Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12497


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANIiO XLVII. NUMERO 22f
L>

'

\
Ulk A CAIYAL ISALFS OKDE IA0 SE FAfil PON.
Por ras musa rjiaruarjoa
?* W'j diV/w fecn .
;n>r ci u^o dem.. .
Cada moaaero valso. .
WGOO
141000
no
DIARIO DE
TI
QUIlfTI FEifiA 28 0 SETEMBRO DE 1871.
fal DlinO E rOU DA PB07IICIA.
Por tres mese adiantadoa
Por seis ditos idos. .
Por nov ditos dem .
Por om anno dem ...
<400
17#00C
RMMBCO.
Propriedade de Manoel Figaeiroa de Faria & Filhos.

s-
JL*.
AO
rj Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalvea & Pinto, no Maranhlo ; Joaquina Jos de Oiiveira 4 Fho, no Cear* ; Aatoajo de Lanos Braga, no Anea/ ; Joio Alaria Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Sita, no Natal; Jos* JutM
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella d C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na YiM da Penba; Belarmino dos Santos Baiclo, em Santo Antlo; Domingos Jos da Cosa Braga,
em Nazareth; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavares da CosU, em AJas/eas ; Dr. Jos Martins Afras, na Baha ; e Leite, Serqainho d C. no Rio de Janeiro.
parte ornciAi.
tucruo da pruvlaela.

.XPSIMENTK no 1IA 16 1E SBTBMBBO DE 1871.
ACtJ :
O vi ce-presidente da proWneia, a vi.Ua do
qua representou o comraindmte superior da guar-
da u*c.oaal los muoic pios de Tacarai e Fio-
resta, em offijio do i* de julho ultimo, rdsolve,
d* ennorraidide com o artigo 65 1 da lei o.
39! Ja 10 de setembro de 1850 privar do posto
datsnents da 1' corapanhii d> atalho n. 31
do 1* iqaelles municipios o eididi Ignacio So-
am Lima. visto ao ter qj praso legal solicita-
do a respectiva patente.
O vice-pre?i lente da provincia, a vista do
officio do commandante superior da guarda na-
cional dos municipios ds Tacarat e Floresta, re-
solve nomear, fr>. comformidade com o artigo 18
da tai ii. 6J 'i' 19 de setembro de 1850 para o
batalhai n. 31 Je infamara do l> dos referidos
municipios os olBciaes seguales :
EsJo maior.Tenente quartel-raestre Gusta-
vo P rapao Rostael de Miranda.
1*. GjmpaniaTinenta Antonio Fel do Re-
;< Pialo.
V. Comjnnhia. Capital o tenenta Manoel Ca-
vj'caota de Aibuquerque.
3*. Companhia.Tenente o Inferas do i* corpo
da vallara Manoel Francisco Cavalcante.
O vica-presidente di provincia, attendendo
aa qae re juereu Maria Caadda Theodora Alves,
e tendo em vi.ti a infrmala) do doutor director
jara! interino di iastrucco' publica de 13 do cor-
rate, sob n. 331, rssilve oiiiei-la para reger
iniennamenie a cadeira de 1" letras 'do sexo fe
m.aiai da poviacio de Muribeca, mediante a
5 jJl'i;ii aanaal de 6001000 ris, at qua en-
tre en exercicio a professora publica da fregu-
zudo Afogalos, ulii naminte removida para aii.
Expadiram-se as nasessarias communicacoes.
(I.N -i >< :
Ao viieprovedor da santa casa de miseri-
corln aatorisaoii a respectiva junta administra-
tiva, a invitir almittir nos collegios de orphios
41j.ii i houverem va;a<, o raeior Joaqaim, lilli >
de D. rsula Senhorioba Moateiro Pessoa, e as
menore} Dilmira e Emilia, lilhas de Francisco
Jos Pereira da S Iva.
Ao masino para que, em vista de saa Id-
forinaco, manda entregar a Anua da Panuca
Ci Araujo o sea liltn Jlo Carlos, educando do
collegi) des orphios.
Ao inspector da thasouraria da fizenda io-
teirando-o de que, segando aviso do ministerio
da guerra, solicitou-se do da fazenda a expedi-
Sio das convenamos ordena, para que por conta
o J ii obras militares do exercicio de 1870 a
1871, seja concedido essa thesouraria um cre-
dite de 2:6534750 ris, para occorrer aos paga-
na cato* das despezar, faicas cora reparos na lor-
atela do Brum e arenal de guerra.
Ao mesmo remetiendo, para os flns cjn-
v mientes, copia? dos avisos expedido? palo rai-
nisterio do imperio em 26 de agosto ntiimo, e 4
do corrente, relativamente estrangeiro?, jae 33
naturalisam cidados brasileiros.
Ao mesmo par* informar a qaem esto afo-
rados os terrenos de mantilla entre o gymnasio
provincial, e a 1* ponte ao norte deste^ se leem
silo beneficiados, se o aforamento foi efTecluado
con a clausula de fazerem os foreiros es caes
respectivos, e fioalraente se j forano elles inti-
mados para es-e flm, e beoeflciarem taes ter
raaos.
Ao mesmo para que informe, se os terrenos
da mirialia entre a ponte da Boa-Vista e o hos-
pital Pedro II esto todos aforados, declarando
quae3 os i|ie sa achira devalles, bem como se
o> foreiros ho si Jo intimados para beneticia-los
e fazerem os respectivos caes, e se foi cumprida
essa intlmacao.
Ao mesmo solicitando que informe quaes as
pessoas, que se acham do posse da terrenos de
nurinha, se estas teem solicitado os respectivos
ttulos ; ,que aforamontos cahiram em eommisso,
o qaaes as providencias tomadas respeito destes
Por essa thesouraria mandou-3e pagar :
Ao superintendente da estrada de farro do Re
cife S. Francisco a quaotia de 11^900 ris pro-
veniente de transportes elfactnados nos trens da-
ijuelia estrada pir conta do ministerio da guer-
ra, dorante- o mez de agosto ultimo.
A' Nogneira & Medeiros a de 99^000 ris, em
qae importea o papei a elles comprado para for-
rar as talas da congrega;!) e do director da Fa-
culdada da Direito de ta cidade ; Bastos & Mar-
tins a de 1584000 ris, proveniente de urna al-
catifa, que venderam para a 1' daquellas salas ;
e ao pintor Malbeus Blpidio de Souza Teixeira a
de 604000 ris, porqus contratou collocar o pa
pal e assentar a alcatifj.Gommunicou-se ao en
genheiro eccarregado das obras geraes.
Ao gerente da companhia peroambucana a de
1804000 ris, correspondente passagens e co-
medorias, fornecidas a bordo de um dos vapores
daqae'la companhia a diversos, que form trans-
cortados de urnas para outras provincias, duran-
te os mases de agisto e setembro deste aono.
A) mesmo a de 204000 ris, em que importa-
nin as come lonas abonadas por conta do minis-
terio da marinha a seis imperiaes marinheiros,
transportados ao vapor Ipojuca desta capital para
a da Parahyba.
Ao mesm 1 a de 1124665 ris proveniente de
eomadorias dadas a bordo i u vapores da compa-
nhia, aos meces de agosto oltimo e setembro cor-
reate a diversos que foram traosporudos
de urnas para outras provincias, sendo 744332
ris por e mta do ministerio da guerra, e 384333
ris pelo da jusiica.
A' pessoa competente a importancia dos ven-
cunalos correspondentes *a> qninzeai deste mez
das pragas empregadas no deposito da recruta-.
Ao inspector da thesouraria provincial para
que da qaanlia que se acba em deposito, por con-
ta do empre>timo feito a provincia pelo banco do
Brasil, mande iodemnisar a caixa de deposito da
quautia de 50:0004000 tomada por empreslimo, e
pagar aos religiosos capuchinhos 23:0034030, _e
em ata das dividas j liquidadas, caja relacao
veto annexa ao seu officio de 5 de corrate, as
Jae se acham datadas de setembro a dezembro
a aono pastado, pertenceules Manoel Antonio
de Jess, companhia peroambucana, companhia
da reboque, contraante da ponte de Magdalena
(3* i* prestados), da de Cazaagi (2' 3* e 4'
prItcttss), empreiteiro do calcamenlo da cidade,
arrematante da illaminacao de O'.iada, e linal-
rMte brapreu da illaminaQio publica da capi-
tal, sendo a desta nao s relativa ao gaz coosu-
otido com a mesma illnmina^ao nos mezei de ou-
tuore a novembro, mas tambem com a da casa
d datMcio, a contar de jalao a setembro, a aos
aMarelhos para ella fornecidos, tudo naqoelle
aasa, e reeooMnandaado que, feito isto, informe
atido, que fieir para dar-se-lbe a convenien-
te aaaicacao.
Ao tetmo aatorisando-o em vista do que
exeat verbalmenie, a tomar por amprestiao a
cala dapoeitos dessa thesouraria a qoaotia de
WiW, que tari indemnisada, logo qoe permit-
utm u for^a do cofre.
- Aa osetao, mandando adiantar ao delegado
a lama o Boato, por iotermedio do thesouretro
a Naarttcio da polida, ouis 2004 para continuar
a icaarrar u eapetas cora o sustento dos presos
aoatai da raspeetva cadeia, da qual prestara
otas o mesmo delegado. Gommunicou-se ao
Or. chefe de po'icia.
Por essa thesouraria mandou-se pagar :
A' professora da povoacao de Qaipapa, Liliosa
Silveira da Oliveira e Silva, o que se Iba estiver a
devor de seus honorarios, bem como os qu se
forera veucendo,
A' Joio de Carvalho Soares Bran,do a impor-
tancia da 1* presiacao, qua se jalga com direito,
na qualidade de arrematante do rjlango da eslra-
dade Pimenteiras.
Ao superintendente da estrada de ferro do Reci-
te a S. Francisco a qaantia de 2154750, prove-
niente de transportes effecluados por conta da
provincia, nos trena daquella estrada, durante o
mez de agosto ultimo.
Ao Dr. chefe de polica, aecusand) a recap-
cio do officio, a queveio por copia outro, em que
o subdelegado da freguezia da Santo Antonio desta
cidade, narra o conflicto bavido entre prajas de
polica e de ouiros corpo?, e reeommandando que
proceda nos termos da lei, para que sejam puni-
dos os autores de tal facto, do qual deu-se scien
ca ao brigadeiro commandanle das armas, solici-
tndole a expedlcao das convenientes ordens, no
sentido de Ibe serem apresentadas amanbaa dez
pracas de cavallnrla, e qualquer soldado que for
requisitado por ter preseaeiad > o conllicn, 01 uelle
tomido parte.Offlciou-se neste sealido ao briga
Jeiro.
Ao mesmo remetiendo a ordem para a ad-
mrsso no hospital dos alienados da louca, qne
sa refere o seu officio de 2 do corrente, e decla-
rando quanto a das menores, Qlhas desta, no col-
legio das orphaas depende djs reiuisitos expostos
oooffldi junti por copia, 'do provedor da Santa
Gasa da Misericordia.
Ao mesmo interando o de haver, em vista
de saa intormacao, coacadido ao amaauease de,-
sa r-partcao, Joapuim Jos do Reg Rangel, o
praso de 30 das para prestar a neeessaria QauQa
do lugar de taesoureiro da mssma repartigo, para
que Tora ltimamente nomeado, devendo, porm,
entrar logo em exercicio.Conirauoicou-se ao ins-
pector da thesouraria da fazenda.
Ao commandanle superior da guarda naci
nal do municipio de OlinJa, recommeodaodo a
expedicao das convenientes orden?, para que urna
guarda de honra do batalhao n. 10 de infamara,
assista no da 29 de outubro vindouro aos actos da
(esta de Santas Cosme e Damio na sua igreja aa
villa de Iguarass.
Ao mesmo, para providenciar no sentido de
ser dispensado de todo o ser vico da guarda nacio-
nal o regente do hospital dos alienados, que per-
tence ao 7 batalhao de reserva.
Ao do municipio do Brejo declarando que,
visto nao tar solicitado a patente de alferes Fran-
cisco de Oliveira Travassos, nao pode por isso ser
elle nomeado tenente, de confonoidade com a pro-
posta, que remetteu.
Ao juiz de direito da comarca de Tacarat,
respondeodo com a ioformacao, junta por copia,
do comraaadaote do corpo de polica ao seu effl-
cu, acerca do pagamento dos prets das pracas da-
quelle corpo, all destacadas.
Ao commandante do presidio de. Fernando
de Noronha, recommendaado que, aa* primelra
opportuoidade, remeta para esta capital com sa-
guranga, a disposifo do Dr. chefe de polica, os
criminosos Francisco Barbosa da Silva e Segundo
Jos de Barros.
Ao commandante do corpo de polica, intei-
rando-o de haver em vista de sua informacao, de-
ferido o requerimento em qua o soldado desse
corpo, Joaquim Maximiaoo de Oliveira, pedia per-
misso para assentar praca ao 2 batalhao de in-
famara de linha, urna vez que elle indemnise a
faz -oda provincial da despeza que livor feito.
Portara
A cmara municipal de S. Bento approvan-
do, alim de produzir os devidos effaitos, a arrema-
tarlo dos imposto*, a que se refere o seu officio
de 30 de agosto ultimo.
Despachos :
Ascindiao Cavalcante Simoas.Dirija se a the-
souraria provincial.
Ascindino Cavalcante Simdes.Remettido ao Sr.
inspector da thesouraria provincial para pagar a
quem de direito lr.
Antonio da Rocha Accioii Lias.Certifique.
Aquelino Jos de Guiraaries Ferreira.Indefea
rido.
Anna da Puriftcacao Aranjo.Dirija se a snp-
plicanle ao Sr. vice-provedor da Santa Casa de
Misericordia.
Antonia Francisca da Hora.Subsisto o despa-
cho antorior.
Companhia Pernarobucana.Dirija-se a thesou-
raria de fazenda.
Companhia Pernambucana.Dirija-se a thesou-
raria de fazenda.
Companhia Pernambucana.Dirjase a thesou-
raria de fazenda.
Companhia Pernambucana.Dirija-se a thesou-
raria de fazenda.
Caetano Jos de Jess.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial-
Francisco Americo de Aragao Rabello.Infor-
me o Sr, engenbeiro chefe da repartido das obras
publicas.
Francisca de Assis Marques.A' vista da iofor-
macao nao le.u lugar o que requer a suppli-
cante.
Francisco Gomes de Andrade.Entregue-se me-
diante recibo,
Francisco Antonio das Chagas.Informe a c-
mara municipalldo Recife.
- Francisco da Silva Miranda.Nao tem lugar o
que requer na parte relativa a gralicacao, qoaalo
ao aluguel da casa dirija-se a thesouraria provio-
cia".
Fuldea Brothers.Dirija-se a thesouraria pro-
vincial. ^
Gerente da Companhia VV .e.Informe oSr.
inspector do arsenal de inariuua.
lrmaodade da Senhora Sant'Anna da matriz de
Grvala.Informe o Sr. inspector da thesouraria
provincial.
Jos Joaquim do Monte.Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial.
Padre Joao Jos da Costa Ribiiro.Infirme o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joio de Carvalho Soares Brandao. -A' thesoura-
ria provincial com officio desta dath.
Cipi) Luiz Ferreira Baudeira de Mello.""h-
pediram se as conveniente? ordens aa Sr. cematan-
dante superior respectivo.
Liliosa Silvina de Oliveira e Silva.A' thesoura-
ria provincial com officio desta data. -
Manoel Jos Vieira da SilvaJ est prvido o
lugar qua preteode o supplieanie.
ar qua pretende o suppiiGaue. ^
'iburiino Pinto de Almeida Jnior.Cerifique.
Tiburtioo Piolo de Almeida.Certifique.
Urania Senhorinha Monteiro Pessoa.Dirya-se a
sopplieaote ao Sr. viee provedor da Santa Casa de
Misericordia.
nPBDUWTB DO SBCRBTARIO.
Officio :
Aocommaaiaate da divisao naval do i* dis-
tricto dizendo ficar a presidencia inteirada de ter
de seguir a 20 do correle no vapor Paramar,
para a Parahyba.
bxkdwnti no ma 18 di setrmbro de 1871.
Actos:
O vice-presidenu da previoeia, aitendeodo
ao qne expox o chefe aa reparticao das obras pu-
blicas em officio te 18 sa agesto ultimo, sob n.
136, bMiHlausti i ate respeito ioformou
a thesouraria proviacial em 9 do correte, n. 845,
reaolve autorisar qm novo crdito lappletnentar,
na importancia de 1374500, varba do 5* rtico
6* da :ei do orcameato do exercicio em liquidadlo
de 1870 a 1871, para cooiiooacao do pagamento
das obras executadas no gymnasio provincial, por
conta do mencionado g 5.*
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren Jasuina Alaxandrlna de Carvalho
Pedro-a, profesora publica do termo de S. Bento,
e tendo em vista a informas* > prestada pelo di-
rector geral interino da instruccao publica em
officio de 21 de agosto ultimo, sob 0. 307, resolve,
na confomidade do art 27 da lei, n. 598, de 13
de raaio de 1864, remover a mesma professora
oara a cadeira da povoacio de Duarie Das na
freguezia da Gloria de Goiti, creada pela lei, n.
834, de 22 de raaio de 1868.
O vice-presideote da provincia, ailendendo
ao que requereu Manoel Eduardo Lias Waader-
ley, e tendo em vista a informacao prestada pelo
director geral interino da instruccao publica em
officio de 11 de agosto ultimo, sob n. 295, resolve
designa-lo para reger interinamente a cadeira de
iastrucfo primaria da povoacao de Goianniona,
mediante a gratificacao annual de 6004000.
O vicepresidente da provincia, asando da
atlribuicao que Ihe coofere a lei de 25 de ouiu
bro de 83L resolve approvar provisoriamente a
postura addicional, abaixo transcripta, da cmara
municipal do Recife, e junta ao seu officio de
2 de agosto ultimo.Expediram-se as oecessarias
comraunicaedes.
Offlcios :
Ao excellentissimo presidente da Parahyba,'
communicando que, segundo declaron o inspector
do arsenal de marinea, vo ser remettidos capi-
tana do porto d'easa provincia no vapor Paramal
doas escalares de qnatra remos com a respectiva
palamenta, os quaes foram construidos no mesmo
arsenai para a companhia de aprendizes marinhei-
ros dessa capital.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, iu-
(erando-o de que a 28 de agosto oltim entrn o
bacharel Joio Aniones Correa Lina Wanderley no
exercicio do cargo de promotor publico da co-
marca da Boavista, para o qual foi nomeado inte-
rinamente pelo respectivo juiz de direito.
Ao inspector da ihesouraria proviacial, re-
eommandando qne, para execugo do disposto no
art. 19 da lei do ornamento vigente, na parte
que se refere ao art. 19 g 4 da de n. 963 de 25
de julho do anno passado, organise e remeta urna
tabella que regule o fornecimento -dos presos po-
bres da casa de detencao, em subslitnicao da que
foi organisada em 1861.
Ao mesmo, antorisando-o, em vista do dis-
posto do art. 12 g 2 da lei do orcameoto vigente
mandar pagar a Alexandre Americo de Caldas
Brandao a quantia de 4754290, qoe, segundo o
parecer da contadura se Ibe Hcou a dever prove-
niente da melbora, que obleve em sua aposenla-
doria, na qualidade de escriplurrio da mesma
coniadoria.
Ao inspector do arsenal de marinha, eoncer
dendo a autorisacio, que solicitou para compra-
por 3:0004000, que serlo levadas a verbame-
lnoram6nto do porto,ama machina de cravar,
movida vapor, a qual offareee vida MatMal
de Nascimenlo Araujo, visto acbar-se ella em boro
estado, e ser rasoavel o preco.Gommunicou-se
thesouraria de fazenda.
Ao mesmo, autorisaodo-q, como pede, a con-
tratar os pedreros necessarios para as obras em
andamento nesse arsenal, e bem assim abonar ibes,
e aos serventes aellas empregados, jornal igual
ao qne proporcin am os pancula res, atienta a
difficuljada que ha em blelos com o de 14000,
que actualmente paga esse estabalecimento.le-
teirou-se ao inspector da thesouraria de fazenda.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio de Santo Antao, communicando,
para os devidos os, que por decreto de 23 de
agosto ultimo, foram nomeados o capito Manoel
Correa de Queirox Monteiro e Manoel Cavalcante
de Albuquerque S, para os poslos de majores
ajudanies de ordens desse commando superior,
Manrique Marques Lins para o de capito secre-
tario geral e Zeferiuo Aureliaao de Figueiredo
Mello para o de capillo quirtel-raestre.
Ao juiz da direito Antonio Adelino de Luna
Freir, inteiranlo-o de qne, seguodo consta do
diario offleial, n. 204, do l do corrente, lora no-
meado por decreto de 30 de agosto ultimo para o
cargo de chefe da polica da provincia de Ala-
goas.
Ao juiz de paz mais votado da fregueza do
Ooricury, declarando em resposta ao seo officio,
que Sea designado novamenie a 3* domnga do
mez de novembro vindouro para a raunio da jun-
ta de qnaliikaco dessa freguezia, que, segundo
affirma nao se pode insultar no da anteriormente
marcado por falta de lempo, neeessario para a
convocacao dos respectivos eleitores.Comrauni-
cou-sa.' cmara municipal.
Portaras:
A' cmara municipal do Recife, para infor-
mar acerca do que expoa u vigario capitular no
officio junto por copia, relativamente ultima pos-
tura sobre toques de sinos.
Aos agentes da cbmpaBhia de navegacao bra-
silera, mandan lo iransponar provincia do Para,
no vapor que se espera do sul, 5 pracas da pret
da armada, que sero para essa flm apresentadas
bordo do mesmo vapor por parte do comman-
dante da diviso naval do 2* districto.Comtnu-
nicou-se este.
Despachos:
Alexandrina Perpetua de Jess Mara.Informe
o Sr. brigadeiro commandante das armas.
Alexandre Americo de Caldas Brandao.A' the-
souraria provincial com o officio desta dala.
Alexandre Magno Peixoto de Alentar.Satisfa-
ga o despacho da" de jalhi do anno passado.
Antonio Paes de Laceria.Passe portara con-
cedendo a lioenca requerida, da accordo com. a
informacao do respectivo commandante superior.
Companhia Pernambuco Street Railway.Infor-
me a Sr. engenbeiro fiscal respectivo.
Francisco Antonio Chala ja.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional do muni-
cipio do Cabo.
Francisco Amancio da Silva. Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial.
Jacintha Avelina da Cruz.Pasee portara na
forma requerida.
Conego Joo Jos da Costa Ribero.Informe o
Sr. inspector da thesouraria proviacial.
Jesuina Alexandrina de Carvalho Pedresa.Pas-
se portara removendo a supplicante
deira da povoacao de Daarte Diaa.
Joaqaim da Costa Ribero.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Ma noel do Nascimenlo Rodrigat Frasca
Aprsente o supplicante a planta ao terreno da
que traa. V
Maria Candida Theodora Alves. Paisa portarla
na forma requerida.
Maria Albina da Oliveira. -Goaao requer, remet-
iendo-so este ao Sr. iaspector da thesouraria pro-
vincial para os nos convelientes.
Bacharel Ruflao AMfoslo de Almeida.-Canil-
Comniando superior.
WAUtEL SO COMMANDO SUPKHIOR BA (1UAHD A
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 27 DE
StSEMBRODE 1871.
Ordem do dia n. 36.
Manda o lilm. Sr. coronel commandante supe-
rior publicar para os fias convenientes os parece-
r* qoe a junta medica, na inspeceo de sa le,
le se proceden no dia 23 do corrate mez, na
secretaria do com de cada um dos seohores offleiae's e mais pracas
abaixo mencionadas :
i* batalhao de infamara.
Capito Augusto Cesar Pereira de Mendonca, inca-
pat dn servico activo.
Tenente Yicente Ferreira Coimbra, incapat do ser-
vico activo.
3* batalhao dito.
Tenente-coronel Francisco de Miranda Leal Seve,
um anno de liceoca para sen tratamento.
Alferes Angosto Pater Cesar, um anno de licenca
para seu traiamento.
8* bitalho dito.
Alferes Joo Domingos da Cunha Lagos, prompio.
1* batalhao de ariilbana.
Guarda Francisco Concalves de Saixas Jnior, um
aono do liceoca para sen tratamento.
Dito, Joo Augusto da Silva Freir, incapaz do ser-
vico aetivo.
1* batalhao de infamara.
Dito Joo Rogerio Xavier de Salles, incapaz do ser-
vico activo.
Dito, Augusto Baplista Braga, incapaz do servico
activo.
i. batalhao dito.
Dito, Jorge Loccas Googalves Jnior, espe-
rado.
4a batalhao dito.
Dito, Manoel Xavier Biodeira, prorapto.
Manda outro sim, o mesmo litro. Sr. coronel
commandante fazer publico qne S. Exc. o Sr. vi-
ce-presidente da provincia por portara de 20 de
raaio do corrente anno, conceden ao Sr. capito
aggregado ao primeiro batalhao da reserva Joa-
quim da Costa Ribeiro, sais metes de liceoca para
ir a Europa.
Entra de mez o Sr. major ajudaote de orden?
Jos Comes Leal.
Rodolpho Joo Barata de Alnuidn,
Coronel chefe interino do estado-aiomr.
Reparilco da palle la
1* seccao Secretaria da polica da Pernambu-
co, 27 de teteaOro de 1871.
N. 1321III m. e Exm. Sr.Levo ao eoobeci-
raento da V. Exc. que, segundo consta das part
eipacfles neebidas boje n'esta reparticao, foram
honlem recolhidos i casa de deteoco os seguales
individuos:
A' flawba ordem, Antonio Jote dos Santos, Joo
Felippe de Lyra Cyriaco e Eiequel Pompea Ter-
taliaao, como recrutas.
A' offlem do delegado de S. Loorenco da Malta,
Maaoet Lab Cavalcante e Manoel Jos da Silva,
eoma'lndiciados em erime de furto.
Av ordem do subdelegado do Recife, Antonia
Mara da Coooeieie, Anna Joaquina, Maria Bal-
larmioa e Mara Iguaoia do Sacramento por dis-
turbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Joo Lizarle,
Damio Josa Caetano, Simo Jos Correa, Hono-
rio da Cruz Portes, Jos Eazebio Rodiigaes, ao-
tonio Francisco, Manoel Rodrigues dos Santos,
Joo Fructuoso, Eugenio, escravo de Gincailo de
tal, Feliciano, escravo i< Laiz Prior, Joo, es-
cravo de Joo da Costa e Mara Cecilia de Albu-
qaerqoe, por desordem.
A' ordem do de S. Jos, Minoel Francisco Ce
sario e Jos Leonino dos Santos, por disturbios.
A' ordem do da Boa-vista, Joo Machado, por
disturbios.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm- Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Machado Portella, vice-
presidente da provincia.O chefe de polica, Her-
mngenes Scrates Tavares de Vasconcellos.
EXTERIOR.
para a ea-
qte
FRANCA..
PROCESSO DA INSURREICO DE PARS PERANTE O
TERCEIRO CONSELHO DE GUERRA SOB A I'KKSl
DENCIA DO CORONEL MKBLI.N COMPREHENDEN
DO DEZOITO ACCUSADOS.
Audiencia de 24 de agosta.
(Conlinuaco.)
O Dr. Btqot, proseguindo na ?eu discur-
so : Nega que o reo Assi dirigisse a fabricaco de
balas envenenadas ou asphixiantes, e volundo-.-e
para os espectadores que murmuravam, lem-
bra-lhes o respeito devido aos acensados, e taxa
de iatoleraval a altitude do publico.
O Presidente : J disse que aos espectadores
prohibido applaudir ou manifestar roprovaco.
__ O defensor: Lo urna carta da superiora do
conveoto de Picpus agradeeendo a benevolencia
do reo; affirma que o sea cliente commettera cri-
mes polticos e mais nada, e que se oppdz demo-
l cao da casa do Sr. Tniers, e ah nota qne o chefe
do poder executivo segundo affirma a aecusa-
co, om bomem Ilustre, velho e mui rico, e te-
dav'ia j ibe deram um milho em quanto os pro-
prielarios arruinados esli esperando a iademni-
sacio devida. Aceresceala que o reo Assi oo
recua dianle de neohom dos seas actos o cooclue
do seguate modo.
_ Qae pena idas apphear-Ihe t A de morte t E
impossivel. A de trabamos pblicos ? Nao pena
para homeni polticos. A da deporupto qnecon-
vm riscar do cdigo ? Sede hamaaos com elles e
seris justos.
O Dr. R>uselle, defensor de Urbaia : diz que
o seu clieate era bom marido, bom pai, elrabi-
Ibador madeslo, que obteve maltas medalhas como
professor, e que fazia cursos de diffarentes mate-
fas. Entrou aa revolla depois de principiada, e
relrou-sa delta antes do lira. O ir. commissario
certo sentir ter dito que elle p Tiencia as fezes da
populacao. .-4
r O commissario promotor: Bu disse qne elle
(5ra etoilo pelas fexes da populacho.
. O defensor: Folga de se ter engaada, e ac
creseeeta qae se os horneas de bem nao Uvessem
dcixado Pans, e acompaobassem os saeeeesas po-
liucos, a sua influencia seria enorme, e os indivi-
duos como Urbain teriam a qaem tomar por
oa Assevera qae Urbain, fez annullar o tribunal
marcial presidido pelo Sr. Rossell. Nega a sua
eamplicidade oaa crimes. e quanto ao dinhero do
eosioo, nao tendo a quem o entregar, guar-
dou-o. Affirma que nao havia refeos porque tal
qualidade s pode ter por origem sentenca jadicial,
e nao a houve.
O oewmiiiarw promotor: A Franca nunca
thes dar outro nome.
O defensor: A Franca poie engaar-se. Ja
exbbwknte
do sacarrARio.
OBlio:
Ao briga Ierro comas indaate das armas, te-
teiraado-o de MMr a preeldeocia aatohsato o
fornecimaalo de peeoe e vestaarlo, vaadiae pelo
sentenciado de jastic* Maaeel la Rocha QUvejra.
Jk
se engauou no plebiscito. O reo vencido e acen-
sado. Os veuaadaras ato aaora os seaa joiaes.
O Or. Meter, daeosor de Billioray: dia qae
o sea ceoie naseea em aple da paea fraace-
dea pialara a 1830 a 18WL qne
aapeis a eecaaaiaaee
oobrifoo a ser pieler de
ri aaa 19M apreaeoioo ata exneefcao
sMcUnie meemal qua foi awtUo afra-
atado. Sortela que nao. tojaoo parta oaa eruexa
daeoamiQaa,
Por serem 5' horas e meis, levanton-se a au-
diencia.
Andiencia de 25 de agosto.
Abri ao meioddia.
O Presidente: Na audiencia de humera um
dos defensores disse que uea eramos os vencedo-
res. Esta palavra nao conveaienle nem jns-
t AqoJ ha a jo>tica e os joizes. Nio ha veoeedo-
re.~. Tambem se disse que as cireumstancias- poli-
lieas sao sujeitas a mudancas. Esta plirase parece
de ameaca. Nao a posso consentir. Retirarei a pa-
lavra a quem seguir esta caminho. Faco esias
reflexoes agora porque hontem nao entend bem.
no mmenlo de as ouvir, o sentido e alcance
dessas expressdes.
O Dr. oussel: Eu referia-me aos aecusa-
dores do reo e nao aos seus juizes. -
O Presidente: B" Justamente o que eu nao-
posso adraiitir. Aqui sst a jastica, sempre a
mesm em lodos os lempos.
O defensor: Ns assim o esperamos, Sr. presi-
dente. Eu nao quiz ameagar, era por sombras. Se
pareca o contrario pelas minbas palavra?, no moa-
espirito e no meu coricao nao havia tal sentimen-
to. Ea diza que todos eramos responsaveis pe
rante a opioio publica, nVo aliadla opinio de
hoje, viva e justificadamente impressionada, mas a
da historia incorrnptivrl qne nos ha de jnlgar.
O Presidente: Muilo bem. Ento j nao es-
taremos aqui. Tero agora a p .lavra o Dr. Boyer
para continuar a defeza de Bilti ray..
O Dr. Boyer : empenha-e em atlenuar a
responsabildade de Billioray, e mostra pela folha
otlki.il da communa que elle se oppdz a actos ar
bitrarios a respeito dos presos e dos refens. Coo-
clue pedindo ao tribunal qae seja conciliador, se o
pode ser, e que em vez de abrir feridas novas, ci-
catrize as antigs.
EduardoGosset, chefe de reparticao na mai
re do 9* districto : depoe a favor de Ulysses Pa-
rea!, e refere que pelo silencio delle escaparan! s
garras coramuoiitas os 150:000 francos que havia
no cofre da mairie.
O Dr. Carat% defensor de Jourde : depois
de um largo exordio em que reprova os actos da
insurreico, leuva o aelo dos que .a combaleram, e
advuga todava a cansa da raoderaco diz que
Jouraa nunca foi numera poltico, e que se para
livrar-se da responsabilidade dos actos da com-
muna baslava protestar ou demittir-se, como disse
a aecosaclo, ah est a defeza do reo. Nota qae ha
um bomem qne foi membro da communa al 7 de
abril e que nao foi perseguido.
Observa depois como Jourde viva modestamen-
te, gastando em comida durante mea e meio 224
francos repartindo o tempo eotre o ministerio e
sua mulber e sea lilao, e tratando de resguardar
de mos vidas os interesses do thesonro. Sem a
preseoca de Jourde, realisar-se-bia lodo mal que
a communa pralicou, e alm desse os que o reo
evitou pela seriedade da*sua gerencia, salvando
todas as administraedes, e nao pedindo dinhero
seno ao banco de Franca para pagar despezas
que teriam de ser pagas por qualquer ouIto go
verno. Jourde quiz demittir-se qnando se traiot
de formar a junta de salvacao publica, e por esse
ficto e-'peto balando qua aprosenlou foi louvado
pajoa Jomaos que ento mais corajosamente se
edfpenhavam em favor da ordem, emquanto P-
re-Dukesne escrevia que en nesessario fuzillar
Jourde, Beatay e Theisz. Cooclue pedindo que se
absolva Jourde como se deixou, e cora razo, Bes-
lay era liberdade.
O Dr. Denis, defensor da Trioquet: sustenta
que operario pacifico e laborioso, que servio na
communa sem ambico, e que sahindo delta antes
das execuces nao pode responder por semelhan-
les actos. Solicita a,indulgencia do tribunal.
Levanta-se a ssso as o horas e meia da
larde.
Audiencia de 26 de agosto.
Abrio-se ao raeio dia, declarando o presidente
qua havia anda duas testeraunhas a inquerir.
O presidente : Eu perguntei ao reo Courbet
o que sa tinha feito da estatua da praia que re-
presenta A Paz. Cuidei que tendo sido da cora-
misso fiscal das artes, leria noticia a tal respeito,
mas agora o tribunal sabe que a estatua existe na
sala das escnlpturas modernas no Louvre.
Courbet : Eu disse que nao sabia, e era
verdade.
O presidente : Bem sei. Eu que ihe digo
agora onde para a estatua. E se Ibe Qz aquella
pergunla, foi por me parecer que estara mais no
caso de rae informar do que outra qualquer
pesaos.
' Re-Goiez, erapregao inferior do ministerio
da fazenda : depoe que no dia 21 de maio fura
despedido por ordem de Jourde, dizendo-se-lhe
que seria fuzilado se la vollasse. Um tal Therlieu
disse-me : Careemis de estar sos. Temos
grandes preparativos a fazer, e nao podemos con-
servado aqui. > Foram assim despedidos qualor-
ze empregados inferiores e as suas familias que
viviam po ministerio.
O presidente: E' verdade que desde os pri-
meiros dias da maio foram suppnmidas as.rondas^
de noale ? Porque foi t
A teslemunha : E' verdade, mas eu nao sei
o motivo.
O presidente : E que sabe dos valores per-
lencentes a Debroussss ?
A teslemunha : Bu avisei o governo de que
os cofres da Debrousses foram arrumbados com
ciseis, e estando escondido na escada interior ou-
vi dizer : t Livrem-nos de tolos estes valores.
Tomem-os a meio preco, e sugeitos a quem se
fazia esta proposta ra-pondiam era francs e em
inglez que esuvam all para ver o qae se passa-
va, mas nao trabara dinnAro para realisar seme-
ntante negocio.
O presidente : A teslemunha sabe dos ob-
Jectos que vieram das lulherias ?
A testSMunha : Vieram mullos. Ainda me
record de urna camellas, presente do bey de Tu-
nes, que tinham pedras preciosa?, as quaes foram
arrancadas logo.
Jourde : Espanto-ine de que um criado do
ministerio, encarregado de encerar as salas, sai-
ba tanta cousal Eu nunca soube desses criados,
nem Ibes dei servico. Tambem alo Ihe vend es-
ses valores 50 por canto menos, nega-^por qaal-
qoer outro prego. E se os taes Inmens fallavam
inglez, eu nao poda entende-los porque nao sei a
Uagua inglexa, Ea no domingo sahi do ministerio
ao meio dia, e fui depois jantar com amigos meos
esquina da ra Gay Lussac; nonta tai para
minha casa na roa Monge. Sinto que este dapoi-
mento venba ultima hora.
O presidente : Ea vou inquirindo todas as
testemunhas que se presentara, sejam de aecu-
sacio oa defeza.
Jourde : Bem sei. Eu presto homenageona
perfefla impareialidade do Sr, presidente, mas 4s/
sejava um inquerilo a este respeito.
O presidente : Sa deeja inquerito, mnde-
me por escripia os pontos acerca dos quaes desja
que se nquira.
Jomrde : Os valores de Debrousses eram 30
milh5's, qae oa Bolsa valeriam 6.
O presidente : Qaando voltoa para Pars a
testemonha ?
M-Golez : Vim com o exereito de Versali-
ta. E tenbo a declarar qae os taes homens fal-
lavam inglez nos cora oa outras e-nio com o Sr.
Jearde.
O presidente : 8 as chinellas do bey de Ta-
nas onde as vio T
A tejUmunka : Eslavam sobra a mesa dos
secretarios da Jourde qae djiiatn chamarse Bour-
goin e Rotlischd, mas j- nao tiabam as podra?
preciosas.
Jourde : En fui as toibertas e procurei evj-
Mr que tanta cousa preciosa fieesse a merca da
laoloideaea.
Tom'ei conta de tudo e un ourives avalioa ru-
do era 330S000 francos, perm, ea ache quem
me dsse 850 mil francos
O presidente: Nao sabia do safando incen-
dio?'
Jourde: Nao sabia nada.
O commissario promotor: Confesse qoe
bem extraordinario.
Jourde : Extraordinario seria que en o sou-
besse.
A teslemunha : O Sr. Merlfeu, secretario ge-
ral de Jourde, sabia ludo, mas afflrmava que o
nao poda dizer.
Jourde : OSr. Merlieu ouvia dizer, com? to-
dos, que Pars ira pelos ares. Nao sabia mais na-
da. Era um professor raui pacifico.
O presidente: A teslemunha foi despedida
pelo Sr. Merlieu.
A teslemunha : Fui. Tenlio aqui a carta.
Opresidente-, Porque razo foram supprimi-
das as rondas de noute ?
Jourde : Nao sei. Eu nao poda- oocupar ma
dessas niiudezas.
Bornis, estufista : depo i que o logo foi pos-
to ao ministerio da fazenda lo de proposit} qpe
os sentinellas nao deixavam subir qaem acudi
a apata lo. Nem o deixaram ir ao se qnarto.
Jourde Eu nao sei de laes ordens.
G Dr Ducondray : requer o interrogatorio
de alguraas teslemuohas a respeito de Ferr.
Ferr : Eu desejava qae se inteprogassenv
Verdure e Champy.
O-Dr. Laohand1, ilho, defensor de Champy :
diz que o reo operario laborioso, modesto, tmi-
do e quasl desconbecido. Gaobava mai pelo tra-
balho de qne por ser membro da communa, as-
sessdes da qual nunca fallou, e se nao se demittio,
foi por timidez. Nega que a ordem para bombar-
dear a estaco de Lyon seja de Champy.
Oeoasnstuaro promotor : Pode veriflear-s
por peritos a assignalnra.
O Dr Lachaud : E' o que eu requeiro.
O commissario promotor: Ser chamado o
Sr. Delarne.
Suspende se a audiencia por dez inmuto*.
O Dr. Duponl de Bussac, defensor de Rge-
re : Eslabelece que sao polticos os crimes prari
cades em defeza de urna idea poltica, e que Ibe.*
nao applicavel a pena de raorle.
Dia que Rgre pertencia Internacional, pe-
rm, qne esta sociedade quera nnieameBte pro-
teger os operarios contra a oppressao dos p-
trrjas.
O excedente livro Traaos Union do eonde de>
Pars explica bem como este movimenlo principia
na Gra Brelanha. Agora allribuem tuda a in-
ternacional. Desculpa o reo das aecusacoes de :?-
sassinio e incendio, e naga a authenticidade do de-
creto cuja responsabilidade imputam a Rgre. A
ordem de incendiar foi de Eudes e de Bien. Di-i
o proprio aocusado Lisboane, e que Rgre nao
3niz execuur. Elle arriscarla nisso a vir'a de sea
Hio e de sua mulber que viviam no bairro parto
do qual se devia tancar fogo. Diz que Ilegre u >
dia dos incendios mandou por um vidro novo na
janella da mairie, signal de que nao qosria in-
cendia la. Cooclue pedindo ao tribunal qae nio
seja nicamente severo, mas humano e bom.
0 Dr. Manhand, defensor de Lullier : mos-
tra que Lullier, hornera de grandes qualidade*.
como a prepria aecusaco confessou, se soparon
dos seus e fui preso por elles ; examina e discute
todo os pontos da aocusac i, a couclue dizendo
que o governo Ibe proraetleu a liberdade e que o
cooselho deve cumpnr a promessa do governo,
absolvendo-o.
Levanta -se a sesso s 5 horas e i quarlo al
sogunda-feira.
Audiencia do dia 28 de agosto.
Abrio-se ao meio dia.
O Presidente : O Dr. Marchand tem a acres-
centar alguma cousa a defeza do aecusado Lul-
lier ?
O Dr. Marchand: Foram interpretadas mal
alguma? palavras minhas.
O Presidente : Por quem t Aonde ?
O Dr. Marchand : Por mnitas pesadas, mes-
mo da laopreosa.
O Presidente: Trate pois de sar bem explci-
to ao que disser.
O Dr. Marchand: Explica de novo que o lira
do seu cliente era evitar a guerra civil e que nin-
guem o pode ter na conla de bomem venal.
O Presidente : Lullier disse qne ao principio
quera usar do seu poder de dictador para nego-
ciar com Versailles, e a del.za pareceme ter dito
que no flm elle quera fazer o mesmo.
O Dr. Marchand : O meu clieote disse aos da
Versailles que elevado de nevo a dictador, tratara
com elles para evitar a guerra das mas. Pedia as
sommas nacessarias para a guarda nacional. Pa-
ra si nada. S eslipulou que o nao perseguiran:
nem aos seus; condcao aceita pelo governo da
Versailles. Por isso eu peco que o excluara desta
processo, ou que o absolvam.
Lullier: Sou hoje o que era hontem. Eu es-
lava disposto a de-truir a communa por ter vioh-
do o progrmala. En puona-a rasa as reu-
nidos, nos jornaes, e at nos cafs onde cheguei
alguns soceos aos partidarios della. Prepara-,
va assim o movimenlo sd com os meus meio?.
Nesse tempo.fui projurado por um agente de Ver-
sailles, e accet. i o seu aoxiMo. Pedia as somma*
nacessarias,. porque dispondo dellas, ne careca,
de pretextos.
Nao as recebi por cireumstancias excepciones
que nao serta perseguido Ora ea ao acco.-o no-
guera, mas ao menos tenho direilo de qae eii de-
clarara responsavel.
O Presidente : Mandem entrar as (e.slemu-
nlvas ctalas pelo reo Feri.
O oficial de diligencias: Nao vieram.
O Di: Ducondray, defensir de Ferr: Eu que-
ra pelo depoimente deltas verificar o qae afflrmc .i
o Sr. Lasnier.
O Presidente: Mas ellas nio vieram.
Fer : Se o eonselbo quizesse ouvir oo qu
me perience os reos Champy e Verdure.
. O Presidente: Reservamos esse dbale para
qaando verem as testemunhas.
PERlffljjircO.
REVISTA DIAXIA.
V1AAJUO BARRETO. Hontem por simples aca-
so foram descobertas as obras Iliterarias 4o fina-
do vigario F. Ferreira Brrelo, eolleoeiooadas pe >
Sr. eommeodador Antonio Joaquim de Mello,
cao6adas afcattaacia da provincia na tres ou
quatro aflnos, asquees se acbavam dentro da ama
barrica ; juntamente com diversoapapis, algn*
imprtame, debaixo da eeeada qoe d eommuui
cacao interna para o jarlia poalarior. K de snp
por qae ceses papis foaaam aW eeNeeados a'al-
guroa das vexes em que sa tesa praaarado o paia-
aio para raeapeio de nanoaagem imsiea, olvi-
dados at agora.
Damos notaos omboras arovinaia, a especiii-
mente ao Sr. oommannadar laaHo, palo (az echa-
do desses importantes papis.
sociroADMWW sn"B^z* ?arw
desta sociedad? oes foi remettldp P safante
V
a
^-^




-f



dt Prnambac* ^- Quinta feira
Setembro dt 1871

4o crtente, sob
lt -*uma censura por
renden ( fasta pro
o em beaeflcio do Ly-
-me em s*tisf*xr-
qaelle jornal, deca
Tetl
Nao (oi logo
dale Dose de se
qnaado houves
promover e a su
da a provincia
Confrn
Ul os tostej
ar Isto con
Antonio Pi
JSUOi)
198*0(10
449*000
Sacie
menta
jtdode
era to-
9 nada teca de ofQ-
-ido* por ella socledade, por
Im de sua lusiitaicio. os
relro. ...
FALLECIMENrO. O paqaete ragez Oaetda fo
portador .da noticia do passamento a 25 de agosto
prximo pasudo, de /ohns O. Ryde, chafe da casa
eommereial ingleza de James Ryder & C. d'esta
Bit.
MSICA. No estabelecimento musical do 3f.
Aaevedo, rna do Bario da Victoria n. 11, acaba
ie ser impressa uma bella walsa, que lera o titulo
tJuif Errant, a edmposicao de F. Bargmliller.
PONTELHO DO JACARE'.-O pontelho sobre
0 rtaeho Jacar, na estrada de Agua Fra, acha-
te bastante armiado, offerecanlo diffljudade e
qaica perigo aos transentes. Fai-se myster qoe
elle seja reparado qaanto ante, nao r cora o flm
de evitar maiores despeas para o futuro, roas
tambera para que se nao d ah algaras oecurreo-
ca desagradivel.
INSTfT'JTO HISTRICO E PHIL030PIIICO.-
Hoje s 10 horas do dia, rene se esta sociedada
em ama das salas da Faculdade de Direito.
VARIAS NOTICIAS ESTUNGEIIUS. D;*em
os jornaes franceses que a eleici do imperialista
Mr. Rouber est segura pela Corsega. A este res-
pelto dlzem de Versailtec que algans deputados
olbara com grande appreheasao a prxima entra-
da oa asserabla d'este ierrvel caudilho parlamen-
tar.
Napojeao apresentoa-se ha dia* pela primei-
ra vez as' mas de Londres, onde fo mnito bem
recebido dos ingleses, e acciamada segundo o cos-
tme ioglez. Napoleio cora a guerra da >iaia e
o tratado de comraercio, mos'tru qui era o me-
Ihar amig que lera lido nos lempos medernos a
Inglaterra.
Til* London Gazelte, jornal de Londres, au-
nuncia que a rainha Victoria conferio o titulo de
bario i > Reino-Unido a sir Richard Wallace, em
recompensa do sen uobre e~heroico comp/rt amento
na desgranada cidade de Prii durante os das de
sitta.
Algans jornaes olham esta noueacao cono uma
nr iva de sympathia da raiaba de Inglaterra
Frang.
Os presos as diferentes cadeias da. Pars
por lerem lomado parte nos actos da commuoa,
buh) deslribuidos do s'guQie molo :
Nodepjsitoda prefeitura de polica 210 homens
e 15 mnlheres : total 225.
Era Mazas, 73 ; na Sanie, 391 ; era S. Lzaro
127 raulheres.
Total geral : 384 homens e 142 raulheres.
Julio Allis, u famoso t illa uiaad) da com-
mana acaba de morrer no hospital de Charenton,
em conssquencla de na frentico accesso de lou
cara.
Al ao dia anterior ao da raorte, a deraeacia de
Allis fura de carcter ruis suave, por que o des-
granado se coalentra com pretender magnetisar
de longe os juizesdo consellio de guerra de W-
sailles, e evocar os phaatasraas dos seus dafantos
eollegas.
Mas leudo (ido, dizia elle, ama cooversacao im
portantissima cora o espectro Oelesclnze, apods
roa-se d'elle uma raiva to espantosa, que Ihe pro-
duzio uuj aligue de aooplexia. fulminante.
No cama > de Ganova tire um bomem dos
mais velhos da Europa. Chama-se Joan Lois
Caevaliar.
Nasceu na itha de S. Domingos, ejn Jl _.
da 1765; tera, por tanto 107 anuos de idade.
Viveu era S. Dominios al aos 11 annos de ida-
de, sealo entio mandado educar era Bordeas, on-
de esteva at aos 18. Foi depois para Genebra ser
aprenda em casa de ara relujoeiro.
Ni lempo da anoexacio da Genebra Franca,
eai 1788, obteve ser nomeado secretario da prefei-
lura, enjo postodesemoeohou at i quedado pri-
meiro imperio. Ds Genebra foi chamado para
Bourg, afim de exercer cargo igual ; e era 1835,
ten lo 70 annos de idada, foi aposentado com ama
peuso mdica, que at boj* Ibe iem ido sempre
paga pelo goveroo francez.
Gosa Mr. Chevallier anda do pleno aso de suas
acul Jadas, exceptuando a vista ; mas o corpo pa-
rece ora esqueleto.
Mullas pessoas que o (eem visitado ficam admi-
radas da clareza do sea espirito e da retencao da
sua memoria.
Vinte milhas distante das Nascentes Sauda-
veis, as moolaolus Alleghany, vive ama muiher
noiavel. Chama-se Mornsoo, mas conhecida no
saiz pelo nome de Miss Jenus Rucker. Conla un>
60 annos de ida le, lera o cabello perneado como
os ii i lien-, asa chapeo de homem a monta a ca-
vado como os lumen-. O seu modo da-vida a
caca ; mata veados, ursos, etc., com a vanlagem
que Iba d a experiencia de 40 annos.
Ha algara lempo ferio ella um veado, mas antes
que tivesse tido lempo de o ir buscar, am outro
cacador apparecea e logo comecou a esfola-lo. A
v. :.i i creadora proleslou, mas em vi > ; ameagon-
o eolio com a carabina para fazer valer os. seus
direitos ; o cacador esconden-se atraz de uma ar-
vore, mas por casualidade deixou am caleaoear
exposto, ao qual a velha caladora tez pontana e
acertou no poni objeciivo; assim se apoderou do
sen veado.
Tura esta mulbor'J ou 10 fllho*; trata com mul-
ta lospitalidade todos os viajantes que passara pela
servir Mmittra por elle te evadir i^pm porfajriTM, tfWa-sa de buscar ra cada um^H
sua habtaca>.
LOTERA.A que se acha a venda a 209", a
beneficio da nova igreja de Nossa Senhora da Pe-
ona que corre no dia 30.
LEILAO. Hoja effaclua o agente Marlins o lei-
ia> de movis no terceiro andar do sobrado n. 44
d roa do Imperador, pertencente ao espolio de E.
de Paula Monleiro, s 11 horas do dia.
LEILAO.Sabbado, 36 do correle, effecta o
agente Pinto, o leilo da barca ingleza Uoodland,
is 11 horas em ponto, em frente assoeiaco
eoamercial.
PASSAGEIROS. Chegados dos portos da Eu-
ropa oo paquete ioglez Oneida :
Ctnrad Wacbsmana, Jps. Lambley e sua
mnlher, Felipne Deozel, Mlhildes Cavelins, Jos
M. Oormick, Pedro Carlos, Jos Herenen, Joa-
qnim da Silva Carvalho, Antonio Jos de Faria
Lino, CamMlo Cela y Fernandes, Augusto Fr-
retra Guimares, Francisco G. Veto,e sua irmaa,
Laiz Francisco de Mello Cavalcante. Lulz Alfredo
de Lnuf, lona Simiana, Antonio Vasco da Silva,
Jos Joaqnim Mireira Leal, Jos nas Ramos, Cas
todia Mana da Costa Moreira, Francisco Fernan-
do Isabella, Jos Mana Cela y Mosquetera.
Segnem para o sol :
Heory Spencer, Hyppolito da Silva, Jos Salga-
do ^nha, Domingos Linch do Amaral e Mello,
Jos Faunino de Barros LeUe, Jean Ponmarais,
Panl Mourraille, Fructuoso Alexaodro y Valelje,
Jos Goozales y Abaros.
CBMITERIO PUBLICO.-OWtaario dj da 56 da
etembro.
Manoel, pardo, Pernambaco, 2 meres, Recife ;
interite.
Fernando, pardo, Pernambueo, 6 raezes, S. Jos;
ttano.
Manoel Vctor d i Concedi, branco, Prahyba,
50 annos viuvo, Boavlsta, hospital Pedro II; ao-
Marcolino, pardo, Pemambaco, 45 das, Boavis-
ta; eonvalspes.
Antonio do Reg B irros, branco, Pernamboco,
19 annos, solteiro, B)avi>ta; pnearaonia. -
Maris, branca, Pdmambaco, 18 metes, S. Jos ;
eonvalsSes.
Antonio Franeiseo dos Santo?, pardo, Prnara-
baco, 34 anonolleiro, militar, Boavista; laryofi'te.
Franeiseo Xaiiv Nane<, branco, Pernamboco,
?"*8 Tiav- s- J* hydropesia.
Joio Daarte Magioario, b'raneo, Porlofal, 43 an-
nos, vtuvo, Boavista; gasirlte.
POTUCACOES A PEDIDO.
? ethodo d Mr. eonde Zaba
para o estado da Historia nal-
?ersal.
VI
Analtsando am
odo do Sr. Zaba
si e i historia do* jadeas, mudW^Fnlo podaj
_ meas ajueriora artigoa o nw-
ihodo do Sr. Zaba relativamente a historia moder-
romana, e por oooasiio d'alla rarei algans taparo*
sobre os principies felos da historia do* ootra
povos que o Sr. Zaba nao julgou dever mencionar
em sea afamado methodo.
Laocando-se ds olhos para o qaadrado que no
seu roappa reprsenla o seculo VIH ales de Cr
to, enconiraffl-se dooi svSolos prtos, o !.
grande moldara oecopaudo toda a casa, o 2.
capando apenas o .8* compartimento d'aquel
aueseacha, e recorrando-saolivrinho que
da chava ao raappa, ach -sa qoe Roma fdra fu
no anno 48 desse seculo, e que Nnma Po
fra ra d'aqoella eldade oo anno 86.
Per|autarei aos homens d k)a t ser isto de
sinar alguma coosa sobre os principios da grande
cidade qoe eslava destinada .a ser a capital d
rnaior imperio que tem havdo do otando e qoe
to importante papel tem representado nos daali
nos da humanidad ?
Onie Roma foi fundada, por quehi o foi, qae
factos se derara por occasio de. soa fundacao, o
roubo das Sabinas, a guerra que a'ahi proveio,
como acaboa essa guerra cando reaoidos os dous
povos, que conquistas fizeram elles depois, como'
morreo (lmalo I, rei tJuniad r de Roma, como
Ihe succedeu ama, a que povo ponencia, como
governou, nada da todo isto se sabe pelo methodo
Zaba.
E' a primeira vea na historia qae se, falla da
fundagao de orna cidade, sera dizer se qumn foi o
seu fundador I
Qaanto historia dos ontros povos, q Sr. 2iba
s laz'menco da queda do reino de Israel no anno
80, entretanto nao ro este o nico faci importante
acojtecilo entre os judeus no seculo VIH.
Alm de ontros, temos o assassinato do rei Zi-
charias por Sollama, que am mez depois frader-
rotado a molo por Minan -m ; tamos a.famosa
deslraico do exercito do rei Saooaccberib pelo
anjo do Senhor em orna s ooile, ato. ate.
Em os ontros povos tamos a fundacao do 2.'
imperio assyrio por TeglapSalasar, tamos o famoso
remado de Nabonassar qae dea sea nome a ama
ora colebre.bem conhecida na historia a na ebro-
nologia, teios o reinado naj manos famoso de
Salmanasar fundalor do celebre palacio de Rbor-
sabed desceberto era 1842 por Mr. Bolla coqsu
de Franga era M>ssal. Temosos Archontes estaba-
lecidosera Alheaste a realeza abolida-era CoriMho
aera quasi todos os ontros estados da Grecia eom
excepcao apenas de ama parlada Thessalia., do Epi-
ro e da M icedonia, temos mullos aconteeiraentos
imprtanles era oatros pases, de nenhura dos
quaes faz menea > o Sr. Zaba em sea methodo
para o esludo da historia universal.
Paseando ao scalo Vil acharaos, combinando
sempre o mappa coa o livrioho, os seguales
factos :
Tullo Hostilio comecoa a reinar em Roma no
anno 28, na anno 3] corabateram os Horacios com
os Curiados, no anno 61 comedn a reinar Anco
Harem e no anno 85 Tarqaioio Prisco.
Mas quera era Tallo Uoslili >, como goveruoa,
quaes as guerras que te ve, como acaboa, quem
erara os Horacios a os Curiados, se partencia m
ao mesmo povo oa a povos diversos, por que razio
corabateram, quaes d'elei foram os vencedores e
quaes os vencido*, qol o resultado desse comba-
te, quera era Anco Marcio, a jue povo pert?ncia,
que guerras leve, como governou ; quem era Tar
qainio Prisco, como sendo estrangeiro chegoa a
ser rei de Roraa, que guerras leve, corto gover-
non, cono morrea, se natural se violentamente, e
n-;ste ultimo caso s maos de quera acabon, etc.
etc., si cousas qua debalde se prt)cararo no ma-
th ida de esludar a historia pelo Sr. Z iba.
o nnio historia dos oulros povos. este senhor
s falla dos judeus a raesrao acerca d'ells s men-
ciona dous factos, a existencia de Judiih a o cap-'
liveiro de setenta annos.
Entretanto nesse scalo foi all destruido o caito
do verdadeiro Deus por Manasss re de Jala, o
qual mandou alen dlsso prender a ma ar ao pro-
pheta Isaas que contra tal declamavs, pelo qae
Deus o puni permiitluo que Hassar Haddon Olh i
de Sennachertb rei da A syria o atacasse a veo
cesse levando o captivo para B.bilonia ; nesse se-
culo Neccbao rei do Egypio derrotou Josias rei
deJudem Mageddo, toraoo Jemsalm aJoachis
lilho de Jo.-ias, levando-o captivo para o Bgyploe
dando-lhepor successor a Eleasin, o qual lomaodi
parado pelo sea protector contra o ral da Assy
ra, foi tamoem derrotado por Nabucbodonosor
que levon ama parte do povo jadea captiva para
Babilonia fazendo-se nesse lempo ouvir o propheta
Jeremas, lo conhecido pelas suas celebres lamen
taces.
Nesse mesmo acento foi destruido o 2.* Imperio
as.-y no por Nabopolassar e foi fundado omnovo im-
perio chamado cbaldaico-babyloniotendo Uabyloma
por capital; nelle tiveram tambem lagar na o acia
as guerras chamadas raessenianas e a 1.' guerra sa-
grada decidida pelo conselho dos amphitiiai con-
tra os Cirrheenses da Phocida; nelle foram anda
promulgadas as celebres leis de Draeo destinadas
a re tabelecer a paz em Alhenas retalhada pelas
faeces ; nelle florecern) muitos horneas Ilustres
entre os quaes Platn a Periandro, dous dos sete
sabios da Grecia etc. etc., mas para o Sr. Ziba
nada de tudo isto existi, oo tem importancia aos
seas olhos I
No scalo VI acharaos cinco factos acerca da
historia romana ; 1. servio Tallorai no anno 23 ;
2." Taiquinio sobarbo rei no anno 67 ; 3. expnl-
sio de Tarqainio no anno 84; 4. tratado de com-
raercio cora Larthago no anno 92 ; 5. paz com
Porsenna no anno 93.
Mas quem era Servio Tullo, de qoe modo go-
vernou, jomo acabou, se morreo natural se vio-
lentamente, a neste ultimo caso as maos de qaem,"
qnal o procedimeoto de sua lllha por essa ocea
sio, quem era Tarquinio, por que razo o chama-
raro soberbo, por qae razio foi expulso, qual o
alternado coraraeitido por sao lilho contra a no
oestidade de Lucrecia, quaes foram os principaes
autores da revolucao que o lancea (ora do thro
no.qae forma de governo adoptaram os Romanos
eniao e quaes os primeiros govrrnadores nessa
nova ordem de eousas, porqoe Broto sendo con
sul eondemnoo seas proprios fllhos morte, como
acaboo esse consol, qaem era Peneooa, por qoe
raiao fez guerra aos Romanos, quaes os fictos
princ paes dessa guerra, como fram os Romanos
vendidos junto do Monte Janiculs, o qae fez
Horacio Cocas para se tornar celebre, etc. etc.,
sao c nsas qae ha de sempre ignorar qaem ti ver
a tnfelicidade de estalar a historia pelo melbodo
do Sr. Ziba.
Pelo qae respeita historia dos ontros povos
nesse seca o, este senhor s menciona tres a lodos
relativos historia dos judeus a sao : queda do
reino de Jud, volla dos jadeas do aptiveiro a
eoQitrncco lo sgundo templo, entretanto nesse
seclo temos anda mnitos ontros fastos nota veis
relativos historia desse povo, como por exemplo:
a derrota de Jecbooias-fllho de Eeacim por Na
buchodouosnr, qoe o levara eaptivopari Babylonia
cora grande numero le seos compatriotas inclusi-
ve o propbeta Ezechiel, eslabele cendo em sea la-
gar a Mathaoias enjo nome. moda no de Sedeeias;
a destmicao do templo de Jemsalm pelo mesmo
Nabuchodooosor qae levara captivo para Babylo-
nia o rei Sedeeias com todo o pivo jadea iodo
nessa occasio o propbeta Daniel lo eelebra por
anas inierpretardes.
Nesse saeolo Ariyope rei da Meda fora destro-
nado por Cyro seu neto, o qual lendo nascido na
Persa passara para l o poder.
Esse mesmo Cyro tomou depois a cidade de Lor-
des pondo Ora ao Imperio lydllo ; tomoo anda Ba-
bylonia pondo tambem flm ao reino babyjooi,
libertoo os jadeos e permittio-lhes qae voltassem
a patria dswdos por. Jesos e Z irobabel, morreo-
do afioal drama guerra contra os Menageta--.sendo
suonedilo por seu Ca'mbyses tllho que tendocon-
aslalo o Bgypto ; snfrera depois am grande
revex em ama expedico contra os Ethiopas vi-do
a morrer por ultimo na Cyria.
Nio continnaret mais com esta analyse por;
Jaanm depois dos extractos ji por raim publicado*
9 parecer dado, pelos profesores de historia ah-
(iga e moderna methodo do Sr. Zaba afflrmando qoe por elle Dio
jU^deria estodar nem ensinar a historia e .trenos
iWa a historia aniver?al, seria trabalbo desne-
jssarlo, visto qae o publico tem ji decidido a
queslio em ultima instancia.
Sja-me entreunto p> rraittdo aecrescentr aqoi
is patarras ji citadas dos Ilustres saoios franco-
es, o Sr. Coasin e o Sr. de Pirante, contra.o
methdos taes eomo o do Sr. Zaba, z^nloTiae
nao prodazem p saber mas somente o (AarUrrnis-
mo do saber, o qae eserevefa timbera ni Blgica o
autor da methodo'ogia, o Sr. Braun :
O* institaldores moderaos, diz este enor re-
eonheeem onaoimemeota' qne nio ba nenhnm dos
ramos de iastrdccio no qnal Ibes saja pernaiiido
liraitarem-se excjaivainente ao mecanismo ;'''qfn
todos, pslo eontrarfo deverrt eojhTWnlr nsis oo
menos largaraeote para o deseorolvmleotb da tn-
teHi|ea,-par-a formicio do' carltter, para o
departamento de seotimentoi nobr. Era orna
olle }9 entinar a historia > qfferer c
K^ie ama sMpies collacCio5
de faetoi sem nenhum desenvoivimento, seaKne- ________________________
nbuma ligaco entrai el, t**pT*JV*"_'l ^5*^ *tn> trolet| o homem pbyslco e socW. J verno imperial. O Sr. eapiti Bastos, segando as
que essa sctfieii exerce ama infloeaeiafem sobre
todas is fa'ealdidei otellectaaes : ella faz as
car ideas, anima, desenvolve e forma
e o capee.
tspirilp
te nasa represeoticio sobre o tibaso, porm;
um meta mais oo meaos proprio para r ,- reprentaclo-anda do Herode para Pilitbs mei
ao graede flm que formar o homem todo inteiro. dganlo iofermacoes, qnando trata -se de oraa qoes
, homem .refijioso e moral, o homem bMllec i Oo d direito e de ara fado j resoivido pelo go
Oenssno la historia "por soa nituMta, )mn"espara~ e*ommoicicio offlcal p
ptra tm Om de ora noiojo&oa&pt qne as leis obligara logo que sao poWicadas, e que
lodos os actos posteriores a publicacio da dita lei
provincial lio nullos de direito. A falta da cora-
Dclal pode tlP'iiiHJMlir o Sr. cap
is penas doW. IUpH codJfl eriml'
ige apettal orna man
presta e retenha fiel
ata de chimar sobre estes
------OJUIOx. .
Ao nosso ver os conbecimeotos historeos nio
Ue limUam a reler de er ama serie de aaadros
raaltfaao de nmes pierios' e^e ditas. Tu exl4
giraos daquelle qjie tem estadado a historia, uma
idea clara do pastado; queremos qoe elle esteja
em estado de seguir atravs dos secutes eon*
aataral dos aeontecimentos e o deseavlvimento
do genero homaoo, ass i m como d deswbrir nei-
les as cansas qne produzem os tranflornos em as
naces pnaeipaest Os boas etudes hirtorieos nos
fornecerii alem djsso o meio de julgirmos cer
tos factos importantes, ds oaraeteriurmoe eertos
personagens e^jle apreciarmos a _condiecio dos
povos seos prtnelpH* ms* formas paiieu e
No que ootCj eilado acha-sa r conderaoacio
formsl dos HifUMds nro 6 *j Sf, z*ba, ma*
penhitta o poblic que en Ihe proporciona a lei -
tura de mais um pedacinbo. do mesmo auior, para
acabar de anchar bem a madida, a faze-la mesmo
derramar.
Se nio se tivesse em vista (diz elle tratando
especialmente do methodo de e-tudar a historia)
ara resoltado mais nobre do qae sobrecarregar
a memoria dos allumnos com factos a datas His-
tricas preselndiodo-se de saber sa conseguirlo
oa nio encades los a' tirar as cooseqaencfa* qoe
nelles se acham incluidas, cooseberlaraos qae um
ensino por quadros, am easno di para memoria
podesse bastar; rtas om insiuldor intelligeate
nio peder eaptentar-se com tal resoltado'; elle
pora sera davTda a historia cima desses exerci-
cios mecnicos e trata-la-ha de modo a aproxi-
ma la mais oa senos do flm previden ten.en te in-
dicado.
i Para chegir a esse fim Ihe sari necessario
empregar e methodo pragmtico, isto ser-lbe ha
necessario fazer considerar os factos importantes
eai suas rela^es eomo cansas e effeilos, levando
os allomos a deduzi los nos dos ootros, e flaal-
mente applicar os resaltados deesas considera [des
vida pratjca, de modo a tornar esse ensino lid 1
ulil qaanto possivel.
i E' assim qae oa historia das Crntadas nio se
limitar a dizer: f .Y; secuto XI os christiios do
occidente emprehenderan cruzadas contra os in
fiis que ento occupavio a terri santa etc. etc.
mas expora algumas particularidades sobre as
cansas qae provocarim essa herolea e santa em-
presa; indicar qae influencia importante assas
e cpediccs dos povos do oeste ejerceram sobre o
espirito religioso, sobre** vida social, commercial e
poltica, qoe resultados proJuiiram] ellas para as
artes, ciencia a iadastrias, ate. etc.
i E assiio alnJa qae, rallando d Carlos Mag-
uo por exemolo, nio dir somente qae era Bino
da Pepino o Breve, qoe nascera em 10 de abril de
742 em Jupilla, que fora sagrado ou coroado no
anuo 800 am Aix-la-Chapele onde morre'a em
814, etc.; mas chamar a a'.tenrcao dos alornos
sobre as dspostcSes bemfazejas dessa grande bo-
mem e apreseota-lo-ha por exemplo debalxo de
iras pontos de vista : como gaerreir, como legis-
lador, oomo protector das artes e das ciencias,
ele. ele.,,
A' vista de todo- isto, como coraprehender-se
qoe baia entra nos homens que tendo-se em con-
la de ilinwados se esfcrJem para' qe ietbodos
to reprovados na Europa sejam aqu admittidos
para o ensino da moeidade as aulas pnbHca* ?
E' qne eus homens superiores aos Coasin, sos
Goizot, tos Thiers, sos de Bartnte, ao* Haurn,
vera o que estes nis vem I Peliz Brasil I Feliz
Peroarabnco qae os vio nascer oo os sustenta 111
Acabo de ler no Diario de boje (26) am artigo
do Sr. Zaba qoe eneheu-me de satisfacao por qne
nelle esta senhor se revela tai qaal A
Cora cffeito, ji o methodo miraculoso nio
mais nma invencio do Sr. Zaba, mas nma imples
imitaoaj, on modifleacio, do de Mr. Haluvid pu-
blicado em 1845.
E' o proprio Sr. Zaba qaem eonfessa qne o me-
thodo de Mr. Hilnvin eontera nm qaadrado seae-
Ibaote ao seo, posto qne sua organfsaeio e tna
tpplicacio sejam differentes.
saja como for, alada mesmo admitliado se a
variada do qae dis o Sr. Zaba, Ac provado por
soa propria eonfUsio qoe nio inventor de oonsa
alguma e qoe apresenla-se ornado com as pennas
do parlo, sendo simples gralha.
Mas nio pira ahi o triumpho por mim alcanza-
do, pois qoe obrigoei o Sr. Ziba a mostrar-se pe-
rante o pnblico como am segando Jacien.-ki, seo
patricio, nm segundo Len Basehi, eic ele.
Do mesmo modo qae o pnmeiro sa apreseotoo
aqoi como encarregado de promover esmolas em
favor dos Polacos, a o segando cerno bispode Ur
(Dia. o Sr. Zaba se aprsenla agora eomo director
qoe fora do Instillo htterario de Chelsea em Lon-
dres ; a como lando dado conferencias sobre e seo
methodo ji no palacio de Heosington parante o du-
que de Suisex, o da raiuba Victoria, ji peraote
os membros dg raal instituto litterario'deLiverp'ol.
Como j unt* fez lose, mnito escarnecer d
bom senso dos .Btastleros 1
Que garanta d o Sr. Ziba da verdade de qoe
diz agora t A saa simples palavra qoe oio pode
ter maior valor do que a do seo patricio a a dos
ootros impostores que enjre n3 tea viudo.
Ha por era anda em favor dos ontros nma cir-
cumstaacia que a .contraria to Sr. Ziba.
Jacien-ki apresn'to se desde o principio dzen
do qne era emissario dos Polacos oppnmidos e
Len Bascbi qoe era hispo de Urmia, o Sr. Ziba
apreseotoa-se-oos simplesmente como invenlor de
um methodo para o estado da historia universal
Sendo interrogado sobre nio l-lq exposto em
neonama das graades cldades da Europa, respon-
den qae o traba exposio em BrigHtoo.
Porqoe razio >pols nio dsse logo* qne o toba
exposto tambem em Liverpool peraote os membros
do real instillo Htetterario daqaells cidade, como
agora diz 1
E' qne o Sr. Ziba aeha-se agora -nals animado
e vendo qae encontrn qaem eogolfsie pllala da
soa exposicao de Bnghton, atreveo-se a dar a
essapobre gente outra pillla maior e falbu-lhes da
exposlcioda Liverpool, ipresentindo se ao mesmo
lempo como director de nm instituto em Londres I
Quem uvir fallar ao Sr. "Zaba, conheeeri fcil-
mente que S om pobre hornera de mu mediana
intelligecci, como qu sanio estr*ngeiro pode-
ria ocenpir tio elevado cargo.qa capiul da Ingla-
terra T Se fosee anda na capiul do Brasil...I
C Sr. Zaba retira-sa breve par* a Europ* a vai
deseancado porque quando aqui chegarem as in
firmac^esMe.dev'em dsmcara-lo, estara longe
de nos rindo-se da nossa simplieidade e- eom a
algibeiras pj*d*s do nsso dmhlro, nnico flm
que aqoi o trooxe.
Conclaiodo, direl para queopnblicd'flqtte'saben
do.qne valor tem bllavr* Jo Sr. Zab que este
senhor on atgnem pofelle. faltn descaradamente
Verdade dizendo no Diarto de 23 de corrate qoe
J]rtfwoTes do gymnasio stiveram prenotes *
exfilWcio qoe elle all tftera ee'esta Uvera lu-
gar peranfc grande hornero de contffhdos I
Dos profesiproa do larmnaslo neaham i sislio
asta
a impren*
i do Sr. cpiti
implorar a
qae mais la..
Jasienslys;
le setembro de 1871
stareontrao
do Ifatcimeo*
dea snas pro-
liga- *e que es-
3to* e outro*
Ben
ley.
OMMERttO.
Seguros conla-fogo
COMPANHIA
t*>*W
u NORTHERN. tm
do e 'reserv* V ". ". ^<)W:OM*000
Agentes,
Jf/i Lathan C.
Companhia de seguros contra
fogo.
AGENTES
P. JOHHSTON 6 O,
czala ora u
Coefho de Gnsmio 3 inclusive 1 sabbitina idam ;
n. 46 Lu* Aalonio de Andrade Jnior 3 inclnslve
1 sabbitma dem ; o. 99 Calo Lutosa da Caoba 3
idem ; n. 64 Venancio Angosto de Magalhies Nei-'
va 10 ioclnsiva 1 sabbatlna idem ; n.6 Bernardo
Lyndolpbo de Mendonc.a 2 idem ; n. 67 Jos Ma-
ra Ferreira da Silva 1 sabbatioa idam ; o. 6ft
Candido Alves da Nobrega 5 faltas idem; o. 72
Antonio de Amorim Garda 1 sabbatioa idem ; n.
81 Joio Baptista Gitirana 3 fallas idem ; n. 85 Ma-
noel Flix Gitirana 3 idem ; ejtT. 86 Ptwetoo de
Siqaeira Cavdteaote 6 inclnstv 1 sIMalin* dem.
Quirto aM.
N. 58 LyAro AdglMo mfcradMUgo 6 fallas
na 1* cadelra.
Secretaria-da facaailde M-'direilo do Recife 27
de setembro de 1871.
O Mcrelario.
_________ Jos" Honorio B. de Menezes.
O inspeetor da allandega faz publico qne,
considerando abaodonada a meTcadorla absixo de-
clarada por se achar eomprebendida no art. 301
2* do reglamento de 19 de setembro de 1860
combinado eom o art. 599, marea o praso de 30
das para que dentro dalle sen dono on consigna-
tario venh despchala-, sob pena de, nio o fazan-
do, ser vendida por sna coma sem qoe Ihes fique
competindo allegar contra os effeltos dessa venda.
' Armazera n. 9.
53 cestas cera arco e 12 ditas contendo cestas
dentro, pesando 120 kilogrammas, sendo 80 klo-
grammas de cestas simples de vime para compras
a semelhantes, e 40 kilogrammas de cestiobas
simples de vime para eostnra e semelhantes, as
quaes vieran do Porto- na birca portogueza So-
cial entrada em 18 de julrn animo.
Alfandega de Pernambuco 25 de setembro de
1871.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
S.
Roa da
ti.
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool & Londoo oY Glob
fosorance Cotnpily.
Agentes :
Saanders Brothers & C.
liCorpo Santo41.
THE ALLIANCE BRITISH FpREIGN.
Life and Fire Assurance Company estabelecida
em 1824. Capiul 5,000,000
Os agentes deata companhia tomam seguros
contra logo sobra predios, gneros e fazendas e
paguro aqui prejuizos devidamente provados.
Raba Schmettan & C
Corpo Santo n. 15.
itACA DO RECIFE 27 DE SETEMBRO
DE 1871.
as 3 1/2 horas na tard.
GotacSes effidaes.
Algodio sem inspeceio=57! rs. por kilo (hontem)
Algodio l'sorte 606 a 613 rs. por kilo (hon
tem).
dem dem592 e 599 rs. por kilos (boje).
'Jambio sobre Londres 90 d/v 24 3|4 d. por
U00O (hoqtem).
Dito sobre dito 9 dfv. 24 7|8 24 3|4 d., e do
baoeo 24 5t8 por IgOOO.
Cambio sobre- Pars avista 90 drv. 392 rs. por
franco.
Dito sobre dito90 d|V. 387 s. prfraoeo.
Cambio sobre Portngal90 div 120, a arista 123
- 0|O de premio do banco.
DesCooto de letra de 8 e 9 OOlo anoo.
i. J. Pioto,
Pelo presidente.
Bernardine da Vrtcfttrtellos,
Pel secretarlo.
ALFANDEGA
Readimeoto do da 1 a 26 .
dem do dia 27. ,
730:701*651
37:642*928
768:344*579
lio vime ato da alfodega.
Volumas entrados
com
com
la sendas
genero*
233
418
com
com
faaendas
gneros
631
148
788
------ 933
Volantes sahidoe
>

Descarregam hoje 28 de setembro.
Barca franceza-Mnvarios gneros.
Lngar inglet Saral Suntho mercaduras.
Logar inglezGeril of the Reiad -canos.
Patacho norteallemoTheclafariaha de trigo.
Patacho norte allemaofleiiosvarios gneros.
Barca inglezaMeteor -bacalho.
Brigue inglexMiryidem.
Barca inglezaCulis of Kandn mercadoms.
Lngar norie-allemoDer FreShUngliboi.
Patacho americanoIza dem.
Patache americanoJemes Mlervarios gneros.
Despachos de exportaco no dia 26 de
setembro.
Para os portos do exterior.
N i vapor inglez Talismn, para Liverpool,
carregaram : Sanndrs Brotners & C. 186 saccas
oom 14,559 kilos de algodio.; Jos da Silva Lovo
& Filbo 200 ditas com 17,509 ditos de dito.
Na s i maca hespanhola Traviata, para Bar-
eellona, carregaram : Pereira Carneir & C 300
saccas com 21,749 kilos de algodio.
Para os portos do interior.
Na barcaca Mata Fome, para Mamanguape,
carregaram : Heoriqae Ferreira Ponas 1 pipa
com 480 litros de agurdente.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 16. 40:876*629
dem do di 27...... 2:967*190
PECLABACOES.
CONSULADO PROVINCIAL.
SSo avisados os cootnbumtes de itnpos-
tos provinciaes, que anda nio satUGzeram
as suas quotas, pertencenles ao anno Ando
de 187071, qae no dia 29 do corrente
fecha-se o respeciivo recebitnento.
Cousolado Provincial, 23 de setembro
de 1871.
O admioistrador,
A. C. Machado Ros.
CONSULADO DE PORTUGAL.
Convida-se ds credores do tallecido subdito por-
tagaez Albino Jos da Silva a apresrntarem, neste
consalado, as suas comas no prazo de oil das,
para seren verificadas a pagas
CONSULADO DE PORTUGAL.
Gonvidase os credores do fallecido subdito por-
tuguee Francisco Jos dos Santos a apresentarem,
neste consulado, as sois contas no prazo de oito
dias, para serem verificadas e pagas.
Pelo juizo da provedoria do termo de Olinda,
tem de ser vendida era hasta publica, quinta fei-
r 28 de corrente mez, na sala das aoiiencias,
uma sorte de terrenos, no lugar Jaguaribe deste
termo, pertencente ao patrimonio da irmandade
de N. S. do Rosarlo._______________^_______
SANTA CASA D MlEMCORDlA DO RECIPE.
A Hlm. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recife manda fazer publico qne na
sala de suas sessdes, no dia 28 do mez de setembro
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematados
a qaem mais vaniagens oflerecer, pelo lempo de
nm a tres annos, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTARELECIMENTOS DE CARIDADE.
Travs-a de S. Jof.
Ra deHonas.
Sobrado n. 45 (andar a solio.). 304*000
Bna do Nogueira
Casa terrea n. 17.....'. 304*000
Roa do Prdre Florianno.
Casa ierre? o. 63.......205*000
dem o. 47.........180*000
Ra do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 26 ... 302*000
Rna da Gloria.
Casa terrean.*61......240*000
dem n. 93...... 180*000
dem n. 56.........203*000
Roa da Ponte Velha
Casa terrea n. 32.......360*000
Roa da Roda.
dem n. 5.........103*000
dem n. 7.........101*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Roa da Guia.
Casa terrea n. 27......146*000
dem n. 29....... 193*000
Largo do Pazaico.
Loja da frente do sobradnn. 29. 192*000
Rna de S. Jorge (Pilar),
dem d/105 151*000
dem n. 102.......0 203*000
dem o. 108 ... 205*000
dem o. 98......... 205*000
dem o. 96.........204*00.
Sitio da Mirueira. ....... 121*000
Os pretendentes deverio apresentar no acto da
irrematarao as snas flaneas, on compareceren
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secretaria-da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 22 de setembro de 1871.
O escrvio,
Pedro Rodngues dt Souza.
de ferro ioglez de 3 l|4 polegadas da largo a 3ii
da grosjura, 12 barra* de ferro ingles de 3 Ii4 de
largo e 7(8 de grossnra, t reboto* eom 4 palmos
de dimetro 1 de frossara, 2 barr* de veraiz
decollar,' 20 aros de pao de 22 patagadas de
dimetro, 10 aros de pao de 18 poiagada da di-
metro, 1 torno om 6 polegadas de pone* a 3 ps
de comprimeofo, 1 torno eom 3 pof*)Mas de boc-
ea e 2 ps de comprmanlo, e 8 qnlotaes de rebi-
na eom 5|8 de dimetro a L 1|2 pelagada de eom-
primto.
Timbara o ctjjlh#:meri
corrente mez, ment dos ohjecw* abalx de
pist do de fardasen no trifj
douro de ou labro a dexaaabro, i
Par* spraadsaes ar
Blasas dj algodio azol, calca*, i ala
camisas de flgodiozinho, cobertores de
toree de algodio, lencos de seda prtta i
tas a lencriesde algolozinho.
Para iraperiaes marinhelros apreodi-
zas ditos.
Calcas de algodio azol, camisas de Badao
azol, camisas de baeta azol, lendo o orpo 4 L2
palmos de comprimento a 3 as amsjn m;lnstve
os pnnbos, camisas de baeta azul, toado o corpo
3 palmos de comprimento e 2 as mangas inclusive
03 pnohos, e lencos de seda preta para grvala*.
Para artfices avnlsos.
Blasas de algodio azol, alcas de algodio atol e
camisas de algodiozioho.
Para msrinhagem.
Caigas de brim branco, caigas de algodio axn,
camisa* de brim branco, camisas de ajtodio- asnl,
eamisas de baeta azol tenao o corpo IKz palmos
de comprimento e 3 as msogss inclusive nabo*.
Sala das sflssde* doeonselho de eompiha de ma-
rinba de Pernambuco 26 de setembro da 1871.
O secretario.
Alexandre Rodrigues UdjlMfot.
THEAT80
SANTO OTO
COMPANHIA DRAMATlCi@r
Grande snecesso !;
Qointa-feira 28 de seiembro
Segunda representacio da grande, mljtfflca e
frenticamente applandida comedia em asetoe :
O imporunte papel de mestre Jercmymo,. des-
empenhado pelo Sr. Thomaz Espine* ; toteando
igualmente parte na comedia as Sras. D. Caroli-
na, D Olympia a os Srs. Brochado, PerefriK).
Braga e De-Giovanni.
Termioari o espectculo a linda comedia em 1
aeio, original brasileiro, ornada de mnsloa, inti-
tulada :
Quera pensa nfto casa
Tomam parte as Sras. D. Carolina, D. Paulina
e os Srs. Brochado, Peregrino, Braga Lyra.
Principiar as 8 1/1
SOCIEDADES
EMS
DOMINGO, 1 DE OUTUBRO
0 passeio no jardim de palacio
Tocarao alternadamente daas banda* de m-
sica.
Illumina^o giorno

Estar aberto o bazar de prendas.
A entrada se receberi de cada pes>a o qne
dictar a saa geoerosidade, em beneficio do
I-ye p de Artes e Off Icio
A entrada pelo portao do lado do nene e
sahlda pelo do lado do sul.
N. B.E' prohiDido tirarse flores.
43:843*819
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 26.
dem do dia- 27. .
6i:878*936
6:0214514
68:900*470
MOVIMENTO DO PORTO.
honra e qoanto a eWrMa'tos crtutrafler* fpe
nio_Sr, dWdior inierino da imtrbwglo oWrca a
abandonado e
maft tres pessoas sendo dnas
estodantes.
W-e pofs que o Sr. Ziba es
iesraascarado encontr
pirtedareprtfcjlodfl i-------
admira, sabeodo-'se qhe veio ellecan^gado
tas de recomnendafio algnmai Cffltn** / -
Restatme nm sentimehlo da omlop e ana o
Sr. Zaba BSd^buri b %&;nMte%i%a earWb
de viagem como guio embahir.
r: vmumck
AopSlfeo.
.'di
abflead*
Navios sahidos no dia 27.
Nejr Yoik47 dias, patacho americano James lid
ler, de 301 toneladas, eapitio berg, equipagem
8. carga farinha de trigo e ootros gneros :
Tasso Irmaos k C.
Terra-Nava-3J dias, brigue ingle* Neta, de 255
tonelada, capilio James Day, equipagem 13,
carga 350 barricas eom bacalbo : Johosioo
Paier di C.
Lisbda-34 dias, brigue portugue* Bella Figuei
r*ns$,a 244 toneladas, eapitio Jos Corris de
Carvallo Soiinho, carga vioho a ontros gene
ros ; Euzebio Raphael Rabello & C.
Graeoock-BOdias, bwcainglau Annie, de 50o
toneladas, eapitio Tnomas Riebards. equipagau)
13, carga carvao ; a J. O' C. Doy le.
Nano takido no mesmo dio.
Rio Grande do Sal peto AmPatacho nacional
Mana Emita, eapitio Jos Mari* Ferreir, em
lauro.
AricatyHitte nacional Novo Invenciiet, capilio
Amonio Rodrigues da Suva, carga difiranles
f*o*fo*.
Rl laaeiro-Paucho periugae* Villa Flor, ca-
Feroandes do Carino Sampaio,
a trouxe do AssiX.
m
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Itlma. janta administrativa da santa casa dt
misericordia do Recito tendo de reconstruir o pre-
dio que possae o patrimonio dos estabelecimentos
de earidade rna da Moeda, eom dous andares e
sotio, transformando-o era outro de nm s andar
qne contenba dons armazens, nm no pavimento
terre e outro no sobrado, e os predios ns. 2 e 13
da roa do Bnrgos, precisa contratar essas obras
:om qaem por menos preco se quizer encarregar
lo effectna-las, podando serem aproveitados 05
materiaes qne forem tirados dos amigos predios
e julgados em bom estado.
Os pretendentes deverio apresentar as snas pro-
postas em cartas fechadas com declaraco do m-
nimo porqoe fazem cada orna das indicadas obras.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 21 de jnlbo de 187L
O escrvio,
______________Pedro Rodrigues de Snl" *dr"
Santa Casa de Misericordi iJ
do Recife.
AVISOS MARTIMOS.
PARA O
PORTO-
Vai sabir eom brevidade e patacho pormgues
Liberal, eapitio Goilherme Joaqnim Leal, per ter
parle da carga engajada, para carga e passsgeiros,
para os qaies tem excedentes commodos, iratt-s*
eom E. R. Rabello di C, a roa do Commercio n,
48, on com o caoitio.
Segu nestes dias para o Aracaiy o bem co
nhecido hiate Dos te Guarde : qaem nelle anisar
earregar dirija-se a roa da Madre de Deo, eserfp-
torio n. 2. a tratar com Joio Alves de QuinjM
COIltPAMHIA
DE
Navegatjao Brasileira
Al o dia 27 do corrente, esae-
rado dos portos do norte e va-
por S. Jacinlho, eommaanante
Aikins, o qnal depois da denta-
ra do cosame seguir para os
portos do sui.
Desde ji reeebem-se passageiros e *a*ja4a-se a
carga qne o vapor poder eoodnzir, qaal datera
ser embarcada no da de so* eheaada, amaoa-
nendas e dinheiro a frele at s 2 horas da tarde
de sna sahida.
Nio se recebem como eneommandas senio ok-
jsetos de pequeo valor, e qae nao excedan a.2
arrobas de peso on oito palmos cbicos de mei-
cao. Tndo qne passar Oestes limites devor ser
embarcado como carga.
Previ ne-se aos Srs. passageiros que snas pasaa-
gens s se recebera na agencia, roa do oat-
reio o. 8.
Tendo a junta administrativa desla santa casa
de mandar proceder aos e oncenos de qne precisa
a casa terrea n. 47 da roa do Padre Floriano, as-
sim coma ao ffzitnento do mnro do quintal da de
o. 17 da rna do Nogaetra, recebe para isso pro-
postas afim de contratar com qaem por menos
tlzer ; os esclarecimientos poderio ser dados nesta
secretana.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Ra
cife 12 de setembro de 1871.
O Escrivao,
., illVo Rodrigues de Souza
EMITIS.
F cu'dHiBreito
De ordem do Ex**. Sr. eaaadMro vice-diree-
tor se faz faMaamiista aatMam dos alumnos
desta faculdade relativas ao- prestito Ando mas de
taata.
N.'JI. Alipfo Zacariai ttrratbo, 4 faltas na
oslo Pinto Alves Pe
a idam ; a. M Frao
idem n. 3 avtmaz
do
santa eaaa da aalaerieordla
Recife.
A lllma. junta administrativa da santa casa da
misericordia do Reeifd recebe de novo propostas
para p (ornecimento d cima vena a todos os es-
tabflecirbentos a Sea cargo dorante o trimestre de
onlobro a dazembro, na sala de snas sessdes, pe-
las 3 horas da torda do da 28 do corrento.
Sacretaria da santa "casa da misericordia do
Reeire 28 de setembro Be 1871.
O eierivio,
Pedro Rodrigues da Sonza.
CONSUUADO DElOnTUOAL. '
Convida-se os fedores do fallecido sondito por-
tugus'Antonio Rodrigues do Reg a apresentarem
oeste consolado as suas coalas do prazo de oito
dias, para se'wm venacaoa* Bragas.
J.H. Boros, eapitio da barca inglesa WoO^tM,
entrada neste porto por arribada Torca
hzer os eoncertos oecessarios conforme as'vislo-
rias tonas e ordenadas pelo consulado ingln, se-
I
Conselho de compras de na-
Ttoha.
0 coaselho ao dm 29 do onffnxe mez promove
ivisra de propesias recebidss at as 11 non da
raaehis a orapra sob ?seoaces do ityto-dw
segoiotes ohjectos do material da 'imada :
1 raima de papel da HeNanda sisa, I iia*t de
baldeicio, 6 dozias da Uboas de 1 |2 paleg>da,
llbirrasdo ferra ioglez de 3 potocadas di Urco
el 1|2 de grosaara, 12 barras de torro- malee da
(j antegdarfe iarapt e4 M da frenara, 12 i*t
ZSSSSOStStSS&L
polegadas de larft a 3*> de grosrara, 12 bar
'A
do o seglo te
Um mastaro grande novo.
2.* verga do joaoete de pro*.
MaQaoie do nustaro do ioanele grande.
Esiai do mastaro do joanete de proa.
Estal real a bujarrona grande.
Uma bomba nava, praneboes now bararreaia-
bordo da quilha em ambos os lados, db enfafi-
mentodo navio, 25 praoedes para o fundo M dsto
era cala lado, todas as costaras repre^tdaiNyaa-
cavilbadas, aOoal lado completamente eatoNRado
e reparado todos os eoncertos do referida avio,,
aflm do mesmo poMasapar em estado de aartapa*
bilidrde : os prendantes poderio,dirigir as pro-
poslas em canas (echadas m coianlada >Ch *
roa do Commercio o. 11, no praso de 3 das.
Recite, M da setembro de 1871.___________
VEtlDE-SE
o Nodo superior patacho austraco .Amada, aa*
vo, de 1* viagem, IrtiMo esa ar^a da enf-
rente anno, de totacio de 331 ionetaca*,
dando carregado 131)2 ps, pregado i
do de cobre, eem tesa andanas
ferrbs e eerraatea, tiassificedo no <
por 14 aoooa, preopio seguir'
3oer-destino : para examinado,'ato
a dasasrga defroate da trapiche da *
trattr eom o oonssgoaurn aaqosaa t
ves BeHriD i nta do OMMearctoa.. a.
Wuim^rm, "if""^"^^"'


V.
\
ftfasVfba, TfirtorH "Maodw,
aty, Ceaxi, Mandaba,
Granja.
Ovapo/J%aaaajii
danto
os porta
18 m
obeiro a freto ai as
sabida; a **ertotria
Ma^aiMaaMaiaaafi
*m


I
diario de Per
Quinta eira 28 de Seleittbro de 1*71.
. i
vapor
COMPANHIA PERMMBUCAN4,
Navegando costea por
Mamanguape.
O vapcr Coruript, com-
mandante Silva, sefoir
para o porto cima n
dia 18 do correte as t
boras da tarde.
Receba carga, enoom-
e dinbeiro a (rete al as !
da de ana sabida : escriptoric
C#mpan_ia americana e brasilei-
ra k paquetes a vapor.
At/O dia 1 de outabro esperado dos portos do
sal o vapor americano South Amrica o qual de-
?)ia 4a demora do oosturae, seguir para New-
o*k, tocando no Para e S. Tboraaz.
Pata (retes e passagens, trala-se com os agen-
tes Hanry Forster & C., ra do Commercio l. 8.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
_a~egac-o> coste!ra por Tapar.
Porto da Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba seguir pa
ra os portos cima no dia 30 d.
correte a meia cont.
Recebe carga, eneommenda;
passageiros e dinheiro a frete n.
o Porte do Mattos n. ii._________
_PANHIA PERNAMUUCANA
DI
Navegacdo costetrapor vapor
"Bi, esalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui command_te
Guilberme, seguir para os por-
tos cima no dia 30 do corrent'
as 5 horas da urde. Recebe car
1 ga at o dia 29, eneommenda;.
iros e dinheiro a (rete at as 2 horas i
tarde -do dia da sabida : escriptorio no Forte dr
Manos n. 11
LEILOES.
r%
_
DE
80 portas alniofadadas novas, e 4 cavernas
de sicopira
HOJE
AO MEIO DIA.
Na traprxe do Dantas, o agente Pslana far le-
lo *m objectos cima, no dia quinta-eira
corrate, ao meio dia era ponto. ___
Reita-feira 29 do corrente, as 10 boras era
poni, no armazem de agencia sito ra
do Bom Jess n. 23 (outr'ora da Cruz.
Os objecto exnostos leilio serio vendidos ao
correr da martello, vUto que neate novo eslabelq-
cimento mda se reeebe ora Jinstte e preco.
Os Srs. que desejarem fazer boas compras ba-
jara de apparecer no dia e hora marcada que en-
contrar ao. .,
Hicas mobilias de Jacaranda, guarda-vestidos,
santuarios, cimas par a casal (de ferio e madeirav
e muitos oulros nevis iadispensajreis ao uso e
commodidade domestica.
Objectos de ouro e prata (salvas, faqaeiros e
joias), chapeos de folba proprio para _,prca e
campo, Louca e vidros, cofres de ferro dos (nabo-
res fabricantes, fogoes para alfaiate e para uso
diverso, bolSes d madreperola fina (groias) per-
fumarias eir. caixa*, licores finos em cantas,
campagne era caizas, relogio de ouro patente ja-
glez. machinas para costura, e muitos outros ar
tigos qae se deixam de mencionar, porm que no
dia do leilo estsrao a disposicao dos concorren-
tes.
O agente Puntual far o leilio cima no dia e
hora marcados.
CillVYUL JIOTKr
Eaphael.
LEILAO
DA
Barca ingleza Doodlani, de 446 toneladas
Habitado SO do corrate.
AS 11 HORAS EM PONTO.
Em frente Associac3o Commercial.
Alberto H.Burns, capito da baria ingleza Doo-
dlani, arribada oeste porta, por f*rc* raaior, far
leilo em presenoa do consol de S. M. Britnica,
com licenca do inspector da alfandega, com asis-
tencia de um empregado da mesma repanicao
para o Gm nomeado, por, intervenco do agente
Pinto, e por ccn'a e risco de quem perteqier, dj
casco, mstro?, vergas, veame, velas, ancoras,
correles e mais pertenoes da referida barca, tal
qual se acha ancorada nesle porto, onde foi legal-
mente condemnada.
Os prelenientes poderlo desde j examinar dita
barca, assim c.mo o fnvenlario em poder do refe-
rido agejte, e comparecerem ao leilo no dia, ho-
ra e lugar cima mencionados.
VISOS DIVERSOS
8 de
AEILAO
DE
Fazaadas, armado e otencilios (no Passeio
Publico.)
O agente Pontual, vender em leilo por manda
do dolllm. Sr. Dr. uiz do commercio, das fazen-
das, armacao e utencihos pertencenles a Bernar-
do Jos de Oliveira Machado
HOJE
Na toja de fazendas sita no Passeio Publico n.
58, s 11 horas. ._______
de lustro.
DE
excellentes couros
4 c-tixas com
ikms:.
O agente Pestaa far leilo, por canta e risco
de quem perteneer, de 4 caixas c( m couros de
lurtro de superior qualidade em 1 ou mais lotes,
na dia cima quinta-feira 28 do correte s 11 ho-
r-.s da manhaa, no escriptorio do agente ra do
Vigwio n. 1! 1* andar.
Aos Srs. assigoantes deste
Diario, que se acam em
atraso depag imento da^ubs-
cripc&o, vamos regir quei-
ram mandar saptisfazel-a,
aflm deno soff ereniin.ter-
rupeo na remessa do mes-
mo Diario.
Com este t publica, nm grande -a bem montado hotel a roa
larga do Rosario-n. S07
Os teas proprietarios nada teem poupado para
qae possa,el)e-s_aiirs4 *ranp|tf*rflevidas, nio
s aos seas tmerosos Tinwces, como a todas
aquellas pessoas qae de saas vaniaf ens se qaize-
rem utilisar.
Neste nove estabeleekn.ento nconlraro todos
os dias, os amigos dos bolas pellscos, o qae de
mais delicado saboroso se tem at baje inven*
tado na arte ealinarla, pa/a cajo desempenbo
teem os melhse_-e_ewei.
A ^r*_atfjbilt_te e decadeaa *s psssoas
destinadas ao servico interno 4o eelbelechneato
todo o acceio ser 'elle empregado, aflm de ser
digno das peoes joe-o tieemnde honrar com a
sua proteeco. >
Quanto a precos sefio-sempre mdicos e eco-
nmicos, por oqmW.oj ens.pspietanos alm de
qasrerem ac4tt-k),.tm o-maior deaejo emqae
todas as pessoas quiOtfrararem saiara agraaa-
dos e satisfeiles.
O estabelecimeuto .Mlaa aberto desde as seis
horas da manbi>^i>*#i*datizate.
f>fh,ftiro
Precisa se de nm.perfeito cozinbeiro : a ra do
Mrquez d linda o..18, oatrJora da fiadea.
^ Di-se 80i. premio-sobre hy otheca : quem
pretender dirija-se estaeio do Caldereiro, a fal-
lar com o empregado que dir quem da, ou ao-
nuncie para ser procurado.______________
Professor italiano
Um italiano, qie nsioou na llalla e na Suissa
a lingna italiana, aritbaaetiM, geoarspbia e geo
meiria, deseja tomar algoos discpulos para essas
materias, preferiodo alumna?. O mesmn as bo-
ras vagas se encarrega de ensillar escripturaco
por partidas djbrades, 6 de azer algumas wcrip-
us de casa franceaa ou italiana ; bem como abri
um curso de lingua iialiana, qae (unocicaar is
5 horas da. tarde, na ra da Aurora n. 23, eaaa
do Sr. I. SmolU._____________________
. v Preci a- se de _ma.ama pa
^^ ra comprar e coinbar :
E' pechinea,
* 16aor
Igora
4to a l
__ : a trito _
aperador n. 12, esiat do beccf lo- Ouvidor,
escriptorlo._______\_______e________ -
AU&A-SE
toa aeran preta crioula, com i2 nos de ida-
ie, Booco mais a meaos, sanando colchar, en-
gommar e fazer todo o servico interno do urna
casa, sendo o sea alagael do 30JOC0 : tratar i
roa do Imperador p. 18, 2* andar.__________J
U'JSr; Theo. Justo
reeolheu se ao silencio para qne o publico esteja
persuadido que elle j lancou o mea coqwd ris.
0 Sr. .Theo. Justo responda peiguuia que Ibe flz
no Diario de 7 do crreme, se U.# eneommenda
do vjpjr (o qae ea duvido) ,v4^_MMepder-ae
com e abano assigoado para esclanoer onde exis-
te o ma-:0OOKX)O.
________ Caetano JMj Iftndet. ___
Preciw-se de atogar um^seravo que stja
robasto : tratar na tus vernal ujiana J_> n. 9-
Muir li^eii^aS
Rofa-se encarecidamente as peaaoas que ae
achavam am debito para com a prbfessora parti-
cular!). Mara Jos Amalia de Miranda, ba panco
fallecida, e qae boje o esio eonsegaintemente pa-
ra com a irma e suc ;essora da fallecida, a Sra.
D. Marifc.-riaxarei Augusta, se digoem deaaldar
?eus compromissos, certas de ae.cfaaendo-0, alera
de ara nataral comprimento do dew, pralicarao
um meritorio acto de baneticenea, ltenlas aa cir-
camstaneias em qae hje se encostra a desolada
familia de D Mara Jos. Nao OA eobranca
de dividas, o que fazemos, mas sir .anpplioamos
como gracao pagamento dallas. NI fallimos era
nome do direito, mas sirn da necessidade; nio
nos dirigimos ao dever, mais sim caridade.

^ ^**3_ ^i> ra do Daque de Caxias, ao
liga da Queimado n. 50.._________
CRIADO.
Precisa-se de ara que seja copeiro : quem se
julgar habilitado dirija-se ao Caf Imperatriz, roa
da Imperatriz o. 1para tratar. i______
TRILBOS
__e;ife
URBAH9S
DO
A.9 OlalMDA
Por ordem da directora sao convidados
os Srs. accionistas para, no prazo de 8 dias
a contar do dia 2 d'ontobro prximo Ando
eralisarem a ultima prestado de suasaeges,
da 2* emisso, na razo de 10 %
Para esse fim ser o Sr. thesonreiro en-
contrado no escriptorio da companbia, das
11 horas da mantea s 2 da tarde de todos
os dias otis.
Recite 28 desetembrode 1871.
Joao Joaquim Alves.
Io secretario.
Motte.
O rnestre do tamba cherou
E a caixinha se roubou.
Nao-ba res posta.
A breve-resposta do Diario de 16 do oorrente,
forca me a dizer a verdade.
Sobre o que diz reapetto bombstica suvaea-
da, s digo, qae os socios sim conservara a casa
acesa, para concorrejjcia nicamente dos seas
convidados, ;mas nao. para o oteressado do dia
21 do correotfc e ostros que taes; ordena ja
transmitidas ae porteiro, para nao dar ingresso
no ornado salaos firmas dena laia ; para que
evitem casos .taes como os qne se deram no sam-
ba da Ribeira II porque o Gallo da sala cantn..
e a caixinha se rouben Viva o vinbo I I t
__________O Paxolla maiado._________
Jumentos _espH_hoes
Acabam e ebegar no brigae Bella Figueirmse,
dous jumentos muito grandes e aonilos prnprios
para tirar ra : tratar no escriptorio de E. R.
Rabello & C, roa do Commercio n. 48._________
Ao publico
O abaixo asslgnado faz sciente ao respeitavel
publico e especialmente ao corpo do commercio,
que deixou de ser empregado da casa dos Srs.
neis, Nascimento & C.
Recife, 95 de setembro de 187i.
Antonio .do Nascimento Borges.
Jerouymo Delsuc, estabelecido cora saiao ue ca-
belleireiro na roa Priraeir de Marco (antigado
Crespo) n. 7 A, Io andar,, avisa ao fespailavel po>
bllco que dissolveu amigavelmenie a sociedad*
aue lioha cora o Sr. Fefcppe Santiago de Almeida,
fleando o activo e passivo a cargo delle annun-
ciante.
Recife 26 de setembro de 1871.
LOUCA.E VIMOS
* NO
Enromo cojiherchl
Ra da Imperatriz
ULTSSES & IRMO
15
15

Tendo de chegar um novo sortimento, e teodo desyffrer ama reforma o systema
de negocio deste estabelecimento, seus proprietarios resolver,) expor em liqaidacio,
grande qoantidade de pratos de louga, lijeltas, apparelhos de lou?a para jaotar e para
almoco, etc.
DE
MOVIS
Transferido para
floje.
O agente Martins far leilo por mandado do
l1In.:Sr Dr. jaz de orphos de urna mobilia de
amarello Laiz XV em muito bom uso, 1 dita de
j.caranda, 1 cadeira de balanc) de faia, metade
d4 um piano, 1 mesa elstica de amarello, 12 ca-
deiras de fia, 1 meia coramoda de amarello, 1
marquezo, jarros, quadros, lafernas, caodieiros
de gat, 1 reiogio com correte, e raai< movis per-
tencecles ao espolio do flnado Barullo Constanti-
no de Paula Monteifo.
No 3 andar da ra do Imperador n. 'ti, s 11
horas do dia.
90
barris com cal nova de Lis-
boa
Sexta-feira 29 do correte.
0 agente Pe-taaa, far leilo por conta e risco
da quem perteneer, de 90 barris com cal nova de
Liaoa, os qnaes ser) vendidos em 1 cu mais lo-i
tes. sexta-feira 29 do correte s II horas da ma-.
nhia, no armazem dos Srs. Rodrigues & Martins;
na do Appollo n. 30.______________________
LEIUO
Joo Jos de Camino Moraos, Luiz Al-
fredo da Moraes, e Jjs Candido de Moraes,
summamente magoados pela infansta nva
do passamento de sen sempre lembrado tio
e amigo Dr. Sebastio Goncalves da Silva
fallecido Da Europa no dia 3 de agosto
passado, mandan celebrar urna missa de
rquiem e memento pelo eterno reponso de
sua alma, e para este acto que dever ter
logar na ordem terceira de S. Francisco,
pelas 7 boras e meia da manba do dia 3
de ontabro, sexagsimo de sea fallecalo-
to, c-nvidam todos os seos amigos e pa-
rentes, e bem como os do finado, assegu-
rando desde j que muito os obsequiarn
aquellos que os acompanharem nessa ulti-
ma prova de muita estima e amizade que
tribntavam ao finado.
Recfe, 28 de setembro de I87J. ___>
PROTESTO.
A caria de ordem dirigida ao Sr. Jos Jacntho
de Medeiros firmando ,em mea nome ama letra
estrauha, a pedido de diversos gneros, da qual
somente tive seiencia quando o referido senhor
va' apresentou, impalle-me a consignar ora pro
testo eontra a responsabililade do debito resultan-
te delta; nao devo nam posso aceita-la, aflm de
que fazeno nosamente ousou prevalecer-se de meu nome,
provoque a aeco da juatica para a responsabili
dade penal que emmerge desse acto de notavel
dolo. Protesto, pois, fazer rec-hir a responsabi-
lidade sobre aquello que deve revender por ella.
Gameleira 18 de setembro de 1871.
Manopl Joao da Fonseca Pinto.
TKlUdS URBAJOS
oo
Recife Olinda
e Beberibe.
Nao lendo boje comparecido numero legal dos
senbores accionistas afira de proseguir a assem-
bla geral em seas trabalbos da reforma dos esta-
tuios, foi a cesso adiada para o dia 2 de oatubro
(segunda feira) prximo futuro, pelas 10 horas da
manhaa, sendo a rennio no mesmo logar das an-
teriores. O presidente da sssembla geral manda
aaer constar ao3 teahores accionistas, que, dan
do-se mais urna vez a hypolhese do art. 12 do lit.
3" di:actuaos estatutos, a assembla funecionar
em dito di com 03 accionistas presentes oa repre-
sentados, qua constilaam um quarto do capital da
compaoa, "
Recife36 de setembro de 1871.
O secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
o
Fartaram na noite de 22 para 23 do correnle,
de segando sitio passando a fandico em Santo
Amaro, nm poltro e nm qnarto, sendo o poltro
rodado, pequeo, de segunda moda, com o ferro
AM; o qnarto castanho, de bom tamanho, com a
saroelha enxada, signal de retadora as mao>,
castrado, sem andares, tem no cocho o ferro da
riheira3alera de ontro : quem os apprehender
ou der.noticja'no mesmo lugar, ra do Lima n.
10, ser recompensado.
Aluga se urna casa terrea com soto, muito
fresca, na cidade de Olinda ladeira da Miseri-
cordia, a esquina das Coriezias, localidade aprazi
vel, muito commoda para ir aos banhos do mar,
seguindo pela roa de Bornm em frente da mema
casa : a tratar no Recife ra Mrquez de Olinda
n. 53, loja de chapeos, e para v la na mesma ci-
dade, a fallar com o Sr. Thomaz Jos de Gusmo,
com toja de fazendas nos Quairo Cantos._______
Para alugar-se
Um sino no Poco da Panella no porto do Paula
com eicellente casa, com duas sallas, qnatro
quartos e cczinba : estribara, eocheira e quartos
para criados, e mais duas casas meias-aguas pa-
ra fmulos ou hospedes : tratar com o commen-
dad-ir Tasso.
Palacete roa do Visconde de Goyanna (en-
liga ra do Mondego.
Aluga-39 oa arreada-se esta bella casa, com
pequeo sitio, canalisada de gaz e com todas as
commodidades para grande familia, on qaalquer
estabelecimento, passando os bonds pela frente :
a tratar mesma ra otaria n. 63, com Marcelino
Jos Lopes.____________________________
Precisase de ara caixeiro cora pratica de
molbados : na roa de Pedro Alfonso p. 54._____
O abano assigoado faz scient a a seas fre-
gaezes que deixoa de ser sea caixeiro Antonio da
Costa Pontes no dia 24 do correnle, e desta data
em dlante nao levar em eonla recibo ou assigna-
tura algama por elle. Recife 27 de setembro de
1871.
Manoel Boirigues Teixeira.
DE
DiM3 tercas partes do sobrado, sito a ra
de Bemfica, na Magdalena, n. 42, e a
qual portero os prelendentes examinar
om anti ipaclo.
A. 29 do crrente.
hit mandado dojllm. Sr. Dr. Jniz especial do
commercial d'esta cidade, e a reqaerimenlo do
administrador da raassa fallida de Sebas.io Jos
da Silva, o agente Oliveira far leilo das 2/3 par-
tes do excelleote sobrado supra mencionado, o
q_i se torna recora monda vel quanto aprasvel
pea sua boa construccao e amenidade da locali-
dade, e mais proprio para quem vive em tio pro-
curado arrabalde da cidade, tendd a vaolagem
actial da condaeco dos bellos bonda
Sexta-feira
ao meio dia era ponto, no escriptorio do dito ageog
u, a ra do Bom Jesos (outr'ora da Cruz) primei -
ro andar.
D. ufarla Rosarla de Oliveira
Paula.
Manoel Francisco de Paula, Vicente Jos de
Oliveira, Glicerio Coelho do Espirito Santo e mais
parentes da finada cima mencionada agradecer
cordlmente a todas aa pessoas qae se dignsram
acompaohar ao cemiterio publico o cadver de
sua mu presada esposa e Irma, e bem assim as
corporac-as religiosas e sociaes, conlraria de
Santa ruta de Cassia, e de Nossas Senhoras do
Bom Parlo e Rosario do bairro de Santo Antonio,
Monte Pi Popular Prnambucano, Imperial Ar-
tistas Mecbanicos e Liberaos Amor ao Prximo,
Coraco Ltvre e Club Popular; e de novo roga
mos mais saas presencas para assistirem a missa
do stimo dia que ser celebrada na contraria de
Santa Rila de Cassia no dia 30 do crrante pelas
7 horas da manba, de cojo obsequio provarlo
aos pungidos mais om acte de caridade e religiio
propria das almas bem formadas e piedeeM.
LEILA
fallida de
roa lar-
Uma decli
arapao.
Gonstaudo-nie baver quem attribua a mim
redaccao do expediente di America Illu$lr9da.e
do Tneutro da America Ilustrada, e aaonleeendo
qae algamas pessoas, qae me hooram com saas
relaco's de amiale, e que teem figurado n'aquel-
las HC**. ienaDQ POMOidos de Jasla indigna-
cao contra mim ; venhe declarar qae nenhuma
intervenco teuho era semelhantes escriptos, qne
nen siquer sei qnem sao eeos antores, e qae, fl
aalmente, nao estou contemplado em o numero
dos redactores da America Ilustrada.
NSo ae sapponb* qae a fraqoexa, ou receio das
iras de qaem qar qae me inculpe, foi qae me
determiooa a iaxer esta dedaraelo, nio ; o amor
de miaba dlgnldalee ama satisfaco a meas ral-
os slo os aicos movis qae presiden a esta
eterminacio.
Assim proeedendo, salvo toda e qualqoer im-
puuclo a minba pessoa, e decipo a davida em
que e achata pessoas mal informadas,
Re_e, 2ft de setembro a 1871.
i. Borges Carneiro.
Alnga-tea padaria da Floresta, em Olinda,
com todos os uteneilios proprios para o trabalbo
de pao, de bolachas e massas, nao falta nada, s
botar a farinba e no mesmo dia trabalhar,- at le-
nha para o 1* dia tem, muito perto de agua e le-
ona, cora murtas fregnzias para o mate, eom cora
modos para dous eavallos para a venda do pao, e
para familia : a tratar na rassraa padaria.
Ofierece-se urna ama para eogommar on
coznhar em eaaa de familia on de rapaz solteiro :
a tratar na travessa da ra do Torres, sobrado de
varanda de pao por eima da eocheira.__________
Idioma hespanM
Na ra do Raneel n. 54, 2* andar, se dir qnem
ensina a 1er, escrever e fallar srammatiealmeate
o hespanhol, sendo esta a mais moderna: as pea-
seas que qaizerem aprender dirijam-se ao lugar
Indicado.___________________
A pessoa que annunciou precisar de 30#,
daod) bypotheea a urna casa eom sitio perto de-ta
cidade, qaeira apparecer neeta typograptaia qne se
Ihe dir quera pretende fazer este negocio.
Para alugar-se
Um magnifico sitio
Cruz das Almas, com
bada, com dnas salas,
pa, cozinha separada
na estrada da travessa da
excelleote casa bem ac-
seis quartos, grande co-
cona dispensa, saleta e
quarto. Boa coxeira e estribara eom mais dous
quartos e 1 sotao para criados. Magnifico quarto
para banho, latrioas, gallinheiro de pedra e cal
cercado de gradearaenio de ferro. Fieando dito
sitio perto das estacoes denominadas : Jaqasira e
a do Arraial : para ver e. tratar no sitio do com-
men dador Tasso.
CASA DA IMTIIRA
Aos 5:0001
Biihetes garantidos.
i roa Prifaeiro de Marco (ootr'ori roa
Crespo) a. 23 e cajas do costme.
d.
Aluga-se urna grande casa eom sitio, no
Barbalho, por anno oa para a (esta, com 6 salas,
8 quartos, 2 cozinbas, tendo porto de ferro ao
fado e jardira, quintal murado, eom quartos para
escravos e oattas bemfeitorias, coa eemmodos
para'daas familias, oor seo qae ha ndepeaden-
cia: a tratar na ra Augusta n. 64.
Irmandade da veoerave Sanl'Aaoa erecta
na igreja Santa Groa.
Tendo-se de proceder a eleioie da nova _aaa
regedoraconvidase a todos a.irmSos a eompa-
Yecerem para semelhanle flm no consistorio da
referida igreja no dia 29 do correnle, as 7 boras
da tarde. Recite 26 de setembro. de 1871.
O secretario,
___________Jos Barbosa de Miranda SaatUf fr
Aluga-se urna caslnba para pauar-n a fas-
ta, bem preparada, cora sala, 2 foanoa, cozinba,
nio tem sala de jantar, tendo eaaireea com boa
agua para beber e bomba, muiu. sombra de ano-
redo, banbo correte com baaheiro de |Mm*
cal, poco para lavar roupa e eavallos, perte da
osisqo de Paraameirim : na nasa_ estaca* M
indicar.
O abaixb assignado, tendo vendido nos seus fe
les bilbeles um quarto n. 1922 eom 5:0004000,
um qaarto n. 19 2 com 800*000, am aaarto n.
2685 com 300*000" outras sortea de 40* e20*
da lotera qae se acabon de extrahir (208'), con-
vida aos posgaidores a virem receber na confor-
midade do costme sem descosto algara.
Acbam-36 a venda os bilbeies garantidos da
12.* parte das icteras, a beneficio da nova igreja
de Nossa Senbora da Peoha (209-), qae se exrahi-
ri sabbado 30 do crreme mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilheie 3*900
Qaarto r\. t**0
'Bilhete inteiro 5*800
Meio bilhete 2*750 -'.
Qaarto 1*375
________________Manoel Martins Finas.
Na ra das Peraamhucanas (Gapnnga) n. 56,
precisa-se t'e urna ama, e prefere-se escrava.
Joo Christiani
Participa aos seas amigos e fregnezes qae se
aeba de hovo estabelecido em sua antlga loja a
ra-do Bario da Victoria, outr'ora ma Nova n.
44 ende se encentra am eseolhrdo sortimente de
chapeos de- todas as qaalidadef, quer para lo-
meas qaer pafa senhoras.______________i__^
ldiwiia hespanhol
Prectsa-se de um professor que Uoeieue este
idioma, nio a traduzir, como a fallar e escre-
rer: quera estiver neasas condiccSes qaeira
nunclar.
Grande qoantidade de cosos de vidro fi-
nos para agua a 40200, 40500 e 40800 a
dnzia, clices de vidro finos para licor a
30000 a duzia, ditos de cor para vinbo a
20500 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
car! para vinbo a 50500, 60,60500, 70
e 70500 o par, bonitas compoleiras de vi-
dro a 60500, 7/1500 e 80300 o par, gran-
de variado soriimento de jarros finos para
flores a 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90, 100,
110, 120, 130, 140. 150, i e 1.80000 o
par, cbamins americanos para candieiro a
20X00 o 20400 a'duzia, escarradeiras de
vidro a 30500 o par, globos para caodiei-
ros de 14500 a 20000 cada om, lampari-
sja com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 10500. 10700, 20 e 20200
edda orna, bonitas qaartinbas harnbarguezas
a 40500 e 50000 o par, lindos palileiros
ce porcelana branca de 10200 a 30 cada
dm, bonitas canecas de porcelana eom trizo
a esmaltadas para cal a 60000 a duzia,
escarradeiras e copo de crystal de cor para
eavatorio por 30000, pratiohos de vidro
lpara copo a 320, 400 e 500 rs. cada unn,
eextinbas de vidro para passas, figos, etc
etc. a 800 rs. cada urna, compoteiras de
vidro para doce secco a 20 e 20500 cada
orna, casticaes de vidro s para vela a...
10200, canecas de porcelana comtampa a
320 rs. cada orna, galbeitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, cndieiros de vidro
com globos a 50, 140 e 160000 cada om.
E outros artigos que deiamos de men-
cionar ; e prevenimos a que_ precisar com-
prar algum destes objectos que approvei-
tem a occasio de couaprar-los por menos
20% em razo de termos de liquilal-os o
mais breve possivel. Roa da Imperatriz
n.15.
OLEADOS E CASEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende-se oleado preto grosso a 20200
o covado. Dito c6r de cinza a 10200 e
cor de caf, wde e preto a 10400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino azul escaro a 30700 o covado.
Flanella branca ingleza a 10400 o cova-
d >. Dita amito fina azul com duas largo
ras a 20300 o covado.
Casemiras escoras -e claras de duas lar-
guras a 20400, 20600, 20800 e 30000 o
covado, as quaes servera tambern para pa-
litot. No Emporio Commercial ra da Im-
peratri o. 15."
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 90000.
O Emporio Commercial est vendeado
chapeos de pello preto para homena a 90.
Ditos de castor branco a 100. Ditos de
palba e feltro tanto para bomem como para
enanca. Booets de couro da Russia para
meninas a 10500 cada um. Cnapelinas de
seda para baplisados de crianca a 20500,
30 e 30500. Bonitas taqmobas francezas
de 13a para crianca a 800 rs. cada orna.
Chapelinas enfeitadas para senbora a 50,
60 e 70000 cada urna. Chapos de sold
seda tanto para bomem como para se-
nbora. Na roa da Imperatriz n. 15.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES & IR-
MO.
Este novo e grande estabelecimento con-
tina sempre firme em vender barato para
vender muito, e em consequencia de n5o
baver anda ebegado algumas eneommenda*
qne temos feito, e escasso como se acha o
nosso mercado de artigos de g-sto vende-
mos por mdicos precos os que se segu.
Superior panno preto PII a 60 o covado.
Dito dito Brasil a 50500. .
Superiores cisemiras escuras e claras
para palitots, calcas" e collete.
Brins brancos de linho de 103:0 a 20600
a vara.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
MadapoUo francez e inglez de 50100 a
150 a peca.
Grande sortimento de chitas.
Cortes com 17 covados de cbaliz a 50000
a 44500.
Cobertores de 13a escossezes.
Colxas de aigodo branca e de cret de
30000 a 40900.
Sediuha preta a 500 rs. o covado.
Dita branca a 6f 0 rs. o covado.
Cortes com 21 covados de sediuha de
listra por 250000.
Fronhaa de efivo a 600 rs.
Alpaca preta- sarjada a 500 rs. o covado.
I lem branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linho para cha a 20600
e 30600 a duzia.
Ditos para jantar a 70500 a duzia.
Cimisinhas bordadas para senhora a...
2050) e 30UOO.
Lindas cambraias Imperatriz cortes de
10 jardas por 90000.
Cortes de cambraia de salpico com 8
varas por 50500.
Tapetes grandes e pequeos. *
Lencos de cassas para enancas a 10100
a duzia.
A'god5o branco ede lista.
Peitos de esguio de linho para cami-
a!0
za
Punhos o par a 800
C jllarinhos finos a 500 e 600
Espartilhos bordados fiaos para senho-
ras a 50
Meias finas para bomem, senbora, e
enancas.
La fina para bordar libra a 60
Carreteis de linba Alejandre a 80
Dila em duzia a 920
Abotuadura para collete a 120, 200 300
500
Ditas para punhos a 300 e 10
Papel de pezo, almaco e pequeo da
cores em caixinha.
Latinhas de. banha a 80 rs. e em da-
zia a 900
Brincos preos de burracha e alfinete a
80D
Bdes de duraque preto para palitot
roza a 1800
Grande variedade de boies para palitots
e collete que se vende barato,
Caixas com dez novellos grandes de li-
nt* a 440
Ditas com 50 ditos a 050
50 pecas cordo de vestido 600
Peca de fila para coz 440
Sabonetes transparentes unos duzia 600
Colleres de metal fino para cb, duzia a
20LOO
Ditas para sopa a 40
Talbares de faccas duzia 50, 60 7j? M
e 90000
Temos de bandejas ovaes a 100
I) t s lizas a (0
Sabonetes finos e iguaes duzia a -10200.
10500 e20
Caixis de botos d osso para calca a
200
Sutaes branco, duzia a 280
Tranca de la e branca de caracol duzia
a 560
Retroz preto e d cores, oitava 240
Carnizas de meia crua muito boas a 1
Sitineta de algodo de cores para roupa
de montana, e de enanca covado a5u0
Merino preto trancado a covado a 30300
Lencos de linho em bonitas caixinhas du-
zia 50800
Lindas cambraias bordadas de 13a "vara
10000
Colias de pello de lontra com duaa vis-
tas a 140000
Cretone matisado para coberta covado a
700
Grande sortimentos d3 perfumaras; om
bonito toyalet de vinbatico com pedra mar-
more e vidro oval, um guarda roupa de
amarello ; seis cadeiras de gurnic5o, 2 de
ditas de bracos e duas de balanco, tudo
de Jacaranda massioo, proprio para om
gabinete e vendem se por mdico prego
por ser resto. N3o ser mo vender no
an
Precisa-ie de ma ama sw telo MffF
de casa de pequen familia : na roa ettraita
itetslt, Uja n. 10.
O testamenteiro e ioventariante dos bens
do frllecldo Damt3o Pereira da Cunba, id-
entifica a qnem se considerar ,credor do
refindo fallecido, que apreaeote soa conta
bo prato da 15 dias, afirn de ser examinada
atieita era sea dedo tempo; roa do
Mrquez de Olinda, loja n. 44.
Thomaz Fernandes da Cunka.
A sociaco
BE
Guarda-livros
No dominio i* de ontabro, pelas 11 horas da
mtnhia. no _acate da soejedade Recreativa Ja-
Tet*te, as'_* 1 Mr*. M-ta. "
sjsira, seisio stra a IpstaJtsoss sfovlssrta. H-
fTastea- Ho fjnvlafloi toteres srt, marte
Uvrw residentes oesta praga.
EMPORIO COMMERCIAL
15 Ra da Imperatriz 15
Ulysses & rmelo.

M FALQUE
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
DI
<3_l_l?a3
aa (>&
IIC0ITI1 II
II1KTI 1 CIPLIT9 millllTI DI
Be todas as qualidades I
De todos oa feitios I
Be todas oa presos I
RA DO CRESPO N" 4
Precisarse de orna ama,pre-
fertndo-se escrava, pera coi-
nbar : a tratar roa do Im-
- A pessoa que precisa de 800* sdb n
ama casa com sitio fora di dade, pode
i roa Hova n. II, primeiro dar,
noite.
Vttfte
oa.l7tt9.
PreeUa-se de ama ana
para comprar e cozinbar ;
Praea da Independencia
/
Preclss-se de nma asas para ooalnta e_
casa de ponea familia tratar na roa da Cru-
aesi.W.afaymda.iof^^_____________
Ama de leite.
Precisase de ama ama qae lenha bom e ahon-
dante leltfr: tratar na roa da Prala n. 18.
Na roa Velba 111 alnfase om*
pria para eaaa de fa_a te
pre$o coincaodo.
Kbiiidalia, por
*


Diait lk,eruaaj>uco>
- Quinjj. teira 8^tlA Selembro do 1871
AJoga-sc daas f aeraras .para o servido de
eos : na ros DtrsjU. a.. aodar.
Neate doto annazem tem nm
aviado sormento de azendas
franceaj, inglesas, alinalas e to-
das todas se vendem por procos
rticos, afim de acreditar a este
ovo annazem.
Catemiras ioglezas,
*ancezas, de todas as
vialidades, bros de
cares e brancos, colet-
rianos modernos, cha-
de sol de seda,
41 RA DO BAMO DA VICTORIA 41
annazem tem nm M Assim ceno t
ARRIJDA 1RMA0S.
e
RA
ario da \ Irtoria
aitifa raa
NOVA
N. 41.
Assim ceno tea orna grande
oficina de alstate, montada todos es prepsros qne ha de melhor,
dirigida por habis artistu, qw
pela soa pronptidlo e perfeicic
nada deixm a deeajar.
Roopa de todos nsi
amanbospara homeni
meninos.
Por todos o paqae
tes recebem-te as me-
lhores e mais moder-
nas caseniras qne ha
na Europa.
RA
Barato da victoria
Usaras
NOVA
N. 41.
^FsftT
4*200
4*200
mimo
Colleccao do I* semestre, ns. 1 i 5
Assgnatara do I* semestre, os. 8 a 12
Os ni. iS e 7 acharase agotados.
DE LAILBACAR & C.
Asentes
Uvraria franceza.
JORIALDASFAMIUAS
Atoignatora Dar 1871.
Rs. 12*000.
DELAILHACAR & C.
Ajete* ..
Livrarto franceza.
NOVO MUNBO.
Asignatura do terceiro semestre; acha-se aber-
la m easa dos agentes.
Rs. 5*000
DE LAILHACAR & C.
Uvraria franceza.
ECHO AMERICANO.
Assigiatora do prlmeiro semestre, ns. i a II
Rs. 6*000.
DE LAILHaCAR k C.
Agentes.
_________Livrana franceza.
AMA
Raa do Torres n. 16 3* andar
precisa-se de nma ama que co-
sinhe, compre, e eogomme para
nma pessoa:
Sste estabelecimento acaba de soffrer nma reforma radical em acceio, artistas e coumodos, e em pomtjalidade as encom-
asteadas, tinalmente em todo afim de melhor servir os seos numerosos fregueses deixa-se de annnnciar todas as fazendaa, pan
to se tornar massante
A molestia oo infecc5o propriamente co-
nhecida pelo nome deESCROPHULA
um dos males mais prevalecemos e uoiver-
saes qoo ba em toda a extensa lista das en-
Tenuidades de que soffre o genero huma-
no : disse um celebre escriptor da medi-
cina que mais de urna terca parte de to-
dos aquelies que morrem antes da velnice
sao victimas, ou directa ou indirectamente
da escrophula : por si nao t > distrui-
tiva, porm a principal causa de mullas
outras enfermidades que nao ihe sao geral-
mente atribuidas.
urna causa directa da pbtysica pulmo-
nar, das molestias do ligado, do estomago
o aflecces do cerebro: entre os seos
numerosos symptomas acbam-se os seguin-
tes : falta de apetite, o semblante paludo e
as vezes incbado, s vezes de urna alvura
transparente o outras corado e amarellento
so redor da bocea: fraqueza e moleza nos
A VERDAMRA E GENLINA
SALSA-PARRILHA DE AYER
EM ACCAO
msculos, digestao fraca e apetite irregular,
falta de energa, ventre incbado e evacua-
do irregular;quando o mal tem seu as-
senlo sobre os pulmes, urna cor azulada
mostra-se em roda dos olhos; quando ata-
ca os orgos digestivos, os olhos tornam-se
avermelhados,* o balito ftido., a 1 ngua car-
regada, dores de cabera, lonteiras, etc.
as pessoas de disposigao escrophulosa
apparecem frequentemente erupges na
pelle da cabeca e outras partes do corpo,
sao predispostas s afeccoes dos pulmes,
do figado, dos ros e dos orgaos digestivos
e uterinos.Paranlo, nao somente, aquel-
los que padecem das formas, ulcerosas e
tuberculosas da escrophula que necessi-
tam" de proteccSo contra s seas estragos;
mas sim todos aquelies em cojo sangue
existe o virus latente deste terrivel flagello
(e s" rezes hereditario) est5o expostos
tambem a soffrer
a sotirer das enfermidades que
A SALSA-PARRILHA DE AYER
E' composla dos antdotos mais efficazes I riaes, molestias das mulheres, ulceracoesdo
que a scieacia medica tem podido deseo- | tero, a nevralgia e ccnvolsoss epilpticas,
e em summa, toda a serie de enfermidades
que nascem da impureza do sangue. Vede
as certidoes no almanake manual de sade
do Dr. Ayer que se distribue grafoita-
mente.
elle causa, qne &3o :A phtysica, ulcera
ces do figado, de estomago e dos rins
empcSes e enfermidades eruptivas da cu-
tis ; rosa oo erysjpela; borbolbas, postu-
las, nascidas, tumores, ulceras e chagas,
rheumaiismos, dores nos ossos, as costas
e na cabeca, debilidades femininas, flores
brancas causadas pela ulcerado interior, e
enfermidades uterinas, bydropesia, indiges-
tad, enfraquecimento e debilidade geral.
Aos pulmes a eseropbula produz tober
culos e finalmenteconsampcao pulmonar:
as glndulas ella produz inchaerjes e
tornam-se ulceras: nos orgaos digestivos
causa desarraojo!) que produzem indigesto,
dispeps ia molestias de figado e dos rins :
na pelle produz erupcBes e affeccoes cut-
neas.
Todos estes males, u ndo a mesma ori
gem, carecem d mesmo remedio, a saber:
purificar e fortalecer o sangue.
brir p3ra esta molestia assoladora e para-a
cura de todos os males provenientes della,
tem virtudes verdadewamente extraordi-
narias e est provado incoDtestavelmente
$elas curas notaveis e bem conbecidas que
l-m feito detumores, eropces cutneas,
erysipelas, borbuihas, nascidas, chagas an-
tigs, uiceras, sarna, bydropesia, tosse
quando casadj por depsitos tuberculosos
res pulmes. Debilidade geni, iodigestSo,
fcyphil s constitucional, e m< lestias mercu-
Esle remedia o fructo de longas e la-
boriosas experiencias, e ba abundantes pro-
vas das suas virtudes, posto que 6 offere-
cido ao publico sob o nome deSalsa-par-
rilha, composto de diversas plantas, al-
Vende -so em todas as boticas e drogaras do mundo.
W. R.Vassels $ C.
Agentes gentes.
gumas das qoaes s3o superiores melhor
salsa parrilba no seu poder alterante.
Aviso.As preparacoes do Dr. Ayer
sao preparadas com especial attencSo ao
clima dos trpicos e tem mcdificacOes im-
portantes iobre as que sao feitas para ou-
trospaizes. Portanto, o publico rde^aar
notar, e com cuidado, para que n3o*j3
Iludido, que os remedios' de Ayer, prepa-
rados exclusivamente pera o Brasil trazem
rtulos e envoltorios com a descripeo
minuciosa para a sna applicaclo na lingua
portogueza, e nao na ingleza.
Superiores cigarros do Rio
deJaneiro.
Domingos Alves Hathens, nnico agente nesta
provincia da fabrica imperial de cigarros de S
Joao de Nitberoby, esubeleeida no Rio de Janeiro.
tem sempre nm completo sorlimento de todos o
cifarros, ramo picado e em latas. Tem Igaalmenu
os ajamados cigarros Conde d'Eo, feitos com mag-
diBco papel de palha de milho e lamo superior
Para governo de seas fregaezes, qne tem esubele
cido depsitos flllaes, as easas dos Srs. Thomai
Francisco de Salles Rosa e Manoel de Sonza Cor-
deiro Simdes Jnior, no balrro do Recite, e todo
Jnanto for vendido em ontras casas com a firma
8 Soma Novaes A C. sao falsificado?.
Subloca-8e o arrendamento do pre-
dio da roa do Mrquez de Olinda n. 23,
com grandes commodos para qualquar es-
tabelecimento commercial, tanto no pavi-
mento terreo como no andar : a tratar
com Antonio Jos Rodrigues de Souza, na
tbesooraria das loteras.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado n. 38 da raa Nova:
a tratar na toja.
Pode ser procurado a yen-
da de ac de Trieste da ver-
dadera marca 1, O e 00 em
cftsa dos 8 s.KeIler & 0.: a
ruada Cruz N. 1)5
Afina! chegoo nova remessa de leite con-
densado da Soissa, pelo vapor Cognac, e
desde j Acarnos esperando pelos seus apre-
ciadores e entendedores deste artigo : vende
Keller 4 G. Ba ra da Cruz n. 55.
AOS 5:0004000
Esto i renda os felizes bilbetes da lotera da
Sania, na casafelii do arco da Conceico, ioia di
arives no Recire.
roa do Vigario n. 16.
Prensa se de urna ama pa-
ra o serrico interno de ama
casa de familia : tratar na
Precisa-se de doas amas, gendj para cosi-
nbar e mais servlcos internos Oe pequea familia:
na roa Imperial n. 199, por cima da refinacao.
+*
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr1.' Ignacio V.eira da Hallo,
rtvib na idade de Nazarean desta proTinci,
favor de tu- a roa do Imperador a. 18 a coetu>
aqnee negocio qne V. S. se compromette real>-
>ar, pela tesceira chamada deste Jornal, em (has
de dezembro prozimo passado, e depoi pan Ja-
neiro, paason a (evereiro e abril, e mda eamnrio,
s por este motivo de novo chamado para Uto
Um ; pois V. S. se deve lembrar w esto negocio
s de mais de oito annos, e quando eaenhor nm
Bho se acbava no es nesta cidade
*
DE CIGARROS
FURDICAO
DO
BOWMAN
Vapores pequeos pa des-
caroqar algodao.
CASAS
Alnga-sa o primeiro, segando andares e sobre-
sotao da casa n. 6, cita a ra do Livramento :
tratar na loja do mesmo predio.
GASA. DA FORTUNA
RA 1 DE MARCO OTR'ORA DO
CRESPO N *3.
los 20:000^000.
O abaixo assignado tem sempre exposto ven-
la os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagande
promptamente, como costnma, qaalquer premio.
PRECOS.
Inteiro H^OOO
Meio l*009.
Qaarto 6*000-
Manoel Martins Finza.
s
Irmandade acadmica
Cabelletreiro.
DE
N. S. do Bom Conselho.
Por orJem do nos-o irmo iaiz convido os ir
ii.aos mesario* actuaes, como d
ia nava mesa admi-
nistrativa para comparecerem nj da 28 do cor-
rene (quiota-feTa) as 10 horas da maoba, no
i'.nvtnio de S. Francisco, a"
ga da neva mesa
Secretaria da irmandade acadmica de N. 3. do
Bim Conselho 27 de setembro de 1871
O secretario,
________ ________Henriqna S. M. Leal.______
Precisa-se de doas carroceiros, preferese
portngoezes : a tratar na ra do Imperador n. 22,
botica.
So sitio do Cafando precisa-se de um meni-
no de 12 anoos,para cuidar de alguna animaes :
quem eativer na cirenmstancia de e propr, dri-
ja-se ao mmo sitio, na estrada de Paulino Cma-
ra, outr' ra de Joio de Barros, on typographia
este jernal, a fallar com o Sr. Ferreira.
Satyro Jjs de Moraestendo comprado o estabe
lecimento de cabelleireiro intitulado a tranca
monstro- silo raa Duque de Caxias n. 89, 1
andar, acaba de dar sociedade no mesmo estabe-
lecimento ao Sr. Pedro Carneiro de Almeida, e
tendo sido ambos offlciaes do bem conhecido sallo
b da tesoura de onro, confiam ser por seus amigos
m de razer-ce entre- e freKLMes procurados para os aoisteres de sna
pronssao, garaniiodo que farao qaaot) a sea al-
cance eateja para satisfazer com a maior dedica-
cao a soa crescida clientella.
AMA
Precisa se de nm caxeiro eom pratiea
molhados : na travessa do Livramento n. 28.
de
Na rna do Alecrim n. 20 precisa-se
de ama ama para todo o servico de
urna familia composla de daas pes-
soas.
SOCIEDADE
Monte-pio Brasileiro.
Nao tendo se reunido a assembla geral no dia
24 do corrente como foi annnnciado, de orden do
irmo director da novo convido a-todos ossenho.
res socios para se rennirem no dia 28 (qninta-
feira) as 7 horas da noite afim de se preceder a
eleico do novo censelho administrativo.
Secretaria do Monte-pio Brasileiro 25 de setem-
bre de 1871.
Jeronymo Bruno,
.____ secretario.
Precisa-se de nma ama para com-
prar, cozinhar e fazer algam servi-
?e de nma casa de pnuca familia : ni ra da Con-
ceito n. 37, na Boa-Vista. __________________
Frontispicio do Carmo
Em conseqaencia de ser a festi de Noss Se-
nbora do Bo?ario, no i* domingo do mez de ou-
tubro (1 do futuro mez) como determina o com-
promisso daque'Ia irmandade, tica portanto trans-
ferida a do Frontespicio do Carmo para o dia 8
do referido mez irapreterivelmente, ojo program-
ma ser brevemente annnnciado.
De novo pedimos aos Srs. procuradores, que
activem a cobranza das esmolas dos devotos, al
o ultimo dia do correte mez ; afim de qne sa contsr om a quantia recebida, da qual depen-
da o brilhanti'mo e pompa da mesma fe-4ividdt>.
" Na praca do Conde d'tu casa u'. 16 A, jun-
to a venda, pre:ia-seMe ama preU escrava para
vender na rna.
Jos Marehegiani, negociante de objectos de
Bellas Artes eem estabelecimento em Roma e em
aples, tem a bonra de-levar ao conhecimento
do publico desta illnstre capital de Pernambnco
ue se acba habilitado para receber encom men-
as de todo o genero, na immensa esphera das
Bellas Artes : pintara, escultnra. arehiteciara,
4thographia, mosaicos, gravara em ac, em cobre,
em podras doras ; pode tambem reproduzir em
camafeo?, retratos de modo especial e anda nao
visto nesta cidade e perfeilamente parecidos lira-
dos de outros em pbotographia.
Recebe commissoes para obras em onro, prata,
marmore e em qualquer ontras materias asadas
nis artes. Enearrega-se de objectos diminutos on
grandes ; a retalho on em grande escalla.
Em relacio aos objectos de pequeo valor nao
recebe o preco adiantado contentando se com as-
segnrar o ajaste que flzer, em qnanto porm aos
grandes objectos e avultadas encommendas, re-
cebe as commissoes eom as garantas, segundo o
estjio commercial. Em vista pois das muitas re-
lacSes que tem pode encarregar-se tambem de ou-
tros negocios que forem de sna aleada.
O annunciante tem apenas as amostras em pe-
quena escala dos objectos em camafeos e mosai-
co as quaes denotam os recursos de que dispde
para fornecer desses e de outros objectos de maior
importancia aos amantes das Bellas Artes.
Pode ser procurado, todos os das atis das 8
horas da manh at as 3 da tarde, na Uvraria
Econmica, dos Srs. Nogneira A Medeiros, raa
Primeiro de Marco n. f.
Vende-se o sitio Glho de
Vidro.
Em Ponte de cha.
Este sitio tem nm sobrado de nm andar e an-
dar terreo, contm i sallas, 9 qnartos, 2 cozinhas
com bons fogSes e forno de ferro, este sobrado
circulado de janellas. Tem em separado grande
cocheira para cavallos, casa para feitor e escra-
vos e bem assim casa para fazer farinha eom seas
misteres para tal tim. Esta easa tem na frente
bons canteiros para flores, com portao de ferro
para a estrada do Parnameirim, grande sitio ar-
borisado com grande diversidade de fructeiras,
grande baixa para capim, podendo sustentar por-
cao de vaccas leiteiras para as quaes tambem tea
commodos de recolbimento.
Os fandos da dita casa e sitio deitam para a li
nba frrea qne segoe desta cidade para Apipncos,
e se acba livre e desembarazado, visto qne as
questres qne os consenbores de dito sitio tem
com os empreiteiros de ditos trunos apenas diz
respeito ao terreno qne elles ora oceupam, e os
prejuizos que por tal motivo tem causado.
Os pretendemos p^dem-se dirigir ra Duque
de Caxias, loja n. 43, oo rna do Aragao, boje
ua de Visconde de PelotasJ3. casa n.
Consultorio -homeopa-
thico
DO DR. SANTOS MELLO.
Raa do Bario da Vtctoria n. 43. H
VACCINA.
Todos os domingos e qaintasfeiras, pe- m
las 9 horas s 10 da manhaa vacclna-se !
por preco mdico, para o que ha raaito |
Mk bom puz vaccinieo. |
Recebem-se chamad, s para vaccinar em I
I qaalquer casa.
Consaltas medicas todos os dias pela 1
^ manhaa.
Chamados a qaalquer hora do dia e da U
| non te.
Gratis a parte medica aos pobres.
S HMMKBl KMHgS**
AMA Prec-se de nma ama que saiba co
uuia zinhar e comprar esm perfei^ao para
casa de poaca famila, prefere-se escrava : na ra
da Aurora n. 5, 2a andar.
IMPERIAL FABRICA
DE
S. JOAO DE NrTHEROHT.
Uro dos problemas que mais tem preeeenfiado
atteocao dos legisladores e dos economistas mo-
dernos, particularmente na loglaterra e na Fran-
S, e acerca do qual, ainda em 1868, L. Wolowki
: um promndo e notavel discurso, o qie trau
de definir e regularisar, manteado o equilibrio
entre o interesse e a hamanidade,"o trabalho da*
eriancas as manufacturas.
Eta qnestao grave e melindrosa, come?a a ttt
entre nos de algama importancia, e merece qne a
sxaminemos com criterio, tanto mais qne forcosa-
mente na substitaicao do elemento servil ter ella
de eonsiderar-se efllcaeissima para o fnlnro des-
envolvimento de nossas industrias.
Recordando com o celebre economista de que
Pallamos o profundo pensamento do poeta mglez
ana diz :=fA erianea o pa do hornera parti-
Ihamos tan bem os seos generosos sentimentos re-
lativamente essas frageis e delicadas ereatnras,
jue anda na primeira iniciafao da vida prestam
j tao imprtanles serviros sociedade.
Qualquer que seja o ensino ou o labor em qne
se exercitem as forcas ainda debis dessas tracas
existencias, deve presidir o maior escrpulo na
direeco, a maior vigilancia e cuidado no empragu
e distribuicao do tmpo, porque do sea resaludo
depende a actividade e a energa das novas gera-
joes, e d esUs as grandes conquistas do ftoro e o
progressivo aperfeigoamento social.
Nos secnlcs anteriores as industrias oeeanvam-
se mais com os prodnetores. Ao seclo XIX com-
pete a gloria nao so de melborar o fabrico dos
productos, tornando-os mais perfeitos e mais ac-
eessiveis a todos pelo quantidade e modieidade do
preco como a sorte a condicao, a existencia do
trabalhador, do bomem.
Wolewki cita a este respeito ai palavras de
Gladstone, qne, em nma reuniao de operarios in-
glezes, fa laodo-lhes unto em seus direitos, como
em seus deveres, disse : tO nosso secle o se-
enlo do operario: e accrescenU qne esta phrase-
aao saho de bocea snspeita, pois Gladstone nao
Ama de leite.
Precisa-se de nma ama de leite : na ra Duque
de Caxias n. 99,-loja do rival sem segundo.
Na trivessi da rna
das Crazes n, 1 pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penheres
de oaro, prata e brilhan-
les, seja qial for a pan-
ta. Ha mesma casa com-
pram-se os mesraos me-
lles epedras.
Joaquim Jos Oorn^al-
ves Beltrao
Roa do Trapiche o, 5, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco &
inho, em Braga, e sobre os seguintes logar m
'ortogaj :
LisDea.
Porta
Valonea.
Guiauraes.
Cimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa lo Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castellc.
Ponte do Lima.
Via Real.
Villa-Nova de Famelicao
Lamago.
Langa.
CoaAia.
VadT(Valpasso).
kflrandella.
Beta.
Barcellos.
Arrenda-se o sitio denominado Peixinbo, que
I tica entre Olinda e Beberibe, margem do rio,
I com gr.iode casa para familia numerosa, por ter
?" "'M e abinete na frente, sala de delraz,
dita de jantar, cbco quartos grandes, urraca, na
I-mfi ,coziona' trbaria, baixa de caplm que
da 100 feixes pordia, com muitas (roteiras, gran-
da mangabeiral, terreno para plantacdes etc. qne
so com a vista poder avaliar : para ver e tra-
tar no mesmo- sitio.
Ba'aios e mais balaios
Cestas de semana nao
Directamente viodos d'Earopa
Para o nosso deposito de p5o
A' raa Largado Rosario
-V loja do trinta e seis
Obras de vme e de palha
Tudo all acbare8.
Aluga se
o sitio da estrada de Joao de Barros, com 800 pal-
mos de frente e 900 de fundo, com 2 salas, i quar-
tos, cozinha ao lado e qaarto do feitor e copia fra,
todo, arborisado : trau-se com A. de Abren Porto'
na estaco da ra da Aurora, esucao da emprez
de Olinda, das 6 da manhaa s 6 da Urde.
Roga-se aos senhores capites de campo o
favor de apparecer>ra raa estreita do Rosirio
n. 23, a negocio de sen Interesse >
O Sr. Anr de S e Albuquerque rogado
a w entender-se c m Tasso lr.naos em liquida-
gao a negocio de mutuo interesse.
Fetoi*
o
ATTENCAO
Vende-se por barato preco ama
do:
icto de carne
Do Dr. Ubatuba
Fabrica de podras brancas na provincia do Ri<
Grande Jo Sal.
Em latas de 2, i, I e 16 oocas. Uoieo deposi-
to em Pernamboeo, na pnarnaoia americana d
Ferreira Haa k Q.; i P Pfqu ie C>i>s no-
v7.
Os abaixo i asignados faiom acionu ao pu-
blico e com espocialidade ao corpo do eommercio,
qu dissolveram amigavelmente a sociedade qne
tinham oa podarla i roa de Pedro Afiboso n. 47,
qoe gyrava sob a firma do Beiro & Primo ; fi-
jando a cargo do ex-aocio Domingos Nonos Bei-
ro toJo o activo o pasotvo 4o dia 15 do corrente
em diaaie.
Rocife 26 de sejerobro de 1871.
Domingos Nono* Beirlo.
___________ Manoel Nnnes Bario.
- propriedade.a
margem da camba dos flemodios, fazondo-ae
toda vanugem ao comprador, recebendo-o parte
em dinheiro e parto em letras ou objectos de
prompu venda; cola proprledade contm nma
groado olaria do podra a tal que laatra 16,000
iviSS* aJvenri* aro e forno qoe comporta
20,000, com mais om forno e lastro para fazer-se
tenas, ladrilho, canos e loaca, com excoUonte
barro para qoalquer obra, com dous excellentos
viveiros de peixe o com casa do vtvenU para
grande familia : as posteas qoo pretenderem di-
nilSr8V.fllta, PwpWade a entenderse eem o
capltao Deloffl Los Cavalcante Pesaos,
ru o800^08 EMANCIPADORA.
?? hfr ?.rJ.B,i no doron '' a ornastei ai
ah F.oenaS 0 "'",r0 de 8"Bto A^
Todas as alforriadas dovem comcareeor ossa
de qdo so achlo na secretaria da soeXu
Sdlleito dos Srs. socios ou nio M.lfcon \
rom com romo. de cartas d2 ufiroiffsV
!??? fto debod.]?do^olS
se dignem remetle-lss at o dia
Aluga-se a mei-agaa a. 6 na boceo do Fal-
li : a tratar as ros dos Pescadores a. 17.
Advojarados
Os hachareis Jos dos Aojos Viaira da
Amonm, e Miguel Bernardo Vieira da |
Amorim tam soa eacriptorio a ros do
^ Daqne do Caxias a, 55, 1 andar.
de sosa es era vas
30 40 orente.
,,S: fia,"*"' ***
Jote Evitaqulo Penetra Jacobina
l.'Socrjurto,
20 dt
SENHORES CONSUMIDORES ACEITAI
CONVITE QUE VOS FACO.
Viodeao nosso estabelecimento manir-vos
de sublimes cestinhas finas o mais interes-
sante as meninas de escola e maiores para
senbora8.
ptimos bercos para os rescemnacidos.
Aboadores de eriancas aprender andar.
Bandejas de mais e menos de om metro
para roapa engommada.
Salvas razas e de p para por fructas na
mesa.
Pranhos nmisados para limitar-se o p3o.
Colleccps de balaios para rou'pas servi-
das, oa maiores off. recem capacidade a roo
pa de 10 pessoas no espaco de 15 dias.
Colleecoes de acafates e de condecas para
differentes misteres as casas de familia
Ditas de gigos de vime para padana. Di-
tas de balaios para botar-e papis rasgados
nos escriptorioi.
Balaios que dividem as facas de garlos.
Ditos com tampa e sem ella para costara
grossa e qoalqaer oatra applicafo.
Cestas da arco e lampa e sem ella', para
compras do carnes e ootros misteres.
Bollo de cera branca para ascender luzes.
O sortimento grande, com elle bem
serviremos a todos desta cidade e aoa nos
soa fregueses d centro e de ontras pro vin
cas que nos costomam honrar com os seos
pedidos afim de aoriirera seos estabeleci-
meotos de balaios.
Pedaos igoatmente aos nossos beoignos.
comparochianos qne preflram ao sea con-
sumo o nosso ptimo po commam, pro-
venfa e crilo. Massas doces torradas e
bolachas etc.
Preeisa se de um feitor para om sitio, prefini-
do-se portuguz : a traur na ra 4e Pedro Af-
fonso, ootr'ora Praia, taberna a. 43, das 8 as 12
horas da manhaa. e de 3 as 6 da Uria.
Precisa-se de ama ama pa
ra cozinhar e qne seja de boa
conducta : na rna do Viga
rio n. 5, 2 andar.
A' Torre.
om sitio com ex-
cedente casa de
vi venda e banho
frente desta no
rio, sendo ptima
morada para es-
trangeiro. A casa assobradada, e tendo passado
per concertos agora, carece de caiaco e pintura.
Alem da casa de vivenda ba cocheira, estribara e
qnarto para criados: trau-se na rna do Gervasio
Piros a. 26, pela manhaa al :s 9 horas, e a tarde
das 4 em diante.
arrio
i
Aloga-se om bom sitio com grande casa de so-
brado, eaiada e pintada, com commodos para
grande familia, commodos para eseravos, cochei-
ra, estribara, caso do banho e muitas arvores, na
Passagem da Magdalena : a traiar eom Domingos
Alvos Maihens, a roa do Vigario a. 21.
IM|||
I Dr. Manoel Enedino Rege Valenca, me*
Camoda do Carmo aTsl, !
5 dico, roa da
Frecisa-se de nma ama para comprar o co-
zinhar : os roa do Gaz a. 2i-
AMA
Precisa-ae de
ra poaca familia
Rosario n. 20, I* aodar.
orna ama forra pa-
: oa roa larga oo
ro
Ofioroeo so para caxeiro om rsoaz bni.i.
qoom pracur
doraaoawBdett : q
pamT
A ^a-wdb nms asa, para orv
eojaurai) e oatoroo do ama ?4 *
dqaap*eo8 : pa rw ds G^^JV 7
AMA DE LEITE-
^Ns esssii. Ut defronte do fcc^iul Podro II,
(sos Gosloei) procesa.se de mar. 3a laito, que se
ja sadte ateans aboodasto o bri leite. Proftro-
t qaonio~ Precisa se alagar
teoda4e atenulo
' n. 2*.
Em nagru vtino qut> en-
na Ospongs, ras das Qrim-
CompanhiaAllianca
DE
seguros martimos estabelecida
na Bahiaem 15 de Janeiro
de 1870;
CAPITAL..Ra. 2/W0:O0OlO00.
Toma seguro da morcadorias o dinheiro a rtoec
zurkimo em navios de vello o vapores para don-
lo o fra do Imperto. Ageoeii i roa do Com-
nercio n 5, eseriptorio de Joaqnim Jote Gen
?alve.s Belirio.________
Para pastar alfestaT
..lagtMKao*0,hfld0' cjal aTan-la quintal ma-
rado, eacimba o algomas rncuiras, eom bisuntos
eoojBoJQi para hmilia, em Ol'nda, pp pajeo doS.
Pew-DOY): a tratar na rtft Itprfti'o. T\ t
pertenje ao numero daqnelles que lisongeam em
vez de servir ao pevo.
O bomem d'este modo encarado como bem
primordial da prodnecao do bem; e o nouvel au-
tor qoe nos referimos entende comnosco qne a
iberdade que elle cenquistou tira toda s sea forea
da energa da alma assoeiada saude do corpo.
da elevacao do espirito qne proporciona o deseo-
volvimento progressivo da habilidade pessoal.
Foi baseados n'osta allianca que os legisladores
inglezes coraprehenderam que o iostrumooto acti-
vo, o operario, obedeca outras e diversas aeces-
sidades que as que sao partlba do instrumento
material.
Foi por este motivo que se marcaran) e regola-
mentaram as horas do trabalho as manufacturas,
e se attendeu sobretudo a que as eriancas rece-
oessem a nm tempo o ensino da fabrica e o ensilo
da escola.
a Era 1862, diz ainda Wolowki; sanecionco-se
aa Inglaierra a prole, a vigilancia penetroa no
seio das vastas commuoas indnstriaes, formadas
boje em roda da machina de vapor, dessas vastas
eoramuoas povoadas por milhares de operarios.
A le de i 802 flxou a idade em qne as eriancas
podiam entrar para as mannfactoras e limitou a
iuracao do trabalho.
Pois bem. Este grave e humanitario problema
qoe levoo qua-i meio seculo a resolver, o prec:-
eopoo a attencio de tantos bomens de estados
eminentes, como foram Roberto Peel Lord A-th- y,
boje Conde de Chattsbaago, genro de Pnlmerston,
9 muilos outros, assignalando umi pagina honru>*
oa historia da civilisaco moderna, acha-sorea'i-
sado, e daodo sal o la res resoltados mire nos i.i
fabrica de cigarros de S. JoJo Nilberchy, ,di c., I
ao propietarios os Srs. Sooza e Novaes.
Ja li vemos occasi?o o anno passado, de m-.-
ver algumas linhas acerca deste importante > :.
belecimento, e hoje. depois de urna visita que fl
temos ao novo edificio ampliaremos aquello nos?o
trabalho.
A casa onde actualmente este esubeleeida a fa-
brica sem duvida nm dos melhores predios da ca-
pital.
Alera das espacosas accommodacSes interiores
livremente arejada como convm a lio numerosa
iwtlomoracao de pessoas, o predio exteriormen-
te de urna architecturi simples e elegante, e fica
a pencas bracas do mar, onde eom auxilio de orna
ponte os productos sao com facilidade embarcados
e conduzidos para os mercades.
Cerca de dozentos meninos abi recebem o ensi-
no manual, intellectual religioso e mr ral.
A mais perfeita ordem, sem a severidade de orna
rnde disciplina, mas ?ntes aconselnada pelos pre-
citos pratlcos da autoridade, d um aspecto agr-
iavel a este afanosa communa de pequeos ope-
rarios e ejperancoso uucleo de futuros e moraliza-
dos cidadaos.
Em um vasto salo das 7 s 9 horas da tardo
Jepois do trabalho e do descanso aprenden) os me-
ninos os primeiros elementos da leitura da escrip-
ia e da contablidade. Dissemos primeiros ele-
mentos porqne acreditamos qne as nocoes rudi-
mentaes da escola no sao ontra consa mala qoe o
instrumento cora que mais tarde se deve cnelo ir
3 aperfeicoar a edocacao. Nao cosu saber 1er o
esencial e f.izer uso discreto e aproveftavel
Jesse poderoso motor do nosso aperfeicoanwnlo
moral.
Depois do trabalho manual e do ensino da es-
cola depois mesmo de algumas horas consagradas
ao recreio era preciso amensar com o estado Oe
ilguns dos ramos das bollas-artes as trelas in-
fants.
Neste intuito foi creada nma aula de roozica di-
rigida per hbil professor.
Com pooco lempo de exereicio e o ardor pro-
prio da mocidade j alguns dos alumnos tocam
eom verdadeiro adiantamento os instromentos qoe
sscolheram, e pode dizer-se qne a fabrica tem
boje ama banda de mos'ra sua disposicao, o qne
alm de accreseentar uros agradavel prenda a
aducacao dos aprendiies, dispensa das festivos oo
estabelecimento, o concurso dos msicos e ohos.
Ora, o grande resoltado colhido por este dupio
lystema do ensino manual e simultneamente in-
tellectual, que os productos da fabrica de S. Ji9
de N therohy, redobrando de valor pela qoalidaoe
9 perfeicao augmentara tambem a f ua procara ao
mercado s naturalmente os avuludos inleressm
des productos.
Esubeleeida assim eom os ouiro's estabetecimec-
tos do mesmo genero a Inta da concorrencia, qne,
oo dizer de nm notavel economista, nao oatra
:ousa mais qu a maoifestacio pratiea, a face
material da liberdade. elaro ett qoe as eondiejes
do trabalho livre comeeam j a ser assentadas, oo-
tro nos em bases sensatas e de eonseqoeociaa pro-
Beoas. r
Ligamos oo alto apreco s tentativas e aoa re-
soltados desu ordem.
O Brasil-precisa smpregar todos os seos estoi-
cos oa propaganda industrial, nio osquecendo
aoaca qoe a auantidade dos produelos nada re-
prosoats, si ella se nio tornar an mesad terciw
recommendavel pela soa qualidade, o que esta 6
e obtem com anxio efficat dos productores ha-
bis e lotelligeotos.
Aeredlumos, pois, qoe oa Srs. Souaa o Novaeg
prestam om importante servico ao pala e temos
empre prazer era mencionar os estabelecimento
lesta namroz, nao s em referencia a esta fabri-
ia, eorooa lodas qoe estiverem randados ou o
nudem i aqoi era diaote as meaaias airconis-
'.aaeas.*
O nico deposito nosta cidade no estrjptorio
le Domingos Alvos Mstbeas, i raa d Viga-
no D. 21.
A. Zaloar.
saVaiSaTaaWWaTasSai
AMA mar fazer ia
Procisa-M a asaaajna
para ecaissar o saasasar
roana : i trat
da Caleia Non nce.
.

DO
Wecw- w-'* ni yin aaajaj
os ra Pima o. IB, f atoar.




fi.ifio A'tnuuabueo uiuta feir* 2 de S leaibro di 1871.
D.
W. BOWMAN
Engenhero com
FUNDICAO
59 UFA 1IO IIIUH 5S
PASSAHDO 0 CHAFARIZ
Pede ios senhores de engenho e outroa agricultores, a empregadores de ma-
fchinitmo O favor de ama visita a seu estabelecimento, para verena o novo sortimento
completo que abi tem; pois sendo tudo maito mais barato em preco do que jamis te-
ana vendido, est anda superior em qualidade e fortidio; o que com a inspeccJo pes-
loal pode se veriflcar.
PEDE ESPECIAL ATTENClO K NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
V&nnrflR A rnrinfi d'aOTia dos mais modernos systemas e em
fapuiO O rodas ua^Ud lmannos convenientes para as di-
versa circumstanclas dos senhores propietarios e para descarocar algodSOi
l06H(f&S dfi PATITIA de loJos 08t*manhs> as melhores que aqu
Sodas dentadas parl IDimaeS) agua e vapor>
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
lWftPfrnmgmng Para mandioca e algodio,! Podendo ledos
iim/miiiaiiwa e ^rti serrar madeira (ser movido a mSo
Bombas ^T aBaa vapor'
#vuvm ,je patente, garantidas............Jen animaes.
Todas as machinas e peoas de que se costoma precisaT,
Faa qualquer concert 4e machiDismo> a preco nDi resumid0.
FOITnaS dG fen*0 tem as me'Dores e mais baratas existentes no mer-
C3 u O
EnCOmmfindftSIncuml)e"se (le manJar vir qualquer machinisrao vonta-
uuvuiuiuvuuaD. fo oa dientes, lembrando-Ihes a vantagem de fazerem
das compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qualquer necessidade pode
ibes prestar auxilio.
Arados americanos
COMPRAS.
ROLAS
Compra-s am easaltioho de rolas de Hamhar-
go, que sejam brancas, paga-te bem : nesta ty-
pographia, ie dir quem qaer comprar.

Nesta typographia
sagrada por Pinhelro.
compra-se ama historia
COMPRA-SE
frascos vastos da tintara japoneza, e pgase a 80
rs- cada om : roa Duque de Caxias n. 50, e
Mrquez de Olioda o. SI.
na estacao da connanhia do Recife .a Olioda e
Beberibe, panno velho branco qoalqner porcio :
de 8 horas da manha as 4 da tarde.
Compra se utn oa dons buhares cora todos os
seas pertences : a tratar na roa do Bario da Vic-
toria (ootr'ora roa Nova) n, 83.
VrNDAS.
Venderse barato, am piano, de nm dos mais
afamados fabricantes : tratar rna do Com-
mercio n. 88.
e instrumentos agrcolas.
Leman Frres
vende cerveja Mayenca e vinho do Rheno.
Vende-se coqueiros pequeos para mudar-
se : quem os quizer dirjase ao sitio Cafando na
estrada de Paulino Cmara, outr'ora de Joao de
Barros.
Libra st*rli ias.
Vende-se do armazem de fazendas de Angosto
F. deOliveira di a, rna lo Commercio n. 41
Canoa.
Vende-se ama canto em perfeito estado, a qual
pega dons rallheros do lijlos de alvenaria grossa :
a tratar no armazem de ca d. 9, na praca da Con-
cordia.
Ramal de Beberibe.
Acha-se aberto este ramal at a povoacao do Beberibe.
TABELLA DO RAMAL DEBEfiERlBE
-tem principio no I.' de oulubro de 1871.
Partida dos trens nos das uteis.
Ida.
ESTAgES.
Horas.
Encruzilbatla....
Estrada-Nova...
Agua-Fra......
Fundi.........
Porto da Madeira
Beberibe........
5.45'
5.48'
5.50
5.52'
336'
6. 0'
Volta.
Materiaes
Na otaria denominadaAmarelladefronte do
hospital Pedro II, vende-se materiaes maito bons,
e por menos do que em outra qualqaer parte.
E* botuto
Fronhas de paro lioho bordadas; eslao expos-
las a venda Da roa Duque de Caxias n. 63. .
Attenpo
Vende-se a taberna sita rna Imperial o. 49,
esquina do becco do Lima, e o -motivo se dir ao
comprador.
Vndese d'oas moradas de casas terreas,
sendo urna na *aa dos Martyrios n. 32, e oatra no
fundo da mesma, na ra do Caldplreiro n. 35 : a
tratar na rna de Santo Amaro n. 6.
Vende-se urna vacca de leite, j mojando,
que d de 4 a 3 garrafas de leite, e um garrote:
na rna do Gaz n. 14, oiio da casa do ebefe da es-
lacao das Cinco Ponas, ou na aifandega cora Ju-
veocio Maraes da Silva.
ESTACES.
Beberibe......
Porto da Madeira
Fundi.......
Agua-Fra___
Estrada-Nova.
Encruzdhada..
DE MANHA.

Hora?.
6.20
6.2V
6.28'
630'
6.32'
6 33'
Horas.
720
7 24'
7.28'
7.30'
7.32'
7.35
Horas.
8.20'
8.24'
8.2&'
8.30'
8.32'
833'
Horas.
9 20'
9.24'
9.2
9.301
9 32'
9 33'
Horas.
DE TARDE.
:3.0'
3.24'
3.28'
3.30'
3.32'
3.35'
Horas.
4 20'
4.24'
4.28'
4.30'
4.32'
435'
Horas. Horas.
5.20'
3.21
3.28'
5 30
532
5.35"
6.20"
6 21'
6.28
6.30
6.32'
6.35'
Horas.
7.20'
7J4'
7.28'
7.30'
7.32'
733'
Horas.
8.20'
8.2V
8.28'
8 30'
>8.32"
8.33"
Horas.
'9.20
9.21'
9 26'
'9.30'
9.34'
9.35'
Donlagos e 4as cantineados.
1.15, 2.13, 3.13, 1.18, 3.15, 6.15,
e 2.43,3.43, 4.1o, 3.43, 6,iS, 7.43 e
Da Encruzilbada s 6.15/7-3, 8.15, 9.15 dmanha :
.15,8.15 4a noute.
De Beberibe s 6.43, 7.43, 4L48 e 9.43 da macha
S.iS da noute.
OBSERVAfQ.
Nos das uteis safce do Pecife e 11 horas e 30 minutos da maahaa e volta de 6eberibe 1
jora da tarde .nm trem de car^a, qae aleas da carg u bagagem condoz Mssageiros, indo e voltando
mexpresso o-Recife al^ a Encruzba etc. Os trens fomente chegam at o Porto da Made'ra, e-
iras a Beberibe quando for aberto o transporte pelo gorno da provincia.
O SUPEBLNTEXDENTE,
i d'Abt.u Purlo.

;: -a

TBAMCA MiST!
CABELLEIREIROS
Vende-se no trapiche da companhia, desembar-
ricada, a 3<._______^^
Vende-se urna rasa de sota ha pooco edifl
cada, na freguezia de Santo Antonio, iravessa da
Bomba n.-8, com os commodos segnintes : no an-
dar terreo 2 salas, 2 aleo vas e mais 1 quarto de-
baizo da escada, cozinha fra, quintal murado e
cacimba ; em cima na sota anT)em 2 salas, 2
quartos grandes e cozinha fra ; vende-se por
preco corosuxte vista- do sen rendmento e por
seu dono ter de relirar-se para fra : quem a
pretender dirija-se ao largo do Paraizo n. 14,
e dir quem vende.
Wmk.
. 065.
Ba do Duque de Ca-
xias
i?bade recber um InporUnta aortlmento de
poapelnu de lia, s qoies abrera o preco de 800
rs. o covi tenda. <
~ VEHDESE
h 'dtoeira gomma do Aeane em saceos e
oameas, por menos preco do que em outra qual-
Jos"o"" ra" "t*rk> n. 14, escrlptorlo de
Arevalesciere duBarry de
Londres
un deenca cede a Revaleaciere da Barry,
2, Mude, energa, appetlte, d.gestao e dea
r.. a "a cura lpep*i faairitea, humo-
rea, acidez pituita, flato, enjps, vmitos depoii
Ji60?1* e gravidez, con?Upacdes,t) asthma,
f-r588 Pulmonares, bexifa, flga/ -erebro e
Brasil6 ,00 CDrU> melaiodo mtuUS dellas D
A revaleaciere chocolatada do Barry
. em p,
r cloo alimento para almoc.o e ceia, maito
nutritivo, fortifleando os ervos do estomago tem
causar o menor pese nem dor de eabeca, nem ir-
Unioo deposito para o Brasil em Pernamboeo
n* pnarmaek americana de Ferreira Maia k C,
r>* do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidado
egm *a falsincicoea.)_________________________
~ J- Doyle tem em seu armazem para
vender o seguiste :
Cognac Hennessy.
Vinho Xana.
Dito Lisboa.
Filtradeirai.
Um piano de nm dos melhores fabricantes : na
rna do Commercio n. 38.
Terreno a' venda.
Vende-se am excelknte terreno na rna Impe-
rial, proprio, todo aterrado, prompto para edificar,
tendo duas frentes, porto perto para desembarque
de materiaes com 110 palmos de frente e 300 de
fundo : a informar na roa Nova n. 7, toja, e tra-
tar com o proprietario ,na dita roa Imperial, casa
junto a de n. 150.___________________
E. A. Burle & C, em sea armazem ra
da Cre n. 48, vendem a precos muito em conta
para acabar :
Ladrilbos de marmore.
Tabeas e degros de dito.
Mann commnm.
Mannite.
Fio de vela.
Cognac fino em caixa e barris de vidro.
Vinbos de Brdeos fios e ordinarios em caixas
e barris.'
Licores em eaixa.
Precias em conserva.
Azeita doce em caixas. _______________
Bicos e rendas
Vende-se rendas e bieos do Aracaty a precos
nunca vistos : na loja de fazendas de Canuto &
Pinheiro rua da Imperatriz n. 16.
PAO RAMN OA
eico deposito no' Recife rna das Cruz n. 13 sera
alteraco de precos.
que
Cftrro.
carro de quati
arrotos : os Viv
eem ve-Ios oa ra de Reachu.llo, casa de Vicente I I fTlT T1"
Ferreira da.Gesta, das 7 as 9 horas-da raanba e i L
Vende-s un carro de quatro assentos para
4ous cavaUoe eom arreios : os retendentes po-
Vinho tinto e branco supe-
rior
de carcavellos tem para vender em caixas
de nma dozia Joaqoim Jos Gongalves Bel-
triOt roa do Commercio n. 5.
SttHKff KSSWiltMW
* A LOJA
das 3 as 6 4a tarde.
Atten JoaeflWi Jos Soacalves Beltrao tem para:
vender no ten eseriptorto ra do C immef ci n.
5, os gneros abaixo Dotados, que vende maia b-
rato do qoe era outra qnalqner parte :
Azeitonas em snecretas.
Amendoas eni barricas.
Caf muido.em massos de 1 libra.
Cbapaorio Chile de boa qualidade.
Cognee marca raartel frres.
Enxadas.
Farinha de mandioca de Santa Catbarina, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Baha em saceos trancos.
Dita de dita em barrica?, proprias para casas
particulares.
Fio de algodao da Baha em novellos.
Fouces.
Mazados.
Nozea.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azni para botica.
Palitos para denles.
Prego* sonidos.
Panno de algodio d fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Babia..
Rolhas.
Rap popular da Babia.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto*
Tapioca do Maranhio.
Tabaco siroonte da Babia.
Verniz copal.
- Vinho do Porto engarrafado, caix de 12 gar-
rafas.
Dito de dito era barris, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito.Bordeaux em caixas de urna duzia.
Dito de caj era caixas de urna duzia.
Pomada alpaka
E' muito coohecida esta pomada e muito
apreciada por saa finissima qualidade, a Nova
Esperaoca quem tem.
Jarros de porcellana
Um completo sortimento de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanca, ra Duque de Caxias
o. 63.
PARA H O VAS
Ltodas grinaldas com flores e botSas de
larangeiras com vivos e sem elles, vendem-
se na Nova Esperanca ra Duque de Caxias
n. 63.
Oleo para machinas
Vndese na Nova Esperanza ra Duque
de Caxias n. 63.
Nao haver convtilcdes.
As criaocas que usarem dos collares ano-
dinos, qne se vendem na Nova Esperanca,
esttro isentos de couvulsoes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
LemBrana tempo
O proprietario do armazem de vveres raa do
Imperador n. 28, vem per meio'desie anouncio
prevenir e avisar ao respeitavel publico de?ta ci-
dad*, qne o sea armazem um dos que eom mais
vantagem pode fatisfazer s as tem entendidas
exigencias, pois para tal fim tem feito reunir i>
Mencionado eslaneleclinenlu o mais compleio sor-
timento de acepipes, e para que os dignos leitorea
de?taanuuneio nao teiihm occasiao de mascada
toma a resolncao iie limitar se a lembrar .rnente
os gneros qne elle tem como especial novidade, e
n sigumtc :
Lindas caixas com confeitos, propiias para pe-
queos presente-.
Chocolate em p, este choeolalo lera a vantagem
de poder-se fazer memo na mesa.
Leite condenado, a melhor marca conhecida.
este leite convem principalmente aos cdllegips, ho-
teis e hospitres, pela" preste-a Cim que se obtem
qualquer preparado delle.
Tmaras do Fgypto, raramente viudo a este
mercado.
Licores finos: Charlreize, Curaco, Anizete,
Lreme de rosa, etc., etcj
ALEM DISSO O CAMPOS
pode garantir crue o ?en armazem um centro do
bom e agradavel ao paladar, pois nelle se encon-
trara seare tudo quinto pode oecessitar urna
despfn'j, cozinha ou mea desde a mais bem sor-
tilia at a mais mediocre.
AGORA AIXDA
annuncia tambera fei.o mnlatinho em saceos e a
retallm.
DE
IAHNU8 BARATAS
10Ra do Crespo-10
madapolo a 4*, 5#, 5^500, 6/, e
superior a
DA
Vende-fe ama carroca para venda d'agua, e 1
famoso boi: oa roa do Atalho n. I, primero por-
taoao vollar a caixa d'agua d Pires.
CABSE DO SERrO.
55Vende-e superior carne do feriao :
Brura o. 63.
na ra do
m
SATYRO & CARNEIRO
Autigos ofieiaes da Thesoura de Ouro.
Acbara-se esiabelecidos am sa)3o de abelleireiro ra Duque de Ca-
das n. 39 Io andar.


^-
*%&
tf
Ferro ^alvanisado
Proprio para eobrir casas, estacoes, co-
xeiras, armazeus, etc.
2u0 o bas de difterentes tama-uhos e
grossurac, cb-gadas ltimamente e anda
na alfaudesa.
Eaglisb S iLvapized Jron, 2330 Corroga-
ted sheets,
Sympson & C n 10 ra do Rom Je-
ss. outrora ra da Cruz.
Tl\i;Jiitvs
Vende-ee iraws, encharow, caibros e madeiras
de aleapin de duTerentes dimenses : a tratar oa
rea do Apollo n. iS, escriploro.
(rande pechincha
Damasco de laa com 9 palmos de largura, fazen-
da prapria para cachas de cama e eobertas de
piano, peto baraiwsimo preco de 1*500 o cjvado
alpacas 4e cores de pad/8e* miudos ? 300 rs
cevado, lias de cores meschdas e de liados p-
drfies a 3iO a 280 o covaio, cambraiis de cores a
S80 e SiO o covado: na.' loja dos arcos roa !
de Marco (an;ga do Cre*po) n. 20 A.
S
TURQUEZA
receben o segninte:
Lindas chape,iD.
Cbap08 parasenhora.
^OrteS de seda.
Popelinas
t nales da touqam.
Cambraias fle paloiDhas.
Bournous.
Gorguro branco.
aV eOS paja no]VI-
Capellaspara,0iv,.
Ra do Bario da Victoria n. 9, amiga
MprattttttftI
Publicares musicaes.
Acabara de pubicar-se tres lindas pecas
para piano3 saber:
A celebre Terentelle por Beriol fils,
preco 2)5500.
LINDA, grande mazurka de concert,
ultima publicado musical do maestro Ca-
zalbore, a qual fui terminada pelo maestro
I. Smolts, prego 2,5000.
PETIT LAZZARONE, linda polka apo
litana, pelo finado maestro Caalbore,
preco 1)9000.
A' venda no armazem de panos e msi-
cas do Azevedo, ra do Baro da Victo
rra.o. H, outr'ora rita Nova.
N. B. Esta- se gravando a linda walsa
por Collas, o Anjo da mcia noute.
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DA|
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Es|e oleo que to boa acceitacao tem merecido,
muito se recomraenda por ser o mais purificado
que at hoje tem vindo, e anda pelo bom paladar,
inperior a onlro qualquer : vende-se no deposito
especial de Bartholomeu & C.: ra Larga do Ro-
tarla 34.
Ru do Barao da Victoria
Antiga ra Nov<
.i
INTERESSA LER
A loja dos Arcos di Alvaro Augusto d'Almeida dCJ ra do Crespo 0. 20 a acaba
is receber directamente a'gans artigos de moda que pas-j a jneccionar.
Riqnissimo cortes de vestidos de blonde para cas.tujfli[?.
Ditos de tarlatana bordados seda para casamentes.
Cortes de seda de. bonitos gostos e superior qalidade.
Colxas de seda, lia, e 13a e seda.
Capellas eom mantas de blonde para noiva.
Canrsas de esguiSo bordadas para noiva.
Lencos de cambraia de linbo bordados.
Cortinados bordados de differentea precoi e qnalidades
Born de 15a e seda pira seobora.
Cbpe!inas de crpe preto bem enfeitdas para luto.
Uiapos enfeitados para menina modelo inteiranwnte novo.
. aotiloas brasilei/a de fil de sdi. -
C/tes ds cambraia de eflr, e brancos bordados.
Cb:cheaez de lia e seda.
Toil de voyage fazenda de goto para vestido.
Cretones de padr8es novos.
Gravar de mnito goslo para-sennora.
Asquiohas de ciina.
Alean lestes artigos que se v=ndem por precos razoaveis tem oufras ooe 3o verdi
5ras pecbncba como sejam : iT
Cambraias de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Alpaca largas bonitos padree a 500 rs. o covado
Lenco de esguio muito fino a 3f 34500,4400o'e 5&000 a Hni
Las de >:res a 280 n. o coTado. / *'-,
. A 2^500 rs.
Hm lJ* de Puni nlnariet
sefpa" SJf{r01ttllD dC ,0d" COres ,,r
ra!lwoada'ri",Ufc P'e, Dfei,td>?- 9>r* senho-
!?" ">"i Cm Pll'n'' Cor n"' torxi* *
tSss K;.44f ik,eom ** *? .**
o cvld l0' *e **"' d"' *arga"f- ktam i4en5
1m!M de,fod5a'.0?, moderno, B6tro
Brinide Aqgola verdadeiro, metro If 8>
Jlmde onr':'pnwa -<
A" RA DA IHPERATBJZ N. 48
Junto a padiria franreza.
o
Sa-
3 a
* 2.a
m
g "
I-

a.
mi
c
i
Cemento Portland
Em barricas de 13 arrobas preco mais com-
aiodo do qoe em ontra qualquer parte, vende-se
nos armazens de Tasso lrmids & C
Eftteiras da India para forro de salas.
um par de yeinzuna muito largas, para varanda.
com mni'o ponco uso e por pr.co eommodo na
ra do Lirrameab, l.^ja n. 36.
Ceblas.
Vendare nma ponca de lenha em loros de
qualidade para otaria : a tratar n roa dirMoB-
dego, olaria to* porn o. 3, de MarcWino Jos
Lope.
AI r e omatent^s1
Veod-titif fr-.;tnrlc! ietti cjQosjes-
peciiv: ca.u-;ief pioai l?mbera dooradas,
iguilmenw fnde-s-d-ai j-nuM^g,^ daalvai,
fM-).s?, maoggii, FaBBuioho c ti>.i di niti
prt-Q:e.vcnbcm dos ,r,;jrKr.t.g b-iut&j .
t "an ^ ; te;ta typng;^^ it jir 1Ufm nnft j^pn
Vende-se em molhos a U280, e o cento a U
no armazem do Annes defreote da alfandega.
F ^.TolmmeloTif l,P2
no de Jos Joaquim da Costa Maia, en- i
contra-e para vender por eommodos
precoe :
Azulejos bespanhes.
Folbas de ferio galvanizado para lelha-
do de diversos tamanhos.
Ditas de dito dito liza.
Bteas e ferro garvanitado.
Cjmieiras dito.
Portadas completas para cantaria.
Ladnlhfs. .
*mmmm
lirande liquidado
(COM PEQUEO DEFEITO)
. Snra|S0.d.e.ll^'fl,w, "/o defeto,
aew, lioeo e liMO a vara, pechincha: na
loja d# Oj.ojerM Crnetr* da Coha, roa "
' 2.
Amaral, Nabuco & C. convidara os Ros e freguezes a virera ao Bazr Victoria para
apreciar o apurado gosto com que sao feitos di-
versos artigos que receberam ltimamente da Eu-
ropa, a saber :
Vestidos de bloni com veos e grinaldis para
casamentas.
. Ditos de seda lisos e matisados '
Ditos de fil de seda ricamente bordados a efl-
res.
Ditos de chita e de ganga com lodo3 os efei-
tes necessarios.
Ditos de cambraia Victoria dniasima.
Camisas bordadas para senhora e honi6m
Saijs e pentiadores borda rfo*.
Meias finas de algodio brancas e de cores nara
senhora. v
Sabida* de bailes e bournox de casemira.
Basquina* de seda preta.
Ricas fronhas de labynotho bordadas-
Colxas de seda, de lia e seda, de algodio, fus-
to e la pora.
Aza de mosca de todas as cores, urna fazen-
da especial para cubrir qnadros, espelhor e
retrate?, |demasiadamente transparente e prepa-
rada de forma a evitar completamente o r.
Coleriobos e punho- de papel.
Chapeos de seda e de vellud) para senhora e
menina*.
Filas masnicas de diversos graos.
Perfumaras de diversos fabricantes, leos ba-
nba?, extractos e pos de srrqz etc. etc.
Um ompleto sortimento de carleiras de mar-
flm, tartaruga, maireperela- e couro da Russia
indispensave* de seda, e de ecuro da Rusia ihe-
zouras e caivetes maito finos.
m completo sortimecw de chapeos de ?ol de
seda, bengllas de eanna, DaJe.a, borracha e ma-
deira.
Charutos superiores, fumo inglez para caebim
bo, carteiras e boleas de eda pira o' mesmo e
ontros rouitoa objecios.
m completo soriimento de e?pelhos dourad^s
de diversos tamanbs, de a 23|.
Saboneta inglez em caixinbas a 1*300 a duti*
Pecas de algodao com 20 jardas a 4/, 4*300
SjOuO.
Ditas de
6*300.
Ditas de dito infestado, francez
10*000.
Chitas francezas de todas as qnalidades a 240
i80, 300, 3*0 e 360 ocovado.
Cambraias de cores a 2i0 e 280 rs. o covado.
Dita lisa de cor a 320 rs. o covado.
Ditas prctas para Inlo a CO rs. a vara.
Pecas de cambraia lisa tynsparente a 3*, 3*30*
Ditas de dita tapada Victoria, a 4*, 4*500, 5*
e7*.
Dita? de dita transparente, suissa muito fina
eom 17 varas, i.
Dilas de dita bordada com 10 urdas a 71 e
9*300.
Organdy branco fino a 700 isa vara.
Bnlhanlina branca infestada a 410 e 500 rs. o
eo\ado.
Bretanha de lioho com 23 varas a 20*<"i00 e
25*000.
Dita de dita infestada com 30 varas a 27*.
Bramante de lioho com 10 palmos de largura a
2(300 a vara. *
Dilo de algodao a 1*500 a vara.
Aioalhado de.dito e de lioho com 10 raimes de
largura a 1*300 e 3*.
Toalhas alcochoadas para rosto a 7* a duzia.
.Ditas de linbo do R-rto felpudas a 10*000 a
duzia.
Guardanapos de lioho a 3* e i* a duzia.
Cobertas de ehila a 2* o 2*300.
Diii-s de chita adamascaba forradas, 4*, 'i|30fl
e 3*000.
Colchas de damasco ds certs a i* e 0*.
Ditas de fusto alcochoadas a 3*.
Cobertas de la escuras a 2*.
Ditas de algodao branras a 1/400.
Colleirinhos de linho a 500 rs.
Chales de merino lisos pretos e de cures 2*001
e 3*000.
Ditos estampados de meia casemira a 2i e
2*500.
Damascos de cores a 640 r.
Lencos branco de cassa fino, 2, 2*j00 25
a duzia.
Ditos ditos de cor ahaichade largo a 3* e
3*300 a duzia.
Dilos dilos d cambraia de linho finos a 6 a
dozia. i
Dilos deesgoiao de linho a i*, 1*300, 3* e f
a duzia.
Bnm Angola a 610, 800 e l*00 o corado.
Brins do linho de cores a 30j rs. o covado.
Cortes de neta ca?emira para calca a 1*200 e
1 400.
Ditos de cajemra para alea a 3*300, 1*500 e
o*oOO
Casemiras de cores de duas larguras, 2*, 2*500
e 3* o covado.
Dilas prelrs, duas larguras a 2*500 o covado.
Pao fino preto e azul a 2*. 2*300, 3*000
3*500.
Dito dito muito fino superior a o*, 6* e 7
covado.
Lans e alpacas de cores para vestidos a 100.
500. 600, 7C0..800 e 1* o covado.
Toaihas cora lanyriaios para bandejas e nara
rosto a 8*, 10* e 13*.
Camisas de ll.nella branca, e de cures **
2*500, 3*. 3*500 e 4*3(0. *'
Grosden.-,polos, preto e de cores ?*, 3* e 15 o
covado.
D.io se amostn? eom penhor.
Vende-se i?mbeni grande quantidade de rouua
feta e por tr.ediJa por pn?c/>s muito redosides.
00
GALLO VIGILANTE
Rria do Crespo a. 9
Acaba de cheg-r pelo oimo vapor diversos ar-
tigos de novidade, como s. jan :
Lindas louqninhas enfeitadas para bapl-ado
assm como chap4o?inhns.
Sapatinhos de eda e de merino.
Meias de seda e fio de Escoeia de I a 12 annos
de idade.
Ricos leques de madrepercla todos aberto, o
melhor que hs oeste genero ; assim como on-
tros de madreperola coa eda, fazenda reqnis'i-
ma ; tamhem recoheu grande sortimento de le-
ques de dso lingindo roarllm sndalo e madeira,
tanto para senhora como jara meninas.
Superiores ligas de seda para segurar rneUs.
Meias de borracha para quem soffre de. inxacee'
ou erysipel*. "
Seda fronxa para bordar todas as reres.
Froeo do seda para o mesmo flm. '
Rei.oz preta e de cores em cirrili*.
Fitas para cartas de baeiureis.
Quadros para retratos.
lindaasVacrle.Pe,l'", "'" *** br*BM rst" '*
Supricres capellas para noiva*.
senhora'*10"61" de midrePero,a P2" pe* de
Lindas abotuadoras para collete?.
ha de todas as cores para birdar -
Superiores pencenez de ac.
Moito finas thesonras para costura, unhas i?
para corur cabellos.'
Suoeriore* pentes de lar taruga para arreficar
Tintura ingleza para ungir cabellos, a verda-
deira.
Grande sortimento de franjas preas, larcas e
estrellas e lindos padie?.
Lindos babadintios e ntremelos bordados. Upa-
dos e transparentes.
ALGODAO
Avarado a 3^000 a
pepa.
-.na-loja.doPatao
Vende-je pf?as da I^odioii.nn. waaia^o mui-
nreca de 3*000 t
Grande liquidapad
lazinhas a no RS O TOVr
a^^Vi.'SSSTii.'^eSs*!-
tosaperior, peto baratlseimo
P?*i grande pecW"h I '
tnz d. 60.
o n* da rmpera-
PIN**
Ojardim; :-'.>va gw.
- '*xia-ia *i, et ripiarlo
glUit.'dfa : 'WtBj pr !
nm v'.-o*a.
roa j nnoui
de icres de itfa;
i' "|r coihera a:
Querem comprar ?
Gnardapisa para vettidos ; preto ou branco?
Papa-fina, larga ou eslreila 7
Lencos da liohi., bordados ou liaos f
Bonitos loques, oso ou sndalo ?
A Nova esperanca quem tero lf!
B novirtade!
Acaba de chegar a Nova K>peniaca roa Dum
de Caxia* o. 6, brrecos e fcnncas, sendo te mol-
des intetrametita novo?, vindo entrt ella os en-
gracados bonecos de borracha : para que se can-
eara ? qnando qmtera eowprar qualquer otiecto
sendo bom. borato oiM BfrirobVem-seJ|ogo
da N va K peroca TfSHKCaxus n. 8.1
tkftitn pura cinfcos
disuicrinr qualidade e dres da nnda a
covado, saia.t fr.-.aceza* linas aom bi
3^30., ':>!as pe ihinrliat rrt na
Ki
ra da Imperatriz o. }8 a frente d. -a p*L
Je Ultras azcf b-aoea jra ""tir engaaos.
%


*m
mmmm
Otoo de PernaniDttosi', Quiutu /eir 2fi de Scterabre le 1871.
Mo ba mal*, cabellos brancos.
Tintura japona a.
S nica approvsda pelas as academias de
ciencia, recunhecida superior a toda que tem ap-
paracido at hoje. Deposito principal k ra da
ijtdeia di) Recite n. 51, i* aoar, em todas as ho-
nras a casa de cabelleireiro.
MM A
Flor da Boa-Vista
DE
Paule Guimares
O proprietario deste bem conhecido es-
tabelecioieQto contina sempre seguindo saa
antiga forma de primeiro barsteiro da Boa-
Vista o-para melhor pro va adr'
presos seguintes :
Cuitas escuras e claras cores flxas
o covado 160 200rs. a. .
Cambraias de cores 240, 280 rs. e
Lias para vestido 280, 320 rs. e
Creps scocezas fazenda nova a..
Alpacas lavradas d'um s cor. .
Cambraia branca transparente pe-
Cas a 305CO e-.....
Ditas dita victoria a 40000 e. .
Bramente com 10 palmos de lar-
gara, varas, a. 2)51000 e. .
Madapo'Io superior pegas 50000 e
Algod8oa40OOOe.....50000
Bnm pardo trancado pechicha
covado a....... 320
Dito dito liso muito floo a. 320
Ouirs.3 muitas mais fazendas que vende-
r por precos baratissimos como sejam :
pannos pretos, ditos zoes, casemiras preas
e de cdr, merinos, brins brancos e de co-
res, seda para colletes, camisas inglezas para
homens, meias, chapeos de sol etc.
OTicina d'alfaiale
adm:rem os
400
320
400
OiO
720
8(5000
85000
20500
60000
Os digaos froguezes encontrado om gran-
de soruraocto de roupas feitas desde o
mais interior at ao mais superior que se
ache oo mercado, assim como se manda fa-
zer toda e qnalquar obra d'encommenda
feitas a capricho, pois pura este mister se
acha munido d'um perito msslre. 3araote
tCUMPeo se menor 0% do que em ouira
per pirte pelo o motivo de o freguez
pagar o que compra e nao o aspecto do
estabeleciniento.
48 9tna da Itnperatrlz48
JUNTO A PADARIA FRANCEZA
IIH4W i i
n i venda em seos armazens, alera de ontros
ruges de sea negocio regalar, os seguales, qae
ranueai por precos mais mdicos que em on-
tra ioalc;aer parte :
POSTAS de ninho almofadadas.
PORTEIRAS de ferro para cercas.
SALITRE mglez.
BSTEERAS da India para cama e forrar salas.
GANO;', de barro francs para esgoto.
GSSSO superior em porcSes e a conteato.
CEMEM'O de todas as qaalidades.
MACHINAS de dacarocar algodo.
LONAS e briuz5e3 da Russia.
OLEADOS americanos para forro da carros.
fOGSS americanos muito bons e econmicos.
TOCIO Je Burd.-aux.
COGNAC superior de Gautier Freres.
PAfiELLO em sacso3 grandes a 3J300.
AGUA Bortdat legitima. .
SALANGAS .lecimae'.
OADEIUAS americana?.
RHUM da Jamaica.
AZULEJOS da LUbia. _______________
Contra a tosse
PAST'LHAS PElTORAES.
de
imples eryatalisab.
de angieo <
N iff ii' irania..
Seva i: pioho martimo de Ltfssse.
E oatraa innitas que muito se ro:omendam pe-
- mas 9x:e!!eates qualidadc3.
Vendo na
PHARMACIA E DROGARA
DS ,
Bartholomea & C.
____31 -RA LARGA PO ROSARU-34
Xarope sedativo
DE
> de hranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
sLAitOZE
E?te novo preparado aprovado pela aeademia
Imperial de meiieina, muito se recoramenda pela
sua acjio sedativa e calmante, sobre o systema
nervoso, o bromureto de potassiam, nao d.ixa de
dar os mais certos resaltados as diversas aflec-
coe.; do organismo e principalmente as molestias
do eoracio, das vas-digestivas da respiragao, das
vas geno-arinarias, na epilepsia, as molestias
nervosas da prenhez, na insomnia das crianzas
tfuran!e o periodo da denticao etc. ele.
Yeade-se na (barmacia e drogara
de
Bartholomea & C
34-RUA LARGA DOROSARIO-34
toces, fructas e flores.
Ru -la Gru a. 13' vale lodos os das :
Prezanto em Hambres a libra.
Lanches todos os das, e difirante.
Ge'a de mi de vacca em copos. -
Doces crystailsados de diferentes fructas.
Bollos, poiins e b >ns boceados.
Bandeijis com bollinhos, enfeitadas,
Bouque.s de cravs para noivas.
Flores avnlsas e em bonpaets.
Sorvetes t jdos os das a noate.
3EM- b
LOJA E ARMAZEfl)
FLIX YmmkMWri ft,CL "
A RA DA.iwnjUOSBJt-
S a dinheiro Visja
Os propietarios deste estabeJedenta.i^Qtfrla^.jMC3iidaal0 dedniiu- o im-
menso deposito que tem de./azendas grande urgeooia daapawm A'nheiro, tem
solvido fazer ama yerdadeira liquidagp com grandes abatja^Mtoi jo PreCQS. de 1i
os seos artigos: para o que convidam.ao Eepeiave pablica.deiU cMil a > aorliiwe"
pois lne garanten) que em parte algumi, podrJtft^nconUar .\S#ts&M%MtiWtOQ mea-
mo nlo comprar5o pelos precoaqne se lhea pie jraiiaerjaJojaie'AivJbVporfia ad-
virtindo-s que s se vende a dinheiro" vista. Oa mismos proprietfrjo?,dasip Ube-
lecimento rogam a todos os seas, devedores deste praf a favor, de, yirem saldar seas d-
bitos, e tQdos aquellos qae estiverem devendo contas antigs o'bip.fliflrem ta^ ie
ser encommodados judicialmente.
Lia alalias baratao do Pavo.
Alsaciaoas com- lindas listras de seda a
10000 o covado.
Ditas lisas com muito brilho a 1 # o covado
Allantas, fazenda de muito gosto tecida
com seda a 720 rs. o covado.
Ditas com qoadros de seda e eflres maito
delicadas a 640.
Jos Antonio Pereira
tem para vender na sua fabrica da raa do Barao
da Victoria d. 4 (antiga roa Njva) charat03 dos
maia aere litados fabricantes da Babia, como se-
j ui Lxpe ae.s, Normas de Havana, Operas, Ama
dires, Linlriaos e Leae.% de Simas. Imperiaes,
Expsito, Lanceires, Bigarrilbos, de Cardeso.
Misissipes, ExpO'icio, Havanas, Flor de Suspiros,
Londres, Almirantes Brasileiros, Trabucos e Re-
gala Irape-ial, de Joaquim Jos dos Res, e mais
Snaidades de oulros fabricante?. Famos Daniel
aependy, Rio Novo, Minas, Miranhiio, Para e
Garantaos, e cigarros dos meamos famos.
NOVIDADE.
A loja do Papagaio acaba de receber am com-
pleto sortiraento de sedas lavradas de ama s
cor; assim como am expleadido sorlimenlo de
poupelinas de seda, tanto am como outro sao de
avrore3 inielramente novos, e as cores sao as
mais delicahsqae at boje tem apparecido nesie
mercado, tea preco lo commodo qae nao ha
qaera deixe <\o comprar : na roa da Imperalriz
n. 40, esquina da raa Seta de Set smbro, amigo
beco dos Ferreiros, loia de Mande1- & Carvalho.
Poil de chvre, d'uma s cor com muito
brilbo a 500 rs. o covado.
Merinos escossezes fazenda de muito gosto
para vestidos bornus e roupas de menino
a 610 rs. o covado.
Gurgurao muito bonito, lendo de .(odas
as cores a 400 rs. o covado.
Lasmbas aodernas cm differentes gos-
tos a 400 e 500 rs. o covado.
Ditas ditas a 280 e 320 rs. o covado.
fiareges transparentes com differentes co-
res a 160 rs. o covado.
Alpacas de cores lisas e lavradas fazenda
de moitj gosto a 500 e 800 rs. o covado.
Cassas do Pavao.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 r. o covado;
Ditas fjnissimas a 300 rs. o covado.
Ditas francezas de muita phantasia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazenda
muito Qoa e bonita a 2500 e 30000.
Ditas d'organdy branco e de. cores a
2^500.
CAMBRAIAS LARGAS A 800 RS. AVARA.
O Pavjj tem cambraia branca transpa-
rente de boa qualidade, com 8 palmos de
largura, que apenas precisa 4 varas para
om vestida e vende a 800 rs. a vara dita
flnissima da Escossia tendo a mesma largu-
ra, que vende a 10800.
CAM3RAI\S BRANCAS A 40000 E 4*500
O Pavao tem pegas de cambraia branca
transparentes com 8 i/2 varas que vende
pelo barato preco de 40000 e 40500, ten-
do tarabem muilo finas de 50000 at
100000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 30500
a peca at a mais fina que vem ao mer-
cado.
CORTES D'ORGANDY A 40000.
O Piv3o tem cortes de organdy branco
com 8 1/2 varas que vende pelo baratn,pre-
Co de 40000, assim como fioissimo organdy
branco com strinbas e qoadrinhos o me-
lhor que tem viudo ao mercado e vende
pelo barato prego'de .720 rs. a vara.
Crosienaples preto e de cores.
O Pavj tem un grande sortimeuto de
grosdenaples e gurgurao preto para vestidos
lendo de 10600 o covado at ao mais su
perior que costuma vir ao mercado, assim
como um grande sortimento de ditos do
todas as cores e branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores qae ven-
de por precos muito em conta.
Poupelinas de seda a 9OuO
O Pavao tem am elegante sortimento de
poupelinas de seda tanto lisas como lavra-
das as mais modernas que tem vindo ao
mercado e vende a 20000 o covado.
ESPARTILHOSA40OOO
CACHENEZ a 40, 50 e 6^0.
O Pavao venda espartilbos de todos os ta-
manhos a 40 e 50000, cacbenez parisiense
com delirado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS.
a 80, O0, 120 e 160000.
O Pavao tem om grande sortimento de
cortinados ricamente bordados, proprios
para camas e janellas que vende de 80 at
160000 o par.
Pecas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crochet ricamente bordado
para cortinados a 10500 o metro. Assim como
ricos damascos com 6 e 8 palmos de largu-
ra proprios para colchas de camas e tam-
bem ricas calchas de damasco a imitacao de
seda e ditas de crochet as mais lindas qae
tem vindo ao mercado.
MUSSELINAS DE CORES A 400 RS. O
COVADO.

Favilhao da Aurora.
tu a da imperatrlz a. t.
O propietario deste acreditado esUbelecimento
avisa ao .ios namerosos fregueies que Ihe ehe-
garam pelo ultimo paquete da Europa grande sor-
timento de chapaos para sttohora, da ultima moda
de Paris ; assim como seda, popelinas, sabidas
4e baile, e outras moitas faienda de gesto, que
deixa da mencionar para se nao tornar enfadonho
Todas as Mas fazendas do sen esUbelecimento sao
venadas por menos que em ontra qnalqqer parte.
Vende-se
a loja de lenca da trra sita roa do Eaagel a.
i : qaem a pretender dirija-ie i mearna oa i pra-
atar-
O Pavao tem um bonito sortimento de
musselinas de cores, padres inteiramente
novos e cores fixas, que vende a 400 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roupas de meninos a 720 rs.
o covado. CretQnes de cores muito encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO.
O Pavo tem urna bem montada ofGcina de
allaiate, administrada por am hbil mestre
nacional, aonde se manda' fazer qoalqaer
obra de encommenda, tanto para homens
como para meninos, garantind -se a promp-
tido e aceio em todo o trabalbo, e no mes-
mo estabelecimento encontrarlo os raipeita-
veis regoezes todas as fazendas proprias
orno seam pannos de todas as cores qua-
diados e presos, novas casemiras de gosto,
re ns brancos e de cores, assim como todas
asfazendas proprias para tatos de lato.
CASAQUINHOS A 450.180 E 200000.
O Pav3o tem am grande sortimento de
ricos casaqoinhos de seda preta maito bem
enfeitados e modernos que vende a 150,
180 e 200000, sendo fazenda de maito
ALGOBA09WHO A 3/tOa
O Pay2o temnp^s, dfl.|lgft^nii>ij|aito
b/a aualida^que mm^ottm preco
do, 30200 a .peca. Diles maoioperiresJ
de 40000 para_Qna. _iJgfldtatbo-n'fes-
tada.com a largura pweisa par am lengol,
sendo liso maito encorpjtdo a ^00 rs. o
metro e dito entrancado com a mesma, lar-
gura a 10280 a vara.
BRAMANTES A 10600 e M309.Q METAO.
O Pavao tem superior branjanie de al-
godao.gendQ-prfjsn para nm mboo apenas
um a.meialaw!tro'o.fendea 4tH6Qe 10800,
e'de linho fazenda maita ncorpada, com a
mesma largura a,200*0 e"205O, ditofran-
cez do mais 8qq quitem-'iodo ao merea-
do a 30000, 34600.. 40O.
ATOALHADO.
O PafSo-vende superior aioalhadp a 10600
e 20000 a vara, dito-de bobo fazenda maito
superior de 30000 paja cima,, sendo"ada-
mascado.
Fazenda para lato.
O Pavo tem am grande sortimento de
fazendas pretas para luto, como sejam:
Merino preto com 6 palmos, de hrgura
para vestidos a 20000 e 20500 O covado
Merinos pretos e de cord3o para todos
os precos e differentes qqaiidade.
Bombasinbas para todos os presos.
CantSes ealpacas pretas. Laasinhas pre-
tas oa cassas d laa /le 360 at 500 rs. o
covado. -
Cassas pretas francezas e inglezas de to-
das as qaalidades.
Chitas--pretas fraaeefsas e ingieras de 200
rs. para cima.
Crep preto para \$>i.
CASEMIRAS PARA CALCAS A 40, 50r 60,
70 E 80UOO.
O Pavo tem om grande sortimento de
cortes de casemiras de cores para calcas,
sendo os mais modernos que tem vindo ao
mercado e vende-se de 40 at 160000. o
corte, dita3 em pacas francezas e inglezas
para caicas, palitots e collates qae vende de
10800 at 60000 o. covado, ditas escu
prova d'agoa que vende a 50^ o corle
30 o covado, sendo estas asemtras mtf
proprias para meninos de escola por serena
es:uras e de moita durac5o.
NOVOS VESTIDOS A 54000.
O Pavo tem lindos cortes de vestido do
fioissimas cambraias eom bonitos bordados
de cores e tambem iodos bordados branco
que vende pelo baratissimo preco de 50000*
cada corte, grande pecbincha.
PANNOS DE Ca m. PARA CADE1RAS E
SOPHS. ,
O Pavo tem nm grande sortimento de
pannos de croch proprbS para encost de
cadeiras e de spbs, assim como am rico
sortimento de tapetes de todos os tamanhos
proprios para salas.
MADAPOLO BARATO A 40, 40500 E 50.
O Pavao tem pecas de madapolao com 24
jardas od 20 varas que vende a 40 e-.40800
a pega, dito muito fino e largo de 60 para
cima, dito francez do melhor que tem vjndo
ao mercado, assim como dito fioissimo em
pecas de 40 jardas.
Cortes de chitas.
a 10600, 20000 e 24800.
O Pavao tem corles de chitas francezas
com 10 covados, que vende pelo barato pre-
co de 10600 e 20000, ditas que vepde a
160, 200 e 280 rs. o covado, tambem tem
um grau.de sortimento de ditas finas claras
e escuras que vende a 280 e 30 rs. o co-
vado e fiaissimas percales miudiobas propri-
as para camisas, vestidos 6 roupas para me-
ninos que se vende a 360 e 400 rs.
LENCOS BRANCOS.
O Pavao Um lencos brancos abanhados
quo se vende a 20400 e 30. a duzia, ditos
grandos de morim sem ser abanhados a
30200 rs. a duzia; assim como bonitos len-
cos bordita.jaari maOs.
kmjpTpara homens. _~
*.. que coma justa
pradores.
Estas machinai
o trabalbo que 3
diariamente e co
como as mais pe
te se a sua boa q
balhar com perfe
hora, e os precos
vem agradar sos
COSTUEA
Ghegaram ao Bazar Universal da ra Nova
o. 22, am sortimento de machinas para cos-
tara, laa melhoces qaalidades que existe na
America, das quaes moitas j sao bem co-
nhecidas pelos seos autores, como sejam :
Waller & Wilson, Grover Boker Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras rauitas
o agradar aos com
H a vantagem de fazer
Hureiras podem fazer
com tanta perfeicSo
costoreiras. Garan-
ladee ensina-sea tra-
em menos de orna
lirresumidos que de-
. tendentes.
Unict legaimente aotorisado e approvado
pelo conselho de sade.
NICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU C.
3*Raa larga do Rosario34."
iara saceos e
Sobrecasacos de panno preto fino sendo
muito bem feitos de 120 at 400000,
Palitos d8 panno preto fraques e saceos
de 80 at 120000.
Ditos de casemira de cor de 60 al 120.
Ditos de alpaca-preta fina de 44 a 60000.
Ditos de dita branca e de cores 60000,
Ditos de brim de lioho trancado a 60000.
Calcas de casamira preta de 60000 at
120000.
Ditas de brim branco de lio.no de 40000
at 84000.
Ditas de brim de lioho de cor para todos
os precos e qaalidades.
Camisas francezas e inglezas com paito*
d'algodao de 10600 at 54, em duzia ven-
de-se mais barato.
Ditas de meia de 800 rs, para cima.
Ceroolas de linho e algodao, francezas
Uita na tarra.
Gollarinhos de papel, algodao e linho
qae se vende muito barato para liquidar.
' K Para noivas.
O Pavao tem rico gurgario da seda, bran-
co. Grosdenaple branco maito encorpado
Agraciannas brancas com Ultra de seda.
Poupelinas brancas da seda laas e lavra-
das. Sedas branca, labradas o lisas. Ca-
FIO
roguetearos.
SACCOS
PARA ASSUCAR
CERVEJA DE MABCA
^^Engarraada especialmenie para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazem os cameros estampados
aas pe^as e sao as etiquetas.
Vendem-se
E:n casa de
ab T. JEFFEBIES & C.
46 Ra do Gummercio 46
.BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
rrazem em cada peca nm J>ihe-
te eom o uouie
. D0S
Uaicos importadores
' T. JEFFERIES C. .
A FLOR DE OURO
E' este o distintivo d \ima nova e lem montada
loja dejoiaMik * Rosario n. 2 A,
Os proprietarios deste elegante estabelecimenta lendo em Tist o esforcos qae
flzeram para o collocarem as condiecSes de ama grande clientella, filuriam ao mais
rigoroso principio se nao viessem as collumnai de ,|vrnal jarieitiftcar ao respeitayel pu-
blico, que no me^mo esUbelecimento ^BMnirji>.emp/e,.ojna5 completo sortimento
de jolas, comosejam : brincos o mais moderno?,' paft aaernwem as delicada ore-
lbas do bello sexo, e que se vendem a 8, 9 e 10* o par, ditas para meninas a *, 5 e 64,
ditas de coral, obra de apurado go.-to a 3 e 4a, Voliinbas de coral com cruzes de onro
a 6|, broches modernos de 3 a !3, ditos com pedras e em sqas devidas caixinhas a
10, li, 16 e Kf, rosetas lisas, porm bem trabalbadas, de S*50Q a 94, ditas eom
pedras de 4 a 154, escoletas a 44, ditas com inscripcSes a 84SCO, anuels de diferios
gotos, e com honitas pedral a X 3 e 44, ditas de perolas, esmeraldas e rubina a 64,
ricas crozes de esmeralda e rubim a 1S, 14 e 164. ditas de onro e coral com vistas pbo-
tographieas a 3, 4, S, 6 e 74, Ags de coral a 24. cadeJa? para relogios a 304, dittai a
64500 a oitava, guamiles eoto tres botoes para aberturas a 44, dito3 de pedrlnbas a34500
o par, ditos para punhos os mais modernos a 7 84; aJ^sJde am variadsimo sortinwn-1
3 to de jolas de aparado gasto que receben) por lodos os vapores da Boropa ; como
sejam : brincos, braceletes, alfiuetes,. adereces completos, crujes, rozeus, anoeis de,
brilhantes, esmeraldas, perolas e mblns. MfldalbSes, voltaj, tranclos, anoejs comlet-^
tras e de diversos modelos, ocelos e pencinez de ouro e praia doorada, .relogio de ou- ,
ro e pratt de afamados fabricantes, salvas do prala de diversos tamanhos, ricos palitei-
ros e faqueiros, colberes para cha e sopa, maracas para ranos, e^qma. infloidade de
objectos que seria enfadonbo, mencionar-se.
Os proprietarios da Flor de Ouro garanten!, vender mais. barato_que em ontra,
[.qoalqaer parte, para que estar aberto o eatabeiacimenm das 6 horas da manlii ai 8 da
ncate.
f
P*
RA DO DUQUE DE
(Outr'ora do Queimado)
Tedo-se resolvido d'ora avante vender-se neste estabeleuje/iio ludas as fazen-
das existentes no mesmo, por precos qae todos admirar5o, acho de meo dever partid-
pa-lo a todas as Exmas. familias em geral, afim de virem visitar este estabelecimento
oa mandaren) bascar amostras, garantindo-se-lbes um bom sortimento de fazendas da
algodao, 15a, linho, e seda, emfim urna inGnidade det.arJgos..de moda .maadando-ae ia
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer fazenda para veren
oa escolberem.
As pessas que vendem em menor escala podero bem sortirem-se neste estabe-
lecimento que vender pelos mesmos precos qae em quajqjier casa importadora, tendo
a facilidade de comprar qnalquer pprc2o.
O 65 tem um completo sortimento de roupas bem acabadas o que venda por
precos moitissimo commodos, mandando tambem fazer por medida toda e qoalqaer obra
que os concurrentes des. jareen para o que tem om dos mais habilitadsimo mestre
alfaiate, cortando por um syslema inteiramente novo.
. Os annuQcios nesta praca esio e por certo devem estar desaereditadissimos, pois
qae ha casas qae annuDciam aquillo que nao teem, o que o 65 g-rante nanea dar-se em
sea estabelecimento, pois. que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhar
g ande nomeada em todo o mundo.
O 65 acha desnecessario mencionar os precos de saas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado magante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso sea an-
noncio, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encurtar saas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 juTgo que jio
publico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aqoillo qae anoaacia,
nao verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANCEM, COM O 65 NINGEM PODE COMPETIR
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)

Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopeau
Essa pomada qae tao boas resultados tem colbi-
du as pessoas que della tem feito aso acaba de
chegar para o seu deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomea C. raa larga do Rosario nu-
mero 34-
56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conbecido como principal e recommen-
dado- pelos grandes depsitos e bons sortimeotos com que sempre prima em ter daa
melhoras, mais acreditadas e verdadeiras machina americanas para alga-
dSa, desde 10 60 sorras, e ha vendo em todos os tamanhos diversidades de syate-
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarocamento; tornam se dignas da
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qaaes, alem disto, encontrarse
lambem mais
n
Bazar universal
Farinha demilho,"
Vende-fe farinha de milbo moida a vapor dia-
riamente, pelos precos seguintes : grossa, para
ang, pintos e passartnhos a 100 rs., para oaogica
e pi de provenga a 110 rs., e para cuscus a 140
rs.. em arrobas mais barato : na raa do Coto-
Heno n. 15.
mais valor, assim como ricos chales pretos pellat.com palma da flor da la ranea
de retroz aFrcos1toJbaro^doa%i^.iad(uavaaa uais
bordados com franjas largas de retroz afi
104 e 12)5000. 'barato do.qae em odtr*. qoalqoar parte.
A loja do Pavao acha-se constantemente abertt das 6 h^ni da mvfrU it II
horas da noite, ra di Imperitr o. W,
RA DO BARAQ DA VICTORIA (OUTRU
RA NOVA) N. 82.
Aoaba de chegar par este grande estabeleci-
mento am completo sorlimenlo de machinas de
costura de todos os autores conbecidos, os quaes
garatem por anuos as ditas machinas, e se ven-
dem por precos lio razoaveis que a todos agrada-
ra, cujos precos sao os seguintes: 404, GO. 801
too*. Moa, 30a, i4o, i6oa, 1804,200a, oa;
250a e 300#. Garante-se aos compradores a boa
qoalidade de trabalho, e obriga-se a ensinar tao-
** voae&quanlas sejam precisas para bem com-
prehender-ss. Vende-se tambem pecas e mais
peritnces de sobresaleuie* para as mesmas machi-
nas. Previne-te desde j que se vai ao cha-,
tnado para concert e ensino de machinas das que
orem compradas neste estabelecimento.
Aparados vapores logomoveis, de forca
de 3 4 cavallos, e perteoces.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mo para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos da ferro estanhado.
Ditos coja vlvula para lavatorios.
Dites de madeira para compras.
Apparelhos paja jardins.
Guardas comidas.
Tampaa para cobrir pratos.
Tarracbas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Emfim amitos outro artigos.'qae s
examinados.
Correales para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertences avolsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos d diversos fabricantes para
milbo e caf.
Debulbadores para milbo.
Azeite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de (erro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chombo.
Ditos de borracha. .
Folies para ferreiros.
avista e neste estabelecimento poderlo ser
-
s
CASAS
veMe-se duas casas terreas na fregueiia de
Sanio Antonio, mallo frescas por nSo terem casas
deXronfii, eom coomanicaedes internas, tendo tres
sala*, gabinete, cinco quirios, quintaos e cacim-
bn: yau-eeifoa Imperial sobrado n. 98.
AnENCAO
A 13(1500 a arroba.
Veale.se vetaa e eeopoucio maito bem fabrl-
cadas, Mm o qrtiawnio completo, pe? preco ad
ma;MrudoVllarloB.*J
GRANDE NOVIDABE.
Besuscitou a grande liquidapao do arma-
zem e loja da ra do Duque de Ca-
sias b. 29.
ffCambraias transparentes de 2^300, 3, 3($500 e *l I peca. Ditas Victoria de 44.
40500 e 60 a peca. Dita de forro a 20200. Ditas de corea a 200. 240 e 280 rs. q cova-
do. Chitas de cores claras e escaras a 240 e 280 rs. o covado. Ditas percalas finesa 320,
360 e 400 rs. Pecasde madapoln fiaos a 40, 40500, 50, 50500 e 60. Ditas dealgocio-
sinbo, a 24500, 30, 30500, 40500 e 50. Ditas marca T, largo, a 51500 e 60 Laai
lastra de seda a 400 e500 rs. o covado. Alpacas de seda finas, a 600 e 800 n. o cova-
do. Lindos cortes de casemira de cdr a 50. Ditos de meia casemira a 20500. Ditos com
toqaes de mofo a 40. Ditos de brim pardo trancado e liso a i 0. Brisa paria lra*x
ao a 280 rs. o covado. Gangas de cores, a 320,360, 400 e 500 rs. o covado. (
merino liso de cor, a 20 e 20500. Ditos estampados a 40/40500 e 50. Ditos
sos a 20500. Ditos de casemira de cor a 205CO. Chapos de fostio de cdr
500. Ditos de merino pretos 30500e 40. Ditos e> (
ta a 10120. Leocas de casas com barra de cdr a 40 e 40100 a duzia. Coberte^^^H
godao a 40200 e 404O. Ditos adamascados i 20500. SeUm branco a 400 rs. o o
Ajm detU azeDda tem maitas oatru mu mi poiwiwl iwwom-Iw,


Diario d Prnambuo* Quiuta eira 28 d* Setenibro d 1171.
i* *


DO
FIGEIREDO ft LOPES.
64 RA Di HPERiTRIZ \ U
03 proprietarios deste importante e sympathico estabelecimento de fazendas finas,
ve avisar ao respeitavel publico e particularmente a sua numerosa freguezia, que o
GYSNE acaba de sortir-se de todo quanto ha de gosto e moderno em fazendas tanto
pan bomens como para senhoras.
E* ocioso citar qae o% proprietarios da loja do CISNE naturalmente providentes e
d*om espirito altamente conciliador dos interesses alheios com os seos, teem sempre
seguido o magnifico systema de offerecer venda fazendas de todas as qualidr.des e pre
eos relativos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
sequencia da sinceridade e barateza com qae negociam es seos proprietarios.
No loavavel npenho de jastificar as suas operarles convidara as Exmas. familias
a visitar a sympathica loja do CYSNE chamando as attencfos do publico em geral para
u seguintes especialidades e precos.
PARA NOIVAS.
Veos, capellas, sedas e popelinas orticas
e de cores, gollas, poneos e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
para varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de orna so cor, da cores di-
versas, para vestidos e tambem propria para
sombras.
GAMBRA1AS
Transparentes de 8 i/i varas desde
S(J500 ate 85 a peca. Victorias multo Anas
de 4 at 8,3000. .
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
baixos precos acompanhada do competente
figorno.
LAS
. Variadissimo e rico sortimento desde a
lia lisa barata de 40 at a de listras de seda
mais cara que pelo prego que vendemos
por assim diser de graca vista do gosto
e qaalidade.
BAREJES
Lindos padroes aos precos de 360 e...
400 rs. o covado.
SAAS BORDADAS
As que o CYSNE vende sao bellas e su-
periores.
LUVAS
As melbores e mais procuradas lavas de
Jouvin, brancas e de cores sao as que o
CYSNE expoe a venda.
BALES
De crotones com babado e bordado, di-
tos de arcos a I #500, pecbincha sem rival
no genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
os precos de padies modernos e cores fi-
zas.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e largaras so
o CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. at I #300
o covado.
ALPACAS
LavraJas de 500 rs. a 4(JOCO o covado,
especiadade do CYSNE qae nao conta com-
petidor. ,
MADVPOLES
Francez de 24 jardas de 8$ at i 00000,
inglez de 5 at 85000, e omito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largara, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 105 a peca.
ATOALHADO
De linbo adamascado, dito de algodo
moito finos, bramante entraado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e peqoeoos.
SETINS
Para todos os precos e diversos pa-
drees.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peitos colarinbo e
pnnbos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, cantao, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
presos que s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., ij e Jo300
o metro, gangas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angola.
CHAPEOS DE SOL
Para bomens e senhoras dos melbores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e braa-
cos e mais baratos qae em oatras loja.
MEIAS
Para todos os tamaohos e qaalidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 13a es-
pecia lidadedo CYSNE.
Descalpem os nossos fregaezes termos siao am poaco extenso na narracSo de al
gomas o'vidades pois com quaato soja nosso interesse tambem o dos nossos fregae-
zes qae querem e gostam andar na moda.
Ra da lmperatriz n. 64. ,
FHiElREBO & LOPES.
Chapas de ferro plrt a**m etc.
Formar: para assuear de ibno.pmuo aahanisido.
Arados Ameroanos m nnfst t Iadeira
Machinas a Vapor*, forca de ^ MvalIoa
MaCinaS de descartcir algodlo.
Trilhos de ferro para eDgenh08 ^
Fogoes americanos
Camas de ferro^^ e p4qoenai
Maeacos de estiva
Cofres d ferro d.MilnefiJ8eomros.
Papel deombrnlho
Estes artigos vendem-sa em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes < C,
lf. 4 BDA DO BOM JE808.
(outr'ora ruada Cru )

i se vio om eroeesso'mats perfeito e qae at-
dafa at toro a satisfaier as exigencia* mais
aerara dii cseripiuracao.
A boa cor undrssima e nio precisa de cuida-
loaJfnni par se conservar no tinteiro sempre
som i B(ma eor, sem-borra, erosta, hel* ou sem
(tan bus mamilas ioberentea todas as tintas
ase a*n eoaneeida?, anda bmmbo dos melbores
Sobretodo, este estima ve t producto nio ataca as
I* de seo, antes pelo contrario, a peona
jjpfcf a aBBMtte^oaradB que, sendo inters-
sa in u, nio sendo especialmente para copiar,
tatMtsvJo leras, tres, on mais copias mn niet
dmem**rrpta ; -pneiM, erenv eixar-Ibe
Idran mentado sea nxafar ota o mata-
j nio ka risco de borrar. Para se
i pia, nio se agglomeram tan-
~ cpts se qnerem tirar, mas
alterar i ana tantas qaantas
i pan o cri|a*l flque arejodeato
s 4aer asa, par*. copiar imperta
t sJtHiaz. n o BBssjnB- recae sempre
Msflu tama, fBB isnoM
aVapi aattdade desu
tinta extremamente
rija qae em qnalqner es-
4 que orna Unta para os di
cripta soffre o choque de cidos foriissimos, sem
se decompdr ; ora, se os cidos nio tem aceto so-
bre ella, malte meros a acoto do tompo apode
erirnir: isto phoabet. *
Nao s ao commereio qae este mea producto
velo ser mil; os profesares dos collegioi, invest-
PUWoKtodo1 os meios para adianiament dos
sens fflwipolos, tem approveftado esta tinta, que
eom raao a acharara apto para desenvolver o
tostnos educandos, em consequeocia da bolera
da cor e faciiidade de correr na pequea pela sua
liquides. Ha exemplos de enancas que taavia
nwitotempo tisbam nma repuioaocta trema
para a esenpu. logo aoe toi adnasttida ala au
no cobegto, apoderoo-fle dtas a ouriosidade e o
gosto, e poaco tempo depois o sea adianumento
era mannesto.
Bsta tta, i par de tantas vaMtgene, tem om
tmico monauente, eterieraa a> loaas nln de
W .ttiqoer; jaent .pateta-la n ttnWro
isentos do minor vislumbre de outra Una, eevi-
ttr eserever com a penna sata e> orna pwparaip
Mferente compare! ;4o late, nao a
Observapao.
"*SSS3S&as^^
compradores pod3m evitar o engao dirinndo-se
^vcir%i*P')eW44e penuSot t|nteTJTeii
faMieo
A. C.


oo.
e-
3.2.
(V
=0^3^
<4)
03

(P tf.
(D
s
ai c o ,0*.
00 | O
* s -
1 3 o
B g- S
p C K
I* !J
9
6S *
SSo fioalmente chegadas a esta praca pela segunda vez as verdadeiras preparaeoei
do Dr. Radwat de C. de New-York.
Depois de algoos aonos, em qae es falsiflcaces de Hajaborgo e mesmo de New-
York tiveram entrada oeste mercado, eproveitando-se do bem merecido cooceito qai
estes remedios haviam alcaocado por seas uravilhosps eeitos coflsegwram Qtrodazir
se, illodiodo o publico ocaoto, coa orna redcelo de preco, nollificaode o verdadein
mrito destas admiraveis preparacoes, imitando as verdadeiras; porm desacreditan-
do-as com seos nullos effeitos, lembrou-se o antor de fazer a declara?5o abaiio, e i
dar diplomas aos que vender os seis legtimos preparados.
Piwina-8e o respetuvel poblieo de qae as verdadeiras preparaedes do Dr. Ra-
dwat s se vendem aos depsitos cima declarados e trazem om rotlo goal ao destt
Minando.
Nos abati assignados. declaramos e certificamos, qae os Srg. Raimando Carlos Le-
te & Irm5o, da cidade do Rio de Janeiro, no imperio do Brasil, sao os nossos agenta
tferaes, pela venda de nosaoe remedios, tanto no dito imperio como oo rei,node Porta
gal. Noticiamos ao poblieo, qoe nao se podem obter os remedios do Dr. Radwat & C
(e qae sao preparados no laboratorio do mesmo dootor na cidade de New-York noi
Estados-Unidos), senab das pessoas qae podemprodmirapresento Cf|rU|ucio e attes
tcio e qoe a prodoaem, subscripta e assigaada de >r. IU^wat 4 Ce dos 5rs. Ray
mondo Carlos Leite Irmio como so p. Todos e cada um dos, remedios do Dr. Ra-
dwat A C. sao acomptnhados de cadulas.semelbantes as qoe parecem aop desU cor-
tificacio. #
Eiamine-se bem t assignatora da .{tan 4o Dr. Radwat dt C. ao p da presentt
ertificacao e comparece cota o fc-$iwle aas cdalas com todos os irasco* ecajxlnba
?UnWATdrC.
A' AGIA BRANCA
MJA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
Ob
ItMi
aroprieuiios (Teste es
atpiteJ o du 4 tedas as pwv
SE FINADO ANTECESSOR os
Extracto alcoolico, emplastro, el
lintnra e Tempe no> ffiDESQZO, l
BAALSA DO PARAt aarop
(teio ; par tsao tue, utn d,'aq
Oulroim, scieniflcam haver
mais acreditadas especialidades,
geral/ de qtsm o proprielarloa^BBparaaa tep
A pharmeeU atrif ^baa.qa^ow atsa
10-^^w.fcttga; lo. fcBjffiPr^JlO
A Agnia Branca teodo j receido parte de snss
antigs encommendas, m -seguimento acaba ago-
ra mesmo d receber ontras, algnmas das quaes
se tornavam essencialoionie precisas, e ontras se
fazem apfecidas por sea? gostos e qnalidades,
cono sejsm:
Meias de fio d'e?coca, abertas para senhoras
9 meninas.
Ditas idem eom listas tambem para senhoras
a meninas.
Drtas idem mnitc bonitas ao gosto escocer.
Ditas idem idem brancas e com listas para me
ninas."
Ditas idem idem para baptisados.
Ditas de algedio compridas e eom listras para
meninas.
Lnvas pretas de seda, para senbora.
Ditas de torcal e de seda para meninas.
Bonitas camisinhas bordadas para senhoras.
Fil de seda, hranco e preto com flores miudas.
Dito de algodao, liso e com flores.
Tonquinbaa bordadas para chancas.
Lindos e modernos chaposiobos de fusiao para
ditas.
Pentes de tsrtarnga para desembarazar ou pen-
tear.
Ditos de dita traversos para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, pequeos, para segurar o
amarradilho aos cabellos de senhoras.
.Orando sortimento de enfeites de seda para ves-
tidos.
Fivellas de roadreperola e de tartaruga para
pulceira e laco pafa o cabello.
Bonitas blciohas para meninas.
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
mento de lindos e completos enchovaes para bap-
tisados, e bem atsim separadamente camisinhas
para ditos lindos chapeosiDhos de seiim branco
bordados, ootros ditos com fundo de velludo, obra
de muito gosto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinhos de selm para o mesmo fim.
MODERNOS ENFEITES DE FLORES,
ornados com bicos de seda, filas de setim e fivella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
baites, easamentos, etc., etc
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindes ramos de Aorta
finas, tanto para cabeca como para chpeos, t
bem assim :
Papel verde liso e com listas para folbas.
Dito de cores para flores.
Foibas de diversas qaalidades para rosas;
Ditas verdes e lustrosas, obra m va e pela pri-
meira vez viudas como amostra.
Franjas pretas e de diversas larguras para tv
feitar vestidos,
COQUES DE TRAFICAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia .Branca acaba de receber urna peque-
a porcao dos bonitos e modernos coques gran-
des de tranca e ostros moldes.
noy SORTIMENTO
DE
HOITCCAN
A r guia branca, a roa do Duque de Caxias n.
52, outr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
um novo e bello sortimento de noneeas de diver-
sas qualidades e tamaohos, sendo :
Com rosto de seda, das que choram, e ontras
que fallam.
Com rosto, mos, e ps ds porcelana, e pro-
prias para vestir-se.
Obras de porcelana
A aguia branca-tem outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros para jeias.
Ontros para eabonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua ben'.a.
Pequeos jarros para santuario.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Lindas cestinbas tambem de poreellana.
Escrivanias de dita.
E muitos outros objectos para enfeites de mesa.
ARMASEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os proprietarios deste, grande e bem montado estabelecimento scientificam ao
respeitavel poblieo desta provincia, que se acbam com um variado e completo sortimento
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escomidos capricho por
um dos socios queso acba actualmente na Europa, e por isso os podem vender mais
baratos 30*/o menos de que em outra qualquer parte. O mesmo tem contratado com
os melbores fabricantes daquelle cominele as remessas das mais ricas mobilias ferias
all. Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso aptos a fornecerem
mobilias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas, de primeira
orden). Pedem, portante, que vedbam visitar dito estabeleeimento, on/e encontrarao
a realidade do que acabam de expr, passando a examinaren r ricas e completas mobilias
de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello. guarda looca de
oogoeira, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petits
toilettes, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra,
e muitos ootros artigos de gosto, que para se n3o tornar enfadonho prescindimos de
azer meneje delles, o que s com a vista poderlo apreciar.
BAZAR ACADMICO
13 ROA DA 1MPERATR1Z 13
DE
ULYSSES & IRMAO
Nesle bem conhecido e acreditado estabelecimento, encontrarSo nossos amigos e fre-
gueses cigarros de paiha e de papel de diversos ttulos e das melbores qualidades de
fomo. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Janeiro ; e bem
assim. ponteiras para charutos e cigarros, cachimbos de espuma.de poreellana, de ma-
deira de diversas qualidades, de louca e p da galnhas muito finos a 2)5600 a dazia, e
muitos ontros rticos que deisamos de mencionar.
Fabrica de cigarros.
Bes attesta a snperioridade dos cigarros de nossa fabrica o grande consumo que
delles tem havido no interior e as provincias do norte. Com presteza spromptamoi
qualquer enccmmenda, remetindola ao sen destino.
BAZAB ACADMICO
13RA DA 1MPERATRIZ-13
UJysses & Irmo
ERNESTO & LEOPOLDO
N 2 D Ra do Cabug N. 2 D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de jotas que pode
vender aos seos numerosos fregueses em grosso e a retamo epor precos
moi resumidos visto qoe recebe de conta propria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desenbo de suas jeias o mais lindo do paiz das
modas, curo de lei, brilbantes verdadeiros, esmeraldas, robins, perolas,
turquesas, sapbiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto
para igreja como para servico domestico. Convidamos as Exmas. familias
a vicitarem o dito estabelecimento todos os das at 9 horas da loite.
Compra.se ouro, prata e pedraa preciosas em obras velbas.
Aza de mosca.
' W M faienda especial para cobrir quadro?,
eaalbjw. retractos, etc., demasiadamente transpa-
rente e pieparada de forma a evitar completa-
*Bnl%lMei inglexes em caiiinhas que le
por j#600 adaaia.
no pasar da Vitoria ruiNova n. 1
vende
Chegaram
anqninhas de erinoiine, de moldea eem-
i bierho : receben a Non Esperanca i
nmvDaqoe da Caiias n. 6) ; a etUs...
ftRMDE
E* "PECHINCHA.
Chita lisa oM0 de Jrae> a 0, UO, JO e 340
corado 4 peoMnoha-
Coberaarea de m aaeura muito grandes a 1*.
^*> Gu/iherme Camefro da Cnnba .- na
PmtH] norway
bai vara foi-w) de sal s
OMfnjpara a nari aoeawmlea ra i* de
e variado aorliraento de
idos naxa forro de salas.
de aqperior qutiidada, em
de-se em porcao a a rettlt
de Olinda n. f
garrafa* e meta?, ven-
ho : na ru de Marques
andar
i^ m, at m\ > i*> i
Oleo ae iiuhrica
Tede^e na eaa dtrlHNs &atban & C. roa d
Gru o. 3S.
^
i .


Dxario de PeroiiMbttod Quinto eira 28 d* Setenibro de 1871
VARIEDAD

INTERN.VC10.SAL.- 0; prna:s Jj El-
rop publican agora o prog aama do coo-
gresso operarlo, qae a ass ociscio lateros-
cioaal trata dd rrganisa.: ni S lissa. Ei
. A/1 l)i A lavl/t
^^ ... v H4W a
1 O partido democrtico socialista >*Qa
Suissa propoe-si, como rlm garantir o ifl
teress^ dopovo trabalhador, e dar-lhe ja-
tisfacJo todos o.. r .paitos. Est conrv.
cid) de qi9 a ibord de j classe operarle
se n5o pode obter, senio pela propru classe
operara.
2o A Juta para a liberdad; da clisse ope-
rara Di) ana lula de privilegios em fi-
vor de urna classe, mas para a iguald ide
dos direitos e dos deveres, e para a su?
pressio de toda a doraimeio de cUsses.
3o A dependencia econmica do operari
para com o capitalista constitue a base da
escravidio, de qualquer forma qae pos a
ser ; por consequencia o partido democra
tico socialista propoe se obler, pela suppres
sio 1) modo actual da pro ioccao (syslem i
d) silarin),'o producto #inteiro do sea tra-
balbo pa<-a cada trabilbador.
4a A liberdade poltica a primeira e o
dispeasavel condicio para a liberdade e;o-
nomica das classes operaras. A quesiii i
social por cooseq'iencia inseparavel di
quasio poltica ; a soloco da primeira d;-
peo le da segunda ; a n3o possivel sena"o
o'um estado democrtico.
S Considerando que a liberdade poltica
e econmica da classe operarla nio pos
v
QJCti
esta
restada a um straogeiro bastante sigoi
dcativa dos progressos e, podar da associa-
cio dos operarios.
sivel senio j-iao lo esla se aprsenle uni
oo combate, no partido democratio socia-
lista ni Suissa d-se urna organisacao so-
cialista, mas permitte ao mesmo tempo a
cada um fazer valer a sua influencia par-
ticular para o bem da commanidade.
C Con iderando que a liberdade do tra-
baln'i aSo ama tarefa loial uem nacional,
mas social, que comprebende tolos os p i-
zes em qoe exis e urna sociedade molerna,
o partido democrtico socialista na Suissa
liga-so associacio internacional de opera-
rios.
7o Formulan -se os pontos seguales co-
mo primeiras exigencias a fazer valer na
agiuci) dirigida pelo partido democrati ;o
socialista ;
I. O direito da burguezia suissa em geral.
O soccorro dos pobres compete s commu-
nas, d-vendo o estado sempre preeneber o
dficit.
II. Legislarlo directa para o povo na con-
federagio ; iniciativa popular por cada
20,000 cidadios. Na3 votaces populares,
maioria absoluta dos votantes por sim e por
nao, no que toca s questes. Suppresso
do conselbo de estado, e do voto distincto
dos cantos como estados.
III. Escola popular obrigatoria e gra
tuita al aos quaiorze aonos, e a prohib-
Cao do trabalbo s eriangas as fabricas at
esta idade.
IV. SeparacSo da igreja e do estado, as-
sim como da escola e da igreja.
V. Suppressio de todos os impostos in-
directos, e a introdcelo de impestos direc-
tos, progressivos sobre o rendimento e suc-
cess3S. limla o*'geral e patritico das
fortunas, assim como porcada fallecimenio,
Os paes de familia serio alliviado dos im-
postos.
VI. Derogado de todas as peias inuleis
postas ao direito de casamento. Centralisa-
io de toda a legislado civil e penal. Cous-
tituifio de*, jurys especiaes, e em particular
para as contestacois entre os operarios, e
os patrSes.
VIL Introducto de um dia normal de
trabalbo.
VIII. Urna severa vigilancia de lodos os
locaes destinados ao trabalbo, tanto no pon
to de vista da polica saoitaria, cmodas
medidas preservadoras contra os accidentes.
Instituidlo de inspectores de fabricas pagos
e independemos, Suppressio de toda a
dedcelo de slanos por meio de multas.
Organisacio de urna estatislica ofcial sobre
a situadlo das classes operaras.
IX. Liberdade absoluta da imprensa, de
reuniio, de associacio e de coalislo.
X. Crdito aberto no estado s associv
CJ3S com respensahilidade solidaria ; para
esse fim, se eslabelecer um banco nacio-
nal suisso com m nopolio di emissio de
notas do banco.
XI. Compra e exploracio dos caminhos
de ferro pela couederaeio no sentido de
que tolos os tneos de circulaco devera ser
proprieiade do es'ado, e que este nao deve
deixar explorar os particulares por nenbum
monopolio.
XII. A confederado toma a seu cargo
todas as despezas de vestuario, armamento
e equipamento da milicia ; salario sufficien-
te, sappmsslo das escolas de aspirantes.
A.sociedade Internacional de operarios
de Bale ampliou com os segnintes, os pon-
tos indicados no artigo 7o do programma
que acabamos de escrever :
I* Transformacio de todas as proprie-
dadas ruraes das communas em propne-
dades da'confederacio, para auxilio geral
dos indigentes.
2o Suppressio de todas as constituices
cantonaos; leis geraes e nicas; introduc
Co da orna para todas as votacSes e elei-
Ces, nlo podendo estas ter lagar senio ao
domingo. Suppressio de todas as leis que
restringem os direitos civis dos fluidos e
soccorrldos.
3 Suppressio do orcamftnto dos coitos,
e secularisaco de todos os boas ec lesias-
ticos em beneficio da divida do estado.
f Introdacclo do casamento civil obri-
gatorio. EHeiclo directa pelo povo de lodos
os juizes e jurados, e justica gratuita.
S" Limitaco do trabalbo das mulheres.
6 Cursos grataitos para os officiaes;
eleicio direcu para a tropa, de todos os
chefos at patele de capillo inclusive.
deobmd > pouc
bioni passhl^pfFIl
SeVIL'H.V O jorjal franja:
a Mguinle intoressante an^cilju
da ultima greve dos sapiteiros en
Um homem influente d'aqn
foi ter com ora d'elles, e na.sai qualidide
de freguex muito' otigo eooommead albo
ama porco de cale do de que necasfUvi,
com a maior urgencia^
Respondeo-he o itpatelro : Ealoo
prompto a dar os pasaos necesarios para
esse flm, mas necessario una licenca es-
pecial do chafe da Internacioaal, aflm de
ter alguns olliciaes pira executareio a sua
encommenda, e cada licenca cusa 2 fran-
cos. Est dito, resp >d leu o freguex.
Alguns dias depoisfoi-lhe a eDcommeo'da
aalregu), e no conti apparecea a verba de
O francos, importe da iiceaca para tres of
licjaes .poderem trabalbar.
A autorisaclo era redigidi em inglez, e
assignada por um delegado Inglez,
t Qaaoo se considera, accrescenta o
mesmo jornal, no espirito nacional e'inde-
soru ifi;',! eBsctivameato dizer al qae
pjiuo nos oieiim os rancezes. Estes es-
perara tirar era breve umi roidoM-desforra.
E.nqoaoto ao qie quizerem fazer, os seos
perodic s ujs insiruiro isse ooai aotici
paci. Mas se ainla nlo se jalgam bas-
tmt-j darroiados, se-lo hap mais. Agora
assusinam os oossos soldados, e boje naes-
iuo se d^^^Kos para ser reforcado o
:i hsi exj^w^i* o'.cupago.
A Ff'anca OH) cessa d nos podir prasos
le paj^p-i'>3 e oairas oncessas, ede-
pois quinao quereoios alguna cousa em
i, a"-resposti sempre :
Ni) tmem njirncc5J8.
NJo-tainos un shimno polticonem
militar, enadi eotenlem de co.isa alguma.
Fa^ende eu alemas allusSiS i Italia,
disse-me o chancellar :
A Franca com me t te o oo raaiores eripi
fazendo as guerras da Crimea, da Italia e
do Msxioo. Crear a anclad* italiana era
lio insensato sob o ponto de vista francs,
como ter deixado formir a uoiade germa
nica. >
f Bstanle t-n 1-s explorado essas
torpezas em proveito vosso. Mas, e se o pendente dos bespanhes, esU obediencia
ir. Tuiers fustiga os iu'dinos ?
Far com qoe vduham lancar-se nos
nossos brac/is.
c Nao esli j n'ellee?
Pfu I
Pjs.ei a fallar da R issia, e o principe
dis-eme qusHioba plena condanca ni boa
fe do czir.
< Tem feito muito boas coasas, me disse
elld, e aiii la nlo acabou ; os camiohos de
ferro nlo esto concluidos. E' homem de
paz, essenciaimentede paz. A Russia ti
grande q.-ie se anda se eslender mais, o que
far deb litar-se. Mas ponto importante
sao os caminhos de ferro.
< Sim, repliquei; mas a Russia nlo
p le ficar assim c mo est: preciso que
erapreheoda alguma cous ;qoe se encon-
tr oii que transborde. A Franca vai bus-
car a sia alanca a todo o cusi, e effec-
tivameute, pode apostar-se dobrado contra
simples em como se poro de accordo, e
tal vez j estejam promptas para isso. Em
Lociires, os Gri-duques teem fallado vaga-
mente, mas era tom enrgico, do perigos
que ameacam a Europa.
( E' certo,-disse o chaoceller; esfou
por issa. Mas os principes herdeiros, mal
que sobera ao throno costamam mudar com
frequencia de ideas : quanto aos gri-duques,
o que tenham podido dizer, nio tem oatra
iraporlaDcia.
ogressos a poa]pr d
ros.
CATASTROPUE. As olbas de Lilie
annuncam que na ooule de 3 deselembro
hove um choque em Seclin entre o com-
boyo do correio que sabira de Paris e o
comboyo de passageiros que vinba de
Oouai, ficando tres carraagens do ultimo
esmagadas.
Grande numero de passageiros foram es-
caldados pela agua e pelo vapor que sahia
da macbiua do comboyo do correio. Nesta
catastrophe houve dez morios e muitbs fe-
ridos gravemente.
Todava o Gaulez diz que s morreram j
4 passageiros e que os restantes (71) pode
rio curar-se fcilmente das saas queima-
duras.
MORTE DE UM BOM ARTISTA. Os
jornaes madrileos dio noticia de ter falle-
cido naquella capita1 o escalplor D. Jos
Piqoer. O seu grande fclento e as suas
muias e notabilissimas obras tinbam-lhe
adquirido urna jusla celeb.-idade em Hes-
paulia.
TREMOR DE TERR.V NA CHINA.- Diz
urna foltia estrangeira que a cidade de Bse-
thang, na China, foi destruida por um tre
mor de trra ; cahiram 1,849 casas e mor-
reram 2.998 habitantes. Os effeiios do
tremor de Ierra sentiram se a 400 milhas
de distancia. Em muitos pontos a trra
abrio-se, e as planicies abateram, formando
grandes precipicios. Naquellas paragens
ninguem se recorda de ter presenciado um
seraelbante cataclismo.

OPINIO DE BISMARK.Os correspon-
dentes dos jornaes de Londres costumam
transmittir a estes resenhas de conversa-
goes que teem com horneas de estado mais
eminentes, com o que consegoem dar inte-
resse s suas cartas e tancar i poblicidade
o qae aqaelles qaerem qae se saiba. Para
prova disto veja-se a segaiote conversacio
qae o correspondente em Berlin do Daily
telegraph de Londres refere ter tido com o
Sr. de Bismark. Disse-lbe este:
c A Austria, em 1666, empeohou nescia-
mente a guerra, o derrotamo la. Agora
todo Ibe perdoamoi, e at temos Untos ta
teresses comamos com ellas qae precisa-
mos de ser boas amigos.
< Como taes aqui fomos recebidoj, enes-
te p aos desejamos conservar.
c Di Franca nanea seremos amigos, e
NOVO THEATRO EM MADRID. Da
tpica de Madrid extrahimos a segrate
noticia :
c Principiarlo brevemente os trabamos
para o novo theatio que o Sr. Gargollo vai
mandar construir na roa de Alcal, es-
quim da do Barquillo destinado aos.iu/fos
Arderas, porm cr-se que nlo esiar
concluido senio nos fins do prximo verlo
para principiar a trabalbar no i de setem-
bro de 1872. Diz-se que ser conslrudo
segundo todos os progressos da arte, com
entradas pelas ras de Alcal e do Barquil-
lo, e com jardim no fundo para os espec-
tadores, porque dever funecionar em to-
das as pocas do anno.
t A sala dos espectadores ser imita-
Ci do Conveol Garden, de Londres, e o
foyer, ou sallo de descaoso para o publico,
como o do grande theatro do Lyceu de
Barcelona.
t Parece que ser urna maravilha de gos-
to e de arte.
PAULO DE KOK. Acaba de fallecer na
sua cisa do boolevard Saint-Martn, em
Paris, onde resida ha mais de 40 annos, o
coobecido romancista francez Carlos Paulo
de Kok.
Kok nasceu em Passy nos ltimos das
de 1793. O seu berco foi ensaagaentado.
Seu pa, banqueiro hollanaez, -morrea no
cadafalso revolucionario. Sua mii desti-
nava-o ao commercio, mas a paixlo de es-
crever atormentava-o, e aos 17 annos dei-
xava a casa commercial onde o collocaram
para se estreiar na carreira Iliteraria por
ara mo romance, qae ningaem qaiz editar,
e elle teve de publicar por sua propria
conta.
Mal succedido nesta estreia, experimen-
ta o genero dramtico, no qual ufo foi
mais feliz.
Em 1820 tornou a escrever romances e
fe-lo entio com tanta felicidade que dabi
por diante as suas obras, qae se saccediam
urnas s outras com pasmosa ferlidade,
grangearam-lhe fama europea.
Ha porm ama circumstancia notavel nos
ltimos mezes da vida de Kok. Esta eteri-
plor, qae durante 50 aonos ria sempre e
fazia rir os seas aam cresos leitores, qae
se conformava com todas as coatrariedade
'desta vida, nio pode ser superior a asma
perda material 6 remediavel. A sai liada
propriedade de Romainville foi devastada
pelo bombardamelo, e, fleendo profunda-
mente impreasionado com a dettroklo ewsu
casa legendaria oode tiobiencertedo tode. a
su alma, todas as mas recordares, fot
FORJAS TERRESTRES.De ama esta-
tislica que acaba de ser publica la em Vien-
na, um diario estrangeiroexirahe os segra-
les dados, qae revelam as forgas terrestres
com que actualmente contam em tempo de
guerra as naeoes europeas:
Russia : 47 diviso'S de infantaria e 10
de cavallaria, 8 brigadas de cacadores, 149
regmentos de cossacos. 219 balones de
infantaria e 50 metralhadoras, compondo
um total de 862,000 homens, 181,000 ca-
vallos e 2.084 canboes. -
Allemanba: 18 corpas, incluindo 37 di-
vises de infantaria,' iO de cavallaria e 337
bateras de artilharia, que prefazem um to-
tal de 842,000 homens,. 95,724 cavallos e
,022 caohdes.
Austria: 13 corpos, com 40 divisSes de
infantaria, 5 de cavallaria e 205 bateras de,
artilharia e me tramadoras, que comiera
om total de 735,926 bomens, 58,120 ca-
vallos. l.GOO canbSes e 90 metralhadoras.
Inglaterra : o exercito est-se organisan-
do actoalmeote.
Turqua ; 6 corpos de tropas regulares,
12 corpos de rafe/* ou reservas, e 132 ba-
leras, prefazendo om total de 253,289 bo-
mens, 34,835 cavallos e 732 caoboes.
Italia : 4 corpos com 40 brigadas de in-
fantaria, 6 de cavallaria e 90 baleras ; to-
la I 415,200 bomens, 12,860 cavallos e 720
caoboes.
Franca: 10 corpos com 32 divises de
infantaria e cavallaria com 140 baleras;
total 456,740 bomens, 46,995 cavallos e
974 caoboes, incluindo aemetralhadoras.
Belg.ca: 145,000 bomens, 7,000 caval-
los e 152 canboss.
Hollanda : 35,383 homens de exercito,
85,000 de milicia, 5,200 cavaoa e 108
caoboes.
Suissa: 160,000 bomens, $N0 cavallos
e 278 canboes.
Romana: 106,000 homens, 15,075 ca-
vallos e 95 caoboes.
Servia : 107,00) borneas, 4,000 ca vallo*
e 194 caoboes
Grecia : 125,000 horneas, 1,000 cavallos
e 84 caoboes. '*
Sueoia e Noruega : 61,604 horneo. ajIDO
cavallos e 222 caoboes.
Dioamarca:' 31,916 homens, 2,120 ca-
vallos e 96 canboes. -
Hespaoba : 144,938 bomens, 30,252 ca-
vallos e 456 canhes.
Portugal: 64,380 homens, 6,320 cavallos
e 96 caoboes.
O COMMUNISTA TRIDON. Acaba de
fallecer em Bruxellas Gastavo Tridon, um
dos membros da finada communa de Paris.
A' respeito desle homem diz a France do
dia 3 de setembro :
t Gustavo Ti don, que acaba de fallecer
em Bruxellas, era om ser muito estranho.
Possuidor de urna grande fortuna, feio, de
urna fealdade repeliente, acabrunbado de
doenca, lancou-se por conviccio no partido
da desordem. Tinha algum talento. De-
xa urna curiosa brochara que publicou em
Paris e que intitulada : Os Hebertisla.
E' urna justifleaelo muito eloqueote do in-
fame Hebert.
Tridon era, do partido h-communa, o
historiador e o partidario da philosophia do
seculo XVIII, posta em aceo.
< AfjQrmam n'os que legoo a sua fortuna,
calculada em 1,200,001) francos, Interna
cional, ajos membros mais influentes Ibe
fecharam os olhos em Bruxellas.
HESPANHA.A Gazetu de Madrid pu-
blica o segrate, pela presidencia do conse-
Iho de ministros:
Senhor.O governo de V. M., auto-
rsado pela le de 31 de jolbo deste anno,
para amnistiar todas as pessoas sentenciadas,
processadas oa sujeitas a responsabilidadc
por deudos polticos, julga chegado o mo-
mento opportuno de fazer uso de lio im-
portante autorisaclo. Saccede haver oesses
deudos, castigados de ordinario por seve-
rissimas penas, mais do qae perversidade
de coraeao, um extravio da intelligencia, e
o estado, que nio cumpriria com os seas
deveres se o no reprimisse enrgicamente,
porque assim o exigem a jastica, e a conve-
niencia publica nio pode levar o seu rigor
mais a'm de qae o qae necessario para
o cumprimeoto dos aeosahissimos deveres.
Quando se extremam imprudentemente o
rigor e a duracio das penas que reprimen
esses delictos, o castigo nio e exprsalo
da jastica, mas da vinganca, e o poder pu-
blico, mais que representante do direito,
o dos odios de nm partido. Quando os
autores de seas actos dwxam de ser um
perigo, persistir na continoacid da pena,
crea-lo de novo, porque a opiniio publica
nio se oceupa do delicio, qae fio teme ;
mas das dores dos que soffrflta.
Abrir as portas da patria, nio so 6 om
acto de clemencia, mas tamben de pru-
dente e sabia poltica. O canlo de alegra
que entoam os Albos sos braocoi envolta com as docoraa do lar o da umiiia,
nio significa mais do me a terminacio de
orna grande desgraca, e Ussbsm amaja-
raotia de paz e de traaaaia4e, oorqne
ser sempre ama recordaclo da* conse-
qaaocias prodazidas patas pertorbacoes da
ordem publica.
F6ra, porm, pone* cordato por em
perigo a aociedade, deiandow levar por
basa geoerosidaJe iesfradeate. qae, t
mmlos inimigos do soceg publico. A
remanda entio e, oa parece TV: amnista, longe de ser agradecida, aprovei-
ta-se contra os que tiverama imprevisi) de
concei-la.
< Felizmente, ssnbor, nlo nos adiamos
nestas circumstanclas. O governo conhece
os segredoj e os recorsos dos adversarios
da situaei), Discida da revoloQio de setem-
bro; tem dados para apreciar txadamente
a sua fraqueza e i npote.cia, e conta com
forga suficiente pira soffocar e reprimir
qualquer acto de rebellilo, que se tente
contra a conslitm'cJo e dynaslia de V. M.
Se houvesse temerarios que, fascinados
por loucas esperancas, ousas;em levantar
armas contra as insiiiuico-s, que a afio
se deu no uso da sua soberana, a rjpres-
sio seria tio prompta como enrgica, e o
ostigo seguira rpida e inexoravelmente o
delicio. A situacio poltica actual pode-
rosa e debela os seus inimigos. Os actos
de clemencia podeiio ser por cunsegointe
nlo agradecidos, mas nlo imprudentes, nem
occasionrio g.-aves perigos.
< Mas perigoso seria que os emigrados
perdessem toda a esperanca de voltar de
prompto i pitria, e se cooervassem reuni-
dos, excitando-se mutuamente pela pressio
de seus chefes; assim conlinuariara organi-
sados, e dispostos ao comb.te. Voltem lo-
dos sua patria ; temperen) no seio da fa-
mil'a a dureza dos rancrres politi os, gozem
traoqaillamente dos beneficios da liberdade,
adquiram ou recobrem os hbitos do traba-
lbo, e convencara-se de que cora a constitu-
Co de 1869 e a monarchia de V. M. se
barmonisam a liberdade e a ordem, tem se-
guranja todos os interesses legtimos, e ha
garantas para todos os progressos possiveis
das differentes espheras da. aclividade hu-
mana. Haja urna lula animada o patritica
entre os individuos e enlre t>s partidos para
o Iriumpbo de suas doutrinas e de suas as-
piraces; mas seja pacifica e tranquilla, por-
que s assim pode ser fecunda para o bem-
estar dos pavos. O governo de V. M. jul-
ga que longe de ser temivel essa lula,
indispeosavel para os adiautimetxos huma-
no, e que nio devera affastar-se os comba-
lentes, mas remover os obstculos que se
oppoobara ao combate..
c Fundado nestas consideraciones, o con-
seibo de ministros tem a honra de propdr
a V. M. o seguate projeclo de decreto :
t Madrid, 30 de agosto de 1871.O
presidente do conselho de ministros e mi-
nistro da governaeao, Manoel Ruiz Zorrilla.
O miotslro da guerra e interino de estado,
Fernando Femantes de Cordom.O mi-
nistro da marinba, Jbs Maria Beranger.
O ministro da fazeoda, Servando Ruriz
Gomes.O ministra do fomento, Santiago
Diego fcidrazo.b ministro do ultramar
e interino da grac e jastica, Thomaz Ma-
ria Mosquera.
* Decreto.Usando da auto: sarao con-
cedida ao governo pela lei de 31 de julbo
ultimo, e de accordo com o paralar do con-
selho de ministros:
Art. 1." Concede-se absoluta-, ampia e
geral amnista, sea esc pcio de classe,
nem de foro, a todas as pessoas sentencia-
das, processadas oa sujeitas responsabili-
dade por deudos' polticos de qpalquer es-
pecie, coametlidos at indicada data de
31 de jolbo prximo passado.
c Art 2. Em consequeBcia disto, se so-
breestar desde logo e sera cusas em to-
dos osprocessos pende ates pelos indicados
delictos.
Art. 3.** "Xs* pessoas qoe por elles esti-
verem delidas, presas ou scffreodo condem-
naces, serlo' postas inmediatamente em
liberdade pelos jolgados e iribunaes em que
correrem ou tenham bavidos os processos,
podendo regressar livremente Hespanha
os qoe se acharem expatriados.
Art. 4. Os que tiverera direito a sol-
dos ou ordenados do estado, provincia ou
municipio, com exetusio dos rail tares, ca-
recerio para os poderem receber, mostrar
ter prestado juramento constituiclo pe-
ranle o tribunal competente.
t Art. 5." Consideram-sa tambem delic-
tos polticos, para 05 effeitos deste decreto,
os que tiverera sido commeiiidos com o
proposito de falsear, impedir ou exercer
coaccio na livre emissio do suffragio elei-
toral, os conniventes a que so refere o cap.
3o do art. 331 da lei provisoria sobre a or-
gaaisacao do poder judicial, as reincidencias
por delictos polticos, e finalmente os- que
tiverem sido commettidos por meio da im
prensa, excepto os crimes de injuria 6 ca-
lumnia perseguidos a instancia da'paale ag-
gravada.
t Art. 6. A responsablidade civil em
que tiverem incorrido os processados, com
os damnos e prejuizos quo tiverera soffrido
os particulares, por occasilo dos delictos
indicados nos arts. Io e 3o, fi -a subsistente,
e se far effectiva a instancias dos interes-
sados.
t Art. 7. Pelos respectivos ministerios
se dictarlo as disposieoes convenientes para
a immediata, e exacta applicaco deste de-
creto.
t Dado no palacio aos 30 de agosto de
1871.Amadeu.O presideote
Iho de ministros, Manuel Ruiz Zorrilla, i
gou emfim, linha dito sua familia qae nlo
vera o por to\, efipetivameDte a sua
pred.cco sabio exacta.
CURIOSA A'NEDOCTA.-Lemosnoitc^
Americano:
* O theatro em Pompeia, oa Italia, con-
cloio-se, e vai ser franqueado ao publico
aps a mais prolongada interropclo qoe
tem havldo desde que no mando ha thea-
Iros.
O emprezario eellpcoa em cada lado da
entrada um cartaz, pedindo ao publico
Que Ihe conceda a aesma protecelo e fa-
vores feilos ao seu antecessor,. Darainus
Marius Quintus Moni tros, qoe'repentinamen-
te largou o lugar b3 1,800 annos, arrebata-
do pela erupcio do Vesavio, na qual receja-
se tivesse saecumbido, porque nunca mais
regressou para o theatro. >
UTTERATDiU
Os capiiCiilahos.
I
N0fdE9 'IIKI.IIII.NAIUOS.
(Cootinuagao).
J a China, o Japio, e as outras velhas
nago's asiticas qae se acredtavam oa pos-
se de orna cvilisacio ettrna e immutavel. se
vio preparando para receberem o impulso
da cvilisacio, que parte de Roma, com
os raios do sol at a* ultimas extremidades
cujos pontos determinara a jeircomferencia
luminosa de sua accie radiante. (Dr. Fei-
tosa.)
E porque a cessaeSo desse privilegio,
ou desse monopolio, que- trazia a scieucia
reconcentrada as mos de mea dnzia de
favoritos ? E* que o Evaagelho plant u o
reinado da caridade, e ascienda que se ar-
rima na f, descanta na esperanca e se
abraza no amor do piosimo, nlo faz selec-
Cio de pessoas para diHuodir seus raios, e
tanto penetra nos opulentos palacios dos
reos, como as humildes cboupanas dos
pobres. Era a victoria da intelligeoca pela
regeneraco do coracin, era o trumpho
sablime da verdade guiada pela ralo pode-
rosa da virtude.
Foi, portaoto, -prjcuraado ganhar o co-
radlo, que o Christianismo enlendeu ence-
lar a obra de regeneracio de que vinha in-
cumbido, foi cimentando a virtude que elle
determinou-se ensinar a verdade ; era o
inverso do systema seguido pela amigoidade
que sempre fez primar o elemento intelec-
tual, esperando por accrescimo, oo como
conseqoencia o desenvolv moni > do elemen
to moral, oque redunda em um engao
manifest por isso que a maior illustraclo
nlo previne a menor immoralidade se essa
illustraco nlo vera logo firmada n'oma boa
educacao moral, que cedo vence o corcio
do menino no regace da familia, para mai
tarde vencer a intelligencia do homem no
immenso torveliinho das- sociedades. Nisso
que esto o mrito e a grandeza da refor-
ma. E o Christianismo tinha naturalmente
razio.
E' pelo sentimento do bello que com
mais expansao a alma se remonta fonte
pun donde sabio, e para- a qual deve fazer
tender todas as saas aspiraces; por esta
sentimento, conjenito com a natureza huma-
na, que o homem escdalo nos poderosos
enlevos de ama s f, ds urna perseverante
esperanca e de orna caridade iosaciavel, e
fortalecido pelos dous infloxos dessa mys-
Uca triodade, que cacorra todas as {oreas
de orna verdadeira cvilisacio, consegue
completar seu destioo terrestre e marchar
com segurauca para as pramos da eterni-
dade, aguardando com orna confiada aocie-
dade o magestoso e tremendo espectculo
do vale de Josaphal.
c O lypo do bello, diz A. Martin apezar
de seu desastrado racionalismo, o typo do
bello immutavel, eterno ; elle existe,
p rque nos temos dello a coascieocia e o
amor: a consciencia para nos inclinarmos
sua investigarlo, o amor pata nos tornar-
mos dignos de o contemplar.
i Esclarecida por esse fado interior nossa
alma apodera-se iautmente de ludo que
acerca aqui na trra; passa de um mundo
outro, do finito ao innilo e para estupe-
facta nos ps do Creador. Dando-nos essa
facnldade Deus se nos revelava.
Procurar o bello por consequencia
procurar alguma cousa que nio existe sobre
a trra ; entrar no mundo real, n'um
mundo cuja imagem repousa oceultano fun-
do de nossa alma,
f Assim o sentimento do bello resplan-
JUUO FAVRE.Este estadista francez
dirigi ao peridico Le Temps a seguate
carta :
Tomo a liberdade de recorrer publi-
cidade do sea peridico para desmentir urna
invencio calumniosa, que o jornal Le Salut
publica boje as suas columnas.
c Imprime aellas urna supposta carta que
diz escripia por mim 18 de marco de 1871
ao Sr. Lollier, e na qual chamando-lhe que-
rido amigo, Ihe manifest que, apezar dos
seus conselhos, ficavamos em Paris.
c O autor do artigo allirma ter-confron-
tado a carta com o original e d'abi tira na-
turalmente partido para me injuriar e diffa-
mar os homens de 4 de setembro.
Nao preciso dizer que nanea escrev
semelhaote carta.
c Ms a calumnia segu seo caminho, e
o escripior consegoio o sea fim.
f Deixo i opiniio publica a apreciacio
de todo isto.
t Rogo Ihe, etc.Mi Favre. 3 de se-
tembro de 1871. >
LONGEVIDAD. Morreo ltimamente
eaa Kanias.nos Estados Unidos, um.Mathu-
salem eanadiano, francs, Mr. Jacob Four-
nais; centava apenas 134 annos de idade.
Tinha 70 annos quando parti do Canad
para Piltsburg, que entio era anda orna
villa insignificante. Dorante 50 anaos da
ana vida dedicra-ae i profisalo de cacador.
Nanea estove doente, e minutos antes de
apreciar as exigencia* do logar a do lempo, marrar anda passeiava no quarto. Na ma
servase para agrapar t dar (orna aof slo- libia do dia em qoe o seu passimentQ ene
dece as trevas de nossos sentidos: urna
larga brecha cojas perspectivas se abrem da
ierra ao co, do tempo eternidade.
E' essa tendencia da humanidade para a
posse de um typo ideal, que se Ihe afigura
magestoso, qoe enche todo o vacuo de sua
alma, que caracterisa sua natureza perfecti-
vel e que a conserva em urna luta continua-
da, porm, gloriosa, em que duas grandes
torcas se chocam, ecujo triumpho nio pdde
ser senio para o lado da verdade. Ora
neste combate gigantesco que se acba em-
do conse- penhado o christianismo e cora toda a con
flanea na victoria pois que sobre sua fronte
radiante se acham esculpidas todas as pro-
messas d'aquelleque o que e cujas
pala-ras nio podem (alhar como nol-o at-
istaos, todas as radicos. Podem as ne-
gras cohortes do Averno se ostentar pojan-
tes e valerosas para com a admiravel do-
cilidade de om venerando ancilo arqoebra-
do pelos annos porm intrpido pelo espi-
rito, que o anima, porque serlo improficuos
seus esforcos e baldados seus intentos:
rocha impassivel e inabalavel no meio do
bramir rooqaeho de todas as temerosas tem-
pestades, o succewor de S. Pedro, arrimado
no basti prodigioso de sua misslo, nlo se
altera, nem se amesqoinha, em Roma, em
Gaeta, na cidade-leonina, no castello de
Sant'Angelo, em qualquer parte do mondo
a mesma fe o conforta, a mesma esperanca
o anima, a mesma caridade o abraza; elle
s tem urna palavra de fortaleza para affron-
tar todas as rarias da revolucionon pos-
sumus;e ama palavra de compaixio para
tanto desvarios, para tanta, desolacio. -Os
preconsados triumphos do erro, sio o sig-
nal precorsor de sua derrota infallivel. O
qae se passa boie em Roma nio pie, nio
deve abalar a t de nenhom catbolico : Pi
IX, a immorreobaro definidor do dogma da
immaculada coNCEipAo, nio pode ser ven-
cido porque o pontifica a synthese do
Christianismo sobra a trra e o Christianis-
mo 6 invencivel. I* preciso qae o combate
seja estrondoao para qae a victoria seja
completa. A vida do Christiaoismo tem sido
ama luda de todos os diaa Contra os arro-
gantes esforcos dos principios obsoletos do
erro; dldo as ciUcumbas, porm, elle
demonstrou que O sen sopro divino, e
que todo o ataque ser impotente.
A lula que o Chrislianismo abri todos
as Coreas da humanidade decabida a prova
ans palpavel de sua racionalMade e de sua
perfeila conealo com os elementos da natu-
reza humana.
Os estados, diz Aocillon, nao podem
prescindir de moradade e de religiosraade :
tanto menos profundas forera as raizes, qae
estas duas virtudes lanearem n'um paiz,
tanto mais oecesearios serio o constrangi-
mento e a proteceao legaes. Infelizmeote
a moradade e a religiosidade to marchara
ero paralello com a educacao rntellectual;
e eniretanto se as qualidades morae e re-
ligiosas nao se deseovolvem na mesma me-
dida qoe os coabedmentos, a intotria e a
actividade iotellwtual, toda essa cuitara do
espirito alo serve seoao de formar arma
s paixfc. E' a paa verdade dapb-
losopbia n pooto de vista mais pratico da
naces; verdade qoe a histeria com toda a-
sna autoridade se encarrega de nos profar
apresentan lo a eivilis dada pelos seatmentos religiosos, baza fe
cunda de toda moradade. E' por isso qoe
os povos da aDtqoidade nunca poderam sa-
bir do circulo da ferro, que osr agrilboava,
nio i ermittindo qoe respirassem por ama
s' vlvula promotora do verdadeiro pro-
ijresso civilisador? de sorte qae o Egypto,
a Grecia e Roma, cojos avanfos-tanto boje
se deeanta com o pomposo titulo d ehili-
sacio nunca olirapassaram as rayas de ama
dsseflvolic5o limitada, que teve d desap-
parecer desde que feram a [caneados as ul-
timas consequen o as de seus falsos princi-
pios religiosos.
E' verdade que anda boje o direito ro-
mano considerado como a razio escripia;
mas o historiador imparcial e cireumspecto
levado recoohecer qoe so depois da be-
nfica inflbencia do cbrisanismo pdde ella
merecer esse bello teetemunbo, alear de
que a cvilisacio romn sempre s oonser-
vou mais ligada aos adoaans das verdadei-
ras tradiccoes, que entretanto s se conser-
varam completas no povo judaico, onde a-
palavra de Deus- era mantida em tola a
sua pureza pelos profetas, que por ella vi- -
giav'am como atalajas poetas por Den par
que olo deixassme assim apagar o Cgo sa-
gra lo.
Roma qae mais larde deveria ser o em-
porio da cvilisacio chrrataa, nica oivilisa-
Clo, que, abracando todos-os elementos de
perfeielo, sompativel coa a natureza hu-
mana, desde logo se foi premuni do- dos in-
dispensaveis aderemos para a sua ftara
cora de gloria.
A cvilisacao moderna, cercada de todos
os soberbos atinbutos, qae a toroam gran-
de e imponente, manifestando-se pelo assom-
broso deseovolvimento simultaneo dos ele-
mentos syllegistico e histrico da bwnaai-
dade, a consequencia directa e knmediata
da doutrina evanglica, alravessando sem-
pre pura o espaco e o tempo por meta de'
seu orgio infallivela igreja catboUoa. E'
esse o resultado seguro e oevitavel i qae
se ebega depois de om estado serie a des-
prevenido da desenvolvi do espirito ha
mano oo deseoove seclos de ana nova
existencia;. resultado que se toras mate ine-
quvoco emais firme desde que se conside-
ra na decadencia moral, ou no estaciona-
ment em que se conservara oe povos, qae
persistem rebeldes acs reclamos da nova
lei, ou que se nio deixaram influenciar di-
rectamente pelo christianismo ; por que, (e
isso o que mais admira,) anda assim
elles compartitbaram dessa lei divina, qae
veio se espalbar sobre toda a face duglobo
para esclarecer os mesmoe gentos e publ-
canos, transformando a sua existencia de
outr'ora em urna nova era mais'livre e
mais racional.
A igreja catbolica tem sido o iracuoso
pharol que tem guiado a cvilisacio moder-
na muias vezes vacillaole ; tem sido ella
que, guardando com inimilavei fidelidade o
sagrado deposito da verdade, que Ihe fra
confiado pelo mesmo Deas humanado, tem.
sabido maoter a pureza da f e a uniforma-
dade da disciplina, encadaando por esse-
modo o desenvolvimanto de lodos os ole-
menlos da cvilisacio, que senos mostra
como o triumpho real da verdide no circu-
lo radiante da mais iodeGnivel unidade. A
palavra de S. Pedro pelo orculo tambem
iufailivel de seus successores tem sido em
todos os lempos a bitola por onde se tem
medido a cvilisacio dos povos. O protes-
tantismo no duro intento de establecer a
supremaca da razio independen te do in
fluxo necessario da f, nunca ebegar de-
monstrar a negativa dessa verdade racon-
lestavel. Mas o fim do ebristiaoismo, diz
Andr Luiz Mazzini, nio era se impr ni-
camente como fado, como accio absoluta;
elle alo quera se limitar nicamente go
veroar o homem dos sentidos, o bomem in-
dividual pelos sentimentos, pela f iogeoaa
de suas creocas cegas. O grande fim do
Evangelho era antesmudar, revolucionar
pelo verbo a historia, regenerar o homem
moral, a humanidade ioteira. Sua missio
era se constituir do mundo como o espirito
vivo, como a causa activa, como o fim ef-
fedivo da ordem universal. Elle quera li-
bertar o homem dos laces do mando, isto
, dos lagos do erro e da materia que o
dominavam, que o lyrannisavam desde sna
origem ; elle quera realisar a idea absolu-
ta, o principio universal de toda razio, de
toda sciencia, de toda accio, de toda ver-
dade. de todo destino sobre a torra. Re-
velando ao bomem a lei, nio somante como
idea, mas tambem como fado, na persona-
lidade do Cbriste o Evangelho poz pen-
sameoto humano, a forma subjectiva do bo-
mem na necessidade de procurar por ai
mesmo, por suas faculdades iostiactivas, no
fado, na intelligeada individual, a lei abso-
luta, a causa espiritual, o, principio ideal
e de se despojar, por conseqaeacia, das
formas empricas da materia e dos senti-
dos, e tornar-se a exprsalo viva, real do
espirito e da ordem absolutos. E' assim
qae a observadlo, a experiencia, o clcalo,
a analyse, qae sio os instrumentos lgicos
do. peanmento, da sciencia, da dviaacio
moderna, devem ser encarados coaao a con-
sequencia, cerno a deduce*) dialecta i
abso-
torica do sentimento, da f, da
lata revelada pela palavra
affeito desde o apparecisaeoto
depois do reinado do Evaof '
a Europa segaio em saas ii
suas experiencias, urna vb
por orna los segura InWkval
Ihe faltava.
(Conlinuar*t-ka.)
TTP.wivA*iu-nu oowwsoiam?


-'1




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENFEV6AI0_VIT1NW INGEST_TIME 2013-09-16T20:10:50Z PACKAGE AA00011611_12497
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES