Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12475


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVII. NUMERO 199
m U1A A CAPITAL E IBCABES OIDE IAO SI TACA POITL
foMreaantxes adiarruo*................
forlewiasidan ;' .
.tor^njtaooidenu.' \ J; '*.
.fia ^^mwo Jsax
\'


I
0* Sra. Gerarfo Antonio Atoa A Futios, no Pari; Goncalvea d Pinto, no Maranhio ; Joaquim Jofl* da Ofivaira 4 Filho, np Caari; Antonio da Lauoa Braga, no Aracatj ; Jlo Mara Julio Chataa, no Aaa ; Antonio^Mrquaa da
Pereiri d'Almeida, n Mamangnape;Fe#r* Ealrella'd C, na PjTahjba; Antonio Joaa Gomes, na Via da taba; Balarmino.dos Santo Baldo, em Santo Antio; Dminos Josa da CoataBr|ga,
m Naiareth; Antonio Ferreira da Agaiar, em Gojanna; Francino Tavarea da Costa, em Algaas; Dr. Joa Martina Ahaa, na Baha; a Leito, Sarqainbo d C no^Bio de Janeiro.
NaajJ^J

3
-i.
P4BTE OmCIAL.
Soferno da provincia.
EXEDIEKTK I>0 BI\ 19 DR AGOSTO.
Oficios :
Ao itipector da thesouraria de fazenda remet-
toado, para os fias convenientes, os olcios dos
jalzas de direiio das comarcas de Goyanna, Flores
s Biiqoe, bero orno do- juizes monicipaes dos
termos di Garaahunse Brejo desla capital, acerca
-dos beas de raiz legalawta adquiridos pelas cor-
porace, de ralo raerla.
AO mesrao, mandando pagar a emprea da
illamMaeao publica desta cidade a quantia de
4104100, proveniente do gaz consumido c m a
illurainaeio do palaeio da presidencia e respectiva
cocheira nos raezes de abril a juulio de-te anno.
Au inspector da thesouraria provincial para
0. mande pagar integralmente a importancia das
arensafidades eorresp radeotes ao trimestre de ju
:h j a setembro desie anno dos* alumnos internos
gratarlos do gymuasio provincial, pois que na i
so o allumno que figura em ultimo lugar ua in-
clusa relajio fot mandado admittir por ordem da
presidencia de Sdelulho prximo linio, mas tam
bem de conformidade coni s-sa ordem, o txcesso
da despeza eom- a tnensalida-le daquelle allumno
ler indemnizado por seu pai.
Ao mesmo, aotorisando-o a mandar adiantar
dous meres de venc mentos, a coutar do 1. do
corrite, a ata oficial e cinco datas de sold,
tarabea! a contar de ii deste wz, para qnlnze
pravas Jjorji de piliea, que; eom esse nfflcial
desticam para a povoacio da Paaellas, abonndo-
se M mesrao offlcial mais a qnantia de 55J000
como ajuda de custo de ida e voita. Communi-
coa-se ao commandante do corpo.
Ao mesmo para que proceda de conformida-
de eom a sua laformacao, acerca da indemnisai;ao
das qu'intiaj, que se est a dever a thesouraria
de fazenda.Commonlcou-se a esta.
Ao mesmo respondendo eom a Morma^io
jnata por copiando empresario da illarainacao a
gaz de Oiinda, no sen offkio acerca da .falta de pa-
ganMto dos imposto geral e provincial para a
transferencia do contrato da nesma illuminafiao.
Por esta tUesouraria maodouse pagar :
A' Antonio Doroiagaes de Almeida IV > a
'luaotia de 116/300, deapendida.com o su-tento
dos pre-os pobres da eadeia do termo de Santo
Anuo, durante o mez de jaldo ultimo.
aieoa-se ao Dr. chefe de polica.
Aos negociant-s Livra 4 fjtratuliaao a de.....
1%I(J0D, em iue irap>rtaa a lespezi feita eom o
austoeto io> presos pobre? da eadeia da etdade de
Cacnan no tnez dejjui) ultimo.loterou-se ao
Dr. chefede polica.
A' pessoa competente a de 120/000 nroveaieote
dos alimentos toroeidos a duas escaitas de paisa -
aos qae foram eopregalos aa .captara de cri-
minosos no termo do Buique.
Ao juiz de direitoda comarca do Bonito para
que remalla om-brevidade 03 mappas estatisticos,
que deixanra de ministrar as autoridades sob
^ua jtntta&Qlli ltttftHm de dtreito da comarca do Brejo.
Ao cliefe da reparligao das -obras publicas
concedeudo a aut^risa^Io, que solicilou para em-
preitar, de conformidade eom o ornamento, que
reraetteu, os reparos de que necessita o acuile^ da
cidade de Caruar, na importancia de 797o00.
Communicou-^o a thesouraria provincial.
Portara:
Aos agentes di companhia de navegado
bra conta do ministerio da guerra no vapor que se
a*pera do sal, o alferes do 9." batalhao de infan-
taria, Leonilo Luiz Pinto Hibeiro e sua mulher o
qual vai cj-n lioenca aquella provincia, tratar de
negocios do seu particular interesse. OIBciou-se
iasoararia de fazenda para fazer ajustar cunta-
s passar guia de soccorrimeuto a esse offlcial,
prevenindo-a de qae a importancia desas passa-
'/'- deve ser descontada pala quinta parte dos
vencimenlai do mesmo.
Despacho?:
Baeharel Bento Jos da Costa. RivaltdaJa a
planta junta seja romettida a petigao do supplican-
te a cmara municipal da capital paraiufoimar.
Canudo de Souza Mello.Entregue se meJiante
recibo.
Fulden Brothers.A' tacouraria provincial cora
juicio desta data
(jaez Birbalho Uchi Cavalcanle.A' vista da
inbrmagao d) Sr. vice-provedor da Santa Casa
d-j Misericordia, nao tem lugar o qne requer a
Jupplisante.
J;ao Francisco Paes Brrelo.Nao tem lugar o
qae requer o supplicante.
C)nego Joo .Chrisostomo de Pai va Torres.
Cincelo a autorisagao pedida, deven lo o sup-
plicante prestar opportuna neate conla; na the-
souraria provincial.
EXPBWJtNTE DO SECRETARIO.
ofllcio :
Ao inspector da thesouraria provincial inteiran
1 o-o, para os ros convenientes, que, de accordo
eom a sua informagao, resolveu a presidencia por
despacho desta data, conceder ao vigario capitular
detta dioeese a permisso, que solicitou, para
despender eom as obras da capella dos milagros
3iu Oiinda a qaantia correspondente ao beneficio
da lotera extrahida a favor daquellas obras.
Rcpartl^o da polica.
t.' seccao.Secretaria da polica' de Pernambu-
cj, 31 de agosto de 1871. .
N. 93.lllm a -Exm. Sr.Levo ao connect
aanto de V. Exc. que, segundo consta das parti-
cipaedes recebidas boje n esta reparlicao, foram
honiem reeolhidos casa de detencao os seguintes
individuos:
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Mara Se-
ohorioba dos Prazere, por briga.
A* ordem do da Boa-Vista, Antonio, escravo de
J i) Casimiro da Silva Maeedo, por ter sido en-
contrado depois de nove horas da noite, sean bi-
hete de sea senhor.
Deas guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. Dr.
ftfaaoel do Nascimento Machado Portella, vice-
presidente da provincia.O chefe de polica, Her-
noenet Scrates Taoares de Vasconceiios.
carecendo a necessade de que elle intervenha no
governo do estado, impondo suas opIniSes aos mi-
nistros.
Entendendo o Sr. .Menear que esses escriptos
eram publicados por eocommenda do ministerio,
o qm% alias nao me parece exacio, resolveu des-
carregar as suas iras sobre o governo, enzolven
do a cora em suas aggressSes; e, para melhor
realisar o seo proposito, formolou aquella inter-
pellaf o, em cujo desenvolvimento acbou occasio
para fallar tongamente Ja desmoral9ac2o em que
Mera cabido a imprensa, que boje mais qne nunca
ibe parece corrompida pelo governo. Neste pon-
to refer te litteratura de rbula, alludindo a
Sr. Castllbo, que elle 9uppoe ser o autor das car-
ta de Cimcinatus, e esteve aggressivo. Custou-
'he ito caro, porqne Cincinatus ainda^ifiablieon
ama quarta carta, era que, sem fallar nn nome do
Sr. Aleocar, dea-lhe urna famosa escovadella.
O Sr. Prannos era sua resposta, quo.foi um dos
seHS mais felizes improvisos, confessoa que o go-
verno gastava dinbeiro eom a imprensa, como
sempre se tem feito, e que at na terii davida
em declarar quanto tem despendido se a maioria
assim o exigase ; mas declarou que nao poda
responder por Indo quanto se tem escripto em fa-
vor do governo, porque os amigos desle, que o au-
xilian! na imprensa, escrevem sob suas proprias
inpir.iQ5eS e responsabilidade, pelo que se era al-
Coiumu-^lam', publicarles pio haver cousa que moleste
o Sr. Menear,nao poleo ministerio responder por
hsto. A discnsso Bcou addiada e nao se voltou
mais ella. .
No senado hontem e hoja nao houva ?es-
sao por falta de numero. Para all deve seguir
por toda a semana qae entra a proposta sobre o
estado servil.
Hontem nonte houva una reanio liberal, na
qual asspntou-se que a oppo-icao liberal naquel-
la cmara nao pora empecilho passagem da
mesma proposta ; mas qne a discojr ligeiramen-
t", e mandara orna emenda, pela qual alias nio
far questo. Parees, porm, u/ie o Silveira Lobo
divarg deasa opinio, e se eppor reteraa*.
Nao Ihe disse amia que o Sr. Perdigo Malhai-
ro, no jen segundo discurso, em um dos artigo?,
le.vantou a queslio de norte e sul, sob o pretexto
de que o governo e seus amigos a teem collocado
nesse terreno, quando s elle*^ quem lera levan-
tado essa lebre na tribuna.
Ei-c >mo elle exprimi sr. respondendo ao Sr.
presidente doxonselho :
S Exc. referindo-se ao que eu (bserve aqu
em relacan questao do norte e sul, disse que
nao era exacto o numero de escravos que eu ha-
via altribuido estas duas partes do imperio.
S Exc. disse c que ue norte ha 868,633 es-
cravos, e no sul 878,516. Mas semelhante es-
tatistica, que S Exc. foi o propno a por em duvi-
da, nao aceitavel A mais moderna e otlicial
a que consta do odelo de 13 de julho de 1870 da
secretaria do imperio, e sel a pagina 159 do pa-
recer da coraraissao especial do anno passado. Ues-
te traballio se molra'que o norte possue 583,553
escravos, e o sul I,06,ll8. E o mais provavel,
seoo certo, desde que o norte ha muiros anuos
(principalmente de 1850 para c) tem reraetlido
para o sul grande parte de seus escravos, e desde
que s uas tres provincias do Bio de Janeiro, Mi-
nas e S. Paulo ha nao menos de 800 ou 900,000.
a Vem bem os meus collegas que eu tinha ra-
zo quando dizia que o norte possuia apenas
600,000 escravos, emquanto que o sul tioha mais
de 1,000,000.
Quanto exportado, o calculo que S, Exc.
apre^entou condrmou o que eu disse; ha urna
differenea de quasi 20,000:000/ annuaes em fa-
vor da exportacio do sul sobre a do norte.
Nao insistirei ne.-ta questao porque irritan-
te ; mas devo dizer que o governo foi o prtmeiro
a crear esse symptoma perigoso e triste ; syrapto-
mi que pode aprofundar a seisao ou reviver essa
amiga rivalidade, que j no proprio norte se dis-
cute, como se v da sua imprensa, e particular-
mente na Bahia ; a qual faz censuras, a raeu ver,
inteiramente justas ao governo.
t Foi o gabinete de 7 de marco quem desde o
seu nascimento revelou decidida preponderancia
do elemento nortista, nao s pela sua mesma or-
ganisaQo, mas pela manifesta proteccao que dis-
pensara ao gabinete as duas maiores influencias do
norte, o Sr. baro de Cotegipe pela Babia, e o Sr.
visconde de Camaragibe per Pernambuco. Este
faeto tambem demonstrado pela eleicao da com-
raissao especial deste anno, em que nao foram
contempladas as provincias do sal, entrando ape-
nas um representante por S. Paulo, que nem fl-
Iho daquella provincia, e sim do Maraobao.
c A commisso do anno passado tinha outros
elementos. As provincias de Pernambuco, Babia,
Rio de Janeiro e S. Paulo foram abi representa-
das, nao a de Miuas; mas poda se contar tam-
bem como seu representante o Ilustre deputadt)
pelo Rio de Janeiro, Dr. Andrade Figueira, visto
como pelo Rio do*Janeiro entraram dous era tal
coraraissao, e Minas intimamente ligada ao Rio.
Aquella preponderancia anda demonstrada
se trata, quanto en vejs qne ha tortal reseloeao
de por a raargem as reclamacoes do sal, dizendo-
se qae o norte nio tem receto l E' arma eom qne
o proprio norte pode tambem ser ferldo-1 I
Correa ltimamente qua nio baveria vapor
para o norte ao principio de setembro. Estou infor-
mado do contrario. Do di a f al 3 sahir o S.
Jacintho, ou o Paran.
asiignados por Cincinatus, nos quaes slo aprecia
das eom muito espirito as opiniCes outr'ora sus-
tentadas pelo Ilustre conselhelro as cartas de
Erasmo, di qae elle ja se declarou autor, eom as
que boje manifesta como depatado, eom relacao
ao imperador.
Esses arilgos lera produzido grande impressio,
e pr.vam que raio leve o Sr. Cotegipe, quando,
discutirlo no anno passado no senado eom o Sr.
Z a-narias, disse que um dos maiores defeitos dos
brasiletros era a falla de memoria.
Nio era somente o Sr. Aleocar quem estava es-
qoecido do que tinha escripto : e publico tambem
estava esquecido do que tinha lido. Esciipto e le
tura foram de occasio, e, passada esta, veio o oh
vido. Cincinatus, portaoto, fazendo agora escava-
nes no passado, publica um trabalho de occa-
sio, que tem despertado grande interesse.
Sinto que o lmite que me devo circumsere*
ver nesta carta, me nao permuta transcrever a
comparagao que faz esse escriptor; oppondo ara-
da arguicao, feita hoja pelo Sr. Alencar ao poder
pessoal, urna opioiio emittida por Erasmo, elo-
giando as qualid idos e dotes do imperador, e en* actual dre.-ileate desta provincia. Cuoiaage-se-
PIAHY.
THIRKZINA, 7 DR AGOSTO DR 1871.
J cansa tedio e o mais pronunciado aborreci-
mento a opposicao inslita e desabrida, qae se tem
manifestado contra a administracio do Eira. Sr.
Dr. Manoel do Reg Barros Soasa Leio.
S espirito! obseeados pelo mais resoltante des-
peito e eivados de sen tmenlos meaos dignos po-
deriam assumir a posicao, qae infeliz e desastra-
damente assumiram os horaens, qae se dfzent coni-
tiinir o partido opposioeinieta, e qne tem atordoa-
do os ouvidos dos homengaseasatos eom seas gritos
descompassados no peridico Imprima centra-o
brl
oba
O
qual
amot
sita
heosao de nio
Qaaldo
c rnraerciatite
bla provincia!
Gervasio Camp
tada aatt aori
este fael
nos sobremodo o cortejo ao ver que certas ho-
mens, despindo todos os senlimentos loavaves, fa-
zendo abstencao dos principios de pundonor e mo-
ralidade, ousam atacar pessoas, que pelos seus
Honrosos precedentes, pela sua attltude enrgica e
sobranceira esta o muito cima da maledicencia e
dos boles da calumnia. Triste e bera triste de
certo a posigo do hornera publico, quanlcraera se
quer tem o doce consolo, de qne os seus actos se
jara apreciados eom aquella seriedade e jusliga,
que sem acorapanhar quem bem intencionado,
e nada enxorga nao ser pelo prisma da conscien-
ca e saa razao. Nossa ndiguacio sobe de ponto
quando nao lobrigamos as -censaras, qae se diri-
gen ao actual administrador desta provincia, se-
nt om intento calculado de feri-lo no qua elle tem
de mais melindroso e arrasta-lo no lodacal -impuro
do despreso e ridiculo. Os redactores da Impren-
ta pela sua lingaagera descommedida c.nverterara
o que at eno era tribunal da opioiao publica no
mais nauseabundo prostbulo, em que desapiada-
damente sao ejtropiados os mais suudos caracte-
res, aquelles qae anda conservara accesa em seas
coraedes a scentelha da raoralidale e dos bellos
senlimentos.
Quando de todos os lados votes aulorisadas se
erguem profligando os inconvenientes e abusos, (rae
inevitavelmente resnllam de ponco eommedimenlo
da imprensa, parece que os opposieionistas desta
provincia, fazendo neobum cabedal de lio judelo
sas retlexoes, eommettem os maiores excessos, lan
gara-se, como loncos desvairados, na .-enda das
diatribes e insultos, e preteodem eom tio infeliz
meio coarelar os phantasiados abasos violencias,
que seas cerebros escaldados Ibes suggerera. Quera
se der ao improbo trabalbo de ier taima edesapai-
xonadamen'.e as apreciacoas, que fat o orgia oppo
sicionista, se convencer da veracidade def-nossas
assercSes, e Acara de ama vez para sempre cnvea-
cido, de qae a prudencia e reflexo foram qua.i
dades, que de ha muito l'ugiram espavoridas.
dianta dos borneas qae bostisam o digno presi-
dente da provincia. Aoroveltando se da laeueaJr-
riori 4 .*llwr TcbmoqUr-* .-* offlcial aO
Exm. Sr. Dr. Manoel do Reg, tctica sem proveito
e que al o bom sonso repela, fazem-no respaosa-
vel de todo e qualquer acto por mais insignifican-
te, que por ventura tenba algum carcter poltico
para despejarem toda a bilis e odio eotranhavel,
que votara a quem alias jamis os offendeu.
Actualmente querem per fas e per nefas tornar
o actual administrador o Dr. Manoel do Reg autor
e principal motor de um acontecjmeoto, que pren
de todas as atiendes.
0 juiz de direilo desta comarca, o baeharel Ger-
vasio Campello Pires Ferreira acaba de ser cha-
mado barra da assembl provincial, constituida
em tribunal de justiga, para responder pela serie
nao interrompida de actos, em que transpiram a
mais pronunciada parcialidade e odio partidario.
No dia 31 do mez passado o actual inmeelor do
thesouro provincial apresentou sua queixa contra
esse juiz, a quem se raandou ouvir, e se vai ins-
taurar contra elle os termos do processo. A' exera-
plo d) primeiro tambem foi apresentado mesraa
assembl outra queixa de Zcarias Jos Ferreira,
victima da prepotencia e perseguicao daquelle
juiz.
Ora iodo o empenho da oppo3lcio chamar
autora o Exm. Sr. Dr. Manoel do Reg por fados,
em que elle nio tem nem pode ter a menor inter-
ferencia, e-ao mesmo tempo altribuir esse procedi-
m 'uto urna vinganc-, que se diz querer tomar do
mencionado juiz, por lerem poca ignota (pota nin-
guem a sabe), prendido e processado por emes
graves. prenles de S. Exc. I Semelhante disparate
e coarctada nao se comraenta I 11
Para esse flm, diz a Imprensa, S. Exc. fez era
sen palacio urna reuoiio de todos os depntados,
pooderou-lhes a conveniencia de ser processado o
juiz de direilo e exigi delles, qua neste sentido
tudo fizessem.
Tio maligna insinuacio ou antes lio revoltante
calumnia offendeu os bros dos dignos membros da
as-embla provincial, que traiaram de lavrar um
protesto, em que bem demonstrado iieasse indig-
nilade ebaixezi dos senlimentos, de que se tem
apoderado os opposieionistas e mxime os que redi-
gera o ceriodico, de que temos fallado.
No dia 21 do mez que espiroo, o denutado Dr.
Pinheiro Osorio, coraraentando era tormos enrgi-
cos e comedidos a offensa irrogada a si e aos seus
dignos collegas.concluio pedindo qae se inserisse na
acta da sessao daquelle dia um protesto contra to
inslito proceder da opposicao, e, Vendo passado a
indicacaa, lavrou-se o protesto, que pala sua lia
guagem elevada de certo digna de quem presa
seus bros e dlgnidade.
Parecer algne n, qae a opposicao se conven-
cesse do triste expediente, de que lancra*mio e
que arripiasse carreira ; porm, baldado esforz,
ella continua e continuar a trilhar a ignominiosa
senda, que eom tanto dezaso encetou.
Nio quer ella ; porm, so convence de que se o
baeharel Gervasio Campello vai rospooder perante
a assembl pelos seus oriraes, porque sao lies
a assembl, oeohum interesse li-
te neUa, como tambem, por mais de
dftdTa posicio de S. Exc. o Sr. Dr.
tem sido da om administrador
alquer raatffimento que por ventu
e a raaaeiaa- inconveniente e desa-
rvasio no orgo opposicionista te-
espirito de S. Exc.
Co de ha muito que se revelou,
passar S. Exc. como presidente
igencias e pedidos dos amigos da
cousa qae nio entra na compre-
ira.
eviamas esta, soaberaos qae o
rdo Jos Teixeira dea i assem-
uaixa contra o juiz de direilo,
E' a terceira qae apfesea-
a^ao contra esle magistrado, e
gaifljaiivo .rprova incoueussa
do procedmieaiarbitrario e ciprcboso de seme-
lhante tuocaionno.
Eis o protesta que cima nos referimos e cuja
integra obuveoMpor certiJo :
< Reqaeiro qu seja inserida na'acta da sessio de
hoja um salerafe protesto contra a falsa -llegacio
do jornal Impresa o, 3(3, em seu^rligo'-editorta!,
de l& do crre|
no palacio da
bro3 desla -;as;
dente da pro'
esta asserubl
desla capital,
allegaba-}, qi
a a decoro dos*
bem eom indi
telar o exer
como tarabea
provincia, q
sua honrosa
pelo desmeni
Sala das
vineial do
lado Manoel-.
Ua _
assegurando qne uvera lugar
silencia, urna reuntio dos mam
avocada pelo Exm. Sr. presi-
a, na qual S. Etc. ordenara i
o processass8 o jaiz de direilo
razio Campello Pires Ferreira,
ndo por demais injuriosa, nio s
rubros desta assembl, que sa-
dencia inanter a saa digoidade e
i suas importantes atlnbnigoes,
carcter do administrador da
sabido colloear-se na altura de
, nao pode passar tem um cora-
da parle desta corporaeio.
s da assembl legislativa pro-
21 de julho .de 16710 depa-
iro de Miranda Osorio
ao
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIt
\otlcl
Amanhece
mack, Irazeod
Baha 29 de
Pelo
guinte aviso
< Rio de Ja
tro da fazenda sobre os seguintes pontos
i.'
Qual a applicacio dada ao liquido pro lucio
"do emprestiuao intento eoitUdo
d-- 1980- s>
do
INTERIOR.
!. DE SETEM3R0BE 1871.
d* miiI do imperio.
nociera no lamaria o vapor tem-
jornaes da edrte de 25 e 26, e da
ottq.
m i* jAmtmo.
lo damariaha foi expedido o se-
ra, 18 de agosto de 1871.HWm.
e Exm. Sr.Sendo inconveniente a praiica de se
fernecerem voMalhas na offlciaes e praija de
exercito e empragdos dos diversos ministerios,
quando em viagem nos traoaportes de guerra, a
conta dos reaptttaot commandantes, para-serena
estes posteriormsoFe indeoinlsados, reoommenda
sua altea a princeza imperial regente, em nome
de saa magestade o Imperador, que (Tora em oan-
jd .Obt.WlHil fB|U^ traprea^ci >i*w *v
gwvernoVsejara.^ljmBttUdos coraos gneros d
Buido, -a targo dosoTBciaes de fazendi, proceden-
do-se ue kaiiformidade eom o disposto no paragra-
pho nico do artigo ii do decreto n. 45M" A de 30
de junh) de 1870; o que a V. Exc. commuuico,
para a derida execueao
Deus guarde a V. ExcManoel Amonio Duaj-
te de Azevedo.Sr. conselbeiro de guerra bario
de Angra. >
Por desretos de 23 de agosto :
Foi perdoado ao reo Antonio Ferreira de Castro,
a pena de 20 anuos de prisio cora trabalho, a que
foi condemnado pelo jury do termo de Ilapicuru-
rairira, na provincia do Maranbao, por crian de
homicidio.
Foram commutadas na pena de gales perpetuas
a de rnorle imposta aos reos*:
Manoel Jos Ferreira da Cunha, pelo jury
termo de Turyass, na provincia do Maranbao.
Frederico, escravo, pelo jury da capital da pro-
vincia do Piauhy.
Foram promovidos para os differntes corpo; da
arma de infamara, contando anliguidade da 13 de
maio deste anno, osofllciaes da mesraa arma abai-
xo mencinalos :
4. batalhao de infantaria.Para tenente-coro-
nel commandante o tenente-corenel graduada do
9.a baulho da mesma arma Mo Baptista 3arreto
Leite, por anliguidade.
7." batalbao dito.Para coronel commandante,
o coronel graduado do dito Batalhao Antonio Mar-
tina de Amorim Raog.il, por anliguidade.
8. batalhao dito. Para tenente-corouel com-
mandante, o tenente-coronei graduado do dito ba-
talhao Jos Tboraaz Gancalves, por anliguidade.
10* batalhao dito.Para teuente-coronel com-
mandante, o majar do 5.a batalhao Manoel Joa-
quim Guedes, por anliguidade.
11. batalhao dito.Para tenente-coronei com-
mandante, o tenente-coronei gradaado do dito ba-
taliiao Joa |ura Jos de Magalhies, po-- anligui-
dade.
12. batalhao do.Para coronel commanuan-
i", o tenente-coronei commandante do dito bata-
lhao Genuino Oiympio de Sampaio,. por merec-
ment.
|i. batalhao dito,Para teneule-corouel com-
mandante, o major do 21." batalhio da mesraa ar-
ma Joao Theodoro Pe eir de Mello, por mereci-
mento.
lo. batalbio dito.Para teueule-coronel cora-^
mandante, o major do dito batalhio Joio Nepomu-
ceno da Silva, por merecmeaio.
16. baialaio dito Para lenla-coronel com-
mandante, o major do 10. baialuio Felizardo An-
tonio Cabral, por merecimeoto.
19. balalhio dito.Par coronel esmmandante,
o coronel graduado do dito batalhio Jos Flix
Bandeira, por antiguidade.
Por decretos da mesraa data foram transferidos:
Para o 5. batalbio de infamara, o major do 20.
balalhio da mesma arma Jos Antonio Alvos.
Para o 2. regiment de cavallaria ligeira, o ma-
Por carta, imperial da mesma data foi no-
meado o baeharel Tito da Silva Machado para o
cargo de secretario do governo da provincia do
Espirito Santo.
Em por tan a de 2 i de agosto foi nomeado o
baeharel Luiz> Francisco Pires, para O lugar de
thesonreiro da administracio do correio da pro-
vincia de Pernambuco, vencen Jo o que Ihe com-
petir.
Por decretos de 23 de agosto foram nomea-
dos :
Segundo escriturario da thesouraria de S. Pau-
lo, 9 terceiro dito Pedro Goncalves Denle.
Procurador bacal da administracio dos terrenos
diamantinos da Rabia, BalJcioo Sesostris do Cor-
queira.
Fot de mi ludo Marciano Pacifico de Moraes do
referido lugar de procurador fiscal 3a adminislra
ci dos terrenos diamantinos da Bahia.
Foi concedida a Sebastiio Ribeiro de Miranda e
Castro a demissio iju i pedio do- logar de terceiro
escripturario da tbesouraria.de S. Pedro do Rio
Grande do Sul;
O senado nio fuoccionou nos diaa 2i e 25.
Na sessao, portny de 2i foi lido e mandado impri-
mir o seguinte parecer :
< A coraraissao de orcamento, tendo examinado
i resol ucaio vinda da cmara dos senhor es depu-
tados que manda vigorar no primeiro semestre de
1872 a 1873 a le n. 1,836 de 11 de setembro de
1870, de parecer que entre em dscussio a re-
ferida resolucao.
t Paco do senado, 23 de agosto de 1871.F,
de Saljes Torres Horaeqj.I. D. Ribeiro da Luz.
Firmino-R. Silva.Visconde de Laborahy.B. de
Souza franco.Joio* B. Da3 de Carvalho. t
Eis o resumo dos trabalbos da cmara dos
depulados nesses dous das :
< Cootinuou nontem (21) na cmara dos depu-
lados a diacossao das emendas do senado a pro-
posta do pooerexecuiivo de 14 de agoslo.de 1862,
alterando differntes disjosiQoes da legiatecao ju-
dieiaoia. Orour o Sr. Silva Nones.
Continen depois a terceira dscussio da pro-
posta do poder executivo sobre o elemento servil.
Oraram os S,s. mimstro da agricultura Pereira.
da Silva.
* Ambas as discussoes flearam adiadas pela
hora.
Foi ofterecWa esta proposta a seguinte emen-
da ao i do artigo 4. : ...
* Sapprimam-se as pal%vras -ou por liberalidade
je outrera.Bario de Anadia.Bario de Aracagy.
-Camillo Figueiredo. Ferreira Uge. t Benja-
mn).
O Sr. Andrade Figueira annunciou as segua-
les interpellaces aos Srs. ministros da fazenda e
de agrcultuw, marcando-se par* a diseussao da
primeara o dia 30 do crreme, ama hora da ur-
de, e para a segunda o mesmo da, as doas horas
e meia. .
Peco dia e hora para iwerpeliar o Sr. miis-
reo>?r

Posto a votos o red^riioeoio, i ionaaiaie-
raente approvado. mm ,
- A atfandaaa da corle raad (i de i a K da
agesto 3,0i33W*567.
Lema* no Jornal do Conm ':
Km fias de 186S demos aoti
orgaoisado peio Sr. Dr. Lula Francisco |
pubbeado por ordem do governo imperial f*W .'
leis e deeisoei concernentes ao minfcterio da agrl-
cultnra desde 1806 al outubro daqa-Mle ootro
anno. E*te trabalho, caja atilidae uvemot occa-
sio de ponderar, acaba de ter agora o sea segni-
meeto na publicado de um Reptrttrh addicional
sobre- estradas de ferro, obras publica, navegado
fluvial e raariltma, telegraphoa entro i ramo'*
servieo do referido minisltrio desde II deoatabro
de #865 al 30 de junbo de I81.
Em alguraas palavras de introduce* a aofor
desse segondo trabalho, que o asmo do pri-
meiro, mostra o rapilo deseovoWraeiH fB* leas
lido no paiz os melhoraj(ntos a
oelka infiltrada quesobre^lol^i^BaeMfio
novo ministerio. Para demonstrar s urna
breve resenta do- aelos mais loop
dos do curto periodo abrangidd por < 0,-reper-
torio addicional comparando uioott est eom r m
do anterior que coraprehende un> lapso a lempo-
ooze vezes raaior. -
syslema seguido n reperfBrlo simples e
facilita a consulta de qualquer dock qae se
procure. No ndice eacoulra-si a
terias, e depois debaixo de cafc na sp a
emenda das leist decretOJ.'pcapntl a avBos |e
se tem expedido nara regula-la.
Escrevem-no o seguinte : Nos limites do
carato da Sapucaia houve dona asoasiajlos
circumstancias aggravantes. Prxima do no de
S Joio, Giesta e seu genro fbram xisiuadof a
nome, cahindo ambos morios soefe. a punjui aasa-
aino I... Consta que Giesta levara dea? tira o
vate e urna facadas, e sea genro- drai tro* duas
he.das, sendo era sgoida arrasladps pela estrada
em extensio de 20a|fafcis, e atirados ao rio de S._
Joio, onde foram encontrados.
i O subdelegado Ionoeeticic- Jos da wlva, di
Sapucaia, e o lente Vianiia, subdelegado i mt-
gnezia de S. Jos da Rio Preto. o eserfv w
ra da mesma fregaezia, compareceram no Mfar
e prestaranf relevaotes servioo*. e bem atsro o
urgeato Augusto Caldas e algum* p'ratjaa. wa-
eas i energia das aatorldadeo j se ucnam presa*
algamai pessoas que, dizem, serem eoapttBS
tao barbare attentado. Este tacto daa-te ha pon-
eos dias, e digno de ser levado ao eonheeimento
do publico. *
" A Weao central do telegrapho recebea aon-
tam (24) da estadio de Si.Praueisco o segointe te-
legra musa :
No dia 22 do correle naofragou na Praia-
Graade do Card, 6 mlba do sul da barra de s.
FraBeisco, a galera norte-americana Arcndi ura carregamenlo ds'K toneladas de earvao e
1,000 de varios gneros, do qual nada te poee-
I




a 24 de ootabro .,

salvar.
i Qae applicacib pretende o gjyerno iir ao-
producto do ultiratf'WBpfeMimo KlBrato mandado
contrahir em Londres logo depois em data do lo
de novembro seguinte, reserva feita da parte des-
tinada ao prolongaraento da estrada de ferro D.
Pedro U"?
Se a legacio imperial em Londres cecebeu
porcenlagem, commissio, gratiicacao ou qualquer
vantagom pecuniaria por motivo ou por occasio
do alludido empreitimo ; e na afirmativa, se res-
lituio ou levou era conla ao thesouro publico na-
cional ?
4.
Quaes as despezas extraordinarias do ministe-
rio da guerra e da raarinha que concorreram
para determinar o alludido eraprestirao externo,
conforme o relalorio do ministerio da fazenda apre-
sentado ao corpa legislativo no crreme auna r
5."
" Qual a importancia dos bilhetes do thesouro
anda existentes era circulacao ;.e a quanto calcu-
la montar o maxi.n) no lira do exercicio corren-
te, applicados que seiam para seu resgate os re-
cursos autorisados pela respectiva le do or?amen
to?
Rio, 2i de agosto da 187.1..1. Figueira.
i Requeiro designacio de dia e hora para inter-
pelar o Sr. ministro da agricultura, coramercio e
obras publicas sobre o seguinte :
Qoal o acto legislativo por onde ulgou-se au-
torisado para innovar por decreto de 7 de junho
ultimo, que autorisou a transferencia da co pa-
nhia de navegacij e cammercio do Amazonas a
urna erapreza estrangeira, as clausulas do contra-
to approvado pelo decreto de 10 de outubro de
1837?
t Quae3 a3 razos de publica conveniencia que
determinaram a innovacao da clausula 5." do rele-
rido contracto, pela qual devia serieduzida a sub-
vengo concedida referida companhia no anno
prximo futuro de 1872 vista do seu notorio
estado de pro3peridade ?
t Rio, 24 de agosto de 1871.-A Figueira.
t Na cmara dos deputados, hontem (2o) 1 >go
depois da leilura do expediente o Sr. Gomes de
Castro, oblendo a palavra pela ordem, disse :
c Sr. presdeme, eom proondo pezar quo dou
cmara a noticia de haver fallecido hoje o Sr.
Bario de uajatuba deputado pela provincia, do
Maranhito.
O filustre finado era um cidadao
Em 20, mauitestando.se fogo a bordo, na lon-
~*0 E. lattitude hff, kascou o capiiao entrar
iro porto ; mas toouedo a incendio pro-
assustadoras, leve de abandonar o nav*w>v~ -
tripolacio eom 24: pessavs quaes estao a
*.**
uas bWW*)J5tis do abindono -inaive expo-
fio a bordo, indo a p^quo o navio na distancia de
urna railha da cotta.
Eis as noticias commerciaes da ultima
data :
t Negociou-se um pequeo lote de apolices ge-
raes de 6 por cento a dinbeiro.
t Era tnetaes apenas conston a venda de mn pe-
queo lote de oncas a 33*000.
t No mercado de-accoes houve movimento re-
gular as do Banco-do Brasil, a i9o a dmlieiru o
a 201* para o ultimo da da transferencia ; as
da companhia de can i3 de ferro de Nitheroy a 3J
de premio a dinheiro.
s. PAULO.
A lista triplica senatorial cou assim cora-
pista :
Bario do Rio Glaro. 7W> votos.
Dr. Joao Mondes de Almeida. 751
Dr. Joaquim Floriano de Goduy. 3t
Falle'cera em Pindamonhangaba o azendeiro
Bento de Cerqueira Pae3.
D. Mana de Oliveira, viuva do commenuador
Golov Moreira, conceder carta de liberdade a 3
escravo*, cujos servidos Ihe haviara sido ligados
por seu marido.
O Eco Banaualense noticia o seguinte :
O Sr. coromendalor Antonio Barbosa da Silva,
por occasiio de festejar em sua fazenda do Bam-
Retiro, o di i da Senhora Sanl'Anoa, deu liberdade
a dous escravos seus.
t Sao repelidos os actos desla ordem pralicado
porS S.
Os Srs. Marcos Machado Garri, Antonio P.
da Silveira o Marcelino Ferreira Machado, herdei-
ros da finada D. Adriana Mara da Conceicao de-
ram liberdade ao pardinho Arthur, fllho de Au'.a.
parda, requerendo ao joit de orphios que as par-
tilhas fosse dado seu valor a elles herdeiros esa
parles iguaes, e que na senteoca fosse taraber
j

E
Igado a raanumissao, sendo o titulo conferida pe-
mesmo juiz.
ootu.
Temos folhu al 13 de julho :
Na assembl provincial fleava em segunda
Correspondencias do Diario de
Pernambuco.
RIO DE JANEIRO.
CRTB, 26 DE AGOSTO DB 1871.
'Prometti em urna das anteriores dar-lhe noticia
mais dreurartaneiada da interpellacao do Sr. Jos
de Alencar, e o fare hoje dizen Jo-lhe qual o mo-
tivo qae o detone-'oou aira tribuna oceupar-se
eom o qae na imprensa tem sido publicado em fa-
vor da proposta da reforma do estado servil.
Nio foi cortamente por amor dessa reforma,
iiae o Musir ministro da junica d > 16 de julho,
dea-se ao trabalho dr, por mais de duas horas, oc-
capar a attencio da cmara de que membro, fa-
xendo-a testemunha de mais um dos seus violen-
tos desabafos.....Os arligos publicados tal res-
pailo nio o incommodam, era podera incommo-
da-lo. O qaa tem neomraodado muito sao uns ar-
tifos, em forma epistolar, dirigidos Fabricios e
pelas votseSes que a maioria deu resposta fal-
la do throno, ao art. 1" da proposta servil, o em
todas as outras occasioes.
c A feicao da actual situacao pois, sem con-
testacao, a preponderancia do elemento nortista.
Eu acho de perigosa significado esse pronuncia-
memo. Eis porque abro no seio da cmara o meu
coracio. Emendo que nio bom amigo aquello
que oceulta o perigo; melhor amigo aquello que
o manifesta sem rebuco e adverte em tempo.
i Nio dm os Ilustres collegas urna outra ac-
cepcio s minbas palavras ; eu aprsenlo o fac-
i, mas o meu desejo que baja uniao sincera de
lodos ; nio quero a desoniao ; quero e desejo o
mais ardenteroente possivel a cordial fraternidade
de todos o Brasiieiros.
i Eu disse desde o principio : n, do sul, pedi-
mos qae nao nos abandonis. E isto que anda
boje peco; os d j norte podem ser mais facis em
concess5es, tem menos escravos, menos interes-
ses; os do sul nao podem fazer eoncessoes tio
avantajadas ; portaoto lenham contemplarlo para
eom o sul, nio qeiram entrega-lo de ps e mios
amarrados urna solurio que ba de causar pro-
fundo abalo nio s na propriedade, mas contra a
nossa seguranca ; abalo qae lia ue repercutir no
norte, que tem escravos e nio em psqueno nume-
ro especialmente Babia e Pernambuco : estas re
pe'rcursSes sao infalliveis (apoiados da minora);
e tamo mais perigosas em relajio questii de que
tio innmeros, que s demasiada prudencia ein- jar commandante do esquadrao da mesma arma
dol paciea de sus victimas se deve atlribuir da provmea do Paran Jos Diogo dos Res.
nSn ter ella ha mais temoo recebido a merecida Para a 7." companhia do 5. regimemo de caval-
dscussio o orQamento, tendo silo j regeiudas as
emendas offerecidas pela respectva commissio.
Alera do orQaraento,andava na ordem do da um.
apreciavel projecto permiltiodoa qualquer particular abrir
peo sea carcter e patriotismo, e creio que a ca- i custear portos de P*eX"',Wtl0,pe "
mar dar um publico testemunho da saudade provincia, medanle eeria^"3",: DMUl .,,.
que sent pela parda de mais este collega suspen- | Arl. 2. 0 ^r^oct0.3'6^ LKriS
deudo os seustrabalhosuo dia de hoje. (Muitos cnlar que cob rarlaxas excess.vv M -nniadiwi devolve-las a fazenda provincial inegraiaieui.
.-A infaiuu noli- ou ao transente prejudioado se o radaaaar. In_
combe ao colleclor provincial fazer enectiva esta
devclufio a fazenda.
O Sr. Prestdtnle (silencio)
cia que acaba de communicar o nobre deputado
receida por esta cmara cora grande peaar.
O Ilustre finado, Bario de uajatuba, depu-
tado assembl geral pelo 2 distticlo da provin-
Ari. 3." O governo mandar distribuir annual -
mente aos proprieiarios ou cosleadores de portos.

o nio "ter elle ba mais tempo recebido a merecida
recompensa de seus bellos feitot.
Os dignos deputados proviaciaes eram inoapazes
de curvar-se qualquer exigencia do Dr. Manoel
do Reg e este seu turno nao poderia fazer urna
idea tao someoos dos senlimentos dos mesmos de-
putados j oiga ndo-os doceis instrumentos de qaal
quer capricho, que por ventura aninhasse em seu
peito.
Pelo que flea dito facam os homens sensatos jus-
ta idea do quanto capaz a opposicao que se trans-
via dos principios de justic* e morelidade para
lantjar-se no tremedal da calumnia e dos excesso?.
Anda urna prova do que temos dito ressalta dos
arligos edietoriaes de n. 315 do peridico Impren-
ta, sobresahiodo o de que trata da queixa dada por
(//.icarias los Ferreira, outra victima do juiz de di-
reilo Gervasio, assembl. AlU'se diz qae Zaca-
ras estando condemnado aprsenla va-se de pabli
eo as ras da cidade e at no palacio da presi-
dencia onde receben de 8 Exc. o santo e a tenka
para investir cendra o juiz de direilo da capital.
Tamanha falsidade por si mesma se desiroe, at-
ienta a impossibilidade moral, que necessanamen-
tese dara da parte da primeira autoridade da
provincia de convir era semelhante escndalo. Za-
caras nada tioha que ver em palacio porque lodo
o bomem bem intencionado reconhece, que sendo
a queixa om uejQCio todo particular, sugeilo ao
companhia do 5.* regiment
lana iigeira, o cajiao do corpo da mesma arma
da provincia de Goyaz Joaquim Jos Bapiista.
Foi exonerado Francisco Rodrigaes de Barcenos
Freir do cargo de secretario do governo da pro
vincia do Espirito Santo.
Foi concedida a D. Flora Lniza da Caoba t.arva-
valao, viuva do conselbeiro Joio Jos de Carvalho
e mii do cirurgiao-mor de brigada, cap tao do
exeroito coraraissionado major, Dr. Joio Jos de
Carvalho, a pensio de 54*000 mensaes, sera pre-
juizo do meio sold que por lei Ihe competir.
Foi declarado :
Que deve entender se concedida ao cabo de es-
ouadra do 8. corpo de cavallaria da guarda na-
cional do Rio Grande do Sal MTonso Esteve de
Oliveira, e nio Affonsa Estoves da Silva, a pensaa
de 300 rs. diarios concedida por decreto de 16 de
marco de 1870, e i approvadi. .
Que Joaquim Goncalves da Resurreicio, a quera
foi concedida por decreto de 17 de novembro de
1866, e a approvada, a pensio ae 400 rs. diarios,
An\\ I arl. i* Si ~, o e .
Ura dos priraeTos Brazleiros que assim pro-1 Art 5. E' prohibida a 2f'a"^;
cedeu auando o paiz se achou empenhado na .tes sobre cujo cuslelo e rend ment a assaa
futa 6o?iosa a que fo^ provocado pelo governo do provincial houver concedido privilegio exclc o, *.
Paraguay, o Bario de uajatuba, marchando amiguera por le anterior '
segundo sargento reformado do 20. corpo de vo-
luntarios da patria, e nio msico do 7. como cons-
ta do referido decreto.
Foi dispensado a Joquira
Severiano Brrelo
Alencar o lapso de tempo para que Ihe aeja passa-
da a caria de eavalleiro da ordem da Rosa, de que
leve aeree por decreto de U de marco
frente d urna brigada da guarda nacional da brio-
sa provincia do Maranhao conquisiou para ella
imaarcessiveis louros, e concorreu para o br.lhan-
te resultado que o Brasil obteve naquella luta.
(M^c=! triante, acompanha o justo pesar, Ef&E^%^.^W
qae deve experimentar o paiz pela perda de um ment da_wn.Mima P/meett J u
dos seus mais distraaos filhos e prstame cidadao. dina de Saxe, 9*^2toT
(Muitos apoiados). __..........^r^S^ii^W^^^r0'
cacada Villa Velh. do hra de Coala., o
a esta ; e bem assim na.
di"ianearde duas leguas abaixo ou cima dos me
mos portos. n
BAHA.
O conego Joaquim Cajueiro d^^nipos. vi-
gario da (reguetia de Sant'Anna, acaba de p
car na lingua latina urna elega -
dedicatoria
IIU3 up uuua;.
Como demonstragio solemne destes sentiraen-
Ihido
tos, vou proceder a nomeaeo da depulacao que, i.i.uo -- ""-dojcompliees do assassinalo
segund) o estylo, deve assistir ao funeral do illas- escravo Hearique, ura uo
tre" finado bario de Anajaluba e acompanhar o do infeliz Cnnulto Alw. 0
seuferetro ao ultimo jazi.go. ^^^STSni
em viagem da Santo
deputaqao os Srs.
ura individuo de nome Man jc.
durante o iraject
qae eslava alado a eva^
*





r-
Pcrnacjfcac*
Setembro dt 1871
tai por
antorididos di
val* eulregar-se i.
Falla capturar o ebefe principal d
raneiscoj, cenic* (yjett
iisva'fobre Londres, .,
r.,* sobre Part 3M fs., *
'por cea lo.
alfandega renleu de 1 a 18 de agosta rs.
inaio de
dado t
O
sobre Hi
obre port
c, Pemrafi6co; 8 olas, B
T^knoeJ, epn<;o, Perpambucp, 3 annos Sj
Aniobio : be*igal
Olaviino* briifea, PernamMco/1
espasmo.
6. Jo
Adolpho Praocl
" na' solteiro.

sx
BONOS.
11 barros,
feo, para -,
dedo Recite.
TRANSPORTO iSABEL-Procedeote
Maraohio, ehefou boalem o transporte
fcrasileira Isabel.
avisenana DE BDlFlfUCflES. Dcve boje
Yealisar-se a reunan dos memoro* desta socieda-
de, ao meio lia, no escritorio do Sr. Dr. Jacobina,
roa Dufoe de t*fas n. 77.
&m9l0%:&+*'t.U>-#i omlngo devw,
aaver ovrridas i cavalto na entrada dos rj^me-
D1NIKIRO.O vapor Jfernm-icfc irouxo para os
8ft. TMmat hllenes & C. 29:000*.
O tajpor -PtfffjMwa sa*t4o horttem para o
trie, levo* as segrales guarna*:
Par /fSrahyba r8:*Kt*000
o Natal I."? 800*000
114:341*000
1(1:3*5? -00
ata os puos 'do sal le-
ATieR 300 reis V.
Usajes. u
DECLARAC8ES.
-O
GOMARA DE GAItuH''. Pelo tribunal do
jury do termo de Granito, foi conderando a gales
r-psluas o celebre criminoso J > Barbosa, autor
auasaiaato d subdelegado Manool Angelo de.
Araoj. Pilao, appellando o Dr. juiz de direito res,
pectTo ev oficio Nes.'e e om uutros juramento
o trinuMl 4o jnty maoleve-se na altura da su
jasaao, pelo que loiavores lhe srjom dadus, bem
como aoa dignos juiz de direilo e promotor pu-
taco.
SANTA CASA DE MISERICORDIA. No cor
rente awz oootauara do exeroicio de mordomos
doa divanes estabeleeifBentos os niesmos do mei
paseadiv j.
MRQUEZ A DO REOTE. A junta adminis-
trativa tfa Santa t^asa de Miseric rlia deliberon
hontem, Fftb proposta dos Srs. mordomos eonego
Rocha el e Dr. Manoel de Pigueira, mandar cele-
brar orna tnfssn ecm memento pa oada bem
fcMora a Exma. Marqueta do Recie.
. RECREIO CAMPESTRE.-Por esta sociedade
dramtica particular lera lagar araanhia, no thea
tro Saolo Antonio, a representarlo do mag'uitlco
drama do Dr. Caroeiro Vilella, eflorecido arista
D. Jesnina Mrataai, intitulado GtibrkUa. Esta
eomposicao recommenda-se pelo mimo e elegancia
doeMylo e o interessante do enredo. Chamamos a
attencao do publico'para o annuncio que va em
ootro logar.
OS RATOS COMO ALIMENTO.-O dootor Ler-
che da France medcale os segaiotes pormenores
bisloricortohre a rattophagia :
O* amigos romanos comiam j os ratos ciazen-
1a* engordados com bol otas o castanhag.
Bffin diz (fue os babitontas da Martinica co
aaem sem foja os pnenos ratos e qao procaram
aobreindooi^io >dociedo.
Segtiaa4W. Baer, o rato azucarado (|ne de-
va sem dutfaaesse gosto a nmi (lir chimada tu-
berosa) era oteoilenta de fricau.
Os ratos trepadores cunsiiiaem nra dos prin-
paes alimentos em Cuba e na Janjaka; sacnede
o warao na Australia com os ratos do Brasil.
E'proravel qae osles anima-s lenham um
fosto difTerente d >s nassos ralos (us raltus ou
nwvegicus), que os noruegaezft* recusam comer
em quauto que os comem de onlras esp'cies/
t Os ebneies teem em grande spreco ama sopa
de rato, aos qtiaes juotam m)rceg)s, peix^s sec-
eos, earaeoes e ovos podres. (Deve ser um bom
peluco)
Quando os primaros cbioezes chegaram i Cs
lifuruia, pareceram ti car admirados por encontra-
ren em 8. Francisco ratos as ca-as e nos cano-
de esg )to. C)m grande admirar;*) d>s habitanles,
deram-lhe caca e regalaram-se com nm aeepipe
nacional ; os miobs destes animaes sao para os
cbioezes o melhor dos pratos. -
t E?tes sogeitos, que comem Igualnnenl*
salgados, apaoham os e metlem os nos burav.
maros dentro de garrafas com gargalos largo A
animal fiiaii o nmh) e por e.-ta forma tiggg0J)()
vez em qnando ratos navos.
A NILSSON-Segando referem os jirrwes es-
trangeirus, esse portento musical qua' assombra
actoalmente a America, conhecida pelo nome do
Emy JV'/Soa, tem ganho rios de dinheiro nos
theatros daqaella parte do mundo. ltimamente
e?uva contratada por Sirakosch, maestro e cu-
nbad > da celebre Patli.
A dia cantn em um anuo 113 vezes e embol-
soa 700,000 f-ancos ou 280'contos de ris era nos
sa moeda I O prodaeto das entradas no sea pri-
meiro concert foi de 40,000 francos.
Uma das eoadic5es do seu ontraio diz qoe toda
a despeza peasoal da Sra. Nllstn curre por con
ta da emprt-za, e outra condi ;a) dava-ihe o direito
de viajar t n um wagn saldo.
l'ois anda istd nao ludo ; a Nilsson aciba de
encontrar um novo emprezario que Ihs < ff?receu
condicfles anda mais vantajosas, parque a dea
perreoer 10,0000 pesos ou cerca de 80:000*000.
RATICE.Em nm dos tribunaes de Londres jal
gou-je ba lguns dias um proeetao curioso. Foi
o caso o seguiote :
Dous individuos tiveram urna quetao sobre a
forma da ierra ; nm delles d sse que era redonda.
o oalro teimou que era chata Apostaran) 300
libras e forara entregar a que-iao decisao de
nm jary, que nomearam ad koc.
Como era de suppor venceu a aposta o que di-
zia aae a trra era redonda.
O qoe perdeu as 500 libras nao flcou satisfeito e
cbamon ao sea aDtaoni?tamentiroso e intmjdo.
Este aehou que a sua dignidade tinba sido cf-
f endida, e nao comente em t>-r ganho as f00 li-
bras e fez citar o di ierra chato, para ir a pre-
secca da juslica, por tejaras a sua b nra.
O tribunal d'eoolsdatinvidas as partes, eonlem-
nou o di erra ckataem 600 libras de perdas edam-
aos para o primeiro, o da trra redundile maneira
qne este com a queslilo 4n tena, ganbou em mu-
fo pouco teropo 1,100 libra--.
LOTERA.A que se aeha venda a 106a
beneficio da matriz de S. Lrrarenco da Malla, \
qmal corre no da 6 de si-t>-mfero.
PASSAGEinOS.-Che?a los horjim. no paquete
americano Merrimack viudos dos poros do Sul :
Joaquim B-rnardo do3 Res, Emilia Dis, Bari
i Betica, Pranci-eo P. B. ?., Manoel A. de M-t-
10S.L. Rosa, Antonio Djarle d-j 0!ieira. Francisco
A. Cbabanbere, Gabrcl Pa r', Ignacio di Punl-
eaftlo.
-i- Sabidos para os pon s do sol no vapor Man-
daba :
Leandro Pires Brano, Fraoeisco de Oliveira
Barros, Fraiclseo Barreo da Vasccncellos, Jo;
Antonio dos Santos, J aqama Hearrqueta R sa d-
Alexandria, J. de Azeved> A'rniaa>a*arra Grande,
Dr. Antnnli Buarque d- Gnsmo, Tteeate Ferreira
da Silva Mello, Padre FroiKiscoBj ou e um es;ra
to, Manoel Vrdal, Pedro Ortiz Catoargo, ioo de
O. Goimares.
Sabidos para os porlos do aort no vapor
Ptrapdma:
Fernando M. da Cimba, sua mulher 3 filhos el
criados, Jof Nones Tosa, 6 companheiros, 3 mu-
aaeres e meninos, P^ustina, P.aymund Antones
Luiza Maria Francisca de Ol eir A.
oel dc-N. Ribeiro, Jobo Fraaei-eo
brino Gil Pires da M ta, sua f en hora
Jlo Fi-rnandes de Barros. Pranci*eo
[Bravo Carnario, os Pereira da Silva M
1 criados, Antonio Justino Pereira da Silva,
O Condi de M^llo, Augusto L. da Si.vaeFran
cisco Cabral de Mello, Agostinbo Lins da S Iva,
JcajCorrfla Minios, Joo Bsptista FerrerraBraga,
Rosa Mara, Antonio M. d'Aguiar, Antonio M. de
Aguiar, A. Martina de Agolar, loo Martina de
Agolar, Julo Jos Esteve, Manoel C. da Cunha,
Maaool Pcrnaodes e 4 companheiros, Tito Antonio
da R'^cba o sua senhora, Jos Raymurrdo de Car-
valho, Manoel Silvano, Matheus Goicalves Leonar
do Tbsta, Jlo de Meodonca Parlado e criados,
Manoel Aogosto da Confia, M noel Pereira da
Silva, Josquim Jo Rodrigues Jnior, Ely F. de
Soa, p A. Walbsm, Antonio Felippede Lima.
CEMlTERtO PUBLICO.-Obitoario dr> dia 30 de
agosto de 1871. I
Joaatm, pardo, Farahyba, 38 innos, casado,
Boa-Vista, bwplti* Pedro II; tabereufos pulrao-
jures.
/
Rio-Gramic U !<
lie e prtme mf tfRf) evlfi-
Iho totas as nmea. m
/ (JKUS *JtaSTOj'*
.uerendo nvis dar om teej*nnmlio
tido ao missionario frei Serallm, esse minisi
do evangelbo, o aradu e embaixado
SIMO e orgio de/JssS CHtUSTO na.
los relevantes -servigas prestados a
mraja outtii to ei4*4e, Uneamoi mi d*|
nossa rodo peona, pediado-lbe previamente
devjda venia, para nao offender-ino-lhe a sua gra-
va modestia. i
Mamanisarvslvagem, lartir MgoWawe a-1
rar es enfermos e plantar a paz-e %mia corHdw 1oml|sW'0iqa8 o*' HmsMttaTrosr'esaat
-a^erdotes da j)6S sivo, teem feilo e fazem.10-
os fedrss^martsastempWtaS.^gmta y
palo, os alores de iropioo nao fatem diainalf -Q4
sea rrvor : eTfe3 vivem "com <>s "sfloirarJi.TT e
alimentam como elles, da peaoa ; ellas e nu-
treai cora axeite da iwta como os Orociaude-
tt; elles vlvein com os Trtaros, e parcorraarc
solido : elles moniam no droraeiarioda Arabia
e sogoem o cafre em seas arenosos deserto *. o
chinea, o japones, o indio se teem torna lo seas
iioophiios. Nao ha ilha en rochedo ao Ocano
qne nao teoba experimentado o seu seto.
Pois bem ; frei Serafn, um dessos var5as apos-
tlicos, aeaba ds sabir a ingrimo ladeira -das
Triiicheiras para misstonar nesia vetusta serrado
Mart n>.
Na raanha d> dia 1) do mes prximo p**ada,
dia de brilbante esplendor, e que se osteotava ata-
tyrilBaOMUto*ofjMM! Wpog*
rar sement a de urna ptrta, an.n di
?oila^aejbtr^j^Srl'W
sciente, qae nao assentia que todas Totsem sel
aWrfbre raadgi Ma|0faMas emadeira
relio ; responden ra) que eram de bur,
asuva binarleI1D a-5p4-dt)4 em ran dtsse-lhe, juer da lonro,oa de niohi dao ann
e qao sdnlfo etleBropienro de'yeYta saber
pfiarn rawdtMfp : provo o
aa entrega da2cif| dec' '
deirts estavam etfeivC .Wtm P
'os Tugares das sWftBehMfib Csm
das; mas JesapregAf 'fltart,.
.porventttra p'ertSUs ? certaalb
rm a respeit nSo'Ine reppnrn b
0 gibloete fi arfr terredesisv
un repartlmento d taboas, este U
BeTn mea asseoiiraento, e JpKa
ped q ie e mnaasse aprvgaV, respoden-ma file
bavia de mandar dizer a quefn 't/de-apregon ;
dlsse-lhe afldat qae a elle soiieao /avia alagado
viada das galas geutis da aalureaa, a eirad> onde devia vir o apostlo de Chrislo acbata-se i 0 p,garaenlo d i aloquel, qne tela adianudo

obstruida de am novo immeaso de ambos os swtos Bra" 0 jj^te1, p0r is-o'ni ee fellaVor lgum,
enem deverla a respeit tratar m wu> artigos
sem distiaccio ds olassss ; am prazer ia^xdile-i-
velse divisavaem todos o semblante, onde rale-
va ana alegramats que human.
O povo vido e sejuioso de doHtriaas e d* eo-
nliecimento das verdades eternas se agitava chelo
de contentamente jubilo e ambicio relrgiosa peta
encontrar e acompanhar o homem, ante quem
ominu iece a Impiedade e surge a conver.-ao do
mais ob-tinado espirito.
Aeompanhado as.-im o Ilustre missionario de
um numeroso conejo, as imagens em andores,
pasSando por arcos de triumph, ao som ds mu
sica, fogos do ar, e-repiques de sins dlrigio-se o
missi-marin apostlico a nossa matriz, onde ceie-
brou o santo sacrificio da missa. Depois do que
dslerrdinou ao povo a conslruccao de am palpi-
to e ama vastlssima latada,. aontiBoos a mesma
igreja. consegoiado isto em mai i>ouco lempo de
trabaihs; porjue em qasliaer"perie da ierra on-
de os legitynos executores do maadado divino
levantam a voz, o povo em tropel corre, aecumu-
la-ee em roda e ouve a palavra mvina com o
rresmo jirdor e espirit >, como se peltv pnmelra
ves tlvesseouvido fallar das gran les maravillas,
aos borneas prodigalisadas pelo RBOEMPTOR.
Todos os ouvintes foram testemunhis das poras
santas donlrioas enunciad** p>r frei Seraflm,
esse dlguo mrssionario, no qnal se eaeonlra todos
os predicados de um virtuoso sacerdote, qae re-
preheude com energa, que. aconselba com doci-
lidade e explica as doctrinas da igreja com pru-
cisao e aproveitamento.
Durante os da- que missionou frei Seraflm
nesla cidade, o povo, qua pressoroso e alegre con-
correa para ouvi-lo al entameote, caolando hym1-
nos anglicos e bemditos, carr^gava materiaes pa
ra o repirosda nossa matriz
No currer do lempo das santas mis>033 desse
ministro do Golgotha, que tanto trabalha na vinh
do Senh tr, minias recon9liac.5j; se fueram entre
ioimigos, restibelecendo-se assiio a paz das fami-
lia? e a oraem social ; nruitas passoas de ambos
os rxo3 procuraram a igreja, esa bigoraa, na
phrase de Ventara, em que se tem quebrado mais
de um marlello, para se reconciharem. Nanea
menos de cinco mil pessoas ouviram silenciosas
e convictas as sua< palavras chas de verdade
e uu^ao. e muito mais de mil pessoas proeora-
zam o eoatlssloaario, essa Piscina sagrada da i-
JgT'P, ondeo peccaOor ecn foO tompirplo lavar
* sua alma das manchas da-culpa.
Nos dias qae IWernoj a fortuna de ve-lo entre
pessoas qoe descnnheeiam as vantagens, im-
portancia e sanlidade do 7* Sacramento da igreja,
e que viviam em continua amanoebia, casarom-
e, fiutros abandon >ram suas barregan etc.
Nos claros e exulieitos cathscism s do Ilustra-
do missionario nos falln de um modo, o mais
persuasivo sobre o amor que as creaiaras devem
tributar ao C-eaJor ; s.bre a edacacio que os
pais devem dar aos filhos, e o respeilo e obedieo-
cia que estes devera a aque les; totora o sanio
baptisrao ; sobre o escndalo e males que delle
provm sociedado etc.
Finalmente frei S-raQm nio p^pou exfor?os e
sacnuci's para fazer tnumphar a reliiao, e plan-
lar o imperio da virtae.
O povo, que assistio a missio, corresponden a
espectativa dos seus desejos tffereeendo-lbe es-
raolas para Ifosa Senhjra da Penba.
Raiou finalmente o dia de sabbado 15 do cor-
rente, da marcado para o recebimento da bencao
apos olica, porque era o ultimo de missio; enlao
se divisava em todos os semblantes ura olbar
saudoso pela se iara$ao do roi.-fionario querido.
Chegaodo a hora de pregar o Rvm. padre raes-
tre Seraflm depois de ler subido ao pulpito, mos-
trado e promovido os meios da felicidale tempo-
ral e eterna para todios, que o ouviam, fe a sua
tocante idespedida, apresentaudo o povo nesso
interlrn perto de tres rail bandeiras, e retirou-se
deixanlo-nos na mais amarga saudade, porem
saboriando os bens, que nos resaltou de sua vi-
sita nesla cidade.
Em urna palavra mil grabas sejam tributadas ao
Aliisslmo, que permittio qae entre nos fosse re-
tumbada a sua santa palavra, proferida por um
ministro digno de seu apostolado.
Resta-nos fomente suppcir a Nossa Senhora
da Conceicio, qne como nossa padroeira e mii
amabilisaioia, nao consinta que a sement de lio
proficuas m sietes fl^ue sera creicimento, mas an-
tes continuando a favorecernos faca cora qae
ella germine em nossos corar5es e d tractos a
cera por am, para nos sempre deliciosos.
Aceite, pois, o Rvm. Sr. paire mestre Serafim
os nossos votos de profundo respeit e agradeci-
mento.
Dando publicidade, Sr. redactor, a estas liohas
muito lhe agradecerei.- Imperatriz, 19 de julho
de 1871 O missionado.
(Do Liberal do Norte.)
anda raesrno fazendo o favor de paur adiantado ;
perdi nio e proprlo de um eavalaero para a lata.
Sioto summamente fuer publico i quanto tente
expendido, mas i tanto me imortli\p Sr. Jos FL,
o vista da publicaqSo de sea artig -sem ler pro-
vas, e smente p .r sopposl^oes,' os quaes fleam
respond Jos.
Reeife, 30 de lgo;to de 1871.
Slarcelint
Lopes.
EMSBO
ever fszr
e nem-tio
mma:*oe e
ea algnma.
N. V.ii.n VERDADEIRO R-E
VERDADSIUO TBMPO.-Jvmais
poiu'o caso da tosse e das eoustip..
pou :o, esperar at que, os palrzfiws;
ulcerados, rrio deixem mais espe:
Logo 9 primelro e mais leve tymjibma, acoda-
se immedialaroenle e lance-ss mi d| mais deli-
cioso e memor remedio pulmonar embecido. O
peioral de aaaeahalla Se JCemp, porsera dnvida
ilgoma o remedio mais poderoso e ifBeaz para
combaler ea alfeccfies da garpaola e dilmoes, que
a sciencia tem ncontrado, a expertea|ia compro-
vado, e o testemuuho na nano perfe
privado.
Aasta Bswpesiei inluiMinsnle
"*tnvio$ entrados no dia 31.
ajBabia5 diaa, vapor americano
Mtele, a^ SNB9 tiMendfs, commaudante
%ym&&&&JBH&
Santos &lva eaoipagem 11, carga diferentes
gneros ; a Taomit'ae Xqainoinni'Mleti
Neir-Ynrt-Mdas, hiele aarricao' llattii Has-
Mi, de 180 tonelada, oapttf W. I. Tonng,
aoisngeai 7, carga drtTareates gneros ; a Mea-
I ry Parster'diC
As i Kmaaaass aapMau dueatusa FeUppe de M.
>Gneaee; equipfeM &, canga sal e algodao ; a
i Gomes Mallos Irmio.
Para e portos loteimediosj I lia?, transpone na
cional a vapor TlflM'cTOmanoa'rile capitao te-
nente E. F. Pereira fabrioie.
.Votioi taido* no mesmo da.
Rio da Prata-HPatacao- bespanrwl Beluario, capi
lio Alcina, nafga assucar.
New York per S. Tboma* e ParVapor amen
cano Merrimtfk, commandanle Wier, carga.
psr^e da qae- iroa^dos portos do sul.
Grao ja e portee seler medios -Vapor nacioeal P-
ranama, comaseclaate Atevedo, carga poivora
e eniros geaeros.
Arao>jii e -porto* intermedios Vapor nacional
Mandiih, commaalanta.1. 6. de Silva, carga dif-
erentes geaer**.
I
'StfA Ct'A OA miSERlCCRf
" v toar*;.' *
A Ittma. janla jdaiinislrava da santa casa i*
misericordia do Retife teftdn de recoaetuir o pre-
dio qae posse o patrimonio dos estabelecimentos
de caridade I ra da Moeda, eom dons andares e
solio, transfcrmando-o em ootro de nm s andar
qoe comeaba dous rmanos, ura no pavimento
terreo e ontfB no sobrado, e os predios ns. 1 e 13
da ra do fejfcs, precisa eontratir essas obras
m quem,p* meno preep se quizer encarregar
lo effectua-iu, podendo serem aproveitados o
materiaes qae crem tirados dos antijos predios
ajnlgados em boa estado.
Os pretndenos deverio apresenlar as suas pro-
nolas enrjartas fechadas eom declaracio do mi-
aiaKpkqjfe fazem cada urna das indicadas obra:.
.Wcrelaria da santa casa de misericordia do Re-
oKe 11 de julbo d 1871.
O eserivio,
Pedro Rodrigues de Souz.
THMRO
Sabbado 2
Offerecida pela secied
Recno
A exzeia
D JESL1XA MONTA
PBOGRAM
Primeira represemaelp do
em 4 actos original braseirc
leda, dedicado a menctooMa
nbo de bomenagem
ao
SANTA CASA DA MlERiCORDlA DO RECIPE.
A Film, iunta^dminislrativa da Santa Casa do
Miaerieordes dmpecife manda faier publico qne na
sala de suas sessoes, no dia 6 do mezde ;e:embro
pelas 3 boras da tarde, tem de ser arrematados
a quem mais vaniagsns offerecer, pelo lempo de
ura a tres annoj, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Roa do Ateite de Peixe (travessa da Madre Dos)
Sobrado n. 1........1.-UUO0O
Roa do Prdre Florianoo.
Casa ierre? n. 63...... 106*000
dem o. 47.........OJCOO
Ra do CalabouCo.
dem n. 18........310*000
Ra do Araorim.
Sobrado de 1 andares n. 16 ... 301*000
Ra do Pitar.
Casa terrea n. 73......111*000
Ra da Gloria.
110*000
360*000
194*000
3?
do
EDITAES.
eosHp
feianeate iooffeiiivo, aoe*rvnde .
iiisat era todos os paites, adaptando
vi-frnenle--todas as iiades, wmper "
tiiui^ocs. Suas caras maravilhosas s
nao d, ixando nada desejar-se. .E' desunir uti
ida Je *m todos os casos aireases; irtt vale
mais usa lo lugo desde o conuco da quilquer urna
sMlesMa.
s easiis atreaMs; wrs
ssde o comco de qugklqu
* COMMERCIO.
gfc. i .^. '
COMPANHIA
De ordffl do Sr. inspector da al'andega in-
lima-se ao Sr: Thomaz Antonio Gaimaraes, con-
signatario do hiato nacional S. Jo Baptista (on-
de quer.aue Se acbe, visto Dio ter sido encontra-
do cesta cidade) para qae no praso de 30 dias,
venba satisfaztr nesla reparticao da quantia de
585*015 rs., n qne fraportam os direitos de ex-
portacio dos gneros de produccio nacional, aae
deste porto con'daio para o de Mossor o dito
hiate em 6 de setembro de 1869, Visto nio ter
apresentadb o certificado da effeetiva descarga dos
generds no porto de sea destino, e hiver ezpe-
rado opraso qae na (orna do artigo 645 do re-
gulamecio de 19 de setembro de 1860, Ibe fura
para isso marcado.
1* secQae, 19 de agoto de 1871.
Servfndo de ebefe,
Ricardo Pereira de Faria.
O inspector da utfttaOegt, acbando-se aoto-
risado pela tbesooraria de azeoda a mandar fazer
os reparos de que precisa a barca de viga a. 4
desta alfandega, de eonfofmidade com o respec-
tivo remenlo ; na importancia de 1:830*000,
coavida os pretendeases a aprsenlarera anas pro
postas em certas fechadas at e dia 4 de setera
bro prximo vtadonro; em que ser a obra ad
judicada a quem por meaos a eom mais vaata-
geos a qaeira lazer.
Alfandega de Peras mbueo, 30 de agoslo de
1871.
. Emilio Xavier Sobreira de Mello.
Casa torrea n.' 61.....
Ra da Ponte Velha.
Casa terrea n. 31.......
Ra das Careadas.
Casa terrea n, 36.......
Ra da Roda.
Casa frrea n. 3,......
dem o. 5.........
dem n. 7.........
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Caa.
Casa terrea n. 17......146*000
dem n. 19.......
Largo do Paza zo.
Loja da frente do soDradon. 19. .
Ra das Larangeiras.
Casa terrean. 17......
Rna de Gervazio Pires.
Casa terrea o. 39.......146*000
Ra de S. Jorge (Pilar).
Casa ierres n. 94.......140*000
dem n. 105........181*000
dem n. 101.......0 103*00o
Os pretndanles deverio apresenlar no acto da
jrremataeao as saas flaneas, oa comparecerem
companhados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
tifo, 11 delgosio de 1871.
O eserivio,
Pedro Rodrigues de Sonta.
Capital.
Fundo de
NORTHERN.
reserva
Agentas,
Jiil Latkan
IMPERIAL
Companhia de segaros contra
logo.
AGENTES i
s. p. jomsros C;
Rna da Nenzala-noTa 49.
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool A Lon<1on Glob
Insurance Oornpany.
Agentes :
Saanders Brolbers & G.
li-Corpo Santo1!.
THE ALLIANCE BRITISH 4 FG4EIGN.
Life and Pire Assnrance Company estabelecid
em 1814. Capital 5,000,000
Os agentes desta companhia tomam seguro*
contra logo sobre predios, gneros e fazendas t
pagam aqui prejuizos devidamente provados.
Rabe Scbraetiao A C
Corpo Santo n. 15.
i"HACA DO REC1P8 81 DE AGOSTO.
DE 1871.
as 3 1/1 horas oa tardi.
Colarles officiaes.
Algodao i* sorle 544, 551 e 558 rs. por kilo
(hontem e boje),
dem iem561 rs. por kilo (hoje).
Algodao do senio 1" sorte585 rs. por kilo (boje)
Algodao da Parabybt 1* sorle 613 rs. por kilo
poto a bordo a frete de Uil6 d e 5 0)0.
dem idem idem 606 rs. por kilo posto a borda a
frete de 3|4 d. e 5 O|0.
llera dem 1' sorte543 rs. por kilo posto a bor-
do a frete de 11)16 e 5 0(0.
(lambo sobre Londres90 d/v 15 d. e do banco
14 3,4 d. por 1*000.
d. G. Stepple,
Presidente.
P. /. Pinto,
Secretario.
O Dr. Paulino Rodrigues Pernandes Cnaves, juiz
municipal da 1* vara nesta cidade do Reeife de
Pernambuoo, ew. He. -
Pa^o sarief aos que o present edilal vfrwli e
delle noticia Ihrerem, que tendo fallecido lio Sa-
raiva da Araojo^lvio, escifvio do jnlao maoiei-
pal da vara oom ejercicio no eivel e echando
per o vaao o refeWguoHJpJo sao pejn presente
eotme-aia*^s preteiaewes para qu no praso de
60 dias, contados da poblicacio do presente edi-
ta I,*apresentem a este jnizo suas pei>c5es inslroi
das'de pxarae de sofflciencia, fulbn corrida, certi
dio de idade e mais documentos na forma da lei.
E para qoe cnegne a notiria de qnem eonvier,
mandei passar o presente edilal qne ser publicado
pera impreon.
Dado e passado ncs'a cidade do Reeife de Per-
?nmbneo aos 18 de agoste de 1871.
Eu Pedro Tertuliano da Canhs, eserivio o es
crevi.
Paulino Rodrigues Pernandes Chaves.
100*000
1035000
101*000
193*000
192*000
232oV)
Personagens.
Gabriella
SMmnel
Dr. Vctor
Amaro
Casusinba
Aaar
Alipio, usada
alnbrotia.4deU|
A aa^io passa-sa am Pern
lualidaae.
^'gja?'*^
1> A arta.
3. O segredo.
!. O .riurapbo.
Terminar o espectculo com a graciosa ttt-
da em 1 acto.
OS MR S

Personagens.
Ray raudo..
Cbristma.
Alfredo.
Francisco.
Um gnarda.
Um Jardmeiro.
Tomam parte no divertimento i Sra. D. I
e os socios de seena.
Os bilheles icoam se em poder da commi&io
na ra das Crozes n. 35.
N. R. Depois do espectculo lia ver irera para
Aplpucos, tocando em lodos bs pontos do cosanse.
Principiar as-8 1(1 horas.
I
AVISOS MARTIMOS.
.-----------------------------------,
Rio Grande da *ul pelo Mo ate
aaelro.
Para os indicados port s^gue por astea dias o
patacho nacional Maria Emilia, por j (er.quasi
completo o carregamento o resto qoe lhe lJt
reeebe-se por mdico prego ; a tratar a ra do
Vigarie n. 14, priraeiro aodar, eseriplorio de Jo#
Lopes Davim. _________ .
O major Maveellao fos i.ope,
c o eaplfio Jos llenrlqae da
Nilva Clnluiares.
Os artigos que em nm deste Diario publioon o
Sr. Jos Henrique raeu respeit, por se jalgar
orfendide de um annuncio, qae flz publicar para
alugar o mea palacete era qae nelle residi, e
bem asim da perda de 3 e;eravs, e molestias
qao sfTrerara-pessoas de sua familia ; nao valia
ap- nis responder a esse< artigo^, por serem dftti
luidos de fundamento, todava respondo para pro-
var, une o Sr Jos H. nio tem razio para me ler
aggrelido, e para qnebrar-lhe j a linca com
qae me desafia, e poupar-lhe o trabalho de as-
signar oatros artigos Igaaes aos que respondo.
Era mea palacete resiram a ExaA Sra. ba
ronesa da Victoria, e os Illms. Srs. negociantes Pe-
lippe Needaan (inasi des aonos) M^urom 4C'.,
liibier, e o medico iaglez May, e aenhum dos dig-
nos moradores, disseram que o predio era insa-
lubre, e nena se qoeixavam de eonstipaedes pro
venientes do oaosmo predio, estova lato reservado
rnenle para o Sr. J. H.
S quem eego nao v, qne nm aredio em boa
Incalid'de da eidale, independente, espaooeo,
grandes tatas, e quartos, e eom todas as comino-
itidades a desejar para residencia de (aminas, nao
pode ser insalubre.
S ib a perda que allega, que litera em 9 mezes
dos 3 eseravos, Calvez procedesso de beriberi: fal-
ln ajamar aos artigas publicados as cerlidoas de
llitl*.
Qaal foi a oilensa, qae fiz ao Sr. Jo- H., com
o aiinun.i que puoliqaet, joara afogar o mea
pretio en questio, duendo o annuD.Hioa pes-
soas qao se iratem, e nao qrteirm mora.v em pe-
>}ueaas casas Nio tratti de sea nome, i>esira ti-
crevi ao correr da peana, um ailadir a pessoa
jlguma.
ALFANDEGA
Rsndiraeolo do dia 1 a 30. .
dem do dia 31, .
737:316*383
13:144*084
751:070*467
.ttovfcaeato da alfadega.
Volumes entrados
Volases
sabidos

eom
oa
sera
eom
[rendas
geucros
fainadas
generas
8*1
11*8
40T
58
1563
662
aasearregam toja-i* da agosto.
Patacho americano Tlteriaa Butter farinha de
trigo.
Pataeno initlez-'lmwaaraBro\doriaa. I ,
Hialeameriaaaa^MiMi aVJ-r-ubado.
Barca oortuuezaMaria Lna~lagelos.
Drigue poriagoes Encantadorvario* gneros
Despatkmi* txpoftafe m dia 30 de
agosto.
Para os portos do etterior.
No balgoa aastriaao AlcetU. ara o Canal,
carregarara : lia LiaJu 4 M secu com
13,703 kilos de algodao-
Na barca brasilera Atiode, para o Rio da
Prata, carregaxara : .akaf,01ifrt#a % C. VO bar
risas e 100 melas dUas som"40,108 kltos de um-
car branev. ,
No paiaobo norte-allemio /oAima Haydorn
II, para o Rio da Prata, e^rregarira : Amorm
Irmaos, 10 pipas com 9600 Uitos de cachaca e
380 barricas com 44^*5 lulos de aaiacar araoco.
?af o* porto* 4o taierior. f
Na barca asesas*! Smt* Maria, Rea-Sor-
te, pan o Rio Orante aVo Sai, ajrragaraai: Amo-
O Dr. SebasUSo do Reg Barros da Lacer-
da, jeiz de direito especial do coramer-
oio desta cidade do Rdcife de Pcr-
narnboco por S. M. a qaem Deus guar-
de etc.
Faco saber aos que o presente edilal viren, e
delle noticia tiverem, que por parte do commen
Jos Joaquim de Lima Rairio, liquidatario da ex-
mela firma Pinto de Stuza & Bairo me foi deri-
glda a policio do theor seguinte :
Illro. Sr. Dr. jaizde direilo especial do commer-
ci.Diz o corameodador Jo.- Joaqaim de Lima
Bairio, negociante e morador nesla cidade, liqui-
datario da exlinuta firma de Pinto de Sooza &
fjairio, que estando dever a da extincla firma
a Joaqaim Luiz dos Sanios Villa Verde, a letlra
junta ua importancia de 1:187*000, datada em
18 de fevereiro de 1860, acontece que em seu
venciraento aos 18 de julno da 1860, nao a pagou
e nem mesmo no juico conciliatorio o fez, onde foi
chamado como prova a eeriidio tambem junta,
sendo que a pre$cripc,ao de dita latir a cha se le-
gitmente interrumpida, e que p. r cenia da impor-
tancia e juros da referida letlra j recejen o sup-
licante da massafaHidado supplicado^s quantia de
118*700 e por issoo sapplieante quer fazer citar o
suplicado por editos, vislo aehar-se aazeole, e cuja
circumstancia deve ser provada, para o que re-
quer dia e hora, aura de na audiencia que se se-
guir a^iocusaco da eitaco pelo raeio requerido,
serem a-signados ao supplieado os d para pagar, oa dc-niro delles allegar por vis de
embargos as txcepces e despezas que lhe assis-
tirem sob pena de Ine ficarem assigisados a sua
revelia.
Assim pois, pede a V. S. se digne de mandar
que distribuida esta ;e frea a iuiiraacio requeri-
da, ficando o suppl'cado intimado para todos os
mais termos e actos judiciaes.E, B. M.
Eslava sellada eom o sello de e.-iamp lia na
irdporiaaeia de 100 ra, legalmente inolilisada da
forma seguale:
Recite, 19 de julbo de 1871.- Como procarador,
Dr. lavares Relfort.
Na qaal dei o despacho segrale : Distribuida
jusquera.
Reeife, %& de julho de 1871. Barros de La-
cerda.
Em virtnde 1o mea despacho exarado rra dita
pelipo lora a mesma penca j distribuida ao eseri-
vio deste juizo Manoel -Mara Rodrigues do Nas-
cimanio.
E tendo o sopplisanle produiido saas testemu-
nhas, sellados e prepralos osalos, subiram a
rainlia cooclusao, a aellss profer a seOenca do
theor seguinte :
Procede a juetiticaoio de amencia de Joa-
qaim Luiz dos Sanios Villa-Verde, pelo que man-
do que, para os fias requeridas oa peti.o inicial,
seja sitado por edkaes com 30 cuas de praso, affl-
xados nos lagarta do eostume a pabliados pelos
jornaes. E eustas -sansa,
Reeife,2i dejuitu de 1871.-Sebasiiio do llego
Barros de Lacesaa.
Por forca desia roinba sentnca o eserivio fez
passar o prssewe sdital, pelo uual chamo cito e
hei per intimado o dito supplieado para que com-
parrea oeste juiao daotro do dito praso aflm de
illefar o que for de lusilca.
fi para que ebegue ao conhacimeaio de todos,
raaadei Sitar o presento edilal, as ser afflxado
nos lugares do aoatama e publicado pala im
prensa.
Sabbado 1 de setembro depois da audiencia
do Illm. Sr. Dr. juiz municipal da 1" vara, a
arrematarn de nma casa, e nm terreno no lu-
nar da Casa Forte ; ludo avallado por 730*000
peohorados dilos bens a Jos Francisco Caroeiro
e aa mnlher, cuja arremaiacao fteou transferida
do da 13, por ler o execnlado reqneridopa'a pa-
gar e nio pagou.
Conselho de compras
de marinha.
O couselho n dia 5 do mez de setembro pr-
ximo viudooro, promove sob as eondiccSes do es-
tylo e a vista de propostas recebidas at as 11
boras da manbaa, a compra dos seguintes cbjec-
tos do material da armada :
80 varSes de seo fundido de 4/8 a 1 pollegada.
30 varSes de qo redondo de 1/1 a I pollegada,
400 oote>s de metal para escalar, 10 bWiis d
breo, 100 covados ds baelilba, 30 barris de sal,
10 baldea leiras de folha, 4 baldes de madeira
para carregar agua, 400 palmos de chumbo em
lencol com 4 dilos de largura, 10 arrobas do er,
400 colheres de ferr%M> prcas de cabo de iinho
de 1 pollegadas, 6 pecas do cabo de Jioho de i
1|1 pollegada?, 6 pirjaa de cabo de-Jinbo de 3
fllegadas, 6 pegas de cabo de Iinho a 3 1|1 pol-
egadas, 110 dobradicas de canto, 110 dobradicas
qnadradar, 10 arrobas de estanto em verga, ti
arrobas de estopa da trra, 6 arrobas de estopa
de Iinho, 10 arrobis de estopa de algodao para
mchin, 10 funis de folha, 1! fechaduras de me-
tal para camarotes^lO vares de ferro inglez qua-
drados de 7/8 de glWisnr, 40 vardes da ferro in-
glez quadrados de 5/8 de grossura, 10 vardes
de ferro ioglez qaadrado de 3/8 a i pollegada,
11 barras de ferro inglez em barra de 3 p< llega-
das de largo e 1 i/i de grossura, 11 barras de
ferro ingkz de 4 pollegadas d8 largo e I e i|4 de
grossura, ICO forquetas de ferro, 60 fechos pe-
drezes de ferro de embutir, 50 flmulas de escaler,
10 arrobas degraixa do Rio-Grande, 100 pegas de
lint de barca, 100 pegas de linha ai calmada,
40 grosas de parafua-s de ferro de 1(1 a 3 pollega-
das, 50 pecas de merlin, 10 temos de medida j de
folha, 60 arrobas de ocre amarelia, 4 ocoles de al-
cance, 3 arrobas de pregos franceses de 1|1 a 3
pollegadas, II pelles preparadas para eaixa de
guerra, 1 resma da papel de Hillanda liso, 3 pe-
gas de soniareza, 1 tinas de baldeacn, bX) libras
de laxas de cobre, 1100 libras de tinta branea
de zinco. 800 libras de tinta prea, 1 peca de t-
pele, 6 duzias de taboas de pioho de 1|1 pollega-
da, 6 duzras de uboas de piado de 1 pollegada,
e 10 arrobas de zaroao.
Tambem o conselho no mencinalo dia e de
igual forma a ntracta o fornecimento de carvo
Cok ao arsenal de marrana, por lempo de tres
mezes.
Salla das ses<5es do conseibo de mannha, 30
de agosto de 1871,
O secretario,
Alexaodro Rodrigues dos Anjos.
No da 1 de setembro, depois da audiencia
do lllm. Sr. Dr. juil municipal da 1* vara, vai
a praga para ser arrematada, a casa terrea meia-
agua si'.a na travessa do caes doCapibaribe, por
detrs da casa com o n. 1 da ra da Concordia
cuja casa a penltima d tem urna sala, dous quartos e cosinba dentro, em
solo foreiro, avahada em i'OOjOOD rs, peoborada
a Joio Manoel de Siqueira e sua mulher, per
execucio que contra os mesreos encaminha D. Ma
ria Joaquina de Oliveira Campos.
Pe. suo lelegacia da fregaezia de Santo An-
tonio dnclara-se qne se acha depositado ura ca-
vallo rudado vermelho, que foi encontrado no caes
11 de Noverabro : quem ao me*rao se julgar cora
direito, compare 5a, que provando a posse lhe ser
entregue.
Subdelegada de Santo Antonio 30 de agosto de
1871.
J. A. Per reir da Costa.
I
par Maranhio pretende fahir cora brevidade
hate D. Lniza : a tratarse com Gomes de Mattbs
Irmio*.
-
wPara o Indicado porto segua er& flireitura At o
dia 10 do correte o blate oaeiooal .Mona Amelia,
capillo o pratico Francisco Tboraaz de Assis; ara
o resto da carga falla-se na ra do Araorim, ar-
mazem n. 60. -
nambueoA de agoslo de 1871.
fia, Maooel Maria Rodrigues do Nascimenlo,
sserio, aubswati.Sebstiiao do Rogo Barros de
Lateras.

Segu paca o porto cima com a maior Meti-
dade possivel por estar com a maior partewiBar-
ga olilate naeional Garibaldi, capillo Custodio Jo-
s Vianna ; tratar cora Tasolrm|os df.(L BU
do'Araorim n. 37. "______ ""________
MARAttHO
Pretende seguir com malta brevidade o
bote naciooal Joven Arthur, tem paite lasen
carregamento prompto, para o resto qua'IINfbRa
irata-se eom os seus consignatarios Antoniolnlz
de Oliveira Azevedo & C, 00 sea eseriplorio ra
do Bom Jesns n. 57
----------------------------------------------------------' 11.'
Barca0i a ?euda
Vende-se a barcada Diana, de lote de 800 sae-
cas ou 4,000 arrobas, oasiaote nova, muito ve-
leira.eacha-se bem apparelhada : a tratar na roa
do Mrquez de Olinda, oulr'ora ra da Cadeia nu-
mero 19.

PORTO
pretende seguir em pnacos dias o patacho porw-
gnez Liberal, capi o Guilherme Joaqaim Leal, por
ter a raair parte de seu carregamento engajado
e para o resto que lhe falu e passageiros, para s
que tem bous coramodcs, trata-se com o referido
capitao a bordo ou na pracv
i

LEUDES.
Peante o juizo de pai da S. Jur e deoois
da sua audiencia, uo dia 4 do corrale lera ds ser
arremtado a quem mais der os seguintes trastes
peohorados por Jos Gong, lves da Cruz : i mar
queza de amarello por 10*000, 6 cadeiras de
amarello por 18*. e 1 par de mesas da 4 pernas
por 8*.
A. cmara municipal dasta cidade, faz
publico para coohecimenlo do qaem inters
sar possa que, nio tendo apparecid o lidiantes aos
alugueis das casas da praca da Independencia
com o augmento de dons mil ris por cada urna,
e b?m assim o imposto de afJeriQao de pesos e
medidas, foi de novo espartado o puso d\ arrema-
lacao para o dia 6 da setembro vindonro, e con-
vida aos preteodentes.a laes arremalacdes a com
eme refs
parecerera no paco da mesma cmara
rido dia pelas 11 boras da manha.
Paco da cmara municipal do Reeife, 31 da ag.s-
Cidada do Reoifa, capiul da provincia da Per-lid de 1871.
Ignacio Joaquim de Sauzi Lela,
Pr 6-presidente.
Loureaco Beierra Cwuuiu da Gunba.
Secretaria.
vinho xerez em l arris
Da t de seted
Por mandado do Illro. do Sr. W I do
coramereio e a reqaerim-'nlo dos cui
da massa fillida de Ju. Prantisao Bol mira,
o agente Oliveira fara leilo d<*tf barril ds viahe
xerez nerteneentes mesma massa.
IIOaJE
s 11 horas da manhaa, ao ara
Barbosa, largo do Corpo Santal
\y
cerca
de
DE
DIVIDA
Na importancia dril
12:00(>Oee.
O agente Martina far leilo n
Dr. iu/eolariante dos twoa detaAB
Joaquim de AlraeidafPiolo, e por ti
Sr. Dr. juiz de orpbios de cera
em dividas
Segunda fein ido e
Em seu eseriplorio a raa.de iarqueal
o. 15, asi! aasaado da,
eiaxraar a relacio dos de
do dito agente.
L
Urna mobilia de jad
. de 11 cadeiras de g
2 de balan ;o, um
dineira, lodo eom
eu prtalo estado, um



r
y
:

^
irf i
aluno de

abra dsjH
tatuca coi
ttJ, 1
bio coa
irqrwJes para
pa soHairo, otaaMMiB,
l*W *>ara sal de jaaiar,
auareJlia iMltf'pira |aa*ar
irfo, 2 escarradeiras, I can-
oa de costara e mu lo ou-
1A 5 DO (JRRENTE.
,ata de um ne-soa na rauda de
[aguas Puntual 6/i leilap dos objec-
jBCipnado
MI da roa do Imperador
B 1.
tras ern pomo, ao correr o martello. ^
SOS DIVERSOS
. Jtfo Jos de Araujo Lima, que
o da loja Aguia Branca, queira
typograpWa a negocio ta seo iu-
8IT10
fltafM se o grande e expeliente srtto da estrada
4oa itfsiClos n. 23 (o da capaila) com commotioa
fiara graatta frawlu. r*cmtMU->e anda pela.
acil comrotiniMcao da va ta*$A: para tratar ua
roa larga do Rosario n. 3VTff>lica.__________'
0>S abano asignados avisara ao' commercio
m geral, que o ftr Jus iFatippfi de Sowa deixoa
de ser caixeiro de sus loja de jqias.
Recife, de setembro'w 1871.
G mes 'de Matjos I r roaos.
iMU-se ds urna aliu para todo sevi.u de
n. 27, i
Florescoate
O aballo asignado Sr. do engeano Mataco, do
termo de Agua-Pitia, faz soiente ao reapeiiavel
publico que mu Ja o jome deste seo enxjenhu pa-
ra Flor 'scenio, vs|p as duas saldas qae moe sef-
fMessajninl" do earu* e coalas a. assucar ;
'atln'bue a engaos por liaver mais engenhos do
raesmo nome qua tran3itam timbjam pela va fr-
rea, (teto que desta data esa diante sei conhecido
jior Floreoente.
RcCife, i* de setembro da 1871.
Jo.* Firmiuo Teixelra Cavalcwte.
fede-se ae Sr. TVod Just que f>i negaeiante neta
pra^a, rara quo venha a enteniier-se oom o abai-
xo a-M,uad'>, obre a encoromenda do vipor feila
a 16 di abril d 1871. O n,a*mo abaixo a-?ig-
nado deseja saber a m irada da Sra. D. Varia Joa-
quina Djrgts Leal, a negocio.
____________Caetano Jote Mendes.
O previdente univer-
sal.
Se algum dia a ignorancia fez pa to solemne
com a embriaguez; fe de raaos dadas, ou a cam-
baladas abjurando o pe,o, a moralidade e o bou
se'nso,se man:omninnaram para denubar as ve-
nerandas columnas do lemplo da vkiudc, 4 ca-
ridade,abusando da ignorancia de ojio sanbo-
re socios, qoe por sua falta de a.siduidade aos
trabattios nao lem seiencia da inepcia de um e dos
vic'oi do oulro, por ceno o Basto e b Judo remen-,
do do presidente, de parelha com a mcuaucsu-
ravel ioglet, godeo e plironieo, realisaraai ese
dic infernal na noite de mi ta-f.ira !
Pois que I a despeino de vossa dfcsrooralisaeSof
pela inepcia de na e vicios de ontro, atrevis vos"
a illaquear a b >a ( de re.-neitaveis csracleres, f
para alislzer a vossa limitada vaidad**, a vossa
preaumpcao ballofa, oo a vossa avidez cupida ?l
Desenganai-vos, Sr. Desalborad) ; sois inepto ;
de lima suseeptiollidade acrincela, de urna pre-
suinpc'3ballofa : deixai que tos dtgn, v* s P6.-J,
deis ser comparado a vo< me-mj : sot a galbofa
d'aqoelles qae vos roleiam ; o noneco dos qae
vos lisoageiam ; causis comiseracSo a quem vos
nao connace, e. provocis o ascu dos condecid i.-.
E vos senbor iglez, molho de carne ensaccada
o vosso andar arraalado, vosso fado qaasi sampre
nogento, vossa phisionomia apathitio, sem exprs-
sao, sao convincentes provas do nso inmoderado
qae fazeis do old-brandg. No vocibulario do< pu-J
i'Hic house da vossa nebulosa necropole, nao ba
epitbetos qae bem tradazam o vosso melindroso
estado.
O vosso lodo vos deunneia ara famigerado ami-
go da crpula. Em Londre?, vis pstarleis na prt-
iii da miinh), senbor inglez (*e qae o soi?).
Talvez nai seja mais nossive!; procurai, toda-
va, emendar-vos; fleaodo serapre na conviccao
de qae s lis completa nullidad. NSo procartHs ea-
Rinar peswaalguma. Ambos podieia 'ter empre-
lo condigno do vosso immen.>o bestaoto, se o era-
preite'iro dos bonis nao re:eiasse alguma das
V08S88...
Rarchai ao peloarinho do ridiculo, proslitos dos
cafutdertt, e proeurai crear a prole na crenja de
que o pedacode argila puro diamante._______
Subloca-se o arreudamento do pre-
dio da ra do Mrquez de Olioda n. 23,
com grandes coramodos para qualq'-er es-
labelecitnento commerciil, lano no pavi-
mento terreo como do andar : a tratar
com Antonio Jos Rodrgue de Souza, na
tbespuraria das loleria._____________^_
- Em a noite de 30 para 31 foi encontrado
pela patrulla de ronda de polica um individuo
que condatia urna gaiola ora nm passaro e dous
pspaaaios'em cima, e sen lo pergoiado como ba-
via oblado aqaelles passaros, dexou-os ar e poz-
as em fuga : quera fjr, pois, seu legitimo dono,
queira ir ra do Nogueira n. 30, qae dando os
aignaes llieserao entregues.______________
- Precia-se de una ama de hite de cor parda
ou branca: a tratar na ra Nova n. 22 : bem
cuno pede-se i qualqu>r pessoa encarregada de
alaga-las, apparecex ne.-'.a casa para o ajaste.
Em tempos moernos neithnm deai)ri-
ment operou mSler rewlucao nopdo d i
curar anteriormente em voga-Anua o
MITORIL B AWCMHIIW
TANTO NO TRATAIteNTO/DA
TOS, CHOiH),
itfimA, THIStCA, 1*|*.
BQQVISO, RKSPW/VaiBIWOS.
BRONCHITBS,
TQSE CONVULSA,
DORES CE PEJO,
HMcmnacAo be skwm,
Como em toda a grande see dd eneni-
dades da oauganta, o pbjto* dos orgaw
m, respibacAo, que lano atormentam e fa
zem suffrer a humanidade. A mancira an-
liga de curar consista geralmente na appli-
cacSo de vesicatorios, sangrias^sarjar ou ap-
plicarexterioieate ungentos fortwsimW'
compostos de substancias vesicantes, #B>
da produzir etnpollias; cujos diferentesno-
dos de 'curar, nao faziam se5o en/raque-
cer e diminufr as forcas do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneir?
mais fcil e certa para a ehfermidade ais
Irukao nevitavel de sua victima 1 Quem dil-
jerute poiste e effei admiravel do
peltor|l de anacahuita i
\'U S EZ DE IBU1TAR, MORTIFIBAR E CAZA
INAiaiTOS SQWHIMENTOS AO DOENTE,
-CALMA, MODIFICA E%SUAVIZA ADOR.
flp p ALLIVIA A IRRITACO
DESEMVOl.VE ENTBNDIME.MO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rapidi
at o ultimo vestigio di enfermidade. O
melhores votos em medicina da Europa (ot
Lentes dos Colegios de Medreina de Berlhn)
testificam serem exactase verdadeiras estas
leaces analgicas, oual m dissq^a exper:-
encia de mimares de pessoas da Americ<
flespanhola, as quaes fbram curadas cobo
este maravillioso remedio, sao mais qu(
sufQcicntes para sustentarem a epiniSo do
PE1TORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se achi
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que porm
alguns d'estes ltimos,' e particularmente
aquelles que s3o dados sob a forma de Opic
e Acido Hydrocianico, formam a base d*
maiorparte dos Xaropes, cornos quaes t5c
fcilmente se engasa a credulidade do pu-
blico. A Composicio de Anacahuita Pito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a dose que se tu-
ina so d'uma colber.poquena: basta ge-
ramente a applicacao d'um ou dous frascos
effectuaclopara a dequalquercura.
A' venda no^esiabelecimentos de A.
Caors, J. da C Bravo 4 C, P. Maurer 4
C, A. A. Birboz', Bartholomeo & e na de
Ferreira Maia & C. A ra doQueimado n. >7
ESCRFULAS OU RIIEUMATISMO
e todas aquellas cujadigesto se acha com-
pletamente desarranjada.devem tomar ,
O OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
I
0 Ddiloii Duarte I
S( "CABELLEIREIRO g
j^ Rita da Kinseratrlz n. 2 0
Neste estabelecimeato encootraro as "&
genhoras ludo que diz respeito a enfeites cS
de cabellos, como sejam coque?, iranjas, jR
cresceoies, c*chpaine, etc., eu., e nma
grande qoantidade de tranca de cabello "
vegetal, qoe vende-ee pelo baratissimo
preco de 5*500 ca-ia tranca,
No mesmo estabelecimento encontraro
dous offlciaes peritos professores n'arte
de pentear senhoras, oa qnaes serapre
iromplos para qnalqner chamado,
entro da cidade ou seus arfabaldes,
mo a. 1, 1* an<':
Beravenulo Daart
eambd.
[Ao BapUata AHoCMlnMrd, i
flm da Altneitf, mor
Antonio Barbosa Cavaleanti,
lipo Ferrelja da Cruz, oo eAfij
ao.ary da Sthra, maralar no aaaaqbo
Jol Ca*icApj# nM m 1W*b
PrwdscdaSlTa, morador no. Breio pu
W v*cr*wKifor o **
ata^tade Mi aoaoi de
f Mktm 4a-4bna, qwr ?* f*>r a
a aejapartutaar: aoi#*a'Sata

&^oLo^^',^v,%Qa^ tn
laopat A^wo aat^ivi, liraAirjOi

Limoeiro.
naactaco Apolp*aa,.a*ao*MJJo
JNIw CayadBajMa.fe{mas********
^ipciano Portelt. no Reclf^
Ricar bnes Otvmm, rotaiot
abo Jamada.
CowajJo Fer.re4it ty**>
meliew.
Joao Al ves de Oliven a, em Una.
ItoVo Naes pavaienie, ora4or no engenns
GurjaiL
ioio Apolenio Cavalcanle, morador em Varzfa
de Una. ,
Miguel A-pP. Nazareth, morador no eogeba.
Matas.
m
JF
Vlsla.
Ftanaiao
(Successores de ioaqtfiu de Al
WRu largti 4o ftoiarbJO
( Jofllo ao quarfel ,,de polica )
Oa proprierarios d'este estalelecimeato leem bonra ddjfceantk'a/ o
capital ffo de toda as provincial damraerlo, que entinuartil a preparar
nSiQOi^ FINADO ANTECESSOR os acreditado e ntillssimos medicamentos br:
esculpaftatracto ilcooliao, emplastro, oleo, tlnfara, pilulaj, jarope e tinao, da
onda natura xarope ao FEtoEGOZO, urone (Jo RABO DO TT', P1LLAS -.-
DA SALSA DO PARA, xarope de AGRIAD, xarope do MULUNGU' ele. eu^ r4odo
fel cao ; pjr isao que um d'ajuelle proprielarios eonta 8 annos de boa pratiea M
HroeiiB, scienliikam baver cito um coropleio e variado aortimenio de drog
mais acreditadas eiaeeialidades, achaado se indo a dlspoticao dos Sr. faenltaU
geral, dequem os proprielarios esperam lodo acolhmenio.
A pharoaaeja abrir sg-ba a qoalquer hora da polte em ato arjeme.
dmm tMmtoa.
Lu doi Saotos e raa fsmiria manda
r no *m 3 <*> letembrn, as 8 l|? horas da
4. capaila do cemiairio aubliao, nma
nemanl pilo a> aoBiveraarii lo pas-a-
auapreiada ^ senjpre chfrala posa
ida Francisca' Marques dos sanios, eoavi
da,poi*, aoiaeos prente e amigos a quem an-
ticipa seus aKajMQMlptoJfeste acto de rei-
m>
Mangoira,
inT
Ho|of-
Moniiro Guarni-ti ra>, ap^ajf1*0
Paulino Fraicisco Bastos, morador em Frip-
Un
FranajsQo da tocha Atcicly Llns.
Jo refreir Gavakaaie.
'eifira de
Souza.
Silva, morador em
Gamel-
Andr Aveiino Pe
Caelano Alves da
leira.
Epifanio de Fr.an?a e Melle, no Recife.
Flix Jos Cavbante Jaolor, uiorador no eiyjenbo
{iovo.
Manoel Joa<|nim Pereirt; de Garvalbo.
Francisco Bringel de Al:v,eida Goe4es.
Joaquim Loureoco de Barros.
Antonio Ceriaco 'de Moraes, morador em Vera-
Cruz.
Heleodoro Acacio Rangel, morador em Gamel-
leira.
Jco Francisco do Reg Barros.
Joo Jos da Costa Santos.
Vicente A. Cavalcanle, morador no eDgenho S.
Roque.
Silvino Bodrigues Cardoso de Barros, na fcd
cada.
Aolonio Goncalves Dias.
Francisco Jos de Oliveira Cheia, morador do
engenbo Gorjat.______________
ATTENCHO
De urna descarga de 60 loros de ja urand qoe
leve lugar nos dias 20 e 24 do correte.- na praia
de Sania Rita, alraz da serrara do Sr. Cocino,
faitarara dous loros que se jolgam rouoados, visto
que at agora nao se lem achado : roga-se, pois,
a qual iuer pe-soa qae delles der noticia., ou aos
senhoras roarcineiros, caso Ihes sejam offerecidos,
de os anprehenderem e avisarem na ra Direita
n. 31, que se recompensar gnerosanrente.
Oabaixo assignado, ex-soclo. o Lquidatario da
exiincta firma Qaroos & tmpora,!, previne a todos
o seohores deVedre? aquella firma, que para a
eotranca de seos dbitos ajcijav^l ou judicialmen-
te, e ajuste de eonta?,. te$Vtoriaa*.) a nova fir-
ma, de que fajo parle, Jos 8jora 4 Silva, que fax.
constar para sciencia de tq.fig.'.
J..B. .tramos da,01iveira.
Zeferino de Alnieid Pial* Caz publico que
vai acerrar o inventario dos bc-ns deaeu fallecido
irir-ao Joaquim de Ahueid l'iato, e fjw os inte-
ressados devem requerur o q4 Ibes lOooyier antes
desst incerrament;'" Re^tf^St de agost de 1871.
Soccarros Mutues 23
de Svlho.
De ordem do fllro. Sr. presidente da aisenjbla
geral de confjrmidade com o 3 do art. 14 e
arts. 24 e 27 dos estatuto?, p^r segnda vez con-
vido a todos os senbores socios a comoarecereni
domingo 3 do crreme, p?las 6 horas da larda, no
i andar da casa n. 26 da roa do Bom Jess, afini
de tratar-se de negocios ugeutes.
Reoifa 1* de seteaidro d 1871.
! secretario da assembla geral.
Jt se lima,
Alua-se n siuj no lugar do corredor de
S. Jeao, na" Varzea, a o p do subdelegado, oede
morou Jos Valeutim da Silva : quem pretender
dirija-se ra de Horlk?, sobrado n. 22, para
tratar._____________________________________
Precisa-se de urna
para comprar e eoxiubar :
mero 22.
*A Precisa-te de urna ama para todo ser-
fl. vico : ua ra de Hortas n.,30, sobrado.
CARROCEIKO. j. -_ ,_t
Precisa sede um carroceiro, prereTS^tlWW-
guez : a tratar na ra do Imperador n. .52, botica
* Advocados ft
^f Os hachareis Jos dos Anjos ieira de
Amorim, e Miguel Bernardo Vieira de
+ Amorim tem sea escriptorio a ra do M
** 000^0 0000
L\ [Q\ \ Preciia-se de urna ama qne
seja boa cozinheiro : ra do
Commercio o. 38.
ft
Aluga-s urna escrava*
dor n. SO.
na ra do Impera-
estao promptos
quer ai
i
_t ponteados todos modernos e escolhidos dos
2 ltimos figurinos.
00^ 00000 000* 00
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Rn do Trapiche n, 5, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Imho, em Braga, e sobra oa seguintes lugare m
?ortugal:
Lisboa. -
Potto. t
Valenfa.
Guimaraea.
Conbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vei.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa RoaL
Villa-Nova de Famalieo.
Lamogo.
Lanos. ,
Covilbaa.
Vascal (Valpassp).
Mirandetla.
Beja.
Bar cellos.
SEBOROS
MARTIMOS
CONTRI FOGOa
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
iesta praca, toma seguros martimos sobre
aavios e seus carregamentos e contra togo
em edificios, m :rcadorias e mobilias: ni
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo. A
ama forra ou-escra^a
na ra de Hortas na-
I
i
Chapas de ferro
Formas para
jara cobrir gasas etc.
** de foti>p pinldo e gaalvaniMj
Arados Americanos Dara varzta 0 ,^
Machinas a VapordeforI^lre8cavaHM.
MaCainaS e deacarocar algodSo.
Trilhos de ferro


para eugenlios, ele.
Fogoes americanos '
OcimaS uO errO graDdaa e pequeas.
Macacos de estiva
Cofres de ferro de Mlneeji, oun.
Papel deombrulho
Estes artigos vendem-se em
casa dos importadore?.
Shaw#Hawkes C,
N. 4 1UU DO liOM jEaija.
(OUTR'ORA RUANDA CRU7.)
r*
-

O MARAVILHOSO REMEDIO
DB. CHAS. DE GRATH

KirJG OF PAIIff O KEI BA DOR
PAi^A USO INTERNO E EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MORB0S,




Os abaixo assignaQos icicn'.ificara so respeila-
corpo commercial desfa. praca, que de com-
j"acTordomsEoKerira a suclelaae que gjrava
sob a raio Ramos & Temporal, isto no da 7 do
mei vigeole. como consta do distrato social regis-
trad.) no tribunal do commercio, ficante cargo
Vi-socio Jos Bom Ramos da Oliveira aHiqui-
o, activo e pasivo da extincta firma. Rtcife
fde agoslo de (871.
J. B. Ramoi de Oliveira.
Clenseniino Moreira Temporal.
AOS &:000#000
Esto venda oa felizes bilheies da loleria d;
lahia, na casa felii do arco da Conceiqo, loja d
lurives no Recite.
Prrci^a-se de nm bom
,1a Seoxalla Velba n. SO.
cosiBbeiro : na ra
DiarrhM, flux d an^u, em nm di.
DOr de oabQ, t dore de onvido *m
tri minuto!,
Der de dente, ra nm minuto. .
Keuralgi, em oinco minuten.
DMlooacOt, em Tinte minatoi.
Oargantki inchadn, em dex minutei.
Clica MTullOM, em cince minutot.
Jti'intiiinni ra ua dia.
Veto e febre intermiUnte, em um dia.
Dor as eoitai nos ladea, a M I
nstea.
Toues perigosas a refriadoa, Mi ta l
FlenieiU, em ua di*.
Burdez Mthma.
Hemorrhoida bieneh,
Inflammacao noi risa.
Dytpepaia, eryeipeiaj.
Moleitiae de figado.
Pulnitarte da eoranac
Aluga-se ama boa casa terrea
ra do Imperador.n. 50, loj.
a tratar na
*#
Antonio da Silva *l-\Ia.
Asoc.eJade Uoiao Cimaiereial B'Q'li.-aate con
vida aos seas associados e aoaamigo uo tinado
Antui) da Silva l ia para onvireiu una uissa
quo i raesma sociedaie mana rosar por sua alma,
ua igreja de N.'S. da Penha no dia i de seiembro
aajjlioras da manbi.
0 secretario,
Joaquim de Almeida Silva,
Irmandade
DAlWNHORA S\NT'AMfa DO CONVEN-
TO DE SANTO NTQNIO.
Pelo prezeote lio coovidados os nossos
chirissimos irmJos, a coniparecerem, em o'
domingo 3 deSdtetnbro pira procederem a
tetelo dos novos oDcciomrios qae tem de
aouode71a5
irmaaS* da Senbora
Bveot) Je Sao Antoaio,-
r agosto do i&Vl.
'Afthar *.onw /aome Pires,
SecreiarifnQtertrio.
Jnela da irmao-
ivido tedos^^Bj
Companhia Allianpa
. .DE
seguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.- i
CAPITAL..Rs. 3,000:000*000.
Toma seguro de mercadoras e dinbeiro a risa
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e fra. do Imperio. Agencia roa do Com-
mercio n." 5, escriptorio de Joaquim Jos Gon-
calves Beltrio.__________ .
XAROPE
FPURATI
boD^GIBERt
MEMBRO da ACADOIJADEMEDICrNA
PBEPARADO POR DESLAURIERS.PH.
Suc* DE BOtTteNY-DUHAMEL
31 Ra de Clpy Papis
Sustento restaurativo da
smde
PELA VERDADEIBA FARI.VA 4
A, DoBarry d'Arabia
Os abaixo asignados faiem seftate a seus fre-
gueses, que pelo vapor inglez La-Plata receberam
egunda remessa d'essa excelleate farinba, coje
oso; Quito se reeommenda para as criaocas, pes-
soas 4enMs e convalescentes, applicada com reco-
nheciii: vantagem as constipares, diarrhea.*.
nausea do estomago, loise, es.carro de sangue,
phthysle, etc. etc. Preferida anda pelo agradavel
sabor.Unlricoa outra qualqner.
Balalos cestas e brlaqnedos
Chegoa para a ra Dqgue de Oaxia< amiga do
qoeimado n. 111 um lindo sorlimento de ebjectos
finos de palba como sejam cesnhas para meninas
balaios para costuras, ditas para pi na meea,
dito? paralacaf, ditos para frnetas, ditas para oa-
tros muitos misteres, maracaes para crianza* e
grande s.mmenlo de calungas a brinquedos para
entreter criantai com oonco ajybetro.
Precisas d ama ama pa
ra todo sarvei, na Capnnga,
_ para casa de pequea familia:
tratar na ra de Hortas n. 110.
%>m
O Xarope cGMfrativo iodu rado do Dou-
tor Gibert oTeWe, no seu emprego, um
resultado bom, cito e constante na cura
dasimpigens, escrfulas, molestiasdapelle,
vicio do sangue, obstr uccoes lymphaticaj,
molestias contagiosas (sypkiltticas), leves
u inveteradas, ede todos os accidentes que
d'ellas depender.
A receita deste Xarope foi approvada
pela Academia imperial de Medicina de
Paris.
Deposito as principaes pharmacias do
Brasil.
em Pernambuco: Mauber e C; Joaoim
Martimho da Cruz Correia ; Joo aa Con-
cbi?ao B4vX) e Cu; Augusto Caors ;
Bartholomeo e C*; Alexandee Ribeiro;
Abreu Ribeiro ; Joo da S* Faru e Irmao.
RESERVE SEMPEE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOEXCAS SE AFRESENTAM, QUA5DO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELEOTKIOO O "KINO OF PAIN" (O re da dor) aquieta e positivamente dlulpa aali de TuTlieasmj
awleetlM e dores, e alllvla mal os loffrlmentoi e prodm um mais perfelto equilibrio no syitema humano, qae kImP
f6* effeotnar no meamo tempo, eom qualqner ontro remedio medocln.il.
Uta multo popular remedio esl agora Btando-ae geralmente, pela raiao que mllhare; de peatoai a* Ua smj^
jrallB eom o dito remedio pelo Dr. Grato e outroi mais.
EaU Importante remedio nao le otferece para curar todas as doen^as, porem tao rnente para aquella* eatlpuHK
u noaiai dlrec^oee.
Eat operando noe principios da chlmica e da eleotrlcldade e por Uto, est afilloaTet par o enrameoto V__%
reetauraQo da acf o natural dos orgaoe que soffrem da Irregular circularlo ctof fluxoi dos prlnolpae* Barree. Otm
elctrico O '* Elng of Paln opera directamente nos absorrentea, faiondo desapparecer ai IncUacei daa glaadolaa HK
ea nm tempo lnerlrel, breve sem perlgo do ten nto dcbalxo de qoalquer cJrcumstancia. %
O remedio, urna medeclna pao uso externo e Interno, compoeto dos elemento! curativo!, raliM, karvai, <****%
taee, como le tem uiado dos noetoi antepaasados, e dai quaei tem grande existencia no mundo, ara ovar teuda
moleetlae, somonte sahendo-ee quaes ellas lao.
rol um grande e especial desejo da faculdade de medeclna durante multen annos de experiencia para apreesfierv .
aelboree modos qne se derlam adoptar para ourar ai seguintes doenfas, e qne proporcM4* aedeeUi. te darU IUnV


EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA E DROGARA
BARTHOLOMEO & C
Wf.=34 Ra Larga do Rosario. N. 34
Cuidado com as falsificacjoes
- nam
Trabalhader
recjsa-ie de am trabalbador para mestre,
rajlla rna doi Pire n. 48.
Socieflade
da Iinperairiz &
1. ANDAR.
Len Cuapelia partaoipa ao reiaeitavel publico
desta capital, qae acaba de abrir nm 'novo eita-
belecimaoto de photograpbia a roa aciauaneneio-
nada, ten Jo procurado por todoi os tue'm poiei-
veis o nwUiorameato e perteioo em todos es ira-
baluos coocaraantei a aua arle. A gi|eria diri
gida por O. Ajpelia CUapelin j
__ _mtm_m__o_f__ aaa gida por D. Aajaelia CUapelin j vaotajoiaaaente
OTtMMMtWW WM i coonecida por rouiui peasoai desta eapital qne
ADYOGADO iveranf oaeaaiao de valiar os seas irabalhos pho-
MiMIH.lIflil ^9? f*!5^.'" lr?*os dliU P^M^tvflhU alo
Do xarope Ve?f ial Americano espciaidad dBarth n
34,RA tAKCfl .0 ROSARIO.3*.
05
c
tasengoramadeiras, pa
rana %, ov por cima da
ma doala de earlSss
ai> f
m aibrotypo ea nma linda
-=
cotrfWa a lodos os rimiirr das
ar ten eita.belecimento qae it
oras da maahia as 6 da
Vmao, PiuiwaXAai?a a TnrroaA
di JuiurafBA bimpl rewwwwog,
Chao, PocAoaa BioLAarao na nano
PMlTA PB*aaAD08 ppa
\ WTHOlfRAC*
PaaaMaoiOTi TS6
Mol costnmimos procurar Ursudes para crediur
tesioi pnpmdM, diiao qae mi epplwaclo e 01
renlnJo! oWkJos pelii pessoisqm m ditairamicciiU-
ls, thee deem crdito e vop ; porqei slo lempre ei
ittMtaaoi eoDliendoi gretnKos, 4 del le que linca
lo t ehirliUaismo; mu ni quprendo offesrter is pes-
nu quMpenUntamenit ooiofferecerim.M qicebiix*
rao tnnicriftoi. m (asamoi pnblicir milifMUnilo-lfcsji
ion* tTfthllo peU ittancio. iipinndo qe eenbui
ales corra^atu eooeeito. actaselo qu MB raart*
lid* imm Itrep*. orlAolonc* t C.
(MIMItlM.
IllBi. Sr. Birtholomeo C eom niii tbida
___Ud qne declare 1er e xirope Aaericano de ina
HHl niriordimrii, pois que soffreodo bi diai di
raUMt loise. 4 potto de nlo podatormir a oaile 1
lespeito Denso e medicamexaMJlj y>mT, 1 elle
recorr na terceira colker (ui tMPMts e de todo me
Mfce boje restsbelecido com o na* lmente de qrusi
feto frasco; grato poit i eu* retallad muileeto a
r. S. man reconheiimento. De Vt. Si. imigo, tb-
iwtilKa.obrigido.- Manoel Antonio Viifii Janior.
en reconhecimento. De Vt. Si. amigo,
icbrigido.- Manoel Antonio Vijai Jan
,8a|e abril de 1868.
J. IfrikoloiMO. t C. Eeaboradiisimo con
la mi isran de consalhir o bio do iuope
Vegetal Aaericaqg,' de
acbeva bastante aoe
m eomposifle, qmaai* m
inte de nmi constipaclo, qia aw
tornon oompletimente ronco e qne trouxa Has Irntrn
tosie, sae impusiibilitoo de comprir 01 mWt avaaaw
de cantor da empreta Ijrics, Ton igradacer-laas m*
compUtartatabitcimento, qne oktiv* cesa u so vissB
do BtNH xarope, depois de kaver recorrido a mata*
tratatsttftfls. Desejarei qne tres coa* ~
ao tett xjrop* pan m vaftnliviados 4 J|
incommodo, lis bul MA* Mis. Un
racl* eoilinlo a set d* Tt. la. atl _
obrigido. Lid Cwnena. tala 1
delSM.
Illms Srs Bartholom** *C.-0
ricino qae Vt. Si. teas
cacis par o ctmtlTo d'i
ptiesBio-o t mea Blho
snnos; victima d'ass* 0
ewideiti-j doas snnos
i* fraade BOBeida
xprtMo altamente sil
que
CASA CAJJVIN fJBBR
a fauna, >
COTKNDO]
YRIO
pri-patiJo sol
I
meritorio sarvieo
urope, acredittadomt [
tiento obrigido. Anerie*
lUtif* 3 de tullere i. iW
t
Pharmcoutloo prlrili
suacessajor
abat.topol, flff 1
NOVAS ESPECIALIDADES A. MAfttHiER
Apuse maclas a AcaJemii de Sciticias e^*nustit|* dt'Fraafm,
III ICPffl Sob !ora" d'JsWilla, tTediia e donada |
IflaJ totnU l*<*y$ momento urna talaceaa
rtttealivi e curattT ^u MALUTUJ C0*1
geral pata BRASIL
l*r|a do Roairio. P:


i & fjnunifca.
1 a
IST1

TUTT
fllPHtlAL

aja preoceoaado
sMeanlataaaao-
_ M ierra e na rran-
ataaaeilM,L. Woitfwki
vet dtaeorto, o qie traa
maniendo o" equilibrio
huroanidade, o trabaron *i
facturo. '
,jTe e melindrosa, come? a *er
ro importancia. seme ejoe a
_ rllario, tanto mato qno *W'
betUuicao do elemento servu lera ena
r-ae enkecissim para o fatnro de<-
rvriTiaaM* de nossas industrias.
lUeoraaafe eom o celebre eeonomMa de que
fallamos o frotando pensamenlo do poeta inglex
Me diz A enanca o pai do bomem part-
hamos tambera os sea? generosos sentimenios re-
jaivaesMe i citas frageis e delicadas ereainras,
t$ atada na priineira wciaco 4a vida presura
. fie importames servicoe a soeiedade.
Qnalquer qne seja o eoaino ou o labor era que
fierritem as torcas linda debis deesas iracas
is, dere presidir o maior escrpulo toa
a maior vigilancia e cuidado no empregu
ligio do lempo, porque do sen resollado;
a aetiridade e a energa das novas gera*
4* estas aa grandes conquistas do futuro e o
Ivo aperfeicobmento social.
I aeenloa anteriores as industria* occopavara-
sea |eeomo$ productores. Ao seculoXIX eom-
a gloria nioi deoajfhorar o fabrico do?
nrodoctos, lornando-os manperfeitos e mais ac-
essraeis a todos pelo quantidade e modieidade do
pree como a sorle a condico, a existencia do
trabaihador, do bomem.
Wolowki ciu a este respeito as palavras da
Giadstone, qne, em urna reuniao de operarios in-
leus, failando-lhef unto em sens direitos, como
clo do operario : e acerecenta qne esta phrase
ci sabio de bocea snspeita, pois Giadstone nao
penen. ao numero daquelles que lisoogeam em
vea de servir ao povo.
O bomem d este modo encarado como beni
primordial da prodcelo do bem; e o notavel au-
tor i que uos referimos emende comnosco que a
Iiberdade que elle conquisten tira toda a sea forc.a
da energa da alma associada sande do corpo,
la twvacao do espirito que proporciona o desen-
wlvimento progressivo da habilidade pessoal.
Poi bascados, n'esta allianca que os legisladores
taglezes comprehenderara que o instrumento aeti-
o, o anerario, obedeca a outras e diversas neces-
sidada i que as que sao partilba do instrumento
per este motivo que se marcaran) e regula-
meataram as horas do trab&lho as manufacturas,
e se atteodeu sobretudo a que as criancas rece-
betsea a .ora tempo o ensino da fabrica e o ensino
da escola.
Em 1862, diz anda Wolowki; sanecionoa-se
na Inglaterra a prole, a vigilancia penetren no
seio das vastas communas industriaes, formadas
boje en roda da machina de vapor, dessas vastas
commnoas povoadas por* miihares de operarios.
A lei de 180J fiou a idade em que as enanca*
podiam entrar para as manufacturas e limiloo a
duraco do trabalbo.
Pois bem. Esto grave e humanitario problema
que levon qaaspseio seculo a resolver, e preoc-
enpoa a aitencjo de tantos bomens de estados
eminentes, comd forara Robertg Peel Lord Aslhey,
boje Conde de Ghatt-buago, genro de Palmerston,
e muitos outros, assignalando urna pagina honrosa
na historia da eivlsacSo moderna, acba-se reali-
sado, e dando salutares resultados entre nos na
fabrica de cigarros de S. Joao Nitheroby, da qual
io proprietarios es Srs. Souza e Novaes.
J litemos oceasii-o o anuo passado, de escre-
ver algomas liohas acerca deste importante esta-
beleciment?, e hoje, depois de urna visita que fi
zemosac novo edilicie ampliaremos aquelle nosso
trabalbo. .
A casa onde actualmente est oslabelecida a fa-
brica sem duvida nm dos melbores predios da ca-
pital.
Alm das espacosas aceommodacoes interiores
livremente arejada como convm a lo numerosa
agglemoracao de pessoas, o predio exteriormen
te de ama arcbtectura simples e elegante, e flea
* n m"i hracjj An n-ior. nnrla r>rm it*>riltn Aa iimi
ponte os productos sao com facilidade" embarcados
e conduzidos para os mercado.
Cerca de duzentos meouos ah receben o ensi-
no manual, intelectual religioso e mcral.
A mais perfeita ordem, sem'a severidadedeoma
rnde disciplina, mas ?ntes aconselnada pelos pre-
eeitas praticos da autoridade, d ura aspecto agr-
davel a esta afanosa communa de pequeos ope-
rario" e eroerancoso ncleo de futuros e raoralisa-
dos eidadaos.
Em um visto salo das 7 s 9 horas da tarde
depois di tr. Inio e do descanso apreodem os me-
ninos os primeros elementos da leitura da escrip-
ia e da contabilidades Dissemos priraeiroa ele-
mentos porque acreditamos que as noc5es rodi-
mentaes da escola n*o sao outra cousa mais que o
insiromepto eom qne mais tarde se deve concluir
e aperfeieiar a educacao. Nao cusa saber 1er o
essenciaf e fazer uso diaoreto e aproveitavel
deese poderoso motor do nosso aperfeicoamento
moral.
Depois do trabalbo manual e do ensino da es-
cola depois mesmo de algumas horas consagradas
ao recreio era preciso amenisar cora o esindo de
alguns dos ramos das bellas-, rte3 as tarefas ra-
anos.
Neste intuito foi creada urna aula de muzica di-
rigida p r hbil professor.
Com poucc tempo de exercico e o ardor pro-
prio da moeidade j alguns dos alumnos tocam
com verdadeiro adiantamento os insirumentos que
eseolheram, e pode dizer-se que a fabrica tem
boje urna banda de msica sua disposico, o que
- alm de accreseenlar urna agradavel prenda
educacao dos aprendiies, dispensa das festivos do
eslabelecimenlo, o concurso dos msicos estra-
eIhjs.
Ora, o gruida resultado colhido por este duplo
systema do ensino manual e simultneamente in
lllecmal, que os productos da fabrica de S. Joio
de N therohy, redobrando de valor pela qualidade
e perflelo ugraentam tarabem a tua procara no
mercado s naturalmente os avultados interesses
dos productos.
Estabeleeida assim cora os outros estabelecimen-
tos do mesmo genero a luta da concorrencia, qne,
no dizer de ura nota ve I economjggawiao outra
cousa mais que a manifi'-tacaJlBitica, a faje
material da Iiberdade, claro est qne as cuidces
4o trabalbo livre comecam j a ser assentadas, en-
tra dos m bases sensatas e de eonsequencias pro-
11 roas..
Ligamos um alto apreco s tentativas e aos re-
sultados desta ordem.
O Brasil precisa empregar todos os seus esfor-
qm na propaganda industrU, no esquecendo
ounea qne a quaniidade dos productos nada re-
presenta, si ella se nao tornar ao mesmo tempo
reeommendavel pela sua qualidade, e qne esta :
e obtem cora auxilio efflcaz dos productores ha-
bis e intelligentos.
Acreditamos, pois, que os Srs. Souza 0* Novaes
presta ai um importante servico ao paiz e temos
aempre prazer em mencionar os estabelecimentos
desla natureza, nao em referencia a esta fabri-
ca, como a todas qoe estiverem fundadas ou se
fondera d'aqui em diante as mesmas circuns-
tancias. ^
O anteo deposito tiesta cidade 6 no escriptorio
de Domingos Alves Matheos, ra do Viga-
rio o. 81. V
gr. r A.Zaluar.
Sociedale Monte rio Santa
* Cruz.
De ordem do irmao presidente convido aos
Srs. socios para comparecerem as 11 horas da
roanha do oa 3 de setembro prximo vindooro
no sotrad da roa do Imperador o. 45,3* andar,
aflm de se eteier o conselho director da mesma
soeie4a4e.
Becife, 31 de agoste\de 1871.
JeronymaJgoaeio dos Santos.
_ i jcretario interino.
i D3r.Mtfas"Caroara>^ua mnTher
js da oais acerba dor pelo pkasamento
^flerjd^filbo Minoel, vem pelo pi
das as pessoas qoe se di,
raonaes do msmo finado
Hlpieio n. 34, serado, ha
a Hogar orna par?, que c.5z!oha o ordinario
i c;at e de multo boa copdn^H
para o dia 4 de seteoro
prximo futuro, p la 10-horas da manbaa, no
lugar do costme, aflm de continuar a discussio
la reforma dos mualos.
Redfe 99 de agosto de 671.
O eereurio,
Loa Lopes Castalio Braaeo.
Na thesouraria das loteras precha-se alu-
ar um nfoleqoe de 11 a M aonoa para aerrico
e can di familia. _______________
fia roa do ftangei o. 43 preeiaa-se de mn
caixalro
e qoe d lador r sua conducu,
Precisa-se de anta ama para eosinhtr e eu-
soramar para orna pessoa : no pateo do Terco n.
o3, padaria, se dir qoem precisa
Caixeiro
favor 4 Tira roa 4oImpara4or i.AaroaMbir
wraale Mgocto me ?. *. a* eeaaprcaaman raaM-
sar, pam Mm4ra abanada dama tammL M tan
4a alammbro pimp^ paaaadn, e 4appia para ja-
oeiro, naaaonahvOWroeabriLaittia
por ama motivo jt tmoAnafit
Bt;p^T8.m46ynlaoanrar trae M
de rnaat 4e orto anaoa, o muno o
aora acbavanoes nampfinadn
Precisa-se de om menino de 10 a 18 anooa
para caixeiro de taberna, prefermdo-se portngaez
embora ai* lenha pratiea : na roa Imperial oo-
mero 181.__________________________'
- Os aDixo assignados declyam ao respdmvel
pooJico e eepeeialmenle ao corp* 4o comatereio
qoe qoem ae julgar credor de anahaner litlo re-
lativo i tapera sita ao I a rao da Hibeira a. i,
aprsenla 14 feo praso de oito 4ua para am
rido e paga, pois jnlgam nad4ver a dita
Je ao Jos da SWveira & C.
Tendo modado a miaba reaiaencia para Apipa-
eos teobo^a honra 4o tadtear m eaaw dos Sri.
J. BoigM luocasaor de J. V^aae. raa 4a amparador
a. 8, to a 4o Sr. Viotef PreaHn raa 4a Baone
da'Caxias n 6, con af aa aa graeJosameale
ae prestara a inaamSHIqaaiquer meado aa-
-----------Wattammar.
A .aam^alUlmpmlal T^rna Mitin 4a Marco
a. S, acaba da recebar am lindo aortimeaia de
flore e grioaidas; aian ramo chapeos 4a olti-
ma moda para bomem a Soaboraa.
iMAm
Aos 5:000,5(000.
BllltotM garantidea da pro-
Tlmela.
Rna do Bai ao da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 e casas
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entra o
tens muito felizes bilhetes a sorle de 8:0004000 em
om bilhete inteiro de n. 2168. a sorte de 1004000
em dous de n. 1381 e nm qaarto de n. 155 eom
a sorte de 1004. alm de outras sortea menores
de 404OOO e 801000 da leteria que se acaboo de
extrabir (205), podando seos possoidores viren?
recebar, qoe promptamente serio pagos.
O mesme abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para virem aoaeo estabelecimentc
comprar os felizes bilhetes garantidos, que nac
deixar de tirar qoalquer premio como prova peloi
meemos anouoeios.
Acham-se venda os muilo felizes bilhetes ga-
rantidos da 2* parte das loterias em beneficio da
Igreja matriz de S. Lonrenco da Malta, qne ser
extrahida no dia terca-teira 5 de setembro do cor-
rente anno.
PRECOS.
Inteiro 6*000
meios 3400O
Quartos 14500
De 100)9000 para cima.
Inteiro 5*500
Meios 24750
Quartos 14375
Joo Joaqnim da Costa Leita.
0.136.
b.------
^tiheetn-w de om ama
i* mais rarrleo-tia'ema
milia : a. tratar as
al
Attencao
gggH^gg^HgggH
BESCOBERTOE
Nesta poderoaa e impagavel preparafao,
i3o entra quina, araenico e era biamtrtho.
Eale maravilboao remedio e nicamente
mpoato de om s producto vegetal, e
esw meimo desconhecido at hoja a scieo-
cia chimica.
Aa anSaa, febrea intermittente, xtmit-
tentei, biliosas e perniciosa inflammatoria,
todas tendo ana origem na mesma cansa, e
prodozindo os meamos effeitoa, porm em
grao differento de intensidade, necessitam
do mesmo iratamento. A cans acba-se
nos efQovios contagiosos que se despren-
dan da .TegetecSo corrompida, dos panta-
nos e das aguas encharcadas. E' um ve-
neno sobuTissimo e insidioso qoe s absor-
ve pelea pnlmoes e penetra no sangne, de
sorte qoe 1 molestia s rezes accatnula se
por rnnfto tempo lio lijifli antes de fa-
ser sentirse.
Este veneno effluvial, que o sangne re-
cebe peas prjlmbea,.pera as sezoes da
maneira segninte: sua intensa irritacao no
systema faz eaeirrar todo e sangue no
corpo nos excrewios internos,o flgado,
os rins, o pancreat, o baco, o estomago e
be pnlmoes,alguns dos quaes on todos
elles sao amontoados do sangne retirado
HEMEDIOI
^terroitteD
AOO PELO
R. J. L.
do^corpo
a cansa ~
CONVITE
Ccmpanbia de edftcacoes nrbanas roraes,
compras de terrenos etc.
Os Srs. subscriptores para a fundaco dessa
utilitaria companhia", slo convidados a reunirem-
se no dia 1 de setembro ao roeio dia, no escrip
lorio do Sr. Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobi-
na, ra do quemado n. 79, entrada pela praga
de Pedro II, para nesta primeira sesso de as-
sembla geral constituir e dar logo andamento
a dio companhia.
l'ernambuco, ao ue agosio ae ibi.
O encorporador da companhia,
______________F. M> Duprat.____________
CASA DA F0RTD1U
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (oatr'ora rna d(
Crespo) n. 23 e casas do costme.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos ssus fe
izes bilhetes nm inteiro n. 2115 cora 8OO1OOO,
ora quarto n. 1381 com IOO4OOO, um qaarto n.
o i.'ii com 1004 a outras sones de 404 e 20i da
lotera que se acaboo de extrahir (205*), convi-
da aos possoidores a virem reeeber na con for-
ra ido de do costme sem descont algum.
Acham-se venda os bilhetes garantidos da
9.a parte das loterias, a beneficio da matriz de
S. Lonrenco da Hatta (206*), qne se exlrahir ter-
ca-feira 5 do mez vindouro.
PRECOS.
Bilhete inteiro 64000
Meio bilhete 34000
Quarto 1*500
Em porcao de 1004900 para cima.
Bilhete inteiro 54300
Meio bilhete" 24750
Quarto 14375
_________________Manoel Martins Finia.
PEDIDO
ao Sr. Theo Justo qoe foi negociante nesta praca, a
entenderse com o abaixo assignado sobre a en-
commenda do vapor feita a 18 de abril de 187.0.
O mesmo abaixo assignado eseja saber a morada
da Sra. D. Hara Joaquina Borge Leal, a negocio.
Caetano Jos Mendos.
Pede-ra ara abaixo declaradas
de vir na roa de Pedro Afeas* a. 44 i
Praia) a negocio de seas interosses.
Antonio Lias de Albnqaerqae.
Bernardo Cardoso Mereira & C
Bastos & Amorim.
Tberencio Albano Ferreira.
Francisco Marques Lemos RIbairo.
Manoel Morara de Lomos Jnior.
Joao FerrUra Garoalho.
Joio Jos Gomes dos Santos.
Jos Nanea de Paula.
Joio da Silva Coimera.
Francisco Florencio da Silva Grillo.
Antonio Lopes ehaves.
Amonio de Mello Rodrigara Loareiro.
Jos Antonio de Gasmao.
Joaquim Antonio de Souza.
Manoel Antonio de Sonta Ribeiro.
Alberto Jacintho de Sonta.
Jno de Sonta Nones Pinto Amorim.
Narciso Jos Fran Augusto Jos dos Santos Miranda.
Henrique Manoel da Silva.
Jos liarla Gomes Ribeiro.
Joio Antonio de Mattoa Abren.
Joio Fernandos de Oliveira Gamito.
Antonio de Sonta Jnior.
Antonio Soares Meirelles.
Candido Fujo de Mello.
Jojo Valentim Das Villela.
roe Gabriel Gomes. '___________ .
Extracto de carne
Do Dr. Ubatuba
Fabrica de pedras brancas na provincia do Ric
Grande do Sai.
Em latas de 2, 4, 8 e 16 eneas. nico deposi-
to em Pernambuco, na pharmacia americana de
Ferreira Mai & C.: roa Duque de Caxias no-
mero 57.
Qftmmw mmw-mmmmm
CONFRARIA
DA
SANTA CRUZ.
De ordem da mesa geral da contraria
do Senhor Bom Jess da Va-Sacra da
Santa Cruz, convido a todos os irmaos
confrades, a reaorera-se no consistorio
da nossa igreja. pelas 9 horas da inanoj
do dia 3 de setembro vindouro para em
mesa geral deliberar-se acerca da propos-
ta feita em sessao de 13 do corrale, per
ura irmao conlrade para ser vendido. e,o
seo producto aplicado era apolices do go?
verno. o terreno bt noticiado que possus1
a eonfraria no fundo da mesma igreja.
Recife, 24 de agosto de 1871.
O escrivao,
Theodoro Jos Tavares.
"1
rficie
fro.
A febre camada pela reaccao, qnindo
o sangne abandona os excretorios internos
e arroja-se superficie
esforco vilenlo para expomar o veneno
almez do ootro excretorio chamado pelle ;
to pooco consegne a "naloreza neste se-
gundo eaorco como no primeiro Depois
eegne o desmaio e prostraco qne natural-
mente snecede s grandes agitagoes, e o
istincto do Dlso organismo o faz abando-
nar a tentativa at qoe, recobradas as tor-
cas, renova no onlro dia a lotatJMespera-
da. Snecede depois o desassocego, grande
calor na superficie do corpo, a pelle e o
semblante, inchados, terriveis dores de
cabeca, oppressao e latidos as fontes,
pnlsoetieio e lorie, oorina muito corada e
sede intensa; eis o periodo de calor. De-
pois de algum tempo (que varia gilmen-
te de das a cinco horas), urna transpira-
cao copiosa prorre por todo o corpo.
Estes symptonm violentos paasam e dei-
xam sonaente urna sensato d prostraco
completa, se que o ataque nao tem fe>to
algum mil orgnico. Se nSo se tomar al-
gum remedio adequado para curara mo-
Vende-se em todas as boticas e drogaras do imperio
W. R. Cassels & C.
% Agentes genes.
lesiia, os accesos wntinoam a repetirse
com orna regnlaridade correspondeale ao
aen lypo, e coro oma violencia j irgmio-
nal intensidade do veneno, tMMafcado
como n'om ouiro pela resistencia constitucional, 00 medicinal,
qoe se loe opponha. E' evidente, pom,
qoe qualquer remedio dea^inado a corar
esta molestia, deve destruir este veneno no
sangue,* oo arroja-lo fra delle. Gen
grandes e pomposos annuncios tem-ie 'tt|o-
recilo muitos remedios para a cora destaa
molestias, porm 00 nao tem sido bailante
efficazes ou leem prodoziio effeitos Wfla-
diciaes sade em geral. A qoina, anda
que jeja o grande recorso, em gaje o poro
quasi em geral maior confianca tem, pro-
duz multas vezes effeitos desastrosos, to-
mada era grande qoantidade semprepre-
judictsa sade gral. A preparico qoe
aqui offerecemos ao publico, nao conttndo
em si nenhoma dessas subatanciae iojtario-
sas, por ser mUnwunt* vegetal, promette,
se fr empregada segondo as direccoes na
lingua portugueza, que acompanha cada
frasco-: estimular os grandes excretorios
internoso figado, o baco e os riaa se-
parar do sangue o veneno offensivo e ar-
roja-lo do corpo.
41 RM DO BMO DA VICTORIA 41
irmazaan tem nm *>E Assim como
Anda se precisa de ura caixeij'o portuguez : na
taberna do pateo da Ribeira n. 13___________
IV
OM
DYVETOT
nica casa neste ^genero
14-Roa Eslreita do Bosario-M
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectoa^le
QQgflha e de mesa, e
Wo que perten-
PRECISa-SE
de urna raulber aue eozlnhe e engerame para casa
de ponca familia : na ron do Cabug n. 9, botica
Pedido
Roga-se ao Sr. tenente M. L, morador no Mon-
teiro, qne venba rna da Cruz n. 17, 2* andar, a
tratar de negocio importante.
s
I

!i
m
I
Neste novo armazn ten um
variado aortmieoto de fazendaa
francezaj, inglezas, allemlas e to-
das todas se venden por procos
mdicos, afin de acreditar a este
novo arnaxem.
Caaemiraa inglezas,
trancezas, de todas aa
qoalidades, brina de
;6res e brancoa, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
nos. ,
ABRIM IRUftOS. %

RA
Baranda victoria
antifa raa
IVOVA
\ 41.
Assim como tem urna graude
offiema de alfaiate, montada con
todos oe preparas que ha de melbor,
dirigida por habis artistas, que
a sua promptidao e perfejcao
nada deixam a desejar.
Roopa de todos oa
amanbos para bornees
meninos.
Por todos os paqne
tes recebem-se aa me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ba
na Europa.
'
.
RA
\
BarSo da Victoria
antifa raa
NOVA
N. 41.
.
TRILHOS B.BRCS
DO
ilECFE A\ OIIMDA
e Beberibe.
Por ordem da directora s5o convidados
os Srs. accionistas para, no prazo de 8 dias
a contar do dia 25 do corrente, realiserem
a 9* prestac5o de suas acfoes, da 2* emissao,
na raz3o de 10 %
Para esse fim ser o Sr. thesoureiro en-
contrado no escriptorio da companhia, das
II horas da manha s 2 da tarde de todos,
os dias otis.
Joao Joaquim Aloes.
Io secretario.
- ^3ete estabotecimenta acaba de offrer urna reforma radical em acceio, artistas ecommodos, e em pontoalidade uaa-nntom-
riendas, (inalmente em todo afim de melhor servir os seos numerosos freguezes deixa-se de anounciar todas as fazenaaa. par
13o sotomar masaaate
LIQUIDACAO MONSTBA

n.
23
Oa mais importante fabrica de chapeos de sol do imperio Ra do Barao da Victoria
O dono daquelle estabelecimento resolveu venderos productos "da sua fabrica pelos precos seguintes:
Chapeos de sol de seda para senhor a 35, 60, 7,1, SI. 9,5, 105, 110, W, W, .-15. W,m, M, e 20*000.
Ditos, ditos, ditos, para hornera a.. 8d. 103.1 \m. I3tl. 140. iW, W, t70, Mi 20^, 22d e 24^000.
Di:os ditos de alpaca a.............. 45. 55. U. 70, 85, 95 e 105000. m
Ditos ditos de merino para homens a.. 65, 75, 85. 95, K>5, W 125000.
Dita ditos de brira d'esgoiio a...... 65 75 Dit Tambera ha om grande sortimento de fazendas para cebrr armac5ese trabalba-se mais barae Jppressa do que em qoal-
quer outra p.-rte. *________________________
-------------------------------------

iTTENGAO
SITIO
Precisa-se alugar oo arrendar um sitio e casa
para pouca familia, preferindo-se nos seguintes
arrabaldes; Aflictos, Rosannbo, Espinheiro, En-
canamento e em qualquer lugar destas immedia-
oes que nao exceda a ama legua de distancia da
cidade : quem o ti ver dirja-se ao pateo de S. Pe
dro n. 11, que achara com quem tratar.
Ha pouco mais de dous mezes urna escrava,
sobtrahio da algibeira de sen senhor 3 sedulas de
200a cada urna, o qual fez a diligencia a lira de
que a escrava desse couta di mesma quantia, po-
rm al hoje tem sido baldados os esforcos ernpre-
4}gados para esse fim, constando agora ter ella en-
tregue essa qnantia a nma das sociedades de
emancipacao para ir jontando al se libertar, po-
rm como tal dinheiro nao deve servir para esse
fim, por ter sido snbtrahido, tendsxella confessa-
do, sem dizer o que fea desse dinheiro : portanto
pede-se s pessoas que de tal dinheiro souberem
on tiverem noticia o favor de darem parte nesta
lypographia que se dir a quem pertence.
25$000
Paga-se 25* mensaes por nma escrava qne en-
gorme bem e laca mais algum servico, tendo boa
na rna do Pires, labrado n. 18.
conducta
Ama de leite
Precisa-se de ama ama de leite qoe seja sadia e
tenba bom leite : na rna Duque de Caxias, antiga
do Qaeimado, n. 111.
AMA
Precisa-se de urna ama
para andar eom nma
crianca e fazer algara
servico da casa na roa
da Aurora n. 9, segundo
andar
'CASAS
Alega'
sotio te
tratar na loja do mesma predio.
a-se o primeiro, segundo andares e sobre-
casa n. 6, cita a ruado Liwramento : i
Segundo andar.
da Victoria n.
Alaga-se na raa Baro
tratar na loja do mesmo.
38
A inga se o 1* andar e os dous armazens da
da roa do Vigari n. 3, proprio pira escrip-
deposilo de fazendas por tar grandes aeom-
"bu : a tratar' com Manoel Alves Guerra,
Superiores eigrirros do Rio
de Janeiro. %
Domingos Alves Matheus, uiateo agente aasta
frovincia da fabrica imperial oe cigarros da S.
oio deNitberoby, etabelscida no Rio de JneiS,.
tem sempre ura cmatelo rortimeote de todos oe
ciiarrc*, frrmo pieado e en latas. Tem igualmente
os ajamados cigarros Conde d'Eu, feitos oa mag-
nifico papel e faina da mtlhu lomo superior
Para governo de seui freguezes, qoe tem esuoele-
cido depsitos fillaes, as casas doCs/s. Themaz
Francisco de Salles Rosa e ataooal 1I0 Souza Cor-
deiro Simdes Jnnior, no bairro*-o Recife, e lodo
Inanto for vendido em ontraa casas eom a firma
_^^BBJ0vaes A C. sio falsificado.
F0HDICA0
B0WMA1V
Vapor^ pemenos pa
caroqar algodao.
des-
aN
rna do Vigario n. 16.
Precisase da rftaa ama pa-
ra o serviQo interno de urna
>> casa de familia : tratar na
J nao urna o usa que se precise experimen-
tar II I c Am inteiramente cenhecido o bom e
grande soniroento que exisfe na Nov Esperanza
ra Duque de Caxias n. 63, (amiga ra do Quei-
mad->) assim pois, sendo qua-i injpessivel discre-
ver-se o grande nurrero de otjectos expostos ven-
da em dito estabelecimento; ella contenta-se -em
mencionar alguna, dos objecos mais ricos, e in-
teiramente novidade... e aproveita o ensejo para
convidar a todos geralmenle e em particular ao
bello sexo, para visitarem-a afim de apre iarem o
gosto e perfeico de eens cbjeclos a #a.r d'um pre-
co rasoavel, pois ella se contenta coro poucoilucro,
tendo sempreem vi.ta9 a v; nder barato, para ven-
t der muito, e de.-ta forma cargar ao fim que todos
almejam ; que e o lucro para suavisar as fadigas
,davi(!a____ .______________________________
60A. DA FORTWfA
RBA 1 DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPOJi 23.
Aos 20:000000. .
O abaixo assignado tem senwre exposto ven-
ia oa felizes bilhetes do Rio e Janeiro, pagando
promptamente, como costura, qualquer premio.
PRECOS.
* Inteiro 24*000
' Meio 121009.
Quarto 6*000..
Macel Martins Fias*.
TU
pri-
',,-r
r nma preta para vender
raa do Fogo S6.
Precisa-ge de nma para todo o
' de casa da pequea fa
Porto Calvo.
O abaixo assignado, tendo acceitado no dia 8 de
malo do corrate anno diversas Ultras commer-
eiaes, uceadas pelos Srs. Francisco de Paula Un-
doso, e Antonio Francisco Undoso, em pagamen-
to da compra que elles e suas mnlberes fez das
partes qoe possuiam no engenho Gloria, outr'ora
Matto-Grosso, do termo de Port) Calvo, da provin-
cia de Aligdas, assim corno outras saecadas, i fa-
vor do Sr. Jos Vicente Lindoso, pai d'aquelles, em
pagamento das rendas de grande" parte que pos-
sne no mesmo engenho, como tudo consta das
respectivas eseripturas : previno em lempo qne
nieguen faca negocio com laes Miras, e qne nio
pagar a quem j as bouver negociado, porque
inteiramente Iludido nesses contratos de compra
e arrendameoto, val propor em jarro a accao
competente para inulidaalaa. E para que assim
jsto e lodos sajbaffl que Mana valem aquellas le-
Kg%enem do abaixo assignado receberie rea
nmoue no vencimento, faz a presente publicacio
pelos jornaes das provincias de Pernambaeo e
Alsgna. *
Engwho S. Pedro e Portb Calvo, 18 a.
de 1871. '
LeonidM MaBjaj
re u
ra a servico. t v.
pequea familia : na ra da
leeicSo n. 37, na Boa-Vista.
%a*l
a luga-se a casa n. 61 aa roa da. Palma, com
bons commodos, cacimba, quinu e auno fresca :
a entender-se com o Dr. Chrislovio Xavier Lopes,
Vende-se o sitio Olho de
Vidre.
ErggPonte de#Ucha.
Este sitio leo nm sobrado de am andar e an-
dar terreo, contm 4 sallas, 9 quartos, 2 coiiahas
com bons fdgSei e foroo de ferro, este sobrado
circulado de jaoellas. Tam em separado grande
"coclieira para avallos, casa para feilot>4'Aacra-
vos e bem aisim casa para fazer farinhrm seus
misteres para tal lira. E?ta :asa tem na frente
bons canteiros para flores, com porto de ferro
para a estrada do Parnaraeirim, grande filio ar-
borisado c m grande Jiv-;r?idade de froeteiras.
grande baixa para caplm, podendo sustentar por-
cao de vac:as leiteiras para as quaes tambem tea
commodos de recolbimento.
Os fundos da diu casa e sitio deitaro para a ti
aba frrea que segne desta'cidade para Apipucos,
se acba livre e desembarajado, visto qne as
qnesfSes que os consenhoras da dito sitio tem
com os empreiteros de ditos 'rilhos apenas diz
lito ao terreno que elles ora oceuparo, e os
zos que por tal motivo ttun cinsadalnx
reieOdajSBS. p'dem-e dirigir roT Duque
xias,n| fe^jU r,afi!0 Aragao, hoje
Sn>|gam| ca-a'n.
. Precita se de o stJUta para
orna familia estraegeira: ________SamSJJz n.
9. loj?. 1
III
Na travessa
-dasjCrBcs b, l
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de ooro, prata e brujan-
les, seja qual for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
mnjjl
A tintura anl serofula de vismia bastantemente
preconisada pelo sea factor tem sido e om do
mais enrgicos medicamentos nos acommetteaen-
ios escrofulosos, sendo usada conforme a diraeca?
escripia que eavorte o frasco, existindo venda
na butica e drogara que foi do Usado Para a
ra Direila n. 88, nnico deposito nesta provtaeia ;
onde tambem se acha venda o moiW acreditado
remedio para bebedice por vicio em conse acia
do excessivo nao de bebidas espirituosas. <
de velamp, e as prodigiosas pilolai^l
brasileiras recomrandadas por son t
desappareciroenio de mtinio, irrigolaridadts
na men.-truacao e flores brancas. .
Cunha $
ra
da n,
VINHO XEREZ sooerior,
COGNAC MARTE1-L dem.:
VINHO BOREF isa.
AZElTK
VINAGRE
GAFE DO
Charutos Sft
Regala britnica,- -Regal
Operas. Concn|.-
par,eima.
CIGARROS D.
I LIZAUi
^^baTica*.
Santa, vendem a
arqueas de Olin-
, o seguate :
f;
V
)
caixa?.
non
sir

/
WHif; pa roa de 9. Jorge d. 139. loa ra Imperurit d. 42, 2 andar.
v Precisa se de
arta ena^r
n. 10.


^3
5.
"t> iri da Km
f-.ru i d<
1871.
-
I

) .
V
k
NTIGA^ CREDITATA
FABRICA
J

HCtlTIi II UimiTIlIlTI 101 CIIPLIft MITI1IIII II
CHAPEAS 'e **!
De lodaa qutlidadei I
De todos o feitios I
De toda* ce prece* I
RA DO CRESPO N' 4
.
gets, aposto* ele.; coja eommiesV eenlie&s
< acbam expolias n'nma UbelU pMof 11 ao se-
nbore que desejarem correr ao tm ejiabela-
CflDfiBtO
O ababo asiignado chama a aneaste dos Illma.
Srs. negociantes *e fasease* en troaao trato para
este esubelecimeolo de lana olieade, deque
ba maito te recente esta praca, boje a lepada do
Imperio.
Espera o abalxo sgnalo merecer a aonflaaaa
do illoatre e reepeittTel eorpo do (MMivelo,
bem assim do publico era geraL par o ejae eav-
dari todos os eiforcos ao sea llosa re
Recife, 6 d atalo de 187L
Carlee da ha Araojo.____ |
RA DA 1MPERATRIZ N. 55
PERNAMBUCO
E. M. ligaos, gerente da tinturarla franceza da ra da Imperatrix n. 55, tem a
honra de participar ao respeitavel publico d'esia cidade do Recife, que elle acaba de camprar esie im-
portante esubelecimento, e qae cennaar a empregar todos os sens esorcos, a applicar todos os seas
conhecimenloi d'arte de tiatjkr e de lavar, assim como se esforcar para ebter em seus trabalho;
es memores resaluda, ata de conservar e augmentar o grande crdito que este esubelecimento
tem al boje Justames* merecidt.
Tem esperances de que consolidar mais e raais soa reputarlo de artista lioturelro, e_c
modo por que sabe tirar as manchas e nodoas de qualquer fazenda repntacao que o fornou lio
conhecido as cidades de Franca, taes como Nantes e Bordeaux, aonde oceupou o primeiro lugai
de contra-mestre na importante caaa do Sr. Ronchn ; Marseilie e Lyao aoa&t adquiri cxeelleoK
Horneada durante o lempo que all esteve, e em Pars, aonde acabou o sea ap'erfeicoamento tintumi
sob a direccao de Mr. JoJi (o filbo) vice-nresidente do Curso de Cbimica e Tinturara (sito na ra
Nova de Revoli n. 98) primeira casa de Franca ueste genero, e aonde o Sr. Gaurter, ex-proprielaric
do sen esubelecimento o foi engajar com o malo de contra mestre no servico de tinturara de sedi
e lia. .
Em reanlo com as melbores ea?as de Franca, que se empregam neste commerco, estar
sempre a par de todas as novas descobertas e combinacS de cores, e procesgos melborados.
Eraflm, espera que nma Justa apreciaco dos seus trabalhos, far augmentar a sua fre-
goezia j tao grande e bem organisada.
Eis os seas principies trabalhos : >
-i* GRANDE ESPECIALIOADE.
Tiragem a seeeo de qualquer nodoa em panno.
Lavafcem de qualquer vestuario de hornero, mn-
Iber en crianza, sem o descozes e coaservando-lhe
o brilho de novo.
Tiragem a seeco de qualquer nodoa em sedsa
Lavagem de vestidos de seda, de qualquer cor,
chales de seda, chales de crep da China, cache
miras francesas, tar la tanas, chales de merinos, ves-
tidos de velndo e chapeos de qoaliuer cor.
TIRAGEM DE NODOAS.
Tiragem de nodoas em seda, vellido e lia, fazen
do daaapparecer qualquer mancha resinosa ou de
gordura.
Vai se as casas para o trabwho de tirar nodoas
nos nevis ou tapetes dos saldes.
TING1MENTO DE SEDAS DE COR.
Tinge-se vestidos de seda e gorgurio, chales de
seda e crep da China d ledas as cores, assim
como veludos, rendas ebieos.
TINTURA PRETA EM SEDA.
Tinge-se vestidos, chales, Atas, rendas e toa
larda,
Garnte-se a boa qualidade da tinta e que a te-
lenda ffcar parecendo ioteiramente nova.
TINTURA DE LAA EM CORES.
Tinge se roupa de horneo, de mulher ou de
erianca em la, sem desozer e na cor que se de-
stjar, quer a fazenda seja 15a pura, seda e lia e la
e algodo, oo as tres qualidadespiratas.
Poopelioas, lpicas, rep?, merino-, casimiras,
damascos etc., e em todas as cores que se queira
TINTO%A PRETA EM LA.
Vestidas de Btatem, de mulher e de enancas
sem serem deseados,e garantindo-se a boa qua-
lidade da tinta, nlo sojmdo.a roupa branca.
Todas as qualidades de fazendas, assim com
chapeos de feltro, de Manilha, de palha de liali'
>u do Chile
Tudo por prepos commqjios.
19 Ra Primeiro de Marca 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em qae teem o seu es-
tabelecimento,
19=-A ra Primeiro ^de' Merqo19
com aquello asseio e elegaocia desejavet'. acham-se afrora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas unas e modernas de M
SEDA, LAA, LINHO E ALGODO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
AR FIGOS ESPECIES DE SOA GASA

Garanten, com toda
a sin eridade, vender
per menos que qual-
quer oolro, porque
reetben era direitura
a maior parte de suas
fszendas.
O
19 RA 1. DE MARCO 19
(intiga na do Crespo).
HOTEL DO
na Larga do Rosario n. 44
Este acreditado estaLe! cimento, offerece aos sues distintos consumidores suma va-
riedade, gosto e mnito assfio em suas iguarias.
Tem urna espacosa e elegante sala para alimentado, a primeira neste bairro.
Os gneros de consumo sao de primeiras qualidades.
Recebem-se signaturas tanto para o estabelecimento, quan'.o para domicilio.
Ha para recreio, sala da bilhar etc pianno e jornaes nacionae* e estrangeiros.
ispoe de cmodos e iodependentes apozeutospara hosrjfedagem.
No centro da veneza americana.
No centro do coamereio.
O mais perlo das Vias frreas.
O mais perto do embarque no caes 22 de Novembro. *
O mais perla dos thealros.
O raais recommendavel aos amantes do commodo.
t nico que tem no interior casa de banbos.
nico que as familias podem hoepedar-se sem recelo de eneonirarem-se com pessoas de
vida Mispeiia.
O nico onde actualmente se acha o melhor chocolate hespanhol que se pode lomar a
qualquer hora ; assim como tarabem se vende libra.
O onieo finalmente que i florece completa coainodidade por ser o mais fspaco=o do Recife.
A ra larga do Rosario n. 37
CASA CAUVIN a. harihier
Pharmaeeutlco privilegiada
succoesor
Sbutopol, BB. PAK18.
Bonlerard
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
ApreMnUiu i Acidemia tt Scieicias e lo hiititoto de Frui.
|U ICPOin Sob a form de Pinilti, devedid e dosead* Mri (iter il
Id J Ll/UAU momento nma solnrcao PBEVUTIVi I 0UB1TIVA dar
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
tmno
mercial.
SEste
earren-se
dios, terreavii,
na enaa e b>
eaa leHio; para
as semana, percebeido
para todas as
ilflUUOSBafl
mercadetiai e ea-
eomoseja: pre-
e, proawfaaa^a
em partiealar
era a oo mala t
cma modio
espezas a> annunelo,
OSMUf
torraodo ti o pek> preo, i vito da '
di, pava todoaaaaiirar, aaber t
Pe de fus bordada moito fitm
Tbeaoorii grandes pequenaa o
aii Ano que bi a i*000e
Caixa coa 20 qoaderooj de pepei
io, ataiude a re.
Pecae de tranca de Ha e atfodio u
mais modernas al
Frasees coa egoa de) coiotk Basta
finas 400 e
Frascos 000 e%u de colala ver-
dadeira a 800 rt. e
Chapeos brancos para bapsados o
laixaro
No caf chlnez i roa larga de Rceark) p. 31,
prteisa-ie da um meniao qae I
pairo.
compra'
COMPRASE
.i
frascos vasios di tintura japoniza, e pafa-sc
r cada um : roa Duque Ae Caxias o. SO, e
Mrquez de Olinda n. 51.
VENDAS.
rMTENCO
Vende-se um marquezio em bora estado: quem
qoiier dirija-fe roa Velha n, 83, se dir quem
tem^____________________________________
Vende-se coqoeiros pequeos para mudar
se : quem os qaiter dirija^B>ao sitio Cafund na
estrada de Paulino CainaflT ootr'ora de Joao de
Barros.
Libia sterlina
Vende Joaquim Jos Ramos, a ra da Cruz n. 8
prmeiro andar.
Vende-se nma casa de tijollo sita na estrade
nova do Caxing : quem pretender dirija-se ao
largo do arsenal de guerra n. 3, praca de algo-
dao, que achara com quem trilar._______________
Vende-se urna casa terrea em chaos pro-
prios, sin na ra da Amizade n. 38, (Capuoga) :
a tratar na roa de Marcilio Dias (oulr'ora Direila)
n. 1K-
IAOO
100
160
800
Duzia de botoes coaertoe de seda
para vesdos por todo o preco 4
para aooar. f'
Libra de ante pre a
looca branca a
ilopes (axeoda
doorada a
t 500
5(5000
Pentes
me-
Grosis deboi
Caixas com
finas 500yl
ipelbos de
800.a j
pretos folftadce para
Tinteiree cosa nU preU a 80 e
Pscas de fita elstica amito fina a
Latas cosa superior banba 60,100 e
Litas grandes cees superior baobs a
Fraseos com oleo de Pbilocoma s
800a
Frascos casa seseases | Perata s
Frascos sosa agoa de Cetoota verde*
dein s
Ditos com oleo da ba >osa suderior a
Garritels da retrox prelo con 2
ohavas s
Caixas com agolbas francesas a 160
460
Pecas de tiras bordadas a 600, 600
800 e
Garrafa cota a verdadeirt agua
florida a
Gartilbu da Pootrioa Cbristia as
mais modernas s
Livro das misabas abreviadas a
Copos grandes com superior banba
Macos de pallitos para dentes o
melhor qoe ba a
Pacotes coro 3 m bonetes inglezes
fazenda fina a
Escovas maito finas para limpar os
dentes a
160
30
800
14000
240
aoc
200
320
800
240
1*000
320
600
240
1000
13300
400
1*500
t(J500
160
600
240
Lembram;a tempo
O proprietario do armazem de vveres ra do
Imperador n. 28, em por meio desie jmnuncio
prevenirle avisar ao respeitavel pnblieo desta ci-
dade, qne o sen armazem um dos que com mais
vantagem pode satisfazer as suas bem entendidas
exigencias, bU para tal flm tem fulo, reunir no
mencionado aflabelecimento o maiaompleto sor-
tmenlo de acepipes, e para qoe os dignos leitores
deste annuncio nao lenbam occaso de massada
toma aresolucao de limitarse a lembrar somente
os gneros que elle lem como especial novidade, e
o stguinte :
Lindas caixas com confeilos, proprias para pe-
queos presentes.
Chocolate em p, este chocolate lem a vanlagem
de poder-se fazer uemo na mesa.
Leite condenado, a melhor marca eonhcida,
este leite convera prineipalmenie aos collegios, bo-
tis e h>ipitaes, pela presteza c m *jne se oblem
qualquer preparado delle.
Tmaras do Egypto, raramente viodo a este
mercado.
Licores Anos: Qhartreaze, Cnraco. Anizej,
Crem de rosa, etc., ete:' ^^ m
ALEM D1SS0 O CAMPOS
pode garantir que o sen armazem fjim centro do
borne agradavd ao paladar, pois^SBJe se encos-
trar sempre ludo qaanto pJe necessitar urna
despen a, cozioba o me-a desde a mais bem sor-
tija al a mais meoere.
AGORA ANDA
aneuLcia lainbem fei.o mulalinlu em saceos e a
retalho. ,
Pode ser procuf adosa ven-
da de f co de Trieste dadeira marca 1, 0 e 00 em
cas, dl>s S s. Keller & O, :
rH da Grz N. [ 5
Uvas peras, massas e tmaras em la-
tas : ra Mrquez de Olinda n. 53, ar-
mazem Uoi5o Mercantil.
Attentflo
Vende-se um terreno com 60 palmos de frente
e 500 de fundo, com dnas casas de taipa, as quaes
rendem 17*000 mensaes, em Beber i be de baixo,
roa dos Clrigos : tratar no Carninuo-novo ou-
mero 67.
Macas.
Per,
Uvas
Vendem Bocas C. i roa eatrela do Rosario
n. 9 junto a igreja.
AHENCAO
Chegou para a loja da Janiaia as mais moder-
nas cambraias abertas para veedos de senhora,
que se vende por barato prec,o : na ra da Impe-
ralriz n. 26. ________________________
.Oif rfttaurttiit
SANTA BABEL
] t-Roa da Florentinat
; Aeeitam-se assignani;s por precos maito com-
modos, garanie se boa comida e mnito asseio.
Querem comprar ?
Guardapisa para vestidos ; preto ou branco ?
Papa-fina, larga ou estreita ?
LeBcos de linho, bordados on lisos ?
Bonitos leques, osso ou sndalo ?
' A Nova esperanca quem tem I I I
E novidade 1
Acaba de ebegar a Nova Esperanca ra Duque
de Caxias n. 63, bonecos e bonecas, sendo de mol-
des iuleiramente ivos, vindo entre elles os en-
granados bonecos de borracha : para que se can-
c.am ? quando quizerem comprar qualquer objeclo
sendo bom, bonito ou engracado, lembrem-se logo
da N ^a E Para casamento.
O bazar Victoria icaba de receber de Pars pelo
ultimo vapor francez ricos vestidos e veos de blon-
Je primorosamente bordados a seda, capellas, lo-
quee, colchas de seda e de lia e seda de apurados
gostos : na ra do Bario da Victoria n. S, antiga
rna Nova.
Afina! ebegon nova remeda de leite con-
deosado da Suissa, pelo vapor Cognac, e
desde jTkainos esperando pelos seus apre-
ciadores e entendedores deste artigj: vende
Keller 4 C na roa da Cruz n. 5S
Tenas de ferro
E"PARA ACABAR
Vendem se telbas de ferro de 6 palmos a lazOO,
ditas de 8 palmos a (#700, ditas de 11 palmos a
2*600, dias c 14 palmos a 3*400, ditas da 17
palmos a 4* : ra Primeiro de Marco n. 6, loja
de chapeos_____________________________________
chjgaram
As desojadas camraaias crx, e ditas com
res de Ha, ab 65, rna ao Dnqne d Caxias.
J
n>.
AVISO IMPORTANTE.
Deveolo seguir com brevidade as pecas prin-
cipaes da dita refioacao para o Rio de Janeiro,
eDgage-se os Srs de cogenhos de aproveilar an-
tes da sahida, desta nnica oecasiao de comprar por
preyos commodns machinas fabn:adaa pela pri-
Sjlmeira casa fran? zi deste ramo dp industria,
Bicos e rendas *'
Vende-se rendas e Lieos do Aracaty a nrecos
nunca vi-tos : na loja de fazendas de Canuto &
Pinbeiro a ra da Imperatriz n. 16.
Veade-se
os predios seguimos : um sobrado de um andar e
soto o. 4, na ra Visconde de Itaparica, outr'ora
ra do Apollo, um armazem n. 16 na mesma ra
cima, e um sillo n. 1 na estrada do Arraial: os
pretndeme* podem dirigir-se ra da Aurora,
casa n. 38. onJe obterao os esclarecimenlos pre
cisos.
A viuva do teneate eirnrgio Braz Machado
Pimentel vende o seu sitio da ra di Cabral da
cidade de Olinda : quem Ihe convier dita compra,
dinja-se ao referido sitio a tratar com a mesma
viuva. w
Vende-se a taberna ana no largo da Ribeira
n. 1, bem afreguezada tanto para a ierra come
Sara o mate, e o motivo da venda se dir ao com
rador.
Espingardas Lefanoheux
Vende-se cargas de adarme 12 para (tas espin
gardas: na fabrica a vapor de cigarros, ra larga
do Rosirio n. V.
Av snhores de engnbo.
Vtnde-se a retalno as diversas machinas e cal-
deiras a vapor, cldeiras de cobre para Miinhar a
vapor, filtro?, tanco?, formas e mais outros obiec
os da antiga refioacao do Montehro. Para tratar
lirija-se aos proprietarios da dita refioacao os Srs.
Henrique Leiden 4 C, ra imperial fabrica decer-
veja n. 35 rui d-w Baran S Borj (S-b^),
OSf
do volume de
de Piiiltro
QraTa inconvenientes
ESTOJOS

OOIXYB
BAB7H0I
Porte-Moedi (onteidl
AMENTO.
a mesma forma.
e PORTLGA1/
AMBUCO. *
Ba d%- Cruzn. 1*8
T.irinha de amdiocd, soperiorem:
grandes.
RA DA CHUZ N. 18. /
Formas de ferro fi|lBisado, '
JaW BADAjpaaVN;i8.
serrida *\nbo Anos de Bordeaux, do Hheno e,
de* Xerez
Seraphinas on har-
moHicos. ;
No armazem de Jiquim Antonio de Arauje &
C. ruado Mrquez de Olinda n. 14, anda exis-
ten ptimas ?e/aph:nas de nogneil-a,, com excel-
Iwles voz?, ese vendem banlo fiara acabar.
era os
Chapas
de ferro galvarf'iatlj para cobrir
catas, ele.
De 6 p? a 1*800 cfdj um.
De 7 ps a ?*iS0, dem.
De 9 ps a ?*700.
^m ci?a is !W, H-wk-'i. (',, _>. 6 y:* da
NIWmADE.
A loja do Papapaio acaba de receber um com-
pleto sortimento de sedaa lavradas de-nma s
cor; assim como um explendido sortimento de
ponpetinas de seda, tanto nm como on tro sai d
lavrorfs Ioteiramente noves, e as cores sao as
mais delicadas que al boje tem appareeidcwneste
mercado, seu preco tao commodo que nao ha
quem deixe n. 40, esquina da ra Sete de Setembro, amigo
beco dos Ferreiros, loja de Meadas 4 Carvalho.
m graoie sil o no povoado de S. Lou-
ren?o 4 SWa, cjm 8)0 piiraoi da frente eou-
tro: unios de ando, a limitar- be, com una e^^nda casa de viveoda de pedra
e cal. eeSeira eom *>tribaria para !0a 8 ca-
vallcr, ama boa pasara as con dienta de bem
funecionar, rvores fructferas, etc.; eelj sitio,
que ha 16 anuos lem servido de h>tel, aeha-se si-
tuado D7 me'b^r lugar aquella povoaejo, vi.-lo
achir-5* em fren" Mura esiaco da vii-ferrea:
cj pretcadonlps JWthr'J ungirse raa-ioJkrS >
d-s Yitwia n M.
rundo
^^^^^^^^Hlas
IMpUM coQnua r vender todo
por barstos precos que t todos admira :
lto%aafftlsrpan bordar s me'bor
rjuT 6,jeoo
Csixas com superiores grampos (ran-
ceies s 160
Dinias de facas a garfos de nos
daos beides s 4J000
Talberes pare meninos a 240 e 400
Libras de liaba da novello, a melbor
posalea. 1400
Doiia da te neos de casaa com barca. I #000
Caixas da liabas cata 30 novellos a 800
Vara de franja brinca pira toalbas 160
Donas de meias croas mnito boas a 34500
Dosias de meias finas para senbo-
rss a 4,1000
Dozias de facas e garfos Gravadas a 30000
Dazia de palitos leguranca s 120,
210, 180 e 500
Na vainas mnito finas, para fazer a
barba a 1,5000
Caixas com peonas de ac com to-
que a 320
Caixas com peonas de Perry (asen*
da fina a 800
Ditas de dita dito verdadeiras a !200
Caixas com20 adornos papel ami-
zade a 700
Pecas de fitas para'coz eom 10
varas a 500
Pecas de tranca lisa de todas as
cores a 40
Duzias de liaba frcnxa para lardar
a 400 e 500
Pares de sapatos de tranca a 1,5800
Dorias de aaralhos muito finos a
2400 280
Ditas de agnihss para machina a 20000
Libra de pregos fraocezes a 240
Resmas de papel almaco soperior a 30600
Ditas de dito pantado o melhor a 40000
Caixas com sabonetes fracta a 720 e 10000
Carr.teis de linba A ex and re a 100
Gravatas de cores mnito fiaas a 500
Ditas pretas pontas bordadas a 600
Grasas de botoes de madrvperola
para camisa a 50C
Novello? delinha branca, 400 jardas
Dazia de carioes de linba branca e
prets a de cores a 120
Tbesouras moito finas para onhas
e costura s 500
Caixas redondas para botas rap a 10200
Caixas c< m pos para limpar dentes
fazenda fina a 200
Pomada alpaka
E' mito conhecida esta pomada e muito
apreciada porua finissimaqualidade, a Nova
Esperanca qvem tem.
Jarros de porcellana
Um completo sortimento de indos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existo na
Nova Esperanca, ra Duqae de Caxias
n. 63.
p.iR^nroiTJaS
Lindas grinaldaiconi flores e botoes (
larangeiras com v^fcs e sem elles, vendem-
se na Nova Esperabfa ra Duque de Caxias
n. 63.
FIYELLAS DE MADREPEROLA.
Bonitas fivellas de madreperola lisas o
bordadas proprias para pulceiras, vendem
so na Nova Esperan;a roa Duque de Gaiids
. 63.
PARA 'AS FLORISTAS
A Nova Esperanca a ra Duque de Caxias
n. 03 acaba de receber folbas para rosas c
d'outros moldes, a ellas antes que se aca-
bem.'M
Oleo para machinas
Vende se na Nova Esperanca ra Duque
de Caxias n. 63.
ama das memores ca.-as na povoacao de Eeberi
be r qaem pretender diriia-se rna da Moeda n.
39, das 9 eras da manbaa as 4 da tarde ; e lam
bem se vende uaia casa em )linda era boa locali-
dade, com muitos commodos e com grande quin
taL____________________________________________
Grande liquidapao
CAMBRAIA LISA BISPO A 30000
Peca de cambraia lisa fina Rispo com
8 1/2 varas a 30000 na ra do Crespo n. 20
loja de Guilherme Carneiro da Cimba,
Joaquim Jos Goncalves JJeltro lem para
vender no seo escriptorio ra do Gommeriio n.
5, os gneros abaixo notados, qoe vende mais b\-
rato do qoe em ontra qnalqner parle :
Azeitonas em ancoretas.
Amendoas em barrica?.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca martel frres.
Enxadas.
Farinha de mandioca de Santa Catharina, sac-
eos de 3 e S alqaeres.
Dita da Bahia em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, proprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Bahia em novellos.
Fonces.
Maxados.
Notes.
Obras de palhelas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul pata botica.
Palitos para dentes.
Pregos sonidos.
Panno de algodo da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Bahia.
. Rlbaf.
Rap popular da Baha.
Bolim em lardo.
Ketroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco simme da Babia.
Vemii copal.
Vinho do Porto engarrfalo, caixa de U gar-
ra fav
Das de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro deJKSfial.
Dito Bordeanx em caixas dafMMtnria.
Dito de caj em caixas de nnjWniia.
A Nova Esperanca est re sol vida a ven-
der baralissimo, para as L'xmas. modistas:
enfeiles, forro para vestidos, butSes, etc. e
tudo asis de qoepr ecizarecn ; e isio por
preco mn!o dnmodo, coro a condc5o po-
rem das mesmas Exrxas rxonir-se destes
objectoe sunente no dito estabelecimento
onde encontrarlo o boak por pone > preco
e desta forma ambos facrarem, isto a
Nova Esperarla, porqts^Hle. e as modis-
tas, por comprarem boSffl jarato.
Nao b arar costTsslf As criancas que usarem dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nora Esperanca,
estarao isentos de convuU5es; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
E' engragado e destrahe
Os pioes de nova iovenco e que dancam
15 minotos pooco mais ou menos, mudando
sempre de cores, e representando diversos
caracteres, vendem se na Nova Esperanca
roa Duque de Caxiis n. 63.
LOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Hua do Crespo at. 1
Os propriajano deste bem conhecido eaUbele-
clmenlo, alm dos moito objectos que tinham ex-
postos a apreciaco do respeitavel pnblieo, man-
darara vr e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Enropa, nm completo e variado sortimento de
Unas e mui delicadas especialidades, as qnaes es-
to revolvidos a vender, como ie sen costme,
por precos maito baratinnos e commodos para lo-
dos, com lanto qne o gallo...
Muito superiores lavas de pelica, pretas. brna-
cas e de mni lindas cures.
Muito boas e bonitas gollinha? e pannos pan
senhora, neste genero o qoe ba de mais modereo.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riqnissimos enfeiles para cabec.1 das
Exmas. Sras.
Superiores trancas pretas e de creaeom vidri-
de melhor e mais bonito.
Ibos e sera elles; esta fazenda o qofSfle haver
Superiores e bonitos leqnes de madreperola,
marfim, sndalo e sso, sendo aqaejka brancos,
com lindos desenhos, e estes pretoaj
Muito superiores meias fio deflHfea psra ---
nhora?. as quaes sempre se veneraaMbr 30li 1-0
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 2U,
alm desta?, temos timbera granda ettimento de
outras qualidade, entre a? quaes algnmas muito
fiis.
Boas engallas de superior caeoa da ludia e
caslao de marfim cora lindas e encantadoras liga-
ras do mesmo, neste genero o qae de melbor
se pode desejar ; alm destas tomos tambera gran-
de quantidade de nutran qualidades, como sejam,
madeira, baleia, sso, btrraeha, etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chjcoliDbos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as rreias. "
B as meias de ftda para senhora e para meai-
ns de 1 a 12 annos de idaTfe.
Navalhas cabo de marm.e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boa*, e dentis a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e tit por nossa vez taia-
bem asseguramos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas ca pellas para uoiva.
Superiores agullias para machina e para croftal.
Lioha muito boa de poso, frouxa,-para eni r
labyrintho. ,
Bons baralhos de cartas para vollarele, assim
como os lentos para o mesmo (ira.
Grande e variado sortiraeulo das melhores per-
famarias, dos melhores, mnTs conhecidos a
bricantes.
COI.AliiCSDF. ROYR.
Elctricos magnetice contra as convnlsi5e?,
ftcilitam a denlicSo dss KinoeeSUB criancas. Si-
mes desdo muito recehedont destea prodigios >
collares, e ct otinuamos a receiie-los por lodo> es
vapore., aflm de que nunca filtem no mercad
pomo j Un) fisonicciilo, u.siai c.-.nio pois, poderSl
aquelli-s que dees precijaVem, vir ao deposito do
gallo vigilante, aonde sempre encoitrarao destes
verdadeiros ciliares, e es qnaes attendendo-se aD
fim para que s3) a;pli*dos, se vtnderao com um
mui diminuto lucro.
IlOjiamo?, pris. avista dos objectos que deixa-
mos declarados, ans oossos fregnezes e amigo; a
virem comprar por pregos muito razoaveis luja
do gallo vigilame, ra do Crespo n 7.
Ra do Im erador
Ra do Vigario n.27
No escriptorio de Jos Joaquim Lima Bairao ha
para veoaer se :
Pregis de diversas qualidades.
Fechaduras de broca de todos os lamJDhos, o dos
melhorea fabneaotas do Porto.
Cartilbas de douetrina Chrislaa.
Mercurio de Lisboa.
L'nhi de Roriz.
Supe/iores eiganos do Rio de Janeiro, da fabrica
de S. LTorenQo, ja bem oahecido* pela aceita-
cao que tem tido oesta provincia.
J. a G, Doyle, tem em seu armazem para
vender o segainte :
Cognac Henness)-,
Vinho Xerei.
Vinho de Lisboa.
Firlradeiras.
1 piano;de um dos mblorea Ubricinles.
'Mu a do Cjnaiercio n..o8. 1 ,J^
n. 37.
Unlco deposito daatitiga c aere-
diiai'a fabrica do Barbalho
do Cabo. .
Neste bem rtido armazem exi-le nm grande
soriiuipiii i do Joum franceza, mnito uti1 para ca-
sa da r.nnU, Ciino >eja alguidares papeiros
e panellas, tudo grandes e pequeos, e bu-
Mides pira msnteiga ; tudo de barre vidrado fran-
cs- Assim c-mo um completo sorttoento de loo-
ca do barbalho, como seja : jarrdes paia 4 e 3
aneos de gua, pules de ura a d us canecos,
muri;gue, nsfriadeiras, quartinhas do Barbalbo
e da It-Ira, vacos vdrados e por vidrar para jar-
dim, cacos grandes e de meio para flores, ditos
ditos pequeos para tirar planta-', canos vidrados
e por vidrar de 2. 3, i, 6, 10 o li polegadas,
feilos p ir machina c que aju nao ha na provin-
cia a excepeo dos v indos de fra ; tudo meibor
pela qualidade do bsrro e inris barato do qde em
outra qual.-|i-r parle. Era porcao se faz iba'.i-
melo de 10 15 por cento ; so na ra de Impe-
rador o. 37.
A revalesciere du Ba.-ry de
LoilirS
Todi a deenfi- cede a Revalesciere du Barry,
qu d sade, energa, appetite, digeslao e de?
canso. Ella cora as dispepsias, gasirites, humo-
res, acidetjjituita, flato, easops, vmitos depoi:
da oomi|^Bravilez, con tipaches,tosse, astliras,
affectoes^BTni'-nares, hexiga, ksdo, cerebro e
sangue ; 60,000 curas, incluiado muitas deltas co
it -asi!,
A revalesciere chocla tari a du Barry
era p,
Delicioso alimento para alraoeo e ceia, meito
nutritivo, forliOeando os ervos'do estomago sem
cansar o menor peso nem ddr dec^bef, nem ir-
ritacao.
nico depo-ito para o Brasil em Pernambaco
na pr.armacia americana de Ferreira Miia & Z.,
rna do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidado
com as falsifica c5es.)
__*.----------------------------------------------------^----------
Seif LweninK FIoup
Farinha de trigo j fermentada, "propria pasa
pac, bolos, puddings, etc.. em macos de 6 libras:
a vend nos armazeos de Tassn Irraaos A C
Alaguia de puro
NA ltUADOCaBGA' -V 1 A
tem leques todos da Hailreperjla, o melhor .que
lem vindo ao mercado.
. oces, frtelas e flores.
Ra 'a Cruz p. 13 vende losfl o da- :
Preznnlo cin jmbres a libra.
Lanches lodos os dias, e diff:rente,'.
Ge'a de mo do va ce a em copas.
Doces crjtaii a'dos de dilTe-rontes frnclas.
B los, po'ins e b ns boceados.
BaDdeij-iS com bullanos, eufuitadas
Bjuqueis de crasas para a iva.
Flores avulsas e e:n haupuets.
Srveles lodos os dias a noute.
JWM
Uni deposito ni Recife ra duCn
^ltratio de precis.
Cal
qO
- 'o and*".
nr-,
a raa la Cn
Glande soriiuvmio de bichas de Himb
de I' quali lade ; vjndo-se e.a>.
karaade poreio : a roa -IM7
valla
> !. .'O ua i''"- tender i
svos e bM', sem de|te4foa:.
'.





IMhio li
tl&tbMt'')-! t le
ff'mi.
$
roa d* Crtt n. 8, V
cadar, anda aifodao aiul americano verdaseiro
a prego aroarleaao a. 3 e 4.
SU ll M*U riMlIU fcMM(l
. Tintan jpane .
S e nica approvad pela as icademia
sciencia, reconhecida superior a toda que tem aa-
parecido at hoja. Deposito principal i na a
Oadeia. do Recite n..l, 1* aaiar, em toda M bo-
iras e casa da e awreir*.________________,
IiOJA
Flor da Boa-Vista
de m
PibIo Gnimares
0 propietario deste bem cmhecldo es-
tabelacimento contina sempre segu;ndo sna
anga forma de primeiro barateiro da Bol-
Vista e para melhor prova admrera os
precos seguiotes :
Cuitas eticaras e claras corea fixas
o covado 160 200n.. 400
Cambraias de cores 240, 280 rs. e 320
Un para vestido 280, 320 rs. e 400
Creps escocers fazenda nova a.. 6 M)
Alpaeas lavradas d'um s or. 72<
Cambraia branca transparente pe-
Cas a3$3 0 e.....800G
Ditas dita.victoria a 4*000 8*000
Bramente com 10 pslraos de lar-
gara, varas, a 2*000 6. 2^500
MadapoUio superior pecas 53000 e 0*000
Algitao a 440006.....55000
Brim pardo iranc*do pecbincha
covadoa.......
Dito dito liso mdito fino a. 320
Oatras moitas mais fazendas que vende-
r por precos baratissiraos como sejam :
pannos pretos, ditos azue?, casemiras pretas
e de cor, merinos, brins brancos e de co-
res, seda para colletes, camisas inglezas para
homens,.meias, chapeos de sol ele.
Ofticina d'alfaiale
Os digoos reguezes encontrado am gran-
Ai sortimento de roiip^s feitas desde o
ruis inferior at ao mais superior que se
. :be no mercado, assim como se manda a-
:vf lo 1a e qualquer obra d'encommenda
s a capricho, poh para este mister se
a$ia mnaido.d'um perito mestre. Garante
u: fszorem semnnor -;0/o do que em outra
'. ulqw p?rle pilo o motivo de o fregtiez
s*'' pagar o que compra e no o aspecto do
estabelecimento.
48Ra da Impera*!/48
JUNTO A PA DARA FRANCEZA
i
LtX E AJUMUCM
MV

NA RUAmiMERftTO'*r

DE
FLIX PERE
Libras st'-'i linas.
Vende-se uo armasam dt fazendas de Augusto
?. de Oliveira & C, i 'roa o Cumniercio n. 41
m haosk
DAJJLVA
Os propietarios deste grande1 e^tbeleci ment tlr^^sfwaw W
fazenda, e tendocontinuado a ttceb^rpo todos os vaprese
.las mismas, tem resollido fvzr urna GRANDE LIQUIDA
de deposito e apurarDINHEIRO. De I0dr fazeoMf r
as amostras, fleando pennor ou te m*a4m!levareaa W*
as pe;soas qne negocia m em menor escala, Aftste esta heledme!
pequeas porcBes pelos mesmoa preces que compra WH'mt'
ALfAMlH
que seencarrega de exeeatar qnaifMr en-
oommeod* a so* art* roaiaio do fr
Bonitas fazendas
PARAASFESTAS
DE
SAiVTO AMTOtfIO
E S. Joao
CIAMM PARA A LML
I ii
mi
Tem venda em seas armazens, alm de outros
trg^H da seu no|"> io regular, os seguate, que
taadsm per precos oais mdicos que em ou-
!' nns^jU^r c rte :
POHTAS de pinh alraofadad38.
POBTEIRAS do f.;rro para cercas.
SALITliE mgei.
ESTEIRAS da loiiia.pira cama e forrar salas.
GANOS de barro franuc para esgoto.
GF.SSO superior em porrees e a contento.
GRHtNTO di toias as quaiidades.
MACHINAS de devarooar algodao.
LONAS e brinioes da ttu.'sia.
OLEADOS americano? par?, forro de canos.
? >ti< ms americanos maito bons e econmico?.
viMii) n _ iGNAC superior do r.autier Freres.
F3RELLO em sac.os prandes a 3J500.
4GO il-.rida lejU.-na.
BALANCAS decimae .
C I i.lii'.AS americans.
MIUM da J..maica.
AZULK.'OS de I.i bna___________________
Cemento IVtland
Em barrica? de t arrobas preco mais com-
m 'do do qae em ontra qualqner parte, vende-se
ni' armaz-n* rte Two Irisaos A C___________
Contra a tosse
PASTiLHAS rElTOP.AES.
de
r;,immi simples crystlisada.
Pita' de angicj
NaH d'Arabia.
Seve de pinho martimo de Lagasse.
E oniris muias que mnito se re:omendam pe-
la.-'saas expelientes qnalidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA
M
Bartbolomeu & C.
34-RA LARGA DO HOSARIA-34____
GRANDE
LIUIDACAO
Ra do Crespo n. 20.
Nansnc liso de cores Imdas para vellido a 240,
80 e 360 o covado, chitas escaras Anas com bar-
ra a 320 o eovado, bara'iisimo : na toja de Gui-
Iherui Cameiro da Cunta.
FIO PARA SftCCOS
Yeado-se cm casa de Okell Bindloss 4 C*, a
ra da Cruz n. IL____________ ^^_______
OLEO PURO DE F1GADO DHW^ALHAU
DA
L TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Eite oleo que tao boa acceita^ tem merecido,
maito se rteommeaia por ser o mais purificado
que at boje tem vid io, e anda pelo bom paladar,
superior a ontro qnatqner : vende-se no deposito
especial de Barlbolwneu & C*. rna Larga do Ro-
lara 34._______
Xarope sedativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
iillOZE
Este novo preparado aprovado pela academia
imperial de medicina, m**) se recoramenda pela
taa accao udaliva t calmmUe, sobre o systema
nervoso, o bromureto de pdwslnm, nao deua de
dar o mal eenos resultados as diversas affec-
cCes do organism* e principalmente as molestias
do coracao, das vias digestivas da respirasao, das
?las genito-arinaria, na epilepjta, Das molestias
nervosa la prenhez, na osomnia das enancas
uranlsO perioao da denticio etc. etc.
Tado-se na pbarmacia e drogara
de
ilomen & C.
3A D0ROSARIO-34
peflrFirja tlidrid^x^
Vende-.js em casa de S. P. Johnslon & Cv^w
da Senafa-nova n. 42.
Companhm fluvial
Vende-se 190 acoSes da corapannia flavial de
navegago a vapor do Maranhli : na ra do Vi-
cirio-o. 18, aodar, escriptorio de Joaquim Ge-
rardo de Basto, onde m darlo o seoesurios
selarMf falos.
PAVAO
ALSAANAS A i200
Chcgaram as mais lindas alsacianas sen-
do orna nova e elegante fazenda de lia
com brilhantes listas de seda e bstanle
larga, para vestidos, sendo n'este genero
o qne este anno tem viadi de m is gosto
ao mercado, e vende-se (200 o covado.
CRANADINAS JAPOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Cbegou para a loja do Pava esta nova
fazenda com o nome de granadinas Japone-
zas, sendo nma boni a fazenda de 13a com
bonitos qna'dros de seda, p'opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 8(30 rs. o covado.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS. 0 COVADO
Gbegoa e.-ta nova fazenda c?m o nome
de a laots,. sendo urna delicada fazenda de
lia, p^ra vestidos, qae vende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POUPELINAjQ)E SEDA
Chegou para a li ja dd^Pao nm prande
sortime lo das mais lindas e modernas
poni'elinas de seda, com os mais delicados
padroes e da muito phantasia, qne vende-se
por preco mnito barato.
CAMBRAIAS BRANCAS LAVRADVS A 41
Vende-s9 cortiJtMa vertidos de cam-
braia branca lavrada^lBdo fazenda muito
fina, pelo barato preco, de 4$ cada corte,
assim como nm grant^tortimeDto de ditas
lisas, lapadas e transpmctes. qne ven le-se
por mero? do que em outra qualquer parte.
CAMISAS PARA INFERNO
Chegou para a loja do Pavlo ura grande
sDrt'ment de camisas escoras encordadas,
a prova-d'agna, sendo proprias para a es-
taco do invern, e vende-se par precos
em conta.
TOALHASALCOCHOADASPABA MESA A 3*500
O Pavo vende toalbss brancas de fuslao
a'cochoadas, proprias para mesas, sendo
ha.-bi.te grandes pe!o barato preco de
3)5500, dilas encorpadas muilogrand?sa 7f5.
CHALES DE MERINO* A ftfBOO
O Pav3o vende chales de merino maito
grandes e encorpaJos 295<>0. ditos
imitaclo de chinezei 2j|*00, ditos pretos
de renda com 4 ponas i 25000.
CHALES PRETOS BORDADOS
O Pavo vende os maiores e melhores
chales de me in pretos ricameote borda-
dos cora la'rgas franjas de retroz, e vende
por menos do que em ontra qnalqner rarte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Patito vende nm grande sortimento das
melhores camisas iuglezas e francezas com
peitos da linhopara todos o? precos e qua-
lilades, assim como ditas de ditos de
algodo para tedos os precos e tamanhos,
tendo tambem para criancas, e no mesmo
estabelecimente tambem se vende ceronlas
de li:iho e algodlo, tendo para todos os
pre;os, assim como metas croas inglezas
para homens e meninos, que tudo se.veade
por prefo mnito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
0 Pavo tem constantemente um grande
sortimento dos melhores cortinados borda-
dos para camas e jauellas, qne vende-so de
8($000 at ao mais rico qoe costuma a vir
n'este genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascadas, tanto tapadas como transpa-
rentes, proprias para o mesmo n, colchas
de crecbt-t, damasco para camas de noivas,
e cortinas, e vende-fe no Bazar do PavSo.
LAASINHAS BARATAS
O Pavlo tem nm grande sortimento das
mais bonitas lasinhas para vest ios, tendo
de todos os precos cores e quaiidades.
principiando da 200 rs. para cima ; porm
to grande a quantidade que sera enfa-
donba especificar qnalidade por qnaUdade,
s a vista do fregnez e das amostras se Ibe
venderlo por precos to cmodos que
engue a deixar de fazer um vestido da
13a por to pouco dinheiro.
ALPACAS DE CORDAO 640 R8,
O Pavlo vende as maii lindas alpaca de
cordSo para vestidos e ronpas de criancas
pelo barato preco de 640 rs. o covado,
ditas fiiissnjfecoraos mais lindos lavoree
imitago de fgraiana i 800 rs. o covado,
bonitos glacs com delicadas crese lus-
trosas como seda 14000 o covade, 6 ira-
iras muitas fazendas de gosto e tote para
vestido, na roa da Imperatriz n. 6e.
POTJPEUNAS
O Pavlo receben as mais delicadas e me-
lhores ponpelims de teda para vestidos,
com os mais modernos lovores, e'ontaas li-
zas com as cores mais novas qae tem violo,
e vende-is 24000 eada covado, assim
como delicadas sedas de listlnnat, tanto
para vest los de senhoras como de Meninas,
q vende-se a 24000 cada eovado.
ROUPAS PARA HOMENS
O Pavio tem constante mente nm grande
i ment de roupa, tanto de panno orno
s trias braoco e decores, ds case-
miras, par tambem seoeoda fazer qualquer peca de
obra com todo aeio^e promptidio, para o
que se tem um p
i
I
fnez, a o proorieaario d'astt greod tsta-
belecimento pvouMit* servir bem todea
os fxe|oese# qo* ibe hearareai a aaa casa.
ALGODOSINHO A3W06 APS^A
O- Pavo vende pecas d'algodlesieao de
muito toa qttli#a4ey,ie)doaardM cid
peca, pelobcrelo preco da WV*K tomoi.
rt largo e encorpado 64000, dito e me-
Ihor qoe tem viade ao mercado, muito en
corpado largo para ieofoat, polo barato
preco de 64500, grande pacrjweba.
MADAPOLO k 44000 fi 4|800
i. 0 Pavlo vende pecas de madapolo com
24 jarda, sendo fazenda mito superior
pele barato prep de 44500, di'as com as
raes-nas jardas a 43000, ditas fioissimas a
94300,64000, 74500 e 84000, pwbiocba.
MADAPOLO FRANCEZA 104 i
O Pavo vende pecas de fioiseimomidav
polio verdedeirameoie fraocez, tendo 22
metros ou 20 varas, pelo baratissimo preco
de 104000 peca, sendo fazenda que sem-
pre se vendeu 144000, e liquida-se por
este barato preco per estar aig jma coosa
eucbuvalhada na poma o frs
ALGODAOSJNHOENFESTADO A 14 14280
O Pavo vende verdadeiro algodaosinho
americano, tendo 7 palmos de largura e
muito eneorpadp, proprio para lengoes
74fOO a vara, dito da mesma largura sen-
do trancado e muito encorpado t2S0;'.
BRAMANTES PARA LEXCOES A 2/VOO 28O035
O Pav3o vende o verdadeiro braajantode
linho tendo 10 palmos de largura, ojtie ape.
as precisa para um lenfol nma vara e r ma
qnarta, pelo barato preco de 24400 vara,
dito melhor de 248.0 e 34000, tes Jo al
do melhor que vera ao mercado 34500
e 440OO, assim como crotones fortes para
lencos?, sendo nma encerpada fazenda fran-
ceza com 10 palmos de largura 200 rs.
o metro, e bramante d'algodao com a mes-
ma largura 14800.
SAI AS BORDADAS A 44500 E 64009
O Pavlo vende grajde peciocha em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada orna
4 pannos, e vende pelo bara/o preco de...
44500 e 64000, sendo fazenda que sempre
vhneu-sB por 84 e 104000.
Fazendas para sata a 14***. 14280 e 14
O Pa /ao vende superior fazenda bor
a coaa pregas proprias para saias, t ~
i 4280 e 145(0 a vara, sendo preciso pa
urna saia apocas 3 varas oh 3 1|2.
Aos 306 canes de wmbraia a 24506
O P.jv) vende orna grande porclo de
cortes de cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinhas de
cores tesadas e nao estampadas, e liquida-
se pelo barato prego de 24503, cada corte,
fazenda que vale mnito mais.
Aos 2096 cortes de cambraias bardadas a 5400C
O Pavo vende nma g-ande quantidade
de cortes de cambraias brancas bordad .s
para vestidos, sendo com os desenhos mais
lindos e mais vistosos que ten viodo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
gonaes, e com muita fazenda para um ves-
tido, e liquida-se pelo baratissim i preco de
54000, sendo fazenda de multo maior va-
lor, grande pecbincha.
CAMBRAIAS
O Pavo veade grande quantidade de pe-
Cas de cambraias brancas lapadas e trans-
parentes, toado de 34 a peca at i mais
lina qae vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende chitas largas com bonitos
desenhos e cores fixas, pelo barato preco
de 160, o covado, grande pecbincha.
LAASINHAA 160 R3. O COVADO
O Pavo vende bonitas lasinhas transpa-
rentes pelo barato preco de itiO rs. o cova-
do, paebtncha na rna da Imperatriz 0. 60
CORTES DE CASSA A 24500
O Pavo vende bonitos cortes de cassa
franceza viudo cada um em seo papel, pelo
barato -preco de 24500 o corte, ditos muito
lindas 34000, peehiocha.
CASSAS FRANCEZAS A 20 RS. O COVADO
O Pavlo vende-bonitas cassas de cores
para vestidos, pelo barato preco de 200 rs.
o covado ditas finissimas com os desenhos
raois modernos qae'tem viudo ao mercado,
pelo barato preco de 500 rs.
CRETONES
O Pa'So vende finissimos crotones oscu-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato preco de 640 rs. o
covado, ditos de fl roos, proprios pira co-
berta, sendo fazenda muio encorpada pelo
barat preco de 800 rs. o covado.
Basataiass'on easaqulahes a 204 254
O PavSo v de seda prttos ricamente enfeitados. pelo
baratissimo prec, > de 204 e 254000, sendo
muito modernos, assim como-ditos de cro-
chet e rendas frotas qne se vendem mnito
em conta, Da rna da Imperatriz n. qO.
Caitas eatrtactiti tara eoberta a NO rs. o uni*
O Parlo vende chitas entrancidis con
delicados desenhos pera eobertas ou corti-
nas de cores fizas, sendo fazenda mnito en-
corpada pefoterater preco de 360 o eooado.
E5PARTILH0S A 44560
O PavO vende asmis modernore me
Ibores espertlho, tendo de todos os u-
mw nos, peto btroto preco de 44500
O Pavlo vende um alegante sortimeato
da doip6|M casamirM ingles, aendo to-
das da lia e muito levesinbas, tamo pro-
prias para borneas como para criancas, e
ditas mais encorpadas, tenia de ama e de
doas largaras, qae se vende o mais batato
possivel, na ra da Imperatriz n. J.

A FLOR
li
a<
E' este o distintivo
loja de jifi^yt^iia
Rosario n. 24
! Kll
ora e Bem
atada
ifga do
^ 6J50 a oitava, gaarnijSes com tres btSeS para abertnras a 4/, dit03 de pedrlol
^& o par, ditos para pualios os mais modernos a 7 e 8; alm de ojavariadissirnl
Caagaram ap Baear Universal da roa Nova
o. 2ljua!*ortnenlo tura,dH melfcores quaiidades que existe na
Amanea das quaes muitas* j sao bem co-
alieafdas pelee seos- autores, como sejam :
WeHer A Wilson, Grovr 4 Boker Sen-
e outras muitas
que com a vie#i iMfcHo* agradar aos com
oradores.
Estas machinas teem a vantagem de fazer
o trahatno que 30eostareiras podem fazr
diariamente e cosera com tanta perfeico
como as mais perfeitas costureiras. Garan-
te se a sua boa qualidade e ensioa-se a tra-
balhar com perfeico em menos de orna
hora, e os precos sao 13o resumidos que de-
ven agradar ja>,pretendentes.
proprieUrlos dente ejeganle.
fiseram para b colfi
^li%i
ri^roeo priacipio sa aie vteaaam ai e*Uonaa*4o pmti smtkmm i
blic, qae no me.-mo estabeleeimeoto encontrara sempre o mais completo sortimeoto
de Jolas, cea ejm ; facbeoloinjaif maae^.ffaft^fmmtj**** ore-
lbas do bello sexo, e qne se venden a 8,9 e M# o par, ditas para meninas 4, 5 e 6#,
ditas de cor), obra de aparado gosto a 3 e 4J, Volt
jurado gosto a 3 e \t. Ypliinh* 4e coral coj
Hf, broches moderriosda? ll.'ditO eoifi tmdras e era toa
10. li, 19 e J0, roseta lisas, porm bom tr*balhada, de 2*
pedras de 4 a 15*, escoleta 4A tas cofa aSaMp^Oe a 5*5C,
gosto, e con bositas pedras a J, 3 e 44, dita; da parolas, esi
ricas croies de esmeralda e rubim a 12, 14 e la?, ditas de onro a coral
tografcbicas a 3, 4, 5, 6 e 7f, (%4a rala U, edai|s para reloglos
6*501 a oitava, gaarnicSes com tras betdeS para aberturas a 4*, ditos de
de ouro
aj
91, ditav
brilbtstes, esmeraldas, perol e rnbins. MedaltSe, vollas, traneailo,
ttaa a da auu modaloe, tala paiaaa la aawa-
ro e prata de afamado fabricantes, salvas da anta da _
Oa prepriatartos da Piar aV Ourof am *
qualquer tarta, para que estar iberio o Mitt)
non te..
iius pbo-
ditta a
s3#500
sortimen-
como
ei da
com le-
de da
russaa
em ontra
as 8 da
6RANIE
R DO DUQUE DE
(Antiga do Queimado)
&
'&*&
*^V|fc
V
I

Uoieo legaiment? autorisado e approvado
pslo conseibo de sade.
DN1C0 0EP0SIT0
> em>
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU & C.
34Ra larga do Rosario34.
Para aaeeaa e fogueielroe.
liceos
PARA ASSUCA*
CERVEJA DE MABC\
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
a>
Lona para velas
Cambraia Victoria
A verdadeiras trazem os nmeros estampados
as pega e nao as etiquetas.
Venaem-se
Em casa de
l". JEFFERIES i C.
46 Ra do Gommercio 46
BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em eada peea nm bl he-
te com o nome
DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES & C.
Vende-se barato, am piano, de um dos mais
afamados fabricantes : tratar ra do Com-
mereio n. 38.
KefnadoRes de PErnambuco.
Cheguem pecbincha, carvao animal a 1|600 :
na acreditada fabrica dos Qqs das salinas de San-
to Amaro, deposi na ras da Ponte-velha n. 14.
Pi ete ide vender por largo lempo por ter vindo de
Lisboa grandes pjrco-s por qnati todos os navios,
e e m os mlboramentos nltimameau introduti-
dos no machinismo, prodnz a dita fabrica 80 &r-
orbas por da, comecaado de 15 de agosto em
diante.
Nova padark americana.
Hm do Pires n. 45.
Contina a fazer pao e bolaxa de farintia espe-
cial de primeira sorte, para melbor agradar a seas
fregnexas, e rende-se a j muito acreditada nova
bolaxioha americana nao inferior a ingleza, a vis-
ta faz f.
Veode-se a propriedade denominada
da Fazenda na Barreta, com legua e tneia .
|s compriment j de Leste a Oeste, e meia
legua de largura de norte a sul, a margem
da estrada de ferro' do Recife a 5. Francis-
co, com casa de vivenda, grande nnmero de
ps de coqoeiro, seodo toda a trra de mnita
prodcelo. Qaem qnizer eamprar a mes-
ma propriedade pode entender-se.com o Dr
Joaqoim Correa d'Araojo rna dos Pires
n. 20, ou a roa do Imperador o. 83 1. an
dar, Das 10 horas da maohia as 3 da tarde.
Cura rpida e radical dos
i callos
pela, pomada' Galopeau
m4| pomada qne tao boa resaltados teas cblht-
iw as paga que dalia tem feito aso acaba '
ehagar pura o sea
Bartholomeu & C.
especial..
rogara
a do Rosarte;
Peco que se n3o admirera dos prepos de signes artigos que passo a mencionar, j
por vezes tenbo mostrado qne s desejo vender barato a flm de poder vender mnito.
e oo ba quem me possa retirar do meo firme proposito ; podondo desde j asseverar
ao Ilustrado poyo pernambncano, qoe nesta casa commerctal seeoconira sinceridade noi
tractos, afim de se poder conservar a numerosa reguezia que me tem honrado em vir
em nossa casa, e para o augmento da mesma.
PRESOS
i
Pecas de madapolSo a 35200, 4,$0C0,f
4500, 5 e 61OOO.
Ditas de dito muito fino a 6500, 7.
e 93000.
Dita dito enfestado peca de 12 jardas a
30500.
Dita de algodaosinho *"3^, 43, e mais
presos.
Ditas de dito muito largo marca T a
45400.
Ditas de cambraia transparente a 35200,
35500 e mais precos.
Ditas de dita lapada (oa Victoria) a 45
e mais precos.
Cambraia a imperatriz mnito fina e
larga.
Oita imperial com cordosinbos, fazerda
muito moderna.
Mosselina branca, covado 300 rs,
Bramante de linho com 9 palmos de lar-
gura 15800 e mais procos.
Dito de algodo a 1.-5500-
Atoalbado afesluado fazenda superior a
15800.
Brim de algodo de cor a 400 ts. o
covado.
Dito da Russia, a 500 rs.
Dito pardo trancado a 300 rs. e mais
precos.
Dito branco de linho fazenda muito supe-
rior a 15600 a vara (vale 25000).
Grande sortimento de brins de linho de
cSr a 500 rs. o covado, fazenda que se tem
vendido a 15200.
Grande sortimento de casemira, custa o
covado 156*00, 25500 e mais precos.
Damasco de la fazeoda finissima.
Cortes .de casemira para calca a 45500,
55, 65, etc.
Flanellas de la riscadinhas a 640 rs. o
covado.
Lencos chinezes a 35QC0 a duzia.
Ditos brancos de algudS.) O linho sorti-
mento completo.
Completo sortimento de camisas uteio-
naes, francezas, atlems e inglezas.
Cobertores de la de xsdrez [azoada supe-
rior a 53. ^
Grande sortimento de bales.
Cobertores de algodo a 15400 e 23500.
Cassas de salpicos a 55000 a peca.
I'alitots de casemira a 55010 e mais pre-
Cos.
Ditos de alpaca a 33600 e mais-pro-
cos. *
Saceos para vi a ge m.
Meias para homem a duzia 25400,. 33 e
35500 e mais-precos.
, Ditas para senhoras, meninos Meni-
nas.
Popelinas Ce! seda, covado 5700 admi-
ra /!! '."%
Completo sortimento de chapeos de
sol.
Toalhas para o rosto a 85000 a du-
zia.
' Toalhas bordadas, de linho do Porto,
slo muito lindas, manden buscar as amos-
tras.
Duzias de guardanapos a 25500.
Cortes de vestido de cambraia branca
com babados a 75000.
Cortes de vestido de cambraia branca e
de cor com babados a 105000.
Algod'o de 2 largaras para lengol oa toa-
lhas a 15OOO a vara. *
Chitas finas a 240, 280 e 320 rs. o co-
vado.
Bita violeta fina a 280 rs. o covado.
Ditas em prcale o qoe ha de melhor a
360 rs. o covado.
E' v para crer.
<
mero 34-
Rap
A loja da praca d Independencia n. I, cbe-
gou nova remessa do maito acreditado rtpe gaase
grosso, fino, Rocha', franco, rollo e princesa da
Baha, Lisboa a Paulo Cordeiro eomrann e vijado;
veode-ia aa Ultras a retalbo,


I
>"

C Y S N E
4 H)A DA 1HPEBATB1Z N. 64
01
____ a LOPES.
Os uruptNilfuir leste n(*o sabefeciraento. Certos de que o meio de adqnerir
numerosa fregeeiii vender barato, eerrir beta e haver sinceridadade nos tratos, d5o
no atestamos deste camioao para bem corresponder ao favor que nossos numerosos
fregarte nos ten eispeoeade.
* Como anda temos algaraas hzendas das primeiras compras, resolvemos fazer
redoeio em alwmas dellas, para o que chamamos a ilencSo do respeitavel publico :
SBT1NS.E GR08DENAPLES DE CORES.
Teos para todos os presos e qualidades.
Grosdenaple preto.
Recebemos novo sortimento e vendemos
por roaos do que outro qualquer.
Las Saboya.
Aioda temos nm resto desta linda hien-
da e para acabar vendemos por 900 rs.
Caries a Minerva
Anda temos alguna osles lindos cortes
coa lis tras de seda, cora i9 co vados, para
acabar vendemos por 204.
Cortinados.
Recebemos novo sortimento e vendemos
por W, H, m, iW, m e M#, cada
par.
Cambraia para corteados a 10f5 a peca
com 20 *eras. >
Dita Victoria de i* at 80000 a paca de
8 varas e meia.
Dita soisaa transparente mwto fina.
ORGANDTS BRANCO
Temos recetado novos organdys de
41800 rs., ditos de 60 e 80000, este ulti-
mo tem listras asselinadas.
Esparlilhos
Recebemos aovo sortimento de espartilbos
inglezes muito grandes, sio de linho.
Vestuarios para ba plisa dos, bordados
milito lindos a 10C00, barato.
Camisas rancezas, nglezas. e suissas de
24 at 44500 rs., ditas bordadas muito finas
de 84 ate 104000.
MECEJANA.
E' ama fazenda branca maito linda e fina
para vestidos de senboras, tem a peca 30
jardas e cusa 184 e 224000.
Panno abretanbado largo e bom. peca de
20 varas a 104.
TAPETES.
Recebemos novo sortimento e vendemos
muito barato.
Temos grande sortimento de sitias bor-
dadas e vendemos moito barato.
CORTES DE LA A SIM1RAMES.
E' ama linda fazenda com os enfeites
Capellas mnito lindas para noivas, pelo
barato preco de 34 e 34500 re.
Poupelinaa de cores e brancas multo
lindas.
Camisas de meia a 94000 a duzia, pe-
cbincha.
Cambraias de cores.
Temos o melhor e mais lindo sortimento
de cambraia de cores a 900 e 560 rs. o
metro.
MEAS.
Recebemos meias muito Anas tanto para
senboras como para horneus, meninos e
meninas.
Chapeos de sJ.
Recebemos chapeos de sol com cabo de
marfim que vendemos por 134 184000, di-
tos de cabos de caona 94, 114 e 144000.
Cortes de cambraia de cor muito lindos
e com babados com seu competente figuri-
no, tem 18 co vados por 84000.
BASQUINAS.
Recebemos basquinas de seda ricamente
enfeiladas que vendemos por baratissimp
preco.
Vestuarios para meninos.
Recebemos vestuarios de fustao muito
bern enfeitados que vendemos por 44500 e
54-> fil branco bordado moito fino, dito
com salpicos dito preto com salpieos e liso.
Cambraia aberta a imitacSo de croch de
cores e brenca.
BRINS.
Recebemos o superior brim de Angola,
dito pardo para todos os precos, ganga fran-
cesa a 500 rs. o covado, superior.
Pannos finos.
Temos pannos pretos finos de 34500 at
64500 rs.
Recebemos casemiras de cores para 34
at 34500 rs. o covado.
CHITAS-
O Cysne tem o mais lindo sortimento de
chitas para todos os precos e qualidades.
Bareges com listras de slim com lindos
padres e muito modernos.
Crotones claros com lindos padres e
correspondentes, guarnecida a saia com cores fixas pelo baratissimo prego 440 rs.
ama franja de seda na barra, vende se o covado.
por 404000.
Cortes de cambraia branca aberta, bor-
dadas muito lindos, vendem-se por menos
do que em outra paarte.
Ditos bordados na barra, de cambraia
transparente, por 84000, muito barato.
Deixamos de annunciar muitas ontras fazendas por nao
fadonho aos nossos freguezes.
Ra 'Ja Imperatriz a. 64.
Luvos frescas de pellica para bomens e
senhoras do acreditado fabricante Jouvin.'
Fazendas para luto vendemos por monos
que em cutra qualquer parte.
Alpacas, caotoes, princezas, bombasinas
cambraia preta, te. etc.
se tornar extenso e en
nCEBEBO & LOPES.
ESSENCIALMENTE miCkl fi IN#AuWTOdHsfcE6iTOs
Guiados pelas inicaceede mstiaas abaleados ebiasios, o medico % distinctos, que
se deram ao estado e averigua^b des cansas que nvedozem. os padecimeatoe de n
matismo, gvtta, areias dos tJuh*, ***tj* M*4*> #ifree atetara; e ai* ensato*
msios proprios para ceral-os, ceegumos t ebur om remedio, que nuaoa ttdisse a loa j
actividede contra os ditos padecisseotea.
Nao nnicaaente bastado w laeoBsaa qae tanto avancasaos, mas %m ncs Satis-
factorios resaludos obtidos da sua ateheacao, aai i no umeras eiperieeeaaa, qae ceas lie i
flzeoaos; e deste modo, seguros deseos beneficios eisitos afootamaele o reeomstenda-
moss pessoas qae soffram algasias das molestias cima ditts.eu fe algas oetros pe-
deciaentos do apparelbo 'Viaerio, saes coa o diatelieo, gryeoeeeco atsMAia
RA DUQUE M CAXIAS R
(Outr'ora Quemado n. 8.)
fitc
Escusado seria observar que se nio poda designar ora numero determinado de desee
de nm medicamento para curar ledas os indi videos que paecam : fe sesma molestia ;
pois que a cura est dependate de diversas.drouosstaaciaa, inherentes i dispoeicjto na-
tural oo compjeicSo, de cada om deilea; mas coastado, corto que o kydrolM Ittho-
trptico anti rheumatico e gottoto predas sempre acara desejada, qondo se persista em
toma lo o tempo precise pare obte-Ja; deveado ttr-ae era wsta qae quaato mais invete
rado est o mal mais se deve insistir a appbaacao do remedio.
Podemos tambera affiaocar qae, por-raais eosunaadb que scjak o aso deste reme-
dio oao causa dFarranjo algom as vias djgestivts, mis antes.aalt proprredade eminen
temente tnica, que tambem possue, fortifica, o estomago, toma mais facis as digestoes
e, nao jymeas vezes, tem hilo feaappareter diarrhea, qae eram entretidas pela debili-
dade geral do apparelbo digestivo,
MODO DE USAR.
Tomam-te do hydroleo lythotriptioo, nos primaros qnatro oo cinco drasr duas co-
Iberes de sopa, em agua assucarad, tefe, cha ou caf com leite, e mesmo se ni mista-
ra alguma, na occatiSo do almogo-, e eotrae so principiar a tetar. .
No quinto ou sexto dia e segaintes, tomam-se do mesmo modo dito, tres colheres
de cada vez.
. Se as ourinas da pessoa doenie depositara grande porfi de areias; se as dores
nepbritieas, rheutnaticas ou gpttsees s5o cjnstaitos; esa 8m, se os padecimentos sao
fortes, lomar-se-bo quatro colheres de cada ves, oa tres vezes no dia, a tres coiheres
de cada ama.
Quando as areias, ou outros padecimentos, tem diminuido, torna-se s primeiras
dses.
Pelo oso do Hydroleo lithoiriptico vSo sendo mais raros o spparecimento das areias,
as dores nephrilicas, rheuraalicas e gottosas at quede todo desapparecem: neste ponto
pode dispensar-se o remedio.: til, porm, cerno preventivo, tomar cada semana orna
ou- duas dses delle.
Pelo que respeila alimentac5o, deve ella sen-agolada de modo qae no sobrecar-
regue o estomago, e em quaoiidade tal que possa ser fcilmente digerida.
A melhor bebida sera duvid, a agua pura, mas tambem se pode osar de vinno
simples ou pouco alcoolico. De ceneja e vinhos fortes, pouca vezes.
Sobre todo o que muito recommendamas, grande exercicio, sem fadiga, pois que
elle muito contriboo para a rapidez da cara.
N. B. Depois de tirar-se do frasco a porclo que se vai tomar, deve haver o maior
cuidado em o arrolbar inmediatamente.
nico deposito em Pernambuco
Pharmacia americana de Ferreira Mata eY C, ra do Duque de Caxias o. 57, (an-
tiga doQueimado.)
lI|JSaEIJ
Ateta Braoe tendo ] recebido parle de anas
eeaomipMdas, em seguraenlo acaba ago-
de rtceber oetras, algamas das quaes
BseBclalmento precisa?, e onlras se
er*9oa* flosioa e qaahdses,
Mttaa da Oq -d'-^eccia, abertas para tcoboras
Mta' Mem- ota stas tambera para senhoras
menina. '
DiiM'idAm maito bonitas ao gosto eteoeex.
Ditas idea iem brancas e cora lislae para me
ninas.
Ditas idera dem para baptizados.
Bitas ia stgetdo compridt e eom Iislras para
Loras pretas de seda, para seuhora.
Ditas da torca I e de seda para meninas.
Bonitas earmsinhas bordadas para senhoras.
FLOflES E PREPAHOS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindos ramos de florea
finas, tanto para cabeca'eomo para ebapoa, c
bem assim:
Papel verde liso e eom Mata para folbaa.
Dito decores para flore?.
Folhas de diversas qoalidades para-rosas.
Ditas verdes e lustrosa?, obra n; va e peta pri-
meira m vindas eow* amoetra.
Franjas pretas e de diversas larguras para en-
leitar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E 9E OOTIOS
M0LOI8.
A Aguia Branca acaba de recetor orna peque-
a porcio dos bonito 0 modernos coqoea grao-
des de tranca e onlros moldea.
COLLARES ROYES ELECTRO MAG-
NTICOS.
A Agoia Branca acaba de rt-eeber oe-prfeHe-
sos collares electro magneticen j bem eanHci-
dos para facilitar a denti;ao das criancas e pre-
serva-las das convuhes.
SOBRE-SAIAS OU ANQU1NHAS D
CLEN0L1NE.
Em SDlMtitaicao aos La Oes vieram as anqni-
Fil d seda, branco e preto coa flores miadas.
Dito de aigodiu, lito e eom florea.
Touqninhas bordadas para crianzas.
'Lindos e modernos chaposinbos de faslo para
ditas.
Peales de tartaruga para desembarazar cu peo-
Var.
Ditos de dita travessos para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Ditos de tartaruga, peqocnoD, para segurar o
imarradllho aos cabellos de senboras. ni.r;"^:".',;"';";.'^" -"Aan-i* Vda n
Grande sortlmeoto de enfeites de seda para ves- l ,as. ie_clen0",e.
(idos. ,
Pfrellas de madreperola e de tartaruga para
pulcira e Jaco para eabetlo. ^guia Branca recebeu variado sortioaato de
Bonitas b (ciabas para menina?.
Aguia .Branca.
QUADROS PARA
RETRATOS,
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A aguia branca caba de receber novo sorti-
mento de lindos e completos enchovaes para bap-
Usados, e bem assira separadamente camisinhas
para dito*; liados chaneosiohos de setim branco
Dudados, outros ditos com fundo de velludo, obra
de mult gosto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinho? de feiin pr.ra o mesmo flm.
MODEft.XOS ENFEiTES DE FLOKES,
ornados com liicos de seda, litas de setim e fivella
ao madreperola ao ultimo goste, e proprios para
bailes, casamento*, etc., ele
quadros para retratos.
LEN'CS BORDADOS.
A toja d'agnia I ranea, a ma Duque de Ctxiaa
n. 52, outr'ora do Queimalo n. 8, recebeu bonitos
lencos de cambraia de heno pnmerosamente bor-
dados, e como de seu louvavel costume e?t os
vendendo baratamente a 5*000, 61, 8j e 10*000
cada nm.
; TAM EM RECEBEU
ricas camisas de fino es^uiao de nbo enfeitadas
com muito gosto, e proprias para noivas, oo mes-
mo ouira Exma. seubora qae possa e queira ang-
mentar o numero e ua bea rouoa branca.
Bmkmm mmmmmm mmmm fe

DE
ERNESTO & LEOPOLDO
N2D Ra do Gabug N.2D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de joias que pode
vender aos seus numerosos freguezes em grosso e a relalho e por precos
mui resumidos visto que recebe de coota popria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desenho de suas joias o mais lindo do paiz das
modas, coro de lei, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, robins, perolas,
tarquezas, >s\fairas, coral rosa etc. etc. Obras de prata do pito tanto
para igreja cerno para servico domestico. Convidamos as Exmas. familias
a visitaren o dito estabelecimento tocios os das at 9 horas da noite.
6a>l S>.*^>f.* feyACS> 4S^4^"f4'?if'^^*i^-
Alta novidade
O Musen Elegante roa Estreita do Rosa-
rio n. 1 vende-ticas camisas de cambraia
de linbo bordadas para noivas, e tambem
de mada polio fino, bordadas e enfeitada
de ntremelos a 405, 60* e 75J000 a da-
lia.
Lindos perneadores guarnecidos de ntre-
melos e rendas valencione, ricas calcas de
linho bordadas e de madapoo, para senbo-
ras, bellissimo sortimento de golinnas e pu-
nhos cousa inteirameote nova, recebido pelo
ultimo vapor da Europa.
PARA BAPTISADOS.
O Museo Elegante recebeu os mais finos
e ricos enxovaes para baptizados e tambem
lindos vestidos enfeitados para crianza, a ra
Estreita do Rosario n. 1.
Ultima moda.
O Moseu Elegante recebeu os mais lindos
e modernos chapeos de blond enfeitados
para senhoras, e tambem de velludo e pa-
Iha para crianzas, e est vendendo mnito
barato para vender logo, a ma Estreita do
Rosario n, i.
Flores e plumas.
O Musen Elegante est vendendo as mais
bailas flores e plomas que tem vindo ao
mercado, assim como um lindo sortimen.o
de franja de seda preta cousa de apurado
gosto roa Estreita do Rosario n. i.
BOTINAS.
No Musen Elegante vende-se bolinas de
n. 20 a 3 pOara crianzas a 250CO o par, e
N 1Rua Estreita do Rosario
AO BOM TORE
Acaba-se de abrir este importante estabelecimento demiudezas superiores com os
melhores rticos de luxo e de .moda para bornees e senboras, variado sortimento de
perfumaras dos mais afumados fabricantes de taris e Londres, como sejam Hver, Lubin,
Condray, Pinaud, Regand Chonneaux, Monpelas>societ Hygieniqne, Gosnel; Rlmmil e
Piesse Lobin, etc., etc.
tambem vende colchas e toalhas de fustio-a
rj^OOO extraordinariamente barato, roa
Estreita do Rosario n. 1.
jf Cellar electro.
Abi que aflnat ebegaram os verdadeiros
collares de Royer, contra as convols5es das
criancs e facilitando a derrticao, e esto se
vendendo a 34000 no Moseu Elegante
roa Estreita do Rosario n. i.
As de 54 por 4^800
Na ver dade barato I! Facas finas cabo
de balaoco com dois botes a 4^800 a du-
zia, nm completo sortimento da colbe-
Iberes de electro-pate e facas com cabo de
marfim, tudo por preco bsranno que ad-
mira, no Moseu Elegante rua Estreita do
Rosario n. 1.
AS MODISTAS.
No Museu Elegante encontrado um com-
pleto sortimento de bico de blond branco
e preto, dito crochet, trancas e franjas de
seda de todas as coras, grande sortimento
de galoes de algodao coosa de lindos dese-
nhos, cambraia franceza branca e preta para
forrar vestidos, retroz de todas as cores,
enlremetos e babados tapados e transparen-
tes e agnlhas de ferro, osso e marfim para
crochet, roa Estreita do Rosario n. i.
liultaco de ouro.
O Museo Elegante vende ricas voltas don-
radas para senhoras e tambem meios ade-
remos imitando coral, perola e gata tudo
por presos razoaveis, na rua Estreita do Ro-
sario n, 1.
Mantilha brasileiras
No Museu Elegante roa Estreita do Ro-
sario n. i, vende-se lindas mantilhas de
cousa viuda
FAZENBAS EM
LIQUIDAGaO
isfti
A' rua da Imperatriz n.
Os propietarios daloja do Papagaio scientiftom ao respeitavel publico desta
provin qoe esperara muito breve receber um novo sortimento de fazendas moder-
nas, e de bom gosto, e por consegoiote pem em liquidacio s abaixo especificadas:
Retalbos de chita, de cassas e lias.
Chitas de cores e rxas de 160, 200 e 240 rs.
Liaz:nhas tapadas e transparentes.
Alpacas lisas e lavradas, de muitas e differentes qualidades e precos.
Cassas de cores de 240 a 320 rs. o covado.
Cortes de cassa chila a 20400 o corle ou a 240 rs. o covado.
Cambraias brancas tapadas a 40 e 50.
Barejesdelia a 320 rs. o covado.
Toalhas dfinho do Porto muito grandes a 10^000 a duzia.
Metim da India a 600 rs. o covado.
Liazinha preta de 320, 400 e 440 rs.
Alsaciannas a 10000 o covado,
Coilas pretas muito linas do 400 at 240 r.\
Esparlilhos de linho e algodao de 3500 at 50000.
Camisas de meia, ditas francezas.
Camisas'de peito bordado, lisas, e de pregas com collerinho e sem ello.
Baldes de panno a 30000, dos mais modernos.
Collerinhos de papel com beira de cor e todos brancos.
Fustes de cores para vestidos moito largos a 450 rs. o covado.
Cortes de casimiras de 40000 al 70000 com quadros e listras.
E ootras muitas fazendas que pretndeme?, liquidar para nao accumular :om
as que esperamos receber. v
ROUPAS FEITAS EM LiOIDACAO ,
Na loja do Papagaio ha um grande deposito de roopas feitas de bros e de
casimiras, palitots, calcas, colletes e sobrecasacos, que se liqutdam por precos muito
baratos.
Sedas labradas de cores.
Liqnida-se na loja do Papagaio urna grande porclo de sedas lavradas de cores
que se vendem por precos baralissimos, na rua da Imperairi n. 40, esquina do becco dos
Ferreiros.
Nunca t vio om processo-.mais perfeito e qae ai-
aaja de tal forma a satisfazer as exigencias mais
MTeras da eseripturacao.
A ana cor lindissima e nao precisa de cuida-
do aJgum para se conservar no tinteiro sempre
eom a metina cor, stm borra, crsta, bolr on aem
ledas estas maaeilas inherentes todas as tintas
at agora eoobecidas, anda mesmo dos melhores
autores eatraagetros.
Sobretodo, este eatimavel producto nao ataea i*
{Masas da ac, antas pelo contrario, a peona
adqwfe nm eamae donrado qoe, asado inters-
asete, ac-a, n/vaitoso.
Sata tinta, nao sendo especialmente para copiar,
a contado duas, tres, oo mais copias ura mes
iepoM de aacripU ; praeo, porm, deixar-lno
f papet bem mottwdo sem e enugar com o mata-
sorrao, porque nao ba o risco de borrar. Para se
Orar mais da urna copia,'uao se agglomeram Un-
tas folhas eeantas copias se quieren tirar, mas
Taa-sa como original tirar i ama tantas quantaa
aedetejam, mn %se o original Qque prejudicado
satas eitraw.
Occorreaaoi djser cma.nara copiar importa
aila intelligetW e taifa |Me, sem o que a me-
lhor Unta So satMfaxrWaeeito reoae sempre
sobra a tinta, muilaa vasas quem menos
A dopia qualMad* daaU tiaU axtremament
aereoavel, poi, quawifa que mqaalqaer
cripta sotTre o choque de cidos fortissimos, sem
se decompr; ora, se os cidos nio tem accio so-
bre ella, muito menos a accio do tompo a pode
destruir; isto plausivel.
Nio s ao commercio qne este mea producto
Ttio ser til; os professores dos collegios, investi-
gando todos os meios para o adiantamento dos
seus diseipulos, tem approveilado esta tinta, que
eom razio a acharam apta para desenvolver o
gosto nos educandos, em consequeneia da beleza
da cor e facilidade de correr na pequea pela sua
liquidez. Ha exemplos de enancas qoe havia
muito tempo tiobam nma repugnancia extrema
para a escripia, logo que foi admittida esta tinta
no coliegio, apoderou-ee deilas a curiosidade e o
goLto, e ponen tempo depois o sea adiantamento
era mailesto.
Esta tinta, i par de tantas vantagens, tem um
uqco inconveniente, deteriora-se ao contacto de
outra qualquer; csnvm pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de outra tinta, e evi-
tar escrever com a peona suja de oma^gasnaracio
difireme e ir.compativel; verificando i* j^nao ha
razio para se usar de liqta que nSoj] | VIO-
LETA EXTRA-FINA DB BlONTBir
labyrintho
O Moseu Elegante vende ricas fronbas de
labyrintho a 640 e 10201', rua Etreita do seda para senboras a 150000,
Rosario n. i. no ultimo vapor.

'v

DROAfiA ESPECIAL
HOMEPATfflCA
DE
JOS' AL VES T
&C.
RUA ESTREITA DOltSARlON.
Jos Alves Thenorio, professor em homeopaibia, tendo-se retirado do
laboratorio homcopatbico e consultorio deseo Ilustre e finado amigo o Dr
Sabino 0. L. Piobo, que por amitos ?nnos estiveram sob sua direceo, tem-
se estabe ecido sob a firma de Jos Alves Tbtnorio dt C, roa etreita do
Rosario n. 3, rnde, animado pela cotfiaoca da bomeopathia, Ibes oflerece e ao res jeitavel publico um completo sorti-
mento de todas as preparases hemeopatbicas eoobecidas, recibidas dasnais
acreditadas catas de L ndres e Pars, e indgenas, bem como tudo quanto
diz re peno a bomeopathia e sua pratica, esperado qoe continuem a apra-
lo coma mesma coofianca, para o que nao se poupar esforgos.
paseos qaib mm
f
Observ
Diversas falsificaeaes, e semelbancas tem .
recido, coja durabilidaJe duvidoaa. Os Srs.
appa-
. bai^inah*.*^ae'maXu'paj iiljjjf11 "' 'V tngano dirigndo-se
Tarsos aaisterH -~ U^wearaaaaatts^sadinclo a Oats qne en
l, botica
i c
i *
CL0BU.OS.
wrnaus
1
*vfaF^wm w
rf
<

I
f
f

000,.'
1100
de 12 medicamentos
24
36 c
48 j
60 # 400
120 *7 ipt.
Sao uteis essas boticas aos Srs. med^r 8ePii0'8 -4* engente, azen-
deirrs, cheles de familia, capilaes de navios, e e feral a^tdosquantos qni-
zerem oedicar-e a pratica da bomeopthif,
M nicamenV s avulsos peLis presos das ontras drogaras, bem como
chocolate deloubjs e po .suran^ para, eso do doeotes em tratamenlo
pelo sysuma bomeopaiiico.
ARMASEM DOS LEOES
RIJA DUIJE DE CAXIAS N. 29 J
Os proprietarios deste( grande e bem montado estabelecimento scientificam^j#
respertavel poblico desta provincia, qne se acham com nm variado e completo sortafen
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos caprlc"
am' dps socios quee acha actoalmente na Earepa, e por isso os podenv-vendej
baratos 20 % menos de qoe em outra qualquer parte. O mesmo te'nr con
os melhores fabricantes daqoelle continente as remessas das mais^Tcas
aiti. Ni officina tem os mais habis artistas deste genero, e jiut isso aptos HWWWrefl
mobillas as mais aperfei^oadas para as casas da provincia cr nsideradas ue primeira
ordem. Pedem, portanto, que veoham visitar dito estabelecimento, onde encontrarte
a realidade do que acabam de expdr, passando a examinaren! : ricas e completas mobilias
de kcarandA, mogno, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
1 Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda louca de
npgoeira, amarello, com tampo de pedra", aparadores de dita, dito, com/dita, petits
He*ttes, especialmente para faserbirba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra*
e maitos outros artigos de ffpfto', que para se n5o tornar enfadonho >rirescindimos de
aer menclo delies, o que^ com a vista poderao preciar.


Para
pree
na te
10/ r ri
.. ...t
CMARA DOS DEPUTADOS.
Ditmto do elemento servil.
(Cootinaacao).
OSa. Almeida Pereira: ... ads, Sr. pre-
sidente, qoe Qlo podemos chegar abun-
dante colheita sem termos procedido a
variado e complexos.trabalhos, temos ce-
cessidade da virtude d previdencia. (Apoiv
dos,)
jar a urna abundante colheita,
be bem que preciso proceder
.operacdes; o lavrador precisa de
lerreoo e i esucio apropriada:
itwr a sesete si para la05ar
depois aiada necessita do cul
tivo esmerado e paciente para depois fazer
aeeweia. Se os oobres ministros tiressem
segoklo este mesmoproeesso... i provave
qot chegassera a resaltados melhores cora
a ua reforma.
O 8*. Perdho Malheiro : A aore
Dio se presenta prompta de om da p >ra
ootro.
O Su. Almeida Perehu :Inelizmento
nlo eaeolberam a e? lacio proprja, d3o es-
coibera o o trreno, nio escoiheram mes-
mo asomante e lancaram-a era trra crna,
onde, s ante ella nao fr devorada pelas
aves damainbas, pelos insectos que des-
troem s semeoteiras, ha de germinar en-
feuda, prodnzndo Crudos que nio bio de
(pensar o trabalho empregado. (Apoia-
dos.)
O Se. Andrade Figueira : Nena isto
prodnzlr pelo vapor e pela electricidade.
(Hilaridade.)
O Sn Almeioa Pereira :-Sr. presiden-
te, infelizmente os honrados ministros, pul-
so qoe n3o se applicam lavoura, e apenas
s de audigSo e da leitura (apoiados), ape-
lar de ser ella o grande ervo do Estado,
na pbrase de om dos antepassados de S. M.
Imperador. SS: EExc. nao a conhecen l>.
nao poderam appiicar este processo nalu'al
para poderem effectoar a sua reforma sem
riscos, sem abalo da nossa sociedade; nio
olharam nem opportonidade, nem olha-
ram nem mesrao sement que traham do
ver fructificar.
Urna reforma desta ordem, que agita j e
vai por o paiz todo om completa ebuli parece que devora ser discotda em occasiio
ero que o imperador se acbasse no paiz
(Apoiados.) Infelizmente al desta oppor-
lai.idade nSo lerobraramse, quando ella
occorre fcilmente a lodos.
Receio. Sr. presidente, que os justos
iomores que nutro como lavrador, como
Inmem poltico, nao possam ser bem aqu
latados pelo nobre presidente do conselho,
S. Exc. jalga qoe a lavoora esj assombrada
sem fundamento; que est acommettida
de um pnico ; que n3o tera raz5o de re-
cetar cousa algoma da proposta do
governo. Eu confesso a V. Exc. qne nao
sei como poder o honrado presidente do
conselho dem ns!rar-nos esta asscrcao, e
combina-la cora o seu parecer no con-
selho de estada, ( Apoiados.)
Se recorro ao que S. Exc. disse no con-
selho de estado, vejo as seguintes palavras:
1 Quando se conferem direitos aos escra-
vos, liram-se direitos aos senhores; a lber-
dade de uns traz comsigo a liberdade de
cutros. E' necessario que a autoridade
do Estado substitua oa a vigilancia, oa
benevolencia dos senhores ; a vigilancia;
augmentando o numero dos Iribunaes on
joize?, das go>rnic3s, das pri?5es, prepa-
rando novos regularaentos de ordem e de
polica.
* Libertar as crianzas e os velhos, deutsT
os adultos se libertarem por sua economa
fra crear familias mixtas, filbos sem pas
pais sem filbos, escolher para os adultos um
caminho iodetermioavel, desorganisar o tra
bal o, misturando livres e ecravos as fa
bricas ruraes, e n5o garantir a estas, senao
seus peiores trabalhadores. Aqu S. Ex1.
referia se ao que tinha dito o duque de Bro-
glie e tradnzia as suas palavras.
O S<\. Perdigao Malheiro : Fez suas
essas palavras.
O Sn F. Belisario: O nobre presi-
dente do conseibo j declarou que n3o de-
fenda mais o ministerio.
O Sr. Almeida Pereira : S. Exc disse
mais adiante: A simples eraancipaco do
ventre escravo, figora-se-lhe como urna me-
dida de contingencias graves. Era sua ex-
psito anterior pond^-rou o que pensa lo-
res moito aotorisadr s disserara e escreveram
contra esta medida em Franca. Entendiam
elles, que a liberlacjo dos filhos, a existen-
cia dess familias mixtas, tornara a escra
vido menos supportavel para os pas, pro-
dqziodo entre estes excitacoes perigosa?.
O Su. Capanema : Isto j nao citacli,
delle. -
O Sr. Almeida Pereira : Disse mais:
-Passar immediatamente da guerra para
uma reforma que pode sobresaltar toda a
populacho, abalar e deprecianfpropriedade
agrcola, causar diminuido multo sensivel
na r^nda nac mal e exigir o emprego de
numerosa torca publica, n5o lbe parece acto
digno da prudencia do governo e das cama-
ras do Brasil. >
Anda dizia mais S. Exc.: Note-se que
essa medida do ventre livre, s por si, nao
isenta de pefigos.
Os perigos da ordem publica e segu-
ranca individual, qoe acompanham, mais ou
menos deperto, as medidas dessa natoreza,
exigiriam um emprego de bracos que du-
rante a guerra, e logo depois della, im-
possivel.
Em vista disto, claro que a lavoura, Sr.
presidente, nao tem temores vaos, como
disse S. Exc. A lavoora tem motivos fon-
dados para crr qoe ella se acbe em con-
dices muito sinistras. (Apoiados.) Nenbum
so dos conselbeiros de estado,- no seo gabi-
te, c^m a precisa reflexad, com serena
Ima, nenhum s delles considerou esta
forma seno sob om aspecto assustador.
iados.)
QoaW|P se veem homens como o finado
maruueajcto^linda, o Sr. Abaet e o Sr.
bario i MonMt. o actual Sr. presidente
do coosolbo, e fiowc Ensebio de Queiroz,
e quasi todos os cofc^lbeiros de estado,
cheios dvreceios e alguaKPeDsana, 1ae
sta reforma nio se poderia e,8ectuar sem
tomarem previamente providencia muito
acertada^, chegando Eusebio de
um dos estadistas mais pratics deste pal
(apoiados,) 3 lembrar que se mandassem
engajar tropas estrangoiras, nos os lavrado-
res, que estamos.collocados no meio do in-
cendio, que havennos ter tranquillidade de
animo, socego de espirito, e nio devemos
ter receios ? (Maito bAQi.)
0-$R
os ebtai
'*.___________
temores que a S. Ed
ira
agaza'bados por S. E
dos estadistas qoe a
binete lavra-am esses
admire, poi?, S, Exc. q
dente, lalvez ignorante,
os
M". prMt-
istes
agora vios
idos,
cabecas a.autorkladt Me)
MtNfl-
>i. Nio se
te a lavoora i'"i
timptoria, tenltt,
mos assombros, o mesaos temores
que y'-Exc j tee.
O Se. Prcidecte do Conselho : O Sr.
cor.selbeiro Euzebio votou pela idea eapiUl
do projecto.
O Sr. Almeioa.Pereira : Isto 4 qo-
t5o diff rante ; V. Exc. no me destoqu o
terreno em queostou.
O Sa. Andradr Figueira :Oaetm t
lavoora qoe est fallando por om orgim
muito competente (Apoiados)
O Sr. Almeida Pereira : V. Exc. ha
de ver-me li chegar se pudor ouvtr-me.'
O Sr. Presidente do Conselho : Entio
o Sr. Euzebio j uo autoridade.
(Ha -outros apartes).
O Sn. Almeida Pereira : Esta nio
questo; estou demonstrando a V. Exc.
que s3o muito justos os c'amores da lavoa,
r,i : ella sabe qual 0 estado do paiz, sabe
que o governo n3o tem meios (apoiadoe)-,|
que o governo nio tem torga pub'ica (apoia-
dos da minora); por isso naturalmente in-
quieta se e vem supplice pedir ao governo
q ie ao menos pare no sea caminho preci-
pitado emquanto prepara ?s providencias e
os meios; que nio a lance na fogoeira sem
recursos, a ella, suas familias e suas pro-
priedades.
Vozes da Minora : Moito bem !
O Sn. Cardos o Fontes: E' om lavra-
dor importante qnem falla I
O Sn. Cruz Machado:E qu j* foi
ministro.
(Ha ootro3 apartes)
O Sr. Almeida Pereira : Se o Sr. pre-
sidente do conseibo oa qualqaer de seus
collegas entrasse por esse interior e, antes
da le decretada aqu, ouvisse o que j se
dir, e lbe podem repetir nwitos fazendei-
ros; eu ere, pois faco juslica ao seo pa-
triotismo e ao de seus coilegas, S. Exc.
bava de arrepender-se do passo qoe estt
dando. (Mutos apoi-dos da minora.)
O Sn, Cnez ,Machado : Nem tinba
somno para dormir. (Ililaraiie.)
O Sr. Almeida Pereira :|l S. Exc. sou-
besse j o estado de insubordinacjto qae se
encontra em mulas fazondas (apoiados);
se ouvisse, o q e posso asegurar desta tri-
buna, por ouvir depessoa's serias, queja os
escravos dizem em muitos lugares que o
seu protector natural oJaprador (muitos
apoiados da minora); WExc. brasileiro,
vendo milhares de familias sujeitas, sem re-
curso, a paxSes selvagens, havia de parar
na sua carreira !
Vozes da Minora :Moito bem.
O Sn. Presidente do Conselho :O in-
cendio, VV. Excs. o esto aticando.
O Su. Almeida Pereira : V. Exc. faz
mal em dizer isso. A
Conscienciosamen#V. Exc. er que eu

eteravo 1
a claas da lavoura
^\9t jffrer
l maito e mais
ella ba de soffrer toda
mM opposico).
mmtkfM \Wt.RA Vianna:-M a lavoora
uribcir
su
fo o valor do seoiescravo, qoe veoholWr
Uar em viste da le, pbrter sobado trcoiro,
qo faz-me etu liberalidide, > qom me
Pflrtos damoosqoe essa oocor.enciapde
caosir-rae? (Muitos apo'ndos da minoro.)
Senhores, era todos os artigos da pro-
posia do gOTsroo eae&ntram se mais oa me-
nos ss moonvtBtes prtticos. A idea
capital da proposta tem dsenvolvimtnio,
dow coolor ama seri d medidas a tea
daasea iamliaN, a bam dos Olhos do ventre
livre p>r flccjlo ; devo crr que o governo
nio os quer entregar ao abandono. E S a
tot tem de exacovarae : sa o fovamo tam
de fazer o regulameoto obrigando ksdaa as
casas a bem da criacjto dss>s iufalixs, eu
desdara que o Sr. presdante do consalbo
me dissassa sa nao tomar providencias para
qoe os senhores nJo obriguem a iervicos
pesados a aacravs grvida, aflm da evitar
qoa ella aporte ? Naturalmente isso dima-
na da pToppsta.
Eu Dio creio qu o governo queira ma-
nifestar a aaa_pbilantropia nicamente am
palavras; qlvo ere/ que quer r mais
adiante e axecutar a le em todo o seu des-
envolvimento. O seo regulamento, pote,
deve abranger todas essas bypotbeses.
E entio pergunto ao Sr. presidente do
conselho : Com taes medidas onde vai pa-
rar a aobordinacio, a disciplina, qoa cons-
titue a forca moral, nica, qne sarve para
manier a ordem nos estabelecimentos ru-
raes ?
Disse bem o duque de Brogiie: v A es-
cravidio deve ser extincta immedialamente
(Apoiados). A escravidio n3o p le depen-
der de meias medidas, porque, quando se
di i direitos aos escravos, impoem-se devo-
res aos senhores (apeados da minora); a
disciplina, nico taco moral qoe prende o
escravo ao senhor, o respeito, que impbe a
sua superioridade, affroxa s naturalmente.
Com ues medidas a obediencia, a subordi-
nagio, desapparecer completamente dos
estabelecimentos roraes. (Mjitos apoiados
da minora). Eu perguntarei ao honrado
Sr. presidente do conselho: Qual ser o
agricultor do nosso'pa z que poder manter
o seu estabelecimento, urna vez que osses
lacos da subordinacio se affroxem rom-
parase? (Apoiados da minora).
Ha de acontecer, Sr. presidente, o que
eu prevejo; se passar proposta do gover-
no, a eraaccip3c3o estar feita no paiz den-
tro de om ou doos straos. (Apartados).
OSa. F. Bkmario :O aobr presidente
do consemo ja" declarou em saos pare-
ceres.
O Sr. Andrade igoira :Ellas sabem
disto e talvez desafam, sem a catagm de
prop lo.
O Sr. Presidente do ConselUo :HiO
de ter a resposta em tempo.
(Ha outros apartes).
O Sr. Almeida Pereira:Desde que o
poder publico, o nico neste pais que ainda
:t Aqailbelra- 4 qo ba da pagar
O Sa. Auhma Pereira :Sr. presidente,
o governo est tranquillo, pensando que isto
lado om vio clamor, orna qoeixa injus-
ta, sem fundamento; nio qoer ver qoe esse
clamor d milbares de cidadlos q :e sem
interess oaahom polit:co vem qoeixar-se,
vam pedir-lhe que pare no seo caminho,
(ando do e laucando suas vistas benficas
sobr tt Mi situac3o torna-se deplora-
val naturalmente, urna vez que passe a pro-
posta ; I todos esses clamores o governo
cerra os ouvidos. E anda o honrado Sr.
presidente do conselho, como nico allivio,
mas offerec a miragem brilhsnte do tra-
balho livre: Toda que o trabalho escra-
vo om trabalho improductivo; o trabalho
averno aso pdde ier-vos intil como o tra-
bajan livre. > E' este mais 00 menos o
pensa ment.
O Sr. Cruz Machado :Niq no nosso
pais; aqu osla Ibase fina, cumple la-
mente.
O Sr. Almeida Pereira : 9. Exc, illus-
tra lo como nao poden Jo occoilar as suas
impreesoes intimas, como consolac3o, diz
lavoura : Vos estaes indivdada, vos nao
tendea meios com o trabalho escravo de II-
bertar-vos da divida: substitu os vossos
bracos escravos por bracos livres. >
Mas aonde, senhores, a lavoora ir bus-
car esses bracos livres ?
O Sr. Gama Cerqueira :Na chioa I
O Sr. Ferreira V'ianna : Na Ingla-
terra !
O Sr. Perdigo Malheiro : Na Asia I
(Hilaridade).
O Sr. Almeida Tereira :Admira que
homens da illusiracSo rado Sr. pre-
sidente do conselho nos mostrem esta bri-
Ihante miragem, que estou certo que nio
deslumhra os seus odios perspicazes, que
devassam longe, no que lbe faco jost'ca t
O Sr. Presidente do Conseuk> : NSo
eoonciei esta proposicio. O que disse est
escripto no meo ditcorso. (Apoiados).
O Sr. Almeida Pereira : Quando se
sa^e o qoe occorreu em todas as colonias
em que o trabalho escravo desappareceu ;
que as colonias francezas logo qoe abolio-se
a escfavidao tiveram de passar por lerri-
veis desastres, dos qnaes aiada boje n3o se
poderam restabeleeer; nem ao menos para
ganbar a mesma situado qae tiobam antes
da aboco; qu as colonias inglezas fica-
rara collocadas na mesma situacSo ; qoe
membro de uraa extensa familia agrcola, tem Lrca, em vez de collo:ar-sj no decli-
(A*
representante de immensos interesses agn
colas, vria commetter a leviandade de levan-
tar a fugue ra para queimar-me, a minha
raulher, a meus filhos e minha familia ?
(Muitos apoiados da mhoria.)
O Sr. Andrade Figueira:S o pode-
riara fazer aquellos que nada tra a per-
der.
(Ha outros apartes)
O Sn. Almeida Pereira :Sr. presidente,
o que j est acontoceodo no paiz foi pre-
visto por S. Exc. e por grandes estadistas
no conselho de oslado ; o meemo que j
acoleceu cm outros lugares, em qoe pre-
cipitadamente ie tratoude fazer a abolicao
(Apoiados da minora.)
Sinhores, compro o meu dever expoodo
os perigos; tranquillo na minha consciencia,
manifeo o meu pnsameoto com toda a
franqueza ; pare o gabinete na senda em
que vai, que, precisando domen fraco apoio,
estarei promplo a dar-lhe em outras ques-
tes, mas nunca nesta
O Sn..Cruz Machado :V. Exc. n3o veto
fazer poltica.
O Sr. Almeida Pereira :Eu nSo desejo
ver os oobres ministros fra das suas cadei-
ras; desejo nicamente que consoltem me-
Ihoi as circunstancias, e que os interesses
d> p:z q3o sejam sacrificados precipita-
gao. (Muito beiu)
O Sr. Andrade Figueira :Estamos to-
dos de accordo.
O Sr. Almeida Pereira :Mas dizem os
honrados ministros: Os vossos temores
sao v3os; a proposta do governo nSo en-
cerra nenhuma medida que possa perturbar
a sobordiojcio, a obadiencia dos escravos
Entretanto, senhores, o contrario o qoe
vemos em toda a proposta. Vemos a auto-
ridade publica ntervndo nos estabelecimen
tos ruraes, porque eu nSo creio que as dis-
posifoes que se achara na proposta tenham
de reduzir-se a Lira mora : urna vez esta
belecido o peculio para os escravos, impos
to pela lei, necessarto qoe a autoridade
inlervenha (apoiados), qoe v aos estabelf*
cimentos roraes receber em algons casos
talvez a denuncia do proprio escravo con-
tra o seu senhor, quando o'Agorar como
teodo-lhe roubado ama parte do fructo das
suas economas. (Apoiados da minora.)
O Sr. Cruz Machado :Estabelecido o
ventre livre,' a aotoridade ir verificar os
abortos. (Risadas.)
O Sr Andrade Figueira :Este germen
de regulamento do governo ha de desenvol-
ver-so.
(Ha outros apartes.)
O Sr. Almeida Pereira :S. Exc. ainda
ha de ver os inconvenientes pratics do rs-
gate toreado pela liberalidade de outrem,
que impoe o artigo qoe se acba em discus-
s3o. O que ha de acontecer com essa dis
posicio, senhores, sabemos nos qne temos
es estabelecimentos roraes e vivemos no in-
terior, conhecendo bem o qoe sio nossas
autoridades lojaes, apaixonadas, especial-
mente em lempos de eleicas. Quando o
vjsnho ea o inimigo poltico ("apoiados) en-
tender qae deve caosar-me om desgost e
vingar-se/nads mais tem a fazer do qoa en-
tender se com a aotoridade, e em nome da
liberalidade vir arrancar do meo estabele-
cimento o escravo de grande prestimo, ne -
necessario, e mesmo s vezas indispensayel.
(Apoiados.) E muitas v.-zes que damno nao
[causar a sabida desse escravo ? t Ha es-
cravos especiaes que pi pdem ser dispen-
sados do servico da fazenda em certas occi-
s.es sem g>avts transtornof.
Eu quera pergoptar a S. Exc, o Sr. pre-
sidente do cooselho/que ni> ^onbece talvez
plan-
trophes do golpbo, reinanflH
ao continente. >
A respailo das colonias francezas
Cocbin :
< I* necessario convir que imaort>ntes
caltruas foram abaodoimdas, cootboou-se
a neglfgenciar o caf, ni vez par s ter
exaorido demais a trra, mas a caana a
que tanto sacrificoo-se, 1o\ em mais de om
ponto abandonada, u nio o neg.
O Sa. JujipUEiiiA : Agora j est produ-
zindo qjasi tanto como antes.
O Sr. Gama Cerouhr-v. : Est enga-
ado.
O Sr. Almeida Pereira,: Perdoe-mo
o nobre deputado. Isto succedia nos Es-
tados-Unidos, o de todos cs sabemos que
a correte da emigraba o espantosa, onde
no anuo pastado mais d 200.000 immi-
grantes desembarcaran).
O Sr. Junoit.iiu .Esses nio sio
tadores de algodio.
O Sr. Almeida Pereira :Eu estoa fal-
lando dos fabrcanies de assucar; vamos,
porm, ao algodio.
Diz Strauss :
as mais favoraveis circomstan i s nio
se pode comtodo esperar mais que metade
do trabalho fornecido pelos escravos antes
de 1861, p rque a introdcelo do elemen-
to do trabalho branco nio pode dei-
xar de ser tanta e gradual, sobretodo em-
quaiito os Erados do Sul nio esliverem
collocados em pe de igualdade com os do
Norte; de sorle que daqui a cinco ou seis
annos as colheitas de algodio nos Estados-
Unidos nio excederSo a 50 / da media
dos cinco annos anteriores guerra, crea
de 2 a 2 1/2 milhoes de balas.
Em relacio so algodio, Sr. presidente,
o que acontecen ? Os -Estados-Unidos,
que exportaram um anno antes di guerra
cerca de cinco milhes de balas de algodio,
ainda boje, apezar de terem concentrado a
atteacio especialmente sobre esta cultora,
que considerara mais fcil e vanlajosa, a
produccio nao chegou a tres milhoes ue
balas, Dotando-se que isto agora, j mui-
tos anuos depois da guerra.
Se olharmos para outros productos dos
Estados Unidos, como olopuo, o milbo, a
aveiu, o fumo, o arroz, etc., v-se qoe den-
se a mesma dimouicio mais ou meaos.
Basta se ver que a divida publica dos
Eslados-Unidos em 1 e julho de 1861,
antes da guerra, era de 117,430,035 dol-
lars. e em Io de julho de 1869 de......
2,597,750,035 dollars, para avaliar se os
acontecimeolos.
Apresenia-se tambera o argumento de
Voz oa Mawru : Quando mfl
Ociando fui isso ?
Par MomkkM lama sofam-
iodia llmUr-w a
seibo.
0*Sa
oidade nio _
solacio do-momento, a mero
tra o acto qoe sascitara lio 1
ella ta alm : conaagrajva ai
de rparacia. ptaa pira O
os acontecmentos chamassem
partido que o coolrabio.
Vencido j era em li de metade o es-
tadio aaaif nado a cada partido para oppo-
sicio oa governo ; a v ra 'mgica da divi-
sio j havia rompido as fileiru do partido
liberal, eolio ao poder; orna sitoicao con-
servadora nio era tda qoe pakassa na in-
certas regios da conjectura, ma fondada
esperaoca para os asptritas privilegiados,
que connecjm o mysterioso fio qae encadea
os successos da nossa vida poltica.
Com effnito, algom temp > depois t* -
voz, que o parrido conservador se bavia
habituado a ouvir eom veneracio, om
urna cooBanca nono desmentida e nem tra-
bida, fazia soar no parlamento e echoar em
todo o paiz a. palavra ani3o como eondicao
de (orea para sostentar grande respaast-
hilidade da direcelo do Estado.
Era a al ve rada do glorioso 10 de jffclbo.
coja manbia tio serena o esplendida nio
deixra antever a novem negra qoa iota do
envolver-lhe a tardo am madonna tempes-
tada.
Sim, stnbore, a patarra oui3o daqpel-
les das eootrapoe-ge aoje palavr dvisio,
como aseen-5o do partido eotao se con-
trapod boje a sua deca^ncia ; aanarasta
entre a primeicas espennoas da vida e as
ultimas afonas da merle. (Muito bem.)
Subir, amm, ao poder o partidooansf*
vador, guiado pelo v#oer*ndo -chafe o Sr.
visconde ltaborai y, (apoiados), qw a seo,
lado levava posicao te ministro o Ilustre
estadista boje presdeme do conselho.
Prmittiram as circamatancias de nossa
poltica no ftio da PYataaae mais completa
fosse a separac3o. S\ Eac. fc4 ao mesmo
lempo restaurado na importante miseSo, da
qual em 1865 tinba sido arredado com a
crueza de que se qoeixira.
empenho solemne- eslava solemnemeo
lo cumprido, e o ilustre estadista honrosa-
mente titulado entre os cheles do partido
conservador.
Farei aqoi urna coaoideracio, que mais
#-
ve da monlanha para deter a pedra qoe j
tinha comecado a rolar, assome a responsa-
bilidade de promover a emancipado e tenia
impelli-la ainda mais ligeiro, oio ba poder
nenhum neste paiz que possa evitar a abo
lico imnrediata. (Apoiados da maioria)..
O Sr. Presidente do Conselho : Aire-
sisleocia que ba de trazer este resallado.
O Sr. Cruz Machado : E' a cachdera
de Paulo Affonsj.qoe nio tem volta. (Ri-
sadas).
(Ha outros apartes). ,A *
O Sn. Almeida Pereira : Isto qa es-
tou dzendo me parece nio merecer a itten-
Cio do Sr. presidente do conselho, justa-
mente aquillo que S. Exc. disse no conselho
de estado. (Oocam! Oucam I) Eu vou lr
as suas palavras: Receiando estas conse-
quencias entre nos, e que, portanto, falhera
as previsoes do legislador, impellinio-nos
torca dos acontecimentos, para a abolc3o
total e mmedata, fui muito cauteloso na
resposta ao qoesito da opportunidade. 1
O Sr. Andrade Figueira :Este parecer
j antediluviano,depois delle veio a pro-
paganda.
O Sn. Evangelista Lobato : Este meio
o que offerece menos perigos.
(Ha outros apartes).
O Sr. Almeida Pereira:Eu nio du-
vido que este seja o meio, que menos peri-
gos offereca; quero conceder por hypolhe-
se, qne assm saja ; mas o que conclue-3e
d'aqui ? Naturalmente que todos os meios
sio mos; que todos, mais ou menos, f-
cilmente podem conduzir ao mesmo resul-
tado. Desde que o governo, em vez de
proceder como o governo de Inglaterra, qae
resisti sempre aos cantos da serea, sus-
tentando palmo a palmo a sua poscio, n3o
cedendo seno i torca da necessidade ; des-
de qoe o governo em cujo paiz precipitou
a soiuco do grave problema com o seo
voto, decisivo, nio ha mais Dada qoe espe-
raras, salvo se o patriotismo dos honrados
0|ipjlros, mais bem Iluminado, os flzesse
pWre esforcar-se por deter ainia na rpi-
da carreira a pedra que vai rolando. Mes
mo assim, Sr. presidente, eu nio sei se o
governo ainda tem torcas para fazo-lo!
(Apoiados).
O Sr. PkrdigAo Malhiro:Elles tam_-
bem estio no declive; rolam com a pedra.
O Sr. Almeida Pbreira :Diz-se, po
rm, senhores, que todo iste
grande democracia dos Estados-Unidos da
Arafrica do Norta passeu por orna crse
medonha, da qanl aindf nio poda vrar se,
nem poner faz to, apezar dos seus im-
mensos^|carsos, senao no Qm de muitos
annos (apoiados), qoe se vem dizer-nos
como objeclo de pouco momento : Aban -
donai os bracos escravos; substttui-os pelo
trabalho livre I
fcil, Sr. presidente, enanciar-se boni-
tas ideas sem descer sna demonstrado.
Ea desojara qoe S Exc. me dssesse, se
nio sabe dos ensaios que Qzeram alguns
lavradores, tentando introduzir as sua< fa-
zenda s bracos livres ? t O honrado presi-
dente desta cmara te ve colonos a su 1 fa-
zenda ; eu desejava perguntar-lhe se pode
mant-los e utisa-los com vantagens no
seo estabelecimento rural.
O Sr. Crcz Machado : O Sr. veador
Nicolao Valle da Gama e outros mais tam-
bem tiveram, e os nao puderam manier.
O Sr. Almeida Pereira : O que nos
vemos na historia do todos os povos que
admittiram infelizmente a instiluico da es-
cravidio e depois foram compellidos pela
natoreza das cousas e torca dos aconteci-
mentos a abol-la, foi cousa diversa : todos
passaram por urna crise medonba; a falta
do trabaioo irouxe a dos productos, preju-
dicando n3o someote aos-productos, mas
tanbem aos consumidores. Se S. Exc.
lembrar-se do que sueco leu nos Estados-
Unidos, ha de concordar commigo que a
crise alli foi medonba, e que no nosso paiz
ella ba de ter urna intensidade, como nao
teve em parte alguma. (ApojWos da oppo-
sicSo).
O Sr. Fontes : As nossas condicOas
s3o difieren tes; nao temos industrias.
O Sr. Almeida Pereira :Ss S. Exc
lesse o que eu li em um jornal americano,
isto que os trabalhadores 1 vres empre-
gaos em algaos estabelecimentos de cal-
tura de algodo abandonaran! na occasi3o
da colheita os estabelecimentos, uns porque
acbaram salarios mais elevados em outros
lugares, e outros imperados pela m ven-
tado e pela ociosidade, cansando a esses
agricultores graves Jaranos, porque de
prompto nao podiara substitui-los, S. Exc.
havia de ver qoe o trabalho livre nos nos-
sos estabelecimentos ruraes, com especiali-
dade nos qua se entregara a certas culturas,
r3o pode dar essas vantagens que prev.
Um Sr. Deputado :Prepara-se nova e
grande crise no sol dos Estados-Unidos.
O Sr. Almeida Pereira : Eu vou 1er
a S. Exc. o qae occorreu Da Luiziania, e
chamo a attencio 'da cmara para este
ponto.
Diz Strauss:
c Antes da guerra a Luiziania possuia
1,291 fabricas de assucar, das qoaes 1,027
tiobam j adoptado os mais aperfeiepado
processos de fabrico, machinas a vapor de
torca de 36 cavallos, sobstiluiodo aos ami-
gos apparelhos, movidos a braco, para a
gos da proposta do governo, e ha de se en-
contrar em todos mais bu menos disposicSo
que tenda a affrouxar a torca moral do seJ
nbor sobre o escravo.
Entretanto, suppoem os honrados minis-
tros qne os lavradores nao teem jusioi te-
mores ; elles e todos os senhores de escra-
vos hio de ver os effeitos da insuberdina-
cio e indisciplina.
Sr. presidente, tem-se procurado fazer
sentir qoe somente a lavoora a onica in-
teressada nesta grande qoestio; precia-)
para isto desconhecer se este paiz I (Apo:
dos). Apa:t.i-vos da lavoora, deixai 01 k
estabelecimentos, e eo vos pergatoio /Nio
vedes nos nossos navios mercante! aojiado
do marinheiro livre milbares de bracos es-
cravos? NSo vedes ah nessas peqoenis in-
dustrias ateantes, que vio lentamente
surgindo, ao lado de bracos livres moitos
bracos escravos ? (Apoiados). Nio vedes
meemo at nesta indastria de modas, com
qoe sa ataviara as vossas mulheres, ao lado
das mo distas livres a modista escra va f (A-
ppitdos). A escravidi) neste paiz, preciso
nio ptrder d vista, est infiltrada em lodo
o organismo, faz parte integrante de todo o
?
que os Estados livres da America do Norte tardi aproveitar. A missio diplomtica,
vios tem^rej^' La-se qoalquer dos arii xtraccio do caldo sobre as 23i plantacOet,
que fleam as cannas anda esmagadas por
mel de eogenhos a animaos.
c Eo 1866 apenas bavhm na Luiziania
475 fabricas em activdade; prodozram
6,755 bocoies (pipas) de todos os tamanhos
e qualidades, comprehendendo o fondo de
forma.
Este mesmo escriptor traz-nos a tabella
da produccio om anno antes da guerra, e
diz-nos que a produccio Subir a 390,232
bocoies coatra 6,755 depois da guerra.
Adiante diz o mesm :
E* verdde qu aoje estabelecea-s a
az, o tal sabmelteu se, mas est por
jngos annos arruinado em suas principaes
cultoris.lentre outras a da-cana de assucar,
Qg|jnida na Amenea *
lituicio servil, Jer isso nuoca o
dar reergoer a Indastria assocarei
ts qoe a revolocio social, proveniente
roioa da oligarchia territorial dos antigs
Estados Coa federados, teoha repercutido
aas colonias, de escravos bespanholas, o
qae nio tardar; pos impossivel suppr
que o carcter conbecido dos Americanos
sopporte qae o rgimen odioso, pelo qual
tanto sa btslhoo, perdure as aguas lirnt-
produziram sempre muito mais que os do
Sul, para mostrar-se a vaatagem do traba-
lho livre alli, E' um argumento qu? nio
tem procedencia, Comparaes o trabalho
de cerca do duplo de borneas livres qoe
existiam nos Estados livres com o de me-
tade de trabalhadores livres e escravos do
Sul, e queris que o Sul produzbse a mes-
ma cousa ? Mo um argumento im proce-
dente. (Apoiados.)
Se acontecer-nos a desgraca de vermes
de improviso o trabalho escravo desappare-
cer do paiz, a crise ha de ser medonba, e-
niugpem pode rae rao dizer qual ser a sua
intensidade. ( Apoiados.) Se li nos Es-
tados-Unidos, ondeba canaes, extensas re-
des de caminhos de ferro, onde ha urna
navegacSo caidada, ama industria fabril ri-
val dada Europa, onde ha iosiruceio pro-
fesional, acontece rW, o que deve aconte-
cer a este infeliz paiz? (Apoiados.)
Sr. presidente, sinlo-me muito fatigado;
nio posso proseguir por mais tempo. Na-
turalmente bei de ter occasiio de voltar de
novo a tribuna, e entio exporei ainda mais
desenvi lvidamenle o mea procedimento
Sob'e esta grave questo. Entretanto per-
mtame o gabinete que eufaca um pedido.
(Oocam I).
Peco aos nobres ministros que procuren)
acalmar o seu enthusiasrao, na j qneiram ir
aps da nuvem doorada qae corre veloz,
e se escapa fugitiva no espaco ; nio se
deixem deslumhrar por ella; baixem os
olbos, emquanto tempo, que adiante de
seus ps est o abysmo do paiz. (Muito
bem, muito bem.)
O Sr. Gama Cerqueira :E' um discur-
so irrespondivel I
(O orador felicitado por grande numo-
ro de Srs. deputados.)
O SR. PItfTO MOREIRA : Assigna-
lando as circumstancias que tornaram pos-
sveis esta situarlo, este ministerio e esta
reforma, e referiado-me ao facto, que a
meus olhos o primeiro tu ordem enrono-
logica e principal entre as causas, eu dizia
que, nao ha muito lempo, am dos nossos
estadistas em sessio do senado formulara
a segrate queixa...
Pergunto a V. Exc. Sr. presidente, se,
as nicas intencoes que se podem altribnir
a um deputado, ea techo o direito de re-
produzir aqu palavras que foram proferidas
na oulra casa do parlamento, e que esli
registradas neste archivo do dominio pu-
blico. (Mostrando Os Annaes do senado.)
O Sr. Presidente : Desde que as
tixpressoes foram proferidas em qualq :or
das casas do parlamento sem reclamacio
ea entendo qae V. Exc. as pode reproduir.
(Apoiados.)
O Sr. Pinto Moreira : Agradeco a V.
Exc. esta declaraco. As intengoes do de-
putado' e a liberdade da tribuna nio podem
estar nunca debaixo de suspeigio. (Apoia
do ; muito bem.)
Bruscamente demittido de certa missio
diplomtica em 1865, o nobre presidente
do conseibo, citando Chateaubriand, se
queixara dizendo qne demitti-lo assim era
o mesmo qoe enxota-lo como a om lacaio
qne furtasse o relogio do re sobre a mesa
de sua cbamin.
Sobre estas palavras assentarei minhas
consi leracoes; serio como a chave' da pri-
raeira parte do meu discurso.
Contm ellas, Sr. presidente, nio s urna
queixa amarga, senio tambera urna denuncia
tremenda, qoe allumia com lgubre clario
a deploravel situagio em que tomos eolio
cados. verdade que esse clario nio nos
aproveiti boje a nos mais do que ao vian-
dante o relmpago qae em tempestuosa ooa-
te o convence de que, desviado do sen ca-
minho, elle est em perigosas paragens, e
suLpo- que scassea j o terreno que o separa de
i4 ta taevitavaL||umo, (Apoiados.)
A qm o pela justica de seus funda-
^avmoaUias que nos cora-
Cbes magnnimos i Bartam sempre os op-
prlmidos do poder, 1 W^DQtro mo
tivo, associados ao inca valor pes-
soal, ella abri ao RraRra estadista gene-!
flj. festiva e solemnsima readmissio'no
gremio do partido coose vador. d'onde te
ins-
condozindoo nobre presidente d conselho
para fra do Imperio, o separoo do partido
e da cmara nos doos primeiros anuos da
legislatura : nio podo cultivar essa corres-
pondencia de ideas e sentimentos, d'onde.
nasce a solidariedade que liga o chefe ao
[partido, o ministro cmara.
E com relami ao aajumpto da reforma
servil os actos da cmara se manifestaran! o
muito cuidado que essa reforma me mere-
ca, por ootro lado atlestaram qae ella nio
julgava sofficientas os elementos tolligidos
para urna solaceo prompta e definitiva.
(Apoiados.) Reconheca que era tempo de-
estudar seriamente a qoestio, e de pre-
parar-lhe a solacio ; mas, adiando opro-
fcto que urna coramissio sua elaborara,
declarou, em solemne confirmacio das
ideas enunciadas pelo Sr. visconde de Ita-
borahy, que nenhum dos planos at entio
propostos podia ser aceito sem grande pe-
rigo para o paiz.
Estes lacios qoe estad em nossos Annaei
mostram qual o senUmnto da cmara ainda
nos ltimos das da sessio do anno passa-
do, e qoe, portante, nio oferecia ella pon-
to de apoio a urna poltica inteiramente op-
posta, como a do ministerio actual, caja
missio se encerra na proposta do elemento
servil.
Mostrarei d'aqo a poaco onde estavam
as torcas, os meios com que o nobre pre-
sidente do conselho podia contar p>ara sao-
prir, e at ceno ponto vencer a forca do
partido e da cmara que cootrariavam a
soa empresa.
A retirada do ministerio de 16 de juibo
deixava o nobre presidenta do conselho oa
posicio vantajosa que j assignalei.
Passare por alto sobre o gabinete de 29
de setembro: sua curtissima existencia con-
sumio-se na laboriosa orgam'sagSo dos ele-
mentos internos, a qual nunca ebegou a
completarse ; neobuma alterago pode elle
operar no espirito da cmara e do paiz.
Em relacio reforma servil, a situago
era a mesma quando o nobre presidente do
conselho, pelas razSas que jawpxpuz, pode
ser chamado a organizar miniflario em no-
me do partido conservador.
At aqui a qoeixa, vamos a deaoncia.
Eu disse, Sr. presidente, qae as palavras
do nobre presidente do conselho, por mim
reproduzidas, continbam tambera ama tre-
menda denuncia; dire agora qoe S. Exc.
[denunciara a prepotencia governamental
armada de formidaveis recursos, e capaz
dos actos mais violentos para opprmir o ci-
dadio e o paiz. (Apoiados da minora.)
Nioguem pode conhecer tio bam a torca
a iptimidade da prepotencia, cmo aquello
qu a tenha urna vez experimentado sendo
victima. Ora, 60 masmo Sr. presidente do
conselho qaem, enllocado nestas condices,
assignalou em linguagem accentuada t exis
tencia dessa prepotencia governamental, que
moitos ootros j indicaram como cansa da
degeneracio de nosso systema poltico.
(Apoiados.)
Nioguem a conhece melhor, assm como
as armas formidaveis, que ella pode e eos-
foma empregar. Duas destas armas, as
mais eCQcazes, S. Exc. contempla com es-
pecial meocio.
Urna a vontade imperial, qae tora in-
vocada para mais aggravar a offensa de
que S. Exc te queixa va
Est em sea discurso : e nio possivel
contestar a influencia immensa qae o dis-
lincto estadista reconbece neste meio qaando
posto em accio para a consecugio de qoal -
quer intento. (Apoiados da minora.)
E por isso que tanto contrista aos mo-
narebistas da conslitoicio ver (we oa facto,
que at ha poaco era tido como" 1 wpeila
de cerros espiritos nimiamente desconfiados,
vai tomando os visos e as propoi
convicelo geral, qao, cedo oa tarde, trar
toas fataet conseqaeadtj. (Apoi
A vontade imperial- foi sabiamente en-
cerrada pela constituido em om sacrario,
do qual nio deve sabir noncpara coover-
ter-seeminstroownto poltico de qotlqoer
jd^por melhor qoe ella taja. A sua grto-
flicadmii np do tea perigo1

r~w
nr
i t
.1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAXAGOUX7_UWUUF6 INGEST_TIME 2013-09-16T21:02:10Z PACKAGE AA00011611_12475
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES