Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12466


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. HUMERO 190

I
UU i CAPITAL B IDGAMS WD3 IA0 SE PACA POBTZ.
Por tras ranee adiaDtados ......... .... 60000
afor Mis tas Jeta ....... ........... I2|000
*>#a suao dem..................t j4)W00
uro svulao .....*..*.......*%,. 320
SOSTO
pjja Dimo i rou da *wuoa.
Por tres meces adiantedoi .
Por Mif ditos idea. .
Por nove ditos idea .
Por ana anawfcfcn .

r
. .


tsoo
OMo
171000
. V
Propriedade de Manool Fig^eira de Faria Filhos.
ao uinvt "
Pareira d Almeid., un Mauaognape Felipa Eslrelli 4 C, na Parahjba ; Amonio Joa Gome!, na Tila da Peona; Belaraino don Santo Buido, aan Santa AM*>; Domingo. Jos da Coala Braga '
am Naaarelh; Antonio Ferrolra d Agolar, em Goynna; Francino Tawrea da Coala, am Alftoa.; p,. ** aj** Aiwa, na Babia a Laila, SsrqXnbo 4 C. no Bio da Janoire.
INTERIOR.

Crres^oa *ernasHbueo.
RIO DE JANEIRO.
fWHTc:, 14 DE AGOSTO DK 1871.
vos estraohos a minn* vonude teem-me impedido
de caatiDuai n lesamo do debales do nosso par
lamento. Por sso voo ligeiramenta dizer-lhe o
qtw lea oecorrido.
Principure pelo senado, onde o calor da incan-
descente quesiao servil ja vai anlecipadamente
aquaeeodo os i.n.mos. o Sr. Itaborahy, apresen-
undo ura requerimento, em qQ,, paa informa-
cojs acerca de d**pra, odo e gastos cora a
estrila de PeJro II n-j ulti n.> exercicio. aprovei-
ton o ensejo para manifestar-se contra a propon*
do overoj^A-brt o estado servil (que anda nao
sahij acamar* n.iixa), o f-z em termos tao an
raados qae nr, r1-i iuag esperaaea de que pos-
sa dar o seu *>*i o actas I gabinete. S. Exc. nao
so ssociou se ao proced ment da minoria da cma-
ra, at as paredes, que esta tem feito, como tam-
bera censaron nvarno ea naturia por terera
recarrido ao systema dos encerramentos. O dis-
curso do nobre viseoode causou admiraco e des-
goslo a grande numero Je seos amigo*, que nao o
pode aeoropaolmr.
Foi es a ollm. carta j .gada pelos disidentes,
6llJ!,!lW |wr90**afn-e qae desdo que o illaslre
chefe do 1 6 de julho, proclamad o chefe tambem do
partido conservador, se fizes.-e ouvir, este, obede-
eentlo a voz do seu commando, correra a unir-se
a elle, abandonando o actual gabinete, que os ms-
enos dis-i-lentes rio eOm i trnsfuga do partido,
fcrraram, porm, no calculo ; porque, segando
as InformacSes que tantio somonte os Srs. Muri-
isba Tres B.rras, Ando e ulva Firmino o acn
panharao. O Sri daque de Caxias, qae diziam es-
tar divergente do Sr. visconde do Rto Braoco tem
franeameule declarado que o apoia e sustenta coro
a sineendade e dedicacio de que capaz.
ResponJeu o Sr. Ki Branco ao Sr. Itaborahy, e
nada deixou desejar, como se pode ver pelo sea
discurso pub.icado no Diario do Rio de hontem,
do qaal najper i.itie-iue a pressa dar-lhe hoje am
extrseto.
No da seguate fallou o Sr. Zicharias, o qual
apeando, m parte sira e em parle nao, ao Sr.
Uabor*h\, censuran tambem os enserramentos ha-
dos na cmara, prometiendo que no senado se-
n a proposta discutida tongamente.
Hijeare fallar o Sr. Tres Barra?. E' de sop-
por, porm, qae se no mostr lio cheio de aze
durae como o Sr. Icaburahy.
Ka cmara dos dnpu'idos foi b-.j-., analmente,
approvado o_ ultim artigo da propost.-, e passou-
se a fluanssao de dou< additvos do Sr. Duque Es-
trada, qae se nao forem boje mesmo regeitados,
se-lo-hodepots (famanba (amanhaa da sanio).
Passidas as qoarrata e jito horas do tnterstrcio do
regiment, entrar a proposta em lerceira di?cos-
s5o, 6 do aaojadr que at o da *4 ?a nl antes
esteuMproralt; "So havendo lempo para fazer o orcamento, foi
apresentada pela commissSo de fazenda ama reso-
Ineao pnTogando o ornamento vigente por mais
seis metes, e se acha era primeira discasao, ten-
do sido combatida pelos Srs. Pereira da Silva e
Andrade Figoeira, e sustentada pelos Srs. Hin-
ques e Juaqaeira. Esta materia tem sido discu-
tida na segunda parte da ordem do dia, sendo a
do estado servil ua primeira.
Depois ter-se ha d# disentir a reforma judicia-
ria, qae, tendo soffrid) emenda* no sen ido, ha de
voltar cmara. Assim, pois, estando a sesso or-
dinaria qaasi a terminar, nada raai< de importan-
te sabir do c >rpo Irgislativo do que i referida re
solacio e a rearma judiciaria. Quantd propos-
la do governo nao provavel qae possa passar
psle anno no senado, lalvez nem mesmo o governo
tente isio.
Ante hontem reuniram-s? os lissidentes em
casa do Sr. Paulino, sob a presidencia do Sr. Tres
Barras, fundando grandes esperances no que dahi
havia de snhir, a ponto at de convidarem depu-
t3Jo3 c son-adores da maioria, dizendo que Irata-
vt-;e da reorgaoisir) do partido conservador,
l'a facto li M aprenmiaram dous depnlidos e um
-f-aalor minieril ; mas, quan-h vinm qu* do*
<\i sSHraUvaeri de comhioar-s<> no ?un-tituti-
vo, que deve ser apresenudo na terceira discos-
sao da proposta, pegaram de seas chapeos e ret-
raram-se.
Hintem, porm, soube-se por toda a cidade que
da tal renoio nao sabio a luz qae se e9perava.
A idea que reuni maior numero de adhesde
foi a do Sr. Almeida Pereira, que quer que se faca
um arrolamento geral dos ecravos existente?, e n
cando os que naeerem depois da lej como os ser-
vo? da gleba, que ser'o despedidos, e declarados
inteiramente livres, desde que raorrer o ultimo es-
cravo arrotado.
Como v, questo de urna gerajio; cora a
morte do ultimo escravo extinguir-se-ha a escra-
vatura no Brasil; mas alm disto ter o governo
am forte faado de emancipacao, para aandalraeote
ir libertando escravos.
0 Sr. Perdiga > Malheiro, porm, nao se confor-
-raando com esse projcto, e quereodo ainda man-
ter am resto de coherencia' com sua- amiga* opi -
nioas, apresentou outro, consagrando a idea do
de c-rris de ferro de S. Lniz 1o Maranho per-
raissao para funecionar e foram approvados 03
respectivos estatuios.
Sspulta-se boje o cadver do Dr. Francisco
Ribeiro da Silva Qaeiroz, que fallecer houtera
em sna chcara no morro de Santa Tbereza. O
Dr. Q.ieiroz era o advogado mais antgo do foro
desia corte, e era geralmente estimado por sna il-
lustrara) e hnrauez.
- 8 -
O senado approvon hontem em segunda dis-
cussao a propD?i0o sobre augmento de venci-
mentos dos secretarios e oatros empregados das
rela^oes.
Foi adoptada em terceira discussio a proposigao
que antonsa a concesslo de um anuo de tcenla
ao desembargaior Francisco de Serra Caroeiro;
e ero segunda a proposicao approvando as penedes
concedidas ao alferes orberto de Carvalho An-
drade e oatros.
Entrando era seguoda discussao o projcto E de
I853, approvando decretos relativos aos estatutos
dos corsos jurdicos e escolas de medicina, o Sr.
Cuoha Figueiredo requeren que fossem pedidas
informaces ao governo, e o 3r. Leitao da Cnnha
que se ouvisse a coromissao de iostruccao. Di-
pois de alguraas observafes djs Srs. Cunha Fi-
gueiredo, visconde de Camaragibe, Porapeu e Oc-
taviano, o Sr. L9itao da Cuoha retiron o seu re-
queriraento, e foi approvado o d^ Sr. Cunha Fi-
gueiredo.
Foi posto em segunda discussao o projcto
estaoeleceodo regra a respoito das sociedades era
coraraandita, e a requerimeoto do Sr. Cunha Fi-
gueiredo venceu-se o adiamento.
Traton-se era segunda discussao do projcto
concernente a extinzcao do castigo corporal as
pravas do exer :lo, e a requerimeoto do Sr. Ja-
guaribe, foi enviado a commissSo de marioha e
guerra.
Passou-se a segunda discussao do projeeto que
trata dos foros e lauderaios dos terrenos de mari-
nnas, e a requerimento do Sr. Almeida e Albu-
juerquo romelteu-se a commisso de fazenda.
Entrou em segunda discussao o projcto sobre
mudan^i ou acquisigao de casa para a facuidade
de direito do Recfe ; o Sr. Pompen propoz que
fosse ouvda a commisso de instrucclo publica,
e assim se venceu depois de algamas observagdes
dos Srs. Cunha Figueiredo e visconde de Cama-
ragibe.
A cmara dos depulados approvou hontem em
primeira discussao o proje;to que concele duas
loteras a favor das obras da nova jgreja de Nos-
sa Senhora da Penha do Recfe, comecadas pelos
religiosos capuchinhos.
Approvou em seguida em urna so discussao o
projcto que autorisa o governo para mandar mv
Iricolar o prlmoiro anno da facuidade de direto
do Recfe, o alumno bu viole Isaas Guedes de
Mello.
Approvou iambem era urna s discussao, com
varias emendas, o projcto que autora o governo
a mandar adraittir n ezame das malaria* W pri-
raeiro aoao da faeuldaie de direiio do Recfe, o
alumno ouvinte Fabio Cabral de Oliveira.
Approvou depois em seguoda discussao, tendo
feito aliiumas observaefles os Srs. Coelho Rodri-
gues o Cardoso de Menez-js, o'projcto explicando
quaes os artigo que deve coroprehender a isen
ci de direaos concedidos pelo decreto n. 1,865
de 6 de jufho de 1868 aos raateriaes importados
para as obras do encanamento de agua po'avel
na capital da provincia de S. Paulo.
Approvou ainda, era terceira discussao, com
varias emendas, o projcto que concede a admi
nistraco do hospicio de Pedro II vinte loteras
para coadjuvar a cootnur-ao das obras de ac-
crescentamento de 3en edificio, aflra de poder ac-
commodar e tratar maior numero de doentes, .
Mitinuu logo a,- a 3a discussao do projcto
determinando que os ttulos de approvagao nos
exames comprehendii"os nos cursos preparatorios
annexos as maldades de diroito e de medicina e
escolas central, militar e de marlnba. feito* em
qaalquer dallas, sero validos em qualquer outra.
Di-pois de algumas observares do Sr. Coelho Ro-
drigues, flcou a discussao adiada pela hora.
Continuou em ultimo lagar a 2a discussao do
art. 5* da proposta do governo sobre o elemento
servil. Oraran) os Srs. Pinto Moreira e presiden-
te do conselho, fleando a discussao adiada pela
hora.
pagar ao provincial ftempreltirao feito para auxi-
lio da coflstrac;io da estrada de D. Podro II.
De volta desla inauguraeao paru o tren na es-
tacao da Concecaj, onde se achava raaio bem
servida ama profusa refecao nffereeiJ pelo Sr.
comraendador Jos Eugenio Teix-tira Leite, Joao
Antonio Alvos de Brito e Si nph-io Jos Forrara
da Foneeea. Ahi em um improviso pronunciado
pelo Sr. Dr. Baah is, foraavfelieitadas as directo-
ras do Sr. conselheiro Ottonr e- comiuendadof I
Ferreira Lago, pelo telo, abnegacio e tenaeidile
com que tem cooperado para dar o maior impulso
a esta importante via-forrea.
O Sr. Ferreira Lago respondeu consgoando o
apoio altamente significativo que ten prestado
esta empreza o poder legislativo e o governo, com
especialidade o ministerio de 16 de julho, qae apre-
sentou a proposta da lei de ere lito, e o actual,
qae, sustentando-a e obtendo-a, ji raaodou ence-
lar os trabalhos da linha central que vai levar o
progresso e a prosperidide al o no das Vellraj,
no contra de urna das mais populosas e ubernans
provincial do imperio, lermiaou o Sr. Ferreira
Lage propondo um brinde ao ministerio.
O Sr. ministro da agricultura oorresponJeu ao
brinde levantan lo outro aos proprielarios e la-
vradures da? duas provincias.
Da Conceicao parti o trem pouco depois def 1
hora da tarde e paran de novo na estacao de En-
tre-Rios, onde loi o Sr. ministro da agricultura
inaugurar os Irabalbu da Imhi central ao rio das
velhas, dando o primeiro golpe de picareta no
corte junto estacio de Entre-Rios.
Ao Sr. ministro segairam se diversas pessoas
gradas, director e eng^nheiros da estrada ; dada
raudo fluaimente S. Exc inaugurados os traba-
Ihosda linba central ao Rio das Velha*, palavras
qae foram reeebijas com enihusia applausos.
Da yolti da esticao parou a comitiva diante da
casa do guarda-chave da liaba central onde se
l era relevo sobre o brome o* segainia* dis-
ticos ;
Em face da Unha. Sob o reinado de S M. o I.
o Sr. D. Pedro II, f iram inaugralos os trabalbos
da liuha do centro em 6 de agosto de 1871.
Em face a estacao de Entre-Ros. Por ordem
do Erfin. Sr. coneelheiro Taeodoro afaohado Frei-
r Pereira da Silva, ministro da agricultura, com
raercio e objas publicas, exarado em aviso Ide 17
de julho de 1871, foram conecados os trabalhis
da linha central no rio das Velhas.
Do laioopposto.Pelo ministerio de 1S de julho
de 1858, sendo ministro da agricultura, comraer-
ci e obras publicas o Exm. Sr. consalneiro Diogo
Velho Cavalcaoli de Albuquerque, f a proposta para o wolongaraanto at o rio das
ventre livre, acompanbada de certas madidas ac-
cissorias, differentes das propostas pelo governo.
N5o podendo chegw-se um accordo, resolveu
a asembi* nomear urna commisso, para e-tu inr
os dous projectos e barmonisa-los de modo que
i'iessem ser aceilos por todos, menos pelo sr.
Andrade Figoeira, que dizsm ter declarado, que
rjj.? dheria a nenhum dos dens.
qae facto qce as alegras e esperanzas de
que se aeharam animados os dissidentes antes da
ultima reunlao, trasnformaram se depois della era
pezir e daMapontaroenlo, tanto mais vendo que o
proouneiameoto do Sr. Itaborahy nao prodozio
ulAa as fllelras mioisteriaes.
t a prava do desconcert em que se acnam, deu
o .v. Craz Mashado hoje na sessao da cmara, de-
i' -ando por parle de seus amigos que renuncia-
vam disemir o art. 10 da proposta, que dirFi-
cam rtvogada at disposigoes em contrario, quan
do anteeipadamente baviam declarado fazer questao
disto e o proprio Sr. Andrade aanunciava que
acerca de tal artigo t nba de proferir am discurso
de duas boras.
E', poia, claro que os horaens perderam toda a
H-eranca de conseguirem erob racar a passagera
i proposta. Agora t appellam para o substitu-
tivo que teem de apresemar na 3* discussao. Com
ludo, o Sr. Duque Estrada esgoton hoje as dnas
horas do regiment, justificando os seas addilivos
a presentados antes dareuniio.
*vios do estado, dos quaes tres em navios de
guerra.
~i So a praso destes tres annos de emnarqne fl-
n rijeims, para aecesso, o pilotos da armada
q*|s houverera sido mestres de 1* dasse, e liverem
servido como taes, por quatro annos em navios da
v 6. Sapprima-se as palavras de forca na-
Va4,aucresceote-ae ao artigo :
I 8.* O embarque pelo- lempo proscripto nesta
recomo eondicl'. de acee*so aos offlciaes de ma-
ga, ao pode jer supprimido por oatro servico
""fuarqoer'naiureta.
.j^Art. 3. Diga-se : sao condcoas de mereciraen-
,0>1
oiJ. Actfii de extraordinaria bravara oa ser-
vque provem distinta ou superior iolelligencia
jpamente especificados em ordanta do dia do
naadante de forca ou autoridtde militar a que
eoifpelr cxpedi-las. (O mais com a numerario
correspondente).
. iAri. 4." Em vez desendo considerados, elc-
iando considerados mais aotigos do qae os ludia
cares no 2 do art r*, promovidos na mesraa
dala,
Art. 5* Sabs;ituase pelo segrate :
Nao ser contado para o acceso como terapo
de servico era eada posto :
' i) de lleeoca registrada.
1* O de cumpriraenio de sentenga conderam-
loria, incluido o da duracio do proeesso oeste caso
' 3.* O passado ena servitjo estraoho a repart-
gao da marinha. Exceptaa-se desta regra o lem-
companbia qae organisar, construir e cnsiear urna
entrada de ferro entre o ponto terminal da linha
oe carns de ferro concedida companbta Rio de
Janeiro Street Rviilway no Andarahy-Pequeno e o
alto da Boa- fista da Tijoca.
meiiaA/fonso de CarvalhoBandeira d Melle
Vatheut Casado de Araujo Lnm.
_____
Por decretos de 9 do crrante raez-:
T*1'** raerc do titulo de conseH a Fraociso
Approvou depois em > discussao o proieclo aue' iTSt&S** d
>nta do imposto.de loteras o estabelecXl^o'n^0 vh" e Antonio Pedro de Carva
itorges, enviados extraordinarios e nomirtros
isenta
monte-po dos sorvdores do Estado tnstituidonesta
corte, al que posea pagar integralmente as res-
pectiva \ penases.
A segainte emenda fui tambem approvada :
Substituam-se as palavrasat que possa, etc.,
ate o flm, pelas segrales ; at que a receila se
equilibre cora a-despez do eslabelecimento. A.
Figoeira.
Approvou mais era 3' discussao o projcto que
autorisa o governo a conceder a Hygino Correa
Durao isencao de direitos de todo o material ne-
cessano para a canalis*c5o- de agua polavel as
cidades do Rio Grande e Pelotas, na provincia de
S. Pedro do Rio Grande do Sal.
da
Diz, pori
nao tari
intersti
Vere
Sr. Craz Machado que a minoria
de,- e apenas quer o espacn do
nfceionar o eu snbstitutivo.
far*.
7 DE AGOSTO DB 1871. M
Por deowlo a. 4,760 de i do passado, foi fe
o vade o prato da autorisacSo conceaila com
nvohia de segaros Garanta, da cidade do Porto,
r.ra estndar sus operares ao impea'lo-,.
Por decreto n. 4,761 da meama data, fot con-
estida peroaisaio a compaabia de uaveaacao e es
. raprtai de 1,000:0001 a 1,000:0001, e por decreto
a. 4.763 da .eM.enu at, foi concedida a C(j|Jipaa!>ia
Por portara de 2 do correnta foi exonerado Ma-
noel da Cruz Haia do tusar de comprador do bes>
pital militar da guarnido da corte, e por porta
ra de 4 tambera foi nomeado para substitu o
Luiz Antonio de Oliveira
Reallsou se hontem em prssenga do Sr. ministro
da agricultura e de um brilbanle concurso de mo-
radores das localidades e de convidados da direc-
tora, a inaugurarlo da estacao da Goneelcao e da
de Porto-Nove, ende termina aclnal 3* scelo da
estrada de ferro de Pedro If.
Desde as 3 horas da madrugada coraegaram os
convidados affluir a estacao do Campo. Ao con-
trario do que tem acontecido por occasio de ou-
tras inanguracoes, desta vez nao s comparece-
rara todos os convidados por si ou por pessoas a
quem transferirn seus convites, como tambera
se flseram acompanbar por suas familias, concor-
rendo mais de 100 senhoras a amenisar e realgar
esta resta do progresso.
As 4 horas e %0 minutos sabio um primeira
trem cooduzindo mais de 300 pessoas. Neste trem
seguiram o Sr. ministra da agricultura, a direc-
tora e pessseal superior da estrala de ferro, di-
versos ^enado^es e deputados, e rouitas pessoas
gratas.
Ueia hora depois sanio da corle ara segundo
trem, condatindo os demais convidados em nume-
ro superior a 800 pessoas, a quem ns tinha sido
possivel dar ingresso em um nico trem, como
havia esperado a directora da estrada.
As 11 horas e 10 minutes, depois de urna exced-
iente viagem, ehegou o trem de inaugurado es-
ta nab do Porto Novo, a 162 kilmetros da corte, e
acna-se ioaoguarada a ultima estacao da actual 3a
scelo da estrada. '
Foi immediatamente servido um almoco, offare-
cido pelos Srs. Baro da Apparecida, D. Hara P-
rcenla de Almeida Breves, Marqueza de Paran,
Dr. Henrique lirmelo Carneiro i*eio, padre Fran
cisco Baeellar, tentte coronel Jos Cesario Mon-
teiro Hirands Ribeiro, commeodador Francisco
Marcondes Machado, comuwadador Antonio Car-
los Teixelra Leite, Haooel J^uim da Rocha,
commeodador Jos Eagenlo Teixen beite, Sim-
plicio Jos Ferreira da Fonceca, Dr. Joaquina
Edurdo Leite Br*nd?o teoente-coronel Minoel
Vidal Leite Ribeiro e padre Francisco Julio ios
Santos.
Terminado o almoco, onde reinod a maior cor
diatidade enthasiasmo, levanlando-se calorosos
brindes ae ministerio, a directora da estrada e
03 eogenheiros braslleiros qae vio levando avan-
te a primeira via-frrea do imperio, segnio n Sr.
ministro da agricultura a apreciar a magnifica
perspectiv da estacao qae pelo seu bora gosto
architectonico ama das primeiras edificares da
estrada, partindo em seguida para a salemnidade
do assentamento da primeira pedra para a ponte
sobre o Parabyba, qae vai ser construida em cinco
vaos com pilares de cantara e superstructura de
ferro. Esta importante construoclo, qge vstfvci-
litar o ac'cesso esucio a um dos mais O'rerriny I / OT P'lows da .,ia
e ricos centros de produccio da provincia ^, "o i ")e "s materias exigidas 7.
'? Je!ro, a ebrj com qne o g^,erno *raI '" Tl0r> e V Mrerem. orneo 4l
Velhas.
Tomando em seguida o trem, voltou a comitiva
da inauguraeao para a corte, onde depois de 7 o-
ras de excellente viagem, ebegou pouco antes das
9 horas da noule.
O segando trem s pule estar de voka a corte,
depois de 1 hora da raadragada, por cansa de
seu oxees.ivo peso, e das conveniencias do sar-
Cnmpr'e notor qtre % tisaat> fe ferro D. P^o
II sera embaiStos Un sed arviifi ordinario, ioclasi
ve ir eos de passeio, pd eooduzir dontro de 8 ho-
ras, a 44 leguas da distancia, cerca da 1000 via-
jantes.
V
O Sr. Zacaras fundamentou no senado o seguln-
te requerimento, que foi approvado.
o Requeiro que pelo ministerio da marioha se
pegara ao governo copias :
< 1." do parecer da academia de mariaba sobre
a reforma do regulameoto de 1 de maio da 1888 e
sobre a creacao do extrnalo;
a 2.* da consultado conseibo naval a respeito de
ambos esses objeetos, no caso de haver sido ouvi-
do o mesmo conselho. >
Gra seguida o Sr. Pompeu motivou o seguate
requermento, que foi apoiado, e flcou adiado por
ler pedido a palavra o Sr. Figuelra de Mello :
< Requeiro que se pacam ao governo pelos ca-
naes competentes as segrales informacoes :
< 1." Se a eleicao, que pela terceira vez se pro-
ceden para a cmara e jnites de paz na villa da
Imperatriz, provincia do Cear, em 8 outabro de
1876 fowtpprovada ?
< 2 Se da desordem, que all teve lugar.pnr
essa occasio, de resultaren) feriraentos de chumbo'
era muitas pessoas, fet-se proeesso, quem foi o
pronunciado, ou que resaludo teve o proeesso ?
< 3.* Sea eleicao da caarae de juies de paz,
que pela quina vez se proceden o anno passado
na villa de Pastos Bons, provincia do Haranhlo de
que resuliona morte de ora cdadao, e feriraentos
de varios, foi approvada ?
< 4.* Se procedeu-e contra- os amores desse
crime, quera foi pronunciado, oa qual o resultado
do proce*so ?
i' Qae differimento teve do presidente do Pa-
ran urna r-'pnsentaco dirigida por aJgun< cida-
doi da capital daquella provincia, em 20 de mar-
co passado, contra a qualificacio de votantes do
municipio da capital, por nnllidades provadas T
6. Se apezar dessa representa cao proceden se
naque'la cidade eleicao da cmara e ju ses de
paz, a 10 de julho uiiim>,peia qoalilicacao aroida
de nullidale, e se esta eleicao foi approvada ?
7.a Se loi preso para recruta na capital de
Santa Catharina, pelo ebefe de polica, o raestre do
patacho Adotpho f
a 8. Se foi preso e reeolhido a urna priso insa-
lubre naqoella capital (Desterro) o abastado nego-
ciante francez Eduardo Salles, consignatario do pa-
tacho Aolpho, por nao qaerer entregar a polic-'a o
producto da arremalacao do patacho Adelph*. 1
Se a imprensa liberal tem sido ameaeada
na capital de Santa Catharina, sendo recrutado ara
typographo, e bomsiaado-so oute.s. para nao se-
ren presos ?
10. Se mandou-se pfoceaoar naquella provin-
cia eleicao para ura senador, e se o reoratameuto
se acba aili .iberio ?
t 11. Qaal o resallado d&um proceaso de sedi
cao feito era abril deste-aano pelo che fe de polica
do Cear, oo termo de Canind. f
Foi adoptado em 3 diacus'ao a proposicao que
approva as peusoes concedidas ao alferes Noberto
Ferreira de Carvalho eoutros.
Entrou em 2a discussao, achando-se prsenle o
Sr. ministro da mariaba, .o projcto F. de 1830i
sobre promoedes da armada.
OSr. Paranagujustiftcoa as seguiotes emendas
que foram apoiadas :
Ao art. I, 3", 4 e 8, sapprimam-je as pa-
lavrasa bordo de navios de guerra.
< Ao art. 1* O g 6* surjstitua-se pelo segainte:
< Nennam capitao de mar e guerra subir ao
posto de chefe de divisan sera ter servido no posto
de que tem acesso, pelo menos 3 annos.
< I 7. O accesso entre os offloiaes generaes po-
der dar-se com qualquer lemoo de artico, no
posto anterior.
Orou o Sr. Rarao de Coteglpe e coaetnLruaa-
lando mesa as seguimos emendas:
c Art.!.' g f> sunslitua se palo segrales :
t % %m Na deficiencia de guardas-mariahas po>
defto ser promovidos a segundos lenles;
K.' O alumnos da escol de mariaba, que
nonvirem feito ao menos o curso de piMagem,
conttrm tres sanos de embarque em navios de
gaarra, exhibirem provs pratioas de c^H^aafies
slf^ii7oeff/raaDobrs de rnari, tsom |*e-
1. OS pi.ooTt'Uca.d,. h>tl|itla03 pOT
"o re|nlraentos era
naos de embarque eo>i
empregado no servico le
* A ministro, e eooselheiro de estad).
* Bsenador ou dapatado geral ou provincial.
Cpresidenta de provincia.
D Mlsso diplomtica-extraordinaria,
E Commisso ou cargo militar, trabalhoshy
drographicos de construecao naval ou bydranlica,
e outros erapregos ou commissoes, em que sejam
da uilhdade os coohecimeoios espeeiaes do official
de marinha.
Ari. 6. Em vez de nico do art. 7., dga-
se :no do art. 3.
Art. 7.* Era vez de annos le servico exigi-
dos no a;t. Iodiga-seprasos designados no ar-
tiga primeira.
* nico.Substilua se pelo segainte :
Quando f r urgente e nao honver offlciaes ha-
bilitados era conforraidade da presente lei, para
preeneheras vagas qae se derem em terapo le
guerra.
t1"Art. 8. 1 Era'vez deo servido nos trans
portes diga-seo embarque nos transportes.
3. Subslitua se pelo segrate : Os lentes
di escola de marinbi, oppositores e professores,
que forera offlciaes do quadro, coniarao p >r ntelro
o lempo da servico prestado no ensiao para a apo-
sentadorla, reforma e accesso ; mas nio podero
ser promovidos sem que tenham o lempo de em-
barque exigido por essa lei.
* Art. 9.* Saprimam-se as palavras : em lem-
po (le paz.
Art. 13. 0 governo expedir regulamento para
acao destjtfL
. E" TTtig ..
o Sr* mfnTsTro da .nartnba e -Saraiva,
e flcou a discussio adiada pela bora.
Foi conjuntamente apprevada a seguinte emen-
1 a
Igual favor se estenda corapanhia de etna-
ilsacao de agua potavel na ddade de Campos.F.
Belisario.
Approvou-se em seguida, depois de orar o Sr.
Andrade Figueira, o art. 8 da proposta do gover-
no sobre o elemento servil.
Occupou-se era'ultimo lugar eom a dieeussao
do art <> da referida proposta. Oran o Sr. Per-
digao Malheiro, fleando a discussao adiada pela
hora.
Por decreto n. 4,730 de 28 de junbo do corrale
anno foi derogado o art. 29 do decreto n. 4,174 de
6 de maio de 1868, oa parte que considera de ac-
cesso o logar de official archivista da secretaria da
marinha.
- Pl*
ni potencian os do Brasil, o primeira no imperio
da Austria, e o segundo nos Estados-Unidos, em
attencao ao seu merec melo e letrae.
Foram nomeados : cavallelro da ordem da Ro-
sa o capitao Jos *bert Coelho, da provincia do
t-pinto-Santo, em attencao aos relevantes e ex-
traordinarios servicos que tem prestado a iostruc-
cao primaria da dita provincia e linha telegra
pnica do norte do imperio.
Cavalleiro da de S. Beoto de Avit o oapi* do
estado-maior de artilharia Joaqnmi de Sauz
Iban,
Foram concedidas as seguintes peasoes -:*
De 800* annuaes ao lente coronel Jas Ma-
na Borges, commaadaote de am c rao da volun-
tarios da patria, em attencao aos oisiiooioa e re-
levantes servidos prestados na guerra do Para-
guay.
De 39*840 mensaes a 0. Candida Elvi.-a de
Uliveira, viuv* do capitao de commisso e tean-
16 d0.7 b.atalha Je ufantara los Fortan.to Al-
JP ai Oliveira, para que com a quaatia de...
20*180, que vence de meio sold, prefaca a sara-
ma de 601 mensae?, correspondente ao solio da-
quelle official.

0 z escripturario nomeado por decreto de 31
do mez passado para a alfaodeg da Bahia An-
tonio da Silveira Bastos Varella e nao Grato da Sil-
veira Bastos Varella, como foi publicado.
^i-ento ci
Por decreto de 28 de julho de 1871, foi nomeado
Manuel Prato de Novaes, tbesoureiro do imperial
instituto bahiano de agricultura.
- 10 -
O Sr. Octaviano motivou hontem no senado o se-
guate requerimento :
t Raqueiroqae as commissoes reunidas de cons-
tituicao e lKislacao examinera com urgencia os
projeqtos eflorecidos sobre reformas eleitoraes e
propoahara as medidas quejulgarem coavenien-
les^affm de que sej i a nacao dotada de um bom
systena eleiloral eom plena garanta de liberdade
n> estratinio. n
Saneo este requerimeoto apoiado e posto era dis-
cussao, fez a seu respeito algumas obsarvacoes o
Sr. viiconde do Rio Branco, e pedindo a palavra o
Sr. Oflaviano,'flcou a discussao adiada.
Proseguio a 2a discussao do projcto sobre pro-
moefs da armada:
Orarara os Srs. Z icarias, Leitao da Cunha e mi-
nistra da marinha.
OSr. Paranagu offereceu as seguintes emendas,
que Acarara sobro a mesa :
t Art. Substitua-se pelo segainte o 4:O
posto de ebefe de divso ser conferido por mere-
cimtnto, e dahi em diante todos os mais por anii-
guidadf, exceptos actos de extraordinaria bravura
cora reeenbecido damno do iaimigo, oa secvicos
to importantes era frente do iniraigo, que sejam
publicados com louvor em ordem do dia do gene-
ral em ebefe, ou da autoridade militar debaixo de
cujas ordens servir o official.
c Ari. 3. Supprima-seo n. 7.
Arl. S. N. 2. Supprimara-se as palavras se-
guates :incluindo nella o da duracfio do proees-
so. E redija-se assim. o final do artigo :Excep-
tu-36 desta regra o tempo empregido no servi-
code :
l. Ministro de Estado, senador ou depuiado ;
t 2* Conselheira de Estado, memoro do conse-
lho supremo militar ou do conselho naval;.
i 3. Presidente da provincia do litoral, missav
d|lomatica extraordinaria ou qualquer commisso
por ordem do ministerio da marinha em esludo
ontlssonal fra do imnerio;
* 4.a Commissoes militare?, trabalbo hydrogra-
pl icos de construecao naval ou hidrulica.
< Art.. 6. Os prisioneiros de guerra conservarlo seus di-
reitos de antignidade, mas s podero ser promo-
vaos depois que justificarera.-se era coaselho de
gmrra de que nao faltaram aos. seus de-vetss, nem
praicaram actos de cobarda.
< Mas smente podero ser promovidos ao pos-
to imraediataraente superior aquella qae oceupa-
ron inando foreoj. feitos prisioneiros.
i Arl. 7.* Sabstiaa-se o paragrapao nico pato
srrulate :
k Por actos de bravura, oa por servicos to im-
portantes, em frente do inimigo, qae sejam roen-
eimados eom louvor- em ordem do dia do com-
mindaate em chele, oa da autoridade militar de-
baixo de cajas ordens servir.
< Art. 9* Pasear para a 1* dasse o official qae
p j mais de am anuo empregar-se em servicos de
ciTreios oa naqaete, salvo se em lampo de guerra
far determinado pelo governo, considerado esse
se*vico como activo.
Art. II 8 Subslltua-se pelo seguinte:
. A eoncessao de gradnacoas, excepto aos ott-
citeS aeneraes, <>a ao mais antgo de cada cJasse
dot offlciaes superiores.
i Artigo. Nos regulamentos qae o governo ex-
peUr para xecucao desta lei ser regalada a es-
calados embarques e commando dos oficia**, se-
as conveniencias do servico em tempo de
o art, 8.* Sobemenda do Sr. bario de Cole-
ra ve* da palavrasiian ser contado para
o,diga-senao ser contado para anti-
.Os mais como no artigo.
A cmara dos depulados approvou hontem em 1*'
llscasfi > o projcto que approva a eoncessao fei-
ta FU'!, Edio Taqoay p>rs, por meiq d.e urna.
Escrevem-nos da Victoria :
Na madrugada do dia 28 do mez lindo saici-
dou se o voluntario da patria Nasario Ribeiro do
Nascimeoto, dando soh o quexo ora tiro de espin-
garda ; fleando cora o rosto todo despedacado.
Ignara se o que motivasse semelbante acto. Ten-
do se repre.-eatado contra o eoterramento daquelle
infeliz no eeralterio, loi o sen eadaver enterrado no
campo e-condolido por quatrojials I
Nazario servio na campeaba do Paraguay,
onde foi baleado, fleando ceg de um olho e quasi
estropade, apezar do servico prestado as paiz, foi-
Ihe negada a sepultura eom as honras deviJas I
Nao sei quando deixar. de predominar entre
nos o espirito jesutico e pharisaioo, desvirtundo-
se inteiramente o verdadeiro espirito do christia-
oisrao, baseado na fraternidade e na caridade I
Era tudo o hornero qnr-se collocar entre Dens e o
homem |- S Daus qnem poda inlgir do aeto
do voluntario da patria Nazario. Como, o homem
poderla saber se Nazario nao linha se arrenpendi -
do, nem morndo- contricto T
< Sai qae i acarro na ira clerical ultramontana,
maito embora ; aquella aeto praticado com o ea-
daver da am homem qae dea sea saagae pelo paiz,
gas o defenlea, qaeeoncorren para salvar a hon-
ra nacional, me revolta, pde na fra de mlm e
faz-me descrer de ludo e toraar-me saiaoeo e
egosta. > asm
O Sr. visconde de Itaborahy justificou hontem,
no senado, o seguinte requerimento :
Requeiro que pelo ministerio da fazenda se
pecam ao governo as seguintes informacoes:
< 1*. Qaal a importancia presnmivel, tanto da
receita como das despezas publicas, no exercicio
de 1870 a 1871, avadadas pelos ba'aocos e outros
documentos que devem existir agora no thesouro.
2*. Quanto se gastou no mesmo exercicio, as-
sim como o custeio, comas obras da estrada de
ferro de D. Pedro II;
3. Quanto se despenden no semestre de Ja-
neiro a junho do crrante anno com as forcas de
mar e trra que se conservara na repblica do
Paraguay, discriraiuando-se as sommas pagjs
era ouro das que o foram em papel-moeda. -
Sendo este requerimento apoiado, foi posto em
discustio. Orou o Sr. visconde do Rio Branco,
fleando a discussao adiada por ter dado a bora de
passar-se ordem do da.
Prosegnio a-2" discussao do projcto sobre pro-
mocoes da armada. Oraram os Srs. Pompen, ba-
ro de Cotegipe e Zacaras, e ficou a discussao
adiada pela hora.
Por titulo de 10 do correle foi nomeaio 1* es-
cripturario da alfandega de Manos, provincia do
Amajona?, o official da secretaria da respectiva
Ibesouraria Femando de Barros e Vascoocelloe.-
Por decretos de 9 do crranle foi reconduzido o
bacharel Joaquira do Nascimeoto Costa Cnnha
Lima, no lugar de juiz municipal e de orphos
do termo da Uruguayaoa, na provincia de S. Pe-
dro do Rio Grande do Sul.
Foram nomeados : o bacharel Ignacio Aeeiolv
de Vasconcellos, juiz municipal e de orpbos do
termo da Purificacao, na proviocia da Babia.
O bacharel Henrique Marques de Carvalho, juiz
municipal e de orphos do termo de Gurupa na
do Para.
Joao Francisco de Araujo Cernir, tenente-eo-
rooel commandaate do 6 balalho da provincia,
do Maranho.
Felippe Gomes Naves, major commandanle da
seceo do batalho da reserva n. 8 da mesma
provincia.
O lente coronel Raymundo Nogueira da Crox
e Castro, coronel commandanle superior dos mu-
nicipios de Itapicur-mirim e annexos, na mesma
provincia.
O capitao Frederico Aognsio Pinbeiro Lisboa,
lente coronel chefe de estado maior do com-
mando superior do- mesmos municipios.
Fot reformado, a pedido, o lente coronel com
mandante do 7* balalho da provincia do Para,
Manoel Roberto Pimeotel, no mesmo posto de l-
ente coronal.
Em portaras de i do correte foram nossaaeo*
fara a administracao dos correios da provincia de
ernambuco : 1 official, o baeharel Francisco
Ferreira Chaves ; 2 o official Angelo Heracho
de Araujo Peroaabuco ; 3, os offleiaes Antonio
Jos. Ferreira e Francisco Raposo Falcan; ven-
cendo o que se acha marcado as tabellas aone-
xas ao decreto n. 4,743 de 23 de junho desie
anno.
Por decreto de 28 do mez passado foi promovido
o 2* teoente de commisso- da armada nacional.
Joo da Silva Fernando*, a eHectividade do mes
mo poste, na cooformidade da resoluto de 10
de fevereiro de 1868.
Por decretos de 9 do correte :
Foi concedida a aposentado*-oa q e pedio o I-
official da secretaria de estado, Antonio Ferreira
dos Sontos Azevedo, vi.-!o abar-se impossibilita-
do de contmnar a servir, era ennse laencia de sui
avancada idade e molestias que solTre.
Fui transferido para o lagar da 1 official da
mesraa secretaria, o offlcaJ archivista Dr. Peilr i
Joaquim de Vasconcel os.
Foi nomeado official archivista, o bacharel Joo
Bapista de Moraes
A cmara dos deputados approvon boatem ea*
discussao o art. (3? da proposta do governo so-
bre o eiomento servil, bem como es seus paragra
phos, com as emendas da commisso, sendo reci-
tada a do Sr. Lniz Garlos.
Ojcupou-se depois com a discussao do rt 7"
da mesma proposta. Orou o Sr. Duque-Estrada
Teixelra, ficaa lo a discussao adiada pela bora.
Em ultimo lagar entrn era 1* discussao a pro-
jcto mandando continuar em vigor no semes-
tre de 1872 a 873. a lei n. 1836 de 27 de setera-
bro de 1870 decretada para o exercicio de_187l
a 1872, c .ir diversas alteracoes, se antes nio for
promulgada a lei do orcamento respectivo. Orou
o Sr. Pereira da Silva, (cando igualmente esla
discussao a/tiada pela hora.
Foi a imorimr o seguinte parecer :
i a eommiasao de comas, axaminoa a proposta
do governo, relativamente approvaco de despe-
zas, por aUaautorisadas, no inlervalto da sesso
da assembla geral, e passa.a erailltr o juizo qae
forma a tal respeito.
A proposta do governo versa sobre transpor-
tes e sobros de orna para outras verbas da le do
orcamento, bem como de crditos supplemaatares
e extraordinarios qoe se abrirn* no exercicio de
186 a 1870, e de 1870 a 1871.
< Comparando os referidos actos, transferencias
da sobras da nmas para outras verbas, bem co-
ma os crditos, entende a commisso que estao
ellas de accordo com as leis que regen a mate-
ria, e bem assim. com os aslylos que, se tem aH-
piieado em casos, anlogos.
Tendo em vista a tabella A, qae se oceupa da
transferencia do sobras, de amas para outras ver-
bas, parece commisso, que figura ahi indevida-
mente a quanlia d 2,492:941**43, que procede
de crdito sapplemamar, antorisado pelo decre
lo n. 4,654 de 28 a setembro de 1870, quando
devera mencionas-se a quanlia de 802:339*760,
que a qae provem do transporte de sobras-de.
urnas para outras verbas, nos termos do mesmo
decreto. A' aiat* do exposte deve soffrer altera-
cao o art. I da proposta do governo, a que se.
ratero a tabeua A, fazendo-se a exclosao e tnqlu-
sao das qotntias apontadas.
Em face de que flea dito, cumpre tambem
Por decretos de 9 *o,corrente :
Foi transferido prra i* etasse do er.arcito o l-
ente do i* corpo de cavallaria da provincia Se
Matlo-Grosso, Joaquina Elias Amaro, na coofor-
midade da imperial raeolacao de 2 do crrante
mez, lomada sobre censnlta do conseibo suprem
militar, e das disposices do art 2, !, motivo
2" do decreto n. 26. da 1 de dezembro de 184 U
Foi reformado, na conforraidade da imperial
resolucao de 2 do correte, tomada sobre cu
sulla do conselho supremo militar, e da* dsposi.
coas do do art. 9" da le o 648 de 18 d<>
agosto de 1833,.o-2* lente do 2* batalho d.-.
artilharia a p Francisco Luiz do Camp is Judo' .
visto soffrer molestia incuravel que o toroa in
capax de continuar no servico.
Do Rio da. Praia entrou hontem o vapor ioglu
Cassino trazando apenas de Bueaos-Ayres fiunas.
i al 3 do conrele que nao referem tacto algom
de importancia poltica.
O Standu-i annucia qn ara principios do mez
que vem, poder inaugurar-se a linha telegrapb -
ca transandina, e que sena sera duvida um acou-
tecmeato transcendente para a America do Sul.
pondo em. comrauaicagao instantnea as costa*,
dos dous mares.
lili" V*
noeLStti
pJsfelt>
Roumo-se hontem sob a presidencia do Sr. ve >-
dor Jos Carlos Mayriok a assembla geral da*,
aceievistas do Binco Commerctal, servindo. de-
secr Marios os Srs. commendadores Manoi
gado Zenha e Joo Nepomu-eno de S.
disiiusso o relatorio da directora e o parecer da,
commissSo fiscal foi este uBanimement appro-
vado.
Procedendp.se em seguida eleicao de ura d<-
tiector e de um membro da commisso fiscal, v-
colberam-sa 31 cdulas representando- 94 votos
para aqaeUe cargo e 10A para este, e foram elei-
tos : director o Sr. commeodador Joaquim Jos
Rodrigos Guimares rom 79 votos e membro
da eommiasaO fiscal o Sr. Jos Martina de Carva-
lho Guimares com 89. Em seguida vieram a
mesa e foram appiovadas as segainte* propos-
la :
da louvor a illaslre di
I
Propomos am voto de loavor a
qaeseiaWdaJroart^da'proposTa'do.gover- rectora pela mialliganeia e dedieacao i
no, passaudo a sarama de 2,492:94.1*228 para a
quanlia e tabella B, que ahi se apona.
Paitas esta alteraedss a commisso de pi-
reoer que a proposta do governo se convert em
projcto de le para o que offerece a reaolucio
segainte:
A asseraMa geral decreta '
i Art. 1. Como est na proposta, eom s se-
guinte emenda : em ves. de 4,866:9241480, lea-se
3,176:822*988
Aru 2>. Como est na proposta, com a seguin-
te emenda : em vet de 6,813:2*1*613, la-se....
9,306:192*840.
Art 3*. Como est na proposla.
Art- 4. Como estt na propoita.
% Arl. Gomo eit n* projipsu.
t Paco da cmara dos desatados, em 8 de agos
to de mi.'rAftw VmtJoao Mndez rf Al-
gerio os negocios do Banco durante o anno nan-
ea rio fiado.Dr. Almeid* BastosM, S. Zenk-j.
i Propomos ara voto de loavor ao Sr. conde d
S. Mamede pelos relevantes servicos prestados a o
Banco como am dos seas faodadores e directo-
res, sentiodo ao mesmo tempo qtwo sea meo es
ti do dessude o impeca de contmua-los al ac
flm do respectivo qumquennio.Dr. Almeida Bas
t0tM. S. fwlaaJoaquim Pinto aV earra*'.
Ramos.
Desapparecea ha das dasu oraca o negocian
te Antonio Jos Pelxoto, socio da firma Dias Bar
'reicos & Peixo.o eom commerrio de seceos e m>-
i Ihad s a roa Primeira de Marfo n. 47.
! Corre que deixou senas responsabilidades.
*- 12
! O Sr. Cjajao.1o de Sioitab fuodamento b^q-
I


-rrrr.
*xr
Di
mm da Fariiambaca Tei^a eira 22 da Agosto dt 1871
tea. a ttnt*r, o seforote reqaerimente, qte lo* f
apotado, poto em discusso, e flcou adiado por ter
pedido a palavra ra seohor seaador :
< Requeiro que te pecara ao goverao as s?g'\(a-
les informae**: .
I.*, Qaefari a importancia dos saldos cA que
dispanham os cafres da ihesouraria provincial das
Alagas no corneo do auno Boanceiro de 48(9.
i." fjaarstmraqaesearrecadou"provenien-
te dos imposios proviaciaes e auxilio dos cofres
geraes, nesse e no subsaja.eute anno financeiro de
3.a E-tado do referido cofre provincial em 1
de jalho do corrate anno.
4.* Qjal foi oeraprego qua Viveran essa ten-
is doraate o periodo iodicido; e quMo se gas-
toa cora o serviip'pessoal, e qaauto em obras pu-
blica-, cora designado desla, e referencia s leis
que as antorisarara.
t 5. Cipia de todos os contratos celebra las
pela presidencia da mesrae provincia dorante esse
periodo dos actos conceleudo privilegios a diver-
sas empresas on a particulares em referencia *
leis qae autorisaram oa approvaram esse*
meto.-*
6 Sr. viscoude de Itabor.ihy mandn a misa
dnat representacOes, sendo una de negociantes
esfceelecidos oa praca do Rio de Janeiro, e a ou-
tra dos membros a directora e conselho da asso-
ciacao denomina 1a Club di Lavoura e do Cora
inercio; contra o projecto d3 governo sobre o ele-
aaento servil.
O Sr. presidate declaren que flcavam sobre a
mesa para serem tomadas e;n considerado impor-
tan a mente.
tta adoptada en 3" di utas > a proposicio-que
approva a penso concediJa a U. Er melinlt de
Garvallw Meara.
Entrn en I* dicen vio o pareeer da eommi^ao
de eonstitaica, conceden a licenca solicitada
pelo governo para o 8r. b irao de Soteglpe. Ora
ram os Srs. Pompea, viscoue do R o-Rranco, Zi-
cariaseSaraiva, e pissouo parecer para ai1 di
cnsie, vencee,V> a dispensa do intersticio.
Osaiooon a discuso do projecto une1 regula
as promoefies d arma*, e o-Sr. Paranago re
quena o adiaraenlo ateo eompareeiraenlo do Sr.
miaistro da marinha. Dspois de algumas observa-
ces dos Srs. Oetaviaon, Celtio da Cunb.t, bario
de Cotegipe e P^ranaga, eomparecendo o Sr. mi-
nistro da marinha, ttiou o reqoeriraento prejudi-
cado, e prosegumd i a tHscossao do ari. 1* do pro-
jecto, orarara os Srs. Paranagu e miaistro da
marinta, e foi apoiada a segaiole emenda do pri
neiro de'tes seahores:
No | 1* accrescente-se : iE s ser prvido o
posto de almirante em caso-extraordioario ou por
servicot relevantes. >
Nio hiveodo numero para votar-?e, leon en-
cerrada a di -cus -S i e tratou se do arl. i" sobre o
qaalorarara os Srs. Parauago e bario de Cotegi-
pe. A discusso liejq adiada pela hora.
A cima'a dos deputados approvoa hontem,
depois de algabas ob?ervac5es dos Srs. Benjamim
e Gatvo, a redacto sobre a concesso de loteras
para coadjuvar o patrimonio da devoc&o de Nossa
Seokora da Piedade, intimida na igreja de Santa
Cruz dos Militares, com a seguate emenda :
t Depois da paiavra funecionar accrescentir-se,
de conformidad com a carta imperial de 26 do
jalho de 1871.Benjamim.Jos Cilmon.
Approvoa em seguida teodo orado o Sr. Aleocar
Araripe, o art. 7* da propo-ta do governo sobre o
lenlo servil, com todos os seus paragrapbos e
emendas da commissio.
Occupon-se depeis con> a dsus;> do art. 8 da
referida proposia. O'ou o Sr. Belisario.
Foi offereido por e>te seuhor o seguime reque-
rmenlo, cuja discusso fieou adiada pela hora :
Requeiro que da proposta do governo sobre o
estado servil sejam destacados o arl. 8" e seos pa-
ragrapbos para formar projecto separado, eolrau
do j em discusso na forma do regiment, e li-
eando adala a discussi da referida preposta at
sessio f.llura. >
Centiouou em ultrai lugar a i' diseussi do
projecto -maadando continuar em vigor no se
mestre de 1872 a 1873 a le n. 1,8)8 de 27 de
setembro de 1870, decretada pira o exerceio de
1871 a 1872, cora diversas alleracoes se antes nao
for promulga la a le do ornamento respectivo. On
ram os Srs. Henriaes e AnoVade Figneira, llcaado
a discusso adiada pela hora.
Do Rio da Prata tiveraos pelo Bitla, folhas at 6
do corrente.
Na provincia arg ratina de Santiago tomava corno
o raoviraento revoiuciioarb, tenlo-se posto Taboa-
da em campo com algumas torcas. O governo na-
cional eijoz ao coagresso o eslaJo das cousas,
pedndo providencias.
Da guerra civil no Estado O.iental a nica noti-
cia que temos fi que o genarai Castro com ai tro-
as governistas vadeava o rio Yi para o norte de
'mamo.
O governo do Paraguay erigi em villa do Hu
mail a a-itiga fortaleza do raesmo nome, tornan-
do-a cabuca de nm deparlamento com posto das
p >v lacoei de Pedro Gonzlez, Itabebyry e Liu-
relt s."
Amaohecea hontem fu lala em nosso porto *
barca inglezt Lady Gertrudes, em viagem de Leitb
para o Rio da Prata carregada de carvlo o com
iocendio na carga.
Domingo passadi, em alto mar, deram a bor-
do pelo in:eooo e resolvea-se arribar ao nosso
porto. Hontem logo pela manba a uo ingleza
prestou a barca os priineins soccorros, mas nao
se podendo extinguir o incendio, foi a L'idy Ger
'.rudet rebcala para a Gamboa, oole se le abr
rain alguas rombos ao cseo, aam de subaer
gi-la.
- 13
Passon hootam em 3* discusso, no senado, a
propisico i-bre penso mencionada no parecer
da mesa n. 393.
Entroa em 2J e ultima di-cnssao o parecer con
cedendo a liceoca pedida pelo governo para o Sr.
Bar) de C gamas observ^co^s dos Srs. Pomp), S.lveira
Lobo, Viscoade do Rio Branco e Silveira da
Mofa.
Coo'auou a discusso do reqaeriraento do Sr.
Visconde de lutWatu ; pedindo infonna5es ao
governo : orna u Sr. Zicarias, e ficou a discusfo
adiada para p >--ar >e i' parte da ordem do da
vencendo se a urgencia a requenmeoto do Sr. Ba-
rio das Tres Barras.
Proseguio a 2* dicassao do projeoto sobre pro-
mocSes da armada.
Foram approvados o art. 1' e l*; rejetado o
| 2, e approvaia a emenda substitutiva do Sr.
baro de Cotegipe; approvados os |f 3o,4* e .
ficando prejudicada a emenda snppressiva J Sr.
Paranagu; approvado o |6', ficando prejudicada
a emenda sub-iuutiva do tnesmo Sr. senadur;
apprivaJo o S 7 com a emeada auditiva do ne-
mo Sr., e appiuvadoo 8o adlttivo do Sr. Bari
de Cotigipe.
Pjsio era disenssao o art. 2o, oraram os Srs.
Pomj,<5> e mini-tr. da marlona ; e Picoa a discos-
sao adiada pola bora.
ng'O de IWI.
,1earf.Waleid<^
t Sala dn ws5es 5 de
t A asenblp-i getal
Art. astee. Fiekr
denovembro de 1W7.
Sala das-tealW, 5 de agosto de I8T1.
Rejeitou en seguida a cmara, depois. de orar o
Sr, unqneira, o requerimenip de adiaanM ofe-
recdo pelo Sr. F. Belisari ao arl. 8* da propoita
do governo sobre o elemento servil.
Continuando, prtenlo, a discusso do mencio-
nado an. 8, approvado com seiu paragraphos e
emendas da eommitsio.
Entrando em diseas.-o o art.9*. Uoou esta adia-
da pela hora, depois de erar o Sr. Andrade Fi-
gneira.
Em ultimo logar eootinnom a i' discusso do
projectj mandandp conti'raarera v^rno prinei-
ro semestre de 1872 a 1873 a le n. 1,836 dV Je
setembro de 1870, decretada para o eiercieto de
1871 a 187J, cora diversas alte.raijoes, te antee nao
for promulgada a le do ornamento respeclivu.
Orou o Sr. Junqueira, ficando a discusso adiaa
pela hora.
S. A. Imperial Regente, em demonstrar*) do
seu profundo pesar pelo fallecraientQ de &. A, a
Archiduque Varia Anuunciat^, augusta esposa
de S. A. imperial e Real o Archiduque Carlos Lnz,
toma luto com a sna corte por espago de 20 das,
coatados de II do corrente, sena 10 degluto p
ado e 10 alliviado, devendo este luto flear com-
preheodido no em que se acha anda a corle por
motivo da infausta morte de S. A. a princeza D.
Leopoldina
Per titule de-li do crreme fot nemeedo admi-
nistrador da mesa de rendas de Mangaraitba Fran-
cisco -Ferrera da Costa.
titica arjoajUaa, era vista do trecho fuma caria
tonada. an-Wancns, qae fatta refercaia 8 'tmlra
do Sr. 1). arlos Tejpdor, ministro de eelrateelres
da Confederao, Est senhor eclarea o eea-
ffttseBe, e mtmprensa argentina, qn esa' darla,
eaja^ntleaaao aHas exiga, nio encerrava- coa
eeita ajip Mwemprestava D Avelino Lerena; qafn-
do ioiiauoa ao general Apparicio que ella valia o
luformam-nos o segniate ;
O Or. Alfredo de Queiroz e suas doas irmias
Sarah de Queiroz e Mello e Estber de Qoaiioz An-
drada, depois de haverem assistido mise du s-
timo da, celebrada hontem na igreja de S. Fran-
cisco de Paula, em-sulTragio d'alma desea pai o
Dr. Francisco R.beiro da Silva Queiroz. derain car-
ta do alforra a 6 de seus escravos sadios e nao al-
caneados em annos.
U -
Por decreto n. 4,762 de 24 de jalao-de 1871.foi
concedida a compinhia d3 segaros Esneranca aa-
torisago para fuoccioaar, e foram approva ios os
respectivos estatutos debaixo de certas clausu-
las.
Healisou-se hontem no Prado Fiurainease a
corrida era desali annunciada entre os cavalbs
Z p iro e Beija-Fior, sendo de 4 0O')> o valor di
aposta.
Foram juizes da partida os Srs. veador Paee Le-
me e conde de Ihrzberg. de chegada.os.Srs. Dr
Alba de Carvalho, Alvos Malveiro e J.o Antonio
de Faria, e de raa os Srs. Tneophilo Crostejean,
Dr. Macedo Sodio, Dr. Agostinho. P. da Cuaba,
Thomat de S. Neiva, e lente Carvallo.
As 9 horas e poneos minutos, em pre:enc.vde
perto de rail pessoas, partiram os cavallos.
Durante as tres primeiras qnadras Zspfciro di
na freale, entre a terceira e a qnarta qnalras
passoa o Boija-Flur, mas foi de novo batido pelo
/. 'plii o, que d'aln em dianle gauliou lerrejio at
clkrgar ao poste do vencedor, qaasi distanciando o
sea coutrario.
15 -
Por cartas imperiaes de 2 do corrente :
Fez se raere do titulo de cooselno, de conf.T-
midade cora o disposto no art. Io da le d* 18 Je
setembro de 1828, ao desetnbirgador Joaquina f ir-
mino. Pereira Jorge, aposentado com as hoaras de
uiembro do supprenw tribiml de jaH Foram concedidas ai honra d conega da ca
thedral dadi cese de S. Paulo ao padro Anloai*
do O iyeira Castro.
Form naiuralisaios os subditos portugueses
Jos Coelbo de Brito. Maooel Mor a de Oliveira,
Florencio de Aimeda, Carlos Soares e italiano Jos
(jaoJalpbo, empregados na armada nacional.
O ministro brasileiro em Franca dirigi ao mi-
nistro dos negocios estrangeiros a caria do tbeor
segrate:
< Versa I rus, 20 de jalho de 1871.-Sr. miis -
tro.Em sesso de 10 de juniio ultim ', a cmara.
dos deputados do Brasil aduptou a s-guinta raso-
lucio, ayresenlada por um de seas membros, o Sr.
couseltuiro lVr-ira da Silva :
< Requeiro qae se consigne na acta da sesean
de buje que a cmara des deputados a.-o.;ia-se
com a inaior siucendade s de u*)asiraco>s foi tas
por muitos corpis deliberantes egjveroos do man-
do, congrautlando-se por occastao da victoria da
causa da cmlisaco e da sociedade sobre ns tern-
vei* re.-uiial.is da anarchia e do commonisow na
c'K|i.ul da Franca, que acaba de ser linaimente,
. esiuuMa ordem e liberdade.
Tenho ordem do met governo, Sr. ministro,
para levar esta resolu verno francez, e cora a nuior satisfar) que
transmiti a V. Exc. esta agradavel commaniea-
cjio, a qaal, demonstrando a profunla sympathia.
lite o Brasil consagra Franea, estou cnaveacido
que ba de contribuir para firmar e esireitar as relacoies de perfeita amis'ade que existe entre os
dons paizee.
Aceite V. Rxr. etc.Baro de Itajub.
O Sr. Julio Favre respoodeu pela fr na seguate
a commumeac^o do Sr. baro de lujuria :
t Versalhes, 2l de juiho de 1871.-Sr. ba-
ro. Accuso a recepQo da carta que V. Exc. m
fez a honra de escrever hontem 20 de jalho, e na
qual se digna coramunicar-me as resoluto-sadep
tadas pela cmara dos deputados do Brasil, em
ia o de Mi de junhi ultimo, por proposia do Sr.
conselbeiro Pereira da Silva.
c Na dupla qualidade de ministro da repblica
e de edado fraacez, sinlo-me profundamente pe-
nborado pelos senuinentos que ahi sao expendidos
e rojo-lhe que aceite pessoalmenle t-faga contar
ao sea governo aexpressao de meu recooheci-
memo.
< Os hmeos polticos que teem tido a foj'.una
de fazer com que reme era seu ditoso paiz res-
peto s leis e a pntica de.nraa sabia liberdade
uo pudiara por cerio contemplar com indilToreGCa
as desditas da Frauda. Tomando por intermediario
a V. Exc, que ba j miiilos annos representa o
Brasil cora tanta disuneco, ajuntaram a sua eom-
municac.Vi um valor particular, e eslreilaram os
tacos de amisade que devem unir, cada vez inais
as duas nacoe?. Peco a V. Exc. aceite os protestes
de subida consider cao cora que sou, etc.Julio
Favie.
reta escravos e legando-Ibes por testamento suas
rpropriedides, animaos e oulros bens que possnla,
avnltendo nesses bens urna casa terrea na cUade
e dnas chcaras nos suburbios.
- L-se no Serocabana : a noute de 23 pa
ra 26 de jalho comecoa ama chova torrencial qae
daroo qaasi sem intermiltencia ate o da 27; o
da 28 amacheceu belissirao, recordando aos eu-
reroilweimeato implcito do carcter de bellige-J ropeus aqui existentes, seeoas do muodo velho.
rante ao exordio da revolacio, pois, que apenas
revesara o qae nao era oryjterte, o tea-vivo <"
e o de sea governo, de enocorrer para a ter
fio da guerra, por meta de nm ajarte hoaroi
ra as duaaparte?. D. Avelino Lerena, picadi
algumas epre9oe3 daaea carta, replica 4|
publicada aqu, na qnai se lera os t
topico/qaa era despertado mero interesse'e que
vio sdMtt de bate a nota larga e ateda poteORa
?*ao disentir i & jel on nio distinguir ana
mta de ama caria particular, pa se eslou na ao
aoaixoaa mis-aaque ae davam miaba relaaies
cora os chefes revolucionarios, como afflrma o Sr.
Tejedor; poram, sim poderei alBrmar, qae miabas
paiavra* teasenpreo emboda hanradjIn0.,d
fealdarle. e que se hei podido errar era raibhrt
apreciiJevn /aiseguramenia.. com a. iolencl)
de tergiversaros feitos nem de aflagar a ignoran
eia do chefe da revologio. r'lf*'
i Carta, nota on eommnnieacJK a verdide
qoi o.Dr. Tej^lor.ajliaipa-ao general D. Tinio-
theo Apparicio, desejando eonhecer os proposito*
da recoloeao e as bases para' ebegar a um ajuf
paeiflco ; assimorno timbem a verdade que o
exercit. revcHiKonwto-MaOTa* este hiawn t
apreciavej documeolXLCpm ver ladeiro jubilo, lie
shboI smente por tjtwtmtnr a firma-de Dr. TrjV-
dor, mas por que nella recoohecia a do minie
tro de retacees exteriores'da Repblica Arg^Atiaa.
Siguado se deixa veri a periodo que. ruis
chauu a attescao da mioba-.naria aiaelle. em
iiue se falla de recooheer implicitii>tn na ro-
Fuerjra e vendas de apolices geraes.da 6 0|0
volucao poltica de, naswpaizo carcter de .pode.- 98 3,>:99t)A aidiskeico.
Na camira dos depntaJos hontem, o Sr. Duque-
Estrada T-ix^ira fundameotou o seguate requeri-
mento'cnji discusso llcou adiada, per ter pedido
a palavri o Sr. Junqueira.
t Requeiro que com urgn:ia se pecam ao mi-
nisterio dafizendt iofonna^ies : 1 sobre o euan
lum d u gastos de peicepco lo. imposto peaao->l;
5> anhreo eaicuio em q ie se firmou o nltimo de-
crel^-elativo a cobranza do imposto de importa
ci.
Em seguida, o Sr. Andrade F.gueira annnneioo
a segrate inierpeliacio, cuja discus.-o tera iag.r
no da quinta-feira 17 do crrente, s 2 horas da
tarde.
Peco designa;!) do da e hora para ioterpet-
Jar o Sr. ministro do imperio sobre os segrales
pontos:
Porque motivo nao tem sido dado execncio
aoart. 14 da le de 27 de setembro de 1870, que
antorison o goveroo a entregar o*dote da princeza
a Sra. D. Jaooaria, na importancia de 750.000*.
e qae providencias tem tomado para esse fim?
< Qual a importancia do dote, feito o pagamento
elo psdro monetario da le de 8 de outubro de
833, conforme o arl. 13 n. 3 da le de 20 de ja
Iho de 18&5.
Qual a importancia das dotagCes o dos alienen
tos animalmente pagos mesraa princeza e *eus
fllhos, de*de que ella antyentoa-se do imperio at o
flm do ex> rcicio de 1870 a 1871?
Sala da- sessoVs, 12 de agosto.de 1871.
O rneanio Sr. Andrad Figueira mandou mesa
ossegaintesorojeet s, indo o primeiro s cemmi -
s5esdd jui>ii;a civil e de fazenda, e o segundo un
carnete,., de f .z.-nla :
t A a-sembla geral resolve:
Art. 1 O pr.icesso das aj>pf>!lae.3es no jalzo
rivil ad regulado pelas disposirS.j do decreto n.
737 de5 de novemtro de 1830, arts, M6 e se-
fflMaa,
c Art. 2. Ficam revogada as dfspojc^es em
contrario.
JIABIO DE PEBWaMBCR
RECIFE 22 DE AGOSTO DE 1871.
noticias do snl do Imperio.
Chgno hra'era pela maoha o vp->r bra>ileiro
Ouzeiro 4o Sul, trazendo ditas: do Rio da Prata
at 3, do Uto de Janeiro at 15, da Bahia at 17,
o> de Alagoas at 20 do corrente.
RIO D* FRATA
Eis o discurso do presidente di repblica
argentina em resposu ao eonselrHro M.igalhes,
ministro plenipotenciario do Brasil :
Sr. ministro.Com a maior satisfacao acceto
a earia cora que saa raigestade o Imperador do
Brasil, vosso augusto s berano, vos noraeou seu
envalo extraordinario e miaistro plenipotenciario
junto ao mea governo.
Nomeando-vus para tao elevado cargo, o go-
verno de saa mage.'iado dea Repabliea Argen-
tina nm novo testemanho de sua estima e deejo
de manter enlre osdous paizes as intimas e ami-
ga wn relacoes que al h < Se a islo accreseentar a cireamstancia de ter-
des sido meu coiiega no mesrae carcter jauto ao
governo d ? Estad, s Uaidos, onde aprend a e.-ii
mar as vossas qualidades pessoaes, posso a^segu-
rar-vos com toda a conSa t que alcanr.arera i.
o nobre intuito de cn-oliJ. m paz a amisade qne
deve unir sempre nacSes foram alijadas na
guerra.
Etas, pois, reeonbeeidj no enviado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario de saa ma-
gostado o Imperador do Brasil. *
Boas prujeetos de vis frreas foram apre-
seatados ao congrego: trata nm de ama liona
qae v do Paran at a Boliva, pelo Chac?, Taca-
mam, Salto, e Jujny, com o capital de cinco mi-
Ihoes de libras esterlinas; o outro de ama liona
que partiodo de S. Nicolao vi ter a San Jaan, paa-
sando por Santa F, Cord iva, S. Lniz e Mendonza.
A primeira destas estradas tera 800 milhas de ex
lenjio, a segunda 4S8.
Segando o Sfandaid da ultima data, 3, cor--
rera em Bnenos-Ayres que o general Apparicio.
chefe da revoluta i oriental, escravera ama carta
ao presidente Baltle, declarando que se submetlu
ao governo mediante eertas coodicSes. A propria
folba, porm, nao d crdito a este boato.
Em 31 de jalho eserevem de Montevideo:
Ha tres dias eserevi pelo John BUer fazendo
algunas reflexroes sobre os ltimos snecessos, a
assignalei as invectivas da impreon contra a po-
belllgerante. Merece por ventara esse periodo- a
importancia qae se Ihe.quer dar T
c Examinemos : i
a O Dr. O. Carlos Tutelar des le que toma a
sea.cargo 4 pasta de relajos exterioras alimeetau
a.nobre idea da paeiuoacao do estado oriental, e
assim nos maoifestoa mais de ama vez, a miiBfiaa
outro compatriotas, meus. Mais tarda-eita idalo-
moa forma era coosequencia da carta dirigida peto
Sr. general brasileiro Maa-iel Luiz Osorio ae< Sr,
presidente Sarmiento, inlressando-o para que- o
goveroo argentino sssumwse o mu digno panel
de pacilUador amistoso da familia orieutal. Da
jui remeltem a correspondencia trocada entre o
Sr. Sarmiento e o Sr. Ballle, e as notas entre a se-
cretaria argentina e a braslleira.
Ag ra, pergaoto eu, dada a- aeceitacao-p4 is
re oluciunarios da rnediaj coojuacta oa separa
da offerecida pelos estados visinnos, qae papel re-
presentava a revolacio ? Ni i era implcitamente
o de belllgeraate.7 Assim o creio, ao menos, em
vista dos antecedentes eaoncados e do proprio re
latorio do ministro de relceos exteriores apresen-
lado ao cengresso argentino ni parte anulada
Medaao no estad-) oriental >
E-te Incidente vai lalo j serias consequen
cas, e pule anda se; a causa de um romp ment
formal entre o goveroo argentino e oriental, por
causa da indscrip(o o altitud-! provocadora da
imprensa olllciosae olciai desla repabliea.
t O Sr. D Carlos Tejedor apresenteasua renao
ca ao presdeme, e o Sr. D. Melcbior Pacheco y
Olas, ministro de relacfies exteriores deste estado
encaminha-se a Buen is-Ayres.aertns dias 0 qua
isto tignillca, bera se i le conjectarar.
i O Brasil liaba descansada por alguas das, de
estar ni pelonrinho, e visto nao se ter encontrado
Carta algaras para o coraororaeiler, pareca natu-
ral qae seu nroceii nenio fosse elogiado e saa boa
f .proclamada. Assim, porm, nio deve-ser, se-
gundo o plano destes senhores daqai que ja nos
metteram na danca.
< Anda desla vez nao sao os jornaes exaltados
que prouaram incitar o espirito publico contra;nos,
mas sim os orgaos recoohocidos do governo do ge-
neral BatUe, nosso mui ampo. E'j paca aopi-
niio estrangeira qae ellesappellam reveilando ama
pervertida le na proxe Jitacao com,que preparara
os succesxos futuros, que deve chamar muito nos-
sa atteneao.
a Na sua revista para o exterior, escripia, m
francez, diz ti >je a Tuibuna, que as corresponden-
cias lomadas .depois da bataiha dos Mananciaes
com'.irometiem tnuito cactos me rao ros do governo
argentino, cuja contacta equivoca prova qae o
presideote da Repblica Argentina, como o Bratil,
conserva a respailo da H^uutica. Oriental vi-tos
inteirameoie contrarias aos laieresses e eooser-
vacio da autoioroia daste paiz, a qae bem te-
mar nota destas iisposii.Ss, acerfseentando qne a
Banda Oriental, se for sabia e ftrme, sabe* JrM
lar a Blgica, desojada por duas potencias Wefe,
mas sempro eoaserraoiio saa ioitependencia.
i Os nebles anda mais afoutossao em sua ac-
ensa cao sem fan demento.
< Estas provoca.;os, sem ntilidade algaraa, s
serven para animar os Brasileiro. contra nm go
verno que o primeiro a semear ventos. Neaham
criterio parece j,ue ha por aqai as alias regides,
e D. Faroaado Torres vai assim intrigando tado
por saa cnota e risco.
< D. Candido I!asmante lambem, qne deve
sua alia po-icio actutl ao Brasil e aos esquece-se muito de um passado ti i recenle.e qoer
inculcar que ludo deve sua espada. Sa nio fos -
sem os erres dos blancos, que os. colorados hoje
grosseiramente eguem, sa nao fura a allitade do
imperio, ea qqizera ver realrsar-se a sua estrada
thumphal, pela roa Dezoiio de Jalho, como das
creve, aos c neo mezes, depois de t-la p/ogaosti-
cado ao ministro Barbolam, qnanle aqaelles sao
o qnzeram reeeber em sua misso de oax.
< Por ventara o Brasil exigi do general Flores,
era algum dos momentos en que trabalharamoai
dos nossos soldados, e depois do triumpbo, alga-
ma c rasa que atlacasse a independencia do esta-
do oriental? D.ga-o o raesmo Sr. RustaraaQU que
era seu secretario, o seu principal confidente, o seu
inseparavel compaobeiro.
t O governo recebeu a noticia de ter sido sor-
prendida no Rosario Oriental urna pequea parti-
da cianea, na qual Imiara alguns chefes, qaeea-
biram prisiuoeiros. Naquella povoacao, on e fiea-
vam forcas do governo, raanifestou-se incensio
as casas das estancias de D. Hesperio de las Ci
eras e de D. Innocencia Mondes. Como os daus
nxoprieurios sao blancos, conclue-se que o fcgo
fui ateiado de proposito. Assim a guerra vai to-
mando cada da peior carcter, como eu reciia-
va.
GOTAS.
Temos folhas at 23 dejunho.
L-se no Con co Oflicial desse data :
A 26 de maio ultimo, benzea-se e cemiterio
da freguezit de Corarab,acto aqueassistio grto-
de concurso de povo, e feito com toda a solertii-
dade.
Depois da ben$ao, o actual vigario, Pedro Na-
rinho de Olveira, rezn um memento pela alna
do Tallecido vigario Costa Campos, qae iniciara
esta obra.
t A despeza com o cemiterio chegoo a.....-.
2:144*8.10, lendo como auxilio da provincia 80CJ,
o mais foi producto de sub-cripco e esmolis,
gastando o actual vigario 1244 do sea bolso pira
a t'oncluso da obra.
t O cemiteilo feito com solidez, e suUciete
para o lugar.
t Nessem^srao da foi sepultada nelle D. li-
ria dos Santos Dulra, fallecida com 80 annosd"
idade, mulher de Liberato da Suva Valeoga, \tte
ja cunta 95 annos.
. PAULtfc -
J era coaheedo o resaltado de dezoto co-
legios para a eloicio senatorial, sendo mais vita-
dos :
Dr. JiS) Meodes 418
.Barao do Rio Claro 4IK
Dr. Gd..y 323
Conselbeiro Nebia 286
Viseando de Guaralingaet 196
Commeadador Rosa 17i
Fallecer o brigavlairo Prancisee Antoaiode
Olveira.
A Gazttait Campias noticia o fallecimos
de Vietonno dos Aojos, eaja existnaia sa calcita
ter sido secular. Foi elle o primeiro mestre de
eutalne que tevii a matrli daqnalla cidade, asNO-
bro a adwirxco da qaaMoa a eonteraplam e o jo
altar-mar todo do ri.-eo a lavra daqualle falle-
cido.
Tambem (allecea no da i do correnu a Em-
Sra. D. Mara J iquiaa Ferrera Prade, respalta-
vel a abastada fazendeira daqaeile maoicipiu. L
A Cejara de Campias noticia qae i
va a apparecer a varila nos arrabaldes a
ra creado nm hospital deatro m-.-mo datfli
qaal rJeviam ser tratados os doentes. Essa
da era geralmente ceosorad. Na mem
sema-e grande falla de moeda.de cobra,
eslava prodazindp ineorotMdos e veamea.
Fallecer all o faaendeiro Vicenta Ferrar a
Amara!, deixaasVi Lbertoi deas eseravoe.
E-a gorocaba fallecer o vigario da contaras
p os, a nev de qne e-lava lilteralmente coberta a
cidade liaba pelo menos dens dedos de espessura.
Se o nosso clima contina a arrefeeer por este
gosto podemos nutrir a esperanza de anda pati-
nar e correr em zorras pelo Sorooaba e lagas ad
jaeentes.
RIO DE JANEIRO.
Procedente de Lorien! por Dacksr e Guyana
franceza chegara a aanboneira (ranceza Kan-
dreuil, montada por 154 pegas, com destino Val-
paraso por onde seguro.
O presidente da provincia fez urna visita
estrada de ferro al Alagoinbas.
Rainava oas costas da. provincia, muito mo
teospo, apta que arribaram < a. 8 o brigae non
albmo Amina, que ia de Montevideo paia Fal
mnulh ; e a 14, a eicuBa-poringueza Atina, que.
se de Fallecer o major reformado do exercilo Jo -
Rodtigaes Soaros.
De viagem parabartaflasva na:capital e
Dr. Leito da Cunlia, ex-presidente de Sergipe.
Aalandega-rendea de 1 a 14 do carrele
1,710:457*470.
El as notiaias commereiaes da allima dala:
i EUdtuaram-se tiaasacc/aes in.-igflcantes em
eamhio sobre- Londres a 24 d. e regalares a 24
1/4 d. para o pape* particular, e laaXMAfc regala-
res sobre Ilkaabargo a 749 rs. por nwroo baaoo.
< Neg.ciaraal-se va/ios loto* de soberanas a
104340 e. 104350 a diaaeo.
-Vo mercado da aceo-s liveram movimenlo
mais que regular as do Banca do Brasil a 1944,
as do Banco Rural a 204dO e a.d C-impanlna
Doca da*Alfaadega-a 70j>.dpremio a diHlieiro
Era le 15o venderara-se ante-bontam dous lo-
tes de acc.ij.-s da compaohia de seguros -Guaran ai,
de premio um dos lotes e a 2404 o ootro. >
baha
A-alia miaga readeu de 1 a 17 de corrale
511:3044380,
O cambio sobra Londres regulava 24 a 24
I/id,
Fise a. sabir para Peraamboeo a barca
portoguezaD. Francisca.
Le moa no Jornal:
< O presidente da sociedade libertador* Treza
de Marco, esiabelecila na ciddtWs Lancee, par-
ticipou ao governo da provincia.s]ue, durante.o
anno de.sna adminisirac-io- a hadaiv (aranhlibBr-
lados pela sociedade 17 escrasos, saada. i3 da se-
xo femintno e 4 do maseoliao >
O Sr. maj ir Riboiro, morador roa da Lapa,
treguezia de S. Pedro, revulvendo o terreno do
quintal da-casa qae reside, desconfi parte de uaa
ossada. O subdelegado, tomando coobectmealo
do facto, procurou investigar minuciosamente, e
pelas informacias qne obteve da pessoas- antigs
residentes na mesraa freguezia, pirene que bem
fundada a conjsctura de qne taes ossos datara da
revoUico de 1837, poca em qn beuve grande
mortaodade oa rna nova de S. Beato, e parece
haver toda a procedencia, v.sto qae os ossos esli
todos carcomidos e gastos.
i AExma. Sra. D. Senhorinba, qaereado solera-
aisar condignamente a ebegada de seafllbo o Dr.
lente- coronel Melchiades Augusto de Azevedo
Pedra, de volta do Paraguay, onde tanto se dis-
tngalo qaer como jurisconsulto quer como sel-
dado da patria, conferio liberdade a seo eseravo
Romo. ..
t Sr. Mundt, socio da casa, commercial allema
esubelecida nesta pra? Sol* a. tirina Gunter 4
lilundt, acaba de praticar ura acle de phantropia
pslo qaal muit se recomraeada eslima pu-
blica.
Tende, hi cerca de qaatro annos* arrematado
em praca um pardo de nome Daniel, eseravo do
casal do finado Dr. Tilo Adrio Rebollo, promet-
leu-lbe nessa occasio qae o libertaria-logo que
se retirasse da Babia.
c Com elaito lando de retirar-se agora desla
oapiial, acaba de camprir sua'promessa, libertan-
do sem condieo alguroa ao referido-Daniel, sem
qae.se Ihe lembrasse a generosa e espontanea pro-
raessa qae fuera.
Actos desta ordem a imprensa tolga sempre de
registra-los. >
- sisara.
Achava-sa no exercicio de presidenteda pro
vincia o 2 viee-presidente Dr. Dionizio Dantas.
AUO0A8.
' Nada occorceu digno de menco.
PERNAiMBCO.
REVISTA DIARIA.
DINHEIRO. O vapor Cruzeiro do Sul, trouxe
para os Srs.
Maooel Martins Finza 2:0004000
Jos dos Santos Neves 8004000
Camino & Nogoeira 6004000
Antonio Gomes Netto 5004' >00
P. Bolley 4334000
Manuel Moreira Campos Janior 4004000
FACULDADE DE DIREITO.Pela congregarlo
dos lentes da Faculdade de Direito, em 19 do cor-
rente, f ram habilitados para o concurso de preen-
'himento d'uma cadeira de lente sustituto, os Drs
Francisco de Paula Sales, Jos Joaquim Tavares
O'eirort, Graciliaoo de Pauta Bipti-H, Antonio Car-
neiro Antunes Guisaraes e Francisco Pinto Pes
moi
maj*S *J!8 AU101UO SfiYa e Silva, capitn
m ourvcai iBiiecer igno oa eomarai "", -k--^ ^mz-~k.m, dmm151.. 41...
padr AoMn Das de Arrada" dehtando iiNt R IfDaolo de Carnlha- m, rranojsco Aira
RTE CASUAL.No da 14 do corrente, na
oTcasio em que trabalhava.n'nra andame na Pas-
sagem.d Magdalena, cahio d'ahi to desastrada-
mente o pedreiro Marcellmo Goncilves Fonie-, que
falleceu no da immsdalo.
ASSASSINATO.-A's 6 horas da manhia de 31
de juiho foi a-sassinado, n'uma fazenda dodistric-
to de Mi.xol, di termo de Cimbres, com dous tiros
desehados He emboscada, Francisco Gio$*lves
ia Silva. A polica local proceda s compoteot s
indagaQoes para a descoberia do crimiaoso.
BOND3.Para a compaohia de carris de ferro
vierara noniem da corte 42" muas,
DRAGAS.AOm de assistirem a montarern-se
as dragas, que o governo imperial mandou vir
para melboraraentodo nosso porto, chegoa houlem
da corle o Sr. engenhoiro Jos Mara da Coneeicu
Jnior.
ELEMENTO SERVILEm nosso escrptorio se
acba depositado um exemplar da representarlo
que deve ser dirigida pelos habitantes desla cria
de cmara dos Srs. deputados, adberindo a ge-
nerosa, humanitaria e civilisadora idea da liberdade
do ventre. A' qualquer pessea que deseje ass'gnar
esse documento, que vira ser mais um 11 >ro
para a cora cvica da P.roanibuco, ser elle apre-
seutado no me-mo nosso e-enptorio, ra Duque
de Caxias n. 44
COMPANHIA SANTATHEREZA.-?ara as obras
do encanamento d'agoa e illumiuaQo a gaz da ci-
dade de Olnda, a cargo desta companbia vieram
de Liverpool na barca Brilliant ch gada no sabha
.do. 228 volme-: de f r-aV^ns e macbinismo,
Pelos Davios Sura'i Swii'n a carga en>G'a g w,
e pelo Voodeille em Liveipoel -deve vir porcao de
canos, para as mesmas obras.
FALLECIMENTO Na saa fazenda Beln, do
termo de Villa-Bells, fallecen a 31 de juiho o ma-
jor Joaquim Pereira da Silva Traiio, hornera esti-
mado por. soas distinetss qnalidades.
PROTESTO DE LETRAS. -O escrivo dos pro
testos Jos Marianno est de semana a ra de S.
Francisco em frente a, do Duqno de Caxias.
PASSAGEIROS.-Vrados dos portes do sal no
vapor Cruzeiro, do Sul:
Capitio lente Jo- Mara da Coaeeicio Jnior,
saa senhora, 1 Qiho e nm ecravo, Francisco Vc-
tor Pacheco, 24 operarios do arsenal de marinha,
William Carruters, coronel J- s Angelo de Moraes
R-go e 3 escravos, Dr. G. A. Walban, Joo Ribeiro
da Val, Miguel Lsmo Colhe, Carlos Matterdoiff,
Antonio Gooies de Val, Dr. Manoel Gentil da Costa
Al ves, J's Pereira Raposo, Joajuim Francisco!
AlverPrancisco Pereira, Manoel Joaquim Gonrah
ves Braga, Jos Antonio Ribeiro, Maooel Aotonb
de Sonsa, Lauro Augusto Heorique da Si va, 0
Antonia de S Cortea a Albuquerqae e i fih
Dr. Jos Pereira da Silva Moraes e 2 criados, Joo
Jos da Silva Almeida, Jes* dos Santos Oif ra.
Amaga Francisco Maia, Nicolao T .lentlno d> Cos
la, Manoel Candido da Aiaujo Lima, JostfMaria
Garca, Braz Vicente Nilo, Maooel Vital, toaturm
Gtealv*. da Suva Rocha, Andre C. Pere" S-s
tos. capitio los de Azevedo Agni-.','**'*' "Snde
.Hfc.. MroOrl.1 CarnalA'^i^0^
Carvlbo, Raphaet A'-**8,
Vieira Netto, Firmiao Leocadio de Lima, Boaven-
tura de Castro, saa senhora, 3 filhos a ama cria-
da com 1 fllho, Balthasar Fernandas, Juvneio
Candido Alves da Costa (praca da armada), Anto-
nio Pemandes Pinto, Antonio Ribeiro de Cirvalho,
W. S. Ellisen, Andr, Joaquim Maia, Isidoro, en-
tregar a D. Manpela M. da Cooeeicao, Quintiliano,
entregar a Francisco de Albuquerqae Mello, 2
ex pracas do exercito e 3 criados do vigario de
Olnda, Lacas Fernando de A. Lima.
Seguem para o norte :
Bario de Mamangnape, Francisco Ferreira Mon
teiro Dr. Luiz da Silva Coitlnho, Manoel Das; ca-
pitio Cicero Rodrigues d'Oliveira, Manoel B. J-
nior Maooel Casuneiro, Rayrauodo J. Figueira,
Antonio C. de Mello, Jos M. da Silva, Miguel Ar-
chanjo, 14 ex-pracas do exercito.
Sabidos para Fernando no vapor brasileiro
Af andan u':
Savador Correa S Benevide, 1 es era va e 2 fllhos
da mesraa, Tbomaz eseravo e Antonio Gomes
Sonza.
PUBUCACOES A PEDIDO.
FRAGMENTO
DE l ROMANCE INTITULADO PAO DE GALLINHA.
< Ea nio quero tirar a esse hornera
nem a repuiacao oera a vida, qaize-
ra s ppder tirar-lhe essa vooiade
> que tem de fazer mal. >
(TASSO.)
.L1, ba poueo tempo, ura volumoso romance, es-
cripto em Portugal; em urna villa oa departamento
denominado Cabo; que dista do Cabo da Boa Es-
peranea duas legoas ; delle extrahimos os seguin-
les fictos, pira distrabir o publico.
ILtvia oaqaella villa cerca.de 8 annos ura ce-
lebre juiz das laminarias, qae foi o IIigello da
hnmanidade.
Este juiz, por infelicidade daqaelles habitantes,
occnpou tambem cargo policial, e armado de farda
bordada, com fu macas de fidalgo, quando sabia-se
que decendia de Jerusalm, nascido de agrestes
hermas; (j rae eotendem, era ama especie de
servo da antiga gleba).
t Licel superbus ambules pecunia,
Fortuna non muta! sents
O tal jaizeco, arvorando-se em bombeiro, aban-
deoava a sede da comarca e dirigia-se praa de-
nominada G., povoado qae fica ao norte do raesmo
Cabo (ahi asseataodo a tenia mpunha aos pesca-
dores venderem Ihe peixe por certo preciuho (-e-
uo o fllho seria recratado, isto no lempo do pro-
gresso) mandava a criada (negra) com nm lho
rneanr, a.dtzer deporta em portaLul quer
owos:egalliuhas>assim depois de lua-colbeia de
ovs egajaha, e me-mo d algara dibrau ; lagri-
Uva as mas daquella villa a preiinba quitan eira
uvos-e gallinhas por entre os peixe comprados
peta prreo qne elle impnuha, e revendido pela hora
da morte ; sendo a sua comida diaria espinhentas
manjubas, qae os pescadores aban lona vara po-
bcese.
Depois vendo qne as coasas j nao Ibe corriam
a sea geito, (pois os pescadores j nao aporiavam
esta praa cora peixes, e qoando por acaso o vento
os otingvam, viobam-se pegando e se enoommea-
dando a S. Barcello, adra de oa> serem obrigados
a vender a pescari 1 com a condico da s reeeber
o diheiro depois que ella fosse revendida ; e mui
tas vetes diheiro nicles, como aconieceu ao Maia
de porp,) e assim o nosso casmarro juiz de pain-
beiro qae era, tornou-se iripeiro.
Novas falcatraas foram inventadas.
Era um verdadeiro cavalheiro de industria.
Ajustn, com um pobre aldeto, para Ibe con-
dozir os facto3 (em ura magro aolmalsnho que
pouco durou do bom tratamento) mediante 500 rs.,
tanto quanlo pagva-se do logar do matado iro
para a villa; coadnzio o pobre aldeo por espaco
de mezes; atina! vendo qae se Ibe nao fa lava em
paea, procura com geito reeeber o diheiro de sen
trabalho : eis o nosso Juiz trpeiro em furias, nao
quiz pagar seno a 120 rs., o aldeio faz p traz,
nao receben; o Juiz erguendo as raaos-aos cos,
licou com o suor do pobre diabo.
Ah I disto nao sabe M. Paulo isto chamase co-
mer tripas e milo.
Na.vara de juiz era o mais prevaricador qae se
poda dar.
Todos qae linbam a iof.-licidade de litigar na-
quella aldeia, eram chuchados as algibeiras, de-
morando os autos, annos e anuos, por mais suma-
ria que fosse a causa; e panba os pobres litigantes
em apuros, exigiado a.esquerda e a direitt, cocos
verdes, peixes, carpinas, carros, cavallos, mel, a-
rinha, feijao verde, pers gallinba.e porcos; todo,
lado se exiga coro autoridade de juiz, proraetten
do se arrasar Setubal, quebrar o ro-ario, ludo
faza-se na teta a ma.nar; porm sentenja da mi-
nha vida I
E os pobres litigantes dar lele.
Ah I que churlia leira I
Intituiou se naraorado (e ha tambem disto por
l ? I) apesar de ser defunto enfeitado e ter de
chicote o signal cara, e para roeihor gosar a
fama de malvolo namorado, inventoa amas pas-
seatas ca vallo, escrevia aos litigantes de stu jui-
zo, pedindo-lhes os melhores cavallos emprestados,
e assim todas as tardes deslisava-se a papaogu-
sada de extallos e malvolos namorades, ^ cusa
dos pobres litigantes.
Ah I meu Deas, oade estava a lei da respousa-
bilade f
Q laudo um fllho faza auno-, dirga-se a um
lugar chamado Rosario e pedia a comadre, qne
tinha ama qua-to era juizo; qae Ihe raandasse
assacar, familia, milh>, gallnha e per, e a con-
vidava, (pn- apparcacia), para passar o dja nos
annos do Lnl ; a honrada seahora, que nao saia,
responda (por sua honra) que mandava ludo, mas
que uo ira. Ah I meu M. Paulo, l pelo Brasil
hav. r tolas ?ll
Os servos desta senhora (dizia um firao nos
arrabaldes de Setubal) eslavam com corda na ca-
bera de carregar presentes para o tal juiz. On I
que cara seotengafll Este juiz veio de encora-
menda III
Prximo a deixar varoha (que bem laraentou
ter deixado, dando lugar a que um habitante di
cidade de Setubal dsse osegainte motte : mor-
rea eom a vara na mo como ia dizeodo, ao de
xar a vannha, vando-se embarazado com a esquer-
da e a dreita ; eis que chega a occasio; m.s-a
no caso ; annuncia-se por alma de urna respetosa
senhora, mulher de ama pes a re quem esta juiz prometteu seateuca, mais emba-
razado con o rosario de uro e as ramas de fei-
ji verde, aproveita-se do enejo dador, e no da
em que celebrava-se a missa por alma da respei
tosa senhora, copta a sentenca contra, e a favor
do rosario, e intima ao genro do anigo, que era
parte quando este se achava uo leilo da dr;
bom notar-se, que estava dentro do stimo da do
noj>.
Ac de raca, attrlbula a amarelecente cor ao
ladrilno da casa; intenta assoatha-la, faltara os
raeios, l manda ao Rosario, e d'ahi vera os carp
aas. as taboas, as maleiros ect., e a cus'.a da vo-
Ifu litigante a.saalha a ca-a; e depois e>tas bara
(eitorias ap^asiveis sao deseoo'adas no alluauel da
casa cnlra a vontade do proprielano. Nao para
ah a extrgo folla ao proprieiario que de sal
nata tem.
Est em apuros, precisa dinheiw, qaer vender
a esa; o juiz o chama de alto e bom som, que
quem a compra-se nao tomara conta, e nao paga-
va seno 134000; por cuja casa ha va quem d se
de alugael 234, e assim o comprador nao quiz a
casa para nao demandar serat I liante rapia.
Credo III
Em certa arrematarlo do nm falido; eis em
praca um poueo da vioho; primeiro lanco, eha-
gain os preiendentes, do pode aiais lancar, entre-
gue-se o lanrjo diz o juiz; e dabi a poueo l vai
o vinho para a casa do juiseco. B" prevaricador
ou ladran ? Querem ver mlaffre ?ll O juiz man-
dn citar a um mono de 3 annos; sea visinho e
que as-istio so enterro i para is^o anli-datou das.
pacho com pr- jma de orphaos e da fazenda geral
em mais de li.0004-
Este juitoera flibo do crime, no crime se tinha
creeo e no crime viven por sele anuos; at que
Illm. eExm Sr.-rTrnrJoloolidorK) Dia-
rio de Pvrnambuco tm edita! da secretaria
do cjfnnnndo superior dt funda nacional
deste municipio, etn qae ne ottoma como
alferes da I1 companhia d btaluo n. I
da reserva do ounicpwid-capital, cajo
posto sempre oceupei como ajodante da
mesmo batalbao o que ba de coottir pelo
archivo desle commando >aperi:)T ; acoale-
ce que em Janeiro do 4857 lendo euobiido
urna carta imperial deescri So e tabelliSo
do termo de Santo Anto desta mesma pro-
vincia ; e lugar este que anda occopo e co-
nbeceodo alguma cousa doa deveres de mi-
litar tanto qae j tendo servido 14 anno
do corpo de polica,e depois teodo esta pa*
tente da guarda nacional claro est qae nio
poda passar desapercibido- fazendo ama
mud n?a desta cidade do Recife ao logar In-
dicado, por forca maior p3p era pojsiyel
qu naocumprsse o que manda a lei. Exm.
Sr. no raez cima indicado officiei ao com-
mandante d'aquelle lempo o finado coronel
Mamede 'commanicando a minba mudanga
para o legar onde me acho, pedmdj para
que se me mandasse dar ppssagem para o
bjtalbo de reserva do termo de Santo A-
il que com frrUriijM(t !>'" comman-
do d'aquelle lempo fora parlicrpago para a
presidencia, felzmeie aioda existe o secre-
tario deste commando suprior.qrje sem^e-
vi Ja estar bem a par j (Jtw acabo di di-
zer. r.m vista pois do que lka expoato ta-
zenda V. Exc. devida-joalila como cosloma,
parece nao poder-me achar comoclassiBcado
ausent-i.e em lugar nao sabido.
Dos guarde a V. Exc.*-Cidade da Vic-
toria, 12 de agosto de 18?!.Illm e Eub.
Sr. coronel Antonio Gomes Lee> multo
digno commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Rjcife.
Ikllarmino dos anlos Buk.
a igreja lavoa-o precededo dispense.
concluiremos por hoje, dando segando o re
manci-ta de Portugal, os caractersticos deste per-
sonagera to decantado em seu Pi de Gallnha.
E' alto oa baix, magro ca gordo, cor de leitd,
tem um mal d' besia bem visivel, anda eufreadn ;
nataral da Bacellos, vivo do alheio, rico de ca-
bellos; e conhecido boje por Pao de Gallinha, e
amigamente por Figulino de cera, De fon lo enfei-
lado, Farda bordada e .Namorado sem ventara.
E' de L6i raca o animal; bom nao perder-
se a sement por entre a relva do prado, onde ti-
vera piincipio. ExtrahiJo do romance Pao de
GaUtnba.
Gimelleira SI de agosto de 1871.
A fta [robada.
V (Continuar-sa ha)
O estado da historia universa!
e o doto racitiodo /aba.
Qnizeramos ver oulros quej nio nos lomar o -
peuho que buje nos trouxef a imprensa.; po/am,
de.-caar.utkis, porque a n* saccederan. paajaas
qne melhor possam desenvolver.. o.jniza..sabr o
ponto de que vamos tratar, f
Se a tendencia do nosso spirito* sempre par-
correr esse (aiidico caminha, qae no prometu oa
nos gamte ver um aperfejoaraento intellectnal,
e moral; e se esse aperfeiroamftALo um resulta-
do do oosso esforo', soore a sciencia, e sotare
qualquer um ponto 'dado; 6 em proveilo de, as so
espirito e de aossa memoria qae- qoeremo* sem-
pre o nosso raethodo mi: fcil e simples quer
para o estado, qaer para a comprehensao, anea
para a conservarn da materia sobre que se fixa
a nossa atteneao.
Entretaoto, a edaca;iio sciantifiea qneaclnai-
mnte tem receido elementos acha.se constituida
de maneira a trazer um resaltado .aquellos qna se
entregan ao estado, tem-se achado at boje res-
sentida em urna de soas partea, uaera ad.
seas ramos.
Se se ciliar para qualquer ramo das sciencias
v-se que tem reo bido ama coordenado, urna
classiflea(ao tal, que afiliado sobre o esqirito
que se diverte, Qca-lbe gravado.
Encarando a phrtosophia cuja forca. est., bo
desenvolviraento Inteflectnal, na ajr.idao. do eaairito
e na for;a da razio vemo-la melhodisada eda fcil
comprehensao; encarando a geometra coja base,
esta na (urca de aitencjio, na preeispaeic,a>do>.e-
piriio e no cuuhecimento dos pnoi'iiovguladar*,
v-se que a geometra loma-ie raeltmente comar(f-
hendda, e o raesmo se diz qnaoto a algebra' e
aritbraeiica, e quanlo a rethonca, esse rnate do
espirito, cajo fundamento o bom gosto.
Mas, dar-se-ha o mesmo a respailo do esluda da
historia 1...
Teuha-se coobecimenlo de lados os principio
da histeria; tunha se todos os principios invenanos
da critica oa da sciencia nova (scieaza nuova) de
Vico, de Machiavel u de- Uerdar,. qaer proprios
quer adquiridos, teaha-se um longsastudo, eauar
resaltado d'um curso, scientulca, aoer das pro-
prias f .reas e responrlam todos se ha alguna me-
thodo, se ba alttama base que desenvolveolo oae-
pirito e aos altrahiudo, nos facilite o sea estado "
-No? por n- responderemos qae nao, porm,
cromos qae poderiauos responder por lodos.
Qaer se esta Je a historia univetsal pelo sjtfte-
ma chrcnologco, qaer pelo synchronisoo, os em-
baratas sao os mesmos : a confuso apresenta-se
ao oosso espirito qne attrahido quer suceessiva-
mente, quer conjanetaraente pelos fados dojs di-
versos povos v so enliiado a cada momento, de-
pois de ura conhecimento ulterior d* historia ; e.
quanto mais o espirito procara eonhecer as pita-
ses dos diversos povos, suas relacSes e sua nhi-
losophia perde a chronulogia, a associago dos tac-
tos e dos acontecimentos simultneos, assim como
de suas localidades especiaes
Tolo o concurso que a intelligencia ache em sea
favor no estado da sciencia da historia, lodos os
elementos que t possr.m auxiliar, poneos resulta-
dos trazem ao espirito qaaodo Ihe falla a base so-
bre que collnque esse edificio.
Es-a base o melhodo. Xo aprsenla mujias
vantagtns para a illustraco de espirite, o ensiao,
desla materia, anda que entinando aprendt-se,
porqae sendo a materia to vasta, e fallando um
fundamento sobre qae desenvolva-se o ensioo, nao
se pode licar senbor da bist^iria geral, assim como
d 1 sua chron dogia e da su conlemporaneidade.
E realmente o estado da historia, ara estado
agradavel, e um e-tudo que illu-trando a iotel-
geocta e desenvolvendoa, com ludo depressa faz
desanimar, considerando qae depois de fechado
um livro, com elle Oca s datas, a maior parte dos
fados assim como a sua relacao mutua, de paiz
para paiz, de povo para povo ; porque por mais
pertinaz que seja a memoria ella cao pode apa-
nhar tolos os fados e grupa-Ios no cerebro, con-
servndoos para quando os qoeirsmos.
Qjal o melhodo adoptado oa conhecido para
o esludo da historia, seno os compendios, qe
narrando os fados ebriga o alumno a decora-lo*,*,
portaoto, a cancar a memoria e a enfastiar o gas-
to, sendo que das depois, ignora nao s a chraoa-
logia, isto, aera, como al os acontecmentos
trazendo em resaltado o aborrecimeato a esse es-
tudo. '.
Sa at hoje o melhor melhodo o que nos anre-
senta Le-Sags no sen grande e excellente Alias
histrico ; com ludo qne Jorca le esludo, alien-
cao e vontade, nSo preciso que persista na pes-
soa que -e dedica a tal materia.
So os qualros apresentados por Le Sage tivesse
vantagem completa de urna facifidade de com-
prehensao, on. de relencao ; se o qns nos apre-
seeta Beaacharap, tivesse o mesmo rrsaltado; e-
anda Buchn no sea Atlas da America, no qual
gasta 72 granles mappa3 so bem que trazendo a
con-lituico de todos ns paizes desta parte do
mando, ap'resentasse um resaltado imraeljato, ha
iDui o que a historia seria conhecida de todos.
Le Sage apresenlando-nos a ograpi e a his-
toria era 37 grandes mappas, forma nu eney-
clopedia histrica para aquelies qae t lo eje-
mentos, ou quexonhecedares dajgMrra sjaereu,
adquirir um conhecimento maiafl
uo completo, pur causa da necessiOMe da *orcj
de memoria, que deve ter a pessoa qae estada,
que tudo deve coossrvar.
Li Sage com nieto ni seu genero, e sua histo-
ria chega at 1827,- assim como Beaucha at
1819, com 330 paginas, e Buchn at 18SL
Qje grande resultado nao deveria obtt-r aqaalle
q\ie podendo reduzir a quadros oa mappas his-
tricos ; pedesse represenur como nos mapaa
ge graphicos, a curso da humanidade, pa
evocar os borneas a tare-tos apparecer dial
n* rnostraadQ-uo nm togar ou facto em qaei
pxesentaram ? Certamente aae de grande alai
ce pratico a utilidade sarta a invento.
Matorialisando o tempo, poodp-v 1
olhos, coordinando tactos an* sa 1
mesraa apoena, ou scalo, e uiraUti l**a aW
ger com nm olhar a era, ca drverse'BKtos, ra
relaroSa-recifiriea acat affiniag da sano, o;
curridos de ara aoatro, de certo tem prestado
ati %ande servio 4 tetefitew J."00'. e
eosino p le qne a-srai flzesse.
Entretaoaia mauwdo Site tera aleaaeado asaa
des,derari,m^rmmm t M*. elrtMlac-
,s-e AoxmTitgfWmtlitmsm.
Sirva *qo MHtm 00W|ro|tf*r*
ans artigosqaMgf ^^TpW^r^sArtmiV
apairsando a aa^m, auraoo preteHo e faeUi-

f
J


^
Aario de Perm,mt>uco Teros eira 22 Je agesto 4 lieado i
'ma.
lo Sr. eonde aba
entre nos.
assUdo primeira 11 tardad a pelo 8r.
a algaus alumnos gymnauo t>ro-
10 tea raeihodo de esiudar a historia,
rlogo en que elle consistia e para que
... lio sendo em mea fraeo. entender
iBiande a sua atiiidade como alguraas pes-
Ltam .parecido).
rrada a coofjreoci, expuz o que seolia em
dos Rvdms. Srs, regedor e censor daquelle
tenlo, e dos lilms. Srs. professores Dr.
Torres Baadeira, Dr. Carneiro Monteiro, S Iva e de
eJftns-Srs. repetidores qae tarabem a ella linham
assistido, dizeBdalogo-.-oeaa occaio qa deveria
haver uui manaa.pb qual de sculo em seclo e da
anno en anoo esjvensein. indicad js, os acontec-
meatos mais nptawis j|ud|heJJes se Uvessem dadj,
conforme ai e*sas ocMpa|s, detliag aindo-se por
meio de Cdre*l4V_tafas canutes que nos mesmos
ti votsem M%4 ar le.
I aiM'M4o ahijdeclareii tarobem qae er-
gauisar kmera a aftoria patita.a mi oouuiwo
apenas quairo seculjs godia ur.eoMrjyda epa_qtu-
tro quadrados de njaior ex.aa-ao ^un^saado sJB
bornemente snbdivididos ariam Injar a maiur
dnatavolvimenlo e consegtHBtenwiteTraaior aper
feccameold.
h alo me engmti na apreeaclo que havia feilo
4o neihodo do Sr. conde Zaba ; pois que na te'-
ira conferencia apreseotou ele com effeito un
grende raappa em lado anlogo ao que eu havia
dito que efe deveria ser.
Tratando depois de levar a efTito o mea traba-
Iho, acbet ue de pouca utilidade poderia elle ser
Umltaado-se a induar os graad-'s acooteeimentos,
MW bi o nappa do Sr. con Je Ziba, faieodo ver
somonte o paz en que liveram lagar e o anoo
emita s dersm sen.deterujioar a.nalureza de:-
les m a localidad*, o mez e o da a que corres-
ponden).
Procurei resolver esta diffkuldade e felizmente
depois de algunas tentativas, consegu o mea ia
Wnto.pooende indicar por mel de signaos, latirs.
nmeros e ate* pf a a historia patria nao romeo-
te-oe fados seno alla a natureza. delle, a pro-
vincia, q anoo, o mu, o dia em que tveram lu-
gar.
T-oho cqmmunica jo a diversas pesoas o meu
projecto entre outras ao Illm. 3r. Dr. SeraQco a
que* notram que paniado Recita para Olinda no
sabbado larde, tiveoccasio de explicar iodi o
meu plano e al. modo p lo qual preleodia p-lo
em exeADeio. Sefaeo esta declarars Sr.-. redac-
tores, porque tendo Vv. S publicado hojeen
su Iteviila Diaria qqo uai Sr prof-ssor da K.-co
U Normal esl preparando um irabalho no mes
i-j sauud.', nao quero expr-mea que se diga de-
pois que apruveitei a sua idea.
O lestemuQlio das pessoas cima citadas por si
.- bastante valioso para as.-egurar-me a prionda-
de desse pep:au)oa.io aqu na provincia, pois que
elle i>Oe lora de duvida conferencia dad i entre nos pelo Sr. conde Z iba e
mesmo antes de ver'o seu mapii.i.
Nao quero vdizer cora isto que o mesmo pa-
mente nao posea ter vinJo expontaneamenle a
qual iu> r imira pessoa que teulu assi>lilo as con
lerendas p .menormente dadas pelo diio Sr. conde,
como a aura va o, e al ilou convencido que
de?te memo modo veio elle ao mencionado Sr.
profesor da Escola Normal, digo Mim-nie que an-
tes de qaalquer outra p-sjoa o ler neta provincia,
live-o eu primeiro, e que conven ido de que sua
realisa^ao fera de alguma utilidade me e?tou pre-
parando para leva la a effeito do modo que me
parece mai* conveniente.
fiedle, 21 de agosto de 1871.
Dr. Felippc Nery Collago.
ll-conos iecos espichadosTIbm
Wte8 oojl37,4M kilos de assujar branca
L-^P4WBB0 hespanliol Beluario, para o Rio
^HncMttKaram : Pereira Carneiro & C. 178
r arpicom0,6zi kilos de assacar branco.
ra barca nacional Spreste, para ,o Rio da
Pfit, carregu: Praoeio Rlbeifo Pinto Guiraa
rei 100 barricas com 2i,50S kilos de asauear
masca vado e 300 ditas com 35,1 ?9 .ditos da Uo
branco.
Para os portos do itUarior.
Na barcaca Constancia, para M^ssorc, carra-
Raram : Oliveira Miranda S barricas com 192 ki-
los de assucar ; Praga & Rocha Si barricas com
1,691 k'los de asmear refinado, 10 saccas com
i,3ol ditos de oarofo e 1 pipa com 480 litro de
agurdenle.
No biatenacienal Adelino, para Hacio, car-
rggou : Ricardo Pereira e SaupAnna 1 barrica
com 88 lulos de asnucar branco.
| IJBC^BBDORIA DE~RENDAS INTERNAS
6ERABS S)E PERNAMWQO.
Readfmenlo do di 1 a 19. ^3:1774120
dem do da 31. 4:081*437
. 27:58i557
CONSULADO JPROVJN61AL.
Rendimento do dial a 19. 43:8684771
Mera do dia 21. :230*08i
49:0984833
mz ao meio da,.i#j*dasaudiencias paral Ospre
su reoaiio. I'agas as cwMas pela ^w.lHSffjyp.
-fr
at mas pro
do mi
-Jmh.,
nlwrturdn do fa--|
ia.
(iluda. Por editiiw abriqo-ae'sU T ca. Recif<8de'?Mto(eMlV^Sia-. k*lTiS'SriB7
tt*> do-ftejjph^arret de Lacera. 0*mM;
todos tnatFierpawar t) presente que Ter tat^^^m^fSnSt
publicado pela impraosa e alQsado no lagar n>JMlnlM
do COtlnDe. Be otdem doBhn. Sr. roipjotor -fijo pnqlioo
Racfe .19 de bmUi. de, 1871. J2-5?ff "*'*c> *\ *J *> rn,e x,
ETWnoal iffrlnTiSS. do NjM- ferSrWS,irr&
ment, escrivao osubscrevi.
SebaMo .do Rrgo Barros de Lutria.
O laspector da alfandega faz publico,
qae no dia i do correnie serao leado3 a
[*asta publica, depois de meio dia. porta
da. magma rparc3o, tres vdlaa6 da
marca G G contando setenta kilorammas
de peonas de abaslrus, avalladas em qo-
nbeotos ris o kilogramma, total da ayalta-
cao 355000 ris, os quaei vieram a escu-
na norte-allemai Cwrier, entrada do Rio
da Prata por arrioada forfida, e foram
abandonados aos utraltas rt*r-Henry Fors-
ter & C.
A arrematado be livre de direWos ao ar-
rematante.
Alfa idea da Pdrnambu;o 21 de agosto
de 1871.
Emilio Xwier Sobre ir a 4e Mello.
r> -. -y.-------^-------
APANfiCLA DOFEJTIGO
Depefa as menaas Jaba a^CaroHua caatarao
uan lindo
TANGO HESPANHOL.
Teraroar o e-peetneulo com a rejWesenicSi
da jocosa comeiiia-.fflimica em um" acto, ornada
de msica e daaaaf denominada :
O MUMT-E 0 HIAWASMA.
Personagan
Pancraeio, vetho ,6>0 annos. A menina Ol^mtis
Bduardo, amante de Resinha. Jaita
Reara"!...,............... Carolina
rinoco. criado mado........ o menino Lnir.
O eotbusiasuo que eausoa a primeira repre-
;-?<;Pao '''" cq i? de agosta de "W7I. qae manifestaran, innmera pessoas.de aor-
Q secretarlo,
Alejandre god,rjgues dos Aojo-.
pa, perieneente lo
iagoez Antonio
AlHm. labia
DA M)>RWS(*tNWA DO.IBC4PE.
jupia administrativa Ja Santa Caa do
Bsencordis do fte^Ke raandal fazer publico.aue
Ela ae suas sessfles, no dtrto?4o mez de agosto
3 boras da tarde, tera de ser arremata Jos
>m mais xamagns trfferecer,. pelo temnotie
J8'1 annns, as rendas dospridios em sejui-
BSTARELECIalENTOS DE CAWDADE.
Rna do Imperador,
idar e loia do sobrado n, 24. iUK)01000
, de-Peixe (travsasa da Madre De^s)
L.......4H4U000
Roa do Prdre Flnrianno.
ta terre? n. 63.......2*5*000
{..-18 .|^**-^
lio do Opado sbulo por-
Je* do Reg.
INwt-letra l do crme.
Waescriptorio do referidosgen-te,**!. olbr-
que, de Olinda n. 15 1- auTar, s ffJnS. ,
dia.
OE
iluas malta* oro-
usada
MOVIMEWTO DO PORTO.
IVavio entrado no dia 30.
Aracaty pelo Ass57 dias,hiatenaco-
nal Marta Amelia, de 55 toneladas, capi-
lo Francisco Tbomaz d'Assis, equipagem
5, carga sal e a'godao ; Antonio A. de
Sonza Agoiar.
Montevideo20 dias, brigue nacional Al-
berto, de 238 toneladas, capitao Agosti.
nho N. da Silva Lobo, equipagera 13,
carga sebo e graxa; ordeui. Arnb u
com agua aberta, seu destino era Liver-
pool.
Navio sonido no mesmo dia.
Liverpool pela i'arhybaPatacho anstriaco a? Ps>ndo liquido real om
Diva S, espita > Peranies; em lastro. k"? valor official do kilo 20^
Navios entrados o dia ai. Rn? de "OOS remos va-
0 inspecior da alfandera, faz puoiieo qae
no da'2i do corrnte, depois de meio di'
a poeta da rnesma r.epactico, serio .levados
em basta publica livre de direitos ao arre-
matante, os objectos, abaiso declarados, os
quaes foram apprehendidos pelo ajudante
do goarda-mr no dii 4 do sortenld, des
embarcados dd bordo do bngae ing'ez
Wyclff.
10 Caixiahas contando 25 .kiloa^eso li-
quido real de lingos de cassa estampados
valor offieial do kilo a 45500
7 Du2ias de camizis da'-
godo com paitos eouqhos de
bobo yalor offieial da duzta
a S4j000 ,
2 Palitots de te:ido de
.2121500
mmo
^omoo
ciar os Irabalhos des artistas em miniatura," fo
am incentivas para que se annunciasse este es-
pectculo, ornando, as benelkiadas, com a eoad
juvacao do Ilustrado publico.
O reato de bilheies de camarotes, cadeiras e ge-
rae, annra-se na casa n. 38 ra Bella e no da
tic espectculo no Iheatro.
O divertimenlo principiar s 8 horas ; ha vendo
lepois do mesmo, trem para Apipncos, o qual
tocar em lodos os pontos do cosame.
Ame-peooltimo espectculo em qae to-
maos parte os-distinctos artistas os Srs. Ta-
borda e H. Nanea, e ultimo da
310X000
301X000
211X000
Lindo
1
N. 105.AGUA DE FLOItIDA DE JdURRAY E
LANMAN.De-de os mais remotos dias das des-
cobeilas hespanhulas, o formbso paiz da Florida,
tem sido justamente afama do pe > bil-amico e odo
riphero aroma de suas raras e (brscenles flotes
e verdejactes arbustos. Aqu temos, pois, o fluc-
luante perfume e incens de seos jirdins agreste*
e sus aromticos .e refrigerantes bosquezlnhos,
harmoniosaraeate concenirados e enefrrados den
iro de um diminutivo espac. j hermticamente fe-
ecadoe sellado. E cebe a sua exquisita fragrancia das frescas, ver-
deantes folhas deibres e plantas do trpico. O
seu sublime e delicada perfome, nlo desmerece
ern nada, p'is'o em c mparaco com aquelle da
miii tioa aua da- Cilouia. e infinitamente supe
rior i que se fabrica em Par*; omquaoto que ao
contrario o seu preco apena- 6 a metade do cus-
to de qaalquer um dos ouiros.
CDMMERCIG,
Segaros conlra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
(^ipital........20,000:000X000
Fiado de reserva .... 8,000:000X000
Agentes,
Mills Lathan & C.
IMPERIAL
Companhia de seguros contra
fogo.
tAGE.XTES
s. p. jomsros & C;
itua la seazala-nova n. 4t.
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool 4 Lon-ion & Glob
Insorance Company.
Agentes :
Saunders Brothers & G.
11Corpa Santo11.

TKE ALUANCfi.BRJTISH FOREIGN.
Life and Pire Assurance Company estabelecida
u ISil. Capital SfiOO.OOO
. Os agentas desta companhia tomara segaros
centra fogo sobre predios, gneros e fazendas t
pagan aqu prejaiios devidamente provados.
Rabe Schmettau & C
Corpo Santo n. 15.
iUACA f>3 UCffg 21 DE AGOSTO.
D& S71.
ai 2 1/1 h\s na t4B0I.
CotacSes officiaes.
Algedo da Pacahyba 1' sorte 633 e GiO rs.
por kilo posto a borflo a frete de Uii6 d. e 5 0|0
ra^io sobre Londres 90 d/v 25 d. por U000.
P. J. Pinto,
Pelo presidente.
J. da Crui Macedo.
Pelo sacreirio.
ALFANOEGA
tleaitraenio c da 1 a 19. 519:1194194'
M#m do. da li...... 2*29747
539:il64912
vJl?',*,t* ** lla Venene eawad com blendas 16
eom gneros 451
Yeiumes unidos
com
com
fazendas
-fleoeroa
477
81
9U
i----- 3H
OaiaMiM> boto>9!4e Mzoto.
%tlfim*~\k*ste -larlnna de trigo.
-'T-wina gneros,
fr-iidcm.
-*tohaia.
-Iheriza BsUkr Uiu i
Btmu ingle;a ^Hawte-^aacaiimo.
9atoebo ia|ex-*/i/a-|Wlvof4.
$q tp.difl 19 if,
io-Jeriof.
CWMfod
k.lS4e
~a
Terra-Nova38 dias, escuna ingleza Merit,
dd 148 toneladas, capito W. Caunter,
eqaipagem 8. cara 2,630 barricas com
b caloio ; Jjhostoa Paler A C:
Londres49 dias, patacho iugiez Juvcntaa,
de lu toneladas, capita i R Oreard, e.ju-
pagera 8, carga 400 birris com polv.ira,
e outros gneros; Antonio Jos Dan-
tas.
TriesteOG dias patacho, americano The-
rza Bulter, de 299 toneladas, capitao H.
Blobm e-joipagem 8, carga 52823 barricas
com farinda de trigo ; Johnston Pater
dC.
Rio de Janeiro e portos intermedios6 dias
vapor nac oml Couzciro do Sul, de 1119
toneladas, commaodanld Jo j Amaro Car-
doso, eauipafjem Bd, carga differentes
gneros ; Haory Forster & G.
Sah'dos
Mossor pelo Ass hiate nacional Adelino,
dos Anjos, capiaj Mmoel Francisco Mon-
teiro, carga varios gneros.
Barcelonapatacho bespanhol Presidente,
capitao Rapnael Rios, carga a godo.
dia 21 de agosio
Fntrou arribado com agua aberta o brigue
nacional Alberto, capilo Agostinio Nery
da Silva Lobo, sendo de Moniivido e
com destino a Liverpc, carregado de
sebo e graxa. Tri ,do soffrido m'nito
rao lempo descob io a trioj:aga do dia
1G do correte que o navio faz .i milita
agua almde outras avarias que sofreo,
resolvendo-se o capito arribar a este
pono.
Participa o Sr. capito do patacho ingtez
Juventa procedente de Londres, que no
dia i do correnie fallou com a barca
franceza Menager de Saiyar procedente
de Bordeaux, com destino a S Francis-
co ( na California) com 21 das de via-
gem, Lat. 12, 16 or!, Long 27 0'
West.
Partecipon o Sr. capitao do patacho ame-
ricino Thereza Bulter, procedegte de
Trieste, qae no dia 2i> fallou com a bar-
ca norte -allemao Guilhermina para
Amsterdam, at. 8 10 Lon 34 20*.
N5o p6 le saber da procedencia por que
na occasiio cabio um forte ag> aceiro.
EDITAES.
*
O Dr. Abilio Jos lavares da Silva, offieial da
imperial ordera da Bjsa, e juiz privativo dos
fonos da fazunda desta provincia por S. M. I. a
qaem Dos guarde etc.
Faco saber que em vinude de execncao da fa-
zenda nacional comea Claudio Dubeux, sero ar-
rematados no di-i 24 do correnie, na sala da9 au
Jiencias, pelas II boras da manbia, tele casas pt
nhiradas ao mesmo executado, a saber : urna casa
assubradada o 10, em qae a ora o executado, na
travessa Beugueha em Apipncos, ejsoi casai ter-
reas sitas na rnesma povoico ra Nova, cha-
mada Itoror dens. 2a 12, todas oe tijolo e cal,
com as dimensdas e comportitueatos, c> nnapts du
'naneada de avaliacio, e avahadas a ptiineira em
i:500, e as oatras em l:500i cada ama,
E para qae ebegae ao conheciminio de lodos,
mandei lavrar o praseate, que ser afiliado no
lugar do cosame e publicado pela impreasa.
D*do e passado aaatacidad6 do Recife de Per-
ra de Pern3mlmco aos 11 de azo-to de 1871.
Ea Laiz Fraaclseo^arreo de Almeida, eaerivo
escrevi.
____________~ Abiuo-Joa Tavares da Silva.
O Dr. Sebattiio do Reg Barros d L .cenia,
juiz de direito especial d coratnerc o nes-
ta cidade do Recife de Pcrnambuco poi
S. M. ele.
Faro saber aos que o presente edital
virem e de le uoii ia liverec, que Monteiro,
Gregorio & C, re^aereram a abertura da
fallencia do commrciante Srtveriano Bandei
ra da Mello, lando tambem requerid diiq
commerciaote Severiano Bandeira de Mello.
declaracSo de saa fallencia, a qual foi de-
clarada pela mmba seateui lo t or se-
guale : Avista do requer meu lo de folhas
duas e documentos de fo has tres a seis
a presentadas ponMant-iro, GaM, rio A 3.,
para ser declarada i quebraxloe*amercian
te Severiano, Bandeira de-M-lo, w por
sua vez, 4HMHO consta dtA|Mt'(i0 ?e Mhas
nove, apresaoioa sua daalaraeio, bi dito'
Severiano Biodeira da Mello, por fallido
sendo a tar.i assim aberta a<4e dez,dejulho pro
imo, visto qaa a ene teuapo ji eram ven-
*i 4a4traa-qe io os documentos ci -
dos, nomeio enradnres fiscaes aos mes-
^ credores'Monteiro. Gregorio 4C., ere-
doras oe quaes.preelarSo jar menla. Pro-
ceda-se iinmediaumente a inventario, acto
o qe datgttarai " como .4fp^tario at qan saja pelea cre-
ree aomino ntro, na forma do artige
12 do codtge oMMreiiL para o qoa ea,
o e desuno o dia 2 i do corrate
tur offieial
Alfaode.ga de .Pdnambaco
de 1871.
Emilio Xavier Snbreira de Mello.
21
-66,5566
de agosto
1004000
'103*000
IOT4000
964000
964000
20/0CH)
1464000
O lilm. Sr. iu.-ptctor da.ihssuuran* provi-a
cial.em cumprimento da ordem do Exm. Sr. vjc-n
presidente da provincia.de 17 doTorrente, manda
fazer'pualico qne a mesma thesouraria vende 500
^plices da divida provincial no valor de 1004
cada urna, vencendo os jaros de 8 0,0 ao anno,
pago ?or seroectres na 2a qujpzeoa dos mezes de
jiiiho e Janeiro; e d-.vendo ser resgaladas na
qainzena de-te ultimo mez, observando se a nu
menc/io segu la, e tanas quantas permittirem os
crditos votados .annualmenie, precedendo an-
nuncios.
Os pretendentes compare^ara ni mesma thesou-
raria no praso de 30 das, a contar da data deste.
E para con.-ia>- se mandou publicar o prsenle.
Secretaria da Ibesouram provincial de Pernam-
buco 18 do^goito de 1871.
Servtndo de official-painr, '
O 2 escrip. Landelino de Luna Freir
O inspector da slfandega faz publico.queo.lei
lo annunciado para boj-*, dos objeclos aupreh"n
di Jos a bordo do h/igue Wi'/d Ware ; fica trans-
ferido para o dia*} du correte.
Allandega de Perpambuco, 19 de agosto de 1871
____________EmHio X -vt S threira d Mlln.
. Peruote a eauiaru etinue,
estarao em praga no das 17, 18, 19, 21, 22 e 23
do correu'e, para serem arrematadas por qaem
onior pr{o r.fferecer as rendas mnnielpaes se-
guin.es, os alugueis das casas da pra;a da lude
pendencia, ras de Joo do Reg. Imp-rial. Sol-
dade, das ci>as das ribeiras das fregneziai a Jos e n-Vst, dos tainos dos a^ iiigues da<
mesmas fregoezias, e bem assim do imposto de
affericj de pesos e medidas, e de 120 rs. por ca
da cargt de firinha e oatros legantes. Estas arre-
matares serio teitis por tres annos.
Pago da cmara municipal do Kecife, 16 de agos-
to de 1871.
Bento Jos da Costa,
Pi presidente.
Francisco Beierra Carneiro da Cunba.
Secretario.
UELARACOES.
Pe i subdelegada do i* districto dos Afopa
dos se declara que se acham legalraente deposita
dos qtiatro cavallos, sendo dous caslaohos, um
alaso e um rudado escaro, os qaaes fjrm ap
prehendidos como urtalos : quem pois se juigar
eom direito a e'les se aprsente nene juizo dentro
do praso de 30 dias, a contar da data deste. ins-
truidos de seus documentos, que Ihes sero en-
tregues.
Subdelegada dos Afogados 19 de ago?to de
O subdelegado,
JnaoChriswtvno lnspec($o mariuha
O Illm. Sr. inspector manda fater publico qae
em caraprimeolo as ordeos do Exm. Sr. vice-pre-
sidinte da provincia acbar*se-ba novamente
venda em basta publica, na porta do almixarifa-
do desta reparticao, nos dias 22' 21 o 26 do cor
rente ra z, as 11 boras di maoba, ura cter,
propriedade deste arsenal, em mo estado, forra-
do le obre da quilba liaba d'agaa, cm duas
escutilhas, urna abita chapeada de ierro, duas <*n
cora< pequeas e duas amarras de ierro, tendo
cada urna 60 bracas, avahado lado em 3:0004.
E' esse pavio das dimen>es seguales : Si p<
He coupriaiento na linba d'agaa, 6 ps de p ntal.
16 ps e 10 pol'egadas de bocea demandando 5
pe* e 3 pollcgadas de agua a r e 4 a proa,
lnspeccao do arsenal de rrannha de Pernambu-
;o 21 de agosto de 1871.
O teeretario,
_____________Akxandre Rodrigues dos Aojos
"Acha-sj na saDdelegacia de Muribeca ama
preta afneaua. de nime Francisca, que dix per-
tencer ao Sr. Francisco da anba Hachado, lavra-
dor de canoas no tmgenho Trombetas, e que ugira
de casa ha um mez em compaahia de um pareei-'
ro de nome Joo. o qual trouxe tamoem um mu-
ata, escrava de Uiguul Joaqmm, morador no dito
eogenbo : qaem, pois, for seo legitimo senhor,
comprela ante aqn-He juizo ora r-rpho I
-- O pyriotrj oca dUiu .rius iidf. a ^rttgu u
da 23 do corrate mes, en praga publica, depois
da aadieacie deste juitn, os bens segainles : ama
casa terrea e om terreno sito no logar da Casa
Forte, fregueiia do Pjco da Paoeila, endo a eaw
de.pedra e cal, com porta e jan eaixao, ten lo 22 palmos de frente e 62 de fundo,
avahada, avista do estado em que se acha, em
3004 O terreno perlence a mesma casa, tendo
de frente 141 palmos e de tundo 261, com alga
as fraeteiras, o qual (oi avallado em 4504; dilo<
bens rao pertencentes Jos Francisco Carnetro
o sua mnlher, e vio i oraca por execac5> gue
contra ns raesm s eoeaminha Jeoulno Jos Tava-
res. Eserivio Cunh. ____________ '
OasnUdo de Pertaagal.
Convida-se as aradora 4o fallecido subdito por
uiguez Franeiaeo Jos.da Funseca a apresenUrem
naste conaolado, no praso de orto 4as, ai saas
comas para trem v*riflcadas a pa'.
SANTA CAS i DA Ki^tUtANlUlA U
RECIPE.
Alliraa.juota adninistrava da santa casa d>
misericordia dp Recife tend s> reconstnir pre-
dio que poasoe e patrimonio dos eatanaletimwes
de caridade i roa da Moeda, eom doua ai
spffo, traosfonnande-o em qatro de um u
qpe conten** doos armas* na, ura no pavimento
terreo e ootro no sobrado, ana predios ns. t
da roa do Burgo*, precisa contratar essas
eta aoem.por mano-,ecefo seqnieer
JeaKMoa-ks, naaaado aaran eereveu
materUe* eue foram tirados doaaaUgo! p^ajo,
e jQigados en oom estado.
A Roa do Araorim.
nao de 3 andares n. 26 .
. Roa do Pilar.
Casa lerrea.n. 73.....
L Roa da Gloria,
~n terrea n. 61 2i4000
' Beeco do Abren.
Sobrado de 2 andares n. 1. 4004000
_ Roa da Ponte Velha.
Ua terrea n. 32.......3604000
,. m Ra dis Calcadas.
una terrea n, 36.......,1944000
.Ba da Roda.
Casa terrea n. 3. r .
Ide 8. 5.....(
dem B.-7........" '
! Raa do Bom Flm em o'llnda.
(.asa terrea n. 11.....
dem a II ,........
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
_ Ra deS, GraijMo.
Casa terrea n. 24. .
_ Rus da Gaia.
Casa terrea n. 27......
Idam n. 2-5........1934000
Largq do Pazaizo.
t-oja da frente do sooralm. 29. 1924000
Ra das Laiangeras.
Lasa terrean. 17.......2325000
- Ra de Gervaiio Pires.
n Ro'de S. Jurge (Pilar).
Csa terrea n. 9i. ...... t 210000
dem n. 105 .......15zO00
liemn. 102 .".....O 203400o
O.pretendentes deverao apresentar no acto da
irrematacao as suas angas, ou comparecerem
icompaohados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 21 de agosto de 1871.
O escrivao,
_____________Pedro Rodrigues de Souza.
Administrar* dos crrelo** de
Pernambiico 2 de agosto de
1891.
Mala pelo vapor brasileiro Cruzeiro do Sul da
companhia brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (22) pelo vapor cima mencionado-para os
portos do .norte, ser recebida pela maaeira se-
grale :
Macos do jornaes, impressos de ,qual(|uer natu-
reza e cartas a registrar at 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at 3 huras, e estas at 3 1,2"
pagando porte duplo.
O administrador,
Affenso do Reg Barros
e variado espectculo
Dividido em 4 Darles
com o concurso dos mnito disu'nctos artistas
. 03 SENHOnKS
FRANCISCO T BORDA E liEV.lIOl'E
4Ue obsequiosamente se prestara
-Quinta ierra 24 de agosto.
Programiua.
lt?P Vistas do Brasil e Portugal, entre ellas a passa-
gem de HumaVi, pelos encoaracados brasileiros.
2 PARTE.
O Sr. Hurbain representara pela-primeira vez
nesieheatro a'linda cancooela.
Qui qu' c'est qui pa
msica do maestro
J, Pappe.
Em seguida Mrae. Fuoco dausar o muto ap-
plaudido passo da
Sombra
3* PARTE.
- 0 Sr. Taborda representar a muto applaudida
scena cjn.ica
Ueflecqoes de um dansariuo.
4.' PARTE.
Dar flm ao espectculo a sempre applaadda
somedia em am acto, pelos artistas francezs Sr?.
JUarbain, Hilbleiu e as Sras Zelia e Fuoco
As (luis ben^a;as,
Os hilhetes acham-se no eseriptorio do theatro,
em mo do Sr. Jos R. Correia de Rarros
Procioiar as 8 1/2.
Depois do espectculo haver um irera que
tocar em todos os pontos at Apioucos.
roitpa
O agente Martins fai Mili* per antorisacao do
Illm. Sr. Dr. consol portngnez, de doat _ullas
cootendo pautte, calea, catnixai, ieorM e nus
outros cbjectos perteneeniM ae espolio 4o finado
subdito prtogaez Fraooiso Jo* da Foneeca.
Quiote-fein 24 do eortenle.
Na roa do Mrquez de Olinda a. Ib* 1* andar
s|U boras do da.
duascaixts comroq_at8a*
O agente Martina, far leilo por ordem do Rlm.
Sr. Dr. cnsul portnguez, de doas eaias eom
mapa asada, pertencente ao espolio do finado
subdito prtogaez Albino Jos ds Silva.
Qoioia-foira 21 do corrala.
Na ra do Mrquez de Olinda n 15, !
as 11 horrs do dia.
THEATRO
lOalK
SOCIEDADE EMPREZARU
ZARZIELA BEJPAHOLA
Tendo chegado das provincias do norte onde
atiaba de trabalhar esla compaujna com geral
agrado, e indo de pa?aagem para a Rahia resulven
a mesma dar urna serie de espectculos neste
theatro, abrindo para esse lira urna asignatura de
vinte recita* divididas em 1' e I' serie.
A eompanliia acha-se bem organizada e prompta
para dar todo e qaaquer espectculo, devido ao'
grande pessoal de que dis(e e ao bem ensaiado:
das pf ns de sea immenso repertorio, as qaaes;
teeni sido imraensamenle applaudidas em todos os!
th'atros de Hespaoha e Portugal.
A orebestra composta dos melbores professo-
res existentes ne-ta cidade, taes como o Sr. Juli >
Poppe, Libanio Colas, etc., sob a regencia do dis-
tiocto maestro portnguez o Sr. Jos Gomes de Ma-
cado.
Enlenco da companhia
Representante da companhia o Sr. D. Jos Mon-
sal vfz Silva.
Director de scenaSr. D. Andr Ortz.
Primeira dama typlea Sra. D. Mara de las Do-
lores Medina de Monsalvez.
Segunda dita-a Sra 0. Christioa Aguilar Tor-
res.
Priraeiro tenoj serioD. Jos Monsalez Silva.
Primiro bartono D. Andr Ortz.
Tenor cmicoMiguel Das.
Priraeiro bassoJos Mana Evangelista.
Director de orchestra e maealro ensaiadorJo?*
Gomes de Macedo.
Apontador de msica, declamado e encarregado
do guarda-roupa -
Ramn Torres
Gorpo de coros
Damas typles
D. Mara Amado, D. Antonia Torres, D. Marga-
rida Reis, D Leopoldina Evangelista e D. Mara
Pbllomena Augusta
Tenores
D. Recite Conde e D. Ventura Calvo.
Rassos '
D. Joio Noj e D. Chnstoval Medina.
KETaTOBIO DA COMPANHIA.
Jugar com fuego, Morete, Mario*, Relmpago^
Postilln de la Ruja, Sargento Frederico, Catalina,
Carnpanone, El ti que de aimma, Pd tesoro escon-,
didu, Diamantes de la Corona, El d'-cnin Azar,
Canylias, Entre um moier e el negro, Telemaco,
Sarao e soi'. Amor e almuerzo, VWconde, Cabal-
lero Parttcular, Franccifredo, El Diablo ea el.po-
der. Juramento, e" outras muitas que tria enfa-
dooho ennumerar.
AVISOS MARTIMOS
COMIM^IIft
DE
Navegapao Brasileira
Dos portos do sol esperado
at o dia 22 do correte, um dos
vapores da companhia, o qual de-
pois da demora do costume se-
guir para os per tos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conauzir, a qual devora
ser embarcada no ala de suachegada. Encommen-
das e dinheiro a frete at as 2 horas da tarde
do dia da sa> sabida.
Nao se recebem como eacoramendas senao oi-
j ictos de pequeo valor e que nao excedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medica
Tudo ijueyassaJT aesiea Uuilu ilea wr _.!.*
cado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que suas
passagens s se recebem na agencia, ra do Com-
mercio n 8.
i'
Seguir para o indicado porto o biale Sobralen-
se% capito Costa, anda recebe alguma carga a
frete : a tratar com S Leilo Irmaos roa da
Madre de Dos n. 1.
Bahia
Para o referido porto sgue em poneos dias com
a carga que tiver o hiate Bomfim, que recebe a
frete com modo a tratar com o sea consignatario
Joaquim Jos Goncalves Reltro : a raa do Com
mercio u. 5.
t io .Grande do Sul
Era poueos das vai seguir para aquelle porto a
brigae nacional Arroio Malo, navio de primeiro
classe. Para ura resto de carg tratase eom Jos
Victorino de Rezende & C, escriptorio ra do
Mrquez de Olinda n. 51
PORTO-
Para o indicado porto pretende seguir com pou-
ca demora a veleira e bem conhecida barca por
tugueza Social^ por ter parte de sea carregamento
engajado, e para o resto qne Ihe falta, qae recebe
a frete commodo, trala-se com o consignatario
Joaquim los Goncahos Beltro ra do C.mmer-
cio n. 5.
LEILOES.
LEILO
DE
As recitas de assignaturi terao lugar uas ten
e qnjBtas-feiras, e as eitraordmarias nos
e domingos.
As pessoas que qizerem assigoar cunaraU-a el
cadeiras para as duas series podem dirigir-se aa
escriptorio do theatre-.
Presos flo coatume.
Camarejea 4e frente a
Diloa:fle]do 1 .
Cadeiras 3#60O
CM1I USO,
SrEGfDA nfiPRSSEHTAiJiO
IftifcA
fBfXbkwtr'
*al_tuoa e mnit. tpnlau'dida comedia em
imaanta de uKmei e|nsa, KUtaMa "
rtiulo e TirgSti.
ft>, Julia-r
menino Ltuz.
-SegaeseiaeU nwulaay#'aemmeaiaoLula,
o eogracado daet
Um importante sitio na Passagem da Mag-
dalena, o. 34, margem do rio Gap ba-
ribe, euro soHdo caes, morado dos la-
dos, gradeamento e portas de fer o no
fundo, divenas frocteiras, 2 cacimbas
servidas por bomba--, tanques para ba-
sto, eocauamento d'agua do Bdberibe,
3 quart js para criados, coxeira e gali
nheiro, grande casa de vivrada com 2
salas, 6 quirtos, cozinba, um quarto io-
tarao, torrar;) na frente eatraz, gradea-
mento de ferro e om lindo jardim.
HOJE
O agene Martins far leilo i requer ment do
fnveXariante dos bens que Acarara por Mleci-
meato-da Joaquim de Ameida Pinte, e pr manda
dajdfliWm. Sr. Dr. Juiz de orphaos do sitio e casa
cima.
ter lagar no e-crptorio do dito agente
"* rqaez de Olinda n. 15 1* andar is 11
a.
Doos bonitos borros.
Qiuta-teira 24 do correnie.
O agente Pestaa far leilo por coota e risco
de qaem pertencor, de 2 burros amito bans, 1 de
carro e outro de carregar, os qaaes sero vendi-
dos pelo maior preeo, no dia cima 2* d eerenta,
na ra do Vigario n. 7, armazem, s 11 horas da
manha?.
DE
Vlobilia, de orna famila que se retira para
fra da provincia.
Quinla-fiira _4 do correnie
As 11 horas do dia.
O agente Pestaa, compitentemn e antorisado,
far leilo por coota e risco de quem perlencer
de diversos objectos de mohilia como sejara ; 1
mobilia de Jacaranda, cjm 18 cadeiras de gaarni-
co, 4 ditas de bracos, 2 consolos, 1 mesa eom po-
ltra, 1 soff, 1 dita com 12 cadeiras, 2 ditas da
bracos, 2 consolos e 1 rnesa de meio de sala, la-
do com pedras, 1 soffa, apparadore*. guarda loa-
a, guarda-ves'idos, caiairas toucalores, cadeiras
acamas, mirquezi. tapete?, candelabros, ouro,
prata e brilhdotes, e muilos outros objectos qae
seria fastidioso innumera-los e que se acharo pa-
tentes aoexami do i crin oradores, no dia cima
qniota-feira 24 do correte as 11 h:ras'da ma-
nhaa, no armizem n. 7 da ra do Vigario.
(nide
JOIASD EVaLOR
Julio Isac, estabelecopco m ca~a de emprestlmo
sobre penhores, far leilo no dia 24 de agosto pr-
ximo, por intervencao do agente M iriins, dos ob-
jeclos constantes das eau'elhs n. 20 76, 96,124,
131, 157, 180, 199. 202, 224. 230. 37, 232, 242,
2-14, 260.281. 340, 350, 406 411. 3-14. 415, 424,
368. 435,347,449, 455.459 460. 464.481, 487,504,
513. 529. 536.537, 539. 542 546.838 \, 560, 571,
78. vO K04 fiftfi em. 13. 621. 643. 644. 049
651, 757, 664. 698, 713. 715. ?36 Wi W, Tik
740, 743, 747. 752, 753, 757, 761, 766. 767. 77.
728, 781. 785. 796. 801, 809. 817 7U 8u, (w.
828. 829, .832, 839, 861 868, 871, 877. 879,
880 881, 883. 887, 901, 995. 909, 910,919, 923,
931 939. 946,949.9,35, 964,967, 974 986 991,
1019, 1032, l"5f, 1064. 1067, 1084, 1100, 1103.
1104, 1111, 1141, 1148, 1152 206 A..222 A, 227
A 232A. 235 A. 241 A, 249 A, 237 A, 268 A,
271 A. 273 A. 278 A, 279 A. 283 A, 285 A, 291
A, 293 A. 304 A, 303 A. 306 A, 309 A," 315 A,
316 A. 326 A, 327 A. 329 A. 330 A, 331 A, 332
A, 335 A. 340 A, 360 A, 363 A, 366 A. 377 A.
382 A. 411 A. 417 A, 448 A. 8 A, 37 A, 55 A. 100
A, 115 A. 1 R. 3 B. 4 B, 9 B, 10 B, 11 B, 12 B,
14 B, 15 R, 16 B. 17 B, 19 B, 20 B 21 B, 24 B,
25 B, 26 B 36 B 37 B, 38 B, 39 B. 51 B. 52 B,
53 B 54 B, 56 B, 58 B. 59 B, 61 B 63 B.65 B, 67
71 B. 73 B, 74 B. 75 B, 81 B. 88 B 90 B. 92 B, 96
B, 100 B, 101 B 104 B, 106 B, H3B, 13 B, 114
B, 123 B 123 B. 127 B, 128 B, 132 B 133 B, 134
B, 133 B, 131 B, 137 B, 138 B, 139 B' 140 B, 147
B, 148 B 149 B, 150 B, 45? B. 153 B 134 B. 155
B. 156 B. 158 160 B, 161 B. 166 B. 167 B, 168 B,
169 B, 171 B, 177 B, 178 B. 179 B, 182 B, 188 B,
190 B, 193 B, I94.B, 193 B. 23o B, 2::3B, que so
acham vencidas a mais de 3 mezes sem pagaren!
os respectivos joros.

I
Movis, lou^a, vi iros e vi-
ixho
Por intervencao da agente Pinto.
Seata-feira 25 do correntt.
No sobrado da rna do Bro da Victoria n. 65.
1MSTTT0 ARCHEOLOGC01 80fi8APBI-
GO PERMITO
Haver sessao or_i_aria qniota-feira, 24
d<\ correnie, agesto pelas 11 oras da ma-
nbia.
Wmm,&^e lllterat. I _w__<_T5w. *_.
fc-a 24 do crvente ^
:^jSS!t^&tiS^ SeW.ri do iMtttuto. 21 de agosio de
___________ lOll.
J. Soatei etAzevedo
__________________Secretario perpatoo.
A aga-se a casa da oreja ao Cjade __Rp a-
ti: a tratar oom Jos* Bearioaa da 3fl*aWau-
rl*snaSo*edade, sitio n. 29, ade moreno Sr.
Or. Villas-Boas, at as 11 da raanhia, e epois
desta hora idas t da tarde na ra dan Gratas*.
38, l' indar.
fit&acaix* oom roupa.
iO tenle Mariins, tari leHs par ordem lo Illm.
Sr. Dr. cnsul portoguex, de ama calxi com roa-
LEILO
No da 26 da a,o-to corrate das 10 b>rr. do
dia era diaote, teri lagar na porta da albndfga
rnr conta e risco de qutoi pertencer o leilo de
2915 praoeh'S, 224 meios ditos, 186 taboas, 418
qaadrados. 393 liras meias taboas e 3125 ripas,
indo de exc-lente -nadeira de pinho de resina,
regalando de 14 a 32 ps ingln- de comprimea-
lo e de mei at quatro ptllega las de grossura,
pertencentes ao carregamento e salvados do bri-
gae ngl i Atkmnar, de 254 toneladiajde registro
capito Tti. B. Th) nas, procedente a:Pensacols
com desuno a Montevideo e naufragada na costa
de Maracan em 1 de julho pr> ximoHod-t.
Em seguida ao leilo cima referido,-a_B)bem se
vender em praga, por cuuta e risco de ijhem per-
tencer, nos armn; dos Sis. J. U Grata: C, 47
p*eas com cerca de 10:000 libras de peso em perfeto
estado e proprios para o laboratorio nanlieo os
qaaes se achm ex posto.-; vista nos ditos arma-
ten.
Natal (Rio Grande doNorle) 9 de agosto de
1871.
VISOS DIVERSOS
!



Diaria <_ ^rwmbuo TV-r<;a feira *iit Agofclo de 1811
Obsequio
Pede-se aoa abaixo declarados tereu a batea-
de de vir aa raa Direiu n. SS, a negocio de eos
lote Francisco de Maltos
TBomai Dias de Souto
__*_ da Caoba Figneiredo.
Joio Jos da Costa Sanios.
Jof Caetano T. de Souza
Antonio Rodrigue Martins Ferreira
Antonio Martina de Sorna Campos
Francisco de Salles G. Canha
Caeuno Jos Cohibo
Jos Irtao da Silva Santos
Mignel Esteves Aires
Jos Teixeira Leite
Antonio Jos de Oliveira Braga
Jet Ribeiro Guimarie
Francisco Vaz Pereira
Jos Gonealves Ferreira Rosa
Antonio Jp; Dias da Silva
Agostinbo Francisco Gomes
Joao Baptlsta da Silva
Jos Faquinet
Aaastacio Jos da Costa
DotiiM s Jos Pereira da Costa
JintioeTPaiva -
Pergamino de Aquino Fonceca.
Camilo Pinto de Lemos
Loorenco Luit das Neves
Jos Bernardo de Souza
Viuva-de llanoel Joaquim Pereira
-TlniepeMa n. Mae* *-
nheiro sobr BMdhM do ouro, prau e podras
preciosas, vfa pi for a qoantia; e na Hm
easa se erman Sbode objectotde ouro a prata ;>
tov&lmen ae ha'toda e qultraer obra i *
aoBmendav ledo -e qnalqoer concert tendente a
raesma arle. __^_________
casas
Aloga-se o primeiro, segando andares .sobre'
sotio da casa n. 6, cita a ruado Livrameuto : i
tratar ni loja do mesmo predio* ___________
Comedorias
NIOFINA
Botica popular
roa d* Imperatrii n. 77, precisa-w cootrattr a
effleiai de pharmacia.________________________
Preeisa-se de orna ama iivre om eaerava,
pare e -servico de eozinha ; tratar a roa da
Madre de Dos n. 5, 2* andar.
WHHih ______ __-_l
Medico
O Dr. Villas Boas mudou-se a praca
S o Conde d'Ea n. 2, para a roa do Hos-
Bhpicio n 35.
miiiiiiiii
Na renriacio ds ra Imperial i. 199 preci-
sa-se de om trabalhidor forro ou eseravo para
todo o servico.____'__________________
ata MOaelta da RaaarU aa. **,'
Na caea um tornees oaaedoriaa atan fra!
com asaeto e promptidio, aiiniana ae a -rnaiTu
doa seoboiea acadmicos qne qoicereaa ir cedo
para at-sua aulas, visto ue se dar aJhnoco dea-
de 7 hora em ponto al a 9, ou at a hora pelee
mesmos marcada, e Janttr a qualquer fcora, man-
dando-ae levar em a oaaa
Jos Antonio Pereira
tem para vender na na fabrica da vtetona a l (antiga roa Kan) omos maito
bons das segninte qualidades, seado do Maraaho,
Para, aranbons, aependy, Daniel, Minas Geraes,
e cigarros do mesmos furoos. baratos dos mais
acreditados fabricante da Babia, Cardoso, Joaquira
Jote dos Reis,Simas, Costa* de oairos fabricantes
_^w^w**i
Roga-se aa Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, t
erivio na cidade de Nauretb desta provincia.
favor de vir a ra do Imperador a 48 a concluir
aqawe negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fias
de deaembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, oassou a tevereiro e abril, e nada cumprio,
por este motivo de novo chamado para dito
flm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
4 de mais de oito anuo, e quando o senbor sao
flho se acbava no es nesta cidade______________
Precisa-se de urna oo duas pessoas escravas
a IIvree para vender em taboleiros : a trauma
ra da Companhia Pernarobacana n. 10 A, ou
m Santo Amaro em seguimento a fundicao na
penltima casa._______________________________
ATTJBMCAO.
Perdeu-se nu oia 16 do correte orna ar-
golla com algomas chaves pequeas, qoem
acbar pode entrega-las no escripiorio do
bario do Livrament no Caes do Apollo'que
era generosameL te recompensado._________
Para casa de pequea fa-
milia precisa-se de urna ama
Iivre oo eserava. que saiba
cozinbar e engommar : na ra do Vigario b. 16,
4* andar.____________________________________
Aitencdo.
Alagase os ti es andares do sobrado da ra
larga do Rosario o.
tratar na mesma.
10 por cima da bojea : a
Joaquim Jos Oonpal-
ves Beltrao
Raa do Trapiche o, 5, 1* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco di
tinto, em Braga, e sobre os segojntes lagares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Fsmelicao.
Lamego.
Lanos.
Covilhia.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcenos.

SUPEBIRES CIGARROS
DO
Rio de yaneiro
Domigos Alves Malbeus, nico gente nesta
provincia da fabrica imperial de cigarros de S.
Jcao de Nitheruhy, eslabelecida no Rio de Janeiro,
tem sempre um completo sortiraento de todos os
cigarros, fumos picados e em latas. Tem igual-
mente os afamados cigarro Cunde d'Eu, leiloa
com magnifico papel de palha de milho e fumo su-
perior. P. ra governo de seus fregoezes, previne
que todo e qualquer cigarros que se vender em
iiitr casa, com a Arma dos Srs. Souza Novaes &
C, sao falaucados.
Ura muco com alguraa praiica de cartorlo se
offerece para caixeiro de cobrancas : quem pre-
cisar deixe carta com as iniciaos N. A. na ra do
Qaeimado n. 20, I ji de fazenda do Sr. Mendonca.
Ama ae lene
Precisa-se de urna ama que tenba bom leite e
seja sadia : na ra do Viseonde de Pelotas n. 37
(Arago)._________________
Quem precisar de um copeiro para casa de
familia, dando tiador a sua conducta, dirija-se
ra Direita n. 71 A. loja de sapMos;__________
*n____E_____________________
Oakipo
Precisa-se de um caixeiro pertugatz para ta-
%erna, que tenba pratiea, _e 16 a 18 annoa, a que
d fiador de sua con duela: no pateo da Ribelra
numero 13.___________". _______
Precisa-se de um criado aae seja perfeito
copeiro : na ra da Aorora n. 40 -____________
AHuga se
ama boa casa reedificada de novo defroaie da
igreja de S. Pairee junto a casa 'do Illm. Sr. te-
oente-coronel Paseos, em Olinda : quem pretender
dirija-se raa da Moeda o. 39, armaran), das 9
horas da roiohia ae 4 da tarde.
Precisa-se de urna ama ou um meiino, pare
casa de nma pessoa, sendo a ama para comprar-
counbar e engommar, e o menino para comprar :
na ra estreita do Rosario n. 22, segundo andar,
AMA
Precisa-se de ama ama: na roa
da Cadeia n. 21, loja de miodezas.
AMA
o. 2, B.
Precisa se de ama ama forra para
engomar e comprar ; roa do Cabog
FRDICO
DO
BOWMAN
Vapores pequeos pa de-
caroejar algodao
i Odilon Duarte $
0 CABELLEIREIRO M
0t Ra da I_-peratrlz n. 89 &
tmk Neste estabelecimeoto encontraro as ~0L
? senhoras ludo qne diz respeito a enfeitea c
9 de cabellos, como sejam coques, trancas, W
crescentes, c chpaiue, etc., etc., e urna Ma
grande quamidade de tranca de cabello *
vegetal, que vende se pelo baratissimo 9
prero de 3J500 ca^a tranca, M
No mesom estabelecimeoto encontrarlo 2
jQI dous offlciaes peritos professores n'arte jR
de pontear senhoras, os quaes sempre M
k estao promptos para qualquer chamado, q
fj quer dentro da cidade ou seus arrabaldes, 9t
peoteados todos modernos e escolhidos dos jfL
ltimos ligurinos.
AOS 5:000^000
Estao i venda os felizes bilbetes da lotera ds
iahia, na casa feliz do arco da Conceico, loja d
lurives no Reeife.
Attencao
Pede-seaos abaixo declarados terem a bonbade
de vir ni ra de Pedro Alfonso n. 44 (oatr'cra da
Praia) a negocio de seus interesses.
Antonio Lios de Albuquerqae.
Bernardo Cardoso Moreira & C.
Bastos & Amorim.
Therencio Albano Ferreira.
Francisco Marques Lemos Ribeiro.
Manuel M*reira de Lemos Jnior.
Joao Ferreira Carvalho.
juao Ju.-e ounies aos santo?.
Jos Nuop de Paula.
Joao da Silva Coimbra.
Franciseo Florencio da Silva Grillo. ,
Antonio Lopes chaves.
Antonio de Mello Rodrigues Looreiro.
Jos Antonio de Gosmo.
Joaquim Antonio de Souza.
Manoel Antonio de Souza Ribeiro.
Alberto Jacintho de Souza.
Jo de Souza Nunes Pinto Amorim.
Narciso Jus Franci-co Paranbo*.
Augusto Jos dos Santos Miranda.
Henriqne Manoel da Silv<.
Jim; Mara Gomes Ribeiro.
Joao Antonio de Matlos Abreu.
Joao Fernandos de Oliveira Gamito.
Antonio de Souza Jnior.
Antonio Sares Meirelles.
Candido Fujo de Mello.
Joao Valentim Das Villela.
Jos Gabriel G>>mes.
19.--------Roa da Puwa.---------l_
Anua Senhorinba Monteiro Petsa.
Materu de ensino.Todaa as que com-
preheadem a instruccao primaria.To-
os trabalhos de agulha, inclusive bordaflo
de onre.Flores etc.
Ensmase msica com previa ajaste.
Tambem reeebem-se alumnas internas. W.
m o00*>#* 00*
Precisa-se alagar ora eserava pfta' o ser
vico de urna casa de familia : na ra da Concei-
co da Boa-Visia n. 3.
de idade de 16 a
no pateo da Ri-
Precisarse de um caixeiro
18 anno, qne saja portuguez :
belra n. 83.__________________________________
Offerece-se nma amt de leite (branca) : na
roa das Tnncheiras n. 38. __________________
Precisa-se de ama ama para casa de
pouca familia e que coziohe com perfei-
a tratar a ra da Penba n. 8.
AMA
c.ao
roa
Precisa-ie de ama ama para casa de
familia de duas pessas: a tratar oa
DireMa s. 3, primeiro andar.
cHAminiifl mim
Neste eslabelecimento, que se modoo da roa do Cabog n. 12 para a na Nova o.
31, tem om hado e variado sortimento de chapeos de merino e palha para lotos peta-
dos, esmeradamente eofeitados. Ha tambem ehapelinas proprias psra Sras. viotat:
As Exmas. Sras. que rtSo estiverem de loto, temos igualmente a honra de coovidai-aaa
visitar nosso estabelecimeoto, aonde encontraro om dSo vulgar sortiaento de chapeos
de velludo, de palha, de belbotina etc., etc.; assim como liadas ehapelinas, lado pelos
ltimos modelos de Paris.
Precisa-se de nu ama ii-
vre oui eserava que saiba
_ cozinhar com perfeieao i na
fabrica a vapor de cigarro, roa larga do Rosario
numero 21.
^iv
ATTENCAO
Precisase de nma ama de
ziohe, compre e faca o mais
casa de ama familia composta
nesta typographia se dir.
meia Idade que ce-
servico interno de
de duas pessoas :
CASA. DA FORTHA
RA 1 DE MARCO GUTLVORA DO
CRESPO N 23.
los 20:000^000.
0 abaixo asrgnado tem sempre exposto ven-
la os felizes bilbetes do Rio de Janeiro, pagande
oromptamente, como costuma, qualquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24*000
Meio 12.009.
Qaarto 6*000-
Manoel Martins Fiuza.
_ m_p
Os senbores abaixo mencionados sao rogado
vir raa do Apollo n. 4, a negocio de interesse
reciproco.
Luz de Oliveira Lima Jnior.
Silvestre Pantaleo.
Francisco de S Barreto.
Francisco de Aisis Mello.
Paulino Rigneira.
Julio Cesar Cavalcante de Albaquerque.
Dr. Joao Guimaraes.
Capitio Jos Avelino da Silva Jaques.
Joaqjim Pacifico de Arroda Cmara.__________.
Na raa de S. Francisco o. 72, precisa-se de
ama criada que emenda de costara, arromacao e
asseio de casa de familia.
Ji nao ama cousa que se precise experimeo
tar 111 e sim inteiramente conhecido o bom e
grande sortimento qne existe oa Nov Espranos
a roa Duque de Caxias n. 63, (amiga ra do Quei-
mado) assim pois, sendo qnasi impessivel discre-
ver-se o grande numero de objoctos expostos veo
da em dito estabelecimeoto; ella contenta-se em
mencionar algons dos objectos mais reos, e m
teiramente novidade... e aproveiu o eosejo para
i'nnvidtr a tndn syralmojitn a <(m partisuUt aOj
bello sexo, para visitarea)-a 0m de apre uem o
gosto e perfeieao de reos objeclos a par d'um pre-
go rasoavel, pois ella se contenta com poucollucro,
tendo sempre em vistas a vender barato, para ven-
der muito, e desta forma ebegar ao um que todos
almejam ; que o lacro para suavisar as fadigas
da vida....
Precisase de ama ama que tenba bom ieite,
preferindo se branca ou parda, que nao tea ha H-
Iho : a tratar na ra Nova n. 22 e roa da Aurora
n. 24.

Flippe l^ereira Nabuco do Araujo tendo de man-
dar celebrar orna missa, terca-feira (22) as 7 ho-
ras da manhaa na matriz da Boa-Vita, por sea
tio e padrioho Rodrigo Antonio Pereira de Araujo,
''onvlda _' ppa f(.|ipga< nalririna p amign*.
W l
AJgnsto Jtesar de tevedo Guedes, e irmos
Luz Gaedes de Azevedo e D. Emilia Augusta de
Azevodo Gaedes agradeeem cordialmente a todas
as persoas de sua amizade que se dignaran) assis-
tir aofaneral de sua prezada mai D. Mara oa-
dan) para ataleiirem a miesa do stimo dia. qne
se ba de celebrar Da igreja Madre de Dos no dia
2i do correarte, polas 7 horas da manhaa
Companhia Allian^a
DE
seguros martimos estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
Toma seguro de mercadonas e dinoeiro a riset
martimo em navios de vella e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agenci roa do Com-
mercio n S, escripiorio de Joaquim Jos Gon
jalves Beltrao.
SITIO
Precisa-se alugar oo arrendar um sitio e casa
para pouca familia, prefarindo-se uos segaintes
arrabaldes; Afflctos, Rosarinho, Espinbeiro, En-
canamento e em qualqner lugar destas immedia-
coes que nao exceda a ama legua de distancia da
cidade : quem o tiver dirija-se ao pateo de S. Pe
dr i u. 11, que achara com quem tratar.
roa do Vigario n. 16.
Precisa se de nma ama pa
ra o servico interno de urna
casa de familia : tratar na

Na travessa da raa
das Crazes n, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qiai for a qaan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
Hypotheca
Prerisa-se da-quanliade 4:0004 a juro mdico
para edi&eaeSo le om predio em nm dos melbo-
res arrabaldes desta cidade, hypothecaddo-ae o ter-
reno e o predio que se flzer como garanta de
dita quaolia : quem qoizer deixe carta a N. S. C.
nesta ivpographia. ____________________
Aluga-se o soto do sobrado da ra do Ran-
gel, preferindo-se ama pequea familia, pois se
alaga mais barato : a tratar na roa da Praia nu-
mero 34.
QARTOS PARA ESCRIPTOKIO DE
ADVOCACIA.
Aluga-se dous magnficos qaarto maito pro-
prios para advogado-, na raa do Imperador n. 34 :
a tratar na loja da mesma casa i ra Primeiro de
Marco n. 8, esquina.__________________________
Precisa-se de' ama ama para tra-
tar de ama s pessoa : na raa de
S. Francisco n. 48.____________________________
Offerece-se uro homem para caixeiro de en-
genbo, qne tem bastante pratiea deste servico :
quem o pretender, dirija-se travessa da Con-
gregaco, loja da encaderoacio n. 3.
AMA
OFF1CIAL DE BAllBEIKO.
Precisa-sede doa fflciaes de barbeiro
Primeiro de Marco (amiga do Crespo) o.
andar.
na ra
7 A, !
servico
Na ra du Pires sobrado
n. 28, precisa-se de a na ama
Ique engomme bem e faca mais
forra ou eserava.
\^V:
Sociedade Liberal Unio te-
neficente.
Por ordem superior sao convidados os senhores
socios que, comprehendidos no artigo 38 dos esta-
tutos, que nao coraparecerem quarta-feira 23 do
corrente, as 6 huras da tarde, em nossa sede so-
cial, afim de em reaoio de assembla geral ex-
traordinaria res-ilver-se sobre materias em que
versa o artigo 20 dos estatutos e oatro, coja ver-
sao se nao for desaggravada pelos iniciados, se-
gundo as rei-oiucoes ja adoptadas a bem da esta-
bilidadefsocial, serio publicadas as peoas em qae
forem julgados seus autores. O mesmo poder so
perior espera em attencao restricta ao preceito
social, que esta reanio seja a mais repleta pos-
sivel, aflm de assignar-se a mensagem qae tem de
ser eocamintmda ao poder legislativo em adheso
ao projecte que actualmente se discate, do ele
meato servil, para qae antes de toda decretacao
de reforma ao assumpto, seja preferida a da ma
numissio do ventre, aasim aceito pelo nosso de'e-
gado representante, enviado ao congresso das
corporales soeiaes desta capital, que leve logar
no dia 18 do raez prximo passado na 'ra do Ira-
porador n. 43 a convite de nma associacao emi-
nente, coja redaccio all adoptada ha de correr
impresco nos joroes pblicos, e que todo hornera,
em cojo cora cao palpitar os anhelos da buraani
dado e grandeza de sua patria, nao deixar de
concorrer para este dever sacro-santo; eumprindo
assim esperamos toda concurrencia,alem de outros
que tendem correlativos.
Secretaria da sociedade Liberal Uniao Benefi-
cente em 19 de agoto de 1871.
------- O !* secretario,
Theophilo Pedro o Rosario.
CASA OA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
K roa Primeiro de Marco (outr'ora roa di
Crespo) o. _S e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seas fe
lizes bilbetes um quarto o. 2391 com 800/000,
um qaarto n. 1067 com 100/000, outras sones
de 40/ e 20/ da lotera qae se acaboa de extra-
hir (204'), convida aos possuiiores a virem re-
ceber na conformidade do costume sem descoste
algum.
Acham-se venda os bilbetes garantidos da
10.' parte das loteras, a beneficio da nova igreja
de Nossa Senhora da Penba (203*), que se exlranj-
terca-feira 29 do corrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6/000
Meio bilhete 3/000
Quarto 1/300
Sm porcao de 100/000 para cima.
Bilheto inteiro S/500
Mio bilhete 2/750
Quarto 1/375
Manoel Martin Ruta.
FURTO.

Diario e razSo
Na'raa da-Cadeia do Recite n. 32, vndese por
e modo prco, om excellcnle jigo de livros in-
gtadi
I
A tintara anti-aerofula de vismia bastantemente
preconizada pelo sea factor tem sido e om dos
mais enrgicos medicamentos oos acommeltemeo-
ius escrofniosos, sendo usada conforme a direcelo
escripta que eavolye o frasco, existindo i venda
na hiitica e drogara qae fui do finado Paranbos
ra Direita o. 88, nnico deposito nesta provincia ;
onde tambem se acba venda o maito acreditado
remedio para babedice por viio em consecuencia
de excessivo nao de bebidas espirituosas, o xarope
to veame, e u prodigiosas plalas reguladoras
brasileiras recommvodadas por tua efflcacia no
d_tapparecimento do menstruo, irregularidades
na inen-truacao e flores brancas.
Bazar Universal
Pira este e<(abeleciment ebego. ltima-
mente um rquissimo e variado sortuneoto
de perfomariae, que muito'agradar, a todas
as .pessoas amante.-; dos deliciosos perfumes.
Bem como outros moitos artigos que seria
infadonho enumerar.
Cadeiras de vime de todas as qua'idades,
Iraniparentes de madeira e de panno para
janellae.
MachinaProgressopara costara. Esta
machina qoe acaba de completar oro grao-
d sortimento de outras militas de dEferen-
tes aoctoras, ten: a propriedade de fazer
costaras de todas as qualidades, e igual-
mente casoar.
roa do Carao da Victoria (ootr'ora
Nova) d. 22, estabelecimento de Gsrneiro
Vianna.
Um
Attencao
rapz brasileiro qae tem boa letra e aae
sabe algumas operacoes de conu*. e que tem al
fuma pratiea de taberna, se offerece para caixeiro
de algnma cata de negoeio, dando tiador a sua
conducta : nesta lypograpBla ue dir.
Algase o '." andar do sobrad da
j* Angosta d. 07: 3 fhifr no 3." 'do
AO PUBLICO
Tendo mudado a minha resiAepcia para. Apipa-
eos tenho a honra de indicar as catas dos Sr.
J. Rbigas successor de J. Vignes, raa do Imperador
11. 35, ou a do Sr. Vctor Prale, roa do Duque
de Caxias a 6, como aquellas que graciosamente
e prestara a iraosmitiir-me qualquer recado es-
eripto ou verbal.
Gustavo Wertheimer.
Furtaram hontem 15 do corrate do 2* andar
da roa do Imperador n. 73 urna volta de oore com
ama cruz de esmeraldas, 1 anoel com ama esme-
ralda, 1 dito com om rubim redondo, 1 dito com
o nome amizaie, em esmalte preto escrlpto em
roda, o qaal se abre em duas partes, l dito eom
ama chapa em forma oval leudo no centro ama
perola e pequeos diamante?, 1 broche liso do
feitio de ama folha de pirreira eom ramo, 6 bo-
toes para collete. de metal dourado, tendo no cen
tro ama pedra redonda cor de rubim, e 1 calx
de vldro que prateado p:r fra e dourado por
dentro, no qaal estavam os objeclos furtado?. Da-
se 100/ de gratiflcaijao a quem deicobrir o furto.
GABINETE PUHTUGUEZ DE LE1TURA
Conulko deliberativo.
De ordem do Illm. Sr presidente convido os Sr.
conselbeiros para seaeao de pose4qae ter lagar
quarta feira 23 do vigente pelas 6 1/fbora da ur-
de; convidando igualmente o novo conselbe deli-
berativo a vir recebar das mips do sen antecessor
p honroso mandato d'assembla gera1.
Secretaria do Gabinete Poringoez de Leltora em
Pernambuoj, 20 de agosto de 1871.
Borgft Costa.
i.' secretario.
Vende-e o itto Olho de
Vidr<>.
Em Ponte de Ucha.
E'U; sitio tem um sobrado do um andar e an-
dar terreo, contm 4 sallas, 9 quartos, 2 coziHhas
com bons fcgSej e forno de ferro, este sobrado
circulado de jaoellas. Tem era separado grande
coche ira para cavaos, casa para feitor e escra-
vos e bem assim casa para fazer farioba com seos
misteres para tal flm. E>ta easa tem na frente
bons canifiriis para fljres, com oortao de ferro
para a entrada do Parnameirim, grande sitio ar
borisado c m grande diversidade de frncteiras,
grande baixa para capim, podendo sustentar por-
cao de vaecas leileiras para as quaes tambem tem
commodos de reeoibimento.
- Os fundos da dita easa e sitio deilam para a li
nha forrea que segu desta cidade para Apipuoos,
e se acha Iivre e desembarazado, visto que as
questdes que os consenhnres de dito sitio tem
com os empreiteiros de ditos trilhos apenas diz
respeito ao terreno qae elles ora occapam, e os
prejuizos qae por tal motivo tem oasado.
Os pretendentes p^dem-se dirigir ra Duque
de Caxias, loja n. 43, oa ra do Aragao, hoje
na do Yiscoode de Pelotas 13- casa n.
Alugt-se
oa vende-se o sobrado e sitio da Mangabeira, em
Olinda, eom commodos para urna grande familia,
3 salas de frente, 7 quartos e sa.a de jantar, cozl
nha fra, 3 loja, una maito boa agua, o qaal se
vende pelo lempo de vero 30/ a 40/ mensaes,
maito arvoredos de fructo, mangaba, apoii,
mangas, piabas, figaeiras e rameiras : a tratar na
roa da Moe l n. 39, da 9 horas da manhaa as 4
da larde.
i
RA DA IMPERATRIZ N.
PEMAMBUCO
55
mk E. m _raJItne>N, gerente da tioluraria franceza da roa da Imperatriz n. 56, ttm a
honra de participar ao respeitavel publico d'esia cidade do Recife, que elle acaba de comprar este ta-
ponante estabelecimento, e ejue centinaar a empregar todo os seus es torcos, a applicar lodos 01 seos
conhecimentos d'arte de'Ungir e de lavar, assim como se esforcar para oblar em seus trabalbos
os melhores resaltados, afim de conservar e augmentar o grande crdito que este estabelecimenlo
tem at boje justamente merecido.
Tem esperance de que consolidar mais e mais soa repntacjio de artista lintareiro, e o
modo por que sabe tirar as manchas e nodoas de qualquer fazenda ; reputacao qae o tornoa lio
conhecido as cidades de Franca, taes como Mants e Bordeanx, aonde oeenpou o primeiro lagar
de contra-mestre na importante casa do Sr. Roacboo ; Marseilte e Lya aonde adquiri xellente
nomeada durante o lempo qae all estove, e em Paris, aonde acabou o sea apeifeicoamento tintara!,
sob a direccio de Mr. Joli (o filho) vice-presidenle, do Curso de Chiraiea e Tinturara (lito na roa
Nova de Revoli u. 98) primeira casa de Franca neste genero, e aonde o Sr. Gantier, ex-proprielario
do sea estabelecimento o foi eogajar com o titulo de contra mestre no servico de tinturara de seda
e lia.
Em relacSo com as melhores easa de Franca, qae se empregam neste commereio, estar
sempre a par de todas as novas descobertas e combioacfos de cores, e proeessos melhorados.
Emflm, espera que uma justa apreciado dos seus trabalbos, far augmentar a soa fre-
guezia ji tao grande e bem crganisada.
El os seus principaes trabalhos :
GRANDE ESPECIALIDADE.
Tiragem a secco de qualquer oodoa em panno.
Lavagem de qualquer vestuario de homem, mn-
Iber ou crjanca, sem o deseozer e conervando-lhe
o brilbo de novo.
Tiragem a secco de qualquer nodoa em seda.
Lavagem de vestidos de feda, de qualquer cor,
chales de seda, chales de crep da China, cache
miras francesas, trlatanas, ch-les de merinos, ves
tidos de veludo e chapeos de qualquer cor
TIRAGEM DE NODOAS.
Tiragem de nodoas em seda, velado e lia, fazeu-
do desapparecer qualquer mancha resinosa ou dr
gordura.
Vai se as casas para o trabalbo de tirar nodoa?
nos movis ou tapetes doi saldes.
TINGIMENTO DE SEDAS DE COR.
Tinge-se vestidos de seda e gorgurao, chales de
seda e crep da China de todas as cores, assim
como veludos, reodas e bicos.
TINTURA PRETA EM SEDA.
Tinge-se vestido, chale?, flus, rendas fon-
larda.
Garante-se a boa qualidada da tinta e qne a fa-
zenda licara parecendo inteiramente nova.
TINTURA DE LAA EM CORES.
Tinge-se ronpa de homem, de molher cu da
crianca em lia, sem descuzer e na cor qne se de-
a-jar, quer a lazenda seja lia pura, seda e lia e lia
e lgodio, ou as tres qualidades junta?.
Poupelinas, alpacas, reps, merinos, casimiras,
damascos ele, e em todas as cores que se queira.
TINTURA PRETA EM LAA.
Vestidos de homem, de mulber e de enancas
sem serem descozidos, e garantinoo-se a boa qaa-
lidade da tinta, nao sujando a ronpa branca.
Todas as qualidades de fazendas, assim coma
chapeos de feltro, de Manilha, de palha de Ilalic
oa do Chile
Tudo por presos commodos.
AVISO
garantidos da pro
Tela.
Constando a abaixo assignada que suas escra-
vas Theodora e Eugenia teera- se apresentado em
casa de passoas de suasreacdes, faz-ndo pedidos
em sen nome, apres.a>se a decl rar que taes pe-
didos sao falsos e puras hveocops daquellas suas
escravas, pediodo a essas pessoas qae os conside-
rem como taes ; sendo qne por parte da annon-
eiaote vai ser applica aqaellas escravas. Recife 19 de agosto de 1871.
Anna Mara C. de Albu merque Maranhie.
\\S\ DO W
Aos 5:000^000.
lliihetes
Bna do Baro da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e caas
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entre ot
eos maito felizes bilbetes a sorte de 800/000 em
dous quartos de a. 2391 e um qaarto de n. 1067
a sorte de 100/, alm de outras sortes menores
de 40/000 e 20/000 da lotera qae se acaboa de
ex'.rahir (204), podendo seas possaidores virem
reeeber, quf promptamente serio pagos.
O mesm i abaixo assignado convida ao respei-
tavel pabiieo para virem ao sen eatabelecimentt
comprar os (elsea bilhetes garantidos, que nao
deixar-dt tirar qualquer premio como prova pelos
mesmos annuncios.
Acbam-se venda o maito felizes bilhetes ga
rautidos da 1' parte das loteras em beneficio da
nova igreja de N. S. da Penba, que ser extra-
hida no da terca- teira 29 do corrente mez.
PRECOS.
Ibteiro 6/000
-ieos 3/000
Quartos i/500
t>e lOOdWOOpara cima.
Inteiro 5/500
Meios 2/750
O u artos 1/375
______________Joio Joaquim da Cosu Leite.
Espirito Santo
O abaixo assignado, procurador da feslividade
de N)ssa Senbor i do Cnsenlo da mesma igreja
declara qae tendo desappareeido a eleico de 70
a 71, pede qat todas as pessoas que reeeberara
carta pelo andador da mesma igreja, fazerera
esmola ao thesooreiro da mesma devocio : na
ra Nov.j, venda do Sr. Jos Fernandos Lima.
Manoel Fernandes Sildava.
Mudanza
Josepha Mara dos Prazeres e Silva participa s
pessoas de soa amizade que mudou soa residen-
cia da raa do Vbcoode fie Goyanna para a Sole-
dade n. 29 ; bem como a todos aquel les qae se
iateressam em negocios jda viava e berdeiros do
casal de Joao Henriqae da Silva.
h
Jos Heorique da Suva Guimaraes mudou soa
residencia para a Soledade n. 29, sitio onde mo-
ro u o Sr. Dr. vil las-Boas, onde poder ser procu-
rado, ou na ra das Cruzes n. 38, 1* andar, das
10 horas s 4 da tarde.
Precisa se de urna ama que siiba enziabar e-
engommar para urna senhora : a 'ratar no pate
do Terco o. 63. padaria.
Na raa do Kangel u. 57, fjrnuoe si cooiioa
com o maior asseio e promptidio que o posar.vi,
por comraodo prego.
CURO,
Precisa-se de ara menino de 13 a
que saiba 1er e escrever para a villa
de
anno?,
Gara-
nhuns, prefere-se dos ltimamente chegadas: a
tratar ni roa do Livramento o. 6._______
Luz Antonio Goncaive Penoa convida aos
seas amigos e aos do tinado Joaquim Fraucisco
Lavra para ouvirem, p-i alma deste, urna missa
no dia 23, tngessimo do neu fallecimeoto, pelas 7
horas da manhia, na igreja de S. Pedro Manyr em
Olinda.
AflJ
RO
DYVETOT
TJnica cava neste genero
i4Rua Estrella do Kosario14
Compra e vende roupa ei4a
nova e velha objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
!^%v
boa conducta
Precisa-se de ama ama para
todo servico de ama casa d*
pouca familia e qae seja do
na ra de Horlas n. 113.
AMA
Na praca da Independencia as. 1 e 3
precisa se de urna ama para cozinhar.
Precisa-se de ama ama para
cozinhar e fazer o demais ser-
vqo de easa Je urna peque-
a familia : na ra Daqne de Caxias, n. 41, 2*
andar, antiga raa das Crazes.
^m

I'oma-se a quaalia de 3O0_, daaeooiando-ee
o jnro qne se convencionar, no recebimoto para
se na__>! m iIihihh de urna cata na tio t
_________FR|ff^f BM1-
I
Sociedaae leifredo e aluoj
da Ordem. I
Manda ao dia do eorrenta mez, aa 7 horas
da manhaa, na igreja matriz de Santo Antonio,
celebrar mistas pelo etern repoaso da seos sem
ore lembrades cdbsocos Heracljo Constantino de
Paula Monteiro e Francisco Xavier Temporal; e
para isso convida nao > as familias do mesmos
floado como a lodog*eu* amigo em geral._____
TabaixosaigDado fazscieate a re
peiuvel publico e com especialidade ao ca-
po Jo commereio, qae Friociat t?erefri
Cirlozo, deixco de ser sea Caixeiro desde
o da 19 do corrente.
fe, 50 de agosto de 1871.
Jo Th$l*f A irmandade acadmica de N. S. do Bom Con-
telbo mana celebrar ama miesa no dia 24 (quin-
ta feira) do corrente, as 8 hora da manhia, por
alma de Joio Gaulberto Heorique Pereira, pelo
que convida aos pareles, amigo e collegas para
a8istiremse aetq a ______________^_
H___-______Ffl____BH__________i Wt0
Lauriaoa Mara da Gooeeicio participa ao
Snblco que coiinha em toa casa sita no becco de
do Francisco n. 11.
Um amigo do infeliz capitao joaquira Francisco
Lavra manda celebrar pelo repoaso da alma do
mesmo ama missa na igreja da Santa Cruz, as 7
horas da manhia do dia 23 do corrate, trigsimo
do seu fallecimento para assistrem a esse ac'o de
religio e piedade sao convidados todos os paren-
tes e amigos do finado. __________^^
OTea________w_na______B____________
Caix iro
Preeisa-se de um ae-ino de 12 a 14 anno de
idade para caixeiro em Jaboatio, preferind -se
dos nltimos chegados : a tratar na ra do Livra
ment n. 10.
. Na ra da Imperatriz, loja de calcado n. 43
A, precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos de
idade.
AMA
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA FOC.O*
A companhia Indemnisadora, ea^lecit
aesta praca, toma seguros maritimes sobre
aavios e seas carregameatos e contra 'ogo
em edificios, m ircadori^s e mobilias : ca
roa do Vigario n. 4, pavimenta terreo.
Precita-e de urna ama
para andar eom urna!
cranca, e fazer algum i
servico domestico. Je 1 \
casan-: a ruada Aurora i
n. 5, segundo andar.
Parlicipa-se ao publico que na travessa da
Cadeia-nova n. 43 lava-se e eagomma-se por ba-
rata prego. _______.
PreciM-se de urna ama oara caaa de bemem
solter* ; na ra de Pedro Affonto n. 88.
~- Xlafea-se um raueque para b 4el ou
outra qualquer oncapacio, poi nio bebe e
foge: aa raa da Guia j, 8.
pra
cen
Pree sa-ae de ama s
prar e coarnhar ; na roa
i$j 2 andar.
a para ova-
do Crespo n.
Sustento restuurativo d^
anude
PELA VERDADEIRA FARIMHA
A, Da Barr) dArubia
Os abaixo asignados faiem scieote a
guezes, que pelo vapor ioglez La-Plata l
Eeguuda remessa d'essa -excedente rariehfcj
uso muito se recommenda para as criancet^
! soa debeie e convalescentes, appiieala coas reco-
Fabrica de pedras brancas na provincia do Rio i nDfcida vantagem as eonsiipacSes, diarrie-
Grande do Sul. i n*oe4Mo estomago, tosse, esearro de tanga/
. Em latas de 2, 4, 8 e 16 oncas. nico deposi- PWhyaic, etc. etc. Preferida ainda pelo agrada?
:o e:i Pernambuo, na pharmacia amertcauad* sa-r,Uoiricoa outra qaalqorr.
Pefreht Miia A Q. : A raa Dnqoe de Caxias a-
mero 57.
Extracto de carne
Do Dr. Ubituba"
Precisa-se de nm
Guia o. JiG.
Aiuga-s. ama cata em Apipuoj",
Jwta : a irMif p ja*
pra,pa>a,r-e -.
amamdor : na ra da
i______'
propria
ajete de.
jmmii
ADVOGADO
DR. OAOOB CORRIai DE AhaCJO
67Boa do
l_-HH-i
iMPEHAtl^
A de Araujo
HADO'
e___t _____!______-
-
4


D .-rio de Periian)i4>u(
feif* 2 de Agosto d 1871.
5
iV
.1
D. W.
Engenheiro com
FUNDIDO
?%* BA IIO BaiIM 5
PiSSARDO 0 CHAFARIZ
Pede tos senhores de engenbo e outros agricultores, e empregadores de ma-
cbinismo o favor de ama visita a sen estabelecimento, para verem o novo sortimento
completo que ahi tem ; pois sendo ludo rauito mais barato em preco do que jamis te-
nba vendido, esl anda superior em qualidade e fortidSo ; o que com a inspeccSo pe-s
oal pode se verificar.
PEOE ESPECIAL ATTENCAO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICO
VannrAR A rn loe rTacrrifl dos.mais modernos systemas, e en
apui OB O TU lias U agua amantaos convenientes para as diver
w circumstancias dos senhores proprietarios e para descaroear algodao.
loond&S de pan n a de-todos S umanh08 as me,nores q06 ,(jd'
K.OdaS dentadES p,ra aoimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
Hffl/ihYnqiYinft para mandioca e algodSo.j Podeodo todos
"***lvxlltliBIllUKl e para serrar madeira f ser movidos a mao
Rnmhnq Pr **oa vaPr'
uruiui/oo de patente garantidas...................Jou animaes.
lOaaS aS maCninaS e pecas de que se cosioma precisar.
FM qnalquer COnCertO de macbiDismo a preco mai resumido
Forman dA fprnn tem as me'uorM e mais baratas existentea no mer-
PnonmmonrlQfl____Incumbe-se de mandar vir qoalqoer machinismo von-
_uuuui__ui_.OJ__U.tt ta(je d0S clientes, Ismbranio'lbes a vantagem de fa-
zerem soascompras por ioterraedio de pessoa entendida e que em qnalquer oecessida-
de pode Ibes prestar auxilio.
Arados americanos e in8lrume,0s agrias.
Ama de leite.
Precisa-M de au ama de leite
ra dos Ferreiro d. 1.
* lr.atar na
pouca familia.
Na roa do Bo>n jM0S| lW.
:a da Crui *_, 33, preeisa-se
e ama "ma para casa de


DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os proprietarios deste1 grande e bem montado estabelecimento scientificanrt ao
respeitavel publico desta provincia, que se acbam com um variado e completo sortimento
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, sendo estes escolhidos capricho por
um dos socios que?e acha actualmente na Europa, e por isso os podem vender mais
baratos 20% menos de que em outra qualquer parte. O mesmo tem contratado com
os melbores fabricantes daqnelle conntnte as remessas das mais ricas mobilias feitas
all. Na officina tem os mais habis artistas deste gmero, e por isso aptos a foraeceren
mobilias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de primeira
ordem. Pedem, portante, que venbam visitar dito stabelecimento, "onde encontrarlo
a realidade do que acabam de expr, passando a examiisarem : ricas e completas mobilias
de Jacaranda, mogno, faia, camino, amarello, etc. etc., rica* e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., gnarda-vestido? de amarello, guarda loo?a de
nogoeira, amarello, com lampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, patita
toilettes, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra,
e muitos outros artigos de gosto, que para se n5o tornar enfadonho prescindimos de
azer llenero dalles, o qne s com a vista poderlo apreciar.
IrapaS fle errO gaivj.nisadas para cobrir casas etc.
Formas de ferro para aS6U0ar
Arados Americanos
Machinas a Vapor!
Jiacnmas de descarocar aigodo.
Balanpas de pesar
Fogoes de ferro
Carrinhos de mao
Prensas de copiar
Cofres de ferro
para varzea e ladeira.
Tachos de ferro *%*'area'
Estes artigos vendem-se ero
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes 4 C,
N. i RA DO BOM JES0S.
,0i:TR'0RA RA.DA CRUZ )
I
DA11I1M lili
19 Ra Fiimeiro de Mi.rco 19
Ten o renovado completamente a loja do predio, emqu9 teem oseu es-
tabeleumento,
19=-A ra Primeiro de Mtqo19
com aquello asseio e elegancia desejave, acbam-se agora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas linas e modernas de
SEDA. LAA. LINHO E ALGODA
todas do ultimo gosto, e continan, a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPEGUES DE SUA GASA ,
Garanten), com toda
a sin eridade, vender .
por menos qne qual-
quer ootro, porque,
rectbem em direitura
a maior parte de suss
fazendas.
m
Ra do Imperador
n. 37.
(Jaleo depo*lto da a tifa e acre-
ditada fabrica do Barbalho
do Cabo. KMJHf!
Neste b*m aortido armazem existe nm grande
sortimento de looca ranceza, muito mil para ca-
sa de familia, como seja algaidares papeiros
e paneilas, todo grandes e pequeos, e ba-
-ferrea, para o que tem muita pratica por j Ibdes para manteiga; indo de barro vidrado fran-
ensinado em diversos eogenhoa : a tratar na Cez. Assim como um eompleto sortimento de loa
Q do Barbalho, como seja : jarrdes para 1 e 8
canecos de agua, potas de om a dous canecos,
muriogues, resfriaderas, quariinba do Barbalbo
e da Babia, vaxos vidrados e por vidrar para lar-
dim, cacos grandes e de meio para florea, ditos
Um peewa que l_)e ler e tradozir francea,
grammatica nacional e, msica vocal, offereee-e
para ensioar pnmeivas letras em algom engenho
perto desta pr_eA ou de algara dai eiucdei da
va "
ter ensinado em diversos engenhos
Boavista, no Instituto de Nossa Senhora do Bom
Conseibo, com o porleiro. ^______
Precisa-se de nm eoaioheiro qoe teoba pra-
tica de hotel: na ra de 8. Jorge n. US, amiga
do Pilar.
COMPRAS.
COMrUVSE
frascos vasios da tintura jiponeza, e pagase a 80
rs. cada um : rna Duque de Caxias n. 50, e
Mrquez de Ollnria n. 81.
8*9
ditos pequeos para tirar plantas, canos vidrados
por vidrar de J, 3, 4, 6, 10 e U polegadas,
feitos por macbina e qne aqai nao ha na provin-
cia a excepcao dos vindoe de fra ; todo melbor
pela qualidade do barro e mais barato do que em
*>ntra qualquer parte. Em poreao se faz abali
ment de 10 15 per cento ; f na rna de Impe-
rador n. 37.
VENDAS.
Libra sterlina
Vende Joaquim Jos Ramo, rna da Cruz n. 8
prmeiro andar.;___ _____
Fumo de Borba.
Vindo do Para j desado, em latinhas, a U
cada urna : no|armazem do Azvdo roa Nora
numere 11.
FILO DE SEDA
Ricos cortes de vestidos de fil de seda de cores
com palmase flores inteiramente modernos e pro-
{irios para assistir-se casamentos, bailes, ele, etc.,
ovas de pellica de Jonvin e batheliqne de laa e
seda : vende-se no Bazar Vletoria, ra do Barao
da Victoria n. 1, (antig* rna Nova). _________
-
Terreno a ruit Imperial.
Vende-se o melbor terreno na rna Imperial,pro
Sirio, todo atterrado, prorapto para edificar, porto
eito para desembarque de materiaes, com 110
palmos de frente e 300 de fondo : a informar na
roa Nova n. 7, loja, e a tratar esm o propietario
na dita rna Imperial, casa junto a de n. 28.
Cal nova de Lisboa,
Vende Joaquim Jos Ramos, a rna da Crnz n, 8.
primeiro andar. ^____________
Vende-se coqueiros pequeos para mudar-
se : quem os qaizer dirija-se ao sitio Cafando na
estrada de Paulino Cmara, outr'ora de Joao de
Barros. _____________
rateado barato
Botinas preta* e de cores de cannes altos e bai-
xos para senhora a ,15 e 1,8000. botinas de c< r-
davo e bizerro para bomem a 74000, sapa tos de
tapete para homem e senhora a i*000, bolinas de
bizerro e cordavo de primeira qualidade a I0_,
e 124, ditos de Nanies a 124, ditos para meninos
a 84, calcados para meninas para andar por casa
a 24, e outros mnitos argos que se vende ba-
rato na laja do Arantes, na praca da Independen-
cia n. 13 e 15.
CEMENTO.
O verdadeiro portland : s se vende na
roa da Madre de Deus n. 22, armazem de
Join Martins de Barros.
Of restauraiit
SANTA ISABEL
1Rna da Eloreatlna
Aceitam-se assgnant por preces muito cora-
modos, garanie se boa comida e muito asseio.
Vende-se urna taberna sita roa do Bario
de S. Borja, antiga roa do Sebo n. 13, com pon-
dos fuodw proprta para qoalqoer principlante :
quem pretender derija-se ao paleo d Santa Cruz,
esquina da roa Velba n 118.
Tnborda
Polka para piano, acaba de chegar alguns ex
emplares, ao armazem de pianos e msica, do
Azevedo, i rna Nova n. 11
1
1!) KUA1.
(J litiga roa do
DE MAKCO 19
Crespo).
lerveja em harriL, de su-
perior qu lidude
Veude-se em casa de S. P. Johnston 4 C ra-
da Senzala-nova o. 42.
ISTIODISTAS
A Nova Esperanza est resolvida a ven-
der baratissimo, para as Exmas. modistas:
enfeites, forn s para vestidos, botoes, etc. e
ludo mais de quepr ecizarem ; e isto por
pre.;o muito comoindo, com a condirio po
rem das mesmas Exmas. munir-se destea
ubjectOS .i. monto 00 dito estabelecimento
onde enconlrarao o bom. por pouco PfevoTJo^Jiova'
e desta forma ambos lucrarom. isto n
Nova Esperanca, porque vende, e as modis-
tas, porcimprarem bom e barato.
Nao ti a ver convalides.
As crianzas que osarem dos collares ano-
dino?, que se vendem na Nova Esperanca,
esUro tsentos de convuUes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
E' engranado e destrahe
Os pies de nova ioteocao e qqe danzara
15 minutos pooco mais oumenns, mudando
semore de cores, e representando diversos
caracteres, vendem se na Nova Esperanca
roa Duque de Caxias a. 63.
Pomada alpaka
E' muito couhecida esta pomada e muito
apreciada por sua finissimaqnalidade, a Nova
Esperanza quem tem.
Jarros de porcellana
Um completo sortimento de lindos Jarros
de porcellana (do afamado Bacai) existe na
Nova Esperanca, ra f>oqoe de Caxias
0. 63.
PIBA MttlVAS
Lindas grinaldas com flores e botoes de.
laraugeiras cvm vivos e sem elles, vendem-
se na Nava Esperanza rna Duqoe de Cax as
n. 63.
FUELLAS DE MADREPEBOU.
Bonitas lvellas de madreperola lisas o
bordadas proprias para pulceiras, vendem
se na Nova Esperanga ra Duque de Caxias
n. 63.
PARA AS FLORISTAS
A Nova Esperanza a ra Duque de Caxias
d. 63 acaa da receber folhas
d'ootros moldes, 3 ellas antes
bem!!.'
Qnerem comprar ?
Guarda pisa para vestidos; preto ou branco ? .
Papa-fina, larga ou estreila ?
Lencos de linho, bordados ou lisos ?
Bonitos leques, osso ou sndalo ?
A Nova esperanca quera tem I I I .
novidade!
Acaba de ebegar a Nova Esperanca roa Duque
de Caxias o. 3, bonecos e bonecas, sendo de mol-
des inteiramente novos, vindo entre elles os en-
granados bonecos de borracha : para que se can-
cam? qaando quizerera comprar qoalqoer objeelo
sendo bom, bonito ou engracado, lembrem-se logo
da X va E'peranga rna Pugne de Caxias n. 63.
TlVfl I1H
de Desmes.
A* tesoura de enro, roa Duque de Caxias n. 50,
1 andar, acaba de receber pelo vapor franoez
Sindh, nm grande sortimento da acreditada Untu-
ra ingleza de Desmes para enegrecer os cabellos.
Lindo sortimento de cabellos
Acaba de chegar
belecmento de cab. Ileireiro do Jayme
Duqoe de Caxias n. 96, 1 andar.
' para o muito acreditado esta-
'. Ileireiro do
na ra
Para casamento.
O bazar Victoria icaba de reeeber de Paris pelo
ultimo vapor francez ricos vestidos e veos de blon-
(!c- primorosamente bordados a seda, capellas, le-
m, eolch da -oda o do l&a o ood do spnrados
tos : na rna do Bario da Victoria n. 2, antiga
para rosas
que se ac-
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanca roa Duqiie
de Caxias n. 63.
Nova jadaria uruericaua.
is 11* do Pires a. j
Contina a fazer pao bolaxa de farinOa enoe;-
cial de primeira sorte, para melbor agradar a seas
rreguezes, e veade-sea j mailo acreditada nov
Dolaxioha americana n5o inferior a inglozo a vis
ta faz le. '
Vende-se urna casa terrea na
plus 0. >. bairo da Ba-Viiti: a
Direita n. 77.
ra das Nyin-
tratar na ru>
Vende-se
a casa terrea n. I da rna deS JorgeYou
tr'ora Pilar); a tratar na ra do Marquei
da Otda iu primeiro andar.
T
1
urna Jas melhres ca* na povoacao de Eeberl
De : qnem pretender dirija-se ra da Moeda d
39, das ti lieuo da manl.a a i di (ire e taaj
bem se vende ata caaa em )lioda era boa !ocH-
aaqe, .:.. o tk^ij y> Att^nqo
Vend; e 07 twTcno tjai fir) palmos de frenle
e (500 de 'ncdov enn daas caas fe taipa edifica-
.*, as quass rciMe 17# mesfenc-', em _<<**ihe re
B*1. iii i-)" -^jCm : ? twiir 01 e\_i98d dra C"' praco c'om.rrr-ii
%m a- '<: Ario o. f.-
M china a vap< r
Vende-se urna machina vapor com todos os
pertenees para padaria : a tratar no pateo da San
ta Crnz n. 6, e faz-se qnalquer negocio a praso on
a dinheiro como convier ao comprador.
GRANDE LIQUMvaO
Popelinas de coree.
Popelinas de cores de todos padr5es a 15300 o
eovado : na ra do Crespo n. 20, loja de Guiher-
im Carneiro da Cunha.________
Joaquim Jos Goncalves Beliro tem para
vender no sen escriptorio ra do Commercio n.
9, os gneros abaixo notados, que vende mais bi-
ratedo que em nutra qnalquer parte :
Azeilonas em ancoretas.
Amendoas em barricas.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cogitas marca martel frres.
Enxadae.
Farinba de mandioca de Santa Camarina, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Babia era saceos brancos.
Dita de dita era barricas, proprias para sasas
particulares. "
Fio de algodao da Babia em no vellos.
Fouces.
Mandos.
ozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Pregos sortidos.
Panno de algodao da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na Babia.
Boina*.
Bap popular da Babia.
Bolim em fardo*.
Belroz dos melbores fabricantes do Porto-
Tapioca do Haranhao.
Tabaco simme da Bahia.
Vernii copal.
Vinbo do Porto engarrafado, caixa de 12 gar-
rafas. p
Dito de dito em barr?, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Selubal.
Dito Bordeanx em caixas de ama duzia.
Dito de caj em caixas de nma duzia.________
Cura /apida e ladical dos
callos
pela pomada Galopean
Essa pomada qoe lao bons resollados tem coln-
du as pessoas que della tem feito aso acaba de
chegar para o sea deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bariholomen & C. ra larga do Rosario nu-
________mero 34-______________
A revalesciere du Barry de
Lona res
-Tod a duenda cede a Bevalesciere da Barry,
que da sade, energa, appetite, digejtlo e des
canso. Ella cara as dispepsia, gastrites, humo-
res, aeidez pituita, flato, enjps, vmitos depois
da comida e gravidez, con tipaches tosse, astbma,
ffeccues pulmonares, nexiga, flgado, cerebro e
angue ; 60,000 caras, indurado muitas dellas no
Brasil
A rcvalesciere chocolauda du Barry
em p,
Delicioso alimento para atooco e ceia, mullo
ouintivn, f;rtifleAfido os oerw do estomag sera
cansar o menor peso no_i dor de esbeca, nem ir-
rilacio.
Uoico dapo*it para o Brasil em PernambOco
qa. pbaraueu amerk-ana je Ferreira Miia & C,
ri do Duque de.Canaa n. 7. (Todo cuidado
;om as falsifica ejes.)
^Vende-se uma raoliiiig de amarello com pe-
(W i'_a CHreta do P.e-
CD
O
<3>
CD
m
se
?.>_sy
m
^.*.:1
YRRESE
As casas terreas fureiras, no becco das Barrei
ras n. 16 e 18, Boa-vista.
As casas terreas ou meiagaas na traversa dos
Quarteis n. 32, dita na travessa dos Patos n. 13.
As casas terreas nos Arrumbados em Santa Tht-
reta n. 15' e 16.
A tratar na ra da Cruz do Recife, armazem 0.
Si.
UfinadoRes de FErnambuco.
Chegnem Mehincha, carvao animal a 1600 :
na acrediuda fabrica dos lins das salinas de San-
to Amaro, deposi o na roa da Ponte-velba n. 14.
P- ete de vender por largo lempo por ter vindo de
Lisboa grandes porgo s por quasi iodo os navios,
e e. m os melhoraraentos ultimamenn introduzi-
dos 00 machinismo, prnduz a dita fabrica 50 ar-
robas por dia, comecaodo da 13 de agosto em
diante.
Rival sem-- eprnido
Rna Duque le tails a. 91
Jos de Aievedo Maia e Sirva, eor sna lo-
j ade miodem continua a vender Iodo
por baratos 1 rec s que 1 todfat aatmira :
Libra de 19a par.) bordar a melbor
que ba.
Caixas com superiores grampos fran-
cezes a
Duzias de facas e garfos de um e
dous boies a
Talberes pare mentos a VO e.
Libras de linba de novello, a melbor
6*000
160
4,5000
400
Duzia de lencos de cas com barra.
Caixas de licitas com 30 oovellos a
Vara de franja hranca para toalhas
Dozas de metas ernas muito boas a
Duzias de meias finas para senbo-
ras a
Duzias de facas e garfos clavadas a
Dozia de palitos seguranza a 120,
240, 3_0 e
Na albas muito finas, para fazer 3
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
que a
Caixas com peonas de Perry azen-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz om 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas as
cores a
Duzias de linba frouxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de tranca a
Duzias de baralbos muito finos a
25400 e
Ditas de agn'bas para macbina a
Libra de pregos france.es a
Resmas de papel almaco operi'r a
Ditas de dito paulado o melhor a
Caixas com fabneles fructa a 720 e
Carrleis de 'nba A exandre a
Gravstas de cores muito fiaas a
Ditas pretas pentas bordadas a
Grosas de botoes de madrvferola
para camisa a
Novellop delinha branca, 4C0 jardas
Duzia de'canoes de nlia branca e
preta e de cores a
Tbesouras mnilo finas para crhas
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para limrar denles
f'zenda una a
1JMW
14000
500
160
3A500
4000
3,5000
500
14000
320
800
1*200
VOtr
500
40
500
15800
2_800
2*000
2i0
3*600
4*000
1*000
100
500
600
500
es
o
120
500
1**00
200
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 9t.
Jote Bigcdinbo, com leja de miu-ezss,
a\isa a todos os os _eus freguezas qoe est
torrando tuio pelo ureco, a vista da fdze.,-
da, para todos admirar, a saber :
Pecas de fitas bordadas moito fin?.a 1^300
Thesouras grandes e pequeas o
mais fino que ba a 1*000 e lf>500
Caixas com 20 quadernos de papel
uso, amisade a r6. 500
Pecas de tranca de 13a e algodao as
mais modernas a 160
Frascos com agua de colonia muita
- fina a 400 e 500
Frascos com agua de colonia ver-
dadera a 800 rs. o 1*500
Cbapos brancos para baplisados o
melhor qoe ba a 3*000 e 5*000
Duzias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o preco
para acab r.
Libra de ama prela a 160
Gruas de botos de louca branca a 120
Caixas com 100 envelopes fazenda
fina a 500, 600 e 800
spelbos de moldara douradi a
800e 1*000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 2
Timeiros coro tinta prela a 80 e 100
Pecas de fila elstica msito fina a 206
Latas comsnperior banln 60. I'0 e 24 0
Latas grandes com superior baiihi a 320
Frascos com oleo de Phi'ocorae a
500 e SCO
Frasees com macassi [ Perma a 240
Frascos cm agua de Clonia verda-
'Jeiri. a 1*000
Ditos ota oleo osa suderior a 320
Carrileis de relroz preto com 2
' oi lavas a 600
Caixag cora agulbas franc^zas a 1-60
160 210
Pecas de lira* bordadas a 500, 600
800 e 1*000
Garrafas com a verdadeire agua
florida a 1*300
G-rtlhis da Pootrina ChristSa as
mais r>odernas a 400
Livn das cussoes abreviadas a 1*500
Copos grandes com suuei ior banha 1*500
Ma-;os da pallitos para dentes o
melbor que, ba a 160
Pacoies con 3 sabonetes inglezes
fa_enda fina a 600
Lscovas muito finas para, limpar os
dentes a _40
JLOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo o. 1
Os proprietarios deste. bem conhecido eatabele-
cimeuto, alm dos muitcs objectos que tinham ex-
postos a apreciacao do resfieitavel publico, mao-
daram vir e acal'art de receber pelo ultimo vapor
da Europa, um coinplelo e variad o sortimento de-.
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
do resolvidos a vender, como a seu cotiume,
por pncos rauito baraiinhos e coromodos parato
dos. com tanto que o gallo...
Muito superiores lavas de pelica, pretas. broa-
cas e de mui lindas cures.
Muito boas e bonitas goltinlias e pn_hos pari
senhora, neste genero o qoe ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga p.ua coqnes.
Lindos e riqnissimos enfeites para cabeca aa
Exmas. Sras.
Superiores trancas pretas e de c-res com viiri-
Ihos e sem elles; esta fazeuda o que pode baver
d melhor inai btnilo.
5uperiores e bonitos leques de madreperola.
marlim, sndalo e osso, stndn aquellos bran-:. .
com lindos d^enhos, e f te* pn-l.-s.
Mtiito superiores meias So de Bsccsaii para se-
nhoras, as quaes sempre se veneram por 30(0o
a duz-a, entretanto que nos as vendimos por _0r
alm desias, temes timbera grande sortimento de
outras qualidide?, entre as quaes algumas muito
Bou.
Boas bi ngallas de superior canna da Ind,a e
eastia de marSrn com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, nc-to genero o qne de nit
se |iJe desejar ; alm desta temos umbem en n-
de quamidade de outras qualiJades, .-mo sej.'m.
madeira, balis, osso, b< rrar-na, etc. eic.
Pinos, bonitos e airosos chicoiiohos de cadeia e
de r oirif. qu.lidades.
Lidas e superiores l'gas do edi e borra'!:-.
psra segurar as neias.
Bas meias de seda para senhora e para meoi-
na9 de a 12 annos de Made.
Navalhas cabo de marlim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito tioa?, e de mais a mais >o ga-
rantidas pelo fabricante, > nos por nossa vez tam-
bem assei-urauos sua qualidade o deii_sdeza.
Lidas e bellas capellas para ifjiva.
Superiores agolha> para macliiaa e ^ara cru,-*--'!
Linba muito boa de peso, froaxa, para ent r
labyrintho.
Bons baralhos do cartaS para volunte, assim
como os lentos para o mesmo lira.
Grande e variado sortimepto das melbores per-
fumaras, dos melhores e mais conhecidos la
bricantes.
COLARES DE ROYR.
Elctricos magnticos contra as convulsSe?.
fecilitam a denticao das innocentes criangas. So-
mos desde muito recebadorea dostes prodigio-:os
collares, e continuamos a receDe-los por lodo os
vapores, afirn de que nunca faltwn no mercado
como j tem acontecido, assim como pois, poderlo
aquelles que delles precisarem, vir ao deposito do
gallo vigilante, aonde pmpre enconlrarao deste?
verdadeiros ci llares, e os quaes alendendo-se ao
fim para que o applicados, se v;udero com um
mai diminuto lucro.
Bogamos, pois. avista dos objctos que deba-
mos declarad' s, sos nosso* fregueres e amigas a
virem comprar por prec/>s muito razoaveis loja
do gallo vigilrate, ra do Crespo 11 7.
Anda uma vez
O Campos da ra do Imperador n. 28. avi,a
aos seus numerosos tregufzas e amigos que che-
g 11 do sua ersommenda o lao jjgtej_io rap
amarellinho de Estevao Gasse, as^rm como o pi
nho do K10 Grande, que t' grande apreso lerr.
dado os rae sabera de 9.0a nlidale ifiknenUcia.
Alm disBO
DE
til
";-jccic ?8 or commoos pr?.is em peq,
-rand;3 p 1 acabar; oa ra dj ar uei-
' 2 ff. -^lpiorio.
O Campos (em oeoslanlementa em ou arm.'i
rem um co.npleto soitmenlo de vivares, lodo? -I*
prin:eira qualiJadd e com oioj:ia euf*doni;.
um annuoeio que os de-cre-vesse, Hmita-se a mea
cionar es seguiotes :
Carne secca (de c_rnwei a 140 rs.-n libra
64OOO a arroba.
Linguaf escaladas.
D.tas em sa moura.
Ditas aliaralradas todas as manas e sabbados.
Amendoas descascadas e lea casca.
Seraentes de hortalica.
Charutos fumaveis a 40OO meu aix3.
Ditos suporiores em gro-so e a retalho.
Tnia purpurina I 000 rs. a garrafa.
CamarSes secebi-.
Baj Paulo Cordeiro, viajado.
Mate em follia e era p.
Tabelas de reduccSk', pata o svslema metricc
Pescadas escaladas. '
Veude-se
Um casalsinho de raurinhos
0. to._
WCAS
a Ponte d'Uchoa
E ELEGANTES MOBILIAS -FABfU
CADAS NA BAHIl. 4
Na ra ilojVigario n. 21, primeiro dr,
pseriptori) de Domingos- Alves Malh>
tem para -vender ricas e elena,
^ J.'carujd, Jonoalo Alvos
tiara U?. r.oail
prreos mcdicos.



Divtio de PerAftmcuoe
.- -~~-.-;=3
feim 22 ue Agosto le 1871.
VEKDE-SE
Joaquim Jos I lautos, o roa da Cruz n. 8, 1*
andar, vende algodo aial americanos vertadeiro
s prego americano 3 e 4.
mo ha mal cabellos braneo.
Tintura japona a.
S e nica'apcrorada pelas as academias de
sciencia, reconhecida superior a toda que tem ap-
parecid al hoje. Deposito principal roa da
uadeiado Reeife o. 51, i* andar, e'in todas as bo
i cas e casa de cabulleireiro.
IiOJA
Flor da Boa-Vista
- DE
Paulo Cuinares
0 proprietario deste bem onhecido es-
tabeleciroento cor.tina sempre segurado saa
aatiga forma de primeiro barateiro da Boa
Vista e para meihor prova adnrrem os
presos segoiDtes:
Cuitas escoras e claras cores Gxas
o covado 160 200 rs. a. 400
Cambraia* de c&res 240, 280 rs. e 320
Laas pafa vestido 280, 320 rs. e 400
Creps escocezas fazenda nova a.. 610
Alpacas lavradas d'um s cor. 720
Cimbris branca transparente pe-
Cas a 3*5 0 e.....80000
Ditas rita victoria a 40000 e. 85000
Bramente com 10 palmos de lar-
gara, varas,- a 20000 e. 20.100
Madapolj soperior pecas 50000 e 6J000
Algodo 40000e...... 50000
Brim pardo trancado pecbiocha
covadoa. 320
Dito dilo liso muitofioo a. 320
Oatras randas mais fazendas quo vende-
r por presos baratsimos como sejam :
pannos pretos, ditos azues, casemiras pretas
e de cor, merinos, bros brancos e de co-
res, sila para colletes, camisas inglezas para
Domens. metas, chapeos de sol etc.
Officim d'alfaiate
Os dgaos fnguezes eocontraro om gran-
de sort siento de roupas feitas desde o
tHais, inferior at ao mais superior que se
acbe no mercado, assim como se. manda fa-
zer toda.e qnalquer obra d'encommenda
feitas a capricho, poil para este mis'.er se
acha munido d'tim perito mestre. Garante
se fueren) so rupnor 0% ds 1lie em oulra
qoalqaer pTte pelo o.motivo de o fregucz
s p^g^r o que compra e n5o o aspecto do
eslabel- cimento.
49 Ra da Imperarlz48
JUNTO A PADAH1A FRANCEZA
L'.bras sterii tas.
Vende-se no armazom de fazendas de Augusto
F. d- Oliveira & C, ra lo Cominercio n. 42.
O) RS
i ***
N*
e
LOMA t ARffUtZEIVI
*&
DO
H
111111
Tem venda era seas arronzeos, alm de outros
trtigos de sea ue?o io regular, os segnin'a, qa<-
vnaatj) por precos mais mdicos que em ou-
tra qo'iqusr parte :
POrt'l'AS d*> pinho almufada PGRTIflI'.AS d<: ferro para cerca?.
SALITKE ingles.
15 'a India pira cama e forrar sala.
)Sde barro francez para esgotn.
0 superior em porces e a contento.
itNTO de todas as qaalidades.
A.'.HiNAS de duscaroear algodo.
BaS e bnnr.oes da P.ussia.
(MJL*.Di'>S americanos para forro de canos.
HBpK3 am^rican-3 muito bons e econmico?.
i .lo i: irdeaax.
\C snperioj d; Gautier Frer;-s.
jLO era saceos grandes a 35500.
' p.",rida leqiiima.
'. tXCAS deetmae.
CADEIKAS arncriranf.
l'.HUM da Jamaica
LEJOS de Lisboa.
Bonitas
PARUSFESTAS
DE
E S. Joo
GBEGARAM PVRA
DO
Omento Portiand
Era barricas de 13 arrobas proco mais com-
i que em omra qualquor parte, vende-se
G armasen* iie Tasso Irmaos A G
Viiiho de Colares
Vende-ge o verdadeiro e superior vinho de Col-
i, qae mais axeitaco tem ero Lisboa, em
le moa de pipa: ua ra da Madre de Deus nu-
m ro 28.
Contra a tosss
PASTiLHAS PEITORAES.
de
Gurami imples erystalisada.
Dita' de angico
Naff d'Arabia.
Seve le picho marilimo de Lagasse.
E outMs moitas que muiio se recomendara pe-
1>- raH excelentes qaalidades.
Vende n
PHARMACIA E DROGARA
IE
Bartliolomea A G.
_____tt-RUA LARGA DO BQSAMA-34
G&ANDE
LIQUIDADO
Roa do Crespo n. 20.
Nan-. liso de cures lindas para vestido a 210,
180 o .160 o covado, chitas escoras finas :om bar-
r a 190 o cavado, Uara'.issimo : na toja de Gui-
Iheriri Ciroojro da Cunlia.
PAVAO
NA RA DA IMERATSIZ 60'
DE
FLIX PEREIBA M SILVA ftC.
Os proprietarips deste grande esUoolecimeato toado oa ser urna avoltada porcjto de
fazenda, e teodocontinuado a recebor por todos os vaprese navios immensa porcJo
Jas mssmas, tem revivido fizer urna GRANDE LIQU^A^4Q^i|t|MBinoo: o gran-
de deposito apurar DINHEIR. De todas as fazeada qae MM|bHamo te dio
as amostras, ficando pcnor oa ie maadam levar em can d9litsut.'1*&fa. *Mtofl
as pe soas qae ne.cam em menor escala, n'este esta elecimeato.l^podepo apnir
pequeas porcSes pelos meamos pregvs que compram as casas porUdoiia.
ALFA1ATE
que ooc*rrego oieonUr qoalqoer en-
commenda da sua arte i vpflude do fie-
guez, e o proorietario d'ete graade osta-
belecimento e,premeite servir bem a tod os fregoezes que Ibe hoprarem a sua cair.
ALODAtolNHO A 3- A PEQA
O t'dvo voode pecas d'algodaosibo de
maito toa qaalidaie, teodo^O jarda* eada
peca, pelo barato.preco de 3(5500, djto mai-
Jo largo, e, enfogado 6,^000, dito- o me-
ihor -que Hem -viudo ao mercado, maito en
corpado e largo para lentes. *elo barato
prego de64500, grande pecoiacha.
MADAPOLO -A lg&0 :E 4*600
O Pav3o veader4>eflas"de madapo5o com
24 jardas, sendo f.izeada muto superior
pelo barato, ip^ep. de W5O0, .41>.as ^omas
mes as jardas a 41000, ditas nissimas a
8^500, 6000 700 e 83000. pectocha.
MADAPOLO FRANCEZA Ity
O Pavao vende t,ecas de.fiutssimomaJa-
pol9o vardadeiramente /tancez, toado 11
metros oo 20> veras, pelo baratissimo prego
de 100000 pega, seDdo fazenda que sem-
pre se venden IWOOO, ,e liquiia-se por
este barato prego por estar-alg.ma cousa
eacbuvalada na pon de fra.
ALGODAOSINHOENFESTADO A U I280
O PavSo vende veedadeiro .alg dosinho
americano, teodo 7 palmos de largor* e
muito eB 7^1100 a vara, dtto.da mesma largura en-
do trangadi e muito enc^rpat'o itSO.
BRAMARES PARA.LE.NC-OES A 2#iO j|0035
0 Pav3n vende o verdadru, bramte de
linho tendo 10 palmos de largura, que ape.
as precisa para um Ito^ol ama vara e t ma
quzrta, -pelo barato prego de 84400 vara.
dita meihor de 28 Oe -30000, toado, at
do meihor que vem ao mercado 30500
e 40000, assim como crotones, feries para
lengoas, .seadu. urna encecpada fazenda frao-
pezacora 10 .pilmos de largura O rs.
o metro, e bramante d'algodao com a mes
ma largura 10800.
SAI AS BOA&ADAS A, 44500 E.60009
O Povo veude grade peciocha em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e vende pelo bara/o prego de...
405Ou e 60000, sendo fazenda qae semare
v^nden-sa por 80 e 100000.
Fazendas otra, saias 10200. J-0280 r W2J0o
0 Pa-ao venda supenvr fazenda bordea
a cora pregas proprias^arajaias, a 10200,
1580e 105(0 a vara, sendo preciso para
urna saia aperas 3 varas ou 3 1(2.
A ns 3000 corles de cambra i a a 2030 0
O P..v2) .vende urna grande porg3o db
FIO PARA SI COS
VeniH-.-eero ca^a de Okell Bindloss & C,
rni ii Gnu n. II.
OLEO PLtO DE F1GADO DE BACALHAO
DA
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
E-v i. i que to boa acceitacao tero merecido,
cu ti se r-commenla por ser o mais purificado
(rae at hoje tem vmdo, e anda pelo boa paladar,
superior a cutro qualqner : vende-se oo deposito
especial de Barlboloaiea & C.: ra Larga do Ro-
sara 3i.
Xarope sedativo
DE
Casca de franjas amargas
COM
BROMRETO DE POTASSIUM
DE
Ii%ROZE
Este novo preparado aprovad pela academia
imperial de roedi.-ioa, maito se reoraraenda pela
saa ae{o sedativa e calmante, sobr- o systema
nervoso, o bri>moruU> de potassiam, nao d-ixa de
dar os ma eertos resoltados oas diversas aff-c-
e5es da organism < e principalmente as molestias
do corscAo, das na digestivas da re.-^piracio, das
trias feoito-Drinams, na epilepsia, na- molestia?
nervosas da prenhei, na insomnia das crianzas
derante o periodo di denticao etc. etc.
Vndese oa pharraaci e drogara
de
Bortholoraeu & G.
34-BA L iL'ii i om
Veode-se o verdadoiro oleo de O ua, Philoenme
da aoeiedade hy; i-mtt, e macaisir vil d Aikm-
Moa : no Bazar Victoria a ra do Bario da Vic-
a-ia a -f, (aliga roa Nova).
PAVAO
ALSACIANaS A l*2tK)
Chegaram as mais liadas alsacianas sen-
do orna nova e elegante fazenda de 15a
com bnlbantes listas de seda e ba lame
larga, para vestilos, sendo n'este genero
o qae este anno tem vind de m is gosto
^0 mercado, e \>nd-se 10200 o covado
CRANADIN'AS JAPOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Cbegou para a loja do Pa*5o fsta aova
fazenda cm o nona de graoadioas Japooe-
zas, seadn ama booi a fazenda de la com
bonitos quadros de seda, p-opria para ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 80O rs o co?ado.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS. ,.0 COVADO
Cbegou e ta nova fazeuda" cim o aome
de a lanta, sendo- orna delicada fa7enda de
15a, pira vestidos, qne vende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
NOVAS POUPELINAS DE SEDA
Chegou para a lija do Pav3o um grande
sortime lo das mais lindas e modernas
pou elinas de sada, com os.mais delicados
jsdres e de muito phantasia, que vende-se
por preco muitn barato.
CAMBRAUS BRANCAS LAVRADVSA4#
Vende-se eorti para venidos de cam-
brlia Lraica labrada, sendo fazenda muito
una, p'lo barato orego de 40 cada corte,
asarn como aoi pfande sortimento de ditas
lisas, lapada? e transparentes, que veole-se
pnr me; os do que em outra qnalqaer parte.
CAMISAS PARA INvERNO
Chegou para a loja do Pavo um grande
STtimento de camisas escoras eoeorpadas,
a prova (Tagua, sendo propas para a es-
tago do invern, e vende-se por pregos
em conta. .
TOALHAS ALC0CH0.\DAS PARA MESA A 3*300
O Relio veude toalbss brancas de fusto
a'cocnnadas, proo'ias para mesas, sendo
bastante ranoes pelo barato prego de
30500, ditas encorpadas muito grandes 70.
CHALES DE MERINO' A 20500
O Pavao vende chales de merino muito
grandes e encornados 25*0. ditos
imitacio de chioezei 20500, ditos pretos
de renda com 4 pomas 20000.
CHALES PRETOS BORDADOS
0 Pavo vend8 os maiores e melhores
chales de me n pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e vende
por menos do que em ontra qualqner jarte.
CAMISAS PARA IJOMENS
O Pavao vende um grande sortimento das
melhores camisas inglezas e francezas com
peitos de linho para todos o? pregos e qaa-
li ades, assim como ditas de ditos de
algodo para todos os pregos e tamanhos,
tendo tambem para crangas, e oo mesmo
estabelectmente tambem se vende ceroolas
de linho e algodo, tendo para todos- os
pnros, as-im como metas cruas inglezas
para bomens e meninos, que tudo se veade
por prego muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
O Pavao tem o nsiantemei.te om grande
sortiu,ento dus melhores cortiaados borda-
dos p;ira camas e jar.ella?, qae veode-so de
80(ioo at ao aais rico que costuma a vir
n'este genero, aasim cemobonitas cambraias
aiiamascadas, tanto tapadas como transpa-
remes, proprias para o mesmo a, colchan
de criichtt, damasco para caira de noivas,
e cortinas, e *ende-e oo Bazar ao Pavo.
LiASINHAS BARATAS' !
0 Pavo tem om grande sortimento das
raai9 bonitas asinhas para vesti os, tendo
de todos os pregos cores e qaalidades.
rincip aodo dd 200 rs. rara cima ; porna
tao grande a qaantilade que seria enfa-
lonr.a especificar qualidade por qualida !e,
- a vista do freuz e das' amostras se Ibe
vendfSo por pregos to cmodos qae
nbUKue o deix;ir ae fazer am vestido d
lia pur tSo ponco dinheiro.
ALPACAS DE CORDO A 640 R8,
O Pavo vende as maii lindas alpaca de:Derta 8en(* fazpnda.jaao'encorpada
cordo (.-ara vestidos e roupas de criaoeas barato prego de & Ore. o covado.
pelo barato prego de 6i0 rs. o covado,
dnas finissimas cornos mais liados lavoree
MACInllS P \R A
COSTURA
. Chegaram ao Bazar Uaiversalda roa Nova
a. 22, um sortimento de machinas para cos-
tara, das memores quadades que existe na
America, das qaaes moitas j sao bem co-
ndecidas pelos seos autores, como sejam :
Weller & Wioo, Grover A Boker".'Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e ontras muitas
que com a vista deverSo agradar aos com
pradores.
Estas machinas teem a vaatagem de fazer
o traJ>,aJbo que 30coslureiras podem faz-r
diariamente e cosem com tanta perfeigo
como aa.jnais.perfeitas coslureiras. Garn-
tese a sua b ja qualidadee epsiaa-sea tra-
balbar com perfeigo em menos de ama
hora, e os pregos sao to resumidos que de-
vem, agradar aos pretndanles.
cortes dfl cambraia orgamiys; tanto brancas
como de .ores, sendo com liatrinbas. de
cores tessidas e nao estampadas, e liquida-
re pelo barato.prego de.20300, cada corte,
fazenda que vale muito mais.
Aos 20&9 cortes de cambraias bordadas a 5500,
O Pavo vende ama gande quantidade
de cortes da cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenhos mais
lindos e mais vistosos que ten viado ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
eooaes, e c-.m muita fazenda paramal ves-
tido, e liqaida-se pelo baratissimj prfgo de
53000, sendo fazeoda de multo maior va-
lor, graoda pechiacba.
CAMBRAIAS
O Pavjo veade randa quantidade de pe-
gas de cambraias brancas Upadas e trans-
parentes, teado de 30 a pega at i mais
tina que .vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende chitas largas com bonitos
desenos e cores fixas, peto" barato prego
de IrtO, o covado, fraude pechincha.
LA.\SINHAA 160 RS. O COVAD)
O Pavo vende bonitas lasinbas transpa-
rentes pelo birato prego de IbO rs o cova-
do, pahincha oa ra da Imoeratriz o. 60
CoRTES DE CASSA A, 20500
O Pavo veude bonitos cortes de cassa
franceza viudo cda ma em seu papel.* pelo
barato prego de 2d5O0 corte, ditos muit"
lindas 30000, pechincha.
CASSAS FRANCEZAS A2U RS! O COVADp
O Pavo vende bonitas. cssas de coree
para vestidos, pelo barato preco de 20 rs
o eovado ditas fiaisuuas com os-desenhos
mus mo'.le.'aos qtie-'iem vmdo ao mercado,
pelo barato prego de 500 rs.
CRETONES
O Par5o veodf Saissimos crotones oscu-
ros matizados, propnos pa/a vestidos e
chambres, peloiwrato preco < de 640 rs. o
coya jo, dSjoj^erfl-ros, proprospara c-
pelo
%
v$&
V



%
s

Uoico legaimente autorisado e approvado
Dlo conselbo de sade.
t'NICO DEPOSITO
em
PERNAMBfJCO
Pharmacia e drogada
de
BARTHOLOME A C.
34-i-Rua larga do Rosario34.
Para saceos e foguetetres.
s tecos
PARA ASSCCAR
CERVEJA DE MABCA
Engarrafada especialmente para o Bras.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazera os nmeros estampados
oas pegas e nao as etiquetas.
Vendem-se
Em casa de
ac T. JEFFERIES & C.
46 Ra do Gommercio 46
iBRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazetu em eada peca am Mne-
te com o aome
't DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES wmmmm
A FLOR DE OURO
E' este o distinro ie urna nova tem montada
loja dejoias,-sita a ra larga -do
Bosat io n. U A,
Os propriellflM deaM lefante estabeleeimeito lDdo em viita o? esforcos qne
fizeram para o collocarero na (soodiccoes de urna grande clientella, fjltaram.ao mala
rigoroso principio se nio viessen a collnmnas do jornal scienUflcar ao rweilavel pn-
blico, que no roe,mo estabelecimento encontrara sempre o mais completo sortimeato
^< de jolas, como sejam : brincos os mais modernos, para adornaren] as delicadas ore-
^S ibas do bello sexo, e qne se vendem a 8, 9 e 10* o par, ditas para menina* a 4 5 e 61,
sjg* ditas de coral, obra de aparado go^to a 3 e 41, Voltinhas de coral com tizes de onro
a Si, broches moderos de 3 a 131, ditos cqm podras e ero anas devida caixinbas a
10, H, 16 e 201, rosetas lisas, porm bem trabalhada?, de ioOO a (.IJ ditas com
pedras de 4 a 151, eacoletas a 41, ditas com loscnpcfies a 345C0, annels de. diversos
goslos, e com bonitas pedras a 3 e 45, ditas de perolas, esmeraldas rubina a 61,
ricas erases d esmeralda e rubim a 12, 14 e 161, ditas de onro e coral cero vista abv-
tographicas a 3, 4, 5, 6 e 71, ligas de coral a 21, eadeias para relogms a. irji, dittas a
6o00 a oitava, guarnifoes com tres botSes para aberturas a 41, ditos de pedjrlnba a3lM0O
o par, ditos para pnnhos os mais modernos a 7 e 81; alm de um variadisjimo sortimen-
to de jolas de apurado gosto qae reeebem por todos os vapores da Europa; como
sejam : brincos, braceletes, alQnetes, aderecos completos, erozes, rozetas, aunis de
brilbantes, esmeraldas, perolas e rubina. MedalhSes, voltas, traacelins, aunis com let-
ttas e de diversos modelos, ocalos e peucinez de ouro e prata dourada, reiogios de ca-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos tamanhos, ricos palitei-
ros e faqueiros, eoJUeres para cu e spa, luaracs .pai'a criaoeas, e ara idnidade de
jk objectos qae seria enfaflooho mencionar-se.
^' Os proprietarios da Flor de Ouro garantem vender mais barato qne
S qnalqaer parte, para qae estar aoerto o eetabelecimento das 6 hora da nuo
y%E) neo te.
a outrar*
as 8 da-

'
RA DO DUQUE DE CAX(AS
(Antiga do Queimado)
}
mencioriar, j
muito.
Pego que se n3o admirem dos precos de alguns arligos que pa^feo a
por vezes tenbo mostrado que s desejo vender barato a flu de-.pn^er veoder
e B|o ba quero me possa retirar do a>eu Orme proposito ;v pp4,ondo7dflde j assevrar
ao Ilustrado povo peinaaibucano, que nesta casa commercial fietco]wra.iriceridade dos
tractos, afim de se |.oder conservar a numerosa Ireguezia que me m boo/ndo em vir
em nossa casa, e para o augmento da mesma.
PREpOS
a 3)5200, MOCO,
fino a 6500, 7.
Basquioaa si eaMquiahoe a 104 e 254
O Pavo vende basquinas oa casaqainhoi
iaiitaco de agraianas i 8i 0 rs. o covado, da s6,la. Prttos ricamente enfeitados, pi
b'-mtos glacs com delicadas crese lus- baratis-imo preg de i& e5(J0 '0, teado
trusas como se la l^'OO o covado, e. oa- muiUj moderaas, assim como ditos de cro-
traa muitas fazendas de gouo e luso para chet e re,ld*s pretas qae se vendem muito
vestido, oa roa da Imperatriz a. 6o.
POUPELINAS
O Pavo recebeu as ais delicadas e me-
fem conta, na roa da laaaeratriz a. 0.
CJUseQtranca4Mpara*eserta8a3Ora.c#Ta chitas entraadas co
hores poupelmas de seda para vestidos, S^aJCt'JS: ^^ '".:**
cum o.s mais molernos lovores, a outaas li-
zas cioe tem fin lo,
e veniie-s- 26UOQ eada cavado, assim
como tej cadas sedas de sa&ai, tanto
para vest los de engiras como de neaioas,
q vende-se 2U00caia ovado.
ROUPAS PARA HOJllaNS
O Pavo temciostauteiieote am grande
-ortioueot de roopa, tacto de paaoo como
Ih bri s br neo e decoras, da case-
miras pn todos o pilcos e qsjpdades,
" lamhein se manda fazer juilquer peca de'
obra c ja tjdo aceto o proiflpudOj parto
iue se tem am perito
oas de cores fias, sendo fazenda maito ao-
corpada pelo barato preco da*60 o coottO,
EdP4ATkUI0S AIBOO
O Pav' -?enda os mais modernos e me-
Ihnres espartilhos, teO'lo de todos os la-
manos. polo, barat*- preco de 4J600
GSBHIRAS
O PavSo venda om elegante
de, decada ctsamuu iagieui, toado k>
das de lia e. u.oko tevetiobat. trato pro-
pnts para borneas cosao ptrt critocat, e
ditas mais eocorpadat. J^u>a^ pmi a 4t
dots largoru, qaeaereodei
poaairei, ai a da feapertlru
Gr nde
LIQUIDACA.
Na ra do crespo n. 20.
Loja de Guilheruae.
Lias de cores raiu Jas a 280 rs e covado.
Bramante de linho com 10 palmos de largara a
Chitas claras e escoras a 160, 200 e 240 c co-
vado,
Bitas riscados prussianos a 280 o covado.
HtM cbioezas para cotoerta a 240 o covado.
Cambraias, organdys miudas a 240 e 280 o co-
vado.
Ditas bordadas brancas e de cores para corti-
nados, a 320 o covado.
Dita6 hispo lisas finas a 31 a pega.
fotas brancas com 10 varas, a 3J00O e 31500
a peca.
Bita Vietona, a 41 a peca.
Mussulioa branca, a 400 rs. o covado.
Madapolo fraocez, a 61 a peca.
Dilo ingles de bom a especial, a 41000. 51, 61
e 71 a peca.
Algodoshbo a 31,-81500 e 41 a pe;a.
.Alpaca de cor com listas, fazenda superior a
360 rs. o eovado.
Diu branca, com flores miadas ma'.isadas
500 is. o covado.
Dita preu coa flor bran, o 500 r5. o eof
vado.
Ditas de cores padrees miados e moderaos a 360
rs. o eovado.
Lengos de casta coa barra-de cftr, a 120 rs.
eaoa am.
Ditos de linho embainhados a 41 a duzia.
Chila, fazenda bem conhecida pela saa frttdio,
mais larga que chita para roopa de escravos. a
00 rs. o eovado. *^
Gasemirj preta superior, a 11500 o corado
Cortes de caaemira de cor, 31500, 41 e 51.
Cortes da meta caaemira, a J00.
Casias preu de eflr, a 800 rs. o covado.
Ganga amareila lisa e de lista, a 360 rs. o oo*
vado.
Alfadio largo mi rea T aU a pega. j
Dase amostras com peahor. r
Pe;as de madapolo
1,5500, 5 e 60000.
Dita* de dito muito
e 9500.
Dita dito enfestado peca de 12 jardas a
3r>300.
. Dita de algodosinho a 3& 4.$, e mais
precos.
Dilas de dito muito largo marca T a
40400.
Ditas de cambraia transparente a 350O,
330 e mais precos.
Ditas- de dita tapada (oa Vidria) a 4
e mais precos.
Cambraia a imperatriz muito fina e
larga.
Uita imperial com cordaosinhos, azerda
muito moderna.
Mosselina branca, eovado 300 rs,
Bramte de lindo com 9 palmos de lar-
gura l#}00 e m.iis p-ecos.
Dito de algodo a 15500
Atoalbado afestuado fazenda superior a
10800.
Brim de algodo de cor a 100 is. o
covado.
Dito da Russia, a 500 rs.
Dito pardo trancado a 300 rs. e mais
precos.
Dito braneo de linhofazenlamuito supe-
rior a i0600 a vara (vale 20000).
Grande sortimento de brins de linho de
cor a 500 rs. o covado, fazenda que se tem
vendido a 10200.
Grande sortimento de casemira, casta o
covado 10600, 20500 e mais precos.
Damasco de la fazenda fioissima.
Cortes de casemira para calca a 40500,
50, 60, etc.
Flaneilas de la riscadinhas a 640 rs. o
covado.
BO a duzia.
o e linho scr.-
Lencos chinezes a
Ditos brancos de ai
ment completo.
Competo soriimenio de camisas nacio-
naes. francezas, allemaes e inglezas.
Cobertores de la de xadrez fazenda sope-
rior a 50.
Grande sortimento de balos.
Cobertores .de.a'godao a 5400,020500.
Cas&as de sapicos a 50000 a peca.
Palitols de caseuiira a 5#h.O e fiis [:e
Cos.
Ditos de, alpaca a 30500 e mais pre-
gos.
Saceos para viagem.
.Meias para bomem a duzia 20400, 30 e
30509 e mais precos.
Ditas para senhoras, meninos e meni-
nas.
Popelinas de seda, covado 107,00 idm-
ra/
Completo sortimento de chapeos de
sol.
Toalhas para o rosto a 80000 a du-
zia.
Toalhas bordadas, de linh) do Porto,
sao muito lindas, mandem bascaras amos-
tras.
Duzias de guardanapos a 20500.
Cortes de vestido de cambraia bra&ca
com (jabadosa 70000.
Cortes de vestido de cambtaia branca e
de cor com babados a 100000.
Algodo de 2 larguras paralengol ou toa-
lhas a 10000 a vara.
Chitas floas a 240, 280 e 320 rs. o co-
valo.
Bita vio'la fioa a 280 rs. o covado.
Ditas em percale o qee ha de meiliot*a
360 rs. o covado.
E' v para erer.
r
-t
r
a
o 8 ^ 8 S-
s s-Ib*
a* <, &g.8S'&
Vnde-e barato, am piano, de am dos ma
SOrtimaptO *fraados fabricantes : i tratar i roa- do '
roereio n. 38.
Aviso aos um&utes
Cbarotes de Havaaa
)
Vafdadeiroa s 4t versas^ureas, acaba de
ni aattard*-C, aruado Mar-
# -



Ditrio d# *mjfab**^Jfawhh* 2 d* Agosto d* l7l.
DO
4 Mil I) V UIPERATRIZ N. 64
OS
FMIMDO a LOPES.
Os proprrttrioSrdeste novo estibelecimento. certos de que o meio de adquenr
numerosa fregnezia vender barato, servir bem e haver sinceridadade nos tratos, nao
nos afastamoa deste caminho para bem corresponder ao favor que nossos numerosos
fregaeses nos tea dispensado.
Gomo anda temos alguwas fazeadas das. primeiras compras, resolvamos faser
redocJo em afumas deltas, par o qoe chamamos a atlticto do respeitavel publico:
SBXNS.K GROSDENAPLES DE CORES., Capellas muilo lindas para noivas, pelo
Temos para todos os presos e cualidades. barDat0 *?* f U e 2^i r8'
Groapnapfi preto. Poupel.nas de cores brancas amito
Recebemos nevo sortiacento e vendemos
por menos do qoe ootro qualquer.
Las Saboya.
Anda temos um resto desta linda faze&-
da* para acabar vendemos por tOO rs.
Curtes a Jiinen
Anda tentns alguas estes lindos cortes
com lis tras de sed?, y 1.9 cavados, ptro
acabar vende mos por 20.
Cognados.
Recebemos novo soriimento e vndenos
por 8d/W, H, 16*, 19$ o 22 A cada
par.
Cambraia para oort nados a 10r5 a per^a
com 2 varas.
Dita Victoria de 4 at $$000 a peca -de
8 varas e meia.
Dita soissa transparente muito fina.
ORG*NDYSm\NGO
Temos receido novos organdys de
4i9500 rs., ditos de 6 e8$000, este ulti-
mo tem listras assetioadas.
Espartilhes
Recebemos covo sortimento de espartilhos
ingleses muite grandes, -bao de Trabo.
Vestuarios para baptisados, bordados
mnito Irados a lOOOO, barato.
Camisas francezas, ingezas e soiesas de
20 at 4;J50Ors., ditas bardadas muito finas
de 85 ate lOc'OOO.
MECEJAJCA.
E' ama fazeoda branca muito linda e fina
para vestidos de senioras, tem a peca 30
jardas e cusa lif &225000.
Panno abretanbado largo e bom. .pega de
20 varas a l.
TAPETES.
novo sortimenlo e vendemos
lindas.
Camisas de rucia a 9#00G a daz, pe-
cbincna.
Canbraias de cores.
Temos o raelhor e mais lindo sortimento
de -cambraia de cores a 500 e 560 rs. o
metro.
MEIAS.
Recebemos meies muito fitas tanto para
senhoras como pora borneas, meninos e
meninas.
Chapeos de sol.
Recetamos ckapos de sol com. cabo de.
mirfim que vendemos por 135 185000, di
tos de cabos de canna 9|, 115 e 145000.
Cortes de cambraia de cor muito lindos
e com babados com seu competente figuri-
no, tem i 8 corados por 85000.
BASQUINAS.
Recebemos basquinas de seda ricamente
entestadas que vendemos por baratissimp
proco.
Vestuarios para meninos.
Recebemos vestuarios de f usto muito
bem enfeitaos qoe vendemos por 45500 e
55., fil branco bordado muito fino, dito
com salpicos dito preto com salpicos e liso.
Cambraia abert a tmitacSo de croch de
cores e branca.
BRINS.
Recebemos o superior brim de Angola,
dito pardo para todos os pregos, ganga fran-
ceza a 500 rs. o covado, superior.
Pannos finos.
Temos pannos preto s finos de 35500 at
6&500 r-s.
Recebemos casemiras de cores para 35
HVDROLEO LITH(tTRIPTICO
13 TI IIIIEIM TICO E CiOTTONO
ESSENGIALMENTE EFFICAZ E 1NPALLIVEL EM DESTRUIR AS AREIAS E
EVITARA SUAFORMACAO
Guiados pelas udicices de amitos abalisados cbimicos, e medico* distinctos, que
se deram ao esludo e averiguado das causas que prodotem os padecimentos de rheu*
matismo, gotta, artias dos rhins, otxiga, figa, e d'outras visceras; e aos ensaios dos
meios proprlos para cural-os, ebegamos a obter um remedio, que nunca desdisse a soa
actividade contra os ditos padecimentos.
Nao nicamente bascado em tbeorias que tanto avangamos, mas sim nes satis-
factorios resultados obtidos da sua appltcac5o, as innmeras experieoas, que com elle
fuemos; e desle modo, seguros de sens beneficios elTekos, afoutameoteo recommenda-
raos s pessoas q e soffram algumas das molestias seima ditas, oa de sgaos ootros pa-
decimentos do apparelaa armario, taes como o diabtico, glycosorico albuminorico
etc.
Escudado seria observar qoe se n3o pode designar um numero determinado de dses
de um medicamento para corar todos os individuos que padecam da mesma molestia ;
pois que a cura est dependente de diversas circumstandas, inherentes disposigao na-
tural ou compltelo, de cada am delles; mal comtado, certo que o hfdroteo litho-
trptico atairkeumfkf) e gottoso prodac sertpre acure desojada, qondo se persista em
toma le o lempo preciso para obte-la; devendo ter-se em vista qoe quaoto mais invete^
rado est o mal mais se deve insistir na applicaclo do remedie.
Podemos tambero affiapear qoe, por mais continuado-que seja, o uso desto reme-
dio nao cansa desarranjo algum naa vas digestivas, mas antes, pela propriedade eminen-
temente tnica, qoe tambem possae, fortifica e estomago, torna mais facis as digestoes
e, nao placas vezes, tero feito dosapparecer diarrbea, qoe eram eatretidas peladebiS-
dade/geral do apparalbe digestivo,
MOBOE VSMt
Tomaav-fe do kgiroleo bfihotriptice, nos primeiros qaatro oa crac dias, duasco-
loores de sapa, em agua assocarada, leJte, cha ou caf com leite, e mesmo sem misto
ra alguma, na occasiao do aieooco, e oatras lo principiar a jantar.
No qainto ou sexto dia e segaiotes, tomsa>se do mesmo modo dio, tres co&eres
te cada vez.
Se ts ourinas da peswa doente deposium graede porcia de areits ; se as -dores
Q(mhritieas, rheumaticas oo gottesas sSo crastantes-; em fias, se os padeoimwmvjs sao
fortes, tomar-se-tlo quatro coHieres de casa vez, oa tres veaes no dia, a tre* colberes
de cada urna.
s
GRANDE LlQUIDAgO OE FAZENDAS
Qcando as areias, ou outros padecimentos, 'ten diminuido, torna-se
dses.
'pn me i ras
Pelo uso o Hy'drMeo lh9tK>tieovi3 sendo**ais raroso appaiecimeuto-te areias,;
as dores nepbriticas, rbe urna ticas e gottosas at-qae de toda desapparecem: oeste .ponto'
pode dispenssr-se o remedio : til, porm, como prevwtavo, tomar cada seaaana nasa
oa duas dses del le.
Pelo qoe respecta alimeataco, deve ella eer raga-tafia de moio que na sobrecar-
regoe o estomago, e-om qoaotidad3 tai que posea ser faeilmente-tgerida.
A metsor bebida, sem dovida.aagna pora, mas tambero se pede osar de viabo
smiles oa pouco alcaolico. De cervqa e vinhos fortes,-poucas vezes.
Sobre todo o efe muito eontriboe para a rapidez da ara.
N. B. Depois cuidado em o rroiirar immediatamente.
Unkso deposito em
Pinvasacia americana ee Ferreira Maia C, ra-do Duqae de Caxias o. 57, (an-
tiga do Oaeimado.)
Recebemos
muito barato.
Temos graade sortimento de saies bor-
dadas e vendems moito barato.
CORTES DBLA A.-SIMIRAMES.
35500 rs. o covado.
CHITAS-
O Cysne em o maia lindo sortiment de
I chitas para todos os pregos e qualidades.
Bareges com listras de setim com liados
padroes e muito modernos.
E' urna linda fazendi com os enfeites Cretones claros com lindos padrees e
correspondentes, guarnecida a saia com cores fixas pelo baratissimo pre?o 440 rs.
orna franja de seda na barra, vonde-se o novado,
por 405000. | Luvas frescas de pellica para homens e
Cortes de cambraia branca aberta, bor- senhoras do acreditado fabricante Joovia.
dadas muito lindos, veadem^e por menos Fazendss para luto vndemeos por monos
do qoe em oetra paarle. j qaeem outra qualquer parie.
Dites bordados na barra, de cambraia' Alpacas, cantos, priecezas, bombaeinas
transparente, por 85000, moito barate. cambraia preta, *tc. etc.
Deixamos de annonciar muitas oatras fazendas por ao se tomar e.enso e en-
adonho aos nossos freguezas.
Raa 'la Iaiperatriz n. 64.
FIGEIREDO & LOPES,
N. 26 Ra da Imperatriz TS.
O proprietario deste novo estabelecimento, tendo resolvi* liquidar o grande depo-
sito que se acha repleto de faiendas de todas as qoaliaJes, declara aosseus numerosos
(regueies qoe a J.odaia vai vender suas fazendai por menos que em oulra VWt
parte,, pois que far o descont de 10 % em qtwlqaer qaanbdade de lattaOtt que me
comprarem. _
A Jandaia vai declarar alguns prepos de
suas fazendas.
Rramante com mais ds 10 palmos de lar
gura a 30000 a vara. s6 i
Alpacas de cores lisas
boa a
Casemiras em curtes a 40500.
Chitas escuras e claras, fazenda
22Q rs. o covado.
Bareges de 13a de quadrinhos, lindos pa-
drees, muito la.gns na toja da Jaud..ia.
Lies a tabernic, inteiraonnle para aca-
bar esta fazenda, pelo barato preto de 500
rs. o covado.
Lansnbas clamas a mo^imbique a 400 rs.
o covsdo.
Mossulinas brancas, e de cfir&s, lindos pa-
d:oes:!a 460, 4S0 e 700 rs. esta nltima
assetinada.
Popelina de laa.e sda, fazenda moderna
e muito booitos padioes a I-VJUU o co-
vado.
Corap'.rto e wnato- sortimentu de chitas
de todas as quiliitade, por todos os pro-
icos.
Goosdenaplft ,preto-, ftzenda nova a 250OO
0 covado, s r? 4andaia.
Madapolo^-^ M5.)0. K5500, 7, 7?)500,
SiJ e lOOD-a-feea, s na Jandaia.
Fil liso hde salpico por toilo o preco.
Batees p:ara aeonoras e mecinas'
Biici patito de linbo a 300 rs. o co-
vado.
Ditos de cotes a 440 rs. o covado.
Cobertores de algodSo de um s pello a
i4fiO, s aa Jandai.
Ceroulas de algod3o branco trancado a
lifSOO oa *8-Aouo a duzia.
I
a 500 rs. o co-
vado.
Alpacas de cftres com flores a 600 rs. o
covado, esta pecbinchi f na Jandaia.
Alg-'dio marca T.moito largo, boa fazen-
da a 6O00 a peca".
Colxas para cama muito gr;ndes, a-.
55O0O.
Casemira preta fina a 20000 o ewJ*v
Chales estampados e lisos a 2)9800, j),
USOO, 40200, e muito fino ; J3C0O.
Cambraia Victoria, de 400 a 70000.
Ditas transparentes por todos os pre-
Cos.
Ditas para forro a 24000 a peca.
Algodao trancado branco com 8 palmos
de la gura.a 10*500 o metro.
Bramante deliubo d urna s largura do
mais fino de MOO a ItfiOO, s na Jan-
daia.
Toalbas felpudas grandes, a9$500 a du-
zia.
Alpaca preta fiaa a 600 rs, o covado, so
na Jandaia.
Calcas de brim pardo de linbo a lr?600,
11800, 2000 e 3(5000.
Panno preto fino muilo
4&000 o covado.
Paiitot de alpaca pretas
todos os piejos.

boa fazenda, a
e de cores por
CHAPEOS DE SOI.
aa Majsueaj
ELEGANTE
N. 1Eua streita do E osario M^1
AO BOM TOJI
Acaba-se de abrir este importaote estabelecimento de miudezas saperiores cornos
melhores artieos de iuxo ede moda para hamens e seaboras, variado sortimcaito e
perfumarias dos mais afamados fabricantes de Pars e L< odres, como sejam Hiaer, Lnlain,
Ccndray, Fmaud,.Regand Cfeocneaux, Jksonpelas, Eociet llvgienique, Gosnel, Rimmil e
Pieste Labia, etc., at;.
Um. completo sortimeuto sendo : de seda, merino, alpaca e brim ; coQtlnua-se a
cobrir, oaacertar e fabricar chapeos de sol em gros*o e a retalhe.
A Jandaia nao pudendo mais continuar a mencionar os precos de sus fazendas
pede ao*. sons freguezes que venham ver a realidade, po*s o estabelecimento se acba'
aberto das-6 horas da manba at 9 horas da noote.
Alta novidade
O "Museu: Elegante ra Estreita do Rosa-
rio o. 1 vende ricas camisas de cambraia
de linbo bordadas paca noivas, e tambam
de madapolo fino', bordadas e en'eiudas
de ntremelos a 4O*. M& e 75^000 a du-
zia.
Lindos pent.dors guarnecidos deeatre-
meios e rendac valencione, ricas calcas de
linbo bordadas a de madapolo, para senbo
ras, beilissimo sortimento de golinbase pa-
nbos cousa inteirameote aova, recebido pelo
Ultimo vapor da toropa.
PARA BAPTISADOS.
O Musen Elegante receben os mais fios
e ricos emovaes para baptizados e tambera
lindos vestidos enfeitados paracrianca.i roa
Estreita do Rosario o 1.
Ultima moda.
O Museu Elegante reeebeu os mais lindos
e modernos chapeos de blond enfeitados
para seoboras, e tamben de velludo e pa-
Iha para criancas, e est vendendo muito
barato para vender logo, a ra Estreita do
Rosario n, 1.
Florea e plumas.
O Museo Elegante est vendendo as mais
bailas flores e plomas que tem vindo ao
mercado, assim como nm lindo sortmen.o
de franja de seda preta cousa oe apurado
gosto ra Estreita do Rosario o. 1.
BOTINAS.
No Museo Elegante vende-se botinas de
n. 20 a 3 pOara criancas a 2->000 o par, e
tambera vende colobas e loalhas de fusto a
54000 extraordinariamente barato, roa
Estreita do Rosario n. 4.
Callar leelra.
- Ate-oue fioal ebegaran os verdadeiros
collares de Royer, contra as convutees das
criancas e facilitando a denticSo, e esto se
vendendo a 3000 no Museo Elegite
roa Estreita do Rosario a. 1.
Lbyrintho
0 Museo Elegante vende ricas frondas de
labyrintho a 640 e l)?20u, ra Estreita do seda para senhoras a 180000,
Rosario n. 1. I no ultimo vapor.
3 de H por 4^800
Na verdade barate II Pacas finas cabo
de balanco com dois botos a 43800 a du-
zia, nm completo sortimento dd colhe-
Iberos de electro-pate e facas com cabo de
marfim, tu lo por preco baralinho qoe ad-
mira, no Museu Elegante ra Estreita do
Rosario n. \.
AS MODISTAS.
No Museu Elegante encontraro um com-
pleto sortimento de bico de blond branco
e preto, dito crochet, trancas e franjas de
seda de todas as cores, grande sortimento
de galoes de algodao cousa de lindos dese-
nhos, cambraia franceza branca e preta para
forrar vestidos, retroz de todas as cores.
eotremeio e babados tapados e transparen-
tes e agulhas de ferro, osso e marfim para
crochet, ra Estreita do Rosario o. 1.
Imita?So ale ouro.
O Museu Elegante vende ricas voltas dou-
radas para seoboras e tan bem meios ade-
reces imitando coral, perola e gata tudo
por precos razoaveig, na ra Estreita do Ro-
sario n, 1.
Mantilha brasileias
No Musen Elegante roa Estreita do Ro-
sario n. 1, ven-ie-se lindas mantilbas de
cousa vinda
FAZENDAS EM LIQUIDGfiO
LOJADOPPAG
A' ra da Imperatriz n. 40
Os proprietarios daloja do Papagaio scientificam ao respeitavel publico desta
iiproviocia, qoe esperara muito breve receber um novo sortimento d fazendas mader-
-oas, e de bom gosto, e por consegointe po>m tm liqoidago as abaixo especificadas:
Retalbos de chita, de cassas e lias.
Chitas de cores e rxasde 160, 200 e 240 rs.
Laz nhas tapadas e trnsparentes.
Alpacas lisas e lavradas, de muitas e diflerentes qualidades e procos
Cssas de cores de 240 a 320 rs. o covado.
Corles de cassa chita a 2(5400 o corte ou a 240 rs. o covado.
Cambraias brancas tacadas a 40 e 5.
Barejes de 13a a 320 rs. o covado.
Talbas de linho do Porto moito grandes a {00000 a duzia.
Metim da India a 600 rs. o covado.
Laazinha preta de 320, 400 e 440 rs.
Alsaciannas a l$0OO o covado,
Chitas p-etas muito finas de 400 al 240 r,
Espartilhos de liuho e algodao de 350u at 5)5000.
Camisas de meia, ditas francezas.
Camisas de peto bordado, s&s, e de pregas com collerinho e sem elle
BaI5es de panno a 3)5000, dos mais modelos.
Cullerinhos de papel com beira de cor e todas brancos.
Fustes de cores para vestidos muito largos a 440 rs. o covado.
Cortes de casimiras de 4)5000 at 7,5000 com qnadros e listras.
E outras muitas fazendas que pretendemos !;quidar para nao accnmulsr
as que espetamos reieber.
ROUPAS FEITAS EM LiOUIDCiO
Na luja do Papagaio ha um granne oeposito de roopa.i feitas de I
casimiras, palitots, caifas, colletes e sobrecasacos, que se liquidam por preco!
baratos.
Sedas lavradas de cores.
Liqoida-se na Foja do Papagaio urna grande porc5o de sedas lavradas de cores
que se vendem por precos baratissimos, na ruada Imperatriz o. 40, esquinado becco dos
Ferreiros.
Mendes & CarvMho.
:oaj
brins e de
mnito
BAZ\R DA MODA
cripta suffrH o choque
forti?9imos, sem
Nanea se vio am procedo''mais perteitu e que ai
Unja de Ul forma a .aifazer as exigencias mais se twompr; ora,'se os cidos nao tem aego so.
ieveraa dafscripinragao. bre ella, maila meos a accao do tompo apoda
A soa cor lindsima e nao precisa de cuida-
doalgura para se conserar do tinlei>o sempre
eom a mefma rr, fm borra, croata, bolor oa sem
tedas estas amellas iuhereates todas as limas
at agora conhccidas, alada mesmo dos melhores
atores eslraageiros.
Sobretodo, e-ie Mtimavel producto nao ataca as
peonas de ac, sotes pelo contrario, a peona
adqaire um esmalte doorado que, sendo ioteres-
aaole, aseas proTeitoso.
Esta tiara, nao seoda especialmente para copiar,
eenita*o daaa, tres, oa mais copias am n et
sepoisda escripia ; preciso, porm, deixar-lbe
oorrio, porque nao bs o ri'co de borrar. Para se
arar maia de ama-copia, bh agglomeram lau-
tas folhas quaotts comas se qoerem tirar, mas
tac-SB eom o origioaMirar ama taotas quantas
casi-ciam, sem qp o oflglaat qoe preiudicado
patas exiraeoei..
Oeeorre aqoi direr qae, para copiar importa
Baila iotelUgeoeia e- habilitada, sem o qoe a me-
tnor ttota nio saturar, e o defeito recae sempre
obro a tinta, que muitas vezes 6 quem meaos
colpa tem.
A tapia qaalldade desta tinta extrenHmeote
apreoiavei, pois que avila que em qaalqqeP es-
ariptorio baja mais do que ama tinta para os i*
sanos miteres.
Baonaato soa durabilidade, nio ha a oppr
~7davida pas qoe esta asta, depois de es-
desiruir; isto plaosivel.
Nao s ao commercio que este mea producto
veio ser atil ; os professores dos collegios, invest
gando todos os meios para o adiaotsmento dos
seas di.-cipulos, tem approveitado esta tinta, qoe
com razo a acharara apta para deseovolver o
gosto nos educandos, ero consequeocia da belezs
da e6r e facilidade de correr na peqoena pela sua
liquidez. Ha exemplos de enancas que bavi
mnito lempo tioham ama repugnaocia extrema
para a escripia, logo que fui admittida esta unta
no coliegio, apoderoo-se dellas a enriosidade e o
gorto, e ponco tempo depois o sea adiantamento
era manitesto.
Esta tinta, par de tantas vaotagens, tem nm
nico incouvenieote, deteriora.se ao contacto de
outra qualquer; CAnvra pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de ontra tlnU, e evi-
!ffrP8crever com oenn* 8al* urna preparacao
dinvrentfl e incompaiivel; verdeando foto,-nSo bs
'tS ??ite DMr de UBU 9oe nio se* BO-
LETA EXTRA-FINA DE MufITEIRO.
Observapo.
e semeibancas tem appa-
dovidosa. Os Srs.
o engao dirig'ndo-se
a Unta que en
LOJA DA CONQUISTA
Ra do Cabuga' n. 6
03 donos deste eovo estabelecimento acabam de receber um completo sortimento
de fazendas finas, das quaes s mencionara os artigos aoaixo declarados afim de que o
respeitavel publico possa fazer urna aproximada idea de qoe nao por meio de annun-
cioa qoe queremos acreditar nossa loja, mas sim pefa variedade de objectos de gosto
de moda que sempre costumamos ter como sejam :
Diversas falsifica
reado, coja durabilidade
compradores pod,m Brtur ,
eam.ctreapec4a./.apeoiaao"
fabrico
A. C. Montare,
Ricos cortes de blond para casamen-
tos.
GorgurSo de seda, branco e preto.
Dito dito de cores.
Popelinas de seda brancas.
Ditas ditas de cores as melhores do mer-
cado.
Ricos cortinados bordados para cama.
Ditos ditos de crochet dito.
Colxas de crochet dito.
Ditas de 13a e seda dito.
Camisas do linbo bordadas
nboras.
Ditas de a'godSo, bordadas
nboras.
Ditas bordadas e lisas para homens.
pan sa-
pera se*-
Lindos lencos de cambraia de linbo bor
dados,
Saias brancas bordadas.
Granadinas brancas e de cores para ves-
tido.
Lindas alpacas e laas para vestido.
Ricos enxovaes para baptisado.
Ricas chapelinss e chapeos para senho-
ras.
Lindos fustes do cores para vestidos.
Fil de seda, e grinaldas para noivas.
Mantilha brasileras.
Cambraia loa. de 2 largaras.
Brumal; Btetanhas e esgnito d- li-
pa*
Tapetes grandor para goarnicao.
DE
dades.
Mandam-se on levam-se as fazendas emqiiatqrjer casa qoe- para isso nos mandtm
o nome da roa e numero da morada na *
MU DA mmtlk
A! va a Cubugb'u. 6.
ANTONIO FaJWtft DOS 8AITT0S & 0.
JOS DE SOUZA SOAPES k C.
Grande exposipo
Especial sortimento de fazen Jas de algodao, linho, laa, e seda, de todas as quali-
Artigos da moda elegante, lanto para senhoras, como para borneas e meninos.
Completo sortimento de miudezas finas.
Grande dep sito de perfumarias dos o ais aflamados perfumistas da Europa.
Variedade em objectos de pbantasia para mimos.
Nova remesa de ricos livros para mis
esmaltado, e madreperola, tanto para seoboras como para menioas.
Bello sortimento de lindas e modernas joias de ooro, como sejam : cadeias para
relogios, medalhes, meios aderemos, brincos, broches, braceletes, collares, e abonado-
ras para camisa.
Ricos e^pel^os prandes com moldura dourada a ouro fino.
Bollas panormicas brancas e de cores, propiias para jardios e cornijas de casas.
Assim. c-mo temos a vendd urna bella e perfeita embrcac5o de guerra, symbolo
da corveU S da Bandeira, e urna caixa com ria musica de peote acn panhada de
timbres e rulo, tocando com a maior perfeifo o byamo do Brasil, Vida Parisiense,
Marco Espada, Flor do Cha, Eaustp, Pericholle, os Drages de Vlars, e Viagem a
China.
l. ftORna do BarSo da victoriaX. ao
(Uaqulaa da de %auto Amaro).
CASA GAUVify AjuanB.
Pharnoaceulllo privilegiado
succseor 9
a-iopoi, sa rA.Ris.
NOVAS ESPECIALIDAVE a. marinier
Apr'if .lulas 9 AMiiniii i Sficucia e to Instituto FmubI.v* cnraUea dal MOLfSTUB C0SrACIOSi8.
MXMPUILfflO
do T.0!l.?S_rte um w'' ?ravti iactivniHU al tiJtthiiu..
ESTO JOS Cm -cfflt &^Ai&J?ft**
GOLLYHIO Csntra as afteocwa das palpabrx
rrepand sab a mesan forma.
.
i
BAM1010IEO C
Depositarios geral para e BISAKIL e l>#aiTIiiAli
34, roa larga do Rosario. PHRNAMBUVVi



Daro de Pernambuc akTei
__ -CAMrTdos deputados
P>wfio do elemento servil.
*. ,, (C?nUnHi{lo).
e>*o'0^^*' ? a,,ohM b*coe8
fo*aadoq oe proetei contra a comp-n-
f Apoiados da opposicao)
i, S!t PVNTd 0E Ca* -Nao ten iofe-
heidade algnroa.
OSn Jos .Calmo* :_-N3o menos oed's,
~9r, presidente a comparacSo que se ea
*>otra o cap. 4.. a,,^^ d |m.a
wrwro, &*,,,. nosso> f g mw
; o a /ifrMa. t *
Mais adirale: O servo paca ao unto
emodio^ que delle recebe em desprezo
Jsm edudeo, nem instruccio embbese
cmb.ado.Cmvi vendo com a gente Je ra/i
uf2 ? bom'sen,dos nobr* *pi-
^ uucao do que. acabo de 1er
loneta* a honrada commissio este
IiiU1 cap. 4 com urna
a sabw; n jurisconsulto lpiano, i
lempo do imperador Jiisuaiano I Tambera
a cfl n d,3Palad* responder a su ?
O Sa. Pinto de Campos :Poi' um equi-
voco. H
O Sn. Jos Calmon : Pois um trabalbo
aesia ordem, que ba depercorre' o mondo
civinsado e ser tradurido em varias Jin-
gles, nlo devia merecer da honrada com-
missio mais a'gum coidado, tanto no fundo
como na foima ?
Swhores, o, que se dir do parlamento
brasilem, se elle o
* d Jtgoito de 1871
l^JK1: &^&22* -ftW-mi: OS, Jon Cuto, -Eu
ero-
Se a escravidSo mentira
que saja abolida imraediatameHe" fflo o
podeii M.r 1 Eolio "porque commetteis a
imprudwJ?ia deo.dier? (Apoiados da op.
posicio.)
Se alo houvessemos sido educados
ora este espectculo, pasmarijsos de o
conteinpfar, t
(T.-a, o* nobres depatados que sio B a-
sileiros, foram edecados com esse especta'
culo, logo nic* podeoj pasmar dianta dalle.
Quem, prxoto, podarja* revelar-Ibes o se-
grego de se sentiraemv, para S? EExcs.
desconhectdo, vista do sea enunciado ?
[Serla acaso *> auior ageste jYahalho ootrem
que oSo os noV.es deparados como se tem
espalhadu. -
Nao o creio, Sr. presidente ; ABtretanto,
os nobres depuW1os com' aqueta m seo-
lenca dio lugar suspeita.
O Sn. Pinte oe Campo c Pira ausQ
iodiffaren:e que Y, Su. crea ou defae de
O Su. Jos Calmoy : Bige Y. Exc. | por mu amigos- contra os ineizes proprie"
!??'"1118 eiPrin>a roeJlior do que dizeodr/tarios, bildos Ate pfotoccio.
no seio do 'Corp*? Jp|isatio,
vradoref da proffinefa do
diriginr carta* a? bonrafld
mesma provi
oollocra i fraou da idea, pedinfj aoo
recoosiderasse sobre tal sumpt(T(Aooii-'
dos). x r
(L) t Ser prudente esperar Annibal
ai portas?
A perguota comida nesta obrase duna
da maio- atteoclo. 6
Ouem este Annibal que ba de vir anjea-
tar-no diante de dosso* mur s ? Ser o
e)rnero ? (ipoiados). Por ventura as
grau ie oac5es eivilisadas intervieram nos
negocius internos de oolras, quando traa
ram estas de abolir a escf avidao 1 Ser, pelo
conlrarij, orna ameaca' do goverito, valen-
do-se da fon? de que disyfe ? A (aoto se
atrever ?
bem salientes certos fact >s, para q
Sarao os proprio captivo, acidado* por
este procedimenio o\> goveyno imperial
q-e uocreio ?
Sr presidooie, eu i stou convencido de
que no nosso partimento sobrara' talentos,
para que precisows retorrer ergnnhosa-
mente ao eMrangsiro, qoaudo trennos de
preparar tratMHios- qoe devam ser sojeitos
li,> daro ao engrmimwo e felkidada a
sanccionar cam o seu
^ulo? Qieoem ao menos ss sabe aqui
que Llpiaoo nlo fo coaiemporaneo de Jus-
nounol
O Sr Pivto de Campos:E* apenas um
erro anacrnico. *
O Sn Josfc C,\lmoi> : 'Mtrujues -pulla casta ficam envilecidos
coma tita. *
Ubia Voz :Creio que o paracer da com
BV/*e3o uao est em discossao.
0>-S. Jse Calv.on :DiscaV^e o pare-
*r cot> a propona, salvo so, qui2erem to
lher-md libenlade de r^ut-os argumen-
t >s da honrada commisrp.
O Sh. Phesioeme:.-j[) nobre deputado
deve cingir-se m^veria, do artigo que se
discuta, podendo oatretanto fazer observa-
res eiaes qu^VeQhamrelaQo com a mes
na ma'eria.
O Sa. JobCxlmon :Tenbo tocada pos-
tes i-'o.'i:* porque entend que tiabam tiles
rela^o co.ni 2 materia principal. Kepetire,
lois, o periodo do parecer, para dette tirar
a eoriotasao a que tat propunha. quando
fui interrompido.Os labores, entregues
'/uella cusa ficam envilecidos, como ella.
Ora, a renda do estado, a sua principal
patria. (Apoiados) Estou, portanto- /aten-
du jastifa honrada omou'ssio O'qne
disse, e repilo, que purase empregada
autorisa a suspt-jta dos> qoe> lerem pare-
cer.
Reveste todas as cetWK^fes d? arriuta
propriertade o mai* m?leto dftmi-
Qio que a lei concha ae seobrir ?
A bonra-1 c mniisso j'Ufo se at a
dizor que inconjpteta a- p\-ipriedade do
senhor sobr oescravo, vai-aliante, e o\z
que ;Dai. qoe incoopleta. I"
Ora, cma propnadid6 de> tal natireea
fra a roaior das in'Hjaadades-, 'togo devemns
abolir neontinenli a esera-vidSo, at mesmo
para nao incorremos uo. |ust> desprez-i
das D-eSes civilizadas.
O Sr. Cruz Machado : E* these de
que a propriedade ura roobo ieste caso.
O Sr. Jos Calmdn :Seso du ida. E" a
propria commissao quefix reioabece qoe
nao pode haver escravos, quando mais abai-
xo acere centa : Resta finalmente encarar
a q*eso pela aspecto- do denominados
imoHUETARios deescraws. E, pois, eu
Ibt apreseota as ponas dusto dilenima : ou
ba ou nao ba propriedade; no primeiro
caso n3o pedis usar das expresarespeo*
priedade iticotapleta, dmomindos prctpt'ie-
torios, que se- encontram n > vosso parecer:
no segondo ea^o nao pode haver direita a
indemoisacao q.ua vindes aconseloar-nos.
(Apolsdosi
(L) t O pndulo politifo deve cahir a
prumo; e mal ?aj a um estado, quando
pretend fiur h lo sobro q jalquer dos op-
postos limites da&suas oscillacbes.
Ora, Sr. presidente, este pndulo poltico
que- tem de cah, r a prumo e ao mesmo
tompo oscillar principios diametralmenle
Exc.
raoda, aquella com que o estado augmenta |i>pposios a passagem mais curiosa deste
i loa riqueza e solve regularmente seus da- magn'fico trabalbo, excepto a Vagp- Venus.
j.tos, proven dos labores dessa casta; logo, (Hilaridade).
O Sr. Pinto de Campos d om aparte.
O Sn. Jos Calmon :-Se aqui n3o ha
conlradicgao, \. Exc. explicar ; e j pre-
vejo que a expcacao ser Uo completa e
satisfactoria como completo e satisfactorio
o parecer da honrada comuisso.
Mas permitta o nobre deputado que eu
continu.
Sr. presidente, sobresahe no cap. 9 um
estupendo pallicismo (apoiados), que em
qualquer escola de meninos nao deixaria de
merecer a correccjlo de que advogada
Santa Lua (hilaridade); escravagem ser
ludo quanto Ss. Excs. quizerem.-..
O S. Pinto de Campos Escravagem
gallicismo ? Peco ao nobra deputado que
retire essa expressao. vista d sso ostou
salisfeito com a analyse do no^re depu-
tado.
O Sr. Jos Calman : F,slimo. muito ;
linda bem, Sr. presidente, que n5o estou
solado, ha aqu muitos coUegas que pen-
sam do mesmo moo l escravagem ser
luo quanto o nobre deputad.) quizer, me-
nos vocabulo da lingua porlugueza. (Apoia-
dos). Porque n3o empregaria aqu a pala-
vra escravaria, s que mais tarde usou a
honrada commiss5o ? I>to quer dizer o se-
s rwd^ do estado orna renda vil.
Isto que aviltar a patria!
O Su. Pinto de Campos :0) l V.
nao tem razo.
O Sn. Jos Calmon : Estou tirando as
conclusSes dos principios estabele:idos no
parecer da nobre commissao.
d -A aristocracia dos livres, consiste em
se nao manchar com empregos contempti-
veis : para o escravo, o trabalbo manual,
para o livre a iseofo delle ; dessa i-en? >,
para logo se geram a sobranceria stulta a
pregoica improductiva, a ociosidade vicios.
Nobilitmdo-se, porm, oshomens pela igusl-
dade, nobilitado ficai lodo o trabalbo, ees-
sando dstinecas, ento, e s entlo, ira-
po3 Se o servo de rafa inferior, como fie a
din no caD. 4o, ondS est a igualdade ?
O 'i e admira, Sr. presidente, que a
honrada commissao em vez de vir aqu di
zer nos to las essas amenidades, dar to
sjlenme descompostura a hdos os cdados
Liisileiros. nao selemb^asse de nvellar mi-
mediatamente todas as classes de nossa so-
ciedad-!, estabeleceado a igualdade absoluto
para uoailitar o trabalbo, eomefando os
txempk) por si. (Apoiados ; hilaridade.)
(L); O produjo escravo sempre
de arremedo, tosco, brutal, moroso, pouco
lucrativo ; o trabalbo livre emprehende-
dor. mtelligente, hbil, activo, crea
Cor. lucrativo em decuplo.
Quera desconhece estas verdades ? Mas
on Je esi o trabalbo livre, que nos.offerece
o gobern e a sua raaioria, para substituir
o traca ho escravo 1
Dizeis que a emigrado nao pode ter la-
gar, entro nos, emqoanto existirem escravos
co pas.
E nos respondemos no intervallo, entre
a emancipaco dos escravos e a rea'isacSo
Ui emigrafo, o paiz deixar de ter renda,
e necessaiiamenteemprobecer.
Tratara, porm, os nobres depotados de
retorjuir nos, dizendo : Eoganai-vos, est
prosado q.ie o trabalho livre incompali-
vel com o trabalbo escravo.
Mas, senbores, se assim como nos
autorisais a servirmos-nos dos vossos in-
genuos at idade de 21 anuos, trabalhan
do hombro a hombro com os escravos ?
[Nao h< mai. r contradiccSo I (Apoiados
da opposicJo.)
lO'-a mais razoavel, Sr. presidente, que
o governo tratasse de abrir as portas
emigrac -, empregando para issd os meios
necosssrioa. Nio se tira o esteio velho e
apodrecido do edificio que se quer restau-
rar, sera ter mo o novo esteio que o tem
de substituir, para qoe o edificio nao se
desmorone. (Apoiaios da opposicao.)
O systema qce ae quer empregar pois,
t> mais inconveniente, alm de" desmorali-
sar a sociedade, desmoralizando os seohores
para cora os escravos.
No captiveiro, nem os animaes se per-
peiGam >
Ora quem n3o sabe, Sr. presidente, que
no captivtiro que a gallinba cria pintos ?
(Hdandade )
O Sh. Chz Machado : O principio do
parecer condeona a domesticado dos ani-
mes (Risadas.)
O Sr Jos Calmon : c Nio se ele-
var o nivel da civilisacio quando todos os
bomens forem cidadios, e todos so cidadSos
aspirarem a ludo ?
Et visto, a lei da communa de Pars :
todos para todo e todo para todos. (Apoia-
i opposicao.) -
A servidao mentira. >
guinte .
O Sr. Araijq Lima :Isto apenas mos-
tra que a-com.aisso dSo sabe a lingua.
O Sn. Jos Calmon :Isto quer dizer
que este trabalbo, como j fol dito por um
honrado collega nesta casa, manta de re-
talbos; um guisado feito por mailos c-
zinneiros, para agradar a todos os palada-
res (risada*), meu esiomigo, p)rn, fra-
co, nao pode supp rtir. semelhanle iguaria.
OSr. Cruz Machado:Apoiado ; estas
maturas.
O Sr. Jos Calmon : Disse hontem o
nobre dopulado pelo Cear q>.ie a minoria
se cavia congregado, sera ideas, sem prin-
cipios, sem pro^rararaa, m mente quando
ao assumpto de que se trata, e que, por-
tado, podiam s ser comparados aos obrei-
roa de Babel 1
Este trabalbo, cuja ..nalyse estou fazendo,
prova suflicientemente que os obreiros de
Babel sito Ss. Excs. (Apoiados).
Assim qoe a honrada commissao ora
bgera a mulber escrava um aojo, e todo
quanto ba mais doce e tarno, ora a consi-
dera ora i perversa, urna fra e todo quanto
ha de peior I Querem mais completa Babel
do qoe esta? (Apoiados e apartes).
(L) < Tem a guns importantes membros
da respeitavel classe agrcola sido iodazidos
a crer qoe as providencias pn,postas cava-
rio sua rnina Qual foi o m da commis-
sao empregando aqu o verbo induzir?
Induzir significa persuadir, instigar,
aconselbar.
De maneira que a honrada commissao
esi convencida do que j se tem dito aqui
por varias vezes, a saber: que as muitas
representares contra a proposta, enviadas
das provincias onde ha grande agglomera-
cao de esc: a vos, pelos respectivos proprie
tartos, sio devidas a snggestbes dos depo-
tados da minori i E' urna injuatifa, contra
a qual temos protestado, e nacessario
protestar todos os das. Essas representa-
cues sio to espontaneas como as de Per-
oambuco, a que se referi arada ha pouco
o Bobre depuudo por aquella provincia, re-
lator da commissao.
O Sn. Cruz Machado : Seiscentos gran-
des proprietarios, reunidos nesta c6rte, j
proiestaram.
O Sr. Jos Calmon :Os nobres depata-
dos hio de recordar-se de qoe ajada o go-
de deeza ?
.Fra esse o maior dos borrones; mas )
nect'ssario observar qtn oeste paii as cir-
curas.taocias sio mol diversas daqae||a8 em
que &a acharara os Estados-Unidos';: aqu a
grande p^)pre(^ad^ todo, e ella>disp3e
ole elementos taes, que no dado resistir-
Ibs: E Oiiti', qiaes seriara os resalta os
desse 'h'iquw tremendo entre o despotismo,
de wm lado, e a indignaco nacional do oo
tro? liinguea os p^Je prever; e depois-,
a nacc b, "asileira tem privado mais de oras
vez, jo* nio se compoe de- miseros cordoi-
ros. ojue .humildes estendem o1 pe-coco* ao
cute'lbd algoz. (Apoiados d-minoria).
. (L> i\3o se amputa oa membro gran-
grena.de mea dr. Parece 4-primei
vista qoe ha aqui ora conseHio medico sm
generii qae a commissao ios vera dir, a
*aber: .meaibro grangrenafo, qoe nio
raz dr a< mferAn, do deve ser. amputa-
do ? (Riaa da) fioraprebeode'se, porra,
que bouva apenas m redacto, pois que e
lira da cctmissO' U>r dizsi* qjiie nao m
p le a Driblar, seoe.i, um auunbro grat-
grenado-,
O Sh. Cruz Machado.:E- a proposta I'
o cnlonbrmio.-
O Sr. Jos CAute*.:.Niotjoe ter,-}-
vidado o> que cere deste objeeo foiflio
aqui, ni ha muitos dias, pelo*honrado de-
putado pela Babia, autoridad na materia pj
S. Exc. assa ?eroo no* qoe era> inexacta e
falsa a sentenfa irorgica da honrada com-
missio; qjue a cimrgia dispon de meios
com os qaaes pie v a or ao-picienter{
que tem a ser opemdo.
S a hoorada commissSo nSn pode des-
robrir chlbr*formio para nanees males, e
foi busca justamente o afcec* mais imper-
feito, ma inconyentoote, menos adeqpadt
para a setocio dn grave qeestao que nes>
preoecupa (apoiados da minoria), qual o.
que ba {*oco se voton, e que nio poasadis-
cntir or ser metera vencida, e en nlo
quero iesviaij-me da ordeno*; iratarei. disso
era :.{' iscusso, se me couber.a palawa.
Noeag, 15 a honrada commissio, censu-
rando a piniao daqoelles- qoe suteolam
que fd.^a. molbor emancipar as. escrvas,
deixanflo. os escravos no capvoircv dii :
Poderia frequentemente dar-se um
phe&Qftneno curioso, qual o de turuar-se o
mar/io escravo de sua mulber e de seus
filaos I-
Este, argomento prova. contra a honrada
commissao. (Apoiados). Os Mciiuros que
boje libertaos, tambora poderio otis tarde
vir a ser proprietasios de seos proprios
pas, miis e irmioe.
CoDSf^uintemeala vind^s ministrar-nos
ura argumento contra os vossos ingenuos.
(Apoiados).
O Sr Cruz Machado : Nao serve, pra-
va de mais ; e quid provat nmis, provat
nihil.
O Sr. Jos Calmon : Exactamente-; e
anda o caso de diser-se ; vrou-se o feitico
contra o (eiticeiro. (Hilaridade).
No cap. 1C, tratando dos meios indirec-
tos, exprime-se desta forma a nobre com-
missio : Ha quera opine pela pro onga-
codo mal, coofida sua xunccio, nlo
sobederia do legislad r, mas i acejo diu-
iuroa.do tempo, aoinfluxo deJeterio da na-
turrza; querem regular a suppressio do
captiwiro, nio pela pena e pela lei do ho-
rnero, sim pela pana e pela 1-i da morte.
M* legisladora fsa! Selvagera cmeldade
fra perpetuar urna astiluiejh homicida,
qoe ra ;eu proprio seio traz o progressivo
definbarnenlo, para ness me&oio definba-
raent> vir a estabelecer espei.anga de des-
truido.
I); maneira que dizer-se que o obituario
annual dos escravos excede aos nacimen-
tos, o que nio poderio contestar of nobres
jeputidos, tancar mo de om meio re-
provado para extinguir a escravidio I (A-
poiados)
Mas a propria commissao quem se eh-
carrega da dar a devida resposta, quando
no cap. 18, referindo-se sdespezas que p'o-
dem ocasionar aos cofres pblicos o pro-
lecto da emancipacio, diz : < Os bitos em
idade tenra, o a preferencia que o* senbo-
res dem aos servcos do manor at os 21
annos, tude convergir para redozir a muito
pouco o encargo da fazenda.
De sorle que a commissio, na primeira
hypotbese, condemna o argumeoto do ex-
cesso do obituario sobre os nascimentos dos
escravos; na segunda bypothcsa serve sa
delle para demonstrar que as despezas do
thesouro reduzem se a muito pouco I Q ar
gumento serve e ao mesmo tempo nio ser-
ve I S isto nio Babel, nio sei eolio o
que ser Babel. (Apoiados).
(L) c Antes de tudo observaremos qoe
o determinar urna poca para a extinecio
geral da escravidio crear um grande pe-
rigo para a sociedade.
Sr. presidente, se ha ponto em que eu
rae acbe de accordo com a commissao, sem
duvida, osle. Entendo, senhores, qoe
ni},ser prudente marcar um prazo, abjda
qua remoto, para effectuar-se a extinopo
giral da escravidio.
O Sr. Anorade Fiourma :Mai a com-
missio marca o praio de oito annos.
O Sr. Jos Calmon : Esgotado o prtio
as 'difficoldades serio as mesmas, se nio
maiores', e ai do paiz em qoe, de um mo-
mento para ootro, so precipitase no meio
da socidade ama horda selvagem de
2,000,000 de improvisados cidadios ; nem
dado prever, e muito menos impedir os
horrores e calamidades de qae poderia ser
victima a commuahSo brasileira! (Apoia-
dos).
* O Sr. Choz Macham : Nio
marcar prazo. a maoeipacHe Qa^ve
goir-seha esta proposta.
tarde techamos razio de censorar o pro--
cedimen'o daqueiles qua teem procurado
illudir a afio (Conlina a ler) A lei de
4 de setembro de 1850 dea novo e mortal
frlpe na nstituicio. adoptando as nicas
providencias de efficacia mcontestavel, qae
foram as internas. >
Mas, senbores, se a lei de 4 de setembro
de 1850 dea golpe mortal na institoicio,
porque viodes ped r-nos novo golpe oo in-
dividuo qae jaz moribondo ? (Apoiados
(L) Aps esse quario zelo, s pira
admirar qoe 21 annos decorressem antes
de se ergoer o panno para o derradeiro.
A honrada commissao figura aqui a re-
preseotaco de om grande drama, eujos
qaaro primerros actos foram levados
stena em ootran pocas...
O Si. Andbade Fssueira .*Nio om
drama, urna tragedia.
O 8. Jos- AtMo: E cujn W e ni ti-
mo aolo represeotado agora. *J papel de
sem meio centro partence ao sjioiskwb, oo ao oobre
relator da- eommrsso, QOeai qaer que delle
tome coosa^bom proyeito Ihe faca; n nio
'Ibe in\iej -rKiaos os applau>oj que porveutura
tnpetv colbe^ no deseoraenho desie papel.
(Apoiados.) ->ropd o obro a ilustrada
maioria ; qoaoto minorie-esso nio foi ad-
miWtda no edro, porque logo- nos primaros
ensa-os desaftiou. (Hilaridade >
Admira-so a honrada commissio de qi>e
um foogo interra lo de 21 annos tivesse lu-
gar entre o 4o e-ouBimo acle-;: co ihe vejo
razio. Moitos dos nobres depurados da
maioriei^lguns dos ajases penencem- coi-
missao organisadora deste longo- parecer,
tiveraaa*seoto aesia casa e vjria* legis
laluras, dorante esse 21 annos, e se ne-
ohum so lombros de propr a repreMDta-
Co do 5?acto do dra-aw, a culpa ana.
Tal vea respondariqae o nio-uzera por-
que os convencer d exttDjpd'aueidode a
pa avra autorizada o-attual Sr. ministra da
ustica, depabdo nass occasiio Nao du-
vido ; taabeta eu- ae- eonveniti dess ver-
dad, mae-ontio ennvz>de atiimrar-se da
demora, de*eviam-antes os nobres diputa-
oos expliol, aiad qoe dao/selle ando,
alim de juetftkir-se. (Apoiados.)
(L.) i anram.seMftdispensavel o adia-
mento para se diligeaciarem segaroi' dados
eslatistico* sobre o estado servil do fcnpe
rio, afira do se antever o alcance da loisob
o aspecto gaenceiro^ nealcular quaes os en-
cirgos que dnUa posaam. pr.v.ir ao tnosoa-
ro nacional. I'odiatt levarnos longe as
consideracoes-que a esta exigencia se ligam ;
mas continuaremos cora o syeienn ae s
toar nos assnmptos- pala face qae insoressa
qoesiao. k
Hondo de-parte aigumas considnracoes
qne: eu poderia fazen sobre a. allonSo que
se, cont na phrasnestado-servil dnlm
pariobsorvarei qoe a honrada gummis
sao enteDde aqui que o lado Bnancairo b2o
uiteressa questo-t Mas ella estabelece a
iodemn'af.eio ao.dtoominfliosjpro/wwlnrio*,
prescindiido da eslatistica ; a coosoquencia
que, sejam quaes forem os resultados qiu
mais tarde tenbam- de oSerecer-nos os da-
dos estatisticos, determcem e-'jtes muito em
bora om crescjdo numero,de individuos par*,
libertar, estamos tij rkos que tolo isso
ser om pao por um olbo. (Risadas.)
Ei''.retaato, m iis abaixo, diz a.nobre Gom
missio: Sm pequeos os sacrificios pe-
cuniarios quo impe. ao tbesooro nacional;
e logo apz: em neohuma, das despezas,
ba o. mnimo concoiso do thasocro.
umpre observar em pTlaeiro lugar, qoe
sio inteiramente appostis as doas propo.-i-
ces; (apoiidos da minoa) em segundo
lugar d:iei:: se exacto que nio ha o m-
nimo concurso do thesooro, segfle-so qoe a
belleza do systema consiste principalmente
em ser generosa casta albeia sem que
ao mooa se queira consultar-os onicoscon
tribuinus.' (apoiados.) (L) Para tal
soluco seriara preci-as as regras, nio d^
es atistija nem ca hermenutica, mas da arfe
(hvinatoria. Pensa a llastrada commis-
sio qaa a estntistica para determinar o nu-
mero dos escravos, os bitos e nascimentos,
de nada servir solucio, da qoestio, pois
que, para esta, tomento a arte de adivinhar
servira!
Ora, a honrada commissio jada-se de lia-
ver descoberto o nico meio de resolver o
diflicii problema; logo, lera o dom de adi-
vihar; mas a arta de adivmhar nao existe,
um absurdo, logo a nobre commissio con
fessa resolver a questio palo absurdo, (apoia-
dos, apartes.) Se as consequen as naa se
contiverem as premisas, SS. EExc. o di-
rio depois ; entretanto, permittam que eu
continu;
Nio arca santa em que soja defeso
tocar. O governo, por um alto e patritico
impulso, repetimo-lo tambera, loage de in-
sistir por mais que as tres ideas capitaes,
convidou os representantes da naci ami
dificar o projecto em tudo o qoe julgassem
aumente ao seu aperfeigoamento. A com
missio introduzio, com acquiescencia do
mesmo governo, a alteraco de que adiante
vos daremos conbecimento ; e mais qae tudo
os vosso supprimentos ternario o projecto
digno do gravissimo assnmp.o e di assem-
bla augusta. >
Por un lado. Sr. presidente, nio a arca
santa em qae se nio possa tocar, tanto que
o governo, por impulso patritico, consenlio
na apresentaQao de emendas; por ootro
lado o governo e a commissio fazem ques-
tio das tres ideas capitaes, aQm de que o
proj ido possa ser digno da gravidade do
assampto e da augusta assembla 1 Isto
irrisorio.
Se o fim da discossao averiguar os meios
mais adequados e convenientes para obter-
mos o resultado qua todot desejam, e nio
cancarei de repetir que todos nos queremos
fazer a mancipicio (apoiados da minoria),
e se o governo declara previamente, como
tem declarado, qae nio prescinde dos meios
por elle offarecidos, para que noa convidara
os nobres de puta dos a apresen'.ar emendas,
para que nos provocan discussi) f
A discussio neste caso apaas sarvir, oa
para perdermos o tempo, qae melbor em-
pregariamos se cuidassemos dos ornamentos
e das reformas pelo governo prometti las,
oa para firmar a opiniio que de ba muito
infelizmente se faz do corpo legislativo do
Brasil, a sabar: qae elle nio mais do que
ama chancellara por onie transitam ai or-
dens do governo imperial. (Apoiados da
minoria.)
O Sr. Cruz Machado:Emqoanto nio
tivermos am corpo eleitorat permanente nio
se pode tentar.
O Sa. Jos Calmon : Sr. presidente, a
caso, feita pro formula,
o, sabido, ba de ser a
ecto sem alterac5es, ser-I
qoero tjrnarlvir anja para provar qoe esta proposta
ira que-m.,i veio realmonie do Olvmpo... (Ha dtvinos.
lyrapc
fallei

[
(Ha diversos-
apartes.) Q^odo faltef em Olympo, Sr.
pre-stdeme, nio tive a inlenco, que taivez
se me qaizesse atwibuir, de inclimr-me i
opiniaj daquellos qub susteatao a* existen-
cia do governo pessoal neste p, onde s
permittido o governo represfeotairro.
(Apoiados.) No Olympo reidem moitos
deuses; Jpiter nio mora alli s, os den
ses a que alludo, sao certas entidades pri-
vilegiadas de nosso paiz, o ministerio,
por exemplo, o conseibo de estado cujas
resofnces, urna vez tomadas, e aqui tamos
a amostra, sio irrevoga veis; cum ore aos
representantes da naci curvarooj se e obe-
decer. (Apoia los da minoria.)
Mooarcbista sincero, posto qaa nio seja
palaciano, eu ni me jalgaria com direfto
a procurar por qaalqee; meio rJesmuralisar
o principio pohtico qoe sostento por cod-
viccio, e anda menos atacar a pessea hivio"
lave! e sagrada (pe representa esse princi-
pio, e que irrespoosav^l segundo a fei fon-
damental que eu jnrer. (Apoiados,)
Uma Voz;Isso Ihe Uz honra.
O Sir. Jos Calmox *-&, Sr. prestden-
t*. desde que o governo faz queseo- das
ideas capitaes do projesto; que sio eiacto
mente os pontos principaes cte no^sa* diver-
geosia; desde qoe elle iftclara previamente
nao aceitar modifleacow, do que partee
ser acom.min.ido pela honrada maioria,
como t vtacio que ha poao me-
nos de duas bora teve logar, eu nio- vejo
qual o fin a qae se prop5im, governo emaio-
na-, quando nos convidadi coustnlemert a
que apresentemSs nossas ideas no- sentido
da emancipacio doescravos.
Ehes no provocan lodos o das, dizwa-
do: tende ideas, por que as nio- apresen-
tais ? Nos Ibes faremos tambera' esia per
;gunta previn: estis disposlos a aoeita-las,
se na discossao vos eonvenermos de soa
procedencia t Neo, r resposta ;: j se
fez questo de gabinete e nio possivel
mais recuir. E na verdade, seohores,
toodes razio niovos -possivel atis w
cuar com dignidade ; ootro gibinete pode-
rte realizar as nossas ideas-, o vosso nunca.
(Apoiados da minora.).
Sr. presidente, se naofossem os motivos
quoacabo do aponlar, nos- da minori, que
temos tambera- ideas asseoladas no sentido
emancipador, o- que,, portento,, nie somos
escraoocratas) nio dovidariamos efferece-
as coocderaoao da caoara dos Svs. de
petados. Pode ser que o fagamos mais
tarde, mesmo porqpe estamos apenas era
2a-discussij, anda que seja sraento para
dar ao paiz a explicacio qao Ibe divida do
nosso procedimeBto nest* casa.
Entretanto, para que ojro se continu a
dizer que as. vosos da nooria se liiDlam
acensurar o peojecto presentado, sem, que
sfferocam idae que po&sam subsloir as
^ue alli se acata consignadas, seja-me per-
mittido externan o meo pensameato- soBre
a gpav* questio que nos. preoccopa, accres-
cantando desdo jaque, sem imitar o gover-
no o a commissao, mineas ideas- poderio|
ser modificada da accordo com. or meus-
amigos, sob a onica eooJicio de restrin
girmos, tanto, quanto fr razo aval, as con-j
cessbes feitas- a ersa classe de individuos,
uuicos favorecidos oo projecto do governo.
(Apoiados da minora..).
Eotendo>que o governo deve, autes de
tudo mandar proceder matricula, por pro-
vincias e municipios, de todos os escravos
existentes, oo imperio,, pagando os respec-
tivos proprietarios, poc^nma vez somonte,
o governo
e indisiiartameaie por cada/individuo escra-
vo, uma. qaantiaetrainada, qu^ ir refor-
jar pudorosamente o fundo dw emancipacio.
creado pila propoati do poder executivo,
declaran tose libertos os oscravos, cojos
proprietarios, em um certo prazo, nio os
apresentarem matricula. Desto nwdo se
evitaran os abusos que acaso se deem c m
a abstencao dos senbores quanto apresan-
tac5o de seus escravos para serem malri
cuuidos.
Pens anda qa deve elevar- se o impos-
to annual dos escravos residentes na corte,
capitaes das proviucias e outras. cidades e
villas do imperio, isenlando-se de. qualquer
imposto os lavradores, pelos escravos que
possuirem efiectivaraente erapregad >s nos
servicosda lavoura. Desta forma iniciara-
mos a obra civihsadora pelas povoacoes do
imp94o, o que mais natural e justo, o nao
ahandonarianins a agricultura oo paiz, un
ca fonte de nossa riqueza, ao definhamea
to em que hoje a vemos, por falta de pro
teceo dos poderes do Estado, e mais lar-
de sua completa ruina, que tambemser a
ruina do paiz.
Son de uarecer que urge considerar des-
de j libertos os escravos pertencentes
naci,
E ainda, senbores, o que seria preferivel,
j que qoereis commetter um attentado
contra o direito de propriedade, garantido
em toda a sua pleoilude pela conitituiejo,
decretar a iogentudade dos nasciturnos, ou
libertar, ainda mesmo sem indemnisacio. \
os velho escravos. maiores de 65 annos. d03 S
que, teadoj experimentado os horrares do
captiveiro, teriam mais direito vossa be-
nevolencia, para no ultimo quartel da vida,
gozarem ao meno3 do descanco e da paz ?
ntreos doos alwtres creio quea escolha nio
pode razoavelraente ser duvidosa. (Apoia-
dos da minoria.)
Em vez de decretamos o ventre livre,
suppondo mesmo que necessarii) fazer
alguma cousa a bem das geracoes futuras,
fra ainda preferivel ao vosso systema, de-
cretarmos que os proprietarios liberlassem
annualmente, com escolha sua, mediante a
iudemnisacao que fosse mircada em um ta-
bella aonexa lei votada, a decima parle
d-> numero de suas crias, maiores de 7 an-
nos e menores de 14, pelo prego de 400,01
em apolices da divida publica. O augmen-
to de valor dos escravos de 7 a 13 annos,
inclusive, seria de 100)5 em cada aono.
Deste modo ainda conseguiramos o re
sultado que todos devem desojar, a sa-
ber : nio desmoi-alisar, fazendo a eman-
cipacio, as boas relacoes entre o-senhor e
o escravo, tio oecossarias manulencio da
irdera publica, o qne infelizmente nio fas
o systema ao projecto ministerial.
Assim qae, pelo melando apontado, os
escravos procurariam servir cada vea, me-
lbor a seus senhores, aSm de -qae estes,
no fim do anno decorriao, prem'assem seas
boas servicos, escolbendo para compor
turma dos que bouvessem de ser liberta*
dos, os Albos daqoelles qoe mais se tives-
sem distinguido no camprimeqlo de seus
de veres. Este systema fra sen duvida
mais njorahsador. (Apoiados.)
.0 3n*vAnAjQ T^i^di um, aparta.
O Sn. Jos Calmo*:Se
nao tem dinbeire nio liberta.
Sr. presidente, de preferencia ao sysfe-
ma da proposta anda podaramos aotori-
sar o governo a libertar, sob proposta dos
proprietarios, os escravos maiores de 14
annos, mediante ama avatacio qne nio es-
cedesse a quantiade 2:000*. feita naspo-
voacSes qoe fossem cabecas de municipios,
pelo respectivo coUeetor epor doos arbitros,
sendo nm de livre escolha do pra prietario,
e ootro nomeado pelo juiz do# erphios,
preferiodo o governo, sempre qoe fosse
possiveL quando tivesse de aceitar taes
proposta, os eseravos do sexo feminino
matores de 14 e menores de 45 annoj.
ueste modo respear-se-br o direito de
propriedade, j aguardando a manifest*
Cao da vontade dos proprieUrios, j eon-
cedeodo-lnea naa .rademnisaco razoav;
e anda consegaiamos dSminuir a feote de
produccisv desda que de preferencia liber-
(assemos malher na idade em qae ffde
produ?r.
Ouanto ao systsma de indemniBab,.
croada pelo governn na sua proptt % a
quaf estilieffceo pagamento era apoljees
perivew-no firs-de 30'amaos, diref. Sr. pre-
sident, que elle un mveneie oon iri>
a lodosos pric-jipios esonomicos ISlca'pi-'
Cta' ^es^ (joe eDtra oara-as m >s do avao,
5e este o ro quer dissipar, tende a ayig-
ineotar, eu pelo menos conserva o mesano
valor; as apo'ices" Derivad'do governo, o
I* dia estiarjb ao par, mas dentro em potfc
hio iie valeTmeoo, at qoe desapr'arecatn
compietaraenle.
"iiipjsio-vadade, twnbem nSo seria
um mo expeiento para o fim a que os
propomos; padfcr-so-hia considerar servieos
rele^aotes-feMbfi-ao- Estado os donativos pe-
cuniapios superiores aumi qaanlia qoe se
determinass, a lave** da cmxo de emanet-
paci,, e bem aaejn as alforrias gratuitas
,em numero onata menei de tres escravos
.do sexe feminino, en Ufe as idade* indicadas
jde 14-a 48 anea.
MaSr Sr. presdante, aperar das conside.
racSes ,jue tenb"feito,- aooso qve nio vale
'apen i apreseniasr projeess qoe sobstitoa e
ate governo, porque este- faz qoesto de-
rida e morte dasaa-propusta. (tpliados da
minora.);
Eu eswria mesaao di&ewto a offerecer,
de accordo com. es meus- nobres amigos;
dgumas modiGcaceos, tendentes a restriogic
o favores-exagerados que aqu se conceden,
aos esciwos, e ss^nente a elle, com grava
prejnizo des seanetes. e o qne mais* com.
rsco di seguranciK'da vidae honra dos-ei-
dados Man-ej qua o gover::u nenbuaaa<
inodificasao qner aceitar. (Apoiados di mi-
nora.)
Consegointem>:>tg-, nos eairos, os 35 re>
beldes da-meraorave* sessn^ien que se vo-
ton aqui i respoi falla dethrono, bsm
avisados- fomos emnao ^Qsrer sujeitarmos-
nos triste ceremonia qnmo'Valeate geao-
ral dos Samnislao outr'ora,.iapuzsra s cc^
tiories romanas.
Yozes-.da,Mimoma: lilo bfl
O Su. Josii Calmon::A norma, de
nosso procedimenio foi sempre a Coherencia.
(Apoiados da minoria); por ella^nos sacrifi-
camos, com olla haveaos de saecumbir
alinal: mas Gcs-nos a Gonviccio profonda
de que se acb comnbsao a vontade nacio-
naJ. i, .Muitos apoiados da minora, e nio
apoiados da maioria.)
Vezes.: Muito beal Mnito bem !
(O orador felicitado pelos seus amigos.);
OSR. MENEZES PRADO (sgnaos de at-
teucio): Compro* senhores, um dever
Lomando parte neste debate.
V. Exc. se ha de nocordar, Sr. presideale,
que em uma das ultimas sesses do aono
passado suscitou-se aqui uma questao, de
prrferenoa entra um projecto elaborado
'pelo m&i nobre amigo deputado pelo. 3.
dstricto de S. paulo o o projecto apresen-
lado Bat commis.sio especial nomeada por
esta augusta cmara para dar parecer sobre
as medidas coaceraentes ao e emento servil:
nessa occastu ea pronunciei-roo pelo se- -
gundo. Este voto, que talvnz a muitos pa-
recesse pouco reflectido, me impSa h je,
antes do todo, o over dq^trar em alg-
mas oxplicacoes a este respeilo, como mo
offerece ensejo para justificar actualmente
o meu voto nesta questio, para emiltir a
rainha opiniio sobra: a proposta que se
acba em discossao.
Dous motivos, senhores, me determina-
ran a votar pela preferencia do projecto
apresentado por essa lluttre commissio es-
pecial.
Teodo sido essa commissio nomeada para
dar com urgencia parecer stbre a grave
questio do elemento servil, e haven io em
minba opinio, corespondido confiaoca
com qoe foi honrada, apresentando dentro
de um prazo nimiamente cuito alienta a
importancia e a difficnldade da materia qoe
liaba de esludar, um parecer extenso e la-
minoso, pareceu-me que era recompensar
mal a dedicaco dos membros que a com-
punham, afast.vr da discussio o resultado
laca-
bracoes; ao contrario, eu pensava que essa
Ilustre commissio mereca ser loovada pela
actividade qae desenv iveu e pelo zelo com
que se hoave no desenipenho da espiohosa
tarefa qoe Ihe fra commetlida.
Por outro lado, senhores, eu estava pro-
fundamente convencido de que o projecto
elaborado pelo mea nobfe amigo deputado
por S. Paul nio satisfazla is aspiracoes do
paiz. Emqoanto qae o projecto formulado
por aquella Ilustre commissio especial con-
tinua um plano largo e regalar, oflerecia
um conjancto de medidas mais ampias e .
mais completas, o projecto do mea nobre
amigo trata va smeote de resolver pontos
secundarios do vasto problema da emanci-
pacio do elemento servil.
Mas, votando pela preferencia do projecto
dessa Ilustre commissio especial, ea nio
aceitei todas as suas ideas. Adopto grande
parte das medidas qae esse projecto consa-
gra, muitas das quaes encontr consignadas
oa proposta do governo, que presente-
mente objecto de nosso estudo e da nossa
deliberado.
De todos os males, senbores, qoe nos
legoa a amiga mairopole, a escravidio e
incootestavelmente o mais orejad ioial- Ef-
fectivamehte nenhum ootro produz effeitos
mais desastrosos (mn'tos apoiados); ne-
nhum ootro exige, para ser extirpado, es-
forcos mais perseverantes, nem maiores sa-
crificios.
(Continuarse ha.
i
frv.oouiAKe-au- do cuque! di


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETPQBOTCN_SRTRSG INGEST_TIME 2013-09-16T20:19:56Z PACKAGE AA00011611_12466
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES