Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12436


This item is only available as the following downloads:


Full Text



anno ntn. humero m
i

nu a uma z ogaus otos iao se na rom.
.Por tres mezes adiiuttda*................
vP&f MIS itt >S K4B1............ ...
................
. *.' -
m

B^sHtsMs* k
SEGUNDA FEIRA 17 0 JULHO DE 1871.
1000
I2J000
84*000
320
paia puno e rou di piovnrcii.
Por tres atoes sdiauUdos ,.......... untn
Hr Mis ditos dem................. .jgjj
Por nove ditos idea.............. ioEu
Por ana son idea................. [ [ t7|000
r
Propriedade de Manoel Figneira de Jarla & Filhos.
-
Os r. Gerardo

H\9 AOEITKM:
Antonio Uves Filhos, no Para ; Gonca!ves Pinto, no Maralo ; Joaqaim Jos de Oliveira 4 Filho, ao- Ceari ; Anteojo de Lemos firaa> no Aracatj ; Joao Maris JoJio ClUrves, no Asst; Antonio Margues da SJva
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ;FeIippe Estrella & C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Pesia; Belarmino dM Santos Balcao, etn Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agniar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas ; Ur. Jos Martins Afros, na Babia; e Leite, Serqninbo C. no Rio de Janeiro.
no Nitt; Jo$ Jnstin

FABTE OmCIAL.
tH'crao da provinca.
.KXPKOHi.NTE BO IA 10 BE JCI.IIO DP, 1871.
Actos :
O vice-presidente da provincia, tomando em
joasider.;Io o que expoz o chafa da repartigao
.Ai ohras publicas em uflicio de de junno ulti-
mo, sob n i36, e bem assim o jue a este resuello
toformou o inspector da thesouraria provincial em
iiau de .I do mesrno mezn. 381, resolva antori-
-ar am novo crdito supoioinemar, na importancia
te 3:000*000, a verba do art. tJ s o* da lei do or-
namento do e-xercicio lido de 1870 a 1871, para
o. eontinaacjio dos p.gimamos Jis despezas faltas
com as obras necessarias aosyranasio provincial.
O vioe-presidente da provincia, alten lando
*o que requ-reu Francisca de Sant'Anna Barros,
: em vista da informar) do Dr. direstor interino
da instruocao publica de 27 de janho ultimo, sob
ti. 211, resol ve nomea-li pira r-ger interinamente
a cadeira de primeiras lettras do sexo faminino da
.illa de S. /os de Ingazaira, mediante a gratifica
fio anana) de 600*000. Exepdiram-se as ne-
;essarias communicagoes.
Oficios :
Ao vigario capitular, ditsodo (car inteirado
|. hver provisionado no dia 30 de junlio ultimo,
o padre Chrystovo do Reg Barros, para vigario
^eommendado da freguezia de Nossa Seniora da
?eaha de Gsmelleira, em substituidlo ao padre
H-ventano Marques da Silva, que a regia, e f )i Ho-
rneado censor di gymnasio provincial.Commuui-
coa m a (escorara de azenda.
Ao eoroael comraandante das armas recom-
ittendando que providencie no sentido de ser cum-
orida eom urgencia a ordem do do crrante,
jiela qual mandou-se por em liherdade o re'.ruta
Antonio Joaquim de Moraes, que consta achar se
inda preso.
Ao inspector da tbesouraria de uzeada, cota
nuuican lo que o hachare! I'ulino Geelho la Sil-
n, reas .-.argj de juiz nunicipal Jo termo de Olinda.
Ao mesuio, mandtndo ajustar comas e pas-
tar guiado soecorrimento ao alfares do iorpj de
oslado-maior de segunda elasse, Francisco G>n-
ilte Rodrigues Franca, que tem de seguir para
. cdrte no vapor Annos, que se espera do norte.
Offleion-se aos agentes para darem transporte a
se 'Acial, e comraunicou-se ao coronel com-
u a dan te das armas.
Ao da tho-oararia provincia!, au'.orisando-o
a por a venda 5fli00j000 dasapolices, provenal-
es do crdito de 1,800:0004000, conjedido pelo
art. W da lei do orcamento do exercieio de 1870
:i 1871, alai de poder-se etfeetuar, na razio a ter-
a parte o pagaratiuto em Jinheiro das presta gees
sitas obras do aaao da assembla, e leconsimcgo
to ihe.atro de Santa Isabel.
Por essa Uiesouraria manlou se pagar :
Ao subdelegado do distric'.o do Peres, on a seu
t>reea/ad>ir, a quantia de 7396, correspondente
*o alagad de ele mezes, 'encilos en 30 de ja-
nao ultimo, daczsa que all serve de quartel ao
destacamento. Commuoicon-se ao chele de po-
icia.
A' Dionizlo Rodrigues Jacobina, a importancia
da segunda prertacao de sea contrato, na quali-
lade de arretn itante das obras da canalisacao do
ri.'icbo Taquara no Allinbo.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio de Itambe, para que mande lar
;.o2* sargento da 3* companliia do bataiho n. lo
le infantaria, Gandido Kaxiuio Guedes da Fonee-
oa a competente guia de passagem para o muni-
cipio de ovanna, onde fixou a sua residencia.
Ao juiz de direito de Palmares, acensando a
ijcepcodo olBcio, a que veto annexo outro era
ia o iaiz de paz do i distric > de Barreims, en-
Minloo mappa n. 17, suscita duvida acerca da
-^mnsa do do n. 18, e declarando m resposta
jae exija daquel'e juiz o ultimo de taes mappas,
'Kis qua cumpre-lhe ministra-lo, a vista do dis-
posto no art, 14 g 1 do respectivo regulamento,
1-vendo as causa nelle mencionadas sr causas
:i eis de saa al-;ad.
Ao juiz municipal daprlmeira vara desta ct
uic, transmittindo para os Rns convenientes, a
Artido qtie rometteu ojuiz municipal do termo de
ramo, sulire o ro Manoe! Jos de Aodrade Va--
mcellos.
Ao commandante do corpo de polica, auto-
.ndo o engajamento do paisano Amaro Atoes de
A'.meida Castro se lr apto.
Portaras
arta Anta de Jess Campello. Concedo dez
dias de prorogacao.
Padre Htnoel de Sant'Anna e Luz.Informe <
sr. coronel commandante das armas.
Pedro Goncalves Torres.Passe portara na fr
ma requerida.
Pedro GonQalves da Arrufa.NIo tem lugar.
Siginando Sergio dos Santos.Dirija-se ao Sr.
conego regpdor d i gymnasio provincial.
Francisco Jos Vianna.Como requer.
Conego Joo Ctirysostomo de Paiva Torres.
Em vista da informacao da thesouraria provm
eial, nao tem lugar o que requer.
Raymundo Theodorico Jos D mellas.Eutre-
gne-se mediante recibo.
Dyonisio Rodrigues Jacobina. A' thesouraria
proviacial com ollcio desta data.
Dimingo Jos Pinto Di!-se-lhe a certdSo re
querida.
Francisca de S.int'Anna Barros. Passe porta-
ra nomean lo a supplicante.
Jos Odilon Aunes Jicome Pires.Passe porta-
ra concedendo a prorogacao pedida.
EXPEPIB.NTE DO SERRRTARIO.
Offlcios :
Ao presidente emembros do conselho de re-
visao de qualilicacao da guarda nacional do muni-
cipio da Escada, aecusaudo a recepto do ofTicio,
em que deram conta dos trabalho'do mesmo con-
selho.Igual, mutatis mut'indis, ao conselho de
Sualiflcajao da guarda nacional da porochia de S
ento.
Repartido da p"ola
1." seccao Secretaria da polica de Pemambu-
co, 15dejulho de 1871.
N. 951lllm e Exm. Sr.Levo ao conhec-
me.nto de V. Exc. que, segundo consta das partici-
pando* recebidas hoje n'esta reparticao, loram
hontem recolhidos i casa de detencao os seguintes
individuos:
A' oriem do subdelegado de Santo Antonio,
Francolina Mara de Araujo e Mara Francisca de
Paula, por desordera.
A' ordem do da Boa Vista, Joaquim da Silva
L( pes, Antonio Francisco Pinto Ramos, Luiz Jos
Meles, Francisco Pereira Rapos i e Angela Mara
da Conceicao por disturbios e Joaquim Alves Be-
zerra pur tentativa de morte.
Segundo commnnicou-me o subdelegado da
Magdaleoa, e n offlcio de 13 d'este mez, s 8 horas
da manhaa do mesmo dia, no lugar do Luccas
d'aqueila freguezia, Manoel de Jacintho espancon
a J, s de Medeiros, evadiodo-se dppoi.- de haver
commettido o crime.
Dos guarde a V. Exclllm. e Exm. Sr. Dr
Manoel do Nascimento Machado Portella, vice-
presi tente da provincia.O chele de polica, ler-
moyenes Scrates Tavares de Vascontellos.
A eamara municipal do Recife, remetiendo
OURIO DE PERWAMBUCO
RECIFE, 17 DE JULHO DE 1871.
noticias da norte d Imperio
Chegcu sabbado ao meio dia de New York e
escalas o vapor americanoNorlh Amnica, trazando
datas de New-York *3 de junho, e do Para 9 do
crreme.
Nada adianta este vapor s noticias que recebe-
mos dos Estados-Uoidos por via de New-York.
peb.
Lemos no Diario de Belm :
t Eis o que se nos communica em nma carta
que recebemos pelo ultimo vapor do Amazonas :
t Moyobamba. 28 de maio de 1871.Nada de
extraordinario nesta cidade. Na povoaclo de Cab-
zada raoifestou-?e a peste das bexigas, que tem
sido em todos os tempos fatalsima populadlo
indgena.
Os habitantes desta capital estao em sobre-
saltos, e suas vistas se volvem para as autoridades
era busca de medidas preveativas. Contina a
fallar se sem cessar na tunda de pao quo o Dr.
Vigel levon em urna noute ao recolher se
sua habitaco. Esse Dr. aqu p juiz de direito,
mas to gosa de boa fama, e tem-se uestes lti-
mos tempos inimisado com muitas das principaes
pessoas d'esta cidade. E' ura estonvado e de nma
moralidade suspeita.
A approximaQo da crise eleiloral vai fazsndo
apparecer alguns symptomas, qne nao asseguram
a manutencao da ordem publica durante muito
lempo.
Em Cajamarca a revolucao estalon com o mo-
Uivo de empossar-se um sub prefeito. O povo, em
Wumero de tres mil, reunio-se e armouse para
rial Ju-
va-
*r copia a reprosentao do juiz ae paz do 2*
i.meto dos Afogados, e mais paoeis qae ella se
-efere, sobre o abuso commettido por diversos
i- prietanos de raandarem fazar escavanes na es-
rada, qne do largo da Magdalena vai entroncar-
se com a que de Afogados sega a para a Varzea,
im de que providencie do modo mais convenien-
: a aste respeito.
Aos agentes da companhia brasi|atfa de pa-
metes a vapor, mandando dar traaspoTte para o
.'ir por conta do ministerio da marrana, no va-
t que so espera do sul, aograme imperial
"nal Cesar Bispo, pertencen'.e a goarnicao do
ya Ipiranga.
Despachos:
lente Antonio Lu do Reco Barreno Infor-
.ie o Sr. engeoheiro chefe da reparlico das obras
-HiMicaa.
Antonio Feitosa de Mello e Luiz Antonio da Sil-
?eira Tavora.Em viu da informacao do oro-
-il commandante das ainus interino, nao tem lu-
itr o ajae requer.
Ff. Augusto da Immaculaca Conce^ao Alve3.
Nao tem lugar o que requer.
Antonia Maria daConcei-ao 3eja posto em li-
-.'prdade o filho da supplicante.
Ciaudino dos Sanios Lopes Castello Branco.
ijlcrme-o Sr. inspeslor da thesouraria provin-
alcharel Chrvsolito Ferreira de Castro Chaves,
'erietiido ao Sr. inspect-or da thesouraria de fi-
tunda para mandar pagar ao supplcante.
Compasla Pernarobucana. A thesouraria di
. -.mda..iffl offlcio desta data.
Difaa de Santa Rosa.Passe portara i
-querida.
eoeate Francisco de Paula Carneiro Ucnoa.
Ainarde o suppicante qa9 hija vaga.
Francisco de Assis de Medeiros Pinto.Ao sr.
"tv-provedor da Santa Cisa da Misericordia, para
.-wlmitlf a sobrinha do sappliaote se estivar no
BDft
Jusiiao Jos de Souu Campos. Passe portara
,ia forma requerida.
Dr JooBaptisla Casaoova.Informe o br. co-
'onel'eaasmaaflsnte das armas interino.
Pal lo t Porfirio Gomes.Informe o Sr. ins-
jmcc a Iheaouraria provincial.
loso Cesario de Mello-Informe o Sr. engenhei-
o eWa da reparticSo ias obras publicas.
I.w AeUoant-A' thesoirana provincial cora
or 'ir 4sta data.
Manoel Lopes Rodrigue? de Barros. Aotoriso
: aplicante 8 dteponder eom ss obras de qne
rita a quantia correspondente ao dbmB.ios da
teria deposiudos na thesonraria provincial pres-
joo coatas opportnnamente. oama.,an
Manoel Veaaacio Alves da ^n-c-^l,t:^
o Sr. r. director geril interino da insirucgao
a para attender ao supplicante nos termos
** sua iforinarao desde jonho oltimo.
repellr essa autoridade. Se d'alU se propaga
Procedia-se nm inventario em Curara e ten-
do de avahar-se urna cnanri, cotisaram-se ojuiz
dos orphos, ewrivlo e avaliidores e resgalaram-
n'a do ciptiveir\ O inventario foi o dos bens dei-
xadoa por Jos Cordovil. O juiz foi o Sr. Dr. Lo-
pes Filho, escrivo o Sr. Herculaoo O'ympio Fer-
reira GuimarSes. e avaliadores os Srs. Antonio da
Rocha Pontes e Torqoato Antonio Rodrigues.
< Encerrou seus trabalhos o con-elho de qualifl-
cacao da guarda nacional da freguezia da Ssnhora
Sant'Anna da Campia.
t O numero total qnalifkado no servico activo
n'aquella freguezia de 658
* No da reserva III
Furam quahficados novamen'e 55
Passaram para a reserva 23
< Foram eliminados (por fallecimentos,
mudancis de residencia e maior idade 148
Quawlo George Deus crucificar
Quaodo Marcos o resuscitar
E que Joo o ha de levar
O fin do mundo ha de chegar. >
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
PROFESSOR PUBLICO.-Por portara da presi-
dencia da provincia, de 12 do correnle, foi remo-
vido o professor publico Manoel Clemente da Costa
Santos, da cadeira da villa de Pesqueira para a
da villa do Canhotinho.
COMARCA DE BUIQUE-Por portarla da pre-
sidencia da provincia, de 12 do correte, foi desig-
nado o tabelliao publico Jos Ceiar de Vasconcellos,
pira servir interinamente de offlcial do registro
das hypothecas da comarca de Buique.
GUARDA NACIONAL.-Por porlaria da presi-'
dencia, de 12 e 14 do correnle, foram dispensa-
dos do lapso de lempo para poderem tirar paten-
te : o lenle Antonio de Hollanda Albuquerque,
do 10" batalhao de infantaria, do municipio de Na-
zareth ; e o tenente Ernesto Cavalcante de Albu-
querque, do 35* batalhao de infamara, di muni-
cipio do Brejo.
PERNAMBUCO STREET RAILWAY. Os ac-
cionistas desta companhia devem realisar, al 4
'la agosto prximo, urna entrada de vtnte por cen-
to sobre o valor de suas accoes.
TRILH03 URBANOS PARA OLINDA. Com o
prazo de 8 dias, a contar de 18 do correnle, de-
vem os accionistas desta companhia realisar a 8*
prestaco de snas accSes, na razio de dez por
cento do valor subscripto (2a emissio).
No dia 21 do corrate realisar-se-ha, na ca-
sa da estacao Santa Isabel, ra da Aurora, a
sesso da assembla geral dos accionistas, alim de
tratar-se da discusso do projecio de reforma dos
estatutos.
PHENIX PERNAMBUCANA.-Esta companhia
paga o seu 1 dividendo, razio de 30<000 por
accio.
ESTRADA DE FERRO DO RECIPE AO S.
FRANCISCO.Esta via de commnnieacao, no pr-
ximo Bndo mez de junho:
Renden 40:3044180
Despendcu 80:9184560
Apresenlando um dficit de
40:6144380
as desperas esto comprehendidas as feitas
com a compra de 6 carros de 3* classe, 2 carros de
freioi, e 30 wagdes coberto?, na importancia de
48:7244945.
No mesmo periodo foram transportados :
14:816 passageiros, 63:746 kilogrammas de ba-
gagem, 2,144:528 kilogrammas de mercadorias e
i.'0 animaes.
as mercadorias esto comprehendidas : t:50l
saccas com algodo pesando 114:600 kilogrammas,
e 4:415 saceos com assucar pesando 333:514 kilo-
grammas.
A despeza foi de 200,76 da receita.
Convm observar que a porcenugem desee
77,90, deduzindo-se da despeza a verba relativa
compra do material rodante, cima mencionado, a
qual, em vista do accordo celebrado em Londres
no mez de agosto do anno prximo findo, elevada
conla do custaio.
No semestre de Janeiro jonhoreferida es-
trada renden 385:5755830
Despenden 258:790^728
Dando de saldo em favor da garan-
ta de juros
126:7654102
chamma revolucionaria, nao faltaro lugares im-
portantes que se deixem por ella queimar, tal o
espirito pouco ordeiro de alguns crculos da rep-
blica.
t A eleicao do presidente ha de dar pretexto
para as revoltas, que Deus permita nao se gene-
ralisem, e nao venham a interromper a paz, que
ha quasi dous annos gosa o paiz.
c O peridico La Fraternidad contino na sua
mis?So.
i De Iquito nos communica ura amigo nosso o
seguinte :
c Parece que o departamento fluvial vai Intar
com serias dimcnldades. Ha cinco mezes nao tem
sido remettido de Moyobamba o supprimento ; os
funecionarios pblicos estao, como o commercio
todo sem meios ; nao apparece moeda alguma
em circulacao ; as venias que se realisam sao
credilo, e os borradores tem quadruplicado de vo-
lume. Este estado de cousas summaraente de3-
agradavel.
Tiohara sido nomeados novos governadores
de dislriclos, para savaatfaaa a liberdade do suf-
fragio na prxima eleicao*
PARA.
Assumio efectivamente o cargo de presidente da
provincia, no dia 3 do correnle, o Exm. Sr. Dr.
Abel Graca.
Aftm de soccorrer s pessoas atacadas de le-
bres perniciosas, seguir para Broves o Dr. Manoel
de Mallos Guerra.
Deviam realis*r-se no dia 10 do correnle as
exequias pela prineeia D. Leopoldina.
As 8ubscripc5es promovidas elevavam-se a
7:4004 em favor dus subditos portuguez* affecta-
dos da febre amarella ; e a 4:7564 em favor do
papa. ,.
No dia 6 do correnle procedeu a companhia
urbana da estrada de Ierro Paraense eieicio de
sua nova directora, que tlcon composta : presi-
dente, o commendador Pimenta Bueoo; directo-
res, Dr. Jos Cerqueira de Aguiar Lima, e Luiz de
La Rocque, supplentes Chrisliaao Sesseiberg, An-
tonio Jos Antunas Sobrioho, e A. F. Wilson : e
assembla geral: Francisco Gandencio da Cosa,
presidente ; Esk Ferrati, L secreurio; Soares
de Souza Calhairos, 2. dito. i
A alfandega de Belem arrecadou de 1 a 8 do
eorrente 115:4154320. ,
mm Lemos no Diario do Groo-pora .
A proporcionalidade entre a receita foi de 67,12
0/0; entretanto que no semestre correspondente
ao anno prximo fiodo foi ella de 41,45 0/0, sendo
a renda 527:4404360
a despeza 277:6854423
favdr da
garanta
e o saldo liquido
de juros 249:7604937
BONDS. Vieram no kabbado, no vapor North
America, 890 Irilhos, 18/ volumes com wagdes,
100 tardos com ferro, 2Jcaixas impressos, 4 bre-
ch, 66 pegas de ferro Snndido, 10 pares de rodas,
e 37 voluntes com ferrigens, para a companhia
dos oonds.
DINHEIRO. o vaael North America trouxe
para os Srs. : (
Pereira Vianna & C'.\ 9:0005000
Miguel Jos Alves. \ 9005000
Os vapores Manda, Cruzeiro do Sul e
North Anurica levaram sabbado :
Para Macei 3005.000
t a Baha 30:0004000
o Rio de Janeiro 4:0005000
ESPANCAMEr-TO. As 8 horas da roanliia de
13 do corrnte, no lugar Lucca, da freguezia da
Magdalena, Manoel Jacintho espanou a Jos de
Medeiros, evadindo -se em seguida.
CONCURSO. No sabbado (22> cometa o con-
curso para proviraenlo das seguintes cadeiras de
insirucro publica, do sexo femenino: Duarte
Dias, Timbaba, Allianca, Grvala, Raposa, Gr-
vala do Jibur, Sanhari, Alagoioha, Malhadinha,
Queiroadas. Aguas-Bellas, Taoarat. Floresta,
Ingazeira, S. Jos de Ingaaeira, Afogados de In-
gazeira, Villa Bella, Petroltna, Granito, Cabrob
e Ourlcnry.
NOVO MUNDO. A' livraria franeeza acaba de
chegar o n. 9 do interessante Jornal .Yoro Mundo,
contend, entre outras mimosas gravuras, ama
vista geral da cidade de Pars antes da commu-
oa, com especicaeiovie todos os monumentos e
edificios pblicos. D'entre ote^o desse numero,
destacam-se os importantes artigo\sobre o gover-
no de New-York, sobre u liwo do~Bv4ll(?res
Bastos A Provincia, sobre as escolas pnbidss
em New-York, e sobre a nniversidide de. Cor-
nell.
AGASSIR. O orofesfor Agassir deve tocar no
porto do Rio de Janeiro nos mezas de ontnbro ou
novembro prximo, na viagem de sondagem do
ocano, que vae comecar aex8cutir por conta
dos Estados-Unidos.
HART. Este professor deve partir de New
York no correte mez, para fazer urna nova via-
gem de explorado ao Paria Amazonas, para a
qual Ihe conceden a universidade de Harvard o
auxilio de 500 dollars.
OS IMPERADORES DO BRASIL- O Novo
Mundo di que S5. MM. II. do Brasil visitarlo os
Eslado? Unidos, de volta da Europa.
PROPHECIA. Diz o jornal insta Gnarjtan
de nove e meia" i de ro.i|hj>;j i qae urna antiga propbecia de Nostradam.a, ase
I suas obras, diz :
t O vapor porlugoez Cecilia, da propriedade do
Sr capitao Smilb, do exeroito do Per, fez ante
hontem (6) sna viagem de experiencia nesta nossa
fTmoiabahia, em que se reflect.a o mtalimpi-
0?O Cecilia largou do ancoradouro urna hora
da tarde e volveu s quatro. Apelar do sen fetio
esqulpaco demonslrou excellentes condigSes au
ticas,-iam revoltas aquella hora as aguas do Gua-
jar, e deiton sempre J
por hora.
Parpce, per?, rtoe esta prophecia se realisar
em 1886, anno este em qne a Paserina cae em
dia de S. Marcos, Sexta-feira de paixao em dia
ia S. Jorge, e a fasta de Corpus Cnristi em dia de
S. Joao.
NOVA CALEDONIA. Os insurgentes- de Pa-
rs, que ferem condemnados deportadlo, sero
conduzidos exclusivamente para Numea e Nnka-
Hida. Nio s poder*) acompanha-los suas fami-
lias, mas at o goveroo, desejoso de fundar na No-
va Caledonia verdadeiras colonias penitepoiarias,
transportar gratis em navios especiaos muitas
mnlheres dos deportadas. Ao mesmo lempo en-
viar-se-hio para a Nova Caledonia tropas suffl*
cientes de infantaria e cavallaria, duplicndose
tambera o numero de navios conracados que for-
man a esqnadra da Oceania.
CONSELHOS DE GUERRA EM VERSALHES.
Segundo Ja Liberte-, estes con3elhos deviam
principiar a funecionar no lim da junho, tendo si-
do os acensados divididos em duas classes dis-
tioctas.
Na primeira icam eomprehendidos, nao s> os
chefes da insnrreico, mas tambem os homensqne
tomaram parte activa no movimento insurreccio-
nal. Entre estes comam-se Ari, Jourde, Billiau-
ray, Courbet, Resssk Pasebal, Grousset, Rochefnrt,
Amouroux. Mourot e mais alguns. Julga-!os-ha
o terceiro conselho de guerra, presidid pelo Sr.
Waldner de Frondensten, coronel do 17 de li-
nha.
Os acensados de menor importancia, taes como
officiaes da guarda nacional, soldados que deserta-
ran! da sua bandeira, particulares que tiveram re-
lacoes directas com a communa, serio julgados
por ootra conselho de guerra, que ter as suas
sessdes n'uma sala da secretaria do estado-maior.
A* audiencias, lano de nm como de outro con-
selho, serio publicas ; e que nio quer dizer que
o publico assisiir ellas la :ilmenie, porque sao
innmeros os pedidos de logares para a sessio de
abertura. Primeiro julga-se Rochefort, se o esta-
do da suasande o permiliir, seguir-se-ha Rossel
e depois os dentis, n'uma erdera ainda desconbe-
cida.
Diz-se que o ex-director do Mot tTOrdre ser
defendido pelo Sr. Allon. Rossel manifestlo
desejo de se defender elle mesmo, e nao ha muito
dizia irnicamente um guarda :
De que me ha de servir am advogado ?
A' respeito da scolha dos demais acensados,
um faeto caracterstico qae em geral repellen os
advogados do partido revolucionario.
BOA PiLHERlA. Urna das illustracpes do ul-
timo numero do jornal satrico inglez Punca,
bastante expressiva. Esto doos traoalhadores es-
comes conversando, e diz am delles ao ontro :
a F.rbi preso e condemnado por ter roubado
urna vaeea.... Ao qae o ontro responde :
a Estpido...Nao a poda elle ter comprado ;
e nao a ler pago...
O GRANDE ATLAS. O carne deste monte, ao
-o da cidade de Marro eos, ao qual at agora ne-
abara ety^upeu tinha subido, foi visitado com fe-
liz resultado em 16 do mez de maio or tres via-
jantes ingieres, os Dr. Hooker, Mr. Gei~Maip-e
Mr. J. Hall. Depois de algumas tentativas infruc-
tuosas para chegarem ao cume pelos valles sues-
te de Marrocos, tenUram am valle ao snl na
provincia de Rervapara base de peracoese,
depois d-* terem ganho a amisade de Stoeik, o che-
fe dos schleughs, ama tribu das montanhas da
Barbara, os exploradores foram eonduzides por
urna ravina das mais pittorescas nma pequea
villa na sua extremidade, sitala a 7,000 ps ci-
ma da superficie da agua. Deste ponto, e con-
tinuando a trepar com bastante difficnldade, che-
garara altara de 12,000 ps sobre o mar no cu:
me dofAtlas. Alguns pontos solados que ha all
calcula-se excederem ainda aquella altura de
400 a 500 ps. Fiz-ram-se bastantes obsrvanos
sobre a topographia do Grande Atlas, e colleccio
naram-se ricos productos botnicos.
ANEDOCTA NTER ESSANTR Encontramos
a seguinte n'um jornal inglez:
Ha aiguiii lempo um individuo cahio no Ta-
misa dehaixo da poite de Lindres. Ura ou-
tro que passava ne.'te momento pela ponte, um
tal Mr. Johnson, professor de natacio, vendo o
succedido, atirou-se immediatamente ao rio, da
parle mais alta da punte, dando como era de sup-
por um formidavel mergolao de tamanha altura,
e effectivaroente conseguio salvar o individuo que
seafogava. Este snecesso den urna grande no-
meada a Mr. Johnson, quem pozeram o titulo de
Hroe da ponte de Londres.
f Ha das teve logar o desafio annual de nata-
gao era um dos lagos de Inglaterra, e entre os
competidores ao liiuto d* earapeao da Graa Breiar
nha, appareceu o citado Mr. Johnson. Nio f o
espectculo, mas tambem a fama do Hroe da
ponte de Londres altrahiram ao local do desafia
milhares de espectadores, curiosos de verem o
bere. Este effectivamente ganhou o premio con-
cedido ao melhor nadador, e o tita'o ambicionado
de Campeo Nadador da Graa- Bretanha, nadando
urna railha em 29 minutos e alguns segundos, re
tirando-se os seas competidores alguns antes de
comecar a lula, e ontros enfraquecendo meio
camiho.
f Passados alguns dias depois d>sto, destnbui-
do ao publico de Londres o seguinte programma,
que transcreyeraos pela excent r i cidade :
Salto dawnle de Londres Noticia publica
Nadador O Homem-Raa, ex-artiata do circo
Napoleo iaJwia, dos jardins de Cremorne etc.,
saltar d#ponte de Londres, arco central, prel-
xamente ai ^horas da Urde de quarU-feira 1*
de junho de IM. Nadaior ohegar no momen-
to indicado, e espera que o publico o nao obs-
truir no sen espectculo. Haver botes pasndo
de lodos os caes, e se alguem livor a desgraga de
cahir ao rio. Nadador ficari muito satisteito sal-
vando-o. N. B. Pede-se aos botes para desobs-
truirena/'o arco central na mencionada hora. No
dia e hdk* indicada, milhaies de espectadores en-
cheram bs caes e pontes prximas, e at os tel ha-
dos sfi'is estavam coalhalos da gante vida
de preVmar o espectculo.
t A mesma curioshtade teve a pliza one, na
hora marcada, se aohava na ponte, e mal chegou
o .Ydefoo" o prandeu immeiatamente, aocusan-
do-o Uo tentar eommetier suicidio o perturbar a
orde publica, fozendo com que bouvesse gran-
de aiaotamento de povo sem motive plansivel.
Cotidaiido ao posto, disse ehamer-sa v,0tor Na-
dador i3 ao008 de iii9'9 Profe,8,)r d9 nu*-
epois solt debaixo de nanga, e ha de ser
iBado prximamente.
,'Constou depois disto que Nadador estava
alanla maneira ligado com Johnson o Hem
anac t Lmim, e comegon a circular o boato,
nn tem visos de verdade, que o Sr. Patera de
wl-Eods. cuja vma o Sr. Johnson salvou, nao
Tlio o Sr. Petera Johnson, proprietano dos
h.nhM de WelingtoB. e que a sua queda no Ta-
X o raergulbo da sea innlo o Sr. 1 B Jo-
lusoo liana sido um espectacnlo arranjado de
antemo para excitar a enriosidada publica & la-,
vor desta ultimo.
LOTERA.A que se actaa a venda a 200a,
beneficio da irmafldade da Saqt'Aoaa da Madre
de Deus, que corra, na quarla-felra (19) pelo novo
plano publicado.
LE|LAO.^s, ganJi-feira effectua o agente
Mariins o letlao de movis da sala de corlar cabel-
los a' roa do Baro da Vtetora o. 18 andar s
tv horas dk dia.
PASSAGEIROS.Vieram de New-Torb e esca-
las no vapor arnerican > rVu.-rfA America :
Francis Harding, Mirv Htrding. Thoraa N.
awlft, Rbeeca D. Swift, Jenaie G-Swlf, Ifany Bu-
raett, Dr. Ignacio .lo Reg Baeros e um criado.
EVI TftAvNSWO.-O vapor americano North
Amrica condaz para os por>s do sul 2.1 passa-
geiros vindos- dos do norte.
para Lisboa no brrgua portuguez
Sahiram
Cottete:
D. Mara Agulbeiro y Lido, Sabmo Ukrqaes Ale*
xandrino e Pedro Gonr;,lves Tor^s.
CEMITEBIO PUBLICO.-ObUuano do di* 3 do-
eorrente :
Antonio Vlarinho, preto, frica, 40 annos, sol-
teiro, S. Jos j.aoazarca.
Antonio Fsrreira de Mello, branco, Pernambuco,
42 annos, solteirv, Graga; asphyxia.porsubuier-
sao.
Maria, recemoascido, escrav.i, parda, Pernam
buco, Santo Antoaio ; ao nascer.
Isidora Amane: de Almeida,
buco, 60 annoa, solteira, Recife
nica.
Caetana da Cstoha Oliveira, brawa Pernam-
buco, 30 annos, solteira, S. Jos ; tubrculos pul-
monares.
Manoel, branco, Pernambueo, 3 mezes, Recife -r
syphils congenita.
Qnileria, parda, 8? anno?, Pernambueo, soltei
ra, Boavista ; velhiee.
Atina, hrauca, Pernambueo, 6 dias, S. Jos; es-
pasmo.
Alfredo, branco, Pernambueo, 6 annos, Recife ;
lebre intermitente.
preta, Pernam-
hopalite enro-
d
Here da
C'HROMC 1 .iri)HARM.
Iltlltl MI l)t Itll. U VI
SESSaO EM li-DE JULH) DE 1871
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO il.U'.TANo
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da manhaa. presentes os Srs. desem-
bargadores Gitirana, Guerra, procurador da corda,
Lourengo Santiago, Almeida Albuquerque, Doria,
Domingues da Silva, Regueira Costa e Souza Leao,
faltando com causa o) Sr. desembargador Freilas
Henriques, abrio-se a sessao.
Passados os feitos deram-se os julgamentos- se-
guintes :
RECURSOS- GRIHBS.
Recrreme, o juizo dn direito do Recife ; recor-
rido, Manoel Jos de Paiva Pinto.Juizes o Srs.
desembargadores Domingues da Silva, Almeida Al-
buquerque, Gitirana e Suata Leio.Improcedente.
Recrreme, o juizo de direito do Tteixera ; re-
corrido, Antonio Alexandro Lultugard.Juizes tu
Srs. desembargadores Regueira Costa, Gitirana,
Souza Leio e Almeida Albuquerque.. Iinproce
dente.
Reeorrente, o juio de direito de Macei.;. recor-
rido, Dr. Antonio Joaquim da Souza Paraiio.Jui-
zes os Srs. desembargadores- Souza Leao, Gitira-
na, Doria e Almeida Albuquerque Improcedente.
AGGRAVO DE PETJCAO.
Aggravante, Joao Franciso de Almeida Bastos ;
aggravado, o juizo.Juizes os Srs. desembargado-
res. Domingnes da Silva, Almeida Albuquerque e
Gitirana.Negaram provimento.
CARTA. TK.-TEMll.VHAVKL.
Aggravante, Vicente Mendos Wanderley ; ag-
gravado, o juizo municipal de Serinhem.Juizes
os Srs. desembargadores Souza Leao, Domingues
da Silva e Guerra.Negaram provimento.
Ai'l'KI.LACOKS CI,V!S.
Do juizo mnnicipal Jo Cabo. Appellante, Ma-
noel Pedro do Reg ; appellados Manoel Joaquim e
seus filhos.Addiado
Do juizo dos feilos da fazenda. Appellante,
Claudio Dnbeux ; appellada a fazenda. Confir-
mada a sentenga.
Do juizo municipal do Recife Appellante, a
viuva e herdeiros- de Francisco Martins dos Anjos
Paula ; appeilad \ Ignacio Francisco- Cabra! Can-
tanil.Confirmada a sentenga.
Do jnizo municipal de Cajazeiras. Appellante,
Jos Ribeiro Campos e Peres; appeado, Antonio
Jos de Souza.Confirmada a sentenga.
D> juizo municipal de Quixeiramobim. Appel-
lante, Ernesto.Brasil de Mallos, appeados, os her-
deiros de Miguel Alves.de Mello.Addiado.
Embargos remedidos.Embargante, Joao Luiz
Ferreira Rib-iro ; embargado, Justino Pereira de
Faria.Receberam os embargos.
Da juizo municipal do Bonito.Appellantes, Ma-
noel Amonio Soares e ontros ; appellado, Vicente
Ferreira Padilh Calumbi. Reformaran) a sen-
tenga.
Do joizn municipal de Caruar. Appellante,
Jos Antonio Gomes; appellado, Manoel Antonio
Gongalves.Confirmada a sentenga.
API'tXLAQOES CRIMES.
Do juizo de direito de Mamanguape. Appellan-
te, Ignacio Ferreira Serrano Sobrioho ; appellado,
o jaizo.Reformada a sentenga para absolver o
appellante.
Do jnry da Victoria.Appellante, o juizo ; ap-
pallados, Manoel Gongalves do Nascimento e ou-
tro.A' novo jury.
Do jury da Granja.Appellante, o juizo ; appel-
lado, Miguel los Alberto.Improcedente.
Do jury da Parabyba.Appellante, o juizo ; ap-
pellado, Francisco Marinho Espinla. A' novo
jury.
Do jury do IpAppellante, o jnizo ; appella-
da, Maria Ferreira da Coneeigo. Nao tomaram
coobecimento da appellago.
PASSAGENS.
Do-Sr. deserobargador Gitirana ao Sr. desembar-
gador Guerra :
Do juizo municipal do Recite.Appellante, Joao
Dtwsly Jnior ; appellado, Joaquim Francisco de
Albuquerque Santiago. Embargantes, os herdei-
ros de Sebasiio Antonio Paes Barreta ; embarga-
do, o Exm. Viscoode de Saassuna. Do juizo mu-
nicipal de Agua-Preta.Appellantes, Jos Alfonso
Ferreira e sua roulher ; appellado, Antonio Gomes
de M acedo o outros.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago:
Do juizo municipal do Recife.Appellante, Jos
Marliniano Leite ; appellados, os herdeiros de Jos
Ferreira do Nasoimento.
Do Sr. desembargador Guerra ao Sr. desembar-
gador Lourengo Santiago :
Do juizo municipal da Areia.Appellante, An-
tonio Corroa Litm ; appellado, Manoel Pereira dos
Anjos Cavalcants. Do jaizo municipal de Baiurite.
Appellante, Bernardino Gomes da Silva ; appel-
lado, Augusto AU xandre Castello Branco, Appel-
lante, Jos Paulino Moreira ; appellado,Ignacio Al-
ves.Barreira. Do juizo municipal de S. Jos de
Mipu\.Appellante, Dr. Flix Ferreira de Alba-
qaerque ; appellado, Alfonso Leopoldo de Albu-
querque. De Areia.Embargos remanido.Em-
bargante, Victoriano Jos de Mello ; embargado,
Feliciano Cavalcante da Cunln Reg. Do juizo
municipal da Victoria.Appellante, Jos Cavalcan-
te de Albuquerque Wanderley ; appellado, Jos do
Barros Corroa de Queiruz.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago, ao
Sr. desembargador Alrueida Albuquerque :
Do jury do Araoajy.Appellaule, o jouo ; ap-
pellado, Francisco Javier de Oliveir. Do juizo
municipal de Carayina.Appellante, I). Rita Can-
dida Vianna ; amellado, tenante-coronel Eufrazio
de ArrijiJa triara.
Do Si", desembargador Almeida A'lmqnerqae ao
Sr. desembargador Dona :
Appenaepej crimes.Appellante, 0' jiz,; ap-
pellado, Vi:eme Ferreira Goncalve. Appellante.
o juizo ; apoellado, Domiogos Julo Evangelista
Appsllanlp, -Ameni.-) Jos de Besja; appellado, o
jnizo Apjella.aJe,ojuizl>; appelladV,. Francisco
Jos Leite.
Ao Sr. desembargador Dwia :
Appellago olveL Appellante, Jos Antonio de
Brito Bastos; appellado, teneote-coroael Manoel
Joaquim do Ite^o Albuqnerqe.
Ao Sr. desem^rgador Sorna Leio:
Appellago cvel..Appellames, a Santa Casa de
Sfiseneordia ; appellados, os heroeiros de Ms da
Canha Tuixeira.
Ao Sr. desembarga** Doria :
Appellante, Joat-nim Salvador Pessoa de 2njuei-
ra Garateante appellado, Salvador de Siqoeira Ca-
vaeante.
DoSr. desembargatlnr Doria ao Sr. deseiabar-
gador Domingues datiltea:
Do jury d.-Caruar'kAppellante, Mthias Jos
da Silva ; appellada, a jia-tiga. Db juizo incniei-
pal do Recife.Appellaote, Mana Francisca dos
Aojos Curado ; appellado, Luiz Gomes Silveri.
Appellante, Antonio de Siqneira Cavalcante ; ap-
pellado, Antonio Carlos Pereira da Cargos Pones
de Leio.
D> Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desemliarRador Regasina Costa :
Do juizo municipal do Aracaly.Appfllante, a
cmara municipal ; appellado, Andr Ferreira do
Santos Caminha. Da Barraros.Appellante As-1
ionio Flix de Souza ; appellado, Jos Guilberroina
de Mello. Do juizo municipal do Becife,Apoei>
lante, Francisco Pereira MPirelles; appellado, Mi-
guel Francisco de Souza Reg. Appellante, Bernar-
dino Jos Leito; appellado, Manoel Gongalves Fer-
reira.
Do Sr. desembargador Rtfgueira Costa ao Sr.
desembargador Souza Leio :
Appellago crine. -Appellante, o juito ; appel-
lado, Trajano Evaristo Ferrao Castello Branco.
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Freitas Henrique :
Do juizo municipal do Recife.Appellante, D
Maria Isabel Nunes de Oliveira ; appellados, Ma-
noel dos Santos Nunes de Oliveira e oatros. Ap-
pellago crime.Appellante, o juizo ; appellado.
Antonio Gongalves de Alencar.
DELIGENCIA CRIMS.
Com vista ao Sr. desembargedor promotor da-
justica:
Appellante, o juizo; appellado, Paulo Francisco
de Barros.
BELIGENCIA C!VBLi
Ao Dr. curador geral:
Do juizo municipal do Recife.Appellante, An-
tonio Franciso Paes de Mello Barreto ; appellado.
Leal A Irmans.
Do juizo municipal do Buipaa.Appellante, a
preta Quileria ; appellado, Alexandre Severiuo de
Albuquerque.
Assigoou-se dia para julgamento dos seguintes
feitos :
APPKIXAgXo OVE.;.
Do juizo mnnicipal do Recife.Appellante, o ba-
rio de Una ; appellido, Jos Jacome Tasso.
DESTRIBUICAO.-
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Recurso de fallencia do jnizo especial do com-
mercio ; recorridos, Magalhies A Icmao.
recursos i:iu:ifc.
Ao Sr. desembargador Freitas Manriques :
Recrreme, o juizo de direito do Recife : recor-
rido, Gailherme Augnsto de Almeida.
Ao Sr. desembargador Gitirana :
Recrreme, o juizo de direito do Bonito ; recor-
rido, Manoel Antonio de Lira i.
APPELLACAO 'ilVEl..
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Do juizo municipal do Buique.Appellante, a
preta Quiteria ; appellado, Alexandre Saturnino d
Albuquerque.
APPELLAgOES .INK.-.
Substituigo ao Sr. desembargador Doria :
Do jury do Recife.Appellante, o juizo ; appel-
lado, Joao Manoel Fernandes.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa :
Do jury do Recife.Appellante, o juizo ; appel-
lado, Antonio Jos dos Passos.
Encerrou-se a sessio a i hora e 3 qnartos da.
tarde.
rKIIIIIAL DO COnHKRCIO
^CTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 13
DE JULHO DE 1871.
PRESIDENCIA DO EXM. SU. CONSELHRIRO AM6ELXO
FRANCISCO. PKRETTI.
Secretario, Julio Guimaret.
As 10 horas da manhaa, ^reunidos os Srs.
deputados Oiinto Bastos, Candido Alcoforado e
Alvaro, faltando com causa participande.o Sr. 1*
secrelario Miranda Leal, e sendo noroeado para
servir da secretario o Sr. Candido, o Bxrn* Sr.
conselheirn presidente declarou aberta a sessio.
Foi lida e approvada a acta da sessao de 10.
EXPEDIENTE.
OlBcio do Dr. Hecmogenes Scrates Tuvaras de
Vasconcellos, commonicando a sna posse no tu-
gar de chefe de polieia da provincia.O tribunal
inteirado, resolveu aue se accu;asse o recebimen-
to e se agradecerse.
Officio do secretario do Tribunal do. commer-
cio do Maranhao, aecusando o racebimento do of-
flcio de 25 de maio ultimo.Mandouse para o ar-
chivo.
Mappas enviados pelos administra lores dos se-
guintes trapiches e armazens alfandegados : roa
do Apollo u. 20.Largo do Cerpo Santo n. 19.
Guerra.Machado.Barbosa. Dantas. Ns. 9,
15 e 17 do edificio Alfandega Velha. -O tribunal
proferio em cada am del le o seguinte despacho :
Conferido eom o precdanle, nao havendo davi-
da, seja archivado.
Foram destribuidos os livros que se segaem :
Diario de Julio Isaac, dito de Magalhies A Irma.
copiador dos mesmos, diario de Pereira da Cunoa.
Irmoe, diario e copiador, de Daniel Antonio Ro-
drigues, ditos de Francisco Pulcherio Gongalveado
Aadrade A Filho.
DESPACHOS.
Requerimentos:
De Joao Baptista de Moraes, snbmuttendo
glstro a nomeagio de seu caixeiro Falippe
lao de Aranjo.Registre-se.
De Jos Lua de Mello, tambera snbmatlendo a
registro a nomeagao de seas caiieiros Antonia
Jos do Sonto, Emlgdio Pinza de Oliveira e Aqui-
lino Ribeiro da. Cunba OliveiraComo pede.
De Jos* Antonio Peraira, igualmeate submettea-
do a registro a de seu caixeiro Joaquini Fraire de.
Sena.Como reqaer.
De JosTfiules de Mello, no mesmo sentido, qaan-
to de seu caixeiro Manoel Rodolpho Borgea
Ueha. -Deferido.
De Gregorio Thanmalurgo de S Leitao, no mes-
mo sentido, sendo os caixeiros Heliodoro Innocen-
eio Gomis e Clorindo Antonio Alaseida Yillarim.
3o mesmo, offereeendo tambera a registro a de
setf caixeiro Miguel Gomes Silverio. Na forma
podida.
De Joao Jaointho de Medeiros Rezcnde, apre-
senlando para se Ihe registrar a de seu caixeiro
Cosme Augusto da Silva.-Seja rejistrada.
De Antonio Felippe M>reau, psdiodo por eerti-
dio a nomeacio de seu caixeiro Angelo rio Javeo-
ci da Silva Santyaao,-CertiBqne-se.
a re-
Corio-

'*U-
w*



WITIUH ^
IMHVH

BJBJ BJ


Diart* De Aotnnio Augaslo de Vsonc-N
4o que se Ihe c bim n > rgi -
09 de sen caixeiro Rberto 6 m\aiwKn!tm^*
Como Md>
De Domiegos Francisco Ramalho, snbmeltendo
a rgi>tm^^^Hi de distrato da soeiedade Ha
-n ihlMtlf-- "r" o Sr. desemCargador
fiscal.
De Maooel loaqaim Dias e Jo* Bernardo da
Mona, igualmente sobmettenJo i registro u distra-
to da Arma social D.as A Mjtta. -Gutopram o ais-
posto no art.'2* i 7*d) deareto a. 4503.
De Jos Paulo BMlho & C tambera snbmetteo-
4o registro o na Jisimtt social. -Uta ao Sr.
deseabargador fiscal.
De Joo Flix de Mello, de idade de M anuos,
subdito portuguez. tumieKmdo e establecido oes
u praca. cora srroazora de carne secca em gr so
a relalho ra de Pedro Affooso n. 16, ob a
firma de Mello de Cirio, reqaerealo ser individual
mente admittido a roatrieula.-lonto aitestado de
osar de estima e crdito publico, firmado por Cu
uha Irmos & C. Oliveira FtlhJ-* G. e Bailar
Oliveira 4 C. Vista ao Sr. deserabargador h-
oal.
De Francisco lu) de Birros Janhr, faiendo
refleadas contra a prescripGio allegiia por Mar-
tinao di Oiiveira Borges, sjare o debito do rae*mo
B orgs pare com elle supplicante.Junto aas au
me vio cates com vista au Sr. deserabargador
fiscal.
De Jet Alfredo Tnota, pedio \ i qua se mande
ao eorretor Francisco Mamede de Almeula dar i lie
por certidao o a Me'de tO) aec do Brasilia Street Raiv.y
Cumpaoy Lmtted em 30 de junho proxim p*s*a-
4o, e se alera desaa venda tizara uutras tran tambem a aceites de dita comoanhia, declarando
o prego, as eondigSes e as pessoas com que as
Nacuma.Ceriqne-se na forma requerida.
De fos Firmla* Ribeiro, conidio de ter sido ou
rio registrada a nomeagao de sea caixeiro t'.a;
tao da Silva Ribeiro. Pmse-se a certidao reque-
rida.
De Julio da Co ejro .iatoaio Pedro Montano de Mello.Cerli ti
qoe-se.
De Joaqaim Teixeira Btsto*, idem, denominan-
4o se o caiaeiro Pedro iNolasco uoi San os
Sun.
De Antonio Pereira Magalhes, certidao igaal re-
lativamente ao sea caixeiro Joaquuu Flix de Al-
bajuerque.Na forma pedida.
COM PARSCEH FISCAL
Pelicao :
De Joaquim Jos tle Carvalho Moraes, registro
de distrato social.Satisfago, o parejer fiscal.
Na la mais hoave, sen io pelo Htm. Sr. conse-
Ihiro presidente encerrada a sesso i 11 horas
e mea.
pedin-1 Descont ie letras at 4 mez**S 0,0 ao anno. tl 15.
P. J. /'
Secretario.
SULDO PKOViNClAl
ALFANDEGA
Renliraento do da 1 a 14. .
Mem 40 dia 15......
vsbCo
319:439*971
30:4(5*118
349:8o7*OW
M d alfraiega.
Volumes entrados
Vulames sahidos
cora
com
com
com
taiendas
gneros
fazeadas
genero*
180
35
146
118
905
----- 333
SESSAO JUDICIARIA, EM 13 DE JULHO
DE 1871.
raismisciA "do rxm. sr. cosseliiriro a, r. n
RRTTI.
Secretarto Julio Gumarts.
Ao meio dia decarou-se. aliena a sessao,
atando reanidos os Srs. desembargadores Sil-
va Gulmaraes, Reis e Silva, Accioli e Almeida e
AJbnqnerqae, e os Srs. deputados Candido Aleo-
forado, Olilo Bastos e Alvan, faltand) com cau
sa participada o Sr. Miranda Leal.
Lida, foi approvada a acta da sessao pas-
cada.
ACCORDAO ASSW.XADO.
Appeilante AndraOe & Uego, puellada D. Anna
Josepha Pereira do< Sanies.
MaHairroa.
O Sr. Olint'i Bijtos aioapresaatoa o feito adia-
do a su pedido na -e-ofi i paasada entre partes,
appeilante Mamiel Duarv Radrignes Pinto, appel-
lados os caradores da lalleacia de Antonio los 0>-
tes.
Nao estando presente o Sr. Miranda Leal nio
forara por mo propostos os feito em que aupar-
les, appellantes Johastm Pater A 'i, appellados
Tasso Irmaos; appeilante D. Cesara Candida No-
are de Gasmo, appellado Man i I Pires Fer-
reira.
O Sr. desemliargador Silva Guin irei: apre-
senlia para se/assignar dia e a-si^noo-se o de
lioje para o julgamentn do feito entre parle*, era
Largante Salvador d-i Sii|ue.ira Civalcante, embar-
gado Joaqun Salvador Pesaba de Irpwira Caval-
canle ; e jurando suspeic) o Sr. deseint)aigad)r
Ad'.ioli, relator, foi o citad-) feito di;tritiuidJ ao Sr.
e-embarfadur Reis o Silva.
Enaarroa-e a sestao a raea hora da tarde.
ms
PUBUCACOES k PEDIDO.
N. 3til.^A BATALH4 DA VIDA. E' mxima
da guerra o assaltar o inimigo, antes quo es e le-
oba le upo de concentrar as suas forcas p r.i o
alaqu. O mesmo applicavel na lucia diaria com
as enfermidades. Se bem que a salsa-parnlha de
rncd, antagonista, que poucas molestias nor-
taes poJem resistir, leva a cabo a sua obra cura-
tiva e regeneradora, inuito mais depreca, quan
do ella usad i logo ib e>>m*$l da molestia, do
lema.
As escrofala^ que se na itaem arraigado profun-
damente as carnes, ou atacado os ossos, se detva-
necem como por nra encant) sob a sua mgica
infiaeneia; snecejendo o meun) on as moles-
tias cutnea', affeccSo do finido, e ios intestinos
rins, dyspepsia, nevralgia e rheumalisrao. P-
rn tenha se entendido, que, quando a lu:ta en
tM as facald3des physieas e a eoTmilade, chi-
ea ponto de se tornar urna batalha entre a vid
e a morte, lio terrivel quao duvi lo-a ao parecer,
a saha-parilha de Rristol, p le ainda assim mes-
mo, faier prenler a balanca en favor do il .ente
O naufragio da humanidad-; encontra serape
urna ancora de salvamento nesta hygienico au-
xilio.
COMMFRCIC.
THE ALLIANCE BRITISH & FOREIG.N.
Life and Fire Assurance (vjiupany estabelecida
ni 1824. Capital 5,000,000
Os agentes desta companhia tomara segaros
contra logo sobre predios, gneros e fazendas e
pagam aqui prejuizos devidamente provados.
Rabe Schmeuau A C
Corpo Santo n. 15.
IMPERIAL
Companhia
seguros
de
too.
AGEXTR^
S. P. JOHXSTO.V A C;
Rna da WcazaSa-nov-a n
contra
4*.
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool A Lonlon *i Glob
Insorance Company.
Abantes :J
Saonders Brothers 4 C.
II Corp) Santoil.
Seguros conlra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital........20,000:000*000
Fundo de reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
Mili* Latkan A C.
Rui DA CRUZ N. 38.
Descarregrara h^je 17 de jolho.
Btigue inglez Asn iofarinha de trigo.
Itrigne tnglez Wydeffecarvo.
Itrigue ig\iBemvndovarios gneros.
Brigue hetpanhol^/oiivinho.
Patacno hespanholThemoteo /vinhos.
Patacho francezAlphonso Maria mereadorias
Jarea iuglezaHenrieiha vsrios gneros.
Patacbj mglez Free i dora.
Barca inglezaSilore Smercadorias.
Barca americanaSI. V. /<*p7-farinha de
trigo.
de.
Porto
2,:* I i
Despachos ie expartaco no dia 14
julho.
Para os partos do exterior.
N) brigae portuguez Adeltno, para o
carreguram : Soare Primos 23 uceas com
kilos de algodoe 33 ditas cora S,i75 ditos de as
sucar mascavado.
io paiaco nacional Jaboatio, pra New-
York, earregoa : Loii Jos da Silva Garmaraes
1,000 saceos com 75,000 kibs de assncar masca-
vado.
Na escuna norte-allemio Catherine, para
Hamburgo, carregaram : ftibert Liclbeb me 6 000
uontas do bm ; Candida Alberto Sodr da M 500 couros seceos salgados eom 6,000 kilos.
Para os portos do int-inor.
Na barcaca T amplio do Recife, para o Rio
Grande do Norte, carregaram : Fraga 4 Bocha 10
pipas e6 barris com 4,875 litros de agurdeme e
20 barricas com 1,25 kilos de assacar.
Na barcaci Bella I, para o Pillar das Ala-
goas, oarregou : J.io Jos Rodrigues Mondes 2
garrafjs com 320 iitros de genebra.
ABELLA dos phkcos dos gknkros siukitos a be
RUI 10 DB EXPORTAQAO. SKMAMA DI 10 A 17 DE
Jl'I.IIO DR 1871.
Mercadorias: Unidades.
Abanos.........duzia
Algodo em carolo.....kilog.
dem em rama ou em la.
Carneiros vivos.......ura
Porcos idem..........
Arroz com casca. .... kilog.
dem descascado ou pilado
Assucar branco ...... >
dem mascavado. . ,
(dem refinado . .
Jallinhas .... .... urna
?apagaios . .
Azeite de araendoim on men-
obim..... .... litro
dem de coco . .
dem. de mamona. .
Batatas alimenticias. .... kilog.
Baunilha .... , >
Bebidas espirituosas eformentadas:
Agurdente cachaca.

dem gonebra . .... >
dem restilada . ,
dem alcool. . ....
dem cerveja . .
dem vinagre tdem vinho de cai.. . ....
Valores.
300
238
580
4*000
2*000
68
177
250
120
436
*000
5*000
937
678
525
102
IJIM
137
300
330
300
337
600
300

cento
kilog.
nin

kilog.
>
i
duzia.
cento
kilog.

>
centro
kilog,
A Gaixa Filial do Banco do Brasil em
liquidadlo paga o 35 dividendo de suas ac-
ides inscriptas nesta Caixa, a razSo de ojM
JtaH r* : a roa do Marqoez de Oh'nda ti
W.
i^ACA DO ttEClKE li DE* JULHO
DE 1874. \
as 3 1/1 horas da tarm.
tac5es officiaes.
Cambio siore Loa tres 90 div 23 l|J d
banco 23 H4 d p-r 1*000 hontetr-).
flambio sobre o Porto 6 djv 130 0,0 de pr'eraiof
(bontm).
Cambio siore LooAYes 904,'v 13 1|2 d. por
*O00 (hoje).
Bolacha fina, comprehendidos os
biscoitos.. t kilog.
[Jem ordinaria, propria para
embarque........ -
Caf botn........
dem escolha ou restolho ...
dem torrado ou moide. ...
Cal branca........
dem preta........
Carne secca ( xarque ).
Carvao vegetal........
Cera amarolla.......
dem de carnauba em bruto.
dem idem em velas, ....
Cha..........
Cocos seceos .......
Colla.........
Couros de boi, seceos salgados,
dem idem espichados....
dem idem verdes.....
dem de cabras comidos .
(dem Doces em calda.....
dem em gela ou massa. .
Idem seceos.......
Espanadores de pennas grndes .
dem pequeos......
em de palha.......
Esleirs de carnauba ....
dem propria para forro ou estiva
de navio........
Estopa nacional......
Parinha de araruta.....
tdem de mandioca.....
?eijao de qualquer qualidade. .
Fumo charutos......
dem cigarros......
(dem em folhabom
dem em folha, ordinario on res-
tolho .........
(dem em rolo e em latas bora >
[dem, ordinario ou restolho.
Rap
Jomraa de mandioca, (polvilho). >
'pocacuanha ( raiz )..... >
*ngico (toros)......duzia
Caibros ........am
Ensarnes........
-Yecliaes........
lacarand (coucoeiras) duzia
Lenha em achas......cento
dem em toros.......
Linhas e esteios......nra
Lour s fpranchoes).....
Pao Brasil........kilog.
dem de jangada......am
Quiris ......duzia
Vinhatico costadinho de 25 a 30
millimetros de grossura. .
Idem pranchoes de dous costa-
dos at 30 millimetros de gros-
sura .........
dem taboado de menos de 25
millimetros de grossora .
Taboado diverso......
Tatajuba........
Praves.........nftia
Varas para pescar. i dn?ia
Idem para aguilhadas ...
Moni para canoas.....ama
Cavernas de sucupira(em obra) >
Eixos de cicupira para carro. par
Mslaco........kilog.
tfel deabelha.......
Milho........*-..-
Osos
Palha de carnauba.....molhos
Pechury........kHog.
Podras de amolar .....
idem de filtrar ......
dem de rebollo j
Pennas de ema. ...*..
'iassava.........molhos
Ponas on ehifres de novilho on
vacca........ cento
3abo.........kilog.
um
duzia
kilog.
476
201
476
442
959
39
27
258
168
442
436
763
4*360
4*000
1*438
501
640
316
350
10*000
1*133
784
2*180
48*000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
543
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
93*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*0iW
6*000
16*600
Sal
Salsaparrflha ....
Snalos de couro branco
Sebo ou graxa emrama
dem era velas. .
Sola e vaqueta .
Tapioca......
Unhas de boi .
Va-souras de carnauba
fliein de piassava .- .
Un de unb. )
Alfandeg ae Pernaaibuco, 18 de jolhe de 1871.
0 I.' confereoteM-woel S. Furtmna.
O conerente J Approv. Alfandega, 15 dejalho de 1871.
Paei de Aadrade.
Conforme.foaquim TertlUian de Medeiroe.

ng.
cento
duzia
>
20*000
144*000
96*000
33
6*000
2*400
6*000
1*000
3*500
16*000
35
32 J
68
H
1*000
817
31
18
34
4*79f,
100
1*800
348
10
2*043
800
340
476
1*200
204
380
7*
1*200
960
REBBEiXm!A DB i\Brl7>AS INTERNAS
CERA ES DE PERNA>tB(JCO.
Rndimento do dia 1 a 14. 5:366f040
121:622*102
PRACA O REOFE
M 15 DE IIILHO DI It7l AS 3 HORAS DA TARDE.
KHVISTA BMAXAL.
Cambios.Sobre LiMilres effeciuaram-?e tran-
acc/ies a 23 7/8 d. bandarias e a 2i d. partcula
res. Sendo de pouco valor as transaco3s havidas
depois do ultimo vapor.
AlrodXo Vendeu-se o do Pernambuco escomido
e regalar de 9 $600 a 9*8JO dapois da chegada do
vapor; o de Macei e Paraliyba, posto a bordo, de
9* a 94J90 por arroba ou 15 kilos.
AssucarNao houve alteracao de importaacia.
Arroz.O pilado da India vendeu-se a 2*500
por arroba.
Azeitb-doceO de Lisboa vendeu-se de 2*500
a 2*600 por galio.
BacalhaoVenden se em atacado a 18* e
reulho de 145 a 18* por barrica.
Batatas Vendeu-se 4 1*200 a 2* a arroba
Bolachihhas.dem a 4*000 a barriquinha de
22 libras.
Cap.dem de 5*800 a 6*500 a arroba.
Cha.dem de 2*200 2*800 a libra. *
CitvKjAdem de 4*000 a 8*500 a duzi dt
Donjasi ou garrafa*.
Kerosene.-Vendeu-se a 6*403 a lata de 5
gales.
Loug.vVenden se a ingleza ordinaria de 275
a 280 por cento de premio sobre a factura. i
Manteioa. A ingleza vendeu-se a 750 r*. a
libra e a franceza a 580 rs.
Massas.Venderam-se a 7* a caixa.
Oleo de linhaqa.Idem a 2*200 o galio.
Passas.Idem 'i* 4* a caixa.
Qurijw.Os flamengos vend"eram-se a 2*200
cada um. ,
Sabo.Vendeu-se a 170 rs. a libra do mglez.
Toucinho. Vendea-se o de Lisboa de 11*500
a 12* i arroba.
Vinagre.O de Portugal vendea-se de 100* a
115* puta.
VlXHOS.-J
210*
pipa.
Os de Lisboa venderam-se de 190* a
e es de outros paizes de 180* a 187* a
Velas.As de coraposico venderam-se a 530
rs. o pacote de 6 velas em libra.
Descont.O rebate di letras regulou de 7 a
10 por cento ao anuo.
FrbtesDo algodo. carregando deste para o
porto de Liverpool, a 9/16 d. e 5 %'. carregando
na l'arahyha ou MaceiO a 11/16 d. e 5 %; e no
Aracaiy a 3/4 e 5 %
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia S.
New-Yurk e portos intermedios 22 das,
vapor ame ano North America, de 2 .'85
tonel ida, commandante G. B. Slocutu.
equipageio 08, carg dilTerentes gneros;
a Heory Forsler 4 C.
Biltbmore--52 dias, barca .imericana Mor/oic
V. Hugg, de 494 toneladas, ca'it5o Mi-
riOn Hagg, eqaipigetn 10, carga 4900
barricas com lanntia de trigo e ontros
gneros ; a Pbipps Bolbe'S A C
Novios sakidns no mesmo da.
Lisboa Rrigne p .rluguez C'ittele, capito
Jos I da Cot-i. carga assucar
BtrcelonaP.ilaca hespmhola Catalun, ca-
pitn Jai i S. Ja n, carga a'godao.
Canal l'audio americano Kenwbec, capitSo
James V. M -not, car^a algodao.
Rio de Jineiro e portos intermedio-, vapor
nacional Cruzeiro do Sal, commandmte
capilao tenente Pedra H. Duarte, carga
varios gneros.
Aracajfj e portos interme os, vapor nacio-
nal Mandah, commandante J. Gomes da
frilva, carga differentes gneros.
Rio Je Janeiro e Bahi*vapor americano
' NorY/T America, commandante Slocu/jn,
carga part* da qne trouxe dos portos ip
N r.e.
Navios entrados no dia 16. .i
Rabia4 dias, li ate nacional Garibaldt de 109 lo-
- Heladas-;apita> Ct&lodo los Vanos, equipa-
Rem 8, carga farinh da maddioca e on'ros g-
neros ; a Tasso Irmo. ,
Navios sahidos no mesmo dia
Rio da PrataPatacho nacional Bom Jess, capi-
lao Francisco Je s la Silva ; carga as*iu-ar.
Rio-Grande do Sol Brigne nacional Honorio,
capito Manoel Esteves Lopes ; carga sal e uu-
tros gneros.
PortoBrigue poilnguez Adeltno, capillo Manoel
Joaquina da Silva carga couros e outros gne-
ros.
EDITAES.
O Dr. Sabatino do Reg Barros de Ltcerda, juzi
de flirt ito especial do commercio n'esta cidade
do Recife de Pernambaco por 8. M. I., que
li-us guarde, el;. ,
Fago saber pelo presente que no da tres d
agosto do correte anno se ha de arrematar por
venda a quem mais der era praca publica deste
juizo, depoisda audiencia respectiva, o sobrado de
2 miare., solea, sobre sotao dentro, sito a ra do
Liviamento n. 6, sendo em cada andar e sota
sala adame e airaz, 6 quartos cosiaha ('na.po
queno quintil murado, encanamento para gaz,
agua e despejo, avahado por 60:000*, o qual vai
a praga por execueao de Jof FernRndes G mes
contra Joo Evangelista de Si, e oa falla dt lan-
cadore qne cutir o prego da avaliacao ser a
arremataiio feita pelo prego da adjuJicagao com o
ahatimento da lei.
E para constar mandei passar o presente que
ser aflixado oo lugar do cosame e publicad i pela
imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per
tiambuc, aos 11 dias do mez de julho de
1871.
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
esenvo o snbserevi.
Seai(io do Reg Barros de Lacer t.
0 Dr. Abilio Jos Tavares da Sdva, official da Im-
perial ordem da Bosa, e Juiz privativo dos eilos
da fazenda desia provincia por Sua Mageslade
Imperial, qoem D us guarde.
Paco shber que em viruda de execuco la fa-
zenda nacional cootra Claudio Dubenx, sero arre-
matados no dia 27 do correte, na sala das audien
cias.pslasll horas d> raanha, selle ca* nenliora-
d&sao memo executado, saber: w/sobrado de
1 andar n. 10, ern que mora o execn'taai^4a traves-
a Bengnnlla era Apipueos, e seis casas Arreas si-
tas n mesma povoagio roa Noval chamada
Itoror de ns. 2 a 12, todis de tijotkoel cal, com
as dlmensSes e compartimentos, eonslanl do man-
dado de avaliagao, e avalladas, a primen* ero....
6:000*000, e as outra em 2000/1000 ca urna.
E pira que chegae ao conheeimento/de lodos,
maadei lavrar o reseme, qne sera aflxado no
lugar do cosame e publicado pela impren
Dado e passado nesia cidade do Recife e Per-
namlmco, aos 15 de }tfh) t 1871.
Eu Luiz Francisca Brrelo de Almeida, esjrivo
oescrevi.
Abiti6Jo$i Tavares da Silca.
Perante a cmara iaouicip.il desu cidade,
estar ero praca nos dias 17, 16 e 19 do corren-
te, para ser arrematada a obra de um telbeiro
para servir de matadouro da fregaezia do oo
da Panel la, avallada em 2:832*000 (
As pessoas qne preteoderem arrematar, eom-
parecam ae p go aranicipai em os referidos/ dias
munido! de (langa.
Paco da cmara aonicipal do llecife, 15 deiulbo
de 1871.
Ignacio Joaqaim de Souza Leao,
P/-presidente.
Luurenco Bekem Carneiro da Cnnha
Serreta rio.
H. OattHA d, comen Jo 50 garfalas
a de pezando bruto 84 1
._rt 4' 40 0/0 liquido legal 51
is, valor do killogrammos 1|600 rs. 511000
Uraa dita da mesma marca signada aos mesffios, entrada para o armazem n
i do mesmo mez, contendo igual mercadorh,
peso bruto 80 killogrammos, lara 40 O/o liquido
legal 48 killoframmos, valor do killogrammo li,
K) rets.
Bma guarila de marca LW, n. 10,354, eom
resto de vinho Bordeaui derraocado vioda do Ha
vre na barca franceza Coligny, entrada para o
armazem em 13 de agosto de 1870, consignada a
Lehman Preres, valor di cartela 4 000 r.
O Illm. Sr. inspector da thesourana provin-
cial, em cnmpriment da ordero do Exra. Sr. vice-
presidente, de 10 do crreme, manda fazer publi-
co, qu a mesma ihesonraria vende 500 apulices
da divida provincial do valor de 100i cada ama,
veneendo os jatos de 8 0|0 ao anno, pagos por
semestres na S* rruinzena dos raezes de julho e Ja-
neiro, e devendo ser regatadas na quincena deste
ultimo mez, observando-se a oumeracao segaida, e
tantas qnantas permittirem os crditos notados
annualraente, precedendo annoncios.
Os pretende jies comparecam na mesma (hes ta-
rara no praso de 30 da*, a coatar d i dala deste.
E para constar se mandoa publicar o presente.
Secretaria da thesoararia provincial de Per-
nambaco 14 de julho de 1871.
O ollkial-maior,
A. Ferreira da Annunciac).
O inspector aa artuMcya m puimcv quo *>
gonda-feira 17 do correla, serio levados a hasta
publica dpois de meio dia e a porta/Ja mesma
repart gao os obiauoa afrailo ttOaraios livres de
direlto ao arreaaAUnla : 7
Oms caixa marca B O, m nntnero, vinda do
Havre na barca brawleira. VeriHana, enirada pa
ra o armazem n. 6 m U la Jolito de 1870, con-
DECLARAC0E1
Arremtapao
Quinta-feira 20 do correte, d-p"is da audien-
cia do Sr. Dr. juiz do< feit >s da.fazenda, ira a pra-
ca por venda a ca-a n. 18 da ra do Psso.d-i
Patria, com I pjrla e 2 janeas, temi de frente
29 palmos e 67 de fondo, com 2 salas. 4 quartos,
coiiaha, quinta', murado, cacimba inden-radente,
indo em ptimo estado, e avahada por 4:0004000.
A dita casa perlance heranga de Mara Antonia
da Loz, e vai Draga para pagamento de sello de
beraoga, em virtude de despacho do Sr. Dr. jciz
dos fetos da fazenda com annuencia do Sr. Dr.
procarador Bscal e domis interessados. Acha-se
livre e desembarazada como se pode ver dos autos
de aventario pelo cartorio do escrivio Cintra ; e
os pretndanles que desejarem obter informagoe-
poderlo dirigir-se tamhen ao Sr. Dr. Costa Ribei-
ro, ra lo Imperador n. 54.
Tribunal do commercio.
Esta secretaria faz publico que licari archivados
competentemente os segrales :
Contratos sociaes.
De Joo Rodrigues de Moara e am commandia-
rio, establecidos nesta cidade sob a frraa de Moa-
ra A C. cora casa de ngocio de fazendas e raann
f iciuras de roupa,-e o capital de 23,06)800
sendo 12:000* em coinn.aodila.
De Jos Maria de Freitas e Anacleto Jos de
Matlo3, astabelecidos nesta cidade com casa de n<
gocio de gneros nacionaes e etraogeiros, sob
a firma de Freitas & Mallo, e o capital de
7:771*194.
De Manoel de Souza lavares e Jo5o Jos de Me-
deiros Mello, negociantes de carnes verdes e coa-
rama, nesla cidade, sob a firma e Mrael de
Soozi Tavares 4 C, con o capital de 12:466/.
Distratos de sociedades.
De Thomaz Ferreira de Carvalho e Jo5o Rodri-
gues de Mora, dissolvendo amigavelmente a so
eiedade qne linham soh a firma de Carvalho &
Moura, cuja liqaidacao fica a cargo do ex-socio
Moara.
' De Joao Jos Manoel e Viwnte Berth die, dis-
solvendo amigavelmente o contrato que linham
sob a firma de Berlboline & C, cuja liquidagao
fica acarg.i do ex socio Jiu los Maaoel
De Joo Mano'l da Veiga Seixas e Manoel T.-i
xeira Uarcellar, declarando extincia e dissolvida a
sociedade que linham sob a firma de Seixas A
Bacallar.
Foi registrada a escriptura de dote e contrato
antenapsial celebrado entre Manoel Jjs Dantas e
sua mulher. sua filha D. Maria Amelia Dantas
Femando Gomes da Suva, coisistindo o dote em
10:000* -m dinheiro, o qual, bem como os bens
adjueridos e por a lquerir pela dotada D. Maria
Amelia e sea futuro ra.nrid Fernando Gentes da
Silva iio entrar) em commanho.
Pea mesma secretaria se faz igualmente publi-
co que em data de II do crreme foi inscripto no
livro da matricula dos commerciantes o Sr. lu
arde C-tndid) de Oliveira, ci lado brasileiro, es
tabelectdo nesta cidade com casa de cdmmerelo de
gresso trato, em operagSes bancarias, importacao
e exporlago de coma propria e commissSes.
Secretaria do tribunal do commercio de Per
narabuco 12 de julho de 187.1.
O ollicil-maior,
Julio Guimares..
santa Casa de itiserleordla do
Recife.
Pela secretaria di santa casa da misericordia do
Recife se faz sciente que no da 18 do crreme
pelas 9 horas da manhaa, no salo da casa dos
expostos o Illm. Sr. ihesoureiro interiao maiir
Laarentno Jos de Miranda far pagamento do
trimestre vencido de abril a janbn, s amas que se
apreseoiaretn onduzindo as criangas que Ihes fo-
rara confiada.
Secretaria da Santa Ca-a de Misericordia do Re
eife, iOde junhode 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
orrematagao as mas flaneas, ou eompareceretr-
icomptahados do* respectivos Badorea.
Seeretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
'At, 26 de junbo le 1871.
O escrivo,
________ fWro Rodrigues ie Souta.
Tribunal do commercio.
A secretaria do tribunal do commercio de Per-
namboeo, em campriraesto do disposto na 2* par-
te do ar. 9* do decreto u. 4356 de 24 dt abril de
1869, cientfica aoi seuhores abklxo mencionados,
que no dia SO do presenta mez vo ser enviados
thesoararia de fazenda desia provincia os papis
de que trata a relsgo infra, afiro de proceder-se
execotivamente cubranga dos emolumentos de-
vidos pelos alludidos senhores, ao exercioio de
1870 a 1871.
Antonio Ferreira de Carvalho, aro-
curago 13*900
Theodoro Jast, I ola 2*000
Tbomaz Lins Caldas, distracto de so-
ciedade
Jos Caetano do Medeiro, ra do
Apollo, certidao
Manoel Jos Alves, roa de Pedro
AlTms), oomeago de caixeiro
nomeagao de cai-
Coelho, pateo da
Cuoba dt Maota, 2 nomeacOes de
caireiros
Paln Nash & C,
eiro
Joaquim Gongalve
Santa Cruz, nomeacao
Luiz Ferreira de Almeida, ra do
Ranaei, dhtracto
Joo da Costa Reg, Passagem da
Magdalena, nomeacao
Joao da Cosa Venancio, Passagem
da Magdalena, nomeagao
Jos Euzebto Alves da Silva, i co-
nhecimento
Secretaria do tribunal do commercio de
nambuco 14 de julho de 1871.
O ofOcial-maior,
Julio Guimares.
3*000
10*500
1*860
2*820
1*440
1*500
5*030
1*560
1*560
1*320
Per-
Santa Caa de Misericordia ao
Recife.
A llhii-i. junta administrativa da santa casa da
mheriordia; do Recife ten Jo de fazer as obras de
qae precisara os predios n. 37 da ra da Moeda e
2 e 13 da roa dos Burgos, perlencenles aos esta -
belecimenlos de earidade, contraa taes obras c m
Juem por menos prego se qnlzer encarregar de
Tectua-las mediante cenas condicoes, para o qae
devero os pretm lentes dirigir suas propostas
mesma junta afim de seren apreciadas.
Secretlria da Santa Gasa de Misericordia do Re-
cife, 10 dejunho de 1871.
O escrivo,
______Pedro Rodrigues de Souza.
No dia 17 do corren linda a audiencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos tem de 9er arrema-
tados os dominios director dos terrenos, na ra
Nova fregaezia de Santo Antonio, perieoeentes ao
casal do finado ommeadador Tnomaz de Aquino
Fonceca, a requerimento \do inventariante com
anuencia de tolos os interesados os pretenden-
tes dirijam-se ao porteiroAo juizo para verem as
ava iagoes._______ J__________________
SANTA CASA 1|/ MbEHICORDIA DO RECIPE.
A Illm. juutaf administrativa da Santa Can do
Mlsericordis da Recife manda fazer publico qae
na sala de sima iessdes, no dia 20 do mez dejalho
pe!as_3boras da tarde, tem de ser ai rematados
a qaemmais vaniagras ofierecer, pelo lempo de
um a tres anuos, as rendas dos predios era segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ba do Duque de Caxias.
Loja do sobrado n. 77.....600*000
Ra do Prdre Florianno.
Casa terrea n. ti.......1803000
Ca terre? n. 63......205*000
Ba das Calgadas.
Casa terrea a. 32. 0 o 132JOO0
Ba do Calabougo.
dem o. 18........320*000
Ra do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 26 ... 302*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 73......211*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 64.....240*000
Becoo do Abren.
Sobrado de 2 andar n.M. 400*000
Boa do Bom Fim em Ofinda.
Casa tdrrea n. II ...... 96*000
dem n. 12........ 96*000
PATRIMONIO DOS ORMUOS.
Becco das Boias.
Sobrade de 2 andares n. S6 367*000
Ras do Encaniamenlo.
Sobrado de 2: andares d, 14 1:200*000
Ra aa Sanzala velha.
Casa Urra n. 18 .... 241*000
Idem n. 1. 6.......208*000
Ra do Pilar.
Casa larrea n." 101..... 205*000
Idtmn.110........205*0 0
dem n. 104.......204*000
dem o. Ft........36O*O0o
Rea larga do Rosario
LoladoeobMda ?. 24......4.-807*000
Prlrpera wtar do ait .... o 402*000
Os propendentes devero apre.entar no acto o.
Pela secretaria da Su.ta Lasa de Mi-ericor-
dia do Recife re convida aos inquilines dos pie
dios abai.xo mencionados, para que venham no
praso de 15 da renovar os seus arrendamentos,
porque conforme resolugo da lilma. juota serao
despejados aquelb-s que o nao nzerem.
Ra do (ialaboug) n. 18 Antonio Pedro de Sou-
za Soares.
Ra do Amorim n. 26, Jos Ricardo da Cosa.
Ra da loria u. 01, Bemjamim Viries Dutra.
Becco do Abreu n. 1, Manoel Alves de Oliveira.
Becco das Boias n. 16, Manoel Ferreira da
Costa.
Ra da Senzala Velha n. 16, Florindo Jos
Doarte.
Ra do Pilar n. 101, Joo Antonio Baptista.
Roa do Pilar n. 99, AUredo Alves da Silv
Freir.
Ra d i Pilf r n. 104, Antonio Soars de Piano
Ra do Pilar n. 110, Jos dos Sinlos Villar.
Secretaria da Santa Ca Recife, 14 de julho de 1871.
O .escrivo,
Pedro Rodrigues ra- venliios en Jia cima egaada feira
17 de corto Ote, s 11 Bora* da inania, ao arma-
zem dos faHidos, rn d- \matun a. M.
de 12 eadeiras de am da dito, 2
granee? eepeibos, 1 i> (ros de porcelana,
2 veneziaoaa, 2 cadi >s de amarello,
penteadores, pi albas, eabegas
de msdeiras e ma sala de cortar
cabello da ra N do Carao da Vic-
toria
Seguoda-feira 17 do correle.
O agente Mames far kile dos objeclos cima,
em loles, no primeiro andar do sobrado da roa do
Barn da Victoria n. 18, s II horas do dia.
u
DE
Urna mobilia de jacirand
com 18 eadeiras de goarnigo, 4 ditas de bragos,
2 consolos, I mesa redonda com pedra marmore e
( sof, I bom piano, 30 quadros, 3 candelabros de
metal, 1 rama franceza de Jacaranda, I grande
guarda-vestidos de amareli.-, 1 aparador de dito, 1
me-a elstica com ( lab.-as, 1 apparelbo de jaalar.
I dito de porcelana para almogo, 2 daras de cli-
ces para chamaagte e 2 frn-tviras de vidro
TERCA FEIHA
19 do frrenle
O agente Martins far leilao dos movis cima,
a reqoerimonto dos levesiariantes dos bens deixa-
dos pelo fallecido Joaquim de Almeida Finio, e
por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de orpbSos, co-
jds movis seio vendidos a quera mais der, i li
horas do dia acuna d.to, no primeiro andar do so-
brado o. 10 da ra larga do Rosario, antlga roa
dos Quartei*.
LEIL40
AVISOS MARTIMOS.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
VxvegacSo costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formse e
Tamandar.
O vapor Mamangnape, seguir
para os portos cima oo dia
20 do correnle a meia nonle.
Rt-cebe carga, cncommen-
das, passageiros e dinheiro ,-,
frete : no escriptrrio do Forte do Mallos n. 12.
P.IH1.
O patacho norte-allemo Muthild, fegue para o
;.:rlu cima, rebebe carga a frele commodo: a tra-
ar eom Joaquim Gerardo de Bastos, a ra do Vi-
ario n 16. primeiro andar, escriptorio.
PAKA'
Pira o indicado porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho portugus Garibaldi por ter a
maior paite de sen carregaroento, e para o resto
qae Ihe falla, qne recebe a frete commodo. trata
s com o consignatario Joaquim Jos Goncalfes
Beltro .'. ra a C >mmercio n. 5
PAIt.l O
ARACATY
Segu eom hrevidade o hiato JVoco Inveneivel :
para cargas e pas'agens traa se rn do Viganr
n. 14, l* andar, escriptorio de Jos Lopes Davim.
PAKA
BAHA
O brigue francs Alphonse Minio, chegado
hontem de Antuerpia, recebe carga a frete com-
modo para o porto cima, e partir com muita
brevidade : a t-atar na ra da Cruz n. 55.
cg.mfanhia pernambucana
- ;de
Varcgaco costelra por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mosgor, Ara-
caiy, Cear, Maadah, Acaract e
Granja.
O vapor Pillsima cornraandan
te Azevedo, seguir para os por-
tos cima no dia 2ldocorrem4
as 5 horas da tarde. Recebe car
ea al o dia 20, encommenda'.
passsgciros e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte di
altos n. 12.
DE
Urna terida de serralheiro roa do Bario
do TriiitDiotii.1 amiga do lrnm n. rjfl.
Terca-feira 18 do correnle.
O agente Pestaa fir leilo, eompelentenaent
aolorisado, eporcnt.i e risco de qaem perten-
cer, dos ohjectos exisicn'.es na serrara cima dita,
sendo 2 for|t* completa*, 1 macona de forar, 8
tariachas complelas. diversa- f^rramenlas de aer-
ralber <, diversas f-rrageos etc.. achara patente no dia cima segunda-feira 17 do
correte, s II horas da matibaa, na mesma casa
n. 56 j cima mencionada.
LEILAO
DB
dous bons engenhos
A tS da ron piale.
Por ulterior despacho do Illm Sr. Dr. jniz de
direito especial do commercio d'esta eidade, i re-
qnerimenio dos administradores da massa fallida
de Siqneira & Pereira. o aehe Oliveira expor
ni vamente a Itilao publico, os oem eorliecidos en-
genhos denominado* Jussdra e Mon'e d'Ouro.
ambos sitos no termo de Jp-juca 'esia provincia,
os quaes foram penhoiados por exeengio de ditos
administradores vi uva e herdeiros do Dr. Igna-
cio Nery da Fonseca, e adjudicados indicada
massa :
Sexta-feira 28 de julho
ao meio dia em ponto, no escriptorio do referido
agente, roa da Cruz n. 53, primeiro andar, onde
se dar previas informagoes.
VISOS DIVERSOS
Antonio Bangel de Torres Ban-
dein, Manoel Ignario de Torres
Baudelra. Joao Vicenie de Torres
Bandeia, Maria Carolina Bandelra
da Cunlia e Augusto Ce.-ar da Cn
t>b?, filhos e genro agradecem a to-
das a< pessoas que se dignaram
aeoml'anliar ao cemiterlo publico o cadver de sua
cara nal e sc-gr, D. Malmeta Margarida de Souza
Rangol e Ihes mgam i> caridoso ob-eqnin de assls-
liretn a mis-a do setirr o dia, qne lera logar no con-
vento do Carino na manhaa do da 20 as 7 horas.
Luz e pn greso.
Com esle titulo sabir o mais brevemente pos-
sivel um jornal, no formato do Comi Pernam-
bucc.no e provisoriamente, tima vez por semana,
cojo fim promover especialmente os intereset.
do commercio e d'agricuitura, das industrias e das
artes, e tudo quanto pessa ioteressar ao melbora-
mento do paiz, menos a poltica que nao ter io-
gresso em suas colannas.
A falta de um jornal desta ordeno se em torna-
do bastante seosivel i provincia, e presumimos
que, todos aqnelles que concorrerem com o pres-
tigio de suas luzes e de suas assigualuras para
sua suftentagao e maior brilhanlismo, prestarao
nm relevante servigo ao paiz, as circunstancias
era oue eile se cha.
Subscrcve-se no scriplorios das assoclagoes
Cotnmercial Beneficenle. Comroercial Agrcola, da
Sociedade los Artistas Mechanicos e Liberaes, em
todas as livrarias desta cidade, as papelariaa dos
Sr. Paula Monteiro e Cardse Ajrres, e na lypo-
graphia Mercantil, ra do Torres n. 10, razio
de .". prr trimestre, pagos aiianladus entrega
do primeiro numero de cada lrrac>ire.
Seguir para o indicado porto o hiate Sobralen-
st, capito C-'Sta, ainda recebe alguraa carga a
frete : a tratar com S Leilao Irmos ra da
(fadre de Dos n. I.
Seue psra o porto cima o brigue portngoH
Bemvindo, tem parte da carga, e o resto recebe
a frele commodo : tratar na- ra do Vigario n.
16, Io andar com Joaqaim Gerardo de Bastos.
LEILOES.
LEILAO
DE
Um bom cavaltn arrerado e enfreiado
HOJE
Na oceasilo do leilao da (eada de serralheiro na
rna do Bium, hoje do Biro do riiumpho, o agen-
te Pestaa vender ara bora csvsHo qae esquipa e
anda at meio, com tolos os arreios.
dos
qoaes
gneros abaixo declralos, os
fazern parle da massa fal ida
de Fonoeca dt Sames.
ihmi;.
Segunda-feira 17 do correnle s H horas
da inanhia.
A' requerimento d >s caradores Baca a da massa
fallida deFoaceca A Saotoo, e jur deipacho do
limo. Sr. Dr. jmz especial do eomraarcio, o agente
Pestaa far Itilao per anta risco do quera pr-
tencer, dos generes seguinlai, a saber :
122 saceos com caf, 4 pipas com vinho trato,
2 barris. com Jilo, 7 ditos cara vinagre, 1 pipa
eom dteem metade, 7 barris com vinho branco,
5 ditos com grande falta, 4 ditos com aaelte doce,
66 barrica oro'cerveja, U cjixas com kerosene,
23 latas, 86 lau46 marmelada^fructas em cal-
da, 2 barricas com assacar, os quaes genero se-
CASA A FOflTtlIU
Aos 5:000J1
Bilhetes garantidos.
K roa Primeiro de Marco (ontr*ora na da
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sene ls-
lizes bilhetet. um terco n. 1998 com 5:0001000, na
terco u. 181 com 90UOOO, uro ierro n. 1380 Coro
180*000, Jfc inteiro n. 07 cora 100*000, e oniras
sones de 40* e 20* dt lotera qae se acabou de
extrahir (199*), convide aos possuidores a Tireni
reeeber na coLormidade do costme sem descon-
t algara.
Acham-se venda os bilhetes garantidos da
3.' parte das loteras, a beneficio da irmanttlJe
le Sani'Anna da Madre de Dos (100") que ae ex-
trahir qnarla-feira 19 de crreme mez, palo no-
vo plano.
PRBCOS.
Bilbete inteiro 6*000
Metobilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porgao de 100*030 para cima.
Bilhete inteiro 5*509
M-io bhele 2*75*
Qcarto 1*375
Manoel Marikis Hnxa.
Olferece-se um mogo chegado ha poueo 4o
mato para caixeiro, o qual tem alguma praticaHe
padaria c taberna, e d;i fiador a sua condacla :
quem de seu presumo se quizer ntilisar pa>-
rigir-se ra do Mrquez de Olinda, aatwa rna
da Cadeis, n. m A.
Attenpo
Troca-se roo6da de cobre, qnantia nanea infe-
rior de 50*000 : qaem pretender dirija-se ifraM
da Indepe .deacia 0. 39, loja dos Srs. Pem "A
Bastes.
Pede-se a Mpaosn de qualquer jaiio aaerea
de um celebrrimo foHiofn que acaba de ser ijle
gsimente publicado tS40* do art. 407 ^
Cons) centra a soetedaoe aacooica-
f>ciaatt'oKmna,.par-alfiMi das aocto* qqY
retirararo despeilados. dasdeji *n_____
es. as vagas argnigd s oelle contids. filhl i o-
oiente di ra veataaa e da inveja, Mrao radical e
victoriosamente diattaid*^____________
~Ea8iMaJ r
Precisase de Qraaengnmmaaeira para casa 4e
familia e papa-satOTO : a tratar oo Trioeipa- 4a
estrada dos Affliews io.-3,n 4 rn 'tafia
daia de BelTe.-c. 4* armazem.
Y
.<


r
Y


?
I
Mario de Peruambuc Skgoud*; ftra 1? de JuJko de 1071

^BH
EiTABTO
Mel
war
povoailo
OGRANDE PURIFICADOR DO SANGEl
sti escelleote e admiravel medicina, e
pnporada d'uma maneira a mais scientifi-
ca por Chimicos e Droguistas raui doutos e
'urna instruccao profunda, tendo tido moi-
tfts annos de experiencia ao par d'uma ton-
ga e laboriosa pratica.
. A sua composicSo n3o consiste d'um sim-
ple extracto d'um so artigo; mas sim,
compostad'extracts dum numero de rai-
les, hervas, cascas, e fothas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
04 essepto, no sangue ou nos humores;
e estes diferentes extractos vcgetaes, acham-i
se por urna Jal forma combinados ponte
de conservarera em toda a sua forga, o cu-
rativo especial de virtude, que cada um de
per si possue. A raz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparac3o, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composi^o da Sstlsa-
parrilha de Brlstol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
sa por leve ser perigosa ju injuriosa
sade; e tanto n'este, como em quasi t-
eos os mais respetos, ella inteiramente
diversa de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Salsaparr-
Iha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma coler de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
SALSAPARRIRA DE BRISTOL
em fraseos grandes, e assim por este modo,
dividimos com os consumidores, o grande
proveito e vantagem alcancado por aquelles
que acondicionam sua preparaco em gar-.
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa Nalsaparrilha de Brlstol
oonteem a messa quantidade igual poroto
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais forca e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventura se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. J?or-
tanto mui natural, que aquelles, que se
acham oceupados em preparar e vender as
suas produeces, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Brlslol nao possue a
menor virtude; porm quito efectivamen-
te sao elles postos em silencio, quando indi-
oamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certidoes e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
" A vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoera as nossas medicinas,
sao produzidas, que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Em quant que, por outro lado, nos nSo
nos poupamos nem dinheiro, nem dili-
gencias ; aflm de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-.
Co; pois levados e compenetrados da
mais firme e persuasiva confianca; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de todos os paizes, que na
Salsaparrilha de Brlstol. possuem
am remedio mais efficaz e seguro ; do que
nenhum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
_ prtvjsem aoi prejawdfti
-oa, que mais
pOOMie uao se pretender verificar se cal am
lem on cao parle na lateadas existentes em po-
der |o Sr. escrivao, visto como o Sr, escrivao nao
se quer prestar a mostrar as mesnias faxenAS
afim de que, vistas confrontadas com as notas
se posa reqoerer com relacio ao direito qae por-
ventora poisa tocar a cada urna das partes; con-
vm, poli, qae os prejudicados nao vo aquelle
povoadoj para que nao sneceda o qae a nos suc-
ceden, de l irmos e nao ser posaivil veriflearmos
ser od nao algunas das fazendas a n perleoceo-
le-, apexar de haver o Sr. subdelegado no* fran-
jueado o exame ou verifleacao das mesmas.
Nao leve, pois, logar que dos verifleassemos se
existiam algunas das farendts qoe nos pertencesse,
pois o Sr. escrivao quera que d'eale trabalho ihe
resultasse urna paga, ou qoe ni o conveocesse,
setn vermos se libamos parte as ditas fa-
zendas, de que ficasse elle salvo de ama seria res
ponsabilidade Mmente de not mottrar se alli ti-
nkumot algumdiieito.
Assim, prevenimos ao publico qae nio tenha o
ira balito de ir ao povoado dos Montes ver laes fa-
zendas, porque d'ellas faz segredo o Sr. escrivao,
segredo que Ihe rende.
Recite, 15 de jolho de 1871.
_______________Cirneiro, Tavares & C.
O abaixu assignado, socio da firma de Maga-
Ihes Mendes 4-C, declara que nunca fui guarda-
livrof do Sr Jo Antonio Soares de Azevedo, e
smente o foi dos Sr?, Bernardioo Gorries de Car-
vallo, Antonio BaptisU Nogueira e Larvalho 4
Nogueira. Outnsim. declara naoter recebido d'a-
quelle senhor beneficio em lempo algum e de
qnalquer natureza, pelo qual se ennstita protec-
tor do metno abaixo assignado. E como o mes-
mo senhor em .-ua defeza que aprsenla dos autos
da causa qfce pende entie o Sr. Azevedo e firma
de que faz parte o abaixo asignado, taxando-o de
ingrato, declama este qae tal ingratido n5o pode
>X'Stir, pois nunca d'elie receben favor.
Recife, 15 dejulhode 1871.
Antonio Mendes de Souza Machado.
Socio.
lima peswa com pratica do commercio, deseja
associar-SH em casa commer :ial, entrando com o
capital que se con vene ionar : queni pretender,
deixe carta cesta lypographia com as ioiciaes J.
G. Piefere-se trapiche, ou armaren) de estiva.
Misss fnebre do 7.: da.-, por alma de Emilio
Fernandes Pazf... Convidase familia e ao9
amigos -j-J-J- para as 7 horas do da 17 do cor-
rente, na igreja do Liyramento fff '
ATTENCAO
Na ra velhi de Santa Rita n. 18 primeiro an
dar, enfeila-se nqaissiraa* bandejas de armares
modernas e com bolithos francezes de differentes
qualidades, faz-se bjm bocado, pastis de nata,
bololnglez, peitode anjo, bolo francei, podim, to-
lo do co, aleiria do ovos e muros muitos artigos
proprios para presente ; tambera.contrata-se janr
tares para assigoante, tudo isto por pre{) mais
commodo de que m otra qnalquer parte.
Pernambuco Street^ Eanwy
& Companhia.
De ordem da directora desta companhia convi-
da se aos accionistas a realisarem urna entrada de
vinte por cento (40 0(0) sobre -o valer de suas ac-
q5es, at o dia 4 de agosto prximo, no escripto-
rio ra do Commercio n. 8. Pernambuco 15 de
iuiho de 1871.
. H. H. Sttifr.
Assistant Tresaurier.
AMA
Precisa-se de urna ama para cozi-
nbar em casa de poura familia : na
ra da Punte-velha n. 28, sobrado
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
Feridas Ulcerosas,
Tinha.
Syphilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidadc GeraL
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Tumores
AJiscessos Apostemas,
Erupces,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remittentes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, achar-se-ha, que para o bom
resultado eperfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adian-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesme
tempo das nossas mui valiosa pllula*
vegetaes assucaradas de Brlstol.
lomadas em doses moderadas em conaec-
ij5o ou conjiuictamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
mores viciados que se desprendem e livre-
mente circulam espalhados pelo systema,
isto causado pelo uso da Salsaparrilha; e
por esta forma Jacilita a volta e o exercicio
norrtial das ope'rages funecionaes,______
Gavallos fartaos
Kurtarain d.j e 'g.. Unribeea, i> da 8 J> wrrmw ja no, dous inr-
ios. sendi n l* roiido pelcet, lendo noia beilile
oc OHM diMiti, m:\os ovalas, e ni p esquerlo
ura talhi U cwda. iateiro, carrsgidor baixo e um
OPUM ab.hd->, e de cangalht ; e o!1 rol>do
uliado, casir.ii), bimanlalor, quasi at meto,
de 8 anao', pouco m\is in nena*, tendo ura sig-
na! b^m vkv^I en era lo* olh'W, que parle da
pestaa fui la -i", u a I >l>inh i qae lii-' f i exirahio
ao me?nro o'.h i. C>1>*& qie esie< civallos segui-
ram parLiiB')ir) ra Nit*:eth,e aaem delles der
note'1* eit!i ao *b'xt Mtifaato, rereber 100
^e o .li iii.tir,'. a quantia
se h)uver pesU qu le Jeelare o roubador de
ditos t*'M.
Maniel Barb^^ \\ Silva.
Ptirttram do e-igenh) Tion, no dia 7 do
earrent-, urna buri nloos ca-
vatina v irtwwwnl m a I >vr.dore* e s bam perten-
etti o ejnA
ano
'n,
da ao ep
Nutrimento
MEDICINA!
[Preparados por
Lanonan AKemp
para tisicae toda
qualidanta dedo-
encs, quer seja
na garganta, pe-
to ou bofes.
Expressa
mente escolhide
dos melhores li-
gados dos quaes
se extrahe o
oleo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
micalmente, e
suas
p ropriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido submettide
a um exame
muitosevero, pelos ciimicos de mais tale-c
ot, do governo hespanhol em Cuba,foi de-
vulgado por elle e contem
MAIOR PORgAO DTODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
exam'oado
10DINO E'UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo' de ligado de bacalho:
e naquelle no qual contm a maior porq3o
d'esta invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doenfas de
GARGANTA, PEITO, BOFES,FIGADO,
fsica, bronchites, asma, catarrho. tosse;
resfrlamentos,etc.
Uns poucos frascos d carnes ao muitc
magro que seja, clarea a uista.e d vigor a
todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
ntiendo na n>edicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisacjSo tem sido
destruida pelas alecces das
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C, P. Maurer
4 C, A. A.Barboza, Barthalomeu d- C 5
p -armada ameiicanarua doQuetaiado n.
1
: grande,
[ti
f-n i, na lo trn no
t) : quem
i ser bem
-Q
't?r .
um lavador, anDizDsie
Companhia Al lianpa
DE g -
seguros martimos estabeiecide
uu Baha em 15 de Janeiro
de 187r).
gAPlTAL..t\s. 1,0007000^000.
Toma seguro di niercadoms o din>eiro a risc
uaritimo em navios do valla e vapores para den-
t e ra do Imperio. Agenei i i na do Com-
i n 8, escriptorio de Joaquina lose }a!v>M Bel trio.
iarut<'S d'-) 8cliD.or:uscli
Regaa britnlca.Retralia Imnefial,
j.ras. Conchas. Trabucos, do um mllh?iro
para rin:i.
CIG.\rtP.0S D\5 FABRICAS D3 RIO DE NO-
VABA E U7.AR, de diversas qualidades, vende
rtfas.
DEWTIW
LICO> CMCCNTMO* I TITUtaO
O Snr Guyoi ehe^ou tirar ao alcairo a
sua ntrhnoniae oseu amargor insupportaveu,
o que o Itirua fimis soluvel. Xproveilnhdo essa
itdia ilescoberta. elle prepara um I*c6r cm-
li'i- i!i> de alc;ilr:'io, O qual. *oh iiru peijiieno
voiiime, eontein urna nde prupo'vSo de
I-i incipK * O <.r .i, fc,iT (Gouilroii tuyo!) pussiii- por cpeque^ia lmU> ^v.ni-
lapet^ ilii amia de alcati'iio ontinari?, ^euHer
ti um.iiveiiieiite>. Ilasla il.-il->i 'elle uiua,
eolher logo um copo de MuvlU-.nie *m* 'le iIcjIco
setn insi(i t*nf*miu*A. Ciihi q^id poil*
d'ess in ne r.i i^iiar^r a u:i j.'!i 'le ;il-
C.-|tMu.pi.':i |.i 'l'-H;. prn-.. Jp.i.fllWM
ei'...iiniiiw ^ i.-mp". f 'il..i. i'-' r.,,-iu>rte
e'ii.Mi ni "|ii ,.( i- i i'i.irt- ....,..-,i,..
I AlrMir.t^ .-. .... t
WUl.'K.-,.i 'iiii.li.- i. -. i, .....
t inenci, i,.- y,,,- 4,..... ^... "i"p,.
lus>e. c.i-(o-i"'-
O 4lrlr* m t-;ol ellUJlCtado Ci'lll lli;ll.'i -.,ii. n.is ni.....-i i '-
tH BiBIDA. -'"" aJUer 'le cafe futra m a ni uu^-u w >m euLkerf. m,
$ou /'jrip^fna ya rufa :
aflONCHtTtS
CATAHRHO CE BEXIGA
OtFLUKOS m
TOSSE PEHNirAZ
IRRITA^AO DE PEITO
TOSSE COHVUVS
ES r0BWTA'T0E3. -or r'" u ""''""'wm l,0"n' ^ffMF
AFFECCtS OA PELLE
COMsCHES .....
OLESTIAS OO COURO CABELLilOO
EM IIUICCOES. L'nn parle'le lirore 'iintod'Kjii,, MHiemimfWmm
FLUXOS ANTICQS OU HECEMTES
CATARHHO OA &EXIGA
O Alcira< d*i un-nUidu rvm um renfadriio xito rv>t
yrimiiniix ho^dne* J< Ttliiiftl, une. mu m tem pos 'ir ca ti; Al-c mt'iUie u b/fid a hi-iis huuienicu, e to-
orrludv liuinme o* lempos de tpule-M. Urna intrucfv uaumtaulia cada vidro.
Veade-se na pkarmacia e d?ogaria de P, Mau-
rer & comp., ra Baro da Victoria n, 17
D. W.
Engenheiro eom
5 RA IIO UftUM 5*
PASSABDO 0 CHAFARIZ
Pede aos senhores de engenho e outros agricultores, e empregadores de ma-
;hinifmo o favor de orna visita a seu estabeleciment, para verem o qovo sprtimeoto
ompleto que ahi lem; pois sendo tudo muilo mais barato em preco do que jamistn-
oha vendido, est ainda superior em qualidade e fortidSo; o que com a iaipec2 > pe-
joal pode se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENgO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDigO
Vnnrirpe A rn-ljo H'cmi dos ***** mode.rao* ytemas, eem
vopuica o iUiAo.9 uagud tamaohos con^eoieotel fp* as diver-
ias circumstancias dos senhores proprietarios.
Moendas de canna 22?os umaabos as ^horM qae aqfli
Rodas dentadas para anime,, agUa e vapor.
Taixas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fondos de alambiques.
Mfii*h TlRTYinft Para mandioca'e algod3o, Podecdo t >dos
iU.at>lilIllolllUO e para serrar madeira ser movidos a mSo,
RnmhftQ Pr aua' vaP*'
XJU1UU9 ^ patenle garantidas.
Todas as machinas

ou auimaes.
e pecas de que se cos orna precisar.
Fa? qnalgner concert demachmismo aPreC0 mmmwao.
Formas dfi ferro tem as mell,0re8 e raa'8 Daratas exislentea no mer -
tTtionmmonHQa____Incumbe-se de mandar vir qualquer macbinismo 4 vo
UilUllUAlDAluao ude do8 c|eDteg( |8mbran to-lhes a vantagem de fa-
terem soascompras por intermedio de pessoa entendida e que em qualquer necessida-
de pode Ibes prestar auxilio.
A' AGli BRANCA
RA DUQUE DE CAXIAS N. 59
(Outr'ora Queimado n. 8.)
PARS
I
'8i&
4PPROVADO PELA ACADEMIA IMPEKIAL Ot MEDICIH*
tm 37 iaembro de 18'<0
PARS
pars
E' sobretiido s suas propriedades eminontemente absorventes,
que o cnfto de Heit*e deve a sua grande efficacia. Recora-
meuda-se-o especialemente contra as affe<;50e8 seguinte i
QASTRALQIA3
DYSPEPSIA
PVROSI5
AXM
OJGESrES DIFFICEIS
DORES DE EfbAO
CONSTIPADO .
CLICAS
OIARRHEA
OYSSENTERIA
CHOLERljU
MODO DE EI3PBEG0. O Car%*o de e!lo ,flurba it M)
tuiua-se antes ou depois de cada comida, aob forma de I' ou de
Fasiilliai. feralmente o bem estar sente-se logo depois das pri-
meiras doses. Urna informa^ao eutensa acompanha cada vidro
df p e cada caixa de pastilhas.
,\m
I
&M

pars
acaba de receber de Inglaterra um bello sortiroen-
to de objectos, que aletn de sempre necesarios
hoje se tornam essenciaimente precisos vi >ta da
falta que delles ha no mercado, sendo :
Fitas de veludo pretas, outras com relas bran-
cas, e outras de diversas e lindas cores, e todas
com differentes larguras e superior qualidade.
Franjas, trancas e galoes de seda de modernos
dosenhes e gostos, e igualmente sonidos em cores
e larguras.
Novas e bonitas trancas e ga'.des de laa, tam-
bero sonidos em larguras, cores e moldes, e to
proprios para vestidos como para roupinnas de
crianzas.
Trancas brancas de algodao com nova forma em
caraces angulares, toado nesse genero multas e
diversas larguras ; cairas nos mesmos gostos po-
rm mescladas ; outras trancinhas brancas de
caneos miad s e bonitas, as qnaes por suas
estreitesis teem constantemente merecido geral
agrado.
Babadiohos frisados e outros preparados para
frisarse a vontade.
rJn bello sortimento de gal5es pretos de la com
dillerentes moldes e larguras, proprios para vesti-
dos de lato.
BotQes finos de madreperola para camisas, ou-
tros pretos e de cores para vestidos.
Isso alera do constante sortimento de enfeites de
seda, laa e algodao, de que sempre se acha provi-
da a toja da Aguia Branca.
pars
brancas, bordadas e outras com
babados.
Na toja da aguia branca vende-se bonitas saias
brancas com largos e delicados bordados, e ou-
tras com bordados de pregas pospontadas, obras
modernas e de gostos.
Fil de seda, branco 6 preto eom lpicos.
D.to de algodao, liso com salpicos e flores min-
u
LIVRINHOS COM DESENHOS
para crochet, marca etc.
FOLHAS DE PAPIS COM OESENHOS
em po Dtoairmor paa os mesmos fas.
Annunciar hoje bicos e rendas 'de labyrinthp,
objectos esses que se acham em qaalqer parte,
serii fastidioso, porm assim cao acontece porqu
esses qae a Aguia Branca acaba de receber sio
de ama nova e superior qualidade. A Agnia Bran-
ca i ra Duque de Caxias n. 52 receben bicos e
rendas de lahyriotho, que por sua amostra vieram
perfeitamente emitaodo a tecidos de grades cheios
e feitos no paiz, mostraado at o alio relevo qi
se coobece as outras, isso alem da novidade t
bom goslo dos aesenhos.
Tambem receben outros bicos e rendas estrtita
proprias para roupas de seoboras e meninas.
Recebeu igulatejte um beilo sortimento Ao
rendas e bicos de crochet de lija qualidade e agra-
davdis lavoures. Assim, pois, os pretendentes ser*,
bem servidos tanto nos pn (a como as qual;-
dades.
BARRETES EM PONTO DE
meia para recem-nascidos. ,
PERFUMARAS INGLEZAS
A Aguia Branca tem recebido finas per-
fumarias inglezas, sendo extractos concen-
trados de agradaveis ebeiros, pomadas fi-
nas entre as quaes se nota a d'alpaca, aga
da colonia, dita de lavander etc. etc. assim
como finas escovas it.g>zas, e opiata para
dente. Tambem recebeu variado sorti-
mento de sabonetes, que os est vendeado
baratamente.
Caixinhas com 3 sabonetes aromticos *
11, ditas com 3 ditos transparentes a 1<|,
5600 e 24k)00.
Enctiovaes para baptisados.
A loja 'Agnia Branca roa Duque da Caxia
n. 62, acaba de receber lindos enchovae* de diffe-
rentes gostos e prec/M para baptisados, assim co-
mo bonitos chapeosmb is de fusio primorosamen-
te enfeitado i para o mesmo fim, no mesmo pu-
seio. Tambem recebeu modernas e bonitas ca
misinhas bordadas com punbos para seuhoras.
golinbas cun punhos e sem eiles, tanto de renda
como de cambraia, bicos de seda brancoa com
vidrilhos.
Noi coitamamot procirar ilteaUdo para acreditar
jesjoi preparado*, deiamoi qae na applicafio e o
aalUcot obl Jos pelas peasoaa qae se dignarais acceita-
'.9t, Ihes deem credit* e oga ; porque alo aempre
itlMladoi considerados ratnilos, delles qne lan^a
lo o charlatanismo; na ni qoerendo offsniter as pes*
i qne espontneamente oosolTereeeram.oB que abaiio
io tranaeriptne, os fazenos publicar minife?lani!o-lhes
Kisa (ratido peta atttncio, esperando qne renham
tita corroborar o conceito, e acteilecio que lem mere-
lid dojsu jarope. Barinoomeo A C,
tiTisTiaei.
lllms. Srs. Banbolomeo C. E com a mais sabida
. atiatacao que declaro ser o xarope Americano de ama
rflcaeia extraordinaria, pois que toffreqdo ha dias de
a'.ensa tosse, ponto lo nio poder dormir a noite
'paito mesmo de mediiarMrrlos que tomata, a He
acorr e na lercc-ira eolher fui allirmlo. e de todo me
tio h)je restabelecido com o aso somsnte de quasi
uio (rasco: grato pois ese resultado manifest a
*, S. raes rconbeciraento. De V. Sa. amigo, re-
-jor -. obri;ado. Maoo*l oBtonio Viegas Jnior.
- i ca Um..
' ii
Vegetal Americano, de soa composiclo, qui<* m>
icrrert bwttnte doente de ama constiparlo, qie bm
tornoa completamente rouco e qne troaxe mi ferV
tosji, e me impossibilitoa de cuoprir os meas dereret
de cantor rU emprexa Wrica, voa agradecer-Ibes km
completo restabe'ecimeQto, que obtive eom a aV iir
do mesmo xarope. depois de harer recorrido a mnitw
tratamentos. Desejarei que oatros como el recoma
to sea xarope pan erern aliados de Uo tnrri
iacommodo, Uo bul aeate paiz. Com maior eonside-
recio contino a ser de V. Se. aitento, Tenerador i
obrigado. Liii Ciemona. Itecife 25 de MUaati
de 1868.
lllms Srs BartholomM ftCO xarope Vegetal Ame
rlceno qoe Vt. Sa. tm ex posto k venda de leda efl
cacia para o curativo d'asthma, eanfonne observei at
pcaiiflo-o a mea hlho loaqnim, menor de qaaln
seos; Ticlima d'esse Bagello, que at entio por espesa
excdante a dous annos bata resistido a oatros uro*
de grande nomeada. Queiram pois Vt. Sa. aceoitar
eipresslo altsoienta sincert de roen recoobecimenM m
meritorio senico qi|i> Ida prestaran) eo.ii o ndiea*
xzjptia, jrodita.nA'MM para ssmpre do V?. Sa. craje
Srs '--i!'. i>-'7-..--> t ".. Penhoridissimocrai' al :i'i ccMpdu. AukHco Nato ds JJehdenta- -
Rc.-.-U 9*a5tu{ir de tSW
AtH^75f9TPl Pliarmaceuiico privilegiadc
. BilMLi, f^Mw-wr
Boultvaid -t-Kiistopol, >(5 PAK1S.
flOVAS ESBCL!i3A0ES A. KARINIria
Apr sentada a Acade"" de Scjasti x ao lustiti-lo de r'rang,
V I (* f' fl So-) J forma de Pasulla, dvvi iida c dn-.ada par
i*"JC.uriU bser di u
Pravat'.ta e wratira sal MOLESTIAS CONTAGIOSAS
i3 me H...T.O iie afontethar o aso Jo Taro
B
u
mimmmC'"s"rjs;i's
graves Socenvenienias d: rragiliad
Cota
a forma, e de volme de sjii r-rte-Moed
COTENfiO TODO 77U TXUESIO.
ESTOJ08
COLL"hniO Centre as affectois das palpebra
preparajo sob a mensa forma.
BARTHOLOMEO C
Dposilarios geral para e BlASBI- c POniXIliAL
34, ra larga do Baleario. PERNAMBUCO.
ROB LAFFECTER
Approvado em Franela. Russia, Anatria e Blgica. 0 arrobe tegetal Laffecteur sa' aulho-
rixado, he mui superior aos siropes de cuisinier, d Larrev.e de salseparruh*. De tacil
digesto, dagraved ao paladar, e ao alfato, elle cura radicalmente aj mercurio aa
affecoes da pelle, Implicas, alporcaa. (umorea. uiiceraa, aaroa **-
erada, enrorbuto, e os accidentes provndo dos partos, da idale critica^; da acri-
monia herediiaria dos humores)**
O arrobe he especialmente recommendada contra as doaacM sTpbilltkaa recenta, iivate-
radas otf rebeldes ao mercurio e ao induro da potassio.
Deposito ge/al de verdaklerre ROB l^FPBCTEUH, o eaaa ator OIRADEA 0F
SALNt-GERVAlS, ra Riaber, | fcri.
l)'..HW : P. HAURE et C", m Pmrnntute: JOS BELLO, m Porto AUgrA
Sil V \ LOPES, tm ZLAi-, FERREIRA ct C", en Uaranhto.
Apf'


Ditru. Ja t'tuuouibu* Segunda eira 17 t Julho
J. 0. C Doyle ra abUce que mndoa o sea r
tuxem de hiendas da ra do Coramercio n. 48,
par ima ra n. 38
los Lehmana, socio da firma Letmann (re*
rea, tendo de se retirar para Europa, avi?a i
corpo do comrr ereio que deixa na gerencia dn
cata o Sr. David Flach eem todos os podares, c
por legando procurador Sr. Emilio Scbnaris
drii. Becife M Quino de 8J1.___________.
CASA DA FORTUNA
RA 1' DE MARCO OUTRORA DO
CRESPO N. 3.
los 20:000^000.
O abaixo assignado tem sempre exposto ven-
da os felizes hilbeles do Rio de Janeiro, pagandc
romptamente, como costnma, qualquer premio.
PRECOS.
nteiro 24*000
Heio H*00.
Qtnrto 6*008-
Manoel Martins Fiuza.
. RryPA ENGOMMADA.
Na roa de S. Bom Jetos das Criottlas n..39,
lava-i e e enfoatnw-se com |sseio e promptwao, a
pessoa que faz este d conducta attancada, pelo
que espera qae aquellos que costumam PJ"en-
, nn^irAm certodeque ferio bem
gommado
servidos.
a procurem
ftlllill
Criado.
Precisa -se de um criado para todo ser vico de
nm estabetecimenlo e que d 'fiador a sua oondu!-
a : na roa de Marco n. 45._________
Botica popular
roa da Imperatrix n. 77, precisa-se contratar um
^m
Pracisa-se da urea para co-
zintiar e comprar : na ra do
Crespo n. 18, t andar.
Ama de leite.
Precisa-sede orna ama deleite; amado
Queimado n. 58, H andar, boje Mar^uei de Ca-
las.________________________
Precisa-se de orna ama li-
\ vre ou escrava, que coliche
bem e lave : tratar na ra
O professor publico Joao Lande-
lir.o Dome las Cmara contina as
horas vagas (tres da tarde era dian-
te) a leccionar particularmente pri-
meiras lettras, grammatica porta-
goeta, arittametica, etc. etc.
Relativamente s senhoras, a ra-
jo ensiBose tem dedicado, propfte-
se a habiltalas para o concurso
ao magisterio primario, prometten-
i do-Ibes empregar todo o zeta; es-
forco e assiduidade a se* alcance.
Os oteressados podem entender*
t se com o mesas* roa do Rangel.
t ir 10.
1
URBANOS
TRILHOS
DO
HECIFE A. OMWjDA
e Beber ibe.
O presidente d'asstmbta geral dos ac-
cionistas da compaubia dos trilhos urbanos
do Recre Olinda e Beberibe, em conse-
quencia da commoni:ai,5o que acaba de re-
eeber da commissSo encarregada de redigir
o projecto de reforma dos estatutos da
mesma companhia, maoda fazer constar aos
Srs. accionistas, que a sess5o addiada para
a apreciaclo desse trabalho continuar no
da i do corren'e mez pelas 10 horas da
manMa. na eslacSo da ra d'Aurora ; para
o que convida aos mesmos Srs. accionis-
tas.
Recite 13 de julho de 1871.
Luiz Lopes Castello Branco
Ia secretario.
... FLOR 1 PIPI
g Cigarros espe- *
g ciaes e fumop- *
* do para cigarros m
| e cachimbos o me-jf
glhor possivel, fa-"
Sbricado no Para
3 por Jos Julio"
| Sampaio Pires,
nico deposito em
Pernambu(?o, pra-
gpaddlndependen-
cia n. 39. loja de
5 Porto & Bastos.
s
A pessoa em coja casa estiver occulta a escra-
va Marceil-, muala clara, de 30 annos de idade,
mais ou n enos, cabellos pretos e longos, alta ma-
gra auito gaga ; tenha a bondade de leva-la
a casa n. 8, ra do Conde da Boa-vista, amiga-
mente ra Formosa, que ser bem gratificada ; do
contrario protesia-se proceder legalraente, coaira
qualquer individuo que a tenha em sua compa-
nhia, a titulo de ama hvre, como consta que se
acha em una casa na fregaezia de S. Jos,' desla
cidade, desde o dia 23 de junbo prximamente
lindo.
Houbo de rclogio
Roabaram hontem 10 do crreme da casa na
ra do Carino em Olinda um relogio patente in-
ElezLeverdo fabricante Joseph Peolragton de
iverpool n. 128,787 o nome do fabricante est na
caixa e em urna das pecas da machina, e corren-
w de gosto inglez, com sinete lendo nma pedra
com iniciaes, estes objeelos sao de ouro de lei
pede-se aos Srs. ourives ou a quein for olTerecido
o favor em aprehender e tutregar ao sea dono
no Recife a ma do Commercio n. i t que se gra-
tificar.
Aluga-se a metade de um priineiro andar
situado n'una das principaes ras do bairro de
Santo Antonio, com commodos sufQrientes para
escriplorio de advogado e de casa de commissoes
pelo pr ma :",' s roa do Livramento n. 19, andar.
Joiio da Cuoha Magalhes agrade:a zordialmen
te a toaos os seus amigos e parentes a prova de
consideracao e estima que Ihe deram acompa-
nhando ao cemiierio publico os restos mjrtaes de
sua prezada consorte Alexandrini dos Sanios Mi-
randa Magalhaes; e de novo os convida assisli-
rem a missa, que pelo eterno repouso da alma da
finada, manda ctlebrar terqafeira 18 do correte,
as 6 horas da manhia, na inreja do Corpo Santo.
Precisa-se de ama ama para
N. cozinbar e ensaboar o diario de
" urna casa de familia : na ra
da Cadeia nova n. lo.
Hospicio n 00.
Precisa-se de urna ama li-
vre ou escrava, nicamente
para lavar roupa : na roa do
Precisa se de urna ama para o servieo
de ama casa : na roa da Cadea do Re
cite n. 51, i* andar.
AMA
Precisa se de urna ama
forra ou captiva para e ser-
vico de urna casa de pouca
familia : a tratar na roa do Baro da Victoria na
meoj 13.
Vfc*
Precisa-se de
mero 31.
urna ama na ra Relia na-
4TTENCA0
O Sr. Antonio Pedro de S Barrete Jnior qoei-
ra vir a ra da Madre de Dos n. 7 liquidar aquel-
le negocio ]oe nao ignora, ino a bem de sna se-
nluria.
Aluga-se um sitio no lugar de Beberibe de
batan com casa de vivenda de taipa, cacimba com
x-Wlentfl agua, nnitoj arvoredos fructferos e
(runde estenio de l-rras para plantar, ficando-
llie porta nm dos puntos de parada da ?ia frrea
> Olinda : tratar na roa Nova n. i?5, segundo
antar._____________________________
CASADEPSTf
RuadaPraia n. 29
* A va va Francisca da Silva Guimares abri
osla nova :an de alimentaba i, para onde chama
as n**>as que *e qoirerem servir econmicamen-
te. Si dita casa recebe-se assipnatarss wewin.
V.'ii.- se t.imbem carne verde de carneiro s-
pe-j*l para *eus amigos freguezei, nos dias de sab-
alo______________________________
O] aba.v> assigna jo deeiaram ao respeia-
w ji'jii'ico e cun especialidade ai c rpo do com-
mercio. \n d'ssolveram ami^avclmenle a soeieda-
4 qie tinham na taberna sita traveesa Duque
> Casias n. I, oatr'ura do Qucin.adi, que gyrava
eob a lirna \U Aranio & Piws, .icando a cargo Jo
i oci.) I i Sf ,nae da Cunh-i Arauj) todo o ao
ivo pas-iv i earte 9 de janh) fT97Amo ptaiaoo.
fesetf') 1' >j'ilh()de 18TI.
Wm.oel !e Sao A
"ij.
SEBOROS
MARTIMOS
* E
iJO\TRA FOftO.
A companhia Indemnisadora, establecid;
aesta praca, toma seguros martimos sbrt
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, m.'rcadoris e mobilias : ni
rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Jcaquim Jos Gonpal-
ves Beltrao
Ra do Trapiche n, 5, 1* andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco d<
arabo, em Braga, e sobre os segaintes lagares a
?ortagal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guiraaraes.
Coimbra.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Ver.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famecao.
Lamego.
Lanos.
Covilha.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
BnllISH HOSPITAL.
ibeTreasurer woold thank ihe merchants bol-
ding fees belonging to this iustution to send same
to n, 38, ra do Commercio.

FoUjraphia imperial
VALERIA BE PIXT1 KA
DE
/. Ftrretra VUlela
Desde o da 7 te abril paseado acha-se aborto c
wvo esubelecimeoto photographico sito a ra do ,
uabag n. 18, esquina do pateo ila matriz. Ostraba- .
ihoe qae desde ento, (em sabido de nrssa offlcitfc
\m geralnnote agradado, sendo receidos p
ilguns oom adtBr5o peto extraordinario v>-
iresso que ^ttaamente tem do a photcgraMa,
por outros oom alegra, por verem a proitecia
lotada com mn estabttoeimento dig&o d eHa, e in-
jonteetavermeB*) o primeiro qae nesse genere
teieposste : tamben nao nos poupamosew coasa
alguma ara montado no p em qae se cha, es-
perando qe o paMieo de Pernambwco sabera
ipreoiar nossos aforeos e recompensar oossos sa-
i icius
Convidamos a leias aquellas pessets, naciones
t estraigeiras que gostam das artes, ou tivertm
necessidade detrabahus de photographia a visi-
laremonosso esUbeleclmento, qoe-esur sempre
iberto e soa-disposicao todos os das desde as 7
Horas da maaka al as 1 tarde.
Para os tribalhos de photograptoa possoiinofaia
versas machinas dos niel hores awtores francezes-
nglezes e allmemes, ct>mo sejain : Lerebcnrs el
Secreun, Herroagis, Thomaz Koss, Voigtlander el
5onh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
machnasi *cndo urna dellas propria para tomar
wbre ojmesmo vidro 4 ou 8 knagens diversas
tsoladas, e outr;. de 6 a 12 tmageus diversas a
gualmente soladas, de sorto que no caso de
rande concurrencia poderemos retratar sobre
ima nica ehapa at 8 pessoas diversas e isola-
las para cartdea de visita, e assim em mens de
ira qnarto de hora despacharmos 8 difTerenies
pessoas qae pecam cada urna, umaduzia de cartes
nais ou menos, com os seos retratos tmente, on
un grupo com outr.
Encarregamos-nos exclusivamente da direceo
i feilura dos trabalhos de photograpbia dei-
undo pericia e talentos do distincto pintor
illemao, o Sr.
Jorge A. Roth
>s trabalhos de pintora, a aquarela, a oleo, a
sasteL
O Sr. Roth acba-se ligado a nossa empresa por
ima escriptura publica, e at o presente tem-sc
lesvellado na execucaa de seus trabalhos.
No nosso estabelecimento acbam-se exposlos ou-
cros trabalhos importaati s do Sr. Roth, tanto em
miniatoras aquarella como oleo, retratos i
>leo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
;amnbo natural, assim como de quadros sacros
para ornamentacao de igreias ou capellas. Tara-
bem aceitamos encommendas de quadros histor-
eos.
Asseguramos que os precos dos diversos tra-
oalhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
0ARTES DE VISITA NAO COLORIDOS 1000 A
DUZIA
CARTES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL 16(5000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 20/000 cada um, indo convenientemente en-
:aixilnado em moldura doarada e regalando o
oasto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
odo o quadro palmo e meio da tamanho.
Jnlgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
istablecimento, qaanto sua perfeicao cada nm
renha jalear por seas proprios olhos.
As melnores horas para se tirarem retratos no
10930 estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
} da tarde; entretanto de ama hora s S da tarde
im casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
juer pessoa.
Nos dias de chava, ou por tempo sombro po-
temos retratar, e asseguramos que esses dias sao
>s mais favoraveis aos trabalhos de photograpbia
pela docura e persistencia da luz, e p< r termos o
aosso terraco construido com taes proporcoes
selhoramentos, qae anda chovead. jorros ne-
tum inconveniente "ha para fazer-se bellos re-
ratos. ~ ~
4 BA DO BARIO M VICTORIA 41
armaran ton. nm DE ASSffl CODtO
Neste novo, armaiem tem nm
niado loruiento de fazendaa
tranteaj, in^lezas, allemias e to-
das todas tjt vendem por precos
mdicos, afim de acreditar este
novo armazem.
Casemiras inglezas,
francezas, de todas as
qoalidades, brins de
cores e brancos, colei-
rinhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
8noi.
RA
Har da victoria
ARRUDA IRMAOS.
vea tfrndt
montada com
iitifa ru
NOVA
N. 41.
Assim como tem
oficina de alfaiate,
todos os preparas qoe ha de melbor,
dirigida por habis artistas, qn
pola sna promptidSo e perfeiei
nada deixam a desojar.
Roopa de todos ot
amanbospsra hornea
meninos.
Por todos os paqne
tes recebem-se as me-
Ihores e mais moder-
nas casemiras que b
na Europa.
RA
Bario da'Vctor to
uli|i na
NOVA
N. 41.
Este estabelecimento acaba de soffrer nma reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontoalidade as encoar-
tnendas, tinalmente em todo afim de melhor servir os seos numerosos freguezes deixa-se de auuunciar todas as fazendas, par
aio se tornar mnsante
Vantagem para os pais de
familia.
Urna senhora de boa moral propOe-se a ensinar
a fazer flores com perfeicao, e borJados de tape-
caria, bem como outros de todas as quididades, a
fazer croch e todas as qnalidades de trabalhos de
lia, tudo com delicadeza e gosto pelo diminuto
prego de 3 mensaes; tambem recebe alguma
menina, moca ou mucama que queira ficar pen-
sionista. Na mesma casa tambem ensina-se piano
a alguma dessas meninas que queira aprender
pois ha piano e bom mostr : trta-se no Ia andar
do sobrado do pateo do Paratzo por cima da loja
de alfaiate n. 29, ticando a escada no neceo.
Rna do Baro da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 e casos
do costume.
Bllhctea garantidos da pro-
vincia.
O abaixo assignado acaba de vender entre ot
sea maito felizes bilhetes a sorte de 5:0004000 em
nm terco de n. 199S, alm de outras sorles me-
nores de iOf 000 e 20*000 da lotera qae se ac
boa de extrahir (199), podendo seas possuidores
virem receber. qae promptamente serio pagos.
O mesma abano assignado convida ao rwpei-
tavel publico para virem ao sea estabelecimeme
comprar os felizes bilhetes garantidos, qoe nir
ieiiar dt tirar qualquer premio como prova peloi
mesmos annancios.
Acham-se venda os maito felizes bUhelee ga
rantidos da 3' parle das loteras em beneficio da
irmandade de Sant'Aaoa da Madre de Dos, qae
ser eztrablda no dia quarta-feira-19 do crreme.
PRECOS.
nteiro 6*000
meios 3*000
Quartos l*S0O
De 1004000 para cima.
nteiro 8*500
Meios 2*750
Qaartos U375
_____ Joio Joaquim da GosU Leite.
D :
n
3 !
i!.
i:
M
gal
O -o
1
^3'
i
= 3 i
31?
pS
> 1-
^. o _
? -i
B_ri
_ ^ o o
3.
5 3 ~* a 9
lllal*1
t -.
"2 5*3rs
o =
S SBstSlS
5 c>o
? 2 o 2 s
H!lf| S IBa
Q.O
LIQUIDACAO
Da mais importante fabrica de chepos deso do imperio Ra do Baro da Victoria n. 23
O dono daquelle estabelecimento resolvea-se para acabar mais depressa em vender os productos da sna fabrcamelos pro-
cos seguintes: /
Chapeos de sol de seda para senhoras e meninas a...................... 50000 em duza descont de 15 /
Ditos de ditos a bal5o a............................................ 60000 dem idem.
Ditos, ditos e ditos finos a.......................................... 80000 idem idem.
Ditos, ditos e ditos, de marfim..................................'.... IO0OOO idem idem.
Ditos, ditos e ditos, para homem................................... 100000 idem idem.
Ditos, ditos e ditos............................................... I'#000 idem idem.
Ditos, ditos e ditos de paragon...................................... 150000 idem dem.
Ditos, ditos, ditos de ditos.............................'............ 160000 dem dem.
Ditos, ditos e ditos cabo de marfim................................ 170000 dem dem.
Ditos, ditos, ditos e ditos......... ....... ...................... W0OOO idemidem.
Ditos de alpaca muito superior................................... 4*000 dem dem.
Ditos de merino.................................................. 60000 idem idem.
Ditos d'esguiSo.............................<..................... 60COO idem idem.
Ditos d'algodSo para bomens e senhoras............ ......... 20000 idem 25%
Desappareceu j
No dia 6 do correte mez desapparecen da por-
ta do armazem do Sr. Beroardino da Silva Costa
Campos, na ra do Imperador n 28, nma besta
russa, com cangalha, suja, cauda aparada, ferro
triangular, e urna roctura-, pela qual 6 bem co-
nhecida: quem ap?rehenle-Ia pode levar ao#enge-
nho Cordeiro qoe ser bem recompensada_____
A luga se
um sitio na Torre, com excellente casa de vivend
e banlio frente desta no rio, sendo ptima rao
rada para estrangeiro : a tratar na roa do Pires
n. 29.__________________________________
Permuta se na freguezia de Santo Antonio
urna excellenle casa terrea com bons commodos,
quintal e agua do Prata, p >r irn sobrado de nm
s andar, ou pelo i* andar, com tanto qoe seja era
boa ra : a tratar na praca da Boa-Vista n. 5,
2o andar.
AVISO
TaraliPrZl
tj m ^^ ^* .vJ ^ w "
Ifile!?i
-> sf'fi ^3 zra
3 3. a =
03 abaixo asignados tendo comprado o espo-
lio lo fallecido subdito portuguez Virginio Freir
de Oliveira, estabelecido na praca de Santa Cruz
n. i, constan io dilo espolio na soa maior totalida-
de de divii.is activas nesta pra^a e fra dtlla,
vera pelo presente pedir a todos us devedores do
do espolio que quanto antes- ven'wm aju:tar e
saldar as suas eotas, afim de evitar incomm los
e depezas. Recre in de junho de 1871.
I________________Gama & Silva Brito.
.Na ra Augusta 43 precisa-se de uma
ama de meia idade para ir para o mato, em com-
panhia de um hbmem solteiro.
(RAM
reduepao de juros |
O abaixo assignado estabelecido
com casa de penbores travessa
da ra das Cruzes n. 2, resolveu
r-formar a tabella dos juros das
trapaceos efectuadas em sua ca-
sa, desta dala em diante, assegu-
rando a todas as pessoas que, alm
da garanta que offerece seu esta-
belecimento, acredita qne todos
ffcar^p contentes com o mdico pre-
mio que pagaro, sena terem em
risco suas preciosidades, dadas as
vezesa agiotas simulados, que as
vendem no fim do prazo ajustado,
sem rais formalidade alguma.
Air;!a maiss pessoas quetive-
rem cautelas vencidas e quizerem
evitar que seus objectos sejam ven-
didos tm leilSo, venharo reformal-as
qnanto antes, que aproveitar5o tam-
i em a redi,cfo dos juros da data
da reforma em vante.
Recile 10 de julho de 1871.
Julio Isaac.
m
iravessa da roa
Cruzes b, l, prl-
rncire andar, da-se di-
nhelro sobre penbores m
de onro, prata e brilhan- S
les, seja qual for a quan-
lia. ^a mesma casa com- g
pran-se os mesaos rae-
taes e pedras.
ufa
M O O
o V "
MI? No
AO PUBLICO
TenJo-se extraviado o recibo n. 6 de data de 4
de fevereiro de 187! da orimeira entrada de 10
Of) de 100 acedes da Companhia Peroambuco
Street Kailway na importancia de .OOOf perten-
cente ao Sr. Raphael Leite Pereira da gilva, as
signada por mtm, previno ao lub'ico qoe oto fa-
ca m traasacelo com este documento, pois flea sem
vtor aigum. Peniamhoo 13 d-; j'ilho de 1871.
H. S. & S i>'
Aistlrejth!- r.
P.-r|aro"" -"T '. !*; w*J C.
Custodio Jos Al ves Gui maraes, nico socio ge-
rente da casa commercial. de Guimaraes, Pontes
k C., desla praca, previne quem nteressar nos-
sa, qae est promovendo a dissolucao da mesma
firma, e entrar em seguida na respectiva Hqui-
dacao ; sendo qae nao ba letras pelas quaes esteja
a nrma responsavel, e nem o annunciante as pre-
tende firmar dorante a mesma dissolucao e iijoi-
daco.
Na ra de S. Bom Jess das Cuoolas
n. *2, lava-se e engomma-se com asseio e
perfeicio; mais barato do que em outra
qualqaer parte.
RO
DYVETOT
nica casa neste genero
14-Roa Estreita do Rosario--14
Compra e vende roupa feila
nova e velha, objectos de
oosinha e de mesa, e
tudo que perten-______
A viova t llhos do Dr. Joaquim da Silva G-
mlo agradece aos parentes e amigos do fallecido,
iiu acompanharam sen enterro ; e anda roga a
comparecern! as 7 horas .la maohaa do da 17
1j corrente, stimo d:a do falle memo, para as-
sistirem a missa e memento que se ha de cele-
brar por sua alma, na igreja do convento de N.
Senhora do Carmo.
Alaga-se duas casas na ra do Lima em
Santo Amaro, junto da capella que se est fazen-
do, com sotao e commodos para grande familia : a
fallar all com o proprietario das mesmas, Jos
Goncalves Teixeira Cavacalcante._____________
Precisa se de uma ama para cozinbar, com-
prar e engommar para casa de pona f. Iiaille
preferindo-se escrava : tratar nesta lyp.igrapha.
Precisa-se do mulheres para o servi-
eo da fabrica ^por de Meuron A C, na
ra do Visconie de Goianna n. <57,_____
Precisa se de 'jrnamulhar du idade, para
tomar coala no port5o, e cuidar do servieo
interno de duas pessoas: tratar na fabrica
de rap de Meuron & C, ra do Visconde
de G >ianna q. 157.
Aluga-
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro portuguez qoe tenha
pratica de taberna e afflance sua conducta : na
paleo da ribeira n. 13.
-se
a sala da frente, aicova e mais alguns finarlos do
terceiro andar do sobrado n. 28. ra do Queima-
do : a tratar na loja.________^______^
>'a praga da Indepeudeucia n. 33 se d di-
nheiro sobre peohores de ouro, prata e pedras
preciosas, seja qual for a quantia ; e na mesma
casa se cimpra e vende objectos de ouro e prata ;
igualmente se fez toda e qualquer obra de en-
commend, todo e qualquer concert tendente a
mesma arte._____________________________
OlTerece-se alnguel urna mulata escrava
acostumada ao servieo interno de casa de famlia :
a tratar a ra da Cadeia n. 33.
g*
Leonardo de Siqueira
Cavalcante
chamado roa do Mrquez de Olinda n. 45.
AVINO
Protesta-so pr. ceder criminalmente contra quem
tem a-> lado os doas escravos seguales:
Lino sapateiro e Flix trabajador de enxads,
pretos, com 22 annos de idade, estaturas regala-
res ora vestem fe de roupa branea, ora de ron-
I pa de trabalho ; os quaes estao cnlpados. Insn-
I nordioaram-se na sexta feira 7 de julho do eor-
I rente anuo de 1871. no sitio da estrada do Arraial.
I vestiram-se e reiiraram se oo sitio, lizendo qu"
I estavam todos livres. Estes eMtkvQfl sao conbe-
cidns na freguezia da Boa-Vista e estradas de Agna
Fra at Beberibe, Rosarinho, Joo de Barros, Ar-
raial, Ponte de Ucba e mais arrabaldes da cidade,
principalmente no lugar da Taroariueira, e enero
zilhada das ditas estradas de Agua Fra e Arraial
etc. Pede-se a prolecco da porcia. Quem os ap-
prehender poder leva-Ios ao dito sitio, ou rna
do Mondegoolaria n. 63, ^ne ser gratificado.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Os Srs. accionista sao convidados a reetfeer va-
escriplorio da companhia o prmairo dividetdo o
razo de 301 por accan.
Perr.acubuco, 13 de julho de i671.
Pela companhia Phenix Pernambncana
J. H. Trindade.
F. F. iorges.
L. A. Siqueira.
PAPA OVO DO BUIQUE.
Pergunu-se a essa alta pessoa que anda nes
ta cidade, e so nao tem tido saudades da Thereza
qae tiroa do poder do cabo Baptista, v depressa
que sea ofllcial de jastica, Joo Alexandre, esta
com a viola soa espera com sua resQMtt far-
Ibe-bei outra pergunla.

4 m i Preeisa-se de ama ama qae cozmbe
4 |Y| A com oerfeieao seja de boa conduela:
TLl'IiVoa roa da Vigario o. 5. _______
Farfolla ds mandioca
Sacos grandes de boa qualidade, 0 pre}0 o
mais barato possivef para febar conus: na ra
do Vlgano n. 27. esc'rlp' fi1 de w Li-
ma Boirio ^ para vav no- ir.
r\><3 F.r-' .
Mara Bita da Cruz Neves e seas fnhos agrade
cetn do intimo de seus coracoes a todas as pes
soas qae assktirm ao funeral de seo prezado II
Iho e irmio Francisco Pedro da Cruz Neves; e
ieda peder qae se dignem comparecer terca-fei-
ra 18 do corrtnle, stimo dia de sen fallesimento,
para assistirem a missa que se ha de celebrar por
sa% alma na igreja da Madre de Dos, as 7 horas.
Massa fallida
O depositario da missa fallida de Antonio Pe-
dro Gandolphi convida aos cred .res habilitados da
referida massa pira qae noprasode oito 'lias
aprsentem seus ttulos que estiverem nos termos
do art. i79 do Re commercial n. 738, afim de
receberem a ;uota qae Ins cabe oo dJviffaodv.vit.
to estar est-, approvado e autorisdos o* paa-
men!3B p*b ll!m. Sr. Or. jaiz do omraereio. Ite-
cife 14 de jil! de 1871.Como deposiUrii,
________ A. faors.____________
Alugam-sfc os primeiroa auJai es los io*r-
la ra do Rangel n. l e da ra de Santa lita
'}-'naf)fl 2
ADVOGADO
Dn. joaquim Correa de Auaujo
67Ra no Lmperador07
PAIVCETjE
AVISO
O abaixo asignado dec'ara qae seu caixeiro
Luciano Mauverne retirou-se de sua casa no dia
16 do mez prximo passado sem previo aviso e
sem ter prestado as devjdas contas, pelo que nao o
considera mais seu caixeiro e nem se responsabi-
list por qualquer debito ou traosaccao qne elle
por ventura ".enha feilo ern o)me do mesmoabai
xo assignado, o qual pagava-lhe mensalmente seas
ordenados, sendo qoe elle receben relativamente
ao mei ultimo mais do que bavia vencido. Recife
3 de julho de 1871
1..UZ Jos Pereira SimSes.
Escrava.
Precisa-se de uma escrava -6 para cozinbar para
piucas pessoas, no evo qne agrade paga-se 30
na ra do Livramento n. 34.____________
Os herdeiros do tinado capit) Manoel Perei-
ra Monteiro, genro do liuado Hsmardo, proprieta-
rio do engenho Pindobal na fregaezia*de Pao d'A-
Iho. como possuidores da juana parle dodiio en-
genho, tendo parte* igaaes era todos os beneficios,
fazsm sciente ao publico que vendem a dita parle
por lO.OOO conforme as cnJc6es do negocio,
visto qne he milito anitos mi inventar! i do finado
Bernardo foi avaade v t -1.0001 : a ifatar com
Ctaudi'! Dobaux, BM' ii ie Novembro n. 32.
COVI'iTilEIR.t
. No pateo do ijrmo, eqoina d> eeo da Bom-
ba, aofcraA) Je au) au jar u. i). CirUm so e fa-
iem--e ';!..' pau
r-li ra.
A' na Direila dos Afogados, ootigoo a pon*,
acaba de ser construida um iind) predio todo w
moderna, ornado de figuras e a, .'-ente guarnecida
de azulejos est lodo murado,* teiuo um grando
porto de ferro ao ladoe gradiartKOlo por una dk>
muro, tendo mais um portao qao da para a esta-
(o da linha frrea alem dessa; comaodidade
tem mai> um grande terreno com iOO palmos 0
comprimeato e 100 de largo, tolo murado par
um ex:elleote jardiro, e ao fondo ara caes qoo
deita para a linha frrea. As coinmodidades in
ternas do andar terreo, a'm de s d a gaz sao as seguales : 3 g.-andeu salas t
grandes alcovas e 1 qaarto, oosiorwa, sala para
engommar, quarto para criado, che ira para um
carro ; ao 1* andar, alm do joUc, 2 talas, i ga-
binete, 2 alcovas, 1 duarto para despensa e um
grando torraco com 80 palmos do comprimen;;
todo cercado de grade de fisrro i tra* toda ci-
dade do Recifd'e o mar de babeo 4 "* cas"
toda cercada de janellas e por.ci eoiidra6ailair
que contara-se 20 ao todo, OanJ o s oorda
da catnbOa que divide com a estran de fcrroy on-
de se ;>ma banhos salgad* e enmm canea .-
iratar na I.-, i de j.iias, Carado d.' Onro, ro* o>
Cabug.___________________
A} ervij de'
a de ha-
Aluga-se urna escrava p
casa :ia ra do Impera I
i;
CRIADO
de um bom
'alar na tu
tuia-

r
\


1) no de Fernaiubuco -- Segunda feira 17 de Julho de 1871.
k
VIGOR DO C \BELL0
LEBRE B FESTEJADO CHBCO
\ff9
PRODIGIO E EMPEHHO DA EPdCA
guma do corpo de que mais depanda da so belleza, do qoe
om abello bonito. Sejan as uossat feigOes ligaras, mas lenhamos o cabello bonito,
eis-Qos coa um rico encanto ; pelo contrario, seja o cabe'lo roco e spero, eis qot
toda nossa physionomia, por mais syrflia.bi a e eipressiva qae soja, por si s, esmo-
rece, e assnme um aspecto sem interesse.
Neste sentido desojamos moi respetosamente chamar a especial ltenlo da
seahoras e cavalbeiros de bora gosto para a delicada preparacao cima mencionada.
O Vigor do Cabello o resoltado de urna tonga serie de estodos profundos,
aprehendidos pelo incansavel chimico Dr. Ayer, auxiliado por oulrn* profesores emi-
nentes, com o tim de descobrirem urna nova preparacao para os cabellos, que, sera
conter as propriedades nocivas qoe se encootnm o.es?as oulras, que mais tarde occa-
sionam a perda dos cabellos, fosse realmente efficaz para conseguir ontros effeilos de
ba muito desejados.
O Vigor do Cabello, nao uaia liotora, nem conten substancia alguma inju-
riosa. N5o suja as maos. nem a eabeca, e nem a cambraia mais tina. O Vigor pro-
mette :
Conservar, augmentar e aformosear os cabellos.
Impedir a formacSo da caspa. Evitr e curar a queda dos cabellos, e restan
rar a cor natural. Torna os cabellos macios, seJosos e brilbaotes. perfumaodo-os
com um odor de rara delicadeza. D nova vida sos orgos vitaes de que depende o
crescimento do cabello, fazendo-o crescer abundante e vcso. Com o uso quolid.ano
do Vigor, as calvices sero neutralisadas, caso as glandes cepillares nao se achem cor-
rompidas.
Senhoras e homens que antes da idade se vem cheios do cabellos brancos, e
qoe tem perdido a esperance de ver restituida a sua belleza natural, este bello orna-
mento physico, regosijar se-bao quando virem os effeilos que pdern conseguir com o
oto do Vigor. Para os toilettes em geral. nSo se poder encontrar perfume mais agr-
davel e deheioso do que o Vigor de ;Ayek.
Vende-se em todas as drogari 8, pharm acias e
armarinhos do mundo.
W. R. CASSELS t C.
DEPOSITARIOS E AGENTES GERAES PARA O IMPERIO DO BRASIIL.
Rio de Janeiro
PECHINCHA
Cbegou para a loja do Papagaio om grande e bonito linimento de sedas iavrada
de orna s cor; as cores 3o as mais modernas, e mais delicadas que tem viudo 5
este ameredo, e vendem-se por prego muito barato : porque a porco muito grande, na
oja do Papagaio, roa da Imperatriz n. 40, esquina do becco dos Ferreiros.
O MARAVILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS. DE GBATH .
OLEO ELCTRICO
KIIMC OF PAIItf O RE DA DOR
FA.HA. USO INTERNO E EXTERNO
GURA CHOLERA E CHOLERA MORBUS,

DianhM, flaio 4* itngna, em nm di.
9M de etbc.a, dorM i ouTido
tria mi&utoa.
Dor d* denU, m nm niato,
mrmlgi, m cinco minuto.
9ilMa,c6M, em vintt minntoi.
GargutM inehkdu, em dei minuto
Celic oobtuIsSm, ra eme* minuto.
Sintiimo, em nm di.
VekM fbte intermitente, em nm di*.
Dor ni coate* e a o ldoi, em des
uto*.
Tois** pegotai e refri*doe, em u> 41
Plenreii*, em nm di*.
Surdez e asthm.
Hemorrhoida e fcronehiti.
Inflammaqao no* ras.
Dyspepaia, erysipela*.
Koletti* de figado. .
Palpitaba o do corcel*.
-
BESERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOESCAS SE APBESESTAM, RUANDO MEAOS SE ESPERAM.
OLEO ELECTKICOO "KINO OF PAIN" (O re d dor) aquieta e positivamente diwlpa mal* de *)
Klectla* e dores, e alllvla mal os soffrlmentoi e produz um mais perfelto equilibrio no systeme humano, o que ties
pede effectUT r no mesmo tempo, cora qualquer outro remedio medeclnal.
Este multo popular remedio est agora usando-se feralmente, pela razio que mltare: !e petoa* M tem nn^
jn.t!f com o dito remedio pelo Dr. <3rath e outros mala.
Eete Importante remedio nao se oBerece para curar tolas as doenf as, porem tao srco-te rara aquella* estlpnlaJBl
M nona* dlreocea.
Esti operando no* principio da ohlmlca e da electrloldade e por lsso, ect< .iip;: v.-e! para o enramento e par*
reetacrafro da aeoio natural do* orgos que soflrem da Irregular clrculafodos Husos ios principa** cerro*. OM
leetrlco O Klng of Paln opera dlrectamonte nos absorventes, faiendo desapparecer a* lnita^oe* da* glndula* all
-eec va tempo !ncrlel, hrere sem porlcfo do ?eu uso debalzo de qualquer clrcumstand-a.
O remedio, ama medeclna para o uso externo elotemo, com posto dos elementos curativos, ralzes, trras, e
anee, eomo *e tem usado dos doesos antepassados, e da* quaes tem grande existencia no mando, para corar tod&e
DOlestla*, OTTf r te sahendo-se quaes ellas sao.
Fol ora grande e especial desejo da faculdade de modeelna durante multes annes ^o oxperlenela para aprender M
selboree ii-.odes qae se devlam adoptar para curar as cegulntes doenf as, e qae propon; oes de medeclna *e derla ~"
EM PERNAMBCC
N-A. PHARMACIA E DBOGARIA I>B
BAETHOLOMEO & C
BK-^34 Ra Larga do Rosario.IV. 34.
Cuidado com as falsifcapoes
PARA LIQUIDA
if>(.Mv cada um
i ntn i'sbos .le \a, sendo o uiacoados de a{0 muito bom, proprios par .arpfflji
ttn genw: veode-se i ua Nova n. 11.
Gadeiras americanas
c-m br*;'-* h rfjMDUM ie pallioba: rna Nov, armazem d. II.
Pregos americanos
jo i a :' p-.. i'ia(jas, proprios para barricas, a 80 r. a libra: rna !%v>, irftMev
>. ti.
Taxas americanas
l)J dooeUde syg de coaiprimento, proprias para tarnaaqueiros, on m:.(o rinaiqnei
lter. uora ;oine deferragm, a 80 rs. u/naco de meia libra, 3o f?& a caisa ;>rr "u
un;:*: raa Nova, armazem o. I i.
YELOCPEDES.
con) tm rflia. proprios pira horoexa. a iQ$ cada om. c de gr"co, mariaar,
ccs Grarapof de po para segurar roapa
6Cn.1>i!e tter*. proprios pa a prendr a ronpa que se bota a b 'ufdas, <
UOrt. 4rwla tm Mi m m 39 doks. K'dar, alo omvJm": *db-.Nov
PARA I^^IIO
e nd 'n-* inot>nd:i, lev ?! po? >i > bagado 1? distanci:
Uto > :'*Jm'' !!-
m man mu mi
A' ESCAMONEA
De BlN Barral
Fbarmaeeatleo-Cblaile*
A mili Jada ds purgantes nio soffre demoo
;ra;o alguma ; a pNKgtaao diaria qoe dell*
faiera os mdicos e o gao ainda mais freqoentc
ftito pelo publico sio provas irrefragaTeis unlc
como a quantidade innuraerael deste genero. Si
falta aperfeicoar cada ver mata o modo de admi
nistraco, de maneira qoe conservando a sua ae
co, ellos possam ser tomados sera repugnancia
oem a>co e aobretudo sem receio nem perigo.
Muitos purgantes afamados s devera este bom
xito ao sen effelto intense e excessivo. D'ah c
pengo. porque irrilacSes de estomago, Inflamma-
c5es de eniranhas sao ineviUvelmente o resalu-
do do sea emprego. Nada disso tem-se de reeeai
;om o caf purgativo.
Todos connecern per experiencia o aroma sua
re e o efleito ligeramente tnico e excitante saf. Elle o melhor auxiliar dos purgantes do
quaes disfarca o cBeiro o sabor e ajada a accac
sollicitaudo vagarosamente os movmentos peris-
tlticos de intestino, e prevenindo o seo effeitc
muito intenso sobre o estomago. Misturado com
ascamonea, facilita as evacuaces com promptidc
e sem clicas, e torna-se nm porgante brando,
cerlo, fcil a tomar e prefervel a todos os outros
alvo ama indicacao especial da qual o medico
o nnico jaix.
A innoenidade do caf purgativo permitte de
emprega-lo era todos es casos simples. Desper-
tando a atona do intestino e activando a secre-
cao deste, destroe a dureza de ventre, as vento-
sidades, as untuosidades e excita o appetite. Era-
pregado mais miado, conveniente para eva-
cuar cora vagar a bilis e os hamo, es viscosos t
a faz dessa maneira desapparecer a enxaqueca.
as dores de caneca e prev os ataques d sangnt
aas pessoas que a estes sao predispostas.
MODO DE EMPREGO.
' to simples como fcil. 0 cat purgativo
deve ser tomado fri, puro on misturado com om
pouco de leite fri assucarado, ou agua assaca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria par
um adulto ; duas colheres de caf bastara para
as senhoras e para toda e qnalquer pessoa que se
por fcilmente.
. ara as enancas de 8 10 annos, a metade de
vidro solllciente ; de S a 8 annos, ama colher
de caf, e a quarta parte do vidro smente abat-
i desta idade contra a gosma.
E' por isso d'uma administraco mnito mait
fcil do que es biscautos, chocolates ou boloi
purgativos.
Da-se immediatamente depois leite quente aa-
jucarado ou caldo leve, e duas ou tres chavenas
de cha prelo oa de tilia.
nico deposito na pharraacia e drogara de
gartholomen 4 C. : roa larga do Rosario n. 34.
Alaga-se na S-iledade, fregaezia da Boa vis
ta, urna casa Je campo com todas as commodida-
des precisas para grande familia, tendo de prefe;
ferencia estrangeiro, por ter cocheira e estribara
a toitar na raa da Imperatria n. 23^__________
Grande hotel central
ra larga do Rosarle ame-
ro SI.
Neste muri rabeado hotel se encontrara ex-
cedentes quartos e salas para alugar, que offere-
cem commedos para familias, onde se encostra
nao > o maior asseio e limpeza,como bom servico,
banbos frios e quntes e todas as commodidades
iodispeosaveis vida' tudo por mdico preco. O
lupaT central era qire este eslobeeciraento est
collocado snflcieuie recomraendacao para sr
concorride.
Compra-s no armazem da Bolla Araarella no
Oilao da secretaria da polica.
VENDAS.
Cortes de vestido de blonde
Acaba de chegar a leja dos arcos ricos cortes
de vestido de Blond para casamentos: i raa Pri-
melre de Marco n. iK) A. aotiga do Crespo.
Borzeguins de bezerro para homein a 5#.
Ditos de phantazia para senhora a i
Ditos de dita para menina e crianza a J:
Vende-se na praca da Independencia n. 39, loja
de Porto* Bastos.
a*~
Quera qnizer manir fe de movis por precos
commodos, nio tem mais que fazer ama visita ao
rande armazem de otras de marceneria, a rna
o Imperador o. 47, cojo dono acaba de receber
do estrangeiro, nm completo sortiments de mobi-
lias de gosto, tendo tomado a seguinte
Resolur 5o :
Vender barato para vender mnito.
NOVIDADE.
Acaba de chegar o verdadeiro vinho verde de
uva pnra em caixas de 12 garrafas e o acreditado
vinho especialissimo pasto em decimos de pipa ;
j vendedor nnico recebedor destes vinhos acha-se
autorizado a garantir a especialidade dos mesmos;
a ra do Vigano o. ti, t* andar, escrptorio de
Jos Lopes Davim ; onde sempre se encontrar
um deposito de vinho do Porto ( o melhor que
tem vindo a este mercado) em vigessimos da pipa
e em caixas de 12 garrafas, qoe se vende por me-
nos preco do qoe em qnalquer ootrA arte
m Fia
Vinho Pavao
Vende-se este superior vinho com a marea Pa-
vao, sendo paro e mnito fraqainho, proprio para
usar s horas de comida, e vende-se por preco
mnito em conta, era barris de 9 e de 10*: na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Vende-se o deposito da raa Augusta, defron-
te da taberna do Sr. Varejio, proprio para prin-
cipiante, por ter poneos landos : a tratar no
mesmo.
IVI0F1NA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, \
crivo na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a ra o Imperador n. 18 a 1 oncuir
aquello negocio qoe V. S. se comprometteu reali-
sar, peta terceira chamada deste jornal, em flns
de dezebro prximo passado, -e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e na-la enmprio,
e por este motivo e de novo chamado para dito
litn ; peis V. S. se deve lembrar que este negocio
(te mais de 0110 anuos, e quando o senhor sao
hho se achava nn es nesta cidade
AOS 5:0004000
Estao venda os felizes bilhetes da lotera d
lahia. na casa felix do arco da Conceicao, loja de
)iirivB nr> Recife.
Morreu no da di o acadmico do 4* aono,
Maxiroiano de t'reitas Valente, e alo do 3*, como
disse a revista de sabbado, no hospital pnrtugufz,
para onde fui, hem recommendad3, por ordem de
seu correspondente, acezar de dissentirem disso
seus compauheiro?, qte afinal consentiram, pois
lemiam, as-im como o doeote, da humi Jado da
cas?, por observa^Ses de sea medico qae Ihe
ircsi-revcrj a sabida irrmediat:.
Pur ordtstit da directora conv.do aos Srs.
accionat>s para, no prazo de 8 das a con-
tar do dia 18 do corrente, recoteerem a 8a
prestaco de snasac-5es, da 2a emisao, na
razo de W %
Para esse fira ser o Sr. tbesooreiro en-
contrado no escriptorio da companhia, das
II horas da aanliau s 2 da tarde de todos
06 lias ufis.
Escrptorio -da companfaia, 15 de julho
de 1871.
Joao Joaquim Alces,
1* secretario.
Deeiarapo.
Contando a abaixo assignada qae os proprieta-
rios da casa de dous andares n. oH, da ra da Im-
pera ir z, eMao procedeodo a citacao de met ma-
rido Manrel J Guedes de Magalhes, como au-
zente, em lugar iocerto nao sabido, pelo juizo
da paz do 1 disiricto da fregaezia da Boa-visla
desta cidade, vera dsclarar aqueiles proprieta-
rios e ao pablio, que dito sea marido acha se ac-
tualmente na cidade de Braga, do reino de Portu-
gal, d'onde em breve lem de voltar ao seio de
su familia.
Beefe, 14 de julho de 1871.
Joana Mara da Silva Magalhes.
Precisa-se de uina ama pa-
k\ ra todo servico : na roa Di-
reita n. 112, 1 andar.
m ]! m Precisa se de ama ama para (0-
imJTB. Ado o servico de ama casa de fami-
lia : na rna da Hortas n. 120.
Soidedade Recreativa Terpsi-
chore.
O^mmunico ,1 tod.is 03 Srs. socio*, que o annnn-
cio sabido hoje no Jornal do ftC'ff, convocando
par M>gonda-fera prxima, urna asscmbla ge-
ral para iroceder-so aleicSo dealguns membros
da prerideocia, apocnpho, e deve ser alguma das
"Ta* pi'herias que ten apparecilo com referen-
'a ""s'a sociedade.
rSecreiaria da sociedade Recreativa Te-n;ichore
b' de jnibo de 1871.
C. Pereira,
______________________Seen tarjo.
Aluga su urna esciava para InJo sei<>co de
casa, na ra do Imperador n. 50, 3* atfdar. *
Attenpao
Venderse o j acreditado medicamento contra os
calos : na ra Primeiro de Marco n. 3 (antiga do
Crespo), e na roa do Mrquez de Olinda n. 30 A
}antiga da Cadeia).
Lencos com toque de a varia
A loja dos arcos vende lencos de esgnilo com
toque de avaria a Si a duzia, cassas de cores a
240 e 280 rs. o covado, chitas cretones com bar-
ras a 400 rs. o covado, alpacas muito Anas e de
lindos padroes a 500 rs. o covado : na roa 1 de
Marco, ouir'ora do Crespo, n. 20, esquina da ra
das Crnzes._____________________________
CALCADOS
para crianzas
Grande sortimento de calcados para crianzas,
dos melbores qne tem vindo a esta pr?ca : na
loja de calcado da roa do Bom Jess n, 21, loja do
sobrado amarello.
Cemento Portland
Em barricas de 13 arrobas preco mais com-
medo do qne em ontra qnalquer parte, vende-se
nos armazens de Tasso Irrans t C.
Vende-se barato um piano de um dos mais
afamado fabricantes: a tratar na roa do Com
mercto o. 38. _______________________
- Vende-se urna casa era um dos melbore
logares da Soledade, na Boa-vista, com 30 palmos
de frente qOQ de fundo, com 4 quartos e 2 sala?,
corintia tora, com 1 qoarto ao lado, est travejada
para se fazer um grande sotao oa andar, era razo
da me-ma sr de oiloes dobrados, tem nm terreno
ao lado, assim como tem nm grande quintal, e no
qaal se pode edificar casas pelo mesmo deitar
oara ontra ra : a tratar na ra Nova n. II.
Por preqos muito commodcs,
os seguintes objectos:
A saber :
T. Formas novas moldadas para pudins, erapada1,
geiados, bollos etc. etc., ditas de estanho para sor-
vete, moldes para fazer nougat; tambem ha urna
baca de cobre e penences para fabrico de amen-
doas, lachos de cobrs proprios para confeitaria,
na roa das Cruzes n '13. boje Duque de Caxias.
Vende se urna mobilia de amarello a Luiz
XV, de bom gosto, e man perieuces da mesma :
na lf ja do sobrado da ra de H-.r'as n. 30.
Oerveja era harril, de su-
perior qu'ilidnde
Vende-se em casa de S. P. Johnston & C, ru&
da Senzala-nova n. 42. _________________
Aproveitem a ooca?ito
Talheres finos de cabo preto p.ra o trafico de
casa a 2*000 a duzia : na ra do Duque de Ca-
xias, antiga do Queimado n. III.
Vende-se nm ptimo terreno para se levan-
tar om engenho, que poder safrejar doos mil
paes, o qual coropde-se de vargeas, ladeiras e mal-
las virgens ; as pes.-as que o pretender, dirijam
se ao engenho Meguahype de Cima, freguzia de
Muribeca, que acharao com quem tratar.
Sitio
COMPRAS.
COMPRASE
frarco. vasio* da tintura jp(.r.za, e paga se a 80
r? rada nm : .i 10a Dnque de Caxias n. 5%e
Mrquez de Q.ln ia n. 51. ^
Pa> tao
Coiiicra-se un poiiao lie farro, sendo j usado,
lendo 10 palmo Ai largura : a tratar na roa da
Imperriz ti. fil).
Compra se iabvrhinto
Quem jier pira veuoer / n.;, < Je lahyriajhgt
'ailm (ra ana* gr.do p'\ v.'stid', f'-oijhss ti-
M, de I?m o leu-i.) b"m i-i!) Nri(l)S dir'ja-**
Vende-nm sitio com casa grande
de vivend?, ama com armacao para
taberna e mais cinco casas, sendo
aquella de lijlo e estas com frente
de tijolo, no jugar de fygipi, margen da estra-
da de Jaboatao, com arvores de fruelo, terreno
proprio, por commodo preco, vislo o dono ilesejar
mudarse para o Recife : a tratar no caes 22 de
Novembro, cocheira dos mnibus, ao p do Agr.
O Basar^Victuria, na ra do Baro da Vic
toria (antiga rna Nova) n. 2 acaba de recebar um
sortimento de anquinh s de dina, para senhora e
espartilboa de talagarca para senhora e colerinho
bordados para hornero._______________
Seraphiuas ou harmnicos
No armazem de Joaquim Antonio de Araujo A
('..', roa do Mrquez de Olio la n. 14, aioda
existem ptimas seraphinas de Nngueira, com ex-
cellentes vozes; e se vendem barato, para aca-
bar.
Chegou.
A pbarraacia am-ricana da Ferreira Maia
& C aeaba de receber a acreditad 1 tintara
ingleza de Desoous p>ra lingir de preto os
caballos braacos : ria do-Daque Jo Ci-
'ias n 57, antig' do Queimado.
deHamburgo ; ha para ven ler na ra co Mr-
quez de Olioda n. 15.
3*000 O SAfiCO.
Ven tese farinha de mandioca era perfeito e.'ta-
4o a -H n saeee : no scriphrh ,!> I'lqiiim Co-
rarlo Je Ba-ios, roMo V-cr;: 0. io. primeiro
Wai,
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 01.
Jof Bigcdlnho, com J avisa a todos es os teus fregaez^s que tst
torrando tudo ptlo prepo, a vista da fated-
da, para todos admirar, a saber:
Pecas de ritas bordadas muito finas i<5500
Thesooras grandes e pequeas o
mais fino que ba .1 I 5000 e I 500
Caixas com 20 quadernos de papel
liso, amisade a tt. 500
Pecas de tranca de lai'e algodo as
mais modernas a I6u
Frascos com agua de colonia muita
fina a 400 e 500
Frascos cora agua de colonia ver-
dadeira a 800 rs. e i500
Chapeos brancos para baplisados o
melhor que ba a 3!000 e 5,*000
Duziaa de bolees cobettos de seda
para vestidos por todo o'prefo
para acab r.
Libra de artia preta a 160
Grosas de boloes do louca branca a i0
Caixas com 100 envelopes faienda
fina a 500, 6C0 e 80C
spelbos de moldura dourada a
800 e ii&OOO
Penies pretos volteados para me-
ninas a 240
Tinieiros com tinta preta a 80 e iOC
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Latas com superior banha 60, 100 e 2f 0
Latas grandes com superior banha a 30
Frascos com oleo de Philocome a
500 e 8CU
Frasees com macassa Perota a 4c
Frascos com agua de Colonia verda-
deira a 1C0H
Ditos com oleo d ba )osa suderior a 320
Carriteis de retroz preto com 2
oitavas a 600
Caixas com agulbas fraocezas a 100
160 240
Pecas de tiras bordadas a 500, 600
800 e lfJOOO
Garrafas com a verdadeire agua
florida a 10300
G-rt'lhas da Doutrina Christaa as
mais modernas a 400
Livro das misses abreviadas a 10500
Copes grandescomsu^e ior baDba 10^00
Magos de pallitos para dentes o
melbor qoe ba a 160
Pacotes com 3 sabonetes inglezes
fazenda fina a 600
Escovas muito finas para i apar os
denles a________________________ 20
1O9A
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Os proprietarios deste bem conhecido estabele-
cimento, alm dos muitos objectos que tinham ex-
poslos a apreclacao do respeitavt-l publico, man
daram vir e acabara de receber pelo uliimo vapor
da Europa, um completo e variado oitimento de
finas e uiui delicadas especialidades, as quaes es-
tao resolvidos a vender, como de feu eostnme,
por precos muito baraiiohos e commodos para to
dos, cora tanto que o gallo...
Muito superiores luvas de pelica, pretas. broa-
cas e de mni lindas cores.
Muito boas e bonitas golliohas e punhos para
senhora, neste genero o qne na de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coque?.
Lindos e riquis9imos enfeites para cabect das
Exmas. Sras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem 'illes ; sta fazenda o qne pule haver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de malieparola,
maillm, sndalo e sso, st-ado aqueles trancos,
com lindos desenhos, e estes pntcs.
Muito superiores meias lo de Bseorata para se-
nhoras. as quaes sempre so vendern) por 30i<00
aduzia, entretanto que nos as vendemos por 20J,
alm destas, temos tambem grande sc-r'.imento de
ootras qualidade?, entre as quaes algunas muito
(mas.
Boas bengallas de superior canna da India e
castao de maifnn com lindas e encantadoras figu-
ras do mesmo, ne.'te genero 6 o que do melbor
se peda desojar ;alm destas temos tambem Bran-
de quanlidade de outras qualidades, como ?ejam.
madeira, baleia, sso, borracha, etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicolinhos de cadeia e
de oulras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as neias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas ae 1 a 12 annos de idade.
Na vainas ostia de mar lime tartaruga para fazer
barba ; sao muito boau, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e iis por notsa vez tam-
bem assejiura^nos sua qualidade e delicadez!.
Lindas e bellas capelias (jara uoiva.
Superiores agulhas para machina e para croe' ^1
Lmha muito boa de peso, fronxa.'para en, jr
labyrintho.
lons baralfcos de sartas para voltarete,' a:>im
como os tentos para o memo fim.
Grande e variado sortimento das mentores per-
fumarias, dos melbores e mais conbecidos fa-
bricantes.
COLARES DE ROYR.
Eiectrico9 magnticos conlra as convulses, e
fttcilitara a denticao das innocenies -. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos 09
vapore?, aflm de que nunca faltem no mercado
como j tem acontecido, assim como pois, podero
aqueiles que delles precisaren), vir ao deposito do
gallo vigilante, aonde sempre encontrarao deMes
verdadeiros ciliares, e gs quaes at!endendo-se ao
lira para qu-3 sao applicados, se venderao com um
mui diminuto lucro.
7'ojtamo?, pois, avista dos objectos que deixa-
mos declarados, aos nossos fregaezes e amigos a
virera jomprar por precos muito raznaveis l< ja
do gallo vigilante, roa do Crespo n 7.
Anda una vez
0 Campos da roa do Imperador n. 1$, avisa
aos seus numerosos freguzes e amigos que che-
g u de sua encommenda o lao desjalo rap
amarellinho de Estevao Gasse, assim como o pi-
nbo do Rio Grande, que to grande apre.p tem
dalo os que sabem de sua utilidad'! alimenticia.
Alni disso]
O '2arnpo3 tem constantemente em seo arma-
zem um completo sortimento de vveres, lodos Je
primeira qualidade e cora) se tornara enadonho
um annun; > que 09 descrevesse, liniita-e a men-
cionar os seguintes :
Carne sec:a (de earnetro) a 240 rs. a .krr e
6000 a arroba.
Linguas escaladas.
Ditas era salmoura.
Ditas alfombrada! todas as (martas :- sabbaioa.
Amendoas descascadas e sem casca.
dementes de horialica.
Charutos fama veis a U5O0 meia cai xa.
Ditos superiores em gro-so e a retalho.
Tinta purpurina \ OOO rs. a garrafa.
Camaroes seceo".
iiap Paulo Cordeiro, viajado.
Male em folha e em p.
Tabellas de redoccao, pira o yalerai m-'-:.ri^o.
Pesiadas escaladas.
Nao ha .mais cholera nem
ebre araarella
: :asa de LO. C Duyle ha ora s:r:;nntode
filtrador*! uelo mtllior syitema, p attt
a agua passida por files licar livre de lio lerri-
veis molesii.-.M, Tamh-ra receben > btn moheci-
do 1 dse jado rinh > aben y, e e.ii ludo a^veoda em
sea aam. /,ri a ra. do Ommeroio 11. 3S.
Rival sem segundo
Ra Duque de Caxias o. 91
Jos de Aloe to Ma-a e Silva, em sua lo
j afle niudeas ctntioua a vender lude
p'-r baratos prec1? qner todas ailmira :
Lbra de 15a pa/ ' qe lia. 6(jooo
Caixas com superiores grampos fran-
cezes a ico
Dorias d*} faras e garfos de uto e.
dutis bfjtOes a 4,$000
TVlhfres para mfninns a 240 e 4'.0
Libras delinhade novello, a mtihor
posMvei. 18X00
Duzia de lencos de ca*;a cora barra, l^.-oo
Calas de li -has rom 30 i>t vellos a S'-O
Vara dj franja rrtrica pata toalhas 160
Donas de meas crti?s trito boas a 35's0
nzias i!e miias fins ata senho-
ras a *O(t>
Duias de facas e gaifos cravadas a 3^000
Dazia de palitos st gurauca a t'0,
240, 320 e 500~
Na-alnas muito Biis, p;ra fa>er a
barha a 1(CW
Caixas com pennas de ac cem to-
que a 320
Caixas com perras de Perry 'azco-
da tina a 800
Das de dita di'o verdadeiras a i(52CO
Cixas com 20 cadernos papel ami-
zade a 7C4)
Pecas de fita' para clz c> m IP
varas a 5CC
Pecas fie tranca lisa de todas as
cores a "40
Duziss de liuha fr^uxa para torar
a 400 e 500
Pares de palos do tratitja a 1S80C
IJ u i a s de baralbos mnito enes a
2,5400 e 2800
Ditas de agu'has psra machina a ^OCC
Libra de pregos france es a 240
Retmas de papel ala>a( -ti[eri- r a 3(j(.'C
Ditas de dito pautado o melhor a 45-00
Caixas ct m ;abneles fineta a 7Oe MOCj
Csrrteis de iota A exaodre a l0
Gravitas decores muito ficas a 5(0
Ditas pretas pr ntas bordadas a 800
Grosas de btces de madrv-Tola
para camisa a SOf;
Novello- delinba bn Duzia de carees de liuha t rancie
preta e de cores a 120
Tbesouras mnito titas para nt.bas
e costura a 800
Caixas redondas para botar rap a IJktQ
Caixas ci m pos para lita ar deules
f zenda fina a 00
Cimento
Purlhande de piimeira (ir.alidsde. barricas eom
13 a li arrobas por 10000, r no armazem de
Candido Alberto Sodr da MoM & C. travesa
da Madre de Deus n. 14.
Papis para cigarro
e todas as qualidade, e por menos preco ijue un ootra ipiilquer parte, dinheiro a vhv,
>o no armazem de Candido Alberto Sodr da Mota
& C. travs da Madte de Deus n. II.
Papis delirados e pialados
proprios para forros de ca?a., capelias e orato-
rios, aro guarnieres para os (Bmohm e pelo mi-
nos preco possivel, ao armazem le (^and)do Alber-
to Sodr da Maa & G. a travessa da Madre Dp.i
n. l.__________________________________
Joaquina Ju^e un^aives IMtrav tem tara^^^P"
vender no seu escrptorio roa do (Jimmeriio %s^
o, es gneros abaixo Botadi s, i|oe vende mais bi-
ralo do que em ontra nnalijuer parta :
Azeitonaa em ncoretas.
Amendoas era barricas.
Caf muido en) nussos de I libra.
Chapeos do Chile de boa 'j'iaiidade.
Cognac iarea martel rres.
Enxada?.
Farirjia de mandirea de Santa Catharioa, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Baha em saceos brancos.
Dila de dita em barrica, proprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Babia em novellcs.
Fouces.
M8xadcs.
Xozes.
Obras de paihetas.
Papel prrprio para cigarros.
D.to azul para botica.
Palias para deo'es.
Prege surtidos.
Panno Je algodS.j da fabrica de Todos os Ssmms
di! Pedrcso na U..h:,..
RoUia'.
Rap fjopulir ila Dah ?.
Bvtin Pin lardo'.
Retroz dos melinris fabric ntei do Porto-
Ta picoa o Sarsnlnht.
Tabaco sbckie da ^nia.
Vernii d 1:;!.
Viobo Jo Porto Bgamfado, caiii de 12 pai-
ra fas.
Diio de din -m barr, proprio paraengarr.-.'i.-
Dito muscatel, verdad ;ir^je Sotubal.
Dito Bordeaux em eaiaHs urna dazia.
Dito de caj era caixas de urna duzia.
MadapolOes
Pechincha
!'H .> le 1
vi) : o) loja dos ai
"1-.J-,-. 1 r. O t. in"g' '"
Granee reducc3o em precos
N. 63
, ra Duque de Casia?.
Vende-se a ffqt de raadanolai cora iO vara- a
3J500. 3500. i i, -m e 3#, dito mnito fin:) a
5J50O, 6, 6o(M) e 7o'.0, dito franctz, faienji
superior, com 22 metros a !) peca.
ATOALHADOS'
Grande sortimento desias '.izendas e custa o as-
tro 1*900, liPOOe 8* fiW.
CHITAS
Grande sortimonto. o covado a 200, W, i&\
280 e 300 rs., ditas precaile, o que ha de m?;-
superior a 360 e i.
CHAPEOS DE SOL
A0 63
ra Duque de Caxias, acaba de receber r-
grande sorti nenio de chapeos de sol de seda, que
vende a !l <- II cada um.
A0 15,
ra Duque de Caxias, a 24 o metro de bramau-
le, puro linho. cmn !) pa'mos de largor.
l'Ol'f LINAS DE SEDA.
Ao63
ra Duque de Cxias, qae acaba ere receber um
lindj sor ti mrito deltas lioitiimas fazendas, e vec-
de baraiL-imo, custa o covado 1*600 e JJ80,
valem *'iO*>.
a nm
a du^ia de guardanapos: na io:comparavel loja
do 63 roa Duaui de Caxias.
Ao 03.
ra Duque de Caxias ; grande sortimento de
canibr.il..- i'an-pari ntea moito linas a 34O a
pica, ditas tapada; muito tinus, pe<;a 4* e ma.-s
ptreo?. *
A 3*000
um crJxtrior do, iaa letrado, fazenda muito lape-
rior ven le > 63. rna Duque de Caxias.


\ul Chiuvio
Ira?a do Cande d'fcti u. 94
Vende-se nma muito boa machina de cojlurtr,
propria para eos ureira, alfaiate e sapateira,
H-nreiga ni iDgleza
era latas de 1, 2. i, 7. li e 28 libras cada nma :
no rmazth de Tasso f rmos 4 C, roa do Ar/-
rim r. II.
h. is liLiioS aunis r


Ounto de Ferj*juu0iou 'Segunda 'eir 1? Je Julho le 1811,
-r-
I
I


VEMflE-SE
lr*quim Jos ftMRM, a ra da Cruz u.- 8, t*
Miar, vende algoriio tal americanos verdadeiro
* prevoit americano n. 3 e 4.
iio ha >( cabeli branco
Tintan japone a.
S e nica approvada pela as academias 4*
Maneta, reconhecida superior a toda que Wm ap-
parcedo at naje. Deposito principal i roa da
ZUel* do Recife n. 51, (* anar, em todas as bo-
ur** e casa de cabulleireiro.
NA
LOJ E MMAZEM
M
o
11
PAVAO
-
empre a ffow* KsperancaH
AO RRLLO SEXO.
Esta loja bera cohsodi peta sua elegancia e
superioridade de seus objecio*. acaba de receber
juitos artfos para o fjue r''speitosamente convida
ao bello sexo a viiita-la.afliodaeoinprarem a-juil
k que precisaren! pan preparos de vestidos tn-
tete ou locadores, e mesmo qualquer objecto para
faaer aigum |irer.foie...Ji)Ois que si na Nova E?pe
.ranea fiearo saii-feitos, j pela qualidade e pre-
7*&raioaven, e mesmo por qne a Nova Esperan-
ce ofana-se em nin se impacientar em dar a es-
olher m objecto?, preslando-se com o agrado
cm que costu a receber a todos, atim de qne
saibam com o firme proposito de voltarem on
mandaren) a mesma loja, logo que precisem de
qualquer artigo por pr-qneno que seja.
LDVAS DE PELLICA.
Recebeuas de Lisboa a Nova Esperanca para
aotuens, senaora e meniuos. sendo brancas e de
NOVIO A DE.
8ico de qnipnre prelo com branco, a Nova Es-
aaranca s quera tem I 11
Caitas para joias.
A Nova Esperanza recebea boas caixas_ de san-
alo para gnardar joias.
Fitas largas para cintos.
Recebeu as de muilas qualidades a Nova Espe-
jea.
Para extinguir p;inos on sardas.
Nova Esperanca tem leile de rosas brancas.
Para Ungir cabellos.
Tem a Nova Esperanca a verdadeira tinta in-
fieza.
Para refrescar a pefle e aformozia-Ia.
A Nova Esperanca ra Duque de Gaxias n. 63,
ende verdadeira albiua. branca de Lais.
Perfumaras
As melhores, e do mais contiendo fabricante,
anto francei como in^lez. eslao expostas venda
a ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
anc>
Extrae*, bao-ha, oleo, sabonete?, agoas de co-
Kinia, de laranja, florida e dc< lavande, etc., etc.,
tndo de superior quad.-de : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
Agora sim !
A Nova Esperanca, a ra Duque de Caxias n-
ifcj, recebeu ura lindo sortimento de iaa para bor.
dar, vinilo as cores mais procuradas, bracea, pre-
ta. escarate etc. etc. a ella antes qnfl se acabe I
L'bras strli tas.
Vndese no tramen de (ktradas de Augusto
?. de Oliveira 4 C, na lo Omniercio n. 42.
Bonitas fazendas
PARA AS FESTAS
DE
aito a* tomo
E S. Jofio
CK6ARAM PARA A LOJA
DO
'\
-IV
Tem venda em seos armazens. aim de outros
trtigos de seo neg io regular, os seguintes, qne
reniara por presos mais mdicos que em ou-
tra qnitqaer pirte :
PORTAS de pinho almofndadas.
PORT JIRAS de ferro para eercas.
SALITRE ingle*.
E5TEIRAS da India para cama e forrar sala.
CANOS de barro trance* para esgoto.
leSSO superior em porches e a contento.
JEMENTO de todas as qualidados.
MACHINAS de descansar algodo.
LONAS e briotes da Russia.
OLEADOS ,-,r -ricanos para forro de tarros.
POGOES oierieaaos muilo bons e ocoqozqco?.
"'iN!'0 de Bordeaos.
COGNAC superior de Gaulier Freres.
PAR8LL0 MB iMCoa grandes a 3>00
M*OA dorida legitima.
fiBAIOfi
l*ara os st-u^ores de engenbo
urea.
CHila, fnfuda bem condecida p?la sua fortklao,
largt que clit-i?. para,ronpis de escravosa
2'0 rs. o c ivado : na ra du Crespo o. 20, loja du
GnilheriM.
TRSENOS
Vende-se em grandes on pequeas porcoes, o
:idn terreno que foi do Sr. Machado, si'io dr.no-
di Jaqneira. distante da estacao do Fundao
cem pa.-so?, com fti nte pan a estrada do mesmo
mascar vore
ir iBrde ba
proprio, e por ser de barro presta-se para qaal-
>acr plantaco, e muit i se torna reeommendado
por ficar perto do rio e da estacao. 0 preco
tr.'jito mud'co : a tratar na roa Nova n. 48, no ar
amen) do N-Troa, ou com o Sr.Tristao F. Torres,
que lados os domingos e das santificados o acha-
';i" nesse lugar.
nm terreno na rea d;> Hora, errada de Jt ao de
Barres, Cum 1 0 p lm-,-s de (rente e i'-O a 450 de
f..J.', com s!g,ni,is arvures de fioclo, por mdico
j-rec i : a tratar na ra du Vicario u. 14, i* an-
nar escriptorip.
Grande
LIQUID^O
l\jupeiacs ce seda
Fonpelinas de eda de lindos pa Iroes o mais
moderno qne ha ehegadn no^ltimo vapm-, a 1|500
o covado, na rna d Crespo n. 20, Ir ja de Guber-
me Carneiro da Canha.
A pbarmacia amerii-an d.- Forreir Haia S C
acaba de refdw pelo ultimo vap'T nm grandf
sortimento de fund.s. e mire" filas algnmas de
g'mma clstica, as m is reeommen^tas pelo?
mdicos para a cura rfs h< rmias : ru;i Dque de
C.*.xias o. 37, oolr'cri Qaeimado.
Pilii" i1 i1
tiiL IJEi
TJm arnicao de
I
a mar ello.
Muito boa propria : |o r negocio, para
! axiai n. 13, cu-
te ora Cruart) i un, com
'. ,- co, po

abollas novas.
. ii*.
NA RA DA IMERATMZ 80-
FLIX PEREffi DA SILVA ft C.
O proprierios deste graod eaapelaciasent) teado en ser oau avultada porcJo de
fazenda, e tendooootiouado a recebrpor todos os vaprese safios mmeoia porcao
das mismas, tem revivido .-aer urna ORANOK MQUIDAQO, afim4e damioolr o gran-
de deposito e ap >rar DINHEIKO. De todas as fazeidas que ss vende bara>isiimo se dio
as amostras, ficando penhor ou te maedam levar em casa das Kimis. familias, assimeomo
* pe-soas qoe Degoeiam em meoor escala, o'esle esta elecimeatose podero sor .ir em
pequeas percoes pelos mjsmos preces que comprara as cajas exportadoras.
ALFAIATE
que se encarreg* de executar qualquer en-
4-commtidj dj iua arte .voonde do fre
guez. e o proorietario d'este grande esta-
belecimen'o e promette servir bem a todo*
os fregueze qu I be bonrarem 9 sua casa.
ALGOD0S1M10 A 3-500 A M}k
O Pava* vende.pifas d'algodaoatabo de
muito boa qnalifia-ie, tendo 20 jarda cada
PK, pelo barato preco de 3#50O, diiomoi-
(0 largo e encornado 60006, dito o me-
^jlhor que tam udo ap mercado, muito en
' -corpado e largo para lene es, pelo barato
Hpreco de 64500, grande pdcbiaoba.
MADAPOLAd A 45000 E 45500
O PdvJo vende pecas de madapo 3) com
ti jardaa, seodo f.zeada muito supertor
pelo barato preg de 45500, di as com as
mes-as jardas a 43000, ditas fioissimas a
55500,64000. 75500 e 8*000. pecbineba.
MADAPOL FHANCKZ A 105
O Pavao vende (ecas de finissimomada-
polio verdadeirameote francez, tendo 2
metros ou 20 vara-*, pelo baralissimopreco
de 105000 peca, sondo fazenda que sem-
pre se rendeu 145000, e liqui la-se por
este barato preco por estar alg^ma cousa
enchuvalhada na pona de fra.
ALGODOSJNHO ENFESTADO A 15 15280
O Pavao vende verdadeiro algodiosinho
americano, tendo 7 palm >3 de Urgnra
muito encorpado, proprio para lencoes
750OO a vara, dito da mesma '-gnra sen-
do trancado e muilo enorpa..'o i42-J0.
BRAMANTES PARA LBNCOES A 2*400 2*80034
0 Pavao ve-ide o vurdadeiro branantode
linbo tendo 10 palmos de largura, que ape.
oas precisa para umkncol urna vara erma
qoarta, pelo barato preco de 25400 vara,
dito melbor de 258 0 e 35000, ten.lo al
do melhor que vem ao mercado 35500
e 45000, assim como crotones fortes para
lencoas, sendo uina encorpada fazenda fran-
ceza com 40 palmos de largara 200 rs.
o metro, e bramaotd d'algodo com a mes-
ma largura 15800.
SAI AS BORDADAS A 45500 E 65009
O Pvao vende grajde pecincha em saias
brancas ricamente bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e vende pelo bara/o preco de...
45500 e 6-5000, t>endo fazenda qne aempre
v.-n ie-s,i por 85 e 105000.
Fazeadas para saias a 15200, 15380 e 1550o
O Pa 'o vende superior fazenda bordada
dcom pregas proprias para saias, 15200,
15280 e 155(0 a vara, seodo preciso para
ama sala apocas 3 varas ou 3 1|2.
Aos 3000 corles de cmbrala a 2530O
O Pavo vende orna grande porcSo de
cortes de cambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listrinbas de
cores tessidas e nao estampadas, e liquida-
se palo barato pruco de 25500, cada corte,
fazenda que vale muito mais.
Aos 2O0O cortes de eambraias bordadas a 5,-500
O Pavao vende uma g-aode quantidade
de corles dd eambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenhos mais
iodos e mais vistosos que tem vindo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
Ronaes, e c:rn mui fazenda para um ves
tido, e liquida-se pelo baratissimj prteu de
55000, sendo fazenda de muito maior va-
lor, grande pechincha.
CAMBRAIAS
O PavSo vende grande qnantidade de pe-
as de cambrahs brancas tapadas e trans-
parentes, teado de 35 a peca at mais
una que vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavao vende cbitas largas com bonitos
desenhos e c res fixas, pelo barato preco
Je 150, ocovado, grande pecbincha.
LAiSINHAA 160 RS. O COYADO
O Pavao vende bonitas ISasinhas transpa-
rentes pelo birato preco deltiO rs o cova-
io, pa hincha na ra da Imjeratriz n. 60
CORTES DS CASSA A 25500
0 Pavj vende bonitos ores de cassa
francoza viudo cada um em seu papel, pelo
Oarato preco de 25500 ) corte, ditos muito
lindas 35C00, pecbiocha.
CASSAS FRANCEZAS A 200 RS. 0 COVADO
O Pavo vende bonitas cssas de cores
para vestios, pelo barato preco de 20 rs.
o covado ditas Qnissimas com os desenhos
mosmode.T.os que'tem v>ndo ao mrcalo,
pelo b-irato preco de 500 rs.
CRETONES
O Parao verid< flnissimos cretooes escu-
res matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato pre;o de 640 rs. o
covao, ditos de Q ros, proprios p^ra co-
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL
15 Btia da fiperatetoW
LYSSES & 1RM0
Neste grande estbelecimento encontrar o respeitavel publico nm pouco de
todo, que vendemos por precos muito resumidos por ser o sistema que adoptamos
vender barato para vender muito, e tirar-moa apenas 10 % de lucro do descont que
temos das casas importad' ras; e garantimos aos nossos (reguezes que podemos faz as
mesmas vantagens que as casas acreditadas em vender barato. As pesnoas que nos hon-
rarem com sua freguezia encontrarlo em nossos tratos sempre a lealdade t conilucia
divisa deste estbelecimento. Chamamos aitencad do respeitavel publica para a grande
variedade de artigos de que se compoe este sumptuoso estbelecimento, com abaixo
se segu :
PAVAO
ALsAUANAS A 16200
Chegaram as mais lindas alsacianas sen-
do urna Dova e elegante fazenda de ISa
com bnlbaotes listas de seda e ba tanie
larga, para vestidos, sendo n'este genero
o qoe este auno tem vind > de m is go8to
'0 mercado, e vendase 15200 o covado.,
GRANADINAS JAPOEEZAS A 800 RS. O COVADO
Cbegou para a loja do Pavo esta nova
fazenda com o nome de granadinas Japone-
zas, sendo nma boni a fazenda de lia cora
bonitos quadros de sed, p opriapara ves-
tidos, tendo de todas as cores, e vende-se
a 8<0rs 0 covado.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 R$. .0 COVA0
Cbegou e.'ta nova fizenda ora o nome
de a lanta, sendo uma delicada fu. en !a de.
la, pra v.islidos, q :e vende-se pelo bara-
to preeo de 800 rs. o covado.
NO /AS POUPELINAS DE SEDA
Cbegou para a kja do Pavao um grande
sortime lo das mais lindas e modernas
popelinas de sada, cc-ra os mais delicados
oadres e de muito phantasia, que vende-se
por preco moito barato.
CAMBRAIAS BRANCAS LAVRADVSA4#
Vende-se cortas para vertidos de cara-
briij branca la rada, sendii fazenda muito
lina, pelo bsrato preco de 45 cada corte,
assim como um grande sortimento de ditas
lisas, lapidase transpareites. que venie-se
por mecos do que em outra qualquer parte.'
CAMISAS PARA INVERN
Cbegou para a loja do Pava um grande
sortimento de camisas escoras encordadas,
a ptova d'agua, sendo propias paraaes-
tafo do invern-, e vende-se por precos
em centa.
TOALHIS ALCOCHOADAS PARA MESA A 3m
O Bufo vetde toa!b3s brancas de fustao
a'cochoadas, propiias para mesas, sendo
bastante grandes pe'o barato prect) de
35500, dilas encorpadas moitograndesa 75-
CHALES DE iMEKINO* A 25800
O Pavlo vende cuales de merino moito
grandes e encorpalos 2*500, ditos
imiUfo de cbinezes 25500, ditos pretos
de renda c- m 4 ponas 25000.
CHALES PItETOS 60UDAD0S
O Pavao vende os maiors e melhores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e vende
por menos do que m outra qnatqoer parte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pavao vende um grande sortimento das
me'hores camisas inglezas e francezas com
peitos da linbo para todos 03 precise qua-
ii 'ades, assim como ditas do ditos de
llgodlo para todus os precos e lmannos,
cendo tambem para criancas, e no mesmo
estabelecimenle tambem se vende ceroulas
de linbo e algodo, tendo para lodos os
are;os, assim como meias cruas iog^zas
para bomeos e meninos, que tudo se veide
por pre;o muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
0 Pavao tem c nstantemente um grande
sortimento dos melhores cortinados Borda-
dos para camas e iaceillf, que vende-so de
85000 at ao nais rico que ostuma a vir
n'este genero, assim cerno bonitas eambraias
adamascadas, tan'o tapadas orno transpa-
rentes, proprias para mesmo fin, colchas
de crocbtt, damasco para camas de noiva?,
e cortinas, e vende-?e no Bazar 00 PavSo.
LASINHAS BARATAS
0 Pavio tem um g.-ande sortinento das
mais bonitas laasinbas para vesli os, tendo
de todos os precos cores e qualidades.
ji.-icipanio ds 200 rs. rara cima ; porm
1! to grande a quantilade que seria enfa-
ilooba especificar qualidade por qualidaJe,
- a vista Co fregnez e das amostras se lhe
vender5o por precos t3o cmodos que
nengueu deixar de fazer um vestido de
la por to poaco dinheiro.
ALPACAS DE CORDAO A 640 R8.
0 P.vSo vende as mais lindas alpacas dt'Derla-send &K>4> mui, encorpada pelo
Lcord.:o fara vestidos e roupas de criancas barat0 "'> de 8 covado.
uc!o barato preco de 6i0 rs. o covado, I equinas on cassqumhos a 205 e 25 >
ditas fiiissituas cornos mais lindos lavoree l**vl vende b-isqutoas ou casaqamhos
imitacio de agr anas 8(0 r*. o Covado, de Mda. Prttos ricamente enredados, pslo
benitos glacj com ddicidas crese las;baratisMino prcg ide ?05 e25O0O, sendo
trosas como seis I5<00 o covado, e ou-.rauil nodfraos, assim cono ditos de cro-
11 as maitas fazendas de goao e luso para \ 5f^ra ??" qi^!!..v^d_ m Ult
'estido, na ra da Ioperatriz n. 60.
POUPELINAS
HJtCHIlS MU
, C08TURA
Chegaram ao Bazar Universal da na Nova
a. 22, um sortimento de machinas para cos-
tura, das melhores qualidades que existe na
America, das quaes muitas j sao bem co-
nliecidas pelos seus autores, como sejam :
Weller & Wilson, Grover ciosas, Weed e mperiaes e outras muitas
que com a vista deverao agradar aos com
pradores.
Estas machinas teem a vantagem de fazer
o tn'ialbu que 30 costoreiras podem faz r
diariamente e coseno com tanti perfeicSo
como as mais perfeius costureiras. Garan-
te se a sua b a qualidade e ensiaa-se a tra-
balhar com perfeico em menos de uma
hora, e os precos sao, to resumidos que de-
vem agradar aos pretendentes.
\
fe,
%

V^v*

\
/>
o 1 y*
nico
legalmeot* autorisado e approvado
pelo conselho de sade.
NICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU d C.J
34Ra larga do Rosario34.
Para
O PavSo recebeu as mais delicadas e me-
i fres pcopelims dsela pan vestidos,
d>ra os mais rco.'ernfis loores, e outas li-
zas c >m as cores mais novas que tem v n 'o,
e vende-sj lOO- c^da evado, assim
CMBo del cadas sedas de listintiai, tanto
para vesti ios de sen 01.ras como de meninas,
q vende-se 25000 caa covado.
ROUPAS PARA HOMiiNS
O Pavo tem constan te aaeu/e um grande
1 rt.ment de roepa, ia dt brice br-.nco e do cores, dj case-
raira<, p?ra todos 03 precos e qualidades, Ipnas para hnmens como para criancas, e
i amberu'sp manda fa?.er qualquer peca do jaitas mais encordadas, ten.lo de ama e de
obra c>m t>do aceio e promptido, paraolduas larguras, que se vtorie o mais barato
que se' tem nm perito I possivei, na ra da Imperatriz n. j.
em coma, ca ra da Imperairiz n. 6o-
Cbitas e--.ti a-jf das paracobertis a 360 rs. o covado
0 PavSo vrnie chitas ent;an{idas cotn
delicados desenhos para cobertas cu c,ni-
nas de cores fixas, s?ndo fazt-n 1a muito en-
corpada pe'o barato pr*code 360 r. coca 10.
ESPtRlILHOS A 4550O
OPav vende os mais modernos e me-
lhores e-partiiiios, ten lo de todos 03 ta-
annos, pelo barato preco de 45500
CASEMlRAS
O PavSo vo de um el-gante sortimento
de itlicad.js tasemiras inez s, seodo to-
das de 13a e muito levesinhas, trato pro-
sFLfO
saceos e fognetelros.
stecos
PARA ASSL'CAR
GEAVEJA DE MABCA
K
Engarrafaba especialmente para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeiras trazem os nmeros estampados
tas pecas e nao as etiquetas.
Vendem-se
En casa de
. T. JEFFERIES & C.
46 Ra do Gummercio 46
iBRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em eada peca nm blhe-
te com o oome
DOS
nicos importa lores
T. JEFFERIES & C.
Grande
LIQODACAO.
Na ra do crespo n. 20.
Loja de CSnflherme.
Laasde cores tniuda3 a 80"rs c covado.
Bramante de linbo com 10 palmos de largara a'
2*500 vara.
Chitas clara? e escuras a 160, 200 e 2i0 o co-
vado,
Bitas riscados prussiams a 280 o covado.
Ditas chioezas para coDeria a 2\0 o covado.
Cambraias, organdy* miudas a 240 e 280 o co-
vado.
Ditas bor Jadas brancas e de cores para corti-
nado?, a 320 o covado.
Dilas bispo isas Goas a 3,3 a peca.
Ditas brancas com 10 varas, a 3*000 e 3*300
a pe$a.
Dita Victoria, a 4* a pega.
Musiulina branca, a 400 rs. o covado.
Madapolo fransez, a 65 a peca.
Dito inglez de boro a especial, a 4*000. 5*, 6*
e 7* a pega.
Algodaoshbo a 3, 3*300 e 4* a pega. t-
Alpaca de cor com listas, fazenda supertor a
360 rs. o covado.
Dita branca, com flores miadas matisadas a
500 ts. o covado.
Dita preta coa fl,r branca, o 500 rs. o co-
vado.
Dias de cores padrSes miados e modernos a 360
rj. o covado.
Lenjos de cassa com barra de cor, a 120 rs.
cada um.
Ditos de linbo embainhados a 4* a duzi".
Chila, fazenda benconhecida pela sua fortido,
mais larga q ie cbita para roupa de escravo, a
200 rs. o covado.
Cp.seaiira preta superior, a 1JS500 o covado
Cortes de casemira de cor, 3*500, 4* e 5*.
Cortes de meia caseaiira, a 1*!00.
("anela preta e de cor, a 5*0 r?. o cova*.
Ganga amarella lisa e de lista, a 360 rs. o co-
lado.
Algodao iargo merca T a 5* a pop.
D-. >e amostras cara ppohor.
Crytaes e vi tiros.Grande sorti-
mento de lindas garrafas para vinho, de
vi 1ro Bacarat a 6, 7(5 e 8(5000 par, bo-
nitas compoleiras de diversos gostus e pro-
cos, tacas de cbrytal para chmpagie ; c-
lices de vidro verde fino* para vioho do
Rbeno a 23S0O rs a duzia, ditos dd dito
rouxo para vinho B rdeaux a oS-' 0 rs.
a duzia clices lidos para licor a 34500 rs.
a duzia, copos finos lapidados para agua
a 4(5500, 40800 e 50000 rs. a duzia, escar-
radeiras de vidro de cores a 3(5500 e 4(5 e
par, grande sortimento de globos de vidro
para candieiros, cbamins para candieiros a
20i e 24/OOO o cento, e a 240, 320 e 400
rs. cada uma, pralinhos de vidro para copos
400 e 500 rs. um.
Per fumarlas. Sabonetes finos e
grandes a 14500, 1(5800 e 2(5400 a duzia,
d tos ingiezes o qoe ba de melbor a 2 a
dnzia, ditos pequeos transparentes a (kO
rs. a duzia, lalinhas de banba de familia a
80 e 120 rs. orna, 900 e 1200 rs. a duzia,
frascos graudes com bauha a 640, H)" e
14000 rs. oleo de Pbilocome a 800 a 14000
rs. o fiasco, dito de babosa a 50 e 600 rs.
o fiasco grande solimento de agna de co-
lon<, agua Divina, agna Florida, agua fran
(a, tnico Oriental, extractos Anos ingiezes
e franceses, pos para dentes, pomadas ex-
posicao, copos grandes a 24500 rs. cosm-
tico fino, pacotes de pos de arroz a 400,
6U0 rs. nm, bonecas par pos de arroz a
400 rs.
Chapeos.Chapeos de seda preta e
de castor branco forma Vctor, para homen
a 114 e 124C00, ditos de palha ventilado-
res a 34200 rs., ditos pretos de feltro copa
redonda a 34500 rs, ditos brancos a
342 0, ditos de merino e de seda preta de
54 a 74OOO um, ditos de palha para crian
Ca de 24 a 24500 rs. um, bonets de panno
preto enfeitados para meninos a 3 >e 345 JO
rs. um, chapelioas de seda enfeiladas para
baptisado de criaoca a 34 e 34500 rs. um
bonitas chapelioas de filo de seda branca
enfeitadas para senhoras e meninas a 64
a 74000 orna, chap.s de sol de seda com
cabo de marfim a 94500, 114. 144 e
17400J rs. nm, ditos com cabo mitacao de
unic rnio a 94 e muitas outras qualidades
tanto para homens como para senhoras e
criaogas, sendo de percale 14300,145,0
e 24000 rs.
PazeadAS.Lindos e moderos cortes
de percale de barra com fignrinos a 74000
com 14 covados, bonitos cr'.es de seda
com 21 covados por 284000, cortes de cam
braia branca fina com babadinbos, borda-
dos proprios para partidas a 74000; tendo
8 varas de 'azoada para o eorpoe 15 varas
de babados, cortes de ISa escosseza com
15 covados a 1340OO, finissimas e moder-
nas eambraias bra ocas com listras a Impe-
ratriz peca de 10 jardas 94000 ditas mar
ca bispo e Victorii de 44 a 64600 rs. peca,
cambraia branca para forro pecas ce I
jardas a 24iOO rs., bonitos cortes de 13a
cora 16 covados a 54500 rs., ditos de
chaly a 54000, pecas de cambraia branca
de salpicos com 8 1[2 varas a 50500, bo-
nitas las de listras a 560 rs. o covado,
grande pechincha de I5as fin^S de bonitos
padrSes a 260 rs. o covado, fazenda que
vale 400 rs., bonitas finascbitas france-
zas de orna s cor a 300 o covad >, perca-
les ituito finas e de delicados padr5es a
320 e 360 rs. o covado, finissima chita
franceza el ira a 340 rs, o covado, chitas
escuras france7a finas a 260, 280 e 300 rs.
o covado, ditas para cobertas bonitos pa-
drSes a 360 rs. o covado, bramante
de iiuho com 10 palmos de largura a
24400 rs. a vara, esRuiSo de linbo finissi-
mo a 200.0 a vara, gnitas alpacas de uma
s cor para vestidos a 5f0 rs. ocovaJo,
setio de algodo de diversas cores, bonita
fazenda para vestido de senhora e roora
de crianca o 500 rs. o covado, riscadiobos
finos de cores a 280 ts. o covado, chita
preta Oni a 280 rs. o covad \ guardar.apos
de linbo para almogo pa cha a 24600 e
34600 rs. a duzia, ditos de dito muito fi-
nos e graudes para jantar a t-0 a duzia,
servem para toalhas de mos, toalbas de
linho grosso a 500 rs. cada uma, ditas fel-
pudas a 800 rs., colxas brancas de algc-
do com b>rra e franjas, grandes a 44900
rs., ditas brancas e de cores de 24700 a
44500 rs. cada uma, bonitos cobertores de
la de lindos p*di5es a 80 e 134000, ditos
de pello de Itmtra om duas vistas a 144,
camisinhas de cambraia bordada e enfei-
tadas a 20500 e 34000 rs. cada uma, vkti
dinhos de cambraia bordados para baptisa
Gangas de linho para roupa de criaijgas
a 420 rs. o covado, brim de linbo branco
trancado muilo superior e a 14300 e
i 470C rs. a vara, dito pardo de linbo a
30 e 500 rs. o covado, serondas france-
zas de cretone e de linho 10SO e 20500
r uma. E outras muitas fazendas que
vendemos por precos razoaveis.
Porcelanas e losicas.Delicadas
canecas de porcelana esmaltadas para caf
80 a uzia, ditas de ditas com frisos de
cor 60 a duzia, canecas de porcelana bran-
ca para creme a 343(0 a duzia, copinhos
de porcelana branco para ovos 10200
duzja, tigellas de porcelana branca para
caldo 500 rs. ditas grandes para farinha
a 14. baitos aparelhos de louca ingleza
com froiso de cor completos para jantar,
constando de 20 duzias de pratus diversos,
2 sopeiras, 1 saladeira, 8 pratos com lam-
pa, 4 molbeiras, 16 pratos travessos por
1204, ditos completas para almogo da mes-
ma louga 114, grande sortimento de lou-
ga avulsa, constando de pratos ecm tampa
sopeiras, molbeiras, pratos travessos, pra-
tos avuisos com frisos de diversos taa-
nnos, pratos com coras 24700 a duzia,
ditos pagode Chinez, grande quantidade de
tigellas pintadas de diversos tamanbos,
bules, bacas, que se vende por mdicos
pieco8.
Qnlnqnllbarias Ricos candieiros
para gaz de vidro e porcelana, feitio de jar-
ro, 144 e 164 cada um, ditos de vidro
de cores I 6), lamparinas, grande sorti-
mento de vidros de metal para dei endorar,
para cima de mesa e para parede, t600
1 asco 24 e 24500, eum-grande sortimen-
to de jarrss de diversos tamangos e gostos
de 54 200 o par, castices de vidro de cor
para vela 34 o par, lindos praiihos de lou-
ga esmaltado cem tampa para sardiuhas e
outras 24 24500 cada um, lindes bules de
louca da Ch na i 3500 30 e 30500 cada
om, sextinbas de vidro de cores com azas
para carioes 10500 20 cada nma, bonitas
qoartiohas hamborguezas de-44a* 50o par,
copos de barro, bonitos temos de bandejas
ovaes a 114, ditos quadrados 70, grande
sortimento de bandejas avolsas do 14300 l
24600 cada uma, ditas parafarinba 14200
uma, talberes de facas com cabo de me -t
fino 124 a dozia, ditos de ditas cabo de
osso finas de 50500 100 a duzia, colhe-
res de metal fino para sopa a 54 a duzia,
ditas de dito para cha 24400 a duzia,
conxas para sopa e para assucar, port-braa
zas de lato 500 rs. um-, lindos palitei-
ros de porcelana branca fina 02OO,
14500, 20, 34 e 40 cada um, galheteiras
de 3 e 4 vidros.
Calca io.Botinas de bezerro para
bomem 64 o par, ditas gaspiadas para
senhora 30 e 34200 o par, ditas de ditas
para crianca a 24 o par, sapatos de tapete
e de tranga para bomem e senhora, de
14500 10800 o par, ditos de tapete ata-
ludados para criancas 10 o par.
nindeas. Duzia de carriteis de li-
nha de Alexandre 200 jardas 920 rs.
caixa com 50 novellos de liiiba branca i
680 rs., la muito fina para bordar bonitas
cores .oiOO a libra, duzias de caixnbas
de gramp.is 400 rs., duzia de caixinbas
de alfinetes pretos e brancos 1430U," lo-
ques de papel para o Ibeatro 200 rsv di-
tos de madeira emtago de sndalo, muito
bonitos 24, thesouras finas de ponta tor-
ta para unhas 64 a duzia, pentes irans
prenles finos para alizar 24 a duzia, ca-
d reo de linho de diversas larguras brinco
360 rs a duzia de pecas, tranca de la 9
fina de cores para debrum 240 e 400 rs.
a pega, tranga branca de caracol 560 rss
a duzia de pegas, trancas de la de cre-
de caracol 600 rs. a duzia de pecas, su.
tase branco de algodo 280 rs. a duzia de
pegas, caixas deagulhas francezas 4 papis
pur 210 24-J rs. o miiheiro, agnlbas pars
cr chet, toncas de la francezas muito boa
nitinbas para criancas 800 rs. uma, cai-
xas de superior pap-1 amizade 700 rs.,
ditas de dito decores 800 rs., caixas de
100 envelopes 5CO rs., papel almaco
pautado dito de peso, dito para forro de
casa, meias cruas para criancas 34500 a
duzia, e inglezas muito finas sem costura
de numero 2 8 de 44500 54500 a "du-
zia, meias pa meninas de todas as idades
345O a duzia, ditas inglezas sem costu-
ra para bomem 50500, e muito finas
64500 a duzia, ditas c- m p de cor S0 e
84500 a duzia. superiores meias inglezas
para senhora 64. 84, 100 e 11)0, levas
dos de cnangas a 65 e 1240L om, camr-.'de fio da EsC'-ssia finas brancas e de cores
Vende-se
A casa terrea n. 13 rna dos Guararapes.
A casa meia-agua n. 27 mesma dcfrjnte da
estacao des Bonds.
A casa n. 11 sita em Oadn junto ao.sobrado do
coramendador Figueira, uo oiio- do Amparo.
Tud" tratar ra do Mrquez de Oliula cu-
mero 40.
sas bordadas para a nboras a 54500 rs.
uma, pentiadores de nanzuk bordado para
senhoras 44500 rs, nm. caixralias com uma
duzia de lengos de linho finos abatanados
por 60000, lengos de cassa fios com bo-
nita estampas a 34600 rs. a duzia, dit s
grandes de cambraia com cercaduras a
4400 rs. a d zia, ditos pequeos de cassa
com diversos desenhos a 14200 rs. a duzia.
bonitos lengos de cambraias bordadas a 14
um, coberias feitas grandes de chita fran-
ceza" a 24^00 uma, cobertores brancos de
la coa barra a S4500 e 34000 re., alpaca
preta sarjada a 500 rs. o covado, dita bran-
ca tinas a 560 rs. o covado, dita preta de
de 440 a 800 rs. o covado, seda preta a
500 rs. o covado, grosdenaples branco com
toqoe de mofo a 640 rs. o covado, japao
de seda encarnada a 90> rs o covado, finis-
sima brilhant na de listras brancas e par-
das a 640 rs. o covado.
psra seohorn 34 a duzia, superiores 'la-
vas de pellicas brancas, pretas e de cores
para bomem e senhora, grande sortimento
de bengallas, espingardas para c iancas,
brincos e alfinetes de borracha part loto, e
eorreiues para relogios -800rs., jogos de
vispora 320 rs., gravatas de seda de 200
rs. 24500 cada uma, graode sormento
de boles e guarnigoes para camisas de bo-
mem de 400 rs. a 24 cada orna, bot5es de
malreperola grande e para colines, grande
soj-timento de aboluaduras para cohetes, e
ditas de oso para palilots e colines, groza
de botoes de osso para caiga 240 ss.,
pegas de fita de sarja de cores sem beira de
n. 1 700, ditas de dita de sol m estreita
e 1 rgas e 240. 50O rs. fSCM de fitas
da veludo estreita preta 640 rs. ditas
largas, e muitas eutras miudezas q e dei-
enfa do-
lamos de mencionar por se toraar
nho.
Este estbelecimento acha -re ab9rto desde as 0 -boras da manba a* 9 da traite.
15Ra da Imperatrizlo
EMPttllIO CWfOfKRCIAIj
ULYSSES & IRMAO.


Diario J Pernambuco S**gti tul ieii i le Jtftfho *! 1*71
'

*

LrfMA
O
CYSNE
64 RA KA IPERATRIZ \ 64
DE
FIOEREDO ft LOPES. t
Os proprietarios deste novo estabilecimento. certos de que o meio de adquenr
noraarosa freguwia vender barato, servir bem e haver sinceridadade nos tratos, nao
dos afastamos deste camiobo pira bera crre.*pnder 10 favor que nosss numeroso
freguezes dos tem dispensado.
Cono ainda temis algunas fazendas das primeiras compras, resolvemos fazer
redocio em algomas dellas.parao que chamamos a alterco do respeilavel publica :
SETiNS.E GROSDENAPLES DE CORES.
Temos para todos os precos e qualidades.
YJrosdenaple preto.
Recebemos novo sortimento e vendemos
por man< do qoe outro qualqoer.
Lias S a boya.
Aindt temos om resto desta linda faten-
dl e para acabar vendemos por 900 rs.
C >nes a Minerva
Ainda tem 'S alguns destes li-idos cortes,
om listras de seda, rom 19 covados, pan
acatar vendemos por 05.
Cortinados.
Recebemos aWro sortimento e vendemos
por 84. 95, m, m, *84 e Sil, %ada
P".
Cambraia para cort nados a IO| a peca
ccm 20 varas.
Dita Victoria de 40 at 8O0O a peca de
8 varas e meia-.
Dila suissa transparente muito fina.
ORGANDYS MlANCO
Temos recebido novos organdys de
4|500 rs., ditos de 6| e 8J0OO, est olti-
bo tem listras assetinadas.
Esparlilhos
empellas muito liadas para noivas,
barato preco de 30 e 30500 rs.
Poupel as de ores e brancas omito
lindas.
Cimisas de meia a 90000 a dazia, pe-
chincha.
Cambraias de cores.
Temos o melhor e mais lindo sortimenlo
de cambraia de cores a 300 e 560 rs. o
metro.
MEIAS.
Recebemos meias muito finas tanto para
seuhoras orno para bomens, meninos e
meninas.
Chapeos de sJ.
Recebemos chapeos de sol cotn cabo de
raarfim que vendemos por 135 185000, di-
tos de cabos" de canna 95, 115 e 145000.
Cortes de cambraia de cor muito lidos
e com babados com seu competente figuri-
no, tem 18covados por 85000.
RASQUIAS.
Recebemos basquinas de seda ricamenle
enfeitadas que vendemos por biratissimp
preco.
Ves.uarios para meninos.
Recebemos vestuarios de fust3o muito
Recebemos novo sortimento de espartilhos bem enfeitados que vendemos por 45500 e
Ingleses muito grandes, sao de lindo. :;:, fil branco bordado muito fino, dito
Vestuarios para baptisados, bordados com salpicos dito preto com salpicos e liso.
Cambraia abena a imilacSo de croch de
cores e branca.
RRINS.
Recebemos o superior brira de Angola,
dito pardo para lodos os precos, ganga fran-
cesa a 5oO rs. o covado, superior.
Pannos finos.
Temos pannos pret s finos de 30500 at
mBlo linaos a lOiOOO, barato.
Camisas francezas, inglesas e snissas de
25 at 45503 rs., ditas bordadas muito finas
de 85 ate 104000.
MECEJANA.
E' urna fazenda branca mnito linda e fina
para vestidos de senboras, tem a peei 30
jardas e costa 185 e 225000.
Panno abretanhado largo e barn. peca de 05500 rs.
20 vara a 1(0 Recebemos casemiras de cores para 35
TAPETES al* 30300 rs covado.
Recebemos novo sortimento e vendemos CHITAS-
muito barato. O Cysne tem o mais lindo sortimento de
Temos grande sortimento de saias bor- chitas para todos os precos e qualidades.
dadas e vendem mnito barato. i Barfges con listras de setim com lindos
CORTES DE LA A SIMIRAMES padrees e muito modernos.
E' urna linda fazenda com o enfeites Crotones claros com lindos padres e
correspondentes, guarnecida a saia corn cores fi.vas pelo baratissimo preco 440 rs.
orna franja de seda na oawa, ven de-se o covado.
por 405000. i Luv.s frescas de pell'ca para homens e
Cortes de cambraia branca aberta, bor- senboras do acreditado fabri ante Jovin.
dadas muito lindos, vendem-se por menos Fazendas para luto rendemos por monos
do qoe em oulra paarle. I que em ( ntra qualqoer pane.
Ditos birdados na barra, de cambraia A pacas, cantoes, princezas, bombasinas
transparente,por-85000, mui^ barato. cambrah preta, ? te. etc.
Oeixaaos de aouunciar moitas ootras fazendas por n|p se tortfar extenso e en-
JadorJbo aos nossos fregoez'g.
jRua 'Ja Ifiperalriz u. 64.
fMIIEDO & LOPES.
HYDROLEO LiTHOTRIPTICO
AJSTW IUIi:iUTICO E GOTTOSO
ESSENC1ALMENTE EFFICAZ E INFALLLVBL EM DESTRUIR AS AREIAS E
EVITARA SUA FtitlMACO
Guiados pelas indicacBes de amitos abalisados chimicos, e mdicos dislinctos, que
se deram ao estudo e averiguc3o das causas que prodozem os p.decimerrtos de rheu-
matismo, golta, ardas dus rins, oexiga, finado, e d'outras tisceras; e aos ensaios d >$
meios preprios para cural-os, chegam-iS a obter om remedio, que nunca desdisse a sua
actividad contra os ditos padecimenlos.
Nao nicamente bascado em tbeorias que tinto avantamos, mas tiro nos satis
factorios resultados obtidos da sua applicac3o, nas innnmeras experieocas, que com He
Asemos ; e deste modo, seguros de seos bepeficios elidios, afouiameote o recommenda-
moss pessoas q e soffram algumas das molestias scima dius, ou de alguns outros pa-
decimenlos do apparelho urinario, taes como o diabtico, glycosorico albominurico
etc.
Escasado seria observar que se n5o pode designar um nnmero determioalo de dses
de um medicamento para curar todos os individuos que padecam da mesma modestia ;
pois que a cura est dependente de diversas circomstancias, inherentes d tural ou compleico, de cada nm delles; mas comtudo, certo que o hy trptico anti rhettmalico e ijottoso prodcs sempre a cura desejada, qundo se persista tm
loma lo o lempo preciso para oble-la; devendo ter-se em vista que quanlo mais invete
rado est o mal mais se deve insistir na applicacao do remedio.
Podemos tambem afGancar que, por mais continuado que se ja, o uso deste reme-
dio nao causa de.-amnjo algn nas vias digestivas, mas antes, pela propriedade eminen-
temente tnica, que tambem possue, fortifica o estomago, torna mais facis as digestoes
e, nio piucas vezes, tem feiio desapparecer diarrhea, que eram entretidas pela debili-
dade geral do app reino digestivo,
* MODO DE USAR.
Tomara te do hydroko lythotriptico, nos primeiros qualro ou cinco dias, duas co-
Iberes de sopa, em agua assucarada, leite, cha ou cal om leite, e mesmo sem misto
ra algom;, r.a occasiao do almoco, e outras ao principiar a jaotar.
No quinto ou sexto dia e seguintes, tomam-se do mesmo mododit), tres coiheres
de cada ves.
Se as ourinas da pessoa doente depositam grande porcao de areias; se as dores
nepbriticas, rbcumaticas ou gottosas sao constantes; em fim, se os padecimenlos sao
fortes, tomar-se-ho qualro col be es de cada vez, oa tres vezes no dia, a tres colbere
de cada orna.
Quando as areias, ou outros padecimenlos. tem diminuido, lorna-se s primeiras
dses.
Pelo uso do Hydroko Uthotriptico vio sendo mais rarosoapparecimenlo das areias,
. s dores nepbriticas, rheumaticas e goltosas at quede todo desapparecem: oeste ponto
pode dispensarse o remedio: e ulii, porm, como preventivo, tomar cada semana urna
ou duas dses delle.
Pelo que respeita alimentado, leve ella ser regn'ada de modo qoe nao sobrecar-
regu o estomago, e em quaotidad lal que possa ser fcilmente digerida.
A melhor bebida sem duvida, a agna pura, mas tambem se pode usar de viouo
simples ou pouco alcoolico. De ceneja e vinlios fortes, poucas veses.
Sobre todo o que muito rer.ommendamos, grande exercicio, sem fadi^a, pois que'
elle muito conlribue para a rapidet da cara.
N. B. Depois de lirar-e do frasco a p;:rco que se ai temar, deve baver o.maior
cuidado em o arruinar immedialainenle.
nico deposito em Pernambuco
Pharmacia americana de Ferreira Maia d C, roa do Daqoe de Canias n. 57, (an-
tiga do Qoeimado.)
FAZENDAS BARATAS
NA
LOJA DO PAPAGAIO
A' na da Imperatriz n. 40, esquina do boceo
dos Ferreros
DE
MENDES a CARVALHO
Os r.ovos prop'irtaii s desle bem conbecido estabelecimenlo, avisam es tes
nnmerosos fiegoezos e com especiadade s excellentissimas familias que acabas de
receber nm novo sortimento de fazendas modernas e de esmerado Rosto, de sdr, lia,
linbo e algodo. que vcnder3o mais barato que qualqner outro estabelecimenlo ; assim
como veDdeiio as j existentes pelo maior preco que encontrar em, para nao accnmul-
rem as antigs comas modernas. Portante, p:evinem s excedentsimas familias amigas
da economa domestica que aproveitem a occasiao de, com pequeo dipendi, pooe*
rem refazer-se de qoalquer fazenda que precisem.
Declaramos < s precos de algumas fazendas, para provar o que dizemos.
Madapcldes de 4, 5, 6, 7 e at 105000 a pe;*.
AlgodS linbo de 25500 a 85000 a peca.
Chita a 1G0 rs. o covado.
Corles de < hita para vestidos a 15600.
Iv azinbas de dilirentes qnalidades de 320 a 500 rs o covjde.
Coi les de percalas com 14 covados a 55000.
Dit-s de cas8*s, padres miudinhos, a 25500.
A'pacas com flores de todas as cores a 400 rs. o covado.
Chitas ixas cor de Ivriu, de cor lixa, a 360 rs o covado.
Coi tes ile c3fsn com salpicos de cor a 555'-O.
Ditos de ciWbrefo branca no dados e de salpicos a 65000.
llames de la de core? modernas a 45000.
Lencos cbi zas braceos e de cores a 35 a duzia.
Ditos brancas de cassa a 5 a duzia.
Chales de m-r n lisos e estampados de 25500 a 5500 .
Colchas d fuslao, grandrs, brancas, a 258nO e 4(XXJ.
Oraoiiit's de linli de 24500 a 25000 o metro
Algodao ifcstdo liso e trancado de 15 a 15400.
C'.h'bas de fu-to de cor de 25500 at (>5cOO.
Rrins oe Ri.bo t>s>as de cores de padr s mides e grados.
Bielas de todas ..s cores a 600 rs. O covadf.
FLinelUs d-! c es a 640 rs. o covado.
Para luto
Princetas pretas a 640. 800 e 15000.
Laaziribas pretas a 440 e 500 rs. o covado.
Cascas pritas a 650 rs. a vara.
Cbilas pretas 300 rs. o covado.
Alpacas pretas a 5s.O, 600 e 800 rs. e covado.
Bombaziuas, lisa e trancada, a 1200 e l#8( O o covade-.
Meri.s Iracados e de cord3o para d.fferentes precos.
Oiitras muitas fazendas, como' sejam : atoa'hados de linbo e argodo, giar-
pos pardos e braucos, algodao enfeslado !i;0 e trancado, bramantes de Imho e algodae
para lenges, cortinados bordados para janellas, flanellas e damascos de t idas as cores.





Offieina de alfaiate n loja do Paaagaio
Alm de haver um grarde sortimento de roupa feita de todas as qualidades, Unto
de bros como de casemiras, ca'cas, colletes e pahtots, ba um bonito sortimento mo-
derno de CASEMIRAS de cores, proprias para a estacSo, e corte de gorgorSo par.
colletes.
Panos finos pretos o azues.
Ca-emiras pretas muito finas.
Bros trancos Je linbo de todas as qualidades.
Ditos paidi s trancados e lisos com listras.
Ditos de cores de todas as quididades.
Seroulas francezas de linho e algodao.
Camisas francezas e malezas, bordadas, com pregas, com collarinb^ e
Ditas de meia de differentes precos.
Ditas de fianella, brancas e de cores, para usar por baixo.
Ditas inglezas para meninos.
Chapeos de sol de seda paia 8, 10 at 185000.
Collarinhos e punhos de linho.
Grande sortimento de gravatas, mantas de seda pretas e de cores, e um especiar
sortimento de popelinas de cores, dos padres mais modernos qoe um vmo ao mer-
cado.
Foruecem-se amostras ou mandam-se lev.fr pelos eaiieiros.
sem elle.
S ?
B
., ea.
n c
te
H
o.
s.
e s
< o
w>2_
a; o
i!
T3 B
o v.
ce
a
-i
5'
s
Nonca se vio om proeesw raaij perfeilo e que ai-
mja de tal forma a satis fazer as exigencias mais
everas da scripHiraao.'
A sai car l:D do algum par m conservar no tinteiro sempre
com a mesma tr, um borra, crosta. belor oa sem
todas estas maiell.is inherentes a (odas as tintas
al agora conhecidas, ainda mesmo dos melhorcs
Mtore etanf>ir*s.
Sobretodo, este eitlnavel pradodo nao ataca as
peonas de u<\ antes pelo contrario, a peana
adquire um esmalte dourado qoe, stndo inieres-
sante, 6 aasis proveitoo.
Bata tiota, nio sendo espedalmente rara copiar,
d eotnlodo duas, (res, oo mais copias um ez
Jepois de escripia ; precito, porm, deixar-lbe
o papel bem msliudo aera o enxogar cora o mata-
Mrrao, porttae ufa ha o ri-co de borrar. Para se
tirar mata de ama eiiia, nio se tffltmeran tan-
ta* folhae fuaotas copias se qtwroin tirar, mas
vae-se como original Orar urna (aulas qcaolas
e detejam, se.a que a original fique prejudicado
pelas extraeOs.
Occorre aqu dlzet qoe. para copiar importa
aMfcM iateltyjilteU 4 HtMeM, seti 4 qe a me-
ato tinta a> satisfaz, fcfcilo recae sempre
obre a UuU, a/ae maitai ateas* quem menos
colpa teoi.
A (hjpft'fialMtde det troU extremamente
apreciaveL m ajjaw hu > t e)ua^tfr es-
criptorio haja mato do qoe ama Uau para os di-
versos mi-teres.
Emqnanto soa darabilldade, nio ha a oppor
an>ewTrta4l}owi n tm depais*> es-
cripta stifTre o chnqoe de cidos forlisstmos, sem
se decompr; en, se os cidos nio tem accSo so-
bre ella, muito meos a accao do tompo a peda
destruir; isto plansivel.
Nio a o commerciB que este men producto
velo ser mil ; os professores dos colleglos, invest
gando todos os meios para o adiamntenlo dos
seus discpulos, tem approveitado esta tinta, qoe
com razio a acharam apla para desenvolver o
posto nos educaudos, em consequencia da belcza
da rr e facilidade de correr na pequea pera soa
liquidez. Ha xemplos de enancas qoe havi
mnito lempo tiobam urna repugnancia extrema
para a escripia, logo que foi admillida esta tinta
no coliegio, apoderou-se ddlasj curiosidade e o
go: to, e ponco tempo depois o seu adiantamento
era manlteslo.
Bsta tinta, par de tantas vantagens, tem nm
nico inconveniente, deteriorase ao contado de
ontra qualqoer; c^nvm pois te-la em tioteirr
sontos do menor visluu.bre de oo'.ra tinta, e evi-
tar escrever eom a peona su}a de urna preparadlo
diiTerente e incompativel; verificando isto, nao ba
razio para s usar de tinta qne nio seja a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTESRO.
Observado,
Diversas faltificacogs e semelhancas tem appt-
recido, coja dnrabindade *, dovidosa. Os Srs.
compradores polen evitar o engaao dirig ndo-se
A es'sas cireomepecia, tediad flatt qu o
fabrico
L C. Mortieiro.
II
1
ll
si-
sao finalmente chegadas a esta praca pela segunda vez as verdadeiras prepara^e
do Dr. Radwat A C. de New-York.
Depois de alguns annos, emque as falsificares de Haroburgo e mesmo de New-
York tiveram entrada neste mercado, aproveitando-se do bem merecido conceito qot
estes remedios baviam alcancado por seus maravilhosos effeitos conseguiram introduzir
se, illndlndo o publico incauto, com nma reduccSo de preco, nullifcando o verdadeirt
mrito destas admiraveis preparaces, imitando as verdadeiras; porm desacreditan-
do-as com seos nnlios effeitos, lembron-se o aotor de fazer a declarado abaixo, e s
dar diplomas aos que ven 'erem os seus legtimos preparados.
Previna-se o respeitavel publico de que as verdadeiras preparaces do Dr. Ra-
dwat s se vendem nos depsitos cima declarados e trazem om rotulo igual ao destt
anntmcio.
Nos abaixo assignados, declaramos e certificamos, qoe os Srs. Raymondo Carlos Lei-
te & IrmSO, da cidade do Rio de Janeiro, no imperio do Brasil, sao os nossos agente.'
geraes, pela venda de nossos remedios, tanto no dito imperio como oo reino de Porto
gal. Noticiamos ao publico, qoe n5o se podem obter os remedios do Dr. Radwat dt C
(e qoe sao preparados no laboratorio do mesmo doutor oa cidade de New-York noi
Estados-Unidos), senao das pess> as qoe podem produzir a presente certificacao e attes
tacao e qne a prodozem, subscripta e assigada do Dr. RaIvwat 4C. e dos Srs. Ray
mondo Carlos Leite & Irmao como ao p. Todos e cada um dos remedios do Dr. Ra-
dwat & C. sao acompanbados de cdulas smelhantes as qoe parecem ao p desta cer-
tifleac-ao.
Examine-se bem a assignatura da firma do Dr. Radwat dt C. ao p da present
sertificacao.e compare-se ccm o facsmile nas cdalas com todos os frascos e caixinba
Radwat d C.
... r
Vb4*-s* na ra do Bario da Victoria, oo-
tr'ora ra Nova n. 49, o amanen) de ionca ana e
ordinaria, a qoatqucr pessea que se quizer esta-
belecer, a dinheiro, en com algum prasocom ga-
rante a vontade do prrpri.urio ; no mesmo ar-
mazem, vende-se a dinbeiro i vista, aipareibos
para cha de porcelana, dourados e de f.taos Vi
cores, ditos de porcelana branca, apparelbos pa-
ra j-ntar de pe re- lana branca, ditos para janiar
de friso verde e azul Inglez**, diu>s para cha, va-
sos de porcelana para floras, compoteiras, farra*
fas, copn para agua, clices para v.ubo etbara-
panlie, de cbrystal e lapidada finos, e ouwas
muitas pecas qne sera enfadoaho mencionar por
exteoco, qoe se vende por menos do qoe em oa-
ira qualquer parte de $ a 10 por cerno, per ter
o dono de acabar coa o e tabekcimeato.
Vende-ae um excellpnte, cofre i prova da
fog: tur ras Duqne d Caiiis n. M, oafr'drl
Qiainaaao,
Azeite de peixe
Veode-t aserte da psixe m barris: a trilaV o* Bmbolomeu C. taf) Urga d RotM* BO
IU 4 faafaratfiz A. O,* d Pavia. aVfia 34r>
<.KA\I>I
vmm
Na ra do Crespn. 20.
Ghttaa a orna s cor propria para a praca, e*r
de cinta e cor de ganga, muito Indas a 6300
ts. o covado : na loja de Goilbsrme Carneiro da
Cotra.
Oura rpida e ladical dos
calaos
pela pomada Gaiopau
flist paawta qoa lo botas resultados ten come
da a* paweaa ehegar para a sea deposito especial.:
KA
WjatUJter e droiaria
M
g ATTENpAO
FLOR DE OUBO
Forte mana de r.nnunrarl vive o Diario de Pernambuco heio de sltenct^s, Ten- 9
g de-se islo, vende se aquill. e urna infinidade de coasas s para raassarein a alieocap do jS|
* respeilavel puhco no eutanto, os proprietrios do novo e bem montado estabelecimenlo de *
| joias, intituladoFLOR DE OUitOsilo ra do Rosario larga n. 21 A leudo preparado ebm S
(oda a elegancia e gosio nao vera para o cooceituado Diarto de Pe>nanibvco apregoarqne *
I tem as melbores joias deouro, prata, brilhantes e mais pedras preeii^a-, ludo da ultima fg/
^ moda, e que vende mais barato que em qualqaer entra parte, se elles quizessem seguir esta
rotina de annunciar, diriam que estao corapleamente sonidos de bellos aderetos, cadeiai
para retogios, anneis braceletes e urna infinidade de artigos que ser eoadonho mencionar
5 e que f com vista poderia o respeitavel publico e com especiadade as Exmas, Sras, fre
St queoiando dito eelanelecimenlo, a sua vontade apreciaren).
%mm:mmmm*mmm -m-mmmmmmmmmmmmmm
BAZAR DA MODA
DE
JOS DE SOUZA SOARES 4 C.
Grande exposi^o
Especial sortimento de fazendas de algodao, linho, i5a, e seda, de todas as qoa-
dades.
Artigos da moda elegante, tanto para senboras, como para homeos e meninosv
Completo sortimento de miudezas finas.
Grande dep silo de perfumaras dos nais aflamados perfumistas da Europa.
Variedade em objectos de phantasia para mimos.
Nova remessa de ricos litros para missa com encadernacSo de velludo, cbarSo
esmaltado, e madreperola, tanto para senboras como para meninas.
Bello sortimento de lindas e modernas joias de ooro, como sejam : cadeias par
relogio9, medalboes, meios adereces, brincos, broches, braceletes, collares, e abogade-
ras para camisa.
Ricos esputos grandes com moldora doorada a ooro fino.
Bollas panormicas brancas e de cores, proprias para jatdins e cornijas de casis.
Assim Gomo temos a venda orna bella e perfeita embarcado de guerra, symboK)
da corveta S da Bandeira, e ama caiza com rica mosica de pente acon>panhada d*
timbres e rolo, tocando com a maior perfeico o hymoo do Brasil, Vida Parisiense,
Marco Espada, Flor do Cha, Fausto, Perichulle, os Dragues de Villars, e Viagem a
China.
HJ. aoRa do Bario da victoriaJf.
(Esquina da de tanto Amaro).
*?
LOJA DA CONQUISTA
Ra do Cabuga' n. 6
DE
ANTONIO FRANCtSCO DOS SANTOS & C.
sortimento de objeotbr
Esle novo estabelecimento acaba de receber um grande
id gesto inteiramente nevos, a saber:
Un hado sortimento de popelinas de
e^a, desenhos e cores especia es. 8.
Nobreza de seda preta e de cores.
Alpacas de cores, de lindos gosto.
L3a e seda eom listas assetinadass pre
Carobraias brancas, para todos o
Cos.
ColchaB
de lia e seda para cama.
Ditas de Croch! ptrn '''"
PaMM de crochet para cadeiras e so-
l!.
Roa en xo vais para ba plisado.
Rico cbapaoa e chapelinas para senhDra,
jwlbar a detejar.
Qriaodioa branca, fazenda muito pro-
ra para vestid de ptiantisia
v Ricos cortinados bordados para caara
janeila.
Saias e camisas bordadas para sermor.
Camisas bordadas e lisas para harnea.
Bramante de bobo e algodfo.
Brelaohas e esgmo.
CatnhfSi* ,1a duas lirgnrsu.
Lenes de cambraia de Kobo.
Afiliados de panno de qoadros ptf
mesa.
Guardanios e loalbas de linbo.
Liados fastSes do eores para vesardaa r
a elies antes qoa se acabem, qoe prefj a
baratissimo.
Tapetes grandes e para gaamiclo da das.
i
Chitas finas, claras e escora'
O oropriatsrios da Conquista prestaavse a ir ou mandar com qualqoer objeta
cata que pan i'sso Ibes uandem anicimente o nona da raa e Hinefo Cr-


Diario de Pernambuco -* Segunda feira J7 de Julhc de 1871
ASSEMBLA GERAL
JFtrO DO PODKB EXECUTIVO SOBRE O ESTA-
UO SERVIL.
Primeira parte.
(Conclatao.)
EMENDAS. .
PARWKK DA COM.UISSO MOMEADA PELA CWI V
IIA B0S DEMITADOS PARA ESTDAR O PM
PROPOSTA.
*'2 Para, o;itro>im. regular as felo'.j
dos Dromolores.pblicos conformo o arti-
go 7, .
3o Para impr multas al 100. a
prio at uoi raez, no? regulamenlos qie
fuer para execugo desta lei.
Arl. 10. Ficam revogadas as dispon-
en) contrario.
Rio da Janeiro, 13 de maio de 1871.
Tkeodoro Machado Freii e Pereira da Sil cu.
Sal das sesses da cmara dos.deputados, em 30 dejunhode 1871. Joaqun)
de Pinto Campos.Rni/mundo Ferreir dr Araujo Lima.L-z \ntonio Pereira Fran-
co.Jodo Alende i de Almcida.Angelo Tlioma: do Amaral. .
UTTERATURA,
REFORMA ELEITORAL.
Nos governos livres, nao so os govern ra-
les, como os g vernados, tem obrigago de
conribuir coru o sen coolmgente ue Mas,
quando se projecta qualquer reforma, que
coru ellas tenha relago.
Sam a lonca preteogSo de eselarec t
cousa alguma, mas smente para cuuv i
quolle dever, escrevi tres cartas, e loinai
a delnerag.o ele publica las, com relaC'i)
a reforma el-otoral, incluida no programma
de reformas do actual gabinete ; sendo d dirigidas ao Exm. ccnselheirj Nabuc-o, Dina
i II do pasiado, e mitra com dala de hoj .
e a terceira ao Exm. conselbeiro Z cari is
em dala de 27 do me mo passado me/..
O ponto .principal de m nha those c o
systema eleitoral das proporcionalidades,
por mira, nao sei se creado, mas dado,
pela primeira vez, a publicidaJe, no Diaiio
de Pernambuco n. 220 de 30 de seteralro
de 1883; ja* redizido projecto de lei
no mesura Diaiio de 8 de maio de 1803.
Assim, rogo aos Srs. proprietanos do Ma-
rio de Pernambuco o obsequio de fazermn
abaixo deste a publicaclo das mencionadu
cartas, j que loram elles, que, pelo vehi-
culo io seu importante Diario, deram cir-
culagioao meo trabalho de estra.
Recebara esses Srs, por si e por scu f-i-
lecido e memore i el pai. o meu eterno re-
cenhecimento.
Kecife. 10 dejulho de 1871.
Nabor (*arMiro Bizera Cavalcinli.
Illm. Exm Sr. senador Nebuco.Acos-
tumado a ouu.- com respeito a palavra de
V. Esc. siolo-ma contrariado pelo dev.tr,
que me occorre agora, de emiitir opimo
opposta ao p nsarxenlo de reforma eleitoial,
enunciado por V. Exc. em smi discurso ao
voto de grabas.
Nao quero me fazer dissileote do ceir
liberal, que o apoiou, e ao quel "lambeta
respeito; nem celebrisar-me pela efouteza
de discrepar de V. Exc. em poni t5o me-
lindroso do programma liberal, offerecido
ao paiz.
Gumpro apaas o dever do crente, que
) pode ser ontro, sen3o o de defender a
f, quando ameagada, por quem quer, e
por qualquer modo, que seja.
Como renle, considerei sempre dogma
de f polticaa soberana nacional ; e
como crente anda, nunca pude crer, que a
origem poltica deste poder collectivo re>i-
disse na superioridade accidental das cas-
sesmeramente civis.
Na liberdade e na ignaldade primordial
de cada membro nato da associagio polti-
casempre acreditei existir a fonte legiti na
daqutlle poder,
Prescindir d astea dona ageotes originarios
do poder poltico no systema constitucional,
ou apoiar o mechanismo deste na Agora la
superioridade de classes, abjurar a demo-
cracia, aplaudir, o privilegio, e proclamar, e
soL> ranis Mis o systema eleitoral d-recto censua-
rio., prepondera, porveotnra, para a verica-
cio desta hypothese ?..
Sem duvida alguma !. porque assen-
taodo o voto eleitoral nicamente no censo,
no tributo de cerlo e determinada or I jiu, na
fixagio mnima de urna renda liquida nao
attngivel por todos, tira de facto ao cida-
cao pobre, da livre classe proQssional do
trabalho e da pequea industria, e conse-
guintemente ao povo era sua grande inai >-
na, o dre lo poltico de delegado.
Com esta excluso de facto, e conferido
nnicamenle minora contributara da asso-
ciago e direito de delegado, ou o voto
eleitoral, nio se poder dizer, que os pode-
res polticoselementares da soberana, d
legados per aqueil so minora, diminuto
por cerlo em relajo a toda a massa acti-
va dos cidados, sejam do justo delegaco
da Nardo.
E se o dogma liberal Bca, por esse modo,
quebrantado e corrompido em sua substan-
cia, de inluicio, que o systema poltico,
que nelle se honver baseado, ficar tambem
completamente adulterado, adoptada a re-
forma eleitoral no sentido daqoelle systema.
Assim, se a nossa constituido poltica
nao bouvesse nos arts, 90 e 91 precisad')
o systema oleitoraI theoricamente conhaci-
do como contrario ao directo censuario, e
mais conforme, pela quasi universalisaco
do voto, ao dogma da soberana nacional;
bastara interpretar-mola no harmnico de
cutros artigos para chegarmos conclusa i
e evidencia de qoe inconstitucional
aque le systema da p-ojectada reforma.
Se a nossa constituido no arl. 3 d'eu ao
nosso governo a forma complicada de Mo-
narchico Hereditario, Constitucional e Re-
presentativo, no art. \i reconheceu-lha a
origem exclosivamente nacional, pronun-
ciando em termos dogmticos a asserg3o de
que : Todos os poderes polticos no Im-
perio do Brasil sio delegares da Nac3o.
Seria absurd suppor-se, qae a nac3o,
qaal cabe o direito de dilegac3o por este
artigo fo3se, no sentido constitucional, enli-
dade imaginaria, diversa d'aqoetla, que pelo
art. constituidalivre e inddpendente
pela associaclo poltica de todos os cidados
Brasileros ; e que essa totalidade di ci-
dalaos, de que falla este artigo constitucio-
nal, nio teja aquella mesma, cujos direilos
polticos se acbam descriminadamente cas-
sificado) em otros artigos tambem consti-
tucionaes, bem como a possa effecliva, a
parda, exlea-ao, limites, modo. suspensSo
e p'ri vaca i do sen exercicio.
Da ndole e combinado do nosso syste-
ma poltico d Jduz-se, pois, lgicamente a
incoBStiiUvionatidade d'aqnelle systema elei-
toral : e M pelo artigo 178 por V. Exc. al-
ladido em seo discorso, nSo fosse esta pre-
: cisamenle definida, daveria scl-o doutroal-
I ment?, e sellada pela escola liberal; qaan-
do nao juntamente por ambos os part'dos
constituciooaes, e por todos os ci ladaos bra-
, sileros, qoe pelo livre exercicio dovot)
presta formalmente adhesSo ao nosso sys-
! lema politice
Tirar ao cidadSo o vot i, quer directo,
quer indirecto, ali-malo da const lui?5o,
!privando-o da libe-dadi de prestar assenti-
ment'j esta; e dd exercicio em exercicio,
entre deccpc;5es e esparanf is. radicar em
seu animoverdadeira adbe-So forma es-
tabilecida no art. 3, e copulativamente aos
! seus corolarios.
Sob esse ponto de vista, dando-se peri-
() na onm de giverno. otn a adopto do
[ .-yslem eleitoral censuario -, d-sc mais
ainda esta razo poltica, que dever servir
' ile sello a irncontituconalidade deste sys-
tema.
E n5o se diga, que esta raz3o frivola
e pueril; porque na propria Inglaterra,
transida exempio por V' Exc-, onde a so-
berana mconal encontra resistencia don-
I trinara no elemento hereditario danobresa
e nos privilegios polticos, de que este goza,
1 muito influ) no animo d >s legisladores, de
terminndoos, as oljimas reformas eleito-
r^es, i biixar o censo, e chamar ao exer-
cicio do voto milhjs de individuos, que
at enl3o se achavam privadas desse di-
reii. .
E sena Inglaterra, onde os hbitos e pre-
jaizos da liberdade aristocrtica se achara
inoculados em todo o mechanismo governa-
mental, j se reconlieceu, por lei, o alcance
poltico d'aquetla nzao, ampliando-se a ba-i
de apoio ao governo estabeleci io; entre
nos, que se ba de ter ella pur frivola,
leulando-se o inverso do exemplo ingle/;
isto altean lose, p>r urna de1ni(3o ad
hoc a rend i liquida, creando-se o censo para
o voto, e privando-se deste militares de ci-
da )3os, coevos e por vir, qae pola consti-
t'iicSo tem estado, e dever >, por ella ainda,
estar na po3se respectiva?....
Se o nosso systema, on antes o nosso
procedo eleitoral, mo, Sr. senador, nao
na adopc.o do censo, que se ha de en
cootrar o remedio, nem t3o pouo na forma
directa, j por nos assaz condecida oas elei-
Cs de vereado-ese juizeJ de paz.
O remedio, quanto a raim, humilde e
obscuro opinante, est na abolico da injus-
ta pratica da exclusiva representarlo das
maiorias.
Digo injus'a. pirque, se a soberana na-
cional tem a sua fonte no direito poltico do
cidadSo, c mo cima disse, privar a maio-
ra destes de se fazer electivamente repre-
sentar, e de delegar seos poderes, pelo s
facto accidental da inferioridaee numrica,
, por um lado, feril a em seus direilos na-
tos de associacSo, e por outro mancar a
mesma soberana.
O systema parlamentar, e com este todo
o mechanismo, ressente-se profundamente
deste vicio : e os partidos, por sua vez,
gastam-se, e exhaurem-se, convertendo o
simples antagonismo cas ideas, em lula re-
nhida e desesperada de vida e morte.
E como nao ba de ser assim, se o que
der um voto de menos era cada circuns-
crpc5> eleitoral ha de ficar na passividade
absoluta de trocar, sequer, as cmaras as
suas ias com as do seu adversario ?
Mas o remedio para isso, dir V. Exc,
a.ida nSoloi adoptado em parte alguma. e
portinto impossivel.
PermitU-me V. E. retorquir-lh com a
forca de minha con vi c3j : que n3o im-
possivel!....
E, ao contrario, pode-se conseguir com
um processo, tto s simples, como mesmo
con Por diversas vezas tenbo escriplo sobre
este assumpto, sendo a primeira em 1852,
por occasi3o de ler a falla do throno recom-
mendando a reforma eleitoral ; e a ultima
em 1866, quando publiqusi o folhetoa
Regenerarlo e a Reformado qual enviei
correcQo de V. Exc. um exemplar.
Nesse folheto, do qual com esta remetto
amda outro exemplar, ver V. Exc. trans-
cripto, desde a pagina 99 at a pagina 108
un projecto de re' rma eleitoral, que no
mesmo Diario de Permmbuco publiquei em
maio de 1863, por meio do qual tanto os
dous partidos definidos no systema, como
qualquer terceiro, que de occasiSo se levan-
te, serSo eflectivamente representados des-
de as fregaezias, no eleitorado, at o pir-
lamento, na deputacSo, guardada a propor-
cionalidade legal, que de harmona com o
artigo 97 da Constituirlo, Sirve de base ao
systema.
Por esse projecto ver V. Exc, qoe de-
vendo o cidado quaficado posmir urna
carta de volante, qae ihe dever ser expe-
dida pelas mesas qualificadoras, para com
ella provar, no acto de otar, a sua identi-
dad e nao ser preterido por incgnitos,
ou por decisoes arbitraras das mesas, n3o
poder votar em mais de um cidado para
eleitor, (art. 9.) e em tantos ootros para
sipplenles abiixo enumerados, quantos fo-
rera os eleitores, que deva dar a freguezia.
Pelo artigo 10 ver V. Exc, que 30 vo-
tos, assim dados, um cidad3o eligivel elei-
tor, o constituir eleitor de facto ; e 30 vo
tos igualmente dados a ontro cidadao para
supplente, o iar 1., 2. ou 3. aupplente,
segundo a ordem de sua numerado
Nolo a V. Exc, que sendo da ndole do
nosso systema poltico a existencia de doua
partidos sempre militantes, e em constante
actividade, poder-se-ba reduzir o numero
intigral dos supplentes elegiveis por cada
volaote metade, e descer al um ; po-
dend neste caso cada votante (alterado o
artigo 9) votar em um cidado para e'eitor,
e em alguna ootros para supplentes, at
um s : mas este expediente, se no estado
I actual da poltica nao pode trazar grande
inconveniente, e antes tmlor faci'itacjo na
apurarlo, prejulica todava o sy.tema, e
mais tarde occaiionar outros, qae o pro-
jecto qi:iz prevenir.
Pur tal modo fcil de coaprehender,
que ctda partido tantas vezes tiver em su*
massa de .adeptos 30 votantes, quantos
ele't res, e quantos supplentes de cada nu
raaragao ordinal, poder dar na freguezia.
Pdlos arligos do mesmo p*ojeclo, tie 16
a 26, ver V. Exc aiada, que, embora se-
j >m conservados os districters eleitoraes ac-
toaim nle existentes, n5o dexa por isso o
eleitor de circulo da ser ao mesmo lempo
eleitor de provhcia, c .nforma o artigo 90
da Consliloico, e que o seu voto effectivo
n3o podando ser dado mais de um cida-
d3o para deputido. e cada um outro sup-
plemenlar a cada supplente, no grao que
Ihe onvier, pode ser c -mbinad i libremente,
quer dentro do cirmln, ( obtendo assim as
va itagens propras) quar fora delle (estn-
dendo-se toda a provincia) com tantos
outros voto; da igual categora, quantos
bastem, segundo a proporcionalidad^ prev
rieada pelo presidente da provincia, ou
prestabelecida por lei (o qua s poder ler
lugar da 2.a legislatura em liante ) pira
dar nm depatado, e um supplente de cada
ordem.
Nolo ainda, que, pela razo cima dada,
a v.iijco do numero integral dos supplen-
tes de deputa tos, pode ser reduzido. e at
mesmo supprimido. mas n3o sem os incon
venientes, qua o projecto quiz prevenir.
Por esta segunda operag, que, em sob -
tancia, nada difiere da primeira,- tambem
fcil de colligir, que cada partido dar in-
fectivamente deputar, io geral tantos depu-
iados nt provincia, quintas ani tiver nes-
ta um numero de eleitores igual ao numero
de vot)s previamente conhecido, para fazer
um diput11 o ; uma vez, que neste seniido
combiae-se a e!e3a.
Ssndo infallivel a obtenejo deste resulta-
do por cada partido, quer um maiorij, quer
en minora, alm de nao se tornar miu:.i
e falseada a soberana nacional, cessar3o os
partidos de se estrangular na hita de vida
e morte para nao cahirem na aflictiva pas-
sividade, e conformar-se-bti, para o seu
antagonismo, com os legtimos recursos, e
as forjas combateotes, qoe Ihes ministraren)
proporcionalraente os seus adeptos provin-
cianos.
A reforma neste sentido qua me pare-
ce ser de accordo com as ideas libertes,
Sr. senador, e nao no sentid > directo cen-
suario, incoherentemente inc'uilo no pro-
u'ramra i liberal; mxime subsislindo o vicio
da predominado absoluta e exclusiva das
maiorias ni representaos> poltica, t un
versalmente nocivo aos governantes e aos
governados.
Concluindo, rogo a V. Exc. qae tanca a
vista sobre as considerar oes tinaes do fo-
lheto, onde mais alguma cousa digo em re-
laco ao systema, que tenbo a honra de,
pela segunda vez, submetter exame e cor-
receo de V. Exc
R igo ain la, que, desculpando ma a ou-
sadia. digna-se V. Exc de tomar esti por
protesto meu contra a inteocao da reforma
eleitoral no supra-iadicado sentido censua-
rio, declarando d'antemao, que nao sei a
que campos me atirarei, com os poneos,
que me oavirem. se ella raalUarse, como
parte do programma liberal.
Sou com toda a coosi Jerac i e respaito.
De V. Exc. menor creado., collega e ami-
go obrigadissimo.
Racifu. 41 de junbo de 1871.
Nabor Carmiro B. Cavalcanti.
' VABIEDADE
PARLAMENTO BELGA.
DlCLSSO DA EXPOTJAO DE VCTOR HUGO, NA
CMARA DOS DEPITADOS.
O Sr. Defuseaux : Podi a palavra para
protestar enrgicamente contra o direito de
expulsao qae se aotj&cou ao Sr. Vctor
Hugo.
Antes de entrar nasti cmara, era adver-
sario da lei. contra oa eatrangeiroe. Os
meus principios nio variaram desde entio.
Enio.que bavia algans mezes, eslava
sendo o g)veroo indvente aoe manejos
bonspartistas, illudi-rae a im mesmo, coi
dando que essa lei eaiava virtualmente abo-
lida. Nibavia porm nada disto, e al-
guias semanas depois, podemos ver o
mesmo governo que loterava os manejos
bonapartistas, qae dava sob pretexto de hos-
pitalidade, nm comboio especial ao homem
de 2 de dezembro (interrupc3o na direita)
direi, se antes qaerem o bomem de Se-
dan. .. vimos, dizia, este mesmo governo
negar a bospitalidade ao Ilustre autor dos
Chatiments.
Vctor Hago liaba vindoeolo, que es
tiva ferido as suas effeicQas de familia,
as suas opnioes polticas, tinba vindo pe-
dir nm asylo a Blgica no maio dos ltimos
despojos da sua familia. Nao era nica-
mente um grande poeta que vinba para n;
era tambem um bomem a quem a sua
idade, o seu genio inconteslavel, as suas
desgranas, e especialmente o seu titulo de
deputado, devam assegurar o respeito.
Mas nem a idade, nem a autoridade, nem
o ttulo de depulado, nada nos dte ve. .
Pois bem : eu pergunto ao respetavel
ministro se algara governo estrangeiro for-
mulou urna peu'co para expulsar Vctor
Hugo. Se isto se verificoo, lem o dever
de no-lo dizer, e em caso contrario dever
fazer-nos presentes tambem os motivos que
o inspiraram. Porque talvez podesse acre-
di tar-se que o governo quiz, com anteci-
paco, dar orna pro va de apreco ao espirito
racionario que d agradadamente parece
dominar n'um paiz vizinbo (interrapcio)
Em quanto nao derdes explicicSes, tenbo
direito para fazer esta supposicio.
Diris qae a presenta de Vctor Hago
era urna causa de turbulencia ? A desor-
d im nao reconheceu por origem senio al-
gans malfeitores que, carecetido de gene-
rosidade e conveniencia insu'tiram um hos-
pede da nossa capital. (Portes ioterropebes
u'algons bancos).
Urna voz a direita : Elle qae insul-
tou o paiz.
O Sr. Defuisseaux : Nao, prestoa bo-'
raenagem Blgica, s suas institaices, s
suas liberdadas. O suppor que feriamos
podido levar a generosidade at abnega-
do, acaso insulto ? Que disse o Sr.
Hugo ? Qoe em quanto nm bomem fosse
seu hospede, o seguira por todas as partes,
o defeodena com a Sua palavra e a sua
presenca.
Eis-ahi todo o que quiz dizer.
Vctor Hago nao appellou de modo al-
gum para a desordem material qu i terieis
direito a calt-gar. S disse na sna bella
luiguagem que elle protegera o proscripto.
^Compreben o qoe urna parte pouco instrui-
da do publico nao tenha comprendido
esta caria. Mas qoe uji minisurio que
coma um acadmico ntreos sen< membros
(risos) commetesse semalhante erro, isso
inadmi-sve'. E demais, o Sr. Hugo n3o
explicou o seo pensament), nSofez re-altar
nella a sua transcendencia, dizando: Ser
orna fraqoeza o sustentar outra can ?
E parante essa fraqueza soltamos bravatas!
Pergunto-vos : isto lgico ?
Senhores, creio que o ministerio ora-
melteu urna grande falta expulsando Vctor
Hugo.
O Sr. Vctor Hugo disse-nos na sua carta
que n> se julgava estrangeiro na Blgica.
Comprazi-ine em p der dizer nesta cmara
que elle n5o eitrangeiro para nos. S
estrangeiro para o governo que pronuncion
a sua expulsao. Ao mesmo tempo rae ser
agradavel darhospitalilade ao Ilustre poela.
A este respeito, rendo verdadeira liooi :
nagem ao valor e energa, com que a m-
prenaa inleira proiestou...
Urna voz da direita : Nem toda.
OSr. Defuisseaux : Eulenda-se que
fallo da imprensa liberal e nao da imprensa
catbolica. Aaltilude desta imprensa di-no-
direito a julgar que as ideas rea donaras
nos nao iuvadiro nunca. Propoobo o
mar o seguiote projecto de ordem do da :
< A cmara sentalo a medid i rigorosa
adoptada contra Vctor Hugo, passa or-
dem do da.
OSr Cornesse, nvnistro di jnstici :
O respetavel orador censurou-nos por to
lerar os manejos bonapartistas. Protesto
contra essa aecusac i. Concedemos s vic-
timas do rgimen imperial a hospitalidade
amp a e generosa que a Bdgica n) tem
negado a nenhumi das victimas das revo-
luces que nesles ltimos annos se leem
marcado to tristemente na historia de um
paiz vizioho.
Muito me admirou ouvir criticar o Sr.
Defuisseaux o acto que o g verno levou a
cabo oestes ltimos das, vituperar a gene-
rosidade que o governo sean para com os
emigrados de 1 i de setembro.
O Sr. Defuisseaux : Nao disse nida
disso. Disse que essa generosidade me
fez acreditar que a I i de 1835 estiva ab i-
lida completamente.
OSr. Cornesse ministro da juslifi:
Ponbo departe essa questo,e rastiiujo-me
ao que motivou a interpe hcSo.
A carta do Sr. Vctor Hugo produzo no
paiz uma viva coramoco, levantou um sen
lmenlo de profanda indignar;'io. (Costras
de adhes ). N3otenbo ne:essdade de in-
dicar as tbeorias singulares e pergosas que
nella se deseuvoivem. A consciencia hu-
mana protesta, por ex era po contra a ailir-
mativa de que os venc los da Pars sao
bomens polticos a quera devemos dar hos-
pitalidade.
NSo, n3i s3o bomens polticos esses ban-
didos, esses assassinos, esses incendiarios,
cujos crimes espantara a Europa. Nao fallo
s dos insurgentes dos autores malerlaes
destas perversidades. Ha raaiores crimi-
nosos anda, e sai os que toimam, toleram
e ordenara esses factos: estes sao os mal-
feitores iolellectoaes que propagam nos es-
piraos funestas theorias e provocam a lata
entre o capital e o trabalho. Eis abi os
grandes e os nicos criminosos. Estas
diseol vales theorias le van tara m o sen timen-
to publico em toda a Blgica.
A carta do Sr. Vctor Hugo continba vio-
lentos ataques contra um governo estran-
geiro com quem conservamos as malboras
relaces ; a este governo se aecusou de
todos os crimes ; nao se fez excitaejo al-
guma ; temos devers a cumprir. Na > foi
preciso provocar a nossa iniciativa.
O Sr. Vctor Hugo ia mais longe. A
carta continba um repto ao governo, as c-
maras, a soberana nacional da Blgica. O
Sr. Hugo, estrangeiro no nosso solo, pe-se
audazmente diante do governo e da repre-
s-ntacSo nacional, dizendo-lhes : Preten-
dis fazer tal cousa ; pois bem, nao a fa-
res. Eu vos desafio. Ea, Vctor Hug>,
obstare a isso. Vos (eris a le comvosco.
Eu tenbo direito pela minha parte. Pro
jure contra legan. Esta- a miaba m-
xima.
Nao verdade que o Sr. Victor Hng,
qoe um desterrado voluntan >, ao tomar
esta attitude abasava da bospialidade ?
Sim ; Victor Hugo uma notabildide
Iliteraria ; talvez o primeiro poeta do se-
cuto XIX Mas quanto mais alto est col-
locado um bomem, maiores faculdades Ihe
concedeu a Providencia, e maiores exeraplos
deve dar do respeito que merecem as con-
veniencias, as leis e as autoridades de un
paiz qae nunca traScou com a protecejio
devid i aos estrangeiros.
Sim ; a Blgica uma na(3o hosptaleira,
mas mister qae os estrangeiros acolhidos
a essa hospitalidade saibam cumprir as
obrigaces que ell Ibes impa para com o
paiz e para com o seu governo. Este, forte
com o seu direito e zelozo da sua dgniia-
de, tendo a consciencia da sua responsabi-
lidade parante a naco e perante a Europa,
nao pedera tolerar o contrario. Vos mesmo
o terieis acensado de fraqueza e talvez de
cobarda, se de outro modo se conduzisse.
Devo accrescentar qae, por cansa da car-
ta de Victor Hugo, se perturbou a ordem
publica. J tereis lido ni Independencia,
escripia pelo ponho e letra do fiiho daquella
ama relajo das scenas que occorreram
diante da casa do poeta. Eu anathematiso
essas mioifestaces ; sao o objecto de um
processo judicial, e quando os criminosos
forero descoserlos a lei pronunciar a sna
sentenca.
Mandou-se proceder a averiguacas;
principiaram as diligencias opportuoas para
chegar ao resultado appatecido; mas as
manifestabas perturbam profundamente a
tranquillidade publica.
Fizeram-se infructuosos esforgos pira que
o Sr. Vctor Hugo se retirasse voluntaria-
mente. O governo expedio uma ordem de
expulsao. Esta ordem ser execatada. O
governo jnlga cumprir com o sea dever.
Tratava-se de uma questo de seguranca
publica, de dignidade nacional, de dignidad
governamental.
O governo recorren medida extrema
da expulsao.
Submette com confianca este proceder ao
juizo de todos, e n3o duvida de qae a ira-
mensa maioria da cmara e do paiz, esta-
rlo a seo lado. (Signaes de approvacSo.)
O Sr. Demeur : Quasi preferira nao
ter de tratar a questao qae se soscitou
neste recinto. Em presesga dos acontec-
montos qae se do n'um piiZ vizioho, acn-1
teementos que a to8s nos inspiram lasti-1
ma, espanto e horror e ntese que n3o
rae rero s aosact03'coiomellido3 por uns,
sen3o qae os houve de ambos os lados,-
em presenga destes factos, repeli, o as-
sumpto pequ-mo. Nio estamos prepara
dos para apreciar uma quesio de direito!
Sempre fui adversario di lei de 4835 ;
mas isso nao significa que eu seja abso'u
lamente hostil ao projecto que ella se pro-
pe, porque er qoe a expuIsSo o castigo
mais a proposito para o esirangeiro que
peiturba a tranquillidade publica ; mas ba
nesta lei orn principio que everia desap-
parecer di n'Ssa^iegistogSo ; a execocSo
sem defensa, sem jtliz > ; a execugo pelo
governo, juiz e parte.
O que ce ntem a carta de Hugo, o que o
senado vio a provocarlo com menosprezo
das leis. OS. Hugo de opniSo opposta
que exprimiram as cmaras. Pergunto
*gora : pode esta carta perturbar a Irn-
quillidade publi a ?
NSo quero discutir acerca da forma dessa
carta, mas desejana dizer algumas palavras
sobre o a*sumpn> a que se relere, sobre a
llieoria aprsenla Ja aqu pelo Sr. Dumour-
tier.
-A opioio que fo desenvolvida e appro-
vada aqu e no sanado, esta doutrina que
um erro consiste em dizer que a legislagio
concede ao governo o direito de entregar
iodo* os vencidos de Pdris Esta a don-
trina que repello i carta do Sr. Vctor.
Sog indo a sua opinio. os vencidos sao
h-mens polticos. A isto se reduz toda a
sua carta.
A i surrego de Paris um crime que
n3o siisceptivel de circumstancias attenoan-
tes : mas devo accre-centar, que um cri-
me poltico. E se livesseis de o perseguir,
assim o classificarieis. Dexo de banda os
crimes e deliclo3 de direito coramura que
disso resultaran). Fallo do facto dominan-
te. Est previsto pelo cdigo penal. A
guerra civil um crime poltico Temos
tido no nosso paiz tentativas de crime* des-
ta especie.
O Se Dumiutier : Pego a palavra.
O Sr. Demeur : Acaso nao teraps entre
nos criminosos polticos que foram condera-
nados morte, borneas que c>nap>raram
contra a seguranga do estado, que com-
metteram attentados contra a cousa publica?
De que vos assustaes ? Estou fazendo his-
toria.
Ora bem : pode ser entregue um homem
que nao commetteu oenhnra crime de di'
reito csmiuum, mas que commetleo o cri-
me po'tico da adherir a um governo que
nao era o governo legal ? Ninguem se
atrevei a su-lenta-lo Seria exprimir o
contrario do que sempre se tem dito. Nao
quero attenoar o crime. Procero a sua
riualilicar-o para achar a regra de proceder
que dee guiar-nos em materia de exlradi-
glo.
Houve homeos que se fizeram crimino-
sos de incendio, de pilhagem, daassassiao.
Eis abi os crimes qoe perencem ao direito
coramura. Podis, deveis enlregir estes
homeos ?
Ea creio quo preciso fazer aqui dis-
tneges. Uma de duas : ou estes factos
tem conoex3o com o crime poltico princi-
pal, ou sao independentes. Si leem con
nexao, a nossa logislago prohibe a entrega
dos autores. *
A INTERNACIONAL
Esta tambem tem ao seu ser vico gran-
de numero de peridicos, principalmente
em Inglaterra, Franca, Aemanha, Italia e
Hespanha, os quaes dao coula do raori-
mento operario com toda a regularidade e
receben) correspondencias de todas as sec-
ces da Internacional; os arligos importan*
tes sao lidos em sesso publica das sec-
ges.
Cada secgo possue uma caixa, que ser-
ve de garanta para os emprestimos que
tenbara de contratarse. Para esse fimca-
da mambro obrigado a contribuir com
uma|quota annual ou mensal chamada federal
que varia segundo as trras.
< Em Lyo e Paris essa cota de 10
cntimos, e paga-se na primeira reuni3o de
cada mez.
t Acbando'se com um
declara-se a Mispenso da
delegados nao leem voto
passado tres mezes essa
cluida.
t Os diplomas veodem se por 50 cnti-
mos, 10 dos qiaes s3o para o conselho ge-
ral e o resto pertence a secg3o.
Finalmente, para facilitar ao conselho
geral o cumprimento dos deveres que Ibe
esto impostos, iodo o membro da Interna-
cional e das sociedades lilhiadas paga uma
quota de 10 cntimos chamada quola cen-
tral annual.
< Esta associago lem-se desenvolvido
mez de atrazo,
secgo, os seus
no conselho e
secg3o fica cx-
aloligo de todos os cultos e do matrimo-
nio, e a oestraiiP de tod.s as instituigoes
existente- na acgalidade.
F.m Iiae., A Internacional tem feito
all numeroios^idfpios instigados por todos
os peridicos da associago
Na Austria menos fcil a filiago, por
causa das leis do paiz ; no emtanto em 1869
coritavam-se all mais de 13;000 adberen-
tes Internacional.
No Tyrol o numero dos anherentes as-
c nde a 6 000 e estes s3o tambem nume-
rosos em Pest, na Hungra.
Na Hollanda s3o de dia para dia nafra-
res os progressos que faz a Internacio-
nal.
Na Allemanha quasi todas as socieda-
des operaras acliam-se filiadas na Interna-
cional, podendo calcular-se que esta coota
all perlo de um railbSo de adberentes.
Era Hespanha, um dos ltimos pazes
em que prineipiou o movimento da propa-
ganda, coniam-se uns 20:000 Oiad s.
Em Inglaterra, o poder da Internacio-
nal p le calcularse, s com o saber que
quasi t das as Trad's Uuioni esto todas
filiadas n'ella, e que alm destas sociedades
existem mais de 500 secgas.
Finalmente na Polonia e mesmo na
Ko-sia, onde ha dous peridicos dv Inter-
nacional, bem como na Dinamarca, a.pro-
paganda tem lambem dado resultados, e to-
dos os das augmenta o numen dos filia-
dos.
< Em 1870 o numero dos adberentes
Internacional era calculado em 5 milbes,
e na mesma poca, Richard, o secretario
da federago lyoneza, estima-o em mais de
7 raillioes.
com grande rapidez, attendendo a qua se
foi em 1862, no tempo da Kxposigo, quan-
do uns operarios francezes levaram para
Inglaterra a idea, mai dessa organisagSo:
no d a 28 de setembro de 1864 resolveram-
se, era ura meetng celebrado em Lon
dres, as bases da Internacional, e at 1866
n3o se celebrou o primeiro congresso, qne
ea corpo aos projectos elaborados at a re-
ferida poca. Foi portanto.sem 1866, que
prineipiou a funecionar a Internacional.
Vejamos, porm, agora qual era a si-
tuarlo da Internacional na Europa em
1870.
Era Franca: 1. A ederaco pari-
ziense, que comprehende a Cmara federal,
secretario Tneis, e conta 40 sociedades: a
Caixa federativa, 20 sociedades; a Federa-
cao, secretario Laugeon. 20 sociedades :
sao quasi todas as corppraces de Pariz. 2.
A Federarlo Lyoneza rene todas as eor-
poragas ordinarias da cidade. 3." Em
Sant-Etienae existe orna secgo importan-
te, outra em Vietrae. Em Rooen existe
uma federado, que tem nm peridico im-
portante A {"forma Social. Em Lille
ha uma secgo. Em Marselba creou-se
uma federago que conta no seu seio mais
de 45 sociedades dherentes. Em Aix ha
um con-elh > federal, em Brest uma scc
g5o, outra em .iLulhouse, e B sangon coa-
la como adberentes a raaior parte dos ope-
rarios. Fhalmente as suas ramificages
estendem-se a Cambray, ao Mans, a Reims,
a Dijon, Saint Quinlin, Brdeos, etc.
< Na Blgica. A Internacional na Blgi-
ca conta com centenas de milhares de adbe-
rentes; as federages e3o .alli poderosas e
as secges muito mais numerosas que em
Franga.
Na Suissa. Pode afflrmar-se que todos
os operarios na Suissa ptrtsnce Interna-
cional. S Ginebra conta 30 secgSes. Mi-
guel Bdkounine, celebre socialista russo,
l'undou em Genebra a secgSo da Allianga da
democracia, que se proclama athea, pede aj
BANCO DE FRANCA. cariosa, e com-
prehende-se perfeiamente, a descripgo fei-
ta pelo Gaulois da lula jncssante qoe teva
de sustentar o banco de Franga contra os
insurgentes de Paris dorante a dominagao
da ermmuna.
O baoco continha Ires rail mlhes de va-
lores ; mil mlhes de depsitos l'eilos por
particulares, tanto em ouro e diamantes
como era ttulos; mi mlhes em metaes
preciosos e em notas, e mil mlhes em no-
las, as quaes s faltava uma assignatura
para poderem correi.
Tendo-se demittido no da 23 de margo
o governador do banco, o Sr. Rouland, o
sub governador, Sr. de Ploeoc foi quem to-
mn a seu cargo salvar os tres mil milbes
de francos, qoe representavam as economas
da Franga.
O Sr. de Plome encontrn o mais sollci-
to apoio em todos os erapregados do banco
e nos guardas nacionaes do bairro, qae cons-
tituirn) nm bataltio de 400 bomens para
defender o estabelecimento.
E' crenca geral qoe os subterrneos do
banco p dem ser saqueados instantneamen-
te, mas isto um erro. Ha reservas im-
mensas de areia, encerradas em saceos, os
quaes se despejam sobre as no'as e sobre
os val >res, solerrando-oa at ama altura tto
consideravel, qoe poderia desabar o edificio
n'um incendie) sobre aquella cap) de areia,
sem que se qaeimasse um s pipM. Dei-
ton-se pois a areia sobre os valores e es-
peraram-se os acontecimentos.
O primeiro que se apresentoa no banco
foi o cidado Beslay, que era o mais velho
da commuM, e ao mesmo tempo confie cea
o Sr. de Ploeuc, como este rahecen aquel-
lo. Foi avisar que era cousa decidida o
saque do banco de Franga, do qae mostroa
graqto sentimenlo.
Mas que se ha de lazer" accrescen-
tou.. Como quer que es lamimos possam
conter-sa diante da loja d'ura padeiro ?
Ksta metapbora, coja exactido o Sr. da
Plceac reconbece, nao dexava de o inquie-
tar ; conservou porm a sua serenidade, e
declama terminantemente qoe s fosse ata
cado o banco, se defendera, para o que
tinba bomens, armas e munices.
Itaslay suavisou-se e deixodCttrever qae
talvez podease haver um accordo com a com-
muna se o banco aceilasse nm delegado d*-
qnella.
O Sr. de Plceac logo se rebelln contra
serailhante proposigSo; mas conbeceado o
carcter do Sr. Beslay, disse que s aceita-
ra um cuja honradez, intelligencia e ener-
ga Ihe constavam, e qa poderia ajuda-lo a
saivar o grande estabelecimento de crdito
da Franga. Essa pessoa era o proprio S\
Beslay.
Lisongeado este com taes elogios, proraet-
teu quanto Ibe pediram, e de facto foi so-
bremodo til na continua luta qua leve de
sustentar o baoco durante dous mezes con-
tra os governaotes da communa, que entre
fazerem a gaerra uns aos outros, todos es-
tavam conformes era tirar dinbeiro do b neo.
Ura dia em qu os apuros da communa
ebegaram a s:r grandes, Varlin e Jourde, os
dons delegados na fazenda pela communa,
apresentaram-se no banco com as suas ban-
das vermeloas decididos a exigirem todo,
e ameagaado com amotinaren! os arrebal les
se nao Ihes entregassem todo.
c Bom, disse-lhes, facara o que Ihes
parecer; mas no dia em que liverem po to
a saque o banco de Franga, as suas notas
nao Valerio nem nm cntimo. Todos os
seus guardas nacionaes teem as alfibeiras
grande qmotidade de notas de 20 francos,
e deixa los bao arrunalos a todos ao mesmo
tempo, porque esses 20 francos, ama vez
destruida pelos senhores a garanta nica do
seu valor, n3o serio aceitos nem por cio
sidos.
Esta razio apresentada com forca, caus a
impressio nos delegados da communa, e
alm disso o Sr. de Plceac, para corrobo-
rar os seas argumentos, mostrava um bita-
Ihio armado.
No meio destes desgostos, qoe eram mui-
to frequentes, o conselho de regencia do
banco, redolido s a quatro membros, reo-
nia-se todos os das e sempre em difireme
local, porque estavam avisados MtiNslay
de qae lentavam prende- os comdUfius.
Os tres ultiaos das foram os mais terri-
veis. Fcilmente se avahara ; por tanto, a
alegra de todos os qae guardivam o banco,
quando viram por fim appirecer os soldados
versalbeoses, apoi dos quaes vinba recupe-
rar o seu posto o Sr. Rouland.
O marecbal Mac-Mahoo felcitoa o pessoal
do banco pelo sea heroica oomporlamento,
e oncedeu qoe ficassem com as suas armas,
excepgo honrosa, de qoe ae tinbam tornadq
realmente dignos aqnelles homeos.
P DODUaiO-RDA 00 DUOOB DI GAX'A)


nJ

I -.1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2YPTLXNO_2I2RBH INGEST_TIME 2013-09-14T01:38:11Z PACKAGE AA00011611_12436
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES