Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12505


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO ILVII. NUMERO 229
m




-
?!
3
h
i
*?AiA A CAPITAL K LSABXS OSDS XO SI fAA POBTJ.
or trat metes adiajuado.............'V 8000
?or m diU.-s iti-em.......... ........ 12J000
--'ir r^a Mim/j/ka.............. ...... 4000
Cfc momefo avoiso.................. 20
DIARIO DE P
SABBAOO 7 DE OUTUBRO DE 1811.
PASA DIIT10 K FOIA DA P10VDCIA.
Por trog mezes adiantado* ............
Por mi ditos idem.................
Por dota ditos idem................
Por om anao idem

U7W
tmoo
171000
Propriedade de Manoel Rgueira de Faria & Filhos.
ao acajtomi
0 Sr*. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalves & Pinto, no MaranhSo ; Joaqnim Jos de Oiivflira A Filho, no Cear ; Antonio de hmo Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Chaves, no Am ; Antonio Marques da Silva, no NataJ; Jos
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ;Felippe Estrella 4 C, na Pawhyba ; Antonio Jos Gomes, na Tilla da Penha; Bslarmino dos Santos Baldo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoai; Dr. Jos Martins Alves, na Bahia ; e Leite, Serqninho A C. no Rio de Janeiro.

PAUTE OITICIAL.
tioverao da provincia.
ESPEDIENTE DO DA 28 DK SETEMBRO DE 1871,
ACtOS :
O vice-presideole da provincia, altan ieodo
ao jue aollicilon o chote la reparticao das oGras
pubcas, em offlcio de 12 di correle, sob d. 277,
resolve de eonformidade c,;n a ultima parte do
artigo 3.* J 2.' da lei do orcamento vigente, auto-
rizar ura uovo crdito de 2:000*000, para a con-
tiuuacao do pagamento da< despezas com a acqui
siea e renovaeo di material da secretaria da
presidencia.Reeommendou-se a thesouraria pro-
vincial que Uzease estreg dessa quanlia ao ihe-
sourero daquella reparticao para ter a conve
niente applicacao
O Tice-preideota da provincia, attendendo
ao qae reqaereram o capito Augusto Cesar Pe-
rein de Meo do m; a e o teoente Vicente Ferreira
Coimbra, do I.* batallo de infamara da guarda
nacional desle rounicipio, e a vista das respectivas
fes de offlcio : dos pareceres da junta de saude,
qoe os consierou iocapates de continuar no ser-
tico activo, e da inlormaco do resoectivo com-
raandante superior, em oBcio o. 196, de 27 do
corrate, re-o've, de eooformidade om o disposto
no artigo 69 da lei n. 602, de 19 de setembro de
1330, iransferi-los para o da reserva, ficando ag-
fregados ao 1.* batalho desta.
O viee-presidente da provincia, attendendo
ao que requerea o capital do 1 batalho de in-
famara da guarda nacional desle municipio, Jos
de S Leltao iuoior, u vista da sua f de offlcio,
parecer da jaota de aorta, que o julgou incapaz
di servir;) aciivo e oOlcio do o muiaudante snpe-
rior respectivo, n. 192, de 20 do corrente, resolve,
da eooformidade com o disposto no artigo 69 da
let n. 602, de 19 de sefembro de 1850, transferir o
mesmocapitio para o de reservd, licandi aggre-
gado ao 3.a batalho da mesma.
O vice-presidente da provincia resolve de-
signar u bacharel Fraocisco de Paula Peuaa, para
servir le procurador fiscal ad hoc da tbesouraria
da fazenda em negocio, em que se den de suspeito
o bacharel Pedro Affonso de Helio, que exarca in-
terioamente esse lugar.
O vico-presidente da provincia, a vista do
qae expSe o doutor chefe de polica, em offlcio o.
4319, de 25 de setembro ultimo, quanto ao extra-
vio do titulo Je Tristo Jacome de Araujo, namea-
do pruneiro supplente do subdelegado de Afogados
por portara de 16 de abril de 1870, resolve que
ao dito supplente se passe novo titulo.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que reqoereu o bacharel Francisco Teixeira de
S, juiz da direito da comarca do Limoeiro, resol-
ve eoueeder-lhe uro mez le licenca com ordenado,
a forma da le, para tratar do transporte de sna
familia para a dita comarca.Expedirn)-se as
necesarias contmunicacdes.
Offlclos :
Ao brigadeiro corumaniante das armas, ia-
leiranlo-o de que, pov aviso do ministerio da
guerra de 6 do corrente, foi pgsto a disposico da
presidencia, para ser empregado no caso de con-
vir ao servico, o teoenle reformado do exercito,
.li Ignacio Ribeiro Roma.
Ao mesmo, irausmituad,o para os fins con-
venientes, as relacSes de alteracoes, ocoorriias no
mez de agosto ultimo, a respeito do tenente do 9.
batalho de jnfanlaria de iinba, Francisco Ignacio
llanoel de Lima, que est servindo de ajudante de
ordena da presidencia do Rio Grande do Norte.
Ao inspector da thesouraria de rateada, re-
metiendo para os devidos fins, a palele de refor-
ma do major Jote Tbomaz Pires Machado Portella,
e o titulo nomeando cavaileiro da imperial ordem
da Rosa, o alfares Jos Caetano de Souza Cous-
seiro.
Ao mesoo, enviando 15 orlen?, sendo 14 do
tribunal do ihes-ioro nacional, sob ns. 170, 174 a
181. 183 a 187 e 189. e urna do ministerio da
ierra, datada de 13 do correte.
Ao mesmo, enviando copia do aviso exped
Jo pelo ministerio da agricultura, em 19 do cor-
rate, acerca do pagamento da quanlia devida a
companhia Pernambucana pela viagem de um dos
seus vapores aos portas do norte para completar
a dp Ciuzeiro do Sul da companhia Brasileira de
paquetes.
Ao mesmo, transmittindo para os devidos
lias, os decretos de 6 do correte, um noaeaudo o
cidadao Jos Balsabio Gjncalves Lima, para a ser-
venta vitalicia do offlcio de tabellio e escrvao do
civel e mais annexos no termo de Yilh-Bella, e o
vatro permiltiodo a permuta da serventa de ofi-
cios, requerida por Amaro Brasileiro da Costa ua-
ficury e Luiz Francisco de Arroxellas Galvao e
Qirapeba, este segundo tabellio e escriv) do ci-
vel e oais annexos do termo de Garanhuns nesta
provincia, e aquello tabellio e escrvao deorphos
e mais annexos de Palmeira dos Indios as Ala-
goas.
Ao mesmo, comreu ni cando que a 23 do cor-
rento deixou o exerciciojla vara de direito da co-
marca do Limoeiro, per ler sido nomeado chefe de
polica da provincia de Alagoas, o bacharel Ade-
lino Antonio de Luna Freir, assumindo na mesma
data as funecoes daquelle cargo o bacharel Fran-
cisco Teixeira de S, para elle nomeado por de-
creto de 23 de agosto ultimo.
Ao mesmo, enviando para os devidos nos,
copia do aviso de II do correte, em que o excel-
lentissimo senhor ministro da agrcullura'auonsa
a presidencia a despender a quanlia de 7:907ioU
com oa concertos e pintura de que nacessta as
pjales Scte de Setembro e Santa Isabel.Offlciou-
se ao engeobeiro encarregado das obras geraes
para indicar o melbor raeio de executar-se aquel-
la? obras.
Ao mesmo, recomraendando, em vista do que
xpSe o dir ;tor da faculdade de direito, relati-
vamente aos defeitos, que se notam as obras da
reconstroeco do edificio, em que funecona a mes-
ma faculdade, qae manda sobr'estar, at segunda
ordem, no pagamento queso uver de fazer ao res-
pectivo arrematante, Antonio Jaeinlho.
Ao mesmo, mandando pagar a Lniz Francis-
co de Paula Ramos, a quantia de 130*800, qqe se
le est a dever, proveniente de gneros tornea
dos aos indigentes attacados de febre amarella no
povoado dos ktunles.
- Ao inspector da thesouraria provincial, para
que, nio obstante o engao que se nota na procu-
raco apresenlada por Jeronymo Monteiro Pereira
de Carvalho, mande pagar-lbe, na qualidade de
procurador de Sabino los da Silva, a importancia
o alugnel da casa, que serve de priso na povoa-
cio da Palmeira em Garanhuns.
Ao mesmo, acensando a reeepclo do cfflcio
em que .partcipou bav'er o bacharel Joaquim Jos
Farreira da Rocha Jnior, dando por ftalor Sebas
tio Lopes Guimaries, arrematado, com o abate de
3 por cento nos preces da respectiva tabella, o for-
necimente do sustento dos presos pobres da eisa
le deuocao por um trimestre, a contar de outubre
vindonr, e declarand? em resposla qoe approva
s*a arrematacio.
' Ao mesmo, para fazer entregar ao secretario
do Gymnasio Provincial, bacharel Antonio de As-
sumpeo Cabra!, a quantia de 1:590*000, em que
impertam as peaiCes dos alumnos internos pensio
aislas dapisaKii,Commonicon-se ao respec-
tivo regador.
Ao meimo, mandando pagar ao empreileiro
de calcamento Secta eidade a quantia de........
41401**70, que te Julga com direito.
Ao Dr. chefe de polica, recommeodando a
*xpedi;ao de suas ordeas, para que com urgen [para que de ordem da presidencia, mande dar
ca seja apresentado a presideneia o preso Manoel urna passagem de estado a proa at Peaedo, no
|M
KuQoo de Cirvalho, que pedio urna audiencia.
Ao mesmo, declarando qae para poder-se
effectuar o pagamento da escolla que veio de
Aguas Billas, cooduziodo criminosos torna-se ne-
eessario que remella os respectivos prets, compe-
tentemente organizados.
Ao c imnia-jd-inte superior da guarda nacio-
nal do municipio do Recife, antorisando-o em vis-
la de sua informaco a mandar despensar do ser-
vico activo o guarda do 1* batalho de infantaria
Bernardo Antonio de Sant'Anna, que dever com*
parecer somente as formaturs geraes e grandes
paralas.
Ao inspector da alfandega, para que das di-
versas caixas,-existentes naquella reparticao, com
isoladores, destinados a Iinba telegrapbica do nor-
te sejam remetilas ao ministerio da agricultura,
de canfinniJ.-'.de com o aviso de 15 de maio ulti-
mo, as que tiverem a marca T D e os ns. 1 a 32
e 51 a 55.Offlciou-se aos agentes da companhia
brasileira de paquetes a vapor, no sentido de se-
ren taes caixas transportadas a corte na primera
opportuodad-'.
Ao director do arsenal de guerra, approvan-
do os contratos celebrados cora Joaquim Alves da
Silva Santos, Manoel Antonio de Jess e Manoel
Joaquim Ferreira Esteves, para o fjroecimento de
gneros alimenticios companhia de edneandos
desse arsenal, durante o trimestre de outobro a
dezembro deste anno.Communicon-se a thesou-
raria de fazenda.
Ao mesmo, autorisando-o a contratar com o
consignatario de algum navio de vela a conduccio
al o Cear, dos dous mil cartuxos embalados que
se destinara ao deposito de artigos bellicos da-
quella provincia.
Ao mesmo, oieir'aodo de haver resolvido em
vi qoe actualmente perche o offlcial de ferreiro da
offleina de lerceira classe desse arsenal, Joo Go-
dofredo de Moura Gondim. Fizeram-se as ne-
cessarias communica(des.
Ai commindanie do eorpo de polica, dizen-
do que pode fazer desligar do eorpo sob sea cora-
mando, o soldado Amaro Manoel Pereira, visto ler
sido julga lo incapaz d servico.
Ao presidente da cmara municipal da vil-
la do Granito, respoadendo pola afirmativa ao of-
flcio, em qae declara arhar-se em duvida, se deve
ou nao reunir essa cmara para dar exeeuco as
ordens, comidas na circular da presidencia de 9
de maio deste anno.
Portaras :
A' cmara municipal do Recife, para infor-
mar acerca da graca, que ao governo imperial so-
licita no iaclqso requerimento Jos Targno Gon-
calves Fialbo.
A' cmara municipal da villa de Pao d'Alho,
approvaodo a resolocao qne loraou, de alagar urna
casa para as sessoes da mesma cmara, visjo
acbar-se armiada, e a ponto de iesabar-se
qae se presta va a eise flm.
A da eidade da Victoria, declarando que ap-
prova as arrematares dos imposto? constantes;
dos termos que remellen ; quanto aos desnais,
qnedeixaram de ser arrematados por falta de li-
cuantes, devem ser arrecadados din clmente por
essa cmara, oa postos em basta publica com o
abate nnnea inferior a terca parte do prego por-
que forara a ultima praci, e finalmente que re-
metteu-su a hesouraria de fazenda o effleio pan
informar na parte relativa a irapostos geraes so-
bre certos gneros, de que tambern se cobrara
imposlos manicipaes.
Despachos :
Antonio Pinto Cardoso da Gama.Informe o Sr.
inspeclotda thesouraria s fazenda.
Baro do Livramento. A' thesouraria provin-
cial com offlcio desta data.
Conde N. F. Z iba.Nao havendo quota para a
respectiva despeza, nao ple por ora ser attendi-
do o supplleante.
Chris'.iniano Cesar Coutiaho. Informe o Sr.
commandante superior da guarda nacional do mu-
nicipio da capital.
Claudio Dnbeux. Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Elias Franci>co MiodeHo. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda, ouvindo o da al-
fandega.
Emygdio Baldoino Teixeira de Mello.Informe
o Sr. Dr. juiz de direito da comarca de Garanhuns,
euvimo o respectivo juiz municipal.
Epliigenia Mara de Almeida. Iadeferido nao
s por estarem preenchiJas as cadeiras a qae se
refere, como por nao ler sido a suppiicante con-
templada na proposta da directora da instrucclo
publica.
Francisco Manoel dos Prazeres.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Ignacio Jos Pinto.Passe portara concedendo
a licenga requerida.
Jos Alves Cavalcante.O suppl cacle j (o at-
tendido pela thesoararia proviacial.
Coronel Jos Angelo de Moraes Rege.Passe do
que constar.
Joo Jos de Lima. -Informe o Sr. inspector do
arsenal de marinba
Jos Augusto de Araujo. Informe o Sr. enge-
obeiro chefe da reparticao das obras publicas.
Joo Godofredo de Moura Gondim. A' thesou-
raria de fazenda com oficio de:ta dala.
Joaquim Ferreira de Brito. Eatregue-se me-
diante recibo
Leopoldino Antonio da Fonceca.Fieam expe-
didas nesta data as necessariaa ordens no sentido
em qae reqaer o suppiicante.
1. luriu Ja Mara da Conceicio. Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife.
Leopoldino Antonio da Foncsca Indeferido.
Luiz Francisco de Paula Ramos.A' thesoura-
ria de fazenda com offlcio desta data.
Manoel Joo da Canha Bastos.Ao Dr. director
geral interino da instrucclo publica, para attender
ao suppiicante nos termos de sua informaco de
25 do corrente, sob n. 344.
Moreira & Bastos.A' vista da informaco nao
ha que deferir.
Tenente Miguel Joaquim do Re o Barros.Jun-
io ao anterior, seja remettido ao Dr. Juiz de di-
reito de Garanhuns, para informar, ouvinlo o juiz
municipal respectivo.
Manoel dos Reis Soares Miranda.Intorme o Sr.
inspector do arsenal de marinha.
Osear Distibeaux. Informe o Sr. engeobeiro
ebefe da reparticao das obras publicas.
bildina Afra da Coaceico Vieira de Mello.
Informe o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
Zeferino de Almeida Pinto. Nao pode o sup-
piicante ser attendido sem que sabsiila a flanea
prestada oa preste nova.
KXPEDIBNTE DO SECRETARIO.
Oficios :
Ao inspector da thesoararia provincial decla-
ran io, de ordem da presidencia, e para o flns
convenientes, que a licenca de tres mezes conce-
dida a Leopoldino Antonio da Fonceca, professor
da eadeira de latina da villa de Garanhuns, deve
ser contada do dia 17 de agosto ultimo, e nao de
julho.
Ao coroner Amaro Jos Lopes Coutinho ac-
ensando de crdem da presidencia, a recepco do
oficio em qoe partcipou ter reassamido' no dia
22 do correte o exercicio das fanccSes do cargo
de commandante superi ir da guarda nacional do
municipio do Limoeiro,
Ao gerente .da companhia peraambacaoa
1 vapir qne seguir para o sul, a Joaquim Balbi-
uo de Sani'4.ana.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DE SETEMBRO DE 1871,
Oficios :
Ao brigadeiro commandante das armas re
commeodando que, em cumprimento do aviso de
12 do corrente, envi para ser transmittida ao mi-
nisterio da guerra a f de offlcio do tenente bono -
rario do exercito Tereocio dos Santos Audrade,
que servio dorante a guerra do Paraguay no 2*
batalho de infantaria.
Ao mesmo ioteirando-o de haver o Exm. Sr.
ministro da guerra declarado em aviso de 9 do
corrate, qae as sete pravas existentes na enfer-
mara militar, e que se refere o sea offlcio, de-
vem ser inspeccionadas-de saude, remettendo-st
aquella secretaria de estadios respectivos ter-
mos, e bem assim as competentes eertiddss de as-
sentameatos de taes pragaa.
Ao mesmo devofvendo o requerimento do
soldado do 2* batalho de infantaria Fredericodos
Santos Ferreira, afrm de qae depois de cobrados
os emolumentos da eertido annexa ao mesmo re-
querimento, seja este transraittldo secretaria de
estado dos negocios da guerra, de eonformidade
com o aviso de 19 do corrente.
Ao mesmo prevenindo-o para os fins conve-
nientes, de que o Exm. Sr. ministro da guerra
exigi em aviso de 15 do correte a devoluco
aquella secretaria de estado do le 21 de agosto ul-
timo, mandando restabeleeer o hospital militar
desta provincia.
Ao otesmo declarando qat segundo aviso do
ministerio da guerra de 12 do correte, o cabo de
esquadra do 9* batalho de infantaria, Francisco
O.yrapin de Olveira, deve ser pago do premio de
300*000 ris, de que trata o decreto n. 3371 de
7 de Janeiro de 1865, quando elle novamente se
engajou.
Ao mesmo transmittindo para os Sos con-
venientes, a relacao de alteracoes dadas no mez
de agosto ultimo, com o capito graduado do 2*
ba'alho de infantaria L-.iz Francisco de Paula de
Albuqaerque Maraaho, que se acha exercendo
9 lugar de ajadaate de ordena da presidencia do
Pianby.
Ao inspector da thesoararia de fazenda re-
commeodando a expedido das convenientes or-
dens, para qae se ajaste cootas, e passe guia de
soccorremeoto, ao alferes Pedro Antonio dos San-
tos, que foi transferido do 2* para o 7* batalho
de infantaria, e tera de seguir para a corle -no
vapor S. Jacintho. Offlciou-se aos agentes da
companhia brasileira de navegacao para darem
transporte a esse offlcial e coramunicou-se ao
commandante das armas.
Ao mesmo communicando qae segando avi-
so do ministerio da marinba de 14 do correte
foi approvada a deliberadlo que tonada a presi -
dencia, de antorisar sob sua responsabilidade um
crdito de 12:600*000 ris para oecorrer-se as
despezas a cargo daquelle mioijtero no actual
exercicio.
Ao mesmo para que em aatisfaco a exigen-
cia do aviso do ministerio da justiga, ministra n
formacSes mais clrcUmstaociadas sobre a ajada
de casto de 850*000 ris, arbitrada ao juiz de
direito Antonio Joaquim Barqae de Nazareth,
visto parecer aquello ministerio nao ser o paga-
mento desa ajuda de cu$to caso de crdito sob
a responsabilidade da presidencia, por j ter sido
autorisado no exercicio de 1870 1871.
Ao mesmo traosmitlindo, para os devidos
fins, as patentes dos majores ajudantes de ordens
do coramando superior da guarda nacional dos
municipios de Sanio Aoto e Escada, Manoel Cor-
rea da Queiroz Monteiro e Mansa! Cavalcante de
Albaqaerque S, di capito secretario ger*l Hen-
riqae Marques Llns e do capilo qnartel-mestre
Zeferino Aureliano de Figaeiredo Mello, bem co-
mo os ltalos nomeando Hygino Ferreira da Silva
e Manoel Joaqaim de Jess, o Io para conlra-
meslre e o 2o para mandador da offleina de car-
pinteiro do arsenal de marinha desta provincia.
Ao mesmo enviando para ter a deyda exe-
euco, copia do aviso do ministem da jastica de
4 do correte, e bem assim das instruccoes expe-
didas pelo.da marinha, relativamente passagens
dadas nos*transportes de guerra.
Ao mesmo ioteirando-o de que segundo of-
flcio do Exm. presidente do Cear o chele de sec-
co dessa thesouraria, Joo Severiano Ribeiro, es-
leve com assento na assembla legislativa da-
quella provincia at o dia 13 do correle.
Ao mesmo eovlaodo para os fins convenien-
tes, seis ordens em duplcala, exped Jas pela re-
particao do ajudante general, sob ns 782 a 787.
Ao mesme autorisando-o a mandar pagar ao
capito commandante interino da batalho n. 49
de infantaria, Zeferino Goncalves Lima Granja,
on ao seu procurador Flavio Goncalves Lima, os
veocimeotos relativos aos mezes de maio e jaobo
deste auno, das pracas da guarda nacional des-
tacadas emOuncury.Communicou-se ao com
mandante superior.
Ao desembargador procurador da corda, so-
berana e fazenda nacional para interpoc sea pa-
recer acerca dos autos de medicao da posse
Barraperteneente aos hesdeiros do finado Ale-
xandre Teixeira Pinto, tendo sido aquelles pro-
cessados no julio commissario do municipio da
Escada.
Ao inspector da thesoararia provincial man-
dando pagar ao capitio commandante interino
do batalho n. 49 de infantaria, Zeferino Goncal-
ves Lima Granja, oa ao seu procurador Flavio
Goncalves Lima, os vencrmealos de ura offlcial
e 16 pracas da guarda nacional, qne foram cha-
madas a servico de destacamento pelo delegado
do termo de Oureury, para auxiliar a polica, a
contar do 1* de agosto a 15 de setembro deste an-
no. C)mmunicon-S9 ao commandante superior
respectivo.
Ao inspector do arsenal de marinha iotei-
rando-o de naver o Exm. Sr. ministro da mari-
nba perraittido por aviso do 14 do corrente que o
mestre da oficina de carpioas desse arsenal Pe-
dro Jos de Freitas, deixe de comparecer ao pon-
to, lazando entreunte os trabalhos eompativeis
com as suas forcas.
Ao mesmo mandando por a dtsposico, do
capito do porto interino as doas boias qae se
mandn fazer as oficinas desse arsenal, aflm de
serem colloeadas dos baixos da barra de Taman-
dar.Commanicou-se ao capito do porto.
Ao director do arsenal de guerra determi-
nando qae em cumprimento do aviso do ministe-
rio da gaerra de 11 do corrente, mande fornecer
ao 2* batalho de infantaria os artigos constantes
da inclnsa nota.
Ao juix da direito da comarca de Palmares
acensando a recepco dos mappas qae remettea,
os quaes foram mioistrados pelo juiz municipal
desse termo, para as estatiaUcaa policial e Indi-
ciarla ; devolvendo os primeiros de taes mappas
para serem enviados ao Dr. chefe de polica, a
quem compele orgaoisar a respectiva estatistica,
e recommeodando finalmente que taca constar ao
referido juiz, qae a elle tambera cibe ministrar
os mappas ns. 18, 90, 21 e 29 para a estatistica
commercial.
Ao juiz municipal do Pao d Amo, transmit-
tindo para os davoj fias, copia do decreto de 6
do corrente, oelo qaal fora perdoada a Francisca
Rosa da Coaceico, a peoa de doas mezes de pri-
so simples, e multa correspoodente a melade de
tempo, a qae foi eondemnada pelo juiz de direito
dessa comarca, por enme de injurias verbaes.
Ao promotor publico da comarca de Olinda,
recommeodabdo o prc>cesso que deve ter sido ins-
taurado auriarmu de [guarass contra Joo Fran
cisco da NaMimentu, pelo crims de homicidio de
Francisco fiortez de Soasa, no districto de Mari-
cola, (Jeteada iraier ao coohecimento da presi-
dencia a remita lo do mesmo pr.ioesso.
Ao 4a comarca daCabrobi, chamando a sua
attencio toare o procsso instaurado a Juo, es
cravo de Maaoel *e 5 Araujo Nwes, qae assassi-
nra com nata puanalada ao soldado Aotioio Fer-
reira de Olteeira, oa villa de Salgueiro, e reeom
mondando qne emprsgue as deligeocias legaes,
afim de ser capturad i e puoido o delnqueme.
Ao engeobeiro chefe da repariico d*s obras
publicas, declaraodo qae, em vi;ta do exoosto em
seu effleio, da aecvo com a informaco da c-
mara municipal d'esta eidade e parecer da respec-
tiva oommisij de edri -agao, na i pola ser aceita
a proposta feita pela companhia Reeifa Drainage
para a cottocaci de apparelhos nos cantos da
Pra$a da lotepenaaci.i.iesiioados ao servico dos
inquilioos das lejas da mesma praci.
Portara:
Aoi agentes da corajanhia de navegacao
brasileira, aandand > dar ti-aniporte por errata do
ministerio da guerra, no rapar S. Jacintho, aos
soldados Fraociscj Jos de Sonta e Pedro Bueno
da Silva ; o prmeiro com lestrao s Alago e o
segundo a corle.Commaoinu-se ao corauuadan-
te das armas.
Despachos:
Padre Genuino Gomes Pereira.Autoriso o sap-
plicante a despender c ira as ebras di que trata a
quantia consignada no 6.* u ari 6.* da lei do
orcainento vigeoie, a qaal Ihe ser eotregue de-
poia de prestar coolas.
Bacharel Joaqaim Jos Farreira da Rocha Ja-
niar.Informe o Sr. inspector da he.-ouraria pro
vincial. 1. ~
Leopoldiaa Mandes Gancaives.-Informe o Sr.
inspector dathssourara proviacial.
Padre Raphael AOtonio Coiho.Ao Sr. director
geral da iustruccao pnbliea, paraaltender ao sup-
piicante nos termos de sua informaco o. 346 de
26 do corrate.
Tbomaz Ferreira Manoel Pinheiro.8im.
Zeferino de almeida l'.oto. -Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Zaerino de Almeida Pinto.Remanido ao Sr.
inspector da thesoararia proviacial para, de eon-
formidade com sua ioforinaco de hoja, seb n. 585,
adraillir o suppiicante a dar aova Ranga.
IMDIENTE t>0 SECRETARIO.
Oficios :
Ao inspector da the oarara provincial, decla-
rando, para os fias convenientes, qae a presidencia
resolveo aatorisar o vigurio da freguesia de Sari-
nhem, Geeuoo Gomes Pareira, a despender cora
as ebras da igreja asairie d'atjuella fregaezia al
a quan'ia de 1:000*, para ser iademoisado pela
consignacao de igual importancia, votada pelo art
6* i o> da let do orcaraeo ft vigente para taes obras.
Aoinspeetor do arsenal de maaha, com
maoicandp, de ordem que f^ nsnur a quera competir, qae, segando
p.irticip:ico na secretarla de estado dos negocios
Ja marinha, forara indiferldos os requenraentts,
era qae os primeiros praNcos da barra e porto
d'esta eidade, Naooel Jos Baptista e HercuUoo
Jos Rodrigues pediam ai honras do posto de 2.
teoente da armada.
EXPEDIENTE DO DIA 30 DE SETKBBRO DE 1871.
Acto :
O vice-presidente da provincia, ittenlendo
ao qae requerea Ijaaeic Jos Pinto, mordomo do
Gymnasio Proviacial, resolva coaoeder-lhe tres
mezes de hceoca com os respectivos vineiuentos,
para tratar de saa sado oale Ihe convier.
Offlcios :
Ao inspector datbesonraria da fazenda traos-
mittiodo, para os devidos effeitos, copia di aviso
de 6 do correte, em que o Exra. Sr. ministro da
guerra autonsaos coneertos oecesiarios nacoberta
da arsenal de guerra oreados em 237*730 ris.
Ao mesmo, enviando para seu coohecimento
e fins convenientes, copia do aviso do ministerio
da fazenda, acerca do provi nent > dos lagares de
offleiaes de descarga, ajadaotes de admioistrado-
res de capatazias, e fiis dos thesoureiros das al-
faodegas do imperio.
Ao desembargador procarador da eoroa, so-
berana e fazenda nacional, para qae interponha
parecer nos autos de medicao da posse tAtalaia,
perteneente a Alexandre da Motta Canto, tendo
sido aqaelles processados ao juizo commissario do
municipio da Escada.
Ao inspector da thesoararia provincial, au
torsaodo-o a proceder nos termos de sua informa
cao, con referencia da coo'adoria, acerca do
pagamento da despsza feita cora o sasteoto dos
presos pobres da cadeia do termo da Escada, do-
rante os mezes de janho s agosto do anno passado.
Ai mismo, dizendo qae ple proceder de
eonformidade com a sua informaco, quanto ao
pagamento da gratificaejio que ao incluso reque
rimeato solicita o 2. sargento do eorpo de polica,
Joaqaim Srvalo Pereira da Paz, na qualidade de
commandante do destacamento de Aguas Bellas,
Ao commandante saperior da guarda nacio-
nal do municipio do Recife, reeommendando a ex-
pedicao de saas ordeas, para que urna guarda
seja postada em (rente da Igreja de Nossa Senhcra
do Rosario no bairro de Santo Antonio, afim de
assistir a festa da mesma seahora, qae dever ter
lagar amaoba naquella igreja.
Ao jaiz de direito da comirca de Giranhun
dizendo flear ioteirado do despacha que dea no
processo crime, em qae sao reos Francisco Flo-
rentino de Araujo e Miooel Fraocisco, e qae abs-
tem-ie de emittir juir.o sobre a consul.a jue faz,
por nao ser o seu objecto da competencia da pre
sideocia.
__Ao eogenheiro encarregad* das obras ge-
raes.__Representndole o Exm. vice-director da
Faculdade de Direito d'esta eidade contra a reine
tancia do arrematante Antonio Jacintho, em nao
querer concertar o algers da sala grande da
mesma Faculdade, resultando d'ahi, nao s ficar
estragado o papel do forra da dita sala, como
lambem o da saleta do director, achaodo-se ago-
ra de mais a mais estragado o da sala da coogre-
gaco, e quisi despregida ama das tabeas do
forro da sala grande, a ponto de cah'r, e seodo
coaveniente qae taes concertos sejam feitos antes
da abortara do proxino concurso, que deve ter
lagar a 4 do mez vndouro, providencie Vme. no
sentido de que o referido arremataote, nao s d
se pressa em concertar o algers e fazer os mais
repafos allulidos, como tambera a, dentro de
doas mezes, mandar forrar saa casta a sala da,
congregico, de raodo que possa oella ter lagar o
concorso indicado.
Outro sira comrannico-lhe, para seu eonheci
ment, que j offleiii a ihesoaiaria de fazenda no
seotidojle oo pagar-se ao referido arrematante sem
segunda ordem desta presidencia, quantia alguma
a vista do qae expozo mesmo vice-director em of
flcio de 26 do corrate.
Portara :
Aos ageotes da compaohia de navegacao Dra-
zileira maodaodo lar transporte para as Alagoas,
por coota do mo terio da guerra, oo vapor 8.
Jacintho, a Maria Francisca da Cooceico, mulher
do soldado Fraociscd Jos de Souza, qae segae
para all.
Despachos:
Clementino Bfzerra de Albaquerqae^ Iadeferi-
do i vista da informaco.
Candido Praoeiseo Sim59s.Passe portara on-
celsodb a licenja requerida.
Gaiierrae Joaquina da Silva Braga.Informe o
Sr. eogenheiro chafe da reparticao das obras pu-
blicas.
Irmandade de Nossa Senhora do Rosario do bair-
ro de Santo Antonio desta eidade. Sim.
Idalina Maria de Castro Muniz. Informe o Sr.
director geral da insiracc.i publica.
Iz doro Mannho Cesar.Informe o Sr. inspector
da thesoararia proviacial.
Izdoro Bastos & CInforme o Sr. inspector da
thesouraria provincial.
Jos Tiburcio Valeriaot).Prove o snppleaote
que o menor de qae trata orph;o e desvalido.
Joaqaim Srvalo Vieira Paz.A' thesouraria
provincial com offlcio desta data.
Bacharel Leandro Fraocisco Borges.Passe por-
tara concedoslo a licenca requerida.
Manoel loio Cancio.Nao tem lagar o que re-
qaer, a vista da informaco.
Bacharel Maaoel Hoonqae Cardira.Remettido
ao Sr. eogeogeiro chefe da reparti(o das obras
publicas para tomar na considerarlo que merecer
a prelenco do suppiicante.
Podro Velho de Sa Brrelo.Passe pirtari coo-
eedendo a liceaca requerida.
Raymundo Theodoneo Jos Dornellas. Remetti-
do ao Sr. inspector do arsenal de marinha, para
attender ao suppiicante.
Thoraaz Ferreira Maclei Pinheiro. Interine o
Sr. Dr. jaiz de direito da comarca de Garanhuns,
ouvindo o respectivo juiz municipal.
David'D^illinm Bowraan. -Informe o Sr. inspec-
ter da tbesouraria provincial.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Oficio :
Ai gerente da companhia Pernambucaoa, para
qae, de ordem da presidencia, mande dar urna
Sassagem de e>tado a proa at o Rio Graode do
orle, no vapor que segu para all a Ignacio Jos
do Naseimeoto.
Maaoel Jas Alves, Francisco Pereira de Frei-
tas, Antonio Luiz Goncalves, Bento Jos da Sil-
va, Carolina da Silva, Antonio Jos da Fonceca
Jnior, Custodio da Costa Adriano, Antonio Jote
Farruco, Antonio Martins, Autonio da Silva Pe-
reira, Antonio Lopes, lunado Fernandos, Manoel
da'Costa Dioix, Manoel Goncalves, Antonio Gon-
calves da Costa, Salvador Goncalves, Jos Mar-
los, Jos Pareira, Joaqaim Martins, Joaqnim Jo-
s de Aroorim. Lacio Fernandos do Amorim, Jos
Luiz Ribeiro, Manoel Jos de Azevedo, Domingos
Jos da Canha, Antonio Pereira de Carvalho, Se-
ibo da Silva Pereira, Antonio Gomes da Silva,
Joaquira Tavares da'Silva, Man-el Rodrgaos da
Assumpgo, Francisco Rodrigues da Assumpco,
Joaquim Jos Das Farnandes, Fraocisco Jos Da
de S, Manoei Jos Pereira, Antonio Manoel Mar-
tins, Serfico Rodrigues Laraogeira, Joaqun Fran-
cisco Barbosa, Joaqaim Ferreira Abel, Maria de
Mosquita, Josa da Lomba, Adolpho Ferreira Bal-
thar, Alfonso Ferreira Baltbar, Jos Vidal George,
Acacio Pinb de Barros e Henrf Ellintto.
LONDON & BRASJUAN BANK UMITE.D.
Capital do Banca; 15,000 accSes
de100....j............ 13,333:333*330
Acces emiltidai 13,000...... 11,555:855*550
Capital pago a i5por aeco. 5,200:000*000
BALANCO DA CAIXA FTLiAL EM PERMAMBUCO EH 30 DE
ETEMBRO DE 1871.
Activo.
Letras desconlai as..........
Crditos diversos outros ban-
cos e caixas lliaes.
Caixa:
Em moeda corrette.
PEMAMBM
REVISTA DIAKIA.
PRONUNCIAS.-Pela delegaeia do termo do Ca-
la foram pronunciados : Maaoel Jos Monteiro e
Ad'ilpbo Maaoel da Silva, como ocursos no art.
269 do cdigo criminal; Laurino de tal, Manoel
Heorique do Carino, Manoel da Rocha, eJos Ben-
to Pinto, como incursos no art. 269 combinado com
o art. 35 do eodig) criminal.
Pela subd;legacia pa villa do Cabo foi pro-
nunciado O yrapio Manoel Cimillo, cora i .oearso
no art. 201 do cdigo criminal.
CAPTURA.Ni villa do Bonito foi capturado
mais um dos criminosos que se tinham evadido da
respectiva cada na raanoa de 23 de setembro,
DIARIO DB PERNANBUCO Se ehegar bojeo
vapor brasileira Cruzeiro do Sul destnbuireinos
amanha o nosso numero de segunda feira.
VENDA DE KEROSENE.A cmara municipal
do Recife, era cumprimeoto do art. 2 da le pro-
vincial n. 1019 de 13 de janho ultimo, acaba de
designar os lugares abalxj para onde devem ser
transferidos, ao praso de noventa das, os armazens
e deposites de kerosene actualmente existentes
dentro da eidade do Reeifa, sob pena de 30* e o
duploe tres dias de priso oa reiuc.dencia :
Fregaezia de S. Fre Pedro Gongalves.Ra do
Brura, da fabrica do Bowman em diante, e mar-
gera do mar no areial qae fica entre o arseoal d>
marinha e a fortaleza do Brum. a guardada dis-
tancia.
Freguezia de S. Jos.Roa'Imperial, e todo o
tsrreao a margara do Capibaribe, guardada a dis-
tancia,
Freguezia da Boa-Vista.Nos Colhos margena
do rio,a estrada de Olinda de Santo Amaro em
diante, na Capuoga raargem de rio no porto do
Jacobina.
Freguecia dos Affogados.Nos Remedios, na es-
trada de Motocolombi, na estrada de Jaboatao, na
Torre raargem do rio era distancia da cincoenta
metros.
MONTE PI BRASILEIRO.-Amanha esta so-
dedada solemoisa o seu prmeiro aniversario,
eora u na missa cantada sua padroeira, e em se-
guida sesso magna, no sobrado n. 32 da praca do
Conda d'Ea, segundo est anauacalo oeste Dia-
rio.
CORREIO DE PdRNANBUCO. No mez de se-
tembro ultimo arrecidou esta reparneo 4;695*900
sendo :
Sellos 2:278*440
Cartas 1:820*680
Moviraeoto de fundos 480*000
Assignaturas 60*000
Multas 46*000
Premio 9*800
Emolumentos 1*000
CONCERT PUBLICO.Em coosequeocia de ser
araaohaa festa aooiversaria do Hospital Portugae-
foi transferido para bsje a tarde o concert e pas-
seio do jardim de palacio, promovido pela sociedade
Doze de setembro e dos Artistas Mechanicos e Libe-
raos. Como nos antecedentes entreteniraentos, ha-
vor exposico das prendas offertadas, as quaes
formara os premias da tmbola.
O flm que se distina o producto desses con-
cert? tai humanitario e diguo. que anda
urna vez nos animamos a cbamat para el les a atten-
cio pnbliea.
FEST1VIDADE RELIGIOSA. Os devotos de
Nossa Senhora do Carmo, qae se veoera oo fron-
tespicio do convonto respectivo, celebram amanha
com esplendor e magnificencia, a festa da saa pa
droeira, occapaodo a trtbana sagrada o Rvm. Ao-
toiio de Mello e Albuquerqoe, ao Evaogelbo, e o
Rvm. Leonardo Grego, ao Te Deum. Logo depois
de terminado o acto religioso noule ser quei-
mado um Halo e sorprndate fogo de artificio.
HOSPITAL PORTOGUEZ.-A jauta admioistra-
liva deste importaote esUbelecimento commemo-
ra amanha a fesla anniversaria da installaco
respectiva 16 anaos, com teda a magnificencia
do cosame.
A's 10 horas do dia ser celebrada a missa so-
lemne, lazando o panegyrieo de S. Joo de Deas
o Rvm. Sr. fre Joaqaim de Espirito Saa'o ; seodo
nesse acto entregues as cartas de liberdade das
meuoras Elisa e Delraira, gratuita e expooianea-
mente alforradas pelo soeio o Sr. Candido Alber-
to Sodr da Molla.
A partir das 4 oras da tarde estara em expo-
sico ao publico o bazar de prendas offertadas, as
quaes sero entregues aquellas pessoas qae as
desejarem, mediante a esmola que cada um qui-
zer dar.
PRACA DO CONDE D'EU.As pessoas qoe se
interessara pelo ajardioameato da praoa do Con-
de d'Ea, oa fregaezia da Boa-vista, devera rea-
nir-38 boje s 7 horas da noute era casa do Sr.
Dr. Moscoso, a ra do Visconde do Albuquerqoe.
MSICA NOVA.Acaba de sahir a luz, da ly-
ihographia do Sr. A. J. de Azevedo, i roa do Ba-
ro da Victoria o. 11, urna liada peca musical do
maestro J. Leybacb, deoomioada Uve SAmour,
digna por roaisd'um titulo de figurar no repertorio
das nossas leitoras. Reooramandamo-la, portanto
aos apreciadores da msica.
LOTBRIA.-A qae se aeba a venda a 210." a
beneficio do hospital da ordem teraeira do Carmo
do Recife, a qnal corre no da U.
>aPASSAGBIR03.-0 brigne portaguet Trinno,
troaxe do Porto o seguintos :
-:

Rs.
Pat'O
Capital fornecidrj
matriz......
Depsitos:
Em conta cor-
rente......
Depsitos flxos
e por aviso.
pela calxa
55:588*650
62:768*500
Crditos diversos,
eos e caixas lili;
utros ba-
es........
1,046:308*640
#164:949*580
938:998*280
2,947:256*500

888:888*890
uti
1^18:357*150
740.010*460
2,947:256*500
Rs........
S. E. & 0. j
Pernambuco, 6 de ontubro de 1871.
W.H. Bilton.
Por sccountant,
PUBLfCACOES A PEDIDO.
RKL.-tiTORIO
MEDICO LEGAL, ACERCA DA DOENCA E MORTE
DO BARO DE JARAGUA, POR ANTONIO MARfA
DOS 8NT03 BRILHANT5, MEDICO CIRCB
GIO.
(Conlinuaco.)
E na maconeria que alguns mdicos procuram
assopro da sua caireira futura.
c Arl. 115. ApeDas constar em L.*. a uaenc
de algum I.-., o Ven.-, convidar osII.*. Fa-
cultativos ha ven lo-os a irex offerecer ao I. en-
fermo os soccorros da saa arte. >
(Regulador da R. L. Fortaleza).
A iilusiraco dos facultativos assim aprsentela
prova duas cousas: urna apparacerem aonde nao
sao chamados... outra irem apresentar-se ao
doente quo j tem muitas a sea lado o prati -o da
sna confianza. No prmeiro caso faltara a todas as
regras de moralidade; porque se vo offerecer,
e o medico nao se apresenta sem a confiaoca ecba-
mameoto previo do doente : no segundo caso, pa-
receque vai ser espio do medico asistente'.
Estes facultativos nao hesitam nos meios I...
Os homens polticos teem em sua casa maitis
destas invasSss... e o assistente, eomo en tenho
feito (visfo qae a cabecera do doente nao vejo a
poltica e vejo a humanidade). para nao tolerar a
torpeza desta moral, p5e o chapeo na cabera a
retira-se. Meando o doente as mos das maio-
rias, > que o lado d'onde est a intelligeoeia
culta...
Alera disto, estes pratcosqaerera ter a ioicfa-
liva eo mandato, e hzsai-se crticos insolentes^
porque urna forca occalta os Incita a isso. Vi-
jaraos?




Quando a palavra Ihe chega
Na chafarca, pomposo
A fronte aos ouvintes rega,
E qual sen deiro manchoso
A oda instante se pega.
C fra do-lbe carolo,
Retoma em.casaa loqula,
E o mundo chama-Ihe tolo.
M. Roassado, Noites de Lisboa, pag.
A historia falla das calidades medicas de ara
modo desfavoravel. Vejamos :
Gaddesdeo foi prmeiro medico inglez qae ce-
capou o cargo de medico de ura rei; porque ata
euto este cargo linha sido oecopado por medce
esiraogeiros. Tendo sido mandado corte d>>
Edaardo II, diz o historiador, para Ihe tratar sen
filbo, qae eslava com bsxgas. este medico fes n-
volve-lo em estofo escarate, e ordenou que todo
que cercava o sea lello fosse ornado da me-
ma cor.
Procarava por este pamposo ornato eotreter a
corte, e jalgava cooservar, por semelhaote amo,
a voga de um medico de < grande capci
dade. >
Usava muito destes extratagemas, sempre qo
tinha occasio, e por isso se fazia admirar. A me-
dicioa eslava eolo em estado to lamentavel, qo *
ella devia a reputado de hornera sabio s a ees fu
cons de faire.(Dic. Hist. de La Medecrae).
Nicols Flammel, uataral de Pontoise, leve
reputaco de ter aehado a pedra philosophai
saa "figura e a de sua raalber Ternelle j
collocados no cemterio dos Sanios looooeqias era
Pars. Esto representados de joelhos diant -i
Nosso Senhor, qoe est eotre S. Pedro eS.noi-.
cora algaos aojos e entras figuras symbollea*. .^..
Ha deste medico um pequeo traiado deeii-
E'**A pedra philosopbal desle hornera, t oj-
tonador. !S oPter possuido os.W *":
antes que elles fossem expell.dos de Franca, eqo,
seas bens fossem confiscados no XJV seculn-
Flammel que tinha conhecimenlo de todos os seas
neaocios, procaroa osdevedores, e compoz-seeoi.
elles com a coodioo de oo os denunciar. F ii
assir qne elle nesse tempo ajanloa sommas ira-
ineo'as, o qae se attribuio a forlaoa da ana pedr*
dra philosopbal. Hist. da med, vol. 1., pag.
362. i
< Nicolao de Blegoy oasceo em Pars. Pelo q:
diz Astrac. (De raorbis veneris, lib. 6, pag 531)
eoostrucco das fnadas para o tralamento
he-nias foi a saa pnmeira oceupaco; e a raed. -
cridade rio seu saber devia conserva-lo sempre o o
exercicio desta arte. Mas, seodo mais Misado q 3
mereca o caraeler do seu genio, e a extensa seu3 coohecimeotos, foi oomeado cirargiao da rai-
nha de Fraoca em 1678, e cirargifc ordinario u
Felippe duque de Orleaos em 1683.
A
esl >
ti
'

1 I



f

v
.

I
\
1 %l
*
1
\
i
Durn* i A sua fortunanao ilou limitada: era 1G87
foi elevado a aTjfiraaTe 'da mediej e Luiz XIV, e
ao maemo tempo eleito director da sociedade a
qne rdea o norae deacademia das notas des-
eobertaa ea> Aftitfin'.
E coraoT Bfca pareca oecupar-se da pro-
moco do sen fftorilo, que, debaixo d'ura exteriar
engaador, sabia eetnltar sua ignorancia e im-
prudencia, W previo no lugar de primeiro medi-
co do re era o9J.
A Franca espantada! nSo vio, aera temor, urna
vila tio preciosa coofiadaia ma)3 (Tura bumem
sera costamos, sera sciejfla, o' sem estndos.,
qua o tinha; elovaJo ra-
o" Be honra, racatr-u
tentar-M nai elev3es
aplanado o cauriuho, <
wido de ntero.
LniyUV maadou o
Je-
[pgio
urna
misera vel-
tec
ell
< Mu a mesraa fon
pida mente ao mais al
logo quanto diBcil
quaodo a virtnde nial
o fundo natura! de
A i de juoho da
eocarcerar por multas razos; e pou
pois foi deslerraKbaru Poitiefs, d'i
para Avigaon, eTlf certa reputacao; mas no nm acaboa
mente.Dic. hist. de la nied.
A historia respaila os grandes mdicos. Ca.
bani< na idade de 30 anoos oi membro da Con-
venci, era amigo do medico de. JdiCalieaftt. Ni
cenca desle tribuno, perturbado pelo perigo em
qae o acbava, quiz ouvir outros colegas; porcm
o doente nio consentio. Pode obter que entras se
no qtiarto o grande Petit, de quem narroa o se-
guinte (acto:
Entre oairas ancdotas cont:- he a stgain-
te : Petit tratava o Delfira, aquella que morreu
poaco lempo antes da revolucio. Urna carruagem
da raiuhi la. bascar Petit duas. vazas por semana
a Fontnay aux-Rises para o levar a Verstiles.
Um dia a carrqagem v?o vasia ; o me {ico reeu-
aon-se a vir. Xa visita seguipe, a rainria cemu
roo-o da ana negligencia, que ella julgava raaudi
la. Elle responden '.' qae tinha sido dalilo por
ama camponeza em trabalho de parto, e qae es-
tiva no perigo mais eminente. A raiahl em toa
picante: por Uso que abandonasteis m ;a fi'ho f
Seuli >ra, eu nao o abaudonei,.'repicou Petit, quan
do ell fosse uro. creado das vosaas estribaras eu
nao o teria traalo rom mais attencao...
Cabanis, sur la raaladie et la mor de Miraba in'
par. 300.
Que medico lana entre nos o mesmo ?
O Dr. Jlo Lopes Maraes foi lente da univcrsi-
dade e Coimbra e um medico de reppUijao em
toda a pennsula.
Era 1837, sendo deputado, cabio doente a Sra.
D. Mirla da Gloria. Era ministro Manoel da Silva
Passos. Serios cudalos psavara sobre este mi
:urastaaeias. Pule a V. S. assim delira. E l\. I.
Recite 6 de Ontubro de 1871.O promotor pu
blico.Jos Joa,jaim deQUveira Fonoeca.
Atiesto asmticamente, sendo que spere por
F. S. al a hora mareada para comear pro
cesto.
Reclfe, 6 de outobro de 1871.Paalino Chaves.
Antonio-Milbnrges Saraiva Galvio, escrivio ia
termo do juizo municipal da Ia vara da cidade
do Recite em virtnde da lei, etc.
Certifico que tendo panado mandada para noti-
fieacao.oas leetenauobaa que fltavarf^deoor no
summario a que se refere a pe t i cao retro, no
mesmo. inclu o Dr. promotor pnblico, e seado-mej
honleqa na audiencia entregue o referido manda-
deselle consta nio l?r silo intimado mesmo por
nao h\iSf sido encontrado. O referido e verdad
constados autos e dou fe.
Recfft, 5 d ontubro de 1871.O escrivio inigp
rio.Amonio MUburatt Saraiva Galvo.

nistro da revolucao, e por issq, para jomar as anas, cenlo ao mei
4.* seccao.Pala:io do governo de Pernambu-
co em SI de junho de 1870.
Remetto ao Sr. saperintendente A. de Abreu
Poilo. da trunos ntbanas do Ricite Olinda, para
seu coahecimenlo e execaclo, o regalamento desia
data incluso por copia dado para o serv jo desta
erapreza.
Francisco de Assu Pereira Rocha
COPIA.O vice-presidente. da provincia, tendo em
vista o reqaeniSento de 19 de abril ltimo, do
superintendente da corapanhla dos trilhos urba-
nos do Recite Olinda, e os parecer da direc
toria da raesma companhia e do engenheiro die-
re da reparticao das obras publicas; resolve, ae
ccnformidade cora p art 4* | 3" da lei n. 667 Je
23 de abril de 18S6 e arta. 14, 17 e (8 do con-
trato de 2 de jalho de 1858 approvar o seguin
te :
REGUUMENTO '
DOS TBENS DE PASSAOKIIIOS
Art. 1.a Os trena diarios ;erao compostos de wj
go-M para tren classes de passageiros, osqoats
pngaro os precos flxados aas tabellas annexas A
B.C.
Art. 2.a Os passageiros s tero entrada nos
carros cora um bilhete ou passe de circulacio,
competentemente fornecilo por um agente da cum-
pa tnia.
Art. 3.* Os passes indicarlo o norae do passa
geiro e o dia da viagem, e nao podero ser trans
feridos.
Art. 4.' A companhia emittir bilbetes de assig-
aaturas measaes, cora o abate de dez quinte por
reaolnfes diiendo-se que a raiaA^ eslava muio
mal, pedio ao Dr. Joao Lipes para ir cora, elle ao
paco ve-la, e dar-lbe o su juizo, e foi.
Entro a no quarlo, observou-a como observ/ria
nma raulher do'povo, e disse Ihe : Vossa itagesta
de tem um ligeiro en^ommodo, seus mdicos si"
uns estpidos, andam a dlzerque Um nma gra-
ve doeng /
Tome cha d'alt,a, conserve e% amanba na ca-
ma, e no dia seguate levante-se. Se fosse urna
mulher do povo j eslava boa.
Paaaados os tres dias, apresentoa se Mapoel
Passos, e vendo a soberana a p d sselbe : f ;l". cito
a Foisq Magestadjpe'a* suas melhjras, e por ver
verificado o vaticinio de um medico ablusado,
lenta da univeraidade, e de reputado peninsular.
Sera verdade, replicn ella, mas muitV mal
creado...
As maneiras na corte supprem quasi sernpre o
saber e a probdade I / E sao preferidas ao saber
provado e por isso os desastres apparecem all na
idade mais rucate M "
Estando a estudar na universidad*1 um ganro do
visconde de Benagazil, leve ura lypbo. Sua raae
(qae anda vive; veio do Porto a Coimbra na :ooj-,
panbia do Dr. Jos Pereira dos Ris. Fez-se-lne
ama jama a qae assistiraip, o pratieo assisleme,
os Drs. Res e Joao Lopes. 0 assisient fez a his-
toria da d enea, 'coocluio dizendo est.perdido,
tem liogqa de papagaio... A mae aiQcta, porgan-
ion : que diz. o Sr. ? O Dr. Joao Lopes respon-
den : oo se afflija minha senh ira, aqu o meu
collega i que tem lingua de papagih.
O Dr. Joao Lopes Uoou tratando o doente e es-
cap >a. O esiudaule cnrsou a uoiversidade, e ca-
sou em segundas nupcias com duas Blhas do vis-
coa le.
0> praticoi assistextes do bario de Jaragu,
alm de terem Ungua de papagaio, foram victimas
innocentes dos clculos criminlos do bario d'Al-
caaiarilba. ,
E-te< praticos freqaentaram a mesms escola que
eu freqaentei, e ena conferio-lhe urna carta. Nao
obstante a lei ser igual para todos, du'vido qae as
sua- carias tentara o mesmo cunti acadmico, h
lo j (|ub 91'jillU cou-iJeiddas e ot)tidas. com a
mestna independencia. Mas o que l Ihe reconher
ceratii, nem podiara aquilatar, era a igualdade d
iotelligencia e de saber. As escojas nao fazem ca
becasiguaes e cada um.gosados dons qae fhe
conferid a providencia.
Esta riqueza nao igual para todos.
Postas ests considerasoes, para memoria dos
asistentes do baro de Jaragu, e para de futuro
lerem mais caulelfl com mptejos miseraveis as-
sacados na ausencia do ihdjvidao, que pode e sa-
be desiffrontar-:e da insolencia condemnavel dos
HRnicasTnos, passo a entrar na q-?eslao, mdico-
legal, esperando que por e^te trabalbo a sociedade
e a familia do bario de Jaragu tenhao urna repa-
racao justa perante os tribaoaes e a moral sc'iaK
(Conlinuar-se-hoJ.
Processo de sdalas falsas
O lberal insiste boje.na censura, que me tem
'eiio relativamuote ao que ocwrreu na audien-
cia de 19 do mez fiado.
Nao voltaria eu imprensa, se nao fosse esta
nova censura, com que se pretende corroborar a
prinHra :
E na quarta feira ultima, em que. mais dua-
* testeraanbas foram ouvidas.................
porqna deixou anda de comparecer o pro-
motor publico que na meama.bora foi visto
tao descangado pela jane.la de sen escriplorio
t deadvogado? Tambem da^uella vez nao re-
< ceben a intimacao previa Nio Ihe deram o re
cata verbal do eacrivao?
Von.dar a razio.
Na quarta feira 4 do corrate, s duas horas
da tarde, poaco mais ou menos, appareceu-me o
Sr. escrivao Saraiva, e perguntaodo-lhe eu quan lo
tinha lagar a continuado do|.summari contra o
teaente-coronel Reg Barros e outros, disse-me
elle em presenca dos sollicitadores. Marques G/)r
rea e Noblato : hoja foram inquiridas duas tetle-
viunhas.
Nio tendo sido notificado para essa inqairicio,
e faiendo ver i-to a o Sr. Saraiva, (sendo de notar
que ji era a segunda vez, que se da'va ess falta
so mesmo ummario), live a segrate resposla :
. V. 8. foi notifi>;ado pelo affial Godofredo, t de
clarou que estava doente canto consta da certiiao.
Nao s muito admirado, mas al indignado
costra semelbaole inexactido, mandei imaieliau-
mente chamar o ofikial Godofredo, o qual allraiou
qne era inieiraioie inexacta aquella asser^ao,
visto como no da 3 acabou de notificar as tes'.er
iminhas s quatro horas da tarde, e procurando,
me no dia 4 antee de comecar a audiencia, nao
me enconlrou, ptlo que certifico* nao me hacer
notificado.
Procurei verificar ludo Uto, atim de resguardar
em tudo os nteresse,s da justica, e o resallado de
miabas pesqaizas consta dos dosaraeotos, que em
eeguida publico.
Ji requer que fos3dm de novo inquiridas todas
as testemuubas que deppzer.im nos das 29 de
setembro e i do corrate, o que (i delerido
pelo Sr. Dr. juiz municipal da 1J vara, aposar da
'pposicio eita poc. parta do* feos.
Era isto o que eu devJa fazer, e nio aimiuir
depoiraentos nullos, contentndome em manijar
ler um delles (porque anda nao eslava assi^uaao)
e em fazer perguntas a. urna das testemuubas,
qae depozeram era miafia ausencia.
Quaato i respj>naliitidad(s, em que incorrea o
serivao, acabo as recebar algumas cenjloe,
qne requer e eram necessarias alim de torna-la
treclrva.
Becife,de outuoro de 1871.
Olweira Fonceea.
lUm. Sr. Dr. juiz municipal da 1.' vara,0 pro-
motor publico da-comarca, nao tendo sido notiS-
eaao para cojap^fecer no dia 4 do correute
audiencia deaf#imzo, e assUlir oraiiauacao fio
snBBmarU instura4o contra o tenante coronel
Reg Barros e outros; e cons lando -Ihe. que na
mesma aud.enca V. 8. pergunu por mais de
3ma vez ao eseriva, Sawiva a 0 supplicanle ti-'
nba sidonotilcjtdo,; respondtndo o L.:9raoescr-
vio affirmatisampoje acci ittpplicanU diitera :ao oficial de justka'estar
doente; coaatndojambjro que V. S, apesar.de
temelbante reaposta, dignou-se aperar dez minu-
tos, procedando inquicao de duas te=temu-
nhas: requar V. a ben. dos ulereases da
Jastica, se digna de declarar por sen raspeitavel pe}.
despicbo. se verdade (erem-ie dado iaes cir-lxima, '
A-t. 3. Nio serio admittidas assigaaturas senao
para as 1' e 2,' classps.
Art. 6.a As assigaaturas podam coraprebender
tambem os dias santifleados, ou somante os dias
uteis, secundo convencioaar o assignanie.
Art. 7." E' expressanenie, prohibido a qaalquer
passageiro :
1. Viajar em carro de classe superior a que
Ihe der direito o seu blijte.
S 2.* Viajar as varandas ou plataformas do'
carros, e deorucar-sa parafra.
3.* Eatrar a sabir dos caros e passar da nm
para cutro carro estando o trem em movimeolo.
5.'t.* Fumar nos salo ou carros fechados de
1* classe.
| 5. Condnzir materias infhraaveis ou objec-
tos, cujo cheiro possa incommodar aos demais
passageiros.
6.* Viajar descalco em carros de 1.a' ou 1
classe.
Aru 8." Ninguempodei'iconiazir nos cairo,? de4campanha
Ia classe, espingarda nerpoutra qualquar arma de
fogo ; e para poder fazs lo b'o de 2;' on 3' classe,
preciso que a arma esteja, descarregada, o qu
deve ser verificado pelo conductor.
, Art. 9.* Nao serio admittidas nos carros crian-
gas menores de seis anns sera pssoas qae a
conduim, sendo qae as menores de tr;s adbo
ero lvalas ao eolio e nada pagarlo, e desta
idade at seis anoos pagario melada do valor da
passagem.
Art. 10. B' interdicta a entrada as estaco s e
nos treus:
1." As pessoas embriagadas ou indecentamen
te vestidas. '
2.* A"s que padecerem molestias contagiosas.
ATt. 11. A di'posicao da art. 8 nao se rtfre
aos agaqtes da forca publica que vajirem em ser
viro da polica.
. Art. 12. Os passageiros sera biinete, on que
apresentarem passes cancedidos outrein ou em
dia difireme do que rasar o mesmo passe, paga-
ra' urna v?gem inteira, qualquer que seja o pon-
to que e dirija.
Arl. 13. O passageiro que exceder o traje:to..a
que se der i bilhete por elle comprado, ou qne
viajar era carro de Classe superior a qTie Ihe der'
direijo o bilhete ou passe. pagar o duplo do ex-
eegso.
Arl. li. O passageiro qne inflmgir qualquer
das disposic5es do presente regulamento, e, depois
de advertido pelos empregados da companbia per-
sistir na infracr;5o, ser posto fra. da estagao ou
carro era que estiver, restituindo-se Ihe o valor d
bilhete que houver comprado, se nao liver crne-
cado a viagem.
DOS TRE.XS DE CARGA.
Art. 13. Cada passageiro pode transportar gra-
tuitamente e son sua nica responsabilidade, um
volume de bagagera cujo peso nio excela a dez
kilogrammos; contanto que possa ser collbeado
por baixo de seu lugar e nio incommode aos d-
raajs viajantes.
Esta'concessao nao, se entnde senio aos ob-
jectos de uso ordinario, iaes como,ronpa, artigos
de toilleie, etc.
Art. 16. Toda a bagagera que nio se achar as
condiQoes do artigo antecedente, deve ser regis-
trada 6 ser transportada d conformidade cora a
tabella anaexa sobre a lettra D, pelo trem de
ca-ga.
Art. 17. Hiver diariamente pelo menos um
trem de carga do Recife Olinda, e ontr'o desta
para acuella cidade, mas em lv r is em que nio
najara trens para passageires.
Nio haverao trens de carga, nos dias santifica-
dos nem i noute.
Art. 18. Nenbuma carga, bagagem na aniraal,
ser despachada sera que os respectivos donos
ou despachantes declaren) no acto do pagamento
d> frete o lugar am que devera ser descar/egadas
aura de ser collocalo no volnme ura rotulo im-
presso (art. 35) devendo se for era alguma das e*-
taQes intermediarias, haver pessoa prompta para
recebe-las iromediatamenle. (art. 28).
Art. 19. As rnercadorjas despachadas para as
esta-oes da Eucruzilhada, Olinda ou Beberibe, po
lera ah permanecer al 24 horas.
Art. 20. Findo o prazo marcado no artigo ante-
cedente, pagario os destinatarios u douos a >r-
mazenagera de 6'0 rs. diarios por unid.-ide ou frac-
ylo de 10 kilogrammas pelos primeiros trinta dias,
e deste prazo em diaule 100 rs. pela metma um-
dade.
Art. 21. Os objetos da grande volume. e peso,
porm de pouco valor como lijollos, cal, madeiras.
etc., pagario.o frute indicado na tabella E, deven
do a cal ssr ensacada, e os objectos carregados ou
descarregaps cusa oa pelos proprios donos, ou
descachantes, podendo poim s-Io -pela compa-
nhia mediaste ajuste previo.
Art. 22. Os objeclos do raaior responsabilidade,
como : vidros, louca/roobilias outrca.dessa m-
tareza pagario o rrete estipulado na tabella I),
cora augmento de 50-*/o e serio.carregados e des-
carragadoa a custa, isto pelos propnus donos ou
despachantes.
Arl. 23. A comparmia nao obrigada i trans-
portar voluraes de pega superior a qulnheptos k
o'grammos,nem tio poueo objectos de mais valor,
como joias, dinheiro, ete^ seno cobrando, alm
do respectivo frrtte, mais raeio por cento ai ralo-
rein, e declarando. no respectivo coohecimento a
importancia pela qual fl:a responsavel, -
Art. 54. Os animaes e aves domesticas s pode-
ra.sor transportadas se estiverem acondjcionidas
dentro de caixSea,"barricas, eapoeiras ou gaiglas,
e pagando frete duplo ao estipulado na tabella D
C\i eSes, porm, s podefo ser despacha Joa se
estiverem amordazados, e pagario o importe de
urna passagem de 3' classe.
Art. 2o. Os animaes de qualquer especia qae
nao forero retirados das estatices immedjalamente
depois de ah ehegarerrij poderSo gerrecolnidos a
qualquer deposita por eonta e risco de quem per-
leacer.
Art, 26. E' expressarpente proh,ibido o transporte
da plvora ou caira qualiwer materia infj.iruraa-
vel, excepto com jutorlaoJto do doator ebefu d
polica e em carro especial.
Ar. 27 A responsabiMlade da eompanbia cessa
coa a entrega dosi*)ectos aos donos ou destina-
tarios, salvo o casos sp'eeificidos neste regoJa-
mento, e para os qnaes est dedada a rasponsa
biliaade.
Art. 28. A carga.que nio for recebida mma-
dlaxamente as estacoss intermediarias e nio aspe-
ciliadas no art. 19, padarao ser transportadas
al ettacio- que licar mais pro--,
at a da Kcruzilnada on Olinda,
Mgaaio o destinatario ou daa o excs da via-
gem 4 armazenagem se a houver.
Are 29. A companhia nao respond |ielas ava-
rias Inherentes i natureza das merealor, como
(Jejerioracio de fractas, diraraucj da foso, com
basti, espontanea efervescencia, evaporiti, on
esCnoaraento de lquidos; assim coma nio sari
responsavel por avaria de qaalquer natereza que
nio .for proveniente de negligencia de seus em-
pregalo.
Ar. 30 Os despachos serio feitos por nm eo
cimento Urntti ao despachante, e li viata
(Talle ser) eutragaes os objectos. sr
'Art. 31. A eoSpanhia obrigada aJtaB
tar dentro diJBfcoras os objctos despadud
sob puna de ama malta correspondente ao du
do v*lor do (rto.
Os dias sanflcad is nao sao contados
pletar. o prazo da expedicio das mercad
Art 32. Os objectos qae no flra de se
nio forem retirados das estarces, sera
am hasta pnblica par eonta e risco de*',,
teneer, para pagamento das despezas qao esive-
rem sujejto-, recolhsudo-He o excedente, aadapo-
sito publico; precedeado, porem, aomia nos
jornaes por espaco de cinco dias pelo menos.
Pica licito aos donos ou despaohaetaa-abaadofiar
js objoctos transportados pelo preco da diviii u
armazenagem. "
Art. 33. Ni calculo dos fretes as.fraecjjJS de
dez kilogrammos padiri* por nidadeiMitieirs
assim como na importancia total do frete de pm
despacho as rrac;o*es menores de 10 rs. srito ton
lados,corno 10 rs.
Aft. 34. As mercidorias qne nio- podaren) ser
misturadas com .unirs, sera damiilija-Ua, po-
dero ser trAa9portadas em w*gon =peclllmenie
fretado para esse fia.
Art 31. Os objeets qae nio se achare soffi-
cie.iiemente acondieimados e que norerein
um endereco oa marca mteiligivel, potara ser re-
cusado- ou, entao serio transportadas i<*m rospon-
sabilidade da companhia, fazendo-se esta declara
ci nos respectivos coobeciraeo'.os.
Art. 36. Seeopre que um despachante otrearre-
gador precisar da um wagn para a carga com-
pleja de sua mercad.;ria, deve reqaisiu-lo "com
antecedencia de 24 horas, ficando o expeditor sn-
jeito nma molla de 5/000 por cada wigon. se a
mercadoria nio foi remetida estapio. na hora
conveocionada.
Disfosigoss Diransas..
A'-t. 37 A companhia poieru sob reqnisicio de
qualquer pessoa e sera prejuizo do srvico, expe-
dir trens especiaos de passageiros oa de mercado-
ria?, mediante as condiedes seguales:
1.a A laxa dos trens especiaes comprebendera
urna pane, bxa qae ser serasre de 2OJO0O. rs., e
outra variavel segundo a distancia, porm nanea
superior a 20/000 at Olinda oa 10/000 at a-Eo-
cruzuhada
%' Se a reqnisicio for para viajar das. oilo ho-
ras da n rata at cinco da rnanba, augmentar-ae-
ha 50,0/0 a taxi variavel.
3.*- O trem especial de passageiros constar de
um carro da 1* ciaste e de outra bagagem se lar
exigido.
4*0 trem especial de carga ser composto do
numero de waades que fr requislado, a o sen
prp?j ser de 20#000, laxa feita, e do frete dos
vrag5es exigidos com o abate de 20 0/0.
Art. 33. A importancia dos trens especiaes
paga ao acto da requisito, e ao contratador se.
entregara urna declarajio da bora em qua devar
partir o trem.
Arl. 39. Se o trem especial nao estiver pr implo
hora marala, poder o prejndicado haver da
o frete pago e mais 50 0/0, salvo os
Montepo por(>iiez ,
De coaformidade com o que diapd a primeira
parla do art. 22 dos estatutos, devem rennir-se
araanhaa, em atseibla garal, os ocios desta be-i
necente lnstitnici >, cora o flm de apreciarera os!
actos da actual directora, pois se acha prximo o
termino da sua admmstra$o.
E nos que estamos, mais ou menos informados
do quauto ha feito a Ilustre directora, viraos do
alto da imprensa dirigir nos aquelles dos nos^os
conscios em cajo peitn pu^steaV^tMIpre osJpt*J
nobdaa sentinjentos, por in*JHic.os que, com&esta
nosaa, tem to magnaniraofiqs eniUr lupi : ^T
> apreciar quanto estirn, dejljacao a zelo,
bavit i para com a socieoadV por lao illustres
admuiisira dores I
Ido apreciar a que ponto foi elevado o quadr >
social; quanto foi augmentado ti fundo da socieda-
de ; com qu criterio, cirelmscio candada foi
estribuido o aep rendimento; e como foramaem-
pre attendidaa, em preciso tKa^as necessldads
So socio desprovTdo, do enfermo, daviuva e do
orphao I ^^
Ide, ide ppis, dar, assim como n. do> alta desta
trionnsl damos, a Ilustre directora, um voto de
louvor, por to acrisolado amor a sociedade I
" Ide, e que vos fique bem gravado no espirito
:age.*tes
S. P. JOlfiSTON 4 C;
Ra da Senzala-noTa n.
4t.
SEGURO CONTRA FOGO
Tbe Liverpool A Loolon 4 Glob
Insurance Comparar.
Agentes r
Saranderg'BrptheQi 4 c.
liGorpo Sn|o11;
THE ALLUNCE BBIIISH. & FOQglGN.
Life and Fire Assnrajwe Conjpany estobelecida
em 1824. Capital 5,000,000 F,
Os agentes desta companhia toman} seguros
contra fogo sobre predios, gneros a faiends t
Ptfara aqui prejnizos devidamante provados.
Rabe Scbraeltan "ftC
Corpo Santo n. 15. ,
HACA PO RECIPE 6 DE OUTUBRO -
DE 1671.
aS 3 1/2 HORAS DA TASDl.
i ha feito, afl. de que as proxi- ,._ Co^coes 0fflciae8_.
ic5ss a que lindes de proceder, procuris Al?,dna?h^0vGoyanDa sem ")?Peccao-543 rs. por
casos de forca maior
Art. 40. Nao partindo o trem especial, na hora
estipulada em eoosequencia de m vjntaie on
negligencia de qaeii o baaver requisltado, perde-
r este o frete pag
Art. 41. Os trans especiaes podero, na sua rol'
ta para as olrlcioas ou ponto de, partida, ser con-
tratados cora o sate de.50 0/0 sobra os precos
estipulados no art. 37, coman que nao tenham
de ir alm do ponto de onde partiram on da offl-
cina.
Ar). 42. Os ulasares s piden ser transporta-
dos e:n wag-s Robertos e pelo preej da lotae/to.
de um carro de 3* classe.
An. 43. O superintendente competente para
representar companhia as reclamacoes de
qualquer natureza dos qae se jnlgare.n prejndua-
io^ pelos eiupregalos da* estafoes e do trafeg>.
'Art. 44. Toda reeiamacao que referir-se al-
guras laxa indevidamenla paga ou cobrada, parda
ou avaria, deve ser immedumenis dirigida ao cba
fe da estadio do Kecife, Olinda on Encruzilhada,
de coja deciso poder o relmante recorrer para
o siiperiatendenie, mas isia dantta de quareou e
uito horas, cabendo poim dessa decisao, recuros
nicamente para a directora.
Arl. 45. Os empregados da eompanbia.nio po-
dara exigir frele nem retribaicao alguma qae nio
estiver..de accordo com esse regulamento e tabel-
las annexas.
Arl 'i. Em cada nm dos trens poderao ser
transportados gratniamente dous passageiros e
150 kilogrammas de carga em ser vico pnblico, po-
rm cora o competente passe fornecido vista de
crdm do goveroo da provincia.
Art. 47 Os empregados da companhia sio
obrigados a ministrar aos expectores oa despa-
chantes e passageiros todas as informales neces-
sarias para a intelligencia do presente regula-
mento. .
Art. 48. Em cada nma das estacoss, quer prin-
cipaes, quer intermediarias, devem estar expostoa
ao exame dos intecessados as tabellas nao ( das
horas de partida e ebegada dos trens, como dos
pregas de passagens e cargas.
Art 49. Os trens de carga podero levar nm
carro de terceira e mesmo oalro de segunda classe
para as pessoas que tiverem da acmpanbar a
carga.
Aru 50. Os carros de passageiros e os de carga
serio lutados pelo fiscal do governo de acord com
o .superintendente, e sob pretexto algum peder
e-sa lotacao ser excedida.
Art. 51. As estates dividemae em prneipaes
a iuterirHdiarias; as prineipaes sao as do R' cite
E'ierusilliada e ulinda, e as intermediaras sao
todas as demais. de que tralam as tabellas A, B, C
e D.
Art., 52. as estacSes prineipaes haver um cha-
fe, um liel de armazem e os vigas e agalbeiros ou
guarda-desvios qua o servirlo exigir.
Art. 53. as estacSes intetmediras haver ape-
nas um bilbeteiro e os v.gias qae foreg precisos e
agultieiros-
Art. 54. Aos befes d^s estacoes prineipaes com
pete a responsabilidade np s dos vaiore* recebi-
dos em bilhete* ,e cenbecimentos de carga, .como
tambem de todo o material e trem. rodapi qne for
rtcolhido s respepivas estacos.
^Aru 55. Para, execijcio da disposicio do artigo
.antecedente dejaran us cbeej, de>Us e3tacoes
prestar perante:. superintendencia e a contento
della, flanea, idnea e proporcional aos valores que
Ihes forera confiados.
Aru 56. Os. bilhe/teirp3 das estaQoes ialerme-
diarias, bem como os conductores prestarle igual
mente fl tambem confiados.
Art. 57. Os chafes das estac5*s prineipaes pres-
tarlo conias emanalm?aie, e os bilbeteiros e con-.
ductores diariamente dos valores que Ihes forem
confiador
Art. 58. Os chefes de estaQo nao receberio 6a-
Sagem nem mercadorias para descarregar senio
* conformdads cora a guia que as deve serapre
acompanhar, e no caso de fallar algum volume
dos-mencionados na gua da descarga, devero re-
clamar dentro de vinte e quatro horas contadas da
chegada do respectivo trem.
Aru 39. Oa conhecimentos de frete e as guia?
decaiga serio passadas de livros de talio com-
pletamente rubricados pelo presidente da direc-
alegar, para a nova direccao, caracteres que bem
possam substituir e Igualar, em servaos a socieda-
de, a essea qua vo delxar-o poder. ,
Se assim procederdes ficar cerras qne, o Mon
te.-l'io, vira a-eer a principal sociedad psrlugueza
osla proyincia.
Se assim procaderdes fleai certas, qne, e vena*,
rando ancilo, mesmo longe c-oilo se acjia, se senil
r cheio de prazer e de nbre orgolbo, por saber
qua se eleva caa tez mais essa frondeae arvore,
cuja sement elle lampa na mais apropriada esta
c^o, em lao, productivo terreno,
Se assim prcderdes (Icai eertos, em flm, que
as heneaos do cp descerio sobre vos, pois que as
preces dsses cutes que se obn'gam sob a proteo
r5o de tio magnnima insliiuicio, atravassam o
espaco as azas dos checnbins e vo pouzac aos
ps do Deus e Misericordia.
Que essas palavras, pois, qu ahi ficam ditas,
actuem em vosso espirito, Ilustres consocios, o
que n*, pelo inleres.se da sociedade que nosso
tambem, ardentemente anhelamos.
Recite, 7 de outubro de 1871.
Alguns socios.
N. 321.-EN LOS CLIMAS TROPICALES el ca-
bello cae temprano sino se conserva con grande
cuidado. ^.
toa fricioo suave y frecuente con la escobilla
es menester para su desauvolvmjnto vigoroso :
pero lambien algo mas se rejure. Ei_ crneo
vuelve seco y precisa fuerza y vigor.
El mejor vigorador que se ha invntalo es el
Talco Orienul, que se asimila con.las secre
ciones de los va-os nnidos la mcula,.y asiste,"
producir una cosecha abundante y hermosa de
pelo.
Bigotes, barbas ralas vuelvense espesas, y vigo-
rosas bajo sn efecto estimulante.
COMMEBCHl
Segaron conlra-fego
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital.
Pondo de
,......20,000:000/000
reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
Mills Lathan A G.

kilo (hoje).
ti. O. Stepple,
Presidenta.
P. i Pinto,
Secretario.
ileadiinento do
dem do dia 6
ALFANDEGA
da 1 5 .
1G8.094I590
37:227*001.
205:32U5S2
novitueuto da alfadegn
Volomes entrados
Velnmes sahidos
com
cora
cora
com
fazendas
gneros
razeudas
gneros
231
478
209
541
-----750
709
Descarreeam hoje 7 de outubro.
Vapor inglesG/ai'aiormercadorias.
Lugar ingleSaral Sunthoami machina.
Lngar inglezGert o/ ihe Petad -varios generes.
tingue inglezCoilavanos gneros.
Brigue norte alleooBiirgermaiser Simedem.
Bngue porluguez Bella Figueirensil&gea.
Patacho norte aliemoHelios carvo.
Patacno americanoJames .Vi/teryarios gneros.
- Despachos de exportaedo no dia 6 de
oulubro.
Para os portos do exterior.
Na barca portuguesa Maria, para Lisboa,
carregaram : E. U Rabello 4 C. 20 pranchdes de
amarello.
No patacho porluguez Liberal, para o Porto,
carregaram : E. R. Rabello 4 C. 20 prancbi de
amarello.
Para os portos do interior.
Na bsreaca Duas Innaas, para Macao, car-
regaram : Jos Ferreira Pinto de Mesqnia 2 pipas
com 960 litros de agurdente ; Jos Ferreira Pinto
4 atesqnita i barrica com 23 litros de cervejs, e
para Mossor 4 pipas cora 192 litros de aguarden-
te ; Lmz Goncilves da Silva Pinto 5 pipas com
2,400 litros de agurdente.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBCO.
Rendimento do dia 1 a 5 9:674*212
dem do dia 6...... 4:547*214



lU'odiment do dia 1 a o
dem do dia 6 .
Coaipanhia d* seguros contra
-____________I
CONSULADO. PRVLNOAL
. 3:321*080
. 1:284*433
fogo.

TABELLA DO RENDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERNAMBCO IM) MEZ DE SETEMBRO DO
CORRENTE ANNO F1NANCE1RO, COMPARADO COM O DE 1GUAB8 MEZES DOS DOUS
AKNQ6 LTIMOS.
"1 .' '!..........

Jmportacao
Dlreatos de consumo,.....................
Dito d augmento de 40* "/ e 34 /........
Dito de dito de 30 % e 25 %...............
Ditos addicionaes de 5 %.................
Expediente de 5 % dos gneros livres de di-
reitg de consumo,....:...............
Armazenagem...........................
Despacho martimo
Ancoragem.............___............
Exportacqo
Direlos de 15 J0 do pao brasil.............
Ditos de 9 % de exportacao...............
DHos de2 1/2 % dem....................
Ditos de 1 1/2 % do ouro.em barra.......
Ditos de 1 */ dos diamantes...............
Expediente das capatazias................
Interior
Renda da typographia nacional............
proporcional por verba......
Sello do papel < fixo n.....................
(adhesivo,.,...............
Emolumentos...........................
Imposto de transmissao de propriedade, a sa-
ber : de 5 / da venda de embarcajao...
Dito de 1 % da arreraatacSo de beus movis.
Extraordinaria
Receita e eventual.......................
mi 1872
Depsitos


Depsitos de diversas origens...,.........
Dizimos da provincia das Alagas..........
Dito da provincia da Parariypa............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Conlribuicao para casa de caridade.........
489.321*982
15K:718i989.
!:444*661
96:012*828
l:257*8GO
11:864*016
2:055*460
84:399*478
1:042*700
3*000
2*000
003*000
406*800
85*000
44*7ia|
1022*313
1870 1871
514:I90673
193:o8o38
2.193*972
92:033*094
o:C336oi
'J:083io'S6
3:252750
i9:81lo22
849:302*739
14:347*090
7*008
12:739*251
5i*7!X)
1:305*744
877:753*625
Alfandega de Pernambuco, 2 de outubro de 1871.
879*381
12*000
Suc*0O
i 6*5650
301*000
3*550
901*540
873:193iQ10
24:018,5551
163.S871
4:131*603
l*507398
901:015*380
MOVIMENTO DO PORTO.
y avio entrado no da 6.
Porto39 dias, brigue porluguez T iumpho, de
280 toneladas, capitio Manoel Francisco Villar,
eqnipagem 17, carga vinbo e outros gneros;
a Primos 4 Soares.
Ycu-i'o 5*i/udo no mesmo da.
Rio Grande do NrteLugar norte-allemio Der
Fruhlint, capito A. L. KoiJte, em lastro.
Observucdo.
Suspenden do lamarao a galera franceza Can-
w//a, capitio E. H. William, com o mesmo lastro
que trouxe do Rio de Janei'rot
=
EDITAES.
O inspector, da alfandega faz publico, que
existipdo na mesma os voluraes alaixo declarados,
no .caso, de serein arrematados para consumo, de'
cimforraidade com p dispos' no capitulo 6 o titulo
i." do regalamento de 19 de seismbro de 1860 e
art. 18 do decreto o. 3217 de 31 de.'dewmbro de
1863, os sens.doposxin cooaigoatarios devero dea-
pacha los no prazo de 30 das, sob pena de, fiado,
O chpfe. da 2' seccao
Luiz Francisco de Mello Cacalcante.
dem MAB^I. 450-Urna
15 de dezembro de 1870, consignado a y.
jioMoreira Dias.
IdjemN. 131Urna dita, dem, tdem, dem.
Idjem-N. 132Urna dita, dem, dem, dem.
IdbraN. 134 Urna dita, idem, dem dem.
Id >mN. 135Urna dita, dem, dem, dem.
Id m-N. 136-Uma dita, idem, dem, dem
Id m-N 137-Umamta,t4eM'>eJdera.
Id< mN. 138Urna dila, idem, idem, idem.
Id* mN. 139Urna dita, idem, idem, dem.
IdeUN. 140^-aj dilapiden*, Nbm>, dem.
Idek-N. 111-Urna dita, IdemvJem, idetn.
Ideb-N. 112-rQpa catauajt ideavidem. idem.
Marca V 4 !.JS..7K>^Ua barriaa da mesma
procedencia no vapor ingles Gladiolos, entrado em
16 d dezembro da 1870.
demX. 836Urna dita, idem, dem, idem
dem. J G B-X. 40-Uma dita, idem, idem, en-
trado em 17.
IdaiV 4l-N.8tt-Uma dita, dem, idem,
idaav
Idem'-N. 822Urna dita, idsm, idem, idem.
demN. 814Urna dila, idem, idem, idem.
dem N. 831Urna dita, idem, dem, dem.
demN. 834Urna dita, idem, idem, idem.
Mazca J G B-N.4^4Joa-4Ua..oa mesma pro-
cedencia e navio entrado em 20 de dezembro de
1870, consignado a Joaquina Geraldtf Bastos.
demN. 7Ums dita, idem, dem, Idem.
demN. 8Urna dita, idem, Idem", idem.
demN. 9Urna dila, idem, idem, idem.
Marca V & L-N.788 -Urna dita, dem, idem.
ignora se a quera foi consignada.
demN. 7. idem91Urna dita, idem/idem,
demX. 797r-Uma dita,.idem, idem, idem..
demN. 809-Urna dita, idem, idem, idem.
demN. 8la-Uraada, idm, dem, ide/ .
demX. 82^-Uro* dita, idem, dem, idem.
demX. 825-Urna dita; jdem, Idem, Idem.
demN. 837-Uma d ta, idem, idem, idem.
Marca J. G B-X. 1- Urna di, entrada esa :f
de dezerobre de 1870, e consigna Ja a Joaqu ImGe-
raldo Bastos.
dem N. 2-Urna dita, idem, idem, dem.
demN. 3-Uraa dita, idem, idem, dem.
demN. 4 Urna dita, idem, idem, idem.
Marca V 4 l*-N. 784 Urna dita dm iguonra-
se a censignacao
demN. 785Urna, dita dem, idem.
Ilem-N. 786-Uma dita dem dem dem.
demX. 787Urna dita idem dem dem.
dem-N. 789Urna dita dem idem idem.
Ilem-N. 794Uma dita idem dem idem.
demN. 795-Urna dila dem idera idem.
demN. 796Uma dita idera idam idem.
demN. 793-Uma dita dem idem idem.
IderaN. 803 Uma dita idena idem idem.
demN. 805 Urna dita Idem idem idem.
Idera -N. 806.-Uma dita dem idera idera.
demN. 810-Uraa dita idem idem idem.
IderaX. 812-Uma dita idem Idem ilera.
MamX. 813Uma dita idem dem dem.
demX. 816 -Uraa dita idem idera idem
dem -N. 818 U-n. dUa dem idem idem.
dem N. 821.Uma dita idem idem idem.
demX. 826Uma dita"dem idem idem.
demX. 827Uraa dita dem idea ilera.
demN. 828-Uma d ta ipsm idem dem.
'demX. 829-Uma dita idem idem idem.
Idea),N. 835 -U na dila idem dem idem.
MarcaJjs F. P. Jnior S. N.- Uma caixa vinda
de Liverpaol, no navio inglez Amazon entrado na
mesraa data cima, consignada a J. P. Pereira J-
nior.
MarcaJ G BN. 5Uma barrica d i mesma pro-
cedencia no navio inglez, Gladialus, entrado em 24
de dezembro de 1870, consignada a Joaqnim Gerar
do Bastos.
MarcaV LN. 792,-lJma dita idem dem
idem igaora-.e a consignarlo.
ldem-N. 793-Uma dita idem idem dem.
demN. .799 -Uma dita dem idem idem.
demX. 801 Urna dita idem dem idem.
IderaN. 802Uma dila idera idem idem.
demN. 804 '-Uma dita idora idem idem,
temN, 808Uma dila idem idem idem.
demN. 811Uraa dita idem dem idem.
demN. 817Uraa dita idera idem idem.
demN. 819 Uma dita dem idem idera.
dem -X. 810 -Uma dita idera idam idem.
4:613*313 Idem-N. 830-U.n dita dem i tem dem.
MemN. 832 Urna dita idem idem ilem.
MamX. 833Uma dita dem idem iderc
dem -N. 838Uma dita dem idem dem
demN. 800Una dila idem idera idem.
Alfaudega de Pernambuco, 4 de ontubro de
1871.
__________Emilio Xavier Sobreira deilejiQ.
O Dr. Sebastio do Reg Barros de Lacer-
da, juiz de direito especial do coraraer-
cio desta cidade do Racifo da.. Pee-
natnbuco por S. M. a quem Deus goar-
de-etc.
Fco saber pelo preseute qne de novo, recebe
este juizo propostes em cartas fechadas eom o
maso de trila das a contar da pobcacio deste,
para a arrematado por venda das escravas se-
guales : Rosara, creoula de 30 annos poneo mais
oo menos, sadia, com habilidades avallada por
1,200*000, e Manuela creoula cora 18 annos de
ilade avahada tambero por 1,200*, sera habilida-
des, cujas escravas por ordem deste juizo liverara
o abate da qaarta parte do val-r que foram ava-
hadas, ficando em 900*000' cada nma e vio a
prac< a requerimenio do curador fiscal da massa
fallid a de Thomaz de Figaeiredo a quem perten-
ecen as mesmas; a anemalacao ser feita pela
forma qae determina o art. 1* do decreto o. 169o
de 15 de setembro de IMi i.
E para que chegue ao conhfcimenlo de todos
mandei fazer o prezente edital que ser afflxadn
nos lugares do costume e publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco aos 5 dias do mez de ontubro de 1871.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
escrivio sobscrevi. ,
Ao sello 300 rs. V. S. S. excausa.-r-Barros de
Lacerda.
Sebastio do R>go [farros de Laceria.
O inspector da alfandega faz publico, que tea
transferido para sabbado 14 do orrente o leijo
dos 89 kilograramos, psso liquido, das obras de
vime constantes do elitai d; 29 do passado,. as,
quaes nao foram lio]'; arrematadas por falla.ee
licitantes.
Alfandega de Pernambuco, 6 de outubro de 1S7J.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
14:221*426
1869 1870
562:105*91}
73:671*136
1:007*102
995474
2:031*660
129:917*298
1:394*440
371*280
209*120
1:007*100
170*160
1:422*000
1:223*891
775:526*878
870*811
25:077*918
668*150
802:113*787
"ri 60. O superintendente o unleo res- -". s!^ru^dos,1por ?on.'sem"q"ueTbes
ores dos bi- fi,'*n? corop^ttdo allegar contra os effeitos deasa
ponsavel perante a directora pelos valores
treles, fretes e mais objectos qne a eompanbia
precisar para regularldade do trafego e servico da
linba.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 21 de
janbo e 1870. Francisco de Asi Pereira Ra-
cha. Confere, .iNtoni* ^4h Jacome Pi-
res.
Pedido aos Srs. passageiros.
Itoga se as pessoas que iverem de embarcar
que munara-se de nilbetes aTJles de tomarem as-
sent.
Preco das passageus.
ao Recife a Olinda ou Estarib.
I* classe 00 ris.
- 2 dila 300 -
3- dita. 200
At a Eaerasilhada, porm, ser o cas'e de ca-
da uma das elaases menos 50 por cento.
os do.miflflos e dias saniifl^doJ haver trem
de tora f rrr hora.
O surAVilefldent6,.Andr de Abren Ptrto.
venda.
Armazem n. 9.
Mar,li A T diamante S'F-N. 1-Uraa. caix^
vinda de.Liverpool no navio inglez Amazon, entra-
do parao armazem em 18 da fevereiro de 18.
consignada a Johoston Pater 4 C.
MemX- 2-Uma dita, idem idam.idem,
Idem.JJL.Ceato e noventa e oitogigps viudos
do Havre no navio fraocez Aiele, entrado em 24
deaetenjbro de 1869, consignado a U.Leger.
IlemF. diamante_.\. 875).-ma barrica vin-
da de Liverpool no navio orJm Moa Field, entra-
da am 9 de dezembro de 1
Latham 4 O.
consignado a Milis
dem IdlreiroDous barra viadas de Liverpool
na nayto ingle Pascal, entrado ,ern S6-de maio de
I87D, consignado ao mesmo.
IdemeSAS-Vinte e quatro, bais de zinco da
mesma procedencia, no navio inglez Brilhante en-
trado ,em 20 de julho de 1870, eonaignado ao
mesmo, n-
Iden> B diamante F B-N..U-Uma .esla da
mesas procedeneja, no navjo ingjpz Wilte ofthe
Ttrger entrado era 9 de agosto de 1870, consigna-
do a Jonaslon Pater 4 C. dita vinda de Lon-
dres no navio fraocez Luiza, entrado era 20 de
agosto de 1870, consignado a Manoel Alves Bar-
bosa.
demN. 451Uma dita, idsm, idem, idem.
demN. 452.Uma dita, idem, idem, idero.
IderaN. 453Uraa dita, idem, idem, idem.
MeinN. 454Uma dita idem, idem, dem.
IdamN. 455-Urna dita, idera, idem, idem.
demX. 456Uma dita, idem, dem] idem.
demN. 457^-Uma dita, idem, dem, idera.
MeraX. 458 Uma lita Idem, idera, idem.
MeraN. 459Urna dita, ilem, dem, idem.
Mera J A A SX. 1040-Urna dita vinda de Li-
verpool no navio inglez Emifij, consignado a Joa-
quina Antonio Aarago.
Mera S B Sem numeroUm sacco da mesma
procedencia no vapor ingles Gladiator, entrado em
24 de outubro de 1670, censignado a Saunders
Brothers 4 C. -
dem J T 4 CN. 1Urna caixa da mesma pro-
cedencia no vapor inglez Savejfotor, entrado em 9
de eovembro de 1870, consignado a Johoston Pa-
ter 4 C.
demN. 2Uraa dita, dem, idem, idera.
demX. 3Urna dita, idem, idem, idem.
demX. 4Uraa dila, idera, idem, idera.
demX. 5Uma dita, dem, idem, idem.
demN. 6Uma dita, idem, idem, idem.
MeraDias MN. 18Una barrica da mesma
procedeneia no navio inglez Cigana, entrado era
10.de noverabro de 1S70, idem.
demN 17 -Uma dita, idem, idem. dem.
dem -X. 16Uma dita, idera, Idem, idem.
demN. 20Uraa dita, idem, idem. idem.
MeraX. 13 Uraa dita, idem, entrada em li.
demN. 14 Urna dita, idem, idem, dem.
demN. 15-Umadila, dem idem, idem.
demN. 16-Uma.diia, idem. idem, idea.
Mera V 4 B sem numeroUrna caixa vinda do
Porto no naio portugus Judith, entrado em 23 de
novembro de 1870, onsignaij a Veras 4 Barbedo-.
Marca V 4 BSem numeroUma dila, idem,
idera, id-m.
dem A BN. 705-Dita, iderx idem, idem.
demN. 706Dita, idem idera, consignadas al
Angeliao Jos dos Santos Audrade.
Marca AC J-Sem numeroUm* caixa vin-
da de Liverpool no navio inglei.il/adio/iii, ntralo
era. I5.de dezembro de 1870, jonsigtjado a J. Anto
nio de Araujo 4 G.
Marca M P D-N. 130-Uma barrica da mesma,
proeedeacia no navio inglez Deanphire, entrado

DECLABACOES.
Fallencia.

Nio tendo tido lugar a renniio dos credorea da
massa fallida de Jos Antonio da Costa Vleme,
n) da 30 de setembro prximo passado; sao peio
presente convidados, por despacho do-III m. Sr. Dr.
juiz especial do commercio, i reun.em-se no da
7 do crreme s 11 horas da manbia, na sala das
audiencias, para iratar-se da verificacio dos cre-t
ditos e da formr.cao do contrato de uniio.
Recife 3 de outubro dd 1871.
O escri-ao do commercio,
Ernesto M. Freir Pereira da Silva*,..
O fiscal do Curato da S de Olinda, fsz scd-
to aos Srs. proprielarios dos respectivos predios,
que, no praso de 15 das cornados da presente dsia
deverio reparar os passeios de suas propriedade,
de conformidade com as posturas municipaes em
vigor ; ficando sngeitos os infractores, as disposi-
S-Jes do art. 73 de ditas posturas.
Curato da S, 7 de outubro da 1871.
O fiscal,
_____Jogifuim Cesario da Rosa.
Nonios dos alumnos externos do gymnasio,
qie faltaram as suas respectivas aulas no mez ae,
setembro prximo Modo.
Luiz Mara da Silva Oaveira, 24 faltas. 12 em .
lalira e 12 em fraocez.
Joaquina Doraicio Leoooldino Ferreira, 9. faltas,
3 era latm e 6 en aritmtica.
Cleofar Baiiiopsiniano, de Medeiros, 6 faltas, 3
era latim e 3 era fraocez.
Jos GonQalves das Santos, 6 faltas, 3 em fraa-
cez 3 e em ar/lbuMUica,
Jos Francisco do.Reg RangeJ, 6 faltas ero .
fraocez.
Amador Amao. de Aranjo Pessoa, 9 faBas, *
era francez e i em nacional. '
Eduardo. Layne, 15 faltas, 6 em francez e o.env
nici anal
Jos Frederico Rodrigues de Andrade, faKo.n !
do.o mez em ambas as adas. .
Joao Eduardo Lyra, 10 fallas em nacional.
Primein lettra.
Antonio Mari da Silva Oliveira, 16 fajl**,.
Sabino da Silva Guimaraes. 13 faliaft.
Harealaoo Maria da Silva Ol'veira,./
Jos Anselmo de Figaeiredo Santiago 8.
Alfredo Ovidjo da Mu,*- _, '
Samuel Pmm, fai>o U>dp me<.
Jovino Frsderi fe Albuqnerqae Santiago, f
faltas.


I


N
-
V
I
? ir
9

llttal ti


"\
Jiario de Pernambuco Sabbado
de Outubro de 1171.
Gymnasio, 5 de outtroro de 1871.
0 bedel,
Hermenegildo Mane lino de Miranda.
THEATRO
COIPAMIA DRAMTICA
RECITA EM BENEFICIO. |
Grande sHceesso !
Sabbido 7 de outubro
Terceira representado da grande, magnifica e
frenticamente applapdida comedia em 2 etos :
< Segue-se pelo multo conhecido artista Penante,
qaa se chava auzeaio desia capital ba 8 aonos,
o iateressame etre-aeto cmico
FUI A PARS
( Antes da guerra ) .
T.jrminara o espectculo a liada e muito ap
platdida comedia em ara acto, ornada de msica.
Quera pensa n?lo casa
O resto dos biihetes acba se no escriptorio do
tbeatro.
Principiar as 8 i/i.
SOCIEDADES
1
guiri para Brdeos, tocando em Dakar (Qore)
Para frete! elpassagens, trata-se eom os agen
tes Hebry Forster it u, ra do Gommerclolc. 9.
PARA O
Vai sabir com brevidade o patacho portuguex
Litoral, capito Guilherme Joaquim Leal, por ter
paite da^carga engajada, para carga e passageiros,
para os quies tem excelleotes commodos, trata-se
com E. R. Rabello & a rna do Commercio n.
48, o eom o capito.
Hospital Pftrtigftez de Benefl-
cnela
Sabe para o Cear iofallivelmente no dia 10
do correte o hiate Dtps te Guie ; quem nelle qui-
rer carregar dirrja-se ao escriptorio de Barlholo-
men Lourenco i ra da Madre de Dos u. 3, a
tratar cora Jlo Alves de Quintal
RIO DE JAHEIR9
Para o porto cima segu com brevidade o bri-
gue nacional Damao, tem parte da carga engaja-
da, e para o resto que Ibe falta trata-se com os
consignatarios Antonio Luii de Oliveira Azvedo
& C, rna do Bora Jess n. 57, 1 indar.
LEUDES.
LEILAO
DE
SABflADO, 7 DO CBRENTE
0 passeio no Jardim de palacio
TocaTo alternadamente dnas bandas de
mu-
.siea.
llumma$lo giorno
Estar aberto o bazar de prendas.
A entrada se reeetuer de cada pesda o que
dictar a soa geoerosidade, em beneficio do
I-yc*in de Artes e Offelos
A ootrada pelo portao do lado do norte e a
sah'da pelo do lado do sul.
N. B.E' prohmido nrar-se Aires.
avisos martimos
Aviso martimo.
J. H. B irns, capillo da barca ngleza Wuoilani,
entrada por arribada forjada Deste porto com car-
regament; de laboido, e tenlo sida c njemnada,
pr-JCisa fretar para o porto de Monte-Video e Bue-
nos-Ay res uai navio que tarregae erca de
309,000 pes de taboadJ em praochSss : >s pre-
teadentds dirijara-se a rna do Cunmerch n. 8,
1* andar. ______________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
o
Navegando costetrapor vapor
Maeei, escalas, Penedo e Aracaj.
0 vapor Giqui coramanrtaate
Guilherme, seguir para os por-
tas cima no dia I i Jo crreme
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at o dia 13, encommenda?,
mneiro a freto at as 2 horas di
9scriptorio no Forte de
pajsageiros
urde do dia da sabida
Mattos n. 12
COMPANHIA PERNAMBUCANA
ni
arrrcgaeSo costefra por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty,' Cear, Mandarn, Acarac e
Granja.
0 vapor Pinjpfima.eomman-
dante Azevedo, seguir para
os portos aciira no dia 14 do
crreme as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 13.
encommendas, passagens e di-
nheiro a frete at as 2 horas da tarde do dia da
san (da : no escriotorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DK
Savegaco costeira por vapor.
Porto de Galliubas, Rio Foroioso e
Tamandar.
O vapor Parahyba segnir pa-
ra o s prtos cima no dia 10 d
crreme a meia nonte.
Recebe carga, encommendas
passageiros e dinheiro a treta n.
esfiotorlo do Forte do Mattos n. 12.
Qaeijos
fl'vje.
Por intervenco d* agente Pinte, em sen escrip-
torio roa da Cruz o. 38.
318 qaeijos de qaalha
IfOJE
As 11 horas o da.
Por intervenga, do agente Pinto
No armazem da ra da Compaobia Pernarabu-
cina ns. 8 e 10.
00
Brigue brasileiro Alberto, arribado este
porto com agua aberta, era viagem que
azia'pocedtsnle de Duenos-Ayres, com
destino um dos parios de Inglaterra,
para receber ordeos.
A. 9 do corrente.
O agente Oliveira far leilo, por conti e risco
de quem pertencer, em um 6 lole, do casco do re-
ferido lindq e veleiro brigue brasileiro Arter/o.jota-
cao cerca de 20000 arrobas de cargajcomjtodojseu
massame, veame, ancoras, amarras, lancha e bo-
te, tudo era ir.elhor estado possivel, como pode
ser previamente verifcalo pelos pretndanles no
aiiibCora dos Passarinhos junto s barcacas
do Exm. baro do Livrmento :
Segundu-feira
ao meio dia em ponto, no lugar da Associeao
Coramercial desta praga,
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor.
Mamanguap^.
O vap( r Coruripe, com-
mandante Silva, seguir
para o porto cima ne
dia 12 do corrente as 8
horas da tarde.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete al as 2
horas da tarde do dia de sna sabida : escriptoric
no Forte da Matlos n. 12. ________
COMPANHIA
DE
Navegapo Brasileira
Superior mobilia
a iodo corrente
O agente Oliveira far leilo, por ordem de um
negociante prestes retirar-se da provincia, de
completas mobilias de acaran la e de amarello
com lampos de marmore para sala de visita, de
jantar e de gabinetes, tudo em perfeito estado e
de gostos os mais modernos, inclusive guarda-ves-
tidos, commodas, cabides, lavatorios com espelho,
mezas compridas e redondas, marquezo de ama-
relio, tapetes diversos e capachos, venezianas,
crystaes como sajara compoteiras, garrafas, copos/
lanternas, galheteiro, Lugas para differentes mys-
teres, toalhas adamascadas e guardanapos de li-
nho para rreza, ditas de labyrintbo, fronhasde
renda e pannos de crochet, malla de viagem, ba-
laios para frncas, rab de Cedro, jarros para
agua, a alean d'es'es artigos numerosos oulros
uteis e indispensaveis, ad Jicionando brincos, volta
de ouro modernas, ura lindo aderego de mosaico
contendo alflnete, pulceira e brincos, e corrente de
onru para relogio, etc.
Terga-feira
das 10 horas da manha em diante, casa na ra
do Vigario n. 16, 2* andar.______-
DiiD|o, 8 do crrente, teri logar albita no
16*Inniversario da mstathgai d'este hospWal.
O'estabeleeimento estar franco i todas as pe'-
oas ue o quelram visitar, desde s 9 horas da
manfcaa al as 9 horas da nome.
A's dez'horas da'manhSa, em ponte, solembiar-
sena a festa de S. Joo de Deus, patrono dq nos-
pila!, no ;pn respectivo otatorio; seddo ceaprlna
missa cantada com msica de orcheslra a sarmio
em iceo de gracag e em loovor do mesmo pa-
trojo.
BnV'aclo scntlnno sehor provedor passar a
enWfar s me'noree.Jpis e Delmira as cartas de
liberade com que o muito pre?iimoso socioideste
he's|ital o Illra. Sr. Catrado Alberto Sdr da Mot-
il, c'omijn'Jnto adente, dsela testemunhar nesse
dl o seu alTecto ao''Qns de carlnade e benencen-
Cia, i que o establecimento se"ddlca.
A's-4 horas'datafdn'serio af/ertos os bazares, e
eslaro exportas as prendas cUerec.das pela can-
dado publica, um auxilio da maouien^o deste
hospital.
-. Duas mWicaB tffarctaes tocaro altfrnadamedte
durante a tarde era aprazivel agradecimeoto to-
das as pessoas que eoncorrerem fesu.
A junta administrativa do mesmo hospital pelo
presente convida todos os seos soeins effectivos,
bauemerftos a bemfeiIDres; bm'assim ao publico
era geral asistir ftsta, visitar o e?tabelecimen-
to anrestar "sea valioso concurso nos bazares
de prendas.
Reconheclda a roesma junta .sympatbia que o
publico costuma proaigalfsar ao hospital antecipa-
se agradecer o acolniraento, que sera duvida
prestar ao seu convite
O motivo da transferencia da fsia deste hospi-
tal para esse diafoL em particular, i-sperando qoe
houvesse para o publico urna conduego mais fcil
e eorh'mol?, como hi'aclQsiment-.
Mospitai Portugue.z de Beheicenbia am Per-
nambuco, 5 de outubro de 1871.
Jo3d Jos Rbdrlgues Mandes,
provedor.
Luiz Dnprat,
,, secretario.
1 andar, pintado e preparado
de novo.
A pesspa que tinlia alugndo o Io aadjr ra do
Paire Floriano por motivos que houveram deixou
de o ir occapar, q qna^a previne q'iellas pesoas
qoe pretendiam dito andar e que "se Ihe dizia es-
tar alugalo, qne ge arada o qnizerem dirijam se
rui larga do Rosario n. 22. ____
Precisare de moa ama ou escrava para en
gommado, pga-se bBm: na ra dos Pires n. 32.
Aluga-se um moleque a urna escrava : tra-
tar na ra do Queimado n. 2._____________
Aluga-se a casa terrea sjia na iravessa dos
Pires n. 7 constando de 2 salas, 6 quartos cosi-
nha fra e finarlos para escravos, banheiro cdtn
agua do Prata e encanamento de gaz, a tratar na
pujara junto.
Vende-se ou aluga-se Um sitio nu Ar-
ratal logar denominado Goqeiros, tra-
vesea do Agude n. 2, cora 303 palmos de
frente e 2,000 poueo mais ou menos de
fundos, (em casa stffrivel, eacimba nova i
e excelleote (a p'rova dps raals rigorosos
esti ? everoes) com bafl'ho derepudio eai-
xa d'agua e banheiro aiioples e de choque
encjnamento d'agua para dentro de casa
e para a horta. -urna grande parte do sitio
.plantado de diversas fructeiras das
ques,j algnmas do prodtfcto. O dito
sitio torna-se rcoinmendavgl pela sua
posigao e vista pitoresco pela frescura e
sslubridade do ar e dista apenas oito ou
dez minlos da oslagio da casa Amarella
como a da Porta d'Agua: a tratar no mes
moou na rna Nova o. 23.
Aluga-se urna escrava para lodo oservigo de
casa de familia : tratsr uarua di Gloria, sahra-
dg da ra da Matriz lado direito terceira casa de-
pois da roa da Maogueira. .
Engenho'e Pedreiras
Arrenda-se Ura engenho distante de-la praga
cinco legoas, cem bora' sobrado de vvenda, casa
para lavradores, ca ella e ptimas ierras de pLn
lagdas, pedreiras e fimos de qnelmsr cal. Esta
prupriedade offerece grandes vantagens, as pes-
soas qoe se propoiersn fazer em grande escala
turnecimento de cal a qnaesquer obra : tratar
na rna da Soledad e n. 78.
Matriz de Santo Antonio
O juiz da irmandade do Santissirao Sacramento
da matriz de Santo Antonio, convida as commis-
s5s das mais rmandades e confrarlas para se
reunirera no domingo 8 do corrente as 18 horas
do dia no consistorio da mssma matriz, atim de
a^siitirem a leilura e aproyarem a represenlagao
qoe tem de ser ind^regida a cmara municipal,
sibre a postura de 13 de junho do corrente anno.
Consistorio da irmandade do Santissimo Sacra-
mento da freguezta de Santo Antonio, a de ouin-
bro de 1871.
Francisco de Souza Reg Monteiro.
Escrivo.
i -^L
Wm v
ra os do norte.
At o dia 8 de outubro es-
pralo dos portos do sal o vapor
Cniziro mandante Cardozo, o qoal depois
da demora Desde j reeebem-se passageiros e engaja-sa a
r poder couduzir, a qoal deveri
jareada no diada suachegada. ncommen
.. sageiros
carga que o vapor poder couduzir,
s#r ei
das a dinheiro a Creta at as 2 horas da tarde
do dia da stu sabida.
Nao se recabam como encommendas senao ob-
jactosde pequeo valor equenoexcedam a doas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medigc
Tudo que passar testas limites de ver ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos senbore3 passageiros que snas
passagens s se recebera na agencia, rus do Com-
mercio n. 8.
PREDIOS
O agenie Pontnal, ompetentmente antarisado
vender em leilo i sobrado silo ao pateo do Pa-
nizo n. 18, 3 partes da casa em que rriorou o fi-
nado Jos Alfonso Ferreira (em Apipucos) ceden-
do se nessa renda urna parte da heranga dos mes-
mos proprielarios, 1 casa terrea 8i)a travessa da
roa do Principe (amigamente denominada Cisco)
em solo proprip, cm 2 salas, 2 quartos, cosinba
fra a cacimna, e um terrago com 300 palmos de
frente fondo, sendo pegado esta uro caixo
com porlas, rotula, etc., faltando to smente o
n partimento, estando o la ais as mesmas condi-
g5es da de n. 10 :
TERQA-FEIRA 10 DO CORRENTE.
jNo armazem ra do Bom Jess n. 23 (ontr'ora
ra da Cruz), s 11 horas.
A cmara municipal desta cilade, pelo pre-
sente convida aos pretendentes a arrematago do
imposto de 60 rs. por cada p de coqueiro de
pruduegao, exceptuando dez ps para o uso do
propietario, pela quantia annual de 9014000, e
bem assira os alague de diversas casinhas das
Ribeiras das freguezias da S. Jos e Boa-vista, a
comparecerem at o dia 11 do crreme munidos
de nanga.
Pago da cmara municipal do Recife o de ou-
tubro de 1871. j
Ignacio Joaquim de Souza Lefio.
Pro presidente.
Lourengo Bezerra Carneiro da Cnnha.
Secfiario.
(Jaixeiro
No pateo da Ribeira n. 13, precisa-se de um
eaixero de 16 a 18 annos portugnez com pratica
de taberna.
a
D. W. BOWMA^
Engenhelro com
FUNDICfiO
5' RIJA HO BRCM 5*
PASSAKDO 0 CHAFARIZ
ma-
Rnt DMne' f VmM m. 01
Jos de Afcvedo Mk h**ln 1*
ade ffjiodezat continua a Tender todo
por baratos preces que todofc admira :
Libra de la para bordar a melbor
qne ha.
Caixas coca soperiores graspos frarJ*-
cezes a
Duzias de facas e garios de am e
dous botoes a
Talberes pare meninos a 140 e
Libras de {toba de novello, a melbor
possivel.
Duza de lencos de cassa com barra.
Caixas de lit-has com 30 no vellos a
63000
160
44000
400
ser movidos a mo
por agoa, Wpor,
ou animaes.
de macnioismo, a prego raui resumido.
tem as melbores e mais baratas existentes no mer-
cado.
Incumbe-se 8e mandar vir qoalqaer macbinismo venia
de dos clientes, lembrando-lhes a vaotagem de fazerem
oas coiSpras por intermedio de pessa enundlds, e que em qualquer necessidade pode
:.h*r'prtbr auxilio
Arados americanos
e instrumentos agrcolas.
measeroasmulto boas a
meias finas para seoho-
Pede aos senbores de engenho e otros agricultores, e empregadores de
-cinismo o favor de orna visita a seu establecimento, para rerem o novo sortimento tV,.. H?.!? IL k!
completo qoe ahi tem ; pois sendo tudo ttaito mais barato em preco do que jamis te-
iha,v%ndrdo, est ainda sopertbr'm qaaltdade e fortdSo ;'o que coto a inspecrao pes-
toal poflef-se veriOcar.
PBBE ESPECIAL ATtgQAO ko NUMERO'B. LUGAR DE SUA FUNDICO
Vfltiffoa a mttb ({'suma dos mais modernos systemas e em
vaijuies O 1UBUIU UUgUlt tamanbos convenientes para as di-
versas circumstancii dos'Seotiores proprielarios e para descarofar algodSo.
Moendas de tnaa ;2s,i,laBianh03,-,8nl8lhor8 qoe*qni
nudas uentaMS para ,nrh,ae8( 8gaa e vapor.
Txas de ferro Fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
lVToArilvifimne pat* mandioca e algdSo, Podndo todos
IttttCQiniSmOS i^^^rrrmadelra
OOmOaS d9 patente, garantidas..........
lOUaS aS maCninaS e pecas de que se costuma precisar.
Paz qualquer concert
Formas de ierro
EtNtemmendas
11500
1(J000
500
160
3^500
CABELLEIREIB08
m SATRO & CARNEIRO
Antigos oliewes da Thesoura de Ouro.
Acbam se esiahelecidos com sa^So de cabelleireiro ra Duque de Ca-
aodar.
T
1NTERESSA LEU
A loja- dos Arcos de Alvaro Augusto d'Almeida & C. ra do Crespo n. 20 A acabs
ie receber directamente algons artigos de moda que pasea a mencionar.
Riquissimo cortes de vestidos de blondo para casamento.
- Ditos de tariaiana bordados seda para casamento.
Cortes de seda de bonitos gostos e superior qaalida'le.
i Colxas de seda, lia, e la e seda.
Capellas .com mantas de blondo para noiva.
Cam-sas de esgoiao bordadas para noiva.
Lencos de cambraia de linbo bordados.
Cortinados bordados de differentes precos e qualidades.
Borns de la e seda para senhora.
Cbapenas de crpe preto bem eofeitadas para loto.
Chapeos enfeitados para menina modelo inteiramente novo. *
Mantilhas brasileira de fil de seda.
Cortes d- cambraia de cor, e brancos bordados.
Cb-cheaez do la e seda.
Toil de voyage fazenda de gjsto para vestidos.
Cretones de padrees novos.
Gravitas de mnit> gosto para senbora.
ABquinhas de crina..
A m destes artigos que se vendem por precos razoaveis tem ootros que sao rarda
leiras pechinchas como sejam :
Cambraia de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Alpacas largas bonitos padres a 590 rs. o covado.
Lencos de esgoio muito finos a 3#. 3#>00,4i&000 e 5^000 a duzia.
Las de cores a 280 rs. o covado. .
Esteiras da India para forro de salas.

Duzias de
Dozias del
tara r OOO
Duzias de facas e garfos cravadas a 3(5000
DaZia de hlitos aeguranga a 120,
240, S O e 500
Na ralbas imuito fioas, para fazer a
barba a 1,JOOO
Caixas com penhas de a?o com to-
q*ne a 320
Caixas com peonas de Perry fazen-
da fina a. 800
Drtas do dita dito verdadeiras a 1/1200
Caixas com20 cadernos papel ami-
zade a 70f
Pecas de fitas para coz com 10
varas a 500
Pecas de tranca lisa de todaa as
cores a 40
Duzias de liuba fronxa para bordar
a 400 e 500
Pares re sapatos de tranca a i800
Duiias de baralbos multo finos a
24400 e 2*800
D tas de agn'has para machina a 24000
Libra de pregos france?es a 240
Resmas de papel almajo superior a 34600
Ditas de dito pautado o melbor a 440OO
Caixas com fabnele3 fructa.a 720 e 14000
Harrteis de linba Aexandre a 100
Gravatas de cores muito finas a 500
Ditas pretas pentas bordadas a 600
Grosas "rie botoes de madrvperola
para camisa a 500
Novello? delnha branca, 400 jardas 60
Duzia de cartoes de linha branca e
preta e de cores a 120
Tbesouras multo finas para ochas
e costura a 500
Caixas redondas para botar rap a 14%00
Caixas com pos para limpar denles
f Livro das missoes abreviadas a 14500
Copos grandes com superior banha 14500
Magos d>t pallitos para dentes o
melbor qoe ba a 460
Pacotes com 3 sabonctes inglezes
fazenda fina a 600
Escovas muito finas para limpar os
denles a 240
t
Consultoiio omeopa- '
I thico
DO DR. SANTOS MELLO.
Rna do B*arao da vtetoria n. 43.'
VACCINA.
Todos os domingos e quintas reirs, pe-
leas 9 horas s 10 da maobaa vaeelna-se
por prego mdico, para o, que ba muito
bom puz vaccinieo.
Recebem-se chamad.8 para vaccinar em
qualquer oasa.
Consuljas medicas todos os das pela
manuaa.
Chamados a qualquer hora do dia e da
nonte.
Gratis a parle medica aos pobres.
BE30 glHBMiM M mHmmKmOix*.**.
Felippe Santiago de Almeida participa ao
publico que cemprou a taberna n. 33 sita a rna
das Crioalas, na Capung, ao Sr. Joaquim Jos da
Fonseca, livre e desembarazada de qnalqner de-
bito concernente mesma. Capunga 5 de outu-
bro de 1871.


NOVA PUBLC4.CA0
A Parahyba e o Alias do Dr. Candido Hendes da
Almeida.
OBSERVAgES'CRITICAS. -
as livrarias ranceza e univer.-al, rna do Cres-
po d. 9 e Imperador n. 54.
Forneiro
Preciia-3e de um bum forneiro :
ra estreita do Rosario n. 8.
na padaria da
nmim street uilmv gompany limitad
lo dia de outnbro em diante a partida dos trens sera regulada pela tabella seguinte
Seguir Com a possivel brevidade o palbabote
'milia, capito Pereira: ainda recebe carga a fre-
a : a tratar eom S Leilo Irmos rna da Ma-
dre de Dos n. 1.
------:------------------!---------------------------------------------------------------
COMP
mantnesr
Ttfo' oT ljo enfrente mez espera-se d Ea-
opa> o vaporiMntet 'AMtoKftt, o qual depi
oora do m M|dir4 >p*ra Buenos-
_ando na Baha, RioJanra e Montevideo.
Para condteoes, (relea e paesagan?, trata-le
agencia, rna do Comoareio n. 9.
VISOS DIVERSOS
Aos Srs. assgaantes deste
Diario, que ss acham em
atrao (feprg^mentoiia >ubs-
cripc&o, vamos rogar quei-
ram mandar saptisfzel-a,
afim de nao soff cerem inter-
rupc&o na remessa do mes-
mo
o.
Peitos de linho
BORDA DO S
O novo establecimento de fazendas finas ra
do Marqut-z de Onda n. 28 acaba de receber pe-
lo nliiroo vapor os mafs "lindos e moderaos peitos
de linho bordados, qne-se veiidem por presos com-
modos. A ellee antes oe se acabem.
Veneravel coafraria de Santa
HUa de t'assla.
De oVafem do tJoh$elho a4minlstrativo convWo a
todos os nossos irmos que lenbaro iDtere?5e em
tirar das antigs catacambas existentes em nossa
igreja os restos mortaesque all se acham, a. tira
los no praso de 30 das, alim de germ concedidas
ditas catacumbas para jazigos perpetuos quedes
irrrSos que as regnererera.
Secretarla da veneravel contraria de SSnta Rita
de Caasia 4 de outnbro de .1871.
O secretarlo,
Francisco Lopes da Silva.
Andares para alugar
Aluga-se o 2* e 3 andares do sobrado da tra-
vessa do Corpo Santo n. 27, proprios para peqe-
na familia, muito. frescos, excedente poflt-ao e rio :
a tratar no rmazern de hiendas do mesmo pre-
dio, das 9 as 4 horas da tarde.
TORr^THl5BTade
mez espera-se dos bor
"TI
mora do costam* se
Vende-e par barato prego ama propriedade a
margem da eamboa dos fiemedios, fazendo-se
toda vantagem ao comprador, recebendo-se parte
em dinheiro e parte em letras ou objeetoa de
frorapta venda; cuja propriedade contera nma
grande olaria Ae pedra e cal qne lastra 16,000
oos de aivenaria grosaa e foro qoe comporta
',000, coa mais um forno e lastra para fazer-se
telhas, ladrilhos, canos e louga, cora excelleote
d, Jfirjo para qnalquer obra, com dous excellentes
'rWraa ie peixe e eom eaaa de vvenla para
rande familia, toroa-se recommendavel por paa-
r peno a linha dos bonds : as pessoas quanre-
Aerem drrijam-se dita propriedade a enteler-
ja ewn o capito Delflm Lins Cavalcante Patana.
Praalu-ae de nma
Girmde, aooandant -ama eaia > familia : na
vembro n. 30, acJar.
ama
para o aervico de
rna do Caes M de no-
^m\^
Recife........j
Ra do Sol.. ..
Ra Formosa...
Offlcinas.....
SoledRle........
CaminhoNovo..
ManRuinho
S.
piinte'd'bhoa'.i
Jaqneira.......
Parnamelrim...
Sant'Anha......
Casa Corte.....
Caldareiro.....
Montiro.......
Portad'Agua...
Apipuws.......
Encanamento...
Pedra Molle-----
S. Braz....Vi.
fxang..
Precina-.-e de urna ama pa-
ra comprar e cotinflar, pre-
_ fcre se eewava : a tratar toa
ruado Mrquez de Oliada, sobrado n. 34, sef no-
do andar. _________ ... ;
Perden-se n sMU'Mta W de leMnrtro ta
estagiodarna da Aurora i ra dos' Pires, ho
trem de 8 4(1 Borae da noHe que soMa^ pura Olin
da, nm ralto da prau aat fau (Mqaatto,
bario : n^aisoa qoe acheo eqroira redimir a
sea dono, dirija-se a Olrada, roa dos QnlircOan-
tos, loja da awrtanaria, qoe sw reeompeflaado.
Uatxeiro
-
No hotel da rna larga do Resano n. 39 precisa*
se de na cateetro, ptg>-afcea. _________.__
"ai Wt Precisa-se de nma ana qoefb-
JlmiTJal A ilota a engomme pira Casa de
penca familia : a tratar na rila de Pedro Alfonso
numero 29.
ecife..
- 5.30
Z
8.30 -9.S
|| 1.0 a.43 -r 40- 4.30
7.5 8.38 9.50
_ .O 6.0 7.10 8.15 9.40
-xpres'--
paxanc.... 5.35
- **
K abertura ser no dia am que S. Exc. o
1.0 1.30 4:S0 8.35 6.18 6.35 7.45 8.30 10.15
____ ii. i----------------* -
Sr. vie-prejfidente da-provincia designar.
Escrlntori o da compaohia, i da outubro d 1871.
Fralfred Stvenson
ANDANTE DO GERENTE. .



,


Piar d Feruanibuc
Subbsulo 7 d* Outubro d 1871
S



i
41 RA DO BARIO DA VICTORIA 41
* Norte novo armazera tem om
nado sortimento de fazenda
raicexaj, inglexas, alenlas e to-
la* todas se vendem per presos
odicoa, aflm de acreditar a este
-Mw armazem.
Gatemiras inglexas,
jraaeexaa, de todas as
cualidades, brns de
cAree e brancoa, colet-
nnnoi modernos, cha-
jee de sol de seda,
aoa.
RA
ario da victoria
atifi na
DE
ARRDA IRMOS.
NOVA
N. 41.
Assim como tem ama caade
officina de alfaiate, montada coi)
todos os preparas que ha de meihor,
dirigida por habis artistas, qoe
pela saa promptidio e perfeiclc
nada deixam a desejar.
Roopa de todos o
amanhospara homem
meninos.
Por todos os paqai
tes recebem-se as me-
Ihores e mais meder-
as casemras qoe ha
na Enropa.
ROA
H.ir*o da victoria
utifana
NOVA
N. 41.
ste estabelecimento acaba de soffrer ama reforma radical em acceio, artistas ecommodos, e Am pontoalidade naa encom-
eendas, finalmente em todo aflm de meihor servir os sens numerosos fregueres deixa-se de annnnciar todas as faiendas, pan
4o se tornar mamante
mENcao
Qaem qaizer comprar melade de urna casa oa
Passagem da Magiale'na, antes da ponte grande,
coro bstanles eomroodos, sollo, quintal murado
e um corredor que vai ter ao banho : e ama ter-
ca parte de ama caa na ra dos Pescadores, di-
ririji-se a ma ireita n. 3, 3* andar.
Ao publico
Ra do Imperador n. 24.
Ao poblieo sem davida a qaem nos dirigimos,
pois, para isso fazemos inserir oeste jornal um ao-
noueio qae deve ser ti io por todos eom maita at-1
teneao.
Nio vimos eom phrases bombsticas, proeurar
convencer o respeitzvel publico que acabamos de
montar ama fabrica e loja de confeitara, pstela-
ria e eollnaria, sroente eom o malicioso Qm de
chamar attenclo para o oosso estabelecimento ;
somos amigos do progresso material desta, provin-
cia rccorr.'u-nos por isso, a idea de facilitar a
.qualque r habitante della, a munir-te eom pres-
teza e qaantia resumida, de qaalqaer objecto ten-
dete as tres artes cima referidas ; estabelecen-
do para esse flm ama conf-iiaria a ra do Impe-
rador d. i. sob a segointe denomraacao
________CONFEITARA DO CAMPOS.
Ao commercio e ao pu-
blico,
f Previno pelo presente annancio, para qae nio-
gaem defeonte oa faca transaccao alguma eom as
segniutes lettras por mim acceitas, provenientes
das partes qae comprei no engenho Cachceiriaha,
as qaaes lettras se achara em mao das pessoas
abaixo mencionadas a saber : em mao dro de Mello e Silva duas lettras, sendo cada uraa
de 1:0004, a primeira vencivel em maio de 187, e
a segunda vencivel em maio de 1873. Em mao,do
Sr. Frac'i-c i -Mauricio de Mello urna le tira de
HOOf vaaaival ero maio de 18T2. Em mo do Sr.
Manoel de Mel'o e Silva ama leitra de 8004, ven
eivel em maio de 1872. Em m3o di 5r. Lauren
tino Ferreira de Albuquerjue ama lettra de___
LOOOJ, vencivel em maio de 1872; visto qae se
apresen'a um equivoco pelo qual deixo de as pa
g*r, o que farei logo qae elle for deslindado.
Engenho Gachoeirinba, 27 desetembro de 1871.
Jos Teixeira Lima.
EM1E HOTEL
los 5:0G0^O(X).
Bilhetes garantidos da pro-
Tlnela.
Bna do Barco da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 ecasat
do costume.
O abaixo assignado acaba de .vender entre o.
*u muito felizes bilhetes a sorte de o:000400C
em um bilhete inteiro de n. 2499, ura qnarto de n.
196 eom a sorte de 800* e em om quarto de n.
2678 cot a sorte de 1004, alm de outras sortes
mejores* de iO/000 e 204000 da lotera qae se
acabon de extrahir (209), podendo seas possuido-
res virem receber, qne promptameate serio pagos
O mesme abaixo assignado convida ao raspe-
tavei publico para virem ao sen estabelecimenK
comprar os felizes bilhetes garantidos, que nai
deixar de tirar qaalquer premio como prova peloi
meemos aonuneios.
Aeham-se venda os muito felizes bilhetes ga
rautidos da 8' parte das loteras em beneficio do
hospital da ordem terceira do Csrmo, qae seri
extrahida no dia quarta-eira 11 do corrente mez.
PREQOS.
Inteiro 64000
raeios 34000
Qnartos 14500
De iOOiJOOO para cima.
Inteiro 64000
Meios 24750
Qnartos 14375
____________loto Joaqoim da Costa Lefte.
Na roa do Bario da Victoria, outr'ora ras
Nova n. 40, segando andar, ha ama escrava para
alugar-se, a qual tem bastante pratiea dos arranjos
le casa de familia.________________
Casa para alugar.
O 2* andar da rna da Cadeia n. 4.
No centro da veneza americana.
No centro do commercio. '
O mais perto das vas frreas. ^
O mais perto dj embarque ^o caes 22 de Novembro.'
O mais perto dos theatros.
O mais recommendavel aos amantes do commodo.
O coico que tem no interior casa de banhos.
O nnico qae as familias podem hospedar-se sem receio de encontrarem-se eom pessoas de
ida saspeita.
O ueico onde actaalraeotp se acha o meihor chocolate hespanhol que se pode temar a
nalqaer hora ; assim como tambero se vende i libra.
O nico Analmente que offerece completa commodidade per ser o mais espacio do Recie.
A raa larga do Rosarlo n. 37
VIGOR DO CABELLO
DO CELEBRE E FESTEJADO CHIMICO
Qffereee-se orna pessoa para criado de al-
gasia casa estrangeira : qaem preeifar de sen
presumo dirija-se a ra Nova n. 25, b\>tica.
Precisa-se de urna ama para todo
o servico : na roa de Hortas n. 30,
sobrado.
AMA
GRANDE PRODIGIO EMPENHO Di POCA
N5o ha parte alguma do corpo de qoe mais dependa da saa belleza, do qne
]tn cabello bonito. Sejam as oossas feic5es ligeiras, mas lenbamos o cabello bonito,
iis-nos eom um rico encanto ; pelo contrario, seja o cabello ropo e spero, eis que
toda nossa physionomia, por mais sympathii a e expressiva que seja, .por si so, esmo-
rece, e assnme om aspecto sem ioteresse.
Neste sentido desejamos moi respetosamente chamar a especial attencjfo das
lenhoras e cavalneiros de bom gosto para a delicada preparado cima mencionada.
O Vtgor do Cabello o resoltado de orna longa serie de estodos profondos,
emprehendidos pelo incansavel chimico Dr. Ayer, auxiliado por ootros profesores emi-
nentes, eom o 6m le descubrirem urna nova preparado para us cabellos, qoe, sem
jonter as propr edades nociva que se encootram nessas outras, que mais tarde occa-
sionam a perda dos cabellos, fosse realmente eflicaz para conseguir ootros tITeilos de
ba muito desejadjs
O Vigor do Cabello, nao urna tintara, nena contera substancia algotoa inju-
riosa. N5o soja as maos, nem a cabefa, e nem a cambraia mais fina. O Vigpr pro-
mette:
Conservar, augmentar e aformosear os cabellos.
Impedir a formado da caspa. Evitar e corar a qaeda dos cabellos, e restau-
rar a cor natural. Torna os cabellos raacios. selosos ebrilhantes. perfumando-os
eom um odor de rara delicadeza. D nova vida aos orgaos vitaes de que depende o
crescimento do cabello, fazendo-o crscer abundante e vinoso. Com o oso quotidiano
do Vigor, as calvices ser5o neutralisadas, caso as glandes capillares nao se achem cor-
rompidas.
Senhoras e homens que antes da idade se vem cheios de cabellos brancos,
que tem perdido a esperanza de ver restituida a sua belleza natural, este bello orna-
mento pbysico, regosijar-se-ho quando virem os effetos qoe pdem conseguir com o
aso do Vigor. Paraos toilettes em geral. n5o se poder encontrar perfume mais agr
davel e delicioso do que o Vigor de ^Ayeh.
Vende-se em todas as drogari 8, pharmacias e
armariohos do mundo.
W. R. CASSELS 8: C.
DEPOSITARIOS E AGENTES GERAES PARA 0 IMPERIO DO BRASIIL.]!
Ato de Janeiro
MOFINA
Roga-se ao Illm. 8r. Ignacio V.eira de Mello,
trivio u eidade de Naxareih desu provincia,
liTor de vir a roa do Imperador a. 18 a conclnji
aquella negoeio qoe V. S. se compremettea reali-
sar, pea terceto chamada deste jornal, em fin
de deumbro prximo passado, e depois para ja
neiro, passon levereiro e abril, e nada eomprio,
e por este motivo de novo chamado para ditc
Om ; rois V. S. se deve lembrar qoe este negocie
de n ais de orto annos, e quando o senhor mi
flho H aebava no es nesti cidade
ATTENCA
Aluija-se nraa grande coeheira na rna da Unilo,
eom dona qnartos e solao com outros dons qnar-
tos, tendo Janellas, tndo eaiado e pintado de no-
vo e nioito propria para taberna oa outro estabe
ecimeato : a tratar na raa da Aurora n. 36, 1
andar.
CASAS
Alug>-se o primeiro, segando andares e sobre-
sotao da casa n. 6, cita a roa do Livramento : i
tratar na loja do mesmo predio.
ROM
DYVETOT
nica ca^a neste genero
I4--Ria Estreita do RosarioM
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
Para alugar-se
Dsa magnifico sitio na estrada da travessa da
Crnz das Almas, eom excellcnte casa bem aca-
bada, eom daas salas, seis qnartos, grande co-
pia, eozinba separada eom dispensa, saleta e
quarto. Boa coxeira e estribarla com mais dons
quartos e i sotao para criados. Magnifico qnarto
para banho, latrinss, gallinheiro de pedra e cal
cercado de gradeamento de ferro. Fieando dito
sitio perto das estacos denominadas : Jaqnaira e
a do Arraial : para ver e tratar no sitio do com-
mendador Tasso.
Para alugar-se
Um sitio no Poco da Panella no porto do Paula
com excellente casa, com dnas sallas, qnatro
quartos e cczinha : estribarla, eoeheira e quartos
para criados, e mais dnas casas meias-agnas pa-
ra fmulos ou hospedes : tratar eom o com raen-
dador Tasso.
Olinda.
Traspassa-se o arreadamente da grande casa
ra de S. Pedro novo, qne foi do Sr Ramos, e
esta muito limpa, assoalhada e fresca, e alem
disso perto do banbo : a tratar na raa do Hospi-
cio n. 33, a qaalquer hora do dia, ou no caes da
Assembla n. t no Recife.
Joaquim Jos Gon ves Beltro *
Roa do Trapiche n, 5, i andar.
Sacca por lodos os paquetes sobre o banco d<
Urano, em Braga, e sobre os seguimos lagares m
'orjugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
Gaimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Ves.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Reai. .
Villa-Nova de Famelico.
Lamego.
Lanos.
Covilhaa. -
Vaseal (Valpasso). *
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
A TiSODHA DE Bifl
GRANDE SALftO DE CABELLEIREIRO
RA DO niJsjUK DE C % VIAH M. AO
(ANTIGA DO QEIMADO) |
DELSUC, SUGCESSOR DE JAYNE
Na travessa da roa
das Crnzes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ooro, prata e brilhan-
tes, seja qoal for a qaan-
tia. Na mesma casa cora-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
Engommadeira
perfeicao
ua
Lava-se e engomma-se co-n
roa Angusta n. 83.______________
Ao Srs. professores primarlo
de ambos o sexo.
Achara se a venda as llvrarias dos Sr?. padre
Ignacio e N'rgueira, e Barbosa de Mellor exempla-
res do opuscolo de moral religiosa, a pre?o de
610 rs. cada um.
a m j para urna menina de auno e meio :
2m. VM im. tratar no principio da estrada dos
Afflictos, sitio o 3. _____________
*
m Precisa-se de ama
ama para o servido
de casa do orna fami-
lia composta de daas
pessoas, exceptuando se o lavar e engom-
mar: nesta typographia se dir qoem.
CASA. DA FORTUNA
RA 1 DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO* N S3.
Aos 20:000^000.
O abaixo asignado tem sempre exposto ven-
la os feliies bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
oromptamente, como costama, qaalquer premio.
PRECOS.
Inteiro 244000
Meio 12,5009.
Qaarto 6000-
Manoel Martias Fiasa.
s
ADVOGADO
Da. Joaqum Correa db Araujo
67Ra do Imperador67
Alaga e ama mulata mofa : a tratar em
Jaboato passsudo a ponte terceira casa do lodo
esqnerdo oa a roa do imperador n. 12, cartorio.
AVISO
Desappare.:fii na noate de sabbado do dia 30
um preto com um caixao contendo miudezas e fer-
ragens indo coberto cem am encerado e tendo
na lampa estas eniciaes M A A, e a chapa com a Ar-
ma da casa, roga-se a pessoa qae o encontrar de
o apprebender e evar na ra Nova n. 3,9 loja de
Stuta & Gnimaraes.
AOS 5:000-4000
sto a venda os felizes bilhetes da lotera di
labia, na casa fe'ii do arco da Conceico, ioja d
irives no Recife.
i ]|i| i Precisa-se de ama ama que saiba
A VI A cos'onar e engommar ; e outra qae
Zl.iTJ.iX saiba engommar e coser : na rna do
R'sar'o Larga n. 22, seguodo andar.
sesrt
MARTIMOS
E
-JOIVTRA. FOOO.
A compannia Indemnisadora, establecid
esta praca, toma seguros maritimos aobrt
lavios e seos carregamentos e contra fogf
iva edificios, nurcadorlS e mobilias : n;
rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
('ozinha.
Pre:isa-se de um ajudante de coiinha : nar oa
larga do Rosario n. 44.
Preeisa- se fallar com e Sr. Jos Francisco
Xavier de Mello, qne foi senhor do engenbo Com-
portas, a negocio de sea ioteresse : na raa do
Rangel n. 9, padaria.
Precisa-se de urna ama livre ou escrava pa-
ra o servico de urna casa de poaca familia : na
ra do Bario da Victoria, antiga roa Nova o. 46,
primeiro andar.
Precisa-sede ama ama perfeita eogomma-,
deira e copem : tratar na roa de Joao Fernn-
des Vieira n. 34.
No prin.MpiT da roa Imperial, casa terrea n.
4, existe urna ama de boa conducta, qae se offe-
rece para servico interno.
Ha vendo comprado o estabelecimento de eabelleireiro, fas d'isso sciente ao respeiiavel pu-
blico de Pf rnambnco, convidando-o ir visitar esse estabelecimento, onde ha de encentrar todos os
trabalhos com asseio, perfeicae e urgencia. Tambera o previne de que tem pefnmarias Anas, por
preco commodo; e ontrosim-qae faz todo e qaalqaer trabalho de cabello relativo saa profissao.
P. S.Avisa aos seas oamerosos freguezes qae eontios na saa outra casa, ras Primeiro
de Marco, antiga do Crespo, n. 7 A, 1* andar, onde bao de encontrar grande sortiment) de perfamari
e objectos de pbantasia.
Cabelleirero de Paris. Ra Duque de Caxias n. 50
ra Primeiro de Mar^o n. 7 A primeiro andar.
Precisa-se de 5001 a premio de dou- por cento
dando-se bypotheca de urna casa : qaem preten-
der qaeira Jeixar carta nesta typographia
da a J. E.
dirig
rna do Vigario n. 16.
Precisa so de ama ama pa-
ra o servico interno de ama
casa de familia : tratar n3
Dons amigos nesta cidade do Exm. Sr. Eliziario
Antonio dos Sntos, Bario de Angra, mandara
peto reponso eterno da alma de saa chara consor-
te O. tlooriqneta Bibiana dos Santos celebrar urna
minea de requiera e memento na igreja do Parai-
jno dia 7 do corrente mez, as 8 horas da rna*
m. para a qoal convidam a tvdos quantos
"0em i Soamigos de S. Exc, assim como qarf-
rqiese bemjno o sejam, qaeiram comparecer,
de piedad* e rtligijo.
Mina
que saiba engommar e
ensaboar : rna do Impe
rador, n. 57, segando an-
dar, entrada pelo lado da
ponte.
-t\ 4U\ y.\ Precisa-se da ama mnlber
^.^^^^ que saiba cozichar bem, for-
OLitfW C. ift,
ra ou captiva: oa raa do
ERNESTO & LEOPOLDO
N 2 D 8ua do Cabug N. 2 D
Acba-se montado de forma tal este estabelecimento de joias qoe pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a retalbo e por precos
mui resumidos visto qae recebe de conta propria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desenlio de suas joias o mais lindo do paiz daa
modas, ouro de le, brilhtntes verdadeiros, esmeraldas, robins, perolas,
trjrqoezas, sspbiras, coral rosa etc.~ete. Obras de prat do poito tanto
para rgrejaxemo para servipo domestico. Convidamos as.Exmas. familias
a viflitarem o dito estabelecimento todos o diaa.at 9 horas da ncte.
Compra.se ooro, pfl e pedras preeio6a em obras velba.
nm-mmm
PregraoiHia da frita de .\ossa
Mal HaaitisslMa Seohora do
Carato do Fronfesplcio.
No sabbado, 7 do correte mez, as S horas da
Urde, ter lngar a bencao da imagem de Nossa Se
nhora de Carmo erecta, no nincbo do mesmo fron-
tes picio.
Um grande-boqnet de fogo do arannnneiar a
conclusao desie acto qae ser celebrado com toda
religiosidade.
As insignes msicas militare) do 1* batalbao de
artilbaria da guarda nacional e 2* de infamarla de
liaba, tocaro, nssta oeeaso, lindas pecas de
sen repertorio.
Em seguida re distribuirSo algnns registros da
mesma imagem, lilhographados em Genova.
Depois do qae ser levantada a bandeira, per
correado antes ao redor do pateo, nesta oceasiao,
subir aos rea diversas gyrandolas de fugo do
ar, e um liado balso.
Na madrugada de domiogo ter missa resada.
As 19 horas la manba desse dia entrar a tes-
ta, sendo o celebrante o illustre prior do mesmo
convento e orador o eloquente padre Manoel An-
tonio de Mello Albaqnerqoe, e a orebestra ser
exeentada por habis proflssionaes na materia.
as o horas da tarde, depois qne as referidas
msicas uverem satiSeito os assistentes com esco-
ladas pesas de msica, um bonito balao, prepa-
rado eom esmero pelo hbil curioso Ovidio-Fer-
rara da Silva,a aolura.
Seguir se ba o linimento da bandeira qne ser
envegue a jaiza da iasta do fataro anno.
As 7 horas da noate entrar o M-Dum sendo
"ESE axi?ir, l,adre m8*lre Leonardo Joao
n? i flm ct, religiosoj.
nfrfi* n "' po1ra* os "ampios da fasta de,
entreter por ma ilgum uinpo as pessoas qae
^rr.e,rm Pr mesma feslividade, a com
eapeeialidade aos maradore) do paleo do Carme
>2^ W,m 1?e"nar nm lindo fogo de arthlcio,
FLyJ^&'t ^ricaossdeatejine.'
re, como sle aqnT
I," l V ANIMES
\luga-.-ec le 2 andares raa do Padre Floria-
no, pintado e prompto de novo : tratar na raa do
Ho-aiion. 22. ^^
Co*ue J. Paulo Lopes Neves manda diier nma
missa recada ao dia 9 do corrente, as 6 horas da
raanha, na igreja do Carmo desta cidade. pelo
repouso > i-.-ruo da illustre liuada a Exma. Sra. D.
Mara Francisca do Espirito Santo Agr, tri-
gsimo da do seu fallecimento, em prova da arai-
zade a considerado que consagra sua familia.
;n iiriiiawmisynfuiwi-f >iiiiMiiTma-^
Para orna familia de daas pesabas
precisa- se de ama ama que cozinhe e
engomrae : a ti atar no largo do :or-
po Santo n. i, i" andar, das 10 horas
do da as 4 da tarde.____________
liu^ommadei-a.
Precisa-se de urna eserava engommadeira qae
seja perita : na rna Velha n. 28, sobrado.
30#000.
D-se esta quanlia mensalraente pelo aiuguel de
m servente escravo : no collegio da Coneeicaa
No sitio do Cafando precisa-se le om meni-
no de 12 annos para cuidar de alguos animaes :
qnem estiver na cirenmstancia de se propflr, diri-
ja-se ao mesmo sitio, na estrada de Paoline Cma-
ra, outr'ora de Joo de Barros, on typographia
deste jornal, a fallar com o Sr. Ferreira.
Precisa se da orna ama de leite
na ra da Moeda n. 35.
a tratar
Ama de leite.
Precisase de ama ama de leite, exige-se bom
leite e boas informales : na raa da Concordia,
sibrado n. 10,1* andar.
Sustento restaurativo da
snude
PEL V VERDADEIRA FARINHA
A, Do Barry d'Arabia
Os abaixo a.'ssignados fazem sciente a seas fre-
guzes, qne pelo vapor inglex La-Plata receberam
Jegunda remessa i essa expeliente farinha, enje
osa muito se rec,ommenda para as criabgas, pes-
soas debis e convalescenles, applicada com reeo-
Dbecida vantagera as constipacSes, diarrheas
oansea do estomago, tosse, o'carro de sangae.
phthysic, etc. etc. Preferida aioda pelo agradave
'abof.Uniricoa outra qnalquer.
IMPERIAL FABRICA DE CIGARROS
S. Jlo d* NrrtKKOiiT.
Um dos problemas que mais tem preoecupado
attenclo dos legisladores e dos economistas mo-
lernos, particularmente aa Inglaterra e na Fran-
ca, e acerca do qoal, aiada em 1868, C Wolowki
fez om profundo e notavel discurso, o qne trata
de definir e regularisar, maniendo o. equilibrio
sotre o interesse e a hamanidade, o trabalho das
cmneas as manufacturas.
Esta qoesto grave e melindrosa, cemeca a ser
entre nos de alguma importancia, e merece qne a
examinemos eom criterio, lanto mais qae forzosa-
mente na subslituicao do elemente servil ter ella
de considerar-se alDcacissiraa para o fataro ds~
envolv ment de oossas industrias.
Recordando com o celebre economista de que
fallamos o profundo pensaroento do poeta ingle
que diz :=iA criaoc* o pal do boraemr part-
Ihamos tare bem os seto generosos sen limemos re-
lativamente a asas frageis e delicadas creatnras,
jue anda na primeira ioiciacao da vida pregara
a tao importantes servi$os sociedade.
XJualquer qne seja o ensino- ou o labor em que
je exercitem as torcas anda debis dessas iracas
existencias, deve presidir o maior escrpulo su
Jireccao, a maior vigilancia e cuidado no eroarego
s distribuidlo do lempo, porque do seu resoltado
depende a aclividada e a energa das novas gera-
joes, e d'estas as grandi s conquistas do futuro e o
progressivo aperfeicoamento social.
Nos secnls anteriores as industrias oceupavam-
se mais com os productores. Ao scalo XIX com-
pete a gloria nao e de melhorar o fabrico dos
productos, tornando-os mais perfeitos o mais ac-
sessiveis a todos pelo quantidade e modicidado do
prego corro a sorte a condieao, a existencia do
irabaibador, do homem.
Wolowki cita a este respeilo as palavras de
(Jladstone, que, em urna renniao de operario in-
glezes, fa lando-Ibes unto em sens direitos, como
em sens deveres, disse: tO Dosso scalo o se-
clo do operarlo: e accreseenta qne esta phras*
nao sabio de bocea snspeiu, pois Gladstone nao
penen ao numero daqaelles qne lisongeam em
vez de servir ao pevo.
O homem d'este modo encarado como bem
primordial da prodaceao do bem; e o notavel au-
tor que nos referimos eotende comnosco que a
liberdade que elle conquisten tira toda a sea forja
da energa da alma associada sande do carpo,
da elevadlo do espirito que proporciona o deseo-
volvimento progressivo da-habilidade pessoal.
Foi bascados n'esta allianca que os legisladores
ingleses comprehenderam que o instrumento acti-
vo, o operario, obedeca a ootras e diversas neces-
idades que as que alo partilha do instrumento
material.
Foi por este motivo qae se marearam e regnla-
mentaram as horas do trabalho as manufacturas,
e se atienden sobretodo a qae as crianeas rece-
Dessera a ura lempo o ensino da fabrica e o eusino
da escola.
Em 1862, diz aioda Wolowki; sanecionou-se
na Inglaterra a prole, a vigilancia penetron no
seio das vastas commuoas industriaes, formadas
boje em roda da machina de vapor, dessas vastas
coramnnas povoadas por miihares de operarios.
A le de 1802 flxoo a idade em que as criaocas
podiam entrar para as manufacturas e limitou a
duracao do trabalho.
Pois bem. Este grave e humanitario problema
que levou qnasi meio seculo a resolver, e preoc-
-upoa a attenclo de tantos bomens de estados
eminentes, como foram Roberto Peel Lord Asihey,
boje Conde de Cbattsboago, genro de Palmerstoo,
s muitos cotros, assignalando nma pagina honrosa
aa historia da eivilisacSo moderna, acha-se reali-
zado, e dando salutares resoltados entre nos na
fabrica de cigarros de S. Joio Nitherchy, da qual
-ao propietarios os Srs. Sonza e Novaes.
Ja tivemos occasio o anno passado, de escre-
ver algumas linhas acerca deste importarte esta-
belecimento, e hi je, depois de orna visita que ti
jemos ao novo ediflcie ampliaremos aquella nosso
trabalho.
A casa onde actualmente est estabelecida a fa-
brica sem duvida um dos mlbores predios da -a.
pital.
Alm das espacosas accommodar3 inleri:<*
livremente arejada como eonv;n a tao nutr*''-*
aggloinoraQo de pessoas, o predio cxv-rioni"ri-
te de nma architecturi simples e eieSd .-=, u l t
i pencas bragas do mar, onde com ansihu de n;i.a
ponte os productos sao com faelidade embread.-s
a conduzdos para os mercados.
Cerca de duzentos meninos abi receben, o tom-
bo manual, intelleclual religioso e moral.
A mais perfeita ordem, sem a severidade de u:na
tille disciplina, mas sntes aeooseloada pelos pre-
tiles pralicos da autoridad?, d um aspecto agra-
dave a esta afanosa commnna de pequeos ope-
rarios e e.perancoso ncleo de futuros e moraliza-
dos cidados.
Em um vasto salo das 7 s 9 horas da tarde
Jepois do trabalho e do descanso aprenden) os me-
ninos os primeiros elementos da leitura da escrip-
ta e da contabilidade. Dissemos primeiros ele-
mentos porque acreditamos que as noces rudi-
mentaes da escola n>o sao outra cousa mais que o
instrumento com qae mais larde se deve concluir
s aperfeicoar a educacao. Nao cusa saber 1er u
esencial e fazer nso discreto e aproveitave.l
Jesse poderoso motor do nosso aperfeicoamento
moral.
Depois do trabalho manual e do ensino da es-
cela depois mesmo de algumas horas consagradas
ao recreioera preciso amenisar com o eetudo de
algnns dos ramos das bellas-artes as tarefas ic-
.'antis.
Neste intuito foi creada urna aula de raazica di-
rigida per hbil professor.
Com pooco lempo de exereicio e o ardor pro-
prio da mocidade j algans dos alumnos tocam
om verdadeirq, adiantameoto os instrumentos qoe
ascolberam, e pode dizer-se que a fabrica tem
boje ama banda de musir sua disposicao, o qon
ilra de accrescentar urna agradave prenda a
idneacao dos aprendizes, dispensa das festivos do
estabelecimento, o concurso dos msicos estra-
ohos.
Ora, o grande resaltado colhido por este duplo
lystema do enslnojnanaal e simnltaneamente in-
tellectnal, qae os productos da fabrica de S. Joao
le N therohy, redobrando de valor pela qualidade
e perfeicao augmentam tambera a ina procara no
mercado s naturalmente os avultados interesse
is productos.
Estabelecida assim eom os outros estabelecimec*
tos do mesmo genero a luta da concurrencia, que,
ao dizer de am notavel economista, nao outra
soasa mais que a manifestar') pratiea, a la*
material da libertad?, claro est que as condiefcs
do trabalho livre comecam j a ser assentadas, en-
tre nos em bases sensatas a de conseqoencias pro-
seos*.
Ligamos um alto apreco s tentativas e aos re*
mltados desta ordem.
O Brasil precisa empregar todos _os seas esfor-
cos na propaganda industrial, nao; esqoeeendo
anoca qne a quantidade dos productos nada re-
presenta, si ella se nio tornar ao mesmo temp >
recommendavel pela sua qualidade, e qne eata
se ohiem com auxilio efflcaz dos productores ba-
sis e intelligentos.
Acreditamos, pois, que os Srs. Sonza e Novaos
prestara um importante servico ao paiz e temn
sempre prazer em mencionar os estabelecimento
desta naiureza, nao s em referencia a esta fabri-
ca, como a todas qoe estiverem fundadas ou se
fundem d'aquiem dianle as mesmas cirenms-
taneias.
O anieo deposito nesta cidade po eseriptorio
le Domingos Alves Matheas, roa do Viga-
rio n. 21.
A. Zalnar.
Am& de leite
Preeisa se alagar urna ama que tenha bom leite
e qae seja sadia : a tratar na roa Dnqae de Ca-
xias (luir'ofa Cruzo.-) n. 2.
s
MU;
AVARfVDO
Aigdaj americano de listras para rou-
pa de escravos a 240 o covado : na ra
do Crespo n. 23.
10 PUBLICO.
O abaixo assignado faz salante ao respeitavel po-
blieo e especialmente ao corpo de commercio qoq,
dejxou de ser caixeiro da easa dos Srs. Tasso Ir-
mos & C desde o dia 5 do correte. Recife 29
de setembro de 1871.
______________Manoel de Mesqoila Bastos.
Na raa do Alecrim. n. 20 precisa-se
de ama ama para todo oiervico de
ama familia,eotnposta de anas pes-
HMotMRMMVm W J
S ADY0C4CIA i
8" BACHVREL '
J.B'P. OftrtCL-Heal
1 Ra do Imperador a. it.

i a
s
x


Z>-rio i* pAniamhuca Sabbdo 7 le Outubro Je 1871.

.
ASI
Na ra do Pire, sobrado
n. 28, precisa-se de nma ama
que sej boa cozinheira.
Na roa do Corredor do Bispo o. 8,
prtcis -se de ama ama para o servido
do ama cata de S pessoa s.
AMA
Precisas* de orna ama qoe
engomme bem, e faca mais al-
gnm servico, torra oa eserava :
na ra do Pire, sobrado n. 38.
Precisa-se de offlciaes de Darbeiro.: no sa-
llo de cabelleireiro da roa da Iraperalriz n. 81
Sitio
Precisa-se de um sitio para quatro estrangeiros
de preferencia perto di estrada; dos bunds : a di-
rigir se na ra da Crot (Bom Jgos) o. 53.
Companhia Aliianpa
DE
leguros man timos estabelecide
na Bahiaem 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
Toma seguro \a mercadohas e dinbetro a risc
martimo em navios de relia e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agenda roa do Com-
mercio n. 5. escriptorio de Joaqnim Jos Gon-
Caites Beltrao.
IHX
Precisa se de nm criado : na ra Nova, loja
numero 7._________^^^
Precisa-ee de urna ama para o servi-
co de casa de ponca familia : a Iratar
na rae da Crnz n 18. 3* andar._______
Precisa-se de ama ama de boa conducta
para andar ;om enancas : a tratar na roa do
Coramercio n. 44, l andar.
Pode ser procurado a ven*
a do ac de Trieste da ver*
dadeira m rea 1, 0 e 00 em
casa das S s. Kelier & C.: i\
ruada Cruz 5
inicio
Anual chegoa Dova rercessa de leiie con-
densado da Suissa, pelo vapor Cognac, e
desde j ficamos esperando pelos seus apre-
ciadores e entendedores deste artigo : vende
Kelier A C aa roa da Cruz n. 55.
Precisa-se de duas amas, sendo para cosi-
nhar e mais servidos internos de peqaena familia:
na roa Imperial n. (99, por cima da reflnacao.
Chegarao a loja do Mircurk. ra da Imperatrir
o.
Ricas franjas de seda preta, mvas do pellica
Jouvin, bolinas do cores para senbora, ditas de
cordavio e beierro para hocoem, oleo extracto-
orita, ricas fitas largas para kco, ricas gravatis
de gurgurao de seda das mais modernas e lindas
cores, e um completo sortimento de galSes de seda
para guarnecer vestidos e antros muitoa objeclos
de gosto.
Roa da Impsralriz n. 86, loja denominada
0 MERCURIO
pertencentef
JOS BERNARDO DA MOTTA.
PAO RAMONOA
Utico deposite no Recife rna daa Cruz n. 13 sem
nijaractodopra^ot,____
vinho tito e braneo supe-
rior
Je carcavellos tem pan veoder em* caixas
de orna duzia Joaquina Jos Goocalves Bel-
tr5o. i roa do Commercio n. 5.
Wk*
Precisa-se de urna ama
para comprar e cosiobaf : a
tratar na roa da Alegra n. 5.
tVde-se
A nuem tiver achado bentem nm vale da quan-
tia de 1001 favor de Hanoel los Fernandos
Sarros, o favor de entregar na roa 4a Cadeia n.
55. armazem, visto que de nada vale a outra
qualquer pessoa.
Jumentos he>panhoes
Acaban de chegar no brigne Bella Figueircnse.
dons jumentos muitos grandes e bonitos proprios
para tirar r ;a : a tratar no escriptorio de E. R.
Rabello C. ra do commercio n. 48.
AMA
Ouvidor.
Precisa-se de urna ama
para eozinhar e comprar,
na rna do Duque de Ca-
xias, outr'ora Toa das
Cruzes, n. 22, 4 andar,
entrada pela travessa do
DBOfiBIA UNIVERSAL
NO
RIO DE .) A\EIRQ
Rna da Assemfela m. O
iiaa BMMmuv
GRANDE DEPOSITO DE
Drogas allopathicas, homeopatblcas e veterinarias.
Essencias finas e agua de flor de laraageira.
Perfumaras inglezas e fraoceza;.
Sabonetes, extractos e mais artigos.
Productos chimiocs das melbores fabricas inglezas
e francezas.
Chocolates Anos estrangeiros de refeicao e me-
dicinaos, preparados especialmente
para este clima.
Representante as provincias seu-fllho
ElHIANUBL RrjFFIEIt.
afora na ra da Crnz n. 1.
Esta casa nica depositara do afamado phar-
rnceutico Rinoli de Rlmini, antor do Centerba
compotto, Em.;Rown,(especifico contra a-Solitaria).
Dinueford, para magnezia fluida; Galellan, ho
meopalhia; Cleaver, Rowland, Payoe, perfuma-
ras-^ Van Loy, ohocolate.
PRINCIPAL AGENTE AUTORISADO.
-de Blancard, Chevner, Brou. Cbassaiog, Boln
gremer, Albeyspeire, Labellonye, Grimanli, La-
barraqne, Clerarabourg. Delondre, Warlk Irmc
(Agua de flor; ; Lagasse, preparacoes de st-iva
de pinpeir, e dos afamados fabricantes de pr
ductos'cbiroicos Ssoiib, Evans, e Morson, bem
como de muitos ouiros que intil mencionar
Aluga-se 0,2* e 3* andares de ama casa sita
na rna da Imperador n. 49 : a tratar na rna do
Bario da Victoria n. 22 (outr'ora Nova).
TRILHOS URBANOS
DO
ftECIFJE A' OLIKDA
Por ordena da directora sSo convidados
osSrs. accionistas para, no prazode 8 dias
a contar do da 2 d'oulubro prximo findo
ralisarem a ultima prestacao de suasaooes,
da 2a emissao, na raza o de 10 %.
Para esse lira ser o Sr. thesonretro en-
contrado no escriptorio da companhia, das
11 horas da mantiaa s 2 da tarde de todos
os dias nteis.
Recife 28 desetembrode 1871.
Joo Joaquim Atoes.
Io secreta-rio.
Aos Srs. accienislas avisa se que a sessao d'as-
senflola geral-era continuar o de seus trabalbos
sobre a reforma dos estatutos ser so dia 9 do
crreme (seguuda-feira) pelas 10 horas da ma-
nbaa, e no mesmo lugar das anierures.
Recife, 2 de outubro de 1871.
O 1 secretario,
Luiz Lepes Castillo Braneo.
Na ra. das Gruzes n. 38 andar, tem para
vender qs objectos seguinles, em completo osudo
de perfeipao, e com pequeo aso, por ler sido de
ama pessoa que mudou de residencia e nao ne-
cessitar dos ditos obj jetos, podero ser vistos das
10 horas da manhaa s 3 da tarde, e vende-so por
mnito barato prego.
1 lustre de 4 bicos cora correnies o pendemos
lodo de chr'ystal, 3 candieiros de 2 bicos de metal,
3 ditos de 1 bico de dito, 7 araadla, tuio para
o gaz carbnico, 17 globos para os mesmos, 6 lan-
gas para cortinas, 2 venezianas, 1 lampeao para
jardim, 36 jirdas de esleir, l relogio de parede,
140 ps de canos de chumbo proprio para enca-
ar agua* com 1 torneira, 1 guarda roupa de
amarello, pequeo, e 1 carteira de dHo para loja.
Tambem se vende um cavallo ai;o niarfim gordo e
bom.
E' bonito
Fronhas de pnm i!abo bordadas: esli oxpos-
tjsa venda na aa Duque dn Caxias n. 63.
Na ra it(eUa do Rosario n. 24. 2 andar,
vende-ae nm plano de mesa com excellentes vozes
e perfeitamente conservado.
Uadeira.
Novo sortimento de cadeiras francezas
venda no arm-iem de Tasso Innaos & C. ao
caes do Apollo.
No sitio da Soledade n. 29, tem Jos Henri-
que da Silva para vender 1 cav.illo ac marfim,
gordj, bonito e bom de celia, e t mellado g^ordo e
bonito tambem para sella e carro ; 'penerao ser
vistos'das 4 da tarde s 10 da roanhaat y-
Espanadores
De nalha 6 mais bem ferio que possivei o
mais barato do que em outra qaalquer parto, na
praca 9a Independencia ns. 35, 37 e 39.
rlttenco
Vende-se um sobrado de nm andar e soio no-
vo, e muito bem acabado, com terrajo na frente e
airaz e eosinha fra, e murado, centendo quatro
meia-aguas de podra e cal que rende tada ama
8 mensal, tndo no fundo do dito sobrado sito na
roa de S. Joao freguezia de 8. Jos desta cidade: a
tratar na mesma rna casa n. 4._____________
elogios de duro 6
prata
dos melhres fabricantes inglezes, francezes e
suissos, vndem-se por pre^is mnito rasoaveis, na
toja de jotas Esmeralda
RA DO CABUGA N. 5.
Vende-se una -casa terrea na Capnnga (ra
daAmieade) n. 38, em chios^propres: a tratar na
ra de Marcilio Dias n. 15.
VENDE-SE
don? bonitos cavallos, andadores de bailo a meio,
rendo um rodado patacado, bastante grande, e
cutro casunho, pequeo : ne caes do Ramos uu-.
moro 30.
Furtarain em a noute de huntem (3) da por-
ta do Club Pernambucano de sobre um cavallo que
a%i se ochavo, um selin isglez e manta, com pou;
co uso, tendo um par de estribos pequeos de pra-
ta. Queai o aprehender .ueira leva lo a ra do
(mperadm. 17, cocheira, que ser:gratiflcado.
O Sr. Andr de 6a e Albuquenjae rogado
avir enl6nder-se o< m Tasso Ir naos em llquida-
ao a negocio de mutuo interesse.
./anli-.-n da pratja do CQnde
d'-fiu
Roga-se todos os sean res que se inloressam
pela eoBStmecao oeste jardim o favor de compa-
rocerem saboadn 7, as.7*oras da nuite, em casa
do Dr. Mostoso, para se iratar de oegjio iinpor-
taote, e espera que ninguem falte.
O.rs i para alugar.
.A!uga-se o 2 andar da ra da Cadeia n. 4.
VENDE-SE
Cous cavallos de sella, -sondo nm castanho, de
trente aborta,%astante gordo, andador de balxo a
meio ; e outro mellado, de-crinas brancas, multo
%om baixeiro os pretenderles podem ve los na
ra de Riachaelio casa de Vicente "Ferreira da
Costa, das 6 as 8 horas da manhSu e das 3 as 6 da
tarde.
Veude-se
a loja de loaca da torra sita ra do Rangel n.
4 : quera a pretender dirijo-se mesasa oq pre-
ga da Independencia n, 33, -que achara e*m quen
tratar.
Grande pechineha
Damasco d ia com 9 palmos de largura, fazea-
da prapria oara colchas de cama e cobertas de
piano, p alpacas de cores de padroes miudos a 500 rs. o
covado, lasde cores mescladas e de lindos pa-
drees a 3f0 e 288 o cova lo, cambraiae de cores a
280 e 240 o oovado : na iota dos arcos rna *
de Marco (antiga do Crespo)*. 20 A.
4 Ra do Apollo 4
Joao 4o Rogo Lima & Filbo tem para vender, 20
0|0 monos que em ouira inalquer parle, o se-
guale :
Lsguijas das libas em latas. ,
Alcatrao em barris.
. Vmho do Porto fino em caixas,
DitoBordeaox dito dito.
Relogio de pareoe e cima de mesa._________
Superiores cigarros do Rio
de Janeiro,
Domingos Alves Matheus, nico agente nests
provincia da fabrica imperial ae cigarros de 8
Joio de Nirherohy, estanelstida no Rio de Janeiro,
tem sempre nm completo sortimento de todos o
cigarros, fimo picado en latas. Tem igualmente
os afamados cigarros Conde d'Eu, Teitos com mag-
nifico papel do palba e milho t fumo superior
Para overno de sans fregaezee, que tem estabele-
:ido depsitos flllaea, as casas dos Srs. Thomai
Francisco de Salles Rasa e Manoel de Sonza Cor
deiro Sirooes Jnior, no bairro do Recife, o todo
Iuanto for vendido em ootras casas com a firma
e Sonza Novaos A C. sao falsiRcidos.
LIQUIDACAO
(COM PEQUEO DEFEITO)
Brim brinco de (ioho fino, com pequeo defeito,
a 800, IfOOO e 1*200 a var, pejhmcha : na
loja de Goiiberme Ciroeiro da Cunba, rna do
Crespo o. 20
Grande liquidapao
LAAZlttUS A 320 RS. O COVADO.
Muito lindas lanzinbas propri.is para a praca a
320 rs. o covado, pechincha : na loja de Gui-
Iberme Carneiro da Cnnha, rna do Crespo n. 20.
Pomada alpaka
E' mnito conbecida esta pomada e muito
apreciada por sua finissimaqnalidade,a Nova
Esperanga quera tem.
Jarros de porcellana
Um completo sortimento de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanza, ra Duque de Caxias
n. 63.______________.
OLEO PURO DE F1GADO DE BACALHAO
DA|
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Este oleo que tao boa acceitaco tem merecido,
muito se recoramenda por ser o mais purieado
qoe at boje tem viudo, e anda pelo boa paladar,
superior a outro qualquer : venle-se no deposito
especial de Bartholomeu A C. : ra Larga do Ro-
sarla 34.
VEHDE-SE
IOJA
SITIO
A luga se
um obrado em frente ao hospital Pedro II, com
3 salas, 5 quarto?, quintal murada, e sitio com 4
coqueiros o oulras Irnctdras, a marf ?m do rio, e
por proco mnito mdico : a fallar com Antonio
Carneiro da Runfia.
Ama (te ieite
Precisa-se de urna ama de lene, f rra ou es-
erava, qoe nao tenha fllho : a tratar na ra For-
mosa n. 24, casa da esquina qoe tem grdame de
ferro.___________'____________________
Monta Fio Fortuguez
Em observancia da Ia parte do ari. 22 e de
conormidade cora o que presen na o 1* do
artigo 24 dos estatutos, sao convidados os Srs.
socios que nao se'acharem incursos nos 1*, 2,
3*e 4* o artigo 13, a se reuoirem em a-e*obla
geral, ao salao do gabinete portnguez de leilura,
domingo H de outubro r.sl<-, II horas da manba.
Secretaria do Monte Pi Portu;nez de Pernam-
.tiuco, 2 de outubro de 1871.
M. S. Pioheiro,
Io secretario da asembla geral.
Aluga-se
urna grande casa em Santo Amaro, junio fabri-
ca dofSurr, ltimamente acabada, tendo agua, gaz
e grande quintal com srvoredos de fructo : ira
tar na rna da Aurora o. 16.
Monte-pio Brasileiro.
De ordem do irmio director convido a todos os
eohores socios e as demais aisoca,co9S, que por
qaalquer ".irenmstaocia nao Ins lenha sido entre
gas o convite, para comparecer no domingo 8
do correte, as 9 horas da manhaa, na groja de
S. Gonealo, aflm de assittirem .a tnissa solemne e
em seraida a sessao magna do 1* anniversario de
sua fnstallacif, no 1* andar do sobrado n. 32 na
pra^a do Coade d'Eu.
Secretaria do Monte-pio Brasileiro 4 do oulubre
de 1871.
JeYonyrao Bruno,
! secretario.
C4S4 OA FORTUNil
os 5:0001
Biihetes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (outr'ora roa
Crespo) c. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus la
Ioo bilheus um quarto n. 196 com 800*000.
uso ioleiro n. 2767 com 100*000, a entras sones
da 40* e 20 da lotera que se acabou de extra-
bir (109*), eouvid aos postnidoroi a virem re-
eeber na conormidade do cosame sem descont
algara
Acham-oo vnda os bhete? garantidos d;
8.' pana das toaras, boaieio do hosoital da
Oriam ftrcelra doCarrno do Recife (210*), que
w exrabif quarw-feira li do correle mez.
P1EC0S.
Bilhete inteiro 6*000
Meio biihete 3*000
Qu'o 1*500
gm por Bilhete inteiro 5*500
Meio brthete J*750
Quarto i375
Manool Martn Plata.
di
Alaga se um bom sitio com crande casa de so-
brado, caiada e pintada, com commodos para
grande familia, commodos para escravos, cochei-
ra, estribara, ca de Daoho'e muitas arvores. na
Passagem da Magdalena : a tratar com Domingos
Alves Mathens, a rna do Vigorio n. 21._________
Preci-a s-de uma ama ni'ra pa-
ra pouca familia : na ra larga do
Rosario rr. 20, andar.
AMA
Na rus de Moras n. 110, ha uma seotiora
quo se enearrega de lavar e engommar com per
feicao, tanto roupa de homem como d&eenhora :
pois quem precisar de seus servios? ple appare-
cer no lugar indicado que achara com quem ira-
lar ; tambem e alguma pessoa ou lejista quiz&r
eoutralar alooco e jantar na mesma casa se
aprompiar com moito asseio e li npeza na forma
em que se ajusfar.
\'asa para alugar.
ffi travessa da roa Ao Pires n. 9, coa) 7 quar-
tos, seodo um no quintal, tetido agua do chafariz,
banneiro e ga7, muito fre.-ca, propria para fami-
lia : para ver a chave na nadara junto da mesma.
Chapellerie des Da-
mes
Ra do Baro da Victoria (ou-
tr'ora ra Nova
A' este estabeiecimento js muito acreditado pelos
bellos sortimeolos, acal.am de chegar grandes no-
vidades em chpeos para senhora, lano em palha
como em velado, todos com formas muito moder-
nas e de grande pbamasia, assim c mo tambem
recebemos lindas ehapelinas para senhora.
Recebemos chapeos o ehapelinas para laclo de
muito gosto ; lodos este* artigas toruam-se recom
mendaveis pela nevidade; portanto rogamos s
excellentiseimas senhora* que hajam de visitar
nosso estabelecimentio que se acha aberio at s 9
horas da cuut?.
Continuamos i enfeitar e concertar qualquer
chapeo para senhora, pondo os as formas e en-
feiles os mais modernos, pois que recebemos sem-
pre lindos enftifes.
Na rna Oireita n. 64, precisa-se tallar com
o Sr. Sebastio de Mello e Albnquerque a negocio
de seu interesa.
Calxefro
Precisa-se de um menino para caixeiro da ta-
berna : a tratar no largo do Carmo o. 39.
D se a quanti de 500* sob hypoibec : a
ra de lionas n. 94.
PEDIDO
3Roga-se aos capiles de Cimpo o favor de ap-
precerem ra do Livramento n. 33, negocio
de sen interesse.
fura oratorios particulares e
ca pellas de Wende-se um aliar dourade, bem como os res-
pectivos caslicaes e palmas tambera douradas,
igualmente vende-se dous ornamentos, duas alvas,
estolas, manguitos, sanguinhos e lodos os mais
pertanaes, sendo am dos ornamentos bordado a
onro fino : nesta typographia se dir quem vende
4* ULTIMA BOM.
065.
Rna do Duque de Ca-
xias
acaba de recebar nm imprtame sortimento de
poupelinas de 15a, s quaes abrem o areco de 500
rs. o covado, aso deixem de vir ver esta linda fa-
anda.
UVA
FERRAL
chegada hontem a 700 re. a libra oa 1*600 o kilo:
s no armazem do Campos ra do Imperador
numero -48.
VeHde-se a casa lerrea n. 131 a ra do Vis-
conde.de (Joyaana (outr'ora Moodeg)), as proxi-
midades da liona dos b-.nls : a tratar na ra do
Crespo n. (2,1 andar.
r- Vende se na an'ga ra Direua, aoje Marci-
lo Dias o. 99, queijosmoilo frescaes do reino a
2* o 1*500, farioha de milho de todas as qualida-
des e macaas das ultimameate chegada.
A 10500
Vende-se botinas para meninas pelo diminuto
prego de 1*500 apar : venham ra da Impe-
rairiz n 68, loja d* mindezas Junto a padaria.
Venas te um terreno aterrado e coro nma
mei-agua, assim como lera nm viveiro de peixe :
quem pretender dirija-se travessa de Santo A-
maro das S:lina<. a fallar com o Sr. Ang< lo.
GALLO VIGILANTE
Raa & Cre>to n. 9
Acaba de nhegtr pelo ultimo vapor diversas ar-
tigos de novidade, como sejam :
Lindas i. uquiufcas enterradas para baplisado ;
assim como ubaposinhos.
Sapatiohos de seda e de merm.
Meias d seda e fio de Escocia de 1 a 12 anuos
de idade.
Ricos lequos de madreperola todos abertos, o
melhor que ha neete genero:; assim como on-
tros de oaadreporola com seda, fazeuda reqaissi-
ma; tambem receben grande sortimento do le-
ijue.s de sso Hngindo roarlim sndalo e madoira,
:anlo para senhora como para meninas.
Superiores ligas de seda para segurar meias.
Meias d borracha para quem-solTre de inxaoSes
oa erysipeta.
Seda fronxa para bordar todas as cres.
Froco de seda para o mesmo lira.
Retroz preto e de odres em carritis.
Fia pira .artae'de baobtreis.
Quadros para retraaos.
Lavas de pdlicn, e Je seda, braaca pretas o de
liodae cores.
Superiores capellae para noivaa.
Liados alfinetes de aadreperola para peiloe de
seo horas.
Lindas aboluadarac para colletes.
ha a do todas as coros para bordar.
Superiores pencenez de ac.
Muiio tuas thesouraa para costara, unbas e
para cortar cabellos.
Superiores pentes de tartaruga para arregalar
cabellos
Tintura ingleza para ticgir caberlos, a verda-
deira.
Grande sonnento de franjas pretas, largas e
estreitae e liados padroes.
Liodos babadishos e ntremelos bordados, tapa
dos I transparentes.
A 640 rs.
Venle-se sapatos de marroq im, obra muito boa
pelo preco de 640 rs. : venham a rna da Impera-
triz n. 68, loja de miudezas.
A 4#000
Vende-se espartilh is para menina* e senhoras
pelo diminuto preco de 4*000 : venham nova
loja de miudezas da ra da imperalhi n. 68 ; ve-
nham a elles, aoies que se acabem.
A 4*500
Vende se barzeguins pir.i homem, obra miada
o bem eita, pelo diminu prego" de 4*500 : ve
nham ra da Impeutnz n. 68, loja de miudezas.
COMPRAS.
Nesta typographia
sagrada por nhoiro.
compra-so uma historia
Compra-se orna casa terrea bja, que tenha
commodos para familia no bairro di Boa-Vista; a
tratar na ra do Hospicio o. 13.
Aliento i 11
;a-e poaaoa qna daixou ha lito metes 4
casa do Ro fYottol uma ptrgio de tivroa de
meJhioa, sem defibfraco algama, que deliro de
seis drat leaha a boudade de vir bscalos, na
falualirt vondUo por sos conta, pelo que der.'
k-onWcinlaSe errr utW reflnaglo, entrando
o eom'fcOOt* : qn*m preiender dente caria
"* *ia ij/flogra;bU, iut^rj-ti i sjja ola-
V;NDAS.
Gaz economifco para os san-
deiros de porcelana.
Acaba do ehegar. este j bem eoobeeido cotn-
buslivel, como o maw barato, prompto e asseiado
do todos al boje coobesidos, e se encoolra von
da no umeo deposito, rna larga do Rosario nn
mero 34.
> Veado-^ orna taOerna sita a roa de S. Joo
q. 19, prpprii .ptra principiante.
~'Vene".ie uu araga-se duas easinh na Ma-
tnida Vauot, utas na ra do Pog, cm ens
1a'Dlaes co.'irespoadontes 1S mssmas, que val 8
estrada de detraz, tenlo varios arvoredoi de frac,
ws: quem pretender dirila se a ra "Hortas,
gObra^o Ja e.-nina n. < andar
w v*"-'-^ t0;rn.a na. rna I/nnorftLn. 16J,
con noaoc futidos : rat,r Q mwma. "
MODERNAS BAREGES COM LISTAS D
SEDA FRANJA AO LADO.
Cbegou para o armazem do Pavo om
elegante soriimenio das mais lindas bare-
ge* e liazinbas moiernas, tendo ae lado
bonitas lislras assetinarJas Com'franjas para
os eneiles, as qoaes se veodem mais barato
do que em outra qaalquer parte,, por hner
grande sortimeato desta nova fazenda na
loja do PvSo frna < I tn.lapolo barad* a 6500
Vndem se pegaie madapotap muito so-
peri >r te do 4 palmo* de largura com 24
jardas cada popa pelo;.barai6 preo do^SOO,
por ter um leve loque de mofo, senSro se-
ria para muito mais n;,nheiro. Dito fraocez
floissimo muito largo, por Ur o mesmo de-
feito qne l^ga logo que seja \nio a 7^000
a pecji gr.'n le pechincha na da Impe
ritriz n. 60, na loja do Paveo de Pereira da
Silva A- C '
NOVAS BAREG8S A 400 RS. () COVADO.
0 PavSo vende delca-Wsimas e mederaas
bareges para veatidui. (*U barato preco
OJ rs, o cjvado oa ro i_M Hnparia
n. 6),
Joaqnim Jos Goncalves Beltrao tem para
tender no son oecriptorio ra do Commercio n.
s, os gneros abaixo notados, que vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parle :
Azeitonas em ancorlas.
Amendoas era barricas.
Cat muido em masaos de 1 libra.
Chapaos do Chile do boa qualidade.
Cognac marca martel irires.
Enxadas.
Farioha de mandioca no Santa] Camarina, 'sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dila da Babia em saceos brancos.
Dita de du em barricas, proprias para easas
particulares.
Fio de algodao da Baha em novellos.
Fonces.
Maxados.
Nozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul para botica.
falitos para denles,
reges sortidos.
Panno de algodao da fabrica da Todos os Santos
de Pedreso na Babia.
Rolbas.
Rap popo lar da Baha.
Botn em fardos.
Retroz dos melbores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco si monte da Babia. .
Verniz copal.
Vinbo do Porto engarrafado, calx de* U gar-
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito muscztel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordi-aux em caixas de nma duzia.
Dito de ca d em caixas de nma duzia.
A vordadoira gomma do Acarac em saceos e
barricas, por meos preco do que em outra qual-
ner parte ra do Vigario n. 14, escriptorio de
as LAtws Davim.
Vende se o eogenho CoDceicao da Batheria,
na comarca de Camarazibe, provincia de Alagoas,
daas legoas distante da villa do Pasto, porto de
embarque, e em altura que deve passar a projec-
tada o j cintratada via-ferroa de Mace a en-
contrar com a de Una ; mrenie ? correnle onve-
nieatemenie preparado t todos os respeilos ao
elhor modo de facilitar o re.Npectivj irabalho
com o maior aproveitameulo ; moendo por uma
machina a vapor de furca de tres e meio cavallos
inglezes do mais moderno systema e sobretodo 4e
urna admiravel simplicidade, posvuindo os melh-
res ejmais aberdosos terrenos possivei para cana
o qualquer lavoura, tendo urna legoa dn fundo e
mais de meia de frente, d.--rilo assi i. lugar a mais
dous engenhos re soffrivel lamauno para moerem
com agua. Reamado i!em de oulras as vania
gens de tres porios de embarque e a proximiiade
le mercados,, como sejam a Villa do Passo, Porto
Calvo, povrw^-oVs de Tahnrainha e de Camaragibe.
Vende-se cen a afra prestes a'colher para mais
do 2,000 paesde a.-snear, ou com a que se osla a
criar, que oao d> vera ser inferior. Tambem se
vender algutts poucos escravos, boiada, assim
como lguns uieoeiiios, movis de casa de viven-
da, ote, etc. Tambem se arrenda por algn? an
no?, o mesmo rom algons escravos, ele, podndo-
se relirar a machina a vapor o deixar molinote
para animaes, com tanto porm quo se compre &
safra existente : a tratar no referida engenho ou
nesta cidade oom o Sr. lavares de Mello, praca do
Corpo Santo n. 17.
LembranQa tempo
O proprietario do armazem de vveres fna do
Imperador n. 28, vem por meio desie annuncio
prevenir o avisar ao respeitavel publico desta ci-
dade, qne o sea armazem um dos que com mais
vautagem pode satisfazer as suas bem entendidas
exigencias, pois para tal fim tem feilo reunir n>
mencionado eslabelecimento o mais completo sor-
timento do acepipes, e para que os dignos leitores
deste annuncio^ nao tenham occasiao de massada
loma arosolucao de limitar se a lembrar somente
os gneros que elle lem como especial novidade, e
o segarme :
Lindas caixas com confeiios, proprias para pe-
queos presentes.
Chocolate em p, este chocolate tem a vanlagem
de poder-se fazer me.-rao na mesa.
Leilo coodeosarto, a me.'hor marca conhfcida,
oslo leite eonvem principalmene aos collegios, bo-
tis e hospitaes, pela presteza com que se oblera
qualquer preparado telle.
Tmaras do Egyplo, raramente vindo a este
mercado.
Licores finos: Chartreaze, Cura cao, Anizele,
Creme de rosa, etc., etc.
ALEM DISSO O CAMPOS
pode garantir que o sen armazem um centro do
bom o agradavel ao paladar, pois nolle se encoo-
irara sempre ludo quanto pode necessitar nma
desprn-a, cozinha o mesa desde a mais bem sor-
tida at a mais mediocre.
. AGORA ANDA
annuneia tambem fei.o mulalinho em saceos e a
retal bo.
Ferro galvauisido
Proprio para- cubrir casa. estacoes, co-
, arma:tn, etc.
>'O io bas de d.llerent&s tamat-bas e
g'rosstiras, cb gadas ltimamente e anda
n\ alfaodefta.
|E;t:lisb S;Ivsnized Iron, 2350 Gurroga-
ted Siieets.
Syoipsen & C n 10 ra do Bom Je-
ss, outr'ora ra ra Cruz.
proprios para suspender barca-
c^8e hiates, veude-se na ruada
Cadeia n. 39.
Sitio venda
No Arraial ra da Harmona, vende-sa um si-
lio, lodo plantado, boa casa e banho, que se torna
recommendavel, j pela sua collocacao topogr.i-
phica^e salubridade que gusa aqoelle pitoresso
arraDal.le, e ja pela modicidade com qoe se ple
fazer tao ptima acqoisiyao. As po?soas que o
desejarem plem derigir-se para infvraiacoes
roa do Livramento. armazem do Balisa.
Para noivados.
Fitas e.spociaes e preparadas pira lacos de cor-
tinados de cama : receben a Nova Esperanza,
ra Duque de Caxias u. di : a rilas antes que se
acabem, pois vieram somenie sei c o liodis-.-
mos.___________________________________
Machinas para esca-
rolar algodao.
No escriptorio de Joaqnim Gerardo de Bastos,
roa do Vigario o. 16, 1 andar, veudera se ma-
chinas de 18 seiras para descarocar algodao
fyra' a testa hospital
portnguez
Modernos chapeo; di palo, rte velno e de"?e-
da para ,-enhora, enfcitalos cora gusto, flores ar-
liriciaes para enfii- de eabt'fl o Je vestido, la-
vas de pelica, bourooox de difTerente gosto, cba-
pos de seda para ciianca, go;to inplrz, vende-se
no Basar Victoria, ra du Baro da Victoria n. 5,
anliga roa Nova.
SITI'J
Vrnde-se um casa de pedra e cal, com terre-
no de duz-mtos palmos de frente e Irezeoios e
nula de funJo ou lugar doFuudao, ra de (Jliada,
Pifiante ao silio dos i'ra'eirosr lambem se vende
ierreaos n n.i^mo lugar.t orna-se recommendavri
piTioar pertoda eslacaodo Fundi e junio ao rio
Bebenbe : a iratar nos dias uleis a roa esireita do
f"sario n. 41 luja, e domingos e uts santificados
no oesmo sitio Fundao eom Miguel Ferreira Car-
reij;____________________________
E. A. Burle & C, era sen armazem a ra
da Cruz n. 48, vendem a precoj rruitoem conia
para acabar :
Ladrilhos de marracre.
Taboas e depros do dito.
Mann ccmroum.
Manoiie.
Fio de vea.
Cogaac lnoem caixa e barris de vidre.
Vinhos de Bordos fiaos e ordinarios em caixaj
o barris.
Licores em caixa.
Fructas em ctmserva.
Azeia doce em caixas.
-----------------------------------i----------------------------------------
Rui do Barao da Victoria
Ani>a ra Nov< 2.
veos e griaaldis para

g o.-
I ti
*" *
r
I*
S.
v a
sr
o."
"i
4-
A 2#500 rs.
Xa loja de Paulo ulmarSes.
Botinas de tnarroqaim de todas as cores para
senbora JIIOO. .
Ditas dffduraqae preto enrolladas, para senho-
ra a 3000.
Chitas rxis oom palma, cor flxa, covado a
160 rs.
Brim pardo trancado fiuo com piola de mofo,
covado a 400 rs.
Casineta cor de chira, daas larguras, dem idem
o covado i. *jy*y
Atoalhado do algodao, tosi moderno, metro
i*eoo :
Brins de Aagoia verdadeiro, metro 14 8o.
Casemira ebuva de onro, propria para cosame,
covado x00.
A' RA DA MPEBATRIZ N. 48
luuio a padiria rranraza.
Vende-se
alguns terrei-os do sillo denominado Peixinho, que
Hca enire Olinda a.Beberibo, a margem do rio:
a tratar no niesmol.
Vaodo-te na terreno oom 300 palmos de
(rente, propr.q para adiikar-se nm pequeo sitio
WJ?*, IK"08 arvorodos, dafraote do poni *e
A|i-Fn: }* pessoas (jan preteBderoin, derija-
so ao me?mo luar. na taberna onde estaciona o
trenjoAgu-PrU.
Querem comprar ?
Guarda pisa para vestidos ; preto ou braneo?
Papa-fina, larga oa estreila !
Leo(os de linbo, bordados ca lisos 1
Bonitos leqaes, osso ou sndalo ?
A Nova esperanca quem (em i 11
E novidade!
Acaba de chegar a Nova Esperanca ra Duque
de Caxias n. 63, bonecos ebonecas, sendo de mol-
des infeiramenle novos, vindo tnire elles os en
grfidos bonecos de borracha : para qoe se can-
cara? quando quizerem comprar qaalquer objeclo
sendo bom, bonito oa engracado. embrem-se logo
da N-va Esperanca rna Duque de Caxias n. 63.
Vende-se a casan.
Ur nesta typographia
4 da roa de Gaz : a ira-
vendem cerveja m-yense' p vinho dol
Ulieno. i
A revalesciere du BnTy de
LudiiS
Tod; a doen^a cede a Revalesciere da Barry.
qaa da sade, energa, appelite, dlgestao o des
canso. Ella cura as dispepsias, gasirilea, humo-
ras, acidez pituita, flato, ei.jps, vmitos dcpoii
da comida e gravidez, ct,o lipaeSes.t) asttima,
affecoes pulmonares, bexiga, rjga^ ^eretiro e
sangue ; 60,000 curas, factaiMO mnnas dellia nc
Brasil.
A revalesciere cbocolatada a Barry
era p,
Delicioso aliment para almoco e ceia, maiie
nutritivo, foriirkaado os ervos do (lomstro sem
cansar o monor peso nem br de csheo, nem ir
riticlo.
nico depo-ilo para o Brasfl em Pornambuco
Da pharmacia americana le Ferrerra Maia & C,
rna do Duque d Caxias c. ">7. (Tcio cuidado
cora as falsifica groes.)____________'_________
Petsf-i da Kussi't
rm barris : 0" armados de TSJ) lrrjoa &
C-im/ahij.
Amaral, Nabueo & c. convidara oa .-eus am-
Sos e fregtu-zes a virem ao Bazar Victoria para
apreciar o apurado gosto com qoe sao feilos di-
versos aicos que receberam ullimaroen'.e da En-
rona, a saber :
Vestidos de blond com
casamentes.
Hilos de seda liaos e rrrljssdos.
Ditos de fil de seda ricamente brrdados a co-
rea.
Ditos de chila e de ganga com todos es eaf-i-
ies nceesi-arios.
Ditos de fimbrate Victoria flntadma.
Camisas bordadas para serjhora e homem.
Sai-'9 e pifiadores bordados.
Meias finas de algodao brancas e de cores ;. r
senhora.
Sahidas de bailes e b:urn'x d^ casemira.
Basquinas de seda preta.
Ricas fronhas de labjrinlho hordsdas.
Crlxas de seda, de laa e sed,, do algedao fus-
lo e Ia pura.
Ara de moca de todas as cores, um? fazen-
da esp-cial para c-brir quadro?, espelbor e
retrato?, demasiad-mente ranspsrente e prepa-
rada de forma a eviiar completamente o p.
Colerlubo* e punios de papel.
Chapeos de seda e de vellodi p:tra senhora c
meninas.
Fitas maconicas de diversos graos.
Perfamarias de diversos fahrieaoids, leos, ba-
obas, exiractos e pos de aivoz etc. etc.
Um --.omplelo sortimenio de carleiras de rnar-
fim, tartaruga, madreperola o couro da Russia,
iodispeusaveis de seda, e de couro da Russia, the-
zonras e caivetes mnito finos.
Um completo sonfmenu de chapeos de sol de
sed, bengallas de canna, balea, borracha e ma-
deira.
Charutos superiores, fumo inglez para cachim-
bo, carteiras e boleas de seda para o mesmo e
otnros muitos onjecios.
Um coipleto sorlimemo de espelhos donrads
de diversos lamanbos, de i| a 25$.
Saboneta ingle/, em caixinbas a J300 a duzia.
KIores
O* jardim da Nova Esperanca rna do Duque
de Caxias n. 63, esii repleclo de flores de todas
as qnaliiades : quem primeiro chegar colher as
mais vicosa?.
Papel para impressao,
Vende-se por preco mnito barato, havoodo tres
lamanhos: na ra da Cruz n. 54, armazem de
Alves & C.
Cemento verdadeiro- Fortland.
Vende Joao Ignacio da Bosta, em barricas, por
barato prego: no armazem daescadkha da alfao-
dega n. S.
/j, .^BgflSKaM Kl BtBMSt jj|j|aMi|ia|ajtjM
K>esBSul^iBQ WP ImlRiSJf AHlSJfTolpHV^QC
A ra do Commer:o n 10, escriplo- mt
rio do Jos Joaqnim da Cosa Maia, en- S
eonlra-se para vender por commodjs |
pr,-c-.-'S :
Azulejos bsp8Dlo !,
Folha< de f.-rro ci!vnizado pzra lelba-
do de diversos lamanhos.
Dilas de dito dito lizas.
Ricas de ferro galvanizado.
KCumii iras dito.
Portad" completas para ciotaria.
Ladrilla s. JJR
! 50 palmos.!
Cano de chumbo eslanbado para agua oa gaz
por 41000.
CHAPMAN'S
59 Ra do Imperador18.
m
m
5
S
a 3*00 a libra, em pequeas laohis : do
armazem do Campos ra do Imperador n. i8
Tomento Fortiand
Em bairioas de 13 arrobas preep mais com-
nodu do que m cutra qualquer paite, vende**
aos armazem de Tasso Irmios t C
^


Oiaiio de FetnamDuco Subbado 7 de Ouiubro le 1871.
k



i

I \

}
1 7
I (
i

I
I'
m
f
)
LABORATORIO HOMEOPATHICO
DE
FRANCISCO DE PAULA CARDOZO JNIOR
41.Ra do Imperador41.
C
3o ha mal* cabellos braaeos
tintura ja^oaza.
3 6 nnica approvada peta* a academias, .de
.ciancia, reconheeida
recido at hoje. Deposito jirinctpal i ra' da
I

Francisco de Paula Cardoso Jnior & C\ animados pela condescenden-
cia, que para com elles leve o Sr. Dr. Jicintho Soares Rebello, qae ha 26 anno9
exerce o systema bomoopatbico, gozando sempre de subido conceito, a stabe-
lecer nesta cidade umLABORATORIJ HOMEOPATHICOde primeira ordena,
digno da confianza e protecc3o do Ilustrado e respertavel publico desta provin-.
ca a do oorte do Brasil, para oque, ni) se poupando a despezas nem fadigas
W] capazesde soperar todas as difficuldades, co.n que tiveram de laclar, trabalha-
*' ram incessaatemente desde marco ultimo, jolgando ter conseguido o seu desi-
dertum, tem hoje a satisfago de, annunciando a abertura de sna casa, afir-
mar aos amigos da homeopatbia, que se j'gam completamente habilitados para
o perfcito desetupenuo de todos os misieres do seo encargo.
Os elementos do seu eslabelecimento foram todos importados da afamada
casa de James Epps & C\ de Londres, ura dos primeiros e talvez o mais co-
nhecido e acredita io estabelecimento deste genero; as preparaooes secundarias
(dywmisacSes e dijc5es) foram preparadas com o mais escrupuloso esmero /]
segn-lo as regras d* ciencia esob a immodiata direco e inspecio do mesmo
Sr. Dr Rebello, cujo nome ligando-se desta sorte ao estabelecimento, a mais.
segura garanta que podem offereeer os scus proprietarios s pessoas, que os
bonrareai coma sua confianza, de que no preparo dos medicamentos n5o se \
pouparao esforcos para que sejam bem servidas, pois que a austeridade.com que
cumpre aqtielies toos os seu3 deveres e sobreludo o respeilo, que consagra
sua prrpria reputado, lhe n3o permiltiam sacrificar a vida de seos clientes
ao interesse de terceiros.
Sera pretenderen! os proprietarios depreciar os productos dos otrtros
estabelecimeotos deste genero, creera todava poder affirmar que nenhum ouiro
excede o seu era snperioridade, e para que nenhoma duvidahaja a este respeito,
podera") todas as pessoas qoe quizerem fo'necer-se dos seos-medicamentos vU
sitar e examinar o estabelecimento, oide. alm de boticas em glbulos e tintu-
ras de varias capacidades da*ie 12 at 120 medicamentos por precos razoaveis,
enconlraro todos os artigo> que tornam completo o sortimento de casas desta (
ordem, taes romo: excellenUs chocolates, p? dontifricios, encerado de rnica,
tintura de guaco, etc om lindo volume encaderaado do~->medico do poyoori-
ginal do Dr. Mure, tradu'ido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto e augmentado em
3.a ediccao pelo Dr. Antonio de Castro Lopes.
Esta obra quecontm'mais de aO paginas iie impress3o e urna estampa
explicativa dos diversos ocgos do corpo humano om dos miis claros livros
destinados ao ensino pratico do tratamento de todis as enfermidades, pois radica,
So s os medicamentos apropriados para cada molestia, como a naneira de
applicar e repetir a* dses.
O preco d'ella de 100000 para as pe3sas, que comprarem boticas
ueste ostalteleci atento, e de 120000 para as que comprarem smente o livro. f
Contaadn pois, com a valiosa proteccao d s amigos da homenpthia, con- *
eluetD o< proprietarios o seu annnnci'o, declarando que se acha adjacente ao seu
LABORATORIO o consultorio do Sr. Dr. Jacintho Soares Rebello, e que se
encarregam de r setos* e enviar ao mesmo Sr. Dr. a toda e qual juer hora os (
c!iamado> de seus clientes.
ihecida superior toda u tena ap-
ioje. Deposito princtpaf a raa' *a
stfc n. si, l andar, eos toda* as bo-
leas a casa de cabelleireiro.
MMV
Flor da Boa-Vista
DE
Panto Gnimares
O proprietario deste bem conhecido es-
tabelecimento contina sempre segando sua
antga forma d primefrdbarateiro da Boa-
Vista e para mlfior pro va adm'rem os
pregos segnirtes:
Cuitas escaras e claras cores fixas
o cavado 160 200rs. a. K)
Gambraias de cores 240, 280 re. e 920
Laai para vestido 280, 320 rs. e 400
Crepsescoceasfazeodanova a.. 8V0
Alpacas lavradas d'rrm s cor. 720
Cambraia branca transparente pe-
sas a 30500 e.....80000
Ditas dita victoria a 44000 e. 8^00
Brsmente com 10 pshnos de lar-
go, varas, a 20000 e. 205OO
Madipolao superior pecas 5^000 e ($000
Al^difeoa 4^fD0Oe. .... ~ UjJOOO
Srim parda trancado pechincha
" covadoa....... 320
Dito dito liso mntbfino a. 320
Outras muitas mais fazeodas que vende-
r por pregos biratissiaios como sejam :
pannos pretoa, ittos atoes,xasetmras pretas
a de cor, :mertns,; briol areos e de Cd-
res, seda para Golletes, camisas inglezas para
oomens, malas, 'peos de sol etc.
Ollicina d'alfaiate
Os dgaos freguezes encontrarSo m gran-
de sortimento de roupas feitas desde o
mais inferior at ao mais superior que se
icbe n ler toda e qaalqoer obra d'enmmenda
feitas a capricho,, pois para este mister se
acha munido d'um perito mestre. Garante
? fazerem se menor O% de que em outra
qualqaer parte pelo e motivo de o fregus
i pagar o que compra e nao o aspecto do
estabelecimento.
48 Ra da linpcratrlzli .
JUNTO A PADARIA FRANCEZA
(Mlfi LIQIDMO
DE
A FLOR DE
!
i
)
I
y
LICS CONCrNTBiOO t TITULC
O ?iir fiujot chfgou a rir ao nlcalro a
sea -.rr'moniaeoseu amr.rgorinsupporiaveis,
o q'-\c loma mais soluvcl. Aprcveiando esss
('' v.-cnl erta.-efle prepara um Hcr cr-n-
' dealeatrto.Q qual, sol> um pequeo
wl me, fonicra urna grar;iie propc>^o de
priitcipLqa Bctrros.
O /!Mhtr*n de Snyot (Goulron de
Gnyof]; oesnt per eonoequeneia todas asvan-
iJt :iis ila ajaia de a'ralrn ordinera, se-n !it
os incinTenkntes. Basta deiar d'elte urna
colipr de caf n'im copo d'afnia para ohter
logo um copo -!e ercelkMi'e agna de ilcalrSo
Sem go-to :esnsr"dav.-|. C-ia qunl pode
d'e:?a mme'ra prpp.ir^r -ni le na J 'I-
catrflp i(N uHo dV'l.i ),,., -..i, r, y ,e uerece
economa di- iiv:'-,.n. fu:' [ '> c ii-.ui

,r!e
eevita vmain'joiao ub r*i i io.
O H(-'.!':l '-' -WS.*'. O'II
H .' :ri:! iiiii,!' Iiv.,11 .i' ;i,vS
inerte?, not < >o- i., -i < tP hi t,
toases, cutan lirs. %'
O iro d Sa-ot c emr regado corn o maior e\il n;is iii-K::^- -i -rufa*
: Ei LLE1&A. Vmaculherde caf para um copo a'utjub
$o] a para urna garafa :
Br,OfJCH!7E3
CATAR3H0 DE BCXtOA
DEFLUXC3
TOSSE PEMTAZ
IRRITAgO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
Vil, TQfZUilk.'fL%. Licor puro on com umpouee d'agua:
AFFEC5OES CA PULLE
COMiCKES
MOLESTIAS DO COURO CAECV^'JOO
E3 ITUCC0S. UmaparUde licorequac FLUXCS ANTiCOS OU RLCEHTtS
CATARRHO OA tEXIGA
0 Alcatro Jo Guyot foi experimentado com um verdadeiro exits no
yrincipaes hospitaes de Franca, da Behjica e da Espanha. Foi reconheeida
que, >ara os lempos de calor, elle conslue a bebida a mais hygienica, e so-
bretudo durante os lempos de epidemia. Urna intrueco accompauha cada vidro.
Yende-se na pliarmacia e drogara de P, Mau-
rer & comp., ra Baro da Victoria n, 17
m\m 1
Tara i venda ero seas rmateos, alem de outros
irtigos de sea egoxio regalar, os seguales, qae
rtndem por preqos mais mdicos que em ou
ira qualquer parte :
PORTAS de pinho Xmofadadas.
PORTEIRAS de ferro para cercas.
SALITRE mglez.
ESTBIRAS'da India para cama e torrar sala.
CANOS cte barro francei para esgoto.
'JESSO snperior em porcoes e a coutenio.
CEMENTO ds todas as qaalidades.
MACHINAS de descansar algodo.
LONAS e brinioes da Russia.
OLEADOS amerioanos para torro de canos.
?OGOES americanos muito bous e ecoaomieos.
VINHO de Bordeaux.
. JOGNAG superior de Gantier Freres.
?ARELLO em saceos grandes a 31500.
AGUA florida legitima. >
BALANZAS decimae?.
CADEIRAS americanas.
RHUM da Jamaica.
AZULEJOS de Lisboa.
10Ruado Crespo10
Pecas de algodao com JO jardas a 4j, 4500
3#0 JO.
Ditas de madipolao a 4, 5|, 31500.' 6*.-e
6^500.
Ditas de dito infestado, trancez snperior a
WJJOOO. A
Ctius francezs.9 de todas as qnalidades a 240,
J80, 300, 310 e 369 o covado.'
Cambraias de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Dita' fija de cor a 320 rs. o ebvado.
Ditas preusaara Inte a 640rs. a rara.
Pecas de cftmbraia li?a transparente a 3, 3*301
e 54000.
Ditas de dita tapada Victoria, a 4#, 4*500, 5i
e7J.
Ditas de dita transparente, snissa mnito fina
eom 17 wras, 141.
Pitas de dita bordada com 10 jardas a 71 e
Organdy branca floo a 700 rs a vara.
Brilbantina branca infestada a 440 e 500 rs. o
covado.
Bretanha de linbo eom 25 varas a 20000 e
25*000.
Dita de dite infestada com 30 varas a 271.
Bramante de linbo eom 10 palmos de largara a
jf500 a vara.
Dito de algodo .a 1*500 a vara.
Atoalbado de dito e de linbo com 10 palmos de'
largara a li500e 3*.
Toalbas alcocboadas para rosto a 7* a duzia.
Ditas de linbo do Porto felpadas a 10*000 a
dU7.'3.
Gusrdaanpos de nho a 3* e 4* a dnzia.
Cobertas de cbfta ae 2*500.
Dit?s de di'tta adamascada forradas, 4*, 4*506
e5#000.
Colchas de damasc* de cores a 4* 6*.
Dtus de fustao alccohiadas a 5*.
Cobertas de li escoras a -21.
Ditas de algodao brancas a 1*400.
Colleirinhos de lDl>o a 800 rs.
Ctraler de merino li?os pretos e de cores 2*000
6 31000.
Ditos estampados M meta casemira a 2* e
2*500.
Damascos de cores s (>40 rs.
Lencos btancos de >sa fino?, 2*, 2*500 e 3*
a duna.
Ditos ditos e de c r abainhado largo a 3*
3*500 a duzja.
Drtus-ditos de camfc a de linbo finos a 6*
doria.
DKo de e?gaiao d; ho a 4*, 4*500, 5* e 6*
a duzia.
Bnm Angola-a 640 f:X) e 1*000 o corado.
Brius de nho de c-- s a 50J rs. o covado.
Cortes de meia ca-.-: ira para cal^a a 1*200 e
1*400.
Ditos de cnsemira p:- i calca a 3*500, 4*500.
5*500
Casemiras de cores d daas larguras, 2*, 2*30
e 3* o covado.
Ditas pret.', duas lardaras a 2*500 o covado.
Pao fino prato e azul a 2*, 2*500, 3*000
3*K00.
Dito dito muito fino superior a 5*, 6* e 7*
covado.
Lans e alpacas de Cores para vestidos a 400
500, 6O0; 700, 800 e 1* o covado.
Toalbas com labyrlotos para bandejas e para
rosto a 8*, 10* e 15*.
Camisas de Amella branca, e de cores 2*,
2*500, 3*, 33500 e 4*500.
Gmsdenapoles preto e de cores 2*, 3* e 4* o
covxdo.
Do-se amostras com penhor.
Vende-pe tambem grande qanntidade de roupa
telta e per mediJa per pregos mnito reduzidos.
Contra a tosse
PAST1LHAS PE1TORAES..
de i
Gomma simples crystatlsada. f
Dita-; de angico %
Naife d'Arabia.
Seve de pinho martimo de Lagasse.
E ontras muitas que mnito se recomendara pe-
las'saas excedentes qnalidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA *
DE
Bartbolomea & C
34RA LARGA DO BOSARIA-34
Xarope sedativo
DE
Gasea de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
LAROZE
Este novo preparado aprovado pela academia
mperial de medicina, mnito se recommenda pela
toa acQo sedativa e calmante, sobre o systeroa
aervoso, o bromureto de potassiam, nao deixa de
lar os mais certos resultados as diversas affec-
3oes do organismo e principalmente as molestias
lo coracao, das vas digestivas 'da respiracao, das
vas genito-arinarias, na epilepsia, as molestias
aervosaa da prenher, na insomnia das enancas
arante o periodo da dentico etc. etc.
Vende-se na pharmacia e drogara
de
Bartbolomea & C.
34-RA-LAR3A DOKOSARIO-34
E' este o distintivo d&-iitfa nova e bem motaa
loja dejoias, sita a ra larga do
Rosario n. 24 A,
Os proprietarios deste elegante estabelecimento tendo em vista os esforcos qae
fizeram para o eollocarem as condicces de urna grande clientella, faltariam ao mais
rigoroso principio se nao viessem as col'nmnas do jornal scientiflear ao respeitavel pu-
blico, que no me.-mo estabelecimento escontrare sempre o mais completo sortimento
a de joias, como sejam : brincos os mais modernas, para, adornaren aa delicadas ora-
- Ibas do bello sexo, e que se, vendem a 8, 9 e 10* o par, dflas para menina* a 4, 5 e 6*,
ditas de coral, obra de apurado go;lo a o e 41, Voltiobas de coral eom cruzas de oaro
a 5*, broches modernos de 3 a 13*, ditos com pedras e em anas devidas caixinbas a
10, 11, 16 e 20*, rosetas lisas, porm bem trabalhadas, de 2*500 a 9*, ditas eom
pedras de 4 a 151, caplelas a 4*. ditas eom Inseripcfles a 5*5C0, aunis de diversos
gostos, e eom bonitas pedras a 2, 3 e l, ditas de perolaa, esmeraldas e rabias a 6*,
ricas cruzes de esmeralda e rabim a 12, 14 e 16*, ditas de ouro e coral eom vistas pho-
tojiraphiras a 3, 4, 5, 6 e 7*, figas de coral a 2*, cadeias para relogios a 20*, dittas a
6*500 a oitava, guarnieses com tres botSes para abertura a 4*, dito de pedrlnbas a3<500
o par, ditos para punhos os mais modernos a 7 e 8*; alm de nm variadsimo sortimen-
to de joias de apurado gosto qne recebem por todos os vapores da Europa ; como
sejam : brincos, braceletes, alflnetes, tderecos completos, cruzes, roletas, anoeis de
brilhantes, esmeraldas, perolas e rubins. Medalhoes, voltas, trancelins, anneis com let-
tras e de diversos modelos, oculos e peeelnez de ouro e prata doorada, relogios de ou-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanbos, ricos paliteu..
ros e faqneiros, eolberes para cha e sopa, maracas para-chancas, e ama innnidade de
objectos qae seria enfadonbo meocionar-se. "
Os proprietarios da Flor de Ouro garanten) vender mais barato que em outra
qualquer parte, para que estar aborto o estabelecimento das 6 horas da manha as 8 da
noute.
65
A AGUIA BRANCA
RA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
A Aguia Branca tendo j recebido paite de suas
antigs eucomraenda., em segujmeutu acaba ago-
ra mesmo de receber outras, algumas das quaes
se toraavam essencialraent precisas, e outras se
fazem apreciadas por seas gostos e qnalidades,
cono sejam :
Meias de fio d'escocia, abertas para senboras
e intuais.
Ditas idem eom listas tambem para senboras
< meninas.
Ditas idem mnito bonitas ao gosto escocez.
Ditas idem idem brancas e com listas para me
. ninas.
Ditas idem idem para baptisados.
Ditas de algodao compridas e com (stras para
meninas.
Lavas pretas de seda, para senhora.
Ditas de torcal e de seda para merinas.
Bonitas camisiebas bordadas para senboras.
Pil de seda, branco e preto com flores miadas.
Dito de algodo, liso e com flores.
Toaqainb^s bordadas para crianzas.
Lindos e modernos chaposinbes de fustao para
ditas.
Pentes de tartaruga para desembarazar ou pon-
tear. '
Ditos de dita travessos para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, pequeos, para segurar o
amarradilbo aos cabellos de senboras. I
Grande sortimento de enfeites de seda para ves-,
tidos.
-fifellas de madreperola e de tartaruga para
pulceira e-laco para o cabello.
Bonitas b leinbas para meninas.
NOVO SORTIMEOTODE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A agoja branca acaba de receber novo sorti-
mento d indos e completos enchovaes para bap-
tisados, bem aisim separsdatwnta camisinhas
para dite11, liodos cbapeosinhos de setim branco
bordados ootros dite* com fondo de velludo, obra
de mnito,gosto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinhoc de s eim para o mesmo flm.
MODEBNOS EffreiTBS DE FLORES,
ornados com bicos de seda, Atas de setim e fivella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, casamentes, etc., etc.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Agaia Branca recebeu lindes ramos do flor
finas, tanto para cabeca como para chapeos,
bem assim :
Papel verde liso e com listas para folhas.
Dito de cores para flores.
Folhas de diversas qualdade3 para rosas.
Ditas verdes e lustrosas, obra neva e pela pri
meira vez vindas como amostra.
Franjas pretas e de diversas largaras para tn
feitar vestidos, j
COQUES DE TRAiNQAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branca acaba de receber nma peque-
a porcia dos bonitos e modernos coques gran-
des de tranca e outros moldea.
NOVO SORTIMENTO
DE
BOLECAS
A agnia branca, a ra do Duque de Caxias n.
52, ootr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
nm novo e bello sortimento de ooneeas de diver-
sas qnalidades e tamanbos, sendo :
Com rosto de seda, das qne chorara, e outrai
que fallam.
Com rosto, mos, e pos de porcelaoa, e pro-
prias para vestir-se.
Obras re porcelana
A agaia branca tem outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo:
Bonitos e rico* vasos para pos de arroz.
Outros para joias.
Outros para abneles.
Outros para enfeites de mesa.
Tequenas e bonitas pas para agua beata.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Lindas cestinhai tambem de poreellaoa.
fiscrivanias de dita.
E mallos outros objectos para enfeites 4e mes
Jos Antonio Pereira
tem para vender na sua fabrica da raa do Bario
da Victoria n. 4 (aotiga roa Nova) charutos dos
mais acreditados.fabricantes da Babia, como se-
un Imneriaes, Normas de Bavana, Operas, Ama
dores, LonJriuos e Leaes, de Simas. Imneriaes,
Expoeico, Lanceires, Bigarrilhos, de Cardeso.
Mississipes, Expo -cao, Havanas, Flor de Suspiros,
Londres, Almirantes Brasileiros, Trabucos 'e Re-
gala Imperial, de Joaquina Jos dos Reis, e mais
qaalidades de outros fabricantes. Furaos Daniel
Baependy, Rio Novo, Minas, Maranho, Para
Garanhans, e cigarros dos raesmos fumos.
Para saceos e foguetelros.
PARA ASSCAR
CERVEJA DE MABC\
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazem os nmeros estampados
uas pecas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em casa de
T. JEFFERIES i C.
46 Ra do Gbmmercio 46
iBBiRS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem e cafia peca nm bhe-
(e com o nome
_ DOS
nicos importadores
T. JEFF.ERIES C.
ura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Essa pomada que tao bons resultados tem colin-
do as pessoas qqe delta tem feito aso acaba de
chegar para o seu deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Barlholomea & C. raa larga do Rosario na
mero 34-
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolvido d'ora avante venderse neste estabeleciaiento todas as fazen-
das existentes no mesmo, por presos que todos admirarlo, acho de meo dever partiet*
pa-lo a todas as Exmas. familias em gerai, adra de virem visiar este estabelecimento
ou mandarem bascar amostras, garantirrdo-Se-lhes om bom sortimento de fazendas da
algodo, 13a, linbo, e seda, emfim ama infnidade de atligos de mida mandando-se i
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualqaer fazenda para verem
ou escolherem.
As pessoas qne vendem em menor escala poderBo bem srtirert-se neste estaba
Itcimento qoe Tender pelos mesmos precos que em qualquer casa importadora, tendo
a facilidade de comprar qualquer porc5o.
0 35 tem um completo sortimento de roqpas bem acabadas oque vende po?
precns muitissimo c mmodos, mandando tambem a'ter por medida toda equalqaer obra
que os concurrentes- desjrem para o que tem um dos mais babilitadissimo metra
alfaiate, cortando por om sysrema inteiramente novo.
Os annuacios nesta praca esiSo e por certo devem estar desacreditadissimos, poii
qae ba casas qae annunciam aqoill que nao teem, o que 6 63 garante nunca dar-3e em
seu estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganbar
gande nomeada em todo o mundo.
, O C$ acha desnecessario mencionar os precos de suas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado magante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso sea an*
nuncio, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encurtar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 julgo qoe j o
publico conhece demasiado, pois que sempre tem enmprido com aquillo que atmancia.
no verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANCM, COM O 65 NINGUEM PODE COMPETIR
RA DO DUQUE DE GAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
.>
-Ra do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e recommen-
iado pelos grandes depsitos e bons sortimentos com qae sempre prima em ter du
itelhoras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para algn-
mas e melhoramen:os para perfeito e rpido desean cemento; tornam se dignas da
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontrarlo
tambem mais:
Lindas grioaldas com flores e botoes de
larangeiras com vivos, e sem elles, vendem-
se na Nova Esperanca roa Duque de Caxias
n. 63,
para mac binas
Vndese na Nova Esperanza roa Ouque
de Caxias n. 68.
WatoHaTercooTnl^es.
,As criancas que osrem dos collaresaDo-
dtnos, que se vendem na Nova Esperanca,
estarSo iserotos de convulsOes; pofs o os
verdadeiros receidos directamente.
Man'teiga a.800 re.
Vende-se maoteiga Ingfcza flor gOO
Progresso do Pateo do Garmo n. 9.
Bazar universal
RA DO BARQ D.A VICTORIA (OUTR'O-
RA NOVA) N. 52.
Acaba de chegar para, este grande estabeleci-
mento um completo sortimento de machinas de
costura de todos os autores con!cid os quaes
garantem por annos as ditas machinas, e se ven-
dem por presos lio razoaveis que a todos agrada-
r, cojos precos sao os seguintes : 40, 60, 80,
400*. 1*0*, 30*, IMS, it*, 1805, 500*; 220*,
WO* e 300*. Garaote-se aos compradores a boa
qaalidade de trabalbo, e obriga-se a en-insr tan-
tas vezes quantas sejam precisas para bemeom-
prehender-si. Vende-se tambem pecas e mais
pertences de sobresalentes para as mesinas machi-
nas. Previne-se desde j qne se vai ao cha-
mado para concert e ensino de machinas das que
forem cempradas oeste estabelecimento.
CASAS
Vende-se daas casas terreas na freguezia de
Santo Antonio, muito frescas por nao terem casas
defronte, com communicacoes internas, tendo tres
salas, gabinete, cinco quarto-, qnintaes e cacim:
b; trau-se ru Imperial sobrado n. 98.
Apurados vapores doomoves, de torga
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mao para atterros.
Tinas de madeira.
Baldes de dila.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelbos para jardins.
Guardas comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Temos de bandeijas Oaas.
EmSm muitos ontros artigos, qoe s
examinados.
Correntes para arrastar madeira.
Cilindros americanos para padarits.
Pertences avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breo 8perior.
Moinbos de diversos fabricantes para
milbo e ca'.
Debulbadores para milho.
Azeite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha/
Folies para ferreros,
avista e neste estabelecimento poderlo ser
rs.: no
Attenpo
Na agencia commereial de reilSes a roa io Bom
Jess n. 23 (outr'ora da Cruz).
Vende-n por preco muito barato ricos qusdros
com moldura dourada e pistada a oleo o qoeba
de melbor n'este genero, magnficos novis I no-
vos) cofrw de ferro CMepnerh), rame galvanisa-
do para cerca de jardmi, eniootea para bolea de
carros e cabriola!, chapeos do Chile e outras dua-
lidades para hongos e gruBfas ranitos 0^ro|
artigos que so vBtar qim^nleer faaer bou com-
pras dirija-se ao dito estabeiecimenio.
J. 0. V. Doyle tem em seu
armazem para vender
O SEGUINTE r
COGNAK HENNESS.
VIHHO XEREZ.
TTO DE LISBOA,
PILTRADEIMS.
MTPtR
A' rna do Commercio n. 38.

GRANO

HOTEL
Veada-se arreada-se un hotel bastante aire-
muuto,** povMo os Mottes, i rea da
Concordia U r* tratar oo meemo eom 6 pra-
pnetai.o Jos Pebppe de PnHas Prrelra: asste
como vende-se tres asas de taipa citas no mdnx
poveado e a tratar con o mtm.
Aza de mosca.
E' na lateada especial para cobrir quadros,
asMihos, retractos, etc., demasiadaornte transpa-
rente e preparada de forma a evitar completa-
aSnwop.
Sabaaat iagtotes em eaixlntias qne se vende
por 1*800 a dula.
Cotarinbos e punhos de papel.
' feade-se no Baxar da Viciona ro* Nova a- %
Chegaram
BMdernas anqninbas da eriooaaa, de moldes com-
modos e modernos : receben a Nova Esperanca a
roa Duque de Guias a. 63; a ellas...
Eesusciou a grande liquidado do arma-
zem ^Ploja da na do Duque de Ca-
sias n. 29.
Cambraias transparentes de 24500, 3, 3^500 e 4* a peca. Ditas Victoria de 44.
44500 e 64 a peca. Dita de forro a 24200. Ditas de cores a 200, 210 280 rs. o cova-
do. Chitas de cores claras e escqras a 240 e 280 rs. o covado. Ditas percalas tinas a 320,
300 e 400 rs. Pecjsde madapoln fiaos a 40, 40500, 84, #80fr a4. Ditas dealgogao-
sinho, a 20500, 30, 30500, 40500 e 50. DKarmarca T, largo, aSlJWXrS^*-t5" com
ristra de seda a 400 e500 rs. o wado. Alpacas de seda .flna,'dlvaV)0 rs. o cova-
do. Lindos cortes de casemira de cor a 50. Ditos de meta caseara a 208*30. Dito* e*m
toques de mofo a 14. Ditos debrim pardo trancido e liso a 40. Brim pardo trancado fi-
no a 280 rs. o covado. Gangas do cores, a 320,360, 400 e 500 rs. o covado. Coalc* da
merino liso de cor, a 24 90500. Ditos estampados a 44, 44500 e W. tutos palos li-
so* a 24800. Ditos de casemira de cor a 245CG. Chapaos de fostlo da #Ar coa asla a
2:500. Ditos de merino preto a 30500 e 4. Ditos de castor a 34500 a Ditos de ba-
U a 14139. Lentos de cassa com barra de cor a 14 e 14?00 a duna. Cobertores da il-
god3o a 10200 e 10400. Ditos adamascados a 30500. Setinv branco a 400 rs. o covado.
Alm destas fazeodas tem muitas outras qae seria impossstvei menctonji-las,

f>


i.
i
-
?

I '

Oiari* d Pernamtmco Sbulo 7 de Qutubra d 1871.
DO

DE
FIGMREDO 8: LOPES.
64 RA DA IMPERATRIZ N. 64
Os proprietarios deste importante e syaapathico eslabelecimento de fazendas finas,
eo avisar ao respeUavel publico e particularmente a sua numerosa freguezia, qoe .o
CYSNE acaba de sorr-se de todo quanto ba de gosto e moderno em fazendas tanto
pan horneas como para senboras.
E' ocioso c!e}r qae os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
d'om espirito altamente conciliador dos interesses albeios com os seus, teem sempre
seguido e magnifico systoma de offerecer venda fazendas de todas asqaalidades e pro-
cos relativos de forma que fcilmente podem fornecer arligos de sua casa accommodados
< todas as fortunas e me ios.
E sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
leqaencia da sinceridade e baratwa com que negociam es ssus proprietarios.
No loivavel empooho de justificaras suas operacSes convidam as Esmas. familias
a vigilar a sympathica loja do CYSNE chamando as atienc5es-do publico em geral para
u egiiDtes especialidadese precos.
Chapas de ferro pari ,** e(e.
Formas para assuear d, ,erro tm,, pjhlBiMd0,
Arados Americanos par, mm, ^
Machinas a Vapor d. ^ d, cmll0,.
JllaClllIaS de descarocar algodlo.
Trilhos de ferro ^ ^^ 6U
Fogoes americanos
Camas dp ferro grtnde8 e p6qaeB.
Macacos de estiva
Cofres de fewo de Milaeej8 # oulr08.
Papel deombralho
Estes artigoa. vendem-se em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes 4 C,
n. 4 ra do bom jb8s.
(outr'ora roada Cruz )
i
PARA NGIVAS.
Veos, capellas, sedas e popelinas Drancas
e de cores, golias, puihos e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
para varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de orna s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tambem propria para
lombras.
CAMBRAIAS
Transparentes de 8 1/2 va/as desde
10500 at 8(5 a peca. Victorias muito finas
de 40 at 80000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
baixos pregos acompasada do competente
gurino.
LAAS
Variadissimo e rico sortimento desde a
lia Usa barata de 40 at a de listras de seda
msis cara que pelo prego que vendemos
por assim dizer de graca vista do gosto
e qoadade.
BAREJES
Lindos padrees aos precos de 360 e...
100 rs. o covado.
SAIAS BORDADAS
As que o CYSNE vende sao bellas e su-
periores.
LUVAS
As melbores e mais procuradas luvas de
Jonvin, brancas e de cores sao as qoe o
CYSNE expe a venda.
BALES
De cretones com baba do e bordado, di-
tos de arcos a 105OO, pecbiocha sen rival
no genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento. de lodos
os presos de padrees modernos e cores fi-
las.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e larguras s
o CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. at 103001
o covado.
ALPACAS
Lavradas de 500 rs. a 10OCO o covado,
especia lidade do CYSNE qoe nao conta com-
petidor.
MADAPOLES
Francez de 24 jardas de 80 at 100000,
inglez de 50 at 80000, e moito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largura, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 100 a peca.
ATOALHADO
Da linbo adamascado, dito de algodao
muito finos, bramante entrancado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
UARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SET1NS
Para todos os precos e diversos pa-
dres.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peilos colarinho e
punbos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, canto, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos que s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEMOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 40 6 40500
o metro, gangas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para homens e senhoras dos. melbores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e bran-
eos e mais baratos que em outras loja.
ME1AS
Para todos os tamaohos e qualidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 13a es-
j pecialidadedo CYSNE.
Deseulpem os nossos fregHezes termos sio om pouco extenso na narrago de al-
fumas novidades pois com quanto seja nosso inleresse tambem o dos nossos fregue-
ses que querem e gostam andar na moda.
Ra 'la Imperatriz n. 64.
F1GHD0 & LOPES.
^
JOAQUIM
LOPES
MACHADO a C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cilindros para padaria.
Carros de mo para conduzir fazendas.
Machinas para descarocar algodao.
Polias de diversos tamanbos.
Canos de ferro galvanisados para enca-
rmenlo d'agua.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para gusrda-cbova de carro
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Pontas de lanca.
Gales de seda para o forro de dito, es
treitos e largos.
Pregos de cabera de marfim.
Escovas para dar graxa.
J
i
ti
11
19 Ra Primeiro de Marco 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que teem o seu es-
tabelecimento,
19=A ra Primeiro de Manjo19
com aquello asseio e elegancia desejave, acham-se agora prvidos do mais
explendido sortimento de fazendas unas e modernas de
SEDA, LA, LINHO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
AMIGOS ESPECUES DE SUA CASA

Garantem, com toda
a sin:eridade, vender
por meaos que qual-
qner outro,, porque
recebem tm direitura
a maior parte de sus 8
"8,

19 RA
I.' DE MARCO 19
ra do Crespo).
casa tkwmhsmt
Xtuulevui'tl Sebastopol, BB PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MAflINIER
^"WWl f Aea#Mi de ciencias t ao Instlalo de F/tn%
IB IPflPfl 8ob forD" te Pastilla, deredida e'deseada pan ,
* W M.WHU faser de ,h fttinti i curativa das MCtf,ETUS C0KACM3A.
, do vcUme de un relogio, serviodo de
NH1JIM) a SERINGA te os
Fm iicM*OMIee de fragUMate
IXJKTOR-PHILIM
ESTOJO? Coa 'c^&^&ffolfS1*
r"
S, Contra.a* arTtccoi* da palpebm
* > iaesma forjna,
COLLYKI
prepa
fiRTUlT AHF/l 0 I1* ^P8itar'08 6eral Pare e BRASIL e PORTU6AIV
1MUU nUbUlllijU OC U m..Ha do ftsfjn^^ -. ^BIVNAIA^^. J
inca se vio nm processolmaig perfeilae qae at-
** da tal forma a satisfaxex as exigencias mais
.'ras da escriptoracSo.
a. ina cor liDdissima e nao precisa de coida-
o alfom para se conservar no tinteiro sempre
on a mesma cor, sem borra, crsta, bolr on sam
idas estas mazellas inherentes todas as tintas,
t agora conbecidas, anda mesmo dos melhores
toree estrangeros.
Sobcetuckv'este estjmavel producto nao ataca a
asas de ac, antes pelo contraro, a peona,
dqnira um esmalte donrado que, sendo ipterej-
atttn, asss proveitoso.
Sita tinta, nao sendo especialmente para copiar,
i contado daatv tres, on mais copias uro. n.ex.
pois de escripia.; preciso, poro, deixaf-U*
pag^l bem molbado sea o eexucar com o mata-
, porque nao ba o risco d borrar. Para se
:rar mais de nma copia, nao se agglomeram tan-
ai loth* qnaatae copia se querem tirar, mas
- con) o original tirar nma. tantas q
?diaejim, sem que o ordinal flqaa, prej
laj eitracoes.
Ocorre aqni dizer qae. para copiar i:
tmiia intelligeocia e habilidade, seu e qae a
tor tinta nao satisfaz, e o defeito recae Mmp
rr a Unta, que muitaa vez*s que mepos
ipa (em.
lilnpla qaalidade desta tiota extremamepe
vrciavl, pois qoe evita qoe emwquatqoer es-
rBurto baja mais do qa ama nu para oa di*
laquanto i sua durabilidade, nao ha a ooprJ
laspor duvida pois que su tiu depols de e-1
BAZAR ACADMICO
13 ROA DA IMPERATRIZ 13
DE '
ULYSSES & IRMAO
Neste bem conhecido e acreditado estabeleciaiento, encontrarao nossos amigos e fre-
goezes cigarros de palba e de papel de diversos ttulos e cLs melbores qualidades e
fumo. Charutos dos mais af reditados fabricantes da Baha e do Rio do Janeiro ; e bem
assim, ponteiras para (Iwutose cigarros, cachimbos de espuma.de porcellsn, de ma-
deira de diversas qualidades, de louea e p do gallinhas muito Onos a 20600 a duaia, e
muitos outros arii ^os que dt ixamos de mencionar.
Fabrica de cigarros.
Bam atiesta a superi(Tidade dos cigarros de nossa fabrea o grande consumo que
dellea tera havido no interior e as provincias do norte. Com presteza apromptamoa
qqalquer enccmmenda, remettendo-a ao sen destino.
BAZAB ACAEfflCO
13RA DA IMPERATRIZ-13
Ulvsses *& Irmao

.
DE

LOUCA EVIDROS
^ NO


emporio mmmmi
15 Ra da Imperatriz l
DE
& IRMAO
15
Tendo de ebegar om uovo sortimento, e tendo de s itrer urna refjrma o sjslem -
de negocio dete eslabelecimento, sus proprietarios resolveram expor em liquidacSo,
grande quaolidade de pratos de louca, lijellas, apparelhos de louca para janlar e para
almoco, etc.
cripta apure o choque de cidos fortisaimos, sem
se decompr; ora, se os cidos nao tem accao so-
bre ella, muite meaos accio do tompo a pode
dH'jnir; toso plaisivei
Nao s ao commercio que este meu producto
vela ser til} os profesores dos collegios, investi-
gando todos os meios para o adiantamento dos
seis discpulos, tem approveitado esta tinta, que
com razio a acbaram apta para-desenvolver o
ecuto nos educandoa, em consequeneia da. balaza.
da cor e facilidade de correr na pequea pela sna
liquidez. Ha exemplos de enancas que havia
muito teo>po tinham ama repugnancia extrema
para a escripia, logo qne foiadmittida esta nu
no coliegio, apodaron-ee deaa a cujiosidada e o
gwto, epoBco teapo depoia o seu., adiantamento
Esta tinta, i par de tantas vantagens, tem um
DiHcp maonvenieita,. detriora-se ao contacto de
ouira. qaaJcruer; cfiavm poi te-la em tiatatro
seneps-iaBeBer vlalumBr* -da ootf tiaU, ew-
ara se usar de tinta
,-flNADBI
ne nio seja a VIO-
Obaerva^o.
Mreraaa faisifleayOM e MrMUnncjM tem, appa-
podem evitar
dorafciBdada darifoa.. Os Srs.
dirigin4o-e
r o anja>Q
circnmspectas.i'.e pediodo a unta qae au
i. C. tonteiro.
Grande qnandade de cojos de vidro fi-
nos para agua a 45&0O, -455C0 e 4(>800 a
dnzia, clices de vidro finos para licor a
34000 a duzia, ditos de cor para vinlu a
2)5500 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vrnao a 5,5500, ()5, 0uOU, 7)5
e 7i5500 o par, bonitas cumpteira,s de vi-
dro a'6$500, 7>500 e8500 o p>r, grau-
de e variado sortimento de jarros linu.- para
Dores a U, U, 5^, 6^, U, 85, 95, 10,5,
115, m, IM, <4. 15,5, m e 18^000 o
par, chamins americanos para candieiro a
(5^00 e 2 ii'O a dnzia, escarradeiras de
vidro a 35500 o par, globos para candiei-
ros de l5i)() a 2000 cada um, lampari-
saa com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 1*5500. 15700, 25 e 25200
eddanma, bonitas quartinhas hamburguezas
a 45500 e 55000 o par, lindos pateiros
ce porcelana branca de 1(5200 a 3(5 cada
dm, bonitas canecas de porcelana com frizo
u esmaltadas para cal a 65000 a doria,
escarradeiras e copo de crystal de cor para
eavatorio por 35000, pralinhos de vidro
Ipara eopo a 320, 400 e 500 rs. cada orna,
seitihss dd vidro para passas, figos, etc.
ote. a 800 rs. cada urna, compoteiras de
vidro para doce se'cco a 25 e 25500 cada
orna, casticaes de vidro s para vela- a...
15200, canecas de porcelana com lampa a
320 rs. cada urna, galbeitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, candieiros do vidro
com globos a 55, e 1G5000 cada um.
E outros arligos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algnm destes objectos que approvei-
tem a occasiSo de cjmprar-Ios por menos
20 % em razSo de termos de liquidal-os o
mais breve possivel. Roa da Imperatriz
n.15.
OLEADOS E C.\SEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende-se oleado preto grosso a 25200
o covado. Dito cor de cinza a 15200 e
cor de caf, verde e preto a 15400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino azul escuro a 3/5700 o covado.
Flanella branca ingleza a 15400 o cova-
C. >. Dita muito fina azul com duas largu-
ras a 253D3 o covado.
Casemiras escuras e claras de duas lar-
guras a 20400, 25600, 25800 e 35000 o
covado, as quaes servem tambem para pa-
lito.- No Emporio Commercial ra da Im-
peratriz n. 15.
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 90000.
Emporio Commercial est vendeado
chapeos de pello preto para homens a 95-
Ditos de castor branco a 100- Ditos de
palba e feltro tanto para homem como para
enanca. Bonets de couro da Russia para
meninos a 15500 cada um. Cbapelinas de
seda para baptizados de crianca a 20500,.
35 e 35500. Bonitas toaquinhas francezas
de la para crianca a 800 rs. cada urna.
Cbapelinas enfeiladas para senhora a 50,
60 e 70000 cada urna. Chapeos de sold
seda tanto para homem como para se-
nhora. Na roa da Imperatriz n. 15.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES fc.IR-
MAU
Eate novo e grande estabeleci ment con-
tina sempre firme sem vender barato para
vender muito, e em consequeneia de nao
baver anda chegado algumas encommendas
que temos (eito, e escasso como se acba o
nosso mercado de arligos de g^sto! vende-
mos por mdicos precos os que se segu.
Superior panno preto PII a 60 o covado.
Dito dit) Brasil a 50500.
Sjperiores, casemiras escuras e claras
para palitofs, calcas e collete.
Bros bran eos de linho de 103.0 a 25600
a vara.
. Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
Madapolao francez e inglez de50100 a
15 a peca.
Grande sortimento de chitas.
00
de
ce-
Corte? com 17 ovados de chaliz a 50000
a 40500.
Coberto es de la escossezes.
Coisas de algodao branca e de cores de
30UOO a 40900.
Sedioha preta a 500 rs. o covado.
Dita branca a 6 O rs. o covado.
C-irles com 21 covados de sedioha de
listra por 250000.
Fronhas de crivo a 600 rs.
Alpaca preta sarjada a 500 rs. o covad*.
I iem branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linho para cha a 20600
e 30UOO a duzia.
Ditos para jan ar a 70500 a duzia.
Camisinbas bordadas para senhora a...
2500 e 30000.
Lindas cambraias Imperatriz corles de
10 jardas por 90 00.
Cortes de cambraia de salpico com S
varas por 50500.
Tapetes grandes e pequeos.
Lencos de cassas para criancas a 10100
a duzia.
A'godo branco e de lista.
Peilos de esguiao de linho para carni-
za a 10
Punhos o par a 800
Collarit.hos finos a 500 e 600
Espartilbos bordados finos para senta-
ras a 50
Meias finas para homem, senhora,
criancas.
L3a fina para bordar libra a 60
Carreteis de linba Alexandrc a 80
Dila em duzia a 920
Abotuadura para collete a 120, 200
500
Ditas para punbos a 300 e 10
Papel de pezo, almaco e peqaeno
cores em caixinha.
Latinhas de banha a 80 rs. e em
zia a 900
Brincos pretos de burracha e a!5nete a
80-3
B;les de duraque preto para pal.'.ot
groza a 1800
Grande variedade de bo:oes para palitots
e collete que se vende barato,
Caixas com dez novellos grandes de li-
nba a 440
. Dilas com 50 diDs a 650
50 pecas cord5o de vestido 600
Peca de fita para coz 440
Sabonetes transparantei finos duzia COC
Colleres de metal fino para cha, duzia a
20OOO
Ditas para sopa a 40
Talbares de faccas duzia 50, 6 70 vi
6 90000
Temos de bandejas ovaes a 100
Ditos lizas a f 0
Sabonetes finos e iguaes duzia a 15200,
10500 e 20
Caixas de botoes de osso para calca a
200
Sutaes branco, dozia a 280
Tranca de la e branca de caracol dozu
a 560
Retro; preto e de cores, oitava 240
Carnizas de meia croa muito boas a 11
Sitineta de algodao de cores para roupa
de montara, e de crianca covado a 500
Merino preto trancado a covado a 30300
Leucos de linbo em bonitas caixinbas du-
zia 50800
Lindas cambraias bordadas de la vara
10000
Colxas de pello de lontra com duas vis-
tas a 140000
Crelone malisado para cobsrta covado a
700
Grande sor ti mentes de perfumaras; um
bonito, toyalet de vinhatico com pedra mar-
more e vidro oval, um guarda roopa da
amarello ; seis cadeiras de guarnieo, 2 de-
ditas de .bracos e duas de balanco, tudo
de Jacaranda massico, proprio para um
gabinetee veudemse por mdico prepo
por ser resto. N5o ser mo vender no

EMPORIO COMMERCIAL
16 Ra da Imperatriz lo
Ulys&es St.Irmdo.
<.im\kh:
E' PEGHINCHA.
Cbi^ iisa too Je prac* a 0, i4*% 28ft e 3J0
10 ^rMPd?EunrM a>^ /'*> a U.
Na loja de-GiTULerme Garoeiro da Cuaha : na
roa depo n. lo.
Cerveja norway
de soperior qaalidade, em garrafas e metas, ven-
de-se em poroao e a retalbo : na roa' do Manraei
de Olinda n. 39, andar,
_ i .. ;
Libras sterliaas.
Vende-te no armaiem de fazendas de Aprasto
P. de Oliveira & C, ra lo Commarote n. ii
VENDE-SE urna casa de taipa no lugarjo
Barro, propria par nefel, e por proce eomi
do: tratar naraa do
aegoeio, e por prece comMo
\o Rangal a. 43, 2. andar.

wp
wm^m

m


1
15
Diario de Pemambucc Sabbtulo 7 d Outubro de 1871
LITTERATUR1
>.

V
. /



Os capis chin b os.
540
OS CAPCHINIIOS EM PKRNAMBUCO KR. PLACIDO,
M. CAETANO.
(Contnaagio).
Seja-nos permittido apresentar aprecia-
q3j -dos leilores o tocjnle qnadro de urna
das tuissoes que sem desenpenhar 03
missionarios da Periba ; urca rze dupla
nos leva nao snbtrahirraos esse tocante e
patbetico panorama justa admirago dos
que nio tiverem prest neiado 011 ouvilo nar-
rar, provar a anravilhosa influencia da fe
explicada p los misionarios da Penha sem-
pre sollicitos em derramar com a maior p o-
fusS e ostentar todo o brhantismo das
bellezas do catbolicismo, e demonstrar luz
da mais ckra evidencia o patriotismo arrai
gado qe-anima seus corages bondosas.
As palavras dissonantes proferidas em 1864
no parlamento brasileiro, constitoem outia
raz5o poderosa para isso nos deci-
djrmos.
E' o Rvm. vigariojde Nossa Senhora quem
vai denear a be leza de t5o imponente
scena, de tio magestosa festa.
Qoando julgavamo3 o Rvm. Fr. Cali-
no anda em Vicencia, eis urna noticia, que
0 da va em Tabocas I No dia immedialo. 0
de Janeiro, em coropaobia das pessoas as
mais gradas e ricas da freguezia fuos a
cumprimenta lo. E, com effeito, a noticia,
que ha lempo grassava de estar este .misio-
nario mui dehi! era exsctissima, pois o adia-
mos mais abatido, e logo Ihe recommendei
toda a moderagio e prudencia em fogir da
pre'gacao e cuidar de sua sade ameacada.
t Mas qui coas i nos havia de responder^
t Ah! Sr. vigario, eu bontem cheguei
pregando o esta m-mbia (9) tambem pre-
guei. G bom d>> povo assim o exige e
eo assim o cumpro; e quando mor'rer
Ditis ha de ter rorapaixio da minha po-
1 bre Mina, E manfestando-me omoti-
vo porqne pregaba, calei-me ; rendi gracas
Deus, e consigo disse :ludo vem drrifji lo
pela mi da Deus, e Fr. Caetano o ns-
truniento da paz do Senhor em Pern?rn-
hiicr...
Ne domingo seguinte (46 de Janeiro)
voltei o Tabocas para assistir com muitos
dos meus freguezes santa mulo ; e des
la vez pedi-lbe que se demorasse em nossa
freguezia at 2 de fevereiro nSo; s para
instruir os povos, que tanto apreciaran a
sna palavra, mais para-assistir n matriz
festa do Orago n'aquelle dia 2. Desta vtz
s consegui promessas fras. Mas eu
que conbecia o carcter serio daquel'e fer-
voroso e santo vara, e que tornara a so-
lemnidade do dia 2 de fevereiro, tornei
instar'pela segunda vez, mas ainda desta
vez respondeu-me com maneiras que jcl-
guei nio vir: fiqoei tristissimo. Mas a
Virgem Santissima Senhora da Luz quem
queria neste anno Fr. Caetano para ornato
de sna grandezi no sen d>a. E eis que no
dia 27 de Janeiro recebeu pela mi de un
parochiano urna carta do missionario dizen-
do-rae que tendo omito ponderado em
mea convite, tinha-se determinado vir a
festa em qualdade de missionario, isto ,
trazendo comsig) o povo, qne das difieren
tes freguezias tinha-se reunido para ouvir
a divina palavra.
Esta carta encneu-me de um extraordina-
rio prazer e os pavos sabedores da resoln-
c3o iiiceodiaraai-se de santa alegra e
porfia cada qnal se adiantara aosao enc<.n-
tro e sem reserva todos p para verem o
sen querido Fr. Caetano.
c t'ra, quando no domingo (30 de Ja-
neiro) estava para entrar a raissa conven
tnal orna noticia-- o povo da misso de
Tabocat est pernho da povoago abrindo
e aplainando os caminhos. Com effeito :
as duas leguas de estrada que dista do
Tabocas a luz, estava tm todos os pontos
e direccss ccupadas de enchadas e fau-
ces sob a direcco do Mm. Sr. capilo Ma-
noel Carneiro de Albuqoerque, sendo no-
meado por J'to missiojario director em
chefe do povo de Deus destinado alargar
eaplainar a estrada por onde havia de tran-
sitar o povo de Israel carregando a Arca-
Santa na alta madrugada do dia 2 de feve-
reiro.
FOLHETIM


AILHA. DO FOGO
ROM.i.VCK
POR
&UUH11 DUMAS
1
O pacto.
(Continuado do n. 228)
O rapaz chegra, segundo parece, ao
ponto aonde' o Dr. queria leva-lo. Por
isso Ihe offereceu o ponhal, dizendo :
Eazebio, se realmente que res mor-
rer, nio te prendo. Vai esqaadrinhar n'es-
sas regi5es ignoradas, d'onde ningoem ain-
da voltou, como diz Shakspeare, se a ver-
dade asta ao paraizo e no inferno dos chris-
tos, nos ardins povoados de huris dos
crentes, as encarnagoes de Brahma, nos
Campos Elyseos dos gregos on na navega-
do limitada e sombra dos atbens. Vai,
mas aviso-te de que, por moito qne procu-
res, nao encentrars Ester.
Santo Deus, Santo Deas I gritava Ea-
zebio desesperado.
Porqae, em samms, continnon o Dr.
suppoe tu ama consa. .
Qual ?
Soppoeqae Ester n3o esteja mo.-ta.
Que nio esteja morta, bradou Enze-
bio correndo para o leito e pondo ambas
as m3os no peito do cadver, emqnanto o
Dr. olbava para elle de soslaio.
Eu nio te digo que nao esteja morta;
disse-te qne o snpponnas, on entio suppoe
qne, morta como est, posso ainda resti-
tu-la i vida
Ensebio julgou que devia dar aos tempos
modernos o mesmo exemplo de abnegado
qne Abesles den aos tempos antigos, mor-
reado para restituir a vida sen esposo.
Com esta idea recoperoa a perdida sere-
nidade, e acercando-se do Dr., qae se con-
serva va no banco, disse. ihe:
Sr., assegore-me qne Ester nio mor-
t E' imposivl acreditar sem ver quinto
flcon rica e bella a estrada de Tabocas
Luz, chama'a boje peloraissionirioa es
lrad ra sempre a paljvra divina que sabe esta
s obrar tas prodigios I E qoando nos te-
riamos estrada ? Cbegaia a tarde do dia
Io, tempo determinado de reunirse o povo
era Tabocas, eis que de todas as parles
nve-giam povos e familias, munidos de
ban'teirolas brar)cas, volas, faixas, ramos
verdes no lugar da santa missao em Ta*
boca--.
Polas 9 tora,* da uoute, a msica mar-
cial, v'nda de Pao d'A'hi, fui eotretendo e
alegrando povo nos montes Tabocas, on le
outr'ora os celeb;rrimos Henriques Das,
Carnar5o e Jo3o Fernandos Vieira tinbam a<>
som das trombetas derrotado o protestante
hollandez.
\o dr mei naute, eis de novo 00
pulpito e coocado o Rv. missionario entre
o doos andores (riquissimamente ornados)
de Nossa Senhora da Luz da capella de Ta-
bocas e da Senhora do B >m-Conselbo.
Dis-e-lhe que d3> incentiva mas que pre-
tenda repetir e imitar o modo e a>aneira
com que Moyses guiara o povo de Israel no
des'-rto quando as 12 tribus adrapanhavam
ao som da< trombe'as a Arca-Santa d?senvel-
vendo com a clareza que Ibe propri 1 a
historia de M 'yss, de foara e dos 12 fi-
Ihos de Jacob, origern ^ias 12 tribus'qua
Lompunham og-5o povo de Israel.
< Fallou com tanta unccSo e eloquencia
do claro qua de noite alumava o povo* de
Israel acampado no deserto, qua o cercado
do engenho Tabocas da mesma maneira c >
berto de povo como aqoede acampameato,
era tornado a penha de Oreb, que, ferWa
pela vara di Moyses, manava aguas vivas,
que alegravam o sequroso Brasil. Pregoo
elle qu.si urna bora e na forea do maior
enihusiasmo apre?entou I2bandeirase dis
se: < representara as 12 tribus e assim
< como hav.Mivis de viajar aiV luz em ba>
ordem, paz e santa alegra possamoa
< noinear os cheles :
Por var3o porta bsndeirav d-a Ia tritio
de Judaolilm. Sr. capitn* Jos Ferreira
t Gomes. O povo dest nado para represen-
tsr esta tribu de Jada o povo da po-
voacio da Luz.
0 2* vario porta bandera- da tribu de
Rubn .o Illm. Sr. capil3o Franeisco Ao
< tonio Cabral de Mello. O povo-qhe repre-
* senta esta tirb o povo da Tabocas,
qne aqu nestes montes bate, vencen e
derrotan o exercito do protestarte hollan-
c dez.
t O 3o var3o porta bandeira da tribn de
* Goad o Illm. Sr. capitio Antonio Vicen-
* te Ferreira Chaves. O povo que represen-
ta esta tribu o povo de S. Beoto.
0 4 vario porta-bandeira da tribu de
Azer o Illm. Sr. capitio Manoel Car-
oeiro de Albc^uerque. O povo que deve
representar esta tribu o povo de Nossa
Senhora dos teraedos.
1 0 5" vario porta bandeira da 5* tribn
< de Nephtali o Ulna. Sr. capitio Fran-
cuco Jos Moreira da Costa. O povo qae
deve representar esta tirbu o povo das
partes do engenho Covas.
0 6 vario porta bandeira da 6* tribu
de Manasss o Illm. Sr. commendador
< Manoel Lucas de Araujo Piaheiro O
povo que deve representar esta tribu
todo o brasdeiro de qualquer provincia
que seja do imperio da Santa Croe.
O V tr3) porta bandeira da 7* tribu
de Simen' o Illm. Sr. capitio Joio de
Azevedo Araujo Pinbeiro. Esta tirbu deve
< representar nesia solmoidade c- povo da
freguezia de S. Lourenco da Malta, que
pre-ente viudo para a procis'sio.
OS" vario poita bandeira da tribu de
Levi o Illm. Sr. capitio Joio Dias Car-
neiro de Albuquerqae. O povo que deve
t representar Levi o povo vindo da fre-
guezia de Santo Antio.
t O 9o vario porta bandeira da tribu de
Reg Barro9 Pessoa Jnior. O povo que
t deve representar esta tribu todo o povo
t vindo da freguesia de Pao d'Alho.
t O 10 cario porta bandeira da Iribn
de Zabular o.Illm. Sr. capitio Jos
Ferreira Daltro. O povo que deve re-
presentar esta tribn nesta solemnidade
o povo limitrophe da Luz com Jaboatio.
* reo, e qae nao morrer nem da sua enfer-
midade nem pela dr qne Ihe cause a mi
nba morte, e a'esle mesmo oslante deixo
vi la com pezar, mas com a suprema con-
solaoio de que minha mulhor nunca se es-
quecer de mim.
Havia tanto enthusiasmo e sinceridade no
modo e maneira com que Eazebio pronun-
ci3n as palavras antecedente?, que o Dr.,
em lagar de responder com a sardnica
expressio que pareca estereolypada no seo
rosto, responden com serenidade i
Pois bem : Ester n3o morreu, nem
morrer.
Euzebio interrompeu-o com um movi
ment tio cheio de amea^as como de ale-
gras. A sua pobre intelligencia fluctuavr.
nos limites da loocura.
Mas, conlinuou o Dr., mais lbe valera
ella e ti que eu nio cbegasse tempo
de Ihe ministrar o medicamento qne, em
consequencia da crise que atravessa agora,
poder, segando a minha vontade, ou ma-
ta-la on reslitair-lbe vida e a saude.
De modo que, exclamoa Eazebio cteio
de anciedade, do Sr. depende qnr ella viva
ou morra ?.
Depende, sim, e agora comprohen-
ders que bem fiz em voliar, para que nio
te suicidasses.
Mas entio nem ella nem en corre-
remos T
Assim parece ?
-r- Oh I bradou o rapaz arrojando-se so-
bre o leito ; Ester, Ester, poderei ver-te
ainda 1
P ders, sim, mas previno-te de nma
coosa, e qae ambos ides padecer ama
provacio terijvel sob outro ponto de vista
Veremos, amigo Enzebio, se essa temara
por taa mnlber, que te faz arrostar com a
morte, resistir ao tempo e sociedade.
Oh Dr, pode acreditar...
Acredito qne om s amor nio
bastante para a existencia do homem.
Acredito qne as palavras Eu le amo nid se
repetem por muito tempo entre duas crea-
turas. E acredito flnahneote qne essa ra-
pariga, morta na flor da javentnde e da
belle-', com a f no coracio e a esperanca
em Deus, muito mais feliz e miis inveja-
vel, do que viva e engaada porUi.
Engaada por mim 1 En engaar
Ester I tornou Eazebio levantando os olbos
< de Joseph o Illm Sr. eapili > Antonio
Francisco da CosU O povo que deve
< representar esta tribn nesia solemuidad
feo povo vindo da fregue/ia da Gloria,
12 vari) porta-bandeira da. tribu
c d Benjamim 4 o Illm. Sr. Dr. JoicrAn
tonio de Souza de Araojo Pereira Beltrio,
O povo qne deve representar esta tribn
o povo de minha querida freguesia de
Tracunbiem, e mais logares da provin-
cia aqni nesta noite presentes.
< Logo que 03 vates porta bandeira es
tavam cada om cm o sen povo destinado,
o Rvd. missio ario entregon o crucifijo ao
Rvd. capellio de Tabocas Fr. Alberto de
Sinta Aogosta da ordem carmeliti, I sna
direita eolio*oq nm innocente com a bandei-
ra de Mara Santissima e esqnerda do
cruciQxo a bandeira nacional para assim
seguir em frento da prociss?) coniJuziJa
pelo Illm. Sr. Dr. Joio Severino Cacneiro,
subdelegado da fregoezia da Loz o assim
marebou em frente da proctfi-j o cruci-
flxo.
Logo que tudo estava assim disposto
e j era mais ce 1 bora depois dr meia
n lite no meio da 5 i 6 mil luzes de velas
e faxos comecou desfilar o grao povo
(permitta-se-me dizer) em melbor ordem
qne no dia de grande parada marebam os
militares ao som da msica. Ob ( Riligiio
santa, catholici, romana di quan'.o tu es
capaz I
c Desudada a pruc ssio na ordem das 12
tribus, o Sr. acadmico Virginio e encarre-
gados reeeberam o aqdor da Seofaor da
Loz. Alraz esse andor pestou-ee a roo-
sica militar. Disiaute 12 passos segura o
Rvd. mis-ion-rio mandando sonduzir a So
ahora do lo Conselho pela senboras mais
distinctas; e se bem qne as mulheres nas-
tas occasioes sao ardentsima ra tanto &
respeito qjoe fr#is infunda o pacifico missio-
nario que nio brgaram, mas com soas ve-
las accesa e boncttiras com mM diflerent-s
cnticos, todas p, como os horneas, acom
panharaos a Virgeca do Bom Conselho. Si-
ria um nao acabar se eo agora qaiaesse des-
crever o bellissinao- e edificantissino effeito
que faziaa' os iunomeros fogaete, as luzes
e os cnticos- em alta madrugad e no meio
dos monte*! 11 Todos admirados duiam :
ah I qoe grandeza t nunca mais se -veri 00
tri ignat t S a nossa religiio catbonca
capaz de tantas coosas t
Eu mesmo fui ver para admirar qaando
principia va > entrar aesta povoasao s 4
horas da madrugad a procissio, e collo-
caado-rae com-os coi&paobairos o Rvd. Fr.
Moura, pregador da festa, e o I&-.I. Flix
Jos Moreira da Costq, todos paramentados
e com a irraandade aHi na entrada d'onde
se avislava ao longa, com effeito luza em
todo aquello oamioho ama fita de Eogo tre
mulante con raios e fogo do ar desde a
povoacio at- o alcance de nossas vistas ; e
incessantemente entsava em fileisa at que
s 5 horas ebegaraea entrada os andores
cem todo a esplendor, ordem e alegra na
Luz.
t Ea de apa da asperges e as compa-
nheros foraos encontrar as santas imagens
e o Rvd. missionario e apenas elle nos avis-
tou, clamou vivas a santa religilo catholca,
Senhora da Luz e do Bom Conselho, ao
imperador e ao povo de Israel reunido na
Lnz cujos vivas no meio de orna tormenta
e ribombo de ogos que subiam aos ares,
no meio de mimares de bandeiras brancas
e ramos verdes, qae tremufavam as mi*
de todos, foram correspondidos como o
po de Israel fazia, quando poosara a arca
-anta depois de sua jornada no centro dos
acampamentos.
1 Chegado o Rvd. missionario ao pulpito
por mim preparado no centro da povoacio,
abi subi e fa lou com toda a energa, elo-
quencia e docura. Expoz com tanta don
trina o lim de sua chegada para assistir
festa da Senhora da Luz no dia 2 de feve-
reiro antes de romper o dia, com velas e
fachos accesos, para assim imitar o fi n e
a maneira com que a igreja calhoca roma-
na houve por bem inventa-la; pois se em
1498 (dizia elle missionario) o romano pon-
tfice de nome Gelazio instituio a fe^tividade
da Purificaco para rebater ero Roma ai da
a lembranQa das antiqusimas festas des-
honestas das divindades Snperces, que co-
raecavam no principio de fevereiro ; Sergio
Reman, pontfice, para contrariar os fachos
accesos em honra dos Superces, poz as
para o co. Oh mea Deus! Vos, qne ldes
'esto coracio, que s* pulsa por Ester,
em vedes que nio posso engaa-la.
Mocinho, janea a vista em redor de
ti ; observa que tudo s modifica, que tudo
moda, qne todo se transforma na natureza;
e sendo isto incontestavel, como qaeres tu
que o coracio humano- se conserve imn-
tavel ?
Ah 1 doutor I Se u acreditasse um
s instante qne tem razio n'isso que d'z ;
se eu lvesse por certo qoe ha de v:r om
dia em que en nio ame Ester e em que a
esqueca at ao ponto de a engaar, ainda
que seja pela maisformosa das mulheres,
pegara n'esse punhal e castigar-me-bia atra-
vessando com elle o coracio. Mas... nio
impossivel ; onve ? impossivel!
Maito me alegra que tenhas essa cer
teza, porqne como de mim depende que
Ester viva on morra, para a restituir vida
tenbo de te impor algumas condicoes e temo
qne nio as aceites.
Aceto-as todas Devo acaso compro-
metter a minha alma ? accrescentou com
voz sombra.
Bom Estamos frescos I Que diabo
qaeres qae ea faca da taa alma ? Se le
nbo algnma immortal, e por coaseguinte
nio preciso da toa ; nio tenho nenhnma,
ta ests no mesmo caso e nio podes dar
nem v.-nder o qne nio tans.
Eolio qae qaer de mim ? Diga,
eston prompto a assigoar o pacto qne me
lhor Ihe pareca.
Um pacto I Que dizes, insensato ?
Acalo de negar Dens e suppoes-me bas-
tante parvo para acreditar no diabo I Aqui
nio ha pacto nem sortilegio. Ha nm ho-
mem que conhece melnor do qoe ta os
mysterios da alafa e o mechansrao do cor-
po humano, ha nm homem qne te diz :
< Essa mulher pode vi ver; mas se verda-
deramente a amas, como dizes, nio dese-
jes qoe viva. >
Nio desoje qne Ester viva t Oh I
Dr. i Est blaspbemando.
Estou blaspbemando I Pois estarei:
tratemos, porm, como se tratan os nego-
cios. O qne voa propor-te ama especie
de transaefio mercantil.
Estou ouvindo, Dr.
Se yier om dia em qne amaldiges
este odiosa Dr. Bazili por ter dado a vida
mios dos christios nma vela accsa para o
povo processionar neste dia ojq honra da
Poriflcac de Mara da igreja de saot.
Adriano i Igreja de Santa Mara Maior.
1 E depois de ter evtenteme te provado
que o fht luje, quando Deas fez a luz na
creacio do mundo, tioha cusUdo minos i
Divin* Omnipotencia de quanto castou a SS.
Triadude crear a luz de Mara...
t Ah s ora tach'gnpho podorii apa
nhar lado do eJoqnente orador, dizer a pro-
fondezi do -argumento I toda a bellez 1 do
argumento! E quando est rao Jo de filiar
o povo p recia exttico... o missionario
coticlaia: -
f tu, eu indigno sacerdote, te saudo dia
faunimmo, 2 de fevereiro !
* ttemdilo s tu anno de 1859 em a serie
dos annos de todos os seculos!
* Bemdito s tu povo de Deus que para
honrar a luz de Mara marcluistes comigo
a p! justa santissima noule!
Bemdito neste dia o romano pontfice, o
imperador do Brasil, o pernambucano, o
povo da Luz l
O povo coj este modo do missiona-
rio tio insinuantes, tio electrisados, que
nns Iremulavam as bandeiras, oatros o
ramos verdes, todos levantaram as velas
accesag e dizim : Viva a santa religiao
catholc?, viva o imperador, viva o seu 40
vento, viva o nosso amabilissimo missiona-
rio n
* No tempo doma or alarido santo deste
povo o missionario clamoa com voz sonora
e doce : Poto bosta, basta, dejoelhosl
Graolesa do poler de Deus fioi de panca-
das todos em trra de joelbos I Poto va-
mos a vussa, cantai o bemdito de Nossa Se
nhnra daLtr.t E logo eotroo a missa. A
msica militar desempenhou algumas pegas
durante a missa. Acabada a santa missa o
missionario disse ao povo: %m o mez de
out-ubro aqui fizemos o cemiterio Repouso
de S. Francisco ; justo oisita-lo e orar
a/ti pehs defunto.
* Em o tempo que todos fot un all ao
eraiterio, as nwmeres pobres foram rece-
ber nma rafio de carne verde de 10 bois
ao enge&bo Co'legjo que os caridosos che
fes- das 12 tribus soserara di?oscio do
Missionario.
Apenas den seas ordens para tudo
marohar desceu do pulpito e aeompanbado
des 12 porta-baodeiras e povo entrou no
cemiterio, al i fezuaa tocanti ssisaa pratica,
3oe fez derramar mitas lagrimis e sahin-
o fui em direitura matriz e depois de
ter leito suas adoraaoes, se foi recolher na
casa, por mim proparada para elle e seu
saehristso. Quando eram 10 horas eis o
padre missionario em nossa casa dizendo
me : Mogss nao-pode ieixar i visitar o
se ir mo Ardo, que koje diw offerecer
proputo. Respondi-lhe Irs. Jfc R..como
Dens me ajudou, pots urna surpreza igual
ett nao esperava.
lis II horas entrn a festa, eu fui o
presidente, o Rvna. missionario quiz assistir
ao- lado da epstola, e foi tal o respeito que
ssa presenga infuadio que todo o povo fi-
coa quieto como eslava. Acabou-se a festa
pelas 2 horas da tarde, e pouco depois
Ojiando eu julgava que aquello- santo vario
repoasava um pouco vi sua porta apinbada
de centenares te mulheres e horaens para
serem benzlos, o qaa daroa at 6 horas,
quando fomos convda-Io ir matriz rece-
ber o palio, as respondeu-nos que elle
queria formar a procissio oa melbor ordem
que podesse.
Com effeito em menos de 10 minutos
quando sabio a procissio tolas as mulheres
faziam ala ao lado direilo em linba recta, e
todos os bomens faziam esquerda, e isto
assim formava duas fi'eiras at o fin da po-
voacio, com a extensio da 1,500 passos,
ficando 4 bragas de centro para caberem
os andores, palio, rnnndade e msica ; as-
sim, pois, dirigio-se a procissio at o fim
da roa, pjrmine;eiuio naque!la ordem todo
o povo de joelhos em-seus lugares, at que
voltoo por ord?m do Rvd. missionario, o
qual durante essa solemnidade estava em
viga.
Quando voltava a procissio qoo vista
brilhante pois todo o povo em numero
seguramente de 7 8 mil p-ssoas em am-
bos os lados estavam com suas velas e ar-
diles accesos; e quando o SS. Sacramen
to estava no centro do povo, o Rvd. mis-
sionario exclamou: Povo elevai as vos
toa mulher, pertence-me o teu corpo.. E
nota que digo o leu corpo e que nao fallo
da alma Se alma tens, nio ser a alma,
mas sim o corpo* quem se ha de rebellar
contra o sentimento d'esse amor, que sop-
po.'s iramatavel. Eis abi tudo.
Pois eo hei de lastim realisado o milagre Pois eu hei de amal-
dicoar quem me restituir Ester I Tal
nio creia, Dr.
E, tanto creio, qae trago aqu; o con-
trato escripto.
D-m'o c, doutor, e quanto antes o
assigno.
Nao, antes de assigoar, preciso 1er
o que se assgna. Nio quero que amanhia
digas que le preparei um I go.
E lirou da carleira o contrato escripto,
accresceotando :
Examine o papel. O sello perlence
compaobia neerlandesa, qua ao menos
ostensivamente nada tem de commum com
Lucifer. Bem vs que chera a enx >fre.
E den o papel Euzebio.
O contrato eslava redigido em forma de
testamento :
Euzebio lea o qae se segae :
< Sendo-me fastidiosa a vida, casado
com urna mulher quem nio amo, e qne
me cansa -t ao extremo de ter chegado a
amaldicpar o dia em que o Dr. Bazilio Ihe
restiluio a existencia, dou-me voluntaria-
mente a morte, e assim o declaro para qne
ninguem se incommode' por causa do
mea suicidio.
c Deixo os meus bens aos meus berdei-
ros natoraes; quero, porm, que o meu
corpo seja entregue ao Dr. Bazilio, e se
este bouver morrido. pessoa qae o Dr.
houver indicado para tomar posse do mea
csJayer.
f Sexta-fera, (3 de novembro de 1817.
Eazebio lia em voz alta; e sem aitentar
devras no escripto, disse :
Dr., d-me o tinteiro e a peona.
J te disse qae tens am carcter vio-
lento da mais.
Mis se isto qne Ihe pego absolu-
tamente nec essa rio...
Primeiro pensa bem, e olha que nio
te violento, nem preciso enganar-te ou se-
dazir-te. Dize-me, pois, se ests no aso
da toa razio e sio do cor o, e qae assigoas
por toa livre vontade.
sas velas tres vezea e tres veas em honra
ao SS. Sacramento bate a trra com as
vossas bandeiras. Que espectculo I pois
pareca ura excr ito anglico em cumpri
ment dessa ordem. Fes e causoa tanta
admiragio essas ceremonias que todos di-
zim :Nunc mais em nossa vida havemo
de presenciar consa to maravilhosa I Che-
gando eu cora o SS. Sacramento porta da
igreja e o povo ainda ooenpava a sua posi
pi, o Rvd. m siomrio disse, estando ajoe-
Ibado no c-entro da procissio: Povo
baixa a cabega e as bandeiras para recebe
res a I engio do S3. Sacramento! Ah!
rrlgo do Cordela Ta s ples obrar
Jeslas maravilhas I
t Recolbida a procissio o Rvd. missio-
nario subi ao pulpito onde elle pregava e
em quanto solemnisavauos na matriz com
sermio o Te-Deum, elle inandoo conservar
o povo em seus lugares no mais perfeito
silencio, mandando cada ura rezar um
tergo.
t Quando ello vio que era tempo de se
tirar a bandeira e nos sacerdotes, irraanda-
de, mosxa e povo sabamos da igreja para
este fim, mandou que imme-liatamente o
povo da roa aceeodesse suas velas e esta
vista pensavamos estar no paraizo, pois as
tanUs V:las e fachos accesos, bandeiras
brancas, msica militar pare Jim om effeito
do paraizo! I
t Log.) que findou este acto o Rvd. mis-
siona;io mandou que o povo fosse descan-
sar e dormir, mas que s 3 hora- da ma-
drugada ao sigoal da torre acodissem pan
machar da mesma mauera como veram.
Todos obedecern) e dentro de urna bora o
grande pateo eslava deserto.
< Quando dorara 3 horas a torre repica-
va, os fogosubiam e acorda-vam o povo de
Israel. Mas quio maravlhoso Deus com
o seu povo israeltico I Pois vek) urna chova
e parece que foi co no agua tirada por Moy-
ses no deserto quando a coaioou as aguas
da contradego. A' esta chuva o povo de
Israel resisti p firme, e alargando-se
um pouco o Rvd. missionario mandn ac-
cenier as velas e fachos e servindo-se do
texto :Qui gtucidant me viiam alernam
ha&ebuntaquellos que me esclarecem te-
rio a vida eterna; fallou com lano vigor
dizendo. que no sangue dos hrasileiros cor-
ra igualmente o saogue de Jacob, e que o
povo pernambucano como legitimo israelita
as- montanhas de Tabocas dra nesta pro
vincia a primeira balalba de morte aus pro-
testantes bollaadezes, e que Pernambuco
tem urna pagina na historia, que lbe taz
honra neste seatido, fallou emfim com tanta
ungi e forga qne s o tacbjgrapbo poderla
apaohar o sea bello dscurso.
Apenas acabou o sermio .andando e
elogiando religiio catholica, ao Imperador,
provincia e Luz disse: Marcha a
primeira bandeira e em seguida cada urna
pon seu torno, como vieram e no fim dos
homens marchou o aodor e logo seguiram
as mulheres cora outro andor e todo o povo
com velas e fachos accesos e firmes sup-
portavam nova chuva que caba: assim fez
segunda jornada o Moyss atraz do seu po-
vo, dando o mais bello espectculo e con-
tentamento, eercado de luzes, de fogos do
ar, repiques e msica. Assim acabou o
santo vario a sua retirada da Luz. entrando
na risonha manhia do dia 3 de 'vereiro
pelas 7 horas no cercado do engenbo Tabo-
cas com a mesma solemnidade e povo em
numero de 7 8 mil pessoas.
* Permilta-se-me anda dizer o que se
deu na entrada e despedida da prncissio na
capella de Tabocas. O grio-povo apresen-
tou-se em duas alas tendo frente os ii
porta bandeiras. O pulpito era enllocado
distante, um tiro de pega da segunda trin-
chara onde o celebrrimo Jo5o Fernandos
Vieira e seus compaoheiros derrotaram na
primeira batalna o protestante hollradei.
f O Rvd. missionario subindo ao pulpito
recebeu os dou3 andores e os collocou no
mesmo lugar d'onde tinhain sabido, e levan-
tando a mi com om ramo verde disse :
Este galbo verde o sgn d da victoria que
vossos pais conseguirn para sustentar a
religiio catholica e o legitim monareba
Nos agora nao vientos -h urna s&nguiadeu
la bitalha, mas viemos de urna sol>-mne ro
mana e procissio da povoagio d 1 Luz p*ra
assim rememorar os bellos dias dqs vossos
pais, qne ainda se conservara era vos, digno
netos. Tomando a bandeira nacional n'uma
No uso da minha razio, sio do cor
po, sem qoe baja engaos ou sogesles,
assigno porque assim minha livre von-
tade.
Previno-te de que sejam quaes forera
os boatos que currara meu respeito, desde
qae asignares essa papel, onde qaer qae
eu esteja ou como esteja, perto oolonge,
morto ou vivo, o leu coracio ser om livro
onde lerei os teus psnsamentos mais secre
tos*' Para te convenceres d'isto, lembra-te
do que se era pissado ag ra, e se aio fr
suficiente, o qoe vais ver te convencer de
que a miaba sciencia demasiado profunda
para ser c d'este mando. Nio te esquegas
tambem que assignado por ti o contrato
poderla matarte quando bemmeparecesse,
porque esse papel demonstrara qae te
tinhas suictlado. Por taato, antes dele
subtuetterea prova, reflecte. Se temes,
anda tempo. Despede-le de tua molher,
qae nada ouve; nio saber da tua fraqueza
e descansar para sempre no leito da morte.
Euzebio esleve om instante como qae
sombrado, mas respondea :
Oh I Nio. Para ter quinlo oasj
suas duvidas seria preciso injuriar Daos
e aos bomens, ao carpo e alma.
Depois, voltando se para sua molher,
continnon :
Vivaremos, Ester ; viveremoa, om
fiara {o ontro, e por motas qae sejam as
angustia i e os pezares que a existencia nos
reserve, auxiliado por t e estimulado pelo
tea amor, sustentarei a lula com valor e
sabere acbar consolagoes a alegras ao
meio de todos os meas soffrimentos.
Disse, e ebeg indo-se ao Dr., repeli :
Peona e tinta.
Bem, mas nio torio miserias nem
soffrimentos. Pelo contrario, serio ricos e
felizes, se a felicidade o que o mando
sap os. Agora ests resolvido a assigoar t
O mais qae sinto demorar se tanto.
Nio tenho aqui tinteiro ; mas am homem
tio precavido que traz o contrato escripto,
nio se lera esqoecido do tinteiro.
Effectivamente, disse. o Dr., trago
sempre comigo ama peona, e, se nio fago
o mesmo com o'tinteiro, porjue appello
para a tradiclo: nma gola de sangue basta
para assignar.
Urna gota de sangae I bradou Euze-
bio. Pois assignarei com sangue.
mo e na outra o painel da Senhora do
Bom Conseibo u'isse:Justina et paje os-
culata snnt.
< A religiio e o Imperador se abracis.
Aqni fallas tanto dos direitos inaoferiveia da
relgiio s da corda, da qoe accordo bio de
felicitar os povos, qua por sera duvida Aca-
rara suas palavras innocoladas nos nimos
dos ouviotes. E mandando a msica tocar
o bymoo nacional, enebeo-se de entusias-
mo e forga dizendo: Povo, sabes ta o
qoe se toca ? E' o hympo nacional. Mas
sabes ta o qae est dizeado no leu cora-
gio? Senhor das misericordias J salvaipara
sempre nos brasileiros e a religilo catholea
romana! Senhor, Rei dos reis e dominador
dos povos, conservai a preciosa vida do im-
mortal Sr. D. Pedro II f Senhor de todas as
riquezas fazei prosperar, engrandecer e
respeitar a nossa n ionalidade! Senhor,
sombra desta bandeira conservai a paz, illa-
minai os povos, conervai o Brasil! *
Depois segoiram-se os vivas, e neste
transporte de tanta alegra o povo entha-
sastico no rigor do termo, iremulavam as
bandeiras e os ramos. Pareca qne o Rvd.
missionario por esta (rma insinuaba o es-
pirito ootr'ora de nossos pais e religiosos
militares qoando em derrota rechassavam
os protestantes bollaniezes. Emfim, disse
tanto coma sua voz forte e sonora qae ellos
todos acabaram chorando de al-gria.
. Fmdou o a co antes de se repoosar,
mandando o Sr. Dr. Joio Severiano, que
tinha a bandeira nacional para a casa de vi-
venda do senhor do engenbo o Sr. capitio
Francisco Antonio Caaral de Meh>, e o povo
ainda acompanbou ao som da mostea e ah
lerminou todo.
No domingo de manha o povo era em
numero de 8.000 pasoai f consa incrivelt
O Rvd. rasion*ro logo ordenoa qae fos-
sem abrir a pessima estrada que vai de Ta-
bocas ao cemiterio dos cholencos, qne dista
meia legua. Logo se deram pressa homens
e mulheres e meninos, e com effeito fez-se
a estrada.
Peas.6 boras da tarde eis o Rvd. mis-
sionario em o pulpito, onde nio estavam
meaos de 8,000 pessoas. Pregoo sobre as
tribalagSes, fazendo reflex&es, e den regras
tic sublimes tiradas do Evangelho que era
impossivel ni) penetrar os coraces ; e na
maior forga da predjea disse: Amanbia
os representantes dos cholencos venbam ao
cemiterio : os vivos todos quero ea dizer;
pois all no terreno do desengao quero
despedir-ma e antes de irme abeogoar vos
Aqui o povo choroa. Povo, nSo cho-
res, disse elle; porta-te como povo de Pao
d'Alho e eu le cinto como mtu. Povo,
n3o acredites em menlirosos especoladores
que o governo brasileiro captiva... Povo,
vem Paoba consultar-me qnaado os boa-
tos te aturdirem. E se Peeha aio pod-
res vir, recorre ao Rvm. vigario desta fre-
guezia qoe aqni est me onviodo, 00 ao Sr.
subdelegado, ou a algara dos proprietarios
de bous costamos e bem casados ; e nio
consultes amancebados e bebados, pois
estes vvem sem cooselbo, etc., etc. Disse
mil outras coasas.
Quando davam 4 boras da madrugada
do dia 7 o sino Jobra va, e o grio-povo, qoe
dorma ao sereno, correu pelas 5 boras ao
cemiterio. A ii o missionario disse missa
pelos defontos cbolericos. E lomando por
tbema mortuos non prohbeos graliam, eccl.
fallou da existencia do inferno, do paraizo
e do purgatorio. Pintn tanto ao vivo as
penas dos Seis defuotos qne o povo se la-
vava em lagrimas. Quando o povo estava
assim chorando, elle exclamou mais ou me-
aos oessas palavras, que mereciara ser es-
criptas em lettras d'oaro:< Qae fortuna
que felicidade! a de nos catbolicos ro-
manos acreditando as penas do purgatorio
e as do inferno Pois com este santo dog-
ma alliviando assaz as penas dar ilmas do
purgatorio, fugmos do vicio, donamos o
peccado e evitaremos o inferno. Aqui ago-
ra e em tod n os dias venbam os sobarbos,
aqui os avarentos, aqu os calumniadores,
aqui venliara as muliieres com as suas pon-
las e capell duras, aqu os amancebados,
aqui 01 ricos e grandes, pois aqui o ter-
reno da verdade. Elevndose em espi-
rito cura lagrimas aos olbos apaunamos-lhe
raais esta divina exclamgin :
(Contmuar-se-ha.)
E arregagou a mang da camisa do braga
esquerdo.
O Dr. pochoo por ama panna de ago,
cujos bicos eram tio delgados como a poota
de urna lanceta, e pi:ou o braca' de Eaze-
bio ; molboa depois a penna e oflereceu-a
Euzebio, dizendo-lbe :
Fica entendido qae procedes volunta-
riamente.
Ripito que nada me impas, e qoe
assigno porqae assim minha vontade.
E, pegando na peana, assigaou com o
sea sangue.
Assigaou; e nio houve relmpagos, nem
trovoes, nem cheiro enxofre, nada. A
natureza ficou se como se tal cousa nio
houvera acontecido.
Se te arrependes, conlinuou o Dr.,
podes ainda rasgar esse papel.
Euzebio responden entregando-lhe o
contrato e dizendo :
E' seu o papel : reclamo Ihe a vida
de Ester.
E reclamas com justiga, redarguio o
Dr. gaardando o pacto; nio quero, porm,
pracipitar-me. Vou-me. Emqnanto nle
livor passado o bambral da porta podes
chamar-me; mas em eu estando na roa, j
aio ha remedio.
V se, Dr., v-se ; e qae o co o
acompaohe.
Vai-te para o diabo com os teas coi-
dados e cortezias I
O Dr. chegou at porta, parando para
dar tempo qaa Euzebio o cliamasse. Le-
vantan a esteira, estendeu o brago para ver
se tinha parado a chuva, e, depois de d-/s
zer adeus'com a mio Eazebio, sabio dti-
xando cahir a esteira.
o mesmo instante' o mogo hollandez sa
sentio como que alethargado, assaltandc-o
ama somnolencia qae nio poda explicar.
Oavia om rnido loogioqoo, e por entre
esse ruido, motivado cortamente pelo san-
gue qoe Ihe afflaa as fontes, porceba o
riso nervoso de Bazilio.
Quiz entio approximar se da cama de
Esler, cerraram se-lhe, porm, os olbos e
cabio adormecido ao p da cama.
*
*
v
(Continuar se-ha)
TYP. DODUiUO-l 00 CUUUE DI CAJIAJ


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGCMXP391_LRC1V0 INGEST_TIME 2013-09-16T21:41:43Z PACKAGE AA00011611_12505
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES