Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12513


This item is only available as the following downloads:


Full Text
BaMBaBBBBnBmaaBM

ANNO XLVil. NUMERO 237
--------------------S,----------- ,.w *---------------------!-----,--------------
FA1A A CAP1TAI E ITTGAB2S OIDE 14.0 SI PACA PCI?:.
Por rea nayzes adisDWioi ..."...............'
Por seis ililos Jera................ ; .
JVr oa anuo i-.leai..................'..;.
toda momaro avuiso................. -
, t,

64000
424000
144000
120
TERE FEIBA 17 DE 6UTUBR0 B 1871.
PAIA DEITHO I FOBA DA PBC7IICIA.
Por tre mezas adiaotaot .............. .
Por mi ditos idem....................
Por nove ditos idem...................
Por nm anno idem.....................
MWO
XIMo
I7#0Q0
DIARIO DE PERMMBUCO.
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.

i
i

1
' *
O Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para; Gon$alves d Pinto, no Maranbio ; Joaquim Jos de Oliveira. & Filho, no Cear; Antonio de Lemos Braga, no Aracatj ; Joio Mara Jolio Chaves, no Ais ; Antonio M*r Pereira d'Almeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba; Antonio Jote Gomos, na Va da Penha; Belannino dos Santos Baldo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia ; e Leite, Serqninho 4 C. no Rio de Janeiro.


PARTE ornciAL
teverao da provincia.
RtlKO!h.NTK DO BU 9 DE OUTUnnO DR 1871.
A;os :
O ice-presidenie da provincia, resolve con-
ceder ao baehatel Maxmiaoo Jos de Ioojosa Va-
rejio, a djuauao qua solicilou do lugar de aju-
danle do procurador fiscal da thesourara provin-
cial c* comarca de Iiaub.
O vice-presidente da provincia, attendendo
10 que requeren o baclurol Z 'ferino de Almeida
Pra.0, e un em vista a infornitca do inspector
di pssoararia provincial de hoja daUla sob n.
i09, rt'.tv prorogar por mais um anno o pnz
concedido ao final irmai do supplicante, para a
tmpressao Jo diccionario de bounnicapor elle con-
trtalo coai a presidencia da proviocia em 30 de
agosio do auno pasta o.Expedirn se as Beces-
sarias communicaQ5.:.
O vkti-president da provincia, atienden lo
ao jos requerea o Dr. Minoel Baarque de Macelo,
onaonboico iical das estradas de ferro do Recite
a 5. Pranclsco e di Recifi Caxang, resolve pro-
rogar Ib" por inaia 15 lias sam veoeimentos. a l>-
.vaca que por portara desla presidencia Ihe foi
concedidas .
OeV.ios:
Ao Eftn. desembarga lor Francisco de Assis
Parelea Rdcha, convidaadoo a designar o dia e
bara em que quer assumira administradlo da pro-
vincia, na qualdade de sen 1 vicepresidente, vis-
U ter sa encerrado a 39 de sel'.-mbro ultimo, a as-
seftMi geral legislativa.
Ao Exm. presidente de Sergip', acensando a
recepeao dos dous ejemplares impressos, qie re-
mellen do relalorio co n que o Dr. Antonio Can-
dido la Cunha Leilao, passou a administraca > des-
sapravlncu ao respectivos vics-presidante, e
ucea nsim a expsito por este elta na occaslio
de entregar Ibe a mesma adraiaistraco.
".A3 inspector da th ;seuraria de fszeada, com-
maoicaod) que,' segunda aviso do ministerio da
agricultura de 27 da selembro ultimo, ser posta
nefja thasouraria disposic da presidencia a
j,aaaia de 1:5004000, para ser applicada como
auxilio constrnecao das obra', de que precisa o
leoste *e Nossa Senhora da Penha, onde se re-
eolia* os missionarios ctpucbrahos.
Ao mesmo, traosmittindj para os fins conve-
nieatas seis ordeus, -endoltres do tbesooro nacio-
nal aab na. 190 a ittz, e as outras em dnplicaia ex-
piitdtt pela repartilo do ajndante general dala-
das da *B, li e 27 de setembro tiodo, be.n como
a portarla concedeudo um amo de lleenca ao Dr.
Aprtfia Jnstiniano da Sllvi Golmares, lente ca-
co da FaculdaJ" de Oireito da cidade do
Air
\i raasmo, iuteirando-o de que segundo cons-
taba ftaao A mwisierio da jastica de 27 de se-
(ualKa isWae, mMiau-. dicaj 4m eoaraoientes ordeos, afim de ser essa
taasMrajiA oabiliuJa com a qoantia de 50^000,
^wl|[lll#eat ,.-idas a bardo dos vapores da corapannta rernara-
bucanaj a 5 preoa de justiga e a 10 pracas que os
rtjcolaram.
Ao mesmo, preveoindo-o de que o Exm. sr.
ministro da- jusllca partteipon em aviso de 27 de
alambro uliimo, baver solicitado 1 > da [azenda as
convenientes ordens, ni sanlido de ser essa tbe-
siuraria habilitada com a qoantia de 1G3666, para
pagamento de comedorias abonadas a bordo do va-
Dor Maniah da companhia Pernambucana, a 2
presos e 3 pravas que os escoltaran!.
Ao mesmo, mandando pagar a Pereira Ir-
mo C. a quantia de 36S5O0, proveniente de
8o metros de brim branco liso, que venderam ao
conselho de compras do arsenal de guerra, com
destino ao corpo de polica, sendo depois essa the-
souraria indemnisada pela provincial, como lera
sido costume.
Ao mesmo, rec:mmendando que faca por em
praga os concerlos de que nece?sita a ponte Sete
de Selembro, bem como a pintura desta e da de
Sjn'a Isabel, mediaaie as clausulas juntis por c-
[}, e orgamento qce Ihe ser remeltido pelo en-
genheiro encarregad i das obras geraes.Gommu-
ulcoii'Se ai engen'ueiro, recommdndando-33-lhe a
remossa do orgamento.
Ao mesmo, para que em cumprimanto do
Mis* do ministerio da agricultura de 30 de selem-
bro ultimo, mande preparar com urgencia, e por
a disposicao da presidencia, os livros de que trata
o i 5* do arl. 8 da lei n. 2.040 de 28 do citado
m.':, aflm da serem sem perda de lempo forneci-
das aos parochu da provincia, cujo numero se
ateta a 71.
Pela tQ230uraria provincial mandoa-3e pa-
sar : ...
Ao profesor de iastruccao primaria da povoa-
cao de S. Jos da Boa-Esperaba, Joaquim Jos de
Mura a i professora da S. Liurengo de Tejuca-
papo, Rachel Adolpha f.avalcante Ferreira os sens
vencimantoj, com se ha praticado com outros em
idnticas circumstancias.
A' Lavra & Gratuliano a quantia de 13M200
ddjpendida com o sustento dos presos pobres da
cajeta do tarmo de Caruir datante o mez de se-
lembro ultimo.Gommunicou-se ao Dr. chefe de
pLcia.
A' Alexandra America da Caldas Branlo a de
o 11000, em qne importou a despeza feita com o
sustento dos presos pobres da eadeia do termo de
lngazelra, a contar de 20 de malo a 14 de junho
dsste anno.Inteirou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao vicecnsul da Italia nesta provincia, de-
clarando em resposta os seas aflelos que, segaa-1
do as informacSes prestadas pelo Dr. ebefe de po-1
licia, nao se den a busca de que fallara os subdi -
tos italianos nelles mencionados, tendo apenas sido
tomatas as armas que traziam por occasiao de uro
conflicto, qne entre si se ia travando, o qnal a cus
w foi impedido, como se v dos offlcies jnntos por
copia, e qnanto ao qne Qcra delido, mandou-se no
dia segninte por em liberdade, a vista di que nao
ha motivo para a reclamacao feita.
Ao gerente da companfila Pernambucana, re
coartlendando que mande recebar no arsenal le
marisma, afim de serem coaduzidas no primeiro
vapor qne seguir para o Rio Grande do Norte, e
all entregues na (besouraria de fazenda, 25 latas
da ferro, contando moeda de cobre, reraettidas
pelo thesouro nacional no Cruzeiro d Sul. com
desuno masma tUeaouraria, as quaes aqu flea-
ram, em vista da nao entrar, nem dar conveniente
destino naqnelle porto o rtenlo vapor, segundo
participaran! os agentes da companhia brasileira
to uavejaco.Expediram-se as naaessanas com-
cauaier58s.
Portaras :
A' cmara municipal do Recife, approvando
as arremataces dos alaguis dos espatos da ri-
beira da fregaezia de S. Jos a da casinha n. 6 da
ensarna ribatra, bam como o imposto de 120 ris
por cada carga da tartana a ontros legumes ven-
didos nos mercados das fragueziaa da Boa- Vista e
S. Jsd, como e v das relac5as que remetto.
Dsspschos :
Afoitinho Gonses da Silva.latorme o Sr. Dr.
cete do polieU.
Alarandrita Mara dos Praaaras.Passe se por-
tifi- .
Carnero Vianna.Satislaga o
Joaquim Jos da Moura.A' thesonraria pro-
vincial com officio d'esta dala.
Joio de Carvalh) Soares Branao. iotoroaa o
Sr. inspector da thesonraria provincial.
los Antonio da Silva Lemos.NI) tan lagar o
qne reqner o snpplicante.
Manoel Baarqae da Blaeedo.Passe-se portara
oa forma re i nenia.
Bacbarel Maximiano Jo de Inojosa Varejio.
Passe-sa portara oncadendo a deraiss) pedida.
Pereira Irmos 4 CA' tuesiuraria de fazenda
com offlco d'esta dais.
Rachel Adolpha Cavalcanti Ferreira.A' thesou-
raria provincial cora offl:io d'osta data. -
Bacharel Ziferino de Almeida Pinto.Passe-se
portara prorogaado por mais am aono o pruo
concedido.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Officio!
Ao brigadeiro comraandan'e das arraai, re-
mllenlo, de ordem da presidencia, um exampiar
impresso da falla, com qua S. A. Imperial a r-
geme, em nome de S. M o Imperado**, o Sr. D.
Pedro II, encerrou, at 30 de selembro ultimo, a
terceir sesso da 14" legislatura da assembla
geral.Igual remessa fese s damais autori-
dades.
4.' seceo.-Palacio da presidencia da Peroam-
buco, 9 da outnbro de 1871.
1.a A lei provincial n. 958 de 12 de jnlho de
1870, creou nesto cidade urna companhia de sa-
padores bimb iros especialmente incumbida da
extinecao dos incendios e do salvamento das pes-
soas e ot)jacto3 dos edificios incendiado?, e a lei do
orcamento vigente n. 991 de 13 de junho do cor-
rete anno, estabeleceu no 59 do arl. 16 o impos
to de 5g p >r cada estabelecimento commercial
d'esta cidade com applieagao especial creacao
d'aqnella compinhia.
2. A companhia Recife Drainaga em 31 de Ja-
neiro do crreme anno, propoz a esta presidencia
fornecer a agua necessaria extraect dos incen-
aio>, eollocando em toda a rea canalisada pela
mesma companhia, e em disrancia nunca raaior de
eem bragas urna torneira capaz de langar nm
coo'.inu) jorro d'agua sobre os mais altos edificios
da cidade, mediante a quantia de 6:000* por anno,
sendo meiade paga pela provincia, a raatade pelas
agencias das companhias de fegnro estabelocidas
nesia praca.
3. P.iracendome urgente regularisar o servido
da extinegao dos incendios a conveniente que ese
servido eslenda aos incendios dos navios ancorados
no porto d'esta cidade. teoho rafolvido, para dar
execncao s citadas leis a deliberar sobre a referi-
da proposta, encarregar V. S. bem como ao pre-
sidente da cmara municipal do Recife, ao Dr. Fe-
lippe de Figueiroa Faria e aos directores do arse-
nal de puerra a de marinha para em commisso :
I. Entenderem se com as eompanhias de segu-
ros terrestres ou aganci >s que funecionarem nasta
cidade, bem como com as de seguro marIHmo, ex-
poodo-lhes as vistas da presidencia, e obtendo o
sen eonsarso peooniario para o servico a qne se
propoe a cx>9paotH Recita Drainage.
! Entanierem-so coa esta sowr as modica-
c5es que convanTW rater se ero saa proposta, nao
s qnanto ao nreco, com qu rato collocacio das
torneira, tando especialmente em vista a conve-
niencia de serem as proxinades de cada nm
dos importantes edificios publieos e nos caes que
bordara o porto.
3. Apresentarem-rae o plano geral para a pres-
tago do servico e o rgimen especial da compa-
nhia destinada a presta lo, tendo era vista o pro-
ducto annual do imposto decretado.
Para que a commisso possa bem desempenhar
a incumbencia de que tica encarregada, ser-lhe-
ha remettida copia da da citada 1 ti a da proposta
da companhia llecife Drainage, bem como o regula
ment que para o corpo de b>mberos da corte
baixou com o decreto n. 2587 de 30 de abril de
1869. Confiado no zelo de V. S., espero que se
dignar de aceitar esta incumbencia.
EXTERIOR.
O eodlgo penal de Marroeog.
As penas ou castigos, que em Marrocos se in-
frigem aos criminosos, sai extremamente horri-
veis, e, na verdaie, pode dizer se que o cdigo
penal marroquino nada tem de tolerante nem hu-
manitario. A pena que com mais frequencia se
applica e a que mais par danos tem entre os ha-
bitantes do paz a de Taliao, o que nao obsta a
qae com frequencia se appliquem outro3 casti-
gos dos quaes hjs vamos oeenpar.
A priso o ruis garal de tolos os castigos, e
urabem o mais humanitario. Esta pena geral-
raeate destinada aos governadores e s pesaoas
ricas sob o menor pretexto ; mas substituida
pelo dinbeiro, satisfazendo os culpados urna aval-
tada somraa pecuniaria, qae pagara com goslo a
troco da liberdade. Como o snllo nao tem por
bons governadores seno aquellos que mais di-
nheiro Ihe enviara, vm-se os referidos governa-
dores ni preciso de abusar desie castigo, com o
proposito de arrecadarem grandes sommas, afim
de estarem sempre na graca do imperador para
que os nao demitta. Fazem ao mesmo tempo toda
a diligencia por enriqoecer-s?, e d'aqui provm a
frequencia com qne applicam a pena de eadeia
quelles que a podara comrautar a dinbeiro.
Os acoutes e as bastonadas applicam-se as cos-
tas e lamb m pela frente, segnnlo a grvidaie do
crime. O paciente segurado para que se nio
I raova, e .os acontes eu bastonadas em caso algum
I pdem pissar de 989, contadas por urna especie
de rosario. O reo, depois de tao horrivelmente
mortificado, anda paga aos execatores da jastica
a importancia do sen trabalho. Se tem all di-
nhero, negocio concluido ; mas no caso contra-
rio, obrigado a soffrer certo numero de acontes
e bofetadas, que os executores Ihe applicam-com
a raiva que de suppor. Se o reo ladro,
esbofeteado tambera.
A pena de melar consiste em despir completa-
mente os ros, C3brlr-lhe toda a pella de mel e
azeite, transportando-os depois para logar onde
hajara bastantes insectos, a cujo furor os deixam
asslm expostos.
A fractura um castigo tambem horrivel. Os
verdugos apoderam-se dd reo, atiram com elle ao
ar violentamente, e na queda sempre ha algum
braco ou porna quebrado. To destros sao os
executores, que os reos, ao cahirem, quasi sem-
pre quebrara o raembro designado que os juizes
iodicaram na sentanoa. Raras vezas errara <
golpe. _
A cranago ootro castigo, se nao lao brbaro
como o anierior, horroroso como todos. Coasis-
0 enterro am vida outre dos barbaros casti-
gos usados pelos Marroquno^. Cinsiste em abrir
urna cova perpendicular da altara de nm hornero
a enterrar o paciente, deixando-o com a cabeci
ds fra. para que sirva da alvo aos verdugos que
pausara por cima dalla montados em eavallos bam
ferrados. Os rapares tambem se divartem atina-
do pedradas ao paciente, qae nio ple sobreviver
a este horrivel castigo, anda mesmo que o deseo-
terrera logo. Outras veas sao mettidos cora vi-
da dentro do vantre de nra bol morto, morrenlo
tambem aspnyxiados.
A mutilarlo outro castigo tambera horroroso
a applicado aos paitos, orelha, ps, bracos,
mos e lingna, segundo a gravilade do crime.
Aos ladroas de arabos os sexo' sao Ins cortadas
as maos, aos cobardes na gnerr as orallias.qaa
sao obrigalo! a guardar na bolsa das mnnicoas.
O sedado qae soffre este castigo nao tem depois
wmedio eenSo saicidar-se ou fugir do campo, por
que fica sendo o alvo das injurias e pancadas dos
camaradas.
Os atoaras resistem com tal impertarbabilidade
a estes castigos, qae se tem visto em mnitas oe-
casiSss alguos a quem se corta ama mo pega-
rera nella e fagirem. Nem sempre aos lairSe
sao amputadas ambas as maos. O roubo, quando
nao de faoccionario, punido com amputacoes
proporcionadas ao valor da consa nubada : ou
urna das orelhas, ou algum dedo, ou urna das
maos ou nm dos bracos, e finalmente a cabeca,
segundo as circomstaacias do crime.
Tem lagar estas execucoas sem apparato algum,
era qaalquer ponto, a qualqu te-temunhas mais qae o juiz e os verdagos. Ape-
zar disto o imperio marroquino est infestado de
ladroas. Ao (orno s se lancam aquellas fanecio-
aarios que, tendo roubado, nio deseobrera o lu-
gar em que tem escondidas as snas riquezas : ge-
ralmente sao poneos os que sobravivera a esta
pena ; porqae, dapois de sferem mettidos no 'or-
no, eleva-se ponco a pouco a temperatura, at
que morrena queimados.
O empalar nra supplicio horrivel, mas poucas
vezes usado em Marrocos. Consista am sentar o
reo sobre um pao collocado a altora conveniente
e terminado n'uma agudissima ponta. Este pao
vai-se introduzindo pouco a pouco as enlranhas
da victima, at qae Ibe prodnz a mora no meio
dos mais acerbos soffrimentos.
Os garios sio nos instrumentos de a$o agndis-
simos, que se tntrodnzem por entre as nohas e a
carne daquelles que sao condemnados por nao fa-
zerem qtalqaer revelafio. Este casugo tam-
bem horrivel.
O castigo da p>lvora tanto oa mais brbaro
ainda que os anteriores, e consiste em eneher de
plvora a bocea, o nariz a os ouvidos do senten-
ciado, applieando-ltae loga o fogo. Calcule-se qual
seja o horroroso tormento dos condemnados a
este supplicio.
O f jgo outro supplicio horrivel. Fazem urna
pequea fogueira no meio da praca, collocam alli
o paciente, vio augmentando pouco a ponco as
ctummas a o infeliz morra carbonis^io, nandr.
tristes e espantosos gemidos.
Miit'""" y>lM>yi't.
ddquena nacao, senda o mais numanii
caplta^o. Ha um sobre todos h ,rrorosissimo
Armado o verdugo de grande adaga divide o cor-
po do paciente em dous oa mais bocados, come-
cando pelo ventre e paruodo-lhe de um talho a
columna vertebral. O desquartejamento, como se
v, aterrador.
A's mulheres retorcem-lhes 03 peitos com tena-
zes e at os meninos sao afogados vista de seas
pas e?.tre os bracos de fortes athletas Um rieo
negociante de Tnger, qae, pelo sea amor ao ou-
ro, todo soffrera no meio dos mais crois tor-
mentos, nio pode resistir urna ultima prova,
que consisti em fecha lo em ama casa com um
lelo esfomeado, mas encadeado de maneira que o
pudesse alcanzar com as garras, salvo a nao per-
manecer consiantemente de ccoras era am n-
gulo da casa.
A pena de tallo, tornamos a repetir, a qne
se applica com maii frequencia e aquella qae tem
mais partido entre os Marroqunos.
A pena capital neste imperio menos frequen
te do qae se jnlga, pois s se applica aos contra-
bandistas e aos qae fraudulentamente se apro-
priam das rendas do sullao.
Sendo terminantemente prohibido aos homens
baterem as mulheres, e seodo necessario em
iT.uitns casos castiga-las, ha no imperio marro-
quino mulheres que applicam as penas, e que sao
coohecidas peb nome de ahrtfa, que quer duer
tolerante, o que traz memoria aquellas a que
os Gregos chamavam cumnides (bemfeitoras), s-
to as furias raythologicas.
O adulterio tem em Marrocos pena? rigorosis-
siraas, as raras vezes sao applicadas
dar o meio pratieo de dar exacucio a lei provin-
cmI n. 958 de 12 de julho ultimo, que aniorisou
4 creacao d'uma companhia dj sapdores borabei-
faa, em vista do expendido no acto publicado no
lagar competente.
SOGIEDADE PATRITICA D3SE DE SETEM-
MO -Reaiisou se no domingo a tarde a reuna
da ajseimlea geral de,ia sociedade, co n assislea*
can da avuado numero de socios, e reaol
mover,am nome di povo paroarabucano, umTTs-
Iteitaco ao governo imperial pela promulgacao
41 le do elemento servil,, eesjeebida n>s seguales
tWnios :
s* Quinao em oras de todos os povos cultos ie
djrigera cordeaes lalicitacoes ao govern imperial
gala iraportantissima reforma qae acaba de roa li-
tar, inaugurando pela liberiac) do ventre escravo
urna nova era de engrandeciraeoto e prosparidade
ajara o paiz; quando da fronte uo Brasil a Iherda-
da lava a oodoa que o fazia corar de pojo entre as
Bftcoas civilisadas, e essa idea grandiosa Hae surge
sempre das revolutas, vencedora sim, mais golte-
jnte de sangue, triumpha por semelbante modo
eem lula pacifica, Iluminada somanta pola luz da
intelligeocia e patriotismo de seus propugaadores,
Pernarabuco, a ierra de gloriosas e -'cas tradiccoas,
anlhusiasia sempre das graads ideas, nio ple e
aam quer ser indifferente aos relevantes servicos
prestados ao paiz ea humanidade pelo g veroo
tjtn realison to importante reforma.
< E hoje que a patria seme-se eagrandecida,
afugentaudo a escravidio, hydra que ia esperar
no berco millures de seqs filhos hoja que, sob
wu manto glorioso, todos qae nascerera ser ei-
lados livres, o povo pernambucano reccnhecido
licita 03 esforcalos lidadores dessa gigantesca e
'auraanitaria idea. -
Digne se, pois, o governo imperial de aceitar
ta sineera manifesta;o que Ihe dirige o povo
roambjcaoo.
Pernambac >, na cidade do Recife, aos 13 de
auinbro de 1871. t
Im nosso numero de amanbaa, dirom-w os iu-
(ares em que se acham depositados os exemplares
a felicitacao para serem auignados.
IfACLDADE DE DIREITOHoje ao meio dia
deve realisar se a prova oral dos concurrentes a
nm lugar de lente substituto, sendo o.ponto sobre
economa poltica.
DIMISORIAS.-Para o Exm. biapo do Cear
conceden o Exm. Sr. vigario capitular diraissoiias
para presbtero i 13 minoristas aliamos do nosso
etoiinario, em 11 do corrate. Estes novos as-
pirantes ao sacerdocio, qae em seu raaior nomero
udaram preparatorios no bem acred lado colle-
de S. Francisco da Olrada, sob o cuidado pa-
nal do Rvi Fr. Antonio de S. Camillo, feram
admitiidos no seminario na reitoria do Rvm.
etaotre Jos Joaquim Camello de Andrade, a
qaem cora justa cempeieocia e qaalificado juizo
O Ilustrado eonselbeiro Jos Banto ciiamou-o da
zeloso, ero ana mamaria acadmica de 18t'i,
proposito e tratar nasa JmporUaa doenmento
{&
da rattrido sMtcaaho. B oa noaae : Manoel
ferrtira, GaMioo Josa Suara Wmaalal a
' Aaoiota, wt* Mosioeta;
ka to Vasco
z, das Alagoas ; Joao arana c-i-
i de Brito, Joaquim Francisco de Vaseon-
cellos e Francisco Constancio da Costa, do Rio
Grande do Noria; Manoel Garvasio Ferreira da
Silva, Avelino Marques Fernandes, Jos Fernandes
de Medeiros Rocha, Antonio Pereira de Castro Ja
nior e Antonio Gracisuo de Araujo Guanta, da
Parahyba.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO S.
FRANCISCOEstavia de communicacao, no pr-
ximo nodo mez de setembro:
Rendeu :!?ffi
Despendeu jz.zij*7so
Dando de saldo
4:0103105
sendi o accasador obrigado a provar o faci por
mel de quatro teslerauabas oculares e da melh r
f, e esperando por oatro lado o castigo de oiten
ta'acolies se o nio provar, raro o Marroquino
que se atreve a denuneiir um adulterio, ainda
quando delle tenha as mais evdentissiraas pro-
vas.
O homicidio premeditado tem por castigo a pena
capital, mas raras vezes se applica tambem ; por-
que preciso prova-lo por testemunbas que nun-
ca comessem tocinho nem bebessem v'raho, e
como poucas pessoas ha alli era laes circumstan-
cias, segue-se qae qadsi nanea ha urna prova ple-
na em conformidade da lei.
Se o homicidio involaotario ple remir-se
com dlnhelro, segando as circunstancias espe-
ciaos do morto, a posicio que oecopava, etc.; mas
para isto mesmo preciso o perdi dos prenlas
mais prximos do defamo.
Quando n'uma povoacao qaalquer se commetle
um homicidio a se nio consegue o desc brimento
do aggressor, os habitantes sao obrigados era mas-
sa a remir aquello crime por diaheiro, satisfazen-
do-se a sorama exigida pelo imperador, e por isso
a polica sempre muito activa por occasiio de
qaalquer assassinato.
As mulheres, a nao gozarem a fama de santas,
nao servam para testemaubas, nesta caso o seu
depoimento tem f em jaizo ; mais, assim mesmo
preciso que se reunam seis oa sete destas mu
Iberes, para que entre todas prefacam o testenu-
nli de um hornera.
Os negociantes fallidos sao obrigados por lei a
manifestar o qae lizeram da seas bens e merca-
dorias ; pois se provarem que a sua ruina nio
foi dolosa, ficam isentos da toda a pena ; mais ha-
vendo negligencia ou ma f, os devedores vio
para a eadeia at que satisfagam aos credores.
No tempo de Maley-Saleyman, diz o Sr. E. Cal-
dern, publicon-ss nm edito para qne os irmios
ou prenles do fallecido, em caso de insolvencia,
pagassem as dividas do finado, e nio tendo meios
para isso, recebaasem cada raanhaa, ao nascer do
No mesmo periodo transitaran! na Iraha 13:052
passageiros, e foram. transportado 52:012 kilogr.
de bagagein, 2:338:786 kilogr. de mercaduras, e
393 animaes.
as mercadorias estio comprehendidas : 1:043
saccas de algodo pesando 79:443 kilogrammas,
1:518 saceos de assucar pe3audo 119:374 kilo-
gramraas. .
A proporco entre a despeza e a receita foi de-
88 93
ESTRADA DE FERRO DO CAXANGA'. O
treno que, no domingo prximo passado, sahio do
Caxang s 8 e meia horas da nouto, ao entrar
s 9 para o desvio do Caldeireiro onde devia
cruzar com oatro trera ido do Recife por urna
falsa maaobra do viga eoearregado das agulhas
n'aquelle ponte, flcou com dous carros desmontados
porque dos trilhos, razio porque houve urna interrupcao
no trafego de carca de urna hora, e um atrazo
de igual lempo em todos 03 trens posteriores.
Nenhura mal succedeu aos passageiros.
HOSPITAL PEDRO II.Quinta feira pela ma-
nilla eelebra-se no Hospital Pedro II, a festa do
respectivo padroeiro S. Pedro de Alcntara, po-
dendo o estabelecimento ser visitado durante a
ceremonia.
HOSPITAL PORTUGUEZ. Terraiuou no do-
mingo (15) o basar das prendas offertadas ao Hos-
pital Ponuguez de Beneficencia, o qual den o
producto total de cerca de 4:000*000, que vao
augmentar o fundo de soccorro aos infelizes qoe
alli sio recolhi los
A junta administrativa do estabaleciraento bo
correte anno digna de encomios pelo zelo e es-
forcos que emppegou para o bom resultado do
bazar de prendas, e deve regisijar-se pelos bons
fructos colhidos.
INSTRUCCO PUBLICA.Pelo Sr. Dr. director
geral da nsirutcao publica foi traosfarilo para
23 do crrante o concurso, que devia ter logar no
dia 18, para preenchimento das cadeiras vaga3 de
nstrnecio primaria do sexo feminino.
PRONUNCIA.Pela snbdelegaeia de Canholi-
uho foi pronunciado como ocurso as penas do
art. 269 do cdigo criminal, Antonio Manoel da
Silveira.
OFFERTA DE RETRATO.No domingo realt-
sou-se, no jalao da Sociedade dos Artistas Mecha-
Mestre de Novif-os. Antrnio Machado Pereira
Van na.
Fisgadores. 1. Antonio Lopes Braga, 2.* Fran-
cisco Lopas da Silva.
Definidores, Comraendalor Albino Jos da
Sijva. Alfredo Moreira Temporal, Manoel Fernan-
da* Miscarenhas, Josi de Mello
farbosa de Miranda Sanliago
, Lail AaiQ.QiJ d* Silva-Pereira, Joio da
iivs SatJtos Amont Jos Ferreira Mootero, Jos
Antonio da Motta Gimes, Henriqne Jos Alves
Ferreira, Manoel Jos de Mallos.
Priora. -D. Joiuna do Rosario Gimes Machado.
Sub-priorap^-D. Felicia Lucilla Alves e Silva.
Mettra Vis Novias.D. Maria das eves de
Miranda Oliveira.
PROCLAMAS.Foram lidos no dia 15, na ata-
trz da freguezia de Santo Antonio ag proel ama,*
seguintes:
1.* denunciacao.
Joio Soares da Franca, com Eutelvina Francis-
ca de Paula Machado.
Jos Placid Lucas Bina, com Lodovina Feiisar-
da da Siqueira Marques.
Cypriaoo Bruno de Oliveira, vi ovo, com Izidora
Maria da Cooceicao.
Manoel Marques da Silva, com Joanna dos San-
tos Minios.
Jos Tavare3 Pinhero, com Auna Amelia Pe-
raira.
2.' deiunciacao.
Bellarmino Bazerra de Menezes Le-al, natural do
Cear, viuvo de Mara Bellarmioa de Menezes Leal,
.com M ria d'Annunciaco Camello Pes3oa.
Garlos Pin'o de Lemos, com Placida Augusta
Jactiioa.
Constantino Felippe de Sanliago, com Barbara
Quiteria dos Santos.
Gregorio Jos de Carvalbo, natural do Cear,
com Harina Petronilla.
Hermanan Walter, nataral -da Alleraanba, com
Joanna Francisca do Naso ment Mello.
Bal bino Benjamn de Sant'Anna, com Emilia
Maria do Rosario.
Manoel de Araujo Gss, natural da Bahia, eom
Constancia Jacinlha do Reg Lopes.
Adalberto Joaquim Veredas, cora Agnida Bran-
dina d'Albuquerque.
Joio Gabriel Baptista, lando de se retirar, quer
mostrar-se livre e desempedldo.
3.a denunciacao.
Jos Bernardo de Carvalbo, com Maria Joaquina
da Coaceicio, o nabento viuvo de Francisca Ce-
mentina de Carvalbo.
Joao da Hora do Nascimento, com Felismina Xa-
vier da Silva Lima.
Manoel de Mendonc Siqueira, cora laurinda
Mana da Coaceicio.
Antonio Bento d- Araujo, viuvo de Josepha Ca
rolina Gomas, com Rila de Cassia Monteiro.
.LOTERA.A que se a sha venda a 211.*
neneQcie ao natriiionio dos orphios, a qual corre
lo da 19.
HOSPITAL PEDRO ILO movimento desee es-
tabelecimeato de a 15 de outnbro da 1871 foi
de 300 exlttentes, entraran 37, sahiram 28, falle-
Mtamg, xMiaai 301, seodo 176 horneo e 145
mulfc.Mw______ ___
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras estes dias as
6, 1/f, 6, 6, 6, 7, 6, 6, pelo Dr. Ramos, as 7, 7,
7, 6 1/2, 7, 7 1/2, pelo Dr. Malaqnias.
Fallecidos.
Antonio Josa Ferreira ; tubrculos pulmonares.
Florentino da Silva ; ataque apopltico.
Luiz Rodrigues da Silva ; anaraia.
Francisca Xavier da Encarnagao ; aaeraia.
Maria apoplexa.
Jeronyrao Rodrigues Liraoeiro Lima ; gangrena.
Vicente ; bexigas.
Lniza Maria da Conceicio ; intente chronica.
GKMITERIO PUBLICO.Obituario dj da 14 de
ontubro.
Francisco Simiao Ribeiro, pardo, Pernambuco,
60 anno?, casado, Santo Antonio ; phtysica pul-
monar.
Luiza Maria da Conceicao ; prela, Pernambuco,
30 anno!, solteira, Recife ; chirro uterino.
Maria, branca, Pernambuco, 3 anuo*, Sauti An-
tonio ; vermes.
Andr, branco, Pernambuco, 9 anuos, S
Antonio ; bexigas.
iosepha Gandida Ferreira Mameluca ; Paraguay,
20 anuos, solteira ; fabre.
Maria, parda, Pernambuco, 6 dias, Boa-Vista ;
espasmo.
15
Filomena Trefina Acciol, parda, Pernambuco,
casada, S. Jos ; bexigas.
Henriqueta Mara de Souza, branca, Pernam
buco, 40 annos, viuva, Ba-Visla ; intente chro-
nica. .
Vicente, escravo, preto, 23 annos, solteiro, Boa-
Vista ; bexigas. -
Luiza Maria da Conceicao, preta, Pernarabuco,
60 annos solteira, Ba-Visla ; interite chronica.
Jos, branco, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vi3ta ;
convulsoes.
derara
ma :
Perg.unta i."O bario
rar do sen padecimeolo?
Resposta.E' susceptivel
aos qosilos propostos, pela seguate tor-
da Jar agua pa^fanalho-
de melborar coa tra-
jo, Manoel reman- ;arneoto convenienteraenle dirigido.
silo Tnodade, Jos 2.-Pde o baro de Jarago, n'um i
, Jnaquim Leocadio l0 Aado, ter instantemente necessidade da
PUBUCACOES A PEDIDO.
icos e Liberaes, a entrega do retrato do Sr. Dr.
ao da Silva Guimaries, a elle el-
te era pregar, commuraeate pelas orelha3 ou pe- {, bastonadas para recordacio da divida.
las mios, "os pacientes as eqainas das mas e
mercados ; os marroquino3, porm, soffrem com
tal impertarbabilidade estes castigos, qae mui-
to geral, segando referem algans viajamos, o pas-
sar-se por nma praga e encarar com. nm bomsm
pregado pelas orelbas a fumar '.'anquillamante o
seu cachimbo, osea mecen Jo todos aquellos qae
o olbam.
O castigo dos galos, divertido, nao obstante a
sua ferocidade. consiste em vestir ao roo uns
irte Carneiro vianna.sausiaca o caledss mtu^ Urgos e fortes, dentro do3 qaaes
,uoaUcanua)iaoslo no art.28 do-decreiou. 722 mettsra ruatro oa seis gatos furiosos, qae, ao
A 25 ta iir' 1830. I "".'.m-sa alli encerrados, fazem diligencia para
Elias Prn asco Bastos.Paw-M portara cor,. (Mhir, rraabando e mordendo o pobre I
Manuel Torrijot.
edeclo afsaa^a raquerj^a.
I condemnado a semelbante erueldade.
__ PEMABBCO.
REVISTA DIABIA-
COMPANHIA DE BOMBEIROS Por portara
da presidencia da proviocia, de 9 do corrate, (oi
comeada ama commisso composta dos Srs. presi-
dente da Assoca?*) Commercial Berrenle, pre-
sidente da cmara municipal 4o nacife, Dr. Felip-
pe de Figneira Faria, director do arsenal de guar-
ir, o director de ar^j de martan, para esto-
Aprigio Jaslioiaoo _.
(erecido pelos alumuos do 5 anno da Faculdade
de Direito, como prova de sympalha e gratidao.
O acto foi revestido de toda a solemnidade, as-
sisiiado i elle alm de qaasi todos os alumnos da
Faculdade, grande numero de pessoas gradas,
orondeado a attencio publica, com bellas felicila-
(Ses, os Srs. Drs. Jos Soares de Azevedo, Anta-
ne3 Galmares, Torres Banleira, Plinio de Lima,
e Moncorvo de Lima, sendo esta em nome dos
seas coilegas. ,
FBRIMENTO GRAVE. No sabbado noute
na estrada do Caldetreiso, Fractuoso de tal ferio
gravemente, com ama tacada sobre o peito es-
querro i Manoel Pereira, pondo-se em seguida
em faga.
ELEICAO.Oa tarceiros earmeliunos prooeda-
ram hontem a elaicao da masa regadora qae ficoa
asiira composta:
Prior.Manoel Antonio Viegas Jnior.
Su-prwr.Alexandra Rodrigues dos Anios.
Procarador piral.Jeronyrao Emiliano de Mi-
randa Castro. .....
Secretario.Antonio da Rocha Acciol Lias.
'uouretro.Guilherme Jos de Souza.
Vijario do Culto Divino.Justino Pereira Ramos.
RELATO RIO
MEDICO LEGAL, ACERCA DA DOENgA E MOBTE
DO BARAO DEJARAGA, POR ANTONIO MARA
DOS SANTOS BRILHANTE, MEDICO CIWJR-
GIO.
Exame medico legal
(CoDtinnaeo.)
O Sr. bario de Alcantarilba, julgando-se forte
em toltces, e ao abrigo do crime, nem enlregou
doente, nem o conduzo a Lisboa I...
Quiz fazer ver-que eu era um omeopatha, e
nao era por isso nm medico I Pois pan ser medico
homeopatha, n'am paiz de parvos, como o nosso,
necessario saber tanto, quanto me possa dille-
rencar dos medicastros a sua confianca...
Veja-se a mraba carta a S. Exc. o raarechal
duque de Saldanha acerca do ensino theonco e
pratieo do systhema medico homeopalhieo era Por-
tugal e do docreto de 21 de junho, que autoriaa a
creacao da classe dos cirurgies mmisfrante. Lis-
boa, imprensa nacional, 1870 .
K como era homeopatha, na oUisstma mtein-
genca do Sr, bario ds Alcantarilba, o men conse-
lho nao liana valor algum, e o mea relatono nao
tera legalade ero presenga dos tribnnaes i
Pois. Sr. bario d'Alcanurilha, em eleteoes
onu-
um
momea-
_ soceor-
ros! mdicos, atiento o eeu estado, e podaap eeta*
serrlhe ministrados de prorpto na localidade ?
H\Pode urir de soccorros mediros, ena toea-
lidajde nao se Ihe podem ministrar urompta-
meate.
P. 3.aPode o baro de Jaragu ser transpon i-
ao para Lisboa embarcando emVilla-Xova de Por-
lmo em lempo sereno e limpo ?
R.Julgamos o moderado exerekio til ao en-
fermo, e como a viagem se possa (atar em boa*
condiQes, votamos pela alDrmativc, sendo o doen-
te jaeompanhado por um facultativo munida d
meios pharmacologicos para de prompto o polar
socCorrer em algaraa eveotaalidade.
P- 4.* O Sr. bario de Jaragu mostrou affeicio.
e alegra, quando na preseoca delles facultativos
Ihejaprespntarara sua ttlha, neta e genro?
H,.Deu provas inequvocas de affeico e ala -
gria.
P. 5.aA presenta de sua filha a neia, qae o
acompanharam do Brasil, a a do gecro, que <>
mesmo bario mandn chamar daquelle imperio,
ple ser til ao bario de Jaragu?
R.Ple, a julgar pela3 manifestacps que pre-
senciamos. Alcantarilla, 6 de fevereiro d
187a
Francisco da Silva MagalhesResiden'e ea
Villa-Nova de Poriimio.
Manoel Agnida Gomes de MiranlaResidente
em Faro,
Belcbeor Mana Fructuoso da SiivaBatUaMe
era Lool.
Antonio Pinto RoqueteResidente era Tavira.
Angosto Feio Soares de AzevedoResideote em
Lagos.
Antonio Maria dos Santos BrillanteResdeut.
era Lisboa.
O administrador do conselho, Jos dos Saot a
Duarte ['menta.
O vice-consnl do Brasil, Diogo Jos Gnerreiru.
O Sr. bario de Alcantarilba, mais arleiro do qu
honesto e verdadeiro, coovocou oulra junta, e>pf
raodo por ella justificar a retenco do bario Jaragu, e veto com e resultado della eombater a.
junta official, que nos tullamos feito. Este docu-
mento, adulterado, apparecen publicado no Jcrnol
do Commercio, de Lisboa, ao dia 10 de marco o
1870.
Esta junta fez-so atrapalhadamenteehonveme^m >
quem duvidasse assigoa-la. E como do que -?
passou neste sentido nao teoho as provas, aprsen-
lo s os documentos officiaee, que soo os se-
guintes :
(Copia).
Reunidos em conferencia os facultativos abaixo
assignados, Jos Mariano Correa Bellas, Francisco
de Assis Baleisao, Jeronyrao Augusto deBivar Go-
mes da Costa, Hermenegildo Jos Chaves, e Anlo
nio Carvalbo Ribeiro Vianna. na caaa do Knia.
barSo da Saaunlba, *Bm de nerem eoatnluda*
e darcm fMtfMNH par aactifilo sobre O diag-
nostico, prognostico e tratamento relativos ao pa-
decmeoto do Exm. Sr. bario de Jaragu; depoi
de esludarem e observarem o doente, e de discuti-
rem entre si urna resolacao sobre o caso proposto.
cencordaram unauimente no seguate :
l.' Que o lente sofrea em agosto de 1869 urna.
hemorrhagia cerebral, j consecutiva a duas c^a-
gestes do cerebro, de que, segando consta de in-
formaces dadas por pessoas de familia qae o
acompanharam do Brasil para Portugal fra ac-
comroettido era pocas aoteriores : qua 33 eontf
qnencias desta hemorrhagia complicadas hoje co.
amollecimenlo' cerebral devem ser atlribaidos os
symptomas que o doente aprsenla como a perd..
da (alia, a do movimento dos raerabros dreitos,_a
nclinar)ao relativa da lingua e bocea, coniracco
permamente do? msculos flexores d'- aote-brac/,
mao e dedos, e oulros.
Segundo.Qae atindanlo < s condicoes era
que o doente se aclia, nao podem deixar de consi-
derar este estado como precursor de urna termina-
gao fatal .
Terceiro.Que nio conhecendo medicacao al-
guna que pos-a exercer urna accio especial e
jalutar contra semelbante estado, entendera qne o
doente deve ser unicamenla submetlido a um tro
tomento expectante e ymptomativo, aconselbao-
ao-lhe alm disso toda a tranquillidade meral o
quietacio e repouso physico possiveis, o que Ibe*
pareca ncorapativel com o transporte do doeula
para oulra localidade, na qual podia roalisar-se
ainda a circuautancia se fr com outro raais po
puloso, de ler condicoes hygienicas rauto mano
favoraveis do que aquellas que actualmeule dis-
frucla o doente.
Alcantahlha, 6 de fevereiro de 1870.
Jeronymo Augusto Bivar Gomes da Costa.
Jos Marciano Correia Belles.
Francisco d'Assis Baleisao.
Reconheco as tres assiguaturas fem frente por
verdadeiras dos proprios, cujas identidades certi-
fico. Faro (traf) de fevereiro de 1870, e declaro
que as assignaluras a que me rento tao as de Ja-
ronymo Augusto de Bivar Gomes da Cosa Jof
Marciano Correia Bellese Francisco de Assis
Beisio. Em testemunho de verdade, o tabelliao Jo
s Maria Laduvice.
Est conforme cera o original.-O vice-consui a
Brasil Diogo Jos Gaerreiro.
Este documento, na correspondencia allodiJa
vem assignado por cinco facnlialivosll
E* consa notavel II O Sr. vice-eonsul do Brasil.
Diogo Jos Gaerreiro, na saa correspondeccr,
impressa oo Jornal do Commercio, de Lisboa, da
27 de marco de 1870, diz :
Ainda assim nio cumpri, porque, com qnant.
repute os facultativos de ambas as conferencia?
muio dignos, eom todo, pelas relaces e conheci
ment qae tenbo dos facultativos convocado^ pe >
Sr. bario d'Alcantarilla, estes sio para mim te
maior autoriiade; isto raesmo comrauniqne ao
Sr. cnsul geral em officio de 9 de fevereiro...
E o Sr. Guerreiro, que abona sem prooas. o. qno
nio vio neste documento a llegalidade e a frang
connivente com o Sr. bario d'Aleaaiarilha aa, w-
tencaS do bario deJiraga, aceitava a opiniao
dos mdicos que abonavam sempre a detenca .
qne foi a mira de todas as juntas fetas I A po-
vas tleam aqu consignadas.
O Sr. Gaerreiro foi demittido por prooai: de "
Hi sen zelo nesta queslo, e por ajsignar o traba-
lho da junta official, e dizer depoisqoe lae mere-
ca menos confianca I Quando reqaisitamo a n*
presenta, foi para Ihe armarnos o laca, e nano....
Estamos justificados.
Permita Deas, qae, dada a necessidade de me -
dico saa cabeceira, s possa ter os que levai ..
baro de Jaragu, em Alcautarilha, que sao o m
saa eonfiaoca pelas provas, pronadistimas da sua
illusracSo e renome.
Rlm. Sr. Dr. Jeronymo "Augusto de Bivar Ginvi
da Costa.-Meu colleaa.Lamento que a ansien-
dade de carcter, o bom nome de que goza V. .
uestes povos, fossem astuciosamente agarrados -.
ama qaestio, qae a sombra de nossos noopes

mero brutal decide da causa, e em scienea
bomem s de provados coaheennentos pode valer
am e mil... Genios ha ponces, empreiteiros e
obrelros ha muitos... Para c irtar a esta parva
nitellieencia o argumento do numero, deliberen o
Sr Dr Pinto Pessoa convocar urna conferencia
magna legalisada pela prearaca da antoridaoc. com-
nar'cenlo mdicos de maius localidades, que se
apreseniaram mesma hora, sera previo soborno
era Alcantarilba II Deve-se este veloz beneficio a
telegraphia.
Slo sobre este6 de fevereiro de 1870, F. Ma-
Em Sr. Dr. Prinrco "I*/^"s5^, ^' o hSKmol ttf-S*. i,,,il Ll-
en(arm3,.e Exm Sr. bario ds Jaragu,
L
I W1T1LAH I


J
Diari* P-QmkLC# *- Terca feira 17 d Oatubro dt 1871

<
V

\
-
to. De Ma f cabio o credor na casa do deve-
lor.... O bario traiia erh cotnnarmia orna (liba .oa ,
sada e ama neta tutelada, e exigi a vioda do
genro para ti Ihe tratar dos oef"cios.... A' che
gala do georo, o sogro achava-se no estado em
que esl.
Parecendo ao genro que aqu nao haviam re-
cnrscs para se tratar convenientemente fui Lis-
boa, e a pedido do Sr. commendadi>r meu
doente ero Lisboa, e tio de oulro genro di bario
de Jangua, viro aqni pira ver o Ilustre enfermo.
A' chegada fui recebido na ra (na o iva ponte
da Ribeira de Pera) 1 A porta fecho* se para o
genro, Riba e neta, Modo esta a ultima qoe fugio
de casa. Ku vi a examine! o doente ao lado do
\ice-consul do Braail. Foi depois qi>e a hypocrisia
coiD.ec.ou a mostrar-se interessada pelo doente...
porque tres das depoie fez-se una confereniia,
sem que para isso fosse chamad! Corapliearam-
se .as cousas, e fe-se a junta do dia seis do cor-
rete.
Se a nossa junta (reuna >) tinha o zelo da fllha,
genro e neta pela vida de seu pai, sogro e av; a
junta de que fez parte o collega, niio tinha fon al-
gum, segundo dase o dono rti casa I que tem feito
e creado jrapalhices nqualifleaveis. Ora, pela
mesma razio que depois da minba vinda fazendo
se orna junta, eu nao fui ouvido, por igual raio,
nao tendo nos convidado os c Hegas hesiiamoi em
undir a nossa junta, qne nos levaria a largos e
(MMdtaMM debates... Note bem o colleg pelas
vidracas dos quarts viam-se muitis caberas, que
on justificavam curiosidade, ou preveucoes -
peiios.
Os collegas qne eu respeito muilo cabirara na
cilada armada ; porque no seu parecer, do qual
remeti copia, assim corri do noss >, ha so tres as-
signaturas, sendo os praticos cinco I Alm disto, o<
collegas- llzeram a junta em data de 6 (*eW do
corrente, e o tabellio reconhoceu no dia 3 (tres,
on tres das antes da sua renniio, o que prova ma
r attenllendo ao reconbecimeuto feito ora data
sntecipada. O tabellio e;t na s circumstancia?
de perder por isso o emprego (offlcio... E j de-,
via estar demiltido. O bypocrita que tudo isto ira-'
moo, j em outra ocsasio pedio ao escrvioque
o intimava para ser jurad, que dissessenao o
ter encontrado e estar em Faro. O escrivio cahio
nesta falta, que elle denunciou no dia da audien-
cia, mandando um attestado, feito em Fro, decla-
rando estar doente era Alcantarilha I Agora
da se igual facto. As tricas acliarara-se deste
modo.
Mi a minba mi-sso ao Algarve nao era apre-
ciar o exercieio da medicina neste pequeo reino,
nem avahar o feo progresso. Jjlgj que hao de
naver intelligencias robustas e cultas (o que se
observa pelas producofies transcendentes), orno
ba em toda a parte. Poden os diplomas ser da
mesma ou de differeote escola., estes- pro-
vam que sabiram da secretaria daqnelle' es!3be-
lecimentos, e nunca poderlo provar igualdaie
de eogeobo. Portento cada medico sera diques
ou restriccS's ao talento, ple ser mais ou menos
hbil, e eu nao posso Dem devo aprecalos como
pessoas; porm posso e devo apreciar as dou-
irinas, e a pratica fundada nesta?, e desla apre-
eiaco nasce o progresso. E' pots o que flz e te-
nho feito, sera me atrever a Miar dos indivi-
duos.
Como o meu colleja tera a fama da integrida-
dee da illustragio bem merecidas, faro-lhe este
aviso para saber que est mettido no lar.o armad
pela hypocrisia. Aquelle que rccebeu em sua ca
sa o Darlo de Jaragua, sua fllha, neta e genro,
cora fugeles, vivorio, msica, roe agora ludo f
ra de asa I E as3gna-se barj d'Alcantarilha,
.rmao germano!
E que Ul ?
Crea me collega atiento venerador e servo, An-
tonio Maria dos Santos Bullante. Alcantarilha,
13 de feverelro de 1870.
(Continuar se ha)
CAMET, 19 DE SETBMBRO DE 1871.
Nao ha grande? novidades nesta boa urr, mas
pira nao deixa- lo sem as que existern eserevo-lhe
esta carta.
Acha-se convocado para o dia 23 o jury
desta comarca ; creio que sero apresentados ape-
nas tre? processos, sendo um de reo preso, um de
ausentes e o outro de reo aflhmjado.
O Sr. Dr. Miguel Lucio, 'promo'or publico
esta comarca e director do collegio Santa Cruz,
;em sido muito feliz. Lhano e delicado tem con-
quistado verdadeiras sympathir.s em todos os cre-
dos polticos e classes sociaes. Creio, pcrm, que
aprotnotona vai Ihe dando o que Uia, mas de
esperar que coro os seos conhecimeutos e sua
prudencia nem a juslica nem as partes scffrero
final
S S. nao se tem reputado poltico, o que ja
ama garanta para os eomarcdaa de Camela. Oa-
50 Jlcr, porm, (jae nao na atfsfetto com cer-
tot individuo', do* quaes nn emenden! qne o pro-
motor deve servir amigos com sacrihVio da lei,
cutros que nao deve tocar em qnestoes que pc-
dem eomprometter flgurSes da trra.
J deve ter litio o Tocantins, jornal novo e que
t~) marcttldo ouiu buns auspicios. Do modo por
ijus caramba pens que ve:: prestar b >:' serv
eos esta importante cidade.
O Conservador, peridico do Sr. Cacella, con-
tinua em suas diatribes contra todos os que ap-
plaudem o Tocantins, que por sua vez nao Ihe d
respes ta.
Emo ultimo numero, atira-se caninamente con-
tra os redactores deste perodi:o, taxando-os de
bebados (I)
Tendo o Sr. Cacella denunciado ao promotor,
cmara municipal, aquella autoridade pedio infor-
inacSes e copias de actas e tudo remetten pro-i
dencia, que resolveu approvar sen procedimento,
segundo ouvi dizer; mas o Conjrcafor diz agora
qne J que o promotor nao cumpli sen dever.
dirige-se ao Dr.juiz de direito I
O Sr. Dr. Lucio nao se deve encommodar com
isso, por que, felizmente o Sr. Cacella, aquelle
mesmo que tem seu serralho confronte casa em
que moram as fllbas, aquelle mesmo que proce-
cea eom sua esposa como se sabe muito co-
rhecido. O Conservador que se atira a todo ho-
rnea) de bem como cao damnado, nao pode offen-
der aninguem.
O sen redactor e co-prop-ielsrio (a typographia
i- de muitos ) j d o jornal gratis para serem
lid s seus aranzeis.
Quero nio tero crdito nao desacredita. Mas o
culpado de ludo isso sao os nossos amigos que
pensaran ero mo instante de buraer que havia
falta de gente para delegado litterario, e comman-
dante da reserva e...
Basta, at toreve.
( Do Diario de Beln)
A9 quem toca1
Em vista de disposiQ5o do regulamento
da praticagem, fde um pratico da barra
de Pi-Tambuco sabir para fra da provin-
cia, por mais de ros das, sem licenra do
Eim. presidente da provincia ? Isto deseja
saber. /m curioso.
Ao Sr. subdelegado do Ite-
clfe.
Instantemente rogamos ao zeioso subde-
legado da freguezia de S. Fre Pedro Gon-
;alves, providencie!de forma a de-apparece
rea da sua freguezia, com especialidade de
Fra de.Portas, aigons bomens insoltaodo
i qnem vive socegalo, e a rearando com
puBhalaa por quarquer motivo.
/a alma.
Seccio i.*Palacio do governo de Pernimbuco,
enzdt junbo de 1870.
Remetto por copia a Vmc. para seu eoabecimen-
to e Ana convenientes, a inclusa deliberacao desta
data, peta qual resolv em vista doJ 6* do art. 8
4o contrato de 22 de julho de 1868, approvar o
regulamento por Vrae. organisado em 18 de abril
prximo finio, para os marbinistas 6 mais em-
bregados subalternos da comfaahia dos trilbos ur-
banos do Recite a Olinda c-.n-tanle da copia tam-
bera junta.
Deas guaede a Voe.Francisco de Attis fereira
Bocka.=.&r. superintendente, A. de Abreo Porto,
da compaohia dos tnibjs urbanos do Reeifc a
Olinda.
Copla.Secca4.-Paacip do governo de Per-
Bambuco, ero t de julbo de 1*70.
G vico-presidente da provincia, ero vista das in-
ormajSej da directora da compaahia des trilbo
urbanos do Recite Olinda e Beberibe, e do ebefe
da reparUeio das ob < publicas de (8 e 27 do
sorrtnte, r*re.de .<>. m oi f do irt.
* eootraeta -HgulaajftattraTjTxo traiseripto, organisado peo
- Mipfctivo snperinteqdente em 18 e abril prximo
fado, para os achioistas a mais empregados sn-
salternos dt wesma companhia.
CAPITULO I.
M ACHINtSTAS.
Art. I Todas as vezes que qsatquer trena es-
tiver prompto partir, dever antes d'isso fazer
executar o signal n. 1, indicado ne artigo segrate
Aart 2.* Os signaos ou apttos dados pela lo-
comotivas sS' ^ qo*tro especies: Uro apilo,
'igoifica atten^o para seguir a lo:omotiva sem en-
trar no desvio: 1 Dous apitos, indica que vai
entrar no desvio : 3* Tres apitos, significa que vai
parar : i" Duas vezes tres apitos indica perigo.
Art, 3.* As locomotivas devera comecar apilar
na approxiroacio de qualquer encraziihada, come-
vndo sempre tnnta bracas antes.
Art. i. As locomotivas so podem seguir se os
vigias mostrarem urna bandeara branca ; mas de-
vera parar iramediataraente se estes presentaren
a bandeira encarnada.
Art. 5." Uaa bandeira verde indica que a locomo-
tiva deve seguir com a menor velocidade posslvel,
de modo que, se for preciso, pare o trem irame-
diataraente ; mas, se a bandeira verde estiver in-
clinada para baixo, significa que ha a gura defeito
no3 trilitos, e nesie caso deve seguir a locomotiva
muito devagar e o machinista reparar muito nos
trilbos
Art. 6. Acontecendo passar o trem> por qual-
quer ponto ero que deva haver um viga, e nao o
encontrar, ou este nao Ihe flzer signal algum, o
machinista deve parar a locomotiva aflra de,verifi-
car o que detiuha o viga; mas se a linba esttver
desembarazada, continuar a sua viagem com a
maior brevidade, dando parte d) ocorrido ao ebe-
fe da estaco mais prxima.
Art. 7." De noute os signaes serio feltos eom
lampeoes das cores das bandeiras de qne tratara
os arts. 4* e 5.
Art. 8." Todas as vezes que houver qualquer
demora maior de quinze minutos, dever o ma-
rinista fazer o signal n. 4, indicado no art. 2.,
e sempre que ouvir este signal dado por outra
inalquer locomtiva, repeti-Io-ba, dando aps el I*
jm apito prolorrgado, o que indicar que fot ouvib
i signal feilj por outra locomotiva.
CAPITULO B.
VIGAS.
A't. 9.* Os vigias sao obrgados a ter durante
as horas de servido as tres bandtiras e o larapeao
com tres cores para fazer os seguimos signaes.
Branco, para "dizer que pJe seguir. Eocarnado,
para parar. Verde, que qusr dizer cautela. Es-
tes signaes sao feitos de dia com as bandeiras co-
mo indicara os anigos 4o e 3 e a noute com lam-
peo.
Art. 10. As bandeiras e lampeos serao sempre
sustentados as mos quaodo estiverem falendo
os signaes.
Art. 11. Quando receberem noticia de qne urna
machina ou trem sahio fra dos trilitos, ou aconte'
ceu qualquer outro desastre, ou a linba estiver
impedida, mostraro o signal encarnado, fazeodn
parar qualquer outro trem que estiver viajando
para a mesma direccio, dando iramediataraente
parte de tudo ao machinista, atira de seguir a
7agm com toda cautela at o lugar do acontec
ment.
Art 12. Alm dos vigias havero guarda-des-
los, os quaes sero encarregados de conservar
sempre limpas e azeitadas as agulhas e suas cai-
xas, e fazer entrar no desvio qualquer trem lo-
go que o respectivo machinista houver feito o sig-
nal indicado no n. 2 do art. 2 *
Art. 13. Se por qualquer circumstancia nao
puler o guarda-desvio por era execucao o que
indicar o signal do machinista, dever fazer logo
com que o vigia faga o signal convencionado no
art. 9o pira parar a locomotiva, dando logo o mo
Uve por que nj Ihe foi p^ssivel cumprir com o
que exiga o signal dado pelo machinista.
Art. 14. Os guarda-desvos deverao experimen-
tar antes da passagem do trem se as ajnlhas
estao perfeitas, e empregar na passagem do trem
toda a forga da manivela pira fechar bem a agn
ina, afira de prevenir qualquer delerioraxiento ou
sinistro.
Art. 13. Se na passagem de qualquer machina
ou trem as agulhas ou trhos aijacentes roflrerem
qualquer avaria, o guarda-desvio e o vigia cora
raunica lo ho irameatamente ao cabo de con
servacao ou conservador da liha.
Art. 16. Tanto os vigias, como os guarda des-
vos, devem estar bem Mientes de todos os arligos
destas instruccois e conhecer perteitaroente os
signaes de que tratam os arts. 2.', 4.*. 5. e 9.
Art. 17. Os guarda-desvos sao obrigados a con
servar sempre livres e desembaracadas as estradas
los desvos para a passagem das machinas ou trem
que as procurarem.
Art 18. Averiguando se haver deleixo ou ne-
gligencia da parte dos vigas e guarda desvos na
xecocao das orden- que recebaron) ou das dipo-
sicoes destas inlituicSea. serao nandiaa lespeunros na irena.
Arl. 19. Tanto os machinista?, como os vigas,
:hefes de estacan e mais empregados da licha e
do trafego, recebero as ordens do soperintendea-
te, ao qual sao immediatamente subordinados.
Assignado.-Francisco de AssisPereira Rocha.
Confere.Antonio Annes Jacome Pires.
O superintendente,
Andr de Abreu Porto.
N. I97.-AGUA DE FLORIDA DE VHJRRAY E
LANUAN. Era consequencia da sua grande e
vasta popularidade e justa celebridade em todos
os mercados da America do Sul e das Antilbas,
para o uso de cujos paizes, ella foi exclusiva-
mente manufacturada ha mais de vinte annos ; a
mesraa tem sido extensivamente imitada e contra
feita ueste paiz. Porra presentemente o artigo
original foi introdozido, e em virtude do mesmo
apresentar a distinctiva marca comroercial dos
proprielarks ple fcilmente ser distinguida pela
sua appareneia exterior dessas ontras simuladas
e fraudulentas eomposicoes. Os signaes internos
de perfeita genuidade sao muito menos fcil de
engao, por quanto a Agua da Florida de Mar-
ras e Lauman, tera e desenvolve o aroma pro
nio das frescas e llirescentos flires e plantas do
trpico, das quaes ella deriva a sua bella e ex-
quisita eomposicao, e a exposicao ao ar, em lu-
gar de diminuir, augmenta a delicadeza de seu li-
no aroma em lugar de produzir urna emanacao
acre ou urna certe elil ivia desagradavel, como
acontece com esses perfumes e aguas de ebeiro,
as quaes sao preparadas e compostas com leos
baratos e fortissimos de essencias.
Vela mes sabidos com razendas
cem gneros
173
121
2'4
Descarregitn hoje 17 d6 ontnbro. v
Brgue inglezDantebacalbo.
Patacho inglez Isabeldem.
Brigue norte-alleraoIdafarinha de trigo.
Brigue aPemSoCorona -vanos gneros.
Brigue porluguezrriumpA! varios generes.
Barca fraaiezaanfo Aiuri!varios gneros.
Brigue portugusRelmpago -dem.
Patacho ingler-l/an/bacalhlo.
Barca inglezaLavinacarvao.
Despachos de exportando no dia 14.de
outubro.
Para os portos do exterior.
No patacho portugaez Liberal, para o Porte,
earregaram : Amorim Iroaos dt G. 71 saceas eom
4,511 kilo de algolo.
No lugar haspanhol Camila, para Barcelona,
earregaram : P. M. Maury k C. 6 saceas coro 550
kilos de algodio.
No vapor inglez Gladiator, para Liverpool,
earregaram : Sauners reihers & C. 196 saceas
com 16,934 kilos de .tlgodo.
No brigue bollandez Wald Burger, para
Liverpool, earregaram : Mills Lathan C. 329
saceas com 25,818 kilos de algodio.
No brigue inglez Jane, para o Canal, carre
garara : Johnston Pater dt C 800 saecas com
6,030 kilos de assucar mascavado.
Na barca ingleza Lavina, para o Canal, ear-
regaram : Sauoders Brothers & C. 6,700 saceos
com 502,500 kilos de assucar mascavado.
Na barca francesa Mauricien, para o Hivre,
earregaram : Tisset freres & C. 1,00U couros sec
eos com 12,000 k.los.
Na barca portogueza Mara Luiza, para
Lisboa, earregaram : Amorim Irmajs & q. 92
couros seceos eom 1,064 kilos.
Para os portos do interior.
Na barcaca Constancia, para Mario, eafre-
pon : J0S0 Alexandre Vieira, 6 barrls da 5* eom
576 litros de agurdente.
Na barcaca Umbelina, para a Parahyba, ear-
regaram : Seixas & Borg*s 40 saceas com 2,3to
kilos de assucar branso.
Na bareaca Ae Mara, para o Pilar das
Alagoas, earregou Antonio Ferreira de Carvalh>>
6 barricas com 144 litros de cerveja. I
Na barca ija Maria Vianna, para Macelo,
earregaram : Brosvelmaot & C 30 caixas com
120 litros de cerveja.
No hiate Aielino, para Maco, earregaram
Carvalho & Pereira 4 barriquinbas com 33 litros
de genebra.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBCO.
Rendimento do dia 1 a 14. .' 33:732*279
dem do dia 16...... 8.236*530
COMMERC.
Seguros eonlra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
.'jptttl........20,0OO:0O0il0Ob
Fundo de reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
Mills Lathan & C.
THE ALLIANCE BMTISH A FOREIGN.
Life and Pire Assnranee Company estabelecida
em 1824. Capital 6,000,000
SO agentes desta companhia tomara seguros
contra rogo sobre predios, gneros e fazeodas
pagam aqui prejuizos devidamente provados,
l&abe Sehmetan & C
Corpo Santo n. 18.
IMPERIAL
Companhia de seguros contra
fogo.
CAGENTES
s. p. joimrON %
Ruada Keazala-nova n. 4.
SEGURO CONTRA F9G0
ThH Liverpool & Londoo & Glob
Insurance Company.
Agentes :
Sannders Brotbers d G.
HCorpo 6aQtoII.
ALFANDEGA
Rendimento do (Ha 1 a 14. .
dem do da 16. ... .
496:2341648
34:931*288
DECLARACOES.
Fiscalisafo da freguezia de S. Jos, 16 de
oatubro de.!87i,-
O fiscal da freguezia de S. Jos, fas mente a
todas as pessoas moradoras na mesma, que d'ora
em diante passa a mandar varrer as ras de
Harcilio Das, Vidal de Negreiros e coronel Suas-
suna, as madrugadas de demingo para segunda
feira, terca para qnarta, qniota para sexta e sab-
bado para domingo, isto at o chafariz do largo
do Viveiro ; segunda-feira para terga, largo da
Kibeira, Assumptao, e Dombigos Theoionio; qnar-
ta para quinta feira, Santa Rita Nova, dita Ve-
Iba, Santa Cecilia, S. Jos, travessa do mesmo
oome. As deraais serio varridae de dia : quero
ti'-er lixo em suas casas poderlo deitar das 10
horas da noute de todos os dias aqu marcados,-
isto ero vasilt?, sob pena de serem multados os
qne botarem de dia, as ras cima mencionadas.
O fiscal,
Ernestlno Cavalcante de Albuquerque.
Cerreio geral
Relajo dos objectos registrados exis'entes
na administrado do corre i o desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo mencio-
osdas.
Andr AI ves Gama, Antonio Augusto da Costa
Laeerda, Antonio de Amorim Garca, Ed J. Car-
rol!, Francisca Carolina Silveira do Val, Higina
Mirlado Espirite Santo, Joaqun Lopes Bastos,
Jos Elias de Maura, Jjs Olimpio dos Santos, Joao
Antonio Gomes Guimaraes, Joo Pinto Ferreira
Guiarles, Luiz Candido de Amorim, Luiz Igna-
cio de Oliveira Jardiro, Marianna Ribeiro Lapa,
Mauricio Francisco Ferreira da Silva (3), Maooel
Francisco, Maooel Julio da Silva, Prescliano Olim-
pio Nogoera Neves, Pedro Gaud.ane de Hales e
Silva, Pasqnale Guglicimino.
Administra^) do correio de Peroambuco 16 de
outubro de 1871.
O enea-regado do registro,
A. Gomes da Silva Ramos. -
AVISOS MARTIMOS.
RIO DE JABO
Para o porto cima segu eom brevidade o bri-
gue nacional Damao, tero parte da carga engaja-
da, e para o 1 esto que Ihe falla traia-se com os
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& ('.., ra do Bom Jess o. 87, 1* andar.
41:988*829
CONSULADO PROVINCIAL.
Kendimento do dia 1 a 14, 23:957*839
dem do dia 16...... 2 052*492
26.013*331
MOVIMENTO DO PORTO.
Savias sahidos no dia 16.
Ro de Janeiro 20 dias, barca portugueza Mot
ta Pereira, de 332 toneladas, capito Joo Bap
tista Luna, equipagem 14, carga barricas' va-
sias, lastro e outros gneros.
Xewport 43 dias, galera inglez i Premier, de
486 tonelada-, capillo Alexandre Whit, ej.nl
pagera 16, orga carvao ; a Juhoiton Pater & C
TerraNova 37 da, pa'.acho inglez Mary, de
192 toneladas, capito Murphy, equipagem 8,
carga 23*6 barr-as cora bacalho e outros g-
neros ; a Sannders Brothers & C.
EXPEDIENTE DO SECRRTAfilO.
Barcelona Lugar hespanhjl Camilla I de Tossa
capito Jis Mrstre, carga algodo.
ECITAES.
O Illm. Sr. inspector da ibesouraria provin-
cial em cnmprimenio da ordena do Exra. Sr. vi-
ce-presidente da provincia de 17 de agosto pr-
ximo Ando manda fazer publico que a mesma the-
-ouraria vende 300 apolices da divida pra^inoial
no valor de 100* cada urna, vencen Jo QsjnyMtak
8 0,0 ao noo pagos por semestre" na servada i
qamzena di oida 0* tat** o i&otiro,
ser resgatada- na quinzena deste ultira
servando-se a naraeraco seguida e tantas {nau-
tas permttirem os crditos votados annnalrnente
precedendo annuncios. Os pretendemos compa-
recara na mesma thesonrara no ora: o de 30 das,
a contar da data deste E para constar se man
don publicar o presente pelo jornal.
Secretaria da thesonrara provincial de Pernam
buco 5 de outubro de 1871.
Conforme.Servinio de oficial- maior,
Laodelino de Luna Freir.
O Dr. SebastiSo do Reg Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife da Per-
namboco por S. M. a quem Deus guar-
de etc.
Faco saber pelo presente, que no dia 9 de de-
zembro do corrente anno, pelas 11 horas da ma-
nha, na sala das audiencias, tera logar a rennio
dos c:i-dores da massa fallida de Fernando Stepple
da Silva, na conformidade do art. 135 do regula-
mento n. 738 de 25 de novembt o de 1850, afira de
qoe[reunidos todos os credores em minba presenca,
veriflqnero os seus crditos, coneedam ou neguem
a concordata ou f irraera contrato de nnio, ad-
mttido por procurador se este nao tiver poderes
especlaes para o acto, e que a proenracao nao
ple ser dada pessoa que seja devedora dos fal
lidos, ero o mesmo procurador representar por
dous ou'mais diversos credores, havendo se os que
nao comparecerem por si on por seus procurado-
res, como adherentes concordata para coja con
cesso serlo contados os votos dos ausentes assim
n Hincados.
Em cumprimento do que lodos os credores da
referida massa fallida comparecam em dito dia,
hora e lugar designado, sob pena de se proceder
sua revalia.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei fazer o prezente edilal que ser affixado
nos lugares do costume e publicado pela im
ureosa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
narobueo aos 5 dias do mez de outnbro de 1871.
En, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
eserivao snbscrevi.
Ao sello 300 rs. V. S. S. excansa.Barros de
Lacerda.
_______ SeSosio do Reg Barros de Laceria.
Peame a cmara mnoicipal desta cidade
estaro em praca nos dias 14, 16, 17 e 18 do
corrente para serem arrematados por quem maior
preep offerecer os alugueis dos tainos n. 19 e
cauto do lado do norte da ribeira da freguezia de
S. Jos.
Os pretenden tes a taes arrematado es, compa
rec^m nos dias indicados no paco municipal, mu-
nicipal, munidos de suas naneas na forma da
lei:
Paco da cmara municipal do Recife, 13 de on
lubro de 1871.
Ignacio Joaquinj de Souza Lso.
Pro-presidente.
Lonrenco Bezerra Carneiro da Cnnba,
secretarle.
831:166*936
WoTlneato da alfndega
Voluntes entrados com fazendaa 84
> con generas 384
468J
A cmara municipal desta cidade, pela pre-
sente convida aos preteodeotes a arrematacao do
imposto de 60 res por cada p de coqueiro de
prodaceao, exceptan Jo 10 ps para o uso do
propietario, pela qnantia aunnal de 901*000, e
bem aaskn na singuis de diversas casnhas da
ribeira das freguezias de S. Jos e Boa-vista, a
comparecerem t o dia 18 do corrente munidos
de flanea.
Paco da cmara municipal do Recife. 13 de on-
tnbro de 1871.
Ignacio Joaqun de Sonsa Leie,
Pr-preslsate.
Loarenj Kxerra Caraeiro da-Cmbi.
___________ Secraftrto._______
Facilidad*? de Direito
De erdem doBxm. Sr. eonsettclro ee-dlreetor
fago publico qoe amanhaa ao meO dia teri lugar
a prova oral relativa ao concurso -a que se esta
prpeedendo para preeoebirnenlo de orna das va:
Secretaria da Facuidale de Direito Ao Recife,
16 do onjnbro de 1871.
hrs Honorio B.^Mneies.
Para o Porto
Vai sabir no dia 20 do corrente mez o patacho
portuguez Liberal capito G. I. Lial, ainda recebe
alsuma carga e passageiros : trata-se com E. II.
R1 bello dt C. ra do Com mere io n. 48.
NU 0 PITO
Acha-se carga a barca portugueza Clementina
e pretende seguir 'com a maior brevidade : quem
na mesma qnizer carregar ou ir de passagem, tra-
te com us consignatarios T. de Aqnioo Fonseca &
C. Suceessores a ra do Vigario n. 19,
CO.HPA .1111.1
DE
Navegapao Brasileira
At o da 23 do corrente, espe-
rado dos portos do sul o va-
por S. Jacintho, eommandante
Aikins, o qual depois da demo
rado costume seguir para os
portos do norte.
Desde j recebera-se passageiros e engaja-se 1
carga qne o vapor poder condnzir, a qual deveri
ser embarcada no da de sua chegada, encom-
tnendas e dinheiro a frete at s 2 horas da tardi
de sua sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
jsetos de pequeo valor, e que nao. excedam a 2
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
Co. Tado qne passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previae-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens s se recebem na agencia, ma do Coo-
raerc o n. 8.
LEILA
DE
Dnas tercas partes do sobrade sito A ra
do Bemfica n 42, na Magdalena, o qual
podem os pretndenos exiasfnar com
aoticipaQlo.
A 19do correte.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
eommercio desta ciiade, e requeriraenlo dos sd
ministradores da massa fallida de Sebastiao Jos
da Silva, o agente Oliveira espora novamente
leilo as 2|3 parte do excellente sebrado snpra-
dito, o qual se torna reeomraendavel qnanto apra-
sivel pela su boa construccio e amenidade da
localidade, e propro para quem procura arrabal-
de saudavel, tendo a vantigero da condu^o dos
excellentes bonds:
Qainta-feira
ao meio dia em ponto, no eseriptorio do mesmo
agente roa do Bjm Jesu, Io andar. _____
LEILOES.
Leilo
DE
Cerca de mil barricas com farinha do trigo
das acreditadas marcas abaixo decla-
radas.
HOJE
As f 1 horas em ponto.
O agente Pestaa, far leilo por conta e risco
da quem pertencer, de cerca de 1000 barricas com
farinha de trigo das marcasVictoria-00-e O
Fontanamarca pretao S S S F, as quaes se-
ro vendidas em lotes vontade ; terea-feira 17
do jrrente s II boras em ponto no armazem do
Sr. Jos Doarte das Neves.__________________
LEILO
DE
Um sobrado de 1 andar e soto, sito ra
de Hartas n. 52
O agente pontual, competentemente autorizado,
vender em leilo o sobrado cima
Qiiarta-feira 18 do corrente.
No armazem ra do Bom Jess n. 23 (onlr'ora
ra da Cruz), s 11 horas. _____
LEILO
DE
JOIJL8
EMCONTINUACA
E 0 ULTIMO ,
0 agente Martina far leilo, por ordem
de Mauricio Jos dos Santos Ribeiro, para
liqmdacSo final de todas as camellas dadas
em penhor, constando de objectos de bri-
Ihintes, ouro e prata, relogios e outros
rao i tos objectos, que foram dados em pe-
nhor no sea estabelecimeato da praca da
Independencia a. 33
Quarta-f eir 8 do corrente
A's 11 horas do dia na praca da lude-
pendencia n. 33.
FAZENDAS
iraacezas e iiiglezas
limpas e avariadas
QumU-feira 9 do corrente.
iVd armazem da ra da Cadeia
n. 40.
O agente de laudes F. i. Pinto, levar leio
por ordem de diversos, e por conta e risco de
3nem partueer, nao s um grande e variado sor-
meato A lateadas francesas e ingieras limpas,
como timbera diferentes fsiendas coro avaria de
apt salgada, conttotn dw madapoUjas, algos*,
acalcas, bros e easemiras finas.
O lellio.ser fTeetuado no arnaae *a ra da
Caleta n. 0.
PruxJpiari as 1S boras em ponto.
LBILO
DE
Urna mobilia de amarello, cem 12 cadeiras
de guarnido, 2 ditas de bracos,- 2 ditas
de balanco, 2 consollos e I sof, 1 ca-
ma fraoceza, I lavatorio com perteuces
de porcelana, 1 meia commoda de ama-
rello, 1 marqueza, I m?za de jantar, 1
apparador, 1 meza de cosinba, 6 cadei-
ras de amar alio, 6 ditas americanas, 2
pares de laternas de crystal, 2 candiei-
ros agaz, 1 par de jarros, 1 tpele gran
de e 1 dito peqneuo, escarradeiras, 1
marquez5o, lonca para almoco, dita para
jantar, e trem de cosinba; lodos estes
movis tem muito ptuco uso.
Quintafeira 19 do corrente.
O agente Mariins far leilo, por antorisacao,
dos movis cima, os quaes se acbam muito bem
conservados e ponco u->o lera, s 11 horas do dia
oa ra das Trincheiras 3. 4i.
CA1XEIR0S.
Precisa-se, para caixeiros, de dous meninos
portoguf zes de li a 16 annos de idade e reeen-
temente ebegados de Portugal, para irem para o
Brejo da Madre de Deus : tratar coro Uanoel
Azevedo de Aadrale., ra Primeiro de Marco
n. 8.
*
C4PELLAS
Para o dia de finado?.
i *
LA. P i .
Porto d Bastos, com esta-
belecimento de calcado Pra-
ca da Independencia acaba de
receber novo sorlimento de
capellas de aljofares e vidri-
aos om toscripcoas, para (o que avisam
as pessoas qne se quiserem prevenir com
ama d ellas para depdr no tomlo de al-
gum prente ou amigo em dia de finados.
\s inscripcoes s5o as seguintes:
A meu pae.
A minba mae.
A meu esposo.
A miaba esposa.
A meu filbo.
A niinha Giba.
Sandades.
para o dia de inadoj.
A toja da lila aiul ra de Ca-
bug n. 2 acaba de ree>ber as
melhores capellas de vidrlho's que
tem vindo a esta cidade ; ass m
como capellas as apreciaveis per-
petuas amarellas com let'eirosfim-
mortelles) e para lodo; os pregoe :
oga-se as pessoas que Ozeram pedidos, qi as
cenham buscar, visto como o numere dallas nao
grande.
1 11111 \mmmammmtammmmmmmmm
ALUGA-SE

cortes de casimiras
(AVARIADAS)
Quinta-feira 19 do corrente
A'S 10 lj2 HORAS
O agente Pinto levar a leilo, a requerimento
de Rocha & C, por autorisa^-i i> cnsul de Fran-
g, em presenta de seu shancelier e por conta e
risco de quem per,tencer de urna caixa marca R S
& n. 532, eom 10 cartoss eora casimiras linas,
avariadas, bordo do vjpor fran:ez Amazone, na
sua ultima viagejn este porto.
O leilo ser effecraado s 10 l|2 horas do dia
cima dito, no armazem da roa da Cadeia n. 40
NEIL40
DE
Urn sobrado de um anlar e reto e terraco,
com 32 palmos, \5o de cerca de 70 de
fundo, no bairro de S. Jos roa de S
Julo.
Qnatro metas aguas ni fondo do mesmo
sobrado, que rendem 325 mensae?/(tudo
novo e bem construido.
Sexta-feira 20 do correnti.
A'S 11 HORAS EM PONTO.
Por interveocio do agente Pinto, em seu es-
eriptorio, ma da Croa n. 38.______________
lELAO
DA
ArmacSo, gneros e mais pertences da ta-
berna sita na roa di Rica de S. Pedro
n. 1 em Olinda.
O agente Mariins far leilo, por ordem do Illm.
Sr. Dr. Claudioo de Araujo;Gaimares cnsul por-
tuguez, da arra.ico, gneros e rrais pertences da
taberna cima, oerteneente ao espolio do subdito
portuguez Jos Rodrigues Mariins.
SexU-feira 20 .do corrente,
A's 11 horas do da na mesraa tabepna, roa
da Bica de S. Pedro n. 1 em Olinda.
IMAO
DA
Armaco, gneros e mais pertences da ta-
berna da roa da Roa Hora em Olinla
Sexta-feira 20 d corrente.
O agente Mariins far leilo, por ordem do Sr.
Dr. Claudino de Araujo Guiraares cnsul portu
guez, da armaco, gneros e mais pertences da
taberna cima, pertencente ao espolio do subdito
portuguez Jos Rodrigues Mariins.
Ao meio dia do dia cima na mesma taberna i
ra da Boa Hora em Olinda.
LEIliO
/"
DE
azendas avariadas
C'oim tan lo de
madapoles,alg>des, cbitas alpakas e len-
cos da algodio
As 11 horas do da.
Por intervengo do agente Pinto
No armazem da mi da Cadeia n. 40.
VISOS DIVERSOS
O tenente coronel Justino Pereira de
Farias relirando-se para a provincia do Cear,
e nao podendo pela presteza de sua viagem
despedir-se pessoalmeote de todos os seos
amigos e das pessoas com' quem tem re-
lceos de amisade, pede Ibes por esse mo
tivo mil desculpas e approveha a occasiao
para offerecer Ibes seus servicos naqoella
provincia oa em oatro qualquer logar onde
o seo destino o conduzir por algum lempo.
Precisa-se de urna ama que tenba bom leite
e sem Albos: na ra de S. Jorge n. 40, casa do
Sr. Jer oyrao Ferreira dos Santos.
Arrenda-se para passar a festa urna casa
com 4 qoartos, 2 salas e cozioba, sita na Varzea,
no sitio da estaca? dos mnibus, tem bom Jaanbo
no Capibaribe, qne passa a f un lo do me* no si
to : na ma do Imperador n. 73, loja do Sr. Me
deiros, se dir quem contra a.____________
Precisa se de urna am que saina lavar, en-
gommar e fazer o mais serv;) Interno de casa d
familia, e que seja de boa conducta: na ra do
Vigario n. 5. 2 andar._____________________
Precisa se de urna ama para coziubar e cora-
prar em urna casa de duas pessoas, agradando
paga-se bem : na ma do Alecrlm n. 12, casa
terrea. ____
Alagase o andar e souia da casa sita ma
de Mclio Dias, aotiga roa DinMa n. 84, catada
pintada de nov.: a tratar na ra Doqe de Car
xias n. 83._____________________________
Jos Correia Braga & C. declarara ao eom-
mercio que o Sr. Joao Beflo fe Moraes. deixon de
ser seu caixeiro. Recife 16 av oatubro de 1871
Coztnheira
Precisa-se alugar urna ama livre on escraV qoe
saiba eazinbar : a tratar oa rna do imperado/ n.
7,lcja.
nmaescrava para o servir. 1 de uro estabelecimen-
to : a tratar na rna do Imperador n 79, loja.
Restaurant de Pars.
Km das Larangelras n. 4.
Precisase de ura bom cozinheiro e paga-st
bem.
Precisa se de urna ama que
cozinhe e compre : aa roa
das Tnnctleirai n. 46, primei-
ro andar : paga se bem ^^__^__
Na cidade de Ulinda aluga-se ou vndese
por preco rasoavel, urna casa de pedra e cal, para
pequea familia, tendo terreno propro parang-
mentar urna bonita casa de sobrado, muito per:v
do banho e da missa, vista aprasivel e saudavel:
quem pretender dirija se ao droo, no palacio epis-
copal de Olinda, valendo mais as vistas do pro-
pietario e do pretendente, do que informaces
estranhas.__________________________ .
Casa para alujar em Oiiada
Aluga-so por tres a quatro mezes, nma nasa
com bastantes commodos para familia, na eidade
de Olinda em lugar perto dos banbos salgaow :
quem a pretender iiirija se no Recife a Carese
& Irraos, ra d > Brurn n 100 a 104, os em
Olinda ao Illm. Sr. areedago Dr. c neg Maooel
Thomaz de Oliveira, rna de Matbias Ferreira.
Aos Srs. sacerdotes.
No ra da Paz, antiga do Cano n. 34, ha para
vender-se um rico e completo ornamento de p
de altar.____________________________
O abaixo assignado segundo clausulas existen-
te de urna escriptura publica de venda de .nao si-
tio na Boa-viagem, contendo arvores de. fmc_
duas casas de taipa cem um quarto contiguo, pas-
sado na anno da 1841 nesta cidade do Recite, dos
fiihos menores de Maria Ignacia de Albnqnerque ;
protesta ; come um dos herdeiros em linha recta
descendente, do referido sitio contra as vendas,
affuramentos c quaesquer outras traasaceSes que
tenbamlsido fritas ou pretendam fazer, como Ile-
gtimos peraote a lei, o que faz publica e notorio,
para que singuen) affecte ignorancia e noa f era
direito (alsamente adquerido.
Recife,, 16 de outubro de 1871.
Manoel Felippe de Goveia C ivalcann".
AMA
Precisa-se de urna ama
para cozinbar e eogom-
mar para duas pessoas :
nesta typographia sa di-
r para quem ; paga-
se bem.
Precisase fallar ce ra o Sr. Pedro Pereira da
Silva Guim-i'-s Jonicr, negocio de sen ioier- s
se : trfrvessa do Carrao n. 1 2 andar.______
No jdomiogo as 7 h iras da noute, perdeo-; e
urna pnl^eira do paeo do Carrao at a aaebrsli
da igrejajde SantaThereza : a pes dirija-se so pateo do Carino n. 1/, que ser bem
recompensado.__________________________
Precisa-se de urna ama pa-
ra lavar e engommar : na
ra do Cuque de Caxiac n.
50, andar.
Coitsiilado de Portugal.
Convida-se os credores do fallecido subdito por-
tuguez Amonio loquim de Brito a apreseotarem
as suas coilas neste consulado no praso de oito
dias, para serem verificadas e pagas.
Ojsuladode Portugal,
Convidarri-se os credores de fallecido subdito
portuguez Jos Rodrigues Martins, a apreseota-
rem neste consulado, 00 praso de oito dias, a
suas contas para serem verificadas e pagas.
-----------------------------i_-------------------------------------------------------- ---------------------
Consulado de Portugal,
Convidam-se os credores do fallecido subdito
portuguez Tuomaz Vicente de Carvalho a apre-
sentaren) as suas eontas oeste consulado no praso
de oito dias, para serem verificadas e pagas.
Consulado de Portugal.
Convida-se os credores do fallecido subdita por-
tuguez Franciseo Lcurenco da Silva, a apresn-
tarera neste consulado, ao praso de oito deas, as
suas contas para serem verificadas e pagee.
Q0NSULAD0 DE PORTUGAL.
Convidam-se os credores do fallecida a_Aito
portuguez Manoel BaplisU Barbosa, a apresWtt-
rem neste consulado, nc praso de eito dtas, as
suas contas para sereta virificadas e pagas.
Precisa-se na ra da Princeza Isabel e.
6, poaco adiante da estacio da via _n*a
de Olinda.
Monte-pio portuguee.
Sao convidados os enhores socios _or_ leo
Portuguez qae nio estiverem -oara* N *,
i: a 4* do art. 13, a se reaniMH a_M_wm_*a
geral domingo t2 do eorreaie, s bmm da a
nha, no salao do Gabinete Portugus da Leitmo,
aflm de se dar cumprimento ae qa datermita o
$ 4* do artigo 24 dos estatutos.
Secretaria do Moate-pio-portugaex em ffanftl-
buoo 16 de outubro de 1871.
M.S. I
! se
I.
Pncisa-se de um criado p^n RImm do %<
mera soltero : aa rol 4a Camboa "WCjur'mo _1l,
! andar.
L
[ MUltlUM


diario de Pernambnco Terr* leira 17 de Otubro de 1971.


A MU afamada
AGUA DE FLORIDA,
DE
MI RR IV LANMAN.
He o mais delicado e mimoso ao .mes-
mo tempo o mais estavel de todos os per-
fumes, e encenra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deras flores, quando ainda na sua flores^
cenca e fragancia natural. Como um meio
seguro e rpido allivio contra as dores de
cabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinario* enteca s decid )rystericos; de
summa efficacia e n5o tm outro queos
iguale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um denfricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvurae aperolada "apparencia Ufo
altamente apreciada e desojada pelas Se
aoras.
orno um remedio contra o mau hlito
da boca, depois de diluida em agua, i
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, eUa
por certo nlo tem igual; e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mu excellente, para fazer
remover d sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de difluido, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
municar as feic5es trigueiras e paludas.,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua de Florida de Murrat d
Lanman.
As imitares que se tem feito na Franca,
Ailemanha, assim como em outras partes;
sao inteiramente inuteis e invaliosas ; por-
tante recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precaucao
e cuidado, de quando comprar em, estejam
certas que compram.
A G ENCINA
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LANiMAN,
A qual preparada smente pelos unicoe
Proprietarios,
*


Criada.
Precisa-se de ama criada para todo o servigo
da proa casa de pouca fimilia : na roa do Viga-
rio a. 33.
Quem achou
ca palselra de cabello com fecho de onro, per-
dida no dom'Dgo 15 lo corrente por occasio da
ladaioba no Hospital Portuguez, querendo entre-
ga la o role faier na ra da Cruz n. 19, 1 an-
dar, oa no fitio n. 16 de Bemfica (Magdalena) im-
mediato ao do Sr. Bario do Livrameato, onde re-
cebera al vigaras e os signaes certos dessa jcia,
qae nao interessa senao dona pjr ser lembran
<;., de familia.
Casa em ^pipucj
. Atagi-se a casa em que re-idia o fjlleido Jea-
q-jim Pires Carnairo Mon'.eiro, a Porta d'Agua, em
aaeaisirru pislcio, cora exeelleots eommodos
pira graoda Umilia e raagaieo banho d'agua
corrente : a tratar na raesma oa com Francisco
Ijnaeio Pinto na ra da Crnt n 31.___________
Ama de leite
Precisa se de um ama de leite forra que nao
teaiaftlho : a tratar na ra d Birao da Victoria
n. 59, on na praca da Inlependencia n. 4._______
Qaem precisar de urna ama para engom
mar para casa de familia, dando preferencia a ca
la Astnngeira, dirija-se ao pateo da Matriz n. 13.
Na ra Direita n. 127, priraeiro andar ha
urna escrava para alugar, que lava, cozinba e faz
o mais servico de casa.
Conirata-se annnalmente a veoda de capim a
40 rs. no vare e 20 rs. no invern, dando anga:
no engenho Dona Irroaos, em Apipncos. ._____
Rogase ao Sr. Antwio Manoel da Conceico
o favor de vir ra Direila n. 26 a negocio de
?v injerease.
S0K3C^O
IMPERIAL FABRICA DE CIGARROS
DE
S. JOO DE NlTHEROHY.
Um dos problemas que mais tem preoccupadc
atteocSo dos legisladores e dos economistas mo-
dernos, particularmente na Inglaterra e na Fran-
ja, e acerca do qual, ainda em 1868, L. Wolowki
fez nm profundo e notavel discurso, o qie trata
de definir e regularizar, mantendo o equilibrio
sntre o interesse e a hamaoidade, o trabaibo das
crianzas as manufacturas.
BsU qoeslo grave e melindrosa, comeca a ser
ntre nos dealguma importancia, e merece qne a
examinemos com criterio, tanto mais que forcosa-
mente na substituicSo do elemento servil ter ella
de eonsiderar-se efflcacissima para o futuro des-
envolv ment de nossas industrias.
Recordando com o celebre economista de qne
fallamos o profundo pensamento do poeta ingle
ue diz :=A chanca o pai do hornero parti-
amos tambera os seu? generosos sentimentos re-
lativamente esaas frageis e delicadas creatnras,
qne ainda ua primeira iniciacio da vida prestare
ja to importantes servidos sociedade.
Qualquer que seja o eruino oa o labor em qne
se exercitem as forjas ainda debis dessas iracas
existencias, deve presidir o maior escrpulo sna
reccao, a maior vigilancia e cuidado no empregu
e distribaicao do tempo, porque do sea resaltado
depende a actividade e a energa das novas gera-
;oes, e d'estas as grandes conquistas do futuro e o
progress>vo aperfeigoamenlo social.
Nos scalos anteriores as industrias oceupavam-
se mais com os productores. Ao scalo XIX com-
pete a gloria nao s de melborar o fabrico do!
productos, tornando-os mais perfeitos e mais ac-
eessiveis a todos pelo quantidade e raodicidade do
prego como a sorte a condicao, a existencia do
irabalhador, d bomem.
Wolowki cita a este respeito as palavras de
Gladstone, que, em ama reunio de operarios in-
glezes, fa'lando-lhes tanto em seus direitos, como
em seos de ver?, disse: 0 nosso scula o s-
calo do operario : e accrescenta qne esta phrase
nao sahio de bocea suspeita, pois Gladstone nao
pnense ao numero daquelles que lisoogeam em
ez de servir ao p&vo.
O bomem d'este modo encarado como bem
primordial da prodaccao do bem; e o notavel au-
tor i que nos referimos entende comnosco que a
liberdade que elle conquisten tira toda a sea Torga
da energa da alma associada saude do corpo,
da elevacao do espirito que proporciona o desen-
volvimento progresa i vo da habilidade pessoal.
Foi bascados n'esta allianca qne os legisladores
inglezes compreheoderam que o instrumento acti-
vo, o operario, obedeca a outras e diversas neces-
idades que as qae sao partilha do instrumente
material.
Foi por este motivo que se marcaram e regula-
mentaram as horas do trabalho as manufacturas,
s se atienden sobretudo a que as criangas rece-
Dessem a nm tempo o ensino da fabrica e o ensinc
da escola.
c Em 1862, diz ainda Wolowki: sanecionen-se
na Inglaterra a prole, a vigilancia penetroa no
seio das vastas communas indastriaes, formadas
aoje em roda da machina de vapor, dessas vastas
ioromuoas povoadas por miihares de operarios.
A le de 1802 Bxou a idade em qae as manca-
podiam entrar para as manufacturas e limitou a
duragao do trabalho.
Pois bem. Este grave e humanitario problema
qae levoo qaasi meio scalo a resolver, e preoc-
eopon a attenrao de tantos homens de estados
eminentes, como foram Roberto Peel Lord Asthey,
boje Conde de Cbaltsbuago, genro de Palmerston,
e muitos outros, a.signalando urna pagina honrosa
na historia da eivilisaeSo moderna, acha-se reali-
sado, e dando salutares resaltados entre nos na
fabrica de cigarros de S. Julo Nuherohy, da qual
-ao proprietarios os Srs. Souza e Novaes.
J (vemos occasiSo o anno passado, de escre-
ver algumas linbas acerca deste importante esta-
belecimento, e hoje, depois de ama visita qae 0
lemos ao novo edificio ampliaremos aquello nosse
trabalho.
A casa onde acluiimente est eslabelecida a'fa-
brica sem duvida um dos melbores predios da ca-
pital.
Alm das espagosas accommodacSes interiores,
livremente arejada como convm a to numerosa
agglemoragao de pessoa?, o predio exteriormen
te de ama archttectura simples e elegante, e Sea
* peuc*a bracas do jcj. ondumm auiriio de urna
ponte os productos sao cora raciiiaaae emDsrcaaos
9 condazidos para os mercadis.
Cerca de duientos meninos ahi recebem o ensi-
no manual, intellectual religioso e moral.
A mais perfeita ordem. sem a severidade de ums
rude disciplina, mas ?ntes aconselDada pelos pre-
citos praticos da autoridade, d am aspecto agr-
lavel a esta afanosa communa de pequeos ope-
rarios e esperangoso ncleo de futuros e moralisa-
dos cidadlos.
Era um vasto salao das 7 s 9 horas da tard
depois do trabalho e do descanso aprenden) os me-
ninos os primeiros elementos da leitura da e3crip-
ta e da contabilidade. Dissemos primeiros ele-
mentos porque acreditamos que as nog5es rudi-
mentaes da escola n;o sao outra cousa mais que c
instrumento com qae mais tarde se deve concluir
i aperfeigoar a edneagao. Nlo casta saber 1er c
sssencial e fazer uso discreto e aproveitavel
desse poderoso motor do oosso aperfeigoamenlo
moral.
Depoi3 do trabaiao manual e do ensino da es-
sola depois mesmo de algumas horas consagradas
ao recreioera preciso amenisar com o gestudo de
alguns dos ramos das bellas-artes as tarefas in-
lantis.
Neste intuito foi criada urna aula de muzica di-
rigida p- r habii professor.
Com pouco tempo de exereicio e o ardor pro-
prio da mocidade j alguns dos alumnos tocare
jom verdadeiro adiantamento os instrumentos que
sscolheram, e pode dizer-se que a fabrica tem
boje urna banda de masica sua disposigao, o qae
ilra de accreseentar urna agradavel preoda
aducagao do3 aprendizes, dispensa das festivos do
jstabelecimento, o concarso dos msicos estra-
ohos.
Ora, o grnde resaltado colhido por este doplc
systema do ensino manual e simultneamente in-
'.ellectual, que os productos da fabrica de S. Joao
de N therohy, redobranda de valor pela qualidade
9 perfeiglo augmentam tambem a eaa procura no
mercado 9 naturalmente os avallados intsresses
los productos.
Eslabelecida assim com os outros estabelecimen-
tos do mesmo genero a lula da concurrencia, qne,
ao dizer de am notavel economista, nao outra
soasa mais qne a manifestaglo pratica, a face
material da liberdade, claro est que as coodigdes
10 trabalho livre comegam j a ser assentadas, en-
tre nos em bases sensatas e de conseqnencias pro-
Senas.
Ligamos am alto aprego s tentativas e aos fe-
altados desta erdem.
O Brasil precisa empregar todos os seus esfor-
cos na propaganda industrial, nao; esqoecendo
iionea que a quantidade dos productos nada re-
presenta, si ella se alo tornar ao mesmo tempo
recommendavel pela sua qualidade, e qae esta s
se obtem com acxUio efflcaz dos productores ha-
bis e intelgentos.
Acreditamos, pois, que os Srs. Souza e Novaes
prestam am importante servico ao paiz e temos
sempre prazer em mencionar os estabelecimentos
lesta naiureza. nlo so em referencia a esta fabri-
ca, como a todas qoe estiverem fundadas oa se
tndem d'aquiem diante as mesmas circams-
tancias.
O nnieo deposite nesta cidade no escriptono
de Domingos Alves Matheos, ra do Viga-
rio n. 21.
A. Zalaar.
MODISTA FRANCEZA
MABAME ANTOINETTE
46EUA DUQUE DE CAXIAS46
/DTR'ORA DO QUEMADO N. 2)
PREVINE o respeitavel publico e coa especialidade s Exmas. familias, qoe
emqunto que est-se preparando o I.8 andar do sobrado de soa residencia ella conti-
nua na sua arle de modista em todos oseamos de costera para senhoras, no 2. aidar
do mesmo sobrado.
Garante as oltimas modas, e o melbor gosto em seos trabalbos, por quanto ella
ecebe os noros padroes parizraases por lodos os vapores.
46Ra Duque de C xias46
ADIIIlliVEL I lOl IEMVlO
SEM LIMITES
LOJA E ARMIZEM
til fIIP
DO
r.*
Cunta 4? Manta, veodem a
ra do Mrquez de Olin-
da n 40, o seguate :
dem.
INADO, idem.
ttujio
G06NA
VI1WO
liMTIl
YINAflHR BftAN M, idea.
GAF DO CEARTuaceoi.
I
ChapaS de {errO galvanizas r*r cobrir cscete.
Formas paraassucar
Arados Americanos
Machinas a Vapor
JuaCninaS de descarocar algodo.
Fogoes pe ferro
Trilhos de ferro para ^^^
Camas de ferro
, Macacos de estivr
Ferragens em geral
Cofres de ferro
Estos artigos vendem-se em ,
casa dos importadores.
Shaw, Hawkks 4 C,
H. 4 RA DO BOM JESS.
(OUTR'ORA RDAjDA CrZ )
INTERESSA LER
A loja dos Arco3 de Alvaro Angosto d'Almeida d C. roa do Crespo q. 20 A acabs
le receber directamente alguns artigos de moda qae passa a mencionar.
Riqnissimo cortes de vestidos de blondo para casamento.
Ditos de tarlatana bordados seda para casamentos.
Cortes de seda de bonitos gostos e superior qualidade.
Colxas de seda, 12a, e lia e seda.
Capellas com mantas de blondo para noiva.
Camisas da esguio bordadas para- noiva.
Lencos de cambraia de linho bordados.
Cortinados bordados de diferentes presos e quadades.
Borns de 13a e seda para senhora.
Chapelinas de crpe preto be ai eofeitadas para lato.
Chapeos eneitados para menina modelo inteiramente no~o.
Mantilhas brasileira de Gl de seda.
Cortes de cambraia de cor, e brancos, bordado*.
Cbacbeoez de 13a e seda.
Toil de voyage fazenda de gosto para vestidos.
Crotones de padres novos.
Grvalas de mnito gosto para senhora.
Aaquiobas de crina.
Alm destes artigos que se vendern por presos razoaveis teqa ouiroj qae sao vrda-
leiras pecbincbas como sejam :
Cambraias de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Alpacas largas bonitos padrSes a 500 rs. o covado.
Lencos de esguio muito Anos a 3. 3500,4$000 e 5#0O0 a duzia.
L3as de cores a 280 rs. o covado.
.
. - 1
1 OVO\
'

.
/
PA VAO
DE
FLIX PEREIBA DA SILVA ft C.
| NA RA DA IMPEBATRIZ N. 60-
8 a dinheiro vista
Os proprietarios deste estabelecimenlo tendo grande necessidade de dimianir o jm-
meoso deposito qoe teta de azendas e grande urgencia de apurarem dinheiro, tem re-
solvido fazer ama verdadeira liqaidac3o eom grandes abatimentos nos precos de todoa
os seos artigos: para o que convidamao respeitavel pablieo desta capital a vir sortir-s
pois Ibe garantem qae em parte algama poderlo encontrar t3o grande rsortimentoe mes
nao compraro pelos precos qae se Ibes pode vender na loja de Pavio; porm ad-
ttodo-se que s se vende a dinheiro vista. Os mensos proprietarios deste estabe-
mento rogara a todos os seos devedores desta pra?a e favor de yirem saldar seas d-
bitos, e todos aquellos que estiverem devendo coatas antigs e o nio fizerem terSo do
ser encommodados judicialmente.

LIQIDC10
DE
FREAS BARATAS
LSanIahas baraao do Pavio.
Arsacianas com lindas Iistras de seda a
I 1000 o covado.
Ditas lisas com mnito bruno a I ,-> o covado
Atlantas, fazenda de muito gosto tecida
com seda a 720 rs. o covado.
Ditas com quadros de seda e cores maito
delicadas a 640.
Poil de chvre,' d'ama s cor eom muito
brilbo a 500 rs. o covado.
Merinos escossezes fazenda de muito gosto
para vestidos bornds e roapas de menino
a 640 rs. o covado.
Gurguro mnito bonito, tendo de todas
as cores a 400 rs. o covado.
Laasnhas ocodemas com differentes gos-
tos a 400 e 500 rs. o covado.
Ditas ditas a 280 e 320 rs. o covado.
Bareges transparentes com differentes co-
res a 160 rs. o covado.
Alpacas de cores lisas e lavradas fazenda
de moit) gosto a 500 e 800 rs. o covado.
Cassas do Pav&o.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 rs. o covado.
Ditas finissimas a 300 rs. o covado.
Ditas francezas de muita pbantasia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazeoda
mnito fina e bonita a 2500 e 3#000.
Ditas d'organdy branco e de cores a
2^500.
CORTES D'ORGANDY A 40O0.
O Pav3o tem cortes de organdy branco
com 8 1/2 varas que vende pelo barato pre-
co-de 40000, assim como finissimo organdy
branco com listrinhas e quadriohos o me-
lbor qoe tem vindo ao mercado e vende
pelo barato preco de 720 rs. a vara.
Poupellnas de seda a 3$000.
O Pavao tem om elegante sortimento de
poupenas de seda tamo lisas como lavra-
das as mais modernas qae tem vindo ao
mercado e vende a 25000 o covado.
CAMBRAIAS LARGAS A 800 RS. i- vxn\.
O Pav3n tem cambraia branca transpa-
,nlo /A boa qaalidada, f TTpJmW CTC
C3
W rs. o covado.
Lindas bareges lisas, de quadrinhos "e de listas para vestidos a 360 g|
:ovado.
Superiores alpacas de cores, de fljres e de Iistras a 300 ris o co-
vado
^ P, il de chevre com lindas cores e de superiores qoalidades a 040 )gj%
^55 ris o covado. ^<
Bg Na loja das collumnas, de Antonio Correia de Vasconceos, ra Pn- @^
^^ meiro de Marco, outr'ora do Crespo n. 13, _____ @J5
Alaga-e am moleque e urna escrava : tra-
ar na roa do Qseimado p. 2.
Consultorio homeopa-
tbieo
DO T)R. SANTOS MELLO.
Roa do Bario da Victoria n. 43.
VACCINA,
Todos oe domingo? e quintas-feiras, pi-
las 9 horas s 10 da manbJa vaoctoa-s
por prego mdico, pan o qae ha muito
bom paz vaccioico.
"Recebera-se chamad.s para vacunar em
qualquer asa.
Consultas medica? todos os das pela
manuaa. .
Ghiraaiio a qualquer hora do da e da
iBonte
Gratis a parle medica aos pobres.
FEBREIR48-C.
(Soccessores de Joaqnim de Almeida Pinto)
10Ra larga do Rosario10
( Janto ao quartel de polica )
Os proprelarios d'este estabelecimento leem a honra de scientifioar ao respeitavel publico d'esu
capital edo de todas as provincias do imperio, que continuarlo a preparar PELAS FORMULAS DE
SEU FINADO ANTECESSOR os acreditados e nlilissimos medicamentos brasileiros, taes como :
Estrado alcolico, emplastro, oleo, tintara, pillas, xarope e vinho, da miraculosa JURUBEBA;
tintura e xarope do PEDEGOZO, xarope do RABO DO TaTU\ PfLl'LAS ANTI PERIDICAS, xarope
DA SALSA DO PARA, xarope de AGRIAO, xarope do MULUNGU' etc. etc., tudo com a maior per-
feicao ; pjr isso qae am d'aqaelles proprietarios coota 8 annos de boa pratica na mesma pharmacia.
Ontrosim, scientifleam haver feito um completo e variado sortiroeoro de drogas eslraogeiras, e das
mais acreditadas especialidades, achando se indo dispojicio dos 5rs. facultavos e do publico em
geral, de quem os proprietarios esperam todo acolhimento.
A pharmacia abrir se-ha a qualquer hora da noite em caso urgente.
DROGARA ESPECIAL
HOMEOPATHICA
DE
JOS' ALVES IHENOEIO & C.
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 3.
-Jos Alvee Thenorio, professor em homeopalhia, tendo-se retirado do
laboratorio bomeopatbico e consultorio de seu Ilustre e finado amigo o Dr.
Sabino O. L. PiDho, qne por muitos annos estiveram sob saa direccao, tem-
se estabelecido sob a firma de Jos Alves Thenorio de C, roa estreita do
Rosario n. 3, onde, animado pela eonfiao?a com qne honrarsm-no os amigos
da homeopalhia, Ibes oflerecee ao respeitavel publico um completo sorti-
mento de todas as preparaces bomeopathicas conhecidas, recebidas das mais
acreditadas casas de Londres e Paris, e indgenas, bem como tndo qaanto
diz respeito a homeopathia e sna pratiea, esperando qoe continaem a hnra-
lo com a mesma conflanca, para o qne nao se poupar esforcos.
PRECOS DAS BOTICAS
GLBULOS.
1 botica de 12 medicamentos 104
c 24
36
c 48
W
c 120
Sao otis eisas boticas ao
deires, cheles de familia, capules
'.'
TINTURAS
1 botica de 12 medicamentos 15I
i t 24 251
I 36 40*
1 r M W^bcj
I 60 < 60*
I i 126 HO
mdicos, seobore* de eagenbo, azen-
navios, e em geni a todos guantes qi-
zerem dedicar-se a pratica da heMlvpathia.
Madicaaentos avnlsos peloi! procos dai oatrw dragaras, bea como
chocolate de LONPKE3 e do maraniUo para oso d# dwMws em tratanento
pelo systema'
largura, que apenas precisa \ varas para
am vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
finssima da Escossia tendo a mesma largu-
ra, qoe vende a 10600.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4$000 E 40500
O Pavao tem pegas de cambraia branca
transparentes com 8 1/2 varas que vende
pelo barato preco de 45000 e 40500, ten-
do tambem muito finas de 50000 at
100000.
Ditas tapadas oa Victorias tendo de 30500
a pega at a mais fina qae vem ao mer-
cado.
Crosdenaples preto e de cores.
O Pavao tem nm grande sortimento de
grosdenaples e gurgoro preto para vestido*
tendo de 10600 o covado al ao mais su
perior qoe co'stoma vir ao mercado, assim
como um grande sortimento de ditos de
todas as cores e branco e am bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven-
de Dor precos maito em conta.
ESPARTILHOS A 40000
CACHENEZ a 40, 50 e 60000.
O Pav5o vende espartilhos de todos os l-
mannos a 40 e 50OOO, cachenez parisiense
com delicado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JAXELLAS.
a 80, (00, 120 6 i 60000.
O Pavao tem om grande sortimento de
cortinados ricamente bordados, proprios
para camas e janellas que vende de 80 at
160000 o par.
Pecas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crochet ricamente bordado
para cortinadosal05OOometro. Assim como
ricos damascos com 6 e 8 palmos do larga-
ra proprios para colchas de camas 9 tam-
bem ricas colchas de damasco a imitado de
seda e ditas de crochet as mais lindas que
tem vindo ao mercada. .
MUSSELINAS DE CORES A 400 RS. O
COVADO.
O Pavao tem nm bonito sortimento de
mossetinas de cores, padroes inteiramente
novos e cores fixas, qae vende a 4O0 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roapas de meninos a 720 rs.
o covado. Crotones do cores muito encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO.
O Pavao tem ama bem montada officiaa de
alfaiate, administrada por om babil mestre
nacional, aoode so manda fazer qaalqaer
obra de encommenda, tanto para homens
como para meninos, garantindo-se a promp-
tidao e aceio em todo o trabalho, e no mes-
mo estabelecimento encontraro 03 respeita-
veis freguezes todas as azendas proprias
orno sejam paaoos de todas as cores qua-
dades e procos, novas casemiras de gosto,
re os brancos e de cores, assim como todas
Jasfazendas proprias para latos do loto.
CASAQUINHOS A 150,180 E 200000.
O Pavao tem om grande sortimento de
rios caaaqoinbos de seda preta maito bem
eneitados e modernos que vende a 150,
480 e 20*000, sendo aaeoda de moito
mais valor, assim como ricos chales pretos
tardado* com iranias largas do retroi i
100 e 12*000.
A loja do Pavio acha-se contantomente berta da
horas da noite, roa da Imperatriz a. 60.
ALGOBAOSINHO A 3*100.
O Pav3o tem pecas de algodosinbo maito
boa qualidade que vende pelo barato preco
de 3*200 a pe^. Ditos maito superiores
de 4*000 para cima. Algodaosmho enfes-
tado com a largura precisa para am lencol,
sendo liso maito encorpado a 900 rs. o
metro e dito entrancado com a mesma lar-
gara a 10280 a vara.
BRAMANTES A 10600 e 10300 O METRO.
O Pav5o tem superior bramante de al-
godo sendo preciso para am lencol apenas
um e meio metro e vende a l*600-e 10800,
e de linho fazenda muito encorpada, com a
mesma largura a 2*0"0 e 20500, dito ran-
cez do mais fioo qae tem 'indo ao merca-
do a 30000, 30600 e 40000.
ATOALHADO.
O Pavao vende superior atoalhado a 1*600
e 20000 a vara, dito de linho fazenda maito
superior de 30000 para cima, sendo ada-
mascado.
Fazenda para luto.
O Pavao tem am graode sortimento da
azendas pretas para luto, como sejam:
Merino preto com 6 palmos de largura
para vestidos a 20000 e 20500 o covado.
Morins protos e de cordao para todos
os precos e differentes qoalidades.
Bombasinhas para tudos os precos.
Canles e alpacas pretas. Lasinhas pre-
tas ou cassas de la de 360 at 500 rs. o
covado.
Cassas pretas francezas e inglezas do to-
das as qualidades.
Chitas pretas francezas e inglezas de 200
rs. para cma.
Crep preto para veos.
CASEMIRAS PARA CALQAS A 40, 50, 60,
70 E 80UOO.
O Pavao tem om grande sortimento de
cortes de casemiras de cores para calcas,
sendo os mais moderos que tem viudo ao
mercado e vende-se de 40 at JpjQOO o
rrta. dia oa p$as fmncBas e ingleza
para ca'cas, palitots e colletes qae vende de
1S00 al QO o cavada dita teuras a
pro va d'agoa que vende a -50 o corte ou a
30 o covado, sendo estas casemiras muito
proprias para meninos de escola por seren
es:uras e de moita durado.
NOVOS VESTIDOS A 50000.
O Pavao tem lindos cortes de 'vellido de
finissimas cambraia* com bonitos bordados
de cores e tambem lodos bordados branco
que vende pelo baralissimo preco de 5*0J'O
cada corte, grande pechiocba.
PANNOS DE CRO:H PARA CADE1BASE
SOPHAS.
O Pavjo tem um grande sortimento de
pannos de croch proprios para encost de
cadeiras e de sphs, assim como um rico
sortimento de tapetes de todos os tamanhos
proprios para salas.
MADAPOLAO BARATO A 40, 40500 E 50.
O Pavao tem pecas de madapoln com 24
jardas ou 20 varas que vende a 40 e 40500
a peca, dito mnito fioo e largo de 60 para
cima, dito rancez do melhor qae tem vindo
ao mercado, assim como dito finissimo em
pecas de 40 jardas.
Cortes de c'js.
a 106OO, 20000 e 20800.
O Pavo tem cortes de chitas raocezai
com 10 covados, que vende pelo barato pre-
co de 1*600 e 20000, ditas que vende &
60, 200 e 280 rs. o covado, tambem tem
um grande sortimento de ditas finas clara*
e escaras que vende a 280 e 320 rs. o co-
vado e finissimas percales miudinbas propri-
as para camisas, vestidos 6 roopas para me-
ninos qae se. vende a 360 e 400 rs.
LENCOS BRANCOS.
O Pavao tem lencos brancos abanhados
qae se vende a 20400 e 30. a duzia, ditos
grandos de murim sem ser abanhados a
30200 rs. a duzia; assim como bonitos len-
cos bordados para mos.
BOUPAPARA HOMENS.
Sobrecasacos de panno preto fino sendo
moito bem feitos de 120 at 40*000.
Palitos de panno preto fraques e saceos
de 80 at 120000.
Ditos de casemira de cor de 6* al 12*.
Ditos de alpaca preta fina de 4* a 60000.
Ditos de dita branca e de cre 60000,
Ditos de bnm de linho trancado 60000-
Calss de casemira preta de 6*000 at
120000.
Ditas de brim hranco de bobo de 40OOC
at 80000.
Ditas de brim de'linho de cor para todos
os precos e qoalidades.
Camisas francezas e inglezas com peitos
d'algodao da 1*600 at 5*,'em dazia ven-
de-se mais barato.
Ditas de meia de 800 rs. para cima.
Ceroolas de linho e algodao, francezas e
feita na trra.
Collarinbos de papel, algodao e linho
que se vende maito barato para liquidar.
Para noivas.
O PavSo Um rico gurgarSo de seda, bran-
co. Grosdenaple branco moito encorpado.
Agractannas brancas com Iistras de seda.
Poapelimw brancas de seda Hsu l*ra-
das. Sedas brancas, lavradas e jsas. Ca-
pellas com palma de flor de tana* com
jicos vos bordados, que todo se vende mus
barato do qae em outra qaalqaflr parte.
6 borai da maohU at u &
J


*
IJiar da fetuanibac* Ter<;a lena 17 da Outubro 18 1
\
-
,
N
S

v




41 RA DO BARIO D\ VICTORIA 41
Naata novo armazem tem nm
aviado fortunento de azendaa
frtncexaj, icglezas, alenlas e to-
aa todas m vendem per presos
odkos, afim de acreditar a este
sovo armazem.
Camanirr- inglexas,
fraocexa, de todas as
cualidades, brins de
cores e brancos, colei-
nnboe moderaos, cha-
afea de sol de seda,

RA
utiga ra
DE
ARRUDA IRMOS.
NOVA
N. 41.
Assim como tem au grande
oficina de alfaiate, montada coa
todos os prepares qne ha de melhor,
dirigida por habis artistas, qoc
pela saa promptidao e perfeicio
nada deixam a deaejar.
Roopa de todos m
amanos para homeni
meninos.
Por todos os paqai
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
Joas casemiras qne ha
na Enropa.
RA
Baria da victoria
astifa ru
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer ama reforma radical em acceio, artistas a ^S^ffH^S^USV
aradas, finalmente em tndo afim de melhor servir os sens numerosos reguezes deixa-se annnnciar todas as fazenda, para
. j3o se tomar massante___________________________________i
FILULAS VEGETIS CATHARTICAS
DR.
DO
Nao ha'necessidademais
geral em todos os paizes
do que a de um purgante
que seja ao mesmo tempo
innocente, efficaz e digno
de toda a confianca.
As pillas que ora offere-
cemos ao publico preen-
Icbem estas condc5es; pois
Ipodem ser tomadas pelas
'pessoas mais Tracas sem
perigo algnm, nao tendo
|em sua composicao mer-
Jcurio era outro ingredien-
te nocivo sade, mas
sendo composto de agentes vegetaes mui
fortes, sao bastante efficientes activos
para purificar os corpos mais robustos.
Qaantos sao 03 males que, se no seu
principio fossem combalidos enrgicamente
com um simples purgativo, nao seriara do
urna vez vencidos ? Grande nomero das
molestias qoe estamos snjeitcs se deve a
nm estado sujo e irregular do estomago,
figa 10 on ventre
hor purgativo
que podemos reeommendar ao publico s5o
as PILULAS DE AYER que explorara e pu-
rificara toda a extensa do canal alimenti-
cio, e do vigor a todas as partes do orga-
ni.-mo, corrigindo soa acc5o viciada e fa-
zendo recuperar sua vitalidade. E' um re-
medio inestimavel contra dr de cabeco
nervosa, enxaqueca, prisao do ventre, he-
morrhoidas, molestias do fujado, febre gas-
tro heptica, c todas as molestias biliosas
que teem suaorigem no entorpecimeoto do
ligado que causa a eseassez da bilis na in-
flammaco deste orgao que produz derra-
mamento da bilis no estomago ou em um
desarranjo geral dos orgos digestivos.
A ICTERICIA produzida pela afcorp-
cao da bilis no sangoe, dando pelle|e aos
olhos urca cor amarellenta; nih somente
dolorosa por si, prrm condui aos mais se-
rios soffrimentos. Para cura la toma-se de
urna a cinco plalas todas as manh5as, feto
bastante para mover o ventre suavemente
at que se recupere a accSo s3a do sys-
tema.
A dtftpfisia^oa indigestao, tem sido tan-
que conliecemos e
Yende-se em todas ns boticas drogaras
tas vezes carada com estas pilulas, que nao
duvidamos em dizer que soberano reme-
dio para este incommodo. Emqoanto o
vermes, vejara o que diz o Metical Expo
sitor de Nova-York: as pillas do Dr
Ayer temos achado um dos melhorea reme-
dios para os vermes, bichas e lombrtgas .
Nao podemos ennumerar aqoi todos os ca-
sos em que sao vantajosas estas pilulas,
tantas s5o as molestias que se podem com-
bater com o em prego de um bom porgati-
o como sao ellas.
Era falta de appetite, sao exceltentes;
como digestivo para a comda, D5o ha eousa
melbor. N3o se tem poupado trabalho
nem despeza para levar estas pilulas a nm
grao de perfeicSo tal, que nada deixa a
desejar ; sao o resultado de annos di esta-
dos laboriosos e constantes. Para ateancar
totas as vantagens qoe resultam de aso de
catrticos, tem-se combinado somente as
virtudes curativas das plantas que sito em-
pregadas na confecclo das pilulas. Sua
composicao -ft tal, que as enfermidaffes que
estSo ao alcance de sua acc3o, rararvezes
podem resisti-las ou evad-las. \L
' f
Rival sem segundo
lina Daque de Castas a. 91
Jos de Azevedo Maia e Silva, em sua lo
j ade miodezas connua a vender tudc
por baratos preces que todos admira :
Labra de lia para bordar a melhor
que ha.
Caixas com superiores grampos fran-
cezes a
Dozias de facas e garfos de um e
dous botoes a
Talheres pare meninos a 240 e
Libras de linha de novello, a melhor
posiivel.
Duzia de lencos de casu com barra.
Caixas de liabas com 30 novellos a
Vara de franja branca para toalhas
Dozias de meias croas moito boas a
Dozias de meias finas para senho-
ras a
Dozias de facas e garfos cravadas a
Duzia de palitos segurante a 120,
240, 320 e
Na albas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com pennas de ac com to-
que a
Caixas com pennas de Perry (azoa-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz com 10
varas a
Pegas de tranca lisa de todas as
crese
Duzias de liuha frouxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de tranca a
Dozias de baralbos muito finos a
25400 e
Ditas de aguihas para machina a
Libra de pregos francezea a
Resmas de papel almaco soperior a
Ditas de dito piolado o melbor a
Caixas com sabonetes fructa a 720 e
Carr.teis de linba A'exandre a
Gravatas decores muito fiaas a
Ditas pretal pontas bordadas a
Grasas de botoes de madrvperola
para camisa a
Novellos de linha branca, 400 jardas
Duzia de caribes de linha branca e
preta e de cores a
Thesooras moito finas para ochas
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para limpar dentes
fizenda fina a
Livro das missoes abreviadas a
Copos grandes com superior banha
Macos de pallitos para dentes o
melbor qoe ha a
MOFINA

BM
W. R. Cassels & C.
Agentes geras.
A TDSID DE QUfiO
GRANDE SALAO DE CABELLEIREIRO
BU/t DO 111 QUE OE CAXIAfS W. 40
(ANTIGA DO QUEIMADO)
DELSUG, SUCCESSOB DE JAYIE
Havendo comprado o estabelecimento de cabelleireiro, faz d'isso sciente ao respeitavel pu-
blico de IV mamoneo, convidando-o ir visitar esse estabelecimento, onde ha d? encontrar todcs os
trabalhos com asseio, perfeicio e urgencia. Tambera o previne de que tem pefumarias finas, por
preco commodo; e ootrosim que faz todo e qualquer trabalho de cabello relativo sua profiasio.
P. S. -Avisa aos seas numerosos freguezes que contina na saa outra casa, roa Primeirc
de Marco, amiga do Crespo, n. 7 A, 1* andar, onde bao de encontrar grande sorlimento de perfumara
e objectos de phantasia.
Cabelleireiro de Paris. Kua Duque de (Lxias n. 50
ra Primeiro de Marco n. 7 A primeiro andar.
D.

W. BOWMAIN
Engenheiro com
FUNDIQaO
59 RIJA DO BBV9I 59
PASSANDO O GHFARIZ
Pede aos senhores de engenho e outros agricultores, e empregadores de ma-
i hinismo o favor de urna visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimeotc
completo que abi tem; pois sendo todo muito mais barato em preco do que jamis te-
. aba vendido, est ainda superior em qoalidade e fortidio; o que com a inspeccao pei-
. atttl pode se verificar.
PEDE ESPECIAI ATTENCAO A NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICO
XTannrc a rniiaa H'ocrnQ dos mais modernos systemas e em
VopviOO O lUUcto uagua tamanbos convenientes para as di-
versas circumstancias dos senhores proprietarios e para descarocar algodao.
Moendas de canna *og UOMOh0,' me,borM qDe aqoi
Sodas dentadas para annMieg> 3gua e VaPor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MVli>Yi ni ana rui para mandioca e algodao, 1 Podendo todos
MiW/UlnHinvlP e para serrar madei-a f ser movido* a mao
Romhna (Pr w*> v"pw,
IWIHWW de patento, garantidas............)ou animaes.
1 OdaS aS maChinaS e peCas de que se costn precisar.
FaS qualquer CODjCertO dfl michnismo, a preco moi resumido.
JPOrmaS d6 fem to 8 melDore8 e mais bar RnffmmAfirlfia wambe-M de mandar vir qualquer machinismb i vonta
CjUi/UUllilOUUttb- le dog cleflt4i8> ,6n,Drand0.|h compras por intermedio de pessoa eateni'da QU om qualquer necessidade pode
> prestar aoiilio
americanos
e roslruxcntoi agricolas.
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 9f
Jos Bigodinbo, com leja de miutiews,
' avisa a todos os os seus freguezes qne est
torrando tudo pelo preco, a vista da fazen-
da, para todos admirar, a saber:
Petas de fitas bordadas muito fin?.s I 500
Thesooras grandes e pequeas o
I mais fino que ba a i$000e I|$o00
Caixas com 20 qoadernos de papel
liso, amisade a rs. 500
Pecas de tranca de 13a e algodao as
mais modernas-a 160
. Frascos com agria de colunia multa
! fina a 400 e 500
Frascos com agoa de colonia ver-
dadera a 800 rs. e I 500
Chapeos brancos para baptisados o
melbor que ba a 3*000 e 55000
Dozias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o preco
para acabar.
Libra de arda preta a 160
Grotee de botoes de looca branca a 120
Caixas com 100 envelopes fazenda
fina a 500, 6C0 e 800
spelbos de moldora doorada a
8O0e 1*000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 240
Tinteiros com tinta preta a 80 e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 20C
Latas com soperior banba 60,100 e 200
Latas grandes com soperior banba a 320
Frascos com oleo de Pbi locme a
500 e 800
Frascos com macass | Perota a 240
Frascos com agua de Colonia verda-
des a 1*000
Ditos com oleo de ba )osa suderior a 320
Carritela de retroz preto com 2
oitavas a 600
Caixas com agolhas francezas a 160
160
Pecas de tiras bordadas a 500, 600
800 e |
Garrafas com a verdadeirt agua
florida a j
Cartilbae da Dootrina ChriitSa as
mais modernas a
Picotes com 3 sabonetes inglezes
fazenda fina a qqq
Escoras moito finas para limpar os
denles a giO
immi
ADVOCADO
D. Joaocdi Correa de Aracio
67Roa do Imperador67
llllllllllll
AOS 5.-000*1000
Estio i venda os felizes bilhetes da lotera da
iafaia. na casafelii do arco da Coneeico, ioja di
HiriTMno Recife.
Almanak de Castilho
para 1872.
Acaba de cbfgar de Lisboa, 0 acba-s venda
na livrana economiea i roa de -Maicj p. 3, de-
; ,'rente d" arco de Santo Antonio.
6*000
160
4*000
400
1*500
1*000
300
160
3*500
4*000
3*000
500
1*000
320
800
IHQO
709
500
40
500
1*800
2*80C
2*000
240
3*600
4*000
1*000
100
500
600
50C
60
120
500
1*200
200
1*500
1*500
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
erivao na cidade de Natareth desta provincia.
Error de vir a roa do Imperador n. 18 a concnii
aquello negocio que V. S. se comprometteu real-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo passado, e depois par Ja-
neiro, passoa a tevereiro e abril, e nada cnmpho,
e por este motivo de novo chimado para dte
Om ; pois V. S. se deve lembrar que este negocie
de mais de oito annos, e quando o senhor mi
flho se achava no es nesta cidade ________
ATTENCAO
Aluga-se ama grande cocheira na ra da Uniio,
com dous quartos e solio com outros dous qaar-
tos, tendo janellas, todo eaiado e pintado de no-
vo e moito propria para taberna ou outro esube
ecimento : a tratar na roa da Aurora n. 36, Io
andar. : -
Para alngar-se
Um magnifico sitio la estrada da travesa da
Crnz das Almas, com exeellente casa bera aca-
bada, com daas salas, seis quartos, grande co-
pia, coxinba separada com dispensa, saleta
qaarto. Boa eoxeira e estribara com mais dous
quartos e 1 sotao para criados. Magnifico qnarto
para banbo, letrinas, gallinheiro de pedra 6 cal
cercado de gradeamento de ferro. Fieando dito
sitio perto daa estatdes denominadas : Jaqusira e
a do Arraial : para ver e tratar no sitie do eom-
mendador Tasso.
CASAS
Aluga-se'o primeiro, segundo andares e sobre-
sotio da casa n. 6, cita a ra do Livramento : i
iratar na toja do mesmo predio. _________
Na ra Direita n. 6i, precisa-se fallar coro
o Sr. Sebastiao de Mello e Albuquerqne a negocio
de seu interesae.
160
AU
DYVETOT
nica casa neste genero
14-Boa Estreita do Rosario^
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
' tudo que perten-

Joaqnim Jos Gk>n$al-
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, 5, 1 andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco d<
litiho, em Braga, e sobre os seguirte* -ni-ti to
Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Goimarae?.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arco9 de Val de Vea.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Lanos.
Covilha.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
_______Barcellos._____________
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRA FOtO.
A companhia Iodemnisadora, estabtilecida
esta praca, toma segaros martimos sobre
navios e seos carregamentoa e contra rogo
am edificios, nurcadorias e mobilias: ni
roa do Yigaro n. 4, pavimento terreo.
CASA DA FORTUNA
RA i* DE MARCO OW'ORA DO
CRESPO N t3.
Aos 20:000^000.
O abaixo assignado tem sempre exposto ven-
la os felices bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptameme, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro JijWOO
Meio 121009.
Qaarto 6*000.
Manoei Martins Fiuu.
Ni travessa da roa
das Crazes i, i, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prala e krilhan-
tes, seja pal for a fian-
ta. Ha mesva easa com-
prai-se es Besitos me-
ttes e pedras.
[MMQMMMWsl !
O magnifleo e saudavel chocolate em p, em
pequeas latas, a 3100 a libra ; vende- se nos
seguioies armazen?, ra do Imperador n. 40, e
ra Mrquez de Otinda 0. 53-
Para alugar-se
Um sitio no Poqo da Panilla no porto do Paula
com exeellente casa, com duas sallas, qoatro
quartos e cczioha : estribara, cocheira e quartos
para criados, e mais duas casas ineias-agua? pa-
ra fmulos ou hospedes : tratar com o common-
dador Tasso.
A fifi A Precisa-se de orna
M lili Ib am* para o servio
mM IVI #A de casa de uma fam)-
ai A i A lia composta de daas
pessoas, exceptundose o lavar e eogom-
mar: nesta typographia se dir quem.
Aluge-^e urna mulata mofa : a tratar em
Jaboaiao passaudo a ponte terceira casa do iodo
esqnerdo ou a ra do Imperador n. ti. cartoris.
Andares para alagar
Aluga-se o 2* e 3# andares do sobrado-da Ira-
vessa do Corpo Santo n. 27, proprios para peque-
a familia, muito frescos, exeellente posicao e ro:
a tratar no armazem de fazendas do mesmo pre-
dio, das 9 as i horas da tarde.
Precisase de urna pessoa capaz, dando lian-
S, para vender capim : tratar no engenho Dous
naos : em Apipncos.
s
Folhinhas para
1871. 5
Para todos os bispados do Brasil, or- 1
nadas de lindas vlnhetas, e dos retratos j
dos prncipaes hroes da guerra franco- gR
alenla, e o suciesso da morte do gene- I
ral Lopes. =
Preco 500 rs.
Livraria econmica, ra Primeiro de g
Marco n. 2. S
mmmm-mmmm-mmmmmm
Precisa-se de offlciaes de harbeiro : do sar
de cabelleireiro da ra da Imperatriz n. 82.
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama de leite, exige-se bom
leite e boas mtormc5es : na rna da Concordia,
sobrado n. iO, t* andar.
I* andar, pintado e preparado
de novo.
A pessoa que tinha alngado o 1 andar i ra do
Padre Florlano por motivos que bouveram deixon
de o ir oceupar, o que se previne qaellas pessoas
que preiendiam dito andar e qne se Ihe dizia es-
tar alugado, que se ainda o quizerem dirijan)-se a
roa larga do Rosario n. 22._________________
Precisa-se de uma ama ou escrava para en-
gommado, paga-se bem: na ra dos Pires n. 32.
ATTENCAO
5
Vende-se por barato preco nma propriedade a
margem da camba dos Aemedios, fazendo-se
toda vantagem ao comprador, re.-ebendo-se parte
em dinbeiro e parte em letras ou objectos de
prompta venda ; cuja propriedade contm uma
grande otaria de peora e cal que lastra 16,000
ti jlos de al venara grossa e forno que comporta
25,000, com mais um forno e lastro para fazer-se
tenas, ladrilhos, canos e lauca, com exeellente
barro para qualquer obra, com dous excellentes
viveiros de peixe e com casa de vi ven la para
grande familia, toma-se recommendavel por pas-
sar perto a linha dos bonds : as pessoas que pre-
tenderen] dirijam-se dita propriedade a entender-
se com o capilo Delfim Lins Cavalcante Pessoa.
WMWJHr""!
VIUVADD0 DR.
0. L. Pinino. 1
43Raa doBaro da Victoria 43
Para este amigo estabelecimento acaba
de ebegar no ultimo paquete, da casa de
James Epps & C, de Londres, um exeel-
lente sorlimento de carteiras e caixas de
todos os tamaitos, qur para glbulos,
qar para tintura-; assim como medica-
mentos em trituracao e em tintura, glbu-
los, etc.; o que tudo se vender por pre-
sos Fnui razoavei*.
Thesouro homeopathico do Dr. Sabino
0. L. Pinho.
3* edicao.
Muito melhora.lae augmentada com um
appendice.
Al principios do mez prximo estarao
venda os txemplares desta importante
obra.
As prepanedes desta pharmaeia conti-
nuam a ser feitas sob as vistas immedia-
tas do medico do consultorio, o Sr. Dr.
Jzui09 A. dos Santos Mello.
5
m
m
m
s
NOVA PUBLIGAgAO
A Parahyba e o Atlas do Dr. Candido Mendos de
Almeida.
OBSERVACES7CRITICAS.
as livrarias franceza e universal, ra do Cres-
po n. 9 e Imperador n. 54._______________
*' h *
. J M -' .
Antonio Joaquim Cselo tendo recebido a in-
fausta noticiada morte de sua earinhosa mai, Sra.
Mara Rosa Nogueira, e por isso pede a todos os
sens amigos e prenles para onvirem ama missa
por alma da mesma que deve ser celebrada na
matriz do Corpo Santo no dia 17, as 7 boras da
manbaa. ____________________'
VSaHHHHHHIHBIBii^HHaHBHHBIBHM'
Para banhos do mar
Aluga-se nma exeellente casa cauda e pintada
de novo na Ba-Viagem, propria para se passar a
festa : a tratar na ra larga do Rosario n. 34, bo-
tica.
Vende-se ou aluga-se um sitio noAr
raial logar denominado Coqueiros, tra-
vessa do Acude n. 2, com 305 palmos de
frente e 2,000 pouco mais ou menos de
fundos, tem casa soffrivel, cacimba nova
e excedente (a prova dos mais rigorosos
estos e verdes) com banho de repudio ai-
xa d'agua e banbelro simples e de choque
encanamento d'agua para dealro 'de casa
e para a noria, uma grande parte do sitio
plantado de diversas fructeiras das
quaes, j algumas do producto. O dito
; sitio torna-se recommendavel pela sua
; posicao e vista pitoreseo pela frescura e
; salubridade do ar e dista apenas oito ou
! dez minutos da estaco da casa Amarella
; como a da Porta d'Agua : a tratar no mes
mo on na rna Nova n. 23.

10 fiLICO.
O abaixo assignado faz sciente ao respeitavel pu-
blico e especialmente ao corpo de commercio que
deixon de ser caixtiro da casa dos Srs. Tasso Ir-
mos & C. desde o dia 5 do corrente. Recife f
de setembro de 1871.
Manoei de Mosquita Bastos.
fcx
x
Precisa-se de urna ama
para comprar e cosjnhar : a
iratar na ra da Alegra n. fi.
tvde-se
A ijuem tiver arhadn hontem um val i qiran-
Ua de' 100* a favor de Manoei Jet Frinsudm
Barros, o favor de entregar na rna da Cadea o.
55, armazem, vi-.to que de nada vale a i utra
qualquer pessoa._________________
Precisa-se de uma ama ou escrava para o-
zinhar somente, agradando paga-se com generosl-
dade : a tratar na ra do Pires n. 32.
Contrata se a venda de capim annualmeoie
por preco rasoavel : tratar no engenho Dona
Irma9, em Apipncos.
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda
e Beberibe.
A TLC A Precisa se de uma que compre eco-
lilLxl zinhe : na rna de S. Francisco n. 54.
Avisa-ae aos senhores accionistas qne a sesto
da assembla geral para a conelasio dos sens tra-
balbos ore a reforma dos estatutos foi marcada
Sara o da sexta-f-ira 20do crreme, as 10 hora--
a manha, e a reuniao ser no mesmo lugar da9
anteriores.
Recite 13 de setembro de 1871.
O secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
Ainda estar por se alugar uma das sala* >\?
um terceiro andar na ra Duque de Caxias: a
tratar na mesroe rna n. 65._________________
Precia-se de uma ama quo eoaJ-
nhe com perfeicio, qne seja de meia
idade e de boa conduela para casa 4*
familia : na rna do Bram n. 8, i
andar, dcfroniedo muro do arsenal.
Companhia Alliant?&
DE
leguros martimos estabelecki*
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
Toma seguro da mercadonas e dinbeiro a n <<*
naritimo em navios de vella e vapores para den-
to e fra do Imperio. Agencii i ra do Com-
nercio a. 5, escriptoro de Joaquim Jos Gor.-
^Ivm Beltrao.
Religio.
LUZ E CALOR.
Obra espiritual para os que trata m do exercicio
de virtudes e caminbo de perfeicio. pelo padre
Manoei Bernarda, nova edigao. Lisboa 1871, I
vol. 4 6*000.
EXERCICIO DE PERFEIQAO,
e dontrina espiritual, para extinguir vinos e ad-
quirir virtudes, do padre Affomo Rodrigues.- Por-
to 1869, 1 vol. 8 JJOOO.
GRITOS DAS ALMAS
e meios para os aplacar, nova edicio.Porta 1869,
I voL 8* 2*000.
EXERCICIOS ESPIRITAES
de Santo Ignacio, propostos s pessoas seculares
pelo R P. J. P. Pinamonte.Rio de Janeiro 1871
2*000.
PRAIICAS MANDAMENTAES.
eu reflexdes moraes sobre os mandamentos da lei
de Dos pelo padre Pr. M. da Madre de Deo.
Porto 1871, 1 vol. 8* 4* 3*000.
_________ Livraria francesa.
.Alerta!!
r Previne-se ao Sr. Dr. director di insirneco
publica e aos pais de familias, que lancem mas
vistas a um celebre professor no pateo do T....,
qoe alem de nnnea estar na aula, acontece qne
reina all a desmoralisacd, plantada pelo proprio
professor, que muitas vezes manda os alumnos
dar psios, adeos, e offereccr cravos aos viiiphis,
isjo 'r>a grande applauso de toda a famiiia,
i ADVOCACIA
BACHAREL
J. B- P. Corte Eeal
SRua do Imperador b. 12.
WNm-mmmmmmm*
Sustento restaurativo da
saude
PELA VERDADEIRA PARINHA
A, Dii Barr d'Arabia
Os abaixo asssignados fatem sciente a sens fre-
uezes, que pelo vapor inglez La-Plata receberaia
gnnda remessa d'essa exeellente farinha, cojo
oso muito se recommenda para as enancas, pes-
soas debis e convaleseentes, applicada com reco-
ohecida vantagem as constipagdes, diarrheas,
nausea do estomago, iosse, escarro de sanguo.
phtbysic*, etc. etc. Preferida ainda pelo agradavei
sabor.Uniricoa outra qualquer. ^^^^
Na ra do Kosario da Boa-VisU n. 18, fJM-
cisa-?e de nma ama para cotiohar e lavar.
Aluga-se
Uma casa terrea cora solio boas accommo-
dac5e?, concerUda e pintada receniemente, na
Una do Retiro, Passagem da Magdalena : trita-: e
na rna do Vigarie ru 4. ______'
jv OQv jv Prci-se de uma ama pa-
V lXlN, ra o servios de casa de pouca
wJ YRJ m familia: tratar na ma da
Crnz p. 18, 3* andar.______________________
Para festa
Aluga-se urna casa era Cmog, cora boai ac-
comodacoei', ao entrar da poo;e do lado esoner-
do : 4 ITHiT roa (Jo VigirlQ n. i.


Diario de Pernambuco Ten; eira 17 de Outubro de 1871.
?
i
CASA DA rORTUIU
Aos 5:000*
Bilhetes garantidos.
A roa Primelro fe Marco (ootr'ora roa d(
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assifnado, tendo vendido nos seos I*
lttM btlhetM nm qairto n. 918 cora 5:000*000.
am ioteiro n. 1425 cora 800*000, um qaarto n.
946 eoin 300*000, ara qaarto n. US cora t00|,
nm meto n. S436 cora 100*000 % oatru sones
de 40* e SO* da lotera qne se aeabon de ext-a-
hir (510"), convida aos possuidores a virem re-
ceber na conformidade do costme sera descont
alguna.
Acnaa-se i renda o bilhetes garaciidoa da
15.* parte das loteras, a beneficio do patrimonio
dos erpnlos (SU*), que se exrahir quinfa-feira
19 do crreme mea,
PRBCOS.
Bilhete inteiro 8*000
Meio bilhete 3*000
Qaarto 1*500
Km porcao de 100*000 para cima.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 1*730
Qaarto 1*375
Manoel Martina finia.
Sitio e padaria,
Aluga-se a padaria da Enerozilhda da Tama-
rineira n 3, cora qaasi todos os n'.encilioi, e o si-
tio omito grande e boro, cora bastantes arveres de
fructo, e a ejtaco dos Irilhos urbanos, janto : i
tratar na roa da Madre de Deas n. 30.

Jornal das fa-
milias.
Assignatnra por anno 12*000 : na li-
vraria econmica, roa Primeiro de Marco
. 1
Face ver ao publico e a todas as autoridades
Solicites desta provincia on de oatra qaalqaer on-
e fr encontrado o qae abiixo se declara. A raa-
neira de qne se toma posse do albeio contra a
vonUde do sen dono por mais lempo do qne
aqoillo qae se trata-
No dia 9 do correte mez, as 4 horas da tarde
toi nm cidadfco brasileiro na cocheira da ra da
Roda n. 45 alagar um cavado pelo preco de 5*
para ir no lagar denominado Salgadinho, qae ti-
ca janto de Ondp, para entrega-lo as 7 horas da
noute do mesmo dia, e como at ao presente o
nao tenha fato nio se sabe qaal o motivo porque
nio se entrega o alheio a sen dono pelo lempo
qne traten ; por issc quem deste dr noticia ser
recom pesado pelo dono do cavallo e Ihe da mais a
prefereoeia a qaem Ihe dr noticia do snpplican-
te do qae mesmo do proprio cavallo, para qae fi-
que sendo conhecido pelas aoloTidades poiiciaes e
mesmo pelo publico o modo de vida qae tem.
Os signaos sao os seguintes : o cidadae de
cor parda, trajava roopa preta, chapeo -de mam-
iha, cavan naque eiigode, idade viole e cinco a
trela anoos. Os sigoaes do cavallo, larao rozilho
foveiro, pode ter dez a doze annos, os .ps cal ga-
dos'de tiranco e Vente aberta, urna erida as cos-
tas do lado direito, relado nos dous joelbo, tem
ama -robre-cana quemada na mi direita os fer-
ros, cojas iniciaes vem a ser J. D. P. no qaarto
direiio, nao se sabe pintar os ferros do quarto di-
reito, mas tam no qaarto esquerdo ferro de nove
eom a marca de sen proprio dono.
SEM CAMBIO
Troca-se meada de cobre, quanlia nanea infe-
rior a 50*000 : qaem pretender dirija-se praca
da Independencia n. 39. toja de calcado dos Srs.
Porto & Bastos.
Famoso pioho de resina por preco qae oingaem
pe ie vender: oo armazem da bolla amarilla no
oito da secretaria da polica.__________________
Precisa-se do um escravo de boa conducta
para todo o servico, paga-se bom ordenado : na
joa do Rango! n. 9.____________________________
A viuva Filhos de Joo Jjaquim de Souza
Abr-ou e Lima, coro loja de sirgoeiro roa do Ca-
bug o. 1 B, avisara a seus devedores qae deixon
de ser sea cobrador o Sr. -Hercalaoo Daniel da
Silva.L-iurn" desde o flin de fevereiro prximo
paseada, entregando a proenracao que Ibe havia-
mos onthorgado, aao levando em eonta qualquer
recibo passado posteriormente.
liffl DO Op
Aos 5:000^000.
Bilhetes garantidos da pro-
Tlncla.
Rna do Bamo da
Victoria, *
Outr'orarua Nova n. 63 ecasai
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entre o.
sana muito felizes bilhetes a sorte de 5:000*000
am ura:quarlo de o. 918, a sorte de 300* em nm
qaarto de o. 2946 e um qoarlo de n. 115 com a
sorte de 100*, alm de outras sortes menores de
40*000 e 20*000 da lotera qne se aeabon de
extrahir (210), podendo seas posaaidoret virem
receber, qne promptamente serio pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respsi-
tavel publico para virem ao sen estabelecimsnti
comprar os felizes bilhetes garantidos, qne ni
deixar de tirar qualquer premio como prova pelo:
mesmos annnncios.
Aeoam-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 15' parte das loteras em beneficio do
patrimonio dos orpbos, qae seri extrabida no dia
qniota-feira 19 do crrante mea.
PRECOS.
Inteiro 6*000
meios 3*000
Qaartos 1*500
De 1000000 para cima.
Ioteirc 5*500
Meios 2*750
Qaartos 1*375
Joan Joaqaim da Costa LeiU.
FEITOR
Precisa-se de am feitor para o engeoho Mega
da comarca de Goyana, tratar no mesmo enge-
nho cem o proprietario o Sr. Henriqoe Olympio
Tavares da Rocha, on nesta praca com o sen cor-
respondente Joo Pereira Moutinho, em sea escrip-
torio a roa do Mrquez de Olioda n 38.
Livraria econo- m
mica. |
Grande sortimento de papis pintados I
e doarados para forro e guarnico de H
sallas, gabinetes, etc. etc.
Livraria econmica, rna Primeiro de I
Marco o. 2. 5
AUDACIA
A exemplo da Zalmira tde-sa comprar tirlo
e outros igaaes. Depois temos o seguro.... E* sem
davida bom meio de nao prensar fazer eaoooes
oem descontar papagaios.
O Cognac.

A sooedade benefleote Segredo e Amor da Or-
dem manda celebrar urna roissa pelo eterno Te-
pouso da alraa dt Jos Bom Ramos de Oliveira no
da (7 do crreme mez, as 7 horas da roanha, na
igreja matriz de Santo Antonio,a para a qaal con-
vida nio a Exma. familia e amigos desse seu
estimave) consocio, por.m tambera a aqoaj^s que
queram comparecer por espirito de releigio e
caridade.
de fa-
5, pri-
A M* A Preelsa-se de nma para casa
aiun. milia : na rna do Vigario n. i
meiro and*r. -
Precs.-se de nma ama que cozinbe
bem o diario de nma casa e qae faca
algumas compras, dando se am mole-
iiiij.il qae para as ir bascar: na rna do
Brnra o. 78. .______
Precisa-se de orna qae sei-
ba cozinhar e engomraar, pa-
_ ra pouca familia: no caes da
Coropanbia Pernambucaoa o. 1______
%>!.*
Joaquina Mara da Conceico avisa ao publico
em geral e ao corno commercial especialmente,
qae ningaem faga traosaccao algnma cora sea filho
Am'zio Joaqaim de Abrea, bem como qne o refe-
rido sen fllho nao est antorisado nem para rece-
bar os seas rendimentos, nem para nsar do sen
nome em negocio algum, e para qne ne se cha-
me alguera a ignorancia em qaalqaer negocio, faz
a presente declaraco, e o qne for feito sera oallo.
Preeisi-se de urna ama para todo o servido
de nma cusa de pequea familia : a tratar na
praca do Conde d'Kn n. 30, 2 andar.___________
Club dos proprieta-H
rios
A commlsso incumbida da redaccao da peti-
cao de queixa ao Exm. Sr. presidente da provin-
cia, contra os abasos da execucao dos trabalhos
da empresa Reeife Drainage convida aos Srs.
proprietarios para enderessarem suas reclama-
cSes ou declararera as vklencias soffrldas em
sens direitos, oo escriptorio do Dr. Joaqaim Jos
da Fooceca, pateo de Pedro II n. 6, onde se reu-
nir a referida commisso, at o dia 18 do cor-
rente aflm de serem atlen-Jidas e devidameote
contempladas na citada peticao.
A commisso convida ainda a aquelles dos Srs.
iropTietarios que aioda n) se inscreveram taze-
os, dirigiodo-se ao estabeleciraeoto do Sr. Ribeiro
ra do Imperador o. 44, onde encontrarlo o res-
pectivo livro.________________________
PARA OS QUE YIVEM DA POLTICA.
Teodo os jornaes desta capital ltimamente se
eccopado, do escrivo do subdelegado de S. Jos
de quera meos se deveriam ocoapsr, roga-se-
fhes que continaem no mesmo camioho at qae
seja elle exiuerado do dito cargo, porque assim
grande favor fazem a um que delle particular
inimigo e interessa pelo cargo.
O que da noote faz dia. _
ROUBO.
A nessoa a qoem se offereeer ora relogio ame-
ricano, grande, de parede n. 391; apprehendendo-
o e levando-o ao largo da Ribeira de S. Jos o. 9:
nao so se recompensar como ficar-se-ha obriga.
do ; assim como se proceder costra qaem tal oe-
gocre ftzer.
Faz-se oegocio com o esiabelecimento n. 55
da ra Duque de Caxias : a tratar na mesma.
COMPRAS.
Nesta typographia compra-se nma historia
sagrada por Pinheiro.
VNOAS.
AttenQao
Precisa-se de ara rooleque de 10 a
para ajodar o servico de casa a nma ama que
serve a urna familia composta de 3 pessoas : a
rna Duque de Caxias o. 73 andar____________
SITO
Alaga-se o grande sitio da estrada do Rosrinho
a. 10, com caa para Dameros a familia e era bom
estado, havendo muita diwersidade de tru.uas, hem
como pod sustentar urna norrio de vaccas, todo
anao, aioda wesmi na maior ferca da seeca, por
ter orna grande toaixa d^ capim, qae nunca seca,
e na distancia para qaalqaer dos tnlbos arbane,
Eoocnzilhada de Belro, ou Tamarioeira, se pode
gastar de cinco a seis minutos : a tratar na roa
da Madre Deus n 30.
O grana" rancho d> Bu nos Afogados, acha-
do-se novamente preparado nao ? j em continna-
^o do trato de todos os cavallos dos sertanejevs,
18 -com as mesoias garant*", que serrpre leve como
tambem para receber desta praca qnalqoer ca-
vallo para ser tratado onforme o osto de sea
dono sendo todo commodo a favorevel pelas gran
des porpocoes qae teto o mesmo rancho, jaem
tiser cavallos e quizer etperimentar ver com
qne facilidade, se tem nm cavallo bem tratado e
seguro sem pagar tanto dkiheiro quanto pedem
as coxeiras : qoem precisar ierlja-se ao mesmo
ranafeo que fallara com o* proprietarios Jos Ma-
rinlio de Hollanaf alco e Aatonio Gomes de S
Leilao.
Furtaram oa owte do dia 7 para 6 do cor-
reate mez, do engentn Gnrja de eima da fregu-
zia de Jabcato, tres cavallos, seodo um ruco ta-
Ihado coto algumas piolas de pedrez, j velho e
castrado,, anda baixo e est gordo, outro castanho
escaro, grande, cora urna estrella pequea na
testa, tem um p calalo, ardigo e castrado, e o
oniro castanho escuro, com os quairo ps calca-
dos e urna liatra grande na frente, inteiro e ar-
digq, e todos tem o (erro MLS. Roga-se as autori-
dades polieiaee e a qualquer pessoa do povo qae
os encontrar oa poder dar ooticias exactas, o fa-
vor de dirigir ra-se ao dito engeoho, onde serlo
gratrgeados com 100*._________________________
Preeisa-sd de urna pessoa para tratar de
ama detente e paga se bem : no sitio da estrada
velba do Cnora-iKeoino, moradia do padre Fran-
cisco Joo de Azevedo.
iU 1 Precisa se de ama ama de idade e
AlA. (ja? gaiba coziohar. para urna pessoa :
a tratar oa raa da Crnz o. 17.___________________
ltenlo
Urna pessoa qne mandn bascar oa Prussia, ama
ambulancia homeopaifiica, am de reiirar-se para
o serto, mas sobreviono oovas reeolucSes, tenciona
retirar-?e para Europa, por este motivo'expe a ven
da; qaem quizer, po.,manir-se de medicamentos
de pleoa eoofaoca, approveitar a oeeasio; d- se
lado pelo custo. aflm de liquidar. A aaber : 99
vidroa de tintura jo. 253 vidros sonidos de tin-
tura dyoamisada, 139 vidros de i grammas cora
glbulos preparados, esseocia de aroica, glbulos
inertes, assuear do ieite, opodeldoc de Rhus, bryo-
Bii, rnica aleooi de 95 e 60 graos em vidros linos,
vidros sonidos, carteiras cheias e variis de 40 tu-
bos, caixinhas de madeira para 60 e 140 tunos,
encerados para golpes, lalTela da aroica, etc. etc., e
bem assim 2 armanobos de amarello e 2 baoqui-
nhas para ditos com tarapo t> marmore, e 1 ear-
teira cirnrgica para algibeira: raa Imperial
sobrado o. 98, a qoalqner hora.
Alaga se
O armazem do sobrado da roa do Amorim o.
21, com duas freotes, oo Reeife : tratar na roes-
ma ra o. 52, armaz-m.
Com urgencia
Preaa-se de urna ama oba abundante e bom Ieite ; em lilbo, pa-
ga se bem, qae qaizer dirija-se a esla ty-
pographia oo Io andar i fallar eom o ad-
ministrador.
3
FABRICA
DE
Precisa-se de alagar ama casa tarrea oa
freguezia de Santo Antonio, as seguiotes roas :
Bella, Florentina, S..Francitco, Roa, Santo Ama-
ro, antiga mundo aovo, Flores, Caraboa do Car-
ino : tratar oa raa da ConceicJo n. 5, Boa-
Vieta.

Olinda.
CHAPEOS
DE
s
Todas as qualdades
\ Vi ra larga do Rosa-
rio n. i\. I. andar
Se o desejo dos proprietarios desta fa-
brica fosse nicamente illadir a f pu-
blica, ha muito que teram annnociado
os seas prodactos, mas para correspon-
deris mais dignamen'e eonflaoca nui-
les depositada, esperaram receber os
objectos e pssoal, que acabam de che-
gar-lhes.
ILje, pois, qae a saa fabrica se tcha
mootada cora as mais aperfeigoadas ma-
chinas, com os melhores peirtefios e sei
vida dos mais peritos offlciaes enrepeos,
podem os seas numerosos frejneies e
o pablieo em geral encontrar desde j.
Chapeos de seda da ultima moda, sen-
do altos e aixos.
Ditos de castor de todas as cores, em
formatos inglezes e amburguezes.
Ditos de fellro de todas as qualidades
e feitios, tanto para bomera como para
eriancas.
Ditos de velludo para seobora.
Ditos para eclesisticos, redondos, tri-
angulares e a romana.
Ditos armados para militares.
Ditos de pasta.
Obcerta-se toda a especie de chapeos
quer de horxem qoer de senhora, com a
maior pericia e mais barato qae em qual-
quer outra parte, assim como se rece-
ben! encornmeoh.is tanto para a provin-
cia como para fra.
s
a
m
!
i
PEDIDO
.N'amoro penalisados.
O portador dr recados.
-Precisase de ama ama que saiba cozinhar,
n casa de poa^a famUin, preferiodo-se escrava :
na roa da Cruz do Reeife n. 29.
-Abl/OUyOiO jMa (j, rja do vijarTo o 3, propriji para~escrip- j
jsru-se fallar com o ?r .uiz Caeun Borge tnftrr 'depito de ftzodas por ter grandei pe-
a ne>eiQ *n niero^'e na na 1> C>raTer-1 coa'moda\-5 31 :" .a l'i,'r cora Maorje) Alves Guer-
' n- 30. ra, |>ai ou rilho.
_
E' o que exig-mos de certo professor particular
no pateo d) T.., qae nao abandone a aula para
andar pelas roas a pedir diariamente dinheiro em-
prestado (para naoea mais pag-r) a qaem o eo-
nbece, e pelo auor de Dos, que est morrendo
de fome, a aquelles que guoram qaem i o Sevan-
dija.
Aiuga-se o i* andar e os d^ns armazens di
Tende-se doas lergos do sobrado de tres ao
dares e soto, site oa roa do Mrquez de Olinda,
outr'ora rna da Cadeia Velha n. 47, qne "faz qui-
na com a raa da Madre de Deas : a fallar na ra
do Aragao o. 13, oo Visconde de Pelotas.
Helhor tarde que minea.
Tabicas de canoa da India a 500 rs., proprias
para es cavalleircs.
^hapman's
_______Ra do Imperador numero 29.
Cemento Portlani
O mais superior que tem vindo a este meeaio
era barricas de li arrobas, forrada* eom arcr* e
ferro : ao trapiche Guwra, Oo Hecife.
Carteira
Vendf-se urna carteira para -escriptorio e al
guns objectos do mesmo : tratar na ra da Ma-
dre Deus n 30.
Com o devido re3peito
Sim, com o devido respeito que os proprieta-
rios da Confeitaria do Campos, sita roa do Im-
perador n. 24, a cuja frente se a cha collocado
um grande lampeo qne se conserva aceso noo-
te, que vem scieatiflear ao lustrado pablieo des-
ta cidade e seus suburbios, qae alli se encontrar
cqnetaaienreate o segaiote:
Fiambres protnptos iuteiros e as libras.
Puddings de diversos tamanbos.
Bolos inglezes cfrancezes.
Piee-de 16.
Pastis fulhadxs de frucla, de nata e de crate.
Empadas de diversos larnanhose qualidades.
Doce cr?stalisado. secco, em calda e rala Jo.
Pastilhas de hor telan pimenia.
A.iendoas coofeitadas, com casca e descascadas.
Confeitoe, perlinas e oDboos.
Boltnhos s*ecos para eh.
Lanches diversos.
Cerveja, cbapagne, vinhos, licores e cognac.
ASSIM COMO:
Apromptam qualquer enommenda de bolos e
assado-", pois para isio' teera urna bem montada
iabrica.
B convidamos m Cxmas. familias virem visi-
tar o nosso estabelecimento, pois ne le encentra
rao sempre agrado e. sinceridade.
Attenpo
Vende-sa a taberna sita ra da Sazala nova
os. 6 e 22 com poucos fundos; a tratar na mesma.
Vhde-se duas partea do sitio da Capnoga a
roa das Peroambacaoas, qae perteneem ao Boa
do Jos Aatonio dos Santo i Coe'bo : a tratar na
ra do Birao da Victoria n. 9, loja da Turquea.
DESCAROQAR ALGODaO
de 10 a 40 sernas. Machina a vapor, forca de
tres cavallos : em casa de Shaw II .wks & C, rna
do B)m lesus n. 4. amiga' ra da Crox.
Tiedios a v Vende se dous sobrados novo com jardira ao
lado, assim como doas terrenos, am ao lado de
omdos predios, e uniro defronte, situad na tra-
vessa de Joao Fernandos Vieira, vulgarmente cha
nudo do Padre Iogle: a tratar no escriptorio de
S. P. Jolioston & C. ra de D. Mara ^eaar o. 42.
Pelos altimcs vaporea, chegou para o rmazem
do Campos da roa do Imperador o. o. 28, os g-
neros seguiotes :
Chocolate era p. ou cacao puro soluvel.
. Leite cond osaJo o mais soperior.
Queij* Loodrinos, Flani'ogos, prato, Minas e
do seriao.
. Preruotos e toacioho ioglez.
arveja Miae-1, iVorega, Bass e Guin-s.
Cha muito superior, graodo e miudo.
Alera disso
O Campos em eito reunir em tea rmazwn, os
viveras mais saucrosos e superiores, qnereodo
por essa forna entrar em eimpetenia cem os
eos c?Hegis, na venia d,s geueros proprios para
mesa, # if;-*p*, dde a mais modosta at a
abasiala e bm c''ii di iguaria! (lias e grata
ao paladar.
Niogaem por ceno, p-rt du^Ja'no acini.dto
jois qo ja lodo- sabara q'tepQie .** ene^tMn o
BOU oo jrma/em 4) ,:"
- ... CAMPOS,
Haa do inpere Vlnho tinto e branco supe-
rior
do carc*vello9 tem pira vender em caisas
d nma djMia Joaqaim Jos Goncalves Bel*
trio, i mi do Gommercio n. 5.
Cadeira.
Novo sortimento de cadeiras francezas
venda oo armazem de Tasso Irmaos & C. ao
caes do Apollo.
Relogios de ouro e
prata
dos melhores fabricaetes inglezes, francetes e
saissos, vendera-se por prejos mnito rasoaveis, na
loja de joias Esmeralda
RA DO CABUG N. 5. .
Espanadores
De plha o mais bem feito qae possivel e
mais barato do qne em oatra qaalqaer parte, na
'Pracadaladependencia ns. 35V 37 e 39.
Ao publico
Ra do Imperador n. 24
Ao publico sem davida a qaem aos dirigimos,
pois para Isso faiemos inserir oeste jornal nm
aonuncio que deve ser lido por todcs com malta
attencio.
Nao vimos com phrazes bombsticas, proenrar
convencer o respeitavel pablieo qae acabamos de
mootar nma fabriea e loja de .coofeitaria, paste-
lera e culinaria, somente com o malicioso fim de
chamar attenco. para o nosso estabelecimento,
.somos.amigos do progresso material desta pro-
vincia,' occorreu- dos por isso, aTda d facilitar
a qaalqaer habitante della, a mooir-se com pres-
teza e qoantia resumida, de qaalqaer objeeto ten-
dete as tres artes cima referidas, esUbeleceodo
para esse fim nma confeitaria a raa do Imperador
e. 24, sob a segrate denominacao
CONFEITARIA DO CAMPOS._________
A 41500
Vende se borzegnioa para hornem, obra taxiada
bem feta, pelo diminuto preco de 44500 : ve-
tam roa dalmperatriz n. 68, loja de miudezas.
fa.3

!
i!.
cr
fe
3*

4*
S
proprios para suspender barca-
das e hiates, vende-se na ra da
Cadeia n. 39.
Sitio venda
No Armial ra da Harmooia. vende-se nm si-
lio, todo plantado, boa casa e baoho, qne se torna
recommendavel, 0 pela sua collocacao topogra-
hica e salabridade qae gosa aqneile pitoresco
arrabalde, e j pela modieidade com qne se pode
fzer tao ptima acqnisico. As pessoas qae o
desejarem pdem derigir-se para infurmaedes
roa do Livramenlo. armazem do Balisa.
Para noivados.
Fitas especiaos e preparadas para lacos de cor-
tinados de cama : receben a Nova Esperaoca,
ra Duque de Caxias o. 63 : a ellas antes qae se
acabemjpois vieram somente sei-, e sao (radisi-
mos.
^^^ ^^r^k^^T\ ^^P\^^F^^^\^^s^^^^ ^^F\ *^^^^^ .*^^X^P> ^a\
0 mmniT/iiA

*
ft
0
* Popelina de seda
Com toque de avaria w,
A raa do Crespo n. 25.
Papel para impressao,
Vende-se por preco muito barato, havendo tres
lmannos: oa ra da Cruz o. 34, armazem de
Alvea 4C.
juffiiK v wm mwMWfk
A^rua do Commer:io n. 10, escr.pto- Mj
rio de Jos Joaqaim da Costa Mala, eo-
contra-ae para vender por commodos
preces :
Azulejos hespaobes.
Folhas de ferro galvanizado para teiha-
do de diversos tamanhos.
Ditas de dito dito lizas.
Bicas de ferro galvanizado.
Cumieiras dito.
Portadas completas para cantara.
Ladnlbos. '&!
mmm mm as mmm&
Joaqaim Jos Goncalves Beltro tem para
vender no sea escriptorio na do eommerclo n.
5, os gneros abaixo notados, qne vende mais b i-
rato do qne em oatra qaalqaer parte :
Azeitonas em ancorlas.
Amendoas em barricas.
Caf mnldo em massos de t libra.
Chapeos do Chite de boa qualidade.
Cognac marca martel frres.
Enxadas.
Farinha de mandioca de Santa* Catharina, jsac*
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Bahia em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, proprias para casas
particulares.
Fio de algodao da Bahia em novellos.
Fouces.
Maxados.
Nozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para den'es.
Pregos sonidos.
Panno de algodao da fabrica de ( os Santos
de Pedreso na Bahia.
Rolhas.
Rap popular da Baha.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Fono-
Tapioca do Maranho.
Tabaco simonte da Baha.
Verniz copal.
Vinho do Porto engarrafado, caixa de 12 gar?
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeaux em caixas de urna dnzia.
Dito de caj em caixas de urna dnzia.
Superiores dgarros do Rio
de Janeiro.
Domingos Alves Malheus, nico agente oesta
proviocia da fabrica imperial de cigarros de S
Joo de Nitberohy, estabelscida oo Ro de Janeiro,
tem sempre am completo sortimento do todos o
cijarros, fumo picado e en latas. Tem igaalmenti
os afamados cigarros Conde d'Eu, feitos com mag-
nifico papel de palha de milho e fumo superior
Para goveroo de seus freguezes, que tem estabele
cido depsitos flllaes, as casas dos Srs. Thnaia;
Francisco de Salles Rosa e Manoel de Sonza Cor-
deiro Simoes Jnior, oo balrro do Recite, e todo
qoaoto for vendido em outras casas com a firma
de Souza Novaes & C. sao falsificados.
POPELINAS DE SEDA lindos padrees
iW, 00, 800, 4J00O irfiouo eo-M-
do.
MADAPOIAO a iJOOO, 4*300 e .3#000 9
I
*
ALGODAOZINHOa 1*800 e 3*000, e *
com 20 varas a o*. 4j*
CHITAS ROXAS a 160 rs o covado.
CHITAS PRETAS finas a 200 rs. o co- *?
Wt v*do. j&t
0 BAREGE para lato a 240 ris o co- W
25 vado. ^,
JK ALPACAS LAVRADAS a 500 e 600 9
C rs. o eovado. fy
S Loja de P
MANOEL DAS XAVIER. f
^^^-^^^^N -*^a**^^^^W^^^/^l^,i^^\ ^^*V ^^a\ ^^ ^^T\^^r\
Aproveitem a occasilo da
pechincha
Tatberes rnuto[Snos de doas botos a 3*600 a
dazia, ditos de um boto a 3* a dazia, talheres
cravadoe, cabo branco e preto, a 2* a dazia, ditos
a 1*600 : na roa Duque de Caxias, antiga do
Queimado ol 111
Borros hespanhoes
Acabam de ehegar oo brigae Bella Figueirense
doas barros muito grandes e bonitos proprios para
tirar raea : a tratar no escriptorio de E. R. Ra-
billo & C raa do commercio o. 48.
imi m w
a 3*200 a libra, em pequeas latiohas : so ao
armazem do Campos raa do Imperador o. 28.
Cemento Poitland
1 Em barricas de 13 arrobas prego mais com-
modo do qne em ontra qaalqaer parte, vende-se
os rmateos de Tasso lrmos t C
Grande pechincha
Damasco de la com 9 palmos de largara, fazeo-
da prapria para colchas de cama e eobertas de
piano, pelo baratissimo preco de 1*300 o cavado,
alpacas de cores de padroes miados a 500 rs. o
covado, las de eores mesclidas e de liados pa-
droes a 320 e 280 o cova lo, cambraiaa de cores a
280 e 240 o covado: oa,' loja dos arcos roa 1*
de Marco (amiga do Crespo) n. 20 A. _______
ATTENCO
Vende-so um sobrado de nm andar e soto
novo e muito bem acabado, com terraco na fren-
te de detraz, cozioha fora, murado, coalendo qua-
iro meias aguas de peira e cal, que rende cada
oxea 8*000 mensal, todo no fundo do mesmo so-
brado cito na rna de S. Joo, freguezia de S. Jos
desta cidade : i tratar oa mesma rna, casa oa
mero 4.
Vende-se ama machina propria para tirar
agua e descarocar algodao, assim como ama car-
rosa em perreito estado : a tratar oa rna-Impe-
rial o. 3, andar terrea
A 8**000
V&jtaarios francezes de la de nma s cor para
meninos de 3, 4, 3 e 6 annos, todos tem toque de
mofo, aue mjl se percebe, sao forrados e maito
bem enfeiudosj ferraaodo jaqaelinha, calca e co
lite, nanea se Vendern* por menos de 14* e 15*,
e vindera-se pelo preco de 8*, p*r cania do mo-
fo :-D loja doPapagaio ra da Ifoperatriz o. 40,
de Meode & Camino.
Farinhi d mandioca
Vende-se a 2*000 o acco, na roa da Madre de
ns'o. I.
Deas

Jacaranda'
Veide-se Jacaranda por dazis, on vontade
do comprador, por jomroodo preco ; somente para
.-seeb* ; i t*!*r m do vijafo-. t, -preiro
JacuJ.r,
4 Kua do apollo 4
Joao do Reg Lima & Filho lera para vender, 20
0|0 menos que em outra qaalq-.ier part", o se-
grate :
Linguicas as Ilhas em latas.
Alcairao ex barris.
Vinho do Porto fioo em caixas.
Dito Bordeaux dito dito.
Relogios de pareoe e cima de mesa.
Novidade na loja das
seis portas.
. Laaziohas de cures irodernas nnprias para a
eaiaco presente, que se vende pelo baralissimo
prega de 400 e 300 rs. o covado, madapolo fran-
co! maito largo a 6*300 a pe,'a.
Ha tambem nma grande porcao de jobas >v
novello de nmeros 60 a 120 que se vende
pelo diminuto prego de 1*400 rs. a libra, fazeo-
do-se differensa era porcoes de 23 libras para ci-
ma : na loja das 6 portas em frente do Livra-
menlo.
Loja do Pavo
SAUS BRANCAS BARATAS
a 20500 e 3000.
O PavSo vende cortes de boa fazenda
branca eom bonitas barras de pregas, telo
baratsimo preco de -J.-j-'ioj e 3000 cada
ama, grande pechincha na raa da Impera-
triz n. 60, loja do Pavo.
MODERNAS BAREGES COM LISTRAS DE
SEDA E FRANJA AO LADO,
a 800 ra. o covado.
Chegou para a loja do Pavih, ra da
Imperatriz n. 60, am elegante sortimento
das mais lindas bareges modernas e tendo
ao lado bonitas stras asselinadas e franjas
para os eofetes, as quaes se ven 'em pelo
baratissimo preco de800 rs. o covado, per
baver om grande sert.'mento desta nova fa-
zenda ; assim como delicadissimas bareges
com lindas listras de seda, sendo fazenda d-
mua phantaia a 640 r?. grande pechin-
cha, no armazem do PavSo.______________
Para o dia de fi-
nados.
Na rna esireta do Rosario n. 33, Io andar, tem
para vender ricas capellas para tmulos de aojos,
donz'.'las e defun(o>, de saudades rxas, eravos,
perpetuas e sempre-viva, e mesmo flores bran-
cas, sendo as capellas cjrq letreiros de ouro com
qualquer disliucco que se qoeira ; j se acharo
proinplas, e por preco mnito em eonta. Na mes-
ma casa preparam-se bouqneta de gosto com fitas
bordadas e simple?, tambem se afmam capellas,
trazendo os donrsas perpetuas doas das antes.
VELAS DE CERA
peto menor preco possivel : na ra do Vigario
numero 19.
Flores
Vende-se lindas camelias e oalres Mires pro-
prias para cabellos, oa perneados de senhora, na
raa da Imperatriz o. 82, casa d& cabelleireiro de
Odilon Duarte.
SITIO.
Vende-se urna easa de pedra e cal, coro le re-
no de duzeotos palmos de fren'i e trezentos e
irlnta de fondo oo logar do Faodo, ra de Olioda
cootovote ao sitio dos craveiros, tambera se vende
terrenos ao mesmo lugar ornare reeommendave!
por Ajar perto da estagao do Fando e juoto ao
rio Beberibe : a tratar oos das nt'is a rna esirei-
a do Rosario n 41, loja, e domingos e dias-santi-
iadoj no mesmo riti FuotJ" com M'guel Fer-
era Crreiro.
"TfTitk *~ama trrc ? -?'-- yi'?'-.'.
oa rg Ru^a Antiga ra Nt'.v.i p. 2.
AraaJa^, Naboco & C. convdam os leas ami-
Kua e freguezes a virem ao Bar Victoria para
apreciar o apurado gosio com que versos artigos que receboiam ullimamenie da Eu-
ropa, a saber :
Vestidos de blonl cora veos e grinaldis para
casamtnto?.
Ditos de seda usos e mr.tisadcs
Ditos de fil de soda ricamente bordados a co-
res.
Ditos de chita e de gaega com todos os enfr-
ies necessarios.
Ditos de cambraia Victoria Hoissima.
Camisas bordadas para senhora e hornera.
Sais e pentiadnres bordados.
Meias finas de algodao brancas e de corea para
senhora.
Sahidas de bailes e bournc x de casemi, i.
Basqueas de seda preta.
Ricas (ronhas de labyrintho bordadas.
Ccfxai de seda, de las e seda, de algodao, fus-
to e la pora.
Aza da mosca de todas as cores, urna fazen-
da especial para cibrir quadro?, espelhor e
retrates, demasiadamente transparente e prepa-
rada de forma a evitar completamente o pd.
Colerlnhos e ponhos de papel.
' Chapis de seda e de vtllud) para seobora e
meninas.
Fiu-.s uiagunicas de diversos gracs.
Perfumaras de diversos fabricantes, leos, ba-
nhas, exlraetose pos de arree etc. etc. _
Um completo sortimento d carteiras de mar-
fim, tartaruga, madreperla e couro da Russa,
indispeusaveis de seda, e de conro da Rnssi, the-
zouras e carrivetes muito linos.
Um completo sortinanu de chapeos de sol de
seda, bcngallas de canoa, balea, borracha e ma-
deira.
Charutos superiores, fumo inglez para caehim
bo, carteiras e bolea* de seda para o mesmo e
outros rauitos objectos.
Um completo sortimento de espelhos dourad*;
de diversos tamanhos, de i* a 2$f.
Saboneta inglez era caixinhas a 1*500 a dazia.
Querem comprar ?
Guardapisa para vestidos ; preto ou branca?
Papa-fina, larga ou estreita ?
Lencos de linho, bordados on lisos ?
Bonitos leques, osso ou sndalo ?
A.Nova esperanca qaem lera I 11
E noviflade!
Acaba de ehegar a Nova F.speranca ra Duqce
de Caxias n. 63, booecos c boneca?, sendo de mli-
des inteiramenle novos, vindo entre elles os en-
gracados bonecos de borracha : para que se can-
eara? quando quizerem comprar quajquer objeeto
sendo bom, bonito ou engracado, lembrem-se iogo
da N va Esperanca roa Duque de Caxias n. C3.
ivendem cerveja nuyense e vinho dol
5aheno. Il
mmmm mmmm *
Atiendo!!!
Vende-re 3ortes de ierra em forma geomtrica
de rectngulos, e situaco lopograpbica de leste
ao oeste, ou de inl a norte ao silio dos craveiros,
lugar do Fundo. A fertilidade do terreno banba-
do orientalmente pelo rio Beberibe, a facilidflde de
locomoeo (a via frrea de BrberibV). a modieida-
de dos prec,o?, a regularizada e belleza do projec-
to de arruamenlos ludo convida a faztr-se acquisi-
5o de una porcao qualquer de lo agradavel e
pitoresco filio, especialmente os pretendenles j
habitaco rampesire e os neces^ilades de banhj-
frios. O; prelendentea podem drigir-ce ao onge-
aheiro A. F. It. Selle, A sua casa n. 9 na eslrda
de Joao de Barros,- ou a ra de Riachuelle, casa
n. 9 do major Francisco Jo- da Silvera, proprie-
tarto do supracilado silio.
A reyalesciere du Ba^ry de
Londres
Toda a doenc cede a Revale>:ciere da Barrv
queda sade, energa, ippetHf1, ilgeslo e de.:
canso. Ella cura as dispepsia.-, gastriles, bum--
res, acidez pituita, flato, enjps. vmitos depr.s
da comida e raviJez, c^n tipacds,() a'thma.
affeccSes pulnnnares, bexiga, Aft' .erebro i
sangue ; 60,OtX) curas, ioclniodo muitas della? DO
Brasil.
A revalesciere chocolata.la do Barry
em p,
' Delicioso alimento para almo;.; e ceia, nnit
nutritivo, fortiSeando os neros de eslomago sen
cansar o menor peso nem dr de cabeca, oem ir
rilaejio.
nica depo-ito para o Brasil era Peroambuc
na pharmacia americana de Ferreira Miia & C.
ra do frique de Caziai o. 57. (Todo cuidad,
cora as lataiOeac^ea.)
Pomada alpaka
E' muilo conbecida esta pomada e moilc
apreciada por sua foissima qoc-lidade, a Nov
Esperanca quem tem.
Jarros de porcellana
Um cmplelo s n limento de lindos Jarro;
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Eperanca, ra Doqoe de Calas
n. 63.
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DAj
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Este oleo que tao boa acceitaeo tem merecido,
inuito se recommeoda por ser o mais purificado
juo at boje tem vindo, e aioda pelo bom paladar,
superior a tulro qaalqaer : vende-se no deposito
sspecial de Bartholomeu d C. : ra Larga do Roi
wria 34.
Breu.
Vende se doze barris com brea : na roa Io de
Marco o. 23 (aoliga do Crespo).
A 640 rs.
Veote-sesapatos de marroqaim, obra moito boa
pelo preco do 640 rs. : venliam a ra da Impera-
ir z n. 68, loja de miudezas.
A 1*500 "
Venle-se botinas para meuoas pelo dimina'."
preco de U500 opn : venham rna da Impe-
ratriz n. 68, loja de raindizas juoto a padaria.
Cemento verdadeiro Portland.
Vende Joo Ignacio da Costa, om barricas, por
barato prego : oo armaz-rai da escadieba da alan-
dega n. 5.____________________________________
Popelina da seda e
la.
Faznda jnteiramtDie nova no mercado
com pad oas mnito delicados, fazenda de
nm etfeiio su-prebendante em vestido!, e
vende se por 11280 r3. o covado, na loja
do Papagar, roa da Imptralriz n. 40, de
Mendea A Carvallio,
VEWDESE
A verdadeira gomma do Acarac em saceos barricas, por menos preoo do que em oalra qnai
qoer parte ra do Vigario n. 14, escriptorio.de
'os Lopes D.-vim.
NA RA 1)0 VIGARIO fLVJ
vende-.e vinhos dr[v>rto ejgarrafadw, ditos en
barris, retroz de todas aa eaYe, leas* e brioso^,
velas e bQjias de rer. ___________ '
"^Vn*-# nw *Xrtl** cawaff* d mu''i)
honiu 3*u-
u Amaro o. l,i (rapr na ia. da Cdei* M-
OJero 10.
/
"


Diado &b FernamDuo Ter<;a fe;ra 1^ 'Je Ouiubfo le 1871.


\

-
i
I




I '
!
LABORATORIO HOMEOPATHICO
DE
:
i
I
)
I
I
FRANCISCO E PAULA CAROZO JL10R & C.
41.Ra do Imperador41,
Francisco de Paula Cardoso Janior & C\ animados pela condescenden-
cia, que para cora elles teve o Sr. Dr Jaeinlbo Soares Rebello, que ha 26 airaos
exerce o systeraa homoopathico, gozando sempre de subido conceito, a estabe-
lecer nesta oidade um-LABOBATOBIJ HOMEOPATHICOde prime ir a ordena,
digno da confianza e proteccao do illastrado e respeitavel publico desta provin-
cia e do norte do Brasil, para o que, Dio se ponpando a despezas nem fadigas
capazos de superar lodas as diflkuldades, co.n que tiveram de Indar, trabalba-
ram incessantemeDte desde marfq ultimo, julgando ter conseguido o seu desi-
dertum, tem boje a satisfago de, annunotando a abertura de sua casa, affir- .
mar aos amigos da homeopatbia, que se ju'gam completamente habilitados para
o perfeito desempenho de todos os misteres do seu encargo.
Os elementos do seo establecimento foram todos importados da afamada
casa de James Epps & \ de Londres, um dos primeiros e talvez o mais co-
nhecido e acredita lo establecimento deste genero; as preparares secundarias
(dynamisaces e diluicSas) foram preparadas com o mais escropuloso esmero.
segundo as regras da sciencia e sob a immediata directo e nspcgo do mesmo
Sr. Dr. Rebello, cujo nome ligando-se desta sorte ao establecimento, amis
segura garanta que podem offerecer os seus proprietarios s pessas, que os
honrarem enm a sua confianza, de que no preparo dos medicamentos io se
pouparSo es forros para que sejam bem servidas, pois que a austeridale,com que
cumpre aquelles todos os seus deveres e sobretudo o respeito, que consagra
sua prrpria reputado. Ihe nao permittiam sacriflear a vida de seos clientes
ao interesse de terceiros.
Sem pretenderem os propietarios depreciar os productos dos outros
estabalecimentos deste genero, creem todava podar afirmar que nenhom ootro
excede o seu em soperioridade, e para que neohuma duvida baja a este respeito,
podero todas as pessas que quizerem ftrnecer-se dos sens medicamentos vi-
sitar e examinar o establecimento, oode, alm de boticas em glbulos e tinta-
ras de varias capacidades desde 12 at 120 medicamentos por precos razoaveis,
encontraran todos os artigos que tornara completo o sortimento de casas desta
ordem, taes como: excelleotes chocolates, pos dentifricios, encerado de rnica,
tintura de guaco, ele om lindo vo'ume encadernado domedico do povoori-
ginal do Dr. Mure, traducido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto e augmentado em
3.a ediccjJo pelo Dr. Antonio de Castro Lopes.
Esta obra que contm mais de 300 paginas de impresso e urna estampa
explicativa dos diversos orgos do corpo humano um dos mais claros livros
destinados ao ensino pratico do tratamento de todas as enfermidades, pois indica,
n3o s -os medicamentos apropriados para cada molestia, como a maneira de
appli.ar e repetir as dses.
O preco d'ella de 105000 para as pessas, que comprarem boticas
neste establecimento, e de I25M)0 para as que comprarem smente o livro.
Contando pois, com a valiosa proteccao d s amigos da homeopatbia, con-
cluem os proprietarios o seu annuncio, declarando que se acha adjacente ao seu
LABOIUTORIO o consultorio do Sr. Dr. Jacintho Soares Rebello, e que se
encarregam de receber e enviar ao memo Sr. Dr. a toda e qual raer hora os
chamado.* de seus clientes.
A' AGIM BRANCA
RA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
Vio ka nal cabellos lavancos
Tintura japoneza.'
S e nica approyada pelas as academias t
cieacia, reconhecida superior a tod*;auo. tea ap-
oarecido at hoie. Depoeito principal j nal
^deia do Recife n. 51,1* anSar, em todas a -be-"
icaa e casa de cabelleireiro.
I>E
IOJA
Flor da Boa-Vista
DE
Paulo (Diarle
O propietario deste bem conhecido es-
tablecimento contina sempre segoindo sua
antiga forma de primeiro barateiro da Boa-
Vista e para melhor prova dm!rem os
presos segaintes:
Cuites escuras e claras eres fixas
o covadol60 200rs. a. 400
Gambraias de cores 240, 280 rs. e 320
Lias para vestido 280, 320 rs. e 400
Creps escocezas fazenda nova i.. 610
AJpacas lavradas d'um s cor. 720
Cambraia branca transparente pe-
cas a305OO e.....84000
Ditas dita victoria a 4|000 e. 80000
Bramente com 10 palmos de lar-
gan, yaras a 2*000. e, &J5O0
MadapolJo superior pecas 5\J000 e 6(J000
Algod5oa4iJ000e. '. 50000
Bnm pardo trancado pecbincha
covadoa. ...... 320
Dito dito liso muito fino a. .320
Ootras moilas mais fazendas 30,tende-
r por precos baratissimos como .aajam :
pannos pretos, ditos azues, casemiras pretas
s de cor, merinos, brins brancos e de co-
res, seda para colletes, camisas inglezas para
homens, meas, chapeos de sol etc.
"OfljcHa 4'afaiate
Os digaos freguezes encontrado um gran-
le sortimento de roupas feitas desde o
mais inferior at ao mais superior que se
ache no mercado, assjm como se manda fa-
zer toda qualquer .obra d'encommenda
feitas a capricho, pois- para este misler se
icha munido d'um perito meslre. Garante
se fazerem se .menor-20% de que era outra
qualquer parte* pelo o motivo de o fregoez
i pagar o que compra e nao o aspecto do
establecimento. .- .- .'
4.8 -lina da laniicrat'rlz 18
1NT0 A.PAEBIA.FMNCEZi
A Aguia Branca tendo j receido part" de anas
amigas encornmendas, em seguimento acaba ago-
ra mesmo de receber outras, algumas das quaes
se tornavaro esencialmente precisa?, e ontras se
fazem apreciadas por seas gostos e qalidades,
con-o sejam :
Helas de lio d'escocia, aberlas para senhoras
e meninas.
Ditas dem com Iista3 tambem para senhoras
e meninas
Dita? idnm muito bonitas ao gosto escocez.
Ditas dem idem brancas e cora listas para me
ninas.
Dita? iJ- m idem para baptizados.
Je algodao compridas e a>m Iistras para
meninas.
s Luvas pretas de seda, para senhora.
Ditas <\ torca! e de seda para mininas.
aitas camisiuhas bori idas para senhoras.
'-' !seda, br.iceo e preto com flores miada?.
Dito de algodao, liso e com flore?.
Tuoqaiuhas bordadas para crianzas.
Lindos e modernos caaposinbes de fustas para
las.
Pentes de tartaruga paja desembarazar ou pea-
tear.
ditj traversos para meninas.
Dito- de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, penenos, para segurar o
imarradilho aos cabellos de senhoras. i
Grande sortimento de enhiles de seda para.ve3-
tidos. l
lias de madrepercia e de tartaruga para
pulceira e lago para o cabello.
Bonitas b Icinhas para meninas.
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISAD08
A aguia branca acaba de receber novo soni-
do linios e completas enchovaes para bap-
Osados, e bem aesim separadamente camisiohas
para dito-, lindos cbapeosinhos de Retira branco
o irddos, outros ditos com fundo de velludo, obra
de muito gfl'to, e que servera tambem para pas-
seio, sapatinhos de fe'.im para o mesmo fim.
MODERNOS ENFEITES DE FLORES,
ornados eoa bicos do seda, fitas de setiraje flvella
da ciadreiiarola ao ultimo go.'to, e proprios para
bailes, casaraecto?.. etc., etc.
n.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindos ramos de floro
finas, tanto para cabeca como para chapeos,
bem assim :
Papel verde Uso e com listas pa/a folha*.
Dito de cores para flore?.
Fulhas de diversas qualidades para rosa3.
Ditas verdes e lustrosas, obra neva e pela pri
meira vez viudas como amostra.
Franja? pretas e de diversas largaras para en-
feitar ve.-tidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branca acaba de receber urna peque-
a porfi dos benitos e modernos coqaes gran-
des de tranca e ontros moldes.
ROVO SORTIMEHTO :
DE
BOLECAS
A agnia branca, a ra do Duque de Car.ias n.
52, eutr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
um novo e bello sortimento de bonecas de diver-
sas qualidades e tamanhos, sendo :
Com rosto de seda, das que choram, e outra
que faam.
Com rosto, maos, e ps da porcelana, a pro-
prias para vestir-se.
Obras le porcelana
A aguia branca tem ontro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arro".
Outros para joias.
Outros para jabonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua boutl.
Pequeos jarro9 para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Lindas cetinhas tambem da pcreellaaa.
Escrivanias de dita.
E raoitos outros objectos para eafett ? da masa.
F1SS0 DUUOSil.
fm venda em seas annazens, alm de ontros
uligos de seu negocio regalar, os segaintes, qae
rendem por precos mais mdicos que em ou-
tra qualquer parte :
PORTAS de pinho almofadadas.
PORTEIRAS de ferro para cercas.
SALITRE inglez.
E3TEIP.AS da India para cama e ferrar sala*.
CANOS de barro francez para esgoto.
8ESS0 superior em porc5es e a contento.
CEMENTO de todas as qualidades.
MACHINAS de descarocar algodao.
LONAS e brinzoes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carrbs.
KOGOES americanos muito bons e econmicos.
VDHO de Rordeaux.
COGNAC superior de (Jautier Freres.
tARELLO em saceos grandes a 3f500.
AGUA florida legitima.
BALANCAS. dcimas. i
CADEIRAS americanas.
RHUM d* Jajflaica. i
AZULEJOS de Lisboa.______________;
Contra a tosse
PASTLHAS PEjTQRAES. ^
Oomma simples crystallsaa. /
Ditas de angico c
Naff.d' Arabia.
Seve de pinho martimo de Lagasse.
E outras mnitas que mnito se recomendam pe
las'suas excellentes qualidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartbolomeu 4 C.
34-RUA LARGA DO ROSARIA-34
10Ra do Crespo10
Pecas de algodao com 20 jardaa a 4, 4*500
Ditas de madapolao 4, SJ, 5*500, 6/, e
6*500.
Ditas de dito infestado, francez snperior a
10*000.
Chitas francezas de todas as qualidades a 240,
280, 300, 320 6 360 o corado.
Cambraias de eres a 240 e 280 rs. o covado.
-Dita lisa de cor a 320 rs. o covado.
Ditas pretas para luto a 6i0 rs. tara.
Pecas de eambraia lisa transparente a 3*, 3*504
e 5*000.
"Ditas de dita tapada Victoria, a 4#, 4*500, 5*
e7*.
Dita? de dita transparente, suissa muito fina
com 17 varas, 14*.
Ditas de dita bordada com 10 jardas a 7* e
9*500.
Organdy branco Sao a 700 rs. vara.
Bnlhantina branca infestada a 440 e 500 rs. o
aovado.
Bretanha de nho com 25 varas a 20*000 e
25*000.
Dita de ditojafeetada com 30 varas a 27*.
Braaaante de nho com 10 palmos de largara a
2 500 a vara.
Dito de algodao a 1*500 a vara.
Atoalhado de dito e de nho com 10 palmos de
largaras 1*500e 3*.
foajhas alcochoadas para rosto a 7* a duzia.
Ditas de linho do Porto felpadas a 10*000 a
dazia. ,
GuardaniBOS de linho a 3* e 4* a duzia.
Cobertas de chita a 2* e 2*500.
Ditas de chita adamascada forradas, 4*, 4*500
e 5*000.
Colchas de damasco de cores a 4* 6*.
Ditas de fustao alcochoadas a 5*.
Cobertas de la escuras a 2*.
Ditas de algodao brancas a 1/400.
Colleirinhos de linho a 500 rs.
Cheles de merino lisos pretos e de cores 2*000
e 3*000.
Ditos estampados de meia casemira a 2* e
2*500.
Damascos de core; a fO rs.
Lencos brancos de casa finos, 2*, 2*500 e 3*
a dazia.
Ditos ditos e de cr abaiohado largo a 3* e
3*500 a dazia.
Ditos ditos de cam! aia de linho Anos a 6* a
duzia.
Ditos deesguiao de lioho a 4*. 4*500, 5* e 6*
a dazia.
Bnm Angola a 640. 800 e 1*000 o corado.
Brins de linho de core* a 500 rs. o covado.
Cortes de meia can-mira para calca a 1*200 e
1*400.
Ditos de casemira pira caiga a 3*500, 4*500
5*500.
Casemiras de cores do duas larguras, 2, 2*50
e 3* o covado.
Ditas pretas, daas larguras a 2*500 o covado.
Pao fino preto e azul a 2*, 2*500, 3*000
3*500.
Dito dito muito fino superior a 5*, 6* e 7*
covado.
Lans e alpacas de cores para vestidos a 400
500, 600, 700, 800 e 1* o covado.
Toalhas com labyriotos para bandejas e para
rosto a 8*, 10* e 15*.
Camisas de flanella branca, e de cores 2*,
2*500, 3*. 3*500 e 4*5C0.
Grosdenapoles preto e de cores 2*, 3* e 4* o
covado.
Do-se amostras com penhor.
Vende-se tambem grande qaantidade de ronpa
feita e por medida por precos moito reduzidos.
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Essa pomada qne lio bons resaltados tem colhi-
du as pessas que del I a tem feito as acaba de
chegar para o sea deposito especial..
NA -
Pharmacia e drogara
DE
Barthotomeu & C. roa larga do Rosario ca-
mero 34-

ARMASEN DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXUS N. 29
Os proprietarios deste]' grande e bem montado establecimento scieatificam ax
respeitavel publico desta provincia, qne se acbam com um variado' e completo sortimento
de movis, tanto oacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos capricho por
om dos socios quese acba actualmente na Europa, e por isso os podem vender mate
baratos 20% menos de qoe em outra qualquer parte. O mesmo tem contratado com
os melbores fabricantes daquelle continente as remessas das mais ricas mobilias feitas
all. Na ofleina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso aptos a foraecerem
mobilias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de primeira
ordem. Pedem, portahto, que venham visitar dito establecimento, onde encontrarte
a realiduda do qoe acabam de expr, passando a examiaarem : ricas e completas mobilias
ide Jacaranda, mogno, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda looca de
ngneira, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petiu
toilettes, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra,
e muitos outros artigos de gosto, que para se nSo tornar enfadonho prescindimos de
zer men(3o delles, o qoe s com a vista poderto apreciar.
Xarope sedativo
DE'
Gasea de laranjas amaras
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
sLAROZE
Este novo preparado a provado pela academia
mperial de medicina, muito se recommendaiiela
iua accao sedativa e calmante, sobra o sysftma
nervoso, o bromureto de potasBinm, nao deixjl de
daros mais certos resultados as diversas afec-
c5es do organismo e principalmente as molestias
10 coragao, das vas digestivas da respiragao,' das
rias genito-urinarias, na epilepsia, as molestias
aervosas da prenhez, na nsomnia das criancas
turante o periodo da deuticSo etc. etc.
Vende-ae na tbarmacia e drogara
de
Bartholomeu & C.
34-RUA LAR3A DOROARIO-34 .
pjbi aroiVits
Liadas grinaldas com flores e botoes de
larangeiras com Vivos e sem elles, vendm-
se na Nova Esperanza roa Duque de Caxias
n. 63.
Oleo para machinas
Vndese na Nova Esperanza ra Duque
de Caxias n. 63.
Xo haTcr eonTnl^des.
As criancas que usare dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nova Esperanza,
esUrto isentos de convulsdes; pois sao-os
verdadeiros-recebidos directamente.
Para oratorios particulares' e
capellas de engento.
Vende-se om altar donrade, bem Como 89 Res-
pectivos castices e palmas tambem douraas,
igualmente vende-se dous ornamentos, duas alvas,
estolas, manguitos, sanguinhos e todos os mais
pertences, sen lo um dos ornamentos bordad a
ouro fino : nesta typographia se dir quem vende
Ga econmica para os can-
dieiroa de porcelana.
Acabado chegar esta j bem conhecido com-
botivel, como o mais barato, prompto e asseiado
i toda at h)je coohecidos, e se encentra ven-
da no nnico deposito, roa larga do Rosario nu-
mero 34.
Mofo,
Meias para meninas e meninos con to-
que de mofo a 20000 a duzia, na loja do
Papagaio, roa da Imperatratriz Q. 40, de
Menes 4 Carvalho.
Chegaram loa do Mercurio, roa da Imoeratriz
n. 86:
Ricas franjas de seda preta, lavas de pellica
Jouvin, botinas de cores para senhora, ditas' de
corda vio e bezerro para hornero, oleo extrako-
oriza, ricas fitas largas para lago, ricas gravis
de gurguro de seda das mais modernas e lidias
cores, e um completo sortimento de galoes de sad
para guarnecer vestidos e outros muitos objectos
de gosto.
Ra da Imparatriz n. 86, loja denominada
O MERCURIO
pertencent i
8-B8RPARD0 DA MOTTA.
VENDE-SE
dous bonitos eavalios, andadores de baixo a maio,
saaOo na rodado apatacado, bastante gruida, e
ontro castanho, peqaeoo : no e*es do Ramos nu-
mero 30.
Libras sterllaas.
Vende-se no arnaum de fazendas de A
/. da Oliveira di a, i roa lo Conmercio o.
Bazar universal
RA DO RARQ DA VICTORIA (OUTR'O-
RA NOVA) N. 52.
Acaba de chegar para este grande estableci-
mento nm completo sortimento de machinas de
costura de tolos os autores conbecidis, os quaes
garantem por nnos as ditas machinas, e se ven-
dem per precos tao razoaveis que a todos agrada-
ra, cujo3 pregos sao os aeguintes: 40|. 60i, 80,
iQOf, 130, 1304, 140, 1604, 1803, 2004, 2204,
50i| e 300|1. Garante-se aos compradores a boa
qualidade de trabalho, e obriga-se a ensinar tan-
tas vezes quantas sejam precisas para bem com-
prehender-sa. Vende-se tambem pegas e mais
pertences de sobresalentes para as mesmas machi-
nas. Previhe-se desde j que s se vai ao cha-
mado para concert e ensino de machinas das que
forem compradas neste establecimento.
J. 0. 0. Doyle tem em seu
armazem para vender
O SEGUINrE :
COGNAK HENNESS.
VIMHO XEREZ.
DITO DE LISBOA,
FILTRADEIRAS.
BITTER
A' ra do Commercio n. 38.
Aza de mosca.
E' urna fazenda especial para cobrir quadros,
espelhos, retractos, etc., demasiadamente transpa-
rente e preparada de forma a evitar completa-
mente o p. ...
Sabonetej ioglezes em caixinbas que se vende
por 44500 a duzia.
Colarinhos e punhos de papel.
Vende-se no Bazar da Victoria ra Nova n. 2.
A FLOR DE OURO
E' este o distintivo de urna nova e bem montada
loja de joias, sita a ra larga do
Bosaiio n. 24 A,
Os proprietarios deste elegante establecimento tendo em vina os esforeps que
fkeram para o collocarem as eondiccoes de nma grande clientella, hitaran) ao mais
rigoroso principio se nao viessem as collumnas do jornal seientiflear ao respeitavel am-
blicQ, que no mesmo establecimento encontraras sempre o mais completo sortimento
de jolas, como sejam : brincos os mais modernos, para adornaren) as delicadas ore-
Ibas do bello sexo, e qne se vendem a 8, 9 e 104 o par, ditas para meninas a 4, S e 64,
ditas de eoral, obra de apurado go.-to a 3 e 44, Voltinhas de coral com cruzes de ouro
a 54, broches modernos de 3 a 134, ditos com pedras e em anas devidas caixinbas a
10, 14,16 e 204, rosetas lisas, porm bem trabalbadas, de 24500 a 94, ditas com
pedras de 4 a 154, eacoletas a 44, ditas com inscripedes a 54500, anneis de diversos
gostos, a cem bonitas pedras a 2, 3 e 4$, ditas de perolas, esmeraldas e rubins a 64,
ricas cruzes de esmeralda e rubim a 12, 14 e 164, ditas de onro e eoral com vistas pho-
tograpbicas a 3,4, 5, 6 e 74, figas de eoral a ti, cadeias para relogios a 204, dinas a
64500 a oitava, guarnieses com tres botoes para aberturas a 44, ditos de pedrlnhas a34500
o par, ditos para punhos os mais modernos a 7 e 84; alm de um variadissimo sortimen-
to de jolas de apurado gosto qne recebem por todos os vapores da Europa ; como
sejam: brincos, braceletes, alQuetes, aderemos completos, cruzes, rozetas, anoeis de
brilbantes, esmeraldas, perolas e rubins. Medalboes, voltas, traocelins, anneis com let-
tras e da diversos modelos, ocnlos e peneinez de ouro e rala dourada, relogios de ou-1
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanhos, ricos pslitei-
ros e faqneiros, colheres para cha e sopa, maracas para criaocas, e urna inflnidade da
objectos que seria enfadonho mencionar-se.
Os proprietarios da Flor de Ouro garantem vender mais barato que em outra
qualquer parte, para que estar aberto o establecimento das 6 horas da manba as 8 da
noute.
AO 65
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolvido d'ora avante venderse neste establecimento todas as fazen-
das existentes no mesmo, por precos que todos admirarto, acho de mea dever partici-
pa-Io a todas as Exmas. familias em geral, afim de virem visitar este establecimento
ou mandarem buscar amostras, garantindo-se-lbes um bom sortimento de fazendas da
algodao, 15a, linho, e seda, emQm urna infinidade de artigos de moda maodano-se i>
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer fazenda para verem
ou escolherem.
As pessas que vendem em menor escala poderlo bem sortirem-se neste estab-
lecimento que vender pelos msenos precos que em qualquer casa importadora, tendo
a facilidade de comprar qualquer porcSo.
O 65 tem um completo sortimento de roupas bem acabadas o que vende por
precos moitissimo commodos, mandando tambem fazer por medida toda e qualquer obra
que os concurrentes desejarem para o qoe tem um dos mais habilitadissimo mestr*
alfaiate, cortando por nm systema inteiramente novo.
Os annuQcios nesta praga esta*o e por certo devem estar desacreditadsimos, poii
que ha casas que annunciam aquillo que n3o teem, o qoe o 65 garante nunca dar-e em
seu establecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhar
grande nomeada em todo o mundo.
O 65 acha desnecessario mencionar os precos de suas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso seu an-
nuncio, e mesmo para, se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encurtar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 julgo que ji o
publico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aquillo que annuncia,
nlo verdade ?
E' INTIL, NAO SE CAN CEM, COM 0 65 NINGUEM PODE COMPETIR

RA DO. DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
'
-
-t*etrM*e
MJA
DO
GALLO VIGILANTE
Ra do Crespo n. 9
Acaba d ebegir pelo ultimo vapor diversos ar-
t'gos de novidade, como sejam :
Lindas tooquinhas enfeitadas para baplisado ;
assim como cbapeosinhos.
Sapatiohes de seda e de merino.
Meias de seda e o de Escocia de 1 a 12 annos
de idade.
Ricos leques de madreperola todos aberto?, o
melhor que ba neste genero ; assim como ou-
tros de madreperola com seda, fazenda requissi-
ma; tambem receben grande sortimento de le-
ques de ^jso fiogindo marflm sndalo e madeira,
tanto para senhora como para meninas.
Superiores ligas de seda para segurar meias.
Meias de borracha para quem soffre de inxacSes
ou erysipela.
Seda rrouxa para bordar todas as cres.
Froco de seda para o mesmo fim.
Retroi preto e de cores em carritis.
Fitas para cartas de hachareis.
Quadros para retratos.
Luvas de pellica, e de seda, branca pretas e de
lindas odres.
Superiores capellas para nojvaa.
Lindos alfiuetes de madreperola para peitos de
senhorna,
Lindas abotnaduras para colletes.
Lia de todas as cores para bordar,
perfores pencenez de acp.
Mulo loas tbeeouras para costura, unnas e
para cortar cabellos.
Snoeridres pentes de tartaruga par arregacar
Tillara ingiera para Ungir cabellos, a verda-
Grande sortimento de (ramas pretas, largas a
atwttaa altados nadrdes.
Lindos Mbadinhos e entremeios bordados, tapa*
dos a transparentes.
Yaofe-se a casan. 4 da ra do Gaa: i ira.
ur naita typographia.
56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo establecimento assaz conhecido como principal e recommen-
dado pelos grandes depsitos e bons sortimentos com qne sempre prima em ter du
rrelhoras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para algv-
dS9, desde 10 60 sorras, e ha vendo em todos os tamanhos diversidades de systa
mas e melhoramenios para perfeito e rpido descarecamento; tornam se dignas de
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricoltores; os qnaes, alm disto, encontrarla
tambem mais
Apurados vapores logomoveis, de forca
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar ronpa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mao para atterros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras;
Apparelhos para jardins.
Coardas comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertences avulsos para machinas.
Salitre renado.
Bren superior.
Moinhos de diversos fabricantes par
milho e caf.
Debulhadores para milho.
Azeite de spermacete para machinai.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chombo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emfim muitos outros artigos, qae s avista e neste establecimento poderlo w
examinados.

ve
ERNESTO & LEOPOLDO
N. 2 D Ra do Cabug N. 2 D
Acha-se montado de forma tal este establecimento de jotas que pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a retalho e por precos
mui resumidos visto que recebe de conta propria per todos os vapores de
Europa. O gosto de desenho de suas joias o mais lindo do paiz du
modas, ouro de le, brilbantes verdadeiros, esmeraldas, rubina, perolas,
turquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto Unto
para igreja como para servigo domestico. Convidamos as Exmas. familias
a visitaren o dito establecimento todos os dias at 9 horas da noite.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras velhas.
1^^^^^^
[


'"1.
I
y


y
i
Diario d Pernambaco Ter ubro d 1871.
DO
CYSNE
DE
FIGIEIREDO ft LOPES.
4 RIA DA HlPEiUTMZ \ U
Os proprietarios deste importante e sympatbico estabelecimento de fazendas finas,
vem avisar ao respeitavel publico e particularmente a sua numerosa freguezia, que o
CYSNE acaba de sortirse de tudo quanto ba de gosto e moderno em fazendas tanto
para horaens como para senboras.
E' ocioso ci'.ar que os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
C'um espirito altamente conciliador dos interesses albeios com os seus, teem sempre
eguido o magnifico systoma de offerecer venda fazendas de todas asqualidades e pro-
cos relativos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E sobre todas as conveniencias e meios 6 preferivel comprar no CYSNE em con-
leqnencia da sinceridade e barateza com que negociam os seus proprietarios.
_ No lojvavel empenbo de justiflcar as suas operacSes convidam as Exmas. familias
a visitar a sympatbica loja do CYSNE chamando as attencSes do publico em geral pira
u aeguintes especialidades e presos.
KELLER & C.
v e:\iieitI
AC DE TRIESTE
LEITE CONDENSADO
PARA NOIVAS.
Veos, capellas, sedas e popelinas nrancas
e de cores, gollas, ponbos e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
para varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de urna s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tambem propria para
lombras.
CAMBRAIAS
Transparentes de 8 1/2 varas desde
10500 at 85 a peca. Victorias maito finas
de 40 at 8^000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
baicos procos acompanhada do competente
Iguriuo.
LAS
Variadsimo e rico sortimento desde a
lia lisa barata de 45 at a de listras de seda
m.is cara que pelo preco que vendemos
por assim dizer de raga vista do gosto
e qoalidade.
BAREJES
Lindos padrSes aos presos de 360 e...
400 rs. o covado.
SA AS BORDADAS
As que o CYSNE vende sao bellas e su-
periores.
LVAS
As melhores e mais procuradas luvas de
Jouvin, brancas e de cores sao as que o
CYSNE expoe a venda.
BALOES
De cretones com babado e bordado, di-
tos de arcos a 10500, pechincha sem rival
no genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de lodos
os precos de padroes modernos e cores fl-
us.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e larguras s
o CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. al 14300 j
o covado.
ALPVCAS
Lavradas de 300 rs. a 10000 o covado,
especialidade do CYSNE que n5o conta com-
petidor.
MADVPOLOES
Francez de 24 jardas de 85 at 105000,
inglez de 50 at 85000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largora, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 105 a peca.
ATOCHADO
Da linho adamascado, dito de algodo
muito finos, bramante entrancado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SET1NS
Para todos os precos e diversos pa-
droes.
PARA N01VAS
Camisas bordadas, peitos colarinbo e
punbos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, cantSo, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos que s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 10 15500
o metro, gangas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para homens e senhoras dos melhores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linho, pretos e bran-
cos e mais baratos que em outras loja.
MEIAS
Para todos os tamaobos e qualidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 13a es-
pecia lidade do CYSNE.
Desculpem os nossos freguezes termos siao um pouco extenso na narracao de al-
lomas novidades pois com quanto seja nosso interesse tambem o dos nossos fregu-
mi que querem e gostam andar na moda.
* Ra Ja Imperatriz n. 64.
F1GEIBEP0 & LOPES,
JOAQUIM
LOPES
MACHADO ft C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de mi para conduzir fazendas.
Machina! para descarocar algodo.
Polias de diversos tamanbos.
Canos de ferro galvanisados para enea-
Demento d'agua.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-cbnva de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Ponas de langa.
Gal5es de seda para o forro de dito, es-
treitos e largos.
Pregos de cabeca do mar.'im.
Escovas para dar grana.
19 Ra Primeiro de llMty) 19
Tendo renovado completamente a loja do predi', em qos teem o sea es-
tabelecimento,
19=-A ra Primer> de ar<;n19
com aquelle asseio e elegancia deiejaver, acham-se tgen prvidos do mais
explendido sortimento de fazendas finas e moderna- da
SEDA, LA, LINHO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continan) a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPEGUES DE SA CASA
Garantem, com toda
a sin eridade, vender
por menos que qual-
qoer ootro, porque
recebem em direitura
a maior parte de suas
fazendas.
.

19 RA I." DE MARCO 19
(Anliga roa da Crespo).
\
A toja de calcados da Bota de Ourn, acaba de
receber om grao** toniaaflM* de calcados des
meibora bUtaaetaa de Mum, Portugal e
Frasca, a-saber < bolina de-beaerro c eaica pa-
re bornea*, acuna* de peiiea preta e d-uaque de
corea e de canos alto para tenhora, ditas de be-
erro, sola grossa fO*do tara rapazes, be-
tinas Mgtiwbos bordados para cancas do8
gJIJtt'tB'iJS'.
VERDESE
fUrJBCp cova a m rs.: na roa da
E. A. Borle ir C, en sea armare a roa
da Crur n. 48, veodem a precos muito era cauta
pra acabar:
Ladrilbos de raarmore.
Tabeas e degrot de dito.
Maon commaro.
Hanoi te.
Fidmela.
Coac fino em caixa e barra de vidro.
Vibos de Brdeos finos e orinarlos em canas
e barril.
Licores en caixa.
Finetas em conserva.
Aieita doee em calkas. .
Vende-se on alnga-se ana casa sita na ex-
traa qne segas m (reate da povoaojb da Boa-
viagem, muito fresca por ficar da parte do na-
cente, com boas aconwjdda$oes para familia,: tra-
ta-se na roa do Hospicio 0. t8, on roa do Qaei-
mado n. 73, loja, oade se lira qaem vende oa
atan.
COGNAC HO
A' ra da Cruz (Bom Jess) u. 55
flanea se vio um processo[mais perteito e que at-
aja de tal forma a satisfaier aa exigencias mais
voraj da escriptnracio.
A ana cor lindissima e nao precisa de cuida-
o algum para se conservar no tlnteiro sempre
on a mesma cor, sem borra, crsta, bolr oa sem
>da estas maiellas inherentes i todas aa batas
i* agora coDhecidas, anda mesmo dos melhores
florea estrangeiroa.
Sobretodo, este estlmavel producto nao ataca as
as de ac, antes pelo contrario, a penaa
dquire um esmalte doorado ave, sendo intwes-
UU, asss proveitoso.
lata tinta, nao sendo especialmente para copiar,
a coartado daas, tres, on mais copias um :uiei
cois de escripia ; preciso, porm, deixar-lhe
papel ben methado sem e enxagar con o nata-
orraa, porqne nio ba o risco de borrar. Pacas*
irar mais de nma copia, nao se agglomera lao-
u folbaa qoaatas copias se qoecem tira/, mas
m-m com o original tirar ama untas qnaatu
itdeMjam, sem qae o orlgnal fiqus prejodieaie
^m&*>m*s?rE: WmaNMm.
Octanaatrai diaar na. para
Sor ttalvfiw satisfaa, e o deteito recae sempre
obre a tinta, que maltas Tesas qaem meaos
i iwUq*W*de (ksubait ureaaanente
Inqunio i toa durabidade, nio ba a oapac
.lajetorinTida poiaqaenu MU ?^deas-
cripta soffre o choque de cidos ori99unos, sem
se detompor; era, se os cidos nao tem aecao so-
bre ella, mnite menes a accao do tompo a poda
destruir; isto plaosivel.
Nao s ao commercio qne este mea producto
velo sor til ; os profesgoree dos collegios, investi-
gando todos oa meios para o adiantameoto dos
seos discpulos, tem approveitado esta tinta, que
com razio a aeharam apta para desenvolver o
SDete nos educandos, em consequencia da beleza
a cor a facilidade le eorrer na pequea pala asa
liquides. H exemplos de crujidas que havia
muito tempo tinbara ama repugnancia extrema
para a-eacnata, logo qae foi admittida esta tinta
no coliegio, apoderoo-ae ieHaa a coriosidade e
gosto, e poseo tempo depois o sea adianunwato
era nuBeabx
Bita liiM>: Mr de UnUa vaotagens, tem nm
anjeo cxeiWKrte, deteriora-se ao cooiacto de
ooMt Warner; ceavm pois te-la em tlnteiro
isee^es TnnW vjslombre de onwa tinu, i evi-
tar eserever een"a peana saja de ama .
diferente e iscompative]; aerncaado isto.
Observado.
Bivafne rabilieecfl* seatethancas tem appa-
eaaae drcumsBectas,?:e pedindo atinU janea
lw*,c0 /.
I MJITIIABO
BAZAR ACADMICO
13 RA DA IMPERATRIZ 13
DE
LYSSES & IRMAO
Neste bem conhecido e acreditado esiabelecimento, encontrarSo nossos amigos e fre-
guezes cigarros de pslba e de papel de diversos ttulos edis melhores qualidades de
fumo. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Janeiro ; e bem
assim, ponteiras para < Ir-rutos e cigarros, cachimbos de espuma, de porcellana, de ma-
deira de diversas qualidades, de louca e p de galliohas muito finos a 2600 a duzia, e
amitos, ootros rticos que deixamos de mencionar.
Fabrica de cigfirros.
Bem atiesta a supencridade dos cigarros de nossa fabr'ca o grande consumo que
delles tem havido no interior e as provincias do norte. Com presteza spromptamos
qoalquer enccmmenda, remettendo-a ao seu festino.
BAZAR ACADMICO
13RU\ DAlMPEBATRIZ-13
Ulysses & Trniao
LIQIDiCAO.
ni? )
DE
LUCA EVIDROS
EMPORIO
15 Ra da Imperatriz 15
LYSSES & IRMAO
Tendo de chegar um novo sortimento, e teodo de s jffrer urna reforma o ysttnu
de negocio de^te estabelecimento, seus proprietarios resolveram expor em liquidaclo,
grande quantidade de pralos de lou?a, lijellas, apparelhos de looca para jantar e pira
almoco, etc.
Grande quantidade de copos de vidro fi-
nos para agua a 45200, 4JoOO e 40800 a
duzia, clices de vidro finos para licor a
34000 a duzia, ditos de cor para vioho a
2^1300 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vinho a 50500, 60, 60500, 70
e 70500 o par, bonitas compoteiras de vi-
dro a 60500, 70500 e 80500 o par, gran-
de e variado sortimento de jarros linos para
flores a 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90, 100,
110, 120, 130, 140, 150, 100 e 180000 o
par, cbamins americanos para candieiro a
20200 e 20400 a duzia, escarradeiras de
vidro a 30500 o par, globos para candiei-
ros de 10500 a 20000 cada um, lampari-
sna com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 10500. 10700, 20 e 20200
edda urna, bonitas quartinhas hamburguezas
a 40500 e 50000 o par, lindos pateiros
ce porcelana branca de 10200 a 30 cada
dm, bonitas canecas de porcelana com frizo
u esmaltadas para cal a 60000 a dozia,
escarradeiras e copo de crystal de cor para
eavatorio por 30000, pratinhos de vidro
I para copo a 320, 400 e 500 rs. cada um1,
seitiabas de vidro para passas, figos, etc.
etc. a 800 r3. cada urna, compoteiras de
vidro para doce secco a 20 e 20500 cada
urna, cascaes de vidro s para vela a...
10200, canecas de porcelana com tampa a
320 rs. cada urna, galbeitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, canJieiros de vidro
com globos a 50, 140 e 160000 cada um.
E outros artigos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algnm destes objectos que approvei-
tem a occasiSo de comprar-los por menos
20 % em raz3 de termos de liquidal-os o
mais breve possivel. Ra da Imperatriz
n.15.
OLEADOS E CASEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende se oleado preto grosso a 20200
o covado. Dito cor de cinza a 10200 e
cor de caf, verde e preto a 10400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino azul escuro a 30700 o covado.
Flaaella branca ingleza a 10400 o cova-
do. Dita muito fina azul com duas largo
ras a 20300 o covado.
Casemiras escuras e claras de duas lar-
guras a 20400, 20600, 20800 e 30000 o
covado, as quaes servem tambem para pa-
litot. No Emporio Commercial ra da Im-
peratriz n. 15.'
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 90000.
O Emporio Commercial est vendeado
chapeos de pello preto para homens a 90.
Ditos de castor branco a 100. Ditos de
palha e feltro tanto parahomem como para
enanca. Bonets de cooro da Russia para
meninos a 10500 cada um. Chapelin -s de
seda para baptisados de manga a 20500,
30 e 30500. Bonitas touqomhas francezas
de la para crianga a 800 rs. cada urna.
Cbapelinas enfeitadas para senhora a 50,
00 e 70000 cada urna. Chapeos de sold
seda tanto para homem como para se-
nbora. Na rea da'Imperatriz o. 45.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES IR-
MiO.
Este novo e grande estabelecimento con-
tina sempre firme em vender barato para
vender muito, e em consequencia de nao
baver anda ebegado algumas encommendas
que temos feito, e escasso como se acba o
nosso mercado de artigos de gesto: vende-
mos por nodicos pregos os que se segu.
Superior panno preto PII a 60 o covado.
Dito dito Brasil a 50500.
Superiores casemiras escaras e claras
para palitots, caigas e collete.
Brios bracos de linho de 103 0 a 20600
a vara.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
Madapolo francez e inglez de 50100 a
150 a peca.
Grande sortimento de chitas.
Cortes com 17 ovados de chaliz a !>0OO
a 10500.
Cobertoes de la escossezes.
Colxas de a'god5o branca e de c6res de
30000 a 40900.
Seditiba preta a 500 rs. o covado.
Dita branca a 6r0 rs. o covado.
Cites com 21 aovados de sedinba 6
lislra por 250000.
Fronhas de crivo a 600 rs.
Alpaca preta sarjada a 5U0 rs. o covado.
dem branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linho para cha a 2063C
e 30000 a duzia.
Ditos para jan ar a 70500 a dozia.
Cimisinhas bordadas para senhora a...
205O6 30'00.
Lindas cambraias Imperatriz orles e
10 jardas por 90 00.
Cortes de cambraia de salpico com 8
varas por 50500.
Tapetes grandes e pequeos.
Lengos de cassas para mangas a S/HOC
a duzia.
A'godSo branco e de lista.
Peitos de esguiao de linho para carni-
za a 10
Punhos o par a 800
Collarinhos finos a 500 e 600
Espartilbos bordados finos para senho-
ras a 50
Meias finas para bomem, senhora,
criangas.
Laa fina para bordar libra a 60
Carreteis de liaba Alexandre a 80
Dila em duzia a 920
Abotuadura para collete a 120, 20C 30C
500
Ditas para punhos a 300 e 10
Papel d pezo, almago e peqoeno d
cores em caixinha.
Latinhas de. banha a 80 rs. e em ca-
zia a 90O
Brincos pre.03 de burracha e alfinete a
800
B toes de duraque preto para palito
groza a 1800
Grande variedade de botes para palito!
e collete que se vende barato,
Caixas com dez novellos grandes de li-
nba a 440
Ditas com 50 ditos a 650
50 pegas cord3o de vestido 600
Pega de fita para coz 4i0
Sabonetes transparantes finos duzia 600
Colleres de metal fino para cb, dozia a
20000
Ditas para sopa a 40
Talbares de faccas duzia 50, &> 7 s0
e 90000
Temos de bandevjas ovaes a 100
Ditos lizas a (0
Sabonetes finos e iguaes duzia a 10200.
10500 e20
Caixas de botes de osso para calca a
200
Sutaes branco, duzia a 280
Tranga de la e branca de caracol dezis
a 560
Retroz preto e de cores, oitava 240
Carnizas de meia croa muito boas a 10
Sitineta de algodo de cores para roupa
de montara, e de crianga covado a 500
Merino preto transado a covado a 30300
Leucos de linbo em bonitas caixinhas du-
zia 50800
Lindas cambraias bordadas de la vara
10000
Colxas de pello de lontra com duas vis-
tasa 140000
Cretone matisado para coberta covado a
700
Grande sortimentos da perfumaras; um
bonito toyalet de vinhatico com pedra mar-
more e vidro oval, um guarda roupa de
amarello ; seis cadeiras de guaraico, 2 de
ditas de bracos e duas de balanco, tudo
de jacarapd massico, proprio para um
gabiBete e vendem-se por mdico preco
por ser resto. Nao ser mo vender do
EMPORIO COMMERCIAL
15 Ra da Imperatrw 15
Ulysses & JrmdQ. ^^^^^
LIQUIDAfjAO
E1 PECHINCHA. Mft
Chita lisa |osto de praca a J00, O, 280 e 30
o eevado pechiocha.
Cobertor* de lia asearas maito grande a U-
Na loja oa Guilherme Caroeiro da Cuaba : na
roa ce Crespo n. 90.
Vende-se.
a loja de loooa i|*r* J*^>* ** ??lBi*-
i
,: qaem a pretender diria-aei maima oa i pra-
a da Iodepeodencia n, 33, qm achara esa qaem
Superior oaf do
ratar
ro/09
Qara'
Vende-se na lo/t do Boaim : raa do Dnqaa
de Cana n. 7J, W*ga do Qaeimaeo.


uario de P
*
.-
rqa !eira 17 de Outubro de 1871
i
.

'

UTTERATURi
A NATALICIO VOJ>tX R!?rElTAVEL
!LLt'TH0 MCSTRE DR. ANTN.0
5 0BHES .\NDEIR.\.
AMIBO R
RANiEL
Ha paysagens Da t>rra 13o sublime?,
Ha drama* liogentis na natureza,
Taas scenas de luz. tanta belleza,
Que o mais f a coracia ttrabe e prend ;
m tantos horisonles estrel ados,
Ha tanta mara*Rha luz d>t da,
Que nio pode pintar a phantasia.
E que a propria razao nio comprehende !
Ha tantas coreo bellas nos crespuse'los,
Tanta msica de amor as alvorada3,
Tanto praato de (16r i* madrugadas,
Tanlo rir de ionocencia e tanto odor;
Ha tas'.as rosas lin las as campias,
Taatoi roncos no mar, suspiro s fantes,
Tanto enlevo nos prados en monte*
Que s Deus econ'aeee o seu valor!..
Ni) sei lia sublime ao por do sol
Quando geme o pardal por seus amores
os bosques a vagar por entre s,flores
Ouvir-lbe a terna voz ao som das inatas ?
Como bello uessa hora de silencio
Verse a brisa que passa docemente,
Casar a saa nenia in!ernecen*e
Ao rugir sonoroso das cascatas!. .
Nao ser 15o sublime em ooite escura
Qaan lo ruge no co a tempeslade
C^ntemplar-se de Deus a magesta le
Fallando pelas fauces dos troves ?
Nio ser la _> sub me luz dos raios,
Nessa tiora de profunda escuridio
Escular-sj o resonar da creaco
No seu lato de fogo e de vulcoes?
Nessa sceoa da horror e de mysterio
Nessa lata feroz dos elementas
Que as ombro tumular, que piisaraeiitas.
Se revulvein na cente dos p:. poetas!
D'alii o grande sol que aclara os mundos,
D'ahi a sabia voz dos pensadores.
D'aai a luz, a sombra, o riso, as flores
Que se eram na fronte dos poetas!
Ah! ditoso daquelle que percebe
Os:gredo que occalta esses encantos...
Que compre'nde essas vozes, esses cantos,
Qua lant > resple.idor do natura!
Eu quizara meu Dus comprebend los,
Ao menos dos meus otaos no delirio
Quizra em seu segredo o meu marlyrio
Bus ando no seu seio a sepultura!
Tu reae, meu meslre, aquelles dons
Porque sabes estudar a natureza ;
Sabes dar nos teu? cantos a lindeza
Qa'ella envulve em seu seio portentoso !
Honra ti f Esplendor de tua patria!
O teu uonae reinar em nossa historia
J que conquista* para ella a gloria
Com os trenos do teu peito tnrmonioso!
Eu resumo uestes versos a palavra
Que encerra do meu peito a iotencao
E' a voz imparrial do coracio
Qce sabe apreciar as grandes almas,
E' um preita ao teu aniversario
Orosccpo sublime c ventuiosol
Deus te d vida Rouxinol mimoso.
E a mim coragem para dar-te palmis!
Gymaas .. 17 de outubro de 1871.
Peuno Guedrs.
{(rada
de ferro
estrella.
de bitola
(Conclaso).
Teos assim esbarid) a taisto a da re
orina dos caaainhos de ferro, reforma que
por envolver o mal tao terrivel para os en-
ganieros da tempo aotigoquabra de hi-
tla -foi, na obrase de Mr. Bidder coa-
cebid na igaoran;ia e sustentada na lou;u
ra : e temos visto orno essa mesraa ig-
nora, jia e laucara, depois de atacarem os
cer._>;)> das maluores engenheiros da Has
sia. atendern se ludia, tornaram se ma-
lig! s na Australia, eaurecem-se agora na
America, e que esta epidemia radical es
pj'liou-se do peqasao lugar as moolaatus
dj paiz de Ga'Jes. Reda ver quae; sao os
agentes reaes que alcanc iran a mudanza
que ampiaman'.e vai pondo de parte a em-
prica bitola de i p3 o 8 1/2 poiiegadas,
e tem de todos uS modos, tomado para fu-
turas obras o lugar da inuliluaeu'.e extrava-
gante bitola de 5 ps e 6 poiiegadas antes
adoptada na India. ()
To socegadmente proseguio
Pihl na sua obra de dotar Noruega com vas
frreas accoramodaias aos seas meios, qne
pouco ou nada teria sido conhecido do pu-
() A da estrada de ferro D Pedro II e
das linhas ingiezas de Pernamboco, Baha e
S. Paulo de 5 ps e 3 poiiegadas.
Ndo T.
Mr. Cid
o S)V- )t irabahos datahabl-5
i a i^" a in|liWftCt""treite jor;
Dima .Lepis que trouxemos M|
cimento de Dio* que o seu systeflt li-
abas di bit ala estrella dava ptimos resul-
tados, apenas paacos engenheifos ingleses,
e a nda menor numero dos do continente,
iiveram oppo.tunidade, oa deram-se ao
traba!ho de aproveitarem se por observafia
pessoil da experie"C'a que l podiam oo-
ler.
Por outn lido os cbefes de todos os ca-
.mnbos defrrro conhecem a liaba de Fes-
!in )g -e creUd virara e p-aderam julgar por
i mesinAs sp-'zir de sua imperfeico qae
provn/do seu carcter hteiramente espo-
ial. Mas esta estrada de ferro, como ob-
jec'.a de avaliagSo e comparacio, teria sido
tay'inutd noj seus primeiros dias de ser-
vicj a vapor coma o foi qua.doos cavados
f)rn3varc cima e abiixo uesuas rompas os
trolleys de ardosia, se nio se Ibe tivesse
ajnntado a lo: msliva especial que tem ser-
v'd> pira tora la eeletra. Foi a applica
qo essai machinas lia algan aono atrs
que ligo'j Mr Fairlie o camiahos de farro,
e deu-lbe occasiao de com?cer a capaci lade
real de urna pequea linba tao bem como
as gran les de seu syslema de machinas.
Qjaes as vantagens geraas destas u timas
j o demoastramO) completamente muitas
vezes para qie s8ja"pre:iso repet !o aqai;
j que ag>ra basta dizer quosem .'ellas o*
cana nbos de bitola extremamente estreita
nao podem funcionar tfffiejzmeofe e ne-
nhuuQ< linaa pule ser utilisada em toda a
sua capacidade. Depois de ter em annos
de trabalho establecido os principios fon-
dafflentaes do stu systema, ftr. Fairlie co
raeC/)u a i bra que o socosso mus comple-
to 'acaba de coroar. Em coaaicios puolicos,
as reunioes particulares, diante de socie-
dade* scienlificaSj na imprensa oacional e
eslrangeira, elle trabalhiva por mostrar os
inconvenientes do systema existente, e a
poslbilidade Je meihura-lo.
Di urna forma ou de ootra continaoo o
seu trabalho por cerca de oito annos, e suas
contribuii;oes para a litteratura dos caroi-
obos de ferro sobre este assumpto sao ago-
ra mais lidase mais citadas do que as de
outros autores. Com incessante esforc
contra incessante opposiclo elle combaten
qua-i des3jndaJo na cousa, e se bem que
se dirigisse a limitado auditorio e tivesse
attrahilo poucos pensadores applicados foi
smente depois da visita da commissao rus-
sa que coraerou o seu successo. Neste acto
elle miis fez sem apoio da qae qualqaer
combinicao teria deixado esperar qae fi
oasse Niogoem propheta em saa trra
e en S. Petersburgo recebeu elle a consi-
derado e attenfao que atjui Ihe foram ne-
gadas.
As concliiOes de lio importante commis-
sao estimularan] o governo da India, e a
quasi incrivel quantidade de cartas e ioor
raavois que Mr. Fairlie tinba feito circular
fra do paz, comegoa a prodazir effeito, e
agora al qaa>i impossivel ler folhas publi
cadas ni Australia ou nos Estados Unidos
sem ref-rencia a elle ou i saa obra. Neste
ultimo paiz, alm das mais iofarmaces ob-
lidas de nossas columnas sabr as liabas
norueguenses, seus artigos sobre os assamp-
tos sao citados com exclasio de qaalquer
outro. Seus conselhos 'sio procurados em
quasi todos os Estados da Uniio, e hoje
elle na America a nnica grande autoridade
ingleza em estradas de ferro. O reconhe-
cimen'.o que aioda aqu Ihe recusara li-
vremente concedido a elle do outro lado
do Atla.tico ; a razio que osengenheiros
americanos saudam com alacridade todo
aquelle que apresenta urna idea nova, e
raostra o caminh i do progresso ; ainda
porque nos Estados Unidos nio ha para com
um engenbeiro estrangeiro esse came e esia
desconanca, que, cora poucas excepcoas,
tm sido as nicas provas de consideraco
dadas palos engenheiros inglezes a Mr.
Fairlie neste paiz. De facto nio muito
dizer que no: Estados-Unidos nio se iacor-
param einprezis de eatrada de ferro de bi-
tola estreita s?m o seu con;elho e auxilio
directos, e suas ideas sao aceitas em rea
g) tanto 3 suis mulliras, como a bitola
especial de tres ps, que a saa, e que
agora bem co.ihecida por bitola Fairie.
Ni lssia os principios que elle defendeu
foram inteiramente segiido3, com excepto
da largura adoptada, que a dos camiohos
de fetro noru'guenses. A todos os outros
respeitos a va frrea de Livny urna linba
essencialmente econmica, com declives for-
tes e curva, asparas. Nella trabalham as
machinas Fairlie produzindo resultados que
excelem tola a espectaci? dos engeuheiros
russos, qoe as recommendaram, e que una-
nimenie foram de opiniao qae para assegu-
rar naqaelle paiz um complete successo s
estradas de ferro toda a nova rede de li-
uhas deve ser servida por. essas ^machi-
nas.
A soddei da poltica sustentada por Mr.
Fablie ser mais tarde provadaem urna se-
rie de experiencias feitas por orna commis-
si a imperial, de cojo resoltado depende a
completa adopaco de suas machinas.
Publicaremos brevemente e enciM; no amianto podemos dizer que a
pratica obtida ja mostroo quaei serio as
conclos583.
Assim na America, Russia e Australia
vemos qae Mr. Fairlie encontra senpre o
justo apreco, excepto de aguas poucos en-
genheiros 'nej-iSos na ultima co'onit, que
esiSo combateado par ama causa mi para
elle*. E ni > deve estar lohge o tempo em
que neste pa-z elle receba tambera as p.-o-
vaj.de legitimo reconh?cBaenlo desu ira-
balho,
Depreciar primeiramente.e depois ten-
tar apropriar-se, orna fraqueza humana,
e por estarmos inteiramunie convencidos
disso, como dissemas no principio que
fazeraos este artigo Nio escreveioos para
ajudar a Mr. Fairlie; houve lempo em que
elle precisou deapoia, e ejte fu-lhe livre-
moote ddopor nj e pelo nosso conlim-
poraneo, The Engineer ; mas es-.e lempo
li se foi os principios de opposicio a elle
concedidos na ignorancia, sustentado ni
obslinacio como dizia Mr. Didder, j
pas aram ; e hoje MrrFairlie tem alcancado
a'guma cous mais da que a realizigao de
seus desejos e esperances. Ganhou popula
ridade e successo em grao excepcional, e
l le bem esperar agora que a opposicio
se converta em applauso eimitaio.
Mas a despeito dos mais evidentes e in-
cootestateis fado.', nio filiar queco em
breve reclama o direito de ser considerado
como autor da reforma das estradas de fer
ro de que traamos.
porm, certo que emquaoto esle ar-
tigo fr lido e emquanio existir, ser om
lucontra.-tavel testeraunho em favor do ho
mena que dedicou os ra-Inores aonos de
sua existencia ao estabelecimenlo das es
traas de -rro de bitola estreita. e foi
oera sutcedido.
(Do Eitf/iiteeiing oV30 de Junho de 1871 (
VARIEDAD
HORROROSO.O w York Times pu-
blica urna carta de um correspondente, qoe
d pormenores quasi incriveis acerca d'ucna
visua teita pr/sao de SngSing. Lemos
nessa carta:
- Apezar de toctos as precaucea admi-
nistrativas, descobrio-se qu9 dous* botos ins-
trumentos de tortura se empregam freraen-
les vezes oaquella prisa*1). O^aando a wgis
latura aboli o uso dos baabos dos crucifi-
xos, do aooule as nossas instiiuic&es peni-
lenciarias, applaudirara lodos os- cidadios
dotados de alguma bomanidade -T nio se es-
pera vj que instrumentos igualroente barba-
ros vessera substituir os antigos-. Verio
como se enganaram qpaodo souberetn o
que se pasea* n'um certo qoarlo misterioso
cuida Jocamente escondido' as vistas-o pu-
blico.
Existe all no tal qoarto o que os guar-
das mais teoelos chama o trapezh; Com-
pe-se de daas cordas delgadas e breadas,
e passadas- por varas roti'anas, combieafio
inolfensva aa apparencij- mas qae bastava
todava parafazer empalidecer o desgrana-
do qae vai sentir os eTeios do se poder.
As pontas das cordas sao amarradas aos
pulsos do preso- que se vai castigar; o ho-
rnera encarregadO' de atormentar o arimino-
so pucaa as- cordas, e a victima Oca me-
dialament sospensa ent o tecto tfjW-so-
brado. Destt modo todo-o corpo do pa-
ciente pesa sobre os pulsos e os saos-tor-
mentos sio verdaderamente horriveis. Sen-
te em todo o carpo as d&res mais agudas.
Estremecemtlbe todas as fibras. Os- tendoes
dos bracos estendem se o mais po&sivel e
parecera araraes vermelbos na carne do ho-
rneen, as juntas dos cotovellos e dos hom-
bros -estalam. como se fossem a deslocar se
e os pulsos, adelgacadoe- e enegrecidos pelo
sangue junto, rebentam. muitas vezes. Fe-
zmeote, qaaando cliega a esse paroxismo
da tortura o desgracado, cheio de horror,
pe^de os sentidos. Soccede muitas vezes,
acabado o tormento, que o preso, que o sof-
freu, fiea sem poder dar um passa, por
causa de urna paralysia temporaria.
i Um dos guardas, interrogado acerca do
trapezo, respondeu que vira alguns hpmens
ficar suspensos at a corda chegar ao osso.
O desgracado perde s vezes os sentidos
mal que principia o tormento. O hornera,
depois de passar pslo supplicio do trapezo,
mettido n'um quarto escuro, para no dia
seguale tornar a passar pelos
mentes. O supplicio dura
urna hora.
Ha aioda all outro meio de tornar obe-
diente algum preso indisciplinado. E' tao
horrivel como o trapezio. O criminoso
encerrado n'uraa celia escura, de sete ps
de comprimento, tres e meio de largura e
seis de altura, fechada com ama porta de
(erro muito solida, que nio deixa l entrar
o ar. N'oma dessas celias ha um digno
companheiro do trapezio. Ghama-se a cama
de rosas. Este leito de luxo um estrado
de paa que corre o cha do qaarto. A
esse estrilo esta pregadas bolas de.pau
duro da grossura de urna lula do 1M
co.'tadi ao meio, com a parle espher
para cima.
c O preso a castigar obrigado a deitar-
se sobre essa carai, depois de o tereoa
despido e descalcado. Bisla alguns dus
passados no quarto onde est acama, pe r
do que urna cama de pedras, para red'izr
O desgracado mais extrama fraqueza phy-
sica e mental. Embalde p roe ara repouso
n somno ou em raudanc de p)sic3o : as
bolas duras enlram-lhe na-Carn, c a>am-
Ihe dores horriveis, clores que se augmen
tam a cada movimenio; mas ne ihuma res-
posta Ibe dio os grit s de piedade. Ao
sair daquelie soppco, leva os raembro*
quebrado?, e nio pode aguenlar-se as
pernas. A guns hom9ns esto as vezes en-
cerrados tres sa manas ou uu mez a 8o
nesses horriveis quarlos da supplicio.
AOS NAVEGANTES.-O seguinte artigo
que extrahimos de ura jornal iagiez de
bastante interesse para a raarinha : .
Os regulauentos para e-itir es abalroa
mentos, delermlnam que iodos os na?ios
devem levar umi luz vermalba a bombordo,
ou lado esq irdo, e urna luz verde a esli-
bordo, ou lado direito, e que -estas luzes
devem ser de tal poder que se possam ver
em urna noute escura, com a athmosphera
limpa, a urna distancia de duas millns un
formemente sobre um arco de dez pontos
da agulha, da d reita a frente, a dous pon-
tos popa do navio.
* Ha muito poucas luz3s verdes baas de
lado.
As experiencias feitas em Sboeburyuess.
deram era resutado que era aun uaica
luz verde de navio das que al boje teera
all sido aaaodadas, satisfaz ao regulamenti
emquanto a distan :ia e uniformidae. Mr.
Tbomas Gray, secretario i reparticivo de
raarinha do conselb da commeroio, desu-
no a verba de 200 libra, a fim de re-
compensar o fabricante de lanternas que
apreseotar a imis- eilicieate e simples luz
verde que satisfac aos regulamenlos. Mkii-
tos fabrican'es e ia ventores sem d vida
compelKio. Parece nos esta oferta de om
premio de 200 libra um esforc suffi acote
da parte do promotor a ser de grande uti-
lidade a todos que se interessar em nave-
gafio. B' de esperar que os esforcos de
Mr. Gray encontrario o- feliz resultado que
merecera neste caso.
As experiencias serio feitas em' Sboe-
Luesinos tor-
quasi sempre
FOLHCTIM
AILHA DO FOGO

ROMANCE
POR
lllilltil DUMAS
VII
Una codiellla orlglmal.
(Contnuacio do n. 236)
A nacionalidade que se altriboia Wilbel-
mina jostificava a viveza que indicamos, e
que nio dizia com o sen volme.
Por outro lado, to pouco se conformava
com a fleugma qae o pobre Maes guardaya
desdis oito di manhia at s seis da
tarde. .,, .
Mas a vivacidade de que Wilhelmina fazia
urna devocio, aproveitava taoto ao Maes
epicreo, que principiava s seis da tarde e
terminava s oito do dia seguinte, como o
rgido labello das horas restantes.
Disto resoltava que o templo de Jano,
tres vezes fechado no tempo de Angosto,
gozava raras vezes das mesmas vantagens
na praca de Wellebrede.
Todava, nio desagradou Maes a pre-
senta de sua mulher, porque corlava orna
conversacio qae nio desejava continuar, e
por isso exclamou :
Tem razio, Wilhelmina, sio seis ho-
ras, e acabou o trabalho. E depois, minha
Sra., accrescentou, voltauoVse para Ester,
nio imagina quanto costosa a nossa tarefo
bwyness, e as lanternas devem ser remet-
tidas para all antes de 31 de dezembro
prximo. >
HtFELICIDADE.Osjernaes inglazes re-
latara, o seguinte rasgo de corager digno
de vegistar-se, pralicado por um rapaz de
13 amias de idde :
A/ogou se ba dias nao proximidades de
WioI um rapazinho de 13* annos de idale,
daodo-se neste caso as seguintes circums-
lanciae-:
Era compaobia de seis outros peque-
nos tioba partido- da praia de Forse para o
mar era um bote para ir a pesca de pexe
miud* O bote era muito- pequeo e ten-
do-se- os rapazes oollocado, lodos a om lado,
voltoa-se, e elles- cairam todos ao mar, a
urna pequea distancia da> praial
0oosso beroe que sra um bom nada-
dor, comecou a salvar aquelles dos-seus
compaobeiros qne o3o sabiam nadar, e li-
aba conseguido levar todos, menos- um,
para a praia.
c Quando i orna va a nadar para aste ulti-
mo, o infeliz rapazinho perdeu as- forcas e
merguthou para nunca" aais a aparecer, em-
quanto o seu companheiro felizmente alcan-
Cava a trra.
Onome doinfeliz pequeo beroe, filho
de um pescador, ew Sutherland-
TURQUA.O funeral do gri vizir Aali
Pacha assia. descripto pelo Lcani Times,
de 8 de seterabro :
t O caixio foi posto a bo*do do vapor
dos ministros s 9> horas, e conduzido para
Sekidji Mvelessi. donde foi levado para a
mesqaita de Suleimanoi, para l do Seras-
kierat. Em Bagtche Kapao alguns soldados
mostravam preleoces de fazer a estrada
desenibaracada, e mais adiante, no camiubo
na parte exterior da praca do S:raskierat,
urna companbia de soldados a cavallo mos-
travam igualmente pretenc53s de fazerem o
mesmo, mas os espectadores oram muito
poucos, e faziam o que queriara.
O caixio era levado aos hombros de
conductores voluntarios, que vidamente se
offereciam para partilharera da honra de
conduzirem os restos mortaes de um t3o
grande hoaena.
t O caixio era de carvalho liso, tosca-
mente feito, e embrulhado toa com um
chale turco de cores, sem duvida de grande
valor, e atado roda com urna corda com-
mura; um pequeo pau pregado frente do
ca'xio Ijvava um feg (aonet tarca). A'guns
cavasses cavallara torcamal montados
precedan) o prestito.
c Eites eram seguid s por bandos suc-
cessivos de sacerdotes de todas as classes,
entre elles alguns rabes e um corpo de
derviches, todos elles cantando de diversos
modos, e maitos rindo eatre si de ama ma-
neira muito indecorosa, emjnaoto qae ao
mesmo lempo sjltavam as saas tristonha;
c Urna mu lidia mixta de padres com
turbantes branco?, verdes e pretos, e popu-
lacho levando fgss m cabala, iam roda
do caixio, qiil'jra seguido smnte por
Hasni Pacha, mioistro da poli.ia, o ministro
persa, o hakhhim, (o enviado de Sheik ul
Islam), e alguns trens conduzindo senhoras
turcas.
A entrada do muro do pateo da mes-
quiti, os coaductores levantaram o caixio
ao ar, altura do braca, e assim o levaram
ate frente dos d^gros, parante os puaes
i'i depositado.
Ao publico era permilido circular li-
vremente no pateo da mesquita.
o Grande numen de senioras turcas
estavam agrupidas em um elevacSo do ter
reno, e o es (acosa p leo eslava r.beio de
turcos e gr^gos: mas viam-se poucos in
divdaos de outras nacionalidades. .
Tjdos os miaistros estavam alli.
Urna pjjUa oracio foi recitada ao pe
do corpa, e no entretanto os padres tinbara
entrado na meequita e ajudado s razas or-
tiiarias da meio dia. Qurado estas aci-
Daram, o caixio foi levado em cima das
mos levantadas al a entrada principal, e
conduzda emsegu da aocemnerio por ama
porta lateral, que inmediatamente fot fecha-
da, sendo al mesmo prohibido aos padrea
e derviches enlraiem.
Esperava-si que assistisse o Saifc-ul-
I .i: n, maaaio compareceu.
- A mesma folba diz quedepais di fu-
neral o SUe.k-al Islam, juntamente com es
ulemas-e todos oa membros do governo, e
ontros aitos fuacc'ronarios se reuoiram cu
Sublime Porta, para saudarem- o novo gr
vizr.
O decreto imperial nomeand'o Mah-
moud-Pach foi lido com as ceremonias
usuaes. O'seguinteatradaccio do docu-
mento :
Meu testre vizir:Em conseqnencia
da raorte ds Alli-Pacb, eu te confio o la-
gar de gri-vizir, estando couveocido, pelo
teu experimentado merec-imeoto e capacida-
de que la dignamente cumplirs, era todos
os respeitos, os seas altos e importantes
encargos. E' escusado dizer de que modo
te daves dedicar, em accordO com todos os
nossos outros ministros, i-boa adminislra-
Cio dos negocios do estado, e ao continua-
da desenvolvimiento do progresso e melbo1-
ramentos, assumptas da minha solierrude
constanle. Que Deus cor&* os nossos esfor-
c com successo:
sob este co abra me permute, adiaremos para outro dia a
nossa conferencia, e indique-me o dia e
hora que Ihe parecer, para assignarmos a
escriptura de posse.
Mas, insisti Ester, emquanto nio co-
nhecermos esse desgranado codicillo, nao
sei se podemos aceitar a heranca.
Como I exclamou Wilhelmina ; nio
deu parle Sra. Van den-Beck da iofamia
de seu velho to ? Por isso a vejo lio so-
cegada.
Queira notar, minha querida Wilhel-
mina, disse Maes, compondo os bofes da
camisa, que esta conferencia diz respeito
coasas do tabellionato, em que a Sra. nio
deve introrr elter-se...
Pois eu far-lb-hei notar, redarguio
Wilhelmina, que j l vio as horas dos ne-
gocios, e que desejo que esta Sra., para
mim muito digna, saba at onde pode cn-
gar a vilana de certos bomens. E, demais,
advirto-lhe que se nio diz nada esta Sra.,
eu Ihe contarei todo.
Pois bem, exclamou Maes resignndo-
se, o caso que a explicacio pedida me
parece na sua esseueia muito pouco seria;
mais digna d'uraa brincadeira de jogo de
prendas, do que .o esGriptorio d'um '
SAINT GLOUQiN'um correspondencia
dirigida de Pars- poca, de Madrid, en
contramos os seguintes dados historeos
acerca da povoacio e palacio de Saint-
Cloud:
Saint Gloud foi- fondado por Clodoval-
do, filho de Clovis, no anno de 560. Toda-
va, s ba uotcias- de Saint-Cloud desde o
seeulo XIII, em que principiou a esiender-
se- a povoacio, sendo preciso coastroir-se,
ama poote sobre o. Sena para estabelecer
communicacSes com os povos da margena
direita.
t Tudo prosperava na pequea povoacio'
laudada por Qoiovaldo, quando Carlos
XI de Navarra, na guerra que moven aos
Valois para reivindicar o throno de Franca
do qual foi exclaido pela lei Slica, metteo
Saint-Cloud a saque e fogo, e nesta lula
de exterminio foram os seus habitantes de-
golados e as casas roobadas e incendiadas.
* Em seguida guerra da soccessio veio
a guerra religiosa e a ponte ficou des-
truida.
Sob o reinado de Henrique II- princi-
piou a construccio da nova ponte.
Henrique III foi assass'mado em Saint
Cloud pelo Jacobino Jacques Clement
o Refere a chronica escandalosa que- a
duqueza de Montpensier, Catbarina de Lo-
rena, de costumes pouco regulares, pagara
a Clement o premio daquelle regicidio.
t N'aqaella p .ca, Saint Cloud gosava o
renome que deixaram na historia as cilades
malditas da B.blia.
A corte de Hanrique III foi urna i
mais desregradas desse lempa.
c No lempo de Laii XIV compron este
re o palacio de Saint Cloud a Camarina de
Mediis, fez-lhe grandes e sumptuosos me-
Iboramentos, presenteaodo com elle o du-
que de Orleans.
Esta segunda poca de corrupcio da
corle nio tiona nada que invejar a de seu
predecessor Henrique de Valois.
Foi em Saint-Cloud que Luiz XIV quei-
mou o primeiro inceoso aos ps de made-
moi8elle de La Vallire.
tabel-
liio. Todava, aotes de entrar no assumpto,
ba de permiltir-me que Ibe faca algumas
pergantas.
Fa?a quantas qaizar, respondeu Ester
impaciente.
Desejava primeiro saber se o seu ca-
samento com o Sr. Eazebio foi por amor,
ou por conveniencia de familia.
Completamente por amor. Eramos
to pobres am como oalfo, e ignoramos o
que lora feilo do tio Bazilio. A nossa po-
breza era tal, que os nossos anneis de ca-
samento foram de prata. Veja o que eu
trago.
E mostrou a mi ao labello, accrescen-
tando :
Elle tem outro igual; e este qae ape-
nas vale am florim, nio o trocara en pelo
diamante do GrioMogol.
Disse que seu marido tem outro
igual ?
Exactamente ignal.
E estima-o tanto como a Sra. esuma
esse?
Ia jurar que sim.
Pois j isso nio pouco. K ha q*e
tempo casaram ?
Ha pouco mais de dezoito raezes.
Mais de anno e meio. Ai i est o
mais espinboso da questao; mas vai ver
qae nem por isso de menos importancia.
E nesses dezoito mezes, nio tem desconfia-
do da Sdelidade de seu marido ?
Nanea, Sr.
Que elicidade 1 exclamou Wilhelmi-
na ; pelo que me toca, posso afiiancar que
no primeiro mez do nosso casamento, j
aqueUe monstro me tiraba feito mitas infi-
delidades.
E apontou para Maes.
' Wilhelmina, Wilhelmina, gritn o ta-
belliio, se me interxompe nao acabamos
nunca. *.
E volt a ndo se para Ester eontinoou '
De modo que, minha Sra., tranquilla
respeito do passado, nio se inquieta pelo
futuro.
Pe modo algam.
Nesse caso, dir-lhe-hei. .
Neste mesmo palacio raorreu envene-
nada a duqueza Orleans.
t Felippe de Orleans tambera illustrou
cora as suas lou;uras e com as suas levian-
dades o palacio de Saint-Cloud.
Em 1747 nasceu alli Luiz Felippe de
Orleans, que perdea a cabeca no patbulo
com o ame de Felippe Egalit, Foi este
principe que veqdau O palada a Luiz XIi,
que fez prsente delle i sua esposa a infe-
vi Mara Antonieta.
A revolucao passou por alli como ama
torrele devastadora e nio respeitou a re-
sidencia real.
Com a vnda do imperio todos os es-
tragos foram repralos e o palacioreadqui
rio o seu antigo esplendor.
< Tornoo a soflrer a invaso dos alliadoi
mas a restaurado dos Bourbons encarre-
gou-se da remediar to los os prejuisos que
o edificio soffrera,
f Foi em Saint Cloud qae se puolicaram
os decretos que derrubaram os Boarbons
do ramo mai r, em 1330.
c No segando imperio, no imperio de
Napolei) III, (oi Saint-Cloud o sitio imperial
privilegiado, no qual passavam os imperado-
res urna grande parle do anno.
Foi d'alii que saio Napoleio III para to-
mar parte na guerra fa al que derrubou a
sua dyaastia.
t Da esplendida palacio nio restara mais
que ruinas. -
VINGANC\ AMERICANA.O joroaes
de New York relatara a aegaiote qoe 'leve
logar ba algum lempo em Poughkeepait :
t Uus poucos de individuos, ainda hoja
dasconbecidos, cercaram a cas-a de Joho Tas-
che r, no monte Shiassiog, condado de Du-
ches, e inlimarara-n'o a sabir. Este re-
cusou, e em seguida elles arrombaram a
porta eforam.'-n'o e;ontrar escondido atr.w
de urna ehamin ; arrastaram-o'o para1 fr?.
e depais de o terem cumpleiarnenle despi-
do, la parara loe a cabeca com om aacco.
c Uaaram-lue depois todo o corpo com
lcali o, e ern seguida despejaram em cima
delle um sacco cbmo de penuas, e fogiram.
< Dizia-se que Tascber t nha- fgido ha
aigum> lempo com a mulber de om tal Doc-
ker, e por isso sejulga que foi este qem
dirigi aqaelle assallo e Iremenda vin-
BOA- AVO? CL^se no Journal de Char-
tero*:
O*municipio' de Marchieooe ficou toie>
alvorocado cora a descoberta-, que acaba de
fazer-se, de um< inhumano- e-monstruoso
aitentado comnMttidb por orna av contra
seu innocente nelo.
Hvia algum lempo qae as circomvi-
znhaeda casada urna malberdenemeX...
na estrada de Coren-para &. Martinho. se
ouvam de nonte gemidos eqoeixumesaba-
fados Havia larabem annos que om pobre-
orpbiozinho que morava com a av tiabav
desapparecido.
Julgavam, porm, todos-que elle fra
mandado para oasylo de Brogelette. Po-
rm os viziohos priocipiaram a estranhar
qae a< mulber nio lancease fra aa casca
das batatas de que principalmente se a-
meotava. Essa circomstancia Ibes desper-
loo a vaga suspeila de qae talvez a crianza
bouvesse sido fechada em algam recndito
canto da casa, e, combinando isso com o
choro que todas as noute- ooviam, rasot-
verara emfim dar parle polica
i, O commissario de Marchieooe foi tal
casa, deu-lne basca, e depois pedio a chave
do solio. A principio nio qulzecam en-
trega-lh'a, porm elle exigio-a eoerecamen-
le, ameacando arrorabar a porta, 'abririo-
Ih'a. Elle entroa e foi deseacovar,. no can-
to mais escoro, estirado no fand-j de urna
arca velna, ora entezioho quasi j sem for-
ma humana. Eslava n e houiw>lmeote
masjro.
* As mios dessa enanca que, qaaodo
muito, contara 9.annos de idada, nio eram
maiores que as de um recem-oascido; o
bracos e as pernas, hrtos, azulados, asse-
raelnavam-se. segundo o dizer de ama tes-
temnnba ojalar, a canudos de cachimbas ;
em compensacio a cabeca era disformemen-
te grande. O funio da arca acbava.se
alastrado de urna espessa carnada, de om
mixto inqualificavel de ecrementos o casess
de batatas, nico alimento do misero eo-
carcerado.
O corpo e principalmente a cabeca da
crianca, esuvara cobertos de eccbymoses
provenientes das pancadas com que a mor-
tificavam. Felizmente anda conservava a
falla, porm dbil como am sopro.
t Ao saber de tio horriveis pormenores, a
indigmcio dos habitantes de Marcbienne
foi sem limites, e todos agaardavam ai-
ciosos o jalgamento da odiosa megera, r
de lio monstruoso crime. t
Sim, gritou Wilhelmina, dir-lhe-ha
que seu to era o primeiro mariola do
mundo.
Wilhelmina I bradoo Maes.
Deixe-me socegada, Sr., disse a es-
posa de Maes. O Sr. tio bom como elle.
Xh I minha querida Sra. I accrescentou to-
mando entre as suas as mios de Ester e
levantando os olhos para o co ; mal sabe
em que abominavel paiz estamos! Nio po-
de imaginar que grao de desmoralisacio
ehegaram os que residem nesta ierra I
Mas finalmente, minha Sra... disse
Ester impaciente.
Finalmente, minha filba, seu lio linba
am harem, um verdadeiro harem, nem mais
nem menos que o harem do .gro-turco.
Mais de viole mulheres, pelo menos.
S tres, atalhou o tabellio ; yerdade
seja que todas tres eram muito bonitas...
Ouve, oave ?
E meu tio, continuou Ester, deixou
parte dos seus bens essas tres mulheres ?
Sendo assim, acho natural. Elle nada me
devia, e faz-me milionaria: longe de censu-
rar o seu procedimento, ficolhe ainda re-
connecida.
Pobre anjo I exclamou a esposa de
Maes abracaodo Ester. Que delicadeza I
Que coracio I Mas nio doloroso ver lio
bons coracoes entregues s vis paixes de
entes diablicos ? Porque nio isso que
suppe, minha querida Sra.; 6 ainda om
pouco peior.
Por Deus, minha Sra., eiplique-se.
Imagine, continuou Wilhelmina, que
egte infernal Basilio, qne por fim de contas
nio era bem visto, deixou um rendlmento
perversidade dessas tres mnlhares.
E^ier voltoa-se para o abelliio como que
pedindo-lhe explicaces; o tabello accres-
centou :
Prometteu urna terca parte da heran-
Ca aquella que conseguir fazer-se amar...
O tabello besilou.
Fazer-se amar por quem ? perguntra
Fster
Por seu mando, continuou Wilhelmi-
na, e nisso est a monstruosdade, minha
filba; s esse hornera seria capaz de idear
um projeclo to immoral.
Eu s o acho grotesco, disse Maes.
E' verdade qoe se as tres mulheres conse-
gurem seduzr sea marido, oio s a Sra.
se ver engaada e sacrificada, mas at des-
pojada de quaoto possie.
__ K verdade isso que diz ? exclamou
Esler duvidaado de que fosse certo o qae
oavia.
Nada ha mais certo, respondeu o ta-
bello fazendo urna mesura.
Mas a Sra. deve reclamar em forma,
accrescentou Wilhelmina; deve reclamar,
quando mais nio seja, ao meaos por honra
da instituicao do matrimonio; deve reclamar
e os tribuuaes hio de fazer justica.
__Ora adeus I atalhou d'alii o tabello.
Qaal reclamar, nem meio re;lamar I Como
se o diabo do Bazilio nio prevsse tudo I
O codicillo determina quo no caso de recia-
maco, se considere aquelle aullo, e os
bens passem para o fisco. Ora vem c,
Wilhelmina, queres que esta Sra., s por
tentar reclamacdea, perca am miihio e
quinhentos mil florins ?
Perdi, Sr., nio cuid qoe me sedaz
o valor coosideravel da heranca; o que re-
cet a miseria no estado em que Eaze-
bio se acha. A verdade que sera haran-
Ca, que tenho por milagrosa, a nossa indi-
gencia era tal que talvez me tivesse visto
obrigada a implorar a caridade publica para
acu lir meu marido. Aflge-rae profun-
damente o escndalo que esse desgracado
cadiclio motiva, mas nio me espanta. Jol-
go inalleravel a affeicio de Eazebio ; conhe-
co o sea coracio, e sei qae nenboma mu-
lber m'o roubar.
Pobre meoina! bradou Wilhelmina.
Que candara I
O tabello tossio e depois accrescentou:
Eotio, aceita ?
Aceito.
E faz bem, palavra de honra. Ha
tantas cousas no mundo dignas de se amar,
qae essas tres mulheres oio inspirara ne-
nbum receio.
jr. Maes, disse Wilhelmina, o Sr. 6
om bqmem profundamente corrompido;
respeit ao menos esta Sra. _^.
Ah I minhi Sra.! volveo o tabello ;
sio sete da tarde, e estas horas permit-
tem -se I as brincadoras; e maito mais,
quando. se trata de semelhanie codicillo,
que demasiadamente cmico.
Cmico I Cmico Ora o monstro I
Eolio, nio Iha'tbajna somjco I
Sr. tabewib. disse Ester, desejava
fazer-lbe a ultima pergunla.
Qual ?
Onde estio essas tres mulheres ?
Nio sei, minha Sra.; quand i chegaei
casa raortuaria, ja* tinham desapparecido.
(Continumr-H-ha).
TYP,' DO DUR10-R a DO D W W Q*W**
\
-
.^

, HUlllAII 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYMH0HVE2_XRUB4N INGEST_TIME 2013-09-16T20:58:29Z PACKAGE AA00011611_12513
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES