Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12503


This item is only available as the following downloads:


Full Text
/
m*m-m

a
1
AtiNO XLVII. NUMERO 227
(. 01
I*


I I-


I
V
,

r
li
- i

O b'
y
TABA A. CAPITAL E LU&ABES OIDS ITAO SE PARA POBTE.
'ijr*or tfej mazos adiantaitys......... ........ 40000 l**fc *a'I
fror sois dilus era................. 1 *2*00a
-r.uumw^ hloiti.................... 34*000
Cada trainero avulso..................,-. ISO
4 ar

QUINTA FEIRA 5 DE OUTUBRO DE 1814.

-
*
PABA filBTBO E FOBA DA xHOTUOA,
Por tres exei aditntados ..............
Por Mia ditos idum......-...........
Por non tai iem................
PtfT nmnio dem ................

. .

n$&
*

/'
.

Propriedade de Manoel
o i* i
ri iv
de Faria & Filhos.
---------------------------------------------




AO AS3MMTMSJ

I
i '
f* Srs. Gerardo Antonio Altes & Filhos, no Para ; Gonfalves & Pinto, no MtranMo ; Joaqnim Jos de Oliyeira 4 Filho, no Cen ; Antonio de Lemoa Braga, no A/acatj ; Joao Maris Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Sra no Natal 1
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ;Felippe Estrella & C, na Parahybt; Antonio Jos Gomes, na Villa, da Paabd; Bolarmino dos Santoa Baldo, em Santo Ailo; Domingos Jos da Costa Braga,
'Jos Joffif
-
,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Ta varea da Costo, em Alagan*; Dr. Jos Martina Al ves, na Baha ; e Leite, Serqoinbo dC do Rio de Janeiro.


PABTEemcAL
Corerao da provlucla.
. IXPKMBNri: ni WA SI F. SETEMBRO DK 1871.
.'Aattot:
O vice-presileute da provincia, tomando em
eenatderago o que expoz o inspector da thesou-
raria de fazenda, em oflkio de 19 4o corrale, n.
'Mi, resol ve sniorn-ar sob a responsabiiida le da
nesroa presidencia, nos termos. So decreto n.
3884, do 1' de fevereiro do 1693. aui crdito ex-
-iordinar o, na importancia de 3:0004 para oc-
correr ajuella (heaouraria no aetosl exercico s
daspea- sea cargo relativamente verba Tr-
ra publicas e colon>sagao do minisierio da agri-
cultura commerciS e obras publicas.
O vicepresidente da provincia, i vista do of-
ficio do comioandante superior interino da guar-
da nacional d municipio de Goyanna do 1* do
correle, resoWe, de cooormidade com o art. 65
4 da lei n. 60 de 19 de setembro jo I8o0; privar
dos posjos de alteres da i' e 7' compania d > ba
ramio ,e p 12, pira os qnaes foram naneados os
idaJios Joao Alves Tavares a Flenrique de Paula
Ferreira Rabeilo, este por nao se haver fardado, e
iluda por nao lar solicitado, apalete no praso
I-jral.-ExpeJirara se as necessarias communica-
Ac inspector, da thesouraria de fazenda, de-
clarando em satisfago a saa requisieao, que o
eensetho de qualifleago da guarda nacional do
municipio de Santo Antao era eomposto do capi-
tSo Mtgnri dos Am>s Alvar** ios Prszeres, na
qualidade de presidenta e dos vrgaes capillo An
ionio Ferreira Machado, tenente J aqoim Mauricio
Wauderleye alferes Manoel Gomes da Assumpcio
Jnior, e Manoel Tootnsz do Nascimenlo.
Ao in poetor da ihesonraria proviodal, para
mandar adiantar tres mezes de vencimentos.'a
conur do I* de outubro viadouro, aos destaca-
mentos deRnigae, Cimbres, Terra-Nova e S. Ben
;.>; seniop-Keomposto de 1 offleial e 17 pravas.
o 4* de 1 odctJ e !1 praxis, o 3* de 30 pracas,
i flnlmeoteWl offleial e 13 pracas, bem como
para um offleial subalterno, que so acha em com-
aiissao em Aguas Bellas. Communicoa-e ao
oramandanle do corpo de pelicia.
Ao mesmo, mandando adiantar, mediante
Hanea idnea, ao profossor oomeado para a cadei-
ra de instruc^o priman i di povoacao do Oibo
d'Agua |os Bredos, Beoedieto Marques Vieira, a
quaotia de M)JS, para Ihe ser descontada pela 5*
parte de seus vencimentos.
. Aojnesrao, autonsando-o, nos termos dasua
iofornacao, a mandar prooessar, afira de sor paga
ifaanlo a asamblea legislativa provincial votar o
necesario crdito, a quantia que se ficou a dever
ao fallecido Heraclio Constantino de Paula Montei-
ro, proveniente de objectos foroecidos para o ex-
'i-.'iljotnda sucretaria da presideniia.
Por essa tbesurara mailoa-so pagar"
A' Fraicisco dn Co-ta Maia os venctnenlus rela-
tivos ao mez de agosto 'iltimo, dos guardas nacio-
aaos destacados oa adido do Rio Formoso. Cora-
maaieoa-s ao commandante superior respectivo.
innieou-je ao c immanaaue superior respeciivo. -------r- ir- ->-..
A' pessna competente a importancia doforneci- **. Ao de polica, |
leoto de luz e agua feito ao desmenlo da po- mende as autoridades p.iliciaes
iiwito ae tuze agua teito ao desmenlo da p
voa?So de S. Lourenco da Matta, a contar de 16
de dezembro Jo ano passado a 30 de abril ul-
timo.
Ao juiz de direito da comarca do Brejo, ac-
ensando a r-ecepeo dos mappas estatisticos, que
>nviou, remetiendo os raodellos que pedio dos de
ns. 9 e 18, e rocommendando a reoiessa dos que
nao foram anda ministrados.
Ao eomiflndante do corpo de polica, auto-
risando o engaianinto do paisano.Firmioo Maria-
no Mende* da Silva, se (r apto.
Aocommaodaote superorda guarda nacional
do municipio de Goyanna, devolvendo para ser re-
firmada, a proposta qne remeneo, oao s na par-
te relativa ao alferes da 8'companhia .Jote Tava-
res Pessoa de Vasconcellos, que nao consta da
matricula existente na secretaria da presidencia,
mas lambem ao da 2* Joo Baptisla Leonardo Su
dr, contra quetn deve proceder de eonformidade
com o decreto n. 3S35 de 25 de novembro de
1863.
Ao capito do porto, coneedendo a autorisa-
<;ao que solieitou para mandar encaderoar os 20
hvros oecessarios ao registro das matriculas dos
individuo- empregaios na vida martima.-lotei-
rou-se a thesouraria de fazenda.
Portaras:
Aos agentes dajgaipanbia de navegacao bra-
sileira, mandan lo '?transporte para curte, no
l vapor que segwr^lra o sol, a ara caixote que
se destina ao ministerio da agricultura, contendo
amostras de mdeiras. Offlciou-se ao inspector
1i arsenal de marinha para fuer conduzir o cai-
Dte at i boruo do vapor.
Dita, coneedendo permisso a Anna G mes
Fernandos Perein, para embarcar com destino ao
Presidio de Fernando de orooba, no 1 vapor que
para atli segnir os gneros constantes da ociosa
reacio.
Despachos :
Benjamn ErnestoTereira da Silva.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Benedicto Marques Vieira.-Di rija-se thesou-
raria provincial.
Br. Bernardo Pereira do Garmo Jnior.Como
requer, pagos os dreites naciooaes.
Compantua Recife Draynage.Informe o Sr. Dr.
director das obras publicas.
Galdido Gomes dos Santos.Informe o Sr. vice-
profodr da Santa Ca*a de Misericordia.
Candida Mondes Drummond da Cunba.Infor
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Job Baatista Alves de Sant'Anna.Informe o
Sr. il poctor di thes uraria de fazenda.
si Jos Marta Ildefonso Jacome da Veiga
Pesaftii o Mello.Informe o Sr. inspector da the-
soararfa de fazenda.
Padre Miguel Americo Pereira de Souza.Era
Asta da informacao, nao tem lugar.
EWtWNT DO DA tJ DE SETEMBRO DE 1871.
Actos :
O vlce-presideote da provincia, tendo em
vista S preposta do director geral interino da ins-
true^ao pjiblica, teita em offlcio de 31 de agosto
ultimo, so n. 321 bis, relativa ao concurso para
provimento das odeiras vagas de ins'ruccao pri-
maria do sexo feainino, rosolve de aonformidade
coa os arts. 221 23 da lei n. 36J de 14 de maio
d 1853, tomear Amalia Mara dos Santos Ramos,
professera da eadeira da povoa;o de Timbaba.
Igoal, mutatis tnxUandii, nomaando Mara Fran-
cisca Bezerra Cavalcanti, professora para a eadei-
ra da povoa?o de Allaoca.
O vico-presidente da provincia, attendendo
ao qae expoz o doutor director geral interino da
intruccio publica em offlcio le & de agosto ulti-
mo, sob n. t79, re9lve nomear o professor pu-
blico do instruccao primaria da eadeira da Ca-
punga na fregaoaa de Nossa Senbora da Graca,
Angelo da Costa Mello Rosal, para reger a eadeira
nocturna, creada para aquello lagar pela lei n.
i fiit do 13 de janbo deste anuo.
O Tice-presidente da provincia, attendendo
ao ano expoz a directora da sociedade das Artis-
tas Mechanicos e Liberaos em offlcio de 20 do cor-
rete, molve de eonformidade com o 5o do art.
29 do decreto n. 2,711 de 19 de dezembro de
1840, nomear Joio dan Sanios Ferreira Barros,
osm oecapw o cargo do director da mosma socle-
4aa>.
O vlcj.pregldoate da provincia, atteoleodo
A
; ao qoe requeren Justino Rodrigues da Silveira,
p neiro do arsenal de marrana, e tendo a vista a
loorraaco do respectivo inspector datada de 11
do correte, sob n. 113, resolve conceder-lhe tres
mezes de licenca com todoi os seas venciraentos
para tratar de soa satHe. Expediram-se as ne-
cessanas commonia^es.
Offlc is:
Ao.brgadeiro conmandante das armas, de-
clarando em resposta ao sen offlcio, que'o pedido
de enxergSes, feito pelo coronel commandaote do
9* batalbao de infantaria, dependa de deciso o
governo imperial, a quem pedio-se crdito, aflm
de poder ser satisfeito.
Ao mesmo, mandando por em hberdade os
recruias Jeronymo Joaqaira Pereira e Ceeilio de
Azevedo Leite, que apresenlaram isencao do ser-
vido.
Ao vice provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia, approvaodo o acto da anta administrati-
va, qne conceden o dote de 200 a exposta^Si-
miaa, casada com Benedicto Rodrigues Cara-
pello.
. Ao mesmo, interando o de haver resolvido,
em vista das raides expostas em sea offlcio, consi-
derar de entrar eflaito as ordens da presidencia
acerca da entrega do dote de 200 qae se julga
cora direito Damao Lopes Pereira Guimaraes, ca-
sado com a exposta Laurinda Mara da Gon-
ce icao.
Ao inspector da thesouraria do fazenda para
que, atientas as razoes expedidas pelo engenbeiro
Joo Gomes do Val, chefe da commisso encarre-
gada de estudar o prolongamento da estrada de
ferro do Recife S. Francisco, mande adiantar-
Ihe sob a responsabilidade da presidencia a qaan-
tia.de 1:000fOOO por elle- solicitada, para paga
meato das despezas com os trabalbadores.
Ao mesmo, communicando que em 20 de
agosto ultimo, assumw o oronel Francisco de
Barros do Nasciraento, o exerccio das funegoes
de jurz municipal do termo de Floresta.
Pela thesoarara provincial raaodou se pa
gar.
Ao Dr. Felippe Nery Collaco, com preferencia,
a quantia qae se ihe esiNer a dever, proveniente
da ultima prestafio do seu contrato, na qualida-
de de arrematante das impressSes do3 trabarnos
ne:essarios as repartigoes provinciaes.
A' Dyonizio Rodrigues Jacobina, tambera com
preferencia, a importancia da ultima prestacao
que se julga com direito como arrematante das
obras da canalisago do rio Taquara.
A' Lavra A Gratnliano, a quantia de 454200,
dispendida com o sustento dos presos pobres da
cadeia do termo de Garuar durante o mez de
agosto ultimo. Gommunicou-se ao Dr. ebefe de
polica.
A' Gomes. & lrmio, a de 39650, proveniente do
forneeimentd de luz e agua para o quartel do des-
tacamento do disincto de Magdalena dorante os
mezes de maio e junho deste anoo.Inteirou-se ao
Dr. ehpfe de .polica.
Ao capillo do corpo de polica, Camillo Augus-
to Ferreira da Silva, a quantia de 10* relativa ao
oapidiente durante o mez de agosto ultimo, da
tercetra compaohia do mesmo corpo, por elle com-
nunlada ioterinamente.'
para que recom-
por cujos distric
los pastar a va frrea do Recife a S. Francisco,
que preatem a commisso encarregada de estu-
dar os trabalhos do prolongamento da raesma es-
trada, e da qual ebefe o engenheiro Joao Gomes
do Val, os auxilios e garantas de que precisar
para o bora deseoipenho de sua commisso.
Ao comman ante do corpo de polica, auto-
risandeo a desligar do corpo sob sea commando,
o soldado Joo Jos de Vasconcellos Jnior, visto
nao poder continuar a servir.
Ao juiz municipal do termo de Goyanna, pa-
ra informar acerca da ultima parte do aviso junto
por copia, do minisierio. da fazenda, exlgindo os
planos das obras di igreja do Amparo naquelle
termo, alitn de resolver-se acerca da concesso de
urna lotera requerila pela respectiva irman-
dade.
Portaras : **?
Ao conselho de compras do arsenal de ma-
rinha, reeommendaodo que promova a compra dos
objectos constantes do sea offlcio de 19 do cor-
rente, os quaes sao necessaros para provimento
do alraoxarifado desse arsenal.
Ao mesmo, approvaodo os contratos, qae ce-
lebrou com diversas paladas para fornecerem v-
veres, dietas e ootros objectos de consumo aos na-
vior da armada e estabelecimeotos de marinha no
trimestre de outubro a dezembro do correte
anno.
A cmara municipal da villa ds Agua Preta
declarando que, para solupao do objocto de sen
offlcio, convm que informe circumstauciadamen-
te, se providsni'iou em lempo para que os 3* e 4*
juizes de paz do 1* districto dessa fiaguezia pres-
tassem o devido juramento, comp -llindo-os a isso
pelos meios legaes, e bem assir qusotos supplea-
tes jaramentou e se teve em vista Dessa occasio
as disposicoes do aviso do ministerio n. 25 de 26
de Janeiro de 1854 e oatros que rsgulam casos
nicos em que pode ser deferido juramento aos
supplenles de juizes de paz.
A da cdade da Victoria coneedendo aulori-
sago que soiicitou para despender at a quantia
de 200* com a compra de ama casa confronte ao
mercado n'aquella cidadp, cuja demolico toroa-se
aecessaria para facilitar o iransito, publico.
A da villa de Flores para qu com brevidade
remeta ama copia aothentica da acia da apara-
gao da eleico. que se proceden a 20 de agosto
ultimo na igreja matriz de Nossa Senhora das Dores
em Baixa Verde para vereadores do novo munici-
pio do Triumpho.
Despachos :
Alexandrina Mara S\ Goueeigio.Informe o Sr.
vice provedor da Santa Gasa de Misericordia.
Antonio Jos Bruno da Silveira.Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Angelo da Costa Mello Rosal. Passe portara
na forma requerida.
Clandioa Mara da ConceicSo.Nao tem logar o
qae requer.
Compaohia Vigilanle.Como pede.
Cecilio de Azevedo Leite.Seja posto em liuor-
dade.
Camilla Ametista de Carvaln > Calnmby.- Indef -
rido.
Padre Joio Jos da Costa Ribairo.Ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazanda para allonder o
suppliaaote.
Joo Guilherme Wlengeis. Ao Sr. director garal
da inatruccao publica para atteuter ao suplican-
te nes termos de saa iaforraago de 23 do agosto
ultimo sob n. 304.
Bacnarel Nabor Bezerra Cavajeaota. -Informe o
Sr. Dr. juiz de direito da comarca do Bonito.
Bichare! Aasterliaao Corroa ds Crasto. Passs
portara na forma requerida.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Ao com.nanJant- do presidio de Fernando
de X ironha declarando, de ordem da presidencia
que, segundo offlcio do Exm. presdante de S. Pan-
to deixarm de ser remetidos com deUino a assa
presidio os eravos Francisco e Honorato por
haverem fallecido. a
PERNAMBUCO.
TtRVISTA TiXMWtA
CAPTURA DE GRlMfltOBM.Segundo cora-
munica o delegado do termo de Bonito, era 23 do
setembro, foram capturad)s por elle, auxiliado
por ama torca da guarda nacional, por diversos
inspectores de qaarteirao e pessoas do povo, no
districto de Capooiras, Amaro W3 da Sila, cri-
minoso de mue prontiiciadn, Feksberto Jos
Ferreira, iadrao de cataos e diwrsos oatros in-
dividuos criminosos, coaira tras ios quaes ja La
denuncia na promotona publica.
EVASAO DE PRESOS J CONFLICTO.-No da
23 de setembro, dez presos qae se achavara re-
coibidos cadi. conseguiram forgar um dos es-
letos do lado inferior da priso, evadindo-sfi todos.
Apenas foi isso conhecido, poerara-se-l_hes no en-
calgo o carcereiro, as sentinellas e diversas pes-
soas do povo, os quaes coasogniram a captura de
cinco dos evadido?, aps 'tata reunida, da qual
saliiram feridos levemente ora soldado, o iaspec-
tor de quarleiro Fesmiao Bezerra do Sobral, o
pae deste, doas dos presoi o o carcereiro.
CONCURSO.Pela directora da inrucgao pu-
blica foi transferido para 18 de crreme o concur-
so para as cadeiras vagas de instraccao publica,
do sexo leminino, qne s achava marcado para o
da 9. As cadeiras san os seguintes localidades:
Barra de Ssrinhiem, S. Caetaoo da Raposa, Gr-
vala de Jabar, Sanhar, 8. Bnlo, Alagoiaia,
Malham'nha, Qaeimadas, Aguas-Bellas, Taearal,
Floresta Ingazsira, S. Jos de Ingazeira, Affogados
de logazeira, Villa-Bella, Petrolina, Granito e Ga-
brob. O concurso ser celebrado no palacete da
Escola Normal.
IMMU.VDICIA Continua a permacer em tal es-
tado, seno a estar convertido em ponto de des-
pejo publico, uro beeco sem sabida, qoe ha na
ra do marquez do Herval, e de qu j fallamos
ha Gias passados.
Convm que se d ama providencia no sentido
de fazer cessar ou doaappafor (al toco d* latee-
go, cajos miasmas laviatados da decomposigao
das materias animaes all atiradas e espalhadas
pelo ambiente, nio podsm deixar de affectar a
saude publica.
PASSAMENT.-Deu hontem a alma ao Creador
o actor dramtico Pedro Baplista de Santa Rosa,
viclima de hepalite aguda.
GHAPEOS.A grande e antiga fabrica de cha-
peos de sol de madama V. Falque, ra Primeiro
de Margo n. 4, tendo recabido de Pars diversas
facturas de chapeos de sol, tanto para tnmero
come para Sra., acha-se sortida de todo quaqto
ha de raelhor no genero, venden do por procos
bastantemente commodos, porque se contenta com
pouco lucro, aflm de aproveitar a occasilo de
mandar vir da Europa novidades. O pregos dos
chapeos para senhora varan de 5*000 a 20*000
eadaum, sendo a difTerenga de prego entre urna e
outra qualidada de 500 rs; e os para boraem vo
de 3*000 23*000, segundo sao de alpaka oa de
seda, de casiSes simples on de prata. Recom-
mendamos aos leitores esse estaboteeimento.
CARIDADE DOS BRA81LEIR05?-Com esta de-
oominaco o importante jornal parisiense Le-
Frangats estampou um artigo, em qae com pro-
funda e sincera gratido implora as bengos do
co em favor do Brasil, dos generosos brasileiros
enjas dadivas foram attendar algumas das dolo-
rosas miserias, qae, soffreram os francezes em
resaltado da guerra.
Pelo-referido artigo, rinba o Sr. conde de Mero-
de recebido at 9 de julho prximo passado de
Pernambnco o valor de 80,000 franco?, e do Rio
de Janeiro o de 150,000 fraocos, por, intermedio
do Sr. onde do Bomflm.
Os soecorros do Brasil, promovidos pela com-
misso brasileira, alliviaram da miseria a mais de
quatroientas familias de Ruio e Nancy e dos de-
partamentos Lonet, Ardeanes, Mease, Cote d'Or
Doabs, Haat-Sadnne o de algans oatros circutm-
sinhos de Pari, sendo ama parte desses soecorros
applicada a auxiliar os soldados sabidos dos bos-
pitaes 00 regresso as goal habilagSes.
Maito longo seria, diz oalladido jornal, tragar o
quadro das miserias; oao toram allivtadas pelas
contrlbuigSes do Brasil. A mor parte tanto .no
Doub-, como no Haut-Sadne, foi distribuida os
CantSes visinhas de Belfort, as villas qae susten-
Tendo sido convocada para 13 do setembro aicauSa d'eite funesto desastre, qoe se numera c-
sognaa sessaonnnaado jary, depois de dona ada- 'rao um dos mafs horrorosos qne ba muilo tempo
menk, pende abrir-se ao da 2, aoewraodo-ee '
Gamillo Angosto Ferreira da Silva.A' thesoura
ria provincial com offlcio desta data,
Dionysio Rodrigues Jacobina. A' thesouraria
provincial com offlcio desta dala.
Francisco Joao de Barros Janior.Passe portarla
concedoado a ItCenca requerida.
Padrt Francisco Verssimo Bandeira.Informe o
Sr. inspecior da thesouraria provincial.
Francisco Pedro de Sampaio.Indeflrido.
Fortunata Alexandrina de Almeide Fortes. Ao
Sr. director geral da instrucgio publica para altea-
der a supplicante nos termos de saa informacao
de 14 do correte sob a. 334.
Dr. Felippe Nery Collaco.-A' thesoarara pro
vincul com offlcio desta dala.
Irmandade do Senhor Bom Jess das Portas.
Encaminheee-se ao governo imperial.
Jos Antonio de Albuquerqae Pedrosa.Agaar
de-so o crdito pedido ao governo geral.
Jo Joaquim Pereira de Oliveira.Iatorrae o Sr.
inspector da tbesoararia de faienda.
Jerooymo Joaquim Pereira.Seja posto em libor-
dade.
Joaquim Xavier de Luna Miranda Gouto.
forme o Sr. conego ragedor do gymnasio.
29. Foram submettidoj i ju*ta>menlo qoatro procea
sos,'turando tret'absotvigdes e|uraa condemnaeao.
Esta ssado p#oaesado aesta cidade o celebre
Jasuioo Batalha, (ndiciado eon aalor do audacio-
sa roubo, de quatDi victima o capillo Lrarentioo
Beltrao, em sea oageah > Sanios Meitdes. Biulha
communitta da cjnvcjo, a procura quaodo
pode, por em pratica os principios phiiosophico-
soeiaes de ana seiu.
Sempro activo infagavei ; tem sido preso,
segando dizem, man de SO veas, por... commu-
nitta ?... ne, por ladra (qaaticacao injusta I)
raai elle ama especie de Rxambole, o ainda nij
achoa priso bastaata segara. Agora mesmo coas-
la-mi que forana aprehendidas cartas d'eile a on
amigo de bozerros, em que Ibe promette estar no
tnnndo brevemente.
A' vista pois de tan formal promesaa, canvm
quo a aotondade Caca exereer a maor vigilancia
HtotfipttBpQruate hospede. At brava.Vtritas.
HUKRIVEL I -O incinnati Eqmrtr (Ohio), de
9 de agosto canta a triste historia de ama creanga
devorada per dea :
Na fabrica da palles do Sr. Ernesto Blersch,
hava desde algum tempo ama maiilha de trezs
caes, una aovo*, anlns velbos, quo se sojienta-
vam da carnes de relago corrompidas, qae por
aquellos sitios abandaro.
< Este sustento augmeatava de certo modo a
sua faroesdada natural, par qae todos acuelles caes
proceda de ua] crozamento da forte raca do
newfaundUmd e dj grande dog. Estos terriveis
mesHgns sao magros, compiidos e teem as guellas
vermeMias, de ua aspecto alterrador
.. Espanla-se a gente tas ex-iaiisse tanto tempo n'am.paiz tao civisauo,
to tranquillo, a especialmente que nao se oa -
vis je fallar d'etTa antes do fatal acontec manto.
A noiie paaaada, Willie Blersch encanta lora
creaag da ata aaoos, lilha do ion da matilha,
despadira-sa da) av e quiz ficar em cata a espera
do pai. Foi ao anteo da fabrica, sem pensar no
perigo quo corra.
< Os treza alai, aqueiles terriveis guardas de
noito, estavam altos. Mal a creanga ebegou ao
meto do pateo para chamar o pai, que liaba de
vir pelo camiobo prximo, sentio logo uns cora-
prldos denlas a ntrarem na carne, sendo arrasta
da ao mesmo lempo por um grande dog para den-
tro do canta,
Os o otros dos vieran) ajudar o eampanheiro.
O gosto ou eheiro do sangae lugmentava-lhes a
ferocidade. A creanga, toda mordida, foi assim
arraslada par algam tempo o'um mar de sangue,
moribunda, daodara da cara para o chao o elle
ten lava agarras-te com a energa de desespero.
< Foi nossa occaso que se despertou a alten-
cao da vaiohanga com a nulha dos caes que dis-
putavam a presa. Um dos visinhos, hornera aai
mcNMfc, altan f*o* cinta do muro para acudir
creauca, mas as lartrreis ameagas dos caes, lue-
ecaag,^ ^
-^girara logo otis hotoeas com toreados,
faeaaw piuolaa, e todoa o caes, desde upa pe-
queo al *o aior, foram morios, raaq,ifgw(cec
te nao tio depress como era para dnWjar ; a
creauca j nao liaba Agora humana
c 0 crneo eslava parlado pelo mato, a testa, as
faces e os labios eram apenas ama chaga horri-
vel. Por traz da cabega pendiam grandes peda
gos da pella a de carne. Terriveis mordeduras se
viam era todo o carpo, e os denles tinham cado
asaignalados nos bracos, naa pernas e nos sitios
mais carnudos. Era ama cousa medooba, como
nao ba outra.
A pobre creauca eslava ainda viva ; nao fra
molestada nenhuma parte, vital, e ella pode referir
com a voz enfraquecida, entrecortada, como qae
(ora atacada e como tinba principiado este lgu-
bre drama. >
S DE AMERICANO DO NORTE. Um jornal
americano annaaciava ha lempos que teria lugar
em Raers, no Wiscousia, um concert monstio,
com tmbolas, tal como nunca hoave nem bavera
em parte algama do mando.
Escolber-ss-ho cinco mancebos, typos de bel-
leza pbysica, de moralidade, dotados de grande in-
telligencia, e tendo recebido ama educago com*
plata.
Destribuir-se-han 50 mil bilhetes a 2 doliars ;
ter-se-hio assim 100,000 doliars para dividir igual
mele por aqueiles 5 mancebos: 20 mil doliars a
cada um, constituir:) um capital, qae junto as
quadades requeridas nos candidato?, Ibes aseegu
rara um futuro de delicias.
Na primeira tmbola deitar-se-ho os 50 mil
bilhetes, e na ontra os retractos dos 5 mancebos.
Dapois de fazer girar as tmbolas pelo esparo de
meia bora.proceder-se-ba a tiragem; tirar-se-ha ao
mesmo tempo um nunero da primeira lomb'ola, e
da segunda ama photographia; e aquella qaepos-
suir o numero extrahido ganbar o marido cajo
retracto tem sido exlrabido.
Os numeras nao podero ser comprados se nao
por donzellas ou uvas.
Sao excluidas as senhoras que j tiverem tido
doas maridos, as donzellas qae tiverem passado
dos 30 anuos, ou qne nao tiverem ainda ebegado
aos iHfasaae forem demasiadamente trigueiras,
as leitoras dos DireUos das muintris.
As cartas serio dirigidas sociedade das jovens
senhoras em Raeiue, no Wisionsln.
DESASTRE HORROROSO.Houve no da 2& de
agosto, s 8 horas da noite um desastre horroroso
tem harido na America do noria.
No mesmo dia houve oulro desastre, e em
idnticas circunstancias, no caramba de Philadei-
pbia e Eris na Pennsylvania. O comboyo ordinario
segua pela linha na razio de t9 milhas.
Neste desastre Acaraos moras logo seis pessoas
e quarloze soffreram grave) contusees.
BOA PILIIERIA.0' seguinie caso foi passado
na CalifoTnia. Un individuo foi aecusado de se
ter rtroduzido de noite na barraca de um minei-
ro, e de Ibe ter furtado um sacco com ooro em
p.
O depoimemo das testeraunhas demoostrou cla-
ramente, qae aqaelle individuo, que linha conbe-
cimento perfeito das localidades, havia feito ara
buraco na barraca pelo qual linha introdazido rae-
tade do corpo, e qoe estendendo o brago, era fa-
cilimo apodera r-se do saeco.
O advogado do reo, baaeaodo-se sobre este fac-
i, sustentou na sua defezi qae o tribunal nao po-
da condemoar o reo.
Era elle aecusado de se ter rtroduzido na bar-
raca ; mas o depoimento das tesiemunbas provav
claramente que elle nao tinha rtroduzido se
nid tnetade do corpo. Porgonto, pois, disse o ad-
vogado, pJe-se em razio dizer qne um horaem
entrou em urna Casa, quaodo meude do corpa
esta ni roa T
O juiz, bastante embaracado por este argumen-
to, reporlon-se a sabedoria do jury, dizsndo-lhe
que dsvia julgar segundo as provas, e segundo a
le.
O jury, depols de gastar tina hora para tomar
deUberaco, trouxe a sua seotenga, condemnando
a parle cnlpaiu a cinco annos de trabalhos torga-
dos, e mandando soltar a outra; deixando ao con-
demoado a faculdade de se separar delta ou de a
levar lambem para as gales I
E' claro que o aecusado preferio a segunda al-
ternativa.
LOTERA.A que se acha a venda a 210.' a
benedeio do hospital da ordem terceira do Garmo
do Recife, a qual corre no dia 11.
USMITERK) PUBLICO.-Obituario do da 2 de
outubro.
Mara Joaqora da Gonceico, branca, Pernam-
bnco, 68 annos, vi uva, Recife; pneamoaia.
Mara Thereta, preta, Pernarabaco, 85 annos,
soiteira, Afogados ; velniee.
Joo Gualberto, Pernarabaco, 3*mezes, Santo An-
tonio, casa dos expostos; anemia.
Germana, escrava, preta, Pernambaco, 8 annos,
Graca; inflammago chronica.
Julia, branca, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vista;
l**onchite.
Claudio, escravo, preto, Pernambuco, 15 annos,
solteiro, Santo Antonio ; pulraoaia
Haleodoro, preto, Pernambaco, 6 mezes, S. Jos;
febre.
Eugenio, branco, Pernambaco, t mezes, Recife ;
ictirice.
Alice, branco, Peraambnco, 2 annos, Recife;
eoogeslio cerebral.
Julia, branca, Pernambaco, 2 annos, Boa-Vista;
bronehia.
Jos Bom Ramos de Oliveira, branco, 34 anuos,
casado, Santo Antonio ; asphyxia.
3
Jos Andrade Bezerra, preto, Pernambuco, i i
annos, casado, Boa-Vista, hospital Pedro II ; be-
xiga.
Anna Joaquina da Silva Mella, branca, Pernam-
buco, Jhr7 annos, soiteira, Recife ; sarcinomia.
Rila, escrava, prela, 19 annos, soiteira, Santo
Antonio ; tubrculos pulmonares.
Flnrinia. escrava, preta, Pernambuco, 6 annos,
soiteira, Santo Antonio ; meelile.
Catharna, escrava, preta, frica, 50 annos, sol
tetra, Boa-Vista ; gastro interite.
Seraphina, escrava, parda, Pernambaco, 60 an-
nos, soiteira, Bea-VUta, hospital Pedro II ; hydri-
monia.
Joaquim, pardo, Pernambuco, 5 annos, Boa-Vis-
ta ; inierite.
Delina Mara da Conceigo, parda, Pernamba-
co, 40 auno, soiteira, Boa-Vista, hospital Pedro
II; cachexia syphitica.
Antonio Manoel, pardo, Pernambaco, 20 annos,
solleiro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; tubrculos
pulmonares.
Caelano. escravo, pretoMPernarabuco, 25 annos,
solteiro, Graga ; tubrculos pulmonares.
Victorino, escravo, preto, Pernambuco, 50 an-
us, solteiro, Boa Vista ; gangrena nos escrotos.
Basiliano, branco, Pernambuco, 10 mezes, S. Jo-
s; convuls5es.
Francisca, branca, Pernambaco, 4 annos, 5- Jo
s,; varila.
Evaristo, branco, Pernambuco, 11 mezes, o. Jo-
s ; convulsdes.
Cbristovao, branco, Pernambuco, 7 annos, Gra
ea; convulsSes.
Joaquim da Costa Maia. Qae
mando.
se atieste afflr-
tarara lodo o peso da iovasio, sendo protestantes
catholicos dos cnidos de Mortbelliard, d'Hericoar,
de Blamont, d'Audlncourt, todos os desgracados, D0 caminho de ferro entre Boston e Fortland, na
Outra do mesmo, sobre o reqnerimaoto da ftan-
Lcueo Jos Alves Guimares.-Que Tlana to.
Oe obrigagao.
Um ollici do fiscal da (reguezia de Santo An-
tonio, Irazendo ao conbechnento da cmara mu o.
cipal a despeza de tres ra ris, com o enterra
ment de um cavallo.- Mandou-se passar man-
dado.
Ootro do fiscal da fregneaia dos Afogados, re-
metiendo um termo de lofraego lavrado coatr
Tgnaclo Das remandes.Ao procurador.
Urna petigo de Jos Alves da Silva GuimarV-.
A commisso de ediicaco juntando o paaacex
dado sobre a meama peligao.
Outra de Antonio Jos Gomes do Gorrei*. A
commisso de eemiteros de fra.
Um parecer da commisso de polica, confor-
mano-se com o balbeete da receita e despea da
cmara municipal, do nuz de agosto ultimo, o de-
clarando ser o saldo de 32:235*274. paro-
vado.
Outro da commisso de ediSeagao, nos seguintes
termos :
< A cbamin da reflnago de Joo da Silva Fr-
reir a mais alta qae existe na ra Dimita,
i oode exstera diversos estabeieelmentos, qu tra-
balbam a fogo novo, e esl na aliara do tobrado
i de dous andares e por tanto superior a casa de
Pedro Alejandrino Rodrigues Lins, todava ni
esl de eonformidade com o que exiga a postu-
ra, porque ha no permetro mareado-om so-
brado de tres andares.
Nao por estar baixa que deve encommodar
< ao queixoso, e sim por estar peno, pois que
< deixa depr sobre o seu predio os fragmentos
poeira de carvo, que sendo mais pesado na o
< ar se precipita fleando sobre o telhado mais vi-
a sinbo.no entanto assevera o proprietario do es-
< tabelecmeoto elevar o mesmo bueiro logo que,
t se termine ama questo com o dono do predio
t qae exige a entrega da retinara como successor
de Lima, ao qae este se oppoe por te-la arre-
c matadada em hasta publica, donde se deva
concluir que fra o eslabelecimento feito por
c Lima, a que veriflqaei em vista da liceuea q -
< aquella, alcanzara em 1861, poca anterior a
i sua arrematago que tivera lugar era 1863.
c Asse era o proprietario da refloaria qae exi;-
tem di\ jrsos preteadeales a alagar a casa,
que o i ueixoso procara esta allegago para me-
Ihor Qr aar saa queixa.
< De.-t; exposgo conclue a commisso qae com
i quanto [ esteja a chamine bastante elevada, lo-
c davia n io esta de eonformidade com o dispoato.
< e que e marque o prazo de dous mezes para
comple a elevagao.
t Segu ido. que nao d'aliura da chamin quo
i dependa o encommodo que soffre Pedro Alexau-
drino, t sim da collocagio prxima de que
i acha ojmesmo bueiro. A cmara resolver co-.
< mo entender.
< Paga da cmara municipal do Recife 20 do se-
teralir* de 1871.Dr. Prxedes Gomes de Souza
< Ptaoga e Jos Mara Freir Gameirfl.Appro-
vado, j ^
Outrolda mesraa nos seguintes termos :
O aocpretende a companhia Draynage em
relagao a praga da Independencia nao pode ter
< lugar porgue seria eslabelecer um pssmo pre-
< ceden te pan futnras argumenlagoes. Se as ca
< sas q te sao simples estabelecimantos commer-

sem distincgSes de culto chamados a parlilha dos
donativos caihidos por roios fraternaes, que do
outr-s lado do ocano se esteoderam para nos cola.
distribuir i fot dirigida por S. Exc. o. Sr. car-
deal arcebispo de Besaocon.
NAZARETrf.-Desta cidade nos eacravem em i
do corrente :
t Principio boje a dar cumprimento ao corapro-
misso, que tomei de dar-lho noticias desta ierra.
< Irregulares por falla de assuropto, dejpreien-
ciosas pela sua procedencia minbas raissivas s
lerao o merecimenlo de narrarem oa (actos ef m
toda a yerdado, e serem imparciaes qaando aven-
lorarera algum commentario,
f Limitando me a modesto papel de chroublade
aldeia iret todava indicando sempre qoe puder,
alguas melhorameatas urgentemente reclamados
por esta importante comarca tio poucas vezas
lembrada pelot poderes pblicos.
< O que mais preooapa preseolemeaie a nossa
populagio a magna quesio do elemento servil.
Os nossos agricultdra. om saa grande auto-
ra, acceitam, de maito boa vooiada, a proposla
do governo qae talvez seja a esta hora, lei do palz
e, convencidos de qne a mor parte dos males, qia
os ainigent, provena da conderanada institaicao, u-
caram o futuro com eonfianga.
asiagio de Rever.
Traba ebegado eita estago nm comboyo crdi-
nario ebeio do passageiros, o como a linha esti-
vesse em mo estado por causa das rauitas cha-
vas, fiteram-o all demorar neia hora, em qaaoto
se proceda aos concertos nos carris. Veste mo-
mento om comboyo expresso que tinha sabido de
Boston se approxjmava teda a torga de vapor;
tendo vencido a curva que havia n'aqnelle ponto.
Os signaos ensarnados foram logo collocados, mas
j era larde.
Os passageiros qae estavam no ultimo carro do
comboyo ordinario virara a luz brilbante da ma-
china do expresa que se approximava ; am grito
de alarma e de terror foi logo levantado. Prestes
so fez signal para que a machina do ordinario se-
gaisse immediatamente. Algans passageiros sal-
taran fra das carruagens, o om am momento a
poderosa leeorootira do expresso veio esmigalhar
a oarrnagem irazeira do eooaboyo ordinario, e
continnon avaneando.
A chamin saltoa fra, 4 oaldeira arrebentou, e
a agaa a fOrver e o vapor expandidos em todas as
direccoee> eausaram maito mal. As carruagens
ficaram esmigalhadas a oa passageiros ou mutila-
dos on Coitos, em pedacos. Alm d'isto pegou logo
fogo nos carros, e algumas das estropiadas victi
A cmara de Nazareth nao se conserven extra-1 mas d'este horrvel desastre foram qnelmadas.
nha ao movmenlo abolicionista, qae se manifos-..Tinte e ama pessoas em am instante se torna-
toa no paiz. D'isto prova e grande numero de ram ca la veres, Qcando por tal modo dilaceradlos,
alforrias, qae tem havido, a a instituigo 7 de .escaldados e queimados. que e tornou pela autor
setembro de 1869. de unja Focielade, cujos estala- parte impossivel reeonheee-los.
tos consagram a liberdade do veoire a a minarais- Mais quinze pessoas flearam severamente, e em
sao de creanga? do sexo feminino como os motos algans casos fatalmente offendldas, que a v
mais proprios para a oscravido no Brasil. ibandonou doasro m pouco.
< A Emancipadora Nazarena, eaclou sua car-1 CooUra-sa ainda ubm tinte e cinco a trint
rerira brllbanlemente, pois ano ceasofuio ton a pessoas tamben) aleijadas, contqsas oa qaeimadas,
liberdade do venire de m-i'is de irinta aseravas ; mas nio por modo lethal.
mas acha-ie boje, si nio mora ao manos adornas- Tolas estas victimas perteoeiam ao eomboyo or-
ada. Entreunto devo dizer qoe conau-meastaram : nario, pois ans na najsageiros qae vinham no
algans socios resslvIflgyaWarorocar ama reunia 1 expresso pouco sotTroram.
para se traur da. rtfl Bao da sociedade. O espirito publico acha-se altamente indignado
i Dir-lhe-hei 4'qitnl|nr- 'costra! oooSpaubi Iq caminho de ferro, por
CMARA MUNICIPAL.
SESSO EXTRAORDINARIA AOS 20 DE SETEM-
BRO DE 1871.
PRESIDENCIA. DO SR. DR. SOUZA IiEAO.
Presentes os Srs. Dr. Pitonga, Angelo Ilenri-
ques, Pessoa da Silva, Gameiro e Dr Moscoso,
abrio-se a sessao e foi lida o appr-ovada a acta da
antecedente.
Len-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Um offlcio do Exm. presidenta da provincia, re-
meneado por copia e acto pelo qual resolveu ap-
Erovar provisoriamente a postara addicioDal so-
re a limpeza da cidade.Qae se publiqne.
Outro do mesmo, approvaodo as arrematagoes
dos alaguis das casas da. pracioba da Indepen-
dencia.Qae se lavrem.os termos.
Outro do mesmo, mandando a cmara munici-
pal informar acerca do oficio junto por copia do
Exm. vigario capitular deatt diocese, relativamen-
te a ultima postarasobre toque de sinos.Ao Sr.
vereador Moscoso.
Urna petigo de Francisco Antonio das Ghagas,
com despacho do Exm. vico-presidente da provin-
cia, mandando a cmara municipal infosaar.As
engenheiro.
Um offlcio do secretario do Instituto Archeolo-
gico e Geograpbico Peroarabucano,. oerecendo
urna colleccao.de revistas a cmara mnnieral.
Que se acense o recebimento, qut> ae agradega e
qae se mande encadernar e archivar.
Outro do juix de paz suppleote do 2* districto
da freguoiia d Maribeca, excusando-se de eatrar
em exercicio por motivos qae toram attendidos pe-
la cmara municipal o mandn offlelar ao imme-
diato.
Oulro do gerente da companhia Recife Drayna-
ge.Qae nao se pode'eaTrsaponder com a cmara
por meto de offlcio.
Oatro do gerente da companhia Pernambuco
Street Rayllay, convidando a cmara municipal
para acompanhar ao Exm. vlco-presdeate da pro-
vincia na viagera de experiencia qne dever ter
lugar aos 21 do Corrente s 10 horas da manha.
Intel rada, .
Urna informacio do engenheiro cordeador soore
o requerimento de Andr de Abroa Porto.a
commissio de edfleago. .
Oqtra do mesmo, sobre o requerimeouroe au-
nhr.m.i PirM A P.-A* commusio de edifl-
lonio Gomes Pires *, C.-A eommis
Outra do mesmo, sobre o raquenmento
de Joa-
aaim da Silva Cast'ro.-A mesm commissio
Oatra da rofsmo, sobre o fequermento de Jo
4f

cae- e nio residencia, esli sngeitoe a collora-
go e apparelbos da limpeza e s dentro'del-
tas q le este pode ter lagar, mas se pelo can-
trari os depsitos coramerciaes sio residencias
templorarias que pressupde a existencia da resi-
dencia definitiva em ontra localidade, parece
desdecessario a collocagio dos apparelbos, tanto
mail quanto o e lienflida no trecha do offlcio qae a companhia di-
rigi a cmara municipal, em que diz que, nao
sera risco que se colloca em om pequeo es-
pado um apparelbo de limpeza.
< Pensa a commissio qae neste sentido se deve
oljrmar a presidencia que resolva o que en-
te der.
< 'agj da cmara municipal do. Recife 20 de se-
te nbro de 1871. Dr. Prxedes Gomes*de Souza
Pi anga e Jos Mara Freir Gameiro.Appro-
v do.
0 Ira da mesma lambem nos segaintea ter-
mos :
t A representago que contra a cmara mu -
c ci ial dirigi a presilencia da provincia, a com-
ee p; ulna Draynage, por tropegos que diz fazer a
1 ra istna cmara ao bom andamento daquella era-
api eza, infundada e deve ter resposta serera.
1 per estar concebida em forma a emportar een-
si ras e falla de altengo a esta corporagao.
a Nenhuma paridade existe entre a cidde d
i Racife e a de Buenos-Ayres em relami a llmp-
< zaj publica, para se receiar qae aqu possa sue-
ceper o que alli acooteceu, e nem se pJe>x
clnsivamente dar como causa dofiagello da fe-
c brie amarella, que o"aquella cididereinou a fa,
tai de limpeza da mesma, ou accamnle de mate -
c tetias lecaes em patrefago, para que sejam to-
c midos em to alta coosideragio os beneficios
f trizidos pela companhia de esgoto, quando ella
1 a propria a dzer que nao sem inconveniente
. qn 3 se colleca em um psoneno espago om do-
( ap >arelhos destinados a servir a mesma eropre-
zacomo se conclue do offlcio dirigido a eslt
. coi poragj em relago as pequeas casas sitaa-
das na Gamboa do Carino, para que em favor
delta se dispense a observancia das leis mam
t pds, que s pelos poderes competentes podo sor
a Hendido,
c A companhia nio sement nm ente moral
t paria estar lora do alcance das leis soclaes, >
t umi ser representado, e por tanto como qual
t qar Individuo obrigado a respeilar o qae exig
a sociedade em gerat-: Ora, se ella nio se-
t nio um individuo que representa o papel d
contraante, se para cada individuo ha dev
1 res impostes, ella est como estes sugeita a-
1 mesmas leis, e portante nao pode allegar qj--
a cmara municipal na observancia la/suas-
leis Ihe atrepella por ter exigido o resyen*?'
t auas posturas, por isso que a companhia a*
est isenta desta obrigacio.
t 0 iogo e manejo das attnbuigoes faz con q?
os fuoccionarios respellem motaameale o ci
. culo de prerogatrvas devidas a da faowiooa.
c rio. e obriga a qoe o mecanismo mollas vez
S le nio mo*va a Vea s de um agente o aera
a de mais de um, porque, da barmopia^dess-
. movimento nasce o perfetlo desempeobo da,
WSJ35r dirigir s obras do go-
. vemo existe a repartigo das obras publiea-,
i nem por isso est ella lienta de observar s,
leis municipaes, contra cuja infraccio resta di-
- reno a cmara de representago para qae se-
jam observadas saas leis, e nem se argameni-
com o nao pagamento da malla por quinto is-
10 importa a despeza de direilos.
1 Ora, se a repartigo das obras pabticJ* te-"i
obrigagio de respeilar as leis municipaes,
concladea'.e qae nio poda estar isenia a com-
panhia Draynage, anda qaando (osse t
V

uaiaua a/iaiunvi biuvi vjttauv *.- --
t brogada nos direilos da fazenda qaando so eou-
t trario disto, a faienda tomou a si a cobrang^
da imposto estabelecdo para a renunciaga
companhia de esgoto aflm de facilitar 11 exeer.
a ci dos trabalhos da mesma companhia po'
unto ella apenas nsafraeaana de nm |.
vor feito pelo governo. t


.
a
*'..-
-S-
A
n d% \"riiambac* Quinta feira 5 dt
X
Outubro
------fe-
da 1371
nao procurar a
contrarias a pl
elusivamente
eropreza, e ni
ver obrigada
O afrWNhrWBWKffWtto n representacio
para proTar qne neohuma obediencia deve a
companhn a cmara municipal; nfc Ihe poJe
aprovaiia ; porque apenas diz elle resgeilo a
dispeift' les direitos nranieipaes; e nao -das
forraJeav*e3gidas; isto di-pensa a eompanhia
naa lieoqcu de que carecer de favor os paga-
mentsdoeiopostos devidos a mesma licenca,
mas nao dispensa das lirtnc>s, porlahto su-
jaita a eompanhia ao pagamento das infraecdos
todas as vetes qajfiis-xecucio de suas obras
nqj aecesssria, on as fizer
da etdade, e isto" s e ex
treffc las obras de sua
dos aarticulares a que esti-
__ panhttj porque Mas devem
ser representasje-por seos proDrietarlos, como
claro no artii*4as postaras apprdvadaj por
lei provincial n. TU.
Ora, se tato toro, eseusdo demonstrar
que a eojtnhia tai pele tordirelto de oceu-
par as pracas pableCou terrenoTmanieipaes*,
sem qne da cmara obteoha perraissao om con-
trato para dia oeeupacao, e que o contrario
- isto a sojeita i multa por infracto de postu
. ff como dispSe a lei, .jue deve ser respeitada
i jjifr todos, entre os quaes sta a mesma com
paotaia que recalcitra tobre direite expresso
erase manter na pra<;a, do Mrquez do Herval;
pelo que calende a coramisso que, se pega a
presidencia o aaxilfo policial, visto oppor-se a
eompanhia ao pagamento da multa e desoccu-
pacn do terreno para que assira sejam manti-
das as disposic/5es maoicipaes.
Arista ao exposto, e d'o comeado na repre-
uaiaoo que dirigi o presidente da provincia
DiversW coalas................ 474 061*340 |e*;rti h soque lie aprouver: a canon deque
- aou, e sorel sempre sua admirador*, eitinito-obri-
Rs. 1,884:657*760
s. b. a.
Pernambueo, 4 de outubro de 1871.
J. B. Bloxham, tnanager.
L Henderson, accouUnt.
PUBLCACOES A PEDIDO.
O metliotlo latea e o
Colla**.
II
r. Dr.
-Ha
(ado.Urna tenhora. Lisboa, 30 te mata de
" t TOm. Sr^-Muito presado collega ai
muito lempo que Ibe nio tenho eseripto?
occooado, cerno por falta de saule : padece nm vootade ha se quer de escrever aos
amigos; agora, porm, nao posso deixar de, nter-
romj>endo o silencio quasi de um anuo escre
lo
raidpoeli-
mfufy #iiao
iedtaipresa*'uBi-4a
+gn>it mor W no
ver-me e-tas ^uas li
triumajho qjatT. ale.
ca, depoisdotejista
achou aboso-de I ib'
maior es fronts i
Aimprcosa lisbonense cotnaraadocoro bosta
friiao, on deciio lio loiqua jtanV iftdigu. fez
]03ticaa*ierito'de V. e sobie iado%o seuStc-
ter austero e honrado.
. Qtoira V,.fota, aceitar es w,#ji sinceros parabens pela boa opiniie que achou no
cublioe a seu favor, tant
A' vi*ta do que dtase no meu rtl|o de hootom,
vd o publieo que o Sr. Dr. Collaco mal coaapre-
neodeu o qae eu invia dito era relscio ao sen
mappa, visto nao ter feito referencia alfooia
Ealretanto o mesrao Sr. Dr. continuando a xe-r
ferir-se a raim : disse que o conde 2*a sanio-se BgaegB
nao defendendo o seuraethod>, mas rtprovatto o ^ collega e amigo muito affelcoido e obriga-
UHa declar
lletiTJS poderosos obrigamme boje 4 vir m-
frrasa. Consta-me que varias teetooiaitribuem-
me a autora de certos escriptos que forana inser-
tos na Amerita Ilimitada, jornal satyrico que se
publica oeste eidade.. Ignorando, como aioda ig-
n"rn 11 rail" pela T'jLMI'' oB>m de am ocie
[tiqoei, e, eBTDe9HbiesaM cscrip-
alguma> forma opvoliee.ooines de
amigos fquJBm -or*), veoh dedo
ior esclaremdpto -io Molico, que
ici nem perieaf Jfe*coo 4o meeaso
jdTOK: "
Amidflloasciencia, e prineipalmeate a voz da
verdade, que nao do fallar, foram os u
movis oM 'me levaraoi a dar a {>reseo4e de
raro. fi
Eduardo Se Carvalho.
esmo br. ur. comtnuanao a re- pQblio a sauYavor, tanto^aJL caoao nnr erar.
disse que o conde 2*a sah.o-se qQ9Mi, cojbo srticonrteJljdJlieSi. De
sn., maihniii m rtinrovando O \r ..11... ._;;, m.. j|.....-j." -" '

j
I


.aeompanhia Drayoage, a commisso de pa
reeerque sfl infirme
da, r* que inexa
I* lrigido, por quinto i cmara looge de crear
embarazos a qoatqoer empreta tusca sempre
aonlia-la aconselhaodo-a ou dirigindo-a no que
cabivel em sao aleada, como o tero feito, de-
volvendo amigavelmenle os oficies que Ihe tem
sido enviados, por nao competir a eompanhia
alguraa dirigir-se em offlcio a cmara munici-
pal, entinando-a que a materia do Ilioio deve
ser traneforida para ama peticao como de sua
obriga^So ; 2 fazendo por seas agentes intimar
para qne se observe as leis mnnlcipaes, antes
c e roes impuras penas da lei, o qae nio acon-
teeeria se a cmara quizesse por entraves.
Fioalmente pensa a commtesSo que o pro-
eeolmento da eompanhia ceoauravel, o.li oe-
ohama importancia que 4 as or leus e lei*
maoicipae-, e por isso eotende que se deve pe-
dir a presidenda para que por meios policiaes
se /ac eo:npelir a eompanhia ao camprimento
o de suas obrigaeSes, mananlo remover todo o
material depositado na prai;a do Mrquez do
t Herval, sobre enja intraceio j Toi das vezes
mullida, sem que tenha querido dar cumpri"
ment as orrtens dos agentes flscaej.alm de que
< seja a cmara respeitada como de sua obriga-
ci e nio oVenospresada por ama eompanhia
que- lera de asofruir os bea'eflcios de seu mu-
deipio.
dos
'ac da cmara municipal do Recife, 20 de
rabio de 1871.Dr. Prxedes Gom-s de Son
< sa Pttdnga e Jos .Mirto Freir Gameiro.kp-
provada. t
O Sr. vereador Moseozo apresentiu o seguate
reqaer meato :
Rcqueiro o adiaraento da arremataijao
lagares em que se vender fressura*.
Pago da earmra municipal do Recife 20 de se-
tembro de 1871.Dr. Lobo Moscozo. Appro-
vado. >
O Sr. vareador apresentou a seguinte pro-
posta:
* Proponho qne sepreencha o lugar do fiscal
creado para a fregnezia da Graca. >
Pagoda cmara munichal do Recife 20 de
setembro de 1871. Dr. Pitng.
Proceden se logo a votaco fui eleito o cidadao
Jos Mignel de Soasa Magalhaes, para o lugar de
fiscal, obtendo tambim doas vetos cidado Jos
de Barros Correa Sette.
Outra do mesrao. nos seguintes termos:
< Proponh) que se preencha o lagar de cont-
uo.
Paco da cmara municipal do Re:ife 20 de
setembro de 1871. Dr. Pitanga.
S procedendose tambera a votafo, foi eleo o
ddadao Liu t Antonio Saraiva. obtendo os cda-
dins Buslaquio Antonio Gome-, Alfredo de Al-
buqierque Martins Pereira e Joaquira Jos Alves
de Albuqaerqne Jnior, ara vofo cada nm.
' A cmara municipal, resolveu pedir ao seu
advogado esclarecimentos acerca do motivo por-
que muiros termos, de infraeco esli proscriptos,
e pedir-lhe, qae dcvolva os ditos termos.
Despacharam-se as petigoes de Antonio Cesar
Ramo) de Oliveira, Ani mi 'i i? Gomes doCorreio,
Antonio Mara Marques Perreira, Antonio Duarie
Carnein Viaana, Beato Caetano Muoiz Vieira,
Bartholomeri Ribelro Pires, Bernardo oaquim
Gomes, Borlamaque, Araujo A G, Fciaclsi*o Joa-
quim nibciro.de Srito, Francisco Jos Alves Go-
mes, Francisco Joao Honorato Serra Grande,
Francisco Ttiorasz Gimes, Francisco Antonio Pe
reir da Cunha, Henrique Pereira da Silva Jnao
Christiano Jjstino Pereira Ramos, Dr. Joo Too-
in da Silva, Jos de Sonsa Soares, Jos Emilia-
no Moreira, Joao Joaqaim da Costa Leite, Joa-
q im Jos Alves de Albuqnerque, Jos Joaqoim
da Costa Maia, Luiz Ferreira Campos, D. Maria
Tneodora da JosU Maia, Manoel Teixeira cellar, Manoel Machado .Boteih 1, Manoel Patrio
lo Nascimento, Manoel "Gomes Coirabra, Mara
Izabd de Meira, Dr. Prxedes Gomes de Sona
Piianga, D. Rosa da Cunha Freitas, S-lyro Sera
rim da Sliva, Tliomaz Augusto de Vasconcellos
Albaqnerquo Maranhao, e Tbomaz de Carvalho
.So.-.res Brandao, e levantou-se a se Ignacio -Joaqun de Souia Leo, pro-presiden-
te. Dr. Pedro de Athayde Lobo Hoscoso.Caeta-
No Cgriaco da Costa Moreira. Dr. Silvio Tai-
uinio Villas Boas.Angelo Henrique sda Silva.
mappa do Sr. Dr. Collaco, e elogiando nm que era
elaborado por mlm e por ontro, fazeno assim elo-
gies a si propno. .
Devo, em lempo, pedir ae publico deseulpa da
maneira porque trato de responder a qoestao, em
frma de sabbatina de creancas, mas jalgo ser
ente o melhor meio quando se tra'ade quostt
qne se a heio.
A censura que o Sr. Dr. Collaco fas nesse josa
assaz fra de urna questio litierana, mesrao
qnaodo fosse real o que. diz. Mas o Sr. cole
Zaba nao qaiz senio dizer que a pessoa que esta-
Be^io"reMto"d"a" pevo- formanlo o mappa havia corailetarneute afe-
cta a materia do odalo a el nhoreado-se do pensaraento e methodo seu, porm
oao condemnando emblemas ou symbolo, por
que nem eram novidade, porquanto al nos map-
pas geographicos eomo de Andriveau Gorjea e on-
tres ?io asados para signiflar certos factos, as-
sim como a difflculdade que bavia era forma-Ios
nm nm mappa muito caneara a paciencia.
MasoSr. conde nao me pagou floezas, visto
como o autor 4o mappa da historia do Bfiasil o
Sr. Dr. Franco de S, s sera collaboragao
minha.
Quinto ao que diz o Sr. Dr. Collaco sobre a ex-
posicio do methodo do mesmo senbor, era vari
partes reservarei para o final.
Entretaoto o qae bastante rae sorprehendeu. Je
vando-rae a crer que o Sr. Dr. Collado foi assaz
precipitado : foi ver o mesrao senhor cit^r Cou i|ne exige s profuodldade de estudos, as*im como
Baraote que aecusa dechnrliismo a mansira de
estndir-se presentemente e recoohecendo qae a
vista ds senten^as lavradas por jaizes lio compe
lentes de que foram appcadas ao coile Ziba,
quizesse fazer una mappa sobre a historia do Bra-
sil pelo methodo superficial e charlalio do conde
Zba. Nio quero crer que o Sr. Dr. Collaco ig
norasse o que elles hornera disseram, antes de ha-
ver feito a sua deelaracio do Diario de 2 de agos-
to ; ou entio se o veio a saber posteriormente In
correu em grave falta contra seus proprios mer-
los Iliterarios.
E esse faci torna-se tanto mais notavel no Sr.
Dr. Collaco quanto elle dizendo na saa declarando
ter comprehendido o mappa no seu 2o artigo (19
de setemb'o) iuvoca os seas 36 anuos de encino,
(crsioijue professor de ioglez) pera condemnaro
mappa eaber o alcanie da iotelligeocia das crean-
cas para o estado da historia e para aseverar que
funesto ao ensino e progresso Iliterario a adop-
cio do mesmo melhodo, qualiflcanflo de tolo, todos
aquelles que julgassera de utifldide tal methodo e
que nao acreditasse as vistas interesseiras de sen
autor..
Amia a vista disso repelirei e pergantarei qaal
a razio pela qual o Sr. Dr. Gollaco propoz-se a
f -rmar om mappa da hBloria do Brasil, recentoe-
cendo qae por tal meth >lo, s se traba o charla
lismo do saber ou entio o lucro resalanle 4a
venia ?
E como se compreheode qoe havende dgataa
utilidade em tal meihido eomo o dec.areo o St.
Dr. Collaco, seja um dtarlabrrmo t
Quizera adiar ama razio justificativa para o
Sr. Dr. Colla;> e em vista de suas doas opimos
contraditorias .nio as posso achar ; porem creio
iue o Sr. Dr. (ollago, hornera de recursos, saber
ou pelo meaos procurara fugir da tangente que o
fe re.
Entretanto se o Sr. Dr. Cdlaoo to lido e visto
as cousas que se passarara na Europa fosse *fs
escropuloso oao levantando opinioes nem invooao-
do toda a saa leitura e ti ves-e eonhecimento de a-
gnmas ebras teria na presente questio, ou guar-
dada silencio 00 eonfessado, porra com plena
sciencia, que nos collegios da Blgico, IIoll.na.
Frac, Inglaterra e J.itados Unidos sao lo do* os
directoros e professores uns inqualificavei tolos
p lis que adoptaran methodos muito Interiores ao
de Zaba, assim como este mesmo metbodo, teodo
a c 'nsolacao os de Pernambueo e do Brasil que
nio sao ellos os nicos dignos do remo do co
Multas pessoas iltostradas acollieram nao por
cartas offlcies e otBciosas, mas por qae tambera
vem alguma coasa com eens proprios oaos e cora
saa intelligencia. Apenas reprovaram o 8r. Dr.
Collaco e alguna mais eivados d'ura falso patrlolis
mo e de um odio palavra estrangeiro que a todo
esiao promptos a assignar de cruz ou a fallar
como ignorantes; com tanto que seja mal.
Goncluindo estas eoosiderac/ies entrarei no se-
guinte artigo na materia scieotica, analysando os
artigos do Sr. Dr. Co:lico.
Recile 4 de outubro de 1871.
Jos Augusto Ferreira da Costa.
(Continuarse ha).
e
do.-* Pudo, 1* de jtad-l86i.
Por esta oecasio sereveu-me o St, bispo de
Vicea a seguinte: *" '^
< Vizeq, 4 de junho de 1864.Mea coro Dr. e
araH.f i e%4WspoWWS*4 lo henal 60MV
mercio do Porto (dd 27 deauio de.
rnrfl
WC&t
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO.
F U. AKCETK DO NOVO BANCO DE PERNAMBUCO EM UQUI-
SAgAO, EM 30 DE SETEMBRO DE 1871.
Activo.
Losm protestadas. ,.....143:4705570
Despezas geraes......... 11:103^776
Gaixa.Pelos seguintes valores :
Era ouio amoeoado. 664|>630
Em notas do thesouro
da Caixa Filial do
Jlanco do Brasil 21:740J00Q
Em prata e cobj^, 160120
22:.'Gi57i50
I!'-.-.
Passwo.
177:I4I3J6

Capital.....
Eoiissio ....
Fundo d" reserva
Maesas fallidas a cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e perdas. .......
66:816*000
7:350000
101-.44446O4
638*787
400i00
491*719

Ris.
177:141*396
DEMONSTRAQAO DA KMISsAO
^3 notas do valor de
20 ditas de
15 ditas i de
300*000
100*000
50*000
R
C\tJ49 ,
S.E. eO.
4:600*000
2:000*000
750*000
7:330*000
Itl i nomo
MEDICO LEGAL, ACERCA DA DOK.NCA E MOBTE
DO IIAHAO DE JAIUGU, POR ANTONIO MARA
DOS SANTOS BRILHANTE, MEDICO aRR-
CIO.
(Gontinoacio.)
Eis a? cartas :
Sr. Brilhante.Disseram-rae qne V. est gra-
ENGLKH BANK OF RIO
LIMITED.
Capital do Banco em 50:000
acedes de, 20* cada urna
Cspial realizado.........
Fondo de reserva........
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM I'KII.N A Mil I i :o. EM
30 DE SETBMBRO DE 1871.
Activo.
AMn esconudas............. 1,099:991 *680
Emprestimos e contas caucionadas 37:093*390
Letras aracebir............... 118:137*590
Gawptias e valores depositados... 337:631*000
MaWua etc. do banco........... 14:766*570
^versas contas................ 189:030*550
C*aa......................... 1,038:006*600
Passivo.
Coolaseorreotes ra-
pto............ 66li718*ao
Deposito a praso liso
com aviso e por.
letras........... 1,961:346*960
letras pagar..........,....-..
ltalos em caucao e deposito....

vemente enfermo: se aqui nao estivesse prxima
mente ter me-hia ioduzido em grande cuidado,
porque me allir naram que V. soffre ha perto de
t mezes alienaeo mentalI...
V. lera mais inimigos do que pensa 1... Vem
das summidades da sciencia e da litteratura esta
propaganda I...
Mande rae dizer eomo esta, eoreia-me sempre
a me-ma. Lixboa, 4 de maio de 1860. C. >
< Sr. Dr. Brilhante.Agradcco a promptido'da
sua resposta :' estimo e erioza da sua bda sade,
posto que eu liaba ara palpite de que V. nao pas-
sava mais incommodado do que quando esteve
nesta sua casa.
i llojp mesrao vou lera sua carta a uraa fami-
lia, qual ara dos collgas do consultorio dea a
noticia que me transmiitiram contristado: e ama
nhaa mando a eopia ao nosso poeta Gastilho; para
o habilitar a ter na devidt con-iJer^-) a sapien
cia humanitaria do Sr. Dr. Bernardina Antonio
Gomes e mais conspicuos membros do memoraado
coosalho superior deiostrueco poblica.
f Tambera me disseram boje na baixa que o ma-
rechal fra de-pedido do paeo por na i eei que
des frita end recada a familia real de Hespanha: eu
eslou ja lao prevenido eonira lado quauto ofi-
cia ruim, dada obre carateres salientes na soeie-
dade, que re :eb > e poubo de parte : deixo-as-
Sempre ocar de conserva.
Pergunta-rae V. que me panee a sua dontri-
na: parece-me Ma. No que nao convenho uo
sea dizerqae ndo quer empregos. E' lanzar om
, auailiema desoecessario sobre a snciedade futura,
DE JANEIttU] qae maito pderia melhorar eom a j qae se Ihe esconde.Acredite-me sewipre, agrade-
cida e affiijoada.C. L^bot, 4 de malo de
1860.
Pela leitora das cartas v-se: qae a tentativa
girava calumniosaaente, e que aespalbavam como
condoidos I___at qu >, perdendo 'a vergooha, de-
rain liomom por ti, o qa9 ama vil eoWdia, d
vieram imprens e tir!..,.
Fiquei satisfeite com a deciso do jary, para
conhecer ainda a lempo a sociedad* e as garantas
que o cidadao pode ternas quesio-s de uioralida
d<\ O jury tioha u'ura de seus membros ama das
especies qus Bocaje designa assim :
a Stimo qoern de S-lo se gloria.
Foraa-me dirigidas diferentes cartas lastiman
do a deciso ao jury, noltvel ealre eslas a do.
Sr. hispo de Vizeu.
Vejamos;
Exm. Sr.Quando a prepotencia socialesnia-
gaoom suas garras m'ames ora cidadao til ao
Seu pas, honslov probo e estudioso, justo qde,
so menos, em torno da victima se levantem mies
de amigos a protestar contra o julgameato in>i-
dioo, contra a preponderancia calculadamente
exreita da sobre as consciencias de jurados|
igaoraotes 1
t Animo, e.yl.I V. xc. sabio do tribod
com as honras do marlyrio; sao infames os qu,*
riera do desespero do opprimido I Pode fazer des'
s*rt o sea pr%ee*o e* o
fshi.
Se V. (rtrlefa/ft *f*a'',aieWa, gMtiefr*
questio moral, pois que toda *hif iodignado com
to Iniqaa decisSo.
c Quando ot malvados tazeos da iraprwwa ama
estatua de Pasooido, oeotabae eom -a iapnaklade
do jory, nada do croe d mais -caro ao ftonitm Acara
a caberlo dos salteadores da boom atbeis.
Receba, po, e parabens- do triampio alean-
c*do, porquanto a opio rao si m moattetuda in-
ilemnita bem alguns soberano* sus a, josiica Hm
coasummio.6eu amigo e c*rifada.41 tes Mar
tms. m
Ped liceaca para a publioaco. -
Hesposta:
Vizen, 28 4 70.Meu aro amlgej Hmo-
moa de acord acerca do juio qoe. fas dos hu-
men ; mas o mondo empre foi assim; e coma
que o ha vemos de deixar sem que elle se iodi-
reie.
Nao acho racoavaaiente em qne se paMiqne a
carta. AJeus.De V. amigo servo. AUes Mar-
tins.
-t filen. Sr.Mea presadissimo edtaga e ami-
go ^ ................ J. ......... ......i.: .t....
...........................................k>
................... ..........Vi pelos jomaos,
qae V. perder a cansa crime (querella) qoe in
uptara contra o editor da JomU do Ctotmerao,
pela grave injuria que Ibe irrogeo; mu que o
jary nao deu por provada t E pecha ja amiga na
aossa trra alenoharem-se de doodes os booajswl
de talento provado, porque eom elle assomfcrara as
mediocridades. O mea amigo toas fortaleza bas-
tante para soffrer esse desaire cooscio da iedtgoa-
cao eom qae o publico fo morara publicacao, e.do quanto est desaerediu-
da entre nos a bella institoieio do jury polos seus
iniquos veredictos, que s um espirito foeekwo
pJe ditar, e oao a saa eonseieneia. Por stas en-
siderales deve V. estar satisfeito porque
tal deciso om nada o ferio..................
................'..............- collega mutw sfNeoado e obrigadissirao.Certas,
5 de juho de 1864.. ,
O jury julgoa -nio haver abuso de Mberdade de
imprensa por materia absoluta I A devisa > do jury
demonstra o desacord bivido entre os jurados: s
a raaioria indicasse a Justina, e.-tarii esta sempre
as maos dos ignorantes, que sooos estado* o
maior numero, e a honra do cidadao fleara a
raer.- das raassas brutas. A menora justifica s
Inielligeocn dominada pelo numero, aereo aconte-
ce as elefeoes para diputado*, e por Isso quasi
sempre o mais (Alo, o que sa agalM is tricas, que
repugnan) ao li mem de bem e Ilustrad*1, *o qoe
sai el-nto, .egflirr-io nisio mrxiaii torpe ervorada
em principioconseguir os ftns sefam quaes forent
os meios.
Appfcovefto esta oceasfle para dizer qae espe
re 7 sanos, desde 4808 4870, guardando a pla-
cidez e a resigoflcdo, par Jora, a saeigue-frio,
eomo eostumo nds soffrrflMotos meraes, disr :
Vivo n'um pas aottle se ponpa vida dos as-
sassinos morae* e ptrysieos.
Os s^sassinades, moraimevde, ficasa KisolUdos ;
e impones os a-saltantes da Hrara albeia. .
Os assassinados, phy vida, reservando a sojiedade at aos perprttado-
res do ortmej E*res tlrsm o'qne'oio podem dsr.
e a soeiedade garante-lhes o que elles tiram I
progresad 1...
Mas quando a elasse medica se -serve da arma
traic/ttim, convencida de que me alfroataria a pob-
to de perder o qbe reeonheeiaem mm snseeptive!
de perder-se, e Use nle podem perder porque nao
teem ; e quando espalbou em 4U3 que eu desta
vez nao me lev, na va... jnlgou-se por si, e nao
conheeeu a minha coragem, nem os reeurwj^ae
qae disponbo f
Estas nallidades invejosas vio cahindd-nanris-
ria, e alguns vio indo para Rllhafotles... aonde eu
nunca fui, nem de viifts, ou ;uriosilade I
. Toda a gente sena conheee a sua estafada vida
e viver, bem como os mos costantes d'algans, a
ignorancia que possuem outros.
Eu formo om todo i parte. A soeiedade deve
excogitar as razoes differeociaes.
Se a calumnia e a defamieio tivessem podid
comprometter a minha carreira; se eUes tiveem
vindo impreosa, cora > vieram nesta oeeasio, me
ten do boraem por si, inculcando moraldade de das-
se, qne nanea tiveram, em que estado me arma-
rla en ?
Mas se pela impreosa imaginaran qae ea per-
turbara o meu espirito, por ella mesma, edm
tolos os seus abasos, qae ed o teiibo capeado.
E* a oniniao dos ilustrados'do nosso paiz, e aon
le se falla a lingaa portugneza, manl!brta-se pro-
curando qual o impulso sciencia, qae teem da
lo os meas adversarios, que possa edipstr todo
quanto ea tenbo feito, estudiado, escrevendo e
praticando ?
Pois os mdicos batoneVias que perdem o lempo
a inventar tricas, em rugar de estadar os progres
sos da arte, poderiarn engasar por ailo lem-
po a sociedad t Nao. Se eu tivosse seguido os
exemplos destas nallidades, acessitaria como el-
las da mesa do orfamentt, seria um miseravel a
procurar empeaos para- viver dos emprego*, ca
oteara a Deas e a todo n manilo, e apresentar-
me-hia de boebeehs enchadas feito ptunfarrao...
A minha vida 6 mais pura, e est escorada no es-
tado constante, no trabalho e na prohidade. E'
*ste o capital que tenho dado, a socisdaee Wr tro-
ca reciproca e proveltosa, edm que teho fttto a
minha vigorosa independencia.
Recife, 4 de outubro de 1871.
Olivara Fonccca.
5. 43L AS PIUII.AS ASSUiARiDAS DE
BftfcTOfc.Nenbom remeti eaihavtlca para o
uso das familias, tem merecido ou recebilo os
touTOTBs qxirTsm sido ontorgado s pttutn assoca
liadas de Jftol, tanto dos mdicos corno das do
etes.
O testemuehss leadjentes sua eficacia s a sua
peifella exempcSo de toda a casta de eomposi-
cio estrantw e offensua, sao da* mais elevadas
aatoridades medicas. '0 seu grande mrito se-
do estas testemuBnesy OQawslp em que, elUs
So s lirapam e purBcam o estomago e os otes
tinos, como tambera obviara a neressidade de urna
purga cao continala,
Alm disse ellas nao enfrsqoecera a forca geral,
como acontece cora todos esses porgantes mine
raes ; nem ta > poaco cansara a mais leve dr, ou
naasi-a dorante a saa operario fanecional ; e por
isso mesmo se tornara iaspreetaveis para as mo-
Iheree, ereocas e horneas idoso?. Isto um as-
sumpto de vasta importancia, que todos devem es
tudar, principiando por experimenrarem em snas
pessoas as grandes e incontestaveis virtudes das
punas assncaradas deDiistol.
Achara-se acondicionadas dentro de frasqui-
nbos e por isso o seu estado perfefto se conserva
em todos os climas. En todos os casos causados
por aggravacio ou provenientes de impurezas od
singue, a sarsaparrlha de Bristol, devora ser to-
mada conjinetammte eom as plalas.
Emenda essencial
Onde se l ao arl#e>tecMbjate, 3* periodo ul-
tima palada, spttoBalidade.deve sernacionalida-
de. No pedUUio triodo, em logar de eu pu-
desnoea poderle.


COMMERCM).

Segaros ointra-ftgo
CJOMPANHU

i
NORTHERN.
Capital.
Fundo de
reserva
: \
5f>,0O0:fJ00*0O0
. 8,000:000*000
Agentes,
MilU Lalhan C.
'.

IMPERIAL
Companhia de seguros contra
fogo.
rJOMR
S. P. JOHmTON C;
Rua da senzala-nova u. 41.
SEGURO CONTRA FOGO
Tbd Liverpool d Lornion d Glob
Insarance Corapaay.
janles :
Saunders Brothe. s & G.
llr-tfionpa SantoH.
THE ALWAPTGE BRITISH d FOREHJN.
f^fe and Fire Assorance Company estabelecida
em 18zi. Capital 5,000,000
Os agentes desta eompanhia tomam seguros
contra fogo sobre predios, gneros e fazendas t
pagara aqui prejuizos devidamente provados.
Rabe Scnmetlau & C
' Corpo Santo h. 18.
..
PBAUA
DO
RBCIFE 4 DE OUTUBRO
DE 1871.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDI.
Cota?6e8 officiaes.
AtgodSo do-seflol* sorte808 rs. por frito.
Algodo 1* serte -- 9 rs. por kilo,
H. 6. Stepple,
Presidente.
A. B. P. de Mesqtrlta,
Pelo secretarlo.
Readirnenio do
dU 4 .
ALFANDEGA
da 1 3
76:850*786
48:361*891


I13:IJ*677
' equiDagem 6 earga sal; a Gomes de Hattos
Ijnio.
Rio de Janeiro-10'das, galera franceta Camille
de 487 toneladas, capitao E. H. William, equi-
pagem 17, em lastro ; a ordem.
Montevideo20 das, lagar bespanbol Camilla I
de Totsa, de 169 toneladas, capillo Jos Mesire,
eqaipagem 14, em rastro ; a Pedro M. Maury.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio Grandazo NorteBriguo inglez Ntca, capitio
l. Day ; Hllastro.
Bahabflgue Italiano Pietro Rugtnto, capitao
Guiseppe fiieco, carga porte da qie treaxs de
Genovl.
CsarPVMko infiet Alia Burnyeat, cipMo I.
Hasiley.ai lastro.
EDITIS.
Nos termos do 16 do accordo interpretati-
vo pare regular a execucao da eoavercao consolar
do 4 de atril de 1863 entre o Brasil e Portugal,
Taco constar de ordem do Dr. juiz de auzentes do
termo do Recife, qne nesta cldale fallecern) os
subditos portu;uezes Jos Barbosa Cupertino, es-
tabellecilo que foi com casa de nego:io i rua
Nova n. 67.Jos Geraes Veiga *o;io do estabele-
elmento commercial, sob a Arma Veiga & Vianua,
rua do Livrameulo, e Virginio Freir de Olivei
ra, com estabelecimento no pateo da Santa Croz,
todos os finados sem he metros coobeoidos, peto
que se faz o presente aviso para que chegue ao
eonhecimento de qaaiqaer* interessado qae exista.
Recife, 2 de oatubro de 1871.
O escrivio,
Domingos Nuos Ferreira.
O inspector da alfandega Uz publico, que
considerando abandonadas por Braga 4 Gomes em
sea despacho n. iol de 3 do mez prximo Boda,
49 cestas ds vi me viudas do Porto no navio por-
tuguez Social, entrado em jolho ultimo, por se
acnarem comprebendidas no art. 501 3* do re -
gul de 19 de setembro de 1860, sero vendidas
em basta publica, nos termos do art. 399 do mes-
rao regul., no dia 6 de outubro prximo vindonro,
depojs de meio dia, parta da mesma repanicao
no valor oficial de 286*686, snjeitas multa de
66*317.
Alfandega de Pernambueo 29 de setembro de
1871.
Emilio Xavier Sobreira de Mello. -
O inspector da altaodega faz publico, que ex
istiodo na mesma os vola mes ab.ixo declarados
para consnmmo, por se acharem compreheodidos
no art. 3001 e 3o do regalameolo de 19 de se-
tembro de 1860, os seus dooos oa consigaalarios,
devero dispaeha los ao praso de 10 dias, sob pe-
na de rindo elle seren vendidos por soa conta sem
que ihes fique compet ndo allegar contra os effei-
tos deesa venda.
Armazem n. 7.
4 oaixas marca HLGPm. 137, 140, 146,180,
viudas de Liverpool no vapor inglez Talismn
entrado em 18 do mez prximo passado, a ordem.
Alfandega de Pernambueo, 2 de outubro de 1871.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
DECLARACOES.
Fttllencia,
Nao leudo Udo lugar a renniao dos oredores da
massa fallida de Jos Antonio da Costa Valente.
ao da 30 de setembro prximo passado ; sao pelo
prosete convidados, por despacho do lllm. Sr. Dr.
luiz especial do commereio. reunirem-se no dia
7 do corrale as 11 horas da manhaa, na sala das
audiencias, para iratar-se da vencacao dos ore-
ditas e da formacao do contrato de uniao.
Recife 3 de outubro d.- 1871.
O escri-ao do commereio,
Ernesto M Freir Pereira da Silva.
Novlmeato da alfudega.
Volomes entrados
Volumes
sahidos

com
com
com
eom
. fazendas
gneros
fazendas
geueros
784

Nier n'est pas proaver
t'cH H reisouroe de la
sottise ou rl l maavai36
fji.BoitU.
-----415
Descarregam boje 5 de outubro.
Lugar hespanholCamiflo l da Tossapedras.
Barca loglezaTalismnfarnha dejrlgo.
Barca inglezaCetiz of Kandiz car vio.
Barca franceza- Maut-icien varios gneros.
Patacho norte alleraoflefiosvarios gneros.
Patacho americano James Millervarios gneros.
Barca ingleza.Mn--bacalho.
Brigue inglezCoilavanos gneros.
Brigue norte alleooBur7rmustr Stnvedem.
Bngue inglezlVeliourdfarinha de' trigo.
Brigue portugaezBella FigutirenstittiOi g-
neros.
SANTA CASA DA MIaEHICOHDlA DO RECIFE.
A lllm. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordis do Recife manda fazer publico qae na
sala de suas sessoes, no dia 5 do mez de mimbro
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematados
a quera mais vanugsns offerecer, pelo tempo de
nm a tres annos, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Traves-a de S. Jos.
Roa de lionas.
Sobrado n. 45 (andar e sotan.). 304*000
Roa do Prdre Fiorianoo.
Casa terre? o. 66......Vv 205*000
dem n. 47.........180*tt
Roa do Amorim. v
Sobrado de 2 andares n. 26 ... 302*000
Rua da Gloria.
Casa terrea n61......240*000
dem o. 93...... 180*000
dem o. 56.........203*000
Rua da Poote Velha.
Casa terrea o. 32.......360*000
Roa da Roda.
dem n. 5.........103*000
dem n. 7. ,.......101*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Guia.
Casa lerrea n. 27......146*000
dem n. 29........193*000
Largo do Pazaizo.
Loja da frente do sooradnn. 29. 192*000
Roa de S. Jorge (Pilar).
dem n. 102...... 0 203*0fXi
dem n. 108........905*000
dem 0.98........ .- 05*000
dem n. 96.........204*00.
Sitio da Mirueira.......1*C00
Os pretendenles deverao apresentar no acto di
orremataro as suas flaneas, ou compareceren
eompanbados dos respectivos Madores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
;ife, 22 de setembro de 1871.
O eserivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Secretaria de tribunal do commereio de Percas-
buco 29 de setembro de 1871.
O offlelal-maior,
Julio Gnlmaraes.
Tribunal do coguprcio.
Pof esta secretaria se faz publico qae foi ad-
raettido a registro nesta dsla e patacho nacional
Mari* Emilia, a 394 iMelsdtr, propriedade de
Custodio Jos Viaana tata ctalo.
Secretaria do tributa do commereio de Per-
nambueo 25 de desta** de 1*71.
O offleW-BMior,
Julio Guimaraes.
Corrcio geral
Realeo dos objeciot 'regia*ajdo5 exisienieg
na adtaaistror^o fa cormo desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo mencio-
oadc-8.
Aona Olympia de Campos, Antero A aguato Pe-
xoto de Alencar, Aprigo Jastiniano da Silva Goi-
raarJes, Andr Avlino Pereira da Silva, Belmira
Mara da Coneeicao Oliveira, Carlos Angosto Ri-
beiro, Antonio Augusto d Costa Laeerda, Candi-
do H. Sorgos da Pnase*. Ermisdo DeocUeiaoo
de Layla, Firmino Thotooio da Cmara Santia-
go, Frederieo Augusto Velloso da Silvera, Fran-
cisco de Gusmao Gnimaraes, Francisco Igneck)
Gomes, Francisco Pereira de Assis, Gentil Rodri-
ues de Sonza, Higioa Maria do Espirito Santo,
Hermenegildo da Cunta Alhuquarque, lotepba
Francelina Pmto, Geron.ynjc Lourea) de Araujo.
Jezuino Carneiro da Cunha, Geinin* Maerapo Ma-
Ibeiro Braga, Joaqaim Lopes Bastos, Joaqjaiaa Das
dos Santos, Joaqaim Jos Godinho Jnior, Joanea
F. dje Gosmo L' b Vilal, Juo Mun.z Pereira J-
nior! (2). Jlo Flrililbo Cirreia de Ara ajo, Jos
Paulo Macie! de Carvalho, Jos de Queirot Mteso
Ribelro, Jos Olympio dos Santos, Jos Caribe U.
Pires Nabuco, Jos Locas Soares Raposo da ca-
ma ri, Jos Zachariae de Carvalho, Jos Loorsae*
da Silva Milaneze, Jos Doarte Pereira, Josd Peres
Camello de Almelda, Luiza Candida do Aood,
Leophldo Frnciseo aa Silva Mathec% ofMMi
Branlo, Mauricio Francisee Ferreira da SlVa<}9f<
Manoel Antonio Vieira, Manoel Francisco Croz,
Manoel Alexandnoo do Albuquerqbe Pitia, Ma-
noel julio da Silva, Prisctllano Olympio Nogoeira
Neves, Pasquale Gogliclminn, Salbador Dommeer,
Silvestre-Jos da R Administrariodo correjo de Pernsrobaoo 2 d%
oatabro de 1871.
O enea'rogado do registro,
A. Gomes da Sirva Ramos.
AVISO? MARTIMOS.
(01IPi\IIIl
DE
,-.
Navegapo Brasileira
Al o dia 8 de outubro -
perado dos partos do sul o vapor
Cruzeiro do Sul (trotado) coot-
mandanle Cardoxo, o qual depon
da demora do oostums seguir pa-
ra os do norte.
Desde j recebem-se passaceiros edg>jaa* a
earga que o vapor poder conducir, a mal devora
ser embarcada no dia de suachegada. EacontaD-
das e dinheiro a frete at as 2 horas da urde
do dia da spj sabida.
Nao se recebem como eBCommendas senio ob-
jsetoside pequeo valor e. que nao eicedam a doas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de med fie
Tudo fiue passar destes limites devora ser embar-
cado como carga.
Pre rne-se aos senhores passageiros qae anas
passai ens s se recebem na agencia, roa do Com-
merci u 8.
PAKA 0 PITO
deve ahir cem a maior brevidsde a barca portu-
guesa Clementina por ler grande parte da earga
de coi ta engajada ; para o resto da carga e pos-
sageir tratase com os consignatarios T. do
Aquio i Fonseca de C Saooessores a roa do Vita-
rlo n ""
vel brevidade o palbabote
Emilia, capillo Pereira: ainda recebe carga a fre-
te : a tratar cora S Leito Irmaos rua da Ma-
dre do Dos n. I.
coMPixm i

DAS
Inspecqao
do arsenal
rinha.
de ma-
3,i
re
1.090 000
500.0)'
lao.soa
Bs. 3,834:657*760
2,022:965*JJ0
l
337:631*000
A negativa nao prova nada, o abrigo da toliee
6 d mi f.
Processo de sdalas
falsas
P Uberal de boje fiaga alo entender o que ea
disse hoaiem ao Diario.
No da 30 da setembro (todo foram inquiridas
quatro lesfemanhas do sararaario instaurado con-
tra o tenenle coronel Usgo Barnu e ouiros.
0 Uberal de 2 do correnle censura o promotor
publico de ler eusutido a m{uirico .-era nada di-
zer n ;m perguntar.
Imraediatameite dclarel pela impreosa, que *do
assitti nquiriciQ. visto como neonam lotroa-
cio se rae havia flo ; e qnanJo aviado por um
amixo, fui i toda presta a sala idas andiepcias,
acabaea de de par a ultima dptqnjflro ttskmunkas
inquiridas.
Nao tendo assisiido aosdepoimeus. deixei de
a-signar o respectivos termos, cqjjo bonlera de-
clarei. Como rjoderia ter reto peraaafSs s teste
mnahas ?
'.a suppoz o Liberal, que desoa de sita di,
p aceitando fio simples, clara.e verda-fclra
plteeao de ara adversario poltico; pafcea
Dmpachos de exportado no ia>
. outubro.
Para os portos 4oterior.
Ne brtgne inglez Mary, para Liverpool, car
garam : Saunders Brothers & C. 168 saccas com
33,870 kilos de algodo.
No patache austraco Arminda, para Liver-
pool, earregaram : Mills Lalhan de C. 3C6 sacis
com 26,771 kilos de algodo.
Na barca toglaza tonda, para Liverpool, ear-
regaram : Mills Lathan & C. 402 saccas eom
28,897 kilos de algodo.
Para bs portos do interior.
No hiale Dos le Guarde, para o Cear,
earregaram : Joaqaim Jos Guncalves BeltrSo 30
barricas com 1,770 kilos de asiucar branco.
Na barcada Trumpko, para Mossor, carre-
KTam Luiz Gongalvesda Silva Pinto 5 pipas com
2,400 litros de agurdente ; Joo Baptista Lima i
barril de 3" com 56 litros de cachar a 1 fras-
queifa com 8 litros de gentbra; Joao Alexandre
vieira 3 saccas e 2 barricas com 489 kilos de
asjucar branco ; Cunha 4 Manta 2 barricas com
156 kilos de a suear.
Na barcas Sania Candida, para a Parahy-
ha, arregon : Manoel Ferreira Pontes 2 pipas
com 960 litros de agurdente.
rr- Na barca Mistiea Cidade, para o Rio Gran-
de do Norie, carregoa : Antonio Ferreira de Car-
valho 18 saceos coto 1.320 kilos de assncar branco
RECEBEOORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAS DE PERNAMBUCO.
sedimento do dia 1 a 3 4:606*094
dem do dia 4...... 3:444*104
Faz-se publico qae a commisso de peritos exa-
minando, na frma determinada no regula ment
annexo ao decrete n. 1324 de 5 de fevereiro
de 1834, o cseo, machina, ealdeira, apparelho,
mastreacao, ytame, amarras e aneoras do va-
por Pacifico* propriedade de Caetano Lourengo de
Seixas, achoa todos esses objectos em estado de
poder o vapor navegar.
faspeccao do arsenal de marinha de Pernambu
co 3 de cutubro de 1871
Francisco Romano Stepple da Silva;
Inspector.
Messegeries martimas.
Al o dia II do correnle mez espera-se da Eu-
ropa o vapor fraocez Amazone, o qual depis da
demora do costme segnir para Buenos-Ayre-.
locando na Baha, RioJaneiro e Montevideo.
Paca condicoes, fretes e passagsns, trata-se' na
agencia, rua do Commereio n. 9.
No dia 12 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francs Gironde, eoramandanie-
Giosi, o qual depois da demora do costme se-
guir para Brdeos, tocaodo em Dakar (Gore)
i Lisboa.
Para fretes e passagens, Irata-se com os agen-
tes Henry Forater A C, rua do Comraercio b. -.
l*ARi O
PORTO
preferivel (logjr Igoera jqti le.lfl1^
boje a con/issao de lr asiutido taciturno aos de-
poimentos das tesimuahas.
Conc[aiado devo dUr qe em r,eaio.falUde
resguarda-
^ id pt-
fde rjrjem
CONSULADO PROVINaAL.
; ModlmetN do lia 1 a 3 1:473*436
HNs d a 4...... t: Intiraaco e shas conseqa__
das os iauresses da initica,
eesso, como a respejfd re'
i terina Ibcrrido na toesm
)Limlo-me. asUa ohM)1!
qa l*BlJ0 dito, nio pre1"
sampto.
es; e romo bastan
voftr a este-
8:050*198
f:565*H38
MOVMENtO 90 PORTO
' n rVfli.ii
Navios t
Macu18 dias, hla
toneladas, capitio
lUEfVEL j
ta*.
D. LHiza, >de 19
Crvamo Pessoa,
Tribunal do commereio.
Esta secretaria faz publico qne ficam archivados
competentemente os seguales
Contratos:
De Joo Walfredo de Medeiros e Jos Nogoeira
de Souza, estabelecidos nesta cidade sob a tirma
de Walfredo & Souza, com casa de negocio de
livros, papel e outros artigos proprios do estabe-
lecimeotp, e o capital dt 20:000*.
De Luiz Agostinho do E-pirito Santo e Francis-
co de Paula Cardoso Jnior, estabelecidos oesta
cidade com casa de drogas homoopalhioas, sol a
firma de Paula Cardoso Jnior dtC.ee capital de
10:500*.
De Manoel Jos Rodrigues e Josd Gomes de
Freitas, estabelecidos nesta cidade sob a arme de
Rodrgaos de freitas, com casa de negocio de eco
feiuria, e o capital de 12:571*370.
A alteraco do contrato.
De Antcnio Jos dos Res, Adoipho Marques des]
Santos e Antonio Machado dos Santos, quo nao al-
tera nem o capital, nem o praso, nem a firma so-
cial Marques Santos & C.
Distratos:
De Joaqaim Pinto Lapa, Joaqaim Pinto Lapa So-
brinho e Jos Soares Lapa, dissolvendo a soeieda-
de qae gyrou sob a firma de Joaqaim Pinto Lapa
& Sobrrahos, de cuja liqaidacoo fleam enearrega-
dos os dons ltimos.
De Jos Paulo Botmo, Bernardo Jos de Aran-
jo p Antonio de Oliveira Freitas, dissolvendo a so
ciedade qae tinham sob s firma de Botelao, A-
raujo 4 C, qqe se aeha liquidada.
Seefetria do tribunal do commereio de Per-
carabuco 28 de seterrfbro de 1871.
O oficial -maior,
Julio Guirnraes.
Va sahir eom brevidade e patacho poripg
Liberal, capillo Gailherme Joaqaim Leal,
parle da carga engajada, para carga e passa
parosla es tem exceilentes commodus,
eom K. R. Rabello & C, a roa do CommeMi n.
48, oa com o capilo.
COSPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Ndfoega^do costeira por vapor,
Goyanna.
O vapor Paranyha
ra o porto cima no
correle as 9 horas da
Recebe carga, enco
passageiros e dinheiro a
eseripMrogo Forte do Mattos n. 12. '.'
Sahe para o Cear infalliveimenie no m% U
do cqrrente o hiate Dos te Guie ; qaem nelle qni-
zer earregar dirija-se ao escriplorlo
mea Louren^o roa da Madre de
tratar com Joo Alves de Quintal
de Barihvlo-
Dos o. 5, a
LEILOES.
1

Pela mesma secretaria se fax igualmente pabli-'
co que nesla data (la registrada a escriptura de
contrato antenupcial celebrado entre Francisco1
Jos da Silva Guimares e D. Amalia Carolina da
Fonseca, por sen tutor, na qaal se estipula que
dos beas qae herdoa a Contratante de wtis' pris,
gmente entrar em eommnoho meude, e qp'
umbem entrarlo era eommanho todos r rjhe,
alquerirem da eonstaneia do matrimonio.
LEILO
M
tm-
MOvTElS
Rua do Queimado n. 28 1
dar. .
O agente Pontaal, vender era lrfo, pr; 'iufo-
risaco de urna familia que se retira para fura o
segninie: 1 importsrne plano de,]aearanr
bllia Linternas, lavatorio oe mogno cora
apparadores, gaardi-ljbca, meza.para "
ma para ca-al, marqnezlo, qartiahei
escarradeiras, relogio de parde, e1
igoarnigao, ouea de porcelana para a;
tr, garrafas para viabo, copos, clices,
tos oatrs objectos:
No i* sedar do sobrado, fn Datyn* M ffe*
,xias n. 28 (oalr'qra roa do Qaeimado) s It^i
ras.

"'!
v..
-



t


I
I
I
' 1
uiano de Peniamfcuco Quinta (eir
5
de Outubro da- lft7L
LEILAO
com li-
3 pineiros com tofioca e 2 fardos
HOJE
A0 MESO NA.
O gente Petrta, far leitSo por coala e risco
te qaam perieoeer, de 43 paneiros com tapioca,
a 21 Tardos con liaba de barca, e sero vendidos
no da cima Indicado, as 12 horas em ponto no
trapUe Barao do Livramento, Forte do Mallos.
i.,. i ,i <>*
aos Sis, assigaautes destAo oomn rciae ao 1
Diario, que se acham em ftMft
atnm iemmeitofe vufo .^^ ^^JJSL.,. ,*-
enpco, vamos rogar quei"
rain mandar saptis&zel-a;
Cw Telojtto de prau, 1 cadeia de ouro, 1
pequeoo aaael, 6 botes de prata dou-
rada pan collete, i ditos de dita para
popos, I bah de sola, icaia de ma-
deifa, i cadeira privada, e 1 porc2o de
roopa osada.
HOJE
O feote Manas far leilio dos objectos erou-
***% 9-t ortlem do Sr. Dr. consol porluguez,
* tWMoeBtae m espolio de Praucisco Loarenco
da Silva. ^
Bnvaeu eseriptorio, i ra do Marque* de Olinda
5. 45, 3 11 horas do dia aeinn.
JTJfll w|og|o de prala com corrate de ouro,
i! arais, l mei a com moda diamarello,
1 aaatorio de amareHo, 1 dito do ferro,
4 arreza. 2 cadeira*, t oabide, de
mideira, e i pnrco de roupa osada.
H>je.
O agente Martin?, Tara leio per ordem do Illm.
Sr. Dr. consol peringuez, dos movis e roupa an-
ota perieueeoles ao espolio de Amonio Joaqun)
da Brillo.
seu escriplorio ra do Mrquez deOlinda
as II borasdo dia cima.
.. i
iio.ii:.
D
l ma caixa com roupa osada, constando de
camisas, caicas, pilitots, colletes e oo-
tras pecas de roupa, 1 relogio de ouro
com crrante de pl qaeL
O agente Murtlus fara leilao, por ordem do con-
sal d'Austria, da roupa e relogio cima, perleu-
Triad! de Carlsbad.
Em sru eseriptorio, ra do Mrquez de Olinda
a. !3, is 11 horas do dia cima.
f-


LEIIA


Hoje
aflm (tenao soff<' rupc&o na remessa do mes-
mo Diario.
JNSTITi TU AMMOLO E m*M\-
CO PERIVAHBLCAVO
llavera sess5o ordinaria quinta-feira, 5
do correte outubro, pelas i 1 boras da roa-
bttt.
0M>KB0 DIA. .t.
Pareceres e mais trabal boa de commis-
soes.
Secretaria do Iastitoto, 2 de oulobro
de 4874.
J. Soares iTAzevedo
___________________Secretario perpetuo.
Hospital Porluguez de Benefi-
cencia em Pernambuco.
Domingo, 8 do correle, lera lagar a festa do
16* anniversario da installacao d'este hospital.
O esiabelecimento estar franco todas a^pes-
soas que o queiram visitar, desde s 9 boras da
manhaa al as 9 boras da noute.
A's dez horas da munha, em ponto, soleannisar-
se ha a festa de S. Joo de Dens, pftrono do hos-
pital, no teu respectivo oratorio ; sendo celebrada
mUsa cantada com msica de orobestra e ssrmim
em acjao de grabas en louvnr do mesmo pa-
trono.
Em acto conlinao o senbor provedor passar
entregar s menores Elisa e Delmira as Canta de
liberdade com que o amito pre?iiraoso soew dest
hospital o Illm. Sr. Gandido Alberto Sodr da Mot-
il", comquanto ausente, deseja testemunbar uesse
dia o seu alecto ao* Qns de candado e beneficen-
cia, que o estabelecimeoto se dedica.
a's 4 horas da tarde serio abortos os bazares,
estarao expostaa s prendas offerecidas pela cari -
dade publica, am auxilio da manuiencio deste
hospital.
Duas msicas msrciaes tocarlo alternadamente
daranto a tarde em aprazivel agradecimento to-
das 3 pessoas qae coDcorrerem festa.
A junta administrativa do mesmo hospital pelo
presente conrida todos os seus socios eflectiv'os
benemritos e bemfeitores; bem assim ao publico
em geral assislir festa, visitar o estabeleeimen*
lo e a prestar o sea valioso conearso nos bazares
de prendas.
Reconhecida a ooesma junta sympalbia que o
publico costuma proaigalisar ao hospital antecipa-
se agradecer o acolnimento, que sem duvida
prestar ao seo convite
O motivo da transferencia da festa deste hospi-
tal para esse dia foi, em particular, espetando que
houvesse para o publico Ana eomloecao mais fcil
e eommoda, como hi actualmente.
Hospital Portugaez de Beoeflceneia em Per-
nambaco. 5 de oatubro de 1871.
Joo Jos Rodrigues lleudes,
provedor.
Luiz Duprat,
secretario.
das parte naecotnprei naoogonUo
ai tfai lftji e atibatt) m mao das i
abano mencionadas a saber : em mo do '.
gera iesc^alh oa tui transaccio algum
seguintes le/tras por- mo acceitas, prove
Cache
chata m mi
Hm
de 1:000|, a primeira veneivel a maio de 1871, e
a segunda veneivel em tosa de 1873. Em mao.do
5r. Fran:isao Mauricio de Mello nma lettra de
8001 veneivel em maio ie 1871 Em roao do Sr.
Manoel de Millo e Silva ama lettra de 80M. ven-
eivel era maio Je 1872. Bm ralo di Sr. LatUSen
tmo Frreira de AlDbqnerijue urna lettra de
1-.008J, vencVvel em maio de 1873; Tlsto qOSe
apresen* am eqniroeo pelo qaal ddxo d as pa-
gar, o que tare! log qtie ette fr dsTfnado.
Engenbo Cachoelrnha, 27 de setempro de 1871.
Jos Tdixaira una.
22=35
Antonia Alvaro Fewefira
lesuitto Ferrelra da SrrVa, Offl dos irmaos do
fallecido Antonio Alvaro Pferr&rrir da Sltva, man-
da celebrar arpa missa no dia 6 do crrante osee,
aonagesimo dia d| tea paesameato, na matriz
da freguezia do P%> da ParH, as 7 horas da
manhaa, e para eBe*cto d? religio e caridaie
convida aos irtoid, parettes e amigos do falla-
"Ido- ... ,
Victoria,
Our'orara Novan. 3
,
team
taval
eomptaPd.
deixaride<
- costuww.
> baixo asignado acaba de vender entre
V.JFS& WiIM jubetes sorte de 5:090aJ)QU
X ATe,e hllero de n- 249S."1iart *
^1L?? *%*** 10*. tmj|fiE^ sanes
llqner bm|
meamos aononeios.
^^"/T'eoda os mlki faitea bitbrtaa p
ranlidos da 8* parte 1..!*.. hospital duordem terceirt di
extrahida no dia quaria-f8,fcafil do corrasM ada
latairo
De lOOi^OOO pa:
Intewo
y Maios 2
M Qoarlot
Joao Joaquim da
Drogara Ruffier

Alaga-se o 2o andar do sobrado da ra da
Senzala nova n. 30, para pequea familia, tendo 1
sala, 2 quartos, despensa e cozioha, modo fraseo :
a tratar na toja.
Joaquim Miguel de Amara!, ioiimamooie desolado
pela imprevista morte de sau fllho o mtrfar Joao
Hapthta Vleira db Amsral, al esilgjna tarddde
29 de setembro indo, afradeee do ndo (faian i
todos os-seas amigos qw sa prestaram a aeoma
nbar c sabimeato di mesmo ao cemiterio ptA
acto que leve lagar no dia posterior o dd se
fallecimenio ; jatnai {oeaendo 09 btris e esoon
teos obsequios que Ib nrodioatisaraot a sede-
di de a que partenca, denominada Coracio livrs e
popular, e a religiosa irmandade de No.-sa Sebo-
ra da Luz, omctajna Igreja de S. Jfc# de Riba
Mar, que em nada se pouparam para a maior so-
l moidade do acto.

Dr. MMa f-Guna Lobo
Joo Baplista Peretr Lob.. pungido de doloro-
so seatiraerito, onvida eos prenles e amigos
e aos do seu (loado fllh v Dr. Ovidio, para assis
tirera s nilssas que pelo descanso da soa alma,
se celebrarao no dia 8 do crreme, das 6 as
horas da manhaa no convento do Carrao des!
ciJade.
DE
Diversas ferra-gens,- miudezas, e diversas
pecas da roupa feita.
O agente Martins, /ara hilan por ordem do illm.
Sr. Dr. cnsul portaguez, das ferragens, e miada-
zas cima, pertencentas ao espolio de Manoel Bap-
wsa Barbosa.
Era sao escriplorio, ra do Mrquez de Olin-
a\ n. 15, s 11 horas do dia.
LEILAO
DE
45 sacras com algodo.
Sexta-feira 6 do correte.
A'S 11 HORAS EM PONTO.
O agente Pestaa, (ara lello por coala e risco
de quera perteneer, de 15 saecss com slgodio, as
juaes serio vendidas em 1 solte no da sexla-
faira 6 do eorrente, s 11 huras da manhaa em
oanto, no armazem do Sr. Martins.____________
%%VaaA
Precisa-se de ama ama de leiie, forra ou es-
crava, que nao tenha filho : a tratar na ra For-
mosa d. 21, casa da esquina que tem grdame de
ferro.

DE
Movis e outros objectos .
SextaJira 6 do correte.
O agente Pe-tana, fara leilao por cunta a risco
d- quem perteneer de diversos movis como se-
;am : 1 mobilia de mogao completa com podras,
i' dita de amarello, diversas cadeira3, lavatorios,
.nasas, 1 guarda roo pa de mogno, rae-a para es-
-cripiorio, vidros, apparelho para cha, e muitos
oufros objectos n^cessanos para casa, e sarao
vendidos no dia cima sexta-reira 6" do eorrente,
ao escriptono d agente, ra do Vigario n. 13, Io
iidar.
'

11
DE

Sabonetes inglezes
Sexta-reira 6 do correte.
A'S 40 4|2 HORAS
Por- oterveocio do agente Pinto, em sea es-
enntorio, i roa da Croa n. 38. -
LEILAO
DE
azendas avariadas
Uonsrando
DE
Madapolo, algodo, chita, cerca de 500
tecos vasios, 4 caiza com popelinas de
seda, indita com cadarzo de lioho, e 6
chapos "para sen hora.
Sexia-feira 6 do correte.
As 11 horas em poato.
O agente Pinto levar leilao, por ordem de di-
oraos,"e por coma a risco de quem peitencer,
aifBsreotes azendas inglezas com avatla d'agua
salgada; s 11 horas do dia 6 do eorrente, em
>u escriptorro roa da Croz o. 38.
LEILAO
r*
DE
(iueijos
Sablaaio V lo correarte.
Por intervenclo d aaente Pial* em *eu eserip-
terk i rna da Cruz o. 38.

JFOI1M
" O lai da joiss annaoaadn palo agente MaV-
Um, ea traoslpTido para o dia que saa opfojstl-
namante annnnciado. jp JtT ,
Ao publico
Ra do Imperador n. 24.
Ao pnblico sem duvida a quero nos dirigimos
pois, para isso (azemos inserir Deste jornal uro an-
uuncid que deve ser li Jo por todos com muita al-
leocio.
Nao vimos eom phrases bombsticas, proenrar
convencer o respeltavel oublico qoe acabamos de
montar ama fabrica a loja de coufeitaria,. pastela-
ria a collnaria, somante como malicioso fim de
chamar attenco para o nosso esiabelecimento ;
somos amigos do progresso material dests provin-
cia eccorreu-nos por isso, a idea de facilitar a
qualquer habitante della, a mnnir-se com pres-
teza a quantia resnmida, de qualquer objecto ten-
denje as tres arles cima referidas; esiabelecen-
do para esse lim urna conf itaria a ra do Impe-
rador n. 24, sob a seguinte dc-nominaco
GOPFEITARIA DO CAMPOS.
Ama de leice
Araujo Carvalno dt C participam ao respei-
tavel publico e com especfaliaade ao corpo dp
commercio, qae deixou de ser sea caixeiro desde
o dia 30 de setembro do crreme anno S Sr. Jos
Joaqairo Ferreira Jnior._________________________
Monte Po Portaguez
Em observancia da 1" parte do art. 22 e de
confurmidade com o que praceitaa o 1 do
artigo 21 dos estatutos, sao convidados os Srs.
socios qae nao se'acharem incursos nos 1*, 2,
3* a 4* do artigo 13, a se reuoirem em aisembla
geral, no saliio do gabiuete portugaez de leitura,
domingo 8 de outubro pelas 11 hozas da manh.
Secretaria do Monte Pi Poriagaez de Pernam-
buco, 2 de outubro de 1871.
M. S. Pinheiro,
^^^ 1* secretario da assembla geral.
Ijfwlet;.
Achase'p'resentemeDiede passagem emPer-
oamhoco o Sr. Emmanuel Ruer representante da
mais importante drogara do Rio de Janeiro, o flm
d'este san*or *Mvt*f*eir*rlh j vsstndissuas
operatSes cwdtot+aiaes faeiiituoao assim aos Srs.
droguistas e pbarmaceuticos ^de Pernambuco ob-
mesmo lempo ami barateza nanea vistanesse
mercado convidamos am, aw orrn assigoantes
para aproveitrem a oflkiB opfSrlIna. O Sr.
Emmanuel Rafler esiaflftpAqo i boiel Victo-
ria do Recife.
D. W.
Engenheiro com
FUNDIDO
/jViiaso Batum
11 PASSANDO O CHAFARIZ
lili
S
r

, (fa Concei-
Irmandade de"
0o do PoYoado dos Montes
De ordem do Illm. Sr. Dr. juiz de capailas, con-
vido a todos os earissimos irmaos comparecerem
em aosso coosistoria no da. 6 de outubro vindou-
m.Jftej-de pr-sa em ex-cuVao o art.: 21 do nosso
compromisso. .
Secretaria daifmaudxde'd* 'tt. 3. di; teeKio
dosMesK-s,f9 desetanfto ds 1871.
Joa^nim Jos Moreira,
_________________Secretario interino.
commercio
Oabaixo a
do, ,tsm justo e contratado a
compra da t-.berna sita na ra do Araorm n. 15
sro Sr. Jos PWrreira Alves Carioca ; portanto sa
algaem se julgar eordirilo a mesma por qual-
quer ltalo, se aprsenle no praio de 3 das, no-
dos os quaes nao-se lleudar a reclaraacao. alga-
ras. Recif, 3 de outubro de 1871.
t p-'Bimgo? Rodrigues Cri'tetfo.
D. liara da OooeeicSo OH eir1
Baldar.
Francisco Ferreira Bailar Jnior, Heorique Ber-
nardos de Oliveira, D. Marianna da finaba Maga-
Ihes Oliveira 1 todos os mais pranlas da fallecida
D. Mana da Concei^io Oliveira Bailar, agradecen)'
a todas as pessoas que se digoaram assislir as
exequias a acompannar ao cemiterkr os re-tos
morlaes de sua mui presada malher, filha apa-
renta, a de novo rtgam a essas sesmas pessoas a
a todos os seas amigos e parentes o caridoso ob-
sequio da aasistirero as rms:as do stimo da qae
se bao de rasar. aa igreja matriz do Cupo Santo,
pelas 8 horas do dia 7 do jrrente, e desde j an-
teapam seos sinceros agradecimentos por mais
esaa prova de amln't e r>riff
u

Aluga-se
ama grande casa em Santo Amaro, junto fabri-
ca do Starr, ltimamente acabada, tendo agna, gaz.
e grande quintal com arvoredos de fructo : tra-
tar na ra da Aurora n. 16.
. Precisa-a de uuj caixeiro
ola prallca de taberna; na rna
96
Pyiiu^UM q.i. w
da Concordia n
VISOS DIVERSOS
Di se a quantia de 500d sDb hypotheca :
ra de II ras o. 9i.
Monte-pio Brasileiro.
Da ordem do irmo director convido a todos os
senhores socios e as demais aisociacoes, que por
qualquer circunstancia n2o Ibes tenha sido entre
Sue o convite, para'comparecerem no domingo 8
o correaje, as 9 horas da manhaa, na igreja de
S. Goncalo, aQm de assistirem a missa solemne e
em seguida a sessao magua do 1* anniversario de
sua instaliacio, no 1* andar do sobrado n. 32 na
praca do Conde d'Eu.
Secretaria do Monte-pio Brasileiro 4 de oulubre
de ir 1.
Jeronyrao Bruno,
" _______1* secretario.________
C4SA DA twmk
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
V roa Primeiro de Marco (outr'ora roa di
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sena (s
aan bilhetes um quarta n. 1U6 cota 8001000,
um iateiro o. 2787 com 100*000, e ontraa sortes
da MS a 20 da lotera que se acabou de extra-
hir tf&9')i convida aos possuidores a virem re-
wbar na canformidade do costume sem deaeonto
alga*.
Acaam-se veda os bilhetas garantidos da
8.a parte das loteras, a beneficio do hospital da
Ordem Terceira d< Carino do Recife (210*), que
aa exrahir quarta4efra 11 do eorrente mez.
PRECOS.
Bilhete intniro 61000
Uaobtaate 3*1000
Ojoarta U500
m xH-oao da 100*000 para cima.
Bvlheteinuiro 8*500
! Maio bilbate 217S0
Quarto 1*375 ,
Manoel Maruas Fiaia.
Attcnfo!!!
Raga, i* 4 peesna que deixou ha olto metes
*p Ro i Yvetet ama p-rcao de livros da
a, aam dellbtracao alguma, qae dentro i
l leona a hondada de vir busca-loa, ti
am veodidos por ana coma, pelo qae der,
Ufarla da Coueeteo Oliveira
Bit-Car.
Francisco Ferreira a lar Jnior, HenriqneBer-
nardes de Oliveira, D. Maana da Cunta Maga-
Ibes Oliveira a Francisco Ferreira Bailar (ausen-
te) agradecem cordial mente toda* as pastoas que
se digoaram conduzlr at o cerriterio os restos
mortaes de sua chara mamar, blha a ora, D. Ma-
ra da Coneei$ao Oliveira Baltar, e de n vo rgam
aos seus prenles a amigos o caridoso obsequio de
assistirem-fliissa, qoe pelo eterno repouso de sna
alma mandara celebrr na igreja matriz do Corpo
Santo, s 8 horas da manilla do dia 7 do corren-
te, pelo que se confessam gratos.

fos Bom Hamos de Oliveira.
Celicina Colbo Ramos de Oliveira, Rosa Ame-
lia de Oliveira Duro, Joaquim Antonio de Carva-
lno, Victorino Domiogues Alvos Maia e Joaquim
Bapsla da Silva, cordialmente agradecem aos seu*
amigos, prenles a mais prssoa, o ptedoso obse-
quie de terem comparecido ao enterro de seu pre-
sado -esposo, irmao, cunbado a especial amigo,
Jos Bom Ramos de Oliveira, Ibas pedem se dig-
nem aisistir m da 7 do cerrante a, missa do sti-
mo dia de seu passaaimto, s 7 horas da rraobla,
que Ser celebrada na igreja da veneravel ordem
terceira de S. Francisco a'esta cidade.
Pedro Jos da Costa Caslello
Braneo.
Manoel Amonio Aaevedo Moreira pelo presente
convida aos seus amigos e da seu fallecida ?ogro
para assistir Juuma mise que por sua alma man-
da celebrar na Igreja de N. S. da Penha pelas 6
horas de dia & do correle, t anniversario do dia
de tea passamento; e para esa aeto de religio e
caridade desde ja se confessa eternaawote grate.
Chapellerie des Bar-
mes
Ra do Bario da Victoria (ou-
tr ora ra If ova,
A' este estabelecrnentG ja ranito acreditado pelos
bollos sortimentos, aoateinda-cb*gr grandes no-
vidades em chapos para isnhora, tanto am pal ha
como em velado, toaw coa armas multo moder-
nas e de grande phantaaia, aashn me tambera
recebemos lindas chapelinaa para senhora.
Recebemos chapos chapena* para lucio de
nsuio gosto; todesaetea arSgos tornam-se recom,
Mudase* pato nosldade; porumo rotamas as
excalleDiissimas snobpras que atijara de visitar
caso estabelecimentio que aa cba abarlo at as 9
horas da noute.
Continuamos enteitar e concertar qualquer
chapeo para senhora, pondo os as formas e en-
feites os mais modernos, pois qae recabemos sem*
pre lindos enfeile.______
Na ra Direila o. 64, pfedaat-sn fula* 4*
e Sr. Sebaslio de Meti e AJanquerque a nef ocio
de sen interesse.
T----------------oatecte# ~
Liberdade

Urna escrava de habilidade e boa conduela, pre
cisa da quantia de 500* para o completo de ua
libertade, e sajeita-se asublocar Os seus servicos
quem ihe flter essa asmla; quera quter annan-
cie por esse diario.
Na ra do Barao da Victoria, outr'ora ra
rsova n. 40, segundo andar, ha ama escrava para
alngar-se, a-qna! tero bailante praiiea dos arranios
de casa de familia:
lasiitadohislorico e pIlosephl-
eo pernamhucano.
Hoja'*- 10 horas dJ dia reohfr-s-fia esta so-
ciedaAa no logar do eostanin.
Ctfta' para lugar.
O 2 andar da ru* da Cadeia n. 4.
PeJe aos senhores de eogenho e ootros agricultores, e empregadore de rna-
;hkH8iB0 o favor de oras visita a sen esiabelecimento, para verem 0 novo sortimeoto
Mmpleto qoe afai tea ; pois sendo trido rauito mais barato em preco de qoe jamis te-
ai vnndido, est anda superior era qoalidade e fortidSo; o que com a uroeec>j pet-
as! pode se verificar.
PED BSPECI.iL ATTErfCO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUDICAQ
Vapore e rodas d'agua ^^ZS^iT
tu cirenmstancias dos senhores proprietarios e para descarocar algodo.
Kbondfts de oanna de-,odos 4 tamaobo8'as ueiborM w* aq
Bids dentadas parl aBimaes, ,8Qa e vapor.
laxas de ferro fundido batido e de cobre,
alambiques e fundos de alambiques.
[acMniSTtiOfk para ,andioca 6 algodao.l PMendo todos
*WM*%W e para serrar madetra I ser movidos a mi
J"*8* P-* garantidas............ft. ^
mms as machinas epecasdeque8ecostomaprciar<
Faz qualquer concert
Formas da ferro
EnAAmmATlfiaalQcambe-se de mandar vir qoalqoer machioismo voota-
mxajviiiiilCUUas de d03 cientes> lembrando-Ibes a vantagem de fazerem
loes compras por intermedio de pessoa enteodida, e qae em qaalquer oecessidade pode
.bes reslar'Soailio.
Arados americanos
i




de machinisrao, a prego mai resumido.
tem as melbores e mais baratas existentes no mer-
cado.
e insiramenjt08 agrcolas.
erti


(I?. J i
Eamal de Beberibe.
Aijha-se aterto este ramal a pnvoa;5o do Bel eri.be.
*=.----------i----------------,-------------- .


i
ri--------
.

TABELLA DO RAMAL DE BEBER1BE
que (em principio no 1: d oulubro de 1871.
Partida dos trens nos das utets.





Ida.
ESTAFES..
Eocruzilhada....
Eslrada-Nova...
Agua-Fra.....
Fundao.........
Porto da Madeira
Beberiae........
DE MANIIX.
Horas.
545'
5.48'
550'
5.52'
556'
6. 0'
Horas.
6.4o'
648'
6.50'
6.52'
656'
7.0'
H?ras.
7.5"
7.48'
7.50'
7.52'
7.36'
8.0'
Horas.
8.45'
848'
8.50'
862'
8.56'
9. 0'


DE TARDE.
Horas.
2.45"
2.48'
2.50'
2.52'
2.56'
3.0'
Horas.
3.i5'
3*8'
Volla.
ESTAQUES.
Beberibe......
Porto da Madeira
Fundao.........
Agua-Fra......
Estrada-Nova.
Enerunlhada----
DB MANHA.
Horas. Horas. Horas.
6.20 720' 8.20'
6.24 7 24' 8.24'
6,28' 7.28' 8.28'
630' 7.30' 8.30'
6 39' 7 3' .ir
695' 7.6" 835'
Horas.
9 20"
9.24'
9.28'
9.30'
0 02'
9 35'
KF
1'
|ft'
0'
Horas. Hora-.
4.45'
4.48'
4.50'
4.52'
456'
5. 0'
545'
548'
5 50'
5 52'
5:56'
6. 0'
Horas.
6.45'
648'
6.50'
652'
6.66'
7. 0'
Horas.
745'
7.48'
7.80'
7.sr
7.56"
8. 0'
Horas.
8.45'
8.48'
8 50'
8.52'
8.56'
9.0'
DR TARDE.
Horas. Ilor is. Horas. 520' Horas. Horas. Horas, i
3.W 480' 6.20' 7.20' 8.20'
3.24' 4.24' 524' 624' 7.24' 8.24'
3.28' 4.28' 5.28' 6.28' 7.28' 8.28'
3.30' 4j30' 530" 6.30' 7.30' 8 30
3.3*' 4.UB' e.9f o.ea1 7.32' B.3Z
335' 4 tj' 5.35' 6-.3S' 7.35' 8.35'
Horas.
9.20'
9.24'
98'
9.30'
9.32
9.35'
Oilerece-se nma pessoa para criado ue al
uma casa estrangeira : quam preciar de sau
preslimo dirija-se rna Nova n. 28, b tica.
mk
Preoisa-se da ama ama para todo
e ervioo : na ra da Hortas n. 30,
sobrado.
AY AMADO
Algodi amarlasnAdelistras'para ron-
2 P de escravos a 240 o cavado : na rui
do Crespo n. 25.
mmmmmm-mmm mmwwL-
Aluga se
um sobrado em frente ao hospital Pedro l!, com
3 salas, 5 quartos, quintal murado, a shio oom 4
coqueiros e outras (rtictelras, i margem do lio, e
por prec,o muilo mdico : a fallar cora Amonio
Carneiro da Cnnha
......
1 'ozinha.
Pre :isa-se de um ajudante da cozinla
larga dn Rorio 44.
na ra
Bngeuho e pedreiras.
Arrenda-se um engeoho distante desla praca
inco legoas, com bom sobrado de vvenla, casa
para lavrador'.s, capaila a ptimas ierras de plan-
tacSes, pedreiras e fimos de quelmar cal. Esta
propriedade offerece arandas vaniagens s pessoas
que se propozerem fazer en grande escala torne
fimento de cal e quesqaer obras: a tratar na
ua da Solaiade n. 78.
Domneos e das sant
Da Encruiilbada s 6.15, 7.15, 8.15, 9.15 da manlia;
7.15,8.15 da nonte.
De Beberibe s 6.45, 7.45, 8.45 e 9.45 da manh;
8.45 da noute.
aleados.
1.15, 2.15, 3.15,4.15, 5.13,6.15,
e 2.45, 3.45, 4.45, 8.4$, 6,45,7.45 a
OBSERVAQAO.
Nos dias uteis sahe do Recife s 11 horas e 50 mmu
hora da tarie am trem de carga, que alm da carga e bagag
em expresso o Recife al Encruzilha, etc.
> Do 1.* de outubro em diante, tos sabbados, vesperas db
nm trem s 10 boras da noute do Recife o outro do Beberibe.
da manhaa e volla
condaz passageiroa,
de Beberibe t
indo e voltando
dias santificados a nos domingos, tera
O SUPERINTENDENTE,
A d'Ahreu Purto.

1RHH0S URBANOS DO RECIN A' OLINDA.
Do dia Io de outubro era diante partir&o os trens pela seguinte
TIBELil
Para a ftsta
Aluga-se um filio cercadj e bem tratado, parto
do rio e da igreja na Vanea : na esquina do Ro-
sarlo da Vaxzea se dir nuem tem.
'*
Attenqao
A escrava que precisa de 500* para a soa li-
berdade,-drrija-se roa du Hospicio n. 28, andar
terreo, que achara cora quem tratar.
Hontp Pi orruguez
C0N8ELH0 FISCAL
Sao convidados os Srs. membros deste conseibo
a rean r se em sessao ordinaria, no lagar do cos-
ame, sexta-Wi 6 do corradle i d -niela horas
da urde- .
Secretaria do couseHio fiscal do Moate Po Por-
tegua, 4 da oetobro de i
Ra d'Aurora..
Pires..........
Principe.......
Joao de Barros.
Espinhelro.....
Encruzilhada...
Berm.........
Campo-Grande.
Salgad i nho.....
Duarie Cbelho..
Olinda (chegada
volla.
ESTAgOES
f secretarlo
A. R. Nogueira.
Via-ferrea de Batu-
i rite"
qs Sr. aecianistas desti empreza, sio convida-
des realisar at o dia 12 do crreme, a primelra
prestaoao da suas ac^Ses na razio de 2 /..
Para eaaa fim devaro dirigirse ao eicriptorio
o. l2do eaes da aisembla, oode encontraro o
abaixo assignada.
Recife 4 de outubro de 1871.
_ J. B. Castro e Silva Jnior.
Na ra de Hnrus a. 110, ha urna senhora
!iue se encurega do lavar e engoramar oom pac
ico, tanto roupa de hornera coum de senhora:
pois qneai precisar da seus ervc,i pola appara-
eer no lugar indieado que achara com quem tra-
tar ; tambera S alguma pessoa ou lojista quinar
contratar almona e jaotar oa mesma casa se
aproropur caen muito assaio e li npeza na forma
em que se aioslar.
JolT^
- Precisa-se de nm mema para eatteiro
serna: a tratar no larg da Carao a. 39,
deta<
Joio J
le M >raes
mdo ores
mansa y
f U da ai*r
fthrartim asan da
* qae man
lo e anffgo o
Olinda.........
DaarteCoelho.-
Salgadinho.....
Caatpo-Grande.
Belm.........
Eocruzilhada...
Espinheiro.....
Joao de Barros.
Roa do Principe i
Pires.........1
Aurora (dtgadaj
DE MASHA.
Horas
5.30
5.32
5.36
5 40
5.42
5.45
5.48
o2
554
5.58
6. 0|
Horas Horas
6.30
6.32
6.36
6.40
6.42
6.45
6:48)
6:52
6.54
6.58
7.0
7 30
7.32
7.3
740
7.42
7.45
7.48
7.52
7.54
7.58
8 0
Horas Horas
8.30
8.32
8.36
8.40
8.42
8.45
8.48
8.52
8.54
8.58
9.0
DE TARDB.
Hiras
9.30
9.32
9 36
9.40
9.4?
9.45
9.48
9.52
9.54
9JS8
10. 0
Hora'
2 30 3 30
2 32 3.32
2 36 3.36
2.40 3.40
242 3.42
2 45 2.48 3.45
3.48
2.o 3.52
2 54 3.
2.58 3.58
3. 0 4. Ol
lloras Horas
4.30
4.32
4.30
4.40
4.42
445
4.48
4.52
4,54
4.58
5.0
5 30
5.32
5 36
5.40
5.42
5 45
5.48
5 52
5.54
5.58
6.0
Horas Horas Horas Horas
6.30 7..30
6.32 7.32
6.36 7.36
6.40 7.4)
6.42 7.42
6.45 7.45
648 7.48
652 7.52
6.54 7.54
658 7.58
7.0 8. 0
laoaungos e da santificados.
Do Recife s 6, 7, 8,9 e 10 horas da manh; 1,2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9 da noite.
De Olinda ie 6, 7,8f, e Id-horas da manh; 1,2,3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9 da noite.
------
OBSERVADO.
Nos dias uteis sahe ao meio-dia, a de Olinda, a 1 hora, o trem de carga, o qual coaduz
igualmente paasageiros.
Do 1.* de outubro em diante, nos aabbados, vsperas de dias santificados e nos domingos, lera
um trem s 10 horas da nonte do Recife, e outro de Olinda.
O SUPKRINTBNDENTE,
A. d'Abreu Porto.
s da nonte do Recife, e o
0*0
SebaeftfcejeScaMaaaStfva; no qae, alt de ua
telo Se plaSadV pnSafem para tom o aun un-
Hanna sana aJEeattey Jaa>s esqiecerib.
' "- A pretk que acWocU praUar-m'b^tmi-
para resto de sua altonia, sublocaudo os servicos;
dirjase a ra do Prea, sobrado i. 28.
CAHUflUIMS
SATYRO & CARNEIRO
aawt Antigos ofliciaes da Thesoura de Ouro.
Acham-se eatabelecidos com sal5o de cabelleireiro roa Doqae de Ca-
iras o. 59 i" anear. ...-AMA%^sa* *a*
\mmmm vmmmmm
] HiCVEl


I I


Diarn m ffuaBibuc
\l iu --------x___.___
;___
Quinta feira 5 d Outubr de 1871
41 RA DO MU U VICTORIA 41
>todltfi
Neste novo armuem tea um
variado sortimento de fazendas
framcexaa, ingieras, allemias e to-
m todas se vandem por presos
odeos, afim de acreditar a este
lovoarmazem.
Caaemiras inglesas,
ranceas, de todas as
realidades, bros de
ores e braceos, colei-
rinoo modernos, cha-
de sol de seda,
DE
i ^ orne
ARRUM IRMOS. S
e
RA
.
'
i* da victoria
sitiga ni
NOVA
N. 41.
Assim coiso -tan ou anda
oficina da aifaiato, mouda coa
todo os prepsraqe ha de melhor,
dirigida por habais artistaa, qne
sna promptidie e perfeicio
nada deixam a desejar.
moma de todos os
amanhos pira borneo
meninos.
-Por todos oa paqa
tes recebMswauma-
Ihorasomas moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
BU A
M
rio daVTletrl*

MUDANQA
O bacharel Amaro Joaquim Foiceca de
Alboqnerqae, transfero

sen escrlpiorio w
de advogaeia para a casa n. 55 ra do tt
Duque de Caxias,'amiga do Qaeimado, 2
onde, nos das nteis, ser encontrado das Hl
SJt 10 horas da manba s 3 da tarde. m
I
MOFINA
Roga-ae ac Illm. Sr. Ignacio V.elra de Mello,
criTio na cidade de Nazareth deeu provincia,
faror de vlr a roa do Imperador n. 18 a concluii
aquella negocio que V. S. se comprme tteu reali-
sar, pela tarceira chanada desie jornal, em fin
de dexembro.prximo passado, e depoia para ja
neiro, paason a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por esta motivo de novo chamado para ditc
nm; pois T. S. se deve lembrar que este nefocie
de mala de oito annos, e qaando o senhor sai
flho se achata no es nesta cidade
ufan.
ATTENCAO
, Aluga-se ama grande cocheira na rna da Udiao,
eom dous qaartos e solio eom outros dous quar-
tos, tendo jaoellas, todo eaiado e pintado de no-
vo e mnito propria para taberna on outro estabe
ec.mento : a tratar na ra da Aurora n. 36, 1
andar.


lT

N. 41.
<5ste estabelecimento acaba de sofrer ama reforma radical em acceio, arstaf e commodos, e 6m pontoalidade bu encom-
andas, finalmente em tndo afim de melhor servir os seos numerosos freguezes deija-se de annnneiar todas a fasendas, para
c.o se tornar massante ~
0 PEITRAL DE CEREJA
DO
,

-
DR. AYER
'
Este xarope peitoral o resultado de
iongos anoos de. estado por um dos pri-
meiros mdicos da America do Norte e de
periencias minuciosas nos principaes nos-
pitaes do mundo; receitado pelos medi-
dos mais distinctos do scalo actual, e
Ocgno de toda a confianca: Io por ser efi-
caz, alcangando com urna certeza nfallivel
lassemo da molestia ; 2o, por ser inno-
cente e applicavel a qmlqiter pessoa de
oo crianca da mais tenra idade, e nao ser
perigoso se fr tomado, por acaso, em
Para a cura radical e certa de todas as molestias da garganta e do pe|to, constipa-
qoes,tosses, bronchites, deflnxos, rouquidao, coqueluche, angina, etc.
grande qoantidade ; o 3o por nao ser se-

Comtudo^ devor de todos combaleresta
terrivel molestia no seu principio, bem
-como todos os males que podem conduzir
a ella, como tosses,resfrialdades, deflnxos,
dr de garganta e bronebites; qualquer
rouquidao deve ser tratada immediataraen-
je. A experiencia mostra-nos qne o Peito-
ral de cereja de Ayer cura todos estes pa-
Jlecimenlos, quasi sem excepcao, e raro
o lugar nos paizes onde conbecido, que
oo lenha numerosos exemplos de curas
eitas por elle. Se se pode prestar f ao
io qtie elle tem feito ; se podemos acredi-
tar em nossos proprios sentidos, quando
vemos as perigosas affeccBes do po!m5o
creto, pois qualqoer medico pode obter a
formula de sua composicSo, dirigindo-se
pessoalmente, ou por carta, aos agentes
geraes, ra do' Visconde de Inhauma n.
81, Rio de Janeiro.
A grande fama que- tem grangeado este
remedio, devido s admiraveis coras da
phtysjca pulmonar, molestia esta tao penosa
e fatal em suas consequencias que aqoelles
que sao atacados dos primeiros symptomas
devem ser tratados o mais* cedo pussivel, e
o primeiro remedio que applique, deVer
Peitoral de cereja do Dr. Ayer
ser efficaz, pois nao ha tempo|de fazere-m
se experiencias. As pessoas atacadas da
phtysica geralmente fazem pooco caso de
seo mal, al que seja tarde para cora-la;
nesta, mais do que em qualquer outra
ce usa, tem sua origem o predominio exten-
so e fatal de urna molestia que mostra os
seus, estragos com innmeros e assombro-
sos casos na estalistica da mortandade.
Milbares de casos de molestias pulmonares
que tinham zombado de todos os recursos
da sciencia, tem sido corados radicalmente
com o uso do
muiiho de iutelligntes facultativos, cuja
brigacao conservar os fados; e Anal-
mente, se permittido acreditar em cousa
al uma, est incontestavelmen'e provado,
que este remedio cura todas as classes de
molestias cima designadas melhor do que
tolos aqoelles at boje conbecidos. Bas-
tam nicamente as suas virtudes intrnsecas,
e o inc ntestavel bem que tem frito mi-
lbares de doentes, p3ra que surgisse e se
susteritasse a repuiacao de que goza. Em-
quaoto que muitos outros remedios inferio-
res a este, e que foram acolbidos pelo
vulgo, falharam e foram depois abandona-
dos ; este, tem ganbo amigos pala expe-
riencia, e pelos beneficios que tem prodi-
galisado aos afilelos que a elle tem recor-
rido, e que nunca poder5oesqaecer asma-
cederera a elle; se podemos crer no teste- ravilhosas curas oMidas, porque sao nume-
vidro deste xarope mao ; pois nos ataques
repentinos de angina, de croup e nos pa-
roxismos da -coqueluche a que estSo sujetas
as c.riancas, nao ha tempo de chamar um
medico, nem de fazer remedios, e este xa-
rope alliva inmediatamente, sentando a
crianza do perigo.
AVISO.As Dreparaces do Dr. Ayer
85o preparadas com especia 1 -attenetotao
clima dos trpicos, e tem modifleocotfim-
portantes sobre as que sao eitas para ou-
tros paizes.
Portento, o publico dever notar, e com
cuidado, para que nao seja srdidamente
engaado, qne os remedios de Ayer, prepa-
rados exclusivamente para o Brasil, irazem
rtulos e envoltorios com a descripco mi-
nuciosa para a sua appcaco na lingut
portpgaeza.
CASAS
Para alugar-se
Um magnifico sitio na estrada di travesea da
Crnx das Almas, com excullf nte casa aera aca-
bada, eom duas sala?, seis quarloa, grande co-
pia, cozinha separada eom dispensa, saleta e
quarto. Boa coxeira e estribara com mala dous
qnartos e 1 sotio para criados. Magnifico quarto
para banho, latrinas, gallinheiro de pedra e cal
cercado de gradeamento de ferro. Fieaodo dito
sitio perio das estacoej denominadas : Jaquai
a do Arraial: para ver e tratar no- sitio do e
mendador Tasso.
aira e
coni-
D. Rasa Porcllla Comes de Cas-
tro Santos.
Joaquim Manoel de Castro Santos e seos fllhi-
nbos agrdecem cordial mente a todos os seas ami-
gos qne se dignaram de acompanhar at o cemi-
terio o cadver de sua prezada mulber e mai D.
Rosa P. Qemes de Castro Santos, e vem de novo
rogar-Ibes o caridoso obsequio de assistirem a
misa que peto eterno repouso de sua alma ser
celebrada na Igreja do convento do Garrao, pelas
7 1|2 boras da maohaa do dia 6 do correte, seti-
mo dia do seu falleeimento._____- ______
flHPWMSSa ilSSKaBa^fliHBSgSBIIHHBVBBMMiiVB
Aluga-se o primeiro, segundo andares e sobre-
tocio da eaea n. 6, citt a na do Livramento : i
tratar na loja do mesroo predio.
AC
DYVETOT
nica casa neste genero
14-Rna Estrella do Bosario-14
Compra vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosn ha e de mesa, e
tndo que perten-
Joaquim Jos Gon^al-
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, 5, 1* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco di
Humo, em Braga, e sobra os seguintes lugares en
Portugal:
Hm^es.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde. <
Arcos de Val de Vea.
Viannatlo Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fameficio.
Lamego.
Lanoa.
CovilhSa.
Vasca! (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
mmum Man JnildBI
;
rosos de mais, para serem olvidadas. Ne-
nbuma casa de familia deve estar sem um
Vende-se em todas as pharmacias e drogaras* do imperio
W.R.Cassels$C.
ntes geraes.
\
'
'
n
RA DA MPERATRIZ N. 55
PEMAMBUCO

Para nma familia de dnas pessoas
precisa-se de nma ama que cozlDbe.e
engomme : a tratar no largo 4o Cor-
po Santo n. 4, 1 andar, das 16 horas
do da as 4 da tarde.
-
Precisa-se de um caixeiro de U a II ao
nos : na Tua Velha de Santa Rita n. 83._______
iQgommanii a.
Precisase de urna escrava eugommadeira que
seja perita : na rna Velha n. 28, sobrado.
Para alugar-se
Um sitio no Poco da Panella no porto do Paula
com excedente casa, eom duas sallas, quatro
quartos cczinha : estribara, cocheira e quartos
para criados, e mais dnas casas meias-agnas pa-
ra fmulos ou hospedes : tratar com o commen-
dador Tasso.
Olinda.
Traspassa-se o arreudamento da grande casa
ra de S. Pedro novo, qne foi do Sr Ramos, e
est muito limpa, assoalbada e fresca, e alem
disso peno do banho : a tratar na ra do Hospi-
cio n. 23, a qnalquer hora do dia, ou no caes da
Assembla n. 12 no Recife.
Jos Henrique da Silva precisa de um bo
lieiro : na roa das ruzes o. 38, no 1 andar
pode ser procurado das 10 as 3 da tarde, oa na
Soledade, sitio n. 29, onde morou'oDr. Villa
Boas, a qualqoer hora. *
Engommadeira
Lava-se e eugomma-se com perfeicjio :
rna Augusta n. 83.
TRIDO
No Caf Imperatnz precisa-se de um.
na
Aos Srs. professores primarlo*
de ambos os sexos.
Acham se venda as livrarias dos Srs. padre
Ignacio e Nogneira, e Barbosa de Mello, exempla
res do opsculo de moral religiosa, a prego de
610 rs cada um
AMA
Precisa se de uma ama para
cos'nhar e alguraas compras: na
ra da Sezala Nova n. 30
para uma menina de auno e meio :
tratar no principio da estrada dos
Afilelos, sitio n 33.
VttA
AMA
Precisa-se de nma
ama para o servico
de casa de uma fami-
lia composta de duas
pessoas, exceptando se o lavar e engom-
mar : nesta lypographia se dir quem.
Na travessa
las Crazes n,
meire andar,
nhelro sobre
da roa
% pri-
-se di-
penhores
Precisase de um caixeiro qne teoha pratica
de fazendas para Ir para Pao d'-Alho : quem esti-
ver nestas condigSes e qoizer ir apareca na do
uque de Caxias n. 52, que achara com quem
tratar. '
*
DE CIGARROS
de ooro, prata e brilhao-
tes, seja qnal Cor a fnan-
tia. Namesma casa com-
pran,-se osmesraos me-
taes e pedras.
Anda nao appareceu o cabocolinho Antonio
qne desappareceu a 21 de juobo, e que da de
S. Pedro foi visto na Eucrusilhala de Belem. le-
vou vestido caiga e camisa de brim liso nardo I"","" ^""J"0 muiHinos que as nocoes rnoi-
e cbapo de palha, tudo novo ; pde-fe as auto- meDlies d* esco,a n' s5 on'ra cousa mais que o
MPiERlAL FABRICA
DE
S. Jlo me Nuheroht.
m os problemas que mais tem preoceup.
alten :So dos legisladores e do economistas n.
demos, partiealarmenaa na Inglaterra e na Fran-
ca, e acerca do qoal, anda em 1868, L. Wolowki
fe um profundo e nolavel discurso, o que trata
de deflpir e regularisar, maniendo o eqUibrio
eotre q interesse e a humanidade, trabalho das
erianeis na; manufacturas.
Esta'questao grave e melindrosa, cornaca a ser
entre nos de algoma impurtancia, e merece que a
examinemos eom criterio, tinto nais Me fbrepu-
mente na substituigao do elemento servil lera ella
de considerar-sa efDcacisafcna para o Itaturo des-
envolv ment de nonas industrias
Reei tinao con o celefcre eeouealMa de que
fllame s o profundo pegamento do poeta inelez
qne .di !.:= A orianoa i o pai do homem. parti-
ihamo! tambera os seus generosos sentimentos re-
la ti van ente a essas frageis e deHcadas ereaturas
que ai ida na primeira inlciacio da vida pre j tao [importantes servicus soeidde.
Qualquer que seja o esioo ou o labor em que
se exercitem as forras aind debis dessis Iracas
existencias, deve presidir o maior escrpulo sna
ireccao, a maior vigilancia e cuidado no emprego
e distribuigao do lempo, porque do sea resoltado
aeoende a actividade e a energa das nova* gera-
;oes, e d'estas as grandes conquistas do tuturo e o
progressivo aperfeigcamenlo social.
Nos secul s anteriores as industrias oeeopavam-
se maii coro, os pradnetores. Ao seclo XIX com-
pete a gloria nao t de melborar o fabrico dos
productos, tornando-os mais perteitos e mais ac-
eesiiveis a tjdos pelo qoantidade e modicidade do
prego como a sorte a condigio, a existencia do
trahajhador, do homem.
VVotewki cita a este respeilo as palavraa de
Gladstne, qne, em nma reunlao de operario! ha-
gleies, f* lando-lhes unto em seas direiles eomo
em seas devores, disse: tO nosso seeale o se-
cnlo do operario :> e accrescenia qne esta pkrase
nao sabio de bocea sospeita, pois Gladstone nao
pertMM ao numero d^quelles que lisongeam em
ei de servir ao pavo.
O bomem d'este modo encarado como bem
primordial da produegao do bem; e o notavel au-
tor i aae nos referimos entende comnosco que a
liberdade que elle conqnistou tira toda a sea forga
da energa da alma associada sande do eorpo,
da eleivagao do espirito que proporciona o desen-
volvimento progressivo da habilldade pessoal.
Foi babeados n'esla allianga que os legisladores
ingieres eomprehenderam que o instrumento acti-
vo, o tperario, obedeca a ootras e diversas neces-
idades que as que sao partlba do instrumento
material.
Foi por este motivo que se marearan) e regula-
meniaram as horas do trabalbo as manufacturas,
9 se atienden sobretudo a que as enancas rece-
Dessem a nm lempo o ensino da fabrica e o ensioo
da escola.
3ni 186S, diz anda Wolowki; saneelonou-e
na Inglaterra a prole, a vigilancia penetroa no
jeio das vastas communas indastraes, formadas
noje em roda da machina de vapor, dessas vastas
communas povoadas por miihares de operarios.
A lea de 1802 flxoa a idade era que as criangas
fadia^m entrar para as manufacturas e limitou a
uracao do trabalbo.
Pois bem. Este grave e bumanilario problema
que levou quasi meio seculo a resolver, e preoc-
enpon a atteqgao de tantos horaens de estados
eminjentes, como foram Roberto Peel Lord Aslhev,
boje iConde de Cbattsbuago, gearo de Patmerston,
e muitos outros, a^sigoalando uma pagina honrosa
nahstona da eivilisago moderna, acha-sereali-
adoJ e dando salutares resnludos enffe ns na
fabrica de cigarros de S. Joio Nitberoby, da qnal
ao proprietarios os Srs. Sonza o Novaes.
J tivemos occasiao o anno passado, de escre-
ver alguraas linhas acerca deste importante esta-
belecimento, e" hnje, depois de uma visita qne fi
temos ao novo edificio ampliaremos aquelle nosto
trabalho.
A casa onde actualmente est estabelecda a fa-
brica sem duvida um dos melhores predios da ca-
pital.
Alm das espacosas accommodagSes interiores
livremente arejada como convm lio nonn-'osa
agglGmoracio de pessoas, o prediu exi^tiormen-
te de uma architectura simples e legaul, e lira
a pencas bragas do mar, onde com auxilio de orna
ponte os producios sio com facilidade embarcado
9 conduzidos para os mercados.
Cerca de duzentcs meninos ah recebem o ensi-
Qo manual, ntellectual religioso e mcral.
A roais perfeia ordem, sem a severidade de nma
rude disciplina, mas ?ntes aconselbada pelos pre-
eites praticos da autoridade, d um aspecto agra-
lavel a estaafanosa communa de pequeos ope-
rarios e esperancoso nncleo de futuros e moralisa-
dos cidados.
Em um vasto salao das 7 s 9 horas da tarde
depois do trabalho e do descanso aprendem os me-
ninos os primeiro elementos da leitura da escrip-
ia e da contabilidade. Dissemos primelrs ele-
mentos porque acreditamos que as noges rndi-
ridades pulielies qoe-o prenda e" mande levar _
seu padrinho M. A. Caj, na rna Imperial n. 233,
que recompensar qualquer despeza que possa
baver, por elle nao ler pai e nem mal.
e. a
BliiSSON, gerente da tinturara franceza da ra da Imperatriz n. 55, tem a
oonrade participar ao respeitavel publico d'esia cidade do Recife, que elle acaba de comprar este im-
portante estabelecimento, e que continuar a empregar todos os seus esforcos, a applicar todos os seus
.-.tobeetmentos d arte de ungir e de lavar, assim como se esforgar para oblar em seus trabalhos
os melhores resultados, aade conservar e augmentar o grande crdito que este estabelecimento
tem al boje justamente merecido. H
Tem esperancas de que consolidara mais e mais eua reputacao de artista linturero. e o
modo por qne sabe tirar as manchas e nodoas de qualquer fazenda ; repniago que o lorno lio
Mateado as cidadea de Franga, taes como Nantes e Bordea, aonde oceupou o primeiro lagar
de contra-mesire na importante casa do Sr. Rouchon ; Marseilie e Lyao aonde^id mlrio excelleote
comeada durante o lempo que al i estove, e era Paria, aonde acabou sen aperfeigoamento nturial,
wbaoirecgaodeMr Jol. (o filho) v. ce- presiden te do Curso de Chimica e Tinturara (sito na ra
ftova de Revo n. 98 primeira casa de Franca neste genero, e aonde o Sr. Gantier, ex-propr.etaric
do^a estabelecimento o foi engajar com o titulo de contra mestre no servico de tinoraria de seda
Em relagio com as melhores casas'de Franca, que se empregam neste commercio. estar
ftnpre ajar de Wttasaa novas descobertas e corabinagoas de cores, e procesaos melborsdos.
Mo.eque.
Aloga se nm moleque po para todo o servico :
na rna da Cruz o. 59, andar.
D-se esta quantia mentalmente pelo aluguel de
nm serv nte escravo : no collegio da Conceigaa
No sitio do Cafando, precisa-se de um meni-
no de 12 annos pai a cuidar de ajguns animaes :
qairlo excelleote Qoem estiver oa eircumstancia de e propr, diri-
ja-se ao mesmo sitio, oa estrada de Paulino Cma-
ra, ontr'ora de JoSo de Barros, oo tvpograpnia
desie jornal, a fallar com o Sr. Ferreira.*
Precisa se de nma ama de lele : tratar
na ra da lioeda n. 35.
si, chales, Atas, rendas e fon-
Emflm, espera que ama Justa apreciacio dos seus traba'lbos'" far
orJa ja tao grande e bem organisada.
Eis os seas principaes trabalhos :
GRANDE ESPECIALIDAD^. TINTURA PRETA EM SEDA.
Tir.agem a seceo de qualquer nodoa em panno.
L'ivagem de qualquer vestuario de homem, mo-
Iher oa cranga, sem o descozer e conservando-lhe
o brilbo de novo.
Tiragem a secco de qualquer nodoa em seda.
Lavagem de vestidos de seda, de qoalqaer eor,
chales de seda, chales de crep da China, cache
miras franeezas, tarlatanas, chales de merinos, ves
Aluga-se ama casa no Monteiro, com banho
augmentar a sua fre- Junw mesma : tratar na refloacio do mesmo
lagar. ^
Frofessor italiano
Um italiano que ensinou na Italia e na'Suissa a
lingua italianSt arithmetica, geographia n geome-
tria, deseja tomar algoos iscipulos para essas
materia-:, preferindo alumnos. O mesmo as horas
vagas se encarrega de ensinar escripturagao por
partidas dobradas, e de fazer alguraas escripias
de casa franceza ou italiana ; bera como abri
um curso le lidgaa italiana, qne fuccionari as 5
horas da larde, na ra da Aurora n. 23, casa do
Sr. J. Smoltz. y
Aluguel.
Precisa-se alagar uma negra escrava de bons
costumes, que saiba bem cozuhar e fazer o ser-
vigo interno de uma casa de pooca familia, e se
agradar naga-se bem : dirija-se a rna Bella n. 37,
sobrado de dous andares.
tidos de-taido e chapeos de qnalquer cor
TTIRAGEI DE NODOAS.
__.. NODOAS.
Tiragem oe nodoas em seda, veludo e laa, fazen-
do deaapparecer qnalquer mancha resinosa oa de
fordnra.
Vat se as casas para o trabalho de tirar nodoa?
,aes movis ou tapetes dos saldes.
TINGIMENTO DE SEDAS DE COR.
Tioge-se vestidos de seda e gorgoreo, chales del
eda e erepe da China de teda as cores, assimlchapos de feftro,^ de"Manlh""de
orno velados, renda e bico. |0u do Chile
Tudo por prepos commodos.
Precisa-se de uou ama para cesa de pouca
familia : a ;raUr na ra Duque de Caxias n. 97.
Ama de leite.
Tinge-se vestido
lards.
Garanle-se a boa qualidad da tinta e que a fa- '
xenda flcari' Parecendo injeiramente nova. I Precisa-se de ama ama de leita, exige-e bom
TINTURA DE LAA EM CORES. leite e boa informagSes : na ra da Concordia
tinge se roupa de homem, de mulber oa de SJhrado n. 10, 1* andar.
enanca em lia, sem descozer e na cor que se de-
ejar, qner a fazenda seja laa pura, seda e lia e laa I
e lgodo, ou as tres qualidades juntas.
Poopellnas, alpaess, rep, merinos, casimiras
damasco, etc., e em todas as cores qne se queira'
TINTURA PRETA EM LA.
Vestidos de homem, de mnlher e de enanca;
sera serem descozidos, e garantindo-se a boa qua-
'idade da tinta, nao sujando a roupa branca.
s qualidades de fazendas, assim con
palha de Italk

GIAIE HOTEL CENTRAL
No caatro da veoeza americana. *4r* '*
8
- ~ americana.
No centro do eommercio.
O mais peno das via larreas. -1 f l^WtA 1
O mais perio do embarque no caes 22 de Nombro
O mais perio os ibealrot twmon-
iLr^-2B7,6I,*tTe ao amaBtM do commodo
uolco que te m terior casa de banhT^
*d*atrqDe "*"" PeB ^ASfti reaato
O nico onda aotalmeote se aeha o m.ii,^. '.l ,
"*?Ah0^ a^ eomoiambe^ se vende Tbr,r ChC0,i,e
1 T'RTdZl'Tcompleu r*^'* p
n
S".nte cleg*da a es,a d,iade. tn> a honra de
levar ao eonhecimento do respeilavel poblico,
tm fs,peCK,aL'ade das Exm*s- Choras emihas,
de costura, como enchovaes para casamento e bap-
K,h"?pi ,braB enliora, vestido, para
soirs, bailes, etc., etc. Garante as ultimas modas
por quanto recebe os melhores jer0WS qae lhe5
dizam respeilo, assim como aflanca que em ne-
nbuma ootra parte se ba de encontrar mais esme-
ro, bom goto e proraptldio nos irabalhos de sea
genero, pela looga praiiea roe tem de sua arte por
f Part Cm VDt*vn Das dda d Lyon
LUTO BM24 HORAS ^,
Presos mdicos.
N. 2Roa Duque de Caxias, 2* andarN. 2
A, Di larry 'Arakki
Os abaixo asssigaados fazea axieote a seo* fre-
Kzes que pelo vaoo* iagiez Lq^Pit* recetwraa
uada remessa d'essa excU>ut uinha. cok
-se com pessoas deJ oso molto se recommeod* nauta crt aa. nZ
aoaebei e eonn^St^ZL.JrTSrJ^
on
m
ATTENCAO
Predsi-se de nma ama para cezinhar para duas
pessoas na roa do Socego n. 70.
Costuieira
Na roa dos Ossos n. 26, cose se com prompti-
dao e perfeigao qualquer roopa para seoboras e
menina, e mesmo algoma costuras de alfaiate.
ATTENCAO
Vende-se por barato prego orna propriedade a
margem da cambAa dos fiemedios, fazendo-se
toda vaniagem ao comprador, recebendose parte
em dinheiro e parte em letras oa objectos de
rrompla venda ; coja propriedade contera uma
grande olaria de pedra e cil que lastra 16,000
il0,l0^de a,VODar trrossa e forno qne comporta
25.000, eom mais um forno e lastro para fazer se
jaiba, ladrilhos, canos e looga, com excelleote
barro para qoalqoer obra, com doos excellentes
iveiros de peixe ecom casa de vvenla para
grande familia : a pessoas que pretenderem di-
njam-se dita propriedade a entender-se cem o
eapitao Delflm Llns Cavalcante Pessoa
AOS 5:000*5000
sto i venda os felizes bilhetes da lotera da
talla, na casa folia do arco da Cooceico, toja di
tavitts ao Recife.
CAJA. DA FORTHA
RA 1 DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESP5 N 23.
Aos 20:000^)00.
O abaiso assignido iem sempre exposto i ven-
la.os felizea bilhetes do Rio de Janeiro, pagande
roroptamente, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Intero 24W00
. Meio 124009.
Qaarto 6*000-
Manoel Harlins Faza.
r
ADVOGADO
Da. Joaquim Correa de Araojo
67Roa do Imperador67
Para casa de ama modista franceza precisa-
se de algoma muiheres cosiareiras : a tratar no
2* andar da casa da roa do Duque de Caxias o.
46, (amiga rna do Queimado n. 2) entrada pelo
beceo do Peixe Frito.
Aluge: e nma mulata moca : a tratar em
Jaboatao passjudo a ponte tercera casa do lodo
esquerdo ou a ra do Imperador n. 12, cartorio
m mamaran mmm
.ai.
h^wnbol oajt ^ pode tomar
i na asea do eetomafl, q*u
SEGUROS
MARTIMOS
B
OfTIlA FOGO
A conapautua Iodemnsadora, esubelecidt
iesta prafa, toma segaros martimos sobre
isvfos a seas carregamentos e contra fogo
am edificios, mjrcadorias a mobilas: na
roa doYigario n. 4, pavimento terreo.
m
i
ADVOCACIA S
BACHAREL -S
J. B' P. Corte Real 8
Ra do Imperador n. 12.
ostrumeoio com que mais tarde se deve concluir
a aperfeigoar a educagao. Nao custa saber 1er o
sssencial e fazer uso disereto e aproveilavel
lesse poderoso motor do nosso aperfeicoamento
moral.
Depois do trabalho manual e do ensino da es-
cola depois mesmo de alguraas horas consagradas
jo recaio era preciso amemsar com o estado de
alguns dos ramos das bellas-artes as tarefas in-
inlis.
Neste intuito foi creada uma aula de muzica di-
rigida por hbil professor.
Com pouco tempo de exereicio e o ardor pro-,
prio da mocidade j alguns dos alumnos tocara
iom verdadeiro adiaotamento os iostrnmenlos que
sscolberam, e pode dker-saj que a fabrica (em
boje uma banda de musir a sna disposigao, o que
ilm de accrescemar uma agradavel prenda a
educaro dos aprendizes, dispensa das festivos do
estabelecimento, o concurso dos msicos cetra-
anos.
Ora, o grande resollado colbido por este duplo
ystema do ensino maonal e simultneamente in-
telectual, que o producios da fabrica de S. Julo
de N theroby, redobrando de valor pela qaalidade
a perfeigao augmentara tambera a toa procura no
mercado ; naturalmente os avultados intetesses
los producios.
Eatabelecida assim eom os outros estabelecimen-
to do mesmo genero a lula da concurrencia, que,
ao dzer de um nolavel economista, nao ootra
equsa mais que a manifestagao pratica, a face
material da liberdade, claro est que as condigoes
lo trabalho livre eomegam j a ser assentadas, en-
tre nos em bases sensatas e de consequencias pro-
Senas.
Ligamos utn alto aprego s tentativas e aos re-
mltados desla ordem.
O Brasil precisa empregar todos os seas esfor-
cos na propaganda industrial, nao; esqueceodo
nunca que a quantidade dos produelos nada re-
presenta, si ella se nio tornar ao mesmo tempo
rcommendavel pela sua qualidade, e que esta t
ie obtem com auxilio efficaz dos prodjetores ba-
sis e intelligenlos.
Acreditamos, pois, que os Srs. Souza e Novaes
prestara um importante servico ao paz e temos
sempre prazer em mencionar os estabelecimento ,
dosta naiureza.Tio so em referencia a esta fab?i-
a, como a todas que estiverem fondadas on se
fondera d'aquem diante na mesma circuros-
lancias.
O nico deposito nesta cidade no escriplorio
le Domingos Alves Hatheus, a ra do Viga-
rio n. 21.
___ A.Zaloar.
AVISO
Precia- de ama ama para o servigj ae
ama easa de familia : na ra do Caw 21 de no-
vembro n. 30, 1* aadar.
wPf
^
X
caBU: a^BJHT T"t<& ^a-* *":
&a* e de una ama na.
rao servjpojuiercade uma
tratar na
Desappareceu na noule de sabbado do dia 30
am prelo com am caixao cootendo miadezas e fer-
ragens indo coberto erm nm encerado e tendo
na lampa estas eniciaes M A A, e a chapa eom a fir-
ma da easa, rogase a pessoa aae o-encontrar i
o apprebender e !evar na roa Nova n. 39, loja de
Sonza A Guimaraes.
Precisa-se de uma ama que saiba
coslnhar e enommar; e outra qae
saiba en|oaiiar e cow-: na ra do
Roaario Lsrga n. 22, *eundo adr.
AMA
,11 s
N ra do Atecrire t. 20Meeta-fo
uma ama para todo o sJrvicMsj
ama faaaiiia amposa de dais V? V
'*. I
AO PUBLICO.
O abaixo assignadofaz sciente ao reapeitavel pu-
blico e especialmente ao corno de eommercio que
dejxoo de ser caixeiro da casa dos Sr. Tasso Ir-
raaos & C. desde o dia 5 de corrate. Recife 28
de setembro de 1871.
_^_____- Manoel de Mosquita Bastos.
Ama de leite
Precisa-se de ama ama de leite : a tratar na
roa do Mrquez de Olinda, sobrad-J). 34, segan-
do andar. ____________^*
P/ecisa-se de ama qae en-
gomme beau. prefere-se es-
crava : a trlar no principio
da eaaaa a Ata "otee wo a?m__________
Ama de lelpX
Pr*04^ *e alutar ica anu qae lenha. Iwm
iji sadta i a ir.., 'O* Duo/i deC*-
r'ora Cruzes) n. i.
1)
da estrada de* A e
.
'I

1 .
'-
'


4
1111*0

immnt
naaaiBaap


>mj
'
i -
IV


**-
P ario de P^T^ijuca -^ Quinta .feir*,'*- dt Outubro de 4871.
HOTEL
,*
AGIA DE 6DR0.
13.Ra bnt) n. -513.
\ PraeJeay 1 lay ptim eosrateiro.
. Tambe* m ahga ora oleqoe pira o aervlc.o
ja mesmo.
Manoel Ferreira Carrairo, laz sciente ao com-
erafo, que tendea tea estabelecimenlo de tras-
M e offleina a sea irroio Miguel Ferreira Carrei-
r, livre e desembarazado de qualqaer eaus
Siem tiver a reclamar queira fater ao mesmo aeo
Dio do prato de tres das, a contar da data des
le, outro sim o mesmo faz sciente, qne tendo de
retirar-se deixa por seas batanles procuradores
em primeiro lagar a sea irroio Miguel Furreira
Larreiro, e em segando Theodoro Bsnzer dos Sln-
tese Antonio Caetano Silva.
COMPANHIA
DE
EDIFICARES
Cidade do Recife
A directora provisoria dessa companhia convi-
da a lodos os ohores subscriptores para eorapa-
recerem sexta-feira6do correte a laura da tarde
no escriptorio do Sr. Dr. Jacobina, ma do Quei-
mado n. 79, aflm de approvarem a acta da sesio
anterior e tomarera resolocao definitiva sobre a
lOflorporacao da companhia.
Recife, i de outubro de 1871.
_____________M. P. de Me raes Piobeiro.
Espirito Santo de S. Fran-
cisco.
Por ordem do irmo juiz da ir mandado do Divi-
no Espirito Santo do convento de S. Francisco,
convido aos i: raaos para assistirem a fasta de S.
Francisco qan lera lugar no dia4 do eorrente mez
pela O horas do dia e o mesmo irmao juis espera
que coraparecam visto termos reeebido canvite para
o dito acto.
Consistorio da irmandade 'do Divino Espirito
Santo erecta o conveuto de S. Francisco. 1 de
outubro de 1871.
O -secretario,
... ____________________M.6. Agr.
Precisa-se de ama mulber qne saiba bem
cosisbar, para casa de urna sentara francesa : a
tratar no 2* andar do sobrado da rna do Duque
de Caxias n. 46 (amiga do Qaeimade n. ) entrada
pelo beceo do Peixe Frito.
Pode ser procurado a ven-
da de -co de Tiieste da ver-
dadeira m rea 1, 0 e 00 em
casa dos S s. Keller & .0.: a
ruada Cruz N. bb
Alioal chegoo nova remessa de leite con-
deosado da Snissa, pelo vapor Cognac, e
deade j Gcamos esperando pelos seus apre-
ciadores e entendedores deste artigo : vende
Keller dt C na roa-da Croz n. 55.
Cbegaram loja J; Mercarlo, ra da laperatriz
Ricas franjas de seda preta, raras le pellica
Jorjvin, bounas decores para aenbora. Bitas de
cordavao e bezerro pata hornera, oleo extracto-
orna, ricas fitas largas para lapo, ricas grvalas
de gurgurio de seda das mais modernas e liadas
cores, e ora completo sortimeoto de gal dea de seda
para guarnecer vestidos e ontros muitos objectos
de gosto.
Ra da Iinparatriz n. 86, loji denominada
O MERCURIO
pertencente
JOS BERNABDO DA MOTTA.
s toposo no Recife rna
*!?fcdepreeM.
sera
Precisa-se de duas amas, sendo para cosi-
nnar e mais servicos internos de pequea familia-
na ra Imperial o. 199, por cima da reflnacao.
n0rraDC0 SUPftr
de carcavellos lem para vende/ em caixas
de ama dtwia Joaqoim Jos Goopuves Bel*
trao. roa do Commercib n. 5,
RAI%
E' bonito
Fronhas de puniiata bordadas; estio expos-
tas a venda na ra Duque fe Caxias n. 3. -
*m\*
Na ra do Pires, sobrado
n. 28, precisa-se de ama ama
que seja boa cozinbeira.
A II A Na roa do Corredor do Bitpo o. 3,
f-*1-** precie -se de urna ama para o servico
do nma casa de i Dessoas.
Precisa-se de ama ama que
engorme bem, e faca mais al-
gam servico, torra oo escrava :
na rna do Pires, sobrado n. 28.
TRILHOS DfiBAjIOS
DO
ItECfFF A* OMY\
Por ordem da directora sao convidados
osSr8. accionistas para, no prazo de 8 dias
a contar do di 2 d'outubro prximo rindo
eralisarem a ultima prestarlo de sasacgoes,
da 2* emissSo, na rulo de 10 /.
Para esse fim ser o Sr. thesooreiroen-
contrado no escriptorio da companhia, aas
H horas da manliaa s 2 da tarde de todos
oe dias otis.
Recife 28 desetembrode 1871.
Joo Joaqttm Alves.
[" secretario.
Na rna dea Crnies d. 38 andar, tem parr
vender os objectos seguintes, em eompleto esUdo
de perfeifo, e com pequeo aso, por ter ido de
nma pessoa que mndou de residencia e nao ne-
cessitar dos ditos objjctos, podero ser vistos das
10 horas da manhaa as 3 da tarde, e vene-se por
omite*barato preco.
1 lastre de 4 bicos com eorrentes e pendentes
todo de chrystal, 3 candieiros de 2 bicos de metal,
3 ditos de i bico de dito, 7 arandella, tddo para
o gaz carbnico, 17 globos para os meemos, 6 lan-
gas par cortinas, 2 venezianas, 1 lampeo para
jardiro, 56 jardas de esleir, 1 relogio de parede,
140 ps de canos de chumbo proprio para esta-
ar agua e com 1 tomara, 1 guarda roupa de
amarello, pequeo, e 1 carteira de dito para loja.
Tambera se vende um cavallo ajo marfim goajlo e
bom.
Na rna estrella do Rosario n. 24, 2* andar
BUervado.
No sitio da Soledade n. 29, tem Jos Henrl-
qae da Silva para vender 1 cavallo ajo marflm,
gordo, bontto e bom deeeHa, e 1 mellado gordo e
bonito tambem para sella e arre ; poderlo ser
vistos das 4 da urde s 10 da manhaa.
Attenco
Vende-te nm sobrado de asa andar e solio no-
!? nnJ*tam acabado, com terraco na frente e
r e cosinha fra, e murado, tonteado qoairo
STili1?8 de O***1 e ^ 1ae rende Cda ama
, -^?5*,, taa ta,ao o *to sobrado silo na
25.?.*- Wo '"'"* Mu* cidade: a
tf*ar na meama rna cata a. 4.
Jl Cadeira?.
. No aortimento de cadeiras franceas
a venda no armaxem de Tasso Irmaos & C. ao
caesdeApojio.
rr '------- Um oompleto sortimento de lindos Jarros
LIQIACAO
(CQW PEQUEO DEFEITO)
Drini branej) de lioho Ono, com pequeoo defeito,
800, fflOO e 1#200 a vara, peehmch: n
loja de Gnilherme Cirneiro da Cunha, roa do
Crespo n. 40
Grande liquidabas
LAAZ^NHAS A 320 RS. O COVADO.
f11"0 Indas Kazinhas propriaj para a praca a
i rs-**,vado. echincha : na loja de Gai-
Iberme Carneiro da Cunha, rna do Crespo n. 20.
Pomada alpaka
K' milito conhdcida esta pomada e moito
apreciada por soa 6nissima qtalidade, a No*?
Esperaac* quem tem.
Jarros de porcellana
Ferro 'alvanisfldo
Proprio para cobir cais. estacoes, co-
xetraa, armazons, ele.
2550 fo has de d fferentes taomhos e
groMnras, cb gadas ltimamente e ainda
na alfandega.
Eoglish S.lvznucd I.on, 350 CorroM-
ted Sheet. 8
Sjrmpson & C, n 10 ra do Bom Je-
ss, oulr'ora ra da Cruz.
o.
Espaoadores
De pama o mais bem feito que possivel e
mais barato do que em oulra quaiquer parte, na
praca da Independencia ns. 33, 37 e 39.
AMA
ALUGA-SE
'
O primeiro andar de sobrado da ra do Vigario
n. S : i tratar na travessa do Corpo Santo n. 25,
armazem de fazendas.
Aos Srs. accionistas avisa se que a ses?ao d'as-
sembla geral em conlioaacao de seus trabalhos
sobre a reforma doj estatutos ser ao dia 9 do
eorrente (segunda-feira) pelas 10 horas da ma-
nhaa, e no mesmo lugar das anteriores.
Recife, 2 de outubro de 1871.
O Io secretario,
___________ Imz lAyes Cattello Bronco.
O Sr. Andr de Sa e Albuqnerqne rogado
a vir entender-se erra Ta?so Ir naos em liquida-
cao a negocio de mutno interesse.
- AS
NITffO
Precisa-se de um preto para servico de pa-
daria, com pratica ou sem ella : tratar na ra
do Pilar n. 88, taverna.
Lava-ae e engomma-se com prompdao e
perfeicao : na travessa da Palma n. 26, primeiro
andar.
13 annos
pateo do
Precisa ae de nm menino de 11 a
de idade com pratica de taberna : no
Terco n. 21.
Precisa-se de officiaee de narbeiro : no sa-
Ho de cabelleireiro da roa da Imperatriz n. 82.
Sitio
Preelsa-se de nm sitio para qnatro estrangeiros
de preferencia perlo da estrada dos bonds a di-
rigir se na roa da Cruz (Bom Jesos) n. 55.
Precisa-se de umeaixeiro de 14 a 16 annos,
com praea de taberna : na rna Direita dos Afo-
gados n. 38.
Aloga-se nm bom sitio com grande casa de so-
brado, caiada e pintada, com commodos para
grande familia, commodos para escravo?, cochel-
ra, estribara, casa de oaoho e muias arvores, na
Passagera da Magdalena : a tratar cora Domingos
Alves Matheu, a ma do Vigario n 21.
Precisa-sede urna ama forra pa-
' ra pouca familia : na ra larga do
Rosario n. 20, Io andar.
AMA
Chegaram para o nevo eslabeleelmento de fa-
zendas flna> ra do Mrquez de Olinda n.- 28 os
mais lindos cortes de seda para vestidos, coja fa-
zenda pela sua quat ade e preco se recommenda.
_________ Prego fixo50^000.
Veode-se ama casa terrea na Capunga (ra
da Amizade) n. 38, em chaos proprles : a tratar na
ma de Marcilio Dias n. 18. *
vFndese
dous bonitos cavallos, andadores de bai'xo a meio,
sendo um rodado apatacado, bstanle grande, e
entro castanho, peqaenc: no caes do Ramos nu-
mero 30.
Relogios de ouro e
dos aelhores Jabricantes inglezes, rancezes e
K'jJaTS" fa? Pfe0S mUt0 tU^^' a
RA DO CABUGA N. 5.
4 Ra do Apollo 4
ioo do Reg Lima Filho tem para vender,
rainte^>SqBe *" Ur* qa*kiaw >M,r,e' M-
Uil|eH das libas em latas. ."
Aleatrao em barris.
Vino* do Porto fino em caixas.
Dito Bordeaax dito dito.
Reloglos de pareae.e cima de mesa.
OLEO PURO DE FIGADO DE BAGALHAO
DAI
TERRA NOVA
DE
H. LAGOMBE
Este oleo que lio boa aceeitacao tem merecido,
moito se comineada por ser o mais purl-lcado
que at boje tem viudo, e ainda pelo bora paladar
superior a outro quaiquer : vende-se no deposito
special de Bartbolomea 4 C. : ra Larga do'Ro-
sana34.
proprios para suspendelr barqa-
cas e hiates, vende-se na ruada
Cadera n. 39.
Sitio venda
de porcellana (do afamado Dacara) existe na
Nova EsDeranca rna nnnne \* r^i. v *, ro? da HarmcQ'a. vende-se um s-
- \ P C ra U0(lUe J LdXl>8 H loao pifiado, loa casa ebanho, que se toma
recommendavcl, j pela sua collocacao tonugra-
pbica-e alnbndade que gosa aqnelle pitoresco
arracajde, e-j pela modk-idade cora qe se tde
Tazer tao ptima acquiaicao. As pessoas que o
desejare^ [lem d.-rigif-se pata inf^rmacoes ;i
rna el o Livraraenui. anr.a'em do lia'isa.
) Companhia Allianca
DE
eguros martimos estabelecida
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Ra. 1,000:000*000.
Toma seguro de mercadonas e dinheiro a risce
naritimo em navios de vella e vapores para den-
iro e fra do Imperio. Agencia rna do Com-
mercio n 5, escriptorio de Joaquim Jos Gon-
calves Beltrao.
j Offerece se uraa ama para costuras e algnns
servicos leves de easa : a p-ssoa que quizer di-
rija se ao pateo da matriz de San'o Antonio n. 2,
no 2* andar.
Preca-se de urna ama que saiba eozmhar
para casa de pouca familia : no Ricife, ra da
Cruz n. .
Precisase de um criado : na rua-Novi. lija
numero 7.___________
Aloga-se o Io andar do sobrado da ra larga
do Rosario n. 10 : a tratar ha pharmacia de Fer-
reir & C._______
A Ai A Preciaa-eede una ama paraoservi-
O.U.XX co (e ca3a a,, ponca faaalta : a tratar
na rna da Croz n 18, > andar.
Precisase de nen ama de boa. conducta
para andar ora crianzas : a tratar na ra do
Commercio n. 44, 2* andar.
Alaga se um moleqne : quem precisar di-
rija-se ao largo do arsenal de marrana o. 8.
%1^
Precisa-se de ama ama
para comprar e eosinbar :
tratar na roa da Alegra n. 5.
Caixeiro
No eaf ehlnez i roa larga do Rozario a'. 31
precisa-se de um caiieiro que tenha pratica de
hotel, pagase bom ordenado.
DROGARA UNIVERSAL
NO
RIO DE JANEIRO
Rna da Assembl a m. 56
GRANDE DEPOSITO-DE-
Drogas allopathicas, homeopotbfcas e veterinarias.
Essencias finas e agua de flor de laranp;elra.
Perfumaras inglezas e funeezas.
Salmnetes, extractos e mais artigos.
Productos chimices das melhores fabricas inglezas
e francezas.
Chocolates fios estrangeiros de refeijo e me-
dicinaes, preparados especialmente
para este clima.
Representante as provincias seu fllho
EuiiA-NCEL ItUFFlER.
Mora na ra da Cruz n. 1.,
Esta casa nica depositara do afamado phar-
raceulico Rinoli de Rlmioi, autor do Centerba
composto, Em. Romn (especifico contra a Solitaria)
Dmueford, pnra'roagnezia fluida; (atollan, ho
meopathia ; Cleaver, Rowrand, Payne, perfuma-
ria? ; Van Loy, chocolate.
PRINCIPAL AGENTE ArORISADO.
de Blancard, Cbevrier, Brou, Chassaing, Delan-
grenier, Albeyspeire, Labellonye, Grimauli, La-
barraqne, Clerambourg, Delondre, Warik IrmSc
(Agua de fljr); Lagasse, preparacSes de feiva
de pinheiro. e dos afamado fabricantes de prj-
ductos chimicos Smiih, Evans, e Morgn, bem
como de muitos outro.*'que' motil mencionar.
Aloga-se o 2" e 3* andares de urna casa sita
na ma do Imperador n. 49 : a traiar na ra do
Bario da Victoria n. 22 (outr'ora tfnva).
VENDE-SE
dous cavallos de sella, sendo nm castanho, de
frente aborta, bastante gordo", andador de baixo a
meio ; e outro mellado, de crinas brancas, muito
bom haixeiro os preiendentes podem ve los na
ra de Riachnello casa de Vicente Ferreira da
Costa, das 6 as 8 horas da manhaa e das 3 as 6 da
larde.
Superiores cigarros do Rio
de Janeiro.
Domingos Alves Matheus, nico agente nests
provincia da fabrica imperial ae cigarros de 8
Jlo de Nitherohy, ertabelscida no Rio de Janeiro,
tem sempre um completo sortimento de todos o
carros, fnmo picado e em latas. Tem igualmente
os afamado cigarros Conde d'Eu, feitos com mag-
nifico papel de palha de milho e famo superior
Para governo de seas freguezes, qae tem esubele
eido depsitos fillaes, as easas dos Srs. Th'omai
Francisco de Salles Rosa e Manoel de Sonza Cor
deiro Smeles Janior, no bairro do feeife, e todc
qoanto for vendido em outras casareom a firma
de Soma Novaos & C. s5o falsificados.
Leman Frres
vende cerveja Mayenca e vhho do Rbeuo.
Para noivados.
-
Fitas e*peciaes e proparadas para lacoj de cor-
tinados de cama : receben a Nova Esperanca, a
ra Duque de Caxias u. 63 : a ellas antes que se
acabera, pois vieram somente sel*, e fio lindsi-
mos.
LOJA
DO
Veude-se
a loja de looca da trra sita rna do Rangel n.
4 : quem a pretender dirija-se meama on pra-
ca da Independencia n, 33, que achara c*m quero
tratar.
y
leiro.
Aluga.s>.- urna pela pura
todo servigo : na ra larga
do Rosario n. 28, loja de sel-
A revalesciere du Barry de
Londres,
Toda a deen$a cede a Revalesciere du Barry,
que da satde, energia, appetft,' dJgesta'e des
canso. Ella cora as dispepsias, gastrites, humo-';
res, acidez pituita, flato, enjps, vmitos depois
da comida e gravidez, con'tipacoes.t) asthma,
affeceSes pulmonares, bexiga, fija' ^erebro e
sangue ; 60,000 curas, ineluindo munas dellas no
Brasil.
A revalesciere chocolatada da Barry
em p,
Delicioso alimento para almeco e ceia, mnito
nutritivo, fortifleando os ervos do estomago sem
causar monor peso nem dr de cabeca, nefl ir-
ritadlo.
Uaico deposito para o BrasH em Peroambuco
na pharmacia americana de Ferreira Maia & C,
ra do Duewe de Canas a. 57. (Todocoidado
;om asfalsikacSes.)
rr J- O. C. Doyle tem.em seu armazem
vender o segrate :
Cognac Heniessy.
Vinho Xerez.
Dito Lisboa.
Filtrad eiras.
Um piano de um des melhores fabricantes
ra do Commercio n. 38. -
para

na
2." ANDAR
Alnga-se o 2o anda
pintado e prompto de
Ro>ario n. 22.
t ra do Padre Ficriano,
ovo : tratar na ra do
Grande pechincha
Damasco de lia com 9 palmos de largura, fazen-
da prapria para colchas de cama e caberlas de
piano, pelo baratsimo prego de 1*500 o cmdo,
alpacas de cores de padrdes miados a 500 rs. o
covado, las de cores raesclidas e de lindos pa-
drees a 320 e 280 o co.ato, carabeis de cores a
280 e 2i0 o covado : na loja dos arcos roa !
de Marco (amiga do Crespo) n. 20 A.
Vende-se barato, um piano, de um do3 mais
afamados fabricantes : tratar ra do Com-
mercio n. 38.
Aos donos de sitios
D se estramo, na cocheira da Companhia Per-
nambuco Street Railway, na ra do Brnm, a
quem mandar buscar ante das oito horas -da ma-
nhaa.
Cal nova de Lisfoa a 4$
Vendejse a ra (Jo Apollo n. 30, armazem de
Rodrigues & Mirtins, barris de cal nova com po-
dra a 4*000. v
Ptde-se
A nnem tiver arhado bontem um vale da quan-
tia de 100x.a lavur de Manoel Jos Fernandos
Barros, o favor de entregar na rna da Cadeia n.
35, armazem, vi to que de nada vale a oulra
quaiquer pessoa.
- Na reflnacao da ra Direita n. 22 precisa
se de trabalhadores que entendam do servico da
raesma.
Precia-se de ama ama para caja de'fami-
lia, na rna do Cabug n. 6. Loja da conquista,
se dir qoem precisa.
Oaixeiro

Prensase Je um caixeiro que tenha bastante
pratica de taberna; a tratar" na ra eslreita do
Rosario n. 47.
Sitio para alugar
Na estrada de Santo Amaro para Belm sitio
n. 8, ha para alagar nma eaia com sitio, tendo
muito terreno para plantaos, e pasto para ani-
maes/com muitas arvores da frneto : trata-se
cora Antonio Ales Barbosa ra dos Guararapes
n 52, sobrado.
Jument 8 he paphoes
Acabam de ehegar no brigue Bella Figueirensc.
dous jamemos muitos grandes e benitos proprios
para tirar raja : a tratar no escriptorio de E. R.
Rabello k C. rna do commercio n. 48.
Ouvi
Precisa-se de urna ama
para coainhar e comprar,
na roa do Duque de Ca-
xias, outr'ora rna das
Cmz*sr n. 22, 1* andar,
entrada pela travessa do
No pateo di ribelra n. *l e dir; qum pre-
cita de ama pesso. lubililada para oaixeiro de pa
pa.ru*
ara ripiarlo
'nm ttUeiro cora a$ fXMSsailaSi
f*Wde wertWwir-ao n
? lvlin.fiO;^^.
Furtaraiu era a noute de luntem (3) da por-
ta do Club Pernambucano de sobre um cavallo qne
ah se achava, um selin inghze manta, com pou
co oso, tendo um par de ettnbos pequeos de pra-
ta. Quem o aprehender queira leva lu a ra do
Imperador n. 17, cocheira, "que ser gratificado.
COMPRAS.
ROLAS
Compra-se um casalzinho d rolas de Hambur-
go, qae sejam branca?, paga-se bem : nestaty-
pographia se dir quem quer comprar.
Nesta typographia
sagrada por Pinheiro.
compra-se nma historia
na eslacao da connanhia do Rc>fe a Olinda e
Beberibe^panno velho branco quaiquer porco :
de 8 horas da manhaa as 4 da tarde.
Compra se nm ou dous Jjilhres com todos o
seos pertences : a tratar na rna do Barao da Vio-
toria (oow'ora rna Nova) n,-5).
Compra-se nina casa terrea b. qne tenha
commodos para familia no bairro di Boa-Vista ; a
tratar na roa do Hospicio o. 13.
VENDAS.
VENDE-SE nma easa de taipa no lagar do
Barro, propria para negocio, e por prece coromo-
do : trotar na ra do Raneel n. 43. 2.* andar. '
Veade-se a casa terrea o. 131 ama a Viz-
conde de Goyanna (outr'ora Mondego), as proxi-
midades da iinha dos bonis : a tratar na ra do
Oreapo n. It, 1 andar.
Cemento verdadero JPortland.
Vende Jo}o Ignacio da Costa, em birripas, por
barato rr?; B9 armazem daescadloha da Han
dega n t,
Vende se. na amiga rna Direita, he je Marci-
lio Das, o. 99, qoeijos maito freseses do reino a
24 e U500, f.:rinha de milho de todas as quali
dadg e maees das ltimamente chegadas.
- Vende-se nm terreno na travessa do Princi-
pe, freguezia da Boa-Viata a tratar na ra do
Socego o. 33.
Para oratorios particulares e
cabellas de, engenho.
Vende-se nm altar dourade, bem como os res-
pectivos casticaes e palmas tambem douradas
igualmente vende se dous ornamentos, duas alvas'
estolas, mangai'.o?, sanguinhos e todos os mais
pertences, sen 1o um dos ornamentos bordado a
ouro fino : nesta typographia se dir quem nende
OL1T0RA
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo a. 7
Acaba de ehegar pelo ultimo vapor diversos ar
t'gos de novidade, como sejam :
Lindas touqninhas enfeitadas para baptisado ;
assim como chaposinhos.
Sapatinbos de seda e de merino.
Metas de seda e fio de Escocia de 1 a 12 annos
de idade.
Ricos leques de raadreperola todos abertoe, o
melbor que ha oeste genero ; assim como on-
tros de raadreperola com seda, fazenda requissi-
ma; tambem receben grande sortimento de le-
qnes de sso fingindo marfim sndalo e madeira,
tanto para aenhora como para meninas.
Superiores ligas de seda para segurar meias.
Meias de borracha para quem soire de inxacSes
on erysipela.
Seda fronxa para bordar todas as cres.
Fraeo de seda para o mesmo fim.
Refroz preto e de cores em carrili*.
Filas para eartas de hachareis.
Quadros para retratos. .
Lavas de pellica, e de seda, branca pretas e de
lindas cores.
Superiores capailas para noivas.
Lindos alfiuetes de madreperola para paitos de
sen horas.
Lindas abotuaduras para colletes.
La de todas as cores para bordar.
Superiores peocenez de ajo.
Muito finas thesonras para costura, nnbas e
para cortar cabellos.
Superiores pestes de tartaruga para arregacar
cabellos
Tintura ingleza para Ungir cabellos, a verda-
dera.
Grande sortimento de franjas pretas, largas e
esteeitas e lindos padrdes.
Lio dos babadiohos e ntremelos bordados, tapa-
dos e transparentes.
Joaquim Jos Qoncalves Beltrao tem para
vender no seu escriptorio ra do Commercio n.
5, os gneros abaixo notados, qae vende mais ba-
rato do qae em oulra qualqner parte :
Azeitonas em ancorlas.
Amendoas em barricas.
Caf moido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca martel frres.
Enxadas.
Farinba de mandioca de Santa Catharina, 'sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Babia em saceos brancos.
Dita de dita era barricas, proprias para easas
particulares.
Fio de algodo da Babia em novellos.
Fonees.
Maxados.
Notes.
Obras de palbetas.
Papel proprio para clgarroe.
Dito azul para botica.
PaWw para dentes.
Pregos sorbaos.
Panno de algodio da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Baila.
Boinas.
Rap popular da Babia.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranho.
Tabaco simme da Babia.
Verniz copal.
Vinho do Porto engarrafado, cania de'12 gar-
rafas.
PublicaQoes mnsicaes.
Acabam de pob icar-se tres lindas pecas
para pianoa saber:
A celehre ferenklle por Beriol fila
preco 500. ,
LINDA, raudo mazurka de concert,
nltima bub!ic/c5o musical do ma-stro Ca-
zalbore, a qual fui terminada peo maestro
I. Smolt*. nivel 50O0.
PETIT LAZZARONE, linda pr.ifca apo-
litena, pelo lina lo maestro Cazalbort,
preco liuoo.
A' venda no armazem de pianos e msi-
cas do Azevedo, ra do BarSo da Victo-
ria aull, on ti 'ora ra Nova.
N'B; E"13" se gravaado a linda walsa
por Collas, o Aojo da meia noote.
Machinas para desca-
nsar algodao.
No escriptorio de Joaquim Gerardo de Basto
V* d2 VlPr, D- ,6> ,0 andir. vendera se ma-
chinas de 18 erras para descarocar algcdiio
wm
Urna casa de taipa em perfeito estado, eom ura
sitio contndo, 200 palmos de f.enle e irestntos de
fundo, com arvoredos de fruclo, na amiga estrada
de Agua-Frla, fleando perto da estacao dos tri-
raos de Bt-benbe : traiar na travessa da rna das
(.rutes o. 14, luja.
l^ra a insto do hospital
poftugitfz
Modernos chapeos de pallia, de veiudo e de se-
na cara enhora, enfeitalos com g\to, flres ar-
iinciaes para enfeile de cabeCa e de vestido, lu-
va3 le pehea, bournonx de differente gosto cha-
peos de seda para chanca, gns|0 mrler, v'nde-se
no Basar Vi loria, ra do Baro da Victoria n 2
antiga ra Mova. *
VEKDESE
A verdadeira gomma do Aearacu em
barricas, por menos pseeo do que em outra quai-
quer parte a rna do Vigario n. 14, escriptorio de
Jos Lopes Davim.
t- Vndese o engenho Conceicjio da Batheria,
na comarca de Camaragibe, provincia de Alagoas,
duas legoas distante da villa- der Paeso, porto de
embarque, e em altura que deve passar a projec-
tada e j contratada va-frrea de Macei a en-
contrar com a de Una ; moente e correcle conve-
nientemente preparado a todos os respeitos ao
raeltior modo de facilitar o respectivo traballio
cora o maior aproveitamento ; moendo por urna
machina a vapor de forca ele tres e meio cavallos
inglezes do mais moderno syslema e sobretodo Je
uirm admiravel simplicidade, possuindo os melho-
res eTmais uberdosos terrenos-possivel para cana
e quaiquer lavoura, tendo urna legoa de fundo e
mais de meia de frente, dando assim li.gar a mais
dous engenhos de soITrivel tamanno para raoerem
com agua. Reunindo alera de outras as vanta
gens d tres portos de embarque e a proximidade
de mercados, como sejam a Villa do Passo, Porto
Calvo, povoaoes de TahuminBa e deCamataibel
yeA*Ae com a safra Presres a colher pata mais
de 2,000 pies de assucar, ou cora a que se est a
criar, que nao dever ser inferior. Tambera se
vender algnns poucos escravos, biiada, assim
como lguns utencilios, movis de ea>a de viven-
da, etc., etc. Tamben se arrenda por alguns an
nos, b mesmo cora alguns escravos, etc., pedeod-
se retirar a machina a vapor e deixar molioote
para animae?, com tanto pprm que se compre a
safra existente : a tratar no referido engenho ou
nesta cidade com o Sr. lavares de Mello, p-aca do
Corpo Santo n. 17.
SITI"
Vende-se urna casa de pedra e cal, com terre-
no de duzentos palmos de frente e trezentos e
tnnta de rundo no lugar doFundo, ra de Olinda,
confronte ao sitio dos craveiros, tambem se vende
terrenos n mesmo lugar,! ornase recommendavel
por Mear perto da eslavo do Fundo e junto ao rio
Ueberibe : a tratar nos dias otis a roa estreila do
osario n. 41 loja, e domingos e das santificados
oo mesmo sitio Fundj coro Miguel Ferreira Car-
reiro.

E. A. Hurle & C, em sen armazem ra
da Cruz n. 48, vende ra a procos mu.to era com
para acabar :
Ladrilhos de marmore.
Taboaa e degros de dito.
Mann commum.
Maunite.
Fio de vela.
Cognac finoom caixa e barris de vidro
Vinhos de Bjrdos Anos e ord/nsrios era caixs
e barris.
.Licores em caixa.
Fructas em conserva.
Azeita de,ce era caixas.

065.
A 20500 rs.
Na\ loja de Paulo Gnlniares.
Botinas de marroqmm do todas as cores para
$enbora a 500. ^
Ditas de duraqae preto enfeitadas, para senho-
ra a 3*000.
s Chitas rxas com palma, coa rixa, covaie a
160 rs.
acaba de receber um importante sortfoeBtoBd rBnm pa,rjL ,rin5ai10 Ano com piula de mofo,
a^A^rSnn cavado a 400 rs.
Rna do Duque de Ca-
xias
poopelinas de laa, s qnaes abrem o pre;o de 800
rs. o covado, nao deixem de vir ver esta linda fa-
tenda.
UM li
FSRRiffi

chegada haotem a 700 rs. a libra oo 1*600 o lato-
so no armaem do Campos ra do Imperador
numero J8.
a 3i!00 a libra, em pequeas latinlus : nt oo
ajrmazem, do Campos fU i prai?r' 0. j
Dito de dito ero barris, proprio para engarrafar.
Dito muscatel, verdadero de Setubal.
Dito Bordeaax em caixas de nma dozia.
Dito de caj em caixas de ama dnzia.
Lembrancja tempo
O proprietario do armazem de vveres ra do
Imperador n. 28, vem por meio deste annuncio
prevenir e avisar ao respeitavel publico desta ci-
dade, qne o seu armazem um dos que com mais
vantagem pode satiafazer as snas bem entendidas
exigencias, pois para tal tira tem feito reunir ao
mencionado eslabelecimento o mais completo sor-
timento de acepipes, e para que os dignos lei lores
deste annuncio nao tenham occasio de massada
toma a resolocao de limitar se a lembrar somenie
os geberos que elle tem como especial novidade, e
o siguite :
Lindas caixas com confeitos, proprias para pe-
queos presentes.
Chocolate em p, este chocolate tem a vantagem
de poder-se fazer me rao na mesa.
Leite condensado, a raelhur marca conhteida,
este leite eonvem principalmente aos coileglos, ho-
leii e bospitaes, pela presteza com que se obtem
quaiquer preparado delle.
Tmaras do Egypfo, raramente viudo a esle
mercado.
Licores finos: Chartreaze, Cnraco, Anizete,
Creme de rosa, etc., etc.
ALEM D1SSO O CAMPOS
pode garantir qne o sen armazem um centro de
bom e agradavel ao paladar, pois nelle se encoo
trara sempre lodo qoanto pode necessitar ama
desptn-a, cozioba ou mesa desde a ma:= bem sor-
tida at a mais mediocre.
AGORA ANDA
annnncia tambem fei.ao mnlatinho em saceos e a
retalho.
o
o
eovado
Cajinota cor de cinza, duas larguras, idem idem
o eovado 1*.
Amainado de algodio, gosto moderno,metro
11600 A.
Brinsde AngorPrerdadeiro, metro 1<18o.
Casemlra eh*^ oure, prepna para costume,
covado 1*500. V
A" RA DA IMPERATRIZ N. 48
Junio a padrii franeeia.
Vend-se
lgns letren* do sido daWtmwado Peixmho, me
tica enire.OIrada Bebealki, naargem do rio
a traiar Oo raejsma. *?-., r, fc.
um lerreato om 300 pataaoTd
' ~tWn3l0JV*J3*re. M" Peai>enp siUo
por ier aJgnfarvowlfds, defronte do pernio 4e
Afaa-Fria:-as pesaoas q.ne. prteadeaem, deriia-
Ifs-
*-
-cgS;
o
y?
Je
al
v a
o-
g-g.
l'i
II
O
P5

Ra Jo Barao da Victoria
Antiga ra N<-v n. -.
Amaral, Naboco di C. eunvidara m >ens am-
Kls e freguez.< a virem ao Daisr Victoria para
apreciar o apurado go lo com que sao foiios di-
versos artigos que recebera m ltimamente da Eu-
ropa, a saber :
Vestidos de bldnd eom veo-- e grinaldis cara
casamentos.
Ditos d" seda liso? e m.iii.-dot>.
Ditos do fi' de da ricamente bordados a co-
res.
Ditos de chita e do ganga com lodoj os enfei-
los ncessarios.
Ditos de cambrala Victoria iluissima.
Camisas bordadas para sentara e hornera.
Sais e peotiadores bordados..
Meias finas de algodio brancas e de cores para
sonhora.
Sahidas de bailes e bonrnox de casemira.
Basquinas de seda preta.
Ricas fronhas de labyrinlho bordadas.
Cclxas de seda, de la e seda, de algodao, fus-
ilo e la para.
Ata de mosca de todas as cores, urna fazen-
da especial para ebrir quadros, espelhor e
retratos, demasiadamente transparente e prepa-
rada de forma a evitar completamente o p.
Colerinhos e punhns de papel.
Chapeos de seda e de velludo para senhora e
meninas.
Filas maconieas de diversos graos.
Perfumaras de diversos fabricantes, leos, ba-
nba, extractos o pos de arroz etc. etc.
Um Tomplelo sortimento de.carteiras de mar-
tira, tartaruga, madreperla e couro da Russia,
odispensaveis de seda, e de couro da Russia, the-
zouras e caivetes muito liaos.
Um completo soriimentj de chapeos de sol de
seda, beng illas de canoa, balea, borracha o ma-
deira.
Charutos superiores, fumo inglez para cachim-
bo, carteiras e boleas de seda para o mesmo e
outros muitos objectos.
Um coupleto sortimento de espelhos douradta
de diversos tamaohos, de a 23".
Sabonete inglez era caixinhas a l500 a do


Ploras
0 jardim da Nova Esperaoca rna do Duque
de Caxias n. 63, est replecto de flores de todas
as quali ladea : quem primeiro ehegar colber as
inais vicosas.
Papel para impress'o,
Veode-se por preco muito barato, bavenJo tres
tamaonos: na ra da Cruz n. o, armazem de
Alves & C.
Querem comprar ?
-Guardapisa para vestidos ; preto ou branco ?
Papa-fina, larga on estreila?
Leacos de llnho, bordados oa lisos ?
Bonitos.tapies,esso ou sndalo? <
A Nova eeperanca 4 quem tem III
E novidade!
Acaba de ehegar a Nova Esperanza ra Duque
* Cas'1* 63, boneeos e noneca-, sendo de mol-
dea jateiramente novos, vindo entro elles os en-
grasadas boaecos de borracha : para qae se can-
eara? quando quizerem comprar qualqaer objeeto
endo bom, bonilo ou engracado, lerabrcm-se-logo
da N va Rraeraoja raa Duaue de Caitas o. 63.
Vti4e -se a eaaa u. 4 ida ra 4o G*z : tra
m nesta typographia
Cemento Portland
Em barricas de 13 arrobas preco mais com-
modo do que em outra qaalquer parte, vende-le
nos armaz^ns de Tasso lrmos i C
0*mrmm m mm mmmn
A roa do Commer-.io n. 10, esenpto- I
_ rio de Jote Joaqnira ta Costa Maia, en
H contra-se para vender pnr commodos
f preces :
Azul.jos hespaohes.
Folhas de ferro galvanizado para tallu-
do de diversos tamaohos.
Ditas de dito dito lizas.
B:cas de (erro galvanizado.
Cumieirag 4Ro.
Portidas completas para-cantara.
Ladnlh s. M
mmmmmmmmmmmmm
! 50parmos !
Cino.jle chumbo e.-UnDado paro agua oa gaz
r
por 44000.
CHAPalAN'S
9-Roa do Imperador-.


I.
Oaiio de Peraamono Quinta fera 5 de Oiiiupro te 4871

a
'
fca mal cabellos brancos.
Tintar japone a.
aoim .apar ovada pelas as academias de
recurihecida superior a toda que tem ap-
_ as boje. Deposito principal i na da
o ReeWe n. El, 1 andar, era todas as bo-
casa de cabelleireiro.
AWMIWAVEI WffJWXVkO
SEM LIMITES
Nk
LOJA
Flor da Boa-Vista
DE
Pallo taimarles
proprietario deste bera cmhecido es-
aakeecimenLo contina sempre segundo sua
forma de primeiro birateiro da Boa
e para melhor prova adm:rem os
seguintes:
i escuras e claras cores fixas
ovado 160 200 rs. a. .. 400
Cwbraias de cores 240, 280 rs. e 320
i pira vestido 280, 320 rs. e 400
i eseocezas fazenda nova a.. 6 40
islavradas d'um s cor. 720
aia branca transparente pe-
a3*5 0 e. ... 8*000
_ jante com 10- palmos de lar-
dara, varas, a 2*00 e. 2*500
aapoSo soperior pecas 5*000 e 6,501)0
45gedioa4*O0e.....5*000
Brtaa pardo trancado pe.-hincha
ovadoa....... 320
Dito dito liso muitofiao a. 320
Otaras muitas mais fazendas que vende-
r per preces baratsimos como sejam '
paseos pretos, ditos zoes, casemiras pretas
i dr, merinos, brins brancos e de co-
sas, seda para colletes, camisas inglezas para
torneas, m-ias, chapeos de sel etc.
Olicina d'alfaiale
Os digaos, freguezes encontrario om gran-
ea sortiuiento de roupas feitas desde o
inferior at ao mais superior que se
ao mercado, assim como se manda fa-
toda e q'ialquer obra d'encommenda
4m a capricho, pois para este mister se
*.-&a munido d'um perito mostr. Garante
i facerem se menor 20 % de que em oalra
:qaer parte pelo o motivo de o freguez
' pagar o que compra e nao o aspecto do
t ttaoelttcimento.
48 Roa da Imperatrli48
JUNTO A FADAKIA FRANCEZA
LOJA E ARMAZEM
O
DO
PAVAO
DE
m irnos k
trv 4 venda em seus arinazens, alera de outros
aitgus de sen negocio regular, os seguintes, que
Moi?a por' oreos mais mdicos que em ou-
s joalquer parte :
f MITAS do pinho almofadr.das.
5PORTEIRAS de ferro para cercas.
SALITRE ingles.
SSTEIRAS da India para cama e forrar salas.
SAJSS de barro francez para esgoto.
5B3S0 .aparior em pofeoes e a contento.
StS.NT de todas as qualidades.
MACHINAS de descarocar algodao.
iON\3 e brinzoes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de canos.
FOtiES americanos muito bons e econmicos.
7NH0 de Bordeaux.
COGNAC superior de Gautier Freres.
TABELLO em saceos grandes a 3500.
AAOA florida legitima.
3ALANCAS decimae..
r.ADEIKAS americana?.
aBUK da Jamaica.
AZDLEJOS de LUboa.___________________
Contra a tosse
PASTILHAS PEITORAES.
de
Scuima simples crystalisada.
' Dita* da angico <
XaC Arabia.
&>vs de pinho martimo de Lagasse.
Y, outras muitas que muito se recomendara pe
as'suas excellentes qualidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartholomeu & G.
_ 34-RUA LARGA DO R0SARIA-34
Xarope sedativo
DE
Case* de franjas amargas
COM
6R0MURET0 DE POTASSIU.VJ
DE
IIIIOZE
'gs-e novo preparado aprovado pela academia
imperial do medicina, muito se recoramenda pela
.*ss aecao sedativa e calmante, sobre o systema
afrvco, o bromureto de potassium, nao deixa de
i*r os mais cercos resultados as diversas affec-
rorw do organismo e principalmente as molestias
4e ccrajo, das vias digestivas da respiraco, das
iJti genilo-urioarias, na epilepsia, as molestias
nervosas da prenhez, na insomnia das enancas
brante o periodo da dentico etc. etc.
Vendo-se na pharmacia e drogara
de
Dartbolomeu & C.
. 14-RA LARGA DOROSARIO-3
soces, fructas e flores.
,-ioa 4a Cruz n. 13' vende lodos os dias :
>-razunto em Hambres a libra.
Lanchas todos os dias, e dirTerentes.
Mit'n de mao de vaoca em copos.
otees crystalbados de diuerentes fructas.
Quilos, polios e bons boceado?.
3aadeyas com bollinhos, enfeitadas',
tronquis de cravos para noivas.
Plores avnlsas e em boupnets.
Jrreles todos os dias a noule.
FLIX PEREIBA DA SILVA
NA RA DA IMPERATEIZ N. 00-
S a dialiafe Tisa
Os proprietarios deste estabelecimaoto tendo graode neceasidadea Aauiro im-
menso deposito que tem de fazendas e grande urgencia de apurarem dinbeiro, tem re-
solv J j fazer urna verdadeira Jiquidacjfo com grandes abatimeutos nos procos de todos
os seus artigos: para o que convidara ao respeitavel publico desta capital a vr sortir-ae,
pois loe garantem que em parte algama poderlo encontrar t3o grande sorUawotoo ses-
mo n5o comprar5o pelos precos que se loes pode vender mtoj de ftt rporm ad-
virtindo-se que s se vende a dinheiro vista. Os mn"' rnr'^'IJJIf CfitliMttl
lecimento rogam a todos os seasdevedores lestt-praca a favsHfe virMnll8r3s d-
bitos, e todos aquelles que estiverem devendo contas antigMAftatfouierem terao de
HOIM UUTU
10Ra do Crespo10
pjca di algodao com 10 jardas a M, 4|500
^S de madapollo 4#, 5#, 5*800, 64,
tfMc
Ditas de dito infestado, francex superior a
loeoe.
Chitas franceaas e (odas as qualidades a 2(0,
180, 300, 320 e 360 o covado.
Cambraias de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Dita lisa de cor Ors. o covado.
Ditas pretal para loto a 60 rs. a vara.
. Pecas de cambraia lisa transparente a 34, 3*90*
* Di de ib tapada Victoria, a 44, 44500, 64
e74-
Ditas de dita traaspareme, snissa muito fina
com 17 varas, 144-
BMas de dita bordada com 10 jardas a 74 e
9400-
Organdy branco fino a 700 rs. a vara.
Brilhamina branca infestada a 440 e 500 rs. o
co\ado.
Bcettaba i Inbo com 13 varas a 2O400O e
Jifii
Dita d. dito Infestada com 30 varas a 274.
Bramante de linbo cota 10 palmos de largura a
jbaOivao.
A FLOR DE
Jos Antonio Pereira
vjqb para vender na sua fabrica da roa do Bario
di Victoria n. 4 (antiga ra Nova) charutos dos
snk acreditados fabricantes da Babia, como se-
ta Imperiaes, Normas de ftavana, Operas, Ama
swee,Lanirinis e Leae?, de Simas. Imperiaes,
Sipoaicio, Lanceires, Bigarrilhos, de Cardoso.
Vitssipes, Expo -icao, Havanas, Flor de Suspiros,
fcMdres, Almirantes Brasileiro?, Trabucos e Re-
igafea Imperial, de Joaqun) Jos dos Res, e mais
nulidades de outros fabricantes. Fumos Daniel
fiependy, Rio Novo, Hias, Maranhao, Para e
jkr.iohitn. e cigarros dos mesmos fumos.
NOVIDADE.
a foja do Papagaio acaba de reeeber om com-
^leto jortimento de sedas lavradas de nma s
i-sr; assim como om esplendido sortimento de
.^capelinas de seda, tanto um como ontro rao de
Zanores inteiramenta noyos, e as edres sao as
aub delicadas que at boje tem appareeido neste
ureado, seu preQo tao commodo que nao ba
imn deiie ile comprar : na ra da Imperatriz
l *, esquina da- raa Sele de Setembro, amigo
i.4ea erreiros, toja de Mandes & Carvalho.
tuiflas grinaldas cora tfres e bot5es de
fianageiras c*m vivos e aem elles, vendem-
st aa lova Esperanza ra Duque de Caxias
aa.<3.
Oleo para machinas
Vaadase na Nova Esperanza roa Duque
JtCnlmn. 63.
Nao harer eoamlfCea.
%g criaocas que usarem dos collares ano-
qm se venden na Nova Esperanza,
arte iseotos de convulsSes;-pote s5o 01
deiros recebidos directamente.
ser encommodados judicialmente.
I.asinhas baratao do HarSo.
Alsacianas com lilas li.-tras de sdda a
1,5(000 o covado.
Ditas lisas com muito brillo a 1$ o covado
Allantas, fazenda de muito gotto tecida
com seda a 720 rs. o covado.
Ditas cora quadros de seda e cores muito
delicadas a 640.
Poil de cbvre, d'uma s cor com muito
brilbo a 500 rs. o covado.
'Merinos escosseaes fazenda de muito gosto
para vestidos bornus e roupas de menino
a 640 rs. o covado.
Gurguro muito bonito, tendo. de todas
as cores a 400 rs. o covado.
Llasinhas modernas com differentes gos-
tos a 400 e 500 rs. o covado.
Ditas ditas a 280 e 320 rs. o covado.
Bareges transparentes com diflerenles co-
res a 160 rs. o covado. *
Alpacas de cores lisas e lavradas fazenda
de muito gosto a 500 e 800 rs. o covado,
CassasdoPavo.
Cassas inglezas com bonitos goslos a 200
e 240 rs. o covado.
Ditas finissimas a 300 rs. o cowado.
Ditas francezas de muita phantasia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazenda
muito fla e bonita a 2>500 e 34000.
Ditas d'organdy branco e de cores a
20500.
CAMBRAIAS LARGAS* A 800 RS. A VARA.
O Pav5)'tem cambraia branca transpa-
rente de boa qualidade. com 8 palmos de
largura, que apenas precisa 4 varas para
om vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
fioissiraa da Escossia tendo a mesma largu-
ra, que vende a 10600.
GAMBRAIaS BRANCAS A 45000 E 40500
0 Pavo tem pecas de cambraia branca
transparentes com 8 i/i varas que vende
pelo barato preco de 45000 e 40500, ten-
do tambem muito finas de 50000 at
100000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 30500
a peca at a mais fina quo vem ao mer-
cado.
CORTES D'ORGANDY A 40000.
0 P^vo tem cortes de orgaody branco
com 8 1/2 varas que vende pelo barat > pre-
co de 40000, assim como flnissimo organdy
branco com lisiriobas e qoadriobos o me-
Ibor que tem vindo ao mercado e vende
pelo barato prego-de 720 rs. a vara.
Crosdenaples preto e de cores.
O Pavaj tem um grande sortimeuto o
grosdenaples e gurgorao preto para vestido i
tendo de 106O) o covado at ao mais su
perior que costuma vir ao mercado, assim
como um grande sortimento de ditos de
todas as cores e branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven-
de por precos muito em conta.
Poapeuas de seda a 9fcOOO
O Pavo tem um ejegante sortimento de
poupelinas de seda tanto lisas como lavra-
das as mais modernas que tem vindo ao
mercado e vende a 20000 o covado.
ESPARTILHOS A 40000
CACHENEZ a 40, 50 e 60000.
0 Pavao venda esparlilbos de todos os la-
man bos a 40 e 50009, cacbenez parisiense
com delicado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANBLLAS.
a 80, 100, 120 e 160000.
O PavSo tem om.grande sortimento de
cortinados ricamente bordados, proprios
para camas e janelias que vende de 80 at
160000 o par.
Pegas de cambraia adamascada cora 20
varas a 100000. crochet ricamente abordado
para cortinados a 10500 o metro. Aesimcomo
ricos damascos com 6 e 8 palmos de largu-
ra proprios para colchas de camas e tam-
bem ricas calchas de damasco a imitaco de
seda e ditas de crochet as mais lindas que
tem vindo ao mercado.
MSSELINAS DE CORES A 400 RS. O
COVADO.
O Pavao tem um bonito sortimento de
musselinas de cores, padrees inteiramente
novos e cores Dxas, que vende a 400 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roupas de meninos a 7iO-fg.
o covado. Crotones de cores muito encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO. ,
O Pavao tem ama bem montada olicina de
allaiate, administrada por um hbil mestre
nacional, aonde se manda fazer qualquer
obra de encommenda, tanto para homens
como para meninos, garantindo-se a promp-
tido e aceio em todo o trabalbo, e no mes-
mo estabelecimento encontrado os respeita-
veis freguezes todas as fazendas proprias
orno sejam paanos de todas as cores qua-
diades e precos, novas casemiras de gosto/
re ns brancos e de cores, assim como todas
agfazendas proprias para fatos de loto.
CASAQUINHOS A 150,180 E 204000.
O Pavao tem um grande sortiooeato de
ricos casaquinhos de seda preta muito bem
enfeitados e modernos que vende a 150,
180 e 200000, sendo fazenda da muito
mais valor, assim como rices chales pretos
bordado com franjas largas de retrox a
4I.OOBAOS1
O PavSo tem pegas oe *igM&esqbo>maito
boa quada^e fue ende pele tMrato prego
de 30*00 a pep.. Ditos na^w siBrores
de 40000 para cima. flgeadslhlFenfes-
tado com a largura precisa partmn^rencol,
sendo liso mtuto eBeorpatfo 9* 'flttr*. o
metro e dito eotrangado com aaiesaulart-
gura a 10280 avara. .nt-
BRAM\NTES.ii#60e 1,18009 1*10.
OPav3o ten\. superior bramante de al-
godao sendo preciso para om feneof apenas
um e nejo metro e airdea i40t(r fffSOO,
e de linbo fazenda muito encorpada, com a
mesma largura a 200^0 e 20500, dito fran-
cs o mais fino que tem "indo ao merca-
do a 30000, 30600 e 40000.
ATOALHADO.
O Pavao ende superior atoalhado a 106OO
e 20000 a vara, di de rmbo fazenda muito
superior de-$$000 para cima, sendo ada-
mascado.
Pazeuda para lata.
O Pavo^em um grande sortimento de
fazendas pretas para futo, como sejam:
Meciod preto eea-6 -palmos de largura
para vestidos a 21008 10500 o covado
Merinos pretos e de coniSo para todos
os progos e diuerentes qualidades.
Bombasinhas .pera todos os prego*.
C'arrtas e.alp.icas.pretas. Uasmhas pre-
tas ou cassas d ta da 360 at 500 rs. o
covado.
Cassas pretas francezas e inglezas de to-
das as qualidades.
Chitas pretas francezas e inglezas de 200
rs. para cima.
Crppe preto para veos;
CASEMIRAS PARA CALCAS A 40, 50, 60,
70 E 80iiOO.,
0 Pavao tem om grande sortimento d
cortes de casemiras decores' para caigas,
sendo os mais moderos que tem viodo ao
mercatfo-B Traae^e'' de 40 fe. I0OOO o
corte, ditas a pecas reaceas. e inglezas
para ca'gas, Daliots e colletes que Vende de
10800 at-60000 o covado, ditas escota a
prova d'agoa que vende a 50 o corte ou a
30 o cova.to. sendo estas casemiras muito
proprias para meninos de escola por serem
escuras e de muita duraco.
NOVOS VESTIDOS A 50000.
0 Pavao tem lindos cortes de vestido de
finissimas cambraia* com bonitos bordados
de cores e tambem iodos bordados branco
que vende pelo baratissimo prego de 50000
cada corte, grande pecbincha.
PANNOS DE CttO .H PARA CADE1RAS E
SOPHS.
O Pavo tem um grande sortimento de
pannos de croch proprios para encost de
cadeiras e de spbs, assim como um rico
sortimento de tapetes de lodos os lmannos
proprios para alas.
MADAfOLAO BARATO A 40. 40500 E-50.
O Pavo tem pegas de madapoiso com 24
Jardas ou 20 varas que vende a 40 e 40500
a pega, dito muito fino e largo de 60 para
cima, dito francez do melhor que tem vindo
ao mercado, assim cono dito flnissimo em
pegas de 40 jardas,
Curtes de chitas.
a 106XJO. 20000 e 20800.
0 Pavao tem cortes de chitas francezas
com 10 covados, qun vende pelo barato pre-
go de 10600 e 20000, ditas que vende a
160, 200 e 280 rs. o covado, tambem tem
um grande sortimento de ditas finas claras
e escuras que veude a 280 e 320 rs. o co-
vado e fiaissimas percales miudiuhas propri-
as para camisas, vestidos 6 roupas para me-
ninos que se vende a 360 o 400 re.
LENCOS BRANCOS.'
O Pavo tem lengos brancos abanhados-
qoo se vende a 20400 e 30. a duzia, ditos
grandos de murira sem ser abanhados a
30200 rs. a duzia; assim-como bonitos lon-
gos bordados para mos.
ROUPA PARA HOMENS.
Sobrecasacos de panno preto fino sendo
muito bem feitos de 120 at 400000.
Palitos de panno preto fraques e saceos
de 80 at 120000.
Ditos de casemtra de cqr de 69 al 120.
Ditos de alpaca prefa nrt*iek a 60000.
Ditos de dita branca e d coras 90000.
Ditos de brina .linbo macado a 0000.'
Caigas d casemira ouu de 6000 at
120000. W
Dito o algodao a i J300 a vara. *
atotrbado de dito e de linho coro 10 palmos de
larcura a UKOOe 34.
Toalbf *lcohoadas para rosto a "i a duzia.
Ditas de linho do Pollo felpadas a 10*000 a
daza.
Gaardanapa de linho a 34 e 4* a dada.
Coberus de .chita a U e 2500.
DiUa de chita adamascada forradas, i, ifioOO
ewwa.
Oetchas de. damasco da crts a 4jt C*.
DitaS de fustao alouchoadas a 84.
Cobertas d'e la eeara* a i i.
Diasde alajadld bratcaa a 1<00.
Colleirinhos de lino. a 500vrs.
Chales de meric lisos pretos e de cores 2*000
'34000. 11 /"
Dites estampados de raeia casemira a 2>e
I45OO. '
Damaacos de cores a $10 rs.
Lencos brancos de --a Unos, 2, 24500 e 34
a duzia.
Ditos ditos e de er abaiohado largo a 34 e
ijmo a duzia.
Ditos ditos de camit:. ia de tioho finos a 64 a
duzia.- ,
Diloe deesgaio de bo.a 4*, 44500, 54 e 61
a duzia.
Bnm Angola a 640, H)-e 10000 o eorado.
Brins de lrah de c a 50J rs. o covado.
Cortes de mete casimira para caiga a 14200 e
14400. ,
Ditos de casemira p. a caiga a 3*500, 4*500
5*400.
Casemiras de cores d duas largaras, 24, 2*50
e 34 o cavado.
Dilas pretas, duas larguras a 2*500 o covado.
Pao fino preto e azul a t*, 2*500, 3*000
3*S0..
Dito dito muito fino superior a 5, 6* e 7*
covado.
Lans e alpacas de cores para vestidos a'100
300,.6O0, 700, 800 e 14 o eotado.
Toalbas coro labyrotoa para bandejas e para
rosto a 84,10* e 15*.
Camisas de flaaella branca, e de cores 24,
24500. 34, 3*800 e 4*800.
Grosdeoapoles preto e de cores t|, 3* e 1* o
covado.
DSo-se amostras com penbor.
Vende-se tambem grande qaantidade de roupa
feii e par medida por pregos touio reduzidos.
%
FIO
Para saceos e foguetelros.
*ARA ASSCC1R
jl CERVEJA DE. MARCA
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazera os someros estampados
oas pecas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em casa de
T. JEFFERIES & C.
46 Ra do (Pummercio 46
BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em cada peca om blhe
te cea o uome
. .DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES t C.
at 80000.
Ditas de brim de liobo da cor para todos
os precos e qaalidades.
Camisas fraacezas e inglezas cora peitos
d'algodo de 06OO at 50, em duzia ven-
de-se mais barato.
Ditas de meia da 800 rs. para cima.
Ceroalas de liobo a algodao, francezas e
feitat na Ierra.
CallariahM de papel, algodlfr e liobo
que se vende muito barato paradjmfdar.
Para noiwa.T
0 Pavo tem rico gurgorao de seda, bran-
co. Grosdeoaple branco oilo eaaorpado
Agraciantes brancas oom RsMa de seda.
Poopelina brancas daaada toe e lavra-
das Sedal brancas, lav/a^as e lisas. Ca-
pailas com palma da {loe de laraoga coa
rteos: veos aordados, qoVtado se tenfle mais
barato do que em ootra goalquar parte.
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Basa pomada que to bons resaltados tem colhi-
du as pessoas que delta tem feito uso acaba de
chegar para o sea deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomeu & C. ra larga do Rosario no-
''' _________mero 34-
Bazar universal
RA DO BARQ DA VICTORIA (OUTR'O-
RA NOVA) N. 52.
Acaba de chegar para este grande estabeleci-
mento om completo sortimento d machinas de
costura da todos os autores conhfcid;S, os qua es
garantem por annos as ditas macbioas, e se ven-
den'por presos tSo razoaveis que a todos agrada-
ra, cajos oreos sao oa seguintes: 40*. 60*, 80*.
*. 1204, (304, 140*, I6O4, 180*, 00*. 220*.
150* e 300*. Garante-se aos compradores a boa
qualidade de trabalbo, e obrga-se a en-inar tan-
las vetes qoantas sejam precisas para bem com-
prehender-ss. Vende-se tambem pegas e mais
perlences de sebresatentes para as mesmas machi-
nas. Previne-se desde j que f se va ao cha-
mado para concert e ensino de machi oas das que
forera compradas oeste esubelecimenio.
Farioha demilho.
E' este o distintivo de urna nova e tem montada
loja de joias, sita a ra larga do
Rosario n. 24 A,
Os proprietarios deste alegante estabeleci meato tendo em vista o esforcos (rae
flzeram para o eollocarem as condiccCes de nma grande elienlella, faluriam ao mais
y rigoroso principio se nao viessem as eollnmpas do jornal scentiticar ao respeitavel pu-
blico, que no me*mo estabelecimento enconiraris sempre o mais completo sortimento
de jolas, como sejam : brincos os mais modernos, para adornaren) as lt'\",t^u ora-
Ihas do bello sexo, e que se vendem a 8, 9 e 10* o par, ditas para mraiaaa a 5 e 04,
ditas de eoral, obra de aparado gosto a 3 e 4*. Voliinhas de coral coas cruces de oaro
a 54, broches modernos de 3 a 134, ditos com pedras e em sua devidas eaixinbas a
10, 11, 16 e 204, rosetas lisas, porm bem trabaluadas, de 24500 a 9*. ditas com
pedras de 4 a 154, eacoletas a 4*. ditas com insaripcas a 615C0, anueis de diversos
goslos, e com bonitas pedras a 2, 3 e 44, ditas de pepolaa, esmeraldas rutas a 6*,
ricas crazea de esmeralda e rabio a 12,14 e 164, ditas de onro e coral cora vistas pho-
lographicas a 3, 4, o, 6 e 7*. ligas da coral a 24, cadeias para relogies a 20*, dinas a
6*500aoitava,guan>ico8s com tres botdes para aberturas a 44, dito3 e pedrtahu a3*500
o pal? ditos para pnnhos os mais modernas a 7 e 84; alera de om variadsimo sortimen-
to de jolas de apurado gosto que recebem por lodos os vapores da Europa ; como
se{am : brincos, bracelete?, alfiuetes, aderemos completos, Cruies, roletas, atrais da
brilhantes, esmeraldas, perolas e rubios. Medames, tollas, Iraneelins, anneis com lat-
irs e de diversos modelos, oculos e pencinez de onro e prata doursda, relogios da on-
ro e prala.de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanhos, ricos palitei-
ros e faquelros, colheres para cha e sopa, maracas para erlaneas, e ama inttnidade de
objectos qoe seria enfadouho mencionar-ge.
Os proprietarios da Flor de Oaro garantem vender mais barato qne em ontra
qualquer parle, para qne estar aberto o estabelecimento das 6 horas da manba aa 8 da.
Dcute.
,var

RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Teodo-se resolvido d'ora avante vender-se neste estabelecimento todas as ftxen-
das existentes no mesmo, por precos qne todos admirarlo, acno de meo deter partici-
pa-lo a todas as Exreas, familias em geral, afim de virsm visitar este estabelecimento
ou mandarem bascar amostras, garaotiodo-se-lhes um bom sortimento de faaendas de
algodao, la, linho, e seda, emfim urna infinidade de artigos de moda*maodandO-e i
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qoaJquer fazenda para veram
on escolherem. w
As pessas que vendem em menor escala podero bem sortirem-se neste eatabe-
lecimeuto qoe vender pelos mesmos presos que em qualquer casa importadora, tecdt
a facilidade de comprar qualquer porgo.
O 65 tem um completo sortimento de roup;is bem acabadas o que vende sor
presos mnitissimo c mmorios, mandando tambem fazer por medica toda e qualqier abra
que os concurrentes desejarem para o que tem um dos mais habilitadissimb mastre
alfaiate, cortando por um systema inteiramente novo.
Os annuocios nesta pra^a esio epor certo devemeslar d8sacraditadlssimos,.poia
que ba casas que annanciam aqoillo que nao teem, o que o 61 garante nunca dar-se em
seu estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para grabar
g ande nomeada em todo o mundo.
O 65 ada desnecessario mencionar os precos de suas fazendas pois que isso tor
naria-sa demasiado magante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso seo au-
nando, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muit,
barato mister encartar suas despeas. A sinceridade dos tratos do 65 julgo qna j c
publico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aquillo que anaoBcia.
n5o verdade ?
E" INTIL, NAO SE CANGEM, COM 0 65 NINGEM PODE G0MP
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)



56 ABa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS

Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e recommea-
dado pelos grandes depsitos e bons'sortimeotos cem que sempre prima em ter dai
melboras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para algo
da, desde 40 60 sorras, e bavendo em todos os tamanhos diversidades de syste
ms e melboramentos pasa perfeito e rpido descarocamento; tornam-se dignas da
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qoaes, alm disto, encontrarse
ambem mais:
Apurados vapores logomoves, de torca
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para vanea e la-
deira.
Carros de mo para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Dites de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guardas comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarracbas para fazer parafasos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para eozinaa.
Temos de bandeijas Anas.
Correntes para arrastar madeira.
Cyliudros americanos para padaras.
Pertences avalaos para machinas.
Salitre refinado.
Breu soperior.
Moinhos de diversos fabricantes pan
milbo e caf.
Debulbadores para milbo.
Azeite de spermacele para machima.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chombo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
.
Em flm muitos outros artigos, qoe s avista e neste estabelecimento podero se/
examinados.
Vende-se farinha de loo moida a vapor dia-
riamente, pelos precos segantes : grossa, para
Ditas de bnm bronco de linbo de bffOOto ang, Pintos e passarintps a ItO rs., para caogica
pao de provenca a li rs., e para cascas a 140
r., em arrobas mais barato : aa raa do Coto-
vello D..5. ^ n
v^_ CASAS.
V>ny-eo duas casas terreas na fregaezia de
aiaaiJalnDiOy muito frescas por nao terem casas
defrMRr, emn communicaSes internas, tendo tres
salas, gabinete, cinco quartos, quintaos e cacim-
ba : trata-se ra Imperial sobrado n. 98.


I
10d ff 12^(000.
A loja do Pavao acba-se constantemente aborta das 9 toraa da manbaa at as $
poras da noita, roa da Imparatriz d. CO. /
A 13*00
Veade-ae velas la mpafe.
cadas, com o sokuaSeaio com
ma: aataa^Yitafio,.^
Haps
r0al
Cavallos.
eroarla da Cmz n. 1
prlQo afmmaJo.
ttieift a 80)
Yeade-w mantelga ingleza flor JWO rs.; no
Ftufrel do Pateo do Carino n. 9.
GRANDE NOVIDADE
Resuscitou a grande liquidapo do arma-
zem e lpja da ra do Duque de Ca-
xias n. 29.
Cambraias transparentes de 2500, U, 3*500 e 4^1 a peca* Daa Victoria de #,
4*50-a d* a peca. Dita *de forre a 25200. Ditas de cores a 200, lOeSOrsvo cova-
do. Chitas de cores claras e escarasa 240 e 280 rs. o covado. Ditas percala fitoajaO,
360 a 400 rs. Pegasde madapoUo fiaos i 4A 4fl00, W, 5d50 e 60. Difll f
sinho, a 20500, H, 3)91500, 4*500 o 54. Ditas marca T, largo, a 30300 i
listra da seda a 400 e500 rs. o covado. Alpacas de seda finas, a 6u0 el
do. Lindos cortes de casemira da cor a 5*. Ditos de meia casemira a 1$
tapes de mofo a i*. Ditos de brim pardo trancado e liso a 1. Brim pardo trancado fi-
no a 280 rs. o covado. Gangas de cores, a 320,360, 400 e 500 rs. o covado. Chales de
merino liso de cor, a 20 ** 2*500. Dito* estampados a I*, 4*500 e 5*. Ditos prtdoa li-
is a 24500. Ditos de tasemira de cor a 2*560. Chapeos de 08j*2.?.S?Lc^P f,a a
500. Dlms db merm preto a 3*500 e 4*. Ditos de castor *3WV*5r.T)Rds (ftbafi-
a 1*120. Laos da cissa com barra de cor a 1* e 1*200 a duzia. Cobartorea da al-
godao a l*2Q0e 1*400. Ditos adamascados a 2*500. Setim branco a 400 rs. ocovado.
Alm destas fazendas tem muitas outras que seria impousivel menciona-las.
_ i
A'
rtt


*m--
yW^m immmm*

**

Di&ri d* l^tmambaco Quinta feira & de Outubro i 1871.
*

DO
CYSNE
DK
i'

FIGUE1RED0 ft LOPES.
64 RIJA DA 1PERATRIZ \ U
Os proprietano8 deste importante e sympathico estabelecimento de fazendas aas,
vem vmt ao respeitavel publico e par tica rmente a sna numerosa fregaezia, que o
CYSNE acaba de sortir-se de todo quanto ha de gosto e moderno em fazendas Unto
para bomena como para senhoras.
V ocioso citar qae os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
Cnei espirito altamente conciliador dos interesses alheios com os seas, teem sempre
aegaido o magnifico systema de offerecer venda fazendas de todas asqualidades e pre-
cos relativos de forma qae fcilmente podem fornecer arligos de sua casa accommodados
i todas a* fortonas e meioa.
E obra todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
eqaencia da sinceridad e barateza com qae negociam os seas proprietarios.
No loivavel mpenbo de justificar as suas operacoes convidam as Exmas. familias
a tiritar a vrapatbica loja do CYSNE chamando as attenc5es do publico em geral para
as Mgninte especialidades e precos,
PARA NOJVAS.
*
*
i

,
H
-
V-
Vos, capellaa, sodas e popelinas Drancas
de corea, g dada*, todo caprichosamente escoltado e
pan varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Faada lisa de ama s cor, de corea di-
versas, para vestidos e tambera propria para
tombras.
CAMBRA1AS
Transparentes de 8 t/t varas desde
1*5500 at 85 a peca. Victorias muito Bnas
n 4 at amoo.
CORTES BORDADOS
Fazeoda branca de delicado bordado
Oaiios precos acompanhada do competente
Ignrino.
LAS
Variadis8imo e rico sortimento desde a
a lisa barata de 4 al a de listras de seda
miis cdra qoe pelo preco que vendemos
por assim dizer de gran vi*ta do gosto
s qnalidade.
BAREJES
Lindos padroes aos precos de 360 e...
400 rs. o covado.
SAAS BORDADAS
A* qae o CYSNE vende sao bellas e su-
swiore*.
LVAS
As melbores e mais procuradas luvas de
/oovin, brancas e de cores sao as que o
CYSNE expoe a venda.
BALOES
De crotones com babado e bordado, di-
tos de arcos a I5u0, pecbfncha sem rival
eo genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
n precos de padroes modernos e cores fi-
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e larguras s
o CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. at 1(5300
corado.
ALPACAS
Lavradas de 500 T6. a 10C0 o covado,
especialidade do CYSNE que nao conta com-
petidor.
MADXPOLES
Francez de 24 jardas de 8$ at 10000,
ngU'Z de $4 al 85000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largura, dito estrello.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a IO i a peca.
ATOALHADO
Da liobo adamascado, dito de algodao
muito finos, bramante entroncado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SET1NS
Para todos os precos e diversos pa-
drees.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peitos colarinho e
punbos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, canto, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos que s o CYSNE vende-
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 4 6 10500
o metro, gangas de 400 e 440 rs o cova-
do, e tambera temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para homens e senhoras dos melbores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e bran-
cos e mais baratos que em ootras loja.
MEIAS
' Para todos os tamanhos e qoalidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 12a es-
pecialidadedo CYSNE.
Desculpem os nossos fregueses termos siao um pouco extenso na narracao de al-
lomas novidades pois com quanto seja nosso interesse tambem o dos nossos fregue-
ses qoe querem e gostam andar na moda.
Ra 'la Imperatriz n. 64.

FUMEN & LOPES.
Y.
JOAQUIM
LOPES
MACHADO ft C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padarta.
Carros de mi para conduzir fazendas.
Machina para descarocar algodao.
Polias de diversos tamanhos.
Canos de ferro galvanisados para enca-
namento d'agoa. -
I
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-chova de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Pontas de langa.
Gales de seda para o forro de dito, es-
tratos e largos.
Pregos de cabeca de marfim.
Escovas para dar graxa.
mmmi
19 Rna Prmeiro de Marco 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em qae teem o sea es-
tabeiecimesto,
19=-A ra Prmeiro de Marqo19
com aquello asseio e elegancia desejavei, acham-se agora prvidos do mais
explendido sortimento de fazendas finas e modernas de
SEDA, LAA, LINBO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
AMIGOS ESPECIAES DE SA CASA
Grantem, com toda
a sinceridade, vender
por menos que qoal-
'
quer outro, porque

receben" em direitura
a maior parte de suas
ttrtnon
19 RA1." DE MARCO 19
(Anfiga rna do Crespo).
CASA
. HARIRKR,
Pharmaceutl<-o privilegiada
**%, suceessor *
loulm-anl Sebastopol, 5. PAMS,
NOVAS ESPECIALIDAD^ A. IYIARINIER
*l>raseMMlM i AcatMii d ScietieiM e le hutituio e frnc.
. i. ~~-~'
I N I C AA I* Sob i form de Pulula, devedid dtente para <'$er *
irttfCUU/IV momento ama solad io FBBVEirriVA E CtTHiTIVi dfcf
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
HtETTAD.IUHTDA do volume de um relogio, servixk
I.WMj I (MI I IIIL I lili de Piiutuo e Seringa sem os
(Jraves inconvenientes de fragilitlnde.
EST0J03 \""' ^W&ffiSW**"**"*
00IL>Ii:\?T5tt-0 Conlra as affecc1'* das palpbras, preparado sob a raesma forma.
. ------------------114*
1AJBTDA1 AWFA 0 r'1 DePosiluios gfral para o BH.tSIL I'<(lt 11 CAL
** flVWUiU %\i a3i, ru larga do Rosario. ^ PEWf^MBUCO. *
Chapas de ferro plM c^ir elc
Formas f%.ummM-^nn^^otg^nt9lxu
Arados America nos pari V5raa e ,adera
Machinas a Vapor de ^ de ^ ^m.
MaChinaS de trocar algodSo.
Trilhos de ferro pira eBgenh0l ^
Fogoes americanos
Camas de Cuno miM t pqaen.
Macacos de estiva
Cofres de fewoddMi,neeJseoros.
Papel deombrnlho
Estes artigos vendsm-ss a
casa dos importadores.
Suaw, Hawkks C,

<*r.

H. 4 BA DO BOM JCSS.
(OUTR'ORA RUANDA COZi)
.
0*0
p

|3
H

2 fe p- g w 5 m
8.* 'SS-^
f ,.
ti
ti P?
8* ^ s
8 -1?
a_, fitt o
Sf JJ P g
S -i <* S'
P 4* O

g-g S
P* tO 8'
* i S
* B g $ s-
ts s p* w
TV Ifl T
Stpfli


m m




i
Jos dos Santos
Neves &Irmaoo,a
rna Prmeiro de
Mar nico deposito em
Pernambuco.
i t5^:;
4mnen se vio om proeessofmais perfeito e que u-
ia de tal forma 'a satisfazer as exigencias mais
Taras daescripttiricio.
A toa efir tladisslma e nao precisa de cmda-
oaignm para se conservar oo tinteiro sempre
m a mesma cor, sem borra, crosfa, bolr oa sem
du estas matellas inherentes todas as tintas
tt agora conhecida?, atada mesmo dos melbores
etores estrangeiros.
Sobretado, este estimavel prodocio nao ataca, as
osas de ac, antes pelo contraro, a peona
quire nm esmalte dunrado qae, sendo interes-
nt#, 4 asss groveitoso.
Sita tinta, nao sendo espeeiaimente pan eopar,'
i comtndo dnas, tres, oa mais copias um o.m
spois de escripia ; preciso, poTm, deixr-lne
.papel bem molhado sem o enxngar com o maia-
torrio, porjoe nfo ba risco de borrar, km se
irar mais de ama copia, nao se aggional^m taa'!]
as olbas quantas copias se querem tirar, mas
M-se com o original tirar ama tantas qaantas
isdtsejam, sem que o original fique prejadieado
Mas extracoes.
Oocdrreaqul ixer ove, .para copiar importa i
Ka mteiligenca habihdade, sem a que ame-
lor ma ua u.U, e o deeito recae sempre
otrt tinta, qn6 mttitas veres .qaem metioV
tina tem. *"
A dopla qaalidade desta tinta extremamente
^jeeiavel, pcis, qae evi|a qae en qaatqner s-
rptorio naja mais do qae ama tinta para os At-
erios misteres.
quanto i sna darabildade, nao ha a oror
ItMsor (tortas pouqoswu watt '
A' AGUIA BRANCA
RIA DUQUE DE CAX1AS N. 52
(Outara Qneimado n. 8.)
A Agnia Branca tendo ja recebido parto de suas
antigs eoeommendae, em seguimento acaba ago-
ra mesmo de receber ootras, algnmas das quaes
se tornavim esencialmente precisas, e ootras se
faiem apfecjadas pr seos gestos e qoalidades,
eonro sejiaj :
Haas w flo d'escocia, abertas para senhoras
9m*Dmas.
Ditas iden com listas tambem para senhoras
s meninas.
Ditas dem maito bonitas ao gosto escocez.
Mas idem idera bwncas e cem listas para me
ninas.
Ditas idem dem para baptizados.
Ditas de algodao compridas e com listras para
meomS-
Lima pretas de seda, para senhora.
Ditas Se lor^l e de seda para meninas.
Bonitas camrsinhas bordadas para senhoras.
Fil de seda, branco e preto com flores miadas.
Dito de atgodan, liso e com flores.
Tooqninbas bordadas para crianzas.
Lindos e modernos chaposinbos de fustao para
ditas.
Pentes de tartaruga para dsembara^ar on pen-
tear.
Ditos de dita travesos para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, pequeos, para segurar o
amarradilho aos cabellos de senhoras.
Sonde sortimento de enfeites de seda para ves-
M#O
KveUas. de roadreperola e de tartaruga para
puteeira e laco para o cabello.
Bonitas b letonas para menina*.
NOVO SORTTMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
ment de Kndos e completos enchovaes para bap-1
usados e bem as sim separsdamente camlskihas
para ditos lindos ebapeosinhos de setim branco,
bordados, outros ditos com fundo de velludo, obra '
de maito gosto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinhos de se m para o mesmo fim.
HWEttNOS BtKElTES DE FtOKES,
ornados com bicos de seda, fitas de setim e Ovella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, casamentas, etc., etc
FLORES E PREPAROS PARA ELLA*
A Agnia Branca receben lindos ramos-tetTatna
finas, Unto para cabeca como para ctapAav
bem assim;
Papel verde liso e com listas para folba.
Dito de cores para flores.
Folbas de diversas qnalidades para rain*.
Ditas verdes e lostrosas, obra ni va e par jafr
meira vez viudas como amostra.
Franjas pretas e de diversas larguras pacnsam-
feitar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE 0UT1
MOLDES.
A Agnia Branca acaba de receber nos pagan
na porclo dos benitos e moderaos eoqacs grxav
des de tranca e outros moldes.
NOVO SORTIMENTO
DE
ibo\jkc :\s
A agnia branca, a ra de Buqne de Caxiaas.
52, cutr'ora do Queimado n. 8, acaba de wwfctr
nm novo e bello sortimento de bonecas de fnr-
sas qoalidades e tamanhos, sendo :
Com rosto de seda, das qae eneran, a ontra*
que fallam.
Com rosto, maos, e ps da porcelana, fo-
prias para vestir-se.
Obras le porcelana
A aguia branca tem outro sortimento de d'mr
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos'e rices vasos para r--j de arrer
Outros para joias.
Outros para iabonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua beQU.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para metas.
Bonitos port relogios.
Lindas cetinhas tambem de poreellanaw
Escrivaoias de dita.
E moitos outros objectos para enfeites de oau.
mi ^e^)
tffedBi


ARMASEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os proprietarios deste granjee bem montado estabelecimento scienlificam a*
respettavel publico desta provincia, que se achara com nm variado ecompleto sortinmMc*
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos capricho por
nm dos socios quese acba actualmente na Europa, e por isso os. podem vender mais
baratos 20 % menos de que em ontra qualquer parte. O mesmo tem contratado eos
os melbores fabricantes daquelle continente as remessas das mais ricas mobiiiaa fert
all. Na officisa tem os mais habis artistas deste genero, e por isso apto a forneeema
mobilias as mais aperfeicoadas pura as casas da provincia consideradas de prwirs
ordem. Pedem, portanto, que venbam visitar dito estabelecimento, onde encontraran
a realidade do que acabam de expdr, passando a examaarem : ricas e completas mobia
de Jacaranda, mogoo, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes cama* dt
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, gnarda fcxrp de
nogqeira, amarello, com lampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, perfil*
toilettes, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com yen^
e moitos outros artigos de gosto, que para se n5o tornar enfadonho prescindimos de
azer mencao delles, o que s com a vista poderlo apreciar.
BAZAR ACADBMIG
13 RA DA IMPERATRIZ 13
IRfflJO
DE
ULYSSES i .........
Nesle bem conhecido e* acreditado esiabelecimento, eocootrarSo nossos amigos erc*-
goezes cigarros de palba e de papel de diversos litlos & das melbores qoalidades de
fumo. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Janeiro ; e ~d*s
assim, ponteiras para charutos e cigarros, cachimbos de espuma, de porcellana, d ma>-
deira de diversas qnalidades, do louca e p de gallinbas muito finos a 20600 a dozis, ~
moitos ouiros rticos que deixamos de mencionar.
Fabrica de cigarros.
Bem atiesta a superioridade dos cigarros de nossa fabrica o grande consamo que
delles tem bavido no interior e as provincias do norte. ,Com prstela apromptarao*
qoalquer enccmmtnda,reuntienclo-a ao sea destino.
BAZAR ACADMICO
43RA DA IMPERATRIZ-13
Ulysses & Irmao
cripta soffr o choque de acido tortissimos, sem
M decoopflr; ora, se os cidos nio tem aceao so-
bre ella, maito meaos a aocio do tomao a podo
iMUnir; iato pfcraswat.
Nao so ao coauaareto qoe este mea prodacto
velo ser til ; os'profeseores dos coliegios, investl-
lajajBOdos os meios para o adiantamento dos
tem approveiudo asta tinta, qae
comrauo obwata apto para desenvolver o
gosto nos educando, em coosequeneja dabelea
ja c6r e tac*uta.de de corrar a pequea pela sna
ihjoMtu m ertempiM de enancas que baria
ttobam toma rapognaacit extrema
tVPPr^.^fM jfH#*!iu eoneajto, apoderoo-%e deltas a curiosidade e o'
t0j6 pooeo lempo *pol o seo adlaatomento
Esto tinto, par de tonto vantageo, tem ont
OO' 'WonjWiePe:i dtonqr.se ao contacto de
wntft .flJMJTOr; Cftm pois te-la em tinteiro
Iseatos'do nwaw vislumbre le otra Hoto, e evi-
iar escrever com a ptott suj a orna preparacio
deroa* e to^arfltijrei j^snalraado tato, Bio-ha
Olkerva^o.
fffSM d.annno ArltMftHn'
i casas circumspectas..a pedia t tinto om a
r.hrtim
-i. C Monteir^
ERNESTO & LEOPOLDO
N 2 D Ra do Cabula N. 2 D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de joiat qae pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a retalho e por preco
moi resumidos visto que recebe de conta propria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desecho de suas jotas o mais lindo do paij da
modas, curo de le, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, rubina, perolas,
tarqoezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto-
para igreja cerno para servico domestico. Convidamos as Exmas. familia
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias at 9 boras da noite.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras velias.
t3
Aza de mosca.
E' urna fazeoda especial para cobrir qnadros,
espelbos, retractos, etc., demasiadamente transpa-
rente e preparada de forma a evitar completa-
mente o p.
Sabonetas inglezes em caixinbas qae se vende
por IJ300 a doria.
Oolarlnhos e pannos de papel.
Veno-aa no Bazar da Victoria roa Nova n 1
"~
Chegaran
moderna* aaqoinhas de crinolina, de moldes com-
rodos e modernos: receben a N
roa Dnqoe de Caxias n. 63
ova Esperanca &
ellas...
)1 para forro para a llvrarla econmica roa i* de
_ %a benito e variado sorlimeuto de
ajando e dourados para forro de sala,
oartwt|a*itea,ic.,eu.
LIQUIDACO
e' esmmmk,
Chita Usa gosto de praca a 200,140, 280 a a
o covado pechincha.
Cobertores de lia esenras muito grandes tf .
Na loto de Guilberme Garneiro da Cooboi r b
roa de Qreapo n. tft.________________
Crvqjn norma y
de superior qnalldade, e garrafas e meas, vm^
de-se em poreio e a retomo : na rae do 1""
de Olinda n. andar. _
Libras stwliaas.

rHamn
%

M^





M

'


*
\
".'

:>ia bi
LTTE8ATEA.
i
POESA RECITADA NA SKSSAO-FNKBRB DA SO
CHCD.VM^HTOYO ATH1NEU, A. MIMOIIA DO
DR AtTOMO DE CASTOO ALTES, SOCIO HONO-
HABI DESSA SOCIEDADK.
Da patiia nos horisontes. -
Negreja om vasto lenco),
Pe;dera sombras as frontes
Ante os prantos do arrebol;
os ventos ein correras
Taog-m no espado elegijs,
.CaDtam poemas dador,
E era brados a po.,ulac_a
Reclama .1 sombra que pas3a
J)a to altivo cndor.
Jiatw d Fernambuto ~ qw^
feira-5 d Outubro de 187i

Arqueja e morre ura p ela
Alm as plagas do sul,
a multiJo iaqoieta
Interroga o cea axol.
E' porque ella desconhece
O que o porvir nio esquece
Para a patria abencoar;
E' qoe ella nao av..lia
Com que tremenda iroDa
0 jer o tlenlo esmagar.
o,

/

Tombou como o cedro aa{j
Em bora negra, faial,
Herdando o sublime busto
De sua gloria immortal;
E aqoejle sorrir tritonho
De sattderradeiro sonho,
Que a tria morte roubou,
Fdra gigante um portento,
Cora) o sen ir d'nm tormento
Que a burnauiJade avitoa.
Ei-lo I Campeia mais calmo,
Onde ha rasiscrenca, ba mais luz;
Como o propheta o seu psalmo
Compcz.00 mundo da cruz.
Ei-lo arrimado ao infinito I..'.
Nao como bere da granito
Que os borneas guardas em v5o...
Ei-lo iramortal, redivivo,
Lo;g do crirae nocivo,
Que obscurece a razo.
T5o rente, o-filbo da gloria
Vio lhe a esp'ranca ugir
. Sedar nao p6de a \ictoria
Que protestou-lhe o porvir.
Cortado 1.... na fria campa
morta, extingue se a lampa
De sua fronte qutraart...
Nio !... seu tum'lo o universo,
Todo o infinito disperso
Do pensamento brilhar.

Corlou lhe o fado sroento
Sens passos p'ra Canaan ; ,
Mas o ureo pensamnto
Tem a gloria por irm3a ;
E a grata postendade
Fallar co'a eternidade
Para o renome gravar
No livro d'oiro da trra,
Que voltos, vnltos encerra,
Bem como per'las o mar.
Recle, 24 de setembro de 1871.

Ambrosio C. G. Lira.
FOLHETIM
AILHA DO FOGO
ROMANCE,
POR
H-miDU DUMAS
11
O domtor Bazilia.
(CoLtinuacJo do u. 226)
O Dr. alfas 00-0 do leito dizendo :
Deixe-a dormir. O somno Ibe dar
as forcas qoe Ibe faltan. E quem negar
que a propria borle, que tanto se teme,
nao seja mais dique un extenso repouso
que nos prepara para nova vida ? JE, es-
pere, creio que acabo da formalar.mo sys-
tema. Vamos... ntio o meu systema
deve ser um absurdo.
Qaer, Dr. para nao perdermos tem
po, que lhe d algumas explicaces acerca
da doenca e symptomas do primeiro pe-
riodo ?
Saiba primeiro qne tu do, mocinbo,
qoe, longe de perder tempo, o estamos
aproveitando. O melbor uso qoe o homem
pode fazer da sua vida applicar-ses dis*
cusses pbilosophicas. Qaanto doenca e
symptomas do primeiro periodo, disso sei
eu tanto como o Sr. Assira como ba Ieis
para o nascimento, assim as ba para a mor-
te, e d'abi resalta que todas as scienas
sao facis para o que sabe lr n'esse gran-
de livro qae se chama natareza, Deixemos
dormir sua molber, e fallemos de out-a
coasa.
Euzebio soltou um suspiro ; mas, jal-
eando qae devia prestar-se aos caprichos
do Dr. pergunton : .
E acerca do que lhe agrada mais dis-
cutir ?
- Acerca do que lhe parecer, meu ami-
goinho. Eu lauto bebo o Xrack, como o
nosso excellente Schiedaoo ; com a mes
ma indiffereDCi saboreio o Brdeos, como
o Chypre. Fallei dorante horas inteiras
com uta venenando brabma de Gaggernaut,
e, depois de esgotar os mysterios das trinta
e seis encarnacoas de Brabma, nao ma m
ressei menos com as palestras dos mari-
os capuchlnhos.
3.
OS CAPUCIIINHOS NA EUROPA, ASIA E FRICA. I
(Continaacao).
Em 1846 urna grande secca se manifes-
tou nos sertes de Pernarobuco, e, toman-
do proporces espantosas, trouxe, como
conseqcenca inevitavel, urna fome desola-
dora, sobindo a caresta dos gneros ao
mais alto ponto. O mais terrivel aspecto
se destendia por essa outr'ora to frtil
porco do Brasil. Nestas cirenmstancias
e qaando todos e9tremeciam de susto e
terror pela atroz calamidade, que deixava
antever to duros prognosticos, o bispo
diocesano pedio orna misso na capital.
Era'o remedio nico: implorar a c'eraen-
cia divina.
Ainda dessa vez foi invocado o sublime
nbeiros que ti ipolavam o junco em que
desciamos o rio sagrado.
E entfo, Dr."%ra,lou o rapaz, tentan-
do, apezar -di oppre-sso violenta e eres-
cerne do seu corante mostrar-se confiado,
ento como que se Interessou com tama-
nha promptido e desinteressa por meo
respeito, o Sr. que...
' E zebio conteve-se, ao ver que se com-
prometa demasiad*
O Sr. qae... ? perguntoo o don
tor.
E, vendo que Euzebio ficava calado, ac-
crescentou :
Quiz dizer : o Sr. que vende a seien-
cia peso de oaro ? E' isto o que o Sr.
ia observar.
Oh Dr. !
Nao cuide que me offendo. Co'a bre-
ca O sacerdote vive do aliar, o medico
da morte. Julga que se eu me quizesse
dar semelhante trabalbo, nao lhe demons-
trara at saciedade que todo o homem,
qaalquer que seja o officio que exerga, en-
gord? e se enriquece com o mal do prxi-
mo ? Mas o mal que um faz ootro, om
terceiro lh'o restitue. O que o homem nan-
ea reslitue, o bem que recebe. Mas este
assumpto distrahir nos-hia por largo tem-
po. Tornemos, pois, nossa questio. Ha
alguma cousa que eu prefiro ao dinheiro,
e seguramente assim 'succede, porque soo
demasiadamente rico, t rico, qoe nem
sei o que hei de fazer das minhas riquezas.
Euzebio encarou 00 Dr. como qae as-
sombrado.
O doutor, reparando no assombro de
Euzebio, proseguio:
Ah tem mais urna prova da boa opi-
oio que os bornens fazem da humanidade.
Espanta-se por eu dizer que sou rico. Olhe,
estas cousas nao se costumam dixer, porque
todos os ricos aodam com medo que os
qaeiram roubar. Nio porm, esta a
rulo principal. Os capitalistas teem medo,
mas de qoe se averige a origem das
saas riquezas ; porque essa origem ordi-
nariamente o roobo, a fraade, a corrupto,
a usura e oassassinio, e bem ha de com -
prebender at qae ponto perderiam do
conceito publico esses proprietarios, cujas
riquezas proveen de taes-fontes. Os via-
jantes que tem procurado as naieentes do
Nilo at ao quarto grao de latitude, s acham
lagoas e pantanos infectos, cujas emanaces
trazem a morte. Siro, meo amigainho, a
ascendente dos Albos de Ufo da Bis
apatrocinado pilo manto augoa da Senbo-
ra da Penba; e elles. que tantos testemu-
ohos j hv.iaa da lo do seu zelo apostlico
de sua exlfeiis^a dedio c5o, reeo^eram
com jubilo a Miz nova ao mesm tempo
que seus coracaes se anuuviaJam ao con i
derar tantas )resolac5as. Precedendo a
competente pastoral, Fr. Placido se eoear-
reg.n da direccSo da santa misso. Eotao
leve esa capial de presenciar o^aj'ie de ha
ranito mv'ta refarir. Dividij-ap >t trabalbo
ap.Osto!i obelas qualro hegagt4& foi elle
pan Boa-vista. Fr. (Metano pafa-e Reci-
fe, Fr. Luiz da Belfort para S. Jos e Fr
Setastio da Melii pira Santo Afltooio.
Durarau lo di^s essas raiss6*s inclusive o
da abertura. Causava vba a^miraeio a
multido de povo que afUoia e rnfuodia ver-
dadera compunco a sincendada de saoti -
mntos e a contriccao.ojne revelanaLa re-
ligiosidade do povo. Era ao espwfccolo
g.andioso e imponente alm de efficMoVn-
te froctifieador. No fim, e depois d b-
elo papal, teve lugar a assoabrosa procis-
s) de penitencia cuja recordaco ainda 1
hoje-enche de inteiro pnzer o cM-aco ca
j tboli o; vinte mil pessoas dumiaidas d
maior contricfo, ven idas pelo mais vivo
arrepenliraento. diversificando dos-instru-
mentos de penitencia, amas carregando
pesadas pedras. vol mosos madfeipos e
grandes crr.ts, .e oi.tras com cruentos cili-
cios deisando, seu sangue regare ominar
a ib. -sma trra de seus peccados, osleota-
\am como -que era soa pureza todo o aeo-
timento da f, e dav.un os mais tocaates
tesieraunbos de seos pos sentimento ao
orado unisono deSenhor Oes, miseim-
cordksntoado pelo infaligavel missb-
nano da Penha! Smiu religio regada pelo
sangue derramado as cumiadas do Calva-
rio! s tu sab^s preparar os corac5s en*
pedernidos para to doces momentos, para
lo mdiivel expraso das mais tocantes
verdades! Santos arcanos do Eterno e
bon tosa clemencia da Summa Juslica f
Apenas se tinha recolhido a procisso da
reoonciliafS') e findava" o sub-prefeito Fr.
Caetano a sua predica de despedida, copiosa
chuvj cahia sobre as cab gas ainda cingidas
pelas coris de espinos desse povo pe-
nitente G-andes mysterios I Aquelle que
nunca fechou as portas de sua caridade
supplioa fervorosa do coraeo contricto fe
descer as salutferas carnadas do mau ce-
leste sobre os filhos extremosos dos novos
Moyss. Eslava feita a reconciliaco. mas
era preciso que sua memoria dSj viesse i
morrer na noite escura dos tempos. Em
commomorac dessa data todos os res
peitos venerawl, continuqxj-se no hospicio
'ta lenha ama devocjh do Mez Mariano, do
Caraca') de Mara e do Lans-Peronne do
Santissimo Rosario, bem como a predica do
catbecismo. Fr. Gaetano e Fr. Sebaslio
tornavam-se carecedores dos mis ajusta-
dos encomios.
Os operarios nao deixaram de estar asm
pre vigilantes no trabalbo .da vinha do Se
nbor: nesse mesmo anno e nos Subseqoen
tes elles fizeram ouvir sua pa.'avra, sem fal-
lar nessa provincia, era Alagoas e Parahyba.
Foi Fr. Ensebio quem coocluio em 1848
matr z da villa d'Atalaia (Alagoas) que havia
comegado em 1846.
Fr. Serafim em 1847 obrou prodigios no
Caari e levaotou vanos cruzeiros inclusive
o da capital, que considerado o'>ra prima
pelos mestres d'arte, recebendo por isso os
mais lisongairos elogios das autoridades,
tanto chis como ecclesias'icas.
Anda nesse anoo fez Fr. Gaetano urna
e^rondosa misso em Pao d'Alho.
Em 1648 missionou Fr.- Sebaslio na po-
voaejo do Muribeca e lo estrondosos foram
os efieitos de sua palavra inspirada qoe a
mancebii de vinte e mais annos corra en
vergonhada abracar-se com o p da cruz
do Redempt >r, as aguas regeneradoras da
nova lei corrhm fluentes apagando a man-
cha do primeiro crime, o altar sacrosanto
do Deus vivo se va cheio de felize* rre-
pendimento-, que brotavam exoontanoos dos
coraces reformados de innmeros reholla-
dos, que pouco antes zombavam das verda-
des catholicas, e no curto espaco de alguns
dias j se contavam 153 baptisados'. afora
alguns assentos da cpela curada do Lorelo,
90 casamentos e 3,000 pessoas de confisso
o cMt>
qae
eB
laanaaobd i
anisn
Pernambuco em 1848 tinha lomado urna
tilude um tanto desconveniente devida a
uaas que as .paix5es polticas haviaia
ontwdo e que proaaeitiam um serio ei
lace. Eslava ento na admmisiracao della
Sin. Dr. Vicente Pires d Malla, ferio
capitular da provincia de S. Pauo/o qual,
onbecendo o ascendente dosmeios poraua-
sor;os e (Juerendo aproveitar a influencia
as capuchiobos entregou aos cuidados de
r. Placidj a grande incumbencia da paci-
uco dj provincia. Um sincero ataenti-
nto foi a resposta do apdsMo.
Sera mais detenca ell Mga(9til ch'iaMi )
para o sol da provincia e eocarreca Fr
Caetano de Mjssqi do trabalbo apasi-
guar os espirites e prevenir os males*i^
prognosticava Q aspecto tfo o>rl3 h$m
rar, laclara por demais
?t,tar *" Wmrca de Garibbuns [ por demais pr
otmo al provOlcia de I'.-rnamUuco q e Alm.di firmar
o soffria. vk ata guerra civil: e-cafre das familias o

fln? Ha guerra vih e- cafre
gada-oje roiionbr aJ povos daquertas duas
comarcas ganhon por t.l guits seus co-
N#m, qae entre etles nao s solidficou a
paz, sanio tambem d*seuvolveu acrisolado
amor palo trabalbo. Votiando para Atalaia
i foi ter com o oapita*.Pedro Ivo Vllo
da Silveira, que se achata do mo ar-
mada contra o governo em a po-oagao dr
Agua Pitia. Ah, -bem que nio pod
reduzr ao gremi- tcaM aqjalie dissi_.
spube aelle iofuadir acatamento e conQaacn.
que por ventura sea plena, se meios mais
offlcias Uvera por entura o virtuoso reli-
gioso sua disponkri.
Em novembror de 1849 foi elle convi-
dado pelo Em. presidente da provincia
para mar si a direceo da obra da edt
fica0 da tw matriz, qtu se pretenda
sse
e Seus esorgos
nao caram sera gloria, py.jae natal co&JievaJiHIDtiiade deMaeet; o ncansei
sjguiram desarmando maitas cemarcas e I missionari prompto se mostroo: maravi
' dei|arradis aos ver Iba'era vero afilan e desvello com que este
Idadeiros apriscos.
Porm se ba paUS iodomave* em toda
a coraprebenso do termo por certo a
paixo pdtica por isso que a.mais recal-
citrante em eonsequencia dos internases,
que se proraette e das ainbic5es porque se
dei&a desvaira'r. A paLivi* liberdade qoe
ella bem n3o- cempreheroe e cojij afeance-
n attinge o cootlo, -ana manejado pelas
mos a lestradaj^d^ chafes, nnduz o novo
; inoomiDensoravei aofsojos dos quaes-
er mte
Jtf.a ri-
o boa go-
diflccil s-abir-se- den* w de
precipitado. E-entrntant^a
goroanoMSta ioispennavei
vernd'dos povos.
Gara- a mudanfa-da Dolitica^
W & setembro de tM8: os Mitos que
ai.ida se conserva-ram um uro Serlo, eslado
de agitaco de nowseefttvesnarain e che-
gara- s tristes- conseaoencia? que tanto
inllufara sobre os-estiaos do> partido libe-
ral e qpic da provincia aaesmn Fr. Plac
do jai nao seachav entre-nos;.- hara extm-
mosaawoie san ti-i o- do povo, psrtiJo *3
de agosto de 848- aera- a Ita >* deixando
Fr Getonn d%*Meso; prefute ioterinoj
cura o governo da mtases.. 5fos para
compensar sua ausencia resta va na prc-
vincia P. SebastiSo, Ff. 8brafime-Fr Han*
riquea- de-S-. Pedro, atin de Ph. Eusebia
nas Alagoas e Fr.. Canina* (ratiare- em Bai
xa-verde com ordena para recolaer-se aa
hospicio. Kfl> novembro dessa aeao decla-
rou-se abertamente a. guerra cininaom toda
o cortejo de seus honrares. Os iaaansave
missieanrios sah'ram-!bn ao emcoatro com
a preponderancia da son palama e muita
alcaocaram porque o governo-nanea Ibe fia*
prodigo de elogios e dessa vez oe-dispenso.
Em-1860-diriga Pfc.losebie- a-obra da
mat.-ii.. da- capital das?Alagoa> qaando foi
atacado de ama febre epidemkia,.curia no
rm violenta que 'dn feveiero o levou
a sepultura. Macei oaorou eoatricta. a
falta do seu amigo porm ena> aecessacio
que se compri-sem asaltas anterminaajto?
do Etern-'. Seu enterro foi pemposo- em
prova. da gra4ido ose Ibe tribaiavara.
< Em ontnbro de- I84A quaoaa-a praviu
cia (Alagoas) ardia na mais desastrosa guer
ra civil chegou este religioso capuc liaho
cidade da Macei,. vindo esa um dos- vapo
res, do. norte, e poneos dias depois d sua
estada oella, teado da ser espectador de
um Baabido combate travado entre a forcas
legaes e as dissideates, vindaa do- centro,,
foi ella qae cosa o imperio de sna voz to-
cante, e do exeanoJo mm ediflcaate i>de
fazer cessar o horroroso fog > qoe crusava
as ras, correado atravez do mais eminen-
te perigo, diversos pootos, pedindo com ce
lestial candura e misericordia oesUncameu-
to de sangue e deoosicao das armas fratre-
cidas. Sabendo depois.que a villa da Ata-
laia e em geral os municipios .do centro
eram os focos donde partiam o onda se en-
castellavam os dissi lentes, com zelo verda-
deiramente evanglico voou i todos os poo-
tos, e to bem se bouve em sua misso,
>l's perigosa, que, convidaado ospo-os do
municipio da Atalaia para nem villa funda-
rem urna matriz em commemoraco do ra
pido restabelecimento da paz, foi como que
por encanto edificada a melbor matriz da
provincia. Nesse trabalho quasi concluir;
se, foi elle interrompido por urna digresso
maior parte das riquezas saben desses pan-
tanos, ainda mais. mortiferoi que os do
Nilo. Nao 09 resp;rei demasiado, porquo
aspiraes carvo paro. Quanto i mira, a
cousa outra. Eu soa um patife descara-
do. Digo qae sou rico e d'oade me vem a
riqueza. Como o doator Fausto, entreguei-
me Sataoaz; este sugeilo d me a beber
a taca da sciencia ; eu luto contra Deus;
cure, mas primeiro determino O preco da
cura, porque se recebesse dep)is de curar,
teria agora vestido, como o senhor, um falo
velho e cocado.
Pois jostamrote isso o qoe motivou
a pergunta que 6z.
Respondi-lbe, porque o que eu pre-
Oro ao ouro a satisfagao dos meas ca-
prichos. Por consegainte, a predilec^o
que revelei pelo Sr. om jOBPUpricao, e
nada mais. Fuma opio, SrlwaB-den-Beck ?
Nao, Dr.
Fax mal. O opio um "recurso ex-
cedente. Diz-se qae o opio enfraquece ;
olhe para esta miaba robustez. Dizem qoe
apaga a vista; veja os meus olhos.
O Dr. conlinoou : ^L^^^
Affirmam que encurta a existencia ;
erro, mentira, calumnia ; o opio ainda a
torna mais comprida, at a duplica, urna
vez que nos d no somno urna segunda
vida.
Mas Dr. proposito de somno, n8o
lhe parece que o de miaba molber se pro-
longa de mais ?
Nao ; bem sabe qoe os orientaei, os
torcos, os rabes e at oschins nos euciram
como pbenomenos da natareza, porque nao
fazemos o que elles fazem- E tem pen-
sado, porque, considerada a nossa embria-
guez de viobo, feia e asquerosa, i par da
do opio, suave e perfumada...
Dr. I Dr. I Supplico-lhe qae talle-
mos da Ester I
Pois bem, fallemos, j qoj asiim o
quer, disse o Dr. Bazilio. mesmo sem dis-
simular algu-u mo humor.
E' necessario que saiba, Dr. que an-
tes de sabir de Harlem j ala tinha ama
tesse persistente, que me inuuiatava.
Ah d Sr. astevt MI era ? inter-
rompeu o doutor Bazilio sem fazer caso da
impaciencia com que Eazebio sanportava
semelhantes interrapcSjs. Palavra qae
ama bonita cidade I
Encantadora, Dr.; mas permita-'
me..,
zeloso e verdadeiro ministro do culto ira
balb-ava na atm do Senhor f Em pooco mais
de om mez, e eom insignificantes recursos,
ple ella elevar tuna obra, alias grandiosa
e trabefenda por no risco sea cima da
altera dos-umbeaes-r Foi ueste estado que
a Jeixou, sendo delta coudozido para o
le.(9 de dr, onde oYvi fazer vokar ao seio
do Creador alma qae do mesmo seio >a-
bira-... o
Manei'tinbo, portanto-, sobeja rio para
lamenar-se de perda Ho- sensivel... E'
que o hura!' d capuebiobo traba deixadu
oella o signal indelevet de sua passagem, r
firmado-os titoibs- de 8ujusta gralido. A
elegante autriz-constitoe- boje una padr,o
de gloria para a-provinc e um testemu-
s lira o sot os seus aervicos.
p 3ta toa pelav.-a do seio
familiar o. mais solidos principios da
mais pura mora desvanecer e acabir \&\*
mizades antigs e raicorosas e inu'-il.sar
muitos instrumentos de morios, elle voitoa
sqas vistas paternaes para o convento de
Nossa Sanhora da Soledade. A obra qoe
elle fez nesse convento foi portentosa re-
passada da mais santa caridade; chegando
construir deoito celias para as pobres
freirs que habitavam uns casebres velbos
de taipa que, alov de arruinados, eran'
por demais ins labres, e croar onva espe-
cie dj raensaiijjde em beneficio dussa
pias e virtuosas mulheres, cuja habitaco
era coobecida pela morada da foms. E nio
satisf-ito aiada adornou. o templo cora ura
elegante frootespicio e fez assentar um im-
ponente cruzeiro do peora.
Era 1891 e 1852 missionou em Ped'A-
Ib), Tracunbaeo, Laga do Carro,Umoei-
ro, Bom-lardim, Nazareth e Palmas.
Era 18JH a celebre lei do tenso, rooppor-
turra por muitas nrz5es e principalm>nte
porque anda estavaro muito vivBs os traeos
da ultima revolta, comecava e.>palbar o
terror no seio das popol.cSas, que dehw-
ram-se capacitar ce qoe todo o- fim delta
era captiveirode seu fihos, e havia essa
ropresso abalado tanto os espirites que o
movimento revolucionario, tendo sea centro
na comarca de P5o- d'^lbo, j se estendia
pelas- comarcas dfc Nazareth. Go^aona e
Iguarass. Leuibrou-se 9 presideete de
eolio, o Sr. Vctor de Oliveira, di -hamar
,Fr. Caetano de Messioa para que cooperasse
na sdfibcai;5a daqoeMe -rugido- revolUciooa-
rio. Com tunta instancia falten que 9r.
Caetano-, logo e logo (eram cinco horas da
larde), se poz caminbo, e enejando do-
obo mponenid do zelo apostlico dos u-8pois de meia noite malta de S-. Joo, di-
W VIS iff -
attnntn i
m.tri. \
mdito V
caosaveis miRSonwrios da Penba.
Comecar*m uante anuo db 1850 f,s tra-
bamos apostlicos de Fr. Gaetano de Mes
siua. Vaio distioeto, toda- compenetrado
das bellezae dv f- e-doimnado d sse fogo
divino que s a caridade christa pode ac-
cender no coraeo do homem, elle foi o
digno succeeeor de Fr. Placido, qoe cora
desmarcdo- esmero*, e acrysolado fervor
continnou a obra da* pnpagaco da l de
maneira td que sua memotia ser abencoa-
da em toda a postendade nos monumentos
que deiiou plantados, nos beneficio- que
espargio e nas doces devo^oes quo insti-
'tute. Basta pronuaciar-se o seu nome
para completar-se o seu elegi. Pwnam-
baco todo se levanta em um s accento
para entoar o Boma- do grande missio-
uar.
Em I8.'i0 missionou Fe. Caetaao em
Olrada, onde chegou no di 6 de outubro.
Nosca o jubilo entrou em lio grande parte
no coraeo dos onndensee. Espectculo
imponente e grandioso foi por certo o de
verie no mesmo mbito da calhedral os
inimigos mais rancorosos sadarem as mos
ene abracareracomo.se foesem os mais ex
tmmosos amigo*. E to de veras era o
seotimento do povo que o co se dignou
dar-lhe um signa!, de a!lMca. No mesmo
da em qpe comacaram as santas missoes
rebentaram tres fon te-i d'igna atraz do mos
airo de-S Rento, appafico que logo o
povo qoalificou de milagrosa^ porque at
ento neniuraa agua doce havia para se
beber e porque- distavau 130 passos do
mar e- da raar pequea. Parto. dellas
levanten o incansavel missiaoario dma cruz
novav recebando no acto de assenta-la algu-
mas affertas, qoe applc iu ao concert das
ruinas do convento de Nossa Sanhora do
Garmo, para o fna-no-neou urna commis-
sio; e fez construir urna granda cacimba,
que sendo trabamadi em tres horas tor-
nou se um. monom^nto doradouro para at
testar o hior da co e um refrigerio para
saciar a sede dos ha hilantes.
D'ah seguio elle para Raberibe, onde
missionou, deuandocorao vestigio inapaga-
vel do sua passagem a institaico do Mez
Maraao e a devo$to das Dores da Maria
Santissima. e
A* 5 de novembro parti para Iguarass
e Goyanua No primeiro des&es logares
dedicou elle seus cuidados ao recolbimento
das mocas e freirs, onde faz construir-se
urna grande parede, que assz til foi para
rigi a palabra aes piquetes avancados, s
sentinellae, convidndoos deprem as ar-
mas, e ao mesmo tempe assegurando-lhes
que a lei db> eenso nao tinha o funesto in-
tuito qoe a aescia credodade he attribnia.
Ao* romper da aurora- do da $ de maio,
eslava o nosso Pedro Eremita no meio de
mais de seis- mil hornera, eom as armas em
funeral (cono signal-de- paz) e a soa voz
eligiosamente obedocida-f Tirou-lhes ?s
armas, converteu seas preconceitos em
verdades uteis, e poz todos os amotinados
mansos como cordeiros, fazendo-os carre-
jar paos, pedras e tjellos, com cujo mate-
rial restaurou, em dezenove da, duas
igrejas, a do* Rosario e- a de Santa- There-
za f Queimcu armase fez restituir muitos
clavinoles ay arsenal. Quebrou loilhares
de ponta 1 de facas o restabeleceo no seio
da pqpulaco-a confianea e a orden nor-
mal.
To brilbanta foi a victoria da palavra
divina, que o-presdante, louvandoem.seu
relatorio os eapnchinhos, arbitrava para Fr.
Caetano oitocontos de ris. Achava-se este
no interior ;. mas nao encoDtraadoj o pre-
sidente quaado regressou, officiou i assem-
bla provinsial, agrsdeceodo o testemonho
de apreco, mas renunciando a quantia.
Sao esses-os servicos que s podem ser
pagos pela voz do coraeo sinceramente
agradecido-; e bem condeca isso Fr. Gaeta-
no, quando se satisfez com a confisso pu-
blica do servico, que prestoo. Ha pouco
foi visto nas comarcas de Pao d'Alho Li-
mceiro, dizia-o Exm. Dr. Victor de Oliveira
em seu relatorio assembla provincial, o
Rvd. Fr. Caetano de Massina adianlaado
grandes- abras em varias igrejas, promoven-
do para isso subscripc5es, empregando ho-
mens e mulheres, que afUuiau. i esse ter-
vico e vendo se ajodado por todos com a
maior alegra e satisfacao. *. Era-o teste-
munho solemne de seus servicos e de sua
influencia. M3is tarde o governo geni foi o
orgio desse reconhecimeato.
No Limoeiro reparou elle com JOOOO a
matr 2:000j$000, e rostaiteleceu a moral do povo
cimentando os principios do mutuo respei-
to, condico indispensavel da sociabilidade..
Em Bom Jardim ura 1 cruel indisposico
havia coagido o paroch > retirar se aban-
donando o rebulla, que havia sido confiado
aos seus cuidadas. Comprebende-se os
riscos e as consequencias de urna tal acepha-
lia cujas razes nao nos compete aqui ven-
todos an n/cetecimento e a comprimento
de saua dnneraeVdeitoa por trra am seme-
lhante esm Haeoosai e poz de novo o
pastor tesfade su amadas ovelbas. Fot
um bullo rngozjo o da da em que com um
grande acoanpanhamento e ao lado do ex-
tremoso reconciliador fns o parocbo sua en-
trada triuaphante pela ma de Bom Jardn
qae chorava e lamenta va ausencia to des-
granada. O prazer transluzia em lodos os
semblantes e o mais vivo contentamente en-
cbia os coraoes eathpticos. Anda boje os
bomjardlnenses abenfosm a memoria de Fr.
Caetano e sentem os fructos de sene rele-
vantes servicos. 1 ** n la*.
E assim ia elle por todas as parten espa-
dando a muaificeoeia de toa caridade.
No Brejo da Madre de Oens Jevanteo nm
novo templo com a invocaejo da iiamaooia-
da Coneeico de Mara, sendo a primeira pe-
ra assenlada a 6 de outubro de 185* coan
grande solennidade, e coosnrveoda em
perpetuo deposito milhares dn pea tu da
facas e estoujuee.
Em Cimbres reconstruio qonsi om tem-
plo novo, levanten om formoao cromiro.
uni mlrimomaimeole um grande numero
de coD*bioado8, e^amda nao satisteifo.
mstituio' a devto do Mez Mariana'. J
I'i. Henriqoes, tambera capuchioho, baia
agenciado urna sobscripvo de 500.9000qo
se acbavam depositados em mo do padre
PVraino /os de Fwueired.
A despezado-templo orfaa *m 1:700o-.
mas a obra foi depois- avallada em ii:(m& f
lAlm da todos fsses grande servicos caris--
mon 3,2z6 pessoas.
Ein- principios de f 9&'.i misstonoo ana eni
Garanbun-, onde fez una nova m.tri.
cbrismou: 7.O08' pessoas- e casoo mdito*
'amancebados.
.. A povonco de Papalea baje Hln do Bom
Consekio |devedora ao infaligavei nriseiona-
rio de todo osen bem estar presente e de
grande parte do nsoubofoioro.que se Ibe
antolha. Foi om dos lugares em qoe mais
empeubou Fr. Gaetano o- sen,zelo apostlico
o sea fervor religioso.
Encontrando m 1 ostumes pervertidos e a
moral ipada da mais i 11 frece depravacan elle
forceja para rehabilitar o imperio do aora-
lidade publica, e, compreaendendo todo o
alcance do pensameuto de Leibuitz- qaando
dizia qne pela edacaco d infancia reforaaa-
ria toda o genero humano^, iestitoio omcol-
iegio para as orptas. desvalidas aoiaenmo
tempo que eucarveia aospaw de famaha a
educaco de seun-filbos faaeod conustir o
principio da sabedoria 00 temor do itamo
timar Dominiinilim snpimhw ,- e aa-lbe
laes proporcSes que acoibe bem fraooamen-
te qnalroeentas educandas. Pensament gi-
gantesco que entnou no cosario dotdo o
povo e que so poda ser concebido ase-
diado pela caridade inesiinguivel de um
Fr; Caetano! B, (cousa admira val l
dependen a exeeaco da obra gigantesca da
manifestaco do- pensarneuto de sea autbor,
porque o enthosiasmo sabio ponto de vi-
ren de vinte e trinta- legaas- prestar seos
servicos em prot do monumento, que nomo
memoria de sua passagem mes quera det-
xar o amigo extremoso, qoe em tan looga
distancia os fra procurar,.
Erigi um templo sumptuoso para o lu-
gar so ore urna base de f 50 palmos de cum-
primonto e 44 de largura,. dando>lbn a.in-
vocaciio da Virgem Sennora do Bom-Conse*
Iho. que j bavia procurado par protecto-
ra do collegio qoe insttoira com o mesmo
titulo. Tracou e levanten dozn peopriedadaa,
formando tres bellas, ras, que denominou
Sant'Agaeda, S. Vernica Jultani e S. Cae-
tano, para servir de patrimonio, ao co^agio.
juntamente com duas fazendas de tresantas
vaccas que lhe ofarton o povo e qoe elle
reservn sustentacio e ao decoro deseas
victimas furia das, tal vez ao ferrete ignomi-
nioso da prostituico. No loovavel empe-
nho le minorar s males dos nlazes ha-
bitantes e reconhecendo que a saiisfaco das
necesidades phisicas deve ser.o>n eslimujo
poderoso para a cooservaeao do eiem&te
moral elle enoanou as aguas de urna mo::
taab e levou os aqueductos d praja" d* pc-
voaf3o antiga, e ao centro do collegio,. aleo.
de fazer dous acudes.
i

Vfc
es8e estab6lecimento. Em Goyanna foram tilar. Pois bem; Fr. Caetano, chamando
Ento, se esteve em Hiriera, conti-
nuou o Dr. ha de conbecer a famosa Ronda
de nowe da Rembrandt.
-"Siai, Dr., volveu Euzebio ; mas eu
desejava dizer-lhe...
O qae eu quero dizer-lhe qae se
lembre bem'do qoadro de que estamos fal-
lando... Obi que verdade f Qae colo-
rido Que pormenores Nunca vi cousa
igual I
MaiDr...
Soberbo !
Mas...
E* isto que lhe digo.. O nome desse
pintor ha de vivar eternamente na historia...
Oh I qae homem I Que homem
Meu Daos 1 Man Deus I dizia o pobre
rapaz quasi entre si, passeiando grandes
passos pela sala e olbando para a mulber,
que se consefvava sempre moda e im.ra.o-
vel. Mas possivel que seja este homem
o que tm feito to maravillosas caras ?!!!
E parando repentinamente diante do Dr.
como qaem toma urna deciso, disse-lhe :
Sr., examino immediatamente minba
malher.
Vamos isso, respondan o Dr.; ouca,
porm, algumas palavras.
Que sejao breves.
Oaca.
Que sejam breves, j disse.
O Sr. chamase Euzebio Van den-
Beck ?
Sim, Sr.
Esteve em Harlem ?
Sim, Sr.
E' filho de Jayme Van-den-Beck ?
Filho de Jayme Vao-den Beck.
E esposo de Ester Menuis, Qlha de
Golberme Menub, tabellio, e de Joauna
Catharina Marlier, sua mulber ?
Exactamente.
--- Irmia, contiauou o Dr., de um tal
Bazilio Mortier que se embarcoa ha vinte
annos em Harlem e do qual nunca tornaram
a ter noticias ?
Efectivamente. Conheceu esso tio
nosso, de qoem miaa molber nada sabe ?.
=
Oavi falUr d'elle ; depois couheci-o aogadaraenle.
pessoalmente. Era contrabandisla, pirata,
corsario ; nSo sel onde foi parar.
Ai, meu Deas I
N5o tenha
dravaz.
-Mas..,
Crtr qo o aniorearaw,
pena d'elle; era am la-
Dr. I
E bem o mereceu.
an. Dr. lembrese de que est fallando
de um tio de minba mnlher. Nos c os
hollaodezes costumamos respeitar nossa fa-
milia.
Oh I o Sr. um homem singular;
mas, era summa, nao filiemos do tio.
Nao, Dr. nao ; em nome do co, fal-
lemos antes da sobrioha.
E' singular a persistencia d'este ho-
mem, exclamou o Dr. como se fallasse
coinsigo mesmo.
Mas, ouvindo-o Euzebio ; qaiz respon-
der.
Eu dizia... 9!>
O que ? O qua ?
Dizia que minha muiher foi atacada
por urna tosse persistente.
Mas como o Dr. visse que Euzebio ia
continuar, proseguio :
Deixe.me dizer eu o resto ; ascrjsa-
do atormentar-me, repetindo para ahi urna
cousa que nao vale a pena.
Que nio vale a pen I bradou
Eazebio admirado.
Tal qual... Nao me interrompa.
Estou ouvndo.
Nos p: imeiros dias da viagem foi mui-
to fustigad* pela toss ?
.Fot.
Depois teve dse deitar cama ?
S'aV, Sr. .
A espectoraejk) tornoa-se m-tis abun-
dante ?
Exacto, isso mesmo.
Deixe-me -continuar.
Eu nao o inierrompo...
Se d,licenca...
Falle Dr.
No qointo da, depois da partida,
deitoa sua esposa muito s rague pola bocea;
teve dores no peito ; diminuio a tesse de
intensidade, mas as digtoes tornaram-se
pesadas. Durou est estado qoatrooa cin-
co dias, ao cabo dos quaei w aentio me-
lbor, qaasi boa. Veio o bom tempo, o
ento leve at apetite e pode respirar des-
(Conttnuar-ika),
Exacto, exacto, lado tim tim por tim
tim I exclamou Euzebio entusiasmado.
Nio me applauda ainda, volveu o Dr.
A maneira dos grandes artistas, reservo
para o fim os boas efieitos. Doas dias de-
pois de por o p em trra tornea a appa-
recer a doenca eoaQtmptomas asustado-
res, e sua esposa, cabio de cama, porque
era victima do que nos cbatnamos nm<
phtysica fulminante ; a respracao tornou-so
pesada; o sangue circula va precipitadamen-
te e com desigualdade ; os tnrbecutos con-
tinua vam a-sua obra de destruicao ; o pal-
man direito nao existia,- e o segundo prio-
cipiava a padecer ; tinha a doente de 55 a
100 pulsaedes por minuto, e de oonte at
115 e 116 ; depois foi-se lhe do semblante
a aniaiaco e enebeu-se lhe a car gas. Nao foi aiim que ludo succedou ?
Sim, foi Dr.; mas como pode sa-
ber?...
Ora adeus Eu desato a rir qaando
nos vossos precinos romances europeos
descreveis urna phtysica triste, cabisbaixa,
e a morrer por definhamenlo. Saa esposa
nio tem estado alegre n'estes ltimos dias ?
Assim Dr. ,-' misx como, apezar
das mudanzas operadas n'ella pela eofermi-
dade, eu amo-a arada, rogo-Iba que a soc-
corra ; salve-a se pode.
Mea charo amigo, disse o Dr. com
I um sorriso fatal; eu no seu caso pedira o
mesmo, mas j tarde.
Como l J tarde 1 bradoa Eazebio
encarando n'elle lerrorisado.
v J tarde, j ; sua esposa morreo
as oito e meia horas da nonte ; ao mesmo
lempo em que o Sr. bata a porta de minba
casa.
Euzebio soltou um grito horrivnl e pre-
cipilou-se sobre o leito.
O corpo de Ester eslava j gelado e ti-
nha essa regidez qae a sciencia domina ri-
gidez cadavrica.
E' impossivel 1 impossivel I excla-
ma va o desgranado abracando sua esposa e
cobrindo-a de beijos. Ah I Deqs meu.
Deas meu I Soeeorre-me, restitae-lbe a
vida I Mas nao est morta, alo pode ter
morrido sem me dizer o ultimo aatnv. E
eu a ouvir tranqoillamente o qoe anta ho-
mem dizia I Ester I Ester I Oh I Dr. por
quera I Qaando me en fot esteva ella
com o sorriso nos labios e dizia que nunca
se tinha sentido tio boa...
Assim succede sempre, pobre oco,
e a vida reserva nm sorriso para se despe-
dir do que ama.
(Cvntimtar-se-a)
TYP, DODUfUO-RU DO DUQU8 Di Cijlaft

1 Iflffl 1
-
.. /
s

vr

-
f "
V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBYNXOOVH_KV6FOH INGEST_TIME 2013-09-16T20:53:31Z PACKAGE AA00011611_12503
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES