Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12433


This item is only available as the following downloads:


Full Text


ANNO XLVII. NUMERO 157

:'
D
t
\
h*
------r--------------------------;-------*------------------------------------------1-------------'------------------
PAR i CAPITAi LGABS OIDS IAO SE MCI POBTL
Por irea mates adiantados................... odOOO
Por seis dito tem ............,..... lJOOO
Por nm anuo idem......\ ............ 344000
QUINTA FEIRA 13 DE JULHO DE 1871.
-------------------------.----------.---------
PAIA Dimo S FOBA DA PBOVIICIA.
Por tres mezes iantio*
Por Mit ditot idea. .
Por nove ditos idem
Por om aoao idem .


Propriedade de Manoel


4 A *
Oi Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, do Para ; Goncaivea A Pinto, no Maranhao ; Joaqaim Jos de Oliveira Filho, no
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, ni
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Al
T
i-
=:
EXTERIOR.
Montevideo, 91 de junho de
1891.
Como neste momento as noticias teem um vivo
taleie<*e, e-crevo aUumas liaba em additaraento
no que commaniqaei j pelo paquete Oneidc.
O general sorio. depois de ver Com desgasto
que o presidente da repblica cumpria sua pro-
ine>sa de desejr a paz, nomeipdo ama cjnnnu-
s) compota de dou-. gturrtu'Ot de beca exalta-
do, entendeu que era mais conveniente fallar-lhe
claro e detpedr-se do que proseguir em una ne-
KOCc,io. ijue nao passava de urna finja por parle
do superior goveroo. Bslou bem informad. para
riurqae o chefo brasileiro discuti com calore
dignidade a questo, duendo aos Srs. Ellaun e
uomensoro, que eram os coinniissiooados, que para
ir a i campo ioiniigo com pretenciles arrufantes e
'nellicosas, nao era preciso que Ss. Excs. se in-
eomuiodassem, pois que nao se prestava ao papel
que Ihe queirara fzer representar
A' vista d'esla deeisi, o Sr. Herrera y Obes,
ministro de relaroes exteriora, que sempre teui
irab.lnado para cuuciliacao dos partios, cohe-
Wnle com u seu passado, deehrou ao presidente
<< a 18 commissarios i|ue ello entenda que o gene-
ral iiiita razao, e que por sua parte estav.i promp-
io a ser o uonador do ramo de oliveira, desUtindn
de prelenrCes exageradas e perigosas. R-conside-
rando o negocio, o presidente concordou com essa
idea, a depois de conversar largamente com Oso-
rio, rewlvej este a partir no da 19 para ter urna
conferencia com os blancas o Irazer a Piedras seus
dous Ciomissarios, que alii e-perariam os do go-
vern\ aulma.los de um espirito conciliador.
Effectivamente o general seguio viagem naquelle
(lia com o coronel Mattos, e irabalha com lodo o
<-in;ieubo para u bom exitu di sua roisso.
Ao mesmo. lempo os chefes coloradosbala Iramp
afincadamente para tornar toda a paz impossivel.
Como os blancos, para evitar qualquer conflic-
to que perturbasse as negociacoes, se tivessem
aastado da capital, os- coloradas, entenderlo que
elles e.-tariam descuidados, raar^haram com rapi-
dez, occu! tundo os seus movimentos, e no dia 21
eacontrar.im aquellas, mas em lo boa ordeui e lao
nem es.-oiiiiJa posicio, que nao se animaram a le-
var-lUes o ataque.
Nao Ihes parecenJo bastante este acto traicoei-
ro, cscreverara para a capital, assegurando que o
ejercito nao aceita va a paz, que nao a quera, e
.i nao reconheceria se fosse lirmaJa pelo goveruo I
Kra para fazer pressao sobre o animo do presi-
dente, que tera estado nestes das em um verda-
dero tormento de duvjdas e de incertezas.
Honlem coroou a Tribuna esta obra de pertur-
barlo espathando um boletiin em que se dizia que
os blanco? esta vara completamente cercados, e
'les nutra solucao. Afflrraava que o presidente
recetara parte olllcial, cuja pubcaco debalde se
irm esperado. Hoja da a mesma Tribuna pubti-
iidade urna correspondencia mais detalnada, da
qual tinalmeute seconclue que no dia -2i o ioimigo
oceupava um ponto fortilicado ero Mansevilagra,
que por diversas yezes parecer querer tomar a
iiuVnsiva. que hjuv'e.uma entrevista entre varios'
ouefes de um e de otro lado, e que o general
'Isorio, teodo cuegalo no dia 3, s 3 hojas da
urde a-, acampamento, leve com os generaes col-
rais urna conferencia, que se seguir urna
suspenso de arma*, para elle poder ir no ia se-
(juinle ao campo inimigo.
Nesta situado caro os negocios. Eu contino
persuadido que a paz nao se far, e tambem re-
t' i m.i i > ue o regrei-o do general Osori/ao
Rio Grande c> tn este malogro de sua mi-s, s?ja
u -iia.-.l de um terrivel incendio. Esle digno bra-
.*ileiro t n contido aiuitos chefes e eslaoceiros
na saas Hsperancas, mas elles se levantaram em
peso, vendo-as destruidas. O governo bra-ileiro
deve esiar preparado para esta seria evenluali-
uade, que nos envolver em graudes cpmplicacfles.
0'lHe Cora omita atteneao para-aquella provincia.
K a indica^o de um amigo -rocero, que gosta de
pr -venir ames que remediar.
No paquete seguinte escreverei mais d-talhada-
ji.-'ii'.! a respailo destes assumptos
de
Siioeuu.-.iyres. 30 de SuaSio
18i.
i 'i i le s^r contado u me! de junho. cuja're-
rae eumpre lazer hoje, entre os mezes azia-
go para a llepublica Argentina.
Antes, pelo coutrario, recapitulando lodos 03 bons
jireseutes que corasigo trouxe, dir-se-hia que a
bem'azeja da Providencia derramou a sua
'ormiopia sobre este paz, como para consola-lo
i:m pouoo dos padecimeutos crueis petos quaes
reeeatemenia pas.-ou.
Com effeto, dous emprestiraos vantajosamente
realisados vieram provar que o crdito da naco
j nao um bim desojo seoao um helo real. \
-to accresceram a exlinceai da epidemia, que tao
lerrivelmente arneaijou Buenos Ayres de transfor-
ma-la em verdadeira necrpolis, a volta da vida
Kiiva, e. por ouiro lado, um passo diplomtico
qie, avista de reclama^oes inglezas, deixou digna
mente determinada a posigo que se deve tomar
em taes qutstoes internacionaes, sem osteotago
nem f.inlarronada, mas tambem sem vexame nem
rmmilhaco qne amesqainbem anda mais o fraeo.
Levado fado isto em cont, vr-se-h que nao exa-
gerai quando cima disse que a Repblica Argen-
tina Imha muita razao para marcar com alegres
trotas o tnez de junho nos seus annaes.
.Nao ha, porm, oeste mundo de instabilidad
cousa alguma sem o seu senao, e asslm a rep-
blica leve no principio do raez de revestir-se de
lulo pelo faliecimento do velho e bravo general
l'aunero, cujo*3 restos mortae? descansara agora em
um dos ceraiterios de3sa corte, onde o flnado dei-
xou tao f- 'andas e tao justas saudades pelas bellas
- disiinctas qualidades que Ihe adornavarn o ca-
rcter, como hornero, militar e diploman.
A rnorte de Paunero causn aqai profunda e
dolorosa sensagao, porque nao hooe quem nao
sentisse qne o.desappareciraento d'esle funeciooa-
mdeixava nm vacuo nsivel no centro de acti-
vrfade era que ltimamente se tintia flxado.
Todos os peridicos flzeram just^a aos mritos
d'este vdho soldado. O Nacional, que de certo
tempo para c ja nao v as cousas do Brasil cor
de ouro, e nao deixa escapar tima 90 oecasiao em
que possa dar-nos om belisco, quando mais nao
neja contra a salubridade da cdrle, disse que Ibe
Mosiava que o general Paunero morrra da febre
amarella, a qual fazia horriveis estragos no Rio.
Se houvesse refleciido com mais alguma serenida-
4e, teria sera duvida encontrado a causa da doen-
<;% e do faliecimento do disiincto general nos dissa-
tiore por que passoa ltimamente, em rao de
nao ter sido respeitado o contrato feito com os
mediecs d'essa corte. Isto, com qoanto nao passe
de urna supposicao, tem comtodo mais visos de
{babilidade.
Mas deixemos descansar os morios e necupemo-
capar da peste e qne qaasi se nao atrevem ainla
a lerabrar-se do raez de dezerabro futuro, porque
v-vm com espanto qne nada, absolutamente nada,
se faz para obstar a nova irrupeo do terrivel Oa-
geiio, quando as perdas crois qne se sofTreram e
<>s easos solados que anda se dio, como queren-
do lerabrar essas mesmas perdas, deveriara indo*
ftr ledos porfia i reallsa^io dos melhoramenlos
qne a salubridade de Bqeqog.Ayre rsclama em
altos brados. As mais urgentes d'essas providen-
cias, qne de prouipto se poderiam lomar, cerno o
calcamento e nivelamento das ras, a limpeza do-
mestica, o abastecimento de agua boa e de carne
saa, a mais rigurosa inspeceo da< casis, quarteis
e domis edificios pblicos, de todos os lugares de
aglomeraco de povo. ludo isto sao cousas que
perfeitamente se pu liara fazer ainda durante este
inferno, embnra a constrnecao e canos H esgito
j-e limpeza licasse para ensejo mais.asad) e pro-
picio.
As aguas que sao ministradas ao publico, sb a
denomiuarao de filtradas a> de mi quahdade, lo-
madas oas immediacoes de urna cilade tao popu-
losa como esta, que por forca ha de eocher de
impurezas as aguas do rio com os seus despejos
diarios.' Para Buenos-Ayres ter agua saudavel,
preciso ir bu-ca-la 15 ou 30 leguas de dnlancia
entre as libas do Paran.
A carne outro elemento de summa iiipor-an-
Oja para um povo como este, que a tem por prin-
cipal alimon'o. O matadouro acha-se nasirame-
diaoe3 da.cid.id em terrenos que nao nlTerecem
nem descnco nem pasto ao gado, o qual vera de
muito louge, e ero todo o seu trajelo nao eucon-
iraj senio campos algalos e caminaos intransita-
veis no invern, acampos completameute queima-
dos e estradas coiwrertidas em mares de poeira
no vero. O resAado que o gado so pro luz
as mais das vezes, Barne caneada, e que uo esto-
mago da re mora s se encontra urna porcSo de
trra pura. Eotrainto Buenos-Ayres o centro
de tre< grandes arierus de caminho de ferro qu-
fcilmente todos os dias podiam conduzr-lhe, da
distancia de 15 ou 20 leguas, carne fresca gorda
e descancada, traxida das proprias estancias, dos
proprios "pastos.
U clgaraenio e o nivelamento das ras sao ou-
tra aecessidade urgenu. Acabamos de ter na se-
gunda quiniena de Jaldo, sempre mo tempo,
durante o qual as chuvas se alterairarn coro cer-
raefles espessas. As mesmas ras calcadas e os
passeios dos lados se traosformavam em lodacaes
iromensos, emquanto que_as ras nao calcadas fi-
cavam intraosiiaveis mesri para os carros e ca-
vajlos.
Nao se precisa grande capital de sciencia e de
perspicacia para calcular as terriveis consequen-
cas que semelhanie estado de cousas pode irazer
para a salubridade de urna cidade em que ainda
existe o germen da terrivel epidemia que aqu fez
estragos como em parte alguma do mundo.
Quando anda ludo gema sob o jago do flagello,.
fallava-se at em queimar e arrazar as casas-
quarteis ; mas estas mesmas casas, donde os ca-
dveres saaiara aos quinze e Tinte j principiara
a novoar-se de novo, ainda que vagarosamente.
Tado isio induz rauita gente a, deixar lijar anda
nos campos com receio de que "os descados e ae-
glicencias, que neste caso se tornara verdadera-
mente nortaes, possam acarretar na prxima pri-
mavera novos resultados faaes. Assim Buenos-
Ayres. onde antes era es usa dilllcil encontrar urna
easa dispooivel, apresenta agora o triste especia-
culo de numeroeas habitagSes varias, qa* com os
eeus escriptos brancos as ponas, e jaoelias, di-
zem eloqnenteraente o que lem sido a pe>te, e o
que ple ser para-o futuro a indolencia e a incu-
ria daquelles que deveriam velar ^lo bem estar
do povo.
Deus nos livre qui aqu acontega o que infeliz-
mente consta aconteceu em Corrientes, isto que
reappareea e recradesca a febre. Nao s a maior
parte dos eslrangeiros, mas ainda parte dos filhos
do paz abandonaran) ,,ar.i sempre esta capital,
que entretanto pela sua posielo, sua importancia
e sua brmosura raereceria attrahir toda a solici-
.tule da autoridade.
Pondo de parfe estas consas lgubres, corramos
agora a vista por coisas mais alegres. Pireee
que diliuitiviraenie se realizou em Londres o era-
prestirao de 30 railho-s da pataeos, ao passo que
aqu o governo coniratou com a casa Wanklyn os
6 railhoes de pataeoas de que Ihe fallei na minha
anterior. Grande parte do nruneiro emprestimo
destinado para a, ronstrucrao das obras do porto,
para caroinb.09 da [erro e telegraph >s, o que in-
dubitavelmente trar grani- movimeottfte afluen-
cia dos operarios, se este dinneiro fr applicado
ao sen wrdadeiro destino.
O caso que para o eommereio, este numera-
no vera muito a proposito, porque o oaro tem es-
tado rauito car", vendando-se ainda nestes ltimos
das as libras esterlinas a 12000.
Eatraodo agora no campo Ja diplomacia, te-
nho que oceupar-ine de urna cousa que nos diz
directamente respeito. Fallo da retirada do nosso
ministro o Sr. Camino Borges, a qual deve eff;c
tuar-se hoja raesmo.
O Sr. ministro Borge, nestes tempos difflces,
tem desempenhado o seu difBcl cargo, nao s com
a diguidade e biblilade de um diploman con-
sumraado, que sabe aehar sempre urna scluccao
favoravel as mais criticas e mais delicadas ques-
toes, mas at como verdadeiro cavalbeiro, como
fanecionario de sentimentos delicados, de trato
esmerado, que sabe dar a todos o que merecem,
e que por conseguinte raras vezes se ver no caso
de Ihe faltarem os outros ao que Ihe devem.
O Sr. Carvalho Borgas deixa aqai profundas
saudades ; a estima de todos que com elle trata-
rara o acompanha ; c ainda que seja certo que
malquerengis de rajas e desavengas entre nac5es
acabara sempre de per si e com e correr do tem-
po, nao menos certo que os merecirnentos do
Sr. Carvalho Borges e a sua maneira de represen-
tar-nos aqui em contribuido poderosamente para
fomentar entre Argentinos e Brasileiros a melhor
harmona, a mais sincera cordialidade, e eu estou
certo. de qae a obra to bem principiada, que
deixar aqui a memoria mais lisongeira do minis-
tro qao parte, ser brilhantemeote continuada
pelo ministro qae esperamos, o nosso dislincto Ili-
terato o Sr. Magalhes.
Urna das questoes que com preferencia mereca
paquete fraocez no dia 7, pro va val nenie ahi che-
gara ao raesrao tempo que o velho S. Jacmlho, com
o qual estreou a nova corapanhia a sua liaba do
norie; por uo Ihs ter chegado o Para, que es-
perado todo o inoineut j. Creo que e*sa demo-
ra fin o que dea motivo a ter fixado a' sabida dos
paquetes do norte para 5, e nao para o dia 1, co-
mo fazia a amiga corapanhia. Dizem-me qae tem
ha vi lo re-I .iouc/hs por cama, dess ait*rir;Ji.\ a
que o goveruo promelte entender-se cora o geren-
te da orapanhia, para que liquen! os das 1 e 15
de cada mez para a sabida dos paquetes, como an-
tigamente.
Foi lidu, liaalmante, o parecer da coromissao
especial relativo ao eslido servil, como ver no
Jornal do do corrente, e por elle flcar sabendo
quaes as modicagoes que soffreu o projecto do go-
verno.
O Diario do Rio qualilicou-o de revoluciona-
rio, e de tanto horror se mostrou possuido, que o
nao qaz trauscrever em suas paginas, limitndo-
se a offarecer aos seus leit ires apaas as conclu-
soes des-a pee i, na qual, alias, nada vejo, apezar
da sua exieusao, que fosse excitar os ervos dos
Dossos aiiii-dbjiciji.iias.
A Rtformt, por sua parte, gritou qae o parecer
era obra de um estraogeiro Iliterato, que foca vi3
to as conferencias da commissio e com ella ira
balhaado (dizera que se referia ao Sr. Jos Casti-
Ilio, intimo arnigo do Sr. conego Campos, relator
do mesmo parecer). Os Srs. Araaral, Joao Mjn-
des, nal do Comnurcio protestando contra semelhante
calumnia, e declarando qae s suas conferencias,
que foram freqaeites e ammdadas, somente com-
pareceram alguns ministros, para darera exp'.ici-
coas e discuiirem a materia; e qne, qaaoto ao seu
collega relator, sabiam que elle nao recorren
exiranhos, nao soraeole porque o trabalho oo era
superior reconhecida-intelligencia do mesmo col-
lega, como tambero porque este Ihes dou sua pa-
lavra de honra, de qae s elle o fizera. No dia
segrate o Sr. Pinto dq Campos, vindo tambem s
columnas do Qrnal, agradeceu aos seus collegas
a exposicio que tizeram, declarando por sua parte
qae elles flzeram retoques no sea trabalho ; e
coocluindo accrescenta :
Qaaoto ao mais, acbo-me bastante orgulhoso
de <]ae o mea humilde trabalho, por bom e opii-.
mo, seja havido por superior s rainhas forjas
Viva Deus, qae nnnea desampara aos pequeos,
exaltando-os, qaando os procuram hamilhar.
Hoje noute devem reunir-se os depotados e se-
na lores rainistenaes, convite do gabinete, em
urna das salas do ministerio de obras publicas, pa-
ra tratar-se da magna questo.
Provavelmeote nao Ihe poderei dizer o que ahi
se passar, por que nao tenho a fortuna de lamber
para dentro.
Entretanto, parece fra de duvida que na' pr-
xima semana teremos a discasso da materia, que
promelte ser incandescente. Assim, pois, poda di-
zer-se que jam proximus ardet Ucalegon.
Na cmara dos depoudos anda nao volou-*e
eui.1" discussoasToicasde ierra. Espera va-se qae
fosse votada a le hoje, mas nao houve sessJo.
Hontem o debate all este ve interessanle. Na ses-
so anterior o Sr. Rodrigo Silva havia interpellado
o governo, pois que se tratava de lixar a f irea,
uiiierea do facto de existirem brasileiros oIBciaes
honorarios no Estilo Oriental, fazeodo parte tanto
do exercito do governo, como do dos rebeldes e
bem assim acerca da raediaco do general Herval
peranie o presidente da repblica. Hrotem deu o
Sr.'Corroa ministro de eslrangeiros as expcacoes
exigidas, declarando qae o marqoez do Herval
neuhuma incumbencia recebera do governo brasi-
leiro, e aodo diversos esclarecimenlos acerca do*
taes cllic|aes, em consultas do cooselho de eslalo
e nutros papis. Coube em seguida a palavra ao
Sr. Anlrade Figueira, iocontestavelmente ura dos
mais notaveis membros do nosso parlamento, pela]
sua iotelligencia, pelo esluio que faz de lodas as
materias sugeitas debate, pela forca de vontade
e pela inhabaiavel lirmeza desuas opaioes. Com
bateu elle nao somente a proposta e qaasi tbdos os
seus artigo*, como depois passou a apreciar a_ res-
posta do Sr. Correa, e nolou que o goveroo nao ti-
ve^se prohibido ao raarquez de Herval o ter-se
mettido a melianeiro as questoes do estado visi-
nno, onile somos olhados cora su-peita por ambjs
os partidos; assim com que ainda nao tivesse de-
clarado o brigadeiro honorario Fidelis privado dos
W7K>
131500
tO|0
171000 t
.
ira de Faria & Filhos.
tomo de Lemoa Braga, no Araca^ j0j0 Maria JoJjo chavea, oo Aea ; Antonio Marqaei da Sy*, no Na tai; Joe Muta
Penha; Belarmino doi Santos Bolclo, em Santo AnUo; Domingos /s da Costa Braga,
; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Leite, Serqoinbo A C no Bio de Janeiro.
dissidentes nao reaniro talvez qaa-
direitos de cidado brasileiro, por estar ao servi^
do governo riental; sendo que, quanto ao coro-
nel Manoe! Cypriano, qo-e serve na forca dos re-
beldes\n i nisso cdigo acluria o governo os maios
de paniwo.
Essa par.e do discurso do Sr. Andrade Figuaira
merece ser hda, posto que talvez se Ihe possa no-'
lar alguma rudeza.
No senado foi votado o Io art. da reforma ju-
diciaria ora todas as emendas do Sr. Sayo.
O discurso do Sr. Muritiba nao lave a importan-
cia que a opposigao asperava. S. Exc. dirigi
quasi todas as suas observacoes ao art. 2.
Parece que a grande votaco qae tiveram as
emendas do ministro desapontoa um poaco a op-
posigo que coalava'que dissidencia igual da c-
mara dos deputados se dsse no senado.
. Falieceu o senador Mafra, de Santa-Catharina.
Provavelmente o Sr. Lamego, hoje baro da La-
guna, ser o sea substituto : pelo meaos Caadi-
dato vaga por aquello deixada.
Devo s revelac8es de amigo, de cuja discrico
e reserva nao desojo que sejam postas em duvida,
algumas informacoes acerca da reanio ministe
rial de que Ihefalleina passada; inforinacoes que
confidencialoeote Ibe transmitto, pedrodo-lhe que
nao faga deltas uso indiscreto.
Compareceram dita reaniao 28 senadores e 62
deputados. Os senadores sao : baro de Cotegi
'pe, S. Lourenco, Camaragibe, Muritiba, S. Vicente,
a solicitada dn Sr.,-Borges era a emigra^o para o* Tres Barras, Torres Hornera," Teixeira de Souza,
imperio, e os melhores meios de promove-la :vair-
tajosamente ; e, portaoto, no momento da sua par-
tida, en levaotarei tambem a minha,dbil voz,
alim de-chamar a atteneo do nosso governo para
o numero avultado de iodividoos que na nossa
legaco e no nosso consulado pedem passagem
para as nossas colonias, sem qae esta'se Ihes possa
facultar por falta de autorisacao. Talvez se objec-
le que entre estes haver muitos que antes j es-
liveram em alguns dos uossos ncleos coloniaes,
e que nesta qualiade se d pouca importancia
sua volta. Seja-me licito observar qae este mo-
do de ver pecca pela base. Alm da experien-
cia pessoal qne taes imigrantes levaro, tradazi-
da em desengaos, e qae d'ora em diante Ibes
prescrever mais estabilidade, serviriam elles de
exeraplo e de correctivo contra as volleidades de
outros, qae sem isso talvez viessem a cahir no
masmo principio. Ejqueauossa bospilalidade
se lem tornado proverbial, oo devenios expr-oos
nos a que se diga qae por ooasideracJSes tacaohas
fechamos a porta aquellas qae desejavam ser
readmitidos ni gremio da grande familia brasi-
leira. ______
qae se disse n* tal reunan nao me dea o
completa informaclo, disse-me somente que
do ir. Ro Branco, que expoz o objeclo da
o, iizerara se oavir saccessivam-n e os Srs.
reojo,C'ielho R ilrgues, baro de Tres Bar-
dtegipe (que dizem me ter declarado que
* a-propust..); erooymo Telx-ern,"Theodoret
Figurara de Mello e viscoude de S. Vicente. Por
flm (Jdiberou se que fosse nomeada ama commis-
so para entenderse com os dissidentes (aotou-se
que q Sr. Farreira Vianna lives-ie se conservado
calado, quafclo diversos do* adores deciaravatn
que iis dissidentes nj procediam com prudencia).
A coniraisso licou coraposta dos Srs. Cotegipe,
Tres parras, Ca^naragibe, S. Vicente e Baependy.
Oirdissidentes p ir sua pane tambem se reuni-
rn inte-hontem noute em casa do Sr. Cotia
Pinto, e elegaram outra commissi para tratar
com aquella, lioando composta dos cinco membros
que haviam sido apresenta los na cmara para
compoVera a cornmisso especial, a saier os Srs.
C^sta Pinto, Taqies, Anlraia Figueira, Perdigo
e Leandro Maaiel. Este, porm, p raderou que o
Sr. Pauliuo nao devia ser excluido da cornmisso,
e que ella pedia que o dispeasassem, para era seu
lugar entrar aquelle conselheiro. Assim se deci-
di; e hontem n >ate devia reunir-se q. conselho
dos dez. 0 que ahi se'Jjastou nao sei,Torq:ie l
nSj esteve o meu discreto amig>, jae incouiesta-
veimenta saba guardar o< se^raJos de estado.
Devo dizer-lhe que nao exacto que o Sr. vis-
conde do Bio Braoco tivesse dito na reanio, orno
alHrmou a Reform e o Diario do Rio, que desoja va
que a proposta fosse discutida em sesso secreta.
A Guarda Constitucional na sua chronioa pu-
blicada no Jornal de hoje desmente essa historia,
e d alguns pormenores ^erca do qae occorreu
oa reanio. Por uso aqui traoscrevo o seu arti
go, como coinplaraeutu s iaforinjcSes do meu
amigo :
> O gabinete, querendo mais ama vez demons-
trar qaaoto preza a paejflcaca> geral dos espritus
para a solueo do gravissim i problema do estado
servil, reuni uo sai.o 0 secretaria do ministerio
da agricultura inultos deputados e senadores, na
noate de 4 do corrale.
O qae enleadem que o gabinete deve fazer
triumphar a sua proposta, por isso que grande e
vigorosa maiona o apoia, nao desconheceram a
conveniencia poltica da rennio, antes de ser ence
tado na cmara dos deputados o respectivo debate.
O gabinete arrdou pretextos exacerbaco das
dtsciifeJSes, n patenteou que as suas vistas nao
eram potras sena i promover exclusivameete o be-
neu'do publico, nao liaveodo lido nanea o intuito
de idktr s vuniades. Infelizmente, os qae dver-
gem das vistas do goveroo nao mostrara-se docei
as necesidades da sitaacao ; insistem na luta, e
nao ha demov-los della.
^ntretaQto, hija embora a luta; o gabinete
comprebende que, promovendo o interesan publi-
co, 'wioa lUVuz alguns inieresses pariiealares, e
portanra smciU a resisieacia desses masmos inle-
resseT.^5fl*m disso, nao possivel a uaaairaidade
m bre urna to grave reforma ; porqaaolo as ca-
in ras photographa se a sociedade roieira, cora to-
das as suas tendencias, com todos os seas hbitos,
com tolas'as ras paixoes. Tu Jo ah est em con-
flicto : caracteres, vaidades, ambigas, odios, rivali-
dades, esperanzas e receios. Neeessariamenle a
fermeataQo dessas diversas torcas e contrastes ha
de ser obstculo, as mais impor'iaates medidas le-
gislativas, o retardar a sua adopto.
Mis se o gabiuete couiprehanJe que a lata
loevHvel, parque ni ha goveruo que nao aoffra
opposico por elTeiio da conspirafo geral de todos
esses elementos que se conlradizem, e qpe raras
vezes lran>iein, deve ser louvaJo por querer cir-
cu uscrever a discusso ao pleito elevado das
idjs, siiff icidas as paixfies e amainados os odios.
A reunio nao teve outro alcance, visto como
o gabiuote uo p le ceder da* ideas capitaes da
proposta sem provocar a opposico de outros de-
potados que nao adherid) sincera e leaioente
masma pr,.posta. N ple, outrosim, aceitar al-
viire que importe o adiameoto da questo ou a
execugao retardada da medida, porque sena ludo
isso urna verdadeira burla ou mystilicac/io. Os
ministros foram muitos francos na mencionada
reuuiao, e eram vivamente apoiados.
Horneados jones rannieipaes e de or-
sabstitates. Bardo das Tres Barras.Baraode, fa S. Lourencfi. obos
A discusso dcou adiada pela bora. ,\ u'w o- ,.
_26 bacbarel Simplicio Goetbo de Rezend*, dos
T.vemos hontem pelo paquete francez Picar**, \ "n" 2I^M *" B"ra8 Ba,alha' da pf0VJ'
da linha da Marselha, folhas da -Rio da Prala al nSiJSj'WLj, ,A ,k
u oacnarel Elpidio Jos de Carvalho e
|1 do corrente.
Be Bueuos-Ayres annuncia-se. que iaser noraea-
> o general VeJi para su:ceder nesta corte ao
. Souza,
dos ternus reunidos de Jeies e Pieos, da mesma
ptdviitvia.
O bacharel Pedro de Alcntara Peixoto de Mi-
general Paunero como ministro argentino.
Em Montevideo, depois de se terora|lado como L ?rV reroidos de Campo-Maior
! e oiao, da niesma provincia.
U bacharel Napoleo Silverio da Silva, do termo
de Braicaoca, da proviocia do Para.
O bacharel Francisco da Cunna Machado Bel-
tro, dos termos reunidos de Paranagn e Guara-
tuba, da nrovincia do Paran.
Foram nais nomeados para a- guarda nacional :
Luiz Manoel Fernandes Filho, coronel comraan-
dante snoerior dos municipios da Jmperatriz ean-
nexos, da provincia do Rio Grande do Norte. '
O leBeniecoronel Joan Correa de Araujo, coro-
nel commandaote superior dos municipios de Ala-
gas e S. Miguel, ta provincia das Alagdas.
Ob atieres Joo Galdino Nabnco e Izidoro Joa-
qoim da Silva, majores ajudanles de ordens d
eommando superior dos municipios de Cabaceiras
e S. ioo, da provincia da Parahyba.
Soler laio Alves Peqaeuo, capilo-secretario ga-
ral do mesmo eommando.
O capito Antonio Victor Corre, tenente-eoro-
nel commandaote do batalbo de infamara n. 50,
da proviocU de Pernarabuco.
Jos Correa de Oliveira Andrade Jnior, major
ajadante de ordene do eommando superior do mu-
nicipio de Goyanna d msma provincia.
Foi privado do posto, de conformidad com o
art. 65 % da le de 19 de setembr Oe 1850, per
nao ler solicitado em tempo a respectiva patente,
o major ajudaote de ordens do eommando supe-
rior do municipio' de Goyanna, da provincia de
Pernsmbuco, Jos Eleuteno Pereira Rabello.
Para juiz de direilo da comarca de Maito-Gros-
so, da provincia do raesmo nome. foi nomeado por
decreto de 21 de junho o bacbarel Lourenco Be-
cerra Cavalcaote de Albnquerqae Lacerda, e nao
Lourenco Bezerra de Albuquerque Lacerda, como
se pnblicou.
rotas as negoeiaces officiosamente entaboladas
pelo Sr. raarquez de Herval para res-tabeleciraen-
to da paz, foi este geueral outra vez chamido
pelo presidente Batlle, e depois de larga confe-
rencia 'parti a 20 para o acampamento dos blan-
cos em Canelones. Parece que d'ali vria urna
coramiss) desies a conferenciar era Piedras com
outra que o governo para esle lira delegara.
Sabe-se que o general brazdeiro dera por lin-
das as negocia$oes, vi governo oriental formulara de completo submet-
iimento dos rebeldes. O novo chamado e a par-
tida do general para Canelones pareciam significar
que o governo desista daquella coudico, que im-
porta va o reconhec ment de vencedores e venci-
dos; mas ainla assi.n estavain rauito eofraqueci-
das as espera ocas de paz, e suppunba-se geral-
mente qae de Canelones o raarquez do Herval se
recolhena directamente sua estancia do Rio-
Grande do Sul, deixando que as commis9oes no-
meadas pelos dous partidos se entendessero como
quizessem.
CorrespoadeBda do Diarlo de
Per Bambuco.
RIO DE JANEIRO
CBTR, 4 DI JULHO.
Penco escreverel boje, porque Jevendo partir o
Ribeiro da Luz, Jaguaribe, Barros Brrelo, Fi-
gueira de Mello, Mamanguape, Ambrozio, Fernan-
des da Conha, Prederico, Jacintho de Mendonea,
Uchoa Cavalcante, Jos Bsnlo, Anto, Sapacahy,
Rio Branco, Braga, Vieira da Silva, Candido Men-
dos, Pirapama, Maroim, Jobim.
Deputados : Araaral, Pinheiro, Faasto d'Agaiar,
Siqueira Mendes, Castro; Graca, Jansen, Coelho
Rodrigues, Araujo Lima, Bandeira de Mello, Bra-
ga, Gomes da Silva, Dlogo Velho, Anizio, Pinto
Pessoa, Joo Alfredo, Tbeodoro, Aguiar, Portella,
Mello Reg, Arar;agy, Augusto d'OIlveira, Clemenli-
no, Pinto de Campos, Sobral, baro de Anadia,
Mello Moraes, Prado, Fiel, Gaimare, Ges, Af-'
fonso de Carvalho, Dionysio Martin, Rahia, Fran-
co, Carioso Fontes (dlssldente), Forreica Vianna
(dissidente), Jeronymo Teixeira, epdoy Toledo,
Joo Mendes, Duarte de Azevedo, Correa, Laguna,
Galvo, Buieocourt, Paranhos, Camillo Brrelo, Vi-
cente de Figaeiredo, Mariano Procopio, Camilla de
Figulredo, Benjamn, Candido da Rocha, Oimin-
gues, Pinto Lima, Baependy, Moreira da Rocha,
Araripe, Loiz Carlos, Villa da Barra, Henriques e
Junqueira.
Descontando-96 desse numera os dous dissiden-
tes e talvez mais dous oa tros, dizem-me qae to-
dos os oatrag votara com a governo, isto acei-
tara a ida capital da propostaventre livre, pe-
culio e tberla o qaando o escravo apresentar o
sea valor. Mas compre anda accrescentar esap
numero os Sr. Casado, Salles, Cardoso e Joo.
Sayo, os quaes, com qaaoto nao tivessem conipa
reddo reaniio, aceiisram o projecto via.da da
commissio.
Portan to, conta o goverrto conj flQ TQtQs, ao pes
No emtanto, era dijus jornaes A Reforma e o
Diario do Rio de Janeiro, iem-se procurad) asso-
alhar os factos diversamente do como occorrerara.
O gabinete nao pjlia ter pretendido sacrificir suas
vistas em relago a reforma proposta. E' raals do
que urna questo de prin-ipios, urna questo de
decoru.
O illustre Sr. visconde do Rio-BroM nao pro-
poz, outrosim, a di-cusso secreta ; expoado a* oc-
correncias e o que pensava sobre a marcha dos
neg:ios legislativos, disse que alguns amigos ha
vam-se leuibradu da requerer a sesso secreta,
mas que nao julgava isso possivel depois do franco
debate da resposta ao discurso da cora, e que, em
todo caso, s deveria ser promovida essa medida
de accordo com os dissidentes. Nao se trata de
susceptibilidades mioisteriaes; a conveniencia pu-
blica seria a uoica razo para ju3lificar a provi-
dencia
Nao tambem exacto que o destioctoSr. Tei-
xeira laoior pretendesse retroceder de suas op-
aioes ; e nem o llustre Sr. baro de Cotesipe f 1-
Inu na recomposico ministerial. Este illustre se-
nador fez completa justica ao gabinete, e expres-
sou-se do modo o mais claro em sentido favoravel
proposta. Alludio mesmo s ultimas conferen-
cias do gabinete de 16 de julho, quanto aceita-
Qo de diversas ideas, qne esto exaradas na pro-
posta.
E' verdade que o igualmente illustre Sr. ba-
ro de S. Lourenco fez referencias ao poucogsito
'com qae foi apresentada a proposta ; mas nao re-
ouqou sua opioio, ranito favoravel mesma pro-
posta, lamentando aflnal que a advocada houvesse
tomado conta da questo. O illustre senador de
sejaria qae a. discusso fosse calma, para que o
paz pudessa auferir os beneficios que espera-sa da
reforma.
< V-se, pois, que nao houve seno muita pru-
dencia e muita lealdade no modo preparar os ni-
mos para o grande d6bate. Nao iratou-se de ou-1
tra cousa seno de conciliar os espiritos para o
exame calmo e refleciido da materia. E a cornmis-
so nomeada ha de cumprir nobre e dasialeressa-
demenle o encargo qae tomoa.
RIO DE ti A SKI AO.
25 DE NHO.
O senado approvoa hontem em 3* discusso a
proposico sobre pensdes de que trata o parecer
da mesa n. 359 ; em %' discusso tres propieicoes
sobre peoses ds qae tratara os Dreeeres os.
360, 361 e 362f
Proseguio a discusso, que havia fleado adiada
na sesso antecedente, do requerimento do Sr. ba-
ro de S. L.trareooo, para qae o senado faca con-
signar na acta a manifestado deseas sentimen-
tos em'telacjip aos ltimos successos na capital
da PFMfA-
Oraram, os Srs. Octavano, visconde' de S. Vi-
oeste, visoonde do Rio-Branco e Silveira da Mol-
la, e ftcou a discusso adiada paVa passar-se 4 1/
parai da ordem do da.
Continuon a f> discassio da reforma udciaria,
e foi apoiada a segainte emenda ao 5 4* o)o
Por carta imperial de 21 do corrente, foi no-
meado Ernesto Rossi oficial da ordem da Rosa.
-28
O senado approvou hornera em 3' discusso tres
proposicocs sobre pensoes, e era 2a discusso qua-
tro proposicoes tambem sobre pensoes.
Passoa em 3' discusso a proposito acerca do
privilegio para fabric i de mosaicos.
Entrando em discusso a proposica conceden-
do licenca a Joo Baptista da Silva Preitas, foi
eomraisso de saude publica, a requerimento do
Sr. Jobim.
Proseguio a 3' discusso da proposta do poder
executivo couce leodo um crdito de 3o,000:000
para o prolongamento da estrada de ferro de D.
Pedro II.
O Sr. visconde de Itaborahy offereceu a segura-
te emenda, que foi apoiada :
O governo fica autorisado a deduzir do pro-
ducto do emprestimo contrahido ltimamente em
Londres a so rama de 20,000:0005 para as despe-
zas de qne trata o art. 1. o
Oraram os Srs. Jobim, Pompeo, baro de S.
Lourenco, visconde de Itaborahy e do Rio-Branco.
Encerrada a discusso, foram approvadas as_
emendas dos Srs. visconde do Rio-Branco (substi-*
luva>\ Sinimbd e visconde de Itaborahy. A emen-
da do Sr. Pompeo foi rejeitada, e a primeira do
Sr. visconde do Rio-Braitpo ficoa prejudicada.
A proposta assim emendada foi adoptada e re-
medida cornmisso de redaeco.
Continuou a 2* discusso da reforma judicia-
na. Oroa o Sr. Zacaras. Ficou a discusso adia-
da pela hora.
-29
O senado adoptou hooiem em 3' discusso cin-
co resolucoes approvando pensdes, e em 2' dis-
cusso as proposiQoes sobre dispensas requeri-
das pelos esindanies Domingos Lyra da Silva e
Joo Bapusu Monteiro de Miranda Ribeiro.
Proseguio a discusso do requerimento do Sr
baro de S. Laurenco, acerca dos ltimos succes-
sos de Pariz, e oraram os Srs. Zacaras e Candido
Mendes, tornando a discusso a lijar adiada pela
hora.
Coutfnaou a 2a discusso da reforma jadiciaria
e orsram os Srs. Paranagu o baro de S. Lou-
ri-nco.
Por decn-to de 28 do passado foi aposentado,
com o vencimento que Ihe competir, Ignacio Jas
de Soma, administrador do correio da provincia
de Sergipe.
Por decreto de igual data foi nomeado para o
referido lugar Felippe Jos do Bomflm, com os
venciraenti- da tabella a que se refere o art. 25
da lei n. 939 de 26 de setembr de 1857.
Por portara de 30 do passado- foi nomeado
Lanriano Jos Martins Penha para o lugar de dese-
nbista da cornmisso eocarregada de organisar a
carta geral do Imperio, com o vencimento de 90*
mensaes.
A cmara dos deputados approvou hontem, em
urna s discusso, o projecto que concede aposen
tadoria ao desembargador da relac&o do Rio de
Janiiro' Venancio Jos Lisboa, com o ordenaoo por
mteiro e com as honras de ministro do supremo
tribunal de justica.
Approvou depois, tambera em urna s discus-
so, o projecto que concede aposentadora ao juiz
de direito Paotaleo Jos da Silva Ramos, cora
a< lionras de desembargador e o ordenado que Ibe
for devjdo.
Approvou em seguida em l3 discusso n pro-
jecto que concede ao II ispicio de Pedro II 20 lote
rus para coadjavar a coutroua^o das obras do
seu edificio.
Approvou ainda era Io discusso o orojeclo que
lienta de peubores e arrestos as pensoes usufrui-
das poLs pensionistas do montepo geral estaba-
lecidp nesta corle.
Trtou logo aps da 2a discusso^. do projecto
determinando que os titules de approvaco plena
nos exames coraprebendidos nos cursos prepara-
torios anoexos s fatuidades da direito, academias
de medicina e escolas central, militar a de mari-
nha, feitos em qualquer dellas, serio validos em
qualquer outra. Depois de algumas observacoes
dos Srs. Da^ue-Estrada Teixeira e ministro do im-
perio, ii:'vii a discusso adiada pela hora.
Foi offerecida ao projecto a seguale emenda :
Suppnma-se a palavraplenado art. i*.
Jansen di Paco.
Continuon em ultimo lugar a 2* discusso do
art. 1 da proposta do governo que lisa a forca
naval para o anno nanceiro de 1872 a 1873. Ora-
ram os Srs. Paulino de Sou/.a e Evaagelista Lobato
Meando a discusso adiada pela hora.
i -Lx
O senado adoptou hontem em 3a discusso urna
proposico approvando pensdes, e era 2* discusso
outra proposico tambera approvando peasoas.
Prosegarado a discusso do requerimento do Sr.
baro de S. Lourenco, acerca dos ltimos aconte-,
cimeotos de Pariz, oroa o Sr. baro de S. Louren-
co, e foi approvado o requerimento com a segra-
te redaeco :
< Que o senado associe-se cmara dos Srs.
deputados na raaniestaeo do sentimento de hor-
ror contra a anarebia que acaba de destruir a
mais bella parte da grande capital da Franca ;
congratulndose pela victoria da causa da civi-
lisaeo e dos principios do ebristianismo ; e man-
dando consignar na acta esta solemne declara-
gao,,.
Continuou a 2a discusso da reforma juJiciaria
Oraram os Srs. Candido Mendes e baro de Muri-
tiba!
A discusso licou adiada pela hora.
Na cmara dos deputados, hontem, logo depois
do expediente, o Sr. Pinto de Campos leu e man-
dn mesa o parecer da cornmisso especial so-
bre o elemento servil (o qual comegamos a dar na
nossa 8' pagina).
Por decretos de 23 de junho ;
Foram removidos, a pedido, oa juizes c
paes e de orpbos :
Bacharel Jos Pedreira Franca Jnior, do termo
de Alabadla e para o do inhambupe, ambos na
provincia da Baha.
Bacharel Sesostrir, Silvio de Morana Sarment,
dos termos reunidos de Jaics e Picos para os de
S. Gonzalo e jerumenba, todos na nrovincia
Piauhy.
Per decretos de 28 de jtfnho ultimo :
Foi nomeado o Dr. Abdoo Pelibto Milanez par
sojlugaresKle commissario vaccinador e de ins-
pector de sale publica e do porto da provincia
da Parahyba.
Foram concedidas as seguintes pensoes,:
A* condessa da Ba-Vita a de 1:200* annaaes
em attencd aos relevantes servicos que prestou
ao estado o sead ir conde do mesmo titulo.
A D. Helena Carolina Carneiro de Campos de
Paula e Albuquerque a de igaal qoantia annual
em attenco aos relevantes servicos que presin ao
estado seu marido, o senador conselheiro Fran-
cisco de 'aola de Almeida e Albuquerque.
A D. Isabel Mues Belfort Vieira, a de igual
quauua animal, em attengo aos relevantes servi-
dos prestados ao estado por seu marido, o sena-
dor conselbeiro Joo Pedro Dias Vieira.
A D. Maria Lucia de Oliveira Pilar e Mello, va-
va do coronel houorario do exercito Aotouio de
Mello e Albuquerque, fallecido em consequencia de
molestias adquiridas em campanha, a de 1:0004
annual.
A D Carolina Francisca de S? Godrho, mi de
2o lente a armada Alfonso de Almeida Godiolio
fallecido em consequencia de molestias adquiri-
das em campanha, a de 1:000 j annual.
Por t'tulos de 28 do mez passado, foram no-
meados segtindos escripturanos da alfandega de
Aracaj, Gustavo Rolemberg da Fonseca Neves e
Pedro Celestino Martins Penna.
Por decretos de 28 do passado, foi transferido
para a 1" companhia do li batalbo de infamara
u capito do 21 batalhoda mesma arma, Aotonic
rlermido dos Santos Coelho.
i=;
O senado adoptou hoot-m em 3" discusso a
proposico approvando a peuso concedida o al-
teres Jos Moreira de Manos, e em 2a discusso
tres proposicoes approvando as pensoes concedi-
das ao alteres Joo Soares Baptista Machado, a
Heller Ihrfield e ao lente Augusto Julio La-
casse.
Continuou a 2a discusso da reforma judiciaria.
Oraram qs Srs. Sayo Lobato e Pompeo, e licon a
discusso adiada pela bora.
Na cmara dos deputados, hontem, o Sr. Bit-
tencourt, lundameotou o seguinle requerimento,
que foi approvado :
< Requeiro qae se pecam ao governo copia dn
parecer dos peritos sobre os vapores desiinads
navegacio costeira na Iroh de sal at Montevideo,
contratada com Estevo Busck & Ce bes assim
as raformacoes que ao mesmo governo tenbara si-
do dadas pelo presidente do Rio Grande do Sul so-
bre as demissoes concedidas aos diversos comman-
dantes das fronteiras. o
Occopea-se depois a cmara com a 3a discusso
da proposta do governo que ftxa as torcas de tr-
ra nara o anno nanceiro de 1872 a 1873.
Oraram os Srs. Duque Estrada Teixeira, Alen-
car Araripe e Rodrigo Silva, ficando a discusso
adiada pela bora.
Pelo paqnete inglez Caldera, recebemos hontem
folhas do Rio da Prala at 27 do passado.
No dia 1 do corrente devia abnr-se era Buenos-
Ayres o congresso argentino, naven lo ja presentes
numero suficiente de membros.
Ne Estado Oriental embora proseguissem anda-
as negociacoes, teado tido o general marqoez de
Herval soccessivas conferencias cora os chefes des
exercitos blanco e colorado, cada vez se lornavam
mais frouxas as eiperancas de paa.
Os bomens qae rodeavam o presidente Baile pa->
reciam empenbados em proseguir na guerra,
sem boa vontade de parte a parte, impossivel se-
ria chegtr a nm resultado satisfactorio.
As forcas do governo, esperando aehar despre-
venidos os contrarios e confiado na especie de ai-
mistico que, embora nao acordado, se observava
reciprocamente emquanto se tratava de negocia-
ces, emprenenderam urna marcha rpida sobre
os blancos, mas acharam-n'os lio bem poslados e
fortificados que nao teniaram o ataque.
Apezar* disto, a primeira noticia que chegou a-
MonievidO'fDi da completa derrota dos rebeldes,
e a imprenta cantn victoria, declarando qne era
assim qae desejava a paz. Cora semelhante dis-
do i pjsicio dos espirilos, nao era (acil obter por meros
! conciliatorios o desenlace de ama questo que pi-
reca de ver disputar -se pelas anuas al completo




Foi concedida ao bacharel Floriano Jos, de Mi-
ar-| randa, a exoneraco qua pedio do lugar, de jo I amquilameoto do paii.
I municipal e. de orphaos dos termos, reunidos m A carta do nosso oorr
'tyqal numero de sapplen^ej, ter.q os a\in | pjbw e AUlja, da provincia. i]a,s. Alagoa. I contm siguas, aaimeoaii
de Meutevdu
leressantes sobr^
w
I M


na*
Djarw d Peniambucn
-i
m
^
Qtimtn
jl_____
(eir 13 3 lulho p 1871
asudo de coalas, que est loase4 augurar ^
e trauquilisad ir e lisongeiro. '
Por decretos de 58 de joflho tftimo, toram i
IVoraoannaa secretario delegarlo na repblica
a Veezuta4 o addido de 1* classe Alfredo Ser-
fio TeXeira de Maceda.
flootano wtdido de l casse legaca *>> B'r"
lim, o bichara* em direrto, Basilio liioere nda.
qaanios o conheciam neta sua affabiMdnne a ao-

Por decreto de 27 #ejunho oltims, forana trans-
ftidos os capiaes de porios, capilla de fragata
reformados, .A chilles Laeenbe'e f.aatann Al ves de
Souza Filsueiras ; e primeiro da prov msla Lea-
r para a da Paruiyba, o Segundo desia para
aquella proviso.
Por portara d 30 da'Jnnho ultimo, foi noneado
Claulio Ferrai das Sanios, pr aticen darepar
ticaj fiscal anaexa i secretaria de estado dos ne-
gocios da guerra.
Por portara da meara lata foi nme*' *
lente graduado Sergio Tertulian Gastello man-
eo, ajadaote e orden de coraraando das armas
A pensio concedida por decreto de* de junto)'
rttimo, a B. t^rolin* Francisca de Si Godinho,
ai do f tenante da armada Alfonso de Almeida
odiaba, de 424 tneasae, igaal ao odo da pa
sent daqaelto ulUcui, e nao de I tiOO aouual,
cono foi. publicado.
Por porfaria d* 30 do corrente co'ucederam-se
ao cooego QintilMno Jo do Amaral, vicario col
lado da reguezia de S.mi Antonio, desu cor a,
loas mezes de hceoca con vencimeoto da respec-
tiva congrua, para iralar da *u sauda ; de[xan-
do sacerdote qie o substituu, de ajprovaco do
respectivo diocesano.
Por decreto. 1924 dc&l de janho passado fm
approvado o de n. 4581 de 24 de agosto de 187U.
qoe conceden privilegie a 'Francisco Windtaauseu
para a introdcelo no ik de machinas de sua iu-
venci.
L-se na Bevista Qtmmeivial de Santos de 7 do
'passado :
O Sr. Theodor Wille. chefe de un* aobga
-.eooceituada casa qninercial desia cidade, reinel-
teu da Europa, onde ha aonus reside, a quanua de
-1:0004 destinada para as obras da igreja da or-
' dem tercena do Carme.
O donativo realca aioda raais o aator, sahee-
do-se que enanca a religio urotestantH; sauda,
fiortant, o acto urna lerabranca generosa do noli
go habitante, da Santa* em baiiettcio de um templo
da cidade em que eonquisiou, por seu iraaaMH -e
ena honradez, o bom nomo de que gasa, tanto aqm
como na Europa.
Escrevem-aos da Vasaouras :
Fallecen B. Maria Luiza Extrexe, deixaedn
por testamento 7 escravos libertos.
Tamben falleceu D. Auna Esmena Teixeira
-Leile, a por lasuaento libartou a t e'^cravo*. Jei-
xando uma>asada de 81 a cada um, eio<|uauto vi-
verem .
O senado adoptou houiaro ain 3' diWMMO 3 pro-
posices approvando pensdes e duas sobre dispen-
sas pedidas por e-it'i'l iiii"'.
Passaram em 2* dueu*) as proposi?oes :
I." Sobre, penso a I). Belmira de M.iroareonas
Ar-uca. .
2.* Cooeedendo dispensa ao estudaote Luic llo-
dolpho Duque-Entrada Savao.
Entrando ein l* discu^o o projeclo croando
Mis relaces ao imperio, foi enviad comrais-
ao de legisla^ao, a requerimento do Sr, Leiiao da
Outiha.
Cootinuou a i' discusso da reforma judi-
ciana. Orou o Sr. Saraira e foi eucerrada a dis-
casso.
Projedeado-sa a votagfn, foi appiovado o art.
! doprojeen da cmara dos itepuuio* con todas
as emendas da com mis-a) de legislara. Armis
emendas foram rejuiladas ou Qcarain prejuli-
cadas.
Passou-se dweuaio do art 1* e orarara os Srs.
Zacliarias, wyao Lobato e Bario de uriUoa. A
discusio liu adiada pela hora.
A cmara' do's depuudu* elegeu honlem para
memaros da mesa que tm de fuucciouir nes'v
mu os mesinjs que laiucionarain u mez pas-
sado.
Continnou depois a 3" discussao da propnsta do
goveroo que lixa a* forjas de ierra para o auno li-
aancer de 1872 a 1873.
Foi olTerecida a seguiute emenda :
Aoartigi da propoatt accrescenlase : com
tant que a- irwsfarensias seain fetas no primei-
ro pj-i com antiguidade meiior que as dos oln-
ciaes existentes ms olas** para qu ellas se etlec-
tuem.Duque Bttrada Teixeira. *
Depois de orarem os Srs. ministros dos nego-
cios esiraugeir* e Andrade Kigueira. o ullereci-
do por eMe anhar u seguate requerimento, caja
disr.o>s:i licou adiada pela hora, depois de orar o
Sr. l'ereira da Silva : .
Itequeim que fique adiada a discussao at que
cnmpareca o Sr. ministro da guerra, o qual deve
r wr convidado.
Fi a imprimir a seguinte rectificaba :
No discurso, hnietn publicado, do St Ean-
gelisla Lobato apparero com imervip.il para
apoiar ama assenli do orador relaiiva a desejo
quf Ihe manifestara o Sr. Or. Barcallos, de x >ne-
raco do cargo de 1- viee-t>residente da provincia
do Rio Grande d Sul. Nao saliendo de tas ma-
BifesU^des, nao poda ea confirmar o enunciado
do n 'tire deputado.
Varios apartes por mim dados ni correr do
mesmo discurso, com excepra dos dous unimos,
foram lomados inexacta ou ine.oinpleainan'e, ea-
volveado s vezes cnlras-nso. Gomo na ifegho
empenno em reiabelece-los, pe?o qu aejam elimi-
nados ao passar-se para os annaas a eoinpoicao
d Jormal do Commercio. 3 de junli do tS71.
Paulino de Souza.
Por despacho de 30 do mez pausado foi concedi-
da a Elisario Augusto da Rocha, a demissao que
pedio do lugar de 3 eseriplurano da thesourana
da S. Pedro do Rio 3rande do Sul.
rez.ta de carcter, o Dr. Matheus de Addr-ade
deiiou, repentinamente exi5ia*dti iqu pereca
prometter-lhe sioda annos longo e prsperos.
A noticia de saa inorte caasou bottan rnsts
cidade profunda consternacao. Rarissima erapa,
com ffit, enlfe n6s as pessoas que o nao cone-
eiain, se na-i a pessoa, pelo menos o nome do Dr.
Malheus. de Andrade, pronunealo sempre e
louvores.
Apeaas se espalhon essa aAicia os estudiles
da escola dt madWna rea al rara se e resolvpMi
acompatliaT p; e trajando Ihto, sanjtt<
fnebre ; toioar luto por 1 dia, endo ^faado segoix>
e 7 allivudo ; mandar celebrar do :w da 4o san
fallecimenlo urna uiissa namaa com Linmw*
pelo repavso da alna do fallecido.
A primeira deataa resohiroes foi pontualnente
extcuuda. As i horas da tttd* de honun o
prestito fnebre sanio da fu do Roan. e<-
mdantes de mewiaa, a eom efles quasi indos os^
principaes mdicos desta enrte, alm de ttroitos^
oatros amigos Mo fallecido, trajando lulo, segui-
rn p, formando alas, enir'e as quaa ia o M
retro, at o largo da Lapa, de onda # arpo ftw
transportado em -carro para o ceraiierio, acompa-
nluido por multas dos qae haviara ido ?'
Wfnma manifestacio digoa dos que a _nie-
ram a dafuelle em honra de cuja memoria foi ella
fe.ua.
--------T-
efundo
esenpiararto Jos Gonealve
*> oweeraa d> imparto a obrfcrafn da fraiafla- Santo
lar os instituios "f*e.M.i4Js ni cjria e na e*p< Fraga.
da provincia da Baha, V
Por decreto o. 4 745 4a t8 da untto alOnVi fcji Vor decreto de 30 do prximo passado foi anio-
coocsdida eomp .nhia Salultridada a nennaat'* riaada a fuoccionar ne?u cidade a Companhia de
anpypiaoaa para fuucciouar, e appeovadoa seu Itguroi de Vida Brasileira e approvaaos os seus
eutaiuloi. 'etatutos.
Par decreto n. 4,746 da mesma dala mace
dease aatorisara companhia ioeieaa- The Reuniram-se hontem, ao meio dia, na praca do
Royal lusuranca Co o oroviooja^a Peruj^ntonni ?,, Jf oaaiaaal, afim de rapnasenurem ao governonpe
PorHaffctn n!%747 ilp'' mn approvadaa a* alterante* laita* pah oimpatona de reirs para fazerera a navagaeao da cabotagem.
. contra o fofo loteraaaa Ptblico, amnbaa- iTmanonjiniisso. composta do Sr. Antonio Joa-
cma oa eapB.il ila Babia, m vanos arUgna de guim dp Santa Barbara, Garloa Aawaio Gomase
seus ltelos. || Aniotjn da Silveira Maciel Jonior, apresenioa e
A'Sra. D. Ignez Pereira de Cherraonl Rolrigues
passooarte'de liberdade ao seu escravo Telase,
de (i awos de idade, no dia 11 do pascad, anu
versarlo "natalicio de seu filho Jos Mafia Cherraonl
RoJriges I
OCemmemal, folha d. Rio Grande do Sal, em
d.'ci 4e-22 do psssado, noticia segointe :
< Deu-se nesta cidade um aceoieciment nota-
vel, de que foram ustemunhas muitas pessyas
a i|ne todava nao se vnlgarisoa.
A bordo de um navio esirangeiro, surto em
nosso porto, haver cerca de quatro para c,i neo
mezas, morreu om marinheiro ou assi o foi con-i-
derndo pelo capitao ou tnpolaco lo navio. Paria
da iripolacao dirigio-se ao armador Sr. Luiz Jos
d Obfatrn e me encomm-ndaram um eaixao, e,
prompio elle, levou-o o Sr. Lniz para ser enllocado
o fallecido. .
Assim effectaado, ia eonduzidn a mao pela tn-
poiacao, que querendo descansar aproveiiou na
ra do General O-ono por oade iam, um banco de
carpinleiro e nelle puzeram o caix. N-sla oc
casino nenliram movnuents dentro e fa?eud esfor-
r, s para abrir o mesino; os marinheiros assusu
dos deiuram a fugir, olhando de vez em quaodo
para irnz, admirados da resarreicAo do compa-
nner, mas nada de voltarem.
t O caixio linha eahido ao chao, e o Sr. Luiz
abri-o, o marinheiro deu um pulo e poz se em
p. dingindo a falla o S. Luiz diz:Mi qer mi
bordoa Sr. Luiz fleugmalicameole responde
pode seguir.
O que se passou depois ainda innoramos.
1 4
O senado adoptou hoatera em 3" discussa a
prnposicao qae se refera o parecer da masa n.
373, soore penso ; e em 2" discussao as pr pu-
Mces approvandp as penso-s concedidas a D. M*
na Tliereza dos Rei-, D. Iphijenia daSouza e
Mello e outra, ao alfares reformado Olympio Au
relio de Lima Cmara.
Passaram depois em 2a discanto as proposites
sobre dispansas pedidas pelos estalante- lula de
Moraes Vieira da Cunha e Jos Borges Ribeiro da
C sta.
Proseguio a 2" discussao da reforma juliciana.
e oraram anda sobre o art. 2* os Srs. Gandid
lleudes, Pompen. Silveira Lobo, Saralva, Bario das
Tres-Barras e Paranagu : a discussao flcou adia-
da pela bora.
Bscreve nos de Vnlmc.i;
> No I." saneslfn de 1171 as lber dadas con-
cedida, nesta idade, c.nl*aie das carina re-
gistradas e dos testaraenM existentes no enrtono
do lakelliao Araujo, forana em numero de 36,
sendo: gratuitamente li; mediante retribuirn
pecuniaria, 6 ; opndicionairneale, 16.
N mei te- jai|o corrate > Sr. totTlo idprf-
bas concedea liberdade graiuitment ao swnes-
eravo Aurelio, em aiienco a ler este nucido a o
mesmo da em que nasceu um Mo do referido
liar, de nome Antonio.
c oanoadea liberdade raiuiuuieut-i a ana nsorava
de nome Rsparanca.
O C de 29 do pissado ntira o seguinte :
< Falleceu na freguezia d Carmo desta lerrao
Anua Francisca de Oliveira, dallando, por verba
em seu testamento, libertos os aans atoraros d-
nome Kranjisca, de naci Angola, l'mbeiina, Lu-
cia e Jos Francisco, legaaJo ds sua terj. aos
tres iiitiinus, ires alqueres ue trras de planta da
sua propnedade. >
Ta cmara dos dapaiados% hontem. logo depois
da leiura do expediente, o Sr. Benjainim funda-
meulou os seguimas projactos, que forana as com-
uiissdas de instruccao publica e saade publica :
c A asseinbla 'geral resol va :
< Art. l. Os alu,mnos approvado oa escola de
pharniacia da Ouro-Preto poderao exercer a sua
pro lis. a em todo o imperio.
t Art. 2. Revogaiii-se as disputes em con-
trario.
A assarabla geral resolve :
* Art. I. O presidentes de provincia poderao
conceder licenc pira abrir-se boticas nos casos e
pela furnia p-r que faz actualmente o ministro da
imperio.
t Aru 2. Revogam-se as disposicSes em con-
tra ri-i.
Eutraodo-se na ordem do dia, a cmara appro-,
vou em lerceira discasso, com varias einmlas, o
projeclo que a itorisa o goverao para conceder
mais dra anno Ai liceuca, com os seus veuclmen
t-.s, a chafe de seccio da alfandega da Baha. Ma-
nuel O lonco Mendes de Amorim, para tratar de
sua saud oa Europa.
Tratan am seguida, aoglobadaroente, das emen-
das d sead a propofta do govarno autorisaad
mesmo enverno para contrahr o emprestimo de
3o,OOl):0004000 desuado a completar as imitas da
estrada de ferro de D. Pairo II. Orou o Sr. Aa-
Un-i Prado, Ikand a discussao adiada pela hora.
Continnou em ultimo lugar a terceira discussao
da proposta do governo, que flxa as toress de mar
para o auno linanceiro do I87 a 1873. Orarara
os Srs. miuisiro respectivo e Mello Mallos, ficando
esta discussao tambera adiada pela hora.
lea o prjecto de represnanco, que boje publica-
mos na nutro lugar desta folha.
Asnjjnidi a representa cao, resolvea-se que tos-
se ella atrege a directora da Assooiacao Coni-
mercial afii de ser per ata (erada presanca do
governo.
Por carta imperial de 28 de janho ultimo foi no-
meado commendador da ordem da B a o sub-
dita portuguez conselheiro Carlos Ferreira dos
Santos.
Falleceu honlem e deve sepultar-se hoje no ee-
mrterio de S. Francisco Xavier o Sr. Jos da silva
Mafra, senador do imperio pela provincia de Santa
Camarina, d'onde era natural.
Dotad i das mais apreciaveis qualidades", de il-
Instracao solida e vanada, de amenissimo irato,
realzado por uraa requintada ingalea e moda-lia,
fosa va o finado da estimx e consideracao de seus
collegas a de qnanios entretmham com elle rela-
poas da amisade.
Abracando a carrera d-s armas, soube celia,
4istoguir-se a ponto de rhegar dos nfimos posios
ao de tenenfa-coronel anj que se relormara ; la-
zeodo as suas primeiras provas na rpida e bera
accedida expedicao da GuyeaiA.
Servio por algaos aonosp Uagar de secretario da
presidencia da sna provincia natal; da qual foi
tambera vice presidente ; sendj finalmente esco-
Ihido para repreeeoU-la na cmara viulicia, onde
aerceu por mu'.os anuos as aneroes do 1 secre-
tario, que resignou ulUraaraenla era razai dos sf-
frimentos physccs inherentes sua idade avan-
zada
Era o illa-lre finado comnonndador da ordem de
8. Beato de Aviz, offlcial la Rosa e cavalheiro do
Cruseiro e vaador de S. M. Imperairiz.
I).isa n seal r M.fra raais urna hanrosa me-
moria, firmada na sua illastrai;ao, intoireza, pro-
bidade e nos relevantes servio* prestados cau^a
4o paiz. '
Por poruria de 3 do corrate foi aomeado para
o lagar de director da colonia militar de Santa
Tbereza, na provincia de Santa Citharina, o cpi
lio honorario do axencito Ziferino Aolonio Fer-
reira.
8. A. o Sr. Conde d'Eu,j'icompanhado do Sr.
arigadeirokGomes I arda e dos mais membros da
eommissao de melhorami'ntos do material do ejer-
cito, usisto bontem 4 do corrant > as experiencias
que a nvssma commissao proceden em varios sys-
temns de eapioaardas de carregar pala colalra.
Fiadas as experiencias, sua altesa pereorreu toda*
as dependneas do estabaleciineoio dos'aprendizes
artlbeiros, visitando diversas aQla&r
Na cmara dos deputados, hontem, logo depois
da leitura do expedante, o Sr. FerToifa lla'VjMga
Jundamenlou o seguinte re juericnanto, cuja dw-
cussj licou adiada, depois de algumas observa-
ces do Sr. Atfonsu de Carvalho :
llequeiro que pelo ministerio da jnstica me
sejam leinettidas iBformsces sobre o processo
mandad instaurar, por aviso de 29 de seterahr
de 1870, cintra o >uiz municipal e de orpha>s d
lermo da cidade Formosa de Alienas, na_proviacia
ds Minas, o bacharel Aoiuio Augusto" dos Iteis
Serapiu.
Era seguida o 6r. Rodrigo Silva, dap .is de algu-
mas ubserv.cdes, mandn mesa, para ser lanuda
em consideracao, urna represenlacio ds lavrado-
res do municipio de lu, era 5. Paulo, sobre o ele-
mento servil.
EutranJo-.e na orden do dia, a cmara appro-
vou em una s discussa j o projacto approvand
pan-oes a 0. Emiliana da Richa Fragoso a a ou-
iros.
Approvou depois, tarnbem era uraa s discussao,
o projeclo que antoras o gwerno para mandar u
ieoente-eoronel FloTMO Vieira Peixolo prestar n
exame de raineralogia.aflm de que o mesmo possa
obier o grao de bacharol em mathematiCav
Approvou era seguida, em 2* discussao, o pro
jecio que isenta de pnhra e areslus as pensaas
sufruidas pelos pensionistas, do monie-pio geral
estabelecido nesta corl. '
Approvou roais em 2' discussao o orojecto que
aatotisa o goveruo para maodar revogar o ari.
181 do decreto n. 3083, na parte era que dil que
o a'nmno da escola central que nio for apjrova-
do pleuaraenie nao peder obter ogt> de bicha-
rel ein scieucias pbysieas e matheinaticas.
Approvou ainda, com uina amendi, o art. I* do
prjecto determinando que os Ululas de appruva-
c4o plena uos xames eompreheudidos nos cursos
preparatorios aunexos s faculdades de direilo,
academias do medicina e escolas central, militar e
de marinha feitos em qualjuer aellas, ser v-
lidos era qoalquer oatra.
Tratou depois da 3' discussao do prjecto que
aiitohsa o governo para con :eder raais ura anno
de liceoija com os seus vencimenlos ao chefe de
seccao da aKaodap da Baha Manael Odorico Man-
de, de Amorni para tra.ar de sua sade ua Eu-
ropa.
Depois de orar o Sr. Coelho RoJrigues, ficou a
discussao adi.ida pela bora.
Foram offerecidas esle projeclo as segrales
emendas :
Fica o governo autorisado a conceder ao des-
embargador da relar.o da arta, aijuncto do tri-
bunal do commercio", Firmmo Rodrigo Silva, um
anno de I i canea cora todos s seus vsncimenio'.
para tratar de sua sade, onde Ihe cunvier. Jos
Calman.
t E' o governo antorisado ,a conceder ao wi
de direitu Marcos Con.ia da Cmara Tamarindo
um anno de lieenija com todos os vencHiif-nt*,
para tratar de sua sade onde .Ihe eonvier.Souio
Res.
Ap; rovoa log aps, em 3' discussao, a propos-
ta do governo qoe lixa as-toreas da trra para o
anno linanceiro de 1872 a 1873.
Oceup'jB-se em ultimo lugar com a 3* discussao
da proposla do governo que lixa as funjas de mar
para o mesmo anno linanceiro. Orarara os Srs.
Duque-iSstrada Teixeira e Junqueira, licando a
discus;o adiada pela hora.
Paja paquete franeez Gironde re "-abemos hon-
lem tomas do R: > da Praia at 1 do correute.
Era Buenos-Ayres, embora houvesse desappare-
ri i a epidemia, ainda se davara quasi diariamente
alguns casos fataes, quahOcados como de febre
amarella. Na cidade de Comentas reapparecara
a uiesina epidemia araeacauJo fazer novos es-
tragos.
Depois de multas encontradas noticias, apre-
goadns como eeriissimas n'um dia e desmentidas
no outre, caegou tiaalmnjtea Montevideo, poucas
h >ras antes da sahida do paqaele, urna caria do
r. Mrquez ao Hervai ao presdanle Baile, desva-
neceado as poucas esperanzas de paz que aioda
sa outiiam. O illustre general braHleiro derla
n va que, nao havendo podido conseguir dos blan-
cos que aceitassem as eoudicoes postas pejogj-
i*ef no 4o mesrao presidente, nem trazar n um ac-
erarlo os chafes dos dous exercijos, dava_ por
terminada a sua amistosa iotervenijao e retirara-se
para a sua estancia, ora o petar de nao Ihe ha-
v. r sido dado ongracar a familia oriental.
I, pois, proseguir nraa guerra civil qae se
ao pode prever termo desde qae ao partido qae
de mmenlo se sent mais frac resta sempre o
recurso de esquivar ama bataiba cujo resultado
-eji o anniquillamento de um dos ex-rcito?. Se,
como at agora, os Mantos conlinuarem a raos
trar-se impotentes para lomar de assalt a capital
e .ao mesmo lempo assaz furtes ou nasal ligeiros
u,s movimentos para se nj deixarem e-niagar
am campo abarlo, a guerra se protrahir al
completa exhanrieao as forjas do paiz ou at qae
aigum fado nao cogitado lae traga um desenlace
qoaiquer. _
A cartas dr nwsos earrasponlentes da Bue-
nos-Ayras e Manierido traxem algumas partioa-
laridades inleressantes, e brevemente sero publi-
cadas.
Kpaltna-fe hontem a larde no cemiterio de S
Joo Bapunta da Lsga o Dr. Matheus a I ves d
Andrade, falaedo ante hontem n? collegio de S
Pedro de Alcntara, ao Rio Comprido.
to vigor da idade, era me de ama carr*ira'
naiHnote, nade ia oonqnistra nomo respeadow Por decreto n. 4,744 de 23 do paseado tn Hn-
jm nparadar mtka disiiocto, estimado 4|posi aac tetante* do 5. anuo das faeoiaadei
Por decretos da 5 do correa, com aotiguidade
de 13 de maio do corrente aoao, toram promovidos
para o* dilferentes coros e armas do exareito os
ulficlaes abaixo declarados.
Carpo de engenheiro.-P.tibrigadeiro gradaa
d o cironel Galdioo Justiinado da Silva Pimeiuol.
Corpo de saade do exarciW. -Para cirurg-S-
mores de divisooscirurgides- nres de divisio gra-
duados Polvcarpo Cesano de Barros, por aotigui-
dade ; Jos' Muaz Cirdeiro Guahy, por meraci-
meiitii.
Para cirurgos-mores de brigada os cirurgjes-
mra de bngaia gradados Lan Antonio men-
la, por anliguidade ; Jos Joaqaim Goncalves de
Carvalho, por mei aciment; Anlonto de Souza
Djntas, dem.
Para priuieiros cimrgiSes os primelros cirur-
gi<3ss graduados Plalio Joto Alvos Rigaud, Joaqr.-n
\Ui i.iiiuo da Maced Soare-, Jjs .aviar da Cosa,
Kupnrosia Panlaleao Francise Nery, Jo Anto-
nio da S.lva Marques, Antonio Carlos Pires de Car-
valho Albuquerqua.
Para.pliarmaceiicos-teoeotas; os phactonceuii-
cos-teoeatas graduados Lucio Planalo dnS.lv* t
luSb Jos Doria ; osi pharmaceuiicos-alfre* Ceci
nio Pacheco. Amyotas Silvano de Brito 4 Manool
Francisco de Oliveira.
Arma da civallaria. I." regiment j para coro-
nel o corouel graiuado da 3. regiment Justmiano
Sabiu da Roctia. por Coronel o tenante-coronel graduaJo do dito rjgi
mani Jos Mara Brrelo Fatcao, por aotiguidade.
i regiment.Para coronel o coronel .gradua-
do do i. regiment AgOslinbo Maria Piquet, por
antiguioade.
2." corpo da caladores a cavallo.Para leen
te-coronel comraaulanie o raajor do%2" regiment
Antoaio Nicolao Falco da Fr u, por mereciment.
Furaln transferidos para o corpo de estadomaior
de ariiihana os coronis Jo 3. batalhao da atasaja
arma Conrado Maria da Silva BiUencourt e do o..
dito dita Hermenegildo de Albuquerque Poriocar
rero.
Para o 5. regiment de .avallara ligelra o bn-
gadeiro graduado do 2." corpo de cacadores a ca-
vallo Augusto Fredaricj Pacheco.
Foi incluido ao 3." regiment de cavallana li-
geira o tenaule-coronel aggregado arma Manoel
Lucas de Sonta.
Em attemjao aos relevantes servicos prestados
durante a guerra, concederam-so as honras de ci-
lurgio-mr de brigada do corpo de saude do
exordio aos doutores erannedicina Augusto Can-
dido Fortes de B sumante e S e Luiz Bindeira
de Goman.
Por poruria de 4 do corrente foi nnmeado o raa-
jor do corpo de engenheiros Jos Francisco de
Catiro Leal, adjunto directora do observatorio
astronmico.
Passou a aggregado a arma a que pertence o
capiao do 1. corpo de cavallana da provincia de
Maitu-Grosso, Joaquira Franci co Moreira, na con-
tormidade das dispusieses do art. 2, % Io, motivo
IA n. 2 do decreto n. 266.de 1 de uazeaibro de
1841.
.Ravierten arma de infantaria o altores aggre-
gado uiesiiu arma Jjo Teixeira de Sampaio,
visto ler sido julgado pr^mpto para o servio du
exercito na inspeceo de saude a qae foi sabuietii-
do em 1 de junbo prximo pa*saao.
Foi reformado, ua cuntormidade da imperial re-
solucao de 28 de junbo ultimo, lomada sobre con-
sulta do c n-tliio supremo militar e das dspost-
coas do l. an. 9." da le n. 648 de 18 de agosto
de 1832, < altores do 19." bataiba de infamara
Sabino Feroaades de Souza, visto soffrer molestia
racuravel que o torna iucapai da continuar no
ser vico do exercito.
Foi Horneado Aprigio Aotero Cyrino de Manejes
pharraaceutico-altores du corpo de saude do exer
eilo.
Por decretos de 5 do corrente toram nomeados
para a guarda nacional :
O capuio Venancio da Fonceca Doria, major
-jiidante de orJaus do cammando superior dos
municipios de. lubaianinha e anaexos, da provin-;
ca da Sergvpe.
O alferes Joaquim Martins de Ges Fontes, oa-
pilo secretario geral do mesmo commando su-
perior. .
O teneate Francisco Gonjalves da Silva Freir,
capillo qaartei-mestre do referido oommando.
O lenle Aolonio Pedro de uliveira, tenente-
cnronel comruandanie 4o batalhao de infamara n.
3a, da provincia do Para.
O capito Henriqus da Souza Goimaraes, majar
cuni mandante da 1.* secrao de batalhao de infan-
taria da ransma provincia.
Joaqaim Aotooio Rodrigues e Silva, capillo ci
rurgiao-mr do et-nmamso superior nos munici-
pios de Gu np e Porto da Ms, da referida pro-
vinci .
Foi designado o eapitaa do baulhao de InanU-
ria a. 30 da provincia do Para, Custodio Pedro de
Mello Freir Barata, para exercer aa funscoes *
major do raetaio baulaao.
de
Purdeeretoa de 5 do corrente foram torneados:
. Segundo escriturario da recebedoria do Rio da
Janeiro, o amnananse Augusto de S.
Thesoureiro da ibesourana do Rio Grande do
Norte, Antonio Pinto de Moraes Caairo-
Pruneiro esenpturario da alfandega do Csar, o
primelro dito da da Parabyba, Antonio Paulioo
Delfira Henriqaas.
granudo aonforente un alfandega 4o- Ce'.
segundo escriptarario Joiaaioa Prancisco dos Sao-
tos.
Offleia! d secretaria da tbesoararia do Bd^irlte
DlfflO DE PEnHIWIBBC
RECIFE, 14 DE JLHO DE 1871.
noticias 4o snl do iaiperlo
Amanheserara bnoiem em nosso porto os vapo-
res brasileiro S. Jncinllio a franeez Gironde, Ira-
zanjo daUs: do Ra da Prau al 1*. do Rio de
Janeiro at 7, da Baha al 10, e de Alagas at 12
do correle.
Sil) ai rubricas Exterior e aterior damos por
extenso as noticias mais importantes, alera das
quaes apeaas encontramos nos jdrnaas as qae se-
guam.
RRPUeLICAS DO PAMFICO.
Alcanoaiu a i dejunho as noticias 4o Chile,
e a 27 de maio as do Pai.
Ha va paz envarabas as repblicas. Na primei-
ra eslava por das a eleica > do presideule, assamp-
lo exclusivo das atlsocoas poltica-, l'roseguiain
os ir ibalhos de leiegrapbo traosandino, apasar dos
lamporaes que bouve ultimameaia na cordilhei
ra. O ministro do interior ordenara ao inspector
geral dos lelagraphos qnedssa iramediaiaroaute
comeeo as liuli is entre Nascimecto e Angeles,.Qui-
rihue e Ctuqueaes, Petorca e a linha do norte.
Ao dito ministro se apresenlarara os Srs. peco-
rea e Adiar nedindo privilegio exclusivo para ven-
der e usar no Chile urna machiua da sua inveucao
e desconhecida nos outros paiz-ss, por meio da qual
se d movimento s embarcacoes de um molo r-
pido e segoro. BasU um ou dous h)ineos para
raaneja-la, e pode ser applieada na uawga;i> dos
nos.
No Per iam comerar os irabalhos eleitoraes.
A auioridade leve'conhecimeato da um ataque
preparado contra a fragau de guerra Independen
ca a o monitor Huscar. Consegu prenler os
criminosas na occaniu da iniciaren a exasaci) do
projectii.
Hivia tambea f Ilus da repblica de Cilurabia
al 16 de abril.
A guerra civil continua va a assolar o EsUdo de
B .yaca ; mas ia sa levantando contra ella urna
grande reaceao no paiz. Dsuri, o cli-te da lucio eahio prisioneiro em un combate traval
em Balera de Carinza.
PARAGUAY
Na capital foi publicada a le que autorisa o
governo a contratar o estabelecimemo de urq ban
co coraraercul do Paraguay. O contrato ia ser
celebrado cora o commendador Antonio de Sena
Soares, como representante da urna soclale ano
nyraa. O capital sera de am raiino de Desos for
tes.
GOTAZ
Recebamos follus da>u provincia at 18 de
maio. O l/(o ragnaun publica a seguate noti-
cia :
a L*tipnldiiia.Kt (abres intermitente-' ennli-
nttiva n a grassar na<|nal(e ponto da um modo
quasi geral A propria marinhagem dos navios,
compu de pessoas aciimaiadas, tinht sofirido,
tanto qoe a emoreza de n^vegacao "riu-sa toreada
a suspaoder >eus servictis ara ierra para ter pes-
soal com que supprir as gusrukjes. Se bem.aae
inulto geral, a epidemia era de oatureza benigna. >
.PARAN
Recahamos tolhis da capital ate 21 a de Pa-
rauagu al 23 da junho.
0 tenente-coronel J >ao Manual da Suoha,
conceder lihaMade. sameonlicois. s suas escra
vas Eulalia, Tnereza, Deolinda e Silvia.
jjujcidira-se em Ciriliba um (Notan de no-
me B. Rene. t
. O eienooe de Dezembro noticia o segu nte :
No dia 2 do crreme, as 10 horas da noula
mais ou menos, no disuicto da v lia de Campo-Lar
g bou ve grande tormenta de vanto e enuva, que,
comecindo oa direccio daSerrioba, encaminhou-se
para o quarteiro di Bugre, derribando tdo o
maito por onde pnssara na largura de 150 bd-
cas.
Chegando aquello quarteiro. fezstrag-H con
sderaveis. A casa da Franesco de Casiro Barbo
sa. que era nova a bera cu a tras asteios,acbando-se linhas fincadas pelo rain
po, na distancia da 400 bracas. A da Joaquim Cor
dairo foi arrasada, perdendo todas as carcas, e o
pomar que a conioroava. Muius ouinas licarara
tambera em pessimo esudo.
< Diversas pe tnsas, e duas mulheres mortalraeate fondas, uraa
com as faces corapleuraente maceradas e a outra
toda queimada, porque tora arremessada sobre o
togo.
No mallo em direccio ao Itiquy, encontra-se
causado pelo mesmo temporal, um rucado que ca
cula-se levar 35 a 40 alqueires.
atitiiri aaaim
Recebemos folhas do Ouro-Preto at 22 de
junbo. '
Foram capturados ; no distncto de S. Pedro
de Alcntara e remanidos para a cadeia do Juiz
de Fura, o escravo Juao Cinstantino, do visconde
de Prados, que assassinara com" 3 faesdas a seu
parceiro Joao Carioca; no termo de S. Jpio Bip-
lista,, Jos da CosU Moreira qoe assassinara Bninv
lian Gomes a sua mulher Antonia Peraira; no
districto do Pompau a remeltido para a cadeia de
l'iaiwtoxy o ex-voluntario da patria Antonio R -
drrgues de Souza, que leudo desertado d cidade
de Cuyab e sendo alcancado no lugar denomina-
do Campo-Mimoso, por urna escolla mandada em
seu seguimento, assassinara um soldado e tonra
gravemente ao sargento lanocenc < Vieira Martins,
ommndanie da escolta; no districto de S. Sebas
liao dos AlUiotos, leimo de Uo, e remanido para
a cadeia dijuella cidade, ocrimiaoso-Candido Jos
da Cunba, pronunciado palo masra iuiz rauoicipal
como iacurso nos arts. 193, 179, 20o e 280 do c-
digo criminal.
s. PAULO
As noticias desia provincia ehegam a o do
crrante mez.
Fura removida para a comarca de Sorocaba
o promotor publico da Franca, bacharel Antonio
Jos Ferreira Braga "Jamar.
E(Tectuoa-se a partida, para Santos, de 99
condemoados gales psrpetuas, adra de all era
barcarem pira o presidio de Fernando de Noro-.
nba. Foram escoiuduj por cerca de 80 pracas do;
curpo policial >
Communicam o seguate ao Diario de S.j
Paulo de 23 do correle: '
< No da 25 abre-se a feira de Sorocaba. Cons
la-nos que as proximidades desta cidade j sa
aclum amas 60,000 muas.
De Casa-Branca en. data de 10 comraaaicara
ao Correio Pauliuano :
4 Hoje falleceu D. Auna Tbeodora de Fara, dei-i
iando Turros iO-escrevos. Ha poucos das 0. Ma
riaona Fehzarda do Nassirnento torroa 5 asara-1
vos.
Fallecen na Baaanil Manoel GoncaWos de
Oliveira Maia, casado havia apenas um da. Por
testamento confiauui a liberdade que havia coa
cedido anteriormente a 4 escravos. Em Guara
lioguei falleceu Francisco Galvao de Oliveira,'
l'lranca, 1 esccitio da orpbaos do termo.
O delegado de Canill, Jj& A uaucio Pinto
Moreira, coadjuvado pato 3' su^plame dositbdale
gado de Ta<|uarac, em axercicio, Antonio Augus-
to Humera, e por nutras pessoas, efectuara na-
qnalle dislriolo a captura do criminoso de mora
Horacio do tal, que, aaoond resistancia, farira le -
vemenie cora ama Jaca o rotor ido 3' suppienit,
um goarda e am inspector de quarteiro, ficaado
o criminoso tambera fundo na cabaca- '
, Peto balaaoote da reoaita e deapza da caixa
do thssoaro provincial no periodo de 1 a 23 de
janho protiaio passado da 90:9851011.
F-a approvada p}ia presidencia a nonwica
do bacharel Joao Florlano Martins ds Toledo para
substituir ao fiel da thesonraria Ubaldino Benevo
.noto de Toledo Ribas, em suas faltas m imped-
mentos.
OBBvm. eoaego Dr. Ildefonso Xavier Ferrai
ra convidara a commissao enearregada deanga-
riar donativos pare a bibliotbeca pabiiaa a ir atoo
ihsrdanire os 2.000 Tolams qae pos-^oe os que
fdrem mais proprios 4 edacaeio e Instroccao na-
looaJ.
W-se no Diario de S. Paulo de 28 do pas-
sado : 0
t Tendo o delegado de polica da cidade do Am
paro comrannicado ao Dr. chefe de polica que
receiava senos disturbios entre alguns trabaja-
dores da estrada que daqullla cidade se dirige a
Garapias, providencioa a presidencia mandando
por a sua disposicao urna forca do corpo de per-
manentes, sob o commando do lente Joao ni-
ero, a qual segaio para all ante-bonlem, s 2
horas.
O tmocrata de Guaralingnet noticia o se-
guinte :
O Sr. ea jitio Laurindo Neves da Silva Cam-
pos, tendo comprado judicialmente em Lorena os
escravos Joaquina e Antonio, que faziam parte do
espolio do tinado tenante Manoel Jos dos Sanios.
Triurapho, em acto continuo libertou aos referidos
escrav-s, com 4 clausula de Ibes prestaren! ser-
vicos por tres annos. >
Fallecern na capital o autor do drama /-
dependencia do Brasil, Paulo Eir, e Jcs Branco
da Haos, octogenario.
ftllecera em Jundiahy o capitao Joaquim Jo-
s Coelho, aaligo negociante.
Sob o titU'O Descobrimento geologtco publica
o Diario de S. Pauh o seguiole :
t Eis o que escreve o prestimoso Sr> Dr. Car
ls Ralh acerca de uns esqueletos petrificados,
irazidos dos lados de Tatahy pelo.inajor Cootinbo,
que os mandn para a corte.
O distiocto major do corpa de engenheiros Dr.
J. M. da Silva Co .lioho descobrio ua uitimt ex
ploracao miaeralogic), na visinhanca de Tatuhy,
uns esqueletos fosseis, que se achavam unidos
sobre a superficie de urna lage calcrea mamosa
(schistus argillnsos)
t O mesrao Sr. lave a hondade de mostrar me
estes restos auti-diluvianos. Com. eiTeilo, via-se
arada graad parte de laes esqueletos da diversos
tara intus, mais ou manos conservados; nao ten-
do, paren, nentjum parte slguraa de cabera.
< E-tes esqueletos parieoeerao a animaos cha-
mados saurios ou lagartos. O qoe med ir iiugne^efll o Uraantio de um esqueleto de galli
uha ; os oulros sao am progressao mais peque-
os. A pedra que forma va a base era part ia era
dous oedacos.
c N'um lerceiro fragmento da mesma qualidade
d- pelra aehaWa se urna aecunulacao de dems
deforma comea, a meiade ainda cura o .vidrado
dentario, a cora uraa leve inclinacao para traz;
bem assira, outras pareahs de ossos desfeitos,
que nio se podiara reconhacar.
Nos mais remotos lempos, depois que se fez a
tormacin secuadaria, rapresenUrara os reptis que
perteuceram familia dos lagartos um tao gran-
de papel, que a hi-toria a organisacio desses'uo-
taveis restos de urna criacio, que depois desappa-
receu para sempre da superficie da trra, nu
: nos sao confie -i los.
K-u classe de animaes fica sendo ainda uraa
das mais ioleressantes para os palenotologos.
A geologa, cora o auxilio da anatoma com-
parativa, danos suffleientes,conliecimeiitos quan-
to construcQao e natureza 4essas familias de rep-
tis, que f iram destruidas por outras calastruplie-
novas por | je passoa o nosno globo.
t Por meio da anatoma -nos possival saber
es cosanles e a qualidade dos alimeala* e dos or-
gias da digeito; ella nos niostra ainda a relami
del les con o esiadi da superdcie do globo antio,
e as demais forra s da vida orgnica cora as quaes
./.erara ellos um total.
Os restos desses animaes assemelham-se en-
tre si muilo mais que os de quaesquer outros que
se enconlram depis em formaeflS ulteriores.
A mais antig f .rmaci em que se acham es-
tes repiis a d lecht-in, cal iulerior ou :al de
magnesia. Alera desta formaco existera ainda
ouiras, cajos aranaes-nao se encontrara.
E-la mesma formaco parece ser a ultima qae
se encontra aqui, nesta parte do Snl do Brasil,
porque outras raais novas, que sao_om nutras
partes do globo mida numerosas, nio tmsido
aqni auconlradas.
t Certas qualidades desses reptis tomaram no
seu periodo flirescenle lmannos monsiruosos.
Os quadrupedes de-sa poca (oram os iiiedouho
crocoddlos e iagar'.s que povoaram o mar e a
Ierra I dosa
i E' Oe las-ira.ir que os prmeiros esqueletos
fosseis de nina poca lio remota do nosso globo,
achados no Brasil e aqui na provincia de S. Pan
lo, fossem para o Rio de Janeiro, onde ceniralsa-
se itrdo que bello, raro e interessanie.
E'ura objacto esle da que sera duvida fall-
rao todos os futuros livros sobre geologa ou pa
leontologia.
Tenho na raioha propria cgllecgao ura peixa
fossil da mesma poca, algumas conchas bivalvas,
algumas plantas ainda mais velhas, a fosseis.
< Seja ainda mais feliz o Hlra. Sr. Dr. J. M.
Couiinho om suas pesquizas geolgicas.
mo ni: janeiiio. .
Na sessao de 4, no senado, o presdente'dessa
corporagao pronuncia as seguintes palavras :
ienhores I Cana me hoje, pela primeira vez
nata xesso, o penoso dever de communicar-vos
urna-infausta noticia.
Permuta Deus, senhores que seja a ultima !
H ratem pelas 3 horas e um quarto da larde
lalleeeu uesta corte o nosso illustre collega o Sr.
Jos da .Silva Mifra.
S. Exc. nasceu na cidade da Desterro, capital
da nroviocia da Santa Catttarina, era l\ da Janeiro
de 1788, e applicando-se cirreira das armas, fez
parte da primeira expedicao destinada em 1812
coaquisu de Cayenna, merecendo pelos bons ser-
viros que presin a medalha da honra que nessa
occasio foi creada por S. A. R. o Principe regente
para remunerar laes servicos.
Foi por rauitos annos cormandante da for-
taleza eje Santa Cruz da sua provincia natal,
retormando-se no posto da lenente-coronel em
1832.
Nao sao menos importantes os servicos que
prestou, como secretario da governo da provincia,
a como vice-p.reidenie atiesudos por honrosos do
curaenlos.
Eleito senador do imperio pela sua provineia
natal, foi nnmeado para exercer este elevado cargo
por carta imperial de 3 de oulubro de 1844. pres-
tando juramento e tomando assento no dia 27 de
dezembro du mesmo anno.
i Vos sabis, sauhores, tanto como eu, e maitp
raelhor do que eu a honra, a intelligencU e o zelo
com que o illustre finadoPesempenhou o lugar
que Ihe foi conferido.
E' este, senbore--, o cidado cuja morte pran-
leaans. *
t Nelle acaba de perder o senado ura dos seus
mais distinctos membros, o exercito ura ofBcial va-
lente e leal, o estado ura cidadao prestimoso.
Eu, prraitti-me que o diga como lenitivo
iniiiha saudade, um amigo que respeitava e cujas
vinu las pude devidameote apreciar.
Inlerpelre fiel dos vossos seotiraentos de dr
nesta occasio solemne, e associando rae a files,
dai-rae Mntunat, a palavra que vos_ portance, e
que vos peco para declarar cora orgio do sanado,
que esU augusta cmara recebe cora a mais pro-
funda magua a ntida do fallecimenio do Hu-
ir senadjr o Sr. Jo. da Mafra (Apoiados ge-
raes
Lemos no Jornal do Commtrcio :
Honlem (28) s 9 oras da manhi:i, em om
cortico na ra da Passagem, pariencenie a Minoel
Bazilio da Souzi no quarto n. 9, Henrique Pin n.
Prussiano, matn com um tiro de pistola Mara
Palina da Conce ca, que viva em sua companhia
e era seguida suici Inu 8 com um tiro de outra
pistola, licando era abandono arma menor de 3 an-
nos de idade, filba de PaUlin i. Resalu das ave-
riguares tonas que Plum, levado de ciumes, cora-
m;it-ra ese duplo attentado. Pr iceieu-sa a exa-
me nos cadveres, coniiauaulo a autoridade em
indagacoes.
t Fallecea ante-hoataat (27) D. Aona Ru Vilel
la, li loriando era testamento 7 escravos.
0 Sr. Jos Gomas de Oliveira Campos, libertou
o seu escravo Tiberio, em solemnisaco do dia da
Sanio Antooio.
A alfandega da corte arrecadoa no mez de
janho 3,291:441^810.
Ei- as noticias commerciaes da ultima data .-
c Eh*-ciuaram-se traasiccdes regulares ea
f,1
a taxa baoearia
a 23, 23 1/8
22
23
- -.
5 760:7064122
3.405:03o483r.
5,971:2614340
5,770:5144540
6,3H8:14S*1*2
6,287:6164202
7,241:439490-2
8,93 2:6414173
8,591:8674048
9,144:9274595
o dislincto
cambio sobre Londres a 22 7/8 e 23 d. para o pa-
pal bauoario, 23, JI 1/8 e 23 1/4 d. para o part
cular, e sobre Paria e.Antuerpia a 410 rs. por fr.
< rtegociaram sa tolas regulares de apo I ices ge-
raes de 6 / a 93 % 9 99"/. a dinbeirrT, e uraa
paqueos partida das do emprestimo nacional da
18tWa 1.-I0OS.
No marcado de aceces o movimeaio foi Im-
portante para as da companhia de carris de torro
de Lniz do Maraaa.) a 04 124 de premio, re-
gular para as do baa Rural a 34M*4 ex-dividen
o para 15 do ana-ama,eRajpea* para as do ban
oo do Brasil a 1944, Pr as dn nova companhia
de paquetes (portos do noria) a 284 de premio a
pr;.'.', e para a da codkpaa%bva carris' de ferro
de S. Paulo a 2 )* de premio a diaheiro.
Cambio.Soaraan aa-epefajoas desta quin-
ten :
Sobre Londres :fl.0W de 24 at 22 3/1.
para o papel btncario e de 24 \tl ato 22 3/4 d.
pira o pirliealar, fechando
7/8 e 23 d. e a particular
1/4 d.
Sobre Franca e Blgica cerca de fr?. 376,08*
a 395,410 e 412 rs. por fr.
Sobre Hamburgj core de B 180,000 a 735
740 rs. por B. \
Sobre Lisboa e Pone rsgutmi o premio d fe-
bella seguinte:
* ia2s* U9 % -' *istt.
136 a 38 o a 30d/v..
133 a 97 % a 60 d/v.
o 134 a li % a 90 d/v.
i Metae*. O* unaranos foram negociados a
104200, 104220, 104150,104240. I0J32D. 104350.
I0 m, 104400, 104500, 104560, 1( 4600,104650
a Uinheiro, 104. 104250 e 1048110 a prazo.
Apolices.-As ternes da**/, foram negocia-
ds a 98 1/i, W 3/4 e 99 7-a dinhsiro e a 98 1/i
99.1/2 e 99 l/4'7 a pran, as do emprestimo na-
cional de 1868 a 1:0664. 1:0805, 1:0904 e 1:1004
a dinheiro e a 1.0954 a prazo.
Acedes.Para as vendas realisadas regula-
rain os seguintes presos : Btoco do nrasil 1944,
a dinheiro, a de 1904 a 2004 a varios prazos, Ban-
co Rural e Hypothecario 200| ex dividendo, En-
glih Bank of Rio de Janeiro 1405, companhia da
iloca da alfa a lega a 764 de premio, companhia de
illuiuinaco a gaz 3404, nova companhia d na-
vegaco orasilnra (portos do norte), 284, 304,
314, 32, 335 e 285, "de premio a dinheiro, 354,
325 e 335 dito a prazo; companhia de carris de
ferro de Macar 65 e 14 de premio a dinheiro ;
dita deS. Luiz do Marai han 74, 85, 115 ISA de
premio; dita de. P.u'o la*. 185.175. 14#. 154,
164 a 205 de premio; dita de S. Chrisiovao 3084,
303 3105 ; dita de Pernamhoi 435 d pre-
mio ; campanilla 4a Seguros Gufanii 1694 da
premio, en leilo (ccoes vagas por allecjuMOto-
de accionista).
Descont*. Continua rara facis de 3 a'8-*/. ;
a taxa di II m: i do Brasil contina sera alura-
o.
baha.
No dia 9 do corrente comecon, na disiric
lo eleioral, a eleicao da ura dapuUlo a assembla
geral, em sub-iituico ao Dr. Fernaudes da Caoba,
escomido senador. No collegio da capital (on*ait>
vetados o*- Srs. : desembargador Antonio Ladislao
de Figueircdo Rocha 139, Dr. Francisco de Aze*e-
do Monteru 80.
Depois de pequea demora no porto, seguto
para a Inglaterra a fragata vapor Ck^rfdes,
procedente de Valparaso pelas Unas Filkaad. Es-
se navio de 1,306 toneladas, lem 275 pessoas -de
guaroicao, mor.ta-17 pecas, e commandada peto
otBcial Mac Lyuos..
A alfandega leva o seguinte renditaaae oo
decenio :
1861-62.
1862-6.
188844.
1864 83.
1863-66.
1866-67.
1867-68.
1868-69.
186970.
1870-71.
Fallecen, a 6 do corrente, o distinclo no. t
A. de Casiro Atm.
Lemos no Jornal :
A nte-hontem (i) I l|2 horas da urde nze-
rara sua entrada inamphsl na praca do Conde
d'Eu os carros que condtJziam os emblemas da
nossa independencia, condozidos pelo povo e pre-
cedidos por muitos eavalleros e pelo batalhao pa-
tritico de Minerva, e seguidos pela goarda nacio-
nal, cavallana de linha e 14 de infamara de li-
nha.
t Na cathedral acbavara-se os Exra*. Srs. on-
de de S. Salvador, arcebispo desta dioceso, Dr.
vice-prasidente da provincia, generaas commnn-
danle das armas e commandanle superior da guar-
da nacional com os seus respecvos estados-maie-
res, Dr. chefe de polica, coronel commandanle de
polica com a sua oRlcialidade, inspector do arse-
nal de marinha, chato do divsao capitao do porto,
conselheiro presdame da Relacio, veteranos da In-
dependencia e rauitos funccionaims civis e eeele-
siasifcos, alguns ebefes de reparliroes, e muito
povo.
Depois de um eloqtiente discurso proferido
pelo mooge benedictino pregalor imperial, v>lno-
tario da patria, Fr. Francisco da Naiivldade Car-
neirn da Canha. entrou o Tellrum, que fu atoa-
do por S. Exc. Rvma. o Sr. arceb sp.
Termina ia a ceremonia religiosa seguio o Sr.
Dr. vicepresidente ds provincia, acompanhado da
mallos fuocciooarios pblicos, para o palacete le-
vantado no fundo da praca, no qu il esfvam col-
locados os retratos de SS. MM. II.; e de alguna e-
res que fizerara a independencia e shi, ao descer-
rar as cortinas que encooriarji e afgie de nosso
augusto monarcha, deu os vivas do e-tvlo, que fo-
ram calorosamente correipondidos pela populaco
que enchia a praca.
A tropa deu as descargas e desfillou em coo-
tranncia, em frente do palanque. ,
> A* noute deu o Sr. Dr vice-presidenle da pro-
vincia de novo os vivas no palanqne, o qual esUva
brilbaniemenia illurainado gaz.
Fez a guarda de honra a guarda nacional, lo-
cando a msica do corpo de polica.
, Hontem os vivas tora a levantados pelo eon-
selho directorio da sociedade Veteranos da Inde-
pendencia. >
A direccao geral dos festejos para o memora
vel Dous de Julho de 1872, dcou composU dos
segainte Srs. :
Cheto de polica Dr. Aurelio Ferreira Kspi-
nheira.
Desembargador Herculano Antonio Pereira da
Canha.
< Dr. Joaquim Tiburcio Ferreira Gomes.
Monsenhor Joao de Oliveira Dias.
Commendador Jos de Barros Res.
< Chefe da sucio naval Mamede Simos da
Silva.
Coronel Jo- Antonio de Sepolveda Vaseon-
cellos.
Tenenle-coronel Guilherme Jqe Baptista Vi-
anna.
t Cipitao de fragata Francisco Jos Cidibo
Nello.
< Dr. .Jlo Goncalves Martins.
< Jos Jacintho Rodrigues Teixeira.
Angelo Possidonio dos Sanios.
< Joaqaim da CosU Prato.
< Pedro Emilio de Cerqueira Lima.
< Manoel Pinto de Novaes.
Joao Goncalves Toarinbo.
Paulo Pereira Monteru Jnior.
Esneslo de Castro Guitnares.
t Pedro Al ves Barbosa.
< Henriqne Luiz de Mello e Albuquerque. >
c Ante-hootera (4) reunidos em assembla aera I
ordinaria os accioni tas da Caixa Hypotheeacia>e
depois de Ihes ser presenta o relatara da 32* di-
videodo fiado era maio, procedea-se a elticio dos
uovos fuuccionanos, cuj1 resultado fui o se-
gumta :
c DirectorFrancisco Jo- Ramos.
< SupplanteaJos Gincalves do Nascimento,
Amonio Teixeira de Araujo Guimaraas, Jo llan-
qui ra Pereira.
Mesa Presidente, Joao Luis de Abren e
Silva.
t Secretarios Antonio Sarnosa de Andrade,
Aolonio de Frenas Prannos Jnior.
t Commissao de coalasJos Lopes di Silva Li-
ma, Gonoalo Jos Pereira Espiuhaira, Fernando
Pereira da Cucha.
a No dia 4 do correnta tova lugar no sali 4a
Associaco Comraercial a reuniao da commissao
comeada em sessaj de 22 de junho passado, a lira
de orgaoisar ura i associaco denominadaVolun-
tarias caatra Incendios.
i A commissao nomaou ama directora proviso-
ria para tratar de tado quinto- for concer nenio
referida assooiaco, a umaem resol vea nomear
uraa coonaissao de tres membros para formular ao
respectivos estuio.
< Ficou a directora composta dos seguintes m-
utures :
PresidenteCoronel Jos Lopes Pereira de
Carvalno.
c Vice pTeaidenie D. Manoel Saldanha da
Gama.
SecretarioCommendador Fernando Pareara
da Canha.
Thesoureiro Joaquim Wysio Peraira na-
rinho.
Eaganhairo Dr. Carlos Sehleusner.
E a commissao dos estatuios, dos Srs. :
Commendador Manual Joaquias Alvee, do
Sehleusner e Antonio da Lacenas.
Anta boatsn(7) unto foi entregue pelo Red.
-ibbade 4o oneiro de Nossa Saonera da Gracaao
criouJo Aatnne carta dn liberdade que Ihe ana-
torira sea enfloro philautropico a patriota aM-
fessor Fraooisco Alvares dos Santos.
, O batalhao patritico Mioerva e aigcm cji-
daos toram assisur quelU tosa 4e patnetisno.e
Mbarnae.
* A nica oondieao imposta no retorida'nana-
oio foi de ora en dite ehamir-se : Amaocial-


rr*
aiiario
i
I


de FemambuGv Quinta hora 13 c Julhit de 7I
primairos
nerta Para.
a 4n de nos*
t Todos
eipatfSes fei
*ar pw mei
aflato como nesse
nesta provincia am quem to generosa idea achoa
am verdadeiro culto.
Terminada esta ceremonia foi o batalho Mi \
atiuateetaiterio Campo Santo exhumaros ossos
4o veterano da inlepeodencia, Jos Jaeome Do-
re, para serem trasladados para u beroieo F-
raji.
O cambio regulava : sobre Londres 2 a 24
1/2 d. ; sobre H*mburgo 703 rs,. e sobre' Portu-
i m /..
MNM
Achava-se no etepeici > da- presidencia da pro
viada o t* vica presidite commendador Silveno
Feraaide* de \r*n\ i Jorge.
*- 4**ommendaiior J uquim Serapia? de Car
vi|pifjHBI presienea da provincia emiires-
aurana provincial 30:0OO sem juro nos
aeis metes e com o jiro da lei nos on-
PRNAHCO.
UTWSTA DIABUL
SRIO DO IMPERIO.Em 5 do correte
lido a presidencia de Pernambaco o ?e-
*se>:
,.e Exm. Sr.Sofcre es actos legislativos
roviocia promulsadus nos annos de 1868 a
ouvida a secjo do* negocios do imperio
So de estado, e de onformidade com
se pavaeer em eoosulta de 30 de marco ultimo,
deellr o a V. Ese. <|oe o art 13 do cap'. 3.* da tei
o. WO de 1888 sobre o cimkerio da villa do Cabo,
o o 3 7* do art. 17 da de o. 962 de 1870 nao se
Jtodllam com o disposto no art 17 do regula
enU que baixoi com o decreto n. 2*12 de 3 de
agosto de 1861. Nenie regulameoto te determina
qoe, lotes de expirado o praso de 5 annos para o
adultos e o de 3 para os menores da 7 annos, nao
seja pwmittida a abertura de saoulturas ; devendo
realisar-se a das commans smente deprns de 7
annos. As citadas leis proviociaes, entretanto mo-
dificara m para menos esse* prasos, qoe foram
em virludo.de instantes representares
de Hfgione oulilira.e por se. reconnecer
0#a Efct |ira e.- peale, lemuro-llie a neeessidade
de atcafse o omero de palmas de profaodi-
tete #ue deve ter caja cova para Os enlerramen-
tos ; o que se peder fazer em regalamemo que
houver de exoedir-se,. Qeus guarde a V. Exc.
Joo Alfredo Correa m Oliveirtk.
MINISTERIO DA MARINHA.-Eol 2 de maio
aliimo fui uomeada urna commisso composta do
bario do Angra, chele ae divislo Hermenegildo
Antonio Barbosa de Almeida, eapitaj de mar e
gaorra Jcs da Costa Azevedo e eogeofaeiros Fran -
cisco Pereira Passos- e Kaphael Arcbanjo Galvao,
aflm de proceder estudos soore os trabaRios
existente!', que dixem respeito ao melhoTamento do
porto de Pernambnco, indicar o plano e bem as-
sim a proposta preerivel, tendo igualmente em
vista a do baraj do Livramento, na qoal notar
a* aaodificaedes que occorrerein. A comraissao
formulara os artigo*, do contracto para a escava-
cao do purto, caso eonveoha que este servico seja
teilo por emprettada. e prestar tambera as infor-
maedes necessarias pan a orgaoisacio e desen-
volvimeoto dos trabalhts.
ELEMENTO SERVIL.Chamamos a attenecao
do leitores para o parecer da commisrio da c-
mara dos deputados sobre o elemento servil que
comecamos a publicar em nossa 8." pagina.
OINHEIRO. O vapor S. Jacintho trouxe para
nossa praca:
Tbesourana de fazenda 49:350*0.10
Alfredo & C. 900*000
Aotuuio Gomes Nelto 700*000
Maooel Moreira Campos 400*000
COMPANHIA 8RASILEIRA DE PAQUETES A
VAPOR.As sabidas dos vapores desea compauhia
do Rio de Janeiro para o norte do imperio foram
transferidas para os dias 5 e 21 de cada mez.
Nao tendo ebegado corte o vapor brasileiro
l'ar, lempo de vir inaugurar o servio para o
norte, fretou a companhi o vapor S. Jacintho que
ebegou hontem ao nosso porto e segu hoje s 5
ooras di tarde para o norte.
MEDICO OCULISLA.Chegou hontem da curte,
no vapor S. Jacintho, o desunci medico oculista
Dr. Luiz Bonjean, em flageen de visita seas
dignos lha e genro o Sr. tenente coronel Ernesto
Machado Freir Pereira da Silva, em coj casa se
acba hospedado.
O Sr. Dr Luiz Bonjean, alm de medico destine-
lo hornera illostrado e perfeito cavalleire. Feli-
Glamo-lo por sua prospera viagem.
ARTISTA PERNAMBUCANO.Por todo o cor:
rer do mez de agosto prximo vindoaro aportar
s plagas pernambucanas o artista taleatoae o Sr.
Jovenal de Sampaio, que tantos louro tea comi-
da as provincias do sul do imperio nao rep-
blicas visinhas, fazendo-se ouvir ao piano, do qual,
segunlo Informacoes que temos, arranca admira-
veis melodias.
O Sr. Juveoal de Sampaio est f ira de Pernam-
baco a 18 anuos; sahio daqui creanca ioexperien-
le, e volta bomem e cheio de conhecimentos, que
nesses 18 annos adquerio, a cusa de sacrificios
e penosas contrariedades.
Acompanha o Sr. Jovenal urna cantora italiana,
que nos dizejn ser boa artista, a Sra. Julia Pzer-
roui de Robert.
O Sr. Juvenal tenciona dar. aqu tres coocertos.
setido ura em benetiicio das viuvas dos seus e
nosso? comprovincianos morios na guerra do Pa-
raguay.
Em todas as cidades onde se tem feilo onvir o
Sr. Sr. Jovenal da Sampaio tem sido phreneiica-
rnenle applaudido, obtendo as suas excursoes,
alem de um nome festejado, cinco medalhas de
mrito que sao oulros tan os documentos eloquen-
les do seu talento artstico.
PASSAMENTO.Falleceu hontem a Exra. Sra.
D. Alexandrina dos Santos M. M.igalhaes, na tdade
de 65 annos. A filiada era Sra. de virtudes, e
destnela me de familia. A' seus ioconsolavel es-
poso e filhos damos oossos sinceros pezames.
PARA A EUROPA.O vapor raneez Gironde
levou 400 passageiros para a Europa, inclusive 24
embarcados em nosso porto.
CHEFE DE POLICA DO PARA'.A' bordo do
paquete americano S. Jacintho chegou bontem a
esta cidede o Sr. Dr. Ciroe Lima, qoe se dirige ao
Para na qual Hade de chefe de polica daquella
provincia.
S. S. eslava aazente de Pernambuco ba 13 annos,
c sent verdadeira emocao ao ver os innmeros
progressos que tero teilo esta eapital nesse longo
periodo.
O Sr. Dr. Cirne deve embarcar hoje em segai-
iiient de saa viagem. Felicitamos S. S. pela
sua acertada nomeaco para o cargo de ebefe de
polica, e desejamos-lhe prospera viagem e sua
BHBS. I imilla.
PHENIX PERNAMBUCANA.Deve boje reali-
sar-se a assembla geral dos accionistas desta
companhia de segaros, para deliberar sobre o re-
laioho do aono flodo.
ACf.AOGENEROSA0 Sr. Jos Maria Gmcal
ves Frreira, subdito ponuguez, auembarear hon-
toa para a Eoropa, libertou gratuitamente aos
seos eseravos Eugenia, de 48 annos, Valentina, de
II annos, Josepoa, de 50 annos, e Luiza, de 12 an-
nos. /
ISSTRUCCAO PUBLICA.A freeira cadeirade
inslrucco primaria, do sexo mascolino, da fre-
guezia de S. Fre Pedro Gmtjilvos, regida pelo
prolessor Benjamim Ernesto Pereira da_ Sila,
acla-se funccionando na ru do Viseonde'de Ita-
parica ( outr'ora Apollo ) n. 28.
INST1TLT0 HISTRICO E PHIL030PHIC0. -
Kuncciona huje, s 10 horas do da, em seaso or-
dinaria.
LOTERA. A que se acha venda 199."
beneficio da nova igreja de Nossa Sanbora da Pe-
uba, a quai corre boje.
PASSAGEIROS.Vindos dos porlos do sal'nff
vapor americano S. Jacintho :
Fernando Nobrega Lms, brigadeiro LOiz Jos
l'ereira de Carvalbo. sua senhora e 3 fllhos, cap
to Joaquim Pedro do Rogo Birros, lente Lib-
ralo Pereira da Costa, alferes Jo- Sabino Maciel
Monleiro e sua senhera, alferes Januario da Silva
Aswmpo, Jayme Romaguera,- sua senhora e 4
fi ha, Prancisco de Paula Cyroe Lima, Thoaux An-
tonio Ffpiuca, sua senhora e 3 Sitaos, Antonio Luiz
de Farias, lente Gilasio Servulo Alvesde Araujo,
atieres Loiz TeHes da C Sanis. pidre Antonio dj
Mello e Albnqnerque, Jos liara Garca, Fraoci
co Albuquerque, Carlos Zancte, Cesar Augusto
Zannt, Manuel da Costa Mor.-ira, Jos Maooel
BaplUu, Antonio Jos Araujo Oliveira Vasjoaeel
lo, Jjaqui'n Jos Araujo Vasconcellos, Aotonio
Fcroodes Porto, Bento Birilo Carvalbo ilmeida
lana'MgaaeB"
Doittbf oes. Maria e I
ssa, Theo*
Cunceig
ra^as de j
.etino e,l
o Toi
Goi
enbora
es e Carv
i, Joo M t
ocal ves Frai
Ibo, Francisco Jos
Boaven
dos Sai
doso,
ra*
Bruno e i filho, Garlotti Marinle
Samuel Robinsoa, 3 pracas le exercito.
Seguem para o norte :
Manoel da Cunha RocUa, Alexandrfna da Roeha,
Bomveouie de Aranjo Benrra, Hortensia Rosa de
Lima Guedes e 1 filho, alferes Manoel Clemente.
Soares, Marques Antonio de Sard, D. Osear Porta.
v Vienna, Dr. Francisco de S-tuza Cyrne Lima, sua
senhora, 3 fllhos -S criados, Mara das Dores, Ma
ooel Ignacio da Curta, ex-cadete Francisco dtu>
Chagas Lyra, ex-cadete Jos Goacalwes V'^epW,
ex-primeiro cadete Antonio Victorino Ferreira No-
bre Jnior e 10 pravas do exercito.
Sabidos para a Europa no paquete franeez
Girone
Tbofflas Aurelio, Maooel Lopes, Pietro Bersard,
Emilia Labonrian e i filaos. Gaorge Dijoo e I filba,
Adolpho Birl, Augusto Caors^ Maooel "los da
Silva Filgueiras, Aele da Silva Borges, L. Guide*,
Jos Maria Goncalvos Pereira, Domingos Josd
Martins Pereira, Jos Lehmann, Manoel Nones da
Fonceca. Luiza Tbscboeberld, J. Gomes dos SsnUs,
Vctor Cfeox, Henry Gull.
Viudos dos portas do sul no paquete franeez
Gtronde:
Vsife Pterre, Frabagil Gioseppesses e 3 liibas,
Dr. Henry Naegeli, Bonjean Lois. Ivtrral Vicior,
Gustavo Doodorfor, Joa) Francisco de Lima Ju -
mor, G. L. Chonstoo, J. J. U. Pinto, J. A. de Cas-
tro Piotn.
LE1LOHoje elTeciua o agento Martins as 11
horas do da o leilo de movis do fallecido Joa-
uim de Almeida Pinto no 1* andar da caza n. 10
a ra larga do Rosario, antiga dos Quarteis.
CEMITERIO PUBLICO.-Oouuano do da 10 de
correnle :
Pedro Francisco Gomes, pardo, Pernambaco, 33
aono'.viavo, Boa-Vista, hospital Pedro II; anemia.
Thereza Maria de Jess, prtla, Cear, 40 anoos,
solteira. Boa-Vista, hospital Pedro II; tubrcu-
los pulmonar.
Mara, sorda, Paruamboco, 7 das, S. Jos ; es-
pasmo.
Henrque, Peroamnueo, 5 meses, Boo-TisU;
convoIsSe*.
Ama Maria da Cone*Jc.ao, parda, Pernambaco,
46 anoos, viuva, S. Jos;. asthma.
Joaona, Mara de Jess, parda, Pernambaco, 40
aonos,solteira, S. Jos; sernete.
Fortuntto, pardo, Pernauab neo, S metes, S. Jjs;
espasmo
Adelaide Leopoldina Carneiro Chaves, branca,
Pernambuco, 32 annos, casada, S. Jos; tubrcu-
los pulmonares.
Alexandrina Caetana Monteiro, branca, Parnam
buco, t-i anuos, viuva, Saoto Antonio; plhysica
pulmonar
m etaoor-
etiaves de
duvi
odei
ha ca
pubftj Mi ala|#*ltdjqaej o Sr. Leiao
poz d'nilft fcd|yu|jpid^rj|ncK e que por
cooseguinTe oorfia m auaolrTotTenoer a yuslca
e as leis do paiz; que eraprestou as chaves da
minha casa para delta fazerse ensaios de nsusiea,
qe eropresloa ao Sr. Loorenco o raeu relogio de
parede, e m banco de escola preta -Flor, aesim
como a< caderas ao alfares Eaphrasioo Aires de
Oliveira para o casamento de sua filha, acontecen-
do quebror^se, sem duvidaom sea samba, ama
das caderas ; o que lmira, porm, que o es-
mo alfefes nem sati mandando a eadeirt no estado em -pie se achara.
O eJfcret, Eaphrasioo, eu ereio .$er Mate de
Pef^,of4f\ a-> dava te o p cedimanio que te .
?e, cHegaodo a ponte de-offereerr ao professori
nheiro pira queslionar comlgo! los pen tes nao sa
bflftiie eo aesHOamssoos bavie d> por a galope
Fique o potUa* o'aui da ViMfcs onabfcen
do Antonio F-rttira Letto o eajlvrt Bitphrasi
no AJoes de Oliveira.
PproBdrftosa
o seHar e preparar
ios ejooes dei e aro-
ja o 'artirk-a-dv a-
U
*

DS
*m-------
JtJftWO
RESUMO DO BALANCETE DA RECEITA
E DESPEZA DA CMARA MUNICIPAL
DO RECIPE, NO MEZ DE ABRIL
DE 1870.
exercicio de 1869 A 1870.
Receita.
Saldo do mez de marco pr-
ximo findo.............. 39:0635765
Receita arrecadada no mez de
abril................... 11:9860258
51:050*023
Despez.
Importancia despendida no
mez de abril............ 9:707*203
Saldo que passa para o mez
seguinte................ 4I:3*2820
51:050*023
de
Cmara municipal do Recife, 3 de jalao
1871.
O procarador,
Jos Simplicio de S Esteves.
PUBLCACOES A PEDIDO.
0 JII MUNICIPAL DO CABO.
No Diario de boje declarou o Dr. Joo Gonzaga
BaceUw, que passava a chamar respoosabifediide
um calumnioso artigo contra otts publicado no
Diario do hontem, Como nico meto de defeza, de
que liie cumpria osar.
Nao reprovamos o procedimento do nosso amigo
de, em suadefez t, procurar os meios, que as leis fa-
cultara aos oileudios; mas nao podemos no< comer
em sileocio, ijuando meditamos, que urna repuiaco
lo bem firmada, como a do Dr. Bacellar.qor como
bomem, qur como juiz, nao esteve isenia de ser
publicamente posta aos golpes da mais nojenta ca-
lumnia I
Se estivessenfts na posieao do Dr. Bacellar, nao
teramos a menor duvida de responder a esse pas-
quimcora o mais nubre, e soberano despreso,
na certeza de que a* sellas venenosas dssse pas-
quineiro nao podara) nunca offender o alto con-
ceilo d'dquelle juiz.
Com effeito cusa a crer, que a desmoralisagao
da impreca lenba entre us ebegado ao ponto de
nao haver repulacao por mais segura, que nao
esteja sujeita a calumnia dos homens perdidos.
O Dr. Bacellar, moco rico, independenle, intelli-
gente, justiceiro e de urna probidade in veja ve!,
juiz, que honra a cadeira de magistrado; feliz o
termo, qoe o tem por juiz.
Nao poder agradar a algum advogado trapa-
ceiro, ou a algum potentado de aldeia, que preten-
da fazer do foro do Cabo, fazenda do seu enge-
nbo ; mas agrada a lodos oa homen? honestos de
ambos os credos polticos, honra justlca e
moral.
E, por isto, que o Dr. Batellar teve de toda
a cmara municipal do Cabo, composta de homens
honestos e seus adversarios polticos o melhorat-
teslado em prol de sua conducta justiceira e pro-
bidosa; por isto, que teve do digno juiz de di-
reito da comarca, o escrupuloso e honestsimo
Exm. Dr. Manoel Clementino Carneiro da. ;unha,
o mais honroso attestaao que pdeobter ora juiz
municipal do juiz de direito de sua comarca:
por isto, finalmente, que em seu favor se levanta o
juizo de todo o termo do Cabo, e ao mesrao terapo
se revolta contra o mmoral autor desse immoral
pasquim.
Devanee, pois, o Dr. Baceilar : a opinio pu-
blica tem sen juizo bem formado acerca de sua re-
pulacao to bem assentada em faclos das mais li m-
ro-a-.' tradiijof- ; o nojenlo pasqumeiro na> a i le
acabar. Deixe que elle se torga aos proprios de-
lirios de seu desespero, e se lave no proprio veneno
de sua -calumnia ; deixe que elle lanse tambem
-obre o Exm. Dr. Clementino sua bilis, chaman-
do-o prevaricador, porque tbe attestou a sua hon-
rosa c -aduca no exercicio do seu eraprego : des-
prese esse misera vel detractor que nao hesitou em
alUrmar, que S. S. tenha autos em conclua), por
despachar por mais de dous annos, quaodo existem
provas autheolicas em contrario.
Como, porm. deva o Dr. Bacellar chamar
responsabilidade esse artigo, em virtude de sua
responsabilidade neste Diari$, aguardamos o re
saltado, para re-pondermo* enio esse artigo, fi-
lho do despeiio e da c.ilu nnia.
Becife, 12 dejulho de 1871. '
0 MK
fKAfA DO RBttPB lt
D8 1171.
* s l/> bobas d Taaci.
(^Ucea officiaei.
Algodao de Macei I* sorle 61i rs. por kilo
eosto a bordo a frote de 7.8 i e 5 0(0 huniem)-
Cambio sobre Lonlres 90 *v 3|8 d. ti 1(8
d.edo banco U d. par U080 (bontora).
Dito sobre dito 90 d| 3 d. por 14000 (hoje>.
Cambio, sobpf Portugal a djv. 118 0)0 d pre-
mio (bontem).
Cambio sofcfe o Porto pagavet em Londres 90 ir
2i 1
iJ d. por ti (hontem)
ti. a. smmh,
Presideot.
P. J. Pinto,
Secretario.
ALFANDEGA
Reoiimenio do dia 1 a 11. ,
dem do dia lt......
42:753*579
*
274::a9fl
UBftmtnt. da f**+4l*.
tt eitraa>s coto fazauaaa r
geaeoop \W
Voluaies
*
Yol umes sabidos
co
com
osea
fazendas
geowos
439
ICO
262
-----522
Djscarregrara h^je 13 de julho.
Brigue beipaohol-'Wivinho.
Barca (rancezalargurita vinho.
Barca.inglezaSiten S/ra-mercadoas.
Urigae inglez Wyieffecarto.
Patacho italianoJfarontpedras.
Patacho bespanhol ftaNofe* /viooos.
Patacho portuguezMichaelensepattt*. .
Patacho iogi- z Levantefarinha de trigo.
Brigue inglez AHeiio faritha de trigo.
Patacho f.aneez Alphonso b Maria mercadorias
Brigue portuguezBemumiovarios gneros.
Despachos de exportaco no din 11 A*.
julho.
Para os portos do exterior.
No brigue portuguez Catete, para Lisboa
carregoa: Joaqatm Jos- Giocalves Beltrao 250
saceos com 12.500 kilos de farinha de mandioca.
No vapor franeez Gironde, para Lisboa, car-
regaram : .Maooel Nones da Foaseca 1 caixa com
35 kilos de doce de goiaba em massa ; Miguel
Azevedo ancoreta com 57 litros de agurdenle ;
Jos Joaquim da Costa Leite 1 caixa com 8 latas
cootendo 12 kilos do doce.
No brigue pertoguez Adelina, para o Pono,
carregaram : Thomaz de Aquino Fonseca .(- Silva
4&1 meios de sola com 922 kilos.
Ne patacho americano Kennebeck, para o Ca-
nal, carregaram : Rabe Scbaraettaa & C. 3D2 sac
cas com ta,472 kilos de algodio.
No patacho nacional Bom Jtsus, para o Rio
da Prata, carregaram : J. da Silva ovo & Filho
266 barricas com 37,958 kilos de assucar branco.
Para os portos do interior.
Na barcina Espardate do Norte, para Ma-
manguape; carregoa : Francisco Alves Monteiro
Jnior 70 caixas com 1,065 kilos de sabio e 2
pipas com 960 litros de agurdente.
Na barcaca Flor da Penha, para Porto Calvo
carregou : Thomai Ferreira d Cunha 5 meios de
sola com 20 kilos.
RECEBEDORIA DEPRENDAS INTERNAS
GOMES DE PERNAMBUCO.
Remtaentodo da t a 11. 20:072162:1
dem do da 12...... 566*236
20:6384859
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimento do dia la 11. 111:817X679
dem do dia 12...... 647*886
Hi:465io63
MOVIMENTO DO PORTO.
Navtos entrados no dia 12.
Rio de Janeiro e portos intermedios7 das, vapor
americano S. jacintho, de 1312 toneladas, com-
mandante G. Atkios, equipagem 41, carga dif-
ferentes gneros; Henry Forsler 4 C
Rio Grande do Sul26 dias, brigue nacional Tigte,
de (62 toueladas, capito Manoel Francisco da
Cruz, equipagem 10, carga 7890 arrobas de
carne ; a Baltar Oliveira 4 C
Rio de Janeiro e Baha5 dias, vapor franeez Gi-
ronde, de 1797 toneladas, commandaote Soraer,
equipagem 119, carga differentes gneros;
Tisset Frere.
Rio Graade do Sul24 dias, patacho brasileiro
Bailo Destino, de 285 toneladas, capilao Manoel
Antonio de Meyrelies, equipagem 12, carga
10:000 arebas da carne; a Manoel da Silva
Mai a. ,
Navios sahidos no mesmo da.
Portos do sulVapor nacional Annos, comman-
dante 1* teneote Joaquim Candido Duarte, carga
varios gneros.
Bordeaux e portos iatermadios^Vapor franeez
Gironde, commaadante Soraer, carga varios ge-
nero?.
LiverpoolEcana ingleza Hydrantha, Hurrell, carga assocar e algodao.
Srs. redactores.Vooho trazer luz da publi-
cidade u>o faci, que tnuilo depos coutra a repu-
taco do actual professor da povoacaj da Vicen
cia, Antouio Gomes Ferreira Leito ; porm con-
feso que se o Sr. Leito tivesse abusado tacto da
conQann que Ihe depostava, jamis oceupana as
columnas deste Diario, para fallar a sea res
peito.
Eis o fado :
Tendo minha senhora de entrar no goso da Ir-
cenca que Ihe foi concedida pelo governo, aftm de
curar de sua saJe nesta capital, eotreguei ao Sr.
Leito, pessoa Je miuha intima amisde e de con-
fianza Ilimitada, a chaves de miaba resitencia,
n* qual eu deis iva todos os movis, que ornam
urna casal e mais outros objeelos de valor, bem
como um relogio de parede, e diversas joias..
Porm, qual foi, senbores, o procedimeo'o do
prolessor Lena i ? Conservo aquillo que Ihe ti-
ntura dexalo em eonflanca 1 Proceden como
amigo sinseroe Leal t y
Nojirs., mil vetes nao. O Sr. Leito proceden
coaxi jamaca, caja ba repuujo pode ser posta
EDITAES.
*
0 Dr. Sebastiao do Reg Barros de Lacer-
da, juiz da direito especial do comrner-
cio desta cidade do Recife de Pernambuco
por S M. I., ele.
Faco saber pelo presente que Francisco Antonio
de Albu^uerque Mello por seu advogado me den-
gio a petizo do tbeor seguinte:
Illm. Sr. Dr. juiz do commercio.Francisco An
ionio de Albuquerque Mello, quor fazer citar
Francisco Jos de Castro para deniro de aei dias
que ihe sero asignados em audiencia Ihe pagar
a quantia de 3:94u800- e os respectivos juros,
importancia de tres Iettra9 que Ihe acceitara, sen-
do urna de 2:661,1380, em 22 deoutubro de 1869,
a praso de cinco mezes; outra em 8 de junho de
1870 de 2501000, a 30 das, e a terceira em 5 de
novombro do mesmo aono, i:02l420 a 2 me-
zes.
Requer poi9 a V. S. se digne manda-lo citar
para a pnmeira audiencia, e sendo afinal condem-
nado na referida quantia, juros e cusas, quaodo
nao pague e aera allegue embargos relevantes nos
referidos dez das : e porque o mesrao snpplicado
asieja auzente era lagar iocerlo requer igualmen-
te a V. S. sa sirva admitur o supplicanie a justi-
dcar essa incerteza, para que pro vado quanto bas
te, se proceda a dtacio requerida por edictos na
forma da lei. Pede a V. S. assira deOr. E,
K. M.
E-iava urna estampilha do duzeotns res, as9m
inulilisada.Recife, 21 de junho de 1871. Fon-
ceca.
E nada mais se continua em dita peticao, na
qual ,dei o despacho do tbeor seguinte':
i Datiribuida, jj>tiijuc.H.cife, 22 de juond de
1871.Barro de Lacerda.
Nada mais se centraba ex dito mea despacho
por forc> do qual fura ita a' destriboicio do es-
crvao deste juizo Ernesto alachado Freir Pereira
da Silva, e prodazindo o sup?liante suas late-
muobas.qas depozeram convenan temen :e acerca
da auzeaiia do supplicado.
0 respectivo ecri^
os autos ne os kt
feria jelenca do
Procede a justifican
tae^ com 30 dta a praso afflxados e poMcados
PeMSdVjilfte ifff^A^A io* Mego
Barros *a,Lacetd>. r, .
Segundo as asahn so tanUnfls aiLdita mi-
pha aaoteaca em obiarvaouw d* u*al, o. rao
pee ti w asen van qiM este subscrv presente pelo qaal seo thaar, cbawp,-oitu boj
or oitade ao leaciooado ju-uoca4 Francisco
m de Castro paca me deotro do praso da 30
dias com'yarega Mte este jui*o por si oa. por seu
procurador allegando e provado o qa* for a bm
de sea direito justic* ob, peaa de revela.
Portaoto, luda e qual^uer pessoa, pareles, ami-
gos ou coohecidos ilo reUrido juslif,:do podor-
lbo-ba ta*er sciaote de lodo o xjmi^HM^
E pan que chegta o coabecitaeoto de
todo mandet fazer prosete ooWlal que
sert afflxado qos Iug blicado pela tipreQU.
Dado o pasaado oesta eidada do Recife
ds Pdrnan)o:o aos 7 do mea- da jalho de
, Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva eeerivao sob-crev.
StbaHio do *M9 ti. de Lacera.
JiaJUp tos feitM 4a tatseutla
O Dc.AMio.JiM Tasaras da Silva, ^'ffleiaj, da r-
dem da llosa e juta privativo dos faltos da (sr
zsoda desta proviacia por- S. M. 1. e C. que Daos
arde, ate.
Faro saber que em virtude. de ezeeucw da U-
taoda oaonnal contra Claudio Dooeoa sero ar-
reoutadas no 13 da julho aroxim* fuiuro, na
sala da andiisacia, pelas 41 horas da maoha,
seta casas peshoraW ao mesmo ecavado, send
nma asobradada (a de ana residenciar,' avallada
eia 3:000, o as e(sas seis wrceas a 1:000* cada
ama, todas de tijolo e cal, sitandss povos^-i)
de Aptpucoa, roa Neva\ e-js.frente ae rio Cap-
baribe.
E para qae chagoe ao conhecioieto de todos
mandei lavrar o presente, que sera anisado no la-
gar do custume e pao lie a do pela impwnsa.
Dado e passado osta ddade do Recife de Per-
nambaio aos 17 de juabu do 1871. Eu Loiz
Fraucisco Rarreio de Almeida. escrivV) o e Abillo Jos* Tsvares da Silva.
ni, 1..^ in -hit '". I-t ----------------f
Maaca Casa e Miaerleortlla do
lleHc
A lllma. joou administrativa da santa casa da
mHerieordia do Recife tendo de fazer as obras de
qoe precisara os predios n. 37 da rna ds Hoeda e
2 e 13 da roa dos Burgos, perteaeentes aes esta -
oasalmeatos de caridade, contrata taes obras c m
Joom por mepes preco se qnizer encarregar de
sctna-las asedtaatO cartas condicoes, para o que
deverao os pretenJentes dirigir suas propostas
Oiesmo, jjupta-afira de torera apreciadas.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do be-
cife, 10 de junho de 1871.
' escrivio,
. PdVo Rodrigues de Sooza.
DECLARACOES.
Qoialafaira 13 de jalao, depois de Bnda a
aaliencia do Illm- Sr. Dr. juiz dos feos da fazen-
da, ir a praca por venda a casa terrea de pedra
e cal aa roa do Paco da Patria n. 18, com ama
noria a duas jauetlaV, teado de freqte 29 palmos e
67 de fondo, com 2 salas, 4 qoartos, cozinh,
quintal murado, cacimba independante, tudo am
bom estado, sendo o solo foreiro rnarinha, ava-
liaoa em 4:000, e pertenceote ao espolio da fina-
da Maria Antonia da Luz. Essa arremataco tem
lugar a requerimiento de teslameoteiro e inventa-
riaote do espolio pira o fim de se pagar o sello de
heranca e despetas do inventario.
Coagulad provincial.
O abaixo assigeado laneailor do consulado pro-
vincial avisa aes 8rs. proprietaros de predios ur-
banos, e donos de estabeteermentos das freguezias
dos Affogados, Poco da Pariella, seceoes da Vanea
c Jahoat>. que tendo sido ncmeado por portara
do Sr. administrador d') mesmo consulado datada
d 10 do corrate mez, para proceder aos diiTe-
reotes lanc mentes dos impostes decretados peta
lei do orcametito vigente, que d principio aos
seos trabalhos no dia 14, pelo que pedo aos mes-
mos Srs. que teanam promptos os seas recibos e
mais documentos inherentes ao que diz respeito,
am de que possa proceder com regularidade e
sem vexame das partes, dando principio aos seus
lrabalho3 pela freguezia dos Afogados.
O ianeador,
I'.idnro Tneodiii'i d Mito Frrir.
Ilje. 13 du currcuie, u*> uuvitiunuto a pia-
fa os predios: ra Velha n. 14 e 16, Praia n. 50
e 5i. etua do Rangel n. 51, liada a audiencia do
Sr. Dr. juiz de nrpbns.
O arremata oa da aferco do rjiunuipio de
Olioda sciealilica a quem ioleressar, que em o al-
iimo de.-te mez, fTndi-e o preso da revisao dos
pesos e medidas, e de novo lembro a quem anda
ao aferio : assira como mudon-se para o Yara-
douro n. 8 e 9.
laspecqo do arsenal de ra-
rinha
Faz-se publico qae a commisso de peritos exa-
minando, na forma determinada no regula ment
annexo ao decreto o. 1324 de 5 de fevefeiro
ae 1834, os cascos, machinas, cal leiras, apparelhos,
ma-treaces velames, amarras e ancoras dos va-
pores Cururipe da corapanhia Pero ambo rana de
navegci costeira, e Pacifico, propriedade de
Caetano Loareoc de Seixas, aeboa todos esses ob-
jectos em e?tado de poderem os vapores continuar
no servido em que se empregam.
Iospeccl) do arsenal de marinha de Pernambn-
co 11 de julho de 1871.
Francisco Romano Stepple da Silva,
' i inspector.
de 1871.
CONSULABJ PROVINCIAL.
O abaixo assigoado tendo sido nomeado por por-
tara do Sr. administrador de 10 do correte para
(azar o lancameoto da decima urbana e mais im-
posto* das freguezia* de S. Fr. Pedro Gon^alves e
Santo Antonio, para o exercicio de 1871 a 1872
dar principio aos referidos lancuoentos no dia 14
do corrente mez, pelo que faz saber aos proprieta-
ros que previnam aos seus in juelinas para que
tenham seus recibos ou arrendamentos mo afim
de por ellos se fazer o lancameoto, nao. se aiteo-
dendo aos que parecerem dolosos oa foreiros fa-
zenda, fixando-se neite caso o preco provavel do
aluguel que poderia render em refaci a capaci-
dade e localdade delles em alueuel pagos por ou-
tros semelbntas, dando principio ao seu irabaiho
pelas ras segaiates Imnerador, caes 22 de No-
vembro, praca de Pedro II e Duque de Caxias.
1* sec(j do consulado provincial 12 de julho
O laceador,
Joo Pedro de Jess da Motta.
CONSULADO PROVINCIAL.
0 abaixo a>sigoado, te ido sido nomeado por
portara do Sr. administrador do 10 do correte
mez, para fazer o lancameoto da decima oTbana e
mais imposte? a fregu-zia de S. Jos, para o
exercicio de 1871 a 1872, dar principio aos re-
feridos lanQarceQl0S no da 13 do mesmo mez, pe-
las ras de Marcio Dias (Direita) Lombas Va
lentinas (Agdas Verde?) Coronel Sua-suna (Hor-
las); faz saber aos aquilinos d>s predios para
qoe tenham proraptos seus recibos ou arrenda-
mentos a mao, alim de por ellos .se fazer o langa-
raento, nao se attendendo os que parecerem dolo-
sos ou lesivos a fazenJa, fixando neste caso o pre-
go provavel do aluguel que poderia render em re-
lacio a capacidade e localdade delles em aluguel
pagos p r outros_ semelhantes.
Pnmeira seccao do cjosuladp provincial, 11 de
julho de 1871-
Servrado de Ianeador,
Jo Aaptisla do Reg.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Perante a lllma. junta administrativa da santa
casa da misericordia do Becife, na sala das suas
sessoes, pelas 3 horas da larde do dia' 13 do cor-
rente, tem de ser arrematado porquera por menos
preg i fizer o fornecimeoto de medicamentos bo-
tica do hospital Pedro II. no trimestre d julho a
seiembro deste aono Os preteodeotos podera pa-
ra isso consultar nesta secretaria o receiluario
cora os respectivos presos.
Secretaria da sama casa da misericordia do Re-
cife 3 de julho de 1871.
O escrivio,
Padro Rodrign* de Ronza.
aata fJasa ae Misericordia do
Recife.
Pela secretaria da santa casada misericordia do
Recife se faz scienle que oo da 18 do corrente
pelas 9 bocas da raanha, ho sali da casa dos
pxpostas o Illm. Sr. ihesoureiro interino major
Laarent'no Jos de Miranda far plmenlo do
irimes.re vencido de abril a junho, a Aias que se
apresentarem conduzindo as crianQadWue Ibes fo-
ram confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Fie
sie, 10 de junho de 1871.. .
O escrivio,
Pedro Rodrigues de Seara.
No da 6 Ou crreme linda a audiencia do
Illm. 6r. Dr jais de arpeaos tem le ser arrema-
tados os dominios director dos terrenos, na roa
Nova, fregnezia de Santo Antonio, pertenceotes ao
casal do tinado commendador Thomaz de Aquino
Foneeei, a requerimento do Inventarame cora
anuencia de todos os interessado*, os preferen-
tes dirijam-se ao porteiro do juizo para verem as
svaiacdes.
santa casa da misericordia do recipe.
A Illm. jauta administrativa da Santa Casa do
Misericordia do Recife manda fazer publico qne
na sala ae suas sessies, ao dia 13 do mez de julho
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematados
a quera mais vantagms offerecer, pelo lempo de
om a tres anuo, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECrMENTOS DE CAREDADE.
Ra do Prdre Floriannc.
Casa terrea n. 45. ,.....180*000
Casa Ierre? n. 63.......203*000
Ra das Calcadas.
Casa terrea a. 31. O a 132JW00
Roa do Calabouco.
dem n. 1........320*000
Ra do Amorim.
Sobrado de 2- andares n. 26 ...
Ra do Filar.
Casa terrea n. 73 I......
Roa da Gloria.
Casa terrea n. 61......
Becee do Abren.
Sobrado de 2 andaros o.* 1. .
Ra d Rom Fim em Olinda.
Casa terrea n. 11......
dem n. 12........
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Becco das Roas.
Sobrade de 2 andares n. 26 .
Itua do Encantamento.
Sobrado de 21 andares n, 14 .
Rna ua Sanzala velha.
Casa terrea n.# 18 .
dem n. I. 6.......208*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101.....2035000
Idtmn.110........2O5*0o0
dem n. 104.......201*000
dem a. 99........360*000
Ra larga do Rosario
Loja do sobrado n. 24......1:807*000
Primeiro andar do dit .o 402*000
Os pretendeotes deverio apreaentar no acto da
orrematacao as suas naneas, ou eomparecerem
icompanbados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
Jife, 26 de junho de 1871.
O escrivio,
_____ Pfdro Rodrigues de Souza.
Segu COPJ mid
at Novo lntentnet:
para esrgas 'passgeos trtla-se roa do^Hjar
a. 14. a#ar. weriptevtn <*lmt- Lope Davim.
302*000
211*000
i
240*000
400*000
96*000
96*000
367*000
1:200*000
241*000
O eapao E. Hearsheim do navio porte alio-
mo Courrier precisa fretar om navio de I* elas-
se ou praca necessaria era qualquer ootro ; afim
de poder reembarcar 6n00 eouros seceos ponco
mais ou meaos,4000 clnfres e 11 fardas com reta-
Ibos de couros, tudo procedente do Rosario coas
destmoa Barcellonaera direitura. Olleras em car-
tas fexadas subscrpiadas ao capito, devem ser
entregues at o dia 13 do cor:ente no consulado
allenaao : para mais explicacoes em casa doseoa-
igoataros.
dos correlos.de
13 de Julho de
Adaainistraeo
Pernambuco
1891.
Mala pelo vapor americano S. Jacintho.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
(13) pelo vapor cima mencionado para os portos
do norte, sera rerebtda pela maneira seprate :
Macos de jornaes. impressos da qualquer natu-
reza e cartas a registrar al 2 horas da tarde, car-
tas ordinarias at 3 horas e estas at 3 1|2, pagan-
do porte duplo.
O administrador,
_____________Affonso do Reg Barros
THEATRO
Sociedade dos artistas
HOJE
Quiata-feira 13 de julho
Representaclio extraordinaria
EM BENEFICIO DE
Nne. Zlia Lugarde.
Bnlbante
PROGRAMMA
intermedio
e danqa
Para o indicado porto pretende seguir coa bre-
vidade o patacho portugauz GarbaUti por ter a
maior parte de seu carregamentp, e para o resto-
que Ibe falta, qoe recebe a frele comaodo. trata-
se com o consignatario Joaquim los Goa^dvws
Beltrao roa d C immwroin n.Jb
Paratetwa
o brigue portuguez Ctele, capilao J., J. da Cosa,
vai sabir com brevidade por sr prontpta a maior
parte da carga : para o resto fue IHW falla traa-
se coro os consignatarios E. R. Retalle A C., rus
do Commarcio n. 48, ou com. o caj-itio.
COMPANHIA PERNAMBBt(i,
Vavegaeio costeira por vaqpavr.
Parahyba, Natal, llado, I Afcssor, Ara-
caty, Cear, MaorJabL Acarac
iffl
O vapor Pirapama comman^e)-
te Azevedo, sagnii aara o par-
tos cima no dia. lo do rasilla
as 5 horas da tardo. Recebe car-
ga at o dia 14f eneommendar,
passageiros e dinheiro a frote at as 1 hora da
larde do da da sabida : escriptorki no f orto do
Manos n. 12.____________________________
Para a Baha
Recebe carga S\i sabbado, 15 do Correte, e a
(rete mdico o patacho italiano Margharita ; qaem
oelle qnizer carregar pode witender-se com os
consigiiaiarjBs E. A. Burl" 4; C, ra da Canz nu-
mero 48
^
mi%M
Freta-se.
de canto
por Mr. Raynaud, Motes. Poncelet e Faoco. ter-
minando com a saynette .
Tenor et Directeur
desempenhada por Mrs Hurbain e Maris.
1" REPRESENTAQO DE
nt
Les deuz timides
1 acto do theatro Gymnasio de
Comedia
Pars.
em
!Personaaen.
Tbibaudier. Mr. Halbieib.
Frmssio.. Mr. Hurbaiu.
Garadoux.. Mr. Maris.
Ceile..... Mme. Zlia.
Anneue Mme. Fuoco.
Terminar o espectculo com o quadro popular
era 1 acto
L'homme u'est pas parfait
Principiar s 8 1|2 horas.
Depois do espectculo haver trera, como de
costme.
AVISOS MARTIMOS.
DE
Paquetes a Vapor
0 vapor Cruzeiro do Sul, com-
mandanle capito tenente Pedro
Hyppolito Duarte, seguir pap o
Ru de Janeiro com esoaia por
Maqp e Baha po da 15 do cor
rente as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o da 14, encomraendas e di-
nheiro a frele at as 2 horas do dia da sua sa
riiaa.
Nao se recebem como eocommendas senao ob-
j actos de pequeo valor, a que nao escedam a 2
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medt-
co. Tudo que passar destes limites dever ser
embarcado como carga.
Previoe-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se recebem na agencia, ra do Bom
jess n. 57, primoiro andar.
Companhia americana e brasil ei-
r de paquetes a vapor.
At o dia 15 do corrente esperado de New-
York por S^ Thomaz a Para o vapor ame-
ricano A'orA AmiTica o qual depois da demora do
costume seguir para os porios do sul.
Para fretes e piissagens, trala-se coa os agen-
tes Henry Forster 4 C., ra do Commercio
P.lHA.
O patacho norie-alletnio Mathitd, segu para o
nortu cima, recebe carga a frete coramodo: a tra-
ar coca lnaquira Gerardo de Bastos a roa do Vi-
ario u. 16, prtmeiro audar, escrlplorio.
BAHA
O brigue franeez Aijonie & Mario, ebegado
hontem de Antuerpia, recebe carga a frele cora-
modo para o porto cima, e partir cora molla
brevidade : a tratar na ra da Crnz n. 55.
lIH.il
Seguir para o indicado porto o Mate Sobralen-
s'. capilao Costa, anula receba algurna carga a
frete : a tratar com S Leiiio Irraos ra da
Madre de Deos>n. 1.
Segu para o porto cima o brigue portoguw.
Bemvindo, tem parte da carga, e o resto receba
a frete commodo : tratar na rna db Vigario n.
16,1 andar com Joaquim Gerardo de Bastos.
LEILOES.
da escuna norte allema
Courier
A L3 do corrente.
O agente Oliveira far leilao por ordeno de E.
Hermsheim. capito e propretario da escuna oor-
le-allemia Coartar; lotoeo de 116 toneladas on
cerca de 14,000 arrobas de carga, e da qual sao
consignatarios Henry Forster & C, em presenca
do Sr. eon-ul da Allemanba, nesta cdade, e por
conta e risco de quem pertencer, da dita escuna.
com toda sua mastreacio, veame completo, anco-
ras e correles, lancba e bote e mais pertences
tal qual se acha no ancoradouro d'este porto, onde
aportou em 11 do mez prximo passado arribada
com agua aberta no proseguimenlo de sua viagem
do Rosario de Sanla.F com destino Barcelona .
Hoje.
ao meio dia em ponto, no lugar da Associacao
Commercial d'esla pra^a, podendo o^ pretendeotes
examinar com antecedencia a escuna no logar
onde se acha, como o respectivo inventario am
mi do referido agente._____________.
LEILAO
DE
Urna mobiiia de Jacaranda
constando de 18 cadeiras de gnarnicao, 4 ditas de
bracos, t consolos e me-a da meio de sala com
pedra e 1 sof, um expeliente piano, 3 candelabros
de bronze, um grande guarda-roupa de amarelio.
1 aparador, 1 mesa elaslioa de amarello, 1 cosroo-
rama com a competentes vista;, urna porcio de
quadros grandes e pequeos, 1 apparelbo d por-
celana para jamar, um dito para almoco, copos a
clices
QUINTA-FEIRA 13 DO CORRENTE.
O agente Martins far leilao, a requerimento do
inventarame dos bens do 6nado Joaquim de Al-
meida Pinto, e por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz
de orpbaos, dos movis cima, existentes no pri-
meiro andar do sobrado n. li da ra dos Quar-
tei, ? 11 hora do dia.
LEILa
de 280 barricas com batatas, as melaores
que tem viod a este mercado
(ariohentas)
MOJE.
O agente Pestaa far leili) por eonla e risco
de (juco pertencer, do 230 barricas,com expel-
ientes balitas, e serio vendidas era 1 oa mais
lotes : hoje, s 11 horas da uianbiz, no largo da
alfandega.
LEILAO
DE MOVIS
LOUCA, CRYSTAE^. OBRAS DE MUTA, OBRAS
DE OlIRO fif ELOGIOS
A SJrBER:
lira piano forte, ama mobiiia a Luir XV, ama
dita de Jacaranda com 1 sof, 1 eoosolos com pe-
dra, 2 cadeiras de bragos e 12 de guarhicao, qua-
dros, caderas de ba'ancp, 2 banras de iogo; S -s-
pelhos dourados, caodieiros a g-z, jarros para %*-
re?, laucas para cortinados, peles de salas. 1
cama frauceza, 1 tcilete de Jacaranda, 1 lavatorio
com pedra, 1 commoda, 1 lavattrio, 2 raarquexas
e 2 cabides.
Urna mesa elstica. 1 guarda loa;*,^Aparador.
sof, 12' cadeiras, i apparelbo de louca para
cha, 1 dito para jruitrr, Copo, esfices, garrafas, S
d,atias de facas cato de marti n, reJugios-n-
mesa. 2 cadeiras de abrir, 12 dita* de imarnicio,
1 mobilla de amarellc e muitos outros objectos
sexta fera 14 do correte
a ilha dos Ratos, casa junto enacao dos trillos
Urbanos do Recife Olioda.
O agenta Pinto levar a leilao por coala e risco
de quem pertencer, os objaetus ocima mencioaa-
doi, os qaea sarao iraosportados para a ca b-,
^
k



*>
'*, r "
w
*
DiMio d Peruambao Quiuta rerra 13 de Julho de 18,1
;
meocwniaa, a qual
-I

lugar-e. 0
14 do correte.
190 laccoi com milbo cora' toque de
varia, viadas do .Pirapama
a lf> do crreme
r SKXTA-FEHA
4 do correnU-
O agente Pestaa far lellio por conta e nsc*
de quem pertencer, de 150 taceos com milho
com toque de avaria. Os Srs. pretndeme* pdete
examina-las na companhia Pernambneam, e o
leifio lera larar sexta-feira 11 do corrale, s 11
toras Aa manhia, no largo da alfandega, onde al
gama se acharo jnnto ao armazem do Annes.
Irwwdade 4e Divino Espirito Sirte do
Coltegio,
jm virtnde de artigo 68 do aesso compromisso
convoco o conreino fiscal para se Tennir o da 16
do crranlo, pelas 10 horas da manhaa, aim de
dar eomprinenlo ao que dispe s artigo 83 do
Bietme coeapromisao.
Con'istorio da irmandade 11 de jnttio de 1871.
Jos Azevedo de Aadrade,
_____________Procarador feral
Praersa-se da uta pira co-
tinhar e comprar : na roa do
Crespo n. 18, 2* andar.
*%*>
Leilao
DE
-20 libras de retro* 'de cores 30 grosas
de colarmhos de papel
Sabbado 15 do correte.
O agente Pestaaa far leilao das mercadoria-.
cima, em lates, a vonlade, sabbado 15 do corren -
te, s II horas da manhaa, em sen escriptorio*
roa do Vinario a. 15.
tU l Precisa se de orna ama para o servico
Aia.il de ama casa : na ra da Cadeia do Re-
citen. 51, I*andar.
Muih atteiijfto
Paco sciente ao Exm. Sr. vico-presidente da
provincia, qne a viova D. Mara Pissiliaaa Villela
des Santos, que foi a exame em Janeiro, pretende
ir a concurso, a dita viuva dea a luz a urna en-
anca em nossa casa no da 26 de malo do corren-
te anno, ra da Conceicae da Boa-vista a. 23, e
pode ser proessera?
DE
lima grande bandeja de prata, salvas e co-
Iberes tawbem de prata, relogios de oro
e prata para bomens e senboraa, atare-
os de coral, ditos de ouro com podras
tinas, perolas, cacoietas de ooro a mui-
feto3 outrus objectos
xta-feira 14 do corratelo meio da em ponto,
* em cootinuaco ao leilao de movis que deve
ler lagar na casa da iiha dos R.tos. por iuterven-
co do agente Pinto.______________________
n
MOVIS
Perleocentes nma familia que se retira
para a Europa
SABBADO
15 lo cerreite
O agente Pestaa far leilao por ronca e risco
de urna familia.que se retira para a Europa, sen
do pina mobilia de magno, cadeiras, nuquezas.r
guarda- louea, urna beHa mesa elstica, commodas,
mesas, ama machina para cozer saceos, venezia-
nas e ranitos-ontros objectos qae se acharo pa-
tentes, sabbado lo do correte, s 11 horas da
manhaa, na ra do Vigarjo, escriptorio do agebte
n. 13, primeiro andar.
LEILAO
DE
dous bons engenhos
A 8 do corrate.
Por ulterior despacho do Illro. Sr. Dr. juiz de
direito especial do coramercio d'esta cidade, re-
querimento dos administradores da raassa fallida
de Siqoeira & Pereira, o jente Oliveira expor
nevaraente a leilao publico, os Oem connecidos en-
genhos denominados Jussra e ilwiV d'Ouro,
ambos silos no termo de Ipijoca d'esta provincia,
os qnaes foram penhorados por execucao de ditos
administradores viova e herdeiros do Dr. Igna-
cio Nery da FoBseca, e adjudicados indicada
massa :
Sexta-feira 28 de jolho
ao meio dia em ponto, no escriptorio do referido
agente, roa da Cruz n. 53, primeiro anlar, onde
se dar previas informacoes.
VISOS DIVERSOS
INSTITUTO ARCHEOLOIICO E GE061APH1-
CO PERXAMBLCAKO
Haver scssSo or linaria quiota-feira, 13
d crrente, julho pelas 11 horas da ma-
uba.
0RD.V DU da.
Pareceres e mis trabaIhos de commis-
ses.
Secret-ria do Instituto, 10 de julho de
1871.
J. frares d'Azevedo
Secretario perpetuo.
Luz e prrgresso.
Com este titnlo sahir o mais brevemente pos-
sivel um jornal, no formato do Correio Pernam-
tucano e provisoriamente urna vez por semana,
cojo lira promover especialmente os inieresses
do commercio e d'agricultura, das industrias e das
arte, e ludo quanto possa interessar ao melhora-
menlo do paiz, menos a poltica que nao ter in-
gresan em suas colon as.
A Ma de um jornal desta orden) se tera toma-
do ba.-tante sensivel provincia, e presumimos
que, toles aqnelles qae concorrerem com o pres-
tigio de saas luzes e de snas assignaturas para
-na mi-ir litado e iiiaior briJhantismo, preslaro
001 relevante servico ao paiz, as circunstancias
ero que elle se ach'a.
Sohscreve-sa nos escritorios das a?ociacoes
C >mmercial Beneficente. Commercial Aercola, da
Sociedade los Artistas Mechaniccs e Liberaos, em
;odas as livrarias desta cidade, as papelarias dos
^rs. Paula Honteiro e C graohia Mercantil, ra do Torres n. 10, razo
de 34 por trimestre, pagos allantados a entrega
do primeiro numen de cada trimestre.
Farpas
Chronica mensal publicada em Lisboa, por
Fiamalho Ortigao Eca de Queiroz.
O numero de maio acaba de chegar. -Acha-e
avenda por 1|000 rs. na Livraria Fraoceza.-
AVISO.
Pardea *e no dia 9 do crreme mez, da povoa-
;a> de Ipojuca at o engenlio Macaco, da mesma
'reguezia uma letira da qoantia de 100, acceita
pelo Sr. Domingos Paes Barretto Lina, em 20 de
maio do mesmo anno, a vencer se a 21 mezes
cootados da dala em qae foi passada. Previne-se
portanto ao Sr. Domingos Paes Barretto qn nao
a descont caso Ihe seje apresentada, bera como a
qualquer peseoa. Declaro que a lettra est fem
^asignatura, a credora, e portanto mui fcil sera
lazerse qualquer iraosaccao. *
Eogenho Macaco, ll de'jolho de 1871.
Rosa Bemvinda Vieira da Cunha.
O abaixo assigo do lem ju-to e contratado
i-,om os Srs. Amaral & Filho a compra da armacao
da casa da ra da Imperatriz n. 68, livre e desem-
barazada de qualquer duvida que possa appare-
cer ;"mas se por ventara algoein se julgar com
direito a mesma, tenha a bondade entender-e
com o abaixo assignado na roa Marqoez>le O!in-
da, antiga Cadeia, n. 50 A, isto no praso de tres
das, a contar desta dala em diante. Recife 11 de
jalbj de 1871.
Bemardino de Azevedo Fereira Mala.
Criado.
Preci*a-se de um criado para todo servico de
um efUbeleeinvMpo e qae d1 dador a sna ;onduc-
a : na i na l* de Margo n. 15.
Ffeci-a-se do uiua ama que
ra da Penharn. 23, I* andar.
enguma>c : na
Boticd popular
rna da Imperatriz d. 77. precisase contratar um
offieial de pharmacia.
Precisa-se e uin e*era*ti para UDoimro : a
traur Da ra do Cabo 3, loja n. I A.
Carta
Ha nina para
paio, d, [ ,
; mu Sam-
Na roa DireiU n. 29, 2* andar, ha para ala-
gar um bom criado e copeiro de bu conducta.
Papa. Papal
No Caf Chiaez roa larga do Rssario c. 31,
encontra-se das ||2 as 7 1|2 horas da manhaa
a saborosa e nutritiva papa de ieite. Recebem-se
assignatara. para ella. Chamamos a a t ten cao da
classe caixeiral. Tambem se fornece comedorias,
bem como se acceitam assigoaluras po; mdicos
preces.
Participa-se ao respeitavel publico <;om es-
necialidade ao corpo do coumercio que ee acha
justo e contra(ado o hotel da ra de Saota Rita
Nova n. 3, com Manoel Domingos Freir, se al-
guem se julgar com direito ao dito hotel aprsente
os seus documeatos no praso de 3 das a contar
da data oeste e nao o fazendo perdero o direito a
qualquer reelamaco que appareca.
Recifo 12 de jabo de 1871.
Manuel Domingos Freir.
Precisa-se do ama ama para
ra do Sebo n. 29.
cosmbar
Precisa-se de ama ama que eosinhe e en-
gomme comperfeicao para casa de hornera soltei-
ro; a tratar na ra da Palma n. 103.
Aluga-se a casa terrea n.8 da ra do Jasmim:
a tratar ra da Aurora n. 50.
Alaga-se a metade de um primeiro andar
situado n'uma das principaes ras do bairro de
Santo Antonio, com commodos saffkentes para
escriptorio de advogado e de casa de commissoes
pelo preep de 25000 rs. mensaes. Para infor-
macoes a rna do Livramento n. 19, 1* andar.
Precisa-sede ama ama
para andar com uma
crianca e fazer algum
servido interno : na roa
da Aurora n. 5,; segno-
do andar.
AMA
Precisa-se de
ra da Guia n. 56.
um mestre de;mas.-eir : n
Precisa se de uma ana para cozmhar, com
prar e eagommar gara casa de pouca fi liai
preferindo-se escrava : tratar nesta tvp-granh
Precisa-se de
mero 31.
uma ama na ra Bella no-'
mm ao
O professor publico Joo Laode-
lico lime las Cmara contina as
horas vagas (tres da tarde em dian-
te) a leccionar particularmente pri-
meiras letiras, grammatica porto-
gueza, arithmelica, etc. etc.
Relativamente s senhoras, a ca-
jo eosino se tem dedicado, prope-
se a habilita-las para o concurso
ao magisterio primario, prometten-
do-lhes empregar todo o zelo, es-
forco e assiduidade a sen alcance.
Os interessados podem entender-
se com o mesmo ra do Rangel.
n- io.
m
Foldgrasli imperial
calhri% e rammi
DE
J. Fwretra FtlleU
Deee o dia 7 de abr I passado aoba-ee aberto o
aovo esubelecimento photograpbJeo sito rn de
Catmg n. 18. etqvhia do pateo ta atril. Ostrabs-
ihos .ne desde eatie, tem sahido de ossa offleina
tem feralmente agradado, sendo recebldos por
Mni com adniracio pelo extraordinario pro-
grano que ltimamente tem tldo a photc graphia,
i por ontros com alegra, por verera a provincia
louda con um estabelecimento digo d ella, in-
wntesuvelmate o primeiro qae neme genero
koje possae : Tambem nio nos poupamos em cousa
ilguma para moau-lo no pe em qae se acha, es-
perando qae o publico de Pernambnco saliera
ipreciar noasoa esforcos e recompensar nossos
triflcios.
Convdanos a todas aquellas pessoas, naeibnae!
estrangeiras que gostam das artes, ou tivererc
aeceesidae de traba!hes de photographia a visi-
tarem o nosso estabelecimento, qne estar sempre
tberto e sua disposico todos os das desde as 1
joras da manhaa at as da Urde.
Para os traba!hos de photograpnia possnimoriia
rersas machinas dos roeMnres antorn francezes
nglezes allmemes, como seiam ; Lerebcors el
Secretan, Hermagis, Thomaz Ross, Voigtlander el
Sonh ewnlf. ltimamente recebemos tras nova.*
nachinasi sendo nma dolas propria para tomar
obra oSmesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas t
isoladas, e outr- de 6 a 12 imagens diversas e
gualmente isoladas, de surte que no, caso d
{randa concurrencia poderemes retratar sobra
una nnica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
ias para cartoes de visita, e assim em menas de
ira quarto de hora despaeharmos 8 differenie;
>t*ioas qne pecam cada nma, nma dniia de candes
sais on menos, com es seos retratos smente, oo
m grupo com ostra.
Encarregamos-nos exclusivamente da direeco
s feilura dos trabalhos de photograpbia dei-
tando pericia e talentos do distincto pintor
iJlemo, o Sr.
Jorge A. Roth
>s trabalhos de pintara, a aqnarela, a oleo, a a
pastel
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-se
lesvellado na execacae de seas trabalhos.
No nosso estabelecjmento acbam-se expostos on-
tros trabalhos imiiortanus do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como oleo, retratos
Meo, qnadros sacros e diversos ontros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnbo natural, assim como de quadros sacros
para ornamentadlo de igrejas ou capellas. Tam-
bem aceitamos encommendas de qnadros histri-
cos.
Aseguramos que os precos dos diversos tra-
oa'.hos da nossa casa sao mm rasoaveis.
CARTEES DE VISITA NAO COLORIDOS lOfJOO A
MBA
CART5E8 de visita com o colordo ao NATU-
RAL 1 6000 A DT7.IA
Retrates em miniatura oleo oo aquarella de
16 204000 cada uro, indo convenientemente en-
:aixilhado em moldura dourada e regulando o
austo da pessoa retratada de 3 a i pollegadas e
do o quadro palmo e meio de tamanbo.
Julgamos que bastarlo os precos cima para
larmos idea da baratesa dos trabalhos do nosso
istablecimento, quanto sua perfeicao cada um
tenha julgar por seas proprios olhos.
As melbores horas para se tiraran retratos no
iosso estabelecimento sao das 8 horas da manhaa
I da tarde; entretanto de nma hora s 5 da tarda
im casos especiaes pode-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos das de chava, ou por tempo sombro Do-
lemos retratar, e asseguramos qae esses dias sao
m mais favoraveis aos trabalhos de photograpbia
pela docura e persistencia da luz, e per termos o
aosso terraco construido com taes proporcoes c
melhoramentns, que anda chovendo jorras ne-
iham inconveniente 'ha para fazer-se be|)os re-
ratos.
FILLAS VEGETAS
DR.
ARTIGAS
Rr^^i
Nio hanecessidademis
geral em todos os paizes
do que a de um purgante
que seja ao mesmo tempo
innocente, efficaz e digno
de toda confianca.
As plalas que ora offere-
cemos ae publico preen-
chem estas condices; pois
podem ser tomadas pelas
pessoas mais iracas sem
rigo algom, n.So tendo
saa comppsicao mer-
curio nem outro ingredien-
te nocivo i sade, mas
sendo composto de agentes vegetaes mni
fortes, sao bastante efficientes e attivos
para purificar es cor pos mais robustos.
Qoanios sao os males qae, se no sea
principio ossem combatidos energicameate
com nm simples porgativo, nio seriam de
uma vet vencidos ? Grande nomero das
molestias qne estamos sujetas se deve a
um estado sojo e irregular do estomago,
qne podemos recommendar ao publico sao
as PILULAS DE AYER qne exploram e pu-
rificam toda a extensao do canal alimenti-
cio, e dio vigor a todas as partes do orga-
nismo, corrigindo soa accio viciada e fa-
zendo recuperar sua vitalida.de. E' um re-
medio inestimavel contra dr de cabera
nervosa, enxaqueca, pruno io ventre, he-
morrhoidas, molestias do figado, febre gas-
tro heptica, e todas as molestias bilmas
que teem sua origem no entorpecimento do
ligado que cansa a escassez da bilis na in-
flammacio deste orgio que pxoduz derra-
mamento da bilis no estomago ou em um
desarraDjo geral dos orgios digestivos.
figado ou ventre.
hor purgativo
A ICTERICIA produzida pela absorp-
cao da bilis no sangoe, dando pelle|e aos
olbos uma cor amarellenta; ni) e somente
dolorosa por si, porm cooduz aos mais se-
rios soffrimentos. Para cura-la toma-se de
uma a cinco pillas todas as mahhaas, isto
bastante para mover o ventre suavemente
at que se recupere a accio sia do sis-
tema.
A dyspesia ou indigstelo, tem sido tan-
Vende-se em todas as pharmacias e drogaras do imperio
W. R. Cassels $ C.
qoe conbecembs e
.
tas vezes corada com esta <
duvidamos em dizer que >
dio para este incommodo ;,
vermes, vejam o que diz o tf
t'for de Nova-York: as pilma < '
Ayer temos achado um dos melbores >
dios para os vermes, bichas e lombrigas.
Nio podemos ennumerar aqu lodos es ca-
sos em qoe sao vaotajosas estas pillas,
tantas sio as molestias que se podem cem-
bater com o emprego de um bom porga ti-
o como sao ellas. ,
Em faifa de appetite, sio excelentes ;
como digestivo para a comida, nSo na coesa
melbor. Nio se tem poupado trabalbo
nem despeza para levar estas pHulaa a um
grao de perfeicio tal, qoe nada deixa
desejar; sio o resultado de annos de este-
dos laboriosos e constantes. Para alcancar
todas as vantagens qoe resoltara de oso de
catt^rlieos, tem-se combinado somente as
virtudes curativas das plantas qae sao eaa-
pregadas na confeccio das pillas. Soa
composicio tal, que as enfermidades qoe
esli ao alcance de sua accio, raras vezes
podem resist-las ou evad las.
Agentes geraes.
Cigarros espe- *
* ciaes e fumop- g
* do para cigarros m
e cachimbos o me-1
|lhor possivel, f-|
ibricado no Paras
|por Jos Julio j|
I Sampaio Pires,
m unico deposito em m
i Pernambnco, pra-1
g pa d 3 Independen-
m cia n. 39. loja de
Porto & Bastos.
JOSTRA FOGOa
A companhia Indemoisadora, estabelecidi
aestaj praca, toma seguros martimos sobn
aavios e seus carregamentos e contra foge
;m edificios, m^rcadori; s*e mobilias : n;
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Joaqnim Jos Gonpal-
ves Bltro
Ra do Trapiche n, 5, Io andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco dt
inhc, em Braga, e obre os seguintes lagares en
'ortupal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimares. .
Coimbra. i
Chaves.
Viseo.
Villa da Conde.
Arcos de Val de Vex.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
. Villa-Nova de Famecao.
Lamepo.
Lanos.
Covilhaa.
vaical (Valpaso>.
Mirandella.
Peja.
Bareel!o.

J
B*
M
"" 2.
O- TI
3
O -o
oH.3
_ o
5" *
s3
Sis

=
. s s
_ ce 3 "> aS-
fS?I8iIsT
o nE.
a
M
o-

.Eli
-. M O 5 r ~
o %m Elts
41 RUI DO BARIO DA VICTORIA 41
armazem tem um DE Assim como t
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezaa, inglezad) aliemias e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, afim de acreditar a este
aovo armazem.
Gatemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
rnbos modernos, cha-
peos de sol de seda,
5noa.
ARRUDA TRMAOS.
RA
Sarao da Yletoria
antiga raa
IVOVA
N. 41.
Assim como tem orna grande
ofiScina de alfaiate, montada com
todos os prepares que ha de melbor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptidlo e perfeicio
nada deixam a desejar.
Roupa de todos oe
amneos para horneo*
meninos.
Por todos os paqoe
tes recebem-se as me-
lbores e mais moder-
nas casenuras que ba
na Europa.
RA
Dt
Bario da Ylclor tr>
antiga raa
NOVA
N. 41.


a ^ w
o o* 2 t o E
'* 4 3 o =i"
^ S~ s> 2
oS3- = =
_ A
33&I
3-
5*81
5?3
0,^3^ =
a> 2 a.
02o=.=
2 3J

ir9a
Este estabelecimento acaba dej^ogrer uma reforma radical em acceio, artistas e commodos, e em pontoalidade as eucwn-
mendas, finalmente em todo afim de mlb'or servir os seus numerosos freguezes deixa-se de anounciar todas as fazendas, para
i3o se tornar massante
~~ LIQUIDAQAO
eos
dozla descont de 15 %
l>a mais importante fabrica de chapeos de sol do imperio Ra do Barao da Victoria n. 23
O dono daquelle estabelecimento resolveuse para acabar mais depressa em vender os productos da saa fabrica pelos pro-*
seguiBtes:
Chapeos, de sol de seda pan senboras e meninas a........... *.......... 5$000 em
Ditos de ditos a balo a.'..... ... .............................. tiJOOO
Ditos, ditos e ditos finos a............................... ..... 8A00O
Ditng, ditos e ditos, de marlim.................................. lOdO
Ditos, ditos e ditos, pira hornera................................ lO^OOO
Ditos, ditose ditos............................................... ll^OO
Ditos, ditos e ditos de paragou........^............................ Io000
Ditos, ditos, ditos de ditos............................. ......... l^OOO
Ditos, dilos e ditos cabo de maifiaa.....................-........... 175000
Ditos, ditos, ditos edito* ..................................t...... 18^000
Dilos de alpaca muito superior..........
Ditos de merino......................
Ditos d'esgoiSo......................
Ditos d'algodo para nomeus e^eniloras.
43000
GtfOOO
(MkOO
3000
dem idem.
dem idem.
idem idem.
idear idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem idem.
idem 25 %
Comedorias
Custodio Jos Alves Guimares, nico socio ge-
rente da ca?a commercial de Guimares, Pontes
* C, desta praca, previne qoem interessar pos-
sa, que est promovendo a dissolncao da mesma
Irma, e entrar era egaida na respectiva liqui-
jaca i; sendo qne nao ba letras pelas qaaes esteja
% firma re?pon*avel, e nem o nnnnciante a^ pre-
tende firmar durante a mesma dissolncao e liqni-
(laco. 1
Escripturac^o mercantil
Urna pessoa habilitada e que dispoe de tempo,
propoe-se a fazer algomas escripias comraerciaes,
prometiendo asseio, exaelidao e poutualidade :
ijiiem de seu prestimo se qnizer utili-ar queira
dirigirse a rna db Apollo n 5!, pavimento terreo,
onde achara com quem tratar.
Cootinna-se a fornecer enmedonas para lora, n&
rna estreila do Rosario o. 35, sobrado, mandndo-
se levar almnco de 7 a 9 horas da manhaa. e jan-
tar de 1 a 3 horas da tarde, confirme a vonta'de
do assignante.
americana ra dos Pires n. 45, contina a lazer
pao e bolacha de fannha especial de 1 son para
melbor agradar a seus freguezes.
Precisa-se de nm criaao
tratar na ra Nova, loja n. 7.
para uil sino : a
Precisa-se de uma ama ou de. nma
escrava para cozinhar e eagommar pa-
ra pouca familia : na ra da Soledade
n. 32, ou ra da Cadeia do Recife nu*
mero i i, loja.
Aluga-se um mulato de 18 annos de idade
a tratar na ra da Paz n. 24.
Na ru de S. Rom Jess das ioolas
,. 42, lava-se e engomma-se com asseio e
perfeicao ; mais barato do que em outra
qualquer parte.
__m
ItCftl
DYVETOT
nica caa neste genero
14-Roa Estreita do Rosario14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tmlo que perten-
AMA
Precisa-so de nina ama qae iiozmbe
com uerfeicao e seja de boa conduela:
na raa do Vigrioo. 3.
Desappareceu
No dia 6 do correte mez desapparesen da por-
ta do armazem do Sr. Bernardino da Silva Costa
Campos, na ra do Imperador o. 28, urna besta
rnssa, com cangalha, suja, canda aparada, ferro"
triangular, e uma roctura,
nhecida: qoem apjrehenie-la" pode "levar ao eoge-
nho Cordeiro que ser bem recompensado.
Precisa-se de uma ama forra ou escrava
para uma casa de pouca familia : na rna do Ba
rao da Victoria, antig roa Nova h. -52, primeiro
andar.
Grande hotel central
raa larga do Rosarlo Dame-
ro 39.
Neste muito coohecido hotel se encontram ex-
pelientes quartos e salas para alugar, que ofJere-
:em commrdos para familias, onde se encontra
nao s o maior asseio e limpm,como bnm servico,
banbos fros e qn^ntcs e todas as commodidades
mdispensaveis vida' tudo por mdico preco. O
lugar central em que este estobefecimento est
sollocado snfflcienie recommendaco para ser
concorrido.
A luga se
nm sitio na Torre, com expeliente casa de v venda
e banbo frente desta no rio, sendo ptima mo-
rada para estrangiro : a tratar na roa do Pires
3.29.__________________________________
Uma p*ssoa habilitada propoe-se a faier al-
Rumas escripias commerciaes. prometiendo asseio,
? raciido e pootualidade : qnem de sen prestimo
Torres, f andar n. 14.___________________
" Sociedade C <;. C.
Permuta se na fregaeila de Santo Antonio
uma excedente casa terrea com bons commodos,
quintal e agua do Prata, por im sobrado de nm
pela qual bem co-' s andar, ou pelo 1 and.tr, com tanto qoe seja em
Alaga-se o primeiro andar do sobrado n. 5
da rna Imperial : tratar no andar terreo. 2* an-
dar.d
boa ra
2" andar.
a tratar na pra^a da Boa-Vista n. o.
ATTENCAO
a
Precisa-se de 1:200*000, dando-sa por seguran-
za uma raulatioha com 17 annos, c urna cria,
como tambem uma salra de 40J paes de assucar,
dando o hypothecario 5005000 logo ao pa?sar a
escriptura, e o remanecente se ira re:obendo ero
quantias pequeas conforme as preefis, obri-
gando se a retnetter todo o assucsr : joem :ju-
zer fer esse negocio, dinja-se esu lypographta
com a< iniciae's A. B.
----*-----
C xeiro
No Caf Chioei rna larga do Rosan Be.caa-
sjtase de um menino 14 a 18 annos, bob> urntica
de cop-?iro.
Caixeiio
Quem preci'ar de um menino com a'guma pra-
;ica para caixeiro de taberna, dirjase ra Im-
perial o. 5, 2 andar.
AVISO
Os abaixo assigoados tendo comprado o espo-
lio do fallecido snbdito portugus Virginio Freir
de Oliveira, estabelecido na praca de Santa Cruz
n. 4, constan io dito espolio na sua maior totanda-
de de divld.ts activas ncsla praca e lora della,
vein |ielo presente pd:r a i idos os d.'.vedores do
di:o e-polio qne qusntn antes veniam ju'iar e
stldar aa sua* eontas. alim de evitar incotnmodos
e despeas. Recife 1? de junho de 1871.
Gama A Silva Brto.
Na roa Augusta 43 prcisa-se de uma
ama la meia idade para ir para o mato, em com-
an fila de um hftmeni solteir.
Caixeiro
Pre:isa-se de nm caixeiro portuguez que tenha
pralica de taberna e alliance sua conduela : aj
patpo da ribeira n. 13.
Aluga-se o 2 andar e so t.ido sobrado aa
rna das Oruzes n. 9 : a tratar na ra atra: 4a
matriz de Santo Antonio n. 28, loja.
mmmm mmmmmm mmo
S GRANDE i
k reduc M O abaixo assignado estabelecido j
I com casa de penbores travessa i
I da ra das Cruzes n. % resolveu ^
H rturmar a tabella dos juros das \
i iransaccoos efucluadas em soa ca-
sa, desta data em diante, assegu-
* raudo a todas as pessoas que, alm
I da gararitia que offerece sen esta-
I belecimento, acredita qoe todos
I Sea o contentes com o mdico pre-
m mi que pagaro, sem terem em
B risco suas preciosidades, dadas aa
vezesa agiotas simulados, que as
SI vendem no 6m do prazo ajustado,
sem mais formalidad? algoma.
Ainda mais as pessoas quetive- |
| tem cautelas vencidas e quizerem <
m evitar que seus objectos sejam ven- S
didosem leilao, venhau) refrmalas
I quanto antes, que aproveitaro tam-
K "em da redoeco dos jaros da data
da reforma em vaot?.
Recite 10 Julio Isaac.
imm-mmwmmmwmmm
Oficiil d bnrbeiro
Na ra Primeiro dt Marco (antia do Cre^ii.)
n. A, !" andar, preoi--se di de bar-
s
\
beiro.
I
f


I r*
I
i
i
>
.
''
D*no a. Fepambuco Quint*. eina 13 de J^o <1. 187J.
5
Una ai* e Ihmo 4* *-Mi o. 3, entrada pel.i
roa da Gloria d. 45, boje ra do Mrquez de Al-
f
de M'Mre
ret para C da fabrica vapor dtf Mebron AX., na
roa do Viscoode d JGoianoi n. 157,
--------------------------y i.. ...-
Precisa-te de urna mnlner a* idade, para
tomar copta portao, e cuidar do servico
iBten#3| dop pwaoa*: tratar na fabrica
de rap de faoroo 4 C, roa' do Viscoode
de GdftjQoa i. 45;
Alugn-se
a sala da frente, alcova e mais aifuns quartoa do
terceiro andar do obrado n. 28. ra do Queima-
do : i tratar na loja.
PALACETE
A' ra Direiu dos Afogados, contiguo a punte,
acaba de ser construido um lindo predio todo a
moderna, ornado de figuras e a frente gnarneeidt
de azulejos, t todo morado, tendo um grande
portao de farro ae lado a gradiatneato por cima do
moro, tendu mais um portio que da para a esta-
cao da Iraha frrea ; alm dessas eommodidades
tem sntis um grande terreno eom 400 palmos de
comprimen e 100 de largo, todo murado par
um excedente jardim, e ao fundo um caes que
deita para a linba frrea, as eommodidades in-
ternas do andar terreo, alm de aer toda canalla
d* a saz aio aa aeguintes : 3 grandes salas, 2
grandes alcovas e i qnarto, cozinha fra, sala para
eogommar, quarto para criado, cocheira para um
carro ; no andar, aim do solio, 1 salas 1 ga-
binete, 3 alcovas, { quarto para despensa e 1
grande trraco eom 80 pajinos de comprimenlo,
todo cercado de grade de ferro que trax toda ci-
dade do Reeife e o mar de naixo de rista, a casa
tola cercada de janellas e portas envidneadas
3ne contam-se 20 ao lodo, aleando o eaes a borda
a eamboa que devide eom a estrada de ferro, on-
de se toma banhos salgados e ebegam canoas : a
tratar na loja de joias, Coraco de Ouro, ra do'
Cabuga.
CASA HA FORTOSA
Aos 5:000|
fijlbetas gaf aitfkloi.
l'tuPftM-o do|laco (ootr'oraraa d.
f Crespo) i. S e casai do costake.
O ababo assignado, tendo andido nos sena le
iiaea Montesdaos lerdos n. 3750 eom 900*400. om
l"S W3 eom 2004400, um inteiro n. 2413 eom
leOfOOO e o n. 642 eom 100*, sendo um da don*
,9Wp e-nsn de um terco,, e outras aortas de 40*
8 *jt 'olerl* Q.* acaben de trahir (198-1,
con rMs aos poatni doras a Jrem recebar na con-
foraridade do ooctunat tem esconto algnm.
AcJusa-M venda, os bilhetes garanudos da
7.a tarta ana loteras, a beneficio da nova igrej
de Nossa Senbora da Penha (199.a), que se intra-
tara quinta-feira 13 do crreme mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro fijooo
Dous tercos 4*000
Um terco 2*000
Bm poreao de 100*000 para cima.
Bilbete inteiro 8*400
Daos tercos 3*600
Um terco 1*800
Manoel Martn Pinza.
LOJA
no
Leonardo de Siqueira
Cavaleante
chamado ra do Mrquez deOlinda n. 45.
-* Na praca da Independencia n. 33 se da di-
nbeiro sobre penhores de ouro, prata e pedras
preciosas, se ja qual for a quantia ; e na mesma
casa se compra e vende objectos de onro e prata;
igualmente se hi toda e qualquer obra de en-
oommenda, todo e qnalquer concert tendente a
mesma arte.
CRIADO
Qnem precisar de nm, coja conducta se afianza
qoeira dirigir se roa 1* de Marco n. 19, loja
Oflerece-se aiuguel urna mulata eserava
acostumada ao servico interno de casa de famlia :
a tratar ra da Cadeia n. 33.
ADVOGADO
Dr. Joaquim Correa de Aramio
67Rca do Imperador67
i
TRILHOS URBANOS
DO
ftECIFE A\ OLIYI)1
e Beberibe.
Este ramal de hora avante nos domin-
gos e vesperas de santificados a saa tabella
igual a de Olinda, observando que Bo-
rnete partir depois da partida dos trens
de O.inda.
Escriptcrio da compannia 5 de iulbo de
1871.
O superintendente,
A. de Abreu Porto.
MOFiNA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, \
crivao na cidade de Nazaretb desta provincia,
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a < oocluir
aqoelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela serenara chamada deste jornal, em fins
de dezembro prximo passado, e depois para ja-
ueiro, passou a fevereiro e abril, e nada curaprio,
a por este motivo de novo chamado para dito
flm; pois V. S. se deve lembrar que esto negocio
de mais de oito annos, e qnano o senhor san
fiho se achava no es nesta cidade
AVISO
O abaixo assignado dec'ara que sen caixeiro
Luciano Mauverne retirou-se de sna casa no dia
16 do mez proxim passado sem previo aviso e
sem ter prestado as devidas contas, pelo que nao o
considera mais seu caixeiro e nem se responsabi--
lisa por qualquer debito ou transaccao que elle
por ventura tenba feito em nime do mesmoabai
to assignado, o qual pagava-lbe mensalroente seas
ordenados, sendo que elle receben relativamente
aoraei ultimo mais do que havia vencido. Reeife
3 de julbo de 1871.
Laii JosPereira Simoes.
Massa fallida
DE
Amorim, Fragoso, Sanios & C.
Stimo dividendo
Paga-se o stimo dividendo razo de 2 0,ii, to-
das as quintas-feiras das 11 horas damanha a 1
da larde, no escripterio da rna do Vigario d. 13,
1* andar. ___________
Costuras e modas
As Exmas Sras. quequizerem trajarcom
gosto e muda, possuir vestidos cortados
segundo as regras o'arte. cosidos eom per-
fei^o, e guarnecidos cora cbiquismo e se-
gando os Bodelos das*mo madas da Europa ; >rijam-se rna do Ba-
rao da Victoria n. 67 no Io andar. D.
Urraca Canegal. Garntese muita promp
tido, e precos ma;s baratos do que em
outra parte.
Aluga-re o segundo andir o suio aa ra
Direita n. 91: i tratar na loja do roesmo.
Os abaixo aJiguadus dei-laram ao respeita-
vel publico, e eom "pecialidad^ ao cjrpc do com-
mercio, que ii"-ta data dissolveraro a sociedade
que tinhaui na taberna sita a ra Direita n. 36,
sjb'a firma de Goocalres A Oiiveira, licaado o ac-
tivo e pass'vo cargo do ocio Oiiveira.
Reeife, 8 de julho de I8TI.
Jns' Mara Goncaltet Pereira.
Joaquim Jos di Oiiveira.
Roga- o favor de vir a ra do Duque de Cjxias n. 2. a
negocio qae nao ignora.
Da roa do Sol n. 33, 2 andar, praetia-se
alugir um creado, forro ou captivo de 12 a li an-
nos de idade.
Precisa-se de uina ama li-
vre ou eserava, qae cozmhe
bem e lave : tratar na tua
da Palma n. 34.
Precisa se de urna ana
forra uu captiva para e ser-
vico de uma casa Je pouca
familia : a tratar na roa do Bario da Victoria nn
meoj 13.
^%\i
Entfomimdo.
Engomma-se eom perfeioio e proinptido
preco coramodo : na rna d Jardim o 1.
por
O abaixo assignado declara ao pubncu e pnu-
palmete ao corpo do commerci<), que deixou de
ser caixeiro do Sr. Antonio Fernandez Ramos de
Oiiveira; assim como, tamben declara .ae Qea
sem efleito uma procurago que o roesmo senhor
me passou para tratar d) cobrancas e tgd o mais
qae cootlntu na di:a procuradlo; out'osun. muito
agrade^j ao mejmn senhor o boin tratamento que
deu-me durante o lempo em que estive em sua
casa.
Recite. _8 de julho de 171.
Jo5 Gon$*tzet odrioaei Franca Sobriaho
AO
fil
11
Jos Rodrigoe- da Suva Rocha, socio da firma
Silva Rocba & Machado que lera gralo nesta
praca coro negocio de erragsn* e miudezas a ra
do Qaeimado n. H ;hoje Duqus de Caxias) roga
a quem tiver tr?alo da referida firma tiaja di os
apresentar em dito estabeloeimeuto para se'er.i
pagos por Machado A Brando uccesjor^ e ren-
pnnsaveis lelas 'brijtaQd-'s daiat-ila Urina.
HoHlto de reoslo
Roubaram ii intem 10 do correte da casa na
rna dn Carme em OJinda nm relogio patente n-
letLev.r11 r^brieante Josepft Peolington de
iverpool n. 12S.7S7 o nornedo fabricante est na
caixa'e em u: das pecas da machina, e corren-
te de gosto ingl-z, coin'sioeie tendo uma pedra
eom inicia:, riles objectos sao de ouro de lei:
pefle-se ao .;-. onrives 00 a quem for otTw.ido
o favor era aprehender e entregar 30 sea d.mo
no Recij a ma do Camroereio n. >6 ^ue se gra-
tificara.
AOS 5:000*5000
slo venda os felizes bilhetes da lotera di
labia na casa feliz do arco da Conceico, loja di
mrives no Reeife.
I(ISI)
f,
A pessoa era coja casa estiver oceulta a esera-
va Marcella, mulata clara, de 30 annos de idade,
mais ou menos, cabellos pretos e longos, alta ma-
gra e iiuiu gaga ; tenha a bondade de leva-la
a casa n. 8, ra do Conde da Boa-vista, amiga-
mente rna Formosa, que ser bem gratificada ; do
contrario protesta-se proceder legalcenle, conira
qualquer individuo que a tenha em sua coropa-
nhia, a titulo de ama hvre, como consta que se
acha em uma casa na fregaozia de S. Jos, desta
cidade, desde o dia 23 de janho prximamente
lindo.
travessa da ri?a
das tees a, t \m-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilban-
tes, seja qnal foraqoan-
tia. \ mesnia casa com-
pram-se os mesaos me-
taos e pedras.

m
s
1
m
m
GALLft TITILANTE
Ruit Cretfoi. t
Os propietarios deste bem conhecido esUbele-
ciroenio, alm dos ajadtM objectos que linham ex-
postas a apreelacio do respeiuvel publico, man-
daran vir e acabara de reeeber pelo ultimo vapor
da Europa, ora complete e variado sortimento de
finas e roni delicadas especialidades, as quaes es-
to resol vidos a -vender, como de en costoaie
por prfoo muito baratiabos e coronvodos para to-
do, eom tanto qde o gallo...
Muito superiores lavas de peiiea, prejas. hfna-
cas de mol lindas cores. f
Muito boas e bonitas gollinhis puchos para
senbora, neste genero o qne ha de mais moderao.
Superiores pentes de tartaruga paraeoques.
Lindos e riquissimos enfeites para caneca, das
Exmas. Sras. ^
Superiores trabeas pretas e de cores con vidri-
Ihos e sem elles; esta faxenda o que ple baver
de raelhor e mais benito.
iaperiores e bonitos leqnes de madreperob,
marfim, sndalo e osso, tendo aqneiles branene,
eom lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias flo de Esccssla para se-
nhoras, as qnaes sempre se venderam por :Wil000
a duzia, entreunto qne nos as vendemos por **,
alm destas, temos tambem grande sorlimento de
ontras qualidades, entre as quaes algunas muito
ftaia.
Boas nengaas de superior cavia da India e
casiao de marlim cora lindas e encantadoras figu-
ras do mesma, ueste genero o qne de melbor
se pode desojar ; alm destas temos tambem gran-
de qoantidade de outras quaHdades, como sejam,
madeira, baleia, Osso, borracba, etc. etc.
Finos, bonitos e airosos cbicotiobos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as a eias.
Boas meias de seda para seohora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao muito boas, e de mais a man sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem asseguraraos sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para uoiva.
Superiores agalhas para machina e para croe1-"!
Lmha muito boa de peso, frouxa, para enw er
labyrisiho. '
B'oos baralbos de cartas para voltarete, assim
como os teios para o mesmo fin.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias, dos melhores e mais conhecidos fa-
bricantes.
COLARES DE ROYR.
Elctricos magnticos contra as convntes, e
fecilitam a dentiejb das innocentes chances. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los per lodos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado
como ja tem acontecido, assim como pois, poderlo
aqneiles que delles precisaren!, vir ao deposito do
gallo vigilante, aonde sempre encontrarlo dettes
verdadeiros cr llares, e os quaes atiendendo-se ao
hra para que sao applicados, se venderlo cora om
mu diminuto lucre.
Rogamos, pois. avista dos objectos que deixa-
mos declarados, aos oossos freguezes e amigos a
virem comprar por precos muito razoaveis loja
do gallo vigilante, roa do Crespo n 7.
(M 11(1010
Rna do Barao da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 6 copas
do costume.
Bilhetes garantidos da pro-
?Inda.
O abaixo assignado acaba de vender entre o:
seas muito fejitcs bilhetes a sorte de 3:000#000 era
nm NUeWte inteiro de n. 789, a sorte de 900*" em
em nm ter^o de n. 3750 e am ten;o de n. 953 cora
a son de Oi ; alm de outras sortes menores
de tOOOO e *)*000 da lotera que se ac boa de
extrahir (198), podendo seus possuidores viren
reeeber, one promptamente serlo pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respei-
tavel poblico para virem ao sen estabelecimenk
compra; os felizes bilhetes garantidos, que ni
deixar de tirar qnalquer premio como prova pelot
mesmos annuncios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 7* parle das loteras em beneficio da
nova igreja de N. S. oa Penoa, que sera extrabida
no du quinta-feira 13 do correm.
PRECOS.
Inteiro 6*000
Dous lereos 1*000
ITin terco 2i>K)
De 100.5000 para cima.
Inteiro SJSOO
Don* tercw 35600
Um tergo 18G0
Joo j.iaqnim la Costa Leite.
Monte-pio
Nie se tendo honi__
rahiver sessio, sao po7s
te os senhores membros deste conseje para tex-
U'Mli ^ "'>. I* horas -da urde*
no sallo do Gabinete Pertogoez de Le|tor;
Secretaria do Monte-pio-portngH
bnco II de jolbo de 1871.
A. B. Noguein,
__________i* secretario do cooseibo fiscal.
IVJL SM SEGUNDO
RL UtUf DslCAXIAS N. 91.
s ffigdljobd^ t(m lija de Diuaezss,
a todos os os eeus fregaezes qu este
torrando todo pelo preco, a vista da fazeo-
Cimento
Irmaodade do SS. Sacramento (JcCorpo
De ordera do irmao joizji rulad* lo pr-
senle nessos irmlos afinHe ceapaMcerem no
coBsistorio da irmandade palas ti horas da ma-
nnaa do da 16 do corren! na/a iralar-se da dis-
cussio do projecto do nov do-se eom o. concurso d oossos iranios, a acioal
mesa espera qu di.ten .eofclmtolo reinita o
ncar a irmandade doiada de uma boa lei, da qual
tanto carece, em substituirlo a qae actualmente
nos rete, f ,
Jos Leboato, socio da Arma Lebmann fre-
re, tendo de se retirar para Europa, avi-a ao
corno do o?nBercio que deixa na gereaela, da
casa o Sr. David Flach cora todos os poderes, e
pwwgmido procurador* o Sr. Emilio Schoars
chlld. Reeife U de jnlho de 1871.
COMPRAS.
, COMPBA-SE
frascos vasios da tintura jiponeza, e paga-tea 80
i rna Duque de Caxias n. .50, e
Marques dt Olinda n. 51.
Piche
Compra-se piche en barrls: no escriptdrio.'da
companhia pernambacana nj Porte do Matos'nn-
roero 11 i .
Portao
r-
?Compra-se um portio de ferro,, sendo j asado,
tendo 10 palmos de largura : tratar na j-o da
Imperatriz n. 60.
Vr:NBAS.
_
Na ra estrena
se de nm criado
Criado.
do Rosario o. 36, hotel precisa-
Alogam-se duas casas,
rea atraz da matriz de Santo
segundo andar na ra de L<
86 : a tratar atraz-da matriz
28, sobrado.
sendo ama casa ter-
Antonio n. l, e ura
rabas Valentinas n.
de Santo Antonio n.
(jozinheira
Precisa-se de ama coz nheira qoe saina cum-
prir eom suas obrigaoes : na rna Duque de Ca-
xias n. 65.
ATTENQAO
GASA DA FORTUNA
HUA 1* DE MARCO OUTU'ORA DO
CRESPO* N. J3.
Aos 20:000^000.
O abaixo assignido tem sempre exposto ven
da osfezes liilhetes do Rio de Janeiro, pagande
'.rompiamente, como eostnma, qualquer premio.
PRECOS.
:nteiro 3&5000
Meio !Um.
'jnarto 6*000-
Mannel Martins Pinza.
Preeu dad-- e seria para eozinhar em casa
'.' r.lJaze^ solteros : a tratar narua
da Madre de Dos n. 31, t" andar,
eisa de Cunha, Irmlos
^ompannin.
Araa de I cite.
V rna do Pilar n. 64 precisa-se de ama ama de
leite. exigiodo-se'qne sej* sadia e. tenba bom leite
e em abundancu, prefeie-se sem tilho.

Anda urna vez
Vende-se a taberna da roa Imperial n. i9, mu>-
to afreguezada e eom eoramodos para familia :'
quem pretender dirij-.e a mesma.
SITIO
Uma familia estrangeira de sa de vivenda eom sino, no* arrahalde i cida-
de : na rna da Cad-ia n. 50. sn.riira Anm or-pi-a.
Ama de leite.
Prec.i-a-s de ana ana de I-te : a a
Qu aidar, b^je Marque;
do
ias.
vliISH HOSUTaL.
l'he Treasurer would thank ibe raerchants hol-
dinir fees belongiog to this usltu:ioo lo asad same
to n. 38, ra do Commercio.
Vautagtm p-tm os p ti** de
familia.
Urna j^nhora de ho moral propSese a ensinar
a fazer flores cun i/erfecio, e bordados de taps-
^aria, bem como oulros de lodas as qolidades, a
fzercroch e todas a iinalidad^s de tranalhos de
la, todo eom delicadeza e gosto pelo diminuto
prteo Je 35 mensaes; timbera recebe alguipa
memna, moca ou mucama que queira fiear pen-
donista. Na mesma casa tambem ensina-se piano
a algnma dessas meninas qne queira aprender
pois b a piano e Dom mestre : Bita-seno I' andar
do sobrado Jo paleo do Paraizo por cin;a da ioja
de alfaiat-' n. 29, (cando a escada no becco.
Os abaixo assignados pelo preseute declarara
ao respeitavel corp do commercio, quadissolve-
ram ainieavelrnenfo a c>ciedade que existia na
iij4 de rniudeza- sit;i a roa da Imperatriz n. 86,
ebaixo da lirma social Dias A Mona, ficando o
ocio Jos BernarJo da M uta eom a activo e ebri-
gado pelo pa-sivo da exmela firma, e desonerado
de'toda e qualquer responsabilidde o ex telo
Manjej J.jaqnim Da*. Recite 7 de ja'to de,.1871.
Kano*r Joaquim Das.
______________Jos Bernardo da Motia.
ORerce se um rapaz para caixeiro chegad.i
a poncodo roat'.o; i tratar na ra da Cruz n 35,
:om Brasa i; \ M \ nudo Mrquez de Ollnli, outr'o-a
xi iu-.i da Cadeia. D 50 pro:i-? de ama ama
n4r4 cuitar
0 Oamiios da rna do Imperador o. 38, avisa
aos se as noinerosos lreguez-*s e amigos que che-
goa de "iia ucommenda o lao desejado rap
amareUinhu de Esteva ta^se, assim como o pi-
ohao do Rio Grande, que io graod aprec> lem
dal os que saem d-! su utilidale alimenticia.
Alm disso
O Campos i*:u eonetantenteste em seu arma-
tem um cotnplet i sortiaKSto de vveres, todos ia
trimeira qualidade e cena se tomara eofadonba
ura annuneio que os de : i;i.,j seguiul^i :
Carne acera le eansetrn) io rs. a libra e
6JOO0 a arroba.
Linguas eealdi<.
D.ias em salmoara.
DilaM atainbrada> 'ida- as .juar.as e ibbados.
Amendoas deeeasnadas e sem casca.
Sementes de hortalifa.
tatarntos fnmaveis 1*300 meta caixa.
Ditos superiores em pro-so e a r^talho.
Tiflta purpuiioa a lOGO rs. a garrafi.
CiHian'.es seceo.
Rtf< Paulo Cordeiro, viajadu.
Mate em falha e em po.
Tabei:as de. redorio, para o vstema ntetrioo.
P,'s cadas wcaladat
Vende-se um terreno no principio da.rna
Imperial junto a matriz nova, eom a frente feta e
um o lao para orna casa e cacimba, e tambem
vende- se uma casa terrea eom nm sitio na rna da
Casa Porte : dirijam-se ra Direita n, 66, 2
andar.
Vende-se a casa da travessa d* ra da Pal-
ma n. 2 A quem qnizer va ra do Mrquez
de Caxias n. i% loja.
Vende-se a taberna da rna da Hora, estrada
de Joo de Barros: qnem pretender dirija-se
mesma ra, na segunda taberna, qae achara eom
quem pnssa tntar o negocio da dita taberna.
Vende-se uuu*vacca muito boa letteira, e
lambem tem leite ao p da vacca : no Chora-me-
ninos, sitio da Capella._____
Despeas i econmica
No armazem de Marmore junto a typographia
d Diario, na anliga ra das Cruzas, tem para ven-
dor o segninte :
Queijos do ultimo vapor a PxCO.
Doce de gpiabade 800 rs. a 115G0.
Manteiga ingleza muito fina.
Dita franceza a 800 rs.
Carne dosertao, o melbor.que se pode desejar.
Linguacas a mais saboro-a possivei.
Queijos do serllo.
Dito prato.
Diversas massas para sopa.
Vinhos do Porto, Pigneira e Lisboa.
Cb o melbor que vem ao coercido.
E ontras mnitos gneros que reeommenda se-
eespensa economi :a.
Vende se uma mobilia de amarello a Lniz
XV, de bom gosto, e mais perlences da mesma :
na loja do sobrado da ra de HoY'as n. 30.
epraa aearaf
Ja/I para todo* admirar, a saber:
Peona de lias bordadas muito finas
Thesouras grandes e pequeas o
'! mais fino qae ba a lAOooe
Caixas eom 20 quaderoos de papel
liso, atnrsade a Tt.
Pefas de tranca de lia e algodSo as
mai modernts a
Frascoi a agua de colonia muita
fioa a 400 e
Frascos cem acua de colonia ver-
daeirt a 600 rs. e
Chapeos brancos para baptisados o
melbor qoe ba a 35000 b
Dria |e iotoes cobertos de seda
para vestidos por todo o precio
para acb r.
Libra de arria preta a ^
Groaas de boloes de louca branca a
Caixas eom 100 eovelopes fazenda
filia a 500, 6C0 e
Cspelboa de moldara dourada a
800 e
Peales pretos volteados para me*
ninas a
Tinteiros'^acn tiota prea a 80 e
Pegas de fila elstica muito fioa a
Latas eom superior banba 60,100 e
Latas grande* coro superior banba a
Frascos eom oleo de Pbilocome a
6O0e
Frascos eom maeassa 1 Perota a
Frascos eottf agua de Colonia venia-
dajjM-a
Dilaf oom oleo de ba josa suderior a
Carritti> de retrox preto coaa 2
oitavas a
Caitas'-oro agullia? franceza* a ICO
160
Pecas de liras bordadas a 500, 600
800 e
Garrafas coto a verdadeire
florida a
C-rt.lhis da Doutrioa Cbrist3a
mais modernas a
Livro das miseaes abreviadas a
Copos grandes eom superior baoha
Magos de pallitos para denles o
melbor qae ha a
Pacotes eom 3 abneles inglezes
fainada fina a
Escovas muito finas para limpar os
denles a
14500
14500
500
160
500
14500
54000
agua
as
160
120
800
14000
240
. 100
200
2(0
320
800
24t/
14000
30
600
240
14000
I430(
400
14500
14500
160
600
240
Portbande de prmeira qcalldadt. barricas eom
13 iit arrobas por I0000, > no arma/era de
Gandid.. Alberto Sodr da Mota 4 C. travessa
oa MJdro de Dens n. 11.
Papis para cigarro
De todas as qualidades, e por menos proco do
qne era ouira qualquer parle, draheiro a vita
so noarmsrem de Candido Alberto Sodr da Mota
4; L. a iravessa da Madie de Dens.n. li.
Papis d< lirados e piulados
proprios para forros de casi?, capellas e orato-
rio, eom (uariroes par os wegmos e pelo me-
nos preco possivel, oo armatem de Candido Alber-
to Sodr da Mota di 6. iravessa da Madre Deus
n. li
Attenqo
Mr
e casaqoinbos de crochet pretos de
lindos gestos a 24 e 34 !.
Rna do Crespo d, 25
MHK
Vinho Pavo
Vende-se este superior vicho eom a marjaPa-
vao, senlo poro e muito fraqninho, aroprio para
usar s hiras de comida, e veHde-se por .preco
mnito em conla, em barris de o o de !<> : na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
Azeite de peixe
Vende-se azeite de peixe em barrls: a tratar na
ra da Imperatriz n. 60, loja do Pavao.
. Vende se o deposito da ra Augusta, defron-
te da taberna do Sr. Varejao, propno para prin-
cipiante, por ter poneos fundo* .- a tratar no
mesmo.
Paul Chauviu
Praea do Conde d'Eta a. 94
Vende-so uma muito boa machina de soslurar,
propria para cns'uren, alfaiaio e .
VEHDESE
Uma moblia de amarello eontendo as seguintes
pecas. 1 sof, 2 consollos, 12 cadeiras de guarni-
$o, 2 de bracas e 1 cama franceza : a tratar na
ra "Velha n. 87 2* andar.
Vende-se o deposito da ra Augusta, defron-
te da taberna do Sr. Varejao, propria para prnci
piante, por ter poneos fandos : a tratar no mes-
ma
VENE-SE
Quatro bois especiaes e 4 carros eom todos os
seus pertences por preco razoavel porque a
pessea deseja retirar se para fra flo Imperio :
Quem precisar dirij-se a rna de Santa Rita, no
correr da igreja n. 3, que acbar com quem
tratar.
Venderse o ja acreditado medicamento contra os
calos : na ra Primeiro de Marco n. 3 (anliga do
Crespo), e oa rna do Mrquez de Olinda n. 30 A
anliga da Cadeia).
Joaquim Jos Goncalves Beliro tem fara
vender no seu escriptorio a ra do Cimraereio n.
5, os gneros abaixo notados, que vende mais b i-
rato do qoe em outra qnalquer parte :
Az-iioo-s em ancoretas.
Amendoaa em barricas.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca marte! frres.
Enxadas.
Farinba de mandioca de Santa Catharina, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Babia em saceos brancos.
Dita de dita em barricas, proprias para essas
particulares.
Fio de algodo da Baha em noveilos.
Fonces.
Matados.
Nozes.
Obras de palhetas.
Papel proprio para cigarros.
Dito axul para botica.
Pautas para denles.
Pregcs sortdos.
Panno de algodao da fabrica de Todos os Santos
de Pedroso na ta ni a.
Rolhas.
Rap popular da Baha.
Ilo'.im em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Forlo:
Tapioca do Maranhao.
Tabaco simme da Baha.,
Verniz copal.
Vinho do Porto engarrafado, caixa de 12 gar-
rafas.
Dito de dito em barris, proprio para engarrafar.
Dito moscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordeanx em caixa<( de uma duza.
Dito de cajd em caixas d^ uma dozia.
Vendo se uma earroea e boi
roa Nova, loja n. 7.
a ira lar na
Aladapoloes
1T
m
Amigo Macaco
T-mh a diier'.he, que asida ora me eaj na
ra Direita. tu sabe* que -ou ealxeiM de ferraj
a tantos anuos, ella ja .-ti lio :aug. dia laofttra o seto dio -""jiort que veja, eu za
imnorei eom ontrt. port^m :-t!> nao me qU'jZ u,a
t j cheio po en eaixird de lerrage, e tu Ma-
cjco >e qoigd caja me aprac ju-^ eu ti dra uma
msjlla -nesmo qaeio qm v,< v*de cajamenlo.
Corrj.- Oiho d^ vidr.
M.i juuu mea
J. i). C. Dnyle Ij poblie i que muou o seu r-
mazeai 4e fazenda- dara do Commercio o. 48,
para
a inesraa roa n. 8.
Hrsi-a-je de ui eaicei.ro coiu na-ian^ pra-
tica de molhados, e f Odo- a sna ccodo-ta, para
ura etUDlecimento Kra d^s;
ra streita do Visario o. 5.
p!"{t, a tratar na
li M MJ
>
Vende-se a taoern da wia de Sania ftrta o. 3,
bem aftvguezada, propria para principiante pur
ser comnoda no pree i : para ver e tratar na
mesma enentrarao eom qnem tratar.
Vende-te uma boa casa cora coiniaodos para
grande familia por ter 5 quarto*. ,2 salas e 1 ga-
binete, aro quintal e coznblra no largo do Pa
raizo n. i : a tratar nt rna Direita u. 10.
Seis lind'is anneis cum pedras de tiriltian-
tes, a presos mdicos; v- udeto-se na roa do
Crespo d- 7- ojj d'> Gallo Vigilante.
Vende-se
.A casa, terrea n. 13 a ra dos^aarara>68.
A casa meia agua n. 27 a *:bi dei'rout- da
estacio dos Bmd?.
A casa o. 11 sita em Olinda junto ao aoiado do
commendador FiguerOa, no oii $ Todo tratar ra do Mar jue de Olinla nu
mero iO.
"^^Vde
Grande redcelo em precos
N. 6o
ra Duque de Caxias.
Vende se a pera de madapo'ao eom 20 varas a
3$200. 3*300. 4, 4*500 e 3, dito muito fino a
5*300, 6*. 6*500 e 7*300, dito francez, fazenda
superior, eom 22 metros a 9* peca.
ATOALHADOS
Grande sortimento distas fazendas e cnsta o me-
tro 1*500,1*800 e 2*600.
CHITAS
Grande sortimento. o corado a 200, 2S0, 260,
280 e 300 rs., ditas precaile, o que ha de mais
superior a 360 e 4*.
CHAPEOS DE SOL
A0 65
ra Duque de Caxias, acaba de reeeber um
grande sortimento de chapeos de sol de seda, que
vende a 9* e 11* cada uro.
AO 5,
ra Duque de Caulas, a 2* o meiro d braman-
te, uro linbo. eom 9 palmos de largor.
POUPELINAS DE SEDA.
Antt
roa Duque de Caxias, que acaba de reeeber nm
linda sortimento destas lindissimas fazendas, ven-
de baratissimo, cnsta o covado 1*000 e 1*800.
vaHn 2*i00.
A 2*990
a Torta de gaardanapos : na imcomparavel loja
do <65 ra Duenc de Caxias.
Ao 63
i ra Duque de Caxias ; grande sortimento de
cambraias trasparentes moilo finas a 3*5(0 a
pera, ditas tapadas muito finas, pera i* e mais
presos.
A 5*000
nm cobertor de lia listrado, fazenda muito supe-
rior, ven Je o 65, i ra Duque de Caxias.
Aos enhurrs de enyenfw
Vende-se a retalho os uioncilio e machinas da
da refluacao do Monteiro; a tratar na imperial
fabrica de cerveja des Srs. H. Lirten A C, pro-
prietorios da dita Cabrea erefinacao.
AVISO ESPECIAL.
Uta raachinita perito encarrega se da cooca-
Qo de tjdos os utencilios e machinas por prcas
eommodos.
ll^l
t i val sai .^o^undo
Rna iiiiqnf de Caxias n. 9!
Jos de Atenerlo Maia eSilva, em saa lo-
j ade tr,inrje7a* continua a vender todo
por baratos prec's qoe < todos admira :
Libra de la para bordar a melbor
qne ha. 64000
Caixas eom superiores grampos fran-
cezes a J60
Duzias de facas e garios de um e
duus bioes a i-MWO
Talberes pare meninos a 240 e lO
Libras de linba de novello, a melbor
possivel. {"oo
Duzia de rencostie cas3a eom barra. 44000
Caixas de lirbas eom 30 nuvellos a 500
Vara d franja branca para toalbas 160
Dozas de me-as croas muito boas a 34500
Duzias de mfeias finas para senbo-
ras a 440(0
Duzias de facas e garfos clavadas a 34000
Dozia de palitos seguranen a 420,
2i0, 320 e 500
Na-alnas muito finas, para fazer a
^ barba a 44000
Caixas eom pennas de ac eom to-
qne a 320
Caixas eom pe;inas de Perry fazen-
da boa a g)0
Ditaa de dita dito verdadeiras a 44210
Caixas eom 20 cadernos papel ami-
zade a 70
Pecas de fitas para coz cm 10
varas a 5C0
Pecas de tranca lisa de todas as
cores a o
Duzias de linha frr-oxa para bordar
a 400 e 500
Pares de sapatos de iranca a 45800
Duzias de baralhos muito finos a
24400 e 280C
Ditas de apn'has para machina a 240CO
Libra de pregos france7es a 240
Resmas de papel almaco superii r a 34600
Ditas de dito paniado o melhor a 44rOO
Caixas ct ni 1 abocetes fructa a 720 e 15000
Carrtela de Mona Aexaodre a 100
Gravatas de cores mnito finas a 5C0
Dilas pretas pintas bordadas a 600
Grosas de botes de madrvperola
para camisa a 50G
Novellry de linha branca, 400 jardas 60
Duzia de cales de linba branca e
preta e de cores a 120
Thesouras muito fiuas para uohas
e costura a 50!)
Caixas redondas para botar rap a 4520d'
Caixas eom pos para lim. ar denles
f-zt-nda fino a 200
Cerveja em barril, de mi-
periorqu-lidiide
Vende-se em casa de S. P. John da Senzala nova n. 42.
Lencos coni toque do t*varia
A loja dos arcos vendo enees de esguiao eon>
toque de tvaria a 3* a duzia, eassas de cores a
240 e 280 rs. o c.ivado, chitas cretones rom bar-
ras a 400 r<. o covado, alpacas muito finas e di-
lindos padroes a 300 rs. o covado : na roa 1 d^
tyarco, outt'orado Crespo, n. 20, erquna da rae
das Cruzes.
Mao ha mais cholera nern
febre amarelia
Em casa d3 J. O. C. I) yle ha um sortimento a*
ftllradores pelo loclliur hysiema, pon qu-m usar
a agua pastada por elles Acara livre de lao lern-
veis molestias. Tambera receben o bem eonheo-
do e desejado vinho sheny, e est tud.) venda 'su:
sen aam.-z-i'i a rna rio C"OHBeie0 n. :(8.
Vendf-^e a i;aa l-rrp n. I!, -na a ra ci
Oiiao do Amoaro, em Onda : tratar ra a,
Mrquez de Olinda n. 40.
alcate
Botinas de brim e dorao,ue branco bordados d
-p'iiu a f> o par : na ra do D.m Jess n. 21,
loja.
FUNDAS
A liharmseti americana de Ferreiri Maia & .
acaba de reeeber pelo ultimo vapor um grande
sortimento de tundas, e entre ellas algnmas de
gomma elstica, as mais recommendadas pelos
mdicos para a cura tas hermas : ra Ducjue ele
Caxias n. .'7. rmtr'nra Queimado.
Minteia:a fina iDgleza
em latas de 1,2. i, 7. II e 28 libras cada uma :
no ninazem de Tasso Irmos & C, ra do Am
rim n. W.
Vende-se a c.isa t rret a rn da Floresta n.
2 em Olinda a qual d.; peJra e cal, tem bastan-
tes coaunodos par:, lainilia, afeiol proprios, gran-
de <|uintal bem |iiantadi> eom as principaes frni-
teiras, quem preettar poda dengir-se a mesma
casa qne ter rom quem iratar.
CALCADOS
para criaiu-as
Grande sortimento de calcados para criafliaa
dos melhores ,jue tem vmdo" a esU praca :'nt
loja de calcado da ra do lbm Jess n, 21, luja sobrado amarello.
Veu-ie-se barato um piano de nm dos mu.
afamados fabricantes: a tntar na rna de Com-
mercio n. 38.
O mo bar jtoJJ'
Bolina? enfeiadas para senboras a 4 o par:
vende rt Da (aa da Imperairl n. 3i, loja do bs-
.-leirn
uTr^TlTHe^rerlcTotnrdous
a qnatro assent^s, e jnmtm'nip no tom eavallo
ptrt cabnolet ; a traur na roa do Imperador na
cocheira do Bapilts-
POR
Emxh, Gabor au
Traduc?ao do Correio Pcrnambucano
2*000 o volume.
Vende-te aa livrtria franceza, ra I de Marc
n. 9, e no escriptorio da redscco do Correto Pe-
nambucauo, roa do Imperador d. 27, I an4ar.
Calcado barato
Korzegnins de bezerro para homem a o'.
Di'jis do phantazia para seniora a 2
Hitos de dita pan menmt B eri^rca a i:
. Vendf-sena pracida ladepend.-c-ia r. :>3, loj;
6 Porto 4 Bastos.
Qnem qulzer muir fe dt movei* por ptesos
eommodos, r^ tem mais qoe air uma risita ..,
rande arraszerd d obras de marceneria, ru?.
o Imperador n. 47, cojo done acaba de reeeber
do estiangeiro, um completo sortimento de mobi-
lias de gosto, tem: tomado a seguale
Resolo'So :
Vender barato para vender mito.
Veodo-se a taOurr.a do ptte" 0 > i> :<> n. -;-.;
a tratar na mesm .
cana de ehegar o vrdadeiro vinln verde de
uva pura em caixas de 12 garrafas e o acreditado
vinno e ) vendedor nico recebedar deslss vinhos acba-se
aulorisalo a garantir a especial!iad-- dos mesmos-
a roa do \ 14. andir. escriotorn
liivim ; uiul i^ontrar
'" ""* Vl......'"-' inrlb-rqu.
.
u


*
yy~r
DUto^e ttiuiaiDoo Quinta tara I Je Juho le 1871.
*'
-
VNDESE
Joaquina Jos lUmoi, ua ra da Cruz o. 8, 1
indar, vende algodao autl americanos verdadeiro
* presos americano o. S e t.______ _______
Nao ha mal cabello brauco.
Tintura ja pone. a.
S e ooica approvatf pelas as academias de
ciencia, reconhecida superior a toda que tem ap-
parccido at boje. Deposito principal ra da
.^adeia do Recife b. M, l anar, eoi todas as bo
liras e caa de caMIeireiro.
A
Jq-aaoTff]
LOJA ARMAZEM

-'
Mcmpre a Nova Esperanca!!
AO BELLO SEXO.
Esta loja bera conheeidj pela sua elegancia
superioridade de seus object. acaba de recabar
uiuitos aritgos para o que respeitosaiuenie convida
ao bello sexo a vixita-la.aflra de compraren) aquil
lo que precisaren) para preparos de vestidos fol-
ete ou tocadores, e mesmo qualquer objeclo par;i
fater algum preienie...|pok que s> na Nova Espe
ranea ficarao saih-feos, j pela qualidade e pre-
cos raxoaveis, e mesrao por qne a Nova Esperan-
za uana-se em nao se impacientar em dar a es-
eolher 09 objectos, presiando-se cun o agrada
cora que cosiu a recebar a iodos, artin de que
saibam eotn o firme proposiio de voltarem ou
mandarem a mesma loja, logo que precisem de
qualquer artigo por pequeo que seja.
LUVAS DE PELLICA.
Recebeu-as de Lisboa a Nova Especanca para
Gomen?, sennora e meninos, sendo brancas e de
WOV4DADE.
Bico de quipure preto com branco, a Nova Es-
peranca s quem tem III
Gaitas para joias.
Nova E-ueranca receben boas caixas de sn-
dalo para guardar joias.
Fitas largas para cintos.
Receben as de muilas qualidades a Nova Espe-
ranza.
Para extinguir panos ou sardas.
k Nova Esperanca tem leite de rosas brancas.
Para tingir cabellos.
Tem a Nova Esperanza a verdadeira tinta in-
gieza.
Para refrescar a peleeaformozia-Ia.
A Nova Esperanca rna Duque de Caxias n. 63,
ende verdadeira albina branca de Lais.
Perfumaras
As melhores, e do mais conhecido fabricante,
anto (ranee! como inglez, estao expostas veniia
a ra Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe-
anca.
Extractos, banba, oleo, sabonete?, agoas de co-
lonia, de laranja, florida e de lavande, etc., etc.,
tudo de superior qualid?de : vende-se na Nova
Esperanca ra Duque de Caxias n. 63.
f f f
GRAStl ABUAZEM SE VARIEDADES
EMPORIO GOMMERQAL
15 Rna da Imperatriz16
DE
PAMAS FESTAS
DE
Agora sim
A Nova Espranos, a ra Duque de Caxir.s n-
53, recebeu um lindo sortimento de lia para bor.
dar, vindo as cores mais procuradas, branca, pre-
ta, escarate etc. etc. a Hla antes qw>. se acabe !
CEMENTO.
0 verdadeiro porlland. S se vende na
roa da Madre de Deus n. 22, armazem de
Je) Marlins de Barros.
Libras st>rli ias.
Vende-se no armazem d<- fazendas de Augusto
? de Ovcira A (',.. a rna lo Commerrio n. 42.
IMiOSH
Tem venda em seus armazens. alera de outras
Artigos de seu ne*o< io regular, os seguintes, que
'endera por precos mais mdicos que em ou-
:ra qaaqaer psrte :
PORTAS de piuho almofadadas.
PORTEIRAS ir, ferro para cercas.
SALITRE mglM.
SSTElttAS da India para cama e forrar salas.
CANOS de barro francez para e3goto.
. iiiSSO superior era purcoes e a comento.
GSMENTO de todas as qualidades.
MACHINAS de descarncar algodao.
LONAS e brinzoes da Russia.
i" LEADOS americanos fiara forro de carros.
POGOES americano* muito bons e econmico?.
VINHO de Bordean*.
COGNAC superior ou G.rjtt'er Frers.
PAflELLO em saceos grandes a 35500.
ViUA florida legitima.
PARA PADARIA.
Vende-se cestos : na ra do Domingos Jo,
aMi-tia* n. 84. (Sonzala-Velha).
GUACHE
L10IDACA.O
iPara os seahores de engeaho
rerein.
'lila, fazenda bem conhecida pela sua fortidao,
mala largas qne chitas, para roiipas d escravos a
200 r. o covado : na ra do Crespo o. 20, loja do
tiulberroe.
*A WO AXTOA'IO
E & Jo&o
CBEGARAM PARA A LOJA
1)0 g_A
PAVAO
ALSACIANAS A IdUO
Gbegaram as mais liadas alsacianas gen
do ama nova e elegante faienda de la
NA RA DA IMERATRIZ 60-
FLIX PEREIBA*DA SILVA ft C.
Os proprietarios deste grande e>ta3elecimeato teado.em ser ama avultadi porclo de
f.izenda, e teado continuado a recetor por todo* os vapsrMe aavii immetiea porclo .
das ousmas, tem resolrido fzer urna GRA.ND* LH^JDA^AO, ame demiouif o gran-,
de deposito e apurar DINHEIK. De todaa as Aneadas (jue ge tanda baniisiia se dio
as amostras, ficando penQor oa se manrlam tetar em casa das. Bina. naW; mtim como
js pe-soas qne ne^ociam em nwoor ecafa, 'jutfflejU.elefim^itfo ift.pflriarao aocag m
pequeas porerjes pelos mesmoe precs ojoe'ijompram ras cajas eiporUdo#as.
^ que se encarreg
com menea da
goei. e ffrairi
iecimnm e p
{rrgmzes oo Ibe boDrarem a sua casa.
ALGOD.iOSIiNHO A 3 5t0 A PE?A"
f> PavSo Tende-peca d'algodaoiiobo de
onHi boa qnalidWi'lBtab 20 jardaa cada
ptea, pelo barato prego de 34500,. dito mui-
fl) largo encorpado 6000, dito o me-
Ihor que tem vhdo ao mercado, muito te
corpado e largo para loor, es, pelo barato
preo^ de 65500. graodb pecbiocba.
MADAPOLAO A 4,5000 E 45500
CrParSo vende pecas de madapo!a com
24 jardas, sendo uzeada muito superior
pet'Barato preco de 4J500, ditas com as
.mesmas jardas % ftyJbD, das fioissimas a
com bnlbantes listas de seda e ba-taote \Hm 6(5000 1&me 8000 ^^^
larga, para vestidos, sendo n este genero MADAPOLAO FRANCEZ A lOtf
qoe este anno tem viodi de o gosto| 0 pavJlo vende peCM ^ fiQIS8awiBaila.
polo verdaderamente francez, tendo 2
metros oo SO raras, pelo haratissimo preco
de <0(5000 pega, sendo fazenda qae sem-
pre se vendea t lOOO, o liqui la-se por
bonitos qnadros de seda, popria para ves- ** **** PreC Por etar aIjma cousa
ULYSSES
ao mercado, e vendn-se !d200 o covado,
GRANADINAS JAPOEEZAS A 800 ftS. O COTaDO
Cbegoa para a loja do PavSo esta nova
faxeoda com o nome de granadinas Japone-
zas, sendo nma boni a fazenda de lia com
TERRENOS
Vende-se em grandes ou pequeas porcoes, o
grande terreno que foi do Sr. Machado, sitio deno-
minad) Jaqueira. distanie da estarao do Fundo
cem passo^, coiu frcniu pira a esirada do mesmo
non i, com mnilas arvore de frueto. E?te terreno
pruprio, e por ser de barro pre.-ta-se para qaai-
qcer rlantacao. muito se torna recomroendado
por licar perio in rio e da e-tacao. O prego
tu ni Jiro : r. tratar n; rna i\nva n. 48. no ar
mazt.n da Norma, ou com' o Sr. Trislao F. Torres,
que indos os domingos e di is santificados o acha-
ro il'.-s' ingar. ,
nm terreno na ra da Hora, estrada de Joo do
Barres, cun LO palmos de frente e iiO a 480 de
fondj, com algumas arvuros de frueto, por mdico
rec : a ITular oa ra do Vigario n. li. i* an-
uar eserlplono.
Graxi em boies.
Veode-aa i verdadeira grasa inpleza em bGid>s
do foricanie Davaod Mirt.n : no armaiem de J.
A. Manir Das' ra da Cruz n. 2G.
vainada na pona de fra.
AXGODOSJNflO ENFESTADO A 1 5 id280
O Pavfto vende verdadeiro algodiosinbo
americano, tendo 7 palmo* de largara e
muito eocorpado, propriu para leucoei a
7(51)00 a vara, dito da mesmn largura seo-
do trancado e muito encorpado i2-'O.
BRAMANTES PARA LE.Nf.0E5 A 2^406 3^80O3
O l'avo vende o verdadeiro braaiante de
linbo tendo 10 palmos de largura, que ape.
oas precisa para umlencol ama vara enea
guara, pelo barato pre?o de 25400 vara.
dito melbor de 2J8 O e 330CO, tendo at
do melbor que vem ao mercado 3;>uo
e 45000, assim como crelooes fortes oara
lencoas, sendo urna encorpada fazenda fran-
ceza com 10 palmos de largura zOt rs.
o metro, e bramante d'algodao com a mes-
ma largura i 5800.
SAIAS BOftDADAS A 4^500 E 6^009
O Pavao rende graade peciocba em saias
brancas ri:a.nenie bordadas, tendo cada urna
4 pannos, e rende pelo bararo preco de...
4(550o e 6K)00, sendo fazenda que sempre
v^ndeu-se por W e IOAiiO.
lairodas para saias a 45200, t^280 t K (550o
0 Pa .'ao vende superior fazenda bordada
I O l'avao vende toalbss brancas de fustao sfcom pregas proprias para saias, lOO,
Wcocboadas, prop;ias para mesas, sendo 1(5280 e ld5(0 a vara, sendo preciso para
Itastante erandes pelo barato preco de urna saia apenas 3 varas oo 3 1|2.
Aos 3000 artes de eambraia a 2^300
O Favo rende urna grande porcao de
cortas de eambraia organdys; tanto brancas
como de cores, sendo com listriobas de
cores tessidas e nio estampadas, e' liquida-
se pelo barato preco de 2.*iO0, cada corte,
fazenda qae rale muito mais.
Aos 20Q0 cortes de eanbraas bardarlas a o500(
O Pavao vende urna g'aode quantidade
de cortes de cambraias brancas bordadas
para vestidos, sendo com os desenbos mais
lindos e mais vistosos qae tem riodo ao
mercado, tanto em listras corridas como ada-
gonaes, e com milita fazenda para um res-
l'do, e liquida-se pelo baratissitn j preco de
5*5000, sendo fazenda de multo maior va-
lor, grande pecbincba.
CAMBRAIAS
O Pavjo reade grande quantidade de pe-
fas de cambraias brancas tapadas e trans-
parentes, teado de 3(5 a peca at mais
lina qae vem ao mercado.
CHITA A 160 RS.
O Pavo vende chitas largas com bonitos
desenbos e cores fixas, pelo barato preco
de lr>0, o corado, grande pecbincba.
LAASINHAA 160 US. O COVADO
O Pav5o vende bonitas I3asinbas transpa-
rentes pelo barato preco de loO rs. o cova-
do, pa chincha na ra da Imoeratriz o. 60
CORTES DE CASSA A 2(5500
O Pavd vende bonitos cortes de cassa
francesa viudo cada um em seu papel, pelo
barato preco de 25500 o corte, ditos mu tu
lindas 3<5000, oechioeha.
GASSAS FRAlSCEZAS A 20ORS. O COVADO
O Pavao vende bonitas c para vestidos, pelo barato preco de 20 rs.
o covado ditas fioissimas com os desenbos
mois modernos que"tem vmdo ao mercado,
pelo barato preco de 500 rs.
CRETONES
O Pa-ao rende finissimos crotones esc-
ros matizados, proprios para vestidos e
chambres, pelo barato preco de 640 rs. o
covajo, ditos de fi roes, proprios pira co-
0 Pavo vende s maii lindas alpacas de J>erta- 8eudo f""ld* mui<0 encorpada pejo
cord;.o cara vestidos e roupas de enancas, barlt0 preco da 80 r.8-, covado-
oelo barato trego de 6i0 rs. o covado, "qumas ou easaqumhos a 20,5 e 25^
ditas finissimas com os mais lindos lavoree a 7vao vende basqaiaas nu casaqamhos
imitacao de agr ianas 8i0 rs. o covado, de seda. P"105 ricantente enfeiudos, pe.o
bnitos glacs com delicadas cores e lus-;bara.l,Sfiai6 PK,de .** e 25^030,
trosas como seia !<>t OU o covado, e ou-
tidos, tendo de todas as cores, e vende*se
a 8b0rs o cosdo.
ATLANTAS LAVRADAS A 800 RS. J OOVADO
Cbegoa e.-ta nova fazenda cim o nome
de a lauta, sendo orna delicada fa?enda de
la) para vestidos, q ie rende-se pelo bara-
to preco de 800 rs. o covado.
' NOVAS POUPELINAS DE SEDA
Chegou para a lija do l'avao um grande
sortime lo das mais lindas e modernas
poapelinas de seda, com os mais delicados
padres e de muito phantasia, qae vende-se
por prego muito barato.
CAMBRAIAS BRANCAS LAVRADAS A 4#
Vende-se cortes para vestidos de eam-
braia branca latrada, sendo fazenda muito
fina, pelo barato preco de 4)5 cada corte,
assim como um grande sortimento de ditas
lisas, lapadas e transparentes, que ven ie-se
por metos do que em outra qualquer parte.
CAMISAS PARA INVERN
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimenlo de camisas escaras eacorpadas,
a prora d'agua, sendo prop'ias paraaes-
tacao do invern, e vende-se por procos
em conta.
TOALHAS ALCOCHOADAS PARA MESA A 3*500
O l'avd vende toalbss brancas de fustao
Icocboadas, propiias para mesas, sendo
estante grandes pelo barato preco de
3(5500, ditas encorpadas muilo grandes 76.
CHALES DE MERINO' A 2(1500
O Pavo vende chales de merino muito
grandes e encorpados 25o0. ditos
i ni Lian de chinezet 26500, ditos pretos
de renda com 4 ponas 26000.
CHALES PRETOS BORDADOS
O Pavao vende os maiores e melhores
chales de me in pretos ricamente borda-
dos com largas franjas de retroz, e rende
por menos do que em outra qoalquer parte.
CAMISAS PARA HOMENS
O Pavo vende um grande sortimento das
melhores camisas ioglezas e francezas com
peitos de linbo para todos os precos e qua-
lidades, assim como ditas de ditos de
algodao para todos os precos e lmannos,
tendo tambem para crianzas, e no mesmo
estabelecimente tambem se vende ceroulas
de linbo e algodao, tendo para todos os
,iv.os, assim como meias croas inglezas
para bomens e meninos, que tudo so veade
por preco muito limitado.
CORTINADOS BORDADOS
O Pavo tem c nstantemeote um grande
sortimento dos melhores cortinados borda-
dos para camas e ja celias, que rende-so de
86000 at ao mais neo qoe costoma a vir
n'esle genero, assim cerno bonitas cambraias
adamascada?, tsn'.o lapadas como transpa-
re .es, proprias para o mesmo fin, colchas
de crochet, damasco para camas de aoivas,
e cortinas, e vende-se no Bazar ao Pavo.
LASINHAS BARATAS
0 Pavo tem um grande sortimento das
mais booias lasinbas para vest ios, tendo
de todos os precos cores e qualidades.
orincipiando de 200 rs. para cima ; porm
tao grande a quantidade que seria enfa-
Jonoa especificar qualidade por qaalidaie,
s a vista do fregiiez e das amostras se lhe
rendero por precos to cmodos qoe
aenguen deixar e fazer um vestido de
la por to poaco dinbeiro.
ALPACAS DE CORDAO A 640 R8,
Grande
LQUIBft CAO
'capelinas e seda
s-Ja de lindjs paJre o msi*
Dina, rao que ha ehagad i nu ulomo vapor, a t50U
o eotaao, Di ra d Crespo n. 20, loja de Gujgiei -
me Caroeiro da Cauha. t
Ven s uma ca :<- pequen* par;i familia :
Da rna do lafiDin o. !'>. Boa-vista___________
Para a festa
Vndese nm exeell-nt- i'.io com ca=a 4e pedra
e cal com mil tintos palmos de freu:e, com urna
bea UM la nova de Beberibn
junto a enernzilhada : a tratar na rna larga do
Rosario n. 20.
MACHINAS PARA
COSTURA
Chegaram ao Bazir Universal da roa Nova
n. 22, mi sortimento de machinas para cos-
tara, das melhores qualidades qne existe na
America, das quaes muils j sao bem co-
nncidas pelos seos autores, como sejam :
Weiler A Wdaoo, Grover i BtAcer Silen-
ciosas, Weed e Impertaes e ourras muitas
que com a vista deverao agradar aos com
prado res.
Estas machinas teem a vantagem de fazer
o trahalbo que 30costureiras podem faz*r
diariamente e cosem com tanta perfeigo
como as mais perfeitas costureiras. Garan-
te se a sna bia qualidade e ensioa-se a tra-
bajar com perfeicao em menos de ama
hora, e os precos sao tao resumidos que de-
vem agradar aos pretendentes.

Ueste grande estabelecimento encontrar o respeittvl poblico oro potreo de
todo, que vendemos por precos muilo resumidos por ser o syslema qae adoptamos
vender barato para vender moilo, e tirar-mos apenas *0/. d mero uV dweoote que
temos das casas importad'ras; e garantimos .aos nossoii. Aegiezls "qo mmmm fazer as
mesmas vaotagens qoe as casas acreditadas em vender karata-< nl'pelsoas djoe nos hon-
raren) con sua Creguezia encontraro em nossos tratos sempre a lea Id adee constancia
divisa deste estabelecimento. Chamamos ailengd dd respeitavel ablii p
rariedade de artigos de qoe se compoe este sumptloo wtateiielnento,
se
IXO

%f*
' *>
**
?%
nico
legalmente autorisado e approrado
pelo conselho de sade.
DNICO DEPOSITO
em
PERNAMBUCO
Pharmacia e drogara
de
BARTHOLOMEU A C.J
34Ra larga do Rosario34.
tras muilas fazendas de goslo e luso para
vestido, na ra da Imperatriz. n. to.
POUPELINAS
O Pavo receben as mais delicadas e me-
lhores poupehnis de seda para vestidos,
com os mais modernos lovores, e outaas li-
zas c .m as crs mais novas que tem vm lo,
e vende-88 25000 cada covado, assim
como del cadas sedas de listinhai, tanto
para vest ios de senioras como de neninas,
q rende-se 26000 cada corado.
ROUPAS PARA HMbNS
O Pavo temeonstaateateofe um grande
sortimento de ronpa, lauto de panno como
de brius br neo e decore!, de case-
mira*, para todis o* r>n>ces e qaalidades,
e tamben; se manda azer qualquer peca de
obra cim tjdo aceto epromptido, para o
que se tem ou perito
sendo
muilo moderaos, assim cono ditos de cro-
chet e rendas pretas qae se vendem muilo
em conta. Da ra da Imperatriz n. 6U-
CJilas etraocidas paracobertas a 360 rs. o corado
O Pari venle chitas ent;ancadas com
delicados desenbos para cobertas oa cjrti-
nasde cores fixas, sendo fazeniamnito en-
corpada pelo barato preco de 360 o cooaJO.
ESPARTILHOS A 46500
O Pava, vende os mais modernos e me-
lhores espartilhos, tendo de todos os ta-
annos, pelo barato preco de 46500
CASEMIRAS
0 Pavo veade um elegante sortimento
de delicadas casemiras ioglezis, sendo to-
das de la e muito levesinbas, ttmo pro-
prias para bomens como para enancas, e
uitas mais eocorpadas, ten lo de ama e do
duas largaras, que se vende o mais barato
l possivel, oa roa da Imperatriz n. J.
Para saceos e fogueteires.
liceos
PARA ASSUCAB
CERVEJA DE MABCA
Engarrafada especialmenie para o Brasil.
Charutos de Havana
Lona para velas
Cambraia Victoria
As verdadeim trazem os nmeros estampados
as p$as e nao oas etiqaeta.
Vendem-se
Em casa de
T. JEFFERIES 4 C.
46 Ra do Gommercio 46
BRINS DE ANGOLA
OS LEGTIMOS
Trazem em eada peca om bilhe-
e com o nome
DOS
nicos importadores
T. JEFFERIES A C.
Grande
LIQIIIDACAO.
Na ra do crespo n. 20.
Loja de Guilherme.
Laas de cores miudas a i80 rs e covado.
Bramante de linho com 10 palmos de larVrora a
2#SO0 vara.
Chitas claras e escaras a 160, 200 e"2i0 o ca-
vado,
Ditas nscados prnssianos 280 o covado.
Ditas chinezas para coperta a 210 o covado.
Cambraias, organdys miuds a 240 e 280 o co-
vado.
Ditas bordadas brancas e de cores para corti-
nados, a 320 o covado.
Ditas bispo lisas Anas a 3* a pe(a.
Duas brancas com 10 varas, a 3*000 e 3*500
a peca.
Dita Victoria, a 4* a peca.
Mussulina branca, a 400 rs. o covado.
Madapolo franeez, a 6 a pega.
Dito inglez de bom a especial, a 4*000, 5 61
e 7* a pega.
Algodosiabo a 3, 3*">00 e 4* a pega.
Alpaca de cor com listas, fazenda superior a
360 rs. o covado.
Dita branca, com flores miadas matisadas a
500 rs. o covado.
Dita preta com fljr bran;a, o 500 rs. o co-
vado.
Diasde cores padrees miados e modernos a^60
r.% o eovado.
Lengos de cassa com barra de cor, a 120 rs.
cada um.
Dito? de linho embaiohados a 4* a duzia.
Cnila, fazenda bem conhecida pela sna fortidao,
mais larga qae chita para roupa de escravos, a
200 r?. o eovado.
Casemira preta superior, a 1*500 o covado
Cortes de casemira de cor, 3*300, 4* e 5*.
Cortes de meia casemira, a I*i00.
Casineta preta e d* cor, a500 rs. o covade.
Ganga amarella lisa e de lista, a 360 rs. o co-
vado.
Algodao iargo merca T a 5* a pega.
Dase amostras com penbor.
segu
Cryiaese vfiroa.-Gnrmfe sorti-
mento de lindas garrafas para vinho, de
vidro Bacajurt a 6, 7# 80000 par, bo-
nitas compoleiras de diversos goetos e pro-
cos, tacas de cbrytal para chmpagie ; c-
lices de vi 1ro verde fino^ para vinho do
Rbeno a 2#800 r, a duzia, ditos de dito
rouxo para vinbo B -rdeaux a 28i O rs.
a duzia clices fidos para licor a 350O rs.
a duzia, copos finos lapidados para agua
a 4.5500, 4O0-e SOUOrs. aduzia, escar-
radeiras de vidro de cores a 3(^400 e 44 e
par, g ande sortimento de glonoi de vidro
para candieiros, cha mines para canderos a
206 e 46000 o cento, e a 240,320 e 400
rs. cada ama, praohos de vidro para copos
a 400 e 500 rs. om.
Perfumarlas. Sabonetes finos e
grandes a 15500, lHOO e 2M00 a dnzia,
ditos inglezes o que ba de melbor a 2$ a
duzia, ditos pequeos transparentes a 6u0
rs. a duzia, latinhas de banba de familia a
80 e 120 rs. orna, 900 e 1200 rs. a duzia,
frascos grandes com banba a 640, 80 e
1)5000 rs. oleo de Pbilocome a 800 a 1(5000
rs. o fiasco, dito de babosa a 500 e 600 rs.
o fjasco, grande sotimento de agaa de'co-
lonia, agua Divina, agua Florida, agua flan-
ea, tnico Oriental, extractos finos inglezes
e francezes, pos para dentes, pomadas ex-
posico, copos grandes a 25500 rs. cosm-
tico fino, pacotes de pos de arroz a 400,
600 rs. om, bonecas par* pos de arroz a
400 rs.
Chapeos.Chapeos de seda .preta e
de castor branco forma Vctor, para bomen
a i 15 e 125(00, ditos de palba ventilado-
res a 35260 rs., ditos pretos de feltro copa
redonda a 35500 rs., ditos bramos a
352 0. ditos de merino e de seda preta de
55 a 75000 um. ditos de palba para chan-
ca de 25 a 25500 rs. um, bonets de panno
preto enfeitados para meninos a ;iie 355JO
rs. um, cbapelinas de seda enfeitadas para
baptisado de enanca a 35 e 35500 rs. um
bonitas cbapelinas de nl de seda branca
enfeitadas para stnhoras e meninas a 65
a 75000 ama. chap,s de sol de seda com
cabo de marfim a 95500, 115. 145 e
1750Oj rs. um, ditos com cabo imitacao de
unicornio a 95 e muilas outras qualidades
tanto para bornees como para seoboras e
criancas, sendo de percale .15300,155J0
e 25000 rs.
Fazendas.Lindos e modernos cortes
de percale de barra cem figurinos a 75000
com 14 covados, bonitos cortes de seda
com 21 covados por 285000, corles de cam
braia branca fina com babadinbos, borda-
dos proprios para partidas a 75000; tendo
8 varas de fazenda para o corpo e 15 varas
de babados, cortes de 13a escosseza com
15 covados a 135000, tnissimas e moder-
nas cambraias "braceas com listras a Impe-
ratriz peca de 10 jardas 95000 ditas mar
ca bispo e Victoria de 45 a 65600 rs. peca,
cambraia branca para forro pecas ne Id
jardas a 25100 rs., bonitos cortes de 15a
com 16 covados a 55500 rs., ditos de
chaly a 55OOO, pecas de cambraia branca
de saipicos com 8 1[2 varas a 55500, bo-
nitas las de listras a 560 rs. o covadp,
grande pecbincba de las finas de bonitos
padroes a 260 rs o covado, fazenda que
vale 400 rs., bonitas e finas cbitas france-
zas de nma s cor a 300 o covado, perca-
les muito finas e de delicados padres a
320 e 360 rs. o covado, fiuissima cbita
franceza clara a 340 rs, o covado, cbitas
escuras franceza finas a 260, 280 e 300 rs.
o covado, ditas para cobertas bonitos pa-
dres a 360 rs. o covado, bramante
de linho com 10 palmos de largara a
25400 rs. a vara, esguio de linho finissi-
mo a 2.-JO-0 a vara, benitas alpacas de urna
s cor para vestidos a SCO rs. o covado,
seti u de algodao do diversas cores, bonita
fazenda para vestido de senhora e roupa
de crianca o 500 rs. o covado, riscadinbos
finos de cores a 280 rs. o covado, cbita
preta Om a 280 rs. o covado, guardaoapos
de linbo para almoco ou cb a 25600 e
35600 rs. a duzia, ditos de dito muito fi-
nos e grandes para jantar a 85 a duzia,
servem para toalbas de mos, toalbas de<
linho grosso a 500 rs. cada urna, ditas fel-
pudas a 800 rs., colxas brancas de algo-
dao com barra e franjas, grandes a 45900
rs., ditas brancas e de cores de 25700 a
45500 rs. cada urna, bonitos cobenores de
la de lindos padres a 85 e 135000, ditos
de pello de lontra com duas vistas a 145.
camisinbas de cambraia bordada e enfei-.
tadas a 25500 e 35000 rs. cadaum?, visti
limbos de cambraia bordados para bjptisa-
dos de criancas a lije 1250UO um, cami-j
sas bordadas para senboras a 55500 rs.'para senborn 35 a duzia, superiores lu-
TFf.IJ "i
Gangas de linho pan ronpa d* criancas
a 420 rs. o covado, brin d linho branco
trancado muito superior e a 44009
15701 rs. a vara, dito pardo de Sobo a
320 e 500 rs. & coradlo, eroajla trapce-
zs de cretone e de linho 15800 e 25*0
r urna. E outras moitM biesdaa qae
vendemos por preeoa razone.
Pereelaaas e looea.Delicada
canecas de porcelana esmaltadas para- caf
85 a duzia, ditas de ditas com frisos de
cor 65 a duzia, canecas da porcelana bran-
ca para creme a 35510 a doa, copinbos
de porcelana branco para ovos fjjiOO i
dtizia, tigellas de porcelana brcapau
caldo a* 500 rs. ditas grandes para farmh
a 1;), bultos aparelhos de loses inglez
com froiso de cor completos pan jantar,
constando de 20duztas de pratoa diversos,
2 sopeiras, 1 sala de ira, 8 pralos com taav
pa, 4 molheiras, !U pratoa travessos por
1205, ditos completas pana ahaoco da mes-
ma lauca 115, gnode sortimento de ton-
ca avulsa, constando de pralos com lampa
sopeiras, molheiras, pralos travessos, pra-
los avalaos com frisos de diversos tama-
nhos, pratos com corfias. i 25700 a doza.
ditos pagodeCbmeZf'Bratiefuantidade de
tigellas pntalas ddavarss tamanhos,
boles, bacia, qoe se vende por mdicos
precos.
(iiinqnllharlas Ricos candieiros
para gaz de vidro e porcelana, feitio do jar-
ro, 145 e 165 cada em, ditos de vidro
de cores a *, lamparinas, grande sorti-
mento de vidros de metal para dependunr,
para cima de mesa e para parede, 15600
1580025 e 25500, eum grande sortimen-
to de jarrss de diversos lmannos e gostos
de 55 205 o par.caslicaesde vidro de cor
para vela 35 o par, liados praiihos de loa -
ca esmaltado com lampa para sardinhas e
ootras 25 25000 cada om, lindos bules de
louca da China 25500 35 e 35500 cada
.um, sextinhas de vidro de cores com azas
para carios 15500 25 cada orna, bonitas
qoartinhas hamburguezas de*40 55 o par,
copos de barro, bonitos temos de bandejas
ovaes 115, ditos quadrados 7, grande
sortimento de bandejas avulsas de 15300 i
25600 cada urna, ditas parafarinba 15200
urna, talberes de facas com cabo de me -t
fino 125 a duzia, ditos de ditas cabo de
osso finas de 55500 105 a duzia, colhe-
res de metal fino para sopa 55 a duzia.
ditas de dito para cha a 25400 a duzia,
conxas para sopa e para assucar, port-braa
zas de lalo 500 rs. um, lindos palitei-
ros de porcelana branca fina 15200,
15500, 25, 35 e 45 cada um, galheteiraa
de 3 e 4 vidros.
Calcado.Botinas de bezerro para
bomem 65 o par, ditas gaspiadas para
senhora 35 e 35200 o par, ditas de ditas
para crianca a 25 o par, sapatos de tapete
e de tranca para homem e senhora; de
15500 15800o par, ditos de tapete ave-
luda dos para criancas 15 o par.
Hlndexas.Duzia de carriteis de li-
nha de Alexandre 200 jardas 920 rs.
caixa com 50 novellos de !.ha branca i
680 rs., la muito fina para bordar bonitas
cores 65400 a libra, duzias de caixinhas
de grampas 400 rs., duzia de caixinhas
de alfinetes pretos e brancos 15300, lo-
ques de papel para o tbeatro 200 rs., di*
tos de madeira emtalo de sndalo, muito
bonitos 25, thesouras finas depona tor-
ta para unbas 65 a duzia, pentes trana
parentes finos para alizar 25 a duzia, ca-
d.n-o de linbo de diversas larguras branco
360 rs. a duzia de pecas, tranca de la e
fina de cores para debrum a 240 e 400 rs.
a peca, tranca branca de caracol 560 rea
a duzia de pecas, trancas de la de cre-
de caracol 600 rs. a duzia de pecas, so.
taxe branco de algodao 280 rs. a duzia de
pecas, caixas de agulhas francezas 4 papis
por 210 240 rs. o miibero, agulhas pan
crochet, toncas de la francezas muito boa
nitinbas para criancas 800 rs. urna, cai-
xas de superior paptl amizade 700 rs.,
ditas de dito de cores 800 rs., caixas de
100 envelopes 500 rs., papel almaco
pautado dito de peso, dito para forro de
casa, meias cruas para criancas 35500 a
duzia, e inglezas muito finas sem costura
de numero 2 8 de 45500 5550O a du-
zia, meias para meninas de todas as idades
35500 a duzia, ditas inglezas sem costu-
ra para homem 55500, e muito Boas
65500 a duzia, ditas c m p de cor 85 e
85500 a duzia. superiores meias inglezas
para senhora 65. 85 105 e 165, levas
de fio da Esc ssia finas braucas e de'cores
urna, pentiadores de nanzuk bordado para
senboras 45500 n, am. caixinhas com urna
duzia de lencos de linho finos abainhados
por 65000, lencos de cassa finos com bo-
nitas estampas a 35600 rs. a duzia, dit.s
grandes, de cambraia com cercaduras: a
25'i00 rs. a d .zia, ditos pequeos de cassa
com diversos desenbos a 15200 rs. a duzia.
bonitos lencos de cambraias bordadas a 15
as mmmmmm
Chales de renda pretos a
. a 2*000. i
Roa do Crespo n, 25.
*HftmaMKMania
vas de pellicas brancas, pretas e de cores
para homem e senhora, grande sortimento
de bengallas, espingardas para ciiancas,
brincos e alfinetes de borracha para loto, e
correntes para rlogios 800 rs., jogos de
vispora 320 rs., gravatas de seda de 200
rs. 25500 cada urna, grande sortimento
de botoes e goarniebes para camisas de ho-
; mem de 400 rs. a 25 cada urna, botoes de
nm, cobertas feitas grandes de cbita fran- j madreperola grande e para colletes, grande
ceza a 25-iOO urna, cobenores bramos de sortimento de aboluaduras para crleles, e
la com barra a 25500 e 35000 rs., alpaca dita? de os.-o para palitots e colletes, groza
preta sarjada a 500 rs. o covado, dita bran- de boles de osso para caifa i 240 rs.,
ca finas a 560 rs. o covado, dita prea de !peca9 de fita de sarja de cores sem beira de
de 440 a 800 rs. o covado, seda p-eta a n. 1 700. ditas de dita de setim estreita
500 rs. o covado. grosdenaples branco com e 1 rgas e.24 500 rs. pecas de fitas
toque de mofo a 640 rs. o covado, japo de veludo estreita pela 640 rs. ditas
largas, e muitas outras miudezas que dei-
de seda encarnada a 901 rs o covado, finis-
sima brilhant.na de listras brancas e par-
das a 640 rs. o covado.
xamos de mencionar por se tornar enfado*
nbo.
Este estabelecimento acha-se aberlo desde as horas da manha as 9 da norte.
15Ra da Imperatriz--15
EMPOBIO GOJffltlEUCIAIj
ULTSJP & IRMAO.
m


f
m-UJ'

Diario do Peritambuce Quinta eira 11 % Julho d 1871
ft-
-i
Y



'


LOJA
DO
64
CYSNE
RA U HKMTIIZ \ 64
DB
FIGUEIREDO ft LOPES.
0| proprtarioa ciaste novo estabelecimento, gratos para com o respeitavel pu-
blico pelo aeolbimeato favonvel que teto recebido de seos fregoezes; sinceramente I he
agradcenos to espontanea como grata coadjuvacSo. Certos est naos que devenios
continuar a recebar este favor porqoe o nosso programma ser fielmente, cumpndo :
que vender barato e ha ver sinceridad* nos tratos.
Convidamos porianio as Exmas. familias e aos mscales a virem ao nosso estae-
leciroento ou raaoi1ar buscar as amostras das fazendas que recebtmos ltimamente,
pois temos fazendas 4a mais apurado gosto e do melbor que vera ao nosso mercado.
fi-rAlinflTlpQ Vestuarios para baptisados.
uiu&ucunyicp O Cysne tem vestuarios para baptisados
Tunos o mTtaor sortimento deste art> muit0 |Dd(|g e vef)de pormenos do que em
go e vendemos por menos que ootra qoal- oQlra qualquer par,e;
qoer casa. RETOES.
Ditos de cdres. Recebemos crotones de cores escaras e
O Cysne. tem o mais lindo sortimento e claras pmpnas para vestidos de senhoras
d superior qoalidado que vendemos porque vndenos por 440 rs.
2WO0 e 21800 rs. LENCOS.
SETINS DE COBES. o Cysne tem lenco de esgoio de 5d
Temos de todas as qualidades e precos! at 950CO, ditos da cstohraia de linbo em
mais baratos que outro qualquer. ; canas de duzia a 1&00. ditos brancos,
E' PECHINCHA i de cassa muito finos a 20500 rs., ditos de
Alpaca lavrada com. cordao a 560 rs. o cores fixas proprios para rap a 4,5000 a
covado, dita coro flores e listras a 640, 700, duzia.
900, 10000 e 15200 rs.. estas ultimas s3) Tapetes para gnarnicao de salas, de todos
to finas qne ninguem dir que lia, sao os tamanhos e por menos prego do que em
muito largas. ontra qualquer casa.
L3as ;i Saboya Bretanbas de superior qualidade a
Recebemos urnas I3as c< m seda, fazenda 4^(200 e 14400 rs. a vara,
roteirameote nova no mercado, tem uro bri- FLANELLAS.
Itf,
too qne as turna recommendavel.
Pechincha
Poil-de-Chevre fino e com mnito bri Ib
a 560 rs. para acabar.
Caries a Minerva
E' orna fazenda de ia com listras de, sed a
de cor qne ftz ama vista extraordinaria com
19 e O covados por 2000.
Temos de todas as qualidades, tanto de
cores como brancas e por mecos do que
em ouira qualquer psrte.
Casemiras de cor, sendo : verde, ama-
relia, e encarnada.
Chales de merino.
Temos de-23500, ||, 50500 e 60500 rs.
ditos cbinezes a 14^000, estes ltimos tem
seda e sao muito lindos e proprios para
Cortinados
Temos completo sortimento a vendemos am senhora honeita.
por menos que outro qualquer. i Fil bordado, liso fino, dito com salpi-
Cambraia para crlinanos de superior eos, dito preto liso e com salpicos.
quatidade com 20 varas a 110000 a peca, f Colxas brancas de fustao a 207CO rs.,
ditas de cores a 20800 e GOOO rs., ditas
CHITAS
O Cysne tem o melbor sortimento de
chitas finas desde 280 al 440 rs., pde-
nos aflkncar seren cre fixas.
MADAPOLES
Temos madapolSes desde 40000 at
16d00(, porm. esta qualidade tem 40 jar-
das on 32 varas mwito largo e eocorpa-
do. Dito francez com 21 jardas a 80 e
110000.
muito grandes
120000.
com boratos desenhos a
Atoalbado. /
Temos atoalbados de linbo muito largo,
dito de algodao adamascado.
Bramante de linbo com 10 palmos de
largara, dito de algodao a 10800 rs. o
metro.
Brins pardos a de cores para todos os
dito lona branco
atC8KoarsVCtra8 "MS ^ ^'pW lona branco propro para
D.tas transites fios de 30500 at de bomem fazenda de Saperior ^
140000, porm stas s3o largas.
lidies.
Para luto.
O Cysne tem chitas pretas de superior
qualidade, cassas pretas e com salpicos,
alpacas para todos os precos, cantao supe-
rior, merino vero e princezas ; tudo se
vende por barato preco.
Algodao enfesiado com 9 palmos de lar-
Crtes de camhraia branca com 8 varas
con flores bordadas muito lindas a 70000.
ORGANDYS BRANCO
Temos organdys branco fino de 60 e 80,
dito de cor a 70000 a peca.
Cambraia de cor
Temos eambraias de cores eom barras a gura proprio para lancees, toaihas e ootros
560 rs. o metro, ditas miudinhas a 500 rs. mistares, que vendemos pelo barato preco
sao finas e cores fixas. de 900 rs. a vara,
Meias para hfmens, ditas pa a senhoras, I Completo sortimento de casemiras de
ditas para meninos e meninas, de todos os core?, ditas pretas para todos os precos,
precos s qualidades. pannos finos para todos os precos. Tam-
Espariiihos bera temos um boro alfaiate a nos encar-
Temos espartimos de diversos tamanbos regamos, de mandar fazer qo'lqner peca de
e precos. obra qoe ficar ? goto do fregu.
y .?
,__ rxt.
COFRES DE FERRO
A--
Estes artigos acbam-se a venda
em casa dos importadores
Shaw, Hawe.es d C,
BOA da Chuz n. 4.
HYDROLEO LITHOTRIPTICO
AITI KIIKIIff TICO E COTTOS
ESSENCIAL.MENTE EFF1CAZ E INFALLI/EL EM DESTRUIR AS AREIAS E
EVITAR A SUA FORMACO
Guiados pelas indicaedes de moitos abalisados clnmicos. e mdicos distinclos, que
se deram ao estudo e averiguacao das causas que prodozem os p.idecimeotos de tkeu-
matismo, golta, ardas dos rhins, oexiga, figado, e d'outras visceras; e aos ensaios d-is
meios proprios para cural-os, ebepamos a obler um remedio, que nunca desdisse a su
actividade contra os ditos padecimentos.
Nao nicamente baseado em tbeorias que tanto avancamos, mis sim nos satis
facterios resultados obtidos da soa applicato, as innmeras experieoas, que com -lie
zemos; e deste modo, seguros de seos beneficios effeitus, afoutameote o recomaienda-
mos,i> pessoas q..e soffram alguntas das molestias cima ditas, ou de alguns ootros pa-
decimentos do apparelbo urinario, taes como o diabtico, glycosurico albominorico
etc.
Escobado seria observar que se nSo poda designar um numero determiosdo de dses
de um medicamento para curar todos os individuos que padecam da mesma molestia ;
pois que a cura est dependente de diversas circumstancias, inherentes disposicSo na-
tural ou compleicao. de cada um delles ; mas comtudo, certo qne o hydroleo lutho-
trptico anli rheumatico e gottoso prodfcz sempre a cura desejada, qundo se persista em
toma lo o terapo preciso para obte-la; devendo ter-se em vista que quanto mais invete
rado est o mal mais se deve insistir na applicacio do remedio.
Podemos tambero affiancar que, por mais continuado que seja, o uso deste reme-
dio nao causa de.-arn.njo algero as vas digestivas, mas antes, pela propriedade eminen-
temente tnica, que tambem possue, fortifica o estomago, torna mais facis as digesioes
e, nao p/iocas vezes, tem feito desapparecer diarrbea, que aran entretidas pela dtbili-
dade gei al do apprelho digestivo,
MODO DE USAR.
Tomam-re do hydroleo lytwtriptico, nos primeiros qualro ou cinco dias, duas co-
Hieres de sopa, em agua assucarada, leite, cha ou caf c >m lelte, e mesmo seui mista
ra alguma, i a ccasLao do almoco, e outras ao principiar a jantar.
No quinto ou sexto dia e segniutes, tomam-se do mesmo modo dit), tres coibares
de cada vtz.
Se as ourinas da pessoa doente depositan grande porcao d areias; se as dores
nepbrilicas, rbeumaticas ou gottosas slo constantes; em fim, se os padecimentos sio
fortes, lomar-se-bo qualro coioeres de cada vez, ou tres vezes no dia, a tres cribares
de cada orna.
Quando as areias, ou outros padecimentos, tem diminuido, torna-se s primeiras
dses.
Pelo uso do Hydroleo Uiolripiico v3o sendo mais raros o apparecimento das areias,
?s dores nepbrilicas, rbeumaticase gottosas al quede todo desapparece: ueste punto
pode dispensar-se o remedio : til, porm, como preventivo, tomar cada semana urna
ou duas dses delle.
Pelo que respeita alimentaco, deve ella ser rega'aa de modo que n3o sobrecar-
regee o estomago, a em quanlidade tai que possa ser fcilmente digerida.
A melhor bebida sam duvida, a agua pura, mas tambem se pode asar da vinbo
simples ou pouco alcoolico. De cervej e vinhos fortes, poseas vezes.
Sobre lodo o que muio recommendamos, grande exercicio, sem fadiga, pois qoe
el'.c muito contribue para rapidez da cura.
N. B. Depois de lirar-?e do frasco a porcSo qoe sa vai tomar, deve b*ver o maior
cuidado em o arrolhar immedialamente.
nico deposito em Pernambuoo
Pharmacia americana de Ferraira Maia & C, ra do Duque de Caxias o. 57, (an-
tiga do Queimado.)

3
9
-
O
!B
35
r.
-
i
9* 2
-'I-a
o o
ce
er
(X)
C
TI
re
O
-1
n
=>t3 "3
3 *
ca
O
x
* K
C CA
3
_. ce
. (B
3 o
S re
f
en
3
n
O

* OQ
s
3
o
i-3
2- o
Sera"*
= 5
3
o
B
zr. os
2-c
a. -
re
^
= ce
2.0Q g-
S
.
CO I
o
T
-I
O S
3 rt>
si
o-
-i
3 **<
O
-i
P
E
so
O
en
re
* s
ti
n
O Cu
2 &
o P
P s
?
^1
cj f-~- t!-1
a s-s^tv-r**!
-<
o v V Xnfa^'-J
s
ez* iJj ;? -v3l
(X> fc~^B..{J Jl
*T3 - s 3~^*n
2 -S> Ko^ \
>*^. eo*. "*. 1
e-t-
O * fVHn^KNlBbBB~"K
UD * nB4im^B--Ml
ro Ktffl9^nW*-^SMB
B VE'. ui o-
*-?' i*1
*c -2.*"4.=
<> ~WH * 5' 1
t -: 5P* X
; v<- es 1
c&
3 Z&mC&JWJjSTTV
o-
0 S^eM^-
O
o
FAZENDAS BARATAS
NA
LOJA DO PAPAGAIO
ra da Imperatriz n. 40, esquina do becco
dos Ferreiros
DE
MENDES a CARV4LH0
Os dovos propiietarii s desle bem conhecido estabelecimento, avisam aos eos
numerosos freguezes e coro especialidade s excellentissimas familia1*, que acabam de
receber um nnvo sortimento de fazendas modernas e de esmerado gosto, de sed?, 1a,
linbo a algodao. que venn'ero mais barato que qualquer outro estabelecimento ; assim
como vendeiiio a< j existentes pelo maior preco que encontraren, para nao acconala-
rem as antigs com as modernas. Perianto, pievinem s excelentsimas familias amigas
da economa domestica que aproveitem a occasio de, com pequeo dispendio, pode-
rem refazer-se de qualquer fazenda que precisem.
Declaramos es precos de algumas frzendas, para provar o que dizemos.
Madapole's de i, 5, 6, 7 e at 100000 a peca.
Algod-zinho de 2)5500 a 80000 a peca.
Chita a 100 rs. o covado.
Cortes de chita para vestidos a \ 0600.
L'azinhas de differentes qnalidades de 320 a 500 rs. o covado.
Cortes de percalas com 14 covados a 50000.
Dit* de cassas, padrSes miudinhos, a 20500.
Alpacas com flores de todas as cores a 400 rs. o covado.
Chitas r&xas cor de lyrio, de cor tixa, a 360 rs. o covado.
Cortes de cassas com salpicos de cor a 505 0.
Ditos de cambraia branca boi dados e de salpicos a 00000.
Baioes de Ia de cores modernas a 40000.
Lencos cliim zes braceos e de cores a 30 a duzia.
Ditos hrancos de cassa a 20 a duzia.
Chales d mi rn lisos e estampados de 20500 a 54000.
Colchas de fosto, grande, brancas, a 208nO e 40000.
Bramante de linh'i de 20300 a 20000 o metro.
Algodo entestado liso e trancado de 10 a 10400.
Colchas de fo*t3o de cor 1e 20500 at (i0OO.
Brins oe lho de cor de 500 ai 800 rs.
Os-as de cores de padrors midos e grados.
Ba*Ha> de tids s crt-s a (300 rs. o covado.
FlanelUs de cores a 040 rs. o covado.
Para luto
Princetas pretas a 640. 800 e 10000.
L5azmhas pretas a 410 e 500 rs. o covado.
Castas pretas a 640 rs. a vara.
Chitas pretas a 300 rs. o covado.
Alpacas pretas a 5i0, 600 e 800 rs. e covado.
Bombazinas, lisa e trancada, a I#300 a l08COo covado.
Merii.s tracados e de corrillo para dilerentes precos.
Outras muitas fazendas, como stjam : atoaihados de linho e algodo, gnardana-
pos pardos e brancos, algodo enfestado liso e trancado, bramantes de linbo e algodao
para lences, cortinados bordados para janellas, flanellas e damascos de tidas as cores.
Officina de alfaiate na loja do Faoagaio
Alm de haver um graede sortimento de ronpa feita de todas as qualidades, tanto
de brins como de casemiras, calcas, coileies e paliiots, ha um bonito sortimento mo-
derno de CASEMIRAS de cores, proprias para a estaco, e cortes de gorguro par
coltetes.
Panos finos pretos e azues.
Casemiras pretas muito finas.
Brins brancos de linbo de todas as qualidades.
Ditos pardos trancados e lisos com listras.
Ditos de cores de tedas as qualidades.
Seroulas francezas de linbo a algodao. ,
Camisas francezas e inglese;, bordadas, com pregas, com collarinho e sem elle.
Ditas de meia de dilerentes precos.
Ditas de flanelta, braceas e de cores, para usar por baixo.
Ditas inglezas para meninos.
Chapeos de sol de seda para 8, 10 at 180000.
Collarinhos e punbos de linho.
Grande sorlimento de gravatas, mantas de seda pretas e de cores, e um especial
sortimento de popelinas de cores, dos padres mais modernos qoe tem vindu ao mer-
cado.
Fornecem-se amostras ou mandam-se levar pelos caixeiros.
ji-mmmmmmmmmmmmmm
ATTEN(?AO |
I FLOR DE OURO i
B Forte mama de annonc ar t vive o Diario de Pernambuc cheio de sttencoei, ven- SE
g de-se isio, vende se aquillo, e urna infinidade de eousas f para ma.iitarem a aueocil) do
respeitvel publico uo eniantn, os proprietrios do novo e bero montado ubelecimeoto de
joia*. intilaladoFLOR DE OUiOsito ra do Rosario larga o. 24 A lendo preparado com lg|
toda a elegancia e gosio nao vem para o conceituado Diarto d: Pemambuco apregoar qoo ,
lera as melbores joias de ouro, prata, brilhantes e mais pedr.is precioso-, indo da nlilma j|
moda, e que vende mais barato que em qualquer ontra parte, se elle quiessem seguir e?ta 5
rotina de annunciar, diriam que esto complejamente sortidon de bellos adoremos, cadeia* SU
para relogios, anneis braceletes e urna infinidade de artigos que ser eofadonho mencionar g
a que f com vista poderia o respeitavel publico e cora especialidade as Exmas, Sras, fre-
qupolapdo dito eslabelecimento, a ua vonlade apreciarem.
*
BAZAR DA MODA
DE
Nanea se vio ara prceesso'raais perfeito e que at-
wia le tal forma a satisfacer as exigencias mais
aeveraf da ncnp Vacio.
A soa cor hodiasusa e io precisa de cuida-
do alguna para se conservar no timeirn senpre
eom a mesma cor, sem borra, erdsta. Iwlor on sem
ias stas maieWas inherenMs i ladm aa ttntas
st afora eoaheoida, anda mean dos rae Iteres
autores strafloatm.
Sobrenado, este eslisavl producto sao ataca as
peanas de mo, ames pe comratlo, a penna
adfBire m sgulM dourado one, ando Ioleres-
saoie, assas provcitM*.
Esta no la, aao seado especialoieote para copiar,
di contado duas, tras, on oais copias um > ez
cripta suffre o choque de cidos fortissimos^ sem
se decrapr ora, se os antios nao tem accao so-
*re ella, nwtn menos a arcao a\i tompo a poda
derruir ; isto plaisivel.
Hio ao commercio que esta mea producto
?eio ser ntil ; os prefessores dos collegi^s, invest
gando lados oe meios para o adiantamecto dos
seus discpulo", tem approveitado esta tir.ta qoe
com razio a acharam apta para desenvolver o
gosto nos educandos, em coosaqueocia da bereca
da ror e facilidade de correr na pequea pela sua
liquidez. "Ha exeroptos de crianzas que havia
mane lempo linham orna repavnaorta eilrema
para a escripia, logo que fni a dm i tuda es la trata
no coliegio, apoderou-se deltas a uriosidade e o
Jepois de escripia ; preciso, porm, ^deixar-lfte gorto, e'ponco lempo depois o seu adianumento
a papel tea 'matad* sera a unpar eom a anta-1 ra manitesto.
Ma urna, par de tantas vantagens, tam nm
anuo conveniente, deteriora-se ao cuaoicto de
oulra qaalquer; cfnvni pois te-la em linteiro
isenos do meDor visluo tar escrewr orna peona soja a urna preparacao
difireme- eiocompalivel; verfflcaade isla, nao ha
raan para se usar de tinta que nao seja a VIO-
LETA EXTRA-FUiA DK MuftTEHlO.
karrao, parnna alo ha ri-eo de barrar. Para ae
tirar mais de ama copia, nao se. acgiouteraai tan-
tas folbas qaantas epias se qoarem tirar, mas
vna-ae ino original :irar i urna untas quantas
aa desejam, sem qne o original flan* pTeju.ut.jaao
pelas extra^oea.
Oeoorre a nrai intelligeotia e habihdade, asna que a me-
fcor Unta nao satisfaz, a o deleito racae sempre.
sobre a Unu, que maltas vezes tjnem menos-
culpa tem.
A daofa yniiaita .desta tinta extremamente)
apreciavl, pois que avila qoe em qaalquer es-
enptorio ha|a mais do qua ama linu para os di-
caraos mistaras.
Emquaoto a su dnribilidade, nao ba a oppor
a mea^r dwa, paw qna nata tinto dapois de es-
SSo finalmente chegadas a esta praea pela segunda vez as verdadiras preprateos
do Dr. RAnwAY de C. de New-York.
Depois de algnns annos, em qne as falsificares de Hamburgo e mesmo de New-
York tiveram entrada neste mercado, aproveitando-se do bem merecido conceto qot.
estes remedios haviam alcancado por seos maravilbosos effeitos conseguiram introdozir
se, illndindo o publico incauto, com urna redcelo de preco, nulificando o verdadein
mrito dostas admiraveiB preparac5es, imitando as verdadiras; porm* desacreditan-
do-as coro seus nulios effeitos, lembroo-se o autor de faaer a decraracao abaizo, e a
dar diplomas aos qne ven 'erem os seus legtimos preparados.
Previna-se o respeitavel publico de que as verdadiras preparacSes do Dr. Ra-
dwat s se vendem nos depsitos cima declarados e trazem um.rotulo igual ao destf
annnncio.
Nos abaixo assignados, declaramos e certificamos, qne os Srs. Raymundo Carlos Lei-
te Irmao, da cidade do Rio de Janeiro, no imperio do Brasil, sao os nossos agentes
geraes, pela venda de nossos remedios, tanto no dito imperio como no reino de Porto
gal. Noticiamos ao publico, que nHo se podem obter os remedios do Dr. Radway AC
(e qoe sio preparados no laboratorio do mesmo doutor na cidade de New-YOrk no*
Estados-Unidos), senio das pess< as qne podem prodnzir a presente certificaejo e attes
tacSo e qne a prodntem, subscripta e assigsada do Dr. Radway dt C. e dos Srs. Ray
mondo Carlos Leite d Irmo como aa p. Tedos e cada ora dos remedios do Dr. Ra-
dway A C. sao acompanbados de cdulas smelhantes as qne parecen ao p desta eer-
tificacao. *
Examnese bem a asslgnatnra da firma do Dr. Badwat *C. ao p dapresanh
sertificacab e compare-se com o fac-simile as cdalas com todos os frascos e eaiiiihas.
RAOWAY r C -
Venda-a na mi do Rario da Viatorla, on-
Ir'ora roa Nova n. 49, o aroanem de lon^a Una e
ordinaria, a qaalquer pessoa que se quizer esta-
belecer, a dinbeiro, ca eom algnm praso eom ga-
rante a vontade do prrpri'tarto ; no mesmo ar-
mazem. vende-se a dinbeiro vista, a^parathes
para cha de porcelana, dourados e de fiiso d-
cores, ditos de porcelana branca, apparelhos pa
<;rv\iu:

-
Na'na do Crespn. 20.
Gbit>t4aqou ni atr paaprla pian a pnina, a>
i, anitendaaa MftavaiO
rs. o coMdo : na luja da Cnilbaroa Garoairo da,
Observa Diversas fateificaaiai a samelbaBicas tem ap
recido, coja durabilidade duvidosa. Os Srs.
comprador* podem evitar o engao dirig ndo-ae
-caaas laanmapuana; a pfdiafla a Unta qne en'
fabrioo
Ja. C Monte*.
ra Jantar de porc- lana branca, ditos para jamar ""yvmBBrp
de friso verte a sul iavlavr, dft< > para c va- de c,MtA* e gf\
sos daporcelana para floras, compoMiras, garra-' r2;n0lia'*ia "*
fas, eopos para agua, clices para vnbo a cham- v"m- .
Uwaeiito rortlafid
Em aaHleas e> ti arrtbaa i pMaa onianoai
panhe, de chrysUl a lapidado fiaos; e obtras
mnitas pecas qna ser enhdoaho mencionar por
exteoco. qae sa anda oor menos o> qneam en-
tra qaalquer parta deaO acr canto, por lar madada ijua em artrtjyna^aar parta, snoda'ae
o dono de acabar com o e tatolecimanto. i no aamaien a laaab^rmaa >* Bichs de Htimtag) i^iM
Na pt>ar de Olinda (Gadaia n. 4 recHejaaaa-ae
lrnaeri
Vande-aa
r.rna
aata.
aitaiapjwa,4e
a. J%,intfaa
Machinas
......
d*lr:s saogaisucasbaatergneaa peo apar a%av4,
PMa, one vendem-sem gnadMVpammnnj paT-f jWHw lifWartlll m enatnaa
males prafe-aonnaaH !'>' *m parIMaj eaaatfo na rea
t
JOS DE SOUZA SOARES k C.
Grande exposipo
Especial sortimento de fazendas de algodo, linho, 13a, e seda, de todas as quali-
dades.
Artigos da moda elegante, tanto para senhoras, como para homens e meninos.
Completo sortimento de midezas finas.
Grande deposito de perfumaras dos erais affamados perfumistas da Europa.
Variedade em objectos de phantasia para mimos.
Nova remessa de ricos livros para missa com encadernaco de velludo, cha rao
esmaltado, e madreperola, tanto para senhoras como para meninas.
Btdlo sortimento de lindas e modernas joias de onro, como sejam : cadeias para
relogios, medalhes, meios aderecos, brincos, broches, braceletes, collares, e abotoado-
ras para camisa.
Ricos espetaos grandes com moldnra dourada a ouro.fino.
Bollas panormicas brancas e de cores, proprias para jardins cornijas de casas.
Assim Como temos a venda nma bella e perfeita embarcac5o de guerra, symbolo
da corveta S da Bandeira, e urna caixa com rica msica de pente acompanbada de
timbres e rulo, tocando com a maior perfeic^o o bymno do Brasil, Vida Parisiense,
Marco Espada, Flor do Cha, Fausto, Pericbolle, os Dragoes de Villars, e Vtagem a
Cbina.
M. AORoa do Bario da VictoriaX. 50
(Esquina da de Manto Amaro).
LOJA M CONQUISTA
Roa do Cabuga' n. 6
DE
ANTONIO F&ANCtSCO DOS SANTOS Se C.
Este novo estabelecimento acaba de receber um grande
de geste reteiramenle novos, a saber :
Dm lindo sortimento de popelinas de
{'seda, desenhos e cores especiaes. s.
1 obreta de seda preta e de cores.
Alpacas de. cores, de lindos gosto.
Lia e seda com listas assetiuadass pre
Cambraias brancas, para todos o
eos.
Colchas SeWae seda par^cama.
{Mas de crochet para dita.
Pannos de crochet para cadeiras e
sortimento de objectos
'



i.
H'cos enxovais para baptisado>
Rieee chapeos e chapelinas para senhora,
ttnHwr a decejar.
Granadina %ranca, fazenda muito pro-
fpria part residos de phauusia.
v Ricos cortinados bordados para cama e
janella.
Saias e camisas bordadas para senbora..
Camisas bordadas e lisas para hornera.
Bramante de linbo e algodao.
Bretanhas e esguio.
Cambraia de duas largaras.
L.nc>s d^ &Mitor Atoalbados de panno de quadros para
mesa.
Gmrdampos e toaihas de linho.
Liados fustfls de odres para vestidos :
a eilesjintes qve se.acabem> que o preco
baratissimo.
Tapetes ranees e para goarnicSo de sales.
Chitas finas, claras e escara'.
Os proprietarioe a> Conquista prestam-se a ir oa mandar com qaalquer objeeto
^ 'fdliyuajr tu40a para isso Ibes mandem nicamente o nome di roa e numero da
morada.
1 i


.........
Djito di Perntmbuco Quinta feira 13 de Jolhc de 1871

ASSEMBLEA GERAI,
CMARA DOS UEPTAOOS
PARCCEH DA COMMISSO NOUEAOA PELA. CAM.V-
RA DOS DEPUTADOS PARA KSTDAR O Pll-
JECTO DO PODER EXECUTfVO SOBRE O ESTA-
DO SERVIL.
Primeira parle.
A commisso que de vos recebeu a hon-
rosa e espinhosissima incumbencia de erait-
iir parecer sobre proposta apresentada a
esta augusta cmara pelo poder executivo,
vara desempenhar se do encargo. Pon le-
rou atteotaiuente a questo em si msm i,
os variados alvitres que para a solu<.<>
della bao sido 'suscitados;' medio, quanto
as forjas Ihe cabi, inconv?n entes e van-
tagens das providencias lembradas; es'o
don no livro mestre da experiencia de en-
tras nag5es, e quanto possivel da Rosta, as
circumstancias a que urga attender ; e fir-
mou a opmio de que a proposta do go er-
no, com algamas modificares, era digna ib
vossa approvago.
Tem assumpto de tanto momento desve-
lado, em todo o mundo, e com especialida-
de em nossas regies, os philo.sophos, oa
polticos, os pensadores da primeira piara.
Entre os inexcediveis trabalbos de penua
de conterrneos nossos, figura em to alto
lugar de honra n primoroso parecer aprf-
sentado a fita asseaabla, na sesso de 10
de agosto de 1870, pela sb a commisslo
especial incumbida do estudo da materia,
que hoje a vnssa coojmissito deseja conside
rar a quasi totalidade daquelle parecer,
como formando parle integrante des e ; tan-
to mais quanto o projecto do goveroo con-
sagra, eiu tolos os seus pontos essenciae,--,
e c;'iH tenaos aleragoes, s doutrinas edis-
posiges exaradas no que pela referida
commisso desta cmara (ora ja. iniciado.
Sem pretengo de accrescentirtnos luzes
ao debate em que tantas das nossas Ilustra-
c5es se empenham. snbmeiteremos, para
desencargo do dewr, as principaes conside-
ragoes que nos actuaram no animo, sem a
cada um dos respectivos ponius darmos des-
. eavolvimenios largos, qne ante a vossa sa-
bedoria ssriam descabidos.
I
f'ensa a commisso, antes de tudo, que
a&umpios desia natureza e mignitmle,
quando urna v. y. se agitam, devera ser S'-rn
detecca resollidos. Enfermidades sociaes
ba, que certos remedios heroicos sanam,
emquanto absieugo ou simples paliativos
matara: os cancros politicn, qu?iquer qur-
seja a dr, teem de ser extirpados emquan-
to lempo.
Compre atacar e resolver a questo, e
j, porque assim n demandara a opinio
oniversal do se<;nlo em que vivemos, os
principios da religio, da moral e da polti-
ca, a necessidade de nos sentarraos em pe
de igualdade no convivio das nagoes, e es-
pecialmente a unanimidade do seiitimento
brasileiro, noque loca ttiese fundamental,
a urgencia resoltante de ter ella sido, des.de
alguns annos, trazida, com a maior solemui-
dade. lela parlamentar, a palpitante an-
No : os que miliiam sob o lbaro da
cruz, do servile suppUcium de Tcito, do
in truniento infamante definido aosesert
vos, nao podem ler no coligo sacrosanta
seno : rebabditago do escravo a igualdadi
di
ziedade com qne o paiz exige e aguardi a
solacio, os variadissimos perigos de mais
prolongada mdecis3o.
II
E, antes de todo, aliviemos de um pes^
a consciencia. E' cora injusliga quitemos
sido aecusados. Nern nos lance em rosto
o mundo a existencia e durago desta insti-
tuigo, hojeanachroi-ica ; nem calumniemos
tao pouco os seculos que nos antecedern).
Em passadas eras outra foi a organisaco
social; o feudalismo trinmphou durante se-
culos ; cada ira tituigo lem lido o seo tem-
po, e a da escravido foi, at o primeiro
quarto desta centuria, abracada por todos
os mais civilisaJos imperios. Se as ontras
aags a abolirara (esempre com debates
..os e precaugoes minuciosas), pouco
mais fizeram do que prestar culto a um
gran le priooipio, ao paaso que no Brasil -
-o impeilido pelomesrao pensamento moral,
m levado a effeito com infinitamente maior
sacrificio, visto cemo o curso das ideas
tem indozido a crer que tal solug > prende
com os mais vastos intereses maleriaes,
pblicos e privados. Nao obstante, foram
s .i . i templo da er : ncip3i.au, ab'lindo em
il~' a escravido em ierras de alm-mir;
ira, p.-r impulso proprie, procurara s
rmo legislagao em qoe muitos jtii
resses : nennuraa aagao den u golpa iu
circum>taacias iguaes is iwisas. Honre
OS, oois, o laclo e a espoutaueidade dellc.
Judiciosa observacio foi a do filustre escrip-1 meios, sao concordes no fim.
bumna.
A igreja, que apregooa a redempfSo
captivos como urna das mais meritorias
obras de misericordia, assim o lem sempre
entendido e proclamado Ceca veses dcati
de'ra de S. Pedro teem partido as mais ve*
fieraenies admoostacoes contra a escravidSo,
como, nor exeraplo, os sanios padres Pra llf
era 7 de oulnbro de 1462; Paolo III, errff
8 de maio de 1537 ; Urbano VIH, em 2j\
de abril de 1G39; Benedicto XIV, era 2t)
de dezerab o de 1741 : Gregorio XVI, ein
3 de novenibro de 1839, etc.
A propria moral christaa est peiindo, a
grandes brador, o auiquilament) de urna
escola de peroico. Rodi-se geralraented^acao
o cap.iveiro do m^is asqueroso cortejo de
desmoralisicSo. O servo considerado e
tratado como de raca inferior, e paga ao
senhur em odio o que dalle recebe era
iesprezo. Sem educa<;3o, nem instrucfSo,'
embebe-ye nos >icios mais propri s do Do-
mem nao civisado. Conviveodo com a
gente de raca superior, inocula nella osseo
mos babitos. Sem jvis ao producto do
trabtfllio, busca no roubo os meios. de sa-
tisfaco dos appettes. Sem laQOi de fai-
lia, procede como knimigo ou estranho.
sociedade, que o repede Vaga Venus ar-
roja aos maiores excessos aqoe.le ardente
sangue libyco ; e o concubinaio em larga
encala lulerado, quando nao animado, fa-
cultando-so assim aos jovens de ambos os
sexuS, para espectculo domesiico, o mais
lorpe dos exerapios. Finalmente, com as
degradantes scenasda servidlo, nao pode a
mais illnstrada das sociedades deixar de
corromperse.
Tambera os preceitos fundamentaes da
moral social conwrgem para o mesmu fim.
Quando as Instituas de. Jusiiniano foram
declaradas as honradas bases da juriSL.ru
dencia, eis como Ulpraiano se exprimi:
Jtttis proscepta stml h alterum non federe, suum cuique tri-
buere. E' licito dizer-se que a servido
a ninguem prejudica ? Que por ella se asse
gura ao hornera aquillo a que tem js?
Religio, moral religiosa e moral social
invocara, de mSos dadas, a suppresso do
captiveiro.
V
A humanidade em coro proferio sua sen;
tenga final Desde 1775, data do primeire-
grito emancipador aleado por oossos avs,
fui o arieie da civihsar;ao successivamente
desmoronando em todas as trras a odiada
insiituicao. que boje, repulsada de todos o
recantos da Europa e America, nesta re-
gio ada infelizmente um derradeiro perir
cliUnte nfugio.
Tribunas evaogelicas e parlamentares;
associaces; imprensa pbilosophica, hilera-
na e peridica ; propagaada universal; se-
ducciits e premios ; forfa e violen ;ia;
guerras giganteas; ludo isso este seculo
tem presenciad.', pois entre as misses
grandes elle estava esta deque nos tam-
bera, em lugar ultimo, dos estamos occo-j
pando.
Se certo que, no volver dos lempos,
cabe a cada seculo um nome. e o deste
seculo da liberdadc; como podia essa mag-
nifica aspirado coadunar-se, smu/ esscet
nonesse, com a eseravidSo? Se o problema
doe se agita o facienduw, o modo prti-
i de (ornar urna verdade a autonoma, a
digmdade, a lioerdade do bomem ; como
lia de isso harraonisar-se com o reDaixamen-
to, o aviliamento, a repulsa em mas?a i
homens, que teem o crime na cor, reprobos
hereditarios, Cains marcdos para a eterni-
dade com o ello Javcuademnacio ? :.m\
Nao: a linmanidad eta peso, #e como W
>') h imem, ri'j-na a escrevi'ISo, espeho da
lyrannia, antipoda d- bberdaae, corrupta
de oppressores e cial, germoii de d.ssoloco. remora, do pro
i;resso, iniraiga Je toda a prosperidad! e ee
toda a civilisacSo.
VI
E a patria ; qaerer ella, estar nos seus
interesses querer, a perpetuida.de *ia obso
lea illalituigo ?
N5o: o Brasil d5o eocerra boje orna so
voz qde onse destoar do c6ro unnime.
Honra indoh nobilissims do nosso poso,
que nem mesmo os mais interessados na
pieslSo, os q ib mMSse illndem pbantasian-
ilo chimericos perigos, d-ixam de. afirmar
que .i capliveirp t':n seos dias cornados ;
esses mesmos, se discrepara era alguns dos
tor que refleclio que, se no reinado de u::i
D. Podro II foi oulr'ora abolida no Brasil a
escravidlo dos Indios, a propria iusiiiuigao
ua escravido aqui, ser abrogada no reina-
do do outro D. Pedro II.
III
por cinco lados se pode encarar to gra-
ve questlo : pelas suas relages com a re-
ligio, kumanidade, & patria", os escravos
e os particulares.
iz-nos a conciencia que, a todas estas
luzes. a proposta digna do vosso acolfii-
menlo.
IV
Nao pode por mais tempo um estado qce
se preza de christo desconliecer a sasraca
doutrina, cdigo fundamental dos cdigos
fuodamentaes.
E' a religio que nos ensina ter o hornera
sido feito a imagem de Dos; ser a alma
bumana irradiado da divindade ; e t5o pou-
co ba quem hoje negu ser o escravoho-
meme nao menos feito, portante, ima-
gem do Creador, como quem defenda ser a
alma da mulber inferior e diversa da nossa.
Baixando trra Christo Senhor Nosso,
viudo ensmar-nos que os primeiros seriam-
os ltimos e os oltimos primeiros, foi de
.servo quo tomou a forma. (Esai. 42. 1.
Malh. 12. 18) para morrer humanamente
da morte dos servos. Sim, foi o Divino
Redemptor quem pregou a igualdade dos
homens, o dever da fraternidade, o subli-
me decreto : Nao focis aos outros o que
no.quereis se vos faca. E' da sua bocea
sagrada que baixoo o omnes autem vos fra-
tres estis. (Mitb. 23). E' impregnarlo da
suprema doutrina, o saoto apophtbegma*:
Ubi spiritus omini, ibi libertas (2. Cor. 3).
tao alto, to nobre, t3o divino o encargo
da redempcSo dos captivos, que Jess Chris-
to, pela bocea do evangelista S. Lacas (IV
19, 20), declarou ao hornern ter sido essa
urna das principaes missSes que recebara
do Pai Celeste: O Espirito do-'Senbor
repousoo sobre mim, coosagrou-me con
sua unco, e enviou-me a pregar o evange-
lio aos pobres, a sarar os quebrantados do
E, todava, e de esperar que, em prazo
breve, o Brasil inteir reconneca, pelo ra-
ciocinio i- pela experiencia, jue nao era mais
que mir gem, illuso de ptica intellectaal,
a persiiasao de que o.estado servil nos pode
ser condii;o de proper'ulade. E, ao con-
trario, o no^o calcanhar de Achules, o mo
vel mais preponderante, se quj n5o nico,
do nosso atraso : desde 'o da em que essa
malfadada institoicio desapparecer, dar-se-
ha em nossa sociedade urna radical, esplen-
dida transformago; mas, emquanto nao
raiar a sua aurora, nao despir Hercules a
sua tnica de Nesso.
Um dos nossos males, que nos abate,
nos empobrece, nos desmoralisa, nos oster>
ta estacionarios, sen5o retrgrados, esse
espectculo odioso, embrutecedor ; e por
elle a deshonra do trabalbo.
O trabalho, lei de Deas, peni e premio
da humanidade, obriga<;o imeclinavel de
lodo o ddado, desequilibra-se as ierras
de escravos. Ahi formam elles nma classe
intima, Sftoposta classe dos livres. Os
labores entregues aquella casta ficam invi-
lecidos como ella ; e a aristocracia dos li-
vres consiste em se n5o manchar com em-
prfgos coDtemptiveis: para o escravo, o
trabalho manual, para olivre a iseucao delle,
dessa isencSo para logo se geram a sobran-
cena estulta, a preguiga improductiva,. a
ociosidada viciosa. NMfilitando-se, pormj
os homens pela igualdade, nobililado ficarit
todo o trabalbo, cessaodo distinecoes, entio,
e so eniao, >mpossiveis.
Desde essa bora mudar o aspecto das
coosas. O producto escravo sempre de
arremedo, tosco, brutal, moroso, pouco lu-
crativo ; o trabalho livre 6 eraprehendedor,
intelligente, hbil, aetivo, e creador,
lucrativo em decuplo. Com aquello, dan
do-se em troca, do modo como estamos
dando, gneros imperfectos, nosso commer-
cio, equiparado ao de outros povos, alias
meaos protegidos da nalnreza, langaira com
o andar do lempo. Com este, depo de
altamente melborados. os hbitos raes e
physicos da sociedade, concorreremos, eolio)
coracao, a annunciar a redempeao aos cap- ergmdvi. com todas as nacSes, e em muitos
tivos. cales qoiei as snbjugaremos
4
Como Angosto iuterrogaado Varo sobro
as suas legioes, pergontaremos: QueT feito
de gan^os ,cabejjaas devorados pela traft-
cojMcaA ? ua feito sobrettd dos
millo mUhOeHaiaSoflMKes arrsaca.os
ao tolo natal, e darn i ttes seclos exps-
triadof li4a# MnasT A prudencia
nacional nos imp5o aqoi silencio sobre o
que podenamos dtzer ex-abundantia CQrdis^
Em.pdliilca, todo o crtme err|; meit
cedo ou mais urda, iodo o erro ss paga ;
te oda- o estfeos f agsnio. lo capuveiro
oernrds animles perpetuara,'; deflnham,
- mofrem ; le, le5o da Providencia.
Quando iodo o trabalho*for livre; qu/j
aurora dtrpriafrida.lu n5o raiarJ"{ir este
^fecundo'solo 1 Que naoiB-lo.asforcas deste
gigante, desta Antsp rerolvondo-se em torra
livre I 1 1 |i'
Nao sera entao natu-al emporio de nave-
esta paiz baobado por mares e rios
magnficos, e dispoarlo abundantemente das
mais preciosas madeiras de constrjtr(3o f
N-io centuplicorS o sen commercio, quando
todas as forcas vivas coevergirem para um
fim comuium, e as industrias operarem seus
tiatituaes ihigres ? Nlo se elevar o nivel
da civilisacaj quando todos os homens fo-
rera cidajdSds^ todos os cidadSie apfrarkui
a tudo ? N)a,malborara a agricultura, quan-
do o operario imc-resar n> producto do
sen trabalho, quando a propneJade se es-
liider por maior nanser.i de rais, qjando
os processos se simplificare m. qniando o
vapor e a machina prestar o auxilio, qne o
braco escravo ainda hoja acooselha se dis-
pense ? Este chSo cride rebentam, alli as
cdHuras da Europa, aqnem a vegntie5o do<
trpicos, e cuja uberdade paga 4W por 1
chao em grande parte virgen, e desapro-
vettadq, acaso se nao prestar a ootro cul-
tivos, quando a intelligencia Ibe pruferir n
seu Fhi{! As riqwezas sepultadas no seio
de RossWEIdorado, os diamantes, e Hi gam-
mas-, o ourj, as preciosidades raineraes de
loda a espsere. nSo.sa pit-ml-'aro mafs f-
cil, e abti.idautemente' aos excavadores li-
vre*, e peritos ? Toio^sse qoadro desmoi
brante. s com a liberdade possivel.
Para chegarmos a esse ponto de felidfJa
de, sao precisos braeos ; quem o duviii ?
Mas a abolico da escravido nfo extingue
os braQos existentes, antes os'multiplica :
por mn lado, o escravo transformad.) en
cidadio, produz mais e melbor ; poli outro
ent3o qoe o pas adquirir, espontneos,
muitos e bois auxiliares, que hoje o nao
procurara. O emigrante qoe deixa a patria,
parentes, amigos, hbitos para estabelecer-
se em alhe3. e remotas ierras, difficilmen-
te. buscar paiz de escravido, emquanto
nutrir esperanfa de mehorar de sorte eno
lugares onde o recebem dp braeos abrtos,
e entre homens como elle ingenuos.
Parece, portaoto, que todas as convenien-
cias do-Brasil, comoiiecov rflcommeodam
so acabe, apenas possivel, com urna insti-
ftii?So, fofite-de todo o seo- airasimonto ; e
este Brasil, condemnado pena de Prome
toen, o5o espere salvarjo eraquanto Ihe roer
as entranhas- o abaire do captiveiro.
VII
Considrenos agora o escravo em si, osle
bomem sem direitos de hornern. essa alma
som privilegio da machina. Nao elle
reatara do mesmo Creador ? Oriondo da
mesma estirpe ? Dotado de espirito e corpo
igoaes aos nossos ? Usufructuario da trra
em comraura ? Ente temido com o mesmo
divino saegue ? So at l os verdadeira pa-
tria igoaes destinos o aguatdam, com qua
jus ihe havemos de impor destinos diver -
sos na vida transitoria ?
A liberdad? diteito do- bomem, natural.
congenilo, inafiferivel. A escravidlo enlloca
ama vaste porcao de homens n'uraa classe
de venciios, de parias, de victimas. as-
ecu de um abuso da forea, e esta depiava-
da origera pode son explicar factos, nao
consagrar direitos, e mn'iti) menos eterhisa-
los. S a verdade perdora ; e a servidlo
mentira.
Se nao "'f]h*essetnos sido educad is com
este espectculo, pasmaramos, de contem-
plar como, em lempos .! illustraco, possa
confuodtr-se a reUgo ealr. sanhor e e-cra-
vo com o dominio oriundo da propriedade Como qua a ra'tgiao, a phi-
hs ptiia, o direit > natural, n3o poz mais
celo termo a um simples .equjydco da pa-
lavras, so se quer, mas de tao desastrosas
consequencias !
Pois a personalidade, obra de Deus, pode
ser aiiuiqnilada por um tyrannico veto do
homem ? ,
Pois o raio da divindade, a razo, pode
ser apagado, convertendo-se em apanagio
de razo alheia ?
E descendo especialidd :
Reveste todas as condiesda absolott
propriedade o mais que incompleto dominio
que a lei concede ao snior? Ha casos,'
sem duvida, em qoe a lei veda ao dono o
direito de destruirlo, e por isso nao fallare-
mos do jus viUe et necis negado ao sen nor;
mas existe acaso verdadeira propriedade da
cousa quaodu u3o t;mos o ampio uso della?
Concede-nos boje a lei sequer arbitrario po-
der disciplina! ? Permitte-nos ella tratar ao
servo como ao cavaho, ao boi, a arvore, ao
navio ?
Nao I nao se exagere este direito de pro-
priedade para que a analyse nao o pr funde,
e nos leve a exclamar com Tcito : Res sa-
cra, miser 1
vni
Resta fioalmeale encarar a questo pilo
espacto dos denominados proprietarios de
escravos.
ira, reconhecamo-lo bem alto i tem el-
les interesses reaes, extensos, respeitaveis:
se da natureza os nao recebaran como di-
reitos, conferio-l'os a sociedade, que fal-
tara a ontro dever sagrado, se os esbulhas-
se do que a lei cotsiderpu, bem ou mal,
propriedade circomscnias, mas proprie-
dade.
Representa o escravo para o senhor : 1
se foodou orna organisaco. o essa orgam-
sagao coQttuio jus, a cuj sonora desean
sram os qoe tomara a Ui pela expreaso
dos direiloi e devores do cMado. Se
siygmatisamos o abuto da forca, qne pro-
duzii.a,aer1dao, quasi igual lygna mere-
ca o%paO,abuso da fores que te taimen-
te, e sea compeosacSo a aboliste agbra
O p^ndijlojwlitico deve cabir a prntno;
e mauvf ||o| .tado, quando pretende
fixari (ei -br* njalquer d s oppo^los li
miles das sois oscillaca*
Rlzo ha Be, reivindicar para o servo a
natural liberdade, mas. em vinude da nos
.a organisaeio, compre aitimpanhar essa
rehiodicaco da indemnisaco do justo'pro-
co do sen servigu,- ou ( >e tal preco n
pode ser fago) continuar esse senigocom
suavidad */ et in quanlnm, como, necessi-
dade indeclinavel da razo poltica, ante a
qual momentneamente cmraudecam os ira-
pdtos do c raeo e da mente.
IX
Parece resultar de qoaalo precede que a
abolico da escravagem impstamela bnma-
nidade, pelos inaeresses do Brazil, pelos
dos escravos; diffieoltada, porm, pelos
suppostos interesaes e inconteslaveis direi-
tos vis dos proprialario da escravos;
con9egaintemente- ao p le resolver-se a
qoesto com espada de Alexandre, e cum
pie ao contrario, afim de se tomarem reso-
lueoes praticas e fffectivds, adoptar m ter-
reDo neutro, cedendo os antagonistas da
nstituicSo algara tanto do qae invocara ao
dirto natural, cedendo os sfU3 contrarios
um pouco do que a razo poltica Ihes ins-
pira.
S3 nos e ulros se eonservassem acasSel-
lados em arraiaes opposlos, loda a conci-
lieo seria impraticavel. N'outro tempo e
em outros lugares, hoove quem. allis com
sedoctorau considerace'--, opinasse peia
perpetuidad da escravido: hoje no Bra-
zil t-dos repeliera tal d uSrina e concurdam
em qu es?'a mancha do pendo auri-verde
deve ser lavada. O debaw so pola pois
establecerse sobre a forma e sobre a essern
cia. Sd se Jrata do como e do quando.
Tem aiguns importantes merabros da
respeitavel classe agrcola sida intuzidos a
crer que as providencias propostas cavaram
sua ruma. Aterra os e petrifica-us a lei
como cabeca de Meduza. B sero fundaJos
estes rt;cei.3?
Nao eram- mais civilisados e ricos os Es-
tados do Norie, sem escravatura, que os do
Sul da Uoio-Americana, qoandq esta to|e-
rava a institoH'So ?
Nao se est vendo DaqueJIas vastas re-
gi5as que os effeilos de urna guerra titni-
ca j se vio desvaoecendo, logo aps a luta,
que generalieou a librdade t
Nao prosperam, olhos vistos, provin-
cias nossas, onde j quasi nao existe o tra-
balho toreado?
N5o temos, em vanos pontos do imperio,
o exeraplo do atiantamento rural de muitos
ncleos de homens livres ?
N5o observamos qne, ao contrario, a
lavoura de nossas trras de mtis escrava-
ria est oberada, e, em alguo* tugares, ar-
romada pelos enormes cabedaes, que aquel-
lo elemento de trabalbo Imraobilisa. e que
os lucros eslao longe de compensar ?
Nao calcla o fazendeiro, que o pessimo
Irabalho servil esta collocado no nfimo grao,
?fl
'por ser feito sem intelligensia, sem vonla- ,j)roporc3o que umdaquellesgrandes golpes
um
trab
ital viUoso; 2o, um instrumento de
o. O'capital como significaco de
propcLeaiii, ni bode Ser arrebatado sem
lademnsa^ir/; mas pode, como loda ella,
ser ex,propriadd por cansa de interesare pu-
blico. O iastrumento de trabalho, se en-
tio pode ser conservado com organisaeo
divarsa, or>obstitoido.
Os foros do proprletario de escravos e-
tribam-se, pois, pao en direito Datara!,
as em razas poltica de orden publica.
Disse-lbe a lei quo respailara aquella pro-
priedade ; nessa, f adquiri ou conservoo
seas baveres n'uma dada forma. Nao po-
de o Estado burlar oa cidadSos, que na
suapilavra depositaram crdito. F0ra ama
extorsao, e um deshonroso abuso de con-
fianza.
Quem duvida anea escravidlo fosse na
origen nm abaso da forea ? qh npste aboso
do, sem energa, sem interesse, e por bra
Co s impeilido- palo medo?
Nao antev a meiarnorphoe que ha de
prodozir a fructfera liberdade dos braeos,
e dos nimos ?
NSj recoohece que a denominada proprie-
dade de que se traa precaria, perece-
deira ?
Nao pressente que, apenas se brandir o
golpe, una crrante de espontanea e utilia-
sima emigrae-o ha de trazar s nossas pla-
gas horneas dignos' do oome, que nos^ju-
dem a pedir a esta sumpiuusn hatnreza os
variados thesoor.is da que t) prodiga?
NSo seute que a abjlico do captiveiro
ha de ser o ramo u'ou.o a'Enas, o talis-
mn, qae aniquile os oCv-tacuios com qne
hilarnos ?
Nio concede que a emaucipaeo haja, de
vir a ser a aurora de um da esplendido de
enreqaecimento e progresso para o paiz, e
para iodos os seus mem oros ?
Se ludo as.Min. lepouse a agricultura
na esperanea da mais rtaooba quadra. As
suas reaes ou imaginarias conveniencias sao
dignas de respe to, e tanto o sao que os ho-
mens pratic.'S sacrificam a seraelhautes con-
veniencias o rigor dos p incipios. Eiles
tem ante o* olhos a riqueza, o pode.-, a
existencia da naeao ; noesquecem os jus-
tos direitos da sua mais imprtame classe ;
mas no proveito della tamben que se es-
foream por alcaogar um razoavel tempera-
mento entre adversas aspiaees. Quem
sabe se o que boje se pode pralicar por
concesso, e espontneamente seria apenas
o que o porvir houvesse de arrancar nos,
se nao colhessemes pslo cabello a opportu-
oidade ? Ser pru lenta esperar Annibal
ad portas Nao, nao 1 O acertado 6 que
uns eoutros conquisiem, uos e outr>s cc-
dam, e todos bao de ao cabo no futnro.
partindo de oppostas direcees, vir no mes-
mo ponto a abraear-se.
X
To grave o assumpto; entrelaca-se to
intimamente com as raizes da nossa socie-
dade, quequalquer que a solueo fosae,
traria necessariameole crise, emhora mo-
mentnea. Nao se amputa um membro
grangrenado s^m dr ; nao se derroca urna
velha instituieo, sem- um brado. Basiam
as eslxaobezas, os mysterios qua o futuro
encerra sempre em seu bojo, os interesses
que se afiguram ameaeados, os infelizes
usos das taticas partidarias, para. explicar
certa coramuco, com que at os mais be-
nficos movimenios sem agitar as socieda-
des ; mas nao haver terremoto, nao bave-
r o minimo abalo, seos bons cidados sa
derom tarefa de esclarecer os individuos,
de desvanecer boatos e appreheos5es, de
convencer que se trata de orna regeeraeo,
e de abrir portas o um futuro honrado e
grandioso.
Qne motivos temos para temer que em
nossa patria corram as cousas diversamen-
do qae em ierras onde se realizaram, aps
os meemos recoios exagerados, idnticas
transieses ? Eis cono se exprime^un re-,
latorio offlcial, e como completa as fidedig-
nas informacoes um dos mais desvelados
eicriptores desias materias:
O xito da grande experiencia da
emancipsejo tentada as Indias Occiden
taes, ultripassou aa mais vivas esperamos
dos proprios amigos ardentissimos da pros-
poridade colonial. Nao s cresceu sobro-
maneiri a prosperidade material de cada
urna das libas, mas (o qae mais vale) hoave
progresso nos hbitos iedostrioso, oper-
feieoamento no sysien social e religioso,
e desenvolvimeni(nos individuos) da qna-
lidades du corajio e do espirito mais eun-
docendeoies i falicidauV que os oojectos
maleriaes da vjda. Os uegros vivera sae-
feitos e ditosos: applicaraaa-se ao trabalbo-,
melboraram aoa viver, aagaMntran oa
comrnodos, torio tstoa par coma diminnleSo
dos crimes, e o aperfeieoameoto nos hbi-
tos moraes- Ampliou-se o numero dos ca-
samentos, sob o infloxo dos ministros da
religio a instruceo popularisou-se. Taes
os resultados d-a eraaoctpaeio; effeitoj
foi completo, pelo principal da providencia. (Lord St-n-
ley, secretario de estado das colonias em
18i2.)
. Os factos esseaeiaes resultantes de lodos
os inqueritos s|o estes:Tranquildade
eompleta, nada da vmgancas, nem de tmu-
lo, tem de incendio, em de guerra civil;
numero enorme de casamenios, escolas o
igrejas ebeias, insollicieotej, gusto progres-
sivo da propriedade. fCocnin)
Que boa razo ha para repellirmos, eomo
inapplkavel s nossas trras, esta eu da
a.xperieocia ? Por que oo esperaremos,
presenciar entre nos quadro igualmente li-
songeiro ? A' propria agricultura se pode
bradar : E' leu o interesad f-tua res agi-
tur.
Sao imaginarios,os terrores que uns no
trera, outros iusojfam. Era todas as trras
de escravido sa m visto serera incluidos
pelo interesse ou pelapaixao, desmentidos
pela verdade. Entre nos mesmos, realiza*
ram-se acaso os perigos que os pavores
prophetisrara em I8(i. quando em 23 de
novumbro se concluiocom a Inglaterra urna
cooveneo para terminar o trafico ? Quando
era 7 da noverabro de 1831 se decretou a
represso da introduceo de africanos ?
Quando era 4 de seiernbro de 1830 se dea
no captiveiro o mais terrivd golpe?. Em
todas essas crises surgirn legioes de au-
gures, prognosticdiido, como agora, a ruina
da agricultura, dos agricultores, a do Im-
perio ; e nada maiseloquenle que a resposla
dada pe:os fastos s conjecturas-: nenhum
perigo, nenhum mal, progressikoengraude-
cimento I
E' porque, em casos taes, o corpo social
imita o corpo humano, onde o primeiro
medico que trabalba para expulsar a chaga
a natureza ; eujos esforcos sao tamo mais
enrgicos, quanto mais grave o mal se os-
tenta. Assim tem succedido entro nos, em
relaco com a aleara da escravidao. Quan-
do a importaco de bracos africanos era li-
cita, abundante e por vii prego, descurou se
do bem-esiar dessas machinas baratas, cuja
existen;.a equivala de um animal domes-
tico ; a esses braeos se enlregou toda a fa-
diga e para os brancos ficou reservada a
slulta ociosidade. Combando a rarear os
escravos. e decuplando de preeo, representa-
ran! um capital ako; nasceo dabi raudo
maior cuidado-para a conservago de valo-
res elevados e da instrumentos de trabalbo
insubstituiveis sa mesma forma. Tomou o
cidado a si mulla lida, que anteriormente
tora infamada e, expulsos desmazelos. e desi-
dias, melborados os hbitos moraes, o physi-
cos, introduzidaja intelligencia e'aclividadeno
Uabalbo, a quaotidade e quaiidadiedos nos-
sos productos tara ido sempre subrado
parece tender a aniquila-los, porque a so-
ciedade encorara em cada cidado um vo-
luntario cooperador.
Da patria e da humanidade recebero
heneaos os que eaadjuvaram na solueo do
grande problema, a nao menos os que evan-
gelisaram a boa doutrina, dassipando trovas,
desfazeodo preconceitos, anuuilando machi-
naguas, e eaclareceodo ,os espwitos sobre
ses deveres e interesses.
XI.
Por todas estas consideragees accordou
a commisso em eslabelecer eomo basa pra-
tica fundamental da sua tarefa o seguate
principio, em que nao v allerago possi-
vel :
Cometo acabar cora a institnigo da
escravido. Importa respetar os interesses
ilos senhores dos actuaes captivos, e nao
menos velar pela sorte destes.
XII.
Aquella asprago a que lodo o paiz
proclama em divergencia. Onde esta se
tem manifestado 6 na maneira da levar ao
cabo o dasiderunduin. Sao dignas de res-
peito todas as opiaies; n3o ibes descabe,
por mais oppostas que se nos afigurem,
uascer de acrisolado amor da patria. N'um
assumpto, que nao pode ser guiado pelo
rigor da ligica, a en que as concesses re-
ciprocas sao raevitaveis, diflicilmente appa-
recer plano tal que tenba a felicidade de
attrahir por igual as sympathias dos que
sus.eiilara doutrinas contrariase porque a
miolerancia dos exiremos aecusar sempre
a mesma providencia de ser, para uns, de
mais, para outros, de monos; ora, por va
de regia, a boa poltica aquella contra
quem os extremos podam formular seme-
Inanles arguigoes.
Prestou a commisso acorada e imparcial
attengo aos a!vtres suggeridos no parla-
mento, na imprensa, nos livros, nos projec-
tos avulsos. Mereceram Ihe excepcional
considerago algomas representagoes redigi-
das com dignidade, e frequentemente com
elevago de pbrase. Este exame em pouco
a demoveu do j emillido parecer, porqaan-
to opioioes apparecem que ata ara principios
dos al aqui exarados, ou que repeliera
alvitres da proposta do goveroo, por moti-
vos qu i se nos afiguram infundados todava,
pontos houve. como no apropriado lugar
reconbeceremos, em que a commisso Ihes
presiou o sea asseoso. Mas, porquanto em
alguns casos tm sido suggeridos variadissi-
mos alvjdramentos, considera a commisso
dever seu de deferencia comeear por aquila-
ta los, segundo sua respeiiosa opinio.
XIII.
Abolico immediata ou differida com indem-
nisacao.
Seria isso orna calamidade para a segu-
ranza do Estado, para a fazeoda publica,
para os particulares, e para os escravos.
Esta aboligao immediata, sob quaesquer
condiges, sendo alias a mais coosealanea
com-os principios oaturaes, correspondera
praticamente eropgao da um volcao des-
truidor, quo tasto havia de significar a per-
turbado de cbofre arremegada em meio
da sociedade.
Langariamos instantneamente e em mas
sa,|ao seio della um elemento que a nao co-
hece, e qae tambem para ella seria desco-
nhecido. Enverozariamos de liberdade
turbas e turbas, nao educadas nella, e inca-
pazes de exercer as grave funegoes do ci-
dado. Forgariamos a autoridade a ianao-
sa vigilancia irapossival, e mais impoitivle
refreasai per todo este ineerro-, qne da-
grandes da> Aropa. Con verlerienos o paiz
n'ome espeloBca de maMeito, porqoanto
o escravo rewaaoraMerXe libertado, faltan-
do-lbe lengru, lomba da conscieiwia; fal-
tando-lki discipma, raba dos borneas:
faltandWhe enafajo^ rjeaconhece as vanlagens
da civtaeSo ; WIo-lhe coaceo ou ia-
oentivo. torna-so^ tagabondo,- falHado-lbe
o trabalbo, roobo; faltando-lbe o re-
ceto, en briaga se ; tsluado Ihe a norali-
dade, arroja-so a todos os delctos. Creara-
mos uraa repentina lacuna dos insirumeotos
de trabalho, e altfdaclo radical e sen pre-
paro do sysiema delle. Nao daramos tem-
po ) substituigSo de bragos. Prejudicaria
mo a aaeSo, a classe agrcola (a mais im-
portaste do Brasil) e ao proprio escravo,
quema libertado em massa e sem transigo
seria um preeme grego; porque Ibe nao
acarretariaienlo desgragas. Nem por ora
momento se pode admittir semelhanie peri-
goissima preeipitaglo-.
Nao podara to pouco a conmisse em
caso algom, aconselhar t mesma apoligo,
mediante in lemnisagn dada pelo estado
barato que a nagio em corpo deva, por hon-
ra sua, considerarse exclusivamente respon-
savel para com os possuidores de escravos
(ao ponto de darem, ella tudo.e estes nada),
ra soocarpegjr orna geiagio inleira com
um onus em todos os lempos- assolador, e
na actualidade impossive!.
Calculando-se approxiinadaiaente o total
da escravatura em cerca dfe. om milbo e
quinbenias mil cahegas, ,e avahando cada
urna a 800$, subira o encargo do Estado
para esta applfcaglo (alm das muitas
ootras obrigacoes peconiarias a quedara
lugar) prodigiosa quani de..........
i.iO.i 00:0000 Este potusi, se de
oito railboes o numero dos Brasileiros, re
presentara a imposigo de nma taxa de
f505 sobre cada um, em exclusivo bene-
ficio de alguns milhare rje possuidores de
escravos, e n'um paiz com tome e s Je dt
inadiaveis mehoramentos matonees e mo-
raes.
Considera pois a commisso ioamoissive!
a idea de aboligSo immediata, nem differi-
da. com indemnisaco.
XIV
ibelicaa itnmedwta, ou diffevida,
demnisaco.
sim tn-
QuantQ inmediata, por qualqoer fr
marj flea dito que a commisso entende
nao poder admtii-la. Sem indemnisago.
porm, seria monstruosidade. Direito ou
facto, uso ou abuso, quem o principal
culpado da servido ? O Estado, croe sem
a poder proclamar legtima, a decretou le-
gal
Se o Estado tem declarado qae assegara
propriedade de escravo as mesmas nangas
que a restante propriedade, acha-se radical-
mente inhibido de (azer bancat-rota da f
publica : nestes termos, o bomfide possni-
dor de escravos nem mesmo um cmpli-
ce do legislador ; um cidado, qoe se
goiou por aquella prescfipgo constiiucio-
nar, qae o desobriga de fazer ou deixar de
fazer alguma cousa, a nao ser em^rtude
da lei : a culpa est na fonte; desde que
ella despeaba as aguas, como se Ibas ha de
prohibir que o rio v cavando o re lveo
t'.athial ?
Arrancar, pois, instantaneametie o escra-
vo ao senhor em iudemnisa-io. acto tora
de inqualificavel violencia. O legislador
endossaria ,toda a responsabilidade, que
essencalmenle sua, dos particulares, em
pena de nelle terem crido : abysmo invo-
cando abysrao : injustiga Ikgraute subsli-
tuiodo outra injustica flagrante ; bolocausto
dos pussuidoses de escravos aos domis
interesses ; confisco sm pena; pena se.
delicto.
' Nao poda ser.
XV

Libertaco das escravos, jazendo os ka
mens no captiveiro.
Singular arbitrio!
Comyrebeade-se perfeitameote o inuio
da liberdade do veatre preenchido pela-,
disi'osie&es da proposta ddj^verno : rr,?>
esse pensamento, realisado pralica nei;'
pelo meto a mi assignalado, ficaria incouv
pr* hensivel.
Por dons aspectos pode ser considerada
a escrava : como meio de reproduego
como instrumento de trabalbo.
Sa se tem em vista o meio d reprodue-
go, Do est j resolvido o problema com a
I berdade do ventee, com a derogago do
hediondo principio: partus sequilar veh-
trem ?
Se se tem em vista o instrumento de
trabalho, qu motivo ha ah para collocar
a mulber em condigOes privilegiadas, rela-
tivamente ao homem ? Em qae boa razo
se estribara o captiveiro do operario bo-
mem, par passu da liberdade da operara
mulher ?
Ao absurdo resaltante de mais esta arbi-
traria desigualdade accresceria praticamente
o rgimen... da desorden e da aoarebia.
Os uiesmos estabelecinonios serian serv-
dos por nais ana nova distinceo de clas-
ses : as senboras pretas, e os escravos pre-
tos. Quando trabalhanos por apagar o
stygma da cor, iramos aggrava-lo com
outro privilegio: o do sexo. Ha mais :
voltariaraos a pyramide de pona para bai-
xo ; inverteriamos todas as ideas reetbidas;
collucariamos o sexo mascolio, s porque
sexo masculino, em condico de ioferio-
rdade I Quando almejamos por animar a
constituigo da familia, iramos tremenda-
mente estorva-, pois qoe a mulher liber-
tada repago aria dar a mo, de esposa ao
sea antigo parceiro, boje collocado em es-
cala mais baixa qae( a soa. Ao passo que
a legslaeo geral estabelece qae o varo
o administrador, e cabeca do casal, e nao
a melher, fnndariamos ana lagislacSo es-
pecial, decretando qae passesso aqnella ad-
ministrago para o ente fraco, e improprio,
para a mulher, a cajo aceao o vario se
enrvasse. Poderii freqaoolenenta dar-se
al um pheaomeoo curioso, qual o de to-
oar-se o narido escravo de sua nulher, e
de seas Albos I
(Contm*ar-u~ka,
? 00 OUtt(0-HA 00 OUQOS Dg GiXJAS
-

'
i.

t



V
f'




-_


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETGXH8JY0_64RSJW INGEST_TIME 2013-09-14T01:37:08Z PACKAGE AA00011611_12433
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES