIME 2013-09-16T21:18:11Z PACKAGE AA00011611_12674
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES