Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12486


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"
.

IV

i


. r -
I



ANNO XiVIi. NUMERO 210
-----------------------------,---
i .*

?A1A i C4PITAI E L6ASE3 OIDE IAQ SI PAC PORTE.
'rw iros Beses tttctartoi
Por ten Ate, i^,, .
for qm anuo dem.. .
Cada maero aval.





IOOO
12*000
144000
MO
SEXTA FEIRA 15 DE SETEMBRO DE 1871.
faja DiiTio i roiA da Pioyacu.
Por tres mezet bastados ,............
Pw mis ditof dem...........-
Por nove dito* idea .
Por um no dem

171
tsnoo
DIARIO DE P
Propredade de Manoel Figueirayie Faria & Filhos.




AO fiknmi
tta Sri. Gerardo Antonio Abes 4 Filhos, no Pari; GonC,jves 4 Pinto, no Maranhio ; Joaqun Jos de OB*ra 4 Filho. no Odr ; A** de I** fes*, no Anca*; Jlo Mara Julio (knm, no Aai ; Antonio Marque, da Suva, no Natal
Pereira d'AImeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella d C, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Tula da taha; Belarmiiio dos Santos Buido, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
________________________________m Nazareth ; Antonio Ferreira de Agolar, em Goyanna; Francioo Tavares da Costa, em Alagse t fr. ^ Bunins Uytg, na Babia; e Leite, Serqainbo i C. no Rio de Janeiro.
; Jos

PARTE OFFICIAL.
Mluisterlo do imperio.
io dn Janeiro em 31 de agosto de 1871.IUra.
e Etoi. Sr.O governo imperial, ouvida a seccao
dos negocios 4o imperto do ee-nsetho de estado,
resolreu approvar a* deeisoes pelas quaes o ante-
cessor de V. Exc deca rou res jondeado a consul-
tas que Ihe foram f-jias sobre Irabalbos de quali-
fleaclo de votantes das freguezias da Santissima
Trindade e Nossa feenhora de Naiareth, desmem-
brada daqaeila, ambas pertencentes ao munici-
pio da capital :
t.* Que as duas (regaezias daran) organisar-
se as respectivas jeatas para proceierem sepa-
radamente quahricapao dos votantes de cada
ama.
t. Qae nio teado a nova freguezia de Naza-
reth janes de paz nem eleitores seas, competia a
presidencia da respectiva junta ao jniz de paz roais
votado da da Trindade, e na sa (alta ao knmedi i-
to qae estivesse desempedido, e a organisagio da
junta aos oito cidados immediatos em votos ao
sea presidente, residentes em qaalqaer dos ter-
ritorios das duas fregaezias na cooformidsde dos
arta, 2a e 3- do decreto n. 1,812 de 23 de agosto
de 1856.
3.* Q.ie eram natos os trahalhos da junta de
qualilcirao da freguezia da Trindade por ter fei-
to parte delta un eteitor qae resida na de Naza-
retb, contra o disposto na parte fiaal do art. Ia do
decreto citado, e no art. 19 das iostruec5es ane-
las ao aviso n. 565 de 31 de dezembro de 1868.
O qae commanico a V. Exc. em soluco do offl
ci dessa presidencia n. 41 da 6 de favereiro do
corrate anno. ,
Deas guarde a V. Exclodo Alfredo Correa de
Q!trera. Sr. presidente da proviaeia do Para.
Mlmlaterlo da fazeada.
Drcreto n. 9,008. de 90 de agosto de 1871.
Prorofa por mais vinte anaos a duraco do Banco
do Maranbio.
A priaeeza imperial regente, em nome do Impe-
rador o Senhor D. Pedro II, ha por bem sanecio-
nar e mandar qae se execute a seguinte resolucao
da assembl geral :
Art. t O banco qae na capital da provincia do
Maranhio se a cha est abalee i do sob a denominara)
de Bisco do Maranbio, durar mais vinte annos,
alm do prazo marcado aos seas estfalos.
Art 2." O ea (ando capital de mil contos de
res fica levada a tres mil, sendo os doas mil com
que augmentado divididos em 20,000 acedas de
M04QOO cada urna, as quaes serj emittidas pela
directora, proporcao que julgar conveniente aos
interesaos do banco, mas dentro do prazo de dez
annos.
Art 3.' O mximo da qaantia que pode ser des-
cantada no banco, sob a garanta de cada Arma,
?cade en 40:9904000, nao compreheodidos os
emprestiaiee sobre peohores, peto art. 42 5* dos
iUtatos. ser d'ora "4j""> de 80:000*000,
inclusive os amprestimos por comas correntes cau-
cioaadu, depois de fetto pela directora o compe-
tente catastro de Armas, de aceordo com os ac-
tuaos estatutos do banco.
Art. 4.a llavera no banco urna conta especial
para dinheiros emprestados sob hypothecas, com
os auxiliaras necessarios, e em cada relatono se-
mestral a directora participar o estado da conta
das hypotnecas e os estorvos que na pratica bou-
ver encontrado, para serem removidos.
Art. 5.a A porcio de capital do banco exclusi-
vamente destinado s operacoes sob hypotbecas,
ser de 1 000:000* tirados dos 2,000 com que ago-
ra pelo art. 2 augmentado o capital do mesmo
banco.
Art. 6.' Os fundos reservados a hypothecas nao
sera) desviados des;e destino ; todava, se alguma
porcio delles nao achar emprego, poder tempora-
riamente, isto emquanto nao fr necessario, ser
applicada a nutras operacoes do banco.
Art. 7.a as operac-oes sobre hypothecas sero
observados os arts. 2 a 12 da le n. 1,237 de 24
do setembro de 1864, e alero dlsso as segaiutes re-
gras :
l.1 A circumscripcao territorial para as ditas
operacoes comprehender somente o municipio da
capital do Maranhe. Todava poder o banco ad-
niii'.r hypotbecas de immoveis situados em quaes-
quer pontos da provincia, e mesmo em outra?,
urna vez que seja para reforjar as garantas de t-
tulos de dividas existentes na sua carteira.
2.' A quantia emprestada sobre hypothecas
nunca exceder metade do valor dos immo-
vsis rura'is nem a dous trros dos immoveis ur-
banos.
3.a Nao poderio ser aceitos para hypotheea nem
o> immoveis de precario rendimento, era os de
valor vendavel de diflicl realisacio, nem os indi
visosou cajo aso fructo se acbar separado do di-
reit) de propredade, salvo se os donas dos indivi-
sa ou se os da propredade usufruida por ouiros
preslarem solemnemente o sen consenso, sujeitan-
do ot seus direitos mesma hypotheea.
4." O proprietario, que pretender contratar com
o banco sobre hypotheea, dever fazer-lbe a pro-
posta com designadlo dos immoveis que offerece,
declarando os seas rendimento?, acompanhanio a
propos'.a a avaliacio especial de cada artigo, as-
sim como os documentos e as raformac,o3s, que a
contento do banco e na forma das leis vigentes
',u".tfiuem o oea direito de propredade.
5.* Nenham contrato ser firmado sem qae a
avahadlo dos bens, quetiverem de ser hypotbeea-
dos ao bjmco, se verifique por peritos designados
em sessao da directora, os quaes diligenciarlo
cuidadosamente conhecer o valor vendavel dos
mesaos bens, j exigindo dos respectivos propie-
tarios documentos legaes que provem a importan-
cia e pagamento da decima urbana e do imposto
pessoal do ultimo semestre vencido, e mesmo de
oatros se necessario fr, bem como quaesquer do-
cumento e esclarecimentos que provem qaal a
renda liquida por tais bens produzida, j infor-
mando-s com outros proprietarios ou viznhos ;
e j finalmente, comparando o seu valor ao de ou-
tros bens anteriormente avahados.
6.a Todas as despezas feitas pelo banco com os
exames e avaltaooes dos inmoveis olTerecdos pa-
ra bypetheca sero, aioda que a hypotheea nao se
realiza, por conta de quem a houver proposto, que
para isso previamente depositar no banco a som-
ata por este exigida.
7.a O mutuario fiear obrigado a segurar a par-
te edificada da propredade contra os riscos de fu-
go, sempre que isso for possivel.
O seguro durar emquanto existir a hypotheea,
e o baoto indicar o segurador.
8.a O instrumento no contrato de empreslimo
Imprtala eessio feita ao banco no direito de ha-
ver directamente do segurador, no caso de sinis-
tro, a reipectiva iodemnisacao. O banco tambem
poder estipular que o seguro seja feito em nome
a o premio pago por elle, laucando -o na eonta de
mutuario.
9.a Nenham empreslimo sobre bypetheca pode-
r ser interior a doas contos de ris, nem superior
a trinta contos.
10. O prazo dos amprestimos ser de um a
cinco aunoa. Siles serio pagos por raeio de
prestacdis que representen! os Juros do capital
routuade e a qaantia neeessaria para sua inteira
amortisjclo demro do prazo estipulado no con-
trato. A poca em qae as prestacSes bao de ser
Sag". tinou de capital que cada ama deltas
a te Morttsar, serio eonvencionadas. entre o
J>aer e o loatturio.
ti. A laxa dos juros ser regulada pela direc-
tora na forma do art. 42, 4.a dos estatutos.
i i.A falta de pagamento de qualquer presta-
cao dar ao banco o direito de receber os jaros
na razio de mais dous por cento de qae a laxa
fizada par* as respectivas operacoes, podendo
tambdm exigir o reembolso totaTda divida, sendo
o mutuario avisad) para pagar dentro de trinta
das.
13. A divida se tornar do mesmo modo exigi-
vel e o proprietario fiear sujeito a pagar ao ban-
co a indemnisa;ao de cinco por cento do capital
mutaado, se aquella nao denunciar a este no prazo
de trinta das a aliena^ao total ou parcial que
tenha teito do immovel hypothecado, e bem assim
as detarioraedes que o mesmo immovel sofTrer, e
quaesquer successos que Ihe dminuam o valor,
ou perturbem a sua posso.
Art. 8.a Tambem o banco, apesar do qae fica
ordnalo no art. 7.a 10 na parte em que s per-
mute ex prest n^.- por um a cinco annos, pider
por excepeo aceitar hypotbecas para garanta
de contas correles de dinheiros successivamente
emprestados para reembolsos futuros, comanlo
que o mutuario se obrigue a entrar com as som-
mas emprestadas dentro de seis raezes contados
desde o da do recebmento, sob pena de poder ser
a isso constrangido judicialmente, e de pagar a
multa de cinco por cento sobre o que estiver de-
vendo.
Art. 9.a Revogam-se as disposicSes emj con-
trario.
O visconde do Rio Graneo, conselhero de es-
tado, senador do imperio, presidente do eonsetho
de ministro, ministro e secretario de estado dos ne-
gocios da f.izenJa, e presidenta do tribunal do the-
souro nacional, assim o teoha entendido e faca
executar.
Palacio do Rio de Janeiro em 30 de agosto de
1871,50a da indepenlencia e do imperio. prin-
CUA imperial rf.gv.sie.Visconde do Rio Branco
precedidas as convenientes informaedes dar guia
de passagem para o esqaadrio de cavallaria n. 9
deste municipio, ao guarda da 6a batalha > de in-
famarla Manoel Uoreira da Silva Santos.
Rodolpho Jodo Barata de Almeida,
Coronel ebefe interino do estado-maior
INTERIOR.
Ministerio da jas tica.
Rio de Janeiro, em 2 de setembro de 1871.
lllm. e Exm. Sr.Em oflhio n. 154 de 7 de junho
ultimo communicou V. Exc. que a 1 de Janeiro do
anno passado um de seui antecessores, dando
execncio lei de 3 da dezembro de 1841, nomea
ra para todos os t?rraos dessa provincia os sup-
plentes dos juizes munieipaes e de orphos que
dsviam servir no quatriennio que comecou a 29
de marco snbsequente na mesma data, por cir-
culares dirigidas aos juizes de direito, presidentes
das caaras munieipaes e aos nomeades, recom-
mendara que estes, na forma dos arla. 3.* e 4. do
decreto n. 2.012 de 4 de novembro de 1858, pres-
tassem juramento e tomassem posse al 21 do
dito mez de marco perante os presidentes das c-
maras ; devendo os dos termos em qae residissem
os juizes de direito faze-lo peraate ellas, na forma
do decreto n. 4,301 de 23 de desembro de 1868 :
Qae estas determlnacdes foram fielmente enm-
pridas, e, em regra, todos os cidados residentes
nos termos sedes das comarcas eque prestaran)
juramento o fizeram na oaoa dos junes de direi-
to, e os demais as dos presidentes das cmaras
munieipaes, expedindo-se a todos os seus compe-
tentes ttulos; e assim nomeados e emposeados,
muitos supplentes as faltas e impedimentos dos
juizes munieipaes, exerceram jurisdieco sem que
houvesse durante mais de um anno reclamacao
alguma nem contra a legalidade de seus actos,
nem centra a maneira e forma porque lan-
os cidados foram investidos da autoridade in-
diciara ;
Qae, porra, a 20 de fevereiro do correte o
antecessor de V. Exc. expedir urna portara, pela
qual, e em vista do disposto no art. 3." do decreto
n. 2,012 de I de novembro de 1857, explicado pelos,
avisos de 28 de agosto de 1868 e de 6 do mesmo
mez de fevereiro, julgou de nenhura effeito a posse
que o 1 e 2o supplentes do juiz municipal e de or-
phos do termo do Serr tomaram perante o res-
pectivo juiz de direito, e vagos todo3 os 6 lugares,
porque os outros deixaram de prestar juramento no
praso marcado, nomoando novamente outros cida-
dos ; e por portirias de 24 e 2o de abril tomara
igual medida em relaco aos termos de Sabara e
Ouro-Preto, dando lugar a diversas reclamarles,
que nao foram por ella resolvidas, nem por V.
Exc, por julgar conveniente submette-las ao co-
nhecimento e deci'o do governo;
Esta expsito foi levada a presenca de S. A. a
prnceza imperial regente em nome do imperador,
que, por sua immediata resolucao de 23 do cor-
rente, tomada sobre parecer da seccao de juslica
do cocselho de estado, houve por bem, mandar
declarar a V. Exc. que devem ser considerados
vlidos os juramentos prestados em virtude das
ordeus expedidas por essa presidencia perante os
juizes de direito as sedes de suas respectivas co-
marcas ; e que o aviso de 6 de fevereiro espa-
cial para resolver como resolveu, o conflicto entre
a presidencia da provincia do Paran, e o juiz de
direito da comarca do Castro, o qual, firmaodo-se
no art. 3 do deertto n. 4,302 de 23 de dezembro
de 1868, sustentara sua competencia para o defe-
rir, nao s sera desgnaci do presidente da pro-
vincia, como em contraveneno de suas ordens ; e
assim tal doutrioa limita se a declarar que esse
decreto comprehande nicamente os juizes mu-
nieipaes e nao os seus supplentes, a respeito dos
quaes continua em vigor o de n. 2012 de 1857 ; e,
portanto, nao applicavel a hypothese verificada
uessa provincia, onde o presdante, nomeando os
supplentes dos juizes raun.cipaes, e ordenando qae
o sea juramento nos termos da resideacia dos
juizes de direito fosse por e3tes deferido, usou de
urna faculdade reccnheciJa pelo decreto n. 2012
de 1857, que,segundo o avi-o avocado, deve re-
gular a materia; nao importando, para a validadle
desse acto, todo dependente do arbitrio e da ex-
clusiva competencia do mesmo presidente, averi-
guar o motivo de sua resolucao, e convindo antes
notar qae, a vista das ordens do antecessor de V.
Exc. taes supplentes nao podiam ser juramentados
seno daquelle modo, caso em que anda dada a
nullidade, nao deriam ser prejadcados por facto
alheio sua vontade ; tanto mais quanto a loi de
3 de dezembro de 1841, no art. 19 e o regulamen-
to n 2.012 de 1857, excedido para a sua execu-
go, no art. 7 determinan) que estas noraeacSos,
durem por quatro annos : o que commanico a V.
Exc. para sua intelligencia e execucao.
Deus guarde a V. ExcFrancisco de Paula de
Negreiros Sayao Lobato.Sr. vice-presidente da
provincia de Minas-Geraes.
C o ni ni i si ti o superior.
QUAR.TEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 14 DE
SETEMBRO DE 1871.
Ordem do dia n. 34.
Deixando alguns corpos e esquadroes da goarda
nacional deste municipio de nmetterem, como Ibes
compre, os mappas meneaos da forrea dos meamos
corpos e esquadrdes ; recommenda o lllm. Sr. co-
ronel commandaote superior, qae de ora em dian-
te saja pontaalmente satisfeito esse devor.
Recommenda outro sira, aos Srs. commandaote-
de corpos do servido activo qae Ihe remettim at
o^ultimo dia do corrate mez, ama relaco nomi
das pragas que esteiam as condiedes legaes
nal
para aervirera nos esquadrSss de vallara, teado
em vista do qae a respeito dispde o 4a do art. 61
das instrucedes de 25 de outubro de 1850.
Faz igualmente constar o masmo lllm. Sr. coro-
nel commandante superior para os fias conve-
nientes, qae por despicho desta dala mandn,
Correspondencia do Diario do
Pernambneo.
RIO DE JANEIRO.
CORTE, 6 DE SETEMBRO DS 1871.
A carta qae Ibe escrevi em 25 do passado, e
de que foi portador o vapor americano, deve ter-
Ihe chegado s maos trancada; por que agora
acho em minha pasta a primeira tira de papel, qne
formava o cernee, > deUa, e ero qne ea dizia o se-
Sninte, que, com quanto terha perdido o interesse
a oceasiio, restbale?) para maoter a ordem
cbronologica qae costumo seglir :
Hontem (24) continaou na cmara dos depu-
tados a discussao das emendas reforma judieia-
ria, fallando contra, por espaco de duas horas, o
Sr. Silva Nones. Na segn la parte da ordem do
dia fallen sobre a proposta o Sr. Tneodoro Silva,
ministro da agricultura, em resposta ao Sr. Pau-
lino. Depois tocou a palavra ao Sr. Pereira da
Silva, que anda nao se tinha feito ouvir respei-
to da questo do estado servil. Como todos os
seas companheiros, o Ilustre deputado pelo Rio de
laoeiro nao levou nova luz ao dbale, com quan-
to atacasse vehementemente o governo e a prj-
posta.
t Hoje nao bonve seoao por ter fallecido o ba-
rio de Annajatuba, deputado pelo Maranhio, vic-
tima de urna congestio cerebral, de qae foi ataca
do na madrugada de 15 do crrante, quando j
tinha parte de sna bagagem bordo do vapor que
seguio naquelle dia par o norte, e em qae elle
tencionava regressar ao aeio de sna familia, em
virtude de recommendacio dos neJicos, qne des-
de omito achavam melindroso o sea estado de
sade.
Creio ter-lhe dito na do Ia do correte, qne no
dia 4 devia comecar no senado a discussio sobre
a reforma do estado servil; e assim aeooleceo,
rompendo o debate o Sr. Zicarias, o qaal fallan-
do tongamente, contra o qae era da esparar, aasu-
mio o papel de critico, e nem poupon aos seas doas
collegas iberaes, membros da commisso, notando
que o parecer desta fosse ti) lacnico a disseeaa
que a materia tem sido ampironte discutida, tanto
na cmara dos depatadoa, cono na imprensa,
quando ranito ba aioda qae dizer, pois a propoil
do governo, aioda qae aeeittvel na idea capital da
11 berta gao do ventre, contem disposioies ms, o qae
den lugar a qae a commissio da cmara dos da-
putados tivesse proposto emenda asalto sensatas,
ao contrario da commissio do senado, qae nada
achou qae alterar. Coa todo, depois de analyaai
e criticar as diversas fliamirn i da medida ea
discussao eoncluio dectofanau qne votiva por
ella I
Dizem-me que os Srs, Sania Fraseo t Paran-
gn ficaram rauito molestados com o orador, mor-
mente o priraeiro, qne foi o relator do parecer, e
que pareee vai responder-lhe, pois tomoa moitos
apontamentos.
Ao Sr. Zacaras responden o Sr. visconde do
Rio Branco, mostrando a improeedeneia das censu-
ras daquelle, e notan lo qae ama das disposlejJes
que elle combaten se acha incluida no addilivo
apresentado no anuo passado pelos liberaos do se-
os do, entre os quaes se acha o nome do mesmo
Sr. Zacaras.
Tocou final a palavr ao Sr. bario de Murti
ba, o qual manifestou-se francamente contra a pro-
posta, lamentando com tudo que as suas convic-
c-oes o levassem a fazer opposicio a um gabinete
composlo de correligionarios e amigos particula-
res seus.
H ntem continaou a discussio, canalo a pala-
vra ao Sr. Salles Tjrres-Homem que pronnnciun
um brilhanti'simo discurso, o qual apreciado na
Chronica parlamentar de hoje nos seguales ter-
mos :
c O Sr. Salles Torres-Homem defendeu cabal-
mente a proposta ; e o fez com argumentos, que
a eloquencia pode produzir. Certamente, o ora-
dor adduzio premissas tio radicaos, que a lgica
nio podara deixar irapdr.como conseqaencia ri-
gorosa, a abolico immediata da escravido ; mas,
incontestavel que o assampto necessitava de um
largo exame preliminar luz dos principios ab-
solutos, para que melh r sobresahissem a pruden-
cia e a moderacao da proposta do governo. E nem
o dstincto Sr." Salles Torres-Homem quererla a
alludda conseqaencia lgica das premissas esta-
belecidas ; porquanto, homem de governo, esta-
dista experimentado, comprehende que as cousas
publicas estao subordinadas mobilidade das cir-
cumstancias, e que os fictos sao sempre tempera-
mento ao rigoroso desenvolviraento dos principios.
Por isso, deduzindo ideas condemnatorias da es-
cravid), sob todos os pontos de vista, e patentan-
do quio daranosa ao pregresso nacional ba sido
essa iostituicao, eoncluio aceitando e defendendo
a proposta do governo, que, em samma, anda o
reconbecimento da escravido como in3titaicio,
embora a limite pela liberdade do ventre, pela for-
marlo do peculio, pela remissi) obrigatona, e por
outras cocurrentes providencias, indispensaveis
realizaco da reforma.
O discurso do dislincto Sr. Salles Torres-Ho-
mem um primor de eloquencia parlamentar; e,
no encadeamento das ideas, ba quadros magnfi-
cos de relgio, de moral, de phylosophia, de po-
ltica, a proposito do dominio absoluto do senhor
sobre o escravo. Tambem foi considerado o lado
econmico da questo, tanto quanto convinha para
nao alongar o discurso. Oatresitn, ante a prepo-
tencia do senhor ergueu elle o quadro aflictivo
do escravo, que possuindo a qaantia equivalente
ao seu preco, nio poderia todava obter a sua al-
loma I Nogacio, ao mesmo lempo, da religiio, da
moral e do direito t
c Examinando o que queriam os impugnadores
da propost, apezar de proclamarem-se tambem
emancipadores, desenhou incisiva e lucidamente o
que era urna tal opposicio Esses emancipado-
res querem tudo, menos a liberdade do vaotre o
direito de formar peanlio, o direlte remisso,
menos, emfim, o que ha sido proposto para raali-
zar lentamente e sem abalo Stfnauciaaeio Essa
attitude negativa dos impugnadores da proposta
foi desenbada com tio verdadeiras coros, qae to-
mn as poredes de ota sarcasmo, e provocou no
auditorio um riso geral e asss expressivo.
< O dislincto orador, em nosso humilde coaeei-
to, tirou i impugoacio da proposta toda e qualquer
razio de ser. Antes delle, poderia ser onvido com
algnma attencie qualquer des impugnadores de-
pois delle, sena isso irapossirel. >
Segnia-se o Sr. Bario de Tres Barras, cujo dis-
curso assim aprecia a mesma Chronica:
f Censaron o orador antecedente por haver
prodnzido principios tio adiantados, que melhor
tora propor a abolcio ira mediata. Em sua op-
niao, nio tratando-se da abolcio immedtata, na-
da pde-se fazer acerca da reforma do estado
servil, subtrabiodo-se a escravido s eoodicoas
qae Ihe sao inherentes e esseocaes. Em sen pro-
jecto, embora ebegne ao mesmo retallado da pro-
posta do governo, e por isso masmo que anda
manlera-se a escravido, consagra elle a legitimi-
dad* do nascimento escravo, realissndo-se a li-
a tmente apoz o nascimento. a ma-
do, um preliminar indispensa-
da proposta coasiste, prncipalmen-
a illegitimidade do nascimento
, saaatendo, entreunto, a esc.-avldio :
dan[ a inii%ordnafio e a indisciplina, qae a exe-
t"V* dataii^saftelar. Nesse seatidoo orador
conunnou a exposioio da suas ideas,llesconhe-
cendo sempra no escravo as anaieSes natoraes,
1ft sem dnvida, ltte imporio a obedieacia* pela
sausracio da vat melborada a sua condicio de
serv), e esq necelo sobretodo apodero i alijen
cu que m paixees, no sentido verdadeiramente
pniiosophco, exercerio a bem da reforma.
< Em samma, a iiscnssio no senado revela que
a propost do govamo, anda urna vez, triumpba-
ra de tantos obstculos, oppostos pela influencia
de velaos hbitos. .
Nao tenbo tempo tara saber quera continuar
hoje a disentir. Eipera-se que muitos outros
oradores, tanto a favor como contra se facam ou-
vir.
Consta qae doas e Deudas serio apresentadas,
ambas substitutivas, una peloSr. Muritiba, crean-
do um fundo de emanepacaj, e declarando livres
ais 21 annos os que nascarem depois da dala
da lei. E' asta a idea i,ne devia ser apresentada
pelo Sr. Alneida Pereira na cmara dos diputa-
dos ; mas qne, nio sai forqae motivos, nio veio
tela da discussao.
A outra emenda do Sr. Ootaviano, que poaco
mais ou manos propde o qce indicou o Sr. Bario
da Villa da Barra, a liberiacio das escravas em
idade de tarea) filhos.
Entreunto corra qae os iberaes tinham re
solvtdo aceHar a proposta do governo, e o proce-
dimanto dos Srs. Souza Franco e Paranagu as-
sim o razia crer. Mas o Sr. Zacharias j desvou
se, mais ou menos, de semelhaoie proposito ; e se
o Sr. OiUviano vier com outri idea, j se v,
que o aceordo, ou nio era o que se dizia, ou fa
isa.
A' vista de lado inclino-rae a crer que neste
aoao anda a medida fiear no senado.
Na cmara dos den atados nao Un havido sessio
por falta de numero. Parece qae depois do gran
de esforco que cnstoa a passagem da proposta,
seatem-se os dapnlados neceseiudoi dealgam des-
caneo. Alm disto, qualquer qne ssja a medida
que all leona de pastar, nio poder ter tomada
am eansidaracio no aenado, na prssenu sessao.
KsU mi concorre para que ellas justifiquen) a
pa Calta da attidoidade.
Embora o Diario i Rio digt que a maioria
Iae nio eoneorre para fuer casa, a verdade qne
i-esS/alta de ambos m lados, eora grande destost
do Sr. Farreira Vianna. qae agora comparece
sempre i ora devida, m de ver se approvado
o projecto que aut risa a cmara mnnieipal da
corta a eaatranir ara eapraatimo da qoatro mil
contos, pa utorisar o Campe de SiafAnna, con-
cluir o enieamanU da cidada a realisar oatros me-
ihoraflsantos de qae neeessita asta espita!.
Tanibtm fica pendente o augmento da toldo dos
n^aa rtntimsnUt doa amusgados de
Fra assignado o contrato do privilegio con-
cedido ao Sr. Hygino Durio, para a construccio da
estrada de ferro do sul da provincia.
Fallecern): o major Joio da Canha Lobo
projecto assim emendado pan 3>
Passou o
discussio.
Continuou a 2' discussio do projecto que pro-
Barreto, ofBeial-maior da secretara do governo e' Ioga P0"' "ezes a lei do ornamento vigente: ora-
' capitio Flix Justiniana de Albuquerque, do 2a y,"*' J!9C Se an agora nio tem havido sessio, com moya
mais rade nao dava baver d'aqui per diaaie, reti-
rado-so htje ao Sinik seis depatados da norte,
alm dos da Miau que diariamente e surrelfa
vio tomando o trem da estrada de D. Pedro II.
Porest motivo nio acredito qae naja nova pro
rogacao depois do dia 15, nio obstante anda exis-
tirem na edrte crea de 80 deputados.
DURIO DE PERNAMBUCO
RECIPE, 15 DE SETEMBRO DE 1871.
Notielas) do sul do Imperio.
Chegou hontem pela manbaa o vapor franeez
Sindh, trazendo dalas: do Rio da Prata 30, do Rio
Grande do Sul 27 de agosto, do Rio de Janeiro 6,
a da Bahia 12 do correte.
Eis o qae colhemos.
REPBLICA DO CHILE.
O cooselho de estado approvou a lei que o
joogresso adeptoo, flxando em 5 annos o perodo
presidencial.
REPBLICA DO PARAGUAY.
O ministro da fazenda foi aecusado e desti-
tuido, setdo extraordinariamente tumultuosa a
sessao do eongresso em que se tratou do assumpto.
RIO DA PRATA.
O governo argentino, a'.teniendo s repre
sentacoes do ministro de estraugeiros da repblica
visioha, apresentara ao eongresso um projecto au-
torisando o poder execulivo a tomar medidas efli-
cazes para impedir que refugiados polticos tramem
contra a segurnga de outros estados. Segundo
este projecto os ditos rofugiados que se tornarem
culpados de tentativas hostia contra governos visi-
nbos, ficarlo sujetos vigilancia da polica, pode-
ro ser internados e mesmo expulsos do territorio
da republiea.
Atina! o conflicto entre as cmaras legislativas e
o ministerio oriental resolveu-se pela reorganisa-
cao deste ultimo, aceitando-se a demlssio do mi-
nistro do interior Torres, de todos o mais obnoxio
s mesmas cmaras. Foi substituido por Daniel
/. -rrilla, confiando-se ao mesmo tempo a pasta da
fazenda a Dacan Stewart. Dizia-se que o ministe-
rio da guerra tora offerecido ao general Goyo Sua
rez, ignorando-se anda se este o aceitan i.
Restava ver agora se a cmara dos deputados
satisfeita eom a nova organisaco, votara os re-
cursos pecuniarios que nio poda prescindir o
goveroo. Entretanto, manlioba-se na campanha o
mesmo estado de cousas relativamente aos dous
partidos em armas.
No eongresso argentino a eamara dos deputados
a oceapsr-se do projecto de creacio da capital da
repblica em Villa Mara, tendo j a respectiva
commissio dado parecer favorave. Ao mesmo
tempo traUva-se all do empreslimo de trala ra-
Ihoes contratado pelo governo.
Nio tendo sabido ou podido as forgas do gover-
no oriental aproveitar as vantagens da batalba de
Manantiales, ameacavara os blancos a erguer ou-
tra vez o eolio. Emquanto por am lado atacavam
o itosario, ehegando at a dizer-se qae bavam
tomado aquella povoacio, para onde o governo re
metiera apressadamente soccorros no vapor Co-
quMo,-por outro, entre Tacuaremb e Cerro-Lar-
go, ftavava-se nm combate em qae eram derrota
Jos os colorados, commandados pelo brigadeiro
Fidelis e coronel Una, perecendo estes dous ehefes
na relrega. Fuente e Salvanaeh capitaneavam os
blancos, entre os quaes se aebava tambem Mandu-
ca Cypriano, qae se diz ter encontrado igualmente
a tiene no combate. As forjas rebeldes eram ava-
hadas, talvez eom alguma exageracio, em 700
homsns, dindo-se uns 500 aos governistu.
Parece qne se confirma a mor te do general Fi-
delis e do coronel liba. Urna carta publicada no
Hijo de la Paz diz que o combate entre as forgas
legaes de Fidelis e liba e as rebeldes do Puentes e
Sainasen se verificara a 13 em Cunapir. Fidelis
cabio ferido por ama bala no peito e explroa no
meio da refrega, liba foi lanceado. Estava com
ambos Amaro Bubosa e a sua divisio. A perda
por parte dos colorados foi de 50 bomeos.
RIO GRANDE DO SUL
Na capital de S. Pedro constava qae ia ser
dirigida ao governo prussiauo ama reclamacao
por parte dos Allomaos residentes na provincia,
contra o acto do mesmo governo, que prohibi a
satnda de emigrantes :..; ss porios do Brasil.
batalhio de infamara.
Ao Rio-Grandease communicaram do Jagua
rio, era data de 12 do passado, relativamente ao
cerco da prxima villa oriental de Artigas por uraa
forca blanca:
Alguns Brasileiros enlhusiastas d) partido co-
I orado, que para alli passaram, estenderam urna
pequea guerrilha aos revolucionarios, na qual
succumbio como um leao, como verdadelro Brasi-
leiro, o nosso Elias sapateiro, que depois de raorto
foi esquartejado pelos salteadores de 27 de Ja-
neiro. '
A' citada folha escreviam de Pelotas:
Contina a er extraordinario o acolhimento
obtido pelos ioteressadoi que desejam ver realisa-
da a Imha telagraphica desta cidade para Bae,
tocando em Cangussii a Paratiny. Segundo o to-
nal do Commerao desta cdade, ha j a quantia de
4:26l angariada pelos babitaotes de Cangas-
su. Em Piraliay outro tanto acontece, quanio a
boa vontade e disposico dos seus moradores.
A' vista da bem succedida viagam do vapor
Monarcha pelo rio Taqaary at s colonias da Es-
trella e Conventos, organisara-se urna associaejio
de negociantes e proprietarios, tanto da capital
como do terrao de Taquary, para compra de vapo-
res que se empregaro naquolla carreira, realisan-
do-se logo, smente as duas colooias, a somma
de 30.OJO/1, metaJe do capital condicional. A so-
ciadaJe era commandita, e gyrar sob a firma
Fialho. Brrelo, Buckmann 4 C.
Havia sido laucada a pedra fuodameotal do
aditicio que na villa da Encruzilhada vai servir
para o estabelecimento da compaDhia exploradora
de raarraores.
-Depois de haver escapado mais de urna
tentativa, fra por flm assassinado na freguezia de
Viamo, Ziferno Jos Giularte, cidadio eslimado
e honesto pai de familia. Recahiam graves suspei-
tas deste crime sobre Luiz Francisco dos Reis, tio
de Goularte, depositario de bens em que tinha
parte o assassinado, e dos quaes tinha sido forca-
do a fazer inventario.
L-so no Jornal do Commercio de Pelotas:
a Na noute de anu-huntem, no logar denomina-
do Figueiras, a tres leguas da cidide, uns malva-
dos, que por emquanto nio sio eonhecidos, sap-
pondo-se, porm, que foram uns viajantes de am-
bulancia que ah passaram, iaeendiaram urna casa
de palha de propredade de Joaquim Cachoera,
depois de roubuem um bab onde havia varias
joias, prata e 5:5001 em dinheiro. Dentro da casa
eeUvam nma preta eom am filho, os quaes foram
victimas do incendio e flearua reduzidos a cra-
zas. Joaquim Cachoera, feliz ou infelizmente, acha-
va-se ausente.
SANTA CATHARINA.
Sahira do porto da capital pa S. Francisco a
canhoneira tenrtfut Marlitu, constando qna ia
busear a tripolacao, qae se salvara, d i galera nor-
te-americana i4rca*a, incendiada na altura da
una des Tamboretes, em viagem da Inglaterra
para S. Francsc i da Cillfornfa.
MINAS-GF.riAES.
O Noticiador de Minas, de 29 de agosto, refe-
re o seguate :
Em virtude de precatoria expedida repartl-
cao da polica pelo juiz de direito da comarca do
Piracicava, foi preso nesta capital no dia 14 do
corren te, o recolbido ao quartel de cavallaria de
linha, o capitio reformado do exercito, Joaquim
Jos dos]Passos,|por saach ir pronunciado na Itabi-
ra ros arts. 161,162,1814a e 8a parte, e 182 do
coligo criminal.
Foi tambem preso na corte, e remettido para
esta provincia, onde se acha na cadeia. de Barba-
cena, o criminoso Rufino, escravo, tjue ha lempos
assassinou no termo desta capital a Joio Campa-
nha, no acto de ser por este preso, por ter fgido
do poder de seu senhor, o fallecido capilo Jo;
Coelho Barbosa. Nao tendo sido instaralo o
competente proceaso contra o referido crimino-
so, o respectivo delegado de polica, trata de o fa-
zer, para o que esl procedendo s necessarias di-
ligencias.!
,? s. PAULO.
O Diario de S. Paulo de 2 do correnle diz o
seguate :
< Por senteoca do jaita municipal da cidade da
Santos, foram declarados lbenos os escravos da
heranga do coramendaeor Manoel Joaquim Ferrei-
ra Netto, depois de prestados 8 anaos de servico,
se por ventura pelo seu ma > coraportamento nao
Qcarera sejeitos providencia da v nJi marcada
no testamento.
t Consta que os herdeiro3 e o carador dos es
cravos appellaram : os primeiros por entenderem
que a verba nao comprehende os escravos adqui-
ridos por Netto em pagamento de dividas firma
de que usava muitos annos depois de feito o seu
testamento ; o segundo, por nao terem sido decla-
rados desde logo, mas expresamente depender a
sua liberdade do preenchimento das condicoes tes-
tamentarias.!
RIO bE JANEIRO.
Eis o resumo dos trabamos do parlamento :
t O senado approvou hontem (Ia) era 3a di-cus
sao, depois de algumas observacoes do Sr. Silvei-
ra da Molla, o parecer da mesa acerca do cere-
monial do encerramento da presente sessao da as-
sembla geral.
t Passaram em 2' discussio as proposcSes so-
bre pretencSesdos estudantes Joaquim Diniz Cor-
deiro, capitio Aristides Arrainio Guaran e len-
te Cesario de Almeida Nobre de Gusmao ; e sen-
tando do imposto de loteras o monte po dos ser-
vidores do estado.
Continuou a 2a discussio do projeclo que pro-
roga por seis mezes a lei do orcamento vigente :
oraram os Srs Zacaras e visconde do Rio-Bran-
co, e Qcou a discussao adiada pela hora.i
t O senado adoptou hontem' em 3a discussao as
proposites relativas s pretenedes dos esiudaotes
da escola central capitio Aristides Armioio Gua-
ran, e teaeate Cesario de Almeida Nobre de Gus-
mao, e (sentando do imposto de loteras o monte-
po dos servidores do estado.
i Passaram dep >is em 2a discussio as proposi-
t ;s approvando as pensSes coacedidas a D. Anna
Joaquina de Brto Favillo e outros, e sobre pre-
tensio dos estudantes da osela central, capities
Jos aples Talles de Meoezes e Juliano Jos de
Araorira Gomes o tenenle-cororel Floriano Vieira
Delgado Peixoto
c Proseguio a 2a discussao do projeclo que re-
gala as promojSes da armada. Foram aporova-
dos os arts. 9*. 10, ti e 12. Ealrou em discussio
o art. 13 (addilivu) offerecido anteriormente pelo
Sr. bario de Cotegipe, com a seguinte emenda
substitutiva do mesmo senhor :
t O governo autonsado a expedir os rogula-
raentos necessarios para execucao da presente lei,
ficando porm dependentes de approvaclo do po-
der legislativo.
< Foi tambem apoiala a seguinte emenda additi-
va do Sr. Paranagu :
Nos regulamentos que o governo expedir se-
r regulada a escala dos embarques, segundo as
conveniencias do servido ata tempo de paz
Oraram os Srs. ministros da marinha, ^ica-
rias e Otaviano, e foi approvado o artigo subst-
tivo do Sr. Bario de Cotegipe cora a emenda do Sr.
Paranagu.
Approvou o art. 13 do projecto, que ficou sen-
l do 14.
cente, Das de Camino e Sayao Lobato.
A discussio ficou encerrada, nio se votando
por falta de numero legal pira deliberar. >
O senado approv >a hontem (i) em 2a discassio
a resolucao que proroga por sois mezes a lei do
orcamento vigente, depois de retirada a emenda
do Sr Visconde de Itaborahy, e foi dispensado o
o intersticio.
Foram em seguida adoptadas em 3a discassio
as proposicoes sobre pensdes mencionadas no pa-
re jer da mesa n. 405 e deferindo as preteocoes d\>
capitio Juliano Jos de Amorim Gomes e temnte-
coronel Floriano Vieira Peixoto.
f Entrn em 2* discussio ; proposta acerca do
estado servil; oraram os Srs. Zacaras, vheoatW
do Rio Branco e bario de Muritiba, e fieoa a dis-
cussio adiada pela hora. >
O senado approvou hontem (5) o seguate re-
qaerimento qae foi jaslificado pelo seu autor :
Requeiro que se pegam ao g)verno os segua-
les documentos e informaedes;
1.a C>pia do regiment interno da assembia
provincial do Pauhy, cap. 17, em que se estabe-
lece a forma do processo dos magistrados peranv
a mesma assemba como tribunal de justica, com
declaracio da data do referido regiment.
- i Quando foi elle publicado na folha ofi-
cial.
3.a Q jamas queixas foram apresentadas a refe-
rida assembta provino i I contra o jniz de direito
da comarca de Therezina, bacharel Gervasio Cam-
pello Pires Ferreira ; quando foram ellas apre-
sentadas, quaes os factos criminosos que Ibes ser-
ven) de base, eom declaracio de suas circumsun-
ciai e da data em que foram praticados.
ia Copias dos despachos de pronuncia, ou
nio pronuncia proferido nos respectivos procesaos ;
bem como de qualqner decreto daquella assemblo.
provincial, ordenando a saspensio oa deaussio da
magistrado querellado.
5.a Se a presidencia da provincia do Pauhy
tem representado ao governo nos termos do*, de-
cretas ns. 559 de 28 de junho de 1850, e n. 687 d*
26 de junho do mesmo anno, sobre a neeessidado
da remocio daquelle magistrado ; e no caso afir-
mativo, copia da sua correspondencia a esta res-
peito, com a resposta do mesmo magistrado, se li-
vor sido ouvido.C. Paranagu
c Proseguio a discussao di proposicio que re-
gula o estado servil. Oraram os Srs. Salles Tor-
res-Homem e bario das Tres-Barras.
t Foi apoiada a seguinte emenda substitutiva ii>
Sr. Carneiro de Campos :
< Aos arts. Ia a)*Artigo. No dia 7 de setem-
bro de 1899 fica extracta a escravidio em todo o
imperio.
i Na cmara dos deputados, hornera (1.a) logo
depois da leitnra do expedienU, o Sr. Junqueira,
obtendo a palavra pela ordem, fuodameotou o se-
guinte projecto, qne foi julgado objecio de dehie-
racao e remettido commisso de polica :
t A assemba geral resol-e :
t Art. 1.a A proposta do orcamento de que tra-
ta o art. 13 da lei n, 93 de 31 de ontnbro de 1835,
continuar a ser apresentada pelo ministro e se-
cretario de estado dos negocios da fazenda : sendo
porm, dividida em projeclos de iei dstinctos para
cada ministerio.
Art. 2.a A parte relativa reeeiu pnblica e a
das dsposicoes geraas, que o governo julgae con-
veniente propor, formarao tambem projeclos sepa-
rados.
Art. 3.a Discutidos e votados os projeclos as
duas cmaras, a commissio da redacQio daquella
que tiver de submetter a lei sanego imperial
reunir em nm autographo os referidos projec-
os, distoguindo-os por artigos nuraerados, prece-
didos de um, que ser o priraeiro, para designar a
iraportaacia total da despeza votada, como se pra-
tica actualmente.
Art. 4.a Ficam revogadas as disposices era
contrario.
Sala das sessSes, 1 de setembro de 1871.
Joo Jos de Olivcira Junqueira.
Entrando-se na ordem do dia, a cmara ap-
provou successivamente os pareceres da commis-
sio de censlituijao e poderes sobre as eleicoes
primarias das parochias de Itajahy e S. Francisco
Xavier do Sul, na provincia de Santa Catharina.
Approvou depois, era 2a discussio, o proie:to .
sobre a escola de pharmacia em Ouro Preto, Minas
Geraes.
Continuou depois a 3a discussio do projecto
augmentaodo 03 vencraenlo3 dos directores e len-
tes das faculdades de direito e medicinado impe-
rio. Depois de algumas observares dos Srs. An-
drade Figueira, Gomes de Castro, Rodrigo Silva e
Junqueira, ticou a discussio adiada pela hora.
Ferara offerecidas as seguintes emendas:
O art. 276 do regulamento de 28 de abril di
1863 contina em vigor, servindo a tabella deste
projecto para o pagamento doa vencimentos dos
respectivos lentes, professores e repetidores.Ro-
drigo Silva.Duque Estrada Teixeira.
Accrescente-se s palavrasfaculdade de di-
mito e de medicina do Imperioe os lentes pro
prietarios e oppositores da escola de marinbi..'
Bittencourt.
Km ultimo lugar enlrou em discassio a nter-
pellacio annanciada pelo Sr. Andrade Figueira a >
honrado ministro da agricultura, commercio e
obras publicas, na sessao de 24 de agosto. Ora-
ram os meamos senbores; ficando a discussao en-
cerrada. >
Nos das seguintes nio hove sessao na cmara
dos deputados.
Inaugurou-se, no Ia do corrente, a estaca >
lelegraphica do Rio Novo na provincia de Minas-
Geraes.
O transporte de guerra Vassitnon sabio o
dia 2 correnle, era commissi) do governo, para o
Rio da Prata. Foram nelle o Bario de Cotegipe,
am misso especial jauto dos goveraos do Rio da
Prata e do Paraguay, e o Dr. Joio Pedro Carvalh >
de Moraes, secretario da mesma missii.
A alfaDdega da corte readeu de I a o i
corrate 6i:O6UOJ0. .
I
Sahiram para Pernambuco a 2, barca portu-
gueza Alexandre Herculano; a 3, brigae brasileo
Setta ; e a 5, patacho brasilero Guilhertnina.
Eis as noticias comraerciaes da ultima* data :
< Effectuaraui se transac5es menos qna regulare*
em cambio sobre Londres a 24 1/4 e 24 1/2 e 2 i
i|2 d. para o papel baocuio, 24 1/2 o 24 5/8 d.
para o particular e sobre Franca de 388 a 393 rs.
por franco.
c Negociaram-se varios lotes de apolces gerae*
de 6 0/0 a 99 3/10/0 e ao par a dinheiro.
No mrcalo de aecdes houve animacio, al cau-
sando as do Banco do Brasil os procos do 197J
197*500, as do Bao Commercial OJI de premio.
as da compaohia de cairis de ferro de S. Cbrislc-
to 3184, as da companhia de navegacio eommei-
cio do Amazonas 350* para o flm do mez e as
cautelas de accj5es da companhia das d.cas de D.
PedroII 4* e 3< de descont a dinheiro.'
t Cambio.Somam as operaedes desta quin-
zena :
Sobre Londres libru 613,000 a 24 1/4,24 i/i
d. para o papel bancario, 24 3/8, 24 l/J, 24 5/8 a
24 3/4 d. para o particular.
Sobre Franca cercado ira. 780^)00 aos extre-
mos de 385 a 394 rs. por franco.
< Sobre Hamburgo cerca de m. b. 110,000 de
724 a 731 rs. por marco banco.

!<

'
-i




ifli yn
Metae.<
* Sobre Lisboa e Porto reguloa o premio da tai
bella segQiO :' ,
13* 1*8 0/0........a visa.
^B IL....... a 3**/t.
.....a 60 d/f.
.....ilO/.'
rano ferara negociados i
0*150. iUflH, fcJIRO a 40*100. e fechsram j
iO#l60 a iflabaMaa 10*100 e 10*MO a praso,
Um lote do onfcts oaotevo 311 a dinheiro.
t Apotices.As aerass di 6 0/0 forara negocia-
da a 00, 99 l/i. 99 l#W,3|4 e a^OIM a
abeiro. As do emi>qa*aao- nacha! da 1863 a
i: 140* e I:l50*00i),
t Acc5as.-Para a* venda reamada refala-
rais o sdfainle* pgflfw :
< Banco do Bras|Ta 195* a 197*59 adinhei-
ro e de UI6* a l04f a.praso ; Braco Gomaaercial
SO* .le premio ; Baajtf Ka ral 101* dialjjir.;
companhia da Daca a A'fradar 'te "J 7T* ^
premio a dinheiro ; kmpaatfa Oaiao e ladeara
230* ; eoupnhia ue avea^lo e eamajojrcto da,
Amansas 350* ; comoanhia brasilera de navpgi-
Cao 1S de premio a dinheiro e M* a praso ; com-
panhia de earris de (erro N th 'rohyensa 3*, I*.
VSO e 2*0 de premio a draheiro ; eompanhia
ds earris de ferro de S. Cortovao 338* e 38* a
diriero. Para as cautelas de acefl- regalaran og
segualas precos: companhia das D*a de D. Pedro
II de 8* a 3* de descont-; companhia Brasil la
durtrUJ o* da descomo; Copjpauhia Sjrocaba
nal* de premio a dinheiro
% Descintos A taxa no Banco de Brasil c>n-
servon-se sem alteraco. na praca estiverara ficis
de 4 <|2 a 8 0|O.. v
Lerao no Jornal do Commtrcio :
O iiceautil, U PeWopolis, em 2 do correle,
refera o seguinte :
* Od* ficto hirror.no seiba, de ser pralicado
Basta cidade, que nos le n n-i-a quant) seasivel
o lafirn falta de forct irmli de polica para
ajaraWH- a nossa inlividna!ida4e.
* A easa de r*si lencia d) proorietario desta f >-
Iba, o Sr. BirtHoonei Partir Si Ir, sitala em
oa dea po no mais po.iul >so* d--t-* eidade, foi na
mus de a ta-h etsm das 8 pa as 9 horas violen
lada e saqueada.
Oa lal'-5) aprovaitinio-se di ausencia, da
dono da casa e dt familia forearaia a j inNa d-
ooa quario e por alii se inlrodazirara para o inte
rior da casa. O primeiro ponto assaltado f ti o e-<-
crlptirio da reJaccao. Pelos vestigios e insir.i
meatos qte foram encontralos v se \m os mai-
(eitnras empreara n tod >s os melos pira arran ;ar
a (echadura, por^in nvj o con na arando arrombm mi > na prele por biix) da
janella do referid.i eseripUrio e entrar ira. As ga-
vetas da ascrivinteha aonde se achavaro diversos
doc8o! ii, objeclos de valor, joias, urna carteira
cao 7034)00 e mais cesto e tantos'mil reis per-
teocentes aos readimeuios do cern ten i publico,
forarn quebradas a mchalo e totalmente saquea
das; aeod i sse o rae.smo instramento de qne se
serviram para arrombar a parede.
No aposento do dono da casa nao eicapon nm
objeto de valor a cobiel dos audacinos la-
drees ; ah roubaram qjasi todo, deixiode anda
o objeclos que nao puderara levar, dispersa pe >
dio, is gavetas abertas e revolvidas, as caixas de
f.ilhi no mesma estado, as qoaei mostravam ter
sido minuciosamente examinabas. Do quarto do
empregad) roubaram toda a roupa de aso, e-dei-
xiran-o tambora na me>mi desordem, e final
mele o quirto de am hospede, aonde alm Ha di
aheir) que roabiram s faitoa deixarem as caixas
de /noIj para cima.
Foi nm roub-o horroroso como ba muitos an
nos nao consta ter haviio outro iguil. Cilenta se
o roab) entre bjectos e dinheiro, tres cornos de
reis penco mais on menos.
Po.m para la-nimir qie f>sse praticado em
ama das ruis de mala transito nesta eiladal e aiu
da mais para lastimar que seja esse alternado dej
srido a falta de forc armada para patralhar a-
mas, prinei;)almeata noite. >
Resnio-se a assembli gnl di compiohia
da eatrada de frro da Ciotagallo, achanl >--e re-
preseotada- 7,699 secoe, e perante ella leu a cora-
m's-') de contas o sea parecer, em que pedia a
approraeo destas, por ter eacontralo escrijtu-
raco cora enmend asseio, roeihoicamente feita
em harmona con os docam^otos apresentad s.
Posto a votos o parecer, f ii unaoimemeate apjro-
vado. Procedeu-se eleir^ao do conselho di ector
que tem de funccionar no prximo anao, e sanio
reelaito o actual, ub'.eatoos Srs. baro de S. Ole
raeaia 111 votu, Aulon o de Galataas Riy he 116
e commandador Jo, Machado Oielho 1. Nao
b iv lo nada mus a tratar, levaatou o Sr. presi-
dente a sessao.
KSPiniTO SANTO.
A 13 de agosto venflcou-se a cleieaj de d>ns
deputidet provincues para preenchimenlo das va
gas deixal-s polo fillecimeoto dos Srs. padre Mi
noel Aotonij dos Sintos Ribeiro e Or. Joajuin
Oiutinho di Aran}-) Milla. Os collegios cnmbini-
dos davam raaiori d votos aos Sr. majares Ss-
baslilo f. da Oiiveira o Dimiogos V. G. de Sioia.
baha.
N") Ala 7 do correte ebegm do porto da :a
pita! o transporte de g mrra bra-eiro Isabel.
Lem >s no Jornal i j 6-i/.j :
i Celebrou no da 7 a sociedide SeU de S-Iem
tro aseguola sessao magua aniversaria de sua
ereioi.).
Al hora da tari?, encetaram-e os traba-
Iho', urocedeolose eleico da n>va direcjio.
Korim eleitos :
Presidente.Dr. Jo- Un'-x la A irilo Ciato
Viee-presid-ntes. Pri neiro D Iinocencio
Mirones de \raajo Gos F.lno, segallo Fraa:isc
Alvtres das Smtos.
Saereanw.Primeiro Dr. Fr-dnrico Msrinhn
de A'aa|u, segunlo Dr. Augusto A. Gamsr.
rim-iareir.). Msjor Aa'.onio do Sjuii Vieira.
i'-oaeUi) director :
T-nesti-i-oronel F.-rtunato Jss di Ciiha.
Dr. Anl-raio Ferreira G^.rcer.
Dr Amonio Corneiro da Rocha.
Dr. Albo Rodrigues Pimela.
Dr Francisca o- da Rocha.
Em seguida o Sr. Dr. Aln-iJ-. Cout), que j
eccapava a prosideacia da socieJade, ni qualida
de de segando vice pre.iien'e, fez a leitur* do re
Jatono do anno Ando.
Paauu-se, logo aps, ceremonia da eotrcgi
dos titulas dn liberdade.
F-iram 3\ na libertos, 32 do sexo f-minim, e 2
do raaseulinj, 16meoores e 18 maiores de 12 a-
il.
O'essas 3i allomas, 32 fortm adqniridas me-
diante o auxilio pecaniari) da s. ciedile, e 2 con
fendis gratuitamente pelo teneate-coronol Auto-
nio de Garvalho Pinto Li.no, qaa tamnem rem-t
tea a direccio am ltalo de al furria do ventre 1h
todas as escrav^s (em numero de 10, alo'tas) exis-
lente em $ou eoitanh-.
Para muer as M a I furias cmprala", da^p'n
den,a sacie la Je IO:olO ))0, snl> G 180*000 f-r
neeidos p->r eimoiis lierunlis menores de 12
anana, e 4:J3J*0J0 por euprei'.iaio as da ldid-
snperior.
a Estiverara presantes as pruripaos aatorila
dea eiviae militares da provincia, e muito- cila
dais daqua< tilos a^ el. ; :: npiri-cenracom-
Ei-3!s .las socielaleFraternilada Sorgypaai,
e Philarmonici Mi"mxyoe. eujis or.d>res diri-
gir felicitnOas sic.eJale Ivnerta tora.
Palieittra n-na tamb>m, em dflas brilbantes
improviso* os Srs. Drs. Li z Atvires Jes Sintos e
Rizando Muuu Barren.
rarnambDc% L. Sexta
Dr. Virgjtm Clicraco Dimasio.
CeamissJo de revisto de estatatoa.
Al
*r. life t*L _
* Dr. Antonio da Cerqaeira Pialo.
O rd) Etaueiscd das Cfiagas Limi
per GAce TMnafurtt, amor-de diversos er
oronunciado na arL 203 do fioligo orimioal,' e
considerado chefe dos raalijitores que Raziara an
alarma o districto da Amargosa, foi capturado, a
acha-se por segaranca as eadeias desta ca-
pini ate- ser reqninsjad.j para raaaonler a
jury
< A captara desta erl ni naso um importan
servias presado a traQ|ailli4ada pabUaatda.iue,
loc.Mae
f Na da 6 do corrento faHaaaoU o praroplt
biieo da coroarea de Porto S*|afo ttajaarpl A
nio Partir d'Almeiaa que. aiarcia a pramo
lia 30 asaos. *
* Das mais de S. E-ce, o Sr. Dr, vite-pi
dente dt provincia recebeu na. noita. d 7
tembro, antes da Hndar o espeetiealo no tbsatro
de S. Joio, o eseravo Minoel a cuta de lberJ
pira acquisici) da qaal dra o Sr.
beneficio naqaella noite. >
A Exma. Sra. D. Girdala da.Su. Giro,
de'ta cidade, por occasio da casarse sua prima
a Exma. Sra. D. M tria Francelraa de Castro Li-
ma, no dia 2 do orrente, aa Hiritiba, em signal
de regosijo dea carta de libardada a sua eserava
Thomatia, cabra, de 30 annos de dada, senio a
etrta entregue palo Sr. bario de Mage.
* De aenhum molo poderla uulbor com iiaroo
rar aquella aonhora o acooteeimento faastoso,
que pretenda celebrar, a esperemos que aau
nobre procedimento encon're innameros tmitalo-
res.
a Fallecen e foi sepultado na dada de Santo
Amaro o Sr. J >o Aoastacio da Sou'a, cjnstructor
do arsenal de marinai, qia a consalbi de raed km
a-aistante, havia seguido para all em busca de
melhoras de sua sal". >
* Prestou exame de cirurgia dentaria na acal-
lada de medioa o nasso patricio o Sr. ama
Pompilio, que foi approvado plenamente.
1) maiivjs aa Si. Papa Pa IX solicitados pelo
Exra. e llv.n. Sr. areebispa :
< Mea da jalho....... 1:SH360
; A/cato......... 1:069*000
Al junbo........ 2:7l*l)W
*2-7W*iOO
Pelo piqueta inglai Dok-o de 26 do agosto f*i
remedida pala casi do Ex o. oaro de Pareir
Mannho urna ordera a casa bmcaria de Par-. H-
:.iuard Anlr para entregar directamente a ana
santidada a somroa da 5i iOi francos, primair
remessa dos donativos da dtocese da Babia.
a novo -,rtee, fef extn
Goliceir : A mentira seri
os Srs. Metra, Fragosa fc tW
I tbese do
um mal T
Foram torteados
*a Bandeiaa.
ESTAryUC POSTAL. -A adroinisi
crrelo desta provnola expedio, para a____
pe vapof fryeez Sindk. em 11 do eorrente SJL.
cartas com 7181 portes, 090 jornaes comli90 por-
tes, i amostra com 11> irte, e 5 segaros com 6
iones, ..jando
dt Setembro da 1871
(K t;iy fi^A
Pemambnco^ aano, Sania An
Joaquina da CnnceicjISfanea, Pernaai'Jt!
annos, vinva, Graca; phtisica.
, pardo, Peroambneo, %. matas, Santo
. espasmo.
ha Mara da Goncecio, preti,pro^nbnco,
annos, solleira, Boavista, Hospita). Pedro II;
tubrculos pulmonares.
Urbano, preto, Peroambaco, 2 horas Santa An-
Jw
PERNAMBCO.
c Aates de lavantar-se a sessao foi submmila
aos soc is pre^e Ue-ji i l i, pr ipoiti palo g .veroo
proviociil, di ereacl) de eco'as e eseravo; leali-sa pirm suscitado ama disras
io, e ree nhee,endo-se depms nio hiver numero
legal, adioa ss a re*olucJo d'e s; ponto para urna
esso rxiraordmarla da s?err.b eagera', qie op
portnnamenta sera convocada.
Antes d) fediar esta noticia, algimos dever
lemarar, por honra da sociedade Libertadora, qo
durante o* tous annos de aa exi-teocia, tem -lia
entregue 163 crias de lioerdad?, 97 das qaaes
ram c uaradas, e imporlaram i-m 29:3li*O0O.
No da 8 do eorrente reuni se no salo da
faculdala de medicina ass'mb i g-ral da soce-
dade -Medico Pnarmaceulica de Baueflcao:ia Ma-
ma, aflu de einger os novos fancc: inanos para o
anno de 1871 a 1872, sendo eleltos:
Assemblea gara I.
Presidente. Dr. Anloaio Janaano de Fa-
ria.
Vice prenidenie. Dr. Jos de Gf
qneira.
Primeiro secretarlo. Dr
Rios.
Segnndj din. Dr. Luis A'.vare* d)g?an-
Conselho de direccio.
Pharmwaulico Eoelides Pires'Calla'.
D Jos Francisco da Silva Lima.
Dr. J -s fcaacio de O'ivara
Dr. Amv.aaV|ariano do B im&m.
Dr. J' Luir ja Alraeida Gonto.
> Gomm idf exames de conu?.
D-. Amele mu Marque.
Dr. Fradl la Santos Pereira.
se-
Arihnr Cezar
REVISTA DIASTA.
TRILHOS URBANOS PARA OLINDA E BEBIi
ItlDE.(iomo distiocto cavalheiro que oSr.
Dr. Jos Tibnrcio Pereira de Magalhes, enge-
nbeiro fiscal da estrada de ferro de Olinda e !3e-
beribe, dando o devido valor ao appello que loe
lizemoi na nossa noticia de bontern, dirigi-nos a
cuta que em seguida publicamos, e para a qual
chamamos a attencao dos n >ssos Isitores; e espa
eialmenta a do Exm. Sr. Dr. vice-presidenta da
provincia.
Estamos convencidos da que quem tiver li lo o
que taraos escripto sobre a estrada da ferro de
Olinda, lendi a carta abaixo, licar de urna vez
scienle dequenoda dissem>s qua nao ti verse o
cuaho da verdade, <()e se nao ba-easse em fictos
consummados, que nao lives-e por origem a ne-
cassidada dedefooler intere?Sis rnui altamente
confessaveis e imporlanes, cojtaaio aquelles que
dizein respeto urna considera val parte da nossa
populacao.
Sirva a carta do Sr. Dr. engenheiro fiscal da
eMrada de farro de Onla de feixs pequea d-
cussiio que f ,m js levado. Nao continuaremos,
pois, s bra esta assumpto.; cuinprimos o nosso do-
ver ; S Bxe. o Sr. vicepresidente da provincia
decidir como entender a qu esto do ramal i
Porto da Mide.ia para B.'benbe. Nos ficarmos to-
dava com o direito salvo de apreciar o acto ds S.
Exc.
Ei* a cirla que nos referimos:
Srs. rei-ictom do Diirio. -Aceudindo ao ap-
pello que bonlam Vv. me izeram na sui Rects
(a Diaria, cimo engenheiro li-cil '0s minos ur
baos do Rjcife Olinda a B'banba, acerca da
obertura dtfivtiva d'essaeslradi de [erro, e b-m
assim se oda te ackt us o^l-noes int r-ei.t para um bom servifo de trafmjo, a se a stja-
tang dos pissog>iroi nao i cvulaniementeamia
goda pelas condiges dt esta1) i Ulule do frito di
via permanente ; devo responder quinto ao pri-
men".- tpico o seguate:
* Qie i estrada nao e*: as conlicoes de sec
atera delioilivamenla, visto c-im> oaj se achara
preenchilas ascindioSes do? ^ 6o e 7 do arl. 6o
> contrato, que rapos a construc;o de e-uro -
nos extremos,di liarooa.o nos pontos intermediarios
de paralas do trem.
< Quo tambera nio se lem campndo a coa!.-
elo do art. 13% que obrigt a corapaabia esti
belecer tres c!ases do carros, log i que f-aneciona
rera as lintus, h qae flnilm^n'.e na> se ten alteo
dido a dupa- icio do art 23 que diz; que a con-
seroagSo das estradas por onde passarem os va
mies de Olindi e Beberibe, orrer por conta di
compmhia, apesar das repetidas reclara >c5as que
teano feto, chamando s-mpra a attencao do Sr.
superintendente sobre a dHp diz : que a falla de cvnprimento do artigo anha-
denle sujeita a cempanhia as desptzas rwssarias
pira a oonservago das referidos estradas, que
ser[eiia pela repirtigao dos obras publicas.
Qaaotu ao segando, davo dizr qua umi parr
te do material rodante nao esta na> coaliQoas ia-
dispensaveis de am bom servico de traf-go, por
se aehar ara tanto estragado, mirmenie os carros
da 31 classe, por nao serera eiljs as condicoos
resgaardar os pissageiros das intemperies das es-
UCtM*.
m Finalmente dfvo accrescentar qce o trem ro-
dante actual raaito diminuto, aliento o deseavol-
viment) progressiv\ qae os dous raanes vao ad
quennlo, como diariamente se observa pelo rno-
vimento de passageiros.
Respondendo ao terceiro tpico, devo dizar,
que, me parece ua a segaraaca dos pissageiros
nao estar ameacida p. las cmdicpis de eslabeli-
11 le da va perra.imente, se houver da parte d .
Sr. superintendente mais algum cudalo nacm-
servarn da raesma via permanente, s manos eco-
noma n'aqui lo que alTscta a seguranca a o bem
astar do publico.
Tjjiuio pirte que trati de de encarrilha-
raent, davo afflrmir que, logo aps abertura da
estrada e Olinda. huuva muitos deseacarrilha-
inenlos, a, ha bm pouco tera.>o, ara trem desen-
sarrilh >u e foi sobre o maro da casa que ora ser-
ve do flitaga > da Encru^ilnada.
No ra-nai de B-bsribe lem havido aiguns des-
ea Mrrilhameotos, entre os qua -s um se dea con-
dal nio a machina um irera da passageiros.
Devo purera, declarar, qae para a tnator par-
le d'esses acidsntes tem concorrido mais a pouca
pericia d s raachraisias, do que rnesrao o mo
estalo da via per.amante.
A* vista de-ta rainha afrmativa nao se deve in-
f-rir que a va permanente esteja ms raalaore-
condijies, ella precisa de mu.los reparos, que
para o lempo em que foi abena provisoriamente,
i i dKveriam t-r sido concluidos. O eag-mheiro
d-cal, Jote Tiburcio Pereira de Magalhdet.
DINHEIRO.O vapor SindA trouxe para :
Bink if Rio de Janeiro. 30:0(i0*000
Tae-oararia provincial 2OO:00'*000
London and lir i-iliaa Bink. 100:000*000
P B. Ma-tyr aury. 5S;i78*#30
W,|*on He. 48:000*000
Pereira Gi-oeiro & C. 29:0OO*)O0
PARA A EUOPA.-Gom 26 reeebidos em nos-
so poiu, levou hontara o vapor fraBcez Sindk 327
pts-ageiros para a Europa.
PARAOS B\NHOS SALGADOS. A' toja da
raadama Falque, a ra Prrmeiro de Margo o. 4,
acaba de ehegar um lindo e vanado eonimento de
chpeos de soi para senaora, aiguns dos quaes em
forma I* baogala. prprio para as pess5as qae to-
raam binaos salgados. Reeommeodamo-los as nos-
sas leit-iras.
IVSTITIJTO HISTRICO E PHILOSO'HICO.
Hiotem reunio-so esta sociedade, abrindo-se a
sessi As it huras de dia.
Foi lida a approvada, a acta da sessio anteriot,
e dea co6ta do ex diente o Sr. secretario.
Propoz o Sr. Birro- Guiraaries qie fo.sse trans-
TerlJa a sesaio fnebre era memoria do Dr. Cat-
ire Alves para o anaiver#noda orte do dis-
gusto poeu em trisa da prxima sessio magna do
encerraix>nto do Instituto que foi sppnva o.
Passando se priraeira part" da orlera do dio :
discus4o da ihee : Qual o fundamento do tuf-
fragio unwenalf Pode elle ttr aimitlidot Otf
raja os Srs, Frederlco B*rges (I) a S. Oarcl.
Julia. eo, 74 annos,
1 A*Krel,,ri8c^rfi
umatico
Pernai
nar.
tt
Maari
Antonio
Mara,
Recife ;
Aitonio
heo, # s, Bajista;
a, Per4mopaca>>t|B3ej>e,,S. Je-
Pernambuco, 7 tmm, Baaaista ;
Per*nb|eo, t. anoo, Santo
soes.
parda, fern
4 annos,
segaros
SOCIEDADE DOS ARTISTAS MECHAXICOS E
LIBEHAES.-Para hoja s 6 horas e msiadBnr
de sao convidados todos os membros da Sociedade
dos Ariotaa MafUaajW iiiMtWat^la^aBjaiiiyai
directora, afira de discnttirem e apKrovaram a
acta d*eleieia aa>le sa-oraaadfn paa dKya-
fatura.
DEVOy.iO DA* DMB>'N#ttoxkNT*W '
3. FKA_\OSCO.-A mesa regeiara ikuUjlaviigao
nal ni a festlvid.ide da raesrai Snhora para quan-
do se aauanciar, aa poisndo ter lagar aomiogo
ero coHeaueneia, da fasta, das Chagu 4., F/an-
e seo, A ntesma.deveeae rawndni.fjadaiM.stiu
irmos pare cesjpafatawmjadmmmmiit.+o tor-
rente, afl-n de preceder-ai .eieicio da,mesa qae
tem de reger no anao de I711871
VAPOR Sl.VDH.-Acerca dt demora" dette va-
por, lemos no Jornal da fkthia:
t Precedente do Rio de Janeiro, ettegna- teontem
i 8 horas da noule o vapor fraocei Smdk com
uma-viagem de tres iRas, nio tetds pedida esta
raaaba .alcanear ate pono por Ib ter aoveviodo
am accidente, qae Ihe aasos ama demore de des
horas,
S'-gaodo aformacOss fldedlgaM, eoasta-oos
qae, depeis de ter nassado o cabo da Tnom a
reeonheeido o monte Alvares, pr eaMa do tempo
nebuloso nao tendo procedido a ebserrefSa* dan-
ticas, esta vapor navegava para paSsar fra des
dpraTHii
< Correte*, porem, vloleoUs e ^esviaram de
san caminho, collocaodo-o des tro e nao fra de -
sas ilhas. No da 8 s J hora* da Mh>nhia e-
derava-se elle, e effectivameni achava-se na a turs
do ohir I, o qaal nao foi visto, nem memo pelas
vigas das gaveas; por este aitiro sonden e en
coniroo 27 metros cTagna, a aadando meia forre
fez se ao largo coatinnaodo sempre a sondar,
quando s 4 horas da madrngada batea e en -* -
Ihoa na extremidade S. E. do parea! das Pandes,
isto na dista oeia de 12 mil has do pnaroi.
< Felizmente esse acdente nio tronie ewe
queacias grave; depolsde W hopas de eceessiv
tratalho, o vapor pie safar-so dos baos sera a
menor a varia e pdr-seern marcha ; tendo apenas
sido obrigado, afm de illiviar-e, ds sacniear car
ea de 28u fardos de las de 500 kilogrammas cada
um, os quaes foram bagados ae mar.
BRIGUE PIRANGY.-Este navio brasilelro. em
viagaai do nosso parlo para o de Montevid i, arri
bu ao da Bibia, no da 7 J o correte, Com agua
aberta.
SOCIEDADE EMANCIPADORA. II >e ha sessio
da admiaistragio, s 7 h-ras da uouie, no sallo do
Clal) Pernambuc.il i, para a qual sao convidados
toi is s res,iec,'.ivs uiemlir).
AVISO AOS >AVSGANTES.Pelo ministerio
da niannaa daa Estados-Unida. da Veuezaolo tof
expedido o seguirte afiso:
< Sendo imp irHnte, para a iatalhgencia dos na-
vegantes qnaU*am at a cidale B ilivar, pala
Boca Grande oa de Navios e canal 4 Macar, no
rio do Orinoco, centi-eer o estado da barra .le am-
bos os cauaetr avisa-sa ao Momareio estaangaiao
por raeio dos onatsiros e coaaules raapacUfoa pala
orgi) regular, a publioa-se prosamprensa nos pa-
r idicos dosta capital para coahecimeoie da com-
rnerco nacimai, qae:
< Boca lirana on da Navio conserva na soa
baria 18 pea de profaadmad", WMhnadeitaa do
lodo durante a preamar a II a 1S v na batxa-
mar ; que nos ra zes de Brscente dorio, a diSe-
renga da sonda poneo aansivel; a. T
< Qae a Booa-da Miaareo, aa preamar, oeoaW
va na barra II a li ps de agua com funda mola,
e en baixa mar U-a-l ps. i J
PARVHYBA DO NORTE.-Esererati-nas-e S.
Joio do Garlri:
le'a jury, snb a presidencia do jaiz de direito Dr. Re -
mido Francisco da Maura, serviola de prora >t ir
o Dr. Fraaei90olo- Meira Sibrtono, e de esorvio
Francisco Cordeiro da Cuaba.
F,.i submeitiJo .jqbiaine.Qlft. o tq Maijeel
Pereira Brstes, pardo, Peroambn-
casado, Santo Antonio: asi'roa.
D3 BALANCetE DA RECEITA
K DSSP-fiZA DA CAMA1U MUNICIPAL
np ABGJFE, NO MEZ DE JUNHO
EMRCi-to n ,870 A 1871;
, Receila.
Saldo do mez de mato pro-
*woq.Jindo............... 24:5d9d9i
RoceiU arrewdida no nrjej de.
junho.................. 12:171,51393
tu fe tipplit
President.
P. J. Pito,
Readiraenfo
dem do dia
EGA
367:003*918
33^1x95i2
400:136lo7
d> Ferflsminco, T3 de~setembro de
militfXTvIeV tWeira de MellO.
DECLARACMS.
or laicato da
Toluraes entrada caai fa
a coa feagtoi
Volames
sahidoi
*
can
com
fazenda
genero
W
617
m
Tendo fie ido sam effito a concrdala con-
cedida a Fonseca & Santos na reunio de 17 de
ji tfc
36:77i(3l7
Importancia
Detpeza.
despendida no
JWdo qae pa, p*n o m*l
seguinte.
__ *
........
7:142A47i
19:028,5843
De^carrejtam hnje 13 da setembro.
Bataclio inglez^f/ica^Hrono/varios feneroa.
Bngue italianoP#oVo Eugeniodem.
Escuna ingleza- Eigle Wingdem,
tajur norte-allemoEuropa farlnha de trigo.
Barca infteaaCetiz of Kandizmercadorla.
Detpache de exportado no dia 13 de
setembro.
Para os portos do exterior.
Na barca franeezi Fidelile, para o Havre,
carregaram : Joiqnim Jos Gongalves Beltrlo J5
narneas com 1,(00 kilos de tapioca ; B A. Borle
dt C. 937 coaros seecos salgados com 400 kilos.
Pira os portos do interior.
-r- Na barcaca Ta limaos, para o Natal,car-
regaram : Bailar Oliveira A C. O barricas com
6i litros de cerv, j a.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBIJCO.
ftendimento do dia 1 a 13. I8:!58:!88
dem do dia 14...... 1:170>637
36:774*317
iir
t ==
Cmara mnoicipai do Recife, i de se-
(embro de 1871.
O procarador,
Jos Simplicio dt S Esleves.
loaqam Soires prenunciado no"rl. 193 de odi-
go cnrpinil. Foi sea advogado o 8r Seriiliano
de Fa-ias Cisir i. F.ii abnoivid.
Eitron em jalgameoto o reo AdelinaGe*ano de
O.iveira, pronunciado ao art. ze9 do c -digo sr mi-
na1. Sen advogado foi o Dr. Elias Eliaco Eliseu
da Costa Ramos. Foi conderoaadi) no,fri medio)
lo art. 237 do cdigo criminal.
Foi julgado o reo Marcelino Antones Manlei-
ro, pronunciado no art. 191 do cdigo criminal
Teve coma sen advogado o Dr. Elias Eliaco Eiisan
da Go'ti Ramo*. Sabio coaderanado no arl. 194
do coligo criminal, grao mdio.
En;rarara em ju'ganenio os reos Jos Manosl
la Silva Birro-" e seas dous flihos Antonio e Joa-
quina, pronunciados no art. 266, !* parte do cdigo
criminal, sendo autor Alma > Jos da Natividad*',
por seu procarador o Dr. Ellas Eliaco El sra di
Gosti Ramos. Foram absolvidos, sendo advogado
o Sr. Jovioo Limeira L) ooc -, e app-llan Jo o autor,
c Entraram em juigam -ato os reas padrs Her-
culano Xiver da Rocn a 4 eseravos, pronuncia-
dos no art. 266, 2* parte, da cdigo crimin, san-
io autor Thoao Alvas da Co>ta Palm-ira, por seu
advogado Dr. Damiogos da Costa Ramo- Filbo.
Foi julgada perempu a accjS), par ter daitiio o
autor.
c Entraran) era julgara-nto os reos Tiieophlo
Rodrigues da Preitas. lii-Mio R drignes de Freita*
e Severino de Albaijaerque, pronunciados no art.
I9i do cdigo criminal. F.nram absofidos, teqde
coa)) advogada i Dr. Elia- Eliaco EHs*n da Cosa
Kioios_ e Dr. Francisco Apngi9. de. Yasconcellos
Draodo. Apaellpn o dutor juiz de direila.
I>a vla de Cibaceiras nos escrtvem :
i Instai leu se no dia 17 de agosto a l'iesssao
do jary, sob a presidencia da juiz de direito Dr.
'Reinaldo Francisca de Moara, servinlo de promo-
tor publico Dr. Francisco Joj Meira Sobrlnho e
de es;rirao Rufino Pereira de Arnjo Lima.-
Forarn sabraettidos a jaigaraento os reos Al-
fonso Pereira de Castro, Heonqno-Pereira de Cas
tro e Cacionilio Pereira de Castro, pronunciadas
rio art. 266, 2a paite, do cdigo criminal, send-o
autor Tito Carn?iro de Mllo, pjr seu adyogado
Dr. Antonio da Ti in la le Aniones Meira Henriaues.
Foram ab-olvidos, o lutor appellando.
< Entraram era julgamento oj reos Joio Nanes
e Antonio Nones, proBanciidos no arl 106, 2*
parle, do cdigo criminal, sendo autor Joio Evan-
gelista Pereira de ;astro, por seu advogado Dr.
Elias Eliaco Bliseu da Costa Ramoos. Foi jqlg*da
peremuta a aeco por ter desistido o aat >r.
Foi submettida, era ultimo lugar, julgamento
o ro Fl rencio Jos da Si iva, pronunciado no arl.
203 do cdigo enminal. Fui abs Ivido, sendo so
advagadq o pedagogo de Verlontes, termo de Ta-
quaretioga, >
LOTERA.A que se,acha venia a 207',
benettoio da nova gr*ja da Nossa S atora da
Penha, a qualjrerre naje,
PASSAGEIROS-Vw/;a) do.sol no vapor fran?
cez St'adA:
Francisco Crnejrp e,,seo,
dmo e doai fllbos. Vins'enzgp
merale, Miiuone Lltterati, Pranfjif
qnim Jos'Negueira, Maxtmjanp"
Vlncfini, irmia Mare, A dfTlK(
Iba menor, Heradno da Gj '
sua rnulber e um flfijo mej
PUBJJCAMES A PEDIDO.
Acta
OA 5* MSSAO ORBINARIA DA SOCIEDADE RF.NE-
rTCEXTE DOS ARTISTAS ALFAIATES EM PER-
NAliaUGO,
Direogo do St: vtce-director Silvino Sonre Mar
lint Pereira
Aos (1 das 4o mes de setembro de (871, as 7
horas da noot aa sala, da tasadas dt mesma so-
ciedad o Sr. vio director abra a sessao e rato loa
proceder a leilura da acta antecedente e poroso
ter comparecido o Sr. I" secretario dsixou de ser
lida dita acta, e o Sr. vice-lireclor nomeou interi-
naraaate para 1* saorelario a Jos do Espirito San-
to e Silva; a em seguida o Sr vice-dir stor faz ver
co consolIm que no sagainia domioga 17 do cor-
rete as O hora* do dia se naris de convocar ama
reooiao em asseindola geral, de cooformi lade com
o dispo-lo na cay. 13, ari. 12 a tira da tratar da re
forma dos estatuios que reg a mesma sociedade,
seada a presente acta publicada pelo prual ; para
intwiiKeocia dos mai- mimaros como determina o
arl. 11 | 4]" do op. 3 do respectivo regiment.
Sa|a das sassi*. da sociedade Rene Acento dos
Artistas Alfaiaies era Peroambaco, 11 da setembro
de 1871.
Via frrea de Olinda
19.429*243
CONSULADO PROVINCIAL.
llendimento do dia i a 13.
dem do dia 14. .
25:804*491
770^886
26:633*377
Ywio. qtw se ennista as verdades pu
Wicadas peJa Ilustrada redacto do Diario
de Peritamb-ico. quinto ao estram"cimeato
do sola csa* qa ficatu margena da es-
trada, declaro qae morando roa do Sce-
lo, qoando passa o trem a casa elreu>ece
tant, qne oa objecios que esto obre a.
meza, todos, a nao estarern be segaros,
c**em : w eav^erai, capjas tudo estreme-
cem extrAorfJJlikjapanle: os portaes, ba
taotes, e as baddeiras das portas boleui
Unto qae ps'eoem w-atain.
Negar taes comas, .'Aegar a loz do sol
Mis, qaa aest* torra r^uem tem diubei-
ro pode conseguir t oda contra a evidencia
dos fados, eontft obanj) paiflco e at cor
ira a moral.
RcM l da alambro de 1871.
Ai A. d'Olieeira.
i i.
Agadecimento
Joaqoim Francisco re Souza Reis, empre
gado ni asilo de me dreidade, vem agrade-
cer ao Itlm. Sr. coronel director, Agostinho
Bezerra da Silva Cava cante, e sua h'xraa.
familia, o tralamento que recebeu, por oc-
casiio de su. molestia no mesmo estabeie-
cimento, e dedicar-lbe as provas, de eslima
e considerado
Recife, 15 de setembro de 1871.
MOVIMENTO DO P0BT8.
Navios entrados no dia 14.
Rio de Janeiro e Babia7 dia<, vapor fran-
cez Sindk, de 1903 toneladas, comman-
danta Missenet, equipagem 127, carga
diferentes gneros; Tisset Preres.
Rio de Janeiro 11 di s, origue otcioaal
Damio. de 243 toneladas, capillo Case-
miro R. Gomes, equipagem 12, carga
1650 barricas com bicalbo; Pereira
Vimna. 4 C
Rio de Janeiro15 dia?, patacho bespanhol
Jos Mara, de 284 toneladas, capitSo
G--raido Bojck, equipigem 14, carga
5,333 quintaes bespanbes de carne;
J. J Gongalves Delira a.
Rio de Janeiro11 dias, barca portngueza
Alexandre Herculaao, de 529 ton'.la las,
capitao Jos Gomes de Avilar equipagem
14, carga ililleentes gneros; Euzebio
Rapbael Rabello & G.
Montevideo26 das barca americana Jo
sephina, de 413 toneladas, capiao Hawn,
eqoipagem l, carga la; au mesmo ca-
pitSo. Veio refrescar e segoio para Boaon
Navios sokid's no mesmo dia.
AracalyHiate nacwual Mario. Amelia, ca-
ala Francisco Thomas de Assis, carga
dillerentes gneros.
Bordeaos e portos intermadios, vapor fran-
cez Siudh, commandante Massenet, carga
a mesma que trouxe d'>s portos do sal.
Oiurvoco.
Apparece ao so* abrigue escana nacio-
nal Sysne.
agostataatmo,
em 1(,da corre
pecial da cornm
convidados os s _
niaoua dia 19 da
nha, na sala das
os crditos e del
proposta, ou loriaa/eraeantratajjtnnio, proce
",9ff,0'.e A 5om*0 a amiaSdores.
Racife 13 de setembro da 1871.
O eseHwio da>|Bizo.
_______Ernesto Richado F. Pereira da Silva.
proferida
direito et-
mesmo sao
ra nova rea-
ras da na-
verifi;arern
-se tabre eeMprdata, se for
Tendo
ECITAES
Motfce.

Pai Domingos vai casar,
A Paiva Oca chorando.
losa.
Jalo Canapicko a glosar
Rite palmas da repejte,
Pioclamando a tudag-ate
Pai Domingos vai casar;
B como nao quer aagar I...
Di Terco vai-se moscando
At o lillio abandonando,
Vai a Olinda tomar cha,
E diz aqu a acola
A Paiva fic9 chorando.
_____^^^ Man Garapeiro.
Perante a cmara T.apcpil desta cidade es-
tar om praqa em os di 19 15, i6, 18, 19 e 20 do
crrante para sern arrematados por qneai mador
preco offerecer, os espagis oode actualmente se
ven i-i em bancos as fressaras na ribera da fre-
guesa de S. Jos, servindo da base *a quantia dt
OjCaO annualraente par todos elles, e pelo tem
po de tres annos, om as Cioadicd seguintes: se-
ro canear vados nos mencionados, lugares os mes-
aos bancos qua ora exitam com tolo acaio e
lirnpesa.
As pe'saas qae pretendarara arremaiar compa-
recam no pago da mesma cmara em os referidos
dias munidos de flanea.
Pa$a da cmara municipal do Recife, la de
setembro de 1S71.
Ignacio Jaiqalm de S azi I. lo,
Pro presiden e.
Lourenijo Bererra Carneiro da Cunha,
Secretario.
Dd ordem do nim. br. couseihrii-o inspector
da thesour publico que pela ordem do tbesonro n. 159 do i
de agosto oltimofoi autorisado crdito parapiga-
raeoio de dividas de eiercictoa Bodes, os inters
sados, pcis, deverao birigir seus requerimentos
mesrna tliesouraria.
Secretaria da tbesouraria de fazenda de Per-
oambaco em 11 le setembro de 187 i.
Servio Jo de offlcial maior,
Uaooel Jo.- Pinta.
C ousiiiladu provlaelal.
Pelo consala lo provincial avisa-te aos respecti-
vos contribnintes, qne termina se nesta mez o re-
w>"cao dos diferentes impostos arada vite p*
gos, pertenientes ao anno flnanceiro Ando de
1870 71. sendo qne, encerrado o mea, serlo os
debito liquidados e remullidos i tbeunraria pro-
vacial, allra de ser jodlcialmente promovida a sna
eo branca.
Consalado provincial Io de setembro de 1871.
O administrador,
____________A. C. Mchalo Rio.
SANTA CASA DA MBBRIOOROIA >9v> "
nauvii
Alllma. jnau administridva d iaa|uaasj|de
misericordia do Recife tendo *de reconstruir 0 (ttfi-
dio qne possae o patrimonio dos eslabeleciajentos
de caridade roa da Moeda, eom dona &oSres e
solio, transformando-o em oatro de om s andar
qne conten: dons armasen*, om no pavimento
terreo e outro no sobrado, e os predio os. 2 e 3
da roa do Bnrgos, precisa r-oatratar essa obran
loa qnem por rneno- pre00 se quizar enaarretar-
lc effaetna las, pedendo serem aproveitados es
materiaes qne forem tirados doaolivos preaiu
a (lgido em bom estado. "^
Os pretndeme devere apreseatar a ana pre-
posus em cartas fechadas eom declaraeio da mi-
nimo po-qne faiem eada nrrm das indicadas oarav
Secretaria da santa easa de miserieordta do Re-
cife 21 de jamo de 1871.
O escrivlo,
______________Pedro Rodrigase de 9waa.
Santa Casa de Mt^ri^ork
do Recife.
a juma administrativa desja santa casa
de mandar proceder aos oncenos de que precis*
a casa terrea n. 47 da roa do Padre Floriano, as-
sim como ao fazimento do muro do quintal da e
n. 17 da ra do Nogaeira, recebe para isso pro-
postas afino do contratar com quem por menos
Bier; os esclarecmentos podero ser dados ni.-u
secretaria.
Secretaria da Sania Casa da Misericordia do Re-
cife 12 de setembro de 1871.
O Escnvo,
_________________Pedro Rodrigues de Souza
Pela subdelegaeia do districto da Ala-
gados se declara que arada se acha depositada-
um cavallo rasso qae foi apprebendido em po-
der de Miguel Virissimo de Mello j a lempos, e
qnem se juJfar cora direito a eita aa ajajente
neste jaizo dentro do prazo de 30 .das, a cantar
desta data paa pruv.ir o seu direito e dominio, e
nao co nparecendo no dito prazo ser remetlido
como bens de evento a respectiva autoridade.
Subdelegada dos Afogadus, 13 de setembre da
1871.
0 subdelegado,
Joo Chrisoslomo de Albuqoeraue.
lim mr~
At o dia K deste mez o lllm. Sr. Dr. juiz do
coromereio receba proposta em carta fechada para,
a arremalacao por venda a quem mais offereeer
sobre a avaliac3o de 600aJ, dada ao eseravo Lniz,
crionlo. de idade de lo annoa, poneo mais on me-
nos. Est exposto quem o queira ver, na cas
do Sr. Antonio de Sonza Braz, na rna da Impera-
tris n. 31._____________^_______ I
lnpcc*;o do aarscn&l 1*
mariah.i.
Faz-se publico que a commissao de peritos exa-
minando na forma determinada no regnlamente
annexo ao decreto n. 132i de R de fevrefn de
I85i, os casco*, machina-, caldeira-, apparelaos,
mastreacoe-, veame, amarras e ancoras dos va-
pores Moleque e Camoraoite da companhia Vigi-
lante de reboque, achon tolos esses ob,ectns ero
estado de poierem os vapores continuar'no servi-
cio em que se emprugam.
Inspecgo d) arsenal de marraba de Pernanabu-
co 13 de setembro de 1871.
Francisco Romano Slepple da Silva
_________ Inspector.
Inspecqao
do arsenal
rinha
de
ma-
COMMERCML
Segaros contra-logo
COMPANHIA
Augusto de Oliveira, FrDe*co K
vino, BapL Mk Rtati. Ela?rio
Duounsnii a* Bocha Vieira.
Capital.
Pando de reserva
NORME
20,000:0004000
. 8,000:000*000
Agentes,
MiUt Lathan C.
IMPERIAL


Marta
Soimaiaes, ,
baio Cbarlf*,
flttias. Jasd
Peralra do
'"-0
"';
pagan)
'i'(ros -
Isidoro
adr Lois,
H
Companhia de seguros, contru
fogo,
CATES
S. P. JOIMSTQjy C;
R 4a Neazala-aa)Ta n. '41..
SEGURO CMTRA FOGO
Tmi Lte^ooIdTlhOAiloq & Glob
lasaraoce Corapaay,
Agentes :
P, Stqnjlere.Brotbers & C.
I il^Garpa Saato-'U..
THE AlUANO^wm FOHWGN.
desta, companhia tomam sgoro
predios, gneros e fazendas e
is deridsroeat provados.
' "leuaa 4 C
Sana n. 15.
Os
'rtACA DO
UrJliVl
?ao honro DS SETEMBRO
-HATAJtM.
4.* seccao.Secretaria ua presidencia de Pi-r-
nambuco, 2 de setembro de 1871.Edita!.Nao
tendo sido publicado em tempo o edital de 5 do
mez Dado, pelo qaal S. Exe. o Sr, vice presidente
da provincia, para execuco do art. 1.* da le pro-
vincial 1000 de 13 de junho ultimo, maodou
convidar a"tolas as psMoas que quizerem conira
lar a con^truccio e exploracao de ama ou mais
fabricas de li \\> e tecidos de algodo, sob as ba-
ses e-tabeltcidas no refo ido artigo, abaixo trans
eripio, a apres>>niarem cuas proposlas nos termos
da lei n. 963 de 23 de julbo do anno passado, re-
solvea o me-mo Exm, s-uhor prorogar at o dia
20 do correte, o prazo marcado no mesmo ediial
para a apresenlacAodas menciooadas proposta.
O secretario, Elias Fre lenco de Alraeida e Alba-
querque.
LE N. 1000 DE 13 DE JUNHO DE 1871.
Art. 1." Ficao presidenta do provincia autorisa
do a co ilratar coa AotoooTaleniira da Silva Bar-
roca, oa com qnem melnores vintagens cftaftepi,
a con truccao e exploraco de urna cu mais fa-
bricas do ii;.I e teuidjs de algodo, sob as se-
grales bases :
l." Privilegio por 12 annos contados da assig-
natura do coi trato.
2 Conelu>ao de urna das fabricas no praso
de dons annos da mesma asignatura.
3. Isencao da dcima urbana de qnaesquer
outr-s impostos provinciaes oa maoicipaes para
os predios da fabrica e raas dependencias, no lem-
po da duraco do privilegio.
- 4.* 1-eoeo de Jireitoa provinciaes sobre as
materias^ primas que consumir e de direitos de
exoortaeo das qae forem cooiaccionadas na fa-
qrca.
' 5." Obrigacao, durante o tempo do privilegio,
de manter, educar e easinar a pnOssio de fian-
deiros a t*cpii5na dozeorpuos e>colna da pre-
sidencia, de 12 a quinta annos da idade por espa
c/> de ciucoanoos. sem estipendio algrom da pro-
Tioci; '_________________________________f
O Inspector da allandega faz pubJ+ee qu
sabbado 16 do correo! serio levadas basta pu-
Jabea, depois do meio dia e porta da mesma re-
particio, as mercadorias abano declaradas, im-
puzoadas era factura da vmva Guilberme di Sil-
va Guimar-a dt C, no de.-i,acho o. 668 de 12 do
correte, pelo I" confareate Manoel Peregrino aa
Silva, na forma da artigo* 873do regulamento de
19 de seluibro do 1860 e 21 Jas disposictJe pre-
liminares da ur.h. a saber,:
12 leafios de ea/iibraia.da liado borda-
dos, valor de um 6#, toul.
12 cJcu de morimj)ordsdaaparasenbo-
ra valor de ama 5jk total-,
12 vaos de,n^deaedA,JMrdadJi6, valor
de am8jLiat. .
72*000
601000
940Q01
Faz-se publico qaa a commissao de peritos exa-
miuaudo, na forma dotermioada no regula ment
anm'xo ao decreto o. 1324 de 5 de fevereiro
ae 1851, o casco, machina, caldeira, apparelbo,
masireacao, veame, amarras e ancoras do va-
por Ipojuca da companhia Pernanibucana de
oavegicac costara, achou lodos esses objectos em
estado de poder o vapor navegar.
Inspecco do arsenal de raarioha de Peroamba-
co 12 de setembro de 1871.
Francisco Romano Stepple da Silva,
__________ Inspector.
SANTA CASA DA MI5ERICOBDIA
00 HECIr'K.
A junta administrativa da santa casa da tsise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecina-
to ds pao. bolacha e aisnear que tiverem de con-
sumir todos os estabelecimeotos pos a sen car*.!,
iaclusive o asylo de mendicidade ao trimestre de
outubro a dezembro.
ItHcebe proposias na sala de suas sessoes, pelas
3 horas da. tarde do dia 21 do correte.
Secretaria da santa casa da misericrdiadfr Re-
cife 12 de setembro de 1871.
O escrive,
_______________Pedro R idrigucs de Sania.
SANTA CASA D.\ MISEKlGOttOIA
BO RECIFE.
A junta a Iminstrativa da santa easa damisaji-
cprdta do Recife precisa contratar o tornad man;
dos gneros abaixo declarados que tem de eonan-
mir lodos os rstabelecimentos pos a sea largo- ae
mezes d^ outobro a dezen.bro.
Recebe pira isto propostas na sala de soas see-
sdas, pelas 3 horas da tarde do da 21 do c ;r-
renK
Aletria kilog.
Arroz do Maranbao dem.
Azaile doce litro.
Dito de earrapato dem.
Agurdente dem.
Bacalbo kilcg.
Bita'as dem.
Cha bysson dem.
Dito preto dem.
Caf em grao dem.
Carne secca dona.
Ceblas cento.
Fannba de mandioca da trra litro.,
Fumo do Rio kilog.
Fi ija > mulatinho litro. -
Fare.ios saneo. ,
6a z lata.
Milbo sieco.
Manteiga fraaeeza kog.
Srao dem.
Sailiiro.
Tapioca dem.
Touciub* kUog.
Vela de eirnauha ideaa.
Di ia atnarioas dem.
Vinsare litro.
Viaao d* Lisboa da.
Diiit braace idera.
Se '.retara da santa casa da misericordia diR*>
cie 12 da tetemara da Mi*.
OeaatjiaaW
Pedro n^aM d Soasa.
..

ttT '0
As-
ia .
/ ,
.dSjad
rnaki
h y >
SANTA CASA DA
00 RC1&.
A lllm. juntaadraiaistrauv*
quiu'a-feira St da cerr ola, p '
de. iem deooatraiaCiOaraa
..meatos, que houver da consoaur.
pual PadrolIatma*tt,.de "
lOOOl leudo prefereaeia aquelle dos

**

V

-




s


- /


- paan

\

sta amtaUWftra da jant* casa da miae-
i*j fweifrpredsa enjrarar o roraeeima-
wroVljua tlveremiie consomlr todos
Qs.eaubele-iraentos pos x sea "xargo. tnehisfve o
ab'r.a,w aajroftft9 de oa,abro a
Iraren-iatai na sala da mas sesadas, pelas
i larde do da 11 da carrete.
da santa casa da misericordia do Re
Remato da {$71.
MO lriwo,
'Rdrlgaa de Sama.
elfo II de am
Conseiha a compras de ma-
naba.
Oocnselh) co dia 19 Mo crreme mez, vista
de propostas recibidas alias it'horas dama
nrraa, contraa, sao as cpmJiQdes do estyto, o fer-
neciraento aos navio* da* armada e esxafaalecirrea-
los de marinha ao trimestre pceajino vradoaro
de outubro a deterabro, de vveres, dieta-, e ou
tros objectos de coasumo seguintes :
Arroz do Maraabio, azeite doce de Lisboa, azei-
te doce inferior, agurdente de 20 grao, assucar
ortico re finado, aietria, aramia, acucar braneo
grosso, bacarno, bolacha, belacbioba amerkana,
cangica ou milbo pilado, caf era grao, caf mor
do, cha hy aecca do Rio Grande do Su!, carnauba em velas,
feijio, f triah de mandioca da Ierra, galiohas, le-
ba, malte, manleiga ingles, manie ga francezi, ,
pao. sabio massa.saI, toulSfe da L'sboa, tapl>- ^J^J^tf
ca, ljelo de altanara gruesa, tetha, viaho' di Lis- ,ar arcada no d,a de
boa, velas stearina*, velas stearraas de 8 em li-
bra, o vinagre de Lisboa.
Sala "das essdes do eonselho de compras de raa
ruina de Perjunzhaca. li de setemum de 1871.
& O secretario,.
_______ Aleaadre Hodrines dea Aojo*
Goman dan Prlnaezas
Quarit-iSira 20 ito corrente
Subir scena um liado efteolB(do< esaeetacu
lo em beneficio da primeira dama
mIA CASTILLO
O progrmala ser publicado pelos Jonaaes.
Urna asa a sitio no Meseaolorab, a be*a-fla
trada patnado -a aeate, an ataatftdo- fc*%a*
+**, >*4rm, e %m ter** ti* ai*S*M
ar (imfM peta eterta, e nouda* estrti-,
da de fejro de S. Francisco. ."- i ">
ftrj-fejra 19 Ao cArrtinttt.
Por ioterveocao p ajaoJT Oto, em seu escriptp-
rio ra da Cuati -tul 3
AdialaUtra^io dos crrelos de
Praimbaco 15 de setembro
de 1871.
Mola pelo vapor iqui da CompanlUa Pernam-
bucana.
Acorrespoadaaciaqjae tem de acr expedida-boje
(lo) pelo vapor cima mencionado para os porlc>s
do su I at Aracaju' sera reeebida ptla maneira
.segulnte :
Maros de joraaes, impressos de qualquer natu-
reza, 9 cartas a registrar, at 2 horas da tarde,
carias ordinarias at as 3 horas, e estas at 3 1|2
pagando porte duplo.
O administrador,
___________Alfonso do Reg Barros.________
Admiaislravao dos correios de Pernambuco
45 de selembro de 1871.
ifaf 1 pelo vapor Ipojuea da companhia Per-
nambucana.
A correspondencia que tera de ser expedida hoje
(13) p;lo vafior cima mencionado para os portos
do norte ata a Granja, ser reeebida pela maneira
segralo :
Mae/j* de joroaes, mpressos de qualquer natn-
reza, o cartas a registrar, at 2 horas da tarde,
carias ordinarias al 3 hjns, e estas at 3- l|2
psgaadi porta duplo.
O administrador,
AITonso do Reg Barros.
THEATRO
fosos totiimr
COMPAWHIA
62
Navegapao Brasileira
At o dia 21 do corrale es-
perado dos portos do sol o vapor
Pleitenle, eommandante Garda,
o qual depois di eraora do costu-
me seguir para os do norte.
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-se a
conduzir, a qual dever
suachegada. Bncommen
das e diahejro a frete at as 2 hora da tarde
do dia da su; sabida.
Nao se receben] como encommendas seoSo ob-
j actos de pequeo valor o jue nao exctjdam a duas
arrobas de paso ou 8 palmos cobicos de medicc
Tudo qoepassar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos senhorea passageiros que suas
passagens s se recebem na agencia, roa do Com-
mercio n. 8.
-i------
a m<
IiBU.40
Sobrado de 3 aarm ri.-X+*ffo S.
Bom T ii mkhijiik rniT )Racife).
Terdw*%W?torrent.
: oii a ser
MCMe foe a
servil terifel?
o'futuro des
o cilabfi ?Beesista de que
do poeu ipglea,
Site;^'-
iuuwurm re-
areauwas,
mi tNstam
O
Illm.flr. Dr.jj
raoTAltad? na"fl TJTCf axTi." X," o~ia1
na reeommendado peta soa Wm loelfdade.
lid ser eftectudo sH'horas Jdviha cima ao,
escriptorio do referido agente, -rua da CrBt D. 38
BAHA
p RIO DE JANEIRO
Para e'ies peos acha-se prompto a receber
carga a be a conhecida barca Ciernen!ina : quero
na mesmi quizer carrejar dirija se aos consigna
taos Tnomat de Ajuino Fonseca & G. Saecesso-
re', ra do Vlgario n. 19.
Rio Grande do ii| pelo ltio de
Janeiro.
Para os indicados portos segu por estes dias o
patacho nacional Mara Emilia, por j ter quasi
completo o carregamenio o resto que Ibe falta
recebe-se por modice preco ; a tratar a ra do
Vigario n. li, primeiro andar, escriptorio de Jos
Lopes Davim.
Dominio directo dot itfieaos sitos
do Bario da Victoria, oartr'ra ra Bo
va.
Oimta-feiM 20 do curreqU.
O agente Pinto levar teiHo, por mandado do
illm. Sr. Dr. iuiz de orphaos, e requeriaieato do
iuventarianle dos beas quo flcararn por falleciraen-
to lo cemmeodador TJioraaz d'Aquino Fonceca, do
dominio directo dos tarraos it.s aa raa do Ba
rao da Victoria, ontrVra rna-ffova. OdeHB 9
r effeetnado s 10 eras do dtaaclma dito, no es-
criptorio do referido agente, raa da Craz a. 38

VISOS DIVERSOS
MARANHAO
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bole nacional Joven Arthnr, tem parte de sea
carregamento prompto, para o reslo que Ihe falta
trata-se com os seus consignatarios Antonio Luiz
de Oiiveira Azevedo & C, no seu escriptorio ra
do Boro Jess n. 57
COMPANHIA
DE
ZARZUELA lESP.HliflL 1
Grande espectculo em beneficio do pri-
meiro Bjsso di- mesma
J, M. Evangelista,
Sabbada 16 de setembro
Sabir scena pela primeira vez a muito lia-
da zarzuela
MVA LA ZARZUELA
(em tres aci>. >)
Msica do mae-tro Marra, poema dos Srs. Fron-
laura, Rivera e Di franco, intitulada
Campanono
Toma parte toda a compaohia.
Dar flm ao espectculo o do da opera.
ATILA
Pelo beneficiado e o primeiro bartono o Sr.
Andr Orliz.
Depois do espectculo haver um trem que
tocar em todos os pontos at Apipucos.
Comecar s horas do cosame.
THATBO
SANTO ANTONIO
C0MPAMI1.1 DK4MTICA
Douiuflfo 17 do corrente.
Primeira repre?entacao do excellente drama em
4 actos, intitulado'
Personagens.
Raymundo, cgo............ Sr. Peregrino.
Valentim Mazilier, dono da
fabrica.................. Sr. Braga.
Jos Poogibaa, operario.... Sr. Brochado.
UaraUler, vagabundo....... Sr. De Giovaani.
Vaaeher, gnarla-livros..... Sr. Les^a.
Um carteiro............... Sr. Lyra.
Um operario............... Sr. Oiiveira.
Gabriella, irma do cgo D. Jezoioa.
Suzaoa.................... D.CaroIlaa.
Operarios.
Terminara o espeetaoale ota a primeira repre-
sentacao da iateressante comedia em 1 acto, orna-
da de msica, original portuguez, denominada :
OS VETERANOS
Taza o Rio de Juaeiro.
segoe em poneos dias o brigue S. Paulo : para-
carga trata-se na rua*do Vigario n. II, 1 andar.
PARA O
PORTO-
Vai sahir com bievidide o patacho portuguez
Liberal, capillo Guilherme Joaquim Leal, por ter
parte da carga engajada, para carga e passag^ros,
para os qaies lem excellentes commodjs, tratase
com E. R. Rabello & C, a ra do Gommercio n.
48, on cjm o capito.
Hospital Porlnjuez de Beneficen-
cia em Pernainbuco.
A fasta do aaaiversario da iadallacaa de?le
hospital Oca transferida para um dos prximos
domingos de outnbro, a qual ser opportunaacate
annun:iado. Os membros'das eommissoes no-
meadas para solicitar da carMade publica prendas
ou dunativos para o bazar do anniversarn, sao
rogados a continuar a sua beaofiea missao, e a ea
viar, a seu tempo, es ebjectos que adqaerirem
para serem relacionadas no qaadro do mesmo
bazar.
Secretaria do Hospital Portugaoz de Beaecea-
ca esa Peraambuco 12 de seiembro de 1871.
Luiz Dapral,
Secretario
A
LEILOES.
DE
Urna borra grande (prova de fogo) 2 cartei-
ras, 1 prensa de copiar cartas, mezas,
paos para estiva, i balco, re partimentos
e outros objectos de escriptorio.
HOJE
As 10 horas do dia.
Por ialerveacao do agente Pinto
No armaaera e 1 andar do sobrado da esquina
la raa da-Cadeia n. 24, esquina do becco Largo
LE1LA0
DE
Porc5o de caitas de phospboros do gaz,
desembarcadas esta semana.
flojo.
O agente Pestaa,far leilo por conta e risco de
quem pertencer de caixas com phosphoros do gaz
ebegados esta semana, os quaes sero vendidas
era um on mais lotes sera reserva de preQ1, no dia
sextafeira 15 do corrente, pelas 11 horas da raa-
nha, no largo da alfandega.
GUERRA
latkMK,^
se*
DA
PERIRSULAR
PeMfnafeas
Malta, veterano.. Sr. Breehado.
Agofltafco, dem.... Sr. Pe-ia*anni.
Lai*........... Ir. Pera#rtBo.
MaftadoGa...... CaroUn.
O artista Be-Giovaoni. acoedeodo a innmeros
pedidos, pan organisar urna seria de repre-
seolKas dramtica, caasegab reaair alfuas
iartdfcs da raaonhacido mrito ; e para satisfuer,
qan ama, aos raenelonados pedidos, preparou
o eeaatUaolo cima, em tudo digno da aprecia-
cai do Ilustrado publico pernambucaao, de qnem
anaara merecer a.costamada coadjuvaao.
Os biHietaa acharase desde j a dispoticio do
paalieo aa escriptorio do ibealro.
Principiar as 8 i|4 horas.
3M21MM MSM-raBl
BOZE DE SETEMBRO.
artistas Mechanicos e Libe-
raos.
DOMWOO 17 DO CORRENTE.
D" a Irl horas da tarde deste dia Mari
te ao publico o jardim de palacio, tocando af-
terudiineaie doas bandas de msica.
UILAO
DE
Dons bas cora roupa usada, 1 relogio de
prata, 1 caix5o com 5 duzas de fecha-
duras do Porto, 3 ditas com dobradicas,
5 libras de rame de pescar, 4<5 cachim-
bos, 389 pregos fipaes, 915 ditos cai-
xaes, 1 garrafio com 2 catadas de ezei-
ta doce, 1 dito com 5 ditas de vinagre,
1 caixa com sab3o, 1 barrica com 47 ca-
zaes de pratos, 7 libras de linha de no-
vellos e outras miadezii
Sabbado 16 do corrente
O agente Manas far leilo, por ordem do Illm.
Sr. Dr. cnsul portuguez, da roupa, ferragens e
msis objectos cima, perteocentes ao espolio do fi-
nado subdito portuguez Thomaz Vicente de Car-
valbo.
Em sen escriptorio, raa do Mrquez de Olinda
n. 15, s II horas do dia.
LEILO
DE
200 barricas com farinba de trigo.
Sahbado 10 do corrente.
agente Pestaa, far letlae por conta e risco
da quem perteeeer de J00 barricas com farioha de
trigo, sabbado 16 do correle s 11 horas da ma-
nta* em ponto, e serio vendidas pelo maior pre-
co sera reserva ; no armazem dos Srs. Tasao Ir-
raaos.
A sociedade Restauradlo Pemambucans, convidaba
todos os seus membros, pirantesa amigos o finado
francisco Lourenco da Silva, para assiuireni as
missas que se bao de celebrar pelo repouso eter-
no do referido seta muito presado e distincto so-
cio, na igreja da Veneravel Ordem Terceira do
G^rm, pelas 7 horas da manba do dia 19 do
corrente, terja-feira.
Francisco I.ourenvo da Silva.
Jos Lourenco da Silva Oiiveira, Antonio Fer-
nandos de Figaeiredo Parva, gratis a lodas as
pessoas que assisliram e acompanharam o enterro
de seu presado irmao e socio Francisco da Silva,
rogara anda o caridoso obsequio de assislirem as
missas do 7* dia que sero celebradas na igreja
matriz de S. J-.- do Recife, as 6 1|S horas da ma-
nba do dia 17 do corrente mez, segunda-feira,
por cujo favor sero eternamente reconhe ;idos.

A directora do Monte Po Portuguez em ob-
servancia da ultima parte do artigo 60 dos esta
tato, manda celebrar urna mis-a do stimo dia,
segunda-feira 18 do corrente, pelas 7 horas da
inanha, na Orden; Terceira do Carra o, por alma
do socio Francisco Lourenco da Silva.
M. S. Pinheiro,
1 secretario.
LEILA
DE
Daas casas terreas, titas as principies
roas da Boavista, sendo umana roa da
Alegra n. 4 e oatra na raa do Coto-
vcllo Q. 9.
. Um amigo do finado Antonio Pereira Souto man-
da celebrar em sua lencao urna missa as 7 horas
da manha do dia 16 do corrate na igreja do
Corpo Sanio, convida aos seus amigos e do finado
para asee acto. ^^^
O
loioCualberxo Heorl<|MC
Pccelra
professor Aagasto Jos Mauricio Wanderley,
manda rezar nma missa pelo eterno repouso de
euprezado amigo, o acadmico do 4anno;J-i
Goalberto Heanques Pereira, na igreja matriz da
Bea-vista, as 7 horas da manba de 18 do cor-
rente, trigsimo da do sen falleeimento.
;Para- esse acto de religio e caridade convida
nao s aos seus amiges, como tambam aaa dalla
prenlas, eollagas a aabjos; aotecipaodo desde
j o awis eardral atradecimeato.
D. Anaa SmpliaU Feasaira T,
Tasso de Miranda Braga a Jos .
rai, abriotio e amigo do fcllecida
taes Ferreira tasso, mndam ra
"*" P/," l?a o 'ireja da Madre da Deas,
aagunda-feira 18 da corrate, aa 7 horas da m-
nhaa, anniversrrio da san falieoiaeate : caowdasa
aos parantes e amigos do masaa, nata aaaiatraa
a este acto de caridade e religiio.
. .Manof era qae
'ai as /oreas aioda debis dessas fraeas
ieaqtdif *oerieeenalo soa
Mar viptu lis ? cataaaa no eaipregu
-ndei a-aWffi^^n%%^ ,
ILLd,,,M Jirandea conquist) tut^ro o ^
nma-
..w X1C cora-
peta tola |#(d e-maNsoMr a fcbaieo do
^da^a>forallda.|W saai aarfeite .aaopis ao-
siveis a iodos palo qtlantidade e ioadicidade do
P.1^.^0.8-80^ condicJo, a tencla do
>r aaavteaot, wioweiri.
Wal^raiaOtfa.rpaSro as palavras de
* WfPja'tbei tanto.em seu*direitos, como
eos flejefa, diste : i nossb secle o se-
Wlo: e aeeresceata qae esta phrase
nao dio de buoo.ai.-tp.im, po Gladstane ao
perfaa ez de servir ao.pcvo.
'Otomem (rene modo encarado como bem
primordial da-fhtff^ rJo'benv; e o-netavel au-
tor a que uos rafatimHiantoade apfuiosao -aae a
liberdade quo da energa da alma aseeciada sauda do wrpo,
a elevado do epiriU>qbe>fr9poreioQa o deea-
'olyraento progressivo da hsbiliade peaaoal.
Foi haseados a'eilaailiaayt qae os legisladores
aguatesoi|praiienarafn que omstrnmeoio acti-
J. aopOaio, abedlciaa autras a dlvarsas necas-
waBsAui as que .-e partha do instrumento
nateriaL
Foi per edisaojoiHfci aliase maacaram e regala-
aealhraai ai aoras-tio trabalho as manufacturas,
s se aitendeu sobretodo a que as chancas rece-
oefsem a um lempo a easino da fabrica e o casino
la escola. f 1^ m 'm
t Era 1862, diz alada Wolowki; sanecioncu-se
na Inglaterra a .prole, a vigilancia penetrou no
seio das vastas communas industriaes, formadas
boje em roda da maehina de vapor, dessas vastas
:ommunas povoadat por miihsres de operarios.
A lei de 1802 Qxon a idade em que as chancas
podiam entrar para as manufacturas e limitou a
durado do trabalho.
Pois bem. Este grave e humanitario problema
que levou quati meio seculo a resolver, e preoc-
cnpoo a alienco de tantos bomens de estados
anmenles, como foram Roberto Peel Lord Aalhey,
boje Conde de Cbaltsbuago, genro de Palawrston,
e muitos outros, assignalando urna pagina honrosa
na historia da eivilisaco moderna, acba-se reali-
:ado, e dando salutares resultados entre nos na
fabrica de cigarros de S. Joan Nitharohy, da qual
o proprietarios os Srs. Scuza e Nana*.
J li vemos oceasizo o anno passado, de esc re-
ver algumas liabas acerca deste importante esta
belecimenio; e h< je, depois de urna visita qae II
cemos ao novo edificio ampliaremos aquello nosso
trabalho.
A casa onde actualmente est estabelectda a fa-
brica sem davida um dos melbores predios da ca-
pital.
Alm das espa;osas accommoda;&eg interiores
lvremeote rejada como convm a lio numerosa
agglaraoracao de pessoas, o predio extenormen-
tejle urna architectora simples a elegante, e Oca
i pv ncas bragas do mar, onde com auxilio de urna
pomeos proituctos, sao com facilidade embarcados
a condatidos para os mercades.
Cemada dozents meninos ah recebem o easi-
no manual, intelieelual religioso e njcral.
A mais perfeia ordem, sem a severidadede urna
rod disciplina, mas antes aconseloada pelos pre-
tiles pratlcos da autoridade, d um aspecto agr-
lavel a esta afanosa communa de pequeos ope-
rarios e esperan-coso ncleo de futuros e moralisa-
dos cidadios.
Em u;n vasto salo das 7 s 9 horas da tarde
lepois do trabalho e do descanso aprenden) os me-
ninos os primeiros elementos da leitura da escrip-
ia e da coniabilidade. Dissemos primeiros ele-
mentos porque acreditamos que as noches rndi-
mentaes da escola no sao onira cou-a mais que o
instrumento com que mais tarde se deve Concluir
3 aperfeicoar a educacao. Nao cnsta saber 1er o
sssencial e fazer uso discreto e aproveltavel
desse poderoso motor do nosso aperfeiQoamento
moral.
Depois do trabalho manual e do ensino da es-
cola depois mesmo de algumas horas consagradas
ao recreio era preciso amenisar com o esiudo de
algnns dos ramos das bellas-artes as trelas is-
faatis.
Neste iatnito foi creada urna aula de rauzica di-
rigida pr hbil professor.
Com poneo tempo de exereicio e o ardor pro-
prio da mocidade j alguos dos alnmnos tocara
com verdadeiro adiantameoto os instrumentos que
sseolheram, e pode dizer-se que a fabrica tem
boje nma banda de msica sua disposicao, o que
slm de aecrescenlar urna agradavel prenda
jducac-) dos aprendizes, dispensa dias festivos do
setabelecimebto, o concurso dos msicos estra-
ahos.
Ora,ojrnde resultado colhido por este duplo
tystema do ensino manual e simultneamente in-
lellectual, que os productos da fabrica de S. Joao
de N theroby, radAbrando de valor pela qualidade
3 perfeicao.aogasealam laubem a ma procura no
mercado s oaluralmenle os avallados intereases
los productos.
Establecida assimeom os oulros eslabelecimen-
los do mesaw genero a lula da conourrencia, que,
ao dizer de am noiavel economista, oto ontra
coa mais qae a manlfestscio pratica, a faee
material da liberdade, clai o est que aa condiedes
o trabalho livre comecam j a ser assealadas, en-
tre na em bases aanaaaaa a de consequenciaa pro-
Senas.
Ligamos um aao aareco s tentativas e aos re-
snltadojjlesta artem.
O^P" precisa ampregar todas os seusasfor-
f r.pagacda industrial, nS^ eeqoecendo
9 a quactidade dos productos nada re-
-t .P" saiiaatornar ao mesmo tempo
eeomroendavel pela sua qualidade, e que esta id
e obtem cora auxilio efflcaa das prodactores ha*
aeis e inteHigento?.
Acreditamos, pois; qne os Srs. Sonza e Novaes
prestara um importante servico ao paiz e temos
iAflatfH araz*r aaa ozea^a^ar aa MtabAlecflaaatas
lf jti aa tur en, irlo soem reffrencfa a'esta fabrl-
a, como a todas qo esUvarem fundadas ou se
,'undem d'aqui em flsaals aaa raesmas circums-
taaeias.
O nico deposMa aatta eidade no escriptorio
le Domingos dgtae Malbaoa, rna do Viga-
rio n. 21
A.touur.
ono omeop
FBAUO DE PAULA CARDUZO JHIOi 1
41.fina do ImperadoF41.

Fi ancisco de Paula Gardean Jnior o G*. animados pala coadesedodea-
eoG (fue para-com elle* te ve o Qt. 9r Jacialho Soares ftabello, qae ba W*mm
^axerce o systema homooputMco, gomando sampre de subirlo comaito, a eatibe
lecer nesta nidade um-LABORATORIj HOMEOPATHlGO-dearimaifa OKtocj,
digno-da eofiarrca e proteegao do illaslrado e reapeiiavel prjWwo dasla p*win-
a e do norte do Brasil, pan oque, n*) aa poopando a despegas ne>litrlct3
eipazes de soperar todas ss diflkuldades, com rjoe tivenam de loda,'tHHWffi.
.ram meeMaateaante desde marco ultimo, julgamio terdajsegtiWoo'SlW #*-
I deratum, tem hoje a satisfaclo de, aonunciando a abetura de sua oaw. affir-
I mar aoeamigoe da bomeopalbra, que se jo'gam completamente baM4f(trJa>[
o aerfeito desampenho de todos os raisteres do ea-erjeargo.
Osalementos do seu estabelecimento foram todas importados da afamada
casa de James Epps d> G, de Londres, um dos primeiros e talvez o mars r>-
'nacido e acredtalo estabeiecimeato deste genero; m preparscOas secundarte
(dynamisacOes e diluigoss) foram preparadas com o mais escrupuloso eaero <
segonJo as regras dM sciencia e sob a inmediata dire^o e inspeeao do mesme
Sr. Dr. Rebello, cujo nome Jigando-se desta sorte ao estabelecioento, a mais
segura garanta que podem offereuer os seus proprietarios s pes'as, qne es i
t l0DIrti C1M ,aa conaanfa' de ojne no prefaro dos medicamento o5o se
ou^arlo esfofCpapjara que-sjimbem servidas,- pois que a austeridade.com que
cumpre aquellas todos os seus deveres e sobreludo o respeito, que conaagra
a sua prrpria reputarlo, lhe n5o permittiam sacrificar a vida do seus clientes
ao nteresse de terceiros.
Sem pretenderem os proprietarios depreciar os productos dos outros
estabdlecineotos deste genero, crcem todava poder affirmar que neabum oulro,
excede o seu em superiondade, e para que neohujaa duvida baja a esto respailo,
poderaa todas as pessas qne quizerem foroeeerm dos seus medicamentos vi-
sitar e examinar o estabelecimento, oide, alm d boticas em globalos e tinlu- j
ras de varias capacidades desde ii al 120 medicamentos por precos razoavei*..'(
encontraro todos os artigo* que tornam completo o sortimento de casas desta
ordem, taes como: excellentes chocolates, pos dentifricios, encerado de rnica,
tintura de guaco, etc um lindo vo'ume eacadernadodo medico do povoori-.j
Tnal doDr. Mure, traduzido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto e augmentado em'
3.1 ediccSo pelo Dr. Antonio de Caf.ro Lopes.
Ista obra queeootm mais de 500 paginas i!o impress5o e uoi estampa
explicativa d)s diversos org5os do corpo humano um dos miis claros livros
destinados ao ensino pralicj do tratamento de todas as enfermidades, pois indica,
nao so os medicamentos apropriados para cada molestia, como a maneira de
applicar e repetir as dses.
O preco d'ella de. 10,?0)0 para as pessas que compiarem boticas
neste estabelecimento, e de i#JO0 para as que compraren! smente o livro.
Contando pois, com a valiosa proteccao d -s amigos da homeopatnia, coa- ]
cluem o proprietarios o seu anouncio. declarando qne se acha adjacente ao sao (
LABOR\Ti)RIO o consultorio do Sr. Dr. Jacintho Soares Rebello, e que se
encarregam de receber e enviar ao mesmo Sr. Dr. a toda e qual juer 'hora oa
cbamadoi de seus clientes.
*-?(-5
mfW
~i*
ERNESTO & LEOPOLDO
N. 2 D Ba do Cabug N. 2 D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de joias que pode
vender aos seus numerosos freguezes em grosso e a relalho e por precos
mu resumidos visto que recebe de conla popria por todos o> vapores de
Europa. O gosto de desenho de suas joias o mais lindo do paiz das
modas, curo de lei, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, robins, perolas,
turqoezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do p rto tanto
para igreja cerno para servido domestico. Convidamos as Exmas. familias
a vi-harem o dito estabelecimento todos os dias at 9 horas da noile.


A'ug^-se

Por dous mezes, urna casa na Boavlagem :
tratar na pra;a da Independencia n. 17.
Publicapoes musicaes.
Acabam de pnb icar-se tres lindas pegas
para pianoa saber:
A celebre Terentelle por Beriol flls,
preco 2050:).
LINDA, grande mazuiki de concert/
ultima publicado mo-ical do maestro Ca-
zalbore, a qual fui terminada pelo maestro
I. SmolU, preco 20000.
PfcTITLAZZARONE, linda polka napo-
litana, pelo talo maestro Cazalbore,
preco 10000. *
A' venda no armazem de pianos e msi-
cas do Azevedo, ra do Barita da Victo
ra o. 11, outr'ora ra Nota.
N. B. Esta- se gravando a linda walsa
por Collas, o Anjo da meia noute._______
Sociedade
J\i\
en-
Recreattva
tude
De ordem do Illm. Sr. presidente, e em virtude
do disposto no art. 3i dos estatutos vigentes, con-
vido aos Srs. asociados, para domingo 17 do
corrente pelas 3 horas da tarde, reunirem se
no recinto desta sociedade, afm de qae constitu
da a assembl geral se proceda a eleicao para
ihesoureiro.
E' arada objeolo da presente convocacSo, a de-
liberaalasobre om officio dirigido a presidencia.
Secfriaiasoeiedade Fecrealiva Javenlude, i i
de seUialra B i. secutarte,
_
A. Akoforado.
Manoel OonQalves Agr, Luiz Gongalves Agr,
Antonio Gjn$alves Agr, Mara Thereaa Agr,
Luiza Francisca da Costa Agr e Silvana Januaria
| da Silva Agr; gratos a lodas as pessoas que
I assi.-tiram e acumpanh".r.im o enterro de asa pre-
lada mai e sogra, Mara Francisca da Espirito
- S into Agr, rogam aioda o caridoso obsequio da
asiistirem as missas do 7 dia, que serio celebra
dos no convento de S. Francisco as 6 liS horas
da manba do lia 15 do corrente, sexta-feira, por "
cujo favor serio eternamente reconhecidoa.
Caras miiliiveis
pelo syateaua louieopathico.
A' ra do Conde da Boa-vista n. 48 ba dses
para dores de d para esta molestia, r\ qual for o seu estado ia-
, flammatorio, a qual 6 mmto conhecida na provin-
cia da Parahyba, Mamanguape, Serra da Rau de
S. Bento, Goyanninha, Ara runa. Garanta se
horas para produzir o son effeilo, e durante este
curto espaco de lampo desappareceri toda a in-
liramagio e d-r.'s ou a caria nos ossos. As be-
xigas garntese 8 das para osen restsbeleci men-
t, sem perigo algum, para rhenwaiismo agndo,
inllammatorio, chronico, lu-merrsgbia desangaee
molestias nos ligados, congenio-Intestinal, desen-
teria, edoms, anazarca, anemia, anorvezia ou
fatlio, catarrbo, cepharlagia e entras, queso ga-
rante sna efflcdca. nico deposito das dses pas
dores de denles na botica do Sr. Cbagis na ra
Direita___________________________.
Aluga-se a ca^a terrea n. 61, na roa da Pal-
ma, com bons commodos, qnintal, caeiaaka, co-
rintia fra e'c: entenderse na roa da lopera-
triz n. 43, 1 andar, com o Dr. CbriatOvio Xa-
vier Lopes._________________'
Na ra Aogusia
escrava que engomms e
roilia.
n. 24, precisase de nma
cozinbe para pcaoa fa-
>ocie(
mte-fio Santa
OfOT.
pomlafo 17 4o aerraata pelas 10 horas da ara-
nhia continuarlo as eleicSes para as usamWeaa
paroebiaes para o qae convido a todos os i acias
se dignem comparecer, na casa das Mioes.
__ 9 *-*'Mcretario,
Francisco Antaaio de Si Brrelo Jnnior.
aT *fir insaa aaiaprj
^X ra todo aerrico, para eaaa de
J W pouca familia : oa Ca punga,
DOm SAIfTOS MELLO.
RojblirBarlp da Victoria w43.
VACCINA.
Todos oa domingos e quintas eiras, pe-
maleo, pan o que ha i
: ora pus vaccinieo,
neeebem -se chanadas para vacunar esa
onsuitas uredreas todos os dias aela
[nttiH.
Chamada a dalqner hora do dia e da
noute.
Gratu a parte-medica aos pobres.
Pnaai n de urna ama
Furtaram no dia 10 do corrate do boleo do
abaixe asslgnado, em occasiao que segua no trem
das 11 horas, da Capnnga para o Recife, a quan- '
ta d5 450J era sdalas de 50i, 10J e 31, envolta;
dita quantia em papel amarello de embrolho :
rogase as autoridades policiaes e a qualqner pes-
soa qae soaber oa tirer deKonflanca de quem foi,
participar ao abaixo asslgnado, qae recompensar
generosamente.
Adelino Theodoro Ahres.
Companhia
Santa Thereza.
Os aenbores accionistas podem realsar a oitava
entrada do capital subscripto, a razio de 10 0,0
ao escriptorio do director caixa o Exm. Sr. Ba-
ta da Soledade, al o dia O do corrente.
Recite 12 de setembro de 1871.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
crianca : ao largo da Aasembli c V]
^^r-'
ama para
Coodda-se os socios para eodaparaatHaj na
casa de euas sessdes ao dia 1? do correata,- pelas
10 horas da manhia, aflra de proceder-se a elei-
cio dos funecioaarios para o anna fasaro.
O secretario,
_________Francisco deMedetrot Raposo.
Betaardioo Jos Lsliio, faz versao Sr. Joao
de Mello que a oaea qae o Sr. ala-
Capanga, rna das Oioulas n. 7, fin-
pagou em id do crrante
a a alagar a oatra pe-
Osabais assignadosfazem scieal ao-pu-
blico e espeeialmeole ao corpo do commerek, n3 dia 6 do cftrrcnte dissolveram amigavelmente
a sociedade que ttnhara aa taberna sita no largo
da tlibeira de S. Jos o. 1., coja rma era a ab.i-
xo assjgnada.
Recife, 14 de setembro de 1871.
Joio Jos da Silveira 4 C.
Monte-Pi Popular Pibv./
nambacano
De ordem de nosso irmao director fio convida-
dos iodos os socios, afjm de comparecerem aatta
sociedade no dia 19 do corrente mez, patas 7 l|J
horas da tarde, para era assemDla geral tratar-
se de negocios tendentes a mesma.
Secretaria da sociedade Mjnte-Pio Pernambu-
cano, 14 de setembro de 1871.
O 1.' secretario,
Uibano N. Machado Anli _
Fetor
O engenho Limio Daca precisa de amteitor
preerindo-se pertuguez e que tenha prattaa: a
tratar com Leal & -Irmio, raa do Marqata de
Olinda n. 56, 1 andar. -
eseja-se hilar com urgencia da senbores
capitaes de campo, raa de Marcilio Diaa n. 3
se dir quem .
Joaqaim Pinto Lapa tendo re
Portugal, e nao podendo pes:
de todos os seos amigos, |
mesmos de aceitarem asta
rece aos mesmos sen pon
do Porto, onde vai firmar
Alnga-se duas t
casa : aa roa Direita a.




y

cU feira 15 i*
_____
tvt^A.nu
nr -
UVel
SALSA-PARfl
a, molestia oa infec Jo propriaownte c-
pelo doom deESCROPHLA.
dos nales mais prevaleceotes e uni ver-
m faa em toda a extensa lista das en-
de que soffre o genero boma-
Ate s iase om celebre escriptor da medi-
Sque mais de urna terca parte de to-
aejaellw qoe morrem antes da velhice
t victnus, oa directa oa indirectameote
i escrephola >: por si Dio t5o distrui-
ha, porim a principal cansa de mokas
otras enfernidades qoe nio Ihe sao geral-
II aUriboidas.
E oma cansa directa da phtysica pulmo-
nar, das molestias do figado, do estomago
aflecc5es do cerebro:entre os seus
aWSMerosos symptomas acbam-se os seguo-
sles : Caita.de apetite, o semblante paludoe
as vezas incbado, s veies de orna alvura
transparente e outras corado e amarellento
redor da bocea : fraqueza e moleza nos
"
masclos, digestlo fraca e apetite irregular,
falta de energa, ventre incbado e evaeua-
clo irregular;qoando o mal lea sea as-
sento sobre os polmoes, oma tdr asolada
mostra-se em roda dos olbos ; quinao au-
ca os orgaos digestivos, os olhoe toroam-se
avermelbados, o balito ftido, a lingoa car-
regada, dores de cabeca, lonteiras. etc.
as pessoas de disposicSo escropbolosa
apparecem freqoentemeote erupcQes na
pello da cabeca outras partes do cprpo,
s5o predispostas s affecedes dos pulmoes,
do figado, dos rios e dos orgaos digestivos
e uterinos.Portanto, nlo somonte, aqael-
les qoe padecem das formas, ulcerosas o
tuberculosas da eserapbola qoe necessi-
tam de proteccSo contra os seus sstragea ;
mas sim todos aquellos em cojo sangoe
existe o viras latente deste terrivel flagello
(e s vezes hereditario). esli e*postes
tambera a soffrer das enfermidades qce
E* eomposta dos antdotos mais efficazes
oue a sciencia medica tem podido desco-
rir para esta molestia assoladora o para a
cora de todos os males provenientes della,
cootm virtudes verdadeiramente extraordi-
narias o est provado incontestavelmeote
pelas curas nota veis e bem conhecidas qoe
asan feto detumores, eropcoes cutneas,
rysipelas, borbathas, nascidas, chagas an-
tigs, ulceras, sarna, bydropesia, tosse
quando cansada por depsitos tuberculosos
ates palmos. Debilidade geni, iodigestio,
sypbiPs constitucional, e me lestias merca-
A SALSA-PARRILHA DE AYER
elle cinta, re to:A pnica, fc njeers
coes do igado, do estomago a dos ras*
eropedes a enfermidades erapthw da* cu-
tis; rosa ea erysipela; borfcalbas, pwtB.
las, nascidas, tumores, nlceras e cbafas,
rheumausmos, dores nos oasos, as costas
e na cabeca. debiddes fsanasaiss, lores
brancas osada*** atoerett* btertar, e
enfermidades uterinas, hvdropeiii, |aew
tao, enraqoecimento e CtMm&6.
Aos polmOea a escropaala predas anaer
colos e iaalmeiite-HisW(C* t**kut:
nis glndulas ella prodaa mehfcQtt s
tornam-se olceras: aos ergios rtjeevos
cauta daaarraojosqoe( ""
dispepsia molestUs de Bfaoe e________
na pelle prodoz erupcOes e iffeccoei cola-
ajeas.
Todos estes males, kade a aasssaa or
gem, carecem do mesmo reoaedio, a saber:
parificar e fortalecer o sangoe.
riaes, molestias das mulberes, ulceracSesdo
ulero, a .nevralgia e convulsoes epilpticas,
e em summa, toda a serie de enfermidades
que nascem da impureza do sangue. Vede
as certidoes no almanak e manual de saude
do Dr. Ayer qoe se distribue gratuita-
mente.
Este remedio o frocto de tongas e la-
boriosas experiencias, e ba abundantes pro-
vas das suas virtudes, posto que 6 ouere-
cido ao publico sob o nome deSalsa-par-
rilba, composto de diversas plantas, al-
Vende-ge em todas as boticas e drogaras do mundo.
W.R. CassclsjrC.
Agentes genes.
gumas das qoaes sSo superiores i aelhor
salsa-parrilba ao seo poder alterante.
Avia*.As preparacoes do Dr. Ayer
slo preparadas com especial silencio ao
clima dos trpicos e tesa modifeafiet im-
portantes obre as que sio faltas para ou-
trospaizes. Portante, o publico devora
notar, e cota cuidado, pan que nao teja
Iludido, qoe os remedios de Ayer, prepa-
PIANOS.
Barros Netto mudou-ss da roa da Imperatriz a
47 para a roa Fermoea n. 14, acode pode ser pro-
enredo a qaaiqoer hora ao lia.
adeJeifce.
un mu te latee qoe tenha bom
emflmo
andar.
a tatar na ra do
O afelio aMiffaatM ptrtieipaa ao poblieo
aaa geral e tesaos* com qaem lea traiisasc8et
a particular, ojo* o Sr. Antonio Joaquina te Bri-
I Man U er *m alastro. Recife i de se-
tembro de 1871
Tasto Irmios 4 C.
CASA.
AJoga-M^jadatej sobrado da roa Direu
a. M ootn gaMMiif al raaoffamilia, a chave
para ver esli na loja defroote n. 29, e para iraiar
anuda Cadeia do Reata a. 3.
SITIO
rados exclutivanunte para o Brasil trazem
rtulos e envoltorios com a descripcJo
minuciosa para a sua applicacSo na lingua
portogueza, e nio na ingteza.
41 RUA DO BARAO DA VICTORIA 41
armazem tem nm DE Aisim nina t
Nette novo armazem tem om .
variado sortimento de fazendas
Iranceza.!, inglesas, aUemias e to-
sas todas se vendem por presos
sdicos, a fin de acreditar a este
aovo armazem.
Catefniras inglezas,
francezas, de todas as
qnalidaJes, brins de
cores e brancos, colei-
rinbos modernos, cha-
peos de sol de seda,
amos.
ARRUDA IRMAOS.
IlUA
da victoria
aotfga roa
NOVA
N. 41.
Aasim como tem urna grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparas que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela soa promptidlo e perfeicio
nada deixam a desejar.
Roopa de todos os
amanhos para homent
meninos.
Por todos os paqoe
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras qoe ha
na Europa.
RA
Bario da Vctoria
si tifa na
Alaga-se un grande sitio en (reate a sucao
do novo ramal do Arraial para grande lamilla,
com eocheira, baoheko e muito* arveredos, como
maaiaelrai, Jaqoeiras, etc., na ladeira das mnros
do Arraial, e ao meettS eSio te aenar qaem d
nformacSes a reipeito da chave : a tratar na ra
do Creapo a. It, i* aadar.
ADVOGADO
D. Joaooim GoaaiA de Araujo
__ 67Roa do Imperador67
aafaalaWsf ffiaB'
apean aauaaapiaBBaeaaeaMia^aaiRaaap aaaav ^aeaa^aaaajasaapiapaaiaiavaaia^aeisi
Ama de le te
Preeua-se de urna que teoba bastante leite
qne seja udia : na ra do Duque de Caxias, oa-
tr'ot ra das Croe o. M, segundo andar.
Precka-M de urna ama de aula idade
para comprar e cozinbar : na ra Bella
ven-
ver-
dadeira marca 1, O e 00 em'
c(asa doi .8 & Keller & 0.: a
ruada Cruz N. ib
Afiual chegou nova remessa de leite con-
densado da Saissa, pelo vapor Cognac, e
desde j Acarnos esperando pelos seas apre-
ciadores e entendedores deste artigo : vende
Keller d G. aa roa da Cruz n. 65.
PRECISASE
de urna mulber que coziohe e easeoMne para easa
de pouea familia : na rna do Cafiuga n. 9, botica
Aiuga ae o 1* andar e os dona armaians da
casa da ra do Vigari) n. 3, proprio para eacrip-
tt>rio e deposito de fazendas por ler grandes acom-
modacdei : a tratar com Mancel Alvea Guerra,
ea[ on Albo.
AOS 6KKKM000
Katio i venda oa felizes bilhetes da lotera da
iahia, na easafez do arco da Coneeifo. anrivea ao Recite.
Offerecese orna ama para criar, com
leite : i tratar na roa do Brom n.
i u
om le
9 as 4
heru da tarde.
moi-
73, das
Aiug-se urna lo;a propria para negocio com
accommodacOes para rancho : no largo da Ribei-
ra de S. Jos, soDrado n. 5.
AMA
numero 3.
d<
NOVA
N. 41.
^jste estabelecimento acaba de soffrer urna reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontoalidade as encom-
aneodas, hnalmente em todo afim de melhor servir os seos numerosos freguezes deixa-se de annonciar todas as fazendas, para
jalo fe tornar massanie
CASA BA FORTUNA
Aoi 5:0001
Bilhetes garantidos.
K roa Primeiro de Marco (outr'ora ra
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos fe
lizes bilhetes nra quarto n. 2606 com 5:000*000.
qnatro quartos n. 1978 com 800*000, doua meios
n. 2831 com 3004. dous meios n. 530 com !00,
ura qnarto n. 2.66 com 100*, e outras sortea de
40* e 20* da lotera que se aeabou de extrahir
(206a), convida aos poseuidores a virem reeeber
na conformidade do cosame sem descont algum
Acbam-se i venda os b'Ihetes garantidos da
11.* parte das loteras, a beneficio da nova igre
ja de Nossa Senbora da Penba (207*), que ae ex-
rahir sexta-feira 15 do correte mea.
PREgoS.
Biihele inteiro 6*000
Meio bilbete 3*000
Quarto 1*500
Km porcao de 100*600 para cima.
Bilbete inteiro 5*500
Meio bilbete 2*750
Quarto 1*375
Manoel Martins Finia.
MUDAKGA i
O baebarel Amaro Joaquim Fonceca de w
Albuquerqae, irao.-ferio seo escriptorio w
de advogacia para a casa n. 5' ra do 2ft
Duque de Caxias, antiga do Qaeimado, w
onde, nos das atis, ser encontrado das 5W
10 horas da manbaa s 3 da tarde. fea
i
Attenpo
LIQUIDADO MONSTUA
Acaba de chegar a esta cidade, Jo: Ligori, raes-
tre-ourtves, encarregando-se de fazer toda e qual-
quer obra de ouro, prata e metal, nao para
templos como para uzos particulares, limpa e con-
cern qualquer obra por mais deteriorada que es-
teja ; doura e prata a fogo oa galvanismo : e
pode ser procurado roa da Mangaeira n. 11.
CASA N 01IR0
Aos 5:000$OOO.
Bilhetes garanlIdos ta pro-
vincia.
Rna do Barao da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e casas
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entre o
mu muito felizes bilhetes a sorte de 100*000 em
em dous quartos de n. 2966, alm do outras sor-
tes menores de 40*000 e 20*000 da lotera qas
se aeabou de extrahir (206), podendo seus pos-
suidorea virem reeeber, que promptamente serao
pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respai-
la vel publico para virem ao fea estabelecimenu
comprar os felizes bilhetes garantidos, que ni
deixar de tirar qaalquer premio como prova peloi
mesmos annaneios.
Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 11" parte das oterias em beneficio da
nova igreja de N. S. da Penba, que ser extrahida
no dia sexta-teira 15 do correte mez.
PRECOS.
Inteiro 6*000
meios 3*.kK)
Quartos 1*500
De 1005000 para cima.
Inteiro 5*500
Meios 2*750
Quartos 1*375
Joo Joaquim da Costa Leitt
Aoga-se ao Dlm. Sr. Ignacio TjaW
rivlo
favor de Tir a ra do
L
aqaatte nefoeio que V. S. se eosaproBaunaa nab-
ar, peta tarceira eaamada deste JosaaL aaa aaa
da denanbro pradaso
astro, paasoa a fcverero aariL a nada
e por este motivo ae aovo chamado para dita
la; pola V. 8. ss sva limarar ana asta asaseis
4 de mala de lo asnos, a ojnaaio oaenhor sea)
Sao sa achata ao es aeste cidade
Attenoao
Pede-seaoa abaixo declarados (eren a luaeaSi
de vir na ra de Pedro Alfonso a. 44 (eetr'sw da
Praia) a negoeio de seus intarasses.
Antonio Los de Albuquerqae.
Bernardo Cardoeo Moreira A C.
Beatos & Amorim.
Thereneio Albano Ferreira.
Fraaeisco Marqaea Lemoe Rlhrfre-,
Manoel Hsreira de Lemoa Jnnior.
Joo Ferreira Carramo.
Josa Jos Gomes dos Santos.
Jos Nudos de Paula.
Joao da Silva Coimbra.
Francisco Florencio da Silva Grillo
Antonio Lopes chavea.
Antonio de Mello Rodrigues Looreiro.
Jos Antonio de Guarni.
Joaquim Antoqio de Souza.
Manoel Antonio de Soma Ribeiro.
Alberto Jacintho de Sonza.
Joio de Souza Nanea Pialo Amorioa.
Narciso Jos Franeweo Paranho.
Augusto Jos dos Santos Miranda.
Henrique Manoel da Silva.
Jos alarla Gomes Ribeiro.
Joio Antonio de MaUos Abren.
Joio Fernandos de OHveira Gamito.
Antonio de Souza Jnnior.
Antonio Soares Meirees.
Candido Pujo de Mello.
Joio Valentira Das VUlela.
vos Gabriel Gomes.
Extracto de carne
Do Dr. Ubatuba
Fabrica de pedras brancas na provincia da Rm
Grande do Sui.
Em latas de 2, 4, 8 e 10 eneas. nico deposi-
to em Pernambueo, na pharmacia americana de
Ferreira Maia A C. : roa Duque de Caxias nu-
mero 57.
y-
CMS
ra do Vigario n. 16.
Precisa se de urna ama pa-
ra o servico interno de urna
casa de familia : tratar na
ATTENCAO
Da-se a quantia de 1:000*000 r?. a premio coa
hypetheca era propriedade, sendo o prelio situa-
do as frfguezias de S. Jo.', Santo Antonio e
Boa-Vista : tratar a ra do Principe, casa nu-
mero 26.
Preci.'.vse de um forneiro para urna pada-
ria no mato : quem desejar drija-se ao caes do
Apollo n. 69, qoe achara com quem tratar.
Da
mais importante fabrica de chapeos de sol do imperio Ra do Baro da Victoria n. 23
nk aDOj da(^ue"e estabelecimento resolven vender os productos da sua fabrica pelos precos segoiotes :
Chapeos de sol de seda para senhoras a H, U, U, 8$, 90, fOfl, HA 12^ 13*. 14,15|, 16,5,17,5, 180, e 20.J0O0.
Ditos, ditos, ditos, para homem a.... 80,100, lid, 120, 130, 140, 150,160? 170, 180, 200, 220 e 240000,
Di os ditos de alpaca a.............. 40, 50, 60, 70, 80, 90 e 100000.
Ditos dtfos de merm para homens a.. 60, 70, 80. 90, 100, 110 e 120000.
Ditos ditos de brim d'esguilo a...... 60, 70000, todos o& chapeos cima tem 15 % de descont em dozia.
Dttos ditos de panno a.............. 20, 30,40, 50, 60 e 70000 descont 25 /,.
Tsmbem ha nm grande sortimento de fazendas para cobrir armacSes e trabalha-se mais barato e depressa do que em anal-
quer outra parte. r
_ AMA DE LEITE-
nrecisa-se de urna sem filho, e paga-se bem :
rea do Vigsiio o. 1. 3 andar, sobrado amarello,
qaasi Ba prata do Corpo Santo._______
O abaixo assignado, autorisado por sua ta
a Sra. D. Agnida Senborioba Pereira, pede to-
que se julgarem eredores da mesma senbora
ttulos vencidos ou por veneerem, o obsequio
rompa rece re m a roa larga do Rosario n. 10,
f aadar, e isto no praso de i dias, desta data.
Reeie, 11 de selembro de 1871.
2.E 5o
Aluga-se o 2* e 3* andares do sobrado da rna
do Padre Floriano, pintados e concertados de novo,
tratar na roa Larga do Rosario n. 21_________
Precisa-se de urna ama para
o servido interno de casa de
familia: a tratar na ra dos Gaararapea
n. 98. ^
Zepberino de Almeida Pinto.
aJoca-se nm escravo mo$o e robusto para
qaalqaer servico : no 3* andar do sobrado a. 36,
aaa roa das Crozes._________
Aaaga- m para creado na ra das Flores
a. 3, ota escravo de 18 snnos de idade, e urna ne-
Crioka para servigo de casa.
Ha roa das Flores
para lodo
n. 33, precisa-se de
o servico de urna easa de
raa
uas
Aluga-se
o seguado aadar do sobrado a. 38 da roa Nova:
a tratar na loja.
AMA
Coniniida paroftra
Fornece-se commiJa com acesia e promptidlo
em easa de familia, ao 1* andar de-
do pateo do Para izo.
n. 29
Orphaos
Official de barbeiro.
o. 68 precisa-se de nm offlcial
Na roa Direita
de barbeiro.
Da-fe 1:000* a premio sobre hypotheea :
pretender dirjase a eslaeo do Calaeireiro
i Salar com o emrregado, que dir quem di.
Precisare de nma ama escrava : na roa da
16, para engoamar e cozinbar. ______
Alnga-se a loja do sobrado n. 3 roa do
'Casada Deten cao, com 3 qnartos, quintal e ca-
j preco de 14*000 menal: tratar no mes-
i loga/, ou rna estreita do Rosario n. 17, I.
SEGUROS
MARTIMOS
OMTRA FOGO
A coapaobia Indemnisadora, estabelecidi
fia praca, toma seguros marimos sobre
ee a sena earregamentos e contra ogo
atSflcfos, m H-cadofj?? e mobiliaf ni
tufo Vicario B- pavjineDto terreo.
AnoT
Ha pouco mais de dous metes urna escrava,
snbtrahio da algibera de seu senhor 3 sedulu de
300* cada ama, o qnal fea a' diligencia a fia de
que a escrava desse coma da mesma qnantia, po-
rrn at boje tem sido baldados os esforcos empre-
gados para esse nm, constando agora ter ella en-
Uegue easa quantia a urna das sociedades de
emancipado para ir juntando at se libertar, po-
rra como tal drabeiro nio deve servir para esse
flm, por ter sido subtrahido, tendo ella coafeasa-
do, sem dizer o que fes deesa diaheiro : portanto
pede-se is pessoas qne de tal dinheiro souberem
ou tiverem noticia o favor de darem parle nesu
lypograpbia qoe se diri a quem perteaae.
M Dr. Manoel Enedino Rege Valonea, me-
dico, roa da Camb do Csrmo n. ti, 1
aadar.
aWSHBal -BaWaW
GASA. DA FORTUNA
ROA 1 DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N 23.
Aos 20:000*000.
0 abaixo asfignado tem sempre exposlo i vea-
la oasHues bilhetes do Rio de Jaaeiro, pagaodo
jromptameute, eomo eostuma, qualquer premio.
PRECOS.
inteiro 24*000
Malo 2*009.
Qnarto 6*000.
Manoel Martina Finza.
O ertorio dos orphaos, eserivao interiao
maraes o na roa das Cnuas, sobrado a. 34.
Gui-
Tea te para alagar ama acataba boa en-
gommadeira, cozinha e lava ; a gualmeate nm
criado : i tratar na ra de Borlas n. 94. sobrado.
Os abrixo aasignadoe avisam
M> So coaaaercs.
publico e ao corpe do coaaaeree. qne dsixoo de
ser sea caixeiro o Sr. Matsaal Jatd Fernaadea No
gueira defde o dia 14 do carrate ates.
____________Aesaata abroas Latfs A C
O abano assignado, reiiraade-te -aasta data
para Portugal, por motivos albalos i s "de,
e ale laudo pessoalmeate pedfio desti
cada um de seus amigos, dos aoaes reces
B> aa mais sfaceraa prevas de amiada r^Ttpa-
,"\ 'pelo preseate pedindo disculpa d'essa
falta mvoluBttrla, a (fferecendo dtsde Y sen II-
"h pmtimo eo qoalquer sarta em que se
Gabinete Portuguez de Lei-
tura
Por ordem do Illm. Sr. presidente do conseibo
deliberativo convido a todos os senhores membros
do mesmo con respectivas sessdes no dia 15 do correte, pelas 6
horas da tarde, era sessao extraordinaria, para tu-
rnaren) conhecimento das escusas que Ibe serio
apresentadas, e proceder-se a elegi para os car-
gos da directora vagos pelas referidas escusas.
Secretaria do conseibo deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Pernambnco, 12 de se-
tembrode 1871.
O secretario,
Antonio Augusto Santos Porto.
Roga-se ao Sr. J. A. B. L., alferes do 2* ba-
lalbio ae infantaria de liuha, estacionado nesta
capital, que em dias do mez de setembre, quando
em Santa Catbariaa, obrigou-se, por um docu-
mento ineontestavel passado por sua propria lavra
a um companbeiro d'armas, eujo documento ten-
do sido transferido por este i outro, acha te legal-
meote em podar de urna ontra pes-oa desta cidade
ae pagamento de certa importancia ; assira como
a saustager um eerto vale de gneros, qae assig-
nou em novembro do mesmo anno passado, a ir
quanto antea qaidar.semelhantea negocios para
nao passar pelo dissabor de ve-Ios no dominio pu-
blico.
roa do Brum n. 78.
Precisare de ama ama qne
seja de idade e que coiinhe
o diario de ama casa : na
Criado
Precisa-se de um criado para comprar e fazee
mais a|gqm servico : na roa do Hospicion. 46.
Precisa-se de Unas amas, send) para cosi-
nhar e mais servidos internos ae pequea familia:
na ra Imperial n. 199, por cima da refraacao.
Aluga-se o primeiro, segando andares e sobre-
sotao da casa n. 6, cita a roa do Livramento :
tratar na loja do mesmo predio.
Superiores cigarros do Rio
de Janeiro.
Domingos Alves Uathent, nico agente cesta
provincia da fabrica imperial ae cigarros de S.
Joio de Nitherohy, ettabelecida no Rio de Janeiro,
tem sempre um completo sortimento de todos os
cigarros, fumo picado e en latas. Tem igualmente
os afamados cigarros Conde d'Eu, feitos com mag-
nifico papel de palha de milho e fumo superior.
Para governo de setN freguezes, que tem estable-
cido depsitos flllaes, as casas dos Srs. Thomaz
Francisco de Salles Rosa e Manoel de Souza Cor-
deiro SimSes Jnior, no balrro do Recife, e todo
Soanto for vendido em outras casas com a firma
e Soaza Novaes A C sio falsificado?.
Subloca-se o arrendamento do pre-
dio da roa do Mrquez de Olinda n. 23,
com grandes commodos para qualqoer es-
tabelecimento commercial, tanto no pavi-
mento terreo como no audar : a tratar
com AotoDio Jos Rodrignes de Souza, na
tbesouraria das loteras.
FNDICAO
DO
BOWM
A 71
Vaporea pequeos pa ds-
caroqar algodao.
AMA
Precisa-se de urna ama
que coziohe e engomme
bem, para urna familia
deduas pessoas ; a tra-
tar no largo do Corpo
Santo n. 4, andar.
O cartono de registro geral das hypolhecas
desta comarca transerio-se da roa da Penba n. 7
A para a roa f de Marco n. 23, outr'ora roa do
Crespo.
Para passar a festa
Aluga-se um sobrado com quintal murado, ca-
cimba, algumas frueteiras, e bastantes commodos
para familia, em Olinda no pateo de S, Pedro No-
vo : a tratar na roa Imperial n. S A, taberna.
A Tlf A Precisa se de urna ama para cea-
gyf* uhar : n* roa da Palma n. 41
.' mro 38.
Precisade urna ama qae teja boa
oz'Bbtira ; c* rna do Comnifriio cu-
Ma^PraawiKo da Silva Novaaa auuele, o
commeadador Francisco Roataaa StMak dTxu*a a
Pereira Vianna A C. Irmfe e ataiiosXjX fta-
etoeo *.Silva Notaat, fallecido* Portad a-
vidam ai pessoas da toa aaisade e aatM a aaav
re ama mista que pela eterno repooso do mat-
te mandam rasar talbada If da carrele as 8
horas da manhia, trigsimo dia ao mu aasat-
msato, aa matriz do Corpo --; imaaciado
j as pessoas qoe aattoarem a te acto re-
Honte pi ecclesiastico em
Pernambueo.
A directora provitona do Monte Pi Ecclesias-
tico em Pernambueo, convida a todos os seos so-
cios a eompareeerem no consistorio da matriz de
Santo Aatoaio, no dia 16 do corrate, as 11 horas
4* manhia, para ahi ae tratar de negocios urgen
ee, tendeatet mesma toeiedade.
Secretaria do Monte Po Ecclesiastico em Per-
nambueo, IS de tetembro de 1871.
Padre Thomaz Cotlke Eslima.
___ Secrataria.
Ana de leite
na roa
Precisa-se de ama ama cem bom leite
do Pires, cobrado n. >8
Precita-te de nma ama que seja bea engom-
madelra no sobrado n. 8, i rna do Pires.
Precisase fallar com o Sr. Eustaquio Anto-
nio Gomas : no largo do Paraizo n. 14, armazem
da estrella.
Teatro do Santo Antonio.
Csanpahla dea sstemlmaa.
Aet Srs. Riojas a Di-feovaal, vamos reforcar o
pedido que ibas fazsea algaas mocos do eommar
Precisa-te de
a. 8.
urna ama : aa rea sa atoada
Previne-te io sr. teetoureiro jas loteriat
32JJP*10* # 9W, Wbete de n. 38S, ni-
ce quarto garaaudo pelo Sr. J. Joaaniea da Costa
&2* ^ ? ^ fW. i3io ao aai ~
safuado. Recife II da tatabre da 71.
ftaneitea Radrtgnaa da Assts.
ci por este Diario, tara meibor podermos apre-
ciar as artiaui em meniatnra. Olimpia, Carolina,
JaliaeLuiz.
coMPAMim pctitXwbucajsa"
De logar eenomiaado Corda onde se achava
faadiaae, datappareceu nma lancha a vapor, de
propriedade detu eompanhia, na aoute e 10 para
o dia II do correte : qualqoer pfmoa qoe podar
r sajan teetaredmento tenha a bondade de di
rigir-aa aa aaeriptorio da eompanhia, no caes da
astemblaa : ftaaaapanbia gratificar a pessoa que
dar ieonaae5es exactas, ou descobrir onde a lan-
aaa teacba. ____________________________
Engommadeira
Predia-te da una boa engommadeira : aa rna
do Imperador a. 87, entrada pelo caes de M de
aevembro.
Alugam-se daat casas terreas, i roa da So-
letado ns. 43 e 17 ; a tratar i ra do Commercio
0.4*.__________________________^
Precisa-se de ama ama livre oa escrava pa-
ra o servico interno de ama casa de familia e que
saiba engomroar : a tratar no Corredor do Bisco
n. 3, on na roa da Cadeia do Recife n 1.
TRILHOS URBANOS ~"
DO
Recife Olinda
e Beberibft.
Aos senhores accionistas faz-te seiente que o<
trabalbos da astembla geral acerca da reforma
dos estatutos, continuara, no dia 18 do correle
palas 9 berza da manbaa, sendo a reuniao no mes-'
mo lugar das anteriores.
Recrfc IS de selembro de 1871.
O secretario,
;_____________Lua Lopes Castalio Branco.
No sitio do Cafund precisa-se Je um meni-
no de 12 annos paa cuidar de alguns animaes :
quem estiver na cirenmstancia de se propor, diri-
ja-se ao mesmo sitio, oa estrada de Paulino Cma-
ra, outr'ora de JVo de Barros, ou typographia
deste jornal, a fallar com o Sr. Ferreira.
&&*& ** mm
Advocados
Os bachareis Jos dos Anjos Vieira de
0 Amorim, e Miguel Bernardo Vieira de
Amorim tem seu eteriptorio a roa do ._
Duque de Caxias n, 35, 1 andar. 9
**#M*M ***&#*&
Vende-se o sitio Olho de-
Vidro.
Em Ponte de Ucha.
Este sitio tem um sobrado de um andar e an-
dar terreo, cootm 4 sallas, 9 qnartos, 2 conahas
com bons fcgOes e forno de ferro, este sobrado
circulado de janellas. Tem em separado grande
eocheira para cavallos, easa para feitor e escra-
vos e bem asim easa para fazer farnba com seas
misteres pira tal fim. Esta easa tem na frente
bons caoteiros para flores, com portio de ferro
para a estrada do Parnaroeirim, grande litio ar-
borisado eom grande diversidade de frueteiras,
grande baiza para capim, podendo sustentar por-
cao de vaeeaa leileiras para as quaes tambem tesa
commodos de recolbimeoto.
O* fondos da dita casa e sitio deitam para a li-
nda larrea qae segu desta cidade para Apipacosv
e te ocha livre e desembartcado, valo qoe aa
qoestoes ne os eoasenbores de dito sitio tem
com os empreiteiros de ditos trbos apenas dia
respailo ao terreno qne ellos era ocenpam, e oa
prejoizos qne por tal motivo tem causado.
Os preleneeale pndem-se dirigir roa Duque
de Caxias, loja n. 43, ou roa do Arago, boja
oa d Viaeoode de Pelotas 13. easa n.
CmpanhiaAlliainja
DE
seguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000.000d000.
Toma seguro de meraadorias a dinheiro a sisea
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e fura do Imperio. Afnala roa da Com-
mereio n 6, escrptorio de Joaqoim Jos Gcav
AU
Aluga-se a toja do tobradiuho da roa das
Aguas-Verdes n. 58, *traUr oa roa Nova o. SO,
! andar, das 6 aa 9 horas das manbaa e daa3
dar de dito sobradinbo.
CRIADO
SSk
Preeisa se de ama mulher forra ou
escrava qae engomme bem : no prin-
cplo da estrada dos Afllictoa. sitio a. 33.
Na rna
feo
do Rangel n. 8S, aeba-te na par-
respeitavelrjAJ" m^^ ^MWta" w
Aluga-se
sitiojia iravejga d GtMereiro, fregoeria do
trattr na praca Jo Conde
Poco da Paneila :
d't^o, 19, bonc.
Precisa-te de om criado de boa conducta :
roa do Imperador n. 87, entrada pelo caes de
de novembro.
^*^
Precita-te de nma ama de
leite pata criar ama menina:
no largo da Asfembla n. 15
Qaem precisar de um criado de boa eondoe-
,parL0Xl50d^c>,' d,rii,se roa Mar-
de Olinda n. 88, a tratar com Jos Oomet
US.
.n1!!*"9**8 nm bon,efll Psr traur de va-
cas e andar com utra carroja : oa roa -40 Sebo
DYVETOT
nica casa neste genera
I48m EstreiU do Rosirw--M
Compra o vende roupa feita
nova e velha, objectoa de
cosinha e de mesa, r
tudo que perten-
Precisa-se de ama pessoa qoe tenha b
litaedet para feitor da aagaaba, arefara i
gefro r i tratar na rna da Cadeia Nov
andar. ____________.
Precita-te de nata ama f
.pouea familia : na fDJ ia,
AMAk
*r\
1*
)
f

J
i


i
.i
i
)

X
i
Rosario n. 30, t* andar.
aag-an


D.iiv dt-Peruambuco .Se*U^in 1> Je S.Upifyp d 1871.
rfr-^
V
r.'

*)
f
\
0
D
st
Engenheiro com
FUNDIClO
WO BftVH St
d ma-
sortimento
PASSAHDO 0 CHAFARE
Pede o enhore* di eogenho e oatroi agricaltore, e empregadores
chitmo o fator de orna visita a seu estabetecimento, para verem o novo
completo aoe abi tem; pois sendo lado muito mais barato em preco do que jamis te-
nha vendido, est ainda superior em qnalidade e fortidao ; o que com a iospeccio pei-
eoal podt-M verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO A NUMER E LUGAR DE SUA FUNDICO
ValDnrAl A rndaa VaoriQ dos mais motlernos systemas e em
^aaiBjBBa-^Ba) ^ a UUOB U OK Ha, tamanhos convenieDtei para as di-
versas cireumstancias dos senhores proprietarios e para descarocar algodao.
Moendas de canna J0.8 os tama"bos, as ffie,bore8 qDe aqui
Rodas dentadas parliniaites..ga. evapora w
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
Vnollltlttmnl Para mandioca algodao, j Podendo todos
amauuuupro e para serrar madeira (ser movidos a mo
Hnmhfl Pr a8a> vaPr
4WIUU LOuaS aS maCinaS t miS de que 8e COstama precisar.
Faz qualquer concert de machnsmo, a prco mn. resumido.
Formas A ffirrn ,em as melhores e mais barala9 existentes no mer-
1?TIVimmAili1oa Incumbe-se de mandar vir qualquer machioismo vonta-
jauvuiUliieuuaB soas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qualquer necessidade pode
mee prestar auxilio.
Arados americanos
tarfri
m mUitamenie ctaheckto o bota e
grande iprnmeato qoe tiste na Nova Esperance
a roa Duque de Caxii n 03, (antiga roa do Qoet-
mado) aatim poi, sendo aoai impeasivel diseee-
ver-se o grande nnmero'deobjeclos exposto ves)-
da em dita estabeleclmento; ella contenta-so
mencionar alguna dot objectos nuia reos, -
tetramente novidade... e apreveite o eoaeje para
convidar a todoa geralmeott em pafuMler
bello .exo, para viaitareea-a. aflu de aererJrem o
gosto e perfei^io de reas objetaos a aar; '#f pr*
co rasoavel, poii ella se eontaaUooofl*Ilocro,
tendo sempro so vistas a Tender bafam pra ven-
der muito, e deeta fraaa chegar ao tai loaos
slmejam; que o lucro para taavttar as tadigae
da vida....
sil
de idtde para eaixeiro de taberna.
de sna conducta : na roa Angostan, I
Precisa se alugar nm prolo ooaa ateSisfc-de
Sadaria on sera ella : a tratar na roa o P Ja n,
8, taberna. ______
e instrumentos agrcolas.
.me hotel central
No centro da vneta americana.
No centro do commercio.
O mais perto das vias frreas.
O mais perto do embarque no caes 22 de Novembro.
O mais perto dos iheatros.
O mais recommendavel ao; amantes do commodo.
O nico que tem no interior cas de banbos.
O orneo que as familias podem hospedar-se sem rooeio de eticoBtrarem-se com pessoa de
vida snspeita.
O onico onde actualmente se acha o melhor chocolate hespaufeol que se pode tomara
qualqaer hora ; assim como tambem se vende libra.
O nico Analmente qne otferece completa commodidade por ser o mais espaco;o do Reciff.
A roa larga do Rosario n. 37
2 Vi
p1
ll
CD
I
3
33'
90
1
O"
2Ls
re

fia
c
OD
3 S
BB
_*
ge
s-2
c S
_ CJ
3 >
S
CP QO
3 3
U
o o
- __ o 9 e)
3
03
3
o

O)
s.
a

_ O
ce ce
O
09
C
p
- s.
O
ce
s
O
=
cT
se 3
> e

2. s
c
X
3
o
"1
SO
c
o
-4
fD
ce
CL
p- |^
8)
99
1
a

ce
3
(t
O
(t
9D
s
o 5.
|l|
5. 2.
o o
ce ~
fD
ce
<-
fD
9
.
2
03
P8
03
a.
BJ
B H
-'
O S.
n
5 g-
p- t
p
03
s
3
03 t
O-
3
i.
fD
03
03
CG
O
ce
2 Si
ag CD
CD P*
P CD
P &
?O ^ .|3
^^^^-g^g.;^;
<=j S^^S^^f^
ft^^s^^ikifS^
O ^a5Sg.W^^^
o L^^^^lr"
30 r^^PP^^-?
p- S"1 *"JiBh aw^"^'%jr^L^
t
"C
O
r/s S *** 4^K!?K9-ImL _. s
i^> " ^^al*s^j*, "^ *j-P~*Tri
e*
O IkMklivHaSH^
00 ___iiggggv**'ji^L j^i
B urv SC^US^Bf^sE?
*? ^ ^-; '-.w
w mMm,
c
?* **\ SKir*3Tr IdoBItj
p
a ^^^Lwi
^ 5 1tv^^*^toM "-rar
cr 43Lwl
e=
o S' ^-^^CeJaAiqy^e>
*? fcr-;-:-- .---":
Aloga se um asa pequea soaeali jar
passar se a fesia, bem arranjada, parlo da asase
de Parnameirim.eoatendo 1 sala, 2 aoartose
linba, nao tem sala de jntar; con ea
ba, e com excelleoe ana, e mais ri
te caro banheiro para banho e afioo '
de roopas e cavallos : na mesma es1
dicar
modernos
Coques
Cbegaram pelo ultimo vapor vindo da Eoroea,
coques grandes da moda, e ouiros muitos objectos
de gosto; ao BAZAR DO RECIFE, ra da Cadela
n iL
COMPRAS.
Nesta typographia compra-se orna hiatona
sagrada por Pinbeiro.
COMPRA-SE
frascos vasios da tintura japonesa, e pagase a 80
re. cada om : roa Duque de Caxias a. 50, e
Mrquez de Ollnda n. SI.
Arreios para carro
Na roa do Vigario n. 31 compra-se oas par de
arreios.
Compra-se o Diario de 6 de jnnbo de 1866,
paga-se bem : no escriptorio de Tasso Irruios &
Gompanhia.
Carndro
Compra-se um carneiro que seja frande e gor-
do acostumado a puchar cirro ; na ra do Bario
de S. Borja n. 3a.
VNDAS.
Engenho Pass? gem velha
Vende-se o eogenho Passagem Velba site na
freguezia de Barreiros, a margem do rio Una, e
meia legua apenas distante da villa, com porto de
embarque era trras do mesrno engenbo. Est
moente e corrente, tem magnificas maltas e ex-
celentes ierras com mais de legua de exteneao,
margem do rio Una, que esliveram alguns an-
nos descansadas. A tratar com o sen propieta-
rio Antonio Saotiagj Paes de Mello no eogenho'
Miinguinho, ou nesta praca com o seu correspon-
dente F. Costa Maia roa da Cruz n. 52, primei-
ro andar.
BOl
Vende-se um boi manso para carnea : a tra-
tar em Olinda confronte a oiio oriental da matriz,
calcada com parapeito ang lad s.
Bazar universal
Slo finahnente chegadas a esta praca pera segunda vez as verdadeirae preparace
do Dr. Rabwat 4 C. de New-York.
Depois de alguns annos, em que as falstficaQSss de Harabnrgo e mesmo de New-
York tiveram entrada neste mercado, aproveitaudo-se do bem merecido cooceito qut
estes remedios haviam alcanzado por seas maravilbosos effeiios consegmram introdnatr
ee, illadiado o publico incauto, com urna reducc3o -de prego, nullificando o verdadein
mrito destas admiraveis preparaedes, imitando as verdadeiras; porm desacreditaB-
do-as com seos nullos effeitos. lembron-se o autor de fazer a declarado abaixo, e ;
dar diplomas aos que venerem os seas legtimos preparados.
Previna-se o respeitavel publico de que as verdadeiras preparaces do Dr. Ra-
dwat s 66 vendem ns depsitos cima declarados e trazem nm rotulo igual ao desti
annnncio.
Nos abai&o assignados, declaramos e certificamos, que os Srs. .Raymundo Carlos Le-
te & Irmo, da cidade do Rio de Jaueiro, no imperio do Brasil, o os nossos agentei
geraes, pela veada denessos remedies. tantoAO dito imperio como no reino de Pertn
gal. Noticiamos ao pnblieo, que nao se podem obter os remedios do Dr, Radway de C.
Estados-Unidos), sen2o das pess"as quo podem prodnzir a presente certificarlo e attea
tacao 6 que a prodazem, subscripta e assigaada do Dr. Radway & C. e dos Srs. Ray
mondo Carlos Le te de Irmo como ao p. Todos e cada um dos remedios do Dr. Ra-
dway C. sao acompanbados de cedulae semelbantes as qne parecen ao p des'.a cer-
&eacio.
Examine-se bem a asgignatura da firma do Dr. Rabwat & C. ao p da presentt
aertifleacio e compare-se com o facsmile aas cdulas com todos os frascos e caixinba
Raowat dr C
RA DO BARlQ DA VICTORIA (OTR'O-
RA NOVA) N. S.
Acaba de cliegar para este grande esubeleej-
mento um con pleto sorlimento de machinas de
costura da toJus.os autores conhtcid)., osanaes
garantem por annos as ditas machinas, e se ven-
deos por presos lio razoaveis que a t. dos agrida-
ra, cujd? oreos sao os seguales : 40/. 60*, 80*,
101)4, tiO, I30, 46*, 160*, 180*, 200*, 320*.
i50* e 300*. Garaute-se aos comprad )rj. a boa
quadade de trabalho, eobriga-se a ensinar tan-
tas vezes quantas sejam precisas para bem com-
prebendersj. Vende-se tambem pecas e mais
pecleoces de sobresaleotes para as mesmas machi-
nas. Frevine-se desde ja que .' se vai ao cha-
mado para concert e eosino de machinas das que
(orem compradas neste estabeleciniento.
RA DA. MPERATRIZ N. 55
PERMMBUCO
sai. E. aa. i'IMV6X, gerente da tinturara franceza lia ra da Imperatnz n. 58, tem a
fcomte participar ao respeitavel publico d'esu cidade do Kecfe, qne elle acaba de comprar esta im-
portante estabelecimenlo, e que centinuar a empregar todos os seos esforz, a appliear todos os seas
conheeimentos d'arte d lingir e de lavar, assim como se esforcar para obter em seos irabalboi
oe meHiores resnludos, atim de conservar e augmentar o grande crdito qne este eslabelecimeoto
tem at boje justamente merecido.
Tem esperaneas de que consolidar mais e mais soa repulacao de artista tintnreiro, e o
modo por se sabe tirar as manchas e nodoas de qualquer fazeoda ; reputacao que o toroou tic
coobeodo as cidades de Praoea, Ues como Nantes e Bordeaux, aonde oceupou o primeiro lugar
a> contra-mestre na mportante casa do Sr. Roacboo ; Maneilie e LySo aoade adquiri excedente
pomeada dorante o lempo que all esteve, eem Paria, aonde aeabou o sen apeifeicoamento tinturial.
m) a direeco de Mr. Joli (o rilho) viee-presidents do Corso de Cbimiea e Tintararia (sito na rna
Aova de Revoli n. 98) prroeira casa de Franca neste genero, e aonde o Sr. Gaotier, ex-proprtetark
fio aso estabelecimenlo o foi engajar com o titulo de contra mestre no servido de tiotararia de seda
p lia,
Em reiaeio com as melhores casas de Franca, qne se empregam neste commercio, eslari
l a Bar de todas as novas descocerlas e eombinacSai de cores, e processos melborados^
Erofim, espera qae ama justa apreciadlo dos sena trabalboa, fari augmentar a sua fre-
| j lio grale e bem crganisada. .
fia os sens prineipaes trabalboa :
GRANDE RSPBCIALIDADE. TINTURA PRETA EM SEDA.
Tiragam a aeceo da qualquer nodoa em panno.
Lavagem de qualqaer vestuario de homem, rau-
Iber oo crfanca, sao deseozer e conarrando-lbe
q brilbo de novo. *..
Tiragem a seeeo de qualquer nodoa em seda.
fJtvagiHn i vestidos de seda, de qaalquer cor,
chalas ds seda, chales da erepe da China, cache
nairaa IranceiM, trlatanaa, chales de merinos, ves
ifti da relado e chapeos de qaalquer cor.
TIRAGEM DE NDOAl
Taraceo de nodoas em seda, velado o lis, fazen-
do daaafpareear qualquer mancha resinosa ou de
Vai se as casas para o traba Ibo de tirar nodoas
Be* omv.is oo pete dos jlfca.
11N6IMENT0 DE 8EDA8 DE COR.
vestidos de seda e gorgurao, chalas de
C9B valods, randu e bcos.
Tioge-se vestidos, chales, flus, rendas e ion
flards.
Garante-se a boa qualidade da tinta e que a fa-
tenda ficar pareeendo inteiramente nova.
TINTURA DE LAA EM CORES.
Tinge-.e roupa de homem, de mulber oo dt
crianza em la, sem desozer e na edr que se de-
sejar, quer a fazeoda seja lia pura, seda e lia e lia
e lgodao, oo as tres qualidades juntas.
Poopelinas, alpacas, reps, merinos, casimiras
damascos etc., e em todas as cores qoe se queira
TINTURA PRETA EM LA.
Vestidos de homem, de mulber e de enancas
sera serem descozidos, e garaolindo-se a boa qua-
lidade da Unta, nio aojando a fosna branca, i
_________________________ Toda as qaalidadea de fazend'as, assim cortil
aaa a erepe da China de twai gjc^as,isaim ebapos de feltro, de Manilba. de palba oe.,l*f
ou do Chile
Tudo por pre^oa commodos.
1
PORTAS
Vende-se portas americanas almofadadas, ta:>
baratas que uo paga o casto da madeira ; apro
veitem que diato nio vem mata e : no armazem
da bola amarella no oitio 4a secretaria da polica
Cerveja norway
de superior qualidade, em garrafas e metas ven-
derse em por^'o e a retalho : na rna do Mrquez
de Olinda n. 39, 1" andar._________________V_
i. O. C. Doyle tem em seu armazem para
vender o segottle :
O gtiac eiinessy.
Vinho Xerez.
Dito Lisboa.
Filtra deiras.
Um piano de um des melhores fabricantes : na
ra do Commercio o. 38.
Nao ferro a ferreiro em primeira mi. Na
estrada do Fundi vende-se trras com 300 pal-
mos de fundo, muito boas trras de barro, em
eoota, a vista da hondada das trras perto do ba-
nho e da stacao ; a pessoa que quizer, tanto po-
de vir no domingo como nos das de trabalho, o
vendedor Mi Machado Soares Jnior.________
BICHEAS
HAMUBBGUEZAS
Na botica popular rna da Imperatriz n. 77,
ha para vender a retalho porcao Ja bichas chega-
daa no ultimo paquete.
Avariado
algodo eom pequeo toque de avaria a 3*500 a
peca : na roa do Crelfo n. SO, loja da Guilberme
Carneiro da Conba.
VENDE-SE
duas bataneas decimaes, quati novas, em perfeito
esudo, a preco mdico : na ra do Apollo n. 30,
armazem de Rodrigues & Martina.
Pota&sa
Potaasa nova da Rossia, desembarcada do nayjo
Altee Ptmyeat: vendem Cunha Irmos & d,' Ba
roa da Madre de Dos n. 34.
Leman Frre
vende cerveja Mayenca e vinho do Rheno.
Farinha demiffio.
Vende-se farinba da milho molda a vapor da-
riamente, pelo, precos eguiolet : grossa 'par*
ang, pintos e pasaarinhos a 100 rs,, para cntica
e pi de provenea a ISO rs., e para eotciiailO
rs., em arrobas mais barato : na rna do Cato-
vello n. K._________'
lla de (jame)leira.
Vende-se o terreno denominado lina, ao povoa-
do do mesmo oome : tratar no Coracio de 9o-
ro roa do Caboga.
Vende-se coqoerros pequeos para madlT
t ; qaem os qnier dirjase ao sRia Cafando na
estrada ? Paliqo Cmara, oulr'ora df /oo de
Barre?.
1*500
11800
500
ICO
500
stm
160
iO
800
RIV SEM SUUO
i* Bi|odinbo, eoa loja da miadexaa,
avia a todos os os mus fregwzes qao eitt
torrando todo pelo preco, a vista da faien
da.para toda* adairar, a SobW :
PC* de fitas bordadas maito fins
Thesooras grandes e pequeas o
ais fino qne ba a iQOOe y*
Gala com 20 quadflpflb papel
Uao, amiude a _\
Pecas de tranca de e akjodlo as
ais modernas a
Frascos com agua de colonia multa
fina a 400 e
Frasees aq aguaj de evionia ver-
^di*. SOolrs. e 11500
Doiiaa de botoes cobertos d seda
para vestidos por todo o preco 6
para acabar.
trela preta a
botes de louca branca a
com 100 enwlopes aseoda
- 500, 00 e
de moldura domada a
hatee pretoe volteados pan me-
ninas a
Tinteiros com tinta preta a 80 e
Pecas de fita elstica muito fina a
Latas com superior banba 00,100 e
Latas grandes com superior banba a
Frascos eom oleo de Pbiloceme a
500 e
Frascos com macassa | Perula a
Frascos com agua de Colonia verda-
deiri a
Ditoa com oleo de babosa suderior a
Carritets de retrox preto com 2
oitavaa a
Caixai com agulbas francezai a 160
180
Pecas de tira bordadas i 500, 600
800e
Garrirs com a verdadein agua
florida a
Caitilhas da Doutrioa Gbriatia as
mais modernas a
Livro das missOea abreviada a
Copos grande com superior banba
Macos de pallito para dentes o
melhor que ba a
Pacotes com 3 abnete ingleses
fazenda fina a
Escovas muito finas para limpar os
dentesa
E' muito coobecida esta pomada e maito
apreciada por toa flnissima qsaudade, a Nova
Esperaaca qaem tem.
Jarros de porcellana
_IJm cosupUlo sortimento de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanca, roa Doque de Caxias
ra. 69.
11000
240
100
20C
2C0
320
800
240
IdOOO
320
e
600
240
1,1000
11300
400
1,J500
id50o
160
600
240
Querem comprar ?
Goardapisa para vestidos ; preto oubranco?
Papa-Ona, larga ou estreitaT
Lencos de linho, bordados oo liaos ?
Bonitos leques, ossa ou sndalo ?
A Nova speranca quem tem 111
E novidade!
Acaba -de ehegar a Nova Esperanca roa Duque
de Caxias n. 63, bonecos e booecas, sendo de mol
des inteiramente novos, vindo entre elles os en
gracados bonecos de borracha : para qne se can-
ean ? qnando quizerem comprar qualquer objecto
seodo bom, bonito oo engranado, lembrem-se logo
da N i va E-peraoca roa Duque de Caxias n. 63.
NOVIDADE.
A loja do Papagaio acaba de reeeber um com-
pleto sortimento de sedas lavradas de urna 6
cor; assim como nm esplendido sortimento de
pnuiielioas de seda, 'tanto um como outro sao de
lavares inteiramente novos, e as cores sao as
ma^delicadas que al hoje tem apparecido nesle
uiAdo, seu preco tao commodo que nao ba
quflf deixe (le comprar : na ra da Imperalriz
n. Su, quina.da roa Sete de Setembro^ antigo
bec dos Ferreiros, Iota de Meades A Carvalho.
Beos e rendas
Vende-se rendas e bicos do Aracaty a precos
nunca vistos : na loja de fazendas de Canuto A
Pinbeiro rna da Imperatnz n. 16.
Seif Leavening Flour
Farinba de trigo j fermentada, propria para
pao,1 bolos, puddings, ele, em macos de 6 libras :
a venda nos armazens de Tasso Irmaos A C
V ULTIMA HORA.
065.
Rna do Duque de Ca-
xias
acaba de reeeber om importante sortimento de
poupeiioas de lia, is quaes abrem o preco de 600
rs. o eovado, nio deixem de vir ver esta linda fa-
teuda.
Pomada alpaka
Ra do Imperador
PAttA YOIYAS
Ladee grinaldaa com flores e botes de
lanmgeiree com vivos e sem lies, veudem-
te na Nova Esperanca roa Duque de Caxias
n. 63.
FIVELLAS DE MADREPEROLA.
Bonitas fivelras de madreperola lisas o
batalidas pioprias para pulceiras, vendem
su aa Nova Esperanca roa Duque de Caxias
n. 63.
PAIA AS FLORISTAS
A Nova Esperanca a ra Duque de Caxias
n. 63 acaba de reeeber folbas para rosas e
d'ootros moldes, a ellas antes que se aca-
bemflf
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanca rna Duque
de Caxias n. 63.
Joaquim Jos Goncalves Beltrao tem para
vender aa seo escriptorio a rna do Commercio n.
5, os gneros abaixo notados, qne vende mais bt-
rato do qoe em outra qualquer parte :
Aaettonas em ancorlas.
Amendoaa em barricas.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca martel frres.
Baxadas.
Farinba de manduca de Santa Catbarina, sac-
eos de 3 e S alqoeires.
Dita da Babia em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, preprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Bahia em novellos.
Fooces.
Masados.
Nozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarro?.
Dito azul para botica.
Palitos para dentes.
Pregos sortidos.
Panno de algodio da fabrica de Todos os Santos
de Pedreso na Babia.
Bosnia.
Rap popular da Baha.
Botim em fardos.
Retroi dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhio.
Tabaco simonte da Babia.
Verniz copal.
Vinho do Porto engarrafado, caix de 12 gar-
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeaux em caixas de urna duzia.
Dito de caj em caixas de urna duzia.
Lembranqa tempo,
O proprietario do armazem de vveres ra do
Imperador n. 28, vem por meio deste annuncio
prevenir e avisar ao respeitavel publico desta ci-
dade, qne o seu armazem um dos que com mais
vantagem pode satisfazer as suas bem entendidas
exigencias, pois para tal Om tem feito reunir no
mencionado eslabelecimeoto o mais completo sor-
timento de aceppes, e para que os dignos leitores
deste annuncio nao tenham occasiao de massada
toma aresolug') de limitar se a lembrar somente
os gneros que elle tem como especial novidade, e
o s( guite :
Lindas caixas com confeitos, proprias para pe-
queos presentes.
Chocolate em p, este chocolate tem a vanlg de poder-se fazer memo na mesa.
Leite condensarte, a melhor marca contienda,
este leite convem principalmene aos collegios, no-
tis e hospital, pela presteza cun que se obtem
qualquer preparado delle.
Tmaras do figypto, raramente vindo a ete
mercado.
Licores Anos: Chartre:ze, Curaeo, Anizete,
Creme de rosa, etc., etc.
ALEMD1SSOO CAMPOS
pode garantir que o sen armazem um eeolro do
borne agradavel ao paladar, pois nelle se encon-
trara entre tudo quinto pode necesitar urna
despenda, cozioba ou mesa desdo a mais bem tor-
tida at a mais mediocre.
AGORA ANDA
annuncia tambem fei,o mulatinlo em saceos e a
retalho.
Cemento Portland
Em barricas de 13 arrobas i preco mais com-
modo do que em outra qaalquer parte, vende-se
toa armazens de Tasto Irmios A C
Vende-se om carro novo para boi trabalbar,
por barato preco : i tratar ne trapiche Cunha.
YEUDESE
o sitio da Torre por commodo preco. Este lio
tem ama grande eaaa com sotio circulada de ja-
nenas, ote frese, eom boaj salas e quartos que
aeommoda grande familia, eom dous temeos,
sendo um cobalto, eom boa agua de cacimba para
beber, tanque nio s para banho como para lava
gem de roana e eaeanamento para casa, a Jardim
do referido litio, eom aanitas fructeiraa arruadas
a difireme qualidades novas, e a maior parte
dando frneos, eom nm sobradmbo, eoebeira e
easa tfara criados, estribarla para eavalles, alem
da casa, asta to Dea entra tres estradas a parto
da capella da Torre, lodo cereado, com 280 pal-
mos de frente e 1,200 de fondo, banho no Caniba-
ribe e na melbor localidade da Torra ; tambem
nermnta-se por caas nesla cidade: qaem pre-
tender dirija-se a rna do Coronel Soassuna, outi'o-
pa dos Martyrios n. 4, f andar, das 9 as ti boras
da manbaa e das t as 4 i|2 da tarde.
^ovkUes do amoro
LDVA8 DE PBLLCA JOUVIN
Cbegaram Iota do mareono, rna da Impera-
tris d. 86. soJrado delroote da matriz, lava de
peMiea para homem e senhors, assim como boti-
nas maito frescas para homem, ditas enrdalas
para seaAora, aa maito procurada Ba de vallado
preta a da eoraa a na variado aorumanto de
f,-aojas e galdas.de seda, a ontros muitos objectos
de gosto, como poderlo ene mirar os concurrentes
do awrcorio, i roa da latperathz n. 8o, de Jos
Bernardo da Molla.
ATTENCO
Para qnem pretender etubelecer-se compoaeo
dmbefero, e em aa dos melhores lugares da nida-
da da Olinda, par ser a primeira casa em frente a
eeUco dos trilbos nr baos a dspotilo do enca a-
ment do gu e ana, lando dita casa ja om bote
em SMoena escala. o motivo da tenia o seu
aiitaiatridir lar de faser orna viagem ao snl do
trneerio : quampratender dinji-se ao mesmo et-
tabeiSflatMte on na taberna do Sr, Jle Coelno do
Rosario.
AS MODISTAS
A Nova Esperanza est resolvida a ven-
der baralissimo, para as Exmas. modistas:
enfeites, forros para vestidos, botes, etc. e
tudo mais de quepr ecizarem ; e isto por
preco muito commodo, com a condico po
rem das mesmas Exmas. munir-se destes
objectos somente no dito estabelecimenlo
onde encontrario o bom, por pouco preco
e desta forma ambos lucrarem, isto a
Nova Esperanca, porque vende, e as modis-
tas, por compra rem bom e barato.
Na* llavera couvuledes.
As enancas que usarem dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nova Esperanca,
estarlo iseotos de convulsoes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
& engranado e destrahe
Os pides de nova invengo e que dangam
15 minutos pouco mais ou menos, mudando
sempre de cores, e representando diversos
caracteres, vendem-se na Nova Esperan?
roa Duque de Caxias n. 63. _______
ROYO SORTIMENTO
DE
BO\ECiN
A aguia branca, a ra do Duque de Caxias n.
52, ontr'ora do Queimado n. 8, acaba de reeeber
nm novo a bello sortimento de nonecas de diver-
sas qualidades e tamanhos, sendo :
Coa relo de seda, das que choram, e outras
que fallam. -
Coa rosto, mi, e ps de porcelana, e pro-
pria para v*stir-se.
Obras re porcelana
A aguia branca tem outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
. Ontros para joias.
Outros para labonetes. *
Outroa para enfeites de mesa.
Pequea e bonitas pisa para agua benta.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para matas.
Bonitos port relogios.
Lindas cestinbas tambem de porcellana.
Escrivanias de dita.
E amitos outros objectos para enfeites de mesa.
Jos Antonio Pereira
tete para vender na soa fabrica da roa do Bario
da Victoria n. 4 (antiga ra Nova) charutos dos
mais acreditados fabricantes da Bahia, como se-
j un Imperiaes, Normas de Havana, Operas, Ama-
dores, Londrinos e Leaes, d Simas. Imperiaes,
KiBotkjio, Lanoeires, Bigarrilho?, de Cardeso.
Mississipes, Ex'posicao, Uavanas, Flor de Suspiros,
Londres, Almirantea Braseiros, Trabucos e Re-
gala Imperial, de Joaquim Jos os Res, e mais
qoalidades de outros fabricante?. Fumes Daniel
Batpeody, Rio Novo, Minas, Maranhio, Pari e
Gamboas, a cigarros dos meemos fumo?.
ViDho tinto e branco supe-
)ior
de carcavellos tem para*vender em caixas
de nma duzia Joaquim Jos Goncalves Bel-
trio, rna do Commercio n. 5.
n. 37.
_ 4eMiMo da antiga e iere-
^tstda ta|Me> 4. B.rbalha
do Cabo.
Neste bem sortido artoazem existe Om grande
sorlimento de leoca francera, moito ntll para ca-
sa de familia, como eja algnidare paperos
e pnellas, tudo grandes e pequeos, e bu-
Iboes para manteiga; ludo de barro vidrado fran-
cez. A?Mra como um completo sorlimenio de lou-
ca do Barbalho, como seja : jarros para 4 e 5
canecos de agua, peles de oro a dous canecos,
muriognes, resfriaderas, quaninbas do Barbalhs
e da Bahia, vasos* vidrados e por vldrar para jar-
dim, cacos grandes e de mcio para flores, ail03
ditos pequeos para tiiar planta?, canos vidrados
e por vidrar de 1, 3, i, 6, 10 e IS polegades,
feito p jr machina e que aqui nio ba na provin-
cia a excepcio dos viudos de fra ; todo meiber
pela qualidade do barro e mais baratj do que em
ontra qualqaer parte. Em ntelo se faz abat-
ment de 10 i 15 por cento ; s na rna de Impe-
radur n. 37. ______________
A revalesciere du Barry de
Londres
Toda a deenca cede a Revalesciere da Barry,
que d sade, energa, appetite, digeatio e des-
canso. Ella cura as dispepsia, gastrite, humo-
res, acidez pituita, flato, enjops, vom.itos depoii
da comida e gravidez, coa tipac3es,t> aathma,
affecc.Ses pulmonares, bexiga, flga' ereLro e
mangue ; 60,000 curas, incluindo mimas deltas so
Brasil.
A revalesciere cbocolatada du Barry
em po,
Delicioso alimento para almoco e ceia, maito
nutritivo, fortificando os ervos do eslomaeo sem
causar o menor peso nem dr de cabeca, nem ir-
rita cao.
nico deposito para o Brasil em Pernambaco
na pbarmacia americana de Ferreira Maia & C,
ra do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidado
com as falsineacSes.)
liOalA
DO
GALLO VIGILANTE
ka a a do Crespo u. 9
Acaba de chegjr pelo ultimo vapor diversos ar-
tigos de novidade, como stjam :
Lindas tcoqunhas eofeiadas para baptizado ;
assim cuno chaposinhns.
Sapatinhos de teda e de merino.
Meias de soda e lio de Esencia de l a 12 anms
de dado.
Bicos leques de madreperola todos aberto?, o
melhor que ha nste genero ; assim eaaso li-
tros de madreperola com seda, fazenda peqaisM-
ma ; tambem recebeu grande sortrhienfti de la-
ques de 6iS0 fingindo marlimndalo o madera,
lano para senhora como para meuina?. ^
Superiores ligas de feda para segurar meia?.
Meias de borracha para quem soffre de dxc"-;?
ou erysipela.
Seda froQX para bordar todas as cures.
Froco de seda para o mesmo lira.
Uetroz preto e de cores em earritia,
Fitas jara cailss de bachareis.
Quadros para retrato?.
Luvas de pellica, e de seda, branca pretas e di
lindas cures.
Supericrc* capella? para n iva.
Linios alfiietes di madrfpercl3 para pe'ttc :.
sonhras.
Lindas abotuodaras para collete?.
La de todas as cores para b?rd3r.
Superiores penoenei Je 350.
Muito linas ihesouras pan costura, unbas e
para cortar cabellos.
Superiores penes do isUruga para arrt gao, ar
cabellos.
Tiotura inglcza para uujir cabella, a verda-
dein.
Grande sortimento do franjas pretas, largas e
estrellas e linios padiSes.
Lindes babadinlios e ntremelos bordado?, t; a-
dos e transparent-.s.
O


w>
00
p
>
Vende-se am pequeo sitio na Bot-Viajen, em
lagar muito aprativel, tem boa casa de lijlo, p-
tima baixa para p'antar-se capim : tratar oa.
rus da Madre de Deus n. 36, 1* andar, a
lueco para all vai ser mallo commed, visto
oomo vio sentarse trilbos de ferro at* o povoado.
r
j
\


Haiio efe nraiiteiio Sexta 'era f 5
L-mSro
le*
71.

y
admrem os
400
320
400
G10
720
HlklMll
Tiainr*
S e nulea apsrevaj
mncmIo al aoje. Da
SWa do Rattfc Id
Flor da Boa-Vista
DE
PmIo Guimares
O proprietario deste bem conhesido es-
tabelecimento contina sempre segamdo soa
antiga forma de primeirrrbarateiro di
Vista e para auelhor prova
procos seguintes:
Guitas escuras e claras cores fixas
O COv;ft> 160 200rs. a. .
Cambraas de coros 240, 280 rs. e
Laas para vestido 280, 320 rs. e
Creps escooezas fazeada oova a..
Alpacas lavradas d'um s cor. .
Cambraia branca iransparente pe-
cas a3$5 0e.....8fOOG
Ditas dita victoria a 4$000 e. 8C00
Bramente com 10 palmos de lar-
gara, varas, a 20000 e. 20500
Madapolao superior pecas 50000 e ^OO
Algodo a 40000 e. ,.. 50000
Brim pardo trancado pechincha
eovadoa....... 320
Dito dito liso muito uno a. 320
Ontras mmtas mais fazendas que vende-
r por precos baralissimos como sejam :
pannos pretos, ditos azues, casemiras pretas
e de cor, merinos, bros brancos e de co-
res, seda para collctes, camisas inglezas para
bomens, muas, chapeos de sol etc.
OlTicina d'alfaiale
Os digaos fregaezes encontrarlo ora gran-
de sortimento de rotipas feitas desde o
mais in rior at ao mais soperior quese
acbe ro mercado, assim como se manda fa-
zer toda- e qualqaer obra d'encommeoda
feit*s a capricho, peta para este mister se
a,cha munido d'um per to mestre. Garante
se fazorem se menor 0% de que em outra
Qualqaer p>rte pelo o motivo de o freguez
psgir o qoe compra e nao o aspecto do
estabelecimento.
48Ra da Imperatrlz48
JUNTO A "ADARIA FRANCEZA
AVimt IVEL
vir
ua. i Mam
Jtt .*M!
*<-*.(*ifr s-uq
tthiS m n.,
*featia, ?shj<**--
k^bcp oafl iik,a
*----m agj
ura* meo Wfi I
FLIX mWBk M SfL ^
NA RA DA UIPERATaZ
,.
fi a dinheiro ff fteta
' tu-,
Os proprietarios diste esUhal*aeQto-tendo grande nei
menso deposito que tem de fazendu ejMWleurgeiJch-tfeipwtfell (WfWat, tW
solvid) fazer urna verdadeira "T^lMT^fJ"*"''' "' ''*"
os seus artigos: para o que cowidam aor+sjRtavel publico deata
pois Ihe garanten que eu partavalgama pederto eneorrtraf to gW
mo nao compraro pelos preco* qe se lhtr$Wi vender na loja de Pavio; p%rtMf *dV
virtindo-se que s se vende a dlaatffi vista. OsTositOs pwprle4ari*9 feMj|aW
lecimento rogam a todos os seos .Hedores desta praca e favor de virem sald* eem d-
bitos, e todps aquellos que esiiverem dovendo coalas antigs e e tia^fi%n tertoe
ser encommodados judicialmente. MenNel niMaT i:
LSaslnhas baraaao do Pavio.
Alsacianas com lindas boiras de seda a
Libras snwrli as..
Vende-se no armazein de faiendas de Augusto
r. de Ov.'ira & C, na lo Commereio n. 42.
m
Tem voada em soas arraazens. alora de ontros
rtigos de sen neg io recular, os seguintes, que
Tndem por presos mais mdicos que em ou-
tra quai'juer parte :
PORTAS de pinho almofadadas.
POBTE1RAS de ferro para cercas.
SALITRE roglez.
ESTERAS da India para cama e forrar salas.
GAMOS lo barro rancer. paja esgoto.
3E530 soperior sm pareces e a contento.
CEMENTO de todas as qualidades.
ACHINAS de deicawcar algodo.
LONAS e brinsocs da Russia.
OLiADOS aiaericans pira forro da carros.
FOGOES americanos muito bons e econmico?.
ViNKO -le Bordeaux.
QOGMAC superior de Gautier Freres.
tARELLO em saceos grandes a 35500.
A.GJA ;'orida legitima.
BALANCAS decimae.
CADKIRAS americana?.
RHU'.I da J-roaica.
AZULEJOS de Li'boa._______________^_
Contra a tosse
PAST.LHAS PE1TORAE3.
de
Goman simples crvtalisads.
Dita de angico t
Naff il'arabia.
Sevt 'if pinho martimo de Lagasse.
E <:<.T;-I mnilu que muito se re:oraendam pe-
[:*', !. .;..:- qualidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA
DI
Bartholomea & C.
:I4-RUA LARGA DO ROSARU-34
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DA
TERRA NOVA
DE
II. LAGOMBE
Este oleo qae lio boa acceitaco tem merecido,
maito se rfcommenJa por ser o mais purificado
qae at bojo tem violo, e arada pelo bora paladar,
superior a cairo qualqaer : venle-se no deposito
8'p?eial de Bartholomea & C.: ra Larga do Ro-
sara 34.
Xarope se dativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
IjAROZE
Este novo preparado aprovad) pela academia
imperial de medicina, maito se reommen la pela
sua ac(ao sedativa e ealmanlej sobre o systema
nervoso, o bromureto de potassium, nao deua de
dar os mais certos resultados as diversas affrc-
edes do organismo e principalmente as molestias
do corajio, das vias digestivas da respiragao, das
vas geaito-urinarias, na epilepsia, as molestias
nervosas da preuhez, na insomnia das crianzas
durante o periodo da denticio etc. etc.
Vende-se na pttarmaeia e drogara
de
Bartholorneu Si C.
34-RUA LAIHA DOROSARIO-3
Vende se faino capa, ,de boa qualidade para
charutos: no Recife ra da Cacimba n. 1, pri-
meiro andar.
oces, fructas e flores.
Roa 4a Cruz n. 13' vende todos os dias :
Prezanto em fiambres a libra.
Lanches todos os das, e diflerente'.
Ge'a de mao de vacea em copos.
Doces cry*taii-ados de differeotes fractas.
Bollos, poJins e b ras boceados.
Bandeijas com bollinhos, eofeitadas;
B'iu |U'!H de cravs para noivas.
Flores avnlsas e era boopuets.
Sorvetes todos os dias a nonte.
Chales da renda pretos
a SJ000.-
MADAPOLAO MUITO BOM
, a 31000 a peca.
ALGObAOZINHO COM;W JARDAS
a 3^000 a pee*.
CAMBRAIA VICTORIA FINA
a 41000 a peca.
CASAQUINHOS DE CBOXET PRETOS
a 3#000.
LEiSgOS DE HUBO ABANHADOS
aduziaim urna linda caixinba por 5A0O0....
peebinnha.
______ RA DO CRESPO N. 25.
VENDE-SE
Ume por^ao de estacas lascadas de emberiba.
vindas de AUg5a, de nonUa duracao e proprias
oara estacas cu ceredo, qoe tle dorar mais
de 12 anaos sera apoirecer o p, e urna porcao
da ripas grocaS cora 40 e 50 palmos de compri-
do para varas, no sobrado n. i, 2* andar, i ra
do coronel Saa-sana, ontr'pra Martyrio'
Vende se ama earroca em Dom estado e om
boi acoitamado ao servico : i tratar ni ra de
Sebo q. a
itOOO o covado.
Ditas lisas com muito brilho a Id o covado
Allantas, fazeada de muito goatu Mcida
com seda a 720 rs. o covado.
Ditas com quadros de seda e cftrw maito
delicadas, a 640.
Poil de chvre, d'uma s cor com
brilho a 500 rs. o covado.
Merinos escossezes fazeada de muito gosto
para-vestidos bimus e roupas de menino
a 640 rs. o cov?do.
Gorgurlo muito bonito, leudo de todas
as cores a 400 rs. o covado.
LSasmbas modernas com differentes gos-
tos a 400 e 500 rs. o covado.
Ditas ditss a 280 e 320 rs. o covado.
Bareges transparentes com differeales. co-
res a 160 rs. o covado.
Alpacas de cores lisas e lavradas faienda
de muitj gosto a 500 e 800 rs. o covado.
CassasdoPavao.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 r.<. o covado.
Ditas finissimas a 300 rs. o covado.
Ditas franeezas de muila phantasia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazeoda
muito Qoa e bonita a 2500 e 3)51000.
Ditas d'organJy branco e de cores a
2*j!500.
GAMBBAIAS LARGAS A 800 RS. AVARA.
O Pava i tem cambraia branca transpa-
rente de boa qualidade, com 8 palmos de
largura, que apenas precisa 4 varas para
am vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
finissima da Escossia tendo a mesma largu-
ra, que vende a 10600.
CAMBRAUS BRANGAS- A 4/5000 E 4)J300
O Pavo tem pegas de cambraia branca
transparentes com 8 1/2 varas qoe vende
pelo barato prego de 45000 e 40500, ten-
do tambem muito finas de 54000 at
100000.
Ditas .tapadas ou Victorias tendo de 3*500
a pera at a mais fina qae vem ao mer-
cado.
CORTES D'ORGANDY A 40000.
0 P'Vo tem cortes de organdy branco
com 8 l/ varas que vende pelo barato pre-
go de 40000, assim como finissinb organdy
branco com iistrinbas e qoadrinhos o.me-
Ihor que tem viudo ao mercado e vende
pelo barato prego de 720 rs. a vara.
Crosdeiiaples preto e de cores.
O Pav3j tem um grande sortimento de
grosdeuaples e gurgurao preto para vestidos
tendo do 10600 o covado at ao mais su
perior qoe costuma vir ao mercado, assim
como um grande sortimento do ditos de
todas as cores o branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven*
de por procos muito em conta.
Poiiiselinas de seda a 3$000.
O Pa-ao tem um elegante sortimento de
poupelinas de seda tanto lisas como lavra-
das as mais modernas qae tem viudo ao
mercado e vende a 20000 o covado.
ESPARTILHOS A 40060
CACIIENEZ a 40, 50 60000.
O Pavo venda espartilbos de todos os ta-
rnanlios a 40 e 50000, cachenez parisiense
com deli ado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000. ***
COllTINADOS PARA CAMAS E JANGUAS.
a 80, m, 120 6-150000.
O PavSo tem um grande sortimento de
cortinados ricamente bordados, proprios
para camas e janellas qae vende de 80 at
160000 o par.
Pegas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crochet ricamente bordado
para cornadosa 10500 o metro. Assim como
ricos damascos com 6 e 8 palmos de larga-
ra proprios para colchas de camas e tam-
bem ricas colchas de damasco a imiiagao de
seda e ditas de ero -het as mais lindas que
tem vndo ao mercado.
MUSSELINAS DE CORES A 400 RS.O
COVADO.
O Pavita tem um bonito sortimento de
musselinas de cores, padrees ioteiramente
novos e cores fixas, que vende a IO0 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India maito fino
para vestidos e roopas de meninos a 7i0 rs.
o covadp. Cretones de cores mdito eocor-
pados para vestidos a 600. rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO.
0 Pavo tem ama bem montada offleina de
alfaiate, administrada por om hbil meIr
nacional, aoode se manda fazer qualqaer
obra de encommenda, tanto para horneas
como para meninos, garantinde-se a^promp-
tidSo e aceio em todo o trabalho, e no mes-
mo estabelecimento encontrirSo os respaila
veis fregueses todas as fazendas prepriw
orno sejam pannos de todas as cores qaa-
diades e pregos, novas casemiras da f oato
re os brancos e de cores, assim conw todas
asfazeodit^proprias para falos de lito.
CASAQulNHjOS A 150.180E 2O0OQD.
O Pavjo tem' am grande sortaeeio de-
ricos easaqainhos de seda preta aiaite atesa
enfeitados e modernos qoe veede a tt#;
180 e 200000, sendo fazenda de boiq
mais valor, assim como ricos chiles-pretos
bordados com franjas largas de reros a
100 e 120OCO.1
,AL(109A05INliO A :
0 Payaotem pecas de ajgofl
__mjMio
boa qualidade que vende pelo barato prego
de 30200 a pegi. Ditos .mmio superiores
de 40000 para cima. A!goa%sin}o enfes-
Udo com a largura precisa para nm legol,
sendo liso mmto eocorp^do a 900 rj. p
metro e dito eatraagado com a masma lar-
ra a 10S8O avara.
AMANTES A 10600 e 14300 METRO.
0 PavSo tem soperior bramante de al-
godo sendo preciso para um leacol apenas
ne meio metro 6 vende a 10600 e 1^00,
e liobo fazenda muito ncorpao'a, com a
mesma largura a 200*0 e '20300, dito fraa-
cez do mais fino que tem uodo ao merca-
do a 30000, 30600 e 40000.
ATOALHADO.
O Pavo vende superior atoalhado a 10600
e 20000 a vara, dito de linbo fazenda maito
superior de 30000 para cima, sendo ada-
mascado.
Fazeada para luto.
O Pavo tem um grande sortimento de
fazendas pretas para luto, como sejam:
Marin preto coai'6 palmos de largara
para vestidos a -20OUO e 20500 o covado
Merinos pretos e de cordo para todos
os pregos e diflerentes qualidades.
Bombasinhas para todos os presos.
Cin'.es e alpacas pretas. Lasinhas pre-
tas ou cassas de 133 de 360 at 500 rs. o
covado.
Cassas pretas fraocezas e inglezas de to-
das as qualidades.
Chitas pretas fraocezas e inglezas de 200
rs. para cima.
Crep preto para veos.
CASEMIRAS PARA CALCAS A 40, 50, 60,
70 E 8uOO.
O Pavao tem um grande soriimento de
cortes de ca.-emiras de coyes para caigas,
sendo os mais moderos qae tem violo ao
mercado e yende-se de 40 at 100000 o
corte, ditas om pecas francesas e inglezas
para ca'cas, palitots e colletes que vende de
10800 al 64000 o covado, ditas escitas a
prova d'agoa que vende a 50 o cort' n
30 o covado, sendo estas casemiras uito
proprias para meninos de escola por serem
escuras e de moita doragp.
CHAPEON lK DNIli.
O Pavo tem superiores chapeos de sol
de seda inglezas que vende a H>0, ditos com
bonitos cabos de verdadeiro marfim a 14,
460-0 480000,ditos de alpaca de todas as
qualidades.
PANNOS DE CROIH PARA CADEIRASE
SOPHS.
0 Pavo tem om grande sortimento de
pannos de croch proprios para encost de
cadeiras e de spbs, assim como um rico
sortimento de tapetes de todos os lmannos
proprios para salas.
MADAPOLAO BARATO A 40, 40500 E 50.
0 Pavo tem pagas de madapolao com 24
jardas ou 20 varas que vende a 40 e 40500
a pega, dito maito floo e largo de 60 para
cima, dito francez do melhor que tem vindo
ao mercado, assim como dito finissimo em
pegas de 40 jardas.
Cortes de eMtas.
a 10600, 20000e 20800.
O Pavo tem cortes de chitas fraocezas
com 10 covado, qae vende pelo barato pre-
go de 10600 e 20000, ditas qae vende a
160, 200 e 280 rs. o covado, tambero tem
um grande sortimento de ditas finas claras
e escaras que vende a 280 e 320 rs. o co
vado e fhissimas percales miodiobas propri-
as para camisas, vestidos 6 roopas para me-
ninos que se vende a 360 e 400 rs.
Chegana a tesar Un versal da roa Nova
a< 22, tus aorttaento de machinas para cos-
tn, das memores qualidades qae existe na
lAAerlca, das quaes muitas j sao bem co-
njeadas^Dejos seos autores, como sejam :
WsnerjFWjBiLGrever 4c Boker Silen-
ciosas, W&niVwlrapenass a outras muitas
que com a vista devero agradar aos com
pTaQOTW.
Estas machinas teem a vaotagem de fazer
o trabjho que 30 coslureiras podem faz r
diariamente e casera coa tanti perfeico
como mais'perfeitas costoreiras. Garan-
te se a soa boa qualidade e eosina-se a tra-
balhar com perfeico em menos de orna
bora, e os-pregos sao to resnmidos qae de-
vem agradar aos pntendentes.
$ PARA
EA

0/c
,\
LENQOS BRANCOS.
O Pavo Um leaeoe bisaros abaobados
quo se venta- *** 30; a duzia, ditos
grandes de murim sem ser abanhados a
30200 rs. a duzia; assim como bonitos len-
cos bordados para mos.
ROUPA PARA HOSKNS. u
hobrecaaacos de pa&no preto ioo sesdo
maito bem feitos de 420 at 400000.
Palitos de paooo preto fraques e saceos
de 80 at 420000.
Ditos de casemira de cor de 0 al 424-
Ditos de alpaca preta fina de 40 a 60000.
Ditos de dita branca e de cores 60000,
Ditos dbrlid de'Itabo trancado a 60OOO.
Calcas de casemira preta de 60000 at
120000.
Ditas de brim branco de linbo de 40000
at 8900.
Ditas/le brande ltaho de tdrpira todos
os pregos e qualidades.
a, <)*}*" **** iojleits oom-^rtos
d'algodlo de 40r3OO at 50, em dazia ven-
de-se mais barato.
Ditas da meta de 800 n. para ctasa.
Ceroalae de ttahe ea4godao, franeexase
feitas na tem.
nico legamente aatorisado e approvado
pelo conselho de sade.
DNiCO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogada
de
BARTHOLOMEU '4 C.
34Ra larga do Rosario34.^"
JFWO
Para saeeos e fognetelros.
PARA ASSCCAR
CERVEJA DE MABCA
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
-As verdadeiras irazem os nmeros estampados
oas pecas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em casa de
M T. JEFFERIES & C.
4o Ra do Gommercio 46
BftlNS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem eaa eada i>eea nm bllhe-
e eom o saom
DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES A C.________
Vende-se barato, um piano, de um dos mais
afamados fabricantes : tratar ra do Com-
aercio n. 38.
^eode-se a propriedade denominada
da Fazenda na Barreta, com legua e meia
de comprimen!j de Leste a Oeste, e meia
legua de largara de norte a sol, a margem
da estrada de ferro do Recife a S. Francis-
co, com casa, do vitanda, grande nnmero de
ps de coqoetro, sendo toda a trra de milita
produegSo. .Qiem:uiaer comprar a mes-
ma propriedade poda antender-se com oDr
Joaquim Correa d'Araojo roa dos Pires
a. O, en a roa do Imperador n. 83 1. an
dar. das 10 horas da manhSa as 3 da tarde.
ColUriojws de papal, algodao s Unos
qae se vende maito barato pan liquidar.
Para noivas.
O kvfo Aem rifo garanriode seda, bran-
co. Crstlenapla braaed'mitotedbrpado
Agracjannas brancas comuna .ds awM-
Poapeunas brancas de seda Usas o tora-
das Sedaabraaeu, lavradas ebnt.0V
SRffi. t!^ <*:*r *T*W r
rices veos bordados, qoe lodosa vende mais
barato do qae em oolra qoalqner iX.
A loja do Pavao acha-se con^anteasente aberta das 6 bsru da maohia >Uu fi
*danoite,rMkI(ipertt Uura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopean
Essa. nraada qaa lio boas renltados tem eoA-
do as paasou*qae dalla tero Hito aso acaba9*
cnegar Para o sen desoaito especial..
Pharmacia e drogara
DB
Bartholomea C. roa larga do Rosario no-
mero 34-
N'EST(jA4^nQ4|^REDITATA
ufa
BI
l II CMIT1ITUUTI III CHFLIIo 101U11II0 II
emir*.* .. ,#Ist
DetodMa. qusdascl
Be todos os feitioa I
De todas o presos. I

Bb
RA DO CRE$P**i4>
..... ......M>----- !

A FLOR DE OTJRO
E' este o distintivo de urna nova e bem montada
loja de jejas, sita a ra larga do
A,

24
Itosauo n.
Os proprietarios deste. elegante estattelecimento leudo em rim o Mtorem-
) flzeram para o collocarem as condicc5s de orna grande clieisella, filtariam ao uj'ais
rigoroso principio se nao viessem as collumnas do jornal "^tv1|iiUw.lin *
blico, qne no memo estabelecimento encontrars sempre o mais completo sortimeDto
de jolas, como sejam : brmeos os mais moderno, para aerMNw as dliote m- i
Ibas do bello sexo, e qne se vendem a 8, 9 e 10< o par, ditas para mentas a A, 5 ftSX t
ditas de coral, obra de apurado go: to a 3 e 4, Voliiobas j>c^ral cpm cruzgs da ooro
a 5/, broches modernos de 3 a 13/, ditos com peras e ni VWmjtt' ShinM a
10. 1, 16 e 20a, rosetas lisas, porm bem traoalhadas, deiaOO a 9f, dilascom'
pedras a 15/, cazoletas a 4/, ditas com InscripCBes a 5/5C0, aones de dirersos'
gostos, e com bonitas pedras a 2, 3 e |4 tUlas jdji farolas, SsaM|a|Bj|'e jaut
ricas cruzes de esmeralda e rebim a i.t'* e H'f aitasdo ouao e soraTcoarvl|_
toiraphicas a 3, f, 8, 6 e 7/, igas de earal a 2/, adelas para relagios a tbi,\
6/500 a cita va, guarnieres com tres botde para abortaras a 'k/,ditos da pdricibas i
o par, ditos para punbos os mais modernos a 7 e 8J; Al de am mriawsS)a m
to de joias de apurado gosto que recebem por todos os vapores da Europa ; como
sejam : brinco?, braceletes, alBnetes, aderemos completos, cruzes, releas, aoaete de
brilhantes, esmeralda?, perulas e rubins. MedalbSes, vollas, trancelios, aunis com let-
Uas e de diversos modelos, ocnlos e pencinez de ouro e prata dourada, relogios de ou-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos lamaoaos, ricos palitei-
ros e faqueros, colheres para cha e sopa, maracas para crianzas, e urna iniUtidde de
objeclos que seria eufadonbo mencionar-ge.
Os proprietarios da Flor de Ouro garantem vender mais barato que em outra
.
qualquer parle, para que estar aoerto
noute.
o estabelecimento das 6 horas da manh as 8 da
65
RA DO DUQUE DE CAMAS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolvido d'ura avante vender-se neste esubelecimento todas as fazen-
das existentes no mesmo, por precos qae todos admirarlo, acho de mea dever partici-
pa-lo a todas as Exmas, familias em geral, aQm de virem visitar este estabelecimento
ou mandarem buscar amostras, garantindo-se-lhes um bom soriiiaenio de Lzendas de
algodo, la, linbo, e seda, emfim urna infinidade de artigos de moda mandando-se s
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer fazenda para verem
oa escolherem.
As pessas que vendem em menor escala podero bem soitirern-se neste estabe-
lecimento qoe vender pelos mesmos presos qne em qualqaer casa importadora, tedo
a facilidade de comprar qualquer porc5o.
. O 65 (em um completo sortimento de roupas bem acabadas o que vende por
precos moitissimo commodos. mandando tambem fazer por medida toda e qualqaer obra
que os concurrentes dse jaren) para o que tem am dos mais habilitadsimo mestre
alfaiate, cortando por um systema inteiramerte nove.
Os annuocios nesta praca eslo 6 por certo devem estar desacreditadsimos, pois
qae ha casas que annunciam aqaillo que nao teem, o que o 65 girante nunca dar-se em
seu estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhar
g< ande nomeada em todo o mundo.*
O C5 acha desnecessario mencionar os precos de saas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso seu ao-
nuncio, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encartar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 jn.'go qne j o
publico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aquillo que aonnncia,
n5o verdade ?
E' INTIL, NAO SE GANOEM, COM 0 65 NNGUEM PODE COMPETIR
%4s* aU
RA DO DUQUE D CAXIS
(Outr'ora do Queimado)

\.

t
:

Aos senhores de engnho.
Vende-se a relaloo as diversas macbioas e eal-
detra a vapor, cldeirai de cobre para eaiiahar a
aar.fittro, uueoe, formas e mais outros objec-
tas da anuga reflaado do Meoteiro. Para tratar
j *",3!??*,Sw',ri*,*nos d dte 'Anaci os Srs.
deonqoe-Leiden & G., na imperial fabrica de cer-
raja a. 35, rna do Bario da 8. Borja (Sebo).
"JlVISO WPORMNTE.
Devendo seguir coa brevldade as pecas prin-
oa* Sa dita refloae*) pare o Rio de Janeiro,
^Sf-e Srs. de engenhos daiaproveltar an-
iMa aabida, desu nica oeeaailo da comprar por
doa maeaioat fabneadas oela pri-
raneeu late ramo de indnilrk,
56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e re
dado pelos grandes depsitos e bons sorlimentos com qoe sempre prima em
melhoras, mais acreditadas e verdadeiras Machimas americanas para
dio, desde 10 60 sorras, o havendo em todos os tamanhos diversidades '
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarocamento; trname*
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, atea disto,
jambem mais:
Aparados vapores looomoveis, de forca
de 3 4 cavallos, e per te nces.
i
erveja em barril, de &u
perior quidade
^ode-sa em eaaa de S. P. Johnston A O, roa.
aaSenula-novaiLil '
Jervega n^raega
iaa Ia qnaHaaa, vende-se em porfi e a r
oaannaaeto a. 4 ro do Commercio.
Macbioas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mfo para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos coa vlvula para lavatorios.
Use de madeira para compro.
Apparelhos para jardins.
Guardas comidas.
Tetonas pira cobrir pratos.
Tarracbas para fazer parafasos de ferro.
Ditas dita dito* de madeira.
Trena pava coiinaa.
Ternes de bandeijas finas.
moHoe ootros artigos,qae id
Correntes para arrastar madeira.,*
Cylindros americanos para padarias.
Pertsnces avalaos para taacasaa.
Salitre refinado.
Brea Mperior^
Moinhos ds dflbaa.. fabricaatea par
milbo e caf.
Debulhadores pira m4rlH||
Azeite de spermacete panr'
Camas de (erro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditoa de dita taansdo.
DitsadsssMato.
Ditos ds borracha.
Follea para ferrsiros.
e oeste eslabstnringuo podeti
i






BUrio d PiwUa#c;- %xla ^^-IV^iiSeifAr/ a* < ->
.'

1

* FJGUEIREDO a LOPES.
(4 RA DA 1PERATRIZ N. 64
O* preprietarios dasts Importunte e sympathico estabelecimento fle fazendas finas,
ve avisar-ao respeitavel publico e particu rmente a sua numerosa fregoeiia, que o
CY9FJB acaba de sortir-se de todo qu.nto ni de gesto e moderno em fazendas tanto
para borneas como pira senbora?.
B' ochso erar que os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
d'um espirito altrnente conciliador dos ioteresses albeios cora os seas, teem sempre
seguido nMgniSco TstflBBa de oflerecer venda fazendas de todas asqualidades e pre
eos ralat.vos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de sna casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
seqaaocia di smcehdade 'bartala cora que negiciam f s seus proprietarios.
No loivavel-emoeobo de justificar as suas operacSes convidam as Exmas. familias
a Titilar a syapathici loja do CYSNE chamando as attencoes do publico em geral para
as sagnintes especializados e precos.
PARA N01VAS.
Vea capailas, sedas e popelinas ora ocas
e de cores, gilas, penos e camisas bor
daaa, todo caprichosamente escomido e
para varios precos.
CKETONE BAPTISTE.
Faaenda lisa de ama s cor, de coros di-
versas, para vestidos e tambem propria para
sombra*.
CAM8EA1AS
Transparentes de 8 1/2 aras desde
3^600 ate 94* peca. Victorias muto finas
de 40 at 81000.
CORTES BORDADOS'
Fazeoda branca de delicado bordado
baos precos aeompaobada do competente
figarino.
LAS
Variadissimo e rico sortimento desde a
13a lisa barata de i5 at a de listras de seda
mus cara que pelo preco qoe vendemos
por assim dizer de graca vbta do gosto
e qaalidade.
BAREJES
Lindos padroes aos precos de 360 e..
400 rs. o covado
SAAS BORDADAS
As qoe o -CYSNE vebde a5o bellas e su-
periores.
LUYAS
As melbores e mais procuradas luvas de
Jootd, brancas e de cores sio as qoe o
CYSNE expoe a vfnde.
BALES
De crotones rom bibadoe bordado, di-
tos de arcos a \ 65 O, pecbineba sera rival
no genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
os preco > de padibes modernos e cores fi-
las.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e larguras so
o CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
Da cores e brancas de 500 rs. at 1)5300 f
o covado.
ALPACAS
Lavradas de 500 rs. a 10OCO o covado,
especia lidade do CYSNE que n3o conta com-
petidor.
madipolOes
Francez de 21 jardas de 8A at 10,50C0,
iogltz de 5 at 80000. e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largara, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nbos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 100 a peca.
ATOVLHADO
Dd linbo adamascado, dito* de algdao
muito finos, bramante entrancado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SET1NS
Para todos os precos o-diversos pa-
droes.
PARA N01YAS
Camisas bordadas, peitos colarinbo e
punbos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, canto, bom-
basinas, chitas, cambriias etc., etc., por
precos que s o CYSNE vende
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 10 6 14500
o metro, gangas de 400 e 440 rs o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para bomens e senhoias dos melbores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e bron-
cos e mais baratos qoe em outras leja.
ME1AS *
Para todos os tamanhos e quali 'ades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos cum franja de la es-
[pecia lidade do CYSNE.
Desculpem os nossos freguezes termos sido um pouco extenso na narrac3o de al
gomas novi lades pois com qoanto sej* nosso interesse tambem o dos nossos fregu
zea. qoe qoerem e gostam a dar na moda.
Ra da lmperatriz n. 64.

VKEIIEDA k LOPES.
Nu&ea m vio um procedo mais perfeilo e qoe ai-
ajada tai forma a t&ihut as exigencias mais
MHWdi ti-criplnraco.
A ne er lindsima e nao precisa de cuida-
do alfana para se conservar no limeiro sempre
nona-a Mtau rr, u sera
frtl aaSnaanatellas iuherentes lodas as tintas
eiihfcidas, aluda mesmo dos melbores
Na, et ertiaavei producto nao ataea a*
* ac, astea pato contrario, a p^nua
Ipil esmalto domado qoe, sendo interes-
aaaee, asase proveitono.
ta tinta, nao sendo especialmente para copiar,
d Matad dcae, trea, os oaais cofua* a, .es
lajpLfciiimpto-; vmuoi-pnbm, dftar-ibe
cpepal bem moibado sea o enuur com o mata-
w0 rjl oio ha ri*co dfcborrari Para se
mais d om eonvayuio se ag g)omrani tan*
' aaw -cHim se querem tirar, mae
igoal tirar a urna untas qiunus
loa, mm qua o original fique urejudicado
feiai traeres.
Oeeorre aqoi diaer qoe, para copiar importa
UtauaillHioaia -hMlitde,em e qoe a me.
r*r Ttawn nin iibiiSm. edeMto rana seaaare
ihm, qu maiiM vaiM e aem meaos
MlMade dewatiau extremamente
F pea qoeMt qa *mqmlq*m ee-
do que urna tiou para os >
Wa^rabilidade, to ha a oppor
cripta soffre o eboque de cidos fortissimos, sem
se decompr; ora, se os cidos nao tem accao so-
bre ella, muite menos a accao dc< tompo a pdg
destruir; islo plaisiv.il.
Nao s ao commercio que este mea producto
Teio ser til ; os professores dos collegios, loesti-
ganda todos os meios para o adiaDiameoto dos
seus discpulos, tem approveitado esta tinta, que
com ratao a acbaram apta para desenvolver o
gosto nos educandos, ero conseqneneia da belera
da cor e facilidade de correr na pequea pela sua
liquidez. Ha exemplos de enancas que havja
muito lempo tinbam orna repugnancia extrema
para a escripta, logo que foi admiltida esta tinta
no coliegio, apoderou-se dettaa a euriosidade e o
gofio, e poooo tempo depois o sea adiantamenio
era roauitesie.
Esta tinta, par de tantas vaougen?, tem um
nnico inconveniente, deieriora-se ao contacto de
oulra qualquer; c- nvra pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de ootra tinta, e evi-
tar e.-urever cuma peana suja de ama preparadle
niftVreute e incompativel; verileando isto, nao na
raan para se usar de tinta que nao sela a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIRO.
Observa Diversas (alsiflea,c8es e seraelbancas tem appa-
tecido, cu)a dnrabidade duvldosa. Os Srs.
compradores podem aviur o engaso rtand**
easaa eiroauHpectas^je pedindo a nt. oaa ea
(anrtee
BHeililIATICO K COTTOSO
ESSENCIALMENTB BFFICAZ B INFA LUVEfc EM DBSTMJHi AS AafelAS B
EVITAft A. 84JA POWIACAO
Guiados pelas indicares de maitos abalisados chimicos, e medico* distinctos, qoe
se deram ao estado avngatelo daa ousai qae prodoiem os patmnaotos de rAea-
matismo, goita, areias dos rhitu, bextpa, figedo, i'ttras vineras e aos enaaioa doa
meios preprios para cural-os, cbagasoea a oblar um remedio, qae nanea desdisse a soa
actividade contra os ditos pidecioeatoe*
Nao nicamente bateado em tbeorias qoe tanto avancamoe, mas sio nes satis
factorios resaltados obtidos da sua applicacSo, as innmeras eiperi^ 'as, qoe cosa eHe
fizemos; e deste modo, segoroa-da seas benencios efiaitos, afooumeate o recommenda-
moss pessoas qie soffram alguaua das awlestias acioa ditas, oa de algnaa ootroa pa-
decimentos do apparelho ociojria, taas como o diaL lto, glycosurico albuminurico
etc.
Escasado seria observir qae se ala pode designar om numero determinado de dses
de om medicamento pan corar todoa os iadivideos qae padecam da mesma molestia ;
pois que a cura est dependente da dtersas circomstancias, inhareotes disposico na-
tural ou compleicao, da cada om delles; mas 6'conUodo, certo qoe o hydroleo lytho-
trptico anti rheumatico e gottoso predas sempre acora desejada, qundo se persista em
toma lo o tempo precisa para obtena.; deveado ter-se em vista qoe quante mais iavete
rado est o mal mais se deve insistir na appbcacao do remedia.
Podemos tamben affiancaj- qae, por seis continuado que seja, o osa deete rew
dio nSo cansa dessrraajo ajgstft aaa vas digestrvae, mss antes, pela propriedade eminen-
temente tnica, que tambem possue, fortifica o estomago, torna mais facis as digestees
e, n3o poucas vezes, tem feito desapparecer diarrbea, qoe eram entretidas pela debili-
dade geral do appirelbo digestivo,
0WTW5TJSAR.
Tomam-ce do hydroleo lythotriptice, nos primeiros quatre oo cinco das, duas co
Iberes de sepa, em agua assucarada, leite, cha" oa caf com leile, e mesmo sem mista
ra algomi, na occasi3o do almoco, e outras ao principiar a jaotar.
No quinto oa sexto da e seguales, tomam-se do mesmo modo dit), tres colheres
de cada vez.
Se as ourinas da pessoa doente depositam grande poroao de areias; se as dores
nephriticas, rlieumaticas ou gottosas sao constantes; cm fim, se os padecimentos sao
fortes, tomar-se-bo quatro colheres de cada vez, oa trea vezes no dia, a tres colheres
de cada urna.
Quando as areias, ou outros padecimentos, tem diminuido, torna-se is primeiros
dses.
Pelo oso do Hydroleo lhotriplico vao sendo mais raros o apparecimento das areias,
s dores nephriticas, rheumaticas e gottosas at quede todo desapparetem : neste ponto
pode dispensar-se o remedio : ot, porem, como preventivo, tomar cadasema&e orna
ou duas dses delta.
. Pelo que respeita alimentacao, deve ella ser regalada de modo qoe nao sobrecar-
regne o estomago, e em quantidada tal que posst ser fcilmente digerida.
A roelbor bebida sem dovida, a agua pura, mas tambem se poda asar de vinho
simples ou pouco alcoolico. De cerveja e vinhos fortes, poocas tenes.
Sobre lodo o qoe muilo recommendamos, grande exercicio, sem fadiga, pois qoe
elle muito contribu* para a rapidez da cura.
N. B. Depois de tirar-se do frasco a porc3o qoe se vai lomar, deve baver o maior
cuidado em o arrolbar inmediatamente.
nico deposito em Pernambuco
Pharmacia americana de Ferreira Maia & C, roa do Duque de Caxias n. 57, (an-
tiga do Queimado.)
ELEGANTE

N. 1Ra Estreita do Rosario H,I
AH BfIJfl TIIM
Acaba-se de abrir este importante estabelecimento demiudezas superiores com os
m> Ihores artigos de luxo e de moda para bomens e senboras, variado sortimento de
perfumaras dos mais Condray, Pinaod, Regand Chonneanx, MonpelaSj sociel Hygieoique, Gosnel,. Rimmil e
PiesEeZLubin, etc., etc.
tambem vende colchas e toalhas de fusilo a
HOO extraordinariamente barato, roa
Estrella do Rosario n. f.
collar electro.
At que afina! ebegaram os verdaderos
collares de Royer, contra as convolsoes das
criancas e facilitando a denlico, e esto se
tendeado a 30000 no Musen Elegante
ra Estreita do Rosario n. i.
Alta novidadft
O Museo Elegante roa Estreita de Rasa-
rio o. 1 vende ricas camisas de cambraia
de linbo hornadas para no;vas, e tambem
de madapolo fino, bordadas e en'eitadaa
de ntremeos a 40#, GO0 e 750000 a do-
zia.
Lindos perneadores guarnecidos de ntre-
melos e rendas valencione, ricas calcas de
linbo bordadas e de madapoiao, paro senbo-
ras, bellissimo sortimento de golinhas e pu-
nbos cousa inteirameote nova, recebido pelo
ultimo vapor da Europa.
PARA BAPTISADOS.
O Masen Elegante recebea os mais finos
e ricos enxovaes para baptizados e tambem
lindos vestidos enfeilados para crianca, roa
Estreita do Rosario n i.
C i ima moda.
O Museu Elegante recebeu os mais lindos
e modernos chapeos de blood enfeilados
para senboras, e tambem de velludo e pa-
Iba paro criancas, e est vendendo muito
barato para vender logo, a roa Estreita do
Rosario o, i.
Flores e plumas.
O Museu Elegante est vendendo as mais
bailas flores e plomas que tem vindo ao
mercado, assim como nm lindo sort men.o
de franja de seda preta cousa de apurado
gosto roa Estreita do Rosario n. i.
BOTINAS.
No Museo Elegante vende-se botinas de
n. 20 a 3 pOara criancas a 20000 o par, e
As de 54 por 4^800
Na verdade barato !! Facas finas cabo
de bataneo com dois tiotoes a 40800 a du-
zia, nm completo sortimento de colbe-
Iberes de electro-piale e facas com cabo de
marfira, tolo por preco baratinbo qoe ad-
mira, no Museo Elegante roa Estreita do
Rosario n. i.
AS MODISTAS.
No Masen Elegante encontraran nm com.
pleto sortimento de bico de blond bronco
e preto, dito crochet, trancas e franjas de
seda de todas as coras, grande sortimento
de gales de algodao cousa de lindos dse-
nhos, cambraia franceza branca e preta para
forrar vestidos, retroz de todas as cores,
ntremelos e babados tapados e transparen-
tes e agulbas de ferro, osso e marfim para
crochet, rna Estreita do Rosario n. i.
ImltacSo de ouro.
O Museo Elegante vende ricas votas doo-
radas para senboras e tambem meios ade-
remos imitando coral, perola e gata lodo
por precos razoaveis, na ra Estreita do Ro-
sario n, l.
Mantilha brasileiras
No Masen Eleg?nte ra Estreita do Ro-
sario n. 1, ven e-se lindas mantillas de
labyrintbo a 640 e tfSOD, ra Estreita do seda parasenhoras a 15000, consa vinda
Rosario n. 1. | Do ultimo vapor.
Lftbyrmtho
O Museo Elegante vende ricas fronhas de
NA CALIFORNIA

DE
FAZENDAS BARATAS
A ra do Queimado n. 17 ou 59
Loja de Carlos Jos de Medeiros & C.
Junto a phatmacia ameiicaua.
Alm de outros artigos baratos, encontra-se os segointes:
Pecas de cambraias brancas com 8 varas i 2#600, 30, e 30600,
L3asinbas a 30 ra. o covado.
Camisinhas bordadas para senboras a 30000.
Chitas a 200 e 240 rs. o covado.
Cambraias de cores a -240 rs. o covado.
Chales de merino escamados a 20000.
Cortes de vestidos com 2 aias a 40500.
Madapoiao a 44000 a peca e grvalas para-horneas a 200 e 300 rs.
Diosa amostras mediante penbor.
Pf)^".
v C ASAN
Venue-se duas c*as ternas na regutrJ de
Santo Antonio, multo freeas por d3o terem casas
deln ota, com eomnniDlrafCfs interna taudo ara*
Ulaa, faWuete, ciuro quarto-, qaiaiau e casi
ba : trata-se i na Imperial subrayo 9a. <
i' i i .r
Vende-se
miibo novo irrw dncaast, no ar
Hlrttlos, & ra do Miaaawae OUnaaa. uvesena
aaa aaa-in*aB a
^oata loa saaiio asm Mta : na roa Duqua

4
RA DUQUE DEWAS N. 52
{Qutr'or Queimado n. 8.)
*
A Afola Blanca teado j recebido part de saas
antifaa eocoawaada, em aeguimeoto acaba ago-
ra mean d*receber outras, algomas das quaes
M toroavam essencialmeote precisas, e oulra se
firera apreeiaeas por seus gostos e qualidades,
cano sejaoi:
Meiaa de no d'escocia, alertas para senboras
i meoiuis.
OHas dem eom listas tambem para senboras
e meaiaaa
Ditas ifWa tnuitc bonitas ao posto escocer.
Ditas dem dem brancas e com UsUs para me
ulnas.
Dita* Meo) dem para baptizados.
Ditas de algodao compridas e com listras para
Luvas preus de seda, para
Ditas le torca! e de seda pa
senbora.
torcal e de seda pan meninas.
Bonitas camisinhas bordadas para senhoras.
Fil e aea, braneo e preto com flores miudas.
Dito da algodao, liso e coa llores.
Touquinbas bordadas para criancas.
Lindos e modernos chaposiobes de fuslao para
das.
Pentee de tartaruga para desembaraear ou pen
tear.
DUoa da dita travassos para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, pequeos, para segurar o
tmirradilho aos cabellos de senhoras.
Grande sortimento de eofeites de seda para ves-
tidos.
Fivi Has de madreperola e de tartaruga para
puleeiri e lacn para o cabello.
Bonitas b Icwibas para meninas.
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A agnfa branca acaba de receber novo sorti-
menh) d Hndos o completos enchovaes para bap-
Hsados, a bea a.-sim separadamente camisinhas
para ditos liados cbapeosiobos du setim braneo
burdado.i, outros ditos com fundo de velludo, obra
d multo gisto.e que servem tambem para pal-
ete, sapatihos de fe im para o mesmo flm.
MODERNOS EXFEiTES DE FLORES,
ornados com hic-is de seda, us de selim e flvella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, .smenlos, etc., ele
FLORES E tEPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca reeebeu nudos ramos de floras
Boas, Unto para caneca cerno para chapeos, a
bem assim :
Papel verde lUo e com listas pira Mhas.
Dito de cores para flores.
Folbas de diverjas qoaJades para rosas.
Ditas verdes e lustrosa', obra n< va e pela pri-
meira vei vindas como amostra.
Franjas pretas e de diversas larguras pan en-
lejiar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OSTROS
MOLDES.
A Agola Branca acaba de receber urna peque-
a porcia dos bonitos e moderaos coques gran-
des de tranca e outros moldes.
COLLARES ROYER ELECTRO MAG-
NTICOS.
A Aguia Branca acaba de receber os proveito-
loe collares electro magotlicos j bem conhect-
dos para facilitar a denticodas criancas e.pre-
serva-las das couvuli-es.
SOBRE-SAIAS OU ANQUINHAS DE
CLENOUNE.
Ero substiluigio aos bs de.- vieram as anrrat-
' nhas de clenoline, e acham-se venda na. leja da
i Ajuia Branca.
QUADROS PARA RETRATOS,
A Aguia Branca reeebeu variado sortimento da
quadros para retratos.
LENCOS BORDADOS.
A loja d'aguia tranca, a roa Duque de Caxias
n. 52, ontr'ora do Queimado n. 8, receben bonitos
lencos de cambraia de bono primorosamente bor-
dados, e como de seu louvavel eostume est oa
vendendo baratamente a 5J00O, 6, 8* e 10*000
cada um.
TAM EM RECEBEU
ricas camisas de fino esguiao de linbo eafeitadas
com muito go.-to, e propria para noivas, ou mes-
mo oulra Exma. senbora que posea e queira aug-
mentar o numero de sua boa re upa branca.
ARMASEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
t* Os proprietarios deste grande e bem montado estabelecimento scientificam ao
respsitwel pblico desta provincia, que se acbam com um variado e completo sortimento
de motis, lano nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos capricho por
om dos sociosqnese acba actualmente aa Europa, e por isso os podem vender mais
barato! 20% nwnos de qne em outra'qaalquer parte. O mesmn tem contratado com
os melbores fabricantes daquelle coii'inente as remessas das mais ricas mobiiias feitas
mobiiias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de priuaeira
ordene Pedem, portanto, que venbam visitar dito estabelecimenio, onde encontr-ro
a readade doqiw acaham de expr, passandoa examiaarem : ricas e completas mobiiias
de Jacaranda, mogno, faia, cana ho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
jacaraBd, po-setim, amarello, etc. etc., goarda-vesiidos de amarello, guarda loi.ca de
oogneira, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petits
totett-'S, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pdra,
e maitos outros aitigos de gosto, que para se nSo tornar enfadonbo pre&ciudimos de
azer mencSo delles, o que s com a vista poderlo apreciar.
RA OA IMPEVt7TRIZ M 3G.
Os proprietarios deste bem cono, cido e el gante estabrlecimento, srie tiOcam
ao res eitavel pub ico em geral, e com especulidade ao bello sexo (saas amovis fre-
tuezas) que teem recebioo p-^los ltimos paquetes da Europa, nm linio e variado sor-
limmto de tud.i quanto precizo [tara ima senhora (que se presumir ter bom gosto)
completar um elegante e invejoso toilet.'
Os proprietarios contando cum a valiosa coadjuv3g5o do sexo amavel, teem sor-
tido o seu estab'leciinentn de tudo quedo.nHhorse nespjar posa.
Os proprietarios julgando muito tnfadcnbo'ou antes por assim dizer imp ssivel
mencionaros innmeros ojuelos que com 03 o bello sortimento de que cima faliaram,
contentim-e apenas em relacionar aq elles que julgam mais re:ommendaveis pela sua
elegancia, noviaade e commudidade nos precos, como sejam :
Lindos leques de marfim a 8#00
Voltas de correntes de borra, ba a 1^400
Lindissim'S leques para meninas a 2#000
e 2d500
Leques de madeira a imit3cao de marfim
a 2#oOO
Pentes de- regaco para meninis a 240 rs
Di os com coa a de metal para alisar a
340 rs.
Duzias de linha de carretel 200 yds. de 80
a 150,800 rs,
Fivtlbobas dn madreperola para pulceiras
O par a 25300
Caixas 'com OO pennas (Perry) a 800 rs.
Dazia de meias para senhoras a 4.->ot0
Aifulhas para croihela 140rs.
Dozia de bot.s de setim para vestidos a
320 rs.
Caixas com 40 papis de agulhas fondo de
o roa20OGO
lli has de fil e cambraia bordadas a
240 n.
Carteirinbas com agulbas de todas as qaa-
dades e com om toque de ferrogem a
240 rs.
Ditas limpas a 500 rs.
Redes invisiveis para cabello a 400 rs.
Leques de madeira a imitacio de eanaalo a
StfCOO
Tem tambem grande qnantidade de flores
francezas, it-is de sarja de tod s as cores
e larguras, ditas de velludo, preta. e de
cores de todas as largaras e de muito boa
qualidade, ditas de setim e de s la.
Retroz de tudas as cores e de muito boa
qualidade
Lindas ces-'inhas de paiha brrdadas rica-
mente (roco e proprias para meabas
de e-coa.
Finissimas meias de Dos da Escocia, arreo-
dadas e proprias para fapatinho raro.
Completo sortimento de bico de feda braneo
e preto e do t ptima qualidade,
Bonitas capella para nenas
Luvas de pellica brancas e de cores.
A final existe ne te estabelecimento um completo e variado sortimento de tuda
doaoto b* de meibor e de mais elegante.
Os pr< pri-tarios r g^m as Exmes. Sras. a vi i i tare m o seo estabelecimento afim
de se convencerem do qoe tica dito, e no caso qoe nSo queiram dar-se a esta trabatba
poderSo mandar bosesr os livros de amorras ou qualquer objecto, os quaes serio im-
msdialamente remettidos.
Ra da lmperatriz N. 36
SA LEITAO & OLIVEIBn.
PAO RAMONOA
. nico deposito no Recife ra das Cruz n. 13 sem
alteracio de precos.
Eap
t'at nova de Lisboa.
f
LJ
Recentemente chegada do brioe Encon-
laVede Joaquim Jos Goocalves Bellr9o
foMo eacriptorio ra do Commercio no-
A loja da praca da Indpendeneia n. S. cha-
goo nova remessa do mata aordludo rap gana
grnsso, Qoo, Rcha, franaea, rolio e. prioonta da.
Babia, Liaboa e Paulo Cordero commoo e viajado
vende-se em libras e a reata,
VeiidcHB'
a loja da louca da ierra siU ra de VangM a.
apretaadar dtrija-M a aaoanw m a pit-
ia n, 33, que aeaari cao quem
lj^pr,
\


III -
8,

m
"5ST
Ttr
Diar dt PernamV-aco Sexta ftir \P fetnibro d Iftl
ASSEMBLEA GEEiL
CMARA DOS DEPUTADOS.
DiiCH$8o do elemento servil.
(ContinaacSo).
Na industria fabril anda mais seosivel
essa differenca. Em 1850, emqoanto o
Sul s produzco 166 milhojs *de dolan, o
Narte chegou a produzir 916 milhoes, ou
cinco vezes e tneia mais do que aquella os-
tra parte do paiz. -*
O Sal reraettia p^ra o Nirte as materias
primas, os productos brutos, e receba o
manufaiurados, e conOguintemento de valor
muitis vezes duplicado.
Nao meaos oolawel a diffareoga que tam-
bera te observa do commercio. na poca re
terida, sto em 4850. O Norte tioba nm
pessol quasi triplicado empregado nocoiu
mercio, possuia meios de trafago coramer-
cial moiio mais considerareis, assira como
o valor do commercio, e seus lucros eran
-quatro vezes e lano superiores aos do Sul.
Em 1855, porm, segundo o relatorio an-
nual do commercio e naveglo, o'numer i
de toneladas j era nos
Estados do Norte de........ 4,252,612
Estados do Sul do.........
855,517
E' de supporqoe estes algarismos este-
jam presentemente muito mais crescidos,
e qne a differenca seja mais considera v. I.
Qaantoao valor da propriedade, basta di-
zer que s a differenca do valor da propri i
dade no Norte exceden, no periodo de
1850 a 1856, o valor de toda a propri j-
dade no Sol. Releva notar q e o valor de
cada acre dos Estados do Sil, limitropbes
com os do Norte, era moito superior aodos
outros Estados qua ficavam man distantes.
Assim ao passo que na Delaware eniMi-
ryland o valor de cada acre oscillava entre
18 e 20, no Kentucky era de 9,03, e do
Missouri de 6.49. Emi n, sniores, o
raappa de que falio vos dar idea mais clara
e ampia sobre este ponto.
Sr. presidente, seria esta a occaso de
dar urna resposta cabal ao nobre deputa lo
pelo Gear, que com taoto furor 6 gana M
atirou sobre o parecer da comrai3s5o e o
seo relator; mas, seohores, entre mim e o
nobre deputado ba um tmulo venerando,
que me nao dad a transpor... O silencio
, poH, a minba nica resposta. (Muito
bem!)
Estou fatigado, Sr. presidente, nao posso
proseguir. E' provavel que anda volle
discusso para considerar mais detidamcnte
as disposi(5es do projecto ; boje o meu ira
foi contrariar o libello de accusaco ; for-
mulado contra o parecer da commisso ; fo:
mostrar que nao disse ella esses tremendos
horrores q e se tm feito crer. (Apoiados.)
O Su. AraujoLima :- E o tem consegu
do. (Apoiados.)
O Sr. Pinto de Campos :A communa de
Pars, seohores, suscitou em meu espirito
ideas as mais tristes sobre o futuro das so-
ciedades que seseparam deDeus; mas, re-
pito, estou fatigado, nao quero abosar da
bondade da Ilustrada disidencia que me
tem ouvido com tanta attencio.
- OSr.Gardqso Fontes:E o temos oo-
vi])com muito prazer.
O Sr. Pinto de Campos :Ora, grabas
a Deus, que j ouco daquelle lado urna pa-
la vra de amor t (Risadas.)
E espero que uavemes de acabar abra-
cados.
O Sr. Diogo de Vasconcellos :Temos
apreciado devidamente o sou bello talento.
(Apoiados.)
O Sr. Pinto de Campos :Sim, havemos
de acabar abracados, porque todos nos qoe
remos o bem da no lado* nos queremos expungir de seu seio
; reste da escravido com todo o seu car-
t;o de vicios e immoralidades. (Apcia-
:s.)
Senharesl As grandes enfermidades,
coso a? gran es miserias, as devastaos
pjsicas, como as catastropbes sociaes, ap
precetn sempre aps orna grande perver-
sa do costumes, e sao ao mesmo tempo as
suas consequencias e o seu castigo. Rama
Cbij, diz Monlesquiep, depois que o verme
yio epicurisma Iba penetrou no amago da-
quella grande arvore social, que, tendo as
raizas no Palatino, estendia seus ramos por
todos os pontos do mundo conbecido A
historia nos atiesta que por toda a parte,
e sempre, a queda dos tbronos e dos im-
perios c preparada pe i corrupco dos res
tira dirfito 4e fallar-Ib de criaalanisrao,
de ll moral, da"c vflisacTo.
c Todtya, ha nes*e mundo oaaaal grande
^^V^^R IoJj a creacSo Acontece em
a qaTproVif-iucia prodiga de recan-
entas tempo*aes aquelles que eaecatam a
loa vontade; por isso qoe %j> hornera
sabo forte e andar!, em riqueza, e
em gloria e honra ; e portsso tambem
iue t os peccadores andam sempre ni po-
breza.
T3o rpidamente como me possivel pre-
tendo provar ho,e, anda no mesmo terreno
da prosperidade material, que a escravido
o pejpr mal qe ple cahir sobre urna
socudfle; nao serei eu, todava, quera o
provar, mas os algarismos dos censo, que
kixo referidos.
A fonte de toda a riqueza t> trabalhi,
urinal o hornera. A populaco relativa do
sul e do norte ser, pois, pruneiro investi-
gada. O trabalho do homem principal-
mate no campo, na fabrica, na troja dos
productos de um e de outra, e o que o ho-
mem retira do seu trabalbo das suas des-
pszis constitue o seu^ patrimonio. Investi-
guemos, pois depois da pnpolnclo, a agri-
cultura, aa fabricas, o commercio e o valor
da propriedade as rfuis seccSes do paiz.
(Segu o calculo da populaco, qne otnit-
timos.) **
agricultura.
Os quadros sobre a ag ioultura a a r-
que/.i relativa que este ramo da mdastria
creon silo talvez os mais ioteressantes de
todos para os brasileiros que a ella se de
dicara quasi que exclusivamente.
Ess's qaadn.e nos mostrm o numero de
plantacoes, a quantidade de trras araveis
e aradas, o valor, a prodcelo dallas, e ha-
dos os dados que se podem raxoavelmente
esperar de umi estatistica. A Cdifornia,
ver-seba, est omittida; mas esta fa la est
mais do ojie compencada com os exagerados
algarismos appensos ao nome da Carolina
do Sal, nao se sabe como, talvez por ei-
gaa a do commi-saro de censo neste Estado.
Verbas. Estados livres. EU. com esers
564,203
dos objectol fabrica
eia; em 1840 aquel-
la popalacio i etan doalicada, ao
valor dasses Octetos iubw a 370 milbdAs
e meio, isto a quasi 104- vezes o valor d
18W. -^
Aflora do sol popola;io neste sano da
.1820 foi d 4 milhoei e aeio, e em 1840
de 7 mlhoes, ao passo qd% suas fabricas
s produjiram an primiiro 19 miluSes
meio, e oo segundo rtesses annos 106 mi-
Ih5es, ou s 5 e cinja/vezes mais.
QuaQtoa 18507 Ss-aqui o qnadrogera!
das manufactura! : .
Varas. BaU lirr ET*
Nomero de fibrica*. 93,721
Capital. i 43),liO,031
Vaijr di materia
prima euprafada. 49,844.0M
afaoi, bornea. 57,9i
> oulherii'. 103.62i
>laros Mauaes. 198,976,453
Prsdacci) anonal. 852,588,058
Lucro aaaual calco-
hado. 376,741,966
Ena tabella, porm nao diz
dade. Fazendo-se o calclo
se dos Estados cora escravos
voa
i 9
e dos povos; par igual nos atiesta qua lo
dos esses profundos abalos polticos, q e
faz-jm as sociedades estremecerem em -seus
gonzos, sao coDsequencias impreteriveis de
eslrond isas infraeces das leis divinas e hu-
manas, (Moitoi apoiados.) Mas, seohores,
n5o se imagine que todos esses infortunios
e prcvacOas tremendas sejam castigos arbi-
trarios da Divina Providencia; n5o, senho-
re?, sao males necessarios e iaevitaveis,
coja explas5o dirigida par aquella mesma
lei da nalureza, que faz rebentar grandes
tempestades, depois de se haverem accu
mulado as nuvens massas enormes ^e ele:-
tricidade Mas, se na ordem physica a-
tempestades tm o grande mrito de purifi-
car a atmoi'phera, na ordem moral tem
tambem o mrito relevante de purificar e
renovar a face da scciedade.
Nesie caso, considero a importante refor-
ma de que nos estamos oceupaodo. (Apoia-
dos.)' Tempo vira, ea que nos encheremos
do mais nobre orgulho, por havermo3 em-
parelhado com os outros povos cbrisiaos
na realisacSo deste grande empenho social,
que a a:e do mando cootrahio o Bras I.
(Apoiados.) E, se algans oradores da Ilus-
trada disidencia tm concluido seus dis-
cursos, pedindo imprecacoes coatra aquelles
que sustentam esta reforma, eu, pelo con
trario, coacluirei o meu, pedindo as luzes
do cj sobre toJos aqaelles que, oa por erro
invencivel do entendimento, ou porob3tina-
q5i da vontade, s oppem a tima reforma,
que ser a chave de ooro, que nos abrir
as portas do concilio universal de todas as
naces civilisadas.' (Muios e repetidos
apoiados.) Tenho concluido. (Moito bem I
Muito bem / O orador felicitado por gran-
de numero de Srs. deputados de ambos os
lados, e por todos os Srs. presentes.)
Eis o trecho da correspondencia do3 Es-
tados-Unidos a que se refere o orador :
Ou a escravidSo um peceado ( contina
o correspondente), orna transgressSo da
vontade de Jasas Carillo, ou n3o : se ,
deve ser cortada, porque iftvemo corta-la'
porque somos ehtaos, isto reconhece
inos a Christo como o expositor da verd ide
nica ; se alo se d3o d direito, nem lei
de caridade, entao que cada um continu
na posse pacifica do que tem em escravido,
e diga abertamente ao mando qae elle n5o
PhntiQBes. 877,736
Acres culti-
vados. 57,6S8,040 54,970,427
Acres na-
cultivados 50,394.734 115,781,855
Val >r da
planucoea
diobeiro a
vita. j 2 143,344,437 J M 17,649,649
Termo m- *.
dio do va-
lor de sa-
da acre. $ 19,83 i 6,18
Valor doi
intruruen
tos e ma-
chiQismos
agrarios i 85,736,638 t 65,345,625
Numero to
tal dos..
acres dos
Esta los. 292,234,889 544,926,720
Destes algarismos resaltam logo pri
meira vista as seguintes conclajoes :
t. O sul tinba quasi o dobro da super-
Scie do norte ; mas apezar disso.
2. Tinba m nos territorio ciltivado do
que o norte.
3. O sul, apezar de sua grande fertilida-
de, tinba quasi tres vezes o ouraaro de acre
nao cultivadas qoe bavia oo norte.
4. O valor das plantacSes deste, oceu-
pando ama rea pouco maior do qae as do
sul, quasi dobrado o das deste.
5." O valor de cada acre da norte tres
vezes o de cada acre do sol, a numero to-
tal dos acres cultivados, repatiaw-lo, san Jo
quasi o mesmo.
6.* O valor do machinisaio a astrtamen-
tos agrarios das plantac5s do norte excede
muito aos dos do sol.
Se examinamos mais de porto as taboas
estatistios, acharemos outros fados moito
cariosos. Por exornlo:
turnan
144,377
21,360
i 33,257,50
195,413,027
79^2a\388
toda a Tar-
e dedatiado-
quota de
algun districtos formados de ama popara
Ci > extica e livre, o resaltado este, na
quelles Estados :
Capital. 64.196,737
Operarios 10 i, 100
Prodocta annaal. 4 95,116,234
Dita dita por cabeca 914
Aj un tan do-se agora cola ana dos Esta-
dos livres a di le renga de qae fallo, o re-
sultado sera este: para os Estados sera es-
cravos :
Capital. 4 461,073,194
Operarios. 834,212
Prodcelo annual. # 912,882,801
Dita dita por cabeca. 1,089
E isto nao anda tudo. O Estado d i
California ;n3o est incluido abi. Os map-
pas de censo de 1850 tomaram fogo ao se-
rena remettidos a Washington, de modo
que o Estado nao flgurou no censo, e s
em 1852 proesdeu-se a aovo censo qae de-
pois o congresso ordenou qoe fosse consi-
derado parte do censo gen!. Ora, em
1852 a California tinba perto de seis ra
Hules esapregados em fabricas, e prodozia
annuaicoente 30 milhoes de productos. As-
sim, o balanco geral das fabricas dos Es-
tados livres era este :
Capital empregado. #r467,05.7O
Operario de ambos os sexos. 835,212
Prodacc5o annua. 942,882,801
. At aqu a cifras d censo. Agora
confrootemo-las a chafaremos a este re-
soltado.:
Nos Estadoi oode nao eiisiia a escravi-
do, o capital empregado as fabricas asa
sete vetea isaior; a numera da operario
era oito vates maior : a arodtoccao annnal
era das vaxes maior, do qoe nos Estados
com escravos.
GOaanatflG W
Passem as agora ao commercio: E' moi-
to difflcil mostrar qpal o qaiohao do com-
mercio lo p ic, qoe competa a cada Estado
am separado. O dados aatatisticos sio
muilo complicado* e incompletos a este
retpeito. Quaoto ao eomaeercie externo,
porm, mes dado ai aasi otaros e per-
feitos.
Tem-se constantemente recenhecido as-
la paiz e assim o> peasa Da B"ow no
e passoas faeeada pfkfissV) do com-
d qnf-aM{isto dada qoe o
medio do trabaHio desempenhado
palo negociante do sul slji o mesmo qne o
daaealpaahado palo do norte.)
3 O norte tinba mais de duas vezes a
socnauO meios de traeg'i commercial que
tiaba o sal.
Dettas tres concluQas parciaes, tiramos
o resoltado geral da comparaclo do com-
mercio as duas secgea, a saber :
O valor do commercio e seus lu/.ros era
qoatro vexas etanta maior no norte do que
do sol.
Posteriormente em* 1855,- e segundo o
rotatorio snnoal d commercio e nivegac5o,
o noaesro da teseladas era nos
Estadal do norte. 4,252,615
Estado! com escravos. 855,517
isto o norte tinba cioco vezes mais o
ajero da toneladas do sul.
VAL*R BA PROPRIEDADE.
A segointe tabella d o valor da proprie-
dade real e pessoal dos estados livres e com
escravos, ea 1850, segando o censo offlcial
reapectivo; o valor dos esrrsvos do sul a
400 dollar cada om, e o valor da proprie-
dade real e pestoal em 1856, segundo urna
exposic3o qae o secretario do thesooro
commonicoo ao congresso nesse anno.
I
e aquella sjpfllo do pa, e
VERBAS
KSTADOS LIVRES
Propriedade real
em 1860..........
Propriedade pes-
soal mclaiodo
escravo..........
Propriedade real
epeasoal.idem
Valor rerd.deiro
desta proprie-
dade, aeguado
o calculo do
saperioteodeo-
le do censo....
Propriedade real
e pessoal ex
1856, segando
o thesouro.......
Valor dos escra-
vos, a t 400...
Valor verdadeiro
da proprieda-
de, nao in-
clnindo 03 ea-
eravos........
t ,47,115,871
737^8,768
3,184,514,639
KSTADOS COM ES
a*Avos
4,107,102,198
5,770,194,680
......f
# 1,430,589,016
1,381,894,183
2,812,473,199
2,936,090,737
3,977,333,946
1,280,145,600
1.G.T3.945.137
Ao passo que o valor de cada acre nos
Estados do norte que do estavam de fron
teira com os do sul era de 5 22,17, o valor
de cada acre dos Estados do sol, que limi-
tam com os do norte, muito superior ao
dos outros Estados, que estro mais longe
da influencia das instiluicSes livres dos pri-
raeiros. Assim o valor de um acre no De-
lawaie c no Mary'and era entre 18 e20;
na Virginia 8,27, no Kentucky 9,03 e no
Missouri ,49, o termo medio sendo #9,25.
Ni Carolina do norte, porm, um acre n3o
valia mais do que 3,24, e na do sul 1,32,
na FJprida 3,97 e assira por diaote, de ma-
neira que o termo medio do valor das tr-
ras dessos Estados era apenas da & 3,74.
Assim o termo rado do valor de um acre
de ierras dos Estados do norte promiscua-
mente, era > 19,83 e o dos do sul 6,18 ;
nos fcistados do Sul limitropbes aos do norte
9,25, nos limitropbes, 3.74, sto a diffe-
renca do valor da propriedade immovel en-
tre o norte e o sul eslava quasi na mesma
razo que 03 Estados do sol, perto e longe
da influencia dos Estados livres.
Tenho examinado o valor da propriedade;
vamos agora ver o da prodaeco : Foi este,
para os
Estados livres. .
Estados com es-
cravos .
Somraa .
0 827,054,955
634,570,057
5 1,461,625,012
Dividida esta somma pelo numero de
acres cultivados vemos que cada acre pro
duzio nos Estados livres > 7,94, e dos que
tinbam escravos apenas 6 3,49.
Anda mais : Dividamos esta somma pelo
numero de pessoas empregadas na vida
agrcola nesses Estados e taremos este re-
sultado :
Estados livres, 2,509,126 agricultores,
valor por cabeca, # 342.
Estados com escravatura, 3,697,649 agri-
cultores, valor por cabeca, #-171.
Agora tirando a conclosio geral do censo,
em relacSo agricultura nos Estados Uni-
dos, podemos formular assim o qae estes
algarismos nos mostrara, a saber:
O norte, mal apenas com a metade da
trra cultivavel e s com dous tercos dos
bracos do sul, prodozia cada anno duzen-
tos e vinte sete milaods de dollars, em pro-
ductos agrcolas, mais do qae o sul. Em
cda acre produzia o dobro, e por cabeca
mais do que isso.
Assim, pois, na agricaltura, na soa mes-
ma especulidade, os Estados do corte leva-
vam vanfagem aos do sul, e aos saos qoatro
milhoes de escravos nao remunerados I Na-
da ha, portante, mais natural que a compa
raco dos seas recursos anda se mostr
mais odiosa, em re'ago a outros ramos da
industria. Tomemos, por exemplo, as
FABRICAS.
Neste ramo tenho dados certo, relativos
a 1820 e 1840, e servir-me-hei denos tam-
bem, pois, por serena antigos, sao otes la-
voraveis do qae desfavoraveis ao progresso
coaipeadio do censo-de 1830V qoe a
dos paoauctos agrcolas a todo os
tos fabricados slo objectos de com
Sendo assim, o- movmeoto comm
nesse anno foi :
Estados livres. 1;,377,199,968
Estados com escravos. 410,754,992
,41,787,954,960
O compendio, do censo de 4850 a3o ena-
mora designadaraente por Estados, das pes-
soas, coja profisaao o commercio, o tra-
fago e a oavegatao. Mas estes pormeno-
res os acharaos no de 1840. O numero d
pessoas qoe entao se da.vam a esses mis-
teres era este :
Estados livres. 136,856
Estados com escravos. 5,622
Somma. 489,478
Com esta base, a observando a lei do
desenvolvimento do paiz, ootem-se para
1850 o segoiBta resallado:
Estados livres. 188.271
Estados com escravos. 70,165
Somma. 258,436
O commercio interno transprtalo em
tonelagm registrada, por caoaes, estradas
de ferro e estradas publicas. O numero
das toneladas em 1850 era nos .
Estados livres. 1,452,232
Estados com escravos. 475,405
Samma. 1,934,637
Das estrada; de ferro em actividade ha
va, em 1854, o seguinie numero de mi-
litas:
Estados livres. 13,105
Estados com escravos. 4,212
Somma. 17,317
E, qoanto aos canaes era este o numero
das milbas tambem em 1854 :
Estados livres. 3,682
Estados com escravos. 1,11,6
Somma. 4,798
O commercio estrangeiro f i transporta-
do em tonelagm registrada dos Estado)
Unidos e em tonelagm estrangeira. A to-
nelagm estrangeira que entrou em portos
americanos em 1851 foi 1,939,091 tons. e a
tonelagm dos Estados-Unidos 3,054,349
tons. O valor das mercadorias Importadas
em vasos estrangejros foi de 52 milbSes e
meio, e em vasos americanos 168,216,000
tons.: de modo qae mais de tres qurtos
do valor do commercio interno era trans-
portado em cascos americanos. Ora, a to-
nelagm registrada em duas secesos era
esta
1
Estados .livres. 1,330,963
Estados com escravos. 250,880
Somma. 1,581,843
Com estes algarismos, podemos chegar i
verdad sobre o estado do commercio do
paiz de tres modos diversos : avaliando os
ganaros transportados, verificando o some-
ro de pessoas qae viven do commercio, e
computando a tonelagm, milhas de ostra*
da da farro, e pablicas a de canaes. Nos
tras casos o resaltado ata:
i* O valor dos prodoctos qa entraram
no commarcio dos Balado livre ara Mis
de duas vetes maior do qae o dos Estados
com escravos.

Assm, o verdadeiro valor da propriedade
ao sul era, em 1850 $ 1,655,945,137, e em
rmtf A 2,505,1861,346, deluzindo-se o va-
lor dos escravos a 400 dollars cada om.
Ora, j eu disse qoe a rea tod > do es-
tados ero escravos era 392,062,080 acres,
6 que esses trra estavam avahadas, em
18II), em 1,107, 162,198 ao 10 dollars
a 47 centavos por cada acre, a que toda a
rea do- sol tinba 544,926,720 teres, ava*-
liadoi o-aqoelle anno em 61,646,945,137,
ou 3 dolhrs e 4 centavos por cada acre.
Em I856V cada acre do norte valia 14 dol-
lars e 72 centavos, e oo sol 4 dollars e 59
cea*vos. Besta maneira:
He cinmannos o ra(br da propriedade
no modo sur escravos subi de- ,-> 10,47
94,72. u'& 4,2, Qjie vem a-ser mais
do que 4 mmflco total dos estado* com. es-
ora vos.
Mais airada*: A taboa supra moetra que
o valor dos-estraves em 1850 (pela somma
geralmente admittida como aaoita baixa de
400dollars) era-de ira taboa asjlacor, sob o- tituloAgricaltu-
ra, ttoa> amado que a valor da planta-
c3b do soara- de 4 l,41.7,649.640t De-
duzindo-se esta somma aquella, achar-se-
b> que o valor do escravos excecHa o das
plantacoes par 462 milhoes e meio de dol-
lars, oo 32s\09fr000009i Ora, o numero
do senboros de escravos sendo 36,048,e
ajuntado o valor dos escravos ao das plan-
tacoes, acha-se o carioso resaltado, a sa-
ber :: -
Todos 8-haveres do lavradoves-que ti-
nliam escravos, quasi nada exceda m do
valor dos- mesmos escravos. Eis aqu mais
ama vez os algarismos:: valor das planta-
C5es, & l,*17,649,64ft;: valor de 346,048
proprietaros de escravos a 400 dollars,
#138,192,200, fazeodo um total de...
1,256,068,849 ; valor dos escravos....
#1,280 145,600.
Assim, o mais qae tem conseguido faz jr
a industria e a ecoaomia pohtua e domesti-
ca dos donos de escravos, em 250 amaos
de sua posse de horaens, nos lac s di es-
cravidSo, equiparar o seu valor delles
mesmos e de suas plantacoes com o preco
do mercado dos seos proprios escravos, de
maneira que elles valem tenos que esses
escravos, pelo menos, ec raomicamente fal-
lando, e tudo junto, Ierras, escravos e da-
nos, na a valem seqner a metade do valor
da propriedade nos estados onde nao pre-
valece a escravido.
O estado comparativo dos censos mos-
trara oulras munas conclusoes tristes para
os estados com escravos; poderia tomar
ainla. a educaco publica e mostrar como
o norte se avaatajou sempre mais e mais
em academias, collegtos e escolas sobre a
outra secco do paiz; poderia mostrar a
grande differenca no numero de bibliotbecas
e de peridicos, e no carcter delles, etc.",
etc. Mas o meu intento aqu ministrar
ao leitor brasileiro algun3 fados que pro-
vem que anda at no terreno da prosperi-
dade material ha tanta diflereoca' entre os
estados onde prevalece a escravido e os
estados interamente livres, como as trevas
completas e a luz da verdade.
Eisaqai um grande pas, habitado prin-
cipalmente pela mesma raca ; governo palo
mesmo systema, com a mesma fe commum
e com esperancas iguaes; frtil por toda a
sua extenso e de urna ferlidade admira-
velmenle igual por toda a sua rea. Duas
grandes secgoes o dtvidem, urna das quaes
a do sol, tem a extensSo da do norte e
mais urna quarta parte. Em 1790 comeca
a fonecionar o mesmo governo commum e
as duas seccoes teem quasi exactamente a
mesma populacaa. Setenta annos depois
disto, o norte conta seis milh5es seiscentos
e noventa mil mais habitantes do que o sol,
e a proporgo no augmento da populacho
igual da sul, e, alm disso, mais da me-
tade. t
As trras do nflne vat^m mais de qnatro
vezes as do satjfce apezar de serem traba-
Ihadas s por deaas tercos dos bracos de
qae dispee o sal, produzem o dobro das
trras do sol. Cada individuo do norte qae
vive da lavonra crea ama riqueza pouco
mais que dupla qoe prodaz cada am in-
dividuo do sul, de igual proQsso.
Na industria fabril, o norte produzio em
1820, 32 milbes e meio de dollars, e o sol
19 milhoes e meio, ou pouco menos di
quarta parle do ene o norte. Em 1850, o
sol s jywjApilites, ao passo qae o
norte m MPsailhes oa cinco veiese
meia mais do
cada operario do norte prdti qassi
quinta parte alm do qae prodaz o do sul,
devend a-se notar que o norte empregava
oto vezes mais operarios qae o sul.
No commercio, a difierenca do valor do
trafego, contra o sul, de mal do triplo
do valor do trafego do norte.
A differenca do valor da propriedade nlo
menos espantosa. No periodo de 1850 a
1856, s a differenca da a ta do valor da
propriedade no norte, exceden, ao valor de
toda a propriedade da sal, eaH856.
.Realmente, avalianda-se cada dono de
escravo por quanto este avaliado, e ajun-
lando-se ao resultado o valor das plantacoes
do sul, acha-se que os donos, e pa itag5es
valra a mesma coasa qoe os escravos todos
do sol! ,
De dez e n dez annos o censo mo.-trava
ao paiz e ao mundo inteiro que hediendo
mal qae era a escrav.do. O sul liaba ou-
vidos e nao ouvia, para comprehender e se
alvar, e foi preciso qus se ferisse urna
guerra tremenda para fcar convencido de
seo peceado.
A historia e a estatistica esto abi. A
nos agora cabe ou abandonar este mel,
porque a Providencia nos mostra a sua von-
tade, ou aproveita-lo, e sermos sabios. A
neme do sul nao poda comprehender que
elles pudessem passar sem escravos ; oo
era s que a emanciparlo seria a sua ruina
pecuniaria, nao foi s um ganbo torpe que
fez a grande guerra civil da parte delles.
Mas elles estavam persuadidos de que o
negro tinba sido creado para o fim deter-
minado de servir ao homem ; crentes na
Biblia, nao criara todavia que os negros
fossem os successores da maldiga a de Chara;
nem o consideravam da mesma familia hu-
mana, mas urna cousa, com feto do ho-
rnera, que o Creador flzera para trabalhar
sub suas ordeos.
O ando gente do sul, pois, se sngge-
riara quaes seriam os resultados da eman
cipacjJo, a paixo os animava e os empraza-
va a oppr a este passo todas as forc/as bu
manas, e d'ahi a inlensidade da lula intes-
tina, a sanguinolen'a porfa que se segtiio.
O negro, diziam elle, assim que se vir
livre, embriagido por soa nova conoMpo,
nao ba de respeitar mais- a vida, a honra e
a propriedade de ninguera no sul. As nos-
sas casas ho de ser queiawdas e roubaiias,
e nossas familias- atacadas, e a este reioafto
de barbaria e do crime ninguem tem ai
forcas- sufDcientes- para refrear'.
O negro naturalmeate estpido, conti-
nuavarra,' elle foi feito nao para se governar
a si mesmo, mas pava ser goveroado e tra-
balhar sob o chicote,
DenHbe a alforria- e elle dewar logo as
plantacoes eo trabalho, e ir fezer desor-
dena nos povoados, o? meiter-re- em loga-
res mais escusos e alai escoar ce- seos das
era completa e ociosa inslilidade. O negro
naturalmente estapido-e vadio, sem cie algama<.
Por tudo isto bateu-seo sul e bravamen-
te: A forea>das armas decidi qoe esta si-
tuaco qoe elles tanto leraiam era realmente
a sua sitoaoo, o negro estava emanci-
pado.
Cinco annos eso decorridos depois-desta
deciso dae arma : quaes- tem sido- os re-
sultados da< ernaaeipaco t Onde est-o rei-
nado do cride e da barbar do sul?* Onde
eefja os covis em qae se esconderaav estes
ioimigos daespecie buman>? Em qoe cho-
cas se teem enterrado vivos- e culfetvam a
iaactividadB a mais completa?
Nada disto tem soccedido*no sal.
Quanto igual dade social-, o negra nao a
aaaajai.
O SR. JUNQUKRA (silencio): Se. pre-
sidente, tenho de considerar o discurso do
Ilustre deputado por S. Paulo, mea amigo,
qoe hornera falloo nesta casa, e igualmente
o do nobre deputado por minba provincia,
qoe se dignou boorar-me oom ama re-
plica.
Se admiro nesta questo a Brmesa e as
vistas patriticas da Ilustre maioria, que
tem acjui sustentado a proposta que se
aclia em discussio ; qae tem sustentado com
elevado patriotismo aquillo que entende ser
conveniente ao nosso paiz, nao posso deseo-
nhecer que a honrada minora, discutindo
esta materia, tem tambem prestado relevan-
tes servi;os.
O Sr. Duque Estrada Insuma : Em
boa la ira seja dito.
O Su. Junqueiaa : Sr. presdeote,
do cboqua dessas opinioes que ha de sahir
a luz sobre esta materia, da mesma maneira
que a faisca elctrica, esse raio quasi divi-
no, que hoja tanto serve para a transmisso
instantnea do pensamento, e para o desen-
volvimento das sociedades modernas, resul-
ta do choque potente de coi-pos oppostos.
Rendendo preilo e devida homenagem
maioria e minora, esta cmara, que
tem avocado a si a importante questo do
elemento servil, e qae pretende resolve-Ia,
faco justica a todos os meus Ilustres col-
legas, e espero que esta diviso, que sup-
pjnho passageira e momentnea arespeito
da questo que nos agita, ba de, com o
tempo, desapparecer e qoe no partido con-
servador esta Iota da rosa branca e da rosa

uoo-lhe aa urga vivas, qoando aquellas
virtades MpeAliewas, cvicas, qaa nos to-
dos admiramos, tiveram de ceder o passo
ao loxo e corrupco, qoando em logar
daquella austeridade da Brutos e dos Grac-
chos apparaceram oa maajiOcos jardn de
Lacnllo, qaando depois aaan panil-o dt ter
abandonado as virtraja siSaplices a grandio-
sa, a Providencia cotaaaantie qoe a nuvem
dos barbaros viesse suocar aquel'a civili-
saco, e lancando depois sobra a Eoropa
um manto negro, qne, permanecen doran-
te muito seculos, abanado as letras, as
sciencias, as artes e a eivilisacSo, havmos
de reconhecer qae ea todo isto h fictos
providencias qae nao dado ao hoanm
aem a povo algam faier parar, e qoe por-
taoto nos boja, tratando desta qaaatio, obe-
decemos esta correule geral, qual a
homanidado inleira est sujeila, e nio po-
demos deixar de resolver a questo senao
oo sentido mais favoravel humanidad e
ao desenvolvimento dos povos.
O Sa. Dqe-Estraoa Teiseia* : E'
pela escravido qoe V, Exc. explica a que-
da da Grecia e Roma ?
Um v voz:E' om do pontos.
O Sr. Jl'.mj-eira : ep.is, Sr. pres-
deme, que se laucou sobre a Europa o
manto negro, orinado da invasao dos bar-
ia iros, e qae as sciencias e as letras apena
achirara abrigo nos couventos como pon-
tos nicos em que esse deposito sagrado
era guardado, muitos facto importantes, a
qae se prendera a questo de boje tiveram
lugar naquelle continente..
Nio cabenlo na estreiteza da am debate
parlamentar o desenvolvimento de cartas
ideas coratudo farol notar a esta a
cmara, que depois que a Eoropa
lancar-se na vereda da justica, da
Cao e do desenvolvhnsnto das soas riqoe>
zas natnraes, u > espirito de muito de seu
tilla js appareceu o desejo de descobrir lon-
ginquas trras.
O continente que habitamos, descoserlo
por Christovo Columbo, povoado por hes-
panhe;, portagoezes e ioglezes, foi o tea-
tro de novas explorares. O desejo da> ri-
queza fez com que os campos do nov-j
mando fossem roteados em proveito di-
quella raca intelligente, que vinba de a m>
mar. Vemos qoe para ebegar-se a esta
desidertum foi mister empregar nos traba-
mos rudes do campo nao s1 o indio, como
o negro, filbo da costa da frica.
Eia aqu a origem da escravido no Bra-
sil. Se os nos:os antepasados qaaodo
Gonsentiram em ir bascar oa eo*ta da Afri-
semelbantes trabalhadores, tivassem
pesndole baviamde legar a seus descen-
dentes urna difficuldade deste- quilate, es-
loa muio persuadido de que elles lariam
recuado diante da responsabilidad* do
acto.
Mas naqaella pocav Sr. picsidanta, aa>
idas eram ouiras; o que era mi&ter ara
fazer enviar para a Hespanha os galees-
pojados de euro ; era fazer qoe do Brazii
se dirigissem. ao porto de Lisboa' as pode-
rosa esqaadrai, carregada de especiaras
e de valiosos prodoctos coloniaea.
E-este fado es ta be leceo ntrennos a es-
cravidSo, qoe povos, como a das em.
principio, muito illustres, como ce-romanos,
os gregos, os pbeaicie e outros tinham
at6 certo ponto feito qpe cassooonstitoida
como sotado de alguma maneira a esseoda
daquellas sociedades decadentes.
Dacadentes> digo, Sr. presidente, por
qae, em joa&io aquelles povos se mantfva-
ram- em certa altura de aosteridade a de
virtude elle no toleraram a inatitoicSo a
qoe aliado.
iSr. DsQUE-Esnt&raA Teixcik*.. di am
aparte.
O Sr. Junqueira : Estou fallando at no-
bre deputado com a historia na meante:
qoando os romanos alargaram as saas con-
quistas faa da Italia fot qae troaxeram
aquellas multides de escravos, que deram
lugar s guerras servs. Viobam principal
mente da Asia Menor e do Egvpto. Eram
em principio tratados comoco*vi: e assim
se exprima a regra que dominava entre os.
romanos: non tam vilis, quam, ulnlus.
Foi no- sexto scalo da sua existencia-,
certameate que era no tempo em que flores-
ciara Cicero, Cesar, Pompen, Cato e ou-
tros horaens illustres, mas entao aquella
repblica se senta corroda com este ele-
mento heterogneo ; e o nobre deputado
pelo municipio neutro, que me honrou cora
o seu aparte, cujo talento aprecio....
O Sr. ltL'out: Estrada Teixeira :Muito
obrigado.
O Sr. Junqueiaa : coja eloquencia
tenho tantas veies admirado, ha de reco-
nhecer que, em virtude daquella institaico
plantada em Roma pelas saas conquistas
no estrangeiro, instiloico qoe trouxe com-
sigo a corrupco e o laxo asitico...
O Sr. DqueEstsuda Teixeuva: Nao
neg que trouxesse. ,
O Sr. Junqeiba :.... aquelle poTO-
rei se transgurou de forma tal, qae logo,
aps o reinada, de Angosto, apparecetam
ar\
os tenebrosos e nefandos tyrannos, os Ti-
berios e os eros, to bem descriptos pela
ponna inimitavel de Tacita.
Sr. presidente, encarando nortanto o
encarnada nao se perpatoar aflm de que ^ mais jUo e convencida
este grande e generoso partido possa anda 28 e a malerU sujeila ao debat in
prestar muitos e importantes servicos ao
paiz e possa continuar a dota-Io com varias
reformas anlogas que tem feito vingar
presida ao desenvolvimento deste grande e
irapo tante imperio. A
Sr, presidente, ba no mundo fados pro
videnciaes, aos quaes povo algum pode es
capar. A quest a momeniosa que nos agi-
ta nao urna questo do presente, que te-
nha surgido smente era nossos das ; lan-
cando urna rpida vista de olbos sobre a
historia, nos vemos que ella vem sempre
soperQce, e que muitas vezes o ther
momelro do.desenvolvimento e da decadencia
dos povos, da sua grandezaequic muitas
vezes do seu desapparecimenlo,
A civilisaco, mens senbores, que as ve
zes parece Irecuar. comtado obedece a orna
lei poderosa qoe a faz caminhar e caminbar
sempre, anda quando tenba de parar s
vezes petante obstculos poderosos e su-
pervenientes, mas que apenas determinam
a poasada em qae toma novas forcas para
caminbar me'.hor; euudo acqirit vires.
Se, Sr. presidente, nos considerarmos a
marcha geral da civilisacSo desde os anti-
gos t:mpos em qae na Grecia floresciam a
poesa, a pbilosophia, as arles e as scien-
cias ; se considerarmos depois o povo ro-
mano, este povo rei, qae foi grande e den
leis ao universo, e deixon qaasi por toda
a parte o caobo de sua grandeza; se de-
pois considerarmos qae este mesmo povo
gigante leve de cahir em completa decaden-
cia qoando i institaic-io da escravidSo mi-lTrkbOaWAWOWA w
*


i
N
tante como esta osa reconhece, a mais im-
portante talvez qae tenha sido trazada te-
la da discusso, um indicio certo da*qoe
o povo brasileiro se prepara para laucar os
fundamentos de ama regeneraco necesaria
em semelbante ponto, que diz respeito 4'
sua vida econmica, sua vida Onanceira,
e sua vida poltica.
No seclo actual, Sr. presidente, ai ten-
dencias no sentido de fazer desapparecer
semelbante instaicSo menos conforma aos
preceitos da religiSo, da moral e da aco-
noraia poltica, tem feito progresso extraor-
dinario mesmo aqu na America, qae
ponto em qae esta instituicSo nltimffinfft
tomoa maior desenvolvimento.
A cmara conhece perfeitamente o gran-
dioso drama qae se passou nos Estados*
Unidos, tVquaje ultimou j>aU compleja ex
da aaravidao am toda

-
I
a
larras
linccSo
daquella repaWica.
A cmara tambem conhece o trabalho, a
elaboraclo qoe houve desde 1820
em relaco s colonias francesas, iaafl
dnamarquezas, colonias situadas no fdpbo
do Mxico.
ltimamente tambem, a cmara sabe, qae
a propria Caba, a parola das Aatilbas, aca-
ba de receber do congresso hespanhol ama
lei, em virtude da qual todos os filbos
oascerem das escravas ario canaiderados
livres.
i
(CmkttSLA


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUEJ89DTH_DYRAXN INGEST_TIME 2013-09-16T21:12:48Z PACKAGE AA00011611_12486
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES