Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12471


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-*
1
',-
4NN0 XLVII. NUMERO 195
TAJA A CAPITAL'I LUGAHES OSDE AO SE PACA POOTI.
&*r {r^^km adim Um........ ..... 6|000
*t tf^^iMD................. ,24000
torom*oooi,lBm.. ................... S4#000
** auaaaro avolao................., .- 320
DOMINGO 27 DE AGOSTO DE 1871.
PAlA DIITHO I TOSA DA FIOTUCU.
Por Ues nezea adiantados .
Per sois dito* dem. .
Por non ditos dem .
Por odi auno dea .
...
IUW0
OIMo
17I00O
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filho.
A Aam:
Ot Srs. Gerardo Antonio Alves d Filhos, no Para ; Goncalvea Pinto, no Maranhio ; Joaqrjim Jos de OBteira & Fbo, no Cear.t Antonio de Leaof Braja, no Aracatj ; Jlo Mam Jolio Chavea, no Aae ; Antonio Marques da Sifra, no Natal Joae v$t
Pereira d'Almeida, era Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na. Vil* da Penha; Belarmino doa Santos BoJeio, em Santo Antio; Domingoa Jos da CoaU Braga,
m Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyaona; Francino Tavaros da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alm na Babia; e leiie, Serqainoo C. no Rio de Janeiro.
' I I M -------------------------'---------------------------------------- ____ '
9

PARTE OITICIAL.
lepar tica o da M lela.
1.* eeecio Secretaria da polica de Pernarabn-
eo, 26 de agosto de 1871.
N. 1168. Ulna e Exra. Sr.Levo ao conheei-
meato Se V. Exc. qae, segundo consta das p.irti-
ciaatSet recebidas hoje. n'esta reparliglo, forano
ooatara reeolbidos i casa de detenglo os segrales
inIMduos:
A'orJem do sabd legirlo de S. J >s, Joaquina,
oscrayo -de Manoel Paolo de Albuquerque ; a re-
tfaejtpentj dests por crime de furto de cavallos.
- A' crJem d> da Boa-Vista, Theresa Mara de
Jeaaa, Pedro Ivo de Souza e Laiza lgn da* Ser disturbios.
Par ollcio da 18 deste mez, communicou-me o
delegado de Papa'aga, qae oo da 13, ni sitio de
nominado Varginh, do districto -daquella villa,
Manoel Laizda Silva, ferio com.uma fajada a Luiz
Bispo Francisco Duarte, que por sua vez ferio tara-
bea a sea aggressor com ootra faca Ja, sendo cura-
olice em semelbatite Neto criminoso, Agostinho
Ferreira dos Santos, irmio de Manoel Luiz da Sil-
va ; que procedeu-se as vis lorias ; trata se de ins-
taurar-se o competente processo contra os delin-
quales, os quaes ja se acham recolbidos a respec-
tiva eadeia.
Deas guarde a V. ExcIlim. e Exm. Sr. Dr.
Manoel do Nascimento Mchalo Portella, vice-
presi lente da provincia.O chefe de polica, Her-
mojenet Scrates Tacares de Vasconcellos.
OIlBIO DE PEBNAMBUCO
RECIPE, 20 DE AGOSTO DE 1871.
Noticias da Europa.
Orejando satisfazse n > todo a aociedade de nos
sos leilores pelas noticias do velho continente, vi-
raos hoje dar o resultado da nova revista que pas-
camos aoe j aroaes recebiJos pelo Ndo e pelo Cog-
MMK.
PIAKO*.
O prmeiro assumpto de que tratar o con-
seluo municipal de Paris o emprestimo de 600
railhis de francos, do qual tanto se teui fllalo.
Metade daases 600 railhSes dedicar-se-liSo a re
embolsar as quantias que pediram ao banco de Pa-
rs e ao crdito territorial, e o restante a lar maior
mpu!so s obras de reconstrucglo.
Conhecem se perfeitamente os emprestimos da
cidade de Paris, mas nao succede assira com os
recursos que conta para pagar os juros e a ini
poriincia delles, asesar do interese iiie isto deve
inspirar.
O ornamente da eidade de Paris eomprehen-
ie quatro divisoes principaes : l. As despezas
orJinarias aonuaet; 9. As despezar extraor-
dinarias ; 3. A espezas supplemeniares : 4..
As despezas oo coniprehendidas as fundos espe-
dan.
A primeira livislo consta d" dous cap lulos :
'-' n vi.ta rnuni.-^yi ^i...j,,/.. annuaes): 2." 0-s- i
****mKm\t (\ iilil ln laasHiilUnaa
portara ea IHf a quaotia de 46,003:137Tran-
co3; tocam a este capitulo despezas mai consi-
derareis, e prjucipiam addiclondndo-lhs todo o pe-
so do emprestimo de 1869, caja ultima entrega de
via cffectuar-se em. novembro de 1870, e alen
disw ioeluir-se-ha tambara nella a divida contra-
iiia com varias eas^s bancanarpara o pajramento
da algans railbSes de francos, que se impuzeram
a cilade no armisticio de 28 de Janeiro de 1871 e
depois os fundos que ajiantaram o bahio de Paris
c varios particulares pira liquidar toda a especia
de despezas obrigalorias durante o cerco.
E' impo-sivel que a cidade nao se veja com
grandes difflculdades fioanceiro?, se qnzer cum-
prir os compronnissoi que tem conlrahidos ou qae
as eireumstancits podem impor Ihe ; para cobrir
todas as despezas extraordinarias preciso emittlr
ura erapresmo de 700 milb3es de francos. Tai-
vez se emitta por duas vezes, mas desde j se p
de dizer com toda a seguran^ que essa quintia
a minima que se pode flxar".
O segundo capitulo contm as despezas ordi-
uarias, qae em 18G0 somraavatn 8o,3lo:03i fran-
cos.
O oeendio do Hotel de Ville o:casionou a ins-
tallaco das secretarias m palacio do Lnxembar-
' go, e n'outros edilicios pblicos, para o que sero
precisas quantias de alguma importancia.
i Durante os dous raezes da communa tojas as
secretarias foram desordenadas, pagando-se aos
rapregados sem qoe trabalhissem, e causando
fjorlanto perdas de consideraco. As vinte mairie3
de Paris consumiram enorm'es quantias para o
servico dos foroeeimentos .municipaes e para os
Tatos e sold da guarda nacional.
Toda* estas despezas iro incluidas no orca-
uiento de 1870-1871. Alm disto forgoso aug-
mentar a forca da guarda de Paris, e isto faK n-
#urar tres nilhues mais no orea-nento municipal,
e o mesmo succede com os agentes de polica. E
tinalmente.deve fazer-se mil outras despezas oca-
sionadas todas pela guerra e pela communa, che-
gando assira a importancia desse capitulo a urna
juantia fabulosa.
A seganda divisao (despezas extraordinarias),
compos-3e tambera de dous captulos.
O primeiro consiste na divida municipal (devo-
lui;o do capital). Este capitulo deve ler augmen-
tado por se Ihe accresccntar as despezas indicadas
oo primeiro capitulo da primeira divisao.
O segundo capitulo refere-se assisteacia pu-
blica e tem que augmentar-se-lhe as de-pezas da
recoostraeclo do edificio destinado para este fim,
qae foi incendiado em 23 de maio pelos da com-
muna. Neste capitulo se incluem tambem toda a
especie de trabalbos, coneertos etc.
Por am lado preciso que Paris cumpra as
suas obrigaooes, cootinoando ou terminando os
traballios que foram ordenados desde 1831 at
1869, e per outrj dve fazer com que desappare
f.tm as romas de Paris. Tambera nos incendios
de casas particulares tem urna parte de responsa-
bilidade o mnnieipio. As duas ultimas dtvisoes
relativas a despezas suppleaieotares e a despezas
sobre fondos especiaos, compdera o total das trans-
tccSes fluanceiras que a cidade contratou para
suffragar as necesidades da oceasiio.
Depois de qoe fica dito sobre a necessidade de
reccorrer a um emprestimo, estas duas div ses
terio om netavel augmento. A somma total em
1909 imporuva 194,101823 francos, e pJe asse-
gnrar-se qoe em 1871 subir a mil milhoes.
Os recursos da eidade de Paris sao era tndo
rgtraes aos das demals cilades de Franca, o in-
gresso mais importante da cidade o dos consu-
mos, foe em 1869 produzio mais 100 milhoes de
francos; mas as suas recettas ordinarias elsvara-
se a 157 mlindes de francos, isto a maito mais
d9 qae precisa para cobrir as suas despezas, re-
salanlo ama sobra le metlico com que, durante
os 19 anuos de imperio, se Iransformou Paris. Os
desastres la creo e da commam diminuiran! as
Tiferjai porque dorante o primeiro annallaram-se
)s diferios de eonsotmo, e a comoaoa gastou todas
u quantias reeebidas. depois do armisticio. De
nodo qae e manlcipio eacontra-so n'uma poslcao
.lUBeilima, la qual nao poder sahir tem grandes
esoteos.
k eommisslo parlamentar da asssembla na
klcual franeeu ama das qae trabalham com
nuis aflnep entre as seec3es parlamentares. Im
posrtJilttala de terminar o sea trabalhoantes
d'alguns tn z's, quiz dar a luz pelo menos antes
das ferias non especie de prefacio que sirva para
se fazer idea da sua obra e tranqailliso al ceno
ponto es nimos da i mu tas pessoas a s sus t idas
pela noticia do amor tardo que no Sr. Thiers se
ha vi a despertado pela milicia nacional.
Para esse fim pnblieoa j o ltalo primeiro da
lei que prepara, o qual pela sua importancia,
interessanle iraduzir.
Diz assim :
Disposicdes geraes.
Art. 1.a Todo o francs obligado ao servco
militar pessoal.
Art 2. i\ao haver as tropas franeezas ne n
premio em dinheiro, nem nenhuma gratifleacao de
alistamento.
Art. 3.* De 90 a 40 annos, tolo o frnacez qne
nao uver sido declarado improprio para o servi-
do militar p le ser chamado a fazer parte do exer-
cito activo e das reservas, segundo o modo deter-
minado pela lei
< Art. 4.* A substiiuic.lo fica supprimida. As
dispeosaa do servico, as condic5es especificadas
pela lei, nao sao concedidas a titulo de licenc,a de-
finitiva.
a Art. 5.* Os militares que se -acharem em ar-
mas nao podem em ca*o algum tomar parte em
votagSes.
Art. 6." Nao deve existir fra do exercito
activo e das reservas, nenhum corpo organisado
em armas. Portanto, a guarda nacional nca dis-
solvida. .
Este titulo primeiro do prjecto digno dos
maiores elogios.
Toda a boa theoria militar e social est nelle
condensaba ; o servico obligatorio, a aboligao da
subsiitulco, a suppressao do voto dos militares, e
flaalraente a diss'olucio da milicia serven) de base
s suas disposicSss.
E' este um progresso consideravel que mui!o ha
de contribuir para a rfg^aeraco" nacional da
Franca.
Acerca dos conselhos de guerra em Ver-
sailles, diz a Franee, que o chefe de batalho Mr.
Caveau, conmissario do governo, notifhoj na
quarta-feira aos 18 membros da communaquees-
tao presos na cadea de Sant-Pierre a ordern de
comparecer em juizo assignada pelo general Lad-
miraolt.
A primeira audiencia savia do principiar, como
j noticiamos, na segonda-feira 7, ao meio dia.
O terceiro conseibo de guerra composto desta
forma :
Presidente, Mr. Merlin, coronel do prmeiro re-
giment de eogeoheiros.
Commissario do governo, Mr. Caveau, chefe de
baUlbo n. 68 de liona.
t Esta praca resisti tres metes aos Prussiauos
em 1818.
c As aliaras visinhas de Hont-Saiot-Martin, per*
to de Longwy, estao em estado. '
< Verdn, no Mease, Toal no Meurthe, estio na
raesma posicao que Longw y.
t Ambas estas pracas estio sendo reparadas; i
primeira fica a mus de 40 kilmetros, e a segunda
a 32 ou 33 da fronteira.
< A assombla nacional oceupon-se receotemen-
te da queslao de Belort. Os oneraes Cbinty
Cbarenton oppuzeram-se cessle do territorio in-
dicado pela nossa carta, sobre a fronteira do Lo*i
xemburgo, em troca de am permetro mais exten' collega Toiers. Descende de urna familia dislincta,
Sub-tituto, Mr. Senard, capillo ajadanteor no
94 de lioba. > f J
Juizes, os Srs. G lulet, chefe de batalho de esta-
di-rcaior; de Guibert, capillo do undcimo regi-
ment de artilhara; Marignet, capillo n. 68 de
infataria ; Cassaigoe, tenente no 54 de infamara ;
Leger, subtenen'.e no 87 de infanra, e Lablat,
ajudantd subalterno da guarda republicana.
A primeira audiencia ser consgrala provivel-
raente leitara da exposiclo das causas que pro-
". JM8/reioii!^.18 d# nwrre;j.
M
hit
nosUias seguintes, as dez da manMa, suspenden
do se ao meio dia por duas horas, e continan lo
iepois at s 8 da noute. Outros dizem que ha-
ver urna sessio de dia, desde as 7 da manbaa at
ao meio dia, e outra sessao de tarde, desdo as 5
at as 10 da noute.
Os couselhosde guerra !. 2." o 4., convocados
arabem para a segunda feira 7, deviam reunir se
as salas do tribunal civil te Versailles, que po-
dem conter 200 pessoas. Perante o 4." conselho
de guerra ha de ser julgada a causa seguida con
ira o Sr. R igue, chamado Filio!, mare de Pu-
teaux, aecusado di ter entregado ao~i insurgentes
canhoes que o exercito de Versailles Ihe havia
confiado.
O) peridicos fraocezes publicara o lbello
ar.cusatono do coronel Rissel, ministro da guer-
ra que foi da communa, cuja historia os leitores
conhecem
E' aecusado
1. De desercao.
2 De ter tomado parte n'uma insurreijao, cujo
nm era mudar a forma de governo e de excitar a
a guerra civil.
3. D ter alistado, pago, sustentado e armado
tropas destinadas acmbales as autoridales le-
gaes.
4." De ler lomado o commando de bandos arma-
do?, qoe invadiram, saquearam e devastaran o
fortes, armazens, postos, arsenaes e monumento3
pblicos, e do ter, como soldado, empregado as
armas ontra a Franga.
Primes previstos e castigados pelos art-. 231,
288* e 201 do cdigo militar, e pelos 91, 92, 96*
e 97 do cdigo penal.
Pelas noticias que temos houve n'umas partes
d'Alsaca abstengao completa, n'outras houve abs
tenefles parcaes, nao havendo comtudp ama nica
assembli onde os votante.1 fossem a maiora dos
recenseados ou a raetade.
P r exeraplo em Tbann onde estao recenseados
1,800 eleitores votaran 15.
Em Guebwilliers de 2,564 eleitores votaram
335.
Em Dornach de 991 eleitores votaran) 16.
Em Sabsheim de 508 eleitores votaram 13.
Em Sotterbach niozuem votou.
Em Mulhouse de 10,980 eleitores votaram 725,
dos quaes 10 votos annullados.
Em Colmar 4,413 eleitores votaram i,649,
ucaodo eleitos de 27 conselbeiros 15.
Em Strasbourg de 17,090 eleitores votaram 7,380,
Meando eleitos de 36 conselbeiros 19.
Em Moiz vencen o partido francez moderado, e
em Chateaa Salins o partido da ordem.
A esto respeito diz a poca :
< Isto foi urna manifeslacio de odio aos prus-
ianos ; porra tem o inconveniente de que estes
serlo os que hio de administrar as negocios do
municipio por meio de coraraissSes que a autori-
dade allemli ba de nomear directamente. >
E' curiosa a seguinte estalislica, publicada
pelo Avenir Mititaire, e relativa s perdas dos fran
cezs na nltima campanha contra a Prussia :
A Franga perdeutrescapitass de departamen-
to : Strasburgo, Colmar, Melz e o territorio lodo
Oestes departamentos, menos a circomscripglo de
Boley; as eircumscripg5es de Metz, Sarregoemi-
oes e Thionville no Moselle; as de Chateau-Salins
e Sarrebnrgo no Msarthe; da Strasburgo, Saver-
oe, Schele-tadt e de Wiiseraburgo no Baixo Rhe-
no; de Colnar e de Mulhouse oo Alto Rheno, bem
como cinco cantoes dos nove da circamscripcio de
Belort.
c Ao lodomis de 11 crcumscripces, 81 can-
tde3, 1,740 commaoas, cerca de 1,700,000 hab
tantea.
< Como Metz, Thionville, Bitcbe, Marsal, Pbals-
burgo, Strasburgo, Scheiestadt estejam as mos
da Prusiia, as pragas fortes seguintes slo contadas
em primeiro lagar:
* Na parte qae resta Franca do departamento
de Moselle, Longwy.
t E' ama praca de segunda classe, melade cons-
truida sobre o valle de Chiers, melade sobre ama
collina que tem perto de 400 metros de altara.
< A cidadella foi edificada por Vaubau, em
1690. Em 1744 e 1836 soffreu reparos; aprsenla
am hexgono regular composto de 6 bastidos.
t As casernas podem acrommodar 8,C00borneas
e 800 cavartas.
so em redor de Belfort. Nos pensamos como Mr,
Toiers que a posse de ama praca nao nada sen
a posse de orna fronteira, e qie o grande valor
actual de Belfort, cora o augmento do sea perime
tro, consiste em ligar completamente os Vosges
com o Jora.
f A posse do canto de Giromigny era iodispeo
savel para se obter esto resoltado.
< De feilo estamos boje seahores da estrada qoe
conduz a Alsacia e que desee para a Lorena. Pa-
rs fica pois, pelos caminhos de ferro, a 370 kil-
metros da Prassia pela tinln de Reims a Mezi-
res; a 378 pela de Pars a Melz, por Frouard; m
410 pela de Pars a Strasburgo.
A.Franga perdeu 157 estagSese 836 kilmetros
de liohas farreas. >
A Vrit, peridico republicano verraelho e
defensor aiada da communa, fallando contra Julio
Valles, grande communisia, qae pelos modos ni
era sen amigo, diz:
< 1.* Que at 1867 foi muito ardente patriota o
muito decidido irreconeiliavel.
< 3. Qae mostrando-se maito exaltado, mai3
exaltad) do qae ningaem para se poder apoderar
do animo dos operarios, adoptou por divisa : Viver
trabalhando e morrer combatenio.
3. Qae em 1868, irrasiado pelo desespero e
pela miseria, para nao morrer de fome, renegou das
suas idea*, apagoa a segunda parte da sua divisa*
moderoo-se bastante, e princlpoo a escrever no
Fgaro, que parela ao lempo maito conservador e
nao pooco imperialista.
4.* Qae alm disto.dando om passo aps oa'ro
chegoa ao extremo de lazer parte da polica secreta
e ate de fingir demcrata socialista para servir o
imperio, apreseatando-se como candidato depu-
taglo de Paris, em opposiglo ao actual ministro da
justiga, Julio Simn.
5. e ultimo. Que maulo Valles fez isto, para
lisoogear o prefeito Pielri, pablicuu ama procla
magao, na qual, dirigindo-se aos eleitores do 19a
districto, Ihes dkia:
Ba lenbo sido sempre o amigo dos que traba
Iham e o advegado do povoese me favoreeerd93
< com os vossos sofTragios, serei no congresso o
diputado da miseria.
Segaodo refere am jornal francez, na tarde
e noate de 18 de jmho, algans grupos de indivi-
duos, pereorreram a eidade le Nlraes, dando vivas
a llonrique V.
Levavam urna immetuidade de bandeiras bran-
cas e com ellas pereorreram toda a cidade e sobre
lado os bonlevards.
A-populagao pacifica nao pode dormir nessa non
aawf'ie ia-p* causa dos morieirga, bombos o -Uros qoe
eram disparados em diversos pontos.
Em Avignon tambem houve idenlicas manifesta-
gdes no dia da festividade de Santo Hearique, po-
rm gragas s medidas tomadas pelo prefeito e
pelo general de brigada, a ordem foi restabelecida
era poneos momentos.. "
Foi prrso nm dos perturbadores e instaurarara-se
processos contra outros.
L se no Monileur :
< A eommisslo franco-allemoa encarregad da
delimitaglo das novas fronteiras entre os dous pa-
zes prosegue activamente nos seos irabalhos. Em
Francfort, onde ella est reunida, ha sessoes qua>
todos os das, das 1 ( horas da manhaa at as 3 da
larde. Os commssarios j sotara jautos duas vezes
por semana, alternativamente no b)tel da Russia
onde se acham os diplomatas fraoc z^s e no hotel
deloglaterri onde esto 03 commssarios alie-
mies. Espera-se que as negociagoes termloaro
no dia 15 de agosto.
L-se no Echo de. la Dordogne:
A igreja paroebial d< Saint-Marlio em Peri-
gueux foi hontera devrala em poneos boras p>r
um incendio. Este edificio, construid a de madeira,
servia provisoriamente para o exercicio do culto,
em quanto nao se conclae a cooslrucgao da igreja
definitiva.
So se dea pelo fogo as 3 boras da tarde; poa-
co tempo depois e apesar dos soccorros, nao se via
mais do qne um imroenso brazeiro. Nada se pdle
salvar. Gorreram baatos de que o simsiro era de-
vdo malevolencia de alguem que peg m o incen-
dio, mas o parocbo, attribue-o impradsncia de
alguma pessoa que teria acendido ama vela muito
prximo do altar da Virgem. A igraja estava se-
gura n'uus 15,000 francos; os adornos, que eram
avaliados cm 10,000, nlo a estavlo.
_ E' sammimente cariosa a segninte classiflca
glo que faz um periodioco de Paris dos diversos
objectos sobre os qaaes vai reeahir a nova contri
buigao ideada pelo Sr. Pouyer-Quertier;
a O casto aas licengas de casa ser 40 francos.
< Sobro os arrendamentos de campas de cultiva-
gis e de terrenos de casas pagar-se-ha am qaarto
por cento de renda.
t Os caes pagarlo 20 francos; os gatos 5; os
passaros de todas as classes 1.
t 03 buhare! 95 franeos cala Om; os pianos
10; os cavallos deloxo 25; as carruagens de-luxo
d9 20 a 50 francos.
alcula-se que o importe de tolos este im-
postes subir a uns 70 milhos para os municipios
e 20 para o estada.
L-se na Patrie, de Paris:
Informara-nos cora toda a certeza que os ami-
gos membros da commana refugiados em Londres
constitoiram-se em eommisslo directora insurrec-
cional, e que se rennom todas as semanas em um
da fixado para toraarm as suas deliberagfos. Nao
ahnilAnpam as mu** ..1^-_ _----------"
E*t cerlo disso ?
' Ta corto, qae fui eu proprio qae Ihe tevei
b dous annos o sea ltalo de nsurreieao com o
n. 608, e por si nal eslava elle to conlate, que
t me dea 20 francos.
Faeij sappdr o espanto dos membros da
eommisslo aooivrem urna tal nvelaglo.
Um correspondente francez publica os se-
gaiotes tragos biograpbicos de Carlos ltemu-at,
que acaba de sab3tllair o Sr. Jullo-Favre no mi-
osterio dos estrangeiros:
O Se, de Rerausat om aneiao de 74 annos,
mais vigoroso e mais bem conservado qoe o sea
abandonaran! os seus projeclos e esperara poe-lo
realisar n um futuro remoto. Teera recursos e
ama caixa protegida pelos individaos filiados em
toda a Europa na IntetVacional.
Admitiera s suas ses3es os amigos chefes
militares e pessoas importantes qne sirvram a com-
muna sem tomarem parte nella. Esla alm disso
em correspondencia com os sens collegas que ha-
bitara fora da Inglaterra e com os recursos dos
quaes contarlo am dia.
Estes pormeuores slo cariosos e revelara as
esperances qoe alimeota a gente da communa. >
O Para Journal refere o segainte imprevisto
incidente occorrido em urna das ultimas sessSas da
eommisslo encarragala de investigar as causas da
nsurreigao de 18 de margo:
e A eommisslo, leodo cooheclmento de que se
e3tava escreveodo ama histeria la fundacio da
Internacional maodou vir sua presenca o Sr Tri-
bourg, autar desse trabalho.
Asprimeiras pergunus qae \h dirigiram,
confessoo que fizara parle da Internacional, mas
que se retirara logo qae eompreheodeo que essa
sociedade nlo se propunha senio a ura Om polti-
co, e qae fim I
e E, demais, aecrescentoa o Sr. Triboarg,
admira-me qae me pegara oformagOes, quaodo as
teem bem i mo.
Onde?
No ministerio da nslrucglo publica.
i Como, no ministerio 1
t Pois se o Sr. Jallo Simio mambla d>
Ioternacionil I.....
a qual possue o titulo le conde desde lempos ira
memoriaes. Sea pai morrea no cadafalso em
179 i. Sua mli, mu her de am talento delicado,
emula das Recamier e das Stael, teve um sallo
poltico, muito em voga no tempo do primeiro im-
perio. Sainte Beuve consagroa a esta senbora nm
medalhao primorosaraente delineado, na sua gale-
ra dos flus do seclo XVIII. -
< O Sr. de Remasot fji na sua mocidade publi-
cista raililaote. Dorante dez annos manejos com
energa a pena de jornalisia, e nos intervallos das
suas campanhas polticas, caltivoo os mais varia-
dos gneros Iliterarios, desde a novela e o theatro
at a pbilosaphia. As suas obras slo am modelo
de bom goslo.
Aos 21 sano:, Guisot nomeon-o director geral
lo ministerio do interior; foi viee-secretario de
estado com Mul e ctiegoo depois a ministro com
o Sr. Toiers. Depotado da opposgo conservadora
durante o reinado de Luiz Felippe, figurou mais
Urda as cadeirai da Constiloiote e da Legislati-
va ; foi oblgalo a abaadooar a patria, por oeca-
siao do golpe de estado de 1852.
Finalmente o Sr. le Remusat, como escrip
ter, ama gloria da Literatura franceza e como pe-
litieo, nm hornera do sea lempo que, sem reneg r
o passido, sabe transigir com o presente. >
Debarxo da epigrapbe de Um agradavel pros-
pecto, d o jornal satyrico inglez PwncA o se-
guinte :
> Cineoenta e seis membros da commana,ditem-
aos, estio actualmente reunidos era Londres, e
projeclam fazer reviver aqoi o sen orgao, o Rap-
S'l. Offerecemos-lbes para moto am conceilo de
oraeio-Cami-lb.11-OJe XV -15):
> Privitus illis censas eral brevis,
> Cimmune raagnum. >
Cam atraducgladamr. Punch
> Their commaoe might be a greal fact, bul
Iber prvale sease was small. > -
a Oque nos traduzimoi livremenle, por esta for-
ma:
A communa poderia ser nm grande faci mas
peque-
dade, deve mandar hoje mudar as fechaduras e
encoramendar novas chaves.
< Gomo medida de prevenglo, foram tambem
mandadas fechar as grades do palacio de Jacqaes
Cosur, abenas hibilualmeule atis 8 boras da
noute. Foi tambera prohbida a entrada na ca
thedral.
cava devorar a sala do baile foi extineto depois
os milos dos seas iniciadores eram maito
nos.
A Preste receben a segrate carta de Bourges,
datada de 2o de julho:
Amiga e aobre cidade da Baurges est de lac -
to; o sau paUetoarcniepiscopal am dos maiores de
Praoga, acaba de ser destruido por ura violento io-
eendio. A primeira podra lora collocada em 1690
por Miguel Phelippeaox de La VriHre, arcebispo,
lilho da sserelario le Bsudo dosie nome. Este ar-
cebispo possoia nao ; a diocese mais extensa da
Frang, mas tambera os maiores privilegios. So
elle era Franga qie linha o direito de ser pre-
cedido pela cruz dupla, privilegio que foi con-
celido pela corte de Roma aos seas saccesso
res.
< Minseohir Phelippeaax foi ao mesmo tempo
artista, diplmala e administrador inteligente;
qniz ter am palacio digao del le e aesti bella ci-
dade ; foi elle oroprio que iragou a planta e que
vigiou a sua sxecugio, confiada a Bsoll, amigo
do celebra archilecto Luiz, e que dirigi a cons-
truegao do theatro de Bordeus. O re Laiz XIV
encarregou ai mesmo tem jo o intelligente Le
Nutre, que faz 03 jardns das Tulherias, de tragar
tambem o do arcebispado de Boarges, ara dos
mais soberbos da Frang.
c 8astaram apenas algumas horas para flear
destruido este monumento com todas as suas con-
sideraveis riquezas. Hije pelas 9 horas da ma-
nilla 03 primeiros clar5e3 do incendio manifesta-
ram-se em moitos pontos do interior. A's 4 horas
ludo estava era cbammas. Os empregados do ar-
cebispo, que habitavara no palacio, acordaram
meio suffocados pe > f jobo, que logo nos primei-
ros momeol s encheu os aposentos.
< O-prelado linha partido para Paris no ex-
presso das 10 da oouta Perdeu valores impor-
tantes, encerrados no seu gabinete, que nlo po-
de ser preservado. Falla se de urna somma con-
sideravel pertencente s fundagdes religiosas o da
sua fortuna pessoal. O sea gabinete de trabalho
capella, quarlo da dormir, bibl otheca, paramen-
tos das grandes ceremonias, donativos do santo
padre, miss es da metropo'e, manuscriptos inte-
ressantes, tudo foi presa das chimmas.
t Os archivos da diocese e o cofre foram em
parle salvos pela enrgica aclividade de dous sa-
cerdotes.
c A escada de honra do palacio, verdadera-
mente monumental, que fora inspirada ao archi-
lecto pelo duque da Ricbelien, governador de
Bordeus, Qcou destruida.
t A bibliothBca da cidade, que occapava ama
parle do palacio, construida nos os do scalo
passalo, est em grande parte destrada. Con-
linha perto de 16,000 volantes, enire os quaes se
encoolravara obras raras, as obras primas dos
mais celebres e antigos convento1, snppnmidos em
93, e amitos clissicos, entre os qaaes am Salas-
no do 10* scalo, am maaascripto era relino do
Digeslum vetas, o Speculnm historale, de Vicent
Beauvsis e oatras riquezas histricas.
c A velba baslica, am dos monumentos mais
grandiosos da architeclnra gothica, foi, felizmen-
te, preservada ; eslava separada apenas do pala-
cio por urna pequea passagem. As casas visi-
nhas, principalmente a do Sr. Henrique Brisson,
deputado di Sena, foram amaaeadis pela violen-
cia das cbammas al s 8 horas da manhla de
hoje.
n A' hora em que escrevemos, o incendio an-
da nlo est extinclo. Attriboe-se este sinislro a
urna causa accidental.
O jornal de onde extrahmos esta noticia pu-
blica no numero seguinte mais os seguintes por-
menores :
O fogo nao est'ainda extincto. A artllheria, as
tropas da gaarniglo e a gendarmera occopam os
jardns e os aposentos interiores. Os bombeiror
oiam de todas as preoaacSes para que as cbam-
mas nlo alcancera a velha baslica. Hoje (orara
encontrada) as ramas barras de ouro, prove-
nientes das pegas de ouro qae derreteram e qae
estavara no gabinete do prelado, qne alo pode
ser preservado por cansa A violencia das cbam-
mas.
. O cofre da diocese foi salvo, como dissemos
boateo*, sendo levado para a prefei.ura, que o
antigo palacio construido por Jeaa, duque de Bar-
r, e onl estirerao, antes da rovolugao de 89,
os tribunaes de Biurges. Foi n'uma das suas
vastas salas que leve lagar a celebre assernbia
do elero, qw 00 reiaado le Carlos VII redigto a
Pragmtica Saacglo, o prefacio do sufragio uni-
versal.
t autoridade judiciaria prosegaa activamen-
te as soas diligencias para conhecer a caos do
incendio, o qual parece nao ter sido accidental,
como so diss3. Di motivo a astas desconfiaogas o
terem sido roubadas as chaves da cathadral. 0
primeiro vigarlo geral, com astIateodi da antori-
INGLATERRA.
O principe de Galles, na visita que fez Ir-
landa, aeompanhado de seus irmos, assistio a
am baaqaeudad pela miiiii real de agri-
cultura, no palacio da exposiglo, era Dublin.
Achavam-se presentes nessa occasiaa 45 con-
vidados. No memento em que o pri acije real lo-
moa assenlo no lugar priucipal da mesa, todos
os concurrentes se levantaran), fazendo-!he urna
ovago brilhante.
No fim do jantar o prncipe lomou a palavra e
disse :
Mylord e senhoras :- O primeiro brinde qoe
tenho a honra de vos. apresentar, < 'saae de
S. M. a rainba. Fazendo-o, e-loo convencido de
que a raloha loma parte as felicidades do po.
vo irlandez. (Applaufos.) Aiada qae infelizmente
tem decorrido nm cerlo terapo desde sua .visiia
a Irlanda, espero que vira o momento em que S.
M. a poder renovar. (Applausos.) Estou conven-
cido tambem de que S. M. encontrar aqu am
acoln ment igual ao que I be fizeram na primeira
viagem.
Este brinde foi receido com enthusiasmo. De-
pois de om pequeo interva|10, o principe de Gal-
les levanten se de novo, e disse :
Mylord e senbores: Sioto algum embarago
propona o segainte brinde, porque diz respeito a
mmha fnuilia. Mas, como esl desgnalo 00 pro-
gramaos, proponho saude do resto da familia
real. > Estou cario de qoe o voto de meas ir-
mos tem sempre sido nao se limitaren) a ser
membros inuteis do estado. (Applausos), mas a
fazerem lado quanto Ins possivel para serv
rem o seu paiz (acclamagoes). Mea irralo o du-
que d'Edirnbargo, como sabis, serve ha um cer-
lo tempo na marioha real. Tem tido a vantagera
de ver moilcs pases, e de fazar, posso dize-lo,
por loas vezos, o gyro em volta do mando (p-
plausos). Tenbo a minha esquerda roen frnaao,
que serve no exercilo, e qae vai responder a eate
brinde. Tenho a confianca que urna brhanle
carreira se Ibe abre igualmente. Tem elle, se-
nbores, cerlo direito ao vosso favor, porque tem
o nome de_S. Patricio Hongos e vivos applausos).
Nada mais* direi, e pepo para beber a saude do
resto da familia real, e em particular do principe
Arthur.
Depois levaotoa-se o principe Arthur, e respon-
den uestes termos ao precedente brinde :
Aceilae os raeus mis sinceros agradecimenlos
pelo acolhimento cordeal e benvolo que hiveis
feto ao brinde a favor da familia real (applau-
so). Devo reeonbecer que nlo esperaba menos
de t<, depois do qae sent na Irlanda por oc-
csilo da miaba primeira visita (aiienglo). Esta
v.sla foi cerumenle curiar aas darou e snffl-
cieole para me permittir ver ama boa parte do
paiz, e inspirar-me ara interesse doradoaro par
todo quanto tem relaglo com o bem eslar da Ir-
landa (altenglomoiloiauplausos). Tudo quanto
tenbo visto boje me oaoJHm grande prazer. A
belleza dos animaos expostos, o progresso cons-
deravel de todos os instrumeot s oagricultora,
testemunbam raelhor do que quaesquer palavras
a pro3pendae e o adiantanenio do p-.iz (applau-
sos). Se com rauia satisfagao que n'um ramo
mais modesto da arte agrcola, quero dizer a cul
tura da batata, o progresso igualmente notavel.
A colhela deste anno superior que tem sido
de ha muito tempo, e posso dizer qoe ha um
quarto de seculo. Sabemos todos que um artigo
de grande importancia para as classes mais po
bres dos nossos concidado3 (applausos).
Vendo esta melhramcnto no destino do paiz, e
conhecenlo o serio desojo qua ha do oulro lado
do estreito, em Inglaterra, de fuer tudo quanto
e possivel, com franqueza e jusliga, pelo bem
deste paiz (applausos) nao julgo exagerar predi-
zendo Irlanda um futuro brilhante (applausos)
e dizendo qne se anda existe alguma nuvem no
sea h)r3onte, em breva 33 dissipar (atteaolo
applausos).
Antes de me a3santar, senhores, devo agra-
decer a meo rmlo, presidente de3ta sociedade,
pela raaneira banevoa porque elle fallou de
mira, associando me ao exercito. Espero que me
veris fizer coostantemente o meu dever aesse
ramo do servigo publico em que tenho honra
deservir (altenglo-applausos geraes.)
O principe de Galles propoz depois que se e-b
besse sale do lugar-lente, e prosperidade
da Irlanda. Depois de ter feilo o elogio do conde
Spencer, expressou se nesles termos :
t A formula indicada no prograrama a pro3-
peridade da Irlanda > msrece que aqu se era-
pregue algum tempo. (Altenglo). Ninguem deseja
mais sinceramente do qua eu a prosperidade des-
te paiz. Ninguem nesta numerosa reunilo, nin-
guem fra daqui deseja mais a prosperidade da
Irlanda, que to cara a lodos. Crea poder di-
zer, sem receto da contradiegao, que na poca pre-
sente a Irlanda esl rica e prospera. (Altenglo,
applausos).
Ha diminuirlo muito sensivel no pauperismo e
nos crimes. Posso accrescentar que 0 qoe mais
que lado concorre para a prosperidade de am paiz,
a exlenslo da sua agricultura. Aceitei cra gran-
de salisfaglo a posicao de presidente da sociedade
real de agricultura. Percorri com maita salisfa-
glo a exposiglo de luja. Estou persuadido de que
em nenbuma ootra parte do reino se poder olTe-
recer am espectculo semelbante ao que foi inau
gurado esta manhla entrada de Dublin. (Ap-
plausos.) Realisoa-se um grande progresso em to-
das as.relacdas, dorante os ltimos quatro annos,
as exposicoes das sociedades. (Attenglo).
< Em 1867, o numero de cavallos admllidos
foi de 957. Hoje eleva-se quasi a 600. (Vivos ap-
plaaso*.) S isto basta para provar o interesse
qae todas as classes da popolaglo tem nessas ex-
hiblgis, e quanto lodos teem a pe".) fazer todo
para as animar. (Applansos repelidos). >
O lord lugar-tenente respondendo a este brinde,
cenfirraoa o estado de prosperidade que o princi-
pe mostrara. Felicilou-se da intervengio da mili-
cia, a qual, dando eoofianga aos povos, fortaleca
os Tiaioi defensivos do paiz. Minifestou a espe-
ranga de ver melhorar s relagoes entre os pro-
pnetarios e os rendeiros. Conclua propondo ama
sa le ao priocipe de Galles. Dapois de mais al-
gans bnnUs, a reanilo dea-sepor terminada.
Em geral a imprensa "ingleza liga grande im-
portancia a visita dos principes ingleses Irlanda,
nesta conjunetnra.
O principe Arthur, terceiro filho da rainha
de Inglaterra, dea altimaraeote nm baila por ter
recebido o diploma de cidadlo de Londres. Ti-
ntura sido convidadas 159 pessdas para a fesla, a
qual tinba lugar na resldeccia do joven principe
no parque de Greenwich.
Os jardns estavam Iluminados, e muios ba-
ldes venezianos esclareclam om immenso pa-
vlhlo que formava a contlouaglo da sala do
baile.-
Pela 1 hora da madrugad.-', um dos referidos ba-
ISas incendion-se e as cbammas communicaram-
se immediatamente ao tecilo da que era feilo o
pavilblo, proseguindo as labaredas cora rapidez e
com grande terror doa convidados. Felizmente ha-
via all perto bombas, e o sargento Cox, ajddado
peto proprio principe e pelo seo ajudanta de or-
dens o tenente Filzgerald dirigiram um jacto da
agua sobre a tenia, que arda. O fogo, qae amea-
e ter occasionado perlas no valor de 7,000 fras-
cos. Cobriram-se os maros com tapessarias o a
dansas, suspensas por ama hora, continuaran).
No dia 19 de julho boove no palacio de erys-
lal de Sydenbam, ama das mais brilbanles e va-
riadas testas de que ba memoria naqaelle magni-
fcente edificio.
Era em beneficio do empresario do theatro de
sua maipsiade. A fasta dividase em cinco partee,
comprehendendo Jogos de aguas nos grandes
tanques dos magnficos jardiOs do palacio ;con-
cert vocal e instrumental ; ora grande baila pe
lo corpo eoreographico do theatro de saa mages-
lade ; a represenlaclo da opera de RosaioiO
Barbeiro de Sevlba finalmente com om gran-
dioso fogo de artificio.
Ne concert, qae conitoa de 92 trechos das me-
lhores operas do repertorio do Ibeatro, canlaram
raademoiselle Tuiens, lima de Murska, Loa
Uval e Fernandos, mesd. Alboni, Seoco e Tre-
belli-Beltrai, 03 Srs. Caponl, Bentbam, Francelli.
Aguesi, Pali, Mendroroz, Caravoglia, Benigno e
Batel.
ntreos diversos trechos nolaram-se os se
guintes :
Inflmalas, de Rossini, por mademoiselle Ti-
tiens.
Voi che tapete, de Magart, por madama Al-
boni.
Aria de Procb, por mademoiselle lima de Morski
Nobili Signori, da Meyerbeer, por mademoiselle
Fernandos.
M'appari, de Flotow, por Mr. Bentbam.
Finalisou o comerlo eram 5 boras da larde.
Aa 7 boras e meia, comegoa o grande baile,
em que tomaram parle mademoiselle Katbi-Lia-
aer, Blaoche Ricois, Berlba Linda e Sbolby, e o
Sr. Da Francesco, etc., e corpo da baile.
As 8 horas e meia, cantou-se no palco da nava
central a opera Barbeiro de Sevilla, desempeuha-
da por mademoisalle Lon Duval, e os Srs. Ci-
pool, Mendiory, Zoboli e Fal.
Eslava annnnciado qne a celebre cantora ma-
demoiselle Mare Marimono dolo do dalea-
empenhara a parte de Rassna ; mas por indispo-
siclo, foi substituida por mademoiselle Duval.
Dapois da opera, leve lugar o grandioso fogo
de vistas. Milbares de espectadores e-tivowm no
palacio nesie dia.
No dia 1 do correle celebrou se no palacio
de cryslal de Sydenbam a fesla annaal das socie-
dades de Temperanca, cujo fim principal a abs-
tencao de bebidas alcoolicas.
Nada menos da 63,000 visitantes vierara de to-
das as parles do Reino Unido, para assislirem a
esta solemnldade.
O prograrama inclua dous coneertos monslros,
am as 9 horas da tarde e ootro de nonle, em am-
bos os quaes nada menos de 9,000 execalantes to-
maram parle ; grandes jogos d'agaa nos jirdins,
e a ascenslo de um bailo moustro-
Durante o dia, era a nave eentral, houve ses-
sio das diversas sociedades de Temperanca, a
qual presidio o contra-almirante Sir Wiiliam Hall,
K.C.B. .
Entre os cavalbeiros qne diseorreram sobre o
assumpto da festa, nolaram-se o senador Wil oo,
do-Maosaehrjssetle, e o Baboo Sasipaa Banerjee,
da India. .
Tambera se fizeram discursos ao ar livre, e pro-
cisso -s pelos jardns, distinguiado-so as socieda-
des de Temperanca : Os Ligadores da Tempe-
ranca, Companhia de Esptranca, Filho* da Phe-
nix, Campo dos Bechabites, Bons Templarios, e:c.
Os membros das diversas sociedades levaram as
re-pectivas insignias
Finalisou a 6sta s 10 da noute, com um con-
cert no grande orglo do palacio.
ALLBMANHA.
De nm jornal d'Auslri exlrahimos a- :e-
guinles noticias, acerca do imperio d'Aastria :
> As ultimas noticias das delegagoea austraca
e hngara, dedicadas a discutir o orgamento da
guerra, levam-nos a occaparmo-nos aqui do exei
cito.
v Severamente julgadas, por isso que mnilas
vezes a fortuna tem sido infiel sua abnegar a
ao sea valor, as tropas austracas podem figurar
altura das melbores da Europa. Compdem da
homens intelligentes e doceis, robustos e ageis,
commanJados por ofilciaes instrujidos, que axara
e conhecem o seu offlcio.
a A lei de 1868, que reformoui completamenie
a organisagao militar, iotrodnzio .a obrigaglo uni-
versal do servigo militar para todo o mancebo de
vinte annes.
c O servigo activo dura tres annos na tropa de
liaba, sete na reserva, e dous na landwehr. Era
consequencia do convenio eslabelecido com a Huu-
gria era 1867 fixou se por am piiodo de d /. an-
nos o contingente ou o quinto annaal para as da-s
metades da monarchia.
A Cisleilbania, com nove milbes de habitan
les, subministra 67,000 recrutas ; a Hungra, cai
quinze milhoes, 53,000. O exercilo em p de gaer
ra dever contar com 800,000 homens Acta:
mente poderlo entrar em campaoha 640,000.
< O exercito austro-hngaro djvlde-se em dt
corpos, viole divi-o.'s, e quarenla brigadas, sera
contar as brigadas chamadas lcaos, e qne se com-
pdem de tropas complementares e ergoenzuogs
korpes.
c A infaotaria consta de 80 regimenios de li-
nha, 13 ligeiros nos confias militares, ura da c.i-
cadores tyrolezes e 33 de caladores.
c A eavallaria conta com 41 regiment?, dos
quaes 14 slo drag5es, 14 hussards, e 13 huanos.
Este anno augmentou-se a eavallaria com 8,00.>
homens, o que dea lagar a um Vivo debate nai
duas cmaras do parlamento. Finalmente a ai ti-
Iharia, augmentada tambem pelo'governo aclu.l
tem 12 regimentos, cada am coroposto de 13 ba-
lerias. Exisiem 1,296 pegas de campanha e o un-
nsterio da guerra quer augmente las al 1,486.
de maaeira que correspondam 23,4 pegas por cada
1,000 homens. A esta torga armada ba que aug-
mentar dous regimentos de engenbeiros e um de
sapadore.*.
c O uniforme igual para quasi lodos os cor-
pos : jaqaeta e caiga azul (a jaqu^ta branca 1ra-
diecional vai desapparecendo) e clnturlo de cuu
ro preto; mas as tropas hngaras usara, caiga es-
ireilamente ligada perna e meitida na bola To
do o exercilo est debaixo da direccao do ma.:
tro nico (para Austria e Hungra) la gaero,
que actualmente o bario Knnb A landwebr.
uas dnas metades do imperio, aeba-se sob o cora
mando de dous fnnecionarios Borneados pelo nu-
nislro da guerra do paiz.

/

c O orcamento da guerra qoe era de 56 qu -
liadas de florins em 1846, de 57 em 1847, de 80
em 1864, flxoa-se para 1879 em 87,433:900, se
bem qae as cmaras, com minuciosa economa, te-
nhara oaixado quatro ou cinco milhoes.
E' para notar que os hngaros e os polacos se
mostrara sempredesioteressadosegenerososqna:i
do se traa de votar os crditos qne pede o g
verno. Essas dous povos guerreros alo refgi-
teiam por algans florins ou krenitr, como fai
03 parciraoniosos alinales e boberakis. Alm i
os magyares eos galitzianos estirt persaadidr
qae am breve estar em guerra a monard.
seria diflkil dizer se a ternera mais do qae a I
sejara.
Os hongiros lembram se de ttomorn, s
pelo oxercilo rasso, a allmeotem caalra o rorra
vel vizioho do norte nm odio, qtz apease ced
dos polaco?. Estes aiada nlo renoneiaram ao s--u
constante programma, e hoja mesa-a, que a sita-


nz
^Ji^
tVi&ru P%fnambac T_ t)0
mingo 27 dt Agost dt 137 i

y
m
%
v
. cioe menoe feve-ravtl para efles, continuara
proclama-la irajaertiuente?.
A conferencia- enternacional eaearreg&da dB
determinar o ponto de aecordo entre 01 camiubos
de ferio da ostra e Hungra acra os da Turqua,
faoectoaa scUbdaneate em Vtenna, no mioisteria
dos negocio eaarangeirps. Na da 16 abri a ana
essao o cande de Beust, o qual pronuacioa, nesta
occaslo o seatrnje discurso:
Senhores. Julgo-rae Miz de ser chamado a
abrir orna discussao, cuja importancia lenho a in-
tima coBTicqao, na dev* calcular-se as propar-
<$es mesqutohas de ama simples conferencia a
respeito dos caminhoa da ferro.
Para apreciar o seu alcance exceocioiial baste
abranger da um anteo golpe de vista toda ex-
tendi da rede, coja exeeocio se trate de astega-
rar, e examinar resallados mmensos de urna
emprea destinada i ftzer desaeparecer as distan-
cias que natsepmni do Archipelago e do Bas-
'-{iharo, e quvB'u mo, deve abrir diaote de cs o camiaha das In-
dias.
Direi mais. Da ha mnto3 anncs que a Europ
esta habituada a a presen lar como ordem do da, o
que se chama questao do Oriente, sem aitender a
qaenlJJD mais dj que umi qeslo e sem per-
guntljB o Oriente sent ser cLjecto dessa ques-
tao. n
. Tambero tera resultado que a qoeslaa nao tero
i mais do qne engendrar quesloes, san se che-
gar a neubuma solucaa, e que as raeolu^des que
se tomavam nao produzram a inaior paite das
veres ?eoe rresoluco:s.
Se cheg irnos a entender-nos; se conseguimos
conciliar os diversos uteressea nie se acham em
acco : se chegarrrfls ao (ira que nos propomos al-
caacar; teremos f-.-ito aliantar muito essa qies
lia do Oriente, nao Ihe danto urna soluc/n, por
qne nao esse o problema que lemas a resolver,
na*, fazeudoa entrar em novia caminho?, era ca-
minaos eminentemente picitlcos e conservadores.
lio viv.fijarrtes como productivos ;emflm, fazen
do com que nao intervenham seno duas grandes
potencias: _o trabalho c o progresa.
O governo de sna raasestade o snlllo, na sua
constante solicitada pelo itera estar dos*sens sub-
ditos, irat.'n de eroprebwnder urna grande obra
digna das no-sas syrapathias, e digna das sympa-
thns da Earopa.
c Trate se de est*b Mecer umi rede completa de
vas frreas que devem bgir Constantinopla e Sa-
lnica s fronleiras septeutriooaes dj imperio.
O princ pada da Servia* com actividads que
earaeteri a a ?u al ministrarlo, consagra esforj)*
jgnaes a um flm anloga.
c A Austria Hangria Do fana seno desconho-
eer os sea? interesses vitie?, se se reeasasse a
prestar um eoacur-o sincero e prompto as nobres
apirc5es dos seas vsohs.
natural que urna empreza desta n3tureza,
eonceoida em gran le escala torne indispensavel a
soluta) de mutas questSes que se I gam a nte-
res-es mais on menos loeaes, mas as difflcoldades
que d'aqui podem resultar espero que desappare-
cerl>, diante da grauleza da pegamento que se
trata de realisar; diminuir) principalmente a
medida que as no-sas conferencias Iherem spbrc-
sahir qa nenhnma das partes deliberantes trata
de garantir os seus proprios oleresse3 a casta dos
outros.
Se anicamente o mnsentimento mutuo que
eooduz ao accdrdo, nio duvida, senhores, ene o
resaltado das aossas deliberarles mostrar mais
ama vez, e em sentido afflrraalvo, esta vei'da-
dade. >
Eig aqui o discurso que o principe mperial
da AHemaohi pronoueiou n'uro banquete qne as
tropas victoriosas Ihe cffsreeeram oa ei ade de
Munich, no da 17 de agosto :
Senhores. Agraderp-vos era nome do impera-
dor e mea, as amigaveis palavras que hontem e
boje me ha veis dirigido.
< Recordemos os acontecimentos que acabara
de ocjorrer.
A comanla ao exereito e ni nacao allemaa
qne maoifesiava sua magestade n> princiino da
guerra, fui ju-t.Ucada com brilho. li n todi a par-
te onde os liili is da Allemautia ftram conlund >s,
as suas armas a!csnr;aram victorias admiraveis,
eabnegac) d) povo eteve de accordo om a do
exereito.
c Dirijo-me principalmente aos meas compa
nheiros d armas bavaros. Oxal polesseis, agora
que deponds a e-pada, conservar me>ma na p,z,
em toda a situacao, em lodo o estado, as vossas
virtudes militares I
Como vos eorihe;o, 63tou cert) que assim o
taris. Sao vos cohiciJos os sentimentos de sua
mag'stade.O seu desejo, e posso acrescentar o
meu tambem, que o imperio aliem) possa vi
ver e 11 orescur u urna paz duradoura e beactica.
Fallo vis tsaim coi)) interprete doHmperador, e
manifu.'to a esperance d> que o pjvj alhmo ac
Iher o nov> pol-r i^ip-nal sem recei).Tendj
Ctliarifa, da qixl uln abosaremos.
A imj rtns.: de Vienua d os ssgintes es
elarecimentcs a respefto do bando de falsarios, que
na Suisa fabricanm notas do banco.
Na i'fBeitia d V.er.i. n, diz a Nova Imprenta Li-
vre, tinham se encontrado chapas gravadas, snb
>t ncias chimicas, --i'ii como prensas e papel f-.i,
suicido. Euire cu:ras, eocontraram se alli cba
!;' para notes ranal de li, 5 e 2 1/2 rublos,
para bonds do 100 talhers, ele, Conseguio-se ao
asesino terapo boter esclareciraentos sobre a orga-
niiaco e aclividale do bando de malfeitores de
que se traa.
O ebef di s. ciedade e um emigrado polaco, de
nmita carta idade, i-himadd Mntucicwcz, o qual
rraaio em si l-nl-- o ti que se estendia dos le l'a-
ris atS. Petersburgo. Era em Yverdon que se
< x eutavam os ttulos falsos, mas a sJe da guer-
ri li i a chava se em Soleare, aoaJe os seus agentes
Irancns, Pasaos e giliizianos se reuniam, rece-
hian) as nctis fabricadas, e d'onde partiam para
as u\m esplhar nos seus respectivos paizes por
;.).: de outros individuos.
O commissario superior de polica Appel Haas
dirigido especialmente as suas indagagoes para o
qae ilii respeito f bricaja) e emis o das no-
tas austraca* de 10 fl.inos. Tambem se eocontra-
ram em Yverdon algumas dessas ootas falsas, mas
na) chapas. Afn .1, de um longo interrogatorio
dos acedados, concluio-se por chegar a conhecer-
so aende se achavam essas chapas, e forara desen-
terradas n'uma fliresta prximo de Saleare.
Estes ultimas notas eram, -egundo coostou, ex-
ploradas por agentes que viuham da G.litzia para
a Suissa, aflm de as receber. Um daquclles indivi-
duos chegou precisamente a Suissa para o indica-
do ti n, im momento em que a guerr.lha tu.hasiJo
dispersa; parti iuiiu d.alam' n'e depois para a
Lcmbprg, mas l'ji preso n q ..-la cidade, quanio
desembareava.
Outro agentn da gueni:ha, um emigrado pala
co, chamado MaUc!i.-w-ki, o.vw.nvp. se especial-
mente da fabricanao e da i prus ianas de KH) thalers. Eram". qoal de coritas
qm-i todos polacos es que formavan a graaie
maioria d'aquelia porigo^a associa^aa de falsa-
rios.
O rei da Biviera aceiloa adem-sii) do conde
de B-ay, do cargo de ministro dos negocios es-
trangeiro> A Gazeta Unnkrtal de Augsbourj pu-
blica a seguale carta autographa que nquel-
la soberano dir gio n'essa oceasiao ao referido
-conde :
' alea caro ministro de estado, conde de Bray.
Quaodo ha algum teupo me offerecesies depesi-
'...; as michas maos a vossa pasta de ministro de
estado da minlia ca>a real e ios negocios entran-
geiro-1, lisongeiv.i-me anda de esperar quo o ac-
cordo que relean outr'ora no seio da m.nisteno
se po'l' sse resil)-|jcer.
t E-ta esperanca naa se realhou nfel izmenle, e
eu vejo-rae fjrcado, cora profundo seatimento, a
aceitar a vossa oemis^o.
t Na sem pozar que vis vejo abaodonar urna
esphera de afilividade, em que bavieis, n'uma oo-
ca to tormentosa, prestado tantos ervicos cora
e ao paz.
< Aceiai, mea cafo conde, pelos vossos leaes e
nobres nforeos-, e pela vossa dedkaclo to com-
pleta aos intenses da dynastia e da oaeao, a ex-
iresso do mm mais amo e do mea mais'affac
tuoso recoohecimeoto.
Para vos te-ieinaahar estes seotiajentus"que
vivirlo eteroamente no man coraco, resolv adnul-
lir-vos entre os cembros do captulo da miaha or-
dem dos cavalbeiros de Santo Huberto.
Son com a seguranza da ranha benvola arui-
sade.Vosso affuyoado reLut- Casjell de
Berg, em 2 de julh, oe 1871.
BLGICA.
Eocootramos na Independencia Belga a se-
guiote carta, que Iho dirigi P/aacjsco Hugo, flio
do frand6 poeta V.ctor Hugj :
Sr. dreetor :^-E* um erro suppor que a po-
lieia belga se motrou inactiva no attentado com
. meitido na praea da^ Barricadas, duraote a noute
de 27 para 28 de maio passdo.
f Hontem me conveuci da activida.'ls deienvol
Jia pelas nonos magistrados. ,
< Eis aqui como ;
No da segrate ao assalio uociarno da casa
de Ytcior Haga, levaraavse por prscaa{ao, o
qnadros que adoroavao as sale, osse. rio
adelelro eboodr, praja. das Barricadas nu-
mera 11
i Esses quadros, Comprados ,por roim, em An-
vers e Bruxellas antes da revolucla i de *e-
tembro, nao tinham a meas ollv cutre Tile*
que o de me recordaren) os aonos de bjsfiteli-
dade com que a Blgica benrou a rr.raha fa-
milia. !
c Grande foi a micha serpreza ao saber que os
quadros eram magnificas (liras, grimas, perteucca-
tes ti colleecSes do Louvr, e que te boqujJaVa
que eu me apoderara deltes durante e reinado da
commuaa. ;',
c Nao ria, porque o assnmpto serio I .
Por effeito d'um redamaQao, dirigida,fagan-
do parece, i Justina belga pela jasti(a fraaaata,
msiaurou-se urna devasse judicial, que precedeu
rpidamente, gracas.an admiravel telo do juit de
nstruccao Cnariez. O snb eomttiasario da qoarla
diviso foi com toda a solemsidade de tomar as
tusdidas dos quadros p"ara as enviar a TersuTes.
Oproeesso comeca a ser volumoso -.
O meu infeliz adeleiro, apenas coovalseentoj
d'uma grave enfermidade, solreu j tres Tongas1
interrogatorios; intil Ihe foi repe'.ir, sobjuramen-
to, toda a verdade, e so a verdade, .-lj qoe elle
mesrao collocara os referidos quadros oa parede,
muito antes do fatal da 18 de mareta.
Por acatada que fasse a sua palavra de non
ra, nao eouvenceu, e recebeu urna orderr,9ra no
me do rei, determinan !n qae nao me entregasse os
quadros sem aulorisacln da polica.
t Nao admira, come eu,o esplendor dessa josli-
ri distribuitiva?
i Emquan o a roag.stratura doacura a persegu-
cao djs amaves senhores qae julgaram natural
a-saltar a habitsr;!) do Vctof Hugo, parda em
arovar que o|lllha de Vctor Hugo Jelapidudpr, e,
na i comente com Isto, condsca at nova ordem
tudo o que me pertence.
e E assim como o mais ortliodoxo dos gnvernos
comprehende o resuelto s pessoas e a proprie-
Jade?
Monlesquleu, que oa qualidade de prmeiro
presidente conhecia profundamente a magistratu-
ra, dizia que se o aecusassem de ter roubaao a
torre de Nolre Dame, deltaria a fugir.
t Eu Sou aecusao do ter delapdaloo|Loure
odavia, mais temerario que. o Ilustre aullur do
Espirito dm leit, espera a p firme o desfeoba.
Sou etc.Francisco Vctor Uuga. Broxellas, 10
de jutho de 1871. o
Dea-se ha pnuc>< um episodio galante em um
dos caminhos de ferro da Blgica.
N'uma das priacipaes estatas, era esperado o
nltiras ceraboio de passageiros: os guardas esta-
vam a postos, diversas pessoas estavara aa e-iacJa
esperanto amas os pessoas de suas f.miaj, ou
tras os seus amigos; r uve -se 6 desejado sttvo da
machina, tolas corren aos seas pastos, e momen-
tos depois entra a machina na estaca.'. Qual nao
foi porm o espanto dos guardas, e de todas as
demais pessoas, quando virara que a machina so
trazia algumas carruagens de mercaduras I la-
dagvse o motivo, e soube-se que era o seguale:
Na penltima eslagao, que (cava bastante distante
tinham engatada alguns wagons de .mercaderas,
que, como se sabe, vo l?go em seguida a machina;
Uham-se perro esquecido de engataras carrua-
gens dos p?ssageiros, e o conductor da machina
-uviudo o sigaal J- partida, largan a toda a forja,
dcixarido na esterao os passagero?, que nessa
ooite tiveram de passar al espetando o combalo
do dia immediato.
Era o ai comboio expresso.
O senado belga vutou o projerta de le sup-
priraindo os jog^s em Sp desde 1872. Deixa-se
pirtj ao governo a faculdade de consultar a c-
mara sobre a conveniencia de manter o jogo na
Blgica, se se mastlrer na Altemaoha.
A discussao n'aq ella a-sembl fii tranquilla.
Daus membros d'aq-i'.-lla cmara demaoslraram a
mudauca que se tinha opera lo nis -uas opinio-s a
respeito d'esta questao. Outr'ora ambos el.'es ulg-
vam necessar'a a sua sappresslo, mas agora te-
mera os seus esfurc is, por isso qae fcil ver subs-
tituir as actuaes casas le j..o, por eslabelecimeo ,
t03 clandestinos, subtrahidos vigaoci, e por isso
corran mesmo mais pengosoj do quo os que exis
tem na actualdade.
Ihuve urna corrida de pambas em Bruxellas
igual aqnitemposse realisou no palacio de rirys
tal da Sydenham ; mas o numera de p rabos c >n-
tes foi desta f.'ita maior.
Os pomboseram 9!7. Forara sollos em I)ax, ao.
p de B.yoora, no dia 22 do mez lindo as 5 horas
da manha. Hivia 116 premios diverso-, dos
qaaes 17 foram ganhos no mesmo dia. N > imme
dalo, 23 ; s' 11 horas da rnanlia, tinba chegado
Blgica o uttfrm- p:mbo.
O.pri.neiro pombo vaou a distancia entre Dax e
a B 'Igca em 13 horas e 42 minutos; o sognnde
em 14 h'ras; oterceiro era 14 horas e 34 minu-
tos ; o qnarto em 14 horas-e 46 minutos ; o quin-
to em 14 horas e 47 minutos, e o sexta em 14
horas e 35 minutos.
SUISSA.
A assemb'a federal da Suissa terminal! a sua
ses-ao, e nao se reuoir de aova senao a 6 do
prximo novembro.
Ai.n dos debates, sobre assnmpto- de puro in
teresse interna, a assemb'a consumi urna gran-
de parte da seu lempa oa exarae do relaioro sobre
a gerencia do conselho federal.
A as3embla federal sanecionou a-attitude do
conselho federal. Quanto a oeatraiilade a com-
mi.-si) da cooselno dos estados reconneccu om
sathfacao que o cooselha faderal nao tinba perdido
de vi-la a questao da neutralidade da Saboia ; ap-
provou tambero a declaradlo do ministro francez
de que o seu governo se prestara a urna transac-
cao ; manifestoa aerea a esperanza de que os
fictos nao tardariam em corresponder s praraes-
sas.
N'essa occasiao o presidente da confederaba-)
canfesseru francamente que a.garaaiia d: neutrli-
la le das provincias de Faucig y e de Cbablais nao
assentava n'uma base forte. Oisse que durante a
guerra, a Suissa ca tinha querido aproveitar a
situacao miseravel da Frauja ; depois da guerra
o governo francez nao se mostra disposto a ceder
ao- fraco o que o forte llfe tiuna deixado.
O Sr. Ch, Vogt pe lio. ao conselho d.s estados
iu: o governo tamasse a .iniciativa para provocar
urna conferencia internacional para se reguiarem
os direitos e os deveres dos neutros. Fez ob er-
var. que na sitnacau actual, os estados fracos como
a Suissa e a Blgica, tiveram de recorrer na ulti-
ma guerra a medi-as de ama legalidade duvida-a
e de uro rigor extremo, s quaes os estado3 mais
fortes aaoca se suametieram.
O presidente da canfederajaa combateu a p;o-
posta como iaopportunae Ilusoria, por isso que as
convenidas iateraacaaass ni garantiriam nunca
o fraco, n caso de necossidade.
As disposc/Ses tomadas pora o internamente do
exereito fraucez do os.e. f iram approvada-<, assim
como a conducta da gene, al em chefe do exereito.
Mas a camraissao ceasurou urna pas-agem do re-
latorio do general, oa qaal tinhi atacada o julga-
menta dado pilos iribunae's de Neufchalol a res-
uelta dos frauco atiradore franceze3 aecusados de
assassinato.
A ques'a das tranttiras em Bale farnecea oa-
tra incidente na discussao. As mdanos que a
paz de Franfort fez na di-tri:to de B.-lf irt melhora-
rara um eoaco a situadlo, segunda se demonstren
mas o cou3elho federal foi encarregalo de vingar
o negocio na interesse das eommunicac>5es da can
federacao com a Franja.
Contra o presidente da confederajlo f rmulou-
se nina cesura por parte da um represpn-
tao'e de Neulchatel, quaodo disse qae as feli
citaedes. ao annuncio da restaura ca do impe-
rio germnico eram a expressao de un seuti-
mento baixo e servil. O presidente di Confedera-
jao recusiu-s responder aquella injuria Mas o
vice presidente encarregou-se de levantara affron
ta provando que os inieresses da Suissa tinham
sido reservados pelo documento incriminado e que
a sua forma se oao afasia das formas usadas uas
relactis-diplomtica.
O conselho dos astados, tendo em conta as ob-
servH{3esdo presidente da canfederagao approvou
comtudo a propo-la do Sr. Ch Vog'., as com a lx
ma de om convite dirigido ao governo para asta
dir a questao, e formular a respeito d'ella nm
relatoric-.
. Segante as eorrespandeneas particulares aquelle
mesmo Cb. V jgt pronuuciou ltimamente nm ex-
cedente diseursa na grande cadselba de GeoeDra
a favor da liberdade do ensino obligatorio as as-
edas primarias.
O armameato da laodwebr na Salssa foi tambero
objecto das del sracSss da assembla federal
Deeidio-se que aquellas soldados uaa-sem, como
a troja de lian.*-, a carabina Henry Veslerly de
qual rze cartuchos. Com este arma podem-so fa
zer vmte tiros por minuta.
A artitbaria ser augmentada eam 14 bateras
com pecas d'a$a rajadas de carregar pela eulatra.
Tendo o governo da canto de Priburgo recusa-
do a eoncessiu de um caiu'oho de ferro pelo valle
de Brage, ligando o earawuo de ierro do estado d
Berna por Murat ao Priburgo, em conseqnencla de
recelar a consorreneia, a assembla federal an-
nalton n|ajtta decida, e (et offbilmenie a'cae-
eessl) solicitada.
A admioiiraciv) das carreios da Suissa teve na
cinco primeiros mezas da anno um execeedente de
ree.eitas dB 1.100:090 francos.
Uaveodo o governo francez pago ame. sonuna de
das despezas de snstenta^aa o ecep-- Tbs della com a freguezia do AlMaki; fbjanda copa-
iil" BpjjrBks o governo federal dea ordera para
sereff *ntretaes todas as pegas de artilhaiia e
materiaes, i excefQ" das espingardas, o saldo
do eeedita nt s*a oteva-ie teda a tteteeis attlhe^s
Fjfam tet os pontea pnaateaes e de roaier in-
te re4e.de ej' se oeelpoa e essembla federal.
Todos osonif" assamftos eraai secundarios, era-
bora fossewd adrovaletraio, e de
in'.erta.
crgantsajao
rVotidas do. iNadoe raidos
H>ois de um easencle te sate mezet, ac
*edergre3ir a H>eVY.jrfca expedfcao-encarre
gada de dese.brir urna derrota pratfcavel por onde
se possa abrfr. o.ictado aanal, a fiu ge unir *
} tratan do tanto e *anaei,-. o oaeeaao Atlantieo
com o Pacifico.
O resultado da expedicSo anda nao absolnte-
roeote satisfactorio, por isso que consegua, uv Q-
xar ara tragad i pfalicavel por oude dirigir as i!)ra3,
mas demonstrar que comptetamenie irapossvel
abrtr (anal algtxn por Vi* tla'Atlantieo e rio Tuyr.
0 enramandante Selfridge.cbefe da xpedici, des
cobTlo tfffi catninho (pe Jalg praticivel; mas part
a sua reali .icio e exolorac4n havia que latar om
as difflldailes ^'HTerefee a perfuricSa de um
tnel de quairo iinllws de extensa o, e alm di-sta
ainda nutras vantagens menos nataveis
Esles promenores que nos traten os jornaes
amerioa)., a respeito de urna empreza que na-
qaerlo pel >e liga verdadeira iraport-ncia, e*'3
sendo reproduzida na diversas ftinte peridica-;
pelo alcance scentiQc e cxnraercial qo pode ter
a obre de que se trata.
ontio em "Washington a commis-ii e in-
vestigar sobre a orga ni sacio e proposito da socie-
dade secreta Ka Kiux.
Ai declaraedes das lesttmnnlias esto de airear-
lo em que o tira principal da essociaeao fizer
urna forte oppe.-jct) ao governo feaeril, e manter
vivo o odio do sul costra o oorte; nio dar oceu-
Dacaoaos'liberto', e persegni-los at obriga-lus a
abandonar o territorio do tul. Para cseguir este
ti n, qae te eppelloa para o crime, iicenliand-i
as suas casas, escolas e igrejts, deatraindu as sus
searas, e assassieando-os s:uipre qaso padiam fa
zer imuunjmente.
A ommisslo j canhece os seus signaes, pala
vras e eniros nteias de se recoohecerem o asso-
ciados. Tambem se canheceu alguns das cheles de
dittrlcto ; a maior parte desees cuefes saa autig
possodores de cscravos ; e e grosso da aisocia-
cao corapasia la gente mais btixa daquellas po-
toa cues.
A indgnacio d) pavo tera-se desenvolvido me-
dida que se vae correada o vea desst criminosa
rastiiuic), que tinto sangue tem derramado, e
tentis propriedades tem redolido a onzas.
Julga-se qae a pers-guicaa ser muito grande,
at que se consigna um completo exterminio.
Em Nova York procede-tea ama atinueiosa
evesiL-aciu a respeito da de;ordm dos iraniezes
eathulicas. Era comeqaencia desteaeoateciment
torna a despertar a opposicio s eoelgracSes es-
traageiras, e especialmente irlaadeti, qae pre-
leal impdr-se em Nova York pelo seo anroero.
Arada ba paos anuos p;r igual mitivo se for-
mn a assaciico nac mal des Knm Hothnig, s
qaal chema al a negar o emprego aos estrange;-
ros, e infliia ni seio das familias, qae negavara
suas litaas aos qae na tinham aasetdo na rep-
blica.
Com o flm de povoar os immensos territorios qae
se esteeiem em ambo os lados do grande cami-
nho de ierro que vae California, formaram se
umitas socielailes de colansacio, as quaei ol.-re-
cera toda a cla.-.-e de vaatagsHis aos que qaerem ir
estabebeer-se oaquellas trras virgens.
Sao j rcuitas as povoacoes que se teem formado
em pontos de paragem, e centenares deeoc edades
agrcolas cooperativas esto j funecionaada com
os mais felizes resultadas.
Julga ss que dentro e o poneos aa-.o o cani
ana de ferro atravessar urna zona completa nent-
povaada e rica, p Mas suas graudes exploracd'S
agrcolas e in lus'.riae'.
O Herald, do Nova York, publica o segaiale
lespaeho de seo coire-paudenid em Yikulurai, o
jual foi receido por via da California :
i l .'oh rara so ms noticias da e?quadra da al-
mirante Bogers, que si cha na Corda.
As canhoneiras Monacasy e Palos, cora qna -
tro lanchas de vapor providas de mariuheiros e
artihera, subiram nis poiecipios dejunho pelo
rio, para recoabecerem as defezas do inimigt. A
urnas dez mi ibas da embocadura, os fortea rompe-
rn) o figo contra aquellos navios, do qual resaV-
laram dous feridas. Os navios respondern) m-
m ala mente aa fago. Emquanlo durouof-ge,
appareceu um .parlameatario com urna nota asig-
nada pelo coasolheira principal do re, oa qaal di-
zia que o pavo da Corea na> quera ter ralacoe<
de aaahunu especio cora estraageiros. e qua a tri
pulacaa do aavio amaricaoa General Sherman ti-
nha sido coademnada a marte, segundo as lei- do
paiz, por isso qae depois do naufragia tinhi com-
metlido assassiaatas e actos de piratera.
Depois de receber esta uota, os navios volti
rara ao ponto da partida, tomando apuutameoto
das defezas no qu; permitliam as circamstan-
cias. >
Coasta qae em preseajt deste fasta o almirante
Bogers espera iastrucgias qae devam chegar de
Washington.
Alguns jarales da Europa fallam dos esfor-
jis e diligencias erapregadas para deedir o gover
no francez entregar aos Estaios-Uai 'os um cer-
ta numero de insurgentes que foram sentenciadas
deportacao, coro o proposito de es on Unir ans
caaapos de Far-Wers e Gr6at-W sirio os ricos territorios de ".oloradi, e da Bnxa
California. Accresceata se que o chefe do poder
executivo em Franca nao julga impratcavel esta
idea ; antes pelo contrario se espera que elle se
dispanha a aceitar esta proposta, que muita jul
gam singular.
L-se o segutnte na Crrelo dai Estados Uni-
dos :
Ero Janeiro pa3sado organisou-se em Nava
York ama sociedade denominada The Cosmopolt
tan Con/erence, tendo os Srs. Beony par presiden
le, Grgory por secretario e Ira Davis por tnesau-
reiro.
t E-te sociedade reune-se todos os domingos na
Masonie Hall, na ra Bieecker. Eis o resumo de
urna das u timas sessoes I
O Sr. Osboro Ward toma prirociro a palavra
para ler o priroeiro manifest da sociedade ioier-
atciaaaL
Segue-so Iba urna senhora. Faz um longo
elogio de Hennque II chefort e de sua mi1, e de
clara que a CotmopHitan Conference a cemmuna
da Nova York. Clarifica depois a demolijlo d-
coluraoa Veadomo e propSe resolujoes, exprima-
da o voto a a esperanza de que o actual goveroo
francez oao sacrificara ao altar da viagaoca huma
aa o aosso irtnlo e oaborador, Heari^ue Bo:ha-
fort.
As resolocSas sao adoptadas por acclamacau.
Dr. Ctw.s eabsUiua a oradora o diseursa
sobre as doulrinas do amor li vre. Ha om mom-n
to de espanto seguido da urna viva agitacao na par-
te feminioa do auditorio. (Jma senhora aiueaj
desancar a doutor com um guarda chuva e reda
ma violenlameate que seja chamado ordem. O
1 utor bate em retirada, e o f. niao Gnffla loma o
logar deix. dos b?ns. Un abridor de Bowery, o Sr. Kukbao,
grita que nao consentir nunca em repartir o frac-
tj di suu trabalbo cora os < loafers, > que se re
cusam a trabalhar. E' investido por cinco*ou seis
seuhoras e consegue fugir precipitadamente, pe-
dindo-lhes que o naa facam compatithar do witkey
que pareca terem bebida.
Om individuo de Greeaeoiat teota criticar o
goveroo americana, mas iuterrompJo a cada
momento pelas palavras : < Se este governo nao
Ibe convio, v-te embora.- Nos. pastaremos bem
sem o senb ir.
O Sr. Wykoff demonstra o absurdo de qae elle
chama bermas eommuniMas. O seo discurse ecar
reta-lbe violeoUs recrminacoese o presidente sal
va se declarando^ que era lia verdade haver nm
Deas corno elle nao presidir ao meeiing de domin
go prximo. *
M
do mait um distrote de snhlelegich m ferrha de
, Btfni's sh a deeominagla de :aehoeirlalu,
com os limites seguales: omejar da Casi-No-
va, em linha recta para o sul, at encoatrar a es-
trada aova que da villa de S. Beato se dirige
Malta, e segnir por esta a enooatrar os iimi
PEBNAMMCO.
EV1SXA DIAXXJL
HSTrUICCJIO PUBLICA.-Par portara de presi-
dencia da provincia, de SS do corrate, foi no
meado Pedro Ferretea LeKe pera regar interina-
mente a eadeira de lettroeele trieaaria da fre-
fueiiadeS. ht de legiteke.
DISTBICTO PpUClAL -Por aertarte da sreel-
deaela da proviaei, de.Si do corrate, foi ere
prehenddas dentro desses liraitet as casas da fa-
zenda Velia do Bachio, d flaaHa capital Jalo
Barbosa Maciel e a fazjnla Velhi da Volta, do d-
nado Fraacisco Cona da Cmara.
AUTORIDADES P0L!CIAE5.-Par portaras da
presiJencie di provincia^ da 14 de do correte,
foram nomeados subdelegado e supplenf.es do dis-
tricto de Gachoeirintia- na termo de Bonito : Ma
noel Jiiaquim Pacheco, Antoaio Correa d i Roeha,
FraaciscoTeixeir de Palla, Francisco Simis de
Macedo, Lacio da Cruz Cordeiro, Lanoe: SiraSss
Duarte e Antoni" Guilbermuo ae Olireira.
EMBANQUESaguio li mte.ro para as Alages,
.bordo da "vapor Presidente, o Etro. Sr. Or. SU-
vino Elvdio Carnero da Cunha, presidente no-
.par* *sa provincia, s. Exo. f nhado te -torde fteK Exm. Sr. presidente da
provincia, e crescido numero de amigos seus.
Dartnte sna demora oeste etdad-, o Exm. Sr.
Qr. Sit>ja(VVi8itou o gy nnaso provincial, louvan-
do nmiro o acceio, boa ordem e reguuridade do
estabelecimente, qua percorreu em todas at suas
iivl{a.
JUUY DO RECIPE. Foi hontem juigado o rea
BoJapiano dos Sintos, prmunciade n art. 191
do oeig criminal, qiie foi aluolvido p ir tero
Irbuna reeonhecdo a casualidade d) crime
ELEMENTO SETtViL.-Pelo vapor nacional Pie-
silente foi lijiitem reoettiia para o senda gran-
de numero de folhas di manif'stajio promovi-
da pela leciedade Emancipadora, cora P concurso
de ontras sociedades, em prol da grandiosa idea da
libertario do fructo do v:ntre ateravo, ooatida na
propasia apreseatada s cmaras legislativas pelo
pai'ir executivo.
As capias remetUJas aehavam se eabertas d
assignataras, e sem duvida nenhumi estas dira
aos representantes da najao qaal o peasamenta
da populacaa d'esta importante cilade do ttecife
acerca da ref-rida proposta, ecom especialidade
acerca da liberdade d) Veutre.
A Sa:iedade Emancipadora da Recite fui qnem
prmeiro se dirigi ao parlamento pedinla a liber-
tar) do veatre, orna meio ceno, segarissimo, da
exiiocci da escravida. I-ta me.-mo coosta da
luminoso parecer qae I camra'tempanara apre-
seaten a commisso especial, por eili eleila no
anno proxmi fiado, para e.-tudar a questao do ele-
meato servil.
Era justo, era ludUpeo3aveI que qaem prmeiro
fallou reuresenuja) aacioial nessa generosa,
hu-naaitaria e civilisadori idt, dsse urna iac-
quivau p-ova Ha qua se apoiav e aiaia se apoia
a'uraa pipuli^lo resoeitavel, quer polo numero
de cidadts que a coropSe, qur e priecipalmeata
pela sua illustrajao ecnterio, lautas vezas exhibi-
dos em soleraass occas5es.
- Essa prava ah val para a corte, maofesta, cla-
ra, positiva, eloqoente : esse crescido amero
de assignaluras qne cabrera as listas, que encer-
rara a adhesao completa dos habitantes do Recife
liberdaJe do ventre.
As assignaluras par ora montara I 2.00J e tea-
tas.
Na curto lapsa de lempo medalo en'.re a aber-
tura da a-sigaaiura e a sahi.1 do paquete, alo
era possivel fazer-se mais. Novas lisias; porm,
vo ser depositadas n'outros pontis, e ests, como
aquellas te bao de cobrir sera duvida de assg
uatura-, que rao por saa vez testerauharno seio
da representarlo nacional a adhesa de Peroara-
buca i lea Ja liberdade do ventre, e ao mesma
tempo,contrabatan;ir as falla las representijoes do
sul coatra a praposta do poder executivo.
Hmra Socielade E nancipa lora do Recife, que
se poz te-ta d'essa manifestacio sublime I lijara
ao pavo pernarabacano que se revelan ;:nla urna
vez aa altara da civ i.sacia e das progressos do
seculo I
NOVO ATH3NE. Esta sociedade reueio se ex
traordiaarUraente oa quinta feira ultima, sob a
presidencia do Sr. Flix de Figueiroa. Tomaram
.asento os Srs. Arislides Divil Madeira e Luiz
Accioli Pereira Franca, os quaes agradecern),
dopois de felieiladas pelo orador ad hoc. Apprava-
rain se diversos socios honorarios.Tiatou-se de
importantes negocios saciaos, e nomearam-se om-
missoas para tratar da sesso fnebre em memoria
do sacio honoraria Antonia de Castra Alves. D.-li-
bemu se que por motivos imarev.isios fleasse a
sess) ordinaria de amanha traasfenda para se-
guada-feira (8) s 4 horas da larde.
MUS 1AS NOVAS. Do estebeleciraento do Sr.
A. J. de Atevedo, ra do Bario da Victoria n. 11
acabara do sabir luz da publieidade duas linlis
simas compojices musicaes do flaado ratelligen
te maestro a Sr. E. Casalbare. Sao ellas : Le
petit lazzarone, polka napolitana, e Un ia, gran le
inazarka.de cancerta. N'esla ultima .oolaboreu o
9r. Smalrz, visto como ao floar-se, o S-. Casalbare
dejxaa a incompleta.
DlNHEiBO.O vapor Presidente levou hontem
desta para'as prams abaixa as seguales qaaatias:
Micei 4'):000j000
Ra da Jaoeiro i2:000g0:)0
MEZ DOLOROSO, Sexta feta prxima, 1. de
setembro pelas 5 toras da maohaa, ser canuda
ana missa a Nossa Seabora das Dores, erecta aa
igreja matriz de Pao d'Alho, depas da que ser
hasteada a baodeira da raesma Senhora, eoroejao-
do oo mesmo dia pelas 6 horas da tarde os excr-
cicios do mez doloroso.
IPOJOCA.Este vapor da compaahia Peroara-
bacaoa sabio do porta da Fortaleza para o de
Graa.a.e escallas 13 do correte.
IRMAOS PEDIXTES.-O Exro. e Rvm. bispo do
Miraaho expedir* oo dia 5 do cecreate a seguale
portara acerca dos irralos pedales. Bam preci-
savamos da applicajao d'essa disposijo ao aosso
hispido :
Teado-se introiuzido nesta ossa diocese, con-
tra o di-posto na Gonslitnicao da bispado Liv 4.,
Til 6i, o abaso de esmolarem mutas pessoas de
parte em parta, trazeodo tomsigo as imageas de
Nosso Seahar, de Nassa Senhara, ou de algum
sauta ou saata, era vulto ou pioteda, levaado-as e
mutas vezes collocaoda-as em lugares adecentes e
ex^iondo-as a freqacntes irreverencase desacatos,
arrefecendo por tal sorte ao e.tpirita' dos fles
aquella venerarlo e fervorosa caridade que deve-
lis ter para com as ou-as de Deus, de modo que
pela escaolalo que tacs actos dio motivo, mais
parece objecto de tracto e negocaclo, mutas ve-
ze deixiolo por isso de ter o producto das esma-
las dos fiis iatera applicarlo, coaviada reprimir
seraelbante abu-o todo prejudicial ao culto e por
urna vez fsler cessar taes irreverencias e desaaa-
tos ;agradas iraagras da Nasso Senhar, de Nassa
Senhara e da seus santos : Determinamos que as
cenfrarias e irinindadas d'esta nossa diooese s-
mente possam esmoiar porta ou adro das igre-
jas, despertando para isso o procurador, andaior
ou um dos respectivos raesarios. E na forma da
citada Constituirlo ordenamos aos Rvras. parodias
que_ na coosiatara esmoiar as suas fregnezias,
seaa aa firma cima dea arada, excepto se a
pessoa que pedir esmola, apresntir licenca nossa
por escripto, em coja caso .rnente consentirla na
forma e segn lo as declartroes da hceaca que
antes devera exhibir.
t E-ta ser iida estarlo da missa parucnial
em 3 das fe:tiros, demuda os lUJs. parochos por
esta ociasiao exh rtar os fiiis, para que enviem
suas esruolas s igrejas, li-arila por e-ti forma at-
tendidas e garantidas as suas devoedas.-Dada
nesta cldade de S. Luiz da Marauhla s b nasso
signal e sello das nossas armas, aos 5 de agoste
de 1x71. E eu o conego magistral Manoel Tavarts
da Silva, secretario do bi-pada, a subscrevi.
Luiz. Bispo do taran hilo.
COMMIAO SCIENTIFICA.-Lemos na Pan,
da capital daMaraonao :
Nesie ou no mez segu o te tem de chegar
esta cidade ura navio americano, trazando a sea
bordo ama commisso scieotifica composta dos sa-
bios professores Agassis e Tbomaz H deote da Universidade do Havard, para explorar
as coste d'este imperio.
CUilVETA BAHI.4NA.E'te navio da armada
brasileira sanio de Fernando-de Nonmha a V ii
jalho em vigera da instrucro para o Ro de Ja-
neiro, pelo Para e outros pertos do oorte do Brasil.
NAVEGACiO DO AMAZONAS.Na or$ament
geral da repblica do Per ach -se marcada a
verba de 80O,f300 (cerca de 00:000/) para a ac-
qaisico dos vapores necessarios ao estabelfd-
mento de urna linha postal entre Tqnitos e o Ptr.
NOVO VAPOR.Do porto de Wilmingtoo (De-
la ware), nos Estados Unidos, devia partir a 10 do
correte mez o vapor Joo Augusto, mandado alli
construir pela compaahia fluvial Partease, com ca-
pacidade para lomar H.000 arrobas d carga,
a'ra do eombostiveL
MONUMENTO A' GONCALVES DAS. Lemos
ao Jornal do Caamerco de Lisb.-a :
< 0 modero da estatua de Goocalves Dias, foi
feto pelo escultor o Sr. Reii, e nie desda dot tre-
balbos qoe deete artista slo Mohecidos.
a 0 moaaraeata diversifica do de Baeige, a
descripj.io doquil rusraot alai, ha pauvo'leoife.
Canste-nos que a iuUHau e eSforco do Sr.
Dr. Antuaio Hennquss LaBf devida o tributo de
respeito qae o Brasil -vaftfagar memoria da-
quetle hornera de iettras, qae a saa patria enno-
breceu,
t A.a Sr. Dr. Leal (que ha cerca de tres anaos
se aehi eofer'mo "em Partugal) oceorrera; logo
. aps a prematura marte do poots, a idea do Ibe
! ser levantada un) monumento, Por erra lidoa, de
' forma que, devido sua perseveran?i, vai ser
1 posta em exeeocio.
O Sr- Salles compromelteu-se a dar a obra
concluida e prampla a embarcar at o mez de
I abnl de 1871
f A altara do monumento desde a base de
1 Um,30.
< A esta la do corpo inteiro, apreseotando o
trajo habitual, de sobrecasaca, pendeada do hom-
bro esquerdo ama capa.
f Na mo esqaerda segara ura rolo de papis,
tendo o brafa encostada ao peto.
< 0 braca direitu cai naturalmente ao lado, e
d mo ihe peade ama e-ar i do folhas de lauro,
que vai repousar oa parte superior 4e urna lyra.
Ao? pos, do lado opposto, est o syrabolo da
drama.
A estatua assonta, ola em columaa, senao
no arremedo delta. O tronco de ama palmeira,
cuj is folhas sao apandadas de esoajo a espaco
par preeinta, Hguraada de capitel s extremida-
des de qtatru fallas que fijara solas.
i A peanba era que asseuta a estatua aiuda
formada com o tronco da palmeira.
No pedestal serla eolloetJes, em baixo rele-
vo, os bustos jis qatiro liUerat)s mmh rases, ires
dos quies sIi; Oiorica Mea le, Solero e Jlo
Fraocso Lisboi.
O pensameoto e combimcio do monumento
do Sr. Dr, II rariquo Leal: o escutptor obedeceu
as iadicajis que forara proscriptas,
O monumento ser resguardado om grada-
ra de farro, que tambem feta em Lisboa.
O Sr. Germano da Sillas aju'tou o mooamea-
to, posto a bardo do navio que o coniuzir, de-
vidamente encaixataia, p r daus cantos di ris.
LOTERA.A qoe se aeha venia a 215' a
beneficio da nova tgreja de Nossa Senhora da Pe-
nda, a qual eorre no dia 29.
PASSAGEIROS.Viudos de Mamanguape no
vapor Cururipe :
Antonio Hirmrao da Silva Salles, Jas Piaaeii-
co de Salles, Manoel Jo.- Pereira, Joaqun) Fran-
cisca Pareira Pinto, 3ua seabora e menores, Jos
Valioso de Azevedo, Jerooymo Das Alves Pi-
menta, Manoel Francisco Cirneiro, AveliooTaii-
riano de OJiveira. Jas de Piola Santos Olveira.
JasJoaqoim da Silva Pontes Juaior, Antonio Jos
Pedro Gracilves, Fraacisco Luiz Martns Pereira,
Francisco Pulcherio Gonja'.ves da Andrade Filho,
Joaquim Athaoaiio de Araoja L'ita, Vicente Fri-
zolla, Pedro Goda Ji <- Juvenal de Arauja Lima,
e 1 escravo a eniregar.
Viudos da Ilha de Fernando no vpar ion-
d ikU :
Dr. Pauliao Rodrigues Feroindes Chives seu
respectivo escrivo, Jos Purlencio Riteacourt,
Domiogos de Souza Barros e sai maihr, e cinco
filhos menores, Caetana Mara da Conceiro, atie-
res Gerciao Maitias d'Oliveira e Cruz, dito Mara-
oo Ji Pereira di Silva esua mulher, alferes Joa-
quim "Jorga da Mello filhos e 10 pracas de seu ba-
talhlo, 4 soldados, 36 sentenciado*, o menor Joa-
quim da Cinni e Sauzi, los?fa Mi'ia da Coocei-
Clooumi filha monor, 3 mulheres dos meamos
seateaciados e 5 filhos, fioralo Maximiano da Gu-
nha.
CEMITERIO PUBLICO.-Obituario da dia 24 de
agosto de 1871.
Mina, parda, Pernambueo, 1 auno, S. Jos;
variolar
Adelaida, parda, Pernambueo, 4 annas, Boa
Vala ; gastra interite.
Jo- Kibeiro Guimarls, preto, Pernambueo, 40
anno?, soltero Boa Vista ; anemia.
Vieencia, parda, P^raamauco, 2 aooos, Grara ;
queraadura.
Rufina, escrava, parda, Pernambueo, 1 mez,
Afigadas; cravui oss.
Francisca Xavier, branca, Pernambueo, 21 an
ao<, solteira, Boa-Vista ; phtysica laryngia.
Pedro, escravo, preto, frica, 40 annas, soltero,
S. Jas ; phtysica pulmonar.
Amonio da Silva Maia, branco, Portaba-, 41 an
nos, solteira, S. Jos ; nepbrite.
Flarnda Mara do Espirite Santo, branca, Per-
tiambuco, 40 anuos, solteira, S. Jas ; ulceras oes
inteslioos.
25
Ernesto, branca, Poraarabuea, 2 mezes, Boa-
Vista ; coovulsoes.
Fi triada Mana da Caoceiqao, parda, Peroam
buco, 17 aaoo', soltero. Boa-Vista ; aboesso oo
veatre.
H--rmma, parda, Paroirobao, 8 mzes, S. Jos ;
broochile.
Pauliaa da Luz Magalh'tes, branca, Pernambu
co, 18 aaoos, solteira, S. Jos ; tubrculos pul-
manare-'.
Simplicia, escrava, preta, Mjrauho, 28 aaaos,
s Ileira, Bia-Vista ; varalas.
Euhli i, arante, Paraambuco, 8aooos, Baa-Vis
ta ; ascie.
PaaU Caadida d; Brito Inglez, branca, Pernam^
buco, 7o annos, solteira, Sanio Antonia dyanho
chrouica.
3C
*
gnet de Mello. Do jnizo municipal do Boejoo
AppTjlnrate, a prete-'Q-Oieria ; apaellado, JDeJua-
dre Salarotoo de Albuquc-rjue.
Ao Sr. desembargado* Regaeira Cotia:
Do julzo municipal do Recife. Appellaoft, Jba-
qnira Salvador Pessoa de Siqqeira Cavacante; aa-
felledo, Salvador d Si^oeira fsvalcaote.
Do Sr. dosembarfador Oeafct ao*8r. desemoaf- '
radar Domingues da Silva:
Do jury do flufqiie.-ABjttllaale, o 'jaito ; ap-"'
pelldo, Jos Affro de AlDiiqoerqae Maranhao. Do
jnry da Arela.Appeltaate, Vicente Ferreira da>
Silva ; appellada, a juetija Da jnrv de Meeei*.'
Appellante, o jaijo ; tppeliado Joaqaim Aotenk
Larneiro S.ldanha. Do jnzo municipal de S. Mi-
gnel.Appeilantes e appellados juntamente, Anto-
nio de Moura e Castro; Firmino Texera de Mon-
D) Sr. desembargador Don^gues da Silva aa
>r. desembargador Uegueira Qa :
Do jury da Barbaltia.Appellante, o jnizo ;ap-
pellai, Joaqaim Pereira dos Sanios. Do jury de
Agua-Preta,Appellante, o juza ; appellado, IV
lix Antopio Marioho. Do juiy de lumb. Ap-
pllanle, ojuizo ; appellado, Manoel da Crna o-
iNascimento. Do juiza raanicipal do BonHnAa-
prllante, Francisco de Barros e Silva ; appeHaao,
Jos Ilib-iro Ribas. Embargo do joizo mneiti-
nal de Pedras de Fugo. Embargante, Virginio
Horacio de Fretas; embargado, Joaqaim Miateiro
Guedes Goadin.
Do Sr. desemhargador Regueira Costa ao Sr.
lesembargador Souza Lelo:
AppellacSe! crime?.Appellante, Manoel Perei-
ra ll.-anqii.'s ; a pelladJ, -jestiet. Apatllentf,
ojuizi; appcllalo, LuTz Pedro de Amoedo. Tlp-
liellaate, o jnizo; appellado, Lliz Fe|re<|a Ve Ras o.
Appellante, Aiitoaio Je. Ceme>: apfenda, a j-
tr.
Do Sr. dsembargador Sojiza Leo ao Sr. dea-
embargador Gitiran : 1 '
Appellar^es civeft Appellante^ Jote Ferreira
Ceelho ; appellado, bacharel Lurt Lpez CastelU
Branco. Appellante, Jos Osario de Meltoj ap-
pellado, Dr. Ernesto Augusto de Va se once I tos Cha-
ves.
Ao Sr. desembargador Preitas Hmrqnes :
AppelLc/3es cveis.Appellante, Felippe JuioV
Castro ; appelladas, Manoel Their. F-rretm e en-
tres. Appelliote, Ji>s Franeisro de Olveira ; ep-
pellados, Domingos de Barro randao. Apeeasan-
te, Alexiodre Guedes Alenlerido;appellido.lTraa-
cisco Antonio de Assis. Appeilar&js crinttt.aa-
pellante, o promotor; app -Hados, tialdrao Arveeaa
Silva e nutro?. Appeilaule, O joizo; appciiaV, Jo-
s Antonio Baptista .
Da Sr. desembargador fraila Henriques aa Sr.
desembargador Giiiraa :
Do jury do Teixeir.Appellante, o juit? ; ap-
pellado, Tuomat Bolrignes da Silva. Do jury ie
Pesqueira Appellante. o johm ; appellado, JoV-
Virgioio Ferreira de Mello. Da julzo mantelnal
da Fortaleza. Appellante, bacharel Manee! df>
Souza Garca ; appellado, i. H. firaft & C.
IlEtiqKKCU CBI.MK.
Ao Sr. destn.l argador promotor da jmthra :
Do i u y de S. Jos de Missa- V.-lha.-Appellan-
te, Jos Severrao Landim ; appellada, a jusf.
Appellante, o jaiza ; appellado, Stveriao Jes
do3 Prazere;.
)
'*
(BROMCA JUDI1ARM.
r.illl \\I. DA Ulil-KtO,
. ,SESSaO EM 26 DS AGOST) DE 1871
PBESIOE.VCIA DO EUI. Sn. CO.NSELHEIRO CAETANO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da maahla, presentes os Sr?. desem-
oargadares Gitirana, Louran*a Saoliago, Almeda
Albuquerque, Doria, Domingues da bilva, Reguei
ra Ca?ta, Sauzi Lelo e Freitas Henriques, fallando
eam causa o Sr. desembargados Guerra, procura-
dor da cora, abri-se a sesso.
Paseados es feitos derara-so os julgamentas se
guiutes:
RECURSOS CRIMES.
Recarrente, o juiza de d-reito do Bonito ; recor-
rida, Jaaquira Fraacisco ios Santos.Juizes os Srs.
desembargadores Souza Leeao, Frefas Hanriaues,
Dara e Lourenco Santiago.Improcedente.
Recorrente, o juizo de direito da Imperatriz; re-
corrido, Jo'gncio de Souza.Juizes os Srs. des-
"rbargadore: Uegueira Costa, Almeda Alboquer
que, Gitirana o Souza Leo.Improcedente.
RABEAS CORPUS.
Concedern) soltura a Francisco Antonio de
Mella.
APPELLACOES CIVBIS.
Di jnzo mumci al de Olinda. -Appellante, ba-
charel Chrystov Xavier Lopes ; appellado, Anto-
nio Francisco Alves. -^Reformada a sentenca.
Do juizo municipal da R cife. Appellante, a
preta Franclla ; appellado, J le Martns de Mella.
Gadfirraada a senter^a.
Embargos remetiidos do juizo municipal de Ma-
cei.Embargante, Macario Ja Go>ta Moracs; em-
bargado, Rjd igo Antonio Brasil-ira Macei.Re-
eeberara os embargo?.
APPELLACOKS CRIMBS.
Da jnry Je Itamb. Appellante, Manoel Joa-
quim de AadraJe Vascoucellos ; appellada, a jus-
-tica.A' novo jury.
Dj jury do Sardai.Appellante, o jnizo; appel-
lado, Jola Antonio de Vera?.A' novo jury.
PASSAGB.tS.
Di Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desem
bargador Loureora Santiago :
Do jury de Garanhan3.Appellante, Jas Fran-
cisco da Almeda ; appellada, a justiga. Ba jnry
dcwltig.Appellante, o juizd ; appellaxlo, Adalpho
llruuo das Santas Da jury d Barbalba.Appel-
lante, o juizo ; appellado, Lourenco Gao jal ves da
Silva.
Ao Sr. desembargadar Guerra :
Da juizo municipal de Baoaaeiras. Appellan-
te?, Lu e Ftlippe, par seu curader; appellado,
Virginio Eusebio Cavalsante.
Do Sr. desembargador Loiirenco Santiago ao Sr.
desembargador Almeda e A!bu uerque :
Do juizo municipal da aranuem.Appellante,
o curador geral; appellado, Vicente Meodes Wan-
derl-y. Do juiza municipal de Nazaretb.Appel-
lante, Manoel Thomaz de Albuquerque Maraobo;
appellado, Igtacio Vieirade Mello. Do joizo mu-
nicipal de Pao dos Ferros. Appellante, Manoel
Le.te do Espirito Santo ; appellada, Manoel de Cal-
das Costa. Da jury de I tamb. Appellante, Joo
F.ancisco Alves ; appellada, a juslica.
Do Sr. desembarga lor Aim-raa Albuque/que ao
Sr. desemba'gad >rJ3ana :
Do juizo rnanleqial da Recife. embargante,
Galdiua -Jos S ratas Nuuea de O'iveira; embargda,
Mmoal de Azeveda A o Ira le. Di juizo municipal'
do Sobral.Appellante, Manat Duarte Repardo ;
appsl ado. Francisco Alves da Fo ,ceoa. Da juizo
municipal da Cabo.Appellante, Maaoel Seraami
de Tcrret; appellado, o juiza de cajillas. Do jui-1
zo municipal da Parabyna.Appellante, Manoel da
Coste Lima; appellado, Gabriel ArcjMuyo Redri J
DELIllEN'CIA
Ao Dr. curador geral:
Do joizo municipal a Imperan iz.ApeeBaatt
Manoel Correia Barbosa; appcHado, BeaiciaTWr&
Torres.
Assigno-se dia para julgameoto dos segomte?
leitos :
appellac5es ctvsis.
Do juizo municipal de Pedras de Fogo.Embar-
gante, Victoranm Jos de M*-l'o ; embargado, Fa-
iiciaoo Cavalcaoteda Caoba liega.
Do joizo muoicipal de Serila -m.Appellaaie.
Custodio Pereira da Costa ; appellado, Jos lei-
xeJra Lima.
Da Pao d'A;h .Appellante, Symplicio Jote dr
ndrade ; appellado, Joaquim Jos de Barros Cas-
sos.
^ Do Rocife.Ampollante, Jos Luiz Ferreira da
.losla ; appeilad., D. M.na da Cunee:cao Caavas,
Pl'ELLAgAO CitlAIE.
Apellante, o juizo de Gaiauhuus; appellada, Joa-
quim da Silva.
OKSTRiuuigao.
Apellaroes c-ivei :
Aa Sr. dasembargador Gitirana :
Do juiza dos fetoe de Mac-i. Api.ell.iut, Ma-
noel Joaquim d; Souza Laaa ; ap. aliados, bacha-
rel Jos Marcio da Silva e o juizo, .
Ao Sr. dfsembargaJor Guerra -.
Di juizo municipal do Recifo.Appellante, Jo-
s Pires da Cruz e, sin mulher apellados, einva
e lho3 do Dr. Joio Ferreira da Silva.
Ao Sr. deserabargadar Lourenco Santiago:
Do juizo municipal do llecife.Appellantes, es
herdeiros de Itercuiaoo Deadata dos Saolas ; ap-
pellada, M nael J^nuario de Barras
Ao Sr. de: em bargador Almeda Albuquerqae:
Do joizo raanicipal da Imperatriz.Appellante.
Domingos Rodrigues de Olveira : appellado. Peor
Barroso Va leo te Veras.
Ao Sr. de-wnbargador Fretas Henriques :
Da juizo municipal do Inga.AppoiUutes, Anto-
nio Alves de Souza Pontes e oatro ; appeltedo, Je-
ronymo Leo polio de Arauj) Pereira.
Ao Sr. dserabargador Doria :
Do j izo muoicipal de Quxeiraraob.Appel-
lante, Jos de Hollauda Lima ; appellada, Joaquim
Antonio da Cuaba.
A Sr. desembargador Domingues da Silva :
D. juizo mouicipil da llecife. Appeantet, ee
berdeiros de Bercardino Jus Montelro : appellada,
Mara Francisca do Carmo Rocha Coste.
APPELLAQOES CRIME1-.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Appellante, o ano de direito de Garanhuns; ap-
pellado, Luiz Morelra de Anlrale.
Ao Sr. desembargador Loareaco Santiago :
Appellanle, o juizo de direito de S. Beato ; ap-
pellado, Jaaquira Estevo, escravo.
Ao Sr. ilesen.ii'irg.'id r Aimeidii AlbaquerojO:
Appellaate, o juizo de direito da Atalaia ; appel-
lado, Jos Ferreira les Santos.
Ao Sr. desembargador Doria :
Appellanle, ojuizo de direito de Pao d'Alho; ap-
pellado, V.cenle, por seu curador.
Ao Sr. desembargador Domingues da Silva :
Appellante. o jaizo de direito da Imperatriz; ap-
pellado, Clementino da Cunhi Ohveira.
Ao Sr. desembargador he;ueii!a Costa :
D > j'iizo da diiTito de Balante. Appellaate,
Raymundo Antoaio de Fretas ; appellada, Tneo-
d i-1, escrava.
Ao Sr. desembargador Souza Leao:
Do juiz) de direito de Nazaretb.Appellante, Jo-
s Ricardo dos Santos ; appellada, a juzu\i-
Ao meio dia encer.ua-se a sesfo.
rHIBUliAL DO COHHBRCIO
ACTA DA SESSO ADMINISTRATIVA DE i
DE AGOSTO DE 1*171.
PRSSIDB.NCIA D EXH. SR. CO.NSELHEIRO ANSEU1
FRANCISCO PEBBTTI.
As 10 horas da dia, estando reunidos os Srs.
leputedos Olioto Bastos,Caadido Aleo forado e Alvaro
e supplentes S Leitlo, filiando com cusa parti-
cipada o Sr. deputado Miranda Leal, e sendo Bo-
rneado para servir de secretario no impedimento
deste o mesmo Sr. Olrato Bastos^ S. Exc. o Sr,
conselbeiro presidente abri a tsalo.
Lida foi e appcovada a acia de sesso de 11.
IXPED1BMTB.
Oflkia do secretario do tribunal do oemmervito
da capital do imperio, companhado de urna lela-
co dos commerciantes mtiritulados em dito, tri-
huual durante o mez de junbo ultimo.-Mandan-
?e para o archivo.
Jornal offlcial da- n. 18i a 190.Para o archivo.
Tocou por distribuirlo ao Sr. deputado Candido
Ale forado o livro Diario de Ferreira de Alaeitf*
& C.
A Julo Baplista Moreira, canto procurador has- ,
faote de Jos Joaqaim Das Fern;.tdes Jnior, fui
deferido o jaranelo do estylo para ser transferi-
da a seu constituale a carta do registro do pal'
che Vulenle que' ora se d*nomina Jaler.
aasr-Acao.
Reqoerimenlo de Viatraa Castro A-C, sotaiet-
lendo a registro a noaeacao 4e aea otixeii o.Jn-
rique de Castro Pagel.--.Archive-*.
De Antonio Doingues de *eielda P#"ip
mesmo sentido, tendo o caixeiro nt>me*do lie* Jftr-
raioo da Fouceea Souia.=*Saai.
De Sebettiao Jos Bxerra Cejrakanli,
submettendo registro a nom
xeiro Eulampio Leandro de Goave w-
De Antonio Marte de Miranda Jfcee
submeueodo a reajUtre a de- tea* eatj
Darte Pettoa 'raga e Ui
Campello.-Como pede.
Da Co:ha A Gome, juntenao iai/|
Ssirar a de seus caixeirot Pedro Iva C
iturnino Sartiva de Moura.Seja
Da Manoel Cootoo Gu.oauiea, UidJJ^H
para te Ibe registrar a not
Joio Franaisco de Oiveira.-
Da JaJs Aogusto dt
-.-
1
\
\ .'Si
W


**
aaffe a iu
fe tejtacii
diario de Femambiico Domingo 27 Je Agosto de. Ifi71.
Junta dos carretares certiflcap-lh qaal
tj acatarla da u-ititna venda das apolioes da
Cemauaaia lodemcisadara..-Cerinjae-3e.
Os Custodio Joaquina, fcopo. o"e Saun Janior,
pediado por eerlio o fhacr de sua matricula de
ealxeiro de Antonia Diorte Camaina Yiauna,
Cana o requer.
Be Emilio Augusto Dehachett, p9dinJo que se
Iba mande cmtlcar se no anno passado fai on
ia registradla ooroeagio de sen caixeire Andr
~*1 da SHva.CarKIque-se.
Maaoel Fcrreira Piolo Mheiro, no mesmo
,JFdo qoaulo ao eu caixero Domingos Frederica
a lt- rtWti 1870. -Difer lo.
lia lva-t Jaaquim Felippe, na qualidade le ad-
kwlrideres da rca-sa Taluda 4* Antonio Pedro
la. J(Wio.. paliado que se Ihes certifique se existe
registra lo a.-n cjatro social celebrado em 1867
kanVjfotnoio Ptiro 'Je Mello e Ja< Tavares Car-
airaj-atinjo se-lhe.* por cenilio verbo adverbum
ovullftl d*dla.t^TM"requeron.
1>* ttdarniiiio da Rege Duros, para se Ihe eer-
tiflear achar-B matriculado como seu calxeiro
Xe>rtfo Joaqnini de Lima.Passe se.
Da h< Joaqun Das Fernanes Jnior, para
wr aoMlado o regiitro do patacho Valente, que
paaeou a denoainar-se Veloz, no senado de par
:eneer-)he por liave-lo comprado por eserpiur.i
puMtea lavrada os notas dotabelliaa Porto Cir-
reer*.Fa^ain-se a annolsgoaa pedidas.
De Machado 4 Honra, aposentando na forma
4* le 9 seu distrito sjcI. Visti ai Sr. desam-
barjjador fiscal.
De-aJos-tioai fiamos df OI>sra, tambem apre-
seatanda o distrito social de Ramas & Temporal
oh qaal posto inlerviesse seu I gitmo precuraJor
por estar eoia aioJa em Portugal o jupatcaata.
uraem lempo ratifL-ado.Compra m d*oes oo
,7. do au. i.' do decreta n. 4305 de 9 de abril,
i 1870, sendo o distrato assigoado por tes'.emu-
nuas.
De Jos Bom Ramos de Oliveira e Joaquina Bap-
tisu da Silva, declarando haver se dissolvi.to a
soeiedade >ub a firma de J s Baa, Silva & C,
cuia distrito feito na ausencia do prhoeiro sappl
canee, elle o raiii;a e:r. tola sua plenilude para
qw eeja adrailtida a registro.Cumpram o dis
porta ao 7.* do art. 2. do decreta n. 4501 de 9
da abril Ue 1870, sendo o Jistrato asiguaJo par
tejiamunhas.
Dos niesmo?, apresentaola o contrato social l-
timamente cel brado sob a ma Je Jos Bom &
Silva. As-ignal o contrato por testemunhas, v
coro visia ao Sr. de^enbargador fiscal.
De Manoei Francisco Marques, reco'benlo a car-
ta do regi-tro do patacho Val?nle, allm de ser doe-
oaerado da responsabilidade que contrahij com a
sua expedir) Na f-r r^a ptdida.
Rep'ica i e Aiamson How e & C, de*l.iran1o Ic-
rem saii.-feo a exigencia do despacho de 17 do
corronte.Volie c.ui vita ao Sr. desembargada
li-caL
ras passava, o que nid %o
aloras privadas ? Quintas
islla colleotoria de com-
rain, feWas por esaripla-
ns e lio 'requemes naqo* 11
iTfo-qeje as e
pieria dado eo
sitas nao tem
arae vendas
ras privadas 1
leojpo?
Quem poder prever o de/raudamaolo da fa-
renJa par nasa) da nocaUamo en soa receita des-
sas ouirasslaslf...
A' margena, porm, essa consideraco; o ceno
que o defraudamento da quantia de 7 916*003,
provado da combinado daqnellai dnas cerlidSe',
que ce acbam na thesouraria, e correra publica
das, nao pode ser nem ao menos sopbismala.
A falta de lncamentos daqaelles conbecimenlos
nos livros da coilectoria, nao pode ser atttibuida a
desleixa do escrivo, no cumprimeoio da sena de-
vores. %
Em urna coilectoria de to pouco rendimsnto, e
de lo pouco trabalho diario pode dilB:llmente dar-
sa a falta de am outro lanamente por maro des-
cuido on negligencia-, porm a falta de (andamentos
de tantas oonhecimentos He sitas, de 17 eonher.i-
ment.s, na importancia avullada de 7:946*000,
Dio nao fol e nem nanea ser obra do desleixo;
* o resaludo do mais perfeito oelculo, o effelto
da maii requintada fraade, a prova do mais
atrev o criaM.
Alem disso, se eisa falta de lncamentos tivesse
procedido de desleix*, descuido ou negligencia,
estn, o reeolhimento dos dinheiros na ibisoorarla
imj'rfr:
1 estado da historia mtHersal e\ Wo uto esperamos mostrara vaotagem
noro Bieiho)> **. ',^%PMJi87B,,"8ed,'M d,,i*la-
*m Augtulo Fernira dt$ Cotfa.
dos
Esboaado ooma flejtf a formaeip e oastiutfcao
mJ,ppi HJPt W TejamSiVaeTlIrn** oo
oto de rufllmb proveiro a sna adopeo fllra 9t*n-
do d'esse ramo de humanidailea Mal elle
de preferir a esse m?tbodo
aiiea
fjstf
fetlo pelo referido tollector dvi ser superior
COM I'ABUCSB NSCAL.
Requarinaento dacompanhia de segaros torres
treao omitimos ?h?nx Pernambucaua.Na for
ma requerida.
De Joo^ Pedro Rodrigue, Joio Maria dos Saf>
tos AlmciJa e Antonio Henriquo Rodrigufis.Faci-
se o rp{?istro na fonna do decreto n. 4394.
De ioao Pedro Rodriea, Joio alaria dos S >ntoi
AraeiJa e Joaquim Xavier Vrira Ligo.-Gamo
requereu1.
De Virialo Conidio Lopes.Deferido.
Rahbllitacao de araho de Oliveira Borge?.
A4 ado, por r.So ter comparecido o Si*, depulado
Miranda Lea!.
Officio da junta dos corretores (dalo na sesso
prxima pas;ada).Cuutii di adiado.
Dada a bora*(ll e meia da mauhaa) o Exm. Sr.
wnselheira presidente easerrou a sesso.
SES30 JDiArilA.KM SV DE-AGJSTO
DE 1871.
faKtBSNCI\ DO El. SR. CON8BLBEH0 A. F. PI
RBTTI.
Secretara' Julio Guimares.
Ao meio da leclan-a se" abena a sessao,
entando reunidos 03 Srs. desembargadores Silva
.Gaimariee, Res e Silva e Aeciolt, e os Srs. Candi-
do Alcoforado, Olintc Bastos e Alvaro, filiando
com partidpacva o Sr. Miranda Leal.
Lida, fui approvada a acta da sesso anterior.
ACCOBDA! A Apael'aole embargado Antonio Pereira de Car-
valbo, appelladas embargantes os aJniinistrarlores
da mas-a fallida de Antonio Jas de Figueiredo ;
appellanies Suva Rocha i Machado, appellados o-
caradores Aseaos da maesa fallida de Fonceca &
Santos ; aapellante appc'.lado Antonio Valeotim da
'Suva Barroca, appeante -app liado o administra-,
dor da massa fallida le Sebastiio Jas da Silva.
JULCAME.NT.
Appe'.lanlo Jo Franci-co di Reg Mello, ap-
pellados Simen Broad & C.; appellmte J.o de
Azeaelo Pereira, appel'ado Antonio Gomes Pires.
Adiado a pedido dos Srs, deputadrs.
Nao estando presente c Sr. Miranda Leal, Rcaram
sobre a mesa os feitos adiados na precedente srs
sao entre parles, embargautes os administrador-
da massa Mlida de Aaioriin, Fragoso, Santos &
CL, embargada Francisca Jos Ja Silva Guimarss;
spaeHantis os corad ares fi-caes di fallensia de
Aatunio Jas Gomes, appeliado J.aqaim Jos da
F.nceca,
Fcu em poder do Sr. Miran la Leal o feito adia-
da a seu pedida na sessao patuda, entre partes,
appellaote appeliade Antonio Luii dos*Santos,ap-
ilaole appdlado Francisco Manoei Carneiro da
soba.
Taoabe.Ti fleoo sobre a mesa o f-!ito adiade na
sesso anterior, co q.u! revisor o Sr. desembar-
iiidor Gitirana.eatre partes, embargan:e Je- Bar-
bas, de Carvlflj, embargado Antonio de Souza
Braz.
DKNO1UCA0 DE DA.
Appclianle Joo do liego Lima, appellalo Br-
aardiuo Alves Barbo-.i. U primeiro dia til.
Eacerrou-se a sesso meia hora da tarde.
PMBUMegg A PEDIDO.
eollector Pos l*anIo do
Reo Brrelo
PKGULATO
A mprensa tera conslantemenle publicado as
mais irrrefragaveis pro vas da existencia de um
crime, pratieado eoura o thesooro publico, pelo
c-jlleetor e e-crivio da laeaaararia geral do termo
lo Cabo desta prcincia. c:m as circumitancias
as iflais aggravanius, que a fraude do b mem pode
inventar, e eominelter, para se apossar da fortuna
aubliea.
A estaiistica criuiicai do imperio anda nao re-
gistran no qoadro negro e vario de sua historia
um eriroa, q-ie tanto i..erece;se as honras de urna
celebridade, como o-peeulatode qae vamos
tratar)
A coragera do ontorai daaia crime, a habilida-
de da meio de pralica .o, e ;breloio a especiaH-
dade desse meio, sc circunstancias que expr-
mala do facto urna criminafidade superior e origi-
naria : cada circomstancia consiiiue por si um
crime, e o peculic a aislara de diversos en-
?aaslM
Jos Paulo do-, Regs Barrlo era.escrivo da
coilectoria geral; elie compela assigoar com o
colleetor os coahecimeatcs de siza, que as parte?
pjgavaa pelas comprac e v.-nJas de bens de raz,
* lanzar nos livros da coJectena as imporlaocia
desses conheciraent"1
So o do qavtsl o ooictor presuva na the-
souraria as coois, jo reeeWmeatos que fazia
pe:os~.liros referidos, ouis o eserifo da coilecto-
ria laMava a receita da iaesir.1.
O" resulioa t^roai oolleclor e escrivo do
frJt *ho defradale a fazeoda na qoantia
e 7.4OOl>,.importt;acia de 27 canheciraenios
4e siMs.qne deixaao eaerivao de lascar n>s li-
vroa 4a receita, para se aposjarem daquella
quaatta.
A tenoia dejj i cnoae, es provada de duas
cerudjien orna do aaello do termo certificando
<(oe xiiiam nos seus livres de notas 57 eserip-
tnraa-(de eompraa vendas de bes* de rait com
*7 eMteeimeotos de -iaa? nellat transcriptos,
Wdoi- aa referida .mporlaneia de 7:916iO,X) :
Ooiratyda tbesoerava eerii:aado que nenum
dafOM* 27 conhecitcent -e acha lanzado nos
livroaSg* c-eceita da-cotletona referida.
Ont>.ae-eoasla por- ura molo to auiheniico que
* c^ftaatoria 4 7.9WHW* de TToateciavntos de tilas que ven-
tsa-qqaniia foi acaegida da reteta da mesma
coileclorta (qiio>. linos escondem e occultara as
imporuiiaii" d ncimentos), mais
^are,|e a I u farenla foi defrau-
dada pele colleciwe s^a e-criyio na predija
4uaMaa-iie74M9
Se sobro* (uta eocageja a.* ageatat dassa col-
leeterie, fara -caiamMkrem es*e defraudamenio
ceaa..reuto asaizaa, que. se Uaoaereviaa as es-
npaaras publica*, alen disto archiva-
*? 'orio i) Tibel-
somraa da receita da coilectoria demonstrada em
seos respectivos livros, e importara esseexcesso,
justamente oa qnanlia de 7:946O0O, em quaoto
importa a diffsrencja dsquelles eoabeclmentos de
-izas, scBPgilos da racen.
DabJ o dilomraa : oo 6 reeolhimento da thesou-
raria dos dinheiros da coilectoria do Cabo devia
rer excedido da importancia mencionada nos li-
vros da receita della, e esse excesso, neste caso
de 7:946O0O, deve constar necesariamente das
entradas do dmheiro na thesouraria; ou nao
consta : e ento flcou em poder do collector e es-
crivo.
Mas, se i certidd da thesouraria repello a
primeira hypothese, a consequencia que aqaelie
ex^'sso llcuu em poder do collector o seu escri-
vo, e por va de regra, que o pecalato dea-se
clara e manifestmiente com tolos os cortejos da
mais calculadi fraude II
Cumpre anda atiender-se a urna circomstancia
t.rrivel, que bera prova a existencia do peca-
lata.
O escrivo da collecloria, que deiXou de lancar
nos livros da receita es 27 conliecimeulos das
suas- que veodeu aj parles, foi o mesmo que,
ixereendo, interina mera te o lugar de labelliSo do
termo do Cabo, entregou o cartario por inventario
ao seu suecessor, sem cinbecimelo nenhum das
sizas, que estavam archivadas nelle na forma da
le I O que exprime este' facto de laoaanha gra-
vidade ? O que prova a circumstaocia de serem
-umidos todos os conhecimentos de szas, que s
achavam archivados no cartoro das notas pela me3
ma pessoa que como escrivo da coilectoria, tinlu
occultado dos livros da receita della os refi-riJos
27 conhecimentos na importancia de 7:946J009 ?
Tal era a consciencia da t.ecnlado. qae elle? ti-
nham pratcado, que procurou o escrivo de todo
o modo apgar todos.os seus vestigios I Os en-
ginaes daquelles 27 conhecimentos de sizas de-
viam, como (esleniunbo do peeulato, depositadas
no arehivo do tabellio do Cabo, desapoarecer
para maior seguranza da criminoso; e,tuinef-
feito cora tod;s os seus campanheiros tive/am
aqutlies conhecimentos esse triste deslino I
Qae clenlo, alas laa bem feito!?
Sumidoj os originaos dos conhecimentos das
sizas, excluidos e oceultos dos livros da re-
ceita da coilectoria os recebidosd'elles; e pres
talas as contal na thesouraria por esses meamos
' vros, julgaram, com razo que podais impune-
mente gosar do hbil defraudamenio feito a f*zen-
da publica, sem que podessem ser mnea desc-
benos.
Qaanto Irabalbo nao houve nesse calculo da
mais requintada fraude ?l Quautos crraes nao
eacerram-se ah II
Asimples faltados lncamentos daquelles co-
nhecimentos nos livros da coilectoria, por si um
crime de responsabilidade; como raeios de se
conseguir o defraudamento da fazeoda, urna
frauda que revela em seas autores urna coragera
para o crime superior as torgas da natureza hu-
mana ; o 8m qne elles deram aos conhecimentos
de sizas (que estavaafcarchivados no cartono por
disposc,<5es da Iti) um outro crime e terrivel
responsabilidade; o pseulato, aalmenta perpe-
trado com todas essas circumsiaacias, desputa em
toda a e-tatistica criminal um lugar oera distincto
a que tem direito por todas essas tristes celebri-
dades '
Da que flea expo3tose v que, se o Sr. Jos
Paulo (como escrivo da cjllectoria) in quera in-
fringi os deveres do seu cargo, deixaodo de faaer
nos livros da c.lleoioria os devides lncamentos
das 27 conhecimentos de sizas que as-par tes com
praram; se esssa falta e langameatos foo meio
e meio fraudulento, pelo qual conseguo-se o de-
fraodameuio da fazeuda na mencionada quanlia
e 7:9i6000 por demais evidente o grande,
valioso e directo coneurso, que leva o Sj\ los
Paulo na pratica do peculado, e conseguinlemente
a sua respectiva criminalidade.
Como, pois, era vista de fados taes, tem o Sr.
Jos Paulo sido conservado na coilectoria provin-
cial, e tem podido escapar do procesao criminal,
para o qaal, de ha muito, que j o devia ler re-
a aido o honrado e justicero Sr. inspector da
thesouraria geral ? I Desde que aqaellas duas cer-
tidoes, que existem na thesouraria, prjvam a
existencia de un peeulato, e conslituem por si o
mais valente corpo de delicio do Sr. Jo^ Paulo,
que o digoo Sr. inspector, sem pe.-da de tempo,
devia te-Ios enviado ao jutz de direito, pediado o
re.paetivaprocesso contra elle, senao quizesse re-
qnisitar logo a sua priso, como alias, tem felo
com outros, a respsito dos quaes tem eaconlrado
prova deqaalquer defraudamento de dinheiros
pblicos.
Naquellas condiebes o processo c meio nico
onde o negjcio pode ser discutido, esclarec la e
liquidado; e o canal por onde deve marchar a
aecao da justiga cora lodaa forga de seas precei-
los, investigando o crime, suas circumstaneias, e
a pessoas de seus autores e camplices.
A falta, pois, desse procedimeoto da thesoura-
ria geral (cuja demora pode alias ter juililleaco)
importa o nao camprmento de am preceito da
ei; porque cumpre a tolos os tribuuaes qau en
contrarem provas de crime publico, para eujos
processos nao sao competentes, a resnela obriga-
gao de enviaiera os documentos comprobatorios
do crime, aaulordade competen'.e para a instau-
racao do devido processo.
O corpo de deheto do Sr. Jos Paulo e;t feito
oa thesouraria; aquellas certiloes c conslituem
do modo mais autheotico, publico e solemne, que
jamis teve no foro corpo de dolido algn : o
prccedimenio queesle obriga a thesouraria a ter,
para comojudiciarionao se pode fazer esperar
por mais lempo. O juizo publico est preocpalo
e ancioso em om negocio to grave, acerca do
qaal o Sr. Jas Paulo tem zombado dell, illadindo-
ojwrianlo tempo com promessas da dtfeza que
nao cumprio e nara nunca curaprir ... A le pu-
oidora dos crimes igual para todos o respeito
e o campnmenlo desa igualdade o que mantera
o equilibrio social.
Curnpra, paranlo, a thesoararia o sea dever, to-
mando a iniciativa, qae Ihe carapre era- negocio
tao serio, e que envolve claramente comproraetli-
jenlos de interesses pblicos. Cremas sincera-
mente qae a dsmora que toa ti Jo a thesoararia no
campriraento desse dever, tem por faaJamento
pesquizas, qne ella lera julgado necessarias, para
completa descoberta do crime e seas autores; fa-
zeraos-lhejasliga.
Mas a demora da reraeasa, do corpo de delicio
antondade competente para instaurar e processo,
a priso dos autores do crirae, j por demais ex
ces*iva, e ?e, por isto, ella tem merecido reparo
por una lado: por outro a conservac do Sr. Jo;
Paulo na coilectoria provincial (em face do expos-
to que tem sido constantemente publicado), tem
sido ger tmente connaerado como um acto de
escndalo I I !
S-'ji, porm, isto assim encarado cora razo, ou
sem ella, nao desanimamos, esmeramos ao contra-
rio, qne esses alto funecioonrios saberlo comprir
rigorosamente eom os deveres de sem cargo*, e
que o facto altamente criminoso, qae se qaeria es-
conder oas sombra do paseado, nao morrerpor
entre as.trwafdo-fiHoro para onde .pretende o
Sr. Jos Piolo remove-lo, prometteodo todos os
otas defenderse, e todos os das esconderse sem
af-ri, extorcando *, ao contrario por fase-la es-
qnecer. Nosu voz, porm, cora quaoto traca,
qnaodo nada mais possa fazer, servir ao menos
rra impedir e ovitar esse pretendido esquecimenio
para clamar sempre.nesse negocio pelo imperio
da le da juica.
O H**tli*, iheim-o.
Qae o melhodo Ziba apreseota vaotagens qaan-
to emaar om granito aoxiliar a InteHigeoela e a
memorfi incootestvel, desda que so altea* nao
cora um. juizo pessimista, mas cam omj'aizo roexo
e refeetido.
Qae me modo alisado entre nos para o estad*
da historia?
Le Sage, o raelhor qne lemoa ?
Nao, porque anda que bem formado e'onde se
revela am verdadeiro eogenho, elle ura livro a-
dispeaeavel para aqueMfe qne sabe a historia, qde
Hw deeeobre todas as relicde, qae se achara de
historia hiiiorta, mas nao para aquella oa prin-
cipia, que ludo diffkuidades e embafacos. E
de mais-de qne valor pecuniario, nSo' Le Sage...
nvenla rail ris-......
Mas oo La Sage que se segaa- o escudo da
historia; esses empenlos refutad** ons so-
bre os outros, e em cuja esoolaa, nem sempre ba.
o >vi torio preciso, embora proceda e!la de pessoas
qaalittoadas.
O que nos eosioam os compendios de historia f
Easinam-nos porventura, a philosopbia da his-
toria, desenvolvem elles as razdss que presuppoa
os aeontecimeotos, desenvolvem esses aeonieci-
msnto, com aa fiirm^ei) e pitases ?
Nao, os compendios lialtaan-se lo soraente a
narrado simples e descarnada dos fados, isla
apoQUpnos aculante tal facto sera deseavotve-los
nem commenta-los; seoJo aioda mais que.^aanlo
a chronohgia nao irazera a determinado do dia e
me'z, perra do anno.
3a na hi.toria universal, oa se indaga do dia e
mez, e lauto a-wm qne os compendies eorroba;
rara o qne disseraos, que apeaas se procura saber
o auno do aconlecimento, como se ba que n'ura raappa, synoptica da historia \enha es-
pecificada a era de mez e dia ?
Se qoremos saber por expropio as gaerras de
Al-xandre, a saa viagem por qnasi toda- a Asia,
nem. Quinto Curcio nos da o dia, aera antro es-
criptor algum, a nao sor o anno.
Sa estudarmos a historia de Annibal, de Cesar,
de Pompeu, a queda da repabci romana, e a
elevacao do imperio e da tyrannia subre os des
irog s la liberdade romana perdida na Phirsal a
e em U ica, ; conht cenaos o anno.eoao dia.
Taceto e Suetonto, poacos fa(os- no3 narram
apontando-nos o dia e mez, eso Tilo Livio nos
raais liberal neste pento.
Entretanto quaoto a historia ensinada c compen-
diada, ne.n iraz a philosophia da historia era a
era a nao ser do anno, com maior razio deve ser
di-peasado e intil em um mappa histrico essa
deterrninacao.
Se o lim daraetbolo sim.l.flcar de maoeira
tal que desapparegira todas as diffieuliides e em
barajos par qoe' sobre-carregar e difflealtar-.-e
accumulando eras ?
Mas, qaaaio nao deleito isto ero um compen-
dio como o poier ser era una synopse histrica,
entretanto qusrendo-se satisfizer a enriosidade
que existe em saber mais do que o anno, aioda
assim o raappa histrico Zaba, da-nos o mez em
que teve lugar o aconteemenlo.
E obtem-se pelo modo seguinte : cada um an-
no do quadrado, ou cada urna pequea casa fe-
chada por i.ualro liohag que comprthendem os
compartimentos, pois tem cada urna dessas buhas
que fechara o pequeo quadrrdo corresponde a 3
mezes.
E quaodc quera saber o mez, ligar o symbo-
lo por meio de uraa.liaha da mesma cor, ao poni
que ndica o mez.
O mappa histrico nao precisa de soffrer al;era-
goes para a indlcagao do mez.
Ma, se os eompeodios ensinam a historia to
acanhadamente sem os deseavolvimenios, nem a
a philosophia, narram-uos siraplesmaote os fados
como se diz vulgarmente n e cr como dlzer-
se que o mappa Zaba todo ura esludo superfi-
cial ? E baver estado mais fastidiosu do que o.
decorar a toda a torca fados e eras ?
. Se o melhodo Zijaa ura apanhalo seranea
reunio dos felos universaes, escrtpto ue roanei
ra que com am simples lanzar de vista corapre-
hende-se o curso da humanidade, tem a vantagem
de mostrar nos com muita mais faeilidade os acn-
tecinientos, sem ser necesario tolhrariivros e lo-
mis ver as relaces de um facto para outro, da
forraacao de ura povo consliinico de outro ;
faz nos ver a retacao de tempo, de acbnteeimento
acoDlecimento ; ama grande vaatigera alera das
i que deixaraos raenc.onadasi
Tomemos por exemplo a'guns fados do seclo
da era christa : 'tomos Tiberio que priacipa a
reinar no anno 14 de T. C, o pjimeiro symboio
que segue-se no mappa urna cruz prela, 4o com
partimento, morle de am hornera illaslre romano
(Germnico) no anno 19 de J. C. 6* do reinado do
Tiberio, em seguida vemos Poncio Plalos gover-
dor da Juda oo anno 26, XII do reinado de Tibe-
rio ; baptismo de'J. C. no anno 30, no XVI de Ti-
berio ; C .lgula principia a reinar do anno 3.7,
reiaou Tiberio 23 anuos, a Caligula succede Clau-
dio no anno 41, funda-se Landres no anno 50, no
(X do roinado de Claudia, 20 anuos depois do bap-
tismo etc. ele, par este simples exemplo v-se
que pode se precisar todos 03 fados histricos em
rea jo ao lempo um para os outros.
E isto se eblera cora rpido olhar, poupando
trabalho iu'ano que ter-se-uia sa quizesse relacio
nar os fados um para ouiro por meio de livrr.
Seno melhodo Ziba superAcia! o estado da
historia, superficial o igualmedle era -todos os
compendios. f
E demais, quam que aprofunda "ou entra em
todas as analyses histricas, estudando como am
preparatorio.
E se alguera qae a estada tem e proposito de
estuda-la, por este meio ento, o mappa apresen-
la as ine-mas vaotagens, porqaanto elle le nbra a
propor^a que se esluda os fados, e a sua simples
vista de urna base para desenvolver qualquer
aconleciraent \
Mas, superficial, superftacialissimo como o
curso de estados entre nos, muitas vantag=ns
aprsenla o raappa hUaricc, na mesma razo que
o estudo da geogrphia e-tudado por mappas so-
bre aquello que todo decorado.
Se o e-ludo da geogrphia entre cs nm estu-
do fasti jio-o, aborrecido, com os mappas o qoe se-
r sem elle ?
Que resoltado po lera tirar o estudante de am
estado sem nexo e base, como o estado desse
ramo sem o grande auxiliar dos mappas.
Na mesma raza i se acba o estudo da historia,
com o auxilio dos nappas.
Se no estado da geo.a'iphia o mappa Oca gr-
valo na memoria, canheeendo-se da configuraca
d'ura oaiz, pj3icao de suas cidaJes, curso de seus
rios, direeco de seus systemas de montanbas; o
mesma se u no mappa histrico, fleando gravado
na memoria a sua forma, a collocafco dos diversos
fados, por tanto a sua era e a relajo para com
os outros acontecimentos.
.Se na geugrapuia po Je-se responder a qualquer
qj.es o baseala nos mappas, o mesmo da-se quao-
to a historia pelo mappa que em todo seraelhao
le aos geographieos.
Por este melbodb torna-se fcil Janda o cufs
breve e synopiico da historia universal no curso
primario como se d era varas paizes, porqaanto
a promplido que tem a mermara do menino era
apreh-nJeracorapanhando coraosolhos na qua
dro a historia, tem Ihe pnparado ora caminho
raais fcil pira q lano ebegar-aos estudos supe-
riores ter noQoes que mano o ajadem, tanto mais
qaanto grande parte dos qne estudam as primei-
ras letras seguem as artes liberaes oa mecaoieas.
que devem alguas cooneojmenlo'.
E neste ponto reseoie-se o curso primario entre
na de grates defeilos, porqaanto, nao sim
pies nncSes de lere escrever qua deve- habilitar
on formar ura povo.
. A insirucc/ao primaria, ja qoe tvemos o:casiio
de fallar, mal organisada entra nos, porque de-
via existir compendios pequeos iehygiene, princi
pios geraea- da astronojajif, melereologia e saeo-
cias naturaes compenttdas de manelras ataoil
inlellixencia do paenino ajudado pelo mestre e
para qoe nao desenhe^a nerahum desaes nbenoJ
meaos que se do, no curso da vida. E tanto
mais isto levia ser tomado em oonsiaeracao qaaa-
io entrej nos existem compendios dessas materias
raioavelmeote proporcioudoi a adequadros a
ase Uro, devendo ser obligatorio.
Porm vallando a histeria universal pelo me-
ilio-lo Z.ba direraasque muito dara de faoidade
q de no^des geraea para a instruccao primaria,
para aquelles que segoiodo a ..re liberaes tem
um rpido conhecimento da historia, e mesmo coaa
essti srioepio estojado por om meto do nm rae
tbodo, constituindo om jigo dos olhos eda Inteili-
gencia, palera :er meto de ama applicaija ulte-
rior e mais desenvolvida, assim como par aquel-
les que tem de se entrogar aos estados secunda-
rio)? um carainbo abreviado, meaos difflcullo'Q a
,=qi memoria e aua ioiejligeosia e gosto.
OPSCULO DK MORAL RBLWfO\.
POR Mil. AB:. HENbf
Para leitura as esolat primaria.
EHi Dteressanto obriaba, qae obtee do
conselho di insirec^o publica o parecer,
que abaixo vai irdnscriplo, e qae tSo bea
acolhida foi qa^atif eieefc Acoa logo
ugotada, achare rrrtpressa, e a vCQda oas
Irvrar.as dos Srs. paJra fna:io i roa do
Imperador Negrciros do l. de M-urco. e
Barboza de Mello, do Boav Jasor 640
re cada exemplar. Aconmissiij eocar-
r^gada de dar o seo parece flifa do
pascvj! de Moral Rdlig'ort" pjri 'e.Wra
as escolas primariia, por M-. Anobrozo
Reodu, aulorisaio pslo coosBiho-de iustroc-
C3o publica oro Franca, e tratkiido em
volgar por o*, lea scoradamBrite este for-
moso livrinho, qoe tinto terrf da pequeo
oteo daioieressanie ; e qaando peft dou
trina qua- eocerra, e- peto primoroso do
versar olle se rjlo (kesss Hssit logo recotn-
raendavel, bastara o norae do autor do co
oigo Uuiversitario, e a respeiiavel saneci
dd autoridada do ensino en Franca pira
qae a commit^o o propozesse adopr;5 .
do conseio. Mis, a!n disso, qniftra ella
l'w as nossas mais de familia em tolo o
Bra>il livssem 89mpre a osar estas pagina-
aiobas de amor, pr-ia? qoaes fizejsem ler, e
ensinissem seus Slhos no reg-'g), par da
historia do povo de Deas, e dos mysterios
do chrisiisnismo. E por isso a comnis-
s) du parecer, qiier t o opnsculo seja
adoptado as escolas primarias, m.s qoe
se procure vulgarisa lo en lodo o imperio.
Sala doconrelh' diresator di iaslroc<;5o
publica de l'enwmbaco. 18 de setembro de
i863Jos S ares de Azevedo, Dr. Aprigio
Justiniano da Silva Gimaraes'.
Mem do da
2MM7U
33:738H5
n COaNSULADO PROVINCIAL.
R>*no do dia l a 53. 6MbHf703
Idea do dia 29...... l:(e#819
e
por
O aba:xo assignado vendo tira anouncio
no Diario da Permtmbttco, qoe fas o Sf.
Marcelino Jos" Lopes no qni qaer aiugar
o seo palacete a ra d a Vtscon le de Goyan-
na a pessoas que' se trtem, e nao queiram
morarem peqin s caws terreas, con e
cendo o abaifo asSignad t qhi filo se refere
a si por tei deixado do> morar n) roferiio
palacete ^assa a respond* o mesmo aa-
nuncio pela forma seguate.
1." que mora em duas pequeas casas
terreas qoe piga 1:S30;5, mais 200;J de que
pagava no seu palacete e qoe por abi poie-
r ve.* qual o seu pequero t3manho e eco-
noma que qoiz fzer saber pw falta da
meios para continuar no seu palacete.
2." Que dentro de 9 rn'ezes perdeu 3 es-
crava quasi que de repente e qio demo-
rando se menos de um anuo no seu palaca-
te sompre conservou pectoas doenls.
3. Q te sendo o sea palacete de forma
tal tau saodavel poacus oraa os qoe al
b-abitarara, e mesmo que fiequentaram em
visita que n5o sabiSe consti jados e pergun-
te se ao Sr. regente do Haspital Porluguez,
Arantes etc.
4. N5o foi por falta de pagamento pois
que S. S. recebeu semp e 0 mezes adian-
lulos logo que se Qndava o dia em que
elle se venciam e nada i pei devendo.
5. Finalmente c3o consta ao Sr. Maree
lino que eo deva.ou que e passe calo'es,
e iim que sou cuj^pridor daquiilo que trato
mot v pelo que o peqieno t deve procu-
rar aquillo c m que pode. E se trei de
morar em palacetes sem os ter e milbor
qae more em pequeas casas terreas, do
qae ter palacetes e morar em olarias. Fi-
que certo o Sr. Marcelino que eslou promp-
to a entrar em Iota com S. S. se as-im
quizer, pois soa brasilina como S. S o
e nao sou ioglez e nem portuguez e se S. S.
tem autoridade eu tambem a teobo e se es-
candalizar com esta minba resposta S. S.
foi o provocador.
J Henrifjite da Silva Gttimwaes.
3:975*321
PRAGA DO REC1FE
IM 28 BU AGOSTO 1)R IH71 AS 3 HORAS DA TAnDf.
lUIVISTA Kvll\AL.
GAMBioajM-Sobre Londres ellectoaram-e iran.j-
acSas battaltas da' 24 3/8 a ft 3/i d., e de 24 7/8
l>*r l""8' aanieular.
Awoo-0 de Pi'roamlaoco escolliidoe recu-
lar veadt-evj de 8^236 a 8*700, e o de Macera
Parahybr posto a bordo, drflfcOO a 9|iO0
arroba.
Assocar.Nao hooveram traosaceSes.
AOOAHDHKTE.MO M.
Arro.O pilado da India veodea-se de 2*5500
a 2<600 por arroba.
Ahitb-ooosO de Lisboa veodeu-se a 2/800
por galio.
BacalhoRealhoase de 2!# a 2*i por bar-
rica, caodo o deposito com 330J dilas.
Batatas.Vendeu-se a U60O a arroba.
Bot.achuchas;dem a 4*3'J0 a barriquinha de
22 libras.
Cap.dem de 5J803 & 6*800 a arroba.
Cha.dem de 2J 2*500 a libra.
Ckrvbja.dem de 4*000 a 8*300 a doria dt
bihjas ou garrafa*.
Kkrosk-nb. -Veadeja-se a 7J a lata de 3 galSe.
Looca- Venden.se a ingteza ordinaria a 280
por cento de premio sobre a (aclara.
Jf antbiga.A uigleza vendeu-se a 900 ir< a
libra e a fraacexa de 68Q a 700 rs.
Massas.v*enderara-se a 6j a caixa.
Oleo db linhaca.dem a 2*200 o gallo.
Passas.Idera a 4*500 a caixa.
Presuntos.dem a i5* a arroba.
Qubijos.Os flamengos venderara-se de 2*030
a 2* 00 cada um e o prato a 600 rs. a libra.
SaboVendeu-se a 170r*., doinjtlezpor libra.
Toucinhp. Vendeu-se o di Lisboa a i 1*500
i arroba.
Vinagre.O de Portugal veniea-se de UOJ a
1304 a pipa.
Vinhos Oa de Liaboa vendeu-se de 20j a
24 *, e os de outros paizes de 180* a 2205 por
pipa. *~
Velas. As de composicao venderam-se 580
rs. o pacote de 6 velas em libra.
Fretes.Do aloda, deite para o parto de Li-
verpoo', tf 3/i d. e 5 % a vela e a 1 d. e 5 /, a
vapor.
EDITAES.
Perauto a cmara ^municipal desta cidade'
estaro em praja nos das 25, 26,' 28, 29 e 30 do
correte para serem arrematadas por quero maior
preco olerejer as seguintes rendas : os alugueis
das casas da praga da Independencia, ras de
Joo do llego, SoleJade, Imperial, das casinhas da
ribeira da freguezia da Baa-vsta, dos talbo3 dos
agouguos da mesma freguezia, e bem assim do
imposto de afericao de pesas e medida*, e de 120
rs. por cada carga d^ larinha e outros legumes
vendidos nos mercados pblicos.
Pago da Cmara municipal do Reelfe, 24 de acos-
t ce 1871. 6
Ignacio Joa-juira de Sauza Leao,
Pro presidente.
Lcureno Beterr Carneiro da Cunha.
Secretaria.
COMMEBCiG.
i-rlACA DO HEUFE V DE AGOSTO,
DE 1871.
AS 3 I, 2 HORAS DA TABDI.
Cotai;oes officiaes.
Algodo da Parahyba 1J sorte 626 rs. por kilo
poalo a bordo a frete de 3|4 e 5 0i0 (tontera).
dem dem i lera640 rs por kilo posto a bordo a
fre'e de il|l6 e5 0,0 (Oontem).
Uem dem 2' son558 rs. por kilo Boato a bor-
da a frete de 3j4 e 5 0|0 (hontem).
dem dem idem-572 rs. por kilo pasto a bordo a
frete de 11(16 e o 0,0 (hantem).
Algodao do Rio Grande do NoTte 633 rs. por kilo
posto a bordo a frete de 5|8 e 5 0|0 (honiera).
Cambio sobre Londres 90 d/v 25 d. por 1*000,
letras de fura.
Dito soDre dito-90 d|v. 25 e 24 3|4 d. por 1*.
Fre.es dealgadao daqui para Liverpool3|i d. e 5
0,0 por lib. (boniem).
P. i. Pinto,
Pelo c residente.
A. B. P. de Mesqoita,
P^lo secretrio.
-Da 26-
Algodo do Rio Grande do Norte613 rs. por kilo
posto a bordo a frete de 1I|16 e 5 0|0 e 5(8 e
5 0,0.
Algodao da Parahyba l1 sorte 626 rs. por kilo
posta a bordo a frete de 11116 e 5 0|0.
Cambio soDre Londre90 div 24 7j8 e 25 d. par
1*000 (bonlem e hojei.
Cambio sobre Pars 90 d|v. 395 rs. por franco
do banco.
Dito sobre dito 3 d(v. 390 rs. por franco do
banco.
Cambio sobre Portugal 90 d|v 118 0|0 de premio
Dito sobre dito3 d|V. 123 por0|0 de promio.
Dscontos Hamborgo 3 d|v. 740 por marco
banco.
Descont de letras8 0/0 ao anno.
a. G. Stepple,
Presidente.
/ P. /. Piafo,
Secretario.
O D\ Arminio Conolauo Tavares dos Santo?, julz
muniipal da 2" vara desta cidade do Recife, por
8: Sffrf. e C. etc.
Faco saber era coran por este juizo correm e
pendem uns aritos de libello, por bberdade de Ro
sa, a raulitinha Maria, porseU curador e roa D.
Francisca de Luna Freir Santos, e sea marido Pe-
dro Joaquina Gome3 Ferraz, e prosegninda-ae no
termos, v se das aulas a pelic,ao do thetr se-
guinte :
lllra. Sr. Dr. juiz nuaioipal da 2a vnra.Diz a
menor libertaria Maria por seu curador, qae quer
fazer citar a Pedro Jaaq lira.Games Ferraz, mari-
do de ma suppoMa eanhora D. PranoUea do Lana
Freir Sant03, da qaal est separado e em lu-
gar jneerio, para responder aos termos de urna
accaoera que a supplieaole pretende pedir que
seja reconheeila sua liberdade, porque como ja
se diss?, o supplicado est em lagar incerto e naa
sabido, quer a supp'icante citado por carta de edi-
to?, por isso vem requerer a V. 3., digne-se de
marcar dia e h ara em faa a supplcante deve pro-
dnzir a justiucacae da ausencia do supplicado,"|
adra de que tenhara lugar os damaii termos da ci-
tado requerida (senvao Matta). Pede a V. S.
deferimento.-E. R. M.-O curador Carvalho Mau-
ra.
E mais se nao cootiaha na dita petico, na)
qaal dei o despacha seguinte : Coma requer, de-
signado dia e hora pelo escrva. Recife 29 de
novembro de 1870. Arminia Tavares.
Em virtade da qae, proluzidas as teitemuahas
e subiudo-me os autos concluso5, dei a seatenija
do theor seguinte :
Hei por juaneada a ausencia do supplcado Pe-
dro Jaaquim GamasFerraz. attentososdepoimentos
das testemutihas de fl<. a ti*, e mando que seja o
mesmo citado pela forma pedida a fls. II, pagas
as cnsla?. Recife 29 de mareo de 1871.Arminio
Coriolano Tavares dos Santas, E mais se nc
coniinba cm dita sentenc, por farra do qne o
escrivo que e.-ia sub creveu, mandoa passar a
presente caria de eiitos com o praza de 30 das,
pela qual o sea theor cito e bei por citado ao re-
f rido Pedro Joaquim Games Ferraz, para o nm
declarado na petico aqal n9!la Iranscripla, aflm
de que compareja neste juizo, por si ou seu bas-
tante procurador, para fallar aoa termos da aeco
de libello que Ihe eocarmaba a upplicante per
seu enrador, sob pena de revelia. Pela que toda
e qualquer pessoa, amigos cu conheidos, do jus-
tificado ausente, o padar-a fazer constar do que
cima ca exposlo. E o porteiro do juizo o flxa
r, paburar a presente no lugar do coslume e
fara publicada pela imprenta. Dalo e passado
nesla cidade do Recife a 30 le junbo de 1871.
Eu Manoei Jos da Malta, escrivo, o escrevi.
Arminw Coriotano Tivares dn Sintos.
ALFANDEGA
Reulmenlo do dia 1 a 25. .
dem do dia 26 .- .
028:867*551
25:912*095
634:779*646
Mor atento
Volumes entrados cora
COK
da Mndela
fa zondas 461
geteni 972
Volumes
sabidos
com
com
fazeada:>
gneros
1:433
'881
-----980
Descarregam h ->je 2Sr dt< atroato.
Patacho ingier /mvaftrmertiiorias.
VapaHngfet Cognacdem.
PatachoaaiericanoTfterrzo Butter fannba de
trigo,
Despachas de exportacc no dia 24 de
OffittO.
Para os portos do intarior.
NafcaraacUaao VWI.iwra.MMor, earre-
gou t Aattarto- Jowruim la Sn 6 frastueira
cora-5i litrea degeatbra e ttarricas com 110
kilos- o>'?Bcar.
No vaaor-ingiez Nnm,%*T* M*tevide; car-
regarasaH PiNjf*Caraairo. 4-C. 1 caixa come
kilo de assocar.
RgGBBIOOWiX D RENDAS INTERNAS
GERAK8 D4tP8RNAMByc.a
Readimealo do lia l a t, &S4l*404
O Dr. Sebasti) da R-ga Barros de Lacer-
da, joii de direito especial do commar-
c'o nesta cidade do Recife, capital da
provincia de Peroarmuco em seu termo
por saa magestade imperial e constitu-
cional o Sr. D. PeoVo II a quena Deas
paarde, etc. etc.
Far;o saber aos que o presente edital vi-
rem e delle noticia liverjm, que por parte
da compaoiaia de navega<;3o Brasileira, me
fui dirigida a petico do theor seguinte :
Iilastrissimo Sr. Dr. ju.'z de direito espe-
cial do commercio. Diz a corapanhia de
navflRacjk Brasileira por seu agentea nesta
cidade, que, tendo frelaJo no Rio de Jmei-
ro o vapor Annicota para fazar ama vagem
redonda do portQ daquella ciJade ao de
Bj1-b no Para, acontece que o dito vapor
enrsua viagem-de volta fizera a gira e arri-
bara na costa da Parabyb, donde seguindo
depois para o porto desta ciJade foi aqai
verifleado pela veaturia qne reqaereu ores
pectivo commandante adiar si em estado
de nio poder navegar. Nestas circumstan-
ctas quer a supplicante protestar haver do
frotador e de mais quem de direito for a
indmnisacSo da tolas as perdis e damnos
ue Ihe possm provir diqai le fado ; e
iois requer a V. S. digne-se mandar tom>r
por termo o seu protesio e in.iaialo ao dito
comtnaniante, e par edital ao b3r5o de
MwS que os agentes da supplic n!e n?su
cidide sappSem ser o fretador, ou a qual
quer qne o seja, noa tiran* do artigo 391
do regolamento n. 737, \i ta que se nJo
acbi aqai presente. Nsstes termM pfde.a
Y- S. dferiofieBto. E recebar* mare.
Eslava sellado cim o sello da esta apuna
oa importancia de duzentoa ris, legdaa
tenutHisada da forma aeguintir: Recife,
2 d* agosto de !87. Hennqoe ForsUr
4Lj. agentes dos vapores. Ni qtnl peli-
C< dei o despacho seguinte: Distribuida,
Cofa- raqer.-Recife 23 de agosto de 1871.
Barros da LacerJa, Em virtud') dest
d^acho fora a majmi p^Sa dttlribaida
ao esento deste juio-jraflodr'afaria Rodri-
gues do Nascinjenn. o qual ftx la?rar o
lermo de protesto do tbear seguinte :
Termo de protesto.Aos 2$ de agoitde
1871, na cidade do Recito de Pernambfc,
em meu cartoro comparecen Benriqaa afor
ler A C, representado pelo socio geretile
Humpbry H. Snift., e disse perattte mte
as tcslemonbas nafra assignadas,. que o*
qualidade de agente da companhia d na-
vegafo Brasileira, reduzia a profcsV) o
contheado de sna petigao retro, a qaal offe-
recia como parte d presente qae Oca sen-
do ; e de como assim o disso e protestoo,
lavrei este termo, no qol dopos de IMo-
se firmn cr>m- as ditas testmoobas : eo
SecuDdioo Helrodoro da Cocha escrevente
juramentado o escrevi. Ea Manoet
Maria Rolrigues do Nascimento escrivo o
subscrevi. Henriqne Forster dVit'Fran-
cisco Joaqoim Pereira, Alonso fge da-
Mello, por for^a do meu despacho.o- escri-
vo ei passar o presente edital pelo qaal
intimo ao bar3o de- Mau, que os gentes
da referida compaobia nesta cidade sup-
p5em ser o dito bario de Mau o fretador
do indicado vapor, ou- outro ipialqeer qo
o seja, dos termos d<> artigo 3DI do reg-
lamelo n. 737, visto n5o aebar aqui pre-
sente para que fique bem sciente de todo .
o expendido no presente edital. E para
que chegue ao conhecimento de todo, mau-
dei passar o presente qoe ser" publicado
pela imprensa e afOxado no lugar do cos-
tume. Dada e pas-ada nesta cidade do Re-
cife de Pernambaco 22 de'agosf i de 1871.
Eu Manoei Maria Rolrigues; da I^asci
ment, escrivo o subscrevi.
Sebastio do l\ego Barros d Lacerda.
Ferante acamara muoicipaljle^a cidade es-
taro em hasta publica no3 das 31 do correnle
aaez, e 7 e 14 do mei prximo vindrmro, para se-
rem arrmaiadoa p r quem mais i jfirecer, por
tempo de am anno ; o aiagoel do sobrado, sito no
largo do Corpo Sania da cidade d Recife por
"CO*; afferlco de pesos emedidas 1,381*, sendo
o arrematante (abrigado a tffirir os da mesma c-
mara, sem indemobaejio algama; fiaqaeiros de
produco, exceptuado dei p< para o aso do pro-
pietario 1:150*-; C3pira de planta 635*; 500 rs.
por caneca de gado vacuna 251* ; majeates e bo-
cleiras 72*; alugueis das catinbals da ribeira
71*; 100 rt. por caber; de gado, recomido ao
curral til ; 120 rs. por carga de far nha e lega-
mes 21* ; 200 rs. por cab"? de gal sumo, ove-
Ihum e cabrum 10* : e repeso do acoagne por
7*000. 6 '
Oa pretenlentes deve;So comparecer nos refe-
ridos dias com seas fiadores competentemente h-
bil Hados.
Paga da cmara municipal de Oliinda, 2t de
agosbde 1871.
Manoei Antonio dos Pssos e Silva,
Pro presdeme.!
Marcolioo Diasde Arauj ,
Secretario.

DECLARACOES.
Spgunda-feira, 28 do crreme, liada a au-
diencia do Sr. pr. juiz de orphios, ser arremata-
do o sitio da Passagem la Magdilena, pertencente
ao espolio do fallecido Joaquina de Aln.eida Pinto,
contenda case de vivenda, jardim, qiaartos para
pretos, pecas com bomba, tanqnes, canamenio de Beberibe, e outras bemfeitorias,
como ludo consta do escripto em poasr do por-
teiro do juizo, sendo o sitio novameolje avahado
Ij prego de 10.000*, por que tem dis ser arre-
talado.
No dia 28 da andante mez depois Ida audien-
Ca do Dr. jnil Jo orphaoo v^ a prd> do Tond
a casa terrea, no lugar da ra da ('.asa Forte,
de pedra e cal, pertencente a heraoga de Manoei
da Hora, ayaliada em 609S000.
i
Inspe.c j de saude publica em 29 de agos-
to do 1871.
A bem do servido fmblico, avisa-se a lodos os
Srs. b'alicarios e pharmaceoticoj estsb'dlacidosnes-
ta cidade, que Ibes Oca marcado o prako de oito
dias para apreseatarem nesta repirtico o ululo
pelo qaal excercem a arta de pbarmacialassim co-
mo a llcenfa qoe obiiveram para abrirn taeses-
al) leci-nentos, a nao o fazendo se proceder con-
tra elles na forma de art. 25 e su brequales do
regulamento de 29 de setembro de 1851.
O inspector da saiide publica,
________________Dr. Loba Mo.-coso.|
arrematadlo de bens Inoris"
A requerimeoto de Jos Candido da Silva Pes-
soa inventarame dos bens deizaaos pelo finado
Antonio Joaqoim de Almeida Gaedes Al aforado,
vio a pruca no dia,29 do ccrrenle a urna hora da
urde diversos bens'moveis da espolio do! referido
Guede3._______________
Pelo juizo de orpbios do termo Olinda
vai pr., ;a requerimento do inventarame, no
dia 29 d a correte (terca-feira) os bens] moyeis,
pertencenles ao espolio do finado Antonio Joaquina
da Alxei la Gaedes Ale aforado.
Pela secretaria da thesouraria de fazeoda da
provincia de Pernambaco se faz pub'ico ue Joo
(Cristiane, allegando com annuacios f-iios no
Diario de PeriimbHco terem sido consolidas no
incendio que teve lagar na no le d 2B lj deiar'-
bro de 870 no predio de sna propriedadie n. 44,
onde resida e tinha sea eslabel cimento;, silo
ra do Bar) da Victoria do bairro de S^nto An-
tonio desta cidade, duas apolieea da divida! publica
de cont de ris cada orna, de juros de e 0,0 ao
anno ns. 2823 e 4881 da emissao do anno fde 18%
reqaerendo thesouraria para requisitar da caixa
la adT'ni-sfragao outras apolices das mssmas
Juanitas e nmeros na forma da lei de 15 de no-
vembro de 1827, o qae a mesma ibesourarja paj-
sar a cumprir.
Havendo porm qualqaer individuo qnej dentro,
de um mez, a contar da data do presente annuncio
-o aprsenle nesta reparticao com as referidas
apolices, mostrando te-las recebido em hy-autlieca
ou outro qualquer titulo, se nio dar autrjas apo-
lices ao supplicante. pois que no caso anegado da
perda de urna apolice .volve absoluta anuulla-
(ao da primelrat
E para constar se fez o presente anounejio.
Secretaria da thesouraria de fazenda d Per-
cambuco em 26 de agosto de 1871.
Servindo de offlclal-raakjr,
Manoei Jos Pinlo.
THEATRO
Campo das Princesas
QUARTA-FEIRA 30 DE AGOSTO.
Grandioso concert vocal e Insiramental em be-
neficio do artista
r o ii i s
PROGRAMMA
1." parte.
u niMIHA
Zarzuela am nm acto, exlbida pelos Srs. Gra-
nados, D. Hara Castillo e D. Lola LsrtylUllr
Flaviano.
** parte-
Bnltiante festival pela orehestra qae '.w eom-
posta com 40 professores e a banda marcial do
corpo de poilcia:
I Syinphouia do STABAT MATBR do loraor-
tal maestro R assini, arranjada polo maestro Mer-
ca dan te.
1* Grandiosa phantazia de piano cot aeoama-
nhaoaenio de orehestra, arranjada dos raelh ares
rvo* da opera : A F1LHA DO aEGIMBNTO
ea*euta la ^o h ibil, yrapti :o e (enejado maas-
r\__j foiamae mUiuiad -k*BE DEZSM-



Uum d# feruaoibao Uosnng* $7 de A'gosto de Ib* 1
BRO DE 1610 composta, offerecida delicada
a iitatre associac,o do Gabinete Portogoez (le
.altura pelo beneficiado por cajo rooiivo tete a
(bou-a de merecer o titulo de socio honorario do
melo gabinete exibida em conjunto pela orches
ira a baada marcial do corpo de polica.
i,* Polka O passarinbos do Malo composi-
*o do maeatro Poppe.
*. Final do 4 aeto da opera 11 Trovatore
exeeotada pela banda.
6 Grande sympbonia dedicada a Italia pelo
nuestro Mercadante, intitulada Garibaldi
3' parte.
1.a Rondo da applandidissima opera Campa-
nooe canuda pela eximia artista a Sra. D. Ma
ria Castillo.
1* O carnaval de Veneza exibido na flauta pe-
lo distinelo e babil professor o Sr. Candido Fiiho.
3.* Um bello passo de dansa pela Sra. D. Vic-
torino Fnoen.
i. PommadaGraciosa eonconeta (a pedido)
cantada pelo hbil e sympaihico artista o Sr. Car-
los Hoibain.
Gola*, que, tendo recebido serapre inequvocas
provas de >ympathia do Ilustrado publico per
oambncano, anda mais ama voz pede a esse ge
nerosa publico a proteccao qne se sempre e in
diftiaetafflente todos que i elle recorre.
Ontrosfm, antecipa desde j os seas sinceros
e cordeaes agradecimentos a seas collegas e ir*
naos d'arte os seohores Julio Poppe, Charles
Horbaia, D. Maris Castillo, D. Lona Lartillair,
Granados, Candido Filho, e Mme. Fuoco.
Haver um trera espacial depois do espectculo.
Principiar as 8 1/1
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
Navegando costtira por vapor.
Mamangaape.
i i O vapor Coruripe, com
A^^k. mandante Silva, seguir
para o porto cima no
dia 28 do crrante as 5
horas da tarde.
_____ Recebe carga, encom-
rnendas, passageiros e dinheiro a frete at as 3
horas da tarde do dia de sua sabida : escrip torio
no Forte de Mallos n. II_________________
COMPANHIA PERNA.MBUCANA
DI
ffavegae&o eontelra por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui, comman-
dante Macedo, seguir para os
porto* cima no dia 31 do cr-
reme as 3 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 30,
encor mendas, passagens e di-
nheiro a frete al as 2 horas da tarde do dia da
san ida : no escriptorio do Forte doMattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Na vega?:! o costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, .Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Parahyba commandan
te Macedo, seguir para os por-
tos cima no dia 31docorrent(
as 3 horas da tarde. Recebe car
i at o dia 30, encommenda.*,
eiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte d<
Ifattos n. 12.
PARA'
i or Maranho pretende sabir cora brevidade o
biate D. Luiza : a tratar-se com Gomes de Mattos
lrmaos.
BAHA
Segu para o porto cima com a maiui brei
>?ade possivel por estar com a maior parte da car
ga o hiate nacional Garibaldi, capillo Custodio Jo
Viaana : tratar enm Tasso Irmaos & C. ra
do Amorim n. 37.
PORTO-
Pira o indicado porto pretende seguir com pon-
ca demora a veleira e bem conhecida barca por-
loguera Social por ter parle de sea carregamento
engajado, e para o resto que Ihe hita, qu recebe
a frete commodo, traia-se com o consignatario
Joaquim Jo; Gongalvos Belirao ra do Commer-
cio n. 5.
LEILOES.
LEIL40
HOJE
DE
100-caixas marca A I ?, com cebollas novas
desembarcadas no sabbado, do vapor Cognac, e
ero vendidas em 1 ou mais lotes, por conia e ris-
co de juem perlencer peio maior prec,o, boje 28
do correte, s 11 horas da manhaa no largo da
alfandega.
Um sitio, um carro, dous cav.il-
Ios dous burros e um cabrio-
iet com 4 assentos.
O agente Puntual, competentemente autrisado,
vender em leilo, um cxcellente sitio, sito em
Apianos, cora bstanlos arvoredos, fructeiras e
caca de vivenda, com ijanellas do frente, 2 quar-
tos, 2 salas e cosinha fora ; em cuja casa mora o
professor do nesrao lugar. Na mesma occasiao
se vender um excedente cirro de passeio com
urna parelha de cavallos, arreados, dous barros
e um cabriole!.
TERGA-FEIRA S9 DO CORRENTE.
Km trente ao armazem da ra do Imperador n. 16.
as II horas.
LEILAO
Du
Sobrado de 2 andares da ra de S. Jorge
(antigamente ra do Pilar n. 23)- com
quintal, p. rto para a ra do Phjrol e
um sobradinho por cima do mesmo por-
13o.
Tercafeira 29do correle,
A ti horas em ponto.
!'-.r inlervencao do agente Pinto, em seu es-
criptorio, a ra da Cruz n. 38.______________
LEILAO
DE
JOIAS
Em continuado.
Ao correr do martello para liquidaroJulio
Isaac, tari leilo para final liqaidacao de todas as
.-amellas vencidas e dadas em peOhor por nter
venci de agente, Martin?, constando de excel-
entes relogios.de ouro (patente) e de prata, salvas
comeres de dita; adlrecos, pulseiras, voltis de
perolas, tranceln*, corrente?, relogiog para so-
nrieras e urna grande quanlidade de ojelos de
ouro, que sero vendidos para liqnidscao e pelo
maior preco.
LEIO
DE
Um sitio no Motocolomb, berra da estrada,
pasundo a ponte, bem plantado de oqueiros no-
vo, e com arvoredos, um terreno no mesmo lo-
fir cora frente para a estrada, e o fondo a ostra*
i de ferro de S. Francisco.
Terca-feira 29 do correte
as lt horas do da.
Por interveneio de agente Pinto, em seu escrip-
torio ra da Cruz n. 38.
Urna mobilia de Jacaranda, contendo 12 cadei-
ras de guarnicio, 2 ditas de bracos, 2 consollos,
jardioeira com podra marmore e t sof, urna dita
de faia com as mesma? pecas, cadeiras de batan-
eo americanas, cadeiras avulsas, 1 cama de Jaca-
randa, 1 marqu zao, toilet de Jacaranda, bancas
de mogno para cabeceira, bancas para jogo, lava-
torios de mogno com pedra, i espelho, toilet para
homem, cama para changas e moitos outros ob-
jectos usados que estaro presentes no aeto do
leilo.
luarta-fclra SO i correute.
O agente Martins, far leilo dos movis cima,
os qoaes se acbam muito bem conservados, no
armazem n. 30 da ra das Crazes as 11 horas do
dia.
LEELA0
DE
Movis, louca, vidros, crystaes e obras de
prata do Porto.
No Io andar do sobrado da roa do Impera-
dor n. 17, em frente d convento de S.
Francisco.
A SABER:
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda com 1
soff, 1 jardineira,2 coasolos, i cadeiras de braco,
e 12 de gnarnicao, 3 eandieiros a gaz (Anos) 6
jarros para flore*, tapetes e escarradeira?.
Urna cama franceza de Jacaranda perfeita, 1
toilet, 1 lavatorio, com espelho, 1 guarda-vestido
de amarello, 1 cabide, 1 commoda e 1 marqoeza.
Salvas, crystaes, colbere?, bules, faqueiros e
oulroa objectos de prata.
Um mobilia de faia branca, 1 meza elstica, 1
guarda louca, 2 apparadores p torneados, 18
cadeiras, louca para cha e jantar, copos, clices,
compoteiras, garrafas e muitos outros objectos de
casa de familia.
narta-feira 30 do corrente.
O agente Pinto encarregado por urna familia
que raudou de residencia levar leilo os movis,
louca vidros e raais objectos cima descriptos,
existentes no 1* andar do sobrado da ra do Im-
perador n. 17, era que raorou oDr. Teixeira de
S.
O leilo principiar s 10 horas.
DE
Urna botica bomeopaiha com glbulos e tin-
turas.
Por interveneio do agente Pestaa, no arma-
zem n. 7 da ra do Vigario, por occasiio
lo de movis.
do le
VISOS DIVERSOS
KING
Sess, ord. UA. de E.
Gm.
Y II.f.L.C.
w.
-----------------_-------------------------------------a________________________
Caix iro
N ra da lraperatriz a. 22 precisa-se de um
caixeiro de ioteira pralica de taberna e que d
fiador de sua conducta.
AVISO
Cons'ando a abaixo assigeada que suas escra-
vas Theodora e Eugenia teera-se apresentado em
casa de psssoas de suas relaedes, fazmdo pedidos
em seu nomo, apres$a-se a dechrar que taes pe-
didos sao falsos e puras iavencoes daquellas -uas
esr.ravas, pediudo a essas pessoas que os conside-
ren] como taes; sendo que por. parte da annnn-
ciante vai ser applicado o devido corre:tivo contra
aquellas escravas. Recifo 19 de agosto de 1871.
Anna Maria C. de Albu inergne Maraone.
Precisa se de duas perfeitas en-
goramadeiras e paga-se bem : na ra
do Brum n. 104.
AMA
Tenene-coronel Francisco An-
tonio Bandelra de Helio.
Leal & Irmao, correspondentes e amigos do te-
nenie-coronel Francisco Antonio Bandeira de Mel-
lo, fallecido no engenho Agua Fra aos 22 do cor-
rente convidara aos parenes e amigos do dito ti-
nado, para que na terca- feira, 29 do corrente as
8 horas da manhaa se dignem de assistir, na ma-
triz de Santo Antonio mis-a que Ihe mandara re-
Mr pelo eterno descanc cfalma.
Vende-se um lustro de cristal de i bisos
lara gaz, candif iros de 2 bicos e arandellas ludo
e metal em perfeito estado por commodo prego,
na ra das Cruzes n 38, Io andar, on Solidado n.
29 : tratar das 10 as 3 da tarde no Recife e
as outrai horas na Soledade, pois foram objec-
tos retirados do palacete da ra do Visconde de
Goyana pelo proprietario nao querer ficar cora el-
|6s por nao gostar do uso do gaz.____________
Irmandade de N. S. da Concei-
qao dos Militares.
De ordera da mesa regedor*, convi lo aos iraiot
desta Irmandade i comparecerm no espectivo
consistorio pelas 4 horas da tarde do dia 29 do
correte met, aflm de em mesa ge ral ser delibera-
do se ou nao conveniente a conversao em apo-
lices da divida publica do patrimonio de Nosa
Senhora e o de Sant'Anna, bem como para ato-
risar a mesa regedora sobre ontras medidas.
O secretario,
Francisco Antonio de S Brrelo kwior.
Attenpao.
0 Sr. Francisco Leonardo Coelho de Sinueira
teoba a bondade.de vir i roa do Bario da Victo-
ria, ontr'ora roa Nova n. 41, realisar a que pro-
metlec desde o dlaiOde jniho.
Precisa-se de una ama
qne aaiba eczinhare engom-
mar : na roa estreita do Ro-
sarlo n. 10, 2* andar ; para urna so pessoa.
%bla^
CARROCEIRO.
Precisa-se de um carroceiro, prefere-se portu-
gnec -. a tratar na roa do Imperador n. 22.
Cozinheiro
Precisa-se de nm b;m cozinheiro : aa roa lar-
ga do Rosario n. 44, hotel.__________________
SY10FINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, *
srivio na cidade de Nazaretb desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. (8 a concluir
iquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fina
le dezembro prximo passado, e depois para ja-
aeiro, passoa a tevereiro e abril, e nada enroprio,
s por este motivo de novo chamado para dito
9m ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
4 de mais de oito annos, e quando o senhor **u
3ho se achava no es nesta cidade______
Attcncdo.
A luga-se os tres andares do sobrade da roa
larga do Rosario n. 10 por cima da boiica: a
tratar na mesma.
Attenqo
Um rapaz brasileiro que tem boa letra e que
sabe algumas operac3es de contas, e que tem al-
guma pratica de taberna, se offerece para caixeiro
de alguraa casa de negocio, dando dador a sua
conducta : nesta lypographia.be dir.
ra do Vigario n. 16.
Precisa se de urna ama pa-
ra o serv (o interno de urna
casa de familia : tratar na
AO PUBLICO
Tendo mudado a minha residencia para Apipu-
eos tenho a honra de indicar as casas dos Srs.
J. Rhigas successor de J. Vignes, roa do Imperador
n. 55, ou a do Sr. Vctor Pralle, ra do Duque
de Caxias n. 6, como aquellas que graciosamente
se prestara a transmittir-rae qualquer recado es-
cripto ou verbal.
______Gustavo Wertheimer.
Aluga-se ou vendo-se o sobrado sito no Poco
da Panella ae lado da igreja, com 4 salas, 7 quar-
tes, e solio com 2 grandes quartos e pequea
sala, cozinha e quartos exteriores no grande quin-
tal murado : a tratar na ru do Crespo, boje 1
de Marco n.4r l' andar.___________________
Aftenco do Sr. Pp. dos Montes
Pede-se ao senhor aeima que vi ou mande sa-
tisfazer ao que ficou devendo n' Ponte dos Car-
valhos, resultado da compra de um cavallo que
all negocion desde fpvereiro do corrente anno, do
contrario ver o seu nome por extenso neste
jornal. __________________________
Prccisa-se de um criado que seja perfeito
copeiro : na ra da Aurora n. 40
Aluga-se um terceiro andar com com-
modos para grande familia: tratar a ra
da Imperatriz n. 63 sobrado.
Flores e grmaltlas
A cbapeleria imperial a rua'Pnmeiro de Margo
n. 6, acaba de receber um lindo sortimento de
flores e grinaidas; assim como chapeos da ulti-
ma modaparahoineraeSenboras._________--
Medico
Dr. Gustavo Adolpho Walbaura pode ser pro-
curado todos os dias, por agora, na pharmacla
franceza de Maurer & C : na ra Nova n. 25, de
10 horas da manhaa at urna hora da tarde.
Previnese ao Srs. accionistas da comnanhia
dos triilhos urbanos do Recife Girada e Btberibe,
que a assetr.b'a geral da dita companbia conti-
na em seus trabalhos sebre a reforma dos esta-
tutos no dia 29 do corrente, pelas 10 horas da ma-
nhaa, sendo a reuoio no mesmo lugar dos annun-
cios anteriores.
0 1-
Luiz Lopes
ecretario,
Castello Branco.
AMA
Precisase de urna ama : na ra
da Cadeia n. 2l,l QUARTOS PARA ESCIUP101U0 DE
ADV0CAC1.A.
Aluga-se dous magnficos quartos moito pro-
prios para advogados, na ru i do Imperador b. 34 :
a tratar na loja da raesma casa i roa Primeiro de
Margo n. 8, esquina.
AOS 5:000^000
Esto venda os felizes bilhetes da lotera da
tahia, ca casafeliz do arco da Ccnceigo, !oja di
jurives no Recife.
Aluga-se
O 2. andar da casa oa praca do Conde d'Eu,
leudo solio, 9 quartos, 3 salas e moito fresca,
pintado de novo e forrada papel: a tratar com
Jos Heoriqne da Silva Guedes, na Soledade n. 29,
ou a ra das Crnzes n. 38. 1* andar.
Balaios cestas e brlaquelos
Ghegon para a ra Duque de Caxias amiga do
queimado o. 111 um lindo sortimento de objectos
finos de palha como sejara ceslinbas para meninas
balaios para costuras, ditas para pi na me$a,
ditos para facas, ditos para fructas, ditos para ou-
tros mullos misteres, maracaes para criaogas, e
grande sortimento'de calungas e brinqnedos para
eotreter mangas com pouco dinheiro.
Os sensores abaixo mencionados sao rogados i
vi i rea do Apollo o. 4, a negocio de interesse
reciproco.
Luiz de Oliveira Lima Jnior.
Silvestre Panlaleio.
Francisco de S Brrelo.
Francisco de Asis,Mello.
Paulino Rigueira.
Julio Cesar Cavalcante de Aibuquerque.
Dr. Joio Guimaries.
Capitio Jos Avelino da Silva Jaques.
Joaqaim Pacifico de Arrqda Cmara.__________
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0005
Bilhetes garantidos.
A ma Primeiro de Marco (oatr'ora roa di
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sens fe
lizes bilhetes um qnarto n. 2391 cora 800/000,
um quarto.n. 1067 cora 100/000, outras sortes
de 40/ e 20/ da lotera que se acabcu de extra-
hir (2041), convida aos possnidores a virem re-
ceber na conformidade do costnme sem descont
algum.
Acham-se venda es bilhetes garantidos da
10.' parte das loteras, a beneficio da nova igreja
de Nossa Senhora da Penha (205*), que se extrahi-
r terga-feira 29 do correte mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6/000
Meio bilhete 3/000
Quarto 1/500
Em porcia de 100/000 para cima.
Bilhete inteiro 5/600
Mel bilhete 2/750
Qnarto 1/375
________________Manoel Martins Plaza. .
Na ra de S. Francisco n. 72, precisa-se de
urna criada que entenda de costura, arrDmacio e
asseio de casa de familia.
A VERDADEIRA E GENUINA
SALSA-PARRILHA DE AYER
EMACCAO
A molestia os infeceo propiamente co-
nhecida pelo oame deESCROPHULA
um dos males mais prevaleceotes e nniver-
saes qoe ba em toda a extensa lista das en-
fermidados 4e qne soffre o genero huma-
no : disse um celebre escriptor da medi-
cina qoe mais de ama terca parte de to-
dos aqselles que morrem toles, da velnice
8io victimas, ou directa ou indirectamente
da escrophula : por si d3o to distrui-
tiva, porm a principal cansa de mnitas
outras enfermidades qoe nao Ihe 3o geral-
mente attribuidas.
ama cansa directa da phtysica pulmo-
nar, das molestias do ligado, do estomago
e afTfCces do cerebro:entre os seus
numerosos symptomas acham-se os seguio-
tes: falta de apetite, o semblante paludo e
as vezes ochado, s vezes de ama alvura
transparente e outras corado e amarellento
eo redor da bocea : fraqueza e moleza nos
msculos, dlgestSo fraca e apetite irregular,
falta de energa, ventre incbado e evacua-
do irregular;quando o mal tem sea as-
sento sobre os polmes, ama (dr azulada
mostra-se em roda dos olbos; quando ata-
ca os orgios digestivos, os olbos tornam-se
avermelbados, o balito ftido, a lmgua car-
regada, dores de cabera, tonteiras, etc.
as pessoas de disposigao escropbuiosa
apparecem freqaentemeote erupgoes na
pelle da cabeca e outras partes do corpo,
sao predispostas s adecenes dos polmoes,
do ligado, dos rins e dos orgSos digestivos
e uterinos.Portanto, nao somente, aquel-
es que padecem das formas, ulcerosas e
tuberculosas da escrophula que necessi-
tam de proteccio contra os seus estragos;
mas sim todos aquelles em cojo sangue
existe o virus latente deste terrivel flagello
(e s vezes hereditario) esto. expostos
tambem a soffrer das enfermidades que
elle causa, que 3o:A phlysica, sitara
ces d flgado, de estomago e dos ri m
eropebes e eofermidades eruptivas da i co-
tia ; rosa ou erysipela ; borbulhas, posto
la?, nascidas, tumores-, ulceras e chapas,
rheumatifroos, dores nos ossos, as costas
e na cabeca, debilidades remininas, fleres
brancas causadas pela ulceracjfo ioterier,
enfermidades uterints, bydropesia, Ddictt-
t3o, enfraquecimento e debihdade geral.
Aos pulmoes a escrophula prodoz tober*
culos e Analmenteconsumpcao pulmonar:
as glndulas ella prodoz inchas e
tornam-se ulceras: nos orgios digestivo
causa desarranjos que prodozem indige i3o,
dispepi ia molestias de flgado e dos rins v
na pelle prodoz eropces e affeccoes cut-
neas.
Todos estes males, ttndo a mesma o.i-
gem, careeem do mesmo remedio, a saber:
purificar e fortalecer o singue.
E' composta dos antdotos mais efcazes
que a ciencia medica tem podido deseo-
brir para esta molestia assoladora e para a
cura de todos os males provenientes del la,
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias e est provado incontestavelmente
pelas curas nota veis e bem conhecidas que
tem feito detumores, erupces cutneas,
erysipelas, borbulhas, nascidas, chagas an-
tigs, ulceras, sarna, bydropesia, tosse
quando causada por depsitos tuberculosos
nos pulmoes. Debilidade geni, iodigestao,
sypbilis constitucional, e molestias meren-
A SALSA-PARRILHA DE AYER
riaes, molestias das mulberes, ulcerares do gumas das quaes s3o superiores melbor
otero, a nevralgia e cenvulsss epilpticas, salsa-parrilba no seu poder alterante,
e em somma, toda a serie de enfermidades Aviso.As preparaos do Dr. Ayer
qoe nascem da impureza do sangue. Vede s3o preparadas com especial alinelo/ ao
as ceriidoes no almanak e manual de sade
do Dr. Ayer qoe se dttribue gratuita-
mente.
Este remedio o fructo de tongas e la-
boriosas experiencias, e ha abundantes pro-
vas das suas virtudes, posto que offere-
cido ao publico sob o nome deSalsa-par-
rilba, composto de diversas plantas, al-
Vende-se em todas as boticas e drogaras do mundo.
W. R. Cassds.fr O.
Agentes geraes.
clima dos trpicos e tem modificcfdes im-
portantes sobre as que sao feitas para ou-
tros paizes. Portanto, o publico dever
notar, e com cuidado, para que nSo seja
Iludido, que os remedios de Ayer, prepa-
rados exclusivamente para o Brasil trajzem
rtulos e envoltorios com a descripgac
minuciosa para a sea applicacSo na lingaa
portogueza, e nao na ingleza.
41 BIJA DO BARIO IU VICTORIA \\
armazem tem nm DE Assim coma t
Neste novo armazem tem um
rariado sortimento de fazendas
francezai, inglezas, allomias e to-
las todas se vendem por precos
mdicos, afim de acreditar a este
aovo armazem.
Gasemiras inglezas,
rancezas, de todas as
cualidades, brins de
lores e brancos, colet-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
Km.
ARRUDA IRMAOS.
RA
Bario da Victoria
mtiga ra
!VOVA
N. 41.
Assim como tem urna grstde
officina de alfaiate, montada <
todos os preparos que ha de mell or,
dirigida por habis artistas, mt
pela sua promptidlo e perfe fio
nada deixam a desejar.
Roopa de todoi M
amanhos para boaena
meninos.
Por todcs os palqoe
tes recebem-He as me-
lbor es e mais moti.tr-
nas casemiras eme t
na Europa.
RA
D
Baro*da % tctoit
aitifa ru
NOVA
N. 41.
ste es'.abelecimento acaba de soffrer rma reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontualidaJe as eacem-
nendas, 'inalmente em tudo afim de melhor senir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
lio se tornar massante
Da
LIQUIDACAO MONSTRA
mais importante fabrica de chapeos deso do imperio Ra do Barao da Victoria n. 23
quer
0 dtno daquelle estabelecimento resolveu vencer os productos da sua fabrica pelos precos segointes:
Chapeos de sol g*e seda para senhoras a 30, 60, 70, 81, 90, 100, 110, 120, 130, 14,150, 160,170, 180, e 2O0Oefy
Ditos, ditos, ditos, para homem a.... 80,1041,110,120, 130, 140, 150,160,170, 180, 200, 220 e 240000,
Ditos ditos de alpaca a............ 40, 50, 00. 70, 80, 90 e 100000.
Ditos ditos de merino para horcens a.. 60, 70, 80. 90, 100, .110 e 120000.
Ditos ditos de brim d'esgui3o a...... 60, 70000, todos os chapeos cima ttm 15 /0 de descont em duzia.
Ditos ditos de panno a.............. 20, 30, 40, 50, 60 e 70000 descont 23 %.
Tambem ba um grande sortimento outra p.irte.
Precisase de ama ama li-
vre od escrava que aalba
_ eozDhar com perfeicao: na
fabrica a vapor de cigarro?, roa larga do Rosario
numero II.
AMA
Precisare de urna ama para casa de
familia de daas pesadas: a tratar na
roa Direiu q. 3, primeiro andar._____________
Aluga-se ama caa em Apipoao?, propria
para pss;r-se a fesu : a tratar ca raa sete de
Sle/nbn o. J.
Vende-se o Mtio Olho de
Vidr<.
Em Ponte de Ucha.
Este sitio tem nm sobrado de um andar e an-
dar terreo, conlm 4 sallas, 9 quartos, J cozi>ha9
com bons fcgde) e for&o de ferro, e.-te sobrado
circnlado de janellas. Tem era separado grande
coebeira para cavallos, casa para feilor e escra-
vos e bem a*sim casa para fazer farinba com seas
misteres para tal flm. Eta casa tem na frenu
bans cantelros para flores, com porlo de ferro
gara a estrada do Parnameirim, grande filio ar-
orisado c.m grande diversidade de fructeiras,
grando baixa para capim, podendo sustentar por-
cao de vaejas leiteiras para as qnaes tambem tem
commodos de recolbimenio.
Os fundos da dita casa e sitio deitin para a li-
aba frrea que segoe desta cidade para Apipucos,
e se actaa livre e desembaracido, visto qne as
qaestoes qoe os consenbores de dito sitio tem
com os empreteiros de ditos trilhos apenas diz
respeito ao terreno qae.elles era oceopam, e os
prejaizos qae por tal motivo tem cinsado.
Os pretendectes p^dem-se dirigir a raa Dnqae
e Csxia, loja 43,00 roa do A rano. b-je
aa do Viscocde de Pelotas 13. ea-a n. ,
Ha pouco mais de dons mezes orna escrava,
subtrsbio da algibeira de seu senhor 3 sedulas de
200i cada nma, o qaal fez a diligencia a flm de
que a escrava desse coma di mesma qaantia, po-
rm at boje tem sido baldados os esforgos em pre-
gados para esse firo, constando agora ter ella en-
tregue essa qaantia a orna das sociedades de
emancipacao para ir juntando al se libertar, po-
rm como tal dinheiro nao deve servir para esse
flm, por ter sido subtrabido, tendo ella coofessa-
do, sem dizer o qne fes desse dinheiro : portanto
pede-se s pessoas qae de tal dinheiro souberem
ou tiverera noticia o favor de darem parte nesta
typographia qae se dir a qoem perteuce.
O padre Ignacio de Souza Rolim tendo ha
poneo chegado da provincia dq^Ccar, ensolven-
do-se a aonuir a jasta requisicao dos sens patri-
cios, goanto ao restibelecimento do eol'egio de ins-
truccao secundaria na villa de Cajazeiras, dec'ira
qae a abertura do dito colegio e aulas sem algu-
mas ceremonias nj da Io de agosto pro limo.
Para execucao da competente larefa a qae se sob-
me'.te rer por companheirosseo irmao o bacha-
re Manoel de. Souza Rolim e o ex-professor de
latim de villa Relia de Psje Cassemiro Jacome
Cavalcante. O estatuto ou regiment interno ser
o mesmo qae algum da ahi e>teve em aso. Ha-
vero aulas de latim, franeex, phil .sophia, r helor i- Por ordem da directora s5o convidarJ'>S-
ca, etc., segando o exigirla concarrenjia qoe se os Srs. accionistas para, no prazo de 8 dias
der de alumnos. A pensao como ja foi nos ulti-1, .__,. An A- a!4 A' -J1.- .r^m
mos annos do collegio, isto 20* raeosalmente,a ?"ntar do di\ 23 do corrente, realuartm
para os internos, alem da paga de matricula que,a 9a p-estar;o de suas aegoes, da 2a- emjss. ,
importa M mensalmente, sendo a paga por tri-'na razSo r!e 10 %-
TRILHOS URBANOS
DO'
HECIFE V 05IM
e Beberihe.
Por ordem da directora s5o convidad
Aluga-se o soto do sobrado da ra do lt n-
gel, preferindo-se ama pequea familia, pois se
alug? mais barato : a tratar na ma da Praia na-
mero 34.______
Offerece-se um hmem para caixeiro de en-
geobo, qae lem bastante pratica deste servico :
quem o pretender, dirjase travesa da Con-
gregaco, loja da encadernacio n. 3. '______
FWDICAO
DO
BOWMA1V
mestres adiantafos. A casa d luz, mas nao tra
tamento de ronpa. Nenhura alumno ser admit-
tido como interno sem snjeiiar-se formalmente as
condi(09s do estatuto. Villa de Cajazeira 1* de
jalhv de 1871.
O padre Ignayo do Souza Rolim.
NJaooel de Soma Rolim.
Jasjemire tacme Cavalcante.
Forto Calvo.
Vapores pequeos pa
caroqar algodao
des-
Na praca da Independencia o. 33 se d di-
nheiro sobre penbores de ooro, prata e pedras
preciosas, seja qaal for a qoaniia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos do ouro e prat ;
igualmente se f;z (oda e qnalQner obra de en-
commenda, todo e qualquer concert teniente
mesma arte.
Precisa-se de nma on daas pessoas escrava
a llvres para vender em taboleiros : a tratar na
ra da Companbia Psrnambucana n. 10 A, oa
em Santo Amaru em seguimento a fundieao na
ma casa.
O abaixo asignado, tendo acceitado no dia 8 de
maio do crreme anno diversas Ultras comraer-
ciaes, saccadas pelos Srs. Francisco de Paula un-
doso, e Antonit Francisco Undoso, em pagamen-
to da compra que elles e suas mulberes fez das
parte!, qne po?-uiam no engenho Gloria, outr'ora
Matto-Grosso, do termo de Poit) Calvo, da provin-
cia de Alagdas, asim como ontras saccadas, fa-
vor do Sr. Jos Vicente Lindoso, pal d'aquelle?, em
pagamento das rendas de grande parte que pos-
sue no mesmo engenho, como lado consta das
respectivas eseripturas : previno em tempo qae
niogaem figi negocio com taes lettrao, e que nao
pagar a quem j as houver negociado, porque
inteiramecte Iludido nesses contratos de compra
e arrendaraento, val propdr em juizo a accao
competente para invalida-los. E para que assim
conste e todos saibaro que sada v.-iem aquellas le-
tras, e nem do abaixo astignado recebe'ra ;eu
importe na vencimento, faz a prsenle publicado
pelos jornaes das provincias de Peroambueo e
Alagoa?.
Bngeoho S. P.dro e Porlo Calvo, 18 de agosto
de 1871.
F^eonidas Pereira Buarque.
, Criado.
Preo.ji'ie de am criado qne S:a cOieiro :.quem
se jalgar iiatilado, dirija-je ao caf imperslriz
para tratar.
Para esse fim ser o Sr. thesooreiro en-
contrado no escriptorio da companbia, das
11 boras da manh3a s 2 da tarde de tod)
os dias atis.
Joo Joaquim Alves.
1 secretario.
lili Bf fr.Ml@tt*
CONFRARIA
SANTA CRUZ.
De ordem da mesa geral da contraria
do Senhor Bom Jess da Via-Sacra da
Santa Cruz, convido a todos os irmaos
confrades, a reunirem- se no consistorio
da nossa igreja pelas 9 horas da manh
do dia 3 de setembro vindonro para em.
| mesa geral deliberar-se acerca da propos? j
ta feta em sessio de 13 do correte, por '
am irmao confrade para ser vendido, e o
g sen producto aplicado em a plices do go- i
verno. o -terreno bfneciado que possne S
a confraria no fundo da mesma igreja.-
Recife, 21 de agosto de 1871.
O eserivo,
Theodoro Jos Tavares^^PJI
iiam mmmmm
\
<

Mudanza
Josepha Maria dos Prazeres e Silva participa j
pessoas de soaamizade qoe modou saa residen-
cia d ra do Viscoade de Goyanna para a Soli-
da de n. W ; bem como a todos aquejes qne S
interessim em negocio* da viow e herdeiro 6 >
casal d Joio flenriqoe da- Sijva.
|AMA
n. 2, B.
Prerisa-je de urna ama
eofomar e compjar; a raa
forra pa;a
do Cabnf


D ario de Pernambuoo Doraing 27 de Agosto de 1871.

t
m

V
ir
ii
D. W. BOWMAN
Engenheiro com
FUNDIClO
51 RA 1IO BailM 69
PASSANDO 0 CHAFARIZ
Pede aos senhores de engenho e ootros agricultores, e empregadores de ma-
chinismo o favor de orna visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimento
completo que abi tem ; pois endo todo muito mais barato etn preco do qae jamis te-
nha vendido, est ainda superior em qnalidade e tortidao; o qae com a mspeccao pe-s
oal pode se verificar. r
PEDE ESPECIAL ATTENCO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
ITonAnAo a Ailoa d'armia ds ma'8 mo^ernos systemas, eem
apuros O rO LiaS U &g Ui* tamanuos convenientea para as diver-
ai circamstancias dos senhores propietarios e para descarocar algodao.
Moendas de canna os tWMnb08 M melhores qoe ,qoi
KOuaS QGntaQaS Dara aoimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
ItaltfllifllllM^
UOmOaS e patente garantidas...................
i ocias as macninas e pecas e qae ^ costom precisar. >
Faa qualquer Concert de m,Cbnismo a preco mo resumido.
l?A|*rnaa \a fprrfi tem as me"l0re8 e raais baratas existentes no mer-
PnAAmntamrlQa____Incumbe-se de mandar vir qaalqaer machinismo i von-
fiUOUUUUOliUao ta(ie dos clientes, lembrando-lbes a vaotagem de; fa-
xerem roas compras por intermedio de pessoa entendida e qae em qaalqaer necessi da-
de pode Ibes prestar auxilio.
Arados americanos
Podecdo todos
ser movidos a raao
por agua, vapor,
ou auimaes.
D
Precisa-se fallar com os Srs. abaixo enciona-
m negocio de sen inieresse : a travessa do Car-
ino n. i, 2* andar :
Bemveoulo Duarie, morador no engenho Sa-
camb.
Joo Baptista Al ves Monteiro, morador na Es-
cada.
Francisco Antonio Cavalcante, morador em Ga-
roelleira.
Manod lelim d Almeida, morador em Santo
Antao.
AntMio Barbosa Cavalcaoti. no engenho Boa-
Visu.
Bercardrno Perreira da Cruz, no engenho San-
i'Anna.
Feiippe Nery da Silva, morador no engenho
Santa Rosa.
Flix Jos Cavalcante, morador no engenho
Novo.
Jos Francisco da Silva, morador no Brejo ou
Bonito.
Jos Felippe de Mosquita, morador no engenho
Maltas.
Jeronymo Rodrigues, na Escada.
Agostinho Lopes da Silva, morador em Quipap.
Manoel Anioaio da Silva, morador no .engenho
Boa-Vista.
Jos Ignacio, cargeiro do engenho Sarja.
Jos Joaqun da Silva, morador no engenho
Limoeiro.
Francisco Antonio Pinto, morador era Caroar.
Flix Cavaloaate de Albaquerqae, morador em
Gamelleira.
Jos Feliciano Portella, no Recite.
Ricardo Nanea Cavalcante, morador no -enge-
nho Javunda.
Conrado Ferreira de Barros, morador era Ga-
raellfira.
Joo Al ves de Oliven a, em Una.
liidro Nones Cavalcante, morador no engenho
Gnrja.
Joo Apolenio Cavalcante, morador em Varzea
de Uaa.
Miguel A. P. Mazareth, morador no engenho
Maltas.
Florencio Jos de Oliveira, na Varzea.
Joo Jos de Moquita, no engenho Tob.
Antonio Luir Alves, morador no engenho Boa-
Vista.
Francisco Monteiro Gusrao Lima, no engenho
Mangueira.
Paulino Francisco Bastos, morador em-Frio-
Vas..
Francisco da Rocha Accicly Lio?.
Jo: Ferreira Cavalcante.
#Andr Avelino Peretra de Sonza.
Caetano Alves da Silva, morador em GM61
letal
Epifauio de Fringa e Mello, no Recite.
Flix Jos Cavalcante Jiior, morador no engenbo
Novo.
Manoel Joaquim Pereira de Carvalho.
Francisco Bringel de Almeida Gaedos.
Joaquim Lourenco de Barros.
Antonio Ceriaco de Morae, morador ora Vera-
Crnz.
Heleoiio Acacio Rangel, morador em Garael-
leira.
Jco Fraocisco ia Reg Barros.
Joo Jos da Costa Santos.
Vicente A, Cavalcante, morador no engeoho S.
fleque.
filvino Bodrigncs Cardoso de Barros, na Es-
ida.
Antonio Gon^alves Das.
Francisco Jos de Oliveira Cheia, morador eo
engenho Garja.
Rrcsa-se de nma ama ou ura menino, para
casa de urna pes.-oa, sendo a ama para comprar-
eozohar e engommar, e o menino para comprar :
na roa eotreha do Rosario n. ii, segando andar,
ALGA-SE o terceiro andar da i-asa da ra
do Imperado/ n. 45 : a tratar ma do Commer-
cio n. 10.
e instrumentos agrcolas.
Precisa-se de uro caixeiro com pratica de la-
berna : i tratar na ra da Aurora n. 33._______
Precisase de ama ama forra ou escrava qne
saiba engommar bem c cozer : na raa da Aurora
n.*0.
Carrosa e bot.
Compra-se ama carrosa e um bei : na roa lar-
ga do Rosario n. J, loj* de calcado.
No caf chines na larga do Rosario o. 31,
iptecisa-se de nm menino de t4 a 18 annos de
fdade, com pratica de copeiro o que d fiador a
eua conducta : prefere-seBstrangeiro,*'________
4TTENCA0
5
Precisa-se de urna ama de meia idade que ce-
iiohe, compre e hea o mais servico interno de
casa de urna familia coraposta de duas pesseas :
gesta typographia se dir.
Precisa-se jje urna ama para cozinbar e
comprar : na raa estrena do Rosario n. 14, loja
Convida-e aos amigos e prenles do fallecido
Dr. Manoel Tnomaz de Bitanconrt dorte Real a
assistirem a urna misja as 7 horas da maohaa do
da 30 do carrele raez, na rastriz da Boa-Viet,
que manda dizer ara amigo do raesmo linado.
Superiores cigarros do Rio
de Janeiro.
Domingos Alves Matheu?, nico agente nesta
provincia da fabrica imperial oe cigarros de .
Joo de Nitheroby, -t-ihescida no Rio de Janeiro,
tem sempre ura completo sorlimenlo da lodos os
cigarros, fumo picado e en latas. Temigualmente
oe afamados cigarros Conde d'Eu, feitos com mag-
nifico papel de palha de milho e fumo superior.
Para governo de seu> freguezes, que tem eslabele-
cido depsitos fillaes, as esas dos Srs. Thomaz
Francisco de Salles R deiro Simoes Jnior, no hairro do Recife, e todo
qnanto for vendido em outras, casas com a firma
de Sonza Novaes de C. sao falsificados".
Vende-se um marquezo em bom estado :
qnem quizer dirija-ee ra Velha n. 83 se dir
quera tem.
CASA DA FORTUNA
RA l' DE MARCO OUTR'ORA DO
Aos aftooojow).
O abaixo as.'igtado tem sempra, exposlo ven-
da os felices bilhetos do Rio de Janeiro, pagando
orom pamente, coreo costama, qualquer premio.
V V PRECOS.
Inteiro 2i*000
Meio 1009.
Quarto 6#000^
Manoel Marns Fiuza.
Presha-se de ara menino para caixeiro : na
ra de Hortas n. L
Comedorias
Ra estreita do lloaro n. 3&,
Na cata cima fornece-se conedori.is para fra
com assefo e pmmntido, rhamando-se a altenco
dos senhores acadmicos que quizer- ra ir cedo
parabas snss aulas, visio que sedar almoco des-
de 7 horas em ponto at s 9, on at a hora pelos
roesmo9 marcada, e jantar a qaalqaer hora, man-
dando- levar emsnas casas.________-
Precisa-se alagar urna esciava para o ser-
vico le ama casa de familia : na ra da Concei-
cao da Boa-Vista o. 3.
TACIS-!
Aloga-se o primeiro, segando andares e sobre-
aoto da casa n. 6, eila a rna.do Livramento : a
tratar na loja do raesmo pre**,^ M-.__-- ^
Medico
O Dr. Villas Boas mndon-se da praija
do ikinde d'Ba b. i, para a raa 9*) Hos-
picio n 31
SITIO
Precisa-se alagar ou arrendar am sitio e casa
para pouca familia, preterind.-se nos seguales
arrabaldes.; Aflictos, Rosarinho, E canamente e em qualquer lugar d^-tas immedia-
g5e9 que nao exceda a urna legua de distancia da
cidade : quem o tiver dirja-se ao pateo de S. Pe
dro n. 11, que achara com quem tratar.
Precisa-se de ama ama de bna .-onducta
para cuidar em enanca*: a tratar c\ ra do Com-
mereio n. U, 2* anda'r.
A lf A Precisase de urna ama para casa de
Ailll. nma pessoa : a tratar na raa de S.
Francisco o. 39.
25000
Paga-fe 23 mensaes por ama escrava qne on-
gomroe bem e faca mais algus servio, tendo boa
conducta : na rna do Pires, sobradon. 28.
Bento Jt da Costa propoe-fe a reeeber em
seusarmazens alfandegaJos do cao- do Ramos s
saccas de la qae alli quizerera deposar, ebri-
gaodo se a faz r por sua cinta o seguro ciutra-
figo, e respons^bilisa-se pela conserva^o e entre-
ga do que pira l for.
Precisa-e ue urna ama para comprar e co-
zinbar : na roa de Hortas n. 1.
iv JUv U\ Preci'a-'O de urna ama
\ ^H|\^k\ l*(irra on <^crava para con-
^k. VWa) w nhare lavar: a tratar na ra
Mrquez de Olioda, no 2' andar fio .tira lo nn-
mero 34._____________^^^______^^
Por di ibf rar;o da actual mesa rege lora da
irmandade de N. S. da Sotedata erecta em sua
igreja na fregaezia da Boa-Vista, cooyia aos Ir-
racs das transadas mesas regedoras, para o da
29 do corrente, as 4 Inris .da Urde, reooir-fe
nesse consistorio, e em mesa conjae'a deliherar-se
cerea do que di^pSe o 2 do arf. 46 do compro
misso.
Consistorio d: irmandade do N S. da Soledad?
2i de ag uto de 1871.
O oserlvao,
Mznoel Borbosa de Arauj.
AVISO IMPORTANTE,
Devendo sepnir com brtvidsde as pecas princt-
paes da dita reftocjio para o Rio de Jane ro eo-
gage-se rs senhores de engenhosde aproveitar-fe
ante? da sih'da desu nnica occasiao de comprar
por preijoj commoflo machinas f'brlcdas pela
primelr casa franceza deste ramal de iudqstria.
Heoriqueda Silva Guimares mod sidencia para a Seledade n. 29, sitio onde m ron
o Sr. Dr. Villas Ras, onde poder ser procurado,
on na rna das Crozes n. 38, i* -andar, das 10 no-
ras > da tarde. _________________
y/lez doloroso
Na sexta-fera 1' de setembro prximo, na ma-
triz do Divino Espirito San'o da Pao d'Alho, pelas
5 horas da madrugada, ter lagar ama missa can-
tada, depois da qual eri arvorada a bandelra de
N. S. das Dores, devendo nesse raesmo dia ter
principio o exercicio doraez doloroso. _
Aloga sa casaba praca di (o^de d'Eu n
21 : a tratar cora Jo.' Hanriqe da Silva Gnima-
r5e>, na Seledade, sitio n. M, onde morn o'Sr.
Dr. Vida? Rois, t a 11 horas da maobia. e
-K,'dep'ji* ds ton at as ? *e Wit, na roa das
COMPRAS.
GONPRA-SE
fraseos vasios da tintura jiponeza, e pagase a 80
rs eada nm : roa- Dnque de Caxias n. 50, e
Maraes de Oilnda n. 51.
*
VENDAS.
FumodeBorbj.'
Vindo do Para ] desdado, eos latinhas, a U
cada ama : no|armazem do Azredo i raa Nova
namero 11.
Cal nova de Lisboa,
Vende Joaqaim Jos Ramos, a roa da Croz n, 8.
primeiro andar. _____^^^
Vende-se coqueiros pequeos para mudar-
se : qnem os quizer dirtja-se ao sitio Cafando na
estrada de Paulino Cmara, outr'ora de Joo de
Barros.
CEMENTO.
O verdadeiro portland: se 'ende na
roa da Madre de Deas d. 22, armazem de
JoSo Martins de Barros.
(Jerveja em harr, de su-
perior qu^lidade
Vende-fe em casa de S. P. Johoston & C, rna
da Senzala-nova n. 42.
VENDE-SE
urna das melhores casas na povoafio de Beberi-
be : qnem pretender dirija-se roa da Moeda n.
39, das 9 beras da manhaa as 4 da tarde ; e tam
bem se vende ama casa em Olinda em boa loeali-
dade, com mallos commodos e com grande quin
tai.
Cofre de ferio
Vende-se um j otado, francez : na raa es
treita do Rosario n. 9, jaoto a Igreja. _____
R
8
('ambraia transparente
com 10 varas a #000
Raa do Crespo n. 'Ti
Grande liquidapao
CAMDRAIA*LISA BISPO A 30000
Peca de cambraia lisa fina Bispo com
8 1/2 taras a 3)J000 na roa do Crespo 20
loja de Guilherme Garoeiro da Cunha,
E. R. Rabell& C. ten em sea escriptorio
rna do Commercio n. 48, os aitigos abaixo espe-
cificados que vendem por preces mdicos, a saber:
Vinho puro em barris e anoeretas.
dem fino do Porto em ancorttas e caixa de urna
duzia.
dem Madeira-secca em barris do 8*.
Velas de cera de diferentes tamanhos.
Hugias dita. *
Cachimbos de gesso hamborguezes.
Essencia de caneila era latas de 8 libras.
Ferragens do Porto, diversas qualidades, como
sejam fechaluras. feixos, etc., etc.
Botinas pretas e de ccres de canos altos e bai-
xos para senhort a 3 e 1, botinas de cordavo e
bezerro para hornera a 74, sapatos de tapete para
hornera e senhora a i i, botinas de bezerro a cor-
davo de 1* qualidade a 104 e 12/, ditas de Nan
tes a ', ditas para meninos a Si, calcados para
meninos andar por casa a 2/, e o itros moitos ar-
tigo* que se vende barato : na loja do Arantes na
praca da Independencia ne. 13 e 13.
Companhta fluvial
Vndese 130 accSes da corapanhia .fluvial de
navegado a vapor do Maranho : na ra do Vi-
girio n. 16, 1* andar, escriptorio de loaquim Ge-
rardo de Bastos, onde se daro es necessario3
esclarecimentos.
Vende se orna machina de costura em bom
estado : no becco do Mamco n. 10.
Veude-s i
oe predios segrales : um sobrado de um andar e
soto d. i, na ra Visconde de I tapanca, outr'ora
ra do Apollo, um armazem n. 10 na roesma ra
cima, e nm ilio n. 1 na estrada do Arraial: os
preteudeotes podem dirigir-se ra da Aurora,
casa o. 38. onle obtero os esclarecimeutoj pre-
cisos.
Vende-se urna casa terrea era chaos pro-
prios, sita na roa da Araizade n. 38, (Capunga) :
a tratarla ra Direita n. 13.
IVlhas de ferro
Veode-oe telbas de ierro de 6, 8,11, l e 17 pal-
mos por menos 200 rs. do qae em primara mo:
na chapellaria imperial raa Primeiro de Margo
o. C.
Vende-se
.Ura terreno (aroprk) em frenti ao sitio qne foi
de Nuno Miria ro.Seixas no Cordeiro (hoje Cha-
cn) freguezia do r'jo da Panella e perto da esta-
cao d a trilhos urbanos : tratar com o agente
de leiloe? F. J. Pinto, a rna da Crnz n. 38.
Uvas peras, massas e tmaras em la-
tas : roa Mrquez de Olinda d. 53, ar<
mazem Unio Mercantil.
Vende-se a propriedade daomiDada
a Fazenda na Barreta, com legua e meia
de rompriment > de Leste a Oe-te, e meia
legaa de largara de norte a sol, a margem
da estrada de ferro do Recife a S. Francis-
co, com casa de vivenda, graode numero de
ps de coqueiro, feudo toda a trra de muia
prodnccjio. Qjem quizer comprar a mes-
ma propriedade pode entender-se com oDr
Joaquim Correa d'Ara'ojo ra dos Pires
n. 20, ou a rui do Imperador n. 83 l.;n
dar, das 10 Loras da manha as 3 da tarde.
Aos senhores de engenho.
V. nle-te a retaifio as diversas machinas e cal-
deiras a vap-i-, caiJeias de cobre para cszinhar a
vapor, filtro, teos, furnias e mais outros ubjec-
lo? da aniijp refinac.So do Montoir'. P.ira tratar
dirjase aos propietarios da dita r flenrlque Leiden & C, na imperial fabrica de cer-
vfja n. 33. rna do Bario d* S Borja (Sobo).
FLORES FINAS
Acaba de cCegar pelo vapor raccez fjindh para
o estabelecimento da TESOURa DE OURO, roa
Dqqae de Caxias n. 50, 1' andar.
Nao p gaa ma leira
Vende-se p->r(as anurleana' a 6200) : no sr-
mazrm da bola amarelh nooliida se retara de
^frENfjAf
AQoal chegiu nova remassa do leite condensa lo
3a Suissa, pe j vaper Cg eperando pe ? stnvapreciadores e eo.pnciedor'.
deste artg1: .?nde Kller r C. ni ra da Cros
nnmtro-65.
Vealeve urna pane do engenhj Farno'di
Ga*, termo deOiila, Cfm boas.ierras pira filan-
ta;oes e cria^av- -i- jadj.^.fluOJAfcjafa m,v.l?ir;
Iri o fabri
:o do T wP^* olaria :
a ira: JcRMPHf P'dira da
F|nr-'3.
Bna do Imperador
n. 37.
nico deposito da antfga e acre-
ditada fabrica do Barbalho
do Cabo.
Neste bem sortido armazem existe nm grande
sortimento de loaca franceza, mnito utii para ca-
sa de (smilla, como seja alguidares -papeiros
e panelas, todo grandes e pequeos, e bu-
Ihoes para mantaiga; ludo de barro vidrado fran-
cs. Assim como um completo sortimento de Ion-
es do Barbalho, como seja : jarrees para 4 e 5
canecos de agua, potes de nm a dous canecos,
mariogoes, resfriaderas, qnarliohas do Barbalho
e da Baha, vasos vidrados e por vidrar para jar-
dim, caeos grandes e de meio para flores, ditos
ditos pequeos para tirar plantas, canos vidrados
e por vidrar de S, 3, 4, 6, 10 e II polegadss,
feitos por machina e qoe aqu ne lia na provin-
cia a exeepeo dos viudos de fra ; tudo melhor
pela qualidade do barro e mais barato do que em
ontra qualquer parte, Em por cao se faz abat -
ment da 10 i 15 per cento ; s na roa de Impe-
rador n. 87.
ME
FILO DE SEDA
Ricos cortes de vestidos de fil de seda de cores
com palmas e flores inteiramente modernos e pro-
firios para assistir-se casamentos, bailes, ete-, ete.,
uvas de pellica de Jonvin e bathelique de lia e
seda : vende-se no Bazar Victoria, rqa do Bario
da Victoria n. 2, (antiga roa Nova).___________
Caf reetaurant
SANTA. ISABEL
tRna da Florentina
Aceilam-se assignants por presos multo com-
modos, garante se boa comida e muito asseie.
-------- i i 11. i '
' Taborda
Polka para piano, acaba de chegar alguna ex
emplares, ao armazem de pianos e msica, do
Azevedo, ra Nova n. 11-__________________
Querem comprar ?
Guardapisa para vestidos; preto on branco?
Papa-fina, larga on es treita ?
Lencos de linno, bordados ou lisos ?
Bonitos leqnes, osso ou sndalo r
A Nova esperanca quem tem 111
noVidade!
Acaba de chegar a Nova Esperanca ma Duque
de Caxias n. 63, bonecos e nonecas, sendo de mol-
des inteiramente novos, vindo entre elles os en-
granados bonecos de borracha : para qae se can-
Cam ? qaando quizerem comprar qaalqaer objecto
sendo bom, bonito on engracado, fembrem-se logo
da Nova Esperanca roa Duque de Caxias n. 63.
Para casamento.
O azar Victoria icaba de reeeber de Pars pelo
ultimo yapor francez ricos vestidos e veos de mon-
de primorosamente bordados a seda, capellas, le-
qnes, colchas de seda e de la e seda de apnrados
gostos : na roa do Bario da Victoria n. 2, antiga
roa Nova._______________________________
A oga-se a casa da praja ao Conde d'Eu n.
21: a tratar com Jos Henriqae da Silva Guima-
res, na Soledade, sitio n. 29, onde morou o Sr.
Br. Villas-Boas, at as 11 da manhaa, e depois
desta hora at as 2 da tarde na raa das Crnzes n.
38, 1* andar.______________________ .
GRANDE lIQUIDACaO
Popelinas de cores.
Popelinas de cores de lindos padroes a 14300 o
covado : na rna do Crespo n. 20, loja de Gaiiher-
me Carneiro da Cnnha._____________________
Joaqaim Jos Goncalves Beitro tem para
vender no sea escriptorio roa do Commercio n.
5, os gneros abaixo notados, que venda mais ba-
rato do que em ontra qaalqaer parte :
Azeitenas em a neo re tas.
Amendoas em barricas.
Caf muido em massos da 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qnalidade.
Cognac marca martel frres.
Enxadas.
Frinha de mandioca de Santa Catbarina, sac-
eos de 3 e 2 alqneires.
Dita da Baha em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, proprias para casas
particulares.
Fio de algodao da Babia em novellos.
Fouces.
Masados.
Nozes.
Obras de palbetas.
Papel preprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Pregcs sortidos.
Panno de algodao da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Babfa.
RoHias.
Rap popular da Baha.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranho.
Tabaco simonte da Babia.
Vernix copal.
Vnbo do Porto engarrafado, caix de 12 gar-
rafa.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dtto Bordeanx em caixas de ama duzia..
Dito de caj em caixas de ama duzia.
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Essa pomada qae to bons resaltados tem colhi-
du as pessoas qae del la tem fefto aso acaba de
chegar para o sea depsilo especial..
Pharmacia e drogara
DE
Bariboloraeu & C. rna |arga do Rosario na-
______________mero 34-________
A revalesctere du Barry de
Londres
Toda a doen$i cede a Revalesciere da Barry,
qoe d sade, energa, appetite, digesto e des
canso. Ella cara a* dispepsias, gastriles, hamo-
res, acidez pituita, flato, enips, vmitos depois
da comida e gravidez, con tipafdes, tosse, asthma,
aflecedes pulmonares, bexiga, flgado, cerebro e
sangue ; 60,000 curas, indurado muas dellas no
Brasil.
A revalesciere chocolatada du Barry ,
em p,
Delicioso alimento para almoco e ceia, muito
nutritivo, fortificando os ervos do estomago ?em
camar o monor peso nem dr de caneca, nem ir-
ritaco.
nico deposito para o Brasil era Pernambuco
na pbarmacia americana e Perreira Miia & C,
ra do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidado
tora s falsiflcacdes.)______.
Vnde-se nma casa terrea Da roa das Nym-
phis 0. 5. bairo da Boa-Vista : a tratar na "ra
Direita n. 77.________________
Eua do Vigario n.27
No escriptorio de Jos Joaqaim Lima Bairo ha
pira vender se :
Prg s de diversas qualidades.
Fecbadurai de broca de todos os tamacln?, e dos
melhores fabricantes do Porto.
Cartilhas de douelioa Cbrista.
.Mercurio de Li>ba.
Lralu de Rcriz. *
Superiores cigarros do Rio de Janeiro, da fabrica
do-S. Lourenco, j bem eoobeeldos pela aceita-
gao que tem tido oesta provincia.
Ricos e rendas
Vende-se. rendas e bico do Aracaty a pregos
nunca vistos : na loja de fazendas d Canato 4
Pinheiro iras da Imperatrz n. 16.
t^'e.f Leaveainff Flour
Farinha de trigo j fermentada, propria para
pi, bolos, pudding, etc.. em majas de C libras:
i 304 nos amaifD de Tau^ trmio; & Q
Rival sem fegnndo
Rna Dnque de Casias 91
Jos de Ate\edo Maia e Silva, em ta lo-
j ade DBiude?a3 continua a vender toda
por baratos [ recf s que t todos admira :
Libra de 13a para bordar a melbor
qne ba.
Cmas com superiores graropos fran-
cezes a
Dozias de facas e garfas de am e
. dous botoes a
Talheres pare menioos a 240 e
Libras de liaba de novello, a melbor
possivel.
Duzia de lencos de caeaa com barra.
Caixas de lii>has com 30 oovellos a
Vara de franja branca para toalbas
Dozias de meas croas muito boas a
Daziss de meias finas para senbo-
rai a
Dozias de facas e garfas cravadas a
Duzia de palitos seguranca a 120,
240, 320 e
Na'albas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
que a
Caixas com pencas de Perry fazeo-
da fina a
Ditas de dita do Terdadeira* a
Caixas com 20 cadernos papel ?mi-
zade a
Pecas de fitas para coz cem 10
varas a
Pecps de tranca lisa de todas ai
cores a
Duzs de liaba frcuxa para tordar
. a 400 e
Pares de sapatos de tranca a .
tnias de baralhos muito finos a
24O0 e
Ditas de agu'bas para macb'na a
Libra de pregos france?es a
Resmas de papel almaco upe;, r a
Ditas de dita paulado o raelher a
Caixas com faboDetes frucla a 720 e
Carrteis de Mnba A ex andr a'
Grvalas de cores muito ftoas a
Ditas pretas pontss bordadas a
Grosas de botrjes de madrvjrola
para carnea a
NovelW de liona branca, 400 jai das
Duzia de car'.Ses de liaba branca e
prota e de cores a
Thesouras mnito fieas para atibm
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para lim, ar denle*
fizenda fina a
VNDESE
As casas terreas fbreiras', no becco das Barrci-
ras n. 16 e 18, Boa-vista.
As casas terreas ou roeiaguas na travessa dos
Quarteis n. 32, dita na travessa dos Patos n. 13.
As casas terreas nos Arrombados em Santa Thf-
rea n. 13 e 16.
A tratar na ra da Cruz do Recife, armazem n.
0%
Ciiies de renda pretos
a 2$000.
Ra do C espo p,25
3
Wooo
160
4)9000
400
150O
1*000
S00
160
34500
41000
3*000
500
1*080
I 320
800
208
70f
500
40
500
4806
2-5800
2*000
240
"5*600
*?00
5*000
196
| 500
eco
{S.
?
120
500
1*20*}
20C
iproveitem
Lindos padrdes de chitas chinezas alcochoadas,
proprias para cobertis, pelo barato preco de 280
rs. o covado, assim como muilas outras fazeod s
qne se vende barato : s na rna Direita n. 58.
Vende-se
a casa terrea n. 11 da ra de S. Jorge (ou
tr'ora Pilar); a Iratar na ra do Mrquez
de Olinda o. 40 primeiro andar.
AS H0DIST4S
A Nova Esperanca est resolvida a ven-
der baralissimo, para as Exmas. modistas:
enfeites, forros para vestidos, botoes, etc. e
tudo mais de quepr ecizarem ; e isto por
preco mnito commodo, com a coudico po-
rem das mesmas Exmas. mnnir-se destes
objectos somente no dito eslabelecimento
onde encontrarlo o bom, por pouco preco
e desta forma ambos lucrareal, isto a
Nova Esperarla, porque vende, e as modis-
tas, por comprarem bom e barato.
Nao baver convalides.
As enancas que usarem dos collares aco-
dioos, que se vendem na Nova Esperanca,
eslir3o isentos de convuUoes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
E' engranado e destnihe
Os pies de nova invencao e que dancam
15 minutos pouco mais ou menos, mudando
sempre de cores, e representando diversos
caracteres, vendara se. na Nova Esperanca
roa Duque de Caxias n. 63.
liOafA
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conhecide eptabele*
cimento, alera dos mnitos objectos que tinbam ex-
postos a apreciaeao do respeitavel publicjo, man-
daram vir e acabam de reeeber pelo ultimo vapor
da Europa, um completo e variado sortimento de
finas e mui delicadas especialidade?, as qiraes e|-
tao resolvidos a vender, como e n cbstnme,
por preces muito b.^raiohos e commodos barate-
do, com tanto qne o gallo...
Mnito superiores luvas de pelie, pretas. brn-
cas e de mui Iinis9 edres.
Muito boas e bonitas gollinha; e puchos, para
senhora, ne>;e genoro o qne ta de rsais rcoderao.
Soperio-e pente? de tartarnpa para coques.
Lindos e riquissimos enfeite9 para cabeca >
Exmas. Sras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles ; esta fazenda o que pie haver
d9 melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madrppro!3,
marfini, 9anda!o e osso, sendo aquelles trancos,
com lindos de?enhos~, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Esccssia para se-
nhoras. as qnaes sempre se ver.er.ini por 30^-00
I duzia, entretanto que nos as vendemos por 20i,
alm desta, temos umbem grande crtimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
flaas.
Boas bengallas de superior cfnoa da India c
castao de raarfira com lindas e encantadoras figu-
ras do niesmo, neste genero o que de melbor
se pode desejar; alm destas temos tambem gran-
de quawidade de oulra3 qualidades, como sejam.
madeira, baleia, sso, brrracha, etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicolinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindis e superiores ligas de reda e borracha
para segurar as rreial.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de Navalhas cabo do maine Hirt.iruga para tazet
barba ; sao mnito boas, e de mais a rnais'sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por no^sa vez tam-
bem as-e;'ur.vnos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para uoiva.
Superiores agulhas para machina e para erocvM.
Lmha rcuito boa de poso, frouxa, para em t
labyrintho.
B'ons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os teios para o Qesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias, dos melhores e mais coobecidos (a
bricantes.
COLARES DE ROYR.
Elctricos magnticos contra as convulsfle,
fecitam a denticao das innocentes cranos. So-
mos desde muito reeehedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recene-los por todos os
vapores, aftra de que nunca falten) no mercado
como j tem acontecido, assim como pois, podero
aquellas que delles precisaren!, vir ao doposito do
gallo vigilante, aonde sempre encontrarao deste?
verdadeiros o llares, e.os quaes altendendo-se o
fim para que sao applieados, se vtndero com nm
mni diminuto lucro.
Rogamos, pois. avista dos objectos que' deixa-
mos declarados, aos nos09 freguezes e amigos a
virem comprar por preces muito razoaveis loja
do gallo vigilante, ra do Crespo n 7.
Pomada alpaka
E' moito conhecid esta pomada e muito
apreciada por sua Onissima qualidade, a Nova
Esperanca quem tem.
Jarros de porcellana
Um complelo sorlimenlo de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanca, ra Doque" de Caxias
o. 63.______________________________
PtA MOIVAS
Liadas grinaldas com flores e botoes de
laraogeiras com \ivos e sem elles, vendem-
se Da Nova Eperanca roa Duque de Caxias
n. 63.
F1VELLAS DE MADftEPEROLA.
Bonitas fivellas de mafrepero'a lisas o
bordadas proprias para polceiras, vendem
se na Nova Esperanca roa Duque de Caxias
n. 03. ,.
PARA AS FLORISTAS
A Nova Esperanca a roa Duque de Caxias
n. 63 acaba de recebfr fallas para rosas e
d'ootros moldes, a ellas antes que se aca-
ben)!!!
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanca ra Duque
de Caxias n. 63
Veude-se
I ama casa tarea na raa de Agua--rerles C. Al
\* iratar na ra da Penha n. 31.
Anda urna vez
0 Campos da roa do Imperador n. IB, avisa
aos seus numerosos (regufzes e amigos que che-
g u de sua encommenda o lao desjalo rape
araarellinho de Estevo Gasse, assim como o pi
nhlo do Rio Grande, que to grande a preco leit
dado os que sabem de sua utilidale alimenticia.
Alm disso;
0 Campos tem constantemente era sea arma-
zem um completo sortimento de vveres, todos is
primeira qualidade e com se tornara eofadonhc
ura snnuncio qne os de.-crevesse, limita-se mee
cion^r Carne sewa (de carneiro) a 240 rs. a libra
6/Or>0 a arri-ba.
Ungoas escaladas.
D.las rm salmoura.
Ditas afi.iinl.ra las todas as auarlis e .-.abitados.
Amendoas irescascadas e sem casca.
Semer.les de honalica.
CharntiS fumareis a laSOO meia caixa.
Ditos superiores em gro so o a re taino.
Tima purpurina 1*000 rs. a garrafa.
Camaroes seceos.
Ubi Paulo Cordeiro, viajado.
.Mate em Lilia e em p.
Tabel'as de redoccao, para asystems. nieriec
Pescadas escaladas.
RICAS E ELEGANTES M0B1LIAS FABRI-
CADSNABAHIN."
Na ra dolVigailo n. 21, primeiro andar,
escriptorio de Domingos Alves Maiheos,
tem para vender ricas e elegantes rnubilas
de J.carandi, Goncalo Alves e Vinbti
para seta?, qaartos e sala dej'ntar, pr
precns mcdico3.
Lib a >erliua
Vtoe Joagostn J a ra da
prmelro an4>r.i
1


Dtaiio de FernaniDuoa Domingo 7 Je Agosto le 1871.
M"

VENOE-Si
Ijoaajtiss los Ramos, na ra da Cruz n. 8, Ia
', oade algodo ar.ul americanos verdadeiro
americano n. 3 e 4.
ta mais cabellos brancos
Tinm japone a.
S mica* appfovad pelas as academias d*
eiesia, reconhocida superior a toda que tem ap-
rwe.j at hoje. Deposito principal rna d
2a4eta, do Recite n. 51, i* aaar, em todas as bo
ras casa de cab.iileireiro. .
admrem os-
400
320
400
610
720
IiOJA
Flor da Boa-Vista
DE
Paalo Cflimares
O proprietario deste bera onhecido es-
Mf4eciie.ito contini sempra segu udo sua
aoliga forma de primeiro baratairo da Boa
Vista a para tnalhor prova
precos seguimos':
Ckius tscuras e claras cores fixas
cavado 160 200 rs. a. .
ln pira vestido 280, 320 rs. e
Creps oscocezjs fazenda aova a..
Alpacas lavradas d'um s cor.
Cimbraia branca raosparente pe-
cas a 3^5 0 e..... 81000
Ditas 4 ta victoria a 450OO e. 85000
Bratnente com 40 palmos de lar-
gar, vara,, a 20000 e. 25*00
Madapol.) snperior peca3 550OO e 65000
. Algo 55o a 45000 e-.....50000
Brita cardo trancado pechiocoa
covadoa....... 320
Dito dito Isq maitofioo a. 320
Oatm maitas mais fazendas qiio vende-
r por precos baratsimos como sejam :
ganaos pretos, diytos azue*. casemiras pretas
e ds cdr, merinos, brins brancos e de co-
ree, seda para coiletes, camisas inglezas para
botnes. meias, chapeos de sol etc.
Oficina d'aliaiate
Os diados freguezes encontrar} um gran-
}* sorlimento de rOopai feitas desda o
mi rior at ao roals superior qua se
acta do mercado, assim como se manda f-
par tila e qualquer obra d'encominenda
fsilas a capricho, pois para este misier se
*cia Lunido d'um perito mestre. Garante
z-rem semnor 0% de que em outra
^(if-'^r parte polo o motivo do o fregaez
s pagar o que compra e nao o aspecto do
estis! cimento.
dl8Rsa da Isnperarlz-48
JUNTO A PADARIA FRANCEZA
L'bras statli tas.
Veoe-se no armazem de hiendas de Augusto
F. e Oveira & 11, _rna lo Commcrcio n. 42.
l
OUl
Ai
fosa i venda era saus arr.:azer.a. alm de outros
jos de sea ceg io regular, os segurato, que
tsjtein por precos mais mdicos que em. ou-
:~t quai raer psrte :
iBTAS de piaho aifofadadas.
KibTEIRAS de ferro para creas.
LSTBE iiiglez.
ESi'ERAS da ludia par.\ cama e torrar salas.
SOS de barro francez para esgoto.
7'..- ') yjp;ri.ir c-ra p ;~,-? e : ; .ni-to.
i'O de todas as qualidades.
aQINAS de descar.icar alodlo.
-Se brinzSe--.da IVassia.
OS americauoa para forro de carros.
...'americano multo Ljs e econmico1.
NO o Bordtaux.
NAt su rior de Candar Frere3.
?.--. SAU em saceos giandes a 3i>00.
Porida legitima.
BALANZAS Je
-.. BHAS an
Jecunae .
americana,-.
\ da Jamaica.
LE10S de I.i-b a.
Cemento Poitland
Ea barricas de i:) arrobas preco mais com-
do que <-m outra qnalquer parte, vende-se
5 i.rcaz-ns de Tas>n *r::iaos & C
VlIio de Collares
Veade-se o verda'leiro e soperior vinho de Col-
luet, que mai a ceilacao tem em Li?ba, em
de pipa : na ra da Madre de Deus uu-
^_______________________________
ontra a tosse
PAST.LHAS PE1T0RAES.
de
" mma simples eryatasada.
Dita* de angico <
Nafl it*.-".rabia.
le pioho martimo de Lrgasje.
E oatras muitas que muito se recomendam pe-
l'';:ai expelientes qualidaJes.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA
Bartholomeu 4 C.
3-RUA LAHGA DO ROSARIA-34
N>
LOJft E ARMAZEM
DO
Bonitas fazendas
PRAASFESTAS
DE
E S. Joao
GBEGARAM PARA A LOJA
PAVAO
NA RA DA IMERATRIZ 60*
DE
FLIX PEREBA DA SILVA .Q: C.
Os proprietarios deste grande esta^elecincento tendj em ser ama avallada porcia de
fazenda, e tendo continuado a receber por todos os vapores e navioa irnaaoga porcJo
das ms-oas, tem resolvido f>aer urna GRANDE LIQUIDACOr aflm de dajffiair o-gran-
de deposito e ap rar LNHEIKO. De todas as fazeadas qoe se feadaaaraiiio se dio
as amostras, ficando pnbor ou t mandam levar em casa das Ezmaa. fauar-s, assim pomo
as pe soas que neg-ciam em menor escala, n'este esta elecimentoie poder5o sorjr ea
pequeas porcoes petos meamos*preces que comprara naa catas exportadoras.
ALFAIATE
que se encarrega de execotar qualqoer er>
commenda da su a arte vontadedo fre
gnez, e o proorieiario d'este grande esta-
belecimemo promeite servir bem a todoe
os fregaeze* que Ibe nonrarem a sua caa.
ALGODOSINHO A VW A PEQa
O favSo vende pecas d'algod5osiuho de
muito boa qaalida 'e, tendo 20 jardaa cada
pega, pelo barato preco de 3 Ihor que tem viudo ao mercado, muito en
corpado e largo para lenc-ies, pelo barato
preco de 65500, grande pecbtncba. '
MADAPOLO A 4-JOO0 E 451500
OPavao vende pecas de madapoSo com
24 jardas, sendo uzeada, mmto superior
pelo barato pre?i de 40500, dias com 95
mesjjas jardas a 4SOOO, ditas fluissimas a
55500, 65000, 75500 e850O0, pecbincha.
MADAPOLO FRANCEZ A 105
O Pavio vende ecas de fiaisstmomada-
polo verdaderamente rancez, tendo 22
metros 00 20 vara?, pelo baralissimo preco
de 105000 pee, sondo fazenda que em-
p're se vendeu 115000, e liqui Ja-se por
este barato prego por estar alg .ma cousa
encbuvalbada na pona de fra.
ALGODOSINHO ENFESTADO A 15 15280
O Pavao vende verdadeiro alg-djosinao
americano, tendo 7 palmos de lrg-ira e
muito encorpado, proprio para lencoes i
750OO a vara, diioda mesma!argira cn-
do trancado e muito encorpado i^O.
BRAMANTES.PARA LEJSQOES A 2*40 2*8003^
O PavSo vende o verdadeiro brauante de
linbo tendo l palmos de largura, que apa.
as precisa para umleocol urna vara erma
quaria, pelo barato preco de 25400 vara,
diti melhor de 258; 0 e 35000, teaJo at
do melbor que vea ao mercado 35500
e 45000, assim como cretonas fortes para
lencoes, sendo urna encerpada fazenda fran-
ceza com 10 palmos de largura i OO rs.
o metro, e bramante d'algodJo com a mes-
ma largura 15800.
SAIAS BORDADAS A 45500 E 65009
O Povao vend graude peoincba em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e vende pelo bara/o preco (Je...
45500 e 65000, sendo fazenda que sempre
v-nden-sa por 85 e 1050..0.
rucadas para saias a 15200, 15280 e 1550o
O Pa '3o vende superior fazenda bordada
a com pregas proprias para saias, 1#200,
15280 e 155(0 a vara, saudo preciso para
urna saia apee as 3 varas ou 3 1|2.
Ans 3000 cortes de cambraia a 25590
O P cortes de cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinhas de
cores tessidas e o5o estampadas, e liquida-
se pelo barato preco de 25500, cada corte,
fazenda que vale muito mais.
Aes 200 eartes de cambraia-, bordadas a !>500i
O Pavao vende urna g-aode quantidade
de cortes de cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenhos mais
lindos e mais vistosos que tea vindo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
goues, e c m muita fazenda para um ves
GRANDE
LIQUIDACAO
Ra do Crespo n. 20.
Kaarae liso de cores Iinda3 para veslido a 240,
>*< f 360 o covado, chita-- esenra? Anas .'om bar-
ra a 320 o.covado, baTa.Usimo : na loja de Gui-
Sbsrm-> fso paba saceos
VenJe-se era casa de Okell Biodloss & C",
ra (ta Cruz n 15.
OLEO PURO DE F1GADO DE BAGALHAO
DA
TERRA NOVA
DE
H. LAGOMBE
E4e oteo que '.ao boa aeceita^ao tem merecido,
1 ,e rfcuraraenJa por ser o mais purificado
t linje lera vinto, e anda pelo born paladar,
ior a tutro qualquer : venie-se no deposito
especial de Bar'.holoueu & C.: tua Larga do Ro-
saHa ;I4.
Xarope sedativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURfcTO DE POTASSIUM
DE
falItOKE
Ls'^ novo preparado apruvado pela aeademia
:'kA xedirioa, multo se reeoramenda pela
gi *cc.io sedativa e calmante, sobre o systema
tiTv&jo, o bromurelo de potaasium, nao d'ixa de
ar tw rnai^ certo resullados as diversas affec-
raes do organismo e principalmente as molestias
4o coia^^o, das vas digestivas da repiracao, d><
vm geuito-arinarias, na epilepsia, Daa molestias
c-rvasas da preuhez, na insotuLia das enancas
craitr o perioao da deoii(;o etc. ele.
Vende-se ni pbarmacia e drogara
de
Barthalomeu & C.
34-RUAiARA DOROSARrO-34
Tena-M o verdadeiro oleo de Orua, Pnilocome
4U -ow'edide hvgienicu. e macasar' vil de Atkin
cu : ao flazs'r Victoria a roa do Bario da Vic-
latU o. i, (antiga ra tkn)
ALSACIANAS A L)2U0
Gbegaram as mais lindas alsacianas sen-
do urna novs e elegante fazenda de 13a
com bnlbantes listas de seda e ba tane
larga, para vestiios, sendo n'este genero
o que este anno tem vind > de m is gosto
o mercado, e vende-se 15200 o covado.
GRANADINAS JADOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Chegou para a loja do Pav2o esta nova
fa:.enda c>m o norae de granadinas Japone-
zas, sendo nma boni a fazenda de la com
bonitos quadros de seda, p'opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e venddtse
a 800 rs o cov?.do.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS. J) COVADO
Gbegon e.-ta nova fazenda com o nome
de a lanta, sendo tima delicada fa?enda de
la,'p n vestidos, qie vende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POUPELINAS DE SEDA
Cbegou para a li ja do Pavio um grande
sortime lo das mais lindas e modernas*
pon elinas de seda, com os mai-: delicados
padrees e de muito pbantasia, que vende-se
[,ot prC" mnit- barato.
CAMBRAIAS BRANCAS LAVRAD VS A 41
Ve*de-sa cortes para vestidos de cam-
brtia brauca la-rada, sendo fazenda muilo
fina, pelo barato preco de 45 oada corte,
assim como um grande sorlimento de ditas
lisas, tapada', e transparentes, que venie-ae
por meto? do que em.outra qnalquer parte.
CAMISAS PARA INvERNO
Chegou para a loja do Pavao um grande
sjrtmenlo de camisas escoras encorpadas,
a prova o'agua, sendo prtp.ias para a es-
taco do invern, e vende-se p?r precos
em conta.
TOALII IS ALCOCHOADAS PARA MESA A 3*500
0 Pavio reode toalhss brancas de fuslo
a'coch'adas, prop:ia3 para mesas, sendo
ttaataate grandes pe'o barato preco de
35500, dias encorpadas muitb grandes 75-
CHALES DE MERINO' A 25500
O Pavio vende chales de merino muito
grandes e encorpados 2800, ditos
imit:co de cbinezei 25500, ditos pretos
de reoda com 4 ponas 25000.
CHALES PRETOS BORDADOS
O Pavao vende os maiores e me.'hores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos cora largas franjas de retroz, e vende
por menos do que em outra qualqoer carie.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pavio vende um grande, sortimenlo das
melh ras camisas inglezas e francezas com
paitos da linbo para todos oj precos e qua-
li !ades, assim como ditas de ditos de
algodo rara todos os precos e tamanhos,
tendo tambem para enancas, e no mesmo
estabelecimen'e tambem se vende ceroulas
de linho e algod'o, tendo para lodos os
pre;os, assim como metas croas inglezas
para hmens e meninos, que tudo se veade
por preco muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
O Pavao lem constantemente um grande
ortimento dos melhores cortinados borda-
dos para camas e jaie'.laf, que vende-so de
85000 at ao mais rico que costuma a vir
n'este genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascadas, tanto tapadas como transpa-
rentes, proprias para o mesmo fi n, colcha-
da crocutt, dama,co para camas de noivar,
e cortinas, e vende-: e no Bazar do PavSo.
LASINIIAS BARATAS
O Pavao tem um grande sorlimento das
mais bonitas laasinhas para vest :os, tendo
de todos os precos cores e qualidades.
rincip ando da 200 rs. para cima; porm
lio grande a qaautidade quo seria enfa-
donta especificar qualidade por qoalidale,
s a vista do fregu.ez e das amostras se me
vender5o por precos 13o cmodos que
engue n deixar de fazer um vestido de
13a por to pouco dinbeiro.
ALPACAS DE CORDO 640 R8,
lor,
grande pecbincha.
CAMBRAIAS
O Pavio veade grande quantidade de pe-
cas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teado de 35 a peca at i mais
Boa qae vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavio vende chitas largas com bonitos
desenhos e ct res fixas, pelo barato preco
de 160, o covado, grande pecbincha.
LAASINHAA 160 RS. O CO/AD3
O Pavio vende bonitas liasinhas transpa-
rentes pelo barato preco de ItK) rs. o cova-
do, paohincha na ra da Imperatriz n. 60
, CURTES DE CASSA A 25500
O Pavio vende bonitos cortes de cassa
franceza viodo cada um em ssu papel, pelo
bsrato preco de 25500 1 corte, ditos muito
lindas 35000, pechiocba.
CASSAS FRANCEZAS A 200 RS. O COVADO
O Pavio vende bonitas cissas de cores
para vestidos, pelo barato preco de200rs
o covado ditas finissimas com os desenhos
mus mode.-nos que'tem vmdo ao mercado,
pelo barato preco de 500 rs.
GRETONES
O Pa*io vende flnissimos crotones escu-
res matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato pre;o de 640 rs. o
covajo, ditos de fl roes, proprios pira co-
0 Pavio vende as mais lindas alpacas de *>erta' seD<^ fazenda muio encorpada pelo
cordio para vestidos e ronpas de criaocas Darat preco de 800 rs. o covado.
US PAR
COSTURA
Chegaram ao Bazar Universal da ra Nova
n. 22, um sorlimento de machinas para cos-
tara, das melhores qualidades qoe existe na
America, das quaes omitas j sio bem co-
nbecidas pelos seos autores, como sejam :
Weller & Wilson, Grover 4 Boker Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
que com a vista deverio agradar aos com
prdores.
Estas machinas teem a vantagem de fazer
0 Iraijalho qua 30 costureiras podem faz r
diariamente e cosem com tanh perfeicio
como as mais pe feitas costureiras. Garan-
te se a sua boa qualidade e esiaa-se a tra-
balhar com perfeicao em menos de urna
hora, c os precos sio lio resumidos qua de-
vem agradar aos pretendentes.

^s*

*%

%
b e
v*
nico lega pelo cooselho de sade.
NICO DEP03ITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogada
de
BARTHOLOMEU A C.
34Ra larga do Rosario34.
jHn _EL W
Para saceos e fogneteiros.
SACCOS
PARA ASSCCAB
CERVEJA DE MABC\
%
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazem os nmeros estampados
as pegas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em casa de

A FLOR DE ORO
E' este o distintivo de urna nove e tem montada
loja dejoias,sita a ra larga do
Eosaiio n. 24 A,
Os proprietarios deste elegante estabelecimento leodo em vista 01 eabreos qne
flzeram para o collocarcm as condiccSes de orna grande cllentella, filiariam ao mais
rigoroso principio se nao viessem a! collnmnas do jornal scientiflear so respeitavl pu-
blico, que no me.mo estabelecimento encontraras seropre o mais completo sorlimento
de Jolas, como sejam : brincos os mais modernos, para adornaren) as delicadas ore-
Ibas do bello sexo, e qoe se vendem a 8, 9 e iOj o par, ditas para meninas a 4, 3 e 6,
ditas de coral, obra de apurado go.'to a 3 e 4, Voltinbas de coral com erazes de o uro
a S, broches modernos de 3 a 134, ditos com pedras e em suas dividas caixiuhas a
10. 1, 16 e 20<, rosetas lisas, porm bem traballiadas, de 2*500 a 9, dilu eos
pedras de.4 a 131, escoletas a 41, ditas com Inscripcdes a 51SC0, anaeis de diversos
gostos, e com bonitas pedras a 2, 3 e 4*, ditas de perolas, esmeraldas e rubios i 6,
ricas crozes de esmeralda e rubim a 1J, 14 e 1,6*, ditas de onro e coral cora vistas pbo-
tojrraphieas a 3, 4, 8, 6 e 74, flgas de coral s tf, cadeias para relogios a #, ditas a
0*500 a oitava, guarnieses cora tres botSes para aberturas a 4#, dito3 de pedrlnbas a3l500
o par, ditos para punhos os mais modernos a 7 e 81; alm de nm variadi?simo sertime-
lo de jolas de apurado gosto qne recebera por todos os vapores da Bttropa ; como
senra : brincos, bracelete, alBnetes, aderecos completos, eraies, rozetaa, anoeis de
brilliantes, esmeraldas, perulas e rubins. MedalbSes, volta, iraDcelin?, aunis com tet-
iras p de diversos modelos, ocnlos e pencinez de ouro e prata doarsda, relogios da on-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanhos, ricos palilei-
ros e taqueiros, colberes para cha e sopa, maracas para criaocas, e ama inflaidada de
objectos que seria enfadonbo mencionar-se.
Os proprietarios da,Flor de Onro garantem vender mais barato qne em ontra
qnalquer parte, para qne estar acert o estabelecimento das 6 boras da manba as 8 da
non te.
>-ji
GRAND
:
Rui DO DUQUE DE CAXAS
(Anliga do Queimado)
Peco que se nao admirem dos precos de alguss afliges que passo a mencionar, i*,
por vezes lenbo mos rado que s desejo vender bar: lo a flm de poder vender muilo.
e no ba quem me possa retirar do meu firme proposito ; podondo desde j asseverar
ao Ilustrado povo pernambucano, que nesta casa commecial seencontra sinceridade nos
tractos, am de se |oder conservar a numerosa reguezia que me tem honrado em vir
em nossa casa, e para o augmento da mesma.
PRECOS
!
tido, e liquida-se pelo baratissimj preco de R d jtJ,tg a **' in
55000, sendo fazenda de meito maior va- nua do Oommerao 46
1/\t* A tf*HHHJ. -* *-*- 1__ S^% fM f^. SU! rm m m'm ^Sk ^ m
iBRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em cada peca nm bllhe-
e com o neme
DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES & C.
Pecas (ft madapolio a 35200, 450X0,
45500, 55 e 65OO0.
Ditas de dito muito fino a 65500, 75.
e 95000.
Dita dito enfestado peca de 12 ardas a
35500.
Dita de algodosinho a 35, 45, e mais
precos.
Ditas de dito muito largo marca T a
45400.
Ditas de cambraia transparente a 3200,
33500 e mais precos.
Ditas de dita tapada (bu. Victoria) a 45
e mais precos.
Cambraia a imperatriz muito fina e
larga.
Dita imperial com cordaosinhos, fazeeda
muito moderna.
Mosselina branc?, covado 300 rs,
Bramante de linho com 9 palmos de lar-
gura 15800 e mais precos.
Dito de algodo a 15500-
Atoalhado afestuado fazenda superior a
15800.
Brim de algodo de c6r a 400 ts. o
covado.
Dito-da Russia, a 500 rs.
Dito pardo trancado a 300 rs. e mais
precos.
Dito branco de linho fazenda muito supe-
rior a 15600 a vara (vale 25000).
( Grande sorlimento de brin3 de linho de
cor a 500 rs. o covado, fazenda que se tem
vendido a 15200.
Grande sortimenlo de casemira, cusa o
covado 15600, 25500 e mais precos.
Damasco de la fazenda finissima.
Cortes de casemira para caica a 45500,
55, 65, etc.
Fianellas de la riscadinbas a 640 rs.- o
covado. .
mais pre-
e ment-
Lenccs chinezes a 35OC0 a duzia.
Ditos brancos de algodo e linbo sorli-
mento completo.
Completo sorlimento de camisas nacie-
ntes, francezas, allemes e inglezas.
Cobertores dela de xadrez fazenda snpe-
rior a 55.
Grande sorlimento de balSes.
Cobettores de algodo a 15403e2550G.
Cas6as de salpxos a 55000 a peca.
Palilols de casemira a 55010 (j mais pre-
Cos.
Ditos de alpaca a 35500 e
Cos.
Saceos para viagem.
Meias para homem a duzia 25'00, 35 e
35500 e mais precos.
Ditas para senboras, meninos
as.
Popelinas de seda, covado 15T00 admi-
ra /!!
Completo sorlimento de chapeos de
sol.
Toalhas para o roslo a 85003 a du-
zia.
Toalhas bordadas, de linh) do Porto,
sao muito lindas, mandem buscar as amos-
tras.
Duzias de guardanapos a 25500.
Cortes de vestido de cambraia branca
com babadisa 75000.
Cortes de vestido de cambraia branca e
de cor com babados a 105000.
Algodo de 2 larguras para lencol ou toa-
lhas a 15000 a vara.
Chitas finas a 240, 280 e 320 rs. o co-
vaio.
Dita violeta fina a 280 rs. o covado.
Ditas em percale o que ba de 'melbor a
360 rs. o covado.
E' v para crer.

V

Vende-se barato, um piano, de um dos mais
afamados fabricantes : tratar ruado Com-
mercio n. 38.
pelo barato r.reco de 610 rs. o covado,
dias finissimas rom 03 mais liad s lavoree
Basquinas ou casaquinhos a 205 -255
O Pavo vende basquinas ou casaquinhos
lujitaco de agr anas 81O n. b covado, de 8eda Pr*los ricamente eofeilados, pelo
baralissimo preg i de 205 e 2550C0,. sendo
muito modernos, assim cono diios de cro-
chet e reodas pretas qoe se vendem muito
em cooie, oa roa da Imperatriz n. 6o-
Chitas eutraacadas paraeoberlas a 360 rs. corado
O Pavio vende chitas emranc&das cote
delicados desenhos para cobettas ou corti-
nas de cores fixas, sendo fazenda muilo en-
corpada pelo barato preco de 360 o cooadO.
ESP iRTILIIOS A 44800
Aviso aos fumantes
Charutos de Havana
Verdadeiros e de diversas marcas, aesbam de
ebegar casa de Bourgsrd & C. ra do Mr-
quez de Olinda n. 15.
[Casaquinhos de crochet
preto
a 3^000
Rna 4o Crespo n. 95,


bonitos glaci com delicadas cores e lus-
trosas como sela 15C00 o covado, e ou-
tras nanitas fazendas de gosto e laso para
vestido, na roa da Imperatriz n. 60.
POUPEUNAS .
O Pavio receben as mais delicadas e me-
hores# poopelinas de mh para vestidos,
com os mais molernos lovores, e outas li-
zas com as cores mais novas que tem va '
e vende-s3 25U00 cada cuvadOw'.issim
romo delicadas sedas de lis.inb.?i, tanto
para vest los de senboras como da neainas,
q vende-se 25000 carta covado..
ROUPAS PARA HOMENS
O Pavo tem constantemente um,-jjraode
sortimenlo de ronpa, tanto de- panno como
le brins br*opo e de-cres, de case,
miras, pan todos os precos e qualidades,
e tambem se manda fazer qualquer peca de
ohra o m t*do aceto e proaptid2o, para o
qne se tem om periu
O Pavao. venda oa mais modernos e mi-
Ihores eparttlbs, lento de lodos o ta*
manos, pelo barato preco de 4J500
CASBMIRAS
O Pavo veade om elegante sortimenlo
de delicadas casemira ingleza, sendo to-
das de 13a e muito levesinbas, tonto pro-
prisa para homens como paca enancas, e
ditas mais encorpadas, ten io de urna e da
doas largoraa, qttiwveo&oils barito-
possifl, oa rna da Impantri* a. .
a loja de louga da trra a ra io Rangel n. 4, li
vre e desembaracada de qualquer importe : quem
& pretender dirija-.:e mesma.
(jfoslenaplebraneo
a 14 o covado
BA D) CRESPO H. 25.
&& nmm
Refinadoues de Pfirnambuco.
Cbegaem i pecbincha, carvao animal a 1*G00 :
na acreditada fabrica dos Qos das salinas de San-
to Amaro, deposi.o na fna da Ponte velh n. 14.
PiWe.de vender.por largo lempo por ter vindo de
Lisboa grandes porc;s por qnasi todos os navios,
e ,e m os memoramentos- nltimamenu introduzi-
dos na maeninismo, produx a dita fabrica 50 ar-
orbas por da, cjmecando da IS de agosto em
dianle. *
Novh padaria umericaua.
Koi do Pire a. 4*.
Cootina s fater'pS) e bolaxa de farinba -espe-
cial de primeira sorte, pars melbor agradar a sea?
trwnw, & vende-se a j multo acreditada nova
bolMl *merican nao inferior a tglea, a vis-
ti tai le.
o
8 II
p p p2
fSL g g $ B.
* &S s S
cLff SI ~
p g- jS4 g-
OB Q
P


1
1.

<


y -

*
11



1
-
Diario da l'oruambucu Douiingou? d Agosto 4*-4871.
DO
CYSNE
64 BA DA HIPER\TR1Z N, 64
DE
FIGUEIREDO ft LOPES.
03 prnprietarios deste novo estabelecimento. cortos de que o raeio de adquerir
amorosa froguezia vender barato, servir bein e haver sinceridadade nos tratos, nao
atoe afasiamos deste camiaho para bera corresponder ao favor que nossos numerrsos
freguezes nos tena dispensado.
Gomo ainda temos algamas fazendas das primeiras compras, resolvemos fazer
redacto em algamas deltas, para o que chamamos a altenc3o do respeitavel publico :
SBTiNS.E GROSDENAPLES DE CORES.
Temos para todos osprecos e qaalidades.
Grosdenaole preto.
Recebemos novo sorlimento e vendemos
por manos do qoe outro qoalqeer.
Las Saboya.
Atada temos om resto desta linda fazen
da 6 para acabar vendemos por 900 r?.
Caries a Minerva
Anda temos algans destes lindos cortes
com listras de seda, com *9 covados, par
acabar vendemos por 26k
Cortinados.
Recebemos rovo sorlimento e vendemos
por 81, M, W, 46^ I8^t e 22$, cada
par.
Cambraia f ara cort nados a 0# a pesa
om 20 vares.
Dita Victoria de H at 8,5009 a peca de
,*3 varas e meia.
Dita sutssa transparente morto fina.
ORGANCTS BRANCO
Temos recetado novos organdys de
4*900 rs., ditos de U e 8#000, esta ulti-
mo tere listras assetinadas.
Bsparlilhos
Recabemos novo sorlimento de espartilhos
mglezs muilo grandes, t>ie de bobo.
Vestuarios para baplisados, herdados
moito lindos a OiOO, barato.
Camisas fraocezas, ingtezas e soissas de
2)5 at 40500 rs., ditas bordadas omito finas
de 8$ ate 100000.
MECBJAKA.

Capellas muito lindas para noivas, pelo
barato preco de 35 e 3|>500 rs.
Poupelmas de cores e brancas multo
lindas.
Camisas de meia a 9ij(000 a dtnia, pe-
chincha.
Cambriis de cores.
Temos o meltior e mais linda sortitnento
de cambraia de ores a 500 e 5G0 rs. o
metro.
MEIAS.
Recebemos weias muito finas tanto para
senhoras c>kbo para homens, meninos e
meninas.
Chpeos do sol,
Recebemss chapeos de sol cem cabo de
1 marfim qiw vendemos por 13$ 18^000, di-
tos de cabos de canna 9$, H# e 14-9000.
Cortes de cambraia de cor moito udos
e com tacados com seo competente guri-
no, tem 18 covados por 80000.
BASQUINAS.
Recebemos basquinas de seda ricamente
enfeitadas que vtademos "pr baratissimp
preso.
Vestuarios para meninos.
Recebemos vestuarios de fostao muito
bem enfeitados-que vendemos por 4#500-e
i>.. fil braaco bordado muito fino, dito
com salpicos dito preto com salpisos e liso.
Cambraia aterta a imitado de croch de
coros e branca.
BRrRS.
'Recebemos o superior brim de Angola,
dito pardo pora todos os presos, ganga lita-
UVMOLEft LITHOTRTP TICO
AXn RHBIIJHJlVICO e cottoso
ESENCIALMENTE EFFICAZ E INFALLIVEL EM DESTRUIR AS AREIAS E
EVltARA StAFORMACAO
Guiados pelas indicagoes de incites abasados cbimicos, e medico?, distinctos, qne
se deram ao estndo e averiguado das cansas qoe prodozem os padecimentos de reu-
matismo, golta, areias dos rhins, bexiga, figado, e d'outras visceras; o aos nsaios d js
meios pn prios para curabes, cheganns a obler om remedio, que nunca desdisse a soa
actividade contra os ditos padecimentos.
Nao nicamente bascado em tbeorias que tanto avancemos, mas sir nca satis-
factorios resultados obtidos da sua apphcaco, as innmeras experiencias, que com elle
fizemos; e deste modo, seguros do seos beneficios effeitos, afootamecte o recommenda-
mos s pessoas q .o soffram algumas das molestias cima ditas, ou do alguns outros pa-
decimentos do apparelho urinario, tac* como o diabtico, glycosorico' albommurico

C urna fazonda branca muito lio la e fina caza a O rs. o covado, superior.
para vestidos de senboras, tem a per i 30' Pannos finos,
jardas e costa 13 e 22#000. Temos pannos prot s finos do 3;>OO al
Panno abrelanhado largo e bota, pega do 5500 rs.
Recebemos casemiras de cores para 'i>
t 3#5CQ.rs. o covado.
CBTAS-
O Cysoe tem o mais lindo sortimente de
20 vara a l(<>.
TAPET-ES.
Recebemos novo sortimeqto o rendemos
muito barate.
Temos grande sorlimento de saias bor-Lhitas para todos oe precose qualidades.
dadas e vendemos moo barato. Baregos com listras de setim com lidos
CORTES DE LA A SIMIRAff ES. I padroes e moito modernos.
E' urna linda fazenda com os enfeites Cretor.ec claros com lindos padrees e
correspondentes, guarnecida a saia com cores fixas pelo baratissimo prego 440 rs.
ama franja de seda na barra, vndese, o covado.
por 40f>oO0. Luvas frescas de pellica pora homeus e
Cortes de cambraia branca aborta, bor- senboras do acreditado fabricante Jonvia.
dadas muito lindos, veadem-se por menos Fazendae para luto vendemos por monos
do que em entra paarte. < que em outra qualqeer parte.
Ditos bordados na barra, de cambraia i Alpacas, cantrjes, princezas, bombasioas
transparente, por 85000, muito barato. cambraia prota, etc. etc.
Daiiare os de anuunciar mu las ostras fazendas por nao se tornar extenso o en-
adonho aos nossos freguezes.
Ilua 'Ja Imperalriz u. 64.
HGEIIEDO 4- LOPES.
Nanea se vio a tn;a de tal forma a atisfiizer as exigencias mais
nevera* da f.eriptura;io.
A ana cor iindissima e uo precisa de cnida-
o aignra para se conservar no ttotei'o sempre
ecm a aesma rr, seno borra, er-ta, bolr rn sera
fcxU estas mazeWas ii;liei. ales todas as tintas
tt afora condecida?, afnd mesmo dos melocres
Hores ertrangeiroa.
fiebretudo, este estimavel producto nao ataca a
peonas de ac, antes pelo contrario, a penn
a&jaire nai esmalte doorado qae, sendo inters-
MBle, as.-is provoitoso.
Esta tinta, nao sendo especialmente para copiar,
4a eomtudo doas, tres, on ais coplas om ,n;ei
Otfo de escripia ; preciso, porm, deixar-lhe
jiapel bem molhado sem o eoiogar com o mata-
axrio, porque nao ha o ri.-co de borrar. Para se
tirar mais de urna cofia, nao se agglomeram Ua-
us Linas guanta,* copias sequerem tirar, mas
tete eom o original tirar & ama tantas quaotas
8sejatn, sem qat o original liqae projudicado
#!as extraedes.
Occorre aqai dieer qae, para eopr importa.
fiu iateilifrensia e hahiHdade, sem o qoe ame-
mor tinta nao sstiifaz, e o defeto recae sempre
*re i tinta, qae naitas vezas qaem menos
PtPAUSB.
A dupla qaalidade desta tinta extremamente
Bfreeiavel, pois que evita qae em qaalqeer es-
swiitario baja mais do qae orna unta para os di-
K"aqyi>4 sos darabilidade, nio ka a oppr
aior 4ovi4 p w u ttok fcp* -
cripta solTre o choque de cidos fortissimos^ sem
se deeomjr; ora, se os cidos nao tem ecao so-
bre ella, muilo meos a accao do tompo a poda
destruir; isto plaosivel.
Nao s ao commercio que esta meu producto
veio ser niil ; os professores dos collegios, invest
garul i todos os meios para o adianteraento dos
seus dicipulos, tem approveitado esta tinta, que
com razo a acbaram apta para desenvolver o
gnsto nos edneandos, em consequencia da beleza
da rr e faeilidade de correr na pequea pela sna
liquidez. Ha exemplos de enancas que bavia
muito tempo tinham urna repugnancia extrema
para a escripia, logo qoe foi adinittida esta tinta
no coliegio, apoderou-sa deltas a curiosidade e o
goi-t.i, e penco tempo dapois o sea adiantamento
era maoitesto.
En tima, par de tantas vantagens, tem uoi
onieo inconveniente, deteriora-se ao contacto de
outra qualquor; eenvn) pois* te-la em linteiro
isentus do menor vislumbre de outra tinta, e evi-
tar escrever coma peana soja de ama preparacao
dilTerente e iucompativel; verificando isto, nio ba
razio para se usar de tinta que nao seia a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIRO.
Observado.
Diversa falsIfteaeSes e semelhancas tem apa-
recido, caja darabilidade 6 Ouvidosa. Os Srs.
compradores podem evitar o engao dirigindo-se
i casas circonsprctas, pedindo a tinu qae ea
fabrico
4. C.'_M etc.
Escusado seria observar que se nio pode designar om numero determinado de dses
de om medicamento para curar todos os individuos que padecan da mesma molestia;
pois que a cura est dependente da diversas circunstancias, inherentes disposifio na-
tural ou compleicSo, de cada om delles; mas comtado, cerlo que o kgdroleo luiho-
triplico anti rheematico e goitoso prodoz sempre a cora dosejada, qundo so persisM em
toma lo o tempo preciso para oble-la; devendo ter-se em vista que quaoto dms invete
rado est o ma mais se devo insistir na applicalo do remedio.
Podemos tambera affiancar qoe, por mais continuada que seja, o aso deste reme-
dio n3o causa desarranjo i!gr;m s vias digestivas, mas antes, pela propriedede eminen-
temente tnica, que lambem possue, fortifica o estomago, torna mais facis as digestbes
e,- nSo pencas vezes, tem feito desappareoer diarrhoa, que era eotretidas pela debili-
dade geisl do apparelho digestivo,
MODO DE USAR.
Tomara e do iigdrlco tythotriptico, aos priwetros quatro oa c'moo das, duas co-
Iheres do sopa, e agua assucarada, leile, cha om caf com Wte, o mesmo sem mistu-
ra itamn, na occasiSo do olmogo, e ontras ao frincipiar a jotrtar.
So quinto c* sexto fia e segrales, lomam-se do mesmo modo iiu, tres cotberes
do ada vez.
Se as ourmis da pessoa doeotc deposita grande por^So de areias; se os -dres
nepbtilieas, rfec^malicas ou gottosas sao constantes; em im, se os padecimentos so
fortes, tomar-80-ho qustro cotberes de cada -vez, ou tres \ezes noflia, a tres oolheres
do cada urna,
Quando s areias, ou outros -padecimentos, tem diminuido, torna-se s primeiras.
dses.
Pelo oso do Hgroeo lithetriptico vio sendo mais raros o apparecimento -dos areias,
as dores nepbriticas, rbeumattoas e gottosas at que do todo doscppareoem: neste ponto
pode dispensar-seo remedios til, porm, como preventivo,tomar cada-semana orna
ou duas dsses delle.
Pelo que respeita aliowntac^o, deve ella serrogulada do modo qne n5o sobrecar-j)
regu o estomago, o era quactidadd tal qoe possa *er facilmefrte digerida.
A mnibor bebida sem-duvida, a agua pura, mas tambeta se pode osar de violto
simples eo pouco alcoolico. De cerveja e vinhos feries, poocas vezes.
Sobre todo o que muito recommeodamos, errando exercicio, sem fadiga, pois que
elle taotto conlribae para a -rapidez da "N- Depeis de tirar-so do frasoo a "porcSoque se vaitomar, devolver o maior
cuidado 3tn o arrolhar imnvedialameoto.
nico deposito em Fernambuo
Pharmacia americaoade Ferreira Maia 4C, ra do*Duque de Casias n. 57, (ao-
tiga de Qaeimado.)
ELEGANTE
H. 1Eua Estreita do Rosario N.1
AO OM TOJtl
Acaba-se de abrir este importante estabelecimento de miudezw-superiores com os
melbores artigos de luxo -o de moda para homens e senboras, variado sorlimento de
perfum;rias doseais afamados fabricantesdeParis eL'ndres, com)S*jaro liver, Lubin,
Condtay, Pinaud, Regand-Chonneaux. Monpelas, sociel Hygienique, Cosnel, Bimoiil
Piesfe Luida, etc., etc.
Alta novidacJe
O Meen Elegaetei ra Estreita do llosa-
rio n. I vende ricas camisas de camhraia
de linh bordadas para noivcs, e taiabem
de madapolao fino, bordada* e enditadas
de entremeios a 4^, 60* e 75*000 du-
zia.
Lrados penfeadores guarnecidos de estre-
meios e rendas valeacione, ricas caifas da
linbo bordadas e de madapolao, para senio-
ras, bellsimo sortimenlo de gonhas e pu-
nbos cousa inteirameate nova, receido pelo
ultimo vapor da Europa.
PARA BAPTISADOS.
O Musen Elegante recebeu os mais fines
o ricos enxovaes para baplbados e tambora
lindos vestidos enfeitados para crianza, ra
Estreita do Rosario n. 1.
t?ltima moda.
O Museu Elegante recebeu os mais lindos
e modernos chapeos* de blond enfeitados
para senhoras, e tambera do velludo e pa-
Iha para criancas, e est vendendo moito
barato para vender logo, a ra Estreita do
Rosario a, l.
Flores e plumas.
O .Museo Elegante est vendendo as mais
bailas flo'es e plumas que tem viudo ao
mercado, assim como nm lindo sorlmento
de franja de fda preta cousa de apurado
gosto ru Estreita do Rosario n. I,
BOTINAS.
No Museo Elegante vende-se botinas de
n. 20 a 3 pOara criancas a 2*000 o par, e
tambera vendo colchas e toalbas de fusto
f*000 extraordinariamente barato, i ra
Estreia do Rosario n. A.
follar lee(ro
At qne a final chegaram os verdadeiros
collares de Royer, contra as convulso;* das
crianzas e facilitando a dentigo, e cstao se
vendendo a 3*600 no Museu Elegite
roa Estreita do Rosario n. I.
Ai d b# por 4^800
Na verdade barato II Facas finas cabo
de balanco com dois botes a 4*800 a du
zia, om completo sortiment dj colbe-
Iberos de electro-piale e facas com cabo de
marfim, tu o por preco bar atiabo qoe ad-
mira, no Museu Elegante ra Estreita do
Rosariou. i.
AS MODISTAS.
No Mu-eu Elegante encontrarlo um com-
pleto sorlimento do bico de blond branco
o pelo, dito crochet, trancas e franjas de
seda de todas as coras, grande sorlimento
de galoes de algodao cousa de lindos dese-
nhos, cambraia fraixeza branca e preta para
forrar vestidos, retroz de todas as cores,
entremeios e babados tapados e transparen-
tes e agulhas de ferro, osso e marfim para
crochet, ra Estreita do Rosario n. i.
Iiui(a O Museu Elegante vende ricas vo'tas dou-
radas para senhoras taabem meios a le-
recos imitando coral, perola e gata ludo
por precos razoaveis, na ra Estreita do Ro-
sario n, i.
Lbyrintho
O Musen Elegante vende ricas fronbas de
lbyrintho a 640 e 1*200, ra Estreita do seda para senboras a 15^000,
Rosario n. i. D0 ultimo vapor.
Mantilha brasileiras
No Museu Elegante ra Estreita. do Ro-
sario a. i, ven le-se lindas manlilbas de
cousa vinda
A' AGLIA BRANCA
RA DUQUE DE CAXIASII52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
A Agota Branca tendo j recebido parte de suas
antigs eocomraeodas, em seguimento acaba ago-
ra mesmo de receber outra?, algumas das quaes
se tornavam es3encialm"r.'u precisas, e oulras se
fazem apreciadas por sea* go-tos e qaalidades,
coito sejsm :
leias de Do d'oscocia, uberias para senhoras
3 mcUUKS.
Ditas ideo eom lisias tambem para senboras
e menina*.
Ditas idem muito bonitas ao gosto escoecz.
Ditas idem idem brancas e com listas para me
oiuas.
Ditas idem 'dem para Lspt Ditas de alg me oina.
Lavas pretas de seda, para senhora.
Ditas de ture,.I e e seda pan meninas. .
Bonitas camisinbas bordadas para senhoras.
Fil de seda, brasco e preto com flores miadas.
Dito de algnri,,, lio e com flores.
Tooqarobas tiorrimas para criaocas.
Lnrdos e mode- nu chaposinbos de fuslao para
litas.
Pcntes de t;ri.iruga para desembarazar ou pen-
tear.
ttitoe de dita Iravesos para meninas.
IV 1u de borracha para ditas.
ltiios du tartaruga, pequeo, para segurar o
imsrradilho aos cabellos de senhoras.
Grande sorlimento de euVites de seda para vss-
lidos.
Frtflles de madrcperola o de tartaruga para
pulceirn ei=ci pura o cabello.
Bonitn b letonas para meninas,
NOVO SOIITIMEXTO DE RNCHOVAES PARA
KAfTlSADOS "
A itguia branca acaba de r.ceber novo soiti-
meato de lindos e completos enchovaes para bap-
iisado.', c bem ksibi separtdanente camisinlias
pase dito--, lnulnj c(Mf>eosi:ihos do seiim branco
hordaikv, or.irus ditos com fundo Ce velludo, obra
deTOuito gto,e qp servem tan.bem para pas-
*o, MpaiinbO!> defeim pira omoftr.o lini..
MODSUXUS ENFEITES U15 FI.OHES,
ornado com bieoa de seia, Oas de stira e livella
in rnadreperola ao ultimo goste, e prnprios para
bailes, casameotos. te., ele
FLORES E PKE9AR0S PARA ELLAS
A Agoia Branca rec Anas, tanto para caneca como para e>>aj*A
bem sssim :
Papel verde li?o e com listas para folfes*.
Dito de cores (ara flores.
Foihas de diversas qoalidades para resa*.
Ditas verdes e lustro: as, obra m va pt |i+
meira vez viudas ermo amostra.
Franjas pret3s e de diversas larguras fan m-
leitar vestido,,
COQUES- DE TRAUCAS E DE OUTROS
MOLDEES.
A Agnia Branca scaba do Fecebflr na pate-
na porro dos benitos e moderno^ coq {lu-
des de tranca e outros moldes.
COLLARES ROYER ELECTRO MAG-
NTICOS.
A Agoia Branca acaba de receber os pratto-
sos collares electro rr^gnctlco1! j iten e.altti-
dos para facilitar a denlicao das cianeas \n-
serva-las das convcl-5'.'S.
SORRE-SAIAS 6 ANQUli'lIAS I.
CLENOLINE.
Em sub?titne.ao aos ba oes vieiaro as ianu-
tabas de clcnone, e acb3m-se venda b; \p-
Aguia Branca.
QUADROSPARV RETRATOS,*"
A Agnia Branca recebeu variado soriiraeeto da
quadros pira retrato--.
L5KQ0S BORDADOS.
A loja d'aguia I ranea, a rus Dntroe de C.xa
n. 52, nolr'ora du Qneimaio n. 8, ijcebea fcea**
!;.; i- de cambraia Je bobo primenam^at tar-
dadas, b '. n de .-i-n loovavtI -ww,.-.- tsla m
vendendo b:r::tjn:> ule a 5"0U0, CJ 8 e &iOU
cada um.
TAM EM tlECEBE
ricas camisas do fino o^guio de liiiho- esbiutes
Cun milito gn to, e pioprias para Olivas, oa ses-
mo cu ira Exina. senhora que p3S?a e qa^ira aug-
mentar o numero de sua boa roupa brauca.
'
ERNESTO & LEOPOLDO
N 2 D Ra do Cabug N. 2 D
Aha-se montado de forma tal este estabelecimento de ioil qoe pode
vender aos seus numerosos freguezes em grosso e a relallio epor prefo
mui resumidos visto que recebe deconta p opria par todos o? vapoms de
Europa. O gosto de deseuho de saas joias o mai; lindo do paiji das
odas, oaro de lei, brilhantes verdadeiros, esmeralda, rubios, perola?,
tarquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obns de prata d p rto tanto
para igreja esmo para servico domestico. Convidamos as Exmas. familia*
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias at 9 horas da noite.
ii y Efe hm lilnWJ
y.r-T.

FAZENDAS EM LIQUIDACAQ
LOJA DA CONQUISTA
Ba do Cabuga' n. 6
Os donos deste rovo estabelecimento acabam de receber nm completo sortimenlo
de fazendas finas, das quaes s mencion?m os artigos abaixo declarados afirn de que o
respeitavel publico possa fazer tima aproximada idea de que nao por meio de annun-
ci08 que queremos acreditar nossa loja, mas sim pela variedad* de objectos de gtsto
de moda que sempre costomamos ter como sejam :
cortes de blond para casamen-
Ricos
tos.
Gorgoreo de seda, branco e preto.
Dito dito de cores.
Popelinas de seda brancas.
Ditas ditas de cores as melbores do mer-
cado.
Ricos cortinados bordados para cama.
Ditos ditos de crocbet dito.
Colxas de crochel diio.
Ditas de lia e seda dito.
Camisas de linbo bordadas para se-
nhoras.
Ditas de a'god5o, bordadas para se-
nboras.
Ditas bordadas e lisas para borneas.
Lindos lencos de cambraia de linbo bor
dados,
Sias brancas bordadas.
Granadinas brancas e de cores para ves-
tido.
Liadas alpacas e lias para vestido.
Ricos enxovaes para baptisado.
Ricas chapelioas e chapeos para senho-
ras.
Lindos fnstSes de cores paja vestidos.
Fil de seda, e griualdas para norvas.
Manlilbas bra^etras.
Cambraia fina de 2 largaras.
Bramante, Bretaobas e esgofo de l-
bo.
Tapetes grandes para goarniclo.
A' ra da Imperatrfz n. 40
Os proprietarios da loja do Papagaio sciemificim ao mpeitavfl poblico desta
provincia, que esperta muito breve receber um novo sorlimento de fazendas moa-
oas, e de bom gosto, e por conseguirte pSera em liquidac) as abaixo especificadas :
Retalhos de chita, de cassas e I3as.
Chitas de cores e rxas de 160, 200 e 240 rs.
L -z tilias tapadas e transparentes.
Alpacas lisas e lavradas, de murtas e differentes qualiiaJes c pre?os.
Cassas de cores de 210 a 320 rs. o covado.
Corles decassa chita a 2)5400 o rorte oo a 240 rs. o covado.
Cmbralas brancas tapadas a 43 e ."i.
Barejes de 15a a 320 rs. o covado.
Toalbas de linho do Porto muito grandes a 10^000 a dnzia.
Metira da India a C00 r?. o covado.
Lazioha preta de 320, 400 e 410 rs.
Alsaciannas a I #000 o covado,
Cnitas p-etas muito finas de 400 at 240 r ,
Esp.irtilhos de linho e algodo de 3500 at 5^000.
Camisas de meia, ditas francesas.
Camisas de peto bordado, iiss, e de pregas cem coennlio e sem eGe.
Bales de panno a 3^000, dos mais mode. eos.
Collerinhos de papel com beira de cor e todjs branecs.
Fusles de cores para vestidos ailo largos a 440 rs. o covado.
Corles de casimiras de 4^000 a 7(000 com quadros e listras.
E outras muitas fazendas que pretndeme?" liquidar para nao aecumuar
as que espetamos receber.
RODPAS FEITS EM LiOIDACO
Na loja do Papagaio ha um grande Geposito de roupai feilas di brise e la
casimiras, palitots, calcas, colletes e eobrecasacos, qne se liqu>dam por breos raao
baratos.
Sedas lavradas de cores.
Liquida-sena loja do Papagaio urna grande porcSo de seias lav atlas da .
qae se vendem por precos baralissimos, na roa da Imperairk n. 40, esquina 3o be::: oa
Fcrreiros.
Mendes & Carvlho.
BAZAR DA MODA
DE
JOS DE S0UZ4 SOAPES A C<
Orando ex osicao
Especial sorlimento de fazendas de algodo, linho, 15a, e seda, de tod
is as qrse
meciese*.
Mandanj-se oo levam-se as fazendas em quaquer casa qoe para isso nos mandem
o nome da roa e nuraeto da morada na.
L0JAMWLIST4
A'raa do Cabnga'n,.
DB
ANTONIO FR ANO CSCO SOS SANTOS ft C.
Artigos da moda elegsnte, tanto para senhoras, como para homens e
Completo sorlmentii de miudezas finas.
Grande dep silo de perfumaras dos n ais aflamados perfumistas da IWffsjL
Variedade em objectos de phantasia para mimos.
Novaremessa de ricos livros para missa com encadernac5o de velludo^ cuereo
esmaltado, e madreperola, tanto para senboras como para meninas.
Bello sorlimento de lindas e modernas joias de onro, como sejam : oadeiae p.tra
relogios, medalhes, meios aderecos, brincos, broches, braceletes, collares, e abotoadn-
ras para camisa.
Ricos espelbos grandes com mr.ldora doorada a onro fino.
B lias panormicas brancas e de cores, proprias pan jardios e cornijas le caaes.
Assim c >mo temos a venda urna bella e perfeita embarcado de guerra, sjalnao
da corveta S da Bandeira, e urna caixa com rica msica de ponte acompaada de
timbres e rnfo, tocando com a maior perfcicSo o bymno do Brasil, Vida l'ariaiaeie,
Marco Espada, Flor do Cha, Fausto, Pericholle, os Dragoes de Yillars, o Vsjgeaa
China.
N. 50Ra do Bario da VictoriaX. 30
(Esquina da de anto Amaro),
ROB LAFFECTEUR
I tPV*?* "" Uraiael. Russia, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laffecteur sa aotk*-
I SL j uI^fr o xaropes de cuisinier, de Larrey e de salseparrilha. Da taal
Ea .u*^ P*,,d*r> alfat0' el,e cura radicalmente sm sasercarl*, m
;am oapeite, imla;aa, iporesM. tu ni orea. olcersM, siarssa Ir
0 ajTobs he especialmente reconuneBdada coat* as doeas syphihticaj reoestst, ian
nu N rabeidei u mertano e ao iodnro de potassio. '


VIEDADE
r- k?,* ~ Jornal do Otmmercin, de
tiaboa, O a seguate descrilo das ultimas
odas de Paria :
Miitt geate pensava que depois d Ja lerriveis catastropbes porque pa.sou
Parre, o commercio, as artes e a iodu tn'-,
ocanao slaci nari jswse na"o relrogradassem;
a que a rainba da elegancia e da muda tra-
jaria de lato, ao passo que as loucans e
as galas seriam os despojos opimos que*"os
invasores da Franca levariam para a Alie-
ffianfia.
Engauarara-se os ttricos pensadores;
as funles da riqu za publica, aliment;d s
pelo genio creador daquelle grande pova,
sao de 'tal ordem. que, apesar das gran I ;s
provagSes por qua passou, a vida aa capital,
e omovmento nos bairros elegantes e com
merciaes, o mesmo, que o esirange.ro
ad aira va antes da guerra.
a*!S toiI.elt8' Prm-" que ha slguma
d,ffereDC este anno ; j \i v3o. esses traj s
maraviihosos levantados pela corte das Tu-
raems, e transmitidos s clases commer-
^mtaformosear de mis. o mulber, o
grave inconveniente de arruinar as familias,
que em luxoe ostentacSo, queriara com, e-
r com as cortezSas, cuios toilettes erara
pagos pela imperador, custa do exorn.
As rendas das mil e orna noiles, e as
.musselinas bordadas sobre glace cor de cosa
ou azul, f girara envergonzadas como as-
pecto grave e solemaa qae o povo assuruio
aesdcvque pirn a desepofiar que os ule
resses da patna.tiom sido sacrificados ao
egosmo e corrupeo.
A vida entra, verdade, no seu esta
oo normal, mas o delirio de luxo e de ves-
tuario que se bavia apoderado das senhoras,
aca se, gratas insurreicSo de Paris, em
Dom caramba de cura radical.
Pde-se prever que a destineco e a
graciosidade sero sempre apanagio pari
siense ; mi d'aqoi em d ante ser fcil ao
estra;>ge;ro Ilustrado, deslingoiras pessoas
serr^ js que o p5o s3o,
Os vestidos fiso, ou enfeiudo3 com
\\\qs vtezes, ou folbos sabstituiram abso-
lutamente, enlie a gente cmmc il faui, os
deocoiuaios costumes, que pareciam mus
nm trajo de arlequim, do que o vestuario
de pessoas de bom gosto. Para de manhai
anda se usara duas saias, principalmente
quondo sao da mesma cor, ou eoto S3 a
tnica "r preta sobre saia de cor.
< Pelo que respeita aos chapeos redon-
dos, parecem-se Unto, emqaanto forma,
com os qie se chamam chapeas fechados,
qae saj permiitid.s em Paris.com a condi
, cao, porm, das sanhoras que os usara nao
terem ciacoeata anuos, e de lhes juntarem
am veosiaao ; sendo a cor preta a m -i;
adoptada o campo.
Principia a querer surgir ama invenco
renovada de outras pocas: tratase do ro-
mntico chapeo pastora, eafeitado com a
tradicional flor dos campos. Este cbauo
por ais bonito ,que saja, e por bem que
fique ao parecer, deve severamenta ser ba-
nido da cidade ; mesmo em carroagem
elle Impossivel, para as senhoras da socie-
dade : quando alias no campo tem a su
grande ra5j de se.*, segaodo dizem as pes-
soa9 entendidas nesta materia.
t Nao de esperar qae o denominado
chapean la bergre, chelo do espigas de
trigo, malmequares e papoulas, entre em
moda.
t As luvas deSa-re estS> em grande
voga ; as botinas tem na roa a preferencia,
e os sapaUs em casa; 03 saltos j nao se
trazem coa essa altura extravagante que
tornavam essimos os ps cortos, e hor-
rendos os que pequenez exagerada reu-
p.iam grosura ; e as caudas de vestidos
para sala, sao comprdas sem que, como
d'antes, invadam as casas por onde as se-
nhoras passeiam. As joias do grande tom-
so de oiro u> diversas cores; as castelos
e relogios, imitando os do tempo de Luiz
XVI, coustiluem sm>ema elegancia ; os ver
dade:ros s) rarissimos e compram se por
procos fabulosos.
t Os colares e madalhinnas cederam o
lugar s lit \> de faye oujde muir prelo, sus-
tentando cnues de lapis lazuli, demalachita
ou de onjx, cercadas de oro baco.
G.chtyituiis valumosos, felizmente pas-
saram de moda ; a bygiene assim o rec-aaia-
va ha muito tempo ; j com alegra se loa
as jwens enrolar simples trancas, ou dei-
xai-as cabir pelas costas.
miniatura diversos tropbos ibtires e oo
tros syrtbolos allusvos aa asionpto.
Ouira me 1alha igu.il fui ntodada faoti-
Ii3 do conde de Cavonr. para ser coltocadi
no (amulo do graade ministro.
PERDA IRREPARW^L'-Diwin OS jor-
naes francezes qie otro (h rarissimos do-
cumentos qae desapparecerim por caosa do
incendio d) palaco do arcebispo de Bocr-
gas figura a ord*m da execacio de Jasas
Cbnsto
PROCESSO MOINSTm-L-se aos De-
bales :
Comecoo a serjulgado ao dia 13 do
torrente era S. Pelersburgo o processo
mouslro de Netcbajeo e seas cmplices.
Pdlos ducumen!03 apresenfados pelo agente
do ministerio publico resoHa que o princi-
pal a :cusado projectava nada meos qae
derrotar o governo estabelecido, lazertrium-
pliar as ideias revolucionarias e prattear le-
los mais terriveirf ainda que os que se do-
rara em Parr.
O local da coaspiracaj era em Moscow
Dos 87 iodividuos accoaados apenas foram
presos 63. EslSo divididos em i2 cathego-
rias e a O* composta da siberianos qoe
queriam libertar o sea paiz da domioacio
russa.
-ir A vista dol 0O8SOI des
Islvw Paris compreeoda.
Piris co-asprebender I Pars
dente I Paris viver traoqui.lo
oioo livenaos ferido no cortlo, so Vear
principiada a Iota.
Baiiei a cabeca.
Acredite-me, accrescenlou Guilberme
aperlandome as mos, V. M. fez, sm qoe
ninguem o crea, ludo qoanto era possivel
para impedir a guerra; a vossa mis$io est
comprida; delxe-nos agora realisar a nossa.
E compri-la-hei at ao flm, ainda que...
Nlo aeab"U a pbrase porque nm offlcial,
qoe acabava de entrar, etregoo um ofBcio
ao conde de Bismark, que o dea ao rei.
Guilberme, depois de o ler, dea-m'o a
mim.
Aonunciava a revjIucHo de Paris.
A imperatriz regente bavia fgido.
Eotio... entlo, coniesso, sent nma co-
lera sorda na minia alma, e deixei que a>
Alienaoba zesse Justina.
Tanjo mais, seja dito em descolpa minba,
qoanto qae ea careis de meios pan o es-
torvar.
V
JA E' PAThlOTISIWrL'-seosegoiDle
h um jornal parisiense
O no3so embaizador em 9. Petewbflr-
g arreigado f,atrotismo.
SaDe-se qiie o caminho mais corlo para
se ir corte do czar por Colega e Berlina ;
pois o general Le Fi nj qoia pizar o ter-
ritorio prussano e por isso dea orna'grande
voita dirigindo-se a S. Peterslwgo' por
Vienna.
NOVO IMPORTANTE LIVRO-O editor
Ucroix vai prximamente dar i I um a S*a[* t(a *"
vro, que chamar em alto grao a atiendo. "**>
Inlitola-se Rrcordaces
I de oovembrv/ '
\ Houve em Paris tira tumotio ridiculo, e
nada mais, em 31 de ootobro.
orante algnmas horas o part larios da
comiDOiii. fizeram frente atos membros b
yoverrto da defana. A final, Diaaqni, Flix
l'yji. Deiescluze t Flooreo, cederam aate
ss b .yft/ieas dos uoreis bretes e de guar-
da nacioti) da ordem.
Blanqui, om doido furioso; Dtetesciop,
um d .i Jo razoavel, e por isso maM terri-
val; Flix Pyat, um eseriptor deseBcaai-
nbsdo,..
Morsy referidme certa occasife, esta
parase dellc :
0ro que v operario coma joibem
fraim nr>inez de >:wtabro,
Tanto f loando bouver frmsfs par toda
nao ae ha ver para
e notas intimas- db
nnperador Napoteo, e parece ser um me-
morial escripto pelo vencido de Sedan du-
rante o seu captveiro em Wilhelmshohe,
Um correspondente da poca pode obfcr
alguns fragmentas dessa obra ineuita. chews
de dados e de noticias coriosas e atwes-
santes; daqoel a folba os copiamos o s*>
os seguintes :
21 dedezembro.
A miaba entrevista com Guilberme oi c
que devia ser. -
Compadceme de V. M., dsse-me
Baa occasro se apresentou1 a Sra, Fa
vre e Trocbar para acabar coa esses tur-
bu!erjttj. que, qnando ee prussiasis- sitia
Parr, tratan- semear o odice-e a> dis-
cordia.
Sabwfo aproeitff-la ?
NSo. A repo&tiea
aao sak>e executef..
J o disse : peior para efla.
A repblica huuradu moderador** ar-
irepeoder tarde oa cedo de nio sa-baver
Falleceu no Mxico, con 120 aonos
i Jada, D Angelo Benertnulo, l-nenie
reformado e sm dos bravos qoe assistiram
ao combate da Trafalgar.
Morrea em Liega urna mnlber victima
da mordedura de om gato. 0.animal esla-
va damnado, e a infeliz soccumblo oo meio
dos horriveis tormentos prodozidoj pela
bydrophobia.
Fi descobeila oa Suissa ama gran-
de associa\5o de falsificadores de notas ba-
varas, prossi.nas e austracas. A maior
psrte dos falsificadores eram polacos e ti-
nfcam agentes em omitas cidades daquelias
n-f5es. A polica aprehenden grande nu-
mero de chapas e prensas que servism para
falsificado das notas, sendo tambera presos
muitos dos que se entregavam a esta cri-
minosa industria.
O novo arcebispo de Paris, mone-
nhor Ouibert, nSo tomava posse da sna
nova cadeira senio no da 20 do correte.
Maoifestou o desojo da assistir s festas da
A:snmpc3o em Toars e da desper-ae por I
essa oetesilo dos seis amigos diocessffos.
Os allemSes estabeieceram em Melz
orna academia militar.
Nos cireafos SatmceiruS de Parr cor-
rem boatos da qua se vai fundar n'aquella
capital om banco internacional com necor
saes em todas as capftaes da Europa-, Ca-
pitalistas francezes e inglezes prestarapara
isso os seos valores,eo 'anco oceupar-se-
ba s em emprestar dinbairos eidadesque
aiecamde conlrahir empresftisros.
Parece conflrmar-sea noticia de qae
o prheipia Honiberto ir faer unta visita a
seu irmiu o rei Amadei/; tambem se diz que
por esa occasio irJo JMaJrrd a princeza
Clotilde e soa bm9a a rainba de Portu-
gal.
Os guarda vis bespanboes mataram
o salteador Valentiw Qaesada, na occasiSo
enqiieeste, ao- ser cooduzido de Plaaen-
zoelapara TVojillo, renlou fuga, quebrando
am eadeado da ferro qpe o prenda e uvk-
tinde dfepois c*>m a- escatta de pintla em po-
nbo.
Noticias- de l&ngston' (Jamaica; dizen
qae o governo nba ocCicia de qoe os ne-
gDstratavam dV atacar osjuizes do tribu-
nal d* lbia de* Mbraot se estes- dessem
urna seotenoa contra elles^ Dizia-sa qae a
iosurreicS prioeipiara de 19'para 20, O-
tgoveno tomn tixfcs as medidas pora dar-
elle; mas forcoso submettermo-nee ^T^ll^l^,
knmmdwe modemda *'* cma'n30 severai
- Dlzam de Otitea qpf 2ft,000
vontade divina, que inclnoa a balanca p;ira
o meu lad >.
Teoho a satisf.ico,
que nao fui eu quera declarou a guerra.
E' verdade, replquei. Fui eu I
Corapreliendendo ento a irona da minh
resposta, Molik) estendea me a raao. e Bis-
mark e Frilz (o principe real), approxima-
ram-sj de mim por um sympatbco movi-
mento.
Nem V. M-, nem eul respondea o
rei. Fui obra da falatidada I Lembre se Y.
M da vossa ultima conversado em Pars-
no anoo da exposiQo universal.
me da V. M., chaij de angustia.
O* vermelbos cedem boje fcilmente, por-
que esto bem. convencidos de-qpe,. senho-
. res do campo, nao poderias sustear-se
1 oeHe. Oexenito e-a.nopue|o de Paris
nao Ibes obedetarram-
Mas oonclua-se apaaespecralmenae em
oondie5es- deslavoraveis- para a. Francae
propBelisoque o partido-avaneedo levaU-
B immed8tamenie a cabeeja.
A crrente, cojitida- pelos dkjues prwsia-
nos, s fa por ora ro.nore.pr^tiiem o-di-
ques e tudo iaceo'liet.
Segundo-se vio esta propbecia de N4pn-
Seuarei-ile3u cuop^o-se ac.
i

CASADO QUATRO VEZES.Da /depen-
dencia belga :
c No cemiterio de urna pequea cidade
de Connecticut (Estados-Unidos) vem-se,
n'am recinto reservado por urna balaustrada
de ferro, cinco tmulos disposlos do segua-
te modo : quatro nos quatro pontos car-
deaes, unidos uns'aos ootros por sebes de
arbustos, e o quintto drposto no centro,
no sentido da leste a oeste.
Nos quatro turnlos cardeaes l se :
Minba primeira mulber: mola segunda
mulher; minba tercaira mulber ; minha
qoarla mulher; no do centro : Nosso ma
rido.
Este patriarcha deixoa 32 filhos todos
mvos e 103 netos.
CONTRA A LEPRA.L-se aa Revoluco
de Setembro.
c Parece que a sciencia medica conseguio
finalmente acbar am curativo efficaz para o
debellamento da lepra, que a opiniao geral
qualificava de iocuravel, apesar do que o
baro de Alibert disse oo sea importante
trabalbo sobra as demartoses, e dos reme-
dios qae o medico inglez Erasmos Wilson
erescrevea o anoo passado no sea livro so-
bre iermathologia.
Seguado o ultimo camero do Archv
der Heil kand > o curativo d'aqaella borri
vel enfermidade consiste em lavar os doen-
tes com agua quente e sabio, e untal-os
com acido pheoco e azeite. Varios lepro-
sos das arredores de Bombaim foram cora-
dos radicalmente, deveodo-se esta atil des-
coberta ao medico de Kbuodwa.
MKDALHA COMMEMORATIVA.Diz um
jornal italiaoo qae o municipio romano man-
dara a Garibaldi a medalha commemorativa
da enaocipacSo de Bomi.
A medalba, canhada em ouro, foi acom
panbada de am pergaminbo de grandes di-
meosoes, no qual estio reproduzidos em
Nunca me esjueceu uem o menor inci-
dente daquella entrevista.
A imp9ratrz, meu filho e ea acompanha-
ramos o rei da Russia, e quaodo nos apar-
tacamos, disse-meeste :
Qoando considero qoe s nos toma-
remos a ver no campo de b talha I
Pode pensar isso V. M. ? exclamou
Bismark.
E mesmo o senor, interromp eu,
nao a:;edita o mesmo ?
Depois de to cordeal acolhimeoto 1
Mas acre lita, sim oa nao? insist
eu.
Houve um instante do silencio ; durante
o qual a- imperatriz e Luiz se apertaram
contra mira.
Nao vejo, respondea aGoal Bismark,
o que V. M. poden fazar para o impedir.
Volte:-me para o rei, que levantava as
raaos para o co, em quinto duas lagrimas
Ihe escorregavam pela3 faces.
Tambem as vi correr em Doncbery, sitio
onde se efectaou a min'aa entrevista com
Guilherrae.

E' verdade, accrescentei eu, a guerra
era inevitavel. Triumphou V. M. ; a Fran-
ca est ferida, e como vencido, voa pedir-
vos a paz para ella.
O circulo dos que me rodeavam alTastou-
se um pouco.
Guilherme, que tinha o capacete na mo,
p-lo na cabeca.
Para essas coasas, disse, entenda-se
com o c,nde de Bsmaik Dasejo a paz
tanto ou mais ainJa do que V. M.
EnlSo podemos assignala.
O circulo, de sympathia, desfez-se com-
pletamente.
A paz I Qu6m nao ba de querela ?
replicou assaz rudemente Bismark. Mas
sappe qne seja possivel, senhor ? Admii"
lindo que nos queraes ceder a Alsacia e a
Lorena com tres ou quatro milhares de
francos para as despezas da guerra...
Nunca a Franca aceitar isso 1 inter-
romp en.
Sou da vossa opnio, senhor.
' At ao ultimo suspiro, a Franca ha de
regeitar exigencias leoninas.
Assim o crei); e por isso julgo qae
a paz impossivel.
Nesse caso ter sido intil o mea sa
crificio ao render-me ?
Bismark nada respondeu.
O re passeava de c para l no meio da
casa.
Pode responder por Paris 1 pergon-
toa-me de repente, parando diante de mim.
Pela Franca, sim.
Nao fallo da Franca, mas de Paris;
de Paris, qae om mando aparte, sem se
importar com cousa nenhuma e importao-
do-se cum tad; agglomerscio hybrida do
bom e do mo; do brutal e do intelligente;
e alm disto, foco de ambiciosos .sempre
promptos a destruir todo para se SDinna-
rem uns sobre outros. Eis atai, sennor> o
que ea tico: essa fogueira qae propaga o
incendio por todos os lados, essa fogueira
qae accendeu a guerra, e qae extragairei.
juro-lh.'o, para seguranoa e ventara da resto
do mundo.
VARIAS- NOTICJIbS> ESIRtsNGElRAS >
Gbegeram > Versatbe* os marecbaes
iGaoroberb Baaaiae-, e os geaecaes
Wimpffen, Fleury e de Falla Este per-
sonageos- de verlo- comparecer perante a
commisso militar da assernb a nacional.
O projecto de sello obrigatwio em
todos os- ttulos a portador, da renda fran-
ceza ser, um dos primeiros que-a. assembi
de Vecsalhes votar, porque nelle ten
grande inleresse o chefe do poder ejecu-
tivo.
Em vista do resoltado das ultimas
eleicoes municipaes celebradas em Paris, diz
a Jornal dos Dbales, parece que a assem-
bla n3o se decidir a deixar Versalbes.
Foi descoberla em Nfadrd nma falsi-
ficado de sellos de franqua da serie de 200
mlllesimas, de cojo fado se oceupam j as
autoridades respectivas.
Desigoa-se o principe de rlohetioe
para substituir no ministerio bavaro o ooo -
de Bray, A entrada deste boroem de esta-
do no poder, dizem diversos periadios,
dar Baviera urna poltica franca de adhe-
.-o ao imperio allemo.
Diz um-joroal estrangeiro que em
I ma organisoase ama commisso para
promover em todo o orbe catholico ama
8ubscripc5o dodicada a presentear Po IX,
com am throno de ooro. A referida com-
misso publicou j um appallo aos fiis.
Dizem de Paris qae nos sitios imme-
diatos capital onda eslo enterrados os ca-
dveres de tantos soldados morios durante
o creo, circolam taes enxames de moscas,
q-ie oingoem pode all socegar.
No dia 2 do correte cbegoo^ Pars
a ex-rainha Isabel, de Hespanba, preceden te
de Genebra. Esperavam-a aa estaca-) de
Ly3) o infante D. Sebastiao e algamas pes-
soas distinctas. A ex-rainha dever seguir
d'all para as costas da. Noraraadia, onde
ir abracar sua mi, depois de um anno de
separaco.
Foram descobertos em Paris, as
ruinas de ama casa, 5,200,000 francos, que
alli e.-tavam enterrados e qoe se suppe
foram roabados do ministerio da fazenda.
- Segaodo diz o Qaule, ans 600 indi-
viduos amotinaran se olmamente em Blois
aos gritos de viva a communa Nao foi
tomada nenhuma medida preventiva.
Lord Lyons avisou os operarios in-
glezes para qoe nao vio para Paris, porque
nao ha alli trabalbo.
Gambetta contina rodeado sempre
pelos generaes Faidberb, Cliauzy, Mural e
Dessaix. Comem, bebem, passeiam e fa-
zem poltica todos jautos.
O ailistas dramticos ioglezes, man-
daran 150,000 francos de soccorro para
os lavradores francezes arruinados pela
guerra. Os pintores de aples, apesar de
pobres, remetieran tambem 2,500 fraocos
para. os pintores franceses necssitados.
m polaco, o conde Bramki, dea 500,000
francos para soccorrer as victimas da
guerra.
Um dos notos imposios com que a
Franca mais coma o qoe- alli foi estable-
cido com o nomo d imposto sobre as fac-
turas.
Este ser applicado s sobre os objectos
de fabrico, mas de* nenhum modo sobre os
gneros de consamo.
Cr-se qae este aovo imposto produir
maito fcilmente mais de 100 ailhSas de
francos.
russos
marebam sontra o s*it3o~de&ldzi, de-accor-
do-cora o governo eMoez: O* russos--est3o
caneados desta-elersn guerra'na Azia>.que-
lhw consom tanto*-milbe*
O reradwsento do algnmas minas*- de
Ciabuaiim tao fabeteso, qoe orna deias
pironiv 50.(}Mapeso per seaaM.
Tendo-s reunido a soeiedade de aoi
tos-d^amatros e Iliteratos de Paris pera
oraarir adeilBfa'da M&moriaHtmtmVfeila es-
te anao palo-- esclareeido L-o Leapas, swte
jOSjjpu cumpr- um dever dfecamaradagerr*
dedicando allomas parases de recordado-
4\fcnnerel^ qae pefteoceu commun'
que morreo com as armas- m mi.
Birersos- aateres. e tientes pediraaa
a-palavra nava rogafem a sapnessa dl*-
qnellas. prasee, e, n3r podeade consegu^.
neaNgiram nm protselo- qne- to 'por trala tactos iadividuoe.
_- TVjriu a resabelecer-s- am Franj t
o imposto sobee urruageos e eavallos- s
luto, que ra abolido pelos oooteos de d
setembro.
-3- 0. dtoque do> Cbartres- ti nomeadoi.
oapito de cacadoaes de frica, sob o ne-
me de Ibbertoo forte! Es:e nome o do
primeiro antecessor de Henrique IV o S.
tniz, qoe morrea ba a\ acnos. em 870.
Em. consecuencia do abuso, qua de-
pois. da. guerra se introduzio em Franca,
dos multares dxarem crescer a barba, o
qoe contra a*leis militares,. 0. ministro da
guerra ordenou qne pira o futuro sejam
observadas as instrucedes om vigor coocer-.
nenies ao uso do bigide e pera excepc3o
dos tropas da Algeria que poden usar cor
mo at aqai, do toda a barba.
Diz se que o conde de Chambord \A
para Blanteaberghe fazer uso dos baobos.
O ebefe da casa dos bv.'.rbous parace que
teDcionavoltar depois paraBiages. e per-
manecer alli at ao ontomno.
A soa vida na^Flandres muito- retirada e
socegada e apenas o visitam aljuus amigos.
O conde trablba muito ; a cundessa que.
faz em sea nome as recepcoes.
Um telegramma da New-York diz qae
no dia 28. de julho vora a fabrica da car-
tujos do arsenal de Wasbing-cn, causando
um grande incendio ; as perdas sao tLu-
ladas emom milbo de dollars. N3o ba a
deplorar mo.te alguma. -
- Um peridico do Havre assevera que
o principo Napoleo estivera alli, incgnito
dorante alguns dias, tendo-se visto a QUh
ridade na necessidade de pedi;-rlhe que se
aosentasse, pois qne apezar. de ler sido
aonullada a lai de desterro, o governo. est
resolv lo a mindar prender o ex-impera-
dor e a ex-imperatriz se ebegarera a por os
ps em territorio franoez.
O grio-duque ConstantiaQ da Russia
chegou Londres guardando o mais rigo
roso incgnito. A nica pessoa qne foi
recebe-lo estaoSo do caminbo de trro e
que o conduaio ao hotel Claridge, foi o Sr.
Bartholomei, primeiro secretario da embai-
xada russa.
metros e 50 centmetros de ahora e ps
perto de 6,000 kilos.
A celebre cantora Adelina Patti, boje
marquez.1 de Caax, mandou 28,000 francos
commisso encarregadj de recolher soc-
corroi para os feridos Irancezes, como pro-
ducto de um beneficio qae dea em Valpa-
raizo para aquelle flm.
A toiaiidade dos prsioneiros franceses
pJej considerar -se como entregue pelo
governo allemo. Restam apenas aos
l ,000 doentes, de cojo transporte se oc-
eupam ambos os goveroos.
O tnel do Monte-Cenis ser aberto
ao transito na primeira quinzena de setem-
bro. Em Turim preparara-se festejos para
celebrar a unio. terrestre da Franca com
a liaba.
Eet se coocloiodo em Madrid, oa
iravessa de S. Gios, a coostroeco de om
novo tbeatro. para o qual se est organi-
sando urna cornpanhia de declaraac >.
Dii um peridico de Granada que oa
villa de Adra tem sido ltimamente to fre-
quentet os tremore de trra, que os seos
habitantes- veem-se obrjgados a abandonar
3 povoaclo e a pernoutn* nos campos om
receio da Acareo sepultados nasroinas das
casas.
Na povoecSo de Geras (Hespanba;
boove oltimamunie um incendio que re lu-
zio a einzas 5rj casas, (fiando na indigencia
27r individuos.
Felizmente n3o houve desgracas pessoaes
a lamentar, O fogo foi causado por algu&e
rapazes-terem acenrJMo um? pouca de pi-
lla en urna das babiflicoes.
>. un peridico be'g que Flix
Pyat paseara pela B.-.'gica disfersad em
vendedor de-garda-chuas ;: qovAmoroux
airavessn-tambem aquelle reino-eom um
passaporle* diplomtico r qae o general
Bergeret estivera- em Brosellas senr procu-
rar geerdar muito o seu iscogoil.
--Urna fer-oa da guarda civil bespacbola
na occasao em- qoe conduzra para Ativa
cinco presos condeoados priso perpe-
tua, fu? tros individuos qoe os auxilia sm, resuhau-
do distehaver reabido combate entre uns-e
outros, Otando merlos os cinco-conderao-a-
dos.
Regnssou a Parir o general Fleoryr
antgoemijaixadbr t'Franca emS: Plers-
borgo.
Emilo OHivier achare acoalmeete
eni'R'orencav onle e-awito festejado pelos
demcratas italianos.
Diz se que os ninistaos booapartistas
e om ellas o Sr. Daveroots v3o apresentar
assembla franceza um aecusaco -contra
os fres- ministerios qoe^se suxederaar de-
pois da declaraeio da guerra -Proesia e
qoe sio : os ministerios de OMivier, de Pa-
liko-o o de de setembro.
O numero de bvaros, qua redamara
iodeaoisaca por tarem sido expulseede
Franca, ele va-se a 30,00^;
poder exevOtfvo, dWgir..se-ba a Saomor,
com o m de visitar a escola da cavalleria
e estabelecer ao mesmo tempo em campo
de manobras em condicoea a poder cooter
100,000 bomen'.
Por ordem das autoridades prassia-
038, a igreja de Kattovritz foi posta oatra
vez disposicj do abbade Kauinski, ex-
commungado, como sabido, por nao ter
reconbecido o dogma da infalibindide.
O rei da Baviera noraeou o principe
herdeiro da Prussia chefe do I" regiment
de oblans.

Diz om despacho de N.mt-Yoik qae
em Gjldiboro, oa Carolina do Sal, boove
desordena entre os negros que assistiam
um meeting polllie 1 e a polica. Um po-
li :ia e nm negra Bcaram mortos, baveodo
alm disso outros ftidos.
-- Oh o Sicle, que ftra preso em Rsfia
o tenor Micbot do Iboatrorfrico, pelofscto
de ter ido cantar i em cooeef lo organradr>
ni temoo da coramuna, no pataco das Ta-
Iberias^
No da1 30 de julho concirreo ama
grande moltidao ao palacio pr~>uoi em
'ans, p.ra as.-isfcr i venda da mobilia de
Auber. Ese ao liaba nada lo rica, hi-
vendo com tudo algunas pecas de rala e
-objectos de arte, aigan bastante curiosos,
mas de pouco valor. GorapunUam-se-ex-
clusivamente de estatoefae de bronze co-do-
imitado debrwize.
\ Diz o Jornal1 de GtmetYa qoe, apesav
do*jnrnaes asseverarem qoe o ex-impeTador
NapileSoj e sua fa-milia* continuar^ a residir
em Eoislehorst, esperado > cadaj passo na-
castetlo-de Arneaberg. Alguma dazias.
de operarios em prega vam-se d'a ba- lempos
a tornan m conforta veis os aposentos do
pequeo oastello, na- qual'o ex-imperader
passou Ma parte da sua modfcde.
O.goworao franeei esta organisana
um acaatpamento intrtncbeiradb em Raia-
bouillet. "Pauto este acampamento como
os qup eetem j em.Satory e no bosque
de S. Germano, sertiro pasa as tropas, da
guarnicao de Paris.
0 fgaro dia. ter batido um doello
entre o Sr. Delpecbv,ultimo prefeito das. Boc-
eas do. Rod mo e comraandante de urna bri-
gada ao exercito. garbaldino e ana ioglez
chamado Middletoo. O daello prove o de
diversos artigos escrptos por este ultimo no
jornal a Salvoyao, PubOca de Lylo e que o
Si*. D Ipech coosideroo como om insuito
dirigido ao ejercito de Garibaldi. O in-
g!ez ficou farido.
Os patriarebas marmita e grego e
diversos brpos do Oriente e da Hungra
manifestaran! ao papa a soa adheso ao
dogma da) intalibilidade.
As ultimas cartas de Roma, datadas
de 22 de julho, asseveram que o papa con-
serva urna excedente sauda, apezar das
muitas horas que gasta todos os dias em
receber commisses.
Trata-se seriamente de realisar ama
das obras qae honrarlo o presente scalo,
a qual consiste em ooir as costas de Franca
e de Inglaterra por meio de nm tonel, qae
deve constrair-se pordebaixo do canal da
Mincha. O projecto escolbido o do Sr.
Tbom de Gamond. Os t.-abalhos calcu-
la-so que levarn seis annos, podendo por
tanto inaogurar-se esta obra collossal em
4877.
O director do Museu real de aples
queixava-se ha lempos da desapparicio de
preciosos manasenptos. Afinal descubri-
se o culpado ; era o porteiro do referido
museu, que venda os documentos mais
raros pelo prece -do papel velbo.
N'uma feira qae ha actoalnJente
n'uma das povoacojs da Blgica, est em
exposiclo om anad de 22 annos, da Flan-
dres oriental, que n3o tem mais de 80 cen-
tmetros de altura eque pesa 21 klos.
A adopcSo do systma decimal, pro-
posto na cmara dos commons de Inglaterra
porSmitb, foi regeitado por 88 votos con-
tra 77.
A estaloa de Memliog, qoe deve
ser inaugurada em Borges, estj conclui-
da e ser brevemente transportada para
aquella cidade, operaco qae offerece. bas-
tantes difficuldades e. pergos, porque a es-
tatua que d bro.QZ9, tem cerca "3'elre
Cartas de- Constanttaopla de 26 de
julbo, dizem que, qoereod* o sulio dar ao
gr- viztr o descanso necessario para resla-
bclecer a sua saode, conceder a preroga-
.C.o da liccnc.a qaie este personagera gosa e
que nao Ibe darisuccessor. O impondor
da Alternan ba e o chefe do poder exeeutivo
de Faanca exprimiram ao-.gr3.vizirinle-
resse que- tomoo pelo sea.prompio resla-
belecifiaento.
Coofirma-s* a noticia do govers tor-
co ter mandado 2,0301 tetnens contra os
rebeldes da Albania.
Um.despaobo de Landres desaente o
ooato.que correr de que- o governo- pro
jectava preparar residen :ia para o gpapa ns
ilhas brlaooicav
No dia 5.sahiram de Londres com
destino capital de Franca, o csade e a
condessa de Parr.
Abd-el-Kader, o colebre emrrda Ar-
gelia,. e*creveu< urna esteosa carta ao Sr.
Tbiers, annunciando-lbe que se dirigir bre-
vemente Franca para manifestar pessoal-j chite aguda,
mente a sua adheso ao-governo da republi-i'
ca Iranceza.
O* jern-aes cartrtls io njstcis de
que nodr-28 de julho a duqoeza de Ma-
drid dea luz em Boeaccio uraa menina,
qual fura* pestos oa nomes de Elvira,
ttfenriqueta- mais ootros 28; tekd) sdo
paOrinbos de-b-iptisado oe-coudes-de Gbam-
bwd, representados pelo maro/tes'd'Ta-
taarrt e pela- condessa de- Orgaz;
iz-se queo Sr. RMkozat, aovo mi-
nietro francs-; vai dirigir orna emular di-
plomtica > todos- os represntente da
Fnanea no estrangeiro, ate-de loes dr a
ccabecer a marcha que- lenci >nr segu?.
FaHa-ae em aamerosas awdificaQoes nos
cossotados e na embaixadas.
Uie o CUo&e que
qu brevemente baver
IreTbiers e Biwoaik,
eorre o.boato. de
entrevista en>-
Segaodo efere o 9tHz, altr|bui-e- 3
Poayer-Quertien- a intense de proppr -
conaxnasio de faaenda om imposto sobre
O retratos, vistas e repeodecebes- pboto-
graphicas. A pborograpbi-franceza nma
da mais fioreseentes do nauodo. Danean-
do>se*me urna pequea csatribuicaoH s- os
retraaos em blHtrtes de visita daro-ao Bs-
tad tama recis imprtame'.
O imperador da AKesswba agracien o
famoso correspondente do Timen, Mi W,
ll_ttussel, conk a cruz, de ferro da-Prns-
si*e com a tita.branca,, sendo estas gracas
aioaa.panhadai.de urna carta autorapba do
ioperador. Este diz expressam^nle na
mtsiva, que Ihe d aqpeilas henras- para
toe sigaificar oublicameo** a sua estima pe-
la*- iBteress*ts correspondencias: raanila-
daa por elle ao Times,.
A celebre romancista fraocza^ ci-
nbecida pate. pseudoamno de JV..e Sand
.acbava-se gravimente-infirma dj urna oron-
A msica de Offenbach est muito em
voga em Londres e em toda a Inglaterra.
As snas operetas cantam-se em lodos os
theatros e produzem am vivo entbusiasmo
nos inglezes. *
Noticias de Constaolioopla dizem qae
rebeoUra ama grande revoluco em Scatari
(Albania) e que parece lomar grandes.pro-
porcoes. O governo mandou j para alli
grandes (oreas.
O principe Osear da Suecia, collocoo
em Rolherbithe, a primeira pedra de orna
igreja destinada aos mannueiros suecos, oo-
rueguezes e dinamarquezes que freqaeo
tam o porto de Londres, onde ha sempre
ans i ,000.
Anauncia-se a morte do arcebispo de
Aucl, qae estava ba annos gravemente doeo-
te e qoe por esse mesmo m tivo n3o po-
dra assistir ao ultimo concilio.
O novo embaixador de Franca na
Russia, o general Le Fi, fot recebido pelo
imperador, qae se diz ler feito um gesto
de repugnancia qaando ouvio no discurso
do embaixador a palavra repblica.
Teem chegado Stockport e Man-
chester muitos emigrados francezes que se
dirigem para Liverpool oa se embarcan
para o Novo Mondo. Em um s dia des-
embarcaran 200, e ha alm destes. ans
11,000 que se preparara para atrtvessar o
mar.
Logo que seja fechada a cmara le-i
gslatlva francesa, o sr.- Tniers, chefe dol
A maior paite dos redcttas do
Rappel, actualmente refugiado eos Lon-
dres, trstam de fiundar um novo jornal
sob os. auspicios de Vctor Hugo..
k urnas 80 milhas de- Alhenas, um
vapor grego da manaba mercante! soffreu
om desastre terrivel: a-brindo om mari-
nbeiro urna das escotilbas,. incendipram-se
urnas 70-lbsas de plvora que all h>via,.
produziodo. isto urai sxplos2o que levou
qoas toda a popa, morreado amas 100-
pessoas. Este acooteeimento causou do-
lorosa sensacao ea Atbenas, onde vivera.
muitos pareotes das victimas da catastro-
pbe.
Chegaram a Paris o prncipe te Joan-
vilie, o duque de Penthivre, o uque de
Montpeesier e o duque de Aumale.
O graordaque de Badn tefund
pletamenie o sea exercito com
siano.
o com-
pras-
panba)
Parees que em Variada ( Has
existe urna associaco de moedai ros "falso*-.
D motivo a crr-se n'rto o ter sido preso-
oltimamente em Villena um individuo pro-
cedente daquella cidade, ao qual foram en-
contrados 4,000 reales em moeda de co-
bre toda falsa e oito moedas de 011ro de.
cinco daros tambem falsas.
**v








1
yoda- ^tis
- A primeira opera nova qae se cantar
este anno no grande theatro da Opera de
Paris intttula-se O rei do Thule, msica do
maestro hespanbol D. Eugenio Dias.
Diz se qae o governo francez nlo per-
mitir este anno a caca nos departamentos
occopados pelas tropas allemSes.
Diz o Memorial do Loire que tem
sido tal o calor n'aqaelle departamento,
qae os peix.es chegam a morrer nos rio,
o qae se alo vira desde de 1840.
Ea Tresnes (Blgica) foi atacada1
pelas bexigas ama molher qoe cooli a ba-
gatella de 101 ansaf, Y-Jim caso raro
e que os mdicos oso terlo nanitas 00c
de regrlf ar.
i

nr o'jDiAiuo-iiu" do ruQUE diga xas
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJAS36FZB_XXVL9T INGEST_TIME 2013-09-16T21:07:46Z PACKAGE AA00011611_12471
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES