Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12468


This item is only available as the following downloads:


Full Text
,.
AUNO XLVtl. NUMBC 132.


fA1A A CiPITAl E LGAin OIDS
(Por tne mezes adisnlslo? .
fw ssfedltos dem ....
JPorom naide......
*** Matre va]*)....
80T
TO 5E 1871.
AfiA


1000
*looe
S4JM0
9S0
-
c I .'
-ai
Mitditof ideai*.
Hr m mbo idem .
^ S^l ,11
Propriedade de Manoel Figtttira da Paria & Filhos.
Os Srs. porardo Antonio Alves Filhos. no Para ; Gonfcalve 4 Koto, no Maralo ; Joaqoim Joto do Olirein d- Pho, no Cea* ^tonio do Uemoe Bra* a Ani, ; Jlo Mara Julio Chavea, no Ateo,; Antoaio Marqooa da Suva, no Natal; Jooi Jiafli
Domiagoi Jos dt Costa Braga,
---------- ,----,-----------------------_. .. __ -- -'i-r^ ^wamw uno uuf
Pereira d'AImoida, em Mamangnapo ;Felippe Estrella & C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na tifia Peaha; Belamino do Santos Baldo, ea Santo Aatio;
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Ajraiar, em Gojanna; Francino Tavarea da Costa, em,",
Dr. Jos Martina Aireo, na Babia; e Leite, Serqomho &C no Rio de Janeiro.

PARTE OFFICIAL

,J'^Cio*erno da provincia.
' KPBDIE.NTK BO SIA 10 DE AGOSTO DK 1871.
Actos :
6 vice pre'ideote da provincia, atteodeodo
ao auo eipoz o eogenheiro tiscal da estrada de
ferro do iteeife a Caiaoga em olido de 8 de ja -
Iht fiado, retoive aparo var a planta para a pro-
loagecio da estrada le ferro da estaclo ra do
Sel ate a poite Sote de Seterobro sobre as segoiu-
-tt* eoodijoea.
1\ A. eompaohia olriga s a construir daolro
de praso de desoiio mezes, a daur da apprava-
jao do prcloogameoto estacao terminal da' en-
trada, que ser construida de a vardo com o pla-
co, quefir approvado pelo eogeoheiro*fiscal.
2\ Em toda a extenso do' prolongameoto a
veleeidade do* treas nao exceder de seis kilo
metro* por tura.
O rice-presidente da provincia resoive con-
ceder a Antonio Jos Leal Reis Filho a deinisso
qua solicitou, do lagar de fiel > tbesooreiro do
consulado provincial.Expediram se as oecessa-
rias eemmunkacSes. .
Oficios :
Ae brigadeiro commandante das armas traos-
uiiiiinde-por wpia o uflcio io Dr. ebefe de poli-
ca datado de 7 do correte, e sob u. 1081, alim
de que providencie de modo qu> nao reproda-
zam-se os disturbios promovidos pelas pracas do
9a batalhao de liaba, i que allude o citado of-
ficio.
Ao mesmo declarando em re-posta ao seu
lirio que a presidencia j se dirigi ao Dr. cbe>
-de polica,'para que este loe indique a hora
mais coi'eaieote para levar se a effeiu os exer-
cicjs taffiesaicot^ que leem de fazer os presos
da casa de deteocao.
Ao inspector da tbesouraria de fazenda con-
eedendo a aotorisacio que solicitou, para remet-
ter com destino ao almoxarilado do presidio de
fernaolo de oronha, no vapor da eoupanhia
poroarabucaoa, que vai seguir para all, a quan-
tia de 24:0001, uecessara s despezas do mesmo
aimoxarifado aos mezes de julbo e agosto deste
anne.
Ao da tbesouraria provincial declarando
lie, em vista das informaeSes juntas por copia
do Dr. secretario da presidencia, e do engenhei-
ro ebefe dareparticao das obras publicas, resol-
va quanto a base que leve tomar para o calculo
dos emolumentos, que tem de pagar Antonio da
Costa e S pelo contrato, que allude o sea o-
rle o.
Ao mesmo para que nos termos de saa in-
formarlo, maade adiantar ao delegado do termo
de S. Sent por intermedio do tbesooreiro da re-
particao da polica a quantia de 1-50 000 para a
-ootiauaco das deepezas com o susteato dos pre-
sos pobres da cadeia daquHle termo, devendo o
mesmo delegado prestar coatas opportinamente.
Commuoicou-se ao chele.
Por esta inesoararia maudou-se pagar :
A Thomaz Jo> da S Iva Gusmao a quantia de
.310438G rs. proveniente da lorcelra prettaco
do seu contrato, na qaalidade de arrematante
das obras da p rite sobre o rio Pirapama, no en
genho do mesmo nome.
A Joaquim Borgas Carneiro, colaborador da
commiesao encarregada de por em dia os traba-
dlos atrasados dessa tbesouraria, os vencimentos
que actualmente percebem os 3" eicriplurarios
da mesma.
Ao juiz de direjto da comarca de Garuar
aecusaodo a recepcao dos mappasestatisticos, que
. remettem. sob n# 10, 11, 12, 13, e 16, e recom-
meadando a remessa com brevldade dos que ain
da faltam, assim como dos qao devem ser minis-
trado i pelas autoridades dessa comarca.
Ao commandante do corpo de polica autor-
sando o engajaraento dos paisanos Raphael Ar-
cuanjo do Espirito-Santo e Francisco Pinheiro
Salgado, se forem idneos.
Ao director do arsenal de guerra para man-
dar foraecer por emprestimo ao corpo de polica
200 armas com as competentes bayonetas e ban-
doleira?, at que receba aquella corpo as que
pedio. Communicou-se ao coman adante.
Ao mesmo mandando igualmente forne^er
aquile corpo, m;diante indemnisa?ao, 03 objec-
t>> constantes da inclusa relacao. Fizeraln-3e as
necessarias commuicjni .
Despachos :
Abaixo assignados moradores ra do Mrquez
de Olinda, no bairro do Recite.Informe a c-
mara municipal do Iteeife.
Antonio Jos Leal Res Filbo. Pase portara
coneedendo a demi?sao pedida.
Antonia Maria de Jesns Ferreira. Sabsiste o
despacho de 15 do mez lindo.
Adelaida Graca Vital de Olivera.Informe o
Sr. inspector Anua Bexerra Cavalcante da Silva Costa. A'
vista dt in/ormagao in defer Jo.
Benlo Gonealves. Informe o Sr. regador do
gvmnasio provincial.
' Belarmioo Al ves de Aroxa.lodefrldo. Passe-
a as certidSat. como foi ordenado por despacho
re 8 do correte.
Dr. Bernardo Pereira do Carino Jnior.Infor-
me o Sr. inspector da tbesouraria de (azenda.
francisco Ferreira Borges.Concedo o praso
que reqaer.
Felippe Jos da Exaltado Maniva.Nada cons-
ta do que reqaer o sapplieante, e por isso nao
11" le ser attendido.
Fuldea BrothersInforme o Sr. engenhairo
chafe da reparticao das obras publicas.
John Doaaly.Informe o Sr. inspector da tha-
-jurara de tazenda.
Joao Francisco Paes B?.rreto. Informe o Sr.
commandante do corpo de polica.
Jos Eustaquio da Silva.Informe o Sr. Dr.
eiiefe de polica.
Joaquim Borges Carneiro.A thesoarana pro-
vincial com offlcio desla data.
Joaquim Demetrio de Almeida Cavalcante.In-
forme o Sr. inspector da tbesouraria de fazenda,
ouvodo o administrador do correio-
Dr. Luciano Xavier de lloraos Sarment.Ia-
torme o Sr. coronel commandante superior da
guarda nacional do municipio do Recife.
Manoel Lourengo da Mallos.Informe o Sr. ins-
pector da inesoararia de lazenda.
Maraiaoo Eleuterio d Silva.Nao ha por ora
oecessidade dos servicos do sapplieante, como
consta da informacao.
Pedro Barbosa de Araajo.Informe o Sr. ins-
pector da tbesouraria provincial.
Pedro Gones da Costa. Jante procurarlo.
Thonm Jos da Silva Gusmao.A tbesouraria
provincial com offlcio detta data.
IXPKPIBNTK DO SECRETARIO.
calcios: .
Ao brifadeiro commandante das armas m-
wirando-o Je haver a presidencia, por despa-
cho detta data concedido o praso de lo dias ao
recruia Francisco Ferreira Borges para provar
iseacao. ,
Ao gereate da eompaohia pernimbucana de-
clarando, daordemda presidencia, que pode fa.
zar seguir aera os porlos do norte e sal os va-
pores ParJi&at Gin no dia 14 do correle.
uriDaum do pu 11 D agosto de 1871.
Actos:
O vic* pratident* da provo:ia uundo da
atiriboiclo, que Iba confere o artigo 14 Io da
le de 12 de agotio te 1824, resolve contocar a
assembla provincial legislativa, que tem de fanc-
cionar no biennio de 1872 a 1873, para o da Ia
da marco do anno prximo vindouro, devendo
ter lagar a eleie dos sen respectivo- aenr-
bros no dia 26 de novembro do correte anno,
que designa.
O vicepresidente da provincia attendendo ao
qne requeren Jos Bapiista Pereira, alferes da
' eompaohia do batalhao, n. 36 da guarda na-
cional do municipio do lirejo, e a vista do qne
informoa o respectivo commandante superior em
offlcio de 27 do mez prximo paseado, resoive de
conformidade como artigo 45do decrete 1130
de 12 de marco de 1853, mandar que Ihe seja
dada a guia, de que trata o dito artigo para o de
Liaioeiro, onde tem fixado a soa residencia.
O vice-pre.>idente da provincia, attendendo
ao que requereu o capillo da 2* eompaohia do
iiatalhao o. 40 de iotantaria da guarda nacional
do municipio de Ipojaca, Loureoco Bezerra Al-
ves da Sil.-a, e a vista do que informoa o res-
pectivo commandante superior em offlcio n. 1144
de 10 do correte, resoive que se ftta d a guia
de que trata o artigo 45 do decreto 1130 d i 12 de
marco de 1833, para o de Serlnham, aonde lem
lixado a sua residencia.
O viee-presidento da provincia, attendendo
ao que requereu Elias Francisco Miodello. nNcal
de arraazem da alfaodega de-ta capital, e, teodo
em vista o que este respeito nformaram as es-
lacoes compelenles resoive prorogar provisoria-
mente por tres mezes e sem veocimeoios, nos
termos do ari. 3o do decreto n. 247 de 15 de no-
vembro de 1842, a licenca que Ihe foi concedida
por acto da 21 de abril ultimo, para tratar de
sua sale, a contar do dia em que se fin loa a
me-ma licenca. Expediram se as necessarias
communieacSes.
OfBcios:
Ao brigadeiro commandante das armas, re-
commendaud.) a expediclo de suas ordena, pare
qae em camprimeoto do disposto no aviso do mi-
nisterio da guerra de 31 de julho ultimo, seja ins-
peccionado de sa le o soldado do 4 batalhao de
artilharia a p, Antonio de Araujo Santos, qne se
acha no presidio de Fernando de Noronha.
Ao mesmo, communcaodo que, segundo
consta de aviso do ministerio da guerra, foi appro-
vado o valor de 420 rs. diarios para etape das pra-
cas de pret do exercilo estacionadas nesta provin-
cia no corrale semestre, e bem assim o de 1*000
para a forragem da cvalhada do deposito especial
de iostruccao.Igual communicacao se fez a Ihe-
aouraria de fazenda.
Ao mesmo, para Informar acerca do que
pede no incluso requeriraento o an-pecda do 5
batalhlo de iotantaria do exercilo Jos Laiz do
Nascimeolo.
Ao inspector da Ihesouraria de fazenda, de-
clarando qne de aviso do ministerio do impe-
rio de 3 do correle consta terem sido appro
vadas as ajudas de casto que na importancia de
4:K06J000 foram abonadas aos deputados por ea
provincia Bario de Arac,agy, coneg) Joaquim Pinto
de Campos, desembargador Alvaro Barbalho
Ucbda Cavalcante, Fraoisco do Reg Barros Bar-
reto, Joaqnim Juveocio Ferreira de Aguiar, Ma-
noel Clementioo Carneiro da Cunha, major Fran
cisco Raphael da Mello Reg e desembargador
Francisco de Assis Pereira Rocha, sendo esto pela
provincia da Parahyba.
Ao mesmo, tiaosmittindo para 03 devidos
flos, os ttulos dos padres Joao Jos do Espirito
Santo e Antonio Alves de Carvallo, e os dos agen
tes dos correios do Cabo e Barreiros. Jos Paulo
do Reg Barreto Filho e Manoel Jos da Silva Oii-
veira.
Ao mesmo, enviando para os fina convenien-
tes oito ordens, sendo seis do thesouro nacional
sob ns. 138 a 113 e duas do ministerio da guerra
datadas de 3 do corrente, bem como ura offlcio
da reparticao fiscal annexa a secretariado referido
ministerio, tambem datada de 3 do correle.
Por essa Ihesouraria mandou-se pagar:
A Jerjnimo-Pereira Maras, ou Evaristo Men
des da Cunha Azevedo, a importancia dos venci-
mentos relativos ao mez de julho ultimo do offlcial
e pracas da guarda nacional destacados na villa
do Brejo.-Conraunijou-se ao respectivo comman
danle superior.
Ao gerente da companhia pfrnambucana, a
quantia de 11:166*666, proveniente da subvencao,
relativa ao mez de julho ultimo, com que o gover-
no auxilia mentalmente aquella companhi.
A pessoa que se mostrar autori-ada os venci-
mentos correspondentes ao mez de junho ultimo,
dos cornetas, clarins e tambores empregados nos
corpas da guarda nacional deste municipioCom-
municou-se ao commandante >upenor.
Ao in'pector d the oararia provincial para
que considere posta a disposicao do ministerio
da agricultura a quanlia votada pelo art. 5 4'
da lei n. 994 deste anno, para auxiliar a lioha te-
legraphica do norte, como requisita aquelle miis-
terio em aviso do 1 do corrente mez.
Ao mesmo, mandando pagar ao capito Jos
Firmo Pereira do Lago a quantia de 354*900,
despendida durante os mezes de abril a junbo
deste anoo, com o sustento dos prezos pobres da
cadeia do termo de' Ouricarv. Jommunisou-se ao
Dr. ebefe de polica.
Ao commandante superior da guarda nacio-
oal do municipio do Recife, recommeodaodo a ex-
pediclo de suas orden?, para qae o i" batalhao
de infantaria, ou oatro sob sea coramando, se
aprsente as 8 horas da manhaa do dia 14 do cor
rente, em frente da igreja de Nossa Seobora do
Carmo, para fazer as honras fnebres por occasio
do funeral, qoe ao lente coronel Jos Francisco
Pires tem de fizer a oficialidade do mencionado
batalhao.Offlcioa-sc ao director do arsenal de
guerra para foraecer o cartuxame oecessario para
as descargas.
Ao Dr. ehefe de polica approvando a deli-
beracio qae lomoa o delegado do termo d'Agoa-
Prea, de fazer transferir para esta cap'tal os pre-
sos existentes na respectiva cadeia, e reforcar o
destacamento all existente com pracas da guarda
nacional, e declarando haver recommendado ao
commandante do eorpo de polica qae faga tpre-
seotar Ihe um oficial e dez pragas para segurem
em diligencia aquelle termo, bem como um sar-
gento e igual numero de pracas, afim de destaca-
ren] em Cimbres. Fez-se o necessario expediente
nesse sentido.
Ao juiz de direito da comarca de Ilamb,
recommendando toda urgencia ni remessa dos
inappas parciaes. que devem ser ministrado! per
esse julio e pelas autoridades dessa comarca.
lguaes, mutatts mutandis, aos de Flores e
Olinda.
Ao inspector do arsenal de marinha, para
3ue de conformidade com o aviso do ministerio
a marinha de 3 da corrente, seja remedido para
a Parahyba o pharol, que se acha nesse arsenal,
com desuno barra do porto do Cabedllo naquel-
la provincia.
Ao engenheiro encarregdo das obras mili-
tares irausraiitindo para a devida execucao, copia
do aviso de 2 do corrente, em qae o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra autorisou os concertos necessa-
rios ao quartel do 2 batalhao de infantaria na
fortaleza das Cinco ponas.Expediram-se as ne-
cesaria eommunicaedes.
Ao director do arsenal de guerra, declaranv
do que pliapoder curaprir o disposto no aviso do
miobiero la guerra de 3 do corrente, toroa-se
necejstrto qae informe se laslaarou-se o compe-
tente Mocesso de averigaaei) sobre o facto qae
se airffcte ao ajodaote dessa directora.
chofera reparticao das ebras publicas.
determinando que responda com brevidad ao o'
ffcio da presidencia de 6 de junho ultima, aceroaf
da Ma de pagamento de impostos eeraes e pro-
vietas se anda nao satitea a emprea da il!u-
miocao a gaz da cidade de Olinda, afim de ser
lavrado o termo de contrato de transferencia de
tal emprea.
Ao engenheiro eacarregado das obrts gefaes
solicitando a remessa de coplas de todos os con-
trato;, celebrados para a construecio de obras a
ihesouraria de fazenda, que as requi-l.ou.
Ao eogenheiro fiscal da compaobia Peroai-
buco Street Railway, para informar se essa com-
panhi est assentando triibos no esparo destinado
no largo das Ciaco Ponas a um jardim publico,
fazendo logo sobr'estar na continuadlo das obras
qoe estiverem o'aquellas coodiedes, ou reraove-
las.
Ao meaoio vertficaedo, em vista do art. 1*
da lei o. 931 de 21 de abril de corrate anno,"do
(er mo lavrado a 28 d'aquella mez, modificativo do
emirato celebrado em 29 de marca do auno pas-
sado, e do acto, que na data do referido termo foi
expedido por esta presidencia, qua se a eompa-
ohia Peroambuco Street Railway teve permisaao
para assentar liaba dnpla nos lugares do seo ti'ec^o,
todava a mesma permissao est sujeita a oondica
de haver eepaco suficiente entre oe passetos, sem
prejuizo para o transito publici, o que anda mais
claro se torna em face do art. 8* 1* do regula-
meoto exped Jo em data dos preditos termo e acto,
e eoteodeodo que se a collocacao de linha dupla
na ponte Selc~de Suembro pode nao trazar difflcul-
dades pira o traosito de carros e mais vehculos,
como pondera Vmc. em sea offloio di I* do coa-
reate, nio poder! dsixar de erubaracar o transito
de ammaes carrejados, que em numen muito
crescido traospdem dita ponte, mxime dorante os
mezes da safra di assucar, lia, ete., tenho resol-
vido que se nio enlloque linhi dupla na mesma
ponte : o qae commonlco a Vmc. para seu eonbe-
cimeoto e devidos fias.
Ao juiz municipal do termo de Garaohuns e
Bora Conselho, para jue informe sobre o que no
incluso requeriraeolo solicita Torauato de Soaza
Ramalho.
Ao subdelegado do dstricto des Montes, di-
zendo que pode autorisar o pharmaceuUco Joa-
quim Augusto Xavier da Mala a vaecinar naquel-
le dstricto como solicitou.
Ao mesmo coneedendo a aulorisacao qae so-
licitou, para mandar foraecer aos indigentes dease
povoado, qoe. forem atacados da varila, as dietas
necessarias ao sea tratameato. Comnanicoa-se a
ihesouraria de fazenda.
# Portaras :
Ao gerente da eompanoia Peroambucaaa,
mandando dar tres paasagens d'esiado al o Rio
Grande do Norte, sendo nma a r e duas a proa do
vapor qae vai para all seguir, ao Dr. Paalo Mar-
tina de Almeida, ebefe de polica daqoella provin-
cia.
Ao mesmo para mandar por a dsposicao do
Exm. presidente oomeado para a provincia do Rio
Grande do Norte, Dr. Dellino Augusto Caraleanli
de Albnqnerque, cinco passagens d'estado r e
oito a proa, do vapor que tem de seguir para
all.
Despachos:
Antonio da Costa e S.Como reqaer.
Antonio Jos Pereira do Lago.Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Bario da Soledade. Informe o Sr. inspector da
tbesouraria de fazenda.
Joio Monteiro de Carvalho.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda naeionel do muni-
cipio da capital.
Maria Coelbo da Silva e Lisbella de Albuquer-
qse Mello.Informe o Sr. director interino da ins-
trcelo publica.
Manoel Gregorio Vieira LimaNio tem lugar
o que requer
Maria Francisca.Informe o Sr. inspector do
arsenal de marinha.
Mana Carolina Pereira de Carvalho Prove a
supplicante ter arrematado a casa a que allude, e
por quanto, que ser atteodda.
Pedro do Reg Chaves.Recorra o supplicante
ao poder competente.
Antonio Francisco da Hora.Indeferido.
Companhi Pernambucana.A tbesouraria de
fazenda com offlcio desta data.
Francisco Alves de Moraes Pires Janior.Infor-
me o Sr. provedor interino da Santa Gasa de Mi-
sericordia.
Tenenie Henriqae Cecilio Barreto de Almeida.
Hequeira o sapplieante em occasiSo opportuna.
Bacharel Joao Lins Cavalcante de Albuquerque.
Junte certificado.
Jacquelina Carneiro de Albuquerque Lacerda.
Remetiido ao Sr. directpr da iostruccao publica
para nos termos de sua informacao de 9 do cor-
reate sob n. 287 atteuder sapplieante.
Jos Velloso da Silveira.Requeira pelos canaes
competentes.
Leopoldo Alfonso Ferreira.Passe portara con-
eedendo a licenca requerida.
Coinutuilo superior.
QUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECD7E, 23 DE
AGOSTO DE 1871.
Ordem do da n. 29.
Para os devidos fias, manda o Ulna. Sr. coronel
commandante superior pablicar o seguinte :
i.* que por portara de 12,17 e 18 do correle
mez, foram transferidos pelo Exm. Sr. vicepresi-
dente da provincia para o servico d reserva, os
Srs. capilaes, Chrlstovo Santiago de Oliveira, do
4* batalhlo de lofaoiaria, e Hermino Ferreira da
Silva do i-, o lente Francisco Geraldo da Silva
Barroso, tambem do Io, e o alferes do 8, Joa-
quim Jos Baplista, flcaodo aggregado o 1* e 4*
ao 3' batalbao, o 2 ao 2, e o 3* ao do servico
da reserva.
2* finalmente, que o mesmo Exm. Sr., por outra
portara de 17, conceden ao Sr. alteres de 4* ba-
talhlo de infantaria, Ar-elino los d'Almeida Per-
nambuco a demisso que pedio do dito posto.
Rodolpho Joio Barata i Almeida,
Coronel ebefe interino do estado-maior.
FERNAHBGO.
nao era pos si ve I corrigir-se o arropara fa-
0 a restiiuicao, porque neobanv dos referidos
va a quaatidade dan formas de-qoe ae traa,
cms mas tornete a quantidade do* amarra
P**) i 'tal deilas ; e tetada a mercadoria saludo
faudeg nia era mais possivel proceder-se
"tem pejj UQdade da tarifak cooforme o
art 606 dt regnlarBeato.
Consdirand que o recarso para' a dita ih-e
soorana foi interposto em 10 de afcril nhimo e deci
-1*71, no doroici-
do exercicio flnaoceiro de 1870
lio dos devedorea.
INSTmmABJItt^RICO
Reune-se hoja, TIf>horas do dia, no lugar do cos-
tume.
da Piedade, Pedro Alexaodrino Rodrigues Lias
D. Rosa da Cuaba F eilts; e leva aln-se a asato
Eu Loureoco Bexerra Caraeiro da Cunba, secie
lario snbserev.
Ignacio Joaquim de Souza ledo, pro-presiden-
CIDADE DE GOAY'ANNA.- Recebemos hontemi'- Angelo Henriquet da Silva.Di. Silvio Tai-
21 de Miembro de
aleada della a.
seu cargo, afim de serem enviadas ao inspector da> 4ida eaa 19 lo mesmo me, qoaodo j estava em
diacoeio o drelo n. 4044 de "
8i?A 12- 3-' q8 lewa
1:000*000.
* Molveu cao lomar coohecimealo do recurso
mandar advenir os conferenles que deram sabi-
da* mereadoria, por ao terem notado saliente
fregilaridade dts competeotes despachos.
< A' ihesonrarii de Peroambaco se- eommuoiea
qae, tendo sido presente to tribunal do thesooro
o recurso interposto por D. Celeciaa Maria de Sr-
qoei/a Vareji, da tecisio da dita tbesouraria nde-
lariado o reqaerlraeuto em que ella, pedir ser
santa do pagamente do imposto pessoal lancado
sobre o aluguel da caa onde s- acha estaoelecida
a escala publica de qee professora ; e o mesmo
tribunal :
Consideraado qae, conforme \i foi dicidido
por despacho de 7 de j ilho de 1870, os profeso-
res pblicos estio sujetos, em virtude do art: 5/
as. 3 e 3J do reglameos annexo ao decreto n.
4051 de 28 de dezembrode 867, ae pagamento
do imposto de que se traa, smenje sobre o alu-
guel da parte qne Ibes Serve de Inbilitaci > na
casa em que funcefotum as respectivas aulas,
se, deduzida do aluguel tot\ della a somraa abo-
nada pelos eofrs pblicos, a q lanti i restaote (Sr
igual ou maior do qua o quantum marcado para
o pagamento do imposto : '
< Considerando que, estando alagada por...
28*000 mansaes a casa onde te acha estabelecida
a escala publica de instruecio primaria da povoa-
cao dt Apipuco?, da quai professora a recorren-
te, a recebando esta dos cofres provinciaes a quan-
lia de 240* para aluguel da mesma casa, contri-
ba de seu bolso sement com 40*, que vm a Mr
o 'Olor locativo Ja parle qae Ih serve -de habita-
cao quantia inferior ao mnimo Diarcado no art
4 g 4.* do citado regulameoto.
Considerando finalmente qoe, oa forma do arl
30, | 1., n. 2 do mesmo regubmento, as pessoas
qae sem fundamento forem colectadas para pagar
o imposto pessoal, poderlo recorrer fra do praso
marcado para os casos ordinarios. ,
< Rasolaeu dar pro vi ment ao recurso mandan-
'minar a recorrente do lancamanto do mea -
Imposto.
FBJSOP. PUBLICO.- Per portarla da ora-
da provincia, de 22 do carrete, (o no-
eio Francisco da Cosa para regar n-
t cadeira de instruccao primaria de
Padrr'rapa'la. aa itaaiui t> Umoairo.
^MwblRMay POLIGTAIS. Por porlarias da
presidencia da provincia, de 21 do corrate, fo-
ram comeados :
Subdelegado da froguezia de Santo Antonio, Dr.
Jos Augusto Ferreira da Costa.
Subdelegado da freguezia do Poco da Panella'
Francisco Jos Vianna.
Supplenles do subdelegado da Boa-Viagem.
Dr. Miguel Joaqnim de Castro Mascarenhas, Ma-
noel Jos de Oliveira Lima, Joio Cancio Firmino
Monteiro, Joio Nepomoceno Accioli e Felippe San-
tiago.
2. a 6.* supplenles do subdelegado da freguezia
de Gamelleira.Tbomaz More ira de Carvalho, Ao-
ionio Tavares Rodrigues Lima, Francisco Antonio
de Meira Lima, Antonio Ribeiro de Carvalho, e
Misael da Rocha Carvalho.
GUARDA NACIONAL. Por portara da presi-
dencia da provincia, de 21 do corrente, mandou-
se dar guia de passagem para o municipio do
Recife ao capillo da 4' eompaohia do 43." bata-
lhlo de infantaria, do municipio de Serinhiem,
Andr CoMeiro Coelho Cintra
QUESTO DE ENVEN'EXAMENTO. Por am
dos ltimos vapores vindos da Europa, foram re-
manidos presidencia da provincia, pelo minis-
tr brasileiro em Paris, o exame medico-legal
procedido nessa cidade as visceras do teoente-
coronel Joio de S Albuquerque pelos destioctos
mdicos fraocezes Dr?. Ambrozio Tardiea e Frao-
cisco Zacaras Reassio, este pharmaceulico ma-
jor .de 1' classe e professor dechiraica e toxiclo-
gia da escola do Val de Grace, e aquelle professor
de medicina legal da Faculdade de Paris, o qual
concle assim :
< Dos exames dos documentos mdicos qua nos
foram iraosmittidos, e dos resultados das numero-
sas analyses cbimicas por nos feitas no correr
deste exame, concluimos, par nossa honra e em
nossa conscencia que :
1. Os orgaos, extrahdos do cadver do teen-
te-coronel Joao de S e Albuquerque, nio conlm
vestigio alguna de envenenamento orgnico ;
2.a A nica substancia anormal, revelada pala
analyse, foi urna pequea porcio de antimonio,
especialmente accumulada no ligado ;
3* Aorigem deste compo t> antimonial nos pare-
ce pouco duvidosa. Temos com effeito fundamen-
to para crer que essa substancia nio fra ingerida
seno sdb urna de suas numerosas formas medi-
camentosas, e qae a pequea porcio achada nos
orgaos nao envolve em grao algam saspeita de
envenenamento;
4.* O tenenle-coronel Albuquerque nos parece
em resumo ter snecumbido aos golpes de urna
affeccao chronica, que esteve por routo lempo
latente e insidiosa, mas caja lerminacao funesta
nio apreseotoa nada anormal, qoe podesse cau-
sar sorpreza. Paris, 6 de julho de 1871. X.
Roustin.-A. Tardaie.t
MORTE CASUALA'sfl horas da tarde de 22
do correte fallecen, o'um dos ranchos da estrada
Nova do Caehioga, Jos de Soaza Dorio, victima
de ama congestio cerebral.
JUP.Y DO RKCIFE. Foi bontem, submettido
julgamento o reo Severino Alves dos Santos, pro-
nunciada no artigo 205 do cdigo criminal, que
foi condemoado no grao medio do mesmo artigo.
SOCIBDADE EMANCIPADORA. Funcckmou
hontem esta sociedade as 7 horas da noite.
Foraaa nomaados duas commitsdes : nma para
preparar a cata, a seatao solemne aniversaria,
oonpoeta dos Srs. Luiz de Moraes Gomes Ferrei-
ra, Laiz Gonealves da Silva e Dr. Manoel de Fi
Ceira Paria ; ontra para convidar as antorida-
i io pala, composta dos Srt. Dr. Symphronio
Coctobo, Dr. Gameto CampeHo e H. H. Saift.
Esses senhores e mais aquellos dos directores
oe te qolzeram prestar, competi a oommissao
e recepcio de enboras a cavalleiros.
VACOuNA.-Hotoe amaaha (ti t 25 o cor-
rente) o Sr. Dr. Pedro de Amayde Lobo Mostoso,
applioari excellante paz vaccinieo am todas as
pessoas qoe te qvizeram vaecinar e' forem casa
de toa residencia, ra do Vlsooartt de Albnqaar-
rwa, palu S horas-da urde. Cada petsoa qae te
vaecinar pagar 14000 am bataoflcio da coostrue
alo io jardim da raca do Conde d'Ea.
NOVO ATHESIO. Ho^ ha ssssio extraordi-
naria d'essa sociedade s W berat da manhaa.
TRILHOS URBANOS 00 RECIPE A OLINDA.-
Peta direcloria -da estrada de farro do Recite
Olinda sio chimases rao praso de 8 dias, colar
de 25 ao correaste, os.Srs. aeciotnttta para reata-
rem a 1' presiacie. Se iom acc5ee da tagunda
?iiaeoarazao.dalOOfO.
IMPOSTO 3S0AL.-A reeebedoria da ren-
dn geraejvi^retouarreeadaro imposto pessoal,
jornaes desta cidade at 19 do corrente, e deltes
extrabimos o segainte :
O Sr. Candido Moreira da Costa, eommer-
ciante estabelecido ra do Meio desta cidade, es-
pontneamente den caria de liberdade urna soa
escrava por nome Valentina, de 30 aooos de ida-
de. >
No Instillo Histrico foi liJa pelo respectivo
orador urna niograpbia histrica e evitica do il
lustre potygoar D Antonio Felippe Carnario, na
qual se demonstra cora a possivel evidencia dos
factos historeos e da tradicao, que esse heroico
persooagem histrico Descera no lugar Tts La-
deiras, as cabeeeiras do Ub, provavelmente no
anno de 1592, e que fra baplisado e edaoado pe-
los misionarios franciscanos na aldeia de S. Mi-
guel do Sery, hoje perieocenie freguezia de S.
Loureoco de Tejucupapo.
O autor d'esse irabalho biographico, eacos-
uodo-se e adoptando a opiniio respecliva do Sr.
commendador Antonio Joaquim de Mello, mostra
a improcedencia das opinies dos Srs Alencar e
Dr. Tbeberg, que dio Carnario natural, do Cea-
ra, e a do Sr. Varnbagen, que ltimamente o deu
por natural do Rio Grande do Norte.
PALLECIMENTO. De Petrolloa comarca da
Boa-Vista) nos commuoicam, que oo dia 10 de
julho passado, falleceu alK Dionisio Rodrigues Coe-
lho de Aqaioo, deixaodo oa pobreza ama inconso-
lavel vuva e cinco filbinhos, dos quaes o mais ve-
Iho eonia apenas 10 annos.
O fallecido era membro do partido conservador,
exercia o cargo de subdelegado, e o de juiz de paz
do primeiro dstricto d'aquella villa.
NOVENAComeca hoje a tarde a novena de
Nossa Senhora da Peaha, no convenio dos religio-
sos capnchinhos.
LOTERA.A qoe se acha venda a 205a a
banefiein da nova igreja de Nossa Seobora da Pe-
cha, a qual corre no dia 29.
LElLAO Hoje elfectua o ageole Marlios o da
importantes joias, como sejam, brilhantas, relogios
de ouro, traucelln, correntas, pedras preciosas
mullos outroa objeetos de ouro e prata; na travs-
sa das cruzas n. 2 primeiro andar.
LEILO. Hoje faz o agente Pestaa am ex-
pleaddo leilio de diversas mobilias, ouro, prata,
brilhantas, quadros, vidros, cbrystaea, tongas ele:
do armazem da ra do Vigario n. 7.
CEMITERIO PUBLICO.Obituario do dia 22 de
agosto da 1871.
Joio, braoeo, Peroambaco, 19 dias, Recife ; be-
xigas.
Clemencia Mana da Gonce i :1o, preta, Peroam-
buco, 7T*tBW,"rl1ra, Sanio Antonio; apopfexia
cerebral.
Manoel, escravo, preto, Peroambaco, 33 annos,
solleiro, Santo Antonio; bexigas.
Joao GomesTerreira, pardo, Peroambaco, 40 ao-
oos, casado, S. Jos ; epilepsia.
Joio Luiz de Barros, pardo, Pera am buco, 16
aooos, solleiro, Boavista, Hospital Pedro II; tu-
brculos palmooares.
Minio Villas-Bou*.-ht Mario-Freir Garntro
Dr. Pedro de Athayde Lobo Motcto.
REVISTA DIARIA.
MINISTERIO DA FAZE.NBA.-Stn 10 e 13 de
julho ultimo foram expedidos os segaiolet avaos :
t A' ihesouraria de Peroambaco se commuaica
que teodo sido prosete ao tribunal do thesouro o
recurso interposto por Samuel P. Johnston & C,
da decisio da dita Ihesouraria que nsgou Ihes
restiiuicio da quanlia que de mais pagaram em
24 de Janeiro, 8 de agosto e 10 de ootuhro do anno
passado por tres despachos de formas de ferro
para purgar assucar, em conseqaencU de te ter
cobrado 50 rs. por kilogramma em lugar da laxa
de 50 rs. por forma, mareadas ao arl. 1112 da ta-
rifa ; e o tupradto tribunal.
t Considerando qne a reclamacio foi inteotada
na alfaodega em marco do correte aono ,isto ,
14 mezes depois do primeiro despacho, 7 do te-.
gando e 5 do tercelr, qaando j estava prtacriplo,
o direito de reeurso, na forma do art. 77lf do raga-'
lamento 4 19 de tetembro de 1860, e que ajada
quando hq uvesse corrido s prescd^o dos do^s
CMARA MUNICIPAL.
6.a SESSAO ORDINARIA EM 16 DE AGOSTO DE
DE 1871.
PRESIDENCIA DO SR. DR. BENTO COSTA.
Presentes os Srs. Henriques da Silva, Dr. Pi-
tanga, Gameiro, Dr. Moscoso, abri-se a sessao e
foi lida e approvada a acta da antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
Un offl:io do Exm. vice-presidente da provin-
cia, autonsando a cmara municipal a despender
al a quantia de 400*000, para occorrer as des
pezas de cerailerios, pela verba eventuaes.Ao
procurador.
Oatro do secretario da presidencia, remeneado
por copia a portara pela qual foi approvada a
planta para o prolongronlo da estrada de ferro
do Recifa a Caxaog da estacio da ra do Sol at
a pite Seto de Setembro.Inteirada.
Oulro do tbesooreiro da reparticao das obras
publicas, remetteodo o-balaocete das despezas fei-
tas com o desentulhamenio e mais reparos oa casa
incendiada da ra do Mar juez de Olioda. A'
commissio de polica.
Urna representacio dos moradores na ra do
Mrquez de Olinda, com despacho do Exm. vice-
presidente da provincia, maodaodo a cmara in-
formar.Ao eogenheiro com urgencia.
Um parecer de engenheiro cordeador, favoravel
ao requerimento de Helena de Lana Feitosa.Con-
ceden-se.
Oulro do mesmo, favoravel ao requerimento
de Jos Clemenlino Henriques da Silva. Conce-
deu-se.
Oulro do mesmo, favoravel ao requerimento do
Bario do Livramento.Mandou-se cordear.
Oulro do mesmo, favoravel ao requerimento de
Francisco Jos Leite.Concedeu-se de conformi-
dade com o parecer.
Oatro da mesmo, contra o requerimento de An-
tonio Pires Soares.Indeferio-se.
Oatro do mesmo, favoravel ao requerimento de
Jos Nicolao Ferreira.Cooeedeu-se de coofor-
midade com o parecer.
Oatro do mesmo, sobre o reqaerimeoto de Aoto-
aio loooceaco Ferreira da Silva.Concedeo-se.
Oolro do mesmo, sobre o requerimento de Fran-
cisco Carneiro Mooteiro. Maodou-se juntar ti-
tulo. ,
Um offl:io do fiscal da freguezia de S. Fre Pe-
dro Gonealves, remetiendo um termo de inraccao,
commettida por Jos Francisco de Souza Lima,
Ao procarador.
Oolro do fiscal da freguezia de Saoto Antonio,
informando a palelo de Custodio Pinto. Intei-
rada.
Oatro do fiscal da freguezia de Jaboalio, infor-
mando sobre o oficio do delegado da mesma fre-
guezia.Que se remellam as posturas a que se
refere o delegado ao fiscal para seo ioteiro e ca-
bal conhecimoato, e qae se responda ao dale-
gado.
Um parecer da commissio de edificarlo, sobre
a representacio dos moradores a roa do Marques
de Olinda.Approvalo, e se oficie ao presidente.
Oatro da commissio de polica, adiando confor-
me o baancete do mez de julho prximo ndo, fi-
cande o saldo da quantia de 35:321*j2S, que pas-
ta para o corrente met de agosto.Approvado.
Oulro da commissio do matadouro, relativo a
ordem qae dea o Exm vice-preidete da provd-
eia de te retirar o guarda do eorpo de polica qoe
estava oo matadouro.Approvado, e que se oficie
oeste sentido.
Despacha rara-se as pelicfos de Antonio Pires
Soares. Antonio Innocencia Ferreira da Silva, Aa-
looio. Manoel do Sacramento, Antonio Crrela, Ben-
lo Jos Beraardes, Bartolillo Crrela de Amonm,
PUBLICACOES A PEDIDO.
Q estado da hUtorla un versal e
o boto methexlo *h*
n
A maueira comprehensiva, aentivel e fcil, que
aprsenla o melbodo do Sr. Z-aba, fiea reconheci
do desde que se prestar a alinelo formacio da
seo mappa.
O mappa que elle oos d a ver eomprebende to
da a historia universal, dividida em qnadrados.
que represen am cada um eem annos, aehaodote
subdvivididos em cem pequeaos qoaradados ou
casas que representara cada unta, um anno. Cada
anoo est dividido em nova compartmentot, qua
por meio de symbolos representa am faeto, qne
qualilkado segundo o compartimento em qae se
acha.
Vejamos : assim se seachar o primeiro compar-
timento da decima casa com um symbolo, que a
preenche, o nosso espirito reconbece logo que
urna guerra quo est all representada ; se o sym-
bolo em vez de occapar a casa ou compartimen-
to todo, so orenpa metade, o noseo espirito v urna
batalha celebre ; se em logar de acbar-se esses
doas symbolos, eslirer um oulro da forma de nm
X urna guerra civil.
Se esses symbolos aeaam-se oio no primeiro
compartimento, mas no leteeiro, o primeiro sym-
bolo cheio significa calamidade, peste, fogo, per
seguielo ; meio cheio significa ruinas causada*
por terremotos; se em forma de X, ruinas cau-
sadas pela guerra.
Se estes meemos symbolos acham-se no satimo
compartimento : o primeiro symbalo, isio o
cheio, qoer diter reaoiio de am parlamento, con-
cilio, congresso, ele, ; se -meio cheio. a publi-
carlo de orna lei, e se em forma de X a publica-
cao de um livro.
Do qae fiea dito se v de quio graods nteres o
o syttema inventado : sendo qae por moio des-
ses meamos sigoaes, represeata-se alm do qua
mostramos cima aioda; conquistas, acquisic"
por tratado ou casamento, colonias ; borneas emi
nenies, mulheres, nascimento e morle ; descober-
tas geographijas, scieotificas, lodnsiriaes ; paz,
tratados em tempo de paz, alliaoca ; revolocio,
msurreiclo, c.nspiraclo ; soberanos, divisio do
poder supremo ; conforme o compartimento em
que te acha collocado o signa! on symbolo.
As odres representara os diversos paites : assim
a cor preta representa o Imperio romano, a azoi
a igreja e a encarnada a Inglaterra.
Assim se se olbar para uafX, cor preta, oo
quarto compartimento na decima casa comprebeo-
de-se logo que a morle de om bomem Ilustre
romano no dcimo anno; se a cor encarnada
a merte de nm horoem iliuslre da Gria Breanba ;
se azul da igreja.
Deste simples eouaciado oa rpido esbozo, v-se
qae o mappa histrico aprsenla mais de om io
leresse.
A primeira vista e sem urna reflexio, somos le-
vados a julgar da utilidade do mappa soment ,
quanto a prestar um auxilio a Indiligencia, dan-
do nos as dalas; mas como disse em soa coate -
rencia o Sr. coode Zaba : ha lira erro attribuo -
do-lhe esse nico resultado, porqaaoto alm disso
elle eosioa a pensar.
O que significa data sem um facto ou urna idea
correlativa, o que significa a simples computadlo
do tempo, sem aconlecimento memoravel que il-
lustrasse esse mesmo lempo ?
Certamente que nada adiantaria; mas no map-
pa histrico do Sr. conde Zaba, ha alm da chropu-
logia, am dos fias oa interesses, mais, dous, e lio :
a significarlo, segundo o symbolo do acontec-
menta de que se traa, se ama guerra geral,
urna batalha celebre, urna guerra civil, urna con-
quista, etc., etc.; e o leiceiro interess ou vanta-
gem indicar oos por raaio da cor o acootecimeo-
(o a que naci se refere.
O que nos resta depois, disto com o mappa ante
os olbos, senio dar o nome ao aconlecimento t
Dir > talvez, que a maior dificuldade oao esa
remolida, visto faltaro esseociil que o mmc
ou a localidade do faci, oo que muito concorda-
mos ; mas o que nio se poder contestar, qao o
estado da historia acha-se mulo simplificado, por-
quanto tres elementos achara se collocados ame a
vista e a intelgencia daquelle que estuda, sem
cancar a memoria nem enfastiar o gosio.
Se alguns esperavam ussa idea- mais avantaji-
da ou se jjresupuobam um resultado mais elevado
do que o que viram, esperavam eolio o --'.:
completo, a historia ensioadi, o quadro da huma-
oidade descripto e desenvolvido e especificad o
o'om quadrado o qae humanamente impossivet.
Qae o estudo da historia acha-se smplificadr.
tem um embaraco de menos a vencer-se, uro pro
veito immediato a auferir-se, reconhece aquelle qu
tendo aps moitos esforcos,muito trabalhn de in.e'
ligeocia e de paciencia, recoobecido que toda a
sua forga de vonlade e esforgo levado de venci-
da pe* immensa dducaldade de que ha a supe-
rar, oa qae niagaem poder superar qual seja o
conheciment da historia universal, v o eaminha
mais breve.
Mas com toda a conscencia responda-sc livre e
todos os prejaizos, alo ser muito mais fcil, ani-
o e mesmo seosivel, at coostituiodo um j- g o
estudo da historia por meio de mappas, como ca
geographia, do que por um esforz da iotelligen -
ola e da memoria sobre o mesmo estudo c:rr.o
nos aprsenla tolos os compendios que se ma-
ooseam ?
Nio se pode dizer qae de qaatro diffl:nl-ad
que dos antolha o estado da historia tres esta
removidas t
Temos por meio do mappa, removido a espec:.-.
(guerra, batalha, conquista, morte, etc.) urna van
ttgem ; temos alcancado qual a naci que nos ef-
lorece o faeto que vemos, ontra vantagem, e temos
mais a dala do facto, o aono, outra vantagem, fal
lando-nos somente determinar oominalmeote o fa*.-.
to pela localidade, qaando btulba ou pelo sea
nome proprin quando sa trata de homens.
De lodo isto que diasemos concluimos que de
grande utilidade o systema a segair-se do me-
lbodo Zaba.
Mas concordemos mesmo que, o melbodo so n -
aprsenla urna vantagem, e a da ehroaologia.
como pensaram muilos ; eotretaoto nio 4 d son.-
mo alcance esse beneficio em prol de nossa me-
moria, nio am incentivo em favor do mesmo es-
tada esse embaraco desapparecido, nao 4 um ca-
minho vencido e a senda mal bem preparada -
livres desses lerriveis espinaos de tonos qae nes
confunda accuraulando as datas sobre data e fi-
Barlo da Livrarae'ato, Custodio de Pialo Porto, C*- zeodo a todo o momento, quaado nio esqnecir
listo Joio da Paz, Coriolano Velloso da Silveirt, completamente ao quati troeaf continuamenie a >
Domingos Jis da Cunba, Elias Baptlsta da Silva, dalas e errar ;e a todo o momento em chroooio
Francisco Carneiro Monteiro, Francisco Antonio de gia T
Albuquerque Mello, Fernando Jos Correia, Gui- E' esta sem duvida a parte mais inda, difficii
Ihermiao Jos de Santa Anua, Helena de Seona que nos aprsenla a histeria a ella ahi -Seeappa -
Frailas, Jos Jlo de Amorim, Luiz Bernardo Cu> rece, vencendo todas ai al maldad la -
tello Braoeo, Manoel Gonealves Gatmaraet, Mel
chitdes Miguel dot Santos, Miguel dos Santos Coa.
ta Jnior, Manoel Antonio de lesas, Manoel Fra.
Oiseq Das, Manoel Jos de Mallos, Pulcher-ia Mara
tde





.Ifft 30 &V
_ AJ byllm do cabo

Diarto da !*rnamt>bc*
3:
1 U>DC
tjtjf Canelos
LA TAI MOTE.
(LOZA.
Horren coi* a tur ntuna.
' v4RBMm ver neus lettoree
Que acoteeea na comarca,
Un juiz de
Q 1er vea
Thn-M
' A' (alia
Estiem
Nio sei qae r
O eeno Md *'
.Vorreu coa* a tero w wo
aii3ft0ntor.
mares
di), .
questae.
Nissti, qoclstoinivigo
Qjj/jjoti^ c*bate;
Masacbo da mtaha parte, -
Qae e engaado esse amigo,
Leilores agora en digo,
Por locar me a occasio ;
O jnlx perde a queslio.
E p*nr sfTTWotnlnilio-
Vivendo assim sueambido
Morren com a vara na mao.
Ttl pl tirar vanlagem
Com qaem elle est pegado ;
PJe es-i desengaado
Arrume logo a bagagem,
Para faier a viagem
Para ren-to sertao.
Que aqai Dio se quer, nao,
Juiz cm unto rtneor,
V-se embira por favor
Morrtu com a rara jm ma.
O Atonde.
i. Mana Chmdlsa da Foneeea Wrai. -
E). Hara Joaquina da Silva Bastas.
f), Mara. Urculioa 4ps SnU..
ff Mara do Livrameuto Marinara,
D. Mathlldes Francisca da Costa Saalos
*V#enriqueta da Soaza CoKbo WT
D. Olimpia Lipa Bterra.
B. Rosalina de Souza Pene Gomes, esposa
Casimiro dos Reii Gomes.
D. Rullna Petronila da Coocecia.
D. Ruflm Gomes da Silva, esposa di Sr. A'
Lenidas da Silva.
D. Salvia* Hraoraia de Paiua, esposa do Sr. Cas-
tro Tima.
D. Framiaea M*nauoa Ferrara das
, D. Virginia Mara A agesta.-
D. II >a Francisca de Suata Chaves.
Anir Atelino JTeJrtf ttsU 1
1871.
!Vr*a publfcales.
O Dr. Ridway, medico famoso americano, mem
>ro da onfvisrttirada da Pensylviinla, nos Estados-
Una*, acaba de lar a les tina obra en qce fe e cplwa ara novo systema de tratamento me-
dico, coja efQetci* demonstra com os numerosos,
intenseaote* e txtraerdinarlos nrativos qne esto
ovo aaattiodfi lea pro d oxido.
Para que sirva de evidencia e de prova incoa-
lestavel dos boas resollados do novo ystema d>i
DB. RADWAY, la-se o seguate easo, comido en-
tre oairos mullos de igual natnrexa :
Cura em um cavatheiro octogenario di paralgsia
nos membros t mtrankas-
t Rio de Janeiro, 2 de maroo de 1866. Srs
Raymundo C Le i te & Irmaos.Mena aenhores.
Em resposta ao sea obsequio permutara me Vmcs.
que Ibes diga que nao oa pesada no mondo que
de va la oto aoa Srs. Radwoy k C, como o abano
asignado.
Athm-me corapletuneote paralyaado, apena
poiia mover a cabera sem experimentar dores
agudas: o mpiohaeo doia-rae tambera omite, os
orgios internos esta vara paralysado*, e tat oonsti
liado me achava, qne s evacuei nina vez em dons
das.
A todos estas males aerescia aehar-me quasi
aera vista, nao tinha carne sobre os meas osso, e
na braco e ama mao eslavam infltmraado*. Da-
rante ludo esse lempo tomei qnaalos remedios rae
ineol -aram, na esperanza da alliviar, mas debal-
de. Figurein-se Vnaes. quanto padeoi en, e qoaes
deviam ser as miobas sensscjdea, vista da rainha
idade de orienta anuos. Erosla a cndilo em
qae me achava, quando o Sr. D. Julio de Zumben
vice-consul de Franca na eidade de Campos, apr-
senla em minha casa o irmo de Vmcs. D. Se-
toaso; e para que conste a verdade do que digo,
a sabem varias tesieraooha?, pessas repeiUV'-
desta eidade, os propnos mdicos, e o earidoso
bario de lubapoaua, val-me dos remedios dos
Srs. RADWAY & (1, do modo seguinie : cinco p-
lalas t idas as noites ; fric^oes no spinhaco com
o PROMPTO ALLIVIO ; gargarejos cora o mesmo,
diluido em agua e fiualmeoie d.-es do RESOLU-
TIVO REXOVAD )R, eWorme as instrucr,5;8 co-
udas nos bnelo'.
Coaanei nosle tratamento pe r espado de cinco
meies, at qae no G n de qoarenU das ja poda
andar sem apoio, e note, com quajnto as minhas
persas nao tenham basuote f irtalea, posso ea-
n:nhar pef-a?mate ; vejo mito bem, siau-me
rauito mais vigoroso e posso occapar-me dos meut
negocios como se ti esse remojado.
O m grabas a Deu< por ela grande deseoberta
fetU pelos Srs. Dr?. RADWAY k C, e igualmenie
lico agradecido ao Sr. V. L.
Creiam-rae Vmc3., etc.Jos Francisco Pereira
Serpa.
ia naoioaal Sipre
arregiu : Fratti'cir Rtbeiro."
' saceos com I.7W kilos
(raneis Merlka,
da Silva Ramos
de angice.
ra os portos do interior.
r brasileire Cruzeiro do Sal,
r.irregou : Francisco Jos da
rric
24 d .Agosto d 1871
J1--*
itil !-'


, Santn. ^
Eleipao.
DOS DEVOTOS E DEVOTAS QDE HO DE FESTEJAR
A IMAGEMDA SE^HOBA DA SADE ERECTA
MO CONVEN ro OE SA.NTO ANTONIO DO RECIFE
NO'aNNO COMPROMISSAL DE 1871 A 187,
1NSTALLADA KM 2 DE MAIO DE 1861.
Juiza por eleicjie.
A Iliraa. Sra. D. Anua Cornelis de Moraes Pi-
heiro, esposa do Sr. Dr. Laurindo de Moraes Pi-
nbeiro.
Juizbemfeitor.
O Illm. Sr. Viceote Ferreira di Poreiancula.
Jaiza bemfeitora.
A Illma. Sra. D. Tuomasia Umbelina de. Lima e Si,
nsposa dj Illm. Sr. Jos Antonio da Costa e
S.
JnizCT protectores.
Os Illms. Srs. Dr. :
Leonardo Jos de Almeida.
Jorge .irnell 1- Ribelro Pssoa.
Juizas protectoras.
As IMraas Sras.:
D. Mara Villar Ferreira Pinto.
D. Mara Villar do Carmo Nogueira.
Junes por lrdelo.
Oslllm. Sr?. Dr<.:
Cosme de S Per-ira.
Caetano Xavier Pereira de Brito.
Juizas por dcvo?o.
As Illmas. Sras.:
D. Antonia Villar Alves Maia.
D. Libaoia Emilia da Coaceicao Albujuer'ia0, es-
posa do Sr. Aibuquergue."
Escrivtpor eleijao.
A Illma. Sra. Olimpia de S;nna Oliveira Maia.
Escrives por devojo.
O Illms. Srs. :
Francisco de Piula Tavares de Melb.
Jos Mureira Pmes.
Ecnvas por devego.
As limas. Sras. :
D. Adelaile T omasia Ribeira Lima.
M3ria Duarte Pinto.
Mordomos.
Os Illms. Sr?. :
Antonio Macario de A Angelo Virt t Gregorio.
Antonio Ignacio Barbosa.
\ntonio Grave Hrmik
Antonio Saraiva.
Balbino Ju de Andrade.
Basiliano L urenji de Espirito Sin'.o.
Bernardo Antonio da M iita.
Chrlasto E*tanein d--s Stntos.
Candido Miranhio K-pinio Santo.
Francisco Solano da losta.
Cosme Damio de Almeida.
Frosioo Antouio da Fooceca.
Francisjo J.^ Sjares Ferreira.
Francisco Jos lo Azevedo Braga.
Jos Dioni'ismde Brito.
Joo Baplila Num-Tiaoo.
Joaquim Duarie dos Santos,
Honorio Tavare* di Cosa.
Lidio Antonio Bandeira de Mello.
Levino Th-moih -o do C>Qceifo.
Mareelion Cielo Ribeiro Lima.
Manoe! Alves Pinto.
tJanoel Antonio de Azevedo.
Pedro Ratis de B rges Mentes.
Bellarmino Augusto de Athayde. '
Mordomas.
As lllraas. Sras. :
D. Anna Joaquina do Espirito Santo.
D. Aona Joanoa da Rocha Bastos.
D. Adelaida Therea Biencourt, esposa do-Sr.
Gamillo Pnrrtir Meodet,
D. Bernardioa Tivare* de Lira.
D, Candida M*n-i o> P D. Delflna Atel-ide Vieira da Cocha, esposa do
Sr. Claudico Antonio Vieira.
D. Emilia Caroaj de B irros Lima, esposa do Sr.
Andr AvoltnnAbeiro Lima.
D. Feliadade dJ ixe, esposa do Sr. Got-
Goava.
A commissSo nomeada pelo Exm. Sr.
vica.preiidep.te da proviocia para UUr jla-
Ibertac3o decriancas do sexo eminino reo
oe-ee no pa?o da camiira onidpl fto'
das 22, 24 e 26 do corrente as z horas.
As criaocas preferidas para altorria serao :
A qtw fverem de dotis a-emeo tfioes
da idade.
As que, era ideticas circntmtancias, to
rera de naenor pre^o.
a qoe tlverem pessoas idneas qne se
prestem a ser totoras, e qae se enea .-re-
guera de crea-las a educa 4as.
N. 411.-SIGA SE A TRACA DA MOLESTIA
ATE* A SU A OUIGCM.Urna enermidada local
oo [de ser curada aimpiesmente com na trata
ment local. Por exemplo : nenaama applieaeao
feila a parte alTectada, pode radicalmente cirir a~
hermorrhoidas. O habito o rname do eerpo, o
|ual a causa primaria da molestia deve ser mu
dado. Para esse Sin as pilulai azucaradas de
Bri>tol mais lino alternativo vegetal que jamis
foi eomposlo Juntamente a medicina qne se deve
usar. A prisao do entre qnasi sempre lavara
velmeale a canea imneduta desia idiota moles-
tia. O estado u-rnui dos inuritws para logo
mudado, mediante a aecio das pilalia. A ndigos-
tao ea accao morbosa do figado, prolne constipa-
cao do ventre. E-ies incommodoa sao prompia-
mente remediados com este poderoso afete vege-
tal, os orgos ad juirem para logo a sua acost toa-
da elasticidad?, pondo se era estado de owfeita sao-
Je. Desta foima pois sao os symptomas e a canta
da molestia coojuotamenle removidas e all aeabam
para sempre. Elias vio mettidas dentro de vidri-
nbos, e por isso conservam-se ferleilas en todos
es climas. Era todas as enferniidaees agrava-
das provenientes de um estado impuro de sangae,
a salsaparnlha de Bi isiol deve de ser tomada con
jumamente com as pillas. t
ERRATAS DO ARTIGO PUBLICADO NO DIARIO
DE JtfO COUREMTE.
Na linh.i 13, em fez de o nosso melhodo, lea C
o methodo.
Na linha 81, em vez de pertinaz memoria, lea
setenaz memoria.
EHRATA.
Nos versos Sybylta de S. A^oslioaj dea-se
o fpguinte engao :
Na 5.a quaJra deu-se a supgrea-'io .do
verso que corregido deve9e lr.
5.a e 7.
Es entSo o vampiro, o traidor
Vomilaurfo agr seutenca
Que publica audiencia
Intimando o procurador.
Rea
Idei
CONSULADO PROVINCIAL,
31:81S#t*>
MOYIMENTB DO PORTO.
y i i? &... >.,... ," >., 1,
cqoipagem II, carga t3,0oi arrobas de ca/te
a Anorira Inr.ao & C.
Nato lanio o Memo ia.
Kio Grande do SolPaUchi nacional Bell lietti
no, caniie Fraaeisoo de ARtaqnerqna Jfafa
hio, carga as*oear.
WTA8.
=5
0 Dt Abiho Jos Tavares da Silva, oJJkial da
iraporial ordara 'da Boaa, e juiz privativo dos
oitos da faxonda desta proviocu por S. M. I. a
qaem Dos guarde etc.
Faeo saber que em vi r tu de d execucio da fa-
zeacU nacional contra Claudio Dubeox, sera* ar-
rematados no da ii do correoit, na sala dan au
Jiencias, pela 11 horas dernaabia, sle easas
ahoradaa aome assobradada n 16,ra qae mar o execntado, na
travessa eognelta em Apipao, ejseis eaaas ter-
reas sitas oa raesuM povoi^> tan Neva, cha-
ma la Itoror de na, 2 a 12, tulas de lijlo cal,
eora as dimeasois e cotnpraenios, ecnrtante do
raan-adode avahago, e avalladas a priioeira em
4:oOO, e as outrasea i:5tOt nada urna,
E para que chegue ao ohecimtnto de lodos,
maodei lavrar o jreeeat.", qne aera aJBxado no
lugar do cosame e puWicado pela impreusa.
Dado e pasdado neeta eidade do Recife de Per-
fe de Pernambueo aos de afoslo de 1871.
En Lniz Francisco Barrea de Almeida, ascrivo
escrevL
Abilb Jos Tavares da Silva.
COMMERCIQ.
Seguros conlra-fogo *
COAIPANHIA
NORTHERN.
Capital........90,000:000*000
Fundo- de reserva .... 8,000:00i#000
Agentes,
Mtlls Lathan & C.
IMPERIAL
Companliia de seguros contra
fogo.
. AGEIES
S. P. JOHRSTON C; .
lina da fteazala-uova u. 4.
FOGO
Glob
SEGURO CONTRA
Tbe Liverpool & Lon<1on de
Insurance Company.
Agentes :
Saunders Brothers A C..
11Corpo Santo1!.
THE ALLIANCE BRITISH d FOREIGN.
Life and Fire Assnrance Company estabelecida
em 1821. Capital 5,000,000
Os agentes desta companliia tomam segaros
contra fogo sobre predios, gneros e fazendas e
pagam aqui prejuizos devidamente provados.
Rsbe Schmetlaa & C
Corpo Santo n. 15.
AC DO RECIPE 23 DE AGOSTO.
DE 1871.
AS 3 1/2 HORAS DA TARD.
Cotaces officiaes.
Algodo sorte585 rs. por kilo.
Algpdao da Parahyb 1 sorte 6i0 rs. por kilo
pDsto a bordo a frete de 11(16 d. e 5 OjO (hoa
tem].
Algodao de Macei 1' sorte 610 rs. por kilo
posto a bordo a frete de 7.8 d. e 5 0|0 (hontem).
'Jainbio sobre Lonres 90 d/v 23 d. e 24 3^4 d\.
por U00O "(hon'em).
H. G. Stepple,
Presidente.
v P. I Pinto,
Secretario.
ALFANDEGA
Renlimonto do dia 1 a 2*. ,
dem do dia 23. ,
lio :0fi 4*574
22:3791376
o87:ii3#950
O inspector da alfandega faz publico,
qoe no dia i do corrente sero levados a
basta publica, depois de meio da, porta
da rnesma repjrticSo, Urea votantes da
marca G G eonlendo setenta kilogrammas
de peonas de abestrns, ayaliadia em qui-
abealiis ris o tilogramma, tola! la avalia-
510 35iJ0O0Tis, os qoaes viena na esco
na nortcallemSi Courkr, entrada do Rio
da Prata por arribada forgada, e foram
abaudonad.s aos diieitos por Henry Fors-
ter & c.
A'arrematscao be vre de diretos ao ar-
remataot.
Alaodega de Pernambueo 24 de agosto
de 871.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
O inspector da alandega, az punico qoe
ao dia i do cncteola, tkpois de meio-di-
a porta da mesma repartidlo, serlo lorattes
em basta publica Uvre de diretos ao arre-
mtame. 03 objectos. abaixo declarados, o*
quaes foram ajpprebeodidos pelo judate
do guapta-rar no di i 4 do correte, des-
embarcados de bordo do brigne ingfez
WyctfT.
16 Caisiabas contendo 25 kilos peso li-
quido real de lencos de cassa estampados
2120500
i680000
200000
66H66
de agosto
valor oficial do kilo a 40500
7 Duzias de carnizas de al-
godo com pe tos epunhos de
linbo valor ollkial da dazia
8 240000
2 Palitots- de te:ido de
lita pesando liquido real ora
kilo valor clkial do kilo 200
1 Bote de dous remos va-
lor olficial
Alfandega de Pernambueo 21
de 1871.
Emilio Xavier Sobreira de Mello.
O Illm. Sr. inspector da thesourana provi-a
ciad em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. vic-n
presidente da provincia de 17 do corrente, manda
fazer puslicn qne a mesraa thesouraria vende 500
plices da divida provincial no valor de 100/
cada ama, veneendo o- jaros de 8 0,0 ao.aono,
pago aor semestres na 2* qninzena des mezes de
juiho e Janeiro; e devendo ser resgatadas na
quinzena deste ultimo mez, observando se a nn
meracao seguila, e tantas quantas permiitirera os
crditos volados annualmente, precedendo an-
nuncios.
Os pretendentes comparecam na mesma thesou-
raria no praso de 30 di&s. a contar da dala desie.
E para consta' se mandou publicar o presente.
Secretaria da tbesonraria provincial de Pernam-
bueo 18 do agosto de 1871.
Servmdo de cfflcial-maior,
O 2 escrip. Landeiino de Lana Freir
DECLARACOES.
Movimouio da alfade^a
Volames entrados
Volumes
sabidos
>
com
com
com
com
fazendas
gneros
fazendas
gneros
III
47
116
676
-------792
591
Descarregam lio je 24 d6 agoste.
Escuna Dgleza Mereleb^caibao
Patacho ioglezJuventamerradorias.
Patacho americanoTlureza Butter farinba de
tr.ga,
Pataebo anstriacolceslefarioha de trigo.
Rarcaraneeza-FifW/evarios gneros.
Barca portuguezaMara Luizavarios gtneNS
Barca inglez Barca inglesa -MagnoliaIerro.
Despachos de exportacSo no dia 22 oV
agosto.
Para 01 portos do exterior.
Na barca portunuaza Social, para o Porto,
.carrega/am : Antonio Alves Barbosa de harn-
ea anta 92 kilos de assncar ; Jos Jjaquira de Li-
ma Bairo i barrica com 30 kilos de farinba;
J^quim Jos Gjncalves Jeliro JtiO meios de sola
com 520 kilos,
Na barca brasil aira Atnizade, para o Rio da
Mirara : Bailar, Oliveira 4 C. 600 bar
1,665 kilos de assmar brauc.
nbol Btlitario, paran Rio
Pereira Carnalro & & 190
s de tocar hraaea
SANTA C.\SV DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Altlraa. janta adninistrajva da santa casa de
misericordia do Recife tcoli de reconstruir o pre-
dio que possue o patrimonio dos eslabelecimento
de caridade i ra da Moeda, com dous andares e
soio, transformando-o era outro de um s andar
qoe contenba dous armauns, um no pavimento
terreo e ontro no sobrado, e os predios ns. 2 e 13
da rna do Burgo*, precisa contratar essas obras
:om qaem por meno- preco se quizer encarregar
lo effeclua las, pudendo serem aproveitados os
raateriaes qne ferem tirados dos anligos predios
s julgados em bom estado.
Os pretendentes devetc apresentar as suas pro-
postas em .cartas fecoadas oom declaraco do m-
nimo po-qne fazem cada urna das Indicadas jbra--.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-
cife 21 de juiho de UJ71.
Pedro Rodr^ufs'dfl Sonza.
SANTA CASA A MIsKhICUMipIA 1H> UVUW-
A Mm. junta admiaislmt Misericordis do Recife manda) faaer nnh4i*y
1 sata ne mm sensoes, n dia 24 do nuc de f o**o
pntai I boraa 4a tarde, km e ser arrammiy
aqjmomajs aotafdni nOnrienr, nejo tepde
urna tres AD*>t,mm4 4m f>r*m m eejni-
da dintoiidni: -
miAMmMmmtmm caudapa
Rna de InwnndM
1.* andar e 1 ja do nfttsdn % M, MMJOOO
BoHinand. -. ,--4 L-inMOO
Roa do Prdre Pieria*!*
Caaa Sariw n. U.......MUQQD
teem a 4T. .... 4*>>U*
Ru* do Calnooio.
dem d. 18 ... 3*4000
Sobrade de 2 aidares n. T lfll*00O
Ra dofoar.
CaiiMniiv73 %Mm
Rna d* Qionau
Sana urmn. Sobrado de 2 andares n.- L.
20I00O-
961000
. QgjflPQ
2)^)00
1000
193*000
192*000
2321000
146*000
2iO*OO
Rna das Cateada*.
36. T7: .
Rna da Roa,
n. 3........
' Rna dos
terrea*n, ti....._, .
Rna do Bom Fim emlinda.
terrea ns 11......
Km il 11 -c._-,,-j.j .
VPATR1MON POyOJU>HAOS.
Casa tnrtaa n. 2I" !'Gp?0'. .
Rna da GoJl.
Casa inrMa n. 27 ...
rnemn.' .........
Larga df Paanisn.
Loja da laste do sonra*ra. 29. .
Ra das Liranaairas.
CwaliMan. 17. 4 -\
' Ra deGervazlo Pires.
Casa terrea n. 39. .
dem n. 105........15?*000
fdemn. !t.......0 203*000
J Oi^rnieadentes devero apreientar no acto da
^^2 Irremataflo as suas flaneas, on comparecerem
- icompaanaioi dos respeciivos fladprea.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
;ife, I de gQUP da 87V
O eserrvio,
iVflci'o entrado no* dia *3. > ffdro- Rodriguu de Souza.
a cas* terrea, no lugar da roa da Casa Forte,
de pedra e cal, pertencette a herauja de Manoel
da Hora, avallada em 600*000.___________.
laiftpeef o do arsenal de -
marlnha.
Faz-se publico que a commtssao de peritos exa-
ninando na forma determinada no regulamento
tqnexo ao decreto n. 132> de 5 de fevereiro de
1854, o cascos, machina, caldeira, apparelho,
mastreaclo, veame/ amarras e ancoras do va-
por Mol que da companhia Vigilante de reboque,
achou toios esses ob.ectos em estado de poler o
vapor continuar no servico em qne se eraprega.
Inspecgio dj arsenal de
co 12 de agosto da 1871.
Francisco Romano Stepple da Silva
Inspector.
ajAjflOn
Casa terral o.

THEATRO
ADtepeoaltimo espectculo em qne to-
mam parte os distinctos artistas os Srs. Ta-
borda a H. Nanea, e ultimo da
qui 9a
Lindo e variado espectculo
Dividido em 4 oartes
com o concurso dos muito dhtinetos artistas
OS SBNHORGS
HANSCOTIBOB\EBE1IOI]E5U1S
que obsequiosamente se prestara
Quieta feira 24 de agosto.
Pro r amina.
1 PARTE.
Vistas do Brasil e Portugal, entro ellas a passa-
eom de Hnraavi, lelos en^ouracados b'asiletros.
2 PARTE.
O Sr. Hurbain representar pela primelra vez
oeste theairo a Hada eaaeoneta.
Qui qu* c'est
msica do maestro
J, Poppe.
Em segnida Mme. Fuoco dansar o muito ap-
plaudido paseo da
Sombra
3." PARTE.
As meninas Carolina e Julia a pedido eanlarao
um lindo
TANGO HESPANHOL.
4.' PARTE.
O Sr. Hurbain cantar pela segunda vez a mui-
to linda e applandida cangone'.a em porlugnez
O GUIADO VIAJANTE.
Letra de Julio Xavier e mosica do maestro
Poppe.
V PARTE-
As duas brujalas.
Os bilheies acham-se no escriptorio do theatro,
em mi do Sr. Jos B. Correia de Barros
Principiar as. 8 1/2.
Depois do espectculo haver um trem que
tocar cm todos os pontos at Aplpncos.
Tmo
SANTU ANTONIO
' Ilecia extiMordluar la
Sabb.ido 2 do setembro
Oll-recida pela sociedade dramtica particular
Recreio Campestre
A eximia actriz
B. m\U 10YTAHI DB-GI0VAN\[
PROGRAMMA
Priraeira represpniacio do interessante drama
em 4 actos original braseiro do Dr. Carneiro Vi-
talia, dedicado a mencionada actriz como testemu-
nbo de homenagem ao talento e arte intitulado
^, Ditoso fado
>resentacao da seena cmica.
Os dous primos
Qnadros pelo Sr. Nunes.
Os Bilheies acham-se desde ja a disposicio do
publico no eseriptorio do theatro. '
' SOClEDADE'JUIPREZ.\JiM <
ZARZUELA HISPAl&OLA
Tendo ebegado das provincias do norte onde
acaba de trabalbar esta companhia eora geral
agrado, e iodo de passagem para a Baha reiulven
a mesma dar urna serie de espectculos neste
theatro, abrindo para esse flm urna assignatnra de
vinte reeitas divididas em Ia e 2' serie.
A companhia acba-se bem organisada e prompta
para dar todo e qnaqoer espectatfulo, devido ao
grande pessoal de que dispoe e ao bem ensaiado
P/fM de seu immenso repertorio, as qnaes
filqt immensamente, applaudidas em todos os
ealros de Hespanha e Portugal.
A orchestra composta dos melhores professo-
res existentes nesta eidade, taes como o Sr. Juli >
Poppe, Libanio Colas, etc., sob rregencia do dis -
tracto maestro portugnez o Sr. Jas Gomes de Ma-
celo.
Eulenco da companhia
Representante da companhia o Sr. D. Jos Mod-
salvtz Silva.
Director de seena Sr. D. Andr Ortiz.
Priraeira dama typlea Sra. D. alaria de la* Do-
lores Medina de Monsalvez.
Segunda dita-a Sra D. Clirisiina Agnilar Tor-
res.
Primeiro lenoj serioD. Jos Mnnsalez Sirva.
Priraeiro baritono D. Andr Ortiz.
Tenor cmicoMiguel Das.
Primeiro bassoJos Mana Evangelista.
Director de orebestra e maestro ensaiadorJos
Gomes de Uacedo.
Aponlador de msica, declamadlo e encarregado
do guarda roupa
Ramn Torres
Corpo de coros
Damas lyples
D. Mara Amado, D. Antonia Torrea, D. Marga-
m- rida Res, D. Leopoldina Evangelista e D. Maria
Phllomena Augusta
Tenores
D. Benite Conde e D. Ventura Calvo.
i Ti -ti Basaos
D. Joo Noj e D. Cbristoval Medina.
KEHBTORIO DA COMPANHIA.
Jugar com fuego, Moreio, Marina, Relmpago,
l'osiill de la Rioja, Sargento Frederioo, Catalina,
Campan rae, El toque de aimraa, Un tesoro escoo-
dido, Diamantea de la Corona, El d?min Azor,
! Canylitas, Entre um moier e el negro, Telemaco,
Sarao e soii. Amor e almuerzo, Visconde, Cabal-
lero Particular, Franecifredo, El ulo en #1 po-
der, Juramento, e outras muitas que seria enfa-
doaho ennumerar.
As recitas de assignatnra tero logar as tercas
e quiatae-teiras, e as extraordinarias nos sabbados
e domingos.
'As pessoas que quizerem assignar camarotes e
eadeiras para as duas series podera dirigir-se ao
eseriptorio do theatro.
P-recos do coslnme.
Camarotes de frente a 14*000
Ditos de lado lOjOOO
Cadeiras 34C0
fseria fastidioso onumera-los e cruejie acbaro pa-
htantM'MexaffleajMlrmoradores, no dia cima
I qnlnta'-felri T4 focgrVenie is II hvag da rna-
nbaa, do armaiem a,Jl Ma mesma pceaiap .wtutagj 4jtrsos objecios
mais, como sjam : afpirelBos-.i loana de por-
celana-para jantar, dito Ifcrrlmbi^, porlalicr,
competeiras, enstnjaas, aOjMieS'atniloi onlros vi-
dres.
AVISOS MARTIMOS.
DE
Navegapao Brasileira
At o dia 30 do corrente,
esperado dos pqrto do norte
o vapor Presidente, eommandanle
Garca, o qual depois da demo
rado costume seguir para os
portos do sol.
Desde j reeebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder couduzir, a qual devera
sor embarcada no dia de sua chegada, encom-
nendas e dinheiro a frete at as 2 horas da tarde
de soa sabida.
Nao se recebem como encommendas senlo ob-
jacios de pequeo valor, e qae nao escedam a 2
arrobas de peso oa oito palmos cbicos de med-
cao. Tndo que passar destes limites dever sei
embarcado-como carga.
Previ ae-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia, roa do Coui-
mercio n. 8.
Personageos.
Leonardo
Arlbur
Gabriella
Samoel
Dr. Victor
Amaro
Casusinha
Andr
Al i po, creado
Ambrozio, idem
10 annes
25 .
18 .
c
.8
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costara por vapor
Mamanguape.
O vaper Coruripe, eom-
mandanle Silva, seguir
para o porto cima no
dia 28 do corrente as;
horas da larde.
Recebe carga, encom-
meniias. passageiros e dinheiro a frete al as 2
horas da tardo do dia de sua sabida : eseriptorio
no Forte da Maitos n. 12.______
CEARA'
por Maranhio
hiate D. Luiza
Irma s.
pretende sabir com brevidade o
: a tratar-se com Gomes de Maltas
Livros de dinito"-elitteratare.
HO
No 2* andar do sobrado
da Victoria, per Interven
da rna do Bario
agente Pinte.
Grande
LEILAO
DE'
JOIAS D EVaLOR
Julio lsae, estabeteciopco m casa de emprsteme
sobre penbores, far leilao no dia 24 de agosto pr-
ximo, por interveneo do afintMsrtins4.njLob-
Jeclos constantes aas eentHit nrft W-, M, Hi,
131,137, 180, 100, 202, 2*4, m*3fc-*32, 242,
M4, 20, 281, 3W, W>, iOft, 4U.354. 415, 424,
368, 433,317,440, 4S3,10*461, UnVtMk 487 504,
513, 529. 536. 337, 539. 541 546. 58 A, 560, 571,
578, 590, 594, 606, C09, 613, 21, (ii3d44, 649,
631, 737, 664. 698 7l.l. 715. 730, 733. 737, 73,
710, 743, 747, 752, 753, 787. 761, 766, 767. 772.
728, 781, 783, 796. 801. 809. 817. 718, 8r>825,
828, 829, 832, 839. 861 868, 87f, 877. 879,
880 881, 885, 887,401, 905,900, 940,9ftj3,
931 939. 946, 949. 95K, 964, 967. 0*4. 98$; WI,
1019, 1032,1052. 1064, 1669, 1084, 1100; 1103.
1104, 1111, 1141, IH8, 1152, 206 A 22*9t,-2JI7
A, 232 A. 235 A. 241 A, 24 A, 157 A, fOO A,
271 A, 273 A. 278 A, 279 A. 283 A, 2W 1,101
A, 293" A, 304 A, 305 A. 306 A, 309 A. 810 A,
316 A. 326 A, 327 A. 32 A. 330 A, 331 A, 382
A. 333 A, 340 A, 36QA, 365 A, 366 A, 377 A,
382 A, 411 A, 417 A, 448 A 8 A, 37 A, 85 A, 100
A, 115 A, 1 B, 3 B, 4 B, 9 B, 10 B, ti 0, 12 P,
14 B, 15 B, 16 B, 17 B, 1B, 20 B B, 14 B,
51 0,
23 B, 26 B, 36 B. 37 R. 38 B, 39 B.
531). 54 B, 56 B, 58 B. 59 B, 61 B 63 B,
71 B, 73 B, 74 B, 75 B. 01 B, 88 B, 90 B,
B, 100 B, 101 B. 104 B, 406 8, H3B, 1
B, 123 B. 123 B, 127 B, 128 132 B, I3>
B, 135 B, 139 B, 137 B. 138 B, 139 B< 14
B, 148 B 149 B, 150 B, 15 B. 153 B. 184
52 B,
B.67
B, 96
KI14
B, 134
147
n. 110 15 rr.i :i, IOU B, IOJT U. fiM B. f(H B. 1S5
B, 156 B, 158 160 B, 161 B, 165 B, 16>B,t08 B,
169 B, 171 B, 177 B: 178 B, 179 B, lOt'B. 188 B,
190 B, 193 B, 194 0, 198 B, 235 B, 23SB, qne se
achira vencidas mais de 3 mezes sera pagaren)
os respectivos joros.
O le15o le logar s 10 horas do dia cima
no primeiro andar do sobrado *. 2 da Iravessa da>
ra das Crnzes.
LEILAO
DE
vinho xerez en barris
A 25 do correte.^
Por mandado do Illm. do Sr. Dr. juit epecial do
comraercio e a reqnerimento dos eredores uanaes
da massa fallida de Jo > Francisco B.irges Ferreira.
o agente Oliveira far leilao de 23 barra d* *may>
xerez pertenceotes mesma massa.
Sexta-ftira 25 do corrente.
t II horas da mantisa, no armazem, Trapi.v
Barbosa, largo do Corpo Sanio, defronte da igreja.
IEIIAO
DE .
Movis, lucja, vidros e vinho
A SABER :
1 piano de mesa, orna mobilia de Jacaranda, 4
cadeiras estofadas, 2 serpentinas, 4 jarns para
flores, qnadros com personagens, 2almofa tapete e duas escarradeiras.
1 toilet de jacarandi, 1 lava lorio cora pedra, 1
cama franceza de Jacaranda, 1 aurqaezio, 1 guar-
da-vestido de amarello, 2 goarda-roopas, 4 *om-
moda e 1 secretaria. .
Urna mesa de jantar, 1 gnarda looca, t appara-
dores, 18 cadeiras, louga para jantar, ditapara
cha, copos, clices, garrafas, compoleiras e mu-
tos ontros objectos pertancentes casa de familia.
Sexta feira 25 do correte.
No sobrado da raa Nova n. 65, (ao correr
domartello.)
O agente Pinto levara i leilao,- por conta n or-
dem de diversos, muitos e riiifareniesjnoveis, exis-
tentes no 2* andar do sobrado da rna Nova a. -65.
O leilao principiar is 10 horas.
A entrega se effecluar no mesrao dia e em 24
h iras por j estar a mesma casa alngaia.
LEILAO
BAHA
Segu para o pono cima com a maior brevi
dade possivel por estar com a maior parte da car-
ga o hiate nacional Garibdldi capito Cnstodio Jo-
s Vianna' tratar cora Ta-so Irmaos & C ra
do Amonm n. 37. ______________
Hio Grande do Sw\
Em poneos das vai seguir para aquello porto a
brigue nacional Arroio Malo, navio de primeiro
classe. Para um resto de carga tratase com Jos
Victorino de R-zeod-* A C, eseriptorio rna do
Mrquez de Olio la n. 51
A accio passa se
tnalidade.
24
26
60
55
em Pernambueo. Epoeha ac-
Terminar o
dia em 1 acto.
Denoroinacao dos actos
1.* A cacada.
2.* A earta.
3." O segredo.
4.* O innmpho.
espectculo com a graciosa come-
Persona gena.
Rymndo.
CHftftna.
AJ**do.
. Prineiseo.
Um gnarda.
Um jardraero.
Tomam pan* no. divenimento a Sra. D. Jesoina
e os socios de seena.
Os bilhetes achara se em poder da commisso
na rna das Crnzes n. 38.
N. B. Denoto do espectculo haver trem para
Aplpncos, tocando era lodos os pontos do costume.
Principiar s 8 1|2 horas.
THEATRO
SANTO ANTONIO
SABBADO 26 DO BRENTE.
Penltimo espectculo
EM B&NSFICIO DO
d<*r
Prii
PORT-
Para o indicado porto pretende seguir com pon-
ca demora a veleira e bem conhecida barca por
tugueza Social por ter parte de sea carregaraento
engajado, e para o resto que Iba falta, qne recebe
a frete commndo, trata-se com o consignatario
Joaquim Li Gongalvos Beltrao roa do Comer-
cio n. 5.
LEILOES.
DE
Doos bonitos borros.
O agente Pestaa far leilao por eoota e riscc
da quem pertencer, de 2 burros muito bons, 1 d
carro e outro de carregar, os quaes sero vend
dos pelo maior preco, no da cima 24 doT5ore,nte,
na ra do Vigario n. 7, armaero, s 11 horas da
mnbii.
DE
Umacaixa com roups.
O agente Mariins, far leilao por ordem do illm
Sr. Dr. cnsul poriuguez, de nffiajaixa coraron
pa, pertencente ao e-pilio do ip|V*ublito. por-
iuguez Antonio Udrigues do Reg.
Sesta-feira 23 do cotfiqoie.
No eseriptorio do referido agntaAoa do Mr-
quez de Olinda n. 15 1 andar, s'41 horas do
"dia.___________________^
LILAC)
DG
daas mallas cm roupft ugada
O agente Mariins f.r;i leilao por Mprisa^ap dt
illm. Sr. Dr. cnsul purtuguez, de dnas malla?
eonlendo palitots, calcas, carnizas, lenfpes e mais
outrosebiectos pertmeentes w espoUo do iiad
subdito pmuguez Francisco Jos daronceca.
Sext>-feira 2a do correte,
Xa rna do Mrquez de Olinda n. 15 1* andar
s 11 horas de dia.
Mobilia, de ama famila que se retira pin
a da provincia.
floje.
As II horas do da.
O.ageole Pestaa, competentera*n e aalorisado,
far leilao por conta e risco da quem pertencer
de diversos objectes de mohilla como sejara
eomedUejo
mobilia de mogno, com 18 cadeiras
cao, 4 ditas de bracos, 2 consolas, 1 mi
dra, 1 s.iffa, 1 dita com 12 ca '
bracos, 2 contlos e 1
Ij-do com pedras,
SI, gp*rda-va+
recamas, marqi
1 acto. Iprau e bnlnaoi
duas caix'is" cm ronpa usa-
O agente Mariins, far leilao por ordem do Ulin.
Sr. Dr. cnsul ponuguet, de dw aixas eom
renpa usada, pertenreale ao ^spn'lo do finido
subdito pnrtngoez Albino los di Silva.
S8xU-feira 25 do corrate.
Na ra do Marqutr de Oknda n. 15,1* Miar,
s 11 borrs do da.
Movis, lou^a, irm e ii-

nho
Por interveneo de agants Pfnio.
Sexta-fein 25 do cero"
No sobrado da rae do Bario -d*
Mt>
LEILA
DOUS GfcUNDES BAS E
VROS DE HHUCINA fr
Sext-feira 26 do correle.
Pelo agente Bartlas, i ra* do Maiqaez de 6(tn
n. 15,1* andar, as 11 hora* dn di*.
t^

i


>
I
Jiaro de Pernambuoo Qttkata eira 24 tie A^^^HI 1871.
*
No di 16 de ago torrente
dia em ditote, ter logar na> !">
tor coota e risco dsliM perle
SO 15 praoehoes, 2U indios dili
auadndoa, 393.-W48 anatas ta_
Uado ue caliente aadaira de pinto de rebina,
ragaloi* de H a 32 p> inalexes de oomprmea-
to e de meia at qaatro pollegalas de grossuia
'Mrtepeentes lo eirrri-'
Me togle Aikmmr, de 25\ toneladas de registro
capito Th. TtafcSas, procedente de Pensacola
eom desuno a BoBtevido e naufragado na costa
de Maracaja em 1 de jalho prximo Ando.
Em seguida ao lellacr cima referido, tambero se
Vender em praca, por eoata e risco de qnem per-
tencer, nos ajames* dos Srs. J. U Graf 4 C 47
a de cabos de lioho de todas It grossuras
ete de K>:O09 libras de peso eos perfeito
__Id t pesprtoa para o laboratorio nutico os
4Mm se aeb*m eapeate} visu sos ditos arma-
Natal (Rio Grande, do Norte) f de agosto de
1871.
clv
II m sitio, um carrv>, dtws caval-
lof ous burdos e um cibrio-
iet c >rJl- O agente Piintual, competentemente antorisado,
vender em leda*, um cxcellente sitio, sito em
Apipueos, coro tintantes arvoredos, fructeiras e
cau de meada, com 4 janelias da frente, 2 qnar-
ios, t salas e cosioha (ora ; em cuja casa morao
professor do rtesmo lagar. Na mesma occasin
se tender um excellenie carra *de passeio com
as parelba de cjvallos, arreados, dous burros
o um eabriolet
TSRCA-FEIRA 29 DO GORRENTE.
Em frente ao rmazem da ra do Imperador n. 16.
s i i horas.
LEILO
Do
Sobndo de 2 andares da roa de S. Jorge
(amigamente ra do Pilar n. 23) o m
qotnta!, p rto para a ra do Ptiarol e
um subMiiolio por cima do mesmo por-
teo.
Terca-fpra 29 do corrente.
As tt horas em ponto.
Par intervenco do agenta Pialo, em seu es-
criptoro, a ra da Cruz n. 38_________
DE

Urna botica horneopailia cora glbulos e tin-
taras.
Por intervengo di rgeote Pesian?, no arma-
zem n. 7 da ra do Vigario, por oceasio do lei-
lio de movis.
VISOS DIVERSOS
INSTITUTO ARCOEOLOGICOIGBOGRAPHI-
CO PER\T.\MBCCAW
Haver sesso or linaria quiota-feira, 24
do-corrente, agoslo pelas 11 boras da ma-
nh3a.
ORDEM DO DA.
Pareceres e mais trabalbos de commis-
S88.
Secretaria do Instituto, 21 de agosto de
487!.
J. Soares tTAzevedo
Secretario perpetuo.
GUSAS
Alaga-se o primeiro, seguudo andares e sobre-
so to da caja n. 6, cita a roa do Livramento : i
tratar na loja do raesmo predio. ^________
Previue-se ao Srs. accionistas da comiianhia
dos triilbns urbanos do Recife Olmda e Bebaribe,
que a assemb a geral da dita companbia conti-
na em seus trabalbos sobre a reforma' dos esta-
tutos no dia M do corrente, pelas 10 horas da ma-
nha, sendo a reanio no mesmo logar dos annuu-
nos anteriores.
O 1* secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
r*u> tarara bontem das duas as tres bo-
ras da tarde da caaa do abaixo assigaado os
enjertos segrales : 1 par de brincos com
rimantes, i dit > com urna bnllaatn\ 1
dito pequeo para crean?, 2 anneis de bri-
laantes sendo um esmaltado de preto, e
cetro com cabellos, mais dous ditos sendo
um todo liso com cabellos e ouiro com uiaa
pedra (crisolita), 2 palceiras, sendo ama
de I a i, o cota om coral, o .tra toda iisa. 1
cordo deonrp com urna moeda de lij,-VJ00
i tranceln om nm piace-nez, 1 ccoleta
ornada com seis parolas e ama esmeralda
Todos o*#bject;s estavam em urna cest
de p^r -.eiaoa.
Boga-aa a todas as passuas a qaem forem
(sfferecido, qae se denjam ao abaixo as-
sigai9o, qae sarao generosamente gratQ ;a-
dos.
Candido de Carvalho Alves.
Aluga-se nn terceiro andar com com-
atosos para grande familia: tratar a roa
da Imperatm o. 63 sobrado.
Ao Marataqueiro O
Cala te fronxo pot/ B"s fraco vtieejador '
Se taa musa me-qnnha
Recolta te ao bastidor.
Mi eneommodes o poblic .
Com tea diluvio de asruiras,
Se ale descabro-te a calva,
Faee-te andar as carrelras.
Teobo um Jolh\ verdaJe,
V acto ser mu bastante,
P'ra deTiar disparates
Bsciipto por am pedante.
Um ptayueMc de arapuca,
y taa tmpiraco,
weee qae (oi nasci ia
Na mu de detenrao
Sel qae te foi proveltoso
%a htm trancafiado,
fala 6 da cidela sai
Vmfteta *o TUpiroio.
laatttd'WOi de arrotnba,
Prf -pata-^pfritofi:
BaB'e feara
cof natro ps.
IMPERIAL FABRTCA DE QGARIOS*"
Ja Dt TimimoHr.
a dbs prableUs qtt ai um preoecupsdo
a attencio oqs legisladoras e dos economistas mo-
dernos, particularmente na Inglaterra e na Fran-
ca, rtoyeadqwaL ainda em 1868, L. Wolowki
aren groJnodo tavel dacurso, o qae trata
de #Bn e regplatisar, nuatando o eqafcrio
entre o hteresee a humaoldade, o trabalho das
crianzas as manufacturas.
Esta qnesto grave e melindrosa, come? a ser
entre nos dealguma importancia, e merece qae a
examinemos com criterio, tanto mais que forcosa-
mente na subsliioieao do elemento servil lera ella
de eoasiderar-se emescissima para o futuro des-
envolvimiento de nossas ioiastrias.
Recordando eom o celebre economista de qae
fallames o profundo peasamento do poeta ingles
qae diz:A crianc o pai do horaem parti-
iharaos taa, boro os sea? generosos sen timemos re
lalivamente essas frageis e delicadas creaiaras,
qae atada narprimeira iniciaeio da vida prestam
ji tao iaportemes servioos i sociedsde.
Quslquer que sejs o eosioo ou o labor em qae
se exercitem as forgas ainda debis deesas tracas
existencias, di-e presidir o msior escrpulo 4 soa
direccio, a maior vigilancia e enidado no empregu
e distribuieio do. lempo, porque do seu resoltado
depende a actividade e a energa das novas gera-
V-fles, e d'estas as grandes conquistas do futuro e o
progressvo aperfeiCGamento social.
Nos secul )s anteriores as industrias occapavam-
se mais com os productores. Ao seclo XIX com-
pete a glo/ia nio i de raelhorar o fabrico do*
productos, tornando-os mais perfeitos e mais ac-
ce.'iveis a todos pelo qaantidade e modieidade do
prego como a sorle a condicio, a existencia do
trabalhador, do bomem.
Wolowki cita a este respeilo as palavras de
Gladstone, qae, em ama rcuniio de operarios n-
g'ezes, fa lando-Ibes tanto em seas direitos, como
era seus devere, disse :' 0 nosso seculo o s-
calo do operario : e accrescenla qae esta phrase
nio sahio do bocea sospeita, pois Gladstone nao
pnenle ao numero daqaelles que lisongoam em
ez de servir ao pevo.
O hornera d'este modo encarado como beni
primordial da produegao do bem; e o nuiavcl au-
tor que n is referimos eateode comnosco que a
liberdade que elle conqnistoa tira toda a sea fores
da energa da alma associada saude do eorpo,
da el o va gao do e-pinto quo propirciona o desea
volviaiento progressivo da habihdade pessoal.
Foi babeados n'e.sta allianga que os legisladores
inglezes comprehenderam que o instrumento acti-
vo, o operario, obedeca outras e diversas neces-
si Ja Jes que as que sao partilba do instrumento
material.
Foi por este motivo que se marcaran) e regula-
mentaram as boras do trabalho as manufacturas,
e se aitendea sobretodo a que as criaucas rece-
bosam a um lempo o en-iuo da fabrica e o ensino
da escola.
a Era 1862, diz ainda Wolowki; sanecionca-se
na Inglaterra a prole, a vigilancia penetrou no
seio das vastas commnnas industriaes, formadas
hi je em roda da machina de vapor, dessas vastas
comrauoM povoadas por multares de operarios.
A le de 1802 fixon a idade em que as crianca*
podiara eouar para as manufacturas e limitla
duracao do trabalho.
Pois bem. Este grave e humanitario problefc
que levou qua-i meio secuto a resolver, e preoc-
cupou a atteogio de tantos bomeos de estados
eminentes, como foram Roberto Peel l>rd Aslhey,
boje Conde de Chait-buag >, genro de Palraerston,
e moitos outros, assignalando urna pagina honrosa
na hi: tona da eivilisago moderna, acba-se reali-
zado, e dando salutares resultados entre nos na
fabrica de cigarros de S. Jlo Nilherohy, da qual
;o proprietarios os Srs. Sonza e Novaes.
Ja tivemos occasifo o auoo passado, de escre-
ver algumas hohas acerca deste importante esta-
belecimento, e boje, depois- de ama visita que fi
zemos ao novo. ediQcio ampliaremos aquelle nosso
trabalho.
A casa oode actualmente est estabeleeida a fa-
brica sem duvida um dds melnores predios da ca-
pital.
Alm das espagosas accommodag6s3 interiores
livremente arejada como convm a tao numerosa
anelomcragio de pessoas, o predio extehormen-
te de urna architecturi simples e elegante, e ca
a p ucas bragas do mar, onde com auxilio de urna
ponte os productos sao com facilidade embarcados
o cooduzidos para os mercadr s.
Cerca de duzentos meninos ahi recebem o ensi-
no manual, intelleelaal religioso e moral.
A mais perfeita ordem, sem a severidade de urna
rude disciplina, mas antes aconselaada pelos pre-
citos pralicos da autoridade, d am aspeeto agra-
davel a esta afanosa communa de pequeos ope-
rarios e esperaogoso ncleo de futuros e moralUa-
dos cidadaos.
Em um vasto salo das 7 s 9 horas da tarda
depois do trabalho e do descanso apreodem os me-
ninos os primeiros elementos da leitura da escrip-
ia e da contab;lidade. Dissemos primeiros ele-
mentos porque acreditamos que as nogSes rudi-
mentaes da escola n-o sao outra cousa mais que o
instrumento com que mais tarde se deve concluir
aperfeigoar a educagao. Nao casta saber 1er o
essencial e fazer uso discreto e aproveitavel
desse poderoso motor do nosso aperfeigoamento
m ral.
Depois do trabalho manual e do ensino da es-
cola depois mesmo de aluraas horas consagradas
ao recreio era preciso amenisar com o estudo de
alguns dos ramos das bailas-artes as tarefas in-
faotis.
Neste intuito foi creada urna aula de muiica di-
rigida por hbil professor.
Com pouco lempo de exercieio e o ardor pro-
prio da mocidade j algn- dos alumnos tocara
com verdadeiro adiaotamento os instrumentos que
escolheram, e pode dizer-se que a fabrica teifi
hoje uraa banda de msica sua disposigao, o qae
alera de accrescentar urna agradavel prenda
educaga j dos aprendiies, dispensa das festivos do
estabeleciment, o concurso dos msicos e.-tra-
nhos.
Ora, o grande resultado colhido por este duplo
systema do easmo manual e simultneamente in-
telectual, que os productos da fabrica de S. Joo
de N therohy, redobrando de valor pela qualidade
e perfeigio augmenum tambem a iua procura ao
mercado s naturalmente os avultados interesses
dos productos.
Estabeleeida assimeom os outros estabelecimen
los do mesmo genero a lula da concurrencia, que,
no dizer de um notavel economista, nao outra
cousa mais que a manifestagao pratica, a Ua*
material da liberdade. claro est que as condigoes
do trabalho livre comegam j a ser assentadas, en-
tre nos em bases sensatas e de eonsequencias pro-
limas.
Ligamos um alto aprego s tentativas e aos re-
sultados desta ordem.
O Brasil precisa eeipregar todos os sens esfor-
gos na propaganda industrial, nao esqueceudo
aunca qne a qaantidade dos produ:tos cala re-
presenta, si ella se nio tornar ao mesmo tsmpo
recomroendavel pela sua qualidade, e que esta
se obtem com auxilio efficaz dos productores ha-
bis e intelligento?.
Acreditamos, pois, que os Srs. Sonza e Novaes
prestam um importante s.rvigo ao paiz e temos
serapre prazer em mencionar os estabelecimeotGs
desta naiureza, nio so em referencia a esta fabri
ca, como a todas que estrverem fondadas ou se
fundem d'aquiem diante as mesmas circuns-
tancias.
O nico deposito -ne.-ta cidade no escrlptorlo
de Domingos Alves Malheus, ra do Viga-
rio n. SI.
A. Zalaar.
lulas assocaradas de BrisM.
NAO CONTEM NEM CALOMELANOS NEM NENUUlt
OOTRO MINERAL.
A giAde necessidade falta de um ca-
thartico oa de orna mediciaa purgativa, ha
muHo que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meto da culdade
medica; por isso, infinito o goeto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a conflanca e seguridade, recemmendar
as piluku vegetaes assucaradas de Bristol,
como urna exceilente medicina purgativa, a
qual encerra em si tedas as pailet emaia
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradavel' catbartico de
familia. Este remedio rito compost
dessas drogas ordinariamente usadas na1
composicao dessas pululas, me por ahi sel
vendem, mas sim, sapreparadas coaa as
mais finas e superiores quaaMaes de raizes
medicinaos, bervas e plantas, depois ele se
naver cbimicamente extrahido e separado,
os principios activos, ou acuellas partes
qae contem o verdadeiro'vaifor medicinal,
daquellas porpes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da ifienor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
iophgtiin, a qual segundo a experiencia
(nm demonstrado, possue um poder o mais
jaravilhoso possivel sobre as regioes do
ligado, assim como sobre todas as secre-
?5es biliosas. Isto de combinarlo com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas,- consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer uma outra medicina da mesma
aatureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
ie Bristol, acbar-se-h|o sempre um reme-
dio prompto, seguro eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dosmem
brosou do corpo,
(STaMsn.
relomo de prata, patente rulsso,
fespAerta, e a eoapeteate cadela:
s. reloloernw e a quiqnar pesioa .
pwm pfferecldoa taes objectos leaprabeo-
"Tifo".* ttfl*>* c*. aou> se iratlca-
. iT" $***$ isvta'n em quidacio desejam
WUrwSrs. Pedro de Alcaatara Baarqoe
e tenante-coronel Jacintbo Pues de Mendon
ca, moradores ea i?aiso deXattcagibe e
Porto Caito, da provincia m mjbw, cu
eoB'teoa correspoodeates*restr^raca, a
negocio de inleresso reciproco. i *
~- Precaa-s ie urna sok que tedia bom leKe,
Sreferndo se branca ou sarda,- que leuha fl-
io:iOaUiAruaSlova
*.
Aiufvse
ou vende-si o sobrad e sW da Mangabeira, em
O^T'IP******** W craae familia,
3 salas de^^Tunartosa sala de Jatear, coxl
sm Jira, S |a, samaKo bes agua, o qnal se
*sndsfek lempo le vario 30# a lOf measae,
mantts arvondos de frncio, m>ogabs, sapori,
angas, piabas, fljraetras e rumeiras : a iralar na
ra da Moe la u. das 9 horas da maohaa as 4
da urde.
ou indi-
Dspepsia,
- gesto,
dAstringencia, ou..
priso do vantre
habitual,
Azia do estomago e
fiatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Affecces do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hrfto, e irregu-.
laridades do sexo
femenino.
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam *
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todos
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona uma
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n5o nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
atfiancar nao s um grande alivio, como
tambem uma cura promptA e radical, isto
est bem visto, quando o doente n3o se
ache n'um estado muito alm dos recursos
'uumanos.
LANMANN 4 KEMP, DE OVA Ya,-RK.
Acha-se venda nos estabetecimentos dt
P. Maurer 4 C, J. C Bravo 4 C, A
Caors, B. M. Barboza, Bartbolomeo 4 G
A rmandads acadmica da N. S. do Bom Coa-
seiba mandg oiVbrar naa tajes no dia 24 (quin-
ta-aVa) dbcorrea]e,as 1 huras da ajanhla, por
alma de la* $ape|m BeS/iqses Pereira, pelo
que coavi|^ sos plrlbiftf|anlgo e foHesas Dar
asslsliremaef>ayt6 o^nvVnWtl/S. Francisco
AVISO
Constando a abaixo signada que suas osera
vas Theodora e Eugenia teem se apreseatadt em
casa de pessoal de suas reacoes, f*zado pedidos
em sea oome, apressa-se- a decl>rar que taes pe-
didos sao falsase purasnvengoes daquellas uas
escravas, pedindi a essae pesfoas que os couside-
rem como taes ; sendo qae por parte a anaeu-
eiante vai ser ap?\icaooo devldo cotTrHvo contra
aquellas eseravas. Recife !9 de agosto de 1871.
Anna Hara C. de Albuioerqae MaraohiE
.:0C0
Se ato* andas com dona...
A-esnstra rada pao sabe;
Vida de seena4e pego...
Aeaywm yasiro te catiel
eom oa cascos eompridos,
..manda apara-Ios :
lar cascos curios
alk.
" Tocndsocei.
W ?eja*u Oi*r1o tf. 183.
CASA i)A rORTlM
Aos 5:00(^1
Bilhetes garantidos.
i ra Prneiro de Marco (oatr'ora ra dt
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus le
ii:e bilhetes um quarto n. 2391 com 8004000,
um quarto n. 1067 com 100/000, s outras sones
de 401 e 204 da lotera que se acabou de extra-
hir (204*), convida aos possui dores a vlrem re-
eeber na coeformidade do cosame sem descont
algam.
Aeham-se venda os bilhetes garantidos da
10.a parte das loteras, a beneficio da nova igreja
de Nossa Senhora da Penha (205'), que se extratu-
r terca-eira 29 do corrate rnez.
PREQOS.
Bilhete inteiro 8/008
. Meio bilhete 34000
Quarto 14500
Em porcao de 1004000 p?ra cima.
Bilhete inteiro 54500
M Quarto 14375
________________Manoel Martins Finia.
Vende-se o sitio Olho de
Vito.
Em Ponte de Ucha.
Este sitio tem um sobrado de um andar e an-
dar terreo, eontm 4 sallas, 9 quartos, 2 coziBhas
com bons fogSes e forno de ferro, e-te sobrade
circulado de janelias. Tem era separado grande
cocheira para cavados, casa para feitor e escra-
vos e bem assim em para fazer farinba com seus
misteres para tal fi n. E-ta casa tem oa frente
bnns canteiros para Aires, cora portao de (erre
para a estrada do Parnameirira, grande sitio r-
borisado c m grande diversidade de fructeiras,
grande baixa para capim, podendo sustentar por-
jao de vactas leiteiras-para as quaes lambem tere
commodos de recolbimante.
Os fundos da dita casa e sitio deitam para ali
nha frrea que segne desta cidade para Apipucos,
e se acha livre e desembarazado, visto que as
questois que os eonsenhorfs de dito sitio tem
com os emprelteiros de ditos trilho? apenas dii
respeito ao terreno que elles ora oecupam, e os
prpjoizos qne por tal motivo tem ctusado.
Gs pi
de Cx
ua
Aos 5:6l05OO.
Bilhetes garantidos da pro-
vincia.
Una do Baro da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 caas
do costumt.
O abaixo assignado acaba de vender entre o-
seus multo elizot bilhetes a sorte de 8004000 em
dous qnartos de n. 2391 e um quarto de n. 1067
a -sorte de 1004, alm de outras sortes menores
de 04000 e 20/000 da lotera que se acabou de
extrahir (204), podendo seus possnidores viren
receber, que promptamente serlo pagos.
O raesme abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para vlrem ao seu estabelecimento
iomprar os felizes bilhetes garantidos, que n<
deixari de tirar qualquer premio como prova pelen
mesmo? annnncios.
Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 1* parte das loteras em beneficio da
nova igreja de N. S. da Peona* que ser extra
hida no dia terca-teira 29 do corrente mez.
PRESOS.
inteiro 64000
meios 34000
Quartos 14500
De lOOJOOQ para cima.
inteiro 54500
Meios 24750
Quartos 14375
____________Joao Joaqnim da Costa Leite.
Na praeja da Independencia ns. 1 e 5
precisa se de uma ama para coziahar.
zz
"rFALOOE
N'ESTA ARTIGA E CREDITATA
FABRICA
\.
ai
.2&P3& 0)3 30)2
C0NSTAHTKI1IT
CIAP
101 GtlPLITt IOITIIIITI
S SE SOIit
De todas as qualidades
Be todos os feitios I
De todas oe procos I
Eunum
" PARA
DO CRESPO N 4
-------- !!i\
Neste estabelecimento, qne se rnudou da roa do Cabog n. 12 para a roa Nova n.
31, tesa uot linio e variado sortimento de chapeos de merm e palba para lotos pesa-
dos, esmeradamente enlejiados, lis tambem cbapelinas propriag para Sras. viovaa:
As Exmas. Sras. qne i ao estiverem de luto, tersos igualmente a honra de convidai-as a
visitar noaso eatabelecimento, aonde errcontrarSo nm nao vulgar sortimento de chapeos
de velludo, de palba, de belbona etc., ete.; assim como lindas chaptlinas, tudo pelos
ltimos modelos de Pars.

RA DA JMPERATRIZ N.
PERMMBUCO
55
MR E. m i sso\, gerente da tinturarla franceza da ra da Imperatriz n. 55, tem a
horirade particioar ao respeitavel publico d'esta cidade do Recife, que elle acaba de comprar este im-
portante estabelecimento, e que-continuar a empregar todos os seus esforcos, a applicar todos os seus
coBhecimentos d'arte de Ungir e de lavar, assim como se esfarcar para obter em seos trabulbos
os melhores resultados, f.fim de conservar e augmentar o grande crdito qae este siabjleciment:
tem at hoje Justamente merecido.
Tem esperaoas de qae consolidar mais e mais soa reputaci de artista tintoreiro; e c
modo por que sabe tirar as manchas e nodoas de qualquer fazenda ; reputaco que o toruon to
conhecido as cidades devanea, taes como Nantes e Bordeaux, aonde oceupon o primeiro lugar
de contra-mestre na importante casa do Sr. Ronchn ; Marseilie e Lyao aoade adju'ro exceilente
nomeada durante o lempo que all esteva, e em Paris, aende acabou o seu aperfecoamento tintuhal,
si>b a direcgo de Mr. Joli (o lilho) vice-presiente do Curso de Chmica e Tinturara (sito na ra
Nova de Revoli n. 98) primeira casa de "Franca neste genero, e aonde o Sr. Gautier, ex-propnetaric
do sea estabelecimento o foi engajar cora o titulo de contra mestre no servico de tinturaria de seda
e la.
Em relacao cora as melhores casas de Franca, que se empregara neste commerclo, estar
sempre a par de todas as novas dascobertas e combinacoss de cores, e procesaos melhorados.
Emfim, espera que uma Justa apreciadlo dos seus trabalbos, far augmentar a soa fre-
guezia j to grande e bem crgaoisada.
Eis os seus principaes trabalbos :
AMA.
GRANDE ESPECIALIOADE.
Tiragem a secco de qualquer nodoa em panno.
Lavagem de qualquer vestuario de homem, mu-
llier ou crianza, sem odescozer e conservando-lhe
o brilho de novo.
Tiragem a secco de qualquer nodoa em seda.
Lavagem de vestidos de seda, de qualquer cor,
chales de seda, chales de crep da China, cache
miras francezas, tarlatanas, ch. les de merini, ves
lidos de veludo e chapeos de qualquer cor.
TIRAGEM DE NODOAS.
Tiragem de nodoas era seda, veludo e la, fazen-
do desapparecer qualquer mancha resinosa oa de
gordura.
Vai se as casas para o trabalho de tirar nodoas
nos movis nu tapetes dos saloes.
TINGIMENTO DE SEDAS DE COR.
Tioge-se vestidos de seda e gorguro, chales de
seda e crep da China de todas as cores, assim
como veludos, reodas e bicos.
Extracto de carne
Do Dr. Ubatuba
Fabrica de pedras brancas na provincia do Ric
Grande do Sui.
Em latas de 2, 4, 8 e 16 oncas. nico deposi-
to em Pernambuco, na pbarmacia americana de
Ferreira Maia & C. : ra Duque de Caxas nu
mero 57.
Deeeja empregar-se ora babel um cozinhe-
ro de forno e fogo, massas e doces, ebegado ha
pouco nesta capital : quera de seu prestalo pre
cisar dirija-se ra las Cruzes n. 39, Hotel Per-
nambucauo._____________________________
MudHnca
Josepha Hara dos Praxeres e Silva participa s
pessoas de suaamizide que mudou sua residen-
cia da ra do Visconde de Goyanna para a Sois-
dade n. 29 ; bem como a t)dos aquellos que se
interessara em negocios da viova e berdeiros de
casal de Joo H-nrrque da Silva.
Mudane^.
Jos Heorique da Suva G jimaraes mudou sua
residencia para a Soiedade o. 29, sitio onde mo-
rn o Sr. Dr. villas-Boa;, onde poder ser procu
rado, ou na ra das Cruzes n. 38, 1* andar, das
10 horas s 4 da tarde.
- Precisase de orna ama q.ie saiba coziahar 6
eogommar para uma senhora : a tratar no patee
do Terco n. 13. padari._______
Na ra do aogji n. 57. fornece-se comida
eom o rcaior asseio e promptidao qae possivel
por commodo prego.______________________
I
Precisa-se de um menino de 13 a 14 anuos,
que saiba 1er e escrever para a villa de Gara-
nhnns, prefere-se dos ltimamente chegados: a
iratar n roa do Livramento o. 8.
boa conducta
Precisa-se de uma ama para
todo servico de uma casa de
pouca familia qae se] a ie'
na roa d> lionas o. 12.0
Aluga se
una boa casa reedificada de novo deroate
^vJ^a?a.s22....luW.tL^,gt0, H n*ne-coroneHaesos,eraOl.nda: quem preten
ao Visronde da Pelotasl3 caa n. 'f" *,*, u.,aa. n ->q ,...n^ a.
TINTURA PRETA EM SEDA.
Tinge-se vestidos, chales, Otas, rendas e loa-
larda.
Garante-se a boa qualidade da tinta e que a fa-
lenda ficar parecendo inteiramente nova.
TINTURA DE LA EM CORES.
Tinge se ronpa de homem, de muiher ou de
enanca em la, sem desozer e na cor que se de-
tejar, qaer a fazenda seja la para, seda e la e la
e lgodo, ou as tres qualidades juntas.
Poupelioas, alpacas, reps, merinos casimiras,
damascos etc., e era todas as cores que se queira
TINTURA PRETA EM LA.
Vestidos de hornera, de muiher e de enancas
sem erem deseozidos, e garantindo-se a boa qua-
lidade da tinta, nao sujaudo a ronpa branca.
Todas as qualidades de fazendas, assim coros
cbapes de feltro, de ftlaniiha, de palha de Italia
ou do Chile
Tudo por prepos commodos.
A' AGUIABRACA
RA DIUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
1TTMA0
Irmandade do Divino espirito Sjoio de
S. Francisco.
Por ordem da mesa regedora da irmaodaie do
Divino Espirito Santo, ereefa no convento de S.
Francisco convido a todos oa irmos para se uegae
reuairem em mesa geral, Domingo 27 do cr-
rante pelas 10 eras da manha no consistorio da.
iimandada, aflm de ser presente os trabalbos foi-
los e approvadas pela mesa conjunta e couselho
fiscal acerca da (Sudasea do talo da irmandade
para o da Santisaioia Trindade
Cos|lst.vrlo a irmandade do Divise Espirito, tyaofradaiyqne ae dir a quero pertence.
Santo, de agosto de 1S7I.
M.G.Wri.
S'Wetarlo
^,. AliiKA-se
-Vas exeelleole casa na rna Auga ta n. 70, com
>as qJtklo*.. boa cacimba e cora sahida para a
i achara om qaen tratar n[
eoxlnhar, paga-
Ha pouco mais de dous mezes uma escrava,
subtrahio da algibeira fie seu sennor 3 sedlas d
300s cada uma, o qnl fez a diligencia a Am del
que a escrava desse eonta di mesma quanta, po-
rm at hoje tem sido baldados os esforcos empre-.
gados para esse flro, constando agora ter ella en-
casa quantia a uma das sociedades deLaara caaa
emancipacao para ir juntando at se libertar,' po-
rra como tal dmhelro sao deve servir para esse
fim, por ter sido subtrahldo, tendo ella confessa-,
do, sem Sisero qne faz desse dioheiro : portaoto
pede-se 4s peatn qne de tal dinheiro sooterem
an tiverera noticia o favor de darem parte nesta
CUARTOS PARA ECttlPTOMO DE
ADVOCABA.
-Aluga-se dous magnficos quartos muito pro-
prios para advogados, na ra do Imperader n. 34:
a iratar na loja da^nesma casa i ra Primeiro de
Mareo s. &, esqutsa.________
Caix iro
N roa ds lraperairt n. H precisa-se de um
eaixeiro dslnteira sestiea de taberna e que di
fiador da sua conaacta.
dirija-e i ra da Moeda n. 39,
huras da manba as 4 da tarde.
da
te'
pretender
armazem, das 9
piecisa-se de um eaixeiro
18 anuos, que seja portuguez :
btira n. 23.
de idade no pateo da Ri
Precisa-se de uma ama para o servico de
ana-nasa de familia ; na ra da caes 21 de No-
vtmbro n. 30. andar.
A Aguia Branca tendo j reoebido parte de suas
antigs encommendas. em seguimenlo acaba ago-
ra mesmo de receber outras, algumas das quaes
so tornavam esseneialmente preeisas, e outras se
fazem apreciadas por seus gostos e qualidades,
cono sejam :
Meias de fio d'escocia, abertas para tenboras
9 meninas.
Ditas idem eom listas tambem para snboras
e meninas.
Das idem muito b 'Ditas ao gosto escocez.
Ditas idem idem brancas e com listas para me
ninas.
Ditas idem idem para baptisados.
Ditas de algodo compridas e com Iistras para
meninas.
Lavas pretas de seda, para senhora.
Ditas de torc I e de seda para meninas.
Bonitas caraisiohas bordadas para senhoras.
Fil de aeda, tranco e preto com flores miadas.
Dito de algodo, liso e com flores.
Touquinhas bordadas para crianzas.
Lindas e modernos chaposinbes de asto para
ditas.
Peates de tartaruga para desembarasar ou pen-
ase.
Ditos de dita Iravessos para meninas.
Ditos de borracha par ditas
Ditos de tartaruga, pequeos, para segurar o
amarradiibo aos cabello* de senhoras.
Grande sortimento de enfeites de seda para ves
nasa
Fvellas de nudreperola e de tartaruga para
T>nlceira e Uco pasa o cabello. '
Bonitas b letona para meninas.
NOVO'SORTIMENTO DE BNCHOVAES PARA ,
BAPTISADOS ]
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
mento de lindos e completos enchovaes para bap-
tisados, e bem assim separadamente camisinhas
Sara dito", lindos cbapeosinhos de setim branco
orados, outros ditos eom fondo de vettude, obra
de muito gosto, e que servem tambem para pas-
seio, aapatinhos de eim para o mesmo flm.
MODERNOS ENFEITES DE FLORES,
ornados com bieos de seda, Alas de setim e flvella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, casameelos, elvete
A M A Precisa-se de uma ama para ossa e1
rVJILfl. pouoa amiliaeque cozinhe com peMeit
cao : a-traiar a roa da Penha n. 8.___________
Oflarece-ie una mamar ejosaiuisa eapat,
ira cata de uma familia, eroquastoao aeaHci
ose faz se dir a quem a pretesder: ssem ptealsar
dirija-se a Boa-villa. P\iste-Vev*rfl.48,
Hypothe<
Prerisa-ae da quantia de i:06SJ s^sro mdico
p$n eMoacao 4e>aastseat 'em -sshSs aMhW
has ama*lde.4aauciliada, SsaaSSira* san at-d
fssee o predio-sue se daet tao safaseis ae,
uaata : ajjsam quiter tia
typ>yssfu.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca recebeu lindos ramos de florea
finas, tanto jiara cabera como para chai eos, e
bem assim :
Papel verde liso e com listas para folbas.
Dito de cores para flores.
Folbas de diversas qualidades para rosas.
Ditas verdes e lustrosas, obra nova e pela pri-
meira vez vindas como amostra.
Franjas pretas e de diversas larguras para en-
feitar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branca acaba de receber uma peque-
a porco dos bonitos e modernos coques gran-
des de tranca e outros moldes.
COLLARES ROYER ELECTRO MAG-
NTICOS.
A Agnia Branca acaba de receber os proveito-
sos collares electro magnticos j bem conheci-
dos para facilitar a denlico das enancas e pre-
serva-las das conv ul;oes.
SOBRE-SA1AS OU ANQUINHAS DE
CLENOLINE.
Em substitnicao aos baldes vierara as anqui-
nhas de clenolioe, e acham-se venda na loja da
Aguia .Branca.
QUA.DROS PARA RETRATOS,
A AguU Branca receben .variado sortimento de
quadros para retratos.
LENCOS BORDADOS.
A loja d'aguia branca, a roa Duque de Caxias
n. Si, outr'ora du Queimado n. 8, recebeu bonitos
lencos de cambrair. de linho primorosamente bor-
dados, e como de seu louvavel costme est os
vendando baratamente a 5/000, 6#, 84 e 10*000
eada um.
TAMBEM RECEBEU
ricas camisas de fino esguio de linho enfeitadas
eom muito gosto, e proprias para noivas, ou mes-
mo outra Exma. senhora que possa e queira aug-
mentar o numero de sua boa roupa branca.
dHaquaotia : i
nata
-H*
de -vder usardaii -asi ssvesseasa dta sama-
da Catajorte a !* seads^ dia 1> sajara) pro
eouoAl^a'auobatea, (\edftle sgoHo
i I|safiia Varia 4m SqU.
num IB ODIO
* DE
ERNESTO & LEOPOLDO
N 2 D Ra do Oabug L2 S
acba-sB awntado de forma taf esta estabelecimento de jolas que pide
vender aos seus DooMroaoa fisgoem era groaso^ a reUlho e por prtcos
moi reeomidna tistoqoe recete dseonta propria por todos o vapores de
Eoropa. O gosto de desenho de anas jotas o-mait Hr"*
modaa, coro de lei. trifttsntes verdadeiros, esmeraldas,
torqnesas, aapoirss, coral ton etc. etc. Obras 4u
para igreja corno para
a vhitsram o dito


(han* d fenuMabace Quinfa

x=
Obsequio
Pede-se aoi abalxoa declarados tereu a bonitas
Na pr*oa-4a Independencia n.
aaakro aotire aenborea 4a ora, |
e de vir aa roa Dtreitt a. W, a aegecio da asa ea aa wngy vende
(Francisco da Mallos
Taoauz {Muda Sooio
Maaoei da Corta Figueiredo.
Joie Joa da Cosu Santos.
Jos Caatano T. de Sooza
Atoeio Rodrigues Martina Perrera
Antonio Martina da Sonta Campos
Fraocieeo de Salles G. Canoa
CaeunoJo Coetho
Joa Iric da Silva Santos
Miguel Bslevea Alves
Joa Teixeira Leite
Antonio Jos de Oliveira Braga
Jea lUbeiro Gaimariea
Prandseo VaxPerera
Jos Goncalves Ferreira Rosa
Antonio Jp Das da Silva
Asostinho Francisco Goraee
Jlo Baptlsta da Silva
Jas Paqninet
Anastaeio Joc da Costa
Dorotea s Jos Pereira da Costa
ManoelPaiva
Pergentlno de Aqnlno Fonceca
Camillo Pinto de Lemos
Looreneo Laiz das Naves
Jos Bernardo de Soou
Vinva da Manoel Joaqnim Pereira

Mi bina a vapor"
Vende-se urna, machina i vapor con todoa ae
pertenees para padaria : a.tratar no patee da San
la Croad. '41, e fai-se qualquer negocio a praao on
a dinbairo conxf eonvier ao comprador.
MOFINA
Moajn-aa ao nim. Sr. Ignacio V.eira da Mello, <
atrio na cidade deNaiareih dwtt pwincla.
fator de ir a roa do Imperador n. 18 a concluir
aaaelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
ear, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo passado, e depoia pan Ja-
neiro, passoo a fevereiro e abril, e nada cumprio,
e por este motivo de novo chamado para (Uto
fln ; poia V. S. se deve lembrar que este negocie
d da mais de oito anuos, e quando o senhor sao
flho ae acbava no ea nesla cidade
Precisa-se de ama oa daas pessoas escravas
n llvres para vender em taboleiros : a tratar na
roa da Compannia Pernambacana n. 10 A, on
em Santo Amaro ero eguimento a fundicao na
penltima casa._______________________
i
astauer o
mmenda, tafio e qualqer -onceno tendente a
meaja*
J*
Botica popular
roa da Iroperatri n. 77, preeisa-ae contratar na
affleial de.pnarmacia.
Medico
O.Br. Villas Boas madoa-ae da praca
do Conde d'Eu n. J, pan a roa do Hoa*
R picio n 35.
un
Ha+Sna5 da roa Imperial n. 199 pied-
sa-te de na> trabalhador orri on escravo para
todo o servco.______________________
Precisa-se de ama ama ou nm menino, para
casa de > ama peg;oa, sendo a ama para comprar-
cozohar e'eogommar, e o menino para comprar :
na roa estreia do Rosario n. 22, sonando andar,
AMA
Precisa-se de ama ama : na rea
da Cadeia n. SI, lega de mindetas.
AMA
n.,a
Precisase de urna ama lorra para
engomar e comprar; i roa do Cabug
ATTEWCAO.
Perdeu-se no oia 16 do correnle ama ar-
golla com algomas chaves peqaenas, quem
acbar pode entrega-las no escrptorio do
baro do Livramento do Caes do Apollo que
ser generosamer. te recompensado._______
Ai fenedo.
Arag&re os tres andares do sobrado da roa
larga do Rosario n. 10 por cima da. ba.ica : a
tratar na mesma.____________________________
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Roa do .Trapiche n, o, 1* andar.
Sacea por todos os paquetes sobre o banco d<
Minio, em Braga, e sobre os segaintes lugares en
Portugal:
Lisboa.
Porto.
Valonea.
animarles.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Laraego.
Lanos.
Covilhaa.
Vasca) fValpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
FDRDICiO
DO
BOWMAN
Vapores pequeos pa des-
caroqar algodo
0000000 000000
* Odilon Duarte
0 CABELLEIREIRO
0 lina da Iwperatrlz a. t
jbk Neste estabeleclmeato encontraro as
2 aenboras lado que diz respeito a enfeites
de cabellos, como sejam coques, trancas,
cresoentes, c cbpaiue, etc., etc., e ama
grande qaantidade de tranca de cabello
vegetal, que vende-se pelo baratissimo
1

*
*
*

mesmo estabelecimento encontrarlo '
19 doas offlciaea peritos profesores n'arte
M de pontear senboras, os quaes sempre _
? esto promptos para qualquer chamado, ?K
W quer dentro da cidade oa seas arrabaldes,
a perneados todos modernos e escolbidos dos _\
ff ltimos figurinos.
000 00000000000
AOS 5:000^000
Esli venda os felizes bilbetea da lotera da
tahia, na casa feliz do arco da Conceico, rarives no Recife.
preco de 5*500 ca"a tranca,
No i
RMU4
aaaeib e proroptidla, haraaatto-ae a"
do .eoooras acadmicos que qoiaarem
pan as soat aulas, visto aoe se dan alai
de 7Haoraaea pooto al a 9, on at a no.______
aaanaoa mareada, e jaatar a qoaiqaer hora, man-
dando-ae lavar oa san eaeae.
Preeiaa-M alagar ama -eacrava pan o aor-
ipo de na cata da faciRa : aa roa da Oeoeei-
ajo-da Boa-VHa a. a.
**fdeiaa-aa de ama ama li-
vre oa aaarava qae salta
--. oanaar com perfeiaio: na
a apor de cigarro, roa larga dollosario
%all^
fabrica a a
noaaeroli.
ATTENCAO
Precisa-te de ama ama de meia liado aoe ce-
ziohe, compra e neo o mato trrico interno de
cesa de ama familia aompoala do dau pessoas:
neata typograntoa aa dir.
CASA DA
RA 1
Aos 20KK)0JM)00.
O abaixo asf igoado tem soaapro aposto i ven-
la oa felizes bilbetei do Rio de Jaaatro, pagando
proaptamente, como costuma, qoalqoer premio.
PRECG8.
Inleiro SoJOOO
Meio lld009.
Quarto 6*000-
Hanoel Marttas Flua. ^
s enbores abaixo mencionados sao rogados i
vir roa do Apollo n. 4, a negocio de interesa
reciproco. J
Laiz de Oliveira Lima Jnior.
Silvestre Pantaleio.
Francisco de Si Rarreto.
Prandseo de A ais Mello.
Paulino Rigneira.
Jallo Cesar Cavalcante de Albnqaerque.
Dr. Joio Gairoaries.
Cipito Jos Avelino da Silva Jaqaes.
Joaquim Pacifico de Arroda Camira^___________
Na roa de S. Francisco n. 72, precisa-se de
ama criada qae emenda de coerara, arromacio e
asseio de casa de familia.
Ama de leite
Precisa-se de ama ama que ten
seja sadia : na ra do Visconde
(Arago).
bom leite e
etotas n. 37
Diario e razao
Na roa da Cadeia do Recife n. 32, vende-se por
c mmodo prcco, um excellente jogo de livros in-
filcze?.
lilil
A tintura anti scrofala de vismia bastantemente
^reconisada pelo sen factor tem sido e om dos
mais enrgicos medicamentos nos acommettemen -
tos escrofulosos, sendo u?ada conforme a direceo
escripia que eavolve o frasco, existindo i venda
na bitica e drogara que fui do finado Paranbos
roa Direita n. 88, nnico deposito nsta provincia;
onde tambem se acha venda o ronito acreditado
remedio para bebedice por viio em consecuencia
do excessivo uso de bebidas espirituosas, o xarope
de veame, e as prodigiosas pillas regaladoras
brasil.-iras recommendadas por sua eficacia no
desapparecimento do menstruo, irregularidades
na men-truacao e flores brancas.
Attenqo
Um r.ip 7. brasileiro qae tem boa letra e que
sabe algomas operacSos de contas, e que tem al
urna pratica de taberna, se ufterece para caixeiro
de alguma casa de negocio, dando fiador a sua
ndocta : nena typngraphia ^e dir.
Aluga se o 3.
ra Augusta p. 67
uiesmo.
andar do sobrado da
: a tratar no 2," do
Attencao
Pede-se aos abaixo declarados terem a bonbade
de vir na ra de Pedro Alfonso n. ii (ontr'ora da
Praia) a negicin de seos interesses.
Antonio Lins de Albu'iuerque.
Bernardo Cardoso Moreira S C.
Bastos &. Amorim.
Therencio Albano Ferreira.
Prancisco Marques Lemos Ribeiro.
Manoel U^reira de Lemos Jnior.
Joao Ferreira Camino.
Joo Jos Gomes dos Santos.
Jos Nones de Paula.
Joio da Silva Coimbra.
Francisco Florencio da Silva Grillo.
Antonio Lopes chaves.
Antonio de Mello Rodrigues Lonreiro.
Jos Antonio de Gosmao.
Joaquim Antonio de Souza.
Mmoel Antonio de S<>oza Ribeiro.
Alberto Jacintbo de Souza.
J"o de Sooza Nones Pinto Amorim.
Narciso Jos Franci-co Paranho.
Augusto Jos dos Santos Miranda. .
Henriqae Manoel da Silvt.
Jos Maria Gomes Ribeiro.
Joao Antonio de Mattos Abreo.
Joio Fernandas de i'liveira Gamito.
Antonio de Suma Jnior.
Antonio Soares Meiretles.
Candido Fojo de Mello.
Joao Valentim Das Villela.
Jos G briel G >mes.
" Ji nao nma cousa qae se precise experimen-
tar 111 e sim inteirameoie conbecido o bom e
grande sortimento que existe na Nov- Esperanza
roa Duque de Caxias a. 63, (amiga roa do Quei-
mado) assim pois, sendo quasi impsssivel discre-
ver-se o grande numero de objectos expostos ven-
da em dito ettabelecinento; ella contenta-se em
mencionar algons dos objectos mais ricos, e in-
leiraraente novidade... e aproveita o ensejo para
convidar a todos geralmente e em particular ao,
bello sexo, para visitarem-a aflm de apre. iarem
gosto e perfeico de seas objectos a par d'um pre-
co rasoavel, pois ella se- contenta com poucojlocro,
tendo sempre em vistas a vender barato, para ven-
der mnito, e de-ta forma ebegar ae fim que lodos
almejam ; que o lacro para suavisar as fadigas
da vida....
Noate note amizem tea om
miado forttaMAt da faiendat
francezu, ingletao, alleraJai e te-
da toda m Mdem por prtsos
mdicos, afim ae acreditar a este
aovo armare.
Caiemiru ioglexas,
francezas, de todas u
qnaldaaes, brins de
soref e brtncoi, eoiei-
riuhoi moderno, cha-
peos de sol de teda,
Mt,
- BIJA DO MUO DA VICTORIA 41
imniZAm tAia nm DE i im i>nui I
ARRUDA IRMAOS.
RA
Sari o ala Victoria
alija
IVOVA
N. 41.
Aetim como ten ana rrande
oficina de aJfakte, montada cea
todo os preparos aoe ha de apemor,
dirigida por babeie arttaa, qo
pela ana promptidio e perfaieit
nada deixam a detejar.
Rompa de todoa o
amaBBospara hoaiane
meataea.
Por todoa m paqaa
tea recebem-se aa aa-
lhorea e mais moder-
nas casemiraa qae ha
na Enropa.
MJA
ariaya.Tletarla
utifaru
NOVA
. H. 41.
Sete eetabelecunento acaba de toffrer orna reforma radical em acceio, artistas e commodoa.'e m pontoalidade naa encoav
sendas, analmente em todo afim de melhor servir oa sens numerosos freguezes deia-se de annunciar todaa aa faieadaa, atra
lio se tornar maasante
LIQODACAO MONSTRA
Da mais importante fabrica de chapeos deso do imperio Ra do Barao da Victoria d. 23
0 dono daquelle estabelecimento resolveo vender os productos da saa fabrica pelos precos segointes:
Chapoa de sol de seda para senhoras a 54, 6, 7&. 8*. 96, W, U&. W, IU, 14, M. 160,17, 18^, e 20 OOfc
Ditos, ditos, ditos, para, homem a.... 80.10j, KK&. \U, 134, I4A iU. iU, 170, 180, 200, 220 e 240000.
Ditos ditos de alpaca a.............. 40, 50, 60, 70, 80, 90 e 100000.
Ditos ditos de merino para homens a.. 64, 70,80. 90, 100, '110 e 120000.
Ditos ditos de brim d'esgaiSo a...... 60, 70000, todos os chapeos cima tem 15 % de descont em duzia.
Ditos ditos de panno a.............. 20, 30,40, 50, 60 e 70000 descont 25 %.
Tambem ha om grande sortimento de fazendas para cebrir armares e trabalbase mais barato e depressa do qae em qo?.;-
qaer outra parte.
A VERDADEIRA E CENMNA
SALSA-PARRILHA DE AYER
EM AC(?O
Companhia Allianpa
DE
seguros martimos estabelecids
na Bahia em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rg. 2,000:000/000.
Toma seguro da mercadorias o dinoeiro a riset
martimo em navios de vella e vapores para den
tro e fra do Imperio. Agenoii ra do Com-
mercio n 8, escritorio de Joaqnim Jos Gon
calves Beltrao.
Pede-se ao Sr. J... qae techa a boodade de
vir mi man !-r a ra Imperial d. 138, pagar, o
aauito que compron pelo S. Ji ao, do contrario ver
sea nome por extenso neste Diario.
Precisa-se de doas perfeilas engom
madeiras c pagase bem : roa do
Hrnm, fuodicao o. 104.
A I
Imperial sociedade dos artistas
mechanicos e libraes de Per-
nambuco.
Sob 08 aaspicios de Nossa Senbora do Amparo
a de ordem do respeilavel irmo director, convido
todos ossoeios desta -sociedade, para no dia 27
do crreme s 9 horis da manh, comparecerem
a festio, afim de procedermos a eleicio dos fuoc-
-n.-nario- qae devem servir no ann flaanceiro de
4871 1872 : \Mo de conformidade com o dispos-
lo na nosfa eonstitui^ao.
Secretaria da sociedade c m 22 de agosto de 1871.
Simio de Sonta Monteiro,
l* se:reterio.
Irmandsde do Sacramento do Recife.
Da ordem do irmao Juiz sai convidados nossos
irmM para con pafecerem no dia 25 do correnle
pelas 5 horas da larde, no consistorio da irman-
dade afm de incetar se a diseas.'o do novo com
promisso, cojo projecto impresso j fol previamen-
te rlistrihuido peios nossos irmins para procede-
rem ao seeessario estado. Recife 22 de agosto
de 1871.
Joio Joaqnim Alves,
EscrivSo.
SITIO
Precisa-se alagar oa arrendar um sitio e casa
para pernea familia, prefernd-se no segaintes
arrabaldes; Aflictos, Rosannbo, E-pinheiro, En-
canamento e em qualqner logar d-stas immedia-
(des que nio exceda a urna legua de distancia da
cidade : quem o tiver dinja--e ao pateo de S. Pe
dro n. 11, que achara com quem tratar.
Precisa se de ama ama pa
ra o ?ervigo interno de urna
casa de familia : tratar na
Na (ravessa da rna
das Crizes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penbores
de ocro, prala e brilhan-
tes, seja qnal for a qoan-
tia. Hi mesma casa com-
pran-se os mesaos me-
taes e pedras.
A molestia oa nfeceo propriamente co-
nhecida pelo nome deESCROPHULA
um dos males mais prevalecentes e oniver-
saes qae ha em toda a extensa lista das en-
ormidades de qae soffre o genero huma-
no : disse om celebre escriptor da medi-
cina qae mais de ama terca paite de to-
dos aqnelles que morrem antes da velbice
sao victimas, ou directa oa indirectamente
da escrophala >: por si d2o tu distrui-
tiva, porm a principal causa de muitas
outras enfermidades que nao Ibe sao geral-
mente aitribuidas.
urna causa directa da phtysica pulmo-
nar, das molestias do fjgado, do estomago
e af numerosos symptomas achanx.se os seguio-
tes: falta de apetite, o >emblante paludoe
as vezes incbado, s vezes de urna alvura
transparente e outras corado e amarellento
eo redor da bocea: fraqneza e moleza nos
ra do Viga rio n. 16.
(Jozinheiro
Preeiea-se de am boro cozinbeiro na roa larga
o Rosario n 44, hotel.
Urna muiher estrangeira tifferece-se como
euinbeira oa paraqnaiqaer servico interno de casa
de familia ou para cuidar da casa de homem sol-
t-iro : a-tratar na ra du Brum n. 46.
^ocieda Je bene6cente dos ar-
tistas alfaiales
Scicniiflco a todos os jos membros que no dia
7 de Correnle, a 6 horas da urde do mesmo dia
iuveri a?sembla geral psra tratar-ae a bem d
r.esma n'edade.
Sala das scifdei da aociedade Beneficapte dos
Attislas .Atraales em Pernambu 23 d agesto de
1871.
Antoni* Jennyriw 4a Silva CmpJ!o,
Bazar Universal
Para este estabelecimento ebegoo ltima-
mente am riquissimo e variado sortimento
de perfumara*, que muito agradar a todas
as pessoas amantes dos deliciosos perfumes.
Bem como ootros muitos artigos qae seria
infadoobo enumerar.
Cadeiras de vi me de todas as qua'idades,
transparentes de madeira e de panno para
janellas.
Machina Progressopara costara. Esta
machina qoe acaba de completar om gran-
de, sortimento de o'utras muitas de differen-
tes auctores, terr. a propriedade de fazer
costaras de todas as qualidades, e igual-
mente casear.
rna do Ba>5o da Victoria (ontr'ora
Nova ) a. 22, estabelecinsento de Cirneiro
Vianna.
AlTrmLlCO
Tendo mudado a micha residencia para Apipu-
cos tenho a honra do indicar aa casas dos Sr.
J. Bhigas snecessorde J.-Vigoes,rua do Imperador
n. 55, ou a do Sr. Vctor Pralli?, roa do Duque
da Caxias n. 6, como aqne'las que graciosamente
ae prestara a transmiitir-me qualquer recado
eriplo oa verbal.
Gustavo Werthelmer.
es-
Precisa-sede orna ama
eacrava qae saiba bem
coziobar e engommar,
para casa de familia,
emposta de daas pe-
toas ; qaem liver e qui-
xer dirjase raa larga do Boeario o. 38, segun-
do andar.
AMA
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 91.
Jos Bigodinbo, com it ja de miadezas,
a\isa a todos os os feas fregaezes que est
torrando todo pelo ureco, a vista da fazeo-
da, para todos admirar, a saber :
P^Cas de fitas bordadas muito fin?.3 I 5500
Thesouras grandes e pequeas o
mai fino que ba a hyJUOe I 500
Caixas com 20 qoadernos de papel
liso, amisade a rs. 500
Pecas de tranca de 13a e algodo as
mais modernas a 160
Frascos com sgua de colonia muita
fina a 400 e 500
Frascos com agua de colonia ver-
dadera a 800 rs. e I 500
Chapeos brancos para baptisados o
melhor que ba a 30009 e 5000
Duzias de botbes cobertos de seda
para vestidos por todo o preco
para acab-r.
Libra de arda preta a 160
G rosas de bot es de louca branca a 120
Caixas com 100 envelopes faxenda
fina a 500, 600 e 800
spelbos de moldara doarada a
800 e 140O0
Pentes pre'.os rolteados para me-
ninas a 240
Tinteiros com tinta preta a 80 e 1O0
Pecas de fita elstica muito fina a 20C
Laia8 com superior banba 60,100 e 200
Latas grandes com superior banba a 320
Frascos com oleo de Pbilocome a
SOOe 800
Frascos com macassa | Perula a 240
Frascos eom agua de Colonia verda-
dera a 14000
Ditos com oleo de ba )osa suderior a 320
Carriteis de retroi preto com 2
oitavas a 600
Caixas com agolbas fraacezas a 160
160
Pecas de tiras bordadas a 500, 600
800 e
Garrafas coa a verdadeire agua
florida a
Ciitillias da Doctrina Christla as
. mais modernas a
Litro das missow abreviadas a
Cop Macos . melhor que ha a
msculos, digesto flraca e apetite irregular,
falta de energa, ventre incbado e evacua-
c3o irregular;quando o mal tem seu as-
sento sobre o pulmdes, urna (dr azulada
mostra-se em roda dos olbos ; quando ata-
ca os oreaos digestivos, os olhos t rnam-se
avermelhados, o balito ftido, a 1 ngua car-
regada, dores de cabeca, tonteiras, etc.
as pessoas de disposico escropbulosa
apparecem frequentemente erup^oes na
palle da cabeca e outras partes do corpo,
sao predi.'postas s aHeccoits dos pulmes,
do figado, dos rins e dos org3os digestivos
e aterina.Portanto, n3o somonte, aquel-
es que padecem das formas, Qlcerosas e
tuberculosas da escropbula qae necesi-
tara de protecc3o contra os seus estragos ;
mas sim todos aquelles em cojo sangue
existe o virus latente deste terrivel flagello
(e s vezes hereditario) esto expostos
soffrer das enfermida'ies que
tambem a
A SALSA-PARRILHA DE AYER
E' composta dos antdotos mais efficazes riaes, molestias das muiberes, ulcerac5esdo
qua a sciencia medica tem podido deseo uu ro, a nevralgia e o nvulses epilpticas,
e em summa, toda a serie de enfermidades
que nascem da impureza do sangue. Vede
as certidues no almanak e manual de sade
d" Dr. Ayer oe se distribue gratuita-
mente.
elle causa, que sao:A phlysica, nlcera
coes do figado, d( estomago e dos rins -
erupcVs e enfermidades eruptivas da :a-
tis ; rosa ou erysipela; borbuibas, pasta-
las, nascidas, tumores, ulceras e cbagas,
rheumaiismos, dores nos ossos, as costas
e na cabeca, debilidades femininas, flores
brancas causadas, pela nlcerago interior, e
er fermidades uterinas^ hydropesia, indiges-
t3o, enfraqoecimento e debilidade geral.
Aos pulmes a escropbula prodnz tubr-
calos e finalmenteconsu;np';3'i pulmonar:
as glndulas ella produz inchages e
tornam-se ulceras: nos org3os diytstivo
causa desarranjos que produzem ind.gesto,
dispepsia molestias de figad>> e tos rD= :
na pede produz erupc,5es e affeccoes cut-
neas. '
Todos estes males, tradb a mesma ori-
gen), carecer do mesmo remedio, a saber:
pu> ideare fortalecer o sangue.
brir para esta molesiia assoladora e para a
cura de todos os ma'es provenientes della,
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias e est provado incontestavt-lmenie
pelas curas notaveis e bem conbecidas que
tem feito detumores, erupcSes cutneas,
erysipelas, borbu has, nascidas, chagas an-
tigs, ulceras, sarna, hydropesia, tosse
quando causada por depsitos tuberculosos
uos puimoes. Debilidade geni, indigesta,
sypbil s constitucional, e m* lestias mercu-
Esle remedio j o fructo de longas e la-
boriosas experiencias, e ba abundantes pro-
vas das snas virtudes, posto que e ouVre-
cido ao publico sob o nome deSalsa-par-
rilha, com posto de diversas plantas, al-
Vende-re em todas as boticas e drogaras do mundo.
W. R. Cassels $ C.
Agentes geraes.
gumas das quaes sao superiores melLor
sa'sa r amiba no seu poder alterante.
Aviso.As preparaces do Dr. Ayer
sao preparadas com especial atunero ao
clima dos trpicos e tem modificagdes im-
portantes sobre as que sao fetas para ou-
tros paizes. Portante, o poblico dever
notar, e com cuidado, para qae niio seja
ihudido, que os remedios de Ayer, prepa-
rados exclusivamente para o Brasil irazem
rtulos e envoltorios com a descripcjk>
minuciosa para a sua applicaco na Hngua
portuguesa, e nao ra ingteza.
HOTEL DO BSENTE
na Larga do Rosario n. 44
Este acreditado estabel cimento, offerece aos sues distintos consumidores suma va-
riedade, gosto e muito assio em suas iguarias.
Tem urna espacosa e elegante sala para alimentado, a primeira neste bairro.
Os gneros de consumo sao de primeiras qualidades.
Recebem-se assignaturas tanto para o estabelecimento, quanto para domicilio.
Ha para recreio, sala de bilhar etc. pianno ejornaes nacionaea e estrangeiros.
Dispoe de cmodos e independentes apozeutosparabospedagem.
Couvite
(liOs fenhores credoras do finado Jo3 ChrisnsU-
I mo de Gnsmio sao convidados a entenderse cota
i o 'solicitador Joaqnim de Albniuerqne Mello i rna
i do Imperador n. II, para ver se se pode ultimar a
liqoidacao do espolio sera intervengo jndieial,
isto das 8 as 10 boras da maoha at o da 27 do
correte.
240
11000
1,01300
400
14600
M500
Palacete n. 151 ra do Visconde de
Goyanna, antiga Mandego, em que j es-
tove o quartel do commando das armas.
Alaga-se essa casa com pequeo sitio, jardim e
porto para o rio. O local e mais commodidades
j ao conbecidos, propria para algum estabeleci-
mento de instroccao e residencia para daas gran-
des familias, que tenbam goslo de residirem em
ama bella casa e nao em cosiobas terreas : a
tratar na mesma roa, olaria n. 63, com Marcelino
os Lopes.
160

D. Vicencia Ferreira de Alouquerque Nascimen-
to. seus Albos, flihas e genro, cordialmente agra-
decen) a tedas ag pesoaa qne se dignaram acom-
panhar os restos mortaea de seu presado fllho, ir-
mi e cuchado; a de novo Ihes rogara o ciridoso
obsequio de assistirem as misws qae pelo eterno
reponso de sua alma, mandam celebrar sabbado
J6, s 7 boras da manhaa, na igreja raatrir da
Boa-Yuta. Federa tambera dasculpa s pesoas
de sua amizade que deixaraa de recebar carta de
convite.
Irmandade Acadmica do Nossa Senhora
do Bom Conselho.
Por ordem de noaso irm.> juiz, convido a lodos
os irmos da irmandade acadmica de X. S. do
Bom Ccnselho, para comparecerem no dia 26 s
4 horas da tarde, no convento de S. Francisco
am de as-istirern a bencao da imagera da Senho-
ra SanrAnna, a convite da mesma irmandade.
Secretaria da irmandade acadmica de N. S
do Bom Consalbo, 12 de agosto de 1871.
O secretario,
Henrique Leal.
VMXIfiA KCELLcr
aSTt
tecia-sa de um erado CO* w-ja perfeito

'"--- D. i''.
Enxenada e artn$as mnilo lirapas e sadias
hoja 24 e amanltf M aa 8 boras da larde, em
casa do Dr. Lobo Xc&bto, i roa c Visconde de
Albuquerrjua. Cada CMaoa qne se vaecioar pa-
Saro 24 f* beneficio di anstrnoco do Jardim
a prapa do Conde d'Eu a ummimio qae eatiri
presenta. *
- flttet'te urna ama
roa (Ja= T^nhelra n iR.
m
1 brans): a
Sociedade Beueficente
Conciliapo
Convida-se os godos jara agtitirem a se>sio
pj.igna qne ter lagar do da 8 do frrente s
| (i horas da larde.
O sedretarto interino,
Das Brrelo
Foruram bentem 13 do correnle do andar
da ra do Imperador n. 7o urna volta de oure com
nma cruz de esmeraldas, I anoel com ama esme-
ralda, 1 dito com un r ubi ai redondo, 1 dito eom
o nome amilane, em malte preto escrlpto em
roda, o qaal se abre em daas partes, 1 dito com
ama chapa em forma oval tendo no centro nma
perola e pequeos diamantes, 1 broche liso do
feitio de ama folha de p>rreira com ramos, 6 bo-
toes para collete. de metal dourado, tendo no cen-
tro nma pedra redonda cor de rotiim, e 1 ealix
de vidroqne prateado p^r fra e donrado por
dentro, no qaal eaiavam os objectos furtados. Da-
se I00# t gratirlwl a quem deicobrir o tarto.
Quem qmzer alagar um moler de Idade
de 20 anno, dirija-se a ra da Guia n 8.
THEATRO.
Pede-se ao distincto artisu o Sr. Taborda, que
era lugar de representar hoje 24 do qorrente a
scena cmicaRecordacdes de am danzarina se
digne representar oa o Jos do Capote, oa Amor
pelos Cabellos, pelo que iba (icario maito gratos.
___________Os seus admiradores
Criado.
Precisa-se de um criado qoe seja coceird: qnem
se julgar habilitado, dirija-se ao cafe maeratm
para tratar.
i;\i.ONNtM:iKt
Preeisa-ss de urna engommadeira eterava : a
tratar co Chora-Menino, no correr da igreja ulti-
ma casa.
Piocisa-se de nm caixeiro eom pratica de
taberna, de 14 a id annos, prefere-se ponntuej :
na ra da Santa Cruz n. 74.
Alaga-se o soto do sbralo'" Ja rndo Ban-
gel, preferindose ama pequen famtKa, poia se
aiog mais barato : a tratar na roa da Praia no-
mero 34.
Offerece-se um hornera para caixeiro dr -
gento, que tem bastante pratica deste serv?
qaem o pretender, dirija-se travessa da
gregacan, loja da encadernado n. .
OaJX-iro
Prcolsi-se di am ealftfro pcrtoaer para U-
bern, que tenba praiia, de io 18 annos. e qae
d nador do sua :onlueu : no pateo da Rlbeira
numero 13.
Na roa da Prea bracio
v u. 28, precisa-se Se a aa ama
A que engomme bem e faca mais
9ervico, forra oa escrava.
de
AMA familia de duas .cci'Oaa:
ra Direiis
nma ama par*
a Ira
Precisa-se de nma ama oara casa de tornera
: na rna de Pedro Alfonso n. "
---------------------,
Precsa-ie de "nma ai a para com-
prar o oosohar : na roa do Crespo n.
18,1 andar. '
Aluga sb urna casa em Apipac, propn
ara pa;?-r-se a fesla ; a tratar na raa ^te a
'? D. f.
f



D.ario de Pernambuc Quinta
\
1
J

i

V--*

D. W.
m Engenheiro com
FUNDIDO
a* ra 110 mu n 5*
PASSARDO 0 CHAFARE A
Pede os senhores de engenho e outros agricultores, e empregadoi es de ma-
Chinismo o favor de ame visita a sea estabelectaento, para verem o novo sortimento
completo que abi (em ; pois sendo todo muito mais barato em preco do que jamis te-
aba vendido, est anda superior em qualidade e fortid3o; o que com a iospeccao pe-s
soal pode se verificar.
PKOfi ESPECIAL ATTENCO AvJ NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
VfUtOrPfl A mine VflOTIft dos mai8 modernos systemas, 6 ern
VApviOB tj rUVicto U agua tamaohos convenientes para as diver
sas circumstancias dos senhores propietarios e para descarocar algodao.
Moendas de canna Sos un>aahos ffielbore9 que aqai
JWMiaS OntadaS part animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
llfffl/*h I Til SITIAS Para manc*i0Ca e algodao,] Podendo todos
Bombas
e para serrar madeira
de patente garantidas.
Todas as machinas
(ser movidos a m3o
por agua, vapor,
ou animaes.

e pecas do que se costuma precisar.
Fas qualquer concert de mKa\mmo a PreCo mu manido.
FollllflS dfi foriYI tem as melborc* e raa's baratas existentes no mer-
Pnrtnmmanilaa.___Incumbe-se de mandar vir qaalquer machinismo 4 voo-
AUl/UmiUtSUUMB tae d0S clientes, lembraado-lhes a vaotagem de fe-
lerem 8as compras por intermedio de pessoa entendida e que em qualquer necessk!
de pode Ibes prestar auxilie.
Arados americanos e iMfe.omentos gruas.
Vgsld VY1.
&
TRILH0S URBANOS
DO
aECIFE JL9 OIWDA
e Beberibe.
Por ordem da directora sio convidados
os Srs. accionistas para, no praio de 8 dias
a contar do dia 25 do corren te, realiaarem
a 9* prestaclo de snas accoea, da V emissao,
na razio de 10 */,.
Para esse fim ser o Sr. thesoureiro en-
contrado no escriptorio da companbia, das
11 horas da manbia s 2 da tarde de todos
os dias otis.
Joo Joaquim Alces.
1 secretario.
X)NPRARIA '
M
SANTA CRUZ.
De ordem da mesa geral da contraria
do Senhor Bom Jetas da Via-Sacra da
Santa Cruz, convido a todoi os irmao*
1 conTrsdes, a reuorero-se no consistorio
0 da nossa freja petas 9 horas da manhi
I do dia 3 de setembro vindouro para em
1 mesa geral deliberar-se acerca da propos-
ta feta em stelo de 13 do comete, por
em irmio coMrade para ser vendido, e o
0t sea producto aplicado era plices do go-
verno. o terreno beneficiado que possae
a contrare, no fondo da mesma if reja.
Recie, 34 de agosto de 1871,
__ O escilvio,
Tbeodoro Jos Tavares.
ARMAZEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N.29
Os propietarios destel grande e bem montado est3belecimento scienlificam'ao
respeitayel poblico desta provincia, que se acham com um variado e completa sortimento
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escomidos capricho por
um dos socios quese acba actualmente na Europa, e por isso os podem vender mais
baratos 20% menos de qoe em outra qualquer parte. O mesmo tem contratado com
os memores fabricantes daquelle continente as reraessas das mais ricas mobilias feitas
alli. Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso aptos a fornecerem'
mobilias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de primeira
ordem. Pedem, portaoto, que venham visitar dito estabelecimento, onde encontrlo
a realidade do que acabam de expor, passando a examinaren) : rica3 e completas mobijias
de Jacaranda, mogno, faia, carvajo, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello., guarda louca do
nogneira. amarello, coro tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petas
toilettes, especialmente para fazer barba, toilettes de jacarnd e amarello, com pedra,
e muitosootroB artigos de gosto, que para se no tornar enfadonbo prescindimos de
m azer rien^o delles, o qoe so com a vista poderao apreciar.
OnapaS e ierrO ga|v?.n;sads para eobrir casas etc.
Formas de ferro para a6fiCar.
Arados Americanos
Machinas a Vapor.
M.aCUinaS de descarocar algodao.
Balangas de pesar
Fogoes de ferro
Carrinhos de mao
Prensas de copiar
Cofres de ferro
Tachos de ferro 5S*rare6\
O) abaix.o aasignados pa-tieipam ao publico
e especialmente ao oorpo do contmercio, qoe em
data de 80 de janbo prximo pasudo dissolveram
amiaavdfcnente a sotiedade qne Tiesta praca g}Ta-
va sobre a razio Ve Botelho, Araojo & C. Os
mesmos julgam Bada deverem por negocios ten-
dentes referida Arma social porm se atgaem
se jalgar eredor aprsente teas ttulos no prase
le tres dias, contados da pufclicaco do presente,
para-serem pagos logo que-sejam verificados. Re-
cife2-'J de agoste de 1871.
Jos Paulo Botelho,
Bernardo Jos de Araojo.
Antonio de Oliveire Freitas.
COMPRAS.
COMPRASE
frascos vastos da tintara japonera, e pagase a 80
rs. cada db : roa Duque de Caxias n. 50, e
Mrquez de Ollnda n. 51.
eror
n. 3
I deatilto 4a aatlga e tcre-
Itada tabre 4o Brlaoslo
do Cofco.
Neate bm sortido armarem existe nm grande
sortimento de Iones franceza, muito mil para ea-
* de familia, como seja alpidares papeiros
a panel las, todo grandes e peqoenae, e bu-
Ibdes para manteiga; lude de barro vMrado fran-
cez. As9im como nm eswpleto sortiro*nto de loa
9* do Barbalho, como saja : jarroes para i e 5
eaneeoa de agua, potes de nm a dooi caneos,
muringnes, resfrisdeiraa, qorlinhas do Barbalho
e da Babia, vazos vidradoa e por vidrar para jar-
dim, cieos grandes e de meio para florea, ditos
ditos pequeos para tirar' planta, canos vidrados
e por vidrar de 1, 3, 4, O, 10 e polegadas,
teitoa par machina e qne aqai n3e ha na provin-
cia a excepcao dos viudos de fra ; ludo meihor
pela qualidade do barro e mais barato do que em
ootra qaalquer parte. Em pergao se faz abat
meoto de 10 15 per cento ; so na roa de Impe-
ra* a. 37.
JtSB
FILO DE SED4
Ricos cortea de vestidos de fil de seda de corea
com palmase florea inteiramente modernos e pro-
pnos para usisfir-se easameatos, bailes, etc., etc.,
vas de pellica de Joavin e batheliqae de lia e
*** : vende-se ao Bazar Yietotia, roa do Bario
* Victoria n. S, (anga roa Nova).
Uaf restaurant -
SANTA ISABEL
t Ra Ja Florentina1
Aceitara-se assignanUs por preces muito com-
modos, garante se boa comida e muito asseie.
vende-se ama taberna sita ra do Bario
de S. Borja, antiga roa do Sebo n. 13, com pon-
eos ronds proprta para qaslquer principiante :
quera pretender derija-se ao pateo da Santa Cruz,
esoaina da roa Vema a 118.__________'
Taborda
Polka para piano, acaba de chegar
eraplares, to armazem de pianos e
Azevedo, roa Nova n. 11
algans ex
msica, do
VENDAS.
Fumod^B.>rba.
Vindo do Para ja desfiado, en lalinhas, a IJ
cada urna : nofarmazem do Azevedo roa Nova
numere 11.
^-para varzoa ladeira.

Ttneuo a ron imperial.
Vende-se o meihor terreno na ra Imperial.pro
prio, tode atterradu, prompto para edificar, porto
feito para desembarque de raateriae, com 110-
patn os de frente e 300 de fundo : a informar na
roa Nova n. 7, loja, e a tratar c m o proprietario
na dita na Imperial, casa jnnto a de n. 25.
Cal nova de-Lisboa,
Vende Joaquim Jos Ramos, a ra da Cruz n, 8.
primeiro andar.
Veode-sa coqoeiros pequeos para mudar-
se : qnem os quizer dirjase ao sitio CafuBd na
estrada de Paulino Cmara, outr'ora de Joo de
Barros.
CEMENTO.
O verdadeiro portland: s se vende na
ma da Madre de Deas n. 1% armazem de
J'3o Martins de Barros.
uerveja em harr>l, de
perior qu lid=ide
Vende-se ea casa de S. P. Johnstoo & C. rin
da Seuzala-nova n. 42.
rjj Vende-se vidros para espeiho!*, aesim comj
vende-se bacas estauhadas: na ra da Impera-
iiz n. !ft
slov jadaia americaim.
Hat do Pires aa. 45.
Continua a fazer poe bolaxa de farinna -espe-
cial de primeira sorte.. para meihor agradara seas
frepu. z*-, e vende-se a j muito acreditada oova
blaxiaha americana nao ioferior a ingleza, a vis-
ta laz f.
Querem comprar ?
Guardapisa para vestidos ; preto on branco ?
Papa-toa, larga on estreita ?
Lencos de linho, bordados on lisos ?
Bonitosleques, osso 00 sndalo ?
A Ndva esperanca qoem tem I f I
iumdade!
Acaba de chegar a Nova Esperanca. roa Duque
de Cavias n. 63, nonecas e bonecas, sendo de mol-
des inteiramente novos, vindo entre lies os en-
granados bonecos de borracha : para que se can-
eara T -qaando qaizerem comprar qnalqaer objecto
sendo *om, bonito o engranado, lembrem-se logo
daN'va E-pe.ranca roa Duque de Caxias n. 63.
II
de Desmes,
A1 tesoura de oaro, roa Duque de Caxias o. 50,
1 andar, acaba de receber pelo vapor francez
Smdh, um grane-sortimento da acreditada Unta-
ra ingleza de Desmes para eoegrecer os caberlos.
A
fwindo sortimento de cabellos
Acaba de .chegar para o moito acreditado esta-
betecimento de cab lleireiro do Jayme : na ra
Dame de Caxias n. 50, 1 andar.
Fim casamento.
O bazar Victoria anime vapor francez ricos vestidos e veos* de blon-
dt primorosamente bordados a seda; capeilas, le-
-roee, colchas de seda e de la e seda de apnrados
nos : jl roa do Bario -la Victoria d. 2, antiga
aa Nova.
' A uga-se a casa da pra;a ao Conde d'Eu n.
21: a tratar com Jos Henrique da Silva Gaima-
rae<. na Soledade, srt'w n. 29, onde morou o Sr.
Dr. Villas-Boas, at as 11 da manhia, e depois
d6ta bar at as 2 da tarde na ra das Cruzes n,
38, 1 andar.
P
8*
CD
3
10
wSs
t*
m
co
CD
SO
^
VNDESE
As casas Terreas fureiras, no becco das Barrei-
ras n. 16 e 18, Boa-vista.
As casas terreas ou meiaguas na travessa dos
Quarteis n. 32, dita na travessa des Patos n. 13.
As casa9 V*rrea9 nos Arrombados em Santa Thc-
rera n. 15 e 16.
A traur na ra da Cruz do Recfe, armazem n.
54.
GRMDE LIQUIDADO
PopeliDae de corea.
Popelinas de cores de lindos padr~e a I i500 o
covado : na roa do Crespo n. 20, loja d9<5oiiher-
me Caroero da Cuaha.
VENDE-SE
urna das nieitores casas na povoa^ao de Eeberi-
be : quera praKider dirija-se ra da Moeda n.
39, das 9 lieras da manha as 4 da tarde ; e tara
bem .se vende una casa em llinda em boa loeali-
darte, aa raoitos commodos e com grande quin
ttenpo
Es;e9 artigos vendem-se em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes 4 C,
n. 4 ra do bom jess.
(ovtr'ora rua.da Cruz )
19 Ra Primeiro de Marco 19
Teodo renovado completamente a loja do predio, em qu.3 teem o seu es-
tabeleciraento,
19=A ra Primeiro de Marqo19
com aquelie asseio e elegancia desejavet4, acbam-se agora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas ioas e modernas de
SEDA, LAA. LINHO E ALGODAO
todas do altimo gosto, e continuam a ter romo sempre, diversos
ARTIGOS ESPECIAES DE SUA CASA
Garanten]. com toda
a sin eridade, vender
por menos que qual-
quer outro, porque
recebera em direitura
a maior parte de sais
fazendas.
19BUA1.DE MARCO 19
(Antiga ma do Crespo).
Vende-se ra terreno com 60 palmos de frente
e 300 de fundo, com dais casas de taipa edifica-
das, as quaes rende 171 mensaes, em Beberibe de
Baixo. ra dos Clrigos { a tratar no Caminho
Noto n. 67.
Cofre de 1er o
Vende-?e um j uado. francez : na ra ea
treita do Rosario n. O, janto a igreja.
("ambraa transparente
conj 10 varas a 3^000
Ra do Crespo n. 23,
Seif Leaveniu? Flour
Farnba de trigo j fermentada, propria para
pao, bolos, pndaiog-, etc.. era macos de 6 libras
a venda nos armazens de Tassn Irruios & C
Grande liquidaqao
CAMBRAIA LISA BISPOA 3,$000
Peca d^ cambraia lisa fina Bispo com
8 1/2 mras a 3^000 na roa do Cre>-pa o. 20
loja de Guilberme Garoeiro da Cunha,
E. H. Hanello & C te u em seu es-eriptorio
ra do Ojmmercio n. 18, os ai'igos abato eBo-
iflcados que' vi|dtm por presos modiio, a saber
Vrono pore m banis o neoretas.
Idrm floo do Porto em aacorttas e caixa fy urna
duzia.
dem Madeira secea em barra do 8*.
Wla de eera de diTerenUs lamanhos.
Pngias diU.
Cachimbos de jresso aamburguezes.
Essenda de raneiia em laial de 8 libra.
Ferrageos di P.-rto, diversas qualidades, como
sejtm ffcha1ra. frisas, etc., etc.
OabnnjeT" ~
Vende-se um Jabriolef em bom estado, de qua-
tro roda e wm rjaatfa aiftf.:>)3, ?eado douj para
mpliiiam ito |or4), i rotador com oa
Joaquim Jos Gonealves Beltro tem t,ara
vender no seu escriptorio ra do Commersio n.
5, os gneros abaixo notados, que vende mais ba-
rato do que em outra qualquer parte .*
Azeitonas em ancoreras.
Amendoss em barricas.
Cafe muido em massos de i libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca ruarle! frres.
Enxadas.
Farinia do mandioca de Santa Catbarina, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Babia em saceos brancos.
Dita de dita em torneas, proprias para casas
particulares
Fio de algodao da Baha em nove.'!-.
Ronces.
Mazados.
Niea.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Pregos sonidos. %
Panno de algodao da fabrica de Todo o; S?ntos
de Pedreso na Babia.
Rolbas.
Rap popular da Bahra.
Botim em fardos.
Retroz dos melbores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranh5os
Tabaco simona da Baha.
Verniz copal.
Vinho do Porto engarrafado, caix de 12 gar-
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito muscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeaux em caixas de nma duzia.
Dito de caj em caixas de urna duzia.
Gura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopeau
Essa pomada qoe ao bons resultados tem colbi-
di> as peasoas que dalla tem feito uso acaba de
chegar para o seu deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Baribolomen 4 C. roa larga do Rosario no-
__________ mero 34-
A revalesciere du Barry de
Londres *
Toda a doeofla cede a Revalesciere da Barry,
qus d sade, energa, appetite, diges'io e des
canso. Ella cora as dispepsias, gastre?, humo-
res, acidez pituita, flato, enjdps, tontitos depois
da comiia.e gravidez,-con pacSes, to?e asthma,
fTectjaas pulmonares, bexia, ligado, terebro e
angue ; 60,000 cura?, inclundo mua dallas no
Brasil.
A revalesciere chocolatada do Barry
em p,
Delicioso, aiiananto para alrooco e cora, ".mito
nutritivo, friflcaado oa norvos do estumaso fem
causar o mcuor peso heui tjfjr de cbeos, oem ir-
ritacio.
nico deporto para o Brasil tfl"p8rtml)Oco
na pharmacia americana de Ferreira Maf A
ra do Duque dei Caxias a. 87. \To4o suidado
;Qrn as falsinc.goes.)
! balesdereiidripretos
a 2000.
Euhj]o(] espon,25
"mm mmm
Queijos do sertiio
Vende-se a 320 rs. a libra : na ra da Madre i
Dos n. 1.
Rival sam fegundo
Rna Duque de Caxias m. 91
Jos de Aievedo Maia.e Silva, em sua lo-
j ade miode?aa contiDua a vender tudo
por baratea \ ny* que c todos admira :
Libra de 12a para bordar a meihor
que ba.
Caixas com superiores grampos fran-
ceses a
Duzias de facas e garfas de um e
duus boiSes a
Talheres pare meninos a 24(5 e
Libras de linba de novello, a meihor
posflive'.
Duzia de lencos de casaa com barra.
Caixas de lin-has com 30 novellos a
Vara de franja branca para toalhas
Dozas de meias croas muito boas a
Duzias de mcias finas para senbo-
ras a
Duzias de facas e garfos cravadas a*
Daiia de palitos segaranca a 120,
2i0, 320 e
a albas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
qnea
Caixas com peonas de Perry (azen-
da fina a
Ditas de dita dito rerdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz c varas a
Pecas de tranca lisa de lorias as
cores a
Duzias de liuba frouxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de tranca a
Dunas de baralbos muito finos a
20400 e
Ditas de agn'has para m?china a
Libra de pregos france. es a
Resmas de papel almaro snrerir r a
Ditas de dito pautado o melbor a
Caixas com jabonetes fructa a 720 e
Carrteis de nba A exandre a
Grvalas de cores muito finas a
Ditas pretas pentas bordadas a
Grosas de botos de madrvperola
' para camisa a
Novellr-f ae linba branca, 400 jardas
Duzia de c-trioes de lint-a brenca e
preta e de cores a
Tbesotiras muito finas para Bobas
e Costura a
Caixas redondas para botar rzp a
Caixas ata pos para llorar dfutes
f.zenda fina a
0,JO0O
!80
4000
400
IWOO
ijOOO
500
160
3(1500
4 000
3/ttOO
500
1/J000
320
800
13200
70
500
40
500
10800-
2800
2*000
240
35600
4,5000
1)5000
100
500
600
50C
c
o
120
500
1)5200
200
LOJA
Ap-ov-itHm
Lindos padrSes de chitas cbineza? alecchoada
oroprias para coticrtis, pelo barato preco de 280
rs. o covado, assim como muilas outras" fazend
qne 9e vende oarato : ? na ra Direita n. 58
Vende-se
a casa lerrea n. 1 i da ra deS. Jorge (ou
tr'ora Pilar); a tratar na ra do Marqnez
d Olioda n 4o primeiro andar.
AS MMSTIS
A Nova Esperanca est resolvida a ven-
der baralisM'mo, para as Exmas. modistas:
enfeites, forns para vestidos, botoes, etc. e
tudo mais de quepr ecizarem ; e isto por
preco moito commodo, com a condicSo po-
rem das mesmas Exmas. munir-se destes
objectos si mente no dito eslabelecimento
onde enconlrarao o bom, por pooco preco
e desta forma ambos lucrarem, isto a
Nova Esperar ca, porque vende, c as modis-
tas, por c-mprarem bom e barato;
o h a ver convnlcdes.
As eriancas qoe usarem dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nova Esperanca,
est.r3o. isenlos de convuls5es; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
E' engracado e destru he
Os pides de nova invencao e que dancam
15 minutos pouco mais ou menos, mudando
sempre de cores, e representando diversos
caracteres, vendem se na Nova Esperanca
roa Duque de Caxias n. 63.
Pomada alpaka
E' muito conhecida sta pomada e muito
apreciada por sua finissimaqoalidade.a Nova
Esperanca qoem tem. "
Jarros de porcellana *
Um completo sortimento de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacar) existo na
Nova EsperaDca, ra Doque de Caxias
0. 63.
-"Wnda-se uma casa terrea na raa da Nvm-
flwira di rpa phas n. 9. bajre 1a Di-Vic-.i: 3 !ra... Pa,-.
j relia.. 77,
P % Bl MflITit S
Lindas gnnaldai com flores e botoes d^
larangeiras c^m vivos e sem tiles, vendem-
se na Nova Esperanca roa Doqae de Caxias
n. 63.
. F1VELLAS DE MADREPERQLA.
Bonitas flvellas de madrepero'a lisas o
bordads proprias para [iulreiras, vendem
se na Nova Esperanga roa Duque de Caxias
n. 03.
w PARA AS TLORISTAS ,
A Nova Esperanca a roa Duque de Carias
n. 63 acaba de receber folhas' para rosas o
d'oulros moldes, a ellas antes que se aca-
ben)!!!
Oleo para machinas
Venda se oa Nova Esperanca ra Duque
di Caxias n. 03
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Os proprielarios deste bem cmhecido estabele-
clmento, alte dos muitos objectos que tinham eX-
poslos a apreclacao do resi>etave publico, roan-
daram vir e rcabam de leceber pelo ultimo vapor
da Europa, um completo e variado sortimento do
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-'
lo resolvidos a venJer, como *!e seu coslurae,
por precos "muito baralinh&s a commodos para to-
dos, com tanto que o gallo...
Muito superiores tovas de pc!i:a, creas, brna-
cas e de mni lindos cores.
Muito boas e boDitas gollinbaa e puuhos par*
scnliora, nofle genero o qce ha do mais moderno.
Superiores pentes de imaruya pa:a coques.
Lindos e riqusimos eneltcs para esbeca das
Exmas. Sras.
Superiores trancas pretas e de cures com vidri-
llios e sem ees; esta fazenda o que pJe baver
de^melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos foques de maJreperola,
marlim, sndalo e 6s?o, sendo a.iaolles braceos'
com lindos, desenhos, e f tes preto*.
Muito superiores mcias Oo de Eiccssia para se-
nhoras. as quaes sem; re se ven-'errm per 30iCVt
a duzia, otrelanto que dos u vendemos por 205
alem desta.-, temos iumbem grande sortimento de
nutras qual.dade?, enlre a.- quaes algumas ranito
rtiis.
Boas hcngallas re superior Ctina da Fadia e
i'astao de mar fim com lindas t encantadoras f?::-
ras do mesmo, nete g. neio o qne de mell r
se pote desojar ;alm desta t< mea tarobem Bran-
de quantidade de outras qrtad ides, eomo se;?T!
madeira, balis, sso, b.rracba, e:?. ele.
Finos, bonitos e airosos cbicotiohosde cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e anaeriores ligas ', sefli ; borracha
para segurar as rreias.
Bas mcias de seda p?.ra sonhora e nara men-
nasas i a 12 annos de idsde.
Ntvaltut cabo de marfim e taiuruga para faz-r
bsrba; sao muito boa, e de maja a c tis saofia-
rantidas pelo fabricante, e ros por i:< vei tam-
bem asse^ura'nos sua qoalidade e deiieadeu.
Liadas e bellas capeilas rara tioiva.
Superiores agulha? rara machi ia a para crot**!.
Lmha muito bea de peso, fr^nxa, r-ara env et
labyriniho.
B"ns baralhos d-. jarlas para voharele, a3sim
como os lentos para o mesmo tiro.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias, dos melhores e mais conhecidos fa
brleaotes.
COLARES DE ROYR.
Elctricos magnticos contra as convuls5es,
racilitam a denticao das innocentes eriancas. So-
mos dt-sde muito recebedores desles prodigiosos
collares, e ci-niinnamos a recena-los por todo> os
vapores, afira de que nunca faltem no mercadi
como j tem acontecido, assim como pois, poderao
aquellos que delles precsarem, vir ao deposito do
gallo vRilante, asada sempre encontrarao destos
verdadeiros c< llares, e os quaes attendendo-se ao
fim para que sao rpplicados,. se vtndero com nm
mui diminuto luero.
Bogamos, pois. avala dos objectos que deja-
rnos declarados, aos nossos fregnezes e amigos a
yirem comprar por precos muito razoaveis loja
do gallo vigilante, rna do Crespo n 7.
Anda urna vez
O Campos da roa do Imperador n. 38 avisa
aos seus numerosos Iregtitzes e amigos que che-
go do sua erjeommenda o rao desejado rap4
amarellinho de Estevao Gasse, assim como o pi
nhao do Rio Grande, que lao grande apreca terr.
dado os que sabem de sua utilidade alimenticia.
Alera disso,
O Campos lem constanlcmente em sea arma-
zem um completo sortimento de vveres, todos ia
primeira qualidade e como se tornara enfadonhc
um annnncio qne os dcscrevesse, limita-se a mea
"tonar os seguintes :
Carne sreca (de carnelro) a 210 rs. a libra
B000 a arroba.
Ungirs escalada?.
D.ias em saimoora.
D tas aambradas todas as ojiarlas e jabbados.
Ariitiid as descascadas e sem tasca.
Sementea de hortlica.
Charutos fumaveis a 1(3(10 meia caixa.'
Ditos superiores em grn-so e a retalhd.
Tinta purpurina 1 1/000 rs. a garrafa.
Camar&es scco.
Ra Paulo Cordeiro, viajado.
Male em folha e ero p.
Tabellas de redcelo, para o systema mtrico
Pescadas escaladns.
RICAS E ELEGANTES MOBILIAS FABRN
CADAS NA BAHI\.
ra dolVigario n. 21, primeiro andar,
escripir.no de Domingos AI ves Malheus,
lem pera vender ricas e elegantes mobilias
de Jacaranda, Gcncalo Alves e Vinhatic1,
para salas, qnarhs e sala de juntar, p-r
preces mrdicos.

Liba sterlin
odo Joi'juim I' nd Raftos, rna
prp'-iro ?n,,r.r
I


DtbO d* F
VHNOE-SE
Josqata Jos Ramos, na ra da Crur n. 8, 1'
dar, vate algodao aiul americanos verdadeiro
6 prego* americano n. 3 e 4.
brancos
Quinta ffr* 24 de Agosto le 18T1.
i* tea naau cabellos
Tintora, japone a.
Si e oaea approvada pein as academias de
acaeacia, reeonheeida superior a toda que tem ap-
ianado at hoje. Deposito principal & roa da
Cadaia do-Reeife n. 51, andar, m todas as bo-
4ee> easa da cabelleireiro._____________
IiOJA
Flor da Boa-Vista
DE
Paulo Giraares
O proprietario deale bem onbecido 68-
Ubelecimento contina sempre segumdo sua
artiga forma de priraeiro barateiro da Boa-
Vista e para melhor prova adm'rem os
presos segointe :
Cuitas escuras e claras cores usas
o covado 160 206 rs. a. .
Cambraias de cores 240. 280 rs. e
Las para vestido 280, 320 rs. e
Creps esoocezas fazenda nova a..
Alpacas lavradas d'um s cor. .
Cimbraia branca transparente pe-
Cas a35 0 e.....
DiUs d.la victoria a 4S0O0 e.
Bramente com 40 pilmos de lar-
gara, varas, a 25000 e. .
Mklapo'Jo soperior pecas 50000 e
Algoba 45000e.....
Brioi pardo trancado pecbincha
co^adoa.......j
Dito dito liso muito fino a. 320
Outra.3" multas mais fazendas que vende-
r por precos baratsimos como sejam :
pannos pretos, ditos azue?, casemiras pretas
e de cor, marinos, brins brancos e de c6-
rea, s la para colletes, camisas inglezas para
botnens. mfias, chapeos de sol etc.
OTicina d'alfaiale
Os digaos fregijczes eocontaro om gran-
de sortimento de rotipas feitas desde o
mais if nor at ao ma\s superior que se
acbc no mercado, assim como se manda fa-
zer to ia e qnalquer oba d'encommenda
hitas capricho, poi para este tnister se
acha manido d'um perito mestre. Garante
se fazeieai se menor -0% de que em outra
quaq er pirte pelo o motivo de o fregorz
s pagar o que cotnpi a e nao o aspecto do
estae! cimento.
4^ Roa da Imperariz48
JUNTO A PAPARA FRANCEZA
labras stt-rli as.
Vende-se no arraatem de fatenias de Angosto
F. de Oliveira & C, ra io Cornmercio n. 41
m -iiltllja^i *' ?'*al fifi t\h
LOJA E Mmuak^* *
DO
PAVAO
NA RA DA IMERATRIZ 60-
400
320
400
640
720
83000
8^000
20500
6^000
50000
DE
FLIX PEREIBA DA SILVA ft C
Os propietarios deste grande jtabeteei Mitoteado o ser Ma wat!* poroto de
fazenda, e tendocontinuado a recebar por todos os vaporase nanos mansa percao
das mismas, tem revolvido tzer ama GRANDE LIQUIBrtCAO, afigde Wllmar o gran-
de deposito e ap irar DINHEIRG. De todas as faieQdaaai# fei*ba||gisimo se dao
aa amostras, fleando penhor oa se mandan levar em cisdwHBra. ruflTTasyassimcomo
as pesoas que negociam em menor escala, n'este asta:elecimet>podert sovdr n III f\W |\T 1 O U l II 1
pequeas porgues pelos mesaos preci que c<*p*to nal casas |Wdorf|u| | H A III II j\ Y \||
LFAIAtU
qne se encarrega de exeeor qaalqner er>
commenda da ana arte vontade do fre-
guez, e o proorietario d'este grande
-
&w
m
Bonitas fazendas
PASA AS FESTAS
DE
SAMTO AWTOMO
E S. Joto
NEGAR 1M PARA A LOJA
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da ra Nova
o. 22, nm sorlimeoto de machinas para eos-
oelecimen'o e promette aennrbeni t toAm. tara das meibore8 qaalidades qne existe na
"ASM
iiim
. tem venda em sous armarens. alm de outros
urtigo? de wn neg io regalar, os seguales, que
Vsiim por precos mais mdicos que em oa-
tr qrs' mor pari :
PO'.'iaS de pinito almofadadas.
PORTEIRAS de ferro par. cercas.
SALITRE ingle*.
BSTBIRAS da India para cama e forrar salas.
1ASCKB de barro francer para esgoto.
superior em porcSes e a conteni.
O do toda as qualidade3.
J5AS de descaroqar aigodo.
e brinzoes da Russia.
)S americanos para forre ile canos.
S americanos mnito bons e oconomico?.
de Bordeaux.
NAG superior de Gautisr Freres.
SELLO em ?->c:os grandes a 3J500.
\">'\ florida legilima.
VALANCAS deci'mae-.
CAftRIKAS americaus.
nHM da Jamaica
AZULEJOS d- LJ-t- a.___________________
Cemento PortlaDd
Em barricas o que em outra qusiquer parte, vende-se
*- armarens de Tas?n Irmaos & C___________
Viubo de Coliares
Vtde-se o verdadeiro e superior vinbo de Col-
lares, que mais aicoiacao tem em Lisboa, em
diitmos de pipa : ua ra da Madre de Deas nu-
c ro i8._______________________
Contra a tosse
PAST.LHAS PElTOtAES.
de
C;mmi simples crystalisada.
Dita' de anjiiiv
Naff d'Arabia.
Sve de pinho martimo de Lagasse.
E oairas muitas que mailo se recomandam pe-
hisaas excelleates anualidades.
Vende na
PHAPxMACIA E DROGARA
DE
Bartholomea & C. *
34-RUA LARGA DO HOSARU-31
GRANDE
LIQU1DACA0.
Ra do Crespo n. 30.
Nansuc liso de cures lindas para vestido a 2'tO,
?80 e 360 o covado, chitas esenras flna? :om bar-
ra a.3i0 o ovado, baratissimo : na loja de Gui-
ILerm^ Carnrfro d Cucha. _______
FIO PARA SrCOS
Vende-ce em casa de Okell Bindloss
ra & C,
OLEO PURO DE F1GADO DE BACALHAO
DA
TERRA NOVA
DE
. H. LACOMBE
Elle oleo ,^ue tio boa aeceitaco tem merecido,
muito ye recotnmendJi por ser o mais purificado
que at boje tem vindo, e anda pelo boa paladar,
superior a cutro qaalqner : vende-se no deposito
epecial de Barlboloaieu A C.: ra Larga do Ro-
sara 34.
ALSAC1ANAS A 1 >200
Chegaram as mais liadas alsacianas sen-
do tima nova e elegante fazenda de 13a
com aniantes listas de seda e btante
larga, para vestidos, sendo n/este genero
o que este auno tem viud > de m is gosto
=o mercado, e vend*-ce 1200 o covado
GRANADINAS JAPOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Cbegou fiara a loja do Pavo esta nova
fa?enda c>monome de granadinas Japone-
zas, sendo tima boni a fazenda de la com
bonitos qaadros de seda, p-opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 8(0rs. o cotado
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS. J COVADO
Cbegou e-ta nova fazenda com o nome
de a lanta, sendo ama delicada fa>enda de
la, pira vestidos, qe vende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POPELINAS DE SEDA
Cbegou para a lija do l'avSo nm grande
sortinie to das mais lindas e modernas
pon elinas de sada, com os mais delicados
padroes e de muito pbantasia, que vende-se
por preco moit" barato.
CAMBRAAS BRANCAS LAVRAD\S A U
Vende-se cortas para vestidos de cam-
bnia bra ca labrada, sendo fazenda muito
fina, pelo barato preco de k$ cada corte,
assim como nm grande sortimeoto de ditas
lisas, tapadas e transpareLtes. que ven1e-se
por meros do que em ootra qnalquer parte.
CAMISAS PARA INFERNO
Cbegou para a loja do PavSo um grande
sirt'mento de camisas escoras encorpadas,
a prova d'agua, sendo proprias para a es-
tarlo do invern, e vende-se por precos
em conta.
TOALHVS ALCOCHOADAS PARA MESA A 3*500
O Pavao veode toalbss brancas de fustao
a'cocboadas, propnas para mesas, sendo
bastante pram:es pe!o barato preco de
30500, ditas encorpadas mnito grandes 70.
CHALES DE MERINO' A 20500
O Pavo vende chales de merino moito
grandes e encornados 25n0, ditos
imii?c30'de chinezei 20500, ditos pretos
de renda com 4 ponas 25000.
CHALES PRETOS BORDADOS
O Pavjo vende os maiores e melhores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e veode
por menos do que em outra qaalqner f arte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pav3o vende um grande sortimento das
melbires camisas inglezas e francezas com
peitos de linbo para todos 03 precos e qua-
li lades, assim como ditas de ditos d
algodSo para todos os precos e tamanbos,
tendo tambem para enancas, e no mesmo
estabelecimente tambem se vende ceroulas
de linho e algodao, tendo para todos os
pre;os, assim como meias croas inglezas
para homeni e meninos, que ludo se veade
por preco muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
O Pavo tem cnstantemeote om grande
sortimento dos melhores cortinados Dorda-
dos para camas e jacellar, qne vende-so de
8$u00 at ao mais rico que costoma a vir
o'este genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascados, tan'.o lapadas como transpa-
rentes, proprias para o mesmo fi a, colcha-
da crochet, damasco para camas de noivas,
e cortinas, e rende-re no Bazar ao Pav5o.
LASLNHAS BARATAS
O Pavo tem om grande sortimento das
mais bonitas lasinbas para vssti os, tendo
de todos os precos cores e qaalidades.
-riricip ando da 200 rs. oara cima; porm
tio grande a quanti-lade que seria enfa-
lonha
s a vina o freguez e das amostras se lbe
vendero por precos to cmodos qne
nenKoe o deixar ae fazer om vestido de
13a por to pouco dinbeiro.
ALPACAS DE CORDlO A 640 R8,
Xarope sedativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIUM
DE
IiAKOZE
Este novo preparado aprovado pela aeademia
imperial de medicina, muito se reenramenda pela
tu aceio sedativa e calmante, 80br o systema
aervoso, o bromureto de potassiam, nao d>*ixa de
dar oa mal cerusa resultadas as diversas ffc-
3es do orgaoumo e principalmente as molestias
o corajao, das vas digestivas da re*piraco, das
?toa genno-nrinarias, na epilepsia, as moleatias
nervosas da prenhez, na insomnia das enancas
dorante o periooo a dentic5o etc. etc.'
Vende-se na pbarmacia e drogara'
de
Barthotoroen \C.
Ji-fiUA LAR3A DOROSARIO-34
J
Vendase o verdadeiro oleo de Orna, Phjlocome
4t aodeade bygieoie*. e macajsar vil de Aikin
som : no Baiar Victoria a ra do Bario da Vic-
toria, b. % (Mti|i ra Nova).

08 fregaezes qu lbe honraren a saa casa.
ALGOD08INHO A 3nO0 A PECA
O Pavo veode pecas d'algodosinbo de
maK'o boa qaalidale, tendo iO jardaa cada
peca, pelo bafato preco de 30500; dito mili-
to largo e encorpado 60000, dHo o me-
lhor qne tem vhdo ao mercado, mnito en
corpado e largo para leocoea. pelo barato
preco de 64500, grande pecbincha.
MADAPOLAO A 40000 2, 40500
0 Pavo vende pecas de madapoio com
24 jardas, sendo Tazesda maito superior
pelo barato preip de 40500, di as com as
mes rtas jardas a 49000, ditas finissimas a
50500, 60000 70500 e 80000, pecW*cha.
MADAPOIO FRANCEZA 104
O Pavo vende tecas de Bnissimomada-
poio verdaderamente francez, tendo 22
metros oo 20 varas, pelo baratissimo preco
de 1O0OHO peca, sendo fazenda que sem-
pre se venden 140000, e liqui la-s por
este barato preco por estar alg ,ma cousa
enebnvalhada na pon'a de fra.
ALGODOSNHO ENPESTADO A 10 10280
O Pavo vende verdadeiro algidosinho
americano, teado 7 palmos de largnra e
mnito encorpado, prdprio para lencoes
70000 a vara, dito da mesma largura sen-
do trancado e mnito eoc>rpa4o i<$2H0.
BRAMANTES PARA LENCOES A 2*400 28003S
O Pavii ve ide o verdadeiro brabante de
linho tendo 10 palmos de largura, que ape.
as precisa para nmlcngol orna 'ara er.ma
qnarta, pelo barato preco de 20400 vara.
dito melhor de 208 O e 30000, ten lo at
do melhor que vem ao mercado 30500
e 40000, assim como crotones fortes para
leacoe, sendo orna encerpada fazenda fran-
ceza com 10 palmos de largura a 20l> rs.
o metro, e bramante d'algodo com a mes-
ma largura 158 JO.
SAI AS BORDADAS A 40500 E 60009
O Pavo vende graade peciocha em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e veode pelo bara/o preco de...
4050o e 60000, sendo fazenda que sempre
v*ndeu-se por 80 e 1O0OiiO.
Faieodas para saias 10200, 10280 e I'Mq
O Pa'o vende supen->r fazenda bordea
a com pregas proprias para saias, 10200,
10280 e 105i 0 a vara, ssndo preciso para
urna saia ape as 3 varas on 3 1|2.
Aos 3000 caries de cambraia a 30300
O Pivij veode urna grande,porco de
cortas de cambraia orgamtyg; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinhas de
cores tessidas e nao estampadas, e liquida-
se pelo baraio preco de 20500, cada corte,
fazenda que vale muito mais.
Aos 200 cortes de cambraias bordadas a 5000,
O Pavo vende urna g-ande quantidade
de cortes de cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desechos mais
lindos e mais vistosos que tea vindo ao
mercado, tanto em listras corridas como, ada-
i;ooaes, e com muia fazenda para um ves-
tido, e liqaida-se pelo baratissimo preco de
50000, sendo fazenda de multo maior va-
lor, grande pecbincha..
CAMBRAIAS
O Pavo veade graede quantidade de pe-
Cas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teado de 30 a peca at i mais
hna que vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende chitas largas com bonitos
desennos e eres fixas, pelo barato preco
de IBO. o covado, grande pecbincha.
LAASINHAA 160 RS. O COV'ADO
O Pavo vqnde bonitas lasinbas transpa-
rentes pelo barato preco de ItO rs o cova-
do, pa mincha na ra da Ioueratriz o. 60
CORTES DE CASSA A 20500
O Pavj vende bonitos cortes de cassa
franceza viodo cada nm em sea papel, pelo
barato preco de 25500 i corte, olios muit<
lindas 30000, pecbincha.
CASSAS FRANCEZAS A 20 RS. O COVADO
O Pavo vende bonitas cssas de cores
para vestidos, pelo barato preco de 200 rs
o covado ditas Qoissimas com os desenhos
America; das quaes muitas j sao bem co-
otiecidas pelos seos autores, como sejam :
Weller 4 Wilson, Grover & Boker Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outra3 muitas
que com a vista devero agradar aos com
pradores.
Estas machinas teem a vantagem de fazer
o trabalbo que 30 costureiras podem faz r
diariamente e cosem com tanta perfeico
cerno as mais perfeitas costureiras. Garan-
te se a sua boa qnalidadee ensiaase a tra-
balbar com perfeico em menos de urna
hora, e os precos sao to resentidos que de-
vem agradar aos pretend AFLORDEOIIRO
E' este o distintivo de urna ora e bem montada
* % *oj& Ae joias, sita a ruft larga d*
losarlo n. 34 A,
Os proprtefcrfel deste elegante eatabelecrttento tendo em vina oj esforco que
fkeram para o colloearem as eo&diec8a de orna grande elientella, fjhariam ao mais
rigoroso principio ae nao viesaem asco!lumns do jornal scienUBear ao respeitavel fa-
buco, que no me.mo estabeleeimento encomrare sempre o mais completo sortimento
de ji'las, como sejam : brincos os mais modernos, para adornarm as delicadas oxe-
lbas do bello sexo, e qoe io vendem iM I0 opar, dita para meninas" a i, Se 6|,
ditas de coral, obra de apurado go-to a 3 e Voltinbas de coral com entes fle onro
a 5{, broches modernos de 3 a 13*. ditos com Mr ara soa deviiae eabiatua a
10, 1, 18 e Wl, rosetas lisas, porm bem irabalhada!, de 21800 a 9, ditas com
pedras de 4 a 15J, eacoletas a 4/, ditas com loscripcSes a 5#3(o, aene da ifveraoc
gostos, e eom bonitas cedras a t, 3 e 40, ditas de perolas, esmeraldas e rubios i 0J,
ricas cruzas de esmeralda o rubina a 11, 14 16#, ditas de onto coral eom vistas pt.
tographieas a 3, 4, 8, 6 7*. flgas de coral a U, cadeias para relofos ?^Wf
6*500 a oitava, guarnieses cora tres botoes para aberturas a 4, dte 14 pe!Wiiii1<>W
o par, ditos para ponhos os mais modernos a 7 e 8/ alm de um vanadisajroo sortiojen-
to de jolas de apurado gosto que reeebem por todos o vaporea d Oiropa; como
sejim : brincos, bracelete?, alfinetes, adereces completos, eruies, roxetas, afloela de
brilbantes, esmeraldas, perolas e rubins. MadalbSea, volu?, tranceln, aune ejlei-
iras e de diversos modelos, ralos e pencinez de ovo e prata dooiada, mostos do on-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanbos, rteoapalitei-
ros e faqaeiros, ratberes para cb e sepa, maracas pare enanas, imi laliidade de
objectos qoe serla enfadonho meneionar-se.
Os proprietarios da Flor de Ouro garantem vendar mais, barato que em outra
qnalquer parte, para que estar afterto o eatabelecimento das 6 ora da mana aa 8 da.
noute.
gI'qeima
AO 65

^^
V>7^"* v
%
#.*

nico legaimente- autorisado e approvado
. pelo conselho de sade.
. DNICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pbarmacia e drogara
de
BARTHOLOME A C.
34Ra larga do Rosario34.
Para saceos e fogueteiros.
PARA ASSUCAR
CERVEJA DE MABC\
X
Engarrafada especialmente para o Brasil.
Charutos da Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazem os nmeros estampados
oas pegas e nao as etiquetas.
Vendera-se
Em casa de
T. JEFFERiES i C.
46 Ra do Gommercio 46
' .BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em eada peca nm bilhe-
te com o nome
_ DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES A C.
Vende-se barato, am piano, de um dos mais
afamados fabricantes : tratar ra do Com-
mercio n. 38.
Aviso aos fumantes
Charutos de Havana
Verdadeiros e de diversas mareas, acabas de
chegar i casa de .ourgard & C, ra do Mr-
quez de Olinda n. IS.
0 Pav3o vende as mais lindas alpacas de
cordio para vestidos e ronpas de criancas
pelo barato preco de 640 rs. o covado,
dias finissimas com os mais lindos lavoree
imitaco de agr tanas 4 8t 0 rs. o covado,
bonitos glacs com delicadas crese las-
irosaj como se la 1J000 o covado, e ou-
iraa muitas (alendas de gosto 6 laso para
vestido, na roa da Imperarriz n. 6o.
POPELINAS
O PavSo receben as mais delicadas e me-
bores poapHlinas de seda para vestidas,
com os mais modernos kwres, e ontaai li-
zas com as cores mais novas qoe tem vm lo,
e vende-s 25000 cada covado, assim
como delicadas sedas de listiiba, tanto
para vest ios deaeahoras como de aeoinas,
q vende-se '25000 cada covado.
ROUPAS PARA HOM8N3
0 PavSo tem consotemenfe ttm grande,
sortimento de roopa, tanto de panno como
de bros brinco e decores, de case-,
miras, pira todos os preces e qaalidades,
e tambem se manda fazer qnalquer peca de
obra com todo aceto e promptidao, para o
qoe se tem om Derito
a especificar qailidade' por qnalida le,j 2?'mo4(!e-*D08 ^J>mo a0 mercad0*
vista oo freguez e das amostras se lbe & barato P^i-SS"'
0 PaIo vende finisimos crotones esca-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato preco de640rs. o
cova-io, ditos de fi rScs, proprios para co-
berta, sendo fazenda muito encorpada pelo
barato preco de 8o0 rs. o covado.
Basquinas oa casaquinhes a 205 e 255
O l'avSo vende basquinas oa casaqainbos
de seda pretos ricamente enfeitados, pelo
baratissimo preg > de 204 e 2550-0, sendo
muito moderaos, assim como ditos de cro-
chet e rendas pretas qoe 8 vendem muito
em conta, oa roa da Ioperatriz n. 6o-
Ctritaa entrateada* parieetertaa a 310 rs. esvao
O Pavio vale chitas entrancadas com
delicados desenhos pira cobertat oo corti-
nas de corea fixas, sendo faten4a mnito en-
corpada peto btntn proco de 860 o cooadO.
ESPaRTUHOS A 45M0
0 Pavl vende os mis modernos e me-
lhores espartanos, tendo de todos os ta-
maobos. peto btratopreco de 45500
CA3E1IRAS
Casaquinhos de orochet
prto
a 3^000
Rita do Crespo a S 5,
3
S
a loja de louc,a da trra a ra do Raogel n, 4, li
vre e desembarazada de qnalquer importe : quem
a pretender dirij-se mesma.
Chapas de ferro galvanisado pa-
ra cobrir casas, etc.
Vendem-se em casa Idos importadores
Shan, Hankes & G.
If. 4, raa da Cruz.
******** ** ****
Groslbnnplebranco
a 1$ o covado
RA DI CRESPO H. 25.
****+**+ m.** ***
RefinadoRes de Pernambuco
to Antro, deposU na raa da Ponte velha n. 14.
P-ou jde vender por largo lempo por ter vindo de
prtM ara horneas eeao ova crtaocu. e Lia iraodet porcCa por qoasi todos os navio,
do lirtorte, qtese fende ais b*a1o; ffffSf t5 V dTifSSi
poMivel, qi roa da Imperitr o. J, Ufa.
RA DO DUQUE DE CAXUS
(Antiga do Queimado)
Pe^o que se nao admirem dos precos de alguss artigos qne passo a mencionar, ji
por vetes tenbo mos'rado que s desejo vender barato a flm de poder vender mnito.
e nao ba quem me possa retirar do ozeu firme proposito ; podomlo d esde j asseverar
ao Ilustrado povo pernambucano, que nesta casa commercial se eocontra sinceridade nos
tractos, afim de se ioder conservar a numerosa ireguezia que me tem honrado em vir
em nossa casa, e pin o augmento da mesma. *
PRECOS
a 35200, 450C0,
fino a 6500, 75.
Pecas de madapoio
45500, 55 e 65000.
Ditas.de dito muito
e 95000.
Dita dito enfestado peca de 12 jardas a
35500.
Dita de algodosinho a 3>. 45, e mais
presos.
Ditas de dito muito largo marca T a
45400.
Ditas de cambraia transparente a 35200,
3/J50O e mais precos.
Ditas de dita tapada (oa Victoria) a 45
e mais presos.
Cambraia a imperatriz muito fina e
larga.
Dita imperial com cordosinbos, fazerda
mnito moderna..
Mossena branca, covado 300 rs,
Bramante de linbo com 9 palmos de lar-
gara 15800 e mais precos.
Dito de algodao a 15500-
Atoalhado afesluado fazenda superior a
15800.
Brim dealgodSo de c6r a 400 is. o
covado.
Dito da Russia, a 500 rs.
Dito pardo trancado a 300 rs. e mais
precos.
Dito branco de linbofazenlamuito supe-
rior L5600 a vara (vale 25000).
Grande sortimento de brins de linho de
cor a 500 rs. o covado, fazenda qoe se tem
vendido a 15200.
Grande sortimento de casemira; custa o
covado 15600, 25500 e mais precos.
Damasco de laa fazenda finissima.
Cortes de casemira para calca a 455O0,
55, 65. etc.
Flanellas de lia riscadinhas a 640 rs. o
covado.
Lencos chinezes a 35000 a duzia.
Ditos brancos de algodao e linho sorti-
mento completo.
Completo sorlimenio de camisas nacio-
nal, francezas, allemies e inglezas.
Cobertores de 15a de xadrez fazenda sope-
rior a 55.
Grande sortimento de balos.
Cobertores de algodao a 15400 e 25500.
Cassas de salpicos a 5-'#000 a peca.
Palitots de casemira a 5j0iOe mais pre-
co?.
Ditos de alpaca a 35500 e mais pre-
cos.
Saceos para viagem.
Meias para hornero a duzia 25400, 35 e
35500 e mais precos.
Ditas para senhoras, meninos e meni-
nas.
Popelinas de seda, covado 15700 admi-
ra/ll
Completo sortimento de chapeos da
sol.
Toalhas para o rosto a 85000 a da-
zia.
Toalhas bordadas, de linbo do Porto.
sao muito lindas, mandem buscar as amos-
tras.
Duzias de guardanapos a 25500.
Cortes de vestido de cambraia branca
com babados a 75000.
Cortes de vestido de cambtaia branca a
de cor com babados a 105003.
Algodto de 2 larguras para lencol oo toa-
lhas a 15000 a vara.
Cuitas finas a 240, 280 e 320 rs. o co-
valo.
Ma vio'ela fioa a 280 rs. o covado.
Ditas em percale o qne ha de melhor a
360 re. o covado.
E' T para crer.
f
ja
*& !&m S
v..
V


Dwrio d> P|iupibuc Quinia

ttgost* da 1871.
IOJA
S

DO
64 RIJA Di HKIATMZ N. 64
Di
FIGUEIREDO ft LOPES.
Os proprietarios desle novo estabelecimento. cortos de que o raeio de adquenr
numerosa fregaezia vender barato, servir bem e haver sinceridadade nos tratos, n5o
nos afaslamos deste camiobo para bem corresponder ao favor que nossos numerosos
fregnezes nos tem dispensado.
. Como anda temos algamas fazendas das primeiras compras, resolvemos fazer
reducao em algumas deltas, para o que chamamos a attencSo do respeitavel publico :
SETiNS.E GROSDENAPLES DE CORES.
Temos para todos os precos e qaalidades.
Grosdenaple preto.
Recebemos novo sortimento e vendemos
por meaos do que ootro qoalqaer.
Lias Saboya.
Anda temos om resto desta linda faten-
da a para acabar vendemos por 900 rs.
C.'nes a Minerva
Anda temos alguns destes lindos cortes
com listrc-s de seda, rom 19 covados, pan
acabar vendemos por 200.
Cortinados.
Recebemos novo sortimento e vendemos
por 80. 9J, 120, 6, m e 22$, cada
par.
Cambraia para cor! nados a 100 a peca
com 20 varas.
Dita Victoria de 4 at 80000 a peca de
8 varas e meia.
Dita sui-sa transparente mmto fina.
ORGANYS BRANCO
Temos rncebido novos organdys de
40900 rs., ditos de 6 e 80000, este ulti-
mo tem listras assetioadas.
Espartilbos
Recebemos novo sortimento de espartilbos
ingleses muito grandes, >3o de linho.
Vestuarios para baplisados, bordados
mnito lio los a 10.: 000, barato.
Camisas francezas, inglezas e snissas de
?.& ate 40500 rs., ditas bordadas muito finas
de 80 ate 100000.
MECEJANA.
E' ama fazenda branca muito linda e fina
para vestidos de seoboras, tem a peca 30
jardas e costa 180 e 220000.
Panno abretanbado largo e bom. peca de
20 varas a 100.
TAPETES.
Recebemos novo sortimento e vendemos
muito barato.
Temos grande sortimento de saias bor-
dadas e vendeox s muito barato.
CORTES DE LA A SIM1RAMES.
E' orna linda fazenda com os enfeites
Capellas muito lindas para oivas, pelo
barato prego de 30 e 30500 rs.
Poupelnas de cores e brancas muito
lindas.
Camisas de meia a 90000 a duzia, pe-
cbincba.
Cambraias de cores.
Temos o melhor e mais lindo sortimento
de cambraia de cores a 500 e 560 rs. o
metro.
MEIAS.
Recebemos meias muito-finas tanto para
seoboras como para homens, meninos e
meninas.
Chapeos de sol.
Recebemos chapeos de sol com cabo de
marfim que vendemos por 130 180000, di-
tos de cabos de canna 90, 110 e 140000.
Cortes de cambraia de cor muito lindos
e com babados com seu competente figuli-
no, tem 18 covados por 80000.
BASQUINAS.
Recebemos basquinas de seda ricamente
enfeitadas que vendemos por baratissimp
preco.
Vestuarios para meninos.
Recebemos vestuarios de instilo muito
bem enfeitados que vendemos por 4500 e
50.. fi! branco bordado milito fino, dito
com salpicos dito preto com salpicos e liso.
Cambraia abert a imitaco de croch de
cores e branca.
BRINS.
Recebemos o superior brim de Angola,
dito pardo para iodos os precos, ganga fran-
ceza a 5 . Pannos finos.
Temos pannos pret- s finos de 30500 at
60500 rs.
Recebemos casemiras de cores para 30
at 30500 rs. o covado.
CHITAS-
O Cysne tem o mais lindo sortimento de
chitas para todos os precos e qualidades.
Bareges com listras de setim com lindos
padrees e muito modernos.
Crotones claros com lindos padres e
correspondentes, guarnecida a saia com cores (xas pelo baralissimo prego 440 rs.
orna franja de seda na barra, vndese o covado.
por 400000.
Cortes de cambraia branca aberta, bor-
dadas muito lindos, vendem-se por menos
do que em ootra paarte. ,
Ditos bordados na barra, de cambraia
transparente, por 80000, muito barato.
Luvs frescas de pellica para homens e
senhoras do acreditado fabricante Jouvin.
Fazendas para luto vendemos por monos
que em outra qoalquer pane.
Alpacas, can toes, princezas, bombasinas
cambraia preta, etc. etc.
Deixarcos de aonunciar moitas outras fazendas por nao se tornar extenso e en-
fadonho aos nossos fregnezes.
Ra 'Ja Imperatriz ti. 64.
FIGEIREDO & LOPES.
HMiO LlllllMlU
AWTI
ESSENQALME
GRANDE LIQUIDADO DE FAZENDAS
O E GOTTOSO
TEITICAZ E llffALUVEL Efl DESTRUIR AS ARfilAS E
EVITARA SAFORMACAO
Guiados pelas ndxicocs de moitos abalizados cw'micos, e medico* distinctos, que
se deram ao estudo e averiguado das causas que prodnzem os padecimentos de reu-
matismo, gotla, areias dos rhius, btxiga, figado, t d'outras vitaras; e aos ensaios d js
meios preprios para cural-bs, chegamos a obler um remedio, que nunca desdisse a sua
actividade contra os ditos padecimentos.
Nao nicamente baseado em tbeorias que tanto avanzamos, mas im nes satis-
factorios resultados oblidos da na applicac5o, as innmeras experiencias, 'que com elle
fizemos; e deste modo, seguros de seos beneficios effeitos, afootamente o recbmmenda-
mos s pessoas que soffram alguaus das molestias cima ditas, ou de alguns ootros pa-
dcimentos do apparelho urinario, laes-eomo o diabtico, glycosurico albominnrico
etc.
Escusado seria observar que se nao pode designar om numero determioado de dses
de nm medicamento para curar todos os individuos que padegam da mesma molestia ;
pois que a cura est dependente de diversas circumstancias, inherentes a disposico na-
tural ou compleic3o, de cada um delles; mas comtado, ceto que o hydrolto lytho-
trptico anti rheumatico e gottoto produz sempre a cura desejada, qundo se persista em
toma lo o lempo preciso para obte-la; devtndo ter-se em vista que quanto mais invete
rdo est o mal mais se deve insistir na appcac3o do remedio.
Podemos tambem affiancar que, por mair continuado que seja, o uso deste reme-
dio nio causa desarraojo algom as vas digestivas, mas antes,.pela propriedade eminen-
temente tnica, que tambem possue, fortifica o estomago, torna mais facis as digest5es
e, au p/mcas vezes, tem feito desapparecer diarrbea, que eram entretidas pela debili
dade geral do app;relbo digestivo,
MODO DE USAR.
Tomam-e do hyiroleo lyihotriptico, nos pricatiros quatro ou cinco dias, duas co-
Iberes de sopa, em agua assucarada, leite, cha ou caf com leite, e mesmo sem misto
ra algnmi, r.a occasio do almoco, e outras ao principiar a jaotar.
No quinto ou sexto da e seguintes, tomam-se do mesmo mododit), tres coiheres
de cada vez. t
Se as ourinas da pessoa doenle depositara grande porcao de areias; se as dores
nepbriticas, rbeumalicas ou gottosas s5o constantes; em fim, se os padecimentos sao
fortes, lomar-ss-bo quatro colbe.-es de cada vez, ou tres vezes no dia, a tres coiheres
de cada urna.
Quando as areias, ou oulros padecimentos, tem diminuido, toma-se s primeiras
dses.
Pelo uso do Iydroieo lilholriptico v3o sendo mais raros o apparecimento das areias,
s dores nepbriticas, i neumticas e gottosas at que de todo desapparecem: neste punto
pode dispensar-se o remedio: til, porm, como preventivo, tomar cada semana orna
ou duas dses delle.
Pelo que respeita alimentaco, deve ella ser regu'ada de modo que nao sobrecar-
regue o estomago: e em quantidade tal que possa ser fcilmente digerida.
A melbor bebida sem divida, a agua pura, mas tambem se pode osar de \inbo
simples ou pouco alcoolico.. De cerveja e viohos fortes, poucas vezes.
Sobre ludo o que muito recommendamos, grande exeicicio, sem fadiga, pois que
elle muito contribue para a rapidez da cura.
N. B. Depois de tirar-se do frasco a porcao que se vai lomar, deve baver o maior
cuidado em o arrolbar immediatamente.
nico deposito em Pernambuco
Pharmacia americana de Ferreira Maia & C, ra do Duque de Caxias n. 57, (an-
tiga do Queimado.)
__________________
NA
LOJ DA JANDAIA
N. 26 Ra da Imperatriz N. 26
O propietario deste novo eslabelecimento, tendo resolvid) liquidar o grande depo-
sito que se acha'repleto de fazendas de todas as quali a les, declara sos seos comerosos
fregueses que a Jandaia vai vender suas fazendas por menos que em outra qoa'quer
parle, pois que far o descont de 10 % em qsalquer quanlidade de fazendas que Ihe
comprarem.
A Jandaia vai declarar alguns presos de
suas fazendas.
ELEGANTE
N. 1Ra Estreita do Rosario N.1
A IIO M TOM
Acfba-se de abrir este importante estabelecimento demiudezas superiores cornos
mtlhores artigos de luxo ede moda para homens e seoboras, variado sortimento de
perfumaras dos mais afamados fabricantes de Pars e I,< ndres, com) sejam ver, Lobin,
Condray, Pinaud, Regand Cbonneaux, Monpelas, societ Hygienique, Gosne), Rimmil e
Piese Lu in, etc.,etc.
Casemiras em cortes a 405J3O.
Chitas escuras e claras, fazenda boa a
220 rs. o covado.
Bareges de 13a de quadrinho3, lindos pa-
dres, moito la g.-s a 480 rs. o covado s
na leja da Jandaia.
Lias a taberoic, inteiramenle para aca-
bar etta fazenda, pelo barato preco de 500
r?. o covado.
Lanslobas claras a mocambique a 400 rs.
o covado.
Mussnlinas brancas e de cores, lindo* pa-
d oes > 460, 480 e 700 rs. e-.ta ollima
UM tinada
Popelina de la e seda, fazenda moderna
e muito bonitos padres a 10000 o cor-
vado.
Completo e variado so tmenlo de chitas
de todas as qaaliJades, por i dos os pre-
co?.
Grosdenaple preto, fazenda nova a 20COO
o covado, eo na Jandaia.
Midapoioes 435)0. 5500, 70, 70500,
80 e 110000 a peca, s na Jandaia.
Fil liso e de salpico por lodo p preco.
I3a>des para senhoras mei inas.
Bim pardo de linho a 300 rs. o ca-
vado.
Ditos de cores a 440 rs. o covado.
Cobertores de aigodo de um s pello a
l-iOO, s na J,iridai.
Ceroulas de algodao braceo trancado a
10500 ou 180OCO a duzia.
Bramante com mais de 10 palmos de lar
gura a 3^000 a vara, f J-nafc.
A'pacas de cores lisas, a 500 rs. o eo-
vado.
Alpacas de cores com flores a 600 rs. o
covado, esta pe.hfnchi f na Jandaia.
Alg d3o marca T muito largo, boa fcxen-
da a 60000 a peea.
Colxas para cama .muito grndes, a....
50OCO.
Casemira preta fina a 20000 o covado.
Cb;les estampados e lisos a 2-58C0, 3&
30SOO, 40OO, e muito fino a 60COD.
Cambraia Victoria, de i,-J2no a 70COO.
Ditas trauparentes por lodos os pro-
cos.
Ditas para forro a 20000 a peca.
Algodao trancado branco com 8 palmos
de la gura a l500 o metro.
Bramante de lii ho de urna s largura do
mais fino de 1(>2C0 a 10100, s na Jan-
daia.
Toalhas felpudas grandes, a 90500 a du-
zia.
Alpaca preta Osa a 600 rs, o eovado, s
na Jandaia.'
Cuicas de bim pardo de linho a 1^600,
10800, 20000 e 30000.
Panno preto fino muito boa fazeoda, a
40000 o covado.
Palito', de alpaca prttas e de cores por
todos os precos.
CHAPIS DE SEL
Um completo sortimento sendo : de seda, merino, alpaca e b.'im; continua-se a
cobrir, concertar e fabricar chapeos de sol emgrosso e a retalho.
A Jandaia n3o podendo mais continuar a mencionar os precos de suis fazendas,
pede aos seos fregnezes que venham ver a realidade, pois o estabelecimento se acha
aberlo das 6 horas da manhSa at 9 horas da noute.
FAZENDAS EM LIQUIDA&AC
LOJA
Alta novidade
O Musen Eleeante ra Estreita do Rosa-
rio n. 1 vende ricas camisas de cambraia
de linho bordadas para noivas, e tambem
de madapol3o fino, bordadas e en'eitadas
de ntremelos a 400, 000 e 750000 a du-
zia.
Lindos penteadores guarnecidos de ntre-
melos e rendas valeccione, ricas calcas de
linho bordadas e de madapol3o, para senho-
ras, bellissimo sortimento de gplinhas e pu-
nbos cousa inteirameute nova, recebido pelo
ultimo vapor da Europa. -
PARA BAPTISADOS.
O Museo Elegante recebeu os mais finos
e ricos enxovaes para baptizados e tambem
lindos vestidos enfeitados para crianza, ra
Estreita do Rosario n 1.
Ultima moda.
O Musen Elegante recebeu os mais lindos
e modernos chapeos de blond enfeitados
para senhoras, e tambem de velludo e pa-
ma para enancas, e est vendendo moito
barato para vender logo, a ra Estreita do
Rosario n, 1.
Flores e plumas.
O Museu Elegante est vendendo as mais
bailas flores e plumas que tem vindo ao
mercado, assim como nm lindo sortmenlo
de franja de seda preta cousa de apurado
gosto ra Estreita do Rosario n. 1.
BOTINAS.
No Museu Elegante vende-se botinas de
n. 20 a 3 pOara criancas a 20000 o par, o
Lbyrintho
Hinca m vio om pruee**o raU perfeiio e qat> ai-
tiaja de tal (arma a sasfaatr as exigeoeiaj mais
uveras da t. A saa cor lindisim e nao precisa de cuida-
AoaJgnm para te conservar do lin'eiro sempre
om a eesro cor, $ra borra, ersta, bolr ou sem
tedia tatas mitellas nbMenies todas as tintas
at afora corjhrcida?, aioda mesmo dos melbores
atores ertrangeiros.
Sobretodo, este e?iimavel prodacto nio ataca as
faaaas de co, oles pelo contraro, a peona
adqoire nm eimalie acurado que, sepdo inters-
saole, asfs groveitono.
EaU tinta, nao sendo especialmente para copiar,
di eamtado da**, tre*, on mal coplas om nei
deso* |la escripia j preciso, porm, deixar-lbe
(apel bem rnothado sem e nxugar com o mata-
orno,porqoe nao ha or tirar maia de om copia, nao se a^gtomeram tan-
a fc*a* oaaous Optas m jiierem tirar, mes
fa*-Mt tdj^iaoi, twi qoe o orlioai tja prejudicado
Oceorre aojai dizef que, para eopiar imporu
odia ialeUifeoeia e babilieade, sem o qne a me-
lla salHlaz; dedil rtoae sempre
t anta, que muitas vajes 4 qjaem. meeoe.
5Rtf
A dnpU qaatidade desU nota extremamente
ia qtte.evtta que qialqaer
mi apuiWitin
imfctares.
iiu4QrstiHdad, alo ha a
" tw oom ma. judia, aguti *
W**^ ^P** ^^*wa ^mnat ^^wwwt
tripla ffre o choque de cidos fortissimos, sem
se decomr-r i "ra, se os cidos nao tem acclo so-
i bre ella, muio menos a accao do tompo a pode
destruir; tato plansivel.
Nao 6 s ao commereio que este mea prodacto
veio ser atil ; os profesnores dos eollegios, Invest
[ gando todos os meios para o adiamntenlo do?
seos discpulos, tem approveitado esta tinta que
cem razao a acharam apta para desenvolver o
gostn nos educandos, em conseqoeocia dabeleza
da cor e facilidade de correr os peqneoa pela sua
liquidei. Ha exemplos de eriaocas que havia
moito lempo,tinham ama repugnancia extrema
para a escripia, logo que foi admitiida esta tinta
no coliegio, apoderoo-se deltas a coriosidade e o
gorto, e pooco lempo depois o seo adiantameoto
era manitesto.
IMa bota, par de Untas vanugens, tem om
umeo inconveniente, detoriora-se ao contacto de
ootra qualquer; cc.nvm pois te-la em tinteiro
L-ento da menor vislumbre de outra tinta, e evi-
tar eserever coma peona saja de orna preparacac
dillereate e incompativel; verificando Uto, nao ha
razio paca se usar de lila que .cao seja a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIRO.
Observapo.
Diversas faUlQcacSes e semulbaocas tem appa-
reeido, caja durabilidade dovidosa. Os Srs.
piadores podeaaeTiUr o'engao dirigndo-se
-- circuaispeetas,, e pediodo tinta que eo
A. C Monieiro,
O Museu Elegante vende ricas fronbas de
labyrintbo a 640 e I -$(k', roa Estreita do seda para senhoras a
Rosario n. 1. | no ultimo vapor.
tambem vende colchas e loalbas de fustio a
5000 extraordinariamente barato, ra
Estreido Rosario n. 1.
Collar electro.
At que a fina I ebegaram os verdadeiros
collares de Royer, contra as convulsots das
criancas e facilitando a denticao, e eslo se
vendendo a 341000 no Museu Elegante
roa Estreita do Rosario a. 1.
As d 54 por 4^800
Na verdade barato !! Facas finas cabo
de bataneo com dois botoes a 4^800 a du-
zia, um completo sortimento da colhe-
Iberes de electro-plato e facas com cabo de
marfim, tu-i o por preco baralinbo qoe ad-
mira, no Museu Elegante roa Estreita do
Rosario n. i.
AS MODISTAS.
No Museu Elefante encontrarSo um com-
pleto ortimento de bico de blond branco
e preto, dito crochet, trancas e franjas de
seda de tods as cores, grande sortimento
de gales de algodao cousa de lindos dese-
nhos, cambraia toncan branca e preta para
forrar vestidos, retroz de todas as cores,
entremeio e babados tapados e transparen-
tes e agolbas de ferro, osso e marfim para
crochet, roa Estreita do Rosario n. 1.
ImltacSo de ouro.
O Museu Elegante vende ricas \utas don-
radas para senhoras e tambem meios a le-
recos imitando coral, perola e gata ludo
por precos razoaveis, na ra Estreita do Ro-
sario n, 1.
Matttlha brasileiras
No Masen Elegante ra Estreita do Ro-
sario n. 1, ven>te-so lindas mantilbas de
154000, cousa vinda
A' ra da Imperatriz n. 40
Os proprietanos da leja do Papagaio scieniificam ao respeitavel pnblico desta
provincia, que esperara muito breve receber um novo sortimento de* fazendas moder-
nas, e de bura gosto, e por consegoiote p5em em liquidar j s abaixo especificadas :
Retalhos de chita, de cossas e laas. -
ChiUs de cores e rxas de 160, 200 e 240 rs.
Laz'nhas tapadas e ir nsparentes.
Alpacas lisas e lavradas, d muitas e difEerentes cualidades e prego.
Cassas de cores de 240 a 320 rs. o covado.
Corles de cassa chita a 20400 o corte ou a 240 rs. o covado.
Cambraias brancas tapadas a 4<5 e 50.
Barejes de 15a a 320 rs. o covado.
Toalbas de linho do Porto mnito grandes a 100000 a dozia.
Melim da India a 600 rs. o covado.
Ltinha prtta de 320, 400 e 440 rs.
Alsaciannas a 10000 o covado,
Chitas pretas moito finas de 400 at 240 r,
Espsrtilhos de linho e algodao de 3500 at 50000.
Camisas de meia, ditas francezas.
Camisas de pe to bordado, iiss, e de pregas com collerinho e sem ello.
BalSes de panno a 30000, dos mais modernos.
Colerinbos de papel com beira de cor e todos brancos.
Fustfjes de cores para vestidos mnito largos a 440 rs. o covado.
Cortes de casimiras de 40000 at 70GOU.com qnadros e listras.
E outras muitas fazendas que pretendemos '/quidar para nao accniaolar :a
as que esperamos receber.
ROUPAS FEITAS EH LiOUIDACiO
Na luja do Papagaio ha um gian casimiras, paljtots, calcas, colletes e tobrecasacos, que se liquidara por precos muito
baratos.
Sedas lavradas le cores.
Liquida-se na loja do Papagaio urna grande porcao de seda; lavradas de c&ret
que se vendem por precos baratissimos, na ra da Imperatrii n. 40, esquina do becco dod
Ftrreiros.
Mendes & Orv^llio.
BAZAR DA MODA
LOJA DA CONQUISTA
Ba do Cabuga' n. 6
03 docos deste novo estabelecimento acabam de receber nm completo sortimento
de fazendas finas, das qnaes s mencionan) os artigos abaixo declarados afim de qne o
respeitavel publico possa fazer nma aproximada idea de que nao por meio de annon-
cios que queremos acreditar nossa loja, mas sim pela variedade de objectos de gtsio
de moda que sempre coslnmamos ter como sejam :
Ricos cortes de blond para casameu-' Lindos lencos de cambraia de linho bor
ios.
Gorgnrao de seda, b/anco e preto.
Dito dito de cores.
Popelinas de seda brancas.
Ditas ditas de cores as melbores do mer-
cado.
Reos cortinados bordados para cama.
Ditos ditos de crochet dito.
Colxas de crochet dito.
Ditas de 13a e seda dito.
Camisas de linho bordadas para se-
nhoras.
Ditas de algodao, bordadas para sf-
ohoras.
dados,.
Saias brancas bordadas.
Granadinas brincas e de cores para ves
tido.
Lindas alpacas o lias para vestido.
Ricos enxovaes pira baptisado.
Rieas chapelinas e chapeos para seobo-
ras.
Lindos fastoes de cores para vestidos.
Fil de seda, e grinaldas para noivas.
Mantrlhas brasileiras.
Cambraia fina de 2 largaras.
Bramante, Bretanhas e esguio do li-
nho.
Tapetes grandes pira goarnic5o.
q/m para isso m mandera
Ditas bordadas e lisas psrs homens.
Mandam-se ou levam-se as- fazendas sm. jaer oasi
o nome da roa e numero do morada tu
LOJA DA JISTA
A'rttn-I (Mug n. #,
DE
ANTONIO FRANCISCO DOS SANTOS 6c C.

DE
JOS DE SOUZA SOAPES & C.
Grande exposipo
Especial sortimento de fazendas de algod3o, linbo, i3a, e seda, de todas u qca-
dades.
Artigos da moda elegante, tanto para senhoras, como para homens e meninos.
Completo sortimento de miurtezas finas.
Grande dep sito de perfumaras ros n ais aflamados perfumistas da Eursps.
Variedade em objectos de ghaniasia para mimos.
Nova remessa de ricos livros para mis
esmaltado, e madreperola, tanto para senhoras cuna para meninas.
Bello sortimento de lindas e modernas joias de ouro, como sejam cadeas para
relogios, mdalhoes, meios aderecos, brincos, broehes, braceletes, collares, e abotoado-
ras para camisa.
Ricos e>peltos prandes com moldura dourada a ouro fino.
.Bellas panormicas trancas e de cores, propias para jardins e cornijas do casis.
- Assim c mo temos a venda uma bella e perfeita erabarcacSo de guerra, sjmbole
-ii corveta Sd da Bndeira, e uma caixa com rica msica de pente acn, panhads de
timbres e rolo, tocando com a maior perfeico o hymno do Brasil, Vida Parisienss,
Marco Espada, Flor do Cha, Fausto, Pericholle, os DragSes de Villars, e Viagems
China.
X. 50Rna do Bario da VictoriaN. 5
(i:|iiln.i da de anCo Amaro).
1 -------------------------------------'----------------------------
[M0ST4ftfi/l,
i
ADOPTADO
/VOS hOSPlTAESDE PARIZ AS AMBULANCAfi
IOS HOSPITAES MILITARES NA MARINHA IMPERIAL!
FRANCEZA E NA MARINHA PEAL INGLEZA
O i esoivulo por Mr Rigollot com o mai-. feltz resultado iia com|>co uil
papel foi conserrar & mostanla todas as suas propnp.lades, ohtendo em poftros iutM>%
e com facilidad* um fVwto decistTO com a mer^or quantidade possivel *, gf
i e com facilidad* um enano aecisiro com a mcn,or quantins
d BiditMit-'"* (A Boftekardat *A*nuairt(Uthrapeutiq
Ei%Jr a awlfnatura ao lado, por que ha fclclflcadora
TiJt/S, w YMe-49-TemfU, S6.



D**ri d Pernamboc -* Quinta felrr f 4 de Agosto d 1871
SSEMBLEA GEttL
-------------------------h------------------
CMARA DOS DEPUT\DOS.
Dcusso do elemento servil.
' (ContinaifSo).
O Se. DuQtB-ETADA Tbixkhu :A' oia-
des.
O Su. -ANDnADE FiGCEin.v: ... nam a
approvac&o dos crditos que abri; q^r
l'bertar o venira smenle.
O Sn. Barros Cobrv : 0 curso desla
ideas, Sr. presiden.e, leva-me ndtiralmeaie
a considerar um ponto, em qua deixaria do
tocar se nio tivesse nicssidade de levantar
urna iocrepaglo muilo grave que se anca
sobre os divergentes desta cmara, que tom
se repetido por todas as formas, e que cada
qual exagera a seu sabor. (Apoiados.)
Tem-se dito que somos agitadores, revo-
lucionarios, que renegamos 03 principios do
partido conservador e abracamos as i J n
republicanas, trazendo para o debate a co-
rea, a pessoa sagrada e ioviolavel, que deve
esUr fra e ac'ma da toda e qualquer dis-
cutio. (Apoiados.) Comecirei por protes-
tar o mais profundo re peito a corda : rao
narcbjsta sincero, conservador de coraca,
observarei at os seu? derradeiros lira tes
o preceito cnstilucional da involabilida le
do chee da naco. (Muit> bem.) M s teo
porvenlura razio os que nos aecusam do
trazer ao debate a pessoa do imperan! *, e
de levar a censura parlamentar at as ra-
gioes conslitucionalmeote inaccessiveis ? En-
tendo que" nio.
O Sr. A.ndbade Fiocehu : Nao se traz
ao debate, nem se increpa a cor&a.
O Sn Barros Cobra : --Se a quatOca
Ci bem cabida, os principaes, os verda-
deros agitadores sao os ministros ou os
governos que, sera consciencia do seu de-
*er, tem especulado com a coaceSo m ral
resultante da ioiciativa da coia, insinan.b
as coofidencias particulares, a allegan i.
mesmo as discussoes publica;,, que a von
tade superior do chef.i do Estado ex ge, esta
ou aquella solucjo. Esta inconveniente al
legaejio, o mado terminante o cornmiualurio
com que se exprimi o discurso da cora
o com que se apreseotou a proposta, a in-
coherencia de muilos dos nossos bunios
pblicos, a sofreguidio e intolerancia ora
que procede o gavera?, deixan lo entrever
que obra sob urna pressio da que nao (ole
hberiar-se, taes sao as verdjdciras cau as
das allusoes que aqu e all se f.izern a essa
ventado superior. (Apoiados.) Espero poder
provar esta mioha assercio.
Senhores, tem-se dado, a respeito desle
gravissimo assumpto, urna serie de focos
que, nao se conservando no mysterio das
alus regies governamenlaes, 5o conbeci-
dos do paz e devidameolo apreciados e
commenUdcs. E' sabida a origam da p-o
posta de q ie nos oceupam s. Ka UBr0
de 1866 p alustrado Sr, visconde. do S. Vi
cente, considerando que, ;1&u da opQc
do movimento do iflOQdo civilisad0i, des-
grabada *i0|D da escravidio nao pode-
ria lanter-se por muito lempo ainda no
Brasil, e qua por isso era mister qua os
altos poderes do Estado tratassem de oceu-
par-re seriamente com a solucio desse pro-
blema para que algum acontecimento deplo-
ravel nio \iesse cahir de chofre sobre nos,
culher-nos desprevenidos e levar-nos de im-
proviso em lio grave assumpto, apresentou
reservadamente considerado de S. M. I.
diversos projectos contendo as solucOes que
mais acertadas lbe pareciera. Estes projec-
tos conservaram-se no mysterio, nem sei
mesmo se o ministerio de entio leve dalles
conbecimento.
O certo qae em agosto seguinte, rece-
bendo o Imperador nma carta da Junta
Emancipadora Franceza, que oconvidaya a
tomar a iniciativa nessa questio, o ministe-
rio dos estraogeiros do gabinete da 3 de
agosto respondeu immediatamente, era no
me de S. M. Imperial, qae a emancipado
dos esccavos entre nos era apenas qaeslao
de forma e de opportunidade, e que o go-
verno se compromettia a tratar della, lo
depressa cessassem as penosas circumstan-
cias da guerra do Paraguay, em que entio
eos a taavamos Tomado impruientemenie
esse compromisso solemne para com oes-
trangeiro, sem sciencia do paiz, sem pro
nonciamento da opiniio, s eolio, em prin-
cipio de 1867, foi convocado o conselho de
estado para ser ouvido sobre o traballio do
Sr. Visconde de S. Vicente, e para consul-
tar (ntese bem) se convinha abolir direc-
tamente a escravidSo, e, uo caso de altar-
mativa, quando, c^mo, e com que cautelas
e providencias cumpriria realisar essa me-
dida.
O conselho de estado as diversas sessoas
que celebrou em 1867 e 1868 e3tudou e
discuti a materia, mas os seas pareceres,
apezar de reiteradas requiskes desta c-
mara, conserva-am-se em rigoroso segredo
at lia poacos dias, qoando comecou a dis
cusso, que vai proseguindo agora, da pro-
pos'a do governo. E ao passo que este
mysterio se onservava no paiz, ao passo
que se negava a cmara dos depatados o
conhecimento daquelles importantissimo.
documentos, j revelou aqui o nobre depu-
tado pelo Gear (o Sr. Alencar) que o fo
lbeto conlendo os pareceres do conselho te
estado era remettido junta Emancipadora
de Londres.
Sr. presidente, ninguem contesta qne o
imperante, no desempenbo de sua alta mis-
sio, possa e deva pensar acerca dos nego-
cios do Estado, e ter respeito delles o
seu modo de w, a sua opiniio ; nro mo-
nareba ilioeirado, como o nosso, nio pode
deiiar djj estodar, conhecer e apreciar
todas as graves quesloes. que interessam
naced e 5 sua prosperidade; mas tambem
inconlestavel que, segando a le fundamen
tal do Estado, essa opiniSo nio pode pre-
ponderar sem o concurw dos outros po-
deres, preciso qae estes gyrem livre-
mente dentro de saas espheras^de ac?5o.."
O gabinete de 16 de julio, qae enun-
ciara as fallas do tbrono de 1869 e 1870
o tpico sobre o elemento servil inserido
as de 1867 e 1868, manteve com firmeza
a soa poltica, com plena approvaclo do
parlamento e applaaso da opinio.
Oepoisda notavel interpellac,2o dirigida
qoele gabinete pelo nobre depotado pelo
Rio da Janeiro (o Sr. Teixeira Jnior) a c-
mara nomeou o aooo passado au. corarais-
s3o especial para estodar esse grave assomp
lo. sa commiss5o apresenton-nos o sea
projecto e relatorio, trabalho que faz honra
ao seu autor e ao paiz, mas que coolinha
ideas e medidas muito adiantadas, e qae
foi arredado da djgcassalo porqoe, nos pou-
cos-dias qae restavam de sessao e as cir-
cumstancias mesmo em que* ainda se achava
o paiz, ni.) era posssivel agitar ceaMloaote
qiesio.
AlguosMoipaciMies >ve4flti de novo a
idea, e o gabinete, declarando francamente
que nio acei'ava s medidas directas con-
tidas naquelle projecto, poii qoe repaUva
a sua adopgao perigosissima e cheia de
graves consequenoias, receben desta cmara
a mais significativa prova da- adtesSo em
urna votado de cooancji. Entretanto, nos
ltimos dias de setembro, na vespera do
encerramnio da sess5o legislativa do anno
passado, ogfabinale de 16 de jolbo te ve de
rdirar-so inopinadamente do poder, sem
'ausa conhecida do paiz, sem qoe fosse ven-
cido no parlamento, tend > nesta casa quasi
unaninidadi, e grande raiioria no senado I
Quaes as causas qne determinaran! a re-
tirada daqulla gabinete ? Esta pergunta
oIj tam ama resposti conslitacioaal ; mas
disse-se logo que o gabinete fftra demiltido
porque resisti poltica impaciente da pro-
paganda.
Ain la mais: para organisar o ministerio
quedevn sacceder ao de 16 de jaiba foi
chamado o Sr. Visconde de S. Vicente, o
autor dos projectos primitivos sobre a
emancipado, e desse ministerio fez parte o
Sr. cooselheiro Teixeira Jun'o-, o autor da
titerpellac5o dirig da ao gabiaele de 16 de
julho, e relator da coramisso especUI des-
ta casa que elaborara o p.-oje.to a respeto
dessa questio. Ora, se a fraccSo do par-
tido conservador, que nesta cmara sus-
tenlava que doviamos marchar apressada-
mente na reforma do elemento servil, nao
bavii triuraphado no parlamento, porqne
razio o novo ministerio foi organisale-com
os mais arden tes defensores da abolicto-di-
recta do elemento servil? Para este felo
tambem nao acbo explicado constitucional ;
e foi sabido que o gabinete de 29 de se-
teratiro leve de dissolver se anda na aa-
sancia das cmaras, porqoe atguos dos seus
raembros, carcter mbre indepeodente,
nao quiz adherir poltica aolkionista.
Estes facios, que se contecenje apreciara
qua tem dado tugar a acradkar-se que os
diversos gabinetes, nesies ltimos lempos,
tem tido de lutar com urna pressSo supe-
rior, e a al!ur-se as discuss^ a- em
pressio, quo a conslitoicJo desceohece.
Nem se pode estranhar isto.quaadcv&s pro-
i>rius ministros da cora aotorisar* e pro-
vocam as allus5es.
O Ilustrado Sr. conselheiro Zicarias,
presidente do conselho do gabinete d*3 de
agosto, que trouxera ao parlamenid >p i-
mera palav.- olcial a respeito do melin-
droso problema do estado servil, n3o> fez
my.-teno da influencia imperial, e declaruu
no senj'ioque S M. o Imperador lomara-a
ioiciaiiva nesta questio sob a responsabi-
dade de seas ministros.
O Jornal do Commercio publica diaria*-
mente, sob a epigraphe Ckrmica pars
mentar, e assignados com o pseudonynao-j
A guarda constitucional, artigos se mi of&-
ciaes, escriptos por o dem ou cot> inspira-
ci do actual ministerio, e pub icados seos*
duvida costa do tuesouro...
Um Sr. Deputado : Isso notorio.
Sr. Barros Cobra : Em om desse-
artigos, no Jornal de 20 de junh'>, o e*-
criptor ministerial, alludiodo ao factodtt
trazer-se a cora para a discuss3o, escrevea-
a respeito dos deputados dissidentes as se-
grales palavras:
Se querera permanecer coaservadores
nao cjtiuuando a excitar os mos insti&o
tos revolucionarios e o desrespeito coroav.
Ainda raesrao que o imperante tenha opa
niio definitiva a respeito da questio. no-
sentido da solomo proposta, entende-se
serapre que a lera por conselho e sob. a
rosponsabilidade de seus ministros. E do-
man, o imperante nao ura automato ;sua
raisso summamenie elevada ; apreciando
a opinio fci'.a no paiz, forma e profere um
juizo, e realmente nesse juizo que consis-
te a pol tica imparcial da cora.
Tudo isto moilo claro, principalmente
sabeudo-se q-ie nunca houve no paiz opi-
nio feita no sentid) da solufio proposta.
(Apoiados.)
PortanU), razio tenho pira dizer que nao
s>ioos dissidentes quecmmeltem a impru
dencia de expr a cora ao debate, e, se
pode charaar-sa agitadores aos que alludem
iniciativa imperial, os verdadeiros agita-
dores sao os governos que se tem succedido
nest-'S u tiraos annos, com excepcio nica-
mente do gabinete de 16 do julho. (Apoia-
dos.)
Seahores, ser verdade que tai no. paiz
urna opini?o. que exige a solomo do grande
problema relativo ao estado cervil ? A
existencia desta opinio incontestavel em
abstracto, em principio; nio ha felizmente
um Brasileiro que deseje a perpetua con-
servarlo da escravidio no Imperio ; a este
respeito ha unnime accordo, a causa da
aboliejio est definitivamente julgada.
Para honra do Imperio do Bra,il n2o te-
mos de sobrepujar as dilficuldades, os pre-
cooceitos e a repugnancia com que liveram
de lutar os legista lores em Franca e na
Linio Americana ; a generosidade natural
do carcter brasileiro, o espirito religioso e
os principios da moral e da civisaco re-
solveram, ba muito tempo, a questio tbeo
rica.
Mas, se podemos-nos afanar com a exis-
tencia dessa nnanimidade a respeito da idea
humanitaria e civilisadora, sem duvida
que a opinio nio se manifesta do mesmo
modo em favor das ideas contidas na pro-
posta do governo, ou da solacio por ella
indicada ; e tanto asstm qae a propria
falla do throoo do corrate anno, dizendo
qae 'lempo de resolver esta questio, ac-
crescenta: < para que ella nio continu a
ser urna aspiragio nacional indefinida e in
certa. > Nio se diga, portaoto, nao se p
de dizer que a opinio publica exige a so-
lurao contida na p oposta.
Nio, senhores, o paiz, que dorma som-
bra da conflanca Ilimitada que deposiUva
nos poderes pblicos, qae repoasava tran-
quillo na seguranza qae Ihe inspiravam os
conservadores ; o paic, qae acreditava qae
um gabinete sabido do seio do partido con-
servador jimus faltara aos principios e
prudencia tradicionaes do m*smo partido,
nio quer, nio pode, nio deve querer aquel-
la imprudente solacio. E'por isso qoe
desde a apresentaejo da imprudente pro-
posta, desde que o publico teve conbeci-
mento do meio de solucio indicado, os
justos rece ios despertados, os direitos
ameacados, o patriotismo estremecido t
injeielo, a sciencia do homem poltico
e do estadista, prudencia vulgar e o
bom senso de todos o cidadios se colliga-
ram, se combinaram, se ergueram para,
combater e condemoar a perigosa e arroja-
da empreza. (Moilo bem.)
Qaanlo tratamos de resolver esta magna
pb!toaii|icii, SJej do Mttimetto,
qoe frioftcipiMsos, mas -ia os
los e respeitavell interesses. que a ella
se ligam e que consUtueua a base em qoe
sseola a sodedade brasileira (apoiid js) ;
porque muito se pode diser, mnito se po-
de querer a este respeito, mas o exame e
conhecimento pratco das nossas circoms-
Uocias e do que se pode razoavelmeate fa-
zer qae nos deve guiar para marcharmos
con seguraoca. (Apoiados.) S ahores, eo
reflecti muito pausadamente, o
calma, longe dos trabamos legisii
com o espirito isento de preoccipaif.
bra o meio de s.lo?So mais o
para este importante problema,
toda a attenejo e desafii a mais
meditagio. AidSa da Iibertac3>
pareceu me moaentaoeamenta
adoptavel (confesso acamara aqa
do dominio exclusivo da rainha consiien ;ia);
mas a reilexio coiivunceu-me da ^ua essa
idea, que primeira vista sedaz, em nosso
paiz de todas a mais perigosa. (Apoia-
dos.)
A historia, essa grande mestra diexpe*-
rieacia, nos mostra que quasi todos os
paizes que tentaran abolir gradualiaeate a
escravidio nio conseguirn, mas foram
precipitados irresistivel e fatalmente abo-
li(,"3o total ; assim, a Iuglalern, a Franca e
raesmj Portugaf. Algum exemplo pode
citarle em contrario, como o dos Estado-
Unid9 do Norte ; mas nenbum desses Es-
tados traba a dcima* parte da popul,io
escrava qt nos temos-, e por isso nio p >
dem fornacer argamenr?* .em favor da pro
posta do governo.
A Ilustrad eornmissio' especial, em seo
refaiorio, pergoota : t Qon m'Kivoa temas
para temer que-em nossa twtrra conram as
cousas diversaraewe do que em trra* oode
se realizara m, apos- os mes mes- receioeexa-
'gerado-, idntica transiccoes ?
M'as esses paizes- nio se achavam em
circ possaiam1 o numere de escravos rpie miar-
lizmente possuimos, nem tinbara ni agri-
cultura a oase quasi onica de sm r.qu-'za
particul jr e publica, nem cornt* eos tinbam>
a poyulafio iivre disaeoainada per vastissi-
ma estensio- e em. cootraposgio- inquieta-
dora, a escraratara' cooceoinda aos prin-
cipese entro de prodcele. Est diversi
dede de circusaetancias aeoesetba a-diversi-
dade dos meie para curar o maL (Apoia-
,dos.)
Mas, sem dwealir por ora o m*> pro
posto para a aboliio, pergooUrei: acocea
siio presente > amis eppovtaoa pee va
larmos de resolver pormeidasde efleito
immadiaio o grave proUama ? Pease qve
oao. EareUal a qnesta da oppofaaida-
de era abstracto est hoja- prejiiiioa, gre-
cas imprudeoci do governo ; no pea*> s
qoe obegaram- ascousae,-a inercia sera
mais perigosa qae omaselaQio acotapa
obada dd certa presaacjEes- Pare v.ad&p-
fio, porto, d medidas- directas e adwi>-
tadas, como a& qoe o projecto consigna a
occasio era meaos opportona. i'oasa-
rada a oppertoidade em> ralacio a es*
medidas, que-espirito koa-satoirodexar S
apavorar-se o-de recuac-abastado anteas
.previsoes funestas e oe-reeeios, q#e n&
podem deixar de assattar a todos- os qoe
luem a'propeet* do govers ?'
Sr. presideole, quaod em- 187 e i*m
discutise no eoDsalbo de estado-este nae-
jindroso assampto, todos- es iitestres coo-
selheiros excepto ODicasaeate- o- Sfi Vseoo-
de de Jeqoitnbonha, tratando da opportu-
nidade, proounciaraBBrSe emito expresa-
mente e votaram para- qae s se tratasse
da emane pac/ao depoie da guerra, qoe en
lio sasteetavamos contra e Baraguay. O
Ilustrado Sr. Visconde de Abael o fina
do Mrquez de Olina, o Bario da Bom
Retiro, o o propria nobre presidente do
conseibo (cojos pareceres peco peunissao
para inserir em meu discuxso, por%oe tallo
tambem. para o paiz), racsiando. tal vez se-
era mal comprebendidos* foram aioda mais
explcito-, declarando positivamente qae se
devia nio someats agualdar a cessacio da
guerra, mas dar anda iepois della tempo
sufficiente para que o paiz toausso folego,
para qua se reparasse o estado, das nossas
finanzas, para que emGmse recompuzessem
o governo e a naci dos males e graves per-
turbacoes causados pela guerra.
Emquanto dorar a guerra eraque-aos
acharaos empentados, disse, oSr. Viseonde
de Abaet, e depois de leita a pa?, era
quanto nao se repararem por algosa modo
ss graves perturbacoss que a necessidade
de sustentar a guerra tem causado as fi-
nanzas, nao me parece azada a occasio de
tomar o governo a iniciativa de taes me-
didas.
O Sr. Mrquez de Olnda disse :
< Das opiaies que se manifestaran) a
respeito da opportunidade, a primeira.foi
qae nio se tratasse desle objecto sena j de-
pois da guerra. Mas qual o sentido em
que se toma essa expressio depois da
guerra ? Por fim da guerra se entender
simpUsmente a derrota das torcas do ini
migo ? Parece que nio, O qoe se quer
exprimir cora aquella expressio que nio
se trate desle objecto seaio qoando os ni-
mos esliverem desassombrados de quaes-
quer receos, da quaesqaer preoccopacss.
Mas emquanto senio flzr a paz bao de con
tmuar os recejos, as preoccupac&es ; nio
da mesma natureza qae hoje, mas sobre os
ajustes de paz e os resaltados desses ajos-
tes.
< E' patente a desconfianza que ba a res-
peito das disposices djs alados a nosso
respeito.
S. Ixc. o Sr, presidente do con albo, en-
Uo *. eonsefteiro de estado Jos Mirla
da SiN* notaos, ha eeoNrencia A< 9 de
abril de 1867 assim se exprimi :
t Nio bula esperar pela cewacio da
guerra; preciso dar algum tempo ao go-
verno, i popalafio, ao commercio e agri-
cuitara para sahirem das aperladas cir-
camstancias em que a guerra e a crise fl-
nanceira teem a todos collocado. Passar
immediatamante da guerra para ama refor-
ma que ple sobresaltar toda a populado,
abalar e depreciar ~a propriadado agrila,
causar dlminocio mnito seniivel na renda
nacional eex'gir o empreg) de numerosa
forg publica, ni) me parece acto digno da
prudencia do governo e das cmaras do
Brasil. D-se algum tempo convalescen-
ca do corpo social, depos de lio grande
enfermidade como tem sido esta guerra de
tres annos e a crisa flnanceira qae a prece-
den e a tem acompmbado,
Na mes na conferencia, reapoadendo a al
guns oonselheiros quehaviam mal iaterpre-
lado saas palavras, e attribawm-lfie o de-
sejo de adiar indelbdaraente a soluto do
problema, 9. Exc. repeli -om mais ener-
ga :
O seo pensametfio que nSo b-asta a
ce9saci > da guerra para que se jogue-op-
portooa a reforma projectada. Er mister
dar lempo a^se o cooaojercio a a lavoura
se levantem um pouco. ao menos, Cb aba-
limento qjoe a cnse ffmneelri de 18&4 e a
guerra toes teera caucado? t p eciso, por
entro lado, dar ilgom descanso popla--
Ci, e na\> exigir, Kgo depois: da guerrar o
ervico mvar extraerdloario. q)ue to m-
portaQte reforma socwl talvez orne indis--
pensavel, ji pnra preoir, j para :eprirair
o elleitos Ac alguiya eacitacio enfre os es-
era* os.
* Ninguem contesta
qoe se trata fm
qoa a medida de
parig, e ahjans dos
mai apressados at exageram' essea peri
gos, amerando logo-a necessidade de- espa-
Ihar-se- por todo o impern' um' numeroso
exeveito ninguesa- tarobsm desconhece qn a
nosso estado- finaneeiro grave;-e, todara,
pnatendie-se que iumsediatameMe depo da
jguerra dtrve'mos tentar a solucSo do mehn*
!droso problema da emancipara-) dos escra
voe Confesso que nao sei conciliar esta
ceoseqneoera com aquellas premissas >
Oiilostrado conseleiro, Sr. bario do
ifcua Retiro,-na conferencia de fO d> abril
de 1868, declarou que^ no tocante 'qnes-*
lie-da-opportunidade, oof>fbrmavase intei-
ramente cora-os votos manifestados- pelos
illcetrados coBieiheiros visconde d Abaeil!oura, esmenosdesereve o nobre ministro-
e Pwanhos-. pouco animador. Awda no-restabeteci'
Paoso, perianto, diseeelle, que s de- [da do abato que sofiVea por wcasiieda
poisde terminada completamente a-guerra crise coraaaercial de 1864, a nossa agrenl-
comqoe nos aebamos a bvaeoa, e dbtribui- j tora est oterada eoo enorme- divida, os-
dapetas proviama-a for?a- militar qe fr orecida pela sensivel. escassec- de bracas.
para aqoelle ajaste definitivo qB8 leo 4 de i
ser celebrado ?m Assompcio, cuja oegocla-
Ciu foi in^rrompda por ler vralo para esta
corte o plenipotenciario brasileiro, -o Sr.
visconde do Rio-Braeco ; mu, appellaodo
para as reservas diplomticas, de lara oio
po-ter commancer-nos os termos do referi-
do accordo previo.
Nio podemos, pois^,. estar tranquillos,
principalmente conbecendo a m vonlade
tradicional dos nossos vjzmbos do Prata a
nosso res eito. Emquanto nao fr conclui-
do o ajuste definitivo de paz, de modo qae
sejam devdamente acautelados os direitos
e interesses da imperio, oro. sufi;ieola in-
deranisaci? das despezas da guerra e com
as indispensaveia garantas de paz- futura,
nio podemos desviar os olhos daqnelle lado,
ou deixar de nutrir serios cuidados e pre-
occopaces.
93o ainda rnais contrratadoras as inflar-
rnaces que nos oferece o nobre ministro
da agricultura em refaci a muitos dos
principaes e mais importantes raraoj dos
uegoc os da ana repartc3o. Permita a c-
mara qoe eo lea alguos pontos- do proprio
relatorio de S. Exc, porque desejo exhibir
dados segaros e iueontestavete a esf res-
peito, quero mesmo que as palavra olli-
ciaes substiloam as ratonas. No artigo re-
lativo agricultura,- S. Exc. nos diz :
* Infelizmente o ministerio a ieu carfo
ainda nio pode reunir inforraaces comple-
tas aotareoestaoVda lavoura nacional, sua<
neceaskkds, meios- de aefao, e quaesquer
uuiras ercamstancias que a niereasein
Nunca, porm, foi lio preciso, como agora,
estudar aecuradamen e a sitoacio agrcola
do imperio...
O' Sr-. PfeKiDKNTK >--Eu lemoro ao co-
bre deputado que isso alongar de mais a
dscussij. Neste artigo nao se pode e
tender tanto-as consideraces geraes.
0'Sb Bsimo? Cobr*':Prdoe-me V.-
Ex. A materia de lal sorte vasta e
complexa, qua diflicil. senio impessivel
(imitar a discueso aos resnelos temaos de
em artigo ; alia fundo-mrno exemplo dos
done- nobres depotados qve, ni ultima ses-
sio, ioiciaram o-debate sobre o arU V da
propeeta.
O Sn. htCsmtwna:Msdevolembrarqoeo
regiment nio permrtte discaesia tioampla.
O Sn,' Barros Cobra : Bem; ero obe-
diencia* a deternainacoes da VCBxc, a qpem
muito respeito, eu deixare de ler os dadas
que n ministra oTetatorio daagricultuva ;
mas crei*1 que ao meos ser-ae-ha licito
referir-a a esse dados. Oeeudo da^la-
neoeeeeria, e de- lornarena-se menw emba-
racosas as oircomstanchs fisanceiras do
paiz, e-qoe dev ser prcpostas s amaras
;legislativa*, por parte do governo, as me-
didas que pareeerem mus adeqeadas
emancipacio gradual d* eseravatura*.
Dir-se -ha, Sri presideole,. qae a guerra
findo ha um. aosto ? E' verdade ; mas fin-
don no sentido da qua ca*sou a lula no
campo de batato*;-os esftos contendo-
res nao-estio bmm frente um do oasiro ;
felizmoate cessee.de -corren o sangoe brasi-
leiro, e cesaoacom o maka-brlnante trium-
pho para as nossas armas- e da modo-a dar
completa satisfe^o ao nossoergulho aairio-
tico. Mas porvenlura jas esli saradas as
profoadas-feridaa que a guarra nos- causou
com e sacrificio.da tantas vidas, as dures de
lantae- familias, e com o-enorrae dispendio
de sommas elevadas, pedidas aos imposto*
sem meioo-de haveVIos ou de substitui-les-;
empregeodo ainda-. no amacho da terna,
ne planlago e na eolbeita os primitivos-e
grosseiros systemas, lenumenleapodera ad-
quirir os oobecimeatoe especiaes e os qst
'.rumentos ou machinas que mclborem esse
ay>temas e substituam por forc>s> mecliaoi
eae o brago do trab^lbedor, porqoe carece
de crdito para esses- melboramentos. C
oapitaes correm .de preferencia para o cara-
merejo, porque oeste encoekam maior
exactido aos pagamentos com aortos, e os emprestimos feo* lavouca,
sobre serena insufficieotes, o sao a prazos
astreitos e juros altos que a renda da. la-
voura nio pode comportar. AHendeedoa
agricullura reconlwee a necessidade iade-
inavel de creareavsebancoavsagricolas^qaie
possam fornecer lavoura os capilae* de
e aocredilo? (Apoiados). J.cessaram, por-j^ue ella carece sob. condio^es razeavew,
ventura, os effitos polilicos e- econmicos sto,cora.juros moderados eprazas longos.
Pf ella prodoaidos ? 8* sem divida que |; A> industria nacional, diz-aos tarohemS.
uio. (Apoao8). E era,aa previsio desses;Exj., comquanto.nestes nltimcs aanos co-
c Importa observar mais que nos teremos
de deixar alguraa forca no Paraguay, e nio
sabemos por quanto tempo. Alera disto
teremos de man ter na provincia; do Rio-
Graode do Sal urna numerosa goaraifio,
s com a tenri ao desasoseg pos nossos
vizinbos por aquello lado.
......................,,.,,..
Aceraste ainda oolra necessidade. Ho-
je, no estado a que chegou esta queiti a da
emancipaba), particularmente depois qae as
declarares do governo nos jornaes e as
assercoas na cmara dos depatados deixa-
ram entrever a intengio em qae o mesmo
governo est de se occopar coa este ob-
jecto, e sem definir os termos de ti j gran-
de medida, ser oecessario conservar as
provincias ama forca superior i qae fora
necesaria para maoter a orden; e esta
forca ser muito maior anda depois qae se
apresenlar o projecto de le as ctmarai,
e peior ser depois qae passir a le. D'ahi
a necessidade de. continuar o recratamea*
to,.. e de imposto! pete matar t f^
militar...
eeiios desastrosos, que deviam dorar lon-
gotempo anda depois da victoria, qae o
nobre presidente do conselho, eetio o Sr.
cooselheiro. J; M; S. Paranhos, aconselhava
4 cora qoe aguardasse a cessaco da guer-
ra, e anda dep ais, o. tempo necassano para
liqne se roparassera. os estragos, e as periur-
baces causadas por essa crise.
Ainda, mais: am do que o Sr. presi-
dente do conseibo disse no conselho de es-
tado, temos lanaaVm as suas palavras pro-
feridas ainda este anno no senado a respei-
to da duracio dos effitos da guerra. Quan-
do o nobre senador peto Para, o Sr. con-
selheiro Sooz.a Franco, arguio & gibinete
d* esbanjador porque, apezar da terminada
a guerra, as despezas do. estada continuavam
em progressivo augmeato,. S. Exc, na sss-
sio do senado de 23; de maia do crranle
anno, disse :
... Cessando a guerra, nioceassram
incontinenti as despezas ella contenien-
tes } os seus effitos continuara e continua
rio por mu lo tempe. Em segundo lugar
quem examinar a demonstraciu q,ue se acoa
no relatorio ver que ba ah dons crditos
extraordinarios, um da guerra, oulro da
marraba, o primeiro na importancia de
7,667:0040, e o segundo na de 8,851:291o
que representam em grande p?.rte despezas
da guerra. >
Em outro ponto do sea discurso, S. Exc,
repeli ;
A guerra terminou em 1 de marco do
anuo passado, e, terminando neste da, nio
terminaram instantneamente as despezas
que causara; o ejercito estava fra do im-
perio, e com o exercito grande parte de seu
material; era preciso transportar um e ou-
tro, e aiada boje temos cerca de 3,000 bo
mens estacionados no Paraguay.
Assim, pois, o mesmo nobre Sr. presi^
dente do conseibo, ainda na sessao desle
anno, onze dias depois da apresentaejio da
proposta sobre o elemento servil nesta casa,
reconbecea que os effitos da guerra ainda
perdurare, e hit de perdurar por muilo
tempo. (Apoiados).
E demais, senhores, abi esli infelizmen-
te os factos qua Mlam bem alto ; nos os
vemos e sentimos em nos e ap redor de
nos ; e abi esli elles consignados nos re-
latnos dos nobres ministros, que nos dio
tristissima descripfio das nossas aclaaes
cireumstancias. (Apoiados).
Do mappa geral da forca do exerctlo
existente na corte, niu provincias e fr do
imperio, qae se acba entre os anm-xos ao
relatorio do ministerio da guerra, v-se que
existem na repblica do Paraguay 3,722
praeas, em Matto-Grosso 2,292, no Rio-
Graade do Sal 3,909 ; ao todo 10,000 pra-
eas, qte temos necessidade de conservar ao
paraguay e as fronteiras.
Aiada nio foi celebrado o ajuste definiti-
vo de paz entre os alados e o governo do
Paraguay. O relatorio, da reparticio dos
negocios estraogeiros informa-nos. que foi.
CQOcoido o accordo previo entre os alliados
mece a mostrar mais algara adianiam-nt >,
todava nio tem do desenvoivimentoapre
ciavel e contina a ser acaoh-da. em razio
do preco elevado do salario dos trsbjlbado-
res, e das vamagens maiores.qna offt>recem
outras especalacoes.
O-nosso commercio resenle-se anda da
crisa de 186i cujos effitos se aggravaram
coma guerra do.Pnragpay, a guecra franco-
prussiana, a as dillicuidades das, da lavoura.
e sobretnda opphmida pelos muitos
elevados impostos qxie pesara sobre as raer-
cadoria3 estraogeira imporU.'Jas e os pro-
ductos nacionaes exportada. E o nobre
miaistro reconbece em seu relatorio que
lio cedo nio poderao ser removidos os
effitos necessarios das causas que aconse-
Iharam o augmento dos direitos e elevado
das laxas das tarifas, a que tivemos de re-
correr para fazer face aos sacrificios exigi-
dos pela honra e dignidade nacional na
prolongada e dispendiosa luta com o Para-
guay, pois qua, alm dos encargos ordina-
rios, temos de satisfazer as obrtgacoes con-
trahidas.
O raovimento comraercial do imperio no
exerccio de 18691870, foi inferior aodo
anno antecedente. Dos quadros juntos ao
relatorio do ministerio da agricultura v-se
que o valor da exportacio dos productos
nacionaes para fra do imperio, no referido
exercicio de 18891870, fui de......
197,265:3210, menos 10,457:3120 ou
5,04 %. do que o do exercicio antecedente
de 18681869. que fra de 207,722:6330;
e o valor da importacio estrangeira despa-
chada para consumo foi no exercicio de
1869-1870 de 168,174:1690000, menor
336:1190000 oa 0,2 %, do que a do exer-
cicio anterior, que fra de 168,510:2880.
Estes dados aecusam urna sensivel reduc-
Cio na prodaccio nacional e, como conse-
quencia infallivel, a oiminuico na riqueza e
as rendas publicas que nos annunciam a
faifa do tbrono e o relatorio do ministerio
da fazeada deste anu".
Em vez do presumido saldo de.......
10,000:0000, calculado pelo thesoiro para
o exercicio flnanceiro que Gndou em junho,
temos om dficit de 16,285:6070, que se
eleva a 29,505:6070, se c templronos a
verba de 13,220:0000 despendida'com o res-
gate de bilhetes do thesoaro ; pois das la
bellas e demonsirac5as juntas, ao relatorio
da fazenda v-se calculada a receita do exer-
cicio de 1869 a 1870 em 90,246:4870*, ao
passo qae a despeza oa os encargos do the-
souro no mesmo exercicio montam a.....
106,532:0940, nio contemplada a qaantia
a 13 220:0000 despendida com o resg.t
de bilbetas do taesonro, ou a 119,752:094,
incluida essa despeza. Era relacio ao exer-
cicio anterior, a renda do de 1870 a 1871
decresceu em apis de!5.OOO:OOO0, pois i
daqaelle nrodazo mais de 95^600:0000.
A moeda fiduciaria do imperio, em cir-
Qulaco, segundo nos informa o mesmo re- li
latorio da fazemia, monta aJOl-.OOOjQJI
despresadas fraccoei, sendo 15I,OOO:0M f
.000:0000 de p.pel
baocano, (MH/io Brasil e ootros crea-
dos por decreto e garantidos pelo governo ;
sorama, sem dovida, enormissima qae per-
turba graveaeote o aosso gystema econmi-
co e fioaoceiro t influe no nosso crdito,
em todas as nossas triniaccoes.
Ainda o mesmo relatorio aprsenla-nos
um quadro qae d idea approximada da im-
portancia dos recursos extraordinarios exi-
gidos pela gaerra do Paraguay, os qaaee
sio abi avahados, pela liquidado i feita,
era 386,000:0000; e a nossa divida pu-
blica interna e externa, em 640,000:0000,
cuja amortizacio e jaros costam-nos atraua!-
mente eeica de 30,000:0000, isto, a ter-
ca parte da reoda do estado, ahulada esta
em 90,000^)000000....
O Sr. Akdrade Figukira : Wo afora
a divida por liquidar,
O Sr. BAnaosCom: Diz mofto" bem
o nobre deputado que me bonra e auxilia
com o seo aparte: afora a divida por ffqoi-
dar; e aim disto, note a cmara que o
relatorio avalia a divida externa, e tambem
a interna paga em oore, ou cambio per;
mas totaando-se o cambio do da, e aiPen-
dendr>se wsoas owillaces, podemos con-
siderar-nos davedores de 700.000:0000. <
mais. (Apoiados.)
Passando ao relatorio do mroiatario da
juslica, ah encontramos iwormaces nio
menos dbsauimaderas. O Sr ministro da
[juslica nos diz que aio lueogeiro o esta-
do'da segeranca individual, que ainda
oolla entra nos a prevencio dos crinxs e
re^onhecidamenle frasa a so? represjo,
qoe sio defectuosas as Bossas leis sobre a
admioisiracio da juslica, que a forca pcS-
cial -osufficieate em quasi todas as provin-
cias. S\ Exc.. assim como o Sr, ministro
da guerra, faz sentir a necessidade de crear-
se fbre policial jofficiento- para infiffar'el^
cazmeuti a aecc das autoridades, e para
dispensar o auxilio da forca' de linhaque,
alm de ooiraro- diseipNae do exercito,
aem sempre pode ser prestado.
Vemos, pois, qoe o nosso*astado db'se-
garanca pnblica e iadividual tio pc-aoo
lisoogeiro cerno o d* agricultura, industria
e oammerci, como atiesso estado finarsei
ro e econmico. Entretanto; senhores,
a qaeslao d segaracea devesia merecer o
primeiro cuidado do governo, se el e nao
camiaabasse com o maia ceg enlbnsiasmo
e a mais deph>r-ivel impfevidencavsem pre-
occpar-se com a sor la do paiz
Todas os illaatres coeeelheiros-di estado,
quando xonsutiaram sobre esia> ejaestio,
mesnt os mai apressados e adtantados
emansipadoresr como os-Srs. vrsooade de
S^ Viceote, Nabaao, Sooaaa Francos outros,
pronuosiando-se a respe;tr> das cautelas e
providaooias com que cumpriria realizar a
granuja -medida d-emaaacio, aasignala-
ram a aacessidaae-de dispar og9*aarnode
urna reapeiiavel forca policial oa de om
graade-eiercito qoe, distribuido palBi pro-
vincias e palos diversos laaaaicpios, pudes-
se garaalir a ordam publisa, a seguraoca e
traoqaiitadade individual eoncra as tentativas
qua se de vera oeeeiar daa> impasieacias e
desesperos qoe a le da libertacio do- ventee
far necessariameflaa nascar naquelles-, cujos
desejos-e esperaooas ella nao satisfaa.
Oucamos o qae eolio fose o notare pre-
sidente do conseibo com aeaa iltaatiaclo,
bom seseo e parietisrao -
< 9 wslado actual da so&iadade brasileira,.
ou o encaremos palo lado poltica e moral,
ou o consideremos sob o poeato de vista dea
luteressrs econmicos, iwio incita aum pas-
so pcecipiado no terreno dessa questio
social-; pelo contrario fac-recuar oom ter-
ror ante ella. Empenhada como est a a-
voa?o, o coramareio emqpasi-completa ato-
na, todo o corpo social; soffrendo mais. qu
meaos gravenwoteas cocsequenciasdi gaer-
ra-externa que sustentamos e cujos afl'eitos
se bao de por muitos aoaos fazer sent?, o
estado sob o.peso de enorme diwda, con
trebida para aqnclles gastos impry.uctivos;
em taes circiamstancias- mesmo o.- espirites
mf.is affouub nao agitariam semahaoAe re-
forma se o governo imperial (V. tUfpermit-
tir-rae-ha esta franqueza) nio fosse o pri-
meiro a julgar que era ehejada, oa que es-
lava mui prxima, a opportunidade de lio
profunda mudanra no modo de-ser dos nos-
sos eslaseleciraentos agrcolas.
Orroslas patriticas palavras de S. Exc.
nio sio perfeitamente applicavais ao estado.
actual-da sociedade brasileira, ou a encara-
mos pelo lado polilico e moral, ou a consi
deremos sob o ponto de vista das oteaas-
reseconmicos? (Apoiados da minoria.) Por-
que fataldade, pois, foi S. Exc, perdido
para causa do paiz, alistar-se entre os mais
affoutos?
Sr. presidente, o g bnete e os sustenta-
dores da proposta, para aecusarem-aos de
visionarios, para laxarem de chimericos os
receos que nutrimos a respeito dos funes-
tos effitos da medida de qae aos oceupa-
mos, invocam sempre o exemplo de ootros
pa aos, nos quaes dizem, realizaram-se sem
esses abalos, idnticas transices.
J tive occasiio da ponderar, senhores,
que as coadices desses paizes nio podem
comparar se com as nossas. As cireumstan-
cias do Brasil a este respeito sio muito es-
pe.-i.aes e nio podemos perd las de vista.
A iaslituicio servil entrn infelizmente
como elemento principal na nossa org'anisa
Ci social, e por tres longos sculos pro-
fundou ralzes na legislacioe no solo ; re-
presenta grandes, importantes capitaes, e
quasi todo o instrumento do trabalho agr-
cola. Ora, a agricultura a'nossa indus-
tria quasi exclusiva, e conseguinlemente a
fonte quasi nica da nossa riqueza a da
renda publica, da nossa prosperidade e do
nosso crdito; de sorte qae os interesses
ligados escravatura sio extensos e com-
plexos, sio os interesses da sociedade intei-
ra qoe sobre elles assenta.
Quasi todas as ootras nicoes schavam-se
em cireumstancias maito diversas ; a escra-
vidio era localisada oas colonias, a grandes
distancias, a por isto nenhuma influencia
poda ter a soa abolicio sobre as metropo-
les. Nos Estados-Unidos mesmo, a dife-
ranca grande, parque all meamo a escra-
vidio estava localisada nos Estados do Sol
que formam pequea parte da repblica ;
de sorte que a a alucio qae li teve a ques-
tio, sa bem qoe fatal para o Sui, nio em-
baracou a grandeza e prosperidade geral da
repblica, Alm disto, esses pases eram
industriosos e ricos, com recursos bastantes
pera conjurar a crise, e nio trabare, oa agri-
cultura fonte quisi exclosiva de saas reo-
das ; e sobre todo nenhom delles espreitoo,
como o nosso governo, a occasiio menos
opportuna, asMoacio mais critica pira rea-
Hnrem a abolicio. (Apoiados.)
(CtmHmutr-u-ka).
TrOO DtARl O-RU DO Plllft fel tkVtA
I

Vi*




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4E1D4D5P_DMNUZN INGEST_TIME 2013-09-16T22:13:28Z PACKAGE AA00011611_12468
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES