Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12651


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
1
AJINO XLVIH. NUMERO 102
*f8J b %VIS
-T3-
FAEA CAPITA1 E UCABIS OIDE 110 SI PASA POBTI.
Por Xtt mesas diantados .' ^B ^........... MOGO
Por tea ditos ideo m *t V ........... 424000
PorBuanno idsm..........' ........ HtfOOO
,U Homero avalso................. % .:, 120
ll .C

~ *yc**z*n*'* *i #nt
.i?. 1.1


PA1A DIRIO I rOU Di PBOYIIOA.
Por tros metes sdiantados.................
Por mu ditos idem....................
Por nore ditos idem...................
Por nm anuo dem.......... .......
17#QW
Propriedade de Manoel Figneira de Farla & Filhos.

AO AGBMTSS:
O Si*. Gerardo Antonio Alvos 4 Fhoi, no Pari; Goncalve & Pinto, no Maralo ; Joaqnim Jos de Ofiveira & Filho, no Cetra-.; Antonio de Lemcf Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chaves, no Am ; Antonio Martjnea da Siln, noNatai; Jos Jaitt
Pereira d'Almeida, em Mamaugnape; Augusto Gomes da Silva, na Parahyb*; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bolcio, em Santo Aitie; Domingos Jos da Costa Braga, #
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanoa; Franoino Tavtre da Costa, em Ajagoas ; Dr. Jos Martins Aires, na Babia ; e Leite, Cerqainho C. no Rio de Janeiro.



PARTE OFTICIAL.
veruo da provincia.
00 DA 13 DE MARCO DE 1872.
XPBDtimf
Actos :
> presdante da provincia, de conformidade
cam o disposte bo art. 85 do decreto n. 482'. de
22 <1e noverobro do auno passado, resoke desig-
nar as dadas o villas seguales, as comarcas
abaixo m en otoal a, para nellas residirem os res-
pectivo* juiaas de direito e promotores pbli-
cos :
Na comarca de Olinda, a cidade do mesmo no-
rae.
Na de Cabo, a villla desse nome.
Na do Rio Formoso, a cidade do Rio Formoso.
Na de Palmares, a villa de Agua-Prela.
Na de Sanio Anta), a villa da Encada.
Na de Ivmoeiro, a villa desse nome.
Na de Carnar, a cidade desse nome.
Na de Garanhaas, a villa dease nome.
Na do Brejo, a villa do Brejo.
Na de Flores, a villa de Fiores.
Na de Taearat, villa de Tacaran!
Na da Boa-Vista, a villa de 'Jurieury.
Na de Cabrob, a villa do Granito.
O presidente da provincia, vista do oficio
do Dr. chefe de polica n 422 de 6 do correte,
resolve exonerar dos cargos de 1*, 2o, 3*, 4*, 5* e
6" sHpplentes do delegado do termo de Cimbres, os
cidados : coronel Limardo B;zerra de Sliueira
Cavalcante, capitn Antonio Francisco de Albu-
qaerqne Ruda, Satyro Perreira Leite, Jos Cor-
deiro Manso, Peregrino Americo Leite e Jos da
Rocha Albuquerque Mello.
O presidente da provincia, de conformidade
teta a proposta do Dr. chefe de polica em ofBeio
n.4i2 de 6 4o crrante, resolve nomear para os
lugares de 1*, 2* e 3 snpplentes do delegado do
termo de Cimbres, os cidados seguintes, na or-
dem em qne vo collocados : Satyro Francisco
Leste, Jos Cordelro Manso, Joaquim Manoel de
Siqueira Canteante Arco Verde.
O presidente da provincia, a vista do offlcio
4o Dr. chefe de polica n. 431 de 6 do corrate,
resolve exonerar do cargo de subdelegado do Ia
distrieto do termo da Escada o teoente Agge > Vel-
loso Freir, e dos de 1, 2*. 3*, 4", 5' e 6 sup-
plente do mesmo, es cidados Manoel Al ves da
Silva Caldas, Zafirino Aureliano de Figoairedo
Mello, Joaquina Cavalcante Ribeiro de Lcenla,
Mtooel Joaqnim Torres Galiodp e Seraflm Jos de
Araujo. Comraanicou-se ao Dr. chele de po-
lica.
O presidente da provincia, de cooformid.de
c .'iii a proposta do Dr. chefe de polica em offlcio
n. 431 de 6 do cerrente, reso've nomear subdele-
gado do i* districto do termo da Escada o cidado
Jos Luiz da Silva Guimaras, e para os de I*, 2* e
3" snpplentes do mesmo subdejegado os cidados
seguintes na ordem em que vi) collocados : '/.j
ferino Aureliano d Flgueiredo Mello, Manoel Al
ves da Silva Caldas, Joo Jos da Cosa.Commu-
mcoa-se ao Dr. chele ds polica.
O presidente da provincia, vista do offl :o
do Dr.'.chefe de p>lcian. 381 ds28;d> mez passado,
resolve exonerar Mraoel M. Birges Uchi do car-
go de subdelegado do 2* distrclo do termo de Bar-
reros (Abren de Una) e os cidados Constantino
Cunes Ferreira, Herenlano de M >raes Bello e Jos
Nicolao Bezerra dos de 1, 2* e 3" supolentes do
dito subdelegad).Communicou-se ao Dr. chefe
de polica.
O presidente da provincia, de conformidarie
com a proDosla do Dr. chefe de polica em offlcio
n. ?81 de 28 do mez prximo pascado, resolve no
mear o cidado Antonio Augusto Maciel para
exarcer o cargo de subdelegado do 2* districto do
termo de Barrejros (Abreu de Una) e para os de
1 2* e 3 supplentes do mesmo subdelegado os ci-
i'ados seguintes na ordem de su collocacao :
Constantino Gomes da Silva, Antoni> Nogueira de
Oliveira, Harcoiaoo de Moraes Bello.Gommuni-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
O presidente da provincia, vista do offl:io
do Dr. chefe de polica n. 430 de 6 do correte,
resolve exonerar Joaqnim Francisco de T rres Ga-
lludo do cargo de subdelegado do districto de Cim
brea, do termo do nv-mo nome, e dos de 1, 2%
3*, 4*. o* e 6 supplentes do dito subdelegado os
cidados Jos Francisco dos Santos, Joo da Costa
Mjnteiro, Vasco Marinho de Espindola, Antonic
Cordeiro Manso, Clemente da Silva Reg, e Domin-
gos Soriano da Costa. C >ramuuicou-se ao Dr.
ebefe de polica.
O presidente da provincia, de conformidade
eom a proposta do Dr. chefe de polica em ofco
d. 430, de 4 do corrente, resolve nomear Ambrn-
sino do Reg Barros para o cargo de subdelegado
do distnetc de Cimbres, do termo de igual nome,
e para os de 1, 2 e 3 supplentes do dito subde
legado os cidados seguintes na ordem da eolio '.a
{i) : Antonio Avelino do Reg Barros, Vasco Ma-
rinho de Espindola, Marcos Marcelino Jos da Oli-
veira. Commonicoa-:e ao Dr. ebefe de polica.
O presidonle da provincia, vista do offlcio
do Dr. chefa de policia n. 425 de 6 do corrente,
resolve ex)ner r do lugar de subdelegado do dis-
tricto de Sania Agela, do termo de Cimbres, o
cidad) Aleixo Barrasceno da Luz, e dos respec-
tivos, 2a, 3, 4, 5 e 6o snpplentes os cidados Al-
cbiades Augusto dos Santos, Manoel Vicente Fer-
reira Canato, Jos Ferreira de Mello, Antonio Ben-
to Gomes de Almeida, e Marcos Marcohno Jos de
Almeila.Communicon ee ao Dr. chefe de po-
lica.
O presidente da provincia, de conformidad*-
com a proposta do Dr. chefe de policia em offteio
n. 425. de 6 do correte, resolve nomear para o
lugar de subdelegado do districto de Santa gue-
da do termo de Cimbres o cidado Mtooel Vicente
Ferreira Canuto, e para os de 1% 2', 3', supplen-
tes do mesmo subdelegado os cidados seguintes
na ordem da sua collocacao : Francisce Cypriaoo
Cordeirc da Fonceca, Leonardo Bszerrade Siquei-
ra Candeia e loo de Stcrueira Barbosa.Commu-
rjicou-se aoDr. chite de policia.
O presidente da provincia, vista do offkio
do Dr. chefe de policia n. 429 de 6 do corrente,
rtsjlve exonerar do logare, de 1, 2, 3* 4% 5* e
> supplentes do subdelegado do 2' districto da
freguezia de Alagoa de Ba:-xo (Cupaty) os cida
d)S : Jos Alves de Siqoeira,Manoel Viceot Per-
reira Canuto, Joiquim goacio de Siqueira, Jos
de Squera Barbosa, Autooo de S Cavalcaote,
AitoDio Alexaodre de Vasconcellos. Commuoi-
cou-se ao Dr. chefe de policia.
O presidcnle da provincia, de eonformldade
eom s proposta do Dr. chefe da polica em offlcio
n. 429, de 4 do corrente, resolve nomear para os
lugares de i, 2 e 3, sopplntes do subdelegado
do 2* districto da roguez'a de Aligoa de Baixo
(Oopaty) os cidados seguintes na ordem da eolio-
eago : Jos de Siqneira Barbosa, Antonio de S
'Cavalcante, Joaqoim Barbosa de Sqaeira.Com-
municou-se ao Dr. chele de policia.
O presidente da provincia vista do offlcio
do Dr. chefe de policia n. 426, de 6 do corrente,
resolve exonerar do? legares de 2, 3', 4, 5* e 6*
lupplentes do subdelegado do districto de O ho
d'Agua dos Bredo. do termo de Cimbres, os cida-
dios : Verissimo Jos di Coulo, Francisco Luiz
Pereira Mutaca, Aoton'o Leite de Sqaeira, Jilo
Cordeiro Reg, Antonio Ferreira Daarte Velloso.
Comrannicoa-ieao Dr. chefe de polica.
O presidente di proviacia.de cinfirmidade
com a proposta do D:. chefj de polica, om offlcio
n. 46, de 6 do crreme, re-olve nomear para os
lugarei da !?, 2* o 3J supplentes do subtelegado
-
do districto Jo Olho d'Agua dos Bredos do termo
de C'mbres, bs cidados seguintes na ordem em
que vo collocados: Len irdo P.icheco Couto Bu-
qie, J rony.no Pacheco de Albuquerque e Fran
cisco Luiz Pereira Mutnca.
O presidente da provincia, a vista do ofJBcio
do Dr. ebefe da policia, n. 427, de 6 da correle,
reso|ve exouerar o tenenle-coronel Antuiio de Si-
queira Barbosa, do carga de subdelegado da fre-
guezia de Alagoa do Baixo, do termo de Cimbres,
e dos de 1*. 2*, 3o, 4', 5* e 6 supplentes do dito
subdelegado os cidados: Francisco Alves de Si-
queira Millo, Antonio Jos de Ges, Jos Tnomaz
de Almeida, Conrado Jos de Lmreiro S, David
Jos de Si, Miguel de Barros Silva Janior.Com-
municou-se ac Dr. chefe de policia.
O presidente da provincia, de conformidade
cora, a proposta do D:. chefe de policia n. 427, ds
6 do correte, resolve nomear o cidalo Antonio
Leite de Siqueira para o cargo de subdelgalo do
districto de AlSfaa de Baixo, do termo do Cimbres,
e para os de i*, 2o e 3" supplentes do mesmo sub-
delegad > os cidados seg times na ordem da collo-
cago : capio Ray Dundo Ferreira Portugal, An-
tonio Alexandre de Vasconcellos, los Francisco
da Silva Campos Jnior.Commuoicou se ao Dr.
chefe de polica.
Offlcios:
A' legaco do Brasil era Pars, remetiendo a
segunda v da letra de cambio no valor de 3,039
francos, afira de serem pagas as despezas a'li feitas
com o exame das viceras do finado tenenle-coronel
Joo de S e Albuquerque
Ao coronel commaoiante das armas, com-
municando quo, segundo f >i decidido pelo ministe-
rio da guerra, em aviso de 6 do corrente, o alferes
graduado do 9* batalho de infaotana Joo Manoel
Lumachi nao tem direito ao abono, que pretende,
de tres mezes le sold para seos uniformes, por
qnaoto aos offlciaes graduados no primeiro posto
nao compete tal abooo, vista do que determina a
ordem do dia n. 797, de 17 de ontubro ultimo.
Communicou-se tambem thesouraria de fazenda.
Ao mesmo, para qne, era enraprimeolo de
aviso do ministerio da guerra do 1 o corrente,
mime sobre o incluso requerimento de Anoa
Mendes dos Anjos.
Ao mesmo, declaranlo que nao pdenlo a
guarda do arsenal de raariuba ser prestada pela
eompanhia de aprendizes marinheiros, alientos os
motivos exposto3 pelo respectivo nspector no offl-
cio jooto por copla, deve a referida guarda conti-
nuar ser dada pela tropa de lioba, reduzindo-se,
porm, 11 o numero das pravas que a eom-
pdem.Communicou-se ao inspector do arsenal de
marrana.
Ao mesmo, recommendando que, na forma
determinada na circular do ministerio da guerra
de 2 do correte, se nao reraeita para a corte re-
croias, sena qu sejam em iospeceo desale
considerados aptos para o servido.
Ao mesmo, chamando sua atteoejio para o
cumpnmeoto lo aviso do ministerio da guerra de
23 de dezembro de 1830, qne prohibe a remessa
para a corte de recrutas qne nao estejam vacci-
nados.
Ao ffle>tro, transmitirado a t de offlcio do
capito do 2* batalho de iofantaria Loiz Francisco
dj Paula de Albuquerque Maranhao, anni de nella
averbarem-se os assentamentos desse offl'ial.
Ao mesmo, inteirando o de que, segundo o
aviso do ministerio da guerra de 6 de fevoreiro
ultimo, fo exonerado naquella dala o capito Tra-
jano Alipio de Carvalho Mendonca do lugar de
aoajor da praf.a do presidio de Fernando de Noro-
nha.-Iguai commoaica^o fez-se (hssoararia de
fazenda.
Ao mesmo, dizendo qte devem ser remetti-
dos para a c'te, afln de serem all substituidas
por outras as lo carabina?, para as qnaes esse
eommasdo solicitou igual numero de sabres e
bayonetas.
Ao Rvdro. vigario capitular, remetiendo copia
do decreto n. 4878 de 26 de Janeiro ultimo, pelo
qual se concede ao corpo capitular desta diocese o
uso do dstinciivo de cor rota.
Ao inspector da thesouraria de fazenda,
transraittiudo para os devidos eff otos, copla do
aviso do ministerio da fazenda de 21 de fevereiro
ultimo, no qual se declara que nao s por ejuida-
de, como iior direito, deve prevalecer e aforamento
feito ao padre Antonio da Cunha e Figueiredo dos
terrinos de raarinha ns. 236 B e D, sitos ra
Imperial, ficando assim indeferido o recurso de
Jos Soares Moote-"ro.
Ao mesmo, communcando qae por aviso do
ministerio do imperio de 7 do correle, junto por
copia, foi concedido pela verba presidencias de
provincias do exorcicio de 18711872, o crdito
de 3:000*000, alim de se occorrer ao pagamento
da ajuda de custo arbitrada ao bacbarel Pedro
Alfonso Ferreira, presdanle-noraeado para a pro-
vincia do Piauhy.
Ao inspector da thesouraria provincial, para
qne informe sobre a materia do offlcio incluso do
Ia secretario da assempla legislativa provincial,
dilado de 9 lo corrente.
Ao mesmo, para que ministre, afira de ser
satsfeita a requisico da as'emb'a legislativa
provincial; urna nota do qoanto reoderam os emo-
lumentos da secretaria da presidencia no anuo
flnancerode 1870-1871.
Ao mismo, mandando pagar Bento Jos de
Almeida Pocas, como solicita o comnnndante su-
perior de Palmares, vista do pret junto em du-
plicala, a qisntia de 212*280, importancia dos
venciraeDtos correspondemos ao mez de fevereiro
ultimo, do destamento de guaras naciomes da
villa de Agua Preti.C mmunicou-se ao sobredilo
commaodanle superior.
Ao inspector do arsenal de marnba, testaran
lo que, por aviso do ministerio da ma'inha de 26
de fevereiro ultimo, foi aquella inspeceo autorsa
da nomear para o ser vico das dragas e dos vapo
res earregaclores de lodo o pessoal mencin ido no
seu ofQcio dirigido quelle ministerio era 8 de Ja-
neiro proxiao lindo, cumjoriDflo, poioo, qne o?
respectivos /encmenlos nao excedara os designa-
das na tab'lia em vigor para os offlciaes, mari-
nheiros e ir leninistas da armada, que se refere
o decreto u 4,885, de 5 do mez passado.Coraran-
nicou-so thesooraria de fizenda.
Ao commandante superior do Bonito, dizeo-
do que, nao estando o batalho n. 53 as conli-
jSas do aviso do minsterio da josliga de 16 de
novembro de 1859, nao p le por isso ser para ells
nomeado major, como solici'a em sen offlcio n. l'i
de fevereiro ultimo.
Ao commandante superior de Caruar, da-
lerminando qne d ao capito do batalho n. 27
daquelle municipio M.noel de Suiza Braga a goia
Je qae trata e ari. 45 do decreto n. 430 de 12 de
marco de 1833 para o de Agua Preta, onde
flxido sua residencia.
Ao director do arsenal de guerra, mandando
fornecer para o sentenciado de jaica Joaqnim
Luiz da Silva, que se acha empregado na fachina
do forte do Buraco, o vestuario constante do pedido
junto.
Ao director geral interino da instruego pu-
blica, le-nattendo o projecto n. 80 do anno passa-
do, aira de que emita seu parecer a respeite, co-
mo solicita a assembla legislativa provincial.
ao Dr. jaiz de direito da cemarca de Olin-
da, ahm oe que informe sobre a nalureza do offl-
cio' junto por cr>,oia do l'secralario da assembia
legislativa provincial.
Ao capito do po'lo, commuoicando que pela
intendencia fora-n rematiilos no vapor P,ir cora
destino rae^ma capitana, um repoateiro, ama.
prensa com mesa e panqo para orroj^ messa,
Ao commaodanle do corpo de policia, de-
terminanlo que figa redozr a vinte pragas o dos-
tacaraecto que est em Nazareth. e mande reti-
rar as qae se acharo na Escada, logo quo se apr-
senteos as da guarda naeional, que os deve subs-
lnir.Communictr-se ao Dr. ebefe de policia.
Ao mesmo, recommendando que mande
apresentar no qaartel do H ispieo, s 4 I i horas
da tarde do dia 14 do corren, a msica do sr-
po sob sea eommaodo, adra de encorporada a9'
batalho de infamara, aeompanbar a iraagem do
Senhor Bom Jess dos Passos em sua trasladago
do Corpo Santo para o convento do Carmo, visto
aehar-se a raasica daquelle batalho desfalcada de
varios msicos, qae s achara doent=s.-Commu-
nicou-se ao commandante das aranas.
Ao engenheiro chefe da repartiglo das obras
publicas, remllenlo o projecto n. 79 do anno pas
sado, adra de erailtir sea parecer a respeiio, co-
mo solicita a assembfa legislativa provincial.
Ao administrador do consulado provincial,
para qae ministre, em satisfago do que solicita
a assembla legislativa provincial, minuciosas in-
formaedes acerca da consideravel defraudarn,
qaj teem soffrido as rendas da provincia na par-
te relativa aos direitos de exportadlo do algodio,
o qual se aitnbue s agencias Qseaes das provin
cas limitrophes nsta estabelecidas.
Ao j-iiz de paz presidente,d junta de qua-
liflcaco do 1* districto da freguezia de Seriubem,
declarando, qne pelo sea offlcode 21 de Janeiro
ultimo, flcou inteirado da haver Srac. naqaella
data installado a referida junta, na qualidade de
l' juiz de paz dessa fregneza, por ter o joiz de
paz mais rolado Manoel de Mosquita Barros Wan-
derley, mudado sea domicilio para esta capital.
Portaras :
Ao conselho de compras do arsenal de ma-
ainba, auiorisaodo-o a promover o foroecimento
dos objecios constantes do pedido inclaso, visto
serem necessarios para provimento do respectivo
alraoxarifado.
A' cmara municipal da villa de Sariohlem,
declarando Picar mterado de haver a mesma c-
mara, segando ecmraanieoa em offlcio de 12 do
corrente, mandado expedir diploma ao cidado
Joio Fiorentino Cavalcanti de Albuquirjue, afim
de completar o numero de qnatro juizes de paz,
que deve ter cada districto, visto ter mudado sua
residencia para esta cidade o cidad > Manoel Mas-
quita Barros Wanderley, e bsra assim de aehar-
se acta al mente em exercicio, como quarto jaiz de
paz o referido Albuquerque.
Ao gerente da eompanhia Pernambacana,
para mandar transportar ao presidio de Fernando
de Noronba, por conta do ministerio da guerra, os
objectos mencionados na relacao junta, os qaaes
sao para all remettidos pela thesouraria de fa-
zenda.
Despachos :
Amonio Toledo Leite de Albuquerque.Iofor-
me o Sr. coronel cora manda di das armas inte-
rino.
Antonio Leonardo de Manezes Amorim.Cen
flqne do que constar.
Franciseo Pedro Tibureio. = laforme o Sr. ins-
pector ds thesouraria de fazenda
Francelino Alves da SilvaEntregue se, median-
te recibo.
Herdeiros do Dr. Manoel Teixeira Peixoto.
Juntera os supplicanles a plaa do terreno de
qae tratara.
Mara Theodora da Costa Alves Ferreira.Co-
mo reqner, pagos os direitos naciones e procedi-
das as convenientes diligencias.
Severiano Monteiro Leite.Informe com urgen-
cia o Sr. engenheiro chefe da repartico das
obras publicas, apresentando o orgunento.
EXPEDIENT DO SECRETARIO.
Offlcios :
Ao 1" secretario da assembla legislativa
provincial, enviando para ser presente ssem
olea provincial, copia do aviso do ministerio do
imperio de20 de fevereiro ultimo, atino de qne a
mesma assembia se digne providanciar no sent
do a que aliude o citado aviso.
Ao mesmo, communcando, de ordem da pre-
sidencia, para que seja levado ao conhecimento
da assembla provincial, qae SS. MM. II. devem
chegar a esta capital, em regresso de sua viagem
a Europa, de 2o a 26 do correte.
Ao Dr. juiz de direito do commercio, acen
sando de ordem da presidencia, arecepeo do sen
offlcie, ineloindo tres copias da correspondencia
trocada entre esse juizo e o cnsul de S. M Bri-
tranmea, relativamente aos salvados da galera in-
gleza VFofburn Albey.
Ao administrador do correio, acensando, de
ordem da presidencia, a recepgo do sea offlcio
de 11 do corrente, em que communicon ter reas-
sumido naquella dala o exercicio de sen cargo.
Ao gerente da eompanhia Pernambacana,
para mandar, de ordem da presidencia, dar ama
passagem de estado a r at o Penado, no vapor
qae para all segu, a Olympio de Sarros da Fon-
ceca.
Ao mesmo, para mandar dar, de ordem da
presideocia, ama passagem de estado a r at Pi-
nedo, no vapor qae para all segu, a Maria Mag
da'ena da Natividade, professora publica para a
cadoira de insfuego primaria da villa de Po
resta.
A' ordo.n do de Santo Antonio, Dionisio D
Moreira Leito, por desordeno.
Daas guarJe a V. ExcIllm. e Bxm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Micbado Purte'la, vice-
presidente da provinci.O chefe de policia, Do-
mingos Monteiro Peixot').
PERNAMMO:
?22LL?J! KD'!?lnear.i0 0riemy< 8 P8r,e d creaao Pel t. 4.-JWnfiw de Carvalho.-Mar-
engenho Ranfia dos Aojos, qne actualmente per-
lence a freguezia da Escada.
t Art. 4.* Ficam revogadas as disposicSas
Cominando anperlor
quartel do ommando superior da guarda
nacional do municipio do recife, de
maio de 1872.
Ordem do da n. G\.
O Illm. Sr. coronel commandante superior man
da scientificar aos corpos sob seu colimando que
o Exm. Sr. conselheiro presidente da provincia por
portara de 20 do mez li ido, maodou aggregar ao
2 batalho deste municipio o Sr. alferea do bata-
lho o. 54 do municipio do Cabo, Luiz -Moreira de
Carvalho ; e pela de 23, concedeu reforma no
mesmo posto ao Sr, lente do batalho n. 6 da
antiga guarda nacional, Ignacio do Nascimento
Gongalve da Lur.
Ojlrosim, que nesta data concedea a passagem,
qae requeren, para o 1' esqaadro de cavalliria
ao guarda do 6* batalho de infantaria Maximiino
Carneiro ds Miranda, e recommenda ao Sr. maj^r
commandante intariao do 8' batalho de infamara
que d a gnia de que traa o art. 45 do decreto n.
1130, de 12 de margo de 1833 ao Sr. alferes porta
bandeira Jos do Reg Damas Coutinho Jnior,
para o municipio de Santo Anta o onde ha Diado
sua residencia visto assim determinar o Exm. Sr.
vice-presidente da provincia em data de 30 do
mesmo mez fiado.
Est da servigo dorante este mez o Sr. capito
ajadante de ordens interino M.noel da Silva Pa-
rias.
fodolpho Joao Barata de Almeida.
Coronal chefe deesiado-maior interino.
Repartido de polica
2. segio.Secretaria da policia de Pernambu-
co, 3 de maio de 1872.
N. 773. Illm e Exm. Sr. Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das pirti-
cipages recebidas nesta repartigio, foram hontem
recoihido a casa de deteago os seguintes in-
dividuos :
A' ordem do sabeJ*gado i, Rac.fe, Carlos, e>-
cravodJ Df,'Mi'.:-jrf3V T*aarinlo, por te,r
sidoesaouiraJoiltote d#9horas da noo.*^ >em
bilhete de-sea senhor, e MB?l *<>** togueira,
par crine de (uno.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 12 DE ABRIL.
PRESIDENCIA DO SR. FERREIRA DE ACTUAR
Ao meio dia feita a chamada acham-se prsen-
les os seguintes Srs. depurados : Ges Gavalcaoti,
Amaral, J. Correa d Araajo, Corroa de Araujo,
Tolentioo de Carvalho, Correa Gondim, Alipio
Costa, Ferreira d'Agnu-r, Almeida Pernamboco,
Pirraran de N vaes, Gaho Alcoforado, Freir Ga-
meiro, Henrique Mamada, Pinto Jnior, Vieira de
Aranjo, Alencar, Ernesto Vieira, Mello Reg, La-
menha Lms, Gomes Prente, Felippe Figaeiroa,
Cavalcante Camboim, Arconeio Silva, Aiboquerqne
Lacerda, Olimpio Marques, Pinto de Campos, e
Hus e Silva. '
Abre-se a sessio, senlo lida e apprevada a acta
da anterior.
O Sr. 1- Secretario kxpdiettb :
Ura offlcio do secretario do governo, remetiendo
nm offlcio em original e diversos papis a elle an-
oaxos do vigario de S. Caetano da Raposa acerca
dos limites da fregoezia laquelle nome, bem como
copia da ioformago mioislrada pelo governador
do bispado.A' corarais o de estatistica.
PetigSas :
De Clementino Gongalves de Farias, pedindo a
adraisso de um sen fliho menor no gymnasio pro-
vincial, como pendonista da provincia.A' com-
missao de petig5es.
De Jos Gongalves d i S, pedinlo o lugar de
araaoueuse desta assembla. A' commisso de
polica,
De Antonio Jovino dit Fonceca, professor pa
Dlico da freguezia de S. Jos desta cidade, pediodo
um anno da liceng com lodos os vencimeotos.
A' commisso de petiges.
Fi jnlgado objeelo do deliberagao e dispensado
da impresso o seguinte projecto :
t A assembla legislativa provincial de Pernara-
baeo resolve : .
t Art. 1. Pica o presdante da provincia auto-
risado a contratar com j eompanhia Recife Drama-
ge o estateleciraento de lorneiras as mas desta
cidade, destnalas a extiocgo de incendios, me-
diante a sobvencao de 6:000*000 ananaes.
i Art, 2 Fieam revogadas as disposigSss em
contrario.
a Paco da assembla, 12 de abril de 1872.
Lamenta Lms.-J. VieiraJ. de Mello Reg.'
E' approvada a redaejo do projecto n. 25 deste
aaoo.
Sao lidos e apa novados os aeguintes requer-
mental :
Requeiro, que por intermedio da presidencia
da provincia se pega com urgencia informago ao
regedor Jo gyionasio proviocial sobre o nnmero
de alumnos pagos pela provincia qae frequeotam
o mesmo estabelecimento, declarando se o nome,
a idade e o aproveitamonto de todos elles, bem
como a data em que foram admittidos e em vir-
tudedeque autonsagao.Araujo.E' approvado.
t Requeiro que de novo se pegam as informa-
g5es solicitadas por esia assembla ao consolado
provincial em offlcio a. 10 de 9 di mez prximo
fiado.Tolentino de Carvalho. E' approvado.
O Sr. Henrique Mamede pede qae a nobre com-
misso de redasgo aprsente a representago que
o aono passado a assembla delermioou dirigir aes
poderes geraes pediodo a decretago de fondos
para a construego de ora caoal de desvio do no
Cspibarke e reconsirocfo da ponte da Boa-yisla,
bem como diversas oulras providencias.
O SR. KATfS E SILVA :- Sr. presidente, na
sesso do dia 4 do corrate entroa em V discos
sao o projecto n. 57, qnetive a honra de apresen
tar na ses-o do ano o passado, a consideragao
desta assembla discuti se aqui o projecto e mos-
trou-se. ao menos creio en, com evidencia a con-
veniencia da adopeo das ideas nelle comidas.
Entretanto, havendo se apresentado em ontro pro-
jecto com a numerago de 6, tambem creando com-
marcas, veio a mesa nm reqaerimeolo pedindo que
fossem arabos os projeftos remettidos as commis-
s5as de estatistca e justiga civil, para qne, consi-
deran lo a materia de ambos e harmonisando-os,
desse o sea parecer apresentando ura projecto
substitutivo comprehensiva das ideas dassas ontros.
Li noniem o parecer das nobres commissoes
acerca desses projeclos, mas observei que as com-
missoes s cogitaran com relacao ao meu projecto
o. 57 daqaillo qae elle traz acerca da ereagaoj de
villas no povoado de Gimelleira, despresando todo
mais que elle contera com relacao a divisao da
freguezia, sem duvida porque nao quizeram con-
fundir es-as duas Ideas que sao inteiramenle diffe-
rentes, e que taWez lossem crear embracns a
adraioistragao qaando tivesse de dar sao'?>o.
A' YsU disto eu enlendi qae devia reprolusir
em eatro projecto as ideas com relagao a divisao
da freguezia de Gimelleira, visto que nao podem e
aera devem flear prejadicadas essas ideas pelo
fado de nao terem as commissoes tomado conhe
cimento dallas.
Na disenssio do meu projecto ja se mosiron
a conveniencia e utilidade publica que resulta oa
divisan feita como n'elle se acba s Taltoa votar-se
sobre isto; assim me parece que o projecto nao
dave soffer em sua marcha, deve ser votado em
1' discusso para passar a 2*. Entretanto V. Exc.
e a casa decidirio como enlenderem.
O Sn. Presidente :Emendo que se pole dis-
pensar a impresso do projecto, visto ser a repro-
duego de um outro ja impresso, aura de ser dado
para a ordem do dia.
O Sr. Ratis b Silva : AOm de ser votado,
visto que a discusso j leve lugar.
O Sr. Presidente : -Nao, senhor, nao foi en-
cerrada a discuss),tar de ser dado de novo para
a ordsm do da. ..
O Sr. Ratis e Silvv :-Neste caso requeiro dis
peosa da impresso.
E' jmgado objecto de deliberagao e dispensado
da impresso o seguinte projecto :
i A assenobl legislativa provincial de Pemam-
buco resolve;
Aru 1/ Fica res;tuido a freguezia da Nossa
Senhora da Penha de Gamelleira todo o territorio
desmembrado dalla pela le provincial n. 940 de
22 de junho ia 1870, e acrescentando fregue'ia
de Seriohem pela mesma lei.
c Art. 2.* Ficam dismembrados da freguezia de
S. Jos de Agui-Pret, e pertencendo a de Nossa
Senhora da Penha da Gamelleira os engenhos Pe-
reirinba, Varsea-Graode, Yarsea-Nova, Pio-Sao-
gue e Cachoeira-Grande; segaindo d'ahi a divvo
com a fregoezia de S. Jos de Agua Prett pelos
engenhos Pontable, Caxoeira Losa, Parcas, Alegre.
Caaoeiras e Furada, os qaaes todas partenceram
iolegralmente a frogueia da Gamelleira ; conti-
nan lo d'ahi por diante pela divisio existente
com a freguezia do Bonito e Escada.
t ArU 3. Fica tambera desmmbralo da fregue-
zia d> Nossa Saolma da-E*ca1a e unido i de Noi-
i sa S'iPhora di Penha de Gamelleir, o engch
| Viente Campe Ij om as qnvro prc^vieJades del-
I la separadas por seo prophelaro, i saber : S Pe-
ldrof Paran, Palestina, a Aragsvara, e meis os ea-
conirano
Paco da assembla provincial de Pernamboco,
em 12 de abril de 1872.Ralis e Silva. >
O SR. PINTO JNIOR ( pela ordem) diz qne a
commisso eaearregad de apresentar algoa*actos
a san-cao desempeobon a saa Incumbencia e que
o Sr. presideaie da provincia declaran qae toma-
ra em considerar > os actos da assembla.A ca-
sa dea inteirada.
ORDEM DO DIA.
Entra em discusso o parecer adiado da com-
misso de petedes declarando nada ter adecidir
acerca da do escrivao de orpbos do termo do Li-
moeiro, visto ser islo assumpto da competencia do
poder administrativo.
Desistndo da palavra o Sr. Almeida Pernambo-
co o parecer posto a votos e approvado.
Eotra era discusso o parecer da commisso de
petigSes indeflrindo a em qne Laz do Reg Barros
regente do Hospicio dos altanados, pede a ua apo-
seotadoria.
O SR. TOLENTINO DE JARVALHO diz que ti-
nha_ pedido a palavra para (azar algumas conside-
ragoas contra o parecer em discusso e n'esse pro-
posito est ; mas nao se achando presentes os seus
signatarios acha desnecessario azar da palavra, a
menos qne algum dos Srs. deputados nao queira
lomar a si o encargo de justificar o parecer de
urna commisso a que nao pertence, e discipar cor-
las dnvidas das que eneontra o orador no mesmo
parecer. Por isso requer o adameoto da discus-
so por 24 horas.
Vai a mesa e apeiado o soguinte requerimen-
to :
Requeiro o adiamento da discusso por 24 h:-
Ths=-Tolenli*o de Carvalho.
Pomo a rolos o requerimeato, approvado.
2.a discusso do projecto n. 29 deste anno, an
nexando ao l. districto da freguezia do Pogo da
Paoella o 13." quarleiroBarbalbo, que hoje faz
parle do 2.* districto da mesma freguezia.E' ap-
provado.
1.a discusso do projecto n. 38 desle anno, cre-
ando na comarca do Recife nm offlcio de justiga
de Curador geral de orpaos e interdictos, ausen-
tes, capel las, residios e herangas jacentes.
O SR. RATIS E SILVA :Sr. presidente en pre-
ciso de esclarecimentos para poder dar o meu vo-
to sobre o orejelo qae se acba om discusso, e
nao estn lo na casa nenham dos seus signatarios,
requeiro qae fique adiada a discusso para qaan-
do estiverem elles presentes on ao menes algnno.
Vai a mesa e apoiado o seguinte requerimea-
to.
Reqaeiro o adameoto da discusso do pro-
jecto al que acbe nt casa algum dos seus signa-
tarios.Aa/ e Silva. >
Encerrada a discusso regeilado o re]ueri-
menie e approvado o projecto.
3* discusso do projecio n. 21 do anno passado
traoserindo do povoado de S Pedro para o da
Camoda, ambos de Pao d'AIno, a cadeira de ins-
truego elementar do sexo mascolino creada para
o 1. desses povoados.E' approvado*
2.a discusso do projecto n. 33 deste anno, aa-
torisando o presidente da provincia a conceder ao
professor Lmrengo de Menezes Cysneiro Bandeira
de Mello e as professoras Francolina Forjaz de La-
cerda e Paulina Domingas Ayres 6 mezes de li-
cenga com todos os vencimentos.Vo a mesa e
sao apoiadas as seguintes emendas:
c Igual favor a Valeri: no Bezarra Cavalcante
de Albaqnerqae, professor de Pesaueia, Iiiloro
Marinho Cesar, professor de Timbaba, Antonio
Jovino da Fonc;a, professor da freguezia de S.
Jos desta cidade, Guilhermina Bazilisa de Oli-
veira, da povoago do Barro Vermelho, freguezia
dos Affogados.Pinto Jnior.
Em vez de vencimsntos diga-se com saus or-
denados. Gomes Prenle.
Igual favor at nm anno, ao ebefe de secgo
da secretaria do governo Praocisco Lucio de Cas-
tro J. de Mello Reg.]. Vieira.
Por igual tempo ao professor Francisco de
Asss M -uteiro Pessoa, da 3a escola de instrnegio
primaria da freguezia de Santo Antonio do Recife.
Marques da Silva.
Igual concesso D. Ilsnriqueta Amelia de
Meneze3 Lyra, professora da povoago de Abreu
de Una.Tolenlino de Cirvalho t
O SR. H. MAMEDE pede informsgSes dos au
(ores das emendas apresentadas para poder sobre
ellas dar o sea voto.
O SR. PINTO JNIOR :- Signatario de urna
emenda que se acba em discusso, venho satisfa-
zer ao roen sobre eollega depntado pelo 3 dis-
tricto dndoos motivos qae me levaran) a apr-
senla la.
Os prolessores para os qaaes apresenlei con-
siderago da casa a emenda concedendo-lh9s licen-
ga requereram a esta assambla, e os requeri-
mentos documentados aaham-se na pasta da com-
misso de petig5es, de qne fag) parte, e para nao
estar apresentando um parecer e nm projecto espe-
cial relativamente a cada om, julguei dever offe-
recer esta ementa.
A Sra. Guilhsrmina Bazilissa de Oliveira e Silva
pede um anno de licenga, a commisso teve duvida
em conceder-Ihe esse tempo e apena Ihe conce
de 6 mexes, o que Ihe parece snfflciente, a vista
dos attestados mdicos qae apresentooe qae p'ovam
o mo estado de sua sale. O Sr. Antonio Jovino
da Fonc-a, professor da 4' cadeira da freguezia
de S. Jos tambem documenta a sua pelicao com
attestados mdicos, e bem assim todos os outros a
qae se refere a emenda.
Em vita dos documentos que apresentiram as-
ses empregados, a commisso entendeu que nao
devia negar-Ibes as licengas pedidas, apenas redu-
zio o tempo para qualles q.ue pedam um anno ;
porm, a commisso na ple contestar que es;es
empregados se acham doentes, porquanto elles
apresemam attestados mdicos que o demonstrara.
A emenda est apenas assignada por mira, nao
o estando pelos outros membros da commisso,
porque nao se acham presentes.
Qjanto as demais emendas nao existem petigei
na pasta da commisso.
O Sr H. Mamede:Srve-me esta declaraga.
O Sr. T. de Carvalho : En tenho em meu
poder a petigad da professora de Una, nao a apr-
sente! p-.rque nao bavia necessidade.
O Sr. Pisto Jnior :-Bom, nao sei se onobre
depntado tem essa petigo, a commisso nao lem
essa nem outras que se referem algumas emen
das.
O SR. J. MELLO REG faz algumas conside-
rPOfn
Encerrada a discusso, approvado o projecto
com as emendas concedendo iicenga Valeriano
Bezerra Cavalcame, Francisco Lucio de Castro e
Hanriqueta Amelia de Menezes Lyra, bara como a
do Sr. Gomes Prente deierminanlo qne as lien-
gas sejam concidldas s nenie com ordenado ; fi
cara empatadas na votago s qne se referem a
(zidoro Marinho Cesar e Antonio Jovino da Fon-
ceca, sendo regeitada as demais.
2' discusso do projecto o. 20 deste aono qae
approva o rfqaermento expedido pelo presidente
da provincia era 12 de fevereiro do correte annt
para a secretaria da presidencia.
Vo a mesa e sao apoiadas as seguintes eraea-
das:
Sapprimam-se aspalavrascom o augmento
e segrales.Araujo.Marques da Silva -=To
tim de Carvalho.-Vieira de Mello,
* Supprima-se o lugar de oftcial de gabinete
qiut da Silva.
O SR. J. MELLO REG peda explicgoes aobre
as emendas.
O SR. J. CORREIA DE ARAUJO :-Sr. presidan-
te como signa:ario da emenda oo disenssio eor-
re-ms o Se ver de justincal a, attendendo assim a>
pedido qne acaba de fuer o mea distancio coliega
depuiado pelo 4.* districto.
Qaando aprsate! a emenda vi qne a nobre
commisso dando as razdas porque proposita o
acresclmo de vencimentos para os empregados da
secretaria da presidencia, allegara que uses em-
pregados solTreram com o augmento dos vencimen-
tos que se Ibas deu, passaudo a fazer parle d..
renda provincial o que onlr'ora perciban a tita
lo de emolumentos da secretaria do governo.
Entreunto, Sr. presidente, V. Exc. sabe per.'ei-
tar.eoie e sabe a casa que em 1869 ou 1870 a as-
sembla delermioou na lei do orgamenlo qne fl
eassem fazendo parle da receita da provincia os
emolumentos que se arrecadavam na secretaria do
governo, e no mesmo anno, na mesma lei do orga-
menlo se marcou a quanlia que se jalgoo corres-
pondente ao premiso qae esses mpregidds tmbam
de solfrer deixando de perceber laes emolumen-
tos.
O Su. Vieira de Mello : 50 /' de mais.
(Apoadc's).
O Sr. J. Correa de Araujo : Eston conven-
cido, Sr. presidente da que a commisso qae eo-
lio apresenlou o projecto do orgamenlo consig-
nando esta idea, commisso da qual se nao eslou
engaado, fazia parle o nobre depntado pelo 4.*
districto, attendeo quanto era possivel na tabella
dos venciraenio- que orgaoison a qne esaes na-o
fosstm inferiores aos que ot empregadoa trabara
anteriormente ; a commisso atienden ao ealcnlo
(eiio na relatono qne no auno anterior Cora apre-
sentado a esta assemblt pelo Exm. Sr. conde da
Baependy, ecto prndente da provincia.
Exercia eu nessa epocha o cargo de secretario
do governo, e tive de dar inf^rmacSes a S. Exc.
para o relalorio com que foi aberta a sesso desta.
assemoia no mesmo anno ; nessa oecasio peJi-
Ibe e pedi-lbe com enipenno que uzease ver a as-
sembla provincial a grande vanlagem qne ttavia
para os empregalos da secretaria do governo da
serem dispensados essa percepgo de emolumen-
tos, ejevaodo-se os seos vencimentos de forma
que nao fossera elles prejulicados.
Para esse lira mandei qne pelos livroa existentes
na secretaria do governo se me desse nma neta do
quanto baviara rendido no nltimo anno os emola-
memos arrecadalos ; de accordo com esta nota
fornecida pela secretaria flz o clenlo do que ca-
berla ao secretario e aos demais empregados, e es-
se calculo foi incluido no relalorio do Sr. conde
de Baependy.
A assembla teve em vista, poitanto, nma base
quasi ce la, teve em vista o rendimenio da secre-
taria no anno anterkr, islo tanto qnaoto era
possivel calcular-se por que como sabem os no-
bres deputados, o rendimento de um anno nao e
sempre igual ao dos ontros, ora renda mais, ora
menos ; mas a certesa que linha o empregado da
receber aquella nnaotia era preXarivel a de rece-
bar os emolumentos qne podiam importar em
maior ou menor quantia conforme o maior ou me-
nor servigo que houvesse na secretaria, ecnform>
fosse maior oa menor a receila ai recadada.
Um Sr. Dbputado : E p cebiam de umi ver
O S. J. Correa de Araujo :Assim pois, a con-
misso da orgamenlo tendo por base o clenlo
apresentado enlo, uoarcou im vencimentos que de-
viam ficar percebendo os empregados da secreta-
ria do governo.
Tendo em vista o acrescimo de servigo, alten-
aendo mesmo a que depoi: que a arrecadago des-
ses emolumentos passou a ser feita pela thesoura-
ria proviocial, maior somina foi arrecadada, e isto
coraprehende-sa perfeitamente ; j ama vea tive
oecasio de dizer ao meu nobre collega particu-
larmente, que quando a arrecadago ora faila pela
secretaria os seus empregados erara oDrigados a
perder graude parle dos emolumentos, porque nao
exigiam de ura ou outro amigo qne pagasse aqoil-
lo a que tinham direito ; muilas vezes de L -a
volade eu ranuneiava a miaba parte, mnitas ve-
zas eu pagava a secretara a quanlia devida para
nao exigir de un amigo ama redicalaria, e a se-
cretaria, devo dizel-o, sempre qae jalgava que en
era quem pagava os emolumealos recasava recbe-
los ; esta a ver Jade.
A arrecadago passando a ser faila na thesou-
raria provincial renden muito mais do que renda
quando feila pela secretaria da presidencia.
Em atteogo a estas consideragoes foi que, sem
duvida aluma o Sr. eonseihero presidente da
provincia reformando o regu amento da secretaria
alurou a tabella fixada na lei do orgamanto de
1870, elevando os venc memos dos empregados, e
esta alterago actualmente feia dave compensar
sufflcientemente os meamos empregados da perda
que elles solTreram.
Anda enmpre-nos altender a qae a elevaco fei-
ta uliimaraente, quer nos vencimentos quer no
pessoal da secretaria, faz com qne a despeza qne
emo era de cincoenta e dous a cincuenta tres
contos seja elevada a setenta e lanos cornos.
No exercicio passado a despesa foi de........
oi:3if O, hoje de 72:300*000 sem o acresci-
mo que a illusira commisso de legislago pro-
pde, acrescimo com que lera de sabir esta verba
a muito mais.
Ora, se a provincia de Pernamboco eslivesse em
estado floancelro tao lisongeiro qne podesse pagar
muito bem a todos os sena empregados. en decla-
ro qne de muito boa vontade votara pelo augmen-
to proposto, porque nao lenbo o*flrme empenho e
proposito do diminuir os vencimeotos dos empre-
gados, desejo antes que ellas sejam muilobemie-
tribuidos.
Mas, Sr. presidenta, quando a provincia lula
cora multas difflcnldades para salisfazer as sua
necessidades mais urgentes qae nos hatelos da
aug Dentar os vencimentos dos empregados da se-
cretaria do governo, que 1870 tiveram unx aug-
mento de vencimentos, qae em 12 do mez de feve-
reiro do corrente anno tiveram nm novo angosea-
to de venciment s ?
Parece qae muito augmentar.
Um Sr. Dbputado : E' um nunca acabar.
Outro Sr. Deputado :J sao bem pagos.
0 Sr. J. Correa de Araujo : Por atas con-
sideraedes, Sr. presidente, emendando qne o acto
de S. Exc. elevaodo os vencimentos des emprega-
dos justificado pela razio prineipal de que os
emolumentos arrecadados na thasoararia provin
cial prodnsiram muito mais do que produziam on-
tr'ora quando arrecadados oa secretaria di pre-
sideocia, o que se expliea muito bem pelas raides
qne dei, voto pelo projecto quando approva o
mesmo acto ; como porm a mesma justifleaga >
nao pode ter o acrescimo qae agora propde a com-
misso apresenlei >a emenda snppreesiva doaae
accrescimo e somenla deixarei de dar-lha o meu
voto se o nobre depntado me coa-vanear qne o
motivo a qne alinde o parecer proeemte, oao
obstante as consideracSes qae acabo de faxer.
0 SR. J. MELLO REG responde ao procedeate
orador oppondo-se s emendas.
O.SR. J. CORREIA DE ARAUJO: -S/. prn-
denle, volto aiada a tribuna para respou:ar aos
argumentos opposlos a emenda por mito apreaeo-
tada^o prejecto ora em discauao.
Eu disse Sr. presdeme qoo enlenlia que oem-
pregados da secretaria dogovwno eiiavam 1
pagos com os vencimentM que Ibes da a laassla
que balxoa com o agio da. presidencia da II w a-
.

';

I IllRIu


1m&**a<* '- bhal#%y Maio d 1872

?eceire do carele n; o nobre diputada, p- ffia^IJijni #jMf ft' jM^1!^''; 4o decretada efe* de orar notare epatado par chegar ao Hra a qae se pro-
ui alo consigui aem conseguir provar as pre-
posi$5es qne avAncua.
Ea disse, Sr. preaJdeole, ene a despm con os
empregados da secretaria da presidencia ji era
h'le batante clavada.
Km 1866 ga laa>ee cota o* empregaee da se-
cretaria da presienada SO:160^090, hoja Mis an
nos depois, ji s fasta setenta e dous cootos de
ris, e o aobre depatado alada aeha pooco I
Ua Sa. DWTAtift : B m empregaloe tiveram
melboramaito I
rea, propuse a demonstrar que os teneiment -a calmar dm empregaFa ajee se aoearre|issa Je
fuad i fffalfatolla n.\a c impaasatam o .prcjui-. &e/l a t.rabilhjoi jnaio a |i provenido eatti, ee^
soque ajtaaj.aaiTreram doiiando de perceber o* por um .ndmdao de Tora en riu-naalo timan,
emolonsftjoi, qe boje fazem parta da receha pro- prtgada dV secretaria. O nbr depilado, apem
vineial. de* ser nombro da eoattisslo aue dea clarecer
Eatrelenlo.eer raais estorbos qna eroprpgasse o approvaud) a rea;nlameato de 1S de fevereiro do
------.
Mat
lado aeha pooco ; nao est aalisteito, quer dar
aaisl
O Sa. Gi'smao Lobo : Vejamos isto em maio
scalo a qoanto pode montar.
O 8a J. CuaaiiA dk Aaujo :-Btn 4869, qutti-
de ea emolumentos da secretaria fazlam parle dos
-veneimentos dos empregado<, aastava-se oom a
secretaria da presidencia : O Sa. fthfcLO Rkgo ; Nai ieso qaa coaita.
O Sil J. Corra m: Araujo : E-ta ao rea-
tenlo, tenho-o aqai. o nobre depalada pode
v lo.
Coas a tabella e,ue em 1870 organiioaesta as-
senables o< ven imeotoi desses empregados forana
aliTaa a 8O:0Ot.*(XK>.
O 8a. Vieira de Mello : Jautamente o ajue-
ra dina; SO Qfi.
O Sa. J Coflwtv de abaujo : Cora a tabella ni-
tirnameaie dada cora o acto de II de fevereiro
deste anno e eom augmen:o do oessoal da secre
tarta Oca a depen elevada a 72:090*.
a S*. DafTABl: Para o a nao cheg a mais
O Sa. 1. Correa de Araujo : liada ha de
haver quera acbe pooco I
Agora, disse o nobre depntalo ea qae eon-
corri para que os emolumentos fltessem parte da
receita provincial e deir,as*em de coostituir ven-
cimeoto dos e apresados da secretaria, desejo loo-
correr tambem para qae seja reparada a ioju--
ca oa o prejalto qae elles ioffrem com a falta da
pereepcio desses emolaraentos. Mas o nobre de-
pattdo, e para isto chamo a saa aten;ao, pjrqoe
correle auno eaganou se a ene respeito.
0 argo l. da rfalimento dit ajafca;
f alera da era proejad os aMKtoaavrbaver
portelro coa calnworia e veoeiajnnWs de
mairo ofllwil, mn oficial <#r. fabintto, qae se
sera jjtulo, ires conuauo* dous eeteotes e
1 a* tabella annexa mareaje a ordenado *?..
t:UXKKiO r*.
Slt. SosMAo Loae : Veja o nobre de pitado
qaa alo ha de ser ordenado.
O f. TawNTisa dk CAnmm :Griiiteaeio
'B
qies.
*atita> ii enaoJts 'offencilM em 3* a)
prijacta-R. Jt de ^versas igros.-bVata appravadas.
(JJhWiainjo a V discassio do orcament? pro-
Tioeiilforartl approvalos: a nenia empanda na
sessia anterior ao arL 9\ oa arts. 10, 11, ti, 13,
adiado por i ora a iicoatao
O Sr. J. Co>Ar4a Dtf AHAioe : O obre depa- ?Sr. Gusitb tono:Ja ve qae nu am ?m
oatro lea a regalamen'o.
O Sr. Tolbnttoo dr Cabvalho :^w am simplei eqaivaep; e quanlo nao tjwsae 144*
regulamonto, essa (alia, nao pode ser a mira im -
patada da taata giavldade, como ao nebro rfepnta-
do, qaa merabro da coramis j qaa deo o pa
racer.
O Sr Mello Reg :Veja em oatro artigo qu-
ha de a-.'hir a dispoaicio a qae roe refer.
O Sr. IrLBcrmo de Carvrlho :Sim senhar; o
artigo 40 dia qae am dos em pregados da saoreu-
ra p.ider servir ae o(0:il de gabinete, eom a
gratificado raea-al de 100*000 rs. IsU que tic
ad Hbltum do presidente da provincia, sendo en
irelanto par aolar q sr mata ("aeil 4af-
2:100*000 a am individuo estrinbo pan exarce
o cargo, d > que ser chamad j am empreaalo da
secretaria.
Procararei agora justificar a miaha eroen la.
Achb dsnecessario o logu de ofBcial de gah
neta, Sr. preaid&Qta, pelas seguiniea razoes.
A secretaria do gaverno h je coasta de am pas-
soal muilo grande ; o nobre deputado ..be perfei
lamente qae andam por trinia e tantos os e a pro
gadis d'aquella reprtelo; o expediente qua corre
a cargo do oQJcial da gabinete quasi oenbam. e
para esse ser vico pequeo a muitas vezes qui-i
oenhara qualqaer empregado da secretaria sitar
apto.
O Sr. Mello Hsoo: Jsso o qae o nobre de-
pulado olio pode alarmar. .
OSr. Tolejitino drCarvaiho:Posso aCBrmar
ja disse qae havia de declarar-se satisfeito, mas- desde qae at hoje nao Hra havidj oQhul de ga-
o nobre deputado bera ole ver que em 1869 o
emolumentos da secretaria da presidencia, segao
do consta do relatorio do Sr. Conde de Baepeody
nao ebegaram a JO:000*OJO, as fontes de rcce.t
d> emjlamentos da secretaria sao ho;e es mes-
mas que eram onir'ora, t po3so ifflrmar ao no
bre epatado qae boje esses emolumentos se
achara redondos, e islo porqae outr'ora quem
quera ir para a Earepa era obrigado a ir a se-
cretaria da presidencia tirar ara passaporte, e por
elle tibha a secre:aria O* de emilumenios.
O Sr. Mello Reg : Havia ssj no sea lam-
po ?
O Sr. J. Coanv ds \raujo :Em 1867 e 1868;
em 1859 comee m a diminoicao, porque o gover-
no geral dispensoa os passaporte, e que o quer
-ir para a Earopa, se qaer pede a polica um
passaporte, qae Ib-a casta cinco mil ris, nao tem
oecessidade do passaparte da presencia, me ou
Ir'ora era indispensavel. Os eraolaraenlos o os
mesmos, podendo ser qae n> anao em que se faca
, am contrato ma3 impcrlaote se tornem mai-;
avultados ; mas querer o oobre Imputado regular-
se pelos annos em qae mais rend^ram esses emo
Inatentos para a^sira angmenUr os veac.m-n'o-
dos empregalo?, sem attender a que esse^ emolu-
mentos s3o Inserto, ora rendsm mais oa menos,
dizer o a.bre depatalo que hfija randera triota
contos os emola lientos e por iaso os empregado-"
sao prejudicado, o que nao se pode admiitir.
(0 Sr Mkli.o Rtgi d um aparte.)
O Sr. i. Correa de Araujo : Mas para o no-
bre deputadj ver qae aiada mesnno com (s ven-
c melos da tabella de 11 de fevereiro os empre-
gadas soffrem prejaizo, basta attendsr ao ffgain-
te: admitta o nobre depatado que os emola mea-
tos fazem aiads parte dos veocimentos dos empre
iri-", criou-se mais ama seceo c-m o Harnero
1 2', essjs emolamentos tinhim de ser repartidos,
cir lodos nao se ia angmentir o< emolamentos por
t?r-se creado mais ama seccao, iam esse? emola-
-ntos ser divididos por f.dos os empregado, e
e^sa divisio Ihes trazia maior prejuizo ; anda di-
a 0 nobre depatalo qae ha prejaizo para os em-
:*eados ? Anda querer reparar a'g.oa injus-
: ^a ?
OSr. Mello Reg :Devia augmentar-selbe os
venciraentos.
O Sr. J. Corueia de Araud : Augmentar os
venriraentos, diz anda o nobre depatado.
O nobre depatado pode pedir secretaria que
be certifique no anno de:orrido de 30 de agosto
-de 1868 a 30 de agosto de 1869, lempo qua servi
:omo secretario, qaaoto teve o secretario de emo-
amentbs e ver qie nenhurn prejaizo elle soffre,
Dera como os demals empregados.
O Sr. Mello Reg : Aceito as suas informa-
COJS.
OSr Crrela de Armjo :Posso aseverar
?.'. nobre deputa lo qae nio percebi tanto qaQto
percebe hoje o secretario.
O Sr. Mello Reg :Tinha outr'jra cinco con-
toi e duzentos, agir com a tabella de 12 de fe-
vereiro n5o posso saber quaaio percebe.
(Trocara-e apartes.)
Outro Sr Depotado]:Nao eleviu.
O Sr. J. Correa de Abacio : Pois ento tem
'.inco contos e dazentos, ires contos e dazentos
peta tbesoiraria provincial e dois contos pela ge-
ral.
Ua Sr. Deputado :De mrdo qae a provincia
paga mas do que o Estado I
O Sa. J. Correa de Araujo : Mais do que o
governo geral qae o nima.
OSr. Cuhha e FiGOBtREDo:Tem maior con-
rraa do que um bispo.
O Sr. J. Correa de Araujo :Por todo3 estes
motivos eu insislo em votar pela emenda ; as ra-
:oes apresentadas pelo nobre depatado nao me
desviaran) do proposito em qae eslava quando a
offereei.
O ?r. Mello Reg :Ea previ isto.
O Sr J. Correa de Araujo : 0 nobre deputa-
do nio provou por forma alguma que boavesse
prejuixo, porqae para i -bre depatado tivesse informa cao cfncial aeerca da
receita arreealada no ultimo anno, era preciso
que o nobre deputado tivesse feilo a divisJo pelos
tppregados actualmente existentes, do contrario
nio poda provar esje prejaizo, essa injastica qne
deseja reparar.
(Trocam se apartes.)
O Su. J. Correa be /raujd :Para isso que
ea nio con corro, son am'go de qaa si lodos os da
secretaria da presidencia ; recebi de todos muitas
provas de dedieaci, muitas attencSes devidas j-
menle generosidade e cavaih'irismo que os dis-
: ngae, o que confesso, esta va longe de merecer.
(Wio apoiados).
Da Sr. Dbputado : -E ao raerecineoto e qaa-
'idades do nobre depatado.
O Sn Correa ds Araujo : Nao devo eon-
correr para qne el,'es sejam prejadicados deter-
miaaodo-ae que 03 emolamentos vis ser arreea-
dadee palo aecretario para -fazer parte dos teas
veneimentos.
bnete ni secretaria.
I'a Sr. Deputado :Tem havido.
O Sr T. db Carvalho :IIouve um pir eapa;<>
de quinzt ha vinte das ; entraiaoto que ha mai
de dous mezes qaa est vago o lugar e nio hoave
anda neces-idale de ser preenchido.
Um Sr. Deputado : No lempo do Sr. Bae-
pendy bouve.
O Sr. T. de Carvalho :Nao era empregado
creado [or lei.
Um Sr. Deputado:Fui um de enommenda.
(Troca m-se apartes.)
O Sr. T. dk Carvalho : Por conseguido ded<;
qae h uve oecessidade da um empregido que ex
erca essa< fuac.des, qae alias nao sao proscriptas
00 regul:.ment, desse empregado qieo pre-i leo-
te tem juato a si para laucar ddspich >....
Um Sr. Deputado:' um auxiliar.
O Sr. T. db Carvalho :... essa auxiliar e-tua
ni secretaria.
Pois, st nhores, o presidente nio pode entre tri-
la e tantos empregados da secretaria achar um de
saa cooliaaca qae sirva para junto asi lanear de<
pachos ?
Um Sr Deputado : O offlcial de gabinete nio
para lanzar despachos.
O Sb. T. db Cabvalho : O presidente em o
sea relatorio, creio que disse que o offl :ial de ga-
binete era para estar a sea lado, lanear despachos
e oceupar-se em oatros pequeos sarvicoa.
Por couseguinte, acho o lugar desoecessario em
vista do que acabo de expender, e f por isso que
aprsenle! a eme-ala. A asserabia decidir como
entender.
Encerrada a .iiseassio
com as emaodts.
Ten lo dado ahora o
ordem do dia e Idvaata a
approvado o pn jecto
Sr. presidente designa o
seo.
REVISTA DJARA.
ASSEUBL3A PROVN 'JAL-Soalera presents
28 ssnhores depulalos abrio-.-e a sesso.
O Sr. 1 secretario leu a seguate expediente:
Oicios ;
Do secretario do governo, remetiendo o reque-
rimento om original da mesa regidora da ir-
mandade de Nosta Seobora do Rosario de-ta ci
dade, pedindo a entrega da qaantia de 1:000*,
xincelida pela lei do orcamento de 1870 a 1871
para as obras da mesma igreja, aflm de que seja
marcado o necessario crdito'. A' cemmissi 1 de
orcamento provincial.
Do mesmo, remetteuto ama postura confeccx-
nada pela cmara municipal dacidideda Victoria.
adra de_ ser approvada por esta assembia.A'
commisso de negocios municipaes.
Do mesmo, remtlltendo a relaco dos a'umnos
ioterao?, pensionistas da proviacia a qual, para
ler e-te d-sstiao foi remelila pelo inspector da the-
souraria provincial.A' qaem fez a reqaisicl?.
Peticio :
Do Do "lo.t.> Cesino Vitela dos Santos, pedindo a
consignacio da qaota de 600*000 aSm de que
possa ella continuar nos seas estados.A' com-
misso de orcamento provincial.
Pareceres :
A commisso d faseada e orcamento a qaem
foi presente o re jaeriment de Jos Maria Ferrei-
r Braga, pedlado o pagamento da qaantia de
99^200 proveniente de alimeatos foraecidos aos
presos pobres da cadeia de Barreiros, importancia
esta que deixoa de receber, por ler eahido em
exercicio ndo ; altehlendo que j se aeha o sup
plisante contemplado pela referida quaolia no qua-
dro da divida de exercic:03 flndos, organisada e
remettida a esla assembla pela Ihe30uraria pro-
vincial, de parecer qae nao ha qae deferir.
Sala das concmisses, 3 de maio de 1872.Mar-
quts -i Silva.OHveira Fonceca.Joaquim Cor-
rea de Araujo E' approvado.
A comm's-o de faz-nda e orcamento para dar
parecer acerca da petigao em que Raymundo da
Silva Maia, thsoureiro da repartijio das obrar
publicas, pede qae e-ta assembla autorise o pa-
gamento da qaantia de 221^800 a que tem direito
por diversos saldos verificados em suas contas
prestadas Da thesouraria provincial, requer que
seja oavidajesla reparticie.
Sala das cornmissres i de maio de 1872. Mar-
qttes da Silva.Qtioeira Fonceca.Joaquim Cor-
rea de Araujo.E' approvado.
A commisso de fazenda e ornamento a quem
-rojeto n. 32 leste anno, fl-
eiai aara o falaro xarcicio.
a 'tata dual vates, fleando a dii-
aaaam
naa loje 4'-: rontlonacio da
discasoaa do projoeto n. 69 e 3' do de
asno.
foi preieate o reqaerimeuto dePareira Costa 4 C... jog, Manoel Jo Dantas Jnior," Manoel Joaanim
n aobre depatado atienda a esta cooideraeao,
3ne de to la' a mais importante : a arrecadacao
os emolumentos por parte da thesenraria aog-
menta es veneimentos dios empregados; o qua se
fez foi um beneficio mailo sensivel, princlpalmante
qaando se trata da aposenta loria desses empre-
gados. Elles quo ontr'ora se aposentavam com
meaqoinhos ordeaados, boje se apoaentam eom
veneimentos, qne Ihes podem assegurar a subsis-
tencia. (Apoiados.)
E* un grande beneficio, ama vantagem ex-
iraordioaria.
Alm disso, a arrecada^ao do3 emolumentos por
eaaM, aeievero ao nebre deputado, nao rende lan-
o qoanto rende sendo fcita pela tbeeoaram pro-
vincia'.
O Sa. Mello Reqo:Isso nao razio.
O Sa. J. Correa de Araujo : Deve-se ver 0
que eJIei percebiaa e nio 0 que deviam perceber
para eonbeser-ae e ha ou nao prejaizo.
O Sb. Mello Rboo :No calculo para venci-
roeatos nao ae podem levar em coala as generosi
dae.
O Sa. J. Correa de Abacio :Ea voa concluir;
voto pela emenda, a voto muilo eoocieaeiotamen-
le ; esioo eerto de que es empregados da secre-
tara preerem os veoeimeolos actuaos aos que
poderiam ter eem a arrreadacio de emolamentoi.
O SR. TOLENTINO DE CARVALHO. Tenho
neeeasidade de justificar t emenda que mandei ao
projeeto ; antes de dar as razdee em qae me fan
*'.9*1* #re*aaula devo responder a ama par
te do dlsearso do aobre deputado, signatario do
prefecto, e qae i aeguiote :
iuilifleando dio 11 .oecessidade qaa ba de um
aal da gabinete, ditas qae nao era um lugar
OtM ^ma dalla irilava a reforma da secretaria
I*Hwa, ros lim om ipjar qae fleavj ai ubi-
lia
doad
xanlCa
Oro
cussid
AoMB
rraa
SANA CASA DK MTSERl(RDIA.-Por porta-
na da presidencia da provincia, do i.* do corrente,
foram momeados para a junta .administrativa da
Sania Casa de Misericordia to Recife no bienio de
1871 a 1874:
Provedor.
Dr. Manoel Cieuieulmo Carueiro da Cuuha.
Vice-Prvvedor.
Bario do Lrvramento.
Tltesoureiro.
Laureutino Jrjs de MirauJa.
Mora irnos.
Dr. Aatartio Maria de Farsas Neves.
Dt. Aritonid da Assnmpcao Cabral.
CoiniBeuilador AiUoaio Jos Gomes do Correio.
ntonie Jos Silva do Brazil.
.(^itdtdo Gaasimiro Giiedee Alcoforado.
Francisco de Paula Goncalvcs da Silva.
Di1. Job Cspistrano Bartdeira de Mello Filho.
Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa;
Commendador Joao da Cunta Magalhaes.
Manoel Jos dos Sanios.
Mflnnel Alves Barbosa.
Dr. Manoel de Figueira Paria.
Miguel Arcaujo Miadallu.
Dr. Rullao Augusto d'Almeida.
Tlfcodoro Machado Freir Peroira da Silva.*
Thomaz Carnoire da Cunha.
SuBplentes.
Jos Franoisco^de 9a Leito.
Tbomaz Fernades d 1 Cunha.
Dr. Alexaudre do Souza Pereira do Carmo.
Padra Lino do Monte Carmello Luna.
Antonio Pires Ferreira
I.uiz l'ereira de Faria0.
Tiburcio Valeriano Baptista.
Domingos- J s da Costa.
Francisco Antonio dt Rosa.
Jos Rodrigues de Souza.
I.uiz da Costil Porlo-Carrelro.
Jos Camello do Reg Barros.
Liban Candido R beir .
Antonio Domingos Pinto.
!>r. Gabriel Soaris Raposo da Cmara.
Gonealo Jos Affonso.
INSTITUTO HISTRICO EPHILOSOPHICO PER-
NAMBUCANO.Enva-nos o soganle:
1 Ante-bootem, reaaio se esta soeiadade em ses-
sao ordinaria, sob a presidencia do Sr. Bandeira
de Mello.
Fui lida a acta da sesso anterior, qa depois de
ser discutida ytlos Sr. F. B>rges, Codeceira a
Bondeira de Mello, foi approvada em as modifica-
c5?s apreseotadas.
T moa asaenio como sooio effeclivo, oSr. Isaas
Gaedes de Mallo, qae foi felicitado pelo adjunto do
orador, a caja felieiticao agradeceo.
Urna propsta para socio honorario, o Exm. r
e Rvm Sr. conego Joio Chrysoatomo de Paiva
Torre?, assigoadi pelo Sr. Beller phoute. Ap-
provada.
< Urna propola para socio effeslivo, o Sr. Joa-
qaim Pereira de Mello Moraes, assignada pelo Sr.
zalas Suedes de Mello -R-raetlida a commisaao
de syn cancia, deu logo o seu parecer, que foi
approvado.
Diversas theses aposentadas pelos Srs. Bin-
deira de Mello, P. Borg^s e Codeceira.Remani-
das a comrai-sio de redacci.
Rotrando-'e na ordem do dia, foi lido a parecer
sobre o relatorio do i.' secretario, qae sendo sub
mettila a eoasideracio da casa, foi approvado.
< Em seguida o Sr. C>deceira, obtendo a pala-
vra, estille a foa opiniio sobre a seguiaie ihe-e,
posto que nio fose o proponenie della Qnal o
verdadeiro fondimenlo da propriedade ? leudo ain
da de na sessio viodonra ser discutida pelos res
pectivos defeodentes sorteados.
f Nada haveodo mais a tratar, foi sorteada ama
outra 'hese, apreseotada pelo Sr. F. Borges.O
eolio externo neeessario a otmgaiorio 1 De'e
ser a tradocio do coito intern ? Ser sufBsiente
qae >eja particular, ou raister que seja tambera
publico ? Foram igualmente sorteados para de-
feodentes es Srs. Ballerophonte, Joao Gualberto e
Co-ia Cirne, devendo aa prxima sessio o propo-
aenta a presentar a sua opima 1 ucaodo para ordem
lo dia da sessio ordinaria a dis:ussio do rei-
raeoco interno, a discus-io do parecer sobre a do
culto externo.
PAGADORIADV THESOURARIA DE FAZEN-
DA. Pagam-si h> j as seguimos fofha-: ju'zi do
feitos, alfandega, culto publico, e aposeotdos. O?
fanecionari s comprehendidos oaqaellas foi has, qop
nao comparecerem serio pagos depois do sexto
dia til do dito me em diante.
SESSAOJUDI-XIRIA DO JUUY.-No sabbado
altimo foi iostallada a aetnal sessio do Jury desta
capital, convocada pelo Sr. Dr. juiz de Jireito Ma-
noel Tertuliano Thomaz Heariques, escrivao o Sr.
capitao Florencio Franco visto que realisou se a
presenca de numero legal de jurados, sendo em
seguida eommunicado ao Exm. conselbeiro pre-i-
denle da^elaco, alim de fazer a designacao dos
Srs. desembargados qae tem de presidir aos jol-
gametos na forma da nova leg'slacao.
Na segnnda-faira nao funecionon o jury por
falla de eompareeimento do juiz designado, o Exm.
desembargador Souza Leao, fondado em incommo
do de sade.
^ Na ler^i-feir presente o Exm. desembargador
Caelano Sintiago, a quem cabla a presidencia da
sesso, nio reanio-se nuaiero legal de jaizes de
facto.
Na quarta faira funecionou o tribunal sob a
presidencia do Exm. desembarga Jor Almeida de
A buquerque, lando entrado em julgameoto Ed-
mundo da Sani'Anna, pronunciado as penas do
ari. 237 do coligo criminal, combinado com o de-
creto de 13 de outubro de 1837, visto ter furtado
ama escrava da casa do corrator Amaral.
O conselho de senteasa compoz-se dos Srs. Joa-
quim Vaz da Siqueira, Dr. Alvaro Camioha da S I-
va, Francisco Martin-; Raposo, Joio Manoel de Cas-
tro, Antonio AugusuFarreira Lima, Antonio Jgna-
eio do Reg MeJeiros, Antonio Jo Ribairo de
Moraes, Antonio da Rocha Accioli Los, Dr, Anto-
nio Witruvio Pinto Bandeira Accicli de Vascooce
aes (los acns tocar a banda de masea de l*ta
'hii fie artiiharia da goarda nacional.
bTHE'UO.-O apor Ge^ti trooM r :
JoTQira Jos G inc .Ivs Bdlfio, 7.60310
liz Antonio Sequeira. 4:836*470
Silverio 4 Irmio. l:JO0*000
Alfredo 4 C. l:li7*000
Alheiro, Oliveira i- & 1:0004000
Sympbrono C. Paos PArralo. 800*003
Joa Rodrianes de S ma, 800|Q00
Betnardo da Cerqueira C. Moalelro. 200*000
Joo Joaajtm Alves. 160*000
FREGOBIK DO? AFOGAD0S.-Deve reaorr-se
ae terceiro domioiro do corrala mei (19) o coaae
Ibo de avaltficacan dt paebja ios Afogados, ao
consistorio da respectiva raalrii, aflm da dar prin
cipi) aoa asas trabalboo.
REVISTA MEN15AL DB INSTWJCCAO PUBLI-
CA DB PERN.AMBUCO.Poi poblieado o quarto
numero dessa Revista. E' om trabalho de inte-
resse publico a pernllar nio so para al qaa das!
jam estelar a sabir o estado a proaresso da ini-
truccio primaria, oecandaria e superior existente
oesia a es nutras provincias do imperio a mesmo
de algans paizes civilisados, como tambera para os
que exorcem o maiiistero ou tem a elle pretenedes,
loman Jo-se por isio recomraradavel a sua aequi
sicao, tendo-sa priiicipaloMota em vista a modici-
dade do preco:
Asignatura annui. 6*00)
t semertral 3*300
1 tres meies. 2*000
Nmeros avalsoi. 1*009
As a-signaturas serio aceitas no escriplorio da
redac^Io na ra do Jmperador n. 13, primeiro an
dar.
Os nmeros avnlsos serio encontrado? em qnal
3uer loia de livros de-ta cidade, e na loja de ma-
ama F.tlque, i rus do Crespn, i.
GEQU1.VCbegou hontem do Acarc e escal-
las o vapor brasileiro Gfquid, qae, depois de estar
rauitos dis enca'h.ido na barra de Acarac, pdie
aflnal safar-se sem damno, vallando ao nossu
porto.
Achava-s na cidade da Fortaleza o Exm. e
Rvm. Sr. D. Lino Daodato Rodrigues de Cirvalho,
b;spo eleito da diocese de S. Paulo. S. L'xc. veio
preparar documentos necessario: ceremonia de
sai sagracio.
Na Parabyba foi publicado o s- guite edital
sobre o novo pharul :
< Provincia da Parabyba, em 13 de abril de
1871Illm. e Exm. Sr.Tendo sido encarregado
pelo ministerio da marinha, de escolner na barra
do Cabedello nesta provincia, um ponto conveni
ente a collocacao do am pturol de 4' ordem diop-
trieo de laz flxa, s determinando ao meimo tempo
minhas inslruccdei, qua na escolha do referido
ponto atteodesse, como convm, aos iateresses de
navegacao, fecililade de execncio da obra e do
transporte de supprimsatos; dirigi-rae 11 do
corrente mez ao logar cima mencionado, e, de-
pois dos iudispensl res estados, escolhi, como o
mais apropriado, e talvez o nico, o lugar denomi-
nado fPonte do M. t:o>, I l|2 milha a E, pr-
ximamente da fortaleza do Cabsdello. Do ponto
escolhido para a eollocaclo do pbarol, marca se o
Cabo Brancc aos SO, e a Pona de Lucena aos
9 NO, rumos magnticos; obteado-se assim am
borisoate de laz superior 200, demorando a
pona do recife qae borda a costa, a onde se acba
a primeira boia, aos 10* NE magntico, na distan-
cia estimada de 3j4 de milha martima. A po-i-
co do pbarol pnjectado a segunle : Lalituie
-6"-S7,-30'f S. Loogituie -3i"-47' -43"
OE O que tenho a honra de communicar V.
Exc. cerno de mei rigoroso dever. Deus guar-
de a V. ExcIllm. e Exm. Sr. senador F.vd r.c
de Almeida e Alboqaerque, digno jresidenta da
provincia da Parahyba. Jos laria do Nascimen-
to Jumor, director da seejio bylrographica.
LOTERA.A que se aeha a venia a 3a, a
beneficio da matriz de Caraar, qual corre no
dia 11 do correte mez.
CASA DE DETESCO.-.M de maio de 1872 :
Exisliara (presos; 363, entraram 3, sabirara 3,
ax3tem 363.
A sabor : nacin tes 233, muiberes 9, estrangai-
ro3 48, e-cravos 48, escravas o, total 363.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 293.
%Movimeato da eorermsria do dia 2 de maio de
1872.
Tiveram baixa :
Serafina Barboza do- Santos (abees-u).
Francisco do Porto Uch (ulceras).
Manoel dos Aojos da Porciuncula (rheumatis-
mo).
Tavo alta :
Joaquina (escrave) de loifl Ribairo Pessca de
Lseerda.
PAS3AGEIROS. Viudos do Acara.- e escalas
no vapor fagina :
Minoel Caudilu Correa e 2 filho:, Joo Ja:iaiho
de Sampao, Jos de Carvalho Braoio, Adolpho
da Casta Silva, Luzia do Azevedo, Fausto Jos de
Freitas, Vicente Ferreira Italiano; Fraacisco Anto
nio Xifona, Flix Ferreira, Manoel Ferreira de
Araujo, Dr. Thomaz Gomes dos Santos, Dr. Alrai-
nio Alvares Alfonso e 1 sobriobo, Francisco Soares
de Mrelo e 1 criada, padre Soare da Macado,
Tranquilino da Silva Aolune-, sna seobora e 1 es-
crava, Joao A. Thamistocles Simonetli, Antonio
Tuemisloeles Simmetii, D-. Joio de Arroda Cma-
ra e 1 irmia, Dr. Antonio Pedro Ferreira Lima,
Eloy Castriciano de Souza, Tbomaz Antonio de
Mello, Jos Locas A ves e i filho, Joaqnim Gon-
cilves Chaves Filho, Joaqnim Ferreira Lastosa Li
ma, Nicols Pongi.ore, Vicente Pong tore, Bota
Fosso, Santino Rodrigues de Oliveira P^rto, 1 pra-
ca de polica, 1 pre:o e 3 escravos a entregar.
LONDON BRASILLAN BANK LLMIITED.
Capital do Banco 13,000 acepes
100.................... 13,333:333*330
Acces emittidas 13,000...... ll,oo:53o*350
Capital pago 4o por accio... 3,200:000*000
BALANQO DA CAX.A F UAL EM PBRNAMBUCO EM 30 DE
*DBIL DE 1872.
Adko.
Letras descontadas......... 1,068:631 *000
Crditos diversos, outros ban-
cos e csxas filia....... 1,171:261*570
Gatea;
Em moeda corrente......... 813:122*190
pedindo que se autorise o pagamento da quaotia
de 312*340 qae por ter eahido em exercici >
fiad o, deixou de ser feito a'H'rachio Coostntlno
de Paula lonteiro de qaem mostraram ser sac
cessoresrjauendendo qae os snpplicaates provarara)
eom eeriidioda thesouraria provincial sercredores
da referida quantia de 313*340 declarndose'na
mesma conidio que esta qnaot:a se aebava es-
criplurada no quadro da divida passiva, ao passo
qne do quadro remetlido a esta aisembla ;
consta acharem-se acredtalos os supplieantes
pela importancia de 26?*346, de parecer e re-
quar que sobre semelbante eqaivoeo seja ouvida
aquella repartico.
Sala das rommissdes 3 de rosio de 1871.Mar-
ques d Silva. Oliveira Fonceca.Joaquim Cor
ra de raujo.E' approvado.
O Sr. Ges Cavaleanu (pela ordem) pede que se
mande corriglr um engao dade na publicaca i
do orcamento mancipa', em virtnds de erro de
copia da secretaria.
O Sr. Vieirt de Mello (pela ordem) exibe o au-
tographo do discurso a respeito de coja poblics-
:io reclamoo na sessio anterior o Sr. Olympio
arques, donde se \i que os apartes a que se re-
ferio esse honrado depatado se acbam as notas
lachigraphicas, pareeendoHha que foram elles ef
fectivamente proferidos pelo Sr. deputado que re-
clamou.
O Sr. Olympio Marques (pela ordem) deelara
que nao foi autor dos apartes qe se Ihe at-
tribuem.
Ordem do dia.
t
Con inuanda a 2* diseassao do projejto n. 48
deste anno, qua d novos limites a freguezia de
Gamtlleira, foi a mesmo approvado.
2a djseussio do projeeto o. 40 des'e anao, man-
dando nue na apo-entadoria do inspeetor, conta-
dor a inesoure/ro da tbesouraria proviocial, aeja
incluilaa grafijaeio que pereebsm por mais ae
30 aanos de exercicio.
Foi adiado por 24 horas o requeriraento do Sr.
Mallo Reg.
2' diseossio do projeeto n. 44 deste anno, reda-
zindo a mil rii o imposto do dez mil ris por to-
nelada de alvareagas e canoas empregadas no ser-
vico do pono, creado pela lei n. 963.
M .chalo e J Alfredo de Carvalho.
A aecuiaso foi prolazida pelo Sr. Dr. Angelo
Henriquas da Silva, promotor pabllco Interino; e
a lef-z foi incumbida ao Sr. Dr. Emigdio Rodri-
gues Vianna. pelo Exm. desembargador presiden-
te, visto nio ler comparecido o advogado do reo;
e, em vista de urna e outra, e da ausencia comple-
ta da prova da existencia do erime attribaido ao
reo no processo Instaurado, foram respondidos os
qoisitos por unaoirmlade em sentido denegatorio,
e por conseguiote foi elle absolvido.
Na quinta-feira funecionon o tribunal sob a pre
siencia do Exm. desembargador Doria, sendo Jal-
gado por.esta psrempto o processo apresentado,
e no lual fra pronunciado por crime de furto Vi-
eeote Jo- da Costa, fundando-se o acto de S.
Exc. em ler sido o proeesso insiaarado ex-offl:o
qoaudo se nio dra prisio era flagrante, caso em
que poderia ter lugar a denuncia offlcial nma vez
que particular o crme, e por tanto compelir a
queisa ao offandido, a quem fio. salvo esse di-
reito.
Na sexte-feira funecionon o tribunal sob a'presi-
dencia do Exm. desembargador Domingaes da
Silva, entrando era jortgament) Pelicidade Pires da
Laz, pronunciada as penas do art. 208 do eod.go
criminal, por (arimentos feitos em Manoel Joio.
O eonselao de seolenca foi constituido pelos Srs.
Fraocellno A. de Hollanda Chacn, Joaquim Vaz
de Siqueira, Antonio Pires Ferreira, Antonio An-
gosto Ferreira Lima, Antonio da Rocha Accioli
Lms, Dr. Manoel de Siqaelra Cavaleant, Joaqaim
do Reg Rangel, Antonio Ignacio do Reg Medei-
ros, Manoel Jos Dantas Jnior, Joaqnim Goocal-
ves Pereira, Joio Antonio de Mallo e Jos Domm-
gos da Silva Peixolo.
Nio leudo a r advogado, foi a sua defaza trata-
di pelo Sr. Dr. Liiz Emygdf Rodrigues Vianna ;
e, em vista das reapostas dos quliltos, foi a mesma
absolvida.
FESTIVIDAD* RELIGIOSA.-Amaobia celebra
contraria do Seahor Bom Jeaas da Via Sacra, da
Rs........
3,033.034*760
Passivo.
Capital fornecido
matriz........
Depsitos:
Em conta cor-
rente......
Depsitos fixos
e por aviso.
pela ca xa
69 o: 406*700
67,.oHr.iO
Crditos divorsos, outros ban-
cos e caixas fiae;;........
Letras a pagar.............
R:s........
888:888*890
1,370:918*040
721:406*390
71:821*440
3,033:034*760
* S. E. 4 0.
Pernambuco, 3 de maio da 1872.
W. H. Billn,
Accooniant.
?UBLCACdES A PEDIDO.
Foi approvado am artigo substitutivo, raan-
daaloriituir aos c^uirlbaiaies 9/10 da imposj
igreja da Santa Cruz, a testa do sea Divino Pa-
droeito, orando ao E'angelho o Rvd. padre Ma-
noel Uoreira da Gama, a ao Te-Deum o Rvm. fre
Joio de Siau Thereza, acbando-se encarregado"
da orchestra o bem conbecido professor Colas, o
qaal fura execntiT ama das memores mlssas e i
noate o Te-Deum 09 fspirito Sioie. Antes e le- j
Eleipao
Jos juizes, escrives e mais devotos qae
bSo de festejar a Saossima Virgem Seo-
hora c"o Rosario, oa sua igreja do bairro
de Sto Antonio, no anno de 1871 a
I87,
Juzei protectores.
Os Ulnas. Sr^.
Exm. Bario de Santa Crnz.
Joio Quinao de Agu lar.
Beroardo Pereira de Castro Monteiro.
Pedro Celestino da Costa Maia.
Paulo Jo- Gimes.
Jo Peres da Cruz.
Major Jastino Pereira de Faria?.
JuizaH Protectoras.
As Exmas. Sras.:
D. Leonor, esposa do Illa. Sr. Antonio Aagasto
dos Santos Porto.
A esposa do Exm. Sr. brigideiro Joaqaim Bernar-
do de Figuciredo.
D. Mirla Roza Pinto Ooncalves, espesa do Illm. Sr.
Joio Gonealves Heipsnbol.
D. Roza, esposa do Illm. Sr. Jos da Costa Bispo.
A esposa do Illm. Sr. Viriato de Senteio Lopes.
D. Maria Augusta, filha d,' Illm. Sr. Antonio .Joa-
quim Ferreira la Carvalho1.
D. Felismina, Q'ba do Illa. Sr. Marcefljno de
Lima.
Jaizes pcreleicio.
Q l'ms. Srs. :
Dr. Joaquina fioocilves Aleixo.
Manoel Jos de Maltes. .
Amenio Maia da Driro. ^*J^H
Capitao Joao da Cuuha Sures Guimares, *
Domingos Gomes Brasileiro de Amorim.
Manoel Augusto de Mener.es Castro.
Jnisas por eleifio.
As Exmas. Sras. :
D. Mar.a Joaquina de Sant'Anna.
D. xana Senhorioha de Albaqoerqua.
D. l'.abel atarla de Vasconallos, esposa do Illm.
Sr. Antonio Joaqaim de Vzseeaeetlos.
D. Umbeliaa Mana do Sacramento.
A filha da irmao ex-juiz Jacob Joaqaim da Silva.
A esposado Illm. Sr. Joaqaim Amnelo da Lima.
Juizes por davocio.
Os I Ib. Srs. :
Raimundo Celestino de Barros.
Domingos Jorje de Oliveira.
Frnesto Hilario de Carvalho.
Antonio do Cont Vieira.
Francisco Teixeira Barboza.
Manoef Moreira da Silva.
Juizas por devoco
As Exmas. Sras.:
B. Delfloa Maria da Coocaicio.
D. Josapha Benedicta dos Santos.
A esposa do Illm. Sr. teneote Antonio Francisco de
Melle,
D. Anglica Mara de Jezus.
D. Bartolina, esposa do Illm. Sr. Manoel Benedicto
do Espirito-Santo.
D. Leonilia Amara de Sant'Anna.
Eserivies por elleicio.
Os Illm*. Srs. :
Antonio da Costa Maia.
Aristildes Daar'.e C. da Cunha Gama.
Antonio Joaquim Leile Bastos.
Joio Benedicto do Esoirito -Santo.
Nicaeio de Souza Magalhes.
Gaspar Amonio Jorge Bastos.
Escrivas por elleicao.
As Exmas. Sraa.:
D. Orteneia Maria Generosa dos Prazeres.
D. Ursulina Maria do Rozario. _
D. Domingas Maria da Conceicao.
A filha do Illm. Sr. Jos Luiz do Paraso.
D. Rota, esposa do Lira. Sr. Eafrosino OJilon da
Circampci-ao.
D. Umbelina, esposa do lilm. Sr. Claudiano Ante-
nio Jos de Mello
Escrives por devoco.
Os tilosa. Srs. :
Jos Simplicio de S E te ves.
Francolino Domingues de Mura.
Cosme Mariano Baptista da Silveira.
Miguel Zapher'no d'Aisumpcao.
Damiio Florentino Baptista ~da Silveira.
Candido Puschoal Leal.
Escrivas por devoco
As Exmas. Sras. :
D. Candida, fliha do Illm. Sr. Remigio Jos dos
Santos.
A esposa do Illm. Sr. B aventara Manoel do as
cimento.
A esposa do Illm. Sr. Jereoymo da Molla Monteiro.
A esposa do Illm. Sr. Landelino Teixeira Lina.
A esposa do Illm. Sr. lanceando Jos le Miranda.
A esposa do Illm. Sr. Lmo Jo- de Sanl'Ann*.
J.nz perpetuo.
O Illm. Sr. lente Manoel Antonio Viegas Jaoior.
Juiza perpetua.
A Exma. Sra. D. Senhorinba Emilia J >rge,
O conego-vigaro,
Antonio Marques de Cahtilha.
Sr. redictor. Tendo hontem lido no Jornal do
Rtcife, do Io do corrente, nma carta do Sr. Dr.
Jos Suriano de Souza, dirigida ao Rvd. padre Ne-
gri S. J., e na qual se avaoca a temeraria propo-
s cao da que no semiuario episcopal de Oiinda sa
ensina urna philosophia anticatholica, vejo-ma for-
jado na qualidade de reior daquelle estabeleci -
ment e lente da respectiva esdeira, protestar como
com effeito protest, contra to injasta como gra
toita insinuaco.
Nio men proposito entrar na questio doutra
naris, nem po- espirito de partido, nem por espe-
culado, limitme a observar ao publico que a
deutrina pbilosophica, ensiaada no seminano epis-
copal de Olinla, '.ula oscentii eminentemente
c*iholi:a.
A philosophia do Ilustre padre Antonio Rosmini
esta implcitamente approvada no Solemne Dimit-
tantur do Summo Pontifica Pi IX ; e segundo a
ebquente expressio de Santo Agostinho : Prfrus
lecutu est, ergo causa finita est.
Adoptada para o ensino do seminario por um
bispo, recoahecidaneote llu-trlo e piedoso; e
que pelo Espirito Santo tinha sido posto a reger a
diocese, todas as consciencias deverao flear firmes
e inabalaveis contra a gratuita e injusta proposi-
c.'i-o do Sr. Dt. Soriano tao temerariamente avn-
zala.
E digo temerariameale porqae esse s^nhor nun-
ca presenciou, nem observou o ensino pratico da
philosophia no seminario. Dado e nao cencedido,
que a philosopb'a de Rosmini contivesse alguns
erros, podiam estes ser corregidos no ensino pra
tico; e pois avancar i Umme, qae o ensino da
phtlosopbia dado no seminario anlicalholieo
com effeilo ama temeri Jada, que me abstenho de
qualificar.
Parece-me qae neste mea simples protesto oa>
me escapoa urna phrase ou trras, qae possa
provocar suscepiibidade pessoal, seja de quem
Or: ;e ooentanto contra minha inlenfio me es
capou essa phrase oa termo, eu a retiro e don por
nao dita.
Recife, 3 de maio de 1872.
Son 5r. Redactor.
Dr. Gregorio Lipparone.
8 Insigne rabequlsfa o *r. fliihl-
mann.
No dia primeiro do corrente tivemos o grande,
prazer de onvir e apreciar em ca-a do nosso dia-
tincto amigo oSr. Dr. Lobo Moscoso, o muilo insigne
rabeqaisla o Sr. Mublmann, talvez o raelhor artista
neste genero qae tem visitado esta cidade. O Sr.
Muhlmann rene aos dotes artsticos com que ana-
tnreza o mimosean generosamente urna fina e.lu-
cacio e maneiras summariamente delicadas qne o
tornam d goo de sr estimado por todos qae o
commooicam.
Para svaliar o mrito real do Sr. Muhlmann
basta dizer qae S. S. nao faz mysterio de sea sa-
ber, e toea nao as pe^as difflceis e importantes
de seu repertorio, como qualquer msica qne se
ISe aprsente, execntando-as com gosto, delicade-
za e mestria.
O Sr. Muhlmann tero de fazer sea beneficio no
dia 10 do andante no tbeairo de Santo-Antonio, e
aqnelles qae tiverem de o ouvir acbario que pon-
co dizemos a respeito do qae val o Sr. Muhl-
mann.
Metaes-sonersaos 4 I*l00.
R J Pint Pre;ideote.
LHiboaroaSaeraiario.
Dia demaMb
Assuear bruto ameneaao 2*400 por 15 kilos.
Ditodito dito baixo 2*100 por 15kilos.
Apollceda divida publica de 6 0,9 ao par.
Cambio sobre Londres a 90 div. 24 7|8 1. p r
1*000.
Fretede assnear daqai para o Canal 40| por 10-
neiaaa 3 OJO.
Ditoda dito daqni para Dtaware Braakmater e
orden* 3S| por tonelada a 5 0(0.
P. J. Pioto Presil nle.
E de Vaaconcellos,
Pelo secretario.
- Dial -
Aasucarde Mamanguaae tfOOO por 13 kilo*.
.Icodo de 1* sorte 776 a 783 rs. por kilo.
Algodio de Penedo sera inspeecia 715 rs. por
kilo.
k.fYMlio da Parahyba 1* sorte 779 rs. por kilo
posto a bordo a frete de 7|8 a. e 3 0|O.
bontem.
Cambio sjbre Londres 90 d|v. 24 3|4 d. por I *,
bonten.
Dito sobre dito a 90 d|V. 24 7,8 d., 24 3|4 e 24
o,8, boje.
Cambiosobra o Porto, pagaval am Loares a 90)
d|v. 25 d. por i*, hoje.
Deacon'ode letras 9 0,0 ao anno.
P. J. PintoPresidente.
DibnnreqSecretario.
-Da 3
Assnearmascavado purgado 2*600 por 13 kl#,
hontam.
Assnear bruto araaricano 24300 a 2*'i00 por
lo kilos, bomem.
AlgodioI" sorte 73 rs. por kilo.
Algodiode Mtcei I* tone 790 r*. par k) posto
a bordo a frete de 7|8 d. e 50|0, hontem.
Coarossalgados verdes 375 rs. por kilo, hoatem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 24 3t4 d. por
1*000, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|V. 24 3|4 d., a 14 J|8 d.
por 1* hoj.
Cambiosobre Lisboa a 90 d|v. 114 0(0 > premio
Descontde letras 9 0,0 ao anno.
Freie-de assnear da ni para Montevideo II rel-
ies fortes por banco, bontem.
Frete de assnear daqui para B aanos A y res 12
reales fortes por b neo, hoatem.
Fretede assnear daqui para o Rosarlo 14 reales
feries por banco, bontem.
P.J. Pinto,
Presidenta.
Dubooreq,
Secretario.
ALFANDEGA
Kendinunt do dia I a 2 ,
Idam do dia 3 .
110:870*740
39:363*720
!.>9.24.'i*!fO
Descarregam boje 4 de maio de 1872.
Patacho americanoilarit Kiro'i'tonvano ge
neroa.
Brigue ioglezilagialadem.
Barca oortugu zaSaphira dem.
Lugar inglezhkidrapdem,
Barca luglezaDolpkmdem.
Patacho mglaz-Jhim Hullidera.
Patacho austracoDiva S. carvo.
Barca portagueza Gratido -lagedo.
Escuna hollandeza Helena Anna farinoa Je
trigo.
Patacho americano -edawnf-fariBha de tr ;
CAPATAZIA DA
Reodimento do dia I a 2 .
dem do dia 2.....
ALFANDEGA
. N:i9ni.-;oK
. 711*200
Volnmes sabidos com farenda
dem ilem com gneros diversos
l:90V*7r
2",3
Somina
i,n
COMMEBCIO.
Segaros conlra-fego
COMPANHIA
NORTHERN.
pital........>,000:000*00(
s"undo da reserva .... S.OOOOOOOOC1
Agentes,
Vi'.h Lathan C.
Companha Phenix Pernam-
bacana.
Toma riscos martimos era mercadoriss, fretes,
dinheiro risco e Ocalmente de qualquer natu-
rtza, em vapores, navios a veila ou barcacas,
premios muilo mdicos: ra do Commercio nu-
mero 34.
SEGURO CONTRA FOGG
The Liverpool 4 London & Glob
Iasarance Company.
Agentes :
Saooders Brothers & G.
11Corpo Saoto11
FRACA DO RECJFB 30 DE ABRIL
DE 18; 2.
1S 3 1/S HORAS DA TAWOB.
Cotaeoes officiaes.
Assnearmascavado porgado 2*600 por 1$ kilos,
?.sjacarbruto americano 2*400 por 15 kilos.
Assnearamericano baixo 1*100 por 15 kilos.
Algodio1* sorte 769 rs. pofcilo.
Algodaode Penedo sem InepetcSo 715 a 728 rs.
por kilo.
Cambio cobre Londres a 90 div. 24 7|8 d. por
1*000.
Impa>rta$io.
Vapoi brazileiro Giqui, cinto do Acor.c 6
e escallas, manifest :
Algodao 28 uceas a Si Leitao 4t Irmio, 10 a
Oliveira Filhos & C, 58 a Rocha Leal & C, 139 a
Moura Rolira & C, 8 a Braga & Costa,
Barricas abatidas 80 volantes a ordem.
Caf 4 saceos a Keller C Calcado 1 caira a
Paulo Jo.- Rodrigues. Cauros seceos 111 a Oli-
veira Filos & C, 875 a Keller & C. 284 a Joio
Bautista de Oliveira, 58 a S Leito & Irmio.
Estopa 10 p>cas a Antonio. Francisco Pereira.
Pazenlas 3 caixas a Paradas Porto de C.
Massa de tomatas 2 calzas a Carlos Angoste
Lousana. Mercadorias diversas 4 eaizas a Nice'ao
Pongeton.
Qoe'b- I caixa a Gomes de Mattos & C.
Sola 859 raeios a Jos Lopes Dsvim, 250 a Mo-
raes it Irmo.
Taboas 2 amarrados a Nicolao Pongeton.
Despachos de exportafdo no da 2 i*
maio de 1872.
Para os portos do exterior.
No brigue hespaohol Fomento, para Liver-
pool, carregaram : Amorim Irmaos dt C. 424 sac-
cas com 37,477 kilos de alfolio.
No navio hespanhol Beluario, para Rarcel-
lena. carregon : J. J. Soncalves Beltrao 247 san-
cas eom 19,940 kilos de algodio.
Na barca portugu-za Maria Lniza, para
Lisboa, carregaram : E. R. Rabello A C. 74 sae-
cas com 5,795 kilos le a'godio.
Na barca portngueza Sjci'i, para o Porto,
carregaram : J. J. Goncalves Bdirito 49 aaccaa
com 4,186 kilos de algodao e 200 saceos cem
150,000 kilos de asncar branca.
No vapor ing'ez Jacintho, para Liverpool,
earregou : Estevio Jos da Molla 55 saeea* ato
4,950 kilos de algodio.
No navio hespaohol Oupi-ja, para o Rio da
Prala, carregon : J, J. Goncalves Beltrao 150 bu-
ricas eom 36,918 kilos de assnear braneo.
No patacho alleraio Joseph, para o Rk) da
Prata, earregaram : P. Carneiro & C. 400 bar.
ricas eom 15,080 kilos de assnear braneo.
No brigue norneguense Sbjon, para o Caaal,
carregaram : Rabe Schamettau a C. 700 s::eoa
eom 52,500 Altos de assuear mascavad\
No navio hezpaohol Despejado, para o Rio
da Prata, carregon : J. J. Goncalves Belirio 30
barricas com 51,520 kilos de assnear mascavado.
No patacho portagnez Destino, para L'sboa,
carregaram : F. R. Rabello a 634 couroe sec-
eos salgados eom 7,608 kilos.
Para os portos do interior.
No vapor inglez lurist, para Liverpool, car-
regaram : M. Lathan A C. 1 sacco cora I kilos de
assuear mascavado.
UKCEBEDOWA DEENDAS INTERNAS
GEIUES DE PERNAMBUCO.
lendimento do dia
dem do dia 3
1 a 2
6:335*807
1:430*116
7:165*923
CONSULADO PROVINCIAL.
Aendimento do dia 1 a 2
dem do dia 3 .
7:387*460
5:320*935
12:703*424
MOVIMENTO DO PORTO.
.Varios entrados no Ha 3.
Montevideo 26 dias, barca brasileira S,
Jos, de 297 toneladas, capillo F. V.
Coala, equipagem 14, carga carne e la-
relio ; Loyo d Filho.
Baltimore30 dias, patacho americano Re-
dwing, de 165 toneladas, capitao A. F.
Sooo, equipagem 8, carga 1,780 barricas
com farmlia de trigo ; a Pbipps tVotbars,
& C.
Rio de Janeiro 10 dias, patacho franca
eorgs dr Rosim, de 218 toneladas, ca-
pitao Semonot, equipagem 9, am lastro ;
Ti>et Frere.
Fio de Janeiro8 dias, polaca hespinbola
india, de 170 toneladas, capillo Jaso
Pl, equipagem 12, ea lastra; Pedr
M. Marty.
Glasgoo-73 dias, logar inglez Sarak Smith,
de 193 toneladas, capillo WlUiam Cock,


i
ak


"**"
-<<' iqp
H1JI >!
v -
i*i d PettiMnlme* Sabtado 4 d Maio da U72
3
-s
eqoipagaai 6, canga po Ivort ootw ge-
caroi; I tapaos 4r C.
aYearacfi e oortoe intermedios dfaa, >
por .brMimro C^m, d9 22 taoeaias,
coliman Jante Fraocelino Ravmoodo de
GSMBhMW&m 2Vf dHferen-
ti M6Mr4 aoartt^Taraambacana.
fcio Janeiro8 das, lagar rosso Sahnii,
de 2>i tonaMa, capitio G. Soderland,
miipagera O, *m rWtro ; 4 Rab* Sch-
u-atau A C.
Mielo diitffi no usno 'a.
LiverpoolVapor tagtez Jurist, omman-
diaU Wnlfam, earg assucar o argodao.
EffES
O Dr. Frineiseo de Assie de Qllveira Maciel, ca-
nlfem da ordeo> de Christo, jora de direito
privativo de orptos da eWade 4a Recife e seo
termo, por S A i nperial Regente, em oome de
a,.TL o Sr. D. Pe 1ro II Imperador do Brasil a
Faja Saber atos que o presente edital virem, que
aa> tena-a-do ari. t. 4o decreto o. 1693 de 16
de etembro de 1869, dentro de praso da 30 lias
mat da auaricacao deete, rcebera este juizo
praposlas por carias fechadas para a venda da
era'a parla de Done Mara, pert-ncente a to
va wieifa e fllhis e herdeiros do floado bacharel
Jo Filix. de Bntte M.celo, cuja venda foi re-
cuerda pelos i olereis ados.
E pira ) ie cliegua ao conhecimeoto de tolos
maale passar o presente qae ser afflxaio no
tajar i> costme e publicado pala impreasa.
D i> e passado nesia cidade do Recite aos det
da* do mez le abril de 1872, SI* da independen-
do Imperio do Brasil.
En, Jlo Tibnrcio da Silva Gaimarts, eserivlo
de orpMcs merino sobserev o e ass'gao.
R-cife, 10 de abril de 1871-6 eserivo de or-
phaia interino, loo rnibureto da Silva Gaima-
es.
Francisco de Assis Olivelra Maciel.
BECARACOES

Juizo dos feiDos da fa-
zeuda.
ESCRIVO BANDEIIIA.
S^rla feira 17 do torrente, depiis da audiencia
respectiva, s 11 horas do lia, Ir prac,a por
reala o A casa M roa Imperial n. 236, com 50 palmos
de frua 9 i" IdJ de fundo, 2 salas, 2 qaartos,
quinta! em aberto, oom cacimba, araliada em 300
para pigamento da execucao contra Manoel Jos
do? Santo?.
A casa terrea travesa do Carcereiro n. i, a
qnal lem 13 palmos de frente, 30 ditos de fondo,
2 salas, 2 quart >s, cojinoa fra, quintal murado,
avaliad em 600, para pagamento da execucao
contra J j-o Casado-Lima.
Id>m n. lo ra das Calcadas, com 33 palmo;
de frente, 28 ditos de fondo, 1 sala, 2 qnartinhos,
eozinh* f a, quinal mralo acamaba, avaliada
em 600) 'o, para pagamento da execucao contra
a irraauJ i le dos Mariyrios do Rosario.
I lem rna de loao Francisco n. 1, com 8 pat-
atos de fren!; e 36 le funio. 2 salas pequeas, 2
qaartos, avaliadi em 1503000, para pagamento da
execucao contra loo Pedro de Oliveira.
Mem n. 22 ialeira da Bica de S. Pedio, (em
Oiada) com 18 palmos de frente, 61 de fumo, 2
salas, 2 ]u?rtos, cosinha interna, quintal em aber-
to, afolia la em 3OOJ00O, para pagamento da exe-
cucao c ntra Praxades da Silva Gusmao,
dem n. 23 ao becco do Quabo, Ireguezia dos
baada* ciin 30 palmos de frente e zi ditos de
fundo, 2 sala?, 2 qjarlos, cozioha fra, quintal
em aberto, avaliada em .'iX00O, para pigaraento
da eiecucll coutra o teaente-coronel Manoel Joa-
qun! do Kego Aibuquerque.
Id ni ra "al n. 3, com 68 palmos de frente,
38 Jilos le fu le, 2 salas, 6 quartos, cozinha fra,
qainta! em aberto, avaliada em 1:(0D000, para
pagamentj da execucaa contra Constancio da Silva
Heve.
dem ao bajeo do Qjiabo n. 4, fregaezia do Po
(o da Paoella, com 19 palmos de frente e 40 ditos
de funio, 2 salas, 1 quart-, cozioha interna, em
em meo e*tado, avaliada em 30^000, para paga-
mento da exejucao contra Jos Gomes da Silva
Portilla.
BcK-ife 1 de margo de 1872.
O solicitador da fazenda provincial,
/. Frmlno Corren de Araujo.
Confualo francez
O- crelorai do fallecido subd to francez Achille
Angiade, >ai eonvididis a apresentarem-se neste
eoa'ula l-i, no d!a 8 do correnie as doas horas da
ta:de, para receberem segando os recursos do es-
poli i, > q'iantia qie coubr cada ura.
C'o :sa"aJ> de l'osugal.
Coovidao-se os celores do sablito portuguez
Jteaqa'0) de Azevtdo Cirdeal, a apreseotarem as
tu eor.tas n'este consulado para >erem verifica-
da- e p.gia.-igiinlo os recnrso3 do e-polio.
Pela thesourana proviocial se faz publico que
fo. trausf rila para o dia 16 do corrente a arre-
na'.acao da obra <'o rebaixamento da Ialeira do
SDba orQida em 7.920j5000.
Secretaria da thesonraria provincial dePeroam-
tKfl 2 de miio do 1871.
Consula Jo de Portugal
Convioao-se es crelores da fallecida subdita por-
togueza Csr'lina .ognsta de Azevedo, aapresen-
ar.m ?s suas eonUs n'este consulado para sereno
wricadas e pagas segundo os recursos do es-
polio.
Consulado de Portugal.
Oocvidio-se ls credores do fallecido subdito por-
tugueses Aut-ojGoEcalves de Aguiar, a apresenta-
rem as suas con as n'este consolado para sereno
verificad** e pags eguudo os recaraos do espo
lio.
Goiisdllio de compras de na-
rinha.
O onelho proiove no dia 7 do crranla mez,
iisU_de propo4as re:>bidas al as 11 horas da
miana, e sob a> cndilo do estylo, a compra
dos cbjocios do material da armada seguintes :
2 amarra- do ferro de 7 a 8j8 cada ama com
120 bragas, 2 ancoras de ferro de 12 quintaos, 20
almai i!; s de folha, 3i) bragas de correte de fer-
ro de 3|3, 30 bracas de correle de ferro de 3|8,
130 brajas Je corrente ds ferro de 6|8, 20 barris
de gtt, 20 bildiadeiras, 4 pecas de cabo de cairo
de 3 tplegadtaj 4 ditas de dito de manilha de 4
po'.egala-, 2 .:rnirr s de ferro de 1 1|4 de pole-
Stda, cal* urna com 120 bragas, 300 folhaa de
xa esmeril em panm, 12 dnzias de limatSes de
1(4 a 3;l, 10 arr:bis de oleo 'de linhaca, 200 po-
can; i fono, 39 litas de tima verde, 50 latas de
trata branca da zio;o, 6 Jnzias de talioas de assoa-
Ibo de po-iarga, 30 arrobas da zarcSo e 10 va-
r es de cobro do 6|8.
imbom o coa olho ao mesma dia 7 do corren-
te mez, do gual f ma, contrata o foroecimento
at juah) do cor:-ate afino, do seguate :
Paro imperiaes mannheiros e apreadizes
flitqs.
Cimi'is 3e bosta azol, teodo o corpo 4 1|2 pal-
mos de comp ira alo o 3 as mangas inclusive os
paofcm
Camisa- de in-t ,iui, tanda o corpo 3 palmos
de comprimilo e 2 as mangas inclusive os pa
nho.
tWjoa de .Ja preta psra gravata?.
Para marinhagem.
Giraba- fl baeta azul, teodo o corpo 4 1| pal
tnoi Ae coms incla:ive oa
panb..-. -
1?ira apread'133 artfice.
Laa;a de sola preta para grvala-.
Sala das aeros do conselho de compras de ma-
naba de Pernambaco 3 de raaio de 1872.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos AnJo,
C0BRE10 GERAL
eia^fto do objectos registra
dos e\\*tenie% aa admlulstra
^io do cor.elo ewt pra*ia
!t, para as pesoas abaixo
dtoelara Jas:
Or. Amaro la.iauim da Fonsec a Alboquerque
Al'-ooio Ci.do do Amaral, Ctcaro Brasileiro de
Hallo, D-. Fiel J s de Carvaibo e Oveira, Fran-
cHeo Parante, Francisco Ferreira da Silva Saatw.r
Jbaqmm Caetano de Soasa, Jbaaaim* Gaedes AJ-
corerado, Joio Ferreira Pinto Gnia'aries, Joi)
Floreotino da Silva, Joio Ribeiro de Campos Car
valbo, Jos Carlos Kayrinck P.res Nabuco. Jos
Francisco da Cesu, I>r. Jos do Patrocinio Perej-
ra de Silva, Jos Taixeira de Madeiros, Lat Fraq-
uiaco teixeira, Maria Carolina de Brito Carvalbo,
Mfaooel Joaqaim de Soaze, Pedro Celestino de
Soaza llaeleira (2), Pedro- Soares de Amorm,
thoot Sladeira de Castro Jnior, Virtuoso (artista
da eompaohia Chiariny)
Corre de Peraambneo 1* de malo de 1871
O enearrendo do regiitro,
f M M A. Gomes da Silva Ramos-
Faro o AinGrande
" 4o Sul.
Seguir dentro em poneei diaa o patacho eacio-
oal Mrmfica, per ja ler proopu a maior parta de
ana cana ; pace e poaao qaa loe faWa, que
beri a freie raaoavei ; traUae oom Baltar,
ue race
OH
veiro C. rae de ?fer* n. 1, andar.
f Al ^
FAZE]
AVARI i9Mi
SEGIWDA-FEIRA 6 DO CBRENTE
Pm* ioia-vancBD OVripta tinte, t aV aaCW I
lorio J
O eoaunandanle do 6/ batalbao da guarda na-
cional do municipio do Recife, pal presente faz
aebkca qoe oa tarceira dominga do corrate mez
se reunir. o eopselho ds qualiocacao da paroebia
dos Aaoaados, no coasislorio da respectiva matriz
afin de dar principio a seus trabalbos : devendo,
porlaoto, as partas nelle interaliadas allegar es
seos diret'.os na forma proscripta as instruects
de qne trata os decretos n. 722 e 1130.
Recua, 3 de maio de 1872.
THEATRO
C0IPA1HI FR4NGIZA
HOJE
4 de maio
Entra em seena
Mlle. LafoorcarJe.
L4 PEBICHOLE
Opera bulla de Olambach.
As~8 IH
AMANHAA
Domingo 5 de m o
Ultima repre3eata?5o
ORPflE AX EHFERS
O papel de Eurydice ser desempenbalo por
Mlle. Lafourcade
Principiar s 8 l,.
Depois do espectculo haver trem para Apipu-
cos e bond para a Magdalena, o qnal estacionar
junto da matriz de Santo Antonio.
THEATRO
G YP4S10 DMil if ICO
Domingo 5 de mi)
As 6 horas da tarde
Represenlar-se-ba a muito graciosa e sempre
applaalida comedia em 3 actos, ornada de mo-
stea :
O
1
Segue-se, pelo Sr. Da-Giovanni, a scena comi
ca de sua eomposicao, ornada de msica, intitu-
lada :
0 apreciador da boa pinga
Terminar o espectculo com a muito applaudi-
da bexiga em 1 acto rnala de msica, e daasa.
VIVA 0 EXgRCITO
E
Viva o duqua
Os bilheles acbam-se desde j, no escriptorio do
iheairo.
Principiar s 6 horas da tarde.
N. B.Era conseqnehcia de achar-se doente o
actor Peregrino, nao pode subir scena o drama
Triat'annos ou a vida de um-jogador.
AVISOS MARTIMOS
COMPANHIA PERNAMBUGANA
DR
Navegando costara por vapor
Gayataa.
O vapor nacional Parahy-
ba, seguir para o porto ci-
ma no dia 6 do corrente as
9 horas da noute.
Recebe carga, encommen-
das, passageiros e dinheiro a
frete : no escriptorio no Forte do Mallos n. 12
COUPAIHI i.
DAS
Messegeries maritimes.
At o dia 11 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Sindh, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres.
locando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para eondiedes, fretes e passagens Irata-se na
agencia, rna do Commercio p. 9.____________
DE
Navegapao Brasileira
At o dia 10 do correte
esperado dos portos do norte o
vapor, Cruzeiro do Sul, com man-
dante Freir, o qual depois da
demora do costume seguir pa-
ra os portos do sul.
Para fretes e passageiros trata-se na agencia.
Eocommendas de pequeo valor, peso, medida
e tambera dinheiro, reeebem se at a 1 hora da
tarde do da da sabida do vapor. Agencia ra do
Commercio d. 8.
As eneemrnendas vindas por este vapor aera
entregues alea dia da sahida do raesmo, no es
crhtorioda companhia, depois dearttrmo aerao
reeolhidas no trapiche do Dantas
COHfPANHIA
DE
3h^^
Dos portos do sul esperado
at o da 8 do correnie, um dos
vapores da companhia, o qual de-
pois da demora do cosame se-
guir para os portos do norte.
Para carga e passageiros trata-so oa agencia.
Eocommendas de pequeo valor, peso, medida e
tambera dinheiro reeebem-se at 1 hora da tarde
do dia de sua sahida : na agencia, ra do Com-
mercio n. 8.
As encomioeolas viudas por este vapor serio
entregos al o ola da sbila do mesmo, no es-
criptorio da companhia, e despois deste termo se-
rio recolhidis no trapiehe D a* iTtr o ArAM^i bj utroiiiurs, moo ggd
brevidade o palhabole nacional Maria Amelia, ca-
pitio e pratice Francisco Thomaz de Assis; j
lem parta da caiga engajada, para o reslo trata-
se com Antonio Alberto de Soaza Agolar, a roa
do Amor, armazeo n. 60, oa com o' oapitao a
bordo.
PAR
pretende *aar aena poeoa daara a barca porta-
gaeaj Social por lar a oaaior parte de seu carra
gameoto enga^doy* para o reato que Iba falla a
paseageiros, para oa quaes lem bew eoomodos,
tratase com e consignatario Joaquina Jos Gon
calves Bellrao, roa de Comavereio n. 5.
ANTI-ASTHMATICO
l^ar
Seaue para o relerido porto com muita brevMa-
de o niale O/inda, por ter a maier parte de seu
earregameoto ; e para o resto que ibe falta traa-
se con. o consignatario Joaquina J. G. Beltrio
roa do Commereio n. 5.
COWANHIA PERNAJiBUCANA
Navegffdo costtira por vapor,
Porto de Gallhas, Rio Forruoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra os portos cima no dia 10 do
corrente ameia noute.
Recebe carga, encommeedas
_"J passageiros e dinheiro a frete at
as 2 horas da tarde : n j eseriotorio do Forta do
Mallos n. 12.
^
&m
GOMPAiNHIA PERNAMBUGANA
ni *
Vavega^o eosteira por vapor
Mamanguape.
O vaper C rntripe, eom
mandante Santos, seguir;
pare o porto cima nc
dia 11 do corrente as t
horas da tarde.
Recebe carga, encona
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 3
horas da tarde do dia de ana sahida : ascriptork
djofortedo Mallos n. 12.
Urna casa de campo-e aie aa roa da
zade oa CapeBga, (qae fot do Sr. JM
Caetano da Silva.)
SEGNWl-nilRA 600 CORS8WB
Par iniervencao da asente Pinto, em sea eacrtp-
lerio a rna da Cruz o. 38.
MIUDEZA8
perfumaras e ferragens
Terca feira 7 do corrale
Alves & C. fario leilo por inlerveucio do agaa
te Pestaa, de um eompleto sortiraento de mlude-
zas, perfumaras e ferragees, todas proprias deste
aereado existentes en aao armazea, per liqui-
dar e fechar comas. Tado sera vendiA* eem re-
erw algnma, no dia terca-feira 7 do corrente,
s 11 horas da manha, am seu armazem roa
da Cruz o. 54.
COMPANfflA PERNAMBUGANA
DE
Vavega^So eosteira por vapor.
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giquia, commantUntt
Martin?, seguir para os por
tos cima no dia II lo correntt
as 6 horas da tarde. Recebe car
at o dia 14, encommendaz
passageiros e dinneiro a frete at as 2 horas i:
arde do da da sahida : escriptorio no Forte di
daltos n. 12.____________________________
Para Rio Oraade do sul.
Vai carregar brevemente o patacho nacional
Singular, para carga frete Irata-se com sens
consignatarios Amortm Irmaos & C.________
COMPANHIA PEKNAMBUCANA

avega?5o eosteira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ar
caty, Cear, Mandahu', Acarac e Granja.
O vapor Pirapama, comman
danle Azevedo, seguir pan
os portos cima no dia 15 d(
corrente as 5 horas da tarde
Recebe carga at o dia 14,
encommendas, passagens e di-
aheiro a frete al as 2 horas da tarde do diad;
taida : no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
Par o Rio de Janeio
segu com brevidade o veleiro patacho nacional
Veloz, recebe aindi alguma carga a f ete : a tra-
tar com Fernandos & Irmo travessi da Madre
de Dos n. 13.
O capitio H. W. Voss da barca alleraa /. F,
Pust; entrada naete porto por causa de avarias
receidas quando funleada no lamaro porabal-
Iroamento cora a galera iglezi R cisa contra'ar com quem por mn" bit,-pros
lano nmwuj] 1041 o marcanlo um praso
para acaba los, os eoocertos da qoe necessita o
dito navio, conforme as declaracos dos peritos,
as quaes podem se: examinadas no consulado do
imperio gsrmanico, aoade se reeebem propostas
em cartas fechadas at o dia 6 do corrente ao
meio dia.
LEILOES.
Leilo
DE
350 saccas com ariaha do Cbile
Segonda-feira 6 do corrente
A'SH HORAS EM PONTO
O ageole Pestaa far leilo por coala e riscc
de quem perleocer 9 para fechar cootas de 330
saceos com farioha de trigo, marca ocreditada, em
1 ou mais lotes, no dia cima mencionado s 11
horas da manbia : dos armazens dos Srs. Tasa >
Irmaos de C, na Praca do Caes do Apollo.
DE
Livros.
E mais outros uteacios.
SAB3ADO 4 DO CORRENTE
AO MEIO DIA.
Por interveneio do agente Pestaaa haver lei-
lo no estabelecimenlo que foi do muilo conheci-
do Antonio Domingos Ferreira, de muitas obras
de direito, preparatorios e muitas obras importan-
tes e mais ootros utencilios que pertenciam ao
mesmo Antonio Domingo*; i ra do Imperador
n. 67.
LEIL40
DE
Urna caisa com chales, 1 dita com grvalas
e serolas e outros objectos, com avaria
SegrjDda-feira 6 de maio
s 11 horas.
O agente Pinto autonsado pelo cnsul de Fran-
ca, levar leilo em presenca de seu chaneeller,
e por eonla e risco de quem periencer urna caixa
M M C n. 50, vinda pelo navio francez Jean Bap-
Usa, contendo 21 duza de chales de lia lizos e
ama outia eaixa V L o. 1 com 40 dorias de gr-
valas de seda e 36 dorias eor.seronlas de linbo e
50 duzias de guarnilo para punhos do eamisas :
as 11 horas em ponto do dia cima.
No escriptorio do referido agente, ra da Cruz
0. 38.
Leilao
DE
20 caixas com 60 duzias com vinhos en-
garrafados das qualiiiadts vermoeira,
cancarelly, Bruxellas e lavradio.
Segnnda-feira 6 do correnie
A' 1 HORA DA TARDE.
O agente Pestaa far leilo, por eonta e risco
de quem perten:er, e para fechamento decantas,
de cerca de 20 caixas com 3 duzias ceda urna da
vinhos cima ditos, as quaes serio vendidas em 1
lote 4 vontade, segonda-feira 6 do corrente i 1
hora da larde.
Na armazem do Aanes de fronte da atfaodega
LEILAO
DE
Um revolver, diversos livros a 2 caixas
com roupa pertenceates ao espolio do 0 -
nado sabdito francex Joret.
SEGUNDA-FEIRA ftDO CORRENTE
A'a 10 <|2 horas em ponto.
Por iole/aeocio do afate Piolo, m geuo ar-
mazem, i na da Cruz a. 38.
LEM
M
103 caixas com, vidros para vidracas de
differentes tamanbos
Parte do earregaucalo do lu-
gre allemSo Sandarim
TERCA-PElRA 7 DO CRREME
\'s 10 1)2 Qoras em ponto.
i\o armazem alfandegado Sa-
rao do Livrauaento caes do
A pollo
F. Meyer, capillo do logre allemio Jfaitdartm,
arribado neste porto por for$a malor na sua ulu
ma viagem de Antuerpia para S, Francisco, leva
r leilao, eom licenea do Sr. in-peior da alfande-
ga^ em presenca do eropregado da mesrai rapar-
(icio para o ura nomeado, eom a-sisiencia de
consol do imperio Gsrmiaico, por iotervencio do
agente Piolo e per conla e risco de quem per-
leocer, os objectos cima mencionados que fizem
parte ds carregamento do referido navio, sendo
ine dita venda ser effestuada pira sati.-fazer
parte das despezas feitas pelo mesmo navio neste
porto.
O le lao ser effectuad) as 10 l|2 horas do dia
cima no armazem afn legado Bario do L-vra-
mento. Caes do Apollo.
BSPEC1ALIUADE
DE
BARTHOLOMEU 8: C.
Pkarmac uticos premiados em diversas expsitas.
N3o olbanjo srnente as especulagoes, destinamos parte d no-sos estodoi e ob-
servales a descoberta de compsicas com medicamentos novos, oa com os bootoj, ou
anda nSo experimentados, para procunrmos obter a cora, ou ao menoi orna aeasivel
modificarlo, na marcha dos terriveis padecimenios qae affligem a hamanidade, qoe at
hoje tem zombado dos meios conhecido? a medicina.
As molestias dos paimoes, e dos demaU orgios da reepiracj, cooeideradas -das
mais graves por soas funestas conseqaencias, e qae infelizmente, sea qae se coattea
causa, tanto se vai desenvolveado entre nos, nos lem merecido principa! alteocjo, e
temos a ellas dispensado as mais aturadas io.iu.irir,Oes.
Acabamos de formular om preparado da mai agrada vel goato, e por lano da ftc'.l
applicac3o a todas as pessoas, qoalqoer qu leja seu sexo e idade, que expomos at ja-
buco sob o nome Elixir sedativo peitoral mui-asthmatico;qae sendo um comparto
principalmente de bases vegetaes, pro luz effeitoft calmantes immediatos, sem cootar a
menor quantidade de opio e seas compostos, ou os em.ticos, de lio perigosa aepiea-
yro -
O Elixir sedativo peitoral anti-asthmatim tem as precisas propriedades pan de-
bellar promptamente as affecces da garganta, do peilo, e mesmo do estamago, oa
asthma e coqueluche, em qne j tem sido bastante experiraeotsdo, o Elixir temaare-
sentado os mais satisfactorios resaltados.
Ho menos proveito temo3 obtido como verdadeiro especifico as eoostipates.
catarrhos, defluxos catarrhosos, e todos os mais soflmenlos das vas respiratoriaa.
Nunca apresentamos preparados nossos ao publico eem experimntalos nos bospi
laes, e agora foram os mais sat sfactori os possireis os resoltados que obtivemos coa i
aovo Elixir, como aflirmam seus distinct is mdicos.
Esperamos a conliouaQo dos boas rjsultados do oosso novo preparada, e Oeario
salisfeitos nossos esforgos, se elle vier preeniaer lacuna que anda se resenle de om
verdadeiro especifleo para molestias lio graves.
Applicaqo
Urna co'.uer das de sfipa de 4 em 4 horas para os adultos, e m de cha para as
criancs, puro, oa com agua, oo m intuzJo de flores de malvas.
DIETA
Durante o aso do Elixir precisa comer com mderacio, fugir de todos aUmaalot
ooja digestio laboiiosa, e prefdrir as carn^asadas, pi, arroz, aves, algoma varu
ra, leile, ovos, e mai poaco vinho, e sempr^wico espirituoso, abster se de caf, sal-
ga !os e oliosos; e ter caidado de cobrir o peito com flaaella.
'DIPitlIO G1RAL v
34Rna Larga do Rosario34
PERMJIBiCO
avises diversos
C4SA DA NITlfll
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
l ?oa Primeiro de Marco (oatr'ora roa de
Crespo) n. 23 e casas do csstome.
O abaixo assigtiado, tendo vendido nos seus U
.Ues bilhetes quatro qnartos n. 911 cem o:000,
doos meios o. 1323 com 100J100, e outras sortes
le iOOOO e 20/000 da lotona que se acabos
de extraair (2*), convida aos po3saidords a virem
reseber oa conformidade do costume sem descont
algum.
Acaam-sa venia oa bilhetes garantidos ds
i' parta das loteras, a beneficio da matriz de
Cmara (3")> qae se extrihir sabbado 11 do
correnie mez.
PRECOS.
Bilbete inteiro 6*000
Meio bilbete 3/000
. ., J>nitn_____.__ U300
Em pors.vo de 100/000 para cima.
Bilbete inteiro 5/300
Meio bilbete 2/750
Quarlo 1/375
Manoel Martins Finca.
CASA DA FORTUNA
RA 1' DE MARCO OUTll'ORA DO
CRESP3 N 23.
I 'alea qne paga as sortea
Aos 20:000^000.
0 abaixo asignado tena sempre exposlo vec
la os felixes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
iromptaoiente, como costnma, qaalquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24/000
Meio 12/009.
Quarto '.6/000-
Manoel Martina Pinza.
M4CHINAS
Do engenbo Sete Ranchos, fregaezia da Escada,
termo da cidade da Victoria da proviacia de Per-
nambuco, fugiram os eseravos seguintes :
Em dias de ootubro 4e 1867, o eacravo Lniz,
crioulo, de idade de 30 annos mais ou menos, al-
tura regular, de bo.ro corpo, cor preta, tem panos
pelo rosto, deotes limados, bem feito de ps e
mos, pernas grossas, ponca barba, muito ladino,
e ameacado do a.-mathico, foi comprado na ci-
dade do Recife ao portuguez o Sr. Antonio Jos
Vieira de Sunza.
No dia 16 de fevereiro de 1868, o escravo cabra
de nome Luiz Igaacio, de idade 38 anno.% mais oo
menos, altura algnma consa mais que regular,
cheio do corpo, ismalmado, olbos peqnenos, nariz
afilado, cara bexigosa, persas grossae, bem feito
de ps, anda meio coreuodo, cabellos de negro,
mas meio aelto, anda com os ps um tanto para
dentro, fa la grossa, denles limados, tem um ca-
loraba na p esquerda, e ckama-se Lniz, mas o
tratam por Ignacio, levuo un cavalio alasao com
cangalba ; comprado na cidade do Recife ao por-
luguez o Sr. Antonio Jos Vieira de Souza.
No domingo dia de Pascboa de 1870, a escrava
Rita, cabra, de idade de 20 anoos, mais ou menos,
de bom corpo, altura baixa, ismalmada, peitos re-
galares, bem parecida, rosto corlo, bocea peque-
a, tem urna barroqaiuna natural no queixo, deo-
te; limados, ps pequeos, nadega empinada, ri-
s roba, cabello piebaim, usa abrir de lado o cabel-
lo se o nao tem. amarrado, elbos grandes, panos
pelo roslo ; comprada na cidade de Recife ao por-
tuguez o Sr. Antonio Jos Vieira dtt Souza.
Em dias de abril de 1871, o escravo Joao, criou-
lo, de idada de 22 annos, mais oa menos, altara
regular, cor preta, secco do corpo, neo huma bar-
ba, denles limados, vesgo de um dos olbos, emen-
de de cozioha e de eagommado, teja mai oa p-
rente na cidade de Olinda, onle estar acontado ;
comprado na cHade do Recife ao Sr. Joviao Ban-
defra.
No dia 9 de abril desto corrate anno de 1872,
o escravo Tberaaz, erloalo. de Idde de 40 anoos,
mais oa meos, altara regular, corpolento, cor
rala, calvo, barbado, j pintando oa barba, peitos
cabellado*, peroas growas. espadadlo, muilo sao
tador, falla descaneada, ps apalhetados, poucas
pintas de sex'ga no roato ; comprado na cidade
do Ree'fe ao Bortuguex n Sr. An.unio J Vieira
de Soma.
N i mesmo dia S de abril deete crrante anno de
1872, o escravo Joo, ertaolo, de idade de 22 an-
oos, maia oo meaos, de-boa altara, cor bem fala,
oeabuma barba, deates limados, olboa empapuca-
dosL entende poaco de ler, falla grossa. cantador,
tem mai oo logar de Utfiak teegneia. de Grava
t ; cmara :o a Nagnel de tal, morador no mesmo
lagar. A4M, sois, a todos se senAres cipites
de eampflan^frajler atssoa qua possa appre-
hecde-lee, levados na diw eagenho Sete Ranchos,
qae por cada um eacravo serio leoerasamente
gratificad >s.
DE
COSTURA
DE
ER MANFACTRLNG COMPANV
Grande redne^ao de prepos !!!
! 90*000. 90*000. 90*000 lII
AVISO ESPECIAL
A alta repolacSo obtida pelas machinas fabricadas pelo
tem levado diversas pessoas a fabricar imitacoes que ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo sjsteraa Singer.
NENHUaU MACEINA

cer k" i.i;<.iri\
NAO LEV\ ESTA MARCA FIX4
NQ, 1IR A^^O DA MACHINA.
PARA EVITAR COWAA-
F.lCCOKM NOTEM-SE BEM
TODOS OS DEI.*MII>
ninc.
DA COMPANHIA
fcilulho.
Precia-se de trabtlaadrrea para o servico da
limpea-da frejueala de & Jes : a ir*tar o roa
de Dooago TWtoajo a. 35, aaaoia, raa das Gal-
cadaK
A' companhia, deaejando proteger seos amigos e fregoezes contra as imitacoes, Itm
adoptado a marca cima representada.
Previne-se ao pablico de n5o comprar machinas qae nao levem i Baleada
companhia.
W. H. CttAFUAN
NICO AGENTE
N. 45 Rtut dd Imperador N. 45
?

\



DitfW dn PMinEc -=- Sabbado 4 d% Mid'?dib i#*i?>
Trocam-se
ota* das caixa* flaes d3 banco di Lrasil, coro
Oefaeto descoco : na loja da ra do Marque z da
Piada g 58.
Aluga-se
orna casa terrea coro esir baria, ; margen do rio,
aita no Maoguinho ; a tratar na ra do Vigario
o. 31.
Urna senhora oferece-ie para lecciooar em
fraocez, ingle: e portugus, em casas particulares
en em algum collegio. Para informac8es dirija-se
a roa do Imperador n 26, das 9 as 5 horas da
tare.
Relogio.
FABRICA DE MACHINAS
A' Ra do Barfto do Triumfio na 100 104

iimn
Cardozo & Irmo

PeHeu-se um excellente relogio de ouro
meio chronomeiro com 15 das de corda, perfeito
refeJeder : na praciuha da Independencia n. 2.
Imperial fabrica
DE
[Rap arda fina da Bahia
DE
Motara & C.
O abaixo assigoado, Tnico agente dessa JW
fabrrc, avisa ao publico que tem aberto fK
o deposito de dito rap no seu escripto- S
^ rio ra do Vigsrio o. 21, ende os fre- ^
gaezes encontraras sempre a quaotidade &
mt qae precisaren). 2
ifk Beclfe, 29 de abril de 1872. W
Domingos Alves Malheus.
**** 0 m&mm*
hii mmmmmmm
fConfraria de N. S. dai
Soledade da Boa-vista
AHENCAO
Preeisa-se de ama ama preta j de idade para
cozinhar e comprar para casa de familia de anas
pessoas: quem quier dirjase a etta typographia
das 10 horas da machi?, as 2 da larde.___________
Na Praca da Independencia o. 33 se compra
ouro, prata e pedrae preciosas, e tambera, se venda
obras de igual especia. ______________
MOFINA
Olka elle!...
IAMAS
ln #> fin fnm
MOFINA.
i
5
8
Teodo a mesa regedora da contraria
de N. S. da~S&ledade da Boa-vista resol-
vido mandar celebrar urna mis-a de re-
Juiem por alm de sua confreira D.
aria-Emilia Yiil.-la de Aibuquerque Ga-
ma, esposa de nosso confrade mesario
Dr. Ayres de Albuqnerque Gama, no
dia 6 de maio de prximo vindoure pe-
las 7 horas da manha, trigessimo de seu
passamento, convido a todos os oossos
cootradt, bem como aos prenles e a mi
gos da finada a compparecerem na igre-
ja desta-contara, a hora inJicda para
referido acto.
O escrivio,
Manoel Barbosa de Arar.jo.
AV15AM aos Sri. de eogeohos e o publico en-feral, que teem recebiotia Europa,
grande sortimeoto de ferrageos para tofeobot e para lavonra, e qoaesqtier ontrn oos
a misteres da industria agrcola, o que todo Tendera por precos razoaveis.
VAPORES horizonlaea e verlicaes j bem couaecidos neata provitcja^ o ora della,
os melborea qae teem vindo a eate mercado.
MOENDAS completae de diversos tamanhos, obra motta forte bem acabada.
ME1AS MOENDAS para assentar em grades de madeira.
TAXAS de ferro fundido* batido de diversos tmanbos.
RODAS D'AGA de diversos tamanhos.
ROBAS DENTADAS de diversos tamanhos e qualidades.
FORMAS para pies d'assucar, qae esperara em poneos Atas grande por co, e aquel-
es senbores qae dellas preetsarem, poden desde j dar suas nota*.
CONCERTOS.CoBcertam com promptidao qoalqaer otrra-ot nwebina, pira o qoe
teem sua fabrica bem montada com grande e bom pessoat
ENCO.MMENDAS.Mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machmis-
nao, para o que se correspondem com una respeitavel casa de Londres e com um dos
melhores engenheiros de Inglaterra; iocuaibem-se de mandar assentar ditas machinas,
e se respoDsabilisam pelo bom trabatho das meimas.
flUA DO BARftO DO TRIUMPHO US. 101,102 E 104
FJUNDigO E CARDOSO & IftfllO
Aos lrr.';os da Irmandade do
Divino Espirito Sama*.
Lembra-se aos irmios daqoella irmaodade que
devendo ter lugar na dia 19 de man prximo fu-
turo, com toda a pompa, a festa e procissao do
padreeiro, e como manda o artigo II g 4 do com-
promisso da mesma irmandade, qae cada irmo
deve ter urna capa, faz-se portaoio o presente no
caso de qne os irmios qneiram comprar, cu man-
dar fazer ditas capas, le entenderem se com o es-
crivio da irmandade a ra i* de Mareo, outr'ora
do Crespo n 17, uni que tem a fazenda apro-
piada.
Vende-se a casa e sitio da estrada dos
Afflictos n. 2-2, com bons commodos e so-
to, o sitio tem 850 palmos de frenta e
1,300 de fondo, murada a frente e parte
dos lados com duas cacimbas, tanque e
omitas arvores de ir celo c(mo sapnliseiros,
coqueiros e baiso para capim e poco de
excellente agua para beber; o lugar mui-
lo fresco e saodavel, tornando-;e muito
recommendavei por ser perto do Recife,
hiendo estaco em sua frente a va frrea
do Recife ao Cachi cg: a tratar com An-
tonio Jos Rodrigues de Sonza, thesonrei-
ro das lotera?. *-'v*_________________
Xarope Hydrocotj^a Azia-
tica
A bydrocotyla aziatica orna planta que
se acha muitn a miudo em Mauricio. Borbo,
Singarope, Bombaim, Madras, e outras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
mnilo-! aonos est erepregada com a maior
furcia contra a3 diversas molestias de
pelle, taes como o lichen, o eczema, o acn,
o prurido, o pemphigo, a lepra vulgar, a
tlephantiasis, as ulceraedes scrofulozas ou
syphiliticis, assim como contra todas as
doencas cotihecidas debaixo do nome gene
rico dartros. Experiencias numerosas feitas
pelos mdicos dos bospitaes de Paris, sobre-
tudo no hospital de Sm. Luiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provaro a efGcacia
dessa planta nos casos signaladrs cima.
Deposito Pharmac'a Americana deFerrei-
ra Maia & C, ra Duque de Gaxias n. 57.
Creme de Sab-nitrato de
Bismuto
O snb-nilrato de Bismu'.ho um destes
raros medicamentos que podem-se quaficar
de heroicos; com effeito se emprega com
um succeso sempre assegurado contra to-
das as lezes das vas digestivas, taes como
diarrheas, di/senterias, gastritis, gastral-
gias, dores do estothage e da barriga, ul-
ceraedes dos intestinos. Cada vidro acom-
panna urna colber que a doze.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C, roa Duque de Caxias n. 57.
Jfastilhas de Mamiita
A pastilbaa de Mannita sio por certo a
medicina racional dos meninos, aos quaes
>e administrara com txceente resoltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles nao ha purgan-
te mais nave e que tomem com mais pra-
zer. Estas pastilbas previnem tambera as
convuIs5es qae resottam dos accidentes da
denticSo, e tem orna aci;io muito poderosa
como o vernn fago.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C ra Duque de Caxias c. 57.
Pepsina medicinal adocada
O melbor preparado para combater to-
das as molestias o estomago. Cada frasco
acompanha urna colher de praia, dse qae
ce deve tomar.
Deposito Pharmacia Americana de Ferrei-
ra Maia d- C, ra Duque de Caxias n. 57.
Roa-M ao Se. e|wk> relies da Sihreira Pon-
tes (estodanta da (acuidad* de direito) o faver de
apparecer no eaT Santa Isabel roa da Florea-
tina n. S para concluir o negocio qae S. S. nio
ignora, certo de qne en qaaato lio o fizar n$o
ser retirado deste jornal.
Rom-h ao IUm. Sr. Ignaeio V.atr da Hallo, ei-
eriTio na cidada deNazareth desa provincia, o
favor de vir a roa, do Imperador n. 18 a concloi
aquelle nejock) que V. S. se comprometten raali-
sar, pela terceira chamada desu jornaj, am fin
de dezembro prximo passado, 6 depois para ja
aeiro, passou a tevereiro e abril, na-ia eumprio
i por este motivo de novo chamado para dik
Um ; pois V. S. se deve lembrar que este negoci
i da mais de oito aonos, e qnando o lenhor tai
fino aa achava no es nesta cidada
O Sr. Boaveotura Jos de Castro Azevedo
qne re idio em Macelo e actualmente acba-ie nes
la cidsde, rogado a vir rna do Amonm n. 37,
e;cripiorio de Tasto Irmos & C, a negocio, on
aononciar a sna residencia para ser procnradoJ|
HOTEL
DA
INDEPENDENCIA
(Amigo Estaminet)
32 Ra do Imperador 32
Chaix dono do botel denominado da Indepen-
dencia, tea a honra de participar a seas amigos
e ao respeitavel publico em geral, que acaba de
receber pelo ultimo paquete da Europa, de nma
das primeiras fabricas deFranca, doas elegantes
buhares, feitos especialmente para este clima.
O Sr. Chaix nao tem ponpado nada para do
phmeiro andar do mesmo hotel, fazer ama sala
digna desses doas magnficos buhares, aonde os
amantes daqaelle diverlimente encontrarlo,
A saber:
Serveja de todas as qualidades e de todos os
fabricantes condecidos at boje.
Infinito sortimento de licores (extra-fiaos.
Vinbo de Bordeaox, id Pont Canet, id chateau
Margaux, Id Porto (extra) e champagne : e todas
as qualidades de viobo reputados bom.
Alm de ama quaotidade de conservas de car-
ne, de peixe, da passarinhoe: etc. etc. todo rece-
ido directamente da Europa.
O hotel da Independencia situado n'am dos
melhores bairros e mais frequentado desta bella
Veneza da America que se chama Peroambuco.
No segundo andar tem quartos mobilbades com
gosto e de urna limpeza que nao deixa nada a de-
sejar.
O servico do botel feito por criados bem acos-
tumado a esse genero do trabatho para que os
frequentadores fiquem satiifeitos.
A parte chamada Estaminet aonde se faz os sa-
borosos Inncbs, almocos e jantares, acaba de che-
gar um perito cosinheiro, qae tem trabalhado n'am
dos primeiros notis da corte.
38Ru do Imperador32
lpolice
Perden-se urna apoliee de seguro no dia 23 de
abril, desde a roa da Cruz do Recife at a ra do
Commercio, pede-se a pessoa iqaeo acboa en-
tregaba a ra da Guia n 54 padatia a onde sera
generosamente recompensado.__________________
Aluga-se o segundo andar e sotao : na ra
da Senzala, pintado e caa do de novo : tratar na
ra do Commercio n. 48.
Aluga-se ama eacrava : na ra do Principe
.tai
A pessoa que aoouneou ter acnado urna bo-
cetmha contendo una objeetos de ouro ; queira ter
a bondade de annuoeiar sua morada para eer
procurado.______________________________________
Alaga se urna escrava com principio de ce-
zinha, ensaboado, ptima eompradeira e tratadeira
de meninos: a tratar na botica do paleo do Ter
co n. 12.________________________________________
m

Fabriciano Napoleao do Reg Barros,
nomeado provisoriamente pelo Exm,
Sr. presidente da provincia para exer<
cer o cargo de escrivio do eivel e cri-
me, vago pela;fallecimento do escrivo
Saraiva, tomou posse do referido car-
go no 1* do correte mez, e tem zeu
carlono oa ra do Duque de Caxia* n.
34.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda
e Beberibe.
Convindo que o parecer da commisso de exa-
me de comas seja apreaentado na 1' sesso da as-
sembla geral dos senbores accionistas desta com-
panbia, e nao o podendo ser na sessao marcada
para o dia 6, como foi annunciado, ter lagar essa
sesso no dia 16 de maio correte, no escriptorio
da companhia as 10 turas da manhaa.
Recife 2 de maio de 1872.
O !, secretario,
L. Jos de Miranda
tf O Dr. Sarment Filho, medico opera- &
dor doHospitai Pedro II, de volta de sua vk
viagem Europa, continua no exercicio t9.
jH de sua prctiasai na casa de sua residen- tt
ca roa do Imperador n. 29, 2* an-
dar, onde todos os das da eonsullas W
2| das 9 ao meio dia. 90*-*$*** 000000
Joao Possidonio da Silva Ros e Manoel Vi-
ceote da SIva Rios vio a Europa, apelle a tra-
tar de sua sa jie e este era crra:am>a daquelle.
Aluga se ama canoa grande que carrega
1,300 tijollos : qaem pretmder dirija-se a roa Di-
reita o. 28.
AcOa-se aiola por arrenaar o sonrauo juuiu
a igreja de S. Miguel dos Afogados, com excel-
leotes commodos para familia, calado e piolado,
teodo um sitio murado que se presta para diver-
sas iplaot?c5es e capim : quero o pretender dirja-
se ver na mesma casa e a negociar, no escrip-
torio do Dr. Manoel Netto, roa larga do Rosario,
2* andar do sobrado n. 24 A.
AVISu
Tintura da China
Para liogir os cabellos, barbas, bigodes e
reslitui-lbes a cor natural, em
2 minuto
Entre todos os preparados ehimicos destilados
corerisaglo do cabello, devs a Tintura da Ch
na, por sua superioridad?, oecupar um dos mais
distinetos logaras. Ella di ao cabello a cor que
se deseja, seco o damnificar, mais antes o conser-
va fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de Fer-
reira Maia & G roa Duque da Caxias n. 57
Os recebedores de 100 caixas com seo marca B K
C 1/iOOOvindas pelo navio ooruegeose Stjocn de
Trieste sio convidados a communicar can ca-
pilo do dito navio oa ra do commercio n. 4.
Casa para alugar
Alaga se o palacai da roa da Auroran. 33,
perteoceote as Qlhas da fallecido Dr. Dantas: a
tratar na roa da Icperatriz n. 14, > aidar.
Sr. nreteitato Francisco da Rocba tenba a
bondade de vir i roa do Pire, casa o. 34, a ne-
gocio.
8oeedaae liberal uni&o be-
neficente,
Pelo presente sao convidados os senbores socios
i compareceris na neasa sede social domingo
prximo ($), ai JO nona do dia em reuniao de
assemb.'a geral extraordinaria, visto qoe aaeim
urge quesies de alta importancia aos ioteraeies
da mesma aweeiaoio; assim como adven aoi
senbores cand datos approvados socios effectivos,
virera prestar o respective jurameoto.
Secretaria da sociedade liberal nniio beuefleeo-
te 2 de maio de 1872.
O 1* secretario,
Pedro do Rosario.
Vende-se a taberna sita a roa da Guia o.
36, com poueos gneros e frescos, por sea dono
querer tratar de sua sade, mais conservando o
proprlo escriptorio ; se alguem a pretender quei-
ra vir tratar o negocio aflm de na i se fazer entrar
mais gneros.
Royal Insurance Company.
Real companhia de legaros
de Londres e Liverpool.
CAPTAL
2,000,000 de libras sterlinas
oo
20,000,0004000
Com autorisa;o do goveroo.
Segara contra o risco de logo, casas, fazendas,
e qoalqaer outra especie de mercadoria. O ageo-
te nesta provincia
/. O'C. Doyle.
33 Rui do Commercio 38
N. B. Para seguros de vida de pessoas livres
que a companhia tomara em sua sede em Londres
on Liverpool, o mesmo agente serviri de corres-
pondente, recebe as propostas, reclamacoes e pre-
mios dos segaros das pessoas aqni residentes para
transmittir companbia, e entregar aos segurados
os respectivos ltalos.
0000 00 00 000000
C0.N8ULTORIO HOMEOPATHICO
m
0
S DO
Dr. Santos Mello.
0 Consultas todos os das das 10 horas
* ao meio dia. Cbaxados a qnalnuer hora.
m YACCINA.
A A' este consultorio ebegou a verdadeira
" lympba vacsicica da Inglaterra, e vacci-
na-se s quintas feras e domingos das
10 horas ao meio dia.
^ Gratis aos pobres.
43Roa do Bario da Victoria43.
A06000 000 00
0
0
0
0
0
0
Santlsslma Trlndade erecta no
convento de s. Francisco
Cumpriodo o que determina o art. 61 1* do
eompromisso, coovido a todos os irruios da mes-
rea irmaodade para se reunirem em mesa geral
domingo 5 do correte, pelas 9 horas da manbia,
aflm de se proceder a eleicio da mesa regedora
que tem de funecionar no aooo de 1872 a 1873.
O secretario,
Manoel Goncalves Agr.
N. 589;040
Molina
Barreiros
Pede-se ao Sr. Francisco Marinho de Barros oo
alguem por elle, qne tenba a bondade de mandar
a roa da Crnz a. 37, concluir o negocio qae sua
merc nio ignora, certo de que em qnan:o o nic
fizer nao ser tirado deste jornal.
I
O tenente Joaqaim de Sonta Silva Caoba pra
vine que a quota parte hereditaria, qoe no ia
ventario de Antonio Moreira de Mendooca, coober
a Romulo Cometi de Paria, nio pode ser vendi-
da era ooerada, porquaoto o auoaociaote tem j
sna execocao preparada para cobrar a quaotia de
10:600*105, de qae Ihe devedor o dito Romulo ;
j proteston no inventario supra referido para nao
ser entregue o quiohio a Romulo, e provou que
a referida divida ja foi verificada em juiz e qoe
se espera a carta preeatoria para a penbora
na meuciooada quota bereditaria. O annnnciante
lembra que nulla qualquer alienacio em prejui-
zo a: ciedores cerios e reeoobeeidos em juizo, e
que promover contra a fraude que em seo {re-
juizo empregar o referido Romulo.
Attenc&o.
Chamado.
Rofa-ae ao Sr. Joaqaim Pires Farrera empregado
I no escriptorio dos T. U. de Olinda ) o favor de
vir ao restaurante Santa Izabei roa das Floreo
tinas o, 2 concluir o negocio que nio ignora.
O abaixo aasignado vende o sea oome oeste
-Diario para ir i ra do Imperador a. 28 pela
qnaaa de 99*300, e como ignora quera seja esse
etedor, ple apparecer em Apipueos aiude o
mesmo eitabeleeido ba maitos aonos.
Precia-ae de um homem que saiba Sr e
eaerever, para destribuidor do Diarlo : nesta typo
praohia^______________-
Joaqaim Henriqae de Olivera, caixeiro da
casa de joias do arco da Cooceicio perdeu boje
ama nota de 50J, iodo da mesma casa ate a ra
do Crespo : 4aem a tiver achido e a quier res-
tituir, leve-a a loja acims, que ser gratificado.
Da-se I:000f0a0de res, a juros sobre htpo-
tbeca quem precizar derija se ao beco do Locato
n. 10.
Cosinheiro
Alogate um perfeito cojioheiro para botel,
ou casa particular : tratar a ra do Bario da
Victoria n. 22.
Precisa ie um 7i*< fequo" de'12 a 15 aonos
para servicu eiterno ia padaria da ra do Rac-
f el n. 9.
\ 116:000
O Sr. Tbeodoro Justo faca o favor de vir a ra
do Hospicio o. 30, a negocio de sea itteresse.
N. 33:690
O Sr. Dr. Francisco Jos Rabe.'lo, director do
collegio de S. Francisco de PaqM, queira vir a
esta ivpr^rraphia negocio de ea o"gate idse-
rese.
s
i
m
m
s
s
lula particular de InstraccSo
primaria, roa Dlrelta n. 141,
f. andar.
O abaixo assigoado competentemente habilitado
pela in,-trucc.o publica desta provincia, avisa ao
respeitavel publieo e pariicularmente aos pas de
familia, qae acaba de abrir ama aula de instrnc-
ci primaria na roa Direita o. 141: primeiro an-
dar, onde poder ser procurado ; e desde j se
eompromette a dar o maior adiantamelo e lases
a mocidade que for confiada a sens cuidados;
tendo em seu favor a praliea e methodo qae re-
ceben em um dos melhores eollegios da Earopa,
onde estadou per mais- de quatro aonos.
Rectfe, 8 de abril de 1S72.
Justioiaoo Jos da Costa.
Empreza do gaz
Pernambuco.'
Esta empreza tem um lindo sortimento de can-
deiros, arandelas, pendentes, etc., tanto em vidro
(crystal) como em metal, e orna variedade de glo-
bos dos padrdes mais moderaos e por precos m-
dicos. As amostras podem ser vistas oo escripto-
rio o. 31 roa do Imperador. Bicos para gax do
melhor feitio a 60 rs. eada um. As eocommeo-
das oodem ser feitas por escripto, na rna do Im-
perador junto a secretaria da polica, oa dirigidas
ao abaixo assigoado oa fabrica S. Jos, qae serio
promptameote atteodidas.__________ ___________
500:000
De graiiflcacio a quera der noticia certa dos
escravos abaixo mencionados :
Pedro auzeotou-ie em 29 de agosto prvximo
passado com os signaes segninles : cabra escuro,
alto, reforcado, tem as ewaduas largas e peroas
compridas, estes signaes sio salientes, tem urna
pequea belidia no olhe direito, falla descargada,
levou chapeo de fieltro preto copa redonda, camisa
de baeta azul.
Liberalioa, auzeotou-sa em 28 de agosto do
mesmo anno, esta bastante clara e tem olhos
azaes, cabello amarello, nariz chato, estatura bai-
xa e feia, falla descargada. E' provavel que es-
tes aodem amaziados, que pois ba razio, porque
fugiram para estarem em completa liberdaie,
ambos tem ponco mais oa menos 24 a 23 aonos
de idade. Vieram do -Aracaiy para serem aqni
vendidos. Sio natoraes do Rio-Grande do Norte;
sem duvida hai de terem mudado os nomes:
quem destes der noticia certa, recebera a grttifl-
eagao cima, na rna do Bario da Victoria n. 44.
|ffilMli9l
ffi CONSLTOIU MEDICO- M
m cirtjrgico m
DO BR.
i A. A. CYSNEniO
A' ra do Imperador n. 42,1* andar
D consultas todos os das das 9 horas
ao meio dia.
Chamados, por- escripto e qualquer
hora.
Especialidades : molestias do appare-
Ibo respiratorio e circulatorio, lesdes do
ligado e doeoeas dos pantanos.
0* aiwmm Ke0
CONSULTORIO HOMEOPATHICO.
DO
BR. C AS 1\0VA
Largo da matriz de Santo Antonio a. i.
Coosnltas e visitas a toda a hora. Medicamen-
toa e carteiras dos melrnres fabricantes.
Escravo fgido
No da i* de marco da crreme anno anzentoa-
-e da easa do abaixo asignado o e.-cravo de nome
Pedro, caiculo e representa ter trinta annos poaco
mais ou menos, aliara regalar, tem as espaduas
largas, olbos grandes e vermelbos, nariz regalar,
barba cerrada, testa larga, peitos eabtlludo?, ero
nma das pernas tem urna cicatriz ao lado do jo-
Iho, ps bem feitos e grandes, quera dr noticia
certa ou entregar em casa do Sr. S Ramos A C
ou aa abaixo assigna jo ticum da eomarca de Nazareth, ser bem re:om-
pensado.
Miguel Passoa de Araojo.
CAIXEIRO
Precisa-se de um caitelro de idade de 12 a 16
anno? preferiodo te portoguez ; a tratar no Livra-
mento n. 38. Balisa.
Jos da Cooceicio Oliveira Figueirelo, esta-
belecido com loja de jo as oo arco da Coneic.ao
do Recife, roga aos seus devedores o obsequio de
Ihe pagarem o qae Ihe sstio a dever, certcs de
qae aqaelles que o nio flzerem at o fim do cor
reate mez, obriga-lo-hia a recorrer aos meios ja-
diciaes. Recife 1" de maio de 1871
Escrava
Presisa-se alagar ama ama escrava qae saiba co-
siabar e engommar; traa se e paga-se bem ; roa
de Vigario n. 16, 2.' solar. ______ __________
Gabinete portuguez
de leitura.
De ordem do Ilion. Sr. presidente do cooselbo
deliberativo convido os membros do mesmo eon-
selho reunirem-se eai sessao ordinaria sabbado
4 do correte as 6 bora i da tarde, na salla das
respectivas sess5es.
Secretaria do eooselbo deliberativo do Gabtoete
Portuguez de Leilura era Pernambuco H de maic
de 1872.
Antonio Augusto dos Santos Porto.
_______________________i. Seertaario.
Tasso- Irnos & C.
receberam nova remessa de eerveia preta e branca
da acreditada marcaEatio.
Criada portugueza
Offerece se passagem a nma mulher portugueza
qae qaeira ir para Portugal oo fim deste mez em
companbia de ama familia, para cuidar de urna
menina at o Porto : a tratar na roa do Queima-
do n. 94, toja das 6 portas.
Precisa-ae de nova pessoa para fazer o ser-
vico de fachina: na pidaria da ra do Rangel ou-
mero 9. _________________________
O abaixo asiignao'o declara 'qoe veodeu i
Goncalves & Prime, a venda sita na fregneu'a da
Boa-vita, raa do Vlseoode de Goianna n. 97.
Francisco Xaviir Ferreira.
Aluga
, ,-se
a casa terrea sita no poveado denominali Duarte
Coclbo em Olinda, qne tem frente de azlelo com
bastantes commodos para familia, teodo 3 salas 7
quartos, cosinha ra, casa para escravos, galli-
nbeiro, cacimba, quintal murado e poni para o
fundo com terreno at a camba : tratar com
Domingas Henriqne Mafra, oo mesmo lugar.
Aodr Kompck, flibo do fallecido Ti-eoJoro
Rmpele declara a todas as pessoa*, que elle
quem tem de concluir os contratos de obras feitos
cora o sea fallecido pal, pois ja sendo elle quem
as derigia e jnlgando-se com os conhecimentos
iheoricos e praticos de architeetnra,' espera dos
amigos do mesmo finado a continuacio da sua
conflanca na incumbencia de qualquer obra.
Precita-i s de nata escrava, ba
coilabeira a nata Ivre pera en-
gommar e fazer o servida eterno
de casa de familia, paga-se bem : na ra da .Cre
d Recife o. 42, armarem, ou no Coi redor do His-
po n. 23.
Preeisa-se singar nma sanlber
forra on escrava, para tan d
'pequea familia, a tratar ia
Precisase de nma ama para coiibar, pre-
ferindo-se escrava : na roa do Crespo n. 7._______
Preclsa-se de orna ama pa-
ra comprar e eoxiobar para
pooca familia : na prica da
Independencia o. 27 e 29.
%fln%
AMrV
Preeisa-se d'oma para o servio de casa
de pequea familia; aa roa doa Guararape?,
em Fura de Portas n. 9A.
o. 20 I* andar.
Preci-a-se ailbgar ama ama
ama para casa de pouca fa-
milia, a roa larga do Rosario
Show Hawkes A C fazem scieote a esta pra
ca que nomearam seus procoradoros bastantes na
auzencia do socio gerente Williaro|A!exandre Cam-
pblel em primeiro lugar "o Sr. Ftederico J. Ken
worlhi, em 2 o Sr. Ashlin Wilson.
Associaco de soccorros mu-
tuos Luzeiro da Verdade
De ordem do presidente desta associacie, e em
confurmidade ao qae determina o art. 43 dos es-
tatutos, convido a todos os seus associados para
a sesso extraordinaria qae se acha convocada
para o dia 5 de tnaio vindouro, ?.rim de proco-
der se a eleicao do novo carpo admimstrivo, que
tem de funecionar no anno social de 1872 a 873.
Secretaria do centro social do Luzeiro da Ver-
dade, 22 de abril de 1882.
Bellarmioo Carneiro,
_____________________ Secretrio._____________
Precisa-se alugar urna Merava que saiba
cozinhar para caa de pequea familia :
r na thesouraria'das loteras, ra Primeiro
irpn n 6t i jQdar.
bem
trata
de
Marco
Escravo fgido
Na noite de 12 para 13 do correte fogio do si-
tio Imberibeira. do abaixo assigoado, o escravo de
nome Flix, crioulo, e representa ter mais de 30
annos de idade. F -i comprado pelo abaixo assig-
oado ao Sr. Bernardo Nerat, ha um anno, e per
tenceu anteriormente a um francez vendedor de
ouro, chamado Simio. E'de estatura baixa, sec-
co do corpo, barbado, olhes 'ermelhos, coxa da
perna direita, e tem o p troncho; e na poca em
que fugio tinba dado urna estrepada no mesmo
p, 8cbrevindo-lhe nma pequea tistuia. Levon
ama pequeoa eaixa com roupa de algodio de lis
tras e urna eoberta de bata encarnada. E' na-
tural do Rio Grande do Sal, aonde -erv.o muitos
annos, e as costas aprsenla anda ccatrizes de
ter sido amigamente castigado. Bebe agurdente,
mas poucas vezes fica fra de sen estado natural,
alegre e fatlador, ba quasi certeza de que se en-
caminbou para Pernambuco pela costa. Qualquer
pessoa que o capturar e o entregar ao abaixo as-
signado, on em Pernambuco aos Sr?. Joio Quin-
ao de Agailar & C. ser gratificado com 50J.
Parabyba 26 de margo de 1872.
Custodio Domingues dos Santos.
Viajante da Victoria
A gndola, viajante da Victoria, encetar a
sna carreira para aquella cidade no dia 9 do ecr-
rente, partindo de Jaboatio as 6 horas da tarde
e vcltando no dia 12 as 3 horas da tarde. Os
pas-ageiros qae qneiram seg ir devem partir do
Recife no mnibus das 4 horas da tarde do dia 9.
As Dassagens Je ida oa volta serio 8J0OO do
Recife a cidaae aa viciona.
Os passageiros que quzrem seguir noutro
qoalqaer dia deverio entender-se no Rec fe com o
proprietano dos mnibus, e na Victoria com o
da mesma gndola.
Todas as qointas-feras segnir para a mesma
cidade e voltande nos domingos as mesmas horas
como nos das 9 e 12 do correte isto at o se-
gundo aonuncio.
Veneravel eonraria de .Santa
Rila de Ca-sia
Em cumprimento do disposto no Art. 32 1*
do nosso eompromisso, convido a todos os nossos
charos irmos qae estejara no goso de seas direi-
tos a se reunirem em nossa igreja no dia 5 do
correte, as 9 horas da maDbia, para, onvida a
missa recoramendada no Art. 9, se proceder a
eleieio do conselho administrativo como preceita
o Cap. 1* do Tt. 4o do refirido eompromisso.
Sesretaria da veneravel eonfraria de Santa Rita
de Cassia L de maio de 1872.
O secretario,
_________________Francisco Lopes da Silva.
Precisa-se alagar um preto para o servido de
carretos : no armazam de moibados roa da Ca
deia do Recife n. 10.
O Dr. F. J. "Pereira da Motta e
sua mulher Maria Barbosa Chicbor-
ro da Motta, penetrados da mais
pungente dor, convidam as pessoas
de sua amizac'e para ouvirem urna
missa qne mandan celebrar na
igreja dos religiosos Franciscanos
uo dia 6 do correte, as 8 horas da maobaa, pelo
repouso eterno de sea adorado sojro e pai o des-
embargador Andr Corsino Pinto Cbichorro da
Gama, fallecido na Babis em 19 de abril ultimo ;
e por esse acto de religiio e amizade se confs
sam eternamente gratos.________________^__
CANDIDO AFFONSO MOHEIRA.
,D Carolina Soares de Amorim Mo
'eir, no dia 6 do cerrente, primei-
ro anoiversario do fallecimeoto do
eo presado espozo Candado AITonso
Moreira, manda celebrar por alma
Ido mesmo, algumas n i-sas na Igr< j
'do Corpo Santo s 8 horas da ma-
nhaa, e convida aos prenles e aos amigos do seo
tinado marido a assistirem este a:to de religiio
7 de maio de 1872
Aniversario da mor'.e de
D. Mara Eflta Wanderley Cin-
tra.
Joac.uim Cordeiro Coeibo Cintra
(ausente) trn'e de mandar rezar
to dia cima declarado pelas 6, 6
1|2 e 7 horas da manbia em a
igreja do convento do Carmo desta
cidade, ornas missas pelo repouso
eterno d'alma de sna esposa D.
Maria Elisa Wanderley Cintra, roga a senspa-
reates e amigos o piedoso c bsequo de assisti-
rem a esse aeto.

Fugio
Ha qaisi am mez o cabra velbo de nome Joa-
qaim, vermelbo, barbas brancas, rosto comprido,
olbos eocapellados, altara regalar, seeco do cor-
po, espigado e airoso, andar desembarazado ape-
zar de sua velbice ; tem om ar alegre e e robus-
to, tem am ou mais earocos em um braco ao pe
do cotovello, e ontros mais salientes as nadegas
de modo qae se percebe bem qasndo e abaixa ;
cao sabio ainda desta cidade onde tem sido en-
contrado, ora oa Boa-Vista, ora em Santo Anto-
nio e S. Jos raa de Santa Bita e dos chafamos :
Snem o appreheoder queira maoda-Io a raa da
aia n. 3(5, ou a ra do Cerrador do Bisno n. 25,
easa dos Srs. Amorim & Irmo ; que ser hem
AMA
Precisa se de orna ama para coti-
nbar e engommar em easa de familia
de duas pessoas, a tratar na ra Nova
de Santa Hita n. 49 e 51 oa rea de S. Jjo agora-
do qae tem doas jejas) em cimt do portio de ferro.
i ir i Preeisa-se de ama ama para eos-
\ 1| \ nhar e engommar para casa de fa-
T-ITlil milla de duas passou : a tratar na
roa Direita n. 3, andar. __________^^
m
Preeisa-se de ama ama para coa*-
nhar e eogo nmar : tratar na rea
do Bom Jess o. 66, primeiro andar
Preeisa-se de urna para eo-
sinbar, fazer as compras e
ontros servicos, para casa tfe-
faroilia : i tratar na rna da Soledade o 54.
Precisare de ama ama i a -
ra cosi ha r paracau de pen-
ca familia : raa da Aur.ra n.
familia : i tratar ni
^la*
i, segundo andar.
%bla^i
Precisa-se de nma ama pa-
o servido de uma ca a d<
_ orna pessoa : tratar na roa
da Cruz b. 18, 3 aadar.________________________
Ama engommadeira
para orna pequea familia : precisa-se de alugar
nma boa engommodeira hvr conducta : a tratar na ra da Encantamento n. 5,
primeiro andar.________________________________
Precisa-se de urna para casa de dnss
pessoas: na irave^sa de S. Pedro o. i.
AMA
Precisa-se de duas mnlberes,
sendo 1 para eosiobar e outra para
Lll l kJ engommar : tratar oa estrada
dos A lllict '3. sitio n. 33, ao lado direito, quasi em
frente donde para o trem de Caxang.
fclfia
Precisase de nma ama pa-
ra cosinbar oa engommar pa-
ra easa de poaca familia : na
roa do Vigario n 5, segundo andar._____________
Preeisa-se de urna ama de lene para crear
ama menina : tratar na praca do Conde da
0. 7, segando aedar.____________________________
Precisa-se de ama ama para cozinhar para
casa de pouca familia : a tratar oo largo da Ri-
bo ira n. I, entrada pela rna de Santa Rita.
Precisa se de uma qao saiba per-
feitamente cosinbar pnlirindo-se es-
erara : a tratar a rea do Hospicio
AMA
n. 50.
Precisa-se de ama ama pa-
ra eczinbar em easa de ho-
_ mem solteiro que tem pouca
familia : oa ra do Crespo, easa n. 12.
^m
s Precisare de uma ama para eosionar e
mais algum servico. para casa de poaca familia :
oa raa Duque de Caxias o. 41 A.______________
ATTENCAO
Ainda se continua a fornecer almoco e jaotar
para fra oa raa estreita do Rosario sobrado o.
35. As pessoas que quizerem dirijam-te mesma
casa qae se dir os precos : mandase levar em
casa dos assicnantes e f que em outra qualquer parte e todo coa aseio.
Ha Iravessa da roa
dar Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
niielro sobre penhores
de onro, prata e brilhai-
tes, seja qnal for a qaan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesnos me-
taes e pedras.
Sahto no dia 28 de Janeiro deste anno o es
cravo Luiz, crioulo, de 23 ancos de idade, com os
signaes segaiotes : alto, grosso, ts e mos gros-
sas, cara espinbosa, denles limados e o dedo do
p encostado ao mioimo mais corto que os ontros:
roga se aos ca pitaes de campo on a qualquer an-
toriiade de o pegarem e leva-lo ao engfLbo Velbo
do Cabo, no sitio Jaoqueira, que serio bem grati-
ficados.__________________________________________
Escravos fgidos
A 21 de outubro de 1871, tugio do eogeobo
Doas Bracos de B*ixo, freguezia da villa da Es-
cala o escravo de oome Nazario crioulo, repre-
senta ter 28 a 30 annos, cor fula, poaca barba,
muitos pannos bancos qne parece cinza, a ore-
Iha direita menor que a esquerda, uma cicatriz
oa macam do rosto do lado esqnerdo ; rrga se a
todas as autoridades e capites de campo a cap-
tura do mencionado escravo, a cenduzi-lo ao dte
eogenho qae ser bem recompeocado. Dito es-
cravo foi de Viclorio Jos Leitio morador as
abertas do estreito de S. Tbom em Cariri.
Fogio do eogenho Ribeirao, fregoetia de Sanio
Antio o escravo Manoelcom os signaes segninles :
negro preto, estatura baixa, peroas finas e ana
Eoneo arqueadas, os denles da frente largas, a
arba com cabellos salteados, muito regrista, re-
presenta ter 28 a 30 annos, levon camisa de ma-
dapolio, calca de brim pardo, chapeo de baeta
parda, e levou roupa de algodio da malta: roga-
se a todas as autoridades e capites de campo a
captnra do dito escravo e conuzl-lo ao meocio-
nado eogenbo, que serio bem; recompensados.
CASA
Precisa-se alngar ama casa para pequea fami-
lia, as seguintes ras : Soledade, Principe, Proges-
so ou immediacoes, a tratar na rea do Passeio o.
5_8.______________________________________________
Na rna larga do Roaario n. l nreoao-aa dn
nma ama qae saiba comprar e coanhar.________
Alaga te um sitio oo Caidereiro junio ao
sitio do Dr. Aleoforado eooieodo daaa asas asna
grande, e outra pequea, eoxelra, estribarla, doa *
cacimbas com agua para beber e tanques, Modo
bastantes fructeiras as qnaes sio laraajeiras de
todas as qualidades, sapntis coqueiros jaeaa man-
gas differeates ltalas eom parreiraa em aaro
nio pequeo e oulros muitcs direraor, os landos
do sito ieita para o rio Cipftarfbe, qoem o pre-
tender denja se ao mesmo sitie, en,* botica do
Sr. Tencrio, rea do Rosario estreita.
Attenpao
No progresso ds pateo do Carmo n.
se fallar os Srs. Dr. Antonio Vctor de
ti e Preejteo 3uhs Jnior, a negocios
interetses.
9, deseja*
S Barre-
ne* MU
I Joaqnia Jeee da Foaaeea vai i Porta-gol Ira-
:ar de sua saude, deixando encorregado Os seos
negocios judiciaese Sr. Dr. Joaqaim Jos* di Pea-
soca, e commweiaes o Sr. Aatoaio Alvea rUfeeeo,
Jcaqaim Jos de Acevedo e Aatoaio Jeo Peroira
Bastos : oatro san declare ma ever ana pra-
caoi IrJrafdHi.
-
-


1
DiaQttfaFvWWHco Sabbatlo 4 de rjao de 1872.
aJ/
RUIDO BRUMN. 52
(Passando o ehafariz)
f-9
Annuncia aos enliores, de engenhos qae por falta d'agua
ou mortes de animaes nao possam tirar suas safras, que est
prompto a assentar rapores dentro em 8 dias do pedido applican-
do elles as moendas ja existentes.
Tem era deposito cariado sortimenlo de
MOTORES PARA DESCAROQAR aLGDaO
A vapor, agua ou animaes
mclusTe alguns que nfto precisam de otra alguma de carapina
pelo que podera funccionar logo que cheguem ao lugar.
FORMAS PARA ASSUCAR
Aquellcspropiietarios que quHterem formas podem desde
j fazer suas encommendas, pois a casatni em viagem e j
chegado numero suficiente para suprir a todos qnantos queiram.
, MACHAMOS DIVERSOS
nesta fabrica ha deposito de todos os uiachinismos empregados
na provincia, e acceita-se encommendas para fazer vir qual-
quer ^nachinismo a vonUde do cliente.
[gnicto Jos Gtbral identifica-a seus fre-
gueses e ao pub'iio em geral qne se acha.com
seu entabeleeiminto de cochtira de carros de ala-
gue! e cavados de trato, oa mesma casa de junto
da sala de audiencias, no Qm da machambomba
de .\pipacos, aonde se promptifiea a bem servir a
seos fregueiea por preco mais commodo do qae
crnontjr qoalqaer parte. _____
AVISO IMPORTANTE
Os assegaradcs, contra risco de Togo na companhia ngleza
IMPERIAL
85o prevenfoi que a
"S, J. Ubnstoo C.
agencia dsta compmhia icha se transferid! aos Srs.
W, G. Fenoelly,
38, roa do Commercio, primeiro andar
MOVO ARM&ZEM DE FAZENDAS
COM *
BRANDE ICINA DE ALFAIATE
Dirigida pelo bem conhecido e distincto mestre
HIMNO JOS DE BARROS
Ra do Mrquez de Olinda n. 40
Frederico Pinto C. acabam de abrir e?te novo estabelecimento e pedan a
freqoeccia do respettavel poblico qae encentrar completo e sempre renovado sortimen-
to de pannos, casemiras pretas e d cores as mais mordenas da Europa, velludos, .gor-
gnroea, merinos, alpacas, brins de todas as cores e qoalidades. No mesmo ba completo
e vanado sortiiaento de fazendas francesas, ioglezas, alientes, saissas e bamburgaezas, e
todas se vendem por presos mdicos,'afnn de acreditar esta novo armawm.
Samuel Power Jobos-
ton &U
|Rua do Apollo n. 38 e 40
Fzk sciente aos seas fregoezesqueteero
nadado o sea deposito de machinas a va-
por, moendas e tazas da muito acreditada
fabrica de LewMoor para raa do Apollo o.
38 e 40, onde eonucuam a ttr o mesmo sor-
timento do costme.
Fazem -sciente tambem qM leeta feito Qm
arrtnjo com a fnndicao geral, pelo que po-
dem offereeer-se para aseeoiar qualquer
mafhraismo e mesmo garant lo.
Este o nome de om tafeeiecltaftnto de miu-
dexas silo ra Primeiro de Marco n. 3, outrera
do Crespo, ,
Seas proprie'arto Merote & Carulko, socesso-
re de Manee! Cardu urna disttaceio para o tea esubelectroeaio, dis-
traccio esta que esti.veise de aceordo alo ? em
o flm do estabelecimento, mas tambem que en-
con-raiae anoto da parte das Exmas. Sras. de
seas trefRues, lembraram-se da Violeta por ser
nos jardins do campo a flor que mais bnlba e
mala impera : ora, o sea estabelecimento que aca-
ba de passar por ama nova phase pondo-se em
paraleilo ao jardim da Violeta porqoe tem hoja o
sea b.ilho ja na variedade de flores arunciaes, j
aos aromas de differentes extractos, etc. etc. re-
solvern! se por conseguiote adotarem o nome de
VioleU mesmo porqne tado qnanto de bem, bo-
nito, e agradavtl ae acerca da Violeta, e para o
qae vejamos ;
Bolcinhas para crianza e seohora.
Enredes a violeta.
Eiceva do cabo de raa trpenla.
O d*tejado extracto de fna.
Os procurados passi parta com extractos.
Carleirinhas de velado para senbora.
As desojadas trancas de cabello.
Cassoletas com aljjfires para snhoras.
Chapeos para seuhoras.
Ditos para bomem e menino.
nicas costareiras para senhora.
Leques de marllm.
Ditos de sndalos.
Ditos de madeir.
Voltas de percla para chora.
Riquissimas bonecas de cera.
Ceques ltimamente chegado.
Agua deutriflee de Vntti.
Agua de beleza para amaciar a entes.
Sabomrtei tinos transparentes.
Garrafas do agua de colonia.
E outros muitos arllgos de miadezasje per fuma-
rias qu se tornariana enfadoobo } mencinalos
Pao especial
Ko especial e pi coramum lodos os dias as l
atoras da urde, sendo de fariuha especial e o
mais bem traba I hado pcs>ivl: na raa de Gerva-
sio Pires .e. 43, nova padaria americana.
Na.pharma:ia americaoa a ra Duque de Ca-
xusn^S7, precisa-se diiqa ('ffljial ron prtisa.
'Alaga sea
mestico,
de. i rn
Eseravo
!6am,preio e.erayq ?s
airtir4ilUooel A
^fUf) n.
para o servco 3o
Aieveo de Anira-
8.
__ M---------------
Peae-se aos deveilores da loja de calcado n.
5? da roa do Livraaneoio, perteucente ao Sr. E reir Jnior, qoe venham pagar os seos debito^
quanlo antes, do contrario aeran chamados a juito
COMPRAS.
Corapra-se
na roa Nova n
-
se apolle
3, joji.
llces da divida provincial
C0MP84SE
moedas de onro e prala na loja da
;oh de Onda n. 58.
roa do Mar-
Uompra-se
tras'es novoj e asados: na ra do Impera-
Vr n. 48, armazem.
Eso
-
:ra va.
CDmpra-se ama escrava de meia idade qae teja
Ei'.a coiinheira : na raa Duque de Castas i.
toja._____________________________
Escrava
Compra-se urna que coiinhe e engomme com
ferfei^io e qoe seja de boa conducta: na ra da
rafa n. 26
ViNDAS.
Mavoel Ignacio dos Santos Peizoto, declara
so respcftivel publico e eom especialidade ao cor-
po d3 commercio qae rem justo e contratado cora
i Sr. 'Manoel Bizerra 'dos Santos a armaco da
casa *.ia na Ladeira do Varadoaro u 28 : qaem \
se jetgar eom direito mesma dirija-se a ra de
S. Bento, uberna do'Sr. Jos Hygiao Monteiro no
prsto de tres dias.
Olinda, 1 de maio de 1S71
Os propietarios da fundicao geral fa:em
sowntes aos senbores de eogenho e mais
pessoas, que teem-esiabelecido urna fund- =<
ci de ferro e brouze a ra do Brum, jua- &>
to a e>lacao dos bonds, onde aprontarlo ^ h
qaalquer obra de encommenda com perfei- ^ B
cao e prora pdao.
-Gs raesmos rogam as pesseas que qo-
ram ntisar'Se de seas servidos de deixt- *
rem as encommendas em casa dos Srs. 5a- p ?1
uel P. wer Jubnsicn & C. a ra do ApoJ- *^
38 e 40, onde acharao pe'soa babili- v's
o n. 38 e 40, onde acharao pe'soa habili-
tada com quem possam ent-etderse. ^T g
Apparelto.f-ara fabricar ascocar, do 3ystema. (Y f,
WESION CE.NTR.EFUGAL |k: si
nicos ageoies em Peroambaco a fundicao goral. ,--y I
Para tratar em sea escritorio a ra do Apollo o. 38 e 40. j^ n
m
Cofres de fero de m]m e 0l?lr03
irrexivaS pan COpar cartas
Balanzas de pesar, Decim3es> R0BaBMi e;c.
Tachas de ferro, fltaBhid0.
Arados Americanos
IrraaeS, para agricnltnra.
Carrinhos de mao.
Machinas a Vapor
maClllQaS & escarolar algodo, de 10 al 40 serras.
%JLa,yaM urj lOriO gaivanisadas para :obrir cafas etc.,
ataa artigoa vendem-ee em
casa dos importadorea.
Shaw, Hawjun A C,
t. 4 BA DO B0M JKPUS.
'( itr'ora rfa da Crcz)
!
Fr^cisa-se
aiugar ara sitio per:o da cidade
Du^ue de Carras t?. kii, leja.
a tratar ca roa
Jftir oreco ccmaiodo
Cose-se.qcaiqaer colara de senhera oa de
criasea, e toma-se roupa para engommar : na
ra da Aurora n. 65.
Medico.
5
O Dr. F. G. de Andrade Liau, tendo
aber'.o seu consottorio, na casa de sua
residencia, na roa larga do Rosario n. 40,
fe andar, nJe ser procurado a qualqoer
bora. Da coosalus todo* os dias da* 7
as 9 horas da roaohai, # de 1 as 3 da
larde ; grates aos pobres.
iriiar
Tasso I raaos em liquacao precisam fallar ao
Sr. Dr. Antonio Buarque de Lrma, oa sea corres-
pondenie nesta praca : na roa do Amorimn. 37.
A HERONA POR EXCELLEN(3.\
oo
ROTO HEZ MARIANO.
Approv6o pelos
Exm. Rtsis Srv trcehlspo
-e Bisp lo Bratsfl.
pelo eonego.
Dr. Manoel a Costa Htmrato.
Acha-se venda -as principaes livrarias desta
ndade
Preco SOOO.
lltlhMIADE
DO"
Divino Espirite Santo
Eni vista do artigo 102 do nosso comproraisso,
convido a todjs os nossos chafissimos jrmos o
eomparecerem domingo 5 do corrate pelas % ta-
ras '-da manhia, flm de traar-se da lnc.53 dos
bovos funcnooarioe para o aauo de i872 a t8J.
Xjasistorio da irmandade, L* Je maio do t87S.
O esenvo,
__________________Antones Gnimaraes.
Precisa se de i:000# ajuroj razoaveis sobre
bypotheca: quem qnizer dar annuncie para ser
jArocurado.
OITerece se um rapaz bastante haoiiitado para
caxeiro de casa de negocio on mesmo para qaai-
quer outra occapacao mediante um contrato de
loca^o de servieo; pela qaantia de 900*060 rs.
qu^m pretenler aonacie pelo'Dlario ou dirija se a
prs;* da Boa-Vista n. 6 advertindo qae esta pes-
sea sabe bem escreer.
Parreiras
Sapotizeiros
Larangems
Ibacatizeiros
a mitras muitas cualidades de arares fructfe-
ras,^ ootras para ademar ras e jardins; como
sejam as bellas qualidudes de acacia", cedros, pal-
endras imperlaes, e de ootras qnalidades ; recom-
ffiendase a qaem precisar de uranias conhecidas
por palmeiras Nao preciso dizer quanto ao acondicionameoto
das arvores visto star sabido que no sitie do
abrigo ha capricho, rssia eorao manda-se levar
aos tres hsiiTos do Raoife livre de qaalquer esti-
pendio : trataren Otmda, no sitio do Abrigo,
coaa Biaban Teixeira Lopes. Ha tambem grande
sortimento de ps e se mentes de flores._______
tnico deposito em Pernambaco dos charu-
tos G. Schnorhusch -da Babia, no escriptorio de
Cunfee, & Manta : veods se de todas as mares.
por-presos establecidos, e em pmqlo de 3,000
para cima se dar descont : na raa do Mrquez
de'Olinda n.*0.
Oopeiro.
Vende se um molecne de idade de 19 annos
-adi, de tode servieo, e especialmente bom ce-
peiro : trata-se na ra Daqae de Caxias n. 54. 1
andar,, sala da frente. __________
Raa do BarSo.da Vittori
N.7^0utr'orhTaNoTa_N.7
Sempre novot sortimenics
Calpado francez.
Botinas para homens, bom bezerro pellica, ;or
Javo vaqueta e panno, duraque com brjueira de
vernix, pel.iea com biqoelra de v^rciz, hizerro t
pellica eom ilhoses e com bolees, tanto dos fabri-
cantes Suier como de Polak.
Botas russianas, meias botas, perneiras e meias
P'-rneiras para montarla.
Spalos de vaqueta de verniz com scla de ma-
deira, proprios para os sitios, jar lins e baos,
tanto para senbora como para hornera.
Sapatos de borracha para hornera, senbora e me
tjIio.
Botinas e abotinados de muitas qualtades e pre-
sos para meninas e meninos.
Sapatqs de vernix, charlat, catemira, tapete?
avtHadaflos e de tranca, franceses e pc'.ugutzts.
Perfumaras
Finos extractos, banha?, cosmticos, leos, opia-
tas, e poses dentifriees, agua de flores de laranja,
agua de oologne, divina, florida, lavande, e de
toilet, tintura para barba e cabello, pos de arroz,
sabonetes. e. mujtos artigos delicado?, com fras
Jranos de extractos, tudo de pnmeira quali-
ade dos bem coshecios fabricantes, Pivjr e Con
dray.
Quinquilharias
Finos artigos de Paris, de diferentes gostes *
phantasia, como sejam os segaintes:
Leques para senhoras e meninas,
Lavas de pellica e de o de Escocia.
Espelhos difireme?, para sala e gabinete.
Vidro? avu sos para espelhos.
Calimbas de costura ornada com msica.
A'buos e quadrinhos paro retratos.
Diversas obras de onro Je lei.
Correntes de plaqu para relogos.
Bolcinhas e cofres de seda e de velludo.
Diversos objectos de phantasia para toilet.
Pencinez, ocalos e beogallas de luxo.
Chicotes e becgallas de Daleia, canna e janeo.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Escovas para cabellos, roupa, dentes e unhas.
Pentes de marm noitq finos, para caspas.
Ditos differentes para cabello e barba.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Malas, b6lcas e saceos de viagem.
Gaiolas de rame para passaritibos.
Venezanas transparentes para janeas.
Abat-jours transparentes para candieiros.
Mamadeiras de dar leite mal fcil as crianzas.
Tiras de molduras douradas para qualros.
Ricos quadros ja proraptos com paisageos.
Estampas de santos, cidades e phaotazias.
Esterioscopo e cosmeraroas com ricas vistas.
Obiectos ne mgicas para entreten:mcnf>.
Machinas da dillerentes systemas para caf.
Bercos de vimos para embalar etiaoeas.
Cestinhas para meninas de escola.
Jogos, de dama, domin, bagatela e da gloria.
Campanhias de molas para chamar criados.
Realejos, aceerdious, vidros avulsjs para eos
moramas e cutres mullos axligos de quicqui
loaras difficeis de menciouar.
Biivl
Vndese farinha omito
saceos de 30 cuias por 51
Goerra.
boa da trra em
no armazem do
Preciza-se.
Para pequea familia alagar um sitio na seledade
ou ca estrada do arreial e que fique /auto .de
algama estaca > da v,a frrea a traur no largo do
Corpa Santo o. 19 I. andar.
Armazem de deposito
Reeebem-se em deposito volames de fjzendas oo
qualquer ootro genero a preo muito mdico : a
;ra lar na ru do Commercio n. 48.
Jos H nr que aa S Iva GuimarVs, ppeisade
um rapaz paraempregado, e que saiba bolear um
cabriole!, a faltar na ra das Crazej n. 36.
ENGENHEIRO.
Vndese o armazem e ifflcina do movis
da ra da lmperatri n, 56 : tratar no mesmo
estabelecimento, que nada deve- na praca.______
Vende-te urna toulatioba de 12 a 13 anuos,
recolhida, sadia, setr, vicios, e com alguma habi-
lidade : tratar na ra da Santa Crnz n. 24.
Urna exeelleoie. escrava, bolita figura, moca
Qmtilo n. 3. E' perita eogonaxadeira, e eo4en-
fide todo o servieo. Tde-se tratar iodos os dias
t 7 horas ao rreio (lia.
M* ba mais -cabellos broncos
Tintura- fapaaeza
enica approvada pelas academias de s:ien-
fjfe, recoahecida sapi-ier a toda qae tem appare
n&o at boje. DeposiW principa! ra da Cadeia
da Reate boje Mrquez de Olinda o. 51, 1* andar
em todas as boticas e casas de cabelleireiro.
Ra Duqne de Caixia n. O, leja de miu-
etai c!e h. lgoiW'nho caini a vender
no quaiito lera em uu e.-ttitlecimento
ptlos prtfos abaixc declarados, a saber :
tibras Jelaa pura bo flado? a GA(0O
C-xs coai stip^ricres gram-
pos 'rat cezes a rs.
TYiheres para mfninos a i'10
,-s. e
Libras de li ha de noveilo de
a. SO I O a
Lecos decassa com barra a rs
Varas d toa'ba a ti.
Drzia de ceias Enas para se-
Qbors a
Muso (le palito st-gura.c-;. a rs.
Navlbss fazenila superior a
^Caixas c 120, 4' O e
aixas com papel .nmizade a rs.
Dita, dita, dita Lua doura-
a a rs.
Caixas com envclopes a rs.
500, COO e
Ptssas de fila para coz com 10
varas a re.
Duzia de linha rouxa para bor-
dar a rs. 400 e
Baralhcs fraccezes maito fi-
nes a rs.
DiUa 6 bein dour;.da a r?.
Duz'a de aguihas pa:a matbi-
aa a
.Libra e pregos francez(S a rs
Resmas de papel bnrro liso a
Ditas, ditas pautado a
Dozias de sabooeies muito fi-
aos a rs.
Dczia de lirba de carrttl
\!x-r,dre a
Broza de bc.es madreperola
a rs.
Car'.oes de :nba branca e pre-
;a a rs.
Thesocras muito finas pata
atibas a rs.
^Groza de b'. lijes de looca
l Tt.
li-res :?e rapatos de como
para !T,tr.:ufs a
Caixas cena i papis de
igpibs fendo dourado a rs.
Frasees de oleo Oriza s pt-
rior qua'.idade a
C ixas de felha com palitos
Je vella a rs. *
Pesfas de fita de lia para de-
brem de t das as (ores a rs. 120
Psas ^e fita branca elstica
para d*-brnm a rs. '.l
ICO
400
I #'00
l-0
\iQ
#500
iOO
(#000
5.9
700
803
800
410
300
240
320
2000
240
SIMO
4O0O
700
t#000
500
ib
ili
i o
*#CO
n
Livros -leaimto
Vende-*s as obras t direito sefuintes : Chaa-
>veao Hr.-lie, Codito-'coal, Moren, Direito Crimj-
melf.Briaod, Medeeioa (galSilva Ferro, Direiti
'Criminal: na ra du-Rangel o. 7.
-. Ceblas grande:-- e boas a IfM) cada cento
~vende.se na ra da Pra. armazAm n. 17.
A. Bonniot e C.
'Mgoac sopra, ubico deposito em ca^a de Heory
'Willroer, ra da Prez n. 13.
VenJe-se duaa arrobas d'agua, em perftito
slaaV,:. na ra da Palma n, 70.
PtUoticial de ardikaria do xercito porteipaez
natural de Lisboa, ina^r de 33 annos, de boa con-
ducta tamo moral como civil, bacharel em seien-
cias matbematicas, eeagenharias, tendo servido 7
anuos orno engeaheiro do ministerio das Obras
Publicas dirigindo ou coadjuTando importantes
obras, taos que poates, estradas etc. em LisAa,
santarem, Coimbra, Taro, sempr-e com louror e
realisado.a construocio de obras noveis para
particulares, casas de Jizericordia Cmaras Mk-
iicipaes, havendo pereorrido todo a reino no exarae
as pracas Oe guerra, arsenaas e fabricas do go-
erno, desoja vir para o Bjvzil, caso encontr van-:
taiiiso empreg, para qualquer empreza ou com-
panhias, ou mesmo como engenlieiro de qualquer
provincia, camera municipal ou outra qualquer
curpjracao. O Dr. Manoel de-Figneira Farh, na
typof raphia do Mario de Pwnbuco encaprga-
UOKViaO^
Aflural .Sabuco de C. vandem :
nire,ue;js transparentes e tapador, /ronhas de
lai'.yrisUiO e bordadas, en?>s, penieadors, camisas
fpara. senborar. todas ce lioto, todos estes artigos
sao bordados a agulha com oslo e esmero, e o
orti/meato variadlssima, :no Bazar Victoria ra
lo Baro da ^Victoria a. 1.
\stimciia pasa crinas
Ajuara1, Nabaeo & C, reeeberam ltimamente
ricos vestidinhos de fe -to a de cambraia corda-
dos a eafeiudos cora gosti para meninas M di-
versas tdes, < de ,'asto, alpaca e caeoemira
parameiMos, camietis para aeninos de i a 15
annos de idade, no Cazar Victoria, Roa Novjt a. 2
Cateas de meia com pe^~
Vonde-se calcas de meia com ., da aigadae e
de cada, meta* de seda para padre, capdss do
iiveito, conegos eie. So Bazar Tietotla, raa do:
x'arao da Viotoria n i
Brinquedos
Para criancas,
O maior sortimento que se pode ilesej
sorte de brinquedos fabricados em diversos psize?
da Europa para entretenimento des msninos.
Prepos.
Em virtude de novas ordens dos fabricanti..
vende-se tado presos baratsimos : no arma-
lem do vapor fraDCtz. ra do Barao da .'.te
ria. outr'ora ra Nova nnuefo 7.
EMITA 1
A'aawztm do Campos
Peoes a Rocamb-.Ie,
Realmente sao engranados ejses pt5e* I erge-
nhoa edistrihe multo esta nova InvencSo : ; na
Ugnolia a ra o rae de Caxia n. i^________
M. 18 raa da Cruz, andar, reki. c-
glezes, '.nics de enCoramenda ; ba potjC di-
resto.
Vende-se o ?itio sito na Iravew* dos Rcrredi:?,
rregnezia dos ATogados n 21. b.je becco da :ra-
vessa dos Remedies n. 18, em ei.ios proprics :
qaem o pretender entenda-9e cora o seu proprie-
(ario no sebrido da ra de S. Pranesio des'.a ti-
dade n.JO.
PARA N0IV4
*e de aceitar qua^uer propoata e dar mais alcun>
NOTAS

Troca- fiaes na roa do Bario da Victoria n. 63. aotiga
roa Nova, loja de Joo Joaquina 4a Costa Leite
AOS 5:0004000
Mo 4 tanda (.< Mitas bilhetes da lotera da
Sania, na eaafeiiz ..'o arco a Cooceicio, roa di
forivas co Reife.
fugio no da 28 do (torrente e e?cravo Maweli-
no, finio, idaie 28 a 30 annos, eoa os signaes se-
guloies grosno do corpo, rosto grande e traeos
grosseiros, beijos grosso*. andar feaozeiro, altura
regalar, fol combado ao coraraendador Antonio
dos Santos Sonza Le2o, morador na sua azenda no J
Brejo da Madre de Dos, para onde se suppSe que
aeguio, pois qae j ama vez foi pegado oo logar
Pedra Tapada cima do Limoeiro : peda-ae a to-
das as autoridades policiaca e capites di ampo
de o apprehendsr "e l6var ao ecife na ma do
Apollo o. 30, armazem de Rodrigues & Martn?,
que se gratificar generdsametti.
Balanceador
As pessoas qne precisare ni da arte de sua pro-
fi9sSo, podem deixar bilhetes com o nome da roa
a .o numero da cas, as lojas seguintes; raa da
Imparatriz n. &>, Primeiro de Mirco n. 3, e Mar-
qaez de Olinda n. 30 A, para ser procurado.
esWare.'iuieiitos.
"Toga-se ao or, F. M. k. de a. que 'digna a
ocluir ceno negocio qoetonniaroa Imperial
8* pena de ver ueste Diario tea orne por esten-
30 e a transa cao havida cora.....
jm- Preei:a-se de nm ueoiuo da 'i a li aouo
ce ade, pa'a c-ix;iro.de taberna na raa do Vis-
CtfDde de Alboqaerque o. 131.
The liance Mti& Eo
reigiL
Life and Fira Asaurance Compaty eet-be-
leeidaem 18i.
">pital l 5,000:000
0; agestes dessa comganbiatomam aegoros con-
tra togo sobre predios, anc-ros e fazendas, e pa-
gano aqu prejulzos devidsmeaie provados
Ha he Schamei.'aD di C
Corpo Santo u. 15.
Predios.
rtoga-se .s pessoas que tsio devendo con-
tas de livros a extincu Arma de Cbrystiani di Ir-
mos, boje J. Chryetiani, de virem pagar os seas
dbitos para evitar qae sejam eneommodados por
caixeiros a porta, e mesmo algoos qae se fazem
esqaecidos; do contrario vr-se-bi otrigado a
farer ama reJajaa deies par sfem chamados
peles jornaes,
gratiflea-se
No dia %1 de abnl prox'mD pas-ado, fngio do
sitio do sea eohor, no Giqni, freguez a dos Affj-
5ado, a escrava negra de nome Mara, tendo con-
ozido bastante ronpa indurado para tea oso nm
pao preto Uno da Costa e tend) os ilgaaos se-
galn;es: MUITO SOBDA, rosto peqaeno, ba*-an-
tes bellos brancos, jalga-se qse pisseia do Gi-
qu' at J.'boaiio. portaoto reconsmenda-se as au-
toridades poeiaes oa quem candunr as seo
respectivo dono, na raa da flapfe! d. 61, que e-
ra generosamente recompensado-.
Feilsr "~
Precisase de am feitor qae esteja babiliuae
aoservicj de eogeobo ; tratar nos Afeado^'
pf>odo a ponte primeiro sobrado do lado direito
Venie-se os predios oa Gamboa do Carmo n. 2,
roa Ats- Flores n. j, travesa da mesma n. 1, *
ama m v-igua na pr.^a da Concordia a.'l : a
tratar o Jos Igoaei > de Avilla raa aova de
Santa Sil, serrara a vapor.
Blancas decimaes
Moreira X)ia, avisa n *eus fregnezes que j r.
cebeu ->s feaiangas decimaes de torca de 300, tll
e 1000 Itbrae tendo as aitimas rodas de Ierro
jende em sed armazem a ma da Croz n. ii.
VMD-SE
Retauba se am trreno ca estrada da Joo
de arro por barato prfo : i tratar na
prara da fa-iependencia n, 39.
ias^r Victoria
Amaral, -Vabaia A C, vendem :
Cbapelmas para eesinras, enfeiudas com geste
e asseio.
Chapees de palha e filiado para tenhora*, enfei
tados com elegancis.
ComolelG orlimento da etpelhoa, p;-rfamarias e
flores para noivas, et.tpoi e calca. *
Ricas estampas a fumo e coloridla de Inagens e
paysagero. ele, etc.
Cacbrcbcs de verdadeia espuma.
Tapetes de vei.'ndn, de carnelro e de i.eoco de di-
versos tamanho?.
Eslojos para barbi proprios para viagem.
Goliinbs e pabos Ok''**'08. e arrendado.
Tesoaras para qoba, o^'ara, abrir casare jar-
dim, do conhfcido faorarjtt." wpb. RoJgrrs.
EstjM para crochet do mesmo fa.',MD*
Bonitos ports t'.: "*-:-.
Lindissimos. leques de madreperla moldea ia-
teiramente novos.
Cortinados bordados.
Camisas bridadas para h; mem,
Finas meias de seda paia senbora,
. A Nova Esperacca auem tem II I
DESAPPAREQAM AS SARDAS
A Nova Esperanca a raa do Duque de Caxias
n. 63, scaba de receber o bem conhecido lette
de rosa branca, e tambem leite virginal, os |itte$
aaon desapparecer as tardas oa psnncs.
Aos jardineiros.
AXova Esperanza acaba de receber the-euras
especiaes para jardineiros, sao as melhjres que
lem -isado ao meacaJo, a efla antes que se ac-
bem.
Noticia proveitosa
Apezar de haverem muito? estabclecimentcs u'
mpia a continua*ain a apparecerem outros rcui-
tos, nao .podem conseguir roieberem objeelac
iguaes aos da NOVA SPERAJVCA, pois qr.e
qnesto j decidida, o ho gisio de seus corres
pondentes eelegaacia de auis ttjectos, tanto que
qoando qua! qae seja, qurodo quer ou pi*ci?a dar expando
ao sen bem goto. d nm pa3Ji-io a NOVA ESPE-
RANCA onde lera a certeza le encontrar o -.ue
lezeja e por preco -raicavd ; a jVVA ESPERa'.N-
CA tanto mais angaenta o nw-ero de seus fre-
gaezes aos quaes se confessa agr^iido, quant'.
mais esforcase em eowesponder esta preferenc a.
leAo sempre ero tlstaa reunir o un grada
M, ka o bem por voco prejo: i.-to s se > a
Nova Eperacca, raa do Detrae de Caxia- nu-
mero fO,
i Ra do Imperador 8
Venham ver, se hc?tam crer.
r de toda i Oo Campea a geral fama,
Fiquem cer'o?, lanera qnttos,
N?o c gra^a, nao trama I
F s vendo e se comendo
D.s gneros que o Caupos tea :
Vus sabore1, seus c dores,
E' que se j de ver bem.
Vou rrr ?trr.r, manifestar,
O qae toles d'uo unh^,
Cam a* previ?, assae garbos.-*,
Q'IS | al:; :o iA !. je virho.
Antea que cora, ce ("A.
f. g'-c-r.s os Brmci iltaaeirc.
I z i vecWqne em vista tenne :
Vender barato a diiheirc I
'- a vez: !a:hkioa, oo-ijo irf'-z,
/.a, mauteiga, Q: ^ fitt ;
De caj ii>6t, arroz, saf,
Presunto, .aios, toucu hn.
Peie fm lata*, Mjlo, batatas1,
Fructis, dc s, maimelaa,
LeLlilbas, nc*te, .< l -,
B lingos de>-; las !
'.?: :..';, baratea, rap*,
(jai ji s dt Minas, puto e rlio,
Buha a:ci;e e tic Utas leite.
Alel a, ^tias e lem macar i ir.
D-.- limite masa, mal.
S rdinha*. airi'oca' i E'.\t;
Cerve]*, imeaoas, c;nj>,
L'ianea t ive eni eorsanw
V.i'.: i':-, v, (eaui uro bom
& r.im ni fxprendido, belio,
Qoe per! xer Batanle i r,
Meaci'.^;: btje uao qnero.
- ies.K t \-]\
Vrera t ds i: comprarern,
id gtraalo igratUr unto
, Jae i6'.;.-r.ie La i ... IkaiaBl
i Vtchax ... ,. tfolte -i
'iener.? e autos aUr-ev
Qne rgrada, deleita, embriafa.
Os seus paros, agradavfia od< r s !
~ Lvas j p.,!.ca parajomem, mikan *::
ica, ebegada? pelo un mo vapw ; a taa i' uc
Mareo n. ti, l' andar,
l'ra \uii sortimento de aixiohai c>m parlu-
mariavditaj ora preparas para coaturas, unt-
inscrip^oe- cs tatopas e ptr baratos pr^os, a
raa 1* de Marean, li, 1" andar.
Petfwrias iuaj; -.
PWDada tlpAca, vis ai arde iOOv)
.....[""'laaJaauiiiHhi 1?*
ttu pequeas H&J
imx
i o J
: i
de perlomanas
i.Jt
li... diia
Oleo
M j jico orn sooefor mandad, fus?
i I P-0 f K--edide Cygieuica. dito
5. vm 1.5C58, frasco grande
Loo granda e bello sort:m>nto de
As Exmas. Sras. encontrar ao semore o
amento eon.,ca,hipaioos e traoci ?
te?, nem so a venda wmo -. '.-- --
deMa-cor. 11, i aodar.
para a!ug*r : na ro i
Atcendam
Qaantas reus vemos cm Malo vs:i!ode
boa seda e eom lindes deseohos, porm com ta'
eofei'e? r,r\e dizsais m cr*:fl, i peca um ver-
.Ido perdido, perora? por Hila de dar um pas-
tera a .NOVA ESPERa.NCA e comprar esfe;*
qae sejam adeqcados a fazeeds: qaanlas ve- to-
amos escapar de algom lengo aromas ehvos t
oor CA eomp'ireai seos extractos j tao conhecioV;
qaattas pessea? nao gpstam seu dinheiro e a!m
disso Soam de?gottosas ? p3r nao comprarera cb
Ko*W5M s?t,a*> Pr n5o birem a NOVA
fc.bi-T.A3i,A onds enconiraro o que de meibor
e mais elegante ba no menado, e est per tal
forma conhaeida a NOVA ESPERANCA que quin-
de era qna.'qger renniao fe v am btraito enfeite
am laco, ara co^u* moderno s cem certa enea
quaado se sent escapar de algum lenco agrada-
vel armi, qasndo se v finalmente cualjaer eco
Mi xiiae, nmgoem mais petguute 'ondo ro ce
donde veio, cala nm reincide oo diz eotsf
isto foi da aOVA ESPERA.NCA A fu Daqae de
Caxias n. 60.
Caixas vasias
37 Ra oro 87
^r, ca^do para aethera e borne,,.
cal de Mentel
. ileicamento oiii oas doenc.!
^^e^oeuiiaa,?
DEPOSITO GERAL
Na Pharmacia e drogara de B,riho!omeo
ruaii'ga do Rosario o. 31.
osso, da-
e excelente
*C
A NOVA ESPERANCA ra do Daqae de Ca
tas n. 60, aeaba de receber um lindo sortimtate-
de caixinhas vasias, sendo de muitos tatranhos e
molde, tendo com espelhos e sem elles, pronria
para joiae, co*ara oa ootra qualquer cou'a
Nova Esperanca auem tem.
DEPOSITO" GRALrba,-
Contra o ?heumatismo
Ifflplastro do homem p,>bre
tao S.*!L?Jae Qa In'aierr tem merecido
para a cura das dores rheomaticas.
.. DEPOSITO GERAL
>a pbarmasla e drogara de Bartnolomeu
. ra larga do Rosario o. 34.
&C.
i muitos outros objectos de gosto sroi.;ios P"*
jaier-'e presentes. k k.
PA PO BARAO DA 7ICT0RIA N. S, I
Albuns para retratos
.. ?anA ESPP W rna d0 ^qoa de Ca-
rp"afUmeXa-5Wt,me?Meiibunsc0B
\ende-se coco partes do sitio da Capono
a raa das Pvrnan bueanas, qne pereoceu ao ni-
Jo iose Aouwio dos Sanios Coelbo, do valor de
p7iS/6 cada um, segoodo a avaliaco dada no
inventario do mesmo finado : a tratar m roa di
gario da Victoria n. 9, leja da Torqoeaa.
Superior che colate.
De todas as qoalidades a li i libra 11 no
Jc*aiE Fidelidad*, ra do Imperador
a.1.
ax*



' '. '

Oiaifa de Pemamimo -~ Subbiido 4 de Ufaio le"18W
J
4LTAS N6VIBADES li fAZfiNDAS
Que se liquidam na loja
DO
PAVAO
A RA DA IMPERATRIZ N. 60
DE
MJX PEREIBA DA SILVA & C
m PAR APURAR IH \ II i;i HO
Neste importante estabelecimento encontrar o respeitavel pablico om avaltada sor-
timento de fazendas, tanto de laxo como de primeira necessidade, as quaes se podtffl
venir maisbarata do que em oatraqoalqaer parte, attendendo as avultadas compras
de fazendas, assim como por todos os vapores qoe chegam d'Earopa se recebem nove*
sortimentos de fazendas de gosto e umacollecco dos mais modernos figurioos.as pes-
soas que negociam em pequea escala podem vir sorlir-se este estabelecimento, qoe
se Ibes vende pelos meamos precos, qne se compra nos armazens iaglezes, de todas as
fazendas se dio amostras deixando ficar penhor. O estabelecimento do Pavao est
constantemente aberto das 6 horas da manha s 9 horas da noite.
Rtra a^bar a 2 e 20500
No loja do MfK va*Ja-&ra aeabar sala?
brancas a bailo 1| e f|lS06 jt. sao (odas de
panno al cima e tero 3 arcos qne forma ama
paqnena roda, tirando-lbe os reos fies orna
parfeita sala, e oda prosa alorte nada mais ba-
rato, na loja io&&tW>mm Impera! ru n. 40
di alendes & Camino.
um
Na toja do Papigato a $ t Imparatrii a. 40,
ba nma grande iianHiada e paUota ftfltoa de
alpaca que a* imim paro barafcsiao prata de
31000. por aer grande porfo 4 roa. da Impera-
Pee de algodaoiiabo bom a 34000.________
640
500
640
10000
20000
20000
5C0.
Brilbantnas brancas e de cores o
covado a rs. 440, 500 e. .
Organdy de urna 80 cor o me-
tro a rs.......
Tarlatanas listradas com maita
phdntasia, o metro a rs. .
Sultanas de cores com enfeites ao
lado para babado, o covado a
Lanzinhas largas com listras de
sed*, o covado aSOO rs. e. .
Poopelioas de seda modernas, o
covado a 10600 e. .
Sedas com listrinba?, o covado
a 10300 e. .. .
Gorguros de laa de nma s cor, o
ce va.lo a rs. 400 e .
Ditos largos e de cordo, o cova-
do a rs....... .
Al; 'ca iavradas com lisiras de
sea, o evado a 800 rs. e .
UMfahas lisas de todas as cores
o covadj a rs.....
Cassa decores com sUaao lado
para babadiohos, a vara a rs.
Alpacas azul com listras braacas
o covad) a rs.....
Lunmbas com q^adrinhos deseda,
seijii,i de multo p'iantasia, o co-
vad i rs.......
Lanzicii. s tecidas com seda, sendo
com bouitjs gost-js injjlezes
mui'.u proprias para secboras,
quet mde viajar, o covado a n.
Bob'tuS lajinhis de cores, o ce-
vado a r. 320 e .
Poopelieas de 13a, largas e Iustro-
. sos, o covado a rs. ^ .
Cambraias transparentes impe-
rtes, a pega......
Organ'ya branco tanto de listras
com1) liso .
C3'.5es brancos para vestidos e
roopaa de meninos, o covado a,
rs. 400, 8.0 e ... .
Tarlafana branca e do todas as co-
ros, o metro a rs. .
Fiis br neos, lisos, de salpicos e
lavrados, o metro a rs. 700 e
Cortes de granadino de cores com
18 covados a 120 e .
Cortes de medina matbisados com
bonitas barras emuila phanta-
sia a 15000 e .
Gurgures oscuros muito encorpa-
dos p:ra roupas de meninos ten-
do msela de seda, o covado a rs
Para noivas
Gorgorito de seda branco muito
encorpado, o covado a .
Grosdcaaple b-anco muito alvo o
covado a ......
D.'O laego muito eneorpade, o co-
vado a......
S.lin branco muit) alvo, o :ova-
d^a2,>500e.....
A'p.xas brocas listradas iita-
gao do se la, o covado a .
Ricas cspellas com vjs a .
Cortinados para camas
Coebtj de damasco de 15a, a imi-
Uc5j de seda ....
Colchas de croch ....
FAZENDAS BRANCAS.
Pecas d'algodaosinbo americano
a 30200, 40, 50 e .
b manta d'algodo com 10 pal-
m s do largura e muito encor-
pao, vara a.....
Dito du linbo muito encorpado
com 10 palmos de largura, o
metro a 2OOO,205OOa .
l)-to francez muito fino, o metro a
A'godSosinho enfestado para len-
coes com 8 palmos de largura
e muito encorpado, o metro a rs
Dito trancado com a mesma lar-
gura e muito encorpado, o me-
tro a .......
Abaibado de linbo adamascado
com 8 palmos de largura, o me-
tro a .......
Dito de algodo com a mesma lar-
gura, o metro a .
Dito slcocboado fazeoda de muito
goslo com 7 palmos de largura,
o metro a 10800 e .
Dito trancado com 8 palmos de
largura, o metro a .
ALTA NOVIDADE EM VESTIDOS.
Cbegou para a loja do Pavao um bonito
sormento dos mais modernos cortes de
gorgurao para vestidos, com delicadas pal-
mas e listas d seda, assim como com duas
saias, to la? com delicados enfeites de seda
que se vendem a 380000 e 400000, sen 'o
muito bonitos vestidos para assistir a bailes
ou csamelos e trazendo cada um corte o
Hamburg) de poro linbo tendo dos
nmeros mais baixos at aos
mais subidos qoe vm ao mer-
cado...... .
Cobertores de 13o para camas ten-
do de varias qualidades .
Ditos de algodo a 10280
10500, Colchas de fustSo para camas,
tanto brancas como de cores.
PARA HOMENS,
Palitts de panno preto e de casemira do
cores sendo mais modernos e para todos os
presos e qualidades.
Sobrecasacos de panno preto de
todas as qualidades .
Golletes de casemira preta e do
cores .......
640 Ditos de gorgorito de seda tanto
preto como de cores .
10000,Di os de brim branco.
400
640
640
800
800
500
500
80000
10000!
700
960
160000
2O0COO
640
40500
20500
40000
30000
10600
1500:0
-160000
100000
80000
40500
60000
10800
35000
30000
960
10200
30000
20000
20000
10600
Calcas de casemiras de cores ten
do de 60000 a 140000
Ditas de dita preta de 60 at i50OuO
Ditas de brim branco de linbo de
35O0 a......400000
Camisas finas com peito d'algodo
de 10600 at.....30000
Ditas com peito de linbo tanto ran-
cezas como inglezas, de 30500
at as mais finas qne vem ao
mercado, tea jo tambero borda-
das e em duzia faz se grande
diflerenc-a em preco .
Ditas de chita franceza miudinhas
fazenda de gosto a 20500 e 30000
Ditas de tlanella de cor a 20010,
30000 e......3050o
Ditas de meia de 13a muito finas a 40000
Ditas de dita d'algodo a rs. 8C0,'
10000 e......105CO
Seroulas de panno de linbo a 20COO
Ditas francezas de linbo a 208OO e 30000
Ditas ditas de algodo a 10600 e 10800
Collariohos tanto de linbo como
de algodo os mais modernos
qne tem vindo ao mercado .
Punhos de linbos os mais moder-
nos ......- .
Redes para dormir de differentes
qualidades.....
Chambres de chita e de cretono
Meias croas francezas e inglezas
que se vendem a dozia a 30000,
at 80000 e.....-100000
CORTINADOS
Cortinados bordados para camas e
j ancuas, qoe se vendem o par a
80, 100, 120 e .
Cambraias largasadamascadaspara
cortinados com 20 varas, peca a-
Ditas com 16 varas a .
Damasco de la a imitaco de seda
para colchas com 8 palmos de
largura, o covado a
Ditos com 6 palmos de largura
para cama de solteiros, o co-
vado a ....... 30000
Colchas de chrocb para camas as
mais ricas <;oe tem vindo ao
mercado a .... 180000
hit s de damasco de la a 100 e 150000
Ditas de fosto branco sendo mui-
to grandes a 50000 e. 60000
EXPLE.ND1D0S0RTIVJENTO DE GRfJSDE.NAPLE
NA LOJA DO PAVO
Brins d'Angola.
Manti.has Brasileiras.
Grande pechiocha em panno a 30000.
Saias bordadas a 40. 50 e 60000.
As 3:000 saias a 20000
GRANDE OFFICINA DE ALFAIATE
Pereira da Silva & C. teem a honra de
participar ao respeitavel publico em geral,
e a seu numerosos freguezes, que no seo
estabelecimento de fazendas, tem montado
orna magnifica officina de alfaiate, aonde
se manda fazer qualquer roupa de encono-
menda, tanto para bomens como para me-
ninos com a maior presteza e perfeicio, no
mesmo estabelecimento se encontra om
avultado sormento de todas as fazendas
para as mesmas obras de encommenda, as-
sim como para qualquer luto: tambem na
mesma officina se encontra o perito mestre
Pedro Celestino Soares de Carvalbo, espe-
cial para fardas, tanto dos Srs officiaes de
guarda nacional como de tropa de linha, os
quaes sero muito bera servidos por mdi-
co preco.
MADAPOLO FRANCEZ A 70000.
Na loja do Pavo vende se superior ma-
dapolo francez pelo baratissimo preco de
70t 00 a peca pecbincba, ra da Impe-
ratriz n. 0, loja de Pereira da Silva & C.
MADAPOLO INGLEZ A 60000.
Na lo. a do Pavo vende-se madapolo in-
glezde superior qulidade com 24 jardas
Que Pitada!!
Quem qoizer tomar ama boa pitada compra ra-
p Paulo Cordeiro viajado oa por viajar, na loja
do Papagaio rea da loperalr n. 40.
narra
Ra do Bom Jess n. 55
Veadem
Ferro favalnisado em folha-s para te-
mus.
Le i te con Jema Jo.
Cognac Martineaa.
Viaho da Brdeos em aaixa* :
Tomnard
Vulmay f
Hant fwerne
Penillac
Viaho do RbeHO :
Scharlacnberger
Kh-iesheiiMrlori
H-jchkeiraer Berg
. Marco Crnraer ansese
X kaueaibaler Brg .
9t Bleioberger Cabwet. XZ
rvitOAiiv
DE
VIJ1A10 DEMOi'iA MATTOS
Nova di?o orrecta,
Esia taboada organizada nos ullimos annos da vi-i
da do antor, se recommenda tanto pela eonciaio a
justeza do metbodo, como pela clareza na explica-
cao do tystema de pesos e medidas; o qne valen a
adopcao expontanea pela instraccao publica da
provincia. Estando ba muito esgotada a primeira
ediccan, mandaram incontinente os editores fazer
nma nova irapresso, qne est venda na livra-
ra Universal, rna do Imperaior n. 54. outr'ora
esqaina do Collegio. __________________^^
TEKUADE1IM
BICHAS HAMBURGUEZftS
NICO DEPOSITO EM PERfiMBUCO
53 Ra da Cartela 69,
Primeiro andar.
MACHINAS
DE
COSTURA
Coegaram ao Bazar Universal da ra No-
va n. 22, om sortimento de machinas para
costura, das melbores quafidades que existe
na America, das quaes muitas j sao beta
conhecilas pelos neos autores, como sejam;
Weller de Wilsoo, Grover dr ijka, Siton-
ciosas, Weed e I nperiaes e oatra; maitas
qne com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas raac iaas tem a vantagem de fd/.er
o trabalbo que trinta costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per -
feigo como as mais perfeiu costareiraa.
Garante-se a sua boa q-ialidaee ensiDa-se
a trabeIbar com frfeic3,i em menes de urna
hora, e os preco sao i3o commodos que
devem agradar aos pretenden'es
mwmmmmwm-mm
j A roa do Comraer;i n. i), escr.pto-
I rio de Jos Joiquim da Cosa Maia, en-
I coDtra-se para vender per commodos
I precos :
Azulejos hes[ anhes.
Folbas de ferro gaivaoisado para telia-
I do de diversos tamanbes.
Ditas de dito dito lizas.
Bicas de ferro galvanizado.
JH Cumieiras dilo.
S Portadas completas para cantarla.
aS Ladnlbos.
PECHINCHAS
NO
EMPORIO COMMEfliiAL
15 mi n wmw i
-'.
Ulyssds Se Irmao
Neste j bem conhecido estabelecimento encontrar o respeitavel publico om peucc
de todo por mdicos precos, e tendo seus propietarios resolvido liquidar algons artigos
de que se compe o mesmo estabelecimento, vende-os por menos do seo eosto
como SEJFA
Garrafas de vidro Bacarat para vinho a
50, 0 e 70000 o par.
Gompoteiras a 60 e 70000 o par.
Copos de vidro fino para agua a 40 e
40200 a dozia.
Clices de vidro de cor fino para vinho
a 20000.
ffleios apparelbos de lou?a ingleza fina
para jantar por 500000.
Pratos e diversas pee avolsas que se
vende barato.
Jarros para flores de 30 a 150000 o
psr.
Clices de dro fino para licor a 20800
a duzia.
Vidras de cha min para candieiro a 20200
e 20400 a dozia.
Globos para candieiro a 10600 e 10800
cada um.
Bonitas quartinhas hamburguezas a 40000
e $0200 o par.
Escarradeiras de vidro a 30000 o par.
Bonitos candieiros de jarre a 160000 um.
Punbos de linbo para camisa a 90000 a
drjjja.
Collariofcos de linbo para camisa a 60
duzia.
Anquinas de orina para cranlas e se-
nhoras, de 30- a 40000.
Cortes de canbraia branca de cordo eos
8-1/2 varas a 30500.
Fronhas de cwo a 560 rs. urna.
Cortes de castor pata caifa a 10280.
Algodo de listo a 260 rs. o covado
Co'xas branca adamscalas grandes
30000.
"Cobertas de chira grandes a 20400.
Superior brim de Bambargo de linbo coto
10 palmos de largara a 20800 a vara.
Bonitos fructeiras c >m sabonetas- de froe-
tas, proprias para presente a 40000.
Lindo livros com extractos e saboneta*
a 20500 e 40000 para presente.
Oleo philocome a 660 rs. o frasee, c
muitas oatras perfumaras qoe se vende ka-
8
comnebnt figorino, isto ra da Impera- peto barato preco de60OCO a peca, grande
triz n. 60.
CAMBRAIAS BORDADAS
Gbegaram para a loja do Pavo as mais
delicadas cambraias brancas com os mais
bonitos bordados, qoe se vendem a 80000
cada corte, grande pechiocha, ra da
Imperat'iz n. 60.
ESTIME
pechincba roa da Imperatriz n. 60, loja
de Pereira da Silva.
MADAPOLO A 30000 A PECA
Vende-se superior madapolo inglez com
12 jardas a 30000 a pega, grande pecbin-
cha, na loja do Pavo ra da Imperatriz nr
60, de Pereira da Silva de C.
Libras stinlinas.
Vende-se no armazem de fazendas de Angosta
t. de Oliveira & C, a rna lo Commercm n. 41
A MAGNOLIA
As floristas
A Magnolia receben pelo ultimo vapor o qne
as senioras floristas praeisarem para fabricar ib-
res, como S9jam :
Pestilbas de varias cores.
Baga* de vidros de divers s modellos e tama-
nbos.
01! i is para mal me qneres e cravos.
Cauces pan rosas-
Bagas donradas para ores.
Folbas verd.s, enceradas, prejas e de :ores sor-
tidas em tamanbo e feitio, etc., etc.
Mti is de lat i
A Magnolia rna Doqne de Caxi s n. 43 rece-
ben dessas melas, mnito boa?, e vende por menos
do que em oatra qualquer parle : a ellas, antes
que seeabem.
Canditlelcos econmicos
Os caodieiros econmicos sao na verdade de
inveccao agradavel, priva a qnem desejar embel
lesar urr.asa'.a de fazer do as deapezas, pois qne
tirando-se-lbe o deposito onde se conserva ogaz.
torna se um lindo jarro para flores : quem tem
a Magnolia ra Duque de Canas n. 45, e vende
barato : a elle?, porque tem pouco?.
Nao fui intilmente que a Magndia ru Du-
que de Caxias n. 45 re escropulosa esculla
seus correspondentes as diversas partes da Eu-
ropa, porque agora tem a satisfaga i de ir rece-
bendo seus pedidos, vin lo execotados com tanto
esmero e gc-t >, que se ufana em expo-los apre-
ciaeao dos amantes do bom, tendo a certeza de
seren pelos mesmos apreeiaaos.
A Magnolia, nao est descontente com a fre-
guez'.. que tem adquerido em io pouco tempo, e
esforzase para muilo mais;: visto qne tem con-
viceao de ser commoda nes presos de snas mer-
cadorias, zekiza em bem servir a sua fregaezia e
abominar a eare?tia.
Ao bello sexo cora espeeiabdade. a Magnolia
pede que venba ve la pessoalmenle agora que tem.
recebido parte de suas encomiendas, e pretende
ser raz avel nos presos lando a certeza de que o
supprir do qne bom e razoavel.
A Magnolia, se se tea esmerado em ter um
lindissimo sortimento do q"ue ba de melbor no
mondo das modas, porque nao deseja que seos
freguezes sejam mal servidos em ontra parle,
com objeetoa de mo gosto : e assim a presea s?
em mencionar algn?.
Bonitas gollmbas e punhos, transparetles e ta-
pados, fazenda muilo ana 6 novidade.
Camias, de linbo muito fino, bordadas- e pro-
prias para noivos.
Cbapos de velludo palba de Italia ultima, mo-
da, pan senhora e menii a.
Cbapellinas de eres e pretas, (novidade)
Rices enfeites para senhora.
Bonitas velas de madrepatxla para pnleeira.
Melos aderecos pretos, cacoletas, voHas, cruzes
brincos e rozelas de gisto moderno.
Variado sormento de capellas, bonquets e si-
pos de botoes de flores de larangeira.
Flores de cores e pretas para chapeos e cabel-
los.
Linbas de todos os nmeros, para croch e bor-
dado.
Chpeos de sel e beigallas com boauos cabos
de marflra.
Bonitos cbapos de sol para senhora.
Jarros transparentes para flores.
Rico3 pon Jotas, port cartSes port-money.
Bonitas caixinbas com perfumara, propria para
presentes tendo distioos as lampas.
Ditas com prepares para costura, ricamente en-
eitadas e com mesica.
Bonecas, ricamente vestidas.
Lindas bolcinhas de velludo, coa estojo para
costura e sem elle.
Albuos para retratos com.com tapa de madre-
perola, martka, dsso e madeira.
Livros de mise, cem capa da nudreperoK
marflra, 6?so e tartaruga.
Carteiras de chagrn, com estojo para algi-
beira.
Navalbas, muito finas, com cabo de marfim e
tartaruga.
Grampos com lor de madreperoli, novidade.
Bonitas caixas de tartaruga para rap.
Sapatos de la, bordados em taiagarea.
Camisas bardadas para bornea.
SO' NA
MAGNOLIA
45Ra Duque de Caimas45
- DE
SA' LEITAO, FONCECA C.
Farinhci de mandioca
Superior e xuito propria para mesa, em barr
ricas de farraba de trigo ; a 11 000 rs. a barrica
nos armaren- de T;tso Irmaos & C.
Fitas masnicas
Amaral, Ncbuco & C vendem fitas magonieas
de diversos graos : no Bazar Victoria, ra do
Barao da Victoria n. 2._____________________
Cartas Donradas.
Amaral, Nabuco & C* vendem baralbos de car-
ta para jogos, lizas 8 douradas e senlo era porca
:om grasde abatim^nto de prego. No Bizar Vc-
ti.ria, ra do Bario da Victo ia n. 2.
Grande quantidade de arandellas para jato, como seja : saboaees fleos a 10200 e
20OOO a dosia.
Chapeos para baptisaddecrianfa a20Ot
e 305CO.
Coqoes para cabello a 20000.
Cadarzo branco a 360 rs. a duxia.
Dito trwedo largo a 140 ra. a pega ooe
4 varas.
Caixa de papel amisade a 70C rs.
Dita de OO envelopes a 400 rs.
Duzia de pentes para alisar a 10000
10800 e-20000.
Bonitos chapeos d& palba com aba turra-
da, para bomem a 40000 & para menino a
30000.
Sortimento de meias para bomens, senho-
ras e enancas, muios ostros artigos que
deixamos de mendonar, e que goalmentr
vendemos per presos commodos.
dependarar'a parede, de 10500 a 20000
cada urna.
Temos de bandejas a 70000.
Paliteiros de porceliana branca de 10060
a 20000 cada um.
Lava mo de zioco a 40500 um.
Algodo inglez pafa roupa de escravos e
saceos a 329 a jarda.
Tapetes avelludadcs para quatro cadeiras
a 250000.
Um grande espelho moldura doorada por
800000.
Lindos albuns para retratos a 100030
cada um.
Bonitos cbapos de velludo para senhora
a 100 e 120000.
Aberturas de linho para camisa a A0GOO
a dozia.
Cal de Lisboa
Vende-se da ultima chegada no vapor Claribl
e por b trato preco : na ra do Amorim n. 66.
Cerveja de Noruega
Verdadeira e superior : a venda nos armazens
de Tasso Irmaos A C.
A' loja da pra$a da Independencia cbegou aova
remessa do muilo acreditado rap Panlo Cordeiro
wajado: vende-se a 1800 r;s a libra. dem
com mura a i 200, gasse grosso a 1 600. dem
flao a i600, Rocna a i6 O, Rolo francez a
iSOO, Lisboa a 3800," Rolo da Babia a 2, Prin-
ceza da Rahia a 1200, Amarelinho a 2000. Ven-
de-se em libra e a retalho, na mesma I j n. 5.
Para a Europa
As mais propria; cadeiras de que necessitam
os Srs, passageiros, sao as de virae, e veodem-
nas Pgas & C ra eslreita do Rosario n 9, junto
a igreja.
De primeira qnalidade, marca Devoes con-
tinan) vender Pereira da Cuaba Irmaos ea pe-
quenas e granies porcoes e a prego commodo
i ra do Mrquez de Olinda n. 21, 1 andar.
Arroz de casca
Superior em saceos muito grandes: nos arma
zens de Tasso Irmios & C.
O liquor ie anmoniaco, das fabricas de gaz, a casa da roa dos Guararape3 n. 11
a fer-
a tratar com
um dos Estrunus mais recommendavel para ter- o eommetidador Tasso.
tiliiar a ierra. Ple-se obter oa fabrica do gaz,'
em S. Jos, qu tem para vender, a 200 res a ca-
ada.
Vende-se umaescrava, perfeitaengommadeira,
cozinheira e propria para ama de leite por ter
este bem abundante sendo a primeira barriga
atratar na- praga do corpo santo n. 17 terceiro
nadar.
CEMENTO.
O verdadeiro Portland: s se vende na
; roa da Madre de Deus n. 22, armazem de
ijqSq Martbis de Barros.
Eatremeios bordad's a
1#5G0
A BoaSi Branca lem um bonito sortimento de
ntremelos bodado; a 14500 a pega e estampados
a 500 rs. a peca, sto preco para acabar : roa
da Imperatriz n. 26, loja, da Rosa Rranca.
O EMPORIO COMMERCIAL encarrega-se da factura de roupa por medida, e capa-
cha em bem servir aos freguezes, tanto no comprimento de seus tratos, come na bo>
quadade de fazendas e modicidade de precos.
PECHINCHAS DE ROUPA FEITA
O EMPORIO COMMERCIAL vende palelots fraque de casemira flaa bem acabdot
a 180000, 200000 e 220000. Paletts saceos de casemira preta e de ceres de 70000;
120000. Ditos de merino prfclo de 70 a 100000. Calcas de casemira preta e de co-
res de 60 a 120000 cada urna. Colletes de casemira de 30 a 40000. Calcas de bric
muito bem feitas de 20500 a 80000. Paletts de alpaca fina de cores, branco e pref
a 20500 Cada um. Ceroulas de linho a 20800, e de cretone a 10600 cada nma. Cal-
ca de castor a 10700 ; superiores panoos finos, casemiras e brins.
EMPORIO COUOIfiftCIAIi
15 Ra da Imperatriz 15
IMSSES i mu


MITA ATTENCO
Ora lie reductjo em prepos
Na loja de Antonio Pedro de Souza Soares, na ra do
Bar^o da Victoria n. 28, outr'ora ra Nova
F baratissimo
Prezuntp
de Lamego a 400 rs. a libra e 880 o kilo : ven-
dem, P5c,as A C, ra eslreita do Rosario n. 9,
junto a igreja.
Em casa de Tisset frares, na ra do Com-
mercio n. 9 ba para vender :
Agua de Vichy das fontes Haubeiw>, Celestins,
Grande Grillo, Husniul e Mesdaraos, em caixas
de 50 garrafas.
Agua de Cbateblon, exceliante agua de meza,
em caixas d 50 garrafas.
Agua de Vals das tontos Presiense, Magdaline,
Desire, Santo ien, Rigoletla e Donimique,. em
caixas de 24 garra as.
Ccgnac das marcas : Blancby frres & C.
Royer Guillet & C.
Mariel frres de Velros.
Charutos de Havana,
legtimos, de diversas mareas, e por preeo com-
modo ; receberam Bourgrad & C. ra do Mar
quez de Olinda.n. II.
= Vende-se vidros para espelho3 rxuito tirapos
e bastante grosso* de 34 a 30 pollegadas : na ra
da Imperatrit n. 79.________^^^^
especial
Rap marellinbo Princeza do Rio de Janeiro.
cuja qnalidade muito superior ao loo rana
Priaeeza de Lisboa; vende-se a ra Primeiro ae
Maarc.o n. 6, chapetona Imperial.
Vende-se
a mullo acreditada taberna sita no largo da matriz
do Poco da Pauella; tratar oa neima easa.
Espanadores de pennas
Recebem-se enccromenlas para qoalqaer por-
cao : ra do Vigario n. 1, 3* andar, sobrado
amarello.
Betiiias de cor
Superiores botinas de cor para senboras' obra
do ultimo gosto,. e chegadas na ultimo vapor, a
6300, e para meninas, tambem de cores a 8|, e
de enfiar, obra forte, a H f a Rosa Branca
qnem pode vender per estes precos, rna da Impe-
ratriz n, 16. ___
Ra do Crespo n. 20 alpacas mescladas com bar-
ras a 500 rs. o covado dita lisa de lod3 as cores
a 440 ra. o aovado i grande pacbiacha loja de
Gailberme C. da Caoba 4 C.
30000
50000
90000
Diademas modernos a rs. 500,
10000 e.......20000
Coques de trancas o que tem vin-
do de mais gosto a 5000J
Gravatinhas de seda com franja
para senhora a..... 10OO
Grinaldas para casamentos a 30, e 50500
Enveziveis enfeitados para coque
Cales de seda de cores, a peca
de 10000 a ......
Ricos enfeites de blond e flores
para cabera a ......
Mi.nosos leques de osso para se-
nhora a ....... .
dem dem de sndalo com lan-
tejcalas a.......50OOO
dem idem a imitacSo a 20200
Luvas de pellica para bomens e
senhoras, o par 500 rs., !0oOO,
20000 e.......30000
Transparentes com paisagens para
janellasa.......120000
Bicco de seda preto e branco peca
de 20500 a......70000
Fita de setim maco escosseza lar-
ga, vara a ..... .
Florea artiiciaes. .
HIUDEZAS
Duzia de pecas de cordo impe-
riaes a rs. ; .
Duzia de pecas de trancas de cara-
col brancas rs......
dem idem lisas a rs. .
Entremeios ebabados tapados e
transparentes a peca de 600 rs. a
Resma de papel pautado a 40, e
Caixa de papel amizade muito
superior a rs. 700 e .
dem idem de quadrinbos a rs. .
Caixas de envelopes finos de por-
celana ars......
dem idem a rs. 400 e .
dem de pennas a rs. 500,800 e .
Abotuaduras para collete, grande
variedade ars......
dem douradas para punhos a rs.
Duzia debaralhos francezes bei-
30000
320
400
20C
30000
40500
800
640
800
500
Lamparinas a gaz a ... 10*00
Razias de pares de meias para bo-
mens a 305O, 50000 e 60000
Duzia de lalheres com cabo de
osso 2 B a......505OC
Dita de ditos cravados ( baratis-
simo) a.......204KK
Garrafa de tinta roxa extra-fina a 10OOC
Potes de dita ingleza a rs. 100 e 16(
Estampas de guerra franco-prus-
siana a rs. 800
PERFUMARAS
Porta-retratos dourados com dois
fra.-cos de extractos muito fioo
Garrafa de agua de florida verda-
deira, a .......10**
dem idem kananga do JapSo a 10200
Frasco com oleo oriza verdadeiro a 102Ot
dem de oleo pbilocome verdadei-
ro a rs. 4.-0. 500.e I9KMK
Rosas com extracto a 10800
Frasco com extracto ioglez muito
superior a......10OOC
dem com dito kananga muito su-
perior a.......10KK
Banha ingleza em frascos e potes
de porceliana a.....10000
dem idem a rs...... WO
Macos de sabonetes iaglezes muilo
bons a rs...... 600
Sabonetes de amendoa muito su-
periores a ls...... 300
Cosmetiqoe de cores finaran.
100, 640 e......10000
Pacotes com pos de arroz fino
a rs. 300, 400 e 800
Caixas com dito moito fino ka-
nanga a. .....10*fc
Galera dos grandes bomens cada
estatua om um frasco de ex-
tracto a.......24000
10200' Frascos com agua de cologne a n.
500, 10000 e.....10900
200 Garrafas com dita o qoe ha de me-
500 lbor a 30000 e.....41000
I Elegantes caixinhas.com aobone-
ra dourada a......30600 ts e extractos de 30000 a 70000
OBJfiGTOS DE PORCELANA
O que se pode encontrar de mais elegante, brwjoedos pata crianps, 4MJ4 u
riado sortimento, candieiros a gaz o qoe ha de melhor, e mallos outros oajMtta que
se tornara longo mencionar.
N. 28 Ra do Bario -da Victoria N. 18

,



?


I

r
Karf* 7
T0
Offlcina de alfaiate dirigida
POR
MR. CHARLES LARENT
LOJA DO PAPAGAIO
A' rua da Imperatriz n. 40
BE
MENDES & CARVALHO
O que se procurar oesU loja se acha e por menos preco, que em qual-
qner ootro estabelecimento, e para nao cansar-mos a paciencia do illas-
Irado publico com longos annuncios, s garantimos ter fazendas de novi-
dade, e de bom gosto, por presos moito commodos, qoem se quizer capa-
citar venbam oo mandem bascar as amostras, e tambera as mandaremos
pelos nossos caixeiros.
Boa Vista esquina da rua 7 de Setembro
Antigo becco dos Ferreiroa
RUA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Quemado)
Este estabelecimento acaba de receber om importante sortimento de diversas la
ndas propriaa para vestidos, sendo poupelmas de seda, sedas, lias, pscales, ditas coa
barras proprias para babados, lindas cambrahs crox, e em fim urna infiaidade d'irti-
gos de moda, ludo proprio para a festa, o que tudo vender por precos inteirameott
razoavei?, em conseqnencis de estarmos prestes ao fim do anno, e o 65 nao quer te
grande trabalho coa o seo balaoco, preferindo tomar dinheiro a fazendas, convida-se.
portante ao respeitvel publico a virem sortir-se na loja do 65 aonde comprarlo por pre*
ios que nao obtero em ootro qualqner estabelecimento; em fim ver para crer
ROA DO DOE DE GAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Rival em segundo
Roa Duque de Gaixias n. 91, loja de
miudezas de Jos de Azevedo Maia e Silva,
conhecido por Jos Bigodinbo, contina a
vender todo que tem por menos do que
em outra qoalquer loja, a saber:
Curren tes pretas de torras a
para se-hora a I500
Garrafas de agua Florida verda-
deira a I 300
Caixas com obreias de massa a 40
Frascos com macaca per. la a 200
Pacotes com poz de arroz fa-
zenda fina 500
Pares de boies de csso
para punbo a 200
Sabonetes de bolla multo fino
a 160 e 240
Cartas de alfinetes de latSo
fazenda boa a rs. 80
Carriteis de relroz preto com
2 o'tavas a 600
Capacho de palba muito boni-
ta a 600 rs. e 700
Frascos com oleo Pbilocome a
500 rs. e 10000
Pares de sapatos de tranca
para menino a 1(5500
Pescas de tiras bordadas a
5 DO, 600, 800 rs. e 10000
Frascos com agua de Colonba
muito boa a rs. 500
Gravatas pretas e de c6re3 a rs W O
Pessas de trancas modernas
de todas as cores e todo o
preco
Libra de areia preta muito
boa a 160
Novellos de linba com 400
jardas a rs. 60
Livros da missSo abreviada a 10500
Silabarios portogoezes a rs. 400
Cartas com 100 sontas im-
presas a 1-5500
Caixas com 30 novellos de li-
nba gaz branca a rs. 500
Gaitinbas para meniaos a 40,
O rs. e 80
Caixas com 12 frascos de
:beiros a 10500
Caixas com 6 sabonetes mui-
to finos a rs. 800
Pentes para segurar cabello
de menina a 200 rs. e 320
Chapeos brancos para bapti-
zados a 20500 e 40000
Copinhos com superior banba
a 200 rs. e 320
Frascos com oleo para cabel-
lo fazenda fina a rs. 320
Frascos com oleo Baboza a
500 rs. e
Frascos e garranchas de agua
de Colonba a 10500
Frascos com verdadeiro azeite
para machinas a rs. 500
Redes c:m contas para segu-
rar cabello a rs. 400
Latas com banha de Piver a
200 rs. e 320
Garrafas com agua Celeste
muito fina a
10500
Coke miudo
Vende-se na fabrica do gaz, em S. Jos
nma porc3o de Breeze, (ooke miado), pro-
pino para forja de ferreiros e forno de cal,
lijlos e outros misteres, Preco de cada
sacco 250 rs.
Engenho.
Vende se oa arreada se o engenho S. Boa-Ven-
tara, com safra, e junto a estacao da via-ferrea de
Ribeiro : og pretendentes dirijamse a rna do
Livramento n. 14.
Vende-se
ai segrales casas: rna do Padre Nobrega n. 1,
roa do Passo da Patria o. 1, becco do Caldeirairo
n. t, rna doa Guararapes b. 11; a irajf com o
emmeudador Taiso.

J1ULL1 Ullill
Rna Duque de Caxias u. 50
Botinas inglezas para meninas.
A loja d'Aguia Branca rna Duque de Caxias
n. 50 recebeu por amostra urna pequea qnanli-
dade de botinas de marroqnim com borracha ao
lado obra mu i boa para meninas, e para que te-
nham prompta sahida a Aguia Branca est ven-
dendo-as baratamente.
-Smaocome
Tnica especial contra a calvlee
Com nm bello sortimento de perfumara que a
Aguia Branca acaba de re:-, ter veio tambera o
apreciadoSmaoconecujo proveitoso effeito
j bem conhecido por qaantos o tem usado e ser
anda mais por aquelles que nece&sitam de sua
utilidada. O continuado uso do Smaocome d o
bom resultado de impedir a queda dos cabellos,
faie los renascer e conservar o sea brilho natural
alen de que :ou odor mais agradavel que d'ou-
tro qualqner tnico continua a ser vendido na! oja
:da Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Exeellente para acabar com as sardas, pannos e
espiabas no rosto.
Vende-se a 2f o frasco, na leja d Aguia Branca
rua Dnque de Caxias n. 30.
Bonitas caixas com perfumaras
proprias para presentes.
Vendem-se na loja d'Aguia Brama roa Saque
de Caxias n. 50.
Agua Florida.
Acaba de chegar eramente a afamada agua
florida de Guislain para tingir de preto os ca-
bellos brancos. Como sabem os que tem usado
dessa apreciada agua, o sea effeito nao instanta-
! neo poraa seu resultado seg jro e efflcaz. Che-
' gou tambera a agua de Topasio para o raesmo fim,
e continuara a ser vendidas i 7ic frasco na loja
d'Aguia Branca rua do Duque de Casia? n. 50.
Molduras dour&das para qua-
dros.
Na loja d'Aguia Branca a rna Daqae de Caxias
n. 50 vende-se molduras douradas cam difireme?
Moldes e larguras, e por prego commodo.
Peanas de ac bico de langa.
Caixas com 100 penas a 100 rs. na loja d'Aguia
Branea.
Bonitas capellas com veos para
noivas.
Vendem se na loja d'Aguia Branca a rna Duque
de Caxias n. 50. Tambem se vendem separada-
mente bonitos veos oa mantas bordadas para noi-
vas, e veos de cores para capos.
Escumilha preta fina e larga.
Vende-se na loja d'Aguia Branca rua Daqa
de Caxias n 50.
Butoes
Cobertos de e-guiao proprios para carnizas, e por
sua duracao preferiveis aos de madreperola.
Vndese na loja d'Aguia Branea.
Caixinhas com 3 sabonetes finos
a IJ, 1*200 e 1/500 a caixa.
Vende se na loja d'Aguia Branca.
Meias brancas e de l para
homens e senhoras e de cores para creancas.
Vende-se na toja d'Aguia Branca.
A Aguia Branea
rna Duque de Caxias n. '50, recebeu :
Ricas camisas de linho enfeitadas e bordadas,
pmprias para noivas, on mesmo qoalquer outra
Exma. qoe aprecie o bom.
Ifeias di fio de Escocia mu finas e bertas.
Ligas de leda.
Lencos brancos bordado-.
Bonitas bolsinbas de marroquim para meninas
e senhoras.
Papel em folhas grandes
proprio para mol es, embrulhos, etc : vende-se
na laja da Aguia branca rua Duque de Caxias
nnmero 50.
hinhas para crochet
e ontras para bordar : vende-se na loja d'Aguia-
branca rua Duque de Caxias n. 50.
Talagarsa
Seda froiixa e torcal para bor-
dados.
Vende-sa na loja d'Aguia Branca.
Lindos Jeques.
A loja da aguia branca roa Duque de Caxias
n. 50. receben liodos leqnes de sndalo ornados
com aotijolas de ajo e douradas, obras de nocida-
de e aparado gosto.
ERNESTO So LEOPOLDO
N.2D Boa do Cabugl N.2 D
Acha-se montado de forma tal este esubelecimerro de joias que pode
vender aos seus numerosos freguezes em grosso e a retaiho e por precos
mui resumidos visto que recebe de canta, propria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desenlio de suap jolas o mais lindo do paiz dai
modas, ouro de lei, brilbantes verdadetros, esmeraldas, rubina, perolas,
turquesas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto
para igreja como para servico domestico. Convidamos as Exmas. familia*
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias at 9 horas da noit .
Compra.se ouro, prata e podras preciosas em obras velbas.
/
GRANDE LIQUIDACAO
-* DE
Fazendas e chapeos de sel de seda
NO
Bazar Nacional
Rua da Imperatriz n. 72
DE
LOURENCO PEREIRA M. GUIMARAES.
I/qnida-se
Grande soi ti ment de chapeos de sol de seda, alpaca e merino
A SABER :
Cbapoa de sol de alpaca a 3151600 e 40000. Ditos de merino a 44500. Ditos da
seda a 50, 80000 e 100000.
Vende se om grande sortimento de chapeos de castor para bomeos e menincs, e
de todos os tamabos a 20500, 30000, 30500 e 44000. Ditos de pello a 20 20500
e 30000
RUA DA IMPERATRIZ N. 72.
ROPA FEITA PRETA MADAPOLO A 30000 A PECA
Vende se: Vende-se:
Calcas de casemira preta a 40000, 60000 Pecas de madapolio entestado a 30COO,
* 80OCO. ^m> W00 W50- W000 e 8* -
Palilotf de panno preto a 50000, 70OOO ALGODO BARATO A 30OCO.
100600. Vende se pecas de algodio a 30, 40, 50
Golletes de casemira preta a 30, 30500 e 60000.
e 4*000. CORTES DE BRI.M DE CORA 10500.
Palitts de alpaca preta 30, 30500 e Vende-se:
40000 Cortes de brim de cor para calca a looOO
e 25000.
emitas a tOO rs. o ce vado Dll08 de ganga a 1,5000. Ditos de trina
Vende-se: par(j0 a ^oo, 10800 e ^.0000.
Chitas francezas largas a 200, 320 e 360 CHALES DE LA A 10000.
rs. ocovado.
Riscadinbas de listras proprios para ves
tidos e roopas para meninos a 320 e 360 rs.
oovado.
LASINHAS A i60 RS. O COVADO
LOJA DE JOIAS
ESMERALDA
Acaba de chegar a este estabelecimento um importante s^rtiraento de joias de
ouro, do melhor gosto e qualidade que tem viudo ueste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pinturas finas, adereces e meios aderegos com pedras
finas, te. etc.
Rua do Oabuga'd, 5.
Moreira Duarte & C.
10000.
Vende-se chai.s de lia em quadrsa
' 10000. Ditos de merino estampados a 20,
30 e 40000.
caaabraia lisa a 3000.
Vendc-se pecas de cambraia lisa p ri
Vende-se: vestidos a 30, 40 e 50000.
L5asinhas para vestidos a 160, 200, 320! DUs de cambraia Victoria a 30500,
e 400 rs. o covado. 140500 e 50000.
Alpacas de listras de cores para ves idos BRAMANTE DE LINHO A 20500
a 500 e 640 rs. o covado.
Vende-se bramante de linho muito li'go
Ditas em qnadros de seda fazenda nova a 20500 o metro. Eoutrai muitas fiMMii
a 800 rs. o covado. que se vende muito barato.
ARMAZEM DOS LEES
Ana Duque de Caxias n. 29.
Os propietarios deste bem montado estabelecimento sciectifiram ao
raspei'.avel publico dcsta provincia que se acham com om variado e completo sorti-
mento de movis, tanto naciocacs como estrangeiros, sendo estes escoltados por nm dos
aosios que se acha actualmente na Europa. Q mesmo tem contraelado com os melbores
fabricantes daqueliecontinecte ais remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem que ve-
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade do qoe acabam de expor'
ue se pode examiaar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalbo, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao etim, amarillo, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda louc? de uogueira e de amarelio com Umpo de eedra, apa-
radores dedto dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secreta-iaj da Jacaranda e mognocastureiras oe mogno, san-
tuarios, thears para bordar, berros, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seos
pertencea, cadeiras privadas, bide6; etc., etc., muitos ontros artigos que deixamos de
mencionar por sejtcrnar enfadonho
ataca vio nm processofmais perfeito e qoe at-
1SU> i* tai forma a satisfazer as exigencias mais
itvwu da escriptnrao.
A toa cor lindissima e nao precisa de cada-
fe algum para se conservar no tinteiro sempre
teat a mesma eir, sem borra, crsta, bolr oa sem
'.odas Mtas maullas inherentes i todas as tintas
t agora condecidas, anda mesmo dos melbores
valores estrangeiros.
Sobretodo, este estfmavel producto nao ataca as
eras de ac, antes pele contrario, a penna
UEqsira nm esmalte dourado qoe, sendo interes-
ante, asss proveitoso.
bta tinta, nao sendo especialmente para copiar,
ti ccmtado dnas, tres, oa mais copias nm mex
(poi de escripta ; preciso, porm, deixar-lhe
oftpal bem molbado sem o enxngar com o mata-
errto, porque nio ba o risco de norrar. Para se
irar mais de nma copia, nao se agglomeram tan-
as folnai qaantas copias se qaerem tirar, mas
t#-M com o original tirar nma tantas qaantas
iwUMjam, sem qoe o original fiqat prejadicado
afea tracoas.
Occorr aqoi dizer qoe, para copiar unporta
4iitt indiligencia, e habilidade, sem e qae a me-
ter Unta nao satisfaz, e o deleito recae sempre
oiu a tinta, qae maltas vezes qaem menos
lipa tsm.
A dopla qnalidade desta tinta extremamente
tr::Vel, pois qae evita qoe em qaalquer s-
riptorio baja mais do qae ama tinta para os di-
arios mistares.
Incoante i saa dnrabilidada, nio bi s oppor
divida pois ana mu tintt dandi da m-
cripta sotrre o choqne de cidos fortissimos, ese
se decompr; ora, se os acides nio tem sccac so-
bre ella, moite menos a accao do tompo a ^dt
destrair; isto plaaatveL
Nio s ao commercio qae este mea predacto
veio ser atil; os professores do? collegics, investi-
gando todos os meios para o adiantar,.*nto des
seas discpulos, tem approveiudo eu tinta, qns
com razao a acbaram apta para desenvolver o
Sosto nos educandos, em coosequenria dt bslexa
a cor e facilidade de correr na peqnena pela saa
liquidez. Ha exemplos de criinca qoe bats
moito lempo tinnam nma repugnancia extrema
para a escripta, logo que foi admitiida esta tina
no eoliegio, apoderou-se deltas a eurioidade e 3
gosto, e ponco tempo depois o sea sdiantaments
era manitesto.
Esta tinta, i par de tantas vantagens, tem cm
nico inconveniente, deteriora-se ao contacto de
outra qaalqoer; cenvm pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de outfa tinta, e edi-
tar escrever com a peona saja de ama preparaco
differente e ineompativel; verificando isto, nao ba
razao para se osar de tinta qae nio seja a MO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIRO.
Observado.
Diversas (alsiflcacSes e semelhancas tem arra
recido, coja doranllidade dnvidosa. Os srs.
compradores podem evitar o engao dirigin:-s
a casas circampecta*,: pedindo a tinta que ta
fabrico
i. 6. Monteir*.

*


Diario da Pernambuoe Sabido 4 de DUio d 1872
i
Na douiric.a dos fados interoacioaaes a
Iberdidedo coaseotimento nlo um re
DIRErfO M MUCONAL.
ESTCDO S0B1UE PoSWltafciTIVOS A TIIEOWA
E PHATICA DD; TRATABwaTOM CERAL. P^R
-JOAQUIM TEIXKIM DE M VCEOO.
Coasideracas cerja da alguns dos princi-
pios de direito que regulan a validada,
es effo.tos e a exlinocao dos tratados n
ternaci.najs; ac nparih idas di ci.aQa-j
de exempliis modernos,
(Oalinoaga'o)
Em conclusSo, qualquer que seja a auto-
rd:de devida a s autores de direito das
gentes mais a meditados, cumbre observar
qae Vattel, Martsus e outro.. classicos an'i
gos encaravam as relaces inbrnacionaes
sob om poato de vista que o lempo tes
grandemente modificado. Wbealoo, mais
moderoo, com a sua grande proficiencia
demonstra q ant > sao obsoletas ou super-
finas as disiineges theoricas de que e tra-
ta; e quem qnizer inteirar se deste pomo
recorra ao q-io a la! respeito exp5j este
aotor larab.'m classico. O) escriptos do
mesmo Woeatoa j daam de mais de um
tergo de sculo ; e os publicistas de mais
crdito que tejm vindo depois delle apre-
8eDt4m doutrinas, que leadem cada vez
mais a lancar em total esjuecimento as dos
seus Ilustres predecessores da escola antig,
na parte de que ora fago men5o.
Passarei a outros pontos, qiae na pr-itica
nlo teem soffrido alteraglo alguma, ou se a
tem soffrido, para facilitar as relages pa-
cificas, simplificir o codito interna ional, e
tornar a guerra cada vez mais diffi rallada
pelos no>os sentim ralos que animaro asm-
gas, e pela recrudescencia dos prejuizos
que acarreta esse fl gello.
VI
Condico essencial para a valilade de um
tratado. Poder suficiente.
Em todo? os lempos, sempre se procu-
rou cercar as convences interoicioaaes de
Saramias taes, que as pu essem a cobirlo
e resci oes caprichosas, so porque om
chefe de estado ou seus ministros, succe-
deode aosque annairam a taes convenges,
acham prejudicial aquilio que seus anteces-
sores juigar.ra alil ou vantajoso. Seassim
Dio foss!, pde-se afG ngar que bem poo-
cos seriam os tratados q=ie nao fieasseaa ro-
tos antes de tempo, com qualquer mudanga
de administrara > interna.
Uma dessas garantas moraes consis'.ena
regra de que un tratado; de qua quer na-
tureza que seja, val do desde que nlo te-
nba La ido vicio d maneira de conclui-h.
Para isstf nlo se exige sanio um poder
suficiente, e o motuo consenso das partes
contratantes fon especialmente declarado
por escripto. Afitn di evitar equvocos nlo
se admitie umi simples declarago verbal.
Em onsequmcia, neabom mini-tro publio,
ou agente diplomtico considerar se-ba ha-
bilitado para celebrar e assignar ama con-
venglo com o governo, jujto do qual esti-
ver acred tido, se olo for previamente ma-
nido de plenos poderes especiaes, alm da
sua carta de crenga geni. De outro lado,
o funeciooario desse g>veroo, anda que
seja o proprio miuistro dos negocias es
trangeiros, nlo poder tratar com o refer
do agente, sena iguaes plenos poderes.
Vina pretendida leso nao amuilla o tra
tado.
Djste principio resulta que, sendo o Ira
tado regu'armente negociado, concluido e
ratificado, ni o se deve admitt'r que urna
pretendida leslo seja causa bastante para
toroa-lo nullo.
Quem toma a s compromisos deve bem
pondera los antes de prestar ihes a sua as-
ignatura Um contrato particular p le se
rescindido quanlo um dos contrabenles se
acha losada ; para isso offerecem as leis e
os Iribunaes civeis meios plausiveis e effiea-
zes. Mas os soberanos nlo reconhecem
juiz algum cima le si; e < a felicidade, a
paz das nages exigem manifestamente que
os seus tratados nao dependam de om vago
pretexto de nollidade to perigosa (Vat-
tel, liv. 2o cap. 12 158)
I>to d ama justa medida do que fui o
procelimento do governo de Aguirre, quan-
do em 18G4, a pretexto de lesees, mandou
solemnemente qoeimar em praga publica os
no^sos tratados de 1851 e 1852 com a Be
publica Oriental, que o general Flores fez
depois rei legrar nos archivos da mesma
repblica por meia de novos instrumentos.
Vil
knnullam se os tratados perniciosos
O que acoo de mencionar nao se applica
aos tratados evidentemente perniciosos, que
possam acarretar a ruina de urna naci
contraclave (Vallel, liv. II, Cap. XII,
160), apesar di synomia que se queira
achar entre os terna s de lesivo e pernicioso.
Como tal c;ractersam os autores classicos
orna conveogla, quando om soberano a ce
lebra contrariamente le fndame nal do
seo paiz: quando, por exemplo desmem-
bra o Estado, alienando parte do respecti-
vo territorio, sem o concurso d3 nagao, nos
casos em q e chamada a manifestar o
son consentimiento por meio de seus lepre-
sentaotes eleilos. Neste caso pode-se en-
tao dizer que esse s ib rano, contractando
tem um poder suficiente ass'ignou um com
promissjpara o qual na.) estava autorizado
e a que portanto ni) deve a naglo adherir,
a bem da pnpria cooservaglo. Nao tflflfo
o priprio ebefe do Estado acuelle poder,
nlo lbe licito delegal-o ao seu plenipo-
tenciario.
Sobre outros casos de nullidade
Igualmente, dizem os publicistas, torna-
se de todo nullo um tratado quando feilo
por cau.a injusta ou deshonesta, e a este
respeto prescravea regras anlogas as que
em direito civil e universal existem para os
contractos particulares, Mas alm de que
as relages polticas moito diffiil todos
concordarem as verJadeiras id*s do justo
e honesto, e as conveniencias coostituem o
principal movel dos ajastes inlernacionaes,
6 este preceito boje de tal maneira escusa-
do, quemuitos poderiam al qualiflcal-o d-
naiff.
Bastara lembrai que entre os tratados de
semelbante natureza citam se os que tem
por fim ama liga ofensiva firmada para
despojir urna mgau de quem os eslados
ligados nlo receberam injana alguma,
odendo e de vendo por consequencia aal-
ianga ajoslada ser r&'.a (Vattel liv. II
Cap. XII $ 161),
VIU
Dostra'ados impostos pela for$a
Talve mesmo da difficaldade de definir
em poltica o qae justo e hynesto nasceu
o principio do direito publico externo que,
apezar da sua apparente iniqoidade explica
a validada que se concede a cerlos tratado
manifestamente impostes pela for (a.
quesit fabsjlu'amtat* necessariofeomo na j
risprodeocia civil, onde se declara aullo
todo e qual juer contracto obtido pela vio-
lencia. Par essa razio nlo deixam de ser
obrigatorios tratados a que s vezes annue
urna naejo sob o imperio da forcj, embora
ten 1 ira a nada msnos que a destruigao das
suas forc.s, miliiares, ao empobrecimento
do respectivo paiz, e oceupagio do seu
territorio p)lo ioimigo Dj outro modo pre-
ieoJemos pobcisla) as guerras nunca se
te miniriam sen5o pela subuissl) e ruina
t)tal do Estado mais fraco; e a conservaglo
la socedade exige q >e a perfaiclo das coa*
siderag5es, ou a desigoaldade das condic
COs, na seja motivo sufficiente para justi-
ficar a recasa de executar semelbante trata-
do, e ,mo o seria, para a rescislo de um
contracto ci'il, qoand) algum dos ioleres-
sados pudesse queixar-se de disigualdade
grosseira ou de leslo enorme (WOeaton, p.
III. Cap. II. 8).
Para abonar e>te principio allega-se aioda
qu>, estando as m3os do conquistador an-
oiquilar a independencia de om paiz inva-
dido, se elle nlo o f iz e trata-o como Estado
livre desisto de um direito que loa assiste;
portadlo fici autorizado a exigir ama com-
pensaglo, estipuland) para si o abandono
pir ptrte do m:sma Estalo dos meios com
q ie esto ainda possa sar lna nocivo. E' ao
mesmo tempo urna pena imposta por ag
gressoes injustas.
Assim, pjis, em tbese nullo um trtalo
feito por ciusa injusta ; mas jastifica-se o
que arrancad- pela forga parte vencida,
embora fij'ie esta reduzida a urna nulli-
dade I
IX
Do principio de perfeita reciprocidade
Fora do caso qae p ecede, e salvo raras
excepr9s, em igoaldide i circumstaicias
urna natural reciprocidade o principio em
que as nag:s costumam basear os seus
tratados, tend) em vista somante mutuas
va tageis. P.omettem-se entlo quaato pos-
sivdl, cous3S iguaes ou equivalentes, ou
equitativa me :ite proporcionadas.
P51e-se referir a quaesquer ajustes in
ternacionaes o que Rayneval diz com espe
cialidade dos tratados de commercio :
f Les traites de c mmerce, pour tre so-
lid s, doivent tre fonds sur la recipreci-
t': ceux qni n'ont pour base que la con-
renance de l'uns des conlructants, ne sau
vjieni, comme tous les acies enilatraux,
subslsier sans violance, sans discussion,
et sins qn'il en resulte one lendence per-
petue'.le l'oai part, les teadre, de l'au-
tre, d les enfreindre .
( Vide dici. dipt. de Da Cussy. tractos de
commercio).
Em geral, para pnder-se bem avaliar se
nos tratados concluidos foi observado o
oriacpio de peroita reciprocidade, servem
de muito os protocolos das conferenci s,
que se dio ealre os respectivos plsnipo
tenciarios.
NSo falarei de certas differencas sobtisque
Vattel e outros estabilecem entre tratados e
iguaes e desiguaes, etc. Pela mor parte
baseavam-se na supremaca e privilegios
que amigamente so arregavam alguis esta*
ilus oulros; e como o direito publico mo
derno admita que todos estados indepen-
dentes, qoaeiquer que sejam a sua forma
de governo, forg e prestigios, slo iguaes
em direitos, tornam-se vlos e sem appli
cao aquellas differencas.
X
Bons eficios e mediacao: differenca entre
ambos os casos.
Mutis vezes um tratado (sobretudo de
paz) promovido ealre dous partidos p
p)stos por iatervenglo de ama tencia, oferecendo esta esponUneamente ou
a pedido dos m smos partidos, seus bons
oficios ou a sua meduifo.
Sao dous casos moito distinclos.
Os bons offkios empregam se para a ini-
ciativa das negociaos preliminares, ou
para reata las quando venham por qua'quer
motivo a in!erromper-se.
Quer sej^m espontneos ou solicitad s,
on mesmo sendo o resultado de algum ac-
cordo anterior, nunca originam ama cir-
cumstancia de direito contra o interventor,
salvo se este por si assumir responsablida-
de propria pelo conselbo dado. Neste caso,
poder a eventualmente e seu acto autorizar
reclamagao de indemnisagoes.
O que fica dito applica-se tambem aos
bons offioios empregados em vista de ou-
iros actos pblicos, tendo por fim a recon-
ciliag'o de partes dissidentes. A esta es-
pecie perlence a iatervenglo havda por
partu do ministro ingloz Mr. Mithew, para
o restabelecimente das relagSss diplomti-
cas qu o geueral Webb, ministro dos Es-
tadoslluidos, bavia declarado suspensas
com o governo imperial na questo relativa
ao Caoad,
Vejamos agora em que consiste a me-
diaglo p;opri'imente dita.
Esta km lugar qnando a terceira poten-
cia; com o assenlimento dos interessados,
toma parte as negociaces desde a prin
cipio al. ao fim, passaodo-se tado em sua
preseng o por su as mos.
Ninguem pode mpor-se como mediador,
mas, ama vez aceito, cumpre inlerpor o seu
parecer sobre as propostas qae fizerem os
dous partidos, ou rejeitar in limini outras
que nlo sejam conformes com a equilade.
De qualquer maneira, porm, o mediador
aao tem o direito de constranger urna das
parles a aceitar a soa opinilo. nem obri-
gado a dar-se por garante da execrlo do
tratado, coja concluslo pe termo s su:S
(uoccSes amigaveis. Se nlo celebrar-se
tratando algum, fu.di se a misslo de me
diador desde que om dos principies inte-
ressados luja rompido as negociagoes.
(Hefftea, Direito internacional moderno,
88, Wneaton, parte 3* Cap: 2o 18).
Taes sao em resumo os preceites autori-
sados que regem esta materia.
XI
Dos trtanos de garan'.ia.
Os tratados de garanta slo mais usuaes
do que os que se fazem 'sob mediagio.
Escuso aqu repetir o que a respeito de
suas diversas appllcagojs se acha to bem
bem exposlo as obras de Vattel. Wbelon,
Hjffeter, Kluber e outros publicistas emi-
nentes.
Juigo entretanto utl consignar entre os
presentes a,,ornamentos os dados que aba
xo se seguem.
A garanta compromiso a q ie om so-
berano nlo deve subscrevjr iacousiderada-
mente e sem ter para isso fortes razes,
parque pola ver se na necessidade de em-
pregar a forga con'.ra urna potencia recalci
tae qp cumprimento de suis prome3sas.
Una garanta, assim como a nniiaclo,
nunca se impQe; depende de consenso
alheio.
E' geral ou especial, conforme se refira
a tedas ou algumas das estipotagoss do tra-
ta lo garantido ; e pode tambem estander-
se o prazo inteiro deste altimo, oa rettrin-
gir-se a om corto e determinado prazo.
Quanto forma, a garanta pode ser con
tida em urna convenci separada e distiac-
ia, oa comprebendida em urna das estipa
lagojs do tratado principal; escolhe-se en
to a ultima, e a obrigigij qae dabi nasce
loraa-se accessona.
Cumpre igealmmte observar qae a parte
garante olo tem outro dever senla prestar
a assistencia estipulada, o ist < mesmo s
depois de ser expressunanle chamada aen-
tervir.
- Se assistencia prqvarie insofficiente, a
mesma pa te nlo obrigada a indemaizir
a potencia a quem tiver promettido o seo
auxilio. Tambem olo Toreada a inlerpor-
se em prejuizos das justos direitos da om
terceiro, ou em vioiaglo de um trata io an-
terior que torne a garanta inapplicavel a
nm caso especial, (wneaton, pirte 3." cap
i." 12).
A parte garante nlo pode opjor-se a
qualquer modidcaglo do* tratado principal,
nem impedir que sej dispensada de seu
compromis80, se os iuteressados convierem
em urna ou na oatra coma, salvo qoindo
toaba figurado como parte contratante no
tratado principal.
Cauca1*.
No se deve- confundir o tratados da ga-
ranta com os de caucio. Quando se tra-
a d; cousas que outro pode (azar, lio bem
como o que promete, 'v. gr. pagar certa
quantia, mais seguro pedir om fiador do
qae am garante-; porquaato iqaalle cabe
cumprir a promessa na' falta da parte prin-
cipal, como nos tratos entre particulares;
entretanto que o garante somonte obriga-
do a prestar o que possa dopander deile
para que a promesas sej cumpri la por
quem a fez. (Vattel, Liv. 2 o Cap. 18
2i0).
Befens.
A xecuglo do um iratido p le tambem
sar garantida por meio de refens ; mas
easo to raro qoer segando diz Wheelon, o
exemplo o mais recente e notavel do seme-
jante garanta dea-so por occasilo da piz
de Aix la-Chapelle em 1784, em que a res-
titoi.lo do Cabo Bretlo na America do
Norte pela G Breanba Franca Coi garan-
tida sendo enviados alguns pares da logia-
ierra para Pars.
XII.
- Dos tratados ie allianca subiHios e
soccorros.
O direito internacional estabelece orne
dfferenga entre tratados dtalanga geral.
em qae os contratantes fdzem cansa com
mum pira guerrearen! nm inimigo oa de-
fenderem se delle, e tratados paramente de
socorros subsidios limitados para forne-
cimentos de tropas auxiliares, proviioes, di-
nbeiro, etc., sem q te por isso s obrigue
um Estado a tomir parte eventuat as nos
tilidades entre terceiros. Taes foram por
muito tempo as relages que ti vern os
cantos da cepfederaglo Suissa com outras
potencias da Europa que tinham a seu sida
tropas daaoella naglo. (Woest pte. III
cap. II | 14. Vattel, liv. III cap. VI 79
e 8)
vista porm, dos principios que boje
regulara a neutra lid a de, oseo o observar
quinto seriam perigosos semelbanles trata-
dos de subsidios.
E' pois mais dessas (Merengas que tem
de ficar relegadas no dominio da pura theo
ra sem applicaglo na pralca.
XIII.
Tratados preliminares, ou definitivos.
Pelo que respeita aos seas effeitos os
tratados slo preliminares ou definitivos.
Os primeiros, como sabido, tem por
fim suspender inmediatamente as hostilida-
des at que os beligerantes, se o preten-
dido objeclo a celebraglo da paz, se
hajam definitivamente entendido, modifican
do, estenlenlo, ou coafirmando as clausu-
las do ajuste preliminar, que para ser v
lido ple at lomar a forma de urna minu
la abreviada dos pontos essenciaes, catatan*
to que sej i devidamonte a -signada o ratifi-
cada por quem d direito ( Mirtens Precis,
liv. 111 cap VIII % 33i).
A guerra Franco-Prussiana, que to me-
moravel ficar para sempre, deixa-n)S um
importante txemp'.o da maneira por que
procede-so em taes casos.
XIV
Efftilo geraes dos tratados.
Q-iaes os direitos e obrigages que para
as partes contactantes resultam de um tra
tado, em geral, que rene todas as condi-
ges de validade ?
Sabr isto, slo muito explcitos os pu-
blicistas classicos que se costyma consultar,
entre oulros Marlens (Precis, liv. II cap II
| 54). O Estado quem contrata, o Es-
tado poii quem tem a obrigaglo de guar-
dar a f dos tratados; e essa obrigagio dura
em quanto elle mesmo existe, salvo o caso
de revocaglo por mutuo consenso.
Neste ponto tornase importante a diflV
renga entre tratados prpela js, e os que se
celeram a curto praso. (V. cima IV.)
Como se extingue um Estado contratante
Mas como se entendeu a expresslo em
quanto o Estado existe ?
A tal respeito, bem se explica o publi
cUta Heff.er (Dt. Iat. 24) ais termos se-
guales qae traduzo da sua obra original em
aleoslo :
c Cada Estado soberano existe em qaan-
to aioda conserva sob urna forma qualquer
as condigis essenciaes ou elementos de
urna ailo nacional ; por consegoinie, em
quanto ha urna communidade, vivando n-
depeniente e capaz de reprodazir-se quer
se perpetu por propiga;5o propria, ou
pela agregago de iaamig.anies de qual-
quer parte donde venham.
Extingaa-se, pois, o Estado completa-
mente.
c Io Pelo perecimoato total oa auniqui-
laglo de todos os seas membros ;
c 2o Pela dissoluglo da sociadale exclu-
siva, v, gr. inmigrando oa dispersando-sa
lodos por oulros paizas, como aconteceu
ao povo dos judeus ;
c 3 Pela mistura com oatra communi
dade nacional igualmente independente
(uni per confusiones), renunciando ambas
aos respectivos caradores que as distiu
guiam, oa sabmet.en lo-se ama a oatra.
f Parcialmente pode extinguiese o Es-
tado por diminuiglo de corpo, e por
desmembraglo oadivisao ero varios Esta-
dos ; desprendendo-se oa separan lose urna
parte para unir-se a outro Estado; ou fi-
nalmente, descendo elle categora de Es-
tado semi soberano.
Sendo a eiliacclo completa, segando
effter, cessam todos os direitos e encargos
pubos, desde qae a sua continuaglo se
torne iocompativel com o novo estado de
;oosas. Mas quanto aos direitos e obriga-
g5es dos particulares (jara e obligaliones
siogoiorom prifat) para com o Estad),
iDciuaive a parte da divida publica que so-
nre elles pese, devem ser considarados
subsistentes, se porven'.ura aiuda tiverem
objucto,. ea derem margen para sua raaii-
ziglo,
Na caso e ext'n;gio parcial, prevalece a
mesma rejfta relativamente aos direito pri-
vados. Form pebqia diz respeito s
nada aprsenla que carega de oxplicagio.
E' caso qoe se decide pelos mesmos princi-
pios e regras que em direito civ.l.
Palo que teca ao n. 7, redro-me ao que
Wbeatun (parte III, cap. 2 | 10) diz sobre
a importancia qoe, no caso de desappareci-
meoto da possoa pbysica eU moral autori-
sada ou obrigada, pode ganhar a dislincclo
tbeorica feila entra os tratados reaes e os
pessoaes. O que cerlo *qne os ajustes,-
olo concluidos em vista de orna constituglo
determinada, nlo cessam de ser obrigalo-
irJbS* quaado ^esla mada ; e o que a Fran
ga reconbe:eu por om decreto da convenglo
nacional de H de novsabro de 1793, de-
circumstanc de direito publico, na opi-^pois que de njoQarchii pessoo a ser repu-
oilo do mesmo aotor es3as devem soffrerTblxa. (Marin, Precis, 58 nota b.)
(Vide o aooeadico n. 4 )
extiacglo de
a modiflcage que a aova situag>> possa
tornar necessarias ; ou, se a mudaeg for
o ;casiooada pela guerra e nlo exisiirem es
ipolagSes que as gar'n*i, serlo modiSca
das i vontade do vencedor.
Esta doutrina sobro a dflraglo dos rata-
d >s leve urna applicagle importaotissima
pera o Brasil noe-tratados qie eind
Janeiro de 1SI3 e 28 da jntoo de 18T lo-
rao celebrad is entre Portugal o a 6r-
Brelaaba pira a abol glo do trafico de es
cravosv Separan lo-se o Brasil da Metro
poler soffrea Portig^l ama dmembraic5o
cousidwavel qe parcialmente affectou a soa
exisienoia como Estado. Para este, a qu- m
ainda restavam colonias com* escravos po-
diam as disposices- dos dito tratados coa
taar em vigor: all bavia ainda objecto- e
msrgen para a exesucio deHas. O mesmo
Cuo se dava no Brasil, parte desmembra-
da. Sis, tmio eslava o novo imperio ame-
ricano- no sea direite- de recoobece-las; o-u
olo, qpe pela sua convenglo de 23 de no -
vembro de 1820 con> G/l-Bvetanhi (art. 2f)
t> p.-eci.o adoptare penovarexpressameale
como se fossem iost-ridos pslavra por pa-
la vra na dila conveuo5o todos os artigos e
dispo>iig.oes d)S referidos tratados sobre; o
trafico^ bem como ontros explicativos qoe
Ibes bviam sido adicionados-.. Tcitamen-
te noaca poderiam ter tile f >rga pira o
Brasil, iodepea lente.
protesto assigoado em S45 pelo E.yn
Sr. conselheiro Lirapo de Abreu, boje v4s-
conde de Abaete contra o celebre Bill-
Aberdeen, cootem a respeitodesses tratados
am histrico sacciito qae podo ser consul-
tad com muito prove'to.
XV
Como se exliauemos paoprios trotados"!
Pissando agora a tratar dos diversos
modos porque se extingue nm tratado para
maior clareza recorrer* ainda coaceilua-
dissima obra de effter (i 90).
c as obrigages consabidas p&.- tratados
diz este autorcessam :
, c t Desda que se acha preencaado o seo
objecto, se este consistir em certas e deter-
minadas presiaces a (azer por ama vez so-
mante, e nao conlionadas ;
t 2" Realizando-so alguma condiglo re
solutiva estipulada ao mesmo tratada ; e
findan lo-se o prazo dentro do qual deve
ele vigorar ;
c 3a Pela previa denunck di soa cessa-
glo, feita por qualquer das parles contra-
tantes, se tal houver sido expressamente
estipulado ;
t 4 Por expressa renuncia do nico inte
Matado;
c 5 Pela rescislo matoa de nm contrato
bilateral, em outros termos : convndo
ambas as partes ent annllar o tratado,
o que nem mesmo am terceiro interessado
pode impedir;
i 6o Pela ruina total do objecto sobre
que versar a convenglo, com lano qaa nisso
olo tenha culpa qualquer dos contratan-
tes ;
t 7o Dasaparecendo o sojeito automado
ou obrigado, sem que oa.ro venha substi-
tuido de direito oa por analoga de contrato,
por exemplo qnanlo am dos Esta los inde-
pendentes perde a sna independencia ;
8o Fiaalmente, posto que nem sempre
cesssm completamente, ao menos ficam sus-
pensas as obrigages originads de um tra-
tad a, pelo rompimeoto de orna guerra geral
mas n5j parcial, entre as partos contratan
tes, salvo se o trando tiver sido expressa-
mente concluido para vigorar mesmo darte
te a g.ierra. >
Confrjntaod)-se o enunciado no n. 1
com a exposiglo cima sob V, relativa
convengojs t-ansilorias v-.e que na ver-
dado extinguem-se as obrigages desde qoe
o sea nico object) preenebida; mas o
tratado na morre, perpetua se nos archivos
pblicos ; e dabi provm o motivo polo
qaa dissa que as coovenges transitorias
slo de natureza essencialmeote perpetua.
Como exemplo citarei a convenglo cele-
brada em 27 de Janeiro de 1849 entre o
Brasil e 03 Estados-lbidos para pagamento
das reclamagjs corte-americanas (Vide o
rola torio dos negocios estrangeiros de 1851)
Desde o momento em q ie foi posta dis-
posigio do governo daquelles Estados a
qaantia de 53 J:0005000 destinada para esse
pagamento (art. Io) ficou preenchido o ob-
jecto da convenglo. Mas, a qaalqaer tem-
po que o Brasil contestasse a justiga da
traasaego, ou se porventura se fizesse ou-
ira reclamagio pelo mesmo motivo, seriam
ento invocadas as disposiges daquelle
ajuste.
Neste ponto muito difieren semelbanles
convenges daquellas qae, nos termos do
o. i tem um razo dentro do qual devem
vigorar ; fiado este torna-se o tratado om
papel de simples valor histrico.
A causa da cossaglo n. 3 mui freqaente.
A til respeit) cumpre somante observar
que os prazos marcados slo sempre fataes ;
um dia de demora, qae houvesse na notifi-
aaga), traria a parlo interessada umaconti-
nuagSo reforgada daquillo qae ella dese-
jasse ver acib.do.
Qaauto a da n. 4. comprehendese que
para poder haver renoocia unilateral pre-
ciso qoe o tratado tenha sido concluido em
proveilo de um s. Sa, por exemplo, o
Estado com o qoal foi celbralo om ajaste
para liquidaglo de reclama,oes, renuaciasse
a ellas, oa perdoasse a divida, romper-se-
bia o ajuste.
Misdisde qoe existam obrigages bita-
terses, iodispensavel, segund o n. 3, o
coasenso mutuo de ambas as partes. Dan-
do-se esle, Gca lejaimeJe rota a convenglo
embora com isso venha a.soffrer um tercei-
ro interessado, cono no exemplo citado por
Vattel. (L v. 2o cap. XIII, 203.) De
ama guerra entre ajeles
as novas ideas em tifa, [
ip bota plaal
do as monarebas que se eonpromeltem a
oht suas forc'8 para a defisa de urna ci-
dade viziohi e extraoba, e depois ratratam-
se de commam eccordo. O direito da ci-
dade entlo nenhum, salvo se ella icter-
vdio na convenglo, ou se fl.eram directa-
mente alguma promessa.
O u. 6. ruina total do objecto eitipuUdo
(Vide o appendice n. 4 )
De todas estas causas de
tratados,porm. amis fre-jaenteeimpr-
tanle, pelas qnto 'S a que tem dado lugar
a da guerra mencionada sob o o. 8. Delta
tratarei especialmente nos captulos que se
seguem.
* XVI
Sobre o modo especial de eztimjuirem-seos
tratados por motivo de guerra superen-
nivtUc.
A questo se e guando calucam as con-
venges interoacionaes, por motWo de |tet
ra superveniente enire as parles contratan-
tes, tem> si Jo em todos os tara pos muito
debatida. O qua fica exposto, no cap. V
desie irabalho, a vespeito das oonveages
transitorias e os telera, j om ponto de-
partida para tal ou qual esclarecimento da
qa asilo,
As primeiras s podem ser suspensas
em seos effeitos ; mas estes, depcis de con-
cluida a p'.z. to oam a fazer-se sentir, sem
que para isso sr*ja precisa ama aslipulago
especial.
Os tratados propriamente dilos> ao con-
trario, cahem por si mesmos, logo que
rompe a guerra, ainda que tenham sido
declarados perpetuos, exceptuaado.se uni
carnele os artigos estipulados para o caso
de omwrompimento. (Vilo o appendice o.
o a II.. iu v) Voltando o estado de paz,
preciso renovar expressamente aquellos
qae saquera conservar em vigor.
Como se v a (Merenga grande.
.Uas, alm de olo se attender muito na.
pratica a scmelbanie distiaeco, accresce
serem os tratados muitas vezes compostoe
de artigos malos, isto pertenceales i
urna o outra especie, o que sobremaneira
diSculta a applicaglo do principio aqu men-
cionado.
Para taes casos prescreve Martens as re-
gras que se contera no 59) do seu Direito
das gentes. Apezar de ludo isso, nlo lem
sido raro saslenta;-3e a doutrina do que os
tratados em geral ficam, em caso de guer-
ra, ipso faci ex ti netos, nlo sendo ou tci-
tamente renovados depois de conclu la a
paz. Podo-so at dizer qae a idea a mais
vulgarisada que entlo quaeqaar coovan
coas caducara.
Creio mesmo que aquellas reg as, em
lugar de fixir as ideas, tem contribuido
para augmentar as contendas e indecisas,
como muitas vezes acontece na pratic i qnan-
do em thaora procurase fazer avultar cer
las distiocgas. Porm Marlens nlo tem
culpa nesse ponto; elle escrevia em 17S8,
isto c, em vesperas da grande rovoluglo
franceza. Desde essa poca, as nages
tem aprendido a conhecer quae. slo os
seus verdadeiros direitos permanentes ; e a
discu3slo dos interesses positivos tem subs-
tituido o debato das quostes abstractas e
das vas generalidades. A Marlens falta-
vam como ponto de apoio os casos jnlgnd)t
que formara hoja outros tanlos marc)s in-
destructiveis. e indicadores de um ndVo ca-
minho onde as ideas, teniendo para um
progresso infinito, j nao podem retroceder
de om s passo, embora lamentaveis acci
denles polticos imprevistos aiiiia rotardem
de vez em vez a sua marcha.
Finalmeata, apoiando nos na autoridade
de ura afamado escriptor muito moderno,
podemos simplificara questo mais do qoe
tem sido at agora ; e eis como a este res-
peito se exprima M, Bluotscbli. (tal o
nome desse aotor) na soa excellente obra :
Le droit internacional codifi, traduit de
l'allemand parM. C. Lariy.iSlO.
(Art. 461) t La validit des trail3 ne
depead pas ncessairement da main'ien de
la paix ; elle na cesse pas de plen droit
lorsque la guerra vient clater entre les
tats coDtrataats.
(Segue-se o commentario feito pelo au-
tor, de conformidade com o plano por elle
adoptado na dila obra):
1. Oa a souvent dfendue jadis l'opi-
nion que la guerra abroge tous les traite
conclus ntreles parlies beligerantes, parce
que le droit na peut exister qu'en tomps de
paix, tand.s que pendant la guerre l'tit
de natnre. Mais le droil subs.ste malgr la
guerre ; il n'y a done en droil aacon motif
d'admeltre qua la declaraton de guarro
abroga sans autres molifs, tous les traites
cooclus prcedemeot entre les belligerants.]
L'excation des traites est presque impos-
sible pendant !a guerre ; certain3 traites
(por exemplo, os de pn). sont ncessaire-
ment abrogs par le fait mme de i'ouver
taro des boslilits; mais ce n'est pas le cas
de toas les traites. (Pag. 240 )
Como se v pelo trecho cima transcrip
to, a questo j se reduz a haver um poaco
de baa vontade, por parte das nag3S, de
se entenderem melbor, sem recorrerem a
razos capciosas ou pelo manos aoachroni-
cas. Conseguido isso, nlo seria diffll es
tabaler um principio mais consantaneo
jrs'iga e s exigencias da oossa poca.
Firmando-ma nestes dados, pala licenga
para expender em seguida as ideas e ob-
servages qae soggero-me um pequeo
esludo que fiz desta interessante questo.
O-u as humildemente pelo que ellas pos-
sam valer, sera lisonjearme do ter acerla-
d i, e apenas como incentivo pira que on-
tros mais habis e esclarecidos fajam me-
lbor obra, porque o ponto vai-se tornando
importante,
XVII
Quaes as tendencias da actualidade ?
Primei.'O que tudo parece ma que em
ques'.:s como esta so tal ou ta! tratado
rompe-se pela guerra nlo se deve recor-
rers regras de urna hermeoeutici usada
em outros lempos, quanlo a gue ra era um
estado quasi permanente. Hoje ella can-
sidatada como urna tristsima necessidade
do momento, o nlo ha esforgos que se pou-
pero para evita-la, oj, quando seja inevita-
vel, para pr-lhe breve termo. As guerras
de 7 ou 30 anuos j nlo slo possives.
Slo tantos os interesses pacficos, ve-
zes creados por esses mesmos tratados que
se pretende baratear; to penosa actual-
mente a impresa) causada pela q ligia de
cultas, que, com
provavalmaate por
si mesmo a lem risco de encontrar oppo-
siglo sfri fo tantara a firmar-nu alien
prncipi bota pin' sitar n tempe de
guerra a existencia de todos ot tratados
uteis. r in
Quando em jallo de chegou a Lon-
dres a noticia la decUafei de foern fran-
co prussiana, toda a imprensa ingleza bra-
doa: o maior crime de notso tempo f
Aotes desse fatal conflicto, o que se et>-
servava ? Recrdemc-lo aqu :
A respeito do corto, e dt propriedade in-
o/fensiva do inimigt $o alto mar.
Desda 1866 eslava abolido o corso pelas
declaraces do congresso de Pars, realisao-
do-se assim aerevsio do hist riador Canta,
com referencia s tentativas que j no XVII
seclo se faziam para acabar con o oso
brbaro das cartas de marca. Sem da-
vida,diz elle m soa historia ooiversal-
longo nlo est o tempo em qoe o negocian-
te e o eurioso inoffensivo poderlo tranquil-
lamente percorrer os mares no meio da es-
quadras inimigas, sem ter que receiar ata-
ques a seus bens, nem estorvos em seus
oslados, y (Liv. 14 cap. 26). Eesta abo-
lig i cso julgaioi embora algumas po-
tencias como os Estados-Unidbs nlo con-
cordassem oella. Para qualificar o corso,
basta citar as -seguinies palavras do mesmo
Cantu :
< Dii:ilmente se acreditar ea lempos
viudouros qpe os goveroos civilisidos te-
nham podido at aos nossos das legitimar o
corso, i virtuda das quaes urna embarcagla particu-
lar pode assaltar as de um paiz ioimigo, sa-
luear, matar, queimar, meller a pique,
arrebat r para as tercenas (migatins) do
armador fardos de basadas ruubadas gotle-
jando saogoe. Os corsarios s differem dos
piratas porque arvoram o pavilhao de toa
naglo, respeiiam os neutros e s atacam oa
navios ioimigos (Ibidem- in fine).
Porm anda ficirao os cruzadoret d
estado, os navios de guerra, para fazarem o
mesmo que os corsarios, com a dfferenga
de serem arrebatadas para os dep -sitos p-
blicos as fazendas sublrahidas a innocentes
pirticulares, o de serem ellas condemnadas
como boas presas e vendidas. Mas, em fim
de coalas, essas propriedadis ir5o sempre
parar as mos de outros particulares; de
maneira que o estado-tem em trra am c-
digo disciplinar para cohibir o saque, e no
mar faz se agente privilegalo do saqae.em
beneficio proprio ou dos particulares!...
Nisso, o q ie ganha a moralidade publica ?
Qual o fundamenta de justiga para seme-
jante dislincclo f Em ultima analyse, dir-
se-hia qpe o simples fac) de urna locono-
glo martima moda a natuaeza de seme-
lbante propriedade destinada para oso in-
nocente I
A' geraglo presente j eostava aceitar
esta anomala, que tanto repugoava aos seus
sentimentos de equidade; e entre os que
manifestaram vivos desejoi de ver nesta
parte reformado o cdigo internacional, cabe
ao Brasil muito honroso lagar.
A nota do governo de de marpo de 1857,
e sensaco por ella produzida.
D fado, qoando o nosso ministro dos
negocios eslrangeiros Sr. conselheiro Para-
ohos, boje visconde do Rio Branco. leve da
responder ao convite das potencias sigoata-
rias do tratado de paz europea de 30 de
marg> de 18SG, para que o Brasil adherisse
aos do vos principios do direit) martimo
adoptados pelo congresso de Paria, S. Exc,
prestan lo essa adheslo em nome do gover-
no imperial, accrescentou o seguate em
nota de 18 de margo de 1857 :
t ... A humanidado e a jjust'cj devem
de certo ai congresso de Paris um grande
melhoraraento na lei commum das nages;
mas em nome dos mesmos principios li-
cito ainda pedir s potencias signatarias (do
dito tratado) como complemento da sua obra
de paz e civilisaglo, a consequencia salutar
que se conlm as mximas qae ellas pro-
Maraaram. Esta consequencia qua tola
propriedade partcal ir inoffensiva, sem li-
cencie dos navios mercantes, deve ficar ao
abrigo da direito martimo contra os ataques
dos cruzadores de goarra .O governo
imperial adhere nesta parle ao convite dos
Estados-Unidos da America, e esperando que
se realise a ampliaglo proposta por esta po-
tencia ao primeiro dos p ncipios profassa-
dos pelo congresso de Paris. declara se des-
de j disposto a abraca-la como a plena ex-
oresso da nova jurisprudencia internacio-
nal.
Em 1862 o distncto publicista Cauchy,
rendendojusla homeoagem a esta manifes-
taglo do gabinete brasilairo, transcreveo a
citada nota na sua obra sobreDireito ma-
rtimo, e demansirou que aaboligi)do
corso devia com effeilo conduzir suppres-
slo da guerra feita propriedade particular
inoffensiva do inimigo encontrada no alto
mar (i vol. pags. 472504).
O movimento, pois, no sentido da aboli-
glo de outro abaso inq jalificavelju antes,
implcitamente muito bem qualiflcado pelo
celebre historiador cima atado, j se
faza sentir om foca.
A nota de 18 de margo de 1857, archiva-
da as chancellaras europeas, publicada e
applaudida com respeito pela imprensa
cientfica, altestava que o joven imperio,
sentindo sempre polsar-lbe o coraclo gene-
roso, j se avoulajava em vistas largas aos
velhos reinos; e que s lhe f Itava o pres-
tigio destes para chamar as naces a outro
congressa e nelle matar o aboso.
Proced'iment da Austria e Prussia como
belligerantes em 1866.
Entretanto, nlo ficaram surdos ao rumor
causado pelo referido movimento a Austria
e a Prussia, quando em 1866 decararam-se
mutuamente a guerra.
Antes de principiaren! as hostilidades,
providenciaran! de cemmora accordo para
que del as resoltasse o menor mal possivel
ao commercio inoffensivo. Ambas docreta-
ram, a 1* em 13 e a 2a em 19 de maio do
dito anoo, urna prokibico s suas marinbas
le goerra cipturarem os navios mercan-
tes inimigos e faze los condemear como boas
presas pelos seos respectivos Iribunaes,
exceptuaodo-se os casos de contrabaolo de
guerra e bloqneios legaes.
A' esta importante medida associou-se
tambem a Italia, alliaia da Prussia.
Continuar-tt-ha.
TYP-DO DIAtO RA DOpUQOK W C4X45
-

~
*

.1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM3B890M5_O9XQ14 INGEST_TIME 2013-09-16T20:24:53Z PACKAGE AA00011611_12651
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES