Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12602


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PA1A
kMO XLV111. HUMERO 53
i AAFlTi
M ISA85 OJTD IAO SI PACA POITL
Por tres mezes adiantadc
Por seis dito* iium .
Por mn auno dem.. .
2} mimen avulso .

/K>00
141000
umo
ISO


TERCA FEIRA 5 DE MARQO OE 1872
f ABA DimO I FOBA DA PBOTIICIA.
Por Ires fflezet adiantados
Por seis ditos idem.
Por doto ditos idem
Por om auno idem
i
i
M7M
i SIMM
3S!









DE PEMAM
Propriedade de Mafloel Figueiroa de Paria & Filhos.
sao Acuunra:
O* Srs. Gerardo Antonio Alvos d Filhos, no Para ; Gongalvea & Pinto, no Alaranhio ; Joaqoim Jos do Oliveira Filho, no Cear ; Antonio de Lemoa Braja, no Aracatj ; Joio Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no.Natl; Jos Jai a,
Pereira d'Almeida, em Mamangoape.; Angosto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Peona; Beiarmino dos Santos Balcio, em Santo Antio; Domingos Jo da Costa Braga,
am Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna.; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martina Alvos, na Baha; e Leite, Cerqainho d C. no Rio de Jjaeiro.
PARTE OFnCIAl.
COVGHIO Di ritniVIJi
Falla coi que o Exm. presidente da provincia eonseiheiro JoAo
Jos de OHveira Junqueira abri a assembla legislativa pro-
vincial de Pcrnainbuco no dia I. de marfo de 1871
- Senhoies Membros da Assembla Legislativa Provincial:
Tcndo a honra de, presidir a esta provincia desde o dia 27 de outubro do anno passado,
em virlude da nomeacao, que recebi pela carta imperial de i do mesmo mez, vcnbo hoje prestar-
vos as devidas mfonuacoes sobre os, negocios da aduinistracao.
A r*uiao dos escolhidos da provincia sempre um laclo auspicioso, a que se ligaiu as
mai> lisongeiras esperaucas.
Smto grande trazer, senhores, inaugurando os vossos trabalhos, pois o faco no meio da
trauquillidade e bem estar de que gosa a provincia, que niostra caminliar desassonibrada para o
seu desenvokimenlo moral e material.
O periodo, que atravessainos, notavel por mais de una cireumstancia feliz, e que registra-
ra- na historia a prudencia e a sabedoria dos poderes pblicos, 6 tambero um eloquente testemu-
jalio da proteccjio da Divina Providencia, Que Permittio que o nome da Augusta Pnnceza Imperial
Regente se roueasse do una aureola de paz e do brilho de importantes reformas effectuadas
pacificamente
Os variados ramos do servico publico sao nesta provincia momentosos e difficeis.
Pela sua populado, riqueza agrcola, vus de coinmiiuieaco, coimuercio, posico geogra-
ptiica e por umitas oulras circuinstancias importantissiina a provincia de Pernambuco.
Ardua conseguinteniente, a missao do governo.
Tenho procurado, romo o permittein as inhibas (breas, ella dedicar-ine, collocando-me
na verdadeira posifo, o esforcando-me por promover os melhorainentos da provincia e destribuir
a todos inteira justica.
Para proseguir nesse eaminho cont com as vossas reconhecidas luzes o patriotismo.
O vosso Ilustrado apoio ser o nielhor premio a que eu possa aspirar.
As infonnacoes relativas ao lempo, que decorreu da ultima sesso at a minha jKtsse, en-
contrareis no bem elabralo relatorio com que tu o passou a adniiislraeao o muito digno 2."
vice-presidente, Exm. Dr. Manoel do Naseimento Machado Portella.
Tenho a satisaeo de coiiiiiiitncar-vos que Sua Magestade o Imperador tem gosado
sempre de inalteravel sade durante a viagein que emprehendeu, e que Sua Magestade a Impe-
ratriz melhorou dos encommodos, que determinaran] a sua ida Europa : o que certamente.
notivo de grande jubilo para todos os brasileiros, que aprecian) os elevados dotes de tao excels.
Senhora.
A Screnssina Princeza Imperial Regente e Sua Alteza o Sr. Conde d'Eu, seu Augusto
Esposo, nenhuma alteracao tem soffrido em suas preciosas sades.
Do mesmo modo os principes filhos da sempre chorada Princeza D. Leopoldina, Duqueza de
Saxe, gosam de sade perfeita.
Suas Magestades Imperitos percorreram os principaes paizes da Europa, e foram tambem
ao Egypto.
Por toda a parte receberam as provas mais significativas de respeito e alto npreco s suas
virtudes e eminentes qualidades.
Sua Magestade o Imperador tem conquistado a admirado dos povos cultos da relba Eu-
ropa, mostrando conhecimentos superiores em varios ramos das sciencias c da literatura e reve-
lando os distinctos predicados, que o loruam um Principe digno de dirigir os destinos de um
pvo nobre e Ilustrado, como o povo brasileiro.
A esta hora devem Suas Magestades estar em Portugal onde se demoraro at'o dia 13
do correute, em qne embarcar para o brasil, ehogand de passagem a esta cidade no dia 25
ou 26.
Facamos votos para que propicios Ibes sejam os mares e em breve tenhania satisfacao
de rever as trras brasileas, onde enconlraro todas as provas de amor e de dodieaco.
Consta que Sua Alteza o Sr. Duque de Saxe acompauha Suas Magestades.
No dia 26 de Novembro do ann prximo passado leve lugar a vorsa cleico.
Dando-se na cmara quatriennal duas vagas na representacao desta provincia, vistu lo-
rem sido escolhidos Senadores do Imperio o Exm. Sr. Dr. Francisco do llego Barros Brrelo e o
Exm. Sr. Desembargado!' Alvaro Barbalho l'cha Cavaleante, Deputados pelo i. e 3." districtos,
houve de proceder-se a cleico para preenebimento dessas vagas.
Marquei para ella o dia 21 de Janeiro, na- verilicando-se posteriormente que esse dia era
o destinado para a reuuio das juntas de qualilicaeao, tive de transferil-a por acto de i do mes-
mo para o. da 11 do niez de Fevereiro passado, sendo eleito pelo 1." districto o Sr. Dr. Ignacio
loaquim de Souza LeSo, e pelo 3.' o Sr. Dr. Jos Bento da Cunha Figueredo Jnior.
Em todas csas eleiepes nada de notavel occorreu, e fram guardadas as leis u regula-
inentos respectivos.
Tendo-se procedido a eleicao de vereadores, que devem conipor a nova Cmara Municipal
de Panellas, exig em 13 de Fevereiro as actas, que at entao nao me baviam sido remedidas.
Exped ordem para a eleicao de vereadores da nova villa de Aguas Bellas, deixando de
mandar proceder a de vereadores para a villa de Bezerros, por nao terem os seus habitantes
prestado ainda, como exige a lei da creacao da inesma villa, casa aproprada para nella (anecio
nar a Cmara Municipal respectiva.
Foi'approvada a eleicao de vereadores da Cmara Municipal da nova villa do Triumpho.
Os juizes de paz de varias freguesias creadas com territorios desmembrados de collegios
e districtos eleitoraes, diversos consultaran) presidencia, se em taes freguesias poderiam proce-
der qualicaco de votantes.
Nos termos do aviso do ministerio do imperio n. 363 de 3 desetembro de 1868ideclare aos
juizes de paz das parochias, cuja creacao alterou districtos eleitoraes diversos, que nao procedes-
a deciso do poder competente, remetiendo, entretanto, listas dos moradores dos territorios des-
membrados aos juizes d; paz das antigs freguesias, que solTreram taes desineinbraniento?, afun
de votarem nestas os quajificados naqu'ellas, se, porventura, coutiauassem as cousas no mesmo p
at a poca de qualquer eleicao.
Nenhum receio existe de que a trauquillidade publica seja perturbada nosta provincia.
A paixo.s e lucias polticas, que outr'ora levavam os partidos a empregarem meios vio-
lentos e extra-legat.-s, (em, felizmente para o imperio da Santa Cruz, desapparecido.
Hoje os partidos pleitean) somente no campo da legalidade, e nao procuram perturbar a
paz publica, certos mesmo de que qualquer tentativa nesle sentido seria repellida pela maioria
dos Habitantes pacficos e laboriosos, que desejam. larga sombra das nossas insli'-uicoes sabias
e liberaes, fazer desenvolver os recursos e riquezas naturaes do paiz ; creando desl arte esses
dignos cidadaos para si e para suas familias um futuro de maior garanta e prosperidade mate-
rial, a par das vantagens inoraes qae a crescente civilisacao Ibes proporcionar.
A liberdade pratica de que se gosa no inmerio, a comparacao que todo.) fazem dos'bene-
licios de que estamos de posse, confronudos com o estado de perpetua convulsa) de outros povos,
principahmate dos nossos visinhos hispaoo-americanosi urna certa tolerancia poltica que forma
a feicao canftteristica.do governo no Brasil, a liberdade da imprensa que existe entre nos, sao
poderosos garantes, de que nenhuma perturbaciio se dar na trauquillidade publica.
Quando me exprimo desta sorte, comprehende fcilmente esta Ilustrada Assembla que
eu me refiro a importantes factos, que podessem por em perigo a paz da provincia ou do esta-
do. Certamente que. apezar das condiccoes de superiordade da nossa organisacao poltica, e
da boa ndole dos brasileiros, nao se pode esperar que alguns acontecmentos de ordem secun-
daria, isolados uns, outros filiados entredi, nao se possam dar, de forma que se torne precisa a
accao prompta, enrgica e efllcaz da autotidade. Mas esses facloi nao tem oaracter poltico, c
mais se prendem seguranza individual, comS'passo a vos informar.
OHt'U'ilAnJjA ilTJ)'J7i'J)'iJAii 2 iJ' "i,Ji3>'i'IJ'XAJ)
A nossa estatistica criminal, imperfeita ainda, porm pouco animadora. Os crimes
avuttam, como se v do quadro seguintc, que abrange o periodo de 27 de outubro do anno pr-
ximo passado, dala do relatorio do meu digno Antecessor, at as ultimas noticias recebidas na
reparticao da polica :
Resistencia....... 3
Tirada de presos..... 2
Homicidios....... 17
Tentativa de homccio ... 3
Ferimentos e otlensas physicas 44
Ameacas........ 2
Estupro......... 2
Furto......... 13
Roubo......... 2
Tentativa de roubo..... 1
Ofensas moral..... 17
Armas defesas...... 3
111
O quadro n. 2 abrange a estatistica do perodo comprehendido de mart,o de 1871 at o
presente :
Resistencia....... 12
Tirada de presos...... 23
Moeda falsa....... 1
Desobediencia....... 6
Contra a liberdade individual. 1 *
Homicidio....... 60
, Tentativa de homicidio. ... 21
Infantecidio ....... 1
Ferimentos e offensas physicas 189
,^_L Ameacas........ 6
Estupro........ {*
Calumnia e injuria .... 6
Furto......... *>
Estellonato, e:c.......
Damno ,...... *
Roubo......... *'
Tentativa de Roubo..... >
(leasj reiigiao etc. f
Armas defeza?...... *9
-
Emquanto a instruccao popular nao estiver^ais dfTundida
lelhoraremos neste asnmpto t^nto qahto
e as vas de communcac,o
seria para desejar.
uitas pessoas do povo, de andarem arma -
a para desejar que os cidadaos de certa
selvagem, de modo a obter-se a cessacao
8 pela accao das autoridades, a quem ti-
llantes de assassinatos.oresce esta esta-
da utoftneia.
as autoridades locaes na persegufo dos
mais perfeitas e rpidas nao mlhrareinos neste asi
O pessimo e criminoso habito, qua tem aqu
das, contribue para essa frequencia de crimes ; e
educacio fizessem urna propaganda contra esse cos
de tao pernicioso habito, sendo secundados esses esTi
cuinbejirQcessar por tal-delicto.
So na capital apparecem, as vezes, faetos i
tistica lgubre quando se lancam as vistas para o
Tenho-me oecupado seriamente com auxili
criminosos, que vagueiam impunes pelo interior, aflm'de moralisar a accio da justica
.Nao terei conseguido muito ; mas tunho consciencia de que abruma cousa hei feito nesse
sentido.
Entre os criminosos celebres, que tem sido capturados durante a minha administradlo,
avulta o de nome Francisco de Athayde Siqueira, que (o capturado no termo de Villa-Bella pelo
delegado Jos Sebastiao Pereira da Silva, pelo alferes de polica Manoel Caetano Veira da Paz,
commandante do deslacamcnto. Ao governo imperial pedi urna romuncracio lionorilica para tao
bons servidores da causa publica, e foram ambos immediatamente nomeados cavalheiros da Or-
dem de Christo.
O nao menos celebre criminoso, Vicente Ferreira Lima, que tem sido o terror do
termo de Ingazera nesta provincia, e do de Texeira na Parahyba, est sendo perseguido pelo de-
legado do polica, e por um destacamento volante de 1." linha, que mandei ao interior para au-
xiliar a aegio das autoridade locaes. Se nao tem sido anda capturado, isso devido a avisos,
que tem elle recebido de pessoas, que lbe sao conjunetas ou interessadas as suas tropelas ; e,
por isso procuro dar as providencias adequadas. Era preciso manter o prestigio das aulor.da-
des locaes, o imperio da le e da justica
Appareceram no municipio do Buique o em parte do de Cimbre) alguns grupos de dc-
sordeiros e salteadores, que nao so infestavam os catftjhjs pblicos, como chegavam a ameagar
as autoridades na villa do Buique. W^
Saliendo eu do estado anmalo daquelias localidades, dei promptamente as providencias
necessaras, e hoje as cousas entraram ali em urna situacao regular.
Urna forca respetavel da guarda nacional destacou en Buique e, em poucos das, o-
tenta pracas de polica foram secundar a sua aegao.
Nomeei delegado daquelle termo o capitao do coriw de polica, Samuel de S Monte-
negro, que muito conlribio para os bons resudados obtidos, fazendo dispersar "os mencin idos
grupos, e capturando alguns dos mais comprometidos em factos criminosos. O promotor da co-
marca, bacharel Sebastiao do Reg Barros, deu provas de civismo nessa difAcl emergencia.
Para Cimbres nomeei delegado un cidadao, cuja actvidade era indispensavel parapes-
soalmcnte por-se frente das deligencias,- e dispersar os grupos de desordeiros. Os resultados
foram completos, sem que em Buique ou em Cimbres houvesse a lamentar conflicto, nem caso
algum de morte, nem perseguicao injusta. A acijao das autoridades nao se esteudeu alm dos
complicados.
Dev, ueste documento solemne, dar disto tastemunho, e agradecer a todas as autorida-
des e cidadaos, que contribuiram para esse resultado, quando as cousas parecram um pouco
diUlceis naquellas localidades, ao tempo em que tomei conta da administraran. a
iNa comarca de Tacarat tem-se leto importantes deligencias, dstiuguindo-se o Dr.
juz de direito, Manoel da Silva Reg, na repressao do crime.
As remuneracoes honorlicas conferidas ao delegado do termo de Villa-Bella, e ao com-
mandante do respectivo destacamento, ha pouco mencionados, sao incontestavelmente nobre es-
timulo para o cumplimento de deveres arduos, e generoso incentivo para que oulros cidadaos
se proponhatn a arriscados, porm dignos e proveitosos commettimontos, em prol da causa pu-
blica.
ilJ)\JIimrAiAD IDA J?39a$,
E* esle um dos mais importantes assumplos de Quando o cidado descanca n* fiel e mparcial execucao das leis, e conlia em urna recta
administrasao da justifa, a sociedade caminha a passos largos para o seu verdadeiro progresso.
O amor ao trabalho a i se pode desenvolver sem n,ue todos esperen) que o fructo de seu
suor Ibes ser integralmente garantido as pendencias- civis.
Da mesina sorte a liberdade e a honra dos cffladlos, primorosos direitos, que a constitui-
co poltica tratou de defender, nstituindo como palladium para elbm uina magistratura indepen-
dente e Ilustrada, tornar-se-hiam incertos e periclitantes, se a adimnistratio da Justina estivesse
f n'oso assumpto, ao estado de certos paizes,
o. muito temos j%jwf nd merc de paixdes e tendencias incjnfessaveis.
Se entre nos anda nao ebegamos, neste m
cultos, como alaglaterra, a Franca e Blgica, jL_
ii tnw ,i.i,-i. ;..,|,inr i i.a., roviioii. ^j,^iauvy%tasan.tg'Bciaoes. dando constantes
provas de amor fiel execucao das leis, e deoicando-si^ao ojludchdo Ditelto.
A novissima Reforma Judiciaria, promulgada a 52 de setembro do anno passado, e o re-
ulamento respectivo de 22 de Novembro ultimo, niclhoram scnsivelmente a adminis/ra^ao da
usti^a.
Essa reforma era instantemente reclamad i pela opiio, e desdetrnla annos se descuta
as cmaras, nos comicios e na imprensa a sua necessidade.
Naturalmente no comco da execucao de to importante le, que crea novas relacoes entre
a populaeao c as autoridades judcarias e polica*, inultos embarac >s e duvidas hao de surgir.
O tempo os ir fazendo d^sapparecer.
Se a experiencia demonstrar que o desejo de garantir o individuo exp5e extremamen-
te a sociedade aosperigos c azares de. se ver menos armada em face do crime, nenhtttna duvi-
da pode restar de que o Corpo Legislativo currigir alguina cousa, que neste sentido p >ssa com
fundamento apontar-se.
Por ora nao se pode, nesta parte, aventurar juizo seguro.
Em todo o caso, sob inultos e variados aspectos, a Reforma satsfez s necessdades reco-
nhecidas, e a opinio publica, bstanle amadurecda sobre o assumpto, recebeu-a com applauso.
Em virlude da referida lei, foram nomeados para a Comarca da Capital os seguintes Jui-
zes de Direito :
Para a primera vara civel, o Dr. Manoel Jos di Silva N'eiva, que era o Juz de Direito da
segunda vara crime.
Para a segunda, o Dr. Manoel Tertuliano Titomaz Heuriqu.es, que foi removido daComar-
ca de Caniaragibe em Alagas.
Para a vara privativa de orphos, o Bacharel Francisco de Asss Oliveira Maciel, que ser-
via a primera vara criminal nesta Capital. E para aProvodoria de Capellas e Residuos, o Juiz
de Direito da Comarca do Cabo, Bacharel Manoel Clementno Carneiro da Cunha. Todos por
Decreto de 13 de Dezembro ultimo.
Para a vara dos Feitos da Fazenda, vaga pelo fallecimanlo do Juiz de Direito Ablio Jos
Tavares da Silva, foi nomeado, por Decreto de 21 do referido mez de Dezembro, o Bacharel Joa-
quim Goncalves Lima, Juiz de Direito, que eslava avulso.
Ficou n vara especial do Commercio, o Bacharel Sebastiao do Reo Barros de Lcenla,
que nella j eslava prvido.
Em virlude do art. 2. do Decreto n. 3,824 de 22 de Novembro do anno prximo passado.
dividi a Comarca da Capital em seis districtos crimnaos, pela segninte forma :
O Iocompreheadendo a Fregueza de Sao Fre Pedro Goncalves do Recife.
O 2" a de Santo Antonio.
O 3o-a de S. Jos.
O 4as do Santissimo Sacramento da Boa-Vista e de Nossa Senhora da Graca.
O 5 -as de Nossa Senhora da Saude do Pojo da Panella, de Noss Senhora do Rosario de
Vares a de S. Lourenc/ da Malta.
O 6o-analmente) as de Nossa Senhra da Paz dosAfogados, Santo Amaro de Jiboatao e
Nossa Senhora do Rosario de Murbeca.
Designei para servir no primeiro, como Juiz criminal, o Juiz deDreito Privativo de Or-
phos, Bacharel Francisco de Asss Oliveira Maciel. Para o segundo o da vara civel, Bacharel
Manoel Jos da Silva.Neiva. Para o terceiro o da 2a vara civel, o Bacharel Manoel Tertuliano Tho-
maz Henriques. Para o quarto o Provedor de Capellas, Bacharel Manoel Clementino Carneiro
da Cunha. Para o quinto, o dos Feitos da Fazenda, Bacharel Joaquim Goncalves Lima. Para o
sexto, o da vara especial do Comntercio, Bacharel Sebastiao do Reg Barros de Lacerda, e isao
por portara de 30 de Dezembro ultimo.
O Governo Imperial nomeou, por Decreto de 13 do dito mez de Dezembro, para os luga-
res de Juizes substitutos da mesma Comarca os Bachareis Jos Hygino Duarte Pereira, Armimo
Coriolano Tavares dos Santos, Francisco de Carvalbo Soares Brando, Jos Manoel de Barros
Wanderley Jnior, Antonio Francisco Correa
Por acto do 8 de Janeiro ultimo, e em
creto n. 4,824, determiuei, que as varas de
iia de Araujo e Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.
m virlude d disposcao do art. 3o, % i' do citado
i Direito fosseoiubsttuidas, a 1' vara do civel, i
De-
pelo
Bacharel Jos Hygino Duarte Pereira, a 2* pelo Bacharel Jfflninio Coriolano Tavares dos Santos,
a de (rphos peio Bacharel Francisco de Camino Soares Brandao ; a da Provedoria de Capellas
c Residuos pelo. Bacharel Antonio Francisco Correa de Araujo ; a do Commercio pelo Bacharel
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro c a dos Feitos da Fazenda, |ielo Bacharel Jos Manoel de Barros
Wanderley Jnior.
Marquei tambem, a 3 do referido mez de Janeiro, a ordem da substituicao dos Juizes de
Direito entre s, sendo o Juiz de Direito da vara civel substituido em primeiro lugar pelo da
2" ; em segundo lugar pelo Pruvedorde Capellas e Residuos; em terceiro, pelo da vara dos Fei-
tos da Fa/enda ; em quarto, pelo da de Orphaos ; em quinto, pelo da do Commercio.
O da 2'vara civel; em primeiro lugar pelo iuiz da i* vara, em segundo pelo da do
Commercio, era terceiro pelo da Provedoria Je Capellas e Residuos, em quarto pelo da dos Feitos
da Fazenda, e em quint pelo da de Orphos.
O Provedor de Capellas e Residuos : em primeiro lugar pelo Juiz dos Feitos da Fazenda,
em segundo pelo da l4 vara civel, em terceiro pelo da 2',- era quarto pelo da do Commercio,
e em quinto pelo da de Orphaos.
O dos Feitos da Fazenda ; em primeiro lu ar pelo Provedor de Capellas e Residuos, em
segundo pelo da 2* vara civel, e-n terceiro pelo da de Orphos, em quarto pelo da especial do
Commercio, e em quinto pelo da .! vara civel.
O da vara Privativa de Orphos; em primeiro lugar pelo da do Commercio, em segundo
pelo da Provedoria de Capellas e Residuos, em terceiro pelo da Fazenda, em quarto pelo da 1*
vara civel, e em quinto pelo da 2 vara.
Finalmente, o da vara Especial do Commercio: em primein logar pete Juiz de Orphaos.
em segundo pelo dos Feitos da Fasenda, em terceiro pelo da> 1." vara civel, em quarto pelo Pro-
vedor de Capellas, e em quinto pelo da 2." vara eivel.
Nomeei tambera por acto de 20 do dito mez de Jafleiro os supplentes dos substitutos nesta
comarca saber : da 1." vara civel:
1. Bacharel Joao Barbalho L'cha Cavalcanti.
2. Bacharel Custodio Manoel da Silva.Guimarles.
3. Bacharel Francisco Odilon Tavares de Lima.
Da 2.* vara civel:
i. Bacharel Francisco Gomes Prenle.
2." Doutor Gracliano de Paula Baptista.
3." Bacharel Ulvsses Machado Pereira Vianua.
Da vara de Orphos :
1. Bacharel Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
2. Bacharel Joao Augusto do Reg Barros.
3. Bacharel Manoel Joaquim da Silvera.
Da Provedoria de Capellas e Residuos :
1.' Bacharel Olympio Marques da Sijya.
2. Bacharel Alvaro Camiqha Tavares da Slv
3. Bacharel Alexaudre de Souza Pereira do Carao.
Da Especial do Commercio :
1." Bacharel Pedro Francisco Concia de Araujo
2. Bacharel Francisco Augusto da Costa.
3. Bacharel Auguro Carlos Val de Oliveira
Da dos Feitos da Fazenda :
1." Bacharel Miguel Figueiroa de Faria.
2. Bacharel Francisco de Paula Penna.
, 3. Bacharel Adolpho de Siqueira Cavalcanti..
Por acto de 29 do referido mez de Janeiro maruuei o modo de substituicao reciproca <
foram por Decreto de I.'.
Juiz substitutos.
Para a comarca de Pau do Albo, que c dacrdem das especiaes,
de Desmbro ultimo nomeados Juizes de Direito os Bachareis Vicente Ferreira Gomes para a 1
vara civel, e Pedro Camello Pessoa para a 2.* vara; e substitutos os Barbare!- Francisco Gonv-
Pinto de Campos da 1/ vara, e Jos Nicolao Tolentino de Carvalho da 2.' vara.
_ Igualmente divid a por arto de 30 de Desembro do anno passado em don- districtos en-
minaes, declarando que a jurisdiecao do Juiz de Direito da I.' vara abrangeria a Frr-guesu d
Divino Espirito Santo do Pau do Albo ; e o da 2." as de Nossa Senhora da ".loria e da Luz.
Foram tambem nomeados os supplentes dos Juizes substituios nessa comarca a saber": d>
1.' vara civel :
i." Bacharel Magno Bruno Marques Bacalho.
2.* Manoel Thomaz de Albuquerqm Maranhao.
3." Manoel Cavalcanti de Albnquerque.
Da 2.' vara :
1." Major Joao Antonio da Silva CabraI.
2. Joao de Azevetlo de Araujo Pinheiro.
3.* Capitao Antonio de Barros Correa.
Nao acceitaram os lugares de substitutos nesta capital os Bicharais Francisco de Can all'
es Brando e Arniinio Coriolano Tavares dos Sa
Santos ; e os Bachareis Jos Eustaquio Fereii a
e 3.* supplentes do substituto da vara 11
Soare
Jacobina e Manoel Joaquim da Silvera os de 1.
phaos.
No da 22 do correute tem esta Presidencia, na forma do artigo 6." s 8." do referido br
creto n. 4j824, de nomear os supplentes dos Juizes Muncipaes dos Termos pertencenles as co-
marcas nao especiaes. .
Foram nomeados os Juizes de Direito seguinles :
Para a Comarca do Buique, vaga [K>r ter sido nomeado Chefe de IVIicia da Provincia d
Maranhao, o JuzdeDirelo Joao Hircano Alvos Maciel, o llachasel Benjamiui Pinto Nofueira
por Decreto de 10 de Janeiro ultimo.
Para a do Brejo, tambem vaga por ter sido removido para a de Viga no Para, o Juiz d
Direito Lourenco. Francisco de Almeida Catanho, o Bacharel Joaquim di Costa llibeiro, por D-
creto de 19 do referido mez.
Atis Juizes de Direiro Herinogenes Scrates Tavares de Vasconcellis c. Adelno AutaH"
de Luna Freir, Chefes de Polica, aqu-lle d'esta Provincia e este da da Alagoas, foram designa-
das, ao primeiro a Comarca de Goianoa por Decreto de 10 de Janeiro ultun ., vaga (tor ter -id"
d'ella removido para a da Capital di Parahyba o Juiz de Direito Francisco (oncalves da Richa.
e ao segundo a do Cabo, por Decreto de 13 de Dezembro do anno passado, vasa por ut sido
removido o Juiz de Direito Manoel Clenientino Carneiro da Cimba, para a Provedoria de Ca|idlas
desta Capital.
Para a Comarca de Tacarat, vaga por ter sido nomeado Chefe de Pulira da Parahyfca
o Juiz de Direito Manoel da Silva Reg, foi removido, por Decreto di- 13 de I) zembro u'tiui > da
Coinitrea do Paran, o Juiz de Direito Luiz Ignacio de Mello Barreto.
Foram nomeados,Juizes Municipaos os Hachareis Joaquim Francisco de Amida para
Termo de Lmoewo o Joa'quim de Oliveira Andrade para o de Nazareth. ambos por Decreto de
23 de Oulubro ultimo.
"Pelo de 3 de Novembro Candido Valeriano da Silva Freir para o do Cabo, e |*H lie 13 de Dezembro ultimo, Vicente Pereira do Reg) Jnior para o de Oureury e Affunsr J<*'
de Oliveira Filho para o de Santo Antao.
Por Decreto de 13 do ultimo dos referidos mezes foi recondnzido o tiaeharel Jos Ju a
Riguera Pinto de Souza no Termo do Rio Formoso.
Para os cargos de Promotores Pblicos, nomeei a 9 de Janeiro ultimo o Bacharel Sctiiti*
CoEdeiro Cocino Cintra, para a Comarca do Rio Formoso, e a 11 do dito mez o Bacharel Jos Mara
da Rocha Carvalho, para a da Boa- isti, T o Bacharel Flix de Figueiroa Faria a 13 de Dcienbr"
para a de Flores. .
Formo em goral bom coheeito da magistratura da Provincia, e tenho nella encontrad"
bons auxiliares para a repressao do crime e para tudo que tendente ao servico publico.
Durante a minha aliniuistracao tenho concedido as seguintes licen^s a magistral!* -
A' 19 de Janeiro ultimo tres mezes a*o Desembargador Franc seo de Assis Pereira II mmL
que suecumbo no goso della ; dous mezes ao Juiz de Direito da Comarca do Cabo, Bacharel
Manoel Clementno Carneiro da Cunha, a II de Novembro do anno fiado ; quinze dia* ao de
Itamb, Bacharel Felinto Henrique de Almoida a 16 de Dezembro do anno prximo passado .
um mez ao de Nazareth, Bacharel Joao Paulo Monteiro de Andrade, em 23 de Janeiro; ao Jui/
Municipal de Goianna, Bacharel Joaquim Cordeiro Coelbo Cintra, um mez a 3 de Novembro <>
anno fiado ; um m z ao da 2.' vara da Capital, Bacharel Arniinio Coriolano Tavares dos S; nto-
a 1 de Dezembro ultimo; um mez em igual data ao do Brejo, Bacharel Joao Alvaro Pereira d
Lyra; vinte dias a 16 do dito mez aoda Escada, Bacharel Alfredo Alfonso Ferrara-; quina-
das a 24 de Janeiro prximo passado ao de Caruar, Bacharel Antonio Paulino Cava'ca&ti *
Albnquerque.
Ao Promotor da Comarca de Garanhuns, Bacharel Angelo Janscn de Castro e Albiiquer
que, dous mezes a 14 de Novembro ultimo ; dez dias ao de Pao d'Alho, Bacharel Antonio Do
mingues Pinto, a 13 do dito mez ; dous mezes ao do Brejo, Bacharel Cincinato Al ves Cavalcant
Camboim, a 30 de Novembro lindo ; vate das ao de Itamb, Bacharel Joaquim Guedes Curva
Gondim, a 13 de Dezembro ultimo ; dous mezes aoda de Bu que, Bacharel Sebastiao do Rf<<
Barros de Lacerda, a 19 de Janeiro prximo lindo. A' excepcao da MceiKa concedida ao ex Jui?
Municipal do Brejo, todas as mais foram com ordenado.
Ao Escrivao do Tribunal da Relaco, Augusto Cesar da Cunha, foram concedidos tresmezee
a 28 de Outubro ultimo ; tres mezes ao Tabelliao desta Comarca, Antonio Solfea da Silvera
Lobo, a 8 de Janeiro findo ; a 29 do dito mez, tres mezes ao Tabelliao Joaquim Jos da Costa
Lete ; dous mezes ao Tabelliao de Cimbres Eduardo Antones de Albuquerqtie Mello
A diviso judiciaria feita pela inaiieira seguintc :
Vinte comarcas, com trinta e nove Termos, dos quacs iros sao annexos, quatro un En-
tallados ; e 123 Districtos de Paz.
O Jury tem funecionado regularmente, tendo-se dado no anno decorrido, depois das infoi-
macoes que vos foram ministradas pelo mea antecessor, as seguintes sess Comarca do Recife 4 ses'e-
< de Oliuda
de Goianna
de Itamb
de Nazareth
do Cabo 2
do Rio Formoso 3
t de Santo Antao 3
de Palmares
do Limoeiro
do Pu d'Alho
do Bonito 2
ii de Caruaru'
t de Garanhuns 4
(i do Buique
do Brejo 2
de Flores 2
de Tacarat 3 <
da Roa-Vi-ta
de Cabrob 2
Teudo o Governo Imperial nomeado o Desembargador Joo Antonio le Araujo Fiviu-
llenriques, Presidente da Provincia da Babia, por Aviso do Ministerio da Justica de 7 de Oiilubr
do anno prximo passado. foi designado o Desembargador da Relacaodo Maranhao Jos.' Nicola
Regueira Costa para o substituir durante o seu impedimento.
O Tribunal e o Paiz tveram de lamentar o fallecimenlo do Desembargador Francisco
Assis Pereira Rocha, a 27 de Janeiro ultimo, no termo de Iguarass, onde se achava em viagei
para a Parahyba no goso da leenca que lbe foi concedida.
A 21 do mez prximo passado conced ao Desembargador Alvaro Barbalho Ucha Ca\al-
eante dous mezes ile licenca com vencimentos para tratarse.
Este Tribunal nao sofTreu alteracao em seu pessoal. tendo apenas sido licenciados pelo res
pectivo Presidente, por trinta dias, o Desembargador Jos1 Ignacio Acciol de Vasconcellos a 2-
de Janeiro prximo passiido, e pelo Tribunal oOIHcial maior Julio Augusto da Cunha Gnimarie-
^litttlUi. .
OS cidadaos incumbidos da ; rdua nisso da polica procuram nesta Provincia desemb-
ullar, em geral, os seus deveres, apesar da deficiencia de meios de que se rescnlca organisa^"
desse importante servico. .
E' um cargo gratujto e muito trabalhoso. As vezes al traz comprometimientos senos e
risco de vida para os fnnecionarios. ....
Por isso sempre que eu sei de algum acto de maior dedicacao graneado por delegado *
polica, subdelegado, ou outro einpregado publico em relaco pumcao dos enmes, c prisa dr
delinquentes, eu apresso-me erareconoecer solemnemente a relevancia de iaes scrvicoe e misino
em recommendal-os munificencia imperial. ....
Nao me parece de boa poltica estar constan!-monte depriraindo o carcter c as I jada* .
f cas desses funeconaros, como soem fazer aquelles, que apreseutam o nosso naiz e o set fuc-
cionalisino no ultimo grao de desmoralisaco.
Ha nsso grande njustica-propra de pamphlelos, mas impropria da seriedade c uoai
calidade com quo se deve emittr esses juizos.
Esse pessiraismo pode traser o desanimo certa classe de cidadaos que so prearam *-
servico publieo, mormente hoje que, pela Reforma Judiciaria, as funcefies policaes pfrderam na
pouco da importancia pessoal, que trasiam ao euipregado, e s Ibes deixaram a parte mais arda.
e afanosa, bem que anda muito distincta.
Em raso da mencionad) Reforma tive de fazer as novas nomeacoes pobciaes, e esse
balho est quasi conclu do, restando apenas poucas localidades a attender. Procure*, nesa
nomeacSes, guiar me esciupulosamente "pelo iuteresse publico, escolhendo os cidadao q' one
recian melhores condicoes do bom servir. ._____
E- possivel que, entre um pessoal tao numeroso, tenha escapado alguina nome*:*) uiom-
conveniente. Assim, verificando o caso, apressar-me-he em proer do remedio
Tenho conservado e nomeado alguns offlciacs d) corno do polica p-ra autonda c
poli -
gene
Goianna.
no
omiirca d



r


"t
r
n
__
Btant dt rtTBamboc ~ Terqa feim 5 dt Vlar

K,
z:
Boos servias presto cssc Magistrado pausa publica, e nnii<;o nja auxiliou em Mos os
ramos da suaRepnrticao, espveiaulMrrM no frahall* da roorpani3se,ib policial, determinada na
dita Reforma Judieiaria, trabalho tanto mate d tiltil quanto, Mein das eirrumstaneias ordinarias,
accresMrain as incompatibilidades que restringiram o passoal, onde se -posaa escolheri
Fotablr tituido pHo Dr. Doming >i Monteiro Pcixoto que tomou posse no referido da 12, e
que mesdfa-se desejoso do bem desempinhar os seus dover-s.
Este digno funce ionario pede, cm ofllcio n. 323 de 20 do m prjimo passado, quo seja el -
vado a 100-SOrX) ris niensaes o orden.* do de .""JD^OtX) ris que percebe cada um dos Mdicos de
Inicia, creados pea ei provjncial n 061 de 1870. ,*'*:, ,
Com effeito, devendo elles acnuu aqualquer hora do da ou da uoule aos cbamados das
autoridades polieiaes desta cidade e suburbios, e proceler limitas ve a difflceis e panosos exa-
ines por demats exiguo o ordenad) que lites fui marcado, pelo que concordando com o pare-
cer do niesmo chele vos propoulio o indicado augmento.
t numero de crinrnosos capturados no ultiind anno, como veris do re'aiorio aprese*
lado por acuelle Magistrado, l'oi o seguinte :
Resistencia............................... 13
Tentativa e Inga de presos.................. 14
Moeda falsa.............................. 6
Desobediencia............................ 6
Contra a Hberdade individual............... I
Homicidio................................ '83
Tentativa de homicidio..................... O
Infaiitecidio.............................. 2
Fertaneatos e offensas physicas..............17I
Antearas.................................
Estupro..............................
r.aluinnias r injurias....................
Curto.................................
Estellioiato...........................
Daino......................,..........
Itiuiho................................i
Tentativa de roneo.'....................
< tiT-nsas religiao etc..................,
Armas defezas.
-
. 8
6
l(>
8
2
:il
2
76
I!
"i





tajr
(>s criminosos capturadas durante minlia administracao foram o-
Resistencia...............................
Tirada de presos..........................
Desobediencia.............................
Homicidio................................
Tentativa de homicidio.................
Kerimentos e offensas physicae..............
Aineacas.................................
Estupro.........v......................
Parlo...................................
Ks'e'llionalo..............................
Konbo...................................
i mensas plisyeart..........................
Armas d finas............................
sounti-
:t
1
20
2
'.1
-_>
2
19
2
:i
17
HeparttcSo &* polleU
1* ecc*o Secretaria da po'icia de Pwrjembu-
oj, l de qvmco de 1872.
N. T.r8 lllru e Exm. Sr. Levo ao cooheci-
mento de V. Exc que, segundo consta das part
cipafder recibidas boje u'esta repartidlo, foram
recoihidos i cfl?a de detencao os segointes in-li-
vianos :
No da 2 do corrente, a, brdem do Dr. juiz de
direito do t Jsirlria d'Mta capital, Fransisco Lo-
pes Machado, por se aebar pronunciado como In-
clusa ta? penas do art. 264 | 4, combinado jora
o art. f l 5 3*da le n 2033 de de seterobro de
1871.
A' ordem do nitidelegado do Recife, Antonia
Mara da Conc icio, per nff-nsai nvral publica.
A" (.rdem do le S. tet, Mara rsula di>s Pra-
lere?, pan umprir a pena a que fui condemnada
piio Dr. fuiz de dlreilo do f difirilo desta ci
A* ordera do d) Pares, Vatenlim loo -cenco dos
Sanios, como Indiciado em crime de roubo.
No da 3, ordetndo subdelgalo da C.apunga,
Pran;laco, escravo de Manuel Antooio de Alean -
lara, a reqnerirnento desie.
rvr cou-me o delegado deS liento que ra all cap-
tarado e'reeninido respectiva cadma J ,e Gimes
de Siquerra, pronunciado em enrae de morte no
termo de Cimbre-'.
Q io, do da 22 de mesmo in-i, no lugar deao-
mmad (i.ho d'Agaa prcti do termo de sua juris
dicyaa Franci-c-j Fernan4as da Paixo assas-inou
com dnas facadas a Joaqim v"alen;n de Soma ;
jue pr iced-u-e a corp-" <1- deiiei> e a-> iiiipjerito
liara o devidos lius, e deligeneia-se a captura do
crimin-iin. %
Detis guarde V. Sxcrthti. e Exm. Sr'.oa-
elheir ioao Jo de Olivelra Jonqueira, prgjdea
teda provincia. O chela de p&liefB, D ...
Monteiro Peiroto.


t* In-; i-' hoi.i\
UCl
orridos durante
!- K'i'.iITld:}.''
i- ii accidentes
Suicidios................
Tentativa de suicidio.....
MortOS casuacs..........
Minies por imprudencias..
incendios...............
Km uiliciuas it lustrines. -
Ein estrada Diversos................
durante minlia -: Iminisiracao roram
Suicidios......................
Tentativa de suicidio..............
Hurles casuics..................
Mulles nm* impru'dencias.........
incerrai is......................
111
i) ultimo anno toi
......... fi
.......... 3
.......... 19
.......... :(
.......... 2
.......... :t
.......... ^
......... 1
Km nfll -i- i* in I i i
l
6
2
17
-la Hi'taviitcia aiu la
U. A MA iU
sufficieHte numero
de cadeias, trauj proenchan) as
piiWira.v p lis, pela maiur |urte, coi0em-se ellas de pequeas casas sen
nao i- cimipr'nla a prbmessa constitucional de fundar
lulipas e bem an-jadas.
veida-
m as
oin-
fon uando,
nos mcios
.Nao pissj" i-
-deiras necessidade
i'-Ciiiniii)dacii ss precisas, de forma que i
se radeias segaraa, limpas e bem arejada
Das exisieutes, inuias prcisam d- reparos urgentes, e ; lgiins tenho mandado lazer.
iecouherendu une no rutro da priivincia deve existir eina cadeia com proporees uiaioi'es
para guarda d >s niiniitosus das comarcas di interior, delilieici lazer construir un edidcioan-
propriado na Villa de l'aje de Flm-es mi aceommodaedes para a casa-da cmara, sessdes do
jury, e prisoes espacosas, seguras e hygieuicas, como se depreiiende da respectiva planta leita
l>ola raaarlicao das obras publicas rovinciaes. O orcaueaw l'oi Je 48:100*009, "e 3 obr% esta
m eoneors publico, deveado finuar-se prazo no uia 18 do niez de abril.
Despeade-se aTom disto una uuanlia avultada com aluguel de casas eui varias localida-
des para servirem de cadeias.
CASA DE DETENCAO. Nauta C-.ipital esta necessidade publica eslauenr prvida, pota
i-iiste a cisa de Detena -.' uuu, c un i sabis, iiiiijdilicio vasto e bem construido. Nestc se re-
i-idhem nao s os presos desta comarca e os sentenciados, como, por* segufanca, os de oujras 'co-
marcas da Piovincia, que estao sendo pioe.-sados. D'abi provem una grandu aggloraeraCao de
presos, quando deviam smenle ali ter iagKssn os qne estiv.-ssein cuniprindo sentenea, ou os pre-
- is e oetentos pertencentes a comarca da C ij.iit.il e us que oiu transito por aqui passarefn.
E' oara lamentar (juc e tresse desorgaaBdo o trabalho, queja eslava montado nessa casa.
ColSa quo as ullicinas mecliamcas cliegaram^li a mu certo grao noJpvcJ de desenvolv.
inent'... prasperidade, e que us pr|sos viviam sasl'eitos. com o espirito dedicado a i labor, que
regenera irciiracao vicraao. J .
Fariam um certo peculio, que Ibes servira de muito para a reentrada na sociedade, quan-
do eomnietassein o sen tqpjpu d piisao.
Era o soin .los insT'uiieiitos do trakdho e da civilisacao, o martello do pfogresso qne se
oaVIa, quaudo se enlrava na casa de 0 'noo d i Kecil'e. Assim o disse o Sr. Fletcher, dhistrado
nsrriptr norte-americano, qu visilou o nosso paiz.
todo islo se acaL-ui !
Agora, em lugar da alegre actividade do trabalho, que eleva e torna o lioineni digno dos
seus altos destinos, existe una moma ociosjdade, um silencio contristador.
Em lugar de pensar na offleina, na abra qtte est fazemlo, no peculio que esli
0 preso s pensa as imageus sinistras do crime, na vida desregrada que levava e
' ''' 'vasao. ,
Adoece do eorpo e do espirito nessa forjada c horrtvel ociosidado.
Levantai, Seahores, um momuuento ;i legislatura proviueial de 1872, decretando o estabe-
lecimento das ulficiiias na Casa de Deleneau. Dotai a administracao cun os mcios precisos para
osh lim, e utcs prestado um relevante sorvieo.
E' uV> crer qiie a de^peza nao seja grande, visto como parte della sahira da renda dos pro-
ductos e artefactos. .
Tendo eu reconhecid que a alimentaba*) dos .l.-tentos era insuficiente, e so_ consista em .
.- Imoco e iantar, dando-so u grande intervallo de 10 horas entre urna e oulra refeicao, resolv, at-
1 -odendo lambem as constantes ivclamaces do Medico, do Dr. Administrador e do Dr. Chele de
l'olicia, autorisar que se desse cria a esses infefizes, que nenhum recurso boje possuem, visto qne,
.-oin a cessaco do trabalho, eessou a existencia dos peculios.
A molestiaAteriberi, que desenvolveu-s nessa casa em o anno prximo passado, teve, se-
nado o parecer medico, orna de saaa origens, nessa insufflciencia de alimentacao.
I'or ollicio de 19 de dezembro do anuo prximo passado apirovei una arrematacao de
lornecimento desea alimeniacao. em que se meacionava a ceia composta do mesnio que o almoco
que sera servida as (i horas di arde.
PU'a econoniisai. poiem os dinheiru> |!io\inciaes, iosisti pela diinmuiciio da tabella que
.-ervia de liase para aquella arrematacao, e, aps varios incid 'lites, cunsegui que servisse de base-
i tabella organisada em-1861, it'uito ias baivi do que a qne posteriormente servia para esse lim.
Deste modo d-se a ceia e, longo de haver aogmento de despeza, obteve-se tima reduccao,
, ,s q.....ustandu at agora 'ada racao diaiiaiuenteoC7 rcis, apenas cuitar, inclusive a ceia, i83
..is. termo medio, desde '.I do mez passado.
Lucrou-se muito para a Fazenda Provincial, e a saude dos presos tambem bastante
saahara. .
as dietas das enfrmame obteve-se mu abaffmcnlo de 28 por cento sobre os procos dos
mecimentos anterior s a '.' de fecereiro.
ltimamente maudei fazer aiguns concerto indisponsaveis a seguranza e aceio dessa casa.
O muviiii''iito no ultimo anno l'oi, conforme se vedo bem elaborado mappado Dr. Adminis-
trador da dits casa o *i \ uintc :
Entraran).............. 3:133
Saiiirain................ 2:78!)
Existen)................ 304
mft&BM) 'J)i OUBffiMM M ri).ii!J)iJiA'
Esse Presidio militartem sido sempre assumpto de eaidados desta Presidencia e da ens-
tan es iwlam.icCes pe impreasa.
Pa-ece que um niu fadb persegu* 'a Mlminutracao daquelle Presidio, pois raros sao es
..-uininaiidanles' del!.- que ali BB podein demorar ou que nao levantam contra si queixas m'ais ou
menos fundadas.
Kui lugar de ser ama iii:a destinada aos fins regeneradores de um Presidio, ou mesmo
de urna penitencian:' leu se tornado um foco de intrigas permanentes.
Ha um vicio radical as adminislraeoes de Fernando, vic o que, diz-se, abrange quasi todos
os empregados do l'resulio : o desojo d negociar, j cun os sentenciados e j re i ettendo-se
para esta Capital certo productos la ilha.
As excepcoes sao pencas e nonti sas.
i, O que 6 c rto que se guoeedam os roinmaiidaiites e niais empregados com pequeos
utervallos; os Conselboa de investigacae e de guerra irbaluaui constantemente para jnlga-Ios,
as cousas pouco melae am.
Tenho dado algunas provnleaeias para axer diminuir za causas de intrigas e desrorali-
>ac3o, ionio fosse prohibir que possam negociar ou dirigir-se ilna vivandeiros que ali cumpri-
ilao maarjei marcr-lhes nm |>raso
sentenciados em
para liquidaren!
urna balieira,
ram sentem a.
Existiara aiguns nesse caso, e eu
os seus negocios e se retirarem.
No mi de Novembro do anno pa-- lo ev.'diram-se trese
que ponencia ao aervicj do Presidio.
Parec que honve certo descuido, pois quo al eonsta-me que a^ita balieira n"io eslava
guardada convenientcmeiite.
D'esses evadidos, que tomaram trra na Provincia do Rio Grande do Norte, tres j foram
jt orados. *
O numero d >s sentenciados excessivo para os recursos de que dispoe o Presidio.
Hojo sobe 1:338 com 27 vindos ultima i-en'.e do Maranhm a 12 da Gort; a saber :
Do exo mascnlino............ 1,314
Do sexo lemiiiino............. 24
rilfJAMBBCO.
._
I .338
Deste? siode jusiiea 1,190 e militares 178.
Era muito necessario ter um vapor de guerra estacionado as aguas da lia, nao so para
prevenir rraalqner fuga, como mesmo para clementj de forea em certos casos, e in otitros como,
um meio ae fazer aqui chegar um aviso qualquer.
As viagens de dous em don metes qne faz a Companhia Pernambucaaa sao insufflcienles
para o servico.
O actual eommandante o Tenente Coronel Antonio de Campos Mello.
Os productos da agricultura da ilha servem em parte para alimentaeSo dos presos, que
tambem daqui recbem forneijimen os, e parte vem -remoltida a Thesouraria de Fazenda para
vender-s- nest- mercado, sobresahindo nessa rcmessa o milho.
Fazem os sentenciados algum caicado qu se aproveita para os corpos de prmeira linha.
Tenho tambem providenciado para quo se forne?a roupa legularmente a esses senten-
iados para cessar a quasi nudez em que, eonsta-me, muitos delles viviam.
Presentemente estao respondendo a Conselho o coronel graduado Jos Aagelo de Moraes
Pego, ex-cnnimandante, o o Capitao Trajano Alipio de Camino Mendonca, ex-major da praei
(Cmtinuar-st-ha.)
ASSEMBLA PROVINCIAL
SESSAO OltDIMAItlA G i E MA11C0 DE
t8'9
l'UKSIDKKCIA DO SR FRUHHlA DK AGCIAR
Ai DMJ da, fel a chmiada, achim-se presen
in< os Sr. te Cava'caie Kal s e Silva, A'meida
PcrDauoaco, Jorr t i!e Aranjo, Jiaquira Coni
de .trsdjo, T ixeia de Sa, Aleo ralo Jnior,
Itnroj Correa, Alvaro Henriqoe MimeOe, Ernesto
Vieira, Toieotino de Carvalbo, Ahpio Casia, Gn.
mao Lob>, Coni Gondtm, Barros Wanderley,
Cineinato Camiuim, Bdta Reno, Gomes Prenle,
G n;alves Perrera, Freir Gimeiro, Vieira d^
Araj M-llo Reg, Ferrei.-a rte agotar, Piato de
Ci.mi Lameutia Lms, Cuaba e Figueiredo, O i-
veira Funceea. Alhnqusrque Lacerda, Finio Jo-
n or. Olympio Mirqnes, A-norim Salgado** Ol
reir A adrad'.
Anre >o i sssa), lila e approvada a acta d
anterior.
O Si". 1* secret-rio da eopll do seguinte
KXPEPIRNrfe.
U.n ohl 'io do s cretario do gov^rno, remeltendo
40 tx-'inprares impresjos do relatorio com que o
Exm. Sr. 2" vice-uresideot, Dr. Manoel do Nasci-
iiiPio Machado P, p-ussuu a administracao
ao Exm. S". coelheirn presidente da provincia.
A' iiitnbnir.
Outro do aieSmo, remetiendo 10 exempiares die-j
collerca de leu pTovinc.aes promnigaiait no aono
passado.A' distribuir.
OutTo do mismo, remeltendo M exemolares
iaipreisos oo reculamente, qoe em data de II <>
mi lindo, baix-'u o Exm. Sr. C)Orelheiru pre.-i-
deule da provincia, em virtude da aot irisagao qif
Ihe eooferio o art. 23 da lei n. 994 de 13 de JOMM
do aono p.is.aJo. A' dmlribuir.
Outro do 1 secreiarij da asse.nbla provincial
do Amatnna*, remeneado ;a nota djs relatorio-,
lei., regulamentos e outros nclos impro-oseon
ctrueB:es meama assembla e thesouraria dessa
provincia -sJe sua iustaIla(ao em 1852 1871.
Aecose-se a recepeo.
Ouiro do i' secretario da ssemhla provioeval
do Espirita Sinlo, remelleolj 2 exemplarf im-
p t-.-os -los aoaaos d. me.ma assembla doianno.*
dn i8GS e tt>9.-A Odiio 1a directora da Associacao Commercial
Bdotn:en:e, convidando eta assemb'i pa>a a
sfltir ao aelo gdaen!
Oiuri), Mirqucz dojerval, oS^Sali debatir do
iU'*-. i Jiliclo. -1 iteirada.
Urna npre eota^o da cmara muaidpal da
villa i) balg leiro, pidinjo. a appruvrio da ata
contrato ;u-' I-z p:r. a coa"* a^mr.i -.lfiTa
uh, morca >..v fjiiuii .-> de pesoolos Oe 4a-
maras.
iConftnunr-.'e-lia)
-i -"
REVISTA DtiKJJL
ASSEMBLV PROVINTaAL.^lLotem a asemi.
j a coneluio a ele^ao J suas cjuimis.-as perma-
nentes.
A provoj em seganda discussaj o projoeto n.
39 do aono pausado, creando a fregaezia de Nissa
s-iliTi das Dores de Tiiiibata ; em primeira
diseusio o de n. ll do mesmo anno, autiriaoi.<
o gjverno a contratar a can-truc^o de urna pon-
te que ligue a i.ha de Itararac ao contiuect-i;
em piimeira discusso o de n. 124 do mesm anoo,
trau>f-rindo para a igreja de ossa Sedhora do
Amparo da Laga dos Gatos a sede da frrgoezia
de Panelas.
A ordera do dia para hoja : prinuira disns-
330 dos projec.os ns. 21, 2b e 5o; segunda dos de
ns. 9. 13, 30 e 56; terceira dj di o. 12, todos du
auno passado.
E5TK.ADA DE FlRRO DO REC1FE AO S"
FRANCISCO.Por parlara da presidencia da pro-
viecia do primiiro do correte, .foi Borneado o Sr.
Dr. Manoel de Batros Darreto, para exercer iota-
rmamente o lugar de engenheiro fiscal da estrada
de ferro do R-jcife ao S. Franeiico, visto achar-se
unpedilo o engenheiro fiscal infetluo D-. Fehppe
le l-'iji.-uoi Fana, por e-.nr funcoii.oando cjiuj
depu alo provincial. -
THESOURARIA PiOVWCIAl. Damos em ?e-
guida outra vez a portarla expedida pelo Exm. Sr.
doselheiro presidente da provincia em 28 de feve
reiro, p.r ter-se dado urna auppressao na publica
cao :
O presidente da provincia, osando da antcrlsa
cao coofenda pelo art. 28 da lei n. 994 de 13 de
junao do anuo passado ; c atiendeado proposta
lo iospeetor da ihesourariajsrvioma1, na qual de-
monstra a losuhiencia do Pssoa'l exi.-tet-a nessa
reparlico cujo trabalho tem progre3ivament
augmentado :
Consideran lo qne existe* alli urna coumMj
de tres meabns, contratada para auxiliar o ira
balao, alen de cjllahoraJo"es, e convindo r.'gula-
ris esse pessoal, extioguiodo ssmelhaole com-
misso/poudj tambem as sjcqSss de accordo Cot
a organisacao gera mente seguida resolve :
< l." Alterar o pessoal da mesma thesouraria,
creando mais urna >' sec^ao, com o mesmo nu
mero de eaipregadcs que ffmas ontras, U^efe para
cada nma d-ilas, 1 segando offlcial ^fi prati-
cante na seccao do contencioso, e i pratfcante na
secretaria :
2 Que os vencimentos do iospectof u-^m
elevados a :}.300COO de ordenado e (.200^000 de
graulicac^ao, os dos enefes de seecao, nao compre-
heuijida a do contencioso, cojo chefe o Dr.
procurador fiscal, sejam de 2;000j000 de ordena
do e 800/000 de gra'.iflcaco, os do primeiro cffl
cial da contencioso de l;500000 de ordenado e
600/000 oe granflcacao, e os de segondo (ffi:ial
de 1 400/000 de ordenado e 500/fXO de gratiti-
cacao.
t 3.a Qje fique exlincla acomssisao c^ntractada
para auxiliar e por em da o trabadlo da thesou
i ana, e dispensados es collaboradores.
JURY DO RECiFE Sob a presidencia do Sr.
desembargada Lourenjo Santiago fii bontem stb
meiudo i julgamenio o ij Francisco de Sjuza
Ferrar, pronunciado no art. 201 do cdigo crimi-
nal, tendo por defensor p Sr.Dr. Mnoel Fran
ci-ce de barros Reg. Foi coasanado a seta me-
zes e i' no de priso simples grao minia) do
art l' i da pronuncia.
FACULDADE DE DIUEITO. Nao se*eabsou
bontem a defeza de tbeses Jo Sr. bacnaro Jos i
AuBtregecilo Rodrigues Lima, por terem faltado di
versos lentes.
DESASTRENo domingo a tarde foi pisado ta
ra do Haro da Victoria, pelo bond n. 30, oro ho
inem ebrio que secollocou na descida da poote da
D r>-vi-ta, logar onde nao poda o boleeiro do carro
evitar o tesasire. O ferido foi levada para o hos-
pital porlnguez.
SOCIEDADE DOS ARTISTAS MECHANIGOS E
LIBE d A ES. -.-\m nhaa, as 7 horas da nome, deve
llover sesso magna desta sociedade, nao > para
o jHirameu'j do Exm. 9t. conseiheiro Jonqueira,
ce-i'o para a entrega da venera da ordem da Rosa.
I qne siciedade offereee ao Exm. S'. Dr, MaDoei
! Porfell.
CAPTURA.Ni term de S.Rento foi capturado
losulbioo a respectiva cad> ]o? Gomes de S4-
IBuira pronunciado em crime de raorte no termo
te iuiOreo.
A5SASSIN ATO Ne dia 22 de revertir, no lo-
gar Olbo d'Agaa-Preta, do terso do S. Beato,
Francisco Fernandes da Paixlo assassinou com
duas facalas a Joaquim Valencio de Sauza, pond'o
se em faga.
yiSSA NOVA.No da 19 do correte, na igreja
de S. Jos do Mangaiobo, qae de prsenle -erve
de matriz provisoria da freguezia de N S.da Grao*
desia cidade, celebra sua pri.neir'a missa o Rvm.
Br. Francisco do Reg Mal, por occasilo da fesli-
vidade de S: Jas, que na referida igreja se prepa-
ra com esplendor condigno do caito desl* g'onoso
santo, hoja padrociiio da (reja universal, por bre-
ve de sua santidade Pi IX de 17 de j libo do an-
qo passado.
E orador da fastivi larda o Rvm. frai Jooquim
dj Esplrit) Sanio, vaatajosamente conbecido na
tribuna agrada.
SERMSS QeAR^S9AES.-S. Exc o Sr. viga
rio capitular contina, como orador dos sprmoes
quaresmaes, na igreja de S. Jos do Maoguinho,
nos d un ug s ai 5 horas da larde, a dirigir com
vantagem a palavra sagrada s suas ovelhas, que
cagregajas n'aqaelle pequeo templo o ouvem
com respHtoio silencio.
Fmdos os sermoes em qoe terao3 assistido oes-
tes tres domingos transados, e depois de aiguns
cnticos sagrados, acnHpanbadoi a harmnico, se
gue-ae a barcio do Santissimo Sacramento pele
resptcnvo vigari-i, senio aihta o mesmo Exm
Sr. vigario capitular, que dando prova de edificante
huraiidadeincensa o GiWo'ri Immacolino
RELATORIO DA PRESIDENCIA. Par terem
satiido com aiguns erros essenciae?, repetimos ho
je a> paites'do ralaiorio da presidencia, que pu
o:icatoos e:u nissos no raeros desatibado e da bon-
tem.
CVPITAO MOURV GONDIM.-Pedem-nos a pu
li'iieacj do seguiulfl :
< Damos os devldes parabens ao Sr. capillo ho
ii iarr., Manoel Accioli de Moura Gondim, pelo
boin dejemptnho da misso que, pelo Exm. gene-
ral cominandaate das armas, Ihe foi encarrr-gi
da, como secretario da commisso que toipecMo-
aou as [oriificaQdes militares desta provincia e r.
Fernando de Noronh ; o Sr. Giadirn soube la <
cabalmente desempenhar sua? obrigac.5as qne te-
ve, em i-r tem do da, especial elogio da S. Exc.
* O Sr. capitn Gondim joven ; mas sai vida
publica e particular o faz digdo de estima e coa-
sideraco. Carao ti i ho, gexemplar, e como cida-
do nao podemos augmentar em seu abono mai
Jo que disseiara todos es ganeraes qn > comman
daram era cnee o exercito brasileiro na Repbli-
ca do Paraguay, notando-se eolre elles os Exms
duiue de Caxia?, Ozorio, e emfln S. Alteza o Sr.
conde i'Eff.'
O nosso di-tracto cimproviniiaoo daqui se-
guio como voluntario, deixaalo a vida omme.r
cial, em que eslava empregado, e se dirigi ao Pa
raguay em detiza da Inora uaciooal ; all leve -
desgasto de ver perder um dos >eus dous irmios
menores de dezoito aono?, que o Inviam acompa-
ohado e tolavia o Sr. Goodun permanecen at o
tim da gmrra,sem ^ue nanea dsse parte de doen-
te, e por uso, assiatio rate e dous combates e re
coDhe;imentos, com bravura e digoidade invaja
veis, corno consta de saa f de officio que com l-
eos os mais documentos se achira juntos s pet-
cO.-s qae o Sr Gondim dirigi ao Exm. Sr. prest
dente da provincia, solicitando nm dos offluos de
escriva>, dos que se achara vagos nesta cilade.
Przi aos c s.jjue o Sr. Gondif seja altan
didoein sua preteocao pelo illustrado, imparcial e
muil* d-goo administradnr i* prdviaeia, recoin-
pensando-se assim o mrito adquirido pela vir-
lude, despida de prolecci).
RA DUQUE DE CAXIASA cmara rannici
pal do Recih, maodando proceder a nova marca
cao desia ra, consentio aue o pintor lUesse o
que lite pa'eceu e nao qne ailende-.-a as con ve
niencias publicas e mesmo aos n fazendo come jar a na mera (in do Islfdo pal)
do Livramente e nao da ra di S Francisco, como
era auiigam :nte, e mesmo ci.no le.n sido nume
radas todas as roas prximas. Qnal seria o mo-
tivo duso 1 Ii oramos.
\RQ K[. DO HRVAL.-H je s II hor-s da
manhaa, com toda a solemnidad-*, manda a direc-
tor ii da Associa^o Commercial Baneficente eolio-
ca* no safio de honra o re'ralo do Exm. general
Vlarqoez do Herv-I.
OPERACAO.O Sr. Dr. Vi .tina praticoa no sab
bido, em'um bomem de 60 anno, a operacao
amputagio do penis, exigida pnr um caicroidado
urcao. A operacao falta, pelo esmngaior de Clu-
n^ignac, corren-sam novidade. Ajadaram aoope-
Wtfa&'-flltW&MV. *?% iagaires
desta linhi farrea bos pedem para chamar aaitjpi-
cao de qudrn competir para a gfahle qdantidade
da ramos de arvorelo que penelra deatro dos
carro*, durante u uajecio, com grave risco de sai
ferido o rosf da'quelles qae descuidados ou in
scientis ni viajan).
RA DO CAPI3ARIBE.-0- moradores de ra, e meimo'as pessoas qao por ella transitara,
sc-ffrero c mtinoadameoie chutas e insultos d um
jrupo de criaocolaKmi'lcreato, qoe todas as tar-
des e nontes se sentara no monte de travs lli
existentes. Nao poder a polica da fre-guiz-a Cor-
regir esses malcreados e ftJrbUlefi'.os ? Crmos que
sim, e assim o jsperan o>.
CALDERN DE Ll BARCA.-Por acharmos
cdriostssloo o segoiate d.-cumsctj para aqui o
iraffscrevemos de um jornal, que eraos vista.
t O Dr. Francisco Biinco, cura piracho mvis
antigo da fregueza le S. Liaren? de Sjvlhi.
Certifico qoe no livro de eaterros que come? >u no
aaao de 1764. a 0. 20, ha um assento do tbeor
saguinte :Em 1 de o-iverabro de 1788 os bena-
ftclados d'esta igreja enterraram nella, na abnala
los sacerdote', o corpa dff licenciado D. Joo Mi-
rla Montid Birtam.n a Caldern de la B.r a. pres
bitero capeilao d'esia igreja, d* idade da 121 sn
nos; fez testamento ante Jo.' Orliz, eicrivao pu
bn:o, e depi ii codicillo ante Miguel Portillo : dis-
se-lhe mis'a de coroo pre.'ente e vigilia, e por ser
digno da reparo se ihe poz a seguinte bola para
perpetua memoria : Fui casado cioeo vezs9 ; a
primaira com D. Lai a Aguiar, a segunda com D
Auna Zimora, a terceira c.m D. Mara Arana, a
quarta com D. Violante Silo, e a qiinta com B >a-
triz Obregon, vinva.
< Teve destes ma'rimocios 42 Q hos e 9 bastar
dos; fai de vefreVavel presenca e muito honrad i ;
qvrando morreu estaVa campondo um livro delou-
vores Mana SaOtssima, e de 116 annos eompoz
outro de diversos assumplos foi aguas I raai ,t
leste arcecisaalo ; navegoa muitos annos; foi re-
ligioso de S. Joo de Dans; sabia sete lioguas ;
foi raarJomodo convento de Santa Aooa, esenv >
da cmara e da retalio da real aaliencla, e nota-
rio maior da religiao d-* S. Jao de Deas; orde-
noa-se sacerdote a -s 99 sanos : cel-brou at ao
flm de seas dia, e morreo de nma que la q:e dea
nos claustros do corregi de S. Frahcisco de Paula
d'eta cidaia. Plese fermar nma povoaejio de
300 fjgos s com a saa familia. Confere com o
original a que me reporto e Oca ao archivo a'tsu
igreja. E para qae cods'e o fimo em Saviihi,
ae* 4 da fevereiro de 1794.Dr. D. Francisco
tllanco.
O ARCO DA RA AUGUSTA.-Cedo se con-
cluir este formosii-imo arco triumphal, urna
das*obras molernas de Liboptle mais arrojado
lance e de primoro-o trabalho. Esto a con-
clnir-se os grupos da estatuas colossaes que ho
da remata lo ; um jornal que temos visti dss-
fescreve a assim:
A estatua da Gloria, a princ'pil do grupo qne
corta o arce, esta coliocada sobre tres degros
formando throno. No primeifo degro devera ler
se, segando o projecto, a palavra Scnfi'a ; no e
gaado Ahwgatw ; no ultimo em que repousam os
ps da estatua, a palavra Honor, para slgaiflcar
que a loria nlo vefdadelra qaando nao terd por
nue o cumpr.ment dos deveres.
O Va or, collocado direita da Gloria, apola
a dextra 9obre a cabeca de um lao, sign fleando
assim a torga snbjogada e a magnanimidade. A
mo esqnerda segura a cipada, qae symboiisa as
victorias pausadas, qae sao tambem recordada;
pelas bandeiras colloeadas por de*i*at d'esta es-
tatua
A" esqaerda d? Gloria est o Genio, qoe se
reeoobece petas azas, pela chamma, que tem na
fronte, e pelos altributos das artes e das sciencias
que se veem prximo. Esta ligara tem a ralo di-
reita apolada no regofldo degro dothrooo do Gla-
no onde se l Abnegalio, para dar a entender que
sera abnegaeo raras veles o genio consngue levar
a caboi as suas arrojadas eoueepeoes.
< A' direita e eiqaerda do arco devem ficar
colloeadas as estataas do Tejo o do Dooro. O Tejo
apota o braga esquerdo sobre a torre de Be' u ;
o Doaro, coroado de parras, t-^ra a mi esquerda
encostada s armas da ddade do Porto.
< A estatua de Viriato tem na mao direita a
hasta de ama insignia tomada aos romanos, a qaa!
pisa aos ps A de Vasco da Gama ap >ia-se sobre
ama peca, e empunhando com a mao direita am
poris-vot, indicando com s wqnerda em nm mapps
o novo casimba para a ludia. A estatua de mar-
ines de'Pombal arhpfra m armas da cidde de
L'-tio ja iiii'ii. qii-iriid's e n cone lueneia 00
terremoto de 1733. A de Nano Alvares Pereirare
presenta este gaerreiro cora armadora, apoiaolo a
raio esquerda no puaho da espada.
t O projecto da concluso do arco triumphal
obra do distincto esculptor o Sr. Anatole Calmis.
a qaem foram incumbidas tambem as estatuas do
grnpo colossaf que corda o aro. Este projcto foi
approvado em 1861, l-uU ministro o Sr. Ttilago
iorta,
c Em 1844 havii sido aoprovado outro pr.ijectn
do arebiteeto Vc-risstmo Jas da Co-t.a. Neste as
estatuas do entablamento repres^ntavara a Justiga,
a Fortaleza, o Commersio e as artes. O arco era
ieiniti.io peas anuas partugoezas.
O CANAL DE SUEZ Depois das qailhas por-
taguezas terem suleado as aguas deste canal, pa
rece-nos virem a proposito "os seguales dados his-
tricos a respeito dasia maravilha dos nossos das,
publicado i pelo aimanak de Gnu do anno^que vai
correado :
A corapanhia foi funiada em I8")4, os trabalhos
comegaram em 21 de abril de 1838, e a inaugura
cao solemne faz se em 17 de oovembro de 1869.
O canal de Port-Saic al Suez tem 160 kilome
iros de compti lo, 38 a 100 metros de largo ao nivel
d'agua, e 22 np fundo, seodo a sua profundidade
de 8 metros.
A receita lotal da companhia at 31 de maio le
1871, foi de 462,238:302 fAffeos e a despeza
438,762:327 francos. Saldo era caixa 3,473 773
f i anco.
O dficit de 1870 f.i de 6,000.000 francos, eo
de 1871 foi 8,300,000 francos.
Para coorir Pbte dficit a companh a emiitio em
selembro de 1871 200,000 bunds.
Receita de-da a abertura a< 31 de dezembro de
1870, 6,704:119 fran :os ; na primeira qumzaua
d 1871, 7,682:807. Total, 11,386,926.
O movimento da navegagao em 1870. foi de 3)2
navios cora 443,709 :oieladas, sendo 329 inslezes.
LOTh.HIA.A qae ss cha venda a 227%
benelleio da igreja de ossa Smhora do Guadalu-
pe de Olioda, a qual corre no dia 7.
CASA DE DETSNCAO.-Movimento do dia 3
le margo de 1872 :
Eximiaro (presos) 3(>'), eniron 1, exlstem 361.
A saber : nacionaes 233, muiheres 13, estran-
gairos 46, escravos 4i, escravas 3.
Alimentados cana da? Cufres pblicos 230.
Movimento da enfermara do dia 3 de margo
le JS72
Teve alia :
Vicente Ferreira Ma*?e!.
PASSAGlROS. Sabidos para o Parto, ni bar-
ca portugueza Amelia :
Domingos Alvos Knms, ?ui senhora e 3 fllhos,
j-.3 Pacheco Ferreira. Maooel Pedro,* i Ionio da
r-osU Gui'iiares.
CEMITERIO PUBLICO.-Obtairio do da 2 do
corrale :
Alex*ndrina sraria, cab ca, Pamambu'o, 18
raezes, Santo Antonio ; b'xiga?.
Mara i'o 1'rmo, preta. Pernambuco, 29 a anos.
soltelra, lt a Vista, hospital Pedro II; ulceras per-
forantes e da cociiixia.
Palcharia, escrava, parda, Pernambu:o 40 an-
nos, solteira, Bia-V.-ta ; phtysica pulmonar.
Paulina, escrava, pfeta, P.ra.mbuco, 18 annos,
solteira, S. Jo-- ; sneoiia.
Nareirt Frmisca das Chagas, branca, Peraam-
buco, 73 anuos, solteira. Boa-vista ; chloro'a.
Jos Abi!:o B-rnardo de Farias, braoco, Per-
oamhuco, 13 anos, sltsiro, S. Jos; in'.erite
aguda.
Eduardo Jas de Soasa, brance, Pernambuco,
22 anno.-, soltero, Boa-/isla ; febre amarilla.
Victorino Loureng, hranco, Portugal, 33 annos,
silteiro, Poe) ; hydropila.
Aitonio nfre* Nao-s, pardo, Alagois, 32 an
nos, soltero, S. Jas ; lypbdde.
Antonio, pardo, P^roacbuco, 9 tnezes, Boa-Vis-
ta ; convulsdes.
Hmorata Mari des Prazores, parda, Peroarn-
bueo, 30 anuos, viura, Bja-Vi-ta ; phty-ica pol
monar.
Tierozi Mriv de Jesos, preta, frica, 110 annos,
solfeara ; ignira-se a molestia.
los da Silva, bran:o, Portugal, 19 annos, sol-
Viro. Boa-Vista ; labra amarilla.
Miria, branca, Pernambuco, 12 mezas, S. los ;
van- las.
Lo;z de Frang Gonz.ga, pardo, Pernambuco,
30 anns, saltoiro, S. Ji- ; hypetropbia do co-
rago.
Anni J)i]u-aa Miria, branca, Pernambaco, 4-)
aanos, csala, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
J n o, pie.i, 1' a>..ili i- 10 ix.< o-.--, i>.'-
Vista ; couvul-5es.
MiOoel, pardo, Parnanbaeo, 28 dias, Sanio An-
tonio ; convut-5es.
Sa'.enna. Mana da ConcicS, parda, Peruara-
bnc 3S annos, solteira, Bia-Visw ; asirte.
Jjo Marques da Stlva, preto, Pernaraboeo, 25
aooos, solteiro, Recif-; afretgSn pulmonar.
Gabriel Torres, braaco, ll^panha, 18 anno?,
solteiro, Boa-Vi-ta ; febre amareila.
Jaanna Maria da Cmceigio, parda, Pernambuco,
10 annos, solteira, Graea ; eaupor.
LO.XDON & BRASIL1AN BAN'K LIMIITED.
Capital do Banco 13,000accoes
100................... 13,333:33353:100
Accoes emitlidas 13,000..:... 11,553:333*3 i
Capital pogo-a 18por aegio.. 5,200:000000
BALANCO OA CAIXA ULIAI. EM PBRNAMBUCO EM 29 OE
FEVERKI1IO DE 1872.
.4c/co.
Letru descontadas......... 1,184:713*i70
Crditos diversos, outros boa- mv-n
eos e caixas liaes....... I,339:39*3o0
Caixa:
Em moeda corrente......... 397 -.983*740
ftUBLICACOES A PEDIDO.
Deparando en, na pabiicagio feili pelo Sr. Jos
Joaquim Gomes de Abren no Diario da bo)e, cosa '
trecho de carta qae a mesmo senb Iha dirigido o Sr. Antooro Aires do Carvaib, Ve-
ra;, caacebido ae.-tas termos eootraiei caso o
D; E. Aquino para Disegpir a seoienga a BMa -
favor, nbngan lo me a dar-lns dous cotos > -ea-
lendi dtver declarar : que nanea ira ei do arfo-
ci alRum ilv Sr. Veras, eom qnem jamis tire r<-
:ag5es de qualquer oatureu ; accrescea-lo qae
uo ;.a possibilidade de faer conigo seuitlhacl-s
costra tos.
Recife, 4 de margo de 1872.
E'n>srud'.4 F..zeodo eu publicar no Diario 4e Punan*uw,
em lius do aono pruxuho passado ama breve rm-
posta s iojurias e ileiroeias, que cuna ara par
o coroael Jao V.eia de Mello e Silva, eram ,asa-
rila-, na colunmas do L'berat, que ento st pobS-
cava nesta capital, ped n#sa i c asiio au pablKe,
suspenderse o seu juizo s.Lre as argoigots La*
ao mencionado c Tnel al que no tribunal ooape-
lente fasse decidida de que lado eslava a varda*,
e a importancia que coo-eguintemenle deviam me-
recer as correspondencias e.-cripus da cidade de
Caruani, e que, to apreciadas erara pelos if*m
reda:lure3 flo Liberal.
Foi elfectivamenie chmalo respoasabtdwJc-
o irapressor da tjfpograpbt:. como pniaeiro ra-
poasavel, esubme.tem is a apuciagau H Mi
asentengj profdnda pelo integro nafi-lrado o Sr.
O..Ma-i el Ciemenliu-j Cirneiro Ja Cuoha, a ,nl
conceb Ja oos seguidles termos: aVi-to
autos itc. QueiX'-se o como'-l JuM Viotn de
Mello e Silva Je J-n de Prega* Barbosa,iapi
da typograplna em que jb i ai, rime o i, ,arr>Li-
beral, por ler sido ajeriado ua corre p->alea:a
pubucaJano Liberal de 10 de dtzemt-o a I
de qie trata a qutixa da Os. 2, e pede pe ?e|i ?
querellado condemuado na> p*-nas d gr i re
de art. 237 do codito enal. O q-aer-
apreseotou eir, juizo o documento de fl 17, r. .-
quereu qoe se julgaue iKoinpeteBie a acoio i ra
eiie proposta, porqn*' era i-i nto de rspocsalii ide
en ni nal cm vista di mencimiadj ducumecb'. So
qual con'lava ser M .n le Cyri !o de Olivara o edi-
tor respaosave! pelas puM lt ;fl ? lo d r
O juiz subsUioio H-daerio i --e rejueii -
molivos expostOS a II-. 11. O qie :alo
mais que dos aulus cousta, coosider^ni :
< Que a correspondencia iiopre-- o i
indicado na jueixa coMM injurias coaira qstl-
xosc, por se Ihe imputar -in nella vaganents d*tu-
tos e crine', e ser tratado dt imli n*o-'
i.'iiii manifest animo de injanar e depria:: .
i Qae, nos deliclus de aboso de hberdaje Je
cni.iiuuicar os pensameaios por ai-io da \x.
o primeiro respooaavel eimpres-ar, o qu-.
responsabihlade tica isent-, apre*iit*r,j w>*
esenpto ibrigag i da resp m->b I il.de d -i' i.
londo este os reqilisitos exproaaaai -ole doto* o r.-
dos no arl. 7* i* io cdigo cnmioai,
cu'ipre que sejam devidainanie provados e r::c
htcidos :
t Qoe o querelade nem de leve e lugil. ara :
fez toular que assstisseai so editor, ajas >',
seniou para s? exunir di euipa e re-puosal" -
pnla correspondencia sobra que versa qo<
as conligoes exigidas pjla lei :
i Que nao se soba pr.vado, qne o ttate -
con.metlido com circumstancias, qoe oos oraos i:-
direilo penal aggravem i u a'ienuern s* '
criminal :
Julgo proceda ote contri o qaereladt loM
Freitas Borbosa a piusa de fi-. 2, edascorde
o que fica exposo eoadeaiao-o a i|uatro ine:ei de
prisa) e muta drrespanlects a melade l's*o
lempo, grao medio do arl. 217 3 do codig-. :rnai-
aal, em que .-e acha incurro, devendo es> ) tta
ser cumpriJa na c-s"ie DaienoaO desta lasV
Pague o qierelado as cu-lasjcm que mais o :.S-
demno. Recite 20 de f vereira de 1871Mi.-
el C emeol.no Carneir da Catn.
Julgo ler deste modo cumplido o deve BJBS e-<
lipuz de trazer luz da pubi.cidade o qiie li:
tal assumpto eccorresse.
Emtsto Vieira de tie'nj.
i
Rs
Peumo.
Capital fornecido pela caixa
matriz...................
Depsitos:
Em OOMSi cor-
rente...... 660:966*920
Depsitos rixos
e por aviso. 633.980*770
2,92i.09205C
888:888*890
Crditos diversos, outros ban-
deos e caixas riliaes ...
Letras a pagar............
-------------- 1,319:947*690
Rs.
680:616*910
32:628*370
2,922:09J*0S0
S. E. & O.
Pernambaco, 4 Je margo do 1872.
IV W.Btlton,
Acconotaul
e.NQUSH BANK OF RIO DE JANEIHO
LIMITED.
Cipital do Bmco em 30:000
18(581 de O cada BlM
Capital realisado.........
Fundo de reserva........
t.000.00,
500.0 J<
lO 505
3ALANi;.0 DA CAIXA FILIAL EM PEIINAMBL'CO, EM
29 DE KEVEttEinO DE 1872.
Activo.
Letras de?contadas.............
Emprestimos e conlas caucionadas
Letras a recebsr...............
Garantas e valores depositados...
M ibilia etc. do banco...........
Diversis conias................
laixa.........................
1030:3331880
' 66:71)0*780
16:379*200
420:427790
13:202-<30
274:8 14540
40:353020
Rs. 2,331:: 489*060
Passipo.
>jntascorrentes-im-
ples............ 4o6.183|370
Deposito a praso flxo
com aviso e por
letras........... 1,381:096*870
1,777:181*9411
Ltra? pagar................. 4:100*000
Titules em caucao e deposito 420:427*790
Djv rs conlas................ 150 679*330
R?. 1,352:489*060

L
S. E. & O.
'rriinbuco, 4 do marco de 1872.
J. B. Bloxham, man age r.
L Hendersul, aeooutaat.
V
HOWMlHfd 00 PQBT0.
iVirm entrad} no da &
Rio Grande do Sui3i. dias, b.-igue bra-.*>r.
Siquri'a de 198 tonelada", eaptSH Jo- fraa-
eisco Airea, eqaipcg-n 12. crg* ll.CfK"' a-' >-
bis de carne ; *a Lvei'a Filh t S C.
A utos inran nu da 4.
Rio di Janeiro5 dia, barca pjiiu|an -t *>
/mi, de 436tanelaOase%ptta '". i . toares, ejaioage.n li, >iii lastro ; a Paisite
Vianna & C
8uenos Ajres20 dias. brigus norueguec'- fmm>
de 190 toneladas, capitao L Gjertseo, equipa|*vr
13, em lastro ; Pereira Caranro A C.
Rio de Janeiro3d das, escuaa allemaa Marm, ti*
185 tonelada?, capitao H. Hauson, equipagen
e.ii la-tro ; a Mills L-.toara A J.
Bahia9 Has patacho Drasflri o Sinit AKtma.
de 150 tunela! i-, capillo Mau el da Coila Car-
doso, equ qngeiii I", caiga d.ff:reme? genr -
a.Araorim frmo a C
Rio Oe Janeiro-24 das, barca noruecuensf
Mito, de 453 toneladas, capitao T. W. Haaff,
cjuipagem 9, em lastro ; ordem.
'Tcrra-Nova-31 dias, pataeao inglez ttarlot!', V
208 loaeladas. capio R. Palff y, rqnlpagem R.
carga 2,800 barricas cun baca ho; J. J. ti. a
calves Beltro Segu > para a B,h:a
Rio Grande do Su!2i das, brigoe b^a
(Jrtiio, de 210 meladas, capitao Jcasj.irn -
Saulos Soaza, eqnipagem II, carga 9,900 arro-
bas de carne ; a Am iri.u Iriuio & C
Naciot takitot no meimo dia.
PortoBraca purtugoeza Anulia. capilio Paot-rt
Ant-.mio Caldoso, c>rga a>saur OUUvs $
eros.
Ria da Prala -Sumaca, hespaohola Dnn'a Jos* Fi-
gos y M'Utstony. carga sasoeaf.
Rio da Praial'aiacho uespanh I Art.riro, capni.
J -a ren ircft, carga asucar.
Rio da Pra;a-Paiacho allemai Johann, eap: ': I.
>'ebbe, carga asjuear.
Rio Grande di Sul PaUeho hnsileiro 5i/.<<, .0>s.
capio Jos Pedro de A meida, carga a?.- a-
CUMMFRCIO.
PRAliA UU HKCll-K \ DE MARI".-.
DE 1871
as 3 1/2 horas na tabdi.
-otaocs officiaes.
Assucar mascavado purgado 2*Mt' p:r '
kdos, sabbado.
Assncarbruto americano 2030 e 2*4t>; : V
kilo?, nbbaio.
Algodio de Macei i* orla 790 I*, por 'tfm.
pasto a birdo a frete de 7(8 d. S > i
13^16 d. e50|, sabhado. w
Dita de eiio ana 790 rs. por kilo posto a I l >
a frete de 7|8 e 3 Of), IhsW.
Xlgodoas 1" sorte 762 rs. onr kilo,
-arabio sobre 1.emires a 90 d|v. c
14000.
J. t. Pinto,
PresidoaU.
Duboarcq,
Secretan :
AtFANDKGA
Aendime-.to do dia "l a 2 .
Mam o dia 4 .
96:ul | -
60:0944'< 3
i> carri gam boje 5 de marco de 18^L
Barca ieglezaLavima bacaib".
Lugar inglezRacerdem.
Logar \Wn >Repnblik varios genere-.
Bngue pi,nuuez-K'.riii/i(i -;deu.
Vapor inglez -Ariel -dem.
Lugir inglezHuntrestiea.
CAPATAZIA DA ALFANDEG.4
Rendimeato do da I a 2 .
dem do dia 4........
HWMHP
Fazendas sabidas pea I* e 2' porta (vts.) U
Diversos gneros da estiva sabidos
pela 1', 2* e 3 porta (ottoj 70
S amina
i a
Despacha de exportaco no skt 3 V
Nsarfo de 1872.
Para o por tos do exterior
N> navio saeeo Boi, para o Canal, carrefa-
-ram : Ke.ler & C. 619 saceos com 49,r3 V 4
laJgodi'.
i


diiri dn> PemaittbCJC* Terova"Teira 5 > i
I



fr*:lilR5 Laman A C. 1,580 saceas com
tfS,Wf ti lo-di algodo.
- Ka I^WWt'.'^ 0^rev4a, para LI?
.arpaol, earrecaram : Koller & C. 495 saceas com
ni,7al kilos de algodao.
-r S* Joawa iogleu Petrel, para Liverpool, car
Manara : C C. Siropson 4 c. 398 saceas eom
'WflW kilos de algodao.
So oavlo io|Tei Mlltrtt, pa'a Liverpool, car-
T#tnro: Saonders Brotber 4 G. 71 saceas coro
5700|kilos de afco-'aj.
No vapor inglez Cruzader, pira Liverpool,
rreg aram : Aoguslo P. de liveira 4 C. 108
saeeas eom 8,106 kilos de algodao ; Joao Pereira
Wiutioho 13) di as cora 10,23a ditos de dito ; lia
6e sebameltai & C 439 ditas com 25.2UG ditos
4? dito.
Nabares americana Tupeca, para Himptoo
itoids, earresararo : Maihjius Ausiia 4 C. 120
*a os cora 8,420 k los de algodo.
S patacho nacional Jiboalo, para Ntw-
YoiV, carregaram : Heory Porsler 4 C. 200 sac-
cas 3id 13,842 ktos do algodao.
JSo abrigue nacional ilarinho III, para o Rio
da Praia,eam**ram : Amonro Irmas 4 C. 230
oarrie i* cora 23,063 kilos da assucar braoco.
No navio bespsnbol Hugo, para o Rio da Pra-
3a. caw.egaram Augusto Pereira Quimares 4 C
4>W totrtcas com 9 212 kilos do acucar branco.
No pa.acfc) norto-alleiuo Johann, para o
ru.-. iaffata, carregarum : Pereira Carneiro &
('.. 90 barricas nm 10,314 kilos de assucar branco.
Na batea maleza Traveler, para New-York,
rregarara : J>-e da Silva Loyo 4 Filho 1,700
saceos com 157,500 kilos de assucar mase vado.
Para os portos do interior.
Si brigue brasileiro Raio, para Para, ear-
'TAg'rara : Miguel Jo- Alves 123 barricas com
i i'n k los de assucar biaoco ; Joaquim Ger.>ldo
da iiastes 200 meias ditas cora 18,743 ditos daj
4o; Amorim traaos 4 C 1,240 ditas cora 75,132
dito- de dito.
-'N'j patacho nacional Urh Destino, para o
Rio Grande do Sul, earregou : Francisco Rlbelro
Pinto Guimaraes 430 barricas cora 37,326 kilos de
a^uear braoco.
No hiat* Mana Amelia, para Araeaty. ear-
regjo : Lino Jo> Marques de Araoj i 30 barricas
e'a 3,306 kilos de-assucar branco.
RECEBEBORIA DE RENDAS INTERNAS
GERA'ES DEPERNAMBJCO.
Usdimento do di 1 a 2 6.0i4*97O
iaao dia 3 4:231/710
OS MlLftGflKiflT'
4>,
DE
N. BEtfEDICWO
Personagens. Actores.
Prel Benedicio, preto, guardio
do Convenio de Santa Mara
de Jesns em Palermo. .
Marcos, seo irmao, offlcial das
guardas do vice-rei....
Salan, ou Sataoiel O Anjo do
mal......... .
O Anjo do bem......
Baxaab, paseador.....
Jauna, sua muuur.....
Antonio Golonna, vice-rei da Si-
cilia. .........Thnma.
Mara, m ci siciliana D. Hsnr queta.
Pedro, pescador 7 .. .
Magistrado. '.
(Jo (fllual das guardas
ce-roi.......
lira raligiu.-i......
Giofanni, otlieial do justica
Kraaihin, dito
ParaLiBboa
e sabir at odia 10 do correle a barca S. Ma-
'l ti, pode recabar ajguos passagetros : a tra-
tar con Soares Primos, roa do Vigario o. 17.
Peregrino.
Lessa.
De-Giovaooi.
D. Jesiina.
Flonndo.
D. Olympia.
do vi-
Senna.
Pinte.
Philadelpho.
EaiJiaa.
Oliveira.
Silva Jnnicr.
Rocha.
Lyra.
Costa.
11:160/680
CONSULADO PROVINCIAL.
.-uHimirato do da 1 a 2 18:15U13i
27 468/106
EBITAES
sj Dr. Seb istio do Rogo Barros d<3 Lacer-
da, jeiz ile direilo especial do commer-
cto desta cidade do Recito de Per-
aambuco por S. M. a qupm Deus guar-
de etc.
Fafo sab*r pelo prosete que no dia 2G
de marc> lo corrate armo, se ln de arre
tutar por venda a q jem mais der era pra
respetiva: viole p^cas de chitas francezas
d padra~o escuro, oonti ndo mil metros, ava
liado a quiabeol peras de algoda* sio''0 trancado CJliteado
ceaio e sesseaia jardas avaha la u tresentos
sesssnta ris cada jar.a, coja faiondas
foram pentiorridas por execuc3o de Antonio
J Dintas contra Jos de Souzj S,a:es &
C')Qapaohia, e na falta de licuantes q .e cu-
braoi o prco da av^liafo, ser a arrema-
tsrlo feita pelo pre<;o da adjudicar;? com o
batimenlo da Iti.
E para que rhegoe ao conhecimeao de
todos mandei passar o presente edil), qne
ser aiDxad'i nos lugares do cu turne e pu
bi:calo p3los jnrriaes.
Dado e p,'.sailo nesta cidade do Recift
de Pernambuco, a s '; do mez do marco
e 1872.
Em Ernesto Machado Freir Pereira da
S.'i.a, escriv3o o sutserevi.
Sebastio do Rey o Barros de Laceria.
O t>r. Ssbasvao d Re d, joizde d reito especial do ommer
c;o lasta .idade do Recito di Pernam
baco por sm magestida imperial qae
Deas gaird-*, ele.
Faf.o sab r pelo presente qiu no dia 2>
do correle mez da m r > se ha d; arrema
tar pjr venda a qiifm raiis der em praca
publica deste juizo d-'pois di anuencia PU-
pectiva 10 pecas de cfita franceza cmtendo
ao tjdo 503 mstros, a OO rs. cada metro.
ii as m^smis chitas de pidrao e>curo,
squaes hzeodas toram ppnhoradas por exe-
uo) de I'.idro Bastos dt C, contra{ Jos
de Basta 3>arr:s & C, e na falta de licitan
tes que cubram o preco da avatiaclo ser a
arrem4ai;o feita pelo preco di adjU'1icar;5o
coia o abatimento da le;.
E p2ra que ctgne ao eonhecimento de
todas mandei fazer o presente edital que
seri afinado nos logares do costuma e
pabiC:1) lelos joraaes.
Dado e passado nesta cidade do Rjcifj,
de Pernambuco, aos 4 do mez de marceo de
X72.
Ea Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva escr.vao o escrevi.
SebastiSo do Rega Barros de Lacerda.
UICURACOES.
Pela pagadona da ihesouraria Ue f^zeoia
testa proviocia pag.ttn-s.) no da o de marc pro
timo futuro as seguinies Tolbas : juizo dos fetos,
lfandfiga, cuito putlico, e aposntalos : os func-
iooarios compren niidoi naquellas folhas que
nii comparecer.jn.s serio pagos depois do sextj
da ut.l da dito mez.
Pagadcria 4 de marco de 1872.
O eacrivo,
Antonio Jeronymo de 0!ive>ra.
ispar, pfeicaior.
alanoal, dito ... .
Um caga ......
-iies,-^sp6tros, fuafdas, iHaigo?, homeos, mo-
rberes a meoiows d fovo.
A accio pis-a-se em Palarmo no aono de (339.
. Denomina^ao dos acto".
1.*A pesas do itabo.
i.*A tentacao.
3.*O espectro.
'.Os morios.
Denommaco dos qaalros.
!.A orgia infernal.
2.'O GolgOlha.
3.O milagre.
*.A Gloria.
O drama posto em sceoa pelo Sr. Tioamai Es-
pima.
A msica eomposta a ensatada pelo roaeitro
Mar;ellino Adete dos liis.
P*rte seenario pintado pelo Sr. Penante.
O vestuario fjit, segando os flgurinos da
apocas, pelo Sr. Pinte.
O machinisino ejecutado pelo Sr; Joio Gaio.
Principiar as 8 l/i.
Os bilbetea achara-se venda no escriptorio do
iheatro,
t\. t) As pesoas que encommendaram bilhe-
tes, tanham a hondada de antecedencia.
THEATflfa
wm mm
Qaarta-feira 6 de marco
Primeira e unic3 recitar
Dada por
Lo|>es Carioso.
Priraeiro actor e ensaiador dos theatros do Prin-
cipe ile..l e llua dos condes, de Lisboa.
E'pectacalo ser honrado com a presenQa do
Kxm. Sr. presdanle da provincia.
Pnrceira represent?cao da graciossima orne
da en 3 actes, imita^o de Lopes Cardoso :
0 ass ssino do Tabnrda
O papel de Mami mo L- ao, desempenhido pelo
actor Lopes Cardoso.
O iissmino do Tborda conta em Lisboa e Per-
lo92 reiireei.tai;5es.
Y;Terminar o espectculo com a primeira repre-
seniijao da comeda em um acto.
Que circo! Oue amazonas! Que
paihaco!
D.jsempenha'a por artistas de reoohecido me-
recluiente.
O actor Lopes Carduzo, de passagem nesta-ca-
pital para Lisboa, para onde s>gue no paquete
franerf do da 11 de marco, previne ao ilustrado
publico pernambueano que d nicamente
e?ie espectculo.
Una banda de msica militar tocar no talio
diversas eescolhidas pecas, durante os intervallos.
TI1EATR0
cosPAiu nmik
HfMIE
Tero -feira 5d8 marco
ESPECTCULO CONCERT
l* PARTE.
Votos rouiaaces e c^u^onla.
pr Mils. Sarah, Hachel, Camille, Lea e Mrs. Gau-
ibier, Ambroise, Barbot a Cattier.
2. PjARTE.
Jeanne qui plenre et Jeanne
qui rit.
MSICA DE J. OFFENBACII.
3.' PAUTE.
Mr. Choufleui'i reste ra che/
lui le..,
De J. Offenback.
Principiar as 8 1'i.
BREVEMENTE
La ftmim aux oeuf d'or
Les Tcnimes qui pleurent
NA PRXIMA SEM.tNA. .
La reine des flenrs.
apparatosa oprela mgica montada eom tolo o
esmero.
AVISOS MARTIMOS
l'ara Santos
Mgce em poneos das o brigue Brasileiro Intrpi-
do': para carga tiaia-.-e com seu coasignatario
Doitigos Alves Maiheus ra do Vigario d. 21.
Pela thesourana provincial se Ui publico,
tae f irara transferidas para o dia li do correte
asarremanco.' seguintes :
Ponte de ferro sobre o rio Una,
oreada em....... 92:4004000
Grasera) da adeia de Agaa-Preta 88O*0lXa
Secretaria da lh;souraria provincial de Pernam-
boco t de margo de 1872.
^___^________MQ'K'l A- Ferreira
iospee^o Jo arsenal de
marlnba.
Fat-se pablico que a coramissio de peritos exa-
minando na forma determinada no regulamento
aoaeri do desrt) n. 132't de 5 de fevereiro de
<*"ii os cascos, ma;fiina, caldeiras, apparelbos,
matreaj3es, velamos, arairras a ancoras dos va-
lores Camaragibe a Motei/ue da Companbia Vigi
tanta de renoque, e Pacifico, propredade de Cae-
uno Lourenc de Seixas, achm todos esses ob-
eetosem estado de poderem os vapores continuar
a wviei em que se emjregam.
tnspeeao do ar-enil de mannha de Pernambuco
4 da marfo de 1872.
francisco Romano Stepple da Silva
Inpiwtor.
TflEATRO
ijYMN\Sli) IIKA1IVTICO
Oiinla-foira 7 de inarfo
Pffflseir* ripiasen t a cao do importante a appa-
ctoso drama-sacro da grande espectculo em 4
actos e 4 jpadris, ornado de msica, maebinis-
. visualidades e transformaijrjBs de maravilboio
ffito, iDffiafado :
Barcada
Vende-se a nova barcaca denominada Uniao
do Brasil, de lotacao de 450 taceos de assacar :
quera pretender derija se a roa do Saohor Rom
Jesns n. 59.
Porto por Lisboa
S.'gne com a maior brevidade para os citados
portos o brgue portngnez Florinda por ter gran-
de parte da carga engajada : para o resto e pas-
sagoiros trata-se com os consignot^riis Tbomai de
Aqr.ino Fonseca V C Successores roa do Viga-
rio a. 19,'on com o capitao na pragi.__________
Kara o Rio-Graiide do Sul
Vai seguir com muila brevidade o patacho bra
'ileire Graca, eapitao Fernandes. Receba parte
do carregsmento a freie, para o que trata-se com
os consignatarios Amerita Irmos & C, roa do
Booi Jesns d. 3.
a vuleir escuna sueca Riv>r Pinte, da 104 tone-
ladas de registro, classificado 3|3 A. l.t. em vi-
sitas por 7 anuos em agosto de 1870, forrada de
metal, calando somante 7 ps com carga comple-
ta : a tratar eom 9. Luodgreo roa do Com mer-
ejo d. 4.
BAHA
Para esta porto segair com a maior brevidade
o hiate nacional Garibaldi, qne se actia em des-
carga : para carga a fretes trata-se com Tasso Ir-
mos i C-, em sea escriptorio ra do Amorim
o, 37, andar.
LEILOES.
AOS iOOOOOO
stlo a randa os foliies bilbetes da lotera di
Babia, oa asafojiz do arco da Conceicao, oja d
VrTfK no Reclfa.
rUrfa-ry-
0 MOVIS
L0UGA8 E CRYSTAE5
A SABER :
Um pianno de Erard, rnobilia de jaearsnd,
1 dita de aroapetln, 2 csndieK* i jax, jcastfa^s.
e mangas, vaos para drese e pelas.
Una machina te eostura, 1 porta-rehglo-da ve-
lado bardado a ouro, -i cesia de Aires, dlleren-
les bordados com missangas, 1 cama franeeu, 1
tocalor, i esrameda, 1 guard -roupa e camas
para menino?.
Urna encllente masa lastes, 1 guarda- lotea,
2 mesara, louca para cti e jintar, copos, gar-
rafn, campoteiras, garios s fn:a?, colheres e trem
de coslnba.
12 cadeiras de pa ba, objectos de electro-piste,
1 srfi, 12 ca'deiras de am-arello e mantos outr.os
objectos existente no -'! e^ andar do sobrado da
roa das Crntes bV6ob 9.
Quinta Teira 7 do correte.
O agenta Pinto, autorizado plo procurador do
general KJly,levara leifSo, s 10horas tedia
cima dito, os mov*is e maii objectos exigente
fno-4B--8* andar 4o sabr^do^te rw a*-Crut.
Principiara s 10 horas em ponto.
CASA. DA FORTHA
RA I DE IfABCO OTirORA DO
CrraSpT N 23.
ios 20:GOO|>000.
O abaixo aifignado tam sempre eaposto i ren
la os fehzes bilbetes do Rio de Janeiro, pagand.
prompUmenta, eomr, costuma. qualqupr premio
PRsgos.
hrteiro HiWO
feto 12,1009.
Qoarto 6#0O0-
Manoel Martin* Finia.
2OOI00O de gratificado
P evioe se a quilqucr nessoa qne .eolia ft
ma devedora a abaixo assigiudo.
I G 8.
AVISOS DIVERSOS
ESTAiPILHAS
Ven*le-se na praija do Corpo Santo n. 4. ar-
maze
Attenpo
Precisa -se de dous amassaaoree : a tratar
iarta da ma e>trt>iaa do Rosario bs. 5 7.
na
loe ordfin aio-Hirector (Movido a'todos os
socios para coroparec^rem no dia- quarta-feira 6
de margo na *ara das sessSes, si 6 horas da tar-
de, arim de asaistirero a asstmbla geral que se
le da reunir para tratar da negocio de grande
mporiancia a que sffecta ao* fundos ala mesma
.oiedade.
Sala das sessSes do Monte Po Popular Pernam-
bucano lde maro de 187-J.
O 1 secretario,
Joaquim ongalves Aleixo.
4 * m
sH
B
Contantiao Nanas Piras, Manoel Nunes Pires
Francisco Nunes Pires, Mariana Candida Pires -
Umbelma Thendora Pria. fllhos da linada D. Ger,
trodes Mara 8o" Sacrameato agradeeem cordial-
mente a todas as. pessoas que dispensaram a ca-
ridad.: de assJsln* ao enterro de sua presada e
sempre chorada mai, -pedem as masmas pes-
,-oa, prenles e mais -amigos o obsequio de assis-
tirera a mis-a do 7.* du, qoe dever ser celebra-
da quaria-f ira 6 do torrente as 6 horas da ma-
nhn ne reja do Divino Espirito Santo.


Mara Loza Stepple Lima, Henrique Guilherme
Steppla e Francisco Romano S.epple Lina, e sdgro e cuchado do floado Miooel Jos Gomes Li-
ma, convam aos sens prenles e amig.s para
assistirem a missa que inandain resar por sua al-
ma no pia 5 do orronte*, tricsimo da do seu fil-
lecimento, na c.ipella do arsenal de marlnha, as
8 floras da manbaa, a. desde j se confefam
gratns.
Mantel Gomes de Oliveira e sua rr.ulhor Mara
da Gloria da Silva Oliveira, filha e genro agrade-
cera cordialmente a lodos sus amigos e com es-
peciali*ade ao Sr. Joaquim LuiGoucalves Pena
o caridoso obsequio qr.p flierim em companhar
ao ultimo jaziro os restis mortaes de stu prelado
pai e sogro Agostiabo N. da Silva Lobo, e a prove-
t m a oceasiao de c nvidar para o stimo dia as-
sniirera a urna missa qu por alma do mesmo
mandam resar na igreja do Corpo Santo no dia 7
do correle, pelas 7 I 2 horas da manhaa, que por
tal carioso obsequio se confessam eternamente
gratos. ^^
Aiug se o 2' e 3* andar do sobrado n. 47
da ra da Imperatm : a traiar com seu pmprie-
lario o Dr. Jnaquim de Anurao Fonceca.
.?itio par lugar no Pego tts
P?inella.
Com grande casa de morada, cochi-ra, estriba-
ra, quarlos para eriados e cozioha fra, cacimba
de milito boa agaa de beber, sendo o sitio todo
murado e com diversas f'octeiras : irls-se com
Fduard PaDn, ra do Comraercio n. 16. ou sua
casa no Poco.
Os abaixo assignados scientieam ao lllm. corpo
do comrrercio, e a quem mais interessar possa,
que r.-ta data resolvern) de coramnm occordo
dissolver a so;iedade que gyrava nesta praca sab
a firma de Jo de Reg Lima & Filno, Meando a
liquidadlo da txtincta firma a carg> do ex-socio
Joao do Reg Lima. RecTe de margo de 187.
Joo do Reg Lima.
Joao do R*>;o Lima Jnior.
Precisa-se de um feior que eoiemda bem de
pUntagdes, para um sitio em Saot'Anna : tratar
na ra de Pedro Affiraco n. 28, antiga da Praia.f
Gfiado
Preeisa-se de um criado na lrave3sa de S. Joad I
o. 26, casa forrada de azulejo, junio ao yaz.
Associanio (lommercial Be-
ncenle.
Tendo a directora desta associaeio mareado o
da 5 do crrante para reeeber a anaMM na sala
de honra do sea edifleu o retrato do invicto ge-
neral Ozorio, Mrquez de Herval, offerecido por
aigans de seas associados, tam a honra de convi-
dar aos senbores raembros da associaeio para as
sistirera a esse acto, que ter bgar no dia cima
indicado as 11 horas da manbaa.
Associaeio Com.nerciai BeneSceale 2 de marco
de 1872. ^
P. NeedhanPresrAsBte.
J. H. Trindada aacwtario.
CRIADO
Precisa se de um triado : qnem se julgar ha-
bilitado dirija-se ao caf impemtriz para tratar.
Moleque
Precina-se de amnwleqae qaeseja Bel, part cria-
do de ama casa exiraogelra : no largo da matriz
de Sanio Antonio n. 2, prlmelro andar._________
Arma?;em de mate-
riaes.
Prava da Concordion I
Os sanhares Sones e emprei ^iros contrarao seropf teste armazem*todo nnceasaro
para qualquer constraiyjao, como seja : cal bran-
ca e preta, tijollos grossos e ie l.drlbos. telha, ci-
ment, area e urna grande quamldade de ma-
deiras de 22 a <5 palmos de eomprimento.
travejamenlo etc. etc.
Oiro sim, ancarrega-se o proprielano do Jilo
armazem de qnalqner forneclmento de wateriaes
que a obra necessitar, para o que tem candas,
carrosas, podendo ajustar ludo pos'o na obra,
pw menos e meraor que outro qualquer, pois aue
laabetn tem piaras. v H
Faa a semana santa
Na ra estreita do Rosario ra. 35.
Avistase a toiloeos freguCzas de dentro da ci-
dade e da fora, que tem prompto um grande sor*
timento de rosas e palmas, para sepulcro, de pan-
ao-e de papel, cores de rosa brinsas, e*carlale,
flores para enfele de capacete e saiotes para an
joa, das cores que qulzerem, rosas para nuvens
de anjos, festejes.para igreja e patm.s, ludo po
pregos mais oommodos do que em ontra qaalqm-r
parte ; eofelta-se peitos para anjos e capacetes,
vellas eofaitadas lanto de IWes de cera como de
flores de panno para sepulcro a ramos finos espe-
ciaes para Domingo de Ramos, e colcha para an-
dores, tambera tndo por prco eoromodo.
Os Srs. Jos Frar.c SCO Ribeiro de Sorj-
a e Dr. Franciso Jos RabeUo, o Io prc-
prietaiio do colirio de Saoto Amaro e o
proptietario de om ouiro colegio, s5o
rogados a ntamiarerji a esta typographia a
negocio de interese.
Aos 5:0a0$00.
Blttietca garaaitldos 4a prc-
Tliacla.
Rna do Bai'o da
Victoria,
Outr'urarua Novan. 63 e casa-,
do costurar,:
Aeham-so venda es muito felizes bilhaia g
rantidrs da 2' parte da lotera a beneficio da igreja
de N. S. do Guadalupe de Olinda (227) que seii
axlrabida no dia quinta feira 7 do vindouro mez.
PRBCOS.
latelro '6/000
meios 3 000
Quarlos IJoOO
De 400^000 para cima.
luleiro 54500
Meios 2*7oO
Ruarlos 1|375"
___________Joao Joaquim da Cesta Leit*.
ilugaje o 2* andar do s-oDrado n. 63

Imperial:
Ferreira.
a tratar com
a ra
Luiz de Moraes Gomes
Ddseja-ae alugar urna pessoa tM ou que d
Manca de snajeonducta, para o servigo externo de
urna ca, compras, recados, etc. : na ra do Ca'
bag n. 7, 1* andar. ________ ___________'
Au'eniouse do eogenbo Uuroayt em feve
reir*de 72 o eserav Fredenco, crioul, idade 40
anoos, alio, corpo regular, rosto comprido, pon a
barba, caotsdor, serraleiro : roga se as autorda
des, capitaes de campo, a qualquer pessoa do
povo, a captura do d:t> escravo, sendo condolido
ao mesmo engfnh". qne s^ra bem recompensado.
Aluga-se um moleque de 16 para t8.annos
croulo, para servigo interno : na roa do Impera
dra 20.
Pede-se
ae Sr. Aureiiano Augu.-lo de Sooza Serrano appa-
recer na ra do Livraroento n. 14'a negocio anli
go de particular nteres.-i'.
AVISO
A quem inir.\sai- possa o anaunciaate avisa
que a viuva e herdeiros do fallecido Miguel at-
chanjo de Figneiredo. nao podem vender ou alienar
a proprie4a.de dinoanada C rlurae nafreguezia
dos Af'gaoos, prr quanto acha-se esta a lodos os
bens do annunciaote qne e.-tao injustamente de
posse, deneodeale de decislo superior em letigio
desdo 18Gi.
Reeife, i. Mirco de 1872.
M. A. Caj.
MTOR
Precisa-se la um para nm sillo em Bebenbe de
llaixo : na rna do Deslino n. 9, ou ua ra do
Cimmercio n. 14, pavimento terreo.
SITIO
Para tratar de um pe tuno sitio e raah algnm
servido, precisa-se de um feitor : em S. Jos do
Manguinho, o primelro sitio novo, com poni de
ferro, a oles da igreja.
Trabaihadores.
?Na reftaaclo da ra do Rangel n. 43, precisa
se de um trabalhador q:ie entenda do servico da
mesma.
Criadi e engommadeira
Para servigo de casa precisa-se de um criado
de 14 anuos e de urna boa engomraadeira, paga-
se bea : em S. Jos do Manguinho primeifo sitio
novo, pnrtlo de (erro._____________________
Aluga-se a ca Boa-vista, ootr'ora Formosa. sendo o pavimento
terreo, primeiro andar e urna grande sotes, lerdo
com rouitos eommodos e muito fressa, com cot-
ana fora, quintal e cacimba : quera pretender di
rija-se a ra da Aurora n. 3, tercero andar, qut
acjjar com quem tratar.___________________
Socedde monte pi santa
cruz.
De~oraero do.socio presidente epnvllo a todos os
bocios moradores na tregut-zia da Boa-vista a com-
pareeerera na seda desta soeiedada, no dia 7 lo
correte mez, pelas 5 horas da tarde, am de ser
organisada a dreccio parochial. <.
Recite 4 de mareo ja 1872.
O secretario.
Francisco Antonio .da S Brrelo Jnior.
Pedido
Os seohores oradores da mana fallida de Si-
3ueira & Pereira, qne anda uio reoeberam o 3"
ividendo j em tempo annonclada, queiram fa-
ze-lo aeompanhado do respeelivo titulo : roa dq
Marqnei de OUnda, eaeriplorio q, 49.
AO
da villa de Agaa-Preta, os e?eravos segnintes, e
que sao propriedade do abaixo assignad l no da
19 do correle mez as 2 horas da manhaa, os
qaes lem os signaes srguintes :
Paulo, naci, pela falla pareee crioul de Idade
de 46 anuos, cor prea, mai alguma eousa fula,
alio, corpo bem perlllado, ps e mos ben retios',
cabellos c;rapiohos, tlhos regulares a boira, na-
riz rnrlo bsm feilo, rosto corto e estrello, com
poua barba, tem lodos os d. ules ; este condono
roopa de algodao ezul amerleana ; fui v roprado'
ao capiiai los li zena, ir,oi.,.i r em ijiobranpu'",
diz elle tpr tima irmi no Rec fe.
Ant; ni", crionlo, cor preta, alto, idade de 36 an
nes, nao se perfila bcra, por ter ama noca corcuu-
da, usa de toda barba, apezir de ponca, em todo |
caso a tem feixada, e lem bigod^s, esta eseravo
tem falla de denles na frente do lado da rima, o'
roslo magro e lar^o, qaeixo lino, znnz chalo,
am bem dspootado, olbos grandes, bem fal-
lante e n uilo moderado, entende de c.rriai; levou
roapa de aigolao americano delislras; e, foi com-
prado ao alferes Jos Robarlo Ferreira, morador
em Baixa-Wrde dol'sjr ; anda lem mais estes
sigoaes, caoella tina, p. bem feitos. mos grandes
e bracos Uno?. Quem os apprahender queira os
entregar ao abaixo assignado em sua residencia,
ou no seu engenho Manrity ao seu administrador
de quem recaerlo a grati'ficaclo de 1(0|000 por
cada um.
Povoado dos Montes, 20 de fevereiro de 1872.
Irin) Jannario de Oliveira.
XABOFE flfUHAL JAMfc
Consilerado como psj5'cifici conira as !
i" (anto godas como cbronic, dtOuM
r'lHIe. laagesc.-nTolsa* e ssMaaHoM,'ddr *
poto, escaries de singas e contra tijas aa Ina-
coes w-rvosas
DEPOSITO RM PERNAMBUCO
Pharmaria de Ferreira dr C
ANTEf ESSORES DE J. A. PINTO
lO Ma &Ata 4tRtMri !
(junto ao qpa le de polica.)
VI
V
mm nm* mmm mmmmm
amas portas amerinnas ja asseataaas e
as quaes acaboa de rnnvencr me de qu
goem por ceno comprar mid-ira para ai na-
dar f.iz-r h-ivend., s* rio bm feita e tao Dru .
i.-to Lichera confirma a grande rbida qaa nlti-
mamente lem tilo as mismas porta, ao anaaaaa
da bota amarella, no onio di secretaria aa poli
ca.
Na Iravessa da
Ornes n, l
meiro andar, da-se
nhelro sobre penhores
de ooro, praa e brilha-
tes, seja qoal for a quaa-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
Achare ra do Bario da Victoria, sobra-
do, 2* andar n. 61, dous esccavos peca p.ira ven
der-se.
m
s
i
ADVOGADO
Dr. Joaquim Correa dk Araujo
67Rita do Imperador67
m\
mmmm
AriBHz^':? de deposito
Recebe-so om deposito, volumes de fazenlas ou
qualquer outn< genero ao pr muito mdico : 1
tratar na rna An C>mmarein h. 4^
Auzencia long-.
Est auzente da casa do reo senhor, d^sde o
dia 83 de juoho do aono prximo pagado, o es-
cravo Luiz, mulato claro, alto, cabellos crespos e
srm barba, tem ora pequeo sigaai le cabellos no
queix", e represento ter 22 a 2.1 annoa pooco
Ven-e-se a casa e sitio'da estrada da*
Alllictos d. ii, coro iions critnmudoa a ao-
lad. o sitio lem 850 pamos de frtola a
,1,300 de fondo, morada a frente e part*
dos lados com duaa caciabas, tanque'
iriu-tas arvores de (rucio orno sapuusaanx'.
coquei'os e baixo para capiro a pcejo d"
excelknle egua para htber; o logar au-
to fresco e saoda\el, tornando- e oau-u.
recemmeoda\ei poc ser ^erto do hecafe.
>-/.-. nd i estaclo rna ma frente a via farrea
de Reeife ao CCbog : a traiar coa An-
tonio Jase Rodrigoea de Sooxa, tbeaoarei-
ro ddS lotera-.
(nal i lie;, i;,")) de 50^00.
A pessoa em coja ca-a siiver occulla a
va de n .me Mircella. n>olaia clara, e 34
de idadj. ; ac mais ou menos, cibtslloa prstM
lingos, alta, magra e gap.i, (,ue an seo toa-.-* tta
casa do seu saaior ro dia 21 de juoho do aaan
po-- ln, len^a a boc 'a le de leva-la a roa Piaren
s* n. 8, fres-uezia J^ II .-v.-ia, que s*ra grabftea-
i do com '0< ; on ir.' inn <\.-.em delta der eoliria
:exa ia, do cooirarin ..rol >ia->e proeedar letal
I mi n e confa quaiqu r inJrviaaa que a Uafca ata
\ o compaahia a ululo de ama livre.
Urna p^ra desta ptact olTerece-*e~p ' zer c brancas, bem c mo r an airaros* e*erip-
jlas a fzerem par'id dobradjs. dando (raodr
conhe-inien: .le >\ eoadnti : as pes-oas
j necei-'iarem deile para si a e hao'rs (nafae, aa-
I den) dirigirse as mas Harajaet de Oaada SU
A, Pii.n-.ro de M. c-i n .'I < da lirrcrairia a. 54.
raftagl-M
ou e impra-se um areraao de idade de 18 a.o n
c. a, qui seja sad ; ; tr-' r no L-rgo la A Ua-
dega, arma.-em c. 2, u 7 H.
Alte 0o
T;if.ei rltinex
Ciiefoo para a leja do Pp*na sia tuAu U-
znda con" o orne de T fl-i,. i'.him-z. om kei-
do de seda iottiramfnte u vo, sendo le cores tut-
Troca-se notas do banco do Brasil e de sna?
rlliaes na rila do Carao da Victoria u. 63, mg.'
ra Nova, luja de Joao Joaquim da Costa Leite.
Empreza do gaz
PernaniLuco.
Esta empreza lem um linio sorlimtMo de cr.n-
d'eiro?, arandelas; pendentes, etc., tanto em vidro
(crystal) como em. metal, e orna varledade de glo-
bos dos padiea mais modt.rn s e por pregas m-
dicos. As rxostras podem ser vistas no escripto-
rio o. 31 roa do Imperador. Bico rara gaz do
melhor feitio a 60 rs. cada um. As encommen-
das podem ser feas por esenpto, na rna do Im-
perador junto a secretaria da polica, ou dirigidas
ao ;.b jx assiguao na fabrica S. Jol, que serio
promptamente atter.didas.
Do L'ng-uho M'rrecas em Porto Calvo,
prov ncia' de Alig6as, desapparecco o escra
vo Miguel de cor alai >cado, a'ti, corpo re-
gular, de. bonita figura, bem fallante, olbos
grandes, b ibado, dentes perfeito o repre-
senta qnarenta nnos; foi escrvo oo serl
do Sr. Joaquim B.-p itta, morador no Rio de
Peixe, quem delle der noticia certa, na
raa dt Bom Jess n, SI esc.iptorio doSr.
Anknio Climato Moreira Temporal, receba-
r b)3 gratiflcago.
Eogenbo Marr; cas 8 de Janeiro de 1872.
Joo da Rocha Hollando Calateante.
mmm
h
O abaixo assignado faz setenta ae reapeitavel
publico, cora especialidad^ ao corpo docommer-
co qae desde o l* da Janeiro do correle inters-
son os seos caixeiros, Antonio Jos Fernandes e
Joio Manoel da Silva Braga, gvrando sob a flrros
de Guilherme Caroeiro datantia.
Reeife, 28 da fevereiro de iWt.
Guilherme Caroeiro da Qqnlt,
Dr. Francisco Gomes da AodraJe Lima pode
ser procurado a ra larga do Rosario n. oO, a
qoalqner hora do dia e la noute.____________
Procuracilo nulhficada
O abaixo assigoad-o declara que rica de nenham
tffcilo a prbeuracao que em dezeBbro de 1870
enviou do-Rio de Janeiro ao Sr, Ant.nio Alves de
Carvalbo Veras autoiisaodo o dilo ^eJh^'" cooi
poderes aspeciaei para'vender ao Sr. major Tho-
maz Lras Caldas o seo sitio denominado di Vgi-
rio em Tamanlar. Tarabem previne ao morador
do dito sitio qne so pague suas rendas pessoa
lega'men'e antorfsada para tal tira.
hio de Jauairo 23 le fevereiro de 1872.
Jos Jofqnim Gomts a o. Abren.
Maooel de Christo Pacheco, proprietaro do ho-
tel Uoiao, partecipa aos sens fregoezes que se
mudou da raa do Hospicio n. 86 para a praja
do Conde a'Ku n. 32. oade o achara sempre
prompto para faroeecr coaidas cm asseio e
pronop'ido ; como lambem a dr*u casa>florece
iiaslantr eommo iiilade.
Aluga-se
O segundo aodar da casa n. 8 a ra da Impe-
ratriz : traiar com J. I. de Mell) Reg i ra do
Co*mereio n. 34.
f evento EO're eserms
O .-bxo ai igoalo pi a para e?it:r davias
,ia; ten en poder 11 Sr. Autoaio Alfa* dj Car-
valbo Veras a, su es:r*v* lzij.ro, nrJ. de 3i
innos, aooeo nuil cu mea*, doa fih me-ma eicran, con as qua.s e trato
.-'on vend r ai dito seaaor,mai qua coi cbagao
a realisar a venda, e d: quae r I >i^ar
poei Rio de J n .o il U (v.re'T) ae I87.
Jo e loaqi.'ira f. nwt ta .Mr.u.
Kui lius la m.;z .i- u.i i mojo n
seotou-33 da casa di ro : i Praoai > J.-* a*
Silva um preto de nom ',..:, eriasla, coa aa
signaes segoiatea : >, na ci '. l lora ra
gtilar, fel', be .*'..: '. Ve. '. ee:nl-
guos deates poire 1 *id :, \>t.- saletUs,
nariz caato, esoe-to, dura .linalos rpidas, *
cotuma anJir calg /}fa M1; roa u aseo
stnnor urns 15 a 50 lib r i u* : a pessoa
(pie o cap'urar oiioux r i i ate Va-
c impensado.
lili
O mualo Raymaada do date i'i
co mais ou tu- aos, c bellos rrol .-, lea) a cor
alaraojada, falla maac, ea;i;'..a: finr, i. ee-
cos e ura isol) peqiero, natural o., vil, de S.
Joo i'o Priucipe, |,;.v.ncia i).' N. S. da Paz d> Arreirs onde ara escravo de
Manoel Leonardo de Araujo Peitau. a vcnido
nsla praca do Rec fe pelo ea pitia l Ravmaa-
Corrs, tamh-m all inoraJ.r, ariappanaao a
caica de quatro rneze. di n*i du aao -itiUif
teoeote coronel Jer-nynio Corneiro de .-'.ibuqa.r-
q.i Maraeho, moiadcr no erg nln alegan
de Baixo, h eamares d> G->yaa. ^aazoHaoa
com funamoat i q le i ^le mualo seguir rara a
cidade de Arela ou |i ira o -rio a procura a
rapaz que e tv i como f.-iiir n.' rf'.rido
engrnbo, de nome Antonio Gonvs Pereira .1- Va. -
concellos. Protesta se c nira ani n i Ufar rea -
t'1, e ongt-se generosnn-nta a quem o I. ar ao
referid eogenh ou delle drr noticia, ou ata Oaj-
anna ra do Meio n. 20, I ja de lour% oo no ite-
cfe rna do Bom lesna n 30.
CM\tl8
No Caf CMoea rna larga do Ro ari. o. II.
precisa-se de um menino que, tfnha algama fra-
ilea, prefere-se portopaez.
.No da 28 de [nvafeira ao Oviaaie ^i
engenho Sapucaia, fugio o esera?a Slvs-tr.-. rr
prelo fula, idade 23 anoos, moho ladino, l .liaaa-
the os l.ntesda freal*, e.talura regular, v.sjio
de cal?a e camisa bracea, coa pea de plh aeai
tita preta l^rga, e natural do Cesr : fosta uuifc
de estar no Re-:fe, por ter ahi perroai"-:d mal-
los raezes em ca;a do corretor, que o tu ln par
vender, o Sr. GusfjHio, por va de jae:n M com-
prado a seu irmao o^8r. l-ma GaOlaaOi Por-
tado de Mendonca, mtador notrgenho pjgetinr.
termo de Iguarass ; lamb^m costuma ir a Par-
nameirira, ooda Uui urna irma era ^a d Si.
Caminha : Roga-se as anlbondades po.i.'ura e
capia de campo, a sua apprdisnsic.
Orna eecrava bstanle habilitada querendo
alf>rriar-se, (fferecejos -eus servicos pes qoizer adiantar-lhe a quantia de 50OJ00O: a Ira-
tr na roa da Aurora n. 30, primeiro andar. __^
No dia 14 de dezembro prximo passado des
appareceu do Manguinho o parjo esiravo Cyriaeo,
natnral do C-ar, boa flghr!. e e>talara regular ;
26 annos de dade, cabellos carapiohos e qoe ua
ptoteado, teca (alia de, denlos na reota, e seis de-
dos no p dtreito \ lera por costme andar des-
eo, mas senpjrfV bfc'm eogommado : bom eo
aeiro e botante curiosa para.todo e qualquer
vico, e^ajo seja du piotor, psreiro o mesaio
lar de jardim. Cansa ler sido visto calcado
lulnd'o camioho de Goyann ; e eomo possa ser
aooo'iiido em algum eogenbo, ou casa particular
omo forro : roga se as autoridades policiaea a
I soa aiirehensio, que no Reeife a ra da Cruz, ar-
mazem o. 30. se gratiatari aos portadores com
' generosidad*,
Frmino Alves Ferreira scientifica aos seas an-
I raerosos fregu zes, amigos e ao publica era g-r.il
que mudou o zea estabeleeimooto de roopas avi-
las e offlc'oa de alfa-ale aa ra de Marcilio Baka
n. 38, para o o. 50 da mesmo rna, onde coolij \
eom um sorlroento cnupleio de f-zenlas lo laa
linbo, tendo um hbil me.-lre para sal lizer *
encommenlas a pre{os mno rozaniidos. 0 mm-
mo espera a concurrencia do resoeilavel pob'i*
promettando todo o zili a modicitado de prC*
as obras que Ihe f.-rem eocoma>aiaa4as.______
riado
Precisa-se de nm criado para compra o ir*ar
de um eavallo : Caos do K, A^wnfuem^J}^
abixi. asignido fx adeoH ao r^i
vel publica e com espocialidada ao corpo Jo
raercio, qoe nesU dala coaproo o armaiera oa
ronihados silo a ra de Sat Amaro r. ftjo-
gynva sob a urma de Joaquim Doarta Iraaoo.
rkando iodo aenvo passrvo a oeo *
gerencia do mesmo ao Sr. Joaqaini Vaa da Siooei-
ra e Uldoro Frsneiseo de Siqueira.
Recfe f de ^reiro^de^ ^
li
I__SL
T

\

mH


Pitri* TVr.a Mr- 5 i' Marco U i* 4

^
AO ARMAZEM
DO
vsm wa&iaaaa
Roa do Bario da Victoria
N. 7_0utr\>ra ra NovaJJ. 7
Acaba de cbegar novos sortimentos
Calcado francez.
Bolinas para homens, bom bezerro pellica, cor-
davSo vaqueta e panno, daraque com biqneira de
verniz, pellica com biqueira de verniz, bizarro e
pellica com ilhoses e com botos?, tanto dos fabri-
rantes Sazer como de Polak.
Botas rossianas, meias botas, peraeiras e metas
p rneiras para montana,
Sapatos de vaqaela de verniz com scla de ma-
deira, proprios para os sitios, jar los e banhos,
Unto para senhora como para bomem.
Sapatos de borracha para homem.
Botinas e abotinados de maitas qaalidades e pre-
ga* para meninas e meninos.
Sapatos da verniz, cliarlat, cazemira, tapetes
avelludados e de tranca, francezes e ponuguezes.
Perfumaras
Finos extractos, banba?, cosmticos, leos, opia-
tas, e poses dentfricos, agua de flores de laranja,
af na de eologne, divina, florida, lavando, e dn
toilet, tintara para barba e cabello, pos de arroz,
sabonetas, e maitos artigos delicados, com fras
qainbos de extractos, todo de pnroeirs qnali-
dade dos bem coobecidos fabricantes, Piver e Coa-
dray.
Quinquilharias
gostos

Finos artigos de Paris, de difreremes
pbantasia, como sejam os segnintes:
Laques para senboras a meninas,
Luvas de pellica a de tio de Escocia.
Espelhos diferente?, para sala e gabinete.
Vidros avotsos para espelbos.
Caixiobas de costara ornada com msica.
Albnos e quadriohos paro retratos.
Diversas obras de onro de lei.
Correntes de plaqu para relogios.
Bolcinhas e cofres de seda a de velludo.
Diversos objectos de phantasia para toilet
Pencioez, oculos e bengallas de laxo.
Chicotes e bengallas de baleia, canna e junco.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Bseovas para cabellos, ronpa, denles e nnbas.
Pent-s de marlim multo fios, para caspas.
Ditos dlfferentes para cabello e barba,
-^arteirss para notas e para dinheiro.
Malas, belcas e saecos de viagem.
Gaiolas de rame para passarinbos.
Veoezianas transparente' para janellas.
Abat-jours transparentes para candieiros.
Mamadeira? de dar leite reui fcil as crianzas.
Tiras de molduras donradas para quadros.
Ricos quadros ja prcmpto; com paisagens.
Estampas de santos, cidades e phaotazias.
Esterioscopo e cosmcramas com ricas vistas.
Obieelos ue mgicas para entretenimento.
Machinas da dillerentes systemas para caf.
Bercos de vimes para embalar enancas.
Cestinh3s para meninas de escola.
Jogos, de dama, domin, bagatela e da gloria.
Campanbias de molas para chamar criados.
Realejos, acccrdious, vidros avulsos para eos-
moramas a outros muitos artigos da quinqui-
Ibarias diflJceis de menciooar.
Brinquedos
Para enancas,
O maior sortimento que se pode desojar de toda
orte de brinqnedos fabricados em diversos paizes
Pre Em virtude de novas ordens dos fabricantes,
vende-se tudo precos baraiissimos : no arma-
zem do vapor francez. ra do Barao da Victo-
ria, ootr'on rna Nova no ero 7.
Arroz de casca
nos arma-
Superior era saceos muito grandes
zens de Tasso Irmo9 & C.
Aozentoa-se, desde o me? de settmbro do an-
i)o prximo passado, o preto Lucas, idade 30 an-
uos pout'o mais oo menos, estatura bastante baixa
- reforcada, ceg de um tlbo, ps apalhetados,
andar um tanto apressado, siuma a embriagar-
se e quarnio assim est flea muito regrisia, intitu-
lando se de forro : pe4e se as autoridades poli
cises e eanities de campo a na captura e logo
ijue o dCuara poderlo dirigir se a ra Primeiro
le Marco, amiga do Crespo, n. 7 A, qua se recom-
pensar^___________________________________
CKI IIO
Paga-se bem a am criado : a tratar na rn? da
Aurora n. 18, das II as 3 tnras do dia.
gisa 0.4 roKrom
\os 5:000*
Bu
bU
do
es garantaos.
k ro PrJaeiro de Marco (ontr'ora roa
Mpo)D. 23 e casas o costme.
AcidUE-se 4 venda os bJIbetes garantidos da
i parte da. loteras, a benecio da igreja de
Xossa Senhora ,de Guadalupt de Oirada (227*),
douro.
PRECOS.
Bilhete mteiro 6>000
Meio bilhete 3*0OC
Quarto UoOO
la portan de iOOJUOO para cima.
Bilhete inteirc 54500
Meio bilhete 21750
Guari i 375
Mauo*l Marlins Fini.v
Desappareceram da casa d abuzo assigna-
do os eseravo?: Antonio, pardo" escuro, ideda de
20 annos, estatura pequea, secco do corpo, ea-
beca psquena, roato corto, bocea gninde, dente
largos, com principio de buco a barba, cabello
carapinhado, ps e maos psqaenas, levon calca a
camisa branca a blusa parda, chapeo de maca
novo, eopeiro e criado de carro; Joao Osario,
preto, idade de 65 annos, nacao, estatura regalar,
secco do corpo, cabaca pequeua, calvo, testa gran-
de, cabellos grisalhos, rosto oval, olhos pequeos,
macies salientes, nariz chato, bocea grande, bal-
eos grossos, barba a bigode brancos, mi* a ps
pequeos, cozinheiro da proflssio : quera os ap-
prehender receber orna genero-a gratitlcacao, le-
vando-os ao sitio de Luiz de lioraes Gomes rerrei-
ra, Ponte de Ucha n. 16, ou i roa do Mrquez
de Olinda n. 20.__________________________
COHEIRA
Preeisa-se de ama mnlher forra on captiva, que
seja boa eozinheira, nico mister am que ser
oceupada : tratar na ra do Amorim 37, ou
em Olinda, pateo de 9. Pedro, casa encarnada.
AVISA-SE
a qnem der noticia da eserava Guilhermina, que
foi do teen te coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, a depois comprada ao Bario de Nazaretb,
representa lr 25 annos, tem falta de denles na
frente a as maos cora elcatrizes de quelmadara de
gaz, see*a do corpo e muito regrisia, que desap
parecen da casa de sobrado n. 26, da rna dos
Coelhos, que ser generosamente recompensado.
Precisa se de um cozinheiro ou eozinheira,
assim como de ura criado de mesa : em casa de
Luiz de Moraes Gomes Ferreira Ponte de Ucha
n. 16.
ALUGA-SE
am liado sobrado travessa do ehafariz n. li, em
Fra de Portas : a tratar com o commendador
Tasso.
Suhfoca-se o arrendamento do predio a roa
lo Mrquez de Olinda n. 23, consistndo em nm
rasto pavimento terreo com os fondos para a
ruada Cacimba, com cbagaono centro sendo (am
bem muito espacoso o aodar, o qual tem sabida
.ndependente4 podendo ser pelo armazem, pro-
prio para um grande negocio por atacado, por
*er o lugar o melhor possivel : tratar com An-
tonio Jos Rodrigues de Sonza na tbesonrara das
loteras, rna do Crespo n. 6.
MOFINA
Olha elle I...
Roga-se ao Tllm. Sr. Ignacio V.atra da Mallo, es-
trvao rn, cidade da Nazaretb desta provincia^ o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a conclu
aquello negocio que V. S. se comprometan reali-
sar, pela t'erceira chamada deste jornal, em flni
de dezembro prximo passado, e depois para ja
neiro, passon a fovereiro e abril, e nada cumprio
9 por este motivo de novo chamado para dte
Bm ; pois V. S. se deve lembrar que esta negocie
de mais de oito annos, e qnando o senhor mi
dbo se achava no as nesta cidade
Molclador.
Precisa-se de ura moldador : as otnctnas
companhia Recite Drainage as Cinco Ponas.
da

Egoiumiicei a.
Precisa-se de urna ama para lavar e engom
toar : ra do Duque de Caxias n. 50, i* andar.
Taberna.
Faz-se negocio com a taberna sita ra da Cam-
b! do Carmo n. 2 : a tratar na mesma.
O
kj
COMPANHIA
Nao tendo comparecido numero legal de accio-
nistas nara ter lugar a reuniao d'asserabla geral
convocada para hoje, ati: de cumprir-se o dispos-
to no artigo 20 6. dos estatutos, sao de novo
ron/ida Jos os Srs. sccionistas para rennirtm-se
no c'ia 6 de margo prximo ao meio dia no pri-
meiro andar do predio n. 12 da ra da Companhia
Pernambucana, prevenind-se quona formado ar-
tigo 16 dos mesmos estatutos a reuniao se effec-
tuar com 03 Sr-. accienislas que comparecerem
e suas decisdes abrigaran a toda companbia.
Recife 28 de fevereiro de 1872.
O gerente,
Justino Jos de S. Campos
m
m
Anser/.ou-se da ra do Curralnr do Bispo n.
h a preta I .anua de 19 ann -s de idade, baixa gor-
da, pesjoco curto, falla baixa e compassada, e que
1 steve por algnra tempo em casa do Sr. Brito que
tom prensa de algodao no caes do Ramos,
Levou apenas 2 vestidos sendo nm de chita cla-
ra compo.-to de saia e asaco eofeitado de tranca
encarnada, e ontro do mesmo leitie, sem enfeites,
de chita e-cura ainda nao lavada, e rtales aovo de
chita ordinario. Cr-se que anda a jui na cidade
oa na estrada nova ou remedio ondja moroa o
Sr. Brito. A pessoa que a entregar na casa cima
era recompensada.
>.luga-se ama boa casa :.om bastantes commo-
-1 oa ra de S. Bento, muito fresca, quintal mu-
rado, peno do bauho e da eslacio : tratar na
ra do Commercio 11. i8.
O abaixo aignado rog ao correspondente
uesta cidade do Illra Sr. tenente-coronel Joaqnim
de S.Cavaleanti d'Albnquerque o favor de enten
i)3r-se com elle a respailo de negocio qne Inleressa
ao referido tenente -coronel ; porqoanto o abaixo
asignado nao :te mandar ao engenbo deste, e
iznora o nome da pessoa que lhe serve de corres-
pondente.
rtteffa, i de marco de 1872.
Dr*. Joaquim iAqawo Fonceca.
O Dr. R. Viaona recem-ebegado da
Europa, onde esteve quasi dous annos,
aperfeicoando-se nos conbecimentos de
sua prrlssao, a frequentou os principaes
bospitaes de Paris, Londres, Bruxellas c
Vienna d'Austria, dedicando n com es-
perialidade partos, molrstias das mu-
I Iheres. e operares das vias genito ouri-
32 nanas, tendo acompanhado os professo-
S res mais celebres da Franca e Alieraa-
I nha nestas especialidades, communica ao
i respeitavel publico desta cidade que abri
S o sen consultorio na cas?, de sna residen-
nj ca ra do Vigario n. 1, 2 ani;r, onde^
poder ser procurado a qualquer horado"!
5* da 011 da ooute. j
H Consultas todos os das do 1:2 dia s 2 ;
I horasgratis aos | bi
8 Opera os estreitameotos d'nreltra. por '
meio de electricidad?, por um processo 1
inteira nente novo, e sem dor; garaotin- i
B do a cara radical em poucos dias.
SRua do Vigario u, 1,
gando und;,r.
Pede-so ao Sr. Jerooyrao Uiha Cavalcante o
favor de vir a ra do Mrquez e Olinda n. 59,
onl'rora roa da Ca.deia, para tratar de negocios
qne lhe interessam.
Fai-aa negocio com o e*ubelaelmaoto da
loucaa a erysuas rrniwiao trato a OSto, ra
do Imperador o. 57, por o propneUrio ae ashar
bastante doente a precisar de tratar de sna saude,
a primeira eandfcao a desooeracao da pra?a ;
garante-se o arrendamento da caa palo tempb
qne falla, qaa sio quasi cinco annoa : a tratar no
mesmo armazem a qualquer hora.
Precisa-se de nm caixeiro ptqueno com pra
ti :a de taberna : a tratar aa rna das Nymphas n.
4, prefere-se nacional.
Alusa-sa o ir oa 3* andar do sobrado n. 51
da roa Duque da Caxias, ontr'ora Quehnado n. 2 :
tratar na loja do mtsmo.
Precisase alagar um moleque de 14 annos
a tratar na rna I* da Marco n. 23.
No engenbo Jacar da comarca de Nazareth
se preeisa de nm feitor de campo, nao ae repara
nacionalidade : qom estiver nestas condicfos di-
rija-sa ao mesmo engenbo on i casa dos Sra. Leal
& irmio, rna da Cadeia n. 56
Aluga-se o sobrado da ra l de Marc.o, an-
tiga do Crespo, n. 23, propria para residencia de
pessoas do commercio: a tratar na loja do mesmo.
SEGUROS
MARTIMOS
UOMTRJl FOCaO*
A companbia Indemnisadora, esblecidt
aesU praca, toma segaros maritimos tbr
navios e seas carregameotos e contra logo
m edificios, mercadoras e mobilias : na
raa do Vigario o. 4. pavimento terre.
Companhia Allianoa
D*
seguros martimos e terrestres
esiabelecida na Babia em 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:000*000.
Toma seguro de mercaderas e dinbeiro
a risco martimo em navio de vel'a e vapo-
res para dentro e fra do imperio, assim
como contra fogo sobre predios, gneros e
fazendas.
Agencia raa do Commercio n. 5, es-
critorio de Joaqoim Jos Goncalves Bel-
tr5o.
A M A;;
mir fra.
Na raa das Tricheiras n. 30,
andar, precisa-* de nma ama
para comprar a cozinhar e dor-
AMA
Preeisa-se de urna ama
qaa saina cozinbar com
perfeicio para casa de
pouca familia. Prefere-
se escrava. Na ra da
Aurora n- 5. andar.
Precisa-se de urna ama tur-
ra ou escrava, que saiba co
zinbar e engommar, pagando
se bem : trata-se na roa do Vigario n. 16, primer
ro andar.
*m
Precisa-se de urna ama
Florentina n. .
de leite : na ra da
Precisa se de urna ama para todo o servico
de ama casa de pequea familia : a tratar na roa
do Livramento n. 36, tereeiro andar.
Ama de leite
Preeisa-se de nma ama de leite que nao traga
filno e seja muito cuidadosa : qnem se aebar nec-
ias condiedes dirija-se rna do Jeriquity n. 7 jun-
to a padaria, em casa do Dr. Villas-boas ra do
Hospicio. __________
AMA
na ra nova n. 31 1.
ama para cosinbar.
andar precisase de urna
Precisa-se de nma ama para cozinhar
e engommar para duas p&soas :' tra-
tar na ra Diraita n. 3. i* andar.
AMA
AMA
Precisa-sede urna ama
de boa eonduta, que com-
pre e cozinbe bem, para
dnas pessoa-: na ra do-
Padre Floriano n. 7, so
bradu.
AMA
n. 21
Precisase de urna ama para
o servico de urna casa de
pouca familia na ra Agusta
W
91
Urna senbora fe educacio, saben-
do Mneez a piano, preeisa achar
nma familia para facer a edueacao de
algumas meninas:; nio exigente, pois
o que deaeja vivar tranquila no een-
Ira d nma familia honesta : deixem
carta npste eseriptorio com as ioioaes
A.B.
AfpBLICO
Acaba de evadir-se da Cadeia de Nazarelh o ce-
lebre Jezuino Becerra de Menezes BaUlba. A pos
immensos sacrificios que bel faito para a captara
deste acelerado, e depois de sinceros esforcos do
actual delegado de polica para a formaco da
culpa, quando se achava concluido o proeesso,
sonro a decepcao mais croe!, vendo escapar a oc-
casiao de ser punido esse reprobo, inimigo da so-
ciedade.
Nestas afflictivas circamstancias rogo e peco s
autoridades policiaes desta provincia, e das limi
trophes a apprebensio deste criminoso,responsabi-
lisando-me por qualquer despeca que pafa esse
flm oecorrer, e especialmente recommendo aos
meus procaradores, o Ezm. Sr. Bario de Bniqne
e eapiao Manoel Jos aues, de Daas Barras, to-
da a deligeneia na arrecadacio dns baos, que per-
tenceram ao dito Batalha, producto do roobo que
me fec em dezembro de 1870, de que o publico
ja tem conhecimento.
Engenbo Santos Mondes, 56 de fevereiro de
1871
Laurentino Gomes da Cuoha Pe reir Beltrio.
TRfMiro M Hm
O procedimento honroso do Sr. Dr. Mosjoso, re
geitando o beneli.'io da maneira por que fol dado
palo eavalbeiro de industria Chiarini a favor do
ajardinamento da prag do Conde d'Eu, ua em
nome de muitos pernambucanos lhe agradecemos,
porque ainda d'esla vez S. S. nio desmerecen do
alto conceito em qne sempre o livemos.
____________________Oa Pernambucanos.
COMPRAS.
Compra-se spollces da divida provincial
na ra Nova n. 53, luja.______________________
Coinpra-se o Jorual do Recito n. 30 de
7 de fevereiro d j anno passado : na ra da Im-
peratrizn. 40, loja._________________________
Compra se ora compendio de geographia por
Abren, mappa por Gnrjon, historia de Inglaterra
por Joao Lingards, grammatica por Mjiu : na
Soledade n. 80, ou aununcie.
Comprase uma carrosa propria para ca-
vallo, e com os ompelentes arreios ; a tratar na
ra estreita do Rosario n, 22, primeiro andar, das
il boras da maobia as 3 da larde.
Na Praca da Independencia n. 33 se compra
onro, prata e pedras preciosas, e tambera se vende
obrs de igual especie.
coznto
Precisa-se de nm cozinheiro na rna larga do
Rosario o. 29, prefere-se estrangeiro.
Ao comuiercio
Martina & Cnnba jalgam nada dever nesta pra-
ca ; perm se algeum se julgar seus eredores,
aprsenle suas comas no praso de tres dias para
ser conferidas e pagas, indos os quaes nio atten-
derio a reciama^io alguma.
Recife, 4 de marco de 1872.
ATTENCAO
Pieeisa-se alugar metade de nma easa de fa
milia para uma outra familia de 2 pessoas e uma
enanca, prefere se as roas da Penha, Assamp-
0o, Rangol, S.Jos oa pateo do Paraizo, quera
tiver nestas condigdes appareca na pateo do Pa-
raizo n. 7, qna se dir qnem precisa.__________
Aluga-se um eseravo para eopeiro oa criado
na ra do Pilar n. 20.
AVISO.
- Furtaram no dia 2 do torrente, da casa do
abaixo assignado, na rna de Henrique Dias n.
22 Cantiga Estancia), os seguintes objectos :
1 relogio inglez de ouro, nz >, sem esmalte,
aborto, meio chronometro, com mostrador tam-
bem de onro, do systema i dtr corda sem
chave.
1 do tambera aberto, suisso, estando esm a
corla quebrada, sendo arabos para senbora.
1 correntio de onro, bastante pesado, com pas-
sador de esmalte preto
1 traocelim de ouro de cor. com passador de
pedras acues.
i cordio de ouro, i izo.
i dito com cassoleta de ouro, oval, tendo dentro
o retrato de uma senbora.
1 dito com uma cruz de onro com perolas.
1 cassoleta de ouro, oval, com esmalte preto,
tendo dentro o retrato de nm menino.
1 par de roseta de coral para menina.
1 annel de ouro com esmalte preto e com uma
parola no meio.
1 dito com ura bnlhaote maior no meio e oito
pequeos em circunferencia *
1 dito com um diamante pequeo no meio.
Pede se aos Srs. relojoeiros e ourives, oa a
quem forem offerecidos taes objectos, de preveni
reui ao abaixo assignado, que gratifican com ge-
nerosidade a quera der noticia certa, no sen es-
eriptorio, oa raa d~< Commercio n 10, primeiro
andar.
Wm. Olio,
Cnsul do Imperio >ermanico.
26. loja.
Precisa-se alugar uma ama livre ou
e peqnena fami
a tratar na rna da Inperatriz n.
\ M \ e9crava Para c"a "e P?qnPna fam
a-M- M precisa-se de uma ama para servfs
xnivM^*- a uma pessoa na ra do Bom-Jesns
oulrora rna da Cruz n 2i 2 andar, que seja for-
ra du escrava.
Preiisa--e de uma escrava, bda
enzinheira e uma livre para en-
gommar e fazer o servido interno
de casa de familia, paga-se bem : na ra da Cruz
do Recife n. 42, armazem, ou no Corredor do Bis-
po n. 23.___________________________________
Precisa-se de uma ama :
na rna das Trinchetras n. 17,
primeiro andar.
AMAS
m
AMA
Precisa se nma ama de Inte
do Apollo n. 55 2* andar.
na ra
Faz-se negocia
com o estabelecimento de loueas e crystaes intita
iadoPrato de Ourosilo i ra do Imperador n.
57. O estabelecimento esta acreditado, e smente
porque o dono preeisa tratar de sna saude, que
se desfaz d'elle, garantindo pessoa que o com-
prar, o arrendamento da easa : qnem pretender
dir.ja-se ao mesmo, a qualquer bota dos dias
atis.
PeneirflS de rame
Na roa do Mrquez de OlinJa, loja de ferrageni
n 44, receben ltimamente um completo soriimen-
to das referidas penaras, propria mente para refi
nacoes e pada-ia?, sen preeo o mais eomxodo
possivel.
ORIENTE
O Sr. Antonio Pereira da Rocha chamado
a entender ae non Tasso Irmios era liqnidacio a
ra do Amorim n. "i", faz-se este por ignorarse
sna morada.
Sapotizeiros
L^raugeir^
Ab:icatizeiros
Piheiras
e outras muitas qualiiades de arvores fructferas
e apropriadas para adornaren) ras e jardins, nao
esquecendo aos apretadores q:e ha grande sorti-
mento de uranias (conbeeidas por palmeiras de
lequea) cedro do norte, e de ontras qoalidadea,
hureiras, caueloiras, as bellas palmeiras impe
rlaes, e as nao esqoecidas casuarinas (eonbeeidas
per pinbairo), nm grande sortimento de diversas
qualidades de roseiras, accacias, bigonias, equi -
raeras, petunias ; a-sim orno grande numero de
ceblas de flores, qne se tornara enfadonho men-
cionar : a tratar no sitio do Abrigo, am Olinda,
com estarlo na trav-ssa do Teixeira Lopes.
Na ra do Pilar n. 145, 2 andar, precisi-se de
uma ama de leite.
ATTEW
Precisa se de urca ama para casa de nma fa-
milia composla de tres pescas : nesta typogra
phia a iralar com o adrninlsiraaor, on em Olinda
no oito do Amparo, casa de porlip verde.
HOTEL
Rna do Boro da Victoria n. 53
(Anga roa Nova). -
Ete acreJitado estabelecimento quj por longo
lempo es'eve funeci nando na ra larga do Rosa-
rio, ach se de novo eslabelecido na ra cima,
com sua bem conhecida amiaistracao. 03 gene-
ros de alimentarn sao de I" qaalldade. Receban-
se encjinmendas o assignatnras razaveis, tanto
para o hotel como para o domicilio. Tem para
recreio biliar, plaru, etc., e jornaes Bacicnaes e
tstrangeiros. AJmittese hospedagen?._________
VENDAS.
Joaquim Jos (Jonpal-
ves Beltrao
uma casa na ra do
mes na ra o. 17.
VER9ESE
Aragio o. 6
a tratar na
Vende-se a taberna sita a rna du Rosario da
Boa-vista n. 2, propria para principiante por ter
poneos fun los e estar bem afreguezada. Vende-
se por sen dono ter de se retirar para Europa
tratar de sua sade, por isso s se faz a venda a
dinbeiro, on com garant* qne possa ter descont :
tratar na mesma.
Rna do Comuiercio n. 8, I*
Sacca por todos os paquetes sobre
banco do Minho, em Braga, e robre oe st-
guinies logares de Portugal.
Amarante.
Arcos deValdeVei.
Barcellos.
Beja. -
Chaves.
Coimbra.
CofUU.
Faro.
Guarda.
Goimarae?.
Lamego.
Usba.
Mirandella.
MoDg3o.
Ponte de Linca.
Porto.
Tavira.
Valpa'ssos.
Vianna do Castello.
Villa de Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova de PortimJo.
Villa Real.
Vino.
Vaienca.
Figoeira.
Peafie I.
Reg.

lttenc&o
Vende-se uma armaco de taberna cora todos os
pertences era mnito bda localidade, e o alnguel
da casa muito barato, propria para quem tiver
pouco capital, a tra'ar nos AflogaJos, ra do M -
tocolorab n. 24, taberna.
Queimando boralissimo
So o Triumpho da Boa Vista
lORa da ImperatriztO
Grande e variado sortimento da fazendas finas
como sejam, ricoos cortes e em peras de sedinhas,
oriente,adline, popelinas, alpacas' lavradas e de
listras, granadme com listras de seda, laozinhas,
cassas, carobraias lisas, organdy, madapolao fran-
cez, gro'sdenaples preio de toda a qualidade, man-
tilhas a brasileira, bonrnus, ricas saias bardadas,
ricos enchovaes para baptisados assim como sim-
ples roop5es, roupSes bordados para senhora,
grande variedade em vestidos brancos bordados,
chapeos de velludo para senboras, bramante de
linho, dito de algodi, selesia de nho, esguiao,
f ust5es de cor, proprio para vestido e roupas de
enanca, espartilbos, meias e lencos, os precos
destas fazendas sio admiraveis alera das seguintes
pechinchas: grcsdenaples preto a l600ocova-
do, chapeos de velado para senboras a 104 e 12a,
madapolao francez a 84, mantilhas a Brasileira
proprias para a qoaresma a 64, vestidos brancos
bordados e de cores a 3, alpacas de listras coro
lastro a oOO rs. o covado. lanzinbas a 320 e 400
rs. o covado, fusilo japonez muito lrgo para ves-
tido a 640 rs. o covado, toalbas para m -za a i,
colxas com barra a 65, bolsas para viagem a
41 e 4500, organdy branco para vestido a 640 rs.
a vara, ricos orles de vestido branjos com 18
metros, de babadinhos a 7J, ditos com 44 metros
a 15, wariapolio fino a 6 a peca, algndfio marca
T superior a 6, havendo grande e variado sorii-
mento em chitas, cassas, raadapoloes, r upas fetas,
bros, cazemras e maitos rticos que nao nn-ncio
namos, tudo por menos 20 por cento que em "Jtra
qualquer parte
FARlA & LESSA.
Para a quaresma
Explendido sorlioiento
DE
GROSDENAPLES NA L ;JA DO PAVAO DE
1^600 at 100000
O Pav3o vende um grande soriimento de
grosdenaples e gorgurO?? pretcs para vesti-
dos, qoe vende a 1^600 o covado, dito a
2,5000, dito a 2)5500, dilo com 4 palmos de
largara a 30000, dito a 30500, U e 50300
dito com mais de um metro de largura que.
c-rn 9 covados se faz um vestido, a 80, 90
e 100000 todos estes grosdenaples se po-
dem vender mais b3rato do que em ootra
qualquer parle, attendendo grande quan-
tidade que se receben" desta fazenda, ra
da (nperatris n. 60, loja de Pc-reira da Sil-
va & C.
HARMONA .,u
Ra -11 Livr.-niento n. 20
^Hs\
Precisa se de uma ama pa-
ra cozinhar : na rtf Dnqt^e
te Caxia* n. 50. andar.
AMA
Precisa se de uma ama : na raa
das Tnncbeirasn. 47, Io andar. *.
aa mar m .Va ra do Pires, sobrado o. 28,
^L-iTM/m. precisa-e ds duas amas, sendo
uma boa engomraadeira e outra que cezinhe bem,
farra ou escrava.
*
Evadi- -e em agosto prximo passado do
sugenho Sicupema da freguezia do Cabo o mua-
lo Trajano dos sigues segnintes : altura regular,
rdt macilenta, cabellos crespos, ps grossos por
i-ansa d> erysipella, dentnco, levou nm cavallo
melado, js'ga-se andar acoitado nos arrabsldes do
liecife. farabtm fugio ao dia 28 de jadoiro do
-rrente. anno am outro eseravo de nome Ma-
noel, apellidado por pinheiro, cor prela, estatura
regular, testa grande e saliente, desdentado na
frente, mtoral de Caruar, foi do Sr. Antonio
l/ug*i'o Torres Gilindo, roga-se as autoridades
polieiaes e apites de Campo a aprehenco do
Jilo? eseravo*, que se recompensar generosa-
mente e lleelfj, ra de Mareilio Olas ontr'ora
Direita !abema do Sr. Antonio Ferreira de Oli-
'eira, on ro ifisg engenbo Secapema, enmarca do
CUm.
Precisa-ae de ama pessoa pT* rafhioa :
i'-in; d rga do Panf e1 r>. <
ca
w
Creada portugueza
Preci9a-se de nma creada portugueza de
bons costantes, para o servico ioierno de
orna casa de pouca familia. Diiigir-se
ra Bella n. 37, sob -ado de 2 andares.
O escrivio da fazenda provincial Tor
res Bandeira mndoo sen cartorio da roa do
Imperador n. 12, para a de Marcilio Dias,
ooir'ora Direita o. 8 2o aodar.
$ O Dr. Joaqoim de AqoinoFon-
H( ceca mudon sea residencia para a
rna do Hospicio o. 54, onde con-
tinua a dar consultas meJicas todos
os dias das 7 s 9 boras da manb5a, '
K e, soment em estos urgentes, das J
9k 3 s 5 hojas da tarde. *
l
Na ra Urga do Rosario n. 32 pre-
cisa-se de uma ama para engomma-
do e servico de casa, paga-se bem.____________
Eo casi da profesora publica de Olinda. ao
Varadonro, precisa-se de nma ama._________
Precisa-se de ama ama intelli-
gente e de bons costantes, para
o servico de nma easa de ponca familia.
Dirig'r-se roa Bella n. 37, sobrado de
2 andares.___________________ '
Na raa Nova n. 6 precisa-se de uma ama
queeoatohe eom perfjicao para tres pf ssoa,
Amia
AMA
IMPERIAL SOCItDADE
DOS
Artistas Xechanleoj e Llberaes
de Peroambiico.
Por ordem do respeitavel irren director desta
sociadade convido a todo; os socios comparece-
rem no da 6 do crreme, pelas 7 horas da noute,
na sede da mesma assistirem a ?essao magna de
iniciacoe?.
Secretaria da imperial sociedade dos Artistas
Mschanicos e Liberaes de Pernambuco 4 df mar-
ci de 1872.
O 1* secretario,
Flix de Valois Correia.
Imperial Sociedade dos Artistas Mecbanicos
e Liberaes.
Continuara abenas as matriculas das aulas
desta sociedade para os socios, seas Mihos e ag-
gregados, assim como para todos os artistas que
se quizerem instruir.
Parias & Gomes scientifleam ao publico que
acaliam de realisar a raudanca de seu estabellri-
meoto alto a ra Duque de Caxias n. 73, para a
ra do Livramento u. 20, onde se poder encon-
trar um variado sortimento le lizendas, pelos pre-
cos mais rasoave 3 possiveis, como ssjam :
Cambraiu de cores a 240 ris o covado.
Ditas muito finas a 280 e 320 rs. o covado.
Laa e alpaca a 400 e .'00 rs. o cavado.
Chitas escuras a 240 rs. o cavado.
Ditas muito fina e lindas padros- a 280 e 320.
Madapolao Uno a 5* e 51800 t?. a peja.
Dito muito fino a 6f.
Grosdenaples preto do todas as qualij.des
Brim de cores e pardo.
Camisas franceas e ing'ezas.
^aseroiras de cores e preias.
Hatnburgos, cambraias brancas transparentes e
Victoria de tolas as qualidades ; tudo por precos
os mais razoaveis possiveis e por menos que erp
outra qualquer parte.
Precisase de 500* a juros por seis mezes
sob garanta de nma escrava : a pessoa a quem
convier dirija-'e ao largo das Cinco Ponas nu-
mero 130
i ar i rt Precisase de duas amas para
i M AV cozinhar : na ra do Apolla n. 12,
armazem de assuear.
Preeisa-se de uma
Pedro n. 4.
ama : na travessa de S.
Precisa-se de nona ama branca qne
seja de boa conduela e zelosa para
andar nm meninos, paga-ie bem :
na rna do ario de. S. Borja n. 34. '
AMA
ortareca se ama mulher para todo o servico
de nma easa de pouca familia, manos comprar e
engommar : quem de seos prestimos qnizer utill-
sar-se dirija-se ao sabir do beeco do Poefnbo nu-
mero 17.
Na rna Direita n.
ama forra ou captiva.
139 precisa-se de nma
Ama de leite.
Precisa-se de ama ama qoe lenha bom leite-
a tratar na rna da Qatefa n. 66, loja
MOLEQUE
Precsa-se alugar um moleque oa ra do Im-
perador n. 28, armazem do Campos.
BARATO
PARA.ACABAR
Um grande sortimento de basquinas e casaqui-
nhos e croebet preto, casaqunhos de grosdeoa-
plo preto bem enfeitados, proprios para a quares-
ma, lencos d boa seda e de bonitos deseubos para
algibe ra a precoi de 15, 1*200 e 1*500 e di ver-
sqs on'.ris artigos de pbantasia, qne ae a;ham i
venda no sallo de cabelleireiro de rjademoiselle
Mara Lavergue, roa Primeirc de Marjo n, 14
oairora Crespo, prtMr> aaar
grande pechincha em panno pbeto
a;3^ooo
Na loja do Pavlo vende-se superior panno
preto pelo barato pre?o de 3)5000 o covado
8endo fazenda qne sempre se venden por 40
e 4S00, e liquida-se, por este prco por
ter-se feito uma grande compra, assim como
ni mesno estabelecimento se ven le grande
sortimento de panno preto, casemiras mais
barato d" qde em ootra qualquer parte na
roa da i< peratriz n. 60, loja de Pereira da
Silva d- C______________________________
ENGENHO
Vende-se por preco muito commodu o engenbo
Lage Formosa, le primeira safra, sito a margem
do rio Pirangy Grande, no dotricto da Colonia de
Piraenteiras distante da estacao de Una quatro
leguas, por onde tem de passar a estrada do go-
verno, moenle e coi rente, com safra nova, ani
maes de roda, boi mancos, carros, etc., tendo
excelentes trras de plantagoes, maltas virgens,
bom cercado; con a vantagem de moer i'ora *gua
do Ro com muita facilidade para cujo flm tiroa-
se o nivel para a editlcacao da obra : qnem o pre
tender dirija-se a roa Direita o. 57, oa ao referi-
do engento qne achara com quera tratar.
Vndese a reflncao da esquina do beeco de
Joie Francisco ra do Visconde de Pelotas, an-
ga do Aragio, nm todos os sea? perlences, pro-
pria para principiante : tratar oa mesma.
Roga-se as autoridades policiaes qne fa-
cam capturar a escrava Maria, dos slgnaea se-
guintes : cabra (ala, alta, corpo regular, ps am
popeo grossos, ausentada da casa do abaixo assig
nado desde a madrugada de domingo 3 do cr-
reme.
Recife; 4 de mar-'c de 1872.
Jos Ferreira Coate.
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA.
DE
HIRIltV A tJOmAM.
He o mais delicado c mimoso ao mes-
mo tempo o mais estarc de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deras flores, quando ainda na sua floresj
cenca e fragancia natural. Como um roeie
seguro e rpido allivio contra as dores de
caber,a, nervosidade, onbilidade, desmak*,
flatos, assim como dertra todas as formas
ordinarias enteca s decid hystericos; de
summa efQcacia e nio tem outro queos
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o Dais
agradavel e excellente, dando aos dente?,
aquella alvura e aperolada apiiarencia tle
altamente apreciada e desejada pelas Se
nhoras.
orno um remedio contra o mau baiito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que $e
criam roda dos denles e das gengiva?,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda :r
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do sott fragrant aroma, ella
por corto nio tem igual e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um mciomui excellente, para faier
remover de sobre a pc-lle a rosto, toda a
qualidadede brotoejas, ebulioVs, sardas.
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer .m
destes disfiguramenlos, e que tanto de*fei-
am as lindas feices do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluirio. desteno-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm c ratamento de qualquer espinha, usar-se-i a
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admira ve I meio de com-
municar as feices trigueiras e paluda?,
uma pe le macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe uma linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teera inventado at bo-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem enlendido tudo isto se refere unida-
mente a Agua he Florida de Mciiiuv &
Laxman.
As imitaces que se tem feito na Fra: ?.
Allemanha, assim como em outras parte? ;
sao interamente inuteis e invaliosas ; por-
lanto reeommenda-se mui esj>ecialmerj'.e
s senboras. a^e 'enbam tota a pnct&ftt
e cuidado, de quando comprarem. este '
certas que compram.
A GENTINA
AGUA DK FLORIDA
DE
_________MIJRRAY A LANMAK.
FUMO CAPORAL
Fr.asco por cada i>;qu-i-.
CHARUTOS J)E HAVANA
brande ahat'm- nto para liquidar.
Livraria Francesa
LIQUIOACAO
Ra do Crespo n. 20.
DE
Gailhermt C da Cunha &
C.
Xansu.- a 200 240 ris o corada, liaUcra?
mindinha a 320 rs. o covado.
Alpacas pretas com lalas brancas proprias [ a
luto, a 440 o covado.
Ditas lizas de cies a 440 ris o covado, c.u -
braias lizas de cores a 280 ri o cohdo, lalas
aleoxoadas para rosio a 500 ris, ditas felpada
800 rs.
Bramante proprio para lenco), coot 10 pal.j
de lariiura, a 11600 a vara
Dito de dito mnito lino com 11 e raer palm "
de largura a 2X600.
Cambraia transparente Una a 34 a i*c*, da
Victoria, a 44, dita de dita de ferro a 14400.
muaselina branca a 400 rea o covado, caatwre
preta muito hna a 24 e 24500 o covado, leaoa
de eambraia de linho abaiabados a 44 a dona,
ditos de dito pequeos proprio* para roeais a
2 800 a dniia.
Cortes de eambraia bordados cam 10 covados a
. E' pechincht : f na roa do Crespo r. 20, l*j
de GnilUrow C da Cunha A C________ .
VEICDADCIKA
BICHAS HAMBURGUEZIS
NICO DEPOSITO EM PERNAMBUCO
53 Hna da Camela *s.
Primeiro andar.
Libras
Venda se na roa do Amorim a. 43,
Fernandas da Costa & C.
Libras sterlin.
Vende-se no amejea e fecesatas As'
f d* rrefra & C., i rna *o Cmnm* W


H
- '


i .nm da l>raambuc T 1872
I
I
: i
/
RUI DO BRUM N. 52
(Paseando o chafariz)
Annuncia aos senhores, de engenhos que por falta d'agua
ou mortes de animaes nao possam tirar suas safras, que est
prornpto a assentar vapores dentro em 8 dias do pedido applican-
do elles as moendas ja existentes.
Tem em deposito variado sortimento de preparos
MOTORES PARA DESGAROCAR aLGDaO
A vapor, agua ou animaes
inclusve alguna que noprecisam de obra alguma decarapina
pelo que podem funccionar logo que cheguem ao lugar.
FORMAS PARA ASSUCAR
Aquelles propiietarios quequizerem formas podem desde
j fazer suas enoommendas, pois a csatem em >iagem e car-
regando numero suficiente para suprir a todos quautos queiram.
MACHIMOS DIVERSOS
nesta fabrica ha deposito de todos os .nachinismos empregados
na provincia, e acceita-se encommendas para fazer vir qual-
quer machinismo a vontade do cliente.
OJAYME
reioBhecendo a necessidade de que se resenta esta bella cidade de om estabelecimento
:-nde o respeitavel publico, e com especialidade o bello sexo cncontrasse, sem perca
de tempo, os adornos precisos para om elegante peoteado, resolved montar orna loja as
'ondicoes exigidas, roa Daqae de Caxias n. 67 (ootr'ora Gruzes).
A maneira por que o JAYME entendeu preparar om esiabtilecimento de tal genero,
a prova segara de que nao s o rico mas tambeui o pobre, pode, sem detrimento,
gozar das alternativas da moda.
As segaintes tabellas qoe oferece aapr^ciago de t o los, seguramente attestaro o
quanto acaba de expender.
Tabella de presos por compra
Coques da ultima moda 10->, iU, \U,
204, 251 e 30)9000.................\
Cachepaines de cabellos naturalmente cres-
pos 10,), \U, iU, m e 25)9000....
Crescentes 84, iQ4, 124, 154 e 204000. fAlm de muito resumidos os preces de taes
Trancas ondul 104, 154, 20 e 255000. lonjelos, ter o comprador 10 / de des
Encbimentos para bandos 34, 44, 54 econto em cifra maior de 204000.
64000............................
Cadeias para relogios 34, 54 e 6#000...
Braceletes 54, 64, 84 e 104000........,
Trancas para annis 500 rs............'
Tabella de prepos por alugueis
Um coque...,,-.*.--............. 24000
Um cacbepaitie. ...... ..........24000
Um crescente.................. 14000
Urna tranca ondul.............. 14000
Um topet diadema fris.......... 14000
Um par de encbimentos.......... 140C0
Venteados de coques 14500.
Perneados de cachepaines 14000.
Penteados de senhoras 340CO (na cidade).
Variadissimo sortimento de perfumaras finas e objectos de gosto, recebidos direc-
i mente por todos os paquetes da Europa.
i
;
Ba do Barao da Victoria n. 52
( AXTIGA RA NOVA)
Este acreditado estabelecimento acba- e fonecionand^ na ra cima, com ssa bem
jonhecida dminUtracao.
Parte.'ipa-se p.ir es'e meio aos seus distioctos consumidores os praca e sos Srs.
passageiros que desejam independencia na sua moradia,
Recebem-se assigoatura9 mensaes, tanto para o estabelerimente, como para do-
micio.
Aui
Ra Duque de Caxias &
Botinas inglezas para meninas.
A loja d'Agaia Branca ra Daqae de Caxiae
d. 30 recebeu por amostra ama pequea quanli-
dade de bolinas de marroq''m com borracha ao
lado obra mui boa para meninas, e para que te-
nbam urompta sabida a Aguia Branca est ven-
dendo-as baratamente.
Smaocome
inico especial centra aeatrlee
Com om bello ortimento de perfumarla que a
Aguia Branca acaba de receber velo tambera o
apreciadoSmaoconecajo proveitoso effeito
j bem conbecMo por quantos o tem asado e seri
anda mais por aquelles que necessltam de sua
utilidade. O continuado oso do Seca coma da o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
faze los renascer e conservar o sea brilbo natural
alm de que sea odor mais agradavel que d'ou-
iro qualquer tnico continua a ser vendido na! oja
:da Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Excellente para acabar com as sardas, pannos el
espiabas ne rosto. *
Vndese a 2/ o fraseo, na loja da Aguia Branca
ra Dnque de Casias n. 30.
Bonitas caixas com perfumaras
proprias para presentes
Vendem-se na loja d'Agaia Branca i roa Duque
de Caxias n. 50.
Agua Florida.
Acaba de ebegar Bovamente a afamada agua
florida de Gnslain para Ungir de preto os ca-
bellos braocos. Como sabem os qne tem nsade
deasa apreciada agua, o sea effeito nao insta ata -
oeo porra sea resaltado segiro e efflcaz. Che-
gon tambem a agua de Topasio para o mesmo flm,
e continnam a ser vendidas a 7 c frasco na loja
d'Aguia Branca roa do Daqae de Caxias n. 30.
Molduras douradas para qua-
dros,
Na loja d'Agaia Branca a roa Daqae de Caxias
n. 30 vndese moldaras donradas com differentes
Molde? e largaras, e por prego commodo.
Pennas de ac bico de lantj.
Caixas com 100 penas a 400 rs. na loja d'Agaia
Branca.
Bonitas capelias com veos para
noivas.
Vendem-se na loja d'Agaia Branca a ra Daqae
de Caxias n. 30. Tambem se vendem separada-
mente bonitos veos cu mantas bordadas para noi-
vas, e veos de cores para cbapos.
Escumilha preta fina e larga.
Vende-se na loja d'Aguia Branca ra Daqae
de Caxias n 30.
Botes
Ci-bertos de e-guiao proprios para carnizas, e por
sua duracao preferiveis aos de madreperola.
Vende se na loja d'Agaia Branca.
Caixinhas com 3 sabonetes finos
- a it. 12200 e I300 a caixa.
Vende se na loja d'Agaia Branca.
Meias brancas e de la para
homens e senboras e de cores para creancas.
Vende-se na loja d'Agaia Branca.
Talagarsa
Seda i roma e torcal para bor-
dados.
Vndese na loja d'Agaia Branca.
Pides de nova invengo!
Aquelles engranados pioes que dancam nm
quarto de hora mais ou menos, mostrando diffe-
rentes cores e representando diversos caracteres
e que trazem urna agradavel distracio, receben
a Nova Esperanza ra do Daqae de Caxias nu-
mero 63.
Recreio estomachieo!
nharos fregaezes e amiges ,
onvi bem o qu vos digo,
alta attencio, pois, vos peco,
"ooKjue a annuciar ja cornejo:
Magnas seceas muito novas,
Krvilhas, conserval, ovas,
Novo perfume.
Agradavel Agua de Kananga, perfume japonez,
superior vf.au florida e oulros perfumes qae ser-
ven para o lonjo e para refrescar a pelle diado-.
ihe aquella mtcleza segaem, a Nova E^peranca tem a verdadetra.
Aproveitem.
A Nova Esperan? roa do Duqae i Caxias
o. 63 acaba de receber urna pequea quantidade
de candi?iros para $ai, os quees tem serventa
Oappla, ito sao candieiros e serio bjnitos jar-
ros se Ibe ret ras*em os competentes depsitos s
se vendo poderse ba avaliar.
Fronhas bordadas
A Nova Esperanza a ra do Duque de Caxias
. 63, acaba de receber lindissimas fronbas hor-
nadas de puro lintu, as quaes ja eatio promptas
d vende-as por preso rascavel, tambem tem fro-
ehas de labvnntbo.
C iBEL! JJKEI1
N. 82 RA D IMPERATRIZ N, 82
Esforceudo-se para sali&fazer ao illusirado publico do qoe relativo fo; aos trabalhos
je sua profissao, ojm a maior promptid5j, cotamodo, e esmero, resobrara fazer refor-
ma eat sea estabelecimento e muuir-te do qoe nos mercados estraureiros.ba de melh>r
e do ultimo gosto mandando vir em direitora e por sua coma n5o s grande quantidade
de cabellos de todas as cores e tamanbo como tolos os prep.rados reconhecidos pelas
sociedades bygienicas como os mais uteis a cooservacao em embellezament) dos cabellos
natoraes sem prejuizo da sade, acbando-se assim habilitado a fornecer aos consumidores,
por 20 70 menos do que outro qoalquer os objectos d3 pbantasia ;:ra adorno, asseio e
hygieae da cabeca indispeoeaveis ao mundo elegante e em geral a iodos que cuidam de
conservar a propria existeici^, d< ix*Bd'i da asar de leos, banbas e cosmticos proscrip-
tos pelos bomens de .scieocia como capases de amjilecer os bolbos caplares produzir
a calvice oa apres>ar o eobrajiqatcimenie dos cabellos, e oxasionar o apparecimento da
cephalalgia, eclampsia, epilepg.a e bystenia e outras molestias calaceas e nervosa.
O pessoal do sea estabele-.-menio se acba montado com capricho a escolber dos me-
ores artistas natoraes o estraneiros bavidos na provincia entre os quaes se distingue
Mr. Afred Belpecbe e o Sr. Xapoieu especialmente destinados aos peuieados das se-
oberu pira o que na demonstrado pericia isimitavel pe untrem entre ns bivido. A
acHidade e o gito com que o Sr. NapuleSo esecuta o peuleados mais difjeeis tanto
storicos como de saapbaotasia autorisa a que se o considere como um genio nesta es-
pecialidade.
0% empregaios do sen estabeUeimento sem excepto exclusivamente cada um na
especialidade que mais amostrado.
A casa recebe por todos os vai)0fes os flgorinos da ultima moda de peoteadys a-
inittidos nos paes civilisados entre os quaes prima o sutopteoso Paris.
O bello sexo encontrara" ni estabelecimento grande e variado sor ti meo'.o de coques
le tranca*, thigmm, mrmanit, coques de cachos, cacke peas, toupets, boucles, cres-
cettes o qw ba de mais moderno o elegante neste genero, perfumaras dos melrrjres
fabricantes emo Luhia, Jobo Gornell, Rinimell, Artiokson, Le groad Piver, Coudray etc.,
etc.r lindissrtta flores espectaes da cabeca pos deouro, de diamante para pulverisar os
cabellos, fiaiisiows escovas de deotes, pentes de tartaruga, e raoitos oatros objectos in-
dispeosaveis nm toilette de gosto.
Os seus collegaSvOncontrarSo a contentos utencios de sus prossoe-s, tbefonras-
ferros para fn'zar, ferros para papellostes'cardos etc., etc., ojotr em po cao qoera reta-
lio serio vendidos.
O OLEO DE F1GADO DE BACALHAG
Nutrimento
EDICINA!
NOVO AEMAZEM DE FAZEUDAS
fi
COM
OFFICINA DE ALFAIATE
Dirigida pelo bem conhecdo e disnclo mestre
LtllW JOS DE BARROS
Ba do Mrquez de Olimda n. 40
Frederico Pinto & C. acabara de abrir este novo estabelecimento e pedem a
freqoencia do respeitavel publico qoe encontrar completo e sempre renovado sortimn-
to de pannos, casemiras pretas e de cores as mais mordenas da Europa, velludos, gor-
gorees, merinos, alpacas, brras de todas as cores e qualidades. No mesmo ha completo
e vanado, sortimento de hiendas francezas, inglezas, allemSes, saissas e b^mbargoezss, e
itw m vende por precos modfawt, afltn de acreditar este qyq armazeo.
TPreparadospor
Lanman AKemp
para tsica e toda
qualidanta dedo-
enfas, qoer seja
na garganta, pei-
to ou bofes.
Express a'
mente escolbido
dos memores li-
gados dos quaes
se extrae o
oleo, no banco
da Terra Neva,
purificado cfai-
micaimente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, en todo o
Irasco, se garan-
te perfeitamen
te puro.
Este oleo tem
sido submetdo
a um exame
murtosevero, pelos cbimicos de mais tale-c
ot, do governo hespanhol em Cuba.foi de-
vulgado por elle e contem
MAIOR PORCAO D'IODINA
io que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho.
e naquelle no qual contm a maior porco
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para corar todas as doen^as de
8ARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
risica, bronebites, asma, eatarrho, tosse,
resfiiamentos,etc.
Uns pdeos frascos d .carnes ao muito
magro que seja, clarea a uista.e d vigor a
todo o corpo. Nenuum outro artigo co-
abecido na medicina oo sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodand
quasi nada o estomago"
As pessoas cuja organisacSo tem side
destruida pelas affeccQes das
ESCRFULAS 00 RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigestao se acha com-
p/etamente des'jrranjad?.devera tomar
-sapioca, arroz, sal fino,
ostras ,quelj o load rio,
ooaJaroe, cafe, fejao,
O josloo macar rao I
ap, bages, peixe em latas,
Homate em massa, batatas,
-ngleza genebra fina,
aearmelada gennina I
cqm calda fruetas, aceite,
itabos, amendoas e leite;
Houcinbo fino, a le tria, .
onde o sabor se aprecia I
zozes, massa de sag,
otiom do-e de caj ;
.?elaes, finas lentilbas,
s^raa, beitsraes pastilbas. .
^ate, doce de araga,
>ljofar mu fino cba,
cem rival rosta cidade,
bq em sabor raridade f
asanteiga fina, cacao,
ooces, gelas, baealbo,
o* presuntos procurados,
n'maroes to desojado?,
?renques e fino viobo,
gaito novo a bom cominho.
t>aios, albos, qaeijo prato.
o bom fejao carrapato,
Y^lmon, ameixas, sardinbas,
aovas ceblas, bolactinhas,
>zeitonas, mdlho mglez,
arirade desia vex l
Gfano, pois, do qae temos,
>. todos chamar podemos t
-je Minas qaeijo, champagne,
o vinagre, a fina banba :
j_nda mais : temos licores,
asuito finos e de sabores;
vassas, eerveja, sabio,
pjrvadoce e salpieio,
seefinado assucar, s,
>raruta fina em p I
dos charutos regala
o san cheiro ambrosia t
arazaes estas, s porque,
ao devo massan'e ser,
ma vex qoe o mea fim,
ggesmo oeste tempo rmm,
s vender muito barato,
x'idente, e a todos grato I
ora, pois, c os espero
i-irem ver com qoe esmero.
-nventel ci um Bazar
zo intuito de agradar
nodos quanto ca entrarem,
H qae dos gneros compraren),
o Qae espera acntela :
-nda mais qae appeteca
"*udo do dito Bazar,
que proprio qoaresmar.
&w%



Em tempos modernos nenhum. descubr-
ment operou maior revolucao no modo di
curar anteriormente em voga do que o
PEITORVL DE AWCAHLITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSB, CROPO,
ASTHUA, THISICA,
ROUQUIDO, RKSFMAMENTOS.
BRONCHnES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
F.Xl'ECri'RACO DE SAiNGUB.
Como em toda a grande serie de enfermi-
dades da garganta, do peito e dos orgao
DnESpniAgAo, que tanto atormentam e fa-
)e zemsoffrera humani. A maneiranda
tiga de curar consista geralmente na appli-
cacSo de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap
plicar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; oujos differentes mo-
dos de curar, n5o-faziara sen5o enfraque-
cer e diminuir as forcas do pobre doente.
oontribuindo por esta forma d'uma maneir?
mais fcil e certa para a enfermidade ade*
truico inevitavel de sua victima I Quem dil-
^erente poisto o effei admiravel do
PEITORAL DE ANACAHUITA I
fjf E EZ E IRRITAR, MORTIFICAR E CAOZA
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFCA E SUAVIZA A DOR.
AI.UVIA AIRRITACO
DESEMVOLVE ENTE 'NDIME.NTO,
FORTIF ICA OCORPO
e faz com que o sy6tema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa (o
Lentes dos (Jollegiosde Medicina de Berlim)
testificam serem exactase verdadeiras estas
leaedesanalgicas, oual m dissoja experi-
encia de milhares de pessoas da Amerit.i
Hespanhola, as quaes foram curadas com
este maravilhoso remedio, sao mais que
suficientes para sustentaren a opinio do
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este remedio se ach
inteiramente izentode venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, em quanto que porni.
algnns d'estes ltimos, e particularmentt
aquelles qoe sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base d?
maior parte dos Xaropes, com os quaes tic
fcilmente se engarra a credulidade do pu-
blico. A CompesicSo de Anacahuita Peito-
a acba-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da- medida de cerca de meio?
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma s d'uma colber pequea: basta ge-
ralmente a applicacao d'um ou dous frascoi
effectuacSopara a de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimenlos &t
P. Murar 4 C, J. C Bravo C, A
Caors. B. M. Barboza, Bartholomeo 4 C
A

i
;a
4S-RUA DUQUE DE CAXIAAS-45
A MAGNOLIA, tem recebido por todos os vapo-
res, variedades de objectos de moda e pbaniasia,
e pelo grande sortimento que tem chama a alien
ci do publico e especialmente a di h-lio texo,
afim de visitarem-na e d'ella sabirem provides d'a-
qaillo qae denejarem.
A MAGNOLIA nao vende caro, qujlquer !n*ro
Ibe satisfaz, todo o sea Um servir bem, para
augmentar a fregoezia e vender roaito.
A MAGNOLIA, do grande sortimento qae tem
podi.'i fazer nm pomposo annnncio, e dizer muito
mas nSo ; limita-se somante a anooociar os ob-
jectos segaintes :
Bonitas cambiabas e puohos bordados para se-
ahora.
Chapeos de velludo e palba de Italia molernos e
de gosto para senhora.
Lacos de seda para cabeca e peito (aovidade.)
Lindas fivelas de madreperola.
Cintos modernos para senbora.
Leqaes de madreperola, marfim, osso, sndalo e
madeira.
Meios adere^is pretos, cazoletas, voltas e crozes,
gostos modernos.
Bicos enxovaes para baptisado.
Chapeos de sol para senbora, ricamente enfei-
tados.
Bonitas capelias com veo e sem elle, proprias
para noivas.
Escolbido sortimento de botes de larangeiras
para enfeites de vestido de casamento
Ljnha de todos os nmeros para croch.
Bico sortimento de flores de cores e pretas para
chapeo e cabello.
Ri:os port-joias, port cartes de visitas, port-mo-
ney, propries para fazer presentes.
Lindos
fim.
livrinbos para missa, com capa de mar-
Cbapos de sol inglezes, cabos de marfim, e ben
galas de cana com cabo de marfim.
Tapetes avelludados de diversos tamanhos.
Ditos de coco para portas de sala ae diversos ta
manhos,
Bicos sapatos de lia, bordados em talagarci.
L:ndas almofadas para sof.
As floristas,
A MAGNOLIA receben pelo ultimo vapor o qoe
os Srs. bristas precisarera para fabricar fi re?,
como sejam:
Pestilhas de varias cores.
Bagos de vidros de diversos modellos e ta-
manhos.
Olhos para mal-me-qaeres e era ves.
Callees para rosas.
Bagas dooradas para llores.
Folbas verdes e pretas enceradas soitida- eiu
tamanhos efeitios etc. etc.
Pomada alpaca.
D este excellente privativo da queda dos cabel-
los, e multo apreciada por aquelles que a conhe-
cem, receben a Magnolia pequea quantidade; a
ella antes que se acabe.
Pees a Rocambole.
Realmente sao muito engranados esses pedes I
engenbosa e dhtrahe muito esta nova invenfo.
S oa Magnolia, raa Da rae de Caxias n. 4o.
CANDIEIROS ECONOMI X)S.
Os candieiros ecooomicos, sao na Tardada de
invencao agradavel, priva a quem desejar embel-
lezar ama sala de fazer duas despezas, po s nip
tirando-se-lhe o deposito onde se conserva o gaz.
torna-se um lindo jarro para flores.
Todos e?ses artigoj s se encontram ta Mafoo-
lia, os seas correspondeutes primam em grato ; e
para que esses objectos tenham muita extraeco,
elles recommendam aos ees proprietarios qae ?e-
jam mdicos nos precos e agradem tcuito aos fre
gaezes.
A MAGNOLIA
45Ra Duque de Cartas4
DE
S I.eltSo Fonseca OGRANDE PliRIFICADOR DO SANGL'E
Esta excellente e admiravel medicina, e
preparada d'uma maneira a mais scientifi-
:a por Chimiros e Droguistas mui doutos e
d'uma instrucc3o profunda, tendotido mui-
tos annos de experiencia an par d urna lon-
ja e laboriosa pratica.
A sua composioSo n5o consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sirn.
emposta d'extractos d'um numero de rai-
les, berras, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude espreial en poder
?m curar as molestias as quaes teem sede
ou essento, no sangue ou nos bumores;
e estes differentes extrartos vefrcUM's. achara-
se por urna tal forma combinados a ponto
le conservaren! cm toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um 'ie
per si possue. A raz da pnula de Salsa-
parrillia, produzida as Honduras, a que ,
ios usamos nesta preparacao. swido a qua-
lidade qne todos os MloM mais prezam
8 estimam. Na composico da Walsa-
parrilha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. El Ir
lio encerra em si cousa alguma, que po
sa por leve ser perigosa ou injuriosa <-
mite j e tanto neste, como em qua.i i
los os mais respeitos, ella inteirarr tr>
iiversa de todas essas na prepar- erte
s quaes debaixo do nome de Sais a)fh .
ha, sao accondicionadas ou postas < ipar-
rafas pequeas, sendo receitda ei ;m r ,
mui diminuas d'uma colber de a C
:ada vez. Nos polo contrario oK -.
mos a \ enr
SALSAPARRIRA DE ItT*
jm frasco* grandes, e assim
iividimos com os consumii'
proveito e vantagem ikanr
pie acondicionara sua prc
rafas pequeas. Cada i
nossa Kafaiaparrilii
wntecm a messa quant;
.ontida naquellas garr?
sso, possuo anda
irtude medicinal d
entura se possa ao
seis garrafas de i
tanto mui natal
cbam oceupadof
suas produefo
aiurmurem c r
IST '
por e.t .
>re. .
ido ,, .
par
m :. ...- -(
** ::r..t|
.dar i,c/>
fas pequera, i
ulio mais i
O que y,,
fiar cuntida dentro de
pequen-1 UtAtaobo. Por.
al. que q i ''-.. m
era preparar e voi
a, em
I
\&ROPE
DE
Chloral
:osgrandes- i
sapari-illr
3ino' virli"
'.es5o elle?
>amos, o
:om es-'
emunh
de lod
alen;'
[lid-:
/tem contra ot ntmk ttm-
proclamando, que a tmm *|.
a de Brl.^ai nm pime a
de; pnrm qulo i-ffectira
. poslo em silencio, qurndo ind--
j simplesmcnte referimo-iioa para
a centenares de o ;, .
os aatbentieos, pr i.u i
as as classea Jan te atiesten o i <',..
O Chloral um composto chiroico de tem te-i
cesta emprego na medicina, e que grande pjlWo
tem apresentado para determinar um omao tran .
qaillo; doentes fatgalos por insorias,^r a; ig" -,.
as dores as mais intileraveis sem os gr av^s q.
convenientes do rpio.
Com o xarope de Ch'oral, ChamoiS j a :aba do
resolver a qnesto de dt-;e, que apreaf ,\ava JifiJ
caldades, e peb uso delle podess/j administrar
com a maior facilidade e sem perig' y io po'ieroso
agente para U30 de innurasras roofeatias.
Deposito na pbarmacia e dregv. a. de Rartholo
mea 4 C., i raa larga da Rosarte a. 3i.
maravtihoj'as' da cossa.
SALSAPAiMUU de
A vantagem de termos os ;w
prios agentes naquellea hjfarra a .
Hfferentes raires, dr -< ,
as de que se rompem as n
ao produzidas. .uc nos i,. I :.;., j
;er aquello constante cuidado i disve'K r

Novas publbapoes
musicaes
I iani
Aeaba de pnb:?r-se a linda poli.a par
Cassi
cnmpostcao do maestro flodolpho Matioze. Asaita
ao mesmo estabelecimento acab3 de chegar \ lin-
dis9ima quadrilba
CMarlnl
Dedieada a este illastre arlista, pelo melodioso
compositor da Babia, o maestroARAGd
Acham-se a venda, a ra Xova n. i i, annazem
de pianos e msica* do Azevsdo.
aunocio^a e.->illa ; e o m .
rante nni< rm-dade Em quantc que, p. r i
ios poupai :o m i dii i ,=
jen.'ias; afim de alcancarmos n vlf i
i nicamente o melhor -
j ra ingrdiente que ei ira hk
;-3o; pois lev; '. ,
rais firmee persu -'..
temosafootaiicnlfl -v ,
las as Darocs. ede indi s< -.
alsaparrHha
ira remedio mais eflicax r :.:. ,
'. i V.If t.i.bj
adn .i- nje, e o qual -
auHograr ^v;^SJ^ exp
? eii-1 bva cura da:
Escrfulas.
Cbagas antigs,
Ccera?,
Ferdas Ulcerosas,
ATTENCAO
. Vende se per barato prefo ama propriedade a
aiargem da cambia dos flsmedios, fa;-'Qdo-=-;
ttda vantagem ao comprador, re:ebendo-s? par'.f
sni dinheiro e parte em letras oa objeetoe de
prompta venda ; cuja propriedade contm nina
grande olarla de pedra e ca! qoe lastra 16,000
P'os de aivenaria grossa e forno que comporta
zo.OOO, com mais um forno e lastro para fazer-se
temas, ladrilhos, canos e louc.a, com excellentf
barro para qualquer obra, ;om d?ns excellentes
uveiros de peixe e com casa de vivenJa para
grande familia, torca-se recoojineudavel por pas-
Jar pc-rto a liona dos bonds : as pessoas que pre i
lenderem dirijam-sc dita propriedade a entender-
e coro o capitao Delflm Lins Cavaiirantp Peaaoa.
Fei.jio mulainho
Vende-ae fsijo mulainho aovo a 11210 r?. a
coi : oo pateo do Terco n. 3i.
:il
S; lilis.ooMal Ve-
i-- reo
I! tmores Em '
loso.:.
Iii-egfarida .
Sexo
Femmmo,
Nerrosidade,
Debilidade Gerai.
Febra e Malignase
Febre c Sczes
Dillosas.
Merino francez a JS000 o
Carne de porco salgada
em barris i 200 libras, propria para a alimen-
tado a bordo : D"? s-tparer. de Tio Uwlo*
A C.
Manteletes e vesti ios.
Amaral Xabuco & C vendem ricos ;artcs de
wstidosde seda decore pretos borlad'js.maniele.-
tes de seda preta (gorgurao) enfestados, do ultimo
gosto : no Buzar Victoria, rna do Barao da Vic-
toria n. 1
Moscas, mosquitos e estrellas
Amaral .Nabueo A C. avisam as Exroas, senho-
ra, qne acaiam de receber moscas, botboletas,
passards, lante|oulas, et;, douradas e prateadas
para enfeite de Utas para o pescoco, da ulti-
ma moda, e tambem para enfeite de vestimenta de
imageos e de aojo de btocssj : no Bizar Victo-
ria raa do Bario da Victoria n. 5.
Para os Srs fum ntes.
Amaral Nabueo & C raceberam o ?euin'e :
caximbos de espama e e madera, lisos, :jm \i
traa e com figuras, ponteiraa de aav.as e de espu-
ma, liaM e com tettras, charuteras de couro da
Rossia a carteirinbas para phosphoros e rat, fran-
cez : vende-te no ?i?ar Vitoria. r?a do Bario a"i
Vitoria n. 1
Acaba de ebegar a loja do Papagaio um bjmw
sortimento de meriLos de ores para vestidos, la
zenda larga, de urna s cor e de um tecido ;utei
lamente novo, tendo verde, azul hrio, rora Ijrio,
cor de caf e amareo, as cores sao muito toallas,
e de am effeito brilhan'.e em obra, e vande-se
p?lo baratissimo pre;o de dez tustdes o ovalo :
na raa da Iroperatriz n. W, |qj j0 fapagaic de
Mondes de Carvalho.
rumores
.Ibscessos Apostemas,
BrapcOes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres inlfriniuentes e romiitentes.
hydropesia e tericia. etc.. ele.
Ontro-sim, achar-se-lia, que p.?ra o htm
-esulladn eperfeito curativo de todas aquel-
las enormidades cima apoaatataa o sdian-
amento da cura, grandemente promovi-
lo f apressurado; usando s ao mesm
".empo das nossas mui valiosa pliula*
res;e ornadas em doses moderadas em connec-
;3o oa conjunctaraente com a Salsaparrilha;
illas finen remover e expellir gran.) i
nntidades de materias morbificas c hu-
norps vicjadofl que se desnrondem e iivre-
nente circelam espadados pelo svstema,
:sto cansado pelo ut-^o da Salsapanilha; a
por esta forma balar a volla e o exerciew
lormal das operares tunc-'iouaes.
i qna! preparada sm^e pelos nni.-o
Propvrictaos,
Amnal Nalaeo & C vendem ricas jaqueliohas
e ai a hespanhola para Sra, basquinas de gor-
gnrc- prcto bordadas com goso e-pail ho?, n
sigoias masnicas, capachos de o:p, toucaorea
com ^sveta de Jacaranda e de m.jgno, riqusimas
estampas de imagfi e de pay*ag-ns eti*. a fanw e
coloridos, teios para j go.flvella* douradas-para
padres, no Bazar Victoria rus do Bario da Victo-
ria p. i1,-anliga roa Nova.
VENDE-5
ama casa por pre;c :omind?; no pauo do Parid-
lo n. 3;, em chaos pro rio : qaem pretenlT di-
njvfe i raa Daqae deCxi? c. 05. -

vatie-M ama tibaina siu no BociOiiaeU
mu'to afrega-zada no retalh.i e com p -oeo fon-
dos propr-a para r-'i" ripiante, tendo cou.roo**
para .-cu., i i tratar na mesma- com BfUraiwi
Sahmo N ltn.i, -j no Progresso do paleo do Car-
eno n^fl.
ii
N. S, ra : Bar3o da
Nova rjuriiro i.
Victoria, aetiga rea
n ei i m
A*?.r\! N-'bo:o A C a-alam de rectUr an
i'; irnimectp de raois da algodao para to-
rnero, :fco.ira, mroines e neaiaas, brincas a
c3re*, e a para h--.mem senh-ra, t e elas
*:''-r : r;eJ' para padre
IIH|



Y
6
Oiaiio de Pwnamimet Terca feto 5 ie Mwp, ** M 2
Na loja de Antonio Pedro de Soaza SoaTes, na raa de
Barao da Victoria n. 28, outi'ora ra Nova
Granie reduepao em prepos
dem i 'em brancos a rs. .
Coque de trancaa moderaos a.
Duzias de bardos francezes bei-
Trasparentes cora paisagens para
jjoelUsa ....... 120000
Mi .^os laques de osso parase-
aa .......80000
50ODO
60000
30500
0 i fie sndalo a.....
Ofk>i a mit 155.1 cora laotejonlas a
Ricos .nfites de blond e llores
para cabfQa a ......
GtQbtta piinhos bordados para
seoboras a 2$ O) e .
iJravataha da seda com franja
pira senhora a.....10200
l .io f.-anja de seda modernas a 30030
Idea idea Meo a 8Xle .
fi'.a sena larga cscoseez para
ciato, vac a......
MIUDEZAS
remeios e bajados tapados e
iraw prenles a pec.a de 000 rs. a
:); da trancas de cores de 120 a
Do a de carliesdelinha prela a rs.
Ca xas de linha do gaz sortidas
tra cores a rs......
Dad de pe5as de tranca de cara-
A a rs. ;.....
I! m idB lisas a rs.....
eagaaa de carina e janeo a 10 e
Catea de papel amizade mailo
snparhr a ra......
1 lea 'dfim de c^res an .
1 lera em de quadrinhos a rs. .
aixas Ja eovel >pes finos de por-
loa a rs.......
Maoi idem a rs. 100 e ,
lo ka amis cabellos
Tintura japone.a.
S6 oaiea apprbvada pelas aa academias dr
icitneia, reconheeida superior a tbda nOe tem ap-
parecido at hqje. Deposito principal I roa 4a
jadeia do Recite o. 51, I* andar, em todas as bo
1caa 6 casa de cabelleireiro. ;
Vende se o bolel denominado Laso Cooqu'is-
lidor, junto a estaco das bonds, beovafreguezado
e prjprio para principiante; garntase a casa : a
tratar na roa da Qnia o. 9. taberna. -_______
Farfulla de mandioca
Superior e n nito propria -j*n mesa, -n barri-
"'V ricas de farinha de trlo ;ll#00O rs.* barrica:
200
ra
doorada a......8(J600
com cabo de
( baratis-
Dozia de tatbores
osso 2 B a
Dita de ditos Gravados
aimo) a 10000e
Garrafa de linti roxa extra Boa a
Potes de dita ingleza a rs. !00 e
Etimpas de combates da guerra
franco-prussiana a .
Cartoes com relroz de todas as
10500. cores a rs.......
PERFUMARAS
llosas com extracto a .
Trasco cora extracto inglez muito
superior a......
dem kananga muito superior a .
Agua da florida verdadeira, gar-
rafa a........
30000 I
3 JO O
400
120
8G0
400
20C
34000
700
700
640
800
500
10000
50500
2jJ600
1*000
160
1*000
40
14800
1,5000
1*200
11200
10200
! nos rmateos da Taaso IrBflas & C.
f Nova jwMoacftu
Annotages ao cdigo criminal
pelo D'. T. Al ves Jnior, S vl. pnbl.eiflo Diurna-
mente, acha-se venda na livrar.a Universal, roa
do imperador n.4, i vol. com mais de 700 pa-
ginas ; escasa do diier nada a re&peito desta
obra, visto ja ser eoofaecida das entendidos em
vista da 1 vol. que o mesmo autor pableou : a
rae ta Jurdica, que branle at deiembro-pasjado.
Aos jardineiros.
A Nova E-peraoca acaba de receber thesouras
especiaes para jardineiros, sio as nirhores que
tem viado ao' meatado, a ellas antes que se ac-
bem.
i
dem kananga do JapSo a .
lianha inglez i em frascos e potes
deporcellam a.....1)9000
dem moito boa a ra..... 500
Sabonete com figura a rs.. 200
Macos de sabonetes ingiezesmuito
bons a 'rs........ 800
Sabonetes de amendoa amito su-
periores a rs...... 300
dem de bolla transparentes a rs. 500
Cosmelique de cores a rs. 100
Pacotes com pos de arroz fioo
a 300, 400 e..... 500
Caixas com dito muito fino ka-
nanga a........ 1*500
Id m com dito para denles a rs. 320
Frasco de oleo philocome verda-
dero a ........ 10000
Dito de dito antique mo'.to sope-
riora rs. 320 e 400
!. ribj cl-'S cima mencionados temos um graode sortimento de miodezas,
. .< il; pn-i-.lana o qua lia de mah rico, candieiros a. gaz o que ba de malbor,
<, ilimioeis e gl h-is. brinquillos para crianzas, meias pira senhoras, bomens
;. fitas, tu ose retidas de bli.nd fe yeda, espelbos grandes moldura dourada e
raii-da-le !e objfctot que pursc tornar demasiado longo deixamos de mencionar.
N. *8 Kua do Barflo da Victoria N. 28
I ira le i ennas a rs. 500, 800 e .
\,.mii| iras para coete grande
u ie ars...... L200
1 ii |e -ilins -i.....10;)OO
i vltiia ite-cornalina e cryatal a 10800
: tirad s para ptinhJS a i>. 500
i I) itoeii pelos para cal-
:. i ra. .'..... 1001
Xarope sedativo
DE
Oasea de laranjas amargas
BROMRBTO DE POTASSIM
DE
Este novo preparado aprovado pela academia
mperial de medicina, muito se recommenda pela
soa accao sedativa e calmante, sobre o systema
nervoso, o bromureto de potaMism, nao deixa de
dar os mais ceos resaltados as diversas aftec-
coe5 do organismo e principalmente naa molestias
do coraclo, das vas digestivas da reaptracao, das
vias genito-arlnarias, na epilepsia, naa molestias
oervosas da prenhez, na insomnia das enancas
durante o periodo da dentico etc. etc.
Yende-se na pharmacia e drogara
de
Bartholoroeu 4 C.
34-RUA LAR3A DOROSARIO31
fgchiaeha na loja do Pavao
POR CAZA 10 INCENDIO
' Persira da Silva, tem urgente necessi-
cor
d' liqairJar maitas fazendas de 'i, li-
. seda e algoda -. quelbe ficaram m.'is
.-. ;i s estrgalas por o;caiio do in-
. que se dea nos dous estabdecimen-
Coul ios ao un.
algvJi.siabo a 30COO e 40000
) ~ raul-qiolo a 40. 4*500 e 5$.
Oil eafiatad cora 12 jardas a 2)500
Di ; :lo 5no com 10 varrs a
93 ro.
3 largo tr.iac i .. I
I de linho superior com 10 pal-
E ,\ largira s o metro.
nlgod cora a nv.;sma largara a
Corpinho de camb:aia branca e de
a 20000.
Siias de la cora barra de cor a 3j, 40,
: 50 DO. e oulros moilos art g | mfadoobo mjncionar o que se liqaida muito
bardo na loja do Pavao ra da Imperatr'17
n. GO.
A verdadeira cerveja da Baviera, marca ban-
deira, de superior qualidade, vendem Tasso Irmaos
& C armazem da roa do Anorira n. 37.
LIUIDACAO
tfachinas de costara.
Cbegaram ao Bazar ersal da ruaUniv
Nova n. 22, um sortimento del machinas
para costura, das melhores qaalidades que
existe na america, das quaes muitas j s3o
bem conbecids pelos seos autores, [como
sejaa : Weller & Wilson, Grover & Boka,
Slenciosas, Weed e Impertaes e o otras
muius que com a vista deverao agrdar aos
compradores.
Estas machinas tem a vanlagem de fazer
e trabalbo que trinla costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
f-.iyo como as mais perfeitas costureiras.
Garante-se a soa boa quilidade e ensina-se
a Irabklhar com perleioem menos de uroa
hora, e os precos alo tao commodos que
devem agradar aos petendentes,________
Onra rpida e radical dos
callos
pela pomada (alopau
Essa pomada que to b n? r^ultadoe tem colbi-
du as pessoas que delta > feito uso aeaba de
chegar para o sea depo*.. especial..
XA
Pharmacia e Jrog:ria
D
Bartholomea & C. roa Ivga do Rosario nu-
men) Si-

ERNESTO & LEOPOLDO
N.2 D Ra do Cfcbufft N.2D
Acha-ae moBtado de forma lal este esUbelecimento de joiaa qoe pe
vender aos seos numerosos fregueses em grueso e a retalho e por pracoa
mui resumidos visto qoe recebe de conta propria por tedoa os vaporee de
Enropa. O gosto de desenlio de siiaa joias o mais lindo do pait dae
modas, curo de lei, brilbantes vrdadeiros, esmeraldas, robins, parolaa,
terquezas, sapbiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto laito
para igreja como para servico domestico. Convidamos aa Gxms. familia
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias al 8 botas da ao .
Compra.se ouro, prata e peoras preciosas em abras vefcaaa.
Pili mmm wm wmmmssm
LIOUIDACO DE FIM DE ANNO
65
RA DO DUQUE DE CAXAS
(Outr'ora do ftueimado)
estabelecimento acaba de receber um imporlaute sorlimtalo da diveraaa
la-
LOPES MACHA
O
: ': o metro.
!

" camb 'a transparente com 8
e u na '. -i delareora a 30500 e
4-5 '.).
Victoria com a raifnn mfdida a
33 '' U.
u i i c mbi i a >U Ba'picos cora S l2
vara a I '
dil i i las para vestidos
c. l.l varas a '.',
. -. c::a bor la los e drrea a mesma
Travesa do Corpo
Santo n. 25.
Yt'nde-se machinas a vapires locomoveis de tor-
ca de 2, 3, 4 e 6 cavallos e seos pertencea, pedras
de moer milfco, ai reos par. carro para dous ca-
valhs com retrates
bran : e 'le cor corr
,.(v com 7 varas a
para veslos
il escur s a
panno cora pregas a
I
e 60.
i erodio a 45
fustao para mesa de
r i a 4-350 .
' a Je or n
7 i v ra^ a ?j.
.. '-
i > .
1 I .' !>"! ''I
te iio H -;> \ 35S00.
s >i u n'.o d
240 e 280 rn > hovaig.
Coilin iflie jaotl'.as c pa
70, 80, 103.
;s de ut.
2-5 0.
ras p i
TVa'has grand
r a 3:80 i e
Co erlas dd fiulao para a cama a 3.?C0.
Grande sortimento de casaquiahos ou
I tinas mordernos de sed e croch, rica-;
mnte enfeitados para differentes precos.
Gcirg rao de c6r para vestido a 3i0 o
covado. :
mok^.s transparente a 320.
Duda ditos a 160,
Dozia3 de to.lbas pira raj a 6;? e I .
Camizaa franceas para homem a IiJGu,
e 2l O).
Coletea de mjia cazemira e biim a
0 i
C PiiMs de alpiii preta desalpico a 20. |
DiJ g sobrecasacos de brim a 2,J.
Ditos de cal mira de edr a 4-J500.
.o pretocom G palmos de largara
' ; O c- eovadd.
<:35S'.s pretas lisas a 120 ris a vara.
Chita preta lisa a 100 ris o covada.
Ctales pretoi adamascados a i#i00.
; de brege de cor a 1,5.
ti saga franceza a 320 o covado.
O iz as de leDCOS brancos 15 500.
Poafaoa com gollinhas de cambraia tapad
a ti amprente a !jv00.
Ja' ch6gon o verda-
deiro doce de goiaba
e vende-se na ra de Mircihc D.ai c. 91, arma.
7. m Relmpago.
Vende- e
lerrenos ,io lado do sal, do sitio Olho de Vidro, em
Parnameirim, aos palmos : quem pretender pie
v r a planta que e acba oa luja do Sr. Gaspar, na
rus Duque de Caxias n. 43.
Verde Oh1 orne.
V Bde-se em barris de 4 arrobas :
Mrquez de Oliuda n. 40.
na ra
OLEO FURO DE FJGADO DE BACALHA0
DA|
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Este oleo que to boa acceitacao tem merecido,
^uito ?e recommenda por ser o mais purificado
loe al boje tem vindo, e ainda pelo boa paladar,
uperior a cutro qualqaer : vende-se no deposito
ispeeial de Dartbolomeu & C. : ra Larga do lio-
na 35.
Vunde-e o hotel na
n. H : a lra!?r no mesmo.
ra hrga do Rosario
FAZENDAS
Pretas para a quares-
ma
NO BAZAR NACIONAL
Ra da imperatnz n. 72
DE
i-onrcnco Perelra leudes al-
ma raes
CORTES DE CASIMIRA A J205OO
Vende-se corles de oaeraira preta para
calsa 5500, a 4 bom o corle.
PANNO REVIO A 14800
Vende -s>. panno preto para calsas pali-
lots 1550O2(J 2d500.
Dito muito 6oo 3t500 4^ '
CASEMIRA.TRANSADAS 2)JOO0
Vende-se casemira transada preta, 25000"
2^300 o covado.
GROSDEtNAPLE PRETO 25000
G:03denaple preto para vestidos de se
nhora e meninas a 15800, 25- 25300 e 35
o covado.
FAZENDAS DECRESE ALPACAS DE
LISTRAS A 500 RS.
Vende-se um graode sortimento de alpa
cas do listras lizas e de quadrps para ves
lides de s.nhoras a 500, 640, 800 o co-
vado.
LSINHAS DE CORES 160
Vende-se lsinbas de cores a 160, 200,
400 e 500 o covado.
CHITAS FRANCSZAS A 200 RS.
Vende-se chitas francezas largas a 200,
240 320 o covalo.
MADAPOLO BARATO 35
Vendo-se pesas da madapolo infestado
a 35. dito de 20 e 22 metros a 45, 55 65.
75e85.
BOLSAS PARA VIAGEM
Vende se um grande sortimento de bol-
sas para vi gerr a 35, 35500, 45 e 55
ALGODQ BARATO
Vende-se pesas de algodo 35, 45, 55,
e 65000
Vende 86 pagas de cimbraias branca?
victoria 4?, ditas IransparHjes a 45j55, e
ootras muiias fazendas em liq\idar;3o, que
se vendem muito barato, para ftixar con-
tas, e ebapeus para bomem e meninos,
rou;a fea preta para a qoaresma de todas
as qualidades e lambem de cores.
RUADAIMPERATRIZ N. 72
500 m e 1#60 Grc^deoaole pxeto muito boa (azeuda pelo dimi-
nuto preco de 500 e ICO, na loja das I portas em
frente 4o Livramann, esia sn aeabindo.
Deposito de gaz
Em pequeas e grandes porpes, marca Devoes,
ra do Apollo H, vendem Joaj do Reg Lima
4 C
Cerveja de Noruega.
VerJaJeira e superior : a veuda nos armazens
de Tasso Irmaos A C.
Vende se o e;iaueleciuietito de moldados
sito a ra de Mircilio Dias n. !'.' e tambem fa-
rinha de milb > da todas as qualidades, fina e
gros>a.
Especialidade.
Vinho do Porto o melhor a desejar, em barris
de 10 e 20*: vndese no escriplorio de Soares
Primos, ra do Vigario n. 17.
CONTRA A TOSSE
XAROFE
Linitivo peitoral
DE
7XtQl?c
Este xarope d'um gosto agradavel mui efllcaz
em todas as doencas da gargauta, do peito e do
estomago, alm disso constitue o verdaelro es
pecifleo contra as constip^Ses, catarrliss. ronqui
do, asihma, tosses nervosas, coqnelncbe, etc. ete.
Deposito na pharmacia e drogara de Barlhe
lometj & C, ra larga do Rosario n 3L____
Fotassa em 12 barris
No armazem de Candido Alberto Sodr da Motta
& C, tra ves? a da Madre deDeus n. 14.
Yende-se um carro americano de 4 rodas,
novo e muito elegante, com 4 a-sentcs: na .roa do
Imperador n. 20.
m
Superiores curtes de seda prela adamascada com pequeo toque de mofo pelo baratissimo preco de 205, 255 e
305000 o corte.
Grosdcoaphs de seda pretos, largos, a 15600, 25, 25500 e 35000 o covado.
Ditos dito dilo com listas assetinadas a 25800, 35. 35500 e 4/JOOO o eovado.
GirgutS de seda preto a 3|50(), 45, 45500 e 5500C o covado.
Dilo d.lo dilo muito superior a 65, 65500, 75, 75500 e 85000 o covado.
Mants e coa ti abas brasilinas do superior qaalidade.
Fil prtlo liso e com flores.
E outiaj muitas fazendas. pretas proprias pirifa qoaresma, havendo grande e variado sortimento para os com-
pradores esoolberem.
Na roa Primeiro de Marco (outr'ora do Ciespo) n. 13, loja das Columnas, de Antonio Correa de Vas-
coccellos.
Sustento restaurativo da
saude
PELA VERDADEIRA FARINHA
i DuBarrj d'Arabia
Os abaixo asssignados fazem scieote a seus fre
uueos, que pelo vapor inglez La-Plata receberarr
Jegunda remessa d'essa excellente farinha, cujr
uso muito se recommenda para <> cianeas, pes
soas debis e convalescentes, applicada com reco-
ohecida vantagem as conslipagoes, dianieas.
nausea do estomago, tosse, escurro de sangue
phthysici, etc. etc. Preferida ainda pelo agradave'
?ilior.l'niricoa outra qualquer.
imm m mm wmmm
A ra do Commenion. 10, e.-cr^pto- aaj
rio de Jos Joaquim da Costa Maia, ea- 22
contra-se para vender per commodos j
precos : fe
Azulejos bospanhes.
Polbas de ferro galvanizado para telha- fM.
do de diversos tamanhos.
Ditas de dito dilo litas.
Bicas de ferro galvanizado.
Cumieiras dito.
Portadas completas p?.ra cantara.
Ladrilhos.
zendas proprias para vestidos, sendo poupelinaa de teda, sedas, I2as, percales, ditas coa
barras proprias para, babados, lindas cambraias crox, eem fio urna nfinidade d'ar-
gos de moda, tudo proprio para a fesla, o qoe ludo vender por precos u>ieranale
raeoaveis, era consequencia de estarmos prestes ao fim do anuo, e o 65 nao quer taw
grande trabalho com o seo balase, preerindo lomar flinbeiro a Jaenda,s, convida-ee
porlanto ao respeitvel poblico a \irem ortir-aeM lopado 65 aotato caaaprarao por pro-
ros que n5o obter5o em ontro qualqiw esiabclecameeao; em naai vlr para crer
RDA DO DUOE DE GAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
lECHINCHT"
NO
EMPORIO COMMERCIAL
\ m M KHU1IB 15
PARA NWV4D0S.
t
Bonitos porti bu^uet*.
Linlijsimos leques de madreperola raolle? in-
teirament? novos.
Cortinados bordados.
Camisas b realas para homem,
Fina3 meiasde seda para cnhors,
A Nova Evracca p auin tem I I I
DESAPPARECAM AS SARDAS
A Nova Esperanca a ra do Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber o bem conhecido leite
de rosa branca, e tambem leite virginal, os quaes
fazem desaparecer as sardas en pnnos.
a mm j f l
Vinho do Porto fioo em caixas de urna duzia a
9000 cada urna : na ra do Apollo n. 4
Fiejo
Vende-se feijao mulatinho novo a 1|J80 a cuia
oa ra Direita n. 8
A Magnolia, ra Uiiqoe de Caxias o. 4o, rece
beu um grabde soriiuiento de coques o mais mo-
derno que ba,' e vende por menos do qne em ou
ra qualquer parte.
Terreno e casa.
Vende-se por preco muito barato um terreno
com 400 palmos de frente e 320 do fundo, cora
casa pequea de pedra e cal, em Beberibe de
Baixo ou Fundo, na roa de Olmda, ( vende-se
com o terreno que o. pretendent* qnizer ) e tam-
bem se retalba no mesmo lugar 760 palmos com
330 de fundo, o meiliir terreno do lugar e ven
de-se barato por precizo : tratar com Miguel
Ferrrira Cariro, nos dias u'.eis rna estrella do
Rosario n. 41, loja, e nos domingos no Fundi,
roa d Esperanca.
PREDIOS.
Yende-se as propiedades terreas sitas ra da
Caraba do Carmo a. i, ra das Flores n. 1, e tra-
vesea da mesma n 1, e a mei agua sita Praia
da Concordia n. 2 : a tratar com Jos Ignacio
A villa ra nova de Santa Rita, serrara a vapor.
Vende-se urna grande casa terrea sita rna de
Paysand, ontr'ora Passagem da H tgdalena, com
as segnintes commodidades : i salas, 6 quartos,
copiar, um grande solio, quintal murado, conten-
do urna casioha de pedra e cal, cacimba, nm Cor-
redor qne vai doaemboear na margena d > rio Ca-
pibaribe, e de tolo proprio : a pessoa que a qui-
zer comprar dirjase ra Direita n. 3, 3o andar,
a qualquer hora, qne achara com quem tratar.
Farinha de mandioca
em barricas, muito nova e superior, vende para
ultimar factura, e por mdico preco, Jos Maris
Palmeira. Corno Santo n. 4, Io andar.
Vende-sa urna pequea armacao propria
par principiante, de charutos e cigarros, por o
dono retrar-se por doente, vnde-se muito bara-
to a tratar na ra do Vigario n. J3, andar,
das 9 ao mei o da.
Atiendo
Vaode-sa o sobrado da ru de S. Gooca.o n. 27:
a tratar no armazem da bolla amarella, no oitao
da secretaria da polica,
r8.
qu a ra Formosa nome-
Chocolate Menier.
Vende-se chocolate Menier de saude: na rna
de Mrquez de Olioda Q. 40>
DE
Ulyssas & Irmao
Nesla j bem conhecido estabelecimento encontrar o rtspeilavel publico um faoc-
de ludo por midicos piecos, e tendo seus proprietarjos resolvido liquidar Iguns artigo*
de que se compa o mesmo estabelecimento, vende os por menos do seo cusi
COMO SEJA
Garrafas de vidro Bacarat para vinho a
50, 60 e 70000 o par.
Compoteiras a 6,-> e 70000 o par.
Copos de vidro Bno para agua a 40 e
40200 a dozia.
Clices de vidro de cor uno para violto
a 20000.
Meios apparelbos de louc ingleza fita
para janar por 500000.
Pratos e diversas pec>s avulsas que se
vende b?rato.
Jarros pira fbres de 30 a i50000 o
par
Punhos de linho para camisa a 90000 l
duzia.
Collarinhos de linho para camisa a 60 >
duzia.
Anquinas de crina para crean?as e se-
nhoras, de 30 a 40000.
Cortes de cambraia branca decordlo com
8 i/i varas a 30500.
Fronhas de crivo a 560 ra. ana.
Cortes de castor para calca a 10280.
Aigodo de lisia a 260 rs. o covado.
Co xas branca adamascadas grandes a
Clices de vidro fino para licor a 20800 3000J
a duzia. Caberlas de chita grandes a 20400.
Vidros da chatnin para candieiro a 20?OO Superior brim de Uamburgo de linho cen
e 20400 a duzia. j 10 palmos de largura a 20800 a vara.
Globos para candieiro a 10600 e 10800, Bmitas fructeiras cun tabjnetes defroc-
cada um. j tas, proprias para presente a 40000.
Bonitas quartinhas hamborguezas a 40000! Lindos livros com extractos e sabonete.
e 40OO o par. ;a 20500 e 40000 pa.-a pre.-ente.
Escarradeiras de vidro a 30000 o p:r. Oleo pliiio:ome a 600 rs. o frasco, e
B .mitos candieiros de jarro a 160000 um.jmnitas outras perfumaras qne se vende ba-
G'ande quan'.idada de arandellns para ralo, como sea: sabon*les fios a!0:(Oe
dependorar a parede, de 10300 a 20UOO
cada urna.
Tornos de bandejas a 70000.
Paliteiros de porcellana branca de lr5>0C0
a 20000 cada um.
Lava mSo de zinco a 40503 om.
Aigodo inglez p ra roupa de escravos e
saceos a 32J a jarda.
Tapetes avelludadcs para qoatro cadeiras
a 250000.
Um grande espelho moldura d 'urada por
800000.
Lindos alban; para retratos a 1000"0
cada um.
Bonitos chapeos de veludo pa:asenho*a
a 100 e 120000.
20000 a duzia. t
Chapeos para baplisidode enanca a 2*5h-
e 305cO.
Coques para cabello a 20000.
Cadarzo r rauco a 360 ra. a dezia.
Dilo l a g du largo a (40 ra. a peca coffi
4 varas.
Caixa de papel amiade a 70C ra.
Dita de 100 envelopes a 400 ra.
Duzia de penles para alisar a 10600,
108O> e20000.
Bonitos chapeos c palha com aba f ira-
da, para horneas a 40000 e para menino a
30000.
Sortimento da meias para bomens, seoho
ran e criancs, e rxulos o tros artigos qoe
Aberturas de linho para camisa a f05 OQdeix-mos de m.ncicnar, e que igualmente
1
a duzia.
vendemos por precos cjmmodos.

0 EMPORIO COMMER IAL eacarrega-se da factora da roop* por medida, e capn-
cha em bem servir aos freguezes, tanlo no comprimenlo de sea? tratos, como oa boa
qualidade de fazendas e modicidad^ de precos.
PECHINCHAS DE ROUPA FEITA
O EMPORIO COMMERCIAL vende paletols fraqae de caaemira fioa bem acabados
a 180000, 2O0OGO e 220000. Paletts saceos de casemira preta e de cores de 7#000 a
120000. Ditos de meria prUo de 70 a 100000. Cdcu de caaemira preta i dei co-
res de 60 a 120000 cada urna. Collaies de casemira de 30 a 40OX'. Calcaa de oraos
moite bem feitas de 20300 a 80000. Paletols de alpaca fina de cores, braoco e preto
a 20500 cada um. Ceroulas de linho a 2$800, e de cretone a 10600 cada ana. Cal-
ca de castor a 10700 ; superiores pannos finos, casemiraa e brina.
EMPORIO eOMJflERCIAIi
15 Ra da Imperatriz 15
11LYSSES 4 IRMiO

A loja dqs Arcos de Alvaro Augusto d'Almeida 4 C. roa Io de Marco b. 20.A
acha-se provida de um completo sormento de faieodas pretaa propnaa para os Betos da
qoaresma como sejam:
Basquinas de gorgar3o preto ricamente enfeitadas.
Ditas de grosdenaples preto ricamente enfeiladu.
Mantilbas brasileim.
Mantas de fil de seda.
GorgorJo de seda preto de superior qualidade.
Gwsdenaples preto de 20506. 30,30500. 40, 403OOe 50000.
Fil de seda preto bordado para veos.
Para o mesmo estabelecimento acaba de ch^ar um completo sortiOMott) no CM
posde velludo e chapellioas de gostos ine.TamonU novas,


Diaria dt Pernamlrtioo Tena feira 5 de Marco di 1872
I

.

i
m
'
inmRiviL iiqitibaAo
S-EJ LIMITES
Nfc.
LOJA E ARMAZEM
DO
PAVAO
DE
FLIX PEREIBA DA SILVA ft C.
5A RA DA EMPERATRIZ N. 60'
S a dinheiro vista
Os proprietarios deste estabelecknento tendo grande necessidade de diminuir o im
menso deposito que tem de fazendas e grande urgencia de apurarem dinheiro, tem re-
volvido (azer ama verdadeira liquidaco com grandes abaiimenios qs precos de todos
m seos artigos: para o qae convidara ao rese-eitavel pablico desta capital a vir sortir-st
pois l&e garantem qoe em parte algomi poderao encontrar t5o grande sortimentoe mei
mo nao comprarlo pelos precos que se lhes pode vender na loja de Pavao ; portt ad
Tirtindo-se qoe s se vende a dinheiro vista. Os mesmos proprietarios doste estae
cimento rogam a todos os seos devedures desta praca o favor de virem saldar seos de-
Oitos, e todos aquelles que estiverein devendo comas antigs e o nio flzerein terSo d<
er encommodados judicialmente.
CAMBRAIAS BRANCAS A 45000 E 4,5500
O Pav5o tem pegas de caubraia branca
ransparenles com 8 1/2 varas que vende
pelo barato preco de 45000 e 4,5500, ten-
do tambem muito finas de 5$000 at
104000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 3,5500
* peca at a mais fina que vem ao mer-
cado.
Cresdenaples preto e de cores.
O Pavj lem um grande sortimerato de
grosdenaples e gurguro preto para vestidos
tendo de 1)5600 o covado at ao mais su
NOVOS VESTIDOS A 50000.
O Pavao tem lindos cortes de vestido di
fioissimas cambraias com bonitos bordadoi
de crese tambem lo^os bordados brancc
que vende pelo baratissimo prego de 50OO(
cada corte, grande pechincha.
PANNOS DE CRO ^HE PARA CADEIRAS I
SOPHAS.
0 PavSo tem nm grande sorlimento d<
pannos de roch proprios para encost di
cadeiras e de sphsl assim como um rici
sortimento de tapetes de todos os tamanboi
proprios para salas.
perior que costoma vir ao mercado, assim MADAPOLO BAR'?-" A 40, -40500 E 50
*>mo um grande sortimento de ditos de| o Pav5o tem peo.. inadapoiSo com 24
todas as cores e branco e um bonito sort- jardas oo 20 varas que vende a 40 405OC
ment de setas branco e de cores que ven- a peca, dito muito fino e largo de 60 pan
k4 por procos muito em coota. \c\mt dl0 francei j0 maihor que tem vindc
LASAQINHOS A 15,5,180 E 205000. | a0 mercado, assin como dito finissimo en
O Fufo tem um grande sortimento de pegas de 40 jardas.
neos casaquinhos de seda preta muito bem
afeitados e modernos que vende a 155,
185 e 205000, sendo fazenda de muito
mais valor, assim como ricos chales pretos
bordados com franjas largas de relroz a
105 e 125000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS.
a 85, 100. 125 e 1(55000.
O Pavio tem um grande sortimento de
cortinados
Cortes de chitas.
a 15600, 25000 e258O0.
O Pavo tem cortes de chitas francezai
com 10 covado, que vende pelo barato pre
go de 15600 e 25000, ditas que vende :
160, 200 e 280 rs o covado, tambem ten
um grande sortimento de ditas finas clarai
e escuras que vende a 280 e 320 rs. o co
?adu e finissimas percales miudinbas propri
ZTZ L SSi brda(1f' J2FS5 P camisas, vestidos 6 roopas para me
fflmm n V S qQe V6Dde d6 ** a, BiS que se vende a 360 e 400 ri.
,65oo o par. 1 fnpns muNms
JmJ^^*tomOM com 201 0 pav30 S^0fran?os abanhado,
fars a 105000. crochet ricamente bordado vendfl Sunn fl u a Am\ ditn.
para cortinadosa 15500 o metro. Assim como q f 5 \ l 1
Sos damascos com 6 e 8 palmos* targ!!grandos de mur,tn 8em 8er abanhado8 J
ra proprios para co'chas de camas e tam-
&em ricas colchas de damasco a imitago de
seda e ditas de crochet as mais lindas qoe
.em vindo ao mercado.
fSSELLNAS DE CORES A 400 RS. 0
COVADO.
O Pavo tem um bonito sortimento de
mue&elraas de cores, padroes inteiramente
aovos e cores fixas, que vende a 400 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roupas de meninos a 70 rs.
tcovado. Cretones de cores muito encor-
dados para vestidos a 600 rs. o covado.
Metra] had oras!
Coegou para a loja do Pavo ata magaiiteo sor-
meoto de cortes de vestidos de carobraia com
sbados braocos e de cores, denominados a me-
cralbadora, *endo et fazenda a mais moderna e
4* melbor gosio :joe tero vindo este anno para a
ftsU: a*sim como rfceben tambem um lindo
4t>rim(nlo de cortes (fe rambraia com palruirah \>
bordadas a 13a, fazeo-ls de mnita phantazia, e veo-
-a tndo mntio mais barato do que em outra que se vende muito barato Dar
qjtlqaer parte : na ra da I uperatnz n. 60, loja p
armaxam de Pereira da Silva 4 C r ara
352OO rs. a duzia; assim como bonitos len-
cos bordados para raaos.
ROPA PARA HOMENS.
Sobrecasacos de panno preto fino send
muito bem feitos de 125 at 405000.
Palitos de panno preto fraques e sacc
de 85 at 125000.
Ditos de casemira de cor de 65 al 125.
Ditos de alpaca preta tina de 45 a 65000.
Ditos de dita branca e de cores 65000.
Ditos de brm de linho trangado a 65000.
Caigas de casemira preta de 65000 at
125000.
Ditas de brim branco de linho de 4500C
at 85000.
Dias de brim de linbo de cor para todoi
os precos e qualidades.
Camisas francezas e ioglezas com peito
d'algodao de 15600 at 55, em duzia ven
de-se mais barato.
Ditas do meia do 800 rs. par cima.
Ceroulas de linho eaigodao, ft acezas (
feitat na Ierra.
Collarinhos de papel, algodo a lnh(
iquidar.
noiva.
O PavSo tem rico gurgarJo de seda, bran-
I co. Grosdenaple branco muito encorpado.
Agraciannas brancas com listras de seda.
Poupenas brancas de seda lisas e lavra-
das. Sedas brancas, lavradas e lisas. Ca-
pellas com palma de flor de laranga com
ricos veos bordados, que todo se vende mais
barato do que em outra qoalquer parte.
A loja do Pavio acba-se constantemente aberta das 6 horas da mateas at as 9
tu da noite, rus T^oeratr n. 60.
Popelinas de seda
A 15600 rs.
fli loja do Pava vende- M uro elegante sorti-
oto das molhores e mii; modernas popelinas
M seda, que se liquida pelo baratissimo preco de
'00rs.o covado, grande pechtaeba : ra
'mperatrix n. 60, loja de Pereira da Silva &
Para a quresma
QROSDENAPLES PRETOS A 1#600,
25000 2550O e 352OO
O Pavo recebeu um grande sortimento
de grosdenaples e gorgures pretos que
vende por prego muito em conta, sendo
grosdenaple preto liso muito-boa faznda a'
11600 o covado. Dito a 25000 e 25500.
Dito de cordo ou gorgorSo muito encor-
pado de boa largara a 3#000, 35200 e1
35500 at 55)00 ou 65000 o covad, aa|
lia como grosdenaple liso com 4 palmq|,
de largura, sendo moitoencorpado a 35OtT
grande pechincha, na loja do Pavo ra
da Imperalriz n. 0.
FAZENDAS PRETAS PARA A QURESMA
Na loja do Pvio vende-se um grande
sortimento de fazendas pretas pro,t as para
a qaaresma como M'jam : grosdenaples pre-
tos de todas as qoalidades, panno fino pre-
to de 15600 o covado at 105000, catem-
ras pretas de todos os pregos e qualidades,
merinos trancados e de cordo, bombasiaas,
alpacas e oulros muitos artigos qne se ven-
den mais barato do qoe em outra qualquer
parte ra da Imperalriz n. 60.
Panno preto a i UOO o covado
O Pavo vende panno preto fino de duas
iarguras a 15600 o covado, dito muito su-
perior a 25300 pechinha, roa da Impe-
ratriz n. 60.
RICAS SAIAS BORDADAS A 85000 E
105000
O Pavo receben ora bonito sorlimento
das mais ricas saias bordadas, tendo 4 pal-
mos cada urna e vende a 85000 e 105000,
sendo fazenda que vale 125000 e 115000,
pechincha, ra da Imperatrz n. 60.
LAASINHAS NOVAS
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais mo lernas las para vestidos com
listras de seda qoe vende a 800 e 15000 o
covado, ditas de phanlasia sem listras de
seda- qoe vende de 400 at 640 rs. pe-
shiocba na loja do Pavo roa da Impera-
lriz D.60.
adupolo coaa mofo a e*000
a peca
O Pavio vende bom madapolo, tendo 4
palmos de largura, com 20 varas ou 22
melros, pe) barato prego de 6000, por
ter um leve t >que de mofo; assim como
pegas d'algodosinho a 35000.
MANTILHAS BRASILEIRAS
O Pavo vende bonitas maotilbas brasilei
ra3 a 10|000 pechinha, roa da Impe-
ralriz n. 60.
NOVAS CAMBRAIAS BORDADAS A 55000
O Pavo recebeu um bonito sortimento
de novas cambraias bordadas para vestidos
endo todas brancas e" com horcados de co-
res e vende se pelo barato prego de 55000
cada corle, tendo 8 1/2 vara pecbcinba,
roa da Imperalriz n. 60.
Grande pechincha
Sias a 25500
Saias a 25500
Saias a 25500
O Pavo vende um grande sortimento de
saias brancas ja promptas com folhos ma-
culados, pelo baratissimo prego de 25500
cada ama, fazenda que sempre se ven.ieu a
45500 grande pechincha, ra da Impe-
triz n. 60.
Bonitos e finos entremeios e
babadiohos bordados
A Apnia Branca raa do Puqoe de Caxias n.
30, receben novamente nm bom sorlimento de en-
tremeios e babadinbos bordados, caja Miperiorija-
de sera conbecida por qoem os qaizer comprar e
dirigir-se a dita loja.
Camizinhas pura haptisados
A Agaia Branca receben benitas camizinhas
entenadas para baptisados, e como sempre conti-
na veode-lis por precos cora modos.
CHAMPAGNE
Marca Ohs Fare
O depsito d'aquella marca acha-se attualmen
te na roa do Bom Jesas, aniiga raa da Cruz a
22, f andar.
AOS PADRES
A Nova Eaperanca, roa-Duque de Caxias o;
63, quem vende as meih res meias de laia : a
quantidade pequea, portento ellas antes qne
se acaben).
MACHINAS
COSTURA
A'
Vende-se escravos de diversas idadee : a
trillar em Olinda, nos Quatro Canto?, :om Thoma?
Jos de Gusoii.
''.mnea s vio um processo'mais perleito e que at-
W*4* ul forma a satisfaztr as exigencias mais
4trai da escriptur 1 u& c5r lindissima e nao precisa de cnlda-
a algum para se conservar do timeiru ~ mpre
'K a mesma cor, sem horra, cro.-ia, bolr ou sem
/.; astas mazellas inherentes loo'as as tintas
(* afora.conhecidas, anda mesmu dc.< melbores
itores estrangeiros.
iobretudo, este estimavel producto nao ataca as
i.:aas de ago, antes pele contrario, a penna
>i.uirt um esmalto dourado que, sendo interes-
euia, asss preveitoso.
Sata tinta, nao sendo especialmente para copiar,
a comiudo duas, tres, ou mais copias nm mez
;pn de escripia ; preciso, porm, deixar-lbe
:rpnl bem rooihado sem o enxugar com o mata-
u'ro, porque nSo ba o risco de borrar. Para se
irar mais de orna copia, nao so agglomeram ta-
a folbaa guanta^ copias e quareai tirar, mas
*-i* com o original tirar urna tantas quaotas
.*:iw;am, sem que o orlgioal llqu* prejndicado
iiu xiragoos.
' 'ccorre aqu dizer que, para copisr importa
anta intelligencia e habilidad?, m o que a me-
jor tinta nao satisfaa, e o defeo recae sempre
otra a tinta, que muitas vezes quem menos
tipa tem.
k dupla qnslidade desta tinta extremamente
.crtciavel pois que evita que em qualquer es-
npvorio naia mais do que nraa tinta para os dt-
?o misteres.
laonamo sua durabilidade, nio na a oppdr
|taaaor davida pois qua tinta dapois da ai-
cripta sffre o choque de cidos fbrli88most sem
se decompr ; ^ra, se os cidos nao tem accao so-
bre ella, inoita rueos a accio do tnmpo a pd
destruir; ato plansivel.
Nao s ao ccmraercio que este meu producto
veio ser til ; os professores dos collegios, investi-
gando todos os neios para o adiantamento dos
-cus discpulos, tem approveitado eeta tinta, qne
com razio a acharara apta para desenvolver o
gosto nos educandos, em consequencia da beleza
da cor e facilidade de correr na pequea pela ma
liquidez. Ha exemplos de enancas que havia
muito lempo tinham urna repugnancia extrema
para a escripia, logo que foi admittida esta tinta
no coliegio, apoderou-se deltas a euriosidade e o
gosto, e ponco tempo depois o seu adiantamento
era maniteslo.
Esta tinta, par de tantas vantagens, tem nm
nico inconveniente, deteriora-fe ao contacto de
outra qualquer; cmvm pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de outra tinta, evi-
tar escrever com a penna suja de nma prepararlo
difireme e incompativel; verificando isto, nao ha
razia) para se usar de tinta que nao seja a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIBO.
Observado.
Diversas talsiEcaces e semelhancas tem appa-
recido, cuja durabilidade duvirlosa. Os Srs.
compradores podem evitar o engao dirigndo-se
casas circnmspectas, pedindo a tinta qn en
fabrico
i. C. linnu.iro
ARMAZEM DOS LEES
Ra Duque de Caxias n. 29.
Os propiietarios deste bem mentado esUbelecimeoto scientificam aorespeitave
respeitavel publico d sta provincia que se acbam cem um variado e completo st-rti-
Bcnto de movis, tanto naoionats como estrangeiros, sendo estes escobados por omdos
sos.os qoe se acha actualmcnta na Eoropa. O mesmo tem contractado com os melbores
fabricantes daqaelleconlinehte as remessas das mis ricas mobilias feitas all.
Na oflkina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem que ve-
obam visitar o estabelecimento, aonde encontrarao a renlidade do qoe acabam de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mrgno, U,a, carvalbo, a-
marellc, etc, ticas e elegantes camas deja caranda, pao selim, am^rello, etc etc., guarda
vestido de amarello, gnarda louca de cogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radoies dod-to dita, peti to.lettes especialmente para fazer a b:uba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretaba? da Jacaranda e mognocas toreiras oe mogno, san-
tuarios, th^ars pira nordar, barco?, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seus
pertences, cadeiras privadas, bidas; etc., etc., e muitos ontros artigos que deixamos de
mencionar por sejtcrnar enfadonho
AFLORDEOURO .
No 24 A-Rua larga do Rosario-N. 24 4||
Sempre viva do enmprimento de leus deveres, sada a seus innmeros fregue-
zes pela entrada do novo anno de 1872, e de curacao deseja, a todos, bem boa somma
de contos de ris, aflm de que jamis esquecam o jardim das joias que existe a roa
larga do Rosario n. 21 A, onde com muito pou^o dinheiro" orgaui-am um bonilu rama-
Ibete que nao expargindo perfume nao deixa com lodo de ser de subido va-
lor, e.mil vtzes preferido, s flores vegetad que perdendo o odor murchara e desap-
paTecem. Anno novas, nova censas ; portanlo respeitaveis lefterat visMai o estabeleci-
mento que enconirareis urna variedad" tal oue oom-certeza daris por bem emprrgado
o tempo precioso passsado na FLOR DE OURO que
Em modiciiade de presos sem igual

^
Lindas volbnbas de curo a 84OOO, losetas com caixa de madreperola obra de
gosto para senhora a tO/COO, pares ^fle brinco de pbanta?ia a 8/ e tojOOO, meios ade-
reces a 16<, rrzetinha de diversos modeHos a bf e 6|, e 8fC00 o par, palceirinha de
corai a 7|, atscadores de dito para crenla com bottmhas e diversos enfeites 4e turo a
a 20*000, vilnhas de coral com cruz de onro a 8*000, brlnquinhos de ral a 3* e
4*000, li(i?s a 2*, lindos armis de bonilaste bras pedias a 3* e 4*, ditos de pedras
finas a 6*000, crozes de diveros gestos a 3*, i* f 5*, ditos de esmeralda, perolas e
rubios a 12*, 14*, e 16*000, cacoletas com inscrfpcSes e sem ellas a 5*. 6* e 8*,
lindas tiveimhas de pralrpara as modernas pulceiras de fita a 1*.
Aos apreciadores da moda
E' sbente na Flor da Ouro que se vende joias modernas por ponco dinheiro
como sejam : guimicoes cem tres boloes para abertura 4*, pares de ditos e de de-
ferentes gestos a 5*, ditos a 3*, ditos de colerinbos a 1*500 o par ditos para puchos i
8*. cadeas mnito chiques a 20*, dita* a 6*300 a oilava, pencinez de prata deurada
a 4*, 4*300 e 5*, medaihoes para cadeas a' 12*. medalhas com letras a 8*; alm
de um grande surtimento de obras de brilbantes, brincos, braceletes, alfinetes, adere-
mos completos, meios ditos de pedras finas e coral, medalbes, vollaa e Irancellins,
anneis com letras e de diversos modelos, oculos, pencinez de onro, relogios de onro e
prata dourado e de afamados fabricantes, awias como grande lorlimenlo de obras de
prata do Peno, unto para o servico domestico, como para igrejas, e garantimes ser
todo lei.
A Flor de Ouro continua a estar aberta at as
8 horas da nonte
DOS POSPONTOS
MAKI'A
DOS POSFOX ros

SINGER
aoo'oo
domo
9?i50O0
(DHiPAsnr
904O0D
9"000
9040CO
9W0C0 UVMMK
WCOO
OMPAIHfiA
FXO NO BRACO DE CADA MACHI\V
GRANDE TRIUMPHO
OBTIDO SOBRE MUS DE TIISTa EXPOSITORES, IM.!
TODAS AS GASAS PRINCIIMES NESTE RABO BE I1MSIIU

EXPOSICAO
NA
Os jursdos, para decidir as qualidades de varia? machinas (nao s a re;r(.t 1?
excellencia da cousiroec5o, c ma tambtm da taperioridade do traballn rxefoia
ganisaram tntreos exposilo.es urna lula de coser, em que oa orados determina
destribuiram os materiaesde que se diviam usar
Ruconhtceu-se unnimemente
Que a machina moderna ptra costura de f mi lia, i!c
SINGER MANUFACTURIN& COfiPANY
alcanoou ooia victoria fcil sobre 'odas as concurrentes, leado efferiado urna :.;
2 3/4 horas, qoando a raais rpida das outras linha levadj 3 bor-s paia ex
mesmo trabalno de urna maneira muito inferior.
O numero proporcional de palmos d cosiura feita em 10 brraa de-irabal'r. n
a machina Singer, era 1,500, necessitado 1.000 a 1,200 jardas de linha ; no e?.
ser preciso 3.0C0 a 1,000 jardas para fazer o memo comprimeLto de coatara
machinas.
A PONTO DE CADE A
O preco de 3,000 jardas de 1 nha................ 14650
O prego de 1,000jardas de linba................. ,jj.-;.i
0 qoe mclra um prejnizo certo p?lo mecos de 1,50(0
por da emprego das machinas de ponto de cadea. (azendo ?m nm anuo de 30 '.?*,
o obreiro um prejui o de mais de 340, qnantia pela qoal pde-se qoasi COBOprar
machinas.
nico agente m Pernambuco
(Ntese bem o numero) "W. H. Chapman (Note-se bem o numero:
45 R11 a do Imperador 45
MOE GRANDE SORIMERTO
DE


FAZENDSS FINAS
LOJA
n
y

FIGIIIBEOO & LOPES
64 RUI DA IISPES ATRIZ U
O grende sorlimento de fazendas Gnas que ltimamente recebemos, que u
demos por precos que a todos admira, nos animt a cbanwmw a aiietrih d s r.,
numerosos fregoezes. certos da qte ni lir;a faltar agr lo e smc3nd.d.3 ro-
tes, Outro sim os pregos por que f rem marcadas algumas Caceadas s sera <
das a din .eiro.
Alpacas lisas acolxoadas p.'dtes lindostudo escnlhido a capridn e por m.;,
a 500 rs. o covado.
Ditas lavradas muito finas a 700, 800
e 900 rs. o covado.
Ditas lisas bonitos padres a i 10 rs. o
covado.
Merinos lisos de cores diversas a 500 rs.
o covado.
Dito verSo muito superior a .-)SOO e
3$000.
Bareges de la lindas cores para acabar
a 280, pechincha.
Gaze de seda com lindos padroes para
vestidos e veos boje muito em aso e por ba-
ratsimo preco.
Dita de seda com o assento branco e
bordado de cor muito proprio para soires
a 203000 o corte.
Fil de seda branco. Dito preto por
menos preco que em outra parle.
Maotilbas pretas de seda esmeralda
11*006,
A' doqaeza a 12000.
A* brazileira a 134.
PARA A SEMANA SANTA
Recebemos o methor sortimento de gros-
deoaple preto do melhor fabricante france7,
pois neste genero podemos garantir aos nos-
sos numerososfr>guezes qoe nio temos ri-
val, os precos s8o desde4800 at 5:800
Groz de cores da melhor qualidade e
precos razoavels.
Setios de cores dos melhores fabricantes
de i* a 28O0,
Ombraia Victoria de 40 at 80 a peca
de 8 I/2 varas'
Dita transparente fina de 3 cjroa
Mecejana, recebemos novamenle esta lin-
da cenobraia qoe feito o vestido parece urna
seda, a peca tem 30 Js. e costa 180 e
240OCO.
Saias de fusilo e de mosselina para fa-
zer a 30,
Ditas j feitas a 40.
Ditas bordadas a 50500.
Ditas mais finas de 80 e 90.
Cbapenbas para 3enhora de palha de
Italia ricamente eBfeitadas rtflo baratissimo
preco de 150.
Cambraias brwca com listra* bordadas
a 80 '
Chapeos de sol para senbora com forro d8
seda muito no.
Ditos cebos de marfim.
GrinalrJas para noivas' ricamente infei-
tadas.
Yos d blond, sedas brancas, popelinas
em qualquer outra paiti;
Basquinas de seda rcam nte ii.f.'i.
200000.
Mei i3 para homem, enhora e mu
de todos os tambnos e quaiidades.
Guardanapos de linho a 4S.
Ditos alco.boados grandes a 6 >.
Cacbinez a :i > para acabar.
Carnizas para bom os de 20 al o_>.
Ditas bor ladas finas a 60.
Ditas ditas para noivos a 10$.
Ditas para meninos a 20.
Colxas brancas grandes a 803'O, dita
50500.
Ditas decores muito superiores a S
Bramante de linho a 20200 dito a i ..
a vara.
Dito de algndao a 10700 metro.
Atochado de linbo de superior qo: ia-
de a :{>'.o a vara.
Dito de algodSoa 1060") a vara.
Habidos bordaaos muilo finos.
Dit<'S intremeios.
Fustao branco moito superior para rea-
pa de meninos.
Gollinhas de esguiSo bordadas para ie
nhora.
Ditas' de algodSo
Luvas frescas de Jouvin a 30.
Tpeles para guarnilo de salla para i;-
dos os precos e tsmanhos.
Cortinados para camas de 80, 90 at |
o par.
Pannos a croch para guarnigo di salla
muito baratos.
Para luto. Alpacas m r'ns Cinioe,
princezfas b'imbazina, chita preta, de p-
cale, crep, 15a preta Boa, que lodo vena-
mos por um preco diminelo.
M-dapolo francez para 70 80 90 \v5.
110500 a pega de 24 Js.
Dito inglez a 50 60 70 e 80 a pessa c m
24 Js..
Casemira para homens e meninos de in-
dos padroes e por precos baratissimos.
Roupas feitas para homens gra ida sorti-
mento e no Cysne se pode vender r-i-
rato.
Anquinbas de cia das mais modernas e -
30 e 40.
Duixamos de annonciar muitas entras *a-
zendss per se lomar enfadocbo e rr.e.iu
por qoe os nossos numerosos fregones i
sabem qne o Cysne tem por cystema,veBdr
barato, e nlu engaar seos fregoezes, e por
isso venli ira ver as fazendas do Cysne
so escolBidaf. a capribo a



64 Ra da Imperatrz 64
FIGUEIREDO t LOPES
.



8
Diario da P^fuambuco Tefta teira 6 de Mar^o i 1872
=
r<\
:

LITTfflATURil
O horoem de lettrnt.
( FRAGMENTOS DE MAS MEMORIAS. )
( Conclosao. )
0 hortera d lttrai semeia seu saogue,
leu collo, e sua \da para recolher o
sarcasmo tos tolas e o desdora daquellw
que se julgam fortes.
D se por veator* ao hornera de lottuw,
eai forium e o.n W^s o que da direilo
se .e ilave em ..ragio ?
A d p le st r permitida.
Dizern-rae que- em ou'.ros pa zas corr>
aspecia.idadi) ua Incalera, a peana c u-
uz opulencia (j ai poder. A logia
trra cora ra seus poetas e donra a senda
por otile teem do t finar os seas escrip-
lores!..
Em Fraoga sei assim ? Nossa lilteratars.
que a hoara do mondo, floresce geral-
uiento pela vonlide de Dos, oo meio da
indiereoga das raultides.
Opprimilo- pea iuveja dos escrptore.-
vulgares, os gracdea es:riptores empalide-
cen). Nos saius os athnieuses; inanifes-
Mnc-noa contra todos os Aristides, cij-
nome pronunciado moitas vezes.
Cada urna das c becas obscuras, que se
-rdem oo tumulto, julga ter direito a o
peestai. O priiutiro qua chega entre os
carneiros desse rebanho, iavja u pastor em
sua vaijado burlesca e exclama : Se en
trvesse o seu cejado (aria de certo, corno
elle, outro tanto i u ra>s aiada!...
Visto que nem tolas as oveibas sabaya
bal:rrf>i precito inventar orna fuocg5o, ano
entid'ade que te chamouo advogado do-
carueiros, t>u por outraa critica, ord-
aariaraeute fructo secco da invengan, entre
cencido das (utas tbeatraes ou romincista-,
e.ocarregado especialmente de viagar sua
u/opria impotencia oes (laucos do triumpii
'dor que trabalba.
A critica, em t .da a parte, respoade a
i iuimauao ranoor da vulgardada ove-
josa. Cada ama das injurias da critica pro-
Soca um grito prolongado da bem eaitr.
Q. o mais acerba ella tanto mais con
Cg Nio se Iba pede nem t-lento, ne.u
sb ; o essencial que seja insolente.
; aebais cousa divertida ver um imi.e
cil, i. i idiota qaalqaer esvergalbar um h >
mem illastre ? De certo qoi sm, tamo
mais que verdade qae elle se compraz e a
; lyranoiar o le5o.
Nj Ja seria se a cousa nao pausase .la
t1 do leSo. atJ3 quando este est boa
mo.'t i j as vespaa procurara um asno e o
oobrem com a vasta pella daqaelle rei prs-
trado. E os carneiros riem contentes, gl >
riosos, viogados, e a multidlo exclara .
ruo-tr-ndo a mascarada do asno: \de I
ora eis hi o qae om lelo I
Td voz que erradamente me a:uuseis de
exagoragSo... E' verdade que fallo apaixo
aadamaite, mas a paixo da verdade a
que sinto.
Voltemos, poretn, ao men succasso,
minha posigo, ao meo nome.
Sim, Uve saccassos, isto urna serie de
txcruciantes dores. Lembrai-vos que basta
t-mente o bramlo de urna voz que vitupe-
ra, para suffocar o trovio dos applauso?;
ora, orna tal voz iiuum so cala. E' o la-
verso fatal e na;esjaro de tudas as ovales.
Miaba posigo nao existe. Nio conbego
h mem de letlras que tenia urna pisigao.
Aiguns esenptores ganhamavultadas quan
U, mas quasi nunca o fructo puro da
eona... ReQro-me lilteratura sisuda e
t .HHuercial, como a deoomiuam por abi.
Para encontrar logar onde o talento seja
urna especie de patrimonio, con\m pastar
da fronleira das lauras e attingir o slo da
industria.
Mea nom, jue irrislo I a colera me sobe
cabera I o que oa nome, dizei me?
Comprehendeis pe etJ termo essa im
mensa recompensa a que se d o baptismo
de gloria ? Eu n3o termo nome. Os livrei
ros dir-vos-h5o ove o me genero passou
da moda j..
Desl'arle, nos supp:rtamos a moda como
os indios supportam a variedade das cores.
Nos somos am jogo entre as maos da p.rte
brutal dos leitores qae eu cbamarei o vul-
go. O volgo acceia em um dia de expan*
sao, por algumas mLraveis moedas, o di-
reito de nos ju'gar e condemnarnos.
Se o divertimos em soas bor?s vagas,
elle faz abonra de darnos um bravo pro
tactor; se o aborrecemos, como quasi sem-
pre acontece, a pateada ro se faz esperar.
Retombam acclamacSes, ergaem-se thro-
nos, trovejam as ovales. .. S5o as horas
triomphaes da vida d i escriptor ; mas, per-
gentai a todos, pergantai aos mais felizes,
.tos mais gloriosos, se o publico adopta
sempre o filbo que; i do do sea verbo e do
sea genio.
Perguntii-lbes se muitas vezes a acch-
m;.cao ruidosa nao se eleva em torno do
be.-fo d'um recem-nascido rachitico oo de
uro.-bastardo originado em'dias de descren-
5a e de inepcia.
Diz aqu a transido para ebegar aoe es-
criptores qoe g^oham mnto dinbeiro.
O ireito o3o'rnente o principal da
vida ci*il, mas aiada o metro, a medida
exarta e barbara por meio da qual julga.-
moj, todos nos, a forfa da capacidade bu-
mena.-
Sob este ponto de \isti poder-eo-bia qai-
si dizer que o dinbeiro tambas da glo
lia. ,' i lo menos o ultimo >ignal tangi-
vel dabatalbagnha.
Supponde m homem de genio, n8o um
destes genios primordiaes, ses do espiri-
to Humano que secbamaram Himero ou
Moyses, mas um genio levado a proporgoes
modernas, um gecio tal que se admita
possibilidade de nancer em nosso scula.
Supponde um poeta grande como*bs que
temos tido.
Ddmbrai-vos agora deste fado qae ec
nunca deixo de assignalar; a sorpreza ma-
gna, a vergjnha admira-se in lignada de cor-
tos tiiumpbos qce se succedem I
Aproximamos este facto. qae j conbe-
cido, deste outro imposs:vel de negar-se; a
decadencia progressiva de quasi.todos os
bellos espiritos deste secuto. Estamos no
movimento nem preciso citar nomes. E'
por demais conbe i Ja a pagina de todas
essas esperanzas engaadas.
Por tantas auroras radiosas quantos ses
temos tidj hora do meio dia ? E em qoe
sombras uuvens vao se reclinando os ra-
rissimos e palliios astros que temos vis/o
Inzir?
Djixem s em paz a razo dessa decaden-
cia que parece ama conlagio. Elle esta na
adniiraco do triumpho ; est na influencia
exercida pilo vulgo sobre o poeta; est
nessa tjrrivel blaspbemia da ablicaclo 3o
genio.
U genio e fcito para conduzir a multi-
do ; desdd o momento era que elle sa 4ei
xa condazir por ella, prevarica covarde
mente, o Deus o aband.na. O triump o
que assusta pjrverte.
E' urna miseravel verdade, qoe om nos
sos dias nadi desinloressado, nem mes-
moo geaio ; elle trabalha e s estorg pira
conquistar duis remuaeraies: o renjm-i e
a riqueza. Se percebe urna e outra cousa
ao Qm de urna senda que nao a sin, aban
dona a estrada em que vai. A f esmore-
ce. A relgio luterana se revolta por
momen.os mi3 cede.
C orgulbo, qce sabe sempre pegar-se a
algara ramo, engrossa de entono e altivez,
,e exclama : futi-'.ei urna escola!
Mentira: nada ficou fundado, a nao ser o
.ystemi de obediencia servil as phintasias
das mullides:*
E' a turba tresloucadi que segura em
suas m3os as correales Iliterarias : turba
dos *a oes, ou turba Jas pracas.mas sempre
a mesraa na essencia.
A turba dicta as suas leisao homem que
ella cliamma um sonhor, do mesmo modo
que encommendamos um jantar ao cosi
nheiro que nos chamamos um ebefe.
Senhores e chefes curvam-se obedien-
cia. O gosto decahe ; o nivel das obras
intelelctuaes abaixa-se sem, re. porque em
logar de permanecer na esphera divina, o
poutamais humilde que Vatel qaeao me
nos servia um principe, vera todos os das
reverentemente receber as ordens da po-
pu'aga.
Os esgos indicara o caminho aos perspi-
cazes, a anarchia pro.egue. Alm de ludo
a vbora da poltica morde desapiadadamen-
te, e preciso que a lisonja nao sa faca
esperar, sob pena de gloria posthma, isto
, a morte t
Se gs bjiens da genio 3o obrigados a
passar por baixo destas (oreas candnas,
pergunto eu agora : que humilhaces n3o
deberlo supportar todos aquellas que nas-
cer3m sem o dom sagrado do talento ?
FOLHETIM
muwn propicias.
roa
CAMILLO CASTELLO-BRANCO
(Continnago do n. 52)
IX
.
-.t'MA CARTA DE C0R1NNA DA .S0LEDADE A AN
TOMO .D'AZEVEDO BARBOSA.
f Na miaba segunda carta lhe contei 0
que se passou at morte do tio D. Jo3o.
Agora qae ea bem comprobando o deses-
pero em qoe vive mea pobre pai. Quando
ei',3 me disse qae iamos empobrecer, cai-
dei que se nventava am engao para ea
consentir em ser a victima voluntaria da
pobreza da nossa familia. Soube que a
Emma lora istada com as mesmas razos
da pobreza : nio a dissuadi ; mas, em mi-
nha consciencia, ju'goei qae era sacrificada
s ambigoes de continuar- se em Lisboa o
fausto qoe tiveramos em Pars.
c E' verdade o qae mea pai me dizia.
Os baos do vinculo, aicos que possuimos,
esto em risco de se perderem. Imagine
o mea querido amigo como ser a nossa
vida, ooviodo a cada hora o pai Ustimar-se,
enfurecer-se e lancar-oos injustamente em
rosto qoe fomos nos a canea da sua ruina,
porqoe dissipara os bens livres para nos
dar em Pars ama vida brilhante com esme-
rada edacacJo I Miaba m5, qoe n3o tem
colpa de ter sido berdeira do dote qae Ibe
iram,faz-me maita compaiio, qoradoo
O llebreu.
A SAUDOSA MEMORIA DE SEL' PAI IEHHESKEL
KOLOM0.\ BEN (HEDALIAH, OFFERECE E
DEDICA SEU FILII0 F. R. S. SARA!VA, EM
TESTEMNHO DE AMOR FILIAL.
Guarda este preceo, eternamente
iQviolavel para ti e teus tilbos
exod. 12 24.
Eutra a Paseboa Io Iraelita
Cae prstrado em orag3o,
N i deserto os o;bos fita,
Sent a der-lhe o corago;
Traja vestes (estivaes,
Faz banquetes frateroaes,
D p'rabens a seas irraos:
Nesse lempo ledo e santo,
Sua voz espraia em canto,
Com fervor aleando as mos.
pai ibe diz que (oi atrozmente engaado para
casar com ella.
t Que ser de nos, pausados algoos me-
zas ? Para onde iremos quando nos ex-
polsarem d'esta casa ? Minba mai j pedio
a prenlas, que tem em diferentes conven-
tos, que nosrecebam. Ea creio qae irei
para Yiannae mais a mana Felismioa; ou-
tra ir para Vairio ; e as outras du.is para
S. Beato do Porto. O pai diz qae vai a
Lisboa requerer un emprego, com qae pos-
sa s'iiteotir-sj a si e mai. De maneira
que estamos em vesperas de aos dispersar-
mos para usca mais oos rebemos l E
ea, entre todas as miahas irmias, sou a
menos infeliz, porque ha muito suspiro pela
sbliSo do claustro, e sei que l terei co-
migo a imagem compassivado meo querido
irmSo ; porm eu quera ir para o conven-
to, deixando a mioaa familia contente e fe-
liz, e nio assim a bragos com a dependen-
cia, e Deus sabe com quaotas desventuras
peiores qae a dependencia I
c Aqoi me tem, pois, bem digna do seu
amor por minha pobreza. J me lembrou
se Dos me dea esta virtade para merecer
aos seas olhos, mea amigo. Teoho mo-
mentos em qae- o futuro se me allamja ;
sou eu a nica pessoa da minha familia qae
v a fdicidade atravz d'esta escnr.dade.
Todos se lastimara, e ea s me lastimo de
os ver to disanimados. Falta-lhes o am-
paro do amorr e talvez di f ui providencia
divina. Ea rezo maito, e desa/go em
consoladoras lagrimas ; miahas irm3as e
meus pais abafam sem unitivo. As vezes
quero coasolar meu pai : o infeliz replle-
me, como sa ea dsse causa a seas desgos-
t03, e nao osse capaz, para o salvar da
queda, de me dafcar esmagar no coragSo e
na vida I
c Nao estranhe qae ea lhe diga todo o
que o corac.3o me for dictiado. Agora qae
Nesse caato sea primeiro
Goza paz, tem unitivo,
Como aquello prisioneiro,
Qj?deixou de ser captivo ;
Cono eacravo bartado,
De laareis abi c'roado.
Canta psalmos de victoria ;
De lilar descanca e para,
Porque a Deus qoe o resgatra,
Renda gragas, d-lba gloria.
Ergue as mSos, e a voz exalta,
Como as virgens, junto ao mar ;
E' fervor de quera 3o falla *
A seu Deus, em iflu penar ;
Seu desterro ent3o esqoece^
Cae prstrado, a Deus se offerece
Em amor, em devogo :
Nesses dias de prazer,
Nunca pide em si coter
Alta voz do coragSo.
Que essa voz que lhe germina
N'alna triste, ha t .ritos anuos,
E^j'ra elle a voz divioa,
Nesta qoadra entra os humanos;
E' p'ra elle o sao poeta,
Seu canlor, o sea propbeta,
E'-lhe a aurora do potvtr;
E'-!he nm anjo de piedade,
Que loe troca por saudade.
Por ternura, o seu carpir.
Vem tornir-lhe aiada mais vivos
Esses hymnos de louvor,
Esses cantos primitivos,
Offerecidos ao Senhor :
N'am viver d'entnosiasmo
Se recre3 no seu asmo.
Cumpre as suas tradiges ;
Vivo s para sen Deus.
SJo p'/a elle os seus tropheu?,
De sey Mikra essas caogas.
N3o se farta em-repetir
Os primoreada poesia.
Cojo acceno ple ouvir
O Barsut que o repeta :
E' para si o aar brasa)
Entoar urna cang3o.
Que lhe aviva essa memoria;
Tens prazor qne all possua
Uro padro em lingoa sua,
Vivo syrabolo da gloria.
K' na trra o Israe.ita
Vivo impulso da constancia,
E' o homem q-ie medita
No Senhor, desde a infancia;
Nao teas templo, nem altar,
A onde possa ir Hartar,
A seu D us orna orag8o ;
Aonde quer quo a sorte o leve,
All mesmo ento >e embeba
Em amor, em devogSo.
Pois embora o desapplaoda
Cgo vulgo matdizeate;
De sea Mikra em cada lauda
Se conforta, vive e senle :
O sen rosto o5j Ih'o esconde;
Com firmeza lhe responde,
Que antes delle a Dens amou :
Dizlhe, alfim, co' a-Biblia em poobo :
Eis aqu meu teslemoabo,
Abre, l, vers qaem soo.
Que ibe importa, o escarneca
Volgo estulto qae o msolta ?
Sem ceder sorte avessa,
Abre o M kra, caula, exulta ;
Uae a voz lerna lyra
D'um propbeta qoe suspira,
Beba tragos dora taga;
Ouve, pois, imprecagas,
Mil sarcasmos, maldiges;
Mas bemdiz, sorri e passa.
Eotra os borneas qae Ibe importa,
Tenha o nome de proscripto ?
Pela crenga qua o conforta.
Tenha a nota de prescito ?
Que he importa ? Se ama esp'raoga
D'um futuro de bonang^
O sustenta sobre a trra ?
Que Ibe importa ? se despreza
Com valor e com firmeza
Erro e'stullo que o desterra ?
E' na Le que mais se empeoha
No vagar mais aturado,
Onde passe embora tenha
O labo de reprovado :
Di nessa hora d'anciadade
Um sorriso de piedade.
Porque a crenga nao perdau :
Fita os olhos em Sio,
Lava all sea corago ;
Foiga, emfim, de ser judeu.
Vive nella.. .porque tem
Nesse Livro myst'rioso
Viva crenga de um Edn,
eu estoia as.sim pobre, e d'aqai a pouco
obscura e esquecida n'um convento, bave-
ria alguem que me quzesse para esposa ?
Podrid alguem iavejar a sorte do homem
que me accei:asse ? Pois. o'esta sitaa-
gao qaa ea mais confio do seo amor ;
assim qae ea me affoa o a pedir-lhe qae
veaba^qae renuncie ao desejo de ser rico,
e que... A riqueza para que a procurava?
nao era pira poder ostentar o seu valimeoto
aos olhos do meu pai ? EraMe certo : qae
se fosse para valer em mea conceito, gran-
de injustiga ma fazia, mea charo amigo.
Pois entao faca de contj que esto cahidas
as barreiras qae s o o uro poder i a arrasar.
Nioguem rae impedir qae ea seja sua mo-
Iber. SeJHnos ambos pobres : n3o taremos
qae medir a desigual Jade das nossas posi-
des. A oossa fortuna principiar com a
primeira moeda de cobra qae empregar-
mos ao primeiro pao. Depois ea lhe darei
hars de alegra com a minha di tosa con-
formiade a lado qae os descontente! cha
mam infortunio. ,
c Nao cuida que a vida do convento me
assusta, e que procuro aligeirar o lempo do
sopplicio. N3o meu am'go. G convento
o oqco estado que me qoadra, e a mais
prxima ventura qae se offerece minha
sede de solidio. Se voltar cedo, li ma eu-
cootrar ; se, passados muitos anoos tornar
para Portugal, no convento ma encontrar
ou desfigurada pela velhice, ou confundida
as cinzas das bemaventuradas, qoe all
acabaram contente} e amantes de mais se-
guras esperangas qae as miabas.
c Pode ser qae o mea irmlo, a'essa ou
Ira sociedade, com outras relages, e com a
madaoga qae (azem os annos, contra voata-
de mesmo de quera se transfigura, dimi-
nuir-se.a boa impreiso qae da mim
levoa. 3o creio que me esquega; mas po-
de ser que a distancia me v descotorrado
Rica berenga, eterno soso :
Zr tecer-lho leda c'ora
Cada verio qoa elle eotoj
Nos caalareeos pfophe'as;
Sent arder-lhe o peito em chamma,
Memorando a anliga* fama,
O valor de seos atbhtis.
N5o lhe importa... Porque agora
Se n3o tem oca tenplo, om ra,
Tem um Deus a quera adora,
Rica heranga, tem a L'i f
Melbor que om rei, tem um Pai;
Melhor qae am templo. Adorm,
A qaem ora era seu v gar :
Inda sent as otioges,
O prazer dos ccrag.'&,-
Dos hebrauS de junto ao Mar.
Nem iraigos v boiando
Do Mar robo sobre as agoas ;
Canta, exulta, mesmo quaodo
Saccombir devora s mag>as :
Nem O'ive a voz de Moyss,
Nem vai zumbru-se- ibe aos ps,
Uair ao delle sen canto ;
Nem ouve as vozes d'um povo,
Qae sa a tem entao de noto
Era- seus, cnticos d'espanto.
Se nio logra essa harmona
Do deserto n'um et*\,
Ner pirt Iha n'alegria
Dessas filbas d'Israel,
Della, ao menos, a lembranca
Lh'aviventa mais a esp'raoga
De quebrar seu captiveiro ;
Mai< intenso seu dasej)
Lh'a ligara fbz eosejo
De cobrar o ser primeiro.
Se essas voz-es nao reboam
as ene oslas do deserto,
Se esses hymnos j n3o foarn
L das teod3S a coberto,
Inda o seu coragao tibio
Lh'o afervorara, dc-lbe allivio,
N'um viver d'amarga dor ;
F'nrvlo a harpa que o sustenta,
Tira acceato que o actenla.
De ternura e s d'amor,
Se prodigios, como outr'ora,
N3o Ibe inspiram dev.g3o,
Vive certo anda agora
N'orn pensar d'iDspkag3o ;
Qae inda existe sua trra,
Qaa em seus muros inda encerra
O lu-'ar dos sacrificios ;
Qie inda existe o monte saato,
Onda l, baohado em pranto,
Implorava os beneficios.
Qaa inla'exista esse paz,
Que manava leite e mel,
Muito embora em sea matiz
Folgue o filbo de Ismael ;
Qoe os signaos das doze. tribus
Inda all existem vivos
Sobre os montes da Juda ;
Que essa mao que o desterrou,
Pode anda a qoem chorou,
Vir qaebrar-lhe essa cada.
Pds ter ainda, um Cyro,
Um leal Zerobabe1,
Muitos ootros, por seu gyro,
Qae te sal vem Israel ;
Josu, am Machabeu,
Podes ter oulro judeu,
Qaa por ti combata i,
Podes ter ama Judilh ;
Qoe outro here por ti milita
as montanbas de Jud.
Se tiveste om Jeremas.
Que chorou do Templo a sina,
Pode anda outro Nehemias
Suscitar-t'o a voz divina ;
Pode anda um Silom)
Sobre o monte de S:3o
Erigr-te um outro templo :
Inda podes, vencedor,
Dominar ten oppressor ;
Tens na Biblia esse exemplo.
Oh como h3o de estas verdades
Consolar-te, Israelita,
Quando soffres crueldides
N'uma vida de desdita ? !
Quanto, pois, te o3o contrista,
Quando passas pela vista,
O viver de tus a vos !
Mas se ah vo*nao_ dado
Um suspiro, um lio b'rado.
Gomis l com vosco a sos,
Curtes vida de flagello
N'uma trra que le apupa ;
Mas no Mikra leu desvelo
No desterro ah te oceupa :
Curtes vida d'amargura;
Mas ahi conservas pura
aos olbos da sua alma. Se tal acontecer,
nem assim deixare de esperar qoe em al
gum momento, entre as fagazes ventaras
d'63ta mundo, o seu espirito v ver-me, no
mea asylo, esperando-o ainda, e esperando
sempre.
c Mas o meu coragSo Ibe pede qoe nio
me esquega, e acceite ai alegras qae elle
lhe prometa. Adaus. mau amigo, meo
consolador. Sua C. da Soledade. >
A PRIMEIRA CARTA DE AMONIO D'AZEVEDO A
COKYnNA, ESCR1PTA NO BRASIL.
* 21 dejunho de 1843, onze horas da
manhaa.
c Aqt i estou, minha querida Corinaa.
cheguei a meia hora. A minha tristeza tem
urna negrura mex plica vel. Abafa-me mor-
talmente esa* ar. Estou como o desterra
do qae atiraram a urna praia onde n3o bou-
vessem olhos humanos qae me vissem
chorar. mea Deus, qae atroz sopplicio
a saudade I Qae desolago em roda de
mim. qae terror me acote tuda isto qoe me
ve com ama iadifferenga dolorosa como o
escarneo I S.birei ea d'esia febre qae me
est arrancando pedagos de vida a cada mo-
mento I O* Corinna, eu nao a vr jo mais I
Aqui que sossobram as mais robustas
almas... Ea nio previra isto... E' im-
possivel qae haja piedade n'esta gente I A
qaem escrevo ea, meo Deas I Est a m-
Ibares de legaas distante, minha amiga I
E esta carta s, passados quinze dias, sa-
oir d'aqai 1.........................
Santa Le dogran'Sadda ;
N3o le olvijas doM?nn,
Dos prodigios vistos l
Junto s fraldas do Synai.
. Soffres, vives, esperando
N'uma crenga em qae nasceste,
Maito embora por nefaodo
Sejas tido, porque creste ;
Nasces, viles, n6sss crengas'
Les, meditas, nellas peusas,
A' sombra dellas te a:rigas:
N'um viver d'esp'rang3 e lida,
Possas ni da fronte frguda,
T q te o ara da Lei consigas.
c Quatro horas da tarde.
c Sahi ao afogo de orna aficgio sm
nome. Levei a minba carleira, e entregoei
ama carta do Laveira a am negociante, qoe,
apenas lea a carta, me disse qae ea seria
hospede na sua chcara, para oade vo
imiah3a. Acoibea-me cqb maito bem roa-
Traga-Albardas
I
O cont que vou referir carece talvez da
intengio pilosophica qae os cantos devem
ter n'etes tenipos, em qae nem seqoer lia
creangas a quem cootar os que nao leem
essa iutengau, pirque as creangas j n3a s3o
creangas, s3o homens paqoenioos. Colbi-o
da boca Jo povo; o povo, e nao eu, seu
autor; pir couseguinte. se alguma agade-
za ha nelle, provar que o povo agudo,
e alisto, nao pouco. o'uns lempos em
que'te escrevem e publicam tiutas cou-
sas, que pro van nicamente sarem os seus
auctorrs 'raais rombos do queagudos.
II
Lesmes vora pastor, comquanto pelo no-
me ningnem pudesse desconfiar disso, por-
que toda a genta que tiver lido algoroa coi-
sa da "asiores nos autores mai clsticos e
aut usados, ?abe que se chara am todos
Nemorosos, Silvanos, Batilus, etc.
Se o nome de Lesmes nada tem de pas-
toril menos ainda tem a pessoa, porque
sabido qae todos os pastores, como Deus
manda, s3o guapos, aceiados, discretos, ma-
sfos, poetas, cantadores e namorados, e a
Lesmes nem o mais pntalo ganhava em ser
to desasado para a msica, pan a poesia
e para o canto; s pelo amor estvmachal se
desvelad.
Lesmes tinha n3o obstante um poucoxi-
nho de pastor, sem ser, est claro, o guar-
dar gado; era nirandairo. Nioguem igno-
ra que a flor e nata dos carandeiros sai do
gremio pastoril.
A voz do povo, qae dizera ser a voz de
Deus, affiangava que Lesmes tromphava
de todas as enfermidades; mas techo tima
raz3o muito poderosa para acreditar que a
voz do povo menta como um cagao, e por
consi'gu'ote, i3o tal voz de Deus, nem
qaal carapoga: Lesmes padeca urna terri-
vel fome canina, qual devia a alcunha de
Traga-Albardas com que era conhecido, e
oem toda a sua sciencia conseguir sair-se
della com victoria.
N'um invern, atacou n3o sei que enfer-
mid3de o rebanho de Lesmes, e era pouco
tempo ficou sem ama rez seqoer viva.
Esta desgraga valeo por duas ao pobre Trai,
gi-Albardas, porque perdendo o gado, per-
der tambera a numerosa freguezia de en -
fermos, que lhe dava, se n3o para matar
a fome, ao menos para a engaar. O po-
vo que a elle recorra nos seas achaques,
disse com sobrada razio:
Se o Traga-Albardas n3o percebe da
enfermidade das bestas. eicosado nos l
irmos consalta lo.
E dito e feito : nunca mais nenbum doen-
le fui consultar o Traga-RIbardas.
Cansado o infeliz de loctar com a fome
por espago de n3o sai quantos dias sem con-
seguir po-la com damno, resolveu chamar
em seu auxilio a morte, coisa que os ton
tos costumam fazer quando a tontera se
Ibes aggrava com o desespero,
= Senhora Morte a-otrou elle a gritar/
Senhora morte I
Vai sen3o quando, bate com os olhos na
morte, qoe saia da nova taberna ali prxima
e se eslava divertindo em dar voltas roda
de urna deesas pegas de agoa estagnada que
costurad haver as aldeias porta ou nos
arredores das casas.
Qae demonico tens t, homem, qae
tamanbo berreiro fazes ? perguntou-lbe a
morle.
Desejava qua vossemec fizesse o fa-
vor de rae mandar quanto antes desta para
melbor vida, a ver se assim acabo de pa-
decer.
N3o sabias ter ehegado casa onde
ooslumo dar as minhas consultas ? Ora,
vamos l a saber, que le succedea;?
Saccedeu-me e smcede-me estar dam-
nado com fome.
E por isso me chamas ?
Est claro que sim, Vossemec ad-
mira-se ?
Admro-noe, sim senhor.
Eut3o porqae ?
to, e, apertando-me a mao, disse : O senhor
vem muito recommendado 1 ha de ter mui-
tos amigos, e eu o mais dedicado de to-
dos.
Fizeram me grande bem estas pala -
vras. A maior oppress3o vai desappare-
cendo. J a vejo a autra luz micha Corinna.
J a torno a ver o mea lado com a miss3o
de anjo do alent e da paciencia. Os des-
amparado* s3o nicamente aquelles qoe nao
tem nenbum amor puro na trra, nem con-
flaoga na giaga divina. Ha de todo em
miaba alma, bemdito seja Deas / Eis-me
outra vez forte para a lata, e envergonzado
da minba fraqoeza. Nio rasgo a primeira
pagina d'esta Carta porque a minha alma
ha da mt)strar-se-lhe sempre as soas in-
tercdencias de forga e desanimag.3o. As-
sim Ib'o prometti, e tenbo necessdade de
cumprir. Toda a gente ba de ignorar os
meus desfallecimentos, meaos a minba Co
rinna para me dizer: Levanta-te, fraco, se
queres ser digno de mim I Vou sabir
para entregar ootras cartas, antes da minha
ida para o campo.
c Nove horas da noute.
c Todos os portuguezes me recebera dos
bragos. Suppuaha eu que os negociantes
me aolhenam com a frieza da sua distancia
d'um hornera de tio diversa profissSo. O
qae ah se diz d'esta boa geote ama ca
[urania. Os opulentos commerciantes a
qoem me apreseotei parece qae me estavam
vendo aos olbos espelbadss as saudades da
patria; e elles, tambem saudosos, sjmpa-
thisavam mais com a minba dr, e qoeriam
ouvir-me fallar das menores cousas de Por-
tugal. Aqui qae se si be o que esse
torreo de flores elegrias. Em parte ne-
obama a palavra patria tem tio doce, tio
querida e esperaegosa slgnificac3o. Muitos
abi dzem qae tem vergonba, de serem por-
taguezes; aqai sente-se orgalho de ter )a
Per qae. aoe farta, e ota nos (im- -
tos costumo ea exercer a minba profls-
130.
Se eu andasse farto nio a chamava
c. '
Isso de certo, porqoe en viria antes
de tu me chamares.
Em somma, nio estou disposto para
palrices- Faga favor de me tirar qanto
antes (Peste purgatorio ; veja se me arru-
ma pela cactola com esse ferrinho, qoe ahi
tr Qaal feri inho, a foce ?
Exacto.
A foice s a minba insignia heroica,
e i.3o mato com e|la ningoem. *
Entao com qoe mala vossemec?
Com urnas poocas de arms maito
mais (fJQcazesdo que este brioquedo ; com
os mdicos maos e com os coraodeiros
maos e bon?, com os maus governos e com
os povos ingovernaveis, com os liros es-
critos pelos mos e pelos parvo?, c m a
indifferPnga religiosa, com a vida de boie-
quim, qne vai substiloindo a vida de fami-
lia, com os dois ou tres mil tratantes, qoe
em cada nag3o pretendem monopolisar a
coisa publica,
Ora deixa-se vossemec de epigram-
mas, e mande-me depressa para os anji-
nhos.
Olba, eu desejo obseqoiar-te, porque
me prestaste bem bons servigos emquaoto
foste curandeiro ; mas para te fallar a ver-
dade nua e cr'ua, antes quera qua te con-
servasses por c mais algum tempo a ver
fe tornas a prestrmeos.
Quem a oovir ha de jorar a.ue vosse- .
mece nao partidaria da pena de morte.
Assim. assim.
Me melera e a entendo,
Pois fcil de entender: o servigo
qu os raortos me pre,-tam to feio, t3o
porco, 13o parvo, insignificante, por qoe
os miasmas com que enpestam a atmospbera
desde que principiam corromper-se at
qae acabam nada valem comparado com o
qoe por mim fazem os vivs. Quasi, qua-
si pode affiangar-se que se n3o morrts -
nioguem, monera muito mais gente.
Ora vossemec qaer-me dar volta ao
milo cen os seus paradoxos. Vamos l a
saber! faz favor de ma espichar, sim ou
na ?
Nao.
Mas ento nio v que vou esticar a
canda fome ?
Eu farei com que n3o estique.
Como ?
Comendo.
E como bei de comer, sen3o ganho um
cetil ?
Eu farei com que ganbes quanio qui-
zeres.
De que modo ?
Fazando-te medico.
Mas se ea de medicina oio pateo
nada?
Pois esses mdicos s3o os que m
conveam.
E onde estSo elles ?.
= Aonde? Nio me convrn que se
saiba.
Bem digo eu qae me quer fazer par-
vo de todo.
Isso j to s,
Pois entio...
Eotio coovem-rae que sejas medico,
e o que vaes ser.
Explique-se, com trezeotos mil ma-
cacos I
Vou explicarme. MjI que urna pes-
soa cabe doente, vou eu logo pesp>-gaT-me
ao seu lado. Se o mal de morte, onho-
rae cabeceira da cama, e se nao e, p.s-
pego-me aos ps. Doves calcular qi.e quan-
do Deus me dea atmbuiees para dar cabo
da sua obra-prima e predilecta, que o
homem, tambem me ter dado algomas ou-
tras menos importantes.
E que attrbuiges sao essas ?
Urna d'ellas a de me conservar in-
visivei.
Aos olhos de todos 1
De todos. ,
Esa de chupeta! Olhe l se os
mdicos poder3o bispal-a!
Bisparem-me os mdicos ? l caro-
cho t Mas voltemos tua medicatura.
Diga vossemec antes minha coran"
deria.
Porque ?
Porque nio leudo carta oem titulo,
serei curandeiro e nao medico.
(CoDliooar 3e-ha).
oascido, e encontrar to looge irmioe as-
sim saudosos da mai commum. Abengoa-
dos sajam estes homens que tem olhado
compadecidos para mim I Devo-lhes esta
serenidad com que lhe vou escrevendo...
ts o cansago prostra me, minha amiga,
amanhi.
c 22 de jttnho, oilo horas da manhaa.
* O mea' despertar foi afftictivo. Com
os soobos renasceram as saudades, e o des-
corgoamento. Assaltoa-me a pusillaoime
idea de vo lar j para portogal. Sedoza-
me o receto de adoecer o'este clima, o ter-
ror das febres. a difficoldade de ser rico,
onde nem todos sao ricos, ainda os mais
laboriosos. Adormecer pensando no ca-
minho qae devia encelar : todos se me
atiguravam dilEceis e escabrosos. Qae
fraqueza 1 qae inconstancia miseravel a do
homem mais fervoroso no trabalbo Ea
tinha pergunlado ao dono do hotel se os
advogados eoriqueciam depressa; e elle,
enumerando todas as profistes que enri-
quecan), nio menciono a minha. insiei
encareciendo as vantagens qae se offerecem
a um bom e honrado advogado: ouvo-m'as
encolbeodo os hombros, e disse qoe os ca-
minhos direitos eram os mais tortos para
quem procarava enriqoecer-se. Isto des-
consoloa-me, amarguroa-me os lonbos, e
dea-me a hora mi qoe preceden estas li-
abas. Deixar fallar o descrate da honra.
Se forcoso, reouociare riqueza ; con-
tento-me qae as moitas fadigas e vigilias me
deem honesta independencia, e a raapeito
de mim proprio.
(Gm(MiM
TYP. porJlA^-FA DO DUQUE )S CAXIAS
(l

*



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENHZJTJJ2_ZFVB8X INGEST_TIME 2013-09-16T21:56:17Z PACKAGE AA00011611_12602
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES