Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12521


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AfNO XLVI1. HUMERO 245
!> fi
GlV!
"


h


'

"
?A3A A CAPITAL E lGASS 05DE FAQ SS ?AGA 03TI.
Por tres omiw ndiaoiHu ....
Por sen rhtos i dista......
Por am aano idoia........
tada maero avolso......

.

WOOO
tuooo
UOOO
no
INTA FENM 2G DE OUTUBRO OE 1871.
~-a a ...... -.,, ............ w ,. ,
PA1A DIITO t aU DA MOVMCIA.
Por tres mezas adiantadoa *...............
Por Mil ditos idem........*.......... .
Por novo ditos ideza...................
Por om anno dem..................
a~<*
I7#0cq
Propriedade de Manoel Fig^ieira de Fara & Filhos.



-.'




SAO ACM

"IM"
II '
G* Sn. Gerardo Antonio AIyo & Filhoa, no Para ; Gonptoa Pinto, no Maranhlo ; Joaqnim Jos 4e OtTira Fitoo, no Cearf } Antonie de Lemoa Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Cnatei, no Aun ; Antonio Margnea da Sito, no Naii; Jm4 Ja*
Pereira d'Almeida, era Mamanguape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba ; Antonio Jos* Gooea, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos IWcio, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferrara de Agoiar, em Goyanna; Francino Taweavda GosU, em Alaga;-Bt. Jos Martins Atol, na Babia ; e Lefte, Serquinh.o C. no Rio de Janeiro.
v.
_L
PARTE OFnCIAL.
iii
C ouiuiantlo daj arinaa.
QOABTBl GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
NA PROVINCIA DE PKItNAUBUCO, 2i DE OU-
TUBRO DE 1871.
Ordem do dia n. 583.
O brigteiro commaodante das armas d sevi-
cia a gu*rnic>> pjra os flns convenientes, que a
presiden:! am pirlirias de 13 e 19 do correrte
coa:edau ltcenca para tratiraento de ai-> aos
St*. tenantes do 2* bataltiao de Infamara Basilio
Jos de Birria e Minoal E-niglin o Espirito
Santo, feao aqaelie oor tmnpo Je doas mezes, ea
est > palo de tres, conforme o parecer da junta de
sataque os inspecconou, ambos com direito aos
veacmeatos marcados no sit. 5' 1 do decreto
o. 3579 de 3 de Jioeiro de 1866.
O mesmo brigadeiro coramandante das armas
declara, que a 2! da correte se apresentarara
oeste quartel general, vindos nn vapor S.Jacintho,
os seuborea major do 9' bitalhio de infaotaria
Jos Cetario Varella d Franca, que se acbava do-
ente na provincia das Alagas*; lente Alfredo
da Co da latida Ap'rigio Aatero Ctrino de Menezss, este
valo da corte para smir na guarnicao desta
provincia, e aquella da provincia da Baha, aflm
do reujir-sa ao lea biulb), 2." de infan-
tina.
(Assignado).Lua Jos Pereira de Carclho, bri-
gadeiro.
Conforme.Clemente tranalio Tacares, tenento
ajudaote de ordeos encarregado do detalhe.
PIMO depebnambuco
RECIKE, 26 DE OUTUBRO DE 1871
viagem V 1S. nn luaperiaes.
Os augustos i operantes do Brasil ebegaram, diz
nosso correspondente de Lisboa, no dia 10 do
corrale, ao Egy pto; vio visitar o isthmo de Suez,
o'onde (eacioaam dirigir-se i Italia. Teetn gosado
perfeita sale e* continuara a ser acolhidos com
todas ai 'ovas de sympatbias.
Noticias da Europa.
Recebemos p'W vaoor ingiez Douro, chegado
antera, dajas : de Htmburgo 5, de Pars 7, de
Lonlre 8 e de Lisboa 13 do correte. Eis o qae
coiheoaos de cartas e joroaes :
HESPANHA.
Os telegrammas que se bavhra recebido em
LisbOi relativamente i votarlo para a presidencia
do cengresso haspanhol, quando de l sataio o nl-
tiao paquete, nao eran completamente verdade-
ras ; a queda do gabinete Zirrilla nao era suffi-
c antemenie motivada nessa votaco, anda que
a n dnplo empate em dan votacGes, que sao de-
c'araas miaisteriaes, ou antes ama abstencio
c irtez dos adversarios, deve ser sempre motivo de
urna retirada do gabinete, ou d* dissolacio do
pirlamento, em que o governo nio tem maioria.
Assim interpretamos os telegrammas e as conse-
queacias coastitaciooaes d'aquelia votacio.
Recebemos, porm, os jornaes que trazem o ex-
tracto da ?essao do dia 3, em que se den o che-
qae ao ministerio. Entraram na urna 236 listas,
das qaaes 17 brancas; o Sr. Sagasta teve 110
votos, e o Sr. Rivero, candidato do governo, 109 ;
como nenhum tivesse obttdo maioria absoluta,
procadeu se a segundo escrutinio, em que o Sr.
Sagasta teve 123 votos contra 113.
O aovo ministerio foi assim omposto :
O presi lente D. Jos Makampo y Moage, tem 43
aliaos, e natural de Cadix. E' contra-almirante
e tem prestado bastantes servidos patria. Assis-
tio tomada di Poga-Huga. Comega agora a sua
carreira poltica.
O ministro da governacao D. Francisco de Paula
Candan larrador, proprietario e advogado; foi
eleito depatado p 'la primeira vez em 1861. Os
seu3 di'Cursos sao elegantas e correctos.
O ministro da guerra D. Joaquim Bassolls tem
7i anoos, em 1832 fez parte do exercit > de ob-er-
v&cjjes de Portugal, passando ao exercito do norte
im 1833. Em 183* passou ao exercito da Cata-
lua*. F. militar minio distincto.
O ministro da fazenda D. Santiago ngulo ten
47 annos de idade e architecto. Foi depatado s
cortes coustituintes de 1854, e em 1866 fot eleito
depatado provincial.
O ministro da gra;a e Justina D. Eduardo Alonso
Cmenares tem 41 anno?, jurisconsulto distinelo
tem desempenbado diversos cargos de adminis-
trado ultramarina.
O ministro das obras publicas D. Telesforo Moa-
tejo y Robledo tem 53 annos, advngado e tomn
parte como voluntario em differentes lulas civis,
prestando grandes servicos causa da liberdade.
Foi redactor do Espectador e de outros peridicos
progressista?.
O ministro do ultramar D. Vctor Balaguer tem
47 anoos. Esereveu a Chronica da Catalunha e
differentes obras tbeatraes. Foi redactor do Cata-
lo, do Diario de Barcelona e outros peridicos.
Em 1861 foi eleito depuialo provincial.
No dia 6 abrie-se a sessao sob a presidencia do
Sr. Herrera. Depois da entrada do Sr Sagasta
entraram os demcratas eoflleirados a dons e dous.
O Sr. Sagasta, depois de prestar o juramento e
tomar posse da presidencia, fez am discurso lasti
mando ter 3ido candidato da opposicio ao minis-
terio Zorrilla ; nio recasa o auxilio dos conserva-
dores, nem o dos republicanos, porque a presiden-
cia est cima das paixdes dos partidos; mostroa-
se partidario da poltica radical.
O discurso foi onvido sem applausos.
Segaio-se o Sr. alalcampo, que lea am discarso
aceitando o programa do gabinete anterior, e
declarando que respeitr e far respailar a cons-
titalcio por todos. Promette perseverar as eco-
no mas e continuar em Cuba a politiea determi
aada as ultimas sess&es das cortes.
O presidente do gabiaete demissionario pedio
palavra para explicar os motivos da crise, mas u
Sr. Sagaata disse que nio se aehando consignado
no regalamento da cmara aqaelle direito, nao po-
da conceder a patarra sem primeiro consaltar
cmara.
O Sr. Zorrilla, em vista dos escrapulos parla-
mentares do Sr. Sagasta, daclarou que prescinda
da palavra.
O Sr. Balaguer est interinamente encarregado
da pasta dos negocios estrangeiros qae foi regei-
tala pelo Sr. Cantalapiedra, declarando porm
este cavalheiro qae, apezar da sua recosa, aera
partidario do governo.
Urna das primeiras economas qae o ministerio
vai apraaaotir, a reduccio do ordenado doa mi-
otatrat a 80 mil reales.
A. tazela publica oa decretos Borneando Alegre
(vareador civil da Madrid, e Ameller secretario
4o mmiatro da guerra. O Sr. Piettain foi aomaado
capitao general de Madrid. O Sr. Ganoinde, i
aam foi tarecido am lagar, raeataa parte
para Barcelona. O Sr. Malagoat foi no meado sub-
*aeratno da ministerio 4 reino. O Sr. Castell
Poaa (i aomaado director da reparticio de agri-
N dia S aoave ama reaniio da maioria qae
diaeatiM aegaiate formla de aeeordo : O pai.
4a Ifraitlau amoaratiea chamado a eitabele-
gressista dentro da dyaastia de Amadeu. Exclue-
se a part.-paci de principios conservadores. Crea-
se ama commissio de 9 individuos para reorga-
nisar o partido.
O Sr. S-guta e outros retiraram-se da sala, a
formula do accordo foi approvada por 87 votos.
Na noite de 9 houve segunda reaniio, em que
fe i proposlo nm voto de confia oca ag governo,
qae (.i regeitado por 92 votos contra 42. Os sa
(ta'tisias retirarafB-s<*-4a ?4-4epei-4a-rosaeao.
Foi eleita a commissio encarregada da reorga-
nlsacio do partido, flcindo composta dos Srs.
Zorrilla, Crdoba, Figoerela, Haehes, Manoel G-
mez, Rivero, Martoi, Raz Gmez e Montero Rios.
n lista da votacio da frmala fi-ou aberta, e
no dia 9 noite contnba 109 assigoaturas de de-
putadrs e senadores.
Os sagastistas que adheririam i formula se ffsse
approvaJo o voto ds conuanga, reuniram-se para
redgirem um manifest ; coiam com o apoio de
Espartero e do general Serrano ; vio formar um
grande partido progresista puro.
O ministro da guerra o Sr Bassolls publicoa
urna circu ir, em que depois do notificar a sua no
mea{io de ministro da guerra, assegura que re-
primir enrgicamente toda a iofrac?io da orde
nanea e offeosa dignidade d) exercito.
A Gazeta publica urna ordem do exercito re-
cordando a eircn'ar de Pars de 6 de novembro de
1868, que prohibe aos militares tomarem parte
em asseeiacdes e reuni?? polticas mais ou menos
publiras.
O Bini-tro da justica o Sr. Colmenares respon-
deu a Figue-a que acetava o projeeto deleij
apresentado s cmaras, traosferindo para o mu-
nicipio o ornamento do clero paroebial, e para a
provincia a cathedral.
O Sr. Ribja perguntou se Montejo qae apparece
coma fallido no Boletim Offlcal de Janeiro de 1870
era o actual ministro das obras publicas. O Sr.
Montejo responde que era elle proprio ; que havia
comprado dos ierrenos do estado para uso dos
mora lores de Bonnon, que estes nio haviam pago ;
e que tendo apparecido aquella declaragao no
Boletim, se presentara elle proprio a pagar do
sen bolsinbo, dous das depois, em lugar dos pro-
prios devedores.
Tem aagmentado o numero de rifenhos a
bostiisar a praca da Malilla. O governo mandn
logo sahir de Madrid para Malaga com destino
Malilla doas batalhoes de infantarla e ama bate-
ra de artilnaria de campinba. Espera-se tam-
bem reforco do imperador de Marroeos.
Os esludantes de Barcelona flzeram urna ma-
nifestacio em favor da liberdade de ensino. Pro
nunciaram-se alguns discursos e por Um foi no-
meada ama commissio encarregada de expor a
pretencio ao governo da provincia.
O representante da Hespanba em Marroeos
participa ao governo hespannol qae o lh) do sal-
iio parti i frente da um regiment da cavatian?
para castigar os rebeldes.
ITALIA E ROMA."
Foram j ex propriados com todas a3 forma-
lidades es conventos de Santa Thereza e de Santo
Antonio, sendo ocenpados pact sament". A-fre-
ras obedeceram i ordem do Vaticano de nio ee-
derem sanio forqa.
No dia 5 foi o juramento dos professores da
Unversidade de Roma, ao re e eoostituicao da
Italia. Vate professores recasaram-se a prestar
esse juramento.
Alguas correspondentes explicara as licen-
cas concedidas aos ministros da Franja era Italia
e Roma, do seguate modo : Parece que o minis-
tro dos nrgocios estrangeiros de Italia fizera cons-
tar ao goveroo fraocez, que a ausencia do conde
Choiseul-Praslim, ministro da Franca emFloren-
C'i, era considerada como urna manifestado eon-
tra a entrada dos ilaliSBOS em Roma, e portanto
desairosa e offeniva para e rei de Italia;o go-
verno francez depois de asseverar que a licenca
fdra pedida pelo cone de Cboiseul para tratar de
negocios particulares, e por nao ter ainda alugado
casa em Roma, mas proraetteu mandar urna licen-
ca ao conde de Harconrt, para que ficasse igual
o procedimento da Franja a respeito do rei de
Italia e do papa.
A Franca s trata actualmente de si, e nio est
as circunstancias de tratar dos interesses das
outras potencias.
Principia a baver esperanzas de reconcilia-
co entra o papa e o governo italiano ; diz-se que
o cardeal Antonelli aconselha o pontfice a despe
dir os jesnitas e qae S sacdale desengaado de
que ninguem o soccorre parece mais disposto a
qualquer transaccao compativel com a sua digni-
dade.
As folhas ultramontanas teem moderado muito a
sua linguagem.
Em Empoli na Toscana bouve, ama reuniao
de operarios em que se voton urna commnnica-
cio aos operarios francezes convidando-os a um
accordo em favor da paz.
O professor Sbarbaro fez am discarso qae foi
imito appbudido contra o socialismo.
Cbegou no da 4 a Roma a rainha dos Paizes
Baixos que val passar algura lempo em Na-
pol iS.
No dia Io de outubro abrise em Bolonha
o congreso Internacional prehistrico a que assis-
lio o principe Humberto ; estavam presentes raui-
tos sabios italianos e estrangeiros. O conselheiro
Wersaac falln em nome do rei da Dinamarca, e
o prefeito em nome do governo italiano.
Espera-se que o parlamento italiano se abra
nos meados de novembro, e que baja discurso
real.
franca.
E' j conhecido o resoltado de duas eleic5es
sobre qoatro mil, para os conseluos geraes. A
vantsgem geralmente para os conservadores li-
beraes. Os bonapartistas foram derrotad >s em
quasi toda a parte. as grandes cidades trium-
pbiram os radicaos. Foi grande o numero de
abstenjdes, e houve mallos empates. O duque de
Aymale foi eleito por Clermoot.
O ministro francez o br. Ponyer Qaertier
parti no dia 5 para Berlim, onde teve ama con-
ferencia com o Sr. de Bismark. O tratad) adua
neiro em qae ha j accordo completo vae ser sab
medido .'.o rechstag allemao qae se deve reunir
a 16 de outubro. Comecoa no dia 5 a completa
e vacua co do departamento de Oise.
O Jornal Offkial publica om decreto appro-
vando a deliberajio relativa repartilo das obri-
gaedes do ultimo emprestimo da cidado de Parz.
Desmente-ae o boato de teoetanar o governo
francez denunciar o tratado eommereial com a In-
glaterra ; diz se qae o governo francez apenas
propor algaraas modificares para o harmonisar
cora ai ultimas leis sobre impostos approvados pe-
la assembla nacional.
O banco de Franca e todos os eetabelecimen
tos de crdito francezes, declarar ara suspender as
anas relaedes commerelaei com as casas estran-
gairaa que ae recosarem a aceitar oa prasos coa-
cedidos -am Franca s latirs vencidas. O caso
applicaval aos negociantes de Leipsic os quaeg
recorreram ao governo de Berlim, mas nia fo-
rao. allaodidos.
O Sr. Joles Siman estada am projeeto da le
para a instruccio obrigalorio.
Conloa o Sicle qae no acamnamaato do Sa-
lory houve om jamar antro oa offleiaes de am doi
rtfimentos all estacionados, qae aeaboa por en-
maeiasttcos vivas ao imperador, eafflnnoa qae o
regtmanto (oi mandado para alia do Loira. O
Jornal Oficial declara qae abaohttameBta m-
fundada tal noticia, a qae a arachal Mae-Ma
car aeaaaiitQksio fW m saato mais pro- hon depois de saasindagacoaa, daelaroaao ganr
no em seu nome e no das tropas do sea coraraan-
do que protestava contra semelhantes boatos aoe,
eram completamente falsos. .
O ministro da guerra autorisou os oqa:laes
J"a guarnigio de Pars a rennireause para esca-
Iher os livros qae so devera traduzir para iostruc-
co do exercito.
Diz a Poltica que Vctor Hugo visilou o Sr.
Thiers aflm de Ihe pedir a comrauajio da pena t
(jtifra w ^fyBofmmflo1 iiOCTWf'Wtr*
Gambetta o celebre dictador de Toyrs e efe
Bordeas, es; re ve ao eongresso da paz dizeoo,
qae permaneca na velba renla da amor da
patria ede respailo da propriedade ;esereveu
tambera a um jornal que Ihe ebiraava o preten-
dente da democracia, pedindo-lbe que nio usasse
dessa frmala qae era" monarchca, e accreseen-
tando que as repblicas nao ha preledentes mas
sira eandiafaj conflanca do povo.
Gambetta prepara-se para a presidencia da re-
publica, quaado tivsr de se noraear 'suecessor ao
Sr. Tbers.
O Sr. Larabretch ministro do interior falle-
cea repentinamente no dia 8 s 9 horas da ma-
nbia de ama aneurisma.
O Sr. Lefraoc fci inte-naraente encarregado
da pasta das flnaneas durante a ausencia do Sr
Quertler.
Julga-se provavel a entrada do Sr. Camilla Pe-
rier para a pasta do commercio.
as vesperas das ferias da assembla nacio-
nal 46 diputados francezes drgiram urna mensa-
gem ao santo padre, em que proteslam contra as
sacrilegas asurpacSes commattidas pela Italia com
a santa s, exprimem o desojo de qae o goverao
francez se associe ao sen protesto, com urna
demonstracao diplomtica permanente, aulrmam a
sua firme crenga com o privilegio de infallibuida-
de que nunca cessou de pertencer a S. Pedro na
pessoa dos seus successores, e qae a igreja uni-
versal acaba de proclamar gloriosamente pelo or-
gio dos padres do Vaticano, e terraiaam forma-
lando a esperanca de qne a sociedade civil re-
eouhecer a completa liberdade do ensino calbof-
co. liberdade que considerara como anica taboa de
salvacio no futuro.
Nio sio anda conhecidos os nomes dos signa-
tarios da mensagem.
Foi norneado o conselho de investigaco a
que devem responder os generaos francezes que
capitalaram nesta ultima guerra. O conseibo
composto do marechal Paraguay deHillien, pre-
sidente, dos generaos Cbaron, Thiry, D'Aurelias
de Paladine, de Ante narre d'EwilIe. A escolba
nio foi bem acolbida, pois o presidente om po-
bre octogenario, doas dos memnros sao offleiaes
a meio sold, e o general D'Aurelles apeaar de
bravo e intelligente foi batido speramente em
frente de Orleans; o general d'Autemarre nao foi
mais feliz no eommando da sua diviso.
Os generaos qae tem i responder parante este con-
selho sao dos mais distinctos do exercito fran-
cez : marechal Bjame, general Wimpffan, o gene-
ral Vinoy, o general Ulncb, pelas capilulacoes de
Sedan, Metz, Pars e Straburgo.
di.na a Alte a m suraA.
O governo dlnamarqaaz vai propr ao Faike-
thing projectos acerca das alfandegas, de impostos
as letras naclonaes e estrangeras, e de augmen-
to de sello as letras de cambio e ao Rigsdag am
projeeto concedendo ce/tas franquas oavegacao
das naedes, enjos governos as concederem iguaes
aos navios dinamarquezes.
O dficit de 18721873 esta calcula lo em 1 mi-
IhOes do rixdallers, mas como este anno ha 600
mil rixd. de saldo, o dficit realmente de 1400
mil rxd. qae ser coberto com o imposto de 3 1/2
por cento sobre os reodimentos dorante doas
annos.
A princeza Tbyra, terceira filha do re de
Dinimarca, vai casar com o principa Alfredo, du-
que de Edimburgo, qaarto fllho da rainha Vic-
toria. O ooivo tem actualmente 27 anoos.
A primeira cmara da Sueca e Noruega
adoptou por uaanmiiada o projeeto do governo
acerca da obrigacio do servido militar. A segun-
da eamara, porm, regeitou esse projeeto, e o go-
verno resolveu pedir a sua demissao que foi
aceita.
ALLEMANHA.
No dia 16 deve abrir-se em Berlim o rechstag
allemao. Devem ser curiosas as discus-o?s desta
assembla em que pela primeira vez se vai disen-
tir o orcamento de todo o imperio allemao, e as
principaes questoes migares.
O partido do centro -catnolico na Prassia far
todas as deligencias para raanier a autonoma dos
differentes estados e para defender a constiuicio
actual e a religiio catnolica, em opposicio ao par-
tido chamado nacional-liberal qae combate as
disposicSes federaes da constitacao.
O partido progressista reconsiitaio-se e quer in-
terpellar o governo na questio eceleeiastica para
Ihe dar pretexto a largas explcacSes. Dizia-se
que o deputado Kuthe Kolb apresenur um pro-
jeeto de separacio da igreja do estado.
Tarabem vai ser apresentada a reichstag alternan
a questio do casamento civil, tencionando o gover-
no apresentar am projeeto de le neste sentido.
O arcebispo de Maoich eserevea ao ministro dos
cultos procurando provar-lhe qae o dogma da
infallbilidade de nenhum modo pode perturbar o
rgimen interno dos estados.
A A'ora Gazeta da Piussia combate o casamen-
to civil, por ser 6lemento de deschristianisaedo do
estado.
O eongresso de Darmsladl resolveu que sendo o
dogma da inlallibilidade do pontfice contrario a
soberana dos estados modernos, obrigava os alie-
mies a fazerem-lhe opposicio tenaz, qae o gover-
no devia expulsar os jesnitas por offanderem a
seguranca da ordem legal, a autoridade da le, do
poder civil, o bem-estar da sociedade, a paz re t-
giosa, a liberdade da espirito, ea civilisacao intel-
ectual, e finalmente'qae todo o allemio deve con-
traminar a influencia dos jesnitas.
Morrea em Colonia om dos velkos-calholicos
mais notaveis da cidade. O elero partidario da
infallbilidade nio qniz fazer-ihe os odelos fne-
bres.
A autoridide superior ecclesiaslica da Bajde-
ra, tem suspendido padres o excommangado va-
rias pessoas, por terem estado no eongresso de
Munich ou cooperado para elle.
O paroeho de Kallowitz no Silesia requeren
qae a igreja fleasse perteneendo aos velhos-catko-
lieos, que por altea corresse o registo paroebial, e
fosee ra dispensados de pagar para o eolio da nova
igreja ckismattea, como ella ehamam a igreja
romana depois do dogma da infallibilidale.
A entrada da Batiera na eonfederacio da
Allemanha do Norte augmentou consideravel-
mente o seo dficit.
Segando o orcamento apresentado no nm de se-
tembre i eamara electiva, a entrada da Baviera
no imperio allemio eusa-lhe o augmento de dez
por cento nos impostos apeaar da sappressio do
corpo diplomtico bavaro qne s conserva as
missSes da Roma, as doas cortes italiana e ponti
Acia.
O imperio allemao vai fazer ama nova con
venci postal com a Franca.
O goverao allemio desampara a espingarda
Dreyel, oa da falla e adopta o syithema Wer-
dar asado no exereNo barara. Com a detpaia de
B a francos vai transformar nesta ysibema os
cJmtfott tomada* aa goerra coa aFraoea, e dar*
4 eavallaria ucanMaas com qae sio armados os
eacadorea d'frica.
Otribaaal aaLaipaie acidia a raqoerlmento
do mioiitario publico iosUtrax nrocejio contra oa
agentes da Internacional, e socialistas Bebel,
Liebkneeht, e Heperes como culpados de alta tral-
can. "
cao.
AUSTRIO HU.V'GRIA. .
ContmtSa a resistencia dos allemaes autono
mia da Behemia.
Em Tosplitz-Schonau houve am banquete de
300 talleres ya que se faltan mnito da Bohemia
alienta e cooira os tchiqaes. A' nonte honve ama
manim?!tc5'> era- quwmuala,u- parra- -tier mil
pessoas. '*
Continoi'n as di vtrgeneiss das dietas. A Aus-
tria Inct para conciliar os elementos heterog-
neos do imperio.
O banco da Vienm trata ds aeordo cora o
governo de aagnienWr as saas especie- em caixa,
tanto era'oaro como em prata, para se precaver
cratra a eri'se monetaria que pola produzr o ex-
traordinario movimentn de dioheiro dos outros
paizes para a Franca e da Franca para a Allema-
nba do Noria."
A primeira missa dos velhos-cstholicos eraVien-
na devik ser n dia 8 na igreja evanglica de
Gampeadorf.
A dieta da Baixa-Austria abollo a retribu-
ci esejlar que os pas davara aos professores
primarios, e estabeleceti para ese lira um imposte
municipal, cabendo a eada municipio pagar orna
somma por eada rapaz obrigado a frequentar a
escola.
O projeeto- de nova eonstitoicio da Bohemia,
feilo per urna commissio da dieta, censi lera cou-
sas coinuiuns entre o reino e a mooarchia hnga-
ra aTnagoeios estrangeiros, a adininistracia de
guerra e a de fazenda. A dieta da Bohemia legis-
la soberanamente nos negocios especiaes do rei-
no. Os negocios comenos com as provincias nao
hngaras serio tratados em nm eongresso ao
qual a dieta da Behemia enva os seus delega
das. NO ministerio haver um chanceller ulico
da Bohemia, e am senado como a antigS cmara
doa sensores.
RSSIA.
A imprensa russa mosira-se pouco sasfeiu com
a entrevista dos imperadores da Austria e da Al-
lemanha em Gstela e Salsburgo e faz presentir a
possibilidade de complicacdss futuras por cansa
da questio do oriente, sempre morta, e sempre re-
nasceole.
Ciineide com este descontentamente; as noticias
de apercebimentos militares, taes como : tornar
inexpugnavel a cidadella de Samarcand, eonsroir
ama pequea frota no Bltico, collocar 12 canb5e
monstros na cidadella de Cron-tadt, reparar a for
'aleza de Brest, na froateira. oriental da Polonia,
fortificar Czenstoehaa na frooteira prassiana.
Eslts symptoraas nio indicara eertamente iotea-
coes pacficas.
TURQUA.
Dizam de Constantinopla que mgr. Fraaehi re-
ceben da porta ama nota declarando que o gover-
no ottomano far observar os tratados que garan-
tem a liberdade das eommaoidades roligiosas nos
dominios do Suitao
Coatina a colera a fazer anas devastares
em Ccujftaatiavpta. O govsrau auradoa olar rom
trs o bairro mais atacado pela cholera, qae
am Jos de Pera.
O lempo, porm, tem refrescado mais, e espera-
se qne dminua a epidemia com a chagada do in-
vern.
INGLATERRA. 1
A saude da rainha Victoria continua no raes-
mo estado, sera apresentar melhoras.
No da 1'de outubro tueram-se preces em
toda as fgrejas catbolica de Londres para que
Deas faca terminar em breve a oceupacao de
Roma.
Est quasi terminada a questio de New-Castle
entre os operarios e os patroes. O Sr. Mundella
membro da cmara do3 communs fot encarregado
Setos operarios qae exigera dlrainnicio as horas
o trabalh >, para se entender com Sr. William
Arrastrong ue representa os patrdas e que eslava
decidido a nio f>zer eoncessio alguma ; parece,
porem, que chegaram a nm accorao, estabelecen-
do se que at o nm do anno o Irabalbo ficir re-
duzido a 57 horas por semana, ou a 9 1)2 horas
oor dia, e que do i* de Janeiro era diante ser de
9 horas por dia, ou de 54 horas por semana.
Esta noticia foi receida pelos operarios com
muilo enthusiasmo, que se tfftreceram para tra
balhar algumas huras supplementares se (osse
necessario.
Os operarios que estavam em grve neste dis-
tricto elevavam-se a vinta mil.
Em Cork, Irlanda, hove no dia 1* um con-
flicto entre ama patrulha de polica e alguns indi-
viduos suspeitos de fraianismo.
Diz o Daily Telegraph que o governo fran-
cez denunciar em feverelro o tratado de commer-
cio com a Inglaterra.
A conferencia internacional telegraphica que
se reuni em Berna na Suissa, eneerrou as saas
sessdes igualando tidos os precos das commanica-
coes enlre a Inglaterra e as Indias por todas as li-
onas.
Fallase de varios raeetings para discutirem
as alleracoes possiveis no tratado de commercio
anglo-francez.
Annuncia-se a prxima viagem do pre.eilo do
Sena a Londres; e diz se que. no dia 18 o lord
mayor Ihe dar um banquete em Egyptian-HalL
PORTUGAL.
Nosso correspondente de Li.baasereve o
seguiote, em 13 do eorrente pela manbia,
Pelo Oltda, qae sabio do Tejo 7 do cr-
rante, viodo de Liverpool, Ihes escrevl largamente
sobre as noticias da India, e providencias tomadas
para se debellar a iusurreicio, a&sntecendo qae
entretanto veio telegramma participando lerem-se
sabmettido os tres oa qaatro reglmentos revolto-
sos, promettendo-lhe o governador geral (viscoade
de S. Janaario) urna amnista, se o poder modera-
dor a sanceionasse. Este alvitre foi ao qoe parece
approvado pelo governo, re-ervando-se julgar dos
tactos e propr ao poder moderar a amnista, logo
qae ehegasse i metropole o relatorio crcumstan-
cado dos aconteeimentos.
c Sastou-se pois na partida do batalhio de ca-
radores n. 1, e j se nio falla em ir S. A. o infan-
te D. Angoste. A corveta Estepkania val seguin-
do sua viagem para Ga, e j tocou em Malta ;
diz-se, porem, que recebera aviso de seguir para
Maeau, depois de tocar em Goa; outros asseveram
para Macau ir a corveta Infante D. Jo&o.
t A corveta Infante D. lodo vae breve armar.
Parece qne a commissio deste navio sari para
Goa, visto a pouca agua qae demanda Ihe permit-
tir navegar rio cima e ancorar em frente da ci-
dade de Pangim. A Estepkania regressar a Lis-
boa, fazendo escala por Mocambique ou indo tai-
vez appreser em Macan. Estas sio as diversas
versdas qne cerrera ; o qae for soar, costoraa di
zer-sa.
c Ainda na outra venia, a do Jornal da
Nonte-.
Com certeza o qae ha, ter ltimamente o
goTerno decretado a orgmisacio de am eorpo ex-
pedicionario, que ser eommandado por 1 teen
te-coronel, levando 1 major, i ajudaate, i quar-
tel-meatre, i cirargiao-mr, 1 cirurgiio ajudaate,
i sanante ajndante, 1 sargento qoartel-roestre, i
cornefeiro-mr, 1 cabo de corneleiros, 1 eosinhei-
ro, i espingardeiro, i eapitias, 4 lenles. 8 alfa-
ras, 4 primeira sargentos, 4 furrisis, 32 cabos,
340 saldados, 8 eorneteiros e i cavallos. Total
424 homeni e % eatallas. Tem am posto de ac-
esMo os oaaeJaaa aaapachiaoi para ate baialbio,
ioosasada os veaaimentos em maesa forte. Tesas
IA frats, alea lo pret, reeaiera mais p,i
sobre o mesmo pret desde o dia em que desembar-
caren!, e 4J500 de gratificacio ao embarcar.
As opposicSes que estio sempre. de peona a-
parada contra o poder, vio tirando o partido qae
podera deste estado da coasas : por exenplo a
Gazeta do Povo qua orgao do partido histrico,
julga qae < foi um i grande eontrariedade para o
< governo a prorapta, termnaeio da revolta da
< India, por que passou depressa o eosejo para
* a ostentacoas rnidosas, para ni vos crditos ex
t traordinarios, e para as expedicoes formidaveis,
qoe estiverem a ponto de ter por guia e talis-
< man um membro da familia real. >
Mas imparcialmeule, ha tal vez nsto ara cerlo
fando de verdade.
< O Jornal do Commercio discorrendo sobre este
assumplo, lastima a resolacao que o governo to-
mn de orgaoisar nm batalhio expedicionaria
pira a india. Nao pele crer que para o servido
ordinario das guarnieses da ladia e era Macau,
continu o governo a adoptar o systeraa qae de-
xaram os seus antecessores, e qua nos tem levado
lentamente situacio em que esta) aquellas pro-
vincias ultramarinas. Con :lue qne ser mais tima
esperaog perdida e raais urna desillusio para de-
plorar.
t Emfim o terapo se encarregar de justificar
estes recelos.
< Assegura-se j que vai ser mineado o miijor
de eavallaria Antonio Jos da Cuaba Salgado para
governador da Masan, devendo primeiro ser pro-
movido a tenente-coronel, posto que Ihe cabe por
sua antiguidade, e dando se-ihe por logo depois
o posto da coronel por ir servir n ultraorar.
c Corren tambem o boato de que o governo de-
raitiria o visconde de S. Janaario de governador
geral da India, o qae parece infundado antes de
conheeer pelo relat irio qaaes os prece lentes e
marcha dos acontecimedlos, e se o mesmo func-
cioaario deve continuar merecer a confianza do
governo.
t A norasacao do major Salgado para Maco,
tambem hontem foi posta era duvida pelo Jornal da
Nonte, enjo redactor priva cm osmembros do ga-
binete. A respeito do governador geral da India,
diz este jornal:
Qaem fez a revolta da India nao foi a tropa,
c nem o governo de Goa. Pomos nos todos. E
f nio a primeira que fazemos all e em outras
i possessoes.
O governo vai fazendo alteracSes no pessoal
administrativo no reino.
Como Ihes disse, foi nomeado governador civil
de Lisboa o Sr. Ca da Costa, secretario do Tri-
bunal de Contas.
t Hontem foram assignatura real os decretos
nomeando os Srs. Bento de Freitas Soares, gover-
nador civil do Porto, e Jos Luit Cardoso, de
Braga.
t Diz-se que o Sr. Candido Ca da Costa no-
meado governador civil de Leiria, e o Sr. Ferreira
da Cnnna ser transferido para Avero.
i No dia 16 do correte, anniversario natalicio
de el-rei o Sr. D. Lniz, ha recepgio em grande gala
no pago d'Ajuda. A familia real j regressoa de
J foi celebrada a primeira reuno da com-
missio para organisar os estatutos das sociedades
cooperativas. N'essa reuolio, o Sr. Cardoso Ave-
lino, mieistro das obras publicas, expoz as suas
ideas acerca da inflaeneia benfica d'estas socie-
dades as quaes ideas todos os membros da com-
missio concordaran.
< Rasolveu-te qae os estatuios e outros docu-
mentos relativos a sociedades cooperativas sejam
impressos,e se faga urna larga detriboieo todas
as associacSes que estejam no caso de contribuir
para a faodacio da algumas das raesmas socie-
dades.
e Est na ordem do dia a viagem precos re-
dolidos para assistir era Madrid exposicio de
bellas artes. A companhia dos camlobos da ferro
de norte e leste, depois de entender-se com as
companbias hespanbolas de Badajoz Cidade Real,
a de Cidade Real Madrid, offereteu cada re-
daec) dos jornaes diarios de Lisboa um bilhete
de ida e volta para as viagens de rtcreio. Haver
comboyos especiaes nos das 15 e 22 do correte;
A occasio excellente para visitar Madrid,
porque se abre agora all o thealro italiano.
Ha idea agora de fazer no Porto e no Pate-
rno de crystal nraa expoMcio iodustrial e agrcola
de Portugal e Hespanba em 1872. O Commercio
do Porto diz que o ministro de Hespanha, em Por-
tugal, D. Flugel Fernandez de los Rios e o cnsul
de Hespanha no Porto tiveram urna conferencia
com parte da direegao do Palacio de crystal, a
qual verson sobre a possibilidade de se fazer all
aquella exposicio.
O ministro de Hsipanha dissa que o seu go-
verno projectava faze-la em Madri de que j havia
preparativos nessa sentido, mas qua viudo elle
agora ao Porto, examinara o palaeio cbm attengao,
e concebera a idea de instar com o seu governo,
depois de consultar o nosso, para que a projectada
exposicio se nio effectuasse em Madrid, mas sira
naquella cidade; que o edificio qae se projecta
fazer em Madrid nio poderia estar prompto para
lalo de 1872, e qae as industrias da Portugal e
suas possessSes concorreriara em maior escala ao
Porto que Madrid. Accrescentoo qoe o Porto e
o paiz podem ter orgulbo de possuir ama grande
maravilha, e que muilo admirava a pouca eoncor-
reucia que all se va. A' este respeito mostrou-se
encantado das condicSes e siluagio do palacio de
crystal. .
f J se nio diz quando sera a solemne trasia-
laato dos ossos de Vasco da Gama para a igreja
do most8iro dos Jeronymos, e at se afflrma une o
marquez de Niza, pez embargo essa twladaeao,
porque declarou que desejavamanter a vofltatS do
sen illastre ascendente, o qual qaiz ter sepultura
no convento de Nossa Seohora das Reliquias, da
Vidigueira, oa pelo menos nessa villa, sollar da
sua casa.
t J se falla em diversos nomes com relacao ao
eoncarso aberto pela Acaademia Real das cien-
cias, por ordem do governo para continaaco da
Historia de Portugal que eslava eoearregado de
escrever o Sr. Rebello da Silva.
a Citam-se os Srs. Pioheiro Chagas, Augusto
Poromenho e D. Jos de Laceria.
O visconde de Arneiro (Vega) distiocto eom
cujo libreto
e*

orgnlbo
duletiej.
urna es-
ineompativel com o carcter de vogal da mesava
commissio central o livro do Sr. Costa Goocot-
phira, enlendeu que era do sen deve emiear-
Ihe o nome da lista dos 40 vogaes, j qoo aqaeil
seuhor o ni> liobe feito.
Esta reseiueir era justa, pois cada ar livr
em seos peosamentos e na transmisaio d'arles;
mas o qae uo pede ser, estar oeenearldo sai
lugar naquella commissio e propagando ideas qo
sio oppostas aos principios que ella tem por dever
professar.
c Feita, porm, a exclosao do Sr Goodolphim.
bastara que em urna circular o participare ao
associados ausentes.
< Jnlgou, porm, que era mnito menor dar
publicidad pela imprensa aquello acto da rigor,
alias justo.
< Nem todoi approvaram que assim o fkesse.
Transcrevemos este documento por sr ass
curioso.
A commissio central primeiro de dezemtm
de 1640, tendo lido noticia que em um opsculo
recntenteme publicado sob o titulo de t Visita a
Madrid por Costa Goodolphim, bavia dea* dia*
raelratmente oppostas aos principios que sio pr-
fessados pelos membrss da mesma comuitiao.
julgou dever chamar a auencio de tolos es sen
asiociados para o referido livro, convidando-e
por aviso particular, e pela imprensa a reuairem-
se para esse fim em sessao especial.
> Ahi, sendo presentes o livro, e Sr. Coala
Goodolphim, procedeu-se a leilura de varios pe-
riodos, e t-ntre oulres os seguate i :
i Pag. 8Se nao fura esse aventureiro, fran-
cez ou bollonhez, o conde D. Henrique, que veto
tornar estes povos como dous Caas, esta penn-
sula, taida toda, seria hoje am imperio.ama
mouarchia, oa repblica forte, gigante, que da-
ra leis Europa...-
< Pag. 14 em quantos reinos nio esteva divi-
dida esta pennsula primiUvamente? E hoje excep-
to Portugal, nio estie lodos reunidos? Diz nm nossa
distincto escriptor qae Unto menor for o camero
das naedas em qae esteja dividida a familia bo-
ma aa, menos lulas haverio, e por cmsegaini*
nuis se hio de applicar os bomans s seieneias.
s artes ao bem eommum. E para demonstracao
nos cita o imperio da China.
Pag. 16 Se fosse possivel arranear do seta
dos portuguezes este semimento de amor a es:*
cautinho do Occidente < que se chama Portogal ;
se urna vara mgica podesse > todos os portugue-
zes bespanhss, oa os be^panhoes portuguezes;
so toda esta peninsala forraasse um eitad.
sejamoa francos, que surga destas duas uacoes f
Urna naci poderosa que abateria o
desses povos que intentara dar lea na
de nma metralbadora, oa na pona de
pada.....
Pag. 79. Coofesso qae eniresleci quaado
cheguei a estacio (de Lisboa); eu que eslava j
acosturaado j a ser recebido com msicas, a
ver as antoridades todas a postos, e o povo vido
de euriosidade, devorando-nos com os olh >.-, ebe-
gar capital do mea paiz, e nem sequer urna,
gaita da IIIm, nm barimbaa oca *viqaiete
email E" muito triste, E eu ejtive qaasi a ir-m
outra vea embora. E no dia seguate, ao acabar
do tbealro, ir ao Mariinho tomar cha a meia noite.
Ver tudo deserto; as portas j quasi tolas (echadas
e lerabrar me do caf Foroos, do das Columnas,
daqaella vida emfira de Madrid I I
Lidos que foram estes periodos eotendeu a
commissio, por unaniradade, que havia deslustra .
para ella em conservar no seu seio quera adevo-
gava taes ideas; e conseguintemenie resolveu, au-
tonsada pelo disposto no artigo 7." dos estatutu-,
que o nome do Sr. Costa Goodolphim fosse elimi-
nado da lista des socio'. Nio lomou a c mnu..--
sio este expedieate por Ihe parecer qua do livro
do Sr. Costa Goodolphim poderse vir o menor
damno causa da independencia da patria, mas
porque julgou da sua obrigacio proceder asaici,
nio s era observancia dos ,-^us e.-ututus, cu... >
t< mbem, em satisfagao aos seus socios ausentes o
correspondentes, e a cpiaiio publica, que lha
cumpre acatar, a todas os quaes tinha rigoroso
dever de mostrar que conserva puros e ille'os os
principios que defende. E para que o e;nheci-
mento desta deliberagao ebegue a todos a quena
possa imeressar. resolveu-se igualmeote por nua-
nimidade que fosse publicada na imprensa perio
dica.-Lisboa 3 de oatubn de 1871. -O presi-
dente, Luiz de Carvalho Daun e Louna.Os se-
cretarios, Innocencio Francisco da Silva ; Cus-
todio Firmo Rodrigues.
Algumas companbias de stguros ofareceram
cmara municipal de Lisboa tres contos .de r?.
afio de melhorar as machinas e utencilos de
exlioccao de incendies.
i E' hoje no supremo tribunal de justiga o jul-
gamento do Souto d'EI-Rei, filhos de
familias, mas conderanados em i'
por homicidio. .
t Foi esplendida inauguracao da primeira via-
gem do vapor Lusitania, ltimamente construida
era Inglaterra e destinado carreira do Pacifico.
Os jornaes todos descrevem o lunch e brindes qua
houve a bordo d'aquelle navio no dia 6 da eor-
rente. '
i O sultio da Turqua conceden a graoi-UJz
da ordem imperial de Osmanado ao marquez de-
Avila e Bolama, e a gram cruz da ordem do Ued-
jido ao conde de Casal, aos viscondes de Stares
Franco, e da Praia Grande de Macau e ao
Iheiro Emilio Achules Monteverde.
a A ordem da Glora (NishaaSeMtT) 'J'
creada por Mahraad U. a.l9jteaf A ordem imperial do Medjido, sob o patro-
cinio especial do sultio (sultio ADdul Medjid) em
agosto de 1852. ..
A ordem imperial do Osmanado (sultio au-
dul-Azis') no anno de 1861. Esta a mais dis-
tiueta e elevada da Turqua.
t Continua o Sr. Fontes a dar a maior attancao
aos negocios da guerra.
Estio prximas as eleiges sapplmentares.
mas ainda nio foi flxado oidia. Serio em Coira-
bra, Canlanhde Penacova, Moimenta da Beira,
Torres Novas, Castello Brauco, Miraodella e Ma-
cedo de Cavalhekos. Destes oi circuios qaaim
do reoo, jostiga


distioctas
e 2* instancia
consa


sio para a eleicio dos ministros
positor, est compondo ama opera, cujo libreto e e obras publieas e marinha. -,
escripto palo Sr. Pioheiro Chagas. | < Chegoa a Lisboa am nipregado do governo
t Diz-se qne o Sr. Pioheiro Chagas regera io- haspanhol, encarregado de condnzir pu* siaor
ferinamente no corso superior de letras a cadeira 50 milhoes de reales em barras d ">-""
que regia Beballo da Silva. | somma parte da qoantia sobscripta no 1
meiro trabalho.da commissao
regnlar as sociedades
O Sr. Pioheiro Cha
eraaca da assassinada.
Foi imblicado na folha offlcial o ttrtal atvia-
jmeorso para a ajadieaeie da empresa da
arcn na poneos mas no mor <., -- -~L rgni.t or barco da atnor entre o
que *S?j^orto
orda e Emiha Adelaida, recem chegaloi ra^eaelo ser (srU no da 25 do aorreni^
verbal a versar sobre
redigno itevolucdo i< Setmbro lozo qu o Sr. tros;^^^2,SS.
Antonio Rodrigues Sampaio tai elevado ao poder, da heraaea: asstiaja
t Do Sr. Pioheiro Chagas nm folhetim que
apparcen ha poneos das 00 Diario de Noticias, e
em qoe
Taborda 0 au.u- -^------------m------- -, x ^^^
^ O Sr. Pioheiro Chagas vai publicar a Hulsria j ^ ^^ ^
*& em Wasbhsgton ser arteU.uido gelo sea ,to vwmg. ^ milii(erta>
K MSlav aae a commh-' te ^t&?Fi%JS pK
Sr. 8ao_.
Julgo qae em tempo Ihes dame que
sio paWotiea f e iesemhn if mo,

,1
fasar

mtmmmmm*'*-!




t*
.. .
A .i.'1JJ
-*-r
X
=
HurM d rTnxiRbT<5 Quiuta leira 2S &
=
I,
i




v
fc

todo o riten, iitn t ir'- 4* AmcqIo Prokty
r* do Trabalho Sacionat.
0 Commercu do Porto de 7 do corrate (a. 2jp)
publicou am exeelleoto tribalbo com o segainte
molo : tfut apontamentot rstafislfcos acerca
io Brasil. Ma rediccio qae o artigo de un
escriptor nosso oue oa tribuna parlamentar dea
prora de serlo tolos aateeiros,
Parte no dit 15 pra os Afores o novo barco a
vapor Atlntico, qae o bario de Ponte Bella com-
proa era Inglaterra paca esta carreira em que
aquelle titular e budo capitalista oneessio
aario. E' esperada brevemente o outro vapor
qae se destina pan e rpate lenico e qae
umbem novo.
Cbegau o n. 8 4o Se** Americano qae se im-
prime em Loodre*, Trax nma revista do Sr. Pi
uheiro Cbagas. >
A* ultima bar, isto i A tora da Urde de
11 do corrale, aceresoeola mono eerrespon
dente:
Accordanm hoje ee Jornaes de Oboa ena-
lbando que o Sr. to Hurta, que em temen fji
governador de Maco e actualmente o de An
gola, ir nova mente goveroar Maco. Tambem
se falla en qae o vlseoude de S. Jaouario se o
mmmm entender que o deve retirar de fmnn
dor gerai da In lia, o transferir para Maco
Parece que o goveroo pretende crear o lagar
de ministro portagnez em Pekim oa Cintio. Isto
seria mnito acertado e garantira a nossa demlna
cao em Maco. Mas quera ser a pessoa escomi-
da? Nao estaf o easo em crear o posto diplo-
mtica E' preciso qaem eonheca be? os cosa-
mos e carcter dos chin, o saiba rusteolar junto
dogreverno do celeste o imperio as aossas recla-
ma^es.
At agora o carador de plenipotenciario
junto do goveroo imperial tem andado aanexo ao
lugar de governador de Maco.
A corveta Infante D. JoCio foi inspeccionada
pelo ministro da marinha e autoridades compe-
tentes e val imraediamenle armar para ir rer>1er
a Ettefauia a Goa, indo esta de Goa para Ms-
co. E nomeado commandanio da infante D.
iodo, o Sr. Viegas do O'.
Aim dos despacho* para goveraadores civis
que hontem foram assignatara regia, e qoe ja
meaeionei, foram tambem o do Sr. GooveiaOs rio
para Aveiro; o do Sr. Jos de Beires, para Faro;
o o do Sr. Ferrexa da Cunha para Santarem
Bapera-se qne boje apoarec> no Diario do
Governo urna proviteacia oficial ledenle a dar o
maior deseo volvimento possivel iastiioicao ja
iniciada no paiz como feliies resaltados a dos ban-
cos agrcolas e industriaos. E para que sejtm
fondados em todas as trras do reino e libas adja
ceotes, onde haj estabelecimentos pios, como mi-
sericordias, hospaes, irreandades ou contrarias
que lenhim fundos para o capital inicial, qae
reja nacleo d'essas insiilwcSes nanearas, que,
como o banco agrcola e indu-trinl viiiense, vo
levar as localidades novos elementos de vida e
progrosso. Sao as aolondades superiores dos dis
tridos incumbidas de dar segaimento a esta Min-
iar iniciativa nos termos da le publicada em 1867.
O ministro do reino que foi antes d'oonlem vi
sitar o Asylo Mara Pa tenciona crear urna dota
cao em fundo permanente para aqaelle A-yle ser
garantida a sua ixitencia. Actaalmeate abrig
aquella casa 34o homens invlidos, 150 rapazas e
124 raparigas. Total 619 reataras arrancadas
meadieidade.
Continua a faisca de eleicojs mnnjcipa*>s. qae
erie para o mez prximo. No Diario do tioeerno
sabio hontem a carta de le saneeiooando o decre-
to das cortes teraes para que o conseibo d Lisboa
forn e nm so circulo para a eleicio dos vareado-
res da respectiva cmara municipal.
K' digna de mensa o a fasta feraidil qae hon-
tem boave em Lisboa, onde se reuniram algama
daas de singular taient Bis como boje a d-s
creve o Diario de Ntidas'.
Jovial e potica testa femlnil honve lerc Mr*
no bolel Gibraliar. A Sra. D. Joanna Gil Borgia
de Macedo, noiva do Sr. visconl? da RiDeira Bra
va. e a distiada poetisa e nossa e llaboradi ra a
Sra. Cadet, deram all nm opparo lunch as sua-
raais intimas amigas, ama testa toda de senhoras
Esliveram as filhas do Sr. conde de Castro Daire,
e as Sras. D. Virginia F.-.ria Blan;, D. Aon i Men-
dos, O. Julia Aguiar, a liiha do Sr. J.,A. d'Agniar,
intelhgencia delieadissima o dada ao cultivo da
motara, as sympathicas irmis D. Carolina e D.
Elisa Dias, e a Sra. D. Guiomar Torresio e sua
mii. Gomo se v o grupo era pequeo, mas lio
intelligente, tao affectaoso, e lio cordealraente
amigo, qae da urna da tarde, hora da entrada at
nieia nonte em que as convidadas sairam, voa-
ram as liaras como se fossem segnndos. O lunch
foi principesco, em lado digno da opulencia da
elegancia da futura v*eoode$*a ; havia militas llo-
re o flteram -a< moitos htmdes e maito verso*.
Todas se despedir n eucaataJas. A' nonte esteve
la o Sr. viseando da Itibeira Brava e o l-.i-tre
poela Sr. vlscond' Je Casblho. Recitou esplendiia-
meote versos seas e de V. Hugo ; entre estes o
giganteo Napolem i-ux e Dieu esl li. A Sra. Ca
det leu nns engenhosos versos que improvisara,
nos quaes descreve em d.versas estropkes o retra-
to moral de algans dos emvivas. Foram mnito e
justamente applaudid >s. Inhibe-nos de os publi-
car a falla de espado.
Diz o mesmo jornal, com realo a nm Ilus-
tre pernanbncano :
Foi hmiem ao paco da Ajuda apresentar os
sens respeitos a suas roagestades o illastro desera-
bargador da relagao de Peroambuco, Sr. Dr. Jos
Pereira da Costa Molla. Os soberanos porlogae-
z-s reeeberam com a maior amabililada o distme-
to eslrangeiro, que Ibes foi apreseatado pelo Sr.
conselheiro Lisboa, ministro do Brasil nossa corte.
E-tveram presentes a este a-.lo os membrvs do
mini-teri).
< Antes d'hontem nao pode as-islir ses-aj da
CommiuSo i? de de dezembro de i640, por isso
trao'crevo de um jornal ) que all se resalveo :
Terca feira honve sessao com) Je costume na
oamissao central 1.* de dezembro. N'nma sesso
anterior tioba o Sr. commendador Francisco I. ti-
reneo 4a Fonceca off-recido am projeeto para o
padrio, que aquella commisso tem de erigir aos
res'aaradores de 1610, e propozera qae se exeen-
usse pelas torcas da eommif sao, elevando qaando
omito as qaotas mensaes para reforcar o cofre.
Era proposta para se discutir; mas apresenton-^e
a idea de fazer a inauguraeao ji este anao no I.*
de dezembro. O nosso collega o amigo Aodrade e
Almsida propoz qae se abrisse desde j ama
subseripcio at ao da 1.* de detembro. e am con-
curso entre os artistas nacionaes para aprsenla
rem projectos para aqaelle monumento, qae oio p
de ser de dimensSes grandiosas em razo da p nao ser vasta, mas que poder s?r um modelio ar
chitectonico oa um primor de traba I no, correspon-
dendo ao heroico feto qne ha de commeroorar.
fi'esta sesso tratoa-se rto novo o assampto e foi
Borneada urna eommissao de tres vogaeso Sr.
Fonceca, qae Ihe i IT-receu o projeclo,o Sr. Dr.
Mendonca, qse est camaristae a Sr. Mello e Pa
ro, incumbido de promover o rdispeosavel aecor-
do com a Tereacao mnaicipal para o arriojo da
pra{i e ereceo do monumento. Faz-mis since-
ros votos pira qne se realioe este patritico pen-
Baaente e com a maior protnpii lo possivel.
E* nolavel e acertado um artigo qae hoje vem
no Diario Popular censurando o ter-e atetto o
concurso para se ioserever a eooliouacao da His
torta dt Portugal de qae Rebollo da Silva publi-
con cineo volnmes.
Sao estes os ltimos lelegrammas aqni rece-
Indos :
Madrid. 11.No congresso laclan elassifleon
do pecturador o revolucionario o decreto do re
forma de pagamento ao clero, o podio iof jrmacil*
acerca da situac-o econmica do pavo. Bappa
que se alo pode pagar ao clero. Candan respon
do qae apresenur documentos. Talan pedo que
se diseuta os ornamentos. Aogalo repado que
precisa estuJa-los. Alllrma-se que Espartero esta
de acedrdo com Sagasu. Diz-se qqe StfcBo-fap
declarar ts em favor dos sagastislas, formaodo-sc
depois um grande partido progresista paro.
Pars. provawl a nomesco do Ca>iair
Perrier para miaistro do commercio. A- dinleul
datos do tratado franco-ailemo consUliraA eoi
qne Bismark pedia que as garantas dos banque-
ros lo'sem coa a condicio do serem validas em
todas as evontoalidados polija* da Frao<>a. A.
difflioJdadee oslao qaaai complotmeote reaoi-
vidas.
Pars 11 O tratado ouaneiro acerca do qual
xiste actualmente oomplet acordo, sof apre
oatad > ao reicbstag Uoaoo que so Jeve reunir no
da 16 de ooinbrv.
m Madrid, 9. J adherirn a formula 109 do-
potados o sealare*. Ojo tinas m reumdoi os u-i
gastutas. Alguns delles sao favoraveis a ahe-
sao. Na auinta-feira Gaaade. mar cija, para JB^r
celona. O sagastistas coucordaram em aplvifir a,
frmala, dando ao mesmo te.npo um vol do-oo
fiaaca ao g-verao. ,
Madrid, iO.JU roaoiao do*U aoit, oa pro
gressiatas regeitaram p:r 91 vowa centra 4S o
pf^cid 4o do dtoiaaiafdjt ao govoruo, Oa sa-
Casustas Niiraram-ie depois io, voto do conQanca
ao govtrax). A .regoiio Domeou ama eommissao
oeeaitefata da eeotgaflieaeao 4o partido.
corjDosta de Zimfla, Cora iba. Pigaerola H-
cue*. Manuel Gouwz, KiraM, Mar* Ruiz G<-
inez o Moutero Ros. Os sagastislas reuuem-se
boje para reJrgirem um raaniCesto. Suppde o
JwjHirvjiof qe declararam nlo, serem radicaos.
Sevane feeasou a pasta des estrangetros. Q
imperador reeeber boje Pooyer Qaertier em Ber-
ln.
< Madrid, 10. No ongresso proceden-se a
elei^o para vice-pre-id'atoa. tendu tido ao
moiro escrutinio Moetertuo 104, Becerra
brancas 15. Segando esciooio Bectrra 119 e
Moaierino 113. Qoarto vice-presideole, Liaau
Persy i 11. brancas 43. Em Franca os consolaos
goraw eleitos sao quasi todos conservadores, II-
baataa e repablionos apoiaado o governo, Os
priueipaes candidatos boaapartislas foram venc
dos, mesmo aa Cortega. Poacos legRimistas foram
eleilos. >
t Os fundos brasileiros ortm aaskn cotadoa oa
praca de Londres 12 do crranle : 5 por eeoto
de 1865 de 91 a 94, 5 por cento de 1871 de 89 a
90, e 4 e meio por cento de 1863 de 83 a 83.
Os vapores Chrysolile e Zakyntko sao aqni
esperadoseste de SO a 22 do correte em via-
fem para o Para, Maralo e Cear, e aqaelle de
26 a 29 do crrente. Em viagera para Pernam-
buco.
Os vapores Braganza o Uaranhenu sahiram
d'aqui este para o Para, Miranhao e Cear, e a
quelle > para o Maranbao.
Ficam carga : Para Peanambnco os navios
Despique II e los, em Lisboa, Supfcra, (Jumo, e
Olida, no Porto ; e para o Para os navios Unido
e Davro no Porto.
< Sabiram de Lisboa : a 1 brigne Ugeiro pa
ra o ?ar, a 3 Laia I para Peroambuco, a o Cote
le dem, a 6 barca Stter para o Para e a 7 Sobera-
no para Pernambuco.
< 0 Ctele levou 10 pipas vinagre, 2600 sceos
farello, 13 ditos graos, 93 caixas cantara, 180 di-
tas batatas 174 litas cebollas, e 10 voluntes pas-
sas.
< O Laia I levou : 23 barris vinbo, 25 ditos e
3 pipas vinagre, 950 saaeos frelio, 10 ditos fava.
5 ditos e 26 barricas eevada, 200 barris cal, 70
ditos azeite, 93 ditos toueinho, COO varas de lage
Jo, 100 caixas cebollas, 300 ditas batatas, 84 di
tos gigo>, 90 ditas azulejos, 493 formas pata as
socar, 55 pedras de cantara, 130 rodas arcos de
pao.
t O Soberano levoo : 77 pipas e 131 barris vi
nho, 271 ditos, 65 pipas e 12 meias vinagre, 23
volames drogas, 20 ditos papeio, SO saceos ce
vada, 530 ditos farello, 20 barricas carvao animal,
150 barris cal, 121 ditos azeite, 71 ditos carne-,
100 ditos toueinbo, 80 caixas cera, 14 ditas coa
servas, 132 ditas e 300 molbos cebollas, 389 v..
ras de lagedo.
Os ltimos lelegrammas commerciaes de
Londres, dos Srs. Koowles & Poster, e Pinto Le
te & Sonrinos, era 12 do correte as 5 horas e
30 minutos da maoba, dizem o segralo
t O mercado de algodo (lea calmo, com baixa
de 1/8 Oes precos segointes : Pernambaco de 8
3/4 a II d Parabyba de 8 3/4 a 9 3/8, Macelo do
8 3/4 a 9 1/2, do Rio Grande do Norte de 8 3/4
10 1/2 e do Cear a 9 l/t.
< O assncar Oca tirme de 24/5 a 29/ o branco
Je 16/ a 24/ o roascavado.
t U cacao do Para vende-se de 4"/ a 60/.
f A tapioca ilem da 1 1/2 a 2 1/2.
f Os couros regulara de 6 1/4 a 11 ?.'4 se-
gundo a qualidade. >
lo Xorte.
oficias da America
ESTADOS- UNIDOS.
O.goverod americano mandn dizer ao Sr. Ka-
takasi ministro da Russia em Washiogtao,>qao se
logo depois da visita do graoduqne Alexis nao
cessasse as suas tuecos diplomticas Ihe seriara
mandados os seas pasaportes por ter clondido o
general Gran!, presidente da repblica.
O goveino americano quera que o ministro da
l'.u--u sabase immediatam ote aquella republi
ca, mas accedeu aos desejos manifestados por
aquelle diolunala de esperar a visita do grao du
qae Alexis.
Diicu'e se era alguns estados da confedera-
cao a iie v-.-i,! le de urna lei que admita presi-
dencia da reoublia os e&trangeiros, como ja pt>
dera ser eleilos os negros. So este projeclo vio
gar, poderla contar com a presidencia da rep-
blica norie-amercana o alterna) Scharz que ja e
senador, oa o negro Fredorco Douglasque sao
moilo populares e poderum cootar com mullos
suflragios.
Foi extremamente roubada a gerencia mu
Dieipal de New-York. Os roubos excedem a 60
milhoes de dollars; os docaueotos foram queiraa
dos pelo porleiro da cmara de accordo cora os
delapidalores. Os Toieaoics Hall, Swcue, Tuee
e Conolly ja occullaram os =eus beas movis, e
pozeram em nurne deterceiro os bens immoveis.
Omaire de NcW York foi citado polo tribunal
Je juanea por ler auiorisado pagamentos frau lu
Ionios.
Casoa em Newport Irelaod, America, Jero-
uyuo Napoleao Bonapartetneto de Jeronymo Bo
aparte, irmao de Napoleao I e de Pallerson B >
aparte de Baliimore, com a Sra. Carolina Levry
Apoleton Edgar, tilha do fallecido Samuel Apple
ton, rico commerciaole de Boston, o va va de
New'oold Fagar, fallecido em Paris em 169.
O noivo onunlo dos Estados -Unidos e coro-
nel do exorcito francez.
Diz nm jornal do Mxico que est a ponto le
consuramar am ajusto de fuso entre Jurez e
Lerdo, e por conseguate dos respectivos partidos.
As condicojs em qae parece asseniaro osle
ajustes serio as segrales :
Assegarar a eslabilidade de Jous ou tres gover-
nadores le distas com o proposito de iufljirem
nos stus dislrictos a favor da reeleicao de Jurez,
empregar ama qaanldadeconsideravel de dinbei-
ro para incliuar o animo do ramios adversarios
daqaelle homem ; entrar em negociac/Jes directas
com o partido lerdista fazeudo-lbe grandes ol-re
amentos e prometiendo ao mesmo lempo, que no
caso de ser de novo eleilo Jurez, este ceder a
presidencia a Lerdo, depois de ser occapado
aquelle logar por espaco de iras ou quatro tnezes.
noticias da norte do Imperio
Ciiegou noniem pela manha dessa proceden-
cia o vapor Gruteiro do Sul, trazando jornaes e
cartas : do Amazonas al 10, -Jo Para at 17, do
Maranbao at 19, do Cear at 22, d) Rio Gran-
de at 23, e da Paran yba al 24 do corrate :
AMAZONAS.
No da 7 do correata seguir de Manos pa-
ra o Puraqu-cura urna bxpsdico muui la dos
necessarios apparelbos, allm de sondar o lugar
em que na madrugada de 8 de julho de 1869 sub
margiaiee o vapor Purs, e ver se coa os taes
appara.'hos coosegue iixar o actual paradeiro do
mesmo vapor.
u rio Madeira vasara unto que o vapor Ari-
man, na sua ulllma viagera jueiid rio, nao po
dera passar de Santa Rosa.
A rocebeloria da fazonda provincial arreca-
dira durante o raez passara 8:oi9fi)oi foxio :
Para o tbosouro 7:129il93.
E para a compaohia fluvial do
Alto Amazonas i:460058.
PARA
Pela presidencia da provincia foi sancio-
nado o projeeto > lei da respectiva assembla
autorisaado o contrato para a navegado dp rio
Xingu e sous alloeotes, com Bento de Kigueire-
do Teareiro Aranba ou com qaem moihores van
tgens offerecer.
Encerraram se no da 16 do correte os tra-
balbos da assembla provincial, resolveudo-ae por
nnanimidade a cesso do subsidio dos dous das
le pr>. rogaca para ser appbeaao maaumis-
soes de cnaocis do sexo femioioo.
A' bordo do vapor Norih America cuega-
rara Balea alguas eogenbeiroa e operarwi pa
ra a empreza Madeira and Maniere Bailwig.
Fallecer, em Portel, o respectivo vigirto
padre Jacob Paslana de Vascoucellos.
A aifandega rendeu de 1 a 16 do correte
267:911 670 ris.
Lemos oo Diario do Giam Para :
< No da dcsta mu sanio de Glasgow eoin
destiao ao uosip porlo o vapor Augusto, do. em-
presa de gue aqu ropresentanta 6 Sr. Jacques
aeasJy. O Augusto, qae mede 130 ps inglezosi
do comprimenli, j do bocea e 10 de puntal;
que lesa capacidad para li.000 arrobas de car-
ga, apezar do calar apenas 7 ps d'agua. ds
tinado i navegacao do Amazonas e sbus afOueo-
tes. F-lIre o propulsor da forca de 90 eavallaa eJ
o,bareoagei-
ros de r.
4ldm q.Auguhto poaaup a empreza mas 2
vapore*, de autores dimeoifies, uuo eslo era
eou*lruc.cao *Q a*emo, esuleir. Sio outros
Untos elemento! am que po lemos contar para
deseovolvimento das nosaai riquecaa oaturaes.
os estaleiros Wilroiugtoo (DeUware, K, .),
es'io em oDstraccao tambem dona vaporea, por-1
teDWDi j > emprezaMUbriecidai a jal, e que Pl
E! destinsm uavoe acao 4o ro-nwt. S a provin-
cia f-'ta tm w'jveocsMS lra*as de navegaede
363W#0 I
MXIIAINIM.
No da 14 do corrate assamio as rodeas
da a^miniiiracao da provincia o Ex a. Sr. Dr.
Gomes de Castro.
No dia 27 do passado procedeu-se eleieao
de depotados e sopplenles do tribunal do com
mercio, sendo eleitares: Jos Francisco da Brito
Pereira Jnior v Jos Joio AI ve dta Boatos, d
patadas; Trajsao Augaato Valaate a Maoaol 4a
Silva Rodrigos sappltotes. '
A Sra, D. Apollonia Justina da Cruz Frago-
so dea liberdade a sua escrava ARlaa, ao dia 4o
ten aanivartaria
A' eafcrces do Sr. Ia taaeate Telia 4a Me-
nezes, commandante do biate de gaerra Rio de
Contai, foi fundada ao dia 15 do Brrenlo, sob
a deoomtaaclo de Club das Regatas, urna socie-
dade sob as basas srgnintei:
i i'CondlgrJes para a inscripcio : Ia, dtela-
racao do comprimejUo a bocea da embarcacao
em ps ingltus; Ia, qnalidade da embarcacao a
nome com qae corre ; 3a, numero de mastros e
da velas ; 4', sa o patrio amador oa profesio-
nal ; 5', numero de tripolantes.
2*Hiver untes pareos quan^ae as quali-
dades das embarcacoes qae correretn.
< 3'E' permittido tevar senaoras aat embar-
cabas que correrem e nesse caso ser cada se-
nhora equiparada a doos homens.
f 4aA partida sera di fuoleadooro do hiale
Rio de Contus, t a chegada ao fuodeadooro 4
urna lincha qne nesse dia se achara NESO com
o cruzeiro da groja 4es Remedios.
3J-Os bordos, qur n'uma qur neutra
amnra seo despejados oa poa.das lanchaje qae
marcario nesse dia a maior largara do canal a
percorror.
f 6aTi da a embarcacao qae sabir tora da li
nha oa eorascar-se com outra, perde o direito ao
premio anda que chegoe primero.
i 7'A embarcacao que primero chegar a
popa da lancha que marcar o ponto de chegada
ser a. vencedera. >
A directora fiera assim composta : presdante,
Jerfoyiro Jos Tavares Sobrinho ; ihesoureiro,
Jos Lourenco Gooc ilves ; secretario, Francisco
de Paula Silva Pereira ; juizda raia, Ia leneole
Francisco de Paola Tolles d Menezes.
Fallecern) : o c roal rttoruoaJo Francisca
Joaqom Fcrreira de Carvaibo ; o negociante Ua
noel C rra Ribeiro o ubeiliao Juaqalm Fabn
co de Moraes Reg eo eammarcUnte Aauraio
Lopes JFerreira.
A alfanJegs renden de 1 a 17.do correle
112:504*380 ris.
No da 6 do corrento proceden o Banco do
Msranhao eleieao da mesa da assembla geral,
da eommissao liscal, e de doos directores, com
asistencia de 71 accionista* representando 3352
aero s com 253 Votos, saoiodo eleilos :
Mesa da assembla geral.Maooel G. Ferreira
Nial, presidente ; J-s Goucalvos de Jess e Cus
todio G ocal ves Belchior, secretarios.
Commisso fiscal.Jo Ferreira da Silva J-
nior, Maooel da Slva HoJaguss, e Maooel Jo:
Soires.
Directores. -Aoiooio Mooleiro da Silva, e Frank-
lin Jansen Sorra Lima.
Lemos no Paiz :
Ante h.ratera (13 10 corrale) foi assassinade
junto do amigo cemiterio da Misericordia am car-
pinlatro de oome Jualiaiano Goncalves Ferreira,
por nm vioiairo chamado Z ferino Francisco Bello.
Seriara 10 para 11 boras da noule.
O assassino leve ha tempes ama altercacao
com a victima p. r causa de meia pataca e por
isso guarda va-Ibe olio!
< Antes de consumar a vngaoca, que parece
premedita va, ia assassinando cutro individuo, qae
lle escapat-lhe.
< A arma de que se servio foi am formio de
sea cAicio.
O Sr. inspector de quarteirij Maooel Joao
Correa Vianna. sabendo do fcto, correa ao qoar-
tel e com a forca que Ihe fui dada, e outras pes
soas foram Q> encalco d> criminoso. O Sr. sub-
delegado Barradas, o cuete de pedo-tres e seus
sollados tambem comparecern, todo esforc
combinado destas torcas conseguirn) pela ma-
drugada prender o criminoso.
< Alera deste, es'.ao presas as moldares Canu
ta, e sua mai e urna negrifiha do convento do
Carino.
PIAUHT.
Foi saneeionado pela presidencia da provin
cia o projeeto da assembla respectiva anlorisando
o contrato duna va frrea entra a ei lade da
Parnahyba e a marem dorio Igaarassii oa Amar
raga. J
a uresi Jeucia da proviocia tratav de cocfraWr
cora o Banco do Brasil nm emproilimo de cera
conios de res ao juro de 8.a/. ao auno, para paga
ment do contrahilo na proviocia 10 */..
AssumJra o exer:ico de ju z de dlreto das
Barras o Dr. Joaquira Jos de Oliveira Andrade.
Dia 7 de teierabro ascieJale emancipadora
Piauhicnse llber:ou i escraviohis.
CEAH.
A' 22 do crrante esereve o nosso correspon-
dente da capital:
a Tenho de dar-Ihe desta vez, nma noticia que
produzio aju a maior sensacao, levando a cons-
ternado ao seio de multas Tamilias, qae felzmen
te acham-se boje livres do peso que as acabru-
ohava, per se ler feilo a luzes que realcando a
innocencia, restitu o seus bracos e sociedade
peasoas que Ihes eram charas, e acbavam-se col-
locadas era desagradavel stuaco
Redro me ao roubo da alfauJeg desta cidade
realisado na maohia de 14 do correle, cujos pro-
menores paaso dar-lhe.
c Dirigiods-se o porleiro d'esaa repart gao, na
hora do costme, para abr-la e dar ingresso ao-
respectivo; empregados, descubri urna :orda pn-
denle de um serpela) da cora'ja do edil.-o e
decooindo qae por alli tives e passado alguen
foi immediatameote communicar essa occarrenoia
ao sea inspector, qae sea turno levon-a ao co-
nhecimeulo das autoridades competentes qus sera
demora compareceram. Enlioachinuo-ie presan
tes o Dr. chefe de polica, inspector da alfandega
proaotor publico, procurador fls;al, delegado e
subdelega lo, foi encontrado aberto o cofre cargo
di tli-souniro Dr. Antonio Domiogoes da Silva, e
extrahida a quanla de rs. 34:1394193, prodacto
arreca lado na semana.
O inspector da thesourara, nos termos Jo da
;reto o.;657 de 3 d.; dezerabro da 18.9, reqaereu
a priio do thesoureiro, qae foi logo realisidi.
Procaleu-se exarac e vi-ijria por peritos
que foram nornea Jos, a declararam que oeohura
vesligh de violencia aoreseniata o cofre, epassan
do examloaf o euilkio declararan) igualmeote
qae nao havia vestigio de subida para o tslbado,
mas somanto de dse da por causa de circumtUn-
cas que n.tarara, e seriauufadonho descrevc-lss.
< EsU-eirourasaneia e a probidade geralmente
reconlio :i la do Dr. Domogues, fez logo suspeitar
que o ladro penetrando na alfandega dorante o
dia deixou-se nella liar para coramelter o roubo,
escouleadose por entre os caixoes e'fardos de u
zondas que alli existem.
i O Dr. chft de polica e outras autoridades,
bein como o subdelegado major Carneiro tomiram
desde logo o major ioleresse na desc-.beru do cri-
ra % o notaado-sa no dia seguale o de.-appareci-
meoto de um irab.iludor, deuome Livrao, deseon
tlou delle a polica, a augmenunJu-se cada vez
maii as descoufianc.as por cerUs eircumMia:is
que lam apparecendo, mandn o Sr. Dr, chele de
polica procurado, e sabsndo que liaba seguido
para as bandas da Paoatuba cora desuno a comar-
ca de Inharuuas, exp.dio di versa* escoltas, conaan-
da urna dallas, a o bravo lente 4a polica Francis-
co Pedro dos Santos.
A descoberta daqaelle Livno pareca o fio
qae. liona de guiar a polica oo diffltii lauyriotho
em que se achava, e todos os epiritos viiiam-
se inquietos para aquellas .bandas, coara que pres
s ratindo que dalli davia surgir a verdade.
< Com! frito assim acootecau, e na tarde de 19
do corrate, corra cera grande jubilo a grata no-
ticia de nao t ha ver sido pteao aguaite Livioo,
como ter-se encontrado em sea poder a quaolia
de 25:712*000.
c Dcclarou qqe subtrahio essa quaslia servia-
do-so de ora rame com que abri o cofre, e peto
mudo porque tica indicado, lo, leudo peaetra
4o na alfandega durante o dia, e- deixando-seaili
Icar para de-uooie e:mmau*r ao imr, cana et-
|ecii*auwne commeKeu.
Bu'(laep>s*o4erever.a. aJegns, e coalaa-
lameato dot iaaitinies desia cii**4f, eme paruor-
riam as ruar, e so abracavam, dando i rampcaaoa
tarabea*, por esse iriumpbo fue tu raaicara bo-
ra dap^icia*qaa,aieaeI)avaevolil4o^niaQ
desagrada val neg ocio.
< Bem dizeueo dej acertada* providencia* to-
mada* pela aoloridade, prouuociieao crfa*i
Ibasiasmp o nome *> arfers* Fraacisco
lo modoporqoe d.*mpl>oB
1 hjpnta foram opuq
pr. Dom-nguea, ^fUrtc
qae igoalmeate estavam presos, Xor quaes damos
oe*o loceros piraban?.
t Pea noule percorreu as ras da cidade ama
mulea eompanhada dos empregados da alfande
ga a mus pesadas aou veis, para darem expansio
ao jnbilo de que se achavam possoidos.
Ao ebegarem roa Formo**, pararam em
frente do Club, onde de ama de aaas janellas, o
Sr. Papla Barros, deslindo Iliterato, fez um bri-
Ihante Improviso que foi calorosamente applau-
did*.
Coipgdado esU noMgta, rutia-rae aoereseea-
lar qua a timiunso oa fes ajada d*kracaoa
raspeitc 4a ampregn qa* faz d* qauila qne falta.
lo eoirerae ao Dr. Lueeaa, que a
rdar em lonaar-e* eompleea.
co magistrado teraou-ae digno dos
pelo tina com qae se baaae, acer-
as provdandas qae lomea,
legado majar Caiaatro raosirou-se
ofatigavfl, e a>sim ootras autoridad
des e cMadaos que as coadjuvavam.
Passarei agora antro atsumpto. Foi aqu
alto b*n recaoida aooii.-iadehaw paseado oo
senado a le sobre o estado servil, os edificios p-
blicos e casas particulares lumioarara-se expon-
taneamente, havndo passeiata com msica e on-
trn f**jev
f A cmara municipal foi em eommissao felici-
tar o govora* aa pawaa do Bes*, presiaeole da
proviocia, que amigo como da liberdale e da
pfospendade de se eai, mosirwse possuido de
intima sallsfacao, agradeceodo cora palavras inci-
sivas e i apastada* 4e patriotismo, a feicauqio
daquella illusire corporacao.
Por acto de 6 do-corrale foi designado o da
17 de dez;njbro prximo para a eleieao de depu-
tados provincues.
A alfaoJega renden no mez de setembro pas-
sado 173:704*698.
No trimestre de julho a setaaibro ultimo rea
de i 503:4!O973, sendo do exercico de 1870
1871 4:639W33e do de 1871-1872 468:781*038.
O vapor Ambrese, da liaba de LiTcrpuol, sa-
ludo a 4 d i crreme naca este porto, levou da-
qui : 2,493 saecas cera algodao. 230 saceos com
assncar. 511 dito*com caf e 88 com borracha.
< A cmara municipal da capital, em recorda-
do do aotigo boticario Ferreira, mudou o nome da
pra^a Municipal para o de praca do F: rreir.
c Pela lei do remenlo provincial, agora sanc-
ctooada. foi oreada em 773:01*000 a. receU do
exerciciode 1871-1872.
UIO (RANDE.
Da capital nos escreva a 23 do correte nosso
correspondente:
No di* 14 teve lugar a abertura da assembla
provincial, cuja mesa ffeou assim composu : pre-
sidente Dr. Jeronymo Cmara, vico-presidente vi-
gario Antonio Joaquim, Ia secretario Dr. Amyo-
tbaa Barros, 2a dito major Affins Maranbao.
< S. Exc. o Sr. Dr. Delfiao, apresentaado o seu
relatarlo, iadjcoa as providencias, que se tazara
n ees-arias para remover, qaanlo for possivel, a
crise lina.a eir dos.cofres proviacues.
Por sua parle a assembla mosira-.-e dispon-
a a levar a effeito as medida* indicadas porS.
Exc, as quaes oa verdade, sao da prande alcance
par* ergoer a provincia de-se estado de penuria,
a qne enegou por circnmsuncias imprevisus.
v Sobre a reforma do estado servil, S. Exc. ao
ultimar a le tura do seu relator o. d|$se o se-
gainte :
t Arada daas palavras para ama faustosa no-
ticia.
Bxnrtamos.
Deade o dia 28 da setembro ultimo, nao as-
ce ruis ningnem escravo no Srasil : assim o de-
creton a patritica assembla desle annb na lei n.
2040 daquella dala.
i Congratulme eomvosco por tao auspicioso
acontecimento, que vai abrir ama nova era para
nossss inslitaicoes.
Est, pois, re olvida a msgea questo do ele-
mento servil, a ma;s importante, qae se teca agita-
do no parlamento, desde qae constitaio-se no nos
so paiz o governo livre.
t Temos dado o segundo passo para a extinc-
co da esclavatura (o primero comecou cora ac-
bamento do trafico de africano>) essa institu jio,
que alm de ser, como tem sido ai boj-, fatal
aos nosso- verdadeires ioteresses, conforme no fu
turo mtlbor havemoi de reconhecer. uq.o dep5e
contra a moral da um povo, que como nos, pro
fessa as doctrinas do ebristianismo.
< Agora s resu qae secundis ao goverao oa
execucio da mesma lei, a qua-i salvando os into
resses dos proprfejarios e agricultores, resolveu
sabiamente o problema noais difflcil dos nossos
tempis, concorrendo par que seja ella flelmenie
enmprida, certos de qae prestareis tambem assim
nao pequeo servigo a essa causa que tambem
a dtbaraanidad* e da civluacao.
Km sesslo de dia 17 o depntado Baphael Ar-
chanjo motivou e raindou A mesa urna indicaco
no sentido de nomear-se ama commisso do seis
daassmbla, para felicitar o goveroo iopeiUI oa
pessoa de sea delegado nesia proviocia pela iuicia-
liva, qne tomn o mesmo governo oa grave ques-
to do estado servil.
A commisso oomeada, eomposu dos deputa-
dos'Raptnel, Cosme Tiooco, Joaquim Manoel, Ma
aoel Basilio e Joaquim Guilherme, dirigio-se pa-
lacio n > dia 19 e caraprio o seu mandato com a
seguinte feli-itaco :
t Illm. e Bxm. Sr.A assembla legislativa pro
i viucial do Rio Grande do Norte nos envia em
< comraissao presenea de V. Exc. para felicitar
o governo imperial na pessoa de V. Exc. como
c sau Jalegado oeiu provincia, pela brlhaale ini-
c dativa, qne sobre si lomou na solucao do grave
< problema do estado servil, promoveudo e sus-
< tentando com inexcelivel abnegacao essi re-
forma social, reclamada ha Untos lempos pelos
< altos interesses da ni cao.
< A assembla provincial auima-se de patrio
< tico regosijo por caber-lhe a gloria de, ao co-
< mecar os trabalhos da presente sessao, preen-
cbar a mais grato de ver, qual o de constituir-
se interprete dos nobres sentimentos de seus
coomiteutes ante nm governo ilustrado e emi
oentemeot brasileiro, qte, iospiraodo-se oos
diclames da phylosopbia ebristi e oa opoio do
paiz, claramente maaifsstada, ennqueceu a his-
toria 'de nossa vida poltica com nm acontec
meato to grknda em si, quanto benfico em
seus resoltaJos.
Congratnlando-se com V. Exc. e cara a pro
< viucia inie:ra, a asseubia provincial do Rio
< Grande do Norte espera qae V. Exc. se dignar
i Je levar ao alio coabecimento do governo impe
ra! as sinceras e respeitosas feIiciucojs, qae
< loe dirige em nome do povo rio-graadease.
S. Exc. respon Jeu :
c Senhore* depaUdos.Em norae do govern
c imperial agradeco a assembla legislativa desta
< provincia as fecitacoes, que per voseo ioierrae-
dio e na pessoa de seu delegado aqu, dirige ao
i mesrao-goverao pela iniciativa qae tomou de
promover, como felizmente oon-eguo, a retor-
c ma do elemento servil, reforma reclamada pelus
< nossos verdadeirus ioteresses a ainJa miis pa-
los principios da bumanidade e civilsaco.
E peco-vos que, atianeando a assembla o
qaanlo rae grata a honrosa missao de tran--
i mitir ao governo imperial as suas patrioli'us
a maoifestacdes, acceiteis vos, sonbore- depulados,
< os meus sinceres parabens pela defferencia, qae
recebestes de vossa digna corporaca-, quaodo
< vos escolbau para ratarpretes- de lio nobres seo-
tiraentos.
i Os trabalhos legislativos vio correado com
regularidade ; noU-*e mesmo am desejo pronun-
ciado Ja parle dos depulaJos era coroparecer as
sessoes para resolver os negocios, que esto a seu
sasm
X*umb estrinheu o artigo editorial da Re-
forma de 21 de setembro sob epigraphe Cruza
4a indecente, dando noticia de am atontado com-
meitido pala assembia dssu provincia contra o
juiz de direito de S. Jos de Mipib, Dr. Pedro
Fraqeeiioe Guimarie*.
Pan moairv olunmnio da semebaote ae-
guicao, bau duer qae esa corperac insiallada
a 14 do corrala, na ar possivel anea.*! de se-
tembro passado j tsesse psuaedado contra aquelle
magistrado, a respeto de quem oio se apresentou
it hoje denuncia alguraa, se oem que sa diga em;
S. Josd barer para m*o motivos oa raioes, que as-
laoit^dffcoabece.
E assim, aa se escrew pasa o I
' Gonei*.que aa comarca, do Sendo grassa ac-
tualnieAfa urna labra de mo oaraoter, a qaai ja
?ya^a.vi*^eeir*oK**a.do coronel
Maooel Bapusta Pereira, coja pTda boro seoei-,
ve ao P*ti4o ceaeervaaopda cidade do Principe,
So qual era ebefe prestijioae.
OExa. Se. pa*id*ale,apenas lee* eoobaci
manto do mal, fez prapatar e |njr p*r alli urna
smbaJaac acumpennada 4a am directorio med-;
co a^ dispesmao da orna oemaiissie de-occo*ros,
M^s^ojaeeiu ae D^jasAmaatoipal d* termo,
vigaiio Piuliim^.pwfosaiariiTiaJim, Maaoel Pi.
>* blieiro.
ot&u. i 4,,*lW*nd ptlaoateda aaaanWta eaa*ioua pcd-
Amro Souq, rsj*Tamelf *ea>.a toscafe ao iateleeate H
rtsta Miguel Rodrgaos vianna, qne vai satitfazen-
do espacutiva publ.ea.
f No dia 9 foi preto pelo proprio chefe da noli-
eia o criminoso Elisiario Antonio Cordeiro Filho,
como pronouciado no artigo 169 do cdigo crimi
aal ao termo do Araeaty, provincia do Cear.
< Era virtud* de ordem expressa do mesmo che
fe de polica Dr. Paulo Martios, qae se tem mos
irado incansavel no enmprimento de seus deveres,
fti preso em Goyanninha o criminoso de morle na
provincia da Parabyba, taaaaat Rodrajpnes d4HI-
va, mas, seallo reawuido para esta capital, txra-
segnio evadir-ie em cimiea* no lagar Pao Pi-
que do podar-dos gasrdas nac o naa* .doslaoados,
qne o escollawm. Batas foram logo presos e man-
dados proeesaar.
c Foi exonerado a sea podido do lagar de de-
legado de polica do termo da Careabas o coro-
nel Laiz Manoel Fernandas Filho, a nomeado para
sabstitui-lo o cidadio Theopbilo Fardando Cr-
aeiro.
< A nomeacio do Dr. Lniz Antonio Ferreira
Sonto paca juiz munic pal de S. Jos e termos an-
nexos tai recebi Ja naqnella comarca com geral sa-
listecao.
Renden a alfandega :
t Em setembro 12:312*388
i Do 1.a a 21 do correte 13:758*736 >
PABAHTBA.
Por doente, deixon de assumir s redeas-da ad-
miobtracao da provincia o Exm. Sr. senador Fre-
derico.
No dia 16 do correle ostalloo-se assem-
bla provincial, cuja mesa ficou assim compo.-ta :
presidente, Maooel Porfirio Araoha; secretarios
Dra. Antonio da "uoha Xavier de Andrade, e Mi-
guel Peixoio de Vascoocellos.
Lemos no Jornal da Parahyba:
Apparece no termo de Campioa Grande desU
provincia, de qaando em vez, um individuo que de
ente humaoo : tem a figura.
Coola-se delie nma curios historia, attestada
por pessdu de intero crdito, a qual passamos a
reprodiui; com todas as circnmsuncias rela-
tivas.
Natural do centro de Pernambuco viva esse
homem da trabalho manual, leado em compaohia
sua me que soOria accesos peridicos de lieo*-
co.
a Impacientado um dia com a pobre enferma
armou-se de um guarda chuva e com elle castigou
desapiedadamsnte aquella qae Ibe den o ser I
Aps o horroroso atlebtado operou-se ama
trans.irmac j compleU oa vida e costumes desse
ente degenerado.
Abaadonou o trabalho, desampara casa e,
como um moderno jadeo errante, ouoca mais teve
guarida certa; vaga de povoacio em povoaQio,
habite as taperas abandonadas, evita toda especie
de contado humano
i Detesta os vveres alimenticios para os quae>
sent inveneivel repngoaocia, e sustenU-se de es-
pira que coma como os aoimaas I
< Bobo agua extraordinariamente deudo Ulvez
a esse geuero de alimeoUcao que escolbau.
< Recusa quatquar auxilio de seus semelhanles,
assiio como repella s esmolas em draneiro.
i tjaando algaera, commovido de unta desgra-
na insiste em soccorre-lo, como qae se eucelerisa,
a deila tora a < fferta.
> Sua figura horrivel exciu natural repulsio ;
tao magro que o corpo assemelba-se a um es-
queleto I
c Nao sotlre, entreunto, consa algnma em sua
sada e nao consta que teuha jamis adoetido I
a verdadeira iraagem do reprobo, em toda
forca do vocabulo, cumprindo ueste mundo de mi-
serias senteoca de Deus pelo pavoroso crime de
ler ousado bater em sua pobre mTl
i No domingo 13 do correte, o mariobeiro
Louis Prisoo, perteocente a Inpolacio da galera
(raoceza Camille, ao atravassar a prancba que a
mesma galera tem collocada ao caes; tropecou em
urna da taboas, cabio ao rio e desappsreceu, pelo
qua nao poJe s-r soccorrioo.
t Houitra appareoeu o cadver, que foi levado
j em esUdo d decomposico para bordo do dito
uavio, coda compareeeuo Sr. subdelegado de poli-
ca acompanhado de dous Ucullatives, que pro-
cedmdo a necessaria vistura, declararam que a
morie liona sido causada por aspbixia por submer-
sio.
i O marinhairo Louis Prson era catholico apos-
tlico romano, a foi enterrado no cemiterio publi-
co desU cidade. >
4 Eotraram neste mercado duraste a seman
lida de 9. 14, 791 saecas de algodio, qae se ven-
der ara a taino de 8*200 e 8*300 por arroba.
< Ficam carga a barca francesa Leonce e a ga-
lera dem Camille; ambas para Liverpool.
c Na aicsma semaaa daspacharam-se para Li
verpool o b.igue italiano Scipione com 730 saecas
de algodio, pesando 66,390 kllograrauoos: e o bri-
gne ioglez Jennay cam 1,230 saecas dem, pesaudo
112,260 ditos.
i '
PERNAMBUCO.
REVISTA DIABTA.
TERMO D'AGU*. PRETA.Por portarla da pre
silencia da provincia, de 24 do correte, f iran
comeados: Joaquim Marques da Porciuocala, i
Joajuira Pereira da Silva, este partidor e istri
buidor, e aqaelle partidor e contador, provisoria
mente, do termo de Agua-PreU.
GUARDA NACINAL.-Por portara da presi-
deocia da provincia, de 21 do correte, maodou
se dar guia de passagem para o municipio do Cabo
ao alfares da 4.a compaohia do 41a batalbode in
fanlaria, do municipio da Ipejaca, Francisco Ao
looio Chala;*.
PROFESSDRA PUBLICA.Por portara da pre
sideocia da provincia, de 24 do correte, foi re-
movida a professora publica Candida Mara Rosa,
da cadeira do Salgueiro para a de S. Beato.
CA"rURA.Pela delegada do termo de Bonito
foi preso, e recomido respectiva cades, Viceote
Ferreira Santiago, crimooso de morle, no districto
de Piroenleiras.
CONCURSO.Comecou no di* 23 do correte o
concurso para provimento das cadeiras de ins-
Iraccao primaria, e deve terminar hoje.
Sao concorreales as Sras. DO. Candida Rosa da
Silva Lyra, Miria Presciliana Vile'la dos Santos,
Rosalina O'yrapia Bezerra de Mello, Maria Floren-
traa de Ges Cavalcanti, Mara Leopoldina de Moa
ra Rezeode, Philomeoa Paulina da Silva, Maria
Magdalena da Nitividade, Mara Leopoldina Ma-
chado, Maria Carolina Alfonso Valeaca, Francisca
Ruedes de Oliveira, Anua Francolina do Reg
Barros, Paulina Gaouina da Silva Monteiro, Jos-
phina Joviu Belmira de Oliveira, Francisca Maria
Lamacbi Mgues.
D1NHEIR0.-0 vapor S. Jacintho levoo :
Para a Parabyba 25:000*000
Para o Natal 25:000*000
Para o Maranbao 84:100*000
Para o Para 109000*000
. O vapor Cruzeiro do Sul trouxe para os
Srs. :
Jos Rodrigues de Sonza 1:800*000
joaiuim Jos Goncalvs Bellrao 240*000
Cnsul portuguez 723*000
LE PROVINCIAL N. 590.E' certamenle ere-
dar de exame e solucao, de accordo com a lgica,
e lacra de impugnar a thesourara provincial a le
n. 590, que Unto oo querer aiiender ao qae
nella se dispoz, relativamente s casas de cora-
mercio qne tm todos os seus caixairos brasiiei-
roe.
Faz-se mis te r que S. Exc o Sr. presidente di
provincia, tomando eonbecimeole do laclo, que va-
mos ex por, resolva quaolo antes.
Ei-lo :
A lei provincia! n. 530, de 9 de maia de
1864, isentou do imposto de 20 0/0 sobre a renda
das casas em que se achira eslabelacimentcs com-
merciaes, aquellos destes esUbelecimentos cajos
ea A le dooreamaato desse anno, ae $ 20 do an.
4 i, onlese estobelecau o referido imposto, nao
fe menea da citada lei a. 590, e entretanto no
aneo lioanceiro de i8oo 1466, era que dta vigo-
rou, lera plena exeaucao referida le de iseocfto,
sem que nos conste que por parte do ceaaolado
provraeul ou da thesourara oenhuma davala?fes-
Se ergoia*. "
Nosannoseubsequenlas, dexle 1866*1867 ate
18701471 tedas as lei s de orea ment arov acial
no Mregrapbo respectivo fiaeras*laeoso da iseo-
cao tabeleci la na lei n.SIt, epraUcamea foi
saeapra.riaaait4va auadisaareao.
Na sesso desle anuo da auembUa prsviocial
um Mr. deputado, baaeado nos rdaiorios do con
sulado e tho-ouraria provincial, propoz a rev.ga-
cao daquella.laia. 5\eo sea projeeto, ligeira
mea:* discutido, foi rgeitado. Esta regeieio de-
maasbrou a^avideacia que o espirito da asseroelea
era mantera:im a..am
Vek a jj*a siia.de .ser I ido e disctelo o oro*-
mmic^aa 48*14-4412, a Job este approaado, sam
ju* no|?2*doarfd&.se*aeacidnasv.e, como da*
de 1866, s i^i'eitefcetee** na le o. 590.
Em vista deete esqa'eimento, (porque ontro no-
rae nSo pode te, nenio o faci da regeieio de
projeeto que j nos referimos) enieuden o con-
sulado deyer cobrar intestadamente o imposto
dos 20 0/0 sobre a renda das casas era qae se
achara estabelecimentes commerciaes, sem faxer a
excepeo de qae trata a lei n 590.
D'abl origaa*am-e* 'enes revjtamtcdts, cojo
nnmero todos os diss cresce, porque maiu casas
comjarrciaes, escollada com. Jaira da lei, jul-
gam, e jalgameeea iodo,aXreito que, sendo naete-
nam ledos o sa*scaixe]*a<, eala* isenUs do im-
poete i que teasa*aiiao.
Disemos-;'iaBi cam todo irtitopor que
mni gfralraeate sotida qae um edsposico de le
de carcter t'ausitorw, como sio as leis de orea-
meato, nao tem podar 4 revagar ama le per-
maotate.
Demais nem teso mesmo se dea. O qae se ve-
rile, pete qa* a* paseou n* assembla, qae
honve nm descado ua redaccao do 24 do art.
16 da lei do orcamento vigente; e lgico qae
semelhante descuido oa esqaecimento de nenbnm
modo pode prejadiear a disposicao clara e termi-
nante da lei n. 590.
Perianto nossa optntso, qua ntepomos i do
Sr. Dr. procurador fiscal ua Ibesourarii provio-
eial, cootraria aos ecmmereianles, como oos in-
orraam, qae devem ser atteodidas as reclamares
daqoelles que eiiverem no caso Agorado oa lei o.
590, daodo-se assim ioteiro camprlmento a essa
lei, que oio foi revogoda, e qae deve ser aca-
tida.
Chamamos a alten cao do Exm. Sr. presidente
da provincia par* esse oecoc, temas em vina
que sf ja eile resolvido le forma tirar de sobre
algunst hombros nm grande pase de inrertexa. e
estamos convencidos da que outr nao pode oem
deve ser a solacio desse negocio, que so a-que
dexamos aqni exarada.
PENANTE. Recebemos e agradecimos nm
exemplar das Obras Cmicas io actor dramatice
Jos de Lima Peaaate, que actualmente traban
na theatro Santo Antonio.
QUESTO JURDICA.Aiaaahia, se nao bon-
ver algura inconveniente, proseguir a pobliescjlo
dos artigos, sobre a qneslo jurdica.
MEDICOA' bordo do Cruzeiro do Sai segus
para a corte, onde vai Iixar rasileaeia, o distioote
medico cearence, Dr. Joaquim Antonio Alvo Ri-
beiro. qae por algura lempo residi entre nos.
RECEPr.O-HONROSA.-Rem#ltem nos as se-
grales bobas pessoa de considerado :
< Seguodo nm* caria, qne vimos escriola de
Lisboa a am nosso amigo, foi um acto solemne a
recepeo que o illusire magistrado o Sr. desem-
bargador Motu receben dos monarebas portogoe-
zes.
\ O Sr. Andrade Corvo ministro dos nrgocio
estraogeiros solieitou de el-rei o Sr. D. Laiz I
pormissio de Ibe ser presentado o Sr. Molla. S.
M. eoneedeodo a graca pedida declarou que o re-
cebara em audiencia s duas boras da larde do
dia 12 doeorreate.
< Com effeito a essa hora S. M. rodeado de todos
os merabros do ministerio, no sali dYs embaixa-
dores no paco da Ajada, tecebia as respeitosas
homenagens qae Ihe tribatava o Ilustre brasileiro
sendo-ihe este apreseaudo pelo cootelbeiro Sr.
Lisboa, nosso ministro rendente naquella curie.
Sua Mageslade a rainba D. Maria Pa tambem
recebeu rom a maior amabllidade o nosso Jisanc-
lo compatriota.
a Depois da audiencia foi elle cnmprimeoUdo
por todos os senhores ministro.
a J d'antes tinba o Sr. flesenibargidor sido re*
cebido por el re oSr. D. F mando.
Podemos asseverar que S. Exc. toi emito con-
siderado e geralmente estimado naquella capi-
tal.
FALLECIMENTO.Na provincia d) Cear, para
onde tinha ido em busca de melbcras de saiide
bastante deteriorada, fallecen o Sr. Joao Faenado
da Silva Guimaras!, essrivio de orphs da comar-
ca do Recite.
GNEROS DE EST1VA.-0 vapor Doum trooaa
os segointes : 6 eaixs que'jos a A. G. Pires 6:
C, 48 a Magalbaes & Corval, 70 a Son Basios
& C, 21 a L. J. da Cosu Amorkn A C, 22 a or-
dem, 14 a Pereira da Caoba Irmao?, 43a Orga
Ir mo, 24 a J. T. da Cos?, 20 a Guiraaries A Al-
eoforado, 13 a Cuoha & MaoU, 12 a Ta-so Irmao?,
15 a J. S. do Amara!, 18 a Slmpson 6iC.it i A.
F. de Carvaibo, 18 a J. C. Braga & C, 20 a A. A.
Lebre, 13 a J. J. Alves ; 10 caixas ordem.
ACCIDENTE.Hontem, por volu de meio da,
um Sr. Manoel Ruarle de Almeida, e-labeleeido
ros da Imperatrz cora loja de miudezis, descenso
da ara corro da corapanba dos bonds, na roa da
Cruz do Recite, f-lo coro tal infelici lade que,
cantado, ficou cem orna peroa sobre os trilaes, e
passoa-lhe sobre ellas as rodas do carro que a
fraetnraram. Fui coudozido urna botica, onde
loe foram prestados os primeiros curativos, e d'abi
para casi.
Infelizmente nao o primeiro oem ser o nl.imo
de taes accidentes, porque parece que luxo de :-
cer-se de trens quando em movimeulo I
COBRAS.Snccedeu ha penco um caso enrioso
nos jardins zooli gieos de Londres, qae assim
narrado por am jornal dessa cidade :
i Ha algn i dus tira coelbo foi, como Je cos-
tume, metiido na casa onde estavam duas oa tres
boas constriclores e pytnons (especies de cebras)
oes jirdios zoolgicos. Passado algom lempo, o
guarda di casa das cobras julgou pelo b rboriofi :
qae (8 visiuotes faziaqi. qne alguraa consa extra-
ordinaria succedera. Correa p?ra a casa das co-
bras, e logo vio o qua lioha acontecido.
c Um das cobras maiores lioha engolido ama
das suas collegas.
< O guarda felizmeute viera lempo, vi.-to qae
a cobra mais pequea liaba quasi desapparecido
pela guella abaixo da cobra maior, estaodo s
tres ou quatro pollcgadas do rabo pendentes um
dos lados da bocea da voraz- cannibsl de cobros.
Entrando inmediatamente o gaiola, o guarda
agarrn o caooibal forte mente pela guella. O bro-
to abri logo a su> enorme bocea, e o coelbo nv
mediatameate sabio, mas j morl7. A razio por-
que o coelbo sabio primeramente ningnem abe,
m;.s o facto qae sabio.
O guarda, vendo eolio qne a cobra n. 2, se
eslava torceodo e esperoeando deotro da cobra b.
I, agarrou as qnairo pollegadas salientes do ra-
bo da cobra n. 2, e cornecou a puchar, ejoseguin-
do fazer sahir mais alguraas pollpgadas, juslameo-
te o sufflcieDte para poder agarrar cora a ajo to-
da, e obstar que a infeliz cobra desapparecesse
de todo.
c Agarrando ainda com a oalra mo desemba-
racada na garganta da cobra maior, comecou eo-
lio a puchar, a abalar, a esfregar as costeas ea
apenar, at qne afinal conseguio que a cobra n.
1 vomiUsse a saa aniiga, para fra do st u formi-
Javel estomago. Logo qne a cubra n 2, conse-
guio fazer caminko dentro da cobra o. 1, (axil-
mente abio para fra, mas naturalmente com a
popa frenle.
< Nao ibe tinba acontecido mal-algura ; e ape-
nas se e-tendea no sobrado da gaiola, com a boc-
ea a berta, e pensando sem duvida aoude tinha es-
lado e o qae tinba succedido.
Momentos depois, eoroscoa se em cima do co-
bertor e cora apparencia de se sentir feliz.
t A cobra maiora engoliioraen nma py-
Ilion da India, medrado de 10 11 ps, e i-tngo-
lidaera urna ba da America do Sul, medrado
quasi 6 ps.
0 guarda julga qae cobra Dais peqoeca
loria agarrado primeramente no coelho, e qe a
cobra maior o agrrala ao mesmo lempo pelo la-
do opposto, de maoeira que a cobra maior oio ep-
lia deixar, antes que nao quizesse, de engohr,a
mais pequea, visto que os deoles agudos em am-
bos os queixies sao virados para tris, e sao lio
crois oo apaohar, e lio aperlados oa prisa), c-
mo o machioismo de umi machina de dtbulbar.
c Aquillo que tocar ama uoic vez oas popus
daqoelles deules, morto on vivo, cao lera mais
remedio do que seguir o facilis descensus.
i A bocea da ;cbra maior, tendo sido toread* *
abrir pelopuaho do guarda, a mais pequea'pde
esgueirar se, andando para iraz, da sa ppUcc
eoofortavel morad, sem vir em contacto cp) es
denles.
LOTERA.A que se a:ha venda a 212.* a
beneficio da igreja de Nossa Senoora do Taroo, a
qual corrre no du 28.
LEILAO.Hoja effuclua o agento Maran U i 4
horas do dia no armazem da ra do Imperador <
*. 48, ora grande iesede raebilias cmplela da-
Us avnisas, relogios, lo oca e vi iros.
Pft8SAGBt03.-Via4os do partes do aoNe-tw
vapor Cnir-Wro do Sul:
Aaiom'o de '-Otlveira-Craf, saa^eober, on'#>
Uta e 1 tllho, Joio Caedido M. Reg Juo o* e 4
eserevo, 'Aotooio Frreh. da Silva I criado,
paevjhoil Pteceoino, Brai Auteoie FloreBWatJo,
Nicol) Floreociaoo, Maria Joaquina e sua
p*lniciodFoBlonr*Ch\ve*, Plaedo d
ra Chaves, Dr. Jos Aetoojo Figueiredo, Ahgjsto
Muait MaeJua>av4 eseravo, Manoei Reberfg>%b>a
valbo Guio**, a--PorrUf Rosa *f. Goim*ae*



V
\

%

lUBlKEl



/Mario de Periianibooo Quinta eira $6 fe OotaSr

-*
IldtriqBfU de Patita MieWdo, j Aodersori,
" Joajuim Pedro da O!* ttogffra,
MSIaTielra, Jos Antalo ITOllrd,
i, **> Untan, Mfafttt QMMN *
MMlo% Laopoldo Sari*, Ihnwil a Honra Relira,
Franoaeo Jotaaia 4a Roe*, Franoueo de Paula
Barros. Antonio doi Sants Naves, Joaamm dt
Roca M irein ttoior, Jos Aoro*io 4e C Jiro Por-
*4Voy (1 de Souia, Antonio Jos Skraeira e Sil-
va. Jos Smu, Sfwphrooo Catar P. Brralo,
Joao Manoel de Jestu, Joaqniffl RuBuo Ltnter,
Francisco Gomes Marques da Poneeea. Jaso Al
res (Je lleo, Francisca P. Civalcan f de Alba
qnarque, Jjaqaiin Ribeiro Dala, Francisco Pin-
UtTeixeira Chava*. Jote Paulina de Andrade, Joa-
qun) Antonio Pareir Vuufre, Joao Rodrigues
Genes, Francisco Fernandas Lima, Francisco Jo-
s do Ro-ario, M. Romback, Sanoel Antonio Pires,
Att^ Dias Hastiado, Fereaodo Oaornier, 5 eoo-
4tmnadee fOpracta.
S -guem para, e al :
Balduwo B. de Oliveira, Dr. Manoel Pedro Vil-
lanorm, Belmfro Paes de Awvedo, Jlo Altes de
Valle, Antonio Piata de Ateveao, Joao Goraee de
Andrad*. Francisco Jos da Silva, Sebasti? do
Saalos, Francisco S. A. Coelho, Francisco Tao
miz de Aqoino e sna senbora, Dr. Cesar Auginio
Marques e sna faattra, Pernanlo Antonio de Mel-
lo, soldado Augusto Leopoliin) Cenar, recruta Ma-
noel Ignacio da Suva e Aaaro Barreto.
Ej Irados da Europa m vapor inglex Douro :
Mme. Edward Aagbsbus Ryder, Adolf Burnws-
ter, Alimieh de la Gcanf e, Pai Oirmann, Mis
Aanie V. Housbelt, Miss N, Krause, Mma. A. M.
W'biler, Manoel La* Alt uto, Lino Jo; Marqoe-
da Arauji. Adelino Rodrigues da Silva, P-rauciscj
de AJmeida Campos, Joaqaim da Costa Rib jiro,
dffrembarjtidor Jos PWeir* da Costa Molla, J a
quin Francisco da Silva e ana esposa, Manoel da
Silva Santos,. Manoel Djiniogoes Googalves, Aveli-
ao Nunes Gregorio, Miooel Martios Jnior, Anto-
nio Jos CorJeiro S!m8e3 Jos Soares de Ollveira,
Miooel de A meida, Manoel de Almeida Souz,
Francia^ J)s4 da Silva. Galdido Tbemisloele Ca
bral de Ya-concellos, Mara da Silva Campos Gui-
marles sua m, 4 albos e aaa srlidei Jo Alves
Ma.-hado Guimaries, Jiaquim Rolrigue* da Silva,
Salpicio Severo, Seraflm Fernande Tierra, Luir
aria de S inza Nunes' Manool Fernandes Vieira,
Dr. Au /mi j Veaaacio Cnvaleantff d'Albuqaerqae
sna entura e urna criada. Claudio Dobeax, Ja-
cintboJu' Nuoes Leite, Abel da Costa Pinheiro,
Mara Jos, Jos Ferreira da Silva, Jos do Espiri-
to Santo, Augusto Jet Gxne-1, Lourenco Gooijal-
vw Cuiroares, Julio Antonio d'Abreu.
Sefuatn. para es porto-do sul: Pddro Bruno
Supiqnet e Georg4 H. Dudder.
(KMITEttK) PUBLICO.Obituario ) da f2 de
ontubro.
Pedro, pirdo, Pernambuco, 4 nezes, S. Jos ;
varila.
Antonia, branca, Pernambuco, 5 meze*, S. Jos;
espasmo.
Jumara, escrava, preta, frica, 63 anaos, sol
teira ; II >a-Vista ; ttano espontaneo.
Candida, preta, frica, 76 anuos, aolteira, Boa-
Vista ; hospital Pedro II ; dyarrba.
Vicente, escravo, preto, frica, 50 annos, sol-
teiro, Boa Vista ; perltonite.
- z3 -
Eugenia, branca, Pernambuco, 6 aonos, Santo
Antonio ; febre biliosa.
Jjaquim, braoco, Pernambuco, 18 metes, S.Jo-
s ; convals5.s.
Silvestre Jjaqnim da Silveira, pardo, Pernam-
buco, o anuos, casado, B ja-Vista ; par al y si a.
Beker, branc, Hillanda, 39 aonos, ca;ado,Bja
Vista, hospital Pedro II; deliriam tremes.
Francisca Thereza de Carnuiro 4e S Barreto,
branca, Pernambuco, 27 aoaos, ca-aJa, Sralo An
t mo ; parlo.
PBLICACOES A PEDIDO.
N. 421.TRIUMPHOS DO GRANDE CATHAR-
T1C0 VEGETALDe todas asparles do mundo
correra abundantemente continuadas provas da
gr md i lli :acia das plalas assucaradas de Bris-
1>)I. Nos l'.igar-s pantanoso; e infestados de febres
biliosas, calofros e setdes, os seus resultados teem
sido mar vi I liosos Una carta de um medico dalli
diz : "ellas esli poni um termo final as febres
intermitientes neslas parageos. Eu as receito para
todos es casos biliosos, e as teohi como o irelhor
mriieamento de familias quejmiis trros possui-
d*." Nao menos extraordinarias sao seas effeitos
nos casos de indigeslo e era todas as molestia,
prevenientes do ligado e ioiestinos. A suavidade
e brandura de sua acv'o admirara a todos que as
tomam pela vez primeira, em quant) que snas
qualidades investigadoras sao applaudidas com
particular eophase. Ellas eslo rpidamente sup-
plmiando esses velhos e caduco- purgantes drs-
ticas; e ofacto dellasn) desraerecerem pelicoo-
servaro, achando-se niudaraente accondieion idis
dentro de vidrinhos, Ibes d urna immensa vanta-
gera sobre aquellas fenecentes pilulas, caja ex.s-
leocia to precaria como o sao suas virtudes.
En todos os casos proveniente ou aggravados pe-
lo estalo imparo da massa do saogue, a salsa
parrilha de Bristol, deve ser usada juntamente
com as pilulas.
i ? Ivf p'tacho nrfte-aea Caroim, para Li
Na barca iogleza WoodeviUe, para Liverpool,
<*rrgwm : Gongalve Iraios 4 C. O siccas
com 8,093 kHos de algoolo.
Na Barca portugowa Harmona, para Liveri-
pool, earregaram : Manoel Pernandea da Costi d
C* saetas coW 15.146 kilos de algoiSo.
** Nj vapof ifigrftz Oneia, para Sontharaptoa,
*l,*Pr25 : Amttn Hovrie 4 C. 200 saccas
eottt 1.6M kilos de algooio.
No navb hespanhol Joven Adele, para Bar
ceooa, carregou : Joaqaim Jos Gonralves Bel-
trio 376 saccas com 58,832 kilos de alg^dao.
" No patacho portugnez Liberal, para o Porto,
eirftaram : E. R. Rabello & 71 siccas coa
6,515 kilos deatgodJo.
No brige ioglez Rocr, para o Canil, car]
regaram : Pater & C LWO saccas eom 9,00f
kilos de assuaar masca vado.
Na birca portagoeza Mana Luiza, par!
o Porto, carrefaram : Francisco Ribeiro Pite
Gumares 403 coaros seceos salgados eom 4.836
RECEBEDORIA -DE RENDAS ALTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Kendimento do dial a 24. 78.-806*79
IdemdodiaSS. 3:54*1648
&2:3SO|ii4
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do dtaf 1 a 24. 35:972*530
\dm do dfa 25...... 793JJ8U
=
Jos Camello-do Reg Batros, Wente Jort frtB-
cisco do Reg Barros, capillo Heiriqo* da Mira
da Hturiqou, aaMJMTeastodlattXbral de Va*
cellos, tem FrtdWsco Onftiro Monieiro,
PraoiriMo Ganarlo de Mello Rfo, AnMnio Una
Fraadsc,> R>|o VaitTSTlsi''BnfSSf, ^
vio Alftoforad), iapiSo Jos Ceslrio de Molle, *
nenie Antonio da Rocha Accioli Lias, Dr. Jos
Bernardo Galvao Alcoforado Jnior Serapiao di
Mello uarneiro ; para que tod js Mtfpre;am ni
igreja matriz de santo Antonie em o referido da
29 de novembro as 9 horas da rnaabaa para s
proceder a organisaco da mesa nula actos re*
latiros a eieicao, conforme deierminam as leis e
decretos em vigor.
E para que ebegae no conheciment de todos
maodei fazer o prezeam edal que ser afflxadd
nos lugares do costuras e publicado pela im
prensa,
Dado e pasaado nesla fregu(ia do Poco da Pa-
nel la, aas 24 de atobro de 1871.
Eu, Manoel Francisco Coelbo S&, escrivae
de pai que o escrevi.
Joio Lacio da Coln Menieiro.
.11!: i
, RIO DE I
Para o porto cima ssge cOm brevidade o bri
{"anjqMaJ Domo, tena parte da carta engaja-
os, *par'oreswqne me ftlt tAfa-sa com o
eon|natarios Antonio Ln de Ollveira
*r-, m* e Be Jaras a; 17, I* indar.
-
DECLARACOES.
-
36:726*354
CQMMERCH),
IMPERIAL
Companhia de seguros contra
logo.
iAGE.VTES
S. P. JOHNSTON & C;
Ra da Seniala-noTa a. 4*.
Seguros conlra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Cjpt.at. .
Fundo de reserva
20,000:000*000
. 8,000:000*0 Agantea,
Mills Latha* & C.
THE ALLIANCE BRITISH & FOREIGN.
Life and Fire Assurance Company estabelecid^
edi 184. Capital 5,X,000
Oh agentes desta companhia tomam segtrof
costra fogo sobre predios, gneros e fazendas *
P"M,'m aqui prejuizos de vid a mete pro vados.
Rabe Scbmetlaa & C
Corpo Santo o. 15.
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool 4 Londoo A Glob
Insorance Company.
Agentes :
Saonders Brothers & C.
41Corpo Santo14.
PRAGA DO RECIPE 23 DE OUTOBRO
DS iMi.
A. 3 1/2 HORAS DA TA.HRI.
Cotaces officiaes.
Asar broto-2*500 rs. por 15 kilos (hootem)
Algodo sorte 585, 599 e 619 rs. por kilo
(hontem).
Aigoeao da Parabyba 1* sorte 681 rs. por Hlo
posto a bordo a frote de 4 d. e 5 0|0 (nontero).
llem idem 2' son613 rs. par kilo posto a bor-
do a frete de i d. e 5 0|O (hootem).
I lera dem 3' sorte543 rs. por kilo posto a bordo
a frete de 1 d. e 5 0(0 (hontem).
Algolo do Rio Grande do Norte-660 e 667 rs.
por kilo posto a -bordo a frete da 1 d. e 5 0,0.
Aigtde do Aearac 605 rs. por kilo sera ias-
pee?o.
Cimbra sobre Lonlwa 90 div 24 3,8 d. e 24 1|4
d.. e do banjo 24 d. por 1*000.
Cambio sobre a Saissa 90 djv. 387 rs. o franco
(hontem).
Cianie sobre Htmbargo 90 d|v. 740 rs. o marcj
banei /bonteaa).
Presidente.
P. J. Pinto,
Secreurio.
Btipachn-dt exportopio ito ara 29 fa
autUbro.
Par o* portos do exterior.
No navio norte-allemio Ida, para Liverpool,
carregaran: Saonders Broiheri k C. 333 saccas
con 33,335 kil4 algodio ; Rabe SchamelUu t
C 104 saeca coa 7,800 ditos de dita.
MOVIMENTO 00 'ORTO.
Nfitis tUtrAdt %o Ha*25.
Para e pono ioierrand>s 9 olas, vapor nacio-
nal C.uZetro Jo Sal le 1119 toneladas, com
mandante I. A. Cardoso da Silva, equipagera
6i, carga dTereoies gneros ; Hrory Porster
Sbvrthampton e porto) intermedios 16 das, va*
por ioglez Domo de 1785 toneladas, coraman-
diiiie Thwiits, ejuipagera 1117, carga fazendas
e ouiros gneros; a Adamson Howie A C.
Rio de Janeiro 12 diae, barca idgleza Stella de
213 teoeJIada*, eapito Temaz PeTry, equipi-
gem 12, en l slro; Keller A G.
Rio de JaneiroH) diae, barca portngueza 7>iua-
phanle.e 460 tonalladas. capillo Jo.- Sabino
Guimares, equipagem 12, em lastro ; Joos
toa Pater & C.
Londres 43 das, palidho inglex Bertha, de 178
touelalas, eapito Jeanes Uorrisoo, equipagem
8, earga 2,000 barril com plvora e ooiros ge
oeros ; Antonio Jos Dantas.
Richmend 52 dias, Mate amerieaoi TTorriet
Brewsler, de 293 toneladas, espita I. W. Sjui-
res, eqo'ipagera 8, carga 3138 rJarricas e 200
meios ditos cora farint de trigo ; Henry
Forster & C
Rio de Janeiro 16 dias, galera portugoeza Lis-
boa, de 343 tonelalas, capillo Jos Vicenta de
Caivalho, equipagem 18, carga diflerentei g-
neros ; a Soares & Primo.
Rio de Janeiro 8 dias, patacho ioglez William
Anniag, de 213 tonelladas, eapito I. GuzzisiHe,
equipagem 8, em laso; a Jonhston Paler & C.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio-Grinde do Norte Lugar inglez, Gert of the
Pened, capillo-J. H. Glassea, em lastro de ara.
Parahyba Bcrea iffgleza Anuie, capillo Tno-
mas Richard, em la-tro de ares.
Liyerpool Brigue nglez Coila, capi) Alexan-
dre Reddie. carga algudo.
Rio da Prata e partos raterrae^lios-Vapor ioglez
Douj-o, corarnandaote Tbwuls, carga aarte da
qae trouxe dos portos da Europa.
Observado.
Fundeou no lamaro um'brigue portuguez mas
nao leve comraunicacao com a ierra.
Pelo juiawWrphaos del Manto de Olindi
tem de ser levada a effeHe o dia 26 do correte,
depois da au llenis, a arrematacio do entrevo An
lente, de eonfbrraidade com o que deternlioa o de-
creto o. 169i>de 15 de- seieo*ro dn sMO : is
preteodentes dirijim-se se earterio rpdlvo das
9 horas di madrina a 3 ly larfs. ______
saAta casa i).v saMLJ>ntiA j RkciFE.
A Ulna, junta aMnisfraftva da Santa Cas* do
aisercorois oo Recife manda fazer pnrilico que na
Ma de suas sas-oes, no dia 19 do soez de outnvro
netas 9 horas da larde, tem de ser arrematados
a quem mais vamagsns offerecar, pelo lempo de
ora a tres anuos, as renda* dos predio* em sefni-
da declarados:
ESTABBLBCJME;iT08 DE CARFDADE.
Roa do Calabouco.
Casa terrea n. 18......1401000
Ra de Moras.
Sobrado n. 45 (indar e soto.). 3O4HD0
Roa do PrTVPlortairee,
dem o. 47. -y i..... |80|00
Rnn do Aworhn.
Sobrado de 2 andares o. 26 302/OO
Ra Okjfia.
Casa terrea n. 61......2iOJJI*0
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Guia.
Cata terrea o. 27......146*KJ00
dem o. 29........193JJW0
Largo do Panizo.
Loja da frente do sooradoo. 29. ffljOOO
Ra de S. Jorge (Pilar).
dem o. 102 .0 2fJ3-*00
dem o. 108........05J0O0
dem n. 98.........2054000
Sitio da Mirueira.......12i000
Os pretendeotes deverao apreseotar no acto da
jrremata^ao as suas flaoc/is, ou comparecereni
leorapanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Rs
Jife, 23 de outubro de 1871.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
EDITAES
A cmara municipal desta cidade, faz publico
para conheeimeoto de seos mnoielpes a costara
addiciooal abaixo traoscripu que foi approvada
pelo Exra. vee-presidsnte da provincia, em 16 do
correte.
Paco da cmara municipal do Recife, 20 de ou-
tubro de 1871.Ignacio Joaquim de Souza Leio,
pro-presidente.
Lonren^o Bezerra Carneiro da Cuoba, secreta-
rio.
Postura addiciooal.
Artigo noico. Fica prohibido desde ja a funda-
co de estabelecimenios de calderaria, faoii?o de
ierre o melaes de qnalquer qailiJade qxie se-
jam, oo c otros qoe trabaihem eom carvao de pe
ira, ou produza grande fumaba, em lugares que
nao sejam designados, sendo estes os spguintes :
Ra do Brum da Fundicao do Bowraan em diao-
te, Santo Amaro adiante da illt m^ casa da mesma
ra, oa frente do rio Gapibaribe, ra Imperial
adiante do edificio da fabrica o sabao, roa da
Praia Nova de Santa Rita, em frente ao rio. As
fabricas ou estabelceimeotos de tal oalureza ac-
lualmeote existentes, logo que por qualquer mo
tivo deixem de exi3lir, oio poderao ser renovadas
oo mesmo lugar e sira nos logares oesta postara
designados.
O infractores incorrerao na multa de 30900
e no dobro na reincidencia.
SGonforrae.O secretario, LoureoQi Bszerra Car-
neiro da Conha.
A cmara rauncipai desta cidade faz publico
para conbecimenlo de seus maoicipes, os arligos
ie postura abaixo transcriptos, que foram appro-
dos pele Exm. vice-presdente da proriacia em 7
do crreme.
Recife 20 de outubro de 1871.
Ignacio Joaquira de Souza Leao,
pro-presidente.
Ljurenro Bezerra Carneiro da Cuoba,
secretario.
Postura addiciooai.
Art. 1. As relinarias e partidarias ou fabricas
que traballuro com f go.s poder)d'oraem dieo
ser estabelecidas nos lugares designados para as
ferraras, caldeirarias e outras officioas.
Art. 2 As jloinas eestabeleciment03 que ira-
balharem com carvao de pedra deverao ter chami-
ns que cendazam todo fumo.
As chamios deverao ter altura superior qual-
quer elifioio em circamrisianfa oo permetro de
50 metros, e para a coliocacaj oa proloagameoto
das chamios fica marcado o prazo de 90 dias.
Os infractores incorrerao oa multa de 30*000
e o dobro oa reincidencia.
Conforme.O secretario, Lourengo Bezerra Car-
neiro da Cuoba.
O Iilra. Sr. inspector da tbesirararia provm
cial em cumprimeoto da ortem do Exm. Sr. vi-
ce-presidente da proviocia de 17 de agosto pro
zimo Sndo manda lazer publico que a mesma tbe-
sooraria vende 500 apolices da divida provincial
no valor de 100J cada ama, vencendo o jaro de
8 0)0 ao anno pagos por semestre na segunda
quinzena dos mezes de julh, e Janeiro, e deveodo
ser resgatadas oa quinzena desie ultimo mez, ob-
servando-pe a Dumeracao seguida e (aotas qoao-
las permiltireo os crditos volados aooaalmeole
precedendo anoaocios. Os preteodentes conpa-
recam na mesma thesonraria oo pra;o de 30 dias,
a contar da data deste E para constar se man-
dou publicar o presente pela jornal.
Secretaria da Ihesooraria provincial de Pernam
buco 5 de outubro de 1871.
Confonne.--Serviodo de offlcial-maior,
Landelioo de Lana Freir.
ca do Ulna. Sr. Dr. jan o commaroie, irao em
pra^a, para seren rronaaladii as casas segaio-
tes: ra do Rangel n. 49, cyw solao, eoccopidi
com eslabeletmento, roa do Nogmira o. 30, lea-
do om bom aaiotal, roa de Horias n. 37,Tnves?a
da Concordia (oa Cadeia Nova) ns 30 e 32, e
urna dita i ra do Rosario da Boa vista n. 46, com
2 grandes salas, 3 qsarlos, gabinete, cosinha fra,
cacimba, bom quintal, e pomo para a sua da Ca-
xa d'Agaa.
Con) nwite pooca demora oeste pono, seguir i
"fien eoa aestioo aqaelle, o biitae porthatlez
itiumpho. Recebe earga e passageros : a traaa
o Soares PfttM,,ro do vSfrio n. .
S-^
LEILOES.
m
Azeved
*
LttiO

Um cavap eajti&ho de frente aberta, anda
ior de baixo at meio.
Pelo agate Mariins, em frente do armazem da
*n. 48, as II horas do di?.
nde e sumptuoso
\'H
O riscal da freguezia de N. S. da Grae.i pede
a todos os moradores de siiios da mesma fregue-
zia, que mandem corlar cu dobrar suas cercas
afim de que possa fi;ar livre o transito das peuoas
a p oa a cavallo qae por ahi transitarem.
Freguezia de N. S. da Graca 25 de outubro de
1871.
O Bacal,
J s Miguel de Souza Magalhaes.
i
Inspecqao do arsenal de ma-
rinha
Faz-se poblico qae a coramlssao de peritos exa-
minando, oa forma determinada oo rcgolamento
annexo ao decreto o. 1324 de 5 de fevereiro
de 1854, o casco, machina, caldeira, apparelho,
maslreacao, veame, amarras e ancoras do va
por lgojuca da companhia Peroambucaoa de
navegacao costeira, aehou todos ases objectos em
estado de poder o vapor navegar.
Iospeeeao do arsenal de marinha de Pernambo-
ao 25 de oulobro de 1871
Francisco Romano Stepple da Silva,
_______ Inspector.
Administrar dos crrelos de
Pernmbiico 56ft de ontubro de
1891,
Mala pelo vajnr nacional Crtizeiro do Sul da com
pnnhia brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (26) pelo vapor cima mencionado para es
portos do sul, ser recebida pela mauera se-
guate :
Macos de joroaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar at 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at 3 horas e estas at 3 1(2
horas' pagando porte duplo.
As.caartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata pagarao previamente, aquellas a taxa de 300
rs. por lo grammas ou fraccao de 15 grammas,.
e esles 40 rs. por 40 grammas oa fraccao de 40
grammas,, couforme a progressao estabeieciia as
tabellas C e D annexas as instraccoes do 1* de de-
zembrode 1866.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros
AVISOS MARTIMOS.
BAHA
Segu uestes prximos dfcs para o indicado
porto o patacho nacional Cass'iltitis : quem oo mes-
mo qulzer carregar poder tratar con o sea coo
signatario roa do Vigaro o. 14, escriptorio de
Jos Lopes Davio.
Aracaty
Segu em pWcos dMsro hrats Flor do Rio
Grande : a irtar com Gomes de Mottos IrmSos,
a roa do Vigario n. 26.
COMPANHLA. PERNAMBUCANA
DE
Navegando ttostbtra' par vapor
Mamanguape.
O vapor Coruripe, eom
mandante Sirva, segairi
para, o porto cima m
da 28 do corrente as l
tems da larde.
Recebe carp, encott-
raendas. passageros e dinheiro a frete at adp
horas da tarde do dia de sua
no Forte de Manos o. 12.
sabida : escriptorc
Facu'dadede direito
De ordem do Exm. Sr. director facp publico,
qae em sessao de boje resol veo a iusinssima
congregarlo, qae os actos di facaldade comecem
no dia 3 de o'ovembro prximo vnooro.
Secretaria da faculdade de direito do Recite 25
de oatnbro de 1871.
O secretario,
Jos Honorio B. de Meoezes.
O cidadao Joao Lucio da Costa Monteiro, iuiz de
paz era exerciclo do primeiro districio da fre
guezia do Poc/> da Paaella, em virlude da lei,
ese. etc.
Faco, saber qne teodo o Exm. Sr. viee-presMen-
te da proroca desfgaado o dia 25 de novembro
prximo futuro, para se proceder a eleicio dos
raerabros da assembla legislativa provincial, qae
tem do funecionar oo anno de 1872 a 1873, o qoe
me foi commuoicado pela cmara municipal; as-
shn pois convido o eleitores :
Dr. Aotaaio Joaaaim Je Merlos e Silva, cipttio
Joie L-art YictOr Lieatbiet, Manoel Jos* tle Paita
Pinto, Feilppa Daarle Pereira Jonior, tenante
Thsophilo Alves da Silva, Jos PaaHno Ribeiro de
Mello, Sbaitio Alfonso do Reg Barros, oapitao
PARA f
wu
PORTO-
A barca portngueza Molla Rilteiro, eapito Joao
Baplista de Lima, val sabir c m brevidade : para
carga e passageros trata-se com E. R. Rabel io A
C. a ra do Commereio n. 48.

MOVIS
Sendo atas rica. gmrniea> de Jacaranda i
Lu z XV, i uta de oaogoo, tambem
Luiz XV, 1 dita da anaarelio muito btm
acabada, i geardarowpa de amareilo,
1 lindo peino cota muid ora de pao se'
lira, I rico 8itario dejaearand, em
especial la val'rio de raogno, i goarda
lofa, Bnrqaez5s de amai ello, naarqoe-
zas, 1 par de amparadores de aroarelio
lflteiraraDte n vo, 1 dito dito, 1 cama
franeexa de jaearaud obra importante,
4 raeza elstica de arnirello, 1 cadeir.i
pregaigosa aoe serve de cama, consollos
avorsos, safas, cadeiras cabides, baocss,
mezas 1 apparelho de looea para jaolar,
e muvtos eetros objectos que eslaro pa-
teles na oecasM > do ieHio.
lloje.
O agente Martios tari leilao, dos importantes
movis acinu dscrptos, qoe serSo vendidos pelo
maior prego ; roa do Imperador n. 46. Prin-
cipiando o leilao i| horas do dia cima
ISIIAO
DE
Movis, mobilias e mais necesarios para
casa, ao correr do martello.
Sexta-feira 27 do corrente.
O agente Pestaa far leifao, sem limites, de di-
versas mobilias e mils objetos, qoe se achario
patentes, e asstm mais 1 carrosa com exeelleotes
molas, machina de costara etc., no dia cima sex-
ta-fura 27 do correte, s (I horas da maohSa,
na rn* do Vigario-n. 15.
DO
Armazem de louc/a da '.erra da raa do Ran-
gel d. 4. (em lotes)
O agente Martios far leilao, precedida com-
petente autorisacao do armazem de tonca da tr-
ra cima e da armacao (-m lotes)
Sexta-feira 27 do corrente,
A's !1 hora- do da no armazem da ra do Ran
fel ta. 4. -
Parte da casa dos arcos sita Casa Forte,
e parte do terreno meollo na estrada do
Arraial ein que se acba actualmente ser-
viodo de maladou'ro.
Sexta-feira' 27 do correnta.
A*S 11 BORAS DA MaNHA
O agente Pinto far leila->, p^r mandado do lllm.
Sr. Dr. joiz de orphaos e a reqnerimeolo de Se-
rapiao de Mello Caroeiro, curador do dezaeizado
Jos Joaqaim Ribeiro, da casa e terreno cima
mencioados (partes) prtencentes ao mesmo deza-
eizado. O leilio ser effectuado s II horas do
dia cima dito, do escriptorio do mencionado
agente, ra da Cruz n. 38.
..... ii i i
VISOS DIVERSOS
A^rad^cirntnto
Os abaixo assiguados nao podendo emmudece
rem vista do bom acolhimenio e maneiras alten-
ci sas qae Ihes foram dispensadas polos mui dig-
nos habitantes da villa de Pao d'Alho, veem por
meio da aprensa agradecer a ditos habitantes,
offereceodolbe3 nesta cidade os seus dimioatos
prestimos
BoO'ficio Riosa.
Carolina Riosa.
Julia Riosa.
A barca portogueai Afana Luiza, eapRio Jos
da Silva, vai sabir ceas brevidade : para carga e
pessageiros tratt-se cea E. R Rabello & C., roa
do Commercio n. 48.
ANNICOTA.
O vapor brasilero Anmeota segoe impreterivel-
mente oo dia 30 do corrente dmz par, o Para, re-
cebe earga e paasigeiros : a tratar eom o com-
mandanie a boro-o na travessa do Vigario n. i,
1 andar.
Um amigo do socio que faz parte da Arma, da
igreijinba, do palo do C n. 13 : que faca o
favor de prestar mais ltenlo. pos, o vigario Joio
est botando ludo lora, com a freir Janoca, abra os
olboi III.
O banqueiro da roa do Apollo & Oalagado.
Quem liver para alugar um preto de meta
idaJe para o servido de um sitio, dirija-se ao largo
da ribeira de S. Jos o. 5.
imperial la Ututo Peraambuca-
de Agricultura.
A directora do Imperial In-tnuto Pernambocano
de Affrienltora, nao tendo aioda reaiisado a acqni-
si;o da propriedade agrcola destinada fazeoda
modelo, por nao satisfazerem at propostas apre-
sentada? s condigo-s requeridas, e serem exces-
sivos os presos pedidos, recebe novas propostas
para a venda de nm-engenho ou de qualquer pro-
priedade rural, qae se ache as seguiotes con-
di^oes :
i* Eetar na visinhanga de alguraa estrada de
ferro oa de rodegem.
2* Prximo a terreos varzeado, e ter agus ao
menos sufflcienle para os trabaihos de irrigado.
Sala da directora de lastituto 23 de oatabro de
1871.
a secreta re,
oe de Maeedn.
Irmadad ib 3$. Sacramento da freguezia
de 9 ?t*m Marlyr de CMioda.
Nao se lendo at o prsenle reunido nomero de
irtnaoa snflleientas para mesa de elei(ae desta ir
mandade, abaixo abslgaado, por ordena da mes
regporacon*do redaterauo eonsaioriaV da raeefna iraiandae do
dottago M da eArreAaai pean 9 hars d4ia,
aBra de reunirem-se para se proceder dita elettfo,
de1 canforidade eos o compromisso qne nos
^nihtoriad*nrranda) do S8. Sacrataeoto da
[regueiia de S. Pedro Mrtvr da cidade de OUada
de oataetoae 7.
O aorivin,
fnWgiiV Jeralntr de Ollveira Rozelle.
GotnesnV'iMo A Irrnies teo doas cai-
I tas para serem entregues ao Sr. Jos Firmo ffarelr
rano Lago ;-**#>'* ab Atto sether as, ande
I oo. leona, pcocorar com urgencia.
" aracurrMoe TrreLaa)
.
coflier 4a enft*>aer* ftgM fnMetXar
lego um copo de exceUentc agua de i
sem gasto desagradare!. Cada
d'essa maneira preparar a sua agua da aW
catrao quando d'efla precisa, e que oflereee
economa de lempo, faciHdade.de transporte
evita e manejo to desagradar! de sleatrSo.
O aleara* m ..?. s.tth.tnu com
vtnfagem mullas tisanas rtii oo roonrs
inertes, nos casos de (ieWu't'W, broncbltes,
tesses, eatarrhos.
0 AtiaHi t y empregado com o maior xito as aarleari^Se|oiiite :
dSnrfitrytt ebegea e tirar ao alcarrto a
i e o seu amargar inrapporta veis,
o qeM o fortia mais aMiveh Aproveilande essa
Mix deseeberla, elle prepara ana licr con-
centrrdo de a lea tre, o qual, aat> nm pequeo
volnfne, contem ha grande propetiia de
priajcip iea aies.
0 tmOm A Q-ft (Goudron de
Cuyot) possoe por consequencia todas asvan-
(agens da agua de alcatrlo ordinaria, sem ter
os inconvenientes. Basta deitar d'ee urna
El IEBLDJL Urna celher dt cafe para um
tqmpara mus garafa :
RONCHITES
CATARRHO OE BEXICA
DEFL0XOS
TOSSE PERNITAZ
IRRITAffAo OE PEITO
TOSSE CONVULSA
El FOMERTiCES. aaVoV p*roou com umpouco d"tgtm
AFFECCES DA PELLE
amcriOEs
OLESTIAS 10 COURO CABEfc~0DO
El IHJECfOES. Urna par te de licor equatrod'agua (-<**{,
PLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO OA BEXIGA
eofo *** *+u cortar *
M SA

.....irnat.)

O AlcatrAo de Gayot foi experimentado com um verdadeiro exHt nos
yrincipact hotpitaet de Franca, da Blgica e da Espanha. Foi reconhecido
que, para os tempes de calor, elle conslitue a bebida a mais hygienka, e so-
bretudo durante os tempos de epidemia. Urna intruccio aecompanha cada vidro.
Yende-se na pharmada e drogara de P, Mau-
rer& comp., ra Bar&o da Victoria n,
PAPAGAIO
Ra da Itnperatriz n. 40
Os proprietarios da loja do Papagaio fazem sciente ao respeitavel poblico, e espe-
cialmente s Exmas. familias, (amigas da economa domestica) que al ao tim do anco
iratam d liqaidar pelo maior preco qne derem as fazendas seguintes:
Um grande deposito de roupas feitas de ledas as qualidades e lmannos, tanto para
minos como para homens.
Urna grande porcao de lazinhas, bareges alpacas lisas e lavradas de todas as
cores, e vendem-se moilo baiatas para acabar.
Urna grande porcia de cassas de cftres, e organdys, tanio mindinbas como gra-
das, muito fixas em cores e muito Anas, e venlem-se por preco barato para cabar.
Bonito sortimenlo de sedinbas lavradas de cores, e poupelm.s, se.iui branco, poo-
pelma branca lavrada, gorgaro*de seda de cor para vestidos, azul claro o c6r de
cioza.
Urna grande qoantidade de lencos de esguiSo j abainbados, maiores e pequeos,
pelo mesmo preco dos de algo Jao
Urna porreo de costumes para meninos de 4, 5 e 6 annos, de alpaca muito fat,,
todos forrados, e delicadamente eofeitados por preco muito barato.
Grosdenaples preto em qoantidade de 1GOO para cima.
Urna grande quantidade de camisas de linbo para bomens e para meninos, tanto in-
glezas como francezas, com collarioho e sem elle, aberturas bordadas, collarinhos. pa-
obos, e urna grande porco de grvalas e mantas de todos 03 preros, collarinhos de pa-
pel para meninos e bomens, tudo por preco baralissimo.
Pedemos asseverar que temos nm completo sortiannto de todas as qualidades de
fazendas, e nSo especificamos todas, para nao tornar o annucio enfadonho.


A VISTA FAZ F
Ra da Imperatriz n 40.



DE
MENDES iV CARVALHO
GRANDE LMIMCAO
DE
ROUPA FEIT4



NX
I
Ba do Crespo n. 20.
Tendo resolvido nSo continuar a ter graode deposito de roopa leita, offere
respeitavel pub ico, e aos negociantes de fra, nm grabde sortimento, jjfl>pi'cTbara-
tsimos para acabar.
Palilts sobrecasacos de panno fino de
m a30000.
Ditos saceos e refranqaeados de casimira
de cor de 5500 a 9<$000.
Ditos, ditos e ditos de panno preto de 5$
120000.
Ditos, ditos e ditos de alpaca preta de
2#>O0 a 50000.
Ditos, ditos e dito de alpaca branca e
de cr a 20SOO.
Ditos, d tos e ditos de bramante de linbo
20500.
Ditos, ditos e ditos de bramante pardo a
2^900.
Calca de casemira de cor de 50500 a 9.
E ontros multo* arHigos por precos
Carneiro da Cdnb*.
Ditas ditas preta de 50500 90000.
Ditas de brim branco de linbo de 20000
a 40000.
Ditas de brim branco de algodo a.....
10200.
Ditas de brim decOrde 10600 a 30000.
Ditas de castor de 10000 a 20500.
Ditas de brim pardo de 10000 a 20500
Camisas de fl mella, grandes a 30000.
Ditas de algodo, muito boas a 20000.
D tas de lioho muito boas a 30500.
Ceroulas de bramante a 10600.
Obertastie chita a 10500.
Lencos de linbo abainhados a 40000.
baratissimo para acabar, na loja de Goilberme
CAettfNUMNJJgn:
PharmacerMtco privilegiado
succoesor
topol. &9 PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARIN1ER
A?tcsuUtlas i Academia de Sfiens e as InMilulo dt Fram,
Sob forma (U Niiilla, dt>velid t dtMtda pan
fawi de moiai'r.lci urna soluctlo
cnratlra daa MOtlSTliS COltTfllOSlS
1,
INJECCO
Prereatia i
INJECIDWftBl
do. TOlum* fn retorlo, lenindo d*
IMILTKO e SOUNGA sem oa
iMMMBlMUa dt rrifUU**-
(ownt, t dt volunt dt Poirt<4e*>
CQI&tiDO TODO JRtTAMBNTO.
BARTBOLOMED COJL.tiYlIO Centra m affeccois daa palpebrai.
. trepando sob a mesma forma.
t>,poiurioa ral par* e BRASIL e POBTUCAIt
34, na larta do Batario. PBNAA3UQ9.


I


'


i

y
i
/
.U8
Diu* d? Pwuibmh Quinta fa*.a 26 de Outubro d^ i8"l
)>M 10 seohores encarregados da festa de
arisco de Atti eevaejo de Guanga,
itera logar BIHB1* Meretro proxkao pas-
, que tcohai |ab*did da saliifazerem a
inda da <.W..^r_v>'eepraf_ fara a
festa, isto pede um morador do
______________________*Db HtUHto Histrico e PhHooo-
*Mo llMgfcWM.
Haje reooeie em ultima aessio ordinaria deste
moetia sociedade para tratar de negocios ur-
e proceder a eleicao da nova directora,
convidados, portanto, todos os socios que le-
intereise ao progresso desta sociedade.
Alaga-te em Apipueos doas canas terreas
om 2 salas, 4 quartoe, cozieha cuarto para cria-
do : a tratar o roa Sete de Setemfcro n. 1, aotiga
-avecsa dos Ferreirot.
Vi. *.<
2 de novembro
Ha roa do Gabag, loja de cera, o. 5, prepa
te tmulos as igrejas e no cerniterip, para
dia de tinados.
as
una ama ns^koa sera-
a que saibe^nbar :
traur na ifw^ Viga
ft> n. 19, "
t* anBr, das
O as 4 a tarde.
:*wOO
Moleque,
-
i
Precisa-te de om raoleque de idade de 16 a
18 annos, para o servieo interno do Esljfunet,
roa do Imperador a. 3a, paga-ae bem.
AMA
Precisa-ee aiug;
escrava paca coa1
eagommar coro
cao: tratar A ru
nomero 50, no B
Moda.
EsUri
ra seobsV*
qnmo n. 9.
Precisase de orna ama para lavar:' oara
da genial* velha o. 90, pagase bem.___________
Precisase de ama aa para casa da bomem
sottetro : na roa larga do Rosario n. 13,, reflnacio.
Precisa-se alugar um preu que se.
qoiundeira e saiba engommar, nao se duv
tres a quatro metes adiantado agradando,
de-S. francisco n. 70, taberna, ou na C
roa das Crioolas n. SI. Venfle-se ntn &
jabutis proprio para quera soflre de erieyp
preco coromodo.___________
fc"
escrava
nr roa das
das.
*.*.
rm aem da
Precisa se de ama ama par* co_inhar:
a tratar no arraaiem deftoate da aJf*n-
Precisa se de um preto
para todo
.....
ser vico:
Precrsa-sa da nm* ama
que saiba cozlohar bera : na
roa do Duqaa de Caxim ou-
tr'oia roa das Crazes o. 22. segando anda
CAPELLAS j
finado!


Convida-se aos senhoras sacerdotes para cele-
lirar ncissa na igreja de N. S. do Carmo no dia 28
4o correte, das 6 as 8 oras da manbia, anni-
eraario do fallecimento de D. Joanna Joaquina
^lachado Pires Ferrelra.______________________
^^^ibaixosassigaatosconvidarnaos amigos e
correligionarios do teen te Antonio Torqaato de Al-
meia, pare assistirem a missa do stimo dia, que
ee ba de celebrar pelo eterno repooso de sua alma
a matrii d?sta villa, era o da 30 do corrate, as
f 0 horas da maafeaa.
Eseada 25 de ouiaDro de 1871.
Tibias Brrelo de Meuezes.
Joaquim Francisco de Soaza Chaves.
Guimerma Maniz de Soaza.
Tbomaz Rodrigues Pereira.
Roga e ao Sr. Ant>nio Manoel da Conceicio
o favor de v-ir roa Direita n. 26 a negocio de
seo interesse. ____.

TRILHOS URBANOS
do Recife a Olinda e Be-
beribe
Per ordem da directora convido aos senhores
accionistas para 96 reonirem no dia 31 do corren
te pelas 10 horas da manha, nc salo da estacao
da roa da Aurora, para cuvinm ler o- relatorlo
deste semestre como determina o artigo 13* dos
estatutos.
Joo Joaquim Alves,
! secretario.
Di-se esta qaantia por um servente escravo, na
rn* de S. Francisco n. 72 ; na mesma casa pre-
cisa-se de ama criada forra ou escrava.
Monte Fio Portuguez
Nao se tendo reunido numero legal de socios
para se dar eumprimfnto ao disposto do 4* do
art. 21 dos estatutos, sao de novo convidados os
Srs. socios, que nao estiverem incursos nos diver
*osdoart. 13 a rennirera-se para esse tira em
assembla geral domingo 29 do crreme pelas 11
horas da manla, no sallo do gabinete porta-
gaez de leitura.
Secretaria do Monte Pi Portagaez era Per-
Bambuco, 23 de outubro de 1871.
M. S. Pinheiro,
1* secretario.
Alugase urna escrava sinente para cosi-
nbar, sendo casa de pouca faoii la : tratar no
o. 24 da rus do Caldeireiro.
O abaixo assignado declara ao respeitavel cor-
no do commercio, que, desdi o dia 21 do cor-
rente deixou de ser empregado da casa dos Srs.
Banbolomeu 4 C.
Re-ife, 23 de outubro de 1871.
Francisco de A99is Fernandos Vianna.
Alaga-se cma escrava mu to Bel para com-
Erar e co>inhar para casa de pouca familia ou
omens solteiros : quera precisar dirija-se em
Santo Amaro ao sobrado junto do cemiterio in-
glez.
O abaixo assignado ioboo de ir lazer ama
viagem a Europa, partecipa ao publio e ao
respeitavel corpo do commercio e a quem inte-
ressar possa, que tendo (ido varios negocios nes-
ta pra(a e algumas traojaccdes commerciaes que
nada deve a pessoa algnma, tanto nesta como em
ontra qcaiqoer praca, nem por cenia de livro,
era por lettra do seu aceite, nem como sacante,
nem mesmo como garante, nem mesmo analmen-
te c rao fiador de carta) de flaneas, nem por ou-
tro qaalqaer docamento pelo qual me responsa-
biiise p r qaantia algama, e se alguem so julgar
seueredor por qaalqaer forma, aprsente se no
praso de tres dias para ser pago na ra Direita
dos Afogados n. 32.
Recite, 23 de outubro de 1871.
Jos Bernardino Alves.
Usmhriro
Offerece-se nm eosinheiro de forno e foga/> dan-
do fiador sobre sua conducta ; a tratar na travs
i do Livramento n. 28.
Precisase alugar
para casa de familia ; *
1* andar.
ama cosinbeira escrava,
tratar na roa Nova n. 50
AMA
Precisa-se de urna ama para
cosinbar : ra estrella do Ro-
sario n. 38, prlmeiro andar.
Dma escrava habilitada para cosinbar e fazer
mais servicos precisa de SOOOOO para so* alfor-
ria sendo a mesma obrigada a pagar qaantia
cima com o seu trabalho a pissoa -que dr o di-
nbeiro, quem pretender dirija-se Capanga ao
porto do Ls cerr n. i.
Conlrata-se annualmeate a venda de eapim
a iO rs. no verao e 20 rs. no invern, dando fian-
fa : no engenho Dous Irmos. em Apipueos.
Monte-pi Brasileiro.
De ordsm do irmao director. convido a todos os
senhores socios para si reunirem em assembla
eral no domingo 29 do eorrente, as 9 1|2 horas
a manba, afio de assislirem a posse do novo
conselho, que tero de administrar esta sociedade
so atoro exercieio de 1871-72.
Secretaria do Monte-pio Brasileiro 25 de outabrs
de 1871.
A. L. Pereira Dutra,
______ 2* secretario servindo de 1.*
Aloga-se a loja do sobrado sito atrai da ma-
triz de Santo Antonio a. 24 com os commodos se-
grales : 3 quartos grandes, 1 sala, cozinba e
quintal, caiada e pintada de novo ; bem como um
jegoodo andar na roa de Lomas Valentinas n. 86 :
a tratar na mesma loja ou na roa Nova n. If,
i'- ___________________,_________________
mga-se para passar a festa um sitio com
esa* no lugar do Caldereiro tonto ao sitio do Illm.
Sr. Dr. AlcoforaJo, tendo maltas frueteirts, tendo
innho nos fundos do sitie : quem o pretender di-
rija-fe ao asarco sitio, ou na ra do Caldeireiro
nme^ 3
o dia de
Porto & Bastos, com asta-
beleoimeoto de calcado Pra-
ca da Independencia acaba de
receber novo sorlimenla de
cate-Has de aljofares e dri-
Ibos com inscfip^os, para (o que aisam
as pessoas que se quiserem prevaoir com
orna d'ellas para depr do tmulo d al-
guna prente oa amigo em dia de finidos
As inscripcSes s3o as segaintes:
A mea pae.
A minba m5e.
A mea esposo.
A miaba esposa
A meo filbo.
A minba filba.
Saudades.
f recis-se
nma casa de poa<
engommar bem
iSSBJaHat"*
: na ru* do Imper;
o servieo de
saiba Jesinhar e
mperador n. 6.
Jeaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Rna do Trapiche n, S, 1* andar..
Sacea por tolos oa paquetes sobre o banco d
Anae, em Braga, e obra oa seguintes lugares en
r\trta|al:
Lisboa.
MI
Valonea.
Gnimarie*.
Golnbra.
Chaves.
VlaM
ViU* do Conde.
Arcos de Val de Ve*.
Vianna do Caetello.
PoateioLima.
Villa Real
Villa-Nova de Famlica.
Lamego.
Lame.
Vaa (Varpasso).
NENHUM
ll. O
para

o
A loja
bug n.
de finados.
da fita azul roa do Ca-
2 acaba de receber as
rneThores capellas de vldrilhos que
tem vindo a esta cidade ; assim
como capellas as a precia veis per-
petuas amarellas com lelreiros(im
mortelles) e para lodos os precos:
oga se as pessoas que fizeram pedidos, que as
ceobam buscar, visto como o numero dellas nao
grande.

Urna pessoa habilitada encarrega se de prepa-
rar tmulos e catacumbas, tanto na cemiterio pu-
blico como as igrejas, dando o que for necesa-
rio, para o dia 2 de novembro prximo futuro :
na ra do Imperador ns. S e l. _____________
ATTENCAO
Vende-se por barato precu nma propriedade a
margem da camb* dos flemedios, fazendo-se
toda vanugem ao comprador, recebeado-se parte
em dinbeiro e parle em letras ou objectos de
prorapta venda; cuja propriedade contm urna
Saode otaria de pedra e cal que lastra 16,000
oos de al venara grossa e tono que comporta
25,000, com mais um lomo e lastro para fazer-w
teihas, ladrilhoe, canos e louca, com excellente
barro para qnalquer obra, com dous excellentes
viveiros de peixe e com casa de vvenla para
grande familia, toroa-se recommendavel por pas-
sar perlo a iinba dos bonds : as pessoas que pre-
tenderen! dirijam-se dita propriedade a entender-
se com o capilao Delflm Lins Cavalcante Pessoa.
Religlo.
Capellas mortuarias
DE
Fino marino e
Na loja do Gallo Vigilante
Vende-se capel as mortuarias
candas je

NAO GONTIM NI UUBMgLAtOl
Qgjite:inMBtU.
A grande necesstdade e falta de um ca-
thartico ou de urna mediciBa purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da faculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confianca e seguridade, recommendar
as pilulas vegetaes assucaradas de Brktol,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra era si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tomando-se em um
perfeito, seguro e agradavel cathartico de
familia. Este remedio nao cmposto
dessas drogas ordinariamente asadas na
composico dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, sSo preparadas com as
mais finas e superiores Calidades de raizes
medicinaes, bervas e plantas, depois de se
baver chimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medlcmal,
daquellas porcSes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
iophgtiin, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
"jaravilnoso possivel sobre as regiSes do
ligado, assim como sobre todas as secre-
coes biliosas. Isto de combinacSo com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formara urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
aatureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
de Bristol, achar-se-hao sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
GASA. DA FORTUNA
RA i DE MARCO OUTR'ORA DO
cassnn 23.
Aos 20:000M>00.
0 abaixo assignado tem sempre exposto ven-
ia os felites bilbetes do Rio de Janeiro, pagande
oroarptamente, como eostuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24*000
Meio 124009.
Qiarto 6*000-
.la .-. Maaoel Martina Pinza.
i y
de fino marmore, com flores
em grande relevo, que devem
ser preferidas as capellas de
qae at aqu se tem usa do, vis
to que a soa natureza permiti que se nao
deteriorem com o tempo, como acontece
cim as outras.
Para o dia de fi-
nados.
Na ra estreila do Rosario n. 35,
1* andar, tem para vender capellas
mortuarias para se botar as cata-
cumbas, de flores artiticiaes rxas e
brancas, sendo saudades, rosas e
cravos, com lacos e letreiros com as
seguintes inscripcoes : meu pai, minba mai, men
esposo, esposa, nlho, filba, irmao, irma, av, at,
saudades e lembrancas, 3*, oi e 8* cada urna,
e tanbem se faz de perpetuas e sempre-vivas na
turaes.
Aos Srs, carpiuteiros e do-
nos de obras.
Cavernas de 14 a 20 palmos de aste, de sica-
pira verdadeira proprias para grandes canoas, bar-
cacas, alvarengas etc.
Travs de qualdade, de comprimento de 30 :
60 palmos, sendo moitas de sicapira, macaran
dnba, e sapucaia : para ver e tratar no pateo da
Concordia, arraazem de raateriaes.
S^>
mSJA
D. Franlsca Thereza Carneiro
de Sft Barreto.
Francisco de S Barreto e seus filhos muito
agradecem a todas as pessoas de sua amizadeque
se digoaram acompanbar os restos mortaes de sua
chara esposa e mii, do convento do Carmo ao ce-
miterio publico, e convidan) a todos os seus paren
tes e amigos par* assislirem missas do stimo dia,
no mesmo convento, pelas 7 horas da manha do
da 30 do eorrente, e desde j agradecem este
acto do religiao e caridade.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel
corpo do commercio que desde o di* 2i do cor-
rete deixou de ser caixeiro dos Srs. Alves 4 C.
Recite 24 de outubro de 1871.
___________Jote intcnio Pereira da Cunha.
Arrenda-se um sitio em Bebenbe com com-
modos para familia, com poco d'agua de beber,
com plantacoes e perto da via-ferrea, tanto se ala-
ga por auno como por mes : quem pretender di-
rija se cambo* do Carmo n. 17, que achara com
quem tratar.
SEGUROS
MARTIMOS
OOTRAl foco.
A companhia Indemnisadora, establecid
Mata praca, toma seguros martimos sobre
lavios e teas carregamentos e contra togt
medifiefoi, marcadorias e mobiliaa: ni
roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Precisa-se de nm criado
*n. 7.
na ru Nova, lo-
Precisa-se de um caixeiro na pateo do Om
mo n. 13, para taberna, que tenba pratie e R
fiador a soa conducta.
LUZ E CALOR.
Obra espiritual para os que tratam do exercieio
de virtudes e eaminho de perfeicjio, pelo padre
Manoel Bernardiz, nova edicao. Lisboa 1871, 1
voL 4* 6*000.
EXERCICIO DB PERFE1CO,
e dontrina espiritual, para extinguir vieos e ad-
quirir virtudes, do padre Affoaso Rodrigues. Por
to 1869, 1 vol. 8 4*000.
GRITOS DAS ALMAS
e meios para os aplacar, nova edicao.Porta 1869,
1 vol. 8* 2*000.
EXBRCIC10S ESPIRITUAES
de Santo Ignacio, propostos as pessoas seculares
pele R P. J. P. Pinamonte.Ro de Janeiro 1871
8* 2*000.
PRAHCAS MANDAMENTAES.
eu refiexoes moraes sobre os mandamentos da lei
de Dos pelo padre Pr. M. da Madre e Deo.
Porto 1871, 1 vol. 8 4* 3*000.
Livraria frinceza.
ALUGA-SE
urna escrava para o servieo de om eslabelecimen-
to : a tratar na roa do Imperador n. 79, loja.
FTecisa-se de um menino de J2.su 14
para cakeiro : na psdara dt ru
nnrs
Na travessa da na
das Gnes n, 2, pri-
meire andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
tes, seja qoal for a qaan-
tia. Ha mesma casa eom-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
iHBISBHBdfaBailtSI
Un Em casa de pequea familia precisa-
AMA
Nova
pequea familia precisa
se de nma ama para cosinhor : na ra
31.
MOFINA
Dspepsia, ou indi-
gest5o,
dAstringencia, ou..
prislo do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Hydropesia dosmem-
bros ou do corpo,
Affecces do ligado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades a 86X0
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas' as molestias que derivam ?
sua origem da massa do sangue: a salsa
parriUia de Bristol esse melhor de todo
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrajera de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n3o nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
affian^ar n3o s um grande alivio, como
tamhem urna cura prompta e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
LANMANN & KEMP, DE OVA Y|RK.
Acha-se venda nos estubelecimentos dt
P. Maurer A C, J. C Bravo dr C, A
Gaors, B. M. Barboza, Bartnolomeo & C
ios 5:000$OO.
BHhetea garantido* da pro-
Tlnela.
Ba do Bai'o da
Victoria,
Outrora ra Nova n. 63 e casou
do costume.
O abaixo assignado aeab* d vender entre o:
sena muito felizea bilbetes a sorte de 800*000
em um meio bilhete de n. 893, a sorte de 300*
em dous quartos de n. 1356 e um meio de n. 1843
com a sorte de iOOf, alm de outras sortea me-
nores de 40*000 e 30*000 da latera qne se
acabou de extrahir (21 i), poden do seus possui-
dorea virem receber, que promptamente serlo
O mesmo abaixo assignado convida ao raspei-
tavel publico par* virem ao sea esUbelecim*nt<
comprar os feiiiee bilbetes garantidos, que na<
ieixar da tirar qualquer premio como prova pe'.oi
meamos annuneios.
Aebam-se venda os muito (elises bilhetee ga-
rantidos da 3' parte das loteras em beneficio da
greja de N. S. do Terco, qae sera extrahia no dia
sabbado 28 do crrante mes.
PRESOS.
Inteiro 6*000
meios 3*000
Quartos 1*300
De 400)9000 para cima.
Inteiro 6*500
Meios 2*780
Qoartos 1*378
Jlo Joaquim da Costa Leit*.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
erivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir ru* do Imperador n. 18 concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo paseado, e depois par* ja
neiro, passou a fevereiro e abril, e nada cumprio.
6 por este motivo de novo chamado para dte
Sm ; pois V. S. se deve lembrar qne este negocie
de mais de oito annos, e quando o seuhor sai
flho se achava no es nesta eidade
ATTENCAO
Alnga-se urna grande cocheira na roa da Uniao,
com dous quartos e sotao com outros dous qoar-
103, tendo janellas, tudo eaiado e pintado de no-
vo e mnito propria para taberna ou outro estabe
ecimento : a tratar na ra da Aurora o. 36. 1
andar.
ftos banhos no Montsiro
Aluga-se por festa a casa n. 3 que tem urna
pitombeira na porta, na travessa da Levada no
Monteiro, tem junto nao s os banhos do rio
como os da levaaa : tratar na esquina do Lama
rao casa nova antes de chegar ao Monleiro, ou
no Recife, ra Nova n. 7.
____AC
eoi
DTVETOT
nica casa neste genero
l4"Ria Estreila do Rosario-M
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
eosinha e de meaa,e
tudo que perten-
Companhia do gaz.
PERNAMBCO
Chamamos respetosamente a alinelo doscon
sumidores de gaz para o segninte :
As ms luzes sao geralmente occasionadas por
algum defeito nos bicos, ou obstracco nos ap-
parelhos. Aonde eiistir semelhantes defeitos a
eompanbia ter prazer em remedia-los sem des-
peza ao consumidor.
Para assegurar urna luz boa, os bicos devem ser
mudados pelo menos, de seis em seis mezes Um
tico bom dar 20 at 80 por cento mais luz (gas-
tando a mesma qoaotidade) de que om bico de-
feituoso e do mesmo tamanho.
A companhia tem sempre um grande sortimen
to de bicos, dos melhores fabricantes, os quae
vende aos consumidores pelo custo.
Qualqoer qneixa dirigida ao abaixo assignado
na fabrica do gaz em S. Jos, ou no escripiorio da
companhia rna do Imperador, ser prompta-
mente atteedida"
Fabrica do gaz 23 de Outubro de 1871.
Thos. Newbigging.
Eogenheiro.
Precisa-se de ama para casa de fa-
milia : na ra do Vigario n. 26, pri-
meiro andar.
AMA
ALOGA-SE
um moleque de 14 a 18 annos di idade, para todo
o servieo de hotel; no Caf Chnez, ra Larga
do Rosario n. 31,1* andar.
Sustento restaurativo da
saude
PELA VERDADEIRA FARINHA
A, Da Barry d Arabia
Os abaixo asssignados fazem sciente a seus fre-
guezes, que pelo vapor inglez La-Plata receberan
egunda remessa dessa excellente farinha, enje
oso muito se reeommenda para as enancas, pes-
soas debis e convalescentes, applicada com reco-
nhecida vantagem as constipaedes, diarrheas,
nausea do estomago, tosse, escarro de sangue,
phtbysic, etc. etc. Preferida anda pele agradavel
sabor.Uniricoa outra qualquer.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, exige-se bom
leite e boas informales : na ra da Concordia,
sobrado n. 10. 1* andar. ^
^1^.
Precisa-se de urna ama
para comprar e cosinbar :
Mraiar na ra da Alegra n. 5.
FABRICA
S
DE
CHAPEOS
Rival sem segundo
aUia Daqie de Caxlas 91
Jos de Auvedo Meia e Suva, em vm lo
j ade mindezai centraw i vender tole
por baratos preces qae f todos admira :
Libra de 15a para bordar a melhor
qoe ha.
Calas com superiores grampos fran-
eexesa
Duzias de facas e garfos de um e
doas botoes a
Talberes pare meninos a 240 e
Libras de linba de novello, a melhor
possivel.
Dozia de lencos de caua com narra.
Canas de lichas com 30 novellos a
Vara de franja branca para toalbas
Donas de metas croas moito boas a
Dozias de meias finas para seoho-
ras a
Daiias de facas e garfos cravadas a
Daiia de palitos segoranca a 120,
240, 320 e
Na albas moito finas, para fazer a
barba a
Gaixas com peonas de ac com to-
que a
Caixas com peonas de Perry ratea-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz con 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas as
crese
Duzias de linha froaxa para bordar
a 4O0e
Pares de sapatos de tranca a
Dazias de baralbos moito finos a
20400 e
Ditas de agu'has para machina a
Libra de pregos francezes a
Resmas de papel almaco superior a
Ditas de dito pautado o melhor a
Caixas com sa.boD.etes fructa a 720 e
Carnteis de linba A'exandre a
Grvalas de cores moho fiaas a
Ditas pretas pontaa bordadas a
Grosas de botoes de madrvperola
para camisa a
Novellos de linba branca, 400 jardas
Dazia de cartoes de linha branca e
preta e de cores a
Thesouras moito fioas para ochas
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para limpar deutes
fazenda fina a
Livro das niissoes abreviadas a
Copos grandes com superior banha
Macos de pallitos para dentes o
melhor qae ha a
DE
Todas 8S qualidades
g N, 24 ra larga rio o. 24,1, andar
i
s
Se o desejo dos propietarios desta fa-
brica fosse nicamente Iludir a f pu-
blica, ha muito que teram annonciado
os sens productos, mas para correstion-
derem mais dignamente confianca nel-
les depositada, esperaram receber os
objectos e pessoa!, que acabara de che-
gar-1 hes.
Hoje, pois, que a sua fabrica sa .'.cha
montada cora as mais apereicoadas ma-
chinas, com os melbores petrechos e ser-
vida dos mais peritos ofBciaes europeos,
podem os seus numerosos fregufzes e j
o publico em geral encontrar desde j.
Chapeos de seda da ultima moda, sen-
do altos e baixos.
Ditos de castor de todas as cores, em
formatos ingletes e amburguezes.
4pitos de feltro de todas as qualidades
ereitios. tanto para hornera
e feitios, tanto para
crianzas.
Ditos de velludo
como para
URGENGIA
No Caf Chinea, raa larga do Rosario, preci-
sa-se de um escravo para todo o servieo de no
tel. Quem o tiver e quizer alugar dirija-se ao
mesmo caf.________________________________
Aluga se
o segando andar do sobrado da rna Nova n. 38 :
a tratar na loja* >__________________
No cemiterio
de pedreiro.
publico precisa-se de officiaes
Precis.
maro 8.
Caixeiro.
a-se de um menino para eaixeiro de ta-
na ra do Lima, em Santo Amaro, no-
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
i roa Primeiro de Marco (ontr'ora roa di
Crespo) n. 23 e casas do costme.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus (
xes bilhetes nm meio n. S844 com 5:000x000:
om quarto n. 1356 com 300*000, e outras sones
de 0i e X)j da lotera que se acabou de extra-
hir (211*), convida aos posanidoret a virem re-
ceber na eonforraidade do eoftuiM sem descont
unas,
Acham-sa a venda os bilhetes garantidos da
3.a parta das totarfaa, a bsaafleio da igreja de
Nossa Senbora do Terco (Mt*), que se extraair
sabbado 18 do eorrente raer.
EhU*i*S*f **oo
lbete 30
to 11800
IOOOOO para cima.
Bilhete intairo #50C
Mato bilhete 1*750
Quarto 1*375
Manotl Martins F-cxa.
para senbora.
Ditos para ecclesasticos, redoudos, tri- S
*m angulares e a romana.
Ditjs armados para militares.
S Ditos de pasta.
Concerta-se teda a especie de chapees jjg[
quer de borr.em quer de senbora, com a jBJj
^ maior pericia e mais barato queem qual- S
I quer outra parte, assim corno se rece- {&
asfl bem enzommenilas tanto para a provio-
?5 cia cerno para fra.
ftiiii mmmmmmm
Quem quizer se snjeitar a residir, no estado
em que se acha, em a casa do sitio da travessa
dos Remedios, freguezia dos AITogados n. 21, com
a condiccao de tratar dos alvoredos que no mes-
mo sitio existe e plantando outros, nao consenta
do que no mesmo sitio entre de forma alguna,
gado, cavallos, cabras, csrneiros e porcos, poden-
do fazer suas plantacSes e servir-se para sua ce-
mida dos frucio's que houverem no mesmo sitio,
a:sim como o proprietario do mesmo sitio poder
se servir para sua comida de talo quanto for
plantado no mesmo sitio sem paga alguraa, assim
como que nada pagar pela sua moradia no mes-
mo sitio, e mesmo por qualquer servieo de plan-
tacao que no mesmo sitio faga, nem pelo concer-
t da cerca: quem assim o quizer, entenda-se
com o seu proprietario na rna de S. Francisco
desta cidade, como quem vai para a ra Bella,
sobrado n. 10. __________________________
Na ra da Cadeia do Recife armazem o. 1.
deseja-se fallar com o Sr. Francisco de S Barre-
to, qoe morn na Torre, para negocio de interesse
Precisa-se de urna ama para o servieo de
urna casa de familia : no Caes 22 de novembro. n.
30 1 andar.
SITO
64000
i 60
4*000
400
11600
1*000
800
160
3^500
41000
3*000
500
10000
320
860
1*200
70t
500
40
500
1*800
2*800
2*000
240
3*600
4*000
1*000
180
500
00
500
00
120
500
l*tOO
200
1*500
1*500
160
Companhia Aliian DE
teguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
Toma seguro da mercadonas e dinbeiro a risco
naritimo em navios de vella e vapores para d6S-
ro e fra do Imperio. Agencia rus do Cobd-
nercio n 5, escripiorio de Joaquim Jos Gor-
;alves Beltrao.
mmmm mmmmwmmm^
Consultorio nonieopa-
I thico S
DO DR. SANTOS MELLO.
Ra do Bario* da Vtctoria n. i3.
VACCINA.
Todos os domingos e quintasfeiras, pe-
las 9 horas s 10 da manha vaccina-se
por pre?o mdico, para o que ha muito
bom puz vaccinieo.
Recebem-sechamadas para vaccinar em
qualquer casa.
Consnltas medicas todos os dias pela
mafcula.
Chamados a qualquer hora do dia e da
noute.
Gratis a parle medica aos pobres.

Fonceca & Santos.
De novo avizam a todos os seas devedores, ve-
nbara quanto antes saldar seus dbitos ra do
Arnorim n. 39.______________________________
Precisa-se de um caixeiro que leulia prauca
de taberna : na ra do Amorim n. 17.
Na ra do Alecnm n.
ama para coznhar.
8 pNcisa-se de um
Aluga-se
Urna casa terrea com sotao e boas accommo-
daedes, concertada e pintada recentemente, Da
Ilha do Retiro, Passagem da Magdalena : trata-se
na raa do Vigarie n. 4. ______
da Madre de Oeos
l'racisa-se de urna ama
para cozinba, de meia idade,
para casa de familia : na raa
n. 3i, 1* andar.
Aluga seo sitio da travessa do Caldeireiro b.
i, e a mei-agua na rna do Brum, defronte do ar-
mazem de recoiher os bonds : a tratar na botica
da praca do Conde d,Ea n. 19.
Aluga-se o grande sitio da estrada do Rosrnho
.10, com casa para numerosa familia e ero bom
estado, havendo multa diversidade de frucias, bem
como pode sustentar urna porco de vaccas, todo
anno, anda mesma na maior terca da secea, por
ter urna grande baiza de eapim, que nanea sea,
e na distancia para qaalqaer dos trilbos urbanos,
Encruzilhada de Belm, ou Tamarineira, se pode
gastar de cinco a seis minutos : tratar na rna
da Madre Deas n. 30.
Precisa-se de nma ama : na roa Direita nu-
mero 61.
De orden/ da mesa regadora da irmandade das
Almas da matriz de Santo Antonio, convilo os nos-
sos irmaos para no dia 28 do eorrente, as 4 horas
da tarde, reunirem-se no consistorio da mesma ir-
mandade, aftrn de se constituir a mesa geral qae
tem de eleger a nova mesa regeora para o anno
compromissal de 1871 a 1872, como determina o
artigo 10 do compromisso.
Consistorio da irmandade dis Almas erecta na
matriz de Santo Antonio do Recife, 2o de ontubro
de 1871.
Francisco de Siaia Reg Monteiro.
Escrivj.
Criado
Precisa-se de om criado na ra larga d) Rosa-
rio -n. 39, hotel : pre(ere-e escravo.
Antonio Joaquim de Oliveira chimado a
rna da Praia n. 56 : a negocio de seu atarease.
Caixeiro
No hotel da ra larga do Rosario n. 29, prisisa-
se de um caixeiro con algama pratiea : paga-ae
bem.
Sociedade Conciliapao
Convida se os socios para sessao ao dia 28 do
eorrente, s 6 '/ horas da tarde.
Com urgencia
Precisa-se com urgencia de orna ama de
leite, qae techa bom, e abundante qosnti
dade e sem filho, paga-se bem ; nesta ty-
pograpbia a tratar com o administrador no
Io andar : na mesma preci? a-se de orne
ama para comprar e cosinbar para casa de
nma familia composta de duas pessoas;
a tratar na mesma casa. ____________
m mgr a Na ru do Pires, sobrad) n. 28>
..'.iTM./L precisa-se de nma boa cozincer;,
forra ou escrava. _______________________
.a Precisa-se de urna ama que en-
_ m.iTJL__L gomme com perfeicao, forra ou es-
crava : na ra do Pires, sobrado n. 28^________
1 e 2 andar.
Aloga-se o 1* e 2* andar ra do Padre Fio-
riano : a tratar na raa larga do Rosario n. 22.
Criado
Precisa-se de um moleque para todo o serrica
interno e externo de nma cafa : a tratar dffronie
da alfandega n. 4. __
Citixeiro
Precisa se de um menino para caixeiro de ta-
berna : na rna Augusta n. 78._________________
Pernambuco Street KailvyayJ
Company
De ordem da directora d'esti ompanhht, con-
vida-se aos senhores accionista) a reahsarem a u *
tima prestacio de 30 por cent') do valor das sus
aceites at o dia 14 de novembro prximo fatirc,
no escripto, travessa do Brum n. t. N'este oc-
easiio sarao os recibos trocados poreerW&es das>
acedes.
Recife 23 de outnbro de 1871.
H. H Swift.
Asst Ireasarer.
WfSSo
Qaera quizer dar a qaantia de 8004000 sob ny-
polheea, annuncie por este foann.
Praeisa-se de ara mole
Ib) para criado : na rus do 1
rae oa um eret w
ofel n. 8.
rvt


\




/).ariov d* Peniunbiico -r Cjuiula eira 26 de Outubro de 1871.
JYtfl # O i 1 a^B
E' nnrpWJdct qus o&teni.di fiar degado vaocum. da qnal s tira todas as
Miles, tendOes, ossos etc. Elle tem todos os principios nutritivos da carne sera contar
gelatina, ou fibrina, gorora. N'i* pequeo volune ejeso dado coBtem 32 mes
mais substancia alimenticia que outro igual de carne deepida de ossos, pelles ete., por
iaqo por pooco qtte se tome dello se btera owa forte' alimentaeao, que mmediatanSete
produz effeito como tem sido obertado em pessoas' debis, por qualquer cansa oo
exanges como succedeo a um homem ferido que dons ootros trouxeram pbarmacia do
Sr. Rrmiano Antonio de Araujo (Porto Alegre ) onde recebeo o primeiro curativo, es-
tando to fraco qae nio podia voltar para casa; mas logo que tomou duas oilavas de
eatractom pJe caminhar sem adjotorio.
Tal a torca alimenticia que anda mais se revella com o qae snceedeo no escravo
do Sr. capillo JoSo Cazar de Oliveira acommetiido de thelaons, com thrismus iSo forte
qae n3e foi possivel empregar-se medicacio intcroa, podendo o doente tomar, intro-
duziodo-se coa moita difficuldade pela abertura que havia pela falta de um dente 6/8
Sitio A PftdMJIk
Aluga-se a padaria da Eicruxilhaida da Tama-
rineira n. 3, cora qaasi todos o* uteneilios, e o si-
tio (Doilo gande ftbom, cap hut atetar vr
fructo, i a ejlaclo do lrilbf n/tao\, y
trataf na ras da Madre da
Aloga-sa o segando indar sobresotio daeasa
n. 6, cita i roa do Livraaiento : pouco edifica-
da, com ranitos eororoodos, agna, gaz ele : i
tratar na loja do raesmo predio. ",.
1
-t- Precisa-96 de
para casa de pouca
Rosario, lijan. 10.
urna ama livre ou eecrai
familia : roa da astreita
Estao por alagar o 2* e 3* andar do sobrado
Ti
da ra da Imperatr
mosa d. 8.
n. 47
tratar na roa For-
trau-ae na
Precisa se de ama ama de leite
roa da Moeda n. 33.
de extractum carnis por da, cessando os symptomas nervosos co nm de 22 das, acna- msmm^^^ _. ^^xmtmxmm
ta-se o doente em bom estado de vigor, restabelecendo-se logo. Que um alimento MMMMM m WBmmmmM
vigor,
que ni) cansa os orgos proprioi da digestio, se conbece pelo qae acooteceo ao Sr.
oommeedadoT Antonio Falcio, qae soffrendo de urna gastro interite nao tolerava oem
a agua de frango ou d'arroz. Homem de mais de 70 annos com perdas t3o abundantes
como tioba e sem alimentarse estava coodemnado; sendo irnproficco todos os remedios
intentados; o Exm. Dr. Flores empregoo o eatratum qoe o doenta tomou com repng
nancia, porfla qne desde logo sentioum bem estar qoe notinha, e pooco a pooco mais
vigor, ficando reatabelecido em pooco dias, obrigando-o a soa gratido a dirigir ao Dr.
Ubatuba um attestado desse beneficio (diz elle) para qae oatros podessem gozal-o, e a
falta de conhecimento nio obatwe a vulgarisaco qae era conveniente que tivesse um
producto lio necessario. Nos casos qoe preciso diminuir a prodoceao excremeoticia
anos artificial, fstula sanaes, altaqaes hemorrhodarios etc. um valente recurso. O Sr.
I. O. Castro n'om inteosiasimo aitaque nemorrboidal que o levoa cama durante me-
zas s dbteve cara ahmentando-se com o extractom. Urna familia (do Sr. Joaquim
Mara) dbil e nervosa, aofria barrivelmente, coaeoou a ozar do extractum e logo
restabeleceo-se, e o Sr. Joaquim Marta agradecendoaoDr. Ubatuba disse-lhe :Dr. V.
correo-me com as doencaa de casa. Taes tem sido os resultados de sea emprego qae os
priocipaes mdicos o aconselhlo, e o oonsummo tem quadi aplicado em toda a parte. Nao
somonte applicado eemodieta aos enfermos, mas como mel alimenticio e mesmo como
propnopara vigoraros alimentos, e dar-Ibes sabor mais agradavej. J muitas familias
preferem uxal-o noate, sabstiluiado o coi, e tem encontrado nelle o recurso de po-
derem rpidamente augmentarem nos casos de necessidade as refeicoes para maior nu-
mero depessaas do quecbntava, oadarem alimeotacao prompta qaanrJo seja preciso
nao haver demora. As pessoas debis, velhas que necessitao tomar lgoma alimentaeao
no intervallo das horas destinadas para a refefcao, tem no extractom um meio prompto
de satisfazerem essa necessidade, melbor e com mais proveito do qae nenhum outro.
As mocas que nos dias de baile se abstem de alimerjUcao para conservarem a belleza
do taina prejodicando moito a saade, uzio j do extractom que satisfaz sem prejuizo
esse flm. E' essa producto odisperyjavej a todos, especialmente s pessoas que viajara
e s qae moram fra da cidade. A sua incorruptibilidade, peso, volum- a soa gran-
de forca alimenticia, a soa barateza, a o sea agradavel sabor, qaando beiu preparado,
dSo-lbe tal saperioridade que s se faz myster ser conhecido para poder ser aproveita-
da a utilidade que elle prest*. Como alimento para as criarlas tem produzidos os
melhores resaltados e at boje nao se conhece outro para substituir o aleitzmento. Nao
o extractum por si um alimento que canse o estrago, que o tenha cheio, porm
um alimento que d torcas e preenche o fim de levar a economa os elementos ani-
maos qne ella necessita, epara substituir o que Iba falta esse peso o qae certa-
mente necessario ao estomago do homem de trabalho pelo habito que tem, eccontra-se
fcilmente por baixo prego as substancias vegetaes queexistem em qualquer parte
como sejam as raizas, batatas, legomes, graos, fariohas, que com o extractum se faz
ptima e bella alimentado.
Um homem que tome 6/8 de extractara por dia, que custa 188 rs.. ter uzado de
tola a substancia de 1 1/2 lib. de carne fresca sem ossos, pelles etc., o qae por sem
dnvida alm do que se faz necessario principalmente se ajuQt3r-se-lbe qaaesquer
massas, legumes, farinhas, graos, batatas etc., e orn pouco de gordura, com o qae,
qaando gaste mais 100 rs. ter urna alimentaejio saborosa, commoda, fcil, muito bygi-
enica e muito reparadora por 290 rs.
UZA-SE COMO CHA Meia colberinha n'uma chicara d'agua, com sal sufficiente, e
um aromtico (salsa).
COMO SOPADe urna colberinha a duas em sufciente agua, gordura, tempeiros
e qoaesqner massas, farinhas, batatas, graos etc.
ARROZ Prepara-se como denzo, dissolvendo a porreo do extractum oa agua
que se deita nelle para cosel-o.
OS LEGUMESAs carnes salgadas reenparao cora elle a torga alimenticia indis-
pensavel.
Deposito Pharmacie Americane, de Ferreira Maia A C.
5 Ra Duque de Caxias 57.
A TiSOii M
GRANDE SALAD DE CABELLEIREIRO
n\\ no nuouB ie caxias w, ao
(ANTtGA DO CEIMADO)
DELSUG. SUCCESSOR DE JA VIS
Havendo comprado o esUbelecimento de cabelleireiro, faz d'isso sciente ao respeiiavel pu-
blico de P< mamoneo, coovidando-o ir visitar esse estabelecimento, onde ha d? encontrar toics os
trabalhos cora seeio, ^erfeiCjio e urgencia. Tambera o previne de que tem pefuraarias fina?, poi
preco comraodo; e ouiroaim que faz todo e quilquer trabalho de cabello relativo sua profissao.
p. s.-Avisa aos seus numerosos fregueies qae continih oa sna oaira cas, roa Primeirc
de Mar?o, antiga do Crespo, n. 7 A, 1* andar, onde, bao de encontrar grande sortimento de perfumara
e objeciosde phaotasia.
ADVOGADO
Dit. Joaquim Cobra de Aracjo
8 67Ra do Imperador67
Ittllllllilli
Para banhos do mar
Aluga-w ama excellente casa oa Boa-viaiem
a traur oa rna larga do Rosario n. 3t, bofo.
,para todos [J
Umego de anperior qaalidade 1 _
e fWO rs. o killo : em pasa de 1*0- j
Estreita do Rosario n. 9,'jtrat a
_ *-ie ao piano de mesa qnasi aovo e
oorio para (jualqaer principiaflte, gaun
estade do piano : a tratar na rna Da
i. 6, antiga gas Crt
I
----- vapore, ebegoa par) o araoaiem
do Campos da roa do Imperador n. n. 18, o ge-
neroe segnintea :
Chocolate en p, oa cacao poro toiavel.
Leito condensado o mais superior.
Que*lo Londi-inos, Flamengoe, trato, afinas e
Preauotoe e toucinho inglez.
'-"ja Ha4fb Noruega, Bass e Guinss.
Coa moito aoBefier, graado e miado.
Alem disso
Alaga-se ama boa caa defronte da establo
dos Arrombados, caiada e pintada de novo, com 9
salas, 3 quartus, cozioha fra e quintal murado,
propria para pasur a fesu : na ra Direiu nu-
mero 38.
Andares para alagar
Alaga te o 1* e 3* andares do sobrado da ira-
vessa do Corpo Santo n. 27, propros para peque-
a familia, moito frescos, excellente policio e rio:
a tratar no armazem de fazendas do mesmo pre-
dio, das as 4 hora di tarde. ...
AOS KXXMOOO
Kstio i venda os felizes bilhetes da lotera da
lahia, na casa feliz do arco da Conceico, teja da
irires no Reeife.
Ao xm. Sr. vigdfio
capitular.
Pede se ao mesmo Exm- Sr. que lance suaSjVHas
para o eoadjuclor pro-parocho di fregaezia do Peco
da Panella, pjrque nio enmpre com suas obriga-
c5es, sendo que, se chamado i noate para urna
corfssao nao vai, se faz ora baptisado e que o pa-
drioho nao paga com generosidad?, elle faz i asseu-
tedo baptismocom a qaalidado do prvulo em op-
posicao, por exernplo se branco dia qae pardo, e
fioalmente fea o casamento de ama meoor.tatellada
de Antonio la Rocha Accio Lins, com nm protegi-
do delle sem a licenca do sea lator oa do Dr. jaiz de
orphos, depois de 9 horas da noate e com as por-
tas da igreja fechadas, sendo que depois empe-
nhoo-se com alguem, potentado na fregaezia e
amigo do dito Lins paia este nao proceder como
queria.
O prvulo pardo
Gaixeiro
Precisase de um menino brasileiro de 13 a la
annu de idade, embora nao saibi le-, [prefere-se
do mato, para o armazem de sal da roa Imperial
d. 249, de Valdevino da Plvora.
Precisarse de ama ama livre ou eserava pa-
ra o servico de urna casa de pouca familia :..na
ra do Bario da Victoria, antiga ra Nova n. i6,
1* andar.
Aluga-se urna excellente casa em Olinda ra
do Carrao para es banhoi do mar : tratar no
Corredor do Bispo n. 55 ; oa roesma casa vnde-
se urna excellente machina de costura.

..i.,Vwalf-. \
C.nvida-se aos Rvms. Srs. sacerdute;, para ce-
lebrar missa na igreja do convente de Sossa 9e-
nbora do Carmo, das 6 as 8 hnras do dia 28 do
corrente mez, anniv:rsario do faecimento de D.
Joanna Joaquina Machado Pires Ferreira.
Cabclleirfro de Paris. Kua Duque de O.ixias n. 50
rna Piimeiro de Mar^o n. 7 A primeiro andar.
D. W. BOWMAN
Engenheiro com
FUNDIClO
5 RIJA HO BRIIM 59
PASSNDO 0 CHAFARIZ
Pede aos senhores de engenho e oatros agricultores, e empregadores de ma-
ct:ntmc o favor de oaa visita a sea estabelecimento, para verem o novo sortimento
completo qoe aba (em; pois sendo todo muito mais barato em preoo do qoe jamis te-
aba vendido, est ainda superior eat qaalidade e fordu; o que com a iuspoc;lo pea-
ca pode-se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICO
TTonnroc A rnfiQQ li'flirna dos mais moderaos eyslemas e em
Vapore O rOUcl Uag^Ud. tamarAo convenientos para as di-
versas circciQstaocias dos seabores proprielarios e para descarocar algodo.
Moendfas de canna & 8 umiDh0B'as ]b0T" qMa,oi
JfcCOdaS wCHlauaS para animaes, agua e vapor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MooltYimina Para aandioca e algodSo.j Podendj todos
ilLaUillilloUIUP e para serrar madeira (ser movido a m3o
llnnihfifl (p01" ,^*' v,por'
xwiiiuao ,]e patente, garantidas............ Joo animaes.
Odas BA maCilinaS e pecag 6 que ge costuma precisar.
FaZ qualquer COnCertO de n,achinismo, a prco moi momido.
Fnrmftfi ifo Vll*l*il ,ena as ^,e,bo^e, e mais baratas existentes no mer-
X?tin/imiMftwAna Incumb^se e mandar vir qaalqtwr macbinismo i vonta
l compras por intermedio de pessoa entendida, i gue em quaique/tracessidade pode
[prestar niilio.
ameriCanOS e instrumentos agrico.
Americana, ra do Gervasio Pires n. &5, con-
tina a farer a ja muito asreditada nova b:la-
cbinha :-.; > r. na, nao inferior a irgleza e na
mesma fabrica se pao e bolacha das meliore- fa-
rinhas da rrercado para melber agradar aos seus
freguze*. ____ ___
msBHtmBBtBBammmmmmmBBL
irniacdes para tiimufos e cata-
enmbas no illa 'i de noveui-
bro uo cenalterlo publico
Ha uma pessoa que encarrega-se de qualquer
servico tendente a armacao fnebre, obrigando-
se a presentar todos os cbjectos precisos para
ecse flm na ra do Duqui de Caxias, loja de cara.
venem cervja'myense e vnho do
!** *1M* Sin"
Atiendo!!! .
Vende-re sortea de trra em forma geomtrica
de reetangnlos, e si'naco wpographica da^ leste
o oeMe, oo de snl norte ao sitio dos craveiros,
lugacto Fuidiio. A fertilidada do terreno hanba-
o orieatalraente pelo rio Beberibe, a ficilidade de
jcoraoelo (a via frrea de Btbribe), a modiiida-
le des pre?o* a reirufaridaite e belleza do projtc-
to e annamenlos iudo;coovida a fazer-se aequisl
o de uma porfi quaiquir de lio agradavel e
itoraseo titio, especialmente os pretndeotes i
abitacio campestre e os necesitadas de banhos
'ios. Os pretendentes podem dirigir- ao enge-
btire A. F. B. Sene, a sna casa n. 9 na estrada
e Jo3o de Barres, oa a ra de liiachuello, casa
rn. 9 do maior Francisco Jos da S;lveira, proprie-
^eT^^^TZ^T^f^ ^,da-t,.eittd,rio._______ __________
ltig!^'S^$^ A revalesciere du Barry de
^i e di%)pnsa, desdad ma modosta atea i r.ATlilr'ACt
abastada e bem sorilda de Iguarias finas e grata -
ao paladar.
-Ninguem por certo, pora duvida no cima dito
R)?,loe j todos sabem qoe ende se encootra o
BOM e no armaxem do rv
CAMPOS, J
________Roa do Imperador n. jB._________
Joaquim Jos Goocalves Beltrao tem para
v4er no seo escriptorio roa do Commeroio n.
*> os gneros abaixo notados, qne vende maia ba-
rato do qne em ootra qualquer parte ;
Azeitonas em ancoretas.
Ameodoai em barricas.
Ca( muido em massoa de i libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca martel (reres.
Baiadas.
Farinha de mandioca de Santa; Catbarina, ;sac- ra
eos de 3 e I alqoeires. .f
Dita da Babia em saceos brancos.
Diu de dha em barricas, proprias para casas
partteuhrt. VT.
Fio de algodlo da Baha em novellos.
Fooces. ,
Matados. -^
MSB,
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarro?.
Dito azul para botica.
Palitos para lentes. .
Pregos sonidos.
fenno de algodlo da fabrica de Todos os Santo
de Pedroso na Babia.
Roihas.
Rap popular da Baha.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranbao.
Tabaco simonte da Babia.
Vernii copal.
Vinbo do Porto engarrafado, caixa del H gar-
rafas.
Dito de dito em barra, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setnbal.
Dito Bordeaox em caixas de ama duzia.
Dito de caj em calxas de uma dniia._______
Superiores cigarros do Rio
de Janeiro.
Domingos Alves Matbeas, anico agente nesta
provincia da fabrica imperial de cigarros de S
loio de Nitherohy, estabelecida no Rio de Janeiro,
tem sernpre um completo sortimento de todos o;
cigarros, fumo picado e em latas. Tem igualmente
os afamados cigarros Conde d'Bu, feitos com mag-
nifico papel de palha de milho e fumo superior
Para governo de seus fregaezes, qae tem estele
cido depsitos fillaes, as casas dos Srs. Thomai
Francisco de Salles Rosa e Uanoel de Souza Cor
deiro Simoes Jnior, no bairro do Reeife, e todc
qnanto for vendido em oatras casas com a firma
le Souza .Novaos dt C sao falsificados.
Toda a deuca"cede a Revalesciere du Barry,
ue d sade, energa, appetite, digestio e des
nso. Ella cura a* dispepsias, gastrites, humo-
s, acides pituita, flato, eojps, vmitos depois
comida e grandes, con tipaches,!.' asthraa,
(Teches pulruunares, bexiga, flga' cerebro e
angoe ; 60,000 curas, iucluiado ciuuas deilas no
rastf.
A revalesciere cbocolatada da Barry
em p,
Delicioso alimento para almoeo e ceia, muitc
nutritivo, fortificando os ervos do estomago sen
cansar o menor peso nem dr de cabeca, nem ir
ritacao.
nico deposito para o Brasil em Pernamboct
na pbarmacia americana de Ferreira Miia & C.
do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidadt
pcom as faUilicacaes.) _________
Pomada alpaka
E' muito coobecida esta pomada e muito
apreciada por soa floissima qaalidade, a Nova
Esperaoca qaem tem.
Jarros de porcellana.
Um completo sortimento de liodos Jarro;
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanza, rna Duque de Caxias
D. 63._______________________________
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DA
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Este oleo que lo boa acceitacao tem merecido,
amito se recommenda por ser o mais purificado
qae at hoje tem vindo, e anda pelo bom paladar,
saperior a outro qualquer : vende-se no deposito
ispecial de Barlhoioraea & C.: ra Larga do Ro-
tara 34.
Breu.
na ra Io de
Vende-se doze barris com breu
Marco n. 13 (fntlga do Crespo).
A 640 rs.
Vende-se sapatos de marroqiiro, ubra muito boa
pelo preco de 6i0 rs. : venham a ra da Impera-
irz n. 68, loja de miodezas.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA N49
E. A. De'.oache acaba de receber om
grande sortimento de oculos e pincenez de
todas as qoalidades, e vidros de todas as
numerales.
Na mesma casa tem grande sortimento
do relogios de toias as qoalidades que ven
deio-se moito baratos.
Cemento verdadeiro Portland.
Venda loo Ignacio da Costa, em barricas, por
barato prego: no armazem da escadicha da altan-
dega n. 5. ____________________________
Popelina de seda e
laa.
Fazenda inteiramente nova no mercado
com padioes muito delicados, fazenda de
om effeito surprehendmte em vestido?, e
vende-se por 15280 rs. o cavado, na loja
do Papagaio, ra da Imp? rairi n. 40, de
Menrtes Camino,
! Garantidas!
M&chinas de costura de Singer
! 90JIOOO!
Tambem eancer uaeliinai de oualquer aokr
por precj muito equitativos I Lnhas e relr'z a
veatUrl
CHAPMANS
?0-na d, Imperador-SO .'
4 -Kua do Apollo 4
Julo do ItegoLiaia & Pilho im para vender. M
0(0 meuos que em outra qaatquer parte, o se-
guinto :
Lingui?as li libas em latas.
Aleatro en barris.
Vinhn do Porto fino em ciixrs.
Dito Bordea dito dito.
Reloghs de pareae e cima da mesa. ________
Papel para impressfto,
Veode-se por pre^o mnito birato, havendo toes
tamaitos: na rna da Cruz n. oi, armasen ce
Alves & C.
A' ruado Cbmmer:iu n. 10, t-^rr-pto-
rio de Jos Joaquim da Ccista Maia, en-
contrare para vender por duiraodjs
preeps:
Azulejos hespanhes.
Polbas de ferro galvanizado para telha-
do de diversos taroanhos.
Ditas de dito dito lizas.
Bicas de ferro galvanizado.
Camieiras dito.
Portadas completas para cantara.
Ladrilboa,
mmm mm mm mm mmmm
VERDESE
A verdadeira gomma do Acarac em saceos e
barricas, por menos preco do que em outra qua!-
Joer parte roa do Vigario n. li, escriptorio e
ii Lopes Daviin.
Calcados baratus na pr;ca 0a Indeptn-
deucia os. 13 e 15, toja do
Arantes.
Botinas de cures, cannos altes para senhoras a
GOOO, ditos enfeitados a o"00, ditos pretos e di
cures gaspeades a i 000, oitos pretos par me-
ninas a 3 000, botinas de bizmo, para homem
a 81,101 e \U._________________________
Com o devido re3peito
Sim, cora o devido respeito qr.e os proprieta-
rios da Confeitaria do Campos, sita i roa do Im-
perador n. 2i, a cuja frente se acha cbllocado
um grande lampeo que ?e conserva aeeso non-
te, que vem scienticar o ||lnitrade publico de-
ta cidade e spus suburbios, que all se encostrara
constan ten. ente o fegainte :
Fiambres promptos ioteires e as libras.
Puddings de diversos tamanhes.
Boles inglezes e frsnctzes.
Pies-de l.
Pastis follados de frucia, de nata e de crema.
Einpada.-* de diversos larranhos e qualidades.
Doce crystasado. secco, em calda e talado.
Palilhas de hort?lan pimfn^.
Amendoas confeitadas, com casca e descascadas.
Omfeitos, perlinas e brnbons.
li' Mohos seceos para cha.
Lanches diversos.
Cerveja, champagne, vinhos, licores e cognac.
ASSIM COMO:
Apromplam qualquer er.c.tmmenda de bolos c
assade, pois para i-.o teera uma bem montada
fabrica.
E convidamos as Exmas. familias virem visi-
tar o nosso estabelecimento, pois ne !e encontra-
rlo sempre agrado e sinceridade. _______
Jacaranda'
Veade-se Jacaranda per duzia?, cu vonudc
do comprador, por commodo preco ; somente para
acabar : tratar ra do Vigario n. I, primeiro
andar.
_
AVISO
Previne-se ao Sr. Julio Isaac, por se ter perdido
as caadlas 1371 e 1589, de nao entregar seno
a seu propno dono, que passar o recibo compe-
tente. Pecife 2i de outubro de 1871.
Padeiro
Precisa se de um padeiro perito na sua arte,
que queira contratar-se para seguir para o Brejo
da Hadre de Dos : a tratar cora Manoel Azevedo
de Andrad ra I* de Margo n. 8.__________
l'recisa-se de uma ama de meia idade : na
ra do Rangel n. 1%.
.TBJLHOS URBANOS
DO
Recife Olinda
e Beberibe.
Aos senil res accionistas avia se, qne para o
dia 30 do corrente, pelas i horas da tarde, na
salado t* andar di sobrado n. 40 da ra larga do
Rosario, ftcoa marcada a continuado da s-s sao
ordinaria da assemnla geral, e na qnal tem de
ser discutido o parecer da commissao sobre o ro-
tatorio e couias apreseotadas pela directora
ses?o ordinaria prosraa passada, e resolur
bress>9 materias.
Rcife 2o de outubro de 1871.
O secretario,
_____________Lniz Lopes Castello Branco.
Alnga--e o 1 andar da casa roa da Guia
n. 46 : a tratar ra do Mrquez de Olinda n. 49.
na
so-
COMPRAS.
Ouii'pra-se una casa terrea na fregaezia de
Santo Antonio oo Boa-Vista : quera tiver dtixe a
ioorraacao na padaria da ra de Hortas n. 5.
VENDAS.
Carteira
Vende-se uma carteira para eseriptorio e al
Snns objectos do mesmo : tratar na rna da M'-
re Dens n. 30.
100 milheiros
D tena* e tijollos de todaf m raijidade?, ven-
de-se pir mwos 5/C00 cii mi.'htiro do que em
ontra qoatqttr parte : na obrTf da ^ fe Pra-
ifre; o,
da ';>jnb.
Aproxiaia-se o b mo em que a reva Esperanc.a
ra Du-iue de Caxias o. 63 (antiga ra do Quei-
mado) mais precisa scientiflcar aos seas fregnezes
e com pspecialidade ao bello sexo, o que vai re-
cebendo visto que ella alem do bom s Ttimenro
qoe tem constante (como igualmente conhecido)
comeca a receber suas encommendas le objeetts,
os qoaes a nova Esperanza ufana-se reeebe-los de
tal gostae perfeicio sio elles I 11 e justamente
quanUo he falta o terapo, pela grande concurren
ca que tem de seus apreciadores aos quaes ella
se confessa grata : qual a noiva que poder pre-
parar sea enxoval a capricho? quem poder pre-
parar um bonito venido? nm chapeo? ter nm
bonito coque? araaciar os cabellos com fioissimo
estracto de oleo ? asar de nm agradavel aroma em
sea lenco ? ter um moderno e elegante cinto f
possuir um lindo cortinado bordad^ em saa cama?
baptbar uma chanca com ara rico vestuario, ta-
patinhos e toca ? asar de uma camisa bordada ?
sem que d nm passeio nova Esperanca ? por
certo ningnem o conseguir..................e ella qae
deseja o bem estar de todos, apressa-se em adver-
tir qae (como sempre) est inteiramente prvida
do que na de raelhor no mercado relativamente ao
genero de negocio a que tera-se dedicado.
nanla agua florida falsa e aborrecida I I 11 I
quanta agua divina qne mais parece infernal 111
mas a nova Esperanza, que nao eonsente qae os
amantes do xiqao gastem sea dinbeiro nessas
aguas, que nao passam de ser dos chafarizas es-
traogeiros, oa mesmo nacionaes, mandn vir do
afamado fabricante Rigand, a sua excellente ka-
?aoga do Japo, a qual est superior a todas as
oatras ; j pelo agradavel cheiro que deixa esca-
par, j por suas benficas qualidades, visto qae
inteiraraeate vegetal (assim o diz o sincero fabri-
cante) para a conservarlo da pelle e do rosto.
agua de kananga deitada na quanlidade d'agua
necessana para o toncador, branqueia a pelle, tor-
nando-a suave e avelladada, evita e dissipa as es-
pinha% coraraonicudo pelle ama cor de rosa
transparente, o qae muito bonito...... alem disto
um agradavel cheiro tara o lenco.
VIH DE PREDIO
U* bom e elegante sobrado de um andir e so-
lio de Opa linos de largo e 80 de fundo, tem
orta-cocheira e lugar para carro e estribara ;
tem muitos quartos, Jm quintal cam arvoredos,
e grande deposito d'sgoa de chuva no mesmo : e
rende 1:3001 aoooal, cituado na ra da Concor-
dia hoje Marques de Herval n. 113 : tratar na
omsom roa n. 139 A.
efafeltadau para aenbora a 3^
ptr.
Na ra dt fmB*ratrizp: 86f i0ja do raercaria. i
Vende-se o s< brado de um andar da ra de
Lomas Valentinas f*gua?-v-rdes) n. 35, em chaos
proprios : a tratar na rna Nova n. 50, Io andar.
Cadeira?.
Novo sortimento de cadeiras francezas
venda no armazem de Tasso Irmos & C. ao
caes do Apollo.
proprios para suspender barca-
das e hiates, vende-se na ruada
Cadeia n. 39.
A KUA DO VIGARIO N. 19
vende-se vinhos do Porto engarrafados, ditos em
barris, retroz de todas as cores, lonas e brinsOes.
velas e bogias de :era.___________
Neste estabelecimento vende-se luvas peattx de
Sowd de cores para senhora?, flores arliflciaes,
fronbas de labyrintho, popelina branca, chapeos
de velado para senhora, qoe sahio hontera da al-
fandega, ditos de seda a 121000, sabonetes Ingle-
zes em caixinba a 11500 a duzia, anquinbas mo-
dernas tambera sabida bnntem da alfantega e oa-
tros muitos objec'.oj qae se venas to Bzar Vic-
toria, roa do Bario Victoria n. 1 0
mm BORDEAor
Fabrezan
WlLSOiNS HETTvendem era sea escriptorio es-
te superior vinbo, em caixas de uma duzia de
garrafas e por preco muito razoave', visto a ex-
cellente qualidade: praca do Commercio n. II.
Relogios de ouro e
prata
dos melhores fabricantes inglezes, francezes e
suissos, venJem-se por pre;cs muito rasoaveis, ca
loja e joias Esmeralda
RA DO CABUG N. 5.'
Para noivados.
Fita especiaes e preparadas para tacos de cor-
tinados de cama : receben a Nova Esperanca,
ra Duque de Caxias o. 63 : a ellas antes que se
acbete, pois vierara somente sei, e fio hndissi-
roo?.
Vende-se uma machina propria para tirar
agna e descarocar algodao, assim como uma car-
roca em perfeito estado : a tratar na ra Impe-
rial d. 5, andar terreo.
Cap&Ls raquim
As cnsalas do r?quim toream-se ora a maior
facildade, e nao causara a meuor.indisposigo do
estomago. E' o medicamento do mais salutar ef-
feito as gonorrheas chr. nicas cu recentes.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira & C,
SUCCESSOR ES DE J A. PINTO
10-RA LARGA DO ROSARIO-10
(Jonto ao qu?rlel de polica.)
Lbras sterlhas.
Vende-se no armazem de fazendas de Angosto
F. de Olivoira *C,i roa lo Commercio n. 41
O compendio elementar do sytema mtrico
decimal orgaoisado por J. G. dos Santos est ven
da ns hvrarias dos Srs. De Lelhaicar & C, Xo-
gueira & Medeiros rna 1 de Marco (antiga do
Crespo) n. 2 e 9, J. W. de Meleiros roa do Im-
perador n.79, ManoelCardoso Ayres a ra da Cruz
na fregqezia de S. Frai Pedro Gon cal ves.
fadaria
VerMe-saTOma padira milito
, to bem mentada e
afreguczadT, mullo prpria para um principiante,
a quai-est situada na fregaezia d s Afogd;s a
rna Oireita o. *7 : a traur om o pr.-pritaio da
mesma casa.
Bazar Universal
Ra do Barao da Victoria m:
22, otr'ora ru Nova
Acsba de chegar para este giaaile estabele-
ment um cempieto soitirctcto machinas de
costura de todos rs authore .rch--eidos, os qu; ;
girantem por annos as ditas nr.china, e se ven-
den) por preco< lio rasoaveis qne a todos agrada-
r, cojo* presos sao os jecuintes : iO. Cft,
W, 1005. Ii0|, m, iiOf, 160/, 1805, SCOi,
22H, 2'0 e 'QQ rs. Giranle-se aos compra-
dores a ba qualidade do trabalho e obriga-s-i
a ensnar tantas vetes quantas srji'.n precis.
para bern comprebender se. Vnade-se tambem
pecas o mais perteuces de jorecalentM pan
a< mesma* machinas. Prevnr-se desde j que
s se vai an h .ma-to p>ra eonsTto e ensino de
marhtoas das'qae forera coirprsdas neste esta-
belecimentc._____________________________
Ferro da Siu-oia
Nos arraazens de Tasso lrm.ivs & C, Caes do
Apollo. ______________________________
Livraria industrial
Walfredo A Souza, si-ientificam ao respeitavei
publico que abrera hoje 23 de oatubro sea novo
estab9leeimento sob o titulo de LIVRARIA IN-
DUSTRIAL, ra do Baro da Victoria a. 12 (oa-
tr'ora ra Njva) com um escolbido sortimento de
tirsos dedireito, litteratnra, -ciencias e artes, edu-
cacao, classicos, devora-), romn ;es, etc., ct;
objectos para escriptorio, papelaria, albuns para
retratos, bonitos artigos para desermo, livros em
branro e outros objectos cincerneQies a livraria.
Eicarregam-se i encommendas de qualquer
'enero para o DtC* m:w.I^ *
promplido e*por presos razoaveis. i
Catalogo de algiins Svros novos
qae se acham venda aaesta
casa.
Colleccoes de la Bibliotheque Nitionaje^nstac-
do do um grande numero dlowssToinortantes, as
quaes se vendera separadamente por 280 rs. o v>
Ivme.
Ditas de L'Ecole mutuelle, 1 vol. a 280 rs.
Rocambole, eJicc) popular com estampas, 1 v.
360 rs. (j hi 2i voluraes publicados.)
Gairett, discursos parlarp-:ntares e menorj
biographicas (obra nova) 1 vol.
- dem- Helenaromn;e (obra nova) 1 vol.
Carvalho, Rosa da Montanha, i vol.
Beilot, memorias de um raixeiro ou nm drama
da vida comniercial, 1 vol. .
Favores do Co a Portugal, 1. vcl, iSOO.
A. Calle, o Ioferno 1 vol., 2*000.
Novo alinan; para 1872, 1 vol. broch. lfOO. |
Grande colko^o de folhiobas de Laemmert'pa-
ra 1872, 300 rs.
Grande sortimento de livres nevos com rtlacS
a guerra de Franca.
Hemoires iuedits de Lamartine, I vol. grande.
. A. Esjuirrs, histoire des Manyres de la Liberte,
1 vol. grande cora estampa*.
dem idem, histoire des Montagoards.
Archives Juii.-i.tires, recueil ccmplet des dis-
eus.ions ligislatives et des deban resoltants des
graods procs politijues, jugs en France de 1792
a 1810, i vol. grande, obra moito til acs senho-
res juizes e advogado.
Dr. Jos Soriano de Souza, licites de philosophia
racional e moral, (obra nova) i vol. o 8* ntida-
mente impresso?em Paris 7.C00
VELAS DE CEHA
pelo menor preco possivel : na ra do Vigario
numero 19.__________________^^^
Veade-se am hora sitio na estrada dos| Al-
flictos qii.si em frente a igrrja na. 20 e con-
tendo duas casas e grande terreno murado em
soa maior pane, com mnitoi ps de coqaeiros. sa-
politeiros e oulras fiucteiras, baxa para cap.m
etc., lornando-se moito re:nmmenddo nao s por
ser ba-Unte perlo d^sia eidade como por passar
em sua frente a estrada de ferro : a tratar na roa
Nova n. 50, i' andar, das 6 as 9 1,2 horas da
machia e das 3 l|2 a; da tarde.
" L
vi
\
CUHHL
aaBaav"*^^^-


Diaiio de PernaniDuc Quinta eira* 26 de Ouiubro le 1871.



&


1

1



|
-
j
1 '-

1 "

1


1
1


I


1 i .



I
I
1


/
ha mi
)
LABORATORIO H0ME0PATH10
D
FRANCISCO DE PAULA CAIDOZO MM 4 C. i
4-1.Ra do Imperador41.
Fici6C0 de Paula Cardoso Janior 4 C\ animados pela condescenden-
cia, xerce o systema homoopathico, gozando sempre de subido conceito, a estatoe-
leoar ncsta oidade ua-LABORATORIJ HOMEOPATHlCO-de prmeira orden,
dijrto da conanca e prolecfao do illaslrado e respeilavel publico desta provin-
cia do norte do Brasil, para oqne, n5) se poupando a dspotas nem f a digas
cspar.es de sopcrar todas as difficuldadee, coai qoe liveram de laclar, trabalM-
ram incessaateraente desJe marco oltimo, juigando ter conseguido o sett dsi-
deratsm, tem hoje a s'asfaco de, annunciando-a abertura de sua casa, affir-
wir aos amigos da homeopithia, qoe se ju'gam completamente babiliaJos para
reito desempenbo de todos os raisteres do seo eocargo.
Os elementos do sea estabelecimento forana todos importados da afamada
casa de James Epps & C\ de Londres, um dos primeiros e talvez o mais e~
abacido e acredita 1o estabelecimento deste genero; as prepaneees eecoadarias
(dyaamisac,3es e diluidas) forana preparadas com o mais escrupuloso esmero
segando as regras di sciencia e sob a immediata direcSo e spelo do mesmo
Sr. Dr. Rebello, cujo nome ligaada-se dest sorte ao estabeiecimento, amat
segara garanta que podem offerecer os seus proprietarios s pessoas, qtie os
kourarem coma sua conflanca, de que no preparo dos*medicamentos ai-se
pouparlo esforco para que sej im bem servidas, pois que a austeridade.cora que
cumpre aquel es todos oa seus deveres e sobretudo o respeilo, que consagra
a sua prrpria repotaca), lhe n3o permitfiam sacrificar a vida de seus clientes
aa iateresse de terceiros.
Sem pretonderem os proprietarios depreciar os productos dos outros
estafe ilecimeotos deste genero, creera todava poder afirmar que oenhum outro
excede o seu em superioridade, e para que nenbama dnvida baja a este respeito, M
poder3a todas as pessoas qoe quizerem fo-necer-se dos seus medicamentos*!- >
aitar e examinar o estortelecimento, oide. alm de boticas em globilos e thue
ras de varias capacidades desde 12 at 120 medicamentos por precos razoaveis.
eacoatrarao todos os artigo* qoe tornam completo o sortimento de casas desta
ordem, taes como: e*eeHeotes chocolates, pos dentifricios, encerado de rnica,
tintura de guaco, ele um lindo vo'ume encadernado-de medico do pew-'Ori-
gtual do Dr. Mure, irada .ido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto o augmentado em
3 ediccSo pelo Dr. Antonio de Castro Lopes.
Esta obra que contm mais de 500 paginas de impressao e orna estampa
explicativa dos diversos org5os do corpo humano am dos' mais claras litros
destinados ao ensino protico do tratamento de todas as enfermidades, pois iadica,
co s os raecamentos apropriados para cada molestia, como a maneira de
app.'ar e repetir as dses.
O preco d'ella de 10)3000 para as pessas, que comprarem boticas
B#<3S estabelecimeat*, e de 125)00 para*a3 que comprarem smente o livro.
Contaado pois, com a valiosa protecclo d's amigos da bomeopatbia con-
d'iem os proprietarios o seu anouncio, declarando qoe se acha adjacente ao seo
LABORATORIO o consultorio do Sr. Dr. Jacintho Soares Rebello, e que se
eucarregam de receber ,e enviar ao mesmo Sr. Dr. a toda 6 qual juer hora os
chamado de seus clientes.
a
ila el
Untara
lo e nica approvada
itaObia, reconhecida superior a toas Me 1
, de eabeiieimtae.
lie
go por preeos
Jiqeer parte:
ATAS de pinho almofadadaa.
PORTEIftAS de ferro para careas.
n'BIRAs'oa hdle para esa atorar-Nas.
CANOS de barro francex para
8SSS0 superiorea norfcSWB a
CHMBNTO de todae aa i
MACHNA8 de isetMear
LONAS t-pW*ff WmM*iUaw*rm9*** de cano.
americano astuto hoaa aeeaoonicca.
^ da Bordeaux.
C06JIAC snporior da Gaattar mffA,
fARSLLO amsaecograaiasa 3*W0.
AGUA florida lafilkaa.
BALANCAS deetmaes.
CADBIRAS americanas.
RHUM d* Jiiaiea.
AZULEJOS de Lisboa.
10nonio-Crispo10
de.algodSo com 20 jardas a 4j, 4#300
de madapolo a 4/, 5, 5^500, 6, e
Diu* de dito Infestado, trancex superior a
Chitas Iranaetas da toas aa qaalidades a 140,
180, 300, 3W e 369 o covado.
Cambra* de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Dita iisa de oor a 320 rs. o cuvsdo.
Ditas pretas para luto a 6i0 rs. a vasa,
Pecss de eaoferaia la transparente a 3#, 3/501
e'fllOOO;
Ditas de dita tapada Victoria, a 4/, 4300, 5
E' este o distintivo de urna nova e bem imitada
loja de joias, sita a ra larga o
Rosario n. 24 A.
_. de-dita rranspareote, stitssa rhuito fina
eom 17 vara?, H'fr
Ditas da dita bordada com 10 (araas a 7# e
itsoo.
Organdy braneo fiQO a 700 rs. a vara,
irrtaantna branca infceu* a 440 e 500 rs. o
covado.
cha M liana eam .26 varas a 20/000 e
)
Contra a tosse
pastilhasVeitoraes.
4
Gomma simples erystaliaada.
Ditas da aagieo *V
afi d'Anma.
Save da pioho martimo de Lafasse.
E oatras mnitas que mnlto se reoameadam pe
luanas exasaentes amMades.
PHARMACIA E'DROGA RA
DI
Barthotemen eV> C.
34RA LARGA DO R08ARIA-34
Xarope sedativo
Dita da dito'infestada coro 30 varas a 27/.
Brisante da ltoho com 10 palmos da largara a
2.-500 avara.
Dito de algodao a 1/500 a vara.
Atoalhsdo de dito e de linbo com 10 palmos de
icouirarat sempre o roa campieio saruwaaia
moderno?, pa adornaren) as daliaada ora-
9 e 10/ o nar, dius para menlnu a 4, 5 e tjL
e I/, VoWnnas de caral eom erotaa de onre
Iargnraal/S00e3/.
Toal'ii:
Os proprietarios desta elegante estabelecimento tendo em vista os esforcos i
flteram para o collocarem as eondiecoes de nma graade dientella, hffariam ao mais :
rigoroso principio se Dio vieesem as tellumaas de jornal scenliflear ao Teapattave p-
blico, que do memo estabelecimento encontrara sempre o mato completo iwrUmaaia
dejoias, como sejam : brincos os mato a
Ibas do bello sexo, e que se vendem a 8, 9
ditas de coral, obra de apurado go>to a 3 e > .
a 8/, brochas moderaos aa 3 a 13/, ditos eom pedras e em anas dandat eaiaiihaa a
10. it, i a 20/, Tosetta lisas, porm beta trabalbadaa, da 2/600 a 9/, ditaacem
pedras de 4 a 15/, cacoleus a 4/. ditas com Insoripcoe a 5/5C0, annais de diveraoa (
osios, a com boDitas pedras a 2, 3 e 4J, ditas de perola, esmeraldas e roblas a 6/, i
ricas crtrea de eamaralda e rabrm a 12, 14 e 1#, alta de oafa a'oral eom vtetoa-pa*'-
tographicas a 3, 4, 5, 6 a 7/, tgas de coral a U, esdetaa par reloataa a 20/, dtotaaa
6/600 a oaava,|aartsicoas eom tras botdes para, abertorai a 4/, ditas da padrlnaas al/600:
o par, ditos para punhoa os mais modernos a 7 e 8/; alm de um variadsimo sortimen-
to de joias de aparado gosto que recebem, por todos os vaporea da Europa; etftF'
seism : brincos, braceletes, alflnetes, akrtetfcattpletos, creas, rs, anaeto da <
: brilbantes, esmeraldas, parolas e reMna. al*aalb*B, aolinmMaltosi.aaiaetocaiB!.
tas e de diversos modelos, ocnlos e paociaet da oawa.prala doafa*^.loaja la obk,,
ro a prata de atamados fabricantes, salvas de prata de diversos umaabos, rww paWel-
a ros e faqneiros, colheres para chi e sipa, maracas para eriancas, e.otna nmadiae u
objectos que seria enfadonho mencionav-se. ^^
Da proprietarios da Flor da Oaro garantesa vaaAar mato barato que em onSra
qaalqaer parta, pan qoe estar aserto o eaabeiactoaento das 6 horas oa maoba aa t da.
noate.
A' AGU A BRANCA
RIJA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Oatr'ora Queimado n. 8.)
A Arm Branra tendo j rccebi'lo parto de snas
wr.ga encoaimon)j<, em segniroeato acaba ago-
ra, aacimo de recebar ootras, .ilgumas das quaes
iw tori*am essencialmente prpeisa*, e outras se
{una apreciadas p>r seas go.-tos e qualidade3,
cea"*eism :
Sls de lio d'escoeh, bertas pra senhoras
a anaats.
Ditas iera com listas tambem para senhoras
a X*fi83-.
Ditas idfm multo bonitas ao posto escoeez.
OiU dem dem braaeis e com listas para me
utas.
Bim ii'm d'-m para bapii^aaos.
ffis de slgodo compridis e com Iistras para
srwcaa*.
F^ttv& prot-is de seda, para senhera.
Ortaf ele turril e de seda para meninas.
Bsaitas camisiohns bordadas para senhoras.
F Dito de algodao, liso e com fl >res.
Tr>uquiuh3s bordadas para criarlas.
Lindo? e modernos chap;sin!ms de fu3tao para
Peales de tartaruga para deseir.baraoar ou pen-
* K A aguia branca, a ra do Buque de Canas n.
nfcae A- dita travessos nara meninas 52> oulr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
g! Se KSZ^ .araS novo e bello sortimento de bonecas de diver-
Ditos de tartarug:., pequeos, para segurar o sas qualidades e tamanhos, sendo :
vamMha aos cabellos de senhoras. I Com rosto de seda, das que chorara, e outras
Grande sortimento de enfriies de seda para ves- Qu^ 'a'lam- ^
:. Cora rosn, maos, e ps da porcelana, e pro-
FivaHaJ de madreperola e de tartaruga para Prias Para vestir-se.
FLORES E PR.EPAR0S PARA ELLAS
A Aguia Branca recebeu lindos ramos de flora:
finas, lauto para cabeca como para chapaos,
bem assim :
Papel verde liso e com listas para (ulnas.
Dito de cores para flores.
Polhas do diversas qoaliiades para rosas.
Ditas verdes e lustrosas, obra nc va e pela pri
meira vez viudas como amostra.
Pranja* pretas e de diversas largaras para en
feitar vestidos,
COQUES DE TRANQAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branea acaba de receber urna peque-
a porcao dos bonitos e modernos coques grao-
des de tranca e outros moldes.
NOVO SORTIMENTO
DE
ISOXECJlS
paiewa e I ac para o cabello.
Scuita- I) iiDltM par:> meninas.
3SOVO SORTIMENTO DE ENCHOYAES PARA
DAI'TISADOS
A aguia branca acaba de receber novo sortl-
(delinlose completos enchovae3 para bap-
t.-4s4os, e bem a.-sim separadamente camisiohas
j:-ta lo-, lindos cbapeosinhos de setim brauco
cariados, ootros ditos com (undo de vellndo, obra
4e eaaho gosto, e que sorvem tambem para pas-
aea, aapatinhos de se im para o mesmo fim.
MODERNOS EXFEiTES DE FLORES,
onaaSsa com laicos de seda, fitas de setim'e flvella
de madreperoia ao ultimo gosto, e proprios para
toaas, easamontos, etc., etc.
Obras A aguia branca tem ontro sortimento de diver
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e rfeos vasos para pos de arroz.
Outros para joias.
Outros para jabonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua benta.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Lindas ce;ticha3 tambem de poreellana.
Escrivanias de dita.
E moitos outros objeAos para enfeiles de masa.
Gasea de4aranjas amargas
COM
BROMURETO DE WTASSKJM
DE
LAROZE
Este novo preparado a pro vado pato academia
imperial de medicina, omito se reeoasmaada. peta
raa ac^ao sedativa e calmante, sobre o svetema
aervoso, o bromareto de potassiam, nao deua de
dar oa mato cortos resillados as diversiis affec-
edes do organismo e principalmeole as molestias
lo coracao, das vias digestivas da respirac., das
?ias genUo-nrinarias, na epilepsia, as aaoJestias
aervosas da prenbez, na insomnia daa eriancas
durante o periodo da dentigao etc. etc.
Vende-se na pharmacia e drogara
de
Bartholomeu & C
34RA LAR3A DOR03ARIO-34 ,
"PJltlA WOIVAS
Lindas grioaldas com flores e bol5as de
larangeiras conr vivos- sem elles, vendeul-
se na Nova Esperanza roa Duque de Gaxias
o. 63.
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanca ras a'qoe
de Gaxias n. 63.
Ko arer convul^e.
As enancas qoe nsarem dos collares ano-
dinos, qe se vefid^n n* Nova Esperanca,
estarlo issDtos de convolses; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
il'aaa alcochoada para rosto a 7/ a dnzia.
Dotas de linha do Purto felpudas a 10/000 a
Gardaapos de lin a 3/ e 4/ a dazia.
Ciertas de chita a 3/ e 2/500.
Ditas de chita adamascada forradas, 4/, 4/506
e 5/000.
Coleliaa de damasco de cores a 4/ o/.
Ditas d fusilo ateuchoadas a 5/.
. Cabarti* *ia IS asearas a 2/.
Dita* da teodo broncas a 1^400.
CoHailikas de liolw a -900 rs. _
.Chales de merino lisos pretos e de cores a/000
e 3/000.
Ditos estampados de meia casemira a 2/ e
11500.
Damasco de cores a6i0 n.
Lencos braceos d* ;S3aflDo?, J, 2/300 e 3/
a dazia.
Ditos ditos e de d r abaraado largo a 3/ e
3/fiflO a doria.
-Ditos ditos de eam!< h de linbo finos a 6/ a
doria.
Ditos deesguiio de-l>ho a 4/,,4/500, oA^e 6
a dail.
Brtm Angola a 640. ^W) e 1/000 o corado.
Bros de lioho de eivs a 80J rs. o covado.
Canes da meia ca-irnira para calca a J/OO e
i/400.
Ditos de casemira pa calca a 3/500, 4/500
5*800:
Ctsemiras de cores de duas larguras, 2/, 2/50
a 3/ o covado.
Drtas pretas, doas largara a 2/W0 o covado.
Pao fino preto e azut a 2/, 2/500, 3/000
3/500.
Dito dito muito fino superior a 5/, 6/ e 7/
covado. L-v.
Lans e alpacas de cores para vestidos a 400
500, 600, 700, 800 e 1/ o covado.
Toalhas eom labyrintos para bandejas e para
rosto a 8/, 10/ o 15/.
Camisas de fhneila branca, e de cores 2/,
2/500, 35, 3/500 e 4/5C0.
Grosdenapoles preto e de cores 2/, 3/ e 4/ o
covado.
Dio-se amostras com penhor.
Vende-se tambera grande qoaolidade de roupa
feita e por medida por precos mnlto reduzidos.
r"




ARMASEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os proprietarios deste' grande e bem mootadd estabelecimento scientificam at
faspettavel publico desta provincia, que se acbam c^m um variado e completo sortimento
<2* movis, tanto nacionaes como estrangeiros, se.do estes escolhidos capricho por
aaa eos socios quese aoba actualmente na Europa, e por isso os podem vender ms#
baratos 20 % meos de qoe em ootra qualquer parte. 0 mesmo tem contratado com
a abores fabricantes daqaelle cominete as remessas das mais ricas mobilias feita.1
aifi. Na ofljciua tem os mais babeis artistas deste genero, e por isso aptos a fornecerem
aaab&23 as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de primeira
ordem. Pedem, portinto, que venham visitar dito estabelecimento, onde encontrsrac
a realidade do que aeaba-m de expr, passandoa examinarem : ricas e completas mobiliai
de Jacaranda, moguo, faia, camino, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
ataraadi, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda loafa t
Mgoeara, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petit
'tialcates, especialm6jte para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra,
aaaitos outros axtigos de gosto, que para se nSo tornar enfadonbo prescindimos de
x.K meaco delles, o que s com a vista podero apreciar.
RIVAL $W SEGUNDO
RA ptlQtrEiDB'CA^bVS N. 91.
Jos Btghdinhe, eduy-loja^ tle miudezas,
tvisj a todos os os seas freguezes qno est
torradeTiJo^pdo >re^, a vta-4a Uto
daf a*ts-torj03T*m1rSr, a'bOT^
Plecas da-fitas4Brdadas Hiftfe 1)5500
Thesouras grandes e pequeas o
man flaa-qve ba a 1^000e 4^600
Caixas com 20 quadernos de papel
liso, amisade a rs. 500
Pecas de tranca de 13a e algodo as
mais modernas a 160
Frascos com agua de colonia muita
fina a 400 e 500
Frascos com agua de colonia ver-
dadera a 800 rs. e 1(5500
Chapeos brancos para baptisados o
melhor qoe ba a 30000 e 50000
Duzias de botes cobertos de seda
para vestidos pbr todo o preco
para acabar.
Libra de areia preta a 160
irosas de botdes de louga branca a 120
Caixas com 100 envelopes fazenda
fina a 500, 600 e 800
spelbos de moldura doorada a
800e 10000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 240
Tinteiros com tinta preta a 80 e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 206
Latas com superior banha 60,100 e 200
Latas grandes com superior banha a 320
Frascos com oleo de Pbilocomo a
500 e 800
Frascos com maeassa f Peruta a 240
Frascos com agua de Colonia verda-
deira a 10000
ditos com oleo de ba )osa suderior a 320
Carritels de retroz preto com 2
oitavas a 600
Caixas com agulhas francezas a 160
160 240
Pecas de t*ras borJadasa 500, 600
800 e 10000
Garrafas coa a verdadair agua
florida a 10300
Cartilbis da Poutriaa Cbristia as
mais modernas a 400
Paco es com 3 sa bonetes inglezes
fazenda fina a 600
Escovas muito finas para limpar os
den tes a ________""!!_________^
Alcatr^o de gayat
LICOR CONCENTRADO E TITULADO
E' om poderoso remedio contra as saguintes
molestias : brooebites, catarrbos pulmonares, toa-
se, rebeldes dttluxos, irritacao da peito, males da
garganta, ph'.isica pulmonar, deys pesia, catar
rho de bexiga, molestia de palle, parda da cabal
los, purgagoes antigs e recantes, etc. ele.
DEPOSITO
Pharmacia de Perreira & C.
SUCCESSORES DE J. A. PINTO
10RA LARGA DO ROSARIO-10
Gas economice para os can-
diel ros de porcelana.
Aer a de ch&gar ests j bem oohecido com-
JMtnei, eorao a maisbarato, prompto e asseiado
4a telas st fc )je coohecidos, e se encontra ven-
*asanico deposito, i roa larga do Rosario no-
>3L
ATTENCAO
Vende-se atabemada roa da Senulla-Nova
n. 6 e 23, com poneos fondos : i tratar na ses-
ma.
Xarope de fedegoso
E' de orna eCBcaeia verdadeiramente maravi-
fhosa como calmante do systema nervoso e aa
plicado eontra a paralisia, asthma, tosse coovoisa
oa coqaelache, tosse recente ou aatiga, soffoea-
r,5e, catan'ncs, bronchites, etc., e em geral con-
tra todos os soirnmeotos das vias respiratorias, a
na phtisica pnlmonar, soa rirtada contra o ttano
oa espasmos, e convalsoes incontesuvai, a na-
guem ba qoe a desconheca.
DEPOHTO
Pharmacia de Perraira k C.
SUCCESiOW DE J, A. PINTO.
10-RA LARGA DO ROSARIO-10
(ftmtoaoqhartel >le polica.)
Vende--e ama.armario e alguna pertaacas
na roa da S. Jlo n. 19.
AO 65
RA DO DUQUE DE CAXUS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolvido d'ora avante vehder-se neste estabelecimento todas as awn
das existentes no mesmo, por precos que todos admirarlo, achode mea dovajr parta-
pa-lo a todas as Exmas. familias em geral, afim de virem visitar este ealabelecuBWrto
ou mandarem bascar amostras, garantindo-se-lhes um bom sortimento de fafcendaa da
algodao, 13a, linho, e seda, emfim nma infinidade de artigos de moda mandanao^araj
casas das Exmas, familias, por empregado da cfsa, toda e qmilqoef fatetdapata verem
oo escolherem. ,
As pessas que vendem em menor escala poderlo bem sortirem-se neste estaoe
lecimento qae vender pelos mesmos precos que em'qualquer casa importadora, tende
a facilidade de comprar qualquer porcao.
O 65 tem um completo sortimento de roupas bem acabadas o que vende por
presos mnitissimo commodos, mandando tambem fazer por medida toda e qualquer obra
que os concurrentes desejarem para o qoe tem um dos mais habilitadissimo mestra
alfaiate, cortando por um systema inteiramente novo. .
Os annuncios nesta praca eslo e por certo devem estar desacreditadisstmos, pou
qoe ha casas que annunciam aquillo que nSo teem, o que o 65 garante nonca dar-se em
seu estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhar
glande nomeada em todo o mundo.
O 05 acha desnecessario mencionar os precos de snas fazendas pois qoe isso tor-
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso seu an-
nuncio, e mesmo para se tornar menos desendioso, pois que vendendo muito e marte
barato mister encurtr suas despezas. A sinceridadedos tratos do 6b julgo qne ja c
publico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprldo convaqillo que awwmcia.
nSo verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANCEM, COMO 65 NINGUBM PODE COMPETIR
ura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau*
Essa pomada qoe to bons resaltados tem colhi-
du as pessoas que dalla tem feito aso acaba de
chegar para,o sea deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomeu A C. roa larga do Rosario nu-
mero 34-
J. 0. 0. Doyle tem em seu
armazem para vender
O SEGUINTE :
COGNAK IIENNESS.
VIMHO XEREZ.
DITO DE LISBOA,
FILTRADEIRAS.
RITTER
A' roa do0mmercio n. 38.
Aza de mosca.
E' ama fazenda especial para cobrir qoadros,
espelhos, retractos, e:e., demasiadamente transpa
rente e preparada de forma a evitar completa
mente o p.
Sab.uieies inglezes em caixinhas que se vende
por 1*500 a duzia.
Colarinhos e ponhos de papel.
Vende-se no Bazar da Victoria ra Nova n 2.
DO
GALLO VIGILANTE
Raa do Crespo n. 9
Acaba de cheg.r pelo ultimo vapor diversos ar
t'gos de novtdade, como seiam :
Lindas tooqoidhas enfeitadas para baptisado ;
assim como cnaposinhos.
Sapatiobos de seda e de merino.
Meias de seda e fio de Escocia de 1 a 12 annos
de idade.
Rico3 leqaes de madreperola todos abertos, o
raelbor qoe ba oeste geoero ; assim como ou-
tros de madreperola com seda, fazenda requis.-i-
ma; tambem recebeu grande sortimento de le-
qaes de dsso fiogiodo marfim sndalo e madeira,
tanto para senhora como para meoioas.
Saperiores ligas de seda para segurar meias.
Meias de borracha para quem sofre de ioxaedes
oo erysipela.
Seda frooza para bordar todas as cres.
Froco de seda para o mesmo flra.
Retroz preto e de cores era carritis.
Fitas para cartas de hachareis.
Qindres para retratos.
Lavas de pellica, e de seda, branca pretas e de
lindas cores.
Saperiores capellas para noivas.
Liados alflnetes de madreperola para peitos de
senhoras.
Lindas abotuadoras para colletes.
Lia de todas as cores para bordar.
Superiores pencenez de ac.
Muito finas thesouras para costura, unhas e
para cortar cabellos.
Supriores pentes de tartaruga para arregacar
cabellos
Tinturi inglesa para tmgir cabellos, a verda-
deira.
Grande sortimento de franjas pretas, largas e
estreitas e lindos padrdes.
Lindos babadlnbos e ntremelos bordados, tapa-
dn i inaipaiiiaJu. ____
D. Aona Puacisea di Fonceca Pimenta pre-
tende vender a olaria daiorainada Taquary, no
lodo ou renlhaado o terreno ; assim pois qnem
pretender dirija-se a annunciante na estrada no
va do Casanga para contratar, 0m de qae com
dados certoi possa obter licencia do joiz de or-
phMf pira dita venda, visto ter soa iha menor,
parte em dita olaria.
RA DO DUQUE DE GAXIAS
(Outr'ora do Queimado)


tour jak.

56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como priocipal e recommen-
dado pelos grandes depsitos e bons sortimeotos com qoe sempre prima em ter dai
melboras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para algo-
da, desde 10 60 sorras, e ha vendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
mas e raelboramenios para perfeito e rpido decarocamento; tornam se dignas de
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontrarlo
tambem mais:

Apurados vapores logomoves, de torga
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mao para atterros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardios.
Guardas comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Tren para coiinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cyndros americanos para padarias.
Perteaces avolsos para machinas.
Salitro refinado.
Breo superior.
Moinhos de diversos fabricantes pan
milho e caf.
Debulbadores para milho.
Azeite de spermacete para machina.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chombo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emfim muitos outros artigos,
examinados.
que s avista e neste estabelecimento poderJo se?
V.
Vendem-se
0< predios segniotes: Um sobrada de om andar
e solio n. na roa do Viseonde de Iiaparica (oa-
tr'ora roa do Apllo): um armaiem o. 16 na mes-
ma roa cima. Os pretendeotes podem dirigirse a
roa ia Aorora casa n. 38, onde obtero os eseiare-
cimentos my'
Gaf moka.
Fonceca k Santos vendem em seo armazem es-
te superior cat, .por preco muito raxoavel, visto
ejeellenie qualidade; raa do Amojim a. 39.
ERNESTO & LEOPOLDO
N.2 D Ra do Cabuga N.2D
Acha-se montado de forma tal este est ibelecimento de joias que pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a retaibo epor prafot
mui resumidos visto que recebe de conta propria por todos o vapores de
Europa. O gosto de desenho de suas jotas o mais liido da pw
modas, ouro de lei, brilbantes verdadeiros, esmeraldas, rubins, PerojM
turquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de praU do porto tamo
para igreja cerno para servido domestico. Convidamos as Exmas. amias
a vlsiurem o dito estabelecimento todos os das at 9 horas da note.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras velhas.
j cp
UEGlVEL


i't
,1
*
1



I .
I
I-
*
V
<*
Diaria da Fw^ambuo Quinta feira 26 da Outubro da 11)71,
M^OJA
DO
CYSNE
DI
PIGUEIREDO ft LOPES.
64 RA DA IMPEitATRIZ N, 64
Os propietarios derte importante e sympathico estabelecimento de fazendas Anas,
em avisar ao respeitavel publico e particularmente a saa numerosa reguezia, que o
CYSNE acaba de eortirse de todo quanto ha de gosto e moderno em fazendas unto
para horneas como para senboraa.
E' ocioso citar que-es proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
d'nm espirito altamente conciliador dos interesses alheios com os seas, teem sempre
Mgnido o magnifico systoma de offerecer venda fazendas de todas as qualidades e pro
(os relativos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de saa casa accommodados
a todas as fortuna* e meios.
E sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
eqnencia da sinceridade e barateza com qae negociam rs seos pro prieta rios.
No loavavel empenbo de jastiflcar as suas operacSes convidam as Exmas. familias
vWtar a sympathica loja do CYSNE chamando as attencSes do publica em geral para
u seguinte8 especialidades e procos.
PAtA NOIVAS.
Veos, capellas, sedas e popelinas Draocas
de cores, gollas. pcnho e camisas bor
dadas, todo caprichosamente escolhido e
pan varios precos.
CRET6NE BAPTISTE.
Fazenda lisa de orna s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tambera propria para
lombras.
CAMBRAIAS
Transparentes de 8 1/2 varas desde
14500 at 8 a peca. Victorias muito finas
de 44 at 84000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
beixos precos acompanhada do competente
fgorino.
LAS
Variadsimo e rico sorlimento desde a
la lisa barata de 44 at a de liseras de seda
auis cara que pelo proco qae vendemos
por assim dizer de graca vista do gosto
qnalidade.
BAREJES
Lindos padrees aos precos de 360 e...
400 rs. o covado.
SAIASBORDADAS
As qae o CYSNE vende sSo bellas e su-
periores.
LVAS
As melhores e mais procuradas lavas de
Jouvin, brancas e de cores sao as qae o
CYSNE expde a venda.
BALES
De crotones com babado e bordado, di-
toa de arcos a 1450O, pechincha sem rival
ao genero.
CHITAS*
Completo e grande sorlimento de todos
n precos de padroes modernos e cores fi-
tas.
GROSDENAPLES
Finos de todos os procos e largaras s
a CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. al. 14300
o covado.
ALPACAS
Lavradas de 500 rs. a 1 SOCO o covado,
especialidade do CYSNE qae n3o conta com-
petidor.
MAD\POLOES
Francez de 24 jardas de 84 at 104000.
inglez de 54 at 84000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largura, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e jaoellas de todos os tama-
nbos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 104 a peca,
ATOALHADO
D linbo adamascado, dito de algodo
maito finos, bramante entrancado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e pequeos.
STINS .
Para todos os procos e diversos pa-
droes.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peitos colarinbo e
punhos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princesas, alpacas, cantao, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos que s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 14 e 14500
o metro, gangas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para bornens e senboras dos melhores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e tran-
cos e mais baratos que em outras loja.
ME1AS
Para todos os tamanbos e qualidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 12a es-
pecialidadedo CYSNE.
Descolpem os nossos freguezes termos siao um poaco extenso na narracao de al-
jamas novidades pois com: quanto seja nosso interesse tambem o dos nossos fregu-
tai que querem e gostam andar na moda.
Ra la Irnperatriz n. 64.
&


JOAQUIM
LOPES
MACHADO a C.
*a*i "!*

Travesea do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de mo para conduzir fazendas.
Machinas para descansar algodo.
Polias de diversos tamanbos.
Canos de ferro galvanisados para cnca-
aamento d'agua.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-chova do
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Pontas de lanca.
Gales de seda para o forro de di
treitos e largos.
Pregos de cabpca de marira.
Escoras para dar grasa.
carro.
to, es-
i
SANTOS IS i limo
19 Ra Primeiro de M rgo 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que teem oseo es-
tabelecimento,
19=A ra Primeii\> de erijo.19
com aquelle asseio e elegancia deeejave1, achara--3 a^ora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas fin s e modernas de
SEDA, LAA, LINHO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPECUES BE SA GASA
Garanten), com toda
a sin eridade, vender
por menos que qual-
quer oniro, porque
rect-bem ra direitura
a raaior parle de mi
fazendas.
i. DE MARCO 19
(Anliga ra do Crespo).

Vndase
& c.
Oa aloga-s o sobrado da Maogabeira em Olin-
44 rfopri**aia qm (iba ekaaaastra por -ser
ros, pmbrM,aMatwas, cataaio* ,m9V^.
Ttiicq&comfo jura graade ^amii. sel
qasrta*, oa 4ito'i)#ia Nebo, tws tolas de frente,
dita de MUr, tres loja, quem pretender diriia-
em hd armazem a roa
a precos maito em conta
- B.A.
da Cruz o. 48, vendem
p?ra acabar :
Lsdrilbe de marmore.
Taboae e eiraes de dte.
Maoo commom.
Mannite.
Fio de rea.
'Gotastfloeea eaixa e barra de vidro.
Vlnboi de Bordeo fiaos e ordinarios em caixas
ebani.
Licores em aaixa.
Procus em conserva.
Aieiu doce em caixas.
fou esvsaos de sella, senao om
frente asarta, baeunte gordo, andado. _
me, e tro mellado, de erieas brancas
bota bairststt; MveaseaaiaBtes podem ve-Ios na
m de Wwameto, easa de Viente Ferreira da
SjSt.*^ I? 'tiim '" Vivida
VenjU m dops sqbjidoa nowa com jiwdks ao
lado, assim corno dons terrenos, um jalada,de
am dopredios, e ontro defroQle, simados na tra-
vs* de i5o Pero andes Vieira, ulgarmenle eh
nado de PadM InglM ; a mtar no sertptorio d
>fl-iV4A|WP.aVlL-|Mia1tJ)i Maris Cesar 0. t.
KELLER & C.
TKMDKM
AC DE TRIESTE
LEITE COND]ENSADO
COGNAC FO
ra da Cruz (Bom Jess) n.
BHBI
i?. <> <>. <> <>
m
0
P

4aea se vio nm processo.'msis perfeito-e eo at-
aja de. tal forma a satisfacer as exigencias mais
Tiras da.escriptnra^ax).
k sai cor lindissiraa e nao precisa de cuida-
o ilgnm para se conservar no tinteiro sempre
oa a meema er, sem borra, crsta, bolor oa seb
idu estas marellas inherentes i todas a tintas
td afora condecida?, anda mesmo do melhore
*tores estraageiros.
Sobretodo, este estlmavel producto nao ataca as
cnas de ac, antes pelo contrario, a peona
idqnira nm esmalte donrado qae, sendo interes-
We, asss proveitoso.
E* Unta, nao sendo epeiajnente para copiar,
i comtndo dnas, tres, on mais coplas nm .me
poi de escripia ; preciso, porm, deixar-lue
papel bem molhado sem o enxDMr cosa o
orrao.porqae nao ha Oirwso deiprrar. .f>sn sai
u folhas quantas copias se qaerem Urar, as
te-te como original tirar i nma tanta qnantas1 *
ttdeMjaa, sem que o orifiatl Oque preradteas
iiu xtraedes.
Occorre aqui dixer one, para copisr
ebr a tinta, que nraitas veaes'qem
Haa-tem.
i dapia qnalidade desta Unta
meaos
riciatsL apis. qae,.evi(a qae
pV'.no bal mais do qae
res sais teres.
VsiqnaLU isoadoasbilidade.- aH da^sHkpdr
-dTids pissqneesu W**ct**-
oripta soffre o choque de cidos fortissimos, sem
se dacompr; ora, se o cidos nao tem ac^io so-
bre ella, muie menos a aeco de tompo a pode
destrnir; stoplausireL
Nie s ae commercio qne este mea prodocto
velo ser til ; os profeseores dos collegios, Investi-
gando todos os meaos pasa o adianjameoto. dqs
sena disoipnlos, tem approveitado u Unta, que
oom razio a acharam apta para desenvolver o
qosto nos educandos, em consequencia da belea
3a edr e facilidade de correr na pequen pela saa
liquidez. Ha ejemplos, de cuacas que havia
maito lempo tubam urna repugnancia extrema
para a estripta, qgp que foj admiuida, esu Unu
no ceHegio, apederon-ee dHas a cueeldade e n
tjoeto,* apoto temas depois o sea adutaaMOjo
eramawtesto.
Esu UnVH i par de tontas vantajsns, taca amj
otu iacoaveni#nte. deterioran ap coudo de
-ilqaer; .mWto&m flnteiro
i*Bc*%bl8l*lfa! otrsra trate, e evi-
seraver com a peona soja de nma
eisMppe|tei;v -
Obaerva(?ao.
ifalai
caja d
%) Compradores podem eviur
.fabrico
\mmmtjmlaM
BAZAR ACADMICO
13 RA DA 1HPERATR1Z 13
DE
ULYSSES & IRMliO
Neste bem conbecido e acreditado estabelecimento, encontraro nossos amir^a a sra>
S[oeses cigarros de palha e de papel de diversos ttulos e das melbores qoaiidasfaa sai
nao. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Jnneiro ; ebca
assim, ponteiras para durillos e cigarros, cachimbos de espuma, de porcellana, !aaja>
deira de diversas qualidades, de looca e p dn gallinbas muito finos a 26GO a daaa,*
mnitos oalros rticos que deixamos de mencionar. -
Fabrica de cigarros.
Bem atiesta a =n;erkrdade dos cigarros de nossa fabrica o grande eonsmM ojm
delles tem bavido no int rior e as provincias do norte. Com presteza aproaspBM
qaafqrjer encemm;nds, remettendo-a ao sea destino.
BAZAR ACADMICO
13RA DA 1MPERATR1Z-3
Ulysses & Inuao x
LUCA EVIDROS
NO
EMPORIO COMJIERCIAL
15 Ra da Irnperatriz
DE
ULTSSES & IRMiO
15
Tendo de cbeg3r om novo sortimento, e tendo de soffrer orna reforma
de negocio deste est; belecimenlo, seos proprietarios resolveram expor em
grande quantidade de pratos de louga, tijelas,
almoc^o, etc.
o sjsteaa
liqidafio.
apf arelhos de looca para jantar e
Grande qoantidade de copos de vidro fi-
nos para agna a 4)9200, 455COe 44800 a
duzia, clices de vidro linos para licor a
3(JO00 a duzia, ditos de cor para vinbo a
2(5500 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vinbo a 5|$500, 6$, 6-5500, 1&
e 7(5500 o par, bonitas compoteiras de vi-
dro a 6^500, 7^500 e8300 o par, gran-
de e variado sorlimento de jams finos para
flores a 34, 44, 54, 64, 74, 84, 94, 104,
114, 134, 134, 144. 154,164 e 184000 o
par, cbamins americanos'para candieiro a
2<5200 e 244G0 a duzia, escarradeiras de
vidro a 345110 o par, globos para candiei-
ros de 14500 a 250O0 cada um, lampari-
saa com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 14500. 14700, 24 e 24200
edda nma, bonitas quartinlias bamburguezas
a 44500 54000 o par, lindos paiiteiros
ce porcelana branca de 14200 a 34 cada
dm, bonitas canecas de porcelana com frizo
n esmaltadas para cal a 64000 a duzia,
escarnadeiras e copo de cryatal de cor para
eavatorio por 34000, pratinhos de vidro
Ipara copo a 320, 400 e 500 rs. cada urna,
sextinhae de vidro para passas, figos, etc.
etc. a 800 rs. cada nma, compoteiras de
vidro para doce secco a 24 e 24500 cada
orna, casiicses de vidro s para vela a...
14200, canecas de porcelana com tampa a
320 rs. cada urna, galheitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, candieiros de vidro
com globos a 54, 144 e 164COO cada om.
E outros artigos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algum des tes objectos que approvei-
lem a occasiao de comprarlos por menos
20 % dm razao de termos de liqui lal-os o
mais breve possivel. Roa da Irnperatriz
n.15.
OLEADOS E CASEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende se oleado preto grosso a 24200
o covado. Dito cr de cinza a 14200 e
cor de caf, verde e preto a 14400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino aznl escaro a 34700 o covado.
Flanella branca ingleza a 14400 o cova-
do. Dita muito fina azul com duas larga-
ras s 243OO o covado.
Casemiras escaras 6 claras de duas lar-
garas a 24400, 24600, 24800 e 34000 o
covado, as qaaes servem tambem para pa-
litot. No Emporio Commercial ra da Irn-
peratriz n. 15."
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 94000.
O Emporio Commercial est vendendo
chapeos de pello preto para bomens a 94-
Dtos de castor bronco a 104. Ditos de
palha e feltro tanto para hornera cerno para
enanca. Bonets de conro da Russia para
meninos a 14500 cada nm. Cbapelinas de
seda para baptisadbs de crianes a 24500,
34 6 34500. Bonitas touqninhas francezas
de las para crianea. a 800 rs. cada ama.
Chapelinas enfeitadas para senbora a 54,
64 e 74000 cada orna. Chapeos de sold
seda tanto para homem como para se-
nbora. Na roa da Irnperatriz n. 15.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES IR-
MiO.
Este novo e grande estabelecimento con-
tina sempre firme em vender barato para
vender moito, e em consequencia de nao
baver ainda ebegado algumas encommendas
qae teos feito, e escasso como se acha o
nosso mercado de artigos de gesto vende-
mos por mdicos precos os qae se segu.
Soperior panno preto PII a 64 o covado.
Dite dito Brasil a 54500.
Superiores casemiras escaras e claras
para palitots, calcas e collete. *
Brins broncos de linho de 143(0 a 24600
a van.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
MadapolSo francez e inglez de 54100 a
154 a pee*.
Grande sortimento de chitas.
Cortes com 17 ovados de cnaliz a 54000
a 44500.
Coberte.es de laa escosseze.
Colxas de a'godo branca e de tires da
34000 a 44900.
Sedinha preta a 500 rs. o corado.
Dita branca a 6' O rs. o covado.
Crtes com 21 covados de sedinba dt
listra por 254000.
Fron has de crivo a 600 rs.
Alpaca preta sarjada a 5U0 rs. o corado.
Mem branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linho para cha a 24600
e 34600 a duzia.
Ditos para jan ar a 74500 a dez.
Camisinhas bordadas paa senbora a...
2500e 34060.
Lindas cambraias Irnperatriz cortas de
10 jardas por 94 00.
Curtes de cambraia de salpico wm 8
varas por 54500.
Tapetes grandes e pequeos.
Lencos de cassss para enancas a 14108
a duzia.
Algodo branco ede lista.
Peitos de esgoiSo de linbo para un-
za a 14
Punhos o par a 800
Collariiibos finos a -500 e 600
Espaitilhos bordados finos para senfeo-
ras a 54
Meias finas para homem, senbora,
enancas.
L?a fina para bordar libra a 04
Carreteis de linba Alexandre a 80
Dila -em duzia a 920
Aboluadura para collete a 120, 200 300
500
Ditas para punhos a 200 e 14
Papel de pezo, almaco e peqaeao d
cores em caixinba.
Latinhas de. banba a 80 rs. e em da-
zia a 900
Brincos pre.os de burra cha e aifiotie a
800
B toes de duraque preto para paute
groza a 1800
Grande variedade de bo'.oes para palitat
e collete qne se vende barato,
Caixas com dez novellos grandes da
nha a 440
Ditas com 50 ditos a 650
50 pecas coxdSo de vestido 600
Peca de fila para coz 440
Sabonetes transparantes finos duzia 600
Colleres de metal fino para cba, dasa a
240O0
Ditas para sopa a 44
Talbares de faccas duzia 54, 64 7 #
6 94000
Temos de bandejas ovaes a I04>
Ditos lizas a <4
Sabonetes finos e iguaes duzia a 14200,
14500 e24-
Caixas de botoes de osso para ca!;a a
200
Sutaes braneo, duzia a 280
Tranca de 13a e branca de caracol dezii
a 560
Retroz preto e de cores, oitava, 210~~
Carnizas de meia croa moito boas a i#
Sitineta de algodSo de cores para re opa
de montara, e de crianea covado a 500
Merino preto trancado a covado a 34300
Lencos de linho em bonitas caixinbas cb>
zia 54800
Lindas cambraias bordadas de lia vara
140OO
Colzas de pello de lontra com duas vis-
tas a 144000
Cretone matisado para coberta covado a
700
Grande sortimentas de perfumaras; nm
bonito toyalet de vinhatico com pedra mar-
more e vidro oval, um gaarda roopa de
amarello ; sais cadeiras de gaarnica~o, 2 da
ditas de bracos e duas de balaceo, tudo
de Jacaranda msssico, proprio para nm
gabinete e vendemse por mdico preoo
por ser resto. Nao ser mi vendar ao
EMPORIO COMMERCIAL
15 Eua da Imperatro lfi
Ulysses & Irmdo.

Vende-se
Uwum, as.-raa do Atiabe em OtWa, eom
aoifMJMttWis,'sallo 4e trente con bnele
10 ftftCfStr^rtos, sata de Untar, coslnlla fra,
om frange lerraeo com eicelleoie vista : quem
fri naa>il Venie-se
- Uma das melhores casas na povoac.So de Bb-
f Ur nbe, com banUo reservado, quem pretender di
roaetasloedsa,3a
Vende-se
a toja de looca dm trra sita i roa do Rangel av
4 : quem a preteadar dirija-sa mesma os a ara-
ta da iadepaadticia n, 31, qne aoaat etm
Mar.
" !

Flores
Veode-e lindas camelias e ooiras ioree .
roa da Imjflreitwo. 8, cas de
Odon Darte.
cabell*irj& i


Diarw Pernambuc Quinta feira 56 de Onlubro d> !71
i
/
e que cada ana i ases suas a
um. resposla catheger;
UTmATORA.
. A uie>ca* e o casamento.
Revolvendo um empregado os papis que
aen cbefe deixara,sobre a.mesa, encontrn
nm manuscripio com esta titulo : Lista das
pessoas que me sao antipathicas sem saber
por que.
Leu a curios i relac3o e ficou moito con
tente nio venl) o seu nomo conterap;ad;>
eella.
Na primeira oecasiSo opportuoa. fal
desse caso achela, maotfsUBTliPne o seo
eonteotamento por nio ser um dos sen<
desafiados; pori'rn qual nio foi a sua sor
preza quando o cbefe lhe disse :
porque tenho o senhor oa lista fas
mil me sao antipathicos sabendo eu por que.
Oulro tant'j pde-sc dizer das mocas qin
ainda nio se teodo casado, o5o s5o tratad as
ueste artigo.
As que nio se casam, e se sabe porque
nao se casam. n3o raerecem que nos occn-
pernos deilas, pois sera orna raridad stvjo qm ha tornar mais bensi'el andar
casassem, e s entao poderiam aer obj'jjt >
de nm estado. *
Forera, ha na sociedade muitas moc s
que seo-do bonitas, boas, bem educadas, e
Bao tendo v.-cacio para freirs, n3o enera-
irarja quem se compadece deseus t monto i
Destas que d3o teem deleito nem mancha
vtstvel, das que nao so ca*am sem saber
porque, quo pretun lo boje occupar-me.
Estou convencido de que nao h, effeito
sera raosi e e>lo:i corto que algdtoa cous
, ha para q.e fiqram s'olleirns ?$ moc3 q ie
sem saber porque deixara de c sar.
Figurara em primeiro lugar as qae mor-
rena por tornar estado.
Fafara desaparecer por algom mo nenio
esse immodera !o ardor pelo matrimono c
talvez stja ba-tante isto par encontrartoi
marido.
Percato o raed i de nao esperdicar o tem-
pe e tero grandes probabilidades do apto-
veita lo.
Nao raojirem tanta impaciencia em s.-hir
da estibge n do c libito e Ihes ser mais-
fcil enfar no alcafar do m'trimonio.
H3ver bometa, por menos juizo que te-
iha, capaz de casar se com urna mulber
qae tem namorado a meio mundo-?
E isto rauito mais commum do qie
primeira vista parece.
Ha Bao poucas mocas que nao perdera
ccasiSo de ostentar os seos enc.ntos c qoe
qeando um cavilbeiro Ibe diz algom galan-
teio ou as coovida a daosar mais de urna
vez, julgara j, que s falta ir inmediata
mate freguezia para oovirem do vigario
a leitura da epstola da S. Paulo-.
E se o ga3 nao solicito em fazer rapt-
damecte progredir as conseqoeooias do oa-
moro, a menina j se inclina para oulro
que julga ser mais pro rapto a cas3r-se e que
talvez nem leona pensado nella.
Deste modo as mocas que teem gana de
casar-se, reunem em pouco tempo om es
qaadrao de cavalbeiros mais ou menos as
pirantes sua m3o; a ons sorriem, a ou-
tros inspiram, cora este cocbicbara em voz
baixa, com aquello vae-se a pbalaoge intei-
ra, at que um da o erpelbo, oa a certido
de baptismo lae lhe em rosto, este aug-
meoiativo qae aos seus ouvidos sdi como
am lamentoso insulto :
Solteironal
Nao se deve confundir estas mocas com
as namoradeirasi
A differenca entre urnas e outras in-
mensa.
A namoradeira. procura o amar pelo
esejo de-ser amada, ou antes de ser re-
questada, e a de que tratamos s v no
amor o caminho para o matrimonio.
Na primeira o amor om fim, na segun-
da apenas um mei i; urna torna infeliz
quem a ama, a outra apaas prepara a sua
propria infelicidade ; e para que a difieren-
?a seja maior, esta em geral fica solteira e
aquella s se casa com um joven cuja idada
do Iba permiite ver nada ou com um vo-
ltio a quem a sua idade colloca no caso dj
ttido tolerar.
Como ? Fulana n3o se casa ?
E' bja moga, tem juizo, elegante,
86tB vestidos li adm rados em toda a par-
te onde vae, seu pai acha-se em boa p^si-
fao, todos os rapazes a procoram para par e
no entretanto nao a ha um noivo.
Porqoe nao fe casa ella ?
Por isso mesrao poder-se-bia respon-
der a qu^m fallando d.'sse modo, nao se
lej.b
v**a
ia qu fazi.JTW
Apezar da sua f)rmo
dd?, essa nS-ga p Ir sftffJI
tst condemnada perpetua virgindade, a
menos que nao tenba a faJicidado do apai-
sonar.nm capitalista, gente por si raesmo
ooco $u-c5piivel de paisSas, ou algum fl
gprlo, o que 6 mais difficil, p9rauej/jstes
*63horei ijaanljnJo procoram Bsorautre-
parjd) p' r -roses genealgicas, i6em bai-
Tar a bnc:-lDs nos cnmarins de om corpo
de bailo, ou em > uUo qualq'er lagar anda
raai; democrttco.
E qnem er o rpDZ t3o corajoso qne
sem ser capitalista ou opulento proprietario
casase com orna mu'.ber ac>sluiaad l bri-
lla a r em toda a parte e a quem sua familia
no dia do noiv do dar nm allovio de ves*
tidos, mas que no fim de contas nio traz
im ceitil ?
Porque o pai, emrjrianto vivo, todo o qoe
poder-lhe 1)3 fazer emprestar liie o carro
a pe
no dia em que tenba de appeihr para esse
genero de locomoc3o, n3) lio bygienico
como agradavel. Dar-lbe-ba mais, ricas
pren las eos das de seus anoos, mas qoan-
lo o papai pascar disti para a melbor,
aajsnts deiXJri lba o mundo, o o mirido
^ sentir ijue d;xaodo-Ib8 tamb'm mil ne-
ess.dade3 nlo Ibe legue 03 raaios de sa-
'isfaze tas \
B, ainla que a moca seja um aojo (que
nSi^abindapi muitol neste vajta de la-iaoas)
il se resigna contente a privar se oe algu
mas eomxodidades ea moderar oseo luxo
e caprichos, o marido oio pode seaiir-s-
meio; li;uni bada, vendo que depoi de ca-
sada stfj e?posa vio-se forjada a renan.-iar
a algima cansa quo antes gozava.
Se a moca n3o um aojo, ao-modar de
vida, ao privarse dos gozos di a laIa?3o e
d i lisonja, respirando oulro ar, couverte-se
em nm demonio, a em voz de ver era seu
marido o amante, que confiou lhe honra e
ora;, qoe lhe dedica lodos os seos desve-
los, ledos.os seui pens3ment03,.v Dalle o
autor d) que chama a sua desgrana, e o
em rigor ; e ent31 mais teria va'ido aa in-
feliz ter dado em si um tiro do que ler com-
meltido a imprudencia de conduzir ao altar
urna moca linda, virtuosa e elegante, mas
s po3suidora de encantos.
Assim fica explicado porqoe n3o se casa
D. Folana.
Outro typo. aoceia por tomar logar nesta
galera, e m verdade -lha devida a prefe-
renca.
'Parece impossivel qoe o conhecimenlo
de orna coua que verdade seja om obs-
tac'o para o cameoto.
Todava muitas vezesom obstculo'in
enoivel.
A moca que sabe que bonita corre gran
de risco de nao encontrar oingaem que
qoeira ser dono da sea belleza.
E a consa nS* lio absurda como a pri
raeira vista parece.
Nao aa quem nao qoeira casarte com
urna molb-r b mita e at pode-se affirmar
qne em absoluto nio ha quem tenha o pro-
posito de amar urna feia.
Porra diffloilraente poder inspirar amor
e rauito menos desejos de calamento, a
molner que faz proBssio da sua belleza
que o que infelizmente costuma acontecer
com a que sabe que bonita.
Esta classe de mulheres torna se mnito
agradavel era urna sala, onde formam o
melbor adorno ; mas nio ba quera as quei-
ra dentro de casi.
Ca-ar-sae com oaa dellas. omesmo que
CDnverte -se em gaiardi e conservador per-
petuo de um bello quadro.
Essas mulberes nunca pertencem intei
ramete aomarido, e nem se qaer a si mes-
mas, porq-ie s3) escravas da sua belleza,
qoal sacrifican! coaveniencias, afJejoes e
u5o poucas vezes at a saude.
A ioj razio de ser i formosura e a
conserva;a dalla a sua exclasiva oceupaejo.
Algumas nem sequer precis?m mostra-la
ao> olhos de tolos ; basta-lhes que o espo-
ln Ibes d ga que nao desmarecem.
E q em se unir p)r todi a vida com
umamoct quilhe negar urna caricia, para
n3o de'sarranjar o artstico trabalho do peo
teado, que ver na maternidade urna des-
grana, porque p-ejudica a belleza platica,
o que Dio sa atrever a passar urna noute
junto ao barco de seu filho, pira nao Qcar
com olbeiras ?
^JogajiB; o nafj quv levar em tmt
jtros ioconvenieaie3 mal* grtvs^fe-
reta esta a loracio0% oro;
porque aqu s trllofidas
se casam sem se sabMpor
Se quizesse Q%9nar
engos, poderia "iefir-ma
a velba marqoeza, qae est
i dizia a sea confessor estas
tilaconicas como exprs!-
Padre, fui formosa
e$4creditei... agora V.
anuencias.
"i fije Refre
^ormura^'Jba
ili'ras
vma. tire is con-
FOLHETIH
AILH4 DO FOGO
ROM.4XCE
POR
/ ALEXANDRE DMAS
(Contnuac3o do n. 240)
^~-------- XII
domador de serpentes.
Na segninte nonte, e hora ajustada,
parou a carroagem do Sr. Maes diante da
porta de Eozebio Yan-den-Beck.
Nunc o tabellio estivera mais alegre.
Gomprimenton Eozebio; este deu o braco
Maes, e melteram-se ambos no trem.
aoois de ter rolado mais de ama hora
na- (reecio do nesta, parou a carroagem
diaute de om conjuncto escaro, qae se
poda reconbecer na sombra como agglo-
meraca) de casas. Ouvia-se, porm, om
rvio singular e confaso, prodazido pelos
son da diversidade de instrumentos cbi-
aeros, e acompaobado por assobos selva-
veos e modu'acoes lio raras, qae nada pa-
reciam ter de buminas.
Era finalmente a representado de ama
alegra que raiava no delirio.
Tambera se escutavam tristes gemidos, e
profundos ais, como se sahissem das mais
profundas cavidades da trra.
Da carroagem avistoa Eozebio sombras
rarissimas de luz pbospborica, que Ibe
passavam por diante dos olhos.
Atterraram no horrivelmeote.
Tent qae, levantando -se do sea lagar,
pprimio pbreMtttmenie o braco 4o ta-
blliao, dizeodo-lhe :
Aonde me leva ?
Ao inferno, responden Maes com a
maior tranqaillidade.
Seohor Maes, disse Eozebio, aterrado
pelas apparicojs e estranhos raidos, vou
e'traogola-lo.
E jaotoa estas palavras ama expressSo
He enrgica, qoe o tabelliio recooa qaanto
lde, com o maior espanto.
>fOo ; as m
por defitb a
melbor, sea
sao bellas.
Hi mnias
sa em coos
perdessem
vences sem
canr-se oeiam ficajeau^ m3iTde/,4m|iBB
Um mMiwiaree, nomem de aii^Mte*-
to, repeta maitas vezes ao aatw "tetas ti-
nhis, o sog*nte apborismo.
A mulber o immigo do bom.
E o matbemitico liaba razio. Talm
algumas sultiironas nie tivessem ebegado
a esse estado, se fu-sera mais amigas delie.
II i alganm que perdem o tempo espe
ra de um partido m Hhav P^rd^ftdo a o:ca-
sio da-^ceiiar os que se apreen'.am, mas
q i.e abenas s'3o bon*.
Nd t porqae morram por cajir, m>3
uns po qoe dasejam casar muild bem, sem
no'.ca u:ar satis eita, imitandoMsim a Ber
tholdo que nunca encootrava qmi aivore a
propoeito onde o eafoccassera.
Prateadesse um militar a aoja dessas
rao?*; ella o aceiiarii, porqua era bom
moco, honrado, syrapatbio, duia-me nem
a farda, etc ; porm, como nem tolos os
officiaes sio coronis, o pretendente em
qoesiao apeoaa major, ga!ao meio3
pouci corts3 para quem con mea tres, e nu
jnli diin-.il encoatrar am coronel que &e
d por rauito feliz era aceita-la por esposa:
Un joven depotado^l faria madrasta, da
patrii de qum elle o pai, e ella nao he-
sitara em quere-lo sa o namorado n3o foss
luais rico em sympatbias n> collegio eleilo-
ral do que embeas de fortuna.
De boa vontade se ufanara com o glorio-
so nomo de am poeta afamado que dtj'.la
gosta< se Apollo avesse da 1o a seu fimo
alguma cousa masde qoe ns/rajao e ta-
lento. ir>?
E esperando que se aprsente om noivo
elegante, rico, nomem influente e da talen-
to, adaba por conhecer qte para ella fo>se
o tempo dos amores, e que dabi em diante
s tem a dedicar se a rasar malinas, maxe
ricar com as visinbas, e consagrar to la s
sua ternura e cuidados a tres gatos e outras
tantas gallinhas
(Da Tribuna de ontevido.)
Em 4688 avahaba-so em porto de 3 mi
Iboee djlbras tornezas, o papel de toda a
kciffl tem traeca, no Poi toa, no
na Normaodia, qu
annaaimente de Franca pira
ti e para a Hotlauda.
,vvirs einpregaram, em grande nu-
| afecoidaV suas editos, o papel de Franca,
almenta o das fabricas dj Aavergoe.
jtfci prima havia por ta
refmOd arredores de Amster-
qoe emT7re, ftzia muita conta impor-
" aira?io napel de impres>3o.
E^H|7| ll|er|m-se tentativas em Franca
empr)go docaohamo, da ortiga, d^s
leccas. da paltos. Diversas okras
nprpias em papel desla ultima es-
Intre outras, ae obras do Mrquez de
racio helvtica
tomo membro d
decidir a questo do labama.
** A subscripcio aberta cm Franca e
estraogeiro para a itcoastruto 4o. palcjo,
da Legiio de Honra, incen Jiado pelos com-
monistas em maio paseado, eleva-se j
somrna de 400,000 frencoaf
% O commapdaate Bruaereaa, coma-
oista, que julgavam ter sido fuzdado em
Pars, e de quem foram vendidos todos os
seus bens, acaba d^eso/ew do Londres,
declarando estar vijm e}qS'\^i leqftir'er |
restituc3o dos serfs oVrs. *' J
A^cademja fcauoeza nomaoo o Si.
designon e Sr. 9|taopfli reapeitoa ao poLperador Napoleio, de
o tiibuoat arbitral qne dee qeem M tfatMF dorante alguna aonos.
fo bastn para que ae flzessem circular
^Wl

qoe ae
Pars boatos de coospiracoes bonapartis-
m, sem tonda-
general Dooay
a assstir no dia
e devia dar o
diversos ofikiaes
<
Permita qoe me despega do Sr. ex-
clamo Eozebio. Enganoa me.
Nli, redirguio o ntbeHii), nio on-
gsnei.
Mea../
Ooca. Trouxe-o a dar um passeio,
no otoo de o distrahir, de o fazer esqoe-
carease eterno a^iHMaor qoe o preocco-
pa, e qae t )roa^aafrac>da sua querida es-
peta.
Mas Euaaba, asm apreciar aquella rea-
posta, tornou :
Agradeco-lhe, e pravineo de ama
cousa.
Qoe ?
Perdeo o sea tempo.
VARIEDAD
INVENCO DO PAPEL. Dopois dos
Egypcios qae se serviam do famoso papy-
rus, foram os Cbinezes, antes da era ebristia,
e os Japones qae, pnmeiro, fabrcarara pa-
pel, do casco da amoreira, e depois de ca-
oba me, de bamb, de palha da arroz, de
seda e de algo dio
O papel da seda era empregtdo na Persia
no anno 652. O papel de algodao foi alli
fabricado em 704. Havia em Samarcanda
urna papelaria consideravel. Foi trema
foha tabricada nessa papelaria que o Sophi
da Persia dirigi urna carta ao rei de Franca
em 1676.
O pa el de algoi3o foi inlrotazido na Ea
ropa no seclo IX.
A bibliotbeca nicional franceea possoe
um manuscripto, em papel de algodao, que
data de 1050.
Passou-se depois a escrever em papel de
linbo, de fio, como se v em difiranles
pacas conservadas nos archivos do palacio
Soubise, ra Blancs-Maoleanx, em Pars.
A primeira fabrica da papel de trapos foi
eslabelecida em Franca no anoo de 1312
oa Allemanba, em Naremberg, nodo 1391
em Basila, oo de 1470 ; om Padua no da
1360. *
Na Inglaterra craou-se a primeira papela-
ria de trapos, em Dartford, condado de
Kent, era 1388. O papel pardo foi hab
tualmente empregado oeste paiz ata 1690.
Na Suecia estabaleceu se, em ImkoJping,
a primeira fabrica de papel, em 1523.
aterra anda boje o ea prega em
cala.
\ jupel-de trapos o que mais se tem
jvaftajado. Aetoatm :nte -aba se o fabrico
cto papel tspalbado or toda a Europa.

INSCRIPTO-SINGULAR.-O Sr. Wt-
cbil, mineralogista, enviou ao Ledrjer da
Pbiladtt^i^EsladosJnidCB) a seguinie no-
ticia Jeuraa mscripcaj gifsniesca qua aca-
ba de-descobrir: .
PjrLo de Svanpab, no dtslricto de Clark
oa varente oriental d > monte Clark, a
montaaba -corlada nsrpenjculamenta no
cnoae. apresaatando o aspecto de um muro
d#250 p, de altura1."
Aceda de 100 pee da nase deste mura-
fija enorme, mo dSconheSda gravou uaaa
cruz e as segointes inicia s em bedas maius-
onasJ. L. D.Estas I tiras e a cruz tem
pilo menos 63 pos be altura, e como s3>
entalladas na rocha, at a pr. fundidWe de
2 1/2 ps, podem ser fcilmente avetadas
na distancia de cinco mihas.
Porquera lera sido exe:ulad> este cu-
rioso trabalho ? E' o qoe, nioguem poda
dizer. Os indgenas nio souberam dar a
menor ioformace a til reipeito. .
Mas o faci de ssr a insripgjo faita em
cSracteres romanos, e a cruz poj que pre-
cedida, levam a suppor qae obra de je-
sutas misionarios, oS qoaas coraste que ex-
plora ram esta regia a nos pri mei ros lempos
da occupac3o hespanhla.
MONSTRO PALUSTRO. Dizem algamas
folhas suissas que existe no lago do Wallens-
tadt um peixe monstruoso. O Alpenpost con-
firma e-te fado, garantido por teslemuobas
oculares, dignas de fe. O colossal exem-
plar que foi observado' do tamanbo de um
hemem corpulento.
Os habitantes das aldeas ribetrinhas esto
convencidos do qae o desapparecimento
mysterioso de corto numero de pessoas,
por occasio de se banharem no lago, n3o
se tendo podido nanea encontrar os seas
cadveres, devido voracidade desses
nronstros.
A qoe classe de animaes p -rtencero es-
tes gigantes modos ?
II i quem acredite qne sio glanis (a que
tambem se d o nomo de baleas dos lagos
e dos ros) da familia dos siluros.
peo
Jansed p)a ir %Asia|i)j|rt|r | ea1\ ose qae
deve:ter logar no mez de dezmbro, e qce
s 'visvel naqoella rego. O mini>tro da
nstrucCSo publica poz i disposic3o da aca-
demia 4.400 francos que completado a
somma julgada nkessaria para aquella ex-
VA ^ u
O mmijtro da guerra francez estabe-
leceu um curso de lingua allemia paraos
officiaes do todas as graduagS-s que estay
actuolmenla de goamiejio em Versalhes, e
parece qua se vai estabelecer um curso
idntico em Parie para 03 officiaes que all
permanecera.
.*. O Sieole de Pars foi chamado com-
as
amo,
fbl om
kaam
presiden
generaos
* Um telegramma
V>apflfea,'diz fae)o
principio do n
Liverpool lev
repo
de Nova-York para
ite que sahira no
mfez |i|s)aBJde Vera-Caz para
ava para Inglaterra a grande
loofl mi ionios em
?rcaJrJelot
umtvapA-lie reamo,V Un-
Euzebio estava disposto a cumprir a sua
ameaca. .m.
Mes Maesfmenrou tranquil lisa-lo, dizen-
do-lbo :
Sojgue\ meu amigo ; os infernos
qua ma fefiro sao um cousa muito pare-
cida com a sua Bolsa ae 11 atavia, nem mais
era menos.
Sjnhor Maes, n3o disse que nos espe-
rava ura ngociante chinez para comprar o
raen caf ?
Disse.
Onde est osse bomem ?
Vai ve-lo.
Mostra-m'o, e desempachemos.
Bom, bom, disse maes, pondo os
bracos diaote da era, como que preparan-
do se para a defeza ; mas deixe-me apeiar
do trem, para eatao lhe apootar o que de-
soja ver... Encont am-se taes coasas em
Meester-Cornelis I
Meester-Cornelis repeli Eozebio.
Qae isso de Meester-Cornelis ?
Como I N3o sabe ?...
N3o, do ; diga.
Ha um anno qoe est em Batavia, e
nio sabe o qae Meester-Cornelis ?
Expliqne-se.
I-so da boa idea da sua moralidade.
Expliqne-se, repito.
Primeiro deixe me descer do trem.
E o tabellio apeioa-se, respirando li-
bremente. Mal qae se vio fura do alcana
de Eozebio
Entio ? disse elle ao moco, que n3o- ate de ameacar ontra vez o tabelliio, qoao-
se iirava da carroagem. do om raido de tambor Ibe chamou
Porque ?
Porque ea nio qaero estar alegre.
Ah !
Porque o Sr. enganoa-me.
Sr. Van den-Beck...
Repito, engaooame. Portanto, re-
tiro-me.
Aonde vai ?
Aonde ?
Sim. Perganto-lhe one vai.
Qaer sabe-lo?
Quero.
Vou Waltebrede.
Qua aciividade commarcial, braJoa o
tabelliio com um assombro verdadeiro oa
fingido. E como 6 qae volta para l ?
A p.
O Sr. p.
Da certa admira -se ?
O Sr. a p, o drago herdeiro do Dr.
Bazilio, andar p por essas roas ?.. Das
honrase entao viste de todos os seas
amigos.
N'esse caso, consinta que, aa v na
sua carroagem.
Para eu ter do voltar i p ? Oa I
nio ha de ser tio crael qae me desampare
d'esse modo. Nio : desea am instante, para
Lonversarmos.
E, assim dizendo, Mies obrgou Eozebio
a apeiar-se; esto ultimo obedeceu, nio sem
fazer primeiro alguma resistencia.
Entraram ambos n'uma rna escora e es-
trella, e j Eozebio ia voltar-se com tea
teoces. Levantoa a vista para ver qoem o
prodozia, e vio am grupo de indianos, qoe
se reun am laz da varios arenles.
No meio do circulo qae todos formavam,
est i vam tres, qoe paree iam ser oiqueiam
dar o especiacalo.
Um tocava tambor, ontro fltota, e o ter-
ceiro tlnba as mies tima grande caixa da
janeo em forma cmica.
Os eipecUdores aagmantavam cada vez
Oais.
Ah exclamou o tabelliio; o doma-
dor da serpentea.
E (oi-ae correado augmentar o namaro da
pessoas qoe formavam o circalo.
Eazsbio segaia-o macbinalmante.
.PODA SER AVO.Foi om valbo a urna
ifipreja para casar com urna menina de 14
annos. O cura estava distrahido, sem fazer
caso delle.
Sr. padrerdiz o velbote ; estou espe-
rando.
Approxime-se da pa, que eu j ou,
volveu o padre.
.Nio percebo: olhe que me venho
casar, Sr. padre.
Ah descolpe ; eu cuidai que vinba
baptisar sua neta.

NOTICIAS ESTRANGEIRAS.
Corre que um alio personagera fran-
cez vai publicar brevemente em Dresda um
livro iaUiaViio-^Nedociaces dos principes
de Orleans no estrangeiro desde 185 i at
1870 para desthronar a S. M. Napoleao
lll.
** Cirlota Patti esperada em Barcelo-
na, onde tenciona dar alguns conceilos.
** As armas provenientes do desarma-
mento dos guardas nac maes francezes se-
rio guardadas no arsenal central da Bour-
ges.
%* Em virloda dos poderes conferidos
pelo tratado concluido entre a Inglaterra
os Estados-Unidos, o presidente da confede-
03 dous indianos encarrega los da parte
musical continuavam a tocar com verdadeiro
enthusiasmo varios trechos, a aquellas varia
cees mova-se a caixa de juncos qua o ou-
tro pozera no ch5o aberla.
Appareceu n'ella a obeca prateada e
triangular de ama >erpente, e todos recna-
ram soltaudo um grito unnime de espanto,
incluindo Euzebio e o tabailiio Maes.
Deitou a aerpeate nm olbar penetrante
com os 8eu fcrithaotes olhos roda do cir-
culo que a rodeava, e p/ieaipiou a sabir da
caixa, soltando antes um prolongado silvo,
em harmonii cama mosca selvagam.
O primaifo movimenlo do reptil, raal se
vio fra da caiw, foi arrastar-se algons
psso8 para a dtreiU ; mis um assobio de
Harrucb, o domador, seu amo ; chamou-lhe
a atteacio, e ficoo-se encirando n'elle.
Lanc ra dos olhos um relmpago, e ao
terceiro assobio do domad arapparecau ou-
tra serpente.
Harrucb pegoa n'ama flauta de canna,
tiroa d ella com os labios varios sons, e os
reptia commoveram-sa visivelmente ao escu
ta-lo ; taes movimentos fizeram e tio rpi-
dos, qae pareca mesmo estarem danc ndo
campasso de msica do indiano.
Todos os especiado es applaudiram estre-
pitosamente, e s Euzeoio se conservou in -
sensivel, immovel, incrdulo.
Ora adeos I disse elle ; aqaillo nio
perigbso.
Como ? disse o tabelliio.
E' de crer que o domador tivesse
primairo o cuidado de tirar es deotos aquel-
los reptis.
Disseram estas cousas em bollandez, e
aao as aotenderam os indios qae estavam ao
p d'elles; mas Harrach, versado certa-
mente no idioma, olbou sorrindo para os
nossos dous personagens, e encaminbou-se
para a caixa dando ares da maior satisfa-
CJo.
Pegn n'ama gallinha viva, e chamando a
primeira serpete, d'esta vez com am asso-
bio particular e exquisito, atirou a ave ao
ar ; a gallinha velo cabir entre os denles do
reptil, qae a despedacou horrivelmeote.
A prova fizera-ae com a maior limpezi
e o tabelliio bradoa em ar da triumpho:
T como liaba deatea ?
[
1
parecer pernta o conselho de guerra de
Versa lies, por ler interpretado mal o resul-
tado da audiencia do dia 8, na qual foi ac-
cusado Lagar Je.
% A peua de morte pronunciada pelo
cunsr.|bo da guerra de Marselha contra os
coademnads GastSo Cremieux, Pelissier,
Etienne a Rouxfoi commntada era 20 aonos
de delencio em umt praca fortifica Ja.
* O imperador Alexan Jre, presenteou
com a sua pholograpbia, todos es officiaes
do Io regiment de grana ieiros da guarda
prussiana do qual corooel; o imperador
est photographado com o fardamento deste
corpo.
* Ceebrou-se na igreja de S. Felippe-
du-Rub era Pars o casamento do principa
de Rroglie cora a menina d'Armaill; alm
de alguns ministros francezes assistiram
ceremonia o duque do Nemours e o prnci
pa da Joinvilla e muitas outras pessoas
.distinctas.
* O imperador fl'Aostria mandn en-
tregar cidade da Nancy 100,000 francos,
para ajuda da reconstruyo do maseu, que
foi ltimamente destruido por um inceadio.
Ha alguns annos Francisco Jos, que nSo
podo esquecer a sua origem loreneza, fez
ura donativo da 200,000 francos mesma
cdado, que fj mandado entregar em seu
nome municipalidade.
* O general Trochu foi nomeado com-
mandante geral do exercito do Loire.
'* Alguns peridicos francezes dio como
resolvidas as nomeacOas de monsenhor Fru-
chaud, bi3po de Limoges, para arcebispo
de Tonrs; de monsenb r Laogallerie, bispo
de Belley, para arcebispo de Aoch ; e final-
mente do Rvd. padre Nouvel, benedictino,
para bispo de Quimper.
* Morreu em Paris o Dr. Bache, medi-
co distracto e bomem muito considerado
naquella cidade.
* Parece qae vai supprirair-se em Pa
ris o jardim de acclimatacio era consequen-
cia das consideraveis pardas que soffreu
durante o cerco.
.* Um dos primeiros actos de monse-
nhor Quibert, arcebispo de Paris, ser pro
ceder solemnemente purficacio e repara-
Co dos sacrilegios commettidos as igrejas
da capital.
*. O rei da Baviera conferio rainha
des belgas e priaceza berdeira da Allema-
nba o grande cordio da ordem instituida
para us que deram soccorros aos feridos de
1870 e 1871.
. Dizem de Pars qoe o general Ladmi-
rault conceded vate autorisacQes para a pu-
blicacio de ontros tantos peridicos, tanto
antigos como modernos.
% Annunca se para o fim do anno o
casamento do archiduque Lnz Vctor da
Austria com a princeza Frederica do Hano-
ver. O arcbiduqae o irmio mais novo
do imperador e qasceo em 1842. a prin-
ceza a filha mais velba do ex-re do Ha-
no ver e tero 26 annos.
.% O Vesuvio acha-se actualmente em
plena empelo e s3o muitos os curiosos que
acodem a aples para presenciar aquella
soberbo espectculo.
,% O general Douay, em urna viagem
que fez Inglaterra foi offerecer os seus
qointidadadfle
aoaui
ATnailbaalu(
derley, ao p de Ventobr prximo da ilba
de Wight.
Era om vapor de 1,266 toneladas, e se-
gua de L'.odres para Melbourne (Australia)
conduzin lo om cerregameoto bastante im-
portante e 29 passageiros.
Os passageiros forana salvos, o o carre-
K amento espera se poder ser recuperado,
mas o vapor ficoo escaDgalbado.
No dia 27 de setembro parta de
Gravesend com destino a Madras e Cal-
cuta pelo canal de Soez o vapor a hlice
Yicerog do lote de 2,225 toneladas. Per-
tence aos Srs. Grett, C. da Blackwall, e
o primeiro de urna aova linha entre Londres
o Calcuta regularmente.
Tora 100 camarotes para paasagem de Ia
classe. Os engenhos sio palo sysieina com-
posto. O engenheiro tem tanta confianca
oeste vapor qoe diz ebegar a Calent em
34 das.
*# Conta o Times of India, qoe no dia 8
de setembro, urna embarcado que trans-
portava no rio Sullcdge, oras noivos, seus
pas e convidados, ao todo 150 pessoas, ba-
teu contra um dos pilares da ponte do ca-
minho de ferro, n'um sitio entre Philloor e
Loodiana, e logo se fiindoo.
S 12 pessoas se salvaran), as restantes
138 m orre rara afogadas.
Na Snissa vaiaer inaugurado um mo-
numento em memoria dos internados do
exercito de Beorbaki, fallecidos as com-
rannas de Saiot-Gall e Tablatt. O monu-
mento foi levantado no cemiterio da Fideo
e com,58-se de om obelisco que cobre 03
tmulos de 43 internados.
* Em Visivet bateram-sa ltimamente
espada dous officiaes do exercito francez
por quesioes de servQos prestados por cada
ura dos corpos a que pertanciam. Um dos
contendores receben nm ferimento no braco
direito com o que terminen o do ello. O
ferimento foi de pequea gravidade.
> Em Tournons (departamento de Ma-
cod) houve um tremor de trra tio forte e
acompanhado de om tal rodo subterrneo,
que o povo ugio das camas para a rea,
transido de mdo. Felizmente o3o btfuve
desasir algum a lamentar.
Diz-se que o general Douay vai que-
rellar da Independencia Belga por ter pu-
blicado oma noticia falsa qoe o (ario na sua
honra.
.* A entrada deJolio Janm na academia
franceza fixada para o da 19 do cor-
rete.
O rei da Ilespidha receben do rei dos
Paizes Baiios urna carta participando lhe o
casamento de sua augusta prima a princeza
Guilbermina Frederica Anna Isabel Maria
com o principe Gulberme Adolpho Maxi-
miliano Carlos de Wied.
* O rei Cakobaa de Tiji participan ao
rei Amadeo qoe eatabelecera dos seos es-
tados o rgimen liberal, pedindo-lhe por
esse motivo a sua proteccio e amparo.
.*. O governo da Baviera supprimio ae
delegaces de Paris, Londres, Darmstadt,
Carlsrobe e Bruxellas, porque, traosferindo
a Constiloc3o federal ao imperador o direi-
to exclusivo de representar a Allemanba
junto das potencias amigas, aa referidas le-
gaces nao tinham razio de ser.
* No ministerio da guerra em Franca
est-se preparando ama medida qae ser
um acontecimento ooiavel ao mando mili-
lar. Trata-se de augmentar no dobro o
pret dos soldados o os vencimentos dos
officiaes do exercito. O projecto de lei
ser apresantado assembla logo qoe esta
torne a reomr-se.
E puchando por urna moeda atiroua ao
indio; Eozebio fez o mesmo, am poaco
mais convencido.
Sara algum mgico, bruxo, ou o pro-
prio demouio.
O Sr. tudo acha sobrenatural 1 obser-
vou o tabelliio.
Ento que homem 63se ? perguntou
Euzebio.
Sai c I Certamente algam homem
perdido.
Explique-se.
Sim, algum tratante.
Nio de nacionalilade holiandeza?
Nio.
D'onde 1
E' indiano, da margem do Garages.
Passa por um dos decendenlas dos poucas
da sua torra que escaparam s persegac3S
musulmanas durante a conquista do seu
paiz pelos califas.
E faz da magia profissao ?
Exacto, e j o tenho visto execatar
coosas sorprendentes. Dizem qua tem o
dom de segunda vista ; bem entende qoe
ea n3o acredito nem urna palavra de tado
isto; mas o povo diverle-se com essascoa-
sas e eu divirto-me com o povo. Entao
que qaer Tenho observado qae os pre-
zeres da plebe sio os mais substanciaos.
E qoal a sua especialidade oa ma-
gia ? perguntou Euzebio afieclaado indiffo-
renca. .
Abraca todos os ramos, mas destin-
goe-se pelos amollos o relicarios maravi-
Ibosos qae possoe'para conjurar os raaos
espiritos. Se alguem lhe deitou mo olba-
do, accresceotou o tabelliio sorriodo, v
ter com Harrach, mea cbare Eozebio, e
elle dar o remedio para o mal.
Eozebio contmuava a mostrar indifferen-
ga ; o aea sorrir era, porm, apparente.
Pulaava-lhe o coracio com violencia e agr-
pavam-se-lhe aa pobre cabeca ideas confu-
sas a incoherentes.
O orto qae as suas angaslias e re-
caras decidi ir con saltar Harrucb, para sa-
ber ae devia temer oa nio a perseguic3o
do Dr. 'Basilio.
Entretanto o indio, que j Uoha encerra-
do as serpentes a nio perda de vista os
doos eoropeos, appromimoa-sa, a aprovei-
.
(Cootinuar-se-ba).
lando urna occasio em que Maes se apar-
tara de Van-deo-Beck, disse este :
O qoe se banhou na fonte da /ida
como o acor que remonta o vo, e espreita
l das nuvens o pobre bengali mal oceulto
as folhas das arvores.
Eozebio voltou-se vivamente para o de-
ter.
Mas Harrucb, como se possaisse o annel
de Giges, traba desapparecido.
Aonde est elle ? pargnotou Eozebio.
Quem, Harrach ? disse o tafceiliio.
Sim, Harrach.
Entroa all na praca.
Mas elle fallou-lba ?
Falloo.
Aooovido.
Sim.
E diese-ib e alguma cou*a qae seja es-
pantoso ?
Nada.
Eozebio teotava oceultar a sua pertar-
bacio.
Bem, mas o Sr. est pall do como a
herona de om enterro.
Quero ve-lo e fallar-lhe, gritn Eo-
zebio sem reparar na observacSo de Maes.
Mo negocio I ponderoo o tabelliio;
ora varaos, valer-se-hia o Harrach de al-
gum sortilegio? Afigora-seme qae o Sr.
vai exceder em phaoatismo o proprio Har-
rach. Venba comigo praca e l o encon-
traremos.
Entrar all I dase Eniebio com re-
pugnancia.
Ora adaue I retorqaio Maaa. Nao
entro ea, tabellio do eatado, e nio eatra
como ea a melbor gente de Batavia ? C
domis, s na praca qoe podar encontrar
Harrach.
Eozebio besitoa am iostaate, mas de re-
pente agarroa-ae ao braee de taeeMoe en-
troa n'aqaella especia a aireo ondea aa-
vam oa espectculos.
Achoo bastante singular o qae apparecea
dianta da ai.
(Cmlmmr-se-h*.
TYP. 00 DIAIUO-R e DO DDQDB DI GASES
;

i
r
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETBCVXRX4_WAR24U INGEST_TIME 2013-09-16T20:28:18Z PACKAGE AA00011611_12521
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES